Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11983


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MN XLV. IUMERO 251.
de \m
I

I

V
1
h a tanto e nrcoo tanno & au pam.
uoMm.

fropttodad* de Kanoel Figueira de Fute & Fho.
~~
O* Srs. Gerardo Antonio Atoes
AO AOEVR9



i ...

Hfei;

SS^ ^^ T??*'' i1"**!-* 1M**, r*AncaIY; /Pifara Jtrfi*O*, no A*; Auto*Kanpes ASrva, no Md; Jo*
Penara flAlmoida, era Mamanguepe, Antonio Ahumaran de Lima,Mftmfcjte; Antonio Jos Gotaw, *a T* da Peniw; Mtbrmno dos Santo BnlcSo, em Santo Aatto; Dbmingo Jbs em Ncareth; Frindoo Tarares da Coste, en Ateges; Dr. Jos Mitins Aire, na Babia; e Jos lHwro Gaspararfw, no Rio de Janeiro.
Jtofoo
PABTE OFFHJIAL.
da prvlacia
I XPBDlfclvifc ASSW5ANO PELO EXM. Rn. DR. MANUEL DO
NASCtMK.VTo MACHADO FOBTELLA, VICE-PRESIDENTE
A MOTIXCIA, Eli 5 BE AGOSTO DK 1869.
I* aoccao..
^. lid.Portara ao capitao do porto.Respondo
jo officio que V. S. me dirigi em 30 do julho ulti-
mo, sob a. 101, deelaraodo-lhe que nesta data tica
-xpedida a ordem necessaria ao commandante do
"orpo provisorio do polica, para mandar por da-
runente a disposicao dessa capitana, duas pra-
vas daquelle corpo, para o servir..) indicado no
.'!i Mencionado efllcio
." seccae.
N. II*.Portaria ao commandante superior in-
i^rinojcuarda nacional do Recite.Em resposla ao
-a oficio de 19 do mez flndn, enri a V. S. co-
pia do (pie me dirigi o l)r. chefe de polica em 4
4o crranle, sol a. i 14 i, declarando nada constar
crea do recrutemoaio do gnarda do 1 batalhao
*e infamara deste municipio, Affonro Cecilio Fe-
liinoo, coja soltura fbi por V. 8. redamada no of-
Itcio cima citado.
N. 119.-Dita ao commandantc do corpo provi-
*ori* de polica.Mande Vine. p>r diariamente a
JisptMicJw do capitao do parta, das !) s 3 horas da
urde, duas (iracas do eorpo sob seo commando,
para o servido da poHria do mesmo porto.
X. 1)0.Dita ao mesmaPode Vine, desligar
noel Caetano Demetrio, a que allude o seu offlcio
n. 337 de 4 do corrente, visto ter sido jnlgado iu-
^apar de servir.
N. 121.Dita ao mesmo.Autoriso a Vine, a
xcluir do corpo sob seu commando, as pracas
los Coutinho de Moura, Manoel Hibeiro da Luz,
Joto Clemente da Conceieao, Francisco Xavier
tas Chagas e Candido Maxiiniano dos Santos, vis-
co o terem requerido c sido julgados incapar.es de
continuar a servir, como declara Vine, em olRcip
h. 334 de 4 do correntc.
N. 121Dita ao mesmo.Podo Vmc. desligra
do corpo sob seu commando, o soldado Helarmiiio
Liberato do Nascimento, a pie allude o seu odl-
io n. 333 de 4 do corrente, visto ter sido jnlgado
incapaz de continuar a servir.
N. 123.Deliberacao.O vice-presidente da pro-
vinci do conformidade com a pro|Mista do chefe de
policia n.ti4 de 3 do correle, resol ve nomear para
o lunar vago de 5- suppleale do delegado do i"
dislricto da capital o bacbcTrel Joao Joaqum da
l'oiiseca Albnquerqnc.
3.' seceo.
N. 124 Portaria ao inspector i'.a lliesouraria de
fazenda.Acenso receido o oflicio que ;V. S. me
dirigi hontem sob n. 531 acompanhado de copia
de ootro, em que o administrador da recebedoria
de rendas internas faz ponderaces acerca do
viso de 17 de jullio ultimo, no qual o Exm. Sr.
ministro da fazenda, delermnott que se recolhain
a sua reparticao os empregados da alfandega desta
capital que em vijtude de oulro aviso de 25 de
setembro do anno prximo passado acham-se ser-
viudo em commissao n predita recebdona e cm
resposla tciiho a dizer que, mande fazer cffectiva
a minha ordem, contida em officio do 30 do refe-
rido mez de julho para exceuco do Io dos citados
avisos, providenciando ao mesmo tempo para que,
do conformidade com o disposto no do mesme fi-
nal passe a ter exercicio n'aqttrlia reparticao o>
ascripturario da mesiua alfandega Benriquo Co-
mes de Oliveira.
S. 12j.Hita ao mesmo.A Antonio Jos de
Arantes & C. mande V. S. pagar depois de liqui-
l.idos, em vista das follias rriacao nominal c prets
luntos em duplicata, que me remetteu o comman-
dante superior dos municipios do Bonito e Caruani
_om nfDeio de 17 de julho ultimo, o venclmentos
do oIBcial e pravas da guarda nacional destacadas
u'aquella cidade, sendo os de offlrial relativos aos
metes de abril c junho deste anno e das pracas a
ultimo de laes meze>.
X. 126.Dita ao mesmo.Recominendo a V. S.
|ue nos termos de sua ioforiuacao de 31 de julbo
ultimo, sob n. 523, com reiereocia a da contado-
ria deesa thesonraria eseripta no ver.'o do requer-
nenio, que incluso donilvo, do juiz do direilo da
.-omarca de lionilo Dr. Joao Rodrigues Chavea,
nande pagar o ordenado do stipplieaute corres-
io dente sol das deeomdos de O a 12 de oulu-
hro do anno prximo passado, c de 19 a 28 de mar-
<.) de^teanno. eoasidarand para ease Bm abonadas
u Lillas por elle dadas naquelles das em conse-
^ I noticia ae molestia.
N. 127.Hita ao inspector da tliesouraria pro-
vincial.Transmiti a V. S. para lins convenien-
ics SO exemplares mpressos do regalameoto dado
ni 20 de jnllio do anno prximo passado para a
errao do Contencioso dessa lliesouraria.
X. 128.Dita ao uiesmo.Em resposla ao offl-
cio que V. S. me dirigi em 29 de julho ultimo,
I-aco de 9 de norembro do anuo prximo passado
Heorifioe Augusto Milet deve ser considerado en-
; nlieiro nomeado para o 31 dstrcto da reparti-
das obras publicas e nao contralado, neste
-tntio j seUu pasiOO o competente titulo.
X. 12?.Dita ao chefe da reparticao das obran
,ol.ic;..vf'.rf'to de ipianio Vmr. eapoz em sea
officio de 27 de Jnllu ultini >, si b n. 273, tenhoa
dizer em respoet, que, em vista da deliberacao
de 9 de ag.isto do anno proximd 'passad>, Hen-
liape Augusto Mlei deve ser eemiVrado enge-
niieiro nomeada para o 3 dstrcto dessa reparti-
rle cao e Mratadft e oeste sentido se lhc pas-
in o eompetcnlb titulo.
N no.Dita ao meso.Com a informacao
iunti por copia, do tante eoronel commandante
do ;) batalhao de intantari* deto municipio a
i ,ih so refere a do commandante superior datada
!; :i) do correftte. sob n. 148, respondo aooflieio
qne Vmc. me diripio em 19 de julho ultimo n.
jl, solicitando a dispenso do servido da guarda
uacional para o guarda das obras do gymnasio
provincial Jos Guilliorme de Moura e Silva
N. 4*1.f;ta ao mcsino.Mande Vmc. por no-
vas etepai no fogao da mu de deleucao, vslo
ter-se arfobenlado -as que all tinbam sido pos-
tas, sesondo informa n Dr. chefe de policia em
otar it 114>i de 4 do corrente.
4." seocao.
1131Offlcio ao superintendente da estrada
de Ierro.Pela secretaria do governo se declara
:io lllm. 8r. uperintondente da estrada de ferro do
Recife S. Francisco, que, segando consta de offl-
os do inspector da lliesouraria de fazenda de 3
d< corrente, sob n. 528, nao pode por ora ser pa-
ga por falla de crdito a quantia de 8*000 que
segundo o recibo c conla qne vieram annexos ao
sju officio de 10 de julho ultimo, foi despendida
com a eonduccao da um te egramma dirigido pelo
chefe de polica ao delegado do termo de Ipojuca
riXBEDIKWTE ASSIONADO MI O SR DB. JOAQUIM COH-
HKIA BB MtAOJO, 1BCBBXWI0 DO GOTBtlNO. EM 5
vt acetto ob 186*.
2 seccao.
5. 4S3.ODlcio ao Dr. chefe de policia interino.
O Emn. r. vicc-presideBte da provincia, manda
transmittir a V. S., o titulo junto de nomeaeao do
bacharel Joao Jeaqoim da Konceca e Albuquerque
para o logar de 8sappfenlodo delegado do i' dis-'
trteto testa cr.pital de Dinformidade cora a pto-
eosta do V. S. em ofltlo n. 1140 de 3 do coTrente.
W. 13%.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. viee-
pre^dente flti protincia, manda declarar a V. S.
qao mala dua sa expedin ordem ao director das
''teMfHriAto.?.. pmi raaadar por novuchapas no
fogao da casa de deteocao, em visto do que V. S.
exnoz em sea offlcio de 4 do correle, sob n.
N. 13i. Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Olindo.O Exm. Sr. vice-pro-
sidente da provincia manda declarar a V. S., qae
fica intelrado pelo seu offlcio de 31 do mez lindo,
de ter,a 10 de junho ultimo se augmentado oon>
dez pracas o destacamento da villa de Iguarass.
N. 13o. Dito ao commandante -superior da
guarda nacional do Bonito.O Exm. Sr. vico-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S., em res-
posta ao 3u offlcio de 17 de juirii > ultimo, que a
lliesouraria de fazenda tem ordem par pagar a An-
mhwo ose Arantes _.., os vencimeotos constan-
tes do citado officio.
3*seocao.
I*. 137.Oflteio ao inspector da mesouraria pro-
vincial.O Exm. Sr. vico-presidente da provincia
manda declarar a V. S. para sea coohecimeBlo e
lins convenientes, que segando o officio de 31 do
mez lindo, du commandante superior da guarda
nacional de 01 inda de 10 do junho ultimo, Coi aug-
mentado com dez pracas da guarda nacional o
destacamento de Iguarass.
F. XI'EUI ENTE ASSI4NA 1.0 PRL0 IU S. DR. WANOBb
B0 NASA1MBNT0 MACHADO PORTEUiA, TICE-PBESI-
DENTE DA PROVEVCIA, EM 6 DE AGOSTO DE 1889.
l'seecio.
N. 138.-Portaria ao general commandante das
armas.Respondido ao oMeto me ?. Exc. me
dirigi era 5 do corrento, sob o. 4#f, declarndo-
me qae fica sem efleito a permisso, qne por offi-
cio de 5 de fevereiro de 1867, esta presidencia con-
cedeu a 2 sargento invalido do eorpo a. 10 de
voluntarios da patria Joaqum Pedrada Rosa, para
esperar pela decisao do governo imperial sobre
sua baixa no dUtricto de Caxang.
2* seceo.
N. 141.Portara ao commandante superior da
guarda nacional de Nazarelh. Por deliberacao
desta data determino que ao alferes secretario do
batalhao n. 18 de infamara da guarda nacional
sob esse commando superior, Ignacio Vieira de
Mello Filho soja dada a guia de que trata o art.
48 do decreto 1130 de 12 de marco de 1853, para
o municipio de Inga da provincia da Parahyba on-
de lixou a sua re-idencia.
X. 143.Portaria ao commandante do corpo
provisoria de polica.Em resposla ao *eu offlcio
de 4 do crreme, sob n. 338 transmiti a Vmc. a
ddiberacfio junta, nomeando o alferes Manoel
Aprigo de Moraes para substituir o alferes Ma-
noel Mathcus Cavalcanle no conselho de julga-
mento do desertor desse corpo Rento Jos de Car-
vallio.
N. 144.Dita ao juiz de paz do Io districto da
freguezia do Rio Formoso.Em'resposta ao offlcio
de Vmc. de 22 do mez lindo, tenbo a dizer-lhe que
de conformidade com o art. 10 2o do decreto
1130 de 12 de marco de 1853, dever reinetter ao
conselho de qualificaco da guarda nacional dessa
parocha a relaco dos votantes, segundo a qua-
litieaco feita em 1866.
N. 145.Deliberacao.Para substituir ao alfe-
res Manoel Mathcus Cavalcante no conselho de
julgainenlo do soldado do corpo provisorio de po-
lica Bento'Jos do Carvalho, designe" ao alferes
Manoel Aprigo de Moraes.
X. 146.Dita. O vice-presidente da provincia
attendendo ao que Ihe requereu o alferes secreta-
rio do batalhao n. 18 de infamara da guarda na-
cional do municipio de Xazarelh, Ignacio Vieira
de Mello Filho, e em vista do que informou o
commandante superior em offlcio de 19 do mez
lindo, resolve mandar quo lhc seja dada a
guia de que trata o art. 55 do decreto n. 1130 de
12 de marco de 1853, para o municipio do Inga
da provincia da Parahyba, onde lixou a sua resi-
dencia.
3a seccjin.
N. 147.Portara ao inspector da thesouraria
provincial.Km additamento ao met offlcio de 4
do corrente, declaro a V. S. para seu conhecimen-
to e devidos effeitos, que tenbo designado o chefe
de seceo do con-ulado provincial Dr. Antonio Wi-
truvio Pinto Randeira Accioli de Vasconcelos para
exminar em francez em substituicao de Jos Soa-
res de Azevedo qne deu parte do doente, no con-
curso que deve ter lugar nessa thesouraria para
preeucliinento da vaga de 3o escripturario.
X. Ii8.-Dita an mesmoPode V. S. conforme
indica em sua nfurmacao de 12 de julho ultimo,
sob n. 394, a mandar entregar a Francisco Pacifi-
co do Amara! mediante flanea idnea, a quantia
de 1:000,3 por conta da verba oreada no art. 25
da lei do ornamento vigente, para a[confecco do
almanak da "provincia a fnn de que possa eile sa-
tisfazer o< seus compromissos como eticarregado
desse trabalho.
X, 149.Dita ao mesrao.Em vista das duas
inclusas contas, mande V. S. pagar a companhia
do Beberibc a quantia de 365200, cm que impor-
lou o fornecimento d'agua para a secretara do go-
verno no semestre do Janeiro a junho deste anno.
N. 150.Dita ao mesmtt.Annuindo ao que so-
lcitou o tenenle-corouel do corpo provisorio de
policia, em officio de liontem, sob n. 340, recom-
incndo a V. s. que mande abonar ao alferes Ma-
noel Mathens Cavbante, a quantia de 203009 co-
mo ajada d i costo de ida e volta a villa de jpoju-
ca para onde saguio cm deligencia.
X. 151.Dita ao mesrao.Ao capitao Mauricio
Jos de Torres Temporal, mande V. S. pagar de-
pois de liquidados, em vista du pret junto cm du-
plicata, que me remetteu o commandante superior
interino da eomarca de Palmares com offlcio de 3
do corrente, os venrmonto* correspondentes ao
mez de junho ultimo, dos guardas nacionaes des-
tacados na villa de Agua Preta.
N. 132 Dita ao mesmo.Em vista do que ex-
poz o provedor de Santa Casa da Misericordia em
sua informacao de 30 fio Jnrrto ultimo sob n. 2033,
cm refereu'cia ao parecer do procurador fiscal, a
que allude a dessa ihosouraria de 16 do citado mez
de julho n. 401, recommendo a V. S. pe mande
entregar ao thesooroiro daquelle estabelecimenlo,
commenlador Jos Pires Ferreira a quantia de...
719600 proveniente das mensalidades relativas
ao trimestre de abril a junho deste anno, dos me-
nores, que, segundo se v da inclusa relaco
acham-se recolhidos aos collegios de orpliaos nos
termos da lu n. 611, fdhos de voluntarios da patria,
ofDciaes e soldados do corpo de policia e da guar-
da nacional que marcharam para a guerra contra
o governo da repblica do Paraguay.
N. 153.Dito ao mesmo.Tendo resolvido nos
termos de sua Informacao de 2 do corrente, sob n.
453, que soja paga a Maria Francisca dos Santos,
indopendeotemente de apresentaco de nova pro
enraoao de qne trata o meo ofRci de 5 de julho
ultmi, e de conformidade com a le n. 611, e a
que tem diretto o seu filho Jos Francisco Ramos,]
como praca do eorpo effeclivo de polica em ser-
vico na guerra contra o governo da repblica do
Paraguay, assim o declara a V. S. para sea conhe-
cimeiito e fins conveaiente.
4' eccio.
X. 155.Dito ao E*m. Sr. Dr. Joa Antonio
vincia do CearAoetwauao reeebido o sea offl-
cio de 2t de julho ultimo, em qae V. Exc me
communica ha*ar tianoella data prestado jura-
mtiuto o tomate posae do cargo de presidente dessa
provincia, pana mal foi nomeado por carta im-
perial de 22 d JuWio deste anno, asseguro a V.
Evc. qae serej solicito em cumprirjteas determi-
naede ejoar sojam^a rela*HMtj|M 1 ijuem De
guarda.
N. 156.Portaria ao esembargador provedor
-^_
da Sama Casa da Misericordia Commnnieando-
me o presidenta-da provimia da Parahyba em ote
ci n. 3316 de 3**) crranlo ter providencraiih)
pan mr remettii pelo prximo vapor da eempa-
nhia PernamMeaM txm desflno ao hospicio dos
elionados des arvriMto, o memecap*) Je noote
Joao Antonio Rodrigues da Coaita, sotteiro, natiwnl
daquella provincia com idade de 23 annos, e Albo
b'gitimo de Joo Ignacio Cardoso, acerca de quom
informon V Exc. em officio n. 20*1 de 23 dfi jnfho
prximo lindo ; assim Ih'o comnwnico para ana
sciencia o Sns conveoienles.
N. 157.Dita ao epgenheiro fiscal da estrada do
ferro do Recife a S. Fraoeisoo.C>m a copia da
informacao mtaistrao* em 4 do cofMote pelo com-
mandante superior da guarda nacional oeste mu-
nicipio sob n. 150, e a do commandante do ?. ba-
talhao de infamara a pie elle se refere respondo
ao offlcio de Vme. db 18 de julho proxm* findo
relativamente ao trabaJhador dessa estrada Manoel
Jos da ConceQao.
EXPEOIRNTE A.SIOSAB> PBLO B. DB. JOAQCUf COR-
RBA DE ARAUJO, SBCBSTARIO DO GoVKIlM EM 6 DE
AGOSTO DK 1869.
1* seocao.
N. 158.Officio ao Exm. Sr. general comman-
dante das arma*.De ordem do S. Exc. o Sr. vico-
presidente da provincia, declaro a V. Exc. que por
despacho desta data concedeu o mesmo Exm.. Sr.,
15 das de praso ao recroto de nomo Manoel The-
moteo ^w pcoavT'iiene^HTOigin.
t' seccao.
X. 489.Officio ao eommandante superior in-
terino da gnarda nacional de Palmares.S. Exe.
Sr. vee-presidentc da provincia, manda declarar a
V. S. em resposla ao sea offteio de 3 do corrente,
que a thesouraria provincial tem ordem par pa-
gar ao capitao Mauricio Jos do Torres Temporal
os vencimentos constantes do pret, que em dupli-
cata veio annexo ao citado officio.
N. 160. -Dito ao juiz de direilo interino da Boa-
Vista bacharel Carlos Francisco Soares de Brito
Jnior.O Exm. Sr. vice-presidente da proviocia
manda declarar Ihe que fica inteirado por seu offl-
cio de 5 do mez findo, do ter V. S. a t do dito mez
passado a jurisdicejio da vara de direilo ao 2" sup
penle bacharel Jos do Patrocinio Pereira o Silva.
por ter V. S. de transportar-so ae termo do Gra-
nito da comarca de Cabrob, para presidir all
como juiz de direito da comarca mais visinho, o
jury, em vrtude de convite do respectivo jnii de
dirito que so deu de suspelo, e de ter na datado
offlcio reassnmido o exercicio do dito cargo.
N. 161.Dito ao commandante do corpa provi-
sorio de polica.S. Exc. o Sr. vice-presidenie da
provincia, manda declarar a V. S. em resista ao
sen officio de honlem, sob n. 340, quo a tnesoura-
ra provincial tem ordem para abonar a ajuda do [
eusto, constante de seu citado offlcio.
do Instituto ArcbeolojBco, Dr. CanjeilO Vi Hela, por
pa/te do Gremio- Dramtico, academie Herculano
flondeira, por porte da sociedadu Minerva Pernam -
bacana ; oradoras Jo Iuliloto Histrico- e Fhiloso-
phico, ho PbrtosophMa e Littenaria, f>r. Rigaei-
ra Costa. Rorges Caraeiro, Xestor da Gama, Jos
Augusto Ferreira da Costa, Dr. Torres Ran-
deira.
Encerrada a sessao dirgiram se todas ao pes-
soas presoales matriz de Santo Antonio, onde foi
celebrado um Te-Oxm em accio de gracat pelos
felizes annos de S. M. F o Sr. D. Luiz 1., recoben-
de nessa oceasio as agitas do baplism > as orean-
cas alforriadas.
Orn na ceremonia o1 Bvm. $r. padre Leonardo
Joao Grego, o qual fez o*Tir a sua authorisada
voz em um iliscurso belfinsiaio.
As 6 horas da tarde fr-aijuearam-se os espago-
sos saldos do Gabinete, uiesnatentento adornados,
concorreheia publica, conservando-se abertas a
portas al 10 e meia borae>to noite, sendo neste
capare visitado por to eroseMo namero de pes-
soas, que difflciluienie se po cinto do vasto estaboiecimentri'. Toeou na cere-
monia religiosa, e noite, no finhinetc a exellentc
oirhestra dirigida pelo maestro1 Colas, a qnal exe-
cutoa a marcha Prmuiro de Dtrznnbro. offerecida
soeiedade pelo mesmo distincto maestro.
Tocou mais, tanto na igreja-como no gabinete a
nxaHAa do A" batalhao de iirfantaria, execatando
tieajpas pecas.
A espado se faziam oovir os sons harmoniosos
de um piano, em que cxeciitaram- as mais difficeis
e bellas variagoes o hbil pianista o Sr. Anbal
Xapoleo e mais ipiatro senhoras, sendo tres
Exma?. fllhas do Sr. Jersey e a Exma. Sra. D Rita
Seti Ferreira, que a pedido do Sr, Xapoleo exe-
cntou uina v.u iadissma e brlhante phantasia so-
bre motivos de Bellin, cojo desempenho, Como o
das ontras Bxoiag. Sras. agradou summamente.
As crcanc.as alforriadas a expensas da soeieda-
de sito : Jovioa, 6 annos, escrava do Sr. Joao R.
Cordciro; Luiza, 6 anuos, escrava do Sr. Eduardo
Gadaull: Alexandrina, 6 annos, escrava do Sr.
Albino da Silva Leal ; Salustiana, 5 mezes, escra-
va do Sr. Antonio Lins Caldas ; Bernardino, 16
mezes, escravo da Sra. D. Francisca A. Jacome
Pesad*.
Ab'-in destas foram mais alfoliadas a criolita Lu-
cida, 4 annos, escrava do Sr. Gaspar A. Vieira
Cnimaracs. que em coniinemoraco do anniversa-
rio nalaliiio do monarrha pnrtnguez, pralicou esse
aelo to cardoso o humanitario ; e o pardo Ma-
noel, 5 annos, ao qual em signal de eonsideraco
para cun o Gabinete Portuguez de Laitnra, con-
ceden carta de liberdade a Exma. Sra. D; Francis-
ca Alexandrina J. Pessa.
Fiualisando esu noticia, dii eraos, que a fcsla
=
annversaria do Gabinete foi urna das mais esplen-
X. 101Dito ao presidente o membfos do con-1 dkJas ((ue l!Sla provincia tem visto,
selho de revisao da guarda nacional de Agua Pre- ,. vnnMA. rnmw..m il0
la.-0 Exm. Sr. vice-presidente da provincia man- A^J.'-\,:"" J"^!^!"!^
presidente da prov
da declarar a Vv. Ss. quo fica inteirado por seu offl-
cio de 3 do corrente de lia ver nessa data encerrado
os respectivos trahalhos o conselno de revisto desse
municipio de que fizeram Vv. Ss. parte.
X- 16:{.Dito, ao inspector da lliesouraria pro-
vincial.Com as inclusas copias dos contratos ce-
lebrados em 30 do dezembro de 1863 e 30 de mal*
de 1864, parea coHocaco do trilitos urbanos desta
cidade a povnaco de pipucos, satsfaeo a reipte-
sieo de V. S. contida em officio de 4 do correle,
sob n. 406 o qual fica assim re,- pondido.
4* sec ao.
X. 164.Offlcio aooOsembargedor provedor da
Santa CasadaJalscrieordia.0 Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. Exe. que
a thesouraria provincial tem ordem para entregar
ao thesourero desse estabelecimenlo a quantia de
7i9|600 proveniente das mensalidades a que >e
referem os seas offlcios do 1 c 30 de julho ultimo,
sob ns. 1791 e 2023, os quaes ficam assim respon-
didos.
e os exames
na E*cola Xormal, fleando as" eommissfirs exami-
nadoras organisadas da forma scgainto.
I 'r i mi 'ir. i anno.
Presidente Professor Miguel Anchanjo Mn-
dell). i
ESlamnadoies Wr. Jorce Dorutilas Itibeiro I'es-
stia e prulessor Vicente le Moraes Mello.
Segundo anuo.
PresidenteDr. Ezequiel Franco de S.
ExaminadorasDrs. Maximano Lopes Macha-
do e Ayrcs de Albuquerque Gama.
Tereeiro anuo.
PresidenteO Sr. contigo director.
ExaminadoresDrs. Jos Austregesilo Rodri-
gues Lima u Ezcqoirl Franco de S.
DIMIEIHO. Os vapores fpnjnca e Jaguarihe,
da companhia Pcrnamhocana, levarain no dia 30
as segaintes somnias :
l'aia a F..rtale/a
o Ass
DESPACHOS DA VICR-PRESIDENCIA DO DIA 28
db ouTunno dk 1860
Alfredo Alves da Silva Freir. Expeca-se ordem
para que ao supplicante se d gfria de mudanca.
Anna Joaquina de Moura Pexoto.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Abaixo assignados propriotaros nesta cida-
de.Informe a cmara municipal da cidade do
Recife.
Abaixo asignadas moradores da na. Formo-
sa.A reparticao das obras publicas j providen-
eiou no sentido que requerem.
Bacharel Christovie dos Santos Cavalcante.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Domingos Jos da Cun ha La Res.Dirjase ao
Sr. engenhero chefe da repartice das obras pu-
blicas.
Fehsbrrlo Ferreira de Oliveira.Seja aggregado
ao 2 batalhao de infamara tiesta municipio.
Galdino Manoel da Costa.Seja posto em liber-
dade.
Bacharel Joao Alvares Pereira de Lyra.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Herculano Cavalcante de S Albuquerque.In-
brrnc a cmara municipal da cidade do Xaza-
relh.
Irmandade de S. Pedro desta cidadiv-Informe
3 Sr. inspeetor da thesouraria provincial.
Joo da Silva Ramos.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Jos Antonio Ribciro.Como requer, nos termos
do.negal"ment 0 presidio de Fernando.
Jw Lourenco da Silva.Seja poste em libcr-
dade>"
Joaijuiui Martins Morera.Junio esto ao reque-
-ment anterior, informe o Sr. inspector da the-
souraria provincial.
Bacharel Luiz Antonio Pires.Conceda-so com
vencimentos na forma da lei.
Manoel Francisco de Oliveira.Conctido.
Monool Alves Barbosa.Informe o Sr. engenhe-
ro chele da reparticao das obras publicas.
Manoel Pereira da Silva.Informo o Sr. desem-
uargador provedor da Sania Casa, da Miseri-
cordia. .
Manoel Domingos Pereira de Freitas.Indeferi-
de a vista da informacao.
Manoel Luiz Salgado.A' vista da informacao
dirja-se ao Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Tnomaz Antonio Goava.J se providenoiqu
no sentido que requer.
Vicente Ferreira da Costa.Concodo.
O vapor
30:99:] 280-
65OJO0
issor II-200J0OO
o Natal 95.0005000
aParahvfct 56:0003000
Kaeei' 0:000000
Penetlo 472280
francez S'irarrt levou de nossa
PERNAMB5C0.
praca para a Europa 18.000 francos.
TRILIIOS PARA 0L1XDA E REHERIR.Sao
chamados, dentro do prazo de quinze dias, conta-
dos do da 5 do corrente. os accionistas desla etu-
preza 3ini de realsarem a quinta prostacao da
importancia de sitas accOes.
CLUB RADICAL.Boje ha sessao ordinaria na
casa da ra da Cruz n. 32, primeiro indar, as 6
horas da tarde.
EXPLOSO.Em additamento ao queboulem
disstnios sobre um aocideata d'ussa natureza ha-
vdo no eogenho Salgado do termo de Ipojuca, in-
formam-nos pessoa eoui|>etente. qne de l veio,
que ja se eleva a 7 o niero das victimas, de-
vandu sem duvida elevar-so S.jtal o oslado de
um outrodos ferdos que inspira serios receios.
Os estragos canzados, segundo esse infonnaute
autorisado, si) superiores todo calculo, e a ex-
plosivo fez se com urna violencia horrivel. A causa
do accidente foi sem duvida deifeito de constitic
cao da caldera que achava-se sufficientemenle al-
l mentada d'agua e conlnha vapor ora quantida-
de inferior ao seu timbre.
Quasi todas as mofles foram prodnzidas por
queiinaduras torrives, sendo as de unta preta de
forraa tela deixado complelamente sem ep-
deiuie.
ESPRANCA PERXAMBUCAXA. Esta socie-
dad!) dramtica de curiosos, ha pouco installada
nesta cidade, inicioii ns seus trahalhos secnicos no
sabb.ido da semana linda com a representaran do
drama Luiz e da comedia Os dotu Calvos, liaven-
do se no respectivo deseinpeiiho os curiosos com
a sufflcencia, que de esperar de quem nao
profc'ssional na scena; c sobre todos merece espe-
rialisaro o qae fez o papel do Luiz, bem como a
dania, a Sra. D. Virginia de Barros.
O theatrnho fica na freguezia da Boa Vista,
Soledade; acha-so convenientemente arranjado,
bem que se lite note urna seiMvel pequenez, duvi-
da casa em que foi elle organisado.
Xe entretanto, a mngua da distracoes, como
ora se acha esla cidade, a referida soeiedade faz
um sorvico aos seus couvidadus com a idea que
tradnzio cm tacto.
APPROVACAO.O governo imperial approvou,
por acto de 29 de setembro prximo passado, a
nomeacSo interina, que diera o Exc. Sr. vice-pre-
sldante'do Sr. capitao Jos Ignftoio Medeiros Reg
Moutcro para exereer o lugar do ajudante do di-
EEVISTA DIARIA.
GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA.Co-
mo eslava aununciado, teve lugar a brtUtaiM fas-
ta duplamente commemorativa da' installacao des-
ta soeiedade e do anniversarlo najalico de S. M.
F. o Sr. D Luiz I.
As 11 1/1 da manhaa, achando-se itresentes o
Exm. Sr. presidente da provleci, consol e vice-
cnsul de Portugal o oatro de diversas- naco?,
as princpaes autoridades da provincia, notabili-
dades nacionaes e estrangeirss o os representantes
de diversas corporac3es, abrid o Sr. director a tes-
sao maxBXv recitando nm breve, tota bem etohera-
vra,efaamoIa*.9ra.'
I ra tniraaraes, Dr. M^m
n$|or do arsenal de guerra d'csta provincia.
1IQSP1TAL PEDRO II.0 Sr. Vicente de Paulo
Oliveira Villas Boa* o mordomo que se acha de
mez no hospital Pedio II, e o nico competente
para conceder I cenca a quem se quizer tratar
n'aquelle estabeleiimenlo, para o que pode ser
procurado em sua ca-a ra d'Aurora n. 58.
EXAMES DE PREPARATORrOS.-Foi nomeado
| para servir de commlssario por parte do governo,
nos exames da preparatorios o 8*. Dr. Joaqum
Gonpalves Lima, e em sua falto o Sr. Dr. Joaqum
Maria Carneiro Ros Vlk-Ma.
MYSTERW.Na segunda fepa ao meio dia foi
apanhada do rio Caplbsribe, junto ponto da
Torre, correado na mreocojp Recife, urna ja-
aAda pescaraeoma mpferiU vara, estando
esu toda chea de sanguo. Consta-nos q>o a
policia toi^al p>-oceile*aiMPtoMei pesquizas para
o dosobrimentotda vardafia
AOOftEBrTE.-.^ piloto de barca iajrim M)r*
*wer,qDfproce4cotedc *nK9rido>ehgoe ante-
Irootem ao nos porto, refere qne no dia 31 db-
passado as 4 hora? da madruga*, estando eie
detjuWlo, veio da cmnara para a robera o ree-
pecti? eommaedanftr do aario, e determnon-lhe
qao ffeesseproa para torra; e qne, rato elle trans-
mitir a ordem ao hornera do lame, ao voltar-se
nao vio mats o commandante, ouvindo apenas ama
queda e a grito, nadtf lando podido- descobnr
apezar des esfor^os empregados. Hrrtam j al-
guns dias -aie o commandante senta fehre. e dlzia
soffegr muiso do cerebro. Attribae-se i* laenra
o suicidio.
ARCADIA PERXAMBUCMA Hoje, s H'lio-
ras da manhaa, baver ses.-i>, na ra estreita do
Rosario n. 31, pora tratar-se e assnmpto fpor-
tonte.
CEMITERIO PUBUCO.-Foi' bontem muito""v
sitado este estabeiecimento, tanto pela mar.haa
como a tardo, harendo ahi a ordem e aceto de
costume.
PROCLAMAS.Foram lidos aot-bontem na
matriz da freguezi3>te Santo Antonio os proclamis
seguintes:
1.* dennnraca).
6aIdino Aunaste* Pire Ferreira, com Valeria-
Maria da Conceicao.
Dr. Ermino Cesar Goutinho. com Joaquina Vic-
toria Pereira Simoes.
2.* denunciara.!.
Manoel Francisco db Paula, com RmRm H>an-
chtra Rcnlrignes.
Alexandrc Jos de Pontos, com Leopoldina Pe-
xotoRozal.
RiiMnanuef* Carrol, eom Olympia Augusta
Vieira.
Jbs Flix da Trindade, com Maria Pergentina
Souza Teixeira.
Sevenano Ferreira de-Sorna, com Eulalia Mo-
desta de Lima.
O bacharel Caetano Maria do Farias Nexes, com
Maria Josephina Lobo.
Bento Jos de Mello, com Candida Maria da
CoeeeMto.
Manoel Alves da Silva, cora Virginia Maria da
Concetcao.
Justino Antonio Barcello, cora Auna Francisca
do Livfamento.
3.* denuncia.ni.i.
Goncalo Gomes de S Leitao, com Rosa Cindida
Perpetua.
Francisco de Assis Pereira Pinto, com Fermina
Francisca de Mello.
Jos Mara das Chagas, com Francisca Maria
da Conceico.
Joao de Almeida Lopo?, cob Clarinda Xertna
Ferreira Gatfto.
Jos Gomes de Andrade, com Antonia Mara
Gomes.
Ernesto- Candido de Almeida Freir, com Fran-
cisca Tolmtma da Silva.
Jos Rodrigues Alves, com Mara da Penha do
Xasciinen*).
OS IXSETOS XA INDIA. Done irlandezes, che-
gados ltimamente India, rofngiaram-sc, duran
te una nooto abrazadora, debaixo i'.'um coberto
para escaparem a urna legio de insetos que os
quera perseguir.
Por limutn dos irlandezes sutfoeando no lufar
cm quo eslava, arrscou-se a deltar o nariz de
fra quamto viu voltojar uina mosca phosphoro-
cenle.
Fergtis, Fergus exclamou elle ao seu com-
panheiro, as nossas precaucoes foram imitis,
tamo faz estar .qui,como l fra; olha umd'csies
insetos ipie nos procura com urna lanterna I
QUE TAL rUm juiz d'ura dos tribnnaes de
Franca, indo um da a Munsler (Irlanda) tinha
allugdo urna especie de cluir^-Uanc, vebicnlo
milito usado n'aquelle sitio, j.ara irjantar a casa
d'um amigo, que o tinha convidado. No meio do
eaininho twlou que o cavado se tinha tornado tro-
pego, que nteimava em nao andar, e viu-se sem o
desejar, deitado n'uma Jagoa, onde o cavado o
deitou junlamcntc com o carro. Coberto de lotlo
e espumando de colera, o juiz ganbou, nao sem
susto, a trra linne, cpergunlou com indignacao
ao sen conductor, lao triste com elle :
la quanto tempo est o cavado neste es-
lado ?
la perlo do uieia hora, senhor.
Nnn 6 i-so o que, eu quera dizer. Pcrgunto
se ha mnito tempo que eUe est atreladn ao carro,
e se esl acostumado a pucha-lo, ou se a pri-
meira vez que o pucha.
Eu coinprcnendendo muilo bem a V. Exc.
la, como acabo de Iba dizer, pouco mais de meia
hora, e o dono disse-me que so elle vos conduzisse
sao e salvo ao vosso destino, que o comprara.
ASSOCLlCO RELI-ilOSA.Urna associacao de
joven?, contra as sociodade* secretas ou publicas,
condemnadas pela greja acaba de se estabelecer
m Gonebra, sob a proteccaoda Virgem Immacti
lada, do Archanjo S. Miguel e de S. Francisco de
Salles. O director o Rvd. padre Dunoyer, viga-
rio geral.
O Anida associacao proservar os jovens de to-
da a Ijliaclo as sociedades secretas, affastando-os
dellas para setnpre, do maneira que permanecam
fiis religio e s-premessas do sen baplismo.
Recruia seus membro sobre ludo as casas de
edaeacfto, nos collegios, nos pequeos seminarios,
nos pensionados, tas escolas de adultos, as esco-
las gratuitas, etc.
Aflm de que elles passam melhor comprehender
o alcance do acto de que se trata, os jovens para
seren admltidos nesta associacao dovem ter pelo
menos qunze annos.
o dia escoltado- pera sua ndmssao, cada um
se apr-esentar com duas testemunhas, se possi-
vel de seus parentes ou amigos', qne ficam por fia-
dores da fidelldade s obrigacoes conirahidas. Re-
novara ento as promessas feitas no baptismo c
obngam-se tambem a nunca tomar parte n'algu-
ma soeiedade secreta ou publica condomnada pe-
la igreja. Promettem ao mesmo tempo renovar ca-
da anno, em particular, as msmas promessas, no
dia de sua communhao paschal, at idade de
tnnta o tros annos."
Mr. Mermillod, Ilustre blspa daquella cidade,
dirigi aos fundadores urna carta de approvago
das mais lsongeiras.
UM EMPREHENDEDOR DE CVMINHOS DE
FERRO.Um jornal de New-York conta o inciden-
te seguinte :
Ultimamenie, por volta de meia noute, um in-
dividuo, cujo perfil se destacava sobre as borda
do Missouri, Iluminada pela la; pedia aos chos
de em redor um barcb para o transportar a mar-
gem opposta. Um bom barquelro, acordado do
seu primeiro somno, por estos clamores, correo,
pergunlou a esto hometo o quo era, que deae-
iva-
Quero alravessar o rio, respondeu o via-
jante noturno, com um tora brusco.
c Mas a esta hora, senhor ? Pots nao podis
esperar pela raanha.
Nao tenho um re>idez-w*u em Kansas,
e preciso^que eu ahi rae ache absolutamente.
< Como vos charaaes, seuhoT, porguntoo. en-
Uo o barqueiro.
Joao Brader.
E qual a vossa.protesao.
.Dteos me livre '. colloquei esC via, mna o
diabtHWtovc, se eu me atrever a meilsr-mt: a'ao
trem fWfeHiaJ.
Ta^Wbir)r.\JDKICIA.Urna fofl lanaiin
conta nvestranbo caso de fatalidade.
< A viu va D.... domiciliada em Lavaiibiarlta-
ret, nha uvm Mina qaem a natureza definan
eaeantadera physionewia e um coraban dnW-
das mais raras quaMades. Esta Merina, na
Ihe tinha grande alTeco, ora a sua onwra m-
grtav
< Hit cerca de doas ames. Mana presencie* *
triste- accidente > um rape* fteon esmag3do peto*.
rodade urna cavruageuK Esto horroroso
taclo influio nos seus delirados ervos .
ta forra, que logo deu signaos dedesi.rraajo-i
tal. Apezar dos iznlores cuidados, o seo i
peorou e fot preciso melte-b n'nm hospir,
alienados.
Foi fronde a tKr de sna ma, mas dentro de
poneos inezes sua Ifni foi-lbe restituida, perbita-
mento curada e tal ver mais encantadora db qn
antes.
Muilas- ve/es a Sra. D___, einquanto aiari
ciava sua .11 ha, conta va as amigas as angusas epan*
soffrera e accrescent.-iva qae se Ihe aconteenm*
outra desgrana seraelhante, nao a poderla snp-
portar e se suieidaria. j
Alguna mezes se. passapain eaenhuma i
alterava a Hicidez de aspirito de Marto^:
wna viva alegre e feliz, eomo proprio da
idade.
< Ha dias, per-r>, a fatalldade baten de nove A-
pona da infeliz senhora ; tendo id*sua lilha a Pa-
rs foi outra vez-espectadora de um a tropel bmtn>
to eomo o que vira ha- doas-anuos; a pobre me-
nina tleou como fulminada.
< Levaram-na-para casa, e (mando veio a si,*
louenra mamfestou-se com mais intensidad* to-
que da prlmeira- vez. Fui preciso leva-la
mente ao hospital.' Momentos- depois de sna i
da de casa, a Sra. ):___foi' encontrada enfer-
cada no eeu qnarto de ve-tir t
CASO CURIOSO.O'relatorio annnal do medi-
co da prisao de Psntonvillc, em Londres, mencio-
na um-singular caso de inorte.
Um des presos foi repentinamente atacado na
vomito de mangue, que nao so-pode estancare ao
qnal suecumbio d.-rnro em poueas horas. Feita
autopsia cncontraram-lhe na garganta urna mea-
da falsa qne causara a ulceraco e a pcrfnracao
da aorta.
Esie preso fra jnlgado por fabricador de mea-
da falsa,- e quando o prendern! quiz fazer desaa-
parecero corpo de delirio cngolindo a ntoeda.
Isto foi ha quasi nnt anuo a a moeda comosar
v alravessou-se ; porm neste espaco de lempo,
apezar da incessante vigilancia a que estao snn-
meltidos os presos, minea so Me observou diM-
ctildad de deglutieao. ou qttalquer oulro syrap-
toma quefienunciasse a presenea de um corpi es-
tranhona-parpanla.
COXVESAORELIGIOSA.-Lse na Noite C-
Iholica :
i Todos os habitantes de l'ap Tamas (povoacin
da Hungra I, com excepea-j de doze ou desesei
familias, eslo resolv.los a- passar da igreja pro-
teslante eatholica.
A massa da povna;ao tove orna assemttea,
depois da qual se dirigi ao parocho calhohco de
Rivar, para lhc participar a determinaco de pas-
sar sua igreja.
LOTERA.A que se acha venda, a 123" a.
beneficio da igreja de Xossa Senhora da Soledade
do Recife quo corre no di t.
PASSAGEIROS. Vmdos do Ro de Janeiro e
Baha, no vapor americano Norllt America :
Joaqoim de Oliveira Borgcs, conego I aquim
Pinto de Campos, Ernesto W. Landan, Fre Ve-
nancio de Ferrara, Loto de Oliveira Mendos e l
escravo, Virginia de luana
c Emprehendedor de eaminhea de torro,
< Fuste vos qaem ooHoooa a va chamad
do Missouri a Kansas t .
-*. Sim, tai eu.
ft Nesse caso,, senhor, respondeu o baroaei-
re, ha nm trem para Kansas, quo deve partir no
eapac/ de nm (toarlo, da hora Peron voa ola
aenU dellc ?
CMARA aMt'IPAL.
1/ ses5ooh1hxaria aos o de oitubro
d:-: 186!.
pnsmncM do su. dr. souza i.eo.
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Dr. Barros Bar-
rlo, Dr. Pitonga, Dr. Sevo e Soma Magalhaes,
faltando com causa oa mais sensores, abrio-se a
sessao.
Foi iida e approvada a neta da antecedente.
Lu-se o seguinte
BXfEDIRNTK.
Um officio do Elm. vice-presidente ds provin-
cia, de 20 do correte, concodendo a atilorsacio
que pedio a cmara cm nutro de 13 do corrate,
sob n. 89, para exceder a verba votada no 4."
do art. 2." da lei municipal rigente nao s na
quantia de 800tXX>, para a de-apropri.irao do
terreno do quintal da casa n. 39 da ra da Impe-
ralriz- em segument ao ces, mas tambem nn>
ipie for necessaric- as dospezas cnni escriptora e-
direitos respectivos.Inteirada, coutmunique-se ao-
procurador.
Oetro do mesmo, de iptal data, rernetlend por
copia a cmara, em rerposto ao sen officio du ti
do corrente, sob n. 88. a planta approvada em 1
do dito mez, indicando a ( recelo dos trilitos ur-
banos dcsla cidade Oliada.nteirada, archi-
ve-se.
Oulro da cantara municipal da. villa de Tacnra-
td de 7 dt eorrentc, dizmdo (jue tendo o Exm.
vice-presidente da provincia em circular de 28 do
julho ultimo Ihe rceommandado, para etiir.pri-
mento da determinaco rto governo imperial oet
aviso do ministerio da agricultura, commercio e
obras publicas de 6 do dito mez, que designasso
verba necessara para acqutotcao de um jon> da
pesos e medidas pelo sysieraa mtrico francez, e
querendo consignar no balance e or?aut:.ite, rae
tem de apresentar a assembiea provincial, a vrbn
precisa, pedo a cmara Ihe-declare por qnanfct se
pode obter nesta cidade mu jue > dos inetiriunndos.
pesos e medidas com a competente afeeao.Qoe>
se satisfar.
Ootro do juiz de paa ?." votado do 1." dislrictow
da freguezia do Puro da Panella, Dr. Jos Ber-
nardo Galvao AlcoforaJ Jnior, diaendo, em res-
posta a**fleio que \'ae foi dirigido em 13 do cor-
rento pata proceder a eunvncacao dos eleitore e
sitpaleiites que devora formar a mesa qjiaitfiea-
doura da mesma freguezia na 3.* dominga do mea
de Janeiro prximo vindooro, que por aear-s*
doento nao pcnN^jor ora entrar em exeretotonar
seu cargo.Inteirada, cominunique-so ao iiwna-
diato.Constando que a lista nao esl eomptott,
dettrminou-se que fosse chamado o primean son-
plente para juramenlar-se.
Outro do subdelegado da 2." districto dos Ato-
gados, pedindo a cantara que mande paliar a
quantia de dez mil res ao crilo Maizal iietoen-
terrameBto. de um cavado.; conhece que a serrino
foi caro, mas nao havendo outra pessoa qne na
(uzesse prestar, nao tova outro remed aeno
annoii'.Que se responda ao subdelegado ene a
eatnara emendo quo as despezas fritos pela poneia.
nio podem ser pagas pelo sea cofre.
Ootro do administrador dn cemitorio petiton,
remetiendo coma lhc foi exigwto por officio dnW
do correte, um mappa nominal des subdito |
tuguezes sepultados durante os menea de
setembro ltimos.Que se remettoss* a nm-
sidencia por quem foi exigida
Outro do engenhero cordeador, informan <*
requerimento de Manoel Fructuoso da Sitonaj
que as obras que o supulicante pretende daanerifc
3uasi ama reedilioacjln, e nada tom a ]
o as mesmas foilae de nnfoeldnde com nt
I mr^,-Cotwedi.ie no teeaido. d* intor*ie*
**
\





I
I
2
Pfcrnambwoo Quarla feira 8 de Novembro de 1869.
] .% 11 V|
14
Corrondo a discusso
se, trata, doHtaerou-so, a
za Magalhies,. consultar
Se qnalqner cscrva
Ferreira, fcm a dizer* qilo nada- lavrar'tormo Oo Contfave .
oppr,.daodo-e-lbc a-respectiva ta pelo Useal, ou se este deveMewTriWWcada
autoridade o nomo do infractor com as tcstemn-
Oatfro do mesmo, informando o
de load tocme Tasso, cumprelhe dizer que ua
Salea $3Jt%Bt, dando-,sc-lhe, previamento a cor
- Jaaniin ijMajp()p|i cordear.
Vatro .3 ^po, ratonAando o reqaerimnto
-9ftHdMBi
orttacio.Mandou-se conloar.

de Pernambuco, 30 d
CMr, Francisco de Paul
eyil>- que pede
Mida Cha gas.
i f reqaerimcnio
ello aflflksdo
c dobradlo o oi-
o rcmeiimento
ni a dizer que na-
cordeacao.Mau-
Ouzrodn rae
tm na requerlmen
Ileerio-si
BIT* dO II
de Ije Igna
aada icio a
coaformidade
lio da casa 11
Owro do
4b fiinardi
da ka a op,
*i-m co
Ootro do fiscal da freguezia do Santo Antonio,
-metiendo iim termo de infraccao as posturas
Louronco Ribeiro da Cunha Oliveira e o
pedreiro Manoel do Carmo Ribeiro.Ao
-procurador.
*r JftDtra d" Qf?i da froguezia da Boa-Vista, re-
ueaoado un termo de infraccao que mandou la-
brar eontra o brigadeiro Joaqnim Bernardo de
FqpeirdQ.O mesmo> destino.
ttatro d,Q incsmo, remetiendo dous termos de
iccao commettida per Vicente Jos de Brito e
aao Claudino dos Santos.Igual deJtinfe.
Ootro do mesmo, remetiendo um termo de ves-
laria feita na casa de Antonio Joaquim de Souza
IBfctiro, nita a estrada do* Afilelos, visto adiar-
se arruinadaAo archivo.
Outro do fiscal di freguezia dos Afufados, rc-
aaaflnirt i um termo de infraccao <*omoKttida por
Jet Velloso Soares.Ao procurado^H
Ootro do inesmo, remoliendo cinco termos de
iafraecao s posturas muniripacs, commettidas
Cjtfonio Jacintho Borges, Louronco Rodrigues
ira, Joaqnim Jos da Malta c Manoel da Silva
jtista.Nesta occasiao lida una peticao do
Antonio Jaoinlho representando sobre a
\ que Iho fora imposta. Addiou-se delibe-
i a tomar, e ordenou-se ao engenheiro que
aminar a obra do referido Antonio Jaciu-

o nome
"Dii P"-a mandar burra r termo
prdeswe oto.
Oul/a oIBeio do moioio Rseal da freguezia
.Migadas, comm un loando que'os reparos da e:
da da Torre, oreados'na quantia de nove o"
oaaHiU res, e-iao concluidos; pede so m
pag^HBepjMo.n|uim (iomes ; a quetn ene
g i de ejecutar o servico, a importancia a
elJe awit i.Ao" engenheiro para ^
mar.
l-'ui approvado um parecer da eomms-ao
satc no sentido de se permittlr quei.utz Pon-
de Macedo c-tabeleca urna padaria na casa n. II
da ra estroita do Rosario, devendo porcm fazef um
grande boeiro que suba al a altura dos sobradas
visinhos.
Despaeharam-so as pcllcoes : ___.
Be Antonio Cardoso de rOKvelra, Antonio los
de Pinito, Antonio Duartede Figuelrdo&C, Bor-
nanlo Jos da Rocha, Bernurdino de Sena Santos,
Elias Baptista da Silva, Eduardo Fnoderieo Banck,
Eustaquio Jos das (.hagas, Francisca Leopoldina
Perora, Guilherminado Paula Gongalves Ferreira,
Gabriel Antonio de Castro Quima, Ignacio Joaquim
da Rocha, Jcronymo Joaquim da Silva Braga,-oa-
qoirn Benedicto de Sant'Anna, Jos Xavier Colho,
Jos Jacome Tasso, Joo Luiz Sobrinho & C, Jos
Pedro da Silva. Lua Bernardo Castello Branco,
Luiz Candido Ferreira, Manoel Joaquim Bautista.
Marcolino Jos Goncalvcs de Fonte, Manool Braz.
Vlegas, Pedro da Silva Ordonho, Viccle Jos de
Oliveira: e levantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Boaviagcm, secretario
a subscrevi.
Manoel de Barros Brrelo, pro-presidente.Dr.
Pedro de Alhayde Lobo Hoscoso.Jos Mara
Freir Gaintlro.Ignacio Pessoa da Silva.Dr.
Prxedes Gomes de Suza Pitonga.Flix Fian-
cisco de Sonta Magulhiies.
Alfandoga
1569.
dito. Joaquim Ignacio C. de Me,
-7T Alfandoga de Pernambuco,
OMiV-o' d imd.Pacs de Androde.
Conforme. Joaqnim Tertuliano de Mede
iOIUA DE KEJjJMS- J>TSU|
UABf E l*RNAMB
lendimento/Mdla 2 < *m 2:
ABELLA
DI REXDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBCO DO MKZ DE OUTUBRO DO
CBRENTE ANNO F1XAXCEIRO, COMPARADO COM O DE IGAES MEZS DOS DOh
ANXOS LTIMOS. _________________
--------
Importaro
Sireitos tle consumo......................
Ditos addicion.H'-i de "> %.................
BtMacionacs de 2 %.................
Ditos de baldearan c reexporlacao.........
Ditw do dita e reexportacao para a Costa
d'Afiriea........ ...................
Expediente d is gneros estrangeiros navetra-
dos por cnlintgcm.....................
fifeavuc '/i o dos gneros do paia.......
Dbs de :J% dos gneros livres............
JnMoenageui...........................
ftantaddos assignailos...................
DesfncM martimo
ageni.............................
Exportaran
Dircitos de I % do pao brasil.............
Ditos de 9 de exi>orlac;o...............
Dkos de 2 % ideni.......................
Ditos de 1 % do ouro em barra...........
Ditos de '.', o dos diamantes..............
Espediente iias eapatatias................
Interior
Sello do papel fixo.....................
Bito do papel proporcional................
Dito adhesivi ..........................
Staolumenti i?...........................
posto dos despachantes.................
Dito de e lo /0 de transmissao de proprie-
dade...............................
Extraordinaria
Beceita eventual (multas)...............
Dirimo da provincia das Alagoas..........
9no da provincia da Parahyba............
Bito da provincia do Rio Grande do Norte.
Gontrib'.tica i de caridade..................
1869 S70
WMBttm
'Jl:76i$8fr,5
39708.'!
132^611
l:70073-i
1:0,(1 iU
l:i96020
1:420 StW'
2:1037o0
213:883-5114
lAOl^f.ii
1313160
226-3010
9i 13000
184*330
81-3380
37825'0
!:31133
1,0IG-.80.3910
911371.i
28:218 y,!-,:!
totkm
7103100
1,010:781 3117
18CS 1869
43.->:065l92
62:5713082
a68307o
0533628
76.)35'i0
i 2:1043577
877*910
6615101
1:893,3350
10.-:8o7*277
1:1805940
6295520
1313060
53 3200
30*000
735330
l:067:i:ii
034:2315423
827,3-2.('
5:895*906
6453S0
348 3310
64I:TOt3fl
1867 1868
551:114 ^>o8
74:2465608
2005136
635102
8595127
1:97D5567
- 4975997
3:1885823
1:7205630
48:0463827
1:1075320
5333700
1165160
593200
4433750
535000
1:6775376
G86:80I5123
4275690
2:4383448
1191028
474 5080
690:2545369
Alfan laca de Pernami-uco. 2 de novembro de 1869.
Servindo de cliefe da 21 seccao,
Anselmo Jos Pinto de Sonsa.
MBUSACOES A PEDIBO.
Para depulados proTiueiaai do 3. districto,
teibramos os Srs. :
Dr. Alvaro L'choa Cavalcanli.
Dr. Jos Francisco de Paula Correa de Araujo.
Dr. J'iio ireano Aives Maciel.
Dr. Francisco Alves da Silva.
Dr. Pedro AiTonso Ferreira.
Dr. Gaspar de Honezea V. de Druiumond.
Dr. Gaspai Uclia Cavalcanli.
Dr. Antonio Lins Cavalcanli b'Albuquerque.
Dr. Paulo d'Amonm Salgado Xetlo.
COMMERCiO.
eni com
# c,
Sociedadc Lancria
mantlita
Thcodoro Simn
Compram o vendem por conta pro-
pria metaes, moedas nacionaes, e estran-
geiras, letras de cambio, sedulas do go-
verno e do banco do Bsasil.
Descontam letras da trra e outr os li
tolos commerciaes.
Kn arr gam-se por conta alheia das mes-
nus transacroes, da cobranza de letras da
trra e de oulros ttulos commerciaes.
Receb m quaerquer quaniias era depo-
sito, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7
Reanmenlo
ALFANDEGa.
do dia 2 .
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Vol nmes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volumes sahidos cora fazendas
dem dem cora gneros
Descarregara hoie 3 de ontubro
Vapor inglezAmazonfazendas.
Barca nacional A Barca hespanholaCVnfro de Exportandovinhos
Jlrigae portuijuezCotelelagedo.
Barca portuguezaGratidaoidem.
Barca pertuguezaSapphirasal
nuaeho inglezH rrietabacalho.
Barca francezaSoledademercadorias.
TABEI.LA dos precos dos oeseros sorerros a di-
narro db exportac.vo. -^ semana de S a 6 de
KOVEWBRO DE 1869.
Mercadorias: Unidades.
Abasos.........duzia
AJfadao era caroco kilog.
Idea entrama od em lia. >
Caneos vivos.......um
Poreosidem........
Arras com casca......kilog.
dem descascado ou pilado >
Assaenr branco......
dem masca vado.......
dem refinado....... >
Bal Mas........urna
ftw*........
AaBaWdoaraendoiin ou men-
* daWm......... litro
l da coco ......
i de mamona......
alimenticias. .... kilog.
espirituosas e tormentadas:
Afuardenti cachaca.....litr.
adosa deeanna.......
adoBRenebra...... >
dem regulada......
ideaakool.........
icerrtija.......
embarque........
Cafo bom......
Idem escolla oa restolho ...
dem torrado ou moide.....
Cal branca........
dem pela........
Carne secaa i xarque ).
Carvio vegetal.......
Ora araarella.......
Idem de carnauba eiu bruto.
Idem idem em velas, ....
Cha..........
Cucos seceos....... cont
Colla.......... kilog.
Couros de boi, seceos salgados.
Moni idem espichados. ...
Idem idem verdes.....
dem de cabras corlidos um
Id ni de onca.......
Doces em calda...... kilog.
Idem em golea ou massa. >
Idem seceos.......
Espanadores de pennas grndes duzia.
dem pequeos ......
lem de palha.......
Esteiras de carnauba .... cento
dem propria para forroou estiva
de navio........
Estopa nacional...... kilog.
Farinha de araruta.....
dem do mandioca.....
Feijao de qualquer qualidade.
Fumo charutos...... centro
Ideal cigarros......
dem era folha bom kilog,
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ........
dem em rolo e en> latas bom >
Idom, ordinario ou restolho.
Rap .........
Gi irania de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanha ( raiz ).....
32:0035361 Angico (toros)......
Caibros ........
Enxams ,......
420 Frechaos........
30 Jacaranda (coucoeiras) .
___ loO Lenha em achas. ..... cento
33 dem em toros......
97 Linhas c estelos...... um
150 L Pao Brasil........ kilog.
Idem de jangada...... um
Guiris ,........ duzia
Vinliatico costadinho de 23 a 30
millimetros de grossura. .
dem pranchoes de dous costa-
dos at 30 millimctro3 do gros-
sura .......". <
dem taboado do menos de 25
millimetros de grossura duzia
Taboado divorso......
Tatajuba ........ kilog.
Travs ......... urna
Varas para pescar..... duda
dem para aguilhadas ....
dem para canoas..... urna
Cavernas do sucpira{em obra)
Eixosd-clcupira para carro. par
Melaco......... kilog.
Hel de abelha. ...... >
Mil'w- i......, .
rtssos ......,.'.
Palha de carnauba..... molhos
Peehury......... kilog.
Pedras de amolar
dem de filtrar......
dem de rebollo >
Pennas de ema. ......
Piassava......... molhos
Pomas ou chifres de novilho ou
vacca......... cento
Sabio......... kilog.
Sal...........
Valores.
300
258
900
'i 000
2/000
68
177
320
210
436
1.5000
3/000
duzia
uui
duzia
04
476
4-42
939
39
27
238
168
442
436
763
\ 5360
45000
15438
349
640
370
350
105000
15133
784
25180
485000
215000
125000
16*000
125000
136
681
92
272
35000
320
1/090
613
681
343
"S
1*703
60 3000
360
15300
35000
93*000
3*000
125000
6*000
105000
102
NTti DO POR
do dos bjectos do material da armada seguintff
boles de ferro estaahadi, 12 libras do cera em
liles, 10 arrobas de sebo em i bracas
^trente de torro do 1 1[ pollwnlfeforcada,
fO'arrobas de estopa do algodo, fttptlla* do mar-
roquim encarnado. 8 arrobas dow||m7 8 arro-
bas de mialhar branco. 403 ps aaTniragueira d
sola cravada para bomba do apagar incendio, 10
WKTKSPOCT
' Sacio crtrij ndia 2.
Torra Xoifr-33 das, paiacli inglez llaniet de
ll& tojatfiJas, tajiii^ G. (iiloert, cquipagom 11,
carga 2450 barricas com bacalho; a D. C. E.
C. C. Scmpson & C.
Jk \qii Mftf na-mtimo tUa., rn
ParaSJh-jRlSIraileira Parahuba, cumuian-
dante Mello.
EIHTAES.
p

O Dr. Manoel Jos ta Silva Neiva.-jointo
drotto da segunda vara do crime, e sbsc
titulo da do commercio tiesta cidde do
Rucifc de Peraambuco scu termo por S.
M. o Imperador que Deus guarde etc.
Faco saber os qde o presente edital virem n
d'elle noticia tiverem, que; no dia 3 de novembro
do corrente anno, se ha de arrematar por venda
a qnem mais derem praca publica deste juizo de-
pnisda respectiva audiencia, oseguinte:
Una parte do ttm sitio no lugar denominado
Putingn, freguezii da Varzca avahada dita parte
por 200/, a qual foi penliorada por execucao de
senton^a de Jos Paostino de Lemos contra Anto-
nio Francisco dos Prazeres. E nao havendo lan-
zador que cubra opreco da avnliacao, a arrema-
t.i^ao ser feita pelo preco da adjudicaran na for-
ma da lei.
E para que chegoe ao conheei ment de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imprtmsa e aftlxado no lugar do costume.
Cidado do llecife de Pernambuco, 12 de ontubro
de 1869.
Eu Manoel Miria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.
Manoel Jos da Silva Neirn.
*
Peranto a cmara municipal deeta cidade
eonnuarao em praca nos dias 3, 6, e 10 He no
ventora prximo vindouro, para,sereui definitiva
mente arrematados por quein maior preco oflere-
cur, os alugueres dos tamos ns. 10. II, 12 e 13 do
quarteiro do lado do sal do acougue publico da
i'ieguezia do S. Jos ; aquellos ne pretenderen
ai rematar liailitum-sc na forma da le^'scm'e UQe
na podem concorrr a arrematacao. -^
Paco da cmara municipal do Hccife, Ib d"ou-
tubro'de 1869.
Ignacio Joaqnim de Souza lo,
Pro-presidente
Francisco Canuto da Bva-Viagem,
Secretario.
Para sciencia dus contribuintcs das diversos im-
postos a cargo dcsta reparli<;ao, se faz publico
a portara Jo Sr. inspector da lliesoiiraria pro-
vincial abaixo mencionada.
O inspeetor da thesouraiia pruvhicial recom
meada ao Sr. aduiiiiistra.lur do consulado a expe
di^fio de. suas ordens para ipto se cobre os nipos
los a carga do sna reparticio, nao se dando tro
co para pagamento de quauias inferiores a 1005
ombora facam parle de dchitos supe iuics, visto
nbe as sedulas de grande valor impossibililam o
agamento da despeza-que em grande parle
Je pequea importancia.
Thesouraria provincial, 23 de ontubro de -,1809.
Jos Pedro da Silva.
Mesa do consulado provincial, 25 de ontubro
de 1869.
Antonio Carneiro Machado Uta s.
Administrador.
55000
6*000
um 16*000
O inspector interino da allandega f publi-
co, que existlndo no armaron n. 1 d'esta repart-
e/io, os volumes ahaixo declarado*, comprehendi-
dos as disanaicSMdo ci[Htulo 6" titulo 3*^0 re-
gulaniento de 19 do setembo de 1860, os tus do-
nos ou consignatarios deverSo despacha-las no
prazo de 30 di is, tob pena do, (indo-dio, seren
vendidos por sua conta, sem que Ibes fiquecom-
petindo allegar contra os effeitos d ota venda.
Bastos.Dina lata sem numero, viuda, dejew-
Yortc m arnrtamerieana C'itro, entrafmt'A
ilezenjbro du 1868, igoora-se o contoo c i.:i-
>ignacSo.
Correa Zenha & CUm embrulho sem ntmaro
vindit de Liverpool na barca inglez,i 'etche of the
Fesca, em 19 do dito inez, idem id :n.
A. M. & CUm dito n. 1, vindo de Hamburgo
no brigue inglez Lemoi; em 29 idem, com amos
tras, Olto ijohres.
M. B. fc-C.Um dito n. 151/200, vindo de Liver-
pool na barca ingleza Sapho, entrada em 16 d
Janeiro do 1869, igoora-so o contedo o consig-
oaeio.
Candido A. S. da Molla.Um dito n. 50/150,
idem idem.
Parate Vianua A CUm dito n. 231, vindo de
Soutliamplon no vapor inglez La Plata em 26
idem, com amostras, a Prente Vianna.
P. T. V.Dous pacotes ns. 3/4-78, vindos de
Hamburgo no patacho norte-allemao Apollo, em 28
idem idem.
! N. Um embrulho n. 61, vindo do mesmo
porto na escuna nortc-allema Latharina, entrada
em 4 de fevereiro, com amostras, a H. Noenroyer.
E. J Um dito n. 4012, idem idem, a Habe
Scliainettau Se '..
B. E.Urna caixa n. 1323, vinda do IHrvro na
barca franceza Coligni, em 22, com quadros litho-
graphicos, a Th. Christiansen.
Olto Bohres Um embrulho sem numero, vindo
de Hamburgo uo brigue inglez Proilieze, em 8 de
marco, Ignora-se o contedo e a cnnsignacao.
P. I'.Um dito n. 73/"7 dem idem, com amos-
tras, a Phipps Brothors & C.
X. Z. & CUm dito n. 1/2 dera idem, a Car-
valho Zenha A C.
K. &.Um dito-.Bi-383, vindo de Antuerpia
no brigue inglez Anm Belle, era 15, amostras, a
Keller & C.
K. & L.Um dito sem numero, dera idem, ig-
nora-so o contedo o a consign icao.
J. L. A.Urna caixa s*m numero, viuda de Li-
verpool na barca ingleza Floting C. era 2 de
abril, amostras, a Henrique Wilmer.
Henry Wilmer.Um embrulho sem numero,
vindo do Havre na barca franceza Solide, em 5
idem, ignora-se o contedo e a consignado.
Diamante N. E.Ura dito n. 56/60, vindo de L
verpool na barca ingleza Levante, sntrada em 9
do dito mez, idem idem.
P. P.Um dito n. 68/72, idem idem dem. *
Alfandoga do Pernambuco, 22 do outubro de
1869.
O inspector interino,
Luiz de Carcalho Paes de Androde.
20/000
144/000
96/000
33
65000
2/400
6/000
1/000
,r
DECLARACOES.
937
675
525
102
5/450
i0 de caj......
Una. comprehondidos oe
s.........
diar, propria para
kilog.
193
390 SaJeaparrilha.......
.330 Snalos de couro branco ... par
300 Sebo ou graxa em rama kilog.
337 dem em velas. ......
600 Sola e vaqueta......
300 Tapioca.........
660 Unhas de boi....... cento
Vaasouras de carnauba, duzia
476 dem de piassava.....
dem do timb
324)
68
16
1/000
817
31
18
34
4/796
160
2J800
348
10
2/043
800
340
O II lm. Sr. inspector, da thesouraria de fa
zenda desta provincia manda fazer publico que em
virtudo de ordem do thesoureiro serao vendidas
nesia thesouraria d'ora em dianto as apobces da
divida publica, a 81 0|0,
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 26 do outubro de 1869.
Servindo deoffleial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da SaitCasa da
Misericordia do Recife precisa contratar eora qnem
se queira encarfegar de faier sua custa as obras
de que neceasita o sobrado n. 37 da ra da Moe-
da, concedendo ella, alem de outras vantagent, o
arr-endamento por grande numero de annos.
Recebe para isto propostas em cartas fechadas,
na sala ae suas sessoes, devendo os pretendeatee
exammarem as, obras de que carece o predio.
Secretaria da Santa Ca.-a de Misericordia do
Recife, 4 de setembro de 1869.
O escrivao,
Pt4ro Rodrigue* de Souza.
6 Conselho' de compras
navaes.
15*00
904
380
7681 O conseibo pivmove no dia 5 do corrente mez.
1/200 avistare proposta.s recebidas at as 11 horas da
liras de
tercas
jlo do
Salmos
B dito 11
Sala
2 de
S-xntix
is franco
ro estanti,^.
20 tinas da Inldeafao r.i, 3 i| de 4airf3tRr na bo:ca e 3
oaaadhoaaaaa- de alcance, f
,iias, ioo.j:
Goyanna.
.0 yapor Barahyba, commandante Melle, segui-
r para o porto cima, no dia 6 do correlo, as fl
Jjoras da noite%cebe MLULjjnc
sageiros ojfah^ *\ JE n
l-orto do
5es do co:i-eH de compras navaes
de 1869
O secretario
Alexandre Modrigum d$$ Anjot
do
da Misericordia
Uccfre.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Miaaricoodia do Recifaji&nda fazer puMico JO
sala de suaaM&' no di< '*> n
qulro horas da tarde, tem de ser arremata*
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tros annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ifA/RIMONIO DOB ORPH.\0S.
Travessa de S. Jos.
fla.fl ri'rea n. 11, por auno .
Ra ao Calabouco
Casa terrea n. 20. por anno .
Ra do Klar.
Casa terrea n. 103 .. .. .. ^......
dem n. 98........................
dem n. 96................-.....,
Sitio n. 5 no Forno da Cal...........
Os pretndanles deverio apresentar
tl685O00
242/000
146/000
203/000
202*000
1505000
no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou compareceris
acompannados dos respectivos adores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite, 4 de outubro de 1869.
O escrivao,!
Pedro Rodrigues de-Souta
Hoje
cNc novembro de 1809.
Grande concert de despedida
dado por
ANNI3AL NAPOLEhO
Obsequiosamente cuadjovado por varios dislinctos
artistas desta cidade.
Programma
!. PARTE.
1." Fantasa sobre a opera .SonitaniOMfci de
Thalberg executada por Annibal Na|wleo.
t.* Fantasa para tlau'.a, executada pelo Sr.
Salnstiano.
3.' Fantasa Original para raheca, de Peligrin,
executada pelo Sr. Francolino.
4." Fantasa para clarinetto da opera Btatri/de
Tenda, executada pelo Sr. Antonio Marlins.
3." Fantasa sobre a opera Luisa Miller com-
po-ta por Arthur Napoleao e executada pelo be-
neficiado.
2." PARTE.
l.'Faniasia sobre a Dpcra Marllia executada
por Annibal Xapoleao.
2.* Carnaval de aples executado na flauta
pelo Sr. Salustiano.
3." Fantasa para clarinetto tirada da opera
Ernan, executada pelo Sr. Antonio Martins.
4.* Carnaval de Veneza de Paganini executada
na rabeca pelo Sr. l'rancelino.
3.- O Turbilhao Grande Galope de Concert
composto por Arthur Napoleao e executado por
seu irmao Annibal Napoloao.
O distincto pianista, o Sr. Claudio, se presta
obsequiosamente a acompanbar algumas das pecas
instrumentaos.
Pri icipia as 8 e meia horas.
Os dous magnficos pianos do Boisselnt, sao
graciosamente emprestados ao concertista pelo Sr.
Gu-tavo Werlheimer.
Annibal Napoleao tend do se retirar brevemen
te para a Baha e o Ro de Janeiro, pede a todas
aquellas pessoas que obsequiosamente so degna
ram aceitar bilhetes para o seu ultimo concert
nesta cidado. de deixar a sua importancia na en-
trada do salao do Club.
O beneficiado tambem faz saber a todos os sena
amigos e protectores que aluda nao tenhasi bilhe-
tes para o concert, que ainda ha um resto em
sen poder no holcl do Universo ra do Trapiche
Nor. 2. i ,
Preci do cada bilhete, 55000.
de
flLl.Vj.iJ
Sexta-feirt 5 de novembro
1869.
Cirandc concento iustriinieutai
no saldes do
f.LUB PERNAH6UGAN0
Em beneficio dos ariitas da ex-
companhia lyrica, Socomano
Francisco e lloara Luigi.
- Aorchestra dirigida sobre a regencia do hbil
professor Francolino Domingos de Moura Pessoa,
que se presta generosamente, como todos os mais
companheiros.
1- PARTE.
I.1 Grande simphonia pela orehestra.
2." Phanlasia para rebeca, tirada da opera ma-
cnibeth, e executada por Socomano Francisco, e
acompanhada no piano pelo Sr. Carolos.
3." Biverlimenlo para flauta composto e execu-
tado pelo insigne flautista (Salustiano) e acompa-
nhada pela orehestra.
4.* Arca variada, por (A. Laureli) e executada
no clanneto por Antonio Martins, e acompanhada
pela orehestra.
2.' PARTE
1 Linda e grande simphonia pela orehestra
2." Divertimenlo para rabeca, executada pelo
Socomano e acompanhado pela orche-tra.
3. Phantazia para cirmelo tirada da opera Ma
chibeth. executada por Antonio Marlins, e acom
panhada no piano pelo Sr0 Carolo.
4.* Linda phantazia para flauta executada pelo
Sr. Salustiano, e acompanhada no piano pelo Sr.
Carolo.
Os beneficiados agradecem publicamente, ao
muito digno emprezario do Club Pemmbncano, o
grande cavallensmo que tem usado para com to-
dos aquelles artistas que foram da compaohla ly-
rica, mostrando-se sempre satisfeito em teda* as
vezes que tem de prestar seus ser vi eos aquelles
qne de vez em quando vao implorar sua protecao.
O Sr. emprezario moslra em si, que 6 dotado de
um coracio bondozo e de urna alma bem formada.
Os beneficiados pedein ao repeitavel publico,
que por mais urna vez, usem com estes dous ar-
tistas '.de suas valiosas protecoes, visto que se
acham* ainda aqu, por nao terem meios para vol-
tarein ao seio de suas familias; e como os recur-
sos que Ihe restam muito limitado para fazerem
esta lio longa viagem, vera implorar a este publi-
co patritico, para que se dignen) concorrerem a
este .divertlmento que Ihes vem offerecer, so anm
de tirar delle alguma resultado para puderem se
retirar. Os beneficiados protestara que em qual-
quer lugar que esliverem sempre se coofessam
eternamente gratos, para cora este bondoso publi-
co pernambucano.
As pessoas que so dignarem aceitar estes bllhe-
ter, far o especial favor em dar sua esportilla na
porta, que acbar a quem entregar.
Principiar s 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
tfavegacao costelra por vapor.
Fernando.
XJJ. .Silva seguir para o porto cima no
*9Baataf.dia 6 de novembro ao raeio da Rece-
be carga at o dia 5, oacommendas, passageiros e
dinheiro a frotas, at as 10 oras do dia da sa-
luda ; no escriptorio de Forte do Mallos n. 12
-w I manhaa, e sob as cotfsdicoes do estylo, a compra j Commercio a 17.
Rio de Janeiro,
Para o indicado porto, pretende seguir, com mu-
la brevidade a barca portuguesa S. /oda, por ter a
maior parte de sea carregamento enflp|ado ; e
para o r4o que Iba taita, trata-se com o consig-
naurio Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra do
-,>.,. .1 r> IT.i tf\ 1 ,'Hl
DE
Navegando costea por vapor
a pono acuna, no da 6
noiteJlecebe nra m
COltPANlIlA I'KRNAAV
Va ve sacio eostclra por vapor
Paraliybi Natal, MaOtto, Moajci, Ara-
cttty, Cear, MinUtyu, Acarac e
' Granja.
O vapor ilM|a)a^eommandant<-
Torres, seguir para os portes
cima no dia 13 do corrente as 5 hora-
Recebe carga at o dia 13 encom-
ssageiros e dinheiro a frete at as
tardo do dia da saluda no esc ripto-
rio no Forte do Maltas n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
VavesacSo costelra por vapor.
Macei em dlrcitora a Pnedo.
Wltr" O vapor tijut, commandante Aze-
lik vedo, seguir para os portos acuna no
MBaHas dia 8 do corrente as i horas da iar-
de. Recebe carga at o dia 6, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do da da sabida; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 11
COMPANHIA PUttNAMIfUCANA
DK
Navegagdo costeira por vapor.
Porto de Galliohas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahyba, commandante Mello, seguir
para os portos cima no dia 10 do corrento,
meianote. Recebe carga, encommendas, passagei-
ros, e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Maltas n. 12.______________ _________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xaregaco costeira por vapor.
Mamamguapc.
O vapor Mandah, commaiiJantc Julio, seguir
para o porto cima no dia 12 do corrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passageiros edinheiro a frete al as 3 horas da
tarde do dia da sahida escriptorio no Forte do
M ai tos n. 12.
C0MPA1IA BRASILEIRi
DB
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o dia 12 de novembro, o vapor
Cruzeiro do Sut, commandante J.
I. Guedcs Alcoforado, o qnal
depols da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebera-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no diado suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as i
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob
ertosde pequeo valor equenoexcedam a dna
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicic.
rudo que passar (lestes limites dever ser erabar-
a lo como carga.
Prcvine-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 37 primeiro andar, escriptorio de Anh-nio Luiz
do Oliveira Azevedo & C.
IWA11A BR.aSILEIB.1
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
t o da 9 do corrento o vapor
Guar, commandante o Io tc-
nente P. II. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encomnvuu
Jas e dinheiro a frete at s duas lluras do dia di'
ua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectos do pequeo valor e que nao excedam a
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de ineJi-
cao.
Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga. ?
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
l* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Porto.
Vai sabir breve a barca Laura ; para carga e
passageiros, iraia-se com os consignatarios Carva-
Iho & Nogueira. na ra de Apollo n. 20.
BAHA
O palhabote Garibald, capitn Custodio Jos
Vianua : a tratar c nn Tasso Irmos.
Para o Porto
segu com brevidade a velcira e nova barca por-
tugueza Isolinq ; para carga e passageiros, para
os quaes tem excelentes comraodos, trata-se com
os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, ra da Cruz n. 37, 1" andar. ^^^^^
Para Jffac&o do Ass
A barca nacional Flecha, capitao Joo Augusto
de Pinho Victoria, seguir para o porto cima In-
dicado nesles oito dias, recebe a frete a carga que
Ihe apparecer : a iratar-se com Marques, Barros
& C, no largo do Corno Santo n. 6, 2 audar, ou
com o capitao a bordo.
LEILOES.
LEILIO
DC
ni vi ib.-tN
Na Importancia de 4 43*t AO
ris
HOJE
O agente Pinto levar leilao, s 11 horas do
ala cima dito, por autorisacao do lquidatario da
extincta Arma de Southal Mellors & C. as di idas
na importancia de 40:437130 rs., sendo........
31:187*310 rs. de conforraidade com o mandado
de penhora contra J. de Squeira Ferro, e......
9:249*840 rs. de conformidade com dous manda;
dos contra A, Pinto de Lemos ; o leilao ser
effectuado no dia cima dito, no escriptorio do
referido agente, ra da Cruz n. 38.
dro-
fns, viuda* o Lomlr n^z Elisa A
Jane e existente. 06 aiWlze*' d a do
Corpo Santo ji. 2*;ebdawitfa18aift Icl'o
Constando de dtffercnles obras de direite
e 'litteralura 'de aulore conliccidos o
afa\nados.
Quinta feira 4 dJ^ftenlc
i as 10 horas
Por intervenato do ageole Piolo, ,no sobrado da
roa do Imperador n. 29.
Da casa terrea do becco tas
Barreiras n. 3, edificada em
chaos proprios.
(Sexta-feira & do corrate
as 10 horas
Por iniesvaiuaitdo agente
lorio narot flainin. 38.
ii
cnp-
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA
DOS
TRILH0S URBANOS
RECIFE A9 OjLIMDA.
Por ordem da directora sao, convidados os Srs.
accionistas, para no prazo de dez dias cornados
do da 3 do corrate cfTectuarem a 3* prectacA
do suas accoes na razio de 10 % e receberem
nessa occasio os respectivos ttulos.
Para esse (lm ser encontrado o Sr. thesonreira
das 11 huras da mauha s 2 da tarde do todos
os dias no osc ploro da companlna ; na Nova
n. 33 1 andar, entrada pela ra das Flores n. 14.
llecife, 3 de novembro de 1S69.
1 secretario,
Joo Joaquim Aire.
A directora do monto-po Porltigncz Em cele-
brar una mssa polo eterno Mpopso do tinado
consocio Jos Ferreira da Silva Magalhaes, quinta
fera 4 do corrente as 7 horas da nianUSa na
igreja matriz da Boa Vida ; e para esto acto re-
ligioso convida os parantes o anegos do fallecido.
A directora do Club Kadical manda celebrar
urna missa no da 4 do corrente as 8 e meia horas
da manhaa na matriz de Sanio Antonio pelo rc-
pouso eterno do distincto patriota Thcophilo Otlo-
ni, e convida a todos os socios do Club e mais
liberaos compareccrem esse acto de religio,
cuino urna sentida homeiiageui memoria de lao
drnudailo e nmirado cidado.
AiTonso Artliur Pi-reiia Moiileiio piinguio da
mais acerba dr pela mortedesua rmaa Firmina
Chrstna Honleiro Cunha, fallecida no llio de Ja-
neiro, convida aos seus prenles e amigos assis-
tirem a missa que pido repouso eterno de sua
alma, manda celebrar no dia 3 do corrente, na
matriz da Boa Vista, as 8 e ireia horas da ma-
nlia. Desde j penhora sua gratidao aquellas
pessoas que se dignarem do comparecer a esa;
a clore I niiiso.
Aviso Yftntajoso inir os se-
nhores (le engeiiho.
N. B.l'ratica, paciencia, e adiantumennto
rm poucos tcmixis.
Um estrangeiro com pratiea mais de dex an-
nos de ler j ensinado em algitus ongenhna desta
provincia, se nflerece a ruiali|uer senhor de enpe-
nho para cnsnarnao s as primeiraa letras como
o franrez rom peifci^ao e cin poucos lempos:
quem pretender dirija caria fechada cun a sua
residencia, na ra das Trnchcras n. 30, com as
Iniciaos R. A. B.
O administrador da recebedoria de rencas
internas geraes faz cerlo aos coniriliulntes do im-
posto pes.-oal do exercicio crrente do 1869-70,
resilientes as freguezas desta cidade c as dos
Afogados, Vanea, Pojo da Paoella, Uonbeea, Ja-
boaio e S. Lnurenco da Malla, que Desta mez de
novembro liuda-se o praso du pagamento sem
multa do 1 semeslre do referido imposto, depois
do que ser pago com a mulia de 6 0|0
Recebedoria de Pernambuco 2 de novembro de
1869.
Manoel Carneiro de Soma I-acerda.
Fugio no dia 31 do m-z prximo passado, de
Sant'Anna, o caboclo Manoel, escravo de Francis-
co Jos da Silva Ralis, natural do Cear, cabello
em p, desdentado, belcos grossos, e falla muito
fanhoso, tem bigode e pera, servio por muitos an-
nos ao Sr. F. F. Borges, tendo andado embarcado
multo tempo, inculca-se forro : pode ser entregue
na companhia Pemanfliucana ao Sr. B. Castello
Branco da Rocha, que recompensar. _____
O abaixo assignado faz sciente ao publico e
especialmente ao distincto corpo do commercio,
que nesta data dissolveu a sociedade que tinha na
padaria da ra do Lima n. 1 i, e que gyrava sob a
firma de Juo Antonio Velloso, fleando pago do seu
capital e lucros, o exonerado de todo o activo e
passivo. Becife 14 de outubro de 1869.
Bernardo Fernandos.
De ? barra com vluho do Por-
to e de Netiibai.
iio.ii:.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de 9 barris de 5 com vinho
do Porto, 10 ditos de 10* com dito e 60 ditos de
3 com vinho tinto de Setubal em um ou mais lo-
tes a vontade, no dia cima dito quarta-feira i de
novembro de 1869, no trapiche do Cunha, as 11
horas da manhaa no Forte do Mattos.
LEILAO
DE
8 volumes com drogas
HOjE.
as 10 horas
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
da ra da Imperatriz, becco dos Ferreuos at a
estacao dos trunos urbanos na ra da Aurora, na
sexta-feira, urna cadeia de ouro e chavo para re-
lugio : quem a tiver aehado e quizer fazer o favor
de entregar a scu dono, dirija-se rna da Impera-
triz n. 64, que ser generosamente recompensado
Joo Paulo de Souza, tendo conduzido nove
notas promissorias da qu; ntla de 4:332*403 cada
urna, passadas pelo coronel Jos Pedro Velloso da
Silveira a favor do commeudador Manoel Goncal-
ves da Silva, e vencida a prioieira era 31 de julho
de 1858, e as outras nos annos subsecuentes, sen-
do a ultima em 31 de julho de 1866, para as en-
tregar ao coronel Coriolano Velloso da Silveira,
visto estarem ellas pagas desde o dia 26 do cor-
rente mez e anno, succedeu que as perden ; e co-
mo nennum effeito tem ellas nuda por terem sido
pagas casa do supradito comraendador Manuel
Goncalves da Silva, o abaixo assignado pede a
quem as tiver aehado, o favor de Ih'as entregar,
tanto mais quanto a ninguem pode ellas aprovei-
lar, e por isso promette uma.graucacao.
Joao Paulo de Souza.
Os abaixo assignados declarara ao publico e
especialmente ao corpo do commercio, que desde
31 de julho prximo passado se acha dissolvida a
sociedade que tiveram nesta praca no estabeleci-
mentos da ra Nova n. 33 e da ra do Brum n.
54, que gyrava sob a razo social de Braga & Vil-,
lacj), ttcando a cargo de Jos Baptista Braga a li-
quidadlo do activo e passivo da loia n. 3a da roa
Nova ; e a cargo de Manoel dos Santos \ iliaca
igualmente a liquldacao do acvoe passivo da fon-
dcao ra do Brum n Si.
Recife 30 de outubro de 1869.
Jos Baptista Braga.
Manoel dos Sintos Villaca.
Preclsa-se alugar ura escravo, dando-se at
algnma quantia adianUda, se acaso se convenco-
nar : a pessoa que tiver, pode vir tratar no pateo
do Terco n. 63.__________________________
Aluga-ae na ra da Concordia n. l.'i uto nao-
lcque qne faz todo servico de orna casa.
<<.
i
J




Diario de Pen
CoJiJ >J> o-Mhf)
b
Ouarlafeira 3 de
U lili-/) '!:-,' ____
\o,cmbro de 1860..
9l> 'ilflj
.
alujar orna psrr.iv
mur : na rua iti*
Alugi-se
segu d.i Djienc.uj, com i
ul o cacimba, por 1 iiOOO
engom-
PERFU.MK INEXTINGnVEL
Parvo Lbk, Toixauoh, e Baniio.
3
UJ il't r.a.*|UC
lailWfl, salas, quin'
mensaes : a tratar no
sobrado contiguo com o Sr. Valenea.
Caixeiro
Precisa-se de nm Caixeiro dos ltimos chegados
para taberna : na rua do Itangel n, 67.
A irmandailrt das almas da matriz de Santo
Antonio precisa do um capellao para celebrar as
missas da madrugada nos domingo e dias san-
tos, a cdmecar no 1. do novembro prximo : o
Rvd. Sr. sacerdote que se quizer encarregar dessa
capellana ipioira ter a bondade de enlender-se
com o Itvd. Sr. vivario, na matriz.
Consistorio da irmandade 23 de outubro de
869.
'O cservito
_______ t Manoel Camello Pessoa.
Escrava,
Precisa-se alugar urna preta escrava anda quo
scja vclha, para o servico inferno e externo de
uina casa de pouca familia' a tratar na rua da Cruz
u. 28.
CASA DA FE.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Hio venda : rua do Cabug n. 2,
vende Vieira & Rodrigues.
Precisa-se u s um errado para lodo servigo
de hotel, paga-so tem, prefere-se eseravo : a tra-
tar na rua estrella do notario hotel Lisbo-
nense.
o segundo andar e soto do sobrado da rua da
Cadeia do Radie n. 60, com bastantes commodos
o muito (meo : a tratar no armazem da exposi-
i;a*o de Londres.
Precisa-se de una ama para cozinhar e fa-
zer compras para casa de pouca familia : na rua
do Pires n. 5.
Oozinheira.
Precisa-so de urna cozinheira : na rua da Cruz
n. 16, luja.__________
Aluga-se uina grande casa e sitio, tendo ca-
rimba com boa agoa de beber, outra dita mais
pequea, perto da povoacto da Varzea e do rio
Capibaribe: na rua de Hurtas n. 2, 1 andar.
Aluga-se uina luja pronna para negocio : a
tratar no sobrado n. 5, no largo da ribeira da fre-
guezia de S. Jos.
Aluga-se urna casa em Apipncos, na estrada
que vai para o engenho Dous Irmaos, com 6 quar-
tos. 2 salas e i (piarlo para escravus : a tratar na
rua do Trapicho n. 20, ou na rua Nova em Api-
pucos ns. .*> e 6
Attenco
Precisare de una ama de leite : na rua lar-
ga do Rosario n. 21.
Precisa-se d,; una am;. que sa e cozinhar : na rua larga do Rosario n. 21.
IlTTENCO
Roga-se a quem achou um embrulho. contendo
cinco follias de descargas, em duplcala, e outros
papis mais, os quaes tonta perdidos desde o tra-
piche do Sr. Barao do Livramento at a alfande-
ga : querendo entrega-la*, pode dirigirse rua
do Jardim n. U. ou na alfandega ao mesmo abai-
xo assignado.
______Geraldo Crrela Lima.______
Alugam-se duas casas nos Arrombados, para
fesla, tendo cada uina commodos para grande fa-
milia, quinlaes murados e cacimba meeira, e ba-
uho ao pe de casa : a tratar na rua das Cruzes,
segund andar n. 2i.
Precfsa-se.
De um menino brnsileim de 13 a 11 annos de
idade : que tenha on nao pratica de taberna : na
rua dos Pescadores n. 4i.
Na 1 ja de funilaria da porta larga rua da
Imperatriz n. 6*, tern um grande sortimento de
candiciros e lamparinas para gz, de lindes gostos,
e obras de funileiro, tendo 1 santuario de gesto e
bem acabado, assim como vende bombas, tornei-
ras, etc., c encarrega-se da encanarlo d'agoa para
qualquer casa, ou e>tabelecimento, tambem vende
un bonito e moderno fagan inglez, nao s cozinha
com lenha como com o earvao. Na mesma luja
concertam-se todas as obras de encanamento e
machina de coslura, asseverando que acharao
sempre prompto a servir bem os seus Ireguezes :
a tratar na mesma loja a qualquer hora, quo ser
nttenddo.
O tcslamenteiro do fallecido subdito ranee?
loao Vigiles, convida aos doradora do finado a
saMarem seus dbitos amigaveimeule,do contrario
serio ajuizados sem excepcao algnma.
Aluga-se por anno ou por festa una casa na
rua dos Milagros, em limla, recommcodavel por
ser mui perlo do mar, com 4 salas. 5 quartos, co-
/.inda e quintal : a tratar na rua dos ssos ns. 23
e 24, a qualquer hora.
CASA FELIZ
Aos 20.000^000
Y< Recife arco da Concelcon. 8
Os abaixo assignados tendose habilitado na
forma das leis, tem exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casa
cima, aonde se pagarlo as surtes que sahirem
nos mesmos bilhetes, cora o descomo somonte
da lei.
PRECOS.
Bilhetc inteiro 24*000
Meios 12J000
Quartos 6*000 .
E de 1003 para cima a 22 o bilhete.
Figueiredo & Leite.
AN4
A MUI AFAMADA
\CUA DE FLORIDA,
DE
III lBIt % Y fc I. % Vil %\.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempp o mais estavcl de todos os per-
fumes, c enterra em si, no seu maior auge
de oxcellcnria, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando anda na sua flore s-
ceS ia e fragancia nalucal. Como ummeio
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabera,neivosidade, dehilidade, desnudos,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
sumiua eficacia e nao tem outro que o
iguale. Igualmente, quando desteraperada
com agua, torna-se um dentiliieio o mais
agradnvcl c excedente, dando aos dentes,
aquella alvinae aperolada ajiparencia to
altamente apreciada e desojada pelas Se-
olioras.
Como um remedio contra o mau lialito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellentc, faz remover neu-
tralizar todas as malcras impuras que se
criara roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual; c a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meiomui excedente, para fazer
remover de sobre a pede do rosto,, toda a
qualidadede brotoejas, ebufleoes, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
ilesti-s disiguramenlos, e que tanto desfei-
amalindas feicoes do bollo sexo; devera-
se usal-a n'uin estado de dilluic5o, destem-
perando-a n'uma pouca (Tagua ; porm no
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forja. Final-
mente como um admiravcl meio de com-
inunicar as feices trigueiras e paludas,
urna pede macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal lim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua de Florida de Murray A
Lanman.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha," assim como em outras partes;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tanto recommenda-sc mui especialmente
s senhoras, que tenbam toda a precauc3o
e cuidado, de quando comprarem, estejm
certas que compram.
A Genti.yv
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY c LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
LANMAN & KEMP, DE NOVA YORK-
Acha-se a venda nos estabelccimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, A C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barboza Bartbolomeu, & C.
i ot^jtxxjxK^x^-axx^.txxjtx.vctx-tx.rsi
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre penhores de ouro, prata e podras
preciosas, seja qnal for a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de ouro eprala,
e igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendente
mesma arte.
AMA
Precisase de urna ama para andar com urna
menina c fazer o servico interno de urna casa de
pouca familia, pode ser nacional ou estrangeira : a
tratar na rua Nova n. 22, loja.
FOLHINHAS
U liafcao de Mfclr I/um c acho-se
venda na
g HVRARIA FRANGEZA
itnu ao Crespo, rc o.
i afanida Folhiihai
AICiTlCi E RELlfilOSA
PAItA 0 ANXO PE 1870
g
ti PRECO H.3 3 .
3..'*--*mt, .i.
utma-^t-*a
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RUA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalico.
Lamego. \
Lagos.
Covilba.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Imperial companliia de Londres
Porjeus agentes nesta praca
Samuel Ptncfi', Johnstan & C.
Ilua d Sjuzalla Nina n. 42.
Faz publico que tem aborto uma'agcneia nesta
pr5 de seguros conra fogo.
Os agentes estao autorsados a emitlirem apoli-
ee, cando assm os segurados desde logo segu-
ros contra qualquer praiuzo, quo possam soffrer
cansado pelo fogo.
Os agentes estilo autorisados a averiguorem
quaesquer reclamacOes c depois de eompetente-
mente examinadas a saldaren (como j tem feito)
por, meio de saques sobre a eonipanbia em Lon-
dres ao cambio do dia.
A companliia prometi prompta verificacao de
qn3lquar?rcc.l:imacao, asslin.como prompto pga-
mela'1', concluida que s>ja salisfactoriamenle taes
rerifleaees.
As nessoas quo qnizerem efivetuar qualquer
securo-bastaro remetler a esta agencia urna ola
indicando gmente a rua e numero do predio que
esejarem segurar ou em que esliverem deposita-
das as mercadorias, assim como as quantias.
Swnnel Pmrer, Joknston & C.
Agento?.
Rua da Senzada Nova n. 42.
Precisase de um moleque para lodo o ser-
vico de rua em una casa da familu : rua es-
lreita do Rosario: sobrado n. 33.
Precisase de urna ama que silba engom-
mar bem : a tratar rua do Imperador n. 63, 2
andar. ________
D-se a quantia de 800OUO a premio sobre
Iiynotbeea em un eseravo ou escrava : na rua
nova do Santa Hila n. 37.
A pessoa que achou um cachorro galgo de
cor einzenta, tendo os ps c maos brancos, a pon-
a da cauda tambem branca, o qual dcsappareceu
por occasiao do portador quo o conduzia ir tomar
urna mupa na ruado Arago ; quercudo restitu-
lo, pode levar ao hotel do Monteiro, que ser ge-
nerosaiiieiitc recompensado.
- Alugam-so du;is casas terreas silas no Man-
guinho a margem do rio, recommendaveis pela va
frrea : a tratar na rua do Vigario n. 31.
* ozinheii'o e caraplua
Aluga-se um cozinbeiro e um carapinu: na rua
Dirota n. 21, I* andar.
Attengao
O abaixo assignado declara que, como consenhor
da etsa n. 10 da rua do CrdSo, dehito nenhum
lem x pa*ar pertencenle a mem-ionada casa, como
declarado est no recibo paseado em 26 de abril
do corrente auno. Recife 30 do outubro de 18GJ.
Jos Rodrigues do Passo.
SEGUROS
MARIJIMOS
COMTRAFOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
aesla pra?a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobidas: s
rua do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Em casa de THEODORO CHRISTI-
\NSEN, rua da Cruz n. 48, encontram-s
eflectivamente todas as qualidades de vinbi
Bcrdeaux, Bourggne e do Rheno.
Na pkarmacia do Piatx) rua
Larga do Rosario n. 10
junto ao quratel de poli-
ca.
Aham-se constantemente promptas a
s,erem satisfeitas, as pcescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pharma-
cii, composta de medicamentos, tanlo in
digenas, como cstrangeiros.
Tosse e molestias do
peito
tat,
mu-
Precisa-se do urna ama para cosinbar e
fazer o mais servico de una casa de pou-
ca familia, prefere-se escrava; trata-se na
,-ua Nova n. 46.
Um moco do idade de 17 annos, com muito
bom lalho de letra, saliendo arilbmetica, traduzir
francez e inglez, offerece-se empregar-se em al-
Suma casa de commercio, dando fiador a sua ce-
uda, se for preciso : quem precisar dirija-se
rua da Matriz da Boa-vista n 26, Io andar, onde
se dar mformacoes a respeito, ou annuncie po
esle Diario para ser procurado.
t- ser a vos.
Precisa-se comprar quatro escravos ou escravas,
prel'crindo-se prelos ou mulatas mocas: a tratar
na rua da Iuiperatrz n. 13, no Bazar Acadmico.
Xaropes de fedeg.-o, rabo de
Ajrio, pao Cardozo.osc, mulung,
tamba, etc., etc., ja
Rheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilba
do Pata, pilulas e xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicopira.
Doeneas do ligado e baeo. ane-
mia, opilado, ete.
Emplasto, oleo, -pommada tintura, pi-
lulas, xarope e vinho da milagrosa
beba.
Sezoes ou febres iiitermUentes
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia de seu autor rua larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quarlel do corpo de
polica.
Precisa-sede um caixeiro para urna pad
ria no mato, com pratica, e que aliauce sua coa-
duela : a tratar na na d > K>esnlamonto n. Un-
RIGAUD
oa Liquido r*(n*rtdor
da cftr
prlmltiri de* eabcUoa.
Em oito dias o mais,
sem o imprego de nen-
humi outra substancia,
faz cora que o cabello
torna i sua cor primi-
tiva sem manchar a
pello nem sajar a roupa
e sem apresenlar o me-
norperigo.
0 Colorigeneo differe
nieirameate de todas
as doctoras tendo por
base o nitrato de prata e
que reqnerem o imprego
de duas ou tres substan-
cias liquidas dirersas.
Afiunga-se o suecesso
exigindo a assignatura.
UfUaHO
Em Pernambuco, P. Maurer A C, e cm
Macei, Paulo Jos da Cosfa Araujo.
Um e XAROPE
DECODEINADEBERTHEl
Precomsado por lodoso* mediros comra o^
DEFLUXOS, CATHARnOS. E TODAS AS|
IKRITACOES DO PF.1TO.
ti. B. O Xarirpr de Codiina que merteco a \
honra, altas bem rara entre m Medicamento
novus, de ter regiitrado eumu um das medica- I
mentas o//icii.n do Imperio Francti dispensa^
qua'quer elogio.
AVISO. Por causa da re|Tri;ensiTp| fa!si-H
fi-ciii que lem suscilarfo o Mt rebultado (lof
Xarope e ^lJ'^a de Bcrlhe nanM Torcailos a,
lembrar qm Mi i irtiniian lltf lAijuslonlcBtt'
conreluado-. *d se
U'iidem em raixin-
hafytj tMj(,lctailo *- '2M>~Jf?-}/'
assignainra na -'""
tvote.
46. Ilur ttauntwu t'-onlral j
de Franrii. 7, i.ut de Juny, .* i'ai \ c ttii
inda-, ns l'liarn,..' :. pii'. v. i <.!. Hi.-/1.
AVISO
aos convalescentes e s pessoas
fracas e debilitadas
O QUINIUM LABARRAQUE approvado
pela Academia imperial de medicina ele
i'arix o tnico por excelleneia.
Bti-All
em RioJisnr.o, Dnponcttellt; Chctotot.
em l'uamci'co, Uanrer i C".
c
c

ITATA
r piLfii
4
N'ESTA ARTIGA E CRi
FABRICA
IHCtUTIl II ceitSTlRTIIIITI BU COlPLITf IOBTIIEHT*
fJIAI'KO/ BB IOI:
de Uidaa as sualidades I
De todos os fcitios I
De to.laj os probos I
RUA DO CRESPO N' 4

XAROPE
VEGETAL AMERICANO
E S A LID ADE
BARTH .LO MEO&C
Par a cora certa in ttsiei antijas e recentes, eatarrhii palmoBar, isiumi; tosse conmlsa,
roocliias, t era goral eontn tolos o loffrimeDtos das Tas respiratorias.
DEPOSITO 4.IICAI.
BOTICA S3 DROGARA
34, RUA URG DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A therapeutica das dirersas molestias do peito,desde
a pharyDgile ou mal da garganla at a tubcrculacao
pulmonar,passando pelas dirersas bronchile calarrbaes
e o empliyseaia acaba de ser enrequecida eom mais
este medicamento, que tomar a prmeira ordem entre
todos at hoje ennhecidos. O ropa Ve ce tal Americano,
garantimlo paramente vegetal, nao conten em sua
compoi;lo nm s tomo de opio, e sim fomente sue-
cos de plantas indgenas, cujas propriedades benficas
na enra da molestias que pertencem aos orgos de res-
pirado foram por nos observadas por longo lempo,
com ptimos resallados cada vez mais crescenies; pelo
qne nos julgamos autorisados a compor o xarope qne
agora apresentamos, e a ollerece lo aos mdicos e ao
publico, Provamos com os attestados alano o qae le-
vamos dito, e contamos qne o conceito de qne ja gosa
o xarope Vegetal Americano crescera de dia dia,
deixando muito aps de si lodos os peitoraes em vaga.
Illa. Sr. Barthalomeo | C,O xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em ana coneeitnadissima pharmacia,
nm ntil remedio para eombater A terrivel asibma.
Sofra en aqoella moltsti ha qnatro metes, sem anda
lar combatido os ataques mensaes qne tinba; este ultimo
qae tive Coi fortissimo que me proston por 8 dias, nsei,
porm o sen milagroso xarope, tomando apenas tres
dses, e at o presente no fui de novo atacado. Prasa
Dms, qa en Bqnt resubelocido por una ves. Rendo-
Ihe, pois os mens agrdecimentos por me ter aliviis 4*
lio borrivel mal. Com a mais significativa gralHAa.
subscrevo-oie deVmcs. affcclaoso e reconhecido eriadak
Severino Duartt.Sua Casa 14 de fevereiro Jal
IIluis Srs Bartholomeo | C. Depois de
Bo-o dp ovffllui&at* -o ui t-ac lUCVMIa
extraordinario. expectora{So de um catarrho i
do, e perda total das for;as, qne o menor i
me fatigara completamente, cansado de tomar i
tros remedios sem resollado tive a felicidad de Tanssejp
Vmcs. prepararan) o xarope Vegetal Americano, ewar
elle, gracas a Dens, me acho reslabelecido na nsaiaaa.
dois mexes, e robusto como se nada tivesse soffrido. A>
gratidao me forca a esta deca relo, que podero vW*.
fazer o uso que qnizerem. Son com eslima da rsaes.
mnitos respeitador e criado. Antonio Jo&mmm aW
Catiro Silva. Becife 8 de fevereiro de 1864
Attesto qne nsei do xarope Vegetal Amarieatava, da
composico dos Srs Bartholomeo A C. para enadkiast*
forte defluio qna me troute ama rooquidao, qnai
fatia edtender, inOammac^o e dor na garganta. _
grande falta de respirado, e liquei compleameata
tabeleeido com nm s vidro do mesmo xarapa;
qne Ibes protesto eterna gratidao. Becife ft ek Ja-
neiro da 1868. Joaquim l'erc.ra Arantc(*J>aum.
Esli rtconsocidos.
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Para a Superioridade d'a
Iarentada por LE GR AND, Perfumista do Imperador dos Francem.
PARS. *07, Rii Snlai-Honorr, S07. PARS.
ORIZA
CREME ORIZA.
DE N1NON DE LENCL05
Para dar frtteura pttte, destruir as rnqnt dm cara,
conwrcar elu mente a bcllea d i ju i enlu le.
LACT
LEITE ASTEPI1EL1CO
Para rtfresear, tranquear < aducer a pee, fsmsssmt
deiifpnecrr al noifo-u i ai lardos.
SABAO ORIZA.......D'uma massa rxce-siiament snave e d'um perfume dos mais delicados.
Oiil/.A-C i:.\M woiisacse. aluna es|>ccialinciite preparada para os bandos e a barba.
OllZA-r'I.U'll)........ Pomada fortificanteenutritiva para coiivr\arnscabcl!i>sccmpcdilos(lcquebfi
Oll/.A Pili I.OCOMK.. Teluno de boi e oleo do a vola cora base d( quilla para os cabellos.
ORIZA-OH........... Olro linissiniii perfumado para laaliar os cabelln rmpcili'ns de quebrares.
OIIIZA-BR1LLANTIKE. Crlatallisada enaj vilela, para dar brilbo aos cabellos e a bai-ba.
ORIZA H.tAVKRS..
OiilZA-ACItlIXlN...
KSKNCE-Oni/A.....
ORIZA I.YS..........
OftlKA-l'OWIlKRS___
ORIZA-DF.NTIKRIOB..
OlUZA-DKNTAlli ...
Auna iiiionip iraiel de um perfil, ue suave e delicado, para forlilkardo la pelle.
VlliaSjWJ do luucadur, ai una c anlrpliilico.
Pcrfiiiiio cuiirenlradii paia os lencos prniluctn inuilo delicado.
Pcifiinic do bom lom o d.i alia soeiedade pan ns leurns.
Flor de arrot da OiniMna para a cara e a licllcza da pelle.
Para altcjav os denles e conservar as penphas.
Nova maa para alvejar os drntcs sem destruir o Cfniallp.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
Par: linpezi t saloVi'li'r da BVrs, fo-liiiraa:! ts cite lu, es cmpulm i e-fcir s fazead* creurr rapiJaaeite.
DEPOSITO GERAE w.i Caza de
E em Caza de todos Perfumistas do Brazil.
)
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACEUT1CO, 2, RU DES LIOHS SAINT PAUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Com lOllllllTO de POIANSIO
0 Iodurcto de potassio 6 um verdadeiro alterante, um depurador de incontcstavel efn-
cacia; combinado com o xarope de casoas de laranjas amargas, e aturado
sem perturbacSo alguma pelos lemperanienio- os mais traeos, sem alterar as funcedes
do estomago. As doses mathematicas que elle rontem permitlem aos mdicos de receital-o
para todas as complicar/des oas alfcccd''s escrofulosas, tuberculosas, cance-
rosas e nos accidentes intermittentea e terceiros; alm d'isso, O
agente o mais poderoso cintra ns doencas rheumatlcas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de estaca* de laranjas amargas.
35 anuos de successos aitestao a sua cffi-
cacia para curar: as doenpas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gaslrites, gastral-
gias ; e facilitar a digesto.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas a quassla amarara.
E' sob a Corma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilhas en todos os casos
em que s3o prescriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETIIRO E GAIACO
Slxr dentiFrieio, para a alvura e con-
scrvacSo dos (lentes, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
contado do calor oa do fri
9b dentifriao, rom base de magnesia
para a ahora e conservacao dos dentes,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reprodncio.
Deposito em Rio de Janeiro, n. Chevatot; em Pernambuco. P. Manrer e C; am Maceio,
Palea Das; em Pelotas, Antera Letras: em Baha, oa Racha; em Poro Alegrt, Jaa
Bella; em MaranhSo Perrrlra r C"| em Ouro Prtto, C. I. V- Wrlrmsa i en Santo Calha-
rtna. 8. sehuteli em J/onei'iil.o. G. laafkert\ em lluenos-Ayrts, Bteheparrltarda.
RUA.
DO
/
CABUG
esquina
da rua larga do
Rosario.
ftUA
AO ANNEL DE OURO (1
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual,1 esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender.^ ,
A vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade. raa lar&ad0
Garante-se ser tudo de Inri. Compra-se ouro, prata e pedras linas por preqos muito ele- Rosario,
vados.
A loja esta aberta at as 9 horas ta^uoute. i k
"ES H5E5B5ESH5Z
taaaaaaaMI


Qwia feira 8 tle Koveiubro de 1869
Barmetro e term-
metro. Centigrade
e rcouroeure.
B0BZE DOMADO
Nova loja de calpaflo
JOAQUIM DAS DOS SANTOS & C. acabam de abrir om eslabolecnento da ai-
gado estrangeiro a roa Nova n. 30, oude o publico encontrar todo o qne oeste go-
oero de. comtnercio ha de melhor e de mais goslo em Pars e Londres.
Por todos os vapores transatlnticos recebero elles constantemente remesso dt
alijado novo, pelo qoe ter seropre o estabelecimento o que a respeito se pttoen
Sir. Ao-poblico emgeral e a seus amigos em particular, pedem a cooperacio que
es possara dispensar, certos de que serao servidos com lealdade.
5 i.""
es >~-
_ 3 S r.-a -2
$ = E i I
i y o = o 5 '< ^ =1
" 5? t. <* >
I
i I = 4 8
18 I f. 0 S 1 f
3gfI,J
? a.
c tt 3
s'-S -
I
3. a -
> a' i. "X ;
-i 3 b n 1 1 -> 5
S/: = 3^3^ 1
n s c. a.1* 3
ffl.gS*S*
P. 3> ._ o. __ o -jo
v- f _,= Sf.O j _
.-;
= "---"" c a-
0 I
3
o
5l cr
W E 3 3.
B 5." s-
i.-
3 S**
:*312
- o
4i|
I? Ir*?ifr
E crystal de rocha do Brasil.
P. S tierwaaa. recommenda ao publico, seos vidros periscpicos aperfeicoa-
dos Doraue, com eetea vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emqaanto
nue, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalioo do lho e determ.na quasi sempre d6-
res de cabeca. 0 alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do oho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais looge, os raios que expelle sao
mui convergentes ou mni divergentes e a viso nao e perfeita. Um grande numero de
nossoas tem o defeito d fazer convergir muito de sorte que a visao nao e distincU.
Com a apulicacSo de mous ridros pdese vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista o que fa divergir os objeclos e deisa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o'crvstalioo muto chato, o que saccede aos que tem chegado a urna certa idade,
o aue se chama presbvta, vem melhor de longe que de perto, a nao euxcrgam senao
um nevoeiro na distancia ordinarisf da vista; com ufo vidro convexo, estes enxergauao
tao distinctamente como na idado Ba lo annos. Servindo-so dsles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F CJcrnsann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olbos, a es-
colher.'a primeira vista, seja qua fora i qualquer pessoa, n
Para que sao fabricados estes vidros 7 7
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, vfi es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os ollios sao desigoaes.
Para a vista qe SC tuna com o traba-
Iho e a Icitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao spporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esio cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
c o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Si
&
>
!

Pocos tubulares instantneos de patent.
Estes pocos foram espalhados na Euro-
pa, tanto que, qualquer duvida do sea
grande valor pratico deve desvanecer vis-
la das grandes vant3gens.
Milliares de exemplos mostraram qae
elles sao de grande utilidade aos induslriat s,
agricultores e particulares; at em todas
as expedicoes militares dos ltimos tempos
foram usados para procurar sem demora
agua fresca c pura, e tanta quanta se pre-
cisava.
Em todos os lugares, onde ora poco ca-
vado ou furado (pelo systeroa aatigo) dara
agua, pde-se empregar os poeos tubulares.
Elles facilitam achar agua muito mus
depressa, mais cristalina, mais fresca e
mais barata do que por meio dos pocos
cavados.
O systema dos pocos tubulares o u ii-
co pelo qual se possa obter agua perfeia-
mente pura,, livre de todas as substancias
nocivas e preservada de todas as influen-
cias athmosphericas:
POr meio de nma machina muito simples, consistindo d'um macaco, impelle-se para
dentro da tena um tubo d* ferro, cuja extremidade inferior est fu rada o munida
d urna ponta d'aco; logo que a sonda mostra agua no mesuio, devese atwacliar
a bomba e fazo-la funeckinar. Ao principio a agua ter substancias arenosas e terreiis,
porm logo se clarifica, e era poac tenipo sahir agua perfeitamente lmpida.
Outras vantagens que apresenta este systema sao:
Primeiramento, a promptido com que se executa toda a obra do assentamento, qBe
muitas vezes nao leva mais de urna hora, sem remoeo alguma de trra:
Segundo, a comiuodidadfe qoe elle offere-ce de ser nao somonte coMocado fra da
asa, cono tambem dcnlro da mesma, rom nao menor facilidade :
Teroeiro, a facilidade crtm qoe se tira para fra da trra o poco sem o estragar
para o collocarcm noutro logar:
Qtarto, a grande quantidade d'agua quo elle pode dar :
Qainto, a possibilidade de tornar, uteis com pouco trabalho, por meio delle os po-
^os cavados que foram estragados pela ai a ou por outras causas.
Precisando-se de orna grande quantidade d'agua pde-se introduzir na terra di-
versos tubos unidos una aos outros por meio d'aaa apparelho muito > imples.
Em higar das bombas aspirantes geralmentc usadas, pde-se forneccr bombas de
tompressao par-a elnvar agua e conduzi-la aos andaras soperiores.
-O emprego dos pocos tubulares sobre todo proveitoso aos fazendeiros, que irai'
fuakpier'campo onde o gado pr- cisa d'agua, os podem collocar e arranca-Ios para e-
rem enllocados onde melhor mes convier.
E' tambem de grande utililidade aos fabricantes de cerveja, aos distlladorcs t a
todos os fabricantes em geral, e com especialidade aos empreiteiros, arenitectos. en-
'fpnheiros c todos aqnelles que precisan de quantidade d'agua por lempo determinado.
steethodo o nico para obter em qualpuer parte agua, que seja livre de p;r-
ticoiag nocivas, elle tambem proveitoso aos proprielarios de casas e jardins, tanto
parto uso diario como para regar asplantaces e capim.
Pedimos aqnelles que nos quizerem honrar com suas encommendas de nns
conaunicar: 1. em que profundidade se achaa agua, o que fcilmente se pode verifi-
i*s pocos ou cacimbas visinhas; 2. de que espeeie s3o as carnadas da terra da so-
portde at a eamida qne coatem agua; 3o em que especie de carnada se acha a agua
aaquelle logar:_ 4." finanlownte a quantdad d'agua que se pede por hora.
A colfocaco do poco fica por conta do comprador olerecendo-se porm a empre-
za^omprestar o apparelho de assentamento mediante urna relribuico aconvencio-
mr, a qual se rcgolaT pelo tempo que Sfe achar fcra.
Tambem encarrega-se de mandar urna pessoa habilitada na collocacSo d'esst-s pj-
Wi, pagando o comprador alm do sustento e despezas de viagera (ida e volta) o:m
jotnarprfjviameato comeneionado.
()^*ara- encommendas e mais esclarecimentos a respeito a tratar na loja do Sr. V.
"I.Tetmann; ra Nova n. 2U
c
L -i
Sortimenw de binculos
para tbeatro, e oculos de
alcance para o campe c raa-
linha.
Lunetas, piuce-nez e
face--man, ooro, prata,
tartaruga* bfalo, a(o,
etc., etc.
Tem tambem grande soi-ia^Mf-de relogos para parede, que d3o horas epara
cima de mesa dos mnfs llnd*>s modelo Relogios para 'algibeira, de oaro, prata, prata
dourada efcleada, nglezcs, shissos e orisontaes dos melnores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 2l=Rua ova-^N. 21.
A' ra do Crespo n. 20 A, esquina da ra das Cruzes.
Alvaro Augusto d'Almcida & C. partecipam ao respeitavel publico, e com es-
pecialidade s Exmas. Sras. qun o seu antigo e acreditado estabelecimento ra do
Crespo n.20 A, de pequeo que era, acaba de ser transformado em urna bonita e vasta loja
de fazendas finas aonde pela sua localidade e amplido, o publico nao s ter todas as com-
modidades para fazer suas cou-pras, como acba-lo-bio desde j prvido de um variado e
escolhido sorlimento de fazendas finas e grossas, o que tudo se vende por precos m-
dicos.
Este estabelecimento, apezar de estar j bastante conbecido, os seus proprieta-
rios tem resolvido entitula-lo por LOJA DOS ARCOS, para evitar equvocos, e torna-lo
por esta maneira anda mais popular. Eocontra-se nesta loja
Ricos cortes de blond e de seda branca para noivas.
Ditos de seda de cor e pretos.
Brochad de seda, fazenda inteiramente nova.
Fonlard idem dem idem.
L3as de-muito gosto. .
Cortes d mbraia e chita i tria Antoioette.
Saas bordadas, camizinhas, espartilhos, balloes, basquinas, fichus, sombrinbas
luvas de pellica, chapeos etc.
Ha tambem constantemente um completo sortiraento de esteiras da ludia para
forro de salas, assim como alcatifa, tapete, capachos e moitos outros artigos, que seria por
demais mencionar.
S
COMAMA DOS
16 RA DA CRUZIS
Ha diariamente boinbos para c&, bollos Bgleze6, p5es-de-l, presunto, dito
fiambre, sopeiw cha Hissoo, dito preto o miudmbe, xaropes refrigerantes, vinhos en-
garrafados, doces em calda, ditos seceos e rri lita usados, figuras parajbandejas (pbantazia
e noivado) caixinhas com araendoas para preco commodo.
Recebem-se encommendas para bares, baptisados e casamentes, as encom-
mendas paia fura fro bem acondicionadas.
Plun pudding.
Apre cot. puld. Warranted superior qualita.
INJECTION BRO


4.-.).(
SmUtm
oMucuj-Paiu/MiM
QUINIUM LA3ARRAQUE
APPHOVAOO PCU ACADEMIA OE MiDICINA K MRB
O Qwnhui LabarrafNi, ^pinantcmaato tnico e febrfugo deve ser
preferido todas as outras freparac5 de (pa.
Os viaboa 4c qutea ofdiiMriamente ampmgadoe na Medicina prepararan
cora cascas da quina cuja riqueza em principios activos extremamente
*rtefl{ {Mi ote*, m razio df seu modo de prepwacio, estes tiohos cea-
tem apaas M%ioa a psascipios activos, a om praparedes nrmpts variaveia.
O Qaizam Labarraqna, approvado pela Academia de medicina, con.
stttoa prthtfoalisria n maikaaeila da composlcio detoarnaada, tica era
principios aotivoir* oom o qual as medico e os doentes podem sempre contar,
O Quinina Lrtarraqua arateripto com grande tUt s pesseas Iracas,
delibitadas, saja por diversas oauaas d'aafotamento, seja por antigs moles_
tiam sos adultoa fettgaos fvt oma-rapMa tirenenca, s meninas qni tem dif
cuidada cw se formar e maaobW; a anlheam dapaia dai> partos; aos velhos
enfraqaeeMos fel adada ou tanca.
No eazo de chlorosis, anemia, efires plidas, esta viabo um poderoso
auxiliar dos ferraginosos. Tomad junto, por exemplo, com as pilulas da
Yutm avaua atataa manvibmsoa|>ela mu tapia a*>lo.
ftOfoaU am Paiav L FREJaE, 4, n
MNMtnifc&Ci eWTOLOT. Jarasmatica, Mklh.ll ap
m
3^
*
ANDRE DELSUC
CABELLE1RE1R0
17 A Ra do Crapo1/ andar 7 A
ENCONTRAR-SE-HA sempre neste estabelecimento um variado e.bonitosorli-
mento em perfumaras francezase inglezas cuja lista damos aos leilores.
LUVAS Marca garantida de JOUVIN.
EXTRACTOS.De superior qnalidade marcas LBIN & GOSNELL.
DITOS FINOS.em frasquinhos proprios para presentes Lubin Gosnell.
POMMVDASBanha fina de varios cheirosLubin.Gosnelle, Societ Hyginique
.SABONETES.finos para toiletteLubin A Monpelas.
J2AU DENT1FRICE.agua para limpar dentesSociet Hyginique Lubm l.
rterre.
BRILHANTINA.para lustrar a barba e os cabellosLubin.
AGUA DE C01A)NIA.Marca verdadeira do Jo3o Marina Farica.
COSMTICO.cheirosoLobin.
POZ DE ARROZ.ditoLubin.
HUILE'DE SENTEUROleo para conservacao dos eabellosSociet Hygimqu*
ESCOVAS FINAS.para cabellos, denles e unhas.
BLA1REAU.Pincel para barba.
GRANPOS.para cabellos.
REDES INVISIVEIS para cabellos.|
BRAVATAS LINDISSIMAS.do melhor gosto.f
BENGALAS.de pha.ntasia, para passeio e de diversos lmannos etc., ete.,et<\
A la parftimerie ^arisienne.
7TRUA DO CRESPO ----- i." ANDAR 7 A.
Liqoes de canto, m-
sica e desenlio.
t. tlarlnaujjeli. fleando sem mcios de
subsistencia pela horrivel cataslropbe acontecida
no tbeatro de Santa Isabel, e nao querendo ser de
neso soaiadade, propoc-se a dar f*cs de mus-'
ca c desenlio como j fizera ha mais da vinte an-,
nos em Um colegios de ambos os sexos e em r*.
fias cas particulares. |
A generosa hospitalidad qaeelle harecebido de
todos a a amisade qoe sempre Ibe aonsagraram
a* pesabas mais estimaves destt oldada, faz-llie es-
perar que desta vez tambem lho nao (altar tra-
balho, com qca possa sustentar sua familia, e pelo
quo invoca a coadiuvaco de qnantos o eonhocem
ao sagrado empenho em que se acha, no meto do
qual pora om accao t'Mtas as suas torcas para con-
tinuar a raostiarse digno da proteccao com que
sempre foi honrado.
As Bastas qpe se quizerem aproveitar do seu
desvoiado prestlmo, iKMJerap acha-lo na ra do
Suvo I liba dos Ratos) em urna das casas do Sr.
Tiboreio, perto de qaatro coquelros.
Giiilla Beltratu. ni Mar i naogcl i
diseonla do conservatorio de Milo, decidnd-8e
a dentar a carreira theatral e tixar a sua residencia
em ^raaniliuco, onde sempre reosbeo wnias pro
Precisa-so d^ nma ama que saiba cosinhnr: ua
'l'ravessa dos Pires n. 20 sitio do Jeriaiiili
ludnca.
O Dr. Francisco de Paula Soares, rae- i
dieo, mudou-to das Cinco 'ontas para al
ra Augusta, sobrado n. i 16.
AVISO
Roga-so ao Hlm. Sr. rgnacia Vicias do M
escriv o da citado de ftanreth dtsta arovinain,
o favor de napraaa deludios vil oa mandar a
ra do Imperador n. 18, para eonakr aqaiir
negocio, qne ha 4 annos J foi por este tootmopr-
nal chaaiado para o concluir, e qne arudinda *
aquello annuncio astevarou realtm** em 30 61
e de novo esqueceu-a deHe t O anniinciaotapay
pera que S. S. o dispensar de vir ainda an pmto
para este flm, mas ser preciso exi>UV*r a-rasio deste-ehamado w
parece ao aununctoatelhe aao ficsrsjrosawfu
Recife 16de outubro do 1664.

vas do estima e sympathia, polas qnaos consarva- blicagao.
ra eterna graoao, desoja empregar o seu tempo p^-taram do engaoho Pereisiafca, termo di
em dar llcoes de usica e canto, Unto do aper- Agoa-Prot, dons ifoiai inm os signaes sogak
feicoamento como de principios. (eS : um rnc0i pequeo, velho, com dentes
As pessas que quiaercm-se uJisar do seu pr-ss- bradosc bom estradeiro; o oolro castanbo,
timo poderao dirigir-sa a roa ao Sevc (Ilha^er- $G in(ja a passo, e tamben) velbo ; amb >s c;
dos Ratos) em urna das casas do Sr. Tiburcio, os lPnjd ^bre a anca a marcaPtreiriaha
to de quatro coqueiros. bem quo tanto exiincu, com todo anda aeralo
vel ; (Ti'-se que iis cinduxUacm pasa o !
Barreims ou Porto-Calv : ofa-w asaomii
a apprfhenco dos iiiBsnw*.
O Sr. Dr. Cornelio Perrerra rSl^'TBnki
tem urna carta nana loria do Rosario a. M.
Aluga-se una casa asra passar a festa, na
Passagera do Caldeirciro, Uta do rio napbarl-
be, confronta ao Sr. Dr. Alcoforado: quem pre-
tender irlja-se a roa do Paysandd, no Cajufro,
isai


Dial de Pernambueo Cuarta felra S de Ndvenibro de
i
.
AMA
Precisa-se de ama eoMnheifa : no Mosc ds
Joias, ra do Cabug o. 4
Gasa para alagar
Alnga-te para passar a festa ou por auno, urna
casa na ladeira da Misericordia, era Olfmla, com 3
salas, 3 quarlos, cosinlia Tora, terracos rom asien-
tos de pedra e cal, na frente e atraz, e bom quin-
al cercado : a tratar no largo do Terco n. H
Attac&o.'
Hontem as J hor|s da tarde foi recomido um
cavallo que vagava pelas nas desja cidado, co-
ntra? (in neceo do Ouvhlur: o eu dono pode
proenra-o, que dando os signarse pagando as
drirgaiai, ttte ser entregue.______
Caxeiro
Precisa-so de um cabaro de li a 16 annos,
com praticade taberna : no largo do Carmo nu-
mero 13.
AMA
L0.IA DE JOIAS
DE
ac.
Este antigo estabelecimento. completa-
mente reformado le novo, est, as condi-
poes de servir vantajosaraente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com nm
expendido- sortimento de obras de ouro e
prata de lei. assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos preqos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
\ 5 BIL4 DO CAlfiA \ 5
Precisa-?e de urna ama livre ou mesmo escrava.
que cozinlie com perfeico o diario de urna casa,
e que afiance sua conducta : a tratar na roa do
Viga rio n. 5, 3o andar.
Sabo de alcatrao
Para curar as molestia* da pelle
taes como empingens, darlbros, sarnas, comichoes
e mais molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; desfaz as manchas do corpo, pannos, sarda*
reslabelece a cor. natural, quanto a antis, occ
grossa e amarillala, oceasionando por alg mM
enfermidade, e como desinfectante o preveiitivo
das molestias contagiosas.
NICO DEPOSITO
Botica do Pinto, ra larga do Rosario u. 10, justo
ao quarlel de polica.
1EMPRESTIM0 SOBRE
S
||j!l aiir*
SAO HABATOS
Superiores coitos de pcrcalle com barra, para vestidos a i j cada corte,
Lindos cortes de gaze de seda com 18 a 20 covados. pelo baralissimo
prer.o de 5,$000 cada corle, na lojadas coliumnas, ra do Crespo ni3 do An-
tonio Carrea de Vasconccllos.
OLIVEIRV l- CARVALHO* **
Successores de Reg &Moura.
24-Ra Nova 24
Os proprietarios deste novo estabelecimento fazcm sciente ao publico, que
acabara de receber um perfeito e variado sortimento de pannos finos, casemiras, brins e
outrvs muitas fazendas degostos modernos, as quaes vendem por preces razoaveis.
#s mismos scientilicam que tendo admittido para sua oflicina de a I faite, um frtisla hbil
no desempenho de suas fimcges, receben) qualquer encommenda de roupa por medida
promeltendo atisfaz^rem. com pontualidade e presteza qualquer pedido neste seHtido.
AS BOUBAS CURADAS
E
Todas as molestias sypkiliticas.
PELO
ELEXIR DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tanta aceitaco tem meteudo no Bra-
sil, as repblicas do sul e na Allemanha especialmente para cura das boubas,
sarnas, rheumatismo, todas as molestias syphiliticas o em goral todas aquellas
prevea da empureza do sangue.
NICO DEPOSITO
Pharmacia e drogara.
DE
Bartholomen A C.
34Roa Larga do Rosarlo M
(SEM LIMITE.),
Imessa da roa
das -Cruzes n, 2, pri-
| metro andar, da-sc qnal-
quer qnanlia sobre ouro,
prala c pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transaccSo que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de honra-!o cm seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
e brilhantes.
. Desappareceu hoatem, %6 do correte, as 9 ho-
ras da noite, da caraba do Chora-meninos, um
bote de 13 ps de cumprido, pintado de braneo
i-ama lUtra verde na beira, e abaixo desta
wJ Ata nc.irnnd.i mais estrella, icndo na popa
, o non Olindense, sendo estas letras gravadas na
faaeyn : roga-so a qna|quer pessoa que o ti ver
iM motines, sitio n. 3, que ser gratificada com
WOOOpelo Sr Enusto P.tpii ou a ra. da Cadeia
n. 30 pelo Sr. H. Caris.
um misil
22 Rna Nova n. 22
Machtinas para costuras
A este -acreditado estabelecimento, che-
gnu un riquissimo sortimento de machinas
para costura, de todos os aoctores; as
quaes se achamem expsito no mesmo
estabelecimento. O progresso destas ma-
chinas maravilhoso I o seu servido equi-
vale ao do 30 cus tu reiras diarias!} Os
eus trabalhos sao pesponlo, bordar, fran-
zir, e outrs muitas qoalidades de costura,
corno se pode ver no mesmo estabeleci-
mento.
Garante-se a sua boa qnaiidade, como
bem o concert de qualquer machina quan-
do sejfl preciso; e tambem se manda ensi-
nar, at que a pessoa esteja bem pra-
ca.
TRILIIOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
mm*
Do da 2 de novembrs prximo em dianle, ser
regulada a partida dos trens por urna tabella, que
do dia 30 do corrrnte mez em dianle, pJo ser
procurada naestacao do Ilecife.
Adverle-se especialmente aos passageiros, que
os trens que partem a tarde do Recife Apipucos
nao parain nos pontos intermediarios moho de
S. Jos em diante, lnvendo outros trens que sahem
do Recife de meia em meia hora, para accotnmo-
dar os passageiros at S. Jos.
Os pasMgwros que tomaren) o trem em ipi.il-
qnor ponto intermediario com destino alm do S.
tus, torio do passar a outro que segu para
Apipucos.
Escriptorio da eomoanhia 2i de outubro de
\Vt Rawlison,
Gerente.
Precisase de um eriade para todo seivieo
de hotel, paga-se bem, pfefore-se eseravo : a tra-
tar na ra c.-treita do Rosario u. II, hotel Lisbo-
nense.
A i usa-se
urna casa em Beberibe : a tratar com J. I. de .AI.
Reg, ra do Onmercio n. 34.
Nao mais cabellos brancos.
A tintura japoniza para Ungir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admiltida
Exposifo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1^060 cada frasco na
Riia da Cada n. 51,
1. andar.
Casa ITrafrT
Aos 4:OO0
Bilhetes garantidos.
A roa do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
trs sorles, nm inteiro n. 4155 com i:O00j da lo
teria que se acabou de exlrahir a beneiicio da
matriz de Nossa Seuhora da Pcnha do Gamelleira
(124*), convida aos possuidores virem receber,
na conformidade do costme sem descont algum
Acham-se a venda os bilhetes da 2* parte da
lotera, beneiicio da groja de Nossa Sendera da
Soledadb do Recite (I2)-) que 30 oxtrahir quinta-
feir i do mez vindouro.
Precos.
Os do cosame.
Manoel Martms Fiuza.
Criado
Os administrad' res da mas-a fallida de n-
ttrics a apresenlarem-lhes os respectivos ttulos no pra-
o di rito diss para seren' conferidos. Recife 30
ifeMJMuUf de 1839.
Carneiro A Joiiieira,
Administradores.
Ama.
Precisase de urna ama para cosinhar; \\?. na
Dircita n. 26, 1 andar.____________^^
Na ra da Moeda n. 5, 2o andar, escriptorio
do Manoel Alves Ferrcira & C, vende so> virrho
verde superior em barris, ancorlas coui violio do
Porto superior e malvazia braneo.
Mo eque.
Precisa-se do um moleque de 14 a 16 annos pa-
ra andar com urna taboleta de joias : na roa do
Cabug n. 7 D.
Crlade.
No caes de' Apollo, armazn n. 71, preeisa-se
de um cria o para compras e algum servico t^-:
um pequeo sitio. _________ ______ '
Prccisa-se de um oficial de cliaqelleiro que
(alenda de sua arte : na ra da Cadeia n. 53.
0 MUSEO DE JOIAS
GD
S
zn
GOMES DE MATTOS IRM&OS
tendo feito completa mudanpa em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao pnblico em geral e com especialidade as Exms. ___r
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente yo
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que 1fia de mais elegante,
bello e precioso em brhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de noros gostos, asim como grande variedade de salvas e paliteTos de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e coiapleto sortimento de]
objectos de prata para o das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantemj
a qualidade dos objectos vendidos.
MUS* DE JOLVS
Precisa-se de um criado na ra das Larangei
ras n. 29, hotel dunmercial.
Precisa-sc al ugar una ama forra pira casa
de pouca familia, e tambem so precisa alugar nina
preta escrava para vender taboleiro na ra : quem
precisar dirija-se roa da Roda n. 22.
I)-se 700;i000 a juros sobre liypolheea de
casa : quem precisar dirija-so ra do Rangul
n. 41, Io andar.
Precisa-se de um caixeiro nacional ou es-
Inangeiro, de l.' a 16 annos, com bastante, praiiea
de taherna e que de fiador a sua conducta : na
btaves-a das Banviras n. 10, se dir quem pre-
cisa.
Jardiueiro.
Offerece-se m hamem porlugsez para dirigir a
f ua arte de jardioeiro, para o que tem as com-
petentes habilidades : quem del le. precisar anuun-
ci por aste jornal para ser procurado.
Aluga-se
o Io andar do sobrado da ra do Vigario n. 5 com
cominillos para grande famiha, aga potare! c es-
goto para agoas sojas : a tratar no armazem da
travessa do Corpo Santo n. 25.
II,
Resu vetilla m escolbido sortimento de ob
jectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand, mogno o ama relio, obra nacional e estran
jeira, de apurado gosto e por presos razoaveis :
la ra estreila do Rosario n. 32. Nesta mesma
casa fazem-se com perfetcao todos os trabalhos t
palhinha, como sejam, einpalhamcnlos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
Fugio dosilio da Sapucaia a H do conenie
mez, o eseravo de nome Jos, preto, idade mais on
menos 50 annos. alto, secco, cara rusgosa, pese
maos grossas, bem raanle e ladino, costuma em
suas cursdes ir para a malanga, ribeira, servir de
carniceiro, ou ganbar na< ras da cidade do Re-
cife. Rceomminda-fo- a sna captara as autorida-
des policiaes c capitaes de campo, mediante a com-
ptente indomnisaeaii do trabalho.
Veiidem-sc quatro esrravas de 18,20, 25 e
30 anuos, todas cora habilidades, um bom preto de
30annos, que tambem cozinha : na ra de Hortas
n. Pfi.
Bfrtias hambnrgnozas
Ra da Cadeia n. 51.
Neste novo deposito recebe-sq por todos os pa-
quetes transatlnticas, bichas de qualidade supe-
rior ; vende-se emcaixaou poreao mais pequcin.
e mais b:ir;ity da que pin qualquer nutra pane :
ua ra da Cadeia n. 51. Io andar.
CEMENTO
PORTLAND.
Vendc-se no arma zara amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceigao, em barricas grandes.
II UNUDOl
A PREC KiXO E MDICO
NO
li1
Precisa-se de urna ama que saiba cozinhar e
engommar para casa de pouca familia : a tratar
no sobrado da ra do Vigario n. 9, 3" andar.
Aluga-se um excedente sitio em Santo Ama-
ra, pouco adianJe da c a tratar na roa Augusta n. 33.
Precisa-se de urna ama para o servica J
nina casa de pequea familia : a tratar na ra
larga do Rosario n. 34, 2o andar, (entrada pela
scada da casa n. 3')
Aluga-se
para escriptorio o Io andar do sobrado da ra
larga do Rosario n. 50. esquina da ra e?trcita do
Rosario : quem o quizer ver dirija-se i loja do
me>mo, que ahi encontrar a chave.
Ba Nova
ESPELHOS-em qnatlros douradns do "i "3
A V V "t- a dazia 'l>00. 2>800-
2*100,16900 c 10300.
[APIS finos a roza 20200, 2SG0O, 3r?000,
33100 e 40500.
DITOS com cabera de osso para carteira,
a groza 40800.
DITOS milito superiores para carpina groza
20(500.
DITOS muito finos com duas cores a groza
v 140000.
VTVELLAS d'aco pulidas e envernisadas
para cal?a e collete a groza 10500.
OCULOS aro d'aco, viilro de grao a duzia
30500, 50000 e 90000.
LUNETAS O PINCINEZ idem idem a du-
zia 90000.
E muitos outros ajrtigns qu') s com a
vista poilem ser apreciados tanto as qua-
lidades como nos resumidsimos presos
por que tudo vendido.
Alm disto iaz-.se os ahatimentos na razo
segainte:
Compras de 500 a 1000 descont 5 /0
de 1000 a 5000 10 7"
t de 5000 para cima 15 'J
PAGAMENTO REALISADO NA MESMA DATA
em letra de 30 dias menos 2 '/a %
em t de 00 5 %
Jos de Souza Soares & C.
Ama de leite,
Quem pretender urna ama escrava com muito
bom leite por ter .movido acriauca ao nascer, di-
rija-se roa do Qneimado n. 18.
20:000^000
A casa Feliz do arco da Conceic3o aca-
ba de vender nris seus muito felizes bi-
lhetes a sorte de -9*0004000 no n. 2841
em quatro quai los dos quaes dous j fo
ram pagos, e o possuidor dos outros dous
pode ir receber que sero pagos.
Est para alugar um primeiro andar na ra
do Padre PWiano : a tratar na ra da Hortas n.
94, sobrado.
Eugommadeira.
Em S. Jos da-Mangntnho, cisa n. 2, pagOfW
bom alugoelperuma cscrava-que entenda bem de
engomwrado.
Na-rua da Stnzalanova n. 38, owriptorio,
coatrau cripta de urna casa de negocio.
COMPRAS.
Comprara se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras matllisadas,
brilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
oatives do arco da Conceicao, no Recife.
0 muzeo de joias
Ha roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
i pedras preciosas por precos mais tantajosos do
|ue em outra qualquer parte.
GOMPRAS-SB l Mlf-I
Compran-^! fl vcndem'sniarlatnente para fra
Antro da provincia wcravos de-todas as idadts,
tares e sexo, com tanto qm sejaat sadios: no
Weiro aaiar do sobradon. 36,ra du Cruzes,
fr"nezia de SarfBwHlwiio. ______
Com muito atawr vantagem cmpramete
moedas de poro .araU: na loja de joias do Co-
racaode Oro ni>, ra do Cabug.
T~ ; COMPUArSE
orna secretaria em bom uso : a tratar na ra Di-
netia n. 81.
Vr4iB&
jfmv
nm vil
4 roa d^LrvraoMflto n. -6, tontmoi a ha-
wptw^afltr por prefot motwls, o
haloljo mrto at boj* tiodca esle'
Na ra Nova n. 67, 2'' andar, vende-se urna
escrava moca, bonita figura, excedente engomma-
deira e costureira : a tratar na mesma casa ou
na ra da Scnzala-nova n. 38, escriptorio.______
Vende-se uma parda de ilade 22 annos, bo
nita figura, ptima engommadeira o cozinheira, de
boa conducta e li.-l, e nejada de .'i para 6 mezes :
quem quizer dirija-se ra da Gloria n. 114. Na
mesma casa vende-se uma escrava preta crioula
do idade 24 annos, bonita figura, boa engomma-
deira e cozinheira, conducta exemplar. e sadia.
AOSSENIIOHKS MKUICoS 0PER\D()KES.
Queris possuir uma bella carteira cirurgiea
de Luer, com 36 ferros ? Ide a ra dos Ossos
ns. 22 e 24, que acharas una por prego commo-
do; tambem retalha-so a mesma a vontado do
comprador. _____________________
U.A PKi POPILiK
DA
FABWfA \ACI0\AL DA BABIA
DE
Teixeira Ulduneo je C.
Acba-se venda este ptimo rap, tnico qne
pode suppnr falu do prneexa de Lisboa, por ser
de mui agradavel perfume, viajado, e a prego o
mais mdico possivel; upar isso tem sido asss
acalhido as pracas da Babia, do Rio de Janeiro e
em ontras do imperio : no escriptorio de J,.aqttim
Jos Goncalves Beltrao, & ra do Commercio nu-
mero 17.
Botica.
Venderse a botica da ra Dimita n. 12, a qnal
ftca del'ronte do oiifu do Livramento, oon poucas
drogas, c est propria para gaatqoei principiante,
e se vende por preco eommodo : os pratendentes
podero dirigir-so mesma botica, que achanto
cora quem tratar.________________
Barcncja para Tender.
Uma ha iraca de 45eaixas para vender, em bom
estado, quasi nova, cora todo api>arelho e velas- em
ordeni: dirijain-su agencia feral n. 21, praca
do Corpo Saulu.
Veode-se uma preta-qe eouuha, lava e en-
gomma : na ra.'Direita o. 141.
Vende-se vina vacca de leite muito gerda :
na ra da Florentina n. 7, quadro do balao.
DE VALLET
As Flala* Vallct. approTadis pela
Acadma faniierial de edicina de Pariz,
saO empregadas eora o maier
exko para carar a chlereais,
e fortificar as eenstituiofies
tacas. Nunea este ferrngi-
oso ennegrece os dente*
taar?f aranlia da sua autheaticidaie,
asme do imeator val gravado em ad
piUUa como a margena.
'mMmtttm, DpckeU; Ottaitl,
tari naoe ranz,
m
**
A VEBDADE
55finado Queimado_JS
A VEHDADE tendo em deposito grmt
qoantidad^ demindexaw perumarias,4ev
sejando apurar dinheiroe adquerir btft-
guezia est rssolvida a vender rriuif^a
barato, ; por essa razo convida ao raspes
tavel publico a vir compelentemonte r
do a sortir-se do bom e barato, l'ois 1,
do a Verdade apparece, tudo mais
apparece
Grande sortimento de nonecos de cn
massa as mais lindas possiveis vestidas ca-
rcter.
Abotoaduras moderuas para col
lelea.......
Espellios donrados pepuenos. .
Agulhas de osso para crox a .
Pentes p?ra regac com esntas a
Ricos globos para candieiro de gaz a
Cbamins a.......
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua .florida verdadeira av
Dita com dita dita a .
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. ,
Frasco <:cm extractos finos a .
Lats pequeas com banlu muito
fina a ine......
Sabonetes de diversas quali iades a
80,100,240o......
Finas escovis para denles de 120 a
Lindos coques modernos a. .
Pavios pata gaz, duzia a 240 e .
Escovas para fado a 5C0, COO a
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho a ICO e.
Brincos decores, bonitos a 160 e
Pegas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Pennas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d ac Perry, calxa a. .
Galn de algodao peca .
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos para calca a KiO e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com euvelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para cosluia a 240 e
Caixa com linha de marca a
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200.......1
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a......
Cartas poiluguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2200 e .
Papel almaco e de peso, resma a
3^400, 3(5500 e .
Cia muilo fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e.....
Ditos para aparar penna a .
Rosetas pretas, par a.. .
Tranca de 13a d^caracol peca a 40 e
Fita de coz peca a 480 e .
Alfinetes de latSo a.....
Sapatos de 13a para enanca, a iOOe
Grvala de sedas de cores a .
Cslcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio d<* borracha, por
lOOrislHtt.M
Xa verdade rna do Queiurad
______ n. &&. _______
liOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conheeido estabole-
cimente, alm dos muitos objectos que tinhain ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, mau-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento ds
finas e mui delicadas especialidades, as qaes ea-
tao resolvidos a ver>der, como de seu ooMoim,
por presos muito bartnpee e commodos para te
dos, cora tanto que o Gallo....
Mnito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollintias e pnnhns para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e rquissimos enfeites para canecas da?
Exmas, senhoras.
Superiores trancas pretas e de tres com vidr
Ihos e sera elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperoia,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles braneen
com lindos deseahos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escosria para se-
nboras, as quaes sempre se venderam por 30^000
a duzia, entretanto que s as vendemos por 904,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidade*, entre as quaes algumju* amito
finas.
Boas bengalas de superior canoa da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras gu-
ras do mesmo, neste genero o que de melbor se
pode desejar ; alm destas temos ttttnuem giaiuk
quantidade de outras qualid.ides, como sejam, ma
neira, baleia, osso, borracha, ete. ele. etc.
Finos, bonitos o airosos cuiconlios de cadeia e
de outras qualidadas.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para seuhora e para met-
as de 1 a li annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e lartaruj^para (aanr
barba; sao muito opas, e de mais a oais sao ge
rantidas pelo fabricante, 9 nds por nossa ver tato-
bem asseguramw sua qualidade e delicadeza.
Lindas bailas apellas para aoira.
Superiores aguUus para machina c paja croi.
Linha muito boa de peso, frouxa, pata eneber
labyriHtbo.
Bons baralhos de cartas para vallante, assim
00*10 os lentos para o mesmo fim.
Grande e aado soctuaonto das raetbOFe* per-
fumaras e des melboros e mais eqohovWos per-
fumista.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as coirrwVdes,
facilitan) a dentiolo das innocentes rriMcas. So-
mos desdo muito reecfcedores destefir collares, e oonuuamos a recebe-las por todos <
vapores, aflm de que nunca filtem o merca*,
tomo j tetsjjjgowteetdo, asm pms jwtleft fuel-
les qne deilf orecisarNn, vir ao depoxito 4o gaAo
vigilante, adnde sempre encontrarao destosiere
deiros collares, e os quaes attendonde mtu'Wm
para que sao applicados, se vendesa tan im> mti
diminuto lucro,
Rogaiioa,.poiv avista. Jw ttjew^to WfM
declaradoa. aosnosBr>Ofuarc^ l aoitpos a comprar porpwe" iii>in>raknatN4tol*1
vigitsMe. ww to rtwn. f 1___________
,__Vende se urna cartwra'pam i-sofi(*!:
roa larga do Rotarlo n. M, toja de calfMa,
1
ooe
#*
OH
700
NI
:m
206
96
600
10(M
$m
2<
240
70
4)
8
280
100
309
2K
500
00
{..ios
:iaoo8
MfOC.
!fr,
480
32
50 109
100
400
300
100
800
200
80

I
^
* i
h
\
V
s




niaGWFl^F<^mlW*> jrfr wrt# W*^ ^ WrftWlbWbTl^I^Iftia
O pr'rtprietano do armazn do fazendasdenominado AH.vR.V, ra da Impcra-
iri'n. 72, declara ao respeitavel publico o seus fregiwzw, que est liquidando lodasas
fazehdas o roupas feitas que lera em sen oslabeleciuiento como se poder ver no seu
annuncio c preco abaixo mencionados,
Chitas francezas matizadas
3*1 rs.
Vende-se chitas francezas escuras matiza-
dasa3O rs.o covado por este proco sna
loja da Arara, na.da imperatriz n. 72.
lAZINHASA*iORS.
tynde-se ISazmhas pat-a vestidos de *e-
niiora a 210, 280, 'O c OO rs. o co-
vado.
BAREGES DE L.V.Y A 50J RS.
Vende-se bareges do 13a com lis tras para
V2SJ03 de senhora a 500 o 610 rs. o
corado.
Alpaca? de listras a SO rs.
Vende-se alpacas do listras para vesti-
dos de senhora a 500 rs. o aado.
CHITAS FttANGEZAS A 2H9 US.
Vende-so caitas francezas claras a 286 f.
o covado.
CORTES DE LAV PARA VESTIDOS A
2;H00.
Vende-se cortes d.j 13a para vestidos de
sealioras a 2**00 cada nm,
PERCALES A \W P.S.0 COVADO.
Vendo-so percales muito finos para ves-
tidos desenhora a 440 rs. o covado, mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. p covado,
brilhantinas de cores, a 440 rs.b covado.
Baldes moderaos de todas as
cores.
Vende-s^balSes moderno sbranco e de co-
res a 4 4^500 e5fl.
COBERTORES DE ADGOAO A 11900.
Vende-se cobertores de algodao a 1^500,
cobertas do chitas a 1,5600 e 2.$ cada urna,
GANGAS PARA GALGA A30 It.
Vende-se ganga para caifa a 320 o cova-
do, brim de cores pora raleas de hamem o
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
odres para caifa o palitots a 2500 e 3,
o covado, molas casemiras entestadas para
calcase palitots a 1$ o covado, brim pardo
de todas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da lmpcratriz
n. 72.
Alpacas lizas a 40 rs.
Vende-se alpacas do cores lizas finas a
610 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLlO ENFESTADO A 3500.
Vonde-se pecas de madapolo enfestado
a 3300, pecas de madapolo inglez do 21
jardas a 5>, 65100, 7& 8 e 103 a peca.
72. Eua da Imperatriz. 72.
Aljodii enfestado OOO rs.
Vcmlc-se algodao enfestado proprio para
lenoes e toalhas, 900 rs. 0 metro, dito
trancado a lr>, metro.
Chalos de merino *.
Vende-se chales de merino estampados
a 2-5, chales blancos e de cores a 15000
cada um.
GOOTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Veiide-se urna grande porcSo do cortes
de brim castor tara calca do homem, 640
rs. cada uin.
Grande porro de retalhos
Vende-se grande porfi de retalhos de
chitas e cassas [tretas a 160 e 00 rs. o
cova lo, retalhos do cassas, 13a e chitas de
cores baratsimos.
LIQUIDAM A ROUPA FEITA
Vonde-se palitots do brim de cores a 25,
ditos de alpacas de cores a 25, di'os de
roela casemira a 25 e 25500. ditos de pan-
no prcto bom a 85 o 105. caifas do algo-
dao azul para eseruvos a 640 rs. ditas de
algodao de listras a 800 e 15, camisas de
iscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tea de brim c fusto de cores a 15 e 15500,
coletos de cesemira de cores a 25500 e 35,
o outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodao de listras a 300 rs.
o covado
Vende-se algodao de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 45-
Vendem-so pecas de algodao 45000,
55200, 65000 e 75, para liquidar.
Balos de arcos a 105OO.
Vende-se bales de arcos par senhoras
pelo baratissimo preco de 15500 cada um,
Cortes de cambraia barras
a 3 OOO.
Vende-se cortes de cambraias barrsa a
25 o 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se loncos de seda a 610 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 15-
Vonde-sc carciras para viagem 1)5
cada urna.
AS IVAS SEDAS
11--RUA DO QUMMADO--11
Chegaram da Europa pelo ultimo, vapor loja de Augusto Porto A C. ricos
curtos das mais linda sedas de mimosas coYes para vestid! froprios para bailes e casa-
menlos. .
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de lindascres,
gorgorito de seda preta, e grosdenaple do varias qualidades e gorgurao de seda 15a de
dille rentes cores.
Novos vestidos brancos de blond para noivas. lindas colxas de seda para camas,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janellas> fronhas e toalhas de
camtraia de linho bordadas.
Lavas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas do cor para senhoras.
Espartilhos de 55 al 105, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos do croch branco e piolo para senhoras.
Grande variedade do camisas bordadas e lisas para homens c meninos.
Sortimento de muitas fazendas, de 15a, lino e algodao todas por pref os muito
mdico.
Tapetes grandes para sora.jpia'nb'B camas, peras de tapates o de alcatifa para
forrar sales ludo em qnantidade; e vendem sempre'por menos que em outra qualquer
parte.
Eflteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
-U
- N. 27.
se sellins'e
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
LIQUIDADO
NO _________ _____
Lourenfo Pereira Mondes Guimaraos, proprietario do arrnazem de fazendas
denominado GARBALD1, tem a honra de pirticipar ao respeitavel publico que tendo
recebiio diversas factrasele fazendas, de novo gosto, para a festa, estando a espera de
novas encommendas que deve estar aqui at o dia V de novembro vindouro, e vendo
que. nao tem tempo antes do balauco de vender tantas fazendas de encorn endas p -r
issu resolveu fazer urna liquidado para verse da maior. estrado por issoem vistas das
circumstancias vender tudo mais barato do que em outra qualquer parte, na ra da
Imperatriz n. <>6.
MADVPOLAO ENFESTADO A 35500. I CHITAS PRETAS A 160
Vonde-se urna grande porcao de madapo- Vende-se urna grande porfo de chitas e
la. infestado de 12 jardas a 3#>no, assim cassas pretas em retalho a 160 o covado
como p- fas de madapolo inglezes de 24 tambem tem retalhos de chitas e 13a de c-
janlas ou 20 varas a 55, 50.100.05,65300 res que se vende barato.
CACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarofar algodao, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
tfACIUNAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarofar, al-
godao do autor New York Cotton Gin.
CACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz ODler mais 2.000 em arroba
de algodao.
ACHINAS de facao do fabricante Platt B. d C, Obdhan PatcntLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores que tm
/indo ao mercado ; e para a sua apreciar;*) convidam-se os senhores agricultores "
nrem a exposic3o das mesmas na ra daCada do Rocifo n. 56 A, loja do Bastos, onde
incontraro mais o seguinte:
Grando c completo sortimonlo de machinas para
descansar algodao do nova invencao ebegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
liento do Oliveira Draga i C, na rua Direita n.
''i. Garante-se que a melhor qualidade que at
o presente tem vindo ao mercado : acham-se em
exposicao aos compradores as de 10,12, 14,16,
18 e 20 sorra-.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento'_ de pesos kilo-
gra tumos do melhor comprehensivo dos que tem
vindo at o presente, assim como marcos de lalao
at meio grammo pelo mesmo systema, bataneas
de lato de forra de o a 20 kilogrammos, metros
de madeira e de'lalao para medir fazendas, alm
de grandesortimento de miudezas o ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na rua Direita n. 53, loja de Manoel
Bcnto de Oliveira Draga St C. _____
jkrbarali
. %1.~ VRA
te &tabeeci3mo vi
aillie^, de todas ajlqualidide do melhor
que se pode fabricaTrio para^ assim como os
mais arreios pertencentes- ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxcs, traviceiros, caJP
nhas com almofadas, proprias para meniats
levar para aula. O proprietario deste es-
belccimento garante a pontuahdade, esme-
ro e zelo de seu trabalho ; portanto pede M
respeitavel publico sua protecfo, queaflian-
fa vender tudo pelo mais barato possival,
e por menos do que em outra qualquer
parte. ______^^
Debulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
]arrinhos de mo.
\Iachinas para cortar capim.
Gannos de chumbo.
3ombas do Japy.
Dita; americanas.
re has de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Utas de cobre e lato.
Parro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
?olha de Flandres.
Machados americanos.
?acbes ditos.
lalaios e cestas de verguinha.
/asi.ouras americanas,
folies de todos os tamanhos.
Tonios e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
liversidade seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Balanzas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Raides de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes^galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rcwolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinafocs.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais perlenccs para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
1TTIUM 10
"75000. 85, 05 e 105000
Corpinhos a 200 rs.
CAMBRAIAS VICTORIAS A 5:500
Ciangas para calca a 3SO rs.
Vendem-se urna grande poivo de gangas
para cal?a de h >m^m e menino a 320 o
Vende-se pecas do cambraias victorias covado, cortes de castor para caifa a 640
finas a 55500, 65 e 75. Brilhantina bran- cada um.
ca fina para vestidos de senhoras a 500 e cores
rs. o covado
ALGODAOA45000
Vende-se urna grande porco de duas
faces para caifas, palitots e colletes de ho-
Wnde-se urna grande prc5o de algodao mam e menino, fazonda inteiramente nova.
todo de ooa qualidade e 45.55. 65, 655 0
75. e 85, a peca de 20 jardas ou 24
varas.
ADMIREM-SE DO QUE E' BARATO
Chamalotcs a 560
Vende-?e chamalotede cores, dealgod'
para vestidos de senhoras a 560 o covado.
%lpacas lisas a 500 rs.
Vend j-so alpacas lisas para vestidos de
cores, para senhora, a 500 rs. ditos matisa-
da* fina a 720 o covado. Dita* lisas mui-
to largas a 640 o covado.
CORTES DE PERCALES A 6:000
V-'den-se urna grande porcSo de cortes
de percales de duas saias para vestidos de
senhora, de mnito delicados gostos com
16 Va covados a 65 75000.
CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende-se ama grande porcao de cambraia
lisa de todas as cores para vestidos a 600
rs. o metro.
Organbys moderos a 00 rs.
Vende-se organdys de cores para fazer
vestidos, de duas saias, agora modernos, a
800 rs. a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-se chitas francesas muito finas de
cores a 280. Ditts matisadas escuras a 320
ditas escuras escocezas a 360. ditas aleo
Brim pardo liso a 5(0 rs. o metro, dito
trancado fino a 800 e 15000.
Grande liquidaeao de chapeos
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca com
pequeo defeito a 25 e 35000, ditos finos
de 12 astes a 45600, ditos de seda finos
de 8 astes a 7550U, 85000, ditos de 12 e
16 astes a 10500O, para liquidar.
Chitas para cobertas a 340 rs o
corado
Vende-se chitas francezas para cobertas a
240, 320, 340, 6 380 o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se cassas francezas para vestido
a 240 o covado, ditas muito finas a 400 rs.
assim como percales finas para vestidos a
440 o covado,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias cruas para homem a
35500, 45. 55. e 65000 a duzia, ditas para
meninos de todos os tamanhos a 35500 e
45000, ditas para senhoras e meninas a
35500 45, e 55, a duzia.
BALES DE ARCOS A 1:500
Bales de arcos a 15500, ditos modernos
a 45000.
ATTENCAO
Tem-se para vender urna grande porc3o
de roupas feitas de brim e de casemira, de
tirando armazem de fazendas e ronpas feitas rua da Imperatriz
n. 2, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 35, 35500 at 05. Ditos di
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a 55,. 65. 85 e 105, de panno pret
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e ele cores de 35500 a 55000. Caifas de brim de cor finas c ordinarias, ditas
brarcas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de c5r e preta de 45. 55, 65 a 155. Colletes de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de linho de 25 at 55
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodao, de linho e bramante a 25 e 25500.
Gravatas (mantas) novissimo gosto a todos os precos. Meias sortimento completo a 35
45 at 75 a duzia.
BOPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e ootras muitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a 15800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-cnvre com lista de seda fazenda de gosto a 15200.
Basquines de goipure enfeitadas a 185000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 65500, 75, 85 e 95000.
Algodao peca com 20 jardas a 45500, 55500 e 65000.
Peca de algodao^argo a 75500. *
E outras muitas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguero roupa
feita que se est liquidando na loja. rua da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEaO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
utas escuras escocezas a jw, uiws xoadasa 360, ditas ganbaldinas a 360 o ferenfadonho, Rarante-se ao comprador ven-
der mais barato do que em outra qualquer
covado. Sortimento de chitas como tem o
Gariba.di ha poucas tojas que compitam.
FUSTf'ES PARA VESTIDOS A 400 RS.
V-ti i le-se fusto de cores para vestidos a
400 rs. o covado.
COBERTORES A 1:400
V nde-se cobertores do algodao a 15400
cobertai de chitas feita a 15600.
V-nd>'-8e grande porfo de corpinhos a
200.240, 320 e 4
parte, isto s se pode conhecer com a pre-
senca do comprador e a vista da fozenda
que se pode conhecer como est liquidando
por barato preco. o general Garibaldi, rua
da Imperatriz n. 56.
Chales de merino a OOO
Vende-se 'chata de Merino de cores es-
tampados a 25000. ditos lisos a 35500, i
jos estampados finos a 55, 55500 e 65000.
Machinas vaporde
forqa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rofar algodao.
Bataneas para armazem e baldo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prenfas para copiar canas.
Fogo americano patent
BRACO
Scbonete de alcatrdo.
n
Antonio Nunee de Castro.
Este acreditado preparado, que to bos
acceitaco tem merecido n'esta provincia
muito se recompaenda para a cura cwu
das impigens, sarnas, caspas e todas at
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmaeia de Barthol ornen G,
34rna larea do Rosarir34.
Vende-a* anfa casa terrea na rua da Concei-
0r> a. 19 : a tratar na rua da Aurora 0. 131 A,
com o agente Eu&'bio.
Ruado Imperador n. 26
Neste estabelechoento S9 encontrar diariamen-
te nm completo sortimento de pastelera de todas
as qualidades para laeehe e sobre-mesa, etc., etc.,
bolinnos de tocias as qualidades para cha, presun-
tos de Hambre, bolos inglezes, pudins, e finalmente
tudo que coasiste em urna boa pastelara, com o
maior asseio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
obo do melbor que ba no mercado. Nesta casa
tecebem-8t> eoconimendas para casamentos, bailes
rbaptisados, compremettendo-se os donos do es-
a belecimento a ser ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse fim de
uro, ompleto pessoal. Recebe-se avulso toda e
lualquer encommenda, como sejam, bandejas,
bolos e pSes-de 16 decorados, doces d'ovos, seceos
i asM* e wystalisados, fructas nacionaes e es-
Vafleiras, amendoas confeitadas, um completo e
cariado sortimento de caixinhas de todos os gostos
e precos, para mimosear senhoras; estas caixi-
nhas recentemente chegadas de Paris, sao de pri-
rnorado go to, offerece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acbarao um digno e serio
presente para as donas de seu i pensamentos lico-
res, vinhos linos de todas as qualidades, conservas
lamlhos em latas. Os donos deste estabeleclmen-
es nio se poupando despezas, fuera todos os
otoreos para servir o respeitavel publico o me-
t or que for possivel, e sendo principiantes e la-
ttpo com todas as, difculdades, esperam a con-
eortflbei* do respeitavel publico desta capital, na-
riooMs e estrangeros. Pettiineha : legitimo vi-
irto (usca'el mn caixas, que se vende por commo-
if pite/) para partieulare- e para negocio.
COGNAC.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro ci
Madre de Dos n. 22, a
Martin de Barros.
nto; na na da
zem de Jlo
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisqnit Dubouch A C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Iteino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just. rua do i
commercio n. 32.
BAZAR UNIVERSAL
88 Rua Nova88
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposic5o servicos a electos para almo-
co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa.
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas p3ra amassar farinba, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianfa, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para crianfas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraro
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a peni ir examinar._______________________
m GAZ GAZ
Cbegou ao antigo deposito de Henry Forster o
., rua do Imperador, um carregamento de ga>
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em outr qual
quer parte. ______^^^^_
Loja de middezas de FERREIRA DA CU-
NDA & TEMPORAL, esto quimaiido por
todo prefo venham ver o que bom e ba-
rato a saber:
Lindos brinquedos magnticos para me
nios de2i0 a l.->.
Lionas em novellos de 400 jardas a
60 rs.
Pecas de tranca de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio banha 120, 160
o 20000.
Frascos com oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 160, 320, 500 e
640 rs.
Ditos com banha 320, 500 e lo200.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portuguezas a 120 e
160 rs.
Ditos francezas a 200 e 240 rs.
Grande sortimento de sabonetes 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes Anos com duas folhas a 240 rs.
Linha de 200 jardas em carretel (duzia) a
10200.
Lindos port-main 240 rs.
Pentes de travessa para meninas 200,
320 e400 rs.
Duzia do meias inglezas muito finas a
30800
Ditas do ditas para senhora a 40500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
10200.
Ditas com agua divina 10300.
Frascos com sndalo a 10200.
Pecas de entremeios a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
50000.
Papel amisade beira dorada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700rs.
Lindos bonets de panno para menino a
20000.
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
30rs.
Macos com grampos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa com
extractos a 10500, 20000 e 3000 ao par.
Jogos p^ra vispora a 200, .z40 e 320 rs.
Linha de marca (caixa) 240 rs.
Temporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanca onde contina a vender
pelos baratos precos de seu an-
tigo estabeleimento com titulo
de Temporal na Bonanca.
Rna do Qnelaatido n. 3.
rffiMHttMSa
Attenqo
Na praca do Cnrpo Santo n. 17, 1
andar, vende-se mais barato do que em
outra qualquer parte ral de Lisboa e 1
potassa da Russia da mais nova i\ mor- ~
eado, assim como vinbo Bordcaux de su- jSs
perior qualidade em caixas garrafas.
D cordeiro providente
lina do encimado a. 10.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
iade, qualidades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacSo
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se abas-
tando elle de sua bem conhecidamansidao
e barateza. Em dita loja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Colgne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacao do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos ingtezes, americanos o
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
o de violeta.
Outras concentradas e de eheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
om escolhidos eheiros, em frascos dediffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para muios.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
9 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coque.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilmw
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
eslo todos expostos apreciacSo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeic3o.
Flvclla* e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec
ios, ficando a boa escolha ao gosto do com:
orador.
s
nina varea de leite por
da CriM n. 13.
prego commodo ; na rua
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XAROPE E TlNTURA
de jurubeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadas Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C
Pharmace uticos- Droguistas
lKltV4MUL<0
A Jurnbeba : esia planta hoje recoohtcida
como o mais poderoso lomeo, como o melhor
desobslrnenle.c como tal applicida dos padecitnenUM
do ligado e baco, bepatites, dumsaa, tumores inter-
nos e especialmente do alero, hydropesias, erysi-
pellas, etc.; e asociada ao ferro nul aaa pallidaa
corea, chloroaea e falla de menalrnaco, desarran-
ios do estomago, etc., o qne dien*a alleslio
iannmeraa coras imporlanles obtidas em noasoa
preparados j bem coobecidos 6 osados pelo* aaa
disliocloa mdicos do paz e Ponogal. Em todos oa
aoasoa depsitos distriboimoe (rratis Mketet ao*
malkor fasem conbecer Jorobaba seo* resaludo*
applicaca.
VERDADEIRO LE RO
de sitrntlET, Doctaor-Mdeel*
Ru da Setno, 81, & PARS.
Em rad.i garrafa, ral. reir a rolha a* rsjel and
jue ti >a o mcos.iirtr, um lul.iis imnrrato can ama-
relio con aiu.o ImaaUL no eavs-a raa.a,a>a.
!. emel-
. j* ttr* sramaultra
^?>"K^3 d i .Mian.oss.H
brcP.irii.acritavil
I" ni > .,ni.p>iHe
i
i naaaai'ni'i


''''' 4 ,
Diurio.de Pernambuco Quarla lena 3 dcHNbtembro de 86D.
M

7
;
-
..........
h DINHEIRO NA LQJfi E ARMAZEM
esaofii m ii!ai?aaa?ai2o. sd

DE
ft6 $UttMA*6
5**'

FLIX PBRKIK1 DA SILVA.
O proprietario d'este grande estabelacimento, vendo^no se est aproximando o fin-
do anuo, e tendo ein ser una grande deposito deposito de fazendas; nao fallando em
avalladas encoramendas que Ihes esto obrigado todos os dias, tem resolvido liquida-
las por preco raudo mais baratos do que em outra qualquer parte ; s com o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontra se neste estabelecimento do
PAVO, avultado sortimento deiaz>ndas do luxo e modas; assimcomo de primeira
aecessidade. As ncssoaa que negociam em pequea escala n'esta loja podero surtir-
se vendendo-se-lhes pelos presos que compram, rus casas inglezas; assim como as ex-
cellentissimas familias podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da raesma loja em suas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aborto das 6 horas da manli5a s 9 da noite.
A 360 rs. o covado.
Vendem-se bouitos organdys de cores com bo
nitos padrOes c Oses a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA SENH'fRA.
Vendem-se finissimas camisas francezas borda-
: das para senhoras, na luja do Pavo.
AS CELEZIAS DO PAVO.
Vendem so as mais Ouas celezias, esguioes e
bretanhas do linho por preco muito cm conta.
640RS.
radmhos,
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATHIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das mejores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de' caSemira,, fustao ruanco para vestidos a mc
ifa nannn Ha hrim dA alnac ft rift todas Vende-so ruslao branco, com lisia e lavradi
de panno, de Dnm, ae alpaca, e ae waas mut0 io a mlid3 e r0llpas de mim0<
as mais fazendas que os compradores pos-' a 6o rs. o covado.
sam desejar, assim como na mesma loja COLLEMNios para SE.NHORAS.
tem um bello sortimento de pannos casemi- ,. Vendem-so flnissmos coiierinhos de c-guiande
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazerj^TO?'SseQ ,ra8 e urnibem para me-
qualquer peca de obra, com a maior promp- i alpacas de CORDO.
tldo vontade do freguez, e nao sendo Venden* so ss mais brilhantcs alpacas de eor-
Obrieados a acceita-las, quando nao stejam daoziniio para vestidos, tendo as mais lindas cores,
completamente ao sea contento, assim como K0 8% ol^T8* ** ^ peto
n'este vasto estabelecimento encontrara o tarlatanas.
respeitavel publico um bello sortimento de Vende-se flnissima tarlatana branca e de todas
camisas francezas e ingieras, ceroulas de as cores, assim como l branco lizo a 800 rs. a
linbo e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
BRAMANTE PARA LEN^OES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1#800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. GO, urna grande porcao de
pe^asde bramante com 40 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz cora um
metro e urna quarta, epara cama de casal,
com um metro e inei; e vende-se pelo
barato preco de 10800 ri$ cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande poreo de cera de
carnauba em saceos por pretjo mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. SO. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSEUJAS DE COR
Vende-se as ma+s bonita laasselinas de
cores a 500 rs. o trovado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegarampara a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente oufeitados, sendo com os
feitios mais novos que tem viudo ao merca-
do e vendera-so muilo em conta.
FAZENDAS PARA LUTO
Na l>ja do Pavo.
Encontra o respeitavel publico neste estabelcci
ment um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejaai, eneas francezas e ingjena, chitas
pretas de todas es i|nulidades, blenda de la de
todas que tem viudo, proprias para luto, como
lejam, lazinhas, alpacas lavradas e lisas, cantao,
borabazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barat .
NOVAS BASQUINAS COM CINTO.
Chegaram as mais modernas basquinas de gros-
denaple prelo, ricamente enfetadas sendo de um
feitio inteiramente novo, com ricos cintos largos, e
vendeni-se por preco razoavel
CASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um elegate sortimento das mais finas
e mais modernas cassas francezas que tem vindo
ao mercado, sendo com padroes miudinhos
grandes, e vendem-se por preco mnito em conta.
AS SEDAS U0 PAVO
"Altas nn-idades.
Pelo ultimo vapor chegaram para lo/a do Pa-
vao, que vende mais barato" do que em outra qual-
quer parte, as sedas seguintes : ponpelinas ou
gorguroes de linho e seda, com os mais delicado*
padrees, sedas de listras. padnVs inteiramente
novos, grez de todas as cores,' sendo verde, azul,
lyrio, rosa, cinzento, etc., setins, branco, scul,
verde,rxo, lyrioete etc., assim como um gran-
de sortimento do grosdenaples pretos de todas as
qualidades, e superior gorgurao preto de seda
para vestidos e colletes.
AGRACIANAS.
Chegou sla nova faionda c m o nome.de Gra-
cianas, seade de urna s cor, lyrio, rxo, verde,
azul, etc., etc., e muito encorpada, com lustro pro-
priameate de que este anno tem vindo para vestidos, e vende-
rse pelo barato preco de 2 o covado.
ALPACAS LAVRADAS
Na loja do Pavo.
Chegoa celo ultimo vapor um grande sertiincn
ta.das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, tendo entre ellas algumaeque
taiitn a vista propriamente de seda, e vondem-se
por presos mUo em conta.
GURGURAO PRETO.
Chegou para a loja do Pavo o mais eneorp&du
garguro de sivl* pcelo para vestidos o eolletes,
ifat> se vende mais barato do que em outra /juaJ-
qm-r parte.
3CADAPOLAO FRANGEZ
A 7*000, a o pavS.
Veadea-se p>u-,i-- de madapolao francez com ti
metros, peto barato prec/> de 7*000, dito enfestado
com f jardas a 7*000, assim como fmissimos ma-
dapoloeft franceses e inglezei, ditos de jardas, que
e veodem mais barato do que em outra qualquer
parte, por Biuvr grande porcao _
AS CASSAS DO PAVAO
Covado a 300 rs.
Vendem-s-' aiwimas cassas francezas com lia-
Am desenhos 0 coro llxas a 300 rs. o covado.
CHITAS BARATAS
Na loja do Pavo
Vende-se urna grande porcao de chitas eseurae.
ara, de cores filas, por precos que admiraran
BRILIIAJITES BAEGES A 400 RS.
QS o Pavo vende as mais delicadas ba-
reges de pura lia, seadotransparentes com
os mais delicados desenbos, de quadriobos,
i giras e lizos, sendo n'este artigo o mais
delicado que tem vindo ao mercado, e
vende-se pelo baratissimo preco de 400 rs.
o covado,
PELERINAS A 4*300 v
Na uja do Pavio vende-se as mais mo-
dernas romeiras ou basquinas de croch,
pretas enfetadas com verde e outras cores,
pele barato preco de 46000 cada un, pe-
cniacha.
vara.
ALCODAO ENFESTADO.
Vende-se superior algodaozinho com duas lar-
guras, proprio para lencoes, sendo lizo e eutrau-
cado, e veode-sb por preco muito rasoavel.
MEIAS PARA MENINOS A 3J608 US.
Vendem-se doiia de metas superiores para
meninos c meninas, pelo barato preco de 3it)0 a
duzia.
CASQUINAS DE GUIPUZE.
Chegaram as mais bonitas c modernas basqui-
nas pretas de guipuze, que se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte; assim como as
mais delicadas romeiras ou pelerinas de croch
pretas, enfetadas de verde contras cores, que se
vende muito cm conta.
CHAPEOS DE SOL.
Vende-se nm grande sortimtjnto de chapeos de
sol de seda e alpaca que se vendem muito ba-
ratos.
LENCOS BRANCOS.
Vendem- se bonitos lencos brancos e de cores
com barras e abanhados, pelo barato preco de
.').'>00 a duzia, ditos de lin10 abanhados afija
duzia, ditos de esguiao para varios precos, ditos
de algodo a 2 e lOO a duzia.
A 5,5000
Na loja. do Pavo vendem-se modernsi-
mos chales de fil preto com lindas palmas
de seda, pelo barato prepo de 5000, 6
pechincha.
BASQUINAS A I2000
Na loja do Pavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de.guipurc,
pelo barato preco de 123000 cada urna.
PARA ESCRAV05
Na luja do Pavo vende-so eslamenha
de algodo mesclado para vestidos e roupa
de moloques a 200 rs. o covado, na rua
di Imperatriz n. 00 de Peto Pereira ^
Silva.
Papel para embrullto.
Compra-se papel para cmbrulho : na loja do
Pavo, rua da Imperatriz n. 60. de Fcdix Pereira
FOSTQ'eS RUANCOS PARA VESTIDOS A
400 HEIS.
Na loja do Pavao vende-se nm grande
sortimento de bonitos fostes brancos, pro-
prios para vestidos e roupas de creancas,
assim como tqmbem para roupas de ho-
mens por serem de lavores miudinhos e
bantante encorpados, e vendem-se pelo ba-
rato preco de 400 rs. o covado nicamente
na loja n. 60 da rua da Imperatriz.
A8 ALPACAS DO PAVAO A G10 RS. O COVADO
Vende-se um grande sortimento das mais boni-
tas alpacas lizas tendo de todas as cores, mais no-
vas fjue tem vindo ao mercado e vendem-se a 6'tO
rs. o covado.
ALPACAS BRILHANTES A 6i0
Na loja do Pavo vende-se as mais benitas al-
pacas lavradinhas, tendo de todas as cores que se
vendem a 640 rs. o covado.
ALPACAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas brancas lavradas
e de cordo sendo n'este genero o meihor e mais
lustroso pue tem vindo ao mercado, tem algumas
to finas e to bonitas que serven para vestidos de
noivas e vondom se por commodos precos.
LAAZINHAS MODERNAS NA LOJA DO PAVAO
Chegou para esto estabelecimento um grande
sortimento das melhores e mais modernas laazi-
nhas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de todos os precos e qualidades que se vendam
mais barato do que Cm ontra qualquer parte.
APACAO 0'J GORGUlAO DE LAA A 800 RS.
Na loja do Pavo vende-se o mais bonito alpa-
efio de cordo endo de todas as cores, endo fazen-
da bastante larga a 800 rs. o covado.
COLCHAS DE FUSTO
Ka loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de colchas de /usto sono brancas e de cores
ditas de crocit para camas de noiva, assim como
qonitos damascos de la para colchas.
AGRACIANAS '800
Chegou para a loja do Pavao um bonito sorti-
mento de lindas agraeianas para vestidos tendo de
todas as ores e peebiucha.
Com Nutras de seda a 800 rs. o
covado
Na loja do Pavo vende-se as mais bonitas e mo
dernas azmhas com listras de seda sendo miudas
e graidas a 800 rs. o covado.
CORTES DE CHITAS
Na Loja do Payo liquida-se urna grande porcao
de ehitas finas de cores lixas e bonitos padoes es-
tando todas ellas em cortes de 10, 11, e 12 eovados
para nao mar ficar retalho faz-seo preco de 320
o covado. fazenda que em outra qualquer parte nao
se vendepor menos de 400 rs. isto grande pechin-
cha.
ALPACA BRANCA A 640
Na loja do Pavo vende-se alpacas brancas lisas
muito linas a 610 o covado.
Manguitos coi collas a l:oo
Vendo-se bonitos pares de manguitos com golli-
nhas sendo de cambraia transparente a 1600, di-
tos de earabraia tapada a 21000, corpinhos de
cambraia bordados a 3/ e 71000, camizinhas de
cambraia bordadas de varias qualidades.
CHALES DE CHACHE.MIRA A 6^, m E
UfiOOO.
Na loja as Pav2o vendem-se os mais
bonitos chales de verdadeira cachemira df
cor, com os desenhos mais modernos, a 6,
10 e iiOOO, roolto barato na roa da Im-
peratriz n. 60.
A AGU1A BR.VNCV lem convcc3o de que a.abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a linjitacjo de seqs precos. est3o na opinio do respeitavel publico
em gcral, e na do suaboa frepezia em particujar; mas anda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepejo d'aqi^eTfes objectos que est3o alm do Commum
como bem sejam:
Bonitas caixinhas de raadeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas do carteira
mando aberlas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dotirados c de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para vtagens.
ESCOVAS DE MARFLM
Para unhas, dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
Jreperola para os mesmos firls.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofacs de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin douradO:
Boloes com ancora, e P. II. para fardas
i colletes.
Aboloaduras d'avcnturine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 5$.
Botes de cristal, encastoados em prata,
[jara punhos, 4-3 o par.
Camisas de flanella para homcm, a me-
'hor qualidade que tera vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, lecido de borracha, para
qnem soffre de inchacao as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos d metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres," quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal 6 a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
cm tal genero, o anda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundado
as falsificadas para serem vendidas barata-
lAWt*rT>orm as verdadeiras continuarlo a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria sen3o impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-'
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus pregos
e a, cinceridade de seu agrado, que nao se
esqnecam de comparecer loja d'Aguia
Branca rua do Quemado n. 8.
PARA A FESTA
Vende-se por menos de 10, 20 e 30 i0
SO' NO
RVATIVO
N. 23Largo do$er .lssucar do oxido de forro do
chaofeand.
O assucar fe ruginoso de Chanlennd d obido
pela ssociaco du-uxidu .Je ferro' i lure.1 cora o assucar cuidad
Est* assncar, de una Irella apprencia crytalina.
tem o siinpleS gbsto mu agridvel do iissuear,
sem o menor sabor adstringfcnte : hd terki aci-o
irritante sobre a mu apmagQ e cnte>tiuos,
e rafiidameiito absurvidq pi-lo pparelho digesti-
vo sem causar as r mstipi^Sts do ventre;
E' hoje preparado de f-r'ro de mnis aceitaeao
para a eiuMse atona dos orgos, lenlas lun 'm
mensU'uac;es difficeis, etc., o luoi a smii lavor
juizo auiurisado da escola de inodicjua de Paria,
e dos cliimicos os mls notatcls.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia do BaiUiolomcu t C, ra laiga do
Rosario n. 34.
Trff,
Til
DE
4 -
S1MA0 DOS SANTOS ft C.
Os propietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados esto re-
solvidos a fa/.ere urna grande dimiuico de pregos as suas mercadorias, como se apro-
xima a festa o sempro so fazcm avnltadas compras para o osptro e praga, por
isso previnemao respeitavel publico em geral. que mande fazer sas despencase cer-
tcs de que verlo a grande diflerenca era precos mais do que em ontra qualquer parte
e g.irantindn-se as superiores qualidades.
CAZ AMERICANO 0$SO0 a lata, e 440 SEVADIXIIA E SAG 280 rs. a libra e
rs. a garrafa e GGO rs. o litro. G20 rs. o kilogrammo.
VINIIO VERDADERO FIGUEIftA 560 EARI.MIA DE ARARUTA VERDADEIRA
agarrafa, c 1^500 a caada e 800 rs o ti- OiO a librae 1M00 o kilogrammo
iro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e H00 rs. a garrafa, a 800 e
320 a caada, 060 c lif rs. o litro.
DEM BRANCO DE LISBOA a 4*100.
BOLAXINHA INGLEZA MUITO NOVA a
400 rs. a libra e 8'K)rs. o kilogrsmmo.
VELLAS DE ESPARMACETE i 720 rs. o
massn. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
a caada e 560 a garrafa, e 840 rs. o litro. BANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA 35200 e 65500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINIIAS
DE MUITOS TAMANHOS 1028O, 25500
:i#)00,45500, 55500 a lata e a retalho e 15
a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
i lihn unr.n a A^qn n Liin- masso. e em caixa ha abatimento.
,lbra' k"^ BATATAS NOVASTE LISBOA 60 rs.
200, 240 c 320 rs. a garrafa, 15400,
15800 e 25200 a caada,
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, c 15340 o litro-
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15400 e
5280
Srin\ FRANCEZA 960, 900 e 850 rs. S *ra' em **** tw* abatimento.
a hbra, e 25100, 15980 e 15860 o kilo- SERVEJA INGLEZA MARCA O 55500
grammo a ^uz'a e ^00 rs- a garrafa.
i)ITA PARA TEMPERO 50 rs. a li DEM BASS, VEBDADEIRA IHLERS4
bra, 15220 o kilogrammo, em porco se BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
far abatimento. VINIIO DO PQBTO ENGARRAFADO DE
BANHA DE PORCO DE BALT1M00R DIVERSAS MARCAS 15500, 15200, 15 e
720.TS. a libra, o 15560 o kilogrammo, em 800 rs. a garrafa,
porco se far abatimento. GENEBRA DE HOLANDA E HAMBUR-
ARSOZ DO MARANHO E DA INWA GEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
120 e rs. a libra, 260 rs. o kilogrammo e
35400 a arroba.
ALRKTA 200 rs. a libra e 440 rs. o
kilogrammo, e 65000 a arroba.
CAF EM GRAO 65 e 65500 a arroba,
200, 240 280 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo em sacca se far abatimento.
SABAO MASSA 240 e 200 rs. a libra,
520 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa se
faz abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACABRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 560 rs. a librare
15220 o kilogrammo.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, bem como perola bri-
IDEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
35000, 25800 e 25iOO em caixa ha abati-
mento.
TOUCINHO DE LISBOA MUITO ALTO
- 400 rs. a libra, e 880 rs. o kilogrammo,
e 115500 a arroba.
UNGUIQAS FINAS PROMPTAS EM LA-
TAS 15000 rs. a lata.
LOMBO DE PORCO ASSADO JA PROMP
TOa 15000 rs. a lata.
CHA FINO. GRAUDO E MIUDINIIO
35200 e 25S00 a libra, e 65100 o kilo-
Ibante, combiaation, Francv-cracynel, mixed j grammo.
Britania. Mdium, Fancy-nic-nac, a, b, c, el JQEMPROPRIO PARA NEGOCIO 25000,
soda a 15000 e 154QO, cada urna lata. '25200 e 15800, rs. a libra.
As6im como ha outros muitos gneros, vrIio em ancorlas, azeitonas,
muito novas, passas e figos novos, charutos Hliversas marcas, marmelada, feita pelos
melhores conserveiros em Lisboa, gela de marawllo, poego, ervilbas, em latas, por-
tuguezas e francezas, vinho verde engarrafado retalho, peixe em latas, bem como
pescada, tainha, pargo, goraz, lula, corvina, vezugo, cavada, sarda e sardinhas de Nan-
tes. Canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandesmolhos de sebolla 15500.
Finalmente muitos outros genero* que enfandonho menciona-los.
Elle adnrud
|l)eparalTO au
iilemmM mer-
ino, iodo oa
Jneoico; uoi
------------------------------------------------------------------------------JriKoroso modii-
|: ndor pinoungne eenn radicalaeoteMmotftUttd|h-lie,Uaconirtn, aslapigvu,>herpet, u 1
. etpinliai, e os PaoiKM, CK-Bnarcf (* dUmnenle elle ntttum asea doM(ue eeiilM*l O wmm.
A IIJEUiO CiDET ^WZ&T*** "* ~
IHJECG
raaie, 7, I i
O Campos da rua do Imperador n. 28 tem para
vender o seguiute:
QueijosTbndrinos, prato?, flamengs e do Minas,
todos muito frescos e de boa qualidade.
Presuntos para Hambres e para tempero, paios,
salames etc. etc.
U verdadeiro bacallao de Noruega.
Latas com lagrtstas e ostras.
O verdadeiro caf Mocha.
Itepeclalfilailes
Grande remessa de cigarros de diversas quali-
dades, viudos da provincia do Rio de Janeiro, no
vapor brasileiro Paran
A saber:
Cigarros ao duque de Casias
Ditos ao Maurity.
Ditos aes tonentes do Diabo.
Ditos Rarbacenas. "
Ditos Papel peitoral.
Ditos de S. Panlo.
Ditos do Ro-Novo.
Temos de medidas para seceos, segundo o novo
syslema (mtrico francez), no armazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas e mais facis tabellas para
de prompto se reduzir u$ e a kilogrammas e ao
inverso &or isso recommeuda-se
aus eslabelecimentos que ainda nao lem, que ve-
nham seus danos mtinir-se desso tao grande agen-
te do commercio, pois i|ue, com a safra que est
porta, torua-se ditas tabellas indispensaveis.
28-TUDO NO AUMAZKM DO CAMPOS-28
NO VIRARE!
A FRAGATA AMAZONAS, recebeti e ven-
de .por preijos muito razoaveis, urna bonita
ariedade de capinhas de guipare de supe-
rior qualidade, com lindos enfeiles, e dos
modllos mais modernos: assim como
timas bonitas o muito airosas
MA.NTILHAS BRASILEIRAS
le fil preto de seda que siio em duplo en-
feite para o corpo c para a cabera, que
supprcm com mttita vardagem os veos.
Onalquer um destes artigse muito pro-
prio e desente para se ir a missa ou a qual-
quer acto religioso : assim como para visitar
o cemiterio no prximo dia de linados.
Na mesma casa lia agf>ra mais que nunca
esplendido e variado sortimento de fazen-
das de toda a qualidade para senhoras o
para homens, cuja ennumeracae seria longa
e as quaes estarlo sempre pat-ntes aos fre-
guezes que as quizerem ver, quer no esta-
belecimento, quer cm suas casas onde se
mandarao sempre que l'orcm pedida^.
Ha sempre luvas de pellica frescas Jovin
brancas e decores, roupas feitas e de en-
commendas. chapeos e ckapelinas. etc.
H
E4Wr#MTlM
H
FIO E VEI.A,
Barbante
Em casa do Rabe Scltmetau A- C. Corp
Santo n. 15.
SHEHH7 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COGJVAC HEWXESSY.
Em casa d-, Rabe Srlunettau & C. Corpo
Santo n. 15.
CAHMP
SUPERIOR.
Roussillon, carte blanche.
Em casa de Biabe Scliniettan A
i Corpo Sant" n. 15.
-DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CIIATEAU LA ROSE.
CHATEAU RAtJZAM
Em casa de Rabe Schmettau A C. Corpo
_____________Santo n. 15.____________
Lageamento
Vende-se na rua de Apollo n. i, lagedo para
calcadas e annazens.
Vende-se
um terreno j com alicerces para nma boa casa :
quem pretender dirija-se rus do Bartholomeu n.
67, loja, que achara com qnem tratar.
Vendem-se diveros escravos peca, proprias
para armazem ou engenho, \ indos do Cear, as-
sim como algumas escravas com hsbilidndes e sem
ellos : na rua da Cruz n. So, 3o andar.
A'ten<#o
Joaquim Rodrigues Tarares de Mello
tem para vender no seu cscriptorio, pra-
ca do Corpo Santn. 17 primeiro andar,,
potassa da Russia ullimamente chegada,--
cal de Lisboa e vinho Bordeaux de supe-fi
rior qualidade. gt
8
CeTada
Vende-se cevada mnito nova de Lisboa : na rua
Direita n. 30, a 32O0 a arroba.
TTENCAO !I1
A propaganda Jiomeopatiea,
Por menos 30 por eenfo
Esta-se vendendo os re?tos dos medicamentos
homeopticos viudo no vapor Navarre de casa de
Weber. Retalha-se a vontade do comprador, como
sejam: glbulos em lubos, vidros sonidos, glbu-
los entibes rnica, tintura maire, dita denamisade,
etc.; medicamento este, todo especial e novo ainda
no paiz. Portanto, bom ser aproveitar a opnor-
tunidade para proverem-se de remedios de plena
confianca e cura maravilhosa.
22 e 24--Rua dos Ossos-22 e 24
Confronte o hospital ele Santa Thereza.
Vende-se nina boa escrava recolbida, peifei-
taengemmadeira, cozinheira e cose muito bem;
tres ditas de idade 20 a 2% anuos, engommam e
cozinham muito bem, urna dita perfidia cozinhei-
ra, de idade 30 annos, por 8003 ; urna dita qui-
tandeira por 700JS ; urna dita por 2001; urna dita
bor 4004, duas ditas para engenho ; nm escravo
que eozinha bem o diario, o para todo o servico,
e tem boa conducta : na travessa Ao Carmo nu-
mero 1.
PARA l'SO DA INKNCIA liiA^ILI.AA.
tei.o :
Dr. A. CesaiBorges.
(21 I.OICAO .MI'ITO MEI.HOHAUA E
Al'(.M:.NTAl).\)
Estes il.,!.s hxros, resulaado de arando expe-
riencia p i -'mos r-speciaes KM sntnr, virram
tlsfaz'T a nma d.is mais instante* ne<-"ssida4ib
ioetruccao primaria, e per tal furma que, pelos
governos de ipiasi todas as prnviiici.\s leeai si.
adnpiailas para as escolas Publicas, ;.-.-iin co'mu
por grande numero de nrofcssnfes pjrcnlares.*
O prinieiro lino I aihi Intametil' diverso dss
caitas vnlarnionlo eonliecidas pelo nume C.0.A
HC) c compo8to .segundo um syhiua natural,
pliUosojihicu e ameno que aus metimos fecl
exfraordinarlainento o coniterimento da leitura.
lornaiulii-llios iroiito ni;iis rpido, e nito menos
penosos, seus prosearos, tiniulos e vacilantes pu-
sos na vida iiltciaria.
O segundo litro consta de. oonVs artigo, con-
los etc., todos ti breves romo convoni fop*t
ationeao das crismea, e d*riptni era lingOagem
e e.-tylo ai r(.(.riati<)s franqueza de sua int'tl'i-
gencia,
E de mancir combinadas iiefle ?c acham a*
materias que, ao inrsmo passd que vivamente in-
Uressam e ddeiiam os pitfuenos-Iciorcs, levare-
llies e Implntalo Ihes no espirite e no coraran fe-
cundos preceitos de moral, inspiran lo lites,-desde
logo, ctin o goslo da leitura, o amor da virtud''
e a repugnancia da do rfen.
Sao ambos e-tes livros ntidamente impressoa1
elegantemente cncadernados era Par*, o ci.nteni
estampas linas rcpru.-cutandu os .: limpios dos
contos ; o que es torna mais convidativog aos me-
ninos e mintn proprios para presente*' "U premios
dos mesmos.
Ctintem domis o segundo d^us bellos bromos
com msica para o comeco c fin da escola."
Uccommendaiiio-los pois ronliadi-.n^^iia aris se-
nhnres pas de familia, e professni ac ainda es
nao conlieceiii.
Primeira livro. l:.W)
Segundo t- 2*000
A VENDA NA.
Livraria riaucaz.n,
-UUA DO CRESPO9
Cabriolet.
Vende-se un cabriolet de dons e i|atra asMD-
tos, o que lia de tnclltor insto gener), ejm botn
ravallo e arrei is, ol -. n elle : a rua de Santo
Amaro, corheira de Thomaz l.ins.
muito proprio ara barraras e hiatos; vendem :e
no arman m de David Frreira Balfsr, rua do
llrum n. !'2.
Vende-se a taberna l'lor da Palmein : na
rna da Palma n. '37.
RIJA pA ULaiR A Ti
Glaria do Funda j.
Ha sempre n-la olaria grande sortimento de
materiacs, eomo lolos de rVeparia banda, Jadn-
llio, qaadrado de H, '.) r mais potlegjd.is, tellias e
teihocs, tijolos de i.ip.imentb. O proprietark^des-
ta olaria garanle a buida lo u borr-J de taei malc-
raos, como lainbem vende-se uuis barato do qnc
oui oira (|iial!|;icr parle.'
Vemlc-so um hom sitio cm Api- fSB
puros: 3 tratarrta'rua do Queta
don. 14.
... sa SBfeS ai
Vendo-se por menos de seu vajor a metade
da cisa da laoVit do Vara! >r, i Jltpda, p. 18,
que fui dqshcrdeiros de Joaquim Jeronvtno Sari
garamindn-so arltar-so desorabfcraeada: a tratar
lar cora o Icilecijo Marlius, rua do itnperadjOf an-
mero 16.
-
m

- Att^irao,
Vcnde-W nms ranos de rarreira, propria para
faniilia e pra rapim por ser muito boa, est pin-
tada e Miafelada de novo, c toda encavilliada de
cobre, U>m do comprimenu) 40 palios, de I, c .
Se do aluna _il e 3 p 'ilogadas : quem quizer ili-
rija-se rua Jo'va n 2i, que achara com qnem
tratar; ; ______________
Vende-se una taberna cm om lugar bem
afreguexada para a trra, propri? para nm prin-
cipianta por ter poneos fundos ffa armario ser da
casa : a traa* na rua do Aguas-Verdes a. 15, ta-
berna.
Desappareceu
hnntem as 7 horas da noite da casa 1> abaixn as-
signado o seu escravo Hilario, idade.22 a 23 an-
nos, preto, aliara regular, cheio do corpo o com
ina rea i de bexiga no rosto, o nicsmo escravo che-
gou no mez paseado do Maralo d'onde natu-
ral : paga-se generosamente a quem o apprehen-
der c lvalo rna da Cruz n. 26.
Recifo28 de mimbro de 1860.
Dr. Slalaqaias A. Go&iialvei.
Gl-atifioa-se com 200-$ por .cada
um, c mais, conforme a dis-
tancia cm que forem captu-
rados.
Do engenho Solcdade, em Porto Calvo, fugirara
juntos nodia27do mez psssado,dons escravos, cujos
signaes sao os sesuintes : um de nome Felippe,
idade 2o annos, natural do Cear, cor cabra, eslava
um pouco discorado quando fugio, tem os cabellos
carapinhados, olhos grandes e vivos, falta de um
dente na frente, rosto comprido regalar, poura
barba por baixn do queixo, estatura regular, bem
feito de corpo, pernas grossas, ps peqnenos e
bem feitos, com marca de nma ferida em cima de
urna das candas das pernas, e falla claro e des-
embarazado. O outro de nome Manocl, tambem
cabra, tem 23 annos de idade, natural do Rio
Grande do Norte, estatura mediana, espigado, sem
barba nenhuma, rosto curto, olhos pequeos e
vivos, nariz pequeo, regular em grossara, dentes
perfeitos c alvos, bracos e pernas linas, ps reg>
lares, sabe ler e cscrever, toca viola e canta de
improviso, foi munido de falsos documentos. Anv
bos foram comprados, nesta eidade do Recife ao
Exm. Sr. bariio de Nazarcth, o primeiro em julho
de 1866 e o segundo em jullio do corrente an-
no. Estao a nbos limos de costas e nadegas,
por nao terem scfTrido castigo algum. Roga-se
portanto, s autoridades policiaes, capitaes de
campo, ou qualquer pessoa que os encontr, de os
capturar, c lvalos a seu senlior, Francisco de
Paula Cavalcante de Albuquerque no relerido
engenho Soledade, no termo de Porto Calvo, ou
nesta orara ao Sr. Joaquim Rodrigues Tarares
de M*llo com cscriptorio no largo do Corpo-Santo
n. 17 Io andar, pelo que em qualquer das partes
se dar a gratificaco cima promettida. Recife,
23 de ontnbro de 1869.
i
Vende-e urna taberna com poneos fundos ;
na rna Imperial n. f7.
WISO
Fugio segunda-felra, 18 de oulubro, o escrav*,
Antonio, preto crioulo, idade SO annos, pouco mais
ou menos, de estatura regular, falta de denles na
frente, quando anda nm pouco corcovado para
diante, levon vestido calca de brim pardo, camisa
de estopa, e chapeo de palha i vefeo : este es-
cravo veio j ha lempo do Rio Formoso, e snp-
poe-se ter para all seguido : quem o pegar 1-
ve-o a rua da Concordia n. 8, rellnac^o, que sera
bem gratificado.
\l
II
o bem eonhecido Jos Col, por :er am wJ bi
escravo da padaria allema, em Santo Amar,
noite do dia 22, levado pela forca da caeh cahlr em algum arraftaide, levo nm batato ra
cabera, que talvez o perf-sse no giro : quero o
capturar sor* recompensa.
;
i
X

ILEGlV


8
Diario *le Peroambuco^- Quarta feira ,3 de Novembro d1869.
T--------x-------
XS
y
ASSEfflBLEl GERAL
SRS. DEBUTADOS
7 DE OUTUBRO
SES&AOEM
PRESIDENCIA DO SR. NEBIAS.
(Continuaco)
Lego o legislador teve em vista alguma
tasa, e foi qne supremo tribunal por
*b I5rma tratas#e, interpretando a lei,
BSterpondo a sua valiosa autoridade, crear
sin a jurisprudencia nacional.
*> o que tem feiio o supremo tribunal?
tuaos sao os recarsos de revista interpos-
pdo procurador da cora no s interesse
lei ? En nio conheco um ; o recurso
antevista, as decisoes tm ficado do limita-
bas ao interesse meramente privado, entre-
uwto era ama sabia disposico essa da le
toda de 18. (Apoiados.) Se ella se tives-
se cnmpriio, muitas questes, muitas duvi-
estanam resolvidas pelo supremo tribu
m, qoe assim, pela torga moral das suas
ases, obrigaria a observa-las nos tribu-
ajbs inferiores. (Apoiados.)
fw outro lado, qoal estado do foro17
C anarcbia perfeita (apoiados): cada ad-
ogidb tem sua opioiio: quer fz-la pre-
tatecer como o non plus ultra como se fra
aljjH Fapiaiaao, ou outro, que recebesse
imperadores a autoridade de interpre-
tar obligatoriamente as leis e impr os seus
orecercs. Os juizes superiores, o supre-
mo tribunal resolvem a questo ; a relaco
Mide em contrario ; os municipaes e de
iSk&o decidem o contrario ? Os juizes in-
feriores tin-se constituido superiores aos
tos superiores; desobedecem; ninguera se
$oer sujoitar ao superior; a anarcliia ; o
otes ?
Senoores, preciso acudir de prompto
remedio a esta desordem e confuso
4 foro, est coneorrendo progressivameate
jara abysmar essa tal ou qual jurispruden-
cia, se se pode assim denominar a cousa
na imperfeita de jurisprudencia que eu
aoaeco, e cada vez mais aggravando a
iesordem e confuso da propria legisla^ao.
E podemos nos, pode o corpo legislativo
per si exclusiva e directamente acudir com
fie remedio legal irreprehensivelmente
(aostitucional ? Euduvido.
Ainda ha um outro ponto gravissimo nes-
a jesto, e sobre o qual eu direi alguma
coasa.
Toda a duvida, Sr. presidente, vem da
apwssSo.interpretarde que usa o
lasso acto constitucional.
Senhores, o que Interpretar ? Eis urna
aesto que tem oceupado os mais eminen-
te jurisconsultos. Tem-se escripto_ volu-
mes sobre este uni o ponto. Eu nao me
aeei cargo agora de ;ita-los ;mas, resumin-
4bv direi que a interpretado da lei reduz-se
a descobrir, quanto ao acto subjectivo, o
-serdadero do legislador, e depois manifes-
tar por p;>r um acto externo essa descober-
a do nosso espirito.
O Su. Dl'qve-Estrada Teixeira :Como
Ssse Savigny, conhecer a lei cm sua ver-
dade.
O S. Perdigo Malheiro : Mas para
si necessario reconstruir o pensamento
o egislador.
Para mellior resolver a materia temos a
rronsiderar quantas especies de interpreta-
:$oexistem ou sao reconhecidas.
V* So. Deptado : Nao ha senlo
ra, pnrqtw aquella que-se limHt-a- de-de-
ra smente o pnnaaueuto do legilidoc; tai
qual elle o concebeu, sem ampliar nem res-
tringir.
Mas quanto diflied chegar-se a este re-
soltado Como se pode determinar, par
urna interpretle declarativa, que o pen-
samento do legislador tilo senlo aquello
que nos emittimos ?
Eis a razo por que as nossns leis tem
reconheciilo no proprio poder judiciario
(o qu muito notavel para a questlo) a
faculdade de interpretar ampliativa e res-
trictivamente as leis. Isso nunca foi posto
em duvida, e eu desafio a quem quer que
seja a contradizer-me neste ponto.
0 Sn. Caiidoso de Menezes : Mas nao
com o carcter obligatorio.
O Sn. Perdigo Xalhemo :Com carc-
ter obrigatorio.
O Sn. Anmum Fwuwiu :Ate crea di-
reito novo.
O Sn. Perdigo Mvlheiho: Voltando
um pouco atrs, aiudayiiri, a interpretacao
legal ou publica, divid-se emauthenlita o
usual ou doutrinal.
A intorpretacao anthentiCa a nica que
resta ao poder legislativo como tal, e nao
propriamente interpretacao.
A doutrinal pertence a outras autoridades
e al com certas amplitudes, como demons-
trare!.
Quando o governo expede os seus ragula
mentos e decretos, pela attribnico que tes.
na consttuc3o, para a boa exeeueo das
leis, interpreta a lei; nao se pode negar,
porque nao possivel. nao posso conceber
como, para mandar execulr a lei, expedir
qwr
decretos, regulameotos, instreccocs para a
boa execoclo, aquello que o faz nao se
compenetre bem do pensamento do legis-
lador (apoiados): para isto necessario o-
terprelar, e a interpretacao no se refere
s aquellas leis que sao obscuras e duvido-
sas; a interpretacao comprabende tambem
aquellas que pare?am as mais claras. Islo
j do direito romanoquamvis sit mam-
festissimum adictum l'rwtori, attameti
non est mggenda interpretado ejus.-\\i
sempre necossidade de um acto do espirito,
para que se ebegue ao verdadero pensa-
mento da lei.
Eis como o poder execntivo, no expedir
os seus actos, interpreta, o por va obliga-
toria.
O Sn. Cahdoso de Mknezes d omaparte
O Sr. Perdigo Malheiro :Meu colle-
ga, tenha paciencia; eu ostou distinguido
e o meu collega est confundindo et:i
questao com a da interpretacao autlienti-
ca....
O Sr. Cardoso de Menezes d outro
aparte.
O Sr. Perdigo Mai.iieiro :.,.. en estou
inc-
ntlerprctev
legislador faz sempre lei.
Se qnizessem >s dar palavra interpretar
da nossa constituicSo a Uiitue que tenbo
ouvido, e que alias respailo (orna epinifo
como outraqualqoer), devetiamos retirar
do poder jnmciario na iulwfMtaejk) dou-
trinal a ampliatim rwrrtcfiM, porque
nestas, como dizem os escripiores, ha for-
mac'io de direito, e. portanto. implicita-
mente o exercicio de urna fatuldade ou at
tribuico propriamente legislatvi; tal a
consequencia lgica do estulto analytico
desta questo.
Pergunto cu : podofemos-fiiiegar at essa
extrema consequencia ? Kiwaago. Polga-
ria milito ver sustentado ou dem nstradoo
contrario.
Sr. presidente, essas opinioesqu) venho
de emiltir nao sao inteiramente singulares
e minhas. lquft preciso recorrer a au-
toridade, en citarci a opiniao muito Taliqsa
do Sr. Svigny, o qual, pouco mais. ooaw-
n3S, expoe a Uieoria como eu acabei de fa-
zer, o chega a conclnslo de qne o melhor
syslema seria a nstHuicao de um tribunal
que resolvesse por via de interprctaclo as
questes de direito, deixando, porm, am-
pia liberdade ao poder judicial quanto a
interpretacao verdadeira, orno elle quali-
fica a simplesmente declaratoria; e que
quanto as outras, que por amptces ou
restricCoes formam direito, eenvolvemuma
attribuigo legislativa, qual por sua natu-
reza a formacao da direito, essa competira
ao dito tribunal. Eu nao posso dizer rao
Ihor do que elle ius poucas palavras que
passo a 1er:
Sn. PerdigoMalheiao :Eu nao es
Gaseado urna prelecc8ode direito sobre
!ar offensa cmara, se tal pretendesse ;
sstou apenas synthelisando a doutrina para
Srar as minhas concluses. Tenho a mi-
qb theoria sobre interpretacao, assim como
atttro> tm o sua; e cu respeilo as alheias.
Como ia dizendo, nos temosaioterpreta-
iln legal imi publica, e privada; interpreta-
jlo leal ou publica, aquella que vem da
autoridade ; a interprctacS > privada, aquella
^ue todos nos podemos dar, 6 um acto d->
espirito de cada twn; cada qiaal entonde a
r-i Gonf>rrae o principios da hermenutica,
tmfwiifc: o stii raciocinio, o os elemen-
\c granle diviso em dom ramos refere-se
igemda interpretuco. oque essencial
* iinportiiiile fiia desde j para o que tenho
t dizer.
O pr.iccsso, quanto ao acto subjectivo,
iicavel a qualquer especie de interpreta
0 ; mesmo quanto anlhontico, o proces-
'> subjectico qursi idntico, com urna dif
arenca de que farei mengo.
Sogundo a peraco d em resultado sim-
jiesaeclanco da lei. ou a sua ampiiaeio
som-tiiero, chama-se, a interpretacao de
dawtiva, ampliatisj, ou restrictiva.
A interpretag3o declarativa propriamente
i a que os escripiores. Savigny por exem-
.'\ qualilico iriteipretacopura, verdadei-
FOLHETIM
% CASACAS PRETAS
na interpretacao doutrinal.... O man co
ga quer negar ao poder executivo a inter-
prelago doutrinal ? e mesmo, cm geral, o
que constitue aquillo que nos chama-
mos tradico e que forma a jurispru-
dencia ?
O Sr. Cardoso de Me.nezes d outro
aparte.
O Sr. Pkrdigo MauMlRO : E' o que
nos n3o temos; e no emtanto o qoe faz
a belleza da jurisprudencia franceza c in-
gleza, quando alias as legislagoes nao sao
as mais perfeitas.
O Sn. Cardoso de Mbnezes d ainda um
aparte.
O Sn. Perdigo M.vliii'.iro : -Assim n3o
jaoar... A-materia grave, e eu
eslou Tallando de improviso ; estwdi a
questo, e, ernbora me snja familiar, (iz n>>
vos estudos: o nobre depuiado pode pedir
a palavra e contestar-me.
Nao se pode, portanto, nojar nem ao
poder executivo o nem ao judiciario a in-
terpretacao doutrinal, ainda por via de atfc
toiidade, porque elle vem da autoridade,
vem do executivo em forma geral, quando
expede decretos ou regnlamcntos ; vem do
juiz, do poder judicial em forma particu-
lar, quando decide os casos sujeitos ao sen
conhecimento ; o. bem assim do poder ac>
minstrativo, cm relaro aos casos partid-
lare? de sua competencia.
Se os tribunaes, verbi gra'ia decidem
um ponto de direito, sem mais recurso,
nem mesmo de revista ou accao rescisoria,
o poder judiciario nao pode deixar de aca-
tar a senlenga, ainda que faga do preto
branco e do branco preto. E' urna cousa
julgada ; tem forca obrigatoria e at crea
direitos.
Na interpretado authen-iw, que a pri
vativa do legislador, tem esie toda a latiU-
de, c Diz lei nova, porque tem de accom-
modar a lei as circamstocias actuaes, e
rnsto se differenca da d mtiinal, como havia
prevenido ha pouco. Eis a raSo porque
entendo que na constitow-So nem havia nu-
cessidade de ser declarada essa attribuigo,
sendo suficiente dizef"-i-fazer leisQnor
Comme souvent les limites entre I m-
terprtation pore et la formation du droit
sont fort incertaines, il devrait y avoir
une autorit supevieure dont l'action nc
serart pasentrave par celte distinction.
Celte aotorit. specialemeiit institutie pour
veiller au progrs du droit, anrait anssi a
intervenir toutes les foii qu'il s'elveraii
des doutes sur l'interprtation d'une lei.
Mais dfaut d'une autorit semblablo, el
l memeo elle existerait, onpourrait, sans
danger, confler l'interprtation transcen
dente un Corpus judiciaire organis a
peu pri de la mme maniere q*a ti cour
de cassation em Franco. Ce tribunal exf-
cerait sur Tadmioistration de la josoe,
l'influence salutaire qu'exercaient dans
laneienoe Rome le prteur et les juris-
consultos, et il aurait entre ses mains cette
interpretation extensivo et restrictive que
j'ai distigno de 1'inUjrprtation verita-
ble, el qui excede les pouvoirs d'un juge
ordinaire.
E nao sao s eslraogeiros que assim
pensam ; entre nos tambem ha valiosas
opinie no mesmo sentido.
Um muito Ilustrado Brasileiro, lente da
faculdade de S. Paulo,. no seu magnifico
Tratado de direito civil, na parte geral que
publicon, nao po em duvida a coastitucio-
nalidade dessa attribuigo ao supremo tri-
bunal : a questo para elle nica se con-
vem ou n5o conferi-la.
O Sr. Dr. Ribas, a quem me refiro,
assim se exprime : Outr'ora a casa de
supplicago linha attribuigo de interpretar
obrigatoriamen.e as leis por mcio de asien-
tos. Iloje o supwmo tribunal de jusliga
naajrpossue tal funcg.So. Entretanto,-se
eonvm dar-se a al^uem a attribuigo de in-
terpretar doutrinal mas obrigatoriamente
a lei, por certo ao mais elevado tribunal
judiciario do paz, e nao ao poder execu-
tivo. -
Eu poderia reforgar estas opinies com
algumasontras; mas nio preciso faxe-lo,
mesmo porque nao pretendo alongar-me.
Creio, portanto, Sr. presi lente, qua o
projecto trata de satisfazer a urna grande
e urgenta necessidade publica, c nao vejo
cousa eni que offijada elle a constuigo,
ao menos por modo que m fag| arri-
piar. Peior a doiitrina de delegares ao
poder executiro; e no emtanto ios as
temos concedido.
O projecto no art. 2o foi muito cauteloso,
parque prevenio por tal forma o acto im-
portanlissimo de se tomar um assento in-
terpreta !ivo de lei, que me parc;e que.se
pode dizer que o supremo tribunal nao
s nao pdf exorbitar, como nao poier
coinmetter erro propriamente dit >.
O assento n3o |xde ser tomado sonrio
quando houvor duvida sobre o. potto de
direito, a vista do decisSes divergentes.
Manifestada a duvida do ponto de direito,
consdtados previamente as rehHjoee oa tn-
bunaes de commercio conformo a materia,
e veoca-se oor dous tercos dos votos dos
eneros de ne se-compoe o supremo tri-
bunal de jusilla.
Deatte que s i derem as de*5es diver-
gentes, j temos o ponto de tartida de onde
veto a duvida. Consultados os tribunaes,
temos a opioio de quatro relaces e outros
tantos tribunaes de commercio, composlo
de juizes em geral i Ilustrados, tendo pra-
tica dos negocios, que podem bem infor-
mar. S depois disto decide o supremo
tribunal, nao por meio de simples maio-
ria, mas por dous tercos. Portanto, onde
esl o parigo de sj dar esta attribuigo
ao sopenlo tribunal ? Eu o n3o vejo.
Ainda miis. O assento urna vez tomado
nao pode ser revogido pelo tribunal: esta
urna preciosa garanta, urna providencia
esseucia!.
Se nos queronm o este e o fim projecto. crear a jurisprudencia nacional,
que nio existe, preciso que as decisoes
do supremo tribunal, os assentos, ao1
menos nesta primeira phase de reforma,
sejam obrigatorios para todos e irrevoga-
veis pelo tribunal. Se o tribunal pu ier
tomar boje um assento e amanha outro,
embora o segundo nSo possi s;r mais
revogado, continuar d jur prudencia no
mesmo p de iocertoz. Melhor e, em
todo o caso, que, estabelecida a primara
regra, nao seja alterada, e que os tribu-
naes inferiores nao se apartem da dou-
trina fixada nos assentos tomados pelo su-
premo tribunal. Se nao fr a melhor don-
trina, acuda cnto o poder legislativo
com a interpretacao autheotica : sendo en-
tretanto obligatoria a decisSo do mesmo
tribunal.
Se o assento nao fr obrigatorio, c irre-
vogavel pelo tribunil desde que fr toma-
do, posto que provisoriamente, a delega-
g3o, se existe, ser mais ampia. Pela soa
raeuda o nobre ministro da Justina, qu
entende que ha dolegago da attribuicao
de legislar, fa-lo mais largamente do que
o projecto, porque o projecto permitte in-
terpretar urna s vez, e o nobre ministro
direito racimal, fonte aotosidlaria de diretto,
na falta absoluta de legjslag) p.'itria ou
outra 1 A rdeuago e a lei di) 76t ou
a lei da boa razao chamada, explicando
esta materia, nao exduem de todo a com
mum opinin- (tosHootores paraeenir de
seja no proprio supremo tribunal, seja as
relacoes, seja nos iuizos de Ia instancia
ainda as causas que couberem na sua al-
eada, comprehendida, purtanto, toda^a
rdem da magistratura'em materias civis,
crimes e commerciaes que sao da ..com-
petencia do-poder judicial, para-que. Isc
tome o assento que resolva a duvida e
torne-se obligatorio necessario que sejam
da justica permitte-o at duas vezes sobre
o mesmo ponto.
O Si.. Duque-Estrada Tf-ixeira : Hi
ou nao delegacjto ?
O Sr. Perdigo Malheiro :Nao ha de-
legaco para mim ; porque aqui smente
se confere aos assentos torga obligatoria
em forma geral. O supremo tribunal po-
deria tomar os assentos e faz los regis-
trar nos outros tribunaes ex-ci do art. 18
da lei de 18 de setembro de !88 ; e
assim conseguir obriga-los pela forca da
doutrina por elle declarada.
A este respeito eu lembrarci urna questo
sobre a qual pretenda dizer alguma cousa
por simile. A Iludo s correiges pelos
juizes de direito.
O juiz de direito entre nos, como cor-
regedor, tem a attribuigo de interpretar e
por via obrigatoria, cominando penas dis-
ciplinares. N3o se acha inconstitucional
que mais de 200 juizes de direito que
existem no Imperio tenham a faculdade de
interpretar. S5o outros tantos poderes le-
gislativos -csoalhados pelo Brasil. Entre-
tanto, acha-se inconstitucional incumbir o
supremo tribunal, nico no Imperio, e o
mais elevado na gerarchia judiciaria, alias
compleme, de tomar assentos, qunlo
essa attribuicSo tende a crear a jurispru-
dencia entre nos, a inaiter a unidade e a
uQif.M-mida fimilias, para garanta dos direitos indivi-
duaes, para acabar com a incerteza, resul-
tado do cahos em que se acha a soasa le-
gislaco, a nossa mesquinba e rachitica ju
risprudencia !
Eu seria at de opiniSo que, se alguma
emenda se devesse fazer nesle projecto,
seria para supprimir s correifSes. ou ao
menos esta attribuigo que tm os corre-
gedoies de interpretaren) por via de auto-
ridade as leis. e darem a esta interprera-
go forca obrigatoria por meio de seus
provimentos, porque de facto tornam obri-
gatoria ussa nterpretacl>, e mais tem con-
corrido para augmentar a aarcha.
Eu nao tenho, pois, o miri.imo escrpulo
em votar pelo projecto ; ho deixo por
isso de ser constitucional, perfeitamente
constitucional. A minha consciencia esl
tranquilla a tal respeito; e eu vejo ni le as
grandes vantagens que acabo de apuntar.
O mais estirmos a correr atrs de
urna utopia de urna perfeigo de systema,
de urna diutrina peritamente symetrica :
nio honvc direito mais symetrico do qrfs o
direito romano : entretanto quantas vezes
rompeu elle contra a simetra do systema
s para acudir a urna necessidade, a um
principio de razSo (Apoiados).
E por fallar em razao : nao temos ainda
no nosso direito, como regra a seguir o
direito subsidiario na "ausencia absoluta de
direito; o qoe se chama direito racional
n3o direito eacripto ; entra igualmente
na hermenutica; ahi temos, pois, a opi-
ni3o ou doutrina dos doutoros timluoi
com forca obrigatoria, posto qne em termos
mais restrictos, e com todas ai cautelas
recommendadas em lei; porque melhor
que regule o caso a opiniao sustentada
por homens abalisados, do que a do juiz
individualmente oa de outnm ; prefer-
vel seguir a opiniao dos douto3, que j se
enconlra discutida, formada, e que por
isso a lei manda que so siga ; ella nao
obriga com a mesma torca, mas sempre
obriga quando fundada em boa razio.
Finalmente, Sr. presidente, o projeeto
ainda previne a questo da consttucionaii-
dade, dispondo que estes assentos s obri-
gam provisoriamente emquanto n3o forem
revogados pelo poder legislativo; de modo
que tende un camenle a pro ver de reme-
dio urna necessidade re;onhecida, palpi-
tante ; c de remedio tal, qual outro se nao
pode para o caso tomir, ao menos lo
cedo.
Se estes assentos devem dar ou nao as
vantagens que se esperam, sto urna ques-
to que o priori nao posso resolver, mas
de crer que elles tragara o bem que se
tenta, porque antes umi jurisprudencia nao
muito perfeita, do que a ausencia absoluta
de jurisprudencia, isto a conlinuago do
desgracado estado do nosso direito, a in-
certeza dos direitos dos cidados; ao me-
nos baver regras certas sobre duvidas le-
vantadas, e nao continuaro as cousas como
at aqui.
J os Romauos haviam reconhecido esta
necessidade; e tanto, que linha n o seu di-
reito pretrio, tinham os seus jurisconsul-
tos, a cujos pareceres se dava torga obriga-
toria, etc. Entre nos mesmos os assentos
da casa de supplicago foram grande bene-
ficio para a jurisprudencia e para a legis-
laco, porque resolveram de prompto mui-
tas duvidas que se levantavam e assim
acompanharam as necessidades da juris-
prudencia e da sociedade ; e modernamente
bons resultados se colberam com os do
tribunal do commercio.
Smliores, as necessidades da jurispru-
dencia nao sao as necessidades propria-
mente da legislaco. (Apoiados).
A lei dispe em these, dispe em regra;
a jurisprudencia olha para os casos que se
apresentam, decide hypotheses; c ento,
nao ha remedio, ella v-se obrigada a amol-
dar-se aos casos occarrentes. Pode acaso
um legislador acompanhar sempre de promp-
to esla Onanra da lei na sua applicago ?
Isto pertence jurisprudencia, que o
complemento necessario da lei (apoiados),
isto da sua nalureza, da sua essencia,
n3o se Ihe podo tirar; de modo que, n3o
navendo jurisprudencia como entre nos nao
existe, ha de ser a le dura e spera, sem
se tornar flexvel, accommodada perfeita-
mente aos casos oceurrentes, ou ho de
continuar e cada vez em sentido ascenden-
te as mesmas e outras duvidas, que fica-
ro sempre sem solugo; a anarchia ser
progressiva. E com esta distneco fica
respondida a objecgo de quut os assentos
faro casustica a leaislatjo.
BOHAMCE
por
Paulo Fval
Segunda parte
T51ES PATAS ,
(Continuao do n. 250)
XVlll
O drama
Abundara no grande Paris estas pobres
wmertias da moridade.
S3o pequeas farras que riem desafora-
nni'nte as boehechas di miseria. (Inan-
ia porm, a mocidade morreu, todas essas
ategrias dcscambam em'crpe, e a farca,
Itortido monslro, descobre a sua cauda de
tragedia.
Rada tfita ern volta dos dezoito annos.
Mi coberla e farrapos, a mocidade e de
oro. O riso jubiloso rebenta-lhe entre
**s soluc, e longe de a lamentir ho
efe ser levados a inveja la. Nao tem sem-
|r as paredes nuas da trapeira alguma
porta falsa, por onde, se a sorte o permitte,
a hrysalida. qoe a sombra entorpeca, se
arroja mariposa para o norvir e para o
al ?
I*ir-se-hia que essas alturas s5o propi-
m& e expresamente feitas para nos ajn-
ar o primeiro hater das aiSs. Por dea
nepoiaces. e fallo das mais radiantes, ha
me que partiram om diapela frusta da
arapeira. era risco de cabir de cabeca para
iMixo ai calcha. Tanto peentura-pre-
Duplica o ar^cate^ P-reira
gtnete, e em vista do fqsso po cumpre
transpor, a aguilhada d arroje.
Nao de cerlo ludo; \ porm, muito,]
e isso falta as criangas mimosas da' for-
tuna.
Ha todava duas ordens de' miserias bem
deslindas : a miseria absoluta do abando-
nado, e a miseria caprichosa do (ilbo a
milia, que urna manlia disse : NSo quero!
e que se obstina n'essa r soluco. Mor-
re-se em Pars tanto de urna como da
outra ; a primeira, porm, sombra como
a falalidade, a outra conserva at ao ulti-
mo momento a sua feigo de gazeta.
Era Eslevo Roland lilho de um magis-
trado, conseiheiro no tribnaaiYeaf de Pa-
ria, e o qual outr'ora conhecemos juiz de
instrnego era Caen : bomem honrado, que
gusa va com bom jus da estima publica e
era muito apreciado como jurisconsulto.
A sua reputacao, n'este sentido, datava
principalmente do processo de Miynolie,
cuja instrnego passava por verd'adeiro
primor. Roland snior uo tinha confanca
no misler de hornera du letras. Guiara o
tilho para o esludo do direito e depois para,
o commercio: duas carreiras de certo mais
chas, senlo melhor frcqnenladas. Aquelia
louco d'aquello EstevSo jejuava de-boa-
mente para nao ser beca nem commer-
ciante.
Mauricio tinha por pai o antigo commis-
sarinde polica da praca das Acacias, proto
ezelosofunccioaario, qnechegra ao grao
de chefe de divislo. O baro, eonvm fa-
zer-lheessa jnstioa, era o bemfeitor uni-
versal dos Schwartzs. Obtivera Mauricio
um lugar emeasa do banqueiro. Osami-
liares das salas dos Schwarlzs nio mor-
riam de amores por eHe, e sorprenderam
jubilosos os primeiros symirtomas da terfla
commoco compartida por Mauricio,' atada
aito novo, e a Braoqttinhn, qnasi infantil.
AqnefrTe amor, bemeonibo seu gesto peas
letras, devim, ranis tardo ou mais oflo.
impelli-lo para fra d*a Aquelle louco do Mauricio jejaava, pois,
'tambem por culpa sua, dupla culpa : afnor
e-poisia.
A final, tanto elle como Estevlo, jejuavam
porfitimente, se bem que na abstinencia
d'elles honvesse ainda mais ebstfo*fao do
quo relidnde. Gumpre accrescefltar que
guando nijejuavam, era banquete certo.
Estelo Roland era mogo de algumen
getho, -soffrivul educco, nm tanto j. es-
tragada palo achaque moral das terina-da
Bohemia, e de excellente feiclo : o que
amplamente baEtn para constituir a negra
estofa de um dramaturgo. Admirava com
fervor as actrizes, o os saus amigos nao
sabiam que no funda tivesso entra vocaglo
determinada. i -
Mauricio Scbw.artz adorava a primo Bisan-
ca com tanto maior arior, quanta era a dis-
tancia que d'ella se via exilado. teies-
lava o Sr. Lecoq, aquella vampiro, eorao
elle Ihe chamava, e procurava meio dema-
la-!o, meio'decente. Eraqaant amuHe
odioso matrimonio entre Branca'' e '8r.
Lecoq d30 fesse celebrado civil e ecctesias
ticamente, aiimeatava Mauricio esperaopas
de triumpho, forja de gloria. Au a
gloria, onde ir por ella ? A' esta pergun-
ta, responda Mjuricio : Nao falta quem a
tenha desencafuado Era uma crianga
adofavel, bonita por dentro como por fra,
uma natoreza lactosa, flexive!, seductora,
viril quando cumpria, mas replecta da fe-
minis arrojos. Como mtelligencia, valia
mais que Este vio, que tinha com tole so-
bre eHe a vantagem de saber, pon
ou menos, o qua quera.
Val* porm. menos qw%
nao tinha sobrenome, o rtosso
Topido corajosa e resoltai
-faoha meio termo; o nico expediente
o deste projecto. Sem essa providencia,
o mal continuar o sempre a peior.
era se diga que o supremo tribunal to-
mar assentos por milhares, o que ser um
mal pira a legislaco; eu n3o o creio. A
casa de supplicago, desde o reinado de D.
Manoel at o assento de 28 de margo de
182, apenas expedio 6i assentos, em tres
seculos mais ou menos.
O Sn. Andr.vde Fguehu: E o nosso
tribunal do commercio em 19 annos ape-
nas 2 s ibre interpretacao de leis.
O Sn. -Perdigo Malheiro :Portanto
nao isso de recear; nem poder ter essa
amputado vista das cautelas com que
ueste projecto so Ihe d essa attribuigo ;
no*poder de seu arbitrio tomar assen-
tos, ello ha de toma-Ios por oecasiio de
decisoes divergentes sobre pontos de di-
reito ; estas divergencias preciso que se
manifestem por tal forma.
Eu nao receto portanto que o supremo
tribuna! tome gran le numero de assenbs;
e, se tomasse, tanto melhor para a jurispru-
dencia, porque seriam outras tantas ques-
tes que ficariara resolvidas, e a respeito
das quaes os direitos das parles seriam cer-
tos, conhecidos, determinados; iria cessan-
*do sse cahos, essa confuso, essa mani-
festa anarchia, que caraclerisa profunda e
dolorosamente o estado do nosso foro.
tide de meiter elle proprio mos obra,
Estevo foi buscar um armario, onde na i
havia outra cousa, um assombroso bragado
de papis, que acarretou. para cima di
mesa.
O drama linha polo menos cincoonta
typos,.outras taas acees diversas, uma e
centena de personagens; por ra lis frecuen-
temente, porm, que o assumpto mdasse,
tres typos conservavam-se sempre os mes
raos: Eduardo* o galana Sopbia, a amante;
Olympia Verdier, a nobre dna de passado
inystetioso ; porque osses Tepres mtavam
bem xealuiente u:a drama vivo mesmo ao
lado do-drama morto nascenr.a, e enter-
rado no seu armario.
f-rf Aqui ha tbesouros, disso Estevo fo-
Ihaawdo o montb da papallada. Um ho-
mem do ollieio tinha aqu para mais de
cera rail escudos de bom xito.
Manmia conservoa-se silencioso.
iia comtigo que em fallo, prose-
j>guio Estevo. cerno se abi nao ostivesso.
Collabro comigo mesmo...
Mauricio sorrio.
Com a breca! exclaman o onlr.i, jfl
enterrado ni papellada, (i e3t a nossa
idea de flltio adulteriao nem mais
nem menos quo monumental!
Mauricio bocejou e levaatou se.
Est bom, est ; va-te dehar, m9U
velho, voltou Estevo. NJo no tbealro
que a fortuna chega quem est dormindo.
Eu c sinto me em vea. Ah! se em vei
de ti tivesse o Miguel!
O formoao louro drgira-se para a jt-
nella. Abanou a cabera e marmurou
Sr. presttleflte, qoanto ao|3'*>artrf
cu eslou perf>Uauieno de accorJo com a
doulrina; desde.que se d ao supremo tri-
bunal esta atlribuico, nenhum ontro tribu-
nal deve ter; e eis outro deffeito da emen-
da do nobte ministro, (pie. maniendo o art.
13 do regulamonto n. 738 de 1850, poda
dar lugar a assentos dos tribonaos do com-
mercio em oppTsigo a-w dorurpreaBe tri-
bunal, e lodos respectivamente obligato-
rios. E quererta mais, como j dts que
se tirasse aos corregadores acuidad de
interpretarem as leis, e forcarem a stuir
essa interpretaglo por meio dos seus "pro-
vimentos, que corrigissem apenas os actos
dos inferiores, dessem conselhos, mas nao
interpretassem a lei, e menos por via obri-
gatoria, impondo at penas disciplinares do
regiment por nio serem observados os seus
provimentos tambem nesse ponto.
O que sei que estes abusos dos corre-
gc dores e a ignorancia de alguna tem posto
a legislago c a jurisprudencia em maior
confuso, c que o governo mesmo se tem
visto em grandes embaragos contra sema
litante procedirnento.
Sr. presi lente, eu ainda tinha outras
observagues a fazer; mas a hora vai j
adiantada. os raeus collegar estao fatigados
(nSo apoiados).-.
Vobs :ko contrario.
O Sn. Pkrdwo Malheiro :----- e,
portanto, me reservo para outra oecasiio,
se bou ver lugar a conlinuago desta dis-
CUSS30.
Vozes :Muito bem muito bem l
A discusso fica adiada peta ordem.
Continua a 2a discussio do art. 4' do
projecto sobre a reforma policial, com as
emendas apoiadas.
O SR. ALENCAR ARARIPE:Sr. presi-
dente o art. 4o, que se acha em discussio,
foi elaborado no intuito de mais alargar as
garantas individuae, com a ampliaco das
tinangas e facilidade de as prestar.
Nao obstante o pensamento com que o
artigo foi redigido, ouvi nesta casa censn-
ra-lo como infenao s liberdades uivi-
duaes, e prejudicial ordem do pro
cesso.
Quanto mais medito sobre as do3posi-
Ces do artigo, e comparo-as com a legista-
Co existente, tanto mais me convengo da
sem razo da censura.
Disse o nobre deptado pela provincia do
Rio de Janeiro que o artigo em questo era
infenso s liberdades individuaos, e qa&
convinha antes mants a legislaclo actual-
mente em vigor, como mais favoravel a
essas liberdades.
Basta Itgeira confrontaco entre o que pre
tende o projecto eslabelecer e o que deter
mina a legislaclo vigente, para demonstrar
a improcedencia da impugnaclo, para se
ver a sem razio do nobre deputado.
Pelo Io se v que sao inaQangaveis os
crimes, cujo mximo de pena fr uiorte,
gaies, 8 annos de prislo cora trabalho, 12
annos de prislo simples e 20 annos de de-
gredo.
Pela legislaclo actual os crimes inafian-
Caveis slo, alm dos de morte, gales e de-
gredo por 20 annos, aquelles cuja pena ex-
cede de 8 annos de i rso com trabalho e
12 de priso simples.
J se manifesla que o 1* traz uma
grande somma de garantas em favor da
liberdade do cidadlo.
Muitos crimes, que actualmente nao sao
aQangaveis, tornam-se affiancaveis pelo pro-
jecto.
Isto fac! eomprchender fazendo ligeiro
exame do cdigo criminal. E' assim que
verificaremos, que n3o menos de 13 crimes
diversos tornam-se afiancaveis, em vrtude
das novas disposiges.
A provocago de guerra estrangera sem
seguimento de effeito, a violigio de trata-
dos, o impedimento s determinacoes dos
poderes pblicos, a conspiraco, o arrom-
bamento de cada, a fuga de presos,
acomraettmento de priso para maltratar
presos, a reduego de pessoa livre es-
ciavido, o fornecimenlo de drogas para
aborto, a mutillaco de membro do corpo
humano, a polygamia, o fingimento para a
usurpago de direitos maritaes e o estelio-
nato, slo crimes estes todos, quo pela
legislago vigente sao inafiangaveis, mas que
pela disposico do projecto passam a gozar
do favor da flanea.
Se. pois, assim nao admissivcl di-
zer-se que o projecto contraria as garantas
individuaes, pois que, allongando elle o
numero dos crimes afiancaveis, traz incon-
teslavelmente garantas para a lib rdade
pessoa!.
Ora, se por esse lado ha decidida van-
tagem da parte do projecto cm iliscu.*-
so, vejamos se quanto ao modo por que
as flaneas se prestara o projecto tambera
favoravel.
(Continuar-ee-ha.)
Rio sei como estimo aquello Mif oel I
Esteva) deiiou por um instante a pa
penada em descanso, para olhar para o
auricio. Estiva este de costas vottadas*
nnn o rosto contra a vidtaga. Do nu-
lado co pateo, a j/nella^uc flearfron-
teira contnuava sempre allumiada, porm,
mais tibiamente. J a docple nao Iraba-
Ihava, e quando os pobres nao trabalham,
diminuera a luz. A' Mauricio pareceu-lhe
destinguir, n'aqnnlla meia escuridlo, a for-
ma do tima menina ajoelhada ao p do
lati,
Desdo quinta-f-ira quo o Miguel me
d cuidado, disse com tristeza.
E a-mim, ha muito mais tempo, re-
plicou com azedume o Eslevo.
No quarto fronteiro, a forma que ostava
ajoelhada levaatou-se. Mauricio prose-
guo :
. Estarnas a dormir quando ello en-
tra...
E elle abala antes de amanhecer, in-
terrompeu Estevo. Dasejra engaar me.
mas todos estes esoonderijos nao tem bom
odor.
Apagon-se completamente a luz das
vsinhas. Mauricio disse com um ar pro-
fuudo.
E aquella pooro menina, a Lebar,
est to.pailida!
^Tffl'tft em nenhfr dos ttiMTrof de
Paris, protestou calorosamente odstevflo,
profil to poderoso, t) puro, todramati
co como o d'aquella Edme Leber!
-_ a Branca amiga d'ella. Deve ser
uma alma anglica.
. Um typo ella,. de certo !... Dize,
lembras-te d'aquelte charlatlo, que nio
ara medico e quem obrigavam a tratar
da propria filha em perigo de morte ? Ga
deoareicom isso... Olha qoe uma idea
vitriolica .. Atiremo-nos outra veza
elf, em grande ; queres ?
Mauricio afastoa-s dajanella.
Qne far elle desde ascinoo hora*di
raaoMa at oenti 1 marmarao*
sem saber qu8 falta va.
lalWfe qoe aj, flor, Mpifcoo o Bs
?o
tevlo n'um tom do protecglo que era una
vinganga ; se se te nuttou no fraco Bes-
lunto a idea de acertar com o vivur do
n-Dsso Miguel, tens para peras. Eu vejo
mais que um palmo adlante do nariz, e o
virtuoso Miguel danos agua pela buba.
Mauricio fez-se vermelho e balbuciou :
Ainda que ou tivesse o seu segredo
Tqui fechado na mo, nio a abrira sem
licenga d'elle.
' Gonheces o Broneau ? pergunteu im-
petuosamente o Estevo; o adelle ?-
Podra! tem-me l o guarda-roupa
em peso e a nossa tettra.
Uma nor.te, que eu vinha ahi de cer-
ta parte, encontrei o Miguel da brago da*
com elle. Ora, ha muito wmpo que o Mi-
guel nao tem feto para vender.
Que tem isso de extraordinario
Miguel endossou a lettra...
- Ora, ahi est... No dia se^_
disse eu ao Miguel: Que qualidade de ho-
rnera aquelle Broneau? E elle Hespen*-
deu-me: Nio o eonheco.
1 Q.Miguel nunca raentio.
opto n'aquella manhaa...
olha. ouvo. Xa est a nessa dea do
Patas! Um dlsfarce... uma vinganga-.-
um grande segredo ^ue penetrar... Olha
que esta tramoia bella, formidavel coma
as selvagerias de Cooper I .^
E verdade, dfsse torioto distrabma-
mente, lembro-me #e qne essa idea me
sorria.
Acercoo-se da cama; na qual se eettoeu
preguipos ara ente.
Queres botar-te onkn vez ta ?
Nao. J nao quero nada. ^i>
(Continuarse-la).
>' i r.'-
Hl
IIEGIKH


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1ZCVSE60_OG6F27 INGEST_TIME 2013-09-13T22:04:24Z PACKAGE AA00011611_11983
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES