Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11976


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r

ANNO XLV. NUMERO 244.
PARA A CAPITAl E'MSABES OTOE IAO SE PACA POETE.
or tres caes adiaotaos...........,
Por seis ditos idea..........'.'.'* .....* *
Por um anno dem. ........... i .'.''"*" '
ijada Dumero a\Tso..... .......
64000
124000
244000
4320
Secunda feir 25 o tbro de 18G9.
PARA SEffTIO E PORA DA nWWlA.
Por tres mezes aiaatadee.
Por si is ditos idem. .
Por nonditos idem .
Por offi anuo.....
<
#7I#
174001
DE PERMMBUCO.
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Flhos.
*O AGBNWSl
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; GongalvefcAJSnto, no Maranfi5o; Joaqnim Jos de Oiveira, oo.Cear; Antonio de Lemos\ Braga, no Aracatj; Jlo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marones da Sirva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape;.' Antonio AJ&xandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Beiarnjino dos Santos Bulcao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em IVazareth; Francino Tavares da Costa, em AJagas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
overa da provincia.
h'Tl'EMEKTE A--I ,MD0 PELO EXM. SU. Hit. MANUEL
MO IMMBIIVTQ MACHADO 1'0!\IELI.A, VICG-1'HKSI-
exra b.\ ntovrxctA, em 29 de julho uk 1869.
i' seceaci.
N. tail.Portara ao Exm. Si-, general com-
usudiHe da; ai mas.Sobr'estoja V. Exe. na re-
ntassa do recrulu 'andido Morcira de Arante, que
segote buje pa ra a curie.
' aaneji.
N. 1050. Portara ao commaadanto superior da
guarda nacional de ('lindar! lguarass.Ao guar-
.la do 0* batalho de infantaria do municipio de
tirada Manoel Jos do Espirito Santo, quo deca-
mu haver laxado sua residencia na freguezia da
Mda-Visia desta cidade, mande V. Si*4ar a guia
de que trata c art. 42 do decreto n. 1,130 de 12
de maifu de 18').';, paca o batalho de infanta-
ria deste municipio, depois de haver elle entregue
'armamento e mais objectos pertencentes a fa-
iteada, que exblin-m em seu poder, observndo-
le o que. dispoe o art. 43 do citado decreto.
Jt. WM.Dita aojte municipal snpplenteem
xercicio de Agua Preta.Keeebi os mappas esta-
sticos, que or Vine, me forain remettdos com o
s oii -k) de 9fi do cornal*, os quaes denoteo in-
cluso, para que volteo)comas suas dalas comple-
tase mesmo acoiupanhados dos commerciaos, sob
it-. 18. 2 e 21. que Ilic cutnpre igualmente minis-
trar. Aestoflstftica que se est liquidando doanno
EXPEDIENTE ASSIQNADO PELO SR. DR. lOAQI'IM COH-
REA DE AHM'lO, SECRETARIO DOGOVERNO, BM 29 DE
iUHIO DE 1869.
1' seecao.
N. 1004.Officio ao Exm. Sr. general coroman-
danle das armas.S. Exc. o Sr. vice-presidente
ila provincia, tendo, concedido, por despacho desta
data, lo das de prazo para provar isonco legal,
ao recrut Martinho Jos de Sant'Anna ; assim o
manda communicar V. Exc. para seu conheci-
mento e lins convenientes-.
N. 106o.Dito ao capitn do porto. -S. Exc. oSr.
vice-presidente da provincia manda declarar V.
S. que, pelo seu officio de ;8 do corrente, sob n.
99, flcou inteirado de haver V. S. marcado ao-ba-
ro do Livramento e ao gerente da companhia
Pernaiiibucana de vapores costeiros, o prazo de
30 dias para reparar e defender o caes do Forte
do Mal s, fronteiro sua propriedade.
N. 1061).Dito ao engenheiro. militar.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia manda declarar
V. S., em resposla aos seus ollkios de 26 e 27
do corrate, quo a ibesnuraria de fazenda lein or-
dem para pagar Ruiucr Manoel da Cruz Cous-
seiro a quantia do 83o, e Antonio Soarcs de
Pinito a de 103, constante do citado cilicio.
5? seecao
N. 1067.Oflicio ao Dr. chele de polica.De
orden] do Exm. Sr. vicepresidente da provincia,
passo smaos de V. S. o ollicio junto por copia,
do director do arsenal de guerra, dando a razao
por que nao pode ser satisleito parte do pedido de
V. S. em olueio n. 1078 fie 21 do corrente.
N. 1068.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar V. S.,
em resposla ao seu ollicio de 27 do corrente, sol)
n. 1106, que a IMiouraria provincial tem ordem
para pagara Francisco Ludgero Nunes'Vianna a
ollicio
4imbm dever Vine, ob.-e!varo dispu.-t.) na segunda par-1 N. 1069.Dito ao commandanle superior da
le do art. 2o do respectivo regulamento. | guarda nacional de Cabrob. S. Exc. o Sr. vice-
N. 1032.Dita ao commaadanle da corpo pro-: presidente da provincia manda declarar V. S.,
viMiriu -ob seu eommando, o paisano Joao Nillo de Mello, j ne!|a ,];iia autorisou-se a tiiesouraria de fazenda a
lo. que trata o uta ollicio n. 319 de 27 do cor- par.ir Francisco Canuto da Uoa-viagem os ven-
reate, tend lie a necessarid moralidade. | rimeotos constantes das tullas que, em duplcala,
X. li>"i'J.Perlaria ao inspector da tliesourana vierain annexas ao citado ollicio.
de Uie.uJa. Auaiiiado ao quo solicilou o enge-1 jf. 1070.Dito ao capilao commandanle interino
abetal encarregado das obras militares desta pro-' j,, i.atalhao n. 48 de infantaria do municipio de
fiad!, datado de 27 do correte, recommendo a Cabrob.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
V. S. que en. vista d< s inclusos documentos, man-, cjaj respondendo o ollicio de V. S. datado de 4 do
te pagar a Kufin Manoel da Cruz Coussciro a I crreme, manda doclarar que a Ihesoiiraria de
puaa de 8 oh ,)'. a que tem direito per haver (azenda tem-ordem |iara pagar a Dinamerio Au-
secutado o- rncenos de que preetsavam tas oslo do liego Kangel, os vencmentos constantes
-. (uipauliias d quartel d.i deposito de recnitas, na J ,,1(.| ,i,,mnal quo veio annexo ao citado fflcio.
impurtamr;adi' .IDi.c os de .-.xmlia o arrecadacao N. 1071Dito ao subdelegado doquartodis-
m laesmaquart I na de 123j segundo const de| Ir,.0 j:i r,-0guc/.ia de Gravata.=Nsta data auto-
laes docament -. rison-se a lliesouraria de fazenda a pagar ao te-
A. 1034.Ditaao mesm).*-Attenttoodo ao que, ,..,,,, p,,!,,, pM|0 jos Santos a quantia de 603,
iue sohcitii i .! ;upplente em exercicw na sub-, eohstonM do oflicio que V. S. dirigi ao Exm. Sr.
delegad* c f Una do 4 districto da tiegpezia de vicepresidente da provincia, com a dat do 1 do
tiranta ao anto p ir eopia datado do 1" d: c&ntnte mez, o qual Oca assim respondido,
-.orrente, receiuui nao a V. t>. que man.le pagar a '
Pedro Paulo d >s Santos a qoaotia de 004, nrove
nieaie d i alegud vencido no semestre de Janeiro
i juuito destf asno da casa ue alli serve de de-
jiosif de Recluta:-.
N. 10*)'.Dita a> mesmo.A D'mamerico Aw-
soaVl do Icl liangel, mande V. S. pagar depois
2e liquiadot. tm vista do pret nominal junto em
iluplieaia, qui .:. roraelteu o eomniandanle inte-
rino do batallo n. 48 de infantaria com ofli'-iu
de 4 do eorrudt-, os veaaunenlos [relativos ao mez
: i iimo ultimo dos guardas nacionaes destacados
na villa de Cal reb-.
X. 1036.Dita ao mcsiuo.Recommeodo a V.
-v que mandi liquidar em v.-ta das folhas juntas
mi duplcala, os venciiiicnios do altores comman-
daaleda desucamento da villa do Granito a contar
de 16 de deseaibro do anno prximo passado a
'II de marco ultimo c pagar a sua importancia a
Praaciaco Canato da Uoa-viagem, conforme solici-
l m a eoramandante snpenor da comarca de Ca-
brabo, em offleio do 8 do corrate.
X. 1037. Dita ao iiicino. i'oinaiido em eoasi-
talo o qin. i*, s. axpoz em sua tnformacSo de
- dueorreak i b o. 603, resolv abrir essa Un:
-ourara, sob miaba resp ):!s.i)ilid,idc, nos termos
lo art. di decreto d/HU do i< de tevereiro
le l^'ii, um crditosujiple.neniar na importancia
1:200 5, pira a contiauaeJH) dos pagamentos de
r no xercieio em liqwdacio de I8S8
i IM9, por Ci ca da verbaPessoal e material da
polica, d i i...':.isleo da jtistica. Assim flea V. S.
itad ; mandar pagar 'os veneimentos dos
raraereiros das eadcias das villas da EaeaiLi c Ta-
ra' i, con (antes do roquerfeaeato que incluso
:. j, e i ere a so*citada infor-
i tanao.
X 1038.Ma ao iaapector da J^sa^irara pir-
viadaLConsidere V. S. abonaflF para os fias
.oaveiiieiites, as faltas qna den o deseuhista da
reparlico da^ oblas publicas, Francolino Americo
': Melloe AILuqnerqne, nos das 16, 26 e 29 de
uta** i, 7, 2.">, 2n e 30 do junlio d'eate auno, e do
I a 3 do correle mez, par ter estado em s
na eoaselhu de revisa) e qualiUsaclo do 6- baia-
i do infantaria da guarda nacional d'este muni-
cipto, na ipialidadc de capSo do mesmo aatalha.,
uudo iufori a o respectivo commaaante no
illiro que se refere \ iilormacao do comman-
: atiiuper i d'esca capital, datada de21d'est:
, son n. i^ -.
X. 1039.Dita a> i iosm). Pode V. S., confor-
ilu-.i en: sua inf^rmaeao de ti do crvente,
-ob n. 432, mandar payar pela coosigoaco do i?
i :i do art 13 da le d> orcareoto do axercicio em
d ao i 1 <68a 1869, aquaniia de 1:70725!,
i que, segando o parecer da contadura d'essa
i resourana, lera direilo Julia Francisca da Silva
-"rpko, viava da Antonio Fram-isco Orphao Jo-
aier, proveniente da uUima prestagao que se est
lever a seu marido, na qnalidaae de arrein.itan-
qn foi da otra da ponte da Escada, como se
do certificado annexo ao requerimento que in-
uso devolv.
X. 1060.Pila ao lucsim.Depois de liquidada
lespeza proveuicnto do gaz consumido com a il-
luninaeilo publica 'Test capital duraate o> mezes
la abril e raao d'este anuo, mande V. S. pagara
i .iportaiicia d'essa despeza a respectiva erapreza,
assim o -elicita loiaclusorequenmepto docu-
meatado.
X. 10i51.=Dita ao mesmo.E> peja V. S. as
jas rdens, par que depois de liquidada em
vista da cunta l- relaejio jantas a despeza feit da-
i nte o trimestre de abril a junlu d'este auno,
)C >i sustento dos presos pobres da cadeia da ci-
liadt de filiada, seja paga a sua impartaucia
Nunes Vianna, conforme soli-
da re-
crreme,
X. Iu72. Oflicio ao inqieclor da lliesouraria de
fazenda.S. Ex. o Sr. vice-prosiuente da provn-
ola manda transmittir V. S. a inclusa ordem do
tribun.al do thesouro nacional, datada de 23 do
corrente, remetiendo -ossa repartido, pelo vapor
fnii.iv/, a quantia oe 500:0004.
iX, 1073.Dito ao inspector da lliesouraria pro-
vincial.S. Eic. o Sr. vice-presidente da provin-
cia lendo. por despacho d'esta data, dispensado a
companhia dramtica dirigida pelo artista Manoel
DcGecvani de pagar o que fui devido em virtude
da-portara de 2 de Janeiro do corrente auno, pelos
espectculos que ainda houverde dar no Iheatro
do Santa Isabel, com a condicao de dar um bene-
ficio livie de toda a despeza em favor do asylo de
iiKiidieidaJe d'esta capital ; assim o manda con
mullicar V. S. para seu conhecmento.
N. 1074.Dito ao chefo da reparticao das obras
publicas.Sua Exc. o Sr. vico-piesident da pro-
vincia manda declarar a V. S. para seu conhec-
mento c direcciio qic acaba de recommendar ao
inspector da lliesouraria provincial que considere
abonadas para os devidos effeitos, as faltas que
deu o dc-senhista dessa reparticao Francelno Ame-
rico de Albuquerquc Mello nos dias 16, 26 e 29
de mato, 4, 7, 23, 28 e 30 de junho deste anno e
do 1.' a 3 do corrente mez, por ter estado em ser-
vico no conseibo de revisan e qualificacao do 6.
batalttiio de infantaria da guarda nacional deste
i.iiniei| io na qualidad de capilao do mesmo ba-
:: i1 a o, secundo informa o respectivo commandan-
le no oilicio a que so refere a informacao do com-
mandante superior desta capital, da'tado do 21.
deste mez. sob n. 138.
4.* seecao.
R. 1073.Offleio .ao director geral interino da
instrueejto publicaSua Exc. o Sr. vico-presiden-
te da provincia tendo por deliberacao desta data
c em vista do sua informacao de -27 do corrente,
sob n.-231. resolvido nomear a Anacleto Publio do
Maraes Camino para reger interinamente e me-
diante a gratilicacao mensal de a-oOOO, a cadeira
de inslruccao primaria doj)ovoado de Santo Ama-
ro das Salinas, durante o impedimento do respec-
tivo professor que se acha no goso de 6 mezes de
liccnra; assim o manda communicar a V. S. pa-
ra seu conheciniento.
N. 1079.Dito a directora do tueatro de Sania
Isabel.Tendo Sua Exc. o Sr. vice-presid nte di
l' vincia por despacho desta data e em vista da
informacao de Vv. Ss. de 28 do correle, conce-
dido permissao a Jean Cari Noury e Jos Colho
Par osa para darem no iheatro de Santa Isabel
ires espectculos lyricos, pagando os supplicantes
o qne fr devido em virtude da portara da presi-
dencia do 2 do Janeiro doste anno e marcando Vv.
Ss. os dias em que devem ler lugar os mesmos
espectculos; assim o manda communicar a Vv.
Ss. para seu conhecmento e albo de que fac,am
constar ao respectivo administrador.
N. 1077.Dito a mesraa.Sua Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, tendo por despacho desta
data dispensado a companhia dramtica dirigida
pelo artista Manoel De-Giovanni de pagar o que
fr devido em virtude da portara de 2 de Janeiro
do corrente anno pelos espectculos que ainda
houver do dar no theatro de Santa Isabel cora a
oondiejio de dar uin beneficio lvre de toda a des-
peza em favor do asylo de mendicidade desta ca-
pital : assim o manda communicar a Vv. Ss. pa
ra seu conhecmento e afirn de que facam isso
constar ao respectivo administrador.
I'raacisco Ludgero
toa
pai*
un. 1106.
i o delegado on;arregado do expediente
icio da "polica, em olBcio de 27 do coi
4.1 seecao.
Uepartico la polica.
2* seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 23 de outubro de 1869. N. 1,334.Illm. e
Exm. Sr.
Faco ebegar ao.conbeciraento de V. Exc. que
em vista das participacoes receidas nesu reparti-
cao, alm dos tres individuos deuomes, Jos Mon-
tein de Olivera, Severino Cesar de Menezcs e
Mithcus, escravo do brigadeiro commandanle das
armas, dos quacs tralei em minha parla de hon-
tem, foi tambem n'esse da recolhldo casa de
detoncao, ordem do subdelegado ao llecife, Emig
dio Jos Pedro Menes, por crime de furto.
Por oflicio datado de 13 do con ente, commu-
nicou-ine o delegado dotarme deLimoeiro que,
no Io districto da freguezia do Bom jardim fra en-
contrado o cadver do menor de 17 minos, d'
nome Francisco, com o crneo todo cortado a gol-
pos de enchada; sendo o autor de-semelhanlecri-
me um irmao da victima de nome Joao, o qual
j foi capturado e eslava sendo processado.
No dito ollicio particpou-me mais o delegado,
que no lugar Dorondongos do mesmo distneto.
Severino de tal desfochra um tiro, no dio 10 do
citado mez, em um individuo quo achava-se gra-
vemente enfermo, acontecendo quo por tres caro-
eos de chumbo grosso, que se desviaran) do alvo,
foi tambem gravemente ferida urna mullier que
all eslava u passava na occasiao ; o delinquente
acha se preso e o seu processo j foi ii^tauratlo.
I)eus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nasrmento Machado Portella, vice-
presidente da provincia. O chefe de polica
Francisco de Assis Oiiceira Muciel.
queiraqueo Brasil Une a licito que Iba va dar o
Paragnay. anda aatts da termoaeao da campa-
nil. lteinN sei que nao la a lacil ao Brasil a
prompt abnlt da oscravatura aaomnat, nica
que boje existe no imperio, mas lameiitavel que
al boje n uhum* previdencia setentia tomado no
Brasil. **
Paraguay, avezar do estado de ulvageria (em
aue aOirmaro certos eseripiores quw elle tem vivi-
do) desde 1845 preparou o terreno snavemente
Creio que a pagadora val tamben marchar
para o Rosario.
A eaeoiha do general PoUdoro para o am-
atando de todas as torcas ao snl do Mindovir
tem agradado limito. Eu vejo no tino adminis-
trativo, na perspicacia do venerando ando mui-
tas garantas para a regularidade do servco, para
o emprego de muitas providencias, nteis e fecun-
das. Cu.uheco no general Polidoro um dos mais
nebros cateres com.) militar e como cavalheiro.
Urna das medidls a que cima me refer, lo-
madas pelo governo provisorio, foi a decretaran
das seguintos disposcoos de urna con-Hiao
tambem provisoria, quasi litteralmente copiadas
d* art. 179 da coslituicao hraiileira, oirn vai
ver-se. -
paw a abolicao da oscravalura. Um decreto dea-
se anuo, linuado por Lpez pul, estabeleceu que
d'aquella poca em diauto seriam livres todos ns
que nascesnoiu, sen Jo abrigados, parin, a servir
a seus amigos sondares por vint anona, como in
demnisacao di trabilln da tHlueaoj) e despezas
da manutencio. Ficaram avenas escravns os que
tinliam i.asculo antes de 1843. A morte foi a pou- guay. considerando que o ominoso rgimen dos
eo e peaco xtinguindo os poucos escravos, e ho- tres tyrannns nao nos legou mais que sombras
je o novo geverno provisorio baixi um decreto tradicedes de um g iverno pessoal e desptico :
abolindo a eseravatura. Honra Ihc seja, e as ben- Considerando, por outro lado, qne as crcoms-
caos da liumanidadc caam sobre as cabe^-as des- tancias excepiconaes em que desgracadamenle se
Accnmcenta
Istanisllo.
se
e qne nao passava de 80 liomens.
que Lpez j havia fgido de S. Estanisl
[>y Hio da Prala a noticia de mais vulto a da
morte do general Urquiza, que um telegramma
expedido de Buenos-Ayres para Montevideo asse-
vera ler fallecido repentinamente de urna ap-
piexia.
No Estado Oriental (le a va ainda por prover a
past da fazenda.
A polica de Montevideo descubri ama bbrica
de notas falsas dos bancos da provincia de Bue-
nos-Ayres, de Santa F e da Bolivia, apprehen-
dendo tod>)s os instrumentos e chapas de billtetes
daquelles tres bneos. Eiiroiitroa-SJ ama reser-
va de notas falsas, qae represcnta^H ,000 pesos
forte?. A empreza eslava organizada para ser
O governo provisorio da ropublica do Para- nereida em vastssima escala, e entre o* fahilP
EXTERIOR.
Assuntprao, 34 do setembro ue 18T9.
Sempre solicito em dar a meus leitores noticias*
apiesso-me em escrever hoje pelo correie da/ miento, afl* de quo nome qtianto. aoles uffl mi-
Buenos-Avre< nisln. argeatia, para que veaiha conservar o fiel
se triumvirato, que muito se vai acreditar com
esse passo..
A impreosa porlenha. sempre leviana e n-
consequente, liostlisa ao actual governo proviso-
rio. Leo em urna correspondencia desta cidade
para a Tribuna de Buenos-Ayros os seguintes tre-
chos, contra que nos compre protestar alta e so-
lemnemente.
O governo provisorio, como V. sabe, se com-
pile de tres Besanas distinctas, argentinas todas, c
o nuico Deas.verdadeiro o avanlajadoemu il-
lustrailo lllm. Sr. Paraolios, verdadeiro e nico
presidente da repblica do Paraguay ; nao se d4
um passo, nao se toma medida nenhtima sem que
antes se o consulte e se obtenha seu beneplcito.
Cmn Argentino, nat p>-so guardar silencio,
nem supportar tranquillo fomeiliante sBiiacao; e
Ihe* rogo, amigo Orion, nrpn!ia sua valiosa In-
fluencia para com o Ilustrado presidente Sr- Sar-
acha a republi ;a nao permittem que a autorida-
de suprema seja inteiamente privada de faculda-
des extraordinarias; que o pleno direito de liber-
dade, a que aspira, e com justa razao, o Para-
guay, como qalquer outro povo digno dessa sor-
te, nao compativel com o estado actual da guer-
ra^ e que s podar ser perfeilo c salutar com o
restbeJeeitnento da paz interna o exlerna : ac-
corda e decreta :
t Arl. 1. Emquanto a soberauia nacional, pe-
los orgos de seus mandatarios competentes, nao
sanecionar a consttuicao poltica da repblica do
Paraguay, o poder disricional de que se acha re-
vesada a autoridade suprema e os direitos dos el-
dailaos, licaro subordinados as seguintes dispo-
sicOos geraes, e Arl. 2. A liberdade, a seguranza de proprie-
dade de todos os habitantes da repblica, indis-
cadoresj presos encontram-so algumas pesaoas
que andavam na roda di mclhor soctodade, obas-
savam por acbarem-se en pjsicoes brilhantes.
Foram tambem presas algumas malheres (ierten-
centes assocacao, mas ainda se nio haviam
publicado os noms, |wr conservar-se o negocio
em segredo dejustica, cujas averignaces conti-
nuavam.
No dia 16 ainda che gnu, directamente de As
sumpcao, de onde sabio a 24 do passado, o trans-
porte Annicota.
as folhas do Hio Prata, porm, que chegam a
8 do corrente (o transpsrto Teto com escola por
Santa Catbarina), encontramos noticias da cajMtal
paraguay de 3 do mesmo mez, mas qne nao refe-
reiii faci algum de importancia.
A extraordinaria baixa dos ros tornando a na-
vegaco impossivel para barcos do algum calado,
difflciiltou por algum lempo o abastecinwnto das
tropas, qne haviam marchado para o llosari.,
pelo quo nao partir dalli anda a expediean que
sua alteza preparara, la r..... ludo doav|>ari-
cendo este mal e ja alguns navios b**iMa laagadc
tinelamente, sao garantidos como direitos innega-1 carregados de mantiinentns
veis ao homem, sem oulra restriccao do que a que
impoeni as necossidades imperiosas da salvacio
da balaba] d allanca. e para que partilhemos I da patria contra as infame:-. maetonacCes e alten-
com o Brasil a just iofluoncia que nos cabe no todos do perildo e sanguinario traidor Francisco
Paxaguav pelos mutuos saciificios feilos do mo Solano Lpez.
oniauii. i Art 3." Desde a pubiieacao deste decreto, o
A insinuaeao alevosa desses trechos na) ma logar domestico de todo o cidadao o deinaii lia-
sorprende. 'Eu tenlio desde 1833 esludado o ca hitantes constituem um, asylo sgralo, salvo o
racler da aprensa argentina, e tenho protestado caso de salvacao publica,de que trata artigo Io,
sempre cotra a promanuli' anti-brasileira qne | o_de_prnpria defeza pelas autoridades nacionaes
de Souza. Fize- .! faz setapre que pode.
Cumpre-me, aoram, declarar aqui alto e bom
Buenos-Ayres.
Ante-hontem aqui chegou o seguinlc telegram-
ma de Piray-
' Exm. general Victorino ao Exm. yeneral Po-
lydorio.\ torga expedicionaria deste exercito,
commandada pilo brigadeiro | losin, oceup >u no
dia 20 do corrente S. Joaquim. No encontr mo
teve com o uiniigo na subida do serr Caagoasa
tivemos apenas seis morios, inclusive o capitao
tiscal do 6", Joaqukn Bodrigucs
mos jirisioneros. >
A oecupac.ao de S. Joaquim um feto ^m^or- !-som, que falso e falsissimo qno a direccao do
laide, de tanto maior alcance quanto se diz que i noverno provisorio, seus actos, seu pensamento
Lpez est em Santo Estamslo. L'ns dizem que Jependam do ministro brasileiro.
ello se acha. fortificado, outros que apena; r.-oii- A auiabiBdaile de maneiras lo conselheir-i Pa-
diilo. ranb is, sua coiiversaeao amena, o c.rculi eleva-
0 que eerto que o bravo conde d'Eu parece d" T1' fre|aata a casa delle, faz que esteja som-
ier por ponto objoctivo Santo Estanislao. IVado I pro ah uin on outro membro d> governo provisi-
chegado aqu de viagem Cuita a Caraguat)', fle I rio. Se nntram em conversara> sobre assumptos
qiu dei nolicia na anterior, no dia 10, parti na administralvos, se a opiniao do ministro 6 alguj
mi nliaa do dia 18 para reunir-se ao exercito em na vez aceita, nao sei eu. M:k anida quando o
Arecutacu, c dahi seguido para a villa do Rosa- tosse, nai vejo nisso grande culpa por parle do
no.'.d'onde creio o exercito operar intetnaudo-se Iteasil. -
para o norle do Paaguay. Parece que o joven A nlluencia que temos assnmnlo no Paraguay
cabo de guerra nao pretende vallar ao sul do | depende dos modos por que toJus os Brasileiros
Mauduvr, som ter dado cabo do tyranno, que se
esconde. Digo sto porque sei que Sua Alteza
contiou ao di-tincio gcneral.Bolydoro o criminan-
do de todas as Torcas, que teflffo de estacionar em
differentes pontos ao sul do rio Maaduvira. nao
podem, pela distancia, fiear debaixo da immediata
acote do conde d'Ku.
Essos pontos sao, pois, nao s Assompfio, Ha-
mayl e Cerrito, como o Aguaeehy, e-os poatoS do
intjrior que convenha continuar a ser oceapados
pelos Brasileiros, como Pirayfi, Asrurn, Villa
tratam as familias paraguayas, preseuteando-as,
fundando o asylo ala F, evitando a piostituic) o
a dispersan dis familias.
Depende ainda da conscencia do propro povo
paraguayo, que admira a generosidade com que o
tratamos, quando contra nos a iinpren?a para-
guaya e a propia imprensa argentina partidaria
de Lpez levantava tanta cahannia, dzeudo que
queramos escravisar os Paraguayos. Essa certe-
ca de Dossa generosidade, boje testemunhada por
tactos eloquentissimos, nos d milita importancia
Rica, ou outros. A autoridade do genera! Pory-' aos olhos deste infeliz povo. Entretanto o proprm
doro se estender tambem a Caraguatohy, logo' correspondalo da Trilmni, pira intrigar-nos,
que se tiver retirado desse ponto o commaedanto ainda^nscrea* o sogninte
do 2o corpo do exercito, o que creio ser sanik
breve.
Ficam, perianto, sob as ordens inimedia!:.- i
general Polydnro todas e quaesquer aoteridades
do exercito brasileiro existentes, on qne vieren)
a existir ae sul do Manduvir.
O joven principe, reconheeendo os altos predi
Outro faci sobre o qual devo chamar a at-
lenea >. como republicano, sobre a remessa c n-
tinua de desgrasad is Paraguayos com destino ao
Brasil. (Jue objecto ha nisso '
Ser.', acaso para interua-lo.~ as remotas pro-*
vineras d i imperio, e vende-tos em seguida como
viiavra Sr.
escravos f Tome a p i
Orion, c cham; a
cados de hbil general, Ihc dei xa grande' parte' attoneao do governo sobre esse facto.
dasattribucoes que cabiam a sua alteza. J se v qual a razo de nos fazerem agora
Assim podo o general Polydoro deiniliir, segundo justica os P.iraguiyos, neis reconhecem que os
as conveniencias do servico, os ofliciaes que exer- proprios nossos alijados no? calumiiiam injusta-
cerem qalquer emprego, sem exceptuar os o:l-
ciaes dentro aquellos que se acharen) dentro da
esphera de accao de seu comraando; supprnnjrosl
empregos que llie parecerem desnecessarie-. fa-
zeudo recollier a seas respectivos corpes o; oB-j
ciaes e pracas que os estwre-n exerceudo; con- [
ceder a ofliciaes e ora cas liceccas para o- Brasil,
com previa iuspeccao de sade ; mandar retirar
proprios
mente.
Hi oulras mentiras deste correspondente, con-
tra as quaes devenios protestar, lima dellas 6 di-
ter que nao qu-rem desoecupar os Brasileiros as
casas das fimilas paraguayas, e que e.sas vivera
ao relento, ao sol e 000va.
E falso e falsissimo. -Cito um fado para prova
do que digo. Nao lia oito dias o Dr. Gitahy, chef
constituidas.
Art. 4." A proprielade particular nao pode
ser exoropriada sob iienhum pretexto, mesmo
por mili bule publica, sem justa indemnisaco, a
qual ser previa sempre que a oxeepeo a esse
direito individual, urna das mais solidas bases so-
ciaes, nio seja determinada por um caso de
guerra.
Art. .'i.- Nao haver outros privilegios pe-
soaes que nao sejam os ligados essencial e abso-
lutamente aos cargos por utiiidade publica.
Arl. 6 A lei ser igual para todos.
Art. 7." Nenhum) lei ser estabclecida 3em
u'-ilidade publfea, neai a sua disposicao lera cffei-
to retroartiw.
Art. 8." Ningueit ser preso nem sentenciado
senao pela autoridade ompeteote, com ordem por
escapto em forma de mandato.
Art. 9. Nenhum a pena passar da pessoa do
delnqueme.
Art. 10. Nenhum genero de trabalho, cultu-
ra, industria ou commercio, podar ser prohibido,
urna vez que nao se opponha aos eoslumes pbli-
cos ou seguranca e sade dos cidados.
t Arl. 11. Os inventores ou prmeiri s introduc-
tores de qalquer especie do produCcSo, instru-
mento ou processo industrial lerao direilo exclu-
eon
Urna carta que publicamos da
tm varios detalhes nteressantes e I.
das ultimas disposc5es, tanto militares como ems.
tomadas pelo nosso commandanle cm chefe o pelo
governo provisorio.
o Rio da Prata nao ha nolicia de importancia
Como tantos outros telegramma* da ultima hura,
o que ha dias Iranserevemos, an iiinc.iando a mar-
te del'rqniza, era destituido de ido o fundamen-
to. O general achava-se de pcrfila saade e pre-
parava urna esplendida recepeo ao presidentr
Sarmiento, que ia vsila-le.
nio oa*!seF
Akaa^am tambem a 3 a< datas de Porto Ale-
gre, e a 5 as do Hio Grande.
Na elpico senatorial a que se proceda na
provincia de's. Pedro do Sal. era Mohecida a v>-
lacao dos coliesios do Hio-Giande. Pelotas, Can-
guss, Jaguaro, Piratiny, Bag, Porto Alegre.
Santo Antonio, Rio-' ardo, Taquary, i^choeira .-
larapava^que Java o seguinte resultado:
2:10 -
m
m
191
114 >
Algrele.
servico do exercito, mas smeute a seu pedido, aos
ofliciaes e pracas da guarda nacional e voluntarios
dapatria; remover a forcaideum ponto para outro,
segundo Ihe parecer conveniente; remover igual-
mente os doeutes de um ponto para outre-, o-at
para o Brasil; soltar os presos, mesmo os que se
acliain ordem de sua alloza, comanlo que nao
morava, estara o chefe do corpo do sade na ra,
humanado, visto quo ost em urna cidade. O Dr.
Loiz Alvares teve de oceupar dous quartos na ca
cm que a sociedade Ffaz suas sessoes, pelas
quaes o me.>mo doulor paga de aluguel 304 por
mez ao thcsnireiro da sociedade, porque essa
brigada a pagar proprietaria (que era urna ama
estojara respondendo a conselho de guerra; remo-' sia do cunhado de Lpez-Saturnina Bedoy) 4004
ver o material que se acha nos depsitos do exer-! por um me/. Como csso facto miiitos outros se
cito, mandando para o Ro de Janeiro aquilto que I tem dado,
nao tiver mais serventa na presente guerra, ou nao
sivo s'*a propriedade, que Ihes ser garanlida] deBorba Cavalranti.
com privilegio temporario, ou para um premio que
os indemnise da perda que Ibes provenha da val-
garsaco.
t Art. 12. Todas ascroBcas religiosas serao to-
leradas, com tanta que ae" rspede a do ec-tado.
que a catholiea apostlica romana, e nao se of-
fenda a moral publica.
t Art. 13. O segredo das cartas Briolavcl.
Art. l'i. O direito de peticto por escripto lica
garautido, sem mais limitacao que a do respeito
s autoridades nacionaes.
Art. 13. O exercicio de liberdade de impren-
sa sera gaiantido amplamente, logo que cesse o
estado actual da guerra.
Art, 16. Nenhtima contribaicaa publica sera
cobrada sem acto da .-.tordade suprema que
tenlia creado ou approvaJo expressamente.
Art. 17. Todo o habitante da repblica obri-
gado a contribuir paia os gastos geraes ou loeaes
do estado na propor^o de seus haveres ou renda
que Ihe resulte ao'strvigo publico.
Art. 18. A autoridade dar publicamente, em
poca- regulares, contas da arrecadacao e dispen-
dios dos fundos pblicos, em relatorios e balancos
competentemente legalsados.
t Art. 19. Todo o cdado paraguayo obligado
ao serrioo militar para a dafa da patria e da or-
dem publica.
t Arl. 20. Esla obrigaco se estende a todo o
individuo eleito juiz de paz, e para os demais em-
pregos civis, que nao podero pretextar ecusa
sem um motivo ostensivo, grave e justificado.
Arl. 21. Em quanto o congresso nacional nao
Desembargador Travasso
Descmbaflgadnr J. E. Sayao Lobato. .
Couselhem Fernaudes Braga ....
Dr. Borges Fortes..........
Vi*oadcda tierral. .....
Fallavam somente os colfeglos d-'
Ilaqui e Cruz Alta, com cerca de 110 elci'
Para a cleieao de um deputado i asscaiMra
geral psio 2 dislricto, olitiveram votos n f
gios do Rio Grande, Pelotas, Canga I
Piraliny e Bag :
Dr. Joaquim Jacintho de Mendonca. W v .-
l)r. Ildefonso Lopes.........
Por acto da presidencia da provim
suspenso e mandado respoiisabilisar o juiz mi
cipal do termo de Bag, baenarel llern Plin^
- Na referida localidade fora fcarbaraaieale
assassinado em a nnitc de 18 do passado. o "u-
to portuguez Francisco Pacheco da Silva. ii
sasstao pode escapar .-e.
No dia 23 naufracouna praia do Capo '
distantes de S. ^s, d 1
N. 1062.Portara ao gerente da companhia
l'.jniambucdtia.O Sr. gereate da companhia Per-
nubacana mande dar passagem de estado proa,
no rteioiri \;.[or juo fr para Fernn lo de No-
reaaa,* Antonia Maria do Nascimento, mulher do
ioteoriado Anlon3 d*vFreitas Bezerra, que, ten-
i)>ste para alli seguir, assim o requereu.
N. 1063.Deliberacao.O vice-presidente da
irovincia, atteniteado ao que requereu Anacleto
'ublio ae Mrrac9 CarTalho, o tendo em vista a in-
tornuicao do director geral interino da instracfo.
ult!ioa, de 47 do correte, sob 83. reeolve no-j
1 -.ca-lo gara reger interinamente e com a aratra-
caaia measal de 304, a cadeira de instruccao pri-
nanada povoaca) de Santo Amaro das Salinasi
laraateo impedimento do respectivo professor]
iue so acha no goza dad mezes de Itcenoa.-
DESPACHOS DA VICO-PRESIDENCIA DO DIA 21
DB 0LTUBI1O DE 1869
C'.oumendador Elias Baptista da Silva.Deferido
nos termos da informacao da thesourara de fa-
zenda n. 717 de 15 do correte.
Francisco Antn o de Souza.Concedo o praso
do 13 dias para o supplicanie provar isencao
legal.
Luiz Gomjalves da Silva.Gonceda-se.
Irmandade de S. Jos de Riba-mar.Expecase
ordem.
Liao DiaasPinto Aleixo.D-se.
Joao Rufino FerreiraFilho.Informe oSr. com-
mandante superior da guarda nacional dos muni-
cipios do Cabo e Ipojuca.
Julia Senhorinha de S Obveira.Informe o Sr.
desembargador provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia.
Jum Francisco de' Soaza^-Pagos o direitos
devidos. como requer.
Nanos Campello.Concedo a Uceaba
poder seo aproveitado para a futura defesa da pro
vincia de Mallo-Grosso.
A escolha do general Polydoro urna garantai
fe' iz.
No da 19 embarcou tambem para & Rosario
o 11" batalho de infantaria.
Alguns ofliciaes, queso aehavam 'nesto ci-
dade aJdidos ao batalho provisorio, foram man-
dados reunir as seus corpos, e para o Rosario tdm
partido depois da ida do conde.
A typographia du exercito, que lia poucos
diis havia vmdo de Piraya para esta cidade, vai
aiianha para aquella*villa.
A junta de justiga tem tambem orden-: de ir
em breve, e os raembros della j so andam d&spe-
dindo.
E' um boa providencia do augusto general ora
chefe. Creio que o general Polydoro quer remo-
ver grande quantidade das forjas brasiteiras desta
cidade. As razoes que expitz em minha corres-
pondeucu de 30 de agosto sao muito valiosas. Pen-
s cada vez mais que devemo* deixar em Assump-
cito apenas as torcas restrictamente necessarias
p#a a guarnicao de nossos estabelecmer
Alm da poderosa razao da mmineacia .urna
eaideinia em dezembro ou Janeiro, cm razo da
eiorme agglomeraqio de pessoas, do poueo asseio,
di miseria e tome, accresrc a necessidade* dd evi-
l; r a humilhacio, aiiparente, ou nao, de sermos.
o jgado> a desocenpar as casas das familias para-
guayas, que adrede exigem presos exorbitantes.
Demais, os vivares e-tau por proco extraordina-
rio, e receio en que alguns nfficiacs brasnelros
so indi videra para satisfazer aos {inmensos gastos
que se fazera hoje nesto cidade. Que fi.raem
aqui os dous hospitae*, parece conveniente, visto
que o transporte dos doeates e feriaos do Rosrio
(ara Humayt seria penoso e talyez funesto. Mas
dio vejo razao para nio serera ja removidos os
ceposites de armameato e fardamenlo para o Ro-
sario.
t> governo provisorio vai indo. Tem tomda
dgumas provijiennas, entre as quaes a fecunda o
lmrenco
podida sem vencmentos. i ,i5i^dlirt di aboloo da eseravatara, a qrnt
Pedro Manoel da Conceicao.-Informe o Sr. Inrt A^ge.MMan *milm afamada repuWiea. t
peder da thesourara de fazenda.
; applaado a teuvo o peusanwato du governo previ
I lorio em abolir a eseravatara naetoaKL Dos
Alguns ofOciaes brasileiros oslan fazendo casas
de tamos para morar : muros do palha. Entre-
tanta a desfacalez do correspondente chega a pon-
to de atirar-nos a injuria de qne alugam os Brasi-
leiros a commercianles as casas que oceupam.
Nao se podo calcular do tal mentira ratea os
Brasileiros senao vendo que o Sr. Antonio Mitre,
innu do general Mitre, e do ex presidente da re-
pblica, est oecupando, contra a vontade de sua
dona, urna lindissiina propriedade perteaeente a
viuva dp Venancio Lpez, senhora que'se acha
nesta cidade, qne debalde reclama perante o
;eneral argentino sua casa. Bsso entretanto, o
neto. O inesmo correspondente diz que na toma-
da dePeribebuy se encontraran) as arcas de Uk
pe eonne-700:000--patacoes, muit prata lavrada e
alfaias e que os Brasileiros ficaram com isso tuuo
sem distribuir com os outros alliados, como tinham
oto at agora com os canhoes e espingardas
velhos I
Nao sei o q io mais admirar nessa mentira : se
a inepcia, se o desfacamonto della.
A acceitar-se como verdade que os Brasileiros
sos tomaram o despojo do draheiro e alfaias, a eon-
sequencia que nennama parlo tiveram os Argen-
tinos na tomada de Peribebuy, oas glorias do com-
bale. Bom proveHa ibes ac, i a esses guerreiros
afamados a nenhuraa gloria que Ihes rabo m pele-
jo, visto que cora tal mentira do direito a tal con-
clasao.
A commissao do asylo da F vai entregar ao
governo provisorio o mesmo asylo. E' ama pro-
vtdenoia tuertada, porque os membros da ntesma
commissao tra de rearar-so desta eidade mais
tardo ou mais odo. Antes -dessa resolueao a com -
mtasoo foi agradecer ao conde d'Eu os auxilios in-
nmeros que, tem prestado ao mesmo asyto.
O offleio do-conde d'Ea ao general Polidoro,
dando-lhe a autoridade a que cima me referi,
de 19 de setembro do corrente. Dahi conclno que
sao Mtesft eraprohemte a asta boro a marcha para
o norle. Deus o guie pela estrada de gloria, quo
tem sabido abrir com a ponto brMhante de sua
espado.
O coronel Oeoebomps, esse arsllooto offlciol
id*fazenda, veio heotem do Rosarte a-asta -eida^
de, o volta hoje o reanir-oe ao ewroito MpedlPte
nano. Vcic a alguma'fmmJsjSD impwlimie.
prido, 10 leguas di:
brigue Pedro V, procedente do nosso p
carregamento de vnho, cachaca e ct >
se a tripolaco.
min.vs-c.fi:\; .
Desta provincia apenas eaeOBtraOM
guinte no Pharol. do Juiz de Fra de 9 do .
rente :
i Na tarde de quarta-feir.1, rindo o menino i.--
tevo, de lt) amos de idade. aeompanhand n: i
a! carro de podra porteaoaate sea pa o Sr. \
ci Delgado Molla, na occasia> cm que l u
tomar a dianteira, cscorregando do bar
onde apressado andava, cabio sobre os bote, e
estes, espantndose, derio impul-o ao carro
passando a roda sobre a- eostes do misero, a*e
apenas pude clamar por seu d oM i pai, e aa-
pirou.
. To rpida foi essa Morosa sema, que &
prate que vnho otra do carro. um outro viaa-
dante, nada podero fazer em soccorro da victi-
ma.
s. PAITO.
Lemos na AoaMl Qmmeroal. de ?aaa,it:
8 do corrento:
Consta-nos que indo cacar ante-lk>Dtem oSr
Dr. Antonio Francisco de Agni.tr e Castro cor-
outro individuo, acontecen disparar casaalniraa
uina das espingardas que levavam, c a cao**
na. d-
o
promulgar as leis, sob cuja pruteceao deve vivero .
oovo paraguayo em sua nova existencia de nacao offendeu gravemente o braco do cooipaouciro
livre independente, se observar em toda a re
publica o direito hespanhol de las Siete Part, as de
Castalia e as de Toro, tanlo no civil como no cri-
minal i^assim como o estatuto paraguayo provi-
sorio da administracao dejustica do anno de 1612,
que tem vigorado ate aqui.
. Art. 22. Nao obstante, flea revogado desde ja
o art. 57 do cap. 9, qe excepta os enmes de
traico. sedicio e conjurarn contra a ordem e
tranquildade publica do jursdieco dos tribunaes
de jusliga, aos quaes compete o seu conhecmento
e julgaiiiento dora em diante.
Art. 23. Ficam tambem revogadas a3 leis so-
bre confisco e toda a pona de tormentos.
Art. 2i. Nao tendo ainda a repblica um c-
digo proprio de commercio, adnptar-se-ha provi-
soriamente o cdigo de commercio argentino.
t Art. 25. Publique-se pela imprenso, e insra-
se no R. N.
c Dado era Assumpeao, no palacio do governo,
em 11 de setembro de 1869, anno primeiro da li-
berdade da repblica. Cirilo A. Rivarla.Car-
los Ijozaga.ks Dias e Bedosa.
NOTICIAS DO. SUL DO IMPERIO.
nECIFE, 25 PE OUTOBT.O DE 1869
Chegou hontem polas 11 luras da manhaa o
vapor brasileiro CrnSetrO io Snl, trazeado dalas
da corto at T, da -Baha at 43 e de Alagoas ato
13 do corrento.
Eis o que colhemos dos jornaes:
StO DA PRATA.
Chegoa o corte Rodte 9, dessa procedencio, o
iransiKirle Guapote, com datas de Montevideo .1
docosoente. ,
De Montevideo a Mhas nado de impojtoncia
referera a respeito das coasas do Paraguay. Ape-
as encnptramns urna correspondencia datada de
Poiinho Cao, 13 do setembro, e em qae se'diz hs-
verem voltodo os forcas que tinham marchado
sobra S Joaquim, depois de teram morto on apri-
sionado toda a gente que guanwcia aquello ponto
dito Dr. Aguiar e Castro.
O numero do dia 1 diz o segrate :
Hontem pela monjil soproii com hgeza so-
bre a cidade um forte lufo ; a atmospaora lar-
vou-sp, pareca que iamos tor chava ci>piooa.
c Nada, porm, deu em resultado: raraOnoca-
mos com grande secca e calor intenso, sobrtsaio
durante o dia.
i J difflcil popularn aba*tecer-se de ogna
necessara para o u-o domestico. >
Com o tituloA lavoura e a seccad.
Cor nio Panlistano de 13 do corrente a segRinto
noticia: _
l'm plienomeno curioso ron)era a oaaareatc
nos centros productores da nossa agrkooaao i
que nao podemos deixar do fazer sltenle pet
muilo que diz em favor da abundancia eaBr,
apesar da secea excepcional qe tem reinad, a
Providencia prometi brindar a nos feral aif-
vincia.
c Carlas do interior dizem que o I
dos cafezaes espantoso e que se *
safra de olgodo de ptima quatidade,
alm do mais a occasiao azada para o i
planto por causa da chuva que agora mil pota e
nao deve tardar.
t Sobretodo atirahio-nos a attencao asna rarta
3ue temos vista, de Campias^ de atasen i
igna, da qaal retiramos, paroofcfoaar aaai
leilores, o seguinio intereesanlissiwo r
que se ossignala cora rebebo
principal do nos>a lavonra, m i
dido de vico qae desdiz io*
levantadas contra a marcha qae I
mamonte a alraosphcra. Eto o trecho
do: ,
Bous extraordinarios fMgavl
onde fui chamado pora ver ama i
deixar as maltas e abrir a penetro, a!
cortinei um panorama ooToall
um immenso lenco! braneo o
estenda por todo aqaefte
de: ero oeofezol mieir > oborto ara
amo grosso camodo dtate
elle I Nem o verde se io.
Dftpois conversando _
larrtdorw, homem e saaa m
4




2
4U Unuiliuu ju c.\
5H!3i
de j^ernainbuco Segn la feira 25 de Outubro de 1869.

i
i
I
/
se-roc
anno;
neste Municipio urna secca igual i quo acabamos
Je er, e nanea os cafezies floreceram tanto c
com Unta igualdade! >
RIO BE JANEIRO.
jtaparrou-fe, no da 1S do corrente, os tra-
baras* da assembla geral legislativa, pronuncian-
do S. M. j> Imperador o seguinio discurso :
t Angostos e dignissimos senhores representan
tes danaeo.Teuho a ~alit';n;..V de assegurar-vos
que durante o periodo da presente sesso legisla-
tiva a tranquillidade nao foi alterada ein ponto
algum do imperio, c as relafbV* com as potencias
csirangelras continuaram no mesmo estado de boa
intelligcncia e amtsadc.
Foi assignado om 2 de junhn ultimo na cida-
de de Buenos-Ayres pelos plenipotenciarios d is
governos alllados o accordo para organlsacao do
um governo provisorio na repblica do Para-
guay.
A' bravura c constante dedicacao de nossos
briosos concidadaos, que, sob o coinmandado de
meu rauito amado o presado genro, o marechal de
exercilo conde d'Eu, sustentam no territorio ni-
migo a honra nacional, leal e valiosa cooperado
do nossos alliados, devenios assgnaladas victorias
que expelliram em agosto as forgas de Lpez das
Importantes posiedes que ocenpavam.
Ao passo qne o inimigo figo para as extremas
do territorio paraguayo, a populaco, livre do jngu
que a opprimia, vai revelando por demonstrarse*
irrecusaveis sua adheso ao governo provisorio
installado na capital da repblica.
t Cheio de jubilo nutro a tnais bem fundada
esperauca do ver brevemente concluida a guerra
modo digno do nomo brasiloiro, o ebt'gado o ensejo
de vulvennos nossa alienta esseucialniento para
os negocios internos, adiando na recordacao de
tantos glorias novos estmulos a empeuharioo-iios
anda mais pelo engrandec monto do Brasil.
Agradego os mcios com que habilita-tes o
governo para prover as necessidades do servico
publico. .
A importancia das medidas este anno inicia-
das d teslemunbo de vossa Ilustrada sohcitudo, c
u patriotismo, que setupre inspjrou os Brasileros.
alianea (loe na prxima sessiio legislativa so bao
decrettjfeL as refirmas ijuo urgeutemento recla-
ma raossalegislneao.
Angostos e dignsimos senhores representan-
tes d.i nacao. Confio que, restituidos a voseas
provincias, seris os molhores eonselheiros de
nossos concidadaos cm tudo que interessar o bem
publico,
c Est encerrada a sessao. ,
As eommissoes Horneadas para essa solemmda
de foram assitn organisadas:
Para receber S. M. o Imperador, os Srs. de-
pinados cunde de Baependy, Candido alende-,
Frailes, Cruz Machado, Raposo da Cmara, Jero-
nymo Ponido, Joao Mondes d'Almeida, F.d'Aguiar
A.iiveira, Femandes Braga, Araujo Lima, Angelo
do Amaral, Ferrara de Aginar, Viecate deFiguei-
redo, Azambuja, asaao, Uenriques, Barros Bar-
reto. AlT.iiS) de Carvalho, Pinto de Campos, Co-
Iho Rodagaes. Abracar Araripe, Pereira Franco
c Da- da Bocha, e os Srs. senadores barao das
Tres-Duras, Son/.i Franco,visoondo-de bapuraliy,
visconde de Camaragibe, Sayo Lobato, visconde
.le S."JvTcem, Nones (", mealvcs, Fonsoca, barao
do S. Loureneo o Di. s de Carvalho.
Para recebr a S. M. a Iniperatnz os Srs. dis-
putados Luiz Carlos, Siqueira, Jagiiaribe e Correa
de Dliveira, C os Srs. senadores Zacaras e liaran
do Buin-Ri
Para receber a S. M. a princeza imperia, os
Srs. deputad .s Candido Torres Filho, Paranlms
Jnior. C'Tia e Bitleneourt, e os Sis. senadores
Siuimb, Psfaoagu e Frmino.
O sead, leudo deixado de funcei mar no-
das !t, 10, 12. 13 e ti, approvou na sosso de 11
o projeet i concedend i a garanta de o % do juro
ao capital a4dicioo.il da coinpannia da e-lrada de
ferro de Pernambin-o. A lei do orcanient* geral
fieou na 2a discu sao do art. 8 (ministerio da agn-
culuir.i).
A cmara dos diputados tamben) deixou de
f Reclinar nos das 40,11, He 11 do corrento
Na -esso de 9 appr -voii, depois de orarem os
Sis. Ferreira Vianna, Duqu'-Estrada Teixeira.
"Cocino Rodrigues e Carea, a emenda do seuado a
proposican declarando que a lei n. 1,.:07 de 20
de **>mbra de 1857. decretada para o exereieio
de 1H57 a 18SS c 18:iS a 18* coutiouara em ri-
gor im exereieio do 186ta 1870, erauoauto nao
lor promulgada a respectiva lmd> orea n rato
Na ses-e de 13 ap >rovou, ora S'dseussao, com
a einend i pelo Sr. J. de Alencar, o projeeto do se-
ni I*, declarando que na as-entos tomados na ca
da supphcacao de Lisboa ten) torea de lei em todo
o imperio.
Uecnpou-se depois con a v discn*sao uo pro-
jeeto, lambem para c.incaler garntanle uro do ao capital
addisional da companhia da estrada de ferro de
Pernarnbueo, as^im euneoMo:
A assem'ol'M yer^res^ve-
Artigo nico. Fii-a o governo aut irisado para
conceder garanta de juro de'8% ao capital addi
rional da compapbU da estrada de. ferro de Per-
n.nihiKo, a qnal nao peder exceder a.........
VH6.977777; 4'veiilo-se contar da dato desta
resolucao obrigacau c pagamento da referida ga-
rautM.
Paco do senado, om i I de o-.itubro de I8b9.
Visenne'de Abnel, presidente.Jos Murtins ili
Cruz Icliim, como f secret rio. B rao do Rio
Grandf. como 2o secretario. >
S M. o Imperador, acompanhado dos seos
Nnanarios, visitou no da II do corrente, as offl
cias de machi a< do arsenal do marinha, e em
seguida emharcoii na galeota imperial c foi for-
taleza de Vitlaigaigno, olido tambem visitouo quar
tcl dobatalhao de imperiaes marinheiros; cal
hora da tardo desembarco!] no arsenal de guerra.
Por decretos de 2i 0 9 de seti-mbro, 6, 12 e
13 d corrente:
Wa confoiini lade <\ i imperial resolueao do lo
do nie-iino uii'z. loma la sobro consulta do cense-
ha supremo militar, fi'prora ivido graduaeao do
pi engenheiro Joo Victo,- Vi-ira da Silva.
Foram declarados avnlsos, por nao teivm entra-
do no exereieio das respectivas fancce.s dentro do
mn legal:
O juiz do d reiti da comarca do Jacarehy, na
provincia de S. Paulo. Jos Autonio Vaz de Car-
valhaes.
O juiz de direito da comarca da Paranaliyba, na
provincia de Goyaz, ilisbello Florentino Correa de
Mello. _
O juiz de direito da comarc do santarem, na
proviucia do Para, Jos de MeiraOlyntho.
Fui rcmoviilo o jais municipal e de orphaos Joao
PcIkoIo do Miranda Veras do lermo de Itabaiani-
uha, da provincia de Scrgipe para os de Uapicu-
rd Soure, na da llahia, por assim o haver pedido.
Foram nomeados :
O bacharel Candido Alves Duarte Silva, juiz mu-
nicipal e de orphaos do termo de Araruama, na
provincia do Bio de Janeiro.
O bacharel Antonio do Paula Ramos Jnior 2o
promotor publico la corte.
O bacharel Carlos Jos Pereira Bastos, juiz mu-
nicipal e de orphaos do termo de Nova Friburgo,
na provincia to Bio de Janeiro.
O bacharel Augusto Bibeirode Loyola. juiz mu-
nicipal e de orphaos do termo da Casa-Branca, na
provincia de S. Paulo.
O bacharel Joao Jos Gomes da Silva, juiz mu-
nicipal c de orphaos do termo da Bagagem. na
provincia do Minas-Geraes.
Antonio.Valgueiro dos Santos Barroi e Joao Ro-
drigues de Barros, majores ajudantes de ordens do
criminando snperior da guarda nacional dos mu-
nicipios de Tacaratu e Floresta da provincia de
Pernarnbueo.
Jos Goncalres Torres, capito secretario-geral
do mesmo mimando.
Manocl Cavalcanti de Albuquerque, capito
quartel-mesire do mesmo commaudo.
O capillo Jos Xavier de S, capito cirurgiao-
mr do mesmo comm ndo.
Francisco Cavalcanti de Albuquccque, tenante-
coronel commandante do baiailo de infantaria n.
di da guarda nacional da inesma pravincia.
Antonio Alves da Luz, major commandante da
scelo de reserva n. I i da mesina provincia.
O teen te-coronel Silvestro Ferreira Cam i n lia,
coranel commandanto superior da guarda nacio-
nal lo municipio do Aracatv, na provincia do
Cear.
O e^pliao Leonardo Jos Picaneo, tenente-coro-
nel chefe do estado-maior do commaudo superior
dagnarda nacional dos municipios de Macap e
Mazagao, na provincia do Para.
Tiiago PorQrio do Araujo, lente corono! com-
nundanie do batalhao de iufanuria n. 41 da guar-
da nacional da mesma provincia.
Francisco Mantel Mariano Falco, tenente-corn-
nel commandante do batalbo de infantaria n. 38
da guarda nacional da provincia de Alagoas.
Foram reintegrados: o teoeote-coroael refor-
.mado Francisco Miguel d Siqueira. no lugar de
ebeo do estado-maior i) commando superior da
pro-
elle: dons extraordinarios deraai-se sta Lgaarda tttdionaj do niuniolpio do Fiares da
desde que sou lavrador anda nao so deu vincia de Pernarnbueo.
- O tenento-corom.il reformado Francisco Beren-
gucr Cesar do Andrade, no commaudo do v coi
po de cavallaria da guarda nacional do municipio
do Brojo, na mesma provincia.
O major reformado Joaquim-Francisco Dmtz, no
commaudo da sccro de batalho da reserva n. i 1
da guarda nacional da mesma provincia.
Concedorara-se:
Aorapilaodo *batalliaode infantaria da guar-
da nacional da provincia do Maranhao, Joao Pedio
Alves de Barros, as honras do posto do major.
Ao capito secretario geral dp commando supe-
rior da guarda nacional da capital da provmea u>
Piauhy, Antonio Tavares da Costa, passagera pai a
o servico da reserva, fieaado aggregado ao 1* ba-
talhao do mesmo nrvico.
Ao major agsregado ao batalhao da reserva
da guarda nr-cional da mesma provincia, Antonio
Jos de Araujo Bacellar, demisso do exercici"
conservando as honras do posto.
Ao tenente-coronel reformado da guarda naciv
nal da provincia do Para, Francisco Antonio l'i-
nheiro, melhoramcnto de reforma no posjo de cd-
ronel.
Foram demiltidos do exereieio dos postos os_sb-
guintes olllciaes da guarda nacional do municipio
de Caniet, da provincia do Para :
O coronel coniniandauto superior Joaquim Car-
doso de Andrade. .
Tenente-coronel ehefo do estado-maior, Hilario
de Moraes Bitancourt.
Tenente-corouel commandante do batalhao n.
31, Antonio do Castro Valente.
Foram declarados scni effeitrt :
4) decreto de 21 de julho do corrente anno, que
omeou o bacharel Sevurino Eulogio RiBeirode
Bezende, juiz municipal e de orphaos do torra* do
Patrocinio da provincia de Minas-Geracs, pQr nao
Macah alguns lelegraramas relativos ao naufra-
gio da galera Rotjal Staniart.
a Macah, U de outubro. Sabe-se a.ial que
deu a costa era urna praia perto de Quiassara
uui boto (pie conduzia 22 pessoas do navio nau-
fragado e que morrerara 8 pessoas.
t Macah, 15 de outubro. Chagaram hontem
a meia-nnuto 10 nufragos d > bate uiencionado,
que as virou na praia porto 4 Ouisiairm faltati
i marinhiros que so extriflKn ; fallecer n
Mmo. Lawrenco, Mil*. StiJuart e a familia Duin-
mett, menos um amo q una nia arrebalou
e levou a Ierra. uiajr os i iiftrinbei-
ulieiros, qne desapareceram.
Do cuminandanto da canhoneira Spesdioelt
ao consolido ingle :
t Toob 21 pessoas a meu (urdo, perioocente?
ao RoyoLStaiidarl; o no MictAenit, que parte
boje para essa, vo 11 Falta una jangada em
que estao o capito, sua amilia e o resto da tri-
palaco que o acompanbau at o navio llcar era
pedacos, ao lo lo 14 pessoas. Fazem-se esforcos
para encontrar estes infelizas.
Entrn hontem (16) do Macah a canhoneira
ingleza Spesdwell; condaziudo os nufragos da
Rotjal Standart, inclusivo o capitb, sua familia
o as pessoas quo o acompanharam na jangada,
que foram salvos pelo briguo escuna baaailfllro
Camponeza, quo os baldeou para a referida ca-
nhoneira.
A galera Royal StandartLtrazia a seu bordo
passa-
provincia
ler aceitado a nomoaeao.
O decreto de 7 do marco de 18(58, na parte f m
que nouieou a Jos Alves Cirdoso, major ajudan-
te de ordens do commando superior da guarda ra-
cional do municipio de Braganca, nfcprovincia de
S. Paulo.
Foi dispensado o juiz de direito Julio Barbosa
de Vasconcellos do cargo de chefe do polica Ja
provincia do Paran.
Foi concedida ao juiz de direito Caetano Estelila
Cava(canli Pessoa a exonera ;ao que pedio do c: r-
go do chele de polica da provincia do Bio Grande
do Nrle. .
Foi removido o juiz de direito Jos Ignacio Go-
mes Guimares do cargo do chefe de polica da
provincia de S. Paulo para igual cargo na do Pa-
ran.
Foi aposentado o desembargador da rolacao do
Bio de Janeiro, o conselbeiro Jas Ignacio Vaz Vie ra
no mesmo lugar, com o ordenado correspondente
ao tempo de servico,dependendo nesla parte de ap-
provacao do poder legblativo.
Foi reconduzido o bacharel Manoel do Olive ra
Cavalcanti no lugar de juiz municipal e de orphaos
do termo de Cataln, na provincia de Goyaz.
Foi exonerado, sen pedido. Urbano Sabino Pes-
soa do Mello Jnior do lugar de platicante da se-
cretaria de estado, e nomeado para o mesmo lu;,ar
de confonnidaJe com o decreto n. 4,274 de de
maio do auno prximo passado, Alfredo Vctor
Thompson.
Por carta imperial de Ll do corrento foi o-
ra' ado cavalleiro da ordem da Rosa o subdito frun-
ce! Casimir Delamare.
Por decreto da mesma data foi elevada a Gu$
a penso de 30 conc-dida por decreto de 20 de
fevereiro desle anno a D. Amelia da Feue-ca, iruiaa
solleira do major Eduardo Emiliano da Fonceca.,.
P.ir ttulos de 15 do corrente foram nomeados
Gamillo Francisco Gomes, Pedro Beginaldo Toixji-
rn e Wenceslao Jeronymo da Cunha Alcntara
para os lugares do praticanles da thesouraria fla
Baha.
O banco do Brasil reuuio-se, no da 16 do cor-
rente, em assembla geral cxtraoniinaria soba
presideecia do consclheiro Jos Pedro Das de Car-
valho, serviudo de secretarios os Drs. Jos Fern li-
des Moreira e Francisco Ignacio Marcoudcs Ho-
rnean de Mello.
Feita a chamada, vcrificou-se acharem-se pre-
sentes 123 accionistas com direito de tomar pt.rb'
as doliberacoes da assembla geral. Approvadas
as actas das sessoes anteriores, procedeu-sc a vota-
cao das seguimos eonclusdes do parecer da cum-
missao do exarao do contas.
I.' Que sejam approvadas as eontas* do anuo
baneario de 1868 1869.
2.a Que nos balatiQos, qne forera publcalos
de ora era diante, conste sempre com exauda j a
soinma total de lodosos ttulos emliquidacao, q ier
penencain cernir commercial, |ner a bypwthe-
cari is.
Foram recuihidas ll.'i cdulas representando 104
voto, e foram approvadas: a Ia conclusao por 19J ataque de apopleaia fulminante- nw^tttol
votos contra 3, havendo urna cdula erh branco, bo, onde se aehava hospedado o capltao
73 pessoas. inclulndo o capito, sendo 30
giros e 41 tripolantes.
Salvaram-se 30, sendo 32 destes e 18 daquel-
les c morreram 8. Faltara 15 pessoas, destas II
sao tripolantes, e 4 passageiros ; sbese que 1
destes e i daquelles foram salvos por um brigue
estrangeiro, cujo destino se ignora : dos 12 res-
tantes que se embarcaran! em urna outra janga-
da nao ha por ora noticia ulguma.
O Sr. vice-consul portuguez do Macah, se-
gundo nos informam, prestou valfteos servieos a
loda a gente que foi salva e aos que foram em
seu auxilio.
Escrevem-nos de Mag em data.de 15 de-te
mez: No dia 12 do corrente s 8 horas da raa-
nhaa foi brbaramente assassinadu com um tiro
o subdito francez Miguel Pujol, no lugar do Jac,
na estrada que vera ler a Mag. Pujol foi convi-
dado por um bilhole do seu assassino para apre-
sentar-66 no lugar mencionado onde pedera com-
prar alguns eseravos, devendo levar comsigo di-
nbeiro. Accedendo ao convite, Pujol foi uiorto e
roubado, deixando-se-llie apenas no bolso 1*000.
t At boje no consto quo tenha sido preso o
assassino. >
A alfandega da corte rendeu de 1 a 15 do
correnlo 1,449: 423880.
Eis as noticias commerciae* da ultima data :
Elfectuaramse pequeas transaccoes em cam-
bio sobre Londres a 19 d. papel bancaria, e
19 l/t d. papel particular.
Negociaram-se 189 apoliees do emprestimo de
1868 a 9453000, 80 ditas de 6 % a 81 /s 300
arroes do Banco do Brasil a 1715000 a dinheio
172 ditas de dito a 1725000 dito, 100 ditas de di-
to a. 1745 dito, c 600 ditas do dito a 1725000 e
1734000 a prazo. .
Sahir.iin para Pernarnbueo: a 12 a barca fran-
cesa Chevrenil e escuna h .llandeza Uirk llundrik ;
a 15, o briguo brasiloiro S. Paulo,
baha
A sociodade dos Veteranos da ledependcuciaL
elegeu, nodi*13 do corrente, o coaselho directo**
para o anno de 1870; o qual flcou'assim organi-
sado:
Presidente.Consclheiro Manoel Maria do Ama.
ral.
Viee-presidente Chefe de devijio A
Wenceslao da Silva Lisboa.
I', secreta rio.-Joao Pedro da Cujiria Val*.
2. ditoManoel Jeronymo Ferreira. :
Thesimreiro.Manoel Flix Pereira.
Vogaes.Alferes Simplicio da Silva Beis
conegu Joaquim Cajueiro de Campos, maj
quim Baptista [iburana. coraoiandante siiufeiinr
Joaquim Antonio da Silva Carvalbal, capito Ma-
noel Joaquim Xavier, Antonio Gentil Ibirapitanja,
Manoel Joa |uim de Mag.dbaes e Manoel Pedro da
Costa Cirue.
Arrbaram ao por o da capital: a lo o bri-
guo italiano Antoiiie Doten, em viagem a i I lia de
Maio; a 10, o vapor Araciij, em viagem para Ca-
ravdjla* ; o a 18, o lugre uorle-aliemao Louize d;
Charlle, em viagem de Harcolona.
Lemos no Jornal da Baha :.
F.illeceu e loi sepultail. no dia 17 Jo correle
o Sr. Jo<) Cesirubra, quo era presidente da Asso-
ciae;m Commercial o aireetor do banco da Baha.
Era um negociante ura i, :r; :ej fazia hon-
ra sua classe por sua SHs'^e. inieirezaV
-A Associaijo Coinmoiei :, liwiou luto.
As 9 horas da Dille de j, -uccumbiodeiini
Del-Gio-
Antomo
que all se aehava por parte da companhia roela
mante, e consta-nos que opina no sentido, do no
haver, por hora, perigona navegacao. Infelizmen-
te, porm, nao se pode garantir como permanente
este estado de censas, e a providencia mais ade-
quada que se pode tomar maoter com toda a.re-,
gularidade a abundancia de raeios e servico da
praticagem.
ALM0A3,
Desta provincia apenas encontramos o se-
guinte no Diario':
c Ante-tVHitdin 10 do corrente leve lugar no salo
do theatro Maceioense a reunlao de diversos typo-
graplios cora o fin de formarem urna associaco.
Ao meio dia comparecendo o numero de vinte
e dois typograpUo-, elognrara naa commissao des-
tinada a convidar ao Rvm. Francisco PeixotoDuar-
e vigario de freguezia pura presidir a reunan.
Foitoe aceito o convite compireceu o Rvm.
Duarte, que sentando-so na respectiva cadeira de-
signoupara secretarios o Dr. Miguel Felicio Bastos
da Silva, eDr. Luiz .Correa Brrelo de Menezes o*
quaos cavalheirosamenle aceitarain a nomeacao e
oceupararn os respectivos assentos.
Insudada a-sim a associacao, procedeu-se ora
ciintinente a votacao da mesa provisoria que a
deve dirigir .t que se orgauise a elToctiva, c os
respectivos estatutos. '
Foram eleitos para os lugares os seguintes ty-
pograpbos :
Presidente Eudydes- Barbosa Cordairo de
Mello.
* i' secretorio Jos Antonio da Silva.
2o dito Jos Leocadio Ferreira Soares.
i Foram por essa oecasiao proferidos diversos
discursos concernentes ao flm da associaco.
PERNAMBUCO.
B-
o a I* por 101 votos contra 33.
169
168
132
l.'.j a
10 n
103
80
8
Cl
60
a9
49
33
SI
I'!
Proclamado este resultado, declarou o presiden-
te oue elle e seas colleg* da directora Jeronymo
J .se Toixeira, Bernardo Casimiro de Freitas, Fian-
cisco de Assis Vieira Bueno, Joaquim Antonio 'er-
nandes Piubeiro o Manoel Ferreira de Faria re lig-
ua vara o cargo de director do banco. Em seg ida
conviden a assembla geral a proceder .votacao
de presidente o depois de oHn directores, por ter
j anteriormente pedido demisso o Sr. Jos Ha-
chado Coclli i e Haver fallecido o director Jo> de
Miranda Bibeiro
Para a eleicao do presidente foram rocolhidas
119 ce lulas represeiitaji 198 votos. Sahio elcit
presidente o Sr. Militan Maxim > de Souza por 145
votos, oUtcido o Sr. Dr. Jos Machado Coelno de
Castro 50 e o Sr. vcador Jos Joaquim de Lima o
Silva Sobrinliol' votos
Para a eleigao de directores receberam-se lli
cdulas representando 188 votos. Apurada; a>
cdulas, foi o s^guinle o resultado :
1. Veador Jos J. de Lima e Silva Sobrinho
2. Coinmondador Jerouy no Jos de Mesqnita
3. Commendador Candido Jos Bodrigues
Torres
4. Dr. Jos Fernanaes Moreira
5 Barao do Ri i-Negro
0 Dr. Francisco Ignacio M. Ilomoai do Mello
7. Jordn Crawso
Dr. Manuel Marques de S
Dr. Ignacio F. Silveira da Molla
Jos Nunes Teixeira
Francisco do Assis Vieira Bueno
leroiiy.no Jo- Teixeira Jnior
Milu io Mximo de Souza
Jos Borge* da Costa
Antonio Alves Ferreira
Joo Pires da Silva
E os outros menos votados.
Foram proclamados directores os sele primei-
ros.
Lemos no Jornal do Commercto :
Deu-se no da 11 do crrente, na freguezia
do Engenho-Velho um crinie brbaro.
Jes Furtado, Brasilein, matn a parda Ma-
ria Jos, de 16 annos do idade, grvida de 6 >ara
7 mezes, com quera estova amasiadn, dandc-lhe
cora um pao, fortes pancadas na cabeca.
Foi preso, bem como o portuguez Antn i > do
Bogo, suspeito de curaplicidade nesta mortc.
t A barca portug eza Amelia, procedente do
Porto e entrada hontem (13) trouxe a seu bordo
I>nufragos sendo 11 tripolantes e 4 passageiros
da galera ingleza Royal Standart, que etica bou
nos baixios de S. Thiom.
t Eis as ioformacoos que podemos crner s )bre
este.sinistro :
t A Royal Standart, capito H. Clark, sahira
de Londres com destino a Melbonrne, tendo sil
horda 27 passageiros o 47 pessoas de tripol: gao.
No dia 30 do raez passado apanh >u ura temporal,
que a desmastreou. Navegando com 03 peucos
recursos do pannos que Ihe restovam, a galera
demanda va o porto do Bio de Janeiro, quind
pelas 5 1(4 horas da manha de 10 do corrrate,
nao podendo resistir ao muito mar o forte corren-
teza, encalhou nos baitios de S. Thom.
t Vendo-se perdido, o capito da Royal Stan-
dart lancou ao mar os dous nicos escaleres que
Ihe restavam, e, depois de embarcar era ura del-
les o medico, um passageiro, todas as mnlheies e
criancas, um i* olflcial e cinco h mens da ti po-
laca.), ao todo 23 pessoas, mandou-o em prorara
da trra. No dia 11 embarcou no outro escaler
4 passageiros, um offlcial, o carpinteiro e 6 tripo-
lantes, e mandou-o com o mesmo de'tino.
A barca Atnelia, quo demanda va tambe ai o
nosso porto, vio a galera em perigoe aproxii ou-
se aflm de prcstor-The algum soccorro. Chexan-
.lo a distancia conveniente, o capito da barca
mandou deliar ao mar um oscaler, que dirigiu-se
galera e pole salvar alguns nufragos. Che
gando estes a bordo da barca, pedirara ao canitao
que mandasse urna embarcaco maior que po tes-
se salvar mais gente. Effectivamente o capito da
Amelia envin a sua lancha com 11 pessoas, das
Juaes seis passageiros. Dous dias espern dfbal-
a pela volta da lancha e por fim vio chegar um
escaler, o segundo que largara a Royal Staiulart,
e recolheu a seu brdo os nufragos que nellc vi-
nham, seguindo depois para o nosso porto.
O consulado inglez receben hontem (12) da
Joaquim Pinto Cabral, residente na cidade de Na-
z.ireth, e que, segundo con-to. tinha vindo esta
Cidade a negocio de venda de caf e farinhas.
> N'o domingo 17,-depoi- das 8 horas da ma-
nbaa, foi Antonio Pereir;' d:-. Silva Barreiro<, cai-
xeiroda casa commercial Arara, ferido com mu
Tiro de pistola por Luiz Augu-!o do Beis, caixei-
rodos Srs. Moueorvoe Foiiseca, em uta quartu da
casa desle, n. 8, ra do Gara pe, da freguezia
da Cooceicao da Praia.
O offendido declarou que nutria estrellas re-
lec>s de amizado com o ulonsor, eqne o facto se
der.i d aegninte modo :
Ura hoiiiem da Pnrifieac) lia cerca de dou*
mezo-" csteve hospeilado mase mesmo quarto, onde
deixra a pistola, que, ignorando Beis que esiives-
se Borregada, apontou em aclo de gracejo ao pei-
lo doBarreiros, e Mparaudo-a produzio Ihe o fe-
riinenio. Os facultativos i]iio pr .cederam ao cor
po de delicio, declararam-o mortal, e cora effeito
o infeliz mogo expirou hontem noite. >
Algumas senlioras das freguezias de S. Pedro
e Victoria o(Terecerm no anuo passado para o
altar da Senhora da Piedad, um grande ornamen-
Ifi to do llores de prata para rodear u ni "lio da Ve
"* oeranda Imagen), 14 rama- do floees iguaes para
sjarras do altar, 10 castiQaes douradus para o
mesmo, e duas lampadas- que foram collocadas no
arco do altar-mr. Urna dessas renhoras offere-
ceu un jarro e baca de prata, nina estante do
mesmo metal, e tira missal forrado de velludo car-
mezim chapeado tamben) do prata, para o servico
do mesmo altar.
* Agora dous capuehinhos nffereceram : um,
seis magnficos ramos de llore* do pennas, e outro
urna delicada custodia de prata com uina grinalda
de llores de ouro (tara abriga-la.
O Regenerador, de Nazareth, noticia o se-
grate :
') Sr. Dr. Joao Bernardo de Magalhes, juiz
municipal desto termo, tendo no dia 12 do corren-
te ido para Matta afi.n do proceder a ipveniarios,
estando em casa do Sr. Sabino Lobo, e sobre ura
barranco que ha do ura lado da casa, foi accom-
mettidopor una vertigem, que o fez pracipitar-se.
cahindo por sobre um coixo d'onde foi lirado sera
sentidos; conduzido esto cidade verificaran! os
mdicos ter urna cdstella fracturada : pelo que se
acn no leito e em tralamento.
A alfandega rendeu del do crrante
468: Ml|l.
ambio regulava : sobre Londres 19 1/4
d., sobj Pars 484 rs., sobre Hambnrgo 908 rs.,
e sobrJPortugal 174 0/0
neava carga para Pernarnbueo o briguo
portuguez Soberano.
SEHGIPE.
Lemos no Conservalor :
< Fez o Sr coiiimendado*j> Jos Antonio de
Araujo nos das 20 e 24 a exnjirienci'a do appa-
relho submarino quo mandou vir da Inglaterra
para tirar o rico carregamento da galera Aus-
tralian, naufragada na costa da Barra de S.
Christovao.
O aparolho dos mais apropriados para o
caso c do mais perfeito systema. Funccionou de
um modo muito satisfactorio. J foi transportado
para a costo, alim de principiarem os trabalhos
quanto antes. Sr. Araujo fez construir debai-
xo do sua direccao miel:gente urna ponte, par-
tudndos ponlos'de maior segoraoca do navio, e
em posijo de nao soffrer o menor daino pelo
embate das aguas anda na sua maior elevacao.
No dia 23 noute ehegou o digno capitao do
porto que por ordem da presidencia e em virtud.-
das roclamaeos da companhia bahiana, fura
examinar o estado da barra do Bio Bcal. Consta-
nos que a opimas do S. S. a segu nte :
1 A barra do anorte est coinpletomento'kuiti-
hsada, mas a que se abri ao sul, e SO bracas
talvez de. exienso, pode ser demandada por qual-
quer dos vapores da companhia bahiana. Por
ella tem-se foito toda a navegacao de vela por 8
mezes esta parte, tempo sufciente para urna
boa experiencia.
< Esta barra no tero anda toda a profundida-
de que ppssivel ter, mas o capito do porto quo
fez a viagem no vapor Dantas, entrando com 3/4
de mar, aliou o mnimo de 16 palmos, e juica
que as aguas, quo j nao podara tor sabida pelo
norte, aindamis aprofundem o canal.
eoramandante Antonio Vieira dos Santos,
REVISTA DIARIA.
PRESIDENTES DE PROVINCIA.Por carta
imperiaes de 16 do corrente foram nomeados pre-
sidentes :
De Pernarnbueo, o Exm. Sr. senador Fredorico
de Almeida e Alhquerque.
Do Piauhy, Dr. ituiz Antonio Vieira da Silva.
Do Para, Dr. Jlo Alfredo Correa de Oliveira
Andrade.
NOTICIAS DA GUERRA.Poucas horas antes
de sabir o Cruzeiro rfo Sul da corte, ehegou ah
o vapor inglez Tlamxtend, trazenlo a segrate te-
legrama de Buenos Ayres, I hora da tarde f
1 A Narao Argentina recebe do Rosario de
Santa F o'segninle telenrainma :
t Dizein de Assnmpcao que um chefe notavel do
exercito de Lpez se sublevou acompanhado de
numerosos soldados, nao leudo effeito a revolta.
t Foram fuziladn* todos elles, fugindo depois
Lpez para a Bolivia acompanhado do Resquein,
outros generaes je 200 soldados.
NOTICIAS DE BENOS-AYRES.Anda por
esse vopor soube-sc na corte: que sahio do mi
nisteno argentino o respectivo ministro da fazenda
Dr Gostoriaga, que renunchu o cargo, sendo
substituido pelo Dr. lloquo Prez, que e-teve lti-
mamente no Paraguay ; e que s 3 horas e 3
quartos da madrugada seulio-se nessa cidade um
pequeo tromor de trra, sem consequencias.
SENADORES E DEPLTADOSVollara 11 hon-
tem da corte os Exms. Srs. visconde de Cmara-
^ioc e do Suassnna, o con-olheiro Cunha e F-
gueiredo, e todos os deputados por est provincia,
menos os Srs. conego Campos, Dr. Theudoro Ma-
chado e Smiza Beis.
INSTRUCCAO PUBLICA. Por deliberares da
presidencia da nrovineia de 21 e 22 do corrente :
Foi permitiida s prpfessoras de instroceao pri-
maria da cadeira da Vicencia Bachel Ad.dp'ha Ra-
valcante Ferreira e de Nossa Senhora do O' de
G.-yanna, Enedina Floresta dos Santos CBrdeiro,
perrautorem suas cadeiras.
Foi removida a professora Paulipa Marcelina de
Almeida, da cadoira de Vertentes para a de Santi
Anta..).
Foi nomada para reger interinamente a eadei-
ra de instrucco primaria do Ouricury, Olymni
L'beralina de' Alencar; f sendo exonerada desse
cargo Maria Felicia do (Castro c Silva.
ASYLO DE MENDICIDAD^, Por delibercco
de 22, foi uomeado o Sr. Theudoro Machado Frei-
k-e Pereira da Silva, director deste asylo.
DICCIONARIO BOTNICO BKASILEIBO. -Pa-
ra examinar e dar parecer acerca da obra densa
deuoininacao, que o Sr. Joaquim de Almeida Pinto
pretenda publicar, resolved S. Exc. o Sr. ico-
presidefite da provincia nomear, por deliberac.
le 22 da corrente, ama commissao composta dos
Srs. Drs. Jos Joaquim de M>raes Sarniento, Joan
da Silva Hmng e Frao*iiu Jos da Silva.
Al!TOB|DADE JQLtCIAL.- Por deliberacip de
22 di c#ren: nead 1 Tiiomaz Jos d<-
Aquiuo r%0ira subdelegado do pri.neiro districto
do B mito.
GUARDA NACIONAL.-Por ditas de 20 e 21 do
orreute :
Foram privados dos pastos -o lente do IIo es-
quadro de cavallaria de Nazareth, Jos Alves
BezerrH, por nao ter tirado patente ; e o alferes
do 8' batalho de mfautaria, Antonio Carneiro
Rodrigues Campello, porter-se ausentado sera li-
cenca :
Foram nomeados:
Manoel Eugenio de Souza, alferes da 2a compa-
nhia do esquadro n. 10 de cavallaria de Li-
moeiro-
Esquaaron. 11 de cavii&nria.
Alteres porta-estandarlo, Joaquim Bezerra de
Menezes.
2a cimpanhia.Capito Gervasio Paulino Lopes
Lima, tenente Carlos Augusto de Barros Reg.
4' corpo de cavallaria (Tacaratu).
Teneute-cirurgiao, Jos Annibal Alves Canta-
relli.
Alferes porla-e-landartes do Io e 2o csquailroes,
Pedro Goncalves Cavalcanti e Francisco Buliniano
da Silva.
1/ companhia.Tenente Joo Bradamanle de
Carvalho Belfort, alferes Benedicto
Barros.
2." dita'.Alferes Norberto Bodrigues dos Sa-
les Barros.
3.* dita.Alferes Jos Cavalcanti do Albu-
querque.
4.* dita.Alferes Manoel Francisco Cavalcanti.
FORO CIVILAinda por deliberago de 21 do
corrente, fui creado foro civil no termo de Salguei-
ro, continuan.io a llcar annexo, ato resolucao do
governo imperial.
EXECUCAO DE LE PROVINCIAL.S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia recebo propostas
para oxccuco da lei provincial n. 900 de 25 de
junho ultimo, que autorisou o dispendio de......
5:0004, cora e collecionamento das obras do filia-
do Fr.loaquim do Amor Divino Caneca.
BABBABO ASSASSINATO.-N primeiro dis-
ricto do Bmi Jardim, foi assassindo golpes de
enchada o menor de 17 anuos Francisco, por ura
seu irmo chamado Joo O criminoso foi preso.
FEBIMENTOS GRAVES.-No lugar Dorondon-
gos, do termo do Limoeiro, Severino do tal lefio
gravemente com um tiro, um hornera e urna
raullier que passavain prximos. do lugar em que
elle estova. O criminoso foi capturado.
MAGlSTd ATURA.Acaba de ser remeltido ao
governo imperial, pelo aoprerao tribunal do justi-
ca, a lista dos sehuintes juizes de^ireito mais an-
ligos para seren nomeados dous quo preeucham
as vagas de desorabaruadores da relaco do Mara-
nhao e Rio de Janeini:
1. Antonio Henrique do Miranda.
2. Joo Quirino Rodrigues da Silva.
3. Francisco Elias do Rogo Dantas.
4." Pantaleo Jos da Silva Ramos.
5. Joo Caetano Lisboa.
6. Malheus Casado do Araujo Lima Afnaud.
7.* Francisco Lourenco de Freitas.
8." Manuel Jansen Ferreira.
9." AntMio Francisco de Salles.
10. Joao Salom de Queiroga
Rodrigues de
11. Francisco Serra Larneiro.
12. Antonio Augusto Pereira da Cunha.
13. Jos Caetano de Andrade Pinto.
14. Manoel Jos da Silva Neiva.
15. Tristao de Alencar Araripe.
16. Joaquim Jorge dos Santos,
PAGADORIA DA FAZENDAPor decreto de
13 do corrente foi nomeado o Sr. Sebastio Vale-
riano Alvares de Souza, para pagador da thesou-
raria de fazenda desta provincia.
TABELLIONATO.-Por decreci do ministerio
da justica fez-se norc ao Sr. bacharel Francis-
co Teixeira de S, da serventa vitalicia do oflicio
de labeRiao de notos da comuiarca do llecife.
MAPPAS DE DISTANCIA. -Pelo ministerio da
justica_deelarou-se ao presidente desta provincia
que, nao tendo sido observado o respectivo modelo
no mappa, reraettdo com o seu oleio de 30 do
setoinbro ultimo, das distancias dos termos dssaa
provincia por kilmetros, faca orgaoisar outro
mappa qne mencione aa distancias das comarcas
por leguas, na conformidade do mejmo modelo.
ESTR.VD. DE FERRO D JABOATO.Polo
ministerio da agricnltur.i, sob n. 1739 e data de
9 do enrente, foi publicado oeguinte decreto da
assorntila geral:
Art. 1. Fica o governo antorisado *a conce-
der ao baxharel Bento Jes"3a Gosla Jnior, sen-
cao do direito sobro os objeclos de que trata a
condicae do contrato celi-brado por elle com a
presidencia da provincia de Pernarnbueo, para a
construeco do una linha frrea da cidade do
Becife (jpvoaco de Jaboatao.s)
i i nico. governo da provincia flxar p-
viamonte a quarttidade e quabdade dos objetos fa-
vorecidos com a Isooco ; a qual quanto ao car-
vao de pedra nao poder exceder ao prazo^dc 10
annos.
Art. 2." Revegam-se as disposigOes em con-
trario.
DINHEIRO.O Cruzeiro do Sul, tronxe hotem
as seguintes quantias para Srs.:
Bank o Rio de Janeiro. 150:000000
Pereira, Carneiro & C. 30:000<"00
Bailar, Oliveira dt C. 28:452^000
Kcller & C. 13:000000
Rabe Sehmmetlau A C. 12:847.5000
Andrade & Reg. 7:0005^00
A. de Azevedo Willarouco. 1:23U604
A. Comes Netto. 1:0003000
Pinto Barboso V C. 1:0006000
Dr. Paulino R. F. Chaves. 1003000
Para as provincias do norte trouxe elle as
seguintes quantias :
Parahyba. 40003000
Cear. 35:0103000
Maranhao. o:400000
Para. 2:6003000
EQIIADOR.Sobre osla repblica encontramos
as seguintes noticias no Diario do Rio :
Em Buenos-Ayres constava ter havido violen-
tos tremores do trra no Paciftso.
Telegrama recebido do Rosrio diz que a 10
de agosto foi completamente destruida a cidade de
Pasto, uoEquadur.
Foi tal o terremoto que as arvores voaram, as
serras nhriram-se era "cincoonta gargantas eos
estragos chegaram a 80 leguas de distancia de
Pasto.
Era Quito e Guayaquil cahio urna forte cha-
va do pedra.
Diz o escnvo do Paita qne durante o mov-
ment o mar fervia em roda, e at onde a vi-ta
alcancava, em borbotos de p e meio dous pus
de altura, produzindo um ruido semelnanto aode
chura forte sobre o mar, acompanhado de surdo
rumor alarmante.
0 navio sentio o choque durante 50 segundos
e pe deu toda a louca, cosinha o vlvulas da ma-
china.
JURY DO CABO.Entrarani sxla-feira em jul-
gamento n'esse tribunal os ndigitados e' pronun-
ciados assassinos da moca Antonia filha, de Fran-
cisco Alves de Miranda Varejo ; assassinalo que
tanta emoco produzio no Cabo e mesmo n'esta
cidade, quando foi aqu divulgado, sobro tudo
pelas circumstancias qne precederara o crirae, e
ter sido elle praticado pelo infeliz pao de Antonia.
Depois de'un longo, bem disputado e elluci-
dado debate, que se prol ngou at 1 hora da nou-
te, o conselho recollieu-se salla das deliber.-.-
coes e voltmi algum lempo depois respondendo
os quesilos por forma tal que o presidente do
irbunal lavrou sentenca de morte contra Varejo
e de gales perpetuas contra o preto Jo> Menino,
seu cmplice.
Comosebodelembraros nossos leilores foi com
urna toalhaque se perpetrou o criine ; es-c ins-
trumento foi levado ao tribunal ainda tinto do
sangue da victima, por sua desventurada ine.
A impressao dos jurados era a peior possivel
contra os autores do criine, tal era a rafa da
eonvicco que os instrumentos do processo Ibes
tinha erado no espirito.
Somos inimigo* da pena de mortc ; mas. exis-
lindo ella no nosso cdigo, era e^>c tira caso em
(pie o tribunal devia appllca-la cora todo o seu
rigor. A justica, quando offendida,a pede sempre
vinganca ; essa vinganca, porera, barbara, c a
humanidade chora sempre que o algr.z prepara
o cutello para decapar a caneca de alguna vic-
tima.
0 tribunal foi 11H-xivel c comprehendeu sua
nrifsin : a alisolvii^ao com as pravas anuexas a.>
processo pareceu ihe um crirae; coiideuinou, pois,
o culpado pena ultima.
A sesso levantou-se depois das o horas da
manha de sabbado, appelando da sentenga o
juiz, e protestanilo a defeza por novo jnlgamentu.
O tribunal funccionou sob a presidencia do juiz
municipal ae Ipojuea, Dr. Joao Baplista de Siquei
ra Cavalcante, ocpnpando a cadeira da aecusa-
jao, o promotor da comarca Dr. Aodr Cavalcan-
te de Alboquerq.ie. A defeza dos reos foi feita
pelos advegadas Drs. Adolpho Lamenha Lins, Leo-
nardo Antonio do Espirito Santo, Joao Alve* Mer
gulhao e Jos Paulo do Reg Itarrto.
TIlASLADAgAO DE OSSOS. -Iloje, s o huras
d urde, a irmandade do Divino Espirito Santo,
proees-ionalmente traslada do convento de S. Fran
cseo para a su igreja, os re-dos morlaes d..s seus
irmos. que foram sepultados as catacumbas que
po3suiram n'aquelle convento.
PROCLAMAS.Foram lidos hontem naniatriz
da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes:
i." denunciaco.
Gonealo Gomes de S Leito, cora Bosa Candida
Perpetua.
Jo' Maria das Cliagas, com Francisca Maria
da Conreieo.
Joao de Almeida Lopes, cora Clariuda Neriina
Ferreira Cato.
Francisco di Wis Pereira Pinto, cora Fermina
Francisca de Mello.
Jos Gomes de Andrade, com Antonia Maria
Gomes.
Ernesto Candido de Almeida Freir, com Fran-
cisca Tolentina da Silva.
Jos Rodrigues Alves, com Maria da Perrtia d 1
Nasciinento.
2.a denunciaco.
Cornelio Ferreira Frauca, com Julia de Alen-
castra Aulran.
Dionisio Ferreira do Nascimcnto, com Paula Ma-
ria da Conceigo.
D .mingos Joaquim Seve, com Alexandrina do
Reg Bautisla.
Manoel Joaquim Seve Jnior, com Olympia Lins
de Barros.
Umbelino Comes de'Oliveira, com Leopoldina
de Almeida Lima.
Faustino Jos do Espirito-Santo, com Benedicto
Maria da Conceieao.
Constantino Jos de Lima, com Constanlina
Emilia do Espirito-Santo.
Manoel Jess do Nasciinento, com Antonia Lou-
renca de Si.
3.a donunciacao.
Daniel Jos da Silva, cora Isabel Maria da Con-
ceieao.
Pompeo Eduvirges da Piedado, com Maria Bita
dos Prazores.
Antonio da Molla Botelho, com Sevcriana Alves
Ferreira.
Francisco Xavier de Alhayde, com Maria Igna-
cia de Jordao Caldeira.
Januaro Jos dos Santos Bernardos, com Fells-
mina da Cunha Sales.
Sldronia Sabino Monteiro de Carvalho, com
Joanna Florentina de Barros Wanderley.
Flix de Valois Cantalice, c m Miquelina Mana
de Jess.
Joq Virissimo de Lacerda, com Angela Custo-
dia da Silva.
Tiiomaz Pereira dos Anjos, com Maria do Ro-
sario da Silva Pern.
Jos Marlins Monteiro, com Celestina Olindina
Quilau Marina. .
PAVILHO DA AURORA-Sob esta denomi-
naban abre-se hoje, a concorrencia publica, um
grande armazem de fazendas inglczas, francezas,
allemas e belgas, na ra da Impera triz n. 2. per-
tencente aos Srs. Joo Luiz, Sobrinho t C. 0
Srande sortimento que llzeram de fazendas de to-
os os gustos, e principalmente das de phanlasia,,
bem como o proposito era qne esto de ganhar
muito piuco, devem animar aquellas pessoas que
desojaren) munir-se lo necessario para a festa, a
ah ireui fazer urna visita.
LOTERA.A que se acha venda, a 124a a
benolicio da matriz de Garaelleira, que corro
hoje.
PASSAGEIROVindo da Baha na barca brasi-
leira Jovem Panuira, trouxe o seguinto :
Augusto Ferreira do Azevedo
CEMTTERIO PUBLICO.-Obtnano do dia 22 do
corrate.
Emilia Francisca Leito, Pernambnco, 20 annos,
solleira, S. Jos ; phtysica pulmonar.
Magdalena, Pernambnco, 4 mezes, Boa-vista ;
cojivulsoes.
Ameba, Fernambuco, 7 mozo3, S. Jos ; con-
Vil] 800^
Joaquina Marta da Conaejgfo, Pernarnbueo, 30
annos, casada, Boa-vista Huaica pulmonar.
B-Tia;
Manoella da Conceieao, 1P nnrafum. O
oa-vlsta ; myelite.
Thercza, frica, 67 annos, soltara,
hepatite chroniea.
Jos JoaiiiiuiSimocsiln "nirisariti, I
co, 18-annos, soiteiro, S. Jos ;
monares.
Lo 11 renca Maria dr Coneef<5ft. Pe
annos, casada, S. Jos; pnesMsae.
Berlina Gentil de 600vea Barrito, V
co, 33 anno,.casada, Boa-vista:, fcbre
-23 -
Carolina Flora Brasileira, P.rnam'.neo. V5 au-
nes, casada S. Lourene. da Mira: emotn >
ulero.
Joanna Baptisto Vieira. IVrn.vnl.nv>, 96 asara*
soltcira, Pecife: lliysica.
Antonio dos Santos Rodrigan, Rio-(Wsskfe 1
Norte, 40 annos. soiteiro, S. Jos.-; hyri*,s*am.
Antonia Maria da CmceirSi, P.-r-wssswr
annos, solteira, Boa-Visto ; intente Hirxeo.
Margarida, frica, 48 ami s, solfeira, LivVi
tubrculos pulinonan.'S.
Gandida Maria da Conceieao, Pvraarabeacn,
annos, Santo Antonio; espa
Antonia Maria de Castro. 1'ornr.mlHKi, sa> ara-
os, solteira, Itecife : gaslrite.
Maria do Livrameiilo C/niro Sum, Knawit
buco, 23 annos, casad, Boa- Vista; tu tierral -
pulmonares.
Maria, Pernarnbueo, 3 mezes. P. .i-Vista : eu 1-
vnlsoes.
Luiza Duarte, Pernambue/', ?, i aranas, caaast'
S. Jos ; interile ulcerosa.
PUBLICACOES A PEDIDO.
m
O bacharel Manoel da Cunha c Kigaafare'i.
juiz municipal o de orphaos >lo icrino la
Fortaleza.
O Cearense c o Diario de Permau^ ~> deram
noticia de minln suspensi. do xerricin i ar
de juiz municipal e de orphaos do lenn 4*F"T
taieza, e publicaran! os provimento* em irsrassfV
formulad is pelo juiz de direito da 11 peerta*
marca.
Por es-es provimentos da-ae romo dMMsjsjB'
cofre de orphaos era quanlia nao pequea; ir*-
deu lugar a essa suspeauo, c prorei Je raja
sabilidade.
Vira a osla cidade tratar de minln -i>fe erJ-
noeios particulares, prsJnrarJeraslurfasjasjawr; amh*-
ve para assislir mais a esse dramn.
Ao publico desta o das dein es previo i< per
a suspendo do s._.n juim :, r,..^iu., u .. r
oecasiao opporiuna eu possa anda mi ves can-
fundir os perversos, c taaer corar t pej
mens iniii'gos.
Entretanto apresso-me em derlarar qu 1 n> .
possivel existir o desfalqae que ->( saai-
atilido e independenle los joues .1 .iir.io, :
do* mens implaeaieH per'cgrai r. -.
Se desfalque veriBca-se, p>- se por rregularidadc, ou talla de ri.Tipinr.fi
0111 da nalureza d'aqoelle que se u r li 1 il
como consta do primes.-., que foi paMearf &
Pedro II, ns. ISi, I3.'i e lio de 21 22 e 24 Y
ano-l > oeste anuo ; pr*csso e manifestada a loiial i-ia. e qne sW >
iranacrever era mu dos jotnae* testa pr,'.
Piquemos meus ioimig certos il
dia nunca invadw-me o anime, cus- a Awwifr
ca nunca estrtuueceu : nao trJar imprensa.
Recife, 22 de outubro de |89.
Man k da C'nsrJN t Vj*tirtr>.
tos llvui'i. Srs. iee-prr.sldeatc
da prvlacia, uspertor 4* thr-
sorai'Ia da fazenaia prova-
ciak' e o Dr. procuraaor fiscaf.
O abaixo assignado, d. m Dim,
Peruainliuco n. -iO. de hoiilein, na l'.'itto Mu-
ra, com a declara.;.!) de i|ur o gverno ejsa,
ao Sr. eommanadtir Anlow trinase N Ura, a
de Santo Amaro das Saln.-. i estrada de Lana *
Bego, para A-ylo de Mcmbridale, apr.iMa-sf
declarar aos Exms. Srs. vice ;ir--idente la **
vincia, inspector da ihe? rararia da fiiemLi pr -
vincial o a Sr. Dr. procura I .r ftseal 'Uwe-isu
(ou quera suas vezas ii.-n. e a ,;ue;r. mais pn *a.
ou deva in!ere-sar, que a casa cm .ju-mi Mi-
to acha-se legalment; p*iihorxia pe* aharn s-
signado p ir execuca que corre pcfr> jisaesean-
cial do cmira.jrcii) i"sts e. I..'. tv&i Faiaw.
o que na extraahono >r. cmaeul
d.r, visto .o' por
priano Fenelon (Hiedes Meo'orad.. d.soit cmm
abaixo as foram julgado; e para evitar, i fatn V
sciencta de quera .pie.' que s ja. o >ta7ttia> nsi-
ras, faz o abmxo assignad > a pr .:). kxOrasP*.
Itecife, 21 dj ou.ubni de I^B.
MnJrr. e- /. .-.
Salvo i'uma morte
i inminente.
Entre as enferminaVe ae^ausira paiev reme-
dios mineraes, as mais lerriveu >> as ma
riaes. AJguniM vezas sassjnai i AvbSM ialeirameut 11 corim humar..-., indai:' >,
medula o ludo. ) Ura d .
desta ordem, veio narraJu n'mn c.-ipi-
tol, e era uiuilos o iir pjr -asa f 1 a
nos. Prtn lumnaw nsaar w as paMMama
quando pro' i Mialm.mv Ihe ar :inlimm qc 1
experimm:!:- a -i!;a pan.Iba t BrMoi UJui.-
do elle princi|iiou loora-L. 1 fia-i r
duzido a ura es ,aeleio. e as |. .- -un* .pl-
aida loereslavam, eslava,-. Beberan '.; nqn
sas ulceras niercu.i 1U rpa '-*!
corpo era urna ehaga viva, rurii 11 .'ores. ..
cabo de duas semanas de hav. r rasara *sa? gran-
de antdoto, p'xle jilevani.; ftaM*>
isto no entonto nma verdadeira r**arr^eK
ulceras feichara ab-nns.
e o doenle reca
e nova vida. Isl> sai lie:- c uu.r 1 -..l*. la
conhecidos polo p-iblic, c nunc-i--"> pisi-s na
duvida. A salsa parrilha Ve ri-Mol, Tin omk-
diata e promptarnenle todas as i.nleifcn BSeero-
sas e erupliveis. Achaase vi-n.la m tadUs a-
principacs lojas do drogas e boticas.
COMMERCIO.
PRACA DO liECtF t3 DEaO'.T!J3s
DE 186'.'
as .3 1/2 non as t rxnm.
Assucar bruto ^menear .> 5300 p 1
15 kil.
Algodao de Pernaramco 1" s.-rio jaMi r*.
cor kil. (hontem).
Algodao da Parahyba 1* sor'o 1*C' par kil.
(hontem i
Dito de dita l sortc-l*tt6i p-r kJ. ;iwj<.-).
Acedes da companbia da Bebe-ribo !> p>r
cada urna (hante n).
Acedes da companhia Indemnisadora JflaUM*
cada nma ihonterr.).
Acedes da divida publica de f. o) :d Ifl n
(hoje).
_>nros se...
Cambio sobre Londres 1- 90 d/v. I'J pJ rl. p.r
Cors seceos slganos555 rs. pir WiL.Jny
mbio sobre Londres j- 90 d/v. I i. p
U000 hentem).
Cambio sobro Pars 90 djv. '489 c '50 n.fct
franco (hontem).
Descont de letras12 0/0 ao anno .ivaie).
Fretes = para o Canal c Liverpool ff|M 4 e
5 0p0
dem para dito e Continente3*4 d. e ." 0*9
dem para LiverpoolBs3 e 5 Ojo
dem de Guarapes para Liverpocl ci CaMfneu-
te-3|i e o 0|0
dem da Parahvba para Liverpool '-flt 3ri
50r0
1. i. Silveiri
Priillrate.
Leal Seve
.eerefar.e.
AhPA*n>BGA.
endimento do dia **
dem do dia 23.....
MOYIHENTO Da ALFASDWU
Volumes sahidos com lascadas tf*
dem idea coro gneros
Oescarregain boje 25 t osaaty
Barca inglezaUmnitm- farro c eanan.
Barca ing eza Franek WHton isVraj saesra.
Barca hespanhola-Csalro de Exprtr cadorias.
Barca forrngnezaOraaaieUcrn.
Barca portuguesaSnpyeirn iaan.



nma n
IM *>Nfl^^^H



_____

1
Diario de Pernambuco Segunda feira 25 de Outubro de 1869.
ea


-
-i
_j_______
~

^a ingleza -
IlllA i)K RKSDAS INTElUAS
KAES DE PERNAMBUCO.
Rend memo do d a i a 22 ~:7i?2
dem d(J. da 2...... 6:381*693
_82:1314271
E-
CON'SrLADO PROVINCIAL
Rendimeato do da 1 a 22 .
dem do di ti......
:793*o89
:47i*010
C-:2674599
PIUCA DO ItECIFE
EU 23 DE 0UTUBHO DE 1869, S 3 HORAS DA TAUDE.
lili VISTA SI2N.1W.IlL.
Ca vino.-.Sobre Londres regulou de 19 1/2 a
19 3/1 d. por libra. Subindo o total d. asaques
reallsado. durante a sctuana a af 120,030.
Ai noio-0 de Pernambuco escomido e regular,
oWefl de 113100 a I3O0 e b sem nspeeoao a
(W: o da Paraiivba, posto a bordo, do
<) i ;, l' ,S0O por arroba (lo kilogrammas).
b&v \ i o mascavado bruti amerieano neg-
do-ea de 300 a 3*330 e a 2850 o do Canal
por arroba.
Aun >z 0 pilado da India vendeu-s; a 33000,
por l.'i kilogrammas.
Ar.".iTK-iMca. VendcvHtcO deLisb&U 15por
galio. N
Bacalho.Em atacado regnlou a 19-200, e
a retalho a 20* a barrica, f cando om deposito
7,000 barrica?. ,.
Batatas.Vaieram-se a SW> tiu por arroba
ol gigo.
Caf.Tdent de o.00 a Gj300 a arroba.
Ci.-Idcra de 2=1200 -i 2*50 Wl,:<- ...
GAnvo de i'KDiiA.O d3 CardhT foi vendido a
20 pur tonelada. ,
Cebveja. A duzia di botijas ou garrafas
negoeiou-=-c a fi. S.-5200 e 7 5800T
Lqbca A iuglcza vendou-sc eom 130 por cento
de premio sobre a factura.
JAHTewiA A ingleza vealeit-sc de 900 a i>
a libra, e a frauceza a 900 rs.
SIassaS.Vendeu-so a 85 a eaixi.
OrtODS lixiiacv.dem a 23 por g.ilao.
lRRjCNTOs.-Idem a i'iz os 15 kilngrammas.
Dostias.s a engos venderam-se a 280d
<-ada um. ...
Sabao.-O nglez vendo i-i a 1.0 rs. a libra.
Tocr.ftto.-rYendeu-so o d; Lisboa a 9*800 os
l.'i kilograamas. _,._
Vixaghe.O de Portugal vendo-se w '
ViNin.__(') de Portugal vendeu-so do 220$ a
;i 260J, c o de oulros paites do 180,-3 a 1823 por
^ Velas. O paeole do 0 velas de composieo
-veiideu-se a 610 rs. por libra.
Deserto.O n-late do letras regulou de 10 a
12 por cuito ao auno.
Frute.Do algodao para Liverpool, eanvgando
em nosso porto, S/8 d. e5%; da Parahyba de
:: i a r> 8 e 5%: do Uio-Crande do Norte, l 3 I
Santa Casa de Misericordia
di* Recife.
A lllma. Junta idiinitrativa da Santa Casa do
Misericordia d < la 8n suas s -
o pelas i horas da tarde do da 21 do crrente, ar-
renda pelo tempo (_r_m a tres annos o terreno
que pqssuf o patrimonio dos orphos, na estrada
de Agoa-Fria sob n. 6, o qual divide com os sitios
de D. Mara Rita da Cruz Neves, e o.dos herdei-
ros do Henrique Qfteon, pela qantia de 240*000
HMIaes, pagando mais 400* pela raatta que all
existe.
Secretaria da Santa Casa do Misericordia do Rc-
cife 22-de outubro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
PARA 0 fORTO
sal ir com a pearivel brevidado o palhaboteipor-
tut vez Villa Flor; tem parte ila carga tratad*? e
para o resto qne iho falta, pode entonler-se com
Da rid Ferreira Baltar, ra do Bruin n. 92, oa com
o cipitij a bordo.
LEILOES.
Santa Casa da Misericordia
do Eecife.
Alllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Uecie precisa contratar com qnem
se queira encarregar de fazer sua custa as obras
do que necessita o sobrado n. 37 da ra da Moc-
da, concedendo ella, alem de mitras vantagens, o
arrendaaiemo por grande numero do annos.
Recebe para isto proposlas em cartas fechadas,
na sala ae suas sessoes, devendo os pretendentes
examinaren) as obras de que carece o predio.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do
flccife, 1 do setembro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigue* de Sonza.
Arrematapo
No dia 27 do corrente. depois da audiencia do
iuizo municipal da 2' vara, Km de se arrematar
em praca o engenbo denominado Santo Andre,
sito na ficguezia de Muribcca, com suas trras,
casas de vivencia, de purgar, de. caldeira, sen/alia,
suas respectivas maltas, pastos, logradourosc mais
pertences, com quatro casas em differentes sitios
pertencentes a mesma propnpdade, por 40:0003,
por execnco do Tiburcio Valeriano Baptlsta con-
tra o capiUio Antonio de S Albuquerque c outros,
tservio Santos.i
do sitio denominado-Quatro Leoesna ra de
.ioao Foroandes Vieira n. 1, com urna grande
:asa, um andar c solio com militas accommo-
nodacoes. quartos fra, cocheira e estribara
cacimba com excellente agua, tanque para ba
nho e terreno, chaos proprios.
II o je.
O agente Pinto far leilio, precedida a compe-
tente autorisaeao, da casa cima indicada,, cuja
venda se torna recommendada, j por ser dita
casa edificada em chaos proprios, como por ser
perto da cidade; o leilio ser annunciado as M
horas do dia cima dito, em o escriplorioo do re-
ferido agente. .__________________.
Casa de campo
Alnga-se urna grande casa e siti.., com coaiuio-
didades para grande familia, na pnvajao do
Monteiro: tratar ra do Apollo n. 4.
casa da roifiu
Ao's 4:000^ :
Bilhfttes garantidos.
A. roa do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo asignado, tendo vendido alm de ou-
tras sorlcs, um inteiro n, 4172 com 4:fJD0 da lo-
tera quo se acabou de extrahir a beneficio da
Santa Casa de Misericordia (123*); convida aos
n'ossuidorcs vrem recober, ua conformidade do
costme sem descont algum
Acham-se a venda os biJheles da 2* parte da
lotera, beneficio da matriz de Nossa Senhorada
Penha do Gamelleira (1211), que so extrahir se-
gunda-feira 2o do corrente mez.
Precos.
Os do costume. ,
Manocl Martins Fuza.
Aos 20:000^000.
ilhetes do Rio venda : na do Cabug n. 2,
vende Vieira & Rodrigues.
precisase de urna ama que saiba bein cozi-
nliarpara casa de familia: no Corredor do.Bis-
po n 13. ~ n.________________f*j
Ama.
Precisa-se de urna ama para todo o servip de
urna s pess a : na rna da Concelcao n. 7._____
AMA
"I
no Musen de
nn nosso porto, 40 e >
/o .
e da l'arabyba 40/ e
Club Pernambucano
O concert de Annibal Napolcao, annunciado
para o la 27 de outubro, fica transferido para o
dia de novembro imprcterivclmento. O pro-
gramma ser anfriormento annunciado.
LEILIO
de nm sitio no areado do Giqni (prmeiro do la-
do direito ao sahirda bomba, com 478 palmos de
frente e fundos at a beiraxlo rio, com boa casa
de vivenda com 5 janellas de frente, e accom-
modac/ies para grande fomilia. quartos fra,
grande estribara, bem perto do embarque, 2
viveiros e umitas fruteiras.
BOJE.
Segunda-fei'a 2o do corrente as II horas.
Por intervencao do agente Pinto, em seu escri-
torio ra da Cruz n, 38.
EMPRESTIMO SOBRE
s
LEILAO
COMPAIHIA
DAS
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrado.: no dia 23.
Rio de Janeiroli das bri7.e poctuguez /da 1,
de 270 toneladas capitao Antonio Francisco
Vieira, cqnipagem !*, carga ditTerentes gneros:
a Oliveira Filhos A: C.
Rio Grande do Su!10 das, patacho brasilero Ja-
rilij, de 178 toneladas, capitn Jos Bcrnardes
de Souza, eqoipagcm 9, carga 10,'K)0 arrobas
de eai ne, a Oliveira Filhos & C.
Lisboa31 das, brigne porluguez Colele,
toneladas, capita> Jos Januirio da Costa, equi-
pagem 14, Carga vinnoc outros gneros; a Eu-
zebio Raphael Rabcllo.
Terra Nova39 das, escuna ingle folia, de
180 toneladas, rapitio T. lladford, equipagem 8,
carga 2.531 barricas com bacalho; a Saunders
Brothers & C.
Rosario de Santa Fe-30 da, brgue inglez Ca-
nadie, d' 215 toneladas, capita.) Henry Coobms,
equipagem 8, em lastro; a nrdem.
Moniivid.27 das, barca ingleza Alice Roy, de
610 toneladas, captao Dbwglas, equipagem 12,
em lastro; a ordem.
Montevideo21 dias, barca ingleza Harriet, de 398
toneladas, capito Kerr, equipagem 13, cm las-
tro ; a ordem.
Montevideo27 dias, barca ingleza Sirno, de
342 toneladas, capito Alfred Gould, equipagem
10, em lastro; a ordem.
Rio de Janeiro17 dias, patacho hespanhol Sen-
sat, de 1S9 toneladas, capito Pablo isern, equi-
pa sem 13, carga varios gneros; a Pereira Car-
nero & C.
Rio do Janeiro17 dias, briguo hespanhol JJur-
IholomtH, do 222 toneladas, capito Manoel Pa-
redes, equipagem 13, em lastro; a Amurira Ir-
mos.
Rio do Janeiro17 das, brigne hespanhol Safti-
dor, de 210 toneladas, capito Francisco Ortay
MeUel, equipagem 13, carga differentes gneros;
a 'irdem.
Rio de Janeiro-13 dias, barca norueguonse Sy-
l.nrg, de Cid toiielodas, capito Ole Pedersen,
equipagem 12, cm lastro; a II. aclaGrange.
Rio de Janeiro10 dias, barca (raneen Chevrcnil,
de 499 toneladas capito Giot, equipagem 12,
em lastro; a Johnston Patcr & C
gardiffSI das, barca norueguonse 'Atlantic,
de 398 toneladas, capito J. Jacobsen, eqnipa-
nn tf, carga earvio; a Antonio L. de Oliveira
Azevcdo & C.
Baenoe-Ayres32 das, brigne norte-allemao Mar*
garellt, de 219 toneladas, capito I. Beumeyer,
equipagem 8, cm lastro; Thomaz Jefferces,
fltC.
Seguio para o Cear.
MontAfido27 dias, brguc inglez FJizzie, Kale,
de 219 toneladas, capito Rogers, equipagem 8,
era lastre : a ordem.
Observando.
Nao houvo sabida.
Suspendeu do lamarao para Parali.vb.i a' barca
pnrlugueza Flix Unido, capito Manuel Joaquim
Oonr.alvos, com o mesmo lastro que trouxe do Rio
dem dem, brigne nglcz Laura, capito E.
Couch, cem o niesino lastro que trouKe do Rio de
Janeiro.
Kariox cntradot no da 94.
Montevideo30 das, sumaca bespanhola Volunta-
ria, do 151 toneladas, capitn J. Bertrn, eqni-
\ iiageui 10, carga 3,800 quintaes hespanhoes de
' carne; a Marques Barros & C.
Rio do Janeiro o portes intermedios6 dias, va-
por brasileiro Cruzeirojlo Su I, de 1,111 tone-
ladas, commandante Alcoforado, equipage 68,
carga ilTerentes gneros; Antonio L. de O.
Azovedo & C.
Dahia14 dias, barca brasileira-Jor Palmira.e
2'i4 toneladas, capito Mano I Affonso da Costa,
eqnipagem 11, carga charutos e outros gneros;
a Marques Barros 4 C.
Rio Grande do Sul29 dias, escuna dinamarqueza
uno, de 119 toneledas, capito J. C. Behn, equi-
pagem 4, carga 7,74Jrarrobas deorne; a Maia
& Espirito Santo.
Navio sahido no mesmo dia.
NewYork.Patacho americano Mary Rice, capi-
to Boyce, carga differenles gneros.
Messageries ir
At o dia 30 do corrento mez, espera-se dos
parios do sul o vapor francez Nacatre, com vian-
dante Massenehe, o qual depois da demora do cos-
tme, seguir para Brdeos, tocando cm Daker
((farree) e Lisboa.
Para condiicocs, frotes e passageros trata-sc na
agencia ra do Commercio n. 9._______-
Para o Rio Grande do
Sul
Com a possivel brevidade pretende sabir para o
referido porto o brigue portuguez Adelina, recebe
carga a frete, para o que pode-se
de Bru D. 92.
tratar
Baltar,
com seu
ra do
COMPANHIA I'ERNAMBUCANA
1>E
Xavega^o costeira por vapor.
Macei em direitura a Pnedo.
O vapor Poteng, commandante Pereira so-
euir para os portos cima no dia 22 do corrente
as 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 21,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 3 h ras da tard do da da sahida no escrito-
rio do Forte do Mattos n. 12.
Rio de Janeiro
Para o referido porto sahf com toda a brevi-
dade o lugar nacional Francisca I, recebe carga
a frete : quern nelle quizer carregar pode cnten
der-se com o sen consignatario David Ferrcira
Baltar, rna do Brum n. 92, ou com o capito do
dito navio._______________;__________________
COMPANHIA PERNAAMBUCANA
DE
Xavega^o costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Ipojnca, commandantt
Moura, seguir para os portos
cima no dia 30 do corrente as o horas
la tarde. Recebe carga at q dia 29 encom
:iiendas,e passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio no Forte do MaltAS n. 12.
dd urna casa terrea n. 11 sita ra de Santa The-
reza, na cidade de Olinda, com 81 palmos de
frente c 88 de fundo, com urna mei'agua pelo
lado do sul. com 177 palmos de frente e 23 de
fundo, com outra meiagua no lado do norte.com
um pnmbal no mesmo correr com 66 palmos,
quintal grande todo murado, e um grande vi-
ve i ro.
MOJE.
por intervencao do agente Pinto, em seu cscrip-
lorio ra da Cruz n. 38.
LEILIO
(SEM LIMITE.)
Na Iravessa da ra
(mies n, 2, pri-
meiro andar, da-so qnal-
qner quanlia sobre onro,
prata e podras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transacc3o que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideracao s pessoas que se
dignarem de honra-lo em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Precisa-se de um eriado para todo servco
de hotel, paga-se em, prefere-se escravo : a tra-
tar na rila eslreita do Rosario n. 11, hotel Lisbo-
nense. __________
DA
nrniaeo e gneros da taberna
sita na rna Imperial n. 181
O agente Pontual vender em leilo por ordem
d Illm. Sr. Dr. jmz de capellas e residuos,
pineros e armario da taberna cima :
HOJE.
na mesma taberna, as H 1|2 horas do dia.
os
Alu^a-se
urna casa em Beberbe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Commercio n. 34.________________
Attenqo.
D-se dinheiro a juros : na ra da Palma n. 5'7
se dir as condcoe?. _.________________
Ama
Salitre refinado
A 25 do corrente.
Shaw Hawkos & C. fario leilo por intervencao
di agente Oliveira, e porconla de qnem pertencer,
d; cerca do 24 barris de salitre refinado :
HOJE.
d:> corrente, as 10 horas da manhaa, em ponto no
S3ii armazem sito ra da Cruz n. 4.
Precisa-se de nraa ama forra ou captiva que
sirva para engomniar e lavar para duas pessoas :
na ra das Cruzes n. 7.
2L
COMMA nUDUi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 28 do corrente o vapor
Paran, commandante J. S. Mo-
raes, o qual depois da demora
do costume seguir para os
portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
sarga que o vapor poder oonduzir, a qual deveri
ier embarcada no dia desuachegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas do peso ou 8 palmos cbicos de medi-
cao.
Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne suas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C._______________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavcgaco costeira por vapor.
Fernando. .oucas, porcellanas, vidros e chritaes
O vapor Coruripe commandante ,___ _._.:j ,.i.i.:___. .-.^ ,
Silva seguir para o porto cima no
__dia 6 de novembro ao meioda Rece-
be carga at o dia 5, encommendas, passageiros e
dinheiro a fretes, at as 10 horas do dia da sa-
hida ; no escriptorio de Forte do Mattos n. 12
7
teum sobrado na ra da Aurora n. 4, com
grande sitio com 135 palmos de frente, mar-
gen do rio Capibaribe e cerca de 2,000 palmos
de fundo (Santo Amaro),'mm arvpredos e vi-
veres. Tres casas terreas na ra da Paz ns. 14,
16 e 18, nos Afogados.
HOJE.
Siegnnda-feira 23 do corrente as H horas
por intervencao do agento Pinto, em seu escrpto-
lio ra da Cruz n. 38.______
LEILAO
Em continuarlo,
de completo sortimento de miudezas, perfumaras,
papel, meias, calillara e numerosos outros ar-
tigos.
Hoje.
Mello, Lobo & C. faro leilo, por intervencao
do agente Oliveira, do mais perfeito sortimento dos
f rligos supra-meneionados, todos proprios do mer-
cado
Ssgunda-feira 24 do corrente
; s 10 horas da manhaa, em seu armazem ra
da Cruz. ^^_______
"TELiVO
Da taberna de Jos foaqnim
Dias, na rna da Casa-Forte.
O agente Pontual, vender em leilo, por man-
lado do Illm. Sr. Dr. juiz do commercio, a arma-
do e gneros da taberna cima.
Terca-feira 26 do corrente
Na mesma taberna dever ser effectuado o lei-
lo as 9 1|2 horas do dia.
' ASA FELIZ
Aos 20:000^000
So Recifc arco da Cnnceico n. 2
Os abaixo assgnados tendo-se habilitado na
forma das leis, tcm exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casa
cima, aonde se pagarn as sortes que sahirem
nos mesmos bilhetes, com o descomo somente
da le.
PRECOS.
Bilhete inteiro 245000
Meios I25OOO
i Quartos C5OOO
E de 100* para cima a 22S o bilhete.
Figueiredo A Leite._______
- Alugi-seuma sala com 2 quartos, e o se-
gundo andar da ra do Imperador n. 75 : a tratar
uo niesmo andar.
CAPELLAS
PAR FOCAD n
Na ra estreita do Rosario a. 35 tem capellas
ducravos e de saudades, propras para o da de
finado, e faz-se tamhein de perpetuas, sendo en-
coniuv'miadas tre* das antes, tudo por muito ba-
rato prego._________________________
Aos Srs. professores
homeopticos
Urna pensoa mandando vr de Paris para seu
uso, da pharmacia do Col telan !e Weber, dro-
gas e objectos homeoptico?, succedeu vrem al-
guns.sobreselentes, por isso dispe-sc a sede-Ios
medante a nm pequeo ganho sobre os juros do
dinheiro, vndo a vndelos muito em roma.
Assevera-se serem preparados com todo o esme-
ro e cuidado, aflm de produzirem os effeitos de*e-
jaiis as molestias quo se applicar, pos foi man-
dados vr de proposito : taes sao ditos medicamen-
tos, leudo a grande vantagem de seren nao s cui-
dadosamente preparados, como novos, e vndo
nesia recente viagom do vapor Navarre.
Una pharmacia com 150 tubos dos principaes
medicamentos.
Urna dita-de 125 frascos com tintura matre.
Urna dita de 150 frascos com tintura na dena-
misacr, quo tem prnduzido effeitos inaravilhuios.
Glbulos saccarinos inertes de superior qua-
lidade.
Alcool de 95, c 60 0/0, encommenda especia!
para tnturaco.
Tubos sorldos para glbulos com rolhas.
Rolhas de cortica de primeira qualidade para
frascos e tubo?.
Verdadcira rnica montana em tintura matre,
vnda directamente da Suissa.
Jaffitas de arnicos, espeeialklade nc-te genero.
Frascos sonidos com rolha a esmeril c sem ellas.
recommendaveis por serem viudos da pharmacia
homcepathca.
ASSIM COMO:
Una rica carleta cirorgica para algibeira com
todos os ferros do melhor fabricante, contend
mais de 36 ferros, lancetas, agulhas, etc.. argulhas
c pnsas de prala fina.recommendavel pela su.les-
pccalidade. Ver o tratar ra dos Osso?, onde
est o hospital de Santo Thoreza, casa ns. 22 e
24, a qnalquer hora. ____________________
Precisa-so alugar nina escrava para engom-
niar e cosnhar: tratar ra da Cadeia n. 34
segnndo andar._____________________________,
rergunta-se a quena
competir, se c permtiido tapar-se um becco de
muito transito para fazer, como publico, nm pe-
queo armazem, ou para tenda de barbeiro, cujo
becco, segundo nos dizem, no quarteiro que yai
da ra do Apollo par8 a ra da Guia ; isto nao
somente prejudica ao publico como aos proprieta-
ros que all teem predios alugados.
Um prejudicado.
Precisa-se da urna cosinheira
Joias, ra do Cabog n. 4.________________
Lavase o eBgoinma-se com toda a pefTefci
por commodo praeo c garantc-se : na nuda fm-
las n. 43._______________________________
jil\igam-$i
duas casas terreas sitas no .'Jangoinho, a mana
do rio, recommendaveis pela ria frrea : a I
na 111a de Vigario n. 31. ^ ________
Casa para afugar
Alugase para passar a fesla ou por anno, ama
casa na ladeira da Misericordia, em Olirda, cera 3
sals, 5 quartos, cozinha fra, lerraCos rom aswa-
tos de pedia c cal, na frente c atrai, c hom qoin-
Ul cercado : a tratar no largo d Torco n. H
Os abaixo assgnados pre.vinein ao respiitli
vel corpo do commercio e quein possa iuteraa-
sar que; tundo-so desanraminhado do sen p>>der
urna lera de rs. 1:2113020, seu saque, aerle
do Antonio Bastos Pinto, de Goyanna, e garantida
por um negociante d'esta praoa, a vencer-so em
2j do corrente, que nao facam eaw ella tranue-
c.io alguma, visto que s elles saccadores teem di-
reito ao rei-ebimcnto da referidr letlra.
ltecife, 22 de outubro de 1869.
arbosn & C.
Attenpo
Precisa-se de urna criada para casa de familia,
que cozinhc bem e engommc, cuja famila consk-
em quatro pessoas : quern pretender dirija-se X
ra Augusta n. 96, sobrado. Na mesma casa pre-
ci?a-sc de nm menino para criado.____________
Precisa-se de una ama para comprar e eo-
zinhar para ca^a de rapazca sidteiros : na roa do
Q iciinadi 11. 23. ._________________
Francisco Jos Gomes agradece cnrdialmento a
lodos os seus amigos que se dignaram assisiir as
ltimos suffragins qne se flzrram ao seu moilo
lirezado inno Jo3o Baptista (lomes ; e do novo
os convida e aos do finado, para assistirem a mis-
sa do stimo dia, que ter lugar na matriz do
Corpo Santo, segunda-feira 2o de corrente, as 7
horas da manhaa.
Precisase de um caxeiro brasileiro para
aberna : na rna Imperial n. 31.
ATTENCAO
O abaixo. asignado declara que flea de ncnhnm
effeito a procuraco que passra aos Srs. Drs. An-
tonio Burgos da onseca e Bento Borges da Fon-
seca tanto em relaco aos seus negocios de Ma
manguape e casal de seu fallecido pai Joaquim
Francisco de Alem, como de qualqucr outro. Re-
cifc 20 de ontubro de 1869.
Manoel Jos de Alem.
Precsa-se de urna ama deleite sem fllho
no pateo de S. Pedro o. 3. _________________
2_
Em '-continuaQo.
A 26 do corrente
DE
Gratificarse coro 200$ por cada
um, e mais, conforme a dis-
tancia em que forem captu-
rados.
Do engenho Soledade, em Porto Calvo, fugiram
juntos nodia27do mez passado.dous escravos.cnjos
signaes sao os seguintes : um de nome Felippe,
idado 25 annos, natural do Cear, cor cabra, eslava
um pouc^discorado quando fugio, tem os cabellos
carapiuhados, olhos grandes e vivos, falta de um
dente na frente, rosio comprido regular, pouca
barba por baixn do qiieixo, estatura regular, bem
feitn de corpo, pernas grossas, ps pequeos c
bem feitos, com marca de urna ferida em cima de
urna das candas das pernas, e falla claro e des-
embarazado. O outro-de nome Manoel, tambem
cabra, tem 23 annos de idade, natural do Rie
Grande do Norte, estatura mediana, espigado, sem
barba nenuums, rosto curto, olhos pequeos e
vivos, nariz pequeo, regular em grossura, denles
perfeitos e alvos, bracos e pernas linas, ps regu-
lares, sabe lr e eseever, toca viola e canta de
improviso, fui munido de falsos documentos. Am-
bos foram comprados nesta cidade do Recife ao
Exni. Sr. baro de Nazareth, o prmeiro em julho
de 1866 c o segundo em julho do corrente an-
no. Esto a nbos limpos de costas e nadegas,
por nao terem seffrido castigo algum. Koga-se
portanto, s autoridades policiaes, capitaes de
campo, ou qualquer pessoa que os encontr, do os
capturar, e leva-Ios a seu senhor, Francisco de
Paula Cavalcante de Albuquerque no referido
engenho Soledade, no termo de Porto Calvo, ou
nesta praca ao Sr. Joaquim Rodrigues Tavares
de Mello com escriptorio no largo do Corpo-Santo
n. 17 Io indar, pelo que em qualquer das partes
se dar a gratficaco cima promettida. Recife,
23 de outubro de 1869._______________________
Aluga-se o sitio do Caldeireiro junto a casa
e sitio do Illm. Sr. Dr. Alcoforado, pelo tempo de
festa, tem bastantes fructera?, baixa com capm,
casa boa e piolada, banho no fundo do sitio, pre
fere-se pessoa que seja solteira ou que tenha pou
ca familia : quera pretender dirija-se ao mesmo
sitio, ou ao escriptorio do Illm. Sr. Dr. Aleo-
forado.
ATTENCAO
Pede-se ao Srs.Manoe! Pereira Magalhes, pro-
curador de causas, e Bernardino Osear Freir, o
favor de appareeerem na ra dasLarangeiras,
hotel commercia!, a negocio de seu interesse.
MUSICA
A abaixo assignada, da companhia lyrica, tem a
honra de avisar aos respeitaveis senbores qne gos-
tam da boa msica, que receben urna porcao dos
mais afamados autores italiano?, para piano, a
duas e quatro nios, para cantoria, para qualquer
instrumento, e tambem msica para igreja, da-se
muito em conta por a pessoa querer so retirar :
as pessoas aue qnizercm ter a honra ue visitar,
dinjam-se ra Bella n. 23, das 9 horas da ma-
nhaa at as 4 da larde, que acharas com quem
tratar. Tambem cncarrega-se de copiar, trans-
portar e arranjar qualquer msica para orches-
ira e banda militar.
Amia Albinola.
Al.i
Precisa-se de urna ama de meia idade para'tra-
tar da casa de urna pessoa: na ra da Roda n.
46, Io andar._______________^^
Furtaramna noite de 21 para 22 deste mez,
das 11 horas s 3, de sobro urna carroca que se
achava dentro do porto da casa n. 21 da ra
Real do Manguinho, um bah de folha pintado de
escuro, com o fundo de madeira d'amarello, de
cinco palmos de comprido, para mais, cheio de
roupa quasi toda de sen hora, sendo : saias lisas c
bordadas, camisas enfeitadas com rendas, pregas
e bordados; vestidos differentes, e entre elles a|-
guns por acabar e outros em corte, lencos de labi-
rinthos e bordados; alguma roupa de menino c nm
bahusinho de tartaruga com algumas j >ia?,c outros
objectos que nao lemnra-me na eccaso: urna
cadeira do mogno, e alguma roupa que eslava
cm urna trxa da qual escnlheram a mellior. Do
quasi todos os objectos fuados ha em casa iguaes.
Quern aprehender o referido bah, cadeira etc.,
queira leva-lo a referida casa que ser generosa-
mente gratificado, ou niesmo qnem der qualquer
noticia a respeito. Recife, 22 do outubro de
1869.______________
Pede-se aos seguintes senbores. queiram ap-
parecer rna das Cinco Ponas n. 8i. ou annun-
ciem as suas morad*? para serem procurados :
Manoel Pereira de Azevedo.
Manocl Pinheiro de Mello.
Bernardmo Vieira da Silva.
Jos Lniz da Silva.
Joaquim Manoel Cordeiro.__________________
{Sociedade Monte Pi Bra-
sileiro.
De ordem do Illm. Sr. director provisorio sao
convidados todos os socios eflectivos para eoinpa-
recerem terca-feira 26 do corrento, na sala das
sessSes, rua'do Cotovcllo n. 9, as 6 horas a tar-
de, afim de reunidos em assembla geral, appro-
var-se os estatutos que tem de reger a mesma so-
ciedade, e serem remeliidos ao Exm. Sr. presiden-
te da provincia, pedindo a sua confirmadlo de
couformidado cora o decreto 2711 de 19 de de-
zembro do 1860.
Secretaria do Monte Po Brasileiro 22 de cutu-
bro de 1869. .
G secretario provisorio,
Leopoldino do Reg.
Precisa-se de urna ama
ra da Lingoeta n. 4.
pan
cozinbar : na
AMA
DECLARACOES.
Perante o Sr. juiz de paz do 1' districto da
Ireguezia da Boa-Vista, se ha de arrematar no dia
'M ilo corrente, as 4 horas da tarde, diversos tras-
es o urna pequea pur(~ de louca, penhorados
t Marianna hube! Janey, por execuco de Antonio
Comes da Silva.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
lio-ib se f.z publico que o Illm. Sr. thesimreini.
iienilal.ir Jos Pires Ferreira, no salid da
i dos expostos, pelas 9 hora? da manhaa de
dia 2i'i i" corrente, far pagamento da? iw.nsali-
- vencidas de julho srtembro findo, s amas
que -e apresentarem com as criancas que Ibas f
ran confiadas.
.-retaria da Santa Casa de Misericordia do
de outubro de 1869.
O '
Pedro Rodi-tques
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
Navegagdo costeira por vapor
Goyanna.
O vapor Parahyba, commandante Mello, segui-
r para o porto cima, no dia 26 do corrente, s 9
horas da noite. Recebe carga, encommendas. pas-
sageiros e dinheiro fretes, no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parahyba, commandante Mello, seguir
para os portos cima no dia 31 do corrente.
meia noite. Recebe carga, encommenda?, passagei-
ros, e dinheiro a fretes no escriptorio do Forte do
Matfs n. 12.
do
na
bem sorlido estabelecimeto sito
da Cadeia n. C.
O agente Oliveira continuar o leilo dos men-
cionados arligos supramencionados c precos cora-
modos. ,
Terpi-feira, 26 do corrente,
As 10 horas da nianh, no indicado estabele-
cimento.
Mudanca.
O Dr. Francisco de Paula Soares, me-
dico, mudou-se das Cinco Ponas para a
ra Augusta, sobrado n. 116.
Ainda estar por alugar o sitio j annunciado
nos Remedios, com bons banhos. cuja casa alem
de muito fresca, tem outras condicces agradaveis
as pessoas que querem commodo e liberdade :
ra da Concord a, armazem de materiaes.
Antonio da Costa Mello, tendo de retirar-se para
a Europa, pretende vender sua padaria o casa,
que tem no povoado dos Montes, livre e desemba-
racada, propriapara algum principiante. Tambem
se faz negocio a prazo : a tratar cora o mesmo
Precisa-se de urna ama livre ou mesmo escrava,
que cozinhc com perfeicao o diario de urna casa,
e que afiance sua conducta : a tratar na roa do
Vigario n. 5, 3o andar. _________
Precisa-se deum caixeiro para padaria, que
tenha pratiea da mesma e afiance sna conducto ;
ua ra da Senza-velha n. 84._________________
_ o? abaixo aesigaadus scientilicam ao respei-
lavel publico que pagam pontualmenle os premios
que sahir nos seu< bilhete?. oxcepcao do algum
dos maiores que por acaso deixe na oecasBo de
haver dinheiro cm caixa.
Vieira & Rodrigues.
ANA
Na ra do Livramcnto n. 6, precisa-se de un
ama que seja perita coznheira, para casa de ho-
raem solteiro._______________________________.
Cozinheiro.
/fTa ra larga do Rosario n. 44 precisa-se de uro
hbil cozinheiro. _______.
AMA
1IH0

BAHA
mviV%s
Sa importancia de 40:4 1 ..O
rl
Quarta-feira 3 de novembro de 4869.
O agente Pinto levar leilo, s 14 horas do
oa cima dito, por autnrisacao do liquidatario da
exlincta firma de Southal Mellors A C.. as di idas
na importancia de 40:437*130 rs., sendo........
3l:187A310rs. de conformidade com o mandado
de pxnhnra contra J. do Siqueira FerrSo, e......
9:249*840 rs. de conformidade com dous manda-
dos contra A, Pinto de Lomos ; o leilo ser
effectuado no dia cima dito, no escriptorio do
referido agente, rna da Cruz n. 38.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo
Oe ordem dolrmo juiz convido aos irmaos, e
especialmente aos mesario?, comparecerem em
nossa igreja hoje (25) polas 5 horas da tarde, afim
de acorapanharmos os restes mortaes de nossos
irmaos que foram inhumado? as catacumbas que
nos pertenceram, e existem no convente de S.
Francisco; para cuja trasladarlo temos a precisa
licenca do governo do bispado.
O escrivao,
Lniz Epiphanio Maurica.
AVISO
Precisa-se de una ama para todo servieo de
urna casa de hornera solteiro: na praca da Boa-
vista o. 7, segundo andar. ________
Cozinheiro.
Precisa-se de um com alguma pratiea de casa
de pasto: na rna Velha de Santa Rita n. 1.
Toda attmjo.
Hontem desappareceu da prensa Ja travessa do
arsenal de guerra n. 3, um moleqne de cor de
taioca, idade 10 annos pouco mais ou menos,
pernas finas, cabellos carapinhos, vestido de ca-
misa e seroula de algodao branco, e diz ser forro.
Chegou ha oito dias do serto, sendo de presumir
achar-se aqui na cidade, ou ter procurado vol
tar : quem o apprehender, traga-o ao mosmo
ponto, que ser recompensado.____________
Aluga-se urna casa na travessa do Peixoto n.
68, co'm Sqaartos, 2 salas, cozinha fra quinta
morado e cacimba : a tratar na ra da Concordia
n. 152, taberna.
Precisa-se de urna ama forra ou escrav
para casa ue urna familia, que saiba cozinhar e
comprar, lavar e engommar : na ra Augusto nu-
raero 49._______*___________________________
Precisa-se de urna ama de letle : a tratai
no sobrado da ra da? Cruzes n. 9, luja.________
Precisase de urna ama para o servieo di
duas pe?sos : na na Augusta n. 74.
__Precisa-se de um caixeiro que tenha pratiea
do taberna : na ra do Brum n. 65.____________
__Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar : na ra de HTtas n. 1.
O palhahotc Garibaldi, capito Custodio 'Jos
Vianna : a trater e Para o Porto
segu eon breri
tupien solin'i ;
ns.qntfl-i |
rw i-- 11-
d i 4 C., ra i .
i le a wletn e nova barca por-
aara carga o passageiros, para
trata-s com
ira Azeve-
C__ '7, I' a o lar.
AVISOS DIVERSOS.
Manoel Darbo>a Ribeiro faz setenta ao res-
peitavel poblico e com especialidado ao
commercio. que na prsenle dala venden ao Sr.
Francisco Gnncalves Bartn* o S. o seu armazem
d- genems silo rna da Des n. 1?.
vre e de^ejlnracad i de I i\k e doi onus. Recife 21 de uutubro de 1869.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello, es-
crivao da cidade de Nazareth desto provincia, o
favor do no praso de 15 dias vir ou mandar a ra
do Imperador n. 18, para concluir aquelU negocio
que ha quatro annos j foi por esto mesmo^ornal
chamado para o concluir, eque aecudindo aquel-
lo anntincio asseverM real'na-lo'em 3i> dias, e de
novo esqueeeu*se delle O annuncianto espera qne
i. S. o disp n-ira ile vir anda ao prelo para este
lim, II,;,- a for a isto obrigado por S S. sera pre-
ciso explicar a razan deste chamado, que parece ao
annunciantc Ihe nao fWr airosa tal pnblicacao.
-inlnr: na
O Sr. Manoel de Souza Pereira (conhecldi por
Manoel Caboclo) tem ju das tres partes do sobrado sito ra da Guia n.
31, de dous andan-, porten-ente ao Sr. Dr. Ja*n
Ferreira do Almeida Caimarcs, QU n co-
mo heranQa, que p grn o Sr. lo*
da Rocha Paranh .-. !h0C"Ube no i
unto quera se julgir com direilo mi
sent se no praso de tres das c Hitados
data. Becife 2o de ou'uhrn de 1860.___
Sabo de lcatro
Para curar as molestia da pellr
taes como empingens, darthros, sarnas, comichoes
e mais molestias de pelle, sem occasionar acciden-
tes ; desfaz as manchas do corpo, pannos, sardas,
reslabelece a cor natural, quanto a cutis, seccx
grossa c amarellenta, occasionando por algn
enfermidade, e como desinfectante e prevjntivo
das molestias contagiosas.
UrICO DEPOSITO
Botica do Pinto, ra larga do Rosario n. 10, junlc
ao quartel de polica.
[itlti.

Treclsa-o
do Brum d
ATTENCAO

Ossenhores credores do fallecido Antonu
Ferreira Gomes, qneiram dentro do prazt
de 8 dias (os que ainda o n3o fizerano).
apresentar as siias cootas Sao seu teslamen-
teiro Manoel Firreira Pinto, prac-a da
Ind-pendencia, pata serem verificadas, i-
p -jas do que Ihe tocar ettt raMo.
KurJfe 21 de otltnbro de 1869.___
~AIuga-se urna casa para passar a (Sta, n-
Pa.agem ito Calleirciro, beira do rio Capihari-
ifronte ao Sr. Dr. Alcoforado : qu'-m pre-
r dirija-so rna do Pavsand, no Cajiu
n i
Na ra d^ M-
'Ivos P
da i'


Diario de Pernambuco Seguiwl* tea 25 da. Ouluhro de
1869
fli-fS
.' :" SeJas
S- es B" 9 S
e o 2. o ^ 5
V*-8
'8
H
^"2 w a~
-i =. as r?
o*
rS3JN
3 "- g 2.
coacs
. O ce
5- S -^ re
S fS W 5-
M en j_ w O
S-e P B -
B>
(8
"C-2 C ea
S c 3 ? S
2sr
. s-
3. o
3
ill-P'
O 2 es O
3 2.?
ct>
en
B.S'ct|o
S-3'c
"^ N x c en
o os u
- a 9 g. g. ss.gr
--S-2-B
3.3

" o = o

>-
O r
S=a

I *i
& es < a
co
i
"B
I"* *:
en
B
U&
8
E S
9

I-
Mikcoskope aehroma-1 O\osr~^
tisehen. ObjetivLin-^^^ \D


*2 5"3wS.os >3 3
IslSeg-sS o O B =
3 5 a 5 3.
q B o. 2 g. =.
re
' (. 6*
M as os as
_ en en en
, 2- '" '
en as
i.3*; 5=
B S

'So* S-S.^ w i
o-. o- --9 2 2. =
Obi
E3 B -
O W fc!
r
VERDADEIRAS
J
PILULASdeBLAKCARD
COM I0DURET0 00 FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICTNA DE PARS, ETC.
Possuindo g propriedades do lodo et do pro, convem especialmente as Aftccos .
escrofulosas, a tsica no principio, a fraqwiade temperamento e tambero nos casos de
Falta iw cor, AMF.roRjiHra em que precisa rragir sobre o sangue seja para restituir
-Ibe a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocare regular o seu curso peridico.
N. B. 0 tatareto de ferro imparo oa alterado um medicamento infiel,
irritant'. Como prora de parew e de anthencidade das verdorfeinM ri-
lulaa de Blaaica>rd, deve-se exigir nosso aell* ale prata reaeUva e
nosso rmm, aqni reprodnzida, pie te arha na parte inferior de ua
patata Teree. Dre-e deaeonfiar das falsiflcaeot.
ARhaaa-M em taaaa a aaarreUa. Pharmaeeutko, ma BonaptU, 40, ParU

sen.
Barmetro e term-
metro. Centigrade
e reuumeure.
m
BCLBS PEMUBltflS
E crystal de rocha do Brasil.
F. 1. erinunn, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
ds; porque, com este:, vidros, a vista descarga, fortiQca-se e Do a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obligado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quast sempre do-
res de cabeca. 0 alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do ho.e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loage, os raios que expelle sao
mui convergentes ou tnui divergentes e a visao nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tero o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distmcta.
Com a applicaco de mcus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta (i cuio crystalino mu convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo aflasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que suceede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e n5o enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
to distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F I. Germana encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olnos, a es-
colher, a primeira vista, seja qual for a iade egro de vista, oculos proprios para
i qualquer pessoa, #
Para que sao fabricados estes vidros ? 7
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
mmm doirado
Nova loja de calcado
JOAQUIII DAS DOS SANTOS & G. acabam de abrir uro estabeteeiinento a cat-
eado estrangeiro a ra Nova n. 30, onde o publico, encontrar todo o qne neste ge-
nero de cownercio ha de melhor e de mais gosto em Paris e Londres.
Por todos os vapores transatlnticos recebeifio elles constantemente remessat di
calcado, novo, pelo que ter sempre o estabelecimentp o que a respeito se pedo tan-
gir. Ao publico em geral e a seus amigos'em particular, pedem a cooperario, m
Ibes possam dispensar, certos de que ser5o servidos com lealdade.
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras. tremem
de fraqaosa.
Para a vista que os olhos s?io desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lbo e a leitura.*-
Para a vista presbyta (\istagalon >.
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista oporada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do o'lho se cobra de catarata.
Wfffff IW"
Soriimento de binculos
para theatro, e oculos de
alcance para o campo c roa-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande soriimento de relogios para parede, que do horas epara
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de oaro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados -fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. F.m Pernambucb.
N. 21=Rua JovaN. 21.
CFEITAMA DOS IMM/1S
16RA DA CRUZ16
Ha diariamente s&rtimcnte de hollinos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vinhos'de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
Jncumbe-se de encoramendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentas, a saber:
Pecas de nougat. Pes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-dc-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armacao de assucar. Empadas.
lOTXCENTRAr
RE8TAURANT A LA OARTE
DE
Francisco Garrido
Entrada geral ra larga do Rosario u. 37 e para familias ra
estreita do Rosario n. 4 A.
Este vasto o acreditado estabelecimento sem davida o que offerece maiores
vantagens nao s em presos mdicos como por sa tornar o mais prximo possivel das
estaco dos caminhos de ferro e ser beira mar do caes Viole e Dous de Novembro, que
tambem se presta ao embarque e desembarque dos passageiros que vem de outras pro-
vincias e da Europa, e que preferirem essa accommodaco menos despendiosa nos trans-
portes da bagagem.
Os hospedes acharao todas commodidade em grandes salas e asseiados quartos.
Ha sala para leilura de jornaes nacionaes e estrangeiros; na mesma ha um
magnifico piano pararecreio.
Ha urna outra sala para jantares particulares.
Come-se a mesa redonda a la cartee manda-se domicilios.
Os vinhos mais finos do mercado acham-se no estabeleciRiento. -
A' noite ha srvete e refrescos, caf, cha o chocolate a toda a hora. Tem mag-
nficos, buhares de mogno para divertimento.
Falla-se hespanhol, francez, italiano e inglez.
\
A' ra do Crespo n. 20 A, esquina a ra das Cruzest
Alvaro Augusto d'Almeida & C. partecipam ao respeitavel publico, e com es-
pecialklade s Exmas. Sras. que o seu amigo e acreditado estabelecimento ra do
Crespo n. 20 A, de pequeo que era, acaba de ser transformado em tima bonita e vasta loja
de fazeadas finas aonde pela sua localidade e amplidao, o publico nao s ter todas as com-
raodidades para fazer suas coi,.pras, como acha-lo-ho desde j prvido de um variado e
escolhido sortimento de fazendas finas e grossas, o que ludo se vende por precos m-
dicos.
Este estabelecimento, apezar de estar j bastante conhecido, os seus proprieta-
ros tem resolvido entitula-lo por LOJA DOS ARCOS, para evitar equvocos, 6 torna-lo
por esta manera anda mais popular. Eocontra-se nesta loja
Ricos cortes de blond e de seda branca para noivas.
Ditos de seda de cor e pretos.
Brochad de seda, fazenda interamente nova.
Foulard idem dem dem.'
Laas de muto gosto.
Cortes de caeabraia e chita Mara Antoinelle.
Saias bordadas, camizinhas, espartilhos, ballSes, basquinas, Gchus, sombrinbafl
luvas de pellica, chapos etc.
Ha tambem eonstaotera.ente um completo 3ortimento de esteiras da India para
forro de salas, assim como alcatifa,- tapete, capachos e maitos ootros artigos, que seria por
demais mencionar.

O^
C^
rv.

y
DO
\t un
CABELLE1RE1R0
.7 A Ra do Crespo1. andar 7 A
ENCONTRAR-SE-HA sempre oeste estabelecimento um variado e bonito sorii-
mento em perfumaras francezas e inglezas cuja lista damos eos leitores.
LUVAS Marca garantida de J0UV1N.
EXTRACTOS.De superior qualidade marcas LUiIN A (rOSNELL.
DITOS FINOS.em frasquinbos proprios para presentes I.ubin & Gosoeil.
POMMADASBanha fina de varios cheirosLubin.Gosolle, Societ Hygini^u
SABONETES.finos para toiletleLobm A Monpeias.
AU DENTIFtlCE.agua para Ifanpar denlesSociet Hyginique Lnbi A I.
(?ierre.
BRILHANTINA.para lustrar a barba e os cabellos- Lubin.
AGUA DE COLON HA.Marca verdadeira de Joo Maiioa Farica.
COSMTICO.dieirosoLubin.
POZ DE ARROZ.ditoLubin.
HUILE DE SENTEROleo para conservacao dos c^belosSociet Bygieaiq.De
ESCOVAS FINAS.para cabellos, doutes e unhas.
HLA1REAU.Pincel para barba.
GRAN POS.para cabellos.
REOES 1NVISIVEIS para cabellos.!
GRWATAS L1NDISSIMAS.do melhnr gosto.)
BNGAILAS. de phanlasia, para passeio e de diversos taannos ele, etc., ele.
A la parfumerie ^arisienne.
7"A RA 1)0 CRESPO 1. ANDAR 7 A.
XAROPE
VEGETAL AMERICANO
E S A 1.1 D ADE
BARTHOLOM EO & C
Pin a cara certa dii louei aolifts e recentes, calarrhos pnlmanar, asilimi; tam cannlia, utork
bronebiu, em gtr&l coatra toos os wffrimatt) as fias reiiinttfii.
DEPOSITO GERAL
BOTICA JB DROGA.RIA.
34, RA URG DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
Ihe, poia os mena agrdecimentos por dm Iw lidiad da
A tberapeulica daa di Tersas moles ti ai do peito, desde
a pharjngite ou mal da garttuta ale a tnberculieo
pulmonar, passando pelas dirersas broncbiles catarrales
e o emphjsema cana da ser enrequecida com mais
este medicamento, que tomara a primeira ordem entre
lodos al boje eonbecidos. O xarope Vegetal Amrica,
raranlindo paramente vegetal, nao conlm em ana
composicto um s tomo de opio, e sim somente soc-
eos de plintis indgenas, cujas propriedades benficas
na cura da molestias qne periencem aos orgos de res-
piracio foram por nos observadas por longo tempo,
com ptimos resallados cada vea mais crescenles; pelo
que nos jolgamos autorisadoe a compor o larope qu
igora apresentamos, e a oflerece lo aos mdicos aa
publico. Previmos com os alicatados abano o que le-
vamos dito, e contamos qne o conceito de qne ja gota
o tarop Vegetal Americano enacera da da a dia,
deinndo mui lo ipi de si todos o pellones em Toga.
Illa. Sr. Birlbilomeo A C.-O larope Vegetal Ame-
rica, preparado esa sai conceilaadisaaua paarmaeia,
I i um uul remedio pata combater t terrivel ssiana.
I Sofra ea aquella moleatia ha quilro metes, sem anda
[ ter combatido 01 naques mensaes qne linba; este nllimo
aa live fai fertisiimo qne me proitoa por 8 din, osci,
porm sea milagroso xana*, lomiado aaenas tres
dse, e ate o presente oto tai As novo atacado. Prasa
Otas, oa a Bqn reiiabelecMo f* orna TU. Rendo-
to horrivel mal. Com a mais sigaifeatjva gratido,
subscrevo-medeVaas. aaVtaaaa e rawasneiB ariado.
- Seaerino DmrU.-rSmCasa 14 delaaeraiA Jale*.
Illms Srs BartholotMo C. Dapois a qaaai saia
meses de solTrimenlo coa ama toase incessaole, lasiio
exiraordioario, ezpaotoratl de ota catarrbo amaratU-
do, e perda total "das forcaa, qne o menor aaasein
me faligava compteumenlc, cansado de tomar mais on-
tros remedios sem resultado livealelicidade-deseberqna
Vmcs. preparavaa xaraaa VagaUl Aaaaoaaaa, ian
elle, graca a Cena, me icbo rasiabeleeide ba maaa da
dois metes, e rebusto como samada tivesae aoBrido. A
gratido me torca a asta declaneao, qae paderaa Vaacs.
fazer o aso qae qniiarem. Sa sea causa* d Vates.
milito respeiiador a criado. AMnii lupsam im
Castra Sra. Reeie S da fawtsiia aa Vm.
Atiesto qne nsei do xarope Vagatal Araercaaa, da>
composieAo dos Srs Bartnolomeo C. para ara ae as
torta delato aa*sao uaaae aaaarinialdti. sjaa sai aaa
fitit edtender, in(laawaca dor aa garaaau. Mu,
grande taita da resptraca, e iqoei complot anate rei-
tibelaaida com na a* oidro do mesmo aaraae; peka-
qoa Ibes protesto eleraa gratido. Bacila W a* ta-
flWS. ^ Jaaaaim Pcratra i i HitMwi.-
jnbeckJos.


iBBBBSSBBSSn
Diario de Perrtamfeuco Segunda feira 25 de Outbro de 18G3.

A ESMERALDA

Lfl.ll DE JOIAS
DG
IE.
Este antigo estabelecimonto, completa-
mente reformado le novo, est, as cond-
Qoes de servir vanidosamente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
esplendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assiia como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos precos sao os
mais mdicos que se pode encontrar. ,
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
X S m W CAMISA f 5
""""""Ifl'llRAir""!
Supriores cortes de percalle com barra, para vestidos a--$ cada corte, s
Lindos cortes degaze de seda com 18 a 20 covados. pelo baratissimo g
frcro de S.->000 carta corte, na aojadas cslluranas, pa do Crespo n-13 de Un- I
tonio Correa de Vasconcellos. I
AS BOUBAS CUBADAS
E
Ttdas as molestias sypkiliticas.
P6LO
ELEXIR DODR. SEIAL
Usbco depurativo sem mercurio que tanta aceitacao tem met>eoido no Bra-
sil, as repblicas do sul e na Allemanlia especialmente para cura das bouis,
sarnas, cheumaUsmo, todas as molestias syphiliticas e em geral todas aquejas
provra da empureza do sanme.
ONICO DEPOSITO
KA
Pliarctiacia c drogara.
DE
Bartholomeu d- C.
S4-Hiia Larga do glosario 34
OLIVEIIU ft CARVALHO
Suceessores de Reg Honra.
Erna Nova 24
Os proprictarios leste novo ostabele.eitKcnto fazcra scicnte ao publico, qae
acabara de receber um perfuilo e variado sortimento de pannos finos, caseairas, briosa
outrw muitas fazendas de ostos modernos, as qaes vendeni por precos razoaveit
Os in.:snws seitnucanrquo tendo admiHido para sua oTicina de alfaite, um artista hbil
nodeempenhode suas funches, recebetn qualquer encommenda de roupagw medida
promelleudo salisfazerem, cos ponlualidade e presteza qualquer pedido oeste seRtido.
Eilii
C4PELLAS
Vende-sc
para da do finados (2 de novembro), na loja de
Antonio Angosto dos Santo* Porto, na praca da
Independencia, nico deposito ncsla cldade, ricas
espolias para se collocarem as catacumbas e tu-
llalos, no cerailcrio publico e as grojas, com
as iuscripcocs segrales :
Meu pa.
Miaba mi.
Meu esposo.
Minha p.euosa.
Mea tllho.
Minha filha.
Meu amigo.
Saudade.
Urna Ingrima.
COkStoMOSCO CIRRGcT
Malaquias Antonio Goncalves, doutor
em medicina pola faculdde do Hio do
Janeiro, tem sea eodSB.rtorio medico ci-
rurgico, na rus da Crux n. 26, Io andar.
_ Consultas das t) a 1 hora.
Charaades por e.-cripto.
'rec*6a-e de um creado para todo servico
o* holel, pag*-se bem, prefere-se escravo : a tra-
tar na ra estreita do Rosario n. 11, hotel Lisbo-
Na prega, da independencia n. 33 se da di-
nheiro sobre penhores de ouro, prata e pedras
precio?as, saja qual or a quanlia ; e na mesma
cafa se compra e vende objectos d<> ouro e prata,
e- igualmente se faz toda e qualquer obra do en
comnienda, e todo e qualquer concert tendente
mesma arte.
COZIM1EIIU.
Precisa-se alagar urna oscrava que seja boa co-
jinheira : na ra do Crespo n. 23.
Armadlo de tumulosje cata-
cumbas.
Na ra do Imperador n. 0, coxeira de
carros fnebres, ha urna pessoa que se en-
carrega de armar, c dar os necessario.s
arranjos para o dia 2 de novembro, dia de
finados, armando catacumbas o jazigos,
ludo por prego commodo.
Alnga-sc para a fesla urna casa no Poco e
rfia do Kio, rom commodos para familia : na ra
de lionas, sobrado n. 48.
Imperial compnnhia de Londres
Por seus agentes nesta praca
Samuel Power, Juhnston tfc C.
Ra d Sencilla Novn n. 42.
Faz publico que tem aborto uina agencia nesta
jraca de seguros contra fogo.
Os agentes csto aatorisados a emitlircm apoli-
ces, (cando assim o> segurados desde logo segu-
ros contra qualquer prejuizo, que possam solTrer
causado pelo fogo.
Os agentes estiio autorisados a averigunrem
qi aesquer rectamacoes e depois de competente-
monle examinadas a saldarem (coma i tom feito)
por meio de saques sobre a companliia em- Lou-
divs ao cambio do dia.
A eoropanliia promette prompta verificaoao de
qualquer reclamarlo, assim como |>rompto paga-
mento, concluida que seja satisfactoriamente es
verificaooes.
As pessoas que quizorem cffeetuar qualquer
seguro tiastarao remetter a esta agencia ama nota
indicando somente a ra e numero do predio que
desejarem segurar ou em que estivercm deposita-
das, as mercaduras, assim como as quantias.
Samuel Power, lehns'.on & C.
A rentes.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de Jeito. na ra do
Hoiipicio n. 38.
Aluga-se urna casa na Capanga com com-
modos para familia : a tratar no mesmo lugar,
ra dss Crioulas n. 5.
II
s Joaquim'9a Silva Gnimaraes, sna mulhor
c f Idos, mandam celebrar no dia quinta-Tetra 28
crreme, das ti 7 horas da manhaa na matriz
da Boa-Vista algumas musas, por alma do seu
fraudo filho Seeuediano Jos da'Silva Gnimaraes,
t miversario de sen falecmento, convida oois
ao? seus prenles c amigos, a comparecereo a
esto acto de caridade, que Ihes -sern gratos.
AMA
'?recisa-se de-urna ama para-todo servio* de
una senhora : o* roa de S Rom Jess das Criou-
la;,-a. 8.
Ama.
' l*fecisa-se de urna ama para eomprar e cozi
nbjr para urna pessoa : na ra estreita do Rasa
rio n. 2, 2o andar.
Em casa 6e THEODORO GHRISTI-
A^'SEN, ra da Cruz n. 48, encontram-s
eftjetivamente toas ~as qualidades de vjabr
Bordeaux, Bourgegne e do Rbeno.
ATTENCAO
Aluga-se por festa eu pelo tempo fluc conven-
ciii lar-st-, uina boa casa e mobilliada, n povoaca-)
de Beberie, com banbo do rio perlo de casa :
quem pretender dirija-e ao Io andar do sobrado
n. da ra do QueimaiiQ, das 9 horas a manhaa
as j da tarde.
Precisase de urna ana.que saiba ^ozinliar
bem para casa de oraen: soiteiro : a tratar na
ra Imperial n. 47.
0
DE JOIAS
C/2
1
l
zn
GOMES DE MATTOS IRAOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao pnblico em geral e com especialid ade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da nour.e na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ba de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e ludo que em obras |
de ouro, prata e platina se pode Jesejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de riovos gostos, assim como grande variedade de salvas e palteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objeetos de prata para uso das igrejas, [ ^TJTj.
Comprara e trocara qualquer joia ou pedra preciosa e garanten*
a qualidade dos objectos vendidos.
i
0 MUSEO DE JOIAS
Precisase de urna ama que saiba cozinhar e
enRommar: na ruada Praia n. 53, .> andar.
ALUGA-SE"
o sitio da yangnheira, em Olnda, confronte ao
jardim, com commodos para grande familia, tendo
;j hijas, 3 salas em frente, 7 quartos o 1 para ha-
nho, sala para jantar, cozinha fra, boa agoa que
so vende acerca de 303 por mea s em lempo de
verao, com umitas fructeiras : a tratar naescadi-
nba. armazem n. 3.
'Na pliarniacia do Piritx) ma
Larga do Rosario n. 10
junto ao quratel de poli-
ca.
A liam-se conslantemer.le promptas a
serem satisfeitas, as p-oscripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidtides dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pliarma-
cia, composla de medicamentos, tanto in-
dgenas, como cstrangeiros.
Tosse e molestias do
peito
Xaropcs de fodeg.-o, rabo de tat,
Agrio, pi Cmiozo.osc, mulung, mu-
tamba, etc., etc., ja
Rheumatismo e moles-
tias syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilba
do Pai, pilulas e xarope de veame,-tia-
tura e xarope de sicupira. i .
Docneas do ligado c li^i'o, aco-
mia, opilado, '$&'%,
Emplasto, oleo, pommada> |Mti')
lulas, xai'opc e vinho da milap
beba.
Sez5cs oh fobres intermitentes
As plalas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia de sen autor rua larga do lo-
sano n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
Precisa-sede um homem para servico de en-
genho : a tratar na rua Nova n. GO, 2- andar
O Sr. bacharel Altino Rodrquies Pintela que
formou-?e na cidade do Itecifo, e retirou-se para a
da Babia, naja por obsequio de dar cumprimento
ao que est ubrigado om suas cartas, relativo ao
aluguel da casa dos Coclhos daata cidade.______
Precisase de urna ama de leite sem luo :
na rua da Palma n. 57.
Manuel Jos Al ves tem para vender tO sac-
eos com [farinlia da trra : na rua da Praia nu-
mero 38.
Precisa-se do uina ama para tratar de urnas
meninas : na rua da Penha n. 23, Io andar.
QueiD'PMcisar de urna ama de leite sem fi-
iho, chegada ha dias do mallo, di rija-se defronte
do arsenal de Marinha n. 8, que ah se indicar.
iiiiv i1
Aluga-so para passar a festa urna boa casa na
povoarao do Monteiro com sahida para o rio : a
tratar Ka rua Nova n. 43, 2d andae.
SEGUROS
MARTIMOS
COITftFOGO.
A Companliia Indemnisadora, estabelecida
esta praca, tomrBeguros martimos sobre
navios e aeus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: a
rua do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
AVISO
A VERDADE
55Ruado Queimado55
A VERDADE tendo era deposito grandt
quantidade demiudezase perfumaras, e de-
sejando apurar dinheiro e adqnerir boa fre-
guezia esta rssolvida a vender muitissimo
barato, ; por essa razo convida ao respei-
tavel publico a vir competentemente muni-
do a sot tir-se do bom e barato. Pois quan
do a lerdatle apparece, tudo mais des-
apparece-----
Grande sortimento de bonecos de cera e
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Micos globos para candieiro de gaz a 1,5800
Cbamins a......-. 320
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino 100
Garrafa com titila a..... 800
Dita com agua florida verdadeira a 1#50'.>
Dita com dita dita a 10010
Frasco com oleo tle babosa a 500 e 70
Dito com agua de Colonia a 300 e 500
Garrafa com agua divina a. 4500
Frasco com extractos finos a lijiGOO
Latas pequeas com banha limito
fina a 12 e...... 200
Sabonetos do diversas quali lades a
80, ICO, 240o...... 32v
Finas escovas para denles de 120 a 600
Lindos foques modernos a. 20500
I'avios para gaz, dtizia a 240 e 320
Escovas para fado a 5(.0, 000 e 700
Ditas para cabello a..... 500
Pentes para tirar piolbo a 1(50 e. 240
Brincos de cores, bonitos a 160 e 200
Pecas de tranca de 15a com 8
_ varas por....... 80
Oleo para machina de costura,
frasco a........ 600
Pennas d'aco finas caixas a 800 e 1#000
Dita d"aro Peny, caixa a. l^iOO
Galo de algodo pega .... 400
Lindos babadinlios e enlremeios
' peca de 500 a...... lyloOO
Bolees de madreperola, groza a 600
Ditos de louca rmiito fino a 120 e 200
Ditos para calca a 160 e. 240
Caixa com papel amizade a. 700
Ditas com envelopes a. 480
Ditas com obreias a..... 40
Caixa com agnllias fund dourado 280
Ditas de ditas ditas a..... 160
Thesoura para costura a 240e 500
Caixa com liaba de marca a 280
L4n de c6res em novellos (li-
a) a........ 500
eteis de linlia Alexandre de 70
6 200. ....... 100
ty-Jmpos milito finos com passa-
' rbs, duzia a...... 2^
Carlas porluguezas, duzia a {400
Ditas francezas a 20200 e 30000.
Papel almaco e de peso, resma a
30400, 30500 e 40500
u.a muito fina para bordar, libra 607OC
Fita de algodao para debrum de
sapatos, peca a..... 160
Ditas de IJSa para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 320
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e...... 5(K'
Caivetes grandes com molla a 32u
Ditos para aparar penna a 100
Carioca com colxetes a 40
Rosetas pretas, par a 100
Tranca de laa d^caracol peca a 40 e 100
Fita de coz peca a 480 e 560
Alfinetes de latno a..... 100
Sapatos de ia para menino a 240e 800
Ligas paia senhora, par a. 160
Gravata de sedas de cores a 200
Calcadeiras a ...... 80
Grande sortimento de rendas das Unas.
Um par de suspensorio de borracha por
lOOris! !!!!!!
Ka verdade rna do Queimado
1. 55.
Vendem-se quatro escravas de 18,20, 25 e
30 annos, todas com habilidades, um bom preto de
3annos, que lambem cozinda : na rua de Hortas
n.96__________________________________
Sementes
de hortalice chegadas no vapor de 14 do correte,
e est venda na rua da Cruz n.. 13
Vendem-se diversos escravos pecas, proprias
para armazem ou ngpnho, viudos do Cear, as-
sim como algumas escravas com habilidades e sem
ellas : na rua da Cruz n. 55,3 andar.
Vende-seum terreno comalicerces para urna
boa casa, quem o pretender comprar dirija-se a
rua do Bartholomcu n. 67, loja, que achara com
quem tratar.
IiOJA
Quem quizer singar o segundo andar do sobra-
do n. 40 sito rua f'a Cadcia do Recite, o qual
est perfeita mente pintado, forrado a papel e es-
teiradq, tendo aleui disto gai, dirija-se ao escripto-
rio da companhi Pernamtiucaua, no Porte do
Mattot -a. 12, qje aii achara com quem tratar.
-leslaineotciro do fallecido subdito Irancez
Juan Viges, convida aos devedores do tinado a
saldarem -satis dbitos amigaveimente, do cirntrario
serio ajumados sem excepefio alguma.
17
O Andr Betiuc, cobeHeireiro, rua do Crespo n
7 A, 1" andar, az cente ao respeitavel publico
pemamoucano, que ao dstincto artista franeez
Eduardo Millo, poder ser dirigido qualquer en-
commenda de perneados, trahalhos de cabellos,
etc., etc., o qual fiea desde boje inteiramente s
ordena da boa freguezia que frequenle este salao
de Coifure,
ATTENCO
V annos, sabe com perfeieio engommar toda qoali-
dade de costura, borda e faz labyrinlho, urna criou-
la de 30 annos, perfeita engommadeira e cozinbei-
ra por 1.000,3, quatro ditas com todas as habilida-
des, um escravo para todo o servido de 26 annos,
una escrava mulata de 30 annos, ptima engom-
madeira e cozinheira por 1:0003 : na travessa do
Carmo n. 1________
Vndese urna casa acabada ha pouco lem-
po, na estrada nova de Beberibe, tambem tem
urna pequea armacao de taberna na mesma casa,
e est muito afreguezada : as pessoas que preten-
deren) dirijam-se a lim da estrada, ou rua do
Moras n. 7, roinaeo.
COMPRAS.
Compram-se moeda de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata eu) obras inutilisadas
brilhantes e mais pedras preciosas: na loja de
ourives do areo da Coneic5o, no Reclfe._______
0 uzeo de joias
Na rua. do Gabug a 4 compra-se onro, prata
3 pedras preciosas por precos mais vantajosos do
ijne em outra qualquer parte.
Compram-se e vendem se diariamente para fra
e denii da provincia escravos de todas as idades,
corea e sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cries,
fregnezie de Santo Antonio.
Com muiio maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. 2 D, rua do Cabug.
VINMS.
'evada.
Vei!8e-8e cevada muito nova de Lisboa : na rua
Direita n. 30, a 3*200 a arroba.
Panno do algodo da Babia, proprio para
rpupa de escravos e saceos para assucar : vnde-
se no escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo k C, rua da Cruz n. 57, Io andar.
Vende-se ura sitio no Campo Grande, que
faz frente da estrada quo vai para Olnda, cuj
silio tem 550 palmos de largo e 1,680 de fundo,
com bastantes arvoredos de fructo e alguns ps
de coqueiros, mas nan tem casa, porm muito bom
terreno de plantacao etc., : quera pretender diri-
ja-se rua do Imperador n. 54, loja, que se dir
com quem pode tratar.
Garante-se a cusa.
Vende-se a taberna sita ao sobrado n. 27 rua
de S. toncalo, com alguns fundos ou todos e a
competente armacao : quem pretender dirija-se
mesma, ou no becco das Barreiras n. 15.
Predio novo.
Vende-se urna casa terrea em solo proprio, e
edificada m* rler'na, a bem conitrujda, frente de
tres lijlos, cacimba muito boa, na freguezia da
Boa-vista : a tratar com Alexandre dos Santos
Barros (otaria) rua do Mondego, ou becco das Bar-
ceiras n. 15.
MIMW.
Vendem-se 180 saceos com farinba de mandio-
ca e por preco muito barato, eujos saceos achara-
se no. trapiche denominado Bario : a tratar na
rua do Codorniz n. 8.
Venttenvse rol< s de sicupira para obras de
carrosas : na estrada do Arraial, primeiro sitio
com portao pintado de enramado o lanoas bran-
cas, de Marcelino Jos Lopes.
DO
GALLO VIGILANTE
Ron do Crespo m. \
Os propietarios deste bem condecid* estabrie-
cimenlo, alem dos muitos objettos (|u tfohi-
postos a apreejacao do respeitavel pabliro, na-
daram vir e acabam de receber pelo ttltim rapar
da Europa um completo e vanado sortimento e
finas e mui delicadas especialidades, as quM w-
tao resolvidos a vender, como de sen cosluns,
Sor precos muito baratinhos e commodo pan fc>-
os, com tanto que o 6aI lo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, blan-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e pnnhV jra se-
nhora, neste genero o qne ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enfeites para caberas da
Exilias, senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores eos v<4ri
Ihos e sem elles; esta fazenda o qne p)dc naer
de melhor e mais bonito.
Superiores o bonitos leqnes de nndreiwrol,
marlim, sndalo e osso, sendo aquolles Lr.iBtto
com lindos desenhos, e esles pretns-.
Muito superiores meias fio de Escossia para sa-
lidoras, as qnaes sempre se vendemm por :J8.XH16
a duzia, entretaato iue nos as vendemos pur 20-
alm destas, temos tamben) grande sortime- '.o k
ouu-.is quandades, entre as ipiaes algunus utuil
finas.
Bou bengalas de superior caima da Intel c
castiio de marlim com lindas e encanlaOWM ligu-
ras do mesmo, ueste genero 6 o oiie de melbur
ile desojar ; alm destas tennis i mibem {.'ysoV-
(juaiiliih'Je de oalFflsqualidades, como rejan, ma-
dotra, baleia, osso, borraeta, etc. Finos, bonitos e airosos clm-oluilios de eaeii-*'
de entras qualidades.
Lindas e sunerioivs ligas de sed* e bormna
para segurar as meias.
Bom meras de seda para senbosi e para meni-
nas de 1 a t2 annos de idade.
Navalhas cabo de marlim o t.irt.inia.'i j.-ir.i fazer
barba; sao muito boas,e do- mais a ASM :- fkr
rantidas pelo fabricante, e nos por noss.i ver .^l-
bem asseguramvs sua qualidade o doBwnfca.
Lindas e Sedas e-apellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para Cr\.
Linha muito boa de peso, frouxa, para enrber
labyrinlho.
Bons haralhos de cartas para vollarcte, ari
como os tontos para o mesmo lim.
Grande e variado sortimento das mentor )>er-
fumarias e dos melhores e mais eonhecilus per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra ;-.; ronmiSeis l
facilitam a dentico das innocentes crian^&e. So-
mos desde muito recebedores desles prodrxras -
collares, e continuamos a rceehe-los por luoV s -
vapores, alim de que nunca faltem no mceratnv
tomo j tem aconlecido, assim pois podero %<
les que delles precisarcm, vir ao deposito tto gatto
vigilante, aonde sempre encontrarlo destts Tente-
deiros collares, e os quaos attendeiid-i-se a tW.
para que sao applicados, se vendenur com um t:iB
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos enjertos spt'dllm
declarados, aos nossos fregueze s-amigot a virt-i.
comprar por precos muito razoaveis loja do gai'rf
vigilante, rua do Crespo n. 7.
0 VAPOR \yMfi\DES
Nova loja de miudezai'
Henos 50 % do que cim octr:t
qualqaicr |tnrte
Henrique de S Leitao paitceipa ao efptNavnl
publico, com especialidade ao sexo ainavet, i\m
tem aherto rua da Imperatriz n. .10 mu pratiitf
e importante eetabeieeimento do miodezM eenl a
titulo deVAPOR DAS NOV1DADES> ade u pe-
blico em geral encontrar em.-Nni nenie
completo sortimento de ludo quanio ha dei.';:-
moderno e de mais gosto nos frincipaes w^
zes da Europa, tendo para esle lim um lapi r --
pecial ooni o titulo cima indicado.
O proprietario adiando muito enladonbo, M an-
tea por assim dizer quas que iinpos.-iv.il n enrro-
ar pelos seus nomos e precos os ebji dos de |tito
existentes em sen eslabetocimento, ;:*-.-i.-> een-
tenta-se apenas em mencionar aquel les ine jniya
mais reconimendaveis nao r peta sua bdl/a v-
elegancia como tambem pelos precos qae Fin ven-
didos, deixando os outros que estao i\ i'.ista
seu cstabt-lecimento para seren admirados pelos
propros cortpradores. .
Vejam o que bom :
Lindsimas camisinhas bordadas e enfei!:Jas
com lindos e elegantes enfeites, propros para as
senhoras de hora tom ; vende-se por pi ei'os muitos
commodos.
Lindos coques a imitaco de cabellos que em
outra qualquer parte vendem por 3500, vend- n
por 23000.
Guepur branco e prelo com lindos e deificados
padroes, a 1500, 2^000, ifOO, 33OC0 e i
o metro.
Leques de alta novidadeem Paris, sendo de osso.
osso c seda, sndalo e seda so, e ostros salpicad!
de lantijoilas, ditos de madreperola o seda o wats
elegante e moderno possvel, dilos de madeira,
sendo lisos, arrendados, e outros guarnecidos com
ricas palmas; ditos blancos com llores donradas
ditos de osso e seda, ditos brancos e propros pira
noivas; ludo por precos tao diminutos que r->o-
freguez vendo a qualidade e elegancia poder dar
crdito.
Verdadeiras meias fio da Escossia para senhe-
ras, sendo lisas, bordadas e arrendadas, o melhai
que posstvel haver para sapatinhos raaos ; po
precos commodos. <
Ditas cruas tambem para senhoras, fazettd,t
muito lina.
Dilas fio daEseossia com lisias de cures, gata
homen?.
Verdadeiras meias inglezas para doaiens, faxes*
da muito fina ; a 83 e li a duzia.
Ricas chapenas para senhoras, chegadas reren-
temente e guarnecidas de ricos e elegantes chiVi-
tes de setim e flores finissimas.
Lindos Itncos de cambraia de lindo, bordados
agnlha ; pelo baratissimo preco de 13500 e 2300O
Dilos de cambraia tambem bordoiks a t-'XI uf.
Lindos cachos de flores francezas o mais moder-
no possvel e de melhor gosto, sendo : ros; s. Ik>-
toes sollos e botoes em cachos de linios cores.
pelo baratissimo preco de 13500 o cacho.
Fitas largas proprias para cilos da nltimsr
moda, de muito lindas cores e por preces iiuu
baratos.
Completo sortimento de neos o elegantes enfei-
tes de seda o mais moderno possvel ; como ejaa
Escossezes e de oulras qualidados, estao doiwtaor
temente a venda rua da Imperatriz n. :t-': onde
as Exmas. senhoras pode rao escollier a wn!
ou mandarem buscar as amostra?, sendo lodri u
mais barato possivel.
Lindas bonecriunas de louca pelo bar ti
prec.o de 110.
Grande sortimento de eseolhidas las promiat
para bordados, a 7 a libra.
Lalas com superior banda franceza a 160.
Filas de velludo pretas a 13 a peca.
Gollinhas bordadas a agulha a 240.
Aimldas para crochet a 160.
Lindos boioes de setim para enfeites de vestido
de todas as cores, a 400 rs. a dnzia.
Grande quantdade de finissimos calupgas <|t.e
se vendem com grande abariraento.
Alm dos objectos cima indicado exisfem stat-
tos otfros qne s a presenca dos freguezes (Hule-
rao avadar a diflerenca dos precos e da quaddaiU-
que faz dos de outra qualquer parte.
0 proprietario convida a todas as pessoa- m
geral a visitarem o seu estabelecimentn o qau se
acha abe rio desdo as 6 horas da manhaa at as S
da noite, certo de qoo as ditas pessoas eneonira-
rao no proprietarfo e'nas mais pessoas do estafcfl-
lecimento o maior agrad e sinceridade cm todo n
qualquer negocio.
L(a do V^por das KoYldaes
Rua da Imperatriz 11. 36
Lageamento
Vende-se na rua de Apollo n. 4, lagdv par*.
calcadas e armazens.
VENDE-SE
uma escrava para o matto,
mar, coze, lava : na r
6 as 8 doras da manhaa, a tard
Vende-se a taberna Flor '
rua da Palma n. 37,

-.


*.

Ola*-di! reWwLtcO Segi, LIQUIDADO
O propriotario do armazem de {sendas denominado ABARA, ra da Impera-
tt'ix n. 7, declara ao respeitavel publico eseus fregueses, que est liquidando rodas as
fazendas e ronpas feitas que tea em seu estabelecimeiitij como se poder ver no seu
annuncio e preco abaixo mencionados,
Chitas francesas matizadas a
sao vh.
Vende-so chitas francezas escoras matiza- len os
das a 320 rs. o covado por este preco sna trancado a !>, metro.
loja da Arara, ru.i da imperaiz i:. 72. <-.j,
Algodo cufestado 0 rs.
Vende-se algodao cnfeslado proprio para
c toamas, UOO rs. o metro, dito
un i i
LAVZINIIASA 240 RS.
Vende-se ISazinhas para vestidos de se-
nhora a 210, 280, 3-JO c 100 rs. o co-
vado.
BAREGES DE LAA A 500 RS.
Vende-se bareges do la com listras para
vestidos da senhora a "'M c 310 rs. o
covado.
Alpacas de listras a 5>l> rs.
Vende-se alpacas de listras pira vesti-
dos de senhora a 503 rs. o covado.
CUITAS FRANCEZAS A 289 US.
Vende-so chitas francezas olai-usa 280 rs.
o covado.
(10RTKS.DE LA PARA VESTIDOS A
2,) 100.
Vende-se cortes d* lia para vestidos de
vnhoras a 2.V00 cada nm,
PERCALES A iU> RS.0 COVADO.
Vende-se percales milito Unos para vts-
idos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
solinaa brancas finas, a 500 rs. o covado,
tirilhantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Raides modernos de odas
cores.
Challes de suerSa 2.%.
Vende-se chales de merino estampados
a 2-J, chales blancos c de cores a 10000
cada un.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 040 RS.
Veudc-se urna grande porcao de cortes
de brim castor para calca de hornera, 640
rs. rada uin.
turando porciio de realhos
Vende-se grande porcao de retalhos de
chitas e cassas pretas a 1G0 e 00 rs. o
cov lo, rclalhbs de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
. LIODAM A ROUPA FEITA
VL'iidu-se palitots do brim do cores a 2$,
ditos de alineas de cores a 25, dios de
mcia casemira a 2.3 e 20500. ditos de pan-
no prcto bom a 8,J o 10,-5. calcas de algo-
dao azul para esciavos a GO rs. ditas de
algodudc listras a 800 e 1-5, camisas de
rscado do listras a 800 rs. cada nma, cole-
tos de brim e fnstad de cores a 15 c 15500,
Mi coleles de ersemira decores a 25500 6 35,
je outras umitas qnalidades de roupas feitas
AS NOVAS
ll^RUA DO QUEIMADO--11
Chegaram da Europa pelo oltimo vapor loja de Augusto Porto d- C. ricos
corles das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para talles e casa-
mentos. .
Grande variedade 'de sedas do listras de diversos-procos todas de lindas cOres,
gorgurSo do seda prela, e grosdaaplfe do varias qualidades e gorgurao de seda 15a uc
diferentes cores. ', '
Novos vestidos brancos deblondpafa noivas, lindas coisas de seda para camas,
di as QC la o seda, cortinados bordados part camas ejauellas, fronhas c toalhas de
cambraia de linho bordadas..
Luvas novas de Jouvin.e elegantes sombrinlias de s Jas de cOr para seniioras.
Esparlilhos de 55 at J05, indos bournous de cachemira de cor para saluda
de baile, basquinos de renda preta, e d.'os de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisis boi dadas e lisas para homens e meninos.
Sor tmenlo de moitas fazendas de la, linho e algodo todas por precos muito
Tpeles grandes para sof, piarro e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
firrar sales ludo em quantidade; e vendem scmpre;por menos que cin outra quaiquer
lsteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
ALGODAO
A DAS MACHINAS
Vendes 'balees moderno sbranco ede co-
res a 45. 45300 c 55.
COBERTORES DE ADGODO A 15500.
Vende-se cobertores de algodao a 15500,
cebertas de chitas a 15000 c 2-> cada urna,
i ANGAS PARA CALCA A330RS.
Vede-se ganga para clea-a 320 o. cova- VeiMlem_se poris e algwl3o 4
do, brim de cores para alcas dbanteme ^m 6iW)00J% para g^
meninos a iOO rs. o covado, casemiras de
cores para calca c palitols a 25500 e 35,
o covado, meias casemiras entestadas para
calcase palitots a 15 o ovado, brim pardo
de todas as qnalidades e brira branco de
tudas as qualidades na ra da lmperatriz
n. 72. ,
Alpacas lizas a lO rs.
Vende se alpacas de cores lizas finas a
640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
re. o metro.
MADAPOLAO ENFESTADO A 35500.
Vende-se pecas do madapolo enfestado
a :i5300. pecas de madapolo inglez de 24
jardas a 5|, 65400, 75, 85 e 105 a peca.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o covado.
ellas antes que se acabern todas mais fazendas e ronpas feitas. e que pelo preco que
vai vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e Qiiem se quizer sortir de fazendas
6 ronpas feitas para a festa pelo preco que lho agradar, se poder dirigir a ra da
lmperatriz armazem da ARARA, que estar aberlu todos os dias uteis-, das 6 boras dar)
manhaa, s 0 horas da noite.
72. Ra da lmperatriz. 72.
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a 300 rs.
o covado
Vendo-se algodo de listras para roupa
de esciavos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 45.
Vendem-se pecas de algodo 45000,
75, para liquidar.
Ralrs de arcos f 500.
Vende-se bales de arcos pan senhoras
pelo baratissimo preco de 15500 cada um,
Cortes de cambraia barras
a 33000.
Vndese cortes de cambraias barrsa a
2-> e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 15-
Vende-se carteiras para viagem 15
cada urna.
Selliits baratos,
N. 27. RIA DO LlYRAMEIfk N. 27.
Neste eslbeleciwato vende-se scllins_e
silboes, de todas as qualidades- do melhor
que se pode fabricar no paiz, asstei como os
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxes, traviceiros, caixi-
nlias cora almofadas, proprias para meninas
levar para aula. O proprietario deste esta-
belecimento garante a pontualidade, esme-
ro e zelo de seu trabalho; porlanto pede ao
respeitavel publico sua proteceo, qeeafDan*
Ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra quaiquer
parte._______________
Xcovdeiro previdente
Ra do inclinado n. 16.
NTcrro ecariado sortimento e perfumaria
finas, c outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
narias, de que effectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
CraDd a completo sortimento de maeliinas para
descarocar lnodaode nova inven rao chegadM nl-
timamento em direitura para a loja do Manoel
liento do Olivcira Braga & C,. na ra Dircita n
;3 Garaute-se qno a melhor imalidade que a.e
o presento tena vindo ao mercado>: M\am-m cin
exposifo ao compradores as de iO, ii, i, lo,
18oaOserra--. ,
Systema decimaL
Grande e completo sortimento de pe?ws kilo
urammos da melhor cwnprenensao dos (fie tcm
vindo at o presente, assim como marcos de atao
demadeiraedetairiopara laedir fazendas, alm ^j .gsm,pois,oCordeiloPreviiienre pede
de arando sortimesto de mioeas e ferragens de .. _a ^^,0^ a merecer a apreciacao
Ssar'^itnpffitfiffl :j ^peitavei ^m.em.geral
Bento de OKveira Braga A C.
COGNAC
do
al-
(IACHIN.I9 americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algsdao,
mmito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
CACHINAS divas, tambem de serrotes e de todos *>s tamanhos para descarojar,
sd'K) do autor New York Coito Gin.
tiACHIN\S d'^s (k- todos os tatnaohos, de carreta de /erro e mais tod. a macluna.
MOHNAS (f.^s de floller Gi_, de cujo trabalho foz obter mais 2.000 em arroba
de* algodo, '
tf ACHN AS do flcao dc-abticanto Platt B. d- C Obdbaw PatentLiverpool.
Todas estas achinas s> de superior qualiAule e as- melhores que lera
/indo ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os ^enhores a^ju01^,-
?irem oxpositfe-dlae mermas na ra Cada lio Recife miSA, loja do Bastos, orxie
jncontraro mais-o seguirte*;
i ebulhadores par millio'
Cylindros para poaarias.
Vrados americanos'*-
Garrinfeos- d m
Machinas para-ooptar capim,
G-innos de chumbo.^
Sombas- de Japy.
Oitas aateriea-aas.
Telhas de ferro -galvanisadaS-
Folhas e zinco* finas.
TJitas (& cobre e toSo.
Ferro do* todas a* qualidades*..
.'jcol do-ferro.
'olha de-Flandresv
achados- americanos.
Taces ditos.
Balaras c cestas d**verguinha.-
Vassonras americanas.
ipiles do-todos os tamanhos.
Tornos e-safras paro ferreiros*
De superior qualidade da mui acredita-
da fabrica de Bisquit Duboucb A C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o conswnmo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio tt. 32.________. .,_
BAZARUIVEHSAL
81-Rna Xova**
Carneiro Vianna
Nftste BAZAR cncontra-se um competo
sortiaento de todos os artigos- que se veu-
dem por precos cemmodos como sejam: ln
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madira americanass-
Ps de ferro ditas.
Baldes dO madeira* ditos.
Ternos de bandejas finas.
Trens completos papa cozinha.
Peneiras para padanas.
Baldes gatvanisados.
Gorrcntes de ferro para alman]sr~s.
Espingardas e rewolwrs.
Guarda comidas-.
Ferros a vapor para engoramar.
Moinhos para refinaces.
Aieite de espermacete, proprio p*ra machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avus-as para machinas. -
ftincaes e todos os mais perteness para as
mesmas.
Latas de gao*.
completo sortimento de machirras para cos-
tura de todos os systemas, mais- modernas
adoptados na America e appro-das na ul-
tima exposicao servaos a electos-para almo-
Co e jantar, salvas, baadejas, talwleiros, bol-
sas e malas para viagem; indispenseveis para
senhoras,-candieiros parasala e cuaademesa.
e de sua
boa freguezia cm particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conbecida raaasidao
s barateza*. Em dka loja encontrar'. es
ipreciadores do bom:
Agna divina de E. Coudray,
Dita verdadeira de* Murray Lamman.
Dita de Cologne in^cza, americana, fran-
;eza, tedas des melhores e mais-acredUados
fabricantes.
Dita de flor de larangsiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para tditot.
Elixir odontalgico para conservacao do
*sseio da bocea.
Cosmetiques de* superior qualidada e chei-
ros agraifaveis.
Copos e latas, maiores e menores com
pomada fina para cabello.
Frascos com drr japonez?, transpvente
a outras qnalidade*
Finos eitractos nglezes, americanos
francezes em frasco simples e-enfeitados.
Essencia imperia o fino e agradavel ebei-
ro de violeta. .
Oatras concentradas e de cifos gnal-
raeole finas e agradaveis.
Oteo philoeome verdadeiro.
Extracto 7oleo de superior qualida:)e
paredee portal, mangas,- tubos e gobos de | ---^.-^ ^^^ frasc0 dedift.
vidro, maehraas parafazer cafe, oftas p. reRtestamanhM.
FinaSaeote muitos- outros artig l oaportencenfcos lavocra e artes,, qoe pela
liversidade seriar enfadonho e_omera-lo6.
bater ovos, ditas para-amassar farinta, ditas
para fazer manteiga, eamas de ferro para
casados, solteiros e erianea, berces? cadei
ns longas para viagera, ditas de- bala neo,
e3pelhos de todos os- tamanhos, molduras
para quadres, gaz, baWsamericanoe, gu r-
da comidas, brinquedes para cria-icas, um
completo sortimento de eestinhas-, oeados
para sala e a esa, tapetes para sala, ernarto,
frente de soptea, janella e- porta, capaehos de
Sparto e coco, objectos- para escrrptono e
muitos outros artigos que se encontrarlo a
venda no mesmo estabelecimento e-qoe vale
a pena ir examinar._______
~KATiA2 m
Gbeeou ao antgo depoeito de Hcnry Farster 6
_, ra do toperador, um carregament de ni
de primeira qaalidade; oquaL se vende em partida-
e a-retalho por-menos pre>}0 do que*%m our> quai
cjaer parte.
LIQUIDA
M
NO
i a ,c r.iimarps pronrieiario do armazem de fazendas
, Mandes GMK^SS"^ rH,n0Ilave. publico que tondo
tan do a espeta de
dndooro, e vendo
encomtrendas p >r
nra ver si maTor, estracao por isso em visias das
com
TISmWBOOD BWIATO I
Chamaloies a 500 |
Vende->e chamalotede cores, dtalgoda
Dan vestidos de senhoras a 5u o covado.
alpacas lisas a 500 rs. |
Vend -se alpacas lisas para vestidos de
, ,es. para senhora, a 500rs. ditos matisa-
, s linas a 720 o covado D.tas lisas mul-
to largas a 640 o covado.
CORTE8 DE PERCALES A 6:000
V den-se urna grande porco de cortes
de per-ales de duas saias para vestidos de
onhoia. de mnito delicados gostos
i6 */ covados a U 7W00.
CAMBRAIAS LISAS DE CORES A 600
Vende se urna grande ponjao de cambraia
Usa de todas as cores para vestidos a eoo
rs. o metro.
Orcanfo-rs moderaos a 800 rs.
Veade-se organdys de cores para fazer
-tastid.is, de duas saias, agora modernos, a
ft'Wi' P5 3 V9T3
GRANDE SORTIMENTO DE CHITAS NOVAS
E BARATAS PARA A FESTA
Vende-se chitas francesas muito finas de
core-* a 280. Ditis matisadas escuras a 320
ditas escuras escocezas a 3M. ditas alco-
joadas a 360, ditas garibaldinas a 360 o
cova-to. Sortimento de chitas como tem o
Garibaldi ha poucas lojas que compitam.
Cangas para calca a a rs.
Vendem-se urna grande porcao de gangaf
para calca de h.-m-m e menino a 320 o
covado, cortes de castor para calca a fttti
cadaum. mAA
lSrlin de cores a 40r.
I Vc-ide-se urna grande porcao de duas
1 faces rara calcas, palitots e colletes de bo-
mem e menino, fazenda mteiramente nova.
Rrim pardo liso a 0 rs. o metro, dito
trancado fino a 800 e iOOO.
Grande liquldacao de chapeos
de sol
Vende-se chapeos de sol de alpaca cora
pequeo defeito a 2d e 3,5000. ditos finos
de lastes a 4^00, ditos de seda finos r0Qar algodo.
iranio armszfin de tente e roipas Tete rna da Iuferairiz
n. 1> parla larga, k Paredes Por!o,
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico un>bonito sortimento j
de roupas de todas as qualidades, palitots e alpaca a 3$. 3fS50O at 6^. Ditos de
merino, ditos de casemira do cores bonitos gostos a 5& 6$, 8$ e 10$, de panno prek
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e decores de 3(5500 a 50000. Calcas de brim de cor Anas o ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brirai pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 4$. 5$, G# a i5fi. Colletes de todas as qualidades e preco rauito
barato. Completo sortimento de camisas francezas de algodao e de linho de 2o" at 5o
urna. Sortimento de saroulas francezas de algodo, de linho e bramaate a 2# e 2-5800.
Grvalas (mantas") novissimo gosto a tolos os precos. Meias sortimento completo a 3)5.
'> at 7.-> a diMtia.
ROBPAS PARA MENINOS.
Enearrega-se "de quaesqtier obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos,, e com brevidade, por isso que tem am bonito sortime nto de fazendas- de
todas as.qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outEas muitas fa-
zendas..
FAZENDAS
Bramantes de li palmos de largura a l,-5800 o metro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil-de-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 1200.
Basquines de guipare enfeitadas a i8O00.
Sortimento de chitas escutas e claras a 280, OO e 360 rs.
Madapolo fino a 6*500, 7*, 8$ e 9*5000.
Algodo peca com 20 jardas a 4-5500, 5-5500 e 6,5000.
Peca de algodao largo a 75500.
E outras militas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
feSta que se est liquidando na loja ra da Imperatria n. 52 (junto loja de ourives) do
LEftO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Mp*chinas vapor de
brea de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
de 8 astes a 75500, 8&000, ditos de 12 e
10 astes a 10)500U, para liquidar.
Chitas para cobertas a 40 rs o
ovado
Vende-se chitas francezas para cobertas a
240, 320, 340, e 380 o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se cassas franceas para vestido
a 240 o covado, ditas muito finas a 400 tt.
a 440 o covado,
GRANDE SORTIMENTO DE MEIAS
Vende-se meias croas para horneo: a
3,5500, 4,5. 55. o 63000 a duzia, ditas para
Balancas para armazem e balcSo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de
field.
Prencas para copiar carcas.
Fogao americano patent
Uhit-
USTOES PABA VESTIDOS A 400 RS. meninos de todos os tamanhos a 3^500 e
V-mle-se fusto de cores para vestidos a 45000, ditas para senhoras e meninas a
400 rs. o covado. 35500 45,.e 55, a duzia.
COBERTORES A 1:400 BALDES DE ARCOS A 1:500
Vende-se cobertores de algodo a 15400 BalBes de arcos a 15500, ditos modernos
CoberlM de chitas Cita a 15600. a 45000.
Chales de uierl-o a **000 ATTLNQAO
Vende-se chales de Merino de cores es-
Uropad..s a 25000. ditos lisos a 35500, di-
' st impados finos a 55- 55500 e 65000.
i.HITAS PRETAS A 160
Vende-se nraa grande porcVi de chitas e
, :,is era relalhf a 160 o covado
Tem-se para vender urna grande por eli-
de roupas feitas de brim ede casemira, de
todas as qualidades nao se menciona por
ser enfad rabo, garaute-se ao comprador ven-
der mais baiato do quo em outra quaiquer
parte, isto s se pode conocer com a pre-
citas e 15a de cA- sen^a do c-'mp*ador o a vista d
Scbonete de alcatrdo.
V

| barato.
i
> il
podBcunbecer con quidandn
corpinhosa purtoM '.-il,ialdi,rua
ii;i Imperjiriz n. 56.
DE
Artlonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to bo
acceitaclo tem merecido n'esta provincia
muito se recomme'nda para a cura eerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu 4 C,
Hm lo Bosarin.14.
Vende-si) a '' r"a ll:l t;'
can Q. 19 : f "'" !r',r'* "' ^*" *^'
com o agento Euzebw.
DO
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n.26
Neste estabelecimento se encontrar diariamen-
ie um completo sortimento de pastelana de todas
*s qualidades para lanche e sobre-mesa, ele, etc.,
bolinnos de todas as qualidades para cha, presun-
tos do fiambre, bolos ingieres, pudins e Analmente
tudo que consiste emuma boa pastelana, como
.nalor asseio e esmero, cha hysson preto e mmdi-
nhu do melhor que ha no mercado. Nesta casa
ecebem-se encommendas para casamentes, bailes
rhaetisados, compremettendo-se os donos do es
a belecimento a ser ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse tim de
um completo pessoal. Kecebe-sc avulso toda e
ualquer encommenda, como sejam, bandejas,
bolos e paes-de 16 decorados, doces d'ovos, seceos
e de calda e crystalisados, fructas nacionaes e es-
trangeiras, amendoas confeitadas, um completo e
vanado sortimento de caixinhas de todos os gostos
e precos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
nhas recentomenle chegadas de Paris, sao de pn-
morado go to, offerece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acharao um digno e seno
presente para as donas de seu* pensamentos. lico-
res, vinhos Qnos de todas as qualidades, conservas
Omlhos em latas. Os donos deste estabelocimen-
es nao se poupando despeas, fazern todos os
torcos para servir o respeitavel publico o me-
h or que for possivel, e sendo principiantes e lu-
eando com todas as difculdades, esperam a con-
currencia do respeitavel publico desta capitil, na-
rtonae e esirangpiros. Pechincha : legitimo vi-
ido inuscatel em caixas, que se vende por coinmo-
lo preco para particulare- e para negocio.
Loja demiudezas de FERRE1IA DA CU-
rIA & TEMPORAL, est5o quiraaodo por
todo preco venham ver o que 6 bom e ba-
rato a saber:
Lindos- brinquedos magnticos para me
nios de240 a 15> ,._/,'_. .
Linhas em novellos de 490 jardas a
60 rs. .__>_
Pecas de tranca de todas as cures a 10 U.
Latas com superio banha 120, ffc
e 25000.
Frascos com leo baboza 240, 320,
400 e 600 rs. : ..
Ditos de extracto 160v 320, oCO e
Ditos com banha 320, 300 e 15290.
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portuguezas a 120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
Grande sortimenlo de sabonetes a 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes finos com duas folhas a *4 rs.
FJnba de 200 jardas em carretel (duzia) a
15200..
Lindos port-main i 240 rs.
Pentes d travessa para meninas a 200,
320e400rs.
Duzia de meias inglezas muito finas a
oflAA
Ditas de ditas para senhora a 45500.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
15200.
Ditas com agua divina 15300.
Frascos com sndalo a 15200.
Pecas de entremeios a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
55000.
Papel amisade beira domada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700rs.
Lindos boets de panno para menino a
25000.
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
320 rs.
Macos com grampos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa com
extractos a 15500, 25000 e 35000 ao par.
Jogos pu-a vispora a 200. .-40 e 320 rs.
Linha de marca (caixa) 240 rs.
Temporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza onde contina a vender
pelos baratos presos de seuan-
tigo estabelciment com titulo
de Temporal na Bonanqa.
Rna do 'iiielm-ido n. S3.
Sabonetes em barras* maiores e menores
pora mos.
Ditos trans-parentes,. redondos- 3- era figu-
ras- de meninos.
Daos muito tinos eneaixinha ^ara barba.
Gaiiinhas i*3m bonito sabonetas imitandt-
fructas.
Ditas de madeira inTeroisada (antendo a-
sas perfumaras, muite proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bcwtas, tara-
Sem de perfinarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
aoldes novo e elegantes, com ndde arre?,
a-boneca.
Opiata ingteza.e fra-wezapara denles.
Pos de camphora o outras difieren:*
-jaalidades tnbem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mala coqna
Um outro sortirnetto de coqjses de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
a algunsd'eiles ornados de f&res e fitas,
esto todos-expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PCNHOS BDAD0*.
Obras da muito gosto e perfeico.
FtcJlas e Odas para rJuos.
Bello e variado sortimento de taes objec
tos, ficando a boa escolha ao gosto d acora
prador.
Barthcdomeu & C.
Vnho, Pilula.9,Xarope e Tintura
DE JURUDKBA 8IMPLB6 E FERRUGINOSO;
Oleo, Pomaoae Elastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & C
Pharmaceutioos-Droouista
i>i:k.\ambko
A Jurufceb : esta plinU boje reconkecid*
como o mait psderoso Inico, como o melbor
desobslraenle.e como lal applicada ao padecimentoa
do ligado a *?, bepatilea, dnresas, tomotea inter-
nos e especialmeole do alero, hidropesas, crysi-
pellas, ele; e aaaociada ao ferro nlil Das palllaa
corea, chlorotea e falta de menatruacao, desarran-
jot do estomago, ele, e o qae disemos aitestio
innmeras corM imporlantes oblidas oom lossoa
Sreparadoa ji bem conbecidM e osados patas mais
Mnelos mdicos do paii e Ponngal. Em lodos 01
nossos depsitos dislnbaJmos gratis folelos one
melbor fasem oanhecer a Jarabea)*, seo reaoludM
eapplicaco.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cim*fito ; na roa da
D"os n. 22, armazem
de lia nos.
Attenqao
Na praija do Corpo Santo n. 1", 1*
-g andar, vende-se mais barato do que em
g polawa da Koh da mai*n'iva no mer-
M ca.lo as?inrom.) vinho Brdeauxde su-
perior quaftlade em caixaa garrafas,
VER9ADEIRQ LE ROY
de lujaan, Docleiir-Mcdcriii
"Ru do Soine, 81, A l'.MUS.
rjrm
i


(|nc 1 i
tu


da Ci uz u. 13.

8JB

i-a ra


I
<

=?
diario de Pernanibuco
Segunda fera
DE
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
FLIX SEItKIK.%. DI SILVA.
O proprietario d'este grande csiabelaoimento, vendo quo se est aproximando o G,v
do anno, e londo etn ser un grande deposito deposito de fazendas; nao fallando ein
avulladas encoRjmendas que Ihes estilo obligado todos osdias, temresolvide liquid-
las por preco milito majs baratos do que em outra qualquer parte ; so com o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase Deste' estabelecimenlo to
PAVO, avullad sortiraent deiaz^ndas de luxo e modas; assim como de primeira
necessidade. As pessoas que negociam era pequea escala n'esta loja poderao surtir-
se vendcndo-sc-lhes pelos presos que comprara, n*s casas inglezas; assim como as e:t-
cellentissimas familias podero mandar buscar as amostras do todas as fazendas, ou man-
dar-se-lia levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aberto das C horas da manha s 9 da noitc.
1k : 4 f'
h
- ~* -V
-
k ** CltMA^
A 360 rs. o covado.
Vendem-se bonitos organdys de cores com bo-
nitos padroes e fixos a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA SENHcRA.
Vendem-se liuissiraas camisas francezas borda-
das para senhoras, na loja do Pavao.
AS CELEZIAS DO PAVO.
Vendem se a? niais unas celezias, esgnioes o
brelanhas de linlio por prero muilo i^m conta.
FSTAO BRANCO PARA VESTIDOS A 6i0 RS.
Explendido sortimento do
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
1MPERATRIZ N. GO
Acha-seeste grande estabelecimento com-
pletamente sordo das melbores roupas,
sendo caicas palitts e colotes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas Vendo-so fustao branco, com lista e lavradinbos,
as mais fazendas que os compradores pos- fSSgTSJSS^^" c roupas ue men.no>,
sam desejar, assim como na mesma loja collerinhos para senhoras.
tem um bello sortimento de pannos casemi-' Ycndem-se finissimos collerinhos de e.-guio d<;
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer J'? prowias para senh ras c tambem para me-
quakjuer peca de obra, coma maiorpromp- lulus ao* Alpacas de cordao.
tido vontade do freguez, e nSo sendo Yendenise as mais brilliantcs alpacas de cor--
obrigados a acceita-las, quando nao stejam liosJnho para vestidos, tendo as mais lindas cores,
completamente ao seu contento, assim como
a'este vasto estabelecimento encontrar o
respekavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
teoo-se-llie vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da mpera-
ti i-, n. 60, loja e armazcm de Flix Perei-
ra da Silva.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1S800
Cliegon para a loja do Pavo, ra da
Impomli n. (50, urna grande porco de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpr-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro o urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; o vende-se pelo
barato preco de 16800 res cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechinclia pelo preco.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porcSo de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imporatriz n. O. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELTNAS DE COR
Vende-se as mais bonitas musselinas de
cores a fiOO rs. o covado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
le los mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em conta.
FAZENDAS PARA LUTO
.Na loja do Parlo.
Eneootrao rcspeiiavel panuco neste estabeleci-
meato um grande surtimedlo de fazendas pretas,
como sejam, masas frann-zas e inglezas, chitos
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, liazinbas, alpacas laadas c lisas, canto.
boinbazinas, merino, etc., que tuda se vende por
preco barato.
NOVAS BASQUIN \SC0M CINTO.
Chcgaram as mais modernas basquinas de gros-
denaple preto, ricamente eufsiladas sendo dt um
feitio ioteinmente novo, eoni neos cintos largos, c
vendein-se por proco razoavel
CASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um elegante sortimento das mais linas
e roaix modernas cassas francezas que tem vindo
ao mercado, sondo com padroo*- miudinhos e
grandes, e vendem-se por preco mnito em conta.
AS SEDAS DO PAVO
Altas n ividades.
Pulo ultimo vapor negaran! para Io(a do Pa-
va;, gas vende mais barato do que em outra qual-
que- parte, as sedas -eguintes : ponpelinas ou
gorguroes de linho e seda, com os mais delicado-
pidrGos, sedas de listras, padrees inteiramente
novos, groz de todas as cores, sendo verde, azul,
lyrio, rosa, cimento, etc., setins, branco, azul,
verde, rxo, lyrio etc., etc., assim como um gran-
de sortimento de grosdenaples pretos do todas as
qualidades, e superior gorgurao preto de seda
para vesdos e cohetes.
AGRACIANAS.
Chegou esta nova fazenda c m o nome de Gra-
cianas, sendo ds urna so cor, lyrio, rxo, verde,
azul, etc., etc., e mnito cncorpada, com lustre pro-
piamente d-? seda, sendo melhor o mais moderna
que este anno tem vindo para vestidos, e vende-
,se pelo barato preco do 2 o covado.
ALPACAS LAVRADAS
a loja do Parlo.
Cliegou pelo ultimo vapor um grande sortimen
to das msis modernas e mais bonitas alpaeas la-
vr&das para vestidos, tndo entre el!a algumasque
fiuf.m a vista propriamente de soda, e vendem-sc
por precos aaiif em conta.
GURGURO PRETO.
Cbegou i>ara a loja do Paro o mais encorpado
gurjmrao de seda preto para vestidos e cohetes,
que se vende aii barato do que em outra qual-
quer parte.
MADAPOLAO PRANCEZ
A 74000, s d pavSo.
Vender^-te pecas de madapoln francez com 22
metros, pelo barato preco de 7000, dito enfestado
om 20 jardas a 7^000, assim como flnisslmos ma-
dapolfies frange/es e inglezes, ditos de jardas, que
ao vendem mais barato do que em outra qualquer
paite, por haver grande porco
AS CASSAS DO PAVO
Covad a 300 rs.
Vendem-se finissima3 cassas francezas com lin-
dos desenhos e cores lixas a 300 rs. o covado.
CHITAS BARATAS
Na loja do Pavo
Vende-se urna grande poreSo de chitas escuras,
a claras, de cores fixas, por precos que admiramn
BRILHAMES BAREGES A 400 RS.
S o Pavao vende as mais delicadas ba-
rogw de pura la, seodot ransparentes com
os mais delicados deseoiios, de quadrinhos,
listras o lizos, sendo n'este artigo o mais
delicado que tena vindo a mercado, e
veada-se pelo baratsimo prefo de 400 rs.
ooevado,
PELERINAS A 4*300
Na 44a do Pavo ^nie-se as mais mo-
dernas romairas ou .basquinas de croch.j
como Bhunark, lyrio, rxo, g?nga etc. etc., pelo
barato precd de 15 rs. o covado
TARLATANAS.
Vende-so fluissima tarlatana branca c de todas
as cores, assim como fil branco lizo a 800 rs. a
vara.
ALGODAO ENFESTADO.
Vende-so superior algodaozinho com dnas lar-
guras, proprio para lcncocs, sondo lizo e entran-
cado, c vende-so por preco muito rasoavei.
MEIAS PARA MENINOS A 3500 RS.
Vendem-se doctas eriores pan.
meninos c meninas, pelo barato preo do 35300 a
duzia.
BASQUINAS DE GUIPUZE.
Chegaram as mais bonitas e modernas basqui-
nas pretas de gnipaze, que so vendem mais barato
do que em outra qualquer parte; assim como as
mais delicadas romeiras cu pelerinas de croch
pretos, eoteitadas de verde contras cores, quo se
venda muito em conta.
CHAPEOS DE SOL.
Vende-se um piando sorliim-nlo de chapeos de
sol de sida e alpaca que se vendem muit ba-
ratos.
LENCOS BRANCOS.
Vendem se bonitos lencos brancos e de cores
com barras e abanhados, pelo barato preco de
3j500 a dada, ditos de linho abanhados a 62 a
duzia, ditos de eagu&e para varios precos, ditos
de algodla a H e U600 a duzia.
A 5#000
Na loja do Pavao vendem-se modernsi-
mos chales de ,il preto c<'m lindas palmas
de seda, pelo barato preco de 50OO,
pcchtncba.
BASQtHNAfi A I-000
Na luja do Pavao vende-se as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pelo barato priv.o de 125000 cada urna.
PARA ESCRAVO
Na loja do Pavo veude-se cstamenha
de aludo toesclado para vestidos e roupa
de iBoU'qucs a 200 rs. o covado, na ra
di taperaaiz b. 60 de Flix'Pereira ^
Silva. .
Papel ?!;;E'a cinhmlho.
Compra-se papal para embrullio : na loja do
Pavao, ra da Imperairiz n. CJ. de Flix Pereira
da Silva.
FOSTOES BRANCOS PAfiA VESTIDOS A
400 RES.
Na loja do Pavio vende-se um grande
sortimento de bonitosfostdes brancos, pro-
prios para vesdos e roupas de creancas.
assim como tambem para roa as di! ho-
mens por sercm de javofes miudinhos c
banlante encorpados, e vendem-se pelo ba-
rato pre^O de 400 rs. o covado nicamente
na loja n. CO da ra da tapnratriz.
AS ALPACAS DO PAVAO A 640 RS. 0 COVADO
Vende-fe um grande sortimento das mais boni-
tas alpacas lizas tendo de todas as core, mais no-
vas que tem viudo ao mercado e vendem-se a CIO
rs. ao covado.
ALPACAS BRILHANTES A C'tO
Na loja do Pavo vende-se as mais bonitas al-
pacas lavradinhas, tendo de todas as cores que se
vendem a 610 rs. o covado.
ALPACAS BRANCAS LAVRADAS
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais bonitas alpacas brancas lavradas
e de cordao sendo n'este genero o mellior e mais
lustroso pue tem vindo ao mercado, tem algumas
to nas to bonitas que servem para vestidos de
noivas e vondnm-se por commodos precos.
LAZINHAS modernas NA LOJA DO PAVO
Chegou para este estabelecimento um grande
sortimento das melhores e mais modernas lazi-
nbas para vestidos, sendo tapadas e transparentes
de todos os precos e qualidades que se vendain
mais barato do que era onlra qualquer parte.
APACAO OU GORGURAO DE LA A 800 RS.
_Na loja do Pavo vende-se o mais bonito alpa-
eao de cordao leudo de todas as core?, sendo fazen-
da bastante larga a 800 rs. o covado.
COLCHAS DE FSl'O
Na loja do Pavo vende-se um grande sortimen-
to de colchas de fusto sendo brancas e de cores
ditas de croch para eamas de noiva, assim como
qoiutos damascos de la para e.olehas.
AGRACIANAS 1 800
Chegou para a loja do Pavo um bonito sorti-
mento de lindas agracianas para vestidos tendo de
todas as euros e pechincha.
Com listras de seda a SOO rs. o
covado
Na loja do Pavo vende-se as mais bonitas e mo
dems lazinhas com listras de seda sendo miudas
e gradas a 800 rs.' o covado.
COKTES DE CHITAS
Na loja do PavSo liquida-so urna grande porco
de chitas finas de cores fixas o bonitos pades es-
tando todas ellas em cortes do 10, II, e 12 covados
para nao deixar licar retalho faz-sc o preco de 320
o covado, fazenda que enumtra qualquer "parte nao
se vende por menos de400 rs. isto grande pechin-
cha.
ALPACA BRANCA A 610
Na loja do Pavo vende-se alpacas brancas lisas
inuito finas a 610 o corado.
Manguitos cobo golfas a 1:000
Vendo-se bonitos pares de manguitos com golli-
nhas sendo de cambraia transparente a lCOO, di-
tos do cambraia Upada a 23000, corpinhos de
cambraia bordados a &f e 7*000, camizinhas de
cambraia bordadas de varias qualidades.
OALES DE CHACHEMIRA A6, 10 E
IAJO00.
Na loja ao Pavlo vendem-se os mais
borr/is chales de verdadeira cachemira de
pretas enfeitadas com verde e outras cores, eflr, com os desenhos mais modernos, a tifj,
peto barato preco de 40Q0 cada um, pe- 10 e 12#?00. muito barato na ra da Im-
cbuw&i. peratrii n. 60.
A AGU A BRANCA tem conviccSo de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, c a limitac2o de seus precos, estao na op ni3o do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anda assim ella julga de seu
dever scicntificar a todos, da recepto d'aquelles objectos que esto alm do commura,
como bem sejam
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
' Renda e bico de guipure, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos, e delicados espanadores de
ponnas coloridas, proprios para pianitos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prataados.
para segurar costuras, tendo almofadinbas,
de velludo para agulhas e altlnetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas, para frisar babadinhos. .
Bonitas caixinlias de madeiras envernisa-
das, contendo navalbas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
juando abortas.
Outras conforme aquellas, proprias para'1
senhoras.
Outras machatadas, com thesouras c os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e porfeicSo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musioa.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
Ihas, e os mais necessarios para vtagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas, dentcs, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MDREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfineles etc. etc,
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, c tran-
selin dourado.
Botoes com ancora, e P. II..para fardas
e colletes.
Aboioaduras d'avSnturine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 5#.
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, ;> o par.
Camisas de flaneila para homem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias do la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quom soffre de incbaco as pernas.
Veude-se urna boa taberna na freguezia de S
1', bdti) afreguezada tanto para o mato como
ra a naca a tratar no armazetn n. 3 defronte
ascadinh no Recifc, com A> J. S. (iiiinnrSes.
A ten^flo
Joaquim l idrgues Tarares de Mello*
tem para vender no seu escriptorio, pra-{
cado Coi po Sanh n. 17 primeiro andar,!
putassa da Rossia ohimanionte chogada,^
cal de Lisboa e vinho Bordcaax de supu-f
rior qualidade.
Vendo-se um terreno de esquina na ra de-
nominada Chacn, na freguezia do Puco da l'a-
nella, confronte a estrada de Sant'Anna, "contendo
no mosmo terreno alicorees, grande porco de ma-
leriacs para construeco de una pequea casa, e
com urna boa cacimba : a tratar com Hypolilo
Martius Gomes de Pinho, ao entrar da rasa Forte.
Brtas' ffnmbrgnrzas
lina n 11. SI.
isilo : e 3 os pa-
quetes tr.tn bichas da qualidade mpe-
' >!' : \ enue.ia
e mai< I em qualqi 1 pane :
na n: 1 n. 51. i- oBdar.
Vernizes.
Ve: p rriptoriode Joaquira Gerardo de
Bastos, ::.:. do Vigario u. ni. primeirn aadar,' os
scguinit em lal.- ue 6 0 libras, do
acreditad fabricante do Para, Catlano Antonio
dos Sai.li.- Lisboa :
Vernii copal -curo.
Dito dito claro.
Dito dito csciiro proprio para obra.- dcTolha de
1'laiM:;-.
Dito cr de c 'u ou douradilbo.
Veiuiem-se cinco esclavos pecas, de, H a '20
anno?. seu.ii. um delles mulato de bonrta figur-,
proprio para pagem. tendo o nfllcio de marcineri i:
11a ra d: ueimado n. 13, 1-andar.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se tinha visto de to Iwm
em tal genero, e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundarao
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarao a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca. '
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria senao impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fa na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia. e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquejan de comparecer loja d:Aguia
Branca i ra do Quemado n. 8.
N. 23Largo do Terco.N. 23.
SIMAO DOS SANTOS & C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e moldados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praga, como do mallo c igualmente aos ami-
gos do bom e barato, quo leem um grande e vautajoso sortimento de diversas merca-
doria? e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parte destas mercaduras
compradas por corita propria, por isso quem comprar at a quantia de 100, ter cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sahido deste
armazem.
GAZ AMERICANO 9,-> a lata, a 400 rs.
a garrafa e0' rs. o litro.
VINHO VERDADEIRII FIGEIRA 560 e
GiO rs. a garrafa, a .>i c i-VSUO a cana-
da, a 7()e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
100, 410 e SOO rs. a garrafa, a 33 e
35500 a caada, COO e CO rs. o litro.
AZE1TE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a Ti a caada, 153 iO o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 45500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VEKDADEIRO DE LISBOA
200, 240 c 320 rs. a garrafa, 25200,
15800 e 15400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 5 15H0 e
15280 a libra, 35110 e 25800 o kilo-
grammo.
620 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
timento.
ROLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 15 e 15100 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em cmxa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCIA. 5 280, 4(10 e 560 rs. o masso,
35200 e 6500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS T.AMANHOS 35500, 55500
e 15 a lihra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IIILERSA
DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
a hbra, e 25100, i59"80 e 15870 o kilo-'Bj;L"l OoTs. &mtoTdl a"dSfc
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
bra, 15100' o kilogrammo, em porco se D^ERSAS MARGAS 1*so. ^200' ^
far abatimento.
BANHA DE PORGO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 15370 o kilogrammo, em
porfi se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOQE AROMTICA,
120e UO rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki- 11l a fsq"eira e 15 o frasco,
logrammo c 35800 a arroba. i QCEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
ALPISTA 210 rs. a libra e 520 rs. o'J*1 iss9 e 2#400' em caixa faz"se gran-
kilogrammo, e 65 por 14 kilogrammos. "e abatimento.
CAFE EM GRAO 65 e 65500 a arroba, I TOCINHO DE LISBOA 400 rs. a li-
00 e 210 rs. a libra, 440 e 520 rs. o bra> e 880rs. o kilogrammo, e 115500 por
kilogrammo. .Udulogrammos. ___ _^
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,' CHA FINO, GRADO E MIUDINHO os
570 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha melhores que ha no mercado, 35 e
abatimento. 35200 a libra, 75080 e 65510 o kilo-
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA- grammo.
HBBP1, *? ALETRIA. 800 rs. a libfa e n)EM PROPRIO*PARA NEGOCIO 25700,
15/50 o k-logrammo. 25500, 2*200 e* 25 a libra, e 55150 e
SEVADINHA E SAF 3 280 rs. a libra e 451,80 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros, vinho etn ancorlas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada, con-
servas gela de marmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinhas de Nantes,
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebo!la 15500, finalmente muito mais generaos que enfandonho
menciona-los.
N?lo mais cabellos braiicos.
A tintura japoniza para tingir os cabellos
da cabeca e da barba, fot a nica admiltida
Exposigo Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacSes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 15000 cada frasco na
Ba da Cada n. 51,
1. andar.
A ra do Livramento n. 6, contina a ha-
ver para, vender por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde at hoje vindo a este
mercado.
CIIj 1>E LISBOA
POTASSA DARUSSIA
A majg nova no mercado, a preco razoavel: nc
armazem 4eMi}09l T. Baato, ra do Commerck
o. 13.
Cabriolet.
Vende-ge um cabriolet de doiis e <|natro ajsen-
tos, o que ha de melhor ueste genero, con hom
ravallo o arreios, ou som elle : na ra de Santo
Amaro, cocijeira de Thotna* Um.

Milho novo
em saceos grande?, a 9*400 o sacen : no arma-
zem da estrella, largo do Paral u. II.
0 Campos da ra do Imperador i. 28 lem para
vendci u scgllin'i::
Queijos londrinos, pratos, flamengos e de Minas,
todos muito fresco.-, e do boa qoaHda4.
Presuntos pnra flamCres c para tempero, palos,
salames etc. ote;
O verdadeiro baealho d; Noruega.
Latas com lagdelaa c ostras.
O verdadeiro caf Mocktt.
Grande remisesa de cigarros de diversas quali-
dade*, viudos da provincia do Rio do Janeiro, no
vapor braaileiro Paran.
A saber:
Cigarros ao duquo de Caxias.
Ditos ao Maurity.
Ditos aos- tonentes do Diabo.
Ditos Barbacanas.
Ditos l'apol peitoral. .
Ditos d S. Paulo.
Ditos do liio-Xovo.
Temos de medid.ss para seceos, segundo o novo
systenu (mtrico francez), no armazem do Cam-
pos.
As mais adoptadas e mais facis tabellas para
de prompto se reduzir ;.;. ca kiiogrammas e ao
inverso e-tao se acabando porJsso recominenda-se
aos eslabetoeimentos que ainda nao ten, fine ve-
uhaiii seus donos mnnir-si! desse So grapdfl agen-
te df eommereio, nata qac, com a safra pie est i
porta, torna-se ditas tabellas indispea tvois.
28-TUDO NOAHMAZKM DO CiUPOS-28
CEMENTO
PORTLAND,
Vende-.-e no aniiazeui amarello !". V: ienta Fer-
reira da Costa i\- i'iiho, defronte do arco da Cou-
eeicao, em harneas granitos.
MASSA c XABOPE
DECODEINADEBERTH
Preconisado |ior todos os me!ioos contra o-
nEFI.UXOS, CATIIAROS, E TODAS AS
iiii'iA(,:oi.s do i'tuio.
I-T. U. O Xurujie de Codcina que mtr-
honra, alias ttn* taru enlre o Mt
notht. ''- ter rtgisli ado mw um do matii mema e/fieina do imperio Franctt itpmta
q:i:iU: n i- v?'i.
A vicio. r..i i-aii*a o* icpreucni
l(:.-,'. : :.:)] SO'cilSdoO Idl IMUlhA
X --11 ( Kiia i-s;cs :iilicamrats lu ;L;:ufUir,lcjB{
rvadrn im t ixin- r^"^J LW
bascfi nrla \'"' | .*-;-j.' 'f-t-.
a avV .i, ;__.'
t. .'!:. .r-I't .
t\: !':.: "...

ISO
VBSDE-SE
A PRECO F1XO E MDICO
S0MHR1NIIAS de setim verdeultima no-
villada para senhoras, a 1S e
LINDOS crtis de tailatana o''' i la, pro-
prios p:ira bailes a 105, 13'., 155, fl&
e ^5)'i0.
ESPECIAL sortimento deco enfeitados
e lisosultima modaa 5800, "i-iOOO.
:<500. 45,' 45500, :;> e 6
GRANDE e bello sortimento (te chapeos de*
paiha da Italia, elegantemente enfeitados,
para senhoras e muiras a Ifj', .. -. LJ!,
FRANCAS E CACHOS mitacao de ca-
bello, para senlioias, a L58O0 e H00 rs.
GRANDE e agrdate! Bortimeoto de gui-
pure ou croch preto, em pecao metro
a U, 3r00, *iSI e 6-1
DITO branco a 25800, :^ e 30800.
LINDO FILO mu seda branco com ramagem
o metro OO.
LINDOS o ricos aderecos de plaqu u-
bles, com brillantinas, rubina, esmeral-
das, perola. e camafeos ; nao ba diTe-
rc'.'a do o uro de lei e conserva por Ion-
gn tempo a sua cor natural, vende-se a
m, W, 30->. 45^, 90:^ e 130(J. este
prego men-ir ao feitio de qualquer peca
verdadeira do niesmo trabalbb.
BONITAS CORRE.NTES do mestr.o metal
para ralogios, a 63, 8$ o 10,1 no
RAZAR DA MODA50-RA NOVA
Vendem-se libras sterlinas : no eseripterio de
Leal Reta, ra da Cadea n, 49.
Assticar de oxitSo de ferro de
Chanteatid.
O assucar fe ruginoso de Chanteaud obtido
pela associacji do exido de ferro iiitcirainene so-
luvel com o assucar cuidadosamente purificado.
Este assucar, de nina baila apparencia cryslalina,
lem o simples posto mui agradavel do assucar,
sem o menor sabor adstringente : nao tem aeco
irritante sobre a mucosa do estomago a enlaninos,
e rpidamente absorvido pelo appareiho digesti-
vo sem causar as consipac> s do ventr?.
E' lioje o preparado de ferro de mais aceitaco
para a cUlorose atona dos orgaos, perdas brancas
menstruaedes difllceis, etc., e tem a seu favor o
juzo aulorisado da escola de medicina de Pars,
e dos cbimicos os mais notareis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomcu A C, na iaiga do
Rosario n. 34.,
DPHOSPHITQdeSODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
FLUJ3d;jrPF;:OSPHIT0deQiJNr
' -'.

XAROPZdsHYPOPHQSPHITO de FEfiBO
PiLIJI P0PH0SPHIT0de1Af16ANESIA
PASTLIIAi PECTORAB .-S-CHaCHILL,
t.xiuir para os xaropet o [raieotquanulo e c.n _
iuu ./, prodiutot a Msignatura do U"r CH3U-
CHIUi, i (, letrdni coa a marca rharmacijS'WA3S.V,12,rMCajiifl POS DE ROG
Approrados pela Academia imperial
de medicina de Varii
m hatea do Pos d? R,t. dissolvido
em urna mh d'agua. da urna limonada
agradavd, que porga rpidamente e de
um modo CtrtO, sem c.usar a menor
, como acontece com a maior
parte dos outros purgantes, o toa de
Rogf, so inatteraTen por isao empre*
eam se i'" na i eod.
cmltio-lueiM,;';.....trir.c
&"
D Mtjhi
M l'ii.M. ICCOO, ."/i/irif i C.
a
E8GSAVSS FI8ID0R
Fogio no i'. 2{l da roei de setembro pros -
: : i a i bra de nome Severin;
natnral da eidade do Aracay, com us signaes se-
gointM : :!.; I s, di ira rej nlar, eheia rio
cerpo, ralla de dentes na (rente, testa estrella
oIha pequeos,beiousbastante rchi.s, temo
minino da mi esquerda um poooa dubrade para
a pal a di man, teai o andar nm poom empinado
para a freota, fbl rostida e psnra com palmas brancas, ainda inv>. chala de
Ib ja vclho cor de bonina, e um outro de oors,
bastaot reino, Rarvind de rodbha, enm um tabo-
leiro de flindres, leveu mais ama trooxa eoni h
doos vestidos, um de rhila emn llutraa encama I
e outro cor d cinza deseoni-se que ella esteja
nccuit&em ilgama casa, polo que se protega ce-
ir a [ie-oa que a tiver em sua casa, e n 7a--
autoridades e ti :;ls pe>soaa que approhen lam e
a levem ra cu Kam un n. 39, u ra do Hoi -
pieio n. i7, que oerosamente recompen-
sados,
Kli DA MLOR1Jl V. 5
Olaria do Fundao.
Ha sempre nesta olaria grande sortimento de
materiaes, como lijlos de alvenaria batida, ladri-
Iho, quadrado de 8, 9 o mais pollegadas, telhas e
telhoes, tijiilus de tapamontos. O proprietariodoa-
la olaria garante a boudade c barro de taes mate-
riaes, como tambein vende-so mais barato do que
em outra qualquer parte.
Ai
Resta venda um escolhido sortimento do ob
lctos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
sarand, mogno camarello, obra nacional e estrao
(eir, de apurado gosto e por prer4o< razuaveis:
a ra estreita do Rosario u. 31 N'esta mesme
asa fazem-se com perfeicSo todos os trabalhos df
jalhinha, como sejam, empalhamentcs de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
Vndese nina carteira para ese rip torio : na
ra larga do Rosari" n. 81, loja de aloado.
Atten^rW.
Na taberna do largo do Paraizo n. 20 vende-se
mantoiga ingleza d..i- a 1*400. U00e900 rs. a
libra, carne do wutn nova a 320 rs. a lihra.
muito proprio para barcacas e biates; yondem se
no armaz.tn de David Ferreira Bailar, ra do
Brum u. 92.
Fnslo do sitio da Sapucaia a II do corrate
mez, o escrave de oome us, preto, idade maia ou
menos SO ancos, alto, secco, pn rusaon, pese
maos grossaa, bem Calante e ladino, costuma em
sitas cursoes ir para a inaianc.i, ribeiri. servir de
carniceiio, ou ganhar na~ ras da eidade do Re-
cife. Rccommenda-se a sua captara as autorida-
des poliriaes c capitaesdo campo, mediante a com-
petente ndemnisacjin do irabalho.
Do cngcnlio Jacobina, comarca do Cabe,
fugio na noule do dia 11 pa a 12 do crreme, o
escravo crionlo de nomo Antonio, levou camisa
de algodao azul nova e ceroula de alg.idao ame-
ricano, chapeo de paiha j velfco e mais algum;i
roupa, tem os signaes seguintes : alto, bom cor-
po o tem as juntas dos ps un pouco grogos,
este escravo fci vindo de Pao J'Alho, para onde
se desconfia ler seguido ; roga-sc as autoridades
policiaes e capitaes de campo, a captura do dio
escravo e leva-lo ao seu senlior no engenho ci-
ma mencionado, que se recompensar generosa
mente.
Fugio do eiienlio Lucal do termo ue Pao
d'Alho, 0 escravo de nmne Antn o, carreiio, de
idade i> anuos, pouco mais ou menos, preto, cri-
oulo, de boa altura, corpulento, nariz c baleos
grosso?. bem fc-ilo de ps, e com algumas marcas
no cogote: quem o pegar e levar ao referido en-
gento), ou uo i' andar do sobrado n. 36 da ra
das Cruzes, recebera 503 de gratificacao.
AVISO
Fugio segunda-feira, 18 do outubro, o osera ve,
Antonio, preto crionlo, dado 30 annos, pouco mas
ou men.is, de estatnra regu'ar, falta de dentes na
frente, quando anda um pouco corcovado para
diante, lavou vestido calca de brim pardo. Camisa
de estepa, e chapeo de paiha j velho : este es-
cravo vcio j ha lempo do Rio Formoso, e sup-
poe-sc ter para all seguido : quem o pegar le-
ve-o a ra da Concordia n. 8, reiinacao, que
bem gratificado.
ATTENCAO
No da 17 do correnle fugio do engenta) Bom
Jardimda freguezia da Escada, o escravo Ma:
cujos signaes sao os seguinles cor fula, secco do
corpo, estatura regular, bem fallante, lem falta do
lim pedaco da orelba direita do lado de cima, ja
foi snrraau. por ontro aenhur quo o peosuio, levoa
chapeo de baea e diverjas roupas, om-
paubia urna mulher forra, a mesma
preta, este escravo foi comprado pouco lempo
nesta praca ao Sr. Pedro Jorg). quem o pep
levar a seu senlior ao .mencionado engenta
nesta praca a Rodrigues Almeida C,
tr-ita doT.osarie n. 41, ser g.-uwosamcnto
ujapconsaJti.
I


ambiico
feira'25 de Qutubro de 1869.
J
r
do ore*
lo fra
ra livr
-' 4jt
i orca-
ntendeu
; para se
senado a
conservar-se
de merabros
ASSSIDLEL figAL
ciiilr ios SRS DEPUTADOS
SKslfe EM 27 DE SETEHRO
fnK9r>E,vciA no sn. nkuias.
(Cuatinm ci)
Entendcu a nobre commisso
fsenio que o projecto apresen!
nco meio asado, e conteniente
o averno dos apuros, em (uc
aenar, se o senado nu appnuv.i:
iwnla confeccionado nesta casa,
ass qwe era o meio maifapid.
poder con brevidade obter do
appritvacfi o do orcaraento. e
o cidade numero Miticieule
4o parlamento para ha ver asa, e poder de-
Itlmrar se o que fr conveniente, casa se
ok*Cao proposito do senado de negar o
garabato.
Hateado, senhores, que quando qaalqaer
ridado aceita o honroso mandato do povo
deve sajeitar-se a lodos os sacrilicios bro-
venientos ueste mesmo mandato. Deve-
nios, pois, lomar a delib-iraco firme de
ojo abaudon ir nossos .postos, aqui nos de-
traaos conservar at que a lei do orcamen-
to passe pelos tramites do regiment desta
amar.i e do senado, e jamis devemos
querer reamemos por meios, que nao se-
jaar es da lu.
Pensando assim. en nao posso approvar
o-^-,ija.-lo, jik afl diernln: achO-0 nCOp-
vtiieutB, anti-politico. imprevideMe, intil-
violador danossajei fundamental, e, por,
tanto, tora de nossas attribuic&es.
Taivez que ufa seja acertado o modo por
que. ticaro a quesillo, pode ser que a opi-
wiioque a respeito teulio nao seja a ver-
dadeira, e como tal nao deva ser adoptada
pela casa. Persuado-me, porin, do con-
trario, e cumpro nm dever sagrado discor-
reudo sobre a materia do modo por que o
faco.
OiMerve hontem, Sr. presidente, que
muitos oradores, e oradores de forca, que
fallaram sobre esta questo, e que abunda-
ran) em consideraces sem duvida de muito
peso, -deixaram no entanto de encara-la
pela phrase para mim a mais impor-
tante.
Entendo que este projecto fere a consti-
luiciio, c que nos nao podemos appro-
var.
Quando apresentmos aqui um projecto,
mandando que continuasse em vigor a lei
do ornamento do auno fiaanoeiro, que ia
fiolar-se, estavanaos em nosso direito; nao
Herimos a constituidlo, por-sso que na casa
aiadi nao havia passado o projecto de or-
e-amento ; mas agora, que o projecto de
le do on;amento ja passou, apresentar-se
anda um tereciro projecto de ornamento
ao aesmo afino, na mesma sesso, entendo
qw ferir a coflstiiuico, porque esta us
.iris. 171 e !7 permute smento a discus-
cassloto um orcamento, nao permitida
discusso de dous, ou mais orcamen-
SOS.
O nosso dever, as nossas aUribtices a
nespeilo j liandaram-se cora a approvaco
do projecto, que passou na casa- boje
tanto a ornamento nada mais se pode exi-
gir da cmara dos Srs. deputados, salvo se
i-;;jment approvado fr alterado no se
oad '. e livor ento de voltar a esta casa
para conhecer das alteracoes feitas. Cum-
pra agora o senado o seu dever, e estar
enchido a desposico da constitui-
io.
Mas tem-se dito que o senado positiva -
mente embarga o andamento da approva-
do orcamento discutindo-o em dema-
sa. Bateado, porm, que nos nao pode-
mos marcar as raas da discusso no sena
lo : deve de ser livre ao senado discutir
ao bem lhe parecer, urna vez que se
outeoa as raiaa.de seu regiment, o das
.. -.. as publicas...
O Si. GOELHO RoiUiilTES-: Al o infi-
!.. .
O Se. l'..\ na :... assim como tambem
sai deve ser livre. e perrnittido discutir
m.s r -ii, i i m entendormoa.
i]*.1 discusso no suoado por acaso pode
ee considorada como j leudo ultrapassa-
tto H raas dfl direito que lm os Srs. se-
- -.' lintei do que nao; e tanto
aasin que os discursos que tm si< 1 o pro-
ios pjlos Srs. senadores da opposieo
lu sido cabalmente respondidos pelos
Srs. senadores, que se acham em maioria :
'. pois, manifest que a mesma maioria
tend i que convem a discusso, do con-
trario reculhcr-se-liia ao silencio.
Quero toda largueza na discusso, nao
ta que passem desapercibidos os
teipies aventados na discusso do se-
qma, pela sua minora, que se nao pode,
deixar de considerar que representada
por pessoas, que se acham mui altamente
scnssSo nesta casa,
na vftrdadeira tran-
amara dos Srs. deputados
suas que'ix3fco verdadeiras, que ia fazer cama minora do- senado: a
podemos combater, e por sso qneremos' obre coramsso, que c muito respeilOi
das
diz em op
actual
opornBW Be-
e-
i mo-

a todo transo vitar a discusso ; d'u que
tememos a publicidade, a franqueza, por-
que o foverno, a que eslou ligado, o li-
gado com muito prazor, a qoem sustento
com toda a convieco, tem actos que o
obrigam a temer a discuss5o ; e na vor-
dado vai mal aquello partido que receia
que os s*eos actos sejam amplamenle dis-
cutidos.
Longe, pois, de sentir que a opposieo,
que a minora do senado discuta bem o
orcamento.eu me regozijo com isso, por-
que entendo que quanto mais a opposicilo
no senado discutir os feilos da siuiaco
tanto mais brilbar o partido conservador,
que, sustentando a ordem, a justip o a
conveniencia puhca, e sempre ctentro dos
limites da lei, esmagar todos os argu-
mentos, que forera contrarios acuali-
dado qiie felizmente rcg o paiz. (\poia-
dos). E' da discusso que surgir a ver-
dade em todo o- seu brilbantismo.
QuantO mais, seuliuius, sn combato a vor-
dade, tanto mais ella refulge, e confunde
os seus contendores.
Portanto, discuta como quizer a opposi-
eo no senado. Nos nSo tememos a dis-
cusso.
'A lei, a verdade, a justif.a, sao a nossa
divisa, e estas nao baqueam com a dis-
cusso, mas antes se lirmam cada vez
mais.
Os nobres deputados que sustentam o
projecto dizem que nao mais tempo de
to largas discusses, une est lindo ha
respe
declarou qW nao era urna transacco
e o Sr. ministro do imperio tambera
declarou qm\ se foise tima transaceSo
elle mo conviria, fazemio parte do averno,
que este projecto fosse apresentado na
casa.
Louvo, e ouvo com sinceridade, os sen-
limentos da comrisso, loitvo, e louvo com
os dovdos encrmiios, os sentimentos do
digno ministro do imperio ; mas, arada
assim, sendo, cerfo que as ras, as
pracas publicas, e mesmo nesta casa, ba
quem enfunda (jiio urna transaceo, em-
bora eo PWrta convencido de qite nao ".
O Snt^.OFXiro RorniiorCT: En quero
antes a minlia conscicncTa do que a opiniao
publica.
O Sn. PiNirto:Eu tambem preflro os
dclames de minba conscien*ia aos boatos
pblicos : mas por isse que n3 seguimos
i'S conselbos da nossa consciencW, e de ac-
cordo com ella vivera js satisfeitos, todava
tnmbom nos^o dever procedermos d*
modo que nao demos base a kiizos, que
sej ira contrarios aos dic^ames ile orna cons-
ciencia justa, e esclarecida, porque, por
mais que digamos que pensamos e proced-
is, quando onobre ministro, met dig-
io, levo a palavra, ludo desapp'a-
' e respe can diaate de sua arguinentaco cerrada,
o o aeu or?iento foi eom justica sustenta-
do, e approvado fiesta caaa.
Moje se diz que elle eapefado no sena
do para haver all maior tmenla do que
aquella, qtie aqni Ibo fez o nobre relator da
eommtesSo de ornamento, e se diz que no
senado ser muito modificado o orcamento
re'alivo ao ministerio da agricultura,
Se, pois, nos apresentamos aqui este
projecto, som as-medidas relativas ao mi-
nisterio da agricultura, parece que a ca>a,
receiando a sua appifcvace, nao quer que
ellasapparecIo.no senado para evitar a der-
rota de um ministro, que sustentamos, e de-
vemos sustentar.
Pens pelo contrario ; eu crcio que as-
sim que nos vamos malfazer ao digno mi-
nistro da agricultura, e que o nosso dever
insistir que a lei do ore ment seja dis-
cutida .impamente, por esses que se acham
em minora no senado ; pjrque o Sr. mi-
nistro da Tigricullura, com a palavra da ver-
dado, firmada as conveniencias publicas,
assim como dispersou a tormenta que bra-
mia fortemente, sustentada pelo nobre rela-
tor da commisso, fara tambera baqoear no
senado todas as argumentaros.*, que fonun
apresentadas pela minora, e entao como
conservador, e especialmente como amigo e
Mineiro, terei muita satisffao de ver qoe o
Sr. ministro da agricultura toubc sustentar
o lugar, que dignamente occopa, soube fa-
zer desapparecer essa transaceo, que se
diz quer-se fazer pira se evitar a discusso
do orcamento desse ministerio.
Senbores, lambem se diz qiie este tercei-
ranito tempoijiieieria ido o onjamento para
aquella cmara; e por mais que ella se alar-
gasse no abuso de discutir lefia lia muito
adoptado, oo alterado o orcaraento, qoe llie
mandamos.
N3o sou apologista da concesso da privi-
legios em larga escala, todo criterio e refle-
x3o em taes concessOes nunca sao demasia-
dos. A este respeito n5o estou de accordo
com o nobre ministro da agricultura, por-
que o considero propenso a conceder pri-
vilegios, des quaos n3o podem vir benef
clos ao estado ; elles quasi sempre s3o no-
civos ao paiz.
Se nao tivessemos discutido dispensa de
exames acadmicos, privilegios (apoiados),
se nao tivessemos tratado de loteras tea-
mos tido tempo sufliciente para discutirmos
o orcamento ; e em junho, ou, quando mui-
to, nos primeiros dias de jolho, elle seria
apresentado no senado, e os senadores,
por masque abusassem de sua posiefio, do
seu dever, do direito de discutir, afinal vi-
ria o cansago, que inseparavel da nalurc-
za humana; a reflexSo, a razo e o amor
do dever soccedlriam a opposieo, e a lei
do orcamento passaria em tempo. Assim,
colpa n5o s do senado, tambam
mos assim, o resoltado parecer probar o ,o projecto de orcamento euvolve urna
contrario. Dave-so salvar as appareocias,
o estas no caso de que tratamos infelizmen-
te nos sao coatranaai
Senlioi es, no projecto de tei' de orcamen-
to, que foi para o senado ba tres artigos.
que conlm disposicoes, que cu julgo ne-
cessario Irazer lembranca da casa: imn
lav tai gao uiovucouwo, <|>iv. \.o.............. iiocmh uu.li i iuiiiukiiivci u. biww ^.
muito o tempo da sesso, c que, portanto | debas conten a parle do augmento dos ven-
urge que se tome plgoma providencia para ciraentos dos magistrados, medida esta, qaio
decidr-se a lei do orcamento. visto como ndispensavel.
muitos dos Srs. deputados nao quererao f necessaiio, senhores, dar-se aos ma-
esperar que o senado acabe com to rao-: gistrados ao menos o que preciso para a
rosa discusso. A este argumento darei i sua honesta subsistencia: esta medida foi
a mesma resposta queja dei: quem aceita consignada no orcamento. Se adoptarmos
...i ,>t:.,. .1 ...I ,t h.mroMt ilr\ i\n\'A nii\ fi*VP. .n-p,Mti Ol-I.i -kirv!r\nt^ onnArrtA rAi? rvnn rlatf.
um mandado honroso do povo nao deve
recuar, nao deve retirarse eraqnaoto a
a sua presenta precisa.
Custa-me immenso estar aqui, mas cs-
tarei al que passe o orcameiito no sena-
do. Tenho profunda conviieo que lodos
os Srs. deputados farao o mesmo, c o se-
nado se convencer que esta cmara nao
recua diante de sacrificio para cumplir o
seu dever. (Apoiados).
E passando esto projecto conseguiremos,
fazer cessar a discusso no senado? Con-
seguiremos que em prorapto seja approvado
all o orcamento ? Pens que nao.
O Sr. Coelho Rmmgves : Ao menos
diminue.
O Su. Penido :Est muito engaado o
nobre deptado quando ajota que se di-
minuir a discusso. Este projecto offe-
rece urna discusso liada mais ampia, mais
larga, mais interminavel, se possivel...
O Su. Celiio RoDRinfES : Nao apoiado.
O Su. Pemo :.... do que o orcamento,
porque vos, Srs. representantes da naeo,
sabis mui bem qu n.T discusso do orca-
mento se pode fallar largamente sobre
todas as materias ; para a discusso deste
projecto os Sis. senadores podem trazar
toda a argumentado, toda a discusso qu
elles tenham de apresentar na discusso
da lei do orcamento. Para a discusso
deste projecto mais se alarga o camp i.
Os senadores em opposieo procurarlo
mostrar que elle nao pode ser adoptado,
que urna excrescencia do orraraeuto, que
nao pode ser approvado.
Nao ha disposieo no regiment do se-
nado que o obrigue a dar preferencia
discusso dcsle projecto a do orcamento,
que l se acha. Creio que isto nao foi
previsto pela casa.
Se apresentado este projecto ao senado,
elle entender, que deve discutir o outro
por ter paseada nesta casa pelos tramites
lgaos, o com ampias discusses. seguir-
se-ba que a ida deste projecto nao obrigar
o senado a discuti-lo de preferencia ao or
camenlo.
sa-
tisfaco previa, que se. quer dar ao paiz,
isto se nao passar oorcamentot a o go-
vernn nesse caso extremo tomar a medida,
que julgir conveniente a bem da adminis-
iraco publica, se defender dizwulo que
fez todo q anto cr-aem Iranianamente possivel
para obter a lei do*rcameiito, e, nao acon-
seguindo, foi forrado a empregu- ae medi-
das, que as nece^silades do paiz recla-
mavo.
Entendo que o governo que fdiamente
dirige o paiz deve ser franco, franco sem-
pre. e nunca querer servir-se de meios oc-
cullos para governar ;: taramos o nosso de-
ver, discuta o senado-, como entender o
orcamento, e se aind assim nao passar, o
governo nao llcara de mos atadas. Elle
poder, expedindo ura. decreto, fazer vigo-
rar o aclml orcamento ; e enlo os factos
qno nos defendern, e nao ser y projectos
desta ordem, que longe de nos defenderera,
s-serviro de acres censuras.
O governo dir: Acamara ficou firme
en seu posto, espero que o senado dSs-
cutisse o orcamento: nws elle'discutio em
demasa, abusou d seu direito, o tempu
se esgotnu, acabou-se a paciencia, alguna
Srs-. deputados retiraroamsc ; nao se pode
governar sem receba, para se fazer face i
despezas. Por isso somos forrados a expe-
dir um decreto para qoe continu em vigor
a le do orcamento.
feto eu entendo, sectores, mas nessa-
i- ultima crise, que o governo deve laucar mao
meios extremos, no agora, que o se-
naij discute, que a cmara anda se acha
reunida era numero sufliciente para conti-
nuar em seus trabalhos, que o governo
deve empregar medid-i&- desta ordem.
Nao vamos por peas ao senado; cumpri-
mos o nosso dever apresentando o projecto
de lei de orcamento : cumplamos agora o
nosso dever conservando-nos firmes no
agora este projecto, seremos nos que des-
piezaremos urna disposico que passou pela
maioria da casa ; assim a casa regeta nste
projecto aquillo. que ka poucos dias juigon
precito, o approvou : e isto nao rae parece
conveniente.
O Sr. ministro do imperio entendeu que
era necessario passar urna medida sobre os
bens das communidades religiosas, e no
projecto que ora se diseute nao se consig-
na esta medida. Eusou contrario a 611a.
porque crd ndo que nos inj&sta e de-
sigual, como fere a nossa consliluico, ata-
ca de frente o direito depropriedade ; mas
emiii ella passo*b, e o nobre ministro do
irapeiio para ser coherente cora os seus
principios uopole. nao deve adoptar este
projecto. 'm qrie nao se acha consignada
esla disposico. .
Eu chamo era meu apoio o nobre deputa-
do pela Baha : filie que pega a palavra, quf*
se levante, e se opponha tambem a este pro
jacto, porque S. Esc. com aquella forra de
eloquencia,que lhe propria fez vera ne-
cessidade de dar-se um ajoda de custo aos
prelados do Brasil, que tm de partir para
toma, afim de fazer parte do concilio ecu-
mnico. E, S'> passar este projecto, toda
aquella argumentaco que to brilhantemen-
te foi apresentada pelo nobre deptado fi-j nosso pos^o : at qne o senado, compene-
car sem frucio, os bispos- do Brasil n!iotrando-se melbor do seu dever, lembrando-
terao ajuda de custo, que Ibes oi concedi-
ila, e com toda a justica.
Mas, relativamenleaos magistrados, eaos
bens das communidades religicsas, se disse
que era questo de tempo, que se podia
adiar para se adoptar em outra occasiao. E'
verdade : mas quanto aos- prelados falhar
esta observacSb, porque, iendo elles de se-
guir era breve sua viagem, parliro sem
ajua de cusi. E", pois, twcessario que o
ilustro representante da Bahia eleve a sua
voz poderosa combatendo este projecto.por- so dever.
que por elle nao se consigna a ajuda de cus-1 Aconstituico no art. 17 muito expres-
to, que elle propoz, e propoz com razoes de sa, e urule, se l>em me record, a de i
se que o opposicionista..por mais exagera-
do-que nosejadeixa de serBrasileiro.e que
sou primeiro dever salvar o paiz, nao ne-
gando ao governo os ni -ios -i o reger,
approve sem demora o rcanjfcnto, que tem
discutido, e, a dizer a- verdad! j em muita
demasa.
Senhores, anda precisoTWt outra re-
fltso que julgo de importancia.
Eu lamento, e lamento com dor profun-
da, que nao cumprissemos em tempo nos-
conveniencia publica.
Senhores, na casa soelevoucom voz po
derosa uraa argumejitaco contra o Sr. mi
Senhores, pen?o que dever do gover- nistro da agricultura, que sinto nao esteja
Dista impugnar ou o'ppr-se a ideas, que
parlem do governo, quando esse govenusta
anteado que aquillo, que quer o governo
contrario a elle mesmo, offende os [ rincipios
proclamados por elle, olTendeos principios
da sua conservaco: este o caso em
que me acho. Decidido ministerialistcomo
sou, por convierto, e porque vejo que o
actual ministerio compe-se, em quasi sea
FOLHETIM
OS CASACAS PRETS
ROMANCE
POR
Paulo Fval
Segunda parte
TRES I VAN
XV
O boto le diamante.
(Continuaco do n. 242)
Serve oque precede para explicar a po-
li da condessa Corona em casa dos
owartzs, Nohavia entre a baroneza e
a condessa sympalhia apparente ; o que
amt)3S sentiam urna pela outra, pareca an-
tes reluctancia. Sa ex.cepluarm.os algumas
salas. n> clasificadas na escala das altas
sociedades, nunca urna senhora tem entra-
da em casa alguma seno pelas senhoras;
era portanto pela baroneza Schwarlz, que
acor.rte.s-t alli ia. A dade de Branca e a
completa abdkaca do baro era favor da
esposa, sempre que se tratava de questoes
de roda, nao nos podiam deixar duvida
tal respeito.
Um pretexto, senKo um motivo, se apro-
seiitiva ao espirito dos que tinham bas-
tante vagar para buscar a explicacao do
Fgma sem que fosse no fasto de serem
-icias ou no afaslado parentesco : a con-
i C roa, em quaato ao nivel social,
10 uvism tempo suparor e infe-
>varts. Trazia ao p a pesada
4laqoj se chima mysterio; era-ovdante
! tolhia os movmentos ; raas,
apis di nli, pisara regias qa.e a baro-
miA quar alliogiria pondo-se nos
i c estonia*) es bracos.
Era a condessa Corona recebida c muM"dous compiheiros de Miguel eram poe-
bem recebida, pela numerosa familia do
marechal cujOs ramos eram todos da
corle ; e visita** ao mesmo tempo os Sa
voie Boisbriant que occupaFam o primeiro
lugar no bairro de S. Germano. Eram
duas chaves poderosas para abrir a porta
dos Schwarlzs.
Porque se servia, porm, d'ellas a con-
dessa ? Qual era a preciso ou o attratie-
vo que a levava soleira d'aquella casa,
onde nada liaba que ganhar ?
As vezes sao as criaocas perspicazes.
Quando Branca era peqnemna. dizia que a
interessanle condessa, que entretanto a co-
bria de testas e bonitos, dava ares de um
gato esprela de om ralinho.
epois da partida de Miguel, ficou por
instantes a casa Schwartz^como que em-
bacada. Alguma cousa alli falla va, sobre
ludo ao baro, que ara hornera arraigado
aos seus hbitos. Com o tempo, ludo
voltou ao usual andamento, pelo menos
apparenlemenle ; mas no fundo, a traq-
quillidade interior eslava mora. Na maior
forca das suas lutas commereiaes, acorapa-
nhava o baro urna preoecupaco conslanto:
organisav a espionagem em grande escala
era verta da raulher, e a baroneza senta
se vigiada.
N'aquella poca, entrou o Sr. Lecoq
mais fundamente na intimidado da casa.
Succedia, porra, que manteado relacoes
igualmente benvolas com o dono ca dona
drefcu, nnguem fra capaz de dizer
quafaos dous servia mel.hor. A condessa
Corona nem servia ura era ao outro, e
todava, linlia tambem olhos de lyj
Refugira-se Miguel no gnarto andar da
ra de N >ssa Senhora de Naz ireti. Tres
amigos havia aili era igual siiuaco, dis-'
Boatos para derrotarem a so re adversa, e
s esperando um poucochinbo de feliu-Jadi
para d;slurabrar os contemporneos, Os'
na casa.
Vozcs :Est presente.
O Su. Penjdo :As encapelladas ondas
doerjfurecdi mor poltico nesta casa pare-
ciam ameacar a destiluico do Sr. ministro
da agricultura. Argumentava-se contra a
lirceco, que .S. Exc. tem dado ao impor-
tante ramo do servigo publico a seu
cargo.
tas, trnsfugas tambem de casa dos Sch-
warlzs, onde, em quanto i poesia, s ena
admittidoo commercio miado do Savinien
La^cin e a industria de Sensitiva. Ha
lugar para todos ad sol da arte ; os dous
companheiros do nosso Miguel tinham
desertado cuajos de confianca de casa do
Schwarlz para singrarem de conserva para
a immortalidade. Nao tinha Miguel am-
bicies menos vastas. Dvidiam o mundo
entre os tres. Nada do que desejavam, Ihes
ornava entao a a trapsira om que vivlam ;
tinham. porra, mocidade e a esperara
que soni s oaiaocM enamoradas.
Urna manha, aproveilando a ausencia
da Sra. Sicard, penetrou Domergue no
quarto da baroneza e disse-lbe :
O pequeo pi-rdeu hontera mil escu-
dos roleta. Aquillo acaba mal. Deve
os cabellos. A senhora baroneza nada lera
com isso ; quem. lem o senhor baro ;
raas a minlia ama. to boa senhora...
Conservara Domergue seu fraco por M
guel. Vigiava-o de corda propria, e nem
se quer desconfiava do'ervico que obrando
assim, prestava anda baroneza.
A baroneza Sc,h\vartz, vestida de baile,
que nao escolhia ella as horas de liberdade,
subi, n'aquella mesrai noule, os quatro
andares de Mig icl. Nao causou isso mi-
uima estraoheza no cubculo do porteiro
Rabot, porque o Sr. Lecoq recebia muitos
elegantes, e nao faltava quera tlvosse vate]
urna senhora acuito nova e de alto cothurno,
a)i dir.ia a ta Rabot, trepar at o cacito
de J're* Patas. Afinal, os aossos amifos
Echalot e Similor nao se enganavara;
aquello santo predio transmudara de mya-
torios.
Algumas semanas apts, mudando os
humllimos teos, -viara a Sra. Leber
M>ffl suafilha Edme insular-se n'umquar-
tozito das trazairas d'aauee predio, 4o1
de outubfo de 1834, diz que o ore-amento,
os impostos, isto a recei.a e a desposa, |
nossa, sejamos francos. (Muitos nao apoia
dos).
O Sh. Cruz Machado : O orcamento )
est no senado lia 51 dias.
(Ha muitos apartes).
O Su. PEido :Ne sao os apartes qoe
me ho de embargara voz...
O Sn. Coei.ho Romwges :Nem se quar
sso.
O Su. Penido :.... bei de emittir com
franqueza os meus sentimentos. o que en-
tendo em bem do paiz e dos interesses do
meu partido, c para sso nao peco li-
cenfa a nnguem, e nao vejo nenhuma in-
conveniencia no que digo.
Diz a ironstituico que logo qne se abr-
rem as jamaras seja apresentado o orca-
mento, e a le de i de outubro de 1831 diz
me elle deve ser apresentado at o dia 8
de maio.
Perguntoeu: nos primeiros das de ses-
so do raez de maio ou de junbo, nos dis-
cutimos o orcamento ? Nao e nao; cuida-
mos de projeios de pouca importancia, de
pouca utilida'de para o paiz!...
Por conseguinte, nao se pod- deiiar de
reconhecer que tambem devemos carregar
com alguma culpa, e se a temos,, nao de-
vemos querer,, e nem podemos pear o se-
nado para nao discutir orcamento como lhe
permitte o seiv regiment.
Urna opposieo esclarecida e moralisada
jamis n ga ao governo os precisos meios
para administrar "o paiz.
Eu quizera qe, em vista do minguado
tempo que nos resta, a opposieo- do sena-
do, compenetrad do seu dever, cedesse do
direito de discutir; e votasse jooreamen-
to, como o exigsm as circumstancias e o
bem publico, a que se deve curvar a oppo-
sieo por mais exagerada qucseja.se que
se.lembra que cima deludo est o dever
de cidado.
Pens assim ; raas nao obstante, tambem
entendo que a discusso no senado-nos tem
sido proveitoea, pois se ella tem. dado lu-
car a que um carcter nobre e respetavei,
ra bomem que tem prestado valiosos ser-
vieos ao paiz, como o Sr. duque Caxias,
teulia sido alli desconsiderado, cujos gran-
des e heroicos feitos tem sido invertidos,
nao se podia, nao se devia deixar sem res-
posta a discussocollocada neste t-rreno ;
preciso, dever nosso defender esse
grande vulto dopaz, esse nosso distincto
correligionario, esse conspicuo e benemri-
to cidada.
O Su. Siqi'f.ir-a Mendes : E' esse o or-
camento que l se discute.
O Sn. Penido-:;I* verdade, mas cumpre
que se deferida esse digno cidado, ,como
tem sido completamente defendido, para
que a naco saiba que elle prestou va-
liosos servieos, defendendo a honra e gloria
dq paiz. (Apoiados). E dessa discusso
nos tem resultado tambera a grande van-
tagem de se ter desfeito as graves aecu-
saroes, que se fazaim ao partido conser-
vador.
Vou, senhores, concluir, e conclurado
direi que o projecto, em meu ver, fere a
cons'ituico. Nos j votamos o projecto
oo do que os nobres deputados con-
siderara.
A OMoaico no taado dir que o pro-
jecto of> contera taes e taes disposicoes,
que sa achara consignadas no orcamento.
Por -'opposieo diro que cssas disposi-
coes sao otis, que nao se pode prescin-
dir de sua approvaco, o assim so alon-
gar mais a diicusso do que a do pro-
prio orcamento, e por consgrame nada
ganharemos, nem a almejada economa de
tempo, e em vez de adiantar atrasamo-
Aem da illegaldade, alem de nada so
conseguir, como j disse, se falla em tran-
saceo; e comquanto se deva crer que
ella nao eiyste pelo qoe se tem explicado,
todava o resultado parece indicar que
houve transaceo, ou pelo menos que a
cmara e o poder executivo cedram ante
urna insignificantj minora, o que um
verdadeiro falseamento do systema que nos
rege, e que nos cumpre zelar e defender.
Esta projecto, senhores, manqueja,
porque nao traz a medida que o governo
julgava de importancia, a medida relativa
aos bens das commnnidades religiosas.
Nao traz as medidas relativas ao minist -
rio d agricaltura, e que sao julgadas de
importancia, e portanto a concluso a ti-
rar-se que nb se deve adoptar seme-
Ihante projecto.
A materia de muita transcedencia, pa-
rece-me que antes de se apresentar este
projecto na casa o.governo nosdeveria ter
convocado para em conferencia combi-
rwr-se nos meios de se lomar urna me-
dida, que mais conveniente fosse a respeito
do-q'ie se trata.
Em outro tempo-assim procedSam os
directores do partido conservador; e eu
creio que anda tempo de se tomar esta
medida, e se a cmara julgasse conveni-
ente-seria bom que se apresent3sse om
adiameoto na discusso deste projecto,
que o governo reunisse os Srs. depctidos,
na casa que enlendesse mais apropriada,
para se discutir largaaento sobre v me-
dida, q#io se deva lomar a este re3peito,
inclundb-se neste projecto, caso tenha
de passar, alguns artigos do orcamento
votado, e devem ser escolhidos aqueMes
artigos, que possam fazer cessar as- con-
jectura3 de transaceo, e de m3mfealac5es
previas f
Em vista, pois, do que- tenho dito, para
nao cansar mais a attenro da casa peco-
ao governo que faca esta convocaco, e
que addo- este projecto ; e quando o go-
verno nao anima a isto, quando nao se
addie a discusso deste projecto, eu declaro
que voto contra elle.
US II1IIJUMU3, IMU V, IW.W. <- u.o^u.w, i------------------ -------- I" -
sero apresentadas at o dia 8 de maio. A! que manda exeeular ale dezembro prximo
constiluico diz que o orcamento ser apre
sentado anuualiniite a cmara dos Srs.
deputados logo qiie esta estiver reunida.
Se, pois, no cometo dos,nossos traba-
mos tivessemos tratado do orcamento, e nao
cuidassemos de preferencia da discusso de
loteras, de dispensa de exame de acadmi-
cos e de privilegios concedidos a Benjamins
tijolistas (apoiados e risadas;, e a outros, o
a lei do orcamento vigente, j votamos um
outro orcamento definitivo para o exerci-
cio, que lhe-compete, e agora um ouiro
orcaraento. Isso nao c admissivel i
Mas este orcamento, que apresenta-so,
nao pode conjurar orna', que se tem era
vista; o senado pode discutir o orcamento
que l se acha, e. pao este projecto, que
agora se vai mandv-lhe.
que de corto nao passaro no senado, ha Este projecto se presta a. urna maior dis-
oulro lado do piteo. Eslava nisso um
interessanle projecto, havia muito aligado,
porque havia muito tambem que a Sra.
Laber acodera Miguel como noivo da li-
Iha. Entre o dia, porm, em que aqu> lie
interessanle projecto desabrochara nos gen-
lis miolinhos de Edme e a hora da su i
execucio, muitas cousas se havam passa
do, e, desde*a primeira vez que Edme
se poz i janlla para espreitar jara o
quarto de Miguel, arrasaram-se lhe de la-
grimas os tristes e forraosos olhinhos. ifli-
guel nao se recolhcu durante toda aquella
primeira noule, e havia urna semana que
Edme o nao vira.
Que fazia longe d'ella ? O romance de
iofantis amores, cujo primeiro capitulo Io-
nios, reatra-se na idade em que a alma se
conhece. Edme tinha direitos adquiridos.
Oode eslava a rival que lhe roubra aquel-
te coraco, que era a sua vida ?
Se quando vollasse, pensava, sou-
besse, que eu eslava 'aqui, to pertnho
d'elle, notornaria mais*.. nao ousaria...
Na noute ajf Q,ue fallamos, eslava Edme
no seu po^lo. pailida e triste, por detraz.
lo panninho das cortinas, leve ropentina-r
mente a mai,or alegra : "o quarto de Mi-
gad illumiaou-se.
0 fllho fwodiga estava de volta.
s dous companheiros que aabitavam o
quarto prximo estivam trabalhando:
aqaelles trabalhavam continuamente; Miguel
ontrou ipressurad) no quarto d'ellas. To-^
raarara logo dos chapeos e sabiram.
Dir-se-hia que Miguel acabara de ex-
pulsa-los.
Ficando s3, Miguel fecbou a vid_ricj,
sem relaacear se quer uiq*. vista d'o|b,ni
pam >i jaaatlas de Edme. a abaixOu-epi-r
dadosamente ascortin
Rara carta a alegra da pobre menina.
Ao cabo do alguus minutos, passoo urna
sombra por detraz das costinas corridas.
Nao era a sombra de Miguel. Edme
apjrtou o peito com as raaos ambas, como
para comer o coracj, e dexou-se cahir
n'uma cadeira.
No quarto de Miguel estava urna mu-
Ih'er !
Eime senlio-so desfallecer e fecbou os
olhos. Quando de novo os abri, j se
nao via mais que a cortina branca. So-
abara ella ? Motada dra do sangue das
-uas veis para pode-lo acreditar.
Quiz saber todo. A Sra. Leber dotroia
proslrada de cansaco pelo mourejar diurno.
Edme desceu, atravessou o pateo e pode
jntroduzir-se, sem ser vista de viva alma,
na escada que conduzia ao quarto de Mi-
guel.
Bitia-lhe o coraco. Eslava fraca e
quebrada. Tinha medo de cahir morta
sem ter visto o que se passava.
A escada s tinha luz no andar em que
morava o Sr. Lecoq.
Edme l-.vou muito tempo para alcanzar
o pitamar de Miguel. Estova s escuras.
Fallavam do lado interior da porta ; urna
Unha''luminosi indicava a soleira.
Dizia uma voz ferainil:
um segredr* de vida e de morte;
Ninguem deve saber q^e te adoro.
Hei de achar ura a senha, responden
Miguel. Oine, occorre-me esta : quando
forera da minha parta, ho de perguntar
ao criado-; Romper o dia amartfia ?
Edme senlio-se fallecjr e desceu diffi
cu losamente.
Em quanto ia desceaflo, abrio-se a porta
de Trsnalas, o alejjado no Prato'deEi-
tanho, qaa fi a va do outro la lo do pata*
mar. .Epc ouvio o racagar de ura vas-
tola de leda. Appareeeu na sombra ura
vulto ara moca a elegante.
Julgando-se s, parou asta ultima >us-
tomeuto defronte da parta de Miguel e
Ninguem. mais pedindo- a palavra, e-
pondo-se a votos o projecto^ approvado
e rementido commisso de redaeco.
O Su. BMUXMK, obtendo a palavra pela
ordem, pede cmara que Iba conceda-
urgencia para discutir algiras negocios da
provincia de Minas, que comidera de muita
importancia., e no fim apresentar um re-
querimenlo pedindo informacoes ao governo
a respeito delles ; isto, porem, sem pre-
juizo da discusso de alguns projecto^
dados para*a ordem do dia-de hoje, cujas
materias sejam tambem urgentes.
Consultada a cmara, approva a urgen-
cia na forma requerida.
Entra em Ia discusso o projecto auto-
risando o governo a mandar admitlir a
matricula do 3" anno do curso medico de
qualquer das faculdades de medicina do
Imperio a Felippe Basilio Cardse Pires.
O Su. Dtoco Vei.uo pede, e a cmara
consente, que o projecto tenha urna s
discusso : na qual entrando, approvado
e remettido commisso de redaeco.
Entra^em 2a discusso. e sem debate
approvado em todos os seus artigos, o
projecto do senado, determinand) que os
assentos tomados na ca da supplicaro
de Lisboa depois da creaejw da do Rio de
Janeiro at a poca da independencia, ;'
excepeo dos que esir-o derogados pela
legsla'eo posterior, tm forca de lei em
todo o Imperio.
O Su. Dioc.o Vei.ho reqner urgencia para
ser dado o mesmo projecto para a ordem
do dia de amanba, dispnsalo o intersti-
cio.
Consultada a cmara, resolve pela nor-
mativa.
O SR. Io SECRETARIO, obtendo a pa-
lavra pelo ordem, procede leitura da re-
daeco do projeto mandando contiuuar era
vigor noexercicio de 18G9 a 187U a lei
n. i,'/ de 20 de seterabro de 1867, a
qual vai a imprimir.
(Continuarse-lia.)
appcoo o ouvido fechidura. Escutou
durante um minuto, depois, batea com
forca o precipitadamente.
Apagou se logo a luz no quarto de Mi-
guel.
Abrio-se aporta ; outra mulber, aquella
cuja sombra Edme vira desenhar-se as
cortinas da janella, sabio com impelo.
Bateu de encontr desconhecida, que
soltou nm |pso secco e zombetero.
Depois escorregou as escuras no pri-
meiro degro da escada. Edme fugia
quanto poda envergonbada da sua espio-
nagem. Rocebeu ura enconlro. Dous
gritos part rara um tempo, arraneados
por dor physica.
Edme sentir fue lhe haviam puchado
violentamente peWH. cabellos. As mulhc-
res adevnhara estas cousas; levou a mo
cabeca descoberta,e a mo cncontrou um
objecto que se lhe prendera nos anneis do
cabello, na occasiao do choque.
O objecto era um brinco arrancado de
urna orelha : devia adoresperiraentada ter
sido tcrrivel, e assim se explicava o outro
Foi ludo. Edme eslava so na escada.
As duas muiheres dascoabecidas haviam
desapparecido como por encanto.
Quanaa Edme voltea ao seu quarto,
mrou e remrou o brinco por demasiado
tempo. fira um uoto de diamante de ex-
traordinaria belleza, e cujo aro astava.en-
saagoeotado.
Edme foi. n'aqella mesma aoute, ac-
uoraioetlida pela fobre, iqae a levou taei-
4-a da lepultara :
Aque.Ua quera o brinco partencia nua-
ca appareeeu a reclama-lo.
' (Qohtinuar-se-ha).
TU, IH MARI4-AM M8<9fttftl. *
^PVOMfl
I
i
V
I



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL19FOUG4_0FLI7B INGEST_TIME 2013-09-14T00:56:44Z PACKAGE AA00011611_11976
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES