Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11962


This item is only available as the following downloads:


Full Text

SEXTA FEIB 8JJE OOTUBflO DE 1861
fA& FOR4 DA PBOVIICIA. ,
%
AGENTE:
H
v
Os Srs. Gerardo Antonio AlvesA FiIhos,_no Par; Connives A Pinto,
ape;' Antonio Ak
Pereira dAlmeida, em MamaW^nton^^ K^^ **_* no Natal; Jo*#tM
vm-a Pwrfj;
PARTE 0FFICIA1.
Govorno da provincia.
BXI'EDIENTR A^OXADO PELO KXM. SU. Dll. JlANOF.f.
NASCUfetff i MVCHABO PORTELLA, VICE-PHE-
1869.
00
SIBERTE BA MtOVINC.lA, IM 12 DE II
N. alTPortaria ao'lhiu. Sr. hispo diocesano. SS'i camo ** .ler de inPec
de afoAnid.de com o que V. | ^K^KS
Nesta data
c.xc. Kvma. solieltoa-me cm sen officio de" 26 do
ni no ultimo, sob n. 109, peco as convenientes
ordens, alim di.- ser dispensado do ser vico em-
quanlo estiver empregado na cmara episcopal de
>linda o guarda nacional do '.). batalhao de in-
laularla Mariiuho de Dume Couto.
N. 418.l)!ti ao mesmo.Com a informaeao
jimia por copia, ministrada pelo cominandante do
'<" haiaihao de iufaotaria de Olinda em ti do cor-
rale, respondo o ollicio que V. Exc. Kvma. se
XPBDIESTK AS91GNAD0 PELO HU. 6n. M. MAHOEL
DO NASCISIENTO MACHADO PORTELLA, TICE-PRESI-
DENTE DA PROVINCIA KM 13 DE iULHO 1>B 1869.
1" seccao.
N. *37.Portara ao Exm. Sr. general coruman-
danto das armas.-Mande V. Exc. por em liberda-
de os remitas Antonino Dias da Silva Cardeal,
V cente Gomes de Barros o Jeronvmo Martins da
Rocha, visto teremsido julgados ineapazes do ser-
vico do exercilo como consta do te
ae sea officio de 12 do "mez
i'nnW W!"*8 CeSar'? d SUia L*0'"' d"te da* 5Ms.--|,
^M9-Dlla ao mesmo.Accusando recebido
; o offleto de V. S. de 10 do corrento sob n. 138, te-
| nho a dizer-lhe que nejU data expec as conve-
nientes ordens ao gerente da companiia Pernam-
bucana para transportar at o Rio-Grande do
.Norte, no vapor Pirapama que para all segu
amanbaa, as bandeiras, galhardetes o cornetas de
que trata o sen citado officio.
N. 410.Dita ao capiao do porto. Remello a
V. S. os inclusos
quanlia do it^fijno segundo o parecer da con-
taJona dessa thesdbraria tem elle dreito, prove-
niente da forrageap/para urna beata de bagagem
na yiagem que fez* da villa de Granito para esta
capital, cummandando a torca que veio escoltan-
de o preso Maooel Jo.-iq.uim Pereira Lima.
4* seecao.
V. 15U-Officio ao Exm. Sr. presidente das Ala-
goas.Respendo ao officio de V. Exe. da i do Br-
lente, coma informaeao juuu por epia minis-
trada pelo commandante do eerpo de polica desta
provincia em 10 deste mez, da qual V. Exc. ver
iju entre os cornetas existentes no mesmo eor-
tU* Bq/cJo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
ispaaatto, no Dio de Janer. ^
' orden de S. Ux. Sr. v-
senla dirgir-me em aftde maio ultimo," sob n.~108, i ,T; p.Srt222 re^ueri.m.entos d Flix Jnstino
,.iZZ ,o.h.ira. d0 ^Pinto-Santo com as informaeoes dadas pelo
uperor da guarda nacional do mu
ilativamente a dispensa do6 msicos da calbedral
de Olmda, mencijnidos no seu citado officio.
X *29.Bita apa agente da companhia Brasi-
ieira do paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
companhia Brasi.'eira de paquetes niandem rece-
ber e trafl*j>oriar para a crt, por conta do mi-
nisterio da BMM'iaba, do vapor que se espera do
norle, seis mi! bata que o arsenal de marinha
d'esia provincia, da conformidad^ com as ordens
imperiaes tem do recebar para alli.
N. i>.I;ia ao gerente da companhia Pernam-
Irican.i.Pol) Vine, fazer seguir para os porto
do snl e Itorte os vapores Pirap.ima e Poleng no
lia 13 do correte, hora indicada em sen ollicio
do h 'je.
Y 121.Dita ao Ihesourriro das loteras.Ten-
do u.'st:; data iM.icedido i Manoeljfarlins Pinza a
[>ermls5if que pudio, para no anno financeiro de
K60 a 1870, expr a venda cin saa lojasita
ra do Crespo il'esia eidadt, bilhetas das lolcrias
do Rio de Janeiro, depois de rubricarlos pelo ad-
imnisirador do consolado provincial e por Vmc.
Ins termos do ;nt. 2" da lei n. 3'Ji) de 4 de abril
do 1857 ; assiin ili'o communico para sua intelli-
gencia e emeucio.
-Y i i>i!.i m Sr-. hria da Soledade, com-
mendador Jos Pirca Ferreira, Dra. Jos Joaqnim
e Horaw Sarniento. Joio da Silva Ramos e Fe-
lippo de Pigubiroa Fara.Tendo Mr. de Lajour-
uard declarado-nie que desejava oHerecer o pro-
ducto de uui espectculo em beneficio de um esta-
beltrifnento que oa designasse, 'resolv que fosse
elle applieado pan o asylnde mendi.-idade ; e ten-
do Vv. S^. se encanijado de promever a realisa-
cao de lio bn man tana insliloicao, rego-lhes de
entendeicui-se co.ii o mesmo ilc, de Layornard,
d
romni.ni.lanh' s
nicipio de Olinda, capito "commandanle interino
do 9' batarnao do mesmo municipio e doenmentos
que acompanliam af.m de que me informa tudo
quanto constar-llie a rospeito. Approveito a ooca-
sLlo para chamar a attencao de V. S. para o capa-
taz da eslago do Beberibe, que nao cumpre bem
com os seus de veres, segundo consta destes pa-
pis. *
i.' seccao.
N.4il.Officio ao Exrn. Sr. ministro da jusli-
ca.N. 206.Passo as maos de V. Exc. o requor-
mento junto de Agostinho Jos da Silva e outros
avahadores do jaizo dejirphos desta cidade sobre
o_qual nformou o presidente do tribunal da rela-
i;o no officio junto por copia de 28 de junho ulti-
mo, para que V. Exc. se digne referir como adiar
conveniente.
N. 442.
ser resolvido de aecrdo com Vv. Ss. o melhor
emprego que por ora se ihe pede dar.
.<. 4-iA4ehberacao.O vice-prosldBBie da
liovinria, altendendo ao que requeren Henriqueta
. Amelia de Menezes Lira, profe-sora publica da
cadeira do Iostruccao primaria da villa de Taca-
raliL e tendo em vista a informaeao do director
^eral interino da instruccao publica de 6 do cor-
reote, sob n. 201, resol ve prorogar por 30 das
sem veiiciui -i:;, a licenca d; que gosava para
tratar de sua sade.
.V. 424.Dita.O vicepresidente da provincia,
altendendo que Manuel Martina Pinta aprsen-
te conhecimento em forma de haver pago o im-
posto de ;>:0iji;j> decretado pelojj do at. 48 da
lei provincial n. 8!ll de 25' de junho t crreme
auno; e tendn, vista a informaeao que em 7
deste mez o sb ii. 388 ministrou o in.mector da
thesooraria provincial, resolvo conceder ao mesmo
Martins lnua a permssao quo pedio para, ne
auno financeiro de 1869 a 1870, expr venda em
Ma foja n. 2:1 sita ra do Crespo d'esta cidade,
hillieies das loteras do Rio de Janeiro, depois de
rubricados pele administrador do consulado e pelo
ihOMPairo das loteras desti provincia, nris ter-
mos do ai t. f Ja ler n. 31)9 de 4 de abril de 18o7.
LXI'EDIK.NTE ftS8fQ!CAD0 Pri.O SR. I)R. JOAQl'IM COR-
REA DE ARAUTO, 9BCBBTARI0 DO C0VKRN0, BU 12
DE JI'LHO DE 1S09.
I' seego.
.\. 423.OIBeio ao inspeeW do arsenal de ma-
linlia.Da or I -.;; de S. Exc. o Sr. vice-presidente
la provincia, declaro V. S, en resposla ao seu
offlefo de 10 do corrate, sob n. 1783; que bVaex-
p.-dida a conveni ntc ferdm aos agentes da com-
panhia Brasilea do paquetes, para fazorem trans-
portar para a edrte no vapor que se espera do
norte, seis mi! balas que esse arsenal tem de re-
qtotter para alli.
2' seccao.
N'- 4?. O1i--io ao r. chefe fie polica interino.
-O Exrn. Sr. viee-presidente da provincia manda
ileolarar V. S., em resrosia ao seu officio de 10
il) correnle, so( n. 1003. que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar ao bacharel Joa-
! lim Jos Ferreira da Hocia a quantia de......
:.605*292 rs., constante d sea citado officio.
3." S8CC30.
N'. 427.OT:rio ao irspeetor da thesonrarta
lu-ovlneial.S. Exc e Sr. vire-presidente da pro-
vincia, tendo por despacho desta data concedido
pTmissao Julia Carlota de Afavedo e Antonio da
Cunta Soares Guimaraes, para'darcada um o sea
r'4.ectaculo no tlieatro da Sania Isabel, pagando
o snpptieantes o que lir devi lo em virtude da
portara de 2 de Janeiro ultimo, e marcando a res-
Ortiva directora os dias cm que deve ter lugar
os espectculos ; assim. o minda commuaicar
V. S. para sen conhecinient > e os convenientes.
N. 428.Dita ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
i esid.ate da provincia, tendo |iordapacho d'esta
dala concedido permissio a Manoel de Giovanui,
artisu drama ico, para dar espectculo no thea-
iro de Sania Isabel, pagando por cada nm o que
f.ir devido em virtude da portara de 2 de Janeiro
ultimo, e marcando a ras >eeva directora os dias
em que alies devem ter logar ; assim o manda
i jmnmoicar V. S. para se* conhecimento o Gas
>nvenienfct.
4'Msalo.
jta ao iMMetm- da sade do porto.
ceereeldem> da provincia man-
da deet em resposla ao sen officio de
7 #>eorTWIe, que atbenoorariade fazenda acba-
ibilitada a pagar a Ibiha deque trata ocMi
430.DI: ctor do tbealro de Sania
Isabel.S. Exd^BMfprteidente da provincia,
fndo or despacho "f*t!l draconcediao-perinis-
a {alia CanoB de Azevedo Antonio da Cu-
nha Sttarai Guimaraes, para dar cada um o sea
cspeMacuio no theatro de Santa Isabel, pagando
os apelieastas o que "r devido em virtude da
portara de 2 de Janeiro ullimo, e mareando V. S.
os dias em que deve ler lugar os espectculos;
assim o manda cmnniaaicar V: 8. para- sea co-
nheetmeoto e fins conwnieoles.
7I.4M.Dtto mearnt;S. Exc. o Sr. vle*
presideotj da previncia, tendo por despacho d'esta
dala conced lo permissao Manoel de Giovanui,
rt'^ dramtico, para dar espec.laculo no thoatm
de 9faatv>ael, paimnde por sata um o eme Mr
devido em virtude da ertaria de 2 de Janeiro ul-
timo, e marcando V. S. <>g dias em que elles devem
ier'tafr; assim o n anda commnnicar V. 8.
para ara edtthecmilato c fJns coarvenientes.
Portara ao commandante superior da
guarda nacionalldeste municipio.Communico a
V. S. para os lins convenientes que por delibera-
Cao desla dala determnei que seja aggregado ao
3* batalhao do servico da reserva deste municipio
o alf'rcs do 3' batalhao do mesmo servico da
guarda nacional da provincia do Rio-Gran ledo
Sul, Pedro Goncalves Pereira Casco.
N. 413.Dita ao mesmo.Desiguci o juiz muni-
cipal da 1" vara para fazer pule do consclho de
revista da guarda nacional dosto municipio, que
deve ri'unir-se a 18 do correnle, o que communi-
co a, V. S. om resposla ao seu officio de 12 deste
moz sob n. 126.
N. 441.Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Santo Antao.Para qnc esta
presidencia possa proceder relativamente ao capi-
i 8' companhia do batalhao 23 do municipio
Silva, que trata o
o superior preciso
. _sposto no decreto
n. 3406 de 8 de julho de 186"!, seja elle inspeccio-
nado pela junta de saiide respectiva, de mod.> a
venfi.,ar-se elleclivaiueute soffre elle de alienaco
mental.
N. 443.Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Garanhuns.informe V. S.
qual o resultado on 6m que estado se acha o con-
sclho de disciplina, a quepordeliberarao de 19 de
setembro de 1868, mandou esta presidencia fosse
submettido o tenente-coronel ex-commandante do
balalhio n. 30 do municipio de Buique, Thomaz
de Aquino Cavalcante.
N. 446.Dita ao juiz de direito da comarca do
Rio-Formoso.Rccebi o officio de V. S. com data
de 30 do mez (Indo, etodos os mappas estatisticos,
relatnos e informacSes quo o acompanharam,
assim corno o que incluso dovolvo, sob n. 13 11.,
por nao competir essejuizo ministrar-m'o. Fal-
tando anda algnns mappas dessa comarca e sao
elles os dos juizes de paz do e 2 distncto de
Gamelleira, dos subdelegado dos districtos do Ilio
Formoso, e de todos do termo de Serinhaem e os
dos juizes municipaes de ambos aquelles termos,
menos o que acompanhou o seu citado ofllcc sob
n. 9, recommendo a V. S. que active as respecti-
vas autoridades para que os remella com toda
brevdade.
N. 447.Dita ao juiz municipal da i' vara do
Recite.Designo a Vine, para fazer parte do con-
sellio de revista da guarda naejonal deste muuiei-
iho, que deve reuni-se a 18 do corronte, na sala
das sessoes da cmara municipal.
N. 448.Dita ao promotor publico da comarca
de Palmares.Para que possa providenciar sobre o
obj.x-to de que trata o seu officio de 10 da corren-
te, cumpre que Vmc. me remetta certido da sen-
tenga de pronuncia, do despacho pelo qual em
recurso foi ordenada a deligeucia e da ordem pela
qual leve lu^ar a soltura dos criminosos.
N. 449.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Privando Antonio Pinto de Leo.
ser seu Dlho o menor Francisco Pinto de Leo, que
se acha com praca no corpo j sob seu commando,
mande Vmc. dar baixa a esle c entrega a amelle
como requereu.
N. 430Dita ao mesmo.Mando Vmc. apre-
sentar todas as noutes ao Dr. chafe de polica mais
20 pracas do corpo sob seu commando para o
servico de rondas. Aproveito a oecasao para
dcclarar-lbe de accorJo com o que Vmc. verbal-
mente expot-me, que deve encarregar a 4 ofll-
ciaes do seu corpo e nao 2, o servico de que falla
a portara de 10 do crreme.
N. 451.Deliberacao.O Exm Sr. vico-presi-
dente da provincia, altendendo ao que requereu o
alfores p irta-bandeira do 3 batalhao da guarda
nacional do servico da reserva da provincia do Rio
Grande do Sul, Pedro Goncalves Pereira Casrao, e
cm vista do qne informou o commandante supe-
rior inlerno deste municipio em officio n. 476 de
27 de outubro do anno findo, resolve que seja elle
aggregado ao 3' batalhao de reserva da guarda
nacional do referido municipio.
3" seccao.
N. 431Portara ao inspector da thesouraria
de fweflda Tendo em vista a sua informaeao de
7 do crtente, sob n. 443, recommendo a V. S.
que marque ao alteres "reformado do oxereito
Quintilano Henrique da Silva Primavera, novo
prazo para apre>entac,ao da respectiva patente nes-
*a thesouraria, visto ter e\\e solicitado do govorno
imperial em 12 de mreo oeste anno.
N. 483Dita ao mesmo.Devolvendo a V. S. o
incluso requerimento em que o juu de dircito da
comarca do Bonito, Dr. Joo Rodrigues Chaves,
pede por intermedio de seu procurador, que se-
jam abonadas as faltas, que diz haver dado por
motivo de molestia, nos mezes de outubro do an-
no p roximo passado, Janeiro e margo deste anno,
tenlie a dizer que proceda a esse respeito de con-
for.n^a cjm o parecer da contadoria dessa the-
soura'ia, a que s e refere a citada informaeao man-
danda pagar so mente o ordenado correspondenle
ao lempo em que estove lie de licenca.
N. 454.Dita ao mesmo.Inteirado do quanto
V. S. expoi em sua informaeao da 30 dt junho
ultimo, sob n. 422, com referencia a da contadoria
dessa thesouraria acerca do requerimento, que in-
cluso devolvo, do escrevente interino do arsenal
de marinha, Leonel Raphaol do Moraos e Silva
tenho a dizer-lhe, que em vista das circulares de
27 de Junho de t861 ei de marco da ft, man-
de V. S. pagar ajyMaats sua gratiteaeo re-
lativa ao mez I feto anno( jjBnue, por
motivo de molafl HrIOIO| P" a0 ier*
vico de sua repan|
da tbjfcouraria da
,. deaua infor-
mo, sob n. 37% a man-
po nao ha nenhom de uome alanoel Gregorio Va-
lentim.
*. 460Dito ao Exm. Sr. presidento da pro-
vincia do Rio Grande do forte. Tafldo o direc-
tor tinterino do arweml de guerra desta provincia,
coi lo V. Exc. ver do offieio junto por copia de 10
do correnle, sob n. 138, providenciando aflm de
seren transportados para asa provincia no vapor
Pti apaa, que segu para o norte no oia 15 deste
mez, as duas corneta* de loque e a* cinco ban-
deras e doiu galhardetes de quetratam os efficios
de V.Exc. de 9 de marco, 16 e 30 do abril a 8 dr
ma o do cnente anno, rogo a V. Exc. se sirva de
providenciar no sentido de seren pagas as qnaftlias
de 131,5000. em que imporlam aquelles objectos
como consta das duas cotilas junta to ollicio do
reftrido director.
_>. 461.Dito ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia da Parahyba..\esta dala e de conformida-
de c om o officio de V. Exc. de 12 do correnle, ex-
peco novamente as convenientes ordens ao geren-
te o a companhia Pernambucana, aflm do que o
con: mandante do vapor Pirapama, qm- segu pa-
norte a lo deste mez, receba da llicsouraria
ada abarlo para provHiietit do -lugar vago de ev I
ia-presidcai6.daiiuvmcia *>.laroaV. Exe. m (Matete daooelia repart2
uvfcufl SCU M A> ''"""**' ** M' ^ermVtto-eiime^liiitiM
vi cuiw Desdala- S0>auaitr.im -.viMfaser ligra^ba e aritbjneltea, stakio be detec
os | ed.do Ve vieran. ama^pM ntesmos otli- nnf.ltrt. 10 do rogutanlem^ M-tteJaisr de!.,
dos 1866 "-^ Mi^it Nsa.ateni das- pwieBes elevadas que- nteu^am no
K 4/*.-)o ao m^a^.-rtlorden *> 8. Ese. im^mo sniwrmniKTRr*,'* parMi7< f T }arl"llJi''"31" .fluenria muivMaal sof-
o 8r. vice-araidcnta a.-nroiarL-i fe*!^ v ^ '_. '' '^TRIASE PROflSSOSS. i ftetente, e guzam rfo eonsideraciio liaeVMlhVcnlre
orno eorreme ,im flnda-so o praze par* o P- wus conipi-iHlnci.-nm, para > fa-JreA onvir e
-mposteJJ geral sm> detfenencia aatender.
-O ser o pnrlido dirigido p*.im*i dara de ci-
aasfonal cal- i '*l0, eteBDiado i '*':' '""a ,'mmn^" i forma .
V I S* ""* ** qnem e rfre o arturu-
- H
amento dtessa
multa.
nhaa e s 3 fljfre .1 i|2 da urde ; e volta da alli
s 7 e 9 hora da. mnnbaa e s 4 lf2 da tarde.
INSTITUTO HISTRICO E PHILOSOPHICO.-
na rulana aominaj que vew aitMsa ao seo afficio
desla data, sob h. 07.
/ 2" seccao.
t k**1*0 nr' ('hefn deprnim mtemo.-
0 Ij'XuJ^Br. Vlce-presidente da< piovnwia manda
declrar a V. S. que nesta dala se exped ordm
ao director d-i arsenal do guerra para fornecer a* Esta sociedade tnccwnau bonteu, em scsso ordi-
anijos o corrame de ipiii traa o seu odicio do i uaria, sob a presUanB^id Sr. Hollanda Caval-
do rWrrenfc, sob n. 994 c que foram- pedidas pet| canri.
subdelgalo do distncto di Peres. i Accedendo ao convite da sociedade .Novo Atlie-
o r"'1" "-" Presillenle ** memlirtis do-I neo, para assistir a sua sessao magna, fot nomea-
conselliit revio da qaalificaijao da guarda no- fda una commissao para apresentar o Instituto,
conal do municipio do Rio FormosoO' Exm. Sr. composta dos Sr*. S. Garcia, Castro Chaves e Bi-
vice presidente dapr.-uuicia manda duclarar a VV., bciro'de Carvalho.
Km fodo crfSr, *-welhoi- que o ponido eo-
OM.\IfllJ1>ARA OIJNDADa manhaa por di-' serrador s^ja drHrid^.^r mrb duiir rfe-cavamei-
ante partemijiara essa cidade s 8 oras da ma-1 "'/ emeorj^M-ureo rm/itir soa voota^ pre-
viud% Aiwestnr a itvree 'h> eg-iismi de mn
* um
aspire
SS. que fla, irUeirado "por s>a fflcio de 9 do cr-
reme de ouwuii Ihe eommnaicam cm relaeao ao
consclho 9 revisto da qnalhieacao da guarda na-
cional dce municipio, do quo fazera W. SS.
parte.
N- 177.Dilo ao presidente c membros lo con-
sclho de revisio 'da qu.'w'ifirai'ao da guarda nacio-
nal de Qipap.O yn.. Sr. vicepresidente da
provincia juimda declarar a VV. SS. que fiea intei-
Toma assento, como socio effeetivo, o Sr. Pro-
pliyrk) do So-uza Preire; sondo felicitado pelo
orador.
Depois de algum debate entre os Srs. Albnquer-
quie Barro. Baadefra de Mello e Silveira Garciai
sao approvados em Io dscussao os novos estatutos
da suciedade.
Entrando em discussao athseda escraviuao e
wa origem, e se tolerada pela plulosopba,
rado por seu officio de 13 de junlto lindo, de terem oram em sshntacao os Srs. telleroplionie Cba-
nessa data concluido os tr.ibalhng
ra (<
do l'azenda desla provincia e conJuza para essa
cap tal a disposreao da V. Exc. a quantia do.....
10:000, que se acha reoolhida naquclla. reparti-
dlo proveniente dos direitos pericncenles a essa
provincia e arrecadados nesta.
N. 462.Portara ao desembargador provedor
da Santa Casado Misericordia do Recife. Pode V.
Exc. mandar entrega* a Mara Francisca de Lelis
Brandao, o seu filbo de nonie Agripino Dcocle-
ciano Branco, educando do collegio dos orphos a
que se refere a i.formae^ de V. Exc. de 9 do
con ente, sob n. 1,988.
N. 463.Dita a cmara municipal do llecifo.
Respondendo ao officio de 23 de junbo ultimo, seb
n. 41, em que a eamara municipal do Recite, po-
de lirovidencias acerca da grande quandad
d'agja que por occasiao das cliuvas se jjunta no
cen -o da praca da Boa-Vista.tenho a dizer que deve
essa cmara proceder de conformidade com a in-
formaeao junta por c^ia ministrada pela repart-
gao das obras publicas em 10 do correnle sob
n. 257.
y. 464Dita ao director geral interino da ins-
truc;ao publica.A este acompanha um involu-
cro i'ontendo seis tubos canillares e oito pares do
latai'ias com puz vacimeo para serein satisfeitas
as nquisiooes dos dOBgados litterarios dos dis-
trictos da Victoria s da Bscada, Pica assim res-
pondido o seu ofcio de 7 do conente, s .b n. 204.
N. 463.Dita ao inspector ioterino da sade do
porto.Intoirado do quanto Vmc. me communicou
em [< do correte, com referencia a o brigue inglcz
Sear:k, tenho a dizer-lhe que acabo de solicitar
do govorno imperial autorisacao para a remocao
do Lazareto do Pina, proposta em seu, citado effl-
cio. Entretanto convm que Vmc. me remmuni-
quo o que fdr occorrendo acerca do referido bri-
gue, e de qualquer dtsenvolvmento do mal.
N. 466.Dita ao ngtnheito fiscal dos trilhos
urbanos do Recife a Apipucos.Constando do of-
ficio unto por copia que mo dirigi o capito de
portoem 12docorrente,acharsedetirioradaa ram-
pa do caes da ra da Aurora em frente a ra For
mosa, o que 6 devido ao constante trafico de des-
embarque de carvao, madeiras, ferragens e ou-
tros objectos pertcncenies a companhia dos trilhos
urbanos, recommendo a Vine, que entendendo-sa
com 3 gerente daqnella companhia, providencio
para que esta mande fazer os concurtcs de que
precisa a referida rampa.
N. 467.Dita aos agentes da companhia Bras-
leira de paquetes a vapor.Podem Vmc. fazer se-
guir lara os portos do sul o vapor Guar ama
nhaa a hora, indicada em seu officio do boje.
N. 168.Dita ao mesmo.Os Srs. ajenies da
compinhia Brasileira de paquete, manden dar
lrans])orte para"a corte, por conta do ministerio da
gueria no vapor Guar, aspracaseremitas cons-
tantes da relaco assignada pelo secretario do go-
vernc.
liela(o de que trata a portara de S. Exc. o Sr.
vice-presinente da provincia (Usa data.
4." baulho de artilharia a p.Soldado Jos
Flix Barbosa.
Exiincto corpo de guarnicao.Soldado Jos Ma-
cario Pereira.
10." batalhao de infantina.Soldado Leandro da
Cosu Bezerra (desertor.) -'
Re< rutas.Claudino Jos de Sant'Anna, Floren-
cio" Franscisco Cavalcante, Ignacio Gomes de Ol
veira. Jos Gomes da Silva, Jos Joaquim Bezerra,
Jos Joaquim de Sant'Anna, Joao Manoel do Nas-
cimento, Joao Franclsso Pereira de Lima, Joao Go-
mes da Rocha, Joaquim Pereira da Silva, Leandro
Pereira Braz, Liberato Ferreira, Manoel Joaquim
de Sant'Anna, Manoel Gomes, Manoel Antonio Do-
mingies, Manoel Coelho Pereira, Manoel MeuiftS
do Moraes, Theodoro Mximo Gomes de Rezenle,
Romi.o Joao Ribero e Fortunato Amonio de A-
breu.
N. 169.Portara aogereateda companhia Per-
nambucana.0 Sr. gerente da companhia Per-
nambucana, faca transprtar. at o tt Grande do
Norte no vapor Pirapama, a disposicao do respec-
tivo rre-ideote e per conta daqnella provincia 2
bandeiras imperiaes de dous pannos, 3 ditas para
signase, 2 galhardetes para o mesmo nm e 2cor-
netas, eujos objecus Ihe-serio mandados apresen-
tar por parte do director ioterino do arsenal de
guerra.
N. 170.Hita ao mesmo.Tendo deixado de ser
reuif ttida para a Pararrvba no vapor pojuca que
segus para o norte no da 3 do junho prximo lin-
do, sjgundo me declarou ^respectivo presidente
em cfflcjo de 12 do correte a quanlia de 10:000*
que o acha recolhida na thesouraria de fatenda,
proveniente dos direitospertencenles aquella pro
vincia e arrecadados nesu e de que trata o meu
officii de 28 daquelle mez, recommendo novamen-
te a Vmc. a expedicao de suas ordene aftm do qne
o commandante do vapor Pirapama que parle pa-
ra alli a t deste mez, receba daquella reparlico
a rolerida quantia a a conduza para aquella pro-
vincia a disposcao de seu presidente.
N. 471.Deliberacao.O vicepresidente da pro-
vine a, em virtude do offloio-da director geralin-'
leriro da nstrucc.ao publica de 8 do correnle, sob
n. 206, resolve exonerar a Mara Adetade doAnm-
ral Mello do cargo deprofessora publica interina
da cideira de instruccao primaria da villa deln-
gazeira.
N 472.Dita.0 viee-presidente da provincia,
om \ su do officio do director geral interino da
iasUucoao publica de 8do correnle, sob n. 06,
resolve Bornear a Bertbolina de Jess Fiel para
rege- interinameate acadeira de instruccao pri-
maria da villa de Ingaaaira madiante a iratifloaco'
annttal rMO*.
EXi>i DIWTB A*3l6ItADO LO SR. DR. JOAQUIM COR-
It DR A-RAJO, SBCfffiTMHO DO OOrEBIfO, B t'
W: JTOHO ira 1869.
irsecco.
t73;OflJclo ao Exm. Sr. general coramti-
_. trabalho de revisas* da
gnanla niciona dessa parocha.
X 17-< Dito ao'presdento e mais membros do
consclho dp ijualifica{o da guarda nacional da pa*
rochia do Caruarii.O Exm. Se. vce-presidente
da provincia manda acensar o recflbiwenlo do of-
ves- e Simplicio de Carvallro. e combatendo-a o Sr.
Gar ia; llcando a materia ainda adiada.
PRONUNCIA.Pelo Dr. juiz municipal do ter-
mo de Cabroh, foi pronunciado, como ocurso no
rt. 193 do coilleo criminal, Marcelino Vanes da
Suva, Manoel Estevo de S c Francisco Coutu.
eomo autores do assassinato do alienado Antonio
da Silva, no mez de junbo ullimo.
ALFOR RA.No da 7 do correnle, leve lugar,
na matriz do Santo Antonio, a alforria da molali-
nha Mara, de fdade de 2 mezes, lllha da escrava
Josefa, pertencenle Exma. Sra. D. Joanna Bap-
lisU de Araujo Bastos, na occasiao de receber o
bautismo.
Cencwrreu para este fim tao justo a expontanca
generosiilade de alguns rapazes, empregados no
commereo desta cidade.
DLTHEIRO.(I vaiior Pkpama trouxe 2:000*
u-ger interinamonte'a'refe'rida^adeira Ijara os Srs. Cunha limaos <>t C. 1:000* .para o
gr.'tilicacao annualde 6003000, as- Sr-.Lu Aotonn deSiqueira 610* para o Sr. An-
tonio Feriiandes de Otiveira Ramos, c 2133 para
os Srs. BelirSo Oliveira C.
hcio de VV. S5. do 27 do mez tie.lo, em quo com-
uimikam &r remeuido ao presidente do conselho
do revistar, guarda nacional desso mumVipio os
livrose \m< papis q. e serviram ao conselho de
revsao da qualficacio dossa parocha.
* 4'soc^o.
N. 479.-r-{)ff|co ao director geral interino da
instriicc,i_pu,:(.;i._s Exc, "o Sr. vi ce-presiden te
da provincia 'tomb- por dolibofiacao desu data e
em vista de sou officio do 8 do-cerrente. sob o. 204,
resolvido exonerar a Mana idolaido do Amanil e
Mello, do 'cargo de professora pnltliCa Uterina ds
villa de Iqgazeira o nnmear a Bertholina de Jess
Fiel para,-rug<
modiaute^a
sim mana Cniiuuiicar a V. S. para seu conheci-
mento.
OSSPACIIOS DA VICF.-CRKSIOB.vniA DO DA 4
_DK OI.TtBItO DK 18I9
Abaixo assgcados moradores nesta cidade, e
BOssuidows -. a plices ao euiprestmo nacional.
Informe o Sr. iameotor da thesoucaria do faienda.
Daiffinris Paulina Ayres. Diriia-se a thesoura-
h pf-nvlnlal. JW.
Dellina Hara da Concego.Indeferido.,
FrancUco Xavier de Paiva.1) ae,
Capito Honorato Jos de Otiveira FigueirJo
J foi inf .rmad.i a peticao de que falla o suppli-
canle.
Irmamlade de S Pedro desta cidade.Dirija-so
thesooraria provincial.
Desembargador Jronymo Mar.inano Figucira
de Mello.A' vista das mformcdcJ nao lem'lujjar
o que req er.
Jos Alvcs Barbosa Jnior.Expedio-se ordem
para o supplicanto ser di-pensado at a futura
reuniao do conselho de qualifeacao>
Joaquim Manoel da Costa.In'formc o Sr. enge-
nlielro chi'fi da reparticao das obras publicas.
Joaquim.Mai lins Moreira.Sati.-fara a segunda
parte d i art. 5." da lei provincial p. 753 de 2o de
junho de 1867.
Joaquim Manoel de Oliveira c Silva.Informe o
Sr. Dr. directoi geral da instruccao publica.
Manoel Tln.ma/. da Rocha.Informe com urgen-
cia o Sr. commandanle superior da guarda nacio-
nal do Serinhaem.
Mara Joaquina da Costa.Informe o Sr. tenen-
te-coronel commandante do corpo provisorio de
polica.
Ordem terceTa de nossa senhora. do Carmo desta
cidade.A" vista das informacoes, expega-sc or-
dem no sentido que reqner a supplcante.
Paulino Antonio Ramos.Junto este ao anterior
requerimento, informe o Sr. inspector da thesou-
raria do fazenda.
Thomaz de Figueiredo.Nao estando alistado o
menor de que trata, nada ha que deferir.
REVISTA DIARA.
INSTRUCCAO PUBLICAP.r deliberacao da
presidencia, de 6 do correnle, foi removido, a seu
pedid*, o professor publico Eleulerio Roberto Ta-
vares do Espirito Santo, da 21 cadeira da villa de
Cimbres para a da povoacao da Allianct.
AUTORIDADES POIJCIAESPor datas de 29
do iiassado, e 2 do emente, foram nomeados :
2. supplenlft do delegado doteuno do Ourcury,
Joaquim Francisco de Moraes fwbdelegado e !
supplente do 1 districto, llerculauo de Lima Alen-
car e Francisco de Paula Vieira de Castro.
!. a 5. suiplantes do sobdelegndu do Tacarat,
Manoel Vctor da Silva, Francisco Rufmano da
Silva, Jos'Pereira de Barros Halvuira, Pedro Go-
mes Cavalcanti e Manoel Barbosa de Siqueira.
1. a 6. supplentcs do delegado do termo de
Taearaitf, Manoel Antonio Vlanna, Jos Francisco
Cavalcanti, Jos Xavier de S, Jos Nonnalo da
Silva, Cypriano Exalto de Araujo u Francisco Pe-
reira do Barros.
GUARDA NACIONAL.Por ditas de 5 do cor-
rente, fdram Borneados ofuciaes da guarda nacio-
nal do municipio do Cabo :
BalaHio n. 39 de iubnitaria,-
Eslado-maior. Tenenles ciror|io e quartel
mestre Victorino Antonio de Alcntara, e Sizenan-
do Peteira Mattoso, alteres secretario- Rotiliq To-
lenno deFigueiredo Lima.
2.' compauhia. = Alferes Manoel de Oliveira
Lins.
:..dtsa.Alferes Firmino Evaristo Ribeiro Va-
rejo.
6.* dita.(Capito o aggregado Francisco Vir-
Sim'o Rodrigues Campelln, alfeies Francisco Izi-
ra flibeiro de Carvalho.
8." dltiAltares Joao Francisco- do Rege Bar-
ros.
Batalhao n. 5'dc infantarit.
Estado-maior. Aitere4ortaeatandarte JpaO
Servaso da Cunha Perno.
2.* companhia.Tenente o da Ktceira, Fernan-
do Stepple da Silva.
3.* dita.Tenente o alferes Bcnto Jos da Silva
MagalhSes, alferes Carlos Garneiro Monteiro da
Silva Sanios.
V dita.Tenente o da. segunda, Jos Genuino marera segurare;
Ferreira, alferes Antonio Presbvtefio da Expecia- esticos, qnawjo
nao, contrano, e nraa,
^^ aue passe sasu
AGENWS DE LtLESA-Acba-se itemeado *- E para
ente do Mides da pr*em da Parahvb o Sr. Pe-
CONUMtNo da ff dr. crrante t^p-eflee-
itiAMt, aftart^.-daFoimii, pubyn i
VKOBS30 Pti.VIVEL; Informam-nos pessoiis
moradora* na Estancia, qne s 8 horas da noate
de quarta-f'-ira 7 do correte, ouviam-se gritos
de eraaeas, quo pareciam ser esbordoadas, den-
tro d'um'a grande casa dessa localirade, e que, ao
batorem alguns rr^Mioa na porta do edificio, para
redamaren! contra tai* desmandos, cessou de
todo o barulho, viudo ma das pessoas dar urna
cxplicaeao pouco explcita.
Em vista do semelhantes castigos a taes horas,
pedem-noR que lembremos polica urna visita
domiciliaria, que penha claro o que alli se pas-
son.
VAPOR PIRAPAMA.Chegou hontcm, da Gran-
ja e portos intermedios, este vapor da Companhia
Pernambucana, trazendo jornaes do Cear at 29
do passado.
No dia 30 devia comecar a audiencia geral
de correieao do juio de direito da comarca da
capital do Cear.
Para substituir o Sr. Dr. Francisco C Rocha Campello, quo nao acceiton a nomeacao de
promotor publico da comarca de S. Joao do Prin-
cipe, foi Domando o Sr. Dr. Adolpho Gencriuo Ro-
drigues dos Anjos.
Chegou, no dia 28 do passado do porto da For-
taleza o vapor inglez Ambrose, em viagem para
Liverppool.
Lemos no Jornal da Fortaleza :
t Na p jvoacao da Venda, comarca do Ico, ter-
mo de Lavras, ha um ceg de nome Jos Vieira
dos Santos, que vivo d; ensinar a ler, escrever e
contar.
As enancas sao tratadas com brandura, csti-
mam seu original mestre e o ensino do crgo con-
segu em pouco tempo admiravcl aproveita-
meOlo.
No Rio Grande do Norte nada oecorreu que
mcreca menc.ao.
Da capital da Parahyqa escreve-nos nosse
correspondente, em 6 do crrente:
Teve lugar no dia 1." do correte a abertura
d'assembla provincial, com o ceremonial do cos-
tme, leudo nessa occasiao o Exm. Sr. Dr. Veuan-
cio Lisboa um extenso e bem elaborado relatorio,
digno de todo apreco e tneditaoo.
A meza dessa corporacao ficou composla da
mancira seguate :
Presidente, padre Felippe B. da F. Gal vio.
Vice-presidente Dr. Manoel Carlos de Goava.
t !. secretario, Dr. Abdon Felinto Milanca.
2.* dilo Dr. Peregrino Pereira.
Desejarei em extremo que ostaes jkji's dn pa
tria lacam alguma cousa bem dos melboramen-
tos moraes e maleriaes da provincia, cujas necea-
sidades p: Ipitantes nao Hit devem ser desconheci-
das.
Aposto, porm, desde j que os nossos lycur-
gos bao do consumir o lempo em discussoei, in-
terminaveis de poltica geral e local, para roaea-
Juear o que tem feito outras assemblas da seita
ecahida, em desabafo do descalabro que soffre-
ram...
c Ora, mui pouco experiente screi cu das cou-
sas desta trra, se me fallar este vaticinio.
a Passando a outro assompto, nao me dir a
razao porque embicou com este san criado, certa
ave d arribneso que costuma rahiscar d'aqui atgu-
mas linhas, para um jornal dessa capital ?
Ser-lhe-ha dfflcll a resposa, bem o vejo ; por-
que eu mesmo dou tratos imaginajao e nao
poseo encontrar a incgnita!
O que rerdade qne, por conjuncedes de
la, o tal intrometido. mette o nariz as nialias
alusivas para seu Diario, fazendo retilicacoes tao
tolas sobre determinados factos que em nada al-
teram o sentido do qae Ihe disse I
No tenho dado iste a menor importancia,
como ter observado do silencio que at boje hei
guardado : e s toco nesta materia actualmente
por distraceo ou desencargo de consciencia, visto
cerno pouco me embaraco com bagatellas.
t Porque ser este teir t
t O curioso o que o tal meuCabriontatilu-
la-se nos seus escriptos, de poltico conservador;
oeste carcter, vai dizeno as maores hertskts,
tanto em relaco aos negocios pinilicos, como
unidad e marcha do partido na provincia.
Qnanto a mim, o tal atravmador nao- passa
derato de boticaque lambe os vidros |>or tora,
ou entao est despetado, pela pouca consider^o
que fazam de sua prosopia.
Neste ponto talvat que tenha razito mas ne-
gar-se ao partido
setvadoc desta provincis
gato em sena negocios do-
tos provan aiuraente o
ido, qo nao permitto
slderar-i
las
rnlts
polticos *
WT esta verdad*, basta qon-
i eleicaes- de nm deputado
tmtro. BroTrneial, ujq re-
enevoljjneiaque os aejrjcilBJ.
rri aSo, comem a raatWa.
i'ii'rrwdicta^fc que inj qneirif, dettfe e
paf *f|.o*pjrii sna priritrghid familia.
K,.por4s*1o. mais *wve o ineno* odioso
jugo de multo, rujas opmWes s< cboc.yrro de-
hHtemr^xj!cutailo.se alinat o que a mmoria *c
libera em-seu hmn senso, rnpie ter no rogte m
carga dt) algum molerno j>[-z. pondo e #Ppondo.
das cou*as pSMtoas, como r* de seu sos-0-pa-
ladar.
Creio que a eaeolha nao p~le ser dovMow.
entre homens que-teiibam al>pMa independeiie
e um pouro-de coiiBeieneia ti.- sea valer e rmreei-
UIBllto.
pizerp-me agora, (ie o meu apreejavpl CaWie-n-
armriVu se1 tamben*em advotai|ir d> Sr. Pereira,
inspector da-thesonraeia de fazmtta provincial, en-
nstaodo a hnea ennUaK todos aipiellw que tem
censOradJ os mos- levtsso* im-onveniemes- nV-
i sua ^wPcial attiMstPae^i. S.-m*> breve da mar-
ea, em que eamisas de- ouze varas meiti-me en par
mal de percados \
ESto imtnvo, por mais este capitulo em sua-
ogerisa; mas que dovki laz-r mte sau corres-
pondente antee-os clamores gerae* i[n:- se l.'vasK-
t-.ram contra a- inuaticas ni^oife.u. d'aqueUSM
leoanicao, e qne anda 'oiitimwwf
De ceilo ipie. nao x> ii.i dr mitra prnccdneB'
lo, do que o exibkln rtppmtiin omnit*, *Hb pPna rte
mentir sua meso de rlirmu-ia, faltando aos de-
vores msis ri'srriotos.
Qnem nao qner ser l.'Ari. uSo the veste a-
pello, diz o adapi ; ponanlo o'Sr. I'ersira quetK*-
se de si e de seus malignos niseiliorro*, sne,e
tan lo-se s c-onsegueTicias do su,, -oudncta ; e
queixe-se lambem de meu iluhnon. -e anda h-je
per utridimt me ocrmio de siw imtiVidnalidade.
O Dispertado*- tem-se rfufWilu uliinameiUjev
em extensos activos do commnvio d i.'sjodo desta
praca, culpando o consulado provim-ial ictoa-
brico das saecas orwuias, d.-siiWio do refuta-
memo n. 8 de 2* rte Janeiro de 1>H>1. quso cun-
feccionou para exaiamr>ln
*) Mlininistradwr dessa rejKtnice o zet5*
Sr. Francisco Jos do Rosaii-, ui.ii-llie ao *-
uoatrO'pas rcMmaas do .h*la Punkgbu, s.b
sna assifnatorn, c. daedo a anioria ikis t.ie ar
tigos so Dr. Costa Machad*, insperior da alfaude-
gada, e n-dactor principal d aquella tulla opposi-
eionista defenden i/un** noli* sua ri'partica.),
ib'moDslrMido cabalmente ipie o d-1 nvibio do
mercado de tal genero, prove i d;i mci.riai^mes-
)^mo-fijotor,'pnr(pTo-nn lua, como era de sea
dever, repesar no arto do embarqne. a* sacras
adrnittidas a despacho, como boj.; ol; pratk-ando.
com xito feliz.
O tal ngulamnntn n. 8, que me dizem ser
obra do mesmo inspector, nao pansa de urna bor-
la, en relaco senu-ihanie npresso, con a
experiencia visto como depoi- de sua execuco. que tal fa-
brico tomou miiior destnvulviuionto.
t O administrador do consulado, noel* qoesiao,
tem-se conduzido com iutelliyencia o diiiipcao.
levando a melhor so'ti'e seu antagoiiislaj ijuc,
vmdo bascar la, saino lusquiada.
Outro fado imporljiic u-m occupaJo es pro-
les do Publiradnr, qual i a creacao de urna lioti-
ca perteoccntii ao medico Santa llosa, que reside
nesta capital ha;nlguns anuos.
Os arlrgos quo Iralain deste assompto sao es-
criptos por pessoa hbil e Ilustrada, o demons-
tran! evidentemente a uiionvenienea de um tal
estabelecimeuln de propriedaiie do facultativo.
t A discussao tum sido (ondasida de mojo, i pic-
ha causadado seria Hapresi ia no publico, lano
que receio bstanle qae, a tal botica iicrilcgiadi,
nao soffra deCepcio em se* tirocinio.
Yeileremo edopu p-ilaremo.
Foi dissolvida a banda di msica do l"bala-
Iho da puar.la naciuDal do-la capital, cojo mes-
tre, fazendo patr/imauio dessa parodia de hatnlhio,
tornou-JC <'spocnlad-r o oKipenie, a ponto de fa-
zcr-se insupporlavel, receiicodo, alias, nao peque-
a soturna nioii-aliiiciile para maimlencu d > pe*-
soal necessaro.
Em substituicao, fui creada urna banda do
msicos no cuipo de ptrtiea, cojo instiumental,
ha iotieo chegado dessa, o mais bello e luzido,
que temos visto.
t 0 nosso mentado le genor s continua mais
animado com a entrada da nova stira. O a I goda
vendeu-se esta semana de l ViOO. a 1">3 i** or-
roba na iuspeccao. (ts precos do a-sueai' novo
tcem regniado de 2200 e 23O0 rs. por arroba.
Couros 8O0Q, um.
No da 2 do crreme >'. -.-ra.-liou-se pana Li-
verpool, o brigue ooite-allemo Jpiter, consigna-
do ao commercianle doineatinu Lima, m inces-
tando 1,130 saccas com al^ do, j-esando 68.J ar-
robas e 28 I I iras.
fficam carga neste porto pira Liverpool, os
seguintes navios :
i Barca ngleza Dciomih'j, i consignac*. do C.
D. dos S.mtos.
o Barca ingleza A'im/M. hiera T. Eltl'eson fcC.
Patacho Higlez Juveada, dem a A. Comes
&G.
Patacho allemao Malh'h'-; idem aos momos.
t Barca ingleza Era, dem aos mesroos\ ..
Barco norugoense H-ws;itUjiii a C. Lnu.
Brigue bollandez Dcodrirn, idem P. P. llat-
ges.
O rendiineoto da alfan-Icgn niwz passado
fni de Sl:053jll76 rs.; o do nsi^lade- provlimal
25:106*028 rs.
t A entrada geral dMmdao ni inrecrao no
referido poriodo, foi de M 7 saooac, ea da seta.-i-
na rinda de 1,200 pouco mais ou monua,to
EXTRAVAGANCTAS.-AS VJ*r#rf.>* d una
pequea ara .stra de gostos extrivagantes .
A rainha Izabel duliMiu |> : sua m^rte 3,000
vestidos ; o elegante AValler P.aaiiglt .'.iiroseutava-
se nos dias de recepto n pa >. com ^iasnificas
pedraras nos snalos. Uesca*ics tazia consistir a,
sua tafularia, no bem encaracol.ulo de suas cabal-
leiras; Hozarl trazia seinme o cabello amariado
atraz com urna. Ota de ci : Popa affirmava sec o>
eixo do systcma do mundo NapoJeSp tinUa p/er
snmpfo em seus pesinbs e pequena mos; Bp-
tzebue era tao fatuo que nao iiodui suppurtar que
se elevasse- um estalua qae ratac a quem fiisse;
o divertaen-o de Spinosa era ver combates de
aranhas;. o cardeal Hechelion gostaya muitu ilc
exercicios gymnasticos o saino Petan din*iia-se.
de duas, eniduas horas, em tazor andar ewico mi-
nutos uiua cadeira roda ; Tirho Biabo nada ba-
viauqua tanto o iveriisse como polir vkWsis para
oculos; Salvador Rosa passeiava lezsi-f
ruis de Roma, vestido de-nln.i'.oico Mijiia-
becclii diterlU-se com armlias; .>la4e*a>^g'fc,
lava partea da eui Uiffiaia
dos visiaaus ; CoWper era '< r***r a***0-
las para pas.taros. Cr r'ava a oabra eega
com as lhas e c -van fcjd ^
eAbecial era ler lria raolhado, passei-
ftfSaSftbfea'Uu WU^ divw*Mr*e tt
lltGlKll



Di
pesad
MA
reuniao era B
uoiveraal
frau-s de descoDrir ama nova forma de eaa-
- HhiVimens. O inmenso canudo de qno
.temo!i usado na eabeea, dote ecssar de
oda, deve desapparecer para sempre.
lio momento lodos o chapelleros da Europa
esBo eertomarta envolvidos uas suas meditecoes
para alcanzar u desidertum.
MULH-RES M__COS.-L_se no jornal francez
La Gazette des Hopitaux.
t Decididamente a proflssao medica nao conti-
nuar a ser em Franca o apanagio exclusivo do
sexo masculino. Entre os discpulos quo mais
oanteuiente fUeram os seus exames na racul-
lade de i ledicioa, eontam-se tro senhoras; urna
franeeza, nma russa e urna americana.
ultima deu provas de profandos conne-
eime mu anatoma e dissecaces, patologa e
medicina operUorJ. .....
CnJo KCUMENICO.-Na proximidade do
concilio a estilstica seguinte da igreja culholiea
pari da Russia deve ofTerecer na mteresse
de aet__h_de.
Na Polonia.
I Diocese d:. Varsovia, o arecbspo monsenhor
Poljqakr, dwwrrado em Jaroslaf; seu sufragneo
monsennor Rajwuski, desterrado em Astrakham.
II Diocese da Podlachia, s vaga. O seu ultimo
titular, monseihor Szymaneki, morreu no des-
terro, r
DI Dioeese ie Plock, monsenhor Popiel, dester-
rado em Nov|;orod.
IV Diocese de Augustewo, vaga peta morte no
desierro de Ojunsenhor Luieuski.
V Diocese VI Diocese de Lublin, vaga. O seu administra-
dor Sosnowek foi constrangdo a refugiar-se na
GalliUia. ..
V Hcese de ,candomr monsenhor Jasiynaki,
prelado muto idoso e enfermo.
VIH Diocese de Kiela, monsennor Maier Uak.
Na Russia.'
I A metropole de Mohilef, s vaga; administra-
dor mousenhor Staniewski excomumngado.
II Diocese de Vilna; monsenhor Kraalneki des-
terrado em Perm. '
III Diocese de Minsk supprimida por um uxase.
IV Diocese de Jitomis supprinida.
V Diocese de Kamenelz monsenhor Fialkowki
desterrado en Kherson. .....
VI Diocese de Tiraspol, s vaga; administrador
monsenlior Lipeki. ___.
Vil Diocese de Samogicia monsenhor woiou-
czawiez. p ,
Depois de wr ldo este quadro cerlamente todos
julgaram quo o Nord abusa estranharaente da na-
gua franeeza, imprimindo que a Russia o paz
aonde a liberdade dos cultos est melhor pro-
tegida.
DADOS ESTATITISCOS.A Recue des deux
mondes publica um curioso artigo estastico so-
bre o consumo diario de Paria, do qual extrahimos
as segrales noticias, que do idea da ordem esta-
blecida na idministracao de tao populosa melro-
Os mercados de Paris sao prvidos por 6:000
productores, .representados por 53 agentes espe-
ciaes, que commerceiain em difiranles artigos de
consumo; 1I negoceiam em furia ha, 12 em se-
meas, 3 na venda de carnes, por contrato, 8 em
aves e caca, 3 era ostras, 8 na pesca do mar, 1
em a pesca do rio, i em queijos, 5 em mantega e
ovos e i em fruetas e hortalcas.
A commissao que os productores abonam
de 1 por cento, subindo algumas vezes a 2 1|2.
Ha 8 mercadas do venda por grosso; 57 de venda
por miudo; 1 mtreado central de gado, e i gran-
de matadora..
f Este, que magnifico edificio, conla 32 re-
paitimentos, separados uns dos outros, por 3 mas
perpendiculares, e outras tantas transversaes, for-
mando ao todo 16 pracas quadradas, cada urna
dolas com 2 repartimentos. Teem estes mana-
doras para os differentes gados, e 123 escaldado-
ros ou repartmentos para escaldar, limpar e es-
quartejar as rezes moras, operacoos estas que se
fazem n'um grande oaleo central que cerca aijuel-
les edificios. Ha ahi a maior limpeza. Os lagedes
sao muito lavados, e com os declives necossarios
para que os lquidos convirjam para um escoante
central, com agua em abundancia.
Nos varios repartmentos deste matadouro ha
1.000 om pregados, cujo trabadlo comeca s qua-
tro horas em ponto da manbaa, no verlo, e s seis
no invern, durando at urna da tardd. A's
duas toas cliegam os cortadores e fazem os seus
proviflfcntos de carnes, que san transportadas em
carros com peso fixo e conhecide. Passam estes
assim carregados para um repartmento aonde ha
grande leos, onde se pesara em bruto para o
pagamento de direitos de consumo fazendo-se a
liquidacao, deduzindo o peso do carro.
O direito sobe a 11 decimos de cntimo, e
urna fraccao por kilogramma, alm de 2 cntimos
pelo direito de matadouro. Em 1867 foram all
moras 199 448 rezes, pesando ao todo 16,417:021
kilogrammas. O mercado de gados que se segu
quelle tem tres grandes repartmentos parallelos.
O do centro, reservado ao gado vaceum, conta
216 metros por 87; o da direita se destina a vea-
dos e o da esquerda a carneiros.
A extensao delles apenas de i 16 metros por
87. Alm de todos estes repartmentos, a_n*m-se
dous grandes edificios para ofQcinas e dependen-
cas, e no centro delles um chafariz magnifico.
O mercado de gados percebe o direito de 2
francos e 50 cntimos por boi; 1 franco por vi-
tella e 15 por carneiro. Tambera se despende en-
tre 10 e 50 cntimos do trbulo addiconal por cada
noule que o animal passa no matadouro.
LOTERA.A que se acha venda a 123', a
beneficio da Santa Casa da Misericordia, que corre
no da 16.
o r
gumdinkeiro con.
elle. Eu nao vej diiBeuldade
id* Q*
p___^^^^r
ju a
P por
fe
era obterem e <
<*
de Outubro de
______
1869.
Salvad <
jurou perder-me.
. ano a tal ponte de,
co da vic-
hear, lao 1
srrorsaiv p^^HVeitan-
de meu flluo, quaado elle
lado a sua carreira juridi-
garam os-es meus perseguidores tazer ana
deixo dito, com mais, oa metiol respwsabeltdale, boa nemisicao se o podessem por de sea lado, i.r
ou garanta. No iu que elle nao queira, bu, dispoado-o comjeu propm pau Jao faliaram
sendo-me possiv|flpjj| me parece quo obter
o engonho arrendado, podern contar com ello que
eu Ihes dou da forma que deixo dito, tudo Uiais
que expouho Vinca, j tem seguro nao devem [ar-
der. Por isso penscm bem. De Vma veuerador
e criado-/o! Aloes Barbosa. Conforme can o
original que me foi appresentado para delle eV.ra-
hir a presente publica forma, o que reconlwd ser
verdadere. Recife, 3 de novembro de no.
Subscrevi e assgnei. Em teslemunho de verdade
otabelliao publicoLuiz da Costa Porto Car-
retro. .
Trechos de urna caria que os co-herderos oin-
girara ao meu advogado, o Sr. Or. Buarque, em
virtude da carta cima.
Portento para V. S. evitar passada, reso ve-
mos pi-opor-lhe o seguinte, nos herdeiros do tina-
do nosso pai e sogro, Lonrenco Jos das Nevos,
concordamos na factura do inventaro, panillas,
doixar para pagamento de todo o passivo d- nies-
mo inyentario, o que temos livre no engenho l?er-
ricosa, assim como tambem a divida activa do en-
genho Cachoeira, somos querentes em cumpnr-
inos* o que est determinado no inventare supra-
dtoeiulgado por sentenca, do manera algiima
obstamos que os credores do mesmo mvent ino
se paguera pelos bens para este Ora destinad ;
pode, pos, o nosso nebrj e honrado cunhado to:
mar conta dos referidos bens, pagando-se a si e a
quem ainda se resta, concedendo-nos fiear uo en-
genho por seis annos, a contar da data festa,
Indos os quaes (aremos a subpartilha etc. luda
abrxo diz : a exigencia que fazemos nao r ada
para um hornera potentado como nosso honrado
cunhado em relarao s grandes vantagins que nos
faz o lioitrado e nobre pai de famdta o Sr. Jos
Alces Barbosa, o qual chama de renda a p -ac
para sea pagamento este engenho, e cede a benefi-
cio das nossas familias todas as rendas que I qin-
dar para seu pagamento, ficando nos, e mais tur-
deiros que elle determinar, usufrumdo o m.'smo
engenho durante os annot do anendamento, tup-
prtndo-nos elle, e costeando o engenho pelo merca-
do de Pernambuco, para Ihe paaarmos dito mp-
piintento e costeio dos productos de nosso trabr.lho,
tem commissao nem juros, alm de liquidar o
o nesso cunhado Sr. Lourenco Luiz das neres ir
todos os seus credores, at o valor deseas posui-
dos, com garanta nestas e verdade.
, Esta carta est assiguada por Antonio da Rocha
Wanderley e ntunio J. Gomes e recouhecid em
Porto Calvo, e tenho o original. Avista de seme-
ntantes conselhos, e de quanto se de'uarnvasci-
nar algum dos herdeiros, com promessas, as era
possivel que chegassem um accordo coinigo,
dcxando de aceitar diversas propostas que Oz
para acabar tudo amgavelmente, como >osso
pruvar.
0 publico seja meu juiz.
Os abaixo assignados, habitantes da po-
voaro de Baixa-Verde, satisfeitos pela Iran-
quilidade publica e seguranza individual de
que vo gosando sob a directo policial
do subdelegado o capitao Antonio Lopes de
Siqueira Braga, veem pela imprensa dar
um testemunbo de apreco aos servicos
tados pelo mesmo subdelegado, i
Brige norle-allemao Willebaldtaboado.
Barca portuguea Pemra Borges varios g-
neros.
Brigue austraco Ntale .S.-rlMhika de trigo.
Escuna austracaElcui P.*deiu.
Patacho inglezReit Li*-4&til *
UECEBEDORIA DB'liBXDAS 1WHNAS OE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Hendimiento do da I a 6 ^ 10:135*728
dem do da 7 ..... 3:903#069
PUSUCACOES
A PEDIDO.
pres
cujos esfortfos se deve actualmente urna si-
tuado desassombrada e necessaria ao pro-
gresso incontestavet do lugar.
O estado aflictivo que chegon, ha bem
poucos mezes, a importante Baixa-Vtrde,
cujos habiuntes se viram forjados por
algum tempo a nsarem das armas para ga-
rantirem suas propriedades e pessas, ven-
do-se cada momento acommettidos por
grupos do salteadores, que tomavam atti-
tude assustadora, e se prepara vana em tr-
ras de Parabyba para roubarem aos seus
pacficos negociantes; esse estado, dizemos,
aprsenla hoje um contraste bem diffeiente;
j os criminosos nao se atrevema apparejer
procurando refugio
agrados e promesas de um bjn futuro etc. etc.
E como.nao podessem conseguir o seu fin, cors-
liiutram-se tambera sous inimgos, e cnlo por
isto tornou-so olho peor do que o pao Tirai
a consequoneia deste facto ante o' qual lo Jos
pairara; e compara-n
Se meu irmio Salvador com outrol a. quem elle
se refere, procurou inlrigar-me com meu proprio
liho quaoJo ainda era menor, o que nao tera
ito com outros I
Diz meu irmo Salvador, que foi forsado a en-
trar comigo em queslaj e que sendo eu vencido
elevei-me em odio contra elle e meus outros ir-
mos at mea pai I ...
Quem tem vslo o que eu tenho escripto ja por
esto Diario e outro jornal sem que nunca fosse
contrariado, deve ter bera aquilatad) o carcter
de meu irmio Salvador, e por conseqdencia fal-
so ludo quanto diz. Salvador sempre foi e meu
devedor de fgrande sorama que nunca pagou, e
Salvador ^um desses remissos detedores, qae
s pagd^l Maicillo, Salvador dependen sempre
de mimS Pao me vi corlado em meu crdito
nesta pr^fsendo elle urna das maiores causas
disto ? Salvador ainda me procurou, detendo que
morrer a fome era terrivel, e qae j nao poda'
comer bolacha mofada, que tinha a bocea toda
ferida, que por tanto visse se Ihe poda ar-
ranjar duzentos. mil rois, e Salvador foi servido
cm sea pedido. Outros desses alludidos por Sal-
vador, deziaJoaquim, voe temare oi o mea
recurso, mande-me tanto, pos nao tenho para
onde correr. Ontro deziatens-mepot.em mo
costume, nunca precizei de dinheiro qae nao me
mandasses, por tanto arranja-me la lan.
Mais outro dizia.Sei que vai tirar dtaheiro na
C. filial para os seus pagamentos, augmente a
proposta que eu tambem quero tantOy Outro
dizia, estou sem raal, nem para pagar jp mnibus
tenho dinheiro, mande-me algum mesmo de suas
despezas, pois pretendo ir at ahi fallar-lhe, e
esto era meu mano Salvador Outro finalmente
pedia-me emprestada a mnha mobilia porqae ti-
nha alugado ama casa boa e nao tinga dmhcir >
para moblha-la, e este era ainda meu irmo Sal-
vador. At ^ento para Salvador c para os de
que elle falla, eu era todo quanto ha ou elles erara uns falsarios, e nesle tempo nao
haviara questoes; como pis concebe-sj| que meu
irmo Salvador vio-se brgado -a entrar cm
questao comigo Para confuzo e etma vergo-
nha desse irmao, eu o provoco a declarar a pro-
cedencia, a principal origem da qnestao qae te-
rajs, e cm que ponto delU fui vencido, aguar-
dando-me neste ponto para o que mais tinha a
dizer.
Quanto ao odio de que trate em meu desali-
sado irmo, que delle e de outros grassou a nos-
so pao, mais urna nsinuaeao para coadjuvar as
suas intrigas, ama ridicula pexa, qae Ihe ha de
manchar alma, e de que ter de prestar coutas a
Deus. E' aprova mais exuberante que elle mes-
rao d contra si, pois com semelhante deelaraco
julgo ter atingido o fim que sempre tWe de ar-
redar de mim meu pae, mas, coilado, sejam quaes
forem as consequencias d'amor filial e de mnha
boa f para com meu dito pae, nunca poder ar-
redar delle o filho Joaquim. Ajuizo quem poder
do procedimiento de ora irmo, que, abasando da
fraqueza de seu pae tinta o e o predispSe contra
sou proprio irmo, com tanto que consiga o seu
* i4:0J8*797
CONSULADO PROVINCIAL
tendmento do da
(dem do di a 7 .
1 a 6
20:039*198
3:171*163
23:230*363
------.------------------",'f --------------''-----T~~
as tomas dianas, convidando aoseontribuintes do
imposto sobre industrias e proiifsStt a viren pa-
ga-lo at. ao flm do correlo n> le multa,
nao compreheadeas casas de eortimercio ; pelo
presente declara que p uprsdito imposto, sut^li-
tutivo do de W tbenlo sobro lujas, casas tle
descont, etc.,^H ^ todos os' estabelecmentos
commerciaes qualquorqe seja sua denominaeio,
bem como os eseriptorio* de advugades, solicitado-
res, mdicos, etc., e todas as oficinas : pelo que
de novo faz eerto que lindo o corrento mez de ou-
tubro o referido imposto sobre inansiha c profis-
sSes ser cobrado com a mulla de 6 por cento.
Recebedora de Pernambuco, 6 de outubro
de 1869.
Manoel Caneiro de Souza Lacerdn.
MOVIMENTO DO PQRfO.
Navios entrados no dia 7.
Granja e portes intermedios10 dias, vapor bra-
silero Pirapana, de 312 toneladas, comman-
dante Torres, equipagem 30, carga differentes
generas f a eompanhia Pernaiubucana.
Terra-Nova33 dias, patacho inglez Douro, de
19i toneladas, capito A. Tayler, equipagem 11,
carga 3,0*6 barricas ctim bacalho a Johnston
lUier 4 C. B
LiverpaolSO dias, barca ingleza frank Welson,
de Wk toneladas, capito Charles Dowell, equi-
gem 13, carga dlTereates gneros; a Wilson &
Hett & C.
Navios saludos no mesmo dia.
Buenos-AyresPatacho dinamarquez Inud, capi-
tao C. C. Neelsen, carga assucar.
Rio-Grande do Nortebarca ingleza Jessie Scott,
capito Le Sueur, em lastro.
, Obsercucao.
Suspendeu do lamai-o para o Ctar a barca
Iranceza Orahville, capitao Iriborren, com o mes-
mo lastro qoe trouxe do Rio de Jaueiro.
dem para Parahyba, o brigue norte-allemo
Suphii Lude, capitao losen, cora o mesmo las lio
que trouxe do Ro de Janeiro,
dem para Parabyba, patacho hollandez Heben
House, capillo J. H. Vauier Meen, com o mesmo
lastro quo trouxe do Rio de Janeiro.
Gonselho d* compraa
navaes.
O consellio novamente faz publico que contrata
no dia 9 do corrente mez, sob as condicSes do es-
U'Io e vista de propostas recebidas at as 11 hid-
ras da manha, o fornecimento no corrente tri-
mestre de outubro a dezombro de galinhas para
os estahelecimentos de marinlia.
Sala das sessoes do consellio de compras navaes
3 de outubro de 1869.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
^ ^"
fim.
Meu irmao Salvador sabe, quo, embota se te-
nha elle tornado um ontro Cahim para comigo,
por isto mesmo o nao levarei em conta, delle nao
tenho odip, sendo que da forma porqae se vae
teimando', s me resta pezar de o nao poder
conter.
Como todos sabem, urna queixa nao urna de-
nuncia. Diz Salvador pela penna de sea advoga-
do, que nao dei dita queixa contra elle porque
nao poda d-la. Chama-so isto ignorancia do
ponto mais, trevial do direito criminal. Declaro
francamente, que nao dei a queixa contra S1-
vador por ser elle meu irmo, e forjadamente a
dei contra Joaquim Jos da Costa mordomo do
Gymnasio, porque o considerei e o considero lo
criminoso como meu irmo Salvador, e porque
achando-se na posse de meu escrav-daorraa
porque j sabido, nao me-o quz envegar por
O b.iro de "ampo-Verde ao
publico.
Jos Alves Barbosa l'.'z deslribuir um segando
avnlso, em nome do filho, -.orno da primeira vez.
Soccnrre-se a urna correspondenria, que ara dos
coberdeiros, nduzdo por elle publicou era 2i de
ai.-iio de 1861, e a urna carta tambem sugerida
por elle a um oulro coherdeiro.
A urna e outra cousa respond no Diario de
Pernambuco de 30 do mesmo mez, refutando ca-
balmente o que elles dsseram ; sendo qae um
dos mesmos coherdeiros conheceu logo o artificio
com quo se promova a desunio entre os raem-
bros da familia de Lourenco Jos das Nevos.
Em coniestacao pos desse segundo avulso, me
retiro a es refutacao, ou resposte publicada n'a-
qoelle Diario, e a carta abaixo transcripta do
mesmo Barbosa, bem como aos trechos d'uma
nutra eartt qae dirig rain ao meu advogado o Sr.
Dr. Francisco de Boria Buarque os dous referidos
coherdeiros. Estes documentos provam exube-
rantemente que Barbosa tem sido a causa da dis-
cordia entra os herdeiros, como disae em minha
ultima exposicao ao publico que subsiste era toda
ba plenilade.
Sr. Antonio Jos Gomes.Pernambuco, 13 de
setembro de 1866.Amigo e senhor.Mea filho
Jos segao para ahi com dous estrangeiros que
nao fallara o portuguez, motivo por que eu nao
vou. Os sstrangeiros vo alira de ver se se de-
vem asso;ar com mea lilao, e seguir um novo
melhodo ele agricultura. Rogo-ihe o favor de Ihes
mostrar os limites para elles saberem o qae e
se tem as proporcoes qae elles qaerem. Men fi-
lho nao se pode demorar. Rogo-lhe o favor de ir,
ou mandar por urna pessoa capaz leva-lo, isto ,
acompanha-lo a Gamella. Espero que o dirija co-
mo amigo. O Sr. Rocha que Ihe empreste um ca-
vallo em que elle siga da Barra Grande para Ca-
xoeira. ie nao Ihe for encommodo acompanha-lo
no passeirnd) engenho favor, quo s Vmc. Ihe
pode dar raes instraccSes. Como o Oliveira ahi
est talvez seja preciso Vmc. conservar-se no seu
posto, porm para hir ao engenho Caxoeira facara
nm dia do treguas ficando os negocios adiados.
Mea filho nao leva ordem para entrar em disens-
so sobre os negocios do Oliveira, pesso-lhe que o
poupe dis'io. Emquanto a forma de si dirigirem
para com o Oliveira i a seguinte : Eu tenciono
que Vmcs. fiquem no engenho Ferricosa sem pode-
rem ser eiicommodados nem pagarem renda pelo
tempo de ijuatro a seis annos, ou mais, conforme
o abatlmento da letra do Maluco, isto tenho inten-
cao de thes dar nao se afaltando de minhas or-
den*. Por isto podem fundarse em qnatro, ou
seu annot de renda favorecido! conforme as int-
truccSet qae dei ao Claudio. Portanto podem pe-
dir ao Olinira em cato de arr njo o seguinte:
Primeiro fcarem no engenho peto tempo cima,
supprindo os elle conforme eu me exponho a sup-
pn los. iegundo dar a letra do Maluco paga por
seiscento tul reit, visto ter elle cauta della
nao estar viga por quatrocenfos mil res. Tiren-
ra sarmutir ao Lourenco aos ertiorespara u ha-
par causa'dsto, sendo que a tudo resisti com
nr descaro o ousadia.
A vista disto que meios me restavam mais para
haver o mea escravo de Joaquim Jos da Costa
e de mea mano Salvador ? Tentar a queixa con-
tra um dos dous, embora .ambos fossem crimi-
nosos.
Mesmo assim 6 mezes decorreram, e sem mais
esperanzas de obter dito escravo, cis que por um
caso providencial elle se escapa do fim que Ihe
eslava destinado voltando para meu poder da for-
ma como j foi declarada por este mesmo Diario;
mas Salvador diz que elle velo apadrnhado J
Nunca se vio tanto cynsmo e escarneo a jns-
tica, mais una prova do sua curaplicidade no
crime de que se traa. O escravo veio apadr-
nhado e Salvador foi quera o mandn apadrinhar
por Joo Beicola e Justino que o andavam procu-
rando por toda parte, sem duvida para mo tra-
zerem
Nao se aftlija meu mano Salvador e nem qaei-
ra tomar a si um crime alheio, a justica destri-
buida om regra nunca condemna aos innocente:
tanto Joaquim Jos da Coca como meu mano
Salvador sao innocentes, o criminoso soq eu, por
que me attrevi a fallar no que nao era de mnha
conta, e porque nventei todqeste trama I... DeuN
ajude aos innocentes Joaqun) Jos da Costa
e Salvador de Squera Cavafcanti.
Recife, 6 de outubro de 1869.
Joaquim S Pessoa de Siquira Caoatcanti.
____________ i--=g
dentro da povoac5o,
bem lonse O uso de armas, que se osten- bem, nem mesmo Jepois de amarrado pelo Sr. Dr.
tava publicamente desde o mais qualilica- l+JUSfrll.** fe^JSL1^
do cidadao at o mais inQmo individuo da
plebe, desappareceu de repente, e to sner
gica tem sido a polica no desarmamento
do povo, que muitos teem preferido antes
entregarem as suas armas voluntaria-
mente, do que a exprem-se pesquisa vi-
gilante da polica.
O capitao Antonio Lopes na verdade
o cidadao que est as melhores condices
de puliciar o districto de Baixa-Verde,
sem que pretendamos com esta prop:>>c3o
desconbecer o merecimento de outros ca-
racteres igualmente probos ; mas negar o
zelo, a aclividade e vocaco propria do ca-
pito Antonio Lopes para os negocies po
liciaes, seria urna grande iojustica i'eita
sua dedicaco e aos servicos de longa data.
Quando em geral mal vai a polica, princi-
palmente no alto serlo, j fi algum i feli-
cidade para os habitares da Baixa-Verde
a melhora sensivel que teem experimentado
nesse ramo da administraco publica, de-
pote que o capito Lopes assumio ha nenos
de tres mezes o cargo de subdeleglo do;
mesmo lugar. Os abaixo assignados, pois,
nao sendo indifferentes ao proced ment
vantajoso com que o capito Lopt s tem
sabido cumprir os seus deveres na difficil
misso de policiar o importante districto
de Baixa-Verde ; approveitam-se da oppor-
lunidade para agradecerem ao Exn. Sr.
vice-presdente da provincia pela acertada
nomaM?3o que fez na pessoa do capio
Lopes, nao podendo deixar de produzir
bom resultado um acto emanado de S.
Exc, para o qual foi smente levado pelo
interesse do bem publico, agradi;cendo
igualmente ao digno chefe de polica pela
parte directa que Ibe devida nessa es-
coma.Baixa-Verde, 30 de agosto de 1869.
Antonio Francisco Xavier. Manuel Vi-
eira Batalha Quiabeiro.Luiz Pere'ra Rt-
bero Vianna. Joaquim Duarte Finto e
Silva.Balbino T. de Menezes.Fr.-incisco
Marques Galvio.Joo de Arroda Oabral.
Manoel de Souza Monteiro. Manoel
Joaquim da Silva.Mximo Gomes Coim-
bra.Jo3j Xaxier Bezerra.Tbomiz dos
Santos Estima Lyso.Diogo SoareB Car-
neiro Jnior. Joo Carneiro de Olinda
Campe I lo.Manoel Jos Dioiz. Joio Mar-
ques da Fonseca 4 C.Luiz Antoiir de
Souza Rbeiro.Jos Fernandes Lepes.
Oiympio Elysio do Nascimento Wanderley.
Clementino de Souza Dinis.
Nauta Casa de Misericordia do
Iteeife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife. na sala de suas sossdes,
pelas 4 horas da tarde do dia 7 do corrente, ar-
renda pelo tempo possue- o patrimonio dos orpbos na estrada de
Agua Fria sob n. 6, o qnal divide com os sitios
do D. Mara Rita da Cruz Neves, e o dos herdei-
ros de Henriquc Gibson, pela quantia de 2i0 an-
nuaes, pagando mais iOOJ pela malta que all
existe.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, S de outubro de 1881).
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
guir para os'
Desde j reeebcnjl ?mgaja-se
carga que o vapor pow o| fcrir, a qual dever
ier embarcada nn dia desuidiegada. Encommen-
das o dinheiro afrete ate as dua horas do dia da
su?, sahida.
Nao se recebem como cncommendas senao ob-
leclos de pequeo valor e que nio exrdam a_ 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica,
rudo quo passar destes limites dever ser embar-
cado cony> carga.
Previne-se aos Srs. passageiros Sens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
BAHA
O palhabole Garibaldi, capillo Custodio
Vianna : a tratar com Tasso Irmos.
Jos
Cabo.
Para o Rio Grande do Sul,
Vai seguir com brevidade o b.'igae porluguez
Boa Sorte, capito Looreiro, recebo alguma carga
a frete a tratar no eseriptorio de Amorm Ir-
nims k C, ra da Croz n. 3. ___
COMPAN1UA PERNA.MUOCMRs
DI
Navegagdo costea por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taraan-
dar.
O vapor Parahyba, command.inte Mello, seguir
para os portos cima no da 10 do corrente, a
meia noite. Recebe carga, eneommendas, passagei-
ros, e dinheiro a fretes no eseriptorio do Forte do
Malte* n. 12.
O trama proprio dos criminosos, com metien-
do elles um crime, apoz este, tramara quantos
Ihes vera a mente al que por si mesmo s desco-
brem.
Assim que meu irmo Salvador de Siqueira
Cavaleanti, pela penna feliz de seu advogalo, vem
todo cheio de pezar denunciar-se do crimes que
corametteu, e que pro vados como se achn sem
restar a menor duvida ao juzo recto e imparcial,
vem arada dito Salvador de inslta com suas des-
culpas e defeza de seu amigo Coste ourdomo
COMMERCIO.
cabal e plena pro
se arge,
te lora coresr-
do Gvranasioprestar a
va desses raesraos criraes
Para ehegar ajesta convii
pondencia de Salvador di
da que pelo dstincto Sr.
querque, foi publicada
rente. Ali traosluz a ve
que jamis pode ser confi
nhece a caladura do crime,
da e medrosa, procurando t
couhecida arma da caluma e
: fundado ao axioma, de qu jnuitos a um ti
a se i amigo Voluraes entrados com tasadas
dem dem com gneros
pso di Albu-
do cor-
e nua,
ti recq-
PRAgA DO RECIFE 7 DE OUTUBRO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TABDB
Algodo de Goianna sem inspeceo 1*076 por
kil. (hontem).
Algdtio da Parahyba 1* sorte |iS2a por kil.
posto a bordo, retc de il/IC e 9 0/0 (hofitem).
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 3(1 d. por
i 5000.
?. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Novo Banco de Pernambuco
em liquidadlo, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas poden receber o
sexto dividendo de um e met por ceoto
do capital: s quarta-feiras e satudos.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco. em liquida-
;o, 24 de setembro de 1869.
Pela caixa filial se faz publico que as
notas de sua emisso de valor de 20(J0Q0,
de d. 117,501 por diante e quewtio sendo
substituidas na tbesourarla geral pelas di-
laceradas, nao sao -rubricadas, e smente
assignadas por um director do banco, e
pelo liquidante da caixa abaixo 'asig-
nado.
Ignacio Joaquim de Souzft Jfifo,
, ALPANDEty.
Hendimenlo do dia 1 a 6 183:730*613
dem do dia 7..... 25;177#19i
O cdadio Antonio Aagoal #a Fonseca, cavalhei-
ro da imperial ordem da WosB, c primeiro juiz
de paz da freguezia do S. S. do bairro de Santo
Antonio da cidade do Recife, provincia de Per-
namboco, e presidente interino do collegio elei-
toral do Recife, em virtude da lei etc. etc.
Paco saber que, pela cmara municipal me foi
remettido o oficio do theor seguinte:
Socretara da.cmara municipal Io de setembro
de 1869.Illin. Sr.Tendo o Exm. vice-presden-
te da provincia por officio circular de 24 de agosto
prximo findo, convocado a nova assemblea legis-
lativa provincial para a futura legislatura, que tem
de funecionar nos annos de 1870 1871, desig-
nando o da 28 de novembro prximo vindouro
para a eleicao dos membrosda mesma assembla;
esta cmara assim o communica a V. S. para sUa
intellgenca, e allm de que convoque tambem os
eleitores dessa freguezia para o da indicado, to-
mando em eonsideracao o que dispoe o art. 2." do
decreto n. 2633 do i. do setembro de 1860.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Antonio Augusto
da Fonseca, juiz de paz da freguezia de Santo An-
tonio. Manoel de Barros Barreto, pi presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario.
Em cumprmento do referido offlcio convido os
eleitores nao s desta freguoza, como das do S.
Fr. Pedro Goncalve, S. Jos do Recife, Affogados,
Varzea, Sanio Amaro Jaboatao, Murbeca, S. Lou-
renco da Malta, Poco da Panella, e da Boa Vista,
que constituem o referido collegio, aflm de que
todos comparecam na igreja matriz de Santo An-
tonio no dia 28 de novembro prximo vindouro
pelas 9 horas da manhai. para qae procedam a
urganisacao da mesa, c mais actos relativos a elei-
cao dos merabros da assembla provincial, con-
forme determinara as leis respectivas.
E para qae chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edilal, quo ser afixado
nos lugares mais pblicos da freguezia, e publi-
cado pela imprensa.
Recife, 6 de outubro de 1869.
En Joaquim da Silva Reg, que o llz e escrevi.
Antonia Augusto da Fonseca.
O cidadao Antonio Augusto da b'ouceca, cavaiuei-
ro da imperial ordem da Rosa, e primeiro juiz
de paz da freguezia do S. S. do bairro de Santo
Antonio da cidade do Recife, provincia de Per-
nambuco, e presidente interino do cojlego elec-
toral do Recife, era virtude da lei ete. etc.
Fago saber que pela cmara municipal me foi
dirigido o offleio do theor seguinte:
Paco da cmara municipal do Recife l. de se-
tembro de 1869.Ulna. Sr. Tendo o Exm vice-
presidente da provincia por offlcio de 24 de agosto
prximo findo declarado a esta cmara, que, ha-
vendo o governo imperial por aviso de 31 de julho
ultimo determinado que se procedesse a cleieao
para ura deputado assembla geral legislativa
pelo i. districto desta provincia, afim de preen-
cher a vaga que se deu na respectiva cmara cm
consequencia de haver prestado juramento o to-
mado assento no sead i o Exm. visconde de Ca-
raaragibe, tinha designado o da 26 de novembro
vr.douro para a reuniao do3 eleitores no edificio
j indicado em circular da presidencia de 19 de
dezemb'o de 1800 (igreja matriz da freguezia de S.
Antonio), pelo que a mesma cmara recommenda a
V, S. que convoque para a referida eleicao os
eleitores desta freguezia, os quaes devem reunir
se no mencionado dia para aquelle fim, como ca
dito.
Deus gaardo a V. S.Illm. Sr. Antonio Augusto
da Fonseca.juz de paz mais volado da freguezia
ue Santo Antonio.Manoel de Barros Barreto,
pro presidente.Francisco Canuto da Boa-viagem.,
secretario.
Em cumplimento do referido officio convoco os
eleitores deste municipio para a reuniao do colle-
gio no dia 26 do novembro prximo, aflm de pro-
ceder-se eleicjio de ura deputado que deve dar
este circulo para preencher a sobredita vaga.
Era consequencia do que devem comparecer na
jgreja matriz desta Iregnezia pelas 9 horas da ma-
nnaa do dia 26 de novembro cima declarado, os
respectivos eleitores geraes, que compSera o ol-
legio do Recife; os qnaes sao: de S. Fr. Pedro
Goncalves, de Santo Antonio, de S. Jos, dos Afo-
Sados, da Varzea, de Santo Amaro Jaboatao, de
luribeca, de S. Lourenco da Malta, do Poco da
Panella, e da Boa Vista. .
E para constar mandei afflxar este na porta da
igreja matriz desta freguezia, e publicar pela im-
prensa.
Recife, 8 le outubro do 1869.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao que o Oz e
escrevi.
. Antonio Augusto da Fonseca.
Pela collectora de diversas rendas da villa do
Cabo avsa-se aquellas pessoas que foram collec
lada< venham satisfazer o imposto pessoal do xer-
cicio de 1868 a 1869, viste estar a findar-se o
praso.
CORREIO GERAL
Relacao das cartas registradas vindas do norte
pelo vapor costeiro Pirapama para os senhores
alraxo declarados :
D. Anna Rosa Garca Marques, Antonio Fran-
cisco dos Santos, Dr. Antonio Joaquim Buarque
de Nazareth, Bemjamin Constancio de Moura,
Candido Grgorio os Santos Siqueira, padre Flo-
rencio Xavier Dias de Albuquerque (Iguarass),
Francisco Vieira Perdgao, conego Joao Pinto de
Campos (2), Manoel Gomes de Mello, Dr. Pupilo
Liberato Baudeira de Mello, D. The dora Joaiuraa
de Souza Braga, Dr. Tristao de Aleucar Arari-
pe ()____________________________________
Gorreio geral.
O Sr. Miguel J. C. Mera queira ter a bondade
de comparecer repanicao do correo desta cida-
de, afim de receber urna carta rccomuiendada vin-
da do sal.
GOMPAN1IIA PEKNAA115U(_iNA
DE
Vivcga Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah. Acarac e Granja.
O vapor Parahyba, commandanie
Torres, seguir pira o porto cima no
dia 15 do correte a* 'i horas da tarde.
Recebe carga al o lia 14, encomrnendas, passa-
geiros e dinheiro :i frete ate as 2 horas da tarde
do dia da sahida, no eseriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12.___________________t
Para o Rio Grande do
Sul
pretende sahir com brevidade para o porto cima
mencionado o patacho nacional Senltora das Ne-
ves, de primeira marcha : par1, carga trata-sn
com o consignatario Jos Joaquim da Silva Gomes,
ra da Cadeia n. 52.
209:007X805
MOVIMENTO DA ALFAMDEGA
IMraeukklot com fazenda
Idea ideu cora gneros
arregara boj* 8 ie
Hermmetoread
-O/ndo-i-Mi.
384
796
-----1180
90
178
*
366
PROGRAMMA.
GRANDE CONCERT
Em beneQcio do clarinetista brasileiro
Antonia Duarte Vianna.
tte-la-feira, 8 de outubro
Em os satoes do Club Pernambucano.
Primeira parte.
1.Grande e linda ouverlura executada pela or-
chestra.
2.Grande phantasia tirada da opera D. Paschoal
(por Cavallini), e executada no clarinete pelo
beneficiado, e acompanhada pela orchestra.
3.A Exma. Sra. prima-dona Clementina, cante-
ra um pedaco qualquer do seu repertorio, e
ser aeompanhado no piano pelo insigne
maestro Gealdini.
4.Carnaval de aples para flauta de (Henrique
Folz) executado pelo hbil flautista Saluslano
Lbanio 1 henorio, e aeompanhado no piano
Selo distincto pianista brasil iro (o Sr. Clau-
i0)
5.Grande phantasia tirada da opera Elisir dA-
more, por (Gallay) e executada no pistom pelo
insigne professor Bento da Silva Ramalho,
que pela primeira vez se faz ouvirpelo res-
peitavel publico pernambucano, e aeompa-
nhado no piano pelo insigne maestro Gialdni.
Segunda parte.
1.Linda syinphonia tocada pela orchestra.
2.Difflceis variacoVs para clarinete por (Cavalli-
ni) intitulada Canto Grego, tocada pelo beue-
llciado, e acompanhada pela orchestra.
3.Romance Eri tu che mac iavt quelangelo, da
opera Un bailo in matihere, cantado pelo
distinelo baritono da excompanhia lyrica, o
Sr. Lionda Boschn, e aeompanhado no pia-
no pelo maestro Gealdini.
4.Variacoes sobre o carnaval do Veneza (por
Paganini) e executado na rabee pelo hbil
professor, o Sr. Francelno Domingos do Mou-
ra Pessoa, e aeompanhado pelo maestro Geal-
din .
5.Divertmento para flauta, composto e executa-
do pelo Sr. Salustiano, e aeompanhado pela
orchestra.
6.Linda phantasia da opera Somnmbula (por
Cavallini) e executada pelo beneficiado o acom-
panhada orchestra.
O beneficiado aproveiti a occasiao para agra-
decer do antemo aos seus collegas e irmao
d arte, o brinde que Ihe fizeram om prestarem-sc
generosamente ; o gual Ihes agradecem cordial-
mente, protestando que sempre se confessar
eternamente grate. Oulro?im : o beneficiado par-
ticipa ao respeitavel publico, que nao poupoa tra-
halhos nem fadigas, s aflm da apresentar om
lindo e variavel oncerto, capaz de deleitar por
duas horas, a este bondoso e ruspeiuvel publico.
Principiar s 8 horas.
Rio de Janeiro
Para o indicado porto preten !< seguir com umi-
ta brevidade a barca portuguesa S. Joao, por ter a
maior parte de seu earregamento engajado, e para
o resto que Ihe falla, trata-se com o consignatario
Joaquim Jos Gong Uves Beltro, raa do Cvmmer-
co n. 17.
LE1L0ES.
TerrenOs e esteiras para
forrar casas.
O agent' Pontn.il competentemente antorisado,
vender em leilo os terrenos geg lintel sendo : >
primeiro com um;. frente para a na da Saudade
o outra para a ra da nio, entre as casas ter-
reas do Sr. Dr. Alcofarado e herdeiros do finado
Luiz Gomes Ferrera, tendo 45- palmos de frente
e 296 de fundos ; o segundo era segumento do
primeiro, com os mesmos fund.-s, tanto do frent.;
como de fundos, tcedo urna frente para a ra d.i
Saudade o outra liara a dos Ferrciros; send am-
bos os terrenos f jreiros a marrana ; o tereelro
cora 300 palmos da frente e du'.entos a trezentos d
fundos, (sollo proprio) o qual acha-se defronte de-
muro dos sitios do Sr. Dr. Foi.-om e o do Barao
de Bcmfica.
Na mesma occasio venJer-so-i.r. 11 pecas iln
epeiras para forrar casas, em estado pereito e
lendo 4/4 de largura, sendo n'um so lote cu ora
diversos, a voutaie dos licitantes.
HOJE
DEGUMCOES.
Pela secretaria dn Santa Casa de Misericor
da do Recife, se convida- aos prenles das meno
res abaixo mencionadas, vrem recolhe-las o
collegio das orphat, viste assim o haver resolvtdo
a iMtna. junta em sessiio de 30 do mez lindo.
Joseptiw, Ulna de Anna Rosa do Sacramente.
Adeiaide, i de de Gal di na Mara dos Anjos.
Joseplia, Mea de Senhorinha Joaquina dos San-
tos.
Hara, dem de Joaquina Candida de Canha No-
bre.
Arma, dem da mesma.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, de eotubru de 1869.
O escrivao,
_^^_______ Pediv Rodriowt de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. ionta adminirtrativa da Santa Casa- da
Misericordia do Recife precisa contratar com quem
se queira encarregar de fazer su custa as obras
de que necessita o sobrado n. 37 da rn* da Moe-
da, concedendo ella, alera de outras vantegens, o
arreodaroento por grande numero de annos.
Recebe para isto empostas em cartas fechadas,
oa sala oa suas sessoes, deveodo os pretendentes
cxaminarem as obras de que carece o predio.
Secretarla da Santa Casa de Misericordia dn
Recife, 4 de setembro de 1889.
O escrivao,
_________________Pedro Rodrigue* de Souza.
O administrador da recebedora de rendas in-
ternas geraes, constando-lite que algumas pessoas
do commerco desta cidade esto persuadidas de
que o aunando qae elle fez publicar e tem sido
AVISOS MARTIMOS.
WA1IA BRASILERA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 7 do crrante, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J.
P. Guedcs Aleoforado, o qnal
depois da demora do costume se-
guir para os portos do norto
Desde j recebem-se, passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ier embarcada no dia de suachegada. EnooiMaen-
dase dinheiro a frete at o dia da sua saluda as
________
Nao se recebem como cncommendas senao ob
lelos de pequeo valor e que nao exeedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicae.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previoe-se aos Srs. passageiros, qae suas pas-
sagens s se* recebem na agencia a ra da Cruz
n. 37 primeiro andar, eseriptorio de Anbno Luiz
do Oliveira Azevedo 4.C
No primeiro andar do sobrado
Cruz, as 11 limas.
D.
i_, a ra i! i
a 8 do corrente.
O agente Oliveira hri ieilio por conta c risco
de qnem pertcneer, de urna caixa contendo 7S
pecas de mastiee de seda e de algodao ou fila
elstica de horra ta, 17 duzias _e camisas finas n-
glezas avariadas. c de urna caixa do canelas, pea-
nas d'aco o botocs de punlio, eu.
HOIE.
s 11 horas da manha, ero sea eseriptorio ra
da Cruz n. 4, primeiro andar._______________
LE (LAO
De urna grande caga terrea com
un sitio.
O agente Pontual, competentemente aatorisad,
vender urna casa terrea tendo commodos par-
grande familia e com um sitio, o qual tem bastan-
te arvores fructferas ama cacimba com escol-
enle agua para beber, cm solo proprio, no princi-
pio da estrada di s Afilelos n. 23, tendo a fr_i
para o hjeco do Espinlicro C muito perto das
eslacoes do Manguind e S. Jo.
Os senhores pretendentes podero examina-la e
feoncorrerem ao leilo
TERCA-FE1RA 1S DO CORRENTE
oo priman o andarlo sobrado n. 6_, a roa da Crur,
_ 11 horat da manha.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
avegaeo costeira por vapor.
Maraanguape.
O vapor Mandah, comman-
dante Julio, seguir para o por-
to cima no dia 12 do crrente
as t horas da urde. Recebe car-
---------------pjr ga, eneommendas, passageiros o
dinheiro a frote at as 3 horas da tarde do dia
da sabida : eseriptorio no Forte do Maltes n. II.
Jl_A
r. tjSrp
Pars^H pJPMe seguir com
muita brwBm "*W mito** Pr "
a maior parte da carga engajada, o para o mu-
co quo Ihe falte, traU-sc com o consiguatan
Antonio Lniz d*r Oliveira Aapai. c. C, na
Cruz n. 57, primeiro __r.
II\IIIAN
_a importancia dr 40: 3_Yi&
rla
Quarta-feira 3 de novei__i u de 1869.
O agente Pinto levar leilo, 1.1 horas do
dia cima dito, for antorisacao c M|da
extncta lirma do Sonthal Mellor. ft .. as idas
na importancia de 40:4371190 rs., t
31:187*310 rs. de oonjBR-i-do .
de penhora contra J. de Siqueira B
9:4*840 rs. de conformidade
dos contra A, Pinto de
flectuado no (lia
referido afete, roa da
AVISOS
Eustaquio Antonio Goi
Thereza E. S. Gomes, a professora I
la de Agua-Preta tendo retirado-se |
O' de Ipojuca para onde fdra ream
cora cordialmem tedas as pessoas daquolla vjl-
la com quem tiveram a foJicidadq de entreter re-
lacfies d araizade, cora esp_Widad_ ao 8r. fran-
ciw Antonio das Chagas e sna laiwla ofcfaaea-
do seas limitados prestimoH no lagar onda ora
reaidem._______________________
Uva. e maqitas desembarcada
hontem,
im_ uvas (aoltas das cjixa|) muito docod, ^
is: no deimo de i tas ; da ta
do Rosario n. 36.
4

.

\
,

_


I
Pernamhuco Sexta
Wa
8 de Oulubr
o
rlp
lflfQ
i
para da de finad lorembro), na luja de
Antonio Angu>: jos ftnntos Purlo, na praca da
Independencia, gfeco deposito rwsta cidade, ricas
apellas para se eolloc.ireiii as catacumbas e t-
mulos, no cemiteriu pnlilico e as igrejs, com
as inscripeScs quintes :
Meu pai.
Minha uiii.
Moa e?i
Minha esposa.
Meuilllio. .
Minha fliha.
Meu amigo.
Saudade.
Unir, lagrima. ______________
Precisa-se de una ama nu ra de lionas nu-
mero "0
*Alii|5am-se iluises.-ravas para scrvii; inter-
no de caa de familia : quem precisar dirija-sc
em Santo Amaro ao sobrado jauto do cemitorio
inplez.
Trilhos urbanos do
Recifo*a Olinda.
0 :5cri,itorio d^nfttjppanhia foi transferido
para o pnmejft) andar do predio n. 35 da ra
Nova, entrada pela ra das Plores n. 14, o qoal
estar aberto todos Os das litis, das 9 horas da
ruanhia s 4 da tarde
Reiife, 4 deoutubro de 18 9.
Joo Joaquim Alen,
! secretario Interino.
Precisa-se de urna ama para coiinhar ou
enftoinmar : na ra da Cadeia n. 10. ^______
Na ra de lljrus n. 1, precisase de unta
ama para eotiiihar e comprar __________
Leonria de Luna Prein, pr ifessora publica
de.hulracco primaria do sexo femenino da ca-
lelra dos Arrumbados, avisa aos senhores psis de
iamilia t[ue se ada com 1- do vigente
na povoacao do Apipucos urna earteira cctendo
OOjOOOo una chave de relogio : a pessoa que
achou, querendo n:stitu-la mediante una boa re-
compensa, dirija-sc ao hotel do dito lugar.
abaivi asignado pelo presente declara a
publico a especialmente ao corpo commercial, que
desde esta data leni aJiuitdo como socio no seu
rtstabelecimento do fe ragens ra Nova n. 37, o
Sr. Manocl Joaquim Hodrigues Perretr, e pnssan-
lo a gyrar o dito ostabolecimento sob a Urina de
II idriguos & Hiuicteno.
Ilecife 1 de outubco de 186!).
Heinetorin Maciel da Silva.
Pug do engenho Hola da fregnezia da Es-
cada, pertencentc ai abaixo assignado, o mulato
l'ranquelino, bailo, bonita figura, principiando a
barbar, ps grandes c argos, e o dedo pollegar
de urna das mitos aleijado de paliando, c falla um
pouco ronca, postuma mudar de nomo e intitular-
se forro ; faglo com camina a ceroula de algodao
da mata, mas cosiuTia furtar roupa c. mudar de
unge : quem o pesar podo leva-lo ao Rncifo a
entregar ao Sr. Albino Jos Ferrara da Cunta,
largo de S. Pedro, era ao referido engenho, que
ser generosamente recompensado.____________
iiTM.
Prerisa-se de urna ama livre ou escrava,
meia Idade : na ra IMIa n. 22._______^^
belec'mentos da ra da Imperatriz n. 15.
ConlVaria e caf fraiicez.
Sao rogados a vjr pagar suas dividas al
o dia 12 do correnteseno querem ver
seus nomes publicados neste Diario sem
xcepco alguma _______________
Aviso
100-)000 de gratficac3o
Desappareceu na madrugada do primoiro
fronte da estaro (Casa Forte), dos trilhos
fbanos, um cavallo ruco pedrez, grande
gordo, dinas cauda pretas, e com sgnal
de ferida de corda no p esquordo, porem
"lAecca. -se 100S a quem levar dito
cavallo, casa de seu dono, n. 23 da ra
/da Soledade, d'esta cidaie.
Em tempos modernos nenhum descubri-
raento operou maior revoluto no modo de
curar anteriormente cm voga do que o
PEITOML DE A\ACAHI1TA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CHOPO,
ASTIIMA. THISICA,
nOl'QUIDO, nKSRUAMENTOS.
BRONCIIITKS.
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PF.ITO, '
EXPECTURACO DE SANGCE.
Como era I oda a grande serie de enfermi-
dades da gatGASTA, do peitoc dos orgaos
da respirado, que tanto atormentan) e fa-
zemsoffrera humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista geralmente na appli-
cac3o de vesicatorios, sangrias,sarjar ou ap-
plicar exteriormeute ungentos fortissimos
compostos do substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; lujos differentesmo-
dos de curar, nao faziam seno enfraque-
ccr e diminuir as (breas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truicSo inevitavel do sua victima Quem dif-
ferente pois o elfeito admiravel do
PEITORAL DE ANACAHU1TA I
EM VEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAUZAB
INAUDITOS S0FK1UMENT0S AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA F. SUAVIZA ADOR.
ALLIYIA A 1BRITACA0
DESENVOLV-: ENTENDIMIENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relacoes analgicas, ou alm dsso^a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes l'oram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
sufficientes para sustentaren!, a opinio do
PEITORAL DE ANACAHITA I
Deve-se notar que este remedio se aclia
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, cornos quaes to
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composico de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafada
m frascos da medida de cerca de meio
quartillio cada uai,e cerno a dose que se to-
ma s d'uma cerner pequea: basta ge-
ralmente appcaco d'um ou dous frascos
para a effectuaco de qualquer cura.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. mvo C, P. Maurer
A C, M. A, Barbosa. Bartholomeu & C, e
em todas as principaes boticas lojas de
dragas.____________
----------P
O teneate coronel cohimandanto e oIBciaes do
batal ao da guarda nacional n. Si, sonvidam aos
prenles e amiga do finado teneotc cirurgiao do
mesn o batalhao Herculano Fortuna Pesaoa. para
assistirem a urna missa de re<|uieir> que ser ce-
lebra la na matriz dcsta villa ,abbado 7 do eor-
rente as 8 botas da manhaa. Villa do Cabo 6 de
oututro de 1869.
Prcei
viga in
tratar n
nina osera va-
no n'uma c
iz n. 63, se
1VISI)
Silva 4 Noves declaram pelo presente, que*
desde 6 do correte, deixou de ser seu caixefro
o Sr. Lauriano Jos de Oliveira. Hecife, 6 de ou-
tnbro de 1869.________________________
CASA DA Fl.
Aos 20:000^000.
ilhetes do itio venda : ra do Cabug n. 2,
vende Vieir & Rodrigues.
t----------------------
Troco miudo.
Da se bom premio por sedulas de 1*000, ti;
Si, 10# e 20 (nova ostampa: oa casa de Theo-
do-re Simoc V C, largo do Pelourinbo n. 7.
Precisa-se de nma familia capaz que se en-
carregne de lavar o engoinmar roupa de homem
eom :otla a perfeic) e ajsoio, e se responsabilise
por qnalimer falta ou troca : dirija-se a ra Bella
n. 37, sobrado de dous andares.
fta-se 1:3001 a juro de 1 1|2 0|O com s*gu"
ranea em predio dentro desta cidade : a tratar na
ra da Palma n. 63.___________^________
Precisa-se de nma para o servico interno e
exter o de urna casa de familia, prefenndo-se
escrava : na ra larga do Rosario n. 16, por ci-
ma d> padaria do Sr. Manoel Antonio de Jess.
Engommaieira.
Preci-a-se de urna engommadeira : no segundo
andar dn sobrado da rna Direila n. 82._________
Precisa-se de comprar um escravo de meia
idade : quem o tiver aparega no pateo de Tergo
n. 63 ______
a festa,
a Nova
m
inmento de
o qne ne
Nova loja de calcado
JOAQUIM DAS DO' C. acabam de abrir am estaba-
fado estrangeiro a na Nova n? 30, onde o publico entontrar tudo .
ncro de commercio fr de melhor e de mais gosto em Pars e Londres.
Por todos os vaporas transatlnticos receberSo elles constantemente remw
calcado novo, pelo que ter sempro o estabelecimento o que a respeito se pode
gir. Ao publico em geral e a seus amigos em particular, pedem a cooperaba*
Ihes possam dispensar, cerlos de que serao servidos com lealdade.
mmwmammmm mmmmmmmMm mmmmmmmm
i
que
3
n
f ^ c do'
2 3"t2. S
5 5? ._ P ~'
"I -I
Precisa-so de urna ama de boa conduela
tratar mi ra do Imperador n. 65, 2o andar.
Irmaadade do menhor dos Pas-
aos, na matriz do Corpo
Sauto.
Convida-se a todos os irmaos desta irmandade
pat;a mesa geral de ekico no dia 10 do eorrento
mez, domingo, as 10 horas da manhaa, ne respec-
tivo consistorio
O fi'crivo,
I. 1. Lima Bairao.
Nusta lypographia se precisa comprar
dous caixilhos para alcovas, que tenham U
palmos de altura e 5 de largura.
Fugio no dia 29 do mez passado a escrava
Severina, cabra, natural da cidade do Aracaty,
com os signaes seguintes : altura regular, cheia
do corpo. olhos penenos, testa estreita, Taita d
dentes na (rente, tem o dedo polegar ou o mnimo
da mi esqnerda um pouco dobrado para a palma
da mi, beigos finos e bastantes rxos, levou urna
trouxa conteni dous vestidos, um de chita com
listras encarnadas, e outro di aa cor de cinza, e
foi vestida com um vestido de chita escura com
palmas braneas anda novo, chale de lia cor de
bonina, e um outro servndo de rodilha, com um
taboleiro de llandres; descontia-se que ella esteja
oceulta em alguma casa, pelo que se protesta con-
tra a pea-oa que a tiver occnllada, obrigando-se
a pagar o< (lias de sorvigo : roga-se, portanto, s
autoridades o mais pessoa, que a apprehendam e
a levem ra do Amorim n. 39, Io andar, ou
ra do Hospicio n. 47, que se gratiiicar._______
Cozinheira.
Precisa-se de urna cosinheira hvre on escrava:
na ra do Crespo n. 23. _________
Aluga-so urna boa casa para pas
na p<: voacao do Monteiro : tratar na
o. 15, -2' andar.______________
Prefisa-se de alagar um piano ou compra-
se : i pessoa que tiver derija-so ao pateo do Ter-
c/i o. fe.________________________________;______
Precisa-se de urna ama para casa de moco
solteiro : na ra da Praia n. 58.
Aluga-se nma grande casa e sitio, tendo ca-
cimba com muito boa agua de beber, perto da
povongo da Varzea e do rio Gapbarihe ; outra
dita pequea junto a mesma ; a fallar na ra de
Horlas n. 2, Io andar.
AMA
Precisa-so de urna ama para compar o cosi-
nhar, paga-so bem : tratar na ra Nova, loja
numero II._____________________________
- Manoel Lopes Ferruira, tendo vendido a ta-
berna sita r a nova da Cadeia n. 7. julga nada
deve ; e quem se julgar credor aprsente sua
canta no prazo de oito das contados d'esta data,
na n a do Rangcl n. 3, e roga a seus devedores
quero mesmo prazovenham pagar o que devem,
afina 3e nao serem executados.
Recife, 2 de outubro de 1869.
ES
6* _
> ~
re a
= o
o g
? 3
S*
'&

g re _,
3 sr s a-
a M c 2 o' =
V-
o
AYISO
Para fazer parlilha, vende-se por barato preco
duas pequeas casas, urna de taipa em mo esLado
e outra de um oitio, frente e fundo de tijolo, em
chao foreiro, e um pgo para peixe, na ra do
Carueiro, freguezia dos Afogados : a entenderse
com Francisco Jos Ferreira Bastos, na ra de
Santa Cecilia n. 37._______________________
SOCIEDADE KIAO BENEFICENTE MA-
BITIMA
Pela directora sao convidados todos os socios
para comparecerem na reuniao da asse:nbla ge-
ral, no domingo 10 do correte, as 10 horas da
manhaa.
Secretaria da sociedade Unio Benedcente Ma-
rtima em Pernambuco 6 de outubro de 18f>9.
O 1 secretario interino.
Manoel Une* Ferreira.
SLOB PERMMBUCANO
A partida do corrente mez tora lugar na noute
do dia 16.
Prccisa-sc de urna ama que compre e coziohe
para duas pessoas : na ra da Senzala-nova n.
112, 3- andar.___________________________
Precisa-se de urna criada portugueza de con-
ducta afiangada, para curar de meninos em urna
casa .le familia, devendo saber lavar e engommar:
a tratar na ra do Crespo n. 12, escriptorio.
Aluga-se
urna ca a em Beberibe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Commercio n. 3t.______________
"mnibus para Olinda.
Pra ncieoo C. de Medeiros avisa a* publico que
do dia 9 do corrente havera mnibus para a dita
cidade as horas seguintes : do Recife para Olinda
as 8 'loras da manhaa, e a tarde as 3 lr2 e 5 1|2,
de Olinda para o Recife as 7 e 9 da manhaa, e a
Urde as 4 1|2, sendo o preco 500 rs. por viagem.
O testamenteiro do fallecido subdito francez
Joao Vignes, -convida aos devedores do finado a
saldarem seus dbitos amigaveimente, do contrario
serio ajuizados sem excepgao alguma.________
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar para ra-
pazes solteiros: na na da Lingoeta n. 1._______
Pao inglez
de excellente fabrico, todos os dias, das 6 as 7 ho-
ras di manhaa, na ra da Carnario n. 13^______
UN I MAM
FIO DEVELA
Barbante
Em casa de Rabe Scbmetau & C. Corpo
Santn. 15.
SflERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COKMAC HEWWESSY.
Em casa de Rabe Schmcttau & C. Corpo
Santo n. 15.
CAHMPANHA
SUPERIOR*
lloussillon, carte blaiiche.
Em casa de Rabe chniettan *
u Corpo Santo n. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CHATEAU RAU3BAW
Em casa de Rabo Scbmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
________________________'
Joaquim Jos Gon-
?alves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, l.8 ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ran-
eo do Minho, em Rraga, e sobre os segain-
teslogares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valen^a.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do.Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
ViUa Real.
Villa-Nova de]Famalicao.
Lamego.
Lagos.
CovilhSa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Rarcellos.
C -i
O wi
B a
S.2. 3 3 5"g
o co < a:
3 cp ra o> r. j.
3 2...
o
9>
t
s-
I
ce
2
8-
O
B9 O.
fia
. co
a
o
l-39 g i
- *
X B3 t- o,
g-S C o ft>
CL 2.-1 'j' ce
-5-020
tt-O. fi>T5

c> ^t
iil
. 3 i -
d a o
i;
_ O
53=1""
3 "3 o
co en _,
.,3 Se
^6J C 2 22
^ N >1 Q. CO
- O 09 t
.2 09 -5 CO
5S. SM a co.S-
o- n o oj a a

ti
S"

0
o
co
o
?o
p
>
o
I
S5
Moto ortlmen calcado franeez, lu-
vas de pollita Jojivh,
O0:1 perfumarla, qniu-
qnilharia de phanta-
sia e lti\o. e brinque-
dos para meninos
Moto sortimento de
calcado francez, lu-
Tas de pcllica.tiouTin.
fina perfumarla, quln-
qnllharfa de phanta-
sla e ln\o e brinque-
dos para meHlnos.
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
N. 7RA NOVAN. 7
Acaba de chegar este montado estabelecimento novo sortimento de bom cal-
cado para homens, para senhoras, para meninos e meninas, escolhido as mais im-
portantes e conhecidas fabricas premiadas de Paris, esquesita e fina perfumara de
Coudraye dePiverluvas de pellica de Jouvin, espelhos, leques, obras de ouro,
caixinhas de costura, e um sem numero destas e outras qoinquilharias francezas de
muito gosto e phantasia, e a mais intereesante variedade de brinquedds francezes e alle-
mespara entretimentode crianzas; ede agora em diante continuama chegar remessas
por todos os navios e paquetes para o grande sortimento da festa, e tudo precos re-
sumidos, por serem os sortimentos comprados na Europa e remettidos em direitura com
os maiores abatimentos das fabricas, em attencao s repetidas encoramendas.
CASA A FORTUNA
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
A na do Crespo n.23 e casas do costume.
Ach*m-e a venda os bilbetcs da 29a parte da
lotera a beneficio da Sautt Casa da Misericordia
(123") qne se extrahir no dia 16 do corrente.
Precos.
Os do costum?.
_______ Manoel Martins Finza.
Faz-se comida para fra eom asseio e promp-
tidao : a tratar atraz da matriz da Santo Antonio,
cobrado n. 18, 1, andar [por cima databerna.
BEBERIBE.
Aluga-se urna casa na povoacao de Beberibe,
com trastes : na ra da Imperatriz n. 15.
Hotel Uniio, ra do Hospicio
n. 84.
Esle novo estabelecimento fornece comedoria
com promplid:'0 e aceio, tanto para fra como pa-
ra dentro do dito estabelecimento, assim como nos
domingos e dias santos ter mo de vacca e outras
iguarias, todo3 os dias liaver papas de diversas
qualidades ; assim, pois, o proprieUrio espera do
respeitavel publico toda concorrencia e protec^ao,
visto ter um bom cozinheiro.
Corpo patrloco de lanceiros.
De ordem do Illm. Sr. tonente-coronel comman-
dante, scientillco aos Illms. senhores offlciaes e pra-
cas deste corpo, que domingo, 10 do corrente, as
3 horas da tarde, haver exercicio no sitio do mes-
mo seuhor commandante, Porta-d'agoa, em A-
pi pucos.
Secretaria do corpo patnoco de lanceiros em o
de outubro de 1869.
Severino Dnarte,
Tenentesecretario.
Alugam-se
duas casas terreas sitas no Manguinho, a margom
do rio, recommenJaveis pela via frrea : a trataj
na ru a do Vigario n. 34.___________________
Precisa-se de um caixeiro: na padaiia da ra
Direila n. 8i,
Na padaria da ra Direila n. 24 precisa-se
alugar dous escravos para o servico da mesma.
Amas
Precisa-se de duas amas, sendo urna para lavar
e ensommar, e outra para cozinhar e comprar
para casa de pouea familia, prefere-se escravas :
a tratar na ra do Imperador n. 17, 2 andar.
Engommadeiras
Pr?cisa-se de duas engommadeiras que sejam
perfeltasepagamsebem: na ra do Brum nu-
mere' 100. ___________
Aluga-se
o sitio na estrada da Torre do finado Diogo Jo3
da Costa, com boa casa ajsobradada, cocheiras
para carros e cavallos, e quartos para pretos, bai-
xa para capini, arvores de fructo, com todas as
commodidades : quem pretender appareca na ra
Nova n. 12.
Em casa de THEODORO CHRIST1
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
effectivamente todas as qualidades de vinhc
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
AMA
Precisa-se de urna ama, livre ou escrava,
que saiba bem cosinhar, e seja de muito
bons costumes. Dirigir-se ra Bella n.
37, sobrado de 2 andares._____________
Na ra do Imperador n. 38, loja, precisa-se
de um criado.
Ama.
Precisase de urna ama para engommar para
urna pessoa : na ra da Roda a. 46, 1 andar.
A' ra do Crespo n. 20 A, esquina da ra das Cruzes.
Alvaro Augusto d'Almeida A C. partecipam ao respeitaveljmblico, e com es-
pecialidade s Exmas. Sras. que o seu antigo e acreditado estabelecimen'o ra do
Crespo n. 20 A, de pequeo que era, acaba de ser transformado em urna bonita e vasta loja
de fazendas finas aonde pela sualocalidade eamplid5o, o publico n3o s ter todas as com-
modidades para fazer suas compras, como acha-lo-h3o desde j prvido de um variado e
escolhido sortimento de fazendas finas e grossas, o que tudo se vende por precos m-
dicos. ... ...
Este estabelecimento, apezar de estar ja bastante conhecido, os seus propneta-
rios tem resolvido entitula-lo por LOJA DOS ARCOS, para evitar equvocos, e torna-lo
por esta maneira ainda mais popular. Eucontra-se nesta loja
* Ricos cortes de blond e de seda branca para notas.
Ditos de seda de cor e pretos.
Brochad de seda, fazenda inteiramente nova.
Foulard idem idem idem.
Las de muito gosto.
Corles de cambraia e chita Mara Antoinelte.
Saias bordadas, camizinhas, esparlilhos, balloes, basquinas, fichus, sombnnbas
luvas de pellica, chapeos etc. 5 .
Ha tambem constantemente um completo sortimento de esteiras da India para
forro de salas, assim como alcatifa, tapete, capachos e muitos outros artigos, que seria por
demais mencionar.
MARTIMOS
F
COMXRAFOGO.
' A Companhia Indemnisadora, estabelecida
esta pra?a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
O bllhete inteire garantido n. 1490 da lote-
ra 123* que tem de correr no dia 16 do corrente, <> advogado
Sertence ao Srv Herculano Julio de AUmquerqne A(fonso e Albuquerqne Mello mudon o
[ello, morador em Mossor, provincia do Rio I crptprio para a ra das Cruzes n. 37. de
Grande do Norte._____________________ j tytK^raphia do Diario
Precisa-se de urna ama livre ou escrava, que-
saiba cozinhar e engommar : na ra do Queima-
do n. 11.
1
VERDADEIRAS
PILULAS de BL
fSOfl
i^f
>, 11
' i
seu es-
defronte da
CO IODURETO DO RAO HMLTElUVEi.
JtPPMOVKDAS PELA ACADEMIA DB MEDICINA DB PAKIS. KTC
Possmndo as rropriertades do ledo el do farra, eonvem especialmente as *mtrfir>ls
esCHonn^SAS, iW* no principio.! fraqvtmdt le^rerrm^io^tm^rs-,^ r*v* .
Vji.ta pf. cok. AMEnrmRUf.em qua precisauraoik wwmt o Ufnv* saja p.,r. r.-,.;. ,f
.11, riquaza atamdErh normaes, ou par. provocar regulor o seiicurv, ^tfi^ a.
.v. 8. O io.lnn.ic d. ftm-ifojmn oo; tiumdi m rocdiMii-enM infi, yfS ^
,: ." '.-...->. ">< >' ** P~*, vS
nj.w arme. *-ui r^^Hd-Ui.t.i, r" rh P"" D, M.jic r i.-, !>> ir.f.ar dai ajt.ficaeo.
Precisa-se de urna ama para casa de pouea
familia: na ra do Caldeireiro n. C8.
Mii'r>M rn ol p:.crmpeic_
PkarmtetKtif, ANUL DE 01JR0
_._ miE____ ,
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre Garante-se ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.
RIJA
r
EO
CABUG
esquina
da ra larga do!
Eosario.
i


.*
4
Rarometre e termo-
melre. Centigrade
e reuumeure.
Tiausa admiracao,
Mas Tfo se pode envidar ;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
FEBBEIBA I
donos dcte-importante e magnifico armazem de seceos c molhados sito^ ra vio Ranjel
n. 3, jfllgaado nao aceitare concordata algunsa com os scgs collegas resolvern (lee
nominar c sea armazem INDEPENDENCIA, assim como o seu im nao seja illuli-
ao resperiavel publico deixarao do annunekir. sem o que o mesmo o julgue e admire...
Mas como nos pontos sibilidade a ver quem vende gneros to barato, por esta razio que -amuinciamos pira
que todos tanto da praca tomo do matto acrediten! o qae neste asseveram e aquelles
queainda nao nos tenham 'honrado com suas freguesas, poderao dirgir-seao mesmo,
cerflos de que verao cravata a sinceridad e inttliodo e negociar mefto franco sem qua
uecess: tomos de andar ame i a noite pelos oiles das demonios uetn luestno nfrenle da mgica cum o pendi na mofeito bausa.
FERSEIEA & IRMA,
Ba do Eangel n. 3, armazem da Indepen-
dencia.
E crystal de rocha do Brasil
F. di. CermauD. recommenda aopublico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com este;, vidros, a vista deseanca, furtifica-se e nao a canea como Cjou
os vidros ordinarios, ma vez escolbido um vidro, pode durar dz anuos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a mudados todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystaiino do !ho e determina quasi sempre do-
res de caheca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vuces que o objecto est mais perto ou mais longe, os raios que expelle sao
mu convergentes ou cnut diverg ntes e a visad nao perfeita Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a visto nto distincta.
Com a applicatfSo do meus vidros pdese vencer estas difeuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo cryslalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, pormeio de um vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que faz divergir os objeclos e deixa ver lo longe como as outras vistas. Quan-
do o crystaiino muito cbato, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama jpresbyta, ven melhor de longe que de perto, e nto enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tao dislinctamente como na idade d8 15 annos. Servindo-se mistes vidros quando e
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
W. *. colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprfos para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros??
CABEid-EIRElRO
7 A Ika.do Cr^po1.' andar 7 A
ENfiOSPTRAIl-SE-ftA sempre Hcste estabelectenlo um variado c.bonito sorti-
mento a perfumaras franerzas e ingtezas cuja lista darnos aos leitores.
tVAS Marca garantida de JOUVIN.
T3XTRACT0S.*e superior qmuidade marca* LUBIN GOSNEL.
DfTOS PINOS.m frasquiabos prop ios para prsenles :Lubin A Gonell
POMMADASBenha fina de varioscheirosi.ubin.Gosnelle, SocietHygiuique
SAIWWETKS.-finos para toiletteLubn,* Monpelas.
2AU DENTIFKCii.aguapara limpar dentesSociele Ilyginique Lubn d D.
N&O FW PRECISO, AGUA
O demonio mudou-se por sur hire e exponta^i \oiitade
VIVA ODIA DE S. BARTHOMEU
Agora mnguem presuma que foi um demonio qualquer, fot
0 BQM DE
Mas nio sabio da Boa-Yista
CHEGOU-SE AT PARA INAS PERTO DA MATRIZ
^eu dominio est hoje assetitado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA Dd ARAGAO R. 32
YEIHAM YE-IiO
pr
Como garboso se ostenta
Como lepido se mosti a
E as diabluras que faz!!!

t Negra tranca no co.lo ihc ondeia
t Solta tirita ao mago desdem :
Deita a fronte n'um peito e conbccc
. Quantas maguas o seio conten.
Esta linda e gentil creatura tambera
VE1DE
Qoeijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Para agrada-,
Venham freguezes
Que nao de goslar,
N. B. Brevemente ser anmmciado o dia, cm que este impoilante armazem de mo-
ldados ter principio a pratica de certa diablura que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venfiam os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener s por precos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 1#300 por 500 Vinbo bOTdeaux em caixa, 7#000.
Para a vista myope, (vista curta).
-Para -vista que se cobre de nuvehs.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraque.
Para a vista que os olhos sao desigraes.
Para a vista que se turva com o iraba-
Iho a leitiu a.
Pitra a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esiao cer-
cadas de sangue.
Para a vista que utn dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olbo se cobra de catarata.
fierre.
BMUHANTINA.para lustrar a barba e os cabellosLnbin.
ACUA DE OOt-JNHA.Marea verdadeira-fie Joao Marina Fama.
CX)ar ETICO. ebeiroso/iln.
W)Z DE AIHHjZ.dto-Lbin.
IIUILE DE SE^TEUROteo para Consen-a^o dos cabellosSooiet Ilyginique
ESOOVAS FWAS.para cabellos, dentes-c unbas.
BA1BEA.Pincel para baiba.
GRANPOS.para cabelfos.
HE DES INVieiVEIS pra-.cabeI!os.
WtAVATAS'.MNDISSniAS.do melhor $esto.
HSCALAS.de phabtasia, para passeio e de diversos lamanboselc, etc., etc.
A la para
7/A*UA DO CRESPO ----d. ANDAR 7 A.
nerie^arrisienne.
de binculos
e oculos de
alcance para o campo e raa-
rinha.
' Sortim nto
para theatto,
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ago,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimeuto de relogios para parede, que do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios. para algibeira, de.ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suissos e risontaes' dos melliores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambnco.
N. 21=Rua ovaN. 21.
Ioeitma dos "imm
16- RA DA CRUZ 16
Ha diaiamente sorraento de bollinhos para cha, flambre, pastis de difieren
tes qnalidades, vinhos de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces dt
calda, etc.
Incumbe-se de erwommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
amentos, a saber:
Pecas de nougat. P5es-de-lot enfeitados.
Ditas de plo-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de erme e carne.
Bandeja com armacao de assucar. Empadas.
grammas.
Dita dita a 1,5200 idem.
Dita dita a 1^000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3500 idem.
Dito dito a 3)5200 idem.
Dito dito a 3i5O0O idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 2i0 e 280 rs.
idem.
Milho arpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 100 rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Fructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata.
Ditas s de pecf gos maiores a 500 rt. a
lata.
Tijolo para facas a i 20 rs.
Chocolate espanhol a 1*5000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de jorco a 800-rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 4)5800.
Garrafas finas para meza, o par 55000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 1)5000.
Presunto cm barril a 480 rs. por 500
grammas.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de .Gerentes mrreas. a
1,5400.
i Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 or 500 grammas.
Vinbo do reino, garrafa a 15000.
Charutos do Lima a 5$ e 65 a caixa.
Sabode massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas com ameixas a 1,5, 1 500, 2&800
e 3-5500.
Ditas de manteiga a 2,5800.
Ditas juliana a \ por 500 grammas.
Frascos com mac5as seccas a 2,5000.
Serveja de differentes marcas, duzia (i^.
Tapioca do Maranhao a 240 rs. por 500
grammas.
Farcllo em sacca com 21 kilos por 50
Liguif as e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
Gi, I-la a 8500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a l<5200 a lata.
Latas de p5o-de-l a 900 rs.
Biter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muitas marcas a 1(5000 rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zeroa l& a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evplicar aquelles
que n5o entendem.
FLOR DA BOA-VISTA
mm que biamra
Tirar premio sem comprar bilhctes !! !
Isto s pode ser artes do
BOM DEMONIO
Est decid ido=o mundo marcha!
Leiamad m i re m
E...... espalhein pelo universo
SE TO EXTRANHO ASSMPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM CUSTAR DINHEIRO
IOJ.1
DE
^PAULO FERNANDES DE M. GIMARAES
SOB A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA
ALFAIATE PEDRO
t
QIE PEIMCIIA I'
No intuito de fazer urna fallada o bom oeuomio resolvou. mimosear d'ora
em diante com um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez I he comprar 5uO0 de
gneros, com dous a quem comprar 10)5Q00, e assim por diante sempre um bilhete
por cada 5,5000.
Cada um desses bilhetes dados de nao beijada proporcionar ao portador
o direilo de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna Ihe > propicia coincidindo o numero do dito bilhete com o do que tirar urna das tres sortea-
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vindouro.
1 gigo de champagne, valor....... 30000
1 caixa de vinbo do Porto (Meneres).. 23000
I duzia de garrafas de cereveja (Bass) 9000
1 presunto de fiambre............ ISOOO
1 queijo prato................... 600
1 dito flamengo.................. 3000
ti latas de marmclada fina.......... 6/1000
1 caixa do pacas................. 85O0O

r
Neeta officina encontrarlo os respeitaveis freguezes nardos primeiros artis-
tas este j bem conbecido (com grande especialidade em fardas), por muitas pessoas
gradas desta cidade.
O mesmo estabelecnento se acha mnnido de um completo sortimento de
fazendas, do que ha de melhor no mercado, proprias da oficina.
O grande sortimento de roupas feita que tem, vende e manda fazer menos
2 por cento de que emoutra qwlquer parte ( lobeiro).
48 RA DA IMPERATRIZ 48
Junto a padaria franceza.
100-5000
COSTIJEIKA E NUDISTA
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatrz n. 7.
Ten a honra de parteaipar ao raspeilavel publico en airticwlar seus fregw-
zea,que, pelas relacoes que acaba de encetar comalgumascostureirasemodistasdasraais
afamadas de Paria, que todos os mezes lhe mandam figurinos, de vestidos, man-
teletes a chapeos que estad no maior gosto e mais moderaos, se ada habilita-
da para fazer vestidos para passeio e visitas, bailes e casamentos. As senboras que
ahoaracemeom aauajreguezia, nao daixaro de ser sajisfeitas, tanto jwJo JMnmosu>,eA> [
EDO PREMIO
i/2 gigo de chimpagne, valor............ 15r>000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 115500
6 ditas de cerveja (Bass).............. 45500-
I queijo prato....................... 60000
1 dito flamengo...................... 30000
1/2 caixa de pa?as..................... 4/1000
6 latas de marmelada................. 60000
500000
10 PREMIO
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. 110500
6 ditas de cerveja (Bass).................. 40500
1 queijo prato........................... 60800
1/2 caixa de charutos de Simas............... 30000
250000
MAIS DIABBTJBAS F~ "'%
Se a pessoa a quem a sorte houve favorecido quizer trocar' por omn
os gneros acna mencionados oo preferirir receber o respetivo valor cm dinbeiro nao
se ter duvida em salfazer.
VenhtfH, fregriczes
Da praqa e malo,
Comprar barato
Ao BOM DEMOMO

peUbarweza dos pre^ o promptidio aa eotrega das Mtomi^ im& ^\rYWf8L Q& JDOa-VlSta TL 32, 6
nitoa enfeites amito moderw e de todasas edres. Fa?em-se chapeos de todas as qualidades I A *. A ~ee -
unto de fil como de pama. ] UO ATagEO.
esquina da
n

r*



Ciario de Pemamfcuco Sexta feira 8 de Outubro
1869.
-" f --
&
A ESMERALDA
5
DE JIMS
bK
c
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
coes de servir vantajosauente os seus fre-
guezes, visto que aeha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
iTTIMifl
Grande aniiazeiii de fazeiidas e roupas feilas na da linperalrii
ti. S2,#porla larga, de Paredes Porto.
i Veste estabelecimento encontrara o rcspeltavd publico um bonito sortimento
Je roupas de todas as qualidados, palitot* de alpaca a OQ m0 0(.' Ditos df
merino,' ditos de casemira de cores bonitos gostos a 5J, G#, 8# e i0,5, de panno prole
sacos e sobrecasacos. Ditos de biiin pardo finos e ordinarios. Ditos do alpaca branca
e de cores da y$500 a 50000. Calcas de bm de cor unas e ordinarias, dita>
brancas de todas as cualidades, ditas' de biim pardo fino e ordinario, ditas de casemir*
de cor e preta .do 40, Ufa G a liS^t. Clleles de toda* as qualidados e prego muito
barato.* Completo sorlimeuto de camisas fraucezas do alpodao e de linho de 20 al ii
urna. Sortimento do seroulas fraucezas de algodiio, de linho e bramante a 2fJ e 20500*
Grvalas (mantas) novissimo gosto a toios os precos. Meias sortimento completo a 3
40 at 70 a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, c com brevidade, por isso que tem um bmito sortimeiuo do fazendas de
todas as qua.'idades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras militas fa-
zendas.
FAZEND.AS '
Bramantes de 11 palmos de largura a I .800 o metro.
Cambraias de cor c branca.
Alpacas do todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-chvre com lista do sda fazenda de gosto a 1,5200.
Casquines de guipure enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
MadapolQo fino a 60500, 70, 80 e 90000.
Algodo peca com 20 jardas a 40300, 30300 e (10000. r
Peca de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que ser enfadonher mencionar Chegncm ronpa
teita que se est liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto lo ja de ourives) do
LEiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
n
iPrecisa-se J.'-uai f.ilor ilo ba cdWfncia, forte
e vigoroso, f|-ii tpj i rasado, para servido de siriu
ea direeco duSBseravos : a Katar na fabrica de
rape, rita do Mondejo n. 107.
Concert vocal e 3istrHment.il.
O abaixo asignado avisa ao icspritavel publico,
qe nao (crido s-ino posslvel lavar a exccncjli) no
tetnpj olngar annuocintlo iirste Dinrii de l >lt^
siembro, concert variado pie ello dewja dar,
para div,.i!i;n uto e dwlrac^iu do publico, lud-
iendo reatar c rumprir sua promessa no ci li
u>te mez,mt anlign sala de d.insa da sociedade
Hecn o Ponwttbucaud, larpu do Carino u. 9, I"
andar. Persiste aquello mesmo profrumma rom
a alteracao apenas da lereeira parte, pois que nao
o possiwl haver dansa, por.nio se prestara isso a
sala mencionada. Os billietes distribuidos siio os
mesillas que darao ingresso ao dito concert
Hecife 7-de outubm de 1809.
______________ Jos Coelho Barbosa.
I'rerisa-St! de mu menino do II a 12 annn<,
preferese porttignez dos ltimos ehegados da Jmi-
ropa : na ra do Itangel n. 41.
A v finm
5Ruado Queiinado-
-<>
COMPRAS.
Lom muito maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
rarao deOoron. 2 D, ra do Cabug.
LOJA
ALGODO
DAS IVCilI\AS
Superiores sedas de cor e listras a 10600 o covado.
Lindas poupelinas de la, com grande variedade de cores escuras e claras a
>60 rs. o covado.
Pecas de musscliua branca com slpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
jtissimo preco de 45000 a peca: na loja das Colnmnas, ra do Crespo n. 13, de
Antonio Correa de Vasconcellos A C.
Col|ecco
de varios ivgulatueulos de mpostos alte-
rados c creados
pela lei n. 1507 de 26 de setembro de
1S67, compreliendendo
os de p^ssoal, eseravo,Industrias o prolissoos,
sello (organisado alpbabetieamentp, explicando
cada acto a que sello est sujeito se se dove em-
pregar ostampillia ou verba, no primoiro raso
quem deve inulilisa-la), trausinissao de propre-
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
No Kecife arco da Conecieon. 8
Os abano assignados tendose habilitado na
forma das leis lem exposto a venda os seus feli-
zes bilbetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagaro as sortes que sahircm
no mesmo bilhele com o descomo da lei somonte.
PRECOS.
O miizeo de joias
Na ra do (lahtig n. 4 compra-so ouro. pato
e pedias preeiusas por preeos mais vantajosos do
que em outyaqualquer parte.
Ouro ep *ata
Compram-se moedas de ouro e prata de Mas
as qnalidad:;s. por bom pre?o : na ra da Cadeia
do Iterife. o. ,'i8, loja do azulejo.
Corapram -e moedas de ouro o prata de lo-
do; os valores, ouro e prata em obras inotilisada*,
briiliaiili's e mas pedras preciosas : na loja de
ourives do airo da Conceirao, no Iterife.
CompranWe o vendemse diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de todas as idadc
eores a sexus, com tanto que sejam sadios : no
tereciro andar do sobrado n. 30, ra das Crnzes,
freguezia de Santo Antonio.
(yoinpra-se um prcto de meia idade : na ra
do Itangel, padaria.
Bilhetc Bttlro 2i.000
Meios 123000
Q uarlos 6000
E de I00 para cima a 22 o bilhete.
Figueiredo & Leite.
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarogar algodo, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos oara descarocar, al-
godo do autor New York Cotto Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, da carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabaloo faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de faco do fabricante Platt B. C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores -que tm
vindo ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores "
vjrema exposici) das mesmas na ra daCada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
>< 'intraro mais o seauinte:
j dade, dizima de chancellara, em dumentos, mu
i tas applieadas fazenda publica etc. etc., c cm
appendice o do cofre de depsitos
pblicos
notadas' com as
Alugainse por feslaou por anno tres casas nstiluicoos c decisoes posteriores
terreas,sendo duas de pedia e cal nos Arromba-, "' a presente publicara-,
dos, urna dellas grande e a outra pe mena, a Por, ,. .,
grande tem 5 salas, 7 quartos, cozinba fra, casa1 Francisco Augusto de Almeida
de preto, quintal murado, cacimba e arvores de j e*c' 'Piurano
fructo ; a pequea lem 2 salas, 2 quartos, cozinba.
fra e quintal cm aberlo ; a terceii a qne de ita-! r-ccbcdoria de Peruambuco :
pe, em Peberibe, no sitio Malambo, tem 2 sal- a.cna-e n;* Prel e, b* an ser. publicado ; as-
abas, % quartos, cozinlia fra e quintal em aber- s,8n?"se na nu.ostre.ta do Rosario n. 12 por i
to : quem as pretender dirija-so a seu proprieta- Vlum.e i ,ll!l"s de publicado costara 4 para
" de grande utilida
Ciiiiipia-eo um scravo de meia idade
tratar no pateo do Terco n. 48, refinacao.
Estrada de ferro do
Recife Olinda.
Compram-se (tormentos de madeiras das quali-
dades seguimos : sicupira, oticica, amarello, ce-
dro e pinna creosatado, e outras madeiras de du-
rarao para o chao, tendo as diinenc,oos de 10 pal-
mos de eomprimeoto, 7 1|2 a 8 l| pollegadas de
largura e 3 l|2 a 4 pollegadas de grossura. Coh-
trata-se qualquer porcao de 100 para cima, de-
vendo os concurrentes apresentareui as sua pro-
postas al o da 20 de outubro corrente, ao meio
dia, no armazem da companhia junto aponte de
Santa Isabel, devendo todos se acharem presen-
tes a hora c lugar indicados para vereai abrir
suas propostas.
O superintendente,
^_______ Andr de Alueu Porto-
A VEHDADE twffki f>m deposito
quanlidad de mimley.as e perfumaras. i
sjahilo apurar dir.fieim .i adqnerr bi'-a
Kuezia osla rssohida a vended niBitissimo
barato, ; por essa razio convida ao n-spet-
tavcl publica a vii compelenlemenle inun-
do a soi tii -se do bom e barato. Pois qnan-
do a Vcrdnde appareefade mais des-
apiiarere-----
Grande sortimento de bonecos fe ten e
massa as mais lindas possi veis vestidas a ca-
rcter.
Ricos globos para candieiro de gaz a I^SOO
Chamins a....... *fc>
Grande sortimento do objelB* de .
lonca \i;m brinquei'o de menino 00
Garrafa com titila a..... go
Dita com agua florida verdadeira a I fOO
Dita cotn dita dita a I ,>. O
Frasco com oleo de babosa a 500 o 720
Dito com agua de Colonia a 300 e 300
Garrafa com agua divina a. 1,5500
Frasco com extractos fios a ItfOOO
Lat-s pequeas com uanha muito
Ima a #3e...... 200
SaljoiK'li's de diversas quali 'ades a
80, 160, 240e...... ,120
Finas PSCOYtt para (lentes de 120 a 600
Lindos coques modernos a. 2a00
l\iv os |iara gaz, duzia a 210 e 320
Escovas para fado a 5 O, 600 e 700
D^las para cabello a..... 500
PenU's para tirar piolho a i 60 e. 240
Brincos de cores, bonitos a 10 e 200
Pefw de tranca de iaa com 8
varas por....... 80
Oleo paja machina de costura,
frasco a........
IViuias d'afio linas cai\as a 800 e tSBQQ
Dita d'aco Perry, catn a. lf5M)
Galn de algodo peca .... 4O
Lindos babadinhos c entremeios
pi!?ade50a...... I500
o volume
rio! noTArrorbad^rou'na'ruadRoa" sobrado <\liem nf *"P"[-a tonf ?e "e ?randa u,ili,la-
n. 44, que achara com quem traUr. Uefa04 ?ri- a!l^'gados, solicitad>res, negociantes
e funccionanos pblicos, a acquisieao deste tra-
ba I ho.
r.)>bu!hadores para miho.
;ylindros para padarias.
\rados americanos.
;,urinhos de mo.
Machinas para cortar ripia
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
volhas de zinco fiaas.
Ditas de cobre e lato.
Ferro de todas as qaalidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos. "
Faces ditos.
Balaios e cestas do verguiulia.
Vassouras americanas,
rolles de lodos os tamaBhos.
Tornos.e safi-as para ferreiros.
Finalmente maitos outros artig
iiversidade seria enfadono eanumera-los.
k9B
Folha de ferro.
Balanzas americanas.
Tinas do madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas linas.
Trens completos para cozinba.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correales de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinacoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Sorras avulsas para machinas.
Mancaos e todos os mais perlenees para as
mesmas.
Latas de gaz,
osperteacentcs lavoura e artes, que pela
ATTENCAO
a
Deseja-se com urgencia fallar ao Sr. Francisco
da Costa e Silva, que se diz negociar em fazen-
das, sobre urna sua letra paseada a Guimaraes &
Silva, firma fallida ne^ta praca, praso de nove
nezes. e j vencida. Pede-se mais ao respeilavel
ixirpo cuini ereial ou quem ao mesmo senhor eo-
nliecer, d alguns esclarecimentos sobre sua resi-
dencia etc., ra do Santo Amaro e travessa do
Lima n. 2.
AMA
Prccisa-sc de urna ama forra ou escrava, que
;'ozini>e c comprepara pequea familia, e tamliem
le um m deque ou negrinha : na ra do caes Ca-
pibaribe, casa nova com porto de ferro ao lado.
Aos laboriosos.
Precisa-ss
mas coodicoes cima .
ra- Dre'ila n. 64 loja.
Concei tam-se,
sob llanca, machi-
nas de costura,
com .perfeicao e
presteza, fazen-
do-se mesmo
qualquer peca
que por ventura
h se quebr; assim
5 como machinas a
b vapor, cylindros
wde padaria ou ou-
I tro qualquer ma-
chinisoio tenden-
te a industria do
paiz, sob as mes-
na ra dos Patos n. 8 ou
ua
Je um caixeiro qao toiiha pratica de taberna
:ravessa da ra das Cruzes n. 12.
Obra curiosa.
Est impressa e exposla venda pela quantia de
! 5000 cada exoinpiar a obra intitulada.
E' um monumento de especialidades brasileiras,
om verso, seoo sublime, mas de porlu(;ucz de
bom cunho e de uiua vercilicaco deleilavel.
As Botas em prosa sao utilissimas pela sua or-
ip'nalidade, oontendo at recoltas uteis diversas
'iifiinidades.
Esfci pequeo livro em br.ochura o nico que
lia no Brasil, proprio para as escolas, e digno de
ledos os Urasdeiros que ^prezam o Dem de sen
paiz : as livrarias dos Sis. Lailhacar e Nogneira.
Carlos Antonio da Costa Carvalho deseja
"jllar com o Sr. Jos Babia da Cosa C^rvalho a
egocio de seu interesse sobre urna heranca : na
>ra?a do Corpo Santo n- 0.
Companhia indemni-
sadora.
Em cuniprimento do artigo 10 dos estatutos da
raesma coiiipanliia sarao vendidas 30 de suas ac-
coes, em dous lotes, sendo um de 20. dos ns. 831 a
830, e outro de l(), de ns. 791 a 800. Os preten-
dentes po lem dirigir as suas propostas por inter-
medio de corretores geraes at o dia 15 do corren-
l!, no escriptoiio da companhia, raa di* Vigario n.
4. Recife 0 de outubro Jo 1809.
Os directores,
.! Francisco Joio de Barros.
Antonio Jos Leal Reto.
ttMOMtlMtt MOMOtMa Btadaoaet n?UMClCC4KMf *t(
HBS Him mmB SwSBBiP
emprestimq sobre
E JOIAS

CZ3
zn
GOMES OE MAnOS IRMlOS
fcBEuto feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
oideenoontrtrao um completo sortimento do que lia de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES. ESKMLDI&i RBWS
de oras gostos, assim como grande variedade de silvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento del!
oJyecu de pata para uso das igrejas, *
-. ;
(SEM LIMITE.)
travessa da ra
das Cruzes n, % pri-
meiro andar, da-se qual-
quer quantia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorizado pelo
governo, est as condjtoes de ga-
rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
rata e brilhantes.
Rol5es de madreperola, gpiza a
Ditos do louca muito lino a 120 e
Ditos para calca a 1(50 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obroias a.....
Caixa com aguliios fundo domado
Ditas de ditas ditas a.....
Thosoura para cosluia a 240 e
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em n millos (li-
bra) a ........ .
Cairelis dedinha Alexandro de 70
ate 200. .......
Grampos muito linos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas l'rancezas a 2?J200 e .
Papel almaco e de ptso, resma a
3rH00, :^o00 e .
Ja muito lina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
dous carros de alfandega" para bois'e duas earro- Dit^ de ,3a !)ara dobriim de ves-
Compra-se
tJOO
200
IM
700
480
0
280
m
KOO
280
BfMt
UW
'. ,100
31000
U7QC
c_as do aterro, grandes
nhia Pernainbticana.
no escriptorio da rompa-
iVNDAS.
Xa estrada do Arraial, sitio de Marcelino
Jos Lopes, vendom-se rolos de sicupira para obras
de carros, e ramas de canelleiras |>ara fe^tas.
Vendemse quatro bandas de amarello para
fabrico.de canoas, 2 grades de ferro com 6 palmos
de largura e 12 de altura, e urna diviso de ama-
relia com porta para escriptorio, obra muito bem
feita, tudo por prego commodo : a tratar na ra
do Mondcgo, olaria n. 13.
Venderse a casa terrea sita na ra do Xogueira
n. 14, com 2 salas, 3 quartud, cozinha fra c quin-
tal murado, reedificada de novo : a tratar na es-
cadinha da alfandega n. 3, armazem.
m
segurar ca-
para alisar
50C
m
:
M.
ICO
100
Iti
b i
60
fit
Venzes.
Vende-sc no escriptorio de Joaquim Gerardo de
Bastos, a rua do Vigario n. 16, primeiro andar, os
seguintes vernizus em lata* de 6 e 9 libras, do
oereditado fabricante do Para, Caelano Antonio
dos Santos LislMia :
Verniz copal escuro.
Dte dito claro.
Dito dito escuro proprio para obras de folha de
Flandres.
Dito cor de ouro ou douradilho.
Tijollos de marmore
Vendem-se
De 8 '/i polegadas por face ------ 560
De 9 ditas de dita ......... 590
Do 10 ditas de dita .......... 640
tratar na Ponte de Ucba n. 17, casn
terrea cinzenta, pouco adianto do sitio do
Dr. A. de Oveira.
Oe abaivo assignades que formaram o corpo
de choro do ex-theatro de Santa-Isabel, desenga-
ados de tantas promessas, em {ao curto periodo
de lempo desvanecidos, sendo todos pas de fami-
lia, e devettdo volfar seus lares,naolhe resta ou-
tro meio seno recorrer benevolencia do magna-
niinQ.jMfch.co. j^ta cidade, o qaal foi sempre o
primeiro na phUaiilropia ; oeafa) iatuilo. conflam
os abaixo assifadoa pin aua boiukde, cuereado
assim levar sea patria chara lembranca do Bra-
sil. Os mesmo? auguram umita feliciade aes
pebefoaos c*-iratoeij. Desde j os abaixo assigna-
doe prote*tam fazer publico os nomes daquB.e se
nbores que t& tflgnarem conejrrer om o seu
obuln para esse flm to insto.Androetto C, Al-
lavilla G., Albinolo C-, ZoraUi L., Rainerl P.,
JJaceomano P.,Boara Q., Baggio l'.yRaineri T,Rai-
cen C, AlBiaoio A.
~lP4ra fett."
Alma-seum sobrado de um aadar na rua do
Ampar n. 82, em.Olinda ; pa/a ver, podeffl pedir
+ cha.y P sr. Guilherme, innto do
esmo> sobrMo, e paralrtar, na praca da lude-
peMeocia, loja de ealeado ns. 37 e 89.
Novidade, novidade!
Ghegou pelo ultimo vapor s3 para a loja da
rua do Crespo n. 17 de Antunes Guimaraes 4 C.
in-ees?ores de Jos Gomes.Villar, riras chapeli-
nas de palhas e de blond, ultima moda de Paris.
mm smmmm
KELLEIt 4 G., rua da Cruz n. 53, re
cebem encommendas de quem quizer se j
utilisar das produccSes do bem conheci-!
do esiabeleciuienlo geographico Je tope- j
graphice de
urster Rendegger & C.
WINTERTHUR SA SUISSA
3 Premiado as exposk;oes de Londres e
9 Paris o qual se encarrega da IKhogra-
SJ pliia e mpressao de cartas geographicas,
^j plantas de cidade, plantas de emprezas
-*m lechnicas e de qualquer trabalho impor-
I tante deste genero.
No escriptorio dos meamos acham-se fl
? algumas amostras das produegoos do di- S
M to estabelecimento.
% mmmm mmm*
Vndese urna escrava bonita figura e com
habilidades : a tratar na rua da Cadea do Recife,
n. 66, segundo andar.
Vende-se um bom preto de 30 annos, cozi-
nbeiro, de boa conducta : na rua de Jlorta*
n. 96.
Vende-se urna preta de 90 annos, bonita fl-
Sura, vjnda do mato ; lava muito bem : na rua
e.Horias n. 96._______^^_________
Vende-se duas mualas de 20 annos, urna
outra de 30 annos, urna preta de 30, todas com
habilidades : na rua de Horras n. 96.
Aluga-se
para banhos do toar, urna casa junto a igreja de
S. Pedro; a tratar na coehejra de carros tune-
bres, na rua do Imperador.
VEiNDE-SE
urna casa terrea na raa do Amparo, na cidade de
Olinda : a tratar na cocheira de carros fnebres,
na rua do Imperador.
Vende-e urna mei-agoa na travessa du Ma-
leo : qne
7, i taberna.
taso : qoem quizer dirija-Be a rna do, llangel a.
7,'tabi
tido, peca a
Pentes finos para
bello a .
Ditos ditos de bfalo
a 20, 320 e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartees com colxetes a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de Iaa d-caracol peca a 40 e
Fita do coz peca a 480 e .
Alfinctes de latao a.....
Sapatos de Iaa para menino a 2i0e
Ligas para senhora, par a. .
Gravata de sedas de cores a .
Cslradeinis a.......
Grande sortimento de rendas das Ilha
Um par de suspensorio de borradla
100 risl lilil
Xa Vcrdadc na du n. ...
E' de importancia!!!
O aviso que faz o Campos da rua dn
Imperador n. 28, pois s elle pode ornw-
cer aos amadores da boa fumaca os (ha-
rulos ipie lio anciosameiile eram espera-
dos de Costa dt Irm3o>, e sao elles das st-
guintes marcas : exposico Normas, impe-
riaes e Haraneiros. A elles antes que so
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento.
alin do muitos outros gneros auto para
mesa, como para despensa, o seguinle:
Camares seceos do MaranhSo.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Jo3o do
Rio-Novo.
Termos de medidas para seceos, se^u .
do o psdt3o francez, (metrico-decimal).
ASSIM COMO.
As tabellas que mais aceitaco tem merecido
das casas de coroiflercio em grosso e a re-
talho, smente pela fcil comprebenso e
commodo preco, s no
Armazem do Campos
SantosFalcuA- C, rua daCadeia u.
43, receberah um novo sortimento de ca-
semiras decores, as melhores que tem\in-
do a este meicado, tatito em faz^id. .
como em padroes. No mesmo estabdrei-
mento encontrar-se-ha s afamadas milites
Alavalier, bem como um lindo e v;n.
sortimento de calcados para homens e w-
oboras, do primeiro fabricante de P.n s-
45-Rna da Cadela-45
NAo mais cabellos brincos.
A tintura japoneza para tingir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admMMa
Exposipo Universal, por ter sido reco-
uhecida superior todas as preparac'es ate
hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1(5060 cada frasco ou
Rna da Cada n. 51.
1. andar.
Resta a venda om esoolhido sortimento d
lectos de marctaeria, como sejam, mobilias d
Jiranda, raogno oamarello, obra nacional t;
(eir, de apurado gosto e por ptmy* "**'
u roa estreit* do Rosario n. 3.
usa fazem-se com porfeifao tod
palhinha, como sejam, analmente
un cama
_______ j
VlldM^^I
teatl



!
6

de 18C9.
LIQUID
SEM IGUAL
O proprictario do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
triz n. 7, declara ao respeitavcl publico c seus fivguezes, que est liquidando odas as
fazendas e roupas feitas que tenrcm seu estabelecimento corap sepodcra ver no seu
annuncio e preco abaixo mencionados,
Chitasfrancesa matizadas i Al^oilo entestado aOOOrs.
33 rs, Yende-se algodo enfeslado proprio para
Vendc-se chilas francezas oscuras matiza- ienres e toallias, 900 rs. o metro, dito
das a 320 rs.o covado por este prego sna mugado a 1$, metro.
ASMAS mma.
11-ETJA DO QEMADO-ll
Cliegaram da Europa pek) ultimo vapor loja de Augusto Porto A C. ricos
cortes das mais linda sedas de mimosas c&res para vestidos proprios para bailes e casa-
meilos.
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de lindas cores,
. _.-i:.i.,i ..---------* je seda iau de
gorgurao de seda prela, e grosdenaple de varias qualidades e gorgurao
diferentes cores. ,. .. ma
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas de seda para cama
ditas de llia o seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toallias
cainbraia de Hubo bordadas. **..< h
Lavas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de solas d cor para sennoias.
do
loia da Arara, ra da imperatriz n. 72.
LAAZINHASA2U)RS.
Vende-se auabas para vestidos de se-
nhora a 2i0, 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
BAREES DE LAA A 500 RS.
Vende-se bareges de la com listras para
vstilos de senhora a 509 e 640 rs. o
covado.
%Ip;ie4 de listras a 500 rs.
Vende-se alpacas de listras para vesti-
dos de senhora a 500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 289 RS.
Vnde-se chitas francezas claras a 280 rs.
o covado.
CORTES DE LAA PARA VESTIDOS A
2$i00.
Vende-se cortes d laj para vestidos de
senhoras a 2ri00 cada um,
PSCALES A 440 ltS. COVADO.
Vende-se percales milito linos para ves-
tidos deseihora a 410 rs. o covado, mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
brillantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Baldes medernos de todas as
cores.
Vende-s" bfiles moderno sbranco ede co-
res a 44. 45500 e 55.
COBERTORES DE ADGODO A i $500.
Vende-se cobertores de algodo a 15500,
cobertas de chitas a 15600 e 25 cada urna,
GANGAS PARA CALCA A 320 RS.
Vende-se ganga para caiga a 320 o cova-
do, brim de cores para calcas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cores para calca e palitots a 25300 e 35,
o covado, majas casemiras enfestadas para
calcas o palitots a 15 o covado, brim pardo
de tedas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da Imperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a c-to rs. '
Vende-se alpaca- de cures lizas finas a
640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLAO ENTESTADO A 35500.
Vende-se pecas do madapolo enfestado
a 35500, pegas de madapolo inglez de 24
jardas a 55, 65400,75, 85 e 105 a peca.
Assim como vende-se chilas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o covado,
ellas antes que se acabem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
\ai vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e quem se quizer sortir de fazendas
e roupas feitas para a festa pelo preco que lhc agradar, se poder dirigir a roa da
Imperatriz armazem da ARARA, que estar aberto todos os dias uteis, das 6 hora da
manliaa, s 9 horas da noite.
72. Ra da Imperatriz. 7 *
Chales deuterino& 'i-%.
Vende-se chales de merino estampados
a 2>, chales brancos e de cores a 15000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Veiiile-se urna grande porco de cortes
de brim castor para calca de homem, 640
rs. cada um.
Cirnndc porco de relalhos
Vende-se grande porco de rctalhos do
chitas e cassas pretas a 1(50 o 200 rs. o
cavilo, retamos de cassas, la e chitas de
cores baratsimos.
LIQIDAM A ROUPA FEITA
Vende-sc palitots de brim de cores a 25,
ditos de alpacas de cores a 25, di'os de
meia casemira a 25 e 34300. ditos de pan-
no preto bom a 85 o 105, calcas do algo-
do azul para cscravos a 640 re. ditas de
algodo de liSTras a 800 e 15, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
les de brim e fuslo de cores a 15 e 15500,
colotes de cesemira de cores a 25500 e 35,
e outras muilas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a SOO rs.
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 45-
Veirdem-se pecas de algodo 45000,
55200, 65000 e 75, para liquidar.
Baldes de arcos 1*5
Vende-se bales de arcos para senboras
pelo baratissimo preco de 15500 cada om,
Corles de cambraia barras
a 3000.
Vende-se cortes de cambraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vendc-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para Hquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras- para viagem 15
cada urna.
de baile
medico.
Esparlilhos de 55 at 105, lindos bournous de cachemira de cor para saluda
ile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco u preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Soilimento de muitas fazendas de la, linho e algodo todas por precos minio
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapaos o de alcatifa para
forrar salfces ludo eni quantidade; e vendem serapre>r menos que em outra qualquer
parte. _
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
Este admirare!
lepuralivo nao
Icontemiainiiiier.
curio, lodo ou
[arsnico | mi
_______________ licoroso niodiG-
Tador parao bnguc e curs radicalmente as moleslius depelle, la como a lepra, aiimpigeos, as lierpes, as
csninlias, e os Pannos, etc.Empregado diariamente elle refresca a massa 1 iiiipnnin ninnrn Cura em 3 dias os corrimento amigos ou '
AlflJliLlAU L A L 1 os mis rebeldes.
Pabib, 7, Denain,
Dj
Ul
E
recentes
CONVITE GERAL
s nm a* f^pnlts denominado Garibaldi, na roa da Irope-
0 propietario do MMJlM*** ^HSEe deposito de fazendas em
luz n. 5, declara ao MW^^^L^Sfoto urna liquidado que fin-
& ittttWJSSS Sconvf ao respeitavel publ,o a vir s.tir-
a-ia iiu Mid i j;:ntn nrero. a saber : _____
RIVAL ffl BB .
Ra do Qucimado ns. 49 e 57
tojas de miudezaz de Jos de
zevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimenlos por tsso queram apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
5500, 25, 35 e.....
Caixas de iinha com 50 novellos
Pares de sa patos de tranca fa-
z.enJa nova a......
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......15500
Du/.ias de meias cruz para ho-
rnera .........
Tramlas do Porto fazenda boa
pelo prec melhor 100 altos a
Livros de missees abreviadas a .
Du-.ia de baralhos francezes amito
finos a25400e.....
Silabario portugus com estam-
pas a........
Gravatas de cures e pretas maulo
finas a .........
Car'.es com wlchetes de lata
fazenda fina-.'.....
Abotuaduras d- tidro para coleto
fazenda fina *......
Caitas com penna< d'aso- muito
finas-320, 400, 50D e .
Cartoes de liona Alejandre que
tem 200 jarda a .
Carrete de Iinha Aiesandre de
70at-2O0a......
Caitas com superiores ebreias
ele maesa a......
Du/.ias de agulhas- para machina
Libras de prego franceses- di-
verso tamanho a. .
Livros escripturado para rolde
roupa a. ...... .
Talheres para mnmos muito
finos a.......
Carcas com papel amizade aaoito
fino a........
Caixas com lOOeawlopes maito
finos a.......
Pentes volteados para meniu e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a .
Tnteiros com tinta- preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para- toalbae- fa-
zenda fina a.....-
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novello&de linhaicom 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de bot5es de louc* muito
finos a........
JMMA
Grande e completo sortioiento de machinas para
descarocar algodo de nova invengo clieadas ul-
limamente em direora para a loja de Manoel
Beato do Oliveira Braga a C, na rua Direilan.
53 Garante-se que a ruelluir qualidadc que ale
o. presente letn vindo ao mercado : achara-se em
expsito aos compradores as de 10,12, li, iu,
18 e 20 sena'. .
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
crammos de melhor comprehensao dos que tem
vindo at o presente, assim como marcos de lalao
at meio grammo pelo mesmo systema, balancas
de lati de forsa de S a 20 kilogrammos, metros
de madeira e de lati para medir fazendas, alem
do grande sortimento de miudeas e ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que so avista
faz crdito : na rua Direita n. 53, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C. __________
Sellins baratos,
N. 27. BA DO LIVRAMENTO N. 27.
fteste estobelecimenio vende-se sellins e
silhes, de todas as qualidades do melhor
que se pode fabricar no palz, assfm como os
mais arreios pertenctes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colxes, traviceiros, caixi-
nhas com almofadas, proprias .para meninas
levar para aula. O propnetano desle esta-
belecimento garante a pontualidade, esme-
ro e zelo de seu trabalho ; portanto pede ao
respeitavel publico sua protecgo, que affian-
Ca vender tudo pelo mais barato possivel,
e por menos do que em outra qualquer
parle. ^__________ .
DO
ratriz
ss h*^g^jJI" SST pre?'a Suts para cobertas a 28.
A280rs.
Vendem-sVchitas "francezas largas a 280,
30 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
15000.
Vende-se chitos franeexas para cobertas
a 280 o covado, dito encarnada a 320 rs. o
CV CASEMIRAS DE CORES A 25500.
..utranrartnnara Vende-se casemiras de cores a 25500 e
^^a;;!tl!2?Sl3P0 o covado.
lencoes a 15000, dito liso enfestado
mc\SSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francez#as para vesti-
dos de senhora a 240 e JBC rs o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 55, 65, 75, 85, 95 e 105, a
P3Ca LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. O
^RGE PARA VESTIDO A 500 RS
Vende-se barege de stas para vestidos
a 500 e 040 o covado. ,rr,wmrtC, .
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 rs.O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DECORES A 15-
Vende-se sedas de cores para vestidos de
seabora a 15 o covado.
PORCAO 0E RETALHOS.
Vende-se urna porco de retolhos de cas-
sas, de la e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco. ,
A' elles antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
45000
500
25000
35800
5200
25000
2580C
320
5500
5020
5500
45000
100
5ioo
5040
25000
5240
5120
240
700
600
320
500
320
160
GALLO VIGILANTE
Rua do Crespo n. 9
Os propnetarios deste bem conhecido cstabele-
cimento, alctn dos muitos objectos que linliam ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de so costme,
por precos muio baratinhos e commodos para lo-
dos, com tanto que o Gallo.-.
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exnias. senhoras. .
Superiores trancas pretas e de cores com vidrt-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos lcqnes de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquefles brancos
com lindos desenuos, e estes pretos-.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas milito
finas.
Boas bengalas e superior caima da India e
castao de marfim com lindas e encanladoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinuos de cadea e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para ftzer
barba; sao nrnito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ves tam-
bem asseguramss sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrinro. -
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLABES DE BOEB.
Elctricos magnticos contra as convulsSes, e
facilitara a dentico das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim jwis poderlo aquel-
los que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre enconlrario destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderlo com um mui
minuto lucro.
Bogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razotrveis loja do gallo
vigilante, rua do Crespo n. 7.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredito-
da fabrica de Risquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o cousummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just. rua do
commercio n. 32. ^_____
BAZAR UNIVERSAL
**Rua Mova*
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um competo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposic5o servicos a eleetos para al mo-
co e jantar, salvas, bandejas, toboliros, bol-
sas e malas para viagem, imliapensaveis para
senhoras, candieiros parasalaecimademesa,
paredee portal, maHgas, tubos- e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinba, ditas
para fazer manteiga, eamas de ferro para
casados, sotteiros e crianca, berros, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelbo de todos os taannos, molduras
para croadros.gaz, baldes americanos, guar-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, topetes para sala, quarto,
frente de soph,janellae porta, capachos de
Sparto e eoco,- objectos para "escriptone e
muitos outros artigos que se encontrar a
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar^__________________
Z GAZ HAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster *
C rua do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; oqual se vende em partida*
e a rettlho por menos precn do que em ouuv qual-
quer parte. '"___________,_________.__
200
60
25500
460
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
to a 35000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Ciaugas para cal^a aSM .
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
C0VMUSSEL1NA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselioa branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatona verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25-
Vende-se lencos brancos a 25 a duza.
Gollinhas e manguitos para senhora^ a
500 rs
Ditas de linho fino a 1^000, para ac-
JGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS CUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 20 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes poderSo vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
Machinas a vapor de
forpa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavaltos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rocar algodo.
Bataneas para armazem e btelo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar cartas.
Foglo americano patent
Scbonete de alcatrdo.
DB
Extraclnm carnis
Este producto alimentacao para doentes, mni
propriada para creancas e para as pessas sas;
indispenfavel a todos, porm, principalmente aos
viajarnos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incerruptivel, e
que com faeiidade se aprompta c se conduz, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para maito lempo. Sobretodo chama-se a alten-
gao dos senhores de engenhos que encontrarlo no
XTRACTUM CARNIS recurso de alimentacao
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tlncto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do SuJ,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezende & C, rua da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se:
No deposito a rua da Cada n. 3*.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, esma rua n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, rua largado Rosa-
rio n. 10. .
Antonio Mara Marques Ferreira, pra^a da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto trazem
urna guia para seu uso.
l
Vende-se chaly de stos de seda a 800 rs. ^^ DE ARC0S k l&m.
rr\f PS DP CASSA A i*. Venden-se bales de 20 e 30 arcos
VenrtSe cKe^a \S de me- lacada mjm modernos^ *
25-
ri a
tnn/ i*ma mu, ............----------- -
BRIM IIAMRUK'.O A 85000 A PECA.
Vendem-se peca de brim lizo de Ham-
cortes de*la de listra para burgo a 85, vem a ser mais barato do que
CORTES DE LA A 25400 RS.
Vendem-e
vertidos Vsenhora a 25400 rs. para ac. algodaosinho.
bar.
ALGODAO APEgA45OO0
Veone-se pecas de algodo a 45, <>>
e 75 a peca. E muitos outras cousas que
seria euadonbr menc^v.
CORTINADOS A I45OO0,
Vende-se cortinados para cama a 145
65 para liquidar. Ditos para janellas a 75.
Todas estas fazendas se vendem muito
. barato na rua da Imperatriz n. 56
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitoco tem merecido n'esto provincia
maito se recommenda para* a cora cerU
das, impigens, sarnas, caspas e todas ai
molestias de pelle.
Deposito nico,
\ Pharmacia de Bartholomen & C,
34rua larga do Rosario34.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes^________________^
Hanteiga a 900 rs. lihra.
B' pechlncha sem Igual.
Vende se manteiga ingleza flor a 1*000 por 600
rammas e 900 rs. a libra; no progresso do pateo
Carmo n. 9.
Vende-se a armacio da I ja da'rea da Im-
Miretrii n. 13 A, propria p^ra qualquer genero de
nogocio : a tratar no Vapor das Novidades, rua
I d:i Imperatriz n. 36.
KlA DO Ol'ElIADin. I
Musselinas de cores finas e mordernas, cova-
do480rs- A X 0A
Cambraia de coresorgandy, covado 320 rs.
Cambraia Victoria para todos os precos.
Alpaca liza de todas as cores, covado 640 rs.
Alpaca da Escocia, trancada com litras, cova-
do 800 rs.
La com listras de cores transparentes, cova-
do 700 rs.
Poil de chevre de diversas cores.
Toalhas para rosto, urna 500 rs.
Ditas felpudas.
Fustao branco e amarello, covado 6i0 rs.
'Basquinas boa fazenda e entenadas com goslo
a 23*000.
Esparlilhos modernos a 5*000.
Satas de la com barra a 6*000.
.Cortes de cazemira, lindas cores o boa fazenda
a 8*. 9* o 10*.
Atochado de linho, bramante, algodo alvo tran-
cado, lances de linho, cobertas, camisas tnglezas
delinhee ajgodao, collarinnos, guardanapos ae
linho. baldes para senhoras e meninas, chapeos ae
sol de seda, lencos de cambraia de linho, aitos
d* dita de algodo e lencos da China. ,.
Estamenha a melhor do mercado, covado z*2W.
Uoupa fetta.
'Bom sortimento -de runpa feita para homens e
aprompta-se por medida pr cummodos precos.
A rua do Queiuiado n. 19
Loja de miudezas de FERREIRA DA CU-
NHA A TEMPORAL, esto quintando por
todo preco venham ver o que bom e ba-
rato a saber:
Lindos brinquedos magnticos para me-
ninos de 240 a 15- ...,,!
Linhas em novellos de .400 jardas a
Pecas de tranca de todas as cores a 4 rs.
Latas com superio banha 120, 160
e ^5000
' Frascos com oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 160, 320, 500 e
640 rs. ,,,-
Ditos com banha 320, 500 e 1*200
Ditos de agua de Colonia 320, 400 e
500 rs.
Baralhos de cartas portugueza* a 120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
Grande sortimento de sabonetes a 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes finos com duas folbas a 240 rs.
Linha de 200 jardas em carretel (duzia) a
15200.
Lindos port-main 240 rs.
Pentes de travessa para meainas a 200,
320e400rs. .
Duzia de meias ioglezas muito finas a
35800 B^
Ditos de ditas para senhora a 45oOO.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
15^00.
Ditas com agua divina 15300.
Frascos com sndalo a 15200.
Pecas de entremeios a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros de velludo para menina a
55000.
Papel amisade beira dourada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700rs.
Lindos bonets de panno para menino a
25000. "
Pentes brancos finos para alisar a 240 e
320 rs.
Macos com grampos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa com
extractos a 15500, 25000 e 3*000 aopjr.
Jogos para vispora a 200, ..40 e 320 rs.
Linha de marca (caixa) 240 rs.
__Temporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza onde contina a vender
pelos baratos preqos de seu an-
tigo esjabeleimento com titulo
de Temporal na Bonanca.
Rua do Qucimado n. 3.
J cordeiro previdente
Rua do inclinado n. i.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, supenori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
a espera continuar a merecer a apreciac5o
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontraro o
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, c vilete para toiret.
Elixir odontalgico para conservac5o do
sseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
a outras qualidade.
Finos extractos ingleze, americano e
franceses em frascos simples e enfeitados.
Esseneia imperial do fino e agradavel chel-
eo de violeta.
Outras concentradas e de ckeiros igual-
mente fifra e agradave.
Oleo pteloeome verdadeiro.
Extracto 'oleo de superior qualidade.
com escollados cheiros, em frasca de diffe-
rerrtes tamaitos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditoemuito finos em caixiaha para barba.
Caixkihas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditos de madeira invernisaaa contendo fi-
nas perremarias, nwito proprias para pre-
sentes.
Ditos de papelSo igualmente bonitos, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos ae metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Opiato ingleza e fraaceza para dentes.
Pos de amphora e outras differento
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mal coque*.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonito moldes eom filets d vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciaos de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS DORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicio.
Flvella e Ola para cintos.
Bello e variado sortinwnto de toes objec
tos, ficando a boa escolta ao gosto do com;
orador.
CIMENTO
V8ode-s% veuladeiro cimento; na rua da
\U4re d#'s n. 22, armazem de JoSo
3 Barros,
tten !
Na praca do Corpo Santo n. 17,
& andar, vende-so mais barato do que em
t)lfi outra qualquer parle cal de Lisboa 9
m notassa da Hussia da mais nova no mer-
j eado, assim eomo vinho Bordoaux de sn-
i perior qualidade em caixas e garrafas.
nniimiiBi-
TT^dTse um moioho de vento, um de ro*
de tnlanco, nm moinho oara cale, um telheirn de
Tdco : quem os pretender diRja-se a ri do Pilar
numero 25,
No armazem de Cunlia traaos & &, rua di-
Madre de Dos d. 34, vende-se vinho do Porto, u
Pasto, e fino, em garrafas] e barris, d UTenezes.
Chamico, e outras marcas acreditadas, vinho de
Pasto, imitando o Figueira, em barris de 5* e 10*.
Chegou ltimamente superior vinho verde, marca
Mnezes, em quartos.
Cera de carnauba.
Retalha-s barato para acabar.
s
r-
f
DEPOSITO
Era Pernambuco, P. Maurcr A
Macei, Paulo Jos^ da Costo Araujt
em
IP
Wi i *,
-*
.-.&!*&



io de Pernambuco Sexta feira 8 de Outubro de 1869. "
s
500
400
400
400C
l$$b
1^500
2$5Qfi
800
rival sb ido
Ra do Quetmqflon, 49 c 57 loja
de miudezas de tfosc de Azever
do Maia e Suva conhecido por
Jos Bigodinlio.
Est qaeirnaado ludo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por sso queiram vir ou aiandar
ver o que bom e barato.
Caixas de liabas do gaz com
50 novellos a
Latas com superior banha a
120, 200 e.....
Frascos de oleo babosa muito
fino a.......
Duzias de meias (inglezas)
muito boas a .
Garrafas com (agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agu.livina dame-
lbor qualidade ^
Caixas com 12 frascos de cbeiros
proprio para mimos .
Dita com|6 frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que so
a vista ...... 1500
abocetes de calunga muito bo-
nito ...... 240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... 600
Pecas de babadinho com 10
varas ....... 500
Pecas de fita de cs qualquer
largura ..... 50C.
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para dentes fazenda
muito fina ..... 240
Pulceiras de contas de cores
para meninos 200
Gaixas de linba branca do gaz
com 30 novellos 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4000
Pares de botOes para punhos
muito bonito 120
Libras de la para bordados de
de todas as cores $000
Pentes com costas de metal
muito finos 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 180
Grosas de botes madrcperola
muito fino ..... 500
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 320
Pecas de fita de 15a todas as
cores ...... 500
Espelhos dourados para parede
i000 e..... I500
Espelhos de Jacaranda muito
fino a...... 2000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 fa-
inas ...... 1500
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos 1-5200
DI!
I
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
(D=mm G)&
iQ&raoao. m
DE
FLIX PEREIIIA DA SILVA.
O proprietario d'este grande estabelacimonto, vendo que se est aproximando o fin-
do anno, e tendo era ser um grande deposito deposito defazendas; nao fallando em
avultadas encommendas que Ibes est3o obligado todos os dias, tem resolvido liquida-
las por preco muito raais baratos do que era outra quahper pacte ; su com o fim
de diminuir o deposito e apurar dinheiro. Encontrase neste estabelecimento do
PAVO, avultado sortimento deiaz*ndas da luxo e modas; assim como de primelra
necessidade. As pessoas que negociam em pequea escala n'esta loja poderlo surtir-
se vendendo-se-lhes pelos precos que compram, n*s casas inglezas; assim como as ex-
cellentissimas familias podero mandar b%sear as amostras de todas as fazendas, ou man-,
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas casas; o estabelecimento se
acha constantemente aberto das 6 horas d*-manhaa s 9 da noite.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste estabelecimento se encontrar diaramen-
te uin completo sortimento de pastelaria de todas
as qualidades para lanche e sobre-mesa, etc., etc.,
fcolinnos de todas as qualidades para cha, presun-
tos de Hambre, bolos inglezes, pudras, e finalmente
tudo que consiste em urna boa pastelaria, com o
raaior asseio e esmero, cha hysson, preto e mudi-
nho do raclhor que ha no mercado. Nesta casa
tecebem-se encommendas para' casamentos, bailes
ibaptisados, cotnpremettendo-se os donos do es-
abelecimento a ser ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse lim de
um completo pessoal. Recebe-se avulso toda e
qualquer cncommenda, como sejam, bandejas,
bolos e paes-de l decorados, doees'd'ovos, seceos
e de calda e crystalisados, fructas naconaes e es-
trangeiras, amendoas eonfeitadas, um completo e
variado sortimento de caixinhas de todos os gostos
e precos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
nhas leventemente chegadas de Paris, sao de pri-
morado go to, offerece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acharo um digno e serio
presente para as donas de seus peusamentos. lico-
res, viudos finos de todas as qualidades, conservas
lauolhos cm latas. Os donos deste estabelecimen-
es nao se poupanda despezxs, faiem todos os
otorcos para servir o respeitavel publico o me-
h or que for possivel, e sendo principiantes e lu-
eando com todas as dDculdades, esperam a con-
oorrencia do respeitavel publico desta capital, na-
cime e estrangeiros. Pechincha : legitimo vi-
nho muscatel em caixas, que se vende por commo-
do preco para particulares e para negocio.
VSNDE-SE
A PREGO F1XO E MDICO
SOMBRINHAS de setim verdeultima no-
vidade para senhoras, a 18 e 253.
UNDOS cortes de tarlatana orvalhada, prn-
prios para bailes a 103, I3& I5, I7
e 22SOOO.
ESPECIAL sortimento de coques enfeitados
e lisasultima modaa 2500, 3^000,
3500, 4, 4500, 5 e 6. .
GRANDE e bello sortimento de chapos de
palha da Italia, elegantemente enfeitados,
para senhoras e meninas a 15, 44, 13,
H#g.
TRANCAS E CAMOS imitacio de ca-
bello, para senhoras, a 16800 e 800 rs.
GRANDE e agradavel sortimento de gui-
pure oo croch preto, em pecao metro
a U, 3^500, 40 e 0.
DITO branco a 2500, U e 3800.
LINDO FIL de seda branco com ramagem
o metro 5500.
LINDOS e ricos aderecos de plaqus du-
bls, com brillantinas, rubins, esmeral-
das, perofa, e camafeos ; nao ba dtffe-
renca do ooro de lei e conserva por Ion
go tempo a sua efir natural, vende-se a
150, m, 30*. 45, 90^ e 130*. este
preco menor ao feitio de qualquer peca
verdadeira do mesmo trabalho.
BONITAS GORRENTES do mesmo metal
para relogios, a 60, 80 e 100, no
BAZAR DA MODA50-RUA NOVA
t Vende-se nm casal de eseravos casados a um
moieque, ebegados ltimamente do' sertao; teem
muia boa conduela, o escravo Mimo sapa-
ieiro: na pra$a da Boa-Vista n. 17.
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO RA DA
IMPERATRIZN. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sonido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de'casemira,
de panno, do brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brias, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maior promp-
tidao ventado do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e oulros muitos. artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Sirva.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 16800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porcao de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e. vende-se pelo
barato preco de 16800 res cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
CERA DE CARNAUBA.^
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo rna da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas niusselmas de
cores a 500 rs. o covado.
AS BASQUINAS DO PAVAO
Chbgaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em coDta.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Encontra o respeitavel publico neste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canto,
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato.
NOVAS RASQUIN4SC0M CINTO.
Chcgaram as mais modernas basquinas de gros-
denaple preto, ricamente enfeitadas, sendo de um
feitio inteiramente novo, com neos cintos largos, c
vendem-se por preco razoavel
CASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um elegante sortimento das mais linas
e mais moderna? cassas francezas que tem vindo
ao mercado, sendo com padres miudinhos e
grandes, e vendem-se por preco muito em conta.
AS SEDAS DO PAVO
^Altas n ividadcs.
Pelo ultimo vapor chegaram para loja do Pa-
vo, que vende mais barato do que em outra qual-
quer parte, as sodas seguintes : pnpellnas ou
gorguros de linho e seda, com os mais delicados
pidroes, sedas de listras, padroes inteiramente
novos, groz de todas as cores, sendo verde, azul,
lyrio, rosa, cinzento, etc., setins, branco, azul,
verde, roxo, lyrio etc., etc., assini como um gran-
de sortimento de grosdenaples pretos de todas as
qualidades, c snperior gorgurao preto de seda
para vestidos e colletes.
AGRACIANAS.
Chegou esta nova fazenda c m o nome de Gra-
cianas, sendo de urna s cor, lyrio, rxo, verde,
azul, etc., etc., e muito encorpada, com lustre pro-
priamente de seda, sendo roelhor e mais moderna
que este anno tem vindo para vestidos, e vende-
se pelo barato preco de 2*> o covado.
ALPACAS LAVRADAS
Na loja do Pavo. ^
Chegou pelo ultimo vapor um grande sortimen
to das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, tendo entre ellas algumasque
fazem a vista propriamente de seda, eendem-se
por precos muito em conta. V
GRGURO PRETO.
Chegou para a loja do Pavo o mais encorpado
gurguro de seda preto para vestidos a oulletes,
que se vende mais barato do que em ouua qual'
quer parte.
MADAPOLAO FRANCEZ
A 7*000, ? o pavo.
Vendcra-sc pecas de madapoln francoz com 22
metros, pelo barato preco de 7^000, dito entestado
com 20 jardas a 7*000, assim como linissimos ma-
dapotdM franeezes e inglezes, ditos de jardas, que
se vetniem mais barato do qno ero outra qualquer
parte, por haver grande porco
AS CASSAS DO PAVO
Coved. a 300 rs.
Vendem-se fnissimas cassas francezas cora lia-
do desenhos e cores flxa* a 300 rs. o covado.
CHITAS BARATAS
Na loja do Pavo
Vende-se urna grande poroso de chitas escuras,
e claras, de eores ftxas, pnr precos que admiraran
BRILHANTES BAREGES A 400 RS.
S o Pavo vende as mais delicadas ba-
reges de pora 'a, sendot ransparentes com
os mais delicados desenhos, de quadrinhos,
listras e lizos, sendo n'este artigo o mais
delicado que tem vlnde ao mercado, e
vende-se pelo baratissimo preco de 400 rs.
ocovado,
PELERINAS A 40000
Na loja do Pavo vende-se as mais mo-
dernas romeiras ou basquinas de croch,
pretas enfeitadas com verde e outras cores,
pelo barato preco de 4 chincha.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento os me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dsm a 12 isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Piireira da Silva.
BILOES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavo vende-se os raais mo-
dernos balos reguladores tanto de musse-
liua como de la de cor, as mais moder-
nas saias da lia enfestada, mais barato do
que em outra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, .para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
cem listas de seda e os padroes mais novos
que tem vindo a este mercado, vendendo-se
a 13400 o covado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
* ORGANDY RANGO.
Vende-se o mais moderno organdy braneo para
vestidos cora listras largas e miudas, assim como
urna graide porcao de eambraias brancas, lapadas
e transparentes, "tendo das mais balsas de MOOO a
(leca, at as mais finas de 10 ou 12-5000, todas
es as eambraias se vendera mais barato do que em
outra qualquer parte.
COLCHAS DE FUSTAO.
Vendem-se colchas de fusto brancas e do cores
por preco muito cm conta, na loja do Pavo.
ORGANDY DE COR
A 360 rs. o covado.
Vendem-se bonitos organdys de dores com bo-
nitos padroes e fixes a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA SENH< RA.
Vendem-se fnissimas camisas francezas bDrda-
daj para senhoras, na loja do Pavo.
AS CELEZIAS DO PAVO.
Vendem se as mais finas celezias, esguioes e
bretanhas de linho por preco muito em conta.
FUSTAO BRANCO PARA VESTIDOS A 640 RS,
Vende-se fusto branco, com lista e lavradinhos,
muito proprio para vestidos e roupas de meninos,
a lO rs. o covado.
COLLERINHOS PARA SENHORAS.
Vendem-se flnissimos collerinhos de e.-guio de
liriho proprios para senh ras c tambera para me-
ni las a Si a duzia.
ALPACAS DE CORDAO.
Ycndenv se as mais brilliantcs alpacas da cor-
daoziniio para vestidos, t^ndo as mais lindas cores,
como Bhsmnrk, lyrio, rxo, g?nga etc. etc., pelo
barato preco de I rs. o covado-
tarlaTanas.
Vende-sc finissima tarlatana branca e d-3 todas
as cores, assim como fil branco lizo a 800 rs. a
vara.
ALGODAO ENTESTADO.
Vende-se superior algo'lozinho com duas lar-
guras, proprio para lenges, sendo lizo e entra-
ado, e vende-so por preco muito rasoavel.
MEIAS PARA MENINOS A 3jo00 RS.
Vendem-se duzias de meias superiores para
meninos e meninas, pelo barato prego de 35500 a
duzia.
BASQUINAS DE GUIPUZE.
Chcgaram as mais bonitas e modernas basqui-
nas pretas de guipuze, que se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte; assim como as
niais delicadas romeiras ou pelerinas de croch
pretas, enfeitadas de verde e entras cores, vende muito em conta.
CHAPEOS DE SOL.
Veude-se um grande sortimento de chapeos de
sol de seda e alpaca que se vendem muito ba-
ratos.
LENCOS BRANCOS.
Vendem se bonitos lencos brancoi e de cores
com barras e abanhados, pelo barato preco de
:i:,'iO0 a duzia, ditos de linho abanhados a 64 a
duzia, ditos de esguiao para varios precos, ditos
de algodao a i i e 13600 duzia.
A 50000
Na loja do Pavo vendem-se ruodernissi
mos chales de fil preto c-m lindas palmas
do seda, pelo barato preco de 5$O0O,
pschincha.
BASQUINAS A 1000
Na loja do PavJo vende-s as mais mo-
dernas basquinas ou manteletes de guipure,
pilo barato preco de 12/1000 cada urna.
PARA ESCRAVO
Na loja do Pavo vende-se estamenha
de algodo mesclado para vestidos e roupa
de moleques a 200 rs. o covado, na ra
di Imperatriz n. 60 de Flix Pereira ^
Silva.
Papel para embrnlho.
Compra-se papel para embrulho : na loja do,
Pavo, ra da Imperatriz ri. 60, de Flix Pereira
da Silva.
A to* $UtIMAt>6
A AGUIA BRANCA tem convicco de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridad
de de qualidades, e a limitaco de seus precos, esto na opinio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepeo d'aquelles objectos que esto alm do commum,
como bem sejam:
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
]uando abertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com mus.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
lhas, e os mais necessarios para vtagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas, dentes, caballo e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MARIPEBOLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Boloes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aveoturine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 50.
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, h& o par.
Camisas de lia ne I la para homem, a me-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
crean?as.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
(juem sofre de incbaco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tlio, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espadadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinbos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinlias,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSELTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusnltra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua aprcciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim'custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infiuidade d'objeclos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e amiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Quoimado n. 8.
PMEiiio e m\m UVROS -
LEITURA
l'ARA ISO r>.\ INFANCIA BRASILEIAA,
PELO
Dr. A. Cesar Borges.
(2 LT>!! AO MimO MKLIIORADA E
' AIMENTADA)
Estes duii? Iivros, resultado do grande expe-
riencia c ostudoa especiaos do autor, vieran
lisfaier a ama 'lis mais instantes oeceuaidadea da
iostrucoio primaria, e per tal forma que, pelos
governos de quasi todas as provincias teeai sido
adoptadas para as escolas publicas, assim como
por grande Damero de. professores particulares.
O primetro lirro ( absolutamente diverso das
cartas vulgarmente mohecidas pelo nome de .
B C ) e compnsto segundo um systenla natural,
philosophicii e ameno que aos meuiuos fecillta
exiraordinariameiito o conhecimento da lejtur..,
tornando-llies mnilo mais tapidos, e uito menos
penosas, seus primeiros, tmidos e vacilantes pas-
sos na vida lillenr'ia.
O segundo litro consta de muitos artigo, con-
t? etc., todos to breves como convem fngax
attencao das crianzas, e escriptos em lingn.igrai
e esiylo apropiiauos franqueza de sua inlell--
gencia.
E de maneira combinadas nelle se acham ac
materias que. ao mesmo passo que vivamente in-
ttressam e deleitara os pequeos leitores, levam-
Ihes e implantara-Ihes no espirito e no coracao f-
eundos preceltos de moral, fopirando-l|w, desu
logo, com o goto da leilura, o amor da virtude
o a repugnaiiria da do vicio.
Sao ambos estes livros ntidamente hipressos e
elegantemente encadernados em Pars, e conten
estampas linas representando os assumptos db
contos ; o que os torna mais convidalivos aos me-
ninos e muito proprios para presentes ou premios
dos mesmos.
Contera demais o regando doM bellos hymnos
cora msica pnra o coiivco c fim da escola.
Recommendanm-los pois conllailamcnte aos s--
nhores pais do familia, e professores que ainda os
nao couhecem.
Primeiro livro. 300
Segundo titm
\ VENDA NA
Ijhraria francaza,
9RA DO CRESPO
SE ALCIIE1IDLV1BAK. -VE\H.\ VEK.
NO
Temponi! na Bonanza
Este estabelecimento acaba de receber um com-
pleto sortimento de asnillas curtas e coniprida-,
as melhores que tm vindo ao mercado ; as agu-
lhas tem o dsiinctivo Previne-s* a todas as familias que quando man-
daren) comprar estas especiaes agulhas que vejara
no papel o distinctivo do TEMPORAL.
Fago esta observaeao para que as familias nao
sejam engaadas pelos meus collegas apresentati-
do outras agulhas e dizeudo que sao as que uu
annuncio.
Soude ha estas agulhas na
LOJA DA RON ANUA X. C!
preco de cada papel 100 rs.
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do mallo e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teem um grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parte destas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100^, ter cinco
pagamento garantindo-se qualquer genero sabido Ueste
Jos Joaquim da Costa Maia & C, ra do
Crespo a 6, acabara de receber un grande sor-
timento de pedras marmore, como seja lijlos de
diversos tamanhos, laminas, saetadas, soleiras e
(legraos, bem como telhas de ferro galvanizado
c e diversos tamanhos, que tudo vendem muito
em conta.
Assiicar de oxido de ferro de
t hauteand.
O assucar fe< ruginoso de CKanteaud obtido
pela associacao do exido de ferro inteiramente to-
iirel com o assucar cuidadosamente purificado.
Este assucar, do urna bella apparencia crystalioa,
t3in o simples gosto mui agradavel do assucar,
sem o menor sabor adstringente : nao tem acclo
irritante sobre a mucosa do estomago e entes tinos,
( rpidamente absorvido pelo apparelho digest-
vojem causar as constipac>8 do ventre.
E' boje onreparado de ferro de raais aceitacao
[ara a chlofose atonia dos orgaos, perdas brancas
nenstruagoes difflceis, etc., e tem a seu favor o
j uizo autorisado da escola de medicina de Pars,
6 dos cbiraieos os raais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia do Bartholomeu A C. ra la) ga do
Rosario n. 34.
BREU
Vende-se broa Ano o nata superior qno ha no
mercado, por precn eommodo ; na roa do Viga-
rio D. je.
por cento pelo seu prompto
armazem.
GAZ AMERICANO 90 a lata, a 400 rs.
a garrafa e 60o rs. o litro.
VIN'HO VERDADEIRO FIGUEIRA 560 e
640 rs. a garrafa, a 40500 e 41800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
30500 a caada, 600 e Gil) rs. o litro.
AZEITE DOQE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o lilro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 20200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 3 10440 e
10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 10400 o kilogrammo, em porco se
far abat ment.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 10570 o kilogrammo, em
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra. 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arrolla.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo. e 60 por 14 kilogrammos.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha
abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e
10750 o kilogrammo.
620 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
timento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 e 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCV, 5 280, 400 e 560 rs. o raasso,
30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 30500, 50500
e 10 a libra.
GOMIA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa lia aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOgE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QLEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30, 20800 e 20400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOUCINHO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e 110500 por
H kilogrammos.
CHA FINO. GMDO E MIUDINHO os
melhores que ha no mercado, 30 e
30200 a libra, 70080 e 60540 o kilo-
grammo.
IDEMPROPRIO'4PARA NEGOCIO 20700,
20500, 20200 e 20 a libra, e 50460 e
Vende-se por preco muo commodo a arma io
e balea da taberna Flor do Brasil, na ra da ..
Iriz da Boa-vista, esquina da rna Velha, bota o-li-
cina de marcinciro, cuja armacao se acha forado
seu lugar, porm eai perfeito estado para qualquer
estabelecimento : a tratar na dita oDcina, onde
vern Os pretenden; >s a dita armacao. ou com Rc-
lino Manuel da Cvu?. CnoSfiro, no*caos de Caplir.-
ribe n. 8, e ra do Lima, em Santo Amaro n. 32.
Veinlein-se duas casas terreas de n lo na
ra de Santa Rita, e outra nj fondo di.-ta den.8,
na ra de Santa Rita-nova, ambas em solo pro-
prio : a tratar na ra da Aurora d.'M A, com o
agente Bniebio.
Vende-se n deposito de charutos da rna es-
treita do Rosario n. I(i : a tratar na rna de Horra
numero 1.
0
Fugio no dia lti de setembro corrente o pmo
crioulo Jnliao, com os signaos seguintes : altan
regular, pernas arqueadas, usa suissas. tem 45
annos de idade, pouco mais on menos. Este < -
cravo pertenceu e foi comprado Sra. D. Alhnn: -
zia Manado Espirito Santo, viuva de Joa Manorl
de Sonza Vianna, moradora no Curato de Bom Jar-
rita. Suppoe-secom fundamento, que esteescra\o
se tenha dirigido para aquella comarca, bem co-
mo ha razoes para snppor que elle alli esteja
acontado em casa de algum parento de -ua ex sc-
nhora : por sso roga-se as autoridades polica."
e capiuies de campo o favor de o caidurarem
enviar ra Nova n. 46, onde se iudeinnisar.i
qualquer despeza. e se gratificara, sendo mister ~
A aliaixo assignada protesta de pelos Hielos legaes
proceder contra quem quer que tenha dado rsiifo
ao referido seu oseravo, por isso que est convir:.*
de que o dito escravo fura seduzdo para fugir.
Maria Carolina V rreira, de Carvalh").
Fugio, fugio, fugio
do engenlio Jagnarao, do termo de Seruhaetn, o
ccravo Luiz, crioulo. com idade de 32 annos potr-
eo mais ou menos, poneDcente ao abaixo assign.
do, cujo escravo foi comprado ao Sr. Pedro Jorgt
da Silva Ramos, como procurador do Sr. Francis-
co Mendos dos Santos, morador noBrejo da Madre
Deus, e tem os sgnaos seguintes : altura regula),
testa grande e carnuda, olhos pequeos o encar-
nizados, pos seceos, e uiaoqueija, por soffrer de
cravos ; tem no bfteo direito do lado le dentro
um caroco, que parece lobinho, o as costas e na-
degas marcas de chicle ja velbas ; levou camisa
e calca nova de algodao azul ejbapeo de cooro ja
velhu'e mais roupa; sabio corar o cabello corta.,
tendo barba por baixo do queixo: quem o p-.-
gar. leve-o ao referido engenho on na cidado do
Rocfe, a entregar ao Sr. Miguel Lucio do Albu-
querque Mello, que ser recompensado : recon-
menda-so s autoridades policiaes captura d'ee
Anto'ito Francisco Cesar ai Vcsconrellos Cawr
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra e 40180 o kilogrammo.
Assim como ba outros muitos mais gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada, con-
servas gela de marmello, pcego, ervilhas, pexe em latas,' sardinhas de Nante*.
vinbo verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebolla 10500, finalmente muito mais gneros quo
menciona-los. ______
enfandonbo
A ra do Livramento n. 6, contina a ha-
ver para vender por precos rasoaveis, o
melbor vinho *verde at boje vintlo a este
mercado.
CAIi DE LISBOA
E
POTaSSADARUSSIA
A mais nova no mercado, a preco razoavel; nf
arraa?em Je Manoel T. Basta, i ra do Comraercit
a. 13,
Cha toul-pursativo e depurativo
de bambard.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o rM
toni-purgativo de Chumbar possue um gosto sabo-
roso c um aroma suavissirao, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do ligado, o desob excellencia na constipaco do ventre, e nao tem
resguardo algum. Depurativo especial e directo
das biles o dos humores, refresca o sangue depu-
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Barlbolomeu & C, rna larga de
Rosario n. 34.

Attencao.
Fugio a i de outubro, do engenho Mstto Grosso,
propriedade de Joo Bento de Gouveia, o escravo
Manoel, com 40 annos de idade, pouco mais o
menos, conhecido por Manoel Pachola, tem os se-
guintes signaos : estatura media, cor preta, den ti
alvos, cara sceca, corpa bem feito, tem algumas
marcas do chicote ainda fresca?, levou alguna
roupa : roga-se a quem o approueader que leve o
a seu senhor no dito engenho, ou em casa dos
Sr?. Leal A Irmao, ra Ja i'.adea do Recita n.
'66, que ser generosameute recompensado.
E>t fgida desde o dia 20 de junho prximo
passado a eserava Henriqueta, preta, croula, ida-
de de 18 a 19 annos, chela do corpo, altura rega-
lar, cabellos carapinhos, testa larga, pelle groara
e espinhenta, beico< grosso*', bocea grande, dente
largos e perfeitos, olhos o raaos grandes, com urna
cicatriz em cima do urna dolas : roga-se s auto-
ridades policiaes e a quem convier a sua captura.
que se gratificar satisfactoriamonte, em casa do
seu senhor, rna doHenrique Das, n. 10.
- Na ra do Vigarw n. 16, escriptorio de T.
de Aquino Ponseca St C, vende-se mercurio, vi-
nho engarrafado MENERES, anwrelas especiaes,
cal de Lisboa cera em velas, chapagnOQ cognac,
carvo aairaal, vidros em caixas.
n Damiao, cabra, de ti annos de idade, n'.io
lera barba, cabellos pegados, muito manso no fal-
lar, boa o-tatura, quando nuda mnilo apressade,
bem corpulento, queixadasmuiti largas, c quem
olhnlpareceinehaci" tem muitas cicatrizes de chi-
cote as costas, e est com as pernas feridas pro-
veciente de foros, levou chapeo de b
misa de chita; este esri vmentim
J-ia Baptista, morador em
ba; e comprado pelo "*^
de'NaxanS. : &?mSLJ!2lL*:
**m .ior.C.Uns.
I
-f
,m


8
Diario de Pemamljuco So\la fera 8 de OutaJ>ro de \.
w
r !* -i^
ASSEPLEA GERAL
CHARA DOS SES. DZPTABOS
SEStfO EM gl DE AGOSTO
HKSinHNCtA BO Sil. NEBIAS.
(Continua cao)
Reste apoto que prostuao pr^ecto do
' n-obre ministro, creio ser acumoanhado.
u*> k' pela casi, como pala paiz ; entre-
fctaU, como a queslo jiao c di confian ;a
ica. eu, por BttiOf que seja o resp rilo
ifg^tributo ao nobre ministro, a amizade
^5 liie tenho, reservo o direito il i oTaro-
alfa as considerar is aos artigo* do
' pnijilu uaquille qi*e ellos forem sucepti-
\va> deampliagu, restriceo ou emeoda.
Osla forma coiititjiiiiemos todos nos
ou pu\tqueo projecto ti ju mais completo
wu *>; mustie superior critica, presumb-
fiK^ue por Cirio nao domina o nobre mi-
nistnti justica, porque nao a lera a res-
|i;'iio dos sus trabalhos os homens de ver-
darieiro mereeinenlo.
Obligado pelo regiment a discutir o art.
V.som enunciar me sobre a generaHdade
da projecto, curapre declarar, acompanhan-
Joo meu nobre amigo o .ollega, deputado
pelo M iraulio, que preiro o artigo do
pnjtto do nobre ministro da justiga a
emenda da commsso.
O 8a, Pe.i.EiA da Silva e othos Sus.
Dmwtamm i --Apoiado.
O Su. II Eiucuro Guaca : Antes, porm,
do entrar em urna analyse detida do artigo
! seas paragrapbos, julgo imprescindivel,
j vista do discurso no nobre ministro, ex-
pender algunas considerages e ideas ge-
raes sotre u systema da policia judiciaria,
para niaior clarosa da discusso.
Senliores, seguramente que nao tratamos
aqu da polica administrativa, u sim da po-
lica judiciaria criminal.
A polica administrativa preventiva, o
sea carcter a vigilancia, de previden-
cia ; manteado a ordem publica, ordinaria-
mente manifesta-se por medidas geraes;
remove as causas de perturbaco, promovc
c ?da o bein estar da sociedade.
A polica judiciaria s apparece para in-
dagar dos dolidas, cuja perpetracSo a po-
lica administrativa nao pode impedir, col-
li^e as provas e os indicios, e com elles
entrega aos trbunaes os delincuentes que
prandeu em flagrante. A polica judiciaria
, a os, a chave, do processo criminal.
Sabemos que no processo criminal ha
tres periudos dislinctos, ha tres seres de
a :t >s diversos cm sua natureza, posto que
tendentes ao mesmo fim : sao a polica ju-
diciaria. a formago da culpa e o julga
ment, a polica judiciaria colligindo os pri-
neiros elcmenlos do crimc ; a formago da
culpa, qualiicando os factos c determinan-
do quem o suspeito de ter commetlido o
crime, vista das provas que reuni para
o julgameuto ; este, apreciando os factos e
os crines, conhecendo da innocencia ou
cfiuinaliddae dos delinquemos, ejproferindo
a entenga final.
Bases tres actos ou periodos dislinctos
do processo j iiliciario tem um lim com-
iiuj, que preparar e fundamentar a de-
i.-jo (I. acco criminal; loin urna misso
especia!, que formar- successvamente os
Mementos da instaurago da culpa, da ac-
cu-ago e do jjlgamento.
iipu v-se que a polica judiciaria
oa i especie de inslrucco preparatoria que
preeede o justifica a formago da culpa ;
principia sua raza o desde que o delicio se
tuaaifesta causando alarma na sociedade ;
prend o iielinqoentes no flagrante delicio,
CoUife os indicios e provas do crme, as-
aata-o, o transmiti, o mais breve po3
sivtl, a auloridade judiciaria os actos desta
averiguara preliminar.
Obrando asfikn. a polica mudara facilita
a uisirtnxao. soppriudo provisoriamente a
juslii.'a ausente ; donde foreoTO conclua
ge por um lado a polica judiciaria,
o sentinella avancada daju>tiga, como
: primeiro auxiliar, deve ser investida de
: tt meioa dd aeplo indispensaveis ao
cumplimento de sua misso, pela razo de
oteressar sociedade que nenhum crime
j- ii impune i falta ile inmediata prisfio
de seas aatores, e da pesquisa da prova,
pur oatro lado, senliores, preciso que a
polica judiciaria se limite s e s sua
miseao preparatoria, nao invadindo o do-
Btiaio da justica, hincando nicamente a
base do processo, assenlando a primeira
pedra do edificio j indico ; e como garan-
ta individual, Jelinindo-se na lei a sua or-
gamsacao, quaes os seus agentes, as condi-
fSes da no.nea;ao delles, seus direitos e
ai rjbuiees, o modo de exercicio de suas
faacoes, e as formalidades que o desem-
penbo deslas funeces devem obser-
var.
E' esta a linha divisroi a entre a polica
judiciaria a pUCa ; sao este; os principios
pie ensina l'austi ellelie, e quj aprend
nos escriptos de Margiu, Mitternmaior, e
outros autores de igual nota.
Acho-me, partanto, em divergencia com
o n ibre ministro da JasQa na appticaco
(lestes principios ao projecto em dtscusslo,
e em face dos que hontem S. Exc. aqu
enunciou.
Passo a tratar do artigo em discussSo
analysando o segundo as ideas que tenlu,
acerca da polica judiciaria.
O art. 1" do projwto do nobre mnislr(>
da justica occiipi-se com a enumeracSo do
pessoal da polica, e com as cendrees l
nomeac5o de algims dos sws agestes,
consagrando tambem a incompBibilao
das funches policiaes e judiciarias. Se-
gundo este artigo, o pessoal da pilieia
eompde-se dos chefes de polica, delegados,'
subdelegados, agentes ostensivos, secretos,
guarda policial, instituidaespeiiilmnt^par?
execufilo da auloridade e carceretros. Com-
binado o artigo com as leis vigentes, vemos
que incorre elle cm defeito, d -xando de
dizer quas sao os ageules de oficia osten-
sivos, o que guarda policial essa iastilui-
da para execular as ordens da aytoridade.
E' mister toda a clareza na lei.
Senliores, o que se compreliende na lo-
cepfo agentes de polica ? Ser3o estes si)
os actuaefinspectores de qnar-eir3o? Com-
prefeuder tambem os escrives, que mu
tas vezes sao auxiliares da polica, e outras
vezes execotores de ordens superiores?
Se assm empregue-se de proferenci;i
o nome conhecido. Se nao o nobre mi-
nistro precisa a creaeo de novos ou rnah
numerosos agentes, afim de que a polica
preencha a sua misso, devenios ser escla-
recidos.
Disso o nobre ministro da justica em
resposla a observaco idenlica feita pe >
meu Ilustre collega e amigo dapuudo peh
Maranho, que compondo-so a polica de
agentes administrativos pedia o goveruo
crea-Ios como fosse conveniente.
Nao posso concordar. Se al corto poni
parece indifferenle ao corpo legislativo sa-
ber o numero dos agentes de pelica, urna
vez que elles nao sejam retribuidos, nafl
podemos deixar de conhecer e determinar
as funeces desses agentes e as formalida-
des com que bao de ser executadas.
Pergunto eu, esses agentes cuja creaeo
0 nobre ministro da justica julga necessari,
podem prender sem mandado, dar buscas,
penetrar no domicilio dos cidados, in-
quirir testemunhas, nomear peritos, lavrsr
autos ?
Qualquer destas attribniges importanta
nao se pode baratear.
O meu nobre collega, deputado pelo Mti-
ranhlo, disse muito bem, que neste ponto
era nadmissivel a delegaco conferida
ao governo, embora amigo e o i>ler i
conflanca. O nobre ministro, zelando a
pureza do syetema representativo, apres-
sou-se a declarar que nao acitara delegi-
co de atlribuiQes privativas do corpo le-
gislativo.
A's razes dadas pelo mea Ilustre col-
lega e amigo, eu accrescento que, sendo a
polica judiciaria composta de autoridades
administrativas, perigoso armar o governo
demudo que no supposto ou exagerado in-
tuito de garantir os interessel da represso
dos crinas, opprima a liberdade civil, que
acha o seu escudo na imparcialidade do
poder judiciano independen le.
O que digo, senliores, qianto aos agen-
tes ostensivos de que trata o projecto tfo
nobre ministro da justica abrnge a l'ori;a
publica, instituida especialmente para a exe-
euco dos ordens da autoridide.
Que forca essa ? E' a forca policial que
conhecemos? Se d se-lhe o seu verd; -
deiro nome, quando mesmo a forca publica
por ser reputada parte da organisaco t a
polica indiciara, cujas ordens apenas deve
cumprir, como ja se pondtrou.
Pareceu-me hontem ouvir ao nobre mi-
nistro da justica .que a forga publica a que
se refere o projecto a torca policial, mas
com urna outra organisaco dada pelo poder
central:
Senliores, com o meu nobre amigo e cul-
lega, deputado pelo Maranbo entendo que
depois do acto addcional a creaeo e or-
ganisaco da forga policial perlenee exclui-
1 vameule s assemblas provinciaes.
1 O nobre ministro da justica contcstou
esta opiniSo camo urna consulta do consellio
de estado, da qual'foi relator o tinado api-
selbniro Eusebio de Queroz Coutiuho iMat
toso da Cmara, de gloriosa memoria.
(Apoados.) A auloridade to respeitavel
opponlio outra nao manos valiosa, a do fi-
nado visconde de Uruguay; o qual na sua
obra sobre as assembles provmciaes con-
testa cbm superioridade os fundanKiitos
da consulta, e invoco para o direito cons-
tante em que as assemblas provinciaos
FOLHETIM
01 CASACAS PRETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
Segunda parte
TIFIES PAT4S
(Continuado do n. 29)
XI
Primefra aventura.
Waquelle lempo, nao linha Migoel sau
dades nem desejos; foi s mais tarde que
nisccram estas vagas recordaces da sua
ifaucia. O valle tranquillo em que o casal
assentava, e a formosa cncosta que a ermi-
da tocava corn o seu campanaro.semelhante
i famosa pera, parda e madura, tombada
entre a folbagem, frmava para elle todo o
uaiverso ; era eminente no entrancar chico-
tes de corda e as tiras denticuladas com
que se fazem os chapos de palha; na pri-
mavera, cahia direito, em cima dos ninhos
de andoriaha, como um cao sobre a pista.
Oj bons Pechis nao o faziara trabalbar
panto de esfalfa-lo ; nao Ihe batiam muito
em rosto com o 'pao que comia, e os da
adoia convinham j em qn era um rapa-
zSnbo perfeto.
O casal fata parle do cnsideravel domi-
oo, que a revolucJo nSo espatifra, e per-
tcaca um fidalgo idoso, que vivia em
Pars. 0 fldalgo morrera sem descendn-
ti; cahiram-lhe logo na heraoca em cento
de herdeiros, e os tribonaes determinaran
e fosse a propriedade posta venda.
setM manttdo de n3- th fixar, cmvm de
orginisar os corpos de polica; e, senbo-
res, em materia de le a praxe o seu rae-
llior inierpnte-
Os agente secretos da polica de qne
trata o projecto doiwbra msiro da jus-
tica fura sgpprnidos pete -illustre com -
misso no sen projecto substitutivo ?
Senliores, teulio tanto" receio do vago,
(pie ueste poni pwrfro redacfo do
substitutivo da Hlustre -commsso do pro-
jecto a do nobre ministro di jusliga. Fal-
ln este claramente cm agentes, ostensi-
vos e agmljs secretos. O substitutivo diz
nrptesmente: agentes i* pjlicia nao
exobie os M'craias, mplesmcnle os con-
'le1#- A reiacco, pois do substitutivo (la
Ilustre coinmisso insidiosa, sem injuria
algu.na aos seus dignos mcrabros.,
C impreherido qno a polica administra-
tiva ftrma agentes secretos para a polica ju-
diciaria, sao elles irn mero luxo.
A potfda admiruslritiva, qne tem por
dever ve'ar na seguranca geral, pairando]
suas vistas por. toda a parte, recolhendo to-
dos os rumores; afastando as cansas de de-
sonlem, perserutanio at o p nsamento,
pode precisar do agentes secretos; mas a
polica judiciaria, que s fun.'ciom depois
qm; o crime apparece, que necessidade
tem delles?
Son mmigo da polica secreta: degrada
e pervert os costiraies; systema de es-
pmnagnm, de delaco, de traico, compa-
dece-se apenas com a ndole dos governos
despolas e dos go'-erdos fracos. Basla
para repell-la a consideraco de que para
preencher seus fins d; les auloridade.
obrigando-a muilas vezes a paeltiar, a tran-
sigir com o crime.
(Ha um aparte.)
De que agentes serve-se a poficia secreta
na FrafCa1? Vivien o confessa: entes sem
dignidid'e de caractr, sem nobleza de eos-
tunes, cavalheiros de industria, malvados
e especuladores." O mesmo ha desucceder
entre nos.
Disse eu hontem n'um aparte que na In-
glaterra a polica judiciaria nao etn.orega
agentes secretos.. Contesiou-ma um il-
lustre deputa 1) pela Babia, o Sr. Alfonso
de Camino, que sntu nao sa ache agora
presente; contestou-me o nobre ministro
da justica firmando-se noorcamenlo daquel-
la nar.o.
Nao costumo soltar proposicoes areas,
para estar em erro, aborreco o pedantismo
e a mera sciencia, sempre va e pretenciosa.
Bhbnido que urna (las condices do cumpri-
mento do dever do homem publico o es-
tudo, o o estudo constante, (Apoados).
E, pois, asseverei que na Inglaterra nao
era conRccida a instiluico da polica se-
creta, autorsado por escriptores dignos de
f. Fandci-mo em .Mittermayer e L/on
Papctaer.
Nos sjus 00 encarecidos stlubs sobre a
Inglaterra diz este ultimo escripor, tom:
I, pag. 218 :
No ejercicio- da vigilancia a polica
francesa emprega agentes secretos e agen-
tes pblicos; estes sao os umcM cujo con-
curso a polica ingleza admitte.
A' pag. l9, accrescenta :
A p dicia secreta ser neces-aria a ma-
nutencao da orileni poblica ? Pens qne
na. Creio, e j o disse mais cima, que
o nome s da polica tornou-se um oppro-
brio na Franca, por causa da natureza
myttniosa dos meos o do carcter pouco
moral dos agentes que ella emprega ; ao
paseo que se na Inglaterra a polica um-
versalmente respeitada, pdese sem hesi-
tacHo atlrbur sua popularidade fran-
queza e dignidade de seus processos.
Todos os homens que tem experiencia
nestfl materia, M. Mller' em Glasgow, M
Writly em Liverpool, e M. Beswick em
Manchester sao adversarios da polica se
creta. Ufanam-se de nanea m recorrid i
a ella, e acham no ardor com que todo o
cidado se presta a dar-lhes esclarecimen-
tos e indicacoes sobre os delictos e seus
autores auxilio muito mais importante do
que poderiamreceberde agentes sacrctos.
Mittermayer, na sua obra sobre o pro-
cesso criminal da Inglaterra, Escossia e
dos Rstidos-Unidos, edico de 1858, a
pags. 130 a 131. fallando da grande con-
centruco de poder que existe as mos
da polica ingleza, diz :
A publicico dos agentes de polica na
Inglaterra urna garanta contra qualquer
abuso do seu poder,
Eslas citaces sao decisivas.
Se |errc, com Mittermayer e Lon
Faucher ; desejaria saber com quem acerta
o Ilustre depulado pela Baha, o Sr. Affonso
de Carvalbo.
O nobre ministro da justiga appelloo
para o orcamento inglez. A verba existe
nao para a polica judiciaria ; ser appli-
cada com a prevengo de dimes polticos,
contra as conspiran") >s com que o goverwii cimento da n\fsi e sem
tem lulad ulij),i:neate a miior examc,
o momento cm que se levanta o bando de
corvos devoradores de quintas, que en
Franca chamamos o Bando Negro ; houve
entre nos centenares de sociedades pra-
diaes, e Upponbo qae eram dirigidas por
ptssoas muito de bem; nao sao, por en,
geralmente estimados esses vendedores le
propriedades, que retalham solares em bc>
cadinhos e vendem peso as podras es
culpidas.
Chegaram de Pars, dando cauda, quin?e
ou vinle iconoclastas encartados bem cd a-
cados, bem vestidos, para apalpar a li-
mosa propriedade, e ver porque juntas po-
deriam separa-la com asseio; Potreas ca*Is
bavia na trra, suflicientes para hosped ir
13o desnctos personagens. O ti o Pitbt
recebeu um banqueiro anda novo, da csl-
Cada d'Antin, que se cbamava o Sr. J.
li. Scbwartz, e cuja proverbial liabilida.de
Ihe augmentava rpida e seguramente a
riqueza, j enlo cnsideravel. *
Conforme o seu costme, n*uma vis la
de olhos fez oSr. Scbwartz idea perfeita co
negocio. Tendo feito idea do negocio,
qniz matar o lempo e pedio um guia que
podesse po-lo em relacoes com dous ou
tres bandos de perdzes; o lio Pcbet deu-
Ibe Miguel, e Miguel fe-lo exlerminar meia
dnzia de pecas.
O Sr. Scbwartz, que nunca operara sd
melhante malanga, achou magnifico o ra-
pazinho ; volla para o casal, veio convei-
sando com elle, e a intelligente ionocenoia
de Miguel enthusiasmoH-o. 0 parisiense.1,
mesmo quando tem os nomes mais pro-
fundamente alsacianos, sao sugeitos a err-
'basbacar-se qaaodo eocontram mais qm
.asnos algumas leguas da praca de S.
Jorge. O Sr. Scbwartz foi dirigindo per -
guntas ao tio Pcbet, ao passo que comia i
propria caca, delicioso banqnele ; e Miguel,]
que nanea se oceupra de tal, lev
manos.
Senhoree, a conveniencia da nomea;3o
dos chefes de polica pelo Imperador e
d'entre oibacharei^fbrmados em direho,
foi mstentida to ventajosamente pelo meu
Ilustre collega deputado do Maranho e
pelo nobre relator da commissSo do jos-
tica criminal, qno escusado accrescentar
observaCTIes a respeiW.
Como- garanta, poreni, da boa execuco
de funceos to importantej*lfaj enten-
dem com o direito individual, *rbpttto in-
dispensavel a idea consignada na emjnda
do nobre deputado pelo i" disiricto da
provincia do Rio de Janeiro, a exigencia de
quatro anuos de pratica afim de que o 5a-
ebarel possa ser aomeadi) chefe do po-
lica.
Assegurou o nebro ministro da Justina
ser sua intencio jamis ompregar em lo
importante cargo moros sabidos das aca-
demias, sem habilitaces dcs-mvokidas em
certas funeces.
Outra consa nao era de esperar do zelo
do nobre ministro da juslica; maso nobre
ministro ha de ter sucesores, e o arbitrio
em noso pai/. ama arma perigosa :
eenvem coarcta-lo.
0 tirociriro de quatro annos nao ex-
cessivo. Hei de sempre lembrar-me de
que na pro*tocia do Maranho os peiores
chefes de polica qne livemos, os m#s
imprudentes, menos aptos, menos cumpri-
dores dos seas deveres foram aquellos
mocos que ao Hm de quatro annos de
promotores jaizes mooioipaea obtiveram
a nomeai;rio para aquello melindroso carg;.
O Sn. Duoni Estrada Mum : O
tnelhor cltefe de polica que livemos wo
M de Janeiro foi o Sr. conselbiro Ensebio
de Queroz.
O Sn. Aitvnjo Lima :Tinba ans do **0
annos.
(Ha oniros apartes).
O Sn. Hkiiacuto Gha;.\ : Senhores,
para o cargo de chefe de polica nao basta
o conhecimento do direito ou certa pratica
do foro; preciso, alem de dotes natu-
ra es, a experiencia do mundo, o conheci-
mento dos homens e das consas o que s
os annos podem dar.
Sr. presidente, o 2o do art. Io trata
da snspenso do chefe de polica feita pelo
presidente da provincia.
A primeira vista pareceriaocioso este pa-
ragrapho, visto que no rejimeuto dos pre-
sidentes da provincia se Ibes confer a at-
iribuk' de suspender os einpregados p-
blicos. A suspenso, porem, de que cogi-
tou o projecto, nao resulla da pratica de
Crimea que reelamem a responsabilidaue,
basea se om motivos de conveniencias da
administracio publica. E' urna necessi-
dade, como o nobre ministro expoz.
Entretanto, senliores, se adopto a dis-
posico do S ? acho ociosas as patarras
por conveniencia publica. O artigo est
redigido asim : Os presidentes U:
provincia podero motivaJimente suspen-
der'o chefe de polica por conveniencia pu-
blica. Sabsmos que a conveniencia pu-
blica 6 o regulador de lodos os actos das
autoridades; prcsuppe se a le, tanto
mais exgndo-sc aqu qae a suspenso
seja motivada.
Mando ueste sentido ufffa emenda
mesa.
Qoanto pessoa que deve substituir o
che'e de polica, quando suspenso, esioa
de acord com o m m collega pelo Ma-
ranho, que com consideraces irrespou-
diveis mostrou nao poder ser o delegado;
de ficar sabendo que era eslranho ao sitio,
orpho, e que o tinham no casal por cari-
dade.
Foram as expressoes do bom do tio
Pchet.
Ouvindo aquella revela?5o, que porven-
tura Ihe dava que scismar, pela primeira
vez na sua vida, teve nma idea arrojada.
-r Leve-me comsigo, disse'ao Sr. Sch
wartz, fago-lhe matar perdizes em Par:
todos os das.
O Sr. Schwartz desatou a rir ; estava de
excellente dispoc3o, e annancioa ae iio
Pchet qa levav eomsigo o rapfly.ito.
Santa palavra! Conhecem a Normandia ?
O lio Pchet pedio cem escudos para dei-
Rar ir o Migoel. Pouco antes, dissera elle :
um cargo muito pesado para pobres la-
vradores.
Se n8o conhecem a Normandia, qae
urna regio de encantar, v3o a Bretanha, ou
Flandres ou Borgonha : a Normandia
est em todas as aldeias, e nao ha Norman-
dia sem tio Pchet
Ah I que excellente homem 1 Tendo-lhe
o Sr. Schwartz dado os cem escudos t3o
deliciosas loe pareciam as perdizes, o to
Pcbet entoou em algaravia normanda urna
lamentaco comparavel com o melhor pran-
lo de Jeremas.
i I ai 1 ai I.... Ai i Jeius I tieu
Deus 1 meu Deus I o pequeo era a alma
d'estacasa era a nossa alegra 1 Esti-
>mavamo-lt, afagavamo-lo ; jtmo bavemos
(de passar sem elle ? como*... Ai I ai 1
"ai! ai!
E a boa da ta Pchej, enchugando confi
enoriie lenco di retalao* olhos de cro-
codilo : ^
Estimamo-lo malsjiufi,, se foca lho
jas nossas enUanhis I IJjf de sepirar-
ne do meu meaiao ai f Jesos, ai I Valha-
ailaai!
\ i vezes sao remetiidas as propostal
secretaria do governo -e' dormem alfl
largo sonno. Quando se fazem as noraea-
c6es expedem-se os ttulos peta mesnia
secretaria, sao enviados ao chefe de pov
lica, e este por seu turno. os> manda s
autoridades nomeadas. Gasta-st om isto
muito papel e muito lempo, nada mais:
a moda do paiz.
O Sn. Duque-Estbada Teixeib/l : As
pfasidentes de provincias que esto presen-
tes que Ihe respondam.
O Sn. HkiiaciitoGuaca:Deve, cer-
to, reinar a mais perfeita h%rmonia entre o
presidite e o chefe de polica ; mis nao
a mantem essa dependencia d \ nomeac3o
d sojbdslegados e delegados. Influem e
coficofrem paYa isso outros factos, conside-
races de outra ordem.
O Sn. Mi.xistuo da Jlstica:Apoiado.
O Sn. Uruclito GnAr.v:Depeis, a fa*
euldade da suspensSo conferida peto pro-
jecto aos presidentes contra os chefes de
polica um correctivo efficaz do desmando
ou inconveniencia das nomeacoes das auto-
ridades policiaes.
Liberte-se os presidentes de provincias
dessa attrlbuico pesada e "intil me ora
|es compete. Corra tal servigo s pelos
cnefes de polica, centro da polica da pro-
vincia. E tendo elles a immediala respon-
saftilidade das nomeacas, mais zelosos se-
ro na escolha do pessoal. A responsabili-
dad^ devidida nulla, como muito bem
ponieron o nulire ministro da justiga.
OJ 4" do art. Io trata da iucompatbili-
dade dos cargos poHcaes com os judi-
carios.
O nobre dffcitado por Peroambuco pa-
rece que arguio de ocioso on imcompleto
este paragrapho. O nobre ministro da jus-
tara defendeu-se dizendo que tratava de
funeces enao de cargos no seu pro-
jecto.
Acho que a materia deste para%npho,
posto que seja doutrinaria e resulte da or-
ganisaco que o projecto d a polica judi-
ciaria, nao intil, ne;n incompleta ? signi-
fica que os jnizes municipaes nao podero
ser nomeados delegados de polica ; que nao
podero ser nomeados chefes de polica os
jnizes de direitos os desembargadores.
Creio que este o pensamento do nobre
ministro da justiga.
( O Sr. ministro da justiga faz signal af-
firmativo.)
Opino, porfanto, pula conservago do
i", garanta da independencia da magis-
tratura* garanta por isso da lberdade indi-
vidual .
Nada mais tenho a dizer sobre o artigo
em dscusso. Beservo-me discutir o resto
do projecto a proporgo que cada artigo
entrar na ordem dos trabalhos da casa. E'
materia importanlissima, que entende com
interesses sagrados, com garantas que de-
vem ser conffadas, nao a polica, mas aos
juiws. Por isso pego desde j a V. Exc,
Sr. presidento, digne-se nscrever-me com
a palavra para a dscusso de todos os ar-
tigosque se seguirem ao que acabo de apre-
ciar. (Muito bem. Muito bem.)
Vem a mesa, lida, apoiada, c entra
conjnctamente em discusso, a seginte
emenda: .
Suppja|fljSs palavras do | 2o do
art. Io ^R>r cooVijpienca publica. //.
Grara. z +
O SR. VJEIRA DA SILVA faz ainda algu-
mas considerages.
A discusso (rea adiada pela rdem.
Dada a ordem do dia, levanla-se a ses-
como de seja a llu-lre com-! So as 4 horas da tarde
de polica,
misso.
O Sn. Alkxcau Arabipe : Veremos
ainda.
O Sn. Hehaci.ito Guaca: So irrespon-
diveis os argumentos. A nomeago das
autoridades policiaes pelo projecto do
nobre ministro, commettida exclusivamente
ao chefe de polica; ao passo que a com-
misso na sua emenda, supprimmdo o
que o projecto consignava a este respeito,
implcitamente deixou subsistir a legislago
em vigor, continuando a nomeaco dos de-
legados c subdelegados a ser proposta
pelo chefe de polica e approvada pelo pre-
sidente da provincia.
Neste ponto sinto tambem divergir da
coinmisso para adoptar o projecto do
nobre ministro da justiga.
O actual systema est condemnado ;
alem de Ilusorio na pratica, um verda-
dero tropego celeridade da acgo admi-
nistrativa.
O Sn. Ministro da Justica : Apoiado.
O Sr. Hbracmto Gnac : O que de
fado acontece o seginte ; ou o presi-
dente inculGa ao chefe de polica a pessoa
que elle deve nomear, ou o chefe remelle
ao presidente a proposta, e este, sem conhe-
Custou aquillo outros cem escudos, e o
Sr. Schwartz teve de fugr se quiz ficar com
dinheiro para a volla.
A Sra. Schwartz, creatura admravel co-
mo poucas, fkou a principio aduiiradissima
do resultado da jornada. Ti una urna me-
nina de seis annos muito bonita, e no fra
de certo para ir comprar um lilbo adopii
vo que Schwartz tomara a diligencia da
Normandia. Miguel foi rebebido como fu-
luro criado grave ; mandaram-n'o para a
escola e para o soto.
As manas campezinas no duram em
Pars, onde a arle de achir bandos de
perdizes se torna complotamcmte intil. No
fim de oUo diasv Miguel^ quasi de todo
esquecido, no conheceu mais que um amo
e protector, o poderoso Domergue, que j
ao tempe oslentava a sua libr cinzenta.
N'este terapo, babitava Schwartz urna
casa excellente na ra da Provenga. An-
dava elle j ento tratando de levantar o
primeiro palacio que possuio. Domergue
arrumou Miguel n'um qoarto pequeo das
aguas furtadas. Era u excellente rapaz
aquello Domergue. Durante dous annos,
perguntou elle ao seu jprotegido, pelo me-
nos ama vez por mef: QuandQ sabers
t ler 1 Miguel teve suas saudadilas do
to Pcbet.
Cbegoulhe, porm, urna oceupago, jus-
tamente no momento, em que Ihe despema-
vam na mente infanlis ideas de abalar.
Urna ueuie na agua Cortada viziuha da
sua uvio Miguel repentinamente o som de
um piano. Tinhf d\tze anuos e devia lem-
brar-se d'esle facto toda a vida. Entre
elle e o instrumento s bavia um tabique
jdr madeira. Para a maiba dos leitores,
Tora a introduegab "ajlela prfida vizi-
nhanga motivo e dacMcerto; Miguel,
parea, ouvio-o como se as notas Ihe fal-
laisem. Voz amiga se levantava no Hea-
SESSO EM 2G DE AGOSTO
l'UESIDENCIA DO SR. NEB AS.
Ao meio dia, feita a chamada, verifica-
se haver numero sufieiente e abre-se a
sessao.
L-se e approva-se a acta da antec-
deme.
O Sa. Io Secretario d conta do se-
ginte:
EXPEDIENTE
Um officio do Io secretario do senado,
participando ter constado ao mesmo sena-
do que S. M. o Imperador consente na re-
solugo da assembla geral que approva
varias penses.nteirada.
Outro do mesmo secretario participando
que o senado adoptou, e vai dirigir a sane-
Co imperial, a resolugo da assembla ge-
ral approvando o decreto que cede a Zoz-
mo Barroso e a outro privilegio por cin-
coenla annos para a construego de nm
porto na enseada do Mucuripe, da provin-
cia do Cear, e de urna estrada ligan-
do-o a capital da mesma provincia. Intei-
rado.
Um requmenlo do. Jos Francisco Xa-
cio da sua vida solitaria. Desde aquelle
momento, amou elle o barmonioso sorriso
que se Ihe cora p3ra a priso.
Miguel dormio pouco n'aquella noute.
Levantou-se cedo, com um m e urna s-
peranga. Aos arpejos e s gammas, junta
ra-se a voz fresca e maviusa de urna crian-
$; agora estava elle certo- de ter urna vi-
zinha pequenina. Outra voz, mais grave,
pronunciava e nome d i Edme. Que bo-
nita consa um nome I Tudo dra Miguel
para ver Edme, ludo, elle que nada li-
nha Edme, porrq, nunca sabia, ou
pelo menos sabia s horas em qae Miguel
estava na aula. Longa semana decorreu,
3em que Miguel podesse lobrigar nema
menina nem a mi, porque eslava certsi-
mo de que a outra voz era da mi.
No se atreveu a pergantar ao guarda
portSo, perante quem trema de respeito.
O piano ouvia-o ello todas as noutes. Que
eram pobres sabia-o j; do outro lado do
tabique, dissera urna vez a mi :
Deita-te, minha Edma, deita-te para
poupara candeia.
Mal sabia elle qne o vocabulo candeia
arge mais cruelmente pobreza qde a pro-
pria pUavra poupanca.
E, depois, a pobreza, que grande ds-
graga ? l^guel no era rico. E todavai
confrangeu-se-lhe o corago.
Estavam no invern. A geada reveslia-
Ihe da trangas crystalnas as vidracas do
quarl, e quas que elle no dava por tal.
Tambem no casal, a tia Pcbet se mos-
tfava inexoravel contra as prodigalidades
da candeia
Mas como vera Edme? Era com o que
elle no atioava. D'ahi proveio o seu pri-
meiro estratagema escolstico. Desde
Viera do campo, deixra Miguel de
crlanga folgasaa, o arrojado traquinar
opprimfa-o 6 as3ostava-o. O i
vier > Junior, portero da serrela-
liedliido (li>pensa jo ser-
vio com iodos os seos vencimeBtos.A
coramlselo de polica.
Leni-se eso auprovados sem delate,
tres pareceres de commsso, remeneado
ao^overno para' altender as prctences de
Manoel Antonio da Silva, Florinda de lam-
aos Lopes de Souza e Jos M. Marques de
Carvalfio.
Leem-sc e vio imprimir : doos pro-
jectos approvaodo penses, c autorsando o
governo a conceder licenga a L. J. Candido
Percha do Lago; e as redaccoes do pro-
jectos sobre reforma do recrdtamsnto, sen-
co de dir iloS de'imporlago a varias com
panhias e matricula'de estudantes.
Procde-'se i votagJo das redacg$es
sobre isengo de direitos. de mportajld a
sociedade denominada Vehicdlos Econmi-
cos, e sobre diversas penses, e so appfo-
vadas sem debate.
Entraem Ia discusso e approva do
em todos os seus arligos, para passar 3a,
o projecto do senado, declarando que as
disposiges do art. ( da le de 23 de No-
vembro de 1841, na parte relativa ao prin-
cipe imperial, so applicaveis a prnceza im-
perial.
O Sr. Perenu da Silva pede, e a cma-
ra consente que,' dispesado o intersticio
seja dado o mesmo projecto para a ordm
do dia seginte.
O Sn. Pereira da Silva pede dispensa
de intersticio para que o projecto entre na
ordem do dia de amanha. *
Consultada a cmara, resol ve pela aflir-
mativa.
Entra em 1' discusso o project. au-
torsando o governo a conceder a Antonio
Augusto Coelho, privilegio para transportar
gado cm barcas de vapor das provincias do
Paran e Santa Camarina para abastecimento
do mercado desta corte.
Aps lgetras obervaces dos Sis. Aran-
jo Ges, Pereira da Silva e Augusto de Oli-
veira, o projecto "rejcitado.
p Entra em urna nica discusso, e
approvada sem'debate, e remetlida a com-
msso de redaego, a emenda do senado
approvando os decretos que concedero pri-
vilegias a Charles Pradez e Wlliam F. Jo-
nes, e Jos Bolelh de Araujo Carvalbo.
aquelles para empregarem a madeira no fa-
brico do papel a este para usar do kao-
lim no fabrico de louga.
? Entra em 3a discusso, c approva-
do sem dbale, e remettido a coinmisso
de redaego; o projecto autorsando o gi -
verno a restituir ao presidente e membros
da junta de qualificago da paroebia do
Santo Antonio do Monte a multa e cusas
tas que Ibes'foi imposta pelo presidente da
provincia d Minas.
Entra em 2' discusso, e pass a *
sem debate, o projecto do senado a uto ir
sando o governo a pagar ao escrvo dos
Africanos livres Balbino Jos da Franca Ri-
bero os vencmentos que Ihe so devdos
e o forem al que se declare supprimndo
o lugar.
Continua a 2a discusso do projecto
que autorisa o governo para contratar a
construego de dcas em dfferentes partos
do imperio, com a emenda apoiada,
Vem mais a mesa, so Odas, apoiadas, e
enlram conjuntamente em discusso, asse-
gunics:
Ao 13 d art. 1" diga-se :podero
ser decididasem vez deserio decidi-
das, como est no projecto. Aruuju
Ges.
Aogl." Em vez das palavrasas
propriedades e bemfeitorias perten :entes a
particularesdiga-se:as propriedades e
bemfeiloras publicas ou particulares,
Mello llego.
Para ser eolio ;ada onde convler:F-
cando sempre dependentes de approvaco
do corpo legislativo todos os contratos, me-
nos os que se referirem a provincia do
Rio de Janeiro.A. de Oliceira.^^Atani-
Ges.
O SR. ANTO (ministro da agricultura):
Pego a V. Ex'c. baja de mandar-me as
emendas. (E' jjatisfeito).
Sr. presidente, depois dos discursos dos
nobres depntados que sustentaran! o pro-
jecto, en podia julgar-me dispensado de
entrar em novas considerages; pareceu-
me que elles cabalmente tinham demons-
trado no s a conveniencia do estabeleci
menlo de dcas no Brasil, como tambem da
necessidade de desenvolver esses grandes
melhoramentos, nao s em beneficio do
commercio como da liscalisago ; todava,
como algumas observages foram feita.--
por dous nobres depulados por Pernambu-
co e por um da Baha, acerca de varias dis-
posiges do projecto, crreme o dever de
dar-Ibes urna resposta.
-
fConlinvar-s-ha.)
recia-lhe um giganta ; olhava humilde para
aquelle poderoso Domergue, come que vea-
do-o em alturas que impossivel nos fra
medir ; fenecer n'elle a travessura ao
mesmo tempo que a alegra. Foi, pois, a
tremer que comprou urna verruma, coaita
ajuda da qual abri eslreito orificio no ta-
bique.
Praticado o orificio, foi obrigado a as-
sentar se, tanto Ihe balia o coragio ; no
se atreva a espreitar, e quando alinal co-
brou atentos, diriam que ia perpetrar al-
gara crime.
De principio, nada vio, porque o eegava
a commogo ; depois abrio-lhe os olhos um
jiiovimeDto que teve lugar, e vio urna se-
nhora de luto, com o parecer triste e mei-
go. Religioso respeito se Ihe apoderoa
do animo ; era a mi de Edme. Estava
assentada junto de urna banca e sustentava
urna carta aberta. Tinba os oVho? arrisa-
dos d'agua. Miguel sentid que os seus se
nwlhavam tambem.
No fra, porm, para ver a mi de
Edme que fu rara o tabique. Onde esta-
va enlo a meninaJ A mai horava a sos.
Tomou ella da caftl j lida* e paaprreu a
novamente. Miguel tihha j sedMbt* de
sabicho ; levantada a carta, lobrlgou-lhe
o sobrescripto, epde laboriosamente so-
lelrar: A' Sra. Leber,..
Nme Leber l Onde jaa aoirmoma de
cortos sois ? Pode ser ue o feitor acbasse
muito nateraL e votgarinima a juncco 'es-
sas qullro syllabas. R>U quadK se ooa-
ran patas labios de Miguel, foram amo
qne a meloda de os beijo.
(QjutmtMr-$*4H:
U-*.
f
.
)

f

i


Attt*-lAlt8tMIB8.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV42UXHIE_656NAL INGEST_TIME 2013-09-13T23:17:30Z PACKAGE AA00011611_11962
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES