Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11961


This item is only available as the following downloads:


Full Text


-

.
-
. *
& 9
AUNO' XLV. NUMERO 229.
ftL i,{hii PARA A CAPITAl E LCAES OIBE IAO SI PA6A TO1E
Jar tres nw Cantados. ..... ^
Por am aaoo dem.- *................
Cada humero avulso......... .....- '
a.
~ (xnidui ] i /i
QUINTA FEIRA 7 DE OUTUBRO DE 1869.
/'

PARA DEITRO E ItJBA DA PP.OVIKCIA.
Por Iros mezes diantados. "..........
5=5* Dreite- '
.5 '

ww
-4
.-.> I
..-1
Propriedade de Manoel Fignera de Fara & Filhos.
.
----------------~-------

<
fSrs.
.Sfe*
,a <*** ttafti-h-wHB
-trtr-
-i
*-.- -.

Antonio Alves & Fimos, no Para; Goncalves d Pinto,
Pereira d'Almeida, eta ItaBMgtjape '
'<-$'*.. em A'aaareth;

^-

a*~
w ii. > i i..... _____;.,- ,,.., .
- '- *.
Tllt^^L^^'^VJ^^^li 9!'leir!' ? ^ A0*0*"0 de ^nios Braga, no Artcatf; Jeto arta Jolio Chave*, no Aart: Antonio lUzrawa da Silva, no Natal: Jos Joafeo '
rVS^-^fiSSS^LiSS: Su^1?/ ^^^S?8* "J* *^! Be/^D,'ao dos ** ***>' em Stt0 Anf^; domingos STcosta Braga! *,6eWB,!B0
frawqW) Tavjres da Cosa, eaa Alafas; Dr. os aritos Aires, Ha$ahia; e Jos Jtibeiro GMpmaho, no Rio de Janeiro. ~* -
i
PARTEWnGIAL
Repartida* da polica.
S* seceso.Secretaria da jolicia de Pernambu-
co, 6 de oulubru de 1869.
N. liat IHm. e Exm. Sr.Lev ae conheci-
ne uto de V. Exc. que, segundo consta das parti-
eipacwes recebidas nest repartieao, foram hntem
recomidos a casa do detcnoao os seguales in-
dividuo :
A' tniatia OrJiai. Paulino Jos JoaqjiiMde Lyra.
vio Jo do Gamupe. ron*) stHpeito d serescravo
e andar (agido.
A' orden do subdelegado de S. Jos, Francisco
de Piula, por embriaguez e deserdem.
A'ordem do da Boa-vista, Salvador Mureira,
per nfraccin do regnlaiuento dos trilbos urbanos.
Deus guarde a V. Exclllm. o Exm..jjr, Ur.
Manoel do Nascimento Machado IWtelIavjvjce-
presidento da provincia: O chafe de pwBR
Francieeo de Assm Slivtati ilaaet

POItTi;AI,.
ESCOLA DE-MAR VILLA, EM LISBOA.
\ KSOdfcS, NOH!.WV W>- SE*6 JufrtWTW'E^'tH'.-
Sfl.TADO DOS EXAWSnNMSB ArVANNO LEC-
TIVO DJE 18(58 \ 181)9 ESTATISTICA DESTA
KSUOI.A DESDE A SUA INSTALLAC.AO.
I
as cousa> da ustruccao publica, como em
<|iiaesqner innovarles que pareean vir ferir nlc-
nsses indiviiluaes, sempre se tem vistor levantar
resistencias, que precisan coniba!er-se para que
iriiiii|iliein sempre os bons principios.
Man que nein todos lenliam longanimidsde suf-
Hciente para Wfcunur o que o tribunal da cons-
ciena llies de ve dictar.
Todava, quaudo a razaonao quer aceitar a ver-
tLidc dos lacios e os espiritos se olTuscam por pre-
coin-eii vrram existir, eumpre nao deixar correr o erro,
'ii'vcnir argumentos e, porventuia, a guerra dcs-
l"al que se levante contra as inslituiroes, que as
modernas sociedades teem apresentado como ins-
trumentos de firogresso e civilisaeao.
nos nao assaltem'mesqujnhos e iniustificaveis re-
centimentos.
D
Foi no dia i do pasudo mez d agosto que co-
me*arain es exames fioaes na escola normal do
seso masculino, sendo neste pripeiro dia exami-
nados em caligraphia e orlhograpWa os alumao?
*&* iWPo, e em grammatiearieltura e rithmeti-
ea os alnmuos do anno e os do 2 que nos exa-
mes anteriores haviam llcado esperados, e bem
assimos professores alumnos Joao Josa da Silva e
Theophilo Forreira, que rquereranl e foram ad-
mittidos ii referidas prova*.
Os exames lie geograpuia pkvsica, matbeuiati-
ca, elrugr|>(M, nwMna de Portugal, danto*
christaa e historia sagrada liiaram-se no dia 3 do
referido mez, sendo a elles admitiidos os alumaos
do 5 anno que nos anteriores exame haviam ll-
cado esperados, e os professores-alumnos Joao Jo-
s da Silva e Teophilo Ferreira.
' Nos das 4 e 7 foram os exames de aogoes de
desenlio linear para os alumnos-mestres dos 1 e
2* aimos, e dos professores-almnos Joao Jos da
Silva, Juao Antonio Luiz Litiz de Siqoeira e Theo-
philo Perreira, como tambem S exames de dese-
nlio pratico.
Os exames de pedagoga escripia effectuaram-
so no dia 6, e a efles foram submeUidos todos os
alumnos dos 1 e 2* annos. e aind os profe9sores-
atemnos referidos, entrando na urna respectiva os
segMes ponlos, sendo cada um resolvidp por um
so alumno.
* Modos de srda iteHigencia t-Qoaee sao
Qnaes sao 6s factos physiologicos (|ue se pas-
sam na percepcao ?Quas sao os fctos psyctio-
lgicos qus se passam na percepcao TDe'sere-
va-os.
i." Percepoattenjao, observajao e reflexao
juizoraciocinio.Como se desenvolvem estas
(acuidades no ensino da linguagem ?
3." Defina a indiligencia, sensibiiidade e vonta-
dePropriedade o faculdade una e a mesma
cousa ?Em que se differencam 1
4." Que cousciencia moral ?Como se forma ?
-No sentimento dos actos da nossa propria intel-
leclualidade ?Como se desenvolve este sentimen-
to as enancas ?Da redexjo.
{? Divi>Sogeral de edaeacao.Em qne difiere
da nstruc;ao ?Pode separr-so no ensino po-
pular i
6. Daeducac,ao espontanea.Da educagao an-
terior. Em que consiste a educarlo preliminar ?
A qtiem compete ?
7." lia pontos de relaeao entre a edueayo phy-
-i.
. .i
i
2;. Meiosd* ssisanla* mrmimSo. Pode- m-
smar-seem os \Mmi\tif1Qosks os miee-
coii wetKWdos ?
. Inconvenientes disciplinares do favoritismo.
Que motivos poiem detuoima-lo ?Entre ess3
qua *s sio toleraveis t
21'. Coma se eastigam o discipalos tPlSe o
proiessor casagadoe por dolictos eommettidos fera
da iseola ? E por .faltas ou dolictos que **-
ra* oa escola ?. Dos castigos livsicoS'- porae*^- -
Vi. Modos e methodos.
3!l. Do methodo inventivo, ou henristico.Per-
tence classe dos metfcodos, ou formas de Ax-
posi^e seguida, ou jnterrompkla Que uM-
dado MMeom Jornia dialogal, sooraMea, ett >-
ihw:hetica i
3(1 B* $ntuigo no ensino primario Coa-
side>coes geraes e praticasDesonvolva quaato
pod< r._________________
JV Qae se entende por ensiuo r*el ?r-Porteace i Aodar,
grupo 3
iJarcia.
Amb real, i." crmm : A
- nalvsB animaos, snas dilferen-
da Bfao. 1'
classe, exerci-
ftsftttrap* escripia (. monitoses^ f.* olas-
se^aleu* prasreo : pequeas coMm de somma
e dpniauico f moDiures ) 3.- classe, analyse
graamapcaUlieat d*erta).l'eloalunmo-mestre.
Patricio Theo.luro Alves Ferreira. ~-
]. i.1 parte< Ensino reil 1* clasue.:
Aguapropriedbdes ira* e sita utlida8eBa-
ndos, (avagos, transpiraea Tondwieia moral
da IKjae = pane : Aeg jctadft td.-osus l.
classe, ralsido mental {monitores) 2.a ewvsse,
eseripta (moait-es)=:.' classe : Itelifio : sa-
crameatos (\wpn\ Airela) a.YuIo alumno-inestrc,
Francisco Jos Gaujs.
." 1.' parte : Mptino real a 3.* classe :
Nao podemos, ou melhor nao queremos indagar sica e moral ?E entre s edueacao moral e in-
telectual ?E entre a edueacao intellcctual o phy-
sira i
8.' Em que consiste a educado preliminar ?
A elementar A complementar 1 A normal ?
0." A edueacao dos orglos dos sentidos faz-se
as escolas primarias ?Pode fazer-se ?Perten-
ce a educado physk-a, ou o poat de tran$ic;o
desla para a ediicacaa intellcctual ?
y I0y do movmtenlo : Hjgiene das aulas -Gymnastica,
IINCuiiio se faz a ediieaiio das facoldados in-
teWecttracs ? -Besenvurva.'
II. 1}ae*grmnasttca 'At aonde dve che-
gar na instruecSo primaria ?De ve ser a mesma
as cidades que nos campos Em quo consiste
a gymnastica dos pulmfiss ?Como se alliam os
sens exercicios ao desenvolvimento dos orgos
voceest
13. Emquantas cathegorias se divldem os prin-
cipios de didctica ?Quaes sao ?Da prepara-
cao remota e prxima : quant ao tempo e quanto
ao assumpto.
14. ondices que devem ter as perguntas do
professor.Qual o resultado de uo tereni as
necessarias condicoes i
1.1 CondicSes que devern ter as respostas dos
discpulos.Que cumpre aofrofossor fazer quan-
do nao tenham as condigoes precisas ?
16. Das qnalidades que deve ter o professor;
em relaeao escola e aos discpulosem relaeao
s famili is, autoridades e ao seu procedimeato
fra da escola.
17. Uso e abuso da memoria no ensino prima-
rio :Em que consiste ?O que convm na ins-
truccao primaria aprender de oSr.Dar e tomar
lices .como se devern entender estas pala-
vras r
48. Ser condi?ao essencial tornar o ensino pri-
maria attrahente ?Como m consigue ?Discor-
ra sobre este assumpto.
19. O que sao tonhecimentos superftciaes ?
Deve o professor da-los ao discpulos ?Quande
e em qne materias Ihe licito faze-lo 1
20. A que condigoes deve satisfazer um diario
de ciaste 7Livros de que deve constar a escrip
luraeo e registro do professor.
21 Dos exames primarios :Comn se deve inter-
rogar ?Exanes parciaesExames de admissao
s aulas secundarias.Condicoes que deve ter a
interrogacao.
22 As mesmas materias de ensino podem-se
istudar debaixo de diversos aspectos ou pontos de
vista ? Entre as diversas diseiplinas ha relacSes
ou Bexo ?
23. Podem ser officazes o ensino e a edueacao
as escolas mixtas ou para discpulos do ambos os
sexos TDesenvolva. ,
2i. Pode o iToitssor rrembr os discpulos?
A que eomHjfles flever' satifarer o prmft-paTa
se nao tornar urna parodia da moeda *
M ausas, porqueneui todo3 os que se devem in
lerwsar pelo progresso da instme^an popnlar
illiam coni desden) |ra o benellco intluxo, quo
sobre essa instraceo ha de esparfir a doutrina
dimanada das escolas normaes.
K' (orea recinlieeer que nao pode haver verda-
ib-ira iiniforiiiidade, ensinamento proveitoso, sem
i ie um tirocinio, mais ou menos longo, prepare
para essa ernzada os denodados apostolo.wjoc
aceitar qnerem o martyrio do magisterio.
E, qnando assim naosuccede, noignoram mui-
i- o tempo perdido em tentativa infructuosas o a
lisjharnwnia, que aemrpnnha a organls^ao de
pialquer escola, especialmente se o individuo ele-
vado catliegoria do professor s momentnea-
mente pensou que (he convinha adoptar esso nio-
il de vida.
Nao dcseoaiueemos que entre os umsos profes-
-ores ha muitos, que nao teiulo instruccao espe*
ial para a carreira a que se dedicaram,' forcejam
i "Utinuamente por cinpanliar os meHioraineu-
los, que as nacoes maisadianlaJas vao quotiilia-
uameirte introauzinilo nasua instruccao popular.
Comtiiilo. este facto naj pode s por si conven-
cor, nem tio pouco destruir o principio de que
rio mdispeRsaveis escolas normaes para a habilita-
do especial dos professoros e professoras.
Pretender contestar e?ta verdade, seria acoimar
de insensatas ;t? varias narres civlisadas da Eu-
ropa, que na creacao de escolas normaes, teem
posto todo o seudisvellr, com o lim de terera um
pessoat decente devdaineiiie instruido e educado
pira as elevadas tuneces do magisterio.
E assim o entended tambem o infeliz e sabio
moaarcha, que anda hoje prauteiam todos os por-
luguezes, ordenaudoa abertura da escola normal
di Marvilla. pensamento que nao vio realisado,
porque j enlao sobre elle pairavam as sombras
da morte.
As suas aspracas, comtudo realisarara-se, e
lioje cunipre-nos mostrar que nao cratn Ilusorias
as esiieraneas do Sr. D. Pedro V, apresenlando os
resultados dos [.rimeiros sete annos da escola nor-
inal do Sexo masculino.
E se maiores e uielboies nao teem sido ess?s re-
.ultados, as causas nao Jevem attribuir-se inu-
'lidade da instiluirao, mas s e nicamente
mesquinlia rajnuaeracao dada aos professoros pri-
marios, e a pouca considerado que se vota a es-
servklore.; do estado, de maneira que mu pou-
is sao os que, podando desempenhar tao elevada
i.iissao, leem coragem pira se {abracareui com a
cfttt de semelliante sacrincio.
Oihemos desprevenidos para as cousas como
lias realmente sao, e s assim pederemos faier
justa e* equitativa a precia cao, pois isso mandam a
lia lgica, a razao e a con?ciencia, e nao julgue-
s.'.m provas, porque podemos ser preciptados
' i o nossos juizos.
E' preciso que fa^atnos justiQa a todos, e que
FOLHETM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
!?OR
Um
Paulo Fval
Segn Ja parte
TRES PATAS
faze-lo nicamente na i hjcatAo preliminar, ou
tairttoem na elementar o cmpUailiu- tQuaes
sao is disciplina* que mais se prestam ao ensino
real ?.
3:. Do plano gerai do ensino : Do plano do en-
sino de cada disetpiriia ; e do plano de cada licito.
Jntensidade ihonrirtifExtenso (progranimas,
snm narios.)
33. Ponto de partida do ensino, onde comee*aa
insttoc?ao primarra ?Como se concretfsa o "que
l abstracto.Exemp|ifique.
34. Em que consiste a boa exposicao, qum-
to :expresso e torapronunciabanaspec-
to e gesto.De quantos modos pode ser a exposi-
cas "
33. 01er e o escrever sao ramos do ensino real
oaitisfrumental, absolutamente firHando TUaen-
sino somente real absolutamente fallando ?De-
senvjlva.
36. Processos mais notaveis no methoto por-
tnguez Castilho ?Valor e vantagens de cada
um.
37. Processos mais notaveis no systcma Caldas
Anhfe.Valor e vantagens de cada um.
38. At onde deve chegar o ensino religioso as
escolas primarias 'Que valor tem o exemplo no
cnsiio da moral?
3'J Do ensino da moral e da civilidade.Cimo
se fui i i i
Ai ida nomesmodiao, dapuis das provas referi-
das, foram examinad eor moral vangelica os
alumnos dos Io e i' anuos, e os profossores alum-
nos Joao Jos da Silva e Theophilo Ferreira
concluindo-se o servico que reslou deile : no
da 13.
Os das, 9, II e 16 foram consagrados s provas
de geographia poltica e historia uuiversal.aque se
apresentaram todos os alumnos dos 1 e "> annos,
e bem assim osdous professoros alumnos j men-
cin; .dos, fazendo na ultima parto do dia 11 exa-
me de didctica, processos pracus do ensino e
gymnastica o professor aluniuo Joo Antonio Luz
de Sequeira.
Os exaraes de pedagoga oral, c didctica fize-
rani--e us uos das.40, H e 17, e i ulios satijUi;
lerac loops os alumnos-mestres d ler anuos
e os irofessores alumnos.
Nos dias 18,21, 23, 24 26 o 27 foram os exames
prateos de didctica do ensino n'uma escola ele-
menlir e tambem de gymnastica para lodos os
alumios-mestres e profossore* alumnos que anda
nao tnliam satisfeiw a estas provas.
Os pontos para ettas provas foram os seguin-,
tes :
1.* 1* parto :Ensiuo realo examinando, ser-
vnde-se deubjectos de sua livre eticofba, iiioslra
como esses cornos improssionam o sentidosDe-
duz 1* 'lasse) 5* parte :Regencia de elassos1*.
exercicios de leitura (primeiros do nielhodo Cal-
das-.J.uletepor monitores) 2J classe escripia
(por monitores)3" classeproblemas aritlimeti-
cos lico directa.)Pelo alumno mostr Joao Jos
Pereir do Nascimento.
2. 1* parle :O examinando mostrar a diffc-
renci. outre corpos solidos, lquidos u gazoeos ; de-
duziido as oropriedades mais geraes destes cor-
pos(intucao I* classe)2" parle :Regencia
de elisas!*, calculo mental (monitores) i' clas-
se Iituras explicada (li^o directa)3* escrip-
ia Pelo alumno-mestre Luz Jorge de Oliveira.
3.*I* parte : Ensino real 1' classo Tri-
no, propriedades, uiilidade :(licoo intuitiva)
Tendencias moraes da licao 2' paite : -Regencia
de classes1* classe ;exorcicios de leitura e es-
cripfi^monitores)2" classe, problemas para os
5u e 6 grupos (monitores) 3* elasse, aaalyse
ran'matical (licao directa) PWo alumno-mestre
Iva.-o'Teixeira de-CarValho.
4,1' parle :Ensino real 2* classe :O
avalloanalyse do animalsua utilidade.Ten-
dencia moral da licaoi' parte .Regencia de
classes :1" classe, leitura e escripta (monitores) j
f classe, escripia (monitores)3 classe, exer-
cicios intuitivos do chorographia sobre o niapna-
raund: ros montanliastligSo directa)Pelo pro-
tesse r-alumno Joao Jos da Silva.
5."--^ parte :Ensftoreats 2* cls?e.As gal-
l|nhas, os pombos, os perts e os patosanalyse
dios inimaes, sua utilidade.Tendencia moral da
licac2' parte :Regencia de classes :-4" ehs-
se, calcule mental (i" e grupos) -(lirio directa)
2* dSsste, exercielos ortographlcos (copla e nvro
moitores) 3- classe, preblemas anthmetijos o
uar s nad
ndaEc
onngnrr.ito dos membros
para estes dive#sos.*sCauda, lime, navegacao.
i' parte : Itogemia da classes
Jhelu ae. IT a 17.
COMPAMlflA PEANAMDUCANA.O' vapor Po-
tuji. d'ssta compnnhia, seguir para' Macei e
Pfenedo r dia8" *> crreme, sendo bojeo ultimo
dta em que recebe carga, conforme est' armun-
ciudo:
LOTERCAVrA\ que- se ada venda a *2*, a
beoellcio da tanta Cas da Misericordia, que corre
no Jia 16:
RAES Aft-HSTAS,-^ doqno de Edimfeorqp,
locando violoncello, fox parto, de urna monona
uniito desunca, do concerts
de dos coristas de Auckland. O duque dYEtNoH-
burgo nao c o nico artista da familia rea* de
Inglaterra. A raisiia Vietori, que leve per pro-
fesaor e clsbre LaWactie, cantara ootr'ora eem
muila ac e' snainou! Ddreara-se tambem *do em prodigalfcnr-lh*,
en tres gjubn-rde gran-
fbf VHK oit
parres reajdapdec cates
deza'desgettl.
A dUraeSe tota/ do nbenorneao
segundos.
POIftfficOHES SOBRE UM CRrMIS#80 Av
morie rcenle de BeremwskJ, autor do atentado
do Bosjne de Itolonha, em Paris, di um ceftd ia-
teresse sgnnt cerreapondencia:
,A imprenta allem.Ta e a nuprnsa fraueexa
em-se oeeupsdo, nestes atirraos tBDjpos, delim
individuo enamadc-Komisardw, sjoeAahoU a t .. do czar, ,-uneacada por ouiro atfcatdo coranjen-
dado pela sosieda- ni 5. Pcamborjo. Ammncraram que aqoefie
amigo uno., aquel? operario cliapelleiro loreao-
nobre, e exrttefrraraeate ricn pofa aflraousia da..-
penses e do presents qno a arisls/racla rtusa,
e a e asse dos 0m-gue*s notavr. se
harpa eout muita etesjancia o posto.
A princesa Victoria, sua Sha, e esposa do
principo real dn Prusso, -uma pintora de talento;
e a princeza Alice, de Mese, dada esculptura
nao
1/ classe, doutrina (monitores)2.' dasse, leitura C01" tanto gesto e poesa, como eolr'or a prince-
do quaesquer nmeros mteiros 0 dciouss ( 3'
gruoI i ca directa-..'{.* classo, problemas oo
8%ropo(utoaiiores^-rtMIoaluinuo-niestre, D-
artw Jos Serrano.
!)." L* parta:Ensino real 3.* classo: wcDeS'
cripcao geni de urna planta, dastiue d cada nm
ds svus orgiw, aliiuentaca das plaataA, eslrtl'
mat, regas.litiHdadss das ptanta^ft' parte:
aa Mara d"Orlenns, a immoptal autora da estatua
de Joanaa d'Are:
A princeza Alice execurou- ora busto d sea
pai, que urna vsrdadsiro obra prima, aotavel
pela sua execuco.
DUKLLUA- illti da Groissv foi ltimamente
theatro d un iueUo.
ta ta^nr a eonseqoenciS de as disrasso
nsjmnci de classes-dnrfio de leitura l> classe' mn" v,v;>. no caf Inglez, entre Mrs. Gnillaumot
(licio directa)-*" classe, prublcmss ao 3. grupo | (Honnque). li Itrate, e o conde de P.... Mr. Gn"
(monitores) 3.* classe, calligrapliia (monitores).
Pelo alumno-meslre, Joo Correa du (uso.
W. I." parte:Ensin real 3.a classe : Te-
cidss do Imho, dealgodi, de seda, de la Proce-
dencia das materias primas: opira.coos porque
passam.Utilidade dos diversos tecidos = 2.* par-
t: Regencia do classes : 4.' classo, escripta
(monitores) 2.* classe, tortura (l.cao directa)
3." classo, exercicios orlhographieo*.Pelo alum-
no-roestre, Jesuino Brandal do Souza Menezes.
41. 4.' parle : Graimuatica i.' classe :
Sulwauetas corpataessuas propriedades(exer-
csum intuitivos = 2.* parle:Regencia de clas-
ses: 1." classe, calculo mental (monitores)
1* ilaase, problemas ao -i." strupo (monitores)
3." classe, historia patriaSystetna reprotetati-
vopoder legislativo e moderadorexoeutivo s
judicial (licao directa) Polo alumno-mostr, Bon-
to Correia de S.
12. L' parte:draniiiiatica i.' classe Dada
urna propriedade da qiud.vie fazer encontrar os
diversos seres, em que cla se achar, (exercicios
iatuitivosi = 2.1 parte: !;e'eicia de taseos :
(.' classe, escripia 2.' classe, problemas 3.
clases, historia sagrada.Diluvio universal ( licao
directa.Pelo alumno-meslre, Eduirdo Jos Mon-
teiro.
13. !. parte:Grammatica 2. classeTomar
para assumpto da licio um quadro, faiendo enu-
merar todas as substancias que representaachar
ai qnalidades que eneontra n'essas substancias
Fica> exercicios de- linguagem: sujaitoe, ver-
Di c atiributos=X.1 parle:Regencia de classes:
1/ classe, calculo mental (monitores)J." dasse,
escripia (monitores)3.a classe, historia sagrada:
Moyss taboas da le (licao directa).Pelo alum-
no-mestre, Viriato Augusto de Almeida e Silva.
14. fc" parte: Grammatica a 2.* classeexer-
cicios de linguagem sobre o presente, pretrito o
futuraConjugarlo do verbo ir com todas as cir-
cumstancas de tmpo e de luiar. = 2." parle:
Kegeacia de classes:!." classe, exercicios sobre
o systetna mtrico (licao directa)2.a classe, or-
i"grapliia (dictadomonitores)1" classe, calli-
rapha (nmtores)Pelo alumno-mestre, Manoel
ernandes Pereira de Brilu
Theophilo Ferreira,
Professor pela esct.lla normal.
PEENAMBUCO.
x
O neaao kere.
(Coutiauacao do B. 228)
Era Miguel, o nosso here ausente, ra-
igo da fieos vate annos; de estatura alu4
- tina, ar verdadeiratsvnte ilalgo. Resta
i-lhe umn possbifldade para ser fia no-'/
ireza, porqfle nao conhecia pai neto. mi.
Os nietoeres aniracs, e era Miguel, o nosso
here, mogo de armo mui bera formado,
tem fraquezas, pripcipalmeate quando a
ignorancia da sns inigvm 0$ arrasta na tu
ulissimaaaeote pelta ref del < dos lonhos.
Deilado uo velho camap-lcito, Miguel es-I
ocava todas as noule 0 romance do. pro-
iatmaq, Ape;ar de certa rerainis-
cendaeoBfaaas que laequebravam o en-
canto, nunca adorraeciam se ver, de pe-
queninojti herco cercado de rendas; che-
a*-** P lmem embacadQ'uaa ci
Vpmmh 'flw. MfcW(Mi*vi**j*8 raptas
REVISTA DIARIA.
ALFORRIA.-O Exm. Sr. bario de Villa-BeUa
aiforriu grluilameulo ud dia 2 do corrento, duas
crias su:is, urna de 10 eoutra do 11 annos, cha-
madas Julia c Candida, Ijlbas do dous escravos
seus, casados, como premio- do seu bjm compor-
tamento. E" disno de todiy louvor osse acto de
plilanlrOpia do Exm. Sr. bara.
DIMIEIRO.O vapor Jagnaril>e Irouxe de Pe-
nedo l:116ro para o Sr. Jhtonio Jos da Costa
Jnior.
VADIS.Pedem oes que ehamemos a atten(ao
do 8r. subdelegado da frgtrena de S. Jos, para
una sucia de radios qoe se rene no becco tapa-
do da ra da Assumpcao, para eommetierem
q anta hmuoralidade ha, em detriiaento das fami-
lias que inoram na vi-inlianca. Sendo prohibida a
vadjacao, esperamos quo essa autoridaue, sempre
solHcila na lepresaao dos crimes e abusos, dar as
urovideucias para que cese ese incoiumodo pu-
blico.
THESODREuRO DAS LOTKRIAS.Bntrou em
exereicio, por se baver Andado a liesnea de que
cosava.
BILHETES OPIWiaCIDOS. Numerarao dos
bilhetes da lotera 42P eflorecidos peto thesonreir0
'
laumot linha por testumunbes Mrs. Hn-oJfi e Cro-
nuier ; e o conde de P... Iftrs. de Lestivere, e
Hervieux.
O'combale dunou alguos mioutos. Depois de ter
ferdo no baxo ventre o seu adversario, Mr. Guil-
laumoi foi ferido quasi em seguida em um braco.
Apezar da opposieao dos adversario, a testemu-
nlias ficeram logo cessar o combote.
0 Dr. Hutin declarou que os ferimeotos nao ti
nbam o menor sigoal de perigo.
CORREIOINGLEZ.Em Inglaterra, em conse-
quencia da abolco do sello nos jornaes, o nume-
ro dos exemplares tirados por anno, que em 1831
nao era mais de qwe-35rmil*Hlef, elevou-se em
IMAa dous mil e quinlientos milhoes ; ao mesino
tempo, depois ime o publico encontrn jornaes se-
rios mais baratos, a imprensa escandalosa nao fez
mais do que vegetar.
FORTUNA COLOSSALPode Considerar-seo
eommodoro americano Vanderbdt como o homem
mais rico de Nova-Tnrk, excepcao-talvez de Mr.
William Aston. Mr. Vanderbilt pOssoe efectiva-
mente u'na fortuna, que ee calcula em mais de
cem mhoes de dotlars.
1 na de suas tildas -uma menina de 6 para "
annos-. ltimamente foi sorprendida por urna ami
ga, estando a ser ensnada a fazer meia com urnas
agulhas de miro. Pedindo-se euplicacoes ma,
esta respondeu tranquillament^
l.'ma mulher, por um d'essesrevezos da for-
tuna, mais freqaonie do que se Densa, pode ser
toreada.juaatMtar pafa gn4iar a id. Eis aoui
o motivo por que necessarin que a menina saiba
facer meia.
J ter camela I
THESOUROS<-rNada parece comparare!, diz um
jornal francez, com as riquezas que em objectos
preciosos, o principalmente em marmores supe-
riores todos'OS conhecidos, se vo estrahindo
das cscavacoes romanas. O Santo Padre acaba d
offerecer o re da Prussia e a outros principes,
algims d'esses jaspe3 e marmores, muitos valiosos,
para serem destinados aos templos de Colonia e de
outras cidades.
Ha nm. magnifico pedazo, que ra applicado
para nina columna eommemorava do prximo
conci i, na qual estarlo gravados os tomes de
todos os prelados.
EXPOSICAO UNIVERSAL DE PARS.Acaba
de publicar-se urna noticia estatistica ofBeial de
todas as pessoas que foram a Pars por causa da
exposicao universal de 1867.
0 total foi menor do que se suppnnha, pois s
se elovou a 582,205 individuos dos quaes 200,347
eram estrangeiros.
i Entre estes ltimos a estatistica official cita
59,367 inglezes, 48,963 allemaes, 20,606 russos,
16,703 italianos, 8,902 hespanhes, 4,116 portu-
guezes, 27,368 belgas, 146 natnraes da Oceania,
33 eorgiaqps, 4 cochinebinos, etc.
Entre enes tiavla 4,779 pessoas com titulpk
arist cfaticos, 0,335 pYoarietaros, 4,298 ecchr-
sasticos, 320 jomalistas, 115 directores deeor-
rcios, ft armadores de navios, 901 litteratos, 23
rabinos e-19J4* photbngraphos.
PHENOMEXO CELESTE.No dia 7 de agosto,
s 7 horas da n'oite", aUraTiio" vivamente a atten-
co, em Argel, m phnonien* celeste, de um es-
plendor extraordinario.
Um globo de fogo" da' grandeza ds urna baila do
maior calibre, fhjnfnosb como urna luz electriea,
percorreu e eo do oeste para leste, n'uma altura
media sob^c o horisonle. A marcha do n*etoro
era lenta.
AppaTeceu primeiraraent; como um globo per-
feilamenle isolado ; depois urna especie de cauda
do fogo de um vermlhcr viso, forraaadp um cone,
se ligou a Pile por tim'inslante ; mas pouco de-
pois retomad a Sua'pureza" primitiva, e entao, id-
elinando-se para o horizonte dividise em ires
-i
das. Miguel quasi que se lembrava de ter
abafado debaixo do capot. Como a mi
chorava o pai, o saalior conde 1...
Talvez que desde eolio nao trvessem cena-
do de procura-lo.
Entre as onze horas e a meia nomo linha
Miguel d'essas imaginativas ingenuamente
apgufibosas, que a poesia tetramente pa-
risiense do Similor n3o renegarla. Acon-
tecera-lhe at acordar em sobresalto na so-
leira do caslello de seus paia.
Ra entao, porque era do 9colo e sabia ,
zombar da propria consciencia; mas nao' sera recejo as vistas de Dl_
ria com gosto. As tristes paredes do quar- listarnos na^ Q rosla de.'Paria
to, aHuroiadas pelo luar oa pelo reflexo que i nnos< tudo -ailMaBos, o (pmr>
tecebta da luz das vizlntias, saliavam-lbe ; pendido Hjdo sen^tMnia '________
ao% plbos. comft vecd#deira condamQacikw eua t MIgej. q riosso heroi. rufo af?fi|o.
Dissb eu a luz das vianhas ; se bem que
a doenle idoaa estivesse n'aquelle momento
s, eram duas as vizinhas. Tinha^doiaji
ene miada acias, sustos e, rmorsoj !
(le I remorsos 1 Resienios > *pi-
psito d'aquella fronte virginal, que
bellos lfl, leve*, ainda que o
coroavam, como urna aoroa I
para com, aquelle. olbaf azul, profu
diclo, aonde se refleetiam ora os jubvlos
a ineiaiicolia do- nio !... Enlnda
nos i,p| remorsos. eram de Migue], 1
'IUufetfeiwtm. vmrO.- .-.
A altiva e meiga menina conhecia aa-tM
grimas-; o sM-om^.^-em
j'ISJ 8*Oi ....... !
fintssinto*, cliegarid ser am mimo quasi
fallando,. porta de caofre
feaiiuil, iaKandp, .ppreo*- d-c)R* are-
rjiiitJLir Mndrimi. "* se deas almas
oiweral l'WfifttfivenH enfeucro ; !eal-
ade'njosctada com algaraa desconfianga di-
oraalca calor oqltvo,reserva tudada :
a esaes figoes a cruza vam no nosso
duplo e tfiolertslieo signa! de
as. causas; das quaes a primeira s tem
tir orna tal mutftnrn de frtlusl; WIMsaro,
embriagado po ;iquellgrandeT' inesperada, di-
^ia-se que so rnim enregue toda > especie de
**oebe, e que tfna enloquecido em eonsequen-
cw de numerosas orgiis. e firafcnsnte que n'um
esresso de loncun'se enflacara.
Algnns {ornase, que 3 ulgaTam melhir m-
lormados, avancaram que elle se ao enforeara,
mas uoe fnAa sidb-enfomxHf pelos membros da
snciedade secreta, os mktlen: a qraat> ha alpns
annos causa vivas inquietarocs aogovernO russo.
* A-netieia apnisenrada Vbaixo de-naw M de
ostra tomia, era iguanente falta, lomfsarow
est anda vivo, o bem vivo. Ftetam-lhe- urna edtt-
cacSo a vapor, e elle, nao a aproveitandh mal, ser-
ve actualmente na qtnlidade de pinbsr (porta-
bandeira), em um dos regmenlos de bossards da
guarda imperial russa. S as suas mnneiras nao
ao 15o elegantes como ns des seus caminadas n
regiment, nada tem cjmtndo d sua amiga rus-
l[cidade. Dentro em poneos annos ser um nobre
lie aceilavel como os boyardos de-nascimento.
Mas norgulhn da corte do S: Petersborgo oc-
cullott Europa um facto-curioso,, do que hroe
o pai de Komisarow.
t Aquelle homem era um ladro dn petor espe-
cie. Como tal, tinha sido rnndetnnadu-ao Irabalhr
das minas na parle mais elvagem dn Siberia.
SofTria a pena que Ihe tinhasido applii'ada, hara
uns doze anno?, e tendo sido objecto de recom-
mendacoes particnlares da-peltcia, eslava encarre-
gado dos trabamos mais penosos.
Qual nao deve ter sido >esptmto do furrado.
quando um dia, emquanto so-entregav.-n seb "urna
atmosphera rigoro?, aosseus-rudes trabathos, lio
que um brilhante oiBctat de ordeflancas, ehegado
s minas em urna elegante eannageifii escoltada
por nm destacamento de coseaeos, se .tpeiava, e
se approximava d'elle, com o mais profundo res-
pelo, ordenando imperiosamente que Ihe fossem
entregues s soas cadeias, qoo Ifte vestissem os
latos commnns, e que Ihe dessem ronpas de pelle
de grande valor.
Tudo isto se fez esm rapidez, sem qne se di-
rgisse urna urdea patavra ao velho Komisarow.
Passados os primeiros momentos da aduiiraco, o
Toreado ousou timidamente pedir urna expii'rucao
de tudo isto ; mase-'ta foi-the reensada. Pizeram-
no entrar em urna esrrBageia, nn qual se assen-
tou junto d'elle o offleiai de ordenaneasv dandi
Ihe o lugar de honra. '
EStava longe de mina em. T8bo!sk, capital da
Siberia, aonde reside o governador geral. O espa-
qo foi percorrido era poucos das, o a carruagem
parou a entrada do palacio do governador.
t J(o saHo principal em qoe elle foi introduzWo,
Komisarow ficou maravilhado do espectaeulo qui-
se offerecia aos seus o hos. O governador geral,
tendo a seu lado os ma3 altos funecionarios de
Tobolsk, e todos os offlciaes da gnarmeo. o espe-
rava, de p, vestidos com raagnilieos uaMbrmes, e
condecorados com as suas ordens. '
O espanto do forjado era extremo, quaudo
vio um grande personagem dirigir-se para elle e
estender-lhe os bracos; rahir do joelhos e beijar-
Ihe os ps, em quanto que as aedamates dos qus
estavam presentes soavam as paredes do palacio.
Pae do salvador do czar, eu te sads, disse o
governador geral. O nosso granea- imperador
dente a liberando. Tu nunca foste criminoso;
um erro fdos juizes te condoli Siberia Como
se ha do fazer esqueccr-te os males que tens sof-
frido! A reueracao dos russos fiis e as honras
prstalas a ten Albo te eousolarara dos teus lar-
gos infortunios.
t Depois desta arloeucSo, o governador geral
levantoa-se; segWdb ds'corlejo, conduzto o seu
ospede a outra salla, aonde urna cxplcndida re-
feijao eslava preparada, dando a Komisarow um
logar sua direita. Os brindes mais calorosos
pelo csar o peto sen salvador terminaram o ban-
quete.
t Xo dia segointe, o ex-Iorcado caminhava para
S. Pelersburgo com imia nnnerosa escolta.
c .Nao ser esla uma scena iDeramente asiti-
ca, e que as nossas Ideas europeas n3o podem
comprehender T Um-fuacetonsifei de ordem mito
leraJa feito songe-ro de um-salteador, querendo
conquistar deste modo a^ Mas gracas do sea se-
Ihor! Os que conliecem a Russia nao encontra-
id isto nada de extraerdmrio. autocracia
est all de tal maneira enervada as almas, cmo
os seniimehtos de altivez o de dignidade pjessoal,
que fazem a glora das raeas enropeas, san des-
eonhecidos da maior parle 09 fapcsnarros-
russos.
E=r
3E
tar-ibaa-em duas. plairras a historia de
Miguel, e pele menps o que Miuel afe'm
da saaWstoria.
Lembrva^se tatpraga, masfortemoale,
de lev sido urea GDMOcinh* feliz, miaaasa.
adorada, em tranquilla vi venda, onde pai e
maVnth mocetao perfeito e uma senhora
nrxa e meiga. se eslremeciam. Onde G
ca*a aquella casa ? Nao sabia ; nao a co-
33
7ZZZZ
forme os diversos modos de eneara4a,. se
plt fifiamar guli nn miijiitrffi^.
Ha males TJMbJIW fllfihffl- f" Tl^'<
ser verdadeJpKlAHHQaU^sa ganbar
almita^ cousa,. muito anrjw
ama Alba, e nlo era a m'ai quoai a ordi-
nario velava mais pela noute vaina.
Tinha, a luz grande'parte nos ambiciosos
devnelos .de .Miguel. Aos Tiste annos,
ftunca s para nos que compomos e doLj
tamos imagiaar^jbraiei. ()jj
Por ;im (faqafette pateo eslreilo e h-
mido, iam e vinham os sorriaos de uma
para outra janella. E quaataa vezea mi
quecera Miguel o ecorref do .IM190, pas-*
swdto-horas deliciosas a espreliar o ardud
wureiar da donzella I
lorge d'isso, nem lodosos aeuadavanwM
lata para o amor. Amava com (orea, osaa
hm#oBaa~^r&fl;.iaas a segunda, con- piwwfianiwfawimeoeee Ih'ajaostraesem,
t3o confosa era a imagem. o (So longinqua
a impressJo. Para elie, o moceto e a
senhora aoVa.8i lin4aB0oa de mamai e
bwh. Via-oaaiod travs de ota nu-
r5*u de m : a n bordttdo
sorrmdo, o patutregue um labor ma-
nual, que Miguel nStopodia deleraamar, mas
oa 4edos fazia nascer e
araudeza, porque erade-aofiort%Slo, naalcom
es lees das' Jertas parisiaiisM por 011 deHconaef'fir ohiecfo%: meemharacam ? Em
la itcaca miuda saltera; linha.pofm, oetras
pisea, oulras necessidaaVs, outttiivdeB-
inoi ulyai. Jfc*
Yinte annos, a idade certa em ijufco h&
li da adoleacenca de&abroiba para sacha-
tnir iuveritude. rosto grego de liabas ooar
rectas firmes, a pallide dos que se ante-
ei^a.aa.^da, mndeda nliina jni liim
p* que mena
:ondo a histpr^ltpa, ampuravam
aa AaBjaionas o ^mmmkQ os tenor* e
Italia mandam que Ibes rranquem as ndUs
graves hdrlrftte*tl, com o baco,aosciie para que haviam de
Urrt'a noutei.leve mido, porque o layara,
uma carroca qua coma ptur estradas lera,
ios seiarancos. E nSo trow unte;* rer.
a ama.
Tudo isto n'elle exista eemo oenGasouv
resquicioa de um sonho.
As mais positiaaa- resnanisaencias dosptar-
tavam-se-lha rica ahjia w
vastas.seitras, prados "tfrMes, n|
Igads. preguiCsos s espojav
huoaada.e aliaj 1
pateo, onde pela
trigo : risonba Hasta.
para eMe woa oltmMni
melhor do. que podemos xp:
Ihe qoe ne* primeiros lefnpos a etiar test
mm no casa*, porque M ai qne cres-
ceu, tratavam-n'o como friho da casa, e ati-
p)rque
mWBSl
wj _------ _
Estatura alia,.porte nobi
saprema' etoquenca aro
ans, hlo de encontrar cada esquina
om e^eftdrea^u^foescorlcm o, coraflo
aem i ra. K mal *abem que sugeitinhos
o produaem com o auxilio d'eesa opera-
0, na appaatacia tio simpies.: a amputa-
do eor af*o,
ligo^k, o nosso here coaservra o co-,
ci.. ,tt-
i'-eiro
que enepsciai
Bor na tesla.
peloeseus calc?*us, teria uns, tres anuo meiber, cotao pensiowtHa.aue ira
ds jBealiot1ieDle terrainott aquej**: comsjgo ; dopois, foraa^
Era ainda am romance, ah um poema
reflecto de castas lenmrai, de hur|rze a injuria da miseria;
agraUs pjome*as, a pvt^fimifeoa que se padmaas dwr
_riodo da aaa estencia. Hooveptndia
m easa grande tumulto, terrores, !*)lba,
igrirnas. Passava-se aquillo n una cuW
de^proviDcia. noj^e.Mlfiael tacecaawiaa
um rio eslreite ie me poma- **m$
da, mtto mais,pequea tf as de
" *^UUUB
eagaltee. aenaBS ae ae#urara : uda
de iagriaaai forqaeao p d
paaa'e pouco, e, aes eo
avoura, semeeremoj
ais nfimos mystere*. Em
ofc Pechet e tfc mnlher eram
twnradas creaturas; o bom do homem con-
tara, noute, 4 lareira. a historia ha* anas.
daaaiadatts como .u veterano relata a das
suas campanhas, e a mulherzinh*H
tinba bebido o sea
dormir por tres
- serta
PS3
r

Jt o* ai|V'iitf.
trHaiwWiiar
(Qmtififtar-se-b)
.

'*
.-



... i__
c
W)
.
f
2

M
-*<*
M \ WWMiX ATWf"*> d Pe>,nml>,10 <*um> feira 7 de Outubro de
*K .
1869.
* ?
* es tf &
< So alguma cousa os poda descuidar serem
silicos; que o imperador, na si* qttalidade ce
ebefe de reg io orwdoxa, para elle* o repre-
sentante e tiel iraagea de Mus. Tudo quanto
fas o nmenmnr, tudo quanto. ordena urna ema-
nacio divina. O imperador nao pode, errar; hv
tanivel 4 pa; ninguem quer, eomo ae
papa, eonmstar a soa iofallibilidade. Eis aqui
cacao a Bussia so pode tornar antes de tun seculo
un perigo para ajodepeodencia europea, se o* di-
ersos poros nio soubertm unif-se en na eon-
foderacao, e tomar os Estuat- Unidos da Europa.
Como moralidade da acea extraordinaria que
acabamos de esbocar, dereaos dizer que o impe-
rador e os seus ministros Ocarajn medioeremeote
satisMtos do acolhimento que o govemador geral
da Siberia den i rehabilitaco do velho toreado.
O iaaperador fez- Ihe me?n cenhecer o sea desa-
grado.
t O negocio piren foi aba fado, para se poupar
ao governadur o ridiculo que Ihe resultava do se
cooneeer tudo isto na Europa e na America. O
velho Komisarow foi mandado para urna cidade
aastada de S. Patersburgo. Rocebeu urna avul-
uda peosao, e conservou-se na obscuridade que
convinha ao seu passado, enguanto que o seu fi-
mo, feliz, cheio de honras e de riquezas, se tornou
hroe da Russia.
< Mas tudo isto se sabe. O despotismo destroe
as almas e panlysa a lingua ; roai emquanto urna
penna independente existir em uin canto du mun-
do, estes crime*, como se fossem disparates, sao
larde on codo divulgados. >
PASSAGEIRO O vapor Jaguaribe, vindo de
Araeaj e porto* intermedios trouxe o seguinte:
Antonio Mari a do N ase i ment.
temmnnno, 6 dVe
d 1869.
T. Witkkuon,
Aceoantant.
CIROMCA JlDIf IAIIA.
TKIBIJSAL n\ RELAClO.
SESSAO EM SDE OUTUBRO DE 1889.
PBESlMUtCU 0) B2UI. SU. C0XSKLHBIB3 CAETAX0
SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da corda,
Lourenco Santiago, Almeida Albuqucrquc, Motta,
Domingues da Silva, Regueira Costa e Souza Leao,
faltando o Sr. desembargador Doria, abrio-se a
sessio.
PassaJos os feitos, doram-se os seguintes jura-
mentos :
Itucunso crime. Reccorrente, o juizo; roe-
corridos, Antonio Joaquim Goncalves de Mello e
outros.Relator o Sr. desembargador Souza Leao,
sorteados os Sr?. desembargadores Domingues da
Silva, Lourenco Santiago e Almeida, Albuquer-
que.Improcedente.
Aoobavos dh pbticIo.Aggravante, Simplicio
Tarares de Mello; aggravado, o juizo.Relator o
Sr. desembargador Lourenco Santiago, sorteados
os Srs. desembargadores Souza Leao e Domingues
da Silva.Improcedente. Aggravante, Manoel do
Naseitnento da Costa; aggravado, o juizo.Relator
o Sr. desembargador Guerra, sorteados os Srs.
desembargadores Lourenco Santiago e Gitira-
na.Ficou adiado.
Rabeas awpu8.-tDe Lourenco derruir Mandes
Guimaraes, oncedeu-se ordem para o dia 9 do
corrate, ouvindo-se a respectiva autoridado. De
Germano Lopes Frazao, mandn-se de novo ouvir
aojuiz municipal. De Pedro Ferreira de Oliveira
Cabra!, concediu-se a solturs.
AppKLLAgoES CRiiiES. Appellanic, Francisco
Alves Madureira; appellada, a justiea.A'novo
jury. Appellante, o juizo; appellado, Manoel Ro-
drigues do Naciraento.Improcedente. Appel-
lante, Candido Jos da Silva; appellado, o jui-
zo.Nullo o processo do libello em diante.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana aoSr. desembar-
gador Guerra. Appellaccs civeis: appellante,
(arlos Holne> appellado, Manoel Marques de Oli-
veira. Appell;inle, Manuel de Azevedo Ponles ;
appellado, Joo de Deus Guimaraes.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago.A ppellacoes crimes:
appellante, Ben ci Regueira da Silva; appellado,
o juizo. Appellante, juizo; appellado, Manoel
Cardeiro de Oliveira. Appellante, o promotor; ap-
pellado, Fausto Serafim da Costa.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pellaooes civeis' appellantes, A. de Moura Lima
e outros; appiillado, Jos Profiri da Costa. Ap-
pellante, Vligael Antonio de Jess; appellado, M.
D.iHra de Souza. Appellante, Antonio Fernandes
Ribeiro; appellado, Manoel Rufino Ribeiro Ja-
mur.
Do Sr. desamltargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta AppeHacoes civeis:
appellante,.o te.tamcnteiro e inventarianle do fi-
nado Joaquim Jos Fernandos Braga; appellado, o
Df. procurador da fazeada nacional. Appellante,
Antonio Moneiri Reis; appellada, Feliciana Mana
Rique. Appellante, Francisco Jos Leite; appel-
lado, Joo Bailista Gomes Poma. Appellante,
francisco C. onteiro; appellado, Octaviano Ro-
drigues Lcssa. Appellante, a preta Joanna; ap-
pellado, Juao Perreira da Rocha. Appellacoes cri-
mes : appellante, Luiz Ignacio de Oliveira Maciel;
appellado,o juizo. Appellante, o juizo; appellados,
Antonio Casto da Costa e outros.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Doria.Appellacoes crimes appellante, o jui-
zo ; appellado, Graciliano, escravo. Appellante, o
juizo; appellado, Goncalo N unes da Silva. Ap-
pellante, Joaquim Gomes das Neves; appellada, a
justiea. Appellinte, Jos de Lemos Vasconcellos;
appellado, Bento Correa Lima.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Domingues da Silva.Appcllacao crime:
appellante, Feiippe da Costa Santos; appellado,
Jos Fernandes Das.
Do Sr. desembargador Dimingues da Silva ao
Sr. desembargador Regueira Costa. AppellacOos
civeis : appellante, Jos Francisco de Oliveira;
appellado, Domingos de barros Brando. Appel-
lante, Manoel Cassimiro Lucio de Souza; appella-
dos, os herdeiroj de Pedro Vieira da Cruz.
Do Sr. de-emlargail ir Regueira Costa ao Sr.
desembargador Souza Leo.Appellaco crime :
appellante, o juizo; appellado, Jos Pedro da Sil-
va.
Do Sr. desembargador Souza Lelo ao Sr. des-
embargador Gilirana.Appellacoes crimes: ap-
pellante, o jnizc ; appellado, Valentina Vieira da
Co*ta. Appella ite, o juizo ; appellada, Anua Cus-
todio de Jess.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
fetos:
ArpBLLAcoss civeis. Appellante, Manoel Ge-
raldo Monteiro ; appellado, Joo de S Cavalcan-
le. Appellante, Joao Pe reir de Mendonca; ap-
pellado, o Dr. Pedro de Athayde Lobo Mosco-
so.
Appellcoes i rimes.Appellante, Manoel Anto-
nio Alvos; appellado, o juizo. Appellante, Seve-
rinoToquarto dos Anjos; appellado, o juizo. Ap-
pellante, Joaquim ftmcalves da Costa: appellad,
ajnslica. Appellante, o juizo; appellado, Jos
Freir de Anarade. Appellante, promotor; ap-
pellado, Joaquim de Oliveira Freitas. Appellante,
Joo Goacalves Soares; appellada, a justiea. Ap-
pellante, o jnizc ; appellado, Antonio Alexandre de
Freitas. Appellante, Joao Alves des Santos ; ap-
pellado, Vctor Saturnino de Soma. Appellante,
o juizo; appella do, Manoel Francisco de Lima. Ap-
pwfcMile, Caadklo Jos de Souza; apoellado, o jui-
co. AppiBte, o promotor; appellado, Manoel
RodftfUM foNaarimento.
DiuomciAs.C-im viMa ao Sr. desembargador
promotor da jcstca.AppeUaoSes crimes: appel-
Uote, o jaizo; appellado, Boaventara da Cunha e
Jos Francisco de Souza. AppelUnte, o juizo; ap-
pellado, Manoel Marqnes EvangelisU de Bar-
ros. AppeNaute, o juizo; appellado, Pedro Jos
Rodrigues.
As S horas di tarde eacerrou-se a sessao.
LONDON & BRASOJAN BANK, (LIMITED.)
Capital doBaiko 15,000 acodes
BCU................. 13^33:333*3
Acjaeo eutotits 13^60...... il^S8:SWSI
Capital pago a t i5 por acedes. 8^00:000*00
LALANCO 04 O* XA FIUAL BU PKB.1AMMK9 EM 30 M
SCTEMBRO DB 1869.
Actwv.
Letras desootfcidas..........
Crditos diverso s, outros bancos
ecaixas filia's...........
Caix:
En moeda corrate.........
1,444:943*480
1,373:310*110
M:1S1*440
Rs.
3*74:388*330
Pauio.
Capital fcraecilo pela calxa
matriz..................
Depsitos:
Eaeontacor-
ronB...... 749:897*440
Apraoftxo.. tft44O*70
Crditos sobra diversos ostros
>ancos e caixts fihaes....,
l> l 888:888*890
l,44:307*710
741:188*738
3/immtm
Aoeret de festejos.
Muito se falln o at parece decidido que o
festejos pela feliz terminacio da guerra com >
Paraguay serio aesta cidade por tal aprte dividi-
dos e multiplicados fue cada urna na far seus
festejos indepeudeate de concurso allieio. em pn>-
juizo, segundo nos parece, da grandeza e pompa
com que alies se poderiam e devoriain fazer, e da
faeiliaade eomuiodidade de sua organisaoSo c
dtreccao.
NSo temos O desvanecimento de snppor que
acertamos as ideas que temos a respeito da un -
Ihor direceo a dar a esses festejos, apenas as
offerecemos consideraco daquelles que se ach iti
encarregados de os promover, julguem-nas e
adoplem-nas no que acharem convinbaveis, de--
prezem-nai em parte u i* Omine se entenderem
que nao sao aceita veis.
Parece-nos que tsses festejos populares em
lugar do se dmdirem e subdividirem ao inliuit j,
deveriam se concentrar, substituindo-se os (esto-
jes por bairros aos festejos singulares de cada
roa.
Reunara-se as diversas commissoes nomeadts
Sara tratar desses festejos as diverjas ras, acor-
em no plano geral dos mesmos festejos, e depcis
as commissoes de cada freguezia organisem cu
tratem dos trabalhos que Ibes torera destri-
buidos.
Os arraiaes para esses festejos as diversas fro-
guezias da cidade julgamos estarera naluralinen e
designados pela topographia da mesma e sao :
Na freguezia do Reeife a ra da Cruz na sua
parle mais larga at o largo do Arsonrl de Mari-
nha.
Na de Sanio Antonio o campo das Princozas, ra
do Imperador al o largo de Pedro II.
Na de S. Jos o largo do Terco at o largo das
Cinco-Pontas.
Na da Boa-Vista a praca da Matriz, roa Imperatriz at a ponte.
Nao parec extensa a rea apontada para os
testejos de cada urna das freguezias. A popul i-
cao da cidade tendo naturalmente de afOuir para
esses lugares precisa espaco para bem acomm )-
dar-se livre de acotovellamentes e aglomeraeYs,
sempre prejudiciaes. O entku$iasmo tnoleecl,
entusa impossivel de prevenir-se, pode expandir--e
a seu goste, sem atropellar as familias, nem difi-
cultar a polica o ynutuar-lhe t vlvulas.
Alera diste, o lugar central da illuminacao o
nico que dar cuidado a commissao della enes r-
regada para o adornar, porquante o resto os mo-
radores das casas que orlara as ras se prestaio
a enfeita-1'as com colxas. bandeiras, festoes, lumi-
narias etc. restando apenas a commissao elevar
alguns arcos de folnas, de espaco em espaco, cem
disticos, bandeiras e outros ornatos que julgar
convenientes.
As illuminacdes devero constar de obras de
madeira e pannos representando grandes arcos
triuraphaes, templos allegoncos, grandes pyrami-
des, jardins etc. etc., tudo Iluminado a gaz e occ i-
pando os principaes lugares os retratos e os nomes
dos hroes brasileiros, que se revellaram ne-sa
campanha do Paraguay; dsticos coinmemorativos
das batalhas, emblemas, e tudo quanto a arte e o
goste aconselharera.
Em cada urna dessas illuminacoes deverao haver
em pontos di (Toreles corotos para 4 ou 6 bandas
de msica militar, qne tocarao alternativamente
de duas em ditas; tribunas, ou lugares apropna-
dos para se recitarem poesas e diseuros, e final-
mente mastros para se sollarem baloes e girn-
dolas.
Antes de passarmos adiante vamos aventar uraa
idea que tal vez ache acoltpraento entre rauios
e a segainte:
Acidado do Reeife bem pode dar um testen)u-
nho do alte apreco e consideraco, que Ihe menee
a memoria dos filhos de Pernambuco que om
defeza da houra o bros nacionaes dispejaran. o
seu sangue em sido prfido e estrangeiro. A pro-
vincia de Pernambuco como todas as suas irmi-as
do norte e do sul honra e louva a tolos os Brasi-
leiros que acudiram aos gemidos e clamores da
patria commum, e que a desafrontaram e cofcr-
rara de gloria; ella que nao se negar ao appello
do governo geral, qoando este se iho dirigir >e-
dindo-llie um bolo para elevar um monumeito
em honra de todos os bravos brasileiros que fize-
ram a campanba, do Paraguay, parece que pod) e
i t mesmo deveria levantar, um modesto monu-
mento em honra o memoria dos Pernambucanos
Site batalharara e verteram o seu sangue pelo
rasil nessa guerra de 4 annos.
Um sueco de granito, um pedestal de cantara e
urna estatua de marmore de Carrara diriara aos
vndouros mais do que quantas tradiecoes os bar-
des escriptores nossos coevos Ibes possam traus-
miltir.
Fcil nos seria separar urna pequea parte das
Suantias que se obtiverem para os festejos ailin
e fundar-so um monumento consagrado para tal
Um, entrando a ceremonia do lancamento da p rt-
raeira pedra desse monumento no plano dos fe: te-
jos. Era pouco tempo e com pouca desp3za
podera elle ser ultimado.
Em Genova aonde ha omites esculpieres em
pedra, e de onde tem vindo para o Brasil amitos
trabalhos por barato proco pde-se obter una
estatua de 3 ou 4 metros de altura e de marmore
de Carrara pur 3 a 4:000*; de Portugal pode .ir
o pedestal de cantara por 800* ou 1:000*; e se
em lugar de empregarmos para a base podras das
pedreiras da provincia, preferirmos o granito, po-
demos manda-l'o buscar ao Rio de Janeiro com
urna despeza de 400* a 400*.
Ora, facamos o o reamento para esse monu-
mento :
Para a estatua.......3:000*000
Frete, commissoes, direitos etc. 1:000"X)0
Pedra para o pedestal..... 800*000
Frete etc. etc....... 200*000
Granito para a base..... 400000
Podo vir como lastro, nao vindo,
frete, etc........ 100*O0
Cemento......... 130*(00
Alicerces, mao de obra, ollocacao
etc. ele........2:000*000
Despezasmiudaseeventuaes. 3:390*100
10:000HX)
Calculando que as subsenpees para os feste-
jos as diversas freguezias da cidade podem lar
era resultado as seguintes quantias(termo med.o):
Na freguezia do Rectfe. 30:000* )00
Na de Santo Antonio .... 19:000*000
Na da Boa-Viste......10:000*000
NadeS. Jos....... 5D00*)00
teremos um resaltado de ."O.OOO* de onde tirados
os 10:000* pela seguate forma:
Do Reeife........ 4:000*000
De Santo Antonio..... 3:006*000
a Boa-Vista. ...... 1000*000
DeS.Jo.<........ 1.000*000
sobrara quantias muito suficientes para s (ato-
rara grandes e pomposos festejos.
A erfatua para esse monumento poderla ser a
figura emblemtica da proviacia, a india cora orna
cana de assucar em urna mao. e oa outra ni es-
pelho era que se mira mui salisfeiu de si, segan-
do o desenho de Barloaos, e as nalro faces do
podo tal ateo das iasoripfdes apropriadas ae-
eetanas se inscrusiariastk on euras de braoze
os nomes dos hroes pernarabncanos que dei:;a-
ram as vidas nos combatos o batalhas contr o
Paraguay.
O logar mais conveniente para a colloea2o
desse monumento pareca ser o centro do par.il-
lelogramo do Campo das Prinoazas, porra como
te acha esse lagar designado para um cha Ta-
rta que ha dfl ser o rnate principal de am jar-
din que est planeado para esse lugar, poderla o
nooannmto ser coltecado ato agolo noroeste do
mesmo paralielogramo em soa parte posterior, fa-
ado symmetria cora o monumento que o Insti-
tuto Archeologleo iteographico Peraarabuesno
pretende coHoear no ngulo nordeste do metra e
era honra de um dos hroes da rtsiauraco da
Pemankaeo em 19S4.
A sement ahi flea lanrada, permita Dos que
pora os bros patrias olla germine e floresea.
Pausamos agora a ofterecer ora programma &
ral para os festejos e o seguinte :
flinmnacio geral nos qoatro bairros da cidade
dorante os 3 das seguintes a ebegada do var.or
qoe nos rottxer a noticia e certeza de que as r-
raasimponaes nao encontrara mais Mmigos a
foncer no Parafuay, o qoe se actotm aanintados
as coovencoOs e tratados ano deven pc tenno os
sacriMos doBrnll n'^onna roputSeV. '
Jatanos qoe tan nobein nio podn chetar
autos de J
JB> ton todo wo-
Dmm em a "
tormmafjnl
guerra, os festejos populares esperarle pelo dia
em que tiver lugar esse Te-Oeum para comeca-
rem pela seguale forma :
Dia A
Te-Dewn da cmara municipal.
Abrem-se os festejos na freguezia de Reeife.
Illuiuiuacao geral omento uesse bairro.
DiaiB.
Continuara e eucerraiu-si os festejos no bairro
do Reeife. mp
DnC.
llIuniinacSo geral em toda a ctdade.
Batalhoes patriticos, earr is triuraphaes e ban-
das do msica pereorntio as mas da cidade.
Dia D.
Abreru-n os restejos na fregaa da Boa-Vista.
Illuraiaacio geral nosse bairro.
Du E.
Continuara e encerram-se os festejos no dito
bairro.
DiaF.
Illuminaco geral era toda a cidade.
Notamente percorrem as roas da cidade bata-
Ihfies patriticos, bandas de msica, e carros lr-
umpliantes.
Dia G. -j.
Abrem-se os festejos da freguezia de S. JsW.
Illumina-se toda a freguesa.
DiaH.
Continan e encerram-se os festejos da fregue-
zia deSrios.
f Dia I.
s mesmas passeata.* e festejos dos dias C e F.
Vf Bia'
Amra-se os festejos da l'reguezia de Santo An-
tonio.
Illminacao geral nosse bairro.
Dia K.
Na tarde desse dia, a enmara municipal, o Insti-
tuto Archeologico da provincia iancam a priraet-
ra pedra para o monumento de cima que fallei.
A noite coniiiuiam os festejos e encerram-se,
podendo queiraar-se um bello fogo de artificio que
a cmara municipal pedera offereeer, ou erad-
la disto as commissoes das 4 freguezia podtoa*
mandar preparar se para tonto cnegar o dinhsiro
que arrecadar.
A commissao abaixo assgnada julga convenien-
te publicar a lista dos senbores lentes e estudan-
tes do primeiro anno da Faeuldade de Direito, que
contribuirn) com suas asignaturas para o mo-
namente fnebre do Dr. Vilella Tavares e roga aos
senhores que se julgarem esquecidos o obsequio
de reclamarem :
Dr. Jos Antonio de Figneirdo
Dr. Antonio de V. M de Drummond
Manoel A. da Fonseea e Silva
Luiz A. P. Franco
Jos Fernandes Colho
Feiippe P. Nabueo de Araujo
Joaquim Jos dos Reis Jnior
Epaminondas B. de Mello
Candido A. da Nobrega
Avelino I. de O. Azevedo
Artbur A. J. Pjrn
Tliomaz C. de Gusmao v
Manoel F. de A. Monte-Negro
ttenoro H. Corroa de Brilo
Eneas d'Arroxelee G.
Antonio de A. Garca
Joo Kopke
Manoel T. do R. Albuquerque
Augusto E. d> F. Gal vio
Eduardo J. G. d'Araujo
Luiz E. d'Araujo Plnhero
Manoel M. O. de S. Borges
Custodio D. dos Santos
Joao M. C de Albuquerque
Carlos Augusto d'Oliveira
Malinas J. da Silva
Ignacio L. de S. Rangel
Augusto de Siqueira
Sylvio V. da S. Ramos
Joo C M. da Franca
l.uiz J. de F. e Oliveira
Juvino A. de C. Maia
Augusto P. A. Pequeo
Justiniano Meirelles
Antonio Gomes Leal Jnior
Antonio Clodoaldo S.
.ililial do banco do Brasil
nambuco.em lquida-
mf2i de setembro 1869.
ia caixa filial ge (n pu^cft qoe as
nofjg de sua em33o de valor'iJe 20)5000,
da n. 117,50t por dtanto e (j^e estao sendo
IMIHIJP thenorafi feral pelas di-
laceradas, nao sao rubricadas, e smente
sjeigflfln por um director do banco, e
pelo liefuidante da caixa abaixo assig-
nade.
Ignacio Joaqun de Souza Ledo',
ALFANDEGn.
Rendimento do dia 1 a 8 162:1154957
dem do dia C..... 21:614*056
A AI.FANDEGA
183:7104613
Volnmes entrados com fazendas
loen dem com gneros
"I
omoH sabidos com fazendas
"em dem cora gneros
432
476
-----908
180
133
333
Descarregam hoje 7 do ontubro
Barea InglezaHermionemorcadorias.
Vapor inglezOOndadem.
Barca ingleza 7 Brigne anstriacoNatalt 8.farinha de trigo.
Escuna austracaElena P.idem.
Brigne norle-alleraaoWiUebmlitaboado.
Barn portuguesa teir Borges varios ge-
- eros.
Patacho inglezReis Liecarvo.
Escuna ingleza=Brdem.
RBCEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEHNAMBOO.
Rendimento de dia 1 a 5 9:289*089
Idna do dia 6 ..... 860*439
10:155*728
Francisco Fernandes V.
Alfonso C. do Valle
Theophilo M. Guerra
Leduino C. Branco
Samuel T. Henriques
Jos Joaquim das Neves
Demetrio B. de R. M.
Jos da C. Tei*eira
Tnomaz A. de G. V.
Adolpho C Sanchos
Manoel F. Gitiranna
Artbur H. F. Mello
Luiz Demetrio D. S.
Jos de S. Reis
Carlos Frederieo
Jos R Elias Jnior
Olympio da Silva Costa
Barcmio P. Barrete
Francisco B. A. da F.
A. A. Gama e Mello
Thomaz A. F. C.
Joo T. Marsillac
Vicente Antonio do E. S.
Francisco Gonva C. B.
Gustavo Theophilo
Francisco L. de M.
Joo B. Gitirana
Bittencourt
Henrique Mosceso
Eugenio Moscoso
104000
10*000
10*000
5*000
5*000
54000
10*000
34000
5*080
54000
3*000
540f9
5*000
io*eoo
4000
10*000
10*000
5*000
5*000
3*000
20*000
5*000
10*000
5*000
10*000
3*000
3*000
2*000
54O00
5*000
3*000
5*000
54000
3*000
24000
54000
104000
54000
34000
3*000
54000
3*000
5*000
2*000
3*000
.1*000
JO
.IfOOO
34000
2*600
3*000
24000
3*000
44000
54000
2*000
4000
3*000
1*000
3*080
24000
24000
54000
2*000
1*000
1*000
Soniraa 3294000
CONSULADO PROVINCIAL
Renten ente do dia 1 a 5
dem do dia 6 .
17:2294687
2:829*507
20:0594194
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 5.
Rio de Janeiro16 dias, brigue norte-allemo So-
phe Lucte, de 227 tonelada', capillo H. Ilansen,
rqnpagem 9, em lastro ; ordem.
Buenos-Arres13 das, patacho hespanhol de 177
toneladas, capito Pedro Guardeata, equipagem
13, carga 4,957 quintaos hespanhes de carne ,
a Pereira Carneiro & C
ObstrvaQ&o.
Nio hoaveram sabidas.
fNavios entrados no dia 6.
Rio de Janeiro16 dias, escuna hollaudeza Ele-
nheser, de 213 toneladas, apito I. S. Vander
Moer, equipagem 6, em lastro ; Johnslon Pa-
ter* C
Recomoud61 dias. patacho americano Mary Ri-
ce, de 189 toneladas, capito John D. Boyce,
eqniqagem 8, carga 208 barricas cora farinha
de trigo; Phpps Brothers & C.
Araeaj e portes intermedios6dias, vapor bra-
"sleiro Jaguaribe de459 toneladas, commandan-
te Castro, equipagem 30, Companhia Pernam-
bucaua.
Obsenacao.
Nao houveram sabidas.
Adelide, dem
Josepna, dem
tos.
laquint dos San-
Maria, dem do Joaquina Candida de Cunha No-
bre-.
Anna, idem da mesma -
Secretaria da Santa Casa do Misericordia do Re-
eife, 2 de oiiibct) de O escrivao,
________ Pedio Rodrigues de Sotua.
O administrador da reeebecioria de rendas in-
ternas geram, constando-lhe que algomas pessdas
do eomaercio desta cidade e.-tao persuadidas de
que o annnaeio qoe elle tez publicar e a tem sido
as folhn diarias, convidando aos contribuimos do
imposto sobre industrias e prolissdes a viren pa-
ga-lo at ao fio do correte niez, livre de multa,
nao comprehende as casas da eommercio ; pete
presente declara que o supradito imposte, substi-
tutivo do de 20 por cento sobre lojas, casas de
descont, etc., abrange todos es eslabelecimentos
commerciaes qualquer que seja sua denoroinacao,
bem como os escriptoros de advogados, solicitado-
res, mdicos, ele., e todas as odkinas : pelo que
de novo faz certo que Ando o correte raez de ou-
tubro o referido imposto sobre industria e profls-
sdes ser Conrado com a mulla de 6 por cento.
Recebodoria de Pernambuco, 6 de ontubro
de 1869.
Manoel Carneiro de Souza Laceria.
-------_-------------------------r_-
COllPANIllA PERNAMBUCAMA
on
fftoegQfda cortara por vapor.
0 n Gallinbas, Rio Formse e Taman>
dar.
O vapor Panhyba, commandante Mello, seguir
para os |osnn--*ema nejgflsHO do correte,
^Kite. RecAe cam, edMnmendas, pusagei-
ros, e dinheiro a fretes no eornptorio do Forte do
MnHos n. 11____________________________
COMPANHIA PERNA^BUCANA
aravea?n cnaelra par Tapar.
Parahyba, Natal, Mlco, Mossor, Ara-
caly, Cear, Mandaba. Aowtctt e Granja.
*5*iy O vapor Parahyba, commandante
JIXL Torres, seguir para o porto cima n^
iUmi da 15 do crrente as 5 horas da Urde.
Recebe carga at o dia 14, encommeodas, passa-
geiros e dinheiro a frste at as 2 horas da urde
do da da saluda, no e criptorio do Forte do Mal-
tos n. 12.
Santa Casa da Misericordia
do Reeife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Reeife precisa contratar com quem
se qaeira encarregar de fazer sua rusta as obras
de que necessita o sobrado n. 37 da ra da Moe-
da, concedendo ella, alera de outras vanUgens, o
arreadamente por grande numero de annos.
Recebe para isto propostas em cartas fechadas,
na sala ae suas sessoes, devendo os pretendentes
exammarem as obras de que carece o predio.
Secretoria da Santo Casa de Misericordia do
Reeife, 4 de setembro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigue* de Souza.
COMPANHIA PERNAMBCANA
i
Naregafia coitelra par rapar.
Macei em direitnra a Pinedo.
O vapor Jaguaribe, commandante Guilbeme se-
guir para os partos cima no da 8 do camote
as 4 horas da tarde. Recebe carga at dia 7,
enoommendas, passageiros e dinheiro a frnate
as 3 li iras da tard do dia da sabida no escripto-
ro do Forte do Mallos n. 12.
EDITAES.
O Sr. Amoro, essultor esUbelecido a ra do
Imperador, j recebeu por conta do mesmo monu-
mento 220*000 como consta de seus recibos, e
reeeber mais 110*000 no dia em que entregar a
obra proropU, sendo 80* para compler o valor,
ou ajuste. de 3004; e 304 para coloca-la na
igreja.
O commissario,
Eneas i'Arroxelle Galano.
O thesoureiro,
Manoel .1 da Foauca t Silva.
Consluife* arruinadas*.
A idea de qoe a constituioto se acha arruinada,
na mor parte dos casos tira erro crasso. A otas-
ticidade das tercas vlaes A maravilhosa. Porque
acontece ellas se acharen depprimidas, isso nao
vos sirva de desanimo. Experimenui-o reno
va-las com aquello, de todos os fortificantes o mais
potente e poderoso: asalsaparrilbadeBristoL Nao
ha duvida qoe podis vos acbar raai fraco, exte-
nuado, lethargieo, apathelico, enlciooado de mo-
lestias constitucional da pelle; do systema glan
dular, dos ervos; porra debaixo de qualquer
complicacio de molestia, local eu geral que seja,
que por ventura estejas padecendo; nao se vos
persuada, ale que ten has primeramente mito oso
deste grande restaurativo em vo, que a vossa
constuico se acha irrmediavelmente arrala
da. Ella no entretanto em 75 enes dentro de
100, resiabelecer ama d>sas arruinadas coneti
tuicoes asura chamadas. ia nanr knpsttm
ca que durante o tempo que se est osando da
salsaparrilba, se tome cnijnactameMn con ata,
as pilulas assnearndno 4 Bristol; visto qoe n
memas fazem expolur pa (ora do systema W
das essas materias o humeros viciados pesju on
circulacao pela grande ae<2o norineativa da al-
saparrilha, accelerando por osla torma as car
as qaaes
tedioua
de oatra serte strun retardndu e
r v
18
PRAGA DO REG 6 K OUTBRO DI
as 11/t mnus ti tahm.
Algodo de Penedo ana nopeocae 140CI por
i^unb obre Londres M d/v. 19 5i8 e 19 3
d. por 14000. '
Cambar sobre Pars 00 trv.088 rs. por _
Descont de letras de 2 a 4 sacies lt ()/6 af
Imno.
Frete de algodo de Memor para Livernoal 7/1
d. e 5 0,-0 (hontem). **
t. J.SUrera
PresUnue.
Leal San
Secretatte.
Novo Banco do Peraambuco
em liqnidacnlOp ideago&j
to_.de 188ft
mu
no f
O cidado Antonio Augusto da Fonseea, cavalhei-
ro da imperial ordem da Rosa, e primeiro-joiz
de paz da freguezia do S. S. do bairro de Santo
Antonio da cidade do Reeife, provincia de Per-
nambuco, e presidente interino do collegio elei-
toral do Reeife, era virtude da le etc. etc.
Faco saber que, pela cmara municipal rae foi
remettido o oftico do theor seguinte:
Secretaria da cmara municipal 1 de setembro-
de 1869. Illm. Sr.Tendo o Exm. viee-presideB-
te da provincia por officio circular de 24 de agosto
prximo lindo, convocado a nova assettblea legis-
lativo profiHfial para a futura legislatura. q> faneciopar nos annos de 1870 187%, desig-
nando o dia 28 de novembro prximo vindouro
para a eleicau dos membrosda mesma assembla;
esto cmara assira o communica a V. S. para sua
intelligenca, e atim de que convoque tambera os
eleitores dessa freguezia para o da indicado, to-
mando em consideraco o que dispoe o art. 2.* do
decreto n. 2633 do !. de setembro de 1860.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Antonio Augusto
da Fonseea, jais de paz da freguezia de Santo An-
tonio.Manoel de Barros Barreto, pro-presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario.
Em cumprimento do referido oflco convido os
eleitores nao.so desU freguezia, cmodas de S.
Fr. Pedro Goncalves, S. Jos do Reeife, Allegados,
Vanea, Santo Amaro Jaboato, Muribeca, S. Lou-
renco da Malta, Poco da Panella, e da Boa Viste,
que constituera o referido collegio, afnn do que
lodos comparccain na igreja matriz de Santo An-
tonio no dia 28 de novembro prximo vindouro
pelas 9 horas da manha, para qne procedan a
organisacae da mesa, e mais actos relativos a elei-
S*b dos membros da assembla provincial, con-
trae determinara as leis respectivas.
E para que chegue ao coiihecimnto de todos
raandei fazer o presente ediial, qne ser aflxado
nos lagares mais pblicos da freguezia, e publi-
cado pela imprensa.
Reeife, 6 de outubro de 1869.
Eu Joaquim da Silva Reg, que o flz e escrevi.
Antonio Augusto da Fonseea.
Cauta da Misericordia do
Reeife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recite manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 30 de outubro, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offereeer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECTMENTOS DE CARIDADE.
Ra da Viraco.
Casa terrea n. 19...... 200000
Travessa do Senhor Rom Jess das Crioulas.
Casa terrea n. 8. 2404003
Ra do Calabouco.
Casa terrea n. 20, por auno 2424000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 10 864000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1464000
dem n. 98........................ 2034000
dem n. 96......................., 2024000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 130000
Os pretendentes devero apresentar no acto da
arremataco as suas fiancas, ou comparecerem
acompanlados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santo Casa da Misericordia do Re-
eife, 24 de setembro de 1869.
O escrvaoj
Pedro Rodrigues desonza
1
Conselho de compras
navaes.
O conseibo novamente faz publico que cootrata
no dia 9 do correte oiez, sob as condic5es do es-
tylo e vista de propostas recebidas at as 11 ho-
ras da mauhaa, o foroecimento no corrento tri-
mestre de outubro a dezembro de galinhas para
os estohelecimentos de marinha.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
5 de outubro de 1869.
O secretorio
J Alexandre Rodrigues dos Anjos
Para o Rio Grande do
Sul
pretende sabir com bnridade para o porto cima
mencionado 0 patacho nacional Senhora das Ne-
ves, de prmeira marina : para carga trasa-se
cora o consignatario Je s Joaquim da Silva Gomes,
rna da Cadeia n. 52._____________________
Rio de Janeiro
Para o indicado porto pretende seguir con mui-
to brevidade a barca portuguesa 5. Joto, por ter a
maior parte de sea earregamento engajado, e para
o resto que Ibe falta, t rata-se com o consignatario
Joaquim Jos. Goncalves Beltrao, ra do Commer-
eio n. 17.
tanta Casa de Misericordia do
Recite.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite, na sala de suas sessoes,
pelas 4 oras da Urde do dte-4 do corrente, ar-
renda pelo tempo de 1 a 3 annos, o terreno que
possue o patrimonio dos orpnlos na estrada de
Agua Fria sob n. 6, o qnal divide com os sitios
de D. Mara Rita da Cruz Neves, e o dos herdei-
ros de Henrique Gb*on, pela quantia de 2404 an-
nuaes, pagando mais 4004 pela matta que all
existe.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do
Reeife, 5 de outubro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
AVISOS MARTIMOS.
O cidado Antonio Augusto da Fonceca, cavalhei-
ro da imperial ordem da Rosa, e primeiro juz
do paz da freguezia do S. S. do bairro de Santo
Anjmio da cidade do Reeife, provincia de P> natnbuco, e presidente interino do collegio elei-
toral do Reeife, em virtudo da lei etc. etc.
Faco saber que pela cmara municipal me foi
dirigido o oflleio do theor seguinte:
Paco da cmara municipal do Reeife 1.* de se-
tembro de 1869.Illm.' Sr.Tendo o Exm vice-
presidente da provincia por officio de 24 de agosto
prximo Sudo declarado a esto cmara, que, ha-
vendo o governo imperial por aviso de 31 de julho
ultimo determinado que M procedesse a eleico
para um deputedo assembla geral legislativa
pelo 1.* districte desta provincia, alim de preen-
cher a vaga qoe se deu na respectiva cmara em
consequencia de haver prestado juramente e to-
mado assento no senado o Exm. visconde de Ca-
maragibe, tinba designado o da 26 de novembro
1 para a reuniao dos eleitores no edificio
do em circular da presidencia de 19 de
iro de 1860 (igreja matriz da freguezia de S.
Antonio), pelo que a mesma amara reeommeuda a
V, S. que convoque para a referida eleico os
steiloatte desta freguezi, os quaes devera reunir
se-aomi
donado dia para aquella fim, como fica
guarde a V. S.Illm. Sr. Antonio Augusto
da Fonseea, juiz de paz mais volado da freguezia
00 Santo Antonio.Menorf de Barros Barreto,
pr-prosidente.Francisco Canuto da Boa-vusotm,
secretario.
_ En cumprimento de referido officio convoco os
{iteres deste municipio pan a reuniao do colle-
gio as-dia 26 de novembro prximo, a fim de pro-
cedefse eleico de um dBJnfade que deve dsr
esta circulo para preeneber a seasedila vaga.
Em oanequencu do qne devora, comparecer na
Igreja matriz deste freguezia pelas 9 horas da ma-
ntas do da 26 de novembro cima declarado, os
4reantetlvoe eteiteres geraes, que compftem o col-
lefio do Reeife; os quaes sfio: de S. Fr. Pedro
Ivn. de Santo Anttnip, de S. Jos, dos Am-
anea, de Santo Amaro Jaboato, de
de S. Lourenco da Malta, do Poco da
Paneta, da Boa Vista.
Epata constar, mandei afBaiar este na porto da
igreja matriz desta fregueses, e publicar pela ira-
prensa.
Reeifs, S ie outubro do 1869.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivao que o fiz e
eserevi. .
Antonio Augusto ia Fonseea.
BfCUBACOtS.
Tela secretona da Santa Cas Csericor-
dia do Reeife, en convida aos parean! das meno
ras abaixo meeeienadas, i, viren rneoino-ls ia
at orpolas, u em sessa Su 30 do niez fiado.
COMPANHIA HAS1LEIIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do sul esperado
al o da 7 do corrontc, o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J.
P. Guedes Alcoforado, o qnal
depois da demora do costme se-
guir para os portos do norte
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas.
Nao se recebem como encomniendas senao ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.-
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicad.
Todo que passar des tes limites deveri ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas as-
sagens s se recebem na agencia na da Cruz
n. 37 primeiro andar, escripterio de Antonio Luiz
do Oliveira Azevedo & C
COMPANHIA BRiSlLEIIl
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 18 do crrente o vapor
Tocantins, commandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
guiri para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros o engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
4er embarcada no dia de suachegada. Eneommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem eomo encommendas seno co-
lectes de pequeo valor e que nao excedan a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicio.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens's se receben na agencia rea da Cruz n. 87,
I* andar, escripterio de Antonio Luiz de Oliveira
azevedo & C.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
VavegatSa costeira par vapar.
Mamanguape.
O vapor Mandah, comman-
dante Julio, seguir para o por-
to cima no dia 11 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebo car-
_ ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 3 horas da tarda do dia
da sahnu : escripterio no Forte do Mattos n. 11
fiio de Janeiro.
Para o indicado porto, pretende seguir com
mmta brevidndo o brigue nacional Isabel, por ter
a maior parta da carga engajada, e para o pen-
co que Ibe hita, trala-se con os oonsiantnrins
Antonio Luis de Oliveira Azevedo C, 1 rqJ|
Croz n. 67, prtoolro andar.,
Para o Rio Grande do Sal,
Val seguir com braviando o brigue
Bou Sorte eanitao Lonreiro, recebo a"
arete, a tratar s eesrietorlo de
maos C, ra da Gruja, 3.
LEIILOES.
Terrenos e esteiras para
forrar casas.
0 agent1 Pontual competentemente autorizado,
vender em leilao os '.errenos seguintes sendo ". o
primeiro com urna frente para a ra da Saudade
e outra para a ra da Unio, entre as casas ter-
reas do Sr. Dr. Alcofarado e herdeiros do Hoado-
Luiz Gomes Ferreira, tendo i'i palmos de frente
e 296 de fundos ; o segundo cm segumeote do
primeiro, com os mesmos fundos, tanto de frente
como de fundos, leed urna frente para a ra da
Saudade e outra para a dos Ferreiros ; seod am-
bos os terrenos foreiros a marinha ; o terceiru
com 300 palmos de frente e duzentes a trezeotos de
fundos, (sollo propro; o qual acha-se defrouto do
muro dos sitios do Sr. Dr. Fonseea e o do Bao
de Bcmlica.
Na mesma nccaso vender-se-ba 11 peca de
esteiras para forrar casas, em estado permito e
Tendo 4/4 de largura, sendo n'um s lote eu ora
diversos, a ventado dos licitantes.
Sexta-feira 8 do corrente.
No primeiro andar do sobrado n. 42, a ra da
Cruz, as II horas. ____
LEILIO
] i a 8 do corrente.
O agenlg/oivera far leilo por conta e risco
de quem perteneer, de urna caixa conteado 7*
pecas de mastico de seda e de algodo 011 fita
elstica de borraxa, 17 duzas de camisas finas in-
glezas avariodas. e de urna caixa de caetas, pea-
nas d'aco e botos de punho, etc.
Sexta-feira 8 do corrente.
s 1 i horas da manba, em seu esc iptorio ra
da Cruz n. 4, primeiro andar.
AVISOS DIVERStt.
Eustaquio Antonio Gomes, e sua mnlher D.
Thereza E. S. Gomes, a professora publica da vil-
la de Agua-Prela tendo retirado-se para N. S. do
O de Ipojuca para onde fura removida, agrade-
cem cordialmente a todas as pessoas daqaeiaa vil-
la com quem tiveram a felicidade do cotreter re-
lacoes d amizade, com especalidade ao Sr. Fran-
cisco Antonio das Chagas c sua familia offerecen-
do seus limitados prestmos no lugar onde ora
resdem.
Uvas e maguas desembarcadas
hontem,
ptimas uvas (;oltas dascaixas) multo doces, e
macaas : ao deposite de pao
larga do Rosario n. 36.
e cestos na ra
(APELLAS
Vende-se
para dia de tioados (2 de novembro), na toja le
Antonio Augusto do- Santos Porto, na prac> da
Independencia, nico deposito nesta cidade, ricas
capellas para se collocaren) uas catacarabas a t-
mulos, no cemiterio publico c as igrejas, cora
as inscripeoes seguintes:
aeu p.ii.
Miaba roai.
Meu esposo.
Mioba esposa.
Meu filho.
Minha alba.
Meu amigo.
Saudade.
Urna lagrima.
Preoisa-se Ae um caixeiro com pratica de
nadara, e raolhados, t que d fiador de su con-
ducta para um estabeleeimouto fra desta praca :
a tratar na ra estreita do Rosario n. .
Cozinheira.
Precsa-n de urna eosinheirn livre on eserava:
na ra do Crespo o. 22.
0 eondutor de boljas.
Roga-se a est senhor que quando lr na nata-
cao da via-ferrea ver freguezes que vi senado
para assira dar nwlhor commodo a seus fregut-
zes ; este senhor dittm os meninos que mera na
coxeira das s
CLUB
te portas.
O sea camarada,
Juca.
PEMAIB0CI1I0
9 corrente mez tora logar ti tate
A partida < o corrente
do dia 14. ______
0KTjTnW^
\Xos 4:0001
Buhe tes garantkkw.
A roa do CiuMo n. fl^casas 6
Acham-sea nadaos Wlbntes
totora n neaeneto 4s UM Cm^ *
013*) que se eairnnraao dia 16 de
Pinen-
Os denostme.
Manoel
^ ; Faz-w eomida par*
ajUo : a trar atrnij
i

\


mm
m
i
Wmde fiffwHw Ti.Ssw11 fera 7 d, utu
de
>(
1860.
Mo varios reguamarHos" (te iroptoto* ilte-i
rudos e creados
pela le n. 1507 de 2G robra ds
1867, comjgrftMoaendo
s *e p<*sso%l; Mrav^lnwsWM e prrt**5*3,
sello ( organiado a I ph abticamente, explicando
cada acto a qoe sel! 3 est 3ajeto ?e se deve em-
pregar estampilla ou Terbn, do prmeiro caso
^uera deve frutiliM-la), transmissio de proprie-
ade, dizima de cliaiirearia, emolumentos, mul-
tas applieadal faiert"a publica etc. etc., e era
appeadice o do cofra de depsitos
" pblicos
notadas cora as
institu.ic.oes detis5.;s posteriores
at a presente publieaciu
por
Francisco Angust de Alineida
Io eseripturaro
da
rocebedoru de Peraamjiuco :
aena-se no prelo c breve a ser publicado ; as-
signa-se na ra cstreita do Rosarlo n. 12. por 3
o volumc ; depois de publicado cuitar 4J para
3aera ni> assigoar. Torna se de grande ulilida-
e aos Srs. aJvogados, solicitadores, negociantes
funecionaros pblicos, a acqutsico deste. tra-
balho.____________________________________
Aos laboriosos.
Cnncei tam-se.
sob flanea, machi-
nas de" costura,
com perfeicao e
presteza, fazen-
ilo-se mesmo
qualquer peca
que por ventura
se quebr; assim
como machinas a
5 vapor, cylimlro-
Li'^de padaria ou ou-
"Vilro (pialquer ma-
? cbinismo tenden-
te a industria do
paiz, sob as mes-
illas condiroes cima : na ra dos Patos n. 8 ou
ra Dlre"ita n. 64 loja. _______
Companhia indemni-
sadora.
Era cumprimento do artigo 10 dos estatutos da
te es m a companba serao vendidas 30 de suas ac-
ooe, om dous lotes, sendo un de O, dos ns. 831 a
S30, e outro do 10. de ns. 791 a 800. Qs preten-
lentes no lem dirigir as suas propostas por inter-
medio de corretores geraes ate o dia 13 do corren-
te, no escriptorio da companhia, ra do Vigario n
4. Recife 6 de outubro Je 18G9.
Os directores,
Jlo da Silva llegadas.
Francisco Joo de barros.
= Uamiio, cabra, de ti anno-- do iJade, nao
tom barba, cabellos pegados, muito manso no fal-
lar, boa e-t.itura, qu-indo anla muito aprossado,
bera corpulento, queisadas m uto largas, e quem
olha|parece inchacao, tem muitas cicatrizes de chi-
cote as costas, c est cora as pernas feridas pro-
veniente de furos, levou chapeo de bata velho, ca-
misa de chita ; este cscravo loi do Clemenliiio
Jos Baptista, morador era Santa Rita da Paraby-
ba, e cimprado pelo abaixo asignado ao Raro
-de Nazaretli : qaem o pegar entregar no Recife
aoSr. Joaquina Rolrigues Tavares de Mello, que
ser gratifleedo. Suppoe-se ter ido para a cidade
da Victoria.
Antonio F. C. Lins.
O tenente coronel coramandan'e c oflieiaes do
batalhao da guarda nacional n. Si, convidara aos
parentes e amigos do finado tenente cirurgiio do
mesrao hatalho Hcrculano Fortuna Pessoa, para
assUtirem a urna missa de rquiem que ser ce-
lebrada na matriz desta villa sahbnilo 7 do cor-
rente, as 6 horas da manhaa. Villa do Cabo 6 de
outubro de 1869.
Troco miudo.
Da-de bom premio por sedlas de 1000, 2*;
Si, 10j e 20ft /nova estampa: na casa de Theo-
do-ro Simo** V C, largo do Pelourinho n. 7.
Precisa-se de urna familia capaz que se en-
carregue de lavar e engoramar roupa de hornera
com toda a perfeicao e asseio, e se responsabili.se
por qualquer falta ou troca : dirija-se a ra Bella
n. 37, sobrado de dous andares._______________
E. R. Habello mudou o seu escripto-
rio, da ra do Gommercio n. 44 para a
mesma ra n. 48, Io andar.
Precisa-se de um homem para feitor
4e;pequeno sitio perto do Recife ; na ra
do Imperador n. 15, officina typographica.
Attenciosamente se pede a um Sr.
chapelleiro que dizem ser senhor d'um mo-
leque cabrinha por norac Tlieodoro, que
vive pelas tabernas e ra das Cruzes, insul-
tando com deboxes, e praticando actos offen-
sivos c prejudiciaes, que o corrija de seus
erros, e quando assim o nao compra soffre-
r o que lite flzerem, pois que nao ba quem
solra taes insultos, c olensas prejudi-
ciaes de qum 6 ncompativel para o
fazer.
No ultimo caso nao ter o senhor razo
de queixar-se eas autoridades ficam scien-
tes desta advertencia, nao ser5o pontnacs
para uns e com morosidade para oulros!
Da-se 1:300* a juro de 1 1|2 0|0 com segu-
ranza em predio dentro desta cidade : a tratar na
rita da Palma n. 63.
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : na ra da Cadeia n. 21, loja._____________
Precisa-se de nma para o servico interno e
externo de urna casa 4e familia, prefenndo-se
escrava : na ra larga do Rosario n. 16, por ci-
ma da padaria do Sr. Manocl Antonio de Jess.
Precisa-se de um menino de 12 a li annos,
para caixero de taberna : no pateo da Penba nu-
mero 10._______________ ____________________
Engomma ieira.
PrecUa-se de urna engommadeira : no segundo
andar do sobrado da ra Direita n. 82.
Precisase de um menino de 11 a 12 annos,
prefere-se portuguez dos ltimos chegados da Eu -
Topa.
WISO
Pra fazer pa : barata preeo
dtias pequeas casasSHHft tnipa em mo estado
e mitrado um oitao, frente o fundo de lijlo, em
chao rureiro, e ara poo para peixe, na na do
Carn.iro, fregueza dns Afogadoa : a entender-so
cora Francisco JosFerreira Bastos, na ra de
Santa Cecilia n. 37.
Precisa-se de urna ama livre ou eserava, que
saibacoziahar e engommar : na ra do Queima-
do n. II.
SOCIEDADE HIAO BENEFICENTE MA-
RTIMA
Pela directora s3o convidados todos os socios
para comparecerem na reunio da asse.nbla ge-
ni, no domingo 10 do corrente, as 10 horas da
manhaa.
Secretaria da sociedade Uniio Beneflcentc Ma-
rtima era Pernambuco 6 do outubro de 18t9.
O I* secretario interino.
Manoel Lopes Ferrcira.
THKATRO DE OLINDA.
Dom ngo, 10 do corrente, as 10 horas do dia,
hav?r retraan peral dos socios deste theatro, afnn
de se proceder a eleicao da directora do corren-
te anno.
Hotel Uniao, ra do Hospicio
n. 84.
Este novo estabelecraento forneco comedora
com promplid'o e aeeio, tanto para fra como pa-
ra dentro do dito eslabelerimento, assim como nos
domingos e das sanios ter mo de vacca e outras
iguarias, todos os das ha ver papas d diversas
qualidades ; assim, pois, o proprietario esperando
respcilavel publico toda concorrcncia e protecQo,
visto ter um bom cozinbero.
Sociedade patritica do Poco da
Panella.
De ordora do Illm. Sr. presidente convido a to-
dos os dignos membros das commissoes de feste-
jos desta freguezia, a se reunirem quintaJra, 7
do corrento, a) 5 1|2 horas aa tarde, no iwlll do
Monteiro, para se tratar do negocios relativos ao
lira para que fui creada. '
Severino Duarle,
Secretario.
Oierece-se urna ama para o servicio interno
de una casa de pouca familia : na ra do Cal-
deireiro n. 86.
O Sr. Antonio Augusio llaciel queira, a ne-
gocio de seu intoresse, apparecer no caes de Apol-
lo, armazera n. 69.
C'orpo patrioco de laaceiros.
De ordem d> Illm. Sr. tenente-coronel commin-
dante, scientdico aos Illms. senhores offlciaes e pra-
?as deste corpo, que domingo, 10 do corrente, as
5 horas da tarde, haver exercco no sitio do mes-
mo senhor commandanto, Porta-d'agoa, em A-
pipncos.
Secretaria do corpo patrioco de lanceros em 3
de outubro de 1869.
Severino Dnarte,
Tenentesecretario.
Aluga-se urna casa sita no Monteiro, com
commodos para familia, alugam-se mais alguu*
q uartos proprios para rapazes : a tratar na ra
.Nova n. 21 II.
Precisa-se de urna ama : na ra de Hartas nu-
mero 70____________________________________
Alugam-se duas escravas para servic. inter-
no de casa de familia : quem precisar dirija-se
em Santo Amaro ao sobrado junto do cemitorio
inglez.
Na ra de Hortas n. 1, precisa-se de urna
ama para cozinhar e comprar.
* Na ra Direita, loja de calcados n. 32, pre-
cisa-se de dous ofllciaes sapaleiros de ponto, que
sejam peritos e assiduos. paga-se bem.
Leonas de Luna Froire, professora publica
de instrucQo primaria do sexo femenino da ca-
deira dos Arrumbados, avisa aos senhores pas de
familia que se acha com sua aula aberta desde o
Io do vigente. ________
PERDEI
na povoacao de Apipucos urna carteira contendo
90 $000 e urna chave de relogio : a pessoa que
achou, querendo restitui-la mediante urna boa re-
compensa, dirija-se ao hotel do dito lugar.
CRIADO
Precisa-se de um criado, preferndo-se escrao:
na ra das Larangeiras n. 29, hotel commercial.
AMA
Precisa-se de urna ama, livre ou escrava,
que saiba bem cosinhar, e seja de muito
bons costumes. Dirigir-se ra Bella n.
37, sobrado de 2 andares^_____________
Aluga-se urna casa no Poco, ra do Rio : na
ra de Hortas, sobrado n. 48.
kl'IU.KK & C, ra da Cruz n. So, re- f
cebem encommendas de quem quizer se i
utilisardas produccoes do bem conheci- {
do eslabelecimento geographico ge tope- |
graphice de I
urster Rendegger & C.|
WIX1ERTHUR NA SISSA
Premiado as exposicoes de Londres e i
Pars o qual se cncarrega da lithogra- !
pitia e impressao de cartas geographicas, 1
plantas de cidade, plantas de emprezas |
technicas e de qualquer trabalho impor- >
tante deste genero.
No escriptorio dos mesmos acham-se i
algumas amostras das produefoas do di- j
to estabelecimento.
Trilhos urbanos do
Recife a Olinda.
O escriptorio d'esta companhia foi transferido
para o primeiro andar do predio n. 3o da ra
Nova, entrada pola ra das Flores n. li, o aual
estar aberto todos os das uteis, das 9 horada
manhaa s 4 da tarde.
Recife, 4 de outubro de 1819.
Joo Joaquim Alces,
1* secretario interino.
BEBER1BE.
Aluga-se uma casa na povoacao de Beberibe,
com trastes : na ra da Imperatriz n. 15.
Precisa-se
nm trabttlnndbr para a bbrica de emeja da
iaa da Floreaiinn n. 20, para todo o servrro.
qner qiiantia sotre ouro,
prata e podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pel
governo, est as condices de ga-
rantir a transaccSo que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ourd,
prata e brilhantes.
ttencao.
Precisa-se de-una senhora que nao lenha fami-
lia e qne tenha eoshecimento da hngoa nacional,
par ensinar pwmeiras letras e trabalho de-gu-
Iba em um engento distante desta eidade seis le-
goas : a tratar na raa do Alecrim n. 14, e paga-
"c bem.
Precisa-sede uma criada pnrttigneza de con-
ducta afiancada, para turar de meninos era uma
casa de familia, uevendo saber lavar e engommar:
a tratar na ra do Crespo n. 12, escriptorio.
Aloga-se
urna ca a era Belwribe : a tratar com J. I. de M.
Bego, ra do Coraraercio n. 34.
toa da Madre de Dos n. 2G
Precisa-se alugar nmo escrava de mea idade
para tratar de meninos.
Precisa-se alugar um moleque de li a
annos : tratar na ra da Moe Ja n. 17.
O testamenteiro do fallecido subdito francez
tao Vignes, convida aos dev*dores do finado a
Idarem seus dbitos amigaveunente,do contraro
swao ajuizados sera excepcao algnraa.
Para festa.
Aluga-se um sobrado de um andar m7&kPn
\mpani n. 22, em Olinda ; para ver, pooeni pefdir
a chave na taberna do Sr. Guilhermc. junto do
nesmo soiirado, o para tratar, na praca da Inue-
wndancia, loja de cateado ns. 37 n 39._________
Ama.
Na rna da Cadeia n. 50 precisa-se de uma ama
para cozinhar.
Precisase de comprar um cscravo de meia
dade ; quem o tiver apareca no pateo de Terp:
i. 63.
AliiRa-se uma boa cusa pira passar a festa,
na povoacao do Monteiro : tratar na ra Nova
o. 45, 2a andar.________________________________
Precisa-se de alugar um piano ou compra-
se : pessoa que tiyer derja-se ao pateo do Ter-
co n. 63.
Precisa-se de uma ama para casa de
olteiro : na ra da Praia n. 58.
mo
c*
Aluga-se nina grande casa e silio, tendo c*
cimba com muito boa agua de beber, perto da
povoacao da Varzea e do rio Capibaribe ; outra
dita pequea junto a mesma ; a fallar na roa de
Hortas n. 2, Io andar. L-_______________
"*
mnibus para Olinda.
Francisco C. de Medeiros avisa ao publico qne
do dia 9 do correte havera mnibus para a dita
cidade as horas seguirte? : do Recife para Olinda
as 8 horas da manhaa, c a larde as 3 1 \i e. '' I \i,
de Olinda pnra o Recife as 7 e 9 da nianhaa, e a
tarde as 4 1|2, sendo o preso 500 rs. por viagem.
Ama
Precisa-se de uma ama para cozinhar para ra-
lzes solteiros : na rua da Lingoeta n. 1.
Pao inglez
de encllente fabrico, todos os das, das 6 as 7 ho-
ras da manhaa, na rua da Camarao n. 13.
Precisa-se de um menino para calxeiro de
taberna : na rua da Concordia n. 152, ou Augus-
ta n. 78.
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
"So Recife arco da ConcelcSo n. S
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
es bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagarn as surtes que sahirem
no mesrao bilhetc com o descomo da le soraente.
PRECOS.
Rilhete nteir'o 24*000
Meios 12000
Quartos 6*000
E de 100* para cima a 22* o Mnate.
Figuciredo & Leite.
Or. 1'aulinTodngies Fernandos Cha-*
ves e sua senhora, convidam aos seus prenlos e
amigos para assstirem a uma missa, que ser
celebrada na matriz da Roa-vista no da 7 as 9
horas da manhaa, por alma de, sua muito preza-
da cunhada Alice de Miranda Chaves.
AMA
Precisa-se de ama ama para compar e cosi-
nhar, paga-se bem : tratar na rua Nova, loja
numero 11.
Os abaixo assignades que (orinaran) o corpo
d<; choro doex-theatro do Santa-Isabel, desenga-
ados de tantas promessas, era tao curto periodo
do tempo desvanecidos, sendo todos pas de fami-
lia, e devendo voltar seus lares,nao lie resta ou-
tro meio seno recorrer benevolencia do magn-
nimo publico desta cidade, o qnal foi sempro e
primeiro na philantropia ; ueste intuito conflam
os abaixo assignados em sua bondade, querendo
assim levar sua patria chara lembranca do Bra-
sil. Os mesmos auguram muita feliclade aos
gonerosos cora roes. Desde j os abaixo assigna-
d i> protestam fazer publico os nomes da<|uelles se-
nhores que se dignarem' concorrer com o seu
01M1I4 para esse Ora tao justo.A*dC.oelto .C. ^
tavilla G., Albinolo C., Zoratti C, Rainri WT,
Saccomano F., Boara Q., Baggio P-, Raineri T., Rai
neriC, Albinolo A._____________________________
Alugam-se por festa ou por anno tres casas
terreas,'sendo duas de pedra e cal nos Arromba-
dos, uma del las grande e a outra pequea, a
grande tem 5 salas, 7 quartos, cozinha fra, casa
de preto, quintal murado, cacimba e arvores de
frusto ; a pequea tem 2 salas, 2 quartos, cozinha
fra e quintal em aberto ; a terceia qne de ta-
pe, em Beberibe, no sitio Matumbo, tem 2 sal*
nhas, 2 quartos, cozinha fra e quintal em aber-
to : quem as pretender dirija-se a seu proprieta-
rio. nos Arrombados, ou na rua da Roda, sobrado
n. 44, que achara com quem tratar._____________
ATTENC10
Deseja-se com urgencia fallar ao Sr. Francisco
da. Costa e Silva, que se diz negociar em fazen-
das, sobre orna sua letra passada a Guimaraes &
Silva, firma fallida nesta praca, praso de nove
m?zes, ej vencida. Pede-so mais ao respeitavel
corpo comroereial ou quem ao mesmo senhor co-
nhecer, de alguns csclareeiraentns sobre sua resi-
dencia etc., rua de Santo Amaro e travessa do
Lima n. 2.
Alugam-se
duas casas terreas sitas no Manguinho, a raargem
do rio, recommendaveis pela vis frrea : a trataj
na rua do Vigario n. 31.
Ama de leite
Precisa-se de uma|ama de'i.te : na rua da
Praia n. 49, lanar.
Precisa-se de um caixero: na padaria da rua
Direita n. 8,________________________^^_
Na padaria da rua Direita n. 21 precisa-se
alugar dous escravos para o servio da mesma.
Amas
Precisa-se de duas amas, sendo uma para lavar
e engoramar, e outra para cozinhar e comprar
para casa de pouca familia, prefere-se escravas :
a tratar na rua do Imperador n. 17, 2" andar.
Engommadeiras
Precisa-se de duas engommadeiras que sejam
perfeitas e pagam-sc bem : na rua do Brum nu-
rtiero 100.
Ama.
Precsase de uma ama para engommar para
uma pessoa : na rua da Roda n. 46, Io andar.
Antonio Jos Gomes, faz sciente ao respeita-
vel publico e principalmente ao respeitavel corpo
do commercio, que comprou livre e desembanca-
da a venda pertencente ao Sr. Joaquim Soares de
Moura, sita na estrada de Luiz do Reg n. 40,
quem se julgar com direito dirija-se a mesma du-
rante o prazo de tres dias a contar desta.
Recife, 4 de outubro de 1809.
Precsa-se ue uma ama para cozinhar : na
rua de Hortas n. 9i,sobrado.
Casa
IHmfefilliSi wIIIiAfV
Nova loja de calcado
JOAQUWDIAS DOS SANTOS dVC. acabam de abrfr om stabelecknsto d cal-
cado estrangeir* a na Nova d. 30, onde o publico encontrar tudo o qne ueste ge-
nero de commercio lia de melhor e de mais gosto em Pars e Londres. .
Por todo o vapores transatlnticos recebero elles constantemente remessas de
calcado novo, peto que ter sempre o eslabelecimento oque a respeito se pode exi-
gir. Ao publico m geral e a seos amigos em particular, pedem a cooperario, que
Ibes possam dispensar, certos de qne ser3o servidos cora leaWade.
isimmi mmiimHni iui!
S5

B
a, a.-
g s
3 s
2. f
oK
a "
SS
i* 3
c f
3
3
c 5
og
3
oi
o> n rs fc-
3. &3. ~ g s
- S? ^ 3 7 ^
2is 4 o
a- a> O c
r-gf*
2 2 S'2Lb3
o.S 2.
B) S O
"5b
a
o
c 2 <
5T 3 a
3.2.3 3 er g
a -I
< w re
3 c
D 3
&o

vi n
-5
B>
(O
o.
o"
v>
5
O 5 g
sr si
VI i. V,'
sr o _.
003
o
o
aj
S S" 2. P
0.3 3
o S o.?
3- 2. a
g"o
Vi
O" V J. J-
2 o sr
cr
lsi'Sa
a a c 2
=r. o. i? 03
I o 2
C 3
I .o*-^
2
2 2.
B 5
o|
t) O
en -
Vj
5" S
VI
>3
3w v
VI ."
O C
a
2. c e u
n o. v
--o u u
" O u 01 c .,
a.
Pl3Bff
ft)>N fi> U C
1.111 Eli MWM
FIO II l VFXA
Barbante
Em casa de Rabe Schmetau & C. Corpo |
Santo n. 45.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
i O-\ 1C IIK^AKSSV.
Em casa kde Ilabe Scbmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
CAHMPANHA
SUPERIOR*
Koussillon, carte blanche.
Em casa de Rabe *ehmettan *
ti Corpo Santo n. 1..
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU L.\ ROSE.
CHATEAU RAIJ AW
Em casa de Rabe Scbmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRAFOSO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
aesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: a.
rua do Vigarion. 4, pavimento ter eo.


Bartholomeu & C,
Manoel Lo|>es Ferreira, tendo vendido a ta-
berna sita ara nova da Cadeia n. 7. julga nada
dever; e quem se julgar credor aprsente sua
canta no prazo de oito dias contados d'esta data,
na rua do Rangel n. 3, e roga a seus Obradores
que no mesmo pra venham pagar o qf? devera,
afim de nao serem ejecutados.
Reeife, 2 de outubro de 1869.
Ama.
V
Precisa-se de urna ama que compre o eozinhe
para duas pessoas : na rua da Seiala-nova n.
112, 3" andar.__________
Fallencia de Marques
Silva & C.
O abaixo assgnado, a bem de seu crdito, de-
clara ao respeitavel corpo eonwierclal que tendo
frito parte da firma Marques, SilvaAC. na qualidadc
do commaoditario, e vendo que a fallenclS oaqnella
lii-ma se acha declarada, dechira pet^.Wesonie,
q e j nao lazia parte della por se ter desligado
com o consentimento por ascripto dot ^pectivos
Recife, 4 de outubro di t8Q..
itonoei MmUsii" da Cinifc.
Precisa-se alugar uma casa com quintal, sita
nos arrabaldes, dando-se preferencia a Boa-vista,
de 300000 a 500000 por anno : a tratar na fa-
brica do gat______________________________
Carlos Antonio da Costa Carvalho deseja
fallar cora o Sr. Jos Bahia da Costa Carvalho a
negocio de seu interesse sobre uma heranca : na
praca do Corpo Santn* 6._____________________
AMA"
Precisa-se de uma ama forra ou escrava, qne
eozinhe c compre para pequea familia, e tambera
de um moleque ou negrinha : na rua do caes Ca-
pibaribe, casa nova com portao de ferro ao lado.
Precisii-ss
de om caixero que lenha pra tica de taberna : na
travessa da rna das Cruzes n. 12.
Obra curiosa.
Est impressa e exposta venda pela quantia de
1000 cada exemplar a obra intitulada.
E' um monumento de especialidades brasileiras,
em verso, senao sublime, mas de portuguez de
bom caobo e de uma verciGcacao deieitavel.
As notas em prosa sao tilsimas pela sua or-
ginalidide, contendo at receitas uteis diversas
eofermidades.
Esto pequeo livro cm brochura o nico, que
ha no Brasil, proprio para as oselas, e digno de
todos os Brasileiros que prezam o bem de seu
paia : as Irvrarias dos Srs. Lailhacar e Nogueira
0 agente de. compras e vendas de
Precisa-se de uma ama para cozinhar ou
engommar : na rua da Cadeia n. 10. s <
Joaquim Jos on-
palves Beltrao
RUA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ran-
eo do Minho, em Rraga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valen?a.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Vianna do CasteUo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalic5o.
Lamogo.
Lagos.
Covilh3a.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
leja;
Barcellos.
escravos, Jos MartinsAlvesdaCruzachas-
l,se residind na raa "de (tortas n. 96, promp-
to a deserapenhar nao s o seu dever para
este flm, como para outros que seus com-
mitentesojulguem habilitado mediante suas
respectivas commissoes.
Aluga-se
o sitio na estrada da Torre do finado Diogo Jo3
da Costa, com boa casa assobradada, eocheiras
para carros e cavallos, e quartos para pretos, bai-
xa para capim, arvores de fructo, com todas as
comtnoddades ; quera pretender appareca na rua
No** n. 12. _______________
r- Em ca"sa de THE0D0R0 CHRIST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as quafcdades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintura
de jlirubeba simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadas Emplastro da mesma
planta preparados por
BaRTHOLOMEO & C
Pharmaceuticos-Droouistas
PERNAMBUCO
A Jurubeba : esla planU hoj reconliecii
como o mais poderoso tnico, como o melhot
deob(roente, e como MI applieada nos padeeimentos
do ligado e baco, bepaliles, duresas, tnmorea inter-
nos o especialmente do ulero, hidropesas, ervsi-
pellas, etc.; e ssocitda o ferro til as paltido
cores, chloroses e Taita de menslruacao, dejarran-
ios do estomago, etc., e o que disemo aUeiUo
innmeras curas importantes oblioes oom oosao
preparados j bem conhecidos e usado* pelot mais
disUnctos mdicos do paiz e Portugal. Em lod es
nossos depsitos distribuimos gralii folMtos am
melhor fasem conhecer a lurubeba seos reeoltado
apfdlMcao.
O advocado
AJIonso de Albnqnerqnc Mello mudou o sen es-
criptorio para a rua das Cruzes n. 37. defronte fci
typographia do Diario.
Precisa-se de uma ama para casa de poucii
familia : na rua do ilderero n. 68.
Precisa-se de uma ama livre para comprar
a cozinbar : na rua da Paz n. 2, taberna.
PULULES
DE VALLET
siMLr;
As Pilulo de Talle, approvadas pela
Academia imperial de medicina de Par,
sao empregadas cora o tnaior ^^aaaw
xito para curar a chlorotis, '
e fortificar as constiturcCes
fiacas. Nunca este ferrugi-_______
noso ennegrece os dentes. ^^*^
Para a garanta da sua authentioidade,
o nome do inventor vai gravado em cada
pilula como i margem.
.. I em Bio-Jimixo, Dnpoiickellt; Ckcrtlol.
DffOSlU '
I em I'ERtunco, Uvutt 4 O"
RUI
CABUG
esquina
[da rua larga do
Eosario.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra caso, pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-s sey tudo de lyei. Comprase puro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja est aberta at fts 9 horas da \0a. '2t..
iLi^CJJi^nc "pcrpvz pe ^eracrbx%ETttctscrsiu1 -*it*3
esquina
rua larga do I



de Pernambuco c^ ^ukta ^a 1 de Outo de"I#
i?i fiiH riTi
JPVf
II S
CJURffO DE MtLOC
PARS
^T.T^f
Approvado racoaamaitodo H Aoaderat taperitl d medid dt Para pan a
can da gasWlgi tra erl delgas as does^s nemus do estomago e do* intestino,
t egvatmenle o remedio por exccllencia contra a retencio de WBtw._Kn;Jmentt em
raiio de suas propriaddes absorveateS) t recoinmendado como Terdadeiro remedio nos
eaios de diarrliea e chplerma. O rrt> *> Ddloe toraa-* na occasiSo das comidas
aob a forma de pea ou de pastilhaa.
lMpodto em Iho-JMiamp. BufvntU; Cktvolct. Em FaMAaapo, Jtyinr V.

II \ i
h-
(tjL\H RimiAoi mam
Mikroskope achroma-j O\o^v>v_^
lisehen. Gbjetiv a^l^gj^^sL
sen.

i Raromalre o termo-
' mtre. Centgrada
(i reuomeure.
DE
Cresa admirac*,
Mas iao se pode duvidar;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
rmscincK

E crystal de rocha do Brasil.
F. JL CteriaaM. rccommenda ao publico, seus vidros periscpicos apereicoa-
dos; porque, com estes vidros, a vista descansa, forfifin-se e nao a cauca como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolbido dM vidro, pode dorar doz annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-tos lodos os annos e os ter
.Ti _k_ i n i cada ves mais crousos. o ue altera o crysUlino do olbo e determina quasi sempre d-
toos doste topeante e magn.Qeu araw^ d/vista e ^ de 30 centimetro. do lho, e,
todas s veees que o objecto est mais ptrtffou ais tonga, os raios que expelle s3o
fEiREii.4 i mu
"
n. 3, julgando no aceilarem concordata alguma com os seus collegas resol* eram der
nominar o seu armazem INDEPENDENCIA, assim como o seu fim nao seja illudi-
o respeitavel pdblico deixaro de anounciar, sem o que o mesmo oju^oe o admire...
Mas como nos pontos da via frrea, j so tem discutido e apreciado a realeza e.impos-
sibilidade a ver queni vende gneros tao barato, por esta razao que ninunciamos para
que todos tasto da praca como do mallo aoreditem o que neste asseveram e aquellos
queainda nfe nos tenham honrado com -aras fteguezias, pdelo-dirigir-se ao raesmo
n, I Wl ISO AGUA BElft
U demonio mwi^u-se por ua livre e expontatieatontade
VIVA 0 DA MS.BARTPLOMEP
Agora rnnguem presuma que foiumtkmonfa qualquer, jet
FERKESftA & IRMA,
Ba 0 Rangel n. 3, armazem da Indepen-
dencia.
mui convergentes tu mu divergentes e a-visio hW i perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de facer,convergir muito de sorte que a vigo nao distiocta.
Com a applieatfSe de meus Orea pde-se vencer e*a difficuldades. Para os que tem
a v*a ourU e oujo crystatttw mui convexo {o que faz ver bem, de perto, e mal de
tonge), o que se chama afyope, por meio de um \idro concavo affasU-se o ponto de
vista, e que fas divergir os objectos e deixa ver tao longe como as outras vistas. Quan-
a urna certa idade,
nao enxergam seno
o, estes enxergaro
tao distioefemente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando e
vita priMipia eufraquecer, previa-se o mal.
IP. oolher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Rira qe sao fabricados estes vidros ? ?
Para vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
AUR DELSUC
CABELLE1REBW
7 1 luu do Ores-po17 andar 7 A
ENCONTOAR-^EiHA sempre neste esta:berecimento um variado e.tostto sorti-
mentoom perfumriasTraiicezos e inglesas coja liato -damos aos leitoros.
LUYAS Manca 4;wanitda de JOUVIN.
EXTRACTeS.-^De-eaperior qualidade marcas LUB1N A GOSNELL.
DITOS FrSOS.-*em frasq-iinhos propniostwra prsenles Lubin & POMMADASBaiihn fina de varios cfcoirosLtihin.Gosnelle, SocieiJ^giniqui
SABONETES. finos para toiletteUAm A Monpelas.
AU EMBFRCE.agua para limpar dallesSociet Hyginique Lubin-A
/ierre.
BRILllialiriNA;--tpara lustrar a barba -e os cabellosLubin.
VSUA WH 0OUO3IIA..Marca verdadera de Jo3o Marina Partea,
COSJffiffKX).hairosoLubin.
POZ E ARR6Z.ditoLubin.
HUlLElSErMJUROleo para cwiservacao doscabellosSGoiet.ftyainique
ESCOa?ASPIN.VS.para cabeHos, efivjs eunhas.
BLAliEJIIJ.Piooel para baiba.
GRAMWS.para cabellos. \ ^ r
REMfiS OVI8I\ElS para cabeltos.
GRAYMDcS !LWaMS$LMAS. -do melber gosto.
i(E.Ni3at.AS.--de phantasia, para passeio e de diverses lamaobes-etc, etc., etc.
A la parfumerie ^arisieniie.
7 'A BUA DO CRESP
1." ANDAR 7 A.
UBAS CURADAS
E
as molestias sypliiliticas.
n:\A)
ELEXIR DO K. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que lauta aceitago tem meieoido ao Rra-
-iH, as reptabticasdosul o na Allemanha eapecialmente para cura das boubas,
sanias, rhouaMtkaK<, todas as mutestias sypkiliticas e em geral (odas aquellas
.overa da eoporesado sangue.
% UMGO DEPOSITO
KA
JPflMraaaefa e drogara.
m:
Barthotomen 4c C.
t4Ra Larga lo Kosario34

Mas nlo sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA MIIS PERTO DA WATRK
Sea dominio est hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA D4 ARAGAO H. 32
TE\IIA]fI VE-IiO
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostra
E as diabluras que faz!!!
Negra tranca no eolio lhe ondeia
Solta briza ao mago desdem :
licita a fronte n'um peito e condece
t Quantas maguas o seio conlm.
Esta linda e gentil creatora tambem _________
Queijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxwihas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Para agrada-,
Venhin fregu^es
Qae hao de gostar,
N. B. Brevemente ser annunctado o dia, em que esle importante armazem de i
toados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os fregiiezes visitar o Meso ea-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener* s por pre?os muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 1#300 por 500 Vinho bordean* em caixa, 7OOO.
1
Para a vista myepe, (vista curta).
Para vista que se cobre de aovos.
Para a vista qe por momentos, v es-
voai.ar pequeos .pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de (raqueza.
?Para a vista gue os olhos sodesiguaes.
Para a vista que se turva com o iraba-
lho c a leitura.
'Para a vista presbyta (vislagaton ).
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do ollio se cobra de catarata.
.* fWHS'
Soptim-nte de binocutes
para tbeatro, e oculos de
alcance para o campo e ma-
ntilla.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relajos para plrede, que d5 horas e para
cima de mes dos mais lindos modelo Rdogios para algibeira, de ouro, prata, prata
donrada efuleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua gavaN. 21.
10TAIirW^fMS~
16RA DA CRUZ16
Ha diariamente sortimento de hollinos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vinhos de superior qaalidade, cha Hisson preto, e ntiudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentas, a saber:
Pecas de nougat. Paes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de cararailo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armacao de assucar. Empadas.
Oh
5-i
FLOR BA BOA-VISTA
gramtnas.
Dita dita a 1J200 idem.
Dita dita a 1^000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3)5500 idem.
Dito dito a 3)9200 idem.
Dito dito a 3)9000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a. 200, 20 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiarmas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.'
a lata. '
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de ."Gerentes mrreas. a'
1,9400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 ia.;
Banha de porco a 720 por 500 gramma.
Vinho do reino, garrafa a 10800.
Charutos do Lima a 5(9 e 60 a caixa.
Sabode massa a 240 rs. por 500gram-
mas.
Latas com ameixas a ti, 10500, 2080
e 30500.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 1$ por 500 gramolas.
Frascos com macas sectas a 20000.
Serven de differentes marcas, duzia 60>
Tapioca do Maranb3o a 240 rs. por 50
Fructas portuguezas em calda a 600 rs. grammas.
a lata.
Ditas s depecfgos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 10000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de ^rco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
Garrafas finas para meza, o par 50000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarra lado a 10000.
Presunto am barril a 489 i$. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G?z, Uta a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de pcixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10200 a hila*
Latas de pao-de-l a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores finos coran coracol, amisade,
outras muitas marcas a !0OOOrs.
Estrilinhas para sopa a 860 rs. por 50*
grammas.
Marrasquino de zero a 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gam-
mas.
Os proprietarios garantem tullo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se e\pucar qoelles
que nao entendem.
VEJAM QUE DIABRBA
Tirar premio sem comprar bilhetes !
Isto s- pode ser artes do
BOM DEMONIO
Est decidido=o mundo marcha!
Leiam=admirem
E...... espalhem pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASSUMPTO CABE Elf VERSO.
BOAS FESTAS SEM CSTAR DINHE1RO
i
i-
)
- {
QUE PEfKHA I-
No intuito de fazer urna fallada o bom demomio resolvou mimosear d'ora.
em diante com um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez lhe comprar 50000 d
gneros, com dous a quem Runprar 100000, e assim por diante sempre nm bilbet'
por cada 50000. '
Cada um desses bilbeies dados d mo beijaa proporcionar ao portador
o direito de receher um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna lhe for-
propicia coineidindo o numero do dito bnete com o do que tirar urna das tres sortw
maiores da I* lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vindouro.
LOJL4.
DE
UPADLO FERHAMS DE I. GDIHARAES
SOB A DIRBCCAO DO MUIJO HBIL ARTISTA
ALFAIATE PEDRO
fe
3

PRIH8IB0 P0
1 gigo de champagne, valor.
1 caixa de vinho docPorto (Meneres)..
duzia de garraforde cereveja (Bass)
presunto de fiambre............
queijo prata,..................
dito famengo.
I
1
1
I
6 latas drmarmelada fina.
1 caixa de pacas.
Nesta offietna encontrarao os respeitnveis fregueses um dos prmeiros artis-
tas este bem conhecido (com grande especialidade em fardas), por militas pessoas
gradas dnata nidada.
O mesmo estabeleeiniento se acha munido de um completo sortimento de
fazendas, do que ha de melhor no mercado, proprias da officina.
0-raade sortimento de roupas feita que tem, vende e manda fazer mean
SO por ce*o de .que emfltra qualquer parte ( dinbeiw).
48 RA DA IMPERATRIZ 48
Junto a padaria franceza.
300000
230000
90000
isoeo*
0*0
3008*
60000
80000
OO0BOO
jr_.
i/2 gigo de champagne, valor............ 15000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 1 t05OO-
dius de cerveja (Bass).............. 40COO-
queijo prato........... ........... 60600
dito famengo...................... 30000
caixa da pafas..................... 40000
latas de maniatada................ ># 60000
500000
G
i

O*-.
mwm i wmm
MADAMA LECOMTE
Gom loja na roa da Imperatriz n. 7.
parteaipar a respeiuvel publico e era particalar seus fregu
zes, que, pelas relacties que acaba de encelar com algumas costureim e modistas das mais
afamadas de Pars, que todos oa necea lhe mandam figulinos, de veadoa, man-
teletes e chapeo* que estn noc ttaior gost e mais moderaos, se" aba ha
da pira mr vestidos par P***eo e visitas, bailet e casamentas. Ai senbr que
otuiUiuaife| iza deapreeofl e proMptidio na entrega das encoattendas ; tambem tem bo-
les mrnto raodernoi? e de todasas odres. Fazem-se chapeos d todas as qualidades
fo como de palia.
mm pitiuia
6 garrafas de vinho do Rortt (Henares), valor.. 141500'
6 (bus de eerveja (Bss).................. 44560
i queijo prato........................... 6|000
1/2 caixa de charutos de Simas.........,..... 3I00

>
250000
j,*nwfcir-.^-rtg?et^fmt^i|
i MAIS DIBRURAS !
Se a pessoa a quem a sorte houver favorecido qaizer trocar" por
os gneros cima mencionados ou preferirir receber o respeslvo valor em dioheiro
se ter duvida em satisfacer.
t TeHliam, fregnesees
Da prnqa e tuah^
Comprar Barato
0 BOM DEMONIO
Trapa da Boa-Vista n. 32
do Aragao.




Mano de PMlntbo Quinta feira 7 de Ouluto ie l'ftS.
Prowa.se 4c. ipn fcitor Je boa conduela, Cirio
e vigoroso, 'que s(!j.i casado, para scrvleo de sitio
eailireeei) tb* obraros : a miar na fabrica de
rap, ra do Mondego n. H)7.
COMPRAS.
Com niuito Kiaior vanlagom eonipram-se
inoedas de ouro o prata : na luja do joias do Co-
racao de Puro n. 8 l). roa do Catanga.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compxa-se ouro, prata
?.Pe^l^8Pr5.CIO:*,.Por P^-01 mai8 vantajosos do
RIVAL H Mil
Uua do Quemado n, %9 e 57 toja
de miudezas de Jos de Azevc-
do Mata eSva conhecido por
Jase Bigodmho.
Est qneirnando tudo.qa.into tem cmseu
estabelecimento. para acabar e fazernovo
sortimento, pdr isso queirarn vir ou mandar
vero que bomo barato.
Caixas de linhas do gaz com
5
50 novellos a
que em oulfa Qualquer parlo.
Ouro e p'at
Compram-se moedas de ouro e prata de todas
5 'l"' do Itecifc n. 38, loja dojzulejo._____________
*- Compram se moedas do ouro e prata de lo-
o os valores, ouro f prata cm obras inutilisada*,
nninantes e mais pedras preciosas : na loja de
ounves do arco da Conccicao, no Hccife.
-..iWAXja. yus,
Compram-se e veudemsc diariamente para ra
e dentro da provincia escravos de todas as idades
ores e sexos, com tanto que s?jam sadios no
terceiro andar do sobrado u. 36, ra das Cruzes
Iregueaa de Santo Antonio. '
-- Compra-se nm preto de meia idado : na ra
o Itanifl, paduna.
Compra-ce um < scravo de moia idade: a
tratar.no pateo do Terco u. 49, refinaeao.
fViNuAS.
Vende-se um sitio com casa de lijlo, bas-
tantes coqueiros, alguns arvoredos c viveiros, sito
nos Afugadus na estrada que vai para os Reme-
dios: a tratar la roa do Rangd n. 61, ou na ra
Jirciia dos Alegados n, 2i. com o abaixo assig-
_jo5o Clirisostomo da AJbnqoerqne
nado.
Veade-se mu a osera va do i 7 a 18 auno* de
idade : na ra das Trinchciras n. 48, 1" andar.
Vende-se um boj novo de c; rroca : no sitio
stava THlb-secca, na Estrada-nova.
Libras sterlitias
Vendem-se libra* slerlinas : no escripterio de
Leal Res, a ra da Cadeia n. 49.
Vende-ye lint casal de escravos casados e um
nioteque, tingados ullimamcnle do sertao; leem
milito boa conducta, e o escravo c ptimo sapa-
tviio : na praca da Bea-Vista n. 12.
Santos Falciu & C, ra da Cadeia n.
43, roceberaiu um novo sortimento de ca-
semiras decores, as inelhores que lemviu-
do a esto mercado, lauto cm fazendas,
como em padroes. No mesmo estabeleci-
mento encontrar-sc-ha s afamadas mants
Atavalier, bem cuino um lindo e variado
sortimento de Calcados para homens e se-
ntaras, do primeiro fabricante de Pars.
45Itua da Cadeia45
VEfiE-SE
A PREG FJXO E MODKX)
SOMHMNHAS de selim verdeultima no-
viilade para senlioras, a 18 e 230.
LINDOS cortes de tariatana orvaaada, pro
prios para bailes a 105, 130, 450, 170
e 220000.
ESl'ECIAL sortimento de coques entenados
e lisosItima modaa 20500, 3$000,
.'(509, 40, 40360, 50 e 60.
CHANDE e bello sortimento e ciiapos de
pallia da Italia, olegantemenie enfeitados,
para senboras e meninas a 15/1, i i>, 130,
110 e*0.
TRANCAS E CACHOS mitaca de ca-
bello, para senlioras, a 10809 e 800 re.
CHANDE e agradavel sortimerrte de gui-
pure ou croch preto, em pecao metro
a 20, 1300, 4;? fJ.
DITO orneo a 20500, 30 e 30600. .
LINDO BH. de seda branco com ramagem
o metra 30500.
Latas com superior banlia a
120, 200 e.....
Frascos do oleo babosa muito
Goo a.......
Ouzias de meias (inglezas )
muito boas a .
Garrafas com ,'agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua.'divina dame-
lhorqualidade .
Caixascom 12 frasees de choiros
proprio para mimos .
Dita comJG frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
abonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinbo com 10
varas ......
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escovas para uuhas muito fi-
nas ......
Escovas para dentcs fazenda
muito fina .....
Pulceiras do contas de cores
para meninos ....
Saixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botes para punhos
muito bonito .
Libras de la para bordados de
de todas ss cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de bot5es madreperola
muito fino .....
Saboneta muito finos 60, 120,
160, 2i0 e.....
Pecas de fita de la todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
10000 e .....
Espelbos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 to-
mas ......
Frascos de sndalo e patecboly
muito finos .
500
40)
400
40OO(.
10201)
10500
205O<
0800
05OC
0240
06OC
0500
05OC
0500
0240
0200
0600
0040
40000
a oinheiro na loja e armazem
paAo
DE
n FLIX PEREIRA DA SlXVA.
O proprietario.d'esto grande estabelacimento, vendo que se est aproximando o lin-
do anno, e tendo em ser um grande deposito deposito doasendas: nao fallando em
avultadas encommendas que Ihes cstao obrrgndo todos os das, tem resolvido liquida-
las por preco muito mais baratos do que em outra qualquer parte : s com o fim
de djtainuir o deposito c apurar dinhwro. Encontra se Deste estabelecimento do
PAVAO avahado sortimento de iaz^nd de hixo c modas; assim como de primeira
necessidade. As pessoas que negeciam em pequena escala n'esla loja podero surtir-
se yendendo-se-lhes pelos precos que compram, os casas inglezas; assim como as ex-
cedentsimas familias podeio mandar buscar as amostras de todas as fazendas ou man-
dar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma iu'jz .ei suas casas; o cst+belecimento se
acha constantemente aberto das 6 horas da tnajiha s 0 da noite.
1 *6 (tMA^
A AGUIA BRANCA tem copviccSo de que a abundancia de ohjectos de noviJadc-
cm seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto deltas, a str*mlos
de de qualidades e a limitado de scus precos, cstao na op n5o do respeitavl wMkn
em geral, e na de sua boa freguo/.ia em particular; mas ainda assim ella iuga de seu
a todos, da recepeo d'aqiicllcs ohjectos que esto alm do commm.
C oH i nados
Para camas e janellas.
Vende-se nm grande sortimento nos me-
mores e maiores cortinados bordados pro-
^prios para camas e para janellas, que se ven-
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IWERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com- j dem 120000 rs. cada'par'at 250000* rs
plctamente sortido das melhores roupas, isUr na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
sendo calcas palitts e coletas de^'casemira, Percira da Silva.
depanno.de brim, de alpaca, e de todas'BALOES MODERNOS E SAIVS DE L\\
as mais fazendas que os compradores pos-1 Na loja do Pavo vende-se os mais mo-
sam desejar, assim como na mesma loja demos bables reguladores tanto de musse-
tem um bello sortimento de pannos casemi- lina como de laa de cor, e as mais modor-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer as saias d.- la enfestada, mais barato do
qualquer peca de obra, coma maiorpromp- que-era oulra qualquer parle.
tid5o vontade do freguez, e nSo sendo SULTANAS
obrigados a acceila-las, quando nao stejam Cliegou para a loja do Pav3o um rande
compleUimente ao seu contento, assim como sortimento das mais lindas sultanas, para
0120 n'este vasto estabelecimento encontrar o vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
respeitavl publico um bello sortimento de com listas de sdae os padroes mais novos
80000 camisas francezas e inglezas, ccroulas de que lem vindo a es'e mercado, vendendo-se
bobo e algodo e outrOs muitos artigos a 10400 o covado, na loja de Flix I'ereira
BRACO DE OURO,
Raadlo Imperador fu26
Neste estabelecimento so encontrar diariamen-
te um completo sortimento de pastelaria de todas
s (|tialdaflj* para lanche e bremesa, ele, etc.,
Bolinnos d toflas as qualidades para cha, presun-
tos de Hambre, bolos ngleze?. pudn?, e finalmente
ludo que consiste em urna boa pastelaria, com e
maior asscio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
tho do melhor que ha no mercado. Neeta casa,
tecebem-se encommendas para casamentos, bailes
Thaptisadits, compremettendo-se os donos do es-
a belecimento a ser. ir o inelfcor que for-possivel
a vontade d. reguez, dwpondo para esse tim de
um completo pessoal. Hecefce-sc avutso toda e
qualquer cncommenda, como sejatn, ibcndejas,
LINDOS e ricos aierecos de ttqwis du- ,
Mes, co bxilliaritkm rrihinn psmpral 'f8* l detBrados, doces d'ovos, seceos
,i. n^'.a ""..I rS k!^. n " 0.1^, perola. e. camafeos ; nSo ha ddle- rangeiras, amendoas confeitodas, um completo e
renca do ouro do tai e conserva por lon-
go tempe a sua cor natural, vende-se a
io6, W, 30->, 130, 90,5 e 1*03, este
preco menor a o feitio de, qualquer pera
verdadt do mesmo trabalho.
IMMIAS 'GOBJtENTBS lo messo metal
para retegios, a H, 80 e 100, no
BAZAR A MODA50-RUA NOVA
Xfio mais cabellos trancos.
A tintura japonpza para tingir os cabellos
da cabeca e.4a barba, fot a nica atmittida
;i Ej /-oflo tm'cersa, #or ter sido reco-
nliocida superior todas as prepara boje existentes, sem alterar-a-sade.
Veade-se a 0OOi3 cada frasco na
Ana da Cada n. 51,
U andar.
ITTEClBT-
Na tabeita do larjfj Jo Paraizo n. 20, vende-se
mantoiga iq^eza fiord tiWO, UMi e 900 rs. a
libra, carne do sertiaaova a 3M a Hkra e batoU*
n ivas a l*0#o gipo.
Vemlein-*e dnas cjsas terreas de n 15 na
na de Sania Hila, e ouWa no fundo desia den.8,
na ra de Santa Rita->, anihan .em solo pro-
:pru : a iratar .na ra da Aurora n. 82 A, com o
..gente Kiieehin. '
Vfiiite-se uima escra*a de deidlo annos ; na
/na Direiia n. 14-1., primeiro andar.
_ mpleto
variado-soriento deoaixinhas de lodos os gostos
e precos, para mimosear seflk.iras ; estas eaixi-
idias recentewente chegadas de Paris, sao -e pri-
orado go to.olTeijjce molas eos galanteadores do
Itello sexo, pis nenas acliarlo um digno e serio
prsenlo para as dona* de *etn pensamentos. lieo-
P(*s, vinhos li?#s de todas as qiulidades, coifeervas
iwnlhos cm latas. Os donos ueste eslabeleoimen-
m nao so pon pando dospetas, faxem lodosos
olorcos para servir o respeitavl publico o me-
ta r que for pwsivel, e sendo principlantes la-
eawlo com todas as difflcult'ades, esperam a -coa-
correncia do reepcitavel puMko desta capilal, na-
ciwoaes e esirangeiros. Pechincba : legitimo vi-
n*o muscatcl ew caixas, que se vendo por conio-
do-preco para particulares e para negocio.
0320 proprios para homens e senlioras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
0320 outra qualquer parta. Na na da Impera-
triz n. 00, loja e armazem de Flix Perei-
0i8O ra da Silva.
BRAMANTE PARA LEN^OES COM 10
0500 PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do Pavao, ra da
0320 Imperatriz n. 60, urna grande porcao de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
0300 gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz cora um
10500 metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meto; e vende-se pelo
20000 barato preco de 10800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
0060 plieacos para airamos de familias, sendo
ijrande pechincha pelo preco.
0320 CERA DE CARNAUBA.5J
Vende-se urna grande porcao de cera de
10500 carnauba em saceos por preco mais barato
Jo que era outra .qualquer: na leja do
10200 Javao roa da Imperatriz n. 50. De Flix
I'ereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas musselinas de
cores a 500 rs. o covado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Cfeegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaqoinhos de seda
fretas ricamente enfeitados, sendo com os
f'rftws mais novos que tem vindo ao mrca-
le e vendem-se muito em oonta.
FAZENDAS PARA LHTO
Na loja do Pavao.
lncontra o respeitavl publico neste *stabeleci-
nietrto um grande sortimento de fazendas pretas,
Orno sejuin, cassas francezas c inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de laa de
todas que tem rindo, proprits para tato, como
sijam, lazinhas, alpacas lavradas otisas, antao,
bjmbazinas, marin, etc, qnetedo 9e vene por
preijo barato.
NOVAS ASQUtN.ttS'OOM CINTO.
Chegarain as mais n*)deTnas basquinas de gros-
ilinaple prelo,-ricamente enfeitadas, sendo de um
fe Uto inteiramente novo, com neos ointoslargos; e
v-mlem-seporipieco razoavel
CASSAS FRANOKZAS.
"V emais medernas eassas fnneezns i]ue -tem vindo
ao mercado, sendo com paroes iniutlinfios e
grandes, e vendem-se |r preeo muito em cenia.
ASEDAS DO AVO
;\ltas nividftes.
como \mm sejam :
Bonhas caixinlias de madeiras envernisa-
das, contando navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
piando abertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senlioras.
Outras roachetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeifo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musida.
Estajos ou rarteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para vmgens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para urdas, dentcs, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos ins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentcs, caetas,
didaes, brincos, alflnetes etc. etc.
Ricas capcl'as com veos para notas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
genles para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Pannos de crochet par eadeiras.
Novo sortimento de toalias de bbvr;-
tho, para baptizados.
Renda e blco de giripur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpico*.
Pequeos e delicados espanadores de
penuas coloridas, proprios pira pionos,
oratorios, de.
Bonitos passaiinlios de metal praleados,
para segurar costuras, tendo arrootKnlias,
de velludo para agulhas e a.llinetcs.
Thesouras de duas, tres, qualio e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTK\
Tal a qualidade d'essas aguthas, qi
mereceu ao fabricante o pomposo tunta .\on-plusultra, merece a Aguia Itranca-aK
honras d'tim annuncio, e sem duvjda un;
recer das intalligentes senlioras, a devidu
estima por sua apreciavel qiwlidade.
At agora nada se linha visto dt to.bom
em tal genero, e ainda assim citla-cad^
papel apens 200 rs. h
Provavelmente d'aqui a ponen abuminr:
as falsificadas para serem tendidas baraia-
mentc, porm as verdadeiras contintiarV a
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
OllGAXDY DRA.VCO.
Vende -se o mais moderno npndjr braneo para
vestidos com listras largas e miadas, assim como
una grande porcao de cambraias brancas, tapadas
e transparentes, tendo das mais baxas de i 000 a
peca, ale as mais finas de 10 ou ISjOO, todas
estas cambraias se n-ndeiii mais barato do que em
oulra qualquer parte.
COLCHAS DE PUSTO.
Veaem-se colchas de fust3o brancas e de cores
por preco amito em corita, na loja do Pavao.
OtIGANDY DE COR
A 360 rs. o covado.
vendem-se bonitos orgnndvs de cores cora bo-
nitos padroes e fixes a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA 8EXHURA.
Vendem-se finissimas camisas francezas borda-
das paca senlioras, na loja do Pavo.
AS CELEZIAS DO PAVO.
Vendem se a mais finas celezias, esguioes c
bretanbas de lindo por preco muito em conta.
FUSTAO BRANCO PARA'VESTIDOS A 640 RS.
Vende-se fuslao branco, com lista e lavradinhos,
muito proprio para vestidos e roupas de meninos,
a 640 rs. o covado.
_ COLI.ERINHOS PARA SENHORAS.
Venlem-seflnissimos collerinhos de efguiode
linho proprios para seab -ras c tambera para me-
ninas a o a duzia.
ALPACAS DE CORDAO.
endem- se ss mais brilliantes alpacas de cor-
daozinho para vestidos, tendo as mais lindas cores,
como Bismark, lyrio, rxo, g?nga etc. etc., pelo
barato preco de I i rs. o covado
TARLATANAS.
Vende-se finissima tariatana branca e do todas
as cures, assiai cuuiojil.braiico.lito a 800 rs. a
vara. -
' ALGODO E.NFESTADO.
vende-se supefiofalgbdlozinho com duas lar-
guras, proprio- para lene3es, sendo lizo e entrau-
cado, e vende-se por prero muito rasoavel.
MEIAS PARA MENINOS A 3|500 RS.
vendem-se duzias de meias superiores para
BotSes com ancora, e P. II. para fardas vir especialmente para a taja da Agnie
e colletes. Branca.
Abotoaduras d'aventurine com o p de Descrever minuciosamenta por sns no-
prata dourada, para colletes, cada um 55. mes e qualidades a inflnidade d'objectas
Boles de cristal, encastoados em prata, que constantemente se acham ;i vroda na
para punhos, 45 o par. loja da Agia Branca, seria- senao impossi-
Camisas de tlanella para homem, a me- vel ao menos infadonho por sso ella etnv
Ihor qualidade que tem vindo a este mer- fia na constancia de soa boa e antiga fre-
ca('0'. quezia, e pede aos que ir novo qoetrwc
Meias de 15a para homens, senlioras e reconhecer a commodidade de seas precos
reancas. e a cinceridade de seu agrado, que nao se
DiLis de dila, tecido de borracha, para esquecam de comparecer loja d'Agu
quem soffre de inchacao as pernas. Branca a ra do Quaimado n. 8.
meninos e meninas, pelo barato preco de 35300 a
duzia.
..M nllimo vaaor cht^arai para tf-do Pa-
BASeOtXAS DE GUIPUZE.
Chegaram as mais bonrtis e modernas basqui-,
as pretas de guiptree, que se vendem mais barato
do que era outra *.ualquer partea assim como as
mais delicadas rameiras ou pelerinas de croeb
pretas, entenadas de verde eontras cores, que se
venda muito em conta.
CHPEOS DE SOL
Vende-se um grande sortimento de cbapos de
sol de seda e aljwca que se vendem muito ba-
ratos.
LENCOS BRANCOS.
Tendera se boaitos leaos braacos e de cores
ra lia/ias e tibaabados, pelo barato preco de
l3a -a duzia. ditos de linho abanhados a 64 a
fduzia, Jilos de eagmao para-varios presos ditos
A1IAZIICIISUTATIV
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMO DOS SANTOS 8- C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e moteados, partecip3m
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do matto e igualmente aos ami-
gos do bom barato, que teem um grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outra qualquer parte, por ser maior parte deslas mercadoria;;
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100&, lera cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
Ven.le-*e o deposito de charutos da ra es-
treita do Rosario n. Id : a tratar na rna de Borlas
numero I.
la estrada
J' Lipes, veodea-ie rd
de carr w. e ww enaaHunaa plS^;
-**?*MB*laam obras
Vdade, n se quairo bandas de amarella era,
fabrico fle^anoas, 1 grades de {erro cohi G palmos!
de largan a ti de altura. ata .^wjaio dejuoa,
relio cAMUfmt para seriatorta. abra wnio tmn
feta. Uttumvrwp coafada ; a Matar na rna
do M.Hi*fa. larra n. 13.
Escrayos e escravas.
Vende-so ama mulata, tlpara U'ganle, idade
40 asaos, purfeita engommaaaira, costureira, ca-
ziulteia, urna prea.boa cozinheira e engommad-
ra, icatro escrav* para toda o seraajo, dons es-
envaa acosiumadas ao servjco de campo, nm mu
laiinha de ireze amios : natravessa do Orino n. 1.
Yernizes-
Vend-se no escriptorio de Joaquim Gerardo de
Bastos, ra do Vigarkt n. 16, primeiro andar, os
seguinles vernizes em latas de 6 e <9>l*)ras. do
acreditada fabricante do Para, Gaetano Antoaio
dos Santos Lisboa :
Verniz copal escuro.
Dite dito aro.
Dito dito escuro proprw para obras de folia de
Fl and res.
uto er de uro ou dooradilho.
viio, a,ue vende mais barato do que em oulra qual-
quer parle, as sedas segaintes : ponpelinas ou
gt r?ri5es de linbo e seda, com os mais delicados
piidrSss, sedas de listra*, padroes inteiramente
novos, groz de todas as Cores, mido verde, azul,
lyrio, rosa, cimento, etc., setins, braneo, azul,
vtfde,rxo, lyrioetc., etc., assim orno uta ffan-
d( sortimento de grosdenaples aretos de todas as
qualidades, e superior goTgnrao preto de eda
pa ra vestidos e colletes.
ACRACIANAS.
Chegaa esla nova azenda c .m o nome de-6ra-
citnas,aendo de unta s cor, .lyrio, rxo,.vende,
atol, etc., etc., e moho encorpada, com lustre pro-
priamente de seda, sendo melhor e mais modeaaa
qoe.eate auno tem -vtado para vestidos, e vnde-
se pelo barato preco de 23 o covado.
ALPACaLAVR*UlS
Na loja do Pavao.
Chegon pelo nllimo-tapor um .finada sortirie
deafgoda a ig e f600 dnzia.
radas para estidos, u-ndo-entre ellas algumas que'
t:xm a vista propriaraeate de seda, c vendem-se!
A 5i5OO0
Na loja do Pavo vendem-ee modernissi-
mos chales de preto com liadas palmas
de seda, pelo barato preco de 5JO0O,
pe chincha.
' BASQUINAS A itmO
Na loja do Pavio vende-se as mais mo-
dernas basqmnas pelo barato prego de I2d000 cada urna.
PARA ESCRAVOS
. NaHoja do Pavio vende-se estamenha
de algodo mesclado para vestidos e roupa
w motaques a 208 rs. o covado, na roa
di Imperatriz n.-fiQde Flix ereira ^
^fgva.
Pa>ryara eanbmio. '
Compfa-se papel para embramo ^aia leja do
Pavao; rna da Iraperalric a. ftO, de Flix Pereira
da Silva.
J
_J
Reata venda um escalbido sortimento de ob-
lectoaaV mareineria, como sejam, mobilias de ia-?
&iraod, mogno eamarello, obra nacional e estran
{eir, de apurado posto e por an$o< tmzoaveis :
ja roa atreita do Rosario o. 32. Nesta mesma
por presos mmto em conta.
RGURA PRETO.
Chegou para a loja do Pavio o mafe eneorpado!
gur^urao de seda preto,para vestidos e collete?,
que se vende mais barato do aue em atra qual-
quer parte.
MADAPOLO FBAXCE
A ZJ000, s o pavao.
veMem-se peea< de madapiaao franca cam22
metros, pelo barato preco de 7*000, dito eafestado
eom 20 Urdas a 7fl0, assim coawfinissimos ma-
daixiloes rancezes e iaglezes, dito* a> jaedaa, que
se vendem mais barate do que era ontra gaaiquer
- "xande porcao
ASSAS DO PAVO
.Govad.fl300rs.
Vendem-se finissimas eassas francezas com lia-
GAZ AMERICANO 9 a lata, a 400 rs.
a garrafa e G0;i rs. o litro.
VINIIO VERDADEIRO FIGUEIR.V 560 e
640 rs. a garrafa, a 40500 e 4.J800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
35500 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOGE DE LISBOA a 900 rs. a
garrafa, e a 7$ a caada, e 10340 o litro-
VINIIO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 23200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10440 e
10280 a libra,'30140 e 20800 o fcilo-
grammo.
DEM FRANCEZA 900, 900 e 830 rs.
a libra, o 20100, 10980 e 10870 o kilo-
grauMDo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. ali
bra, 10400 o kilogramrao, era porcao se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 10570 o kilogrammo, em
porcao se far abatimento.
ABROZ DO MARANIIO E DA INDIA
<20 e 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a atroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo, e 60 por 14 kilo'grammos.
CAFE EM. GRAO 60 e 60500 a arroba,
620 rs. o krlogrammo, em porfi ha aba-
timento.
BOLACHINIIAS EM LATAS DE DIVER
SAS QUALIDADES, a 10 o 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. c
masso. em eaix ha abatimento,
PIIOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU--
RANGA, 5 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACMNIIAb
DE MUITOS TAMANHOS 30500, 505OC
e 10 a libra.___
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ba aba-
tmenlo.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 ts.
a libra, era caixa faz-so abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50308
a diwia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA HILERS *
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
VINfO DO POBTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRi DE HOLANDA E AMCR-
GUEZA 70 o 60 a frasqueira, o 500 rs. o
frasco.
DEM DB LRANJA DOCE AROMTICA,
4(0 a frasqueira e 10 o frase.
QUfflWS"DE DIVERSOS VAPORES, i
3tf, 20800 e'20WO,'m oaixa fai-se gran-
de abatimento.
TOUCNHO -DE LISBOA 400 rs. a l-
200 e 240 rs. a libra, 440 e 520 rs. ra' .e 88<>rs- kilogrammo, e 140500 por
parte, por baver grande porcao
AS Ar
lo armazem de Cuaba Irmaos C, ra de
Madre de Dos a. 3i, venderse visti do Porto, da
Vaada-iw a armaaia da I ja da rna da i-, Pa-to. e fino, em garra(ae|e barris, de Menzes,
perairi/a. ii k, praprta^aaajaalMer aeroda
negocio : a tratar no Vaper das Movidadc?, rna
da imper;it>fea.3.
3n
u
Venaanm a casa i'Wlta'tH' do Nogueira.
n. 14, cooal alas, 3 *W**. couaaa lira e quia
tal murad.j, retaatcal # eao 4 mar na es-
calona da
Vende-se am mattK> *>, um de r
de balanea, a^M j,ft*eai, pmiaftmrode
zmeo : TttdHHiHF ft, Vm roa deipnr
numero 2{. -
easa faxem-se com perfeieaoteos os trablbos dt U- deseahos e cores fixas a
palmaba, eomo sejam, auipalbamentos de lastro- aa8emi08 e ^AS waA.
para camas.adeiras e sopbs.
Cbamiea, e outras marcas aerediadas, vinho de
Pasto, imilaodo o Figueira, em barris dei0 e IO.
Chegou ltimamente superior vinbo verde, marca
Menezes, em quartos.
Cera de cnronhn.
Reulha-f barata xa acabar.
CIMENTO
Jos Joamtm da Costa Ua.a & C, ta do
Crespa n 8, acabam de reeeber nm grande sor-
timento de pedras marmore, orno seia tijotos de
diversos taraanhos, laminas, saciadas, oletras e
degraos, bem como telhas de ierro galvanisado
de dtWFibs taiiiaaoos, que luio vendem mmto
em canta.
kilogrammo.
SABiO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
Ifrkilogrammos.
CHA FINO. GRADO E M1UDINHO os

Vende-ae verdadairo cmbA ; na roa da
Madre de Dos n. 82, armazem de
Martins de Sarros.
Jijpelo barataprer-o^e imoovdtim,\pe-
Cbircha.
Veade-se um escravo moco, proprio
seiwieo de ampo : a tratar na rea Tfa a.
Na loja do Pavao
Vaadetse urna trande poreio de cbius asearas., '
e el iras, de corea Itias, por precos queadmirnmn
BHILHANTES BAHEUES A4O0 RS.
I6 o 'Pavo vende as mais delicadas toa--
reges de pura 5a, seBdotransparentei com1
m mais delicados deaetibos, do quadrnhos,
liet -as -e.Uzos, sendo n'eato artigo o >roas
del cada que tean vende-ae pelo baratisaimo preco de 400 r*.
o covado,_____
PELERINAS A 40000 .1
Na < laya 4o Pavao veade-e as maJa -
denlas T(naeiras ao basquinas de roefa,
tntnMtcas com verde eausraaarea.
.iamnir de xld* de ferro de
Cfcaatfemef.
0 auucar fc-rufiiuio de.Onanteaad obtid
Sla associacau do exido de ferro t*Uirameute.q-.
vel com o assucar euidadosmnunte .parffieado:
Este assucar^de urna beUa appareaeia -crysulina,
^pwa fasto mai aadavei do aasuear,
sem o menor slb Taialliif n. "mtfem accao
irritante sobre a nwcuta do estomago e entettinos,
e rapiJmente aasoavltto peto apianilbo digesti-
". w sem causar as eonaupago s do ventre.
fi' boje o preparado de fwro de -mais aceacao
^ia.(:cliloro8e atonta das ergios, peedas brancas
nsen8traai;oe8 difflceis, ele., e tem a sea livor-o
jaise-aaterisado da asela de-medicina de Pars,
re dee-eblroieo* os maisaattaveis.
BEPOSITO ESPECIAL,
Phvmai|ailksaa*naiaTC, ra la** do
oaao ti. 31.
570 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha melhores que ha no mercado, 30 o
abatimento. 30200 a fibra, 70080 e 60540 o k'd-
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO,TA- grammo.
KlE. 5 AtETRIA' *'800 rs. a libra e n)EMPROPRIO'PARA.NEGOClO 20700,
10750 o kilogrammo. 20500, 20200 e* 20 a Hbra, e 50450 e
SEVAD1NHA E SAF 280 rs. a libra e 40180 o Idlogrmmo.
Assim como lia outros muitos mais gneros, vinho em ancoreras, azetonas,
passas, figos oovos, charutos de diversas marcas, Htlgnicis d Lisboa, mermelada, con-
servas gelea de aaarmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinhas de rtflMs,
tinho verde engarratado, pomada caneDa, cravo, enrauVKje, ominho, pimenta, grandes
molhos de abolla 4 10500, finalmente muito lwa>s gefteros que enfandonbo o
menciona-los. .
H t
I 1
A ruado Livrtmento n. 8, contina a ha-
wor para vendw por precos rasoaveis, o
Chft ouI-niirllvo 4 depuradrss
Composto das plantas as mab 'odorferas e a*
mais virtuosas dMmotes os mais elevados, o <* toni-pnr^t/fea Af CAttmoord pssoe um g.*to satK'-
JToso e um aroma subvissimo, e as propriedad,
mais notaveis sobre os einbaracos do estomae;
dos intestinos, e to flgado, o esQtHrnenr? Z
excellencia na consnelo do entre, e ito L-m
Vende-so brag-Jto o mais si
mercado, pdr WBT
UO n. 26.
CAaL DE LIBOi
JMQI I PomsionRssi
melhor vinho verde at boje vindo a este ****, a^fct Sp^ratvo m& e"rS!
merodeo. das biles e dos humores, refresca o sanan* depu-
ra nao-o.
DEPdHTO ESPECIAL,
Pharmacia de Barttolomen & C, roa Bata .W
Rosario n. ;H.
Na ra d
de Aqun _
irra&j
al, vidros*
vehdsj
riatias.



II
6
^rio de P^ybopo QuiuU^ir. 7 Je OutuWo de 1869.
LIQUIDACO
SEII IGUAL
0 propietario do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
triz n. 72, declara ao respeitavel publico e seus freguezes, que est liquidando todas as
fazendas e roupas feitas que lena em seu estabelecimento como se poderi ver no sen
anuncio e preco abaixo mencionados,
Chitas francesas matizadas I Algodo eafestatlo SO rs.
3O rs- Vende-se algodo enfeslado proprio para
Vende-se chitas francezas escuras matiza- ienfues e toalhas, 900 rs. o metro, dito
dasa30 rs.o covado por este preco sna |raci,a0 a i I, metro.
Chegnram da
QTJEIMAD0--11
a 25,
loia da Arara, ru.i da imperatriz n. 72.
LAAZ1NH \S A 2i0 RS.
Vende-se llazinhas para vestidos de se-
nhora a 240, 280, 320 e 100 rs. o co-
vado.
BAREGES DE LAA A 500 RS.
Vende-se bareges de laa com lislras para
vestidos de senhora a 500 e 610 rs. o
covado.
Alpacas de lislras a 500 rs.
Veude-so-alpacas de lislras para vesti-
dos de senhora a .500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 289 RS.
Vende-so chitas francezas ciars a 280 rs.
o covado.
CORTES DE LA PARA VESTIDOS A
25400.
Vende-se cortes dj laa para vestidos de
senhoras a 2*400 cada lira,
PERGALES A 140 RS. O COVADO.
Vende-se percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
brigantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Baldes moderaos de todas
cores.
Vende-s'.bales moderno sbranco e de co-
res a 40, 40500e5$.
COBERTORES DE ADGODAO A i -5500.
Vendo-s cobertores de algodo a 10500,
cobertas de chitas a 15G00 e 20 cada urna,
GANGAS PARA GALGA A 320 RS.
Vende-se ganga para caiga a 320 o cova-
do, brim de cores para caigas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cores para caiga e palitoU a 20500 e 3,->,
o covado, meias casemiras enfestadas para
calcase palitots a 10 o covado, brim pardo
de todas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da Imperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Vndese alpacas de cores lizas finas a
640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
a 30500, pegas de madapolo inglez de 24
jardas a 50, 60400, 70, 80 e 100 a pega.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240,
parte.
Chales de merino mocKco.
Vende-se chales de merino estampados
chales brancos e de cores a 10OOC
cada um. _.'.-
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Veade-se urna grande porgo de cortes
de brim castor para caiga de homem, 640
rs. cada um.
. i-ande porco de retallaos
Vende-se grande porgo de retalhos de
chitas o canas pretas a 1G0 e 00 rs. o
cova lo, retalhos. de cassas, la e chitas de
Cores baratsimos.
LIQUIDAN A ROUPA FEITA
Vende-e palitots de brim de cores a 20,
ditos de alpacas de cores a 20, di'os de
faeia casemira a 20 e 20500. ditos de pan-
no preto bom a 80 o 100, caigas do algo-
do azul para escravns a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 1-5, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tes de brim c fusto de cores a 10 e 10500,
coletos de cesemira de cores a 20500 e 30,
e outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo prego.
Algodo de listras a O r.
o covado
A'ende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGOD.vO A 40.
Vendem-sc pegas de algodo 40000,
50OO, 60000 e 70, para liquidar.
Baldes de arcos JUMH).
Vende-se bales de arcos pan senhoras
pelo baratissimo prego de 10500 cada um,
Cortes de cambraia barras
a 3000.
A'ende-se cortes de cambraias barrsa a
2-5 e 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se longos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
A'ende-se carteiras para viagem 10
cada una.
280 e 320 rs. o covado,
........o ultimo vapor luja de Augusto Porto A C. ricos
cortes das mais linda sedas de mimosas edresjara vestidos propnos para bailes e casa-
Grande variedade de sedas de lislras de diversos precos todas de lindas cores,
gorgurao de seda preta, grosdenaple de varias qualidades e gorgurio de seda la de
riilprfiitt'S cores
Novos vestidos brancos de Wodd para noivas, lindas colxas de soda para camas,
ditas de laa e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas. ....
Luvas novas de Jouvin.e elegantes sombnnhas de se Jas de cor para seniioras.
Espartilhos de 54 at 100, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de. croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de multas fazendas de 13', linho e algodo todas por pregos muito
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pegas de tapates o de alcatifa para
forrar sales tudo em quantidade; e vendem sempre>r menos que em outra qualquer
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo,

N. 27. RU
Neste esta
shoes, de to
lf
Este admirare!
Depurativo nao
conletne mer-
curio, iodo u
arsnicos um
_________________________ l*i;oroso modifi-
cador para o sanrue ecura radicalmente as molestias dcprlle, tacs como a lepra, aslmpigens, as herpes, as
. espinhas, e os Pernos, etc.Emprestado diariamente elle refresca a massa do sangoc c consolida o saude.
TUIirPrifl r 1 n r T C das os corrinnutos anligos oa rcenle
1NJECCA0 CALl o. ** rebeldes.
Fabii, 7, B* Denam,
RIVAL m WiWH
Ruado Quemado ns. 49 e
57
DO
GALLO VIGILANTE
lojas de miudezaz de Jos de. I
Azevedo Mata, est acabando' ^^^J^SiS^SSSLm
Grande o completo sortimento de machinas para
descarorar algodo de nova inven?; cuegadas ul-
liniinen'te era direitura para a luja de Manoel
Dent de Oliveira Braga 4 C na roa Direila n.
53 Garaute-se que a melhor qualtdade que ate
o presente tem vindo ao mercado : acham-se em
exposicao ao compradores as de to, 12, 11, lo,
18 o *) serrar ,
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos klo-
grramos de melhor comprehensao dos que tem
vindo at o presente, assim como mareos de lalao
at meio grammo pelo mesmo systema, bataneas
de latao de forca de 5 a 20 kilogrammos, metros
de madeirae do lalao para medir faicndas, alera
de grande sortimento de miudeas o ferragens de
todas as qualidades, tudo por procos que so a vista
fax crdito : na ra ireita n. S3, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C. ____________
COGNAC. r.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch A C, em
cognac urna das que mais agurdenle de
cognac, fosnecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n, 32. ^____
ellas antes qae se acaborn todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
val vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e quem se quizer sortir de fazendas
e-roupas feitas pira a festa pelo preco que llio agradar, se poder dirigir a roa da
Imperatriz armazemda ARAKA, que estar aberto todos os das atis, das 6 horas da
manhaa, s 9 horas da noite.
72. Ra da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
0 proprietario do arraazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriz n. 5B declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
e deseiando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidagao que Da
ao dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
com as miudezas de seus estabe-
lecimenlos por isso querara apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pegas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
10500,25,33 6..... 4O0(r
Caixas de linha com 50 novellos 500
Pares'de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......2)5000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a....... 105OO
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........3$800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melnor 100 attos a 5200
Livros de missoes abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
finos m 100 e.....208OC
Silabario portuguez com estam-
pas a........ (5320
Gravatas de cores e pretas muito
finas a........ 0500
Cartees com clcheles de lato
fazenda fina a...... #020
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a. 0500
Caixas com penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e IiJOOO
Cartees de linha Alejandre que
tem 200 jardas a i&lOO
Carreteis de linha Alexandre de
70at200a...... (5100
Caixas com superiores obreias
de massa a...... J^
Duzias de agalhas para machina 2 JOOO
Libras de pregos francezes di-
verso tamanho a. 5240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 0120
Talheres para meninos muito
finos a. ,...... #240
Caixas com papel amizade muito
fino a. ...'... 700
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a........ 0600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... 0320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 5500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 5320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a...... 160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a.....
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de louca muito
finos a........ 160
ser,
dar no
S3 de boas fazendas, e por diminuto preco
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
15000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lencoes a 15000, dito liso enfestado
-o metro.
cassas Francezas a 240 rs.
Vendem-se Icassas francezas para vesti-
dos de senhoraVa 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO) ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dijo inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, fy, 75, 85, 95 e 105, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 610 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 rs. 0 COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A Ifi.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 15 o covado.
POBCO DE RETALHOS.
Vende-se ama porco de retalhos de cas-
sas, do I5a esedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' eBfts antes que se acabem.
" A 800 RS.
o eohnp
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para coberta?.
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500.
Vende-se casemiras de cores a 25500 e
a 900135000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Caugas para cal^a a SSO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca n
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSEL1NA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhon
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores i
320 o metro.
Lencos brancos a 25-
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 15000, para aca-
bar.
JGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por eoto do que em outra casa: por
isso os pretendentes podero yir examinar
para ver a realidade do annancio.
Velbutina preta a 320 rs. o. covado par
CUALY DE CORES
o V-^ehaly delisus desedaaSOOrs. acabar. ^ ^ ^ a ^
CHXLES DE CASSA A 10. Venden-se bales de 20 e 30 arcos il
Ve,.d.-se chales de cassa a 15, e de me- 10500 cada um. ditos m^s*
rno a *j{. BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
TES DE LA A-2J40ORS. Vqpdenwe ponas de brim lizo de Ham-
Vendem-se corles de 18a delistra para burgo a 80. vero, a ser mais barato do quu
vestidos de senhora 20400 rs. para ac-
ALGODAO-A PECA 40000. A
Vende se pojas de algodo a 45, 50, 65
e 70 a peca. E muitas outras cousas qae
seria enadonb'i menei^ar.
algodaosinho.
CORTINADOS A
Ven minados
para liquidar. Ditos pa
Todas estas fazc
barato na ra da Impera
cimento, alm Jos muitos objectos que tinham ex-
posto? a apreciacito do" respeitavel publico, man-
daran vir e acabam de recetor pelo ultimo vapor
da Europa um completo e vanado sortimento de
unas e mui delicadas especialidades, as quacs es-
to resolvidos a vender, como 6 de seu costume,
por .precos muito baralinhos e commodos para to-
/Iqs, com tanto que o Gallo....
' luito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
lMu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que lia de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecus das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode havor
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenlio?, e estes pretos.
Muito superiores meias (io de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 301000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alm destas, temos taintom grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algamas muito
flnas- i '_
Boas bengalas de superior caima da India e
castao de marlim com lindas e encantadoras gu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
detra, baleia, osso, borracha, ele. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cliicotinhos de cadcia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora c para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cato de marital e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e no* por nossa vez tam-
bem asgeguramss sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas yara noiva,
Superiores agulhas para machina e para eroxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tontos para o mesmo flm.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitan) a dentico das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
Gollares, e continuamos a receto-los por todos os
vapores, am de que nunca faltem no mercado,
romo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
tes que delles precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
BAZAR UNIVERSAL
ma Hovat
Garneiro Vianna
Neste BAZAR encntra-se nm completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposic3o servicos a electos para almo-
50 e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros-e crianca, bercos, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espclhos de todos os lmannos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para crianzas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos oulros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar._________________
200
60
20500
Machinas vapor de
forca de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de facSo e serrotes para desca-
rocar algodo.
Bataneas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
Qeld.
Prendas para copiar carlas..
Fog3o americano patent
V3o
-.--.
Scbonete de alcatrdo.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que.tSo boa
acceitacSo tem merecido n'esta povincii
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e tollas a
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu &C,
34ra larga do Rosario34.
CEMENTO
POrYTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reir da Costa & Filho, defronte do rco da Con*|
ceiclo, em barricas grandes.
Manteiga a 900 rs. a lihra.
K' peehl-eha sem Igual.
Vndese manteiga inglea flor a 4000 por 500
grammas e 900 rs a libra; no progresso do pateo
do Carnio n. 9.______________
91
Farinha a' venda em saceos
ha da trra a 3*800 o sacco
Extractan, carnis
Este producto allmentacao para doentes, jnui
apropriada para creancas e para as pessas saas;
indispenavel a todos, porm, principal tiente aos
viajamos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentadlo de carne fresca incorruptiVel, e
que com facilidade se aprompta e se condui, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para muito tempo. Sobretudo chama-se a atten-
>3o dos senhores de engenhos que encontrarao no
XTRACTUM CARNIS o recurso de alimentarlo
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo nrocesso do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Heiende & C., i ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
dft-se : '
No deposito a ra da Cada n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Al ves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa
rion. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, a praca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto razeni
urna guia para seu uso.
ttl'A DO QlEIMADI* S. 19
Musselinas de cores flnas e mordernas, cova-
fao i80 rs.
' Cambraia de coresorgandy, covado 320 rs.
Cambraia Victoria para todos os precos.
Alpaca liza de todas as cores, cpvado 640 rs.
. Alpaca da Escocia, trancada com litras, cova-
do 800 rs.
Laa com listras de cores transparentes, cova-
do 700 rs.
Poil de chevre de diversas cores.
Toalhas para rosto, urna 500 rs.
Ditas felpudas.
Fustao branco e amarello, covado 640 rs.
Basquinas hoa fazenda e enfeitadas com gosto
a 231000.
Espartilhos modernos a 5|000. -
Safas de laa com barra a 6*000. .
Cortes de cazemira, lindas coras e boa rarenoa
Atoalhado de linho, bramante, algodo alvogran-
eado, lentes de linho, cobertas, camisas inglesas
e linho e algodo, collarinhos, ,gaardanapos de
linho, baiaes para senhoras e memnas, chapeos de
sol de seda, lencos de cambraia de linho, ditos
de dita de algodo e lencos da China.
Estamenha a mclhOT do mercado, covado 2*200.
Itonpa felta.
Bom sortimento de n.npa feita para homens e
aprompta-se por medida por commodos preeos.
A ra do Qneimado n. ly
Moleque cozinheiro
Vende-se um bom moleq le de 15 naos de ida-
de, eom opiimn.*gura, e coz.nha oBri
roprio nra eri*i> po. ser muito ladino : na roa
o Rosario da Boa-Vistan. 6.
GAZ li.M tAZ
Chegon ao a'ntig deposito de Henry Forster 6
C ra do Imperador, um earregamento de ga;
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.-
e a retalho por menos preco do que em outr* quai
quer parte.______'___________.
Loja de miudezas de FERREIRA DA CU-
NHA A TEMPORAL, esto quimando por
todo preco venham ver o que bom e ba-
rato a saber:
Lidos brinquedos magnticos para me-
ninos de 240 a 44.
Linhas em novellos de 400. jardas a
60 rs.
Pecas de tranca de todas as cores a 40 rs.
Latas com superio banha 120, 160
e 2#000.
Frascos com oleo baboza 240, 320,
400 e 600 rs.
Ditos de extracto 160, 320, 500 e
640 rs.
Ditos com banha 320, 500 e 14200.
Ditos de agua de Colonia 320, 400-e
300 rs.
Baralhos de cartas portoguezas a. 120 e
160 rs.
Ditos francezas 200 e 240 rs.
Grapde sortimento de "abonetes a 80,
120, 160 e 200 rs.
Caivetes finos com dnas folhas a 240 rs,
Linha de 200 jardas em carretel (duzia) a
14200.
Lindos port-mainc a 240 rs.
Pentes de travessa para meninas a 200;
320 e400 rs.
Duzia de meias inglezas muito finas a
34800
Ditas de ditas para senhora a 44300.
Garrafas com a verdadeira agua florida a
14200.
Ditas com agua divina 14300.
Frascos com sndalo a 15200.
Pecas de ntremelos a 500, 640 e 800 rs.
Lindos gorros do velludo para menina a
54000.
Papel amisade beira dourada (caixa) a
900 rs.
Dito em pacotes a 700rs.
Lindos bonels de panno para menino a
24000.
Pentes brancos finos para alisar
320 rs.
Macos com grampos 30 rs.
Lindos frascos para cima de mesa com
extractos a 1 300, 2*000 e 3^00 ac.par.
Jogos para vispora a 200, .210 e 320 rs.
Linha demarca (caixa) 240 rs.
__Temporal pode ser procu-
rado era seu estabelecimento bo-
nanca onde contina a vender
pelos baratos presos de seu an-
tigo estabelcimento com' titulo
de Temporal na Bonanqa,
Ra do Qneimado n. 93.____
tos.
MEiTO-N. 27.
vende-ae sellins e
qualidades do melhor
qnc se pode fabricar no para, aasim como os
mais arreios pertencentes ao mesmo, ven-
de-se tambem, colx5es, travieeiros, caixi-
nhas com almofadas, propr* para memnas
levar para aula. 0 proprietario deste esta-
belecimento garante a pontoalidade, esmo-
ro e zelo de seu trabalho ; portanto pede ao
respeitavel publico sua proleccSo, que affian-
Ca vender tudo pelo mais barato pouhri,
e por menos do que em outra qualquer
pane.___________________________
J cordeiro previdente
Ra do indinado n. 1S.
Novo e variado sortimento de perfumanaa
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfo-
marias, de que eflectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
iade, qualidades e commodidades de pro-
jos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreeiac3o
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nSo se afas-^
lando elle de sua bem conhecidamansidao
e barateza. Em dita loja encontrarse os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coodray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete paratoilet.
Elixir odontalgia) para conservacJo do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade ecnei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de chebos igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com escolhidos cheiros, em frascos de dife-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Caixmhas com bonitos sabonetes imitando
fructas. _
Ditas de madeira invernisaaa contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com po de arroz
o boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de eamphora e outras difierentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda ais coque.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
astao todos expostos apreciaclo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flrellas e Ota* para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec
tos, ficando a boa escolha ao gosto do coro,
prador.______________________
CADET
CU RA
CERTA eINFALLIVEL]
em TRES DAS
[Ph^B^Denain?'
PAR I S
a 240 e
A#OOu
Saias de laa, obieeto de posto
qnalidade : na ra do
M. Rolim A C.
e de excellente
Queimado n. 31, loja de A.
Atten^ao
Na pra?a do Coipo Santo i. 17, 1
andar, vende-se mais barato do J_e pm
ontra qualquer prie eal de tlsboa e
poteasa-di Rutsi da mais nov nvmer-
corao vinl\o BordeMIje sn-
,Hdade em caixas e garJifas. _
mkmmmuM
um t MIOPE
DECODEINADEBERTHl
Prwonisad" por todos o> medico eootr os I
K:KLUXOS, tATHARROS, B T00AS AS|
RITACOES DO PB1TO.
K. B. O Xarope de Codcina ata mtrteto I
honra, lia$ tem rara eirr m kitti\tmnmtot j
novot, di ser rejiuradv cirwto um do medica-1
unfot ol/icinet do Imperta Frutan dispensa I
qualquer elogio.
AVISO. Por cansa da reprencnsiTrl rabi-l
firaco que tem suscitado o felii resultado do]
Xarope e massa de Bcrihd torans forcados
lembrar queesics mcdicaueiitos taojuilaa
eonceiluailos si K
renden em caiiin-
bUrrdscoSlenmda
a assignalura em
frente. i
6, Ru des colet, e na Plurniacia Central]
de Krauca, aJHue de Jone, todas as Pbarmaciai p> iuri|K*s do Ran'.
'BS
_
Pars, 36,RuaVMenne, Wt
CHABLEMOt
ASENFERBUDADAS desskxuaes, AS i
QOta CTJtrtEA3,l ALTOUCOISDOSAHMB.
iOOtcMrmmmtimpi'mi
OEPURATIF
SANG
do inttgut. (Xaropa fagelal
rsttUaa tjaaaiea :
loaao-aa doat |
Demirativo; i aprttdoM_]
i 1*rm>
PLUS DE
COP
U Mi
m )iv
I
I
'

>*
II



I
Diario de ']
Pernambuco Quinta eira 7 de OutuWo de 1869
AL
LAJA DAS
BASTOS
A VERDADE
55Ra do Queimado55
A VERDADE tendo em deposito grandt
IMil-l
0
Telara! na Boiian'a
Enlo cstab^^^^Bacnl.-.i do rcceber um
a tamanhos ^ara descarocar algodao, do
Cotton Gin.
al-
MCHINAS americanas de serrote rt i
milito conhecido fabric n.1
MACHINAS ditas, tambera de ?ort .Je todos os tamauhos para descartfyar,
godSo do autor New ^ : .itoo d.
\IACHINAS ditas de todos os taman >, >, de caeta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, e cajo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodao.
MACHINAS de faci do fabricante Platt B. Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao d saptrior qualidade e as memores que tm
i ndo ao mercado ; e para a sna apreciado convidam-se os senhore agricultores
irem a exposico das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
iiicontrarSo mais o seguate:
quantkbde detonase perfumanafe de- ffSS t^3gJ2?9m
sejande apurar duiheiro e adqucrir boa fie- llws icm u ds.i;nvo doTKJJ BAL.
LOJA DE JIIIAS
DE
&c
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as oondi-
$oes de servir vantajosamente os seos fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
esplendido sortimento de obras de ouro e
prata de le, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos prepos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate
\ 5 ROA DO CADUCA \. 5
Oebalhadores para miho.
Cylindros para padarias.
Irados americanos.
Cirrinhos de mi.
Machinas para cortar capim.
Catinos de chambo.
Simbas de Japy.
Ditas americanas.
risillas de ferro galvanisadas.
Folhas de ziqco finas.
Ditas de cobre e lati.
F< rro de todas as qaalidades.
Vrcos de ierro.
Fclha de Flandres.
tf.'ichados americanos.
FacSes ditos.
Balaios e cestas de verguinha.
Vssouras americanas.
F lies de todos os tamanhos.
rornos e safras para ferr i ros.
Finalmente muitos outros artif
liversidade seria enbdonho ennamera-los.

Poma de ferro.
bancas americanas.
Ivs de madeira americanas.
P de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Tercos de bandejas Inas.
Trens completos para cozinha.
Ptoeiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Corenles de ferro para almanjarra*f \N
Espingardas e rewolvers.
Goarda comidas. \y
Ferros a vapor para engommar.
Morahos para refinac6e.
Azeite de espermacet, proprio para macbi-
, as de todas as qualidades.
ierras avulsas para machinas.
Mantaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
jXatas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
Superiores sedas de cor e listras a 1600 o covado.
Lindas poupelinas de lia, com grande variedade de cores escuras e claras a
360 rs. o covado.
Pecas de musseiina branca com salpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
issimo preco de 40000 a peca: na loja das Colnmnas, ra do Crespo' n. 13, de
Antonio Correa de Vasconcelos d C.
Tijollos de marmore .
Vendem-se
De 8 '/a polegadas por face .... 560
De 9 ditas de dita ......... 590
)e 10 ditas de dita .......... 6iO
tratar na Ponto de cha n. 17, casa
terrea cinzenta, ponco adianto do
r. A. de Oliveira.
Veade-se por prego inuito commodo a arma cao
e balea da taberna Mor do Brasil, oa ra da uia
trix da Boa-vista,esquna da ra Velba, hoje oiH
cia de marcineiro, cuja armaeito se acha forado
_______ seu lugar, porni em perfeito es'tado para qualquer
VAmJAJ a,'JJ I a^efeeimento : a tratar' na dita ofllcina, onde
PI0VlQaQ6 nOVlQaCie ve os pretendemos a dita armacao, ou com Hu-
ra, ii.- -r i fino Manoel da Cruz Gousseiro, no caes de Canina-
Lhegou pelo ultimo vapor so para a Joja da rbe n. 8, e ra do Lima, em Santo Amaro n. 32.
i ja do Crespo n. 17 do Antones Gnimaraes 4 C _______'
- jecessores de Jos Gomes Villar, ricas chapeli- ~ YT~----------------------"------
as de patbas c da bloca, ultima moda de Paria. | A ftDflSi
Vende-se urna estrava parda, boa figura e Do da 3 do corrente em diante haver papas
*-'> boas habilidades : a tratar,na ra do llosa- todos os das, das 6 Ir horas da manh as 8 na
jio.da Boa-vista n. 30. l ra das Larangeiras n. 29, hotel commercial.'
Grande arinazcm de azendas e roupas feilas na da Iraperalriz
n. 52, porta larga, de Paredes Porto.
Neste estabelecimento encentrar o rwpeitavel publico um bonito sortimento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a U, 3tJ500 at 60. Ditos df
merino, ditos de casemira de cores bonitos gastos a 5, 60, 80 e 100, de panno preto
satos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de 30500 a 50000. Calcas de brim de cor finas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim ptrdo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 40. 54, 60 a 150. Colletas de todas as qualidades e preco muito
barato. Completo sortimeuto de camisas francezas de algodo e de linho de 20 at W
urna. Sortimento de seroulas francezas de algodio, de linho e bramante a 20 e 20500.
Grvalas (mantas) novissimo gosto a todos os prtcos. Meias sortimento completo a 30.
40 at 7$ a duzia.
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se, de quaesqaer obras de encommenda tanto para homem, como
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades Unto em caserairas como brins, pannos finos e ootras muitas fa-
zwdas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a lSOO o metro.
Cambraas de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poilde-chvre com lista de seda fazenda de gosto a 10200.
Basquines de guipure enfeiladas a 184000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Aladapolo fino a 0;>500, 7, 84 n iljjfm
Algodo peca com 20 jardas a 4;>.jOO, 50500 e 60000.
Pee* de algodo largo a 70500.
E outras muitas fazendas que serd enfadonho mencionar Cheguem roup
bita que se esta liquidando na loja ra da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LEO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
guezia est rssohida ~a vender muitissjmo
barato, ; por essa razo convida ao respei-
tavel publico a vir competentemente muni-
do a sortir-se do bom e barato. Pois quan
do a Terdade apparece, ludo mais dcs-
apparece------
Grande sortimento de bonecos de cera e
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Ricos globos para candieiro de gaz a 0800
Chammsa....... 320
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino 100
Garrafa com tinta a..... 800
Dita cora agua florida verdadeira a 10500
Dita com dita dita a ... 10Ot 6
Frasco com oleo de babosa a 500 e 720
Dito com agua du Colonia a 300 e 500
Garrafa com agua divina a. 10500
Frasco cora extractos finos a 10000
Latas pequeas com banha muito
fina a 120 e...... 200
Sabonetes de diversas quali Jades a
80, I00,240e. ..... 320
Finas escovas para dentes de 120 a 600
Lindos coques modernos a. 20300
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320
Escovas para fado a 500, 600 e 700
Ditas para cabello a..... 500
Pentes para tirar piolho a 160 e. 240
Brincos de cores, bonitos a 160 e 200
Pecas de tranca de la com 8
varas por....... 80
Oleo para machina de costura,
frasco a........ 600
Peonas d'aco finas caixas a 800 e 10000
Dita d'aco Perry, caixa a. 10400
Galo de algodo peca .... 400
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a...... i,j5O0
Boloes de madreperola, groza a 600
Ditos de louca muito fino a 120 e 200
Ditos para calca a 160 e.. 240
Caixa com papel amizade a. 700
Ditas com envelopes a. 480
Ditas com obreias a..... 40
Caixa com agulhas fundo dourado 280
Ditas de ditas ditas a..... 160
Thesoura para costura a 240 e 500
Caixa com linha de marca a 280
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........ oOO
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. ,..... 100
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a...... 00
Cartas portuguezas, duzia a 15*00
Ditas francezas a 20200 e 30000
Papel almaco e de peso, resma a
30400, 30500 e 40500
La muito fina para bordar, libra 607OC
Fita de algodao para debrum de
sapatos, peca a..... 160
Ditas de la para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 320
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e...... 500
Caivetes grandes com molla a 320
Ditos para aparar penna a 100
Cartes com colxetes a. 40
Rosetas pretas, par a 100
Tranca de la de caracol peca a 40 e 100
Fita de coz peca a 480 e 360
Alfinetes de lato a..... 100
Sapatos de la para menino a 2 Oe 800
Ligas para senhora, par a. 160
Grvala de sedas de cores a 200
Calcadeiras a....... 80
Grande sortimento de rendas das Illias.
Um par de suspensorio de borracha por
100 ris I! f f!!!
Prcvinc-fo a :oda as faiuits que quando man-
darem comprar estas especiaes gullias que vei.-m
no papel o distinctivo do TEMPORAL.
*aco esta ohservacio para que as familias nao
sejam enganadr.s pelos meus eollcgai aprenUi>-
do oulras agulhas e dizendo que sao as que tu
anmiDcin.
S ond ha psttl agulhas na
LOJA DA BONAZA X. 63
preco de cada papel 100 rs.
ESCRAVOS FGIDOS.
ATTENCAO
airerj
Pugio no dia t ele sefembro coireiite
crioulo Juliao, ctn o gignaes scgutirtes
regular, pernas arqueadac, usa suissa?, tem t.'
annos de dado, puuxo maii ou meos. Este es-
cravo perienccu o foi comprado i 8ra. D. Aiuan..-
n Mariad.? Espirito Santo, vkm de Joan Manri>*
de Souza Vianna, moradora no Curato de Bom /ar-
duo. Suppoe-se com rmidanMMD, que este tsorav
se tcnlta dirigido para aq'iell oinarca, ben c*>^
mo ha razos para suppr (joe elle all" este a
icoutado em casa de algum prenlo de ua Ss-it-
nliora ^ por isso roga-se a9 anturidades polica*""
e capiaes da campo o favor de o caniurarein t-
enviar ra Nova n. it, onde se indemnisf
qualquer despera, e se gratificar, endo miste
A abaixo assignadr protesta de pelos moios lega -<
proceder contra quem qaer que lenha dado canto
ao referido feu escravo, por isso que es conn'cl*
de que o dito escravo lora *cduzlo para fugir.
^^^^ Mara Carolina P> rreira de Carvalro.
Fugio, fagi, fafdo
do engenho JagnarSo, do termo de Serinliem.o
ccraro Luii, eric ;ilo. cora jdade de 32 annos poit-
co mais ou menos, pcrtencoule ao abaixo assigna
do, cujo escravo foi comprado ao Sr. Pedro Jorro
da Silva flamas, como procurador do Sr. Francis-
co Mendes dos Santos, morador no Brejo da Madre
Deus, e teui os signacs seguintes : altura regula,,
testa grande e ramuda, ollios pequeos e encar-
nicados, ps Fecccs, e manqueija, por scffrer ct*
cravos ; tem no i raro dircito do lado de^deni'd
nm caroco, rpio parece lobiulio, e as costas e Bo-
degas mareas de chicle j velhas ; levon caousa.
e calca nova de r.igodo azul e chapeo de coure ti
velho c mais ronpa sabio com o cabolfo cortav,
teBdo barba por baixo do queixo: qwm o pe-
gar, leve-o ao referido engenho u na cidade i'o.
Itecife, a entregar ao Sr.Jiguul Lucio de Albi-
querque Mello, i|ie-cirecompensado : recor-
menda-se s autoridades polfeiaes captura i'ello
Antonio Francisca Cesar de Vasconeelhs Cam,
__ Fugio no dia 2U do mez passado a escrara
Severina, parda escura, coin os signaos segiiin!<
altura regular, cheia do orpo, tem o dedo polegi.r
ou o mnimo da mao esquerda com tim pequeco
defeito provenienle de um ulbo, tem falta de den-
les na frente do lado superior, beicos finos e ba-*-
lantcs roxos, representa ter 40 annos, leron ve >
tido de chita escura com palmas brancas, ainua
novo, chalo de liia cor de bonina, e urn ouiro cha-
le j velho servindo de rodilha, com um taboleiro
de (landres, com una trouxa conlendo dous vel-
lidos, um de chita com listras encarnadas c nutro
de la cor de cinta: rayase s autoridades o
mais nessoas que a apprehcndam e a levem r:a
do Aiuorim n. 39, { andar, uu ra do Hosd. o
ii. i7, que ser gratificado, protestando-so con'.: a
a pes^oa que a liver oceultada.
Attenqao.
Fugio a i do ontubro, do engenho Mallo Gros ?,
iropriedade de Joao Bento de Gooreia, o escra o
ilanocl, com iO annos de idade, pouco mais (.
menos, conhecido por Manocl Pachola, teui os e-
guintes signaes: estatura media, cor preta, den: 3
alvos, cara soca, corpo bem l'eito, tem algum;?
marcas do etaicnte anda fresca, levou aTgu i
roupa : roga-se a quem oapprchender que leva o
a seu senhor no dito engenho, ou em casa t s
Sr*. Leal & rmao, ra da Cadeia do Recife a.
>u\que ser generosamente recompensado.
Est fgida desde o dia 20 de junuo proxit; o
passado a escrava Hcnriqueta, preta, croula, IJ'.-
de de 18 a 19 annos, cheia do corpo, altura rer '-
lar, cabellos carapinhos, testa larga, palle rosa
e espinhenta, beicos grossos, bocea grande, den-
largos e perfeito?. olhos e maos grandes, com u:;.a
cicatriz em cima de urna dellas : roga-se a3 aut -
Vidades policiaos o a quem convier a sna captn: -.,
que 9e grntilicar salisfactori.imonte, em casa 'o
seu senhor, ra dollenriquu Dias, n. 20.
DOS PREMIOS DA
3.
LISTA GERAL
122
PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCLVL N. 557, A BENEFICIO DA IGREJA DE S. GONCALO DO RECIFE, EATR\HIDA EM 6 DE OUTUBRO DE 1869.
.NS. PREMS. NS. PREMS.
\
12
17
30
43
48
61
1
4
7S
74
7
76
78
80
88
83
83
98
98
408
7
8
9
18
26
88
39
47
3
46
47
70
78
3
M
8.1
91
9S
1M

8
48
1008
88
t -
846
47
SI
as
87
O
es
3
05
09
78
78
73
83
87
98
'};;
7
'W
310
18
18
20
22
28
*;
26
39
39
iO
44
57
59
60
63
70
77
88
99
408
19
81
88
48
454
61
67
68
71
7S
73
81
8S
89
92
93
95
505
6
13
18
29
32
34
39
41
42
51
88
56
57
m
61
65
74
78
79
82
84
85
84
88
64
804
, 9
21
22
*
17
28

48
88
48
88
48
208
88
48
636
41
43
45
48
53
57
65
06
73
81
87
90
95
98
700
11
13
17
20
27
28
35
38
50
Si
89
68
.64
69
78
74
84
48
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.jMS. PREMS..NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PRElls!
.08
48
87
91
65
907
8
22
24
30
33
48
50
57
59
H 65
88
J9 -
882
85
95
903
6
10
21
23
24
27
32
46
.12
54
53
59
61
70
73
76
90
94
97
1002

13
Ui
18
29
40-
50
52
53
54
98
75
81
85
\ 86
88
89

198
199
1498
90
2
48
3789
95
98
380
11
12
21
30
37
38
44
48
68
71
91
97
3906
23
29
37
38
13
4*
31
57
'85
67
70
72
73
I 78
78
80
91
94
4000
4
18
32
39
40
43
47
54
63
80
48
404
48
88
48
94
48
4094
97
4103
4
9
11
U
15
21
22
28
37
40
56
58
62
71
86
93
98
14200
3
8
6
13
ti
jrj
f
30
33
41
43
47
4
53
58
(0
48
48
H
48
88
48
? :
80
8
88
93
9
4fl
4301
3
0
8
11
li
26
37
44
47
31
52
57
61
64
Vk'
81
84
87
88
91
92
4400
1
C
8
17
19
21
22
185
26
30
32.
36
45
46
48
W
55
50
f
Gl
48
88
48
8
48
%
74
79
4480
86
87
90
94
97
99
4501
7
9
10
17
19
21
36
44
45
52
59
63
67
68
'11
T6
88
94
4003
16
17
25
2t
37
30
34
35
37
43
81
"i
Jt
88
87
92
93
48
8
48
88
4*
4700
\



I #

71
1(ttfrio, de Per^mtuco Quinta fera 7 d* pulqbro. de $9.
"i
-T
SESS.lO EM
rstsmcMCtA no su. nt.vsl
(Continua(o)
OS. Ministro da Jisticv : A arbi-
bfk do csrcereiro. Agora, senhores, ve-
jamos s* estas disposigoes da nossa legisla-
bas alampa ira ras ao espirito liberal que se
f.ia amsamele manifestado na .scieucia
rrintinal.
rVimeirim'Ue direi queo nosso cdigo
trintiaal iira daquelles que raais se re-
coaamendam pe sn liberalismo. (Apoia-
Na Franca, pelos arts. Ol e 618 do c-
digo de ionlriis0ao crnnin*/ rtd de eaniemr a reo insianiMnicavel
para tiKsrif**tv da ventad."', e sem tempo;
UU> mis o ministro da Justina por urna
reatar rocoiansenou nao se usaese da
medida sc*5<> quando ella fusse ndtepenia-
vel, c p^r uro letapo rasaavil.
Os criminalistas mais notaveis, como Ly-
fMtead. Ortolan, Fausn Helie, reconhe
cana' neeessi lade qw ha para a InStroe-
tJa erinunal dslJ medida, sem a qual
w.itis vezes se borlara a iavestigaco.
Se a aatoriade policial troem prende,
como Do ha de ella ter o direito decqn-
>ervr o presj incommunicavel se fr pre-
i*S< ?
Depois de comer.ado o processo, ent
fle* o reo sob a acgo dojuiz, e escapa
afo da polica.
O Su. Gomes w. Castuo : Eu res-
ponder! a V. Exc. logo que se disentir em
os oatros arligos, c desde j pego a palavra
para' islo.
O Sn. Mmistbo ba Jcsth;\:flerengner
e DtMn nao so declararam contra a in-
commuuicabildade, mas sim contra o abu-
so qoe della se fazia, transformahdo-a em
orna tortura, o roo era conservado em pri-
-o lbrega, em completo isolamento por
lempo illimitado.
A incommunicabilidade nao exige esse ri-
;0r; pode em muitos casos o reo ver pes-
soada familia, ua presenta da autoridade
ou do careereiro.
O que se poda fazer paraapa>ar os jas-
ros escrpulo-, consignar alguma medida
endent a obstar, que esta incommunica-
bilidade nao tome o carcter d orna tortu-
ra (apocados) e seja tnicamente a interdic-
ta necessana para o descobrimento da ver-
*dade.
Senhores. na Blgica, a le de 18 de fe-
veroiro de 1852 nos arts. 29, 30 e 31 ds-
poe a respeito da priso incommunicavel o
aiesmo, com pequea differenca, que est
coasignado em meu projeexo.
Calendo que nem nos estamos em cir-
i instancias to favoraveis como as da Bl-
gica, neta podemos a este respeito aspirar
a maior liberdade do que a de um paiz como
aquelc, to i lustrado, to civilisado, e re-
gido por sabias insliiuicoes. Na Inglaterra
ti em prati ;a a incomounicnbilidade : um
autor muito notavel, Ricardo Burn, era
ama obra sobre a Justina de paz, diz o se-
guinte :
Quando preso um individuo, o car-
cereiro, ndepeiidente de ordem do juii,
lera obrigago de o manter em seguranea,
pira que elle nao se evada: em segredo,
para que elle se nao coramunique, nem com
os outros presos, ncra com pcss'oas de
fura.
Consultando a obra do Sr. Mittermayer,
f se encontra na edicto que possuo, pa-
gina 168, um processo notavel do assassi-
ulo de um sacerdote do nome Hollest. O
parte da iiis;riicco desle processo para
mostrar a mcrcha do smnmario criminal em
Inglaterra.
Alii se v que, tendo sido presos dife-
rentes individuo* suspeitos de haverem
assassinado o sacerdote, estiveram desde
o Ia at 20 de*tubi'o incommunicaveis,
sem que a audnifade pcrmitlissa aos reos
ver seu advogado. Apezar de suas instan-
cias, foi-ihes isso leouBado por tres ve-
zes.
O Sr. Ff.unamks oa Ciniia :E' exacto.
O Sb. MiMsmo da Justica :A esta
medida severa se deven descubrir a crimi-
aalidade dos ros,u>6de-se colligir indicios
que teriara desapparecido ; acareram-se os
delinquentes com as tcsteraunhas, c assim
chegou-se evidencia de sua criminaliil.i-
de: se uo fosse a incommunicabilidade
sk> se teria provadoocrime; ficaria elle
impune.
Por conseguinte, senhores, quando taes
exemplos encontram-so na legislago dos
paizes mais livres, mais civilisados, como
havemos de privar s nossas autoridades
leste tneio de descobrir o crime ? .
Sr. preside ate, tmha muitas outras con
aideracSes a azer, porm me reservo para
a discusbo especial de cada artigo ; uo
farei mesmo as observacoes que dese-
jiva a respeito do art. Io, porque a maior
parte dellas icaro prevenidas ou preju-
dicadas com as considerarles geraos que
eipuz.
Expend com franqueza o meu pensamento
a esta augusta cmara ; quando eu sub-
metti-lbe o meu projecto, nao o fiz nica-
mente a um ramo da legislatura, ao repre-
sentante immediato da naco; submettio
tambera a urna corporaco illustrada em
cajo seio eii'sliem magistrados maito dis-
tinctos, advo'gados provectos.
Eu, pois, cont e espero que esta augusta
cmara far ao projecto as correcces e os
supprimentos do que elle necessite.
E' necessaro porm, que votemos a lei
(apoiados), e que a votemos m breve
prazo. (Apoiados.) Est augusta cmara
deve estar compenetrada ido mesmo sen-
ttaento de qoe eu eston, que devenios oc-
capar-nos de todas a reformas de que trata
a resposta, a falla do (brono. V.Apoia-
dos.)
As necesidades qtlc temos de satlsfazer
aobem conheeidas; os nefeitos que temos
de corrigir sao apontadostiiarmente: cum-
pre, portauto; que o rerofedio seja prompto,
^ue nao se fer^a mais esperar. O paiz o
aguarda desde 1883, em que iamos appli-
ca-lo, quaado dekan6S o poder.
Estou coBwncido que "Orna lei soffrivel
que orna lei nrcorapleta enTrelaco s iber-
dades individmaes, urna Rl medfofire, mas
votada j4, preferivef a una lei fetcellente
votada raais tarde. (Apoiados.)
Compre, senhores, que esta adgusta c-
mara aio termine a presente sessjfo sem
ter dado satisfazlo aos reclamos da opinio
a apeito desta refortna e cmpoft e en es-
pero, que a sesso de 1809 se inscrever
irzcomaum datan*"
wt i JSil ie do
apoiaaj#;Jnait*e[ar
o flea adiad pela horaf
Dada a ordem do da, UvaBla-W a 8-
sHo as 4 horas da tarde
SESSO EM 25 DE AGOSTO
ntESiDENCiAo sn. nebias.
,, feita a
clr-mada, NTsrifica-
sufficiente e abre-se a
butr, da
aimas, V.
loroBn
a aela da, anteie-
Ao meio da
se haver numero
ssso.
L-so e approva-se
dente.
O Sb. Io Secretario d conta do ?e-
guinte:
EXPEOTENTF.
Tres ofiicios do mmisterio do imperio,
communicando que se expedir avrso as
presidencias das provincias do Miraobiio,
Gear e S. Paulo, acerca da deciso desta
cmara sobre varias eleicSos feitas naa
mesnws provincias,'Inteirada.
Outro da presidencia da provincia de S.
Paulo, enviando dus olleci-es dos acio*
legislativos da assembta da mesrfta pro-
vincia promulgadas n^ anno protfmo nndo.
A' conmissao de assemblas provh-
ciaes. .
Um requerimnto de Claudio Gitigou, J>e-
dindo isencao de direits para os tubos do
systema Jaloureaitx..V commisso de ra-
/11 ru 13
' Outro de D. Maria da Gloria Brrelo de
Albuquerque Pinto, pediudo para que se
Ibe releve do pagamento da quanlia exig da
pela thesouraria da provincia do Rio-Gra n-
do do Sol!A' mesma commisso.
Outro de Ernesto Ribeiro dos SanDs,
pedindo para, se matricular no 1 amro me-
dico da cort, fazendo antes do.acto os ei-
raes de preparatorios qu lhe fall.A'
commisso de instrueco publica.
Leem-se e vo a imprimir: um pi'o-
jecto concedendo isenco de direitos coj-
panhia da estrada de ferro do Santos a Jim-
diahy; diversas redaegoes sobre penses e
iseoces de direitos sociedade '
Econmicos.
E' lido e approrado o parecer de com-
misso, sobre a pretenco de Joo Augusto
Correa.
Entra em rliscusso o reqa,nmento
de adiatameuto o'fferecido pelo Sr. l)uc ue
Estrada Teixeira, na sesso de C de julio,
ao projecto que approva o privilegie con :e-
dido a Benjamn Upton para o fabrico e
venda dos fijlos denominados Ameran
building block.
Tendo feto algumas considerares o Sr
Siqueira Mendes, o Sr. Duque-Estrada re-
quer para retirar seu requerimento.
O Su. Presidente': Nao possivel, par-
que j est encerrada a discusso, mas a
cmara tomar em considerado o pedido
do nobre deputado na votaco que vat
dar.
Post a votos o requerimento de auia-
mento rejeilado.
Contina a discusso do projecto, con a
emenda apoiada na sesso de 6 dejutho ;
ninguem pediudo a palavra, aosto a tolos
approvado com a emenda, sendo remellido
commisso de redaeco.
Entra em-1* discusso o projecto
mandando o govrno ouoeder sen;,o
de direitos de importarn dos mac.n-
uismo5, apparellios, utensilios e mais ol>-
jectos neessarios para a illuminaco a
gaz e canaiisaco das aguas e dos esgotos. as
emprezas que se propuzerem a realizar
taes melhoramehtos as cidades de S.
Paulo e de Santos.
O Sr. Rodrigo da Silva pede, e a cma-
ra concede que o projecto tenha um s dis-
cusso.
Vm mesa, sao das, apoiadas, e (n-
tram conjuntamente em discusso as scgiin-
tes emendas
O governo conceder igualmente uen-
?o de direitos de importado de toda a ;er-
ragem e apparelbos das pontes e produc-
tos destinados ao prolongamento da estiada.
de rodagem da capital para o interior da
provincia da Parahyba da Norte, conforme
o contrato celebrado com o engenheiro
Justa Araujo, ou qualquer outro que para
o mesmo lim eflectuaro presidente da refe-
rida provincia.Diogo Velho.Carneiroda
Cunha.J iguaribe.Menear Araripe. -
lien tiques.'
lirual favor s machinas, apparelbos e
utensilios e mais objectos necessarios fun
dico de ferro o officina de machinas de
Ilund Bcesch & Sidow, estabelecida na ci-
dade de S. Paulo. Ftoriano de odqg
Diiarte de Azevedo.Joo Mondes.
Ninguem pedindo a palavra e posto a vo-
tos o projecto, approvado com as emen-
das e remeit'ido commisso de redc-
elo.
OSn. Dioco Vei.ho reqoer que as emen-
das sejam redigidas em projectos separa-
dos.
Consultada a cmara, resolve pela afir-
mativa.
Contina a 3* discusso do projecto
vindo do senado, prohibindo a venda db
escravos debaixo de prego e em exposif
co publica, com as emendas apoia-
das.
Ninguem pedindo a palavra, e ponde-se
a voto o projecto, approvedo, sendo ro-
jeitadasas emendas.
O projecto, portanto, adoptado, para
subir sanelo imperial.
IEntra em ll discusso o projecto au
torisindo o governo a mandar admittir
matricula do t anno do curso, medico da
faculdade de medicina do Rio de Janeiro o
alumno do 1 ando do curso pharmaoeuti-
c, Fiederico Augusto dos Santos Xaxier.
O Sb. Coelho Rodrigues pede que O
projecto tenba urna s discusso ; e sendo
acamara consultada, resolve pela aflitm i-
tiva.
. Vm mesa, sSo lidas, apoiadas, e en-
tran conjuntamente em discnsso, diver
sas emendas concendendo igual favor
outros estudantes.
Niiguem pedindo a palavra, e pondo-se
a votos o projecto, approvado com toda
as emendas, remettido commisso la
redaeco. .
O Sb. Augusto de Oi.iveira requer qjfl
a emenda relativa ao estudanto Nabuco da
.Araujt> seja redigida em projetto seprate;
. O Sn. Diogo Vblho (1 secretario) reqaer
qfie todas as emendas sejam redigidas em
projettos separados. M
Posto a rotos o renuerimento do Sr. I"
crnnrTccrirj de 'd-*!RTm dfnsrenifts
do Imperio.
Yem mesa, lid a, artiga
junctamente .em d:sc|saw
emenda.
c Suppriraa-sc oj. 13
'o 3T*ii
lando"eo, oT. fme^ifefnV,
qual estive arrcJjipr tantos
Exc. comprehea^T^Sil deve
acanhamento noAtitr uso da palavra, qu
V. Exc. acaba il^fc,onceder. O projecto
que se acln om j*fe* sustentado
pelo nobre deputado pelo Rio de Janeiro
por um outro Sr deputado pela Babia :
ambos este meiwdigaos collegas entendem
que elle necessaro para boa arrocada-
r.o da rerula publica e para promover a
prusperidade comuercial (apoiados) de
modo, Sr. presidente, que V. Exc tambem
comprehendw quo ppr essa ratt ast
meu natural constrangimento aggrava ; por
ter de eppr duvidas ao projecto. nao
quero ser., considera i como iofeneo boa
arrecada?3b da renda publica, nem ao de-
senvolvimento da prosperidadecommercial.
Abundo as mesmas idas dos nobres de-
putados, apenas devirjb quanteiapolicacaa
qiiH Ihes quer dar o projecto.
Entendo, Sr. presidente, que em um
paiz novo como osle, para o qual a nata-
reza foi to prodiga, ;oovera antes procu-
rar, tirar todo o partido dos elementos na-
turaes (apoiados), o nao por espirito de
imitarfw querer emprehender obns gigan-
tescas fra do nosso alcance e que _ou
construidas em cortos paizes per cauSa -da
pobreza da- natureaa : all procarou-se
fazer artificialmente, o que a Divina Provi-
dencia nos deu e a esses paizes negou.
A idea do.projecto de generalisar a
construeco de dcas em todo o Imperio
parece nova, e s ha poucds dias sargia
nos horizontes ministeriaes. Eu n M
nos relatorios dos nobres minUtros, apre-
sentados ao corpo legislativo, semelliante
idea aventada ; apenas o Sr. ministro da
fazenda alRiima cousa disse a este respailo
ssa dispo3i.'o IQucIIa r/rte antoris o
overno a conceder a desapropriac-o por
Ida le d*185,', lei que foi Je i la uni-
tdt para esapropriaco dos caminhos
r*.
. Exc: comprehende que malivosdegran-i
dIniliadapublica*te|sarf|aqa|lla lei:
ftstSdas do ferro tlm m [)|rcorrer
granddi distancias (
portento, adoptar-se
rio p;ira desapropri
o'pismo incoovenie
to de qualqoer des
V. ex sabe que
dos), e era preciso
eio mais summa-
s terrenos; mas
so d a respei-
go para docs.
tm de ser esta-
belecidasem lugares pono espaco3os, po-
rm os mais ricos, eoa*> sao os dos portos
martimos, onde o valor de um pe cobieo
de terreno superior a vint ou majs ao
de qualquer terreno no interior (Jo paiz onde
se acuam propiiedades importantes -e de
grande casto.
Kssas propriedades ficam assim sujeitas
s desapropr.ac^s por meio todo summa-
rk, e por essa raao entendo que seine-
lUante antorisaco nao deve ser concedida
seno pelo corpo legislativo.
Todos os dias, Sr. presidente, aqui se
falla no excmplo da Inglaterra ; o paiz
que se traz sempre como paiz classico para
ludo.
0 nobre deputado pela Babia bontem nos
fallou largamente sobre, as dcas ingle as,
porm S. Exc. esqueeeu-se. de considerar o
modo porque sao concedidas aquellas em-
prezas di Inglaterra, modo que faz com que
ellas possam em seu resultado offerecer as
vaptagens que realmente dio.
V.; Exc. sabe que na Inglaterra a iocorpo-
raro dessas conpanliias que se encarre-
gam dessas omprezas feita pelo parla-
mento, que procede a tjdos os necessarios
finqueritos, chamando sua prosooca todos
os int/ressados, c que, depois de um pro-
cesso regular era que todos os inieresscs
sao consultados. alteadidos e que profere
a sua sentenca. (Apoiados.)
Q Sr. Figueira de Mello:Sem duvida.
OSr. Alousto de Ouvbira:Entre nos,
em negocio to importante e grave, que
em relaco alfandega do Rio de Janeiro, jpde comprometler tantos interesses, qaer-
requeir
tario, approrado, julgando-se nal lo
prehendido o do Sr. Augusto de 01. -
veira. L^
Contina a 2 discusso 1 projacio
gfi aolorisa o governo para contratar a
E' natural que o Sr. ministro da agricul-
tura, autor do proiectoi teme parte no.
presente debate, e nos voaha esclareced
acerca da verdarfelr- ulildae dsio pro^
jecto e da applieaco que quer dar-lhe.
Por mais, Sr, presdante,, qne ea exa-
mino o projecto, nao eieontro nelle o
grande alcance que-os nobres deputados
eaxnrgaram. Seguramente eu nunca ne-
garei que nao seja til a constroeco Je
oV cas nos paiaes que tm recurso para
emprehend-las, mas o que eu neg que
ellas sejam to argentes e necessanas como
querem os nobres deputados, pretermo
se alias outras obras de interesse mais
immediato.
Se conslrucce* sao necessanas para a
boa arrecadn^o da* rendas, a cmara,
senhores, ] autorisou na lei do orcamonto
ao Sr. ministro da fazenda para encarre-
gar o sfrvir,, da carga e descarga dos
navios coiiinanhias ; portanto est impl-
citamente omprebeiulida a aulorisaco
para qualquer construeco, ou para qual-
quer contrato que seja necessaro, alim do
mesmo governo levar a elfeito somelhanie
antorisaco. Nesta parte, pois, o projecto
inteiramonte desnecessario ; o governo
podo contratar todas as obras que elle
julgar conveniente as alfandega3, para
melhor asseguiar a boa arrecada$o-4as
rendas. Sendo este, a meu ver, o pega-
mento e a idea capital do projecto, pensa-
mento que j esl prevenido pela cmara
na autori. ministro da fazenda na lei do orcamento,
mais que evidente que o mesmo projecto
intil e desnecessario.
O modo por que o prejeoto eetaltelcce
que estas construeces tenbam lugar me
parece que tambem ne precisa de autori-
saco especial do coTpo legislativo.. _0
pn jecto dispe qne nestas consirflcees
pd' o governo conferir aos seus proprieta-
rios o direito de perceberem urna taxa d -
terminada. Parece-nos que, sendo estas
emprezas paflicularea, nao preu^aui Uceaba
do governf para pertj-ber pagamente poi ,|
qualquer servido d^que se encarregoem.
Porem, m sa qoizer considerar estas em-
prezas com verdadero carcter pubRco,
ou mesmo particular podendo lomar ca-
rcter publico, conforme a hypothese que
adiante figurarei, em tal caso essas laxas
tornam-so verdadeiros impostes; e, como
a iniciativa de impostes conslitue a mais
bella prerogativa desta augusta cmara,
eu aioestju disposto a delegar ao governo,
seja elle quam fr, lio importante attri-
[buiQo, que privativa da cmara dos Srs.
deputados, e qae s por ella ptde ser
excrcida.- (Apoiados).
Para figurar a hypothese a qae ho pouco
me refer, isto de qoe.essas taxaspodem
tomar a feigo de um imposto getial, nao
vou mais longe do que o porto da provincia
de Pamambuco.
- Conjo sabe V. Exc e todos que conhe-
cem a opographia daqaella cidade,i "os es-
tabeletmentps commefciaes para oj servido
martimo osto situados em caes i a pri-
meiro oquevai des le do arsenaljda ma
rinha at lfandega, o segundo d alfan-?
dega pela ra do Apollo.
Supponha-se um momento que oj-g< ver-
no contrata com urna companhia partiealar
a consrueCiTo de dcas em Perbambuco ;
nesses dous pontos o eommercto, Jprivado
de todos os seus armazens dfle rtem de
ser desaprc priados, forcosameTe Jtem de
sujeitar-se a essas,. dcas, e snalo abri-
gado n? carga e descarga dos eua navios
e servr-se s e exclusivameble dessas
s-proceder por modo diverso, e por meio
de'jim* aatorfeaclo abandonar as proprie-
dades do todos os nossos portes martimos
aofgoverto.
Pergunto eu, Sr. presidente: o governo
lera a infalibilidade pipal, de que o nobre
deputado nos fallou bontem? Acredita que
rile nao poda pecar? Eu nao me retiro
ao actnal Sr. ministro da agricultura ou
ontro qualquer-----
O Sb. Dio.vys Martins: O nobre depu-
tado nao me conprehenden ; crj n^o disse
que o governo tinha infalibilidade papal.
(Risadas.)
O Sr. Augusto de Oi.iveira : Mas o
nobre deputado nao admilte um erro ou
abuso por parte do governo, entenilendo
que elle s pode fazer o bem. E depois,
pergunto eu ao nobre ministro da agricul-'
tura: com a applicaco que quer dar a esse
projecto, qnaes sao as d:as que tem em
vista? Elles sero em numero tal e to nu-
merosas que porventura nao possam vir a
cmara, depois dos contratos feitos-, pafa
serem approvados ? (Apoiados). Julgo que
nao; en entendo q ie a cunara nao perde-
r o seu tempe, nem pode melhor empre-
g-lo do que quando ocenpar-se de assump-
tos desta ordem.
Senhores, eu receio e receio muito de
certas facilidades corn ipie muitas vezes se
faeem concsses na nossa terra: nao di-
rei qae aquelles que esto nuL perto do
governo c que residem naio nao pos-
sam melhor garantir os seulpropros inte-
resses ; porm para as provincias, para as
quaes se legisla com tanta facilidade, qnan-
dVo projecto nem sequer determina que o
gefterno seja obligado em todo o caso a
ouvir sempre as autoridades provinciacs e
as respectivas pravas do commercio, V.
Exc. reconhece que eu devo ter muitos re-
ceos que, por qualquer erro ou qualquer
facilidade, um ministro de estado nao ve-
nha a fazer urna concessio que possa ser
prejudicial aos grandes e legtimos inters
sesdas mesmas provincias.
E n|o pense V. Exc. que eu nao tonho
justejMnotivos para ter esss receios: a
camM sabe o qae- se tem passado a res-
paito do melliowaiento do porto de Per-
nambuco.
J no senado se acha em 2a discusso um
pi-ojecte aulorisando o governo para man-
dar construir dcas no porto de Pernam-
buco. Esse projecto j est em 2' discus-
so sem que nunca fossem ouvidas as auto
rldades provinciaes: apenas a associaco
oummorcial daquella piOA-incia esponlanea-
mente reclamou contra s'emelhanto idea.
Os fundamentos para apadrnhar seme-
jante idea sao inteiramente errneos ; a
allegaco apresntada foi colinda em um
documento official submettido ao parlamen-
t Ibgjez, de.modo qua se vai procurar na
Inglaterra documentos (fefactos de nosso
paiz para comprovar aquillo que so deve
fazer no Brasil t
Nesso documento so diz que as despezas
a qf; esli sujeits os navios no porto de
Perdmbuco sio to exorbitantes que se
[eletam a 25 sehlings por tonelada, e ara
esse fm foi apresntada a conta das despe-
?aspegas porum navio tngloz; posto qoe
eu respeito o% nomes qne ao governo in-
'gtel submetleram suas opinioes sobro esta
materia, sej#*me todava licito observar que
esst eonta, para produzir o devido effeilo,
de\"frra trajer assignatura do respectivo ca-
p lab-e da cesa commercial a que fi con-
sigrtado o referido-navio.
^ lj!, pois," bascando-se em semelhantc
alleflifBo, que por vir doestrangeiro foi lo-
rem Obrigatorias para o comTndrcio as
laxas que elle tiver de pagSrJ -essas
mesmas taxas toman o carcter de um
verdadeiro imposto. (Apoiados1 d t depu-
taco pernambucana).
E, porgante eu, a cmara #sl r dis-
pasta a conceder oa a delegar ao teverrib
urna atlr.buiclo desta ordem? Mfl-parece
que nao.
- Sem duvida, depois qae o nobr minis-
tro da agricultura aos explicar* as luasin-
tencoes, eu talvez nao considere o projecto
to prejudicial como me parece por ekaqaan-
Si ; porm at esta .momento nelle. ou nao
escubro urna s ulilidade.
Digo, Sr. presideate, que nao rejo ulilida-
de, porque atondo quei o governo, m vir-
tude das lea existentes j est armado de
todos osmeios ordinaris necessarios para
levar a affeito qualquer melboraatenlo desta
ordem :. apenas vejo, qae em todas as dis-
posigoe do projecto axiste um oaico de
qoe ello j nao dispoa, e esto saramamen-
to periaoso.
mesmo navios que tem de ser dispensad
as dcas propiciadas sJMbdlRio
000 navios cm 18I.02 lonaUUa
tanto, paraje oHler o juro do 8
o capital da/13 mil e tantos con tos
tem de ser bpregarlo, taras a
toser obrigaro jpno medio a cada navio
qae freqentafc na despeza forcirJa do 115720 por cada
tonelada bra$Ueira, o que ao cambio calen-
tado do 25 V* eqolvalo i 31 sctulHogs e3
pennys.
Compro notar que as publicac5es allu-
didas se diz que as tabellas da lfandega,
qae foram consultadas, a tonelada na en-
trada c de medida estrangeira c na sabida de
aedida brasilea. Em tal hypothese a sora-
ma taftl de toneladas elevar-se-ma a-----
126,2o0 e a respectiva taxa descarja para..
Ho780, equivalente a 25 s. AdnHtlamos,
porm, o calculo da somma total antes por
molida brasileira, vistor qae mesmo essa
oatra hypothese ne> prejodica a proceden-
cia da minha denionstraro.
_tPara combater exorbitancia de seme-
Ihante despeza, enpoderia at soccorrer-
me da conla apresntada ao parlamento in-
glez, na qual o calculo de toneladas pare-
ce ser por medida inglfea, se, para mar-
char mais seguro, eu' nao julgasse mai*
conveniente antes guiar-ntc por aqOillo que
diariamente se pratica em nosso paiz, e
que eu mesmo faco. Portanto peco licen-
ga nesse caso parar ter mata costiaoca em
urna conta de quafqaer navio consignado a
minha casi rommercial em Pornamauco, e
cuja autbeaticidade posas, gar.mlir; pira
esse fird apreseniarei a conta de um navio
wgtez, que trooxe carga completa e voltou
com um caYregamento de assncar, igual ao
do oirtromavio mencionado no documento
do parlamento inglez. Esta conta est fir-
mada pelo respectivo capitio, e para maior
fidelidade eu a mandarei transcrever at em
idioma inglez, em que foi redigido, tal qual
se acha nos livros de minha casa, donde
foi ella extrahida ; E-la:
fftsbursements, of the Dritish frig Crecan,
Cftarlet Ligk, QUter, arriml from
Burin, and, boundto the thanncl for
orden ou i/te 5 fh( MarcK 1869, and
consigned to Mrs. Augusto de Oltveira
& .
To piloiage inwards 21#340 outwards...
8jj340.....
mooring 46> unmooring.
40*000 .....
lighterage discharging 1903
drums ish a 60 rs.. .
do loading 2600 bags sil-
gar a OOrs. .
wharfage on 2360 bags sil-
gar a 80 rs.....
otivadores a c2660bags
sugar a 40 rs. .
landing 1003 drums ficli
a 40 rs......
cooperage onlish 12660.
Labourersdischargingand
landing cargo 44^000. .
fees and sandry expenses
and petties discharging .
anchorage dues on 213
tons braz. measurement
a 300 rs. 63,^900, and
stamps ou same $600 .
consolar fees.
brilish dues on 140 tons
registor a 240Vrs. .
brocker, traaslating and
certifyng manifest and
store list. ...
eash to.captain Leigh.
shipchandler's and but-
cher's a/c.....
conferento 5'l doty on out-
ward freight $. .
presidenl's despatch 10>
bil of health 35200. .
despatcher outwards and
govermentelearenec. .
licences, ceriilicates and
lamps 4f>640, petties..
o)500.....
brokerago o freight
S 1, 10 s.a 18 3/i
49)$o80
9000
1145180
I59->0OO
212^800
106.)50O
76.^120
paS ao go-
para i bter a
lublica, e pro-
mercio; para
observar, j
vigor mais que au-
torsado, apenas n3o pode em todas as obras
para desapropriaco appliiir a legislacotle
1855, mas nudo elle,)utg)r conveniiUte
essa applicaco para uWDquii conslrulpo
de grande monta, nao \-ejo motivos pira
que nao vesha solicitar do corpo legislando
semelhanto aulorisaco,
Kritondo tambem, 8f. presidente, qtfco
nobre mlrffelro da ajficullnra de va. admit-
tir como condigo nd sea projecto o prin-
cipio da ooncurrencia todas as veses aae
quizar emprehender obras ista natnrwa.
Nao veja'qne esta idea possl ser contfiria
eieouco de semalhante projecto, a que
em todo o caso nao passo por ora dar-lae o
mea assehtimenlo emquaoto nao fr esclare-
cido pelo nobre ministro acerca da apee-
Oo que pretende dar a esta autorisaco, o
.tambem do modo por que emende as diver-
sas disposices do projecto.
Peco agora licenca a V. Exc, Sr. presi-
dente, para dar os motivos que me levam a
prestar o meo voto ao artigo addilivo
presentado pAlo meu collega por Pernam-
buco.
O Sn. Presidente : Devo observar ao
nobre deputado que o artigo addilivo ro
est ueste momento em discosso, aem mes-
mo ainda foi apoiado. Isto s pod ler ta-
car depois de terminada a dlHssab do
projecto.
O Sn. Al'gl-sto de Ojjveuu Bem, como
V. Exc. tem d# a%rit diecussSoeelre o ar-
tigo addilivo, reservo-na para nessu occa-
sio expender 85- razoes qe- temopafi vo-
lar om seu favor: .-._- ..
Me pareee, Sr.- presidente, qne esse ar-
tigo poder ser aceite mesmo peto nobre
ministro, porque He nao faz- mais do qaa
confirmar aquillo que a cmara j appiovou.
De modo que se passar o pmjecto qoe-esll
em discusso, e o governo contratar a cons-
truegode qualquer doea na prewiaeia da
Pernambaco a cousuquencia que haver
om vote coalradtorio, e ea ma explico.- **
A cmara j approvoo um projecto aulo-
risando o goverrio para mandar costina* as
obras de raelhorameutos do* porla de Per-
nambuco ; nao bouve a miniaia opposicoa
semelbante projecto, cujo lim principal por
termo idea de d :as na provincia de Per-
nambuco, e nicamente autorisar acops-
trueco das obras que forem necessari*
para que aquello parlo possa dar entrada
aos navios de todas as lotaces; e isso, Sr.
presidente, em proveito nSo s dos interes-
ses daquella provincia, como tambem dos
interesses geraes, tirando-se o maior parti-
do do mais importante ponto geographico
da America meridional. (Apoiados.)
dcas. Portante, pelo facto de s r torna-$o migada procedente, que se apregda
conto-vantajoso o projecto que se adha no
senado, porque em tista das taxas eltabe-
fcciffts, calcala-se em 18 sehlings a des-
peza de um navio por cada tonelada; pd-
rnl nosei se nesse clenlo) de 18 scbil-
regula medida inglesa ou brasileira,
Rparce-me aotes ser esta ultima, porque ai
aootaM total de toneladas do commercio
iaitapor navios emPernamboeo extrahida
de iteatorios de nossos ntiaistres de esta-
do ;asse poato essencial e importante,
poislqae a cmara sabe agraade difieren*
5C5060
32^000
65>500
20^000
33^600
155000
205000
155A740
9S000
13^200
20*000
10*000
o/
/O
Va
Logo que a governo consiga realizacac
desse melhoraraenlo, ha tanto tempo recla-
mado e desejado por todos os Pernambuca-
nos e por todos aquelles que conbecem a
provincia de Pernambuce, e tambem logo
que fr estabelecide ara telegrapho elctri-
co, o resultado ser que as rendas pablieas
crescero, e a provincia de Pernambuco
contribuir para os cofres geraes cora urna
senda multo mus avultada, renda que troje
a maior depois da do llio de Janeiro, e
que diminuir a differenca em qae est para
com est ultima, logo que se tire todo o par-
tido da excedente posico geographica do
porto de Pernambuco. (Apoiados.)
Limito-me, Sr. presidente, s observa-
coes que acabo de expender, declarando
que por eraquanto nao julgo necessaro este
projecto, porqaeogovernayi dispe dos
recursos necessarios para emprehender a
construeco de Jocas c quaesquer obras ;
e para os casos da desapropriaco pela le
de 1855, entendo que o governo deve vir
pedir ao corpo legislativo a necessaria auto-
risaco, sempre.que julgar isso convenien-
te. (Apoiados.)
YazEs .Muito bem. muito bem.
O SR. ARAUJO GOES ainda faz algumas
I8-,'200|consderaces; Gcando a discusso adiada
I pela hora.
commission
300 d. 18
3%. .
on
3/.
freight
3:8405 a
Rs..
1:2803820
1155200
1:3965020
no a consultar sempre
d entre urna oaalads' de ma*da4 vinciaes e'respectivas
E. and O E. Pernambuco, 5 th Marro
1809.Signed) Otarles Leigh, raaster of
the Grecian.
Dedozindo-se da somma dessa conta,qae
de 1:3965020, duasaddicoes que nao sao
propriamente de despeza do porto, como
sejam as de 205, dinheiros ao capito, e a
de 1755714, mantimentos, (ica a despeza
toda do porto na entrada e sabida redu/.ida
a 1:2205280; em vista da lotaco do navio*
que de 213 toneladas, veio elle a pagar
55778 ou s. e 3 3/t da penny por cada tone-
lada brasileira, sto 70 o/0 menos do que
os 18 scbillings, conforme certos clculos
contestados e apresenlados para abonar o
projecto ao, senado, el cerca de 160% me-
nos," se prevalecendo o algarismo estabele-
cido pelo distimt engenheiro de minha
provincia, cm lugar djesses 18 scbillings a
despeza proveniente da3 taxas for dte 31 s. e
3 d.
Eis pois, Sr. presidente o modo por que
se quer fizer um beneficio provincia d
Pemmbocol A ltalo de melhoramento se'
quer impbr-lhe uma medida onerosa, que
tantos mates causar ao seu commercio l
Eis pois' como se procede no paiz, n
se aprofundam as qutestoes, mortnent as
que se referem as infalizes provincias; at,
como acabo de provarj quando-se trata de
om interesse que se diz de granda alcance,
os calcoloaapresentadqs sio inexactos !!
Em visto do que acpbo de expt, pare-
ce-me que sao mais'qae fundados os meios
que rtatro a;ercavda ewcuco tftst| projec'
toem relacio s miseras protiacias, por-i
taato entendo que tbdi* os contratos cele-<
brado pato governo **i dcarnal provin-
cias deveto ser dependentes da approvaclo;
do corpo (legislativo. (J^poiados.)
E aotn4 projeeto fio obriga ap gover-
rjotra 4a brasileira ; a tonelada
sa de' 70arrobas, emquanto qjte a
braitoira apenas de 51.
t F 4izmente essa duvida adia-se boje bem
el rscida por alguns artigo} ltimamente
pnbtcados ns Jornal do (frmmrcio ice roa
ato i lelhoramante do portojtda Parnarafcuc,
aiqi e-eu altribua a pennard* am disatocto baco,;
eag neiro dajniaha proviaci. Essas p#-
obe (oes provam mal lieaaatibamente m
eitq o calcato mais lilaeral qae adaait^e
ao passo aoa Ibe os
applioaroj processo s
priages. pala lei de 1
confiar aot governo a
por meip to conceasSep que ptBdei
zes ser tainos bem oebsadas, a
projecsak* senado
as repaHic!
gas com
de a
ario aas
, ea;
auloril
Vanaenadc
a propri^dada n
EuBiftaero.Sjv
s pro-
ciaes;
ade de
apro-,
posso
ampia,
s ve-i
a do
rnam-
de toda<
*> im-

ORDEM DO DA.
Contina a 2" discusso do art. Io do
projecto sobre reforma policial, com as
emendas apoiadas.
Vem mais i mesa, sao lidas e apoiadas
as seguintes:
Ao art. Io | Io. Os chefes de polica
sero nomeados pelo Imperador d'entre os
hachareis formados em direito que tiverem
pelo menos quatro annos de pratica, e nao
podero ser os magistrados.
2o. Depois das pa&vras substituir
interinamentediga-se a um cidado que
estoja as cOndices legaes para exercer o
cargo de chefe fie polica.Antonio fiado.*
O SR. HERAGLITO GRAfA : Sr. pre-
sidente, a materia em discosso est quasi
esgotada: ti& failarei boje, se porventura,
por occasio do desenvolvimento qoe den
lursrao sea discurso 6 nobre ministro da
justica n trVesse eo proferido algons
apartes, qae fbram contestados.
"Se^bores. o projecto apresntada pelo
nobre ministro da justi?a, reorganisando a
polica joiicari, tornando ncompatves as
funegoes pfHciaes com as jodidarias,- limi-
tando e regalaado a priso preventiva, am-
pliando os .casas de fianga e facilitando a
sua preslaaSoJcontm ideas e disposges
sabias, em (palem chefadd a ora accordo
os partidos no paiz ; allende a aspiracoes
ha muito manifestadas. Em Ipoucas pala-
vris, o projecto do nobce tnistro procu-
ra satsfazer as duplas necessidaes da
justica penal e da liberade individual,
narmomsanoo e resguardando interesses
qae por muito tempo se tem achado em
antagonismo, sacrificados ana aos ootros,
com prejuizo db direito individual^a.sem
vantagem paca i eficacia darapress
Presto, por isto, o mea apoio aoj
to do nobremisisjfro, proeatoque
que ostra-quO seu autor
progressos da sciencia a
failas pelo tompo das
coate aconseceL senhoraa,
operam reformas na Inj
doiiioe tem sutoadido. ai
lemaaha, onde tireformap
ga do legislador. comoi-Pi
Mbca de Japiter.
BW
iiifilmi
i
IH MA*l-KaflHfc

k.
v
r
>-
u
\


i
>*



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG2XCVJ8M_2VSLW1 INGEST_TIME 2013-09-14T03:50:04Z PACKAGE AA00011611_11961
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES