Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11957


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1
I
:i
f
i


.
i
NNO XLV. NUMERQ 225.

t&k CAffTO,* LWARK 0*D
wi*iidit#idein.....
For-un an Mem.....,
Ctd* numero avuJso.....
DIARIO
OE OUTUBRO DE 1869.
* -i
IWin *>m% adiaBtodOD
Por se* ditos dem. .
Por nov ditos dem .
Por w nano.
f-wii ba mmciL




Ptt>priedade de Manoel Rg-ueira de Faria & jRUm*.
V^--------r~
'
--------
.


-------
Os Srs. (
Gerardo Amonto Alw 4 Filhos^nc.Par; Gonjalresd Pinto, no Maranhao; /aaqnim Jos do Olfvein
Pemra dAlme.da, tfft Mamangtiape; Antonio Andrino de Lima, na Parabri; Antoni.
SAO AE WBft
, ao Qear; Antoojpde
.
a, MAre*ty;.)oio


i
i
------!----------_-----



* *!> <2W8 no Ass Antonio Marqnrt da Sh>, no Natal: Jos/asno
PARTE OFFKI AL
- -------------------------i-----------___,______________ |
f-overno da provincia
Xr-EDIRNTK HMUibl PELO EXM. Sn. PB. MAHOS6
00 NASCIME.NT0 M.VMADO PORTKLLA, VICE-FltKSI-
Ofnu da rwmstiA, em 6 r Kim os 4889.
1" seei;ao.
N. 158.Portara ao genera! eommandante das
armas.Mande V. Exc. por ein liberdade o re-
eruta Jo* Das da- Dores, visto ter sido julgado
incapaz de serw* do.sxercto cono eousta do ter-
mo de inspecgio anuexu aoaeu oflieio de 5 do
correte sobo.'380.
N. 157. i)ia ao mesnto. Cdmmunco a V.
Km. para seu conhecimento que nesta data con-
ced 20 da da prazo para prorar iseneao legal ao
recruta Jos Ricardo da Silva.
N. 158 Dita ao director do arsenal do guerra.
Mande V. S. entregar ao eommandante do eor-
po provisorio de polteii ou a quem elle auterisar,
para receber a mang. para a bomba de apagar
incendio, pertenoente a aquelle corpo, e M que
trata osen offlco n. 138 de 3 do crrante.
N. l'fl.Dita ao coimnandante do presidio de
Fernando de .Voronha.Em addflamento a porta-
ra datada de honlom, rransmitto a Vmc. as guias
juntas relativas aos sentenciados de que trata a
relami por copia a esta annexa, ps quaes teem da
-c'3'uir para esse presta o, segando otBcio do juiz
municipal supplenle da pruneira vara de I> do cor-
le ute.
X. lf>0.Dita ao cap lio do porto.Para servir
no eonselho, que segundo o seu officio de hontem
datado soto n. 82, tem de reunir-se no dia 9 de
corrate. taraexaaiUt.tr as cantas do cofre-Uas
multas dessa capitana, designei oDr. juiz de; di-
reito da segunda vara, com quem deve V. S. en-
icnd*r-seFica dcsle modo respondido o fuci-
lado olllcio.
N. MI.Deliberacao O vce-presidente da
provincia, attendendo ao que requeren o padre Vi-
'i-ote Ma/zi, resol ve coueeder-llie liceuea para re-
inetter para o presidio de Fernando, no vapor da
companhia Pernanibucana, que segu no dia 8 do
Dnente, os gneros constantes da relaeiio junta
issignada pelo secretario do governo, os quaos su-
i ao all entregues ao primeiro ditpellao do mesrno
presidio. T X \
S. lu.Dita.O vico-presidente da provincia,
attendendo ao que requereu Uaviiiundo Lino dos
Santos (ouvea, resolve conceder-lhe liceoca para
remelter para o presidio de Fernando, no vapor
da eoopanhia Pernaniltucana, a seren alli entre-
gues a sua Mil Francisca Rosa dos Santos liar-
eos, os gneros constantes da relarao jauto asig-
nada pelo secretario do governo, nao podendo |io-
ram eteetuar-se o dese ibarqne dos mosmos g-
neros, se* qne por parle do euDimaudante fl a-
'luelle prfsidfo se proceda a exante, am dorveri-
car se ha agurdenle ou oulra.qualiiuer babida
'-pirituosa. '
2* seccao.^
X. 10."!.Portara ao presidate do tribunal da
i clacao.Remello a V. Jxc. a icciusa petigao de
Domingoj Alfonso Ferrara, secretario deste tri-
liunal, dirige ao governo impeiial pedindo asna
aposootaderU oaquelle cargo, aflm de que V.
i;xc. iufoniie a respeito o que Ihe parecer de di-
icito.
y. IG.Dita ao juiz de dreito da secunda va-
ra dcsta cidade.Tendo designado a \. S. para
lazer pai te do eonselho de exame das coutas do.
cofre das inultas da capitana do porto, no anno
linanceiro prximo (indo, assin Ih'o conimunico,
Mim de que eotopareca naquella capitana, onde
iem de a unir-so o referido conseibo as 11 horas
do dia 9 dn corrate.
S. 10.*.Circular aos uizes de dreito.Sendo
Ilegal, abusivo e prejudicial ao servico publico o
arbitrio que tomara alguns iuizes rt promotores
pblicos de sabir das respectivas comarcas sem
uca, r.-iMiiiHjendo a V. S. que na-) se ausente,
;nda que niomenlaneanunte da comarca da sua
urisdiccao ?em previa Ikenga do poder compe-
i'iiite, salva a hyplhese du'art. 4" do decreto n.
1:285 djo :iii de uuven.bro de 18:i
N. lfiO. Portara ao juiz municipal e de or-
illaos do termo do lirejo.Accuso o recebimento
lo offlcin de 15 de junho prximo passado, com
que Vine, remetteu-me mappas para a estatistica
udiciaria.
Cumprindb-llie ministrar-me, alm do que
acompanharam o referido officio os mappas sob
us. 9 e 4? criminaes, e o le n. 29 commercial, re-
ommendr-llie que satisfar com brevklade essa
disposicao do respectivo regulamento.
N. 167. Circular aos juizes municipaes Sen-
do Ilegal, abusivo e prejudicial ao servido publi-
co o arbitrio que lomam alguns juizes e promoto-
res pblicos de sahir daf respectivas comarcas
-em lcenc.a, recommepdo a Vmc. que nao se ali-
ente, alada que momentneamente, do termo de
>ua jurisiccao sem previa licenga do poder com-
petente, salvo a hypothesc do art. 4o do decreto n.
1:283 d? W do novembro do 1833.
N. 168.Dita aos promotores publico?.Sendo
illegal, abusivo e prejudicial ao servico publico o
arbitrio que tomsm algv-us juizes e'promotore*
pblicos de sabir das respectivas comarcas sem
liecncA, recommendo a Vmc. que nao se ausente,
anda qne momentneamente da comarca em que
serve sem ptevia licenca do poder competente.
N. 109. Portada ao hachare! Francisco Jos
Alves (1p Albuquerqae Filho.Constando do Da-
rio Oficial n. 131 de 2& do mez lido, de ter Sua
lagesMlo o Imperador nomeado a Vmc. por de-
ortedu 19 do dito meij juiz. municipal e deor-
|dwo do termo de Santa Barbara, na provincia
le Minas-Oeraes, assnn ih'o cominunieo para o
lins convenientes, marcaxido-lhe o prazo de cinco
mezes, a .ntar desla data, para tomar posse e en-
trar no exeicicio do dito cargo e presentar o res-
peeth* titulo.
\. 17f). Dita ao eommandante do corpe pro-
visorio de polica.Era nsnosta ao olcio de Vmc.
de 1* do crrante sob n. 276, tenho a dizeMne
ue pode i'!andar receber no arsenal de guerra a
manga de que carece a bomba de apagar incen-
dios perteneenle a ease corpo, a qual segundo of-
Itcio do respeciivii director de 5 deste mez, a mui-,
w nae se act nronj-
N 171. De'meraeao. i O viee-presidente da
.rovino, conformanb ce .aeroposta dp ehe!e
i\-i polica ruerno, em offlco o. 966 da 2 do cr-
lente, rMolve nomear para os lugares de tereiro
: quarto supplenle* do subdelegado d,o primeiro
dislricto do termo de Batreros, aos cidadaos se-r
quintes o* ordem de su collopacao : Antonio de
.iantiag.i Ramos a 4oaquim dos Sanios Diuiz.
3 e:sao.
N. 172. Portara ao inspector ds thesourana
de fasenda.&n vista da coarta junta em duplic*.
la. que ote remeHeu < ooimuan Jaule superior des-
to niirijii i eom oflieio da 3 do eorrente sob n.
Ul, mande V. S. liquidare pagar a despeza feit
com i foroeeiuvmta -d'agus ao primeiro batalhao
de artimaa aquarialsdo no Hospicio, durante o
wz de anbo ultimo.
i 173.Dita ao mesoio>?fra additamento so
tosa officio de hqutem, recWiajando a V. S. que,
eia tist do pret Junio e^iv auptato, que me re-
raetteu o eommandante superior (leste municipio,
vm oBtio de 3 do correare sob n. ?*. ow0-1? "
fcUf e pagar os Teucneuios rejaiivos so niej
de juopo uituao, do gOstds MtfiMial do terceiro
..faam,,;^^^^^^
.
IV. S. expoz em sus infrmacao de 3 du corrente,
ob n, 4.31, dada com referencia a da contadoria
| dessa lliesouraria, acerca do requeflmento em que
wdses_J| Hett pedem pegamento da importancia
do caxviio de peJra, quem virtude de seu cun-
Irslo ferneeeram ao arsenal de marinha desla
provincia durante os meies de abril o raaio deste
anuo, tenho a dizer-lho que dessa ioiBortancia
mande pagar somonte a qnantia para qo h'ouvef
eredilo.
N. 175.Dita o amonio. De coafocaidde
com o aviso da reparticao da agricultura, com-
mercio o obras publicas, de 24 de auril ultimo,
communico a V. S. para seu conhecimento 3 fins
convenientes que o engenheiro das obras, geraes
Dr. Anlonjo Vicente do Naacimenlo Peitosa, en-
tregou a esta presidencia cm data de 3- do corren-
te o rclalot'io trimen-al das obras a seu cargo.
4* *eccao.
Jt 177.Offloio-ao Bx-in. Sr. ire#ideile da pro-
vincia de Minas Geraes.Participo V. Exc. para
os tins convenientes, que nesta data communiquei
an baeharel Francisco Jos Alves de Albuquerqae
Filho a sua nomeacao para o cargo de jniz munici-
pal e de orpfti* do termo de Santa Barbara nessa
provincia, por decreto de 19 de junho lindo, segun-
do consta do Diario Oficial n. 131 do dito mez,
marcando-lho o prazo de cinco mezes para tomar
posse e apresentar o respectivo titulo.
N. 478.Dito ao regedor do Gymnasio Provin-
cial.Visitando hontem o Gvmnasio, enconlrei na
sala de recreio oito alumnes de 16 a 18 annos de
idade ; e como, pelo art. 128 da tai n. 369 de 14'
de msio de 1835, so devem ser admitttdos no os-
tabelecimentn alumnos menores de 11 annos, re-
commendo Vmc que, verificando as datas em
que foram admitidlos todos quantos tem aquella
idade. providencie em ordem a serem retirados os
iltegalmente admittidos, observando a respeito dos
outros o ai prescreve o regulamento, dando-me
parle do que lizer a este respeito.
N. 179.Dito ao mesmo.Tendo observado que
a sala destinada para recreio do Gymnasio Pro-
vincial aproveitada tambem para estudo, e que
alm disto flea ella nTparte do edificio do lado do
poente, tornando se por isto a menos propria para
recreio por ser muito calida, de sorte que sendo o
juntar na sala correspoudento no pavimento ter-
reo, igualmente calida, terao os alumnos do con-
s.ivar-se nest parte do edificio desde Inorada
tarde al as cinco e meia, quaudu lertuinam os
esludos e exerdeios, cnnvm que Vmc. faca trans-
ferir o estado e exereicos para outra sala ha fren-
te do ediliiio, sem duvda mas propfia. Aproveith
a occasrio para declarar a Vmc. que ha falla de
movis no edificio, e que compre providencrar-se
a respeito, convindo que peca aulorisagao para
comprar os que forem precisos.
K. 180.Dito ao mesmo.Tendo encontrado no
Gymnasio Provincial Cstudantes de preparatorios
e da Faculdade de Direito de 16 a 18 annos de
idade, alguns dos qnaes, pela maneira por que se
apresentaram, nao mostraram estar as condigSes
de bem servir, constando-me que eslava um au-
sente por ter ido para a Faculdade, s sendo de re-
conhacida inconveniencia que os tugares de repe-
tidores sejam exercidos por mocos alumnos da Fa-
culdade e estudantes de preparatorios qne tem
obrigaces a cumprir nessa qualldade( os ^vftes
nao se harmonisam com os que sao proprios de
taes lugares, e tornando-se necessario por este e
outros motives providenciar a respeitoj recom-
mendo Vmc. que me informe circumsta.nci*da-
menle sobre cada um dos repetidores, declarndo-
me a idade de cada am, onde estudam, desde
quando foram nomeados, e se com vencimentos ou
sem elles, propondo logo pessoas habilitadas para
ocenparem aquelles cargos.
N. 181.Dita aos gerentes da companhia Per-
nambucana.O Sr. gerente da companhia Per-
nambucana mande rebeber transportar para o
presidio de Fernando de Noronha, por coula do
minislerio da guerra, n vapor que tem de seguir
para alli no dia 8 do corrente, os gneros compra-
dos pelo corrector geral Francisco de Miranda!
Leal Sevc por parte da fazenda, os quass constam
da relacao junta, assiguada pelo secretario do go-
verno.
N. 182.Dito ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernarabucana mande dar urna passagem
de estado r at o Rio Grande do Norte, no va-
por do da 15 do corrente, ao conferente da alfan-
dega d'aquella provincia, Affonso de Paula-de Al-
bnqnerqiie Maranhao.
RMMKn ASSICNADO PELO EXM. SU. I.'R. MANOEL
DO NASOIMENTO MACHADO POBTELLA, VICE-PRBSl-
ENTE ? DA PROVINCIA. EM 6 DE JULH0 DE 1869
i.' seceo.
N. 191.Portara ao Ekbi. Sr. general eomman-
dante das armas.Constando de aviso da reparti-
cao da guerra de 23 de junko ultimo, ter-se dado
entrada no deposito provisorio todos os reertt-
tas mencionado na relacao que veio annexa ao
officio de V. Exc. de 10 do mez lindo, sob n. 340,
menos o de nomo Antonio Joaquim dos Santos,
queira V. Exc. declarar o motivo porque deixou
de sagnir elle no vapor Cruzeiro do Sul.
N. 192. Dita ao mesmo.Mande V. Exc. por
em liberdade o recruta Manoel Castreciano da Sou-
za, visto ter sido julgado incapaz do servico do
exerclto edmo se v do termo annexo ao seu offi-
cio de 7 do corrente, sob n. 392.
N. 193.Dita ao director do arsenal de guerra.
Mande V. S. desembarcar dn vapor Tocanlins o
recolher aos armazens desse arsenal o armamen-
to constante da primeara va do conhecimento jun-
to por copia com destino ao deposito de.instruc-
co dcsta provincia, bem como dezeseis volumes
conloado fardamento c mas artigos mandados Tor-
necer $o deposito de artigos bellicos da provincia
do Rio Grande do Norte, os quaes V. S. far se-
guir a seu desjiuo no primeiro vapor da compa-
nhia Pernamhueana ; para o que fica expedida
ordma aoniMipamive gerente.
=r
rrrr
'entar wuauhaa as 8 horas dia, na ca de deten-
go uma.fprc.s.ufncierjte de fiuiteiros na raes da
Cttarnicao do navio sob seu .commsndo. para es-
icitar at Fernando de Noronha quiote sentencia-
eos que para alli teem de seguir no vapor da eom-
panhia Pernambucana, devendo o embarque etfee-
l Jar-se no .3p3.do Porto do Mallos.
N. 199.Dit. ao commandanto do presidio de
Fernand.Para poder satisfazer as informacoes
que exige o ministro da juslica era viso de 26 lo
mez flnd, informe Vmc. oque constar acerca dos
sentenciados Manoel Pereira do Valle e Joao Ma-
nuel Damasceno, mandando copia da guia que
a^ompanhou o primeiro dos ditos sentenciados.
N. 200.Dita ao engenheiro das obras milita-
res.Pode Vmc. mandar fazer o accrescimo de
...,.muc i un-, uiaiiuar lser u ai-rri:sriiiio u UUCfao pal 'a S9 pouer prosegllll' n* QB
dispeza na importancia de 80^000, segundo o or- nao ha que duvidar, dar em relflfed
ico, trazemlo joruaes da u'rle dp dia 2J, e
'ije 28 eS9dv. pesiado. .'
r antes do sabir este vapor Ja corte, eb>
lQ af ,,yindu de 1! 4a 11 ata, o vappr ingle! Cj-
' tu ofMio de Jdkeira, luxeode jornses de Bucnos-
Ayres.au 17 e de Sfo^fsyido ate 18 da selembro,
''j6 "^Jt?1" 0,rte|li!.lJ?ai"t!Dl11 Prestados peio
NeWW apehif' encontramos, con reUQai) ao
tbeatro da guerra, o. seguinle :
Chcgo o Provisor vnAo' do Asuup5Q.
Depois d*s utuir.acooiecuientof nada mais
occorrea.de novo.
Tero-se empregado o tewpo era adijirir noti-
cias do inini^o, o proparau-st os uieios de cbn-
duecao para se poder proseguir najuarcha, a qual,
do, por quapto as noticias rindas de Santo Aato-
nio Estiva outros lugares, unde havia anda
gru* armadas, sao as memores possivis. Eh-
lendo, portn, que para ser duradoura csla.feliei-
dae, de que estao gozaado os Oabilautes dente
termo, faz-so nscessaro cnflocar em diflereatos
pontos, onda costuro haver feiras e reunios
de ganmivros, destacamenos polieiaes. afim de
evitar-se disturbios e desorden*. A !or$a policial
(toe aqu existe, apenas ehg*i iara poiiciar em
regr* esta cidade. O 9r. ft". delegad Felipp
32
cjimento annexo m seu officio de 18 de jnnho ul-
ti no, com a substituido de algumas pecas de ma-
di-ira da eobertado qnarteldo deposito que veri-
flcou-se" cstarem inutilsadas por occasio de dar-
se comeco aos concertos precisos na mesma co<.
bi ra e que foram arrematados por Rufino Manoel
ds Cruz Cousseiro.
2' seceao.
N. 201.Portara ao presidente da relacao.
Queira V.'S. informar acerca da duvida suscitada
pelo juiz muuicipjil do termo de Cimbres em officio
junto de 17 de maio ultimo, que devolver com
a sua infonnacao.
N. 20iDifl ao eommandante snperor interino
da guarda nacional do Recite.D V. S. suas or-
deis para que a manliaa as 9 horas dia se apr-
sente no quartel general urna torca de vutc pra-
i;as da guarda nacional sob sea commando supe-
rior, afim de escoltar at a bordo do vapor Gi(ui,
a seto sentenciados e dous presos militaros que.
setiuem para, o presidio de Fernando no referido,
vapor.
i. 203.Dita ao eommandante superior da guar-
da nacional de Olinda.Informe V. S. com urgen-
cia sobre o que cxpfjs o subdelegado do Curato da
S no officio junio por copia a que alinde o Dr.
c-befe de polica no de 3 Vio corrente, sob n. 902,
providenciando desde" j para 'que cssm os abu-
sos de que traa o dito officio.
i\. H4. Dita ao eommandante superior da
guarda nacional do C:ibo.Proeeda V. S. de con-
foriuidadc com o.dispostp no decreto 3,535 de 25
de tovembro de 1805 acerca do capilao Antonio.
Perigrino Cavalcanti de Albuquerque e Bernardi-
no.Vnlnio Vieira.de que trata o seu officio de 27
de abril ultimo.
N. 205. Dita ao eommandante superior da
guarda nacional do Ilamb.Expeca V. S. as suas
ordeos para.que seja substituido por prneas da
' guarda naeioual de oulro batalhao sob o seu com-
mar do> superior as que formain o destacamento de
Itamb.
>>'. 200. Dita ao eommandante superior da
guarda nacional de Flores.De conformidade com
o ail: % 26 do decreto 1,354 de 6 de abril de
185i, e art. 9 segunda pane do decreto 1,130 de 12
de curco de 1853, designe V. S. novo dia para a
__do a conclu-
sao da guerra, o mais tardar dentro de um mez.
Com as atiUcias do iniuiigo, quem- Deus ha
c gado io.wkm'ii 6 (n*T parar na sua
I"^-#i>||Sifigii.veylJ^tdifflcuklades do irus>
porte, uicas ria* qu,encntranip n*ije, an-
tes de "trelf di.is tik peemos em nrtK'U.'e pora
15 do que vem (outubfrt)^ mais lardar, llie pee-
ri dizfrtenirts veucio.
c as repablieas platinas nada oecopfVa de no-
ta vel.
. RIO DU iamhro.
No (li)i 24 deji.ir.im de fnncionar, por falta de
numero legal 'le seus membros, o situado o a c-
mara dos deputados.
Por carta imperial de 22, toi naturulisado o
subdito inglez Archibald Geary, machinista extra-
numerario de priroeira classe da armada.
Por decretos de 22 :
Fcz-se merc do fdro de fidalgo com exercicio
na casa imperial :r Itaymundo Jos Vieira da Su-
va, flllw legitimo do fidalgo cavalleiro Dr Luiz
Antonio Vieira da Silva, e ao arechal de campo
Victorino Jos Carneiro Monteiro.
Jos: Antonio Ferreira da Rocha, para poder tirar
diplomas de cavatiro das ordens de Chr'islo e da
-* Por decretos da mesma data Ibraffl conce-
didas as seguales pensdBs, por servicos pmsuiiw
na guerra, que ticam pendentes da ap'provacao da
assertiWa geral.
A D. Thereza de Jesns Arsenio Barbosa, mi do
alferes do i:( batalhao de infant.iriaLuiz I^eopol-
dfno Barbosa, a' de 25j mensaes-j sem prejoizo do
meio sold que j percebe.
Ao capilao booorario do exercflo Josu Antonio
Alves, a de BOSniensaes.
Ao 2- sargento do 10" corpo de t-avallara da
guarda nacional Damasio Alves de Moura, ;i de
60U res diarios.
Ab cabo de esquadra do f corpo provisoria ti*1
effaria da guarda nacional Floriano Rodrigues,
a de 508 ris diarios.
A aHsper.vla do 24* corpo de voluntarias da
patria Manoel Antonio Primeiro, a d868 r*is
diario*
Ao 2. cadete reformado Manoel Vitalino do
Daltro de Gastro tem tomado medidas preventivas
para que nao sejam alto-
, lillidada publica, a eu fa-
rei tudo para ajuda-Io no desempenno da inissau
je que est incumbido. Len{es, 18 de selembro
rT Deus guarde i V. Exc. Mira, e Exm. Sr.
dasembargador Atonio Ladislao de Pigueiredo
Rocha, vice-predente da provincia. Deocleca-
no da Roclia Vianua, promotor publico da co-
marca.
A alfandoga rendeu de 1' a 9' do passado
604:0214209 rs.
O cambio regulava : sobre Londres 19 5/8
a 19 7/8 d., sebre Pars 482 e 483 rs.
gem fluj>iayiosc|i'.9 vera da India, d i Maditarra-
neo_e dO Atlntico, lodos o$ noatees-ettaefiea -
carao segons por mtodo grande* ancoras, cuja
acrao ser aaxiiiwla pelo peso de proprio ca.
Estas esracSeasao ilestlnadas a prestar aos no-
vias cm vi .Tapemos metios ser vicos iri- m relhcm
(Vuina oslaco- lerrestre. eoeberao e transmiiti-
rao tefegraam*: oaiaro draposicaOiins pasea
feiroj^-poijfjMao despezes- e tama aos Bavio-
que sao nfcrigaV a entrar em diversas portee *
vezes por eirciinwtaneias de peafaeno peso.
PEMAMBUCO.
corrente mez de onlubro.
K)A UMRA.N*;A.-lIm lidklgo acbando-se a
ponto de nerder a paciencia, cota um criade., na
tnral da rlaada, que elle tintei fia aigum tempo
m tea servido, maaoo o ohamar urna maniata, e
lepois de o ter reprehendido seniamente, excla-
inon :
Uto nao pode dnnarassim sempro I preciso
epararmo-nos!
O iri indcz
renr .o do eonselho de de revisao da quatiReagan I Carmo Santos ; aos soldados do 13* batalhao de
da guarda nacional desse municipio, ncando as-
assim respondido o sea officio de 2C do mez lindo.
N. 20" Dita ao juiz municipal da primejra va-
ra d^ta cidade.Transmuto a Vmc. copia do avi-
so do ministerio da justica de 26 de junho" findo,
e be n assim as inclusas guias de que trata o dito
aviso, convindo que V. S. preste a respeito as in-
furmai;js que sao exigidas, segundo o que cons-
tar resse juizo.
Y. 208.Dita ao mesmo. Haja Vmc. de en-
viar-me copia do auto de visloria e identidado de
pessi'a procedido no cadver do sentenciado Pedro
da Silva Dutra, que acompanhou o oflieio desta
presidencia de.27 de margo lindo.
D PACHOS DA VlC-PRESlDENCU DO DIA 28
DE SETEMBRO DE 1869
Francisco de Pin lio Borge's.Informe o Sr. en-
genheiro chefe da reparticao das obras publicas
Francisco Gomes da Costa.Informe o Sr. ins-
pector ds arsenal de niai iulia.
Joo llypolito de Meira Lima.Dirija-se o sup-
plicaiite ao engenheiro de que trata.
Jeronymo Martiniano Figueira do Mello.Infor-
me o Sr. Dr. cheto de polica.
Jos Augusto de Araujo.Informo o Sr. enge-
: nheir) chafe da reparticao das obras publicas.
Joao de Souza Barros!Informe o Sr. inspector
da thisoraria de fazenda.
Joauuim Rodrigues Tavares de Mello.Informe
o Sr. inspector da tpsouraria de fazenda.
Manoel Thomaz de Albuquerque Maranhao.In-'
forme o Sr. inspector da tbesouraria provincial.
Maioel Perefra da Silva.Seja removido como
pede iara a cadeira de Venda-Grande.
Miguel Pereira Geraldes.Dse.
29
Ab.jxo assignados moradores na travessa da
Ponte de lcha. Informe o Sr. inspector da the-
soura-ia provincial.
Fie.den Brothens.Dirija-se ao Sr. inspector da
ihesouraria provincial.
Jos Augusto de Araujo.Dc-se.
lsii Joaquim Ferreira de Souza.Informe o Sr^
nspet tor. da tbesouraria de fazenda,
Leonor Carolina de Vasconcellos Borges Leal.
D se
Manoel Antonio de Jess.Informe o Sr. de-
sembiirgadorprovedordaSanla Casa de Misericor-
dia.
Mananta Lins da Albuquerque.Concedo o
praso de .'id das.
Mara Marcionilla Pereira Lima.Intor o Sr. di-
rector geral da instruegao publica.
N. 194.Dita ao mesmo, Em resposta ao seu
officio de 5 do corrente, sob u. 131, tenho a de-
clarar-lhe, que fica approvada a designagao que
V. S. fez do cadete de voluntarios da patria Anto-
nio Eugenio Alves Rjrreira, para txereer interina-
mente o lugar de apontadar desse arsenal com o
respectivo vaocimeoto ates que seja. prvido esse
lugar.
N. 195.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nea.Mande V. S. postar amanlitv as oito bof
do da no caes do Forte do Mallos, urna lanena ou
embarcacoes sufficienjea para transportar para
bordo do vapor da copipanha Pernambuca, que
tem de seguir para Femando de Noronha quinze
sentenciados a a, escolta que os ten de ir guar-
dando, i,
N. 196.Dita ao eommandante do bngue barca
Itamaruc.Addilaado o meu officio desta data,
declaro-llie que a torca de daz pragas o um infe-
rior qne determine! fosse,apresentada ao general
eommandante das rnas^iiaihia as 9 horas do
dia, deve ser apiuregada, smenle efg guardar a
bordo do valor GpjMi (Mriile a vigem para o
presidio de Feruafiao m Soroiitia, Sos senlencia-
dos mUiUtea que para'alli ssguem, -m qdes se-
rao cMM)iM pata bordo esaoltados-pac torga
^MfF^^lj0^!^* ' K^Mr^nti-ao oteme. Bfeade Vme. apYe-
sentar ao quartel general aroanha as lose taras
iatintaria JoU Lourengo do Vascon-
. qoo se acha^Mp|hpto a enfermara m-
. tf. I.Biu o mascjo.-latoirado do ua*to
do dia ama
cooflanca, tir
commando,
napdo de
uw*4qm
IWtrWr6!! inferior de
~ i do navio sob. seu
f presidio de Fer-
sson-
t*
;,-^^
Majrde
+&1*
Repartido da polica.
2* eccSo.Secretaria da policia'de Pernambu-
co, 4o de outubro de 1869.
J*. 14V0.Illo). e Exm. Sr.Levo ao oonheci-
mentc de V. Exc. que, segundo coasta das parti-
cpagies recebidas nesta reparticao, foram hontem
recolidos a casa de dete,ngao os seguintes in-
dividuos :
A' ordem do subdelegado do S. los, Alberto,
Joaqnim o'TraanO.'sVftvos, o f d.i Jos Rygmo
de So iza Peixe, a ft de um fu^q Castro Nunes e
o 'J" (e um fuo Bizerta, todos por terexn sido en-
contrados depois de 9 hpras da noule sem bilhete
de seis senhpres; Soterti Bernardo, para recruta;
e Jea juim Jos de Snt'Anna, por' embriaguez.'
Em officio de 28 mez prximo passado parttei-
po-ine o delegado de Sriohaem que, segando
Ihe communicou o.tabe.lliao publico d'aquelle ter-
mo. Joao Alfonso Rigueira, ao amanhecer' do da
anterior foYa-lhc roubada nma pr/j3o de roupa
e joias de poaco valor, tendo os ladrfjes, aprovei-
tahdo-se da ausencia, d. mesmo tabehao, qnp
n'aqpella occasio achrra-Fe no engenho Rosario,
destclhado a'casa, de sua residencia e cortado
urna *ipa, como fot verificado por eHe delegado.
Quo ignora aind3 quaes os autores d'esse cri-
me; poram am ^ropura descobri-los, allm de
os capturar e'cujijfV gs proceder na forma d.r
lei; n que do resultado de suas deligeucias res-
peito dar seieoeia esta wpargao
Oe s guarde a V. Exo.Um. e Kxro. Sr. De.
Maneel do WaacManto-, Msftsdo tWtolla, ico-
prestante da proviooia. O ehote de poUoa
Fm7co it-Atm QHvta Maeul.
OURIOBEPEim
-----------i.l.J J.I|!MH|TT"l'pi.|-------rr
'-1l*t
NoiaciS."! sl" -j *
GHWft hpoMB*o tardo o. xaoor a
b Sou-
fantaria Manoel Joaquim da Motta : do 23a cor-
no de voluntarios da patria Jos Luiz dos Santot;
e do 14" corpo de eavallaria da ff**rt tMeiflt
Cypr.ino Pereira de SbuzTa de 4(W ris diarios a
cdxum.
Declrense que a pensao concedida por decreto
de 11 de Janeiro de 1868 an soldada Joao Baptista
Alonzo, deve ser corstderada como concedida ao
soldado Joan Benedicto Alonzo.
Por decreto de 17, toi perdoada Francisco
dos Santos Alves, grumete do corpj de imperiaes
marnherros,- a pena de S annos de gales, que
tinha sido condemnado em 31 de julho ultimo, por
sentenga do eonselho supremo militar de justica.
Por decreto de 22, toi concedida a demssao
que pedio, do exercito, ao capilao do esfado-maior
de artilhara Domingos Francisco dos Santos.
O cambio era o mesmo que regulava sabi-
da do vapor fraucez.
Os soberanos () vendiamse a 12820 ris.
A nlfndcga da corle rendeu de 1 a 28 do
passado 2,174:714^800. '
Estavam carga para Pernambuco : o bri-
iie brasiloiro 8. Paulo, o brigue portuguez Laia
, e o patacho hespanhol frnsat.
ESPIRITO-SANTO.
No dia 17 do passado presin juramento e to-
mn posc do cargo de presidente da previncia, o
Dr. Antonio Dias Paes Lome;
baha.
No dia 26 do passado, depois de urna missa ce-
lebrada pelo reverendo'vigario da freguezia das
Brotas, na capella da fazenda Boa-VMa.. assistin-
do os Exms. Srs. desembargadores F. Rocha, vi-
ce-presidente.da provincia, coronel Monteiro, eom-
mandante das armas, Dr. Antera d'Asss, Cheto de
polica, varas outras autoridades, muiros eidadaos
convidados, e os mesarins da Misericordia, toi pe-
lo vice-presidente entregue Sania Casa da Mise-
ricordia a fazenda e o predio, para o lim de se
estabelecer alli o a>lo de alienado?, lavrando-s!e
em um livro propri o termo de posse, que toi as-
signado por todos os ciddos presente?.
estabelecimenlo tomn o nome de asylo de S.
Joao de Deus.
Nessc mesmo dia, no salao da sociedade Ve-
terauos da Independencia, toi inaugurada, com to-
da a solemnidade a sociedade Humanitaria A'w-
licionista, com grande numero de socios inscrip-
tos, e na presenga de numerosa affloeacia de
Abro-se a sessiio com uui di-cur?1.
tonio Ferreira Garcez, pre>dante da s
Em liomenagem a Insiiftrirao da -n
mattaria Abolicionista, a sociedade
Italiana aproeeotou a carta do atforria de urna
crioulinlia de tres anuos de idade, dcnome'Co-
ria.
Foi tambem libertada pela sociedade que 9e ins-
tallava; um menino, quasi-raaco dp ppuco mais
de m anno, por nome Jos.
K' digno de mengap o acto praticado pato Dr.
Jos Luiz de Almeda Couto, primeiro vice-prosH-
dente da mesma sociedade, o qual contribuir
alm da quota dada, com a quantia de 42AIKM)
necessaria para comji*jp.r a somma de 200^090
prego da cjeaogA
0 Sr. Austriclano Francisco Coelho, tambem
membro do eonselho da~~sociedade, ofereceu-se
para enpawegar-.se ga creacao c edacaco da
quella ereaaoa, soto'qo' tot laerocidiuuenfe apre*
ciada..
Alm destas doas allhrrias o Sr. Franklia Csar
da Silva Lima apresentou uou meinai em favor
ta libertacao da qual havia sido agenciad 1103,
pe Jiado o concurso da sociedad Httumnitfuia Abe-
liciuuistii. afim de que ella a su dgaos esfor-
cos preflzesse a quantia de 3003008, requerida
pele sfeohor da menina, ao. que aeeodou a socie-
dade. colisando-se imraediataini nc entre seas
socios, coajpcoiueilea dade-
Chegra a barga iagitza Hmittti. -df Li-
verpool, com a maior parto do n^atciiU necessa-
rio aos trimes urbanos do lar^> d PJacio de
Graeo.
, -5 Ao porto da eapitaj ar^ibou, ao dia 3,6, ppr
falu de carvo, o- vapor aujeriwno wyrn$ei, que
se destina Caftroia.
"" SM*e?* m iSS?" *M4Me>CIM>0M> *
Su&Vos LeoSeWram6}.no7ei-n Baha o.sogulnte oflieio
j i*n, -faM, fl, mohoo pMwrdopointaur
aieat a V; Bxc. quoeate termo acba-se eompMo,-
oSr-8aoi*MK> e.wojo *Afa \-Qm:
lo Dr. An-
bciedade.
fedade Un-
Bi'iteficeitfe-
EEVISTA DIARIA.
DIOCESANO DO PARA'.-S. Exc. Rvroa. o Sr.
D. Antonio de Macedo Costa seguio hontem, ao
Gnu/, para a Babia, alim de ah esperar o vapor
inglcz.
DlitHEIRO.O vapor americano fimtth Amtri-
ea trouxe as seguintes quaniias, para os Srs. :
Jos da Silva Lovo A Filho 20-.O00-S000
Augusto F. do Oiiveira & C 12".00*000
O vapor Guar levou da nossa praga:
Para a Haba 8:2400000
o Rio de Janeiro 316:6o43oW
sendo desta pareella 301:5691800 da thosnuraria
de fazenda para o tbesouro nacional.
FESTIV1DDE.A irmandade de Nossa Scnbo-
ra do Rosario erecta na matriz do Corpo Santo,
celebra .araanbaa com devido brilhantismo, para n
que oad tem poopado sens estorcos, a festividadc
desaa padroeira, orando na feta e pela primeira
vez aqueHa matriz o muito destnelo c bem co-
nheeiao orador na tribuna sagrada o Rvm. Sr.
Dr. Pelnca secretario do bispado, e no Ti--Deum
o digno, Rvm. padre Mello.
ARKS'ETE'PFRTUGL'EZ DE LEITl'RA.Com.,
so vd do annuncio publicado no lugar competen-
te, a directora do Gabinete Portuguez de Leitnra,
uccedeodo a pedido de grande numero de socios.
resqlveu adiar a festa anniversaria desle estabel
c i momo para o dia 'II do corrente, estando antes
lixada para a manhaa domingo 3. Isto em conse-
queneia de ser,o da 31 amiiversaro nalacio do
Sr. D. Luiz. I, rei de Portugal.
FESTIVIDADB:A irmandac das Almos da
matriz do Santsimo Sacraotento da Hoar Vista,
festeja amanhaa o seu padroeiro 8. Miguel, pre-
gando o Evangolho, o Rvd. prgador da capella
imperial Pr. Joaquim do Espirito Santo, a orches-
tra, dirigida pelo mestre da capella o Sr. Collas
Filho.
NOVO ALHENEO.llavera sessao extraordina-
ria convocada pela mesa para proceder-se a dei-
gao da nova directora que tem de dirigir os tra-
bamos no futuro anno de 1870.
ILLILMINACO.Assignantes nossos reclamam
pela collocagao de um lampead de caz na entrada
da nova ra aberta entre o largo do Hospicio o a
ra dos Pires, perto das ofllcidas da empreza dos
Brunos urbanos. Muitas pessoas-tein alli cahido
indo de encontr as ala va neis s agullias de des-
vio dos trilhos, e, nao ba'miiitosoias, urna senhora
ia sendo victima, pois que cabio na occasio cm que
depois dsler passado a man pln
tesu, com ar pnplexo, Airante alguns instantes
responden tristemente.
Visto que S. Exc. assim o quer No enton-
to otiso perguotar-llii) pnrondo tanciona retirar-
se, delxando essa casa ?
O criado mitondeu que visto ello querer sepo-
rar-se, que sabia, de.ixando-o na 'm
QUE ODRES.-Ha pouro Iralava-se de ?tma
qoestao da polica correciooaf, e o colpadb per-
tencento colonia dos aUemacs em Paris. (me-
na deinonsirsr qne a rerveia vendida por eerto
leudeiro nao embebedava.
Para provar esse faca lunnoa algumas teste-
mu n has.
Urna jurn om como em ditas horas beber
Innla a (las canecas de cerveja, sem se sentir
incommodado.
Outra tolln de qoarenla a eineoenta canecas
que absorvera n'uin dia.
A tereeira deelarou qne em consequencia de
urna ap sta. beber em Menos de duas hofw
SOMenia entecas.
Finalmente a i|uinta testemunha jurou uue bebia
ordinariamente nuarenia canecas por dia e que
vira n'iim pa*seio publico urna senhora beber du-
rante a nmte vinte canecas sem dar sguaes de
emlwiagnez.
Perantn taes provas o juiz reconbeceu que a eer-
veja nao embebeda... os allemaes.
LOTERA.A que se aclia a venda a
beneficio .da. igreja de S. .oncalo deeta
que corre no dia 6.
122, a
cidade
CHOMCA JUDMIARIA.
I lilil V\ I I>0 CONHERCH.
ACTA DA SBS&AO ADMINISTRATIVA DE 30 DE
SETEMRflO BE 18G9.
PRRSIDPNCIA DO F.XJI. SR. BESEJiBAUGADOa A.NSKLUO
KRA.NCI.SCO PEBKTTI.
A's 10 horas da m.inliaa. reunidos os Srs. depu-
pidos Rosa, Basto, Miranda Leal e baiao de Graan-
gy, S. Exc. o Sr. prasi'len'v abriu a sessao.
Lida fo'approvada a acta da sessao de 27.
exped K.\ TE.
O Exm. Sr. presiileute aecusou a receptan do
offlco do Rvd. Francisco Verissimo Randeira pro-
fessor publico da freguezia de S. Pedro Martyr do
Olinda, lido na ultima sessao.
Coube, por dislrbuigao, ao Sr. Miranda Leal a
rubrica do livro diario de Guilberme Carneiro da
Cimba.
Foi visto o livro da correspondencia eujos re-
gistros estad feitos em'ordem al n. 84.
DESPACHOS.
Requerimento do corretor geral Luiz Amavel
Dubourcq Jnior apresenlando o couluscimento
de ter pago o i." semestre do imposto aanuo de
seu oflieio.;Registrado entreguo-se ao suppiieante.
De Antonio Fernandes de Figueiivdo Pairo,
se approximava um trein. A' quem cojnpetir pro- Portuguez, com idade de 2o annos, domiciliad
videnciar recomraendamos a reclamago.
ORRAS PUBLICAS.A estrada da Passagem da
Magdalena, entre o sobrado grande e o lugar do
anligo viveiro do Muniz, est em mc estado.
Faz-se royster que a cor.servago respectiva se
esleuda at alli, uzeado desaparecer ,as depres-
soes do empedramenio, que sao per deraais au-
commodas ao transito de vehculos.
NOVA PUBLICACAO. Lomos no Jornal do
Commercio da corte J
Ineansavel lidador e Sr. Dr. Candido Mondes
de Almeda. melleu hombros a urna empreza, cujo
commettimonto exiga eoragem, e a renlisacao
muito labor e perseveranga. Emprehendeu orna
edigo completa das Ordenaroes do Hfino, commen-
tadas com olas philologica* histricas e exegoti-
cas, com indicagao das tontes das mesmas ordena-
'gjoes, addicionando a cada um dos seus livros a
legislagao posterior vigente, que tem immediata
connexaeao eom as materias dos respectivos t-
tulos.
Nao cabendo ueste plano todas as variadas
materias, cuio conhecimento pode ser til, mesmo
indispensavel nao s'ao estadante, mas mesmo ao
jurisconsulto j feito. que pelo menos ter a vanta-
gem de encontrar n'nm t livro um valioso auxi-
liar da memoria, o Sr. Dr. Mondes de Alnieida
addieionoa Aquello obra oulra nao menos valiosa,
a que, por ser de alguma forma independente,
acaba de vir luz ainda antes de coofcluida a im-
pressao da outra. Tem esta por titulo Auxiliar
jurdico sen indo de apndice i dcima fmrta edi-
cS 4o cdigo Pliil'ppiwt ou ordenacSe-i do reino
de Portugal. E' um grosso voluinn de mai* de
840 paginas em qaarlo, impressas em daas colum-
nas, (joe ooinprebendem diversas materias, cuja
indjeagao suffleenle para dar idea do quanto
grandiosa a obra. Eucontram-sa, pois, nella o
regimentos dos amigos tribunaes da 2^ instancia
superiores em Portugal eno Brasil; osestylos das
casas da supplicagad e do Porto; os assenio o os
arestos das mesmas casai; a theoria da intorpre-
taeao das leis por Domat; o commentaro critico
fel da boa razao, por J. M. Correa Talles; os
aphorismo do direito, por Fraacisoo Bacon ; os
molegomenos de direito, por Dupin Ain; s re-
gras para observar na olugo dos arestos pelo
mesmo; os axiomas e brocardos de direito extr-
hrdes da legisfacSo braerteira aotip o meder-
3a; urna guia para facilitar a conoulta das obras
os amigos jurisconsultos denominados reini-
colas; ama relacao dos Jnrisconsuaos portugue--
ses que floresoeram desde quando se oomeeou a
codificar a legislegio patria at a poca da inde-
pendencia do Brasil; oe-ropdwo da casa Av sup-
plicagao de 1425 at 1828; os presidentes do de-
sembargo do pago da 1477 at 1828; moa epito-
me dos trabalhos jurdico-litterarios dos juriscon-
sultos Paschoal Jos de Mello Freir dos Res, Ma-
no*) de Almaida e Souza Joaquim Jos Caetaun
Pereira e Souza ; as ordenaooOs e toie oxtraagan-
tes enteo4idas o declaradas petos asaclos de casas
da sqpplicagao e do civel (Porto); um appendice,
aos nsseatos das mesmas ossas o finalmente um
ludio de todas as material.
ESTACOES TOL^ISpCAS FLUCTUANTES.
Forinou-se ent teglaierra orna qompaohU para
o stabotecimeoto do estaciSes telegraphcas, e fluc-
tuaotos. A.
fuuooije ja
oo|pad>
nha
m
dos OAvtt estlolidos estas
oonsjjgdos. nx d'eU^s ser
| de Bih-de-Forib, no ponto
Uds que ecaeni a. t-
)Ticaf a, aJgum*.mi-
qaa.esiaa, 04,0993*.-
oesta cidade do Recito, eslabelecido ra Direta
n. 22 com fabrica de pao e bolaxa, reo/ierend<>
para ser admiitdo a malricula de conimerciante.
Junta a dito requerimento- um altestada Qrmado
por Halheus Austia & C. c Henry Forster & C.
abonando seu crdito couuncrcia). Vista- ao Sr.
desembargadar.liscaL.
De Jos Antonio de Macdo Lopes pedindo Lai-
\a 110 registro da nomeagao de sou cx-caixeiro
Joo Gonijalves de Miranda Colho, e registro da
que dora a Antonio Manoel de Souza, que o subs-
tituto.Deferido.
De Hrnrjqne & Azevdo, oppondo-se a relubili-
taeo impetrada por Joaquim Jos da Costa Fajo-
zes Juoior e Jos Laurcntino de Azevdo, aos
quaes nao deram quitago como credores que sao
da Xatlencui que se Ihes abrir.Como requerom.
De Relcbior dos Res Pavao, requereudo cwrli-
dao de se adiar registrada a nomeagao do seu
caixeiro brasileiro Manoel ltodopano Pavao.
Cerlifique-se.
De Antonio Barbosa de Moraes Cabral, natural
e residente na capital da provincia das Alagiws,
pedindo ser nomeado agente de leilcs da dita
praga.Vista ao Sr. desembargadoh fiscal.
De Jos Lopes Davhn e Antonio Beserra Caval-
oante, pedindo que so autorise o registro do dis-
trato da firma de Davini & C:x\ aleante.ViVia ao
Sr. desembargador fiscal.
J3e Ilenrique Martin- Saldanha, requartndo cer-
tido da nomoagao de seu caixeiro Antonio Mar-
tins Saldanha Jnior.Como reqaor-.
De Ilenrique Giiilliermo Slepple, requereodo o
registro do conbecimenlo de haver pago o iuqxis-
to de seu ofileio de corretor, do L. soaiestio de
1869 1870. Registrado seja entregue.
De Clareacio da Silva Jur, maior de 2o annos.
oidado brasileiro, requereudo ser nomeado agu-
te de leiioes da capital das AlagOas, aoude resi-
dente ba mais de anao.Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
De Siqueira & Arco Verde, succqssores. da Si-
nueira & Irmao, com prensa, 110 Largo d<> .\rseitd
ue Guerra u. 3, pedindo ceriidao de serem ou mu
coinmcrciantes niatricul;ulw.Cnio reqoerefn.
Dos mosmos Siqueira & yc^-Aerde, soioMaado
registro para a nomeagao qpe apresontAOi de seu
eaixeiros Napolead da Co^ta Moraira o AAtnias
Mjsael da Silva.Recoaliecida a (kiua da. uumea-
gao. regstrese. ,
De Amonio Francisco Raaos. du Oiiveira, pe-
dindo cerlidao de se achar registrada ueste tribu-
nal a nomeagao de seu caixeiro Msol da Silva
Colho.Dse.
De Joao Fraacisco dos Santos, requereudo o
registro da nomeagao de seu caixoiro Uufi^o.i^-
noel de Souza.Rcoubecida a firma da i).i)i)aili.
gao, registre-so.
De Joao. Francisco da Costa, requerandw. a S.
Exc. o Sr. presidente do Uibuaal pra ordoor o
registro da "nomeacao, qu aprsenla, de seu oai-
xeiro Franciscu Poroira Coio.RegisUs-se.
De Joaijium Jos do Azevdo, Pfdtodo uae-se
Ihe admita registro a nomeagao de sou eaaoiro
Joaquim Mara do ftbscaroaha^ Rosado.Rogis-
tre-se. H
De Numa Pomojlio Passos, cas
lisfeUo a cotidtoao quo sa (h
fiaoga para eSo se Ihe expe
tactor geral, da praga de
tada peloiwptco$r*
o dlsposlo n'o
o respoolivo
tnuohas
art,\3doi


/




J
:*rT"




IT1

4
JU ^ i u*<* D.wrio ^ pe^amj^i Sabbalo
i

2 de Outubro de 1869.
=3=
:r
33SF
' ii ii
..... i": i
admiltldo a depositar a importancia da flanea m
4inbeiro ou trices da divida publica, macea
do ser viiiva a angra de suplicante que o fcllanca
pala ouantia de seis cautos de res.
De Joio BaptUU de Mendonca, declarando ha-
ver mudado it prenca de algodao da ra do
Cordoniz n. 2 para ra da Lapa n. 8, aflu de se
:innoUr ueste sen'.ido o registro da nomeacao de
Elias Baptista da Silva Ramos que antina a ser
seu caixeiro.Deferido. f
De Joao Pedro de Mello (adiado da prxima
passada sessao), pedindo matricula de conamar-
dante.Nao tem lugar(Votaram pela matricula
os Srs. denotados Rosa e Disto i vista do atiestaao
apresentado pelo snppUcante)-.
Autos de rohabilitac-io deJoaqnm los da Cos-
a Faioies Jnior los Laureiitiuo de Azeve-
do.Junte-so a peticao de Henrique A Aievedo c
com ella v o fcito co vista ao Sr. desembarga-
dr fiscal.
Verificando-se nao liaver mais que despachar, e
*xm. Sr. presidenta encerrou a sessao as horas
do costme (He melada manhaa).
=*W


.,- < *'..
SESSAO JUDICIAR1A EM 30 DE SETEMBRO DE
1869.
BSIDBNCU DO EXU. SR. DESEJUAKfiADOR A. F. PB-
RKTTI.
Secretario, Julio G*imrSe.
Ao meio- da declareu-se aberta a sessao, estando
reunidos os Srs. desembargados Silva Guima-
raes, Reis e Silva, Accioli depatades Rosa, Basto,
Miranda Leal e-baro de Cruangy.
Lida, foi approvada a acta da sessao anterior.
ACCORDO ASSIGSADO.
Embarcante Jos Rodrigues de Araujo Porto,
embargados Izidoro Bastos & C,
JUI.OAMKNT03.
Juizo especial do commeroio: appellante autor
\lbino Jos Ferreira da Cunha, appellado reo Do-
mingos Francisco lavares; jneseos Srs. Silva
Goimares, Reis c Silva, Basto e barao de Cruan-
gy.Conflrmou-se a sentenca appellada.
Juio municipal < do commereio de Sennhaem:
appellante embargante 3* Francisco da Costa Mata,
appellado exequente o Dr. Jos Eugenio da Silva
Ramos; juizes os Sr^. Silva Guimaraes. Res e Sil-
va, Rosa e bario de Cruangy.Reformou-se a
sentenca appellada sendo voto vencido o Sr. des-
embarcador Silva Guiu.araes.
Juizo especial do commerco: appellante autor
Carlos Roock, representante da firma fallida N.
O. Bieber A C, appellado reo the London and
Brasilian Bank representado pelo sou gerente;
junes os Srs. Silva Guimaraes, Reis e Silva, Basto
e Rosa.Confirmou-se a sentenca appellada.
Juizo especial do commercio: embargantes ap-
pellantes reos Jos Francisco Ribeiro Machado e
outros, embargado appellado autor Amaro Jos
dos Prazeres; juizes os Srs. Reis e Silva, Accioli
Rea e Miranda Leal.Foram despresados os em-
bargos.
Juizo especial do commercio: appellante Andr
de Abreu Por.o, appellados Joaquim Ferreira e
Jos Martins da Silva : juizes os Srs. Accioli, Silva
Guimaraes, bario de Cruaugy e Miranda Leal.
Ordenou-se urna deligeneia.
Juizo municipal e do commercio do Cabo : em-
bargante appellante exequente Joviano Fcrnandes
da Silva Manta, tutor do orphio Augusto filho
de Joaquim Francisco dos Santos, embargada ap-
pellada preterente D. Joanna Ignacia de Jess;
juizes os Srs. Accioli, Silva Guimaraes, bario de
Cruangy e Miranda Leal.Foram despresados os
embargos.
1>ASSAGF.NS. .,
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargado!- Riis e Silva: appellante Cesan.)
eodalo de Puntes Franco, appellado Salusliano
Lauriano de Pontea; appellante Antonio Joaquim
Fernandos, appe'.lada Alcxandrna Mara dos
Santos.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
mbargador Accioli: embargante Benjamim Tuc-
tens, embargado Augusto Colho Leito; appellan-
te fre Francisco de Sao Boaventura, appellado
Manoel Ribeiro Bastos, cessionano da massa
de Antonio Pereira de Carvalho Guimaraes; ap-
pellantes Abreu e Veras, appellados Augusto Port
& C. ,
Eucerrou-se a sessao a 1 hora da tarde.
para Ollhda, e arrependen* -se em canunho vol-
tou com elle para casa dr individuo.de &
Foncinto a ponte nova, & como este nao qu>
Costa tnflPfcri Salvador que seriamelbor guar-
dar o eseravo ua casa de urna prenla .del le sai-
vador o qual o levou con elle Costa para
casa onde estove dito escravo, servindo ate
Salvador e Custa o mandaraarpva o taW"0
Brae-os, cm coosflanhia do um individua de non
Jos Paca morador do dito engento o que de I
viera para es lim. __J
Do agento Tice Bracos foi o escravo remella
a Manoel Ignacio de Siqueira rendeiro do engento
Manhoso. em Porto Calvo, onde fol guardado por
este outro irmao de Joaquim obra de quatro
meses. _.
Joaquim perdeu a pista do escravo; o por tele
vio-se na necessidade de dar ejoeixa de Juagan
Jos da Costa, poupando seu irmao Salvad r.
Antes, porm. de intenta-la procurou ludes os
meios suasoriosj para que Salvador e Juaquim da
Costa Ihe entregassem o escravo foi t >do Intil,
sendo que Joaquim Jos da Costa indo a presenca
do Sr. Dr. chefe de polica e sendo por este ordo-
nado a entregado dito escravo, a ludo resisticom
as suas negativas. .
Deve notar-se que em todo curso da demanda
que Joaquim tem de cora Salvador, em constan-
temente procurado reconciliar-se cora elle, uizen-
dolhe que nao quer brigar e que esta ate prowp-
io a fazer sacrificio, com tonto fue fique desean-
rado e livro de demandas (n3o urna so; depois
dessa tem vindo oulras), mas tudo tem sido sem-
pre intil. ,
Salvador tem estado serapre confiado as suas
armas.... _.
Joaquim deu, pois, sua qncixa, e otireceu por
testemunhas empregad >s no Gymnas.
Mas, Joaquim da Costa o mordomo e os taes
empregados sao quasi todos empregados delle.
Costa, pois, segurou-se dos empregados e assim
d s que depozeram s um que nio estava mais no
Gvmnasio o incriminou. _
"Faltaratn depor outras testemunhas que Costa
arreda va e mais as referidas.
Neste nterin apparece em casa de Joaquim no
Mangninho ou Afllictos o facanhudo Joao Beicoia
morador de um dos irmos de Joaquim Siqueira,
pedindo rancho as 9 para 10 horas da noite, tendo
vindo da ilha dos Ratos da casa de Salvador a
quem tinha trazido urna carta, dizendo a um dos
eseravos de Joaquim que esUva muito estropeado
de urna viagem que tinha feito a poucos das,
mas Joao Beicola nao foi mais visto por ninguem
da casa de Joaquim, desconfta-se que feta a sua
pesquiza, retirou-se, tendo indagado de um outro
preto de Joaquim Siqueira se o Benedito Sapucaia
anda nao tinha apparecllo por all.
0 que se passava em Manhoso ?
Manoel Ignacio deu urna carta ao tal escravo
com sobreseristo para Joaqun. Salvador, porem,
dizendo ao dito escravo que era para o sennnr dos
Tres Bracos para onde mandou o escravo pela ra-
zio de estar em andamento o processo e de se pu-
dor vir a saber onde o escravo estava, e dizendo-
Ihe que de Tres Bracos elle iria para o sertao.
O fin, porm, segundo expo Benedicto, nao era
ja occu talo, mas dar-llw fim na matta de Duas
Barras. .
Benedicto avisado por um escravo de Manoel
Ignacio de nomo Sebastiio que o esperavam em
oaminho na dita malta para darem cabo delle.
Este aviso I lio repetido pr urna mulher mora-
dora do mesmo engenho Manhoso. sendo que di
mais mais saba Benedicto que tendo o ge ni-
do gvmnasio em um dos das do mez de )naho
pelas'i huras da madrugada, sendo sal ceotocido
pele home de Joao, que dissera ser o sea awrfSe-
Ihi do querelladj Joaquim Jos da Cosa o do
dita galo no
que Ideitar agua
Trealnao podee
TARJLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBICO DO MEZ DE SETEMBRO DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARADO COM O DE IGUAES MEZES DOS DOUS
ANN08 LTIMOS. .
Sa vate.
i Disse mais sendo perguntade que era empre-
gaio no servico do gymnasio em varrer casa,
tar agua, tocar bomba, lavarpratoj.jj outros.,
podedo sabir daqueHe esfclieleclmentu por
prohibicao do ^Kfcllado ; drssc rnais que o cosi-
nliciro do gymnasio cteBava-se Francisco i; mo-
rava na ra Nova, e que nuitut empregados ser-
vi ini de viga, e que roflNjda-se agora elumar-se
o porteiro djloOliveira, e q'ue pelos servio. pres-
tados no gywnasio recebara 6i dados pelo que-
rdfodo. '*
i Disse mais que s ton urna roma escraya e
dous inlos livres, que moram m^sta cidade, o
de nome Marcos "no aterro dos Alegados e o Su-
torio na ra da Penha, sendo que. o primeiro nao
cita completamente livre.
i Disse manque depon de sabir do gymnasio e
aiites de bir para o engenho Manhoso estiveri em
c.sa de D. Herculina prima do Slvate ajua
Baila.
E por nada mais dizer houve o juizjeste auto
par Anuo no qu.il assigna o autor o reo e seus
advocados. ,S
i Ju Guilherme Augusto de Alhayde escrivao o
eicrevi. Armnio Tavares.Joa|uim Salvador P.
de Siqueira Cavateanti.Joaquim Jos da Costa.
Alfonso de Albuquerque Mello.Joio Barba.lio
l'choa Cavalcanti.
Com a cerdao deste interrogatorio vai o Sr.
Jjaquim Siqueira requerer ao Txm. presidente
a demlssao de Joaquim Jos da Costa de mordorno
do gymnasio, porquanlo est patente o sen crinie,
e elle naquefle lugar s^ pode servir de enibaracar
o livre depoimento das testemuahas que faltam
deiir o que se teiio de carear.
Ja foi preso esta noite o irmao de Benedicto por
cue Salvador o Joaquim da Costa com seus tramas
e enredos vao assim abusando da Ijoa f das/uto-
iidadd. ,
Urna testcmunha que velo dbbaixo de vari i-
po das maos do official.
Ootra, nio podendo, Joaquim Jos da Costa
o,onseguir delle que depososse a seu favor, des-
meniiu-o, e moveu de modo que elle se acha fo-
i-agido, e nio tem sido encontrado para depr.
Recfe, 29 de setembro de 18(59.
*Af}'onso de Atbuquerque Mello.
Instracqo publica.
Aula publica nos Arromfoados.
Io de outubro de tStttl.
Illustrissimo senhor. Partecipo a V. S., que
ne acho empossada, e no exercicio de meu ma-
gisterio de professora publica do sexo femenino,
neste lugar dos Arrombados, pira onde fui remo-
vida da cadeira da povoacio de Nossa Senhora
do O' de Ipojuca, renunciando, como renuncio to-
do o mais lempo de licenca, que me foi concedido
pelo Illm. e Exm. Sr. Dr. presidente da provin-
cia, o que tudo communico a V. S. para que leve
ao conhecimento de quem competir, afim de que
produsa os devidos elfeitos. Prevaleco-me da oc-
casiao para levar a presenca do V. S. a rainha
provsio afim de por-lhe o competente visto.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Quintino Jos
do Miranda, digno delegado litterario da fregu-
zia do S. Pedro Mattyr de 01inda,-A professora
publica, Leoncia de "Luna Freir.
Importarao
Direit ite.aonsuiiin......................
Ditos addiefonai de 5 %.................
Ditos addicionaes de 2 %......:..........
Ditos'de lialdeaoio e roexportacao.........
Ditos de dita e nexporuioao para a Costa
ff frica.'X...........................
Expediente dos genera estrangeiros navega-
dos por cabotagem.....................
Ditos de Vi % "s gneros do paz.......
Ditos de 3% dos gneros bvres............
Armazcnagem...........................
Premios dos assignados...................
Despacho mar timo
Ancoragem...........;.................
Exportadlo '
Direitos de lo % do pao brasil........_.-----
Ditos de 9 % de exportacao..........*^.
Ditos de 2 % dem.......................
Ditos de 1 % do ouro em barra...........
Dilos de Vi */o dos diamantes..............
Expediente das capatazias................
interior
Sello do papel fixo.......................
Dito do papel proporcional................
Dito adhesivos...........................
Emolumentos........................
Imposto dos despachantes...............
Dito de o e 13 % de transmissao de proprie-
dade...............................
Extraordinaria
Receita eventual (multas)...............
1869 1870
562:1005917 7l:8H69i:i
73:6715136
3005097
17(15724
Dizmo da provincia das Alagan..........
Dito da provincia da Parahyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Contribuioio de caridade..................
2:7195526
1:0075102
9955474
2:Oai*660
129:9175298
1-.39UUO
209*120
374*280
1:007*400
170*160
240*678
1:422*000
t.MtjWl
18G8 1S60
1867 1868
LEILiO
6;i: 623584
266*352
636*046
9165712
1.9595281
6355793
5233914
9305730
03:6805026
1:182710
687*600
117*450
62*800
162*500
1:236*100
1:498*038
779:6465601
870*841
23:077*918
568*150
-----------------
806:2635510
616:9525891
205040
3:038*521
8205513
620.8515967
457: 59:661*2:10
301*528
111*468
437*037
1:043*620
288*542
5:054*905
1:151*830
30:096*445
1:086*440
4165500
74*640
31*000
262*500
153*500
1:302*777
DE MOVIS
a saber : urna mobilia de amarello, nm guarda-
niupade dito, ara coinmjda de Jacaranda, nin
toilette de mugno, um lavatorio de amarello com
e-^pellio, 4 cspelhos com moldura dorada, um
randieiro a gal, urna cominoda de amarello, urna
mesa grande de dito, dons consolos de dito, dous
aparadores de dito, diversas cadeiras de dito, duas
ditas de viagem, um relogio de cima de mesa,
una cama franeeta de amarello, um apparelho do
porcelana para jamar, garrafas, copos, clices,
eompoteiras e esearrndeiras, nm grande trem do
cozinha, duas batas de metal, diversos quadros,
dous pares de lbternas, um tapete grande e qua-
tro pequeos.
Na inesma occasiao serio vendidas diversas ma-
chinas de photograpbia, grande quantidade do
molduras para rotratos de todos os tamanhos, e
urna porfi de bringuedos para criancas
Tefcafeira 5 do correle.
O agente Martins far lnilio por ordem de urna
familia que se; retiro para o Ceara, dos movis
cima, os quafs pdem ser vistos ra do Impe-
rador n. 16: -o leilio lera lugar logo s 10 horas
dodiaacimai, _____________
565:312*417
145220
1:999*357
63*532
754*677
568:154*803
Alfandega de Pernambuco, de outubro de 1869.
Servindo de chefe da 2* secrao,
Anselmo Jos Pinto de Souza.
LEIL40
E.fl
I%RAII1^
O leilio dos sobresalentes e mantimentos daga-
lera ingleza Lancaslwe, annunciado para boje 27
do crrante, flca transferido para sexla-feira II
de outubro.
ALFANDEGA.
Kendi ment do dia 1 .
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem dem com gneros
Volumes sabidos com fazendas
dem dem com gneros
213
498
148
330
478
dc Illm. Sr. Joao Francisco da Cunha.Estimo sua
Dsscarregam hoje 1 de onlubro
Barca inglezai//m/oiimorcadoras.
Lugar,norte-allemaoBerthocrdem.
Escuna inglezafl/i'farnha e mais gneros.
Patacho inglezReis Leevarios gneros.
Barca inglezaZepherinadem.
Brigue norle-allemioWlebaldtaboado.
Escuna inglezaPandorafarnha e mais gneros
llrigue austracoNntale S.idem.
Escuna austracaElena P.idem.
Barca portusuezaPereira Jorges Jen.
RECEBEDOItlA DE ESDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
rtendimento de da 1..... 1:523*977
PUBLICACOES
A PEDIDO.
Manuel Ignacio chegado do Recfe e saludo um seu saurtc e de sua xma. familia, vou por meo desta
sobrinho adiante delle deus diaspara o engenho fazer Kmiia a vmc, ao seu irmao J. Miguel eao
Tres Bracos, nio tendo desta vez sido acuuipanba- senftor Mu pa) qU6 eslou determinado vender a
Una c rime horrendo.
lrm crime traz apoz si urna car reir de crimet
e o homem que (wmmelte um criiue infame nao
se-lhe-d de commetter um crjrae horrendo e atroz
para encobrir aquello.
Al aqu tem filiado pela Imprensa meu cliente,
o Sr. Joaquim S Pessoa de Siqueira Cavalcanti
;om seu nome e com sua penna, a respeito^ das
questes e intrigis, manejadas por seus irmios ;
fiujo porm, avista dos horrorosos factos que se
descobriram agoi-a, parecc-me mais acertado to-
mar cu esta tarefa.
Depois do Sr. Joaquim Siqueira soffrer as con-
sequencias de todas as intrigas que se coehixavam
aos ouvidos dos magistrados, vem os seus proprios
perseguidores, seus irmos, sem o querer, dar do-
cumento o mais extranho contra si.
Era pintando o Sr. Joaquim Siqueira um homem
habilsimo e chicam'sta. que aquellos senhores
abalavam cu e erra para convencer que telos os
ttulos e documentos que o Sr. Siqueira exbia em
juizo em seu favor e contra seus ditos persegui-
dores, s eram l.'gaes e authenticos, estes ttulos,
porque elle era assim hbil, e chicanista. Mas o
Jiabo, que engaa os seus os discobre quando
menos o esperam.
Veja o publico agora quem capaz de tudo, al
de faetos de crines horrorosos para se locupletar
dos bens daquelle que ja nao se pode sacrificar,
o a seus filhos, em pingues beneficios de seus ir-
mios.
Para que o publico nio fique por muto tempo
suspenso saibase logo que nao se trata de menos
do que de um furto de escravo, e tentativa de
morte desse escravo para incobrir o crime de fur-
to depois quo foi instaurado um processo por elle.
Vamos porin ai) caso. Em quanto o Sr. Joaquim
Siqueira pode suprir seus irnros e... cem abun-
dancia, era excellente irmao e tudo corra bem.
Mas depois qoe, principalmente pela falla e atraso
do seus prenlos, elle deixou de fazer seus paga-
mentos a praca. e viose cortado em seu crdito
pando nio pode tirar mais dinheiro da caixa fi-
lial, esees supprimentos nio podiam mais tor lu-
gar, e entao estes seus prximos prenles se cons-
tituirn! seus inimigos, e tudo tramaram para o
exnoarem.
Finalmente seu irmao Salvador ajudado p-los ou-
tros seus irmios, e por quem nio era de esperar
que tambem o acompanbasse, moveu Ihe demanda
cobrando-lhe dez contos de ris, fundado em do-
cumentos que nem dizem respeito a Joaquim Si-
queira, e nem sao de Salvador I
Fiado em qcepmpoz tal demanda este irmao ?
Eis aqu como elles fallam e se empenham :
Joaquim >. muto esperto, elle tem muto di-
nheiro e tem-nos roubado ; todos os ttulos e do-
cumentos quo elle tem contra nos sao ficticios
e arranjados entre nos e elle em boa f etc.
Nao obstante porm Joaquim foi absolvido na
1* e na 2* instancia.
E isto nio obstante Salvador extrae sentenca, e
pede penhora a Joaquim ; e como o juiz Ihe a de
nega, Salvador tudo empenha, abala pelo meio j
ditos, ceu e trra,' para obter*provimento de um
aggravo para que nio seja dada a vista a Joaquim
sem nomear oens a penhora, por urna sentenca
ue nio o eondemnava.
E Salvador consegue seu lim, e Joaquim obr-
(io a dar b-sns a penbora, e elle s se contenta
:om eseravos do ambos os sexos, o de todas as
idades, e s he onvinha que estes fossem para o
deposito geral ou para a cadeia f
E entre estes eseravos haviam eseravos a dar a
luz e raparigas honestas.
Felizmente o jniz interpoz contra esta exigencia
malfica neo arbitrio legal.
Cuando m deseutia a respeito do deposito um
escravo de Joaooim Siqueira que j estava nomea-
do a penhori (Benedicto por aleunha Sapuaia)
tote por soliettaeSes de Salvador para casa de
Salvador, o cerno Joaquim ignorasso onde elle ee
acbava, noma outro em seu lugar.
Salvador guarda e occulla o escravo, nao sei
que destino, pretendendo-lhe dar, pois que at Ihe
mndou o nome:
No andar lerreo da mesma casa nm que mora
-Salvador, mora Joaquim Jos da Costa, mordomo
de Cymnaic.
Joaquim Siqneira veio a saber onde parav o
escravo, e pz emboscada para pega-lo. Sabendo
dfito Salvador e entrega a Joaquim Jote da Costa
para empreta-lo no gymnasio como livre, e sem
deiu-lo sabir a ra.
Joaquim Siqueira tem noticia disto e o procura
no gymnasio, indagando do faci ao porteiro, e Ihe
pronfclteaV) cem mil re* para pega lo.
O portefro o nega o prometi corresponder ao
*5*g4e Joajn'irj Siqueira; ota vez disto perm
'<* artar a ;iomiiii Jos da Costa, pelo que este
na aadrofacia I misma oouie, lyou o escravo
do por ninguem, com muita razio amedrontou-se,
e por isto desvia-se do caminho insinado o vem
pelo paco de Camaragibe at o engenho Soledade de
onde mndou chamar um seu irmao para o ir
buscar, este pariecqja a Joaquim esla occurrencia
e Joaquim o manda buscar por dito irmao; sendo
malograda a tentativa na malta altudda suppoze-
ram quo o escravo tvesse procurado a casa do
senhor e por isto mandaram Beicola procura-lo
pelo principio de que homem morto nao falla.
Mas Benedicto ebegou sao o salvo e logo sendo
apresentado ao juiz formador da culpa em da e
hura designados, para o proseguimento do proces-
so c a requerimento de Joaquim Siqueira, fallou,
interrogado pelo dito juiz do modo que se ve do
seguinte
Auto de perguntas fcitas ao pveto Benedicto .
Aos 25 do mez de setembro de 1869 em a sala
publica das audiencias onde foi o Dr. juiz mu-
nicipal da vara Armnio Corolano Tavares don
Santos, comigo escrivio de seu cargo abantoas-
signado ah presente o preto Benedicto o juiz tan
fez as perguntas seguintes :
. Qual o seu nome
Res|)ondeu chamar-se Benedictc e sor escra-
vo de Joaquim S. Possoa dc S. Cavalcante.
Queidade tom?
Respondeu que 30 annos pouco mais ou me-
nos
D'onde natural f
Respondeu que desta cidade.
<( Pergunta.do onde se achava ?
Respondeu que no engenho Manhoso da pro-
vincia das Alagoas, para onde fra a mandado de
um irmio do queixoso de nome Slvate e tamben
a mandado do querelado Joaquim Jos da Cost:,
tendo o pr oeiro dos dous promettido comprar a
elle respndeme. A
Perguntado onde estava antes de ir para o re-
ferido engenho ?
' Respondeu que estivera cm casa de Salva ;e
irmao do queixoso de onde fra levado pelo que-
rellado para o Gymnasio, ondo esteve cerca de tres
semanas e dahi o querellado e Slvate o quizeran
mandar para Olinda, para onde indo ello respn-
deme voltra do caminho o fra remeltido para o
engenho Tres Bracos sendo quo dahi fra reraet i-
dj para o engenho Manhoso en casa de Mane el
Ignacio de Siqueira mano do queixoso.
i Perguntado se o querellado cousiderou elle
respondente como seu escravo ?
Respondeu que nao, sendo que ollc respn-
deme deixara a casa do seu senhor, o queixoso,
por Ihe prometter Slvale, de quem tem fallado,
compra-lo, offerecendo por ello 2:0O# afim delle
nao mais voltar para casa do queixoso.
i Perguntado so o querellado e Slvate o quize-
ram vender 1
Respondeu que nao, e quo durante o tem io
CONSULADO PROVINCIAL
Itendmento do dia 1..... 4:521*435
43 468^521 Conselho de compras
navaes.
O conselho contrata no da 5 do crreme mez,
711 sob as condicoes do estylo e vista de propostas
recebdas at as 11 horas da manhia, o forneci-
mento de galinhas aos estebelecimentos de mari-
nha no trimestre de outubro a dezembra, assim
como promove no mesmo da por igual forma, a
compra dos objectos do material da armada se-
guinte : 24 feixes de ferro para pipas de 1(8 a 8|8,
2 bules de ferro estanhado, 12 libras de cera em
ardite, 1 peca de cabos de couro do 3 polega-
das, contendo'60 bracas, 120 bracas de correntes
de ferro de 1 l|! polegada reforcada, 20 arrobas
de estopa de algodao, 20 pelles de marroquin en-
carnado, 8 arrobas do mialhar branco, 10 libras
de obreias francezas, 2 oculos de alcance, 400 ps
de manguera de sola cravada para bomba de in-
cendio, 1 pe?as de tapet, 2 terrinas de ferro es-
tanhado, 20 tira-linhas e 1,000 tijolos de fogo.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
Io de outubro de 1869.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Anuos
3uo estivera no gymnasio, a conselho dos raesmos,
iasa que era forro e natural de Pesqueira.
Perguntado se o querellado Joaquim Jos da
Costa sabia que elle respndeme era escravo do
queixoso ?
< Respondeu que sim, porque ouvira a Salvite
dizer ao mesmo querellado, que elle respondente
ponencia ao queixoso e perguntara onde poda
conservar elle responden'. ale arrumar o neglo,
que era compra-lo ao queixoso; ao que respondeu
o querellado, que poda conservar e ter elle es-
pondente no gymnasio por algum tempo.
i Perguntado onde mora o querellado ?
a Respondeu, que na mesma casa em que mjra
o Slvate na Ilha dos Ratos.
E sendo perguntado disse, que se apresen! ara
a sen senhor na quarta-feira pelas 7 horas da
noite, dizondo-lhe seu senhor que viesse hoje na
sala das audiencias afim de dizer a verdade.
Disse anda sondo perguntado que estando no
engenho Manhoso, em casa de Manoel Ignacio de
Siqneira.oste Ihe dissera,que voltasse para oet ge-
nho Tres Bracos, visto como j se sabia em Bar-
reros da estada delle respondente la, dando-lite
nesta occasiao urna carta que apresentou a elle
respondente^ que a requerimento do advogado do
queixosovai junta aos autos, sendo a mesma carta
aberta em presenca deste juizo pelo advogado do
queixoso.
Disse mais por loe ser perguntado, que t re-
ferida caria, que Ihe entregara dito Manoel lima-
co, foi para ser entregue a Salvador no enginbo
Tres Bracos, pai do queixoso.
Disse mais qoe saliindo do engenho Man i-o
com destino a Tres Bracos, e sendo avisado por
um escravo do dito Manoel Ignacio, de nome Se-
bastiio. de que o queran assassinar, tonara
oulra direccao, e viera para esta cidade pelo Paco
de Camaragibe.
Perguntado donde a chave que elle respon-
dente apresenta ?
Respondeu, que de urna gaveta de um:. da
mezas da cosinha do gymnasio que elle respon-
dente deixou de entregar por que sabio apr ssa-
daoiente daquelle estabelecimento a chamado do
querellado.
Disse mais sendo perguntado que o querellado
Ihe disera quando elle se achava no gymaasic que
o queixoso procurara ella respndeme e oftemeera
1001 rs. ao porteiro daquelle esbeleeimonto para
declarar onde elle se achava e que na madrugada
desse mesmo dia, o que reliado Joaquim Jos da
Costa o retirara outra vaz para casa do Slvate.
A requerimento do advogado do reo disse, que
estove na gymnao no rapz de juntio onde era em-
pregado o mesmo querellado, um individui de
nomo Lino, porteiro cojo nome s nio rcorda, o
padre Tito, e am prfessor, iave'oao naqaelle e>-
Ubelecimcato cerno e untos menino, e que sabio
parte que tenho em Tabocas, porm nao quero
fazer negocio algum sem que primeiro Vmcs. te-
nham a preferencia, pois eu prefiro vender a
pessoa da familia anda niesino com prejuizo, para
nao entrar um de fra na propredade; isso foi o
3ue conversei com um advogado, disse elle que
sse a preferencia a familia para depois nio'se
queixarem, a vista dsso quero resposta para meu
governo, ha um comprador que prefore no Liroao
e outro do Riacho-Secco para o Xapro-Lascado.
eu faco todo negocio sendo 1:060 j a dinheiro. re-
cebo 500* em bois, cavallos, vaccas e bezorros. e
o resto passo letras a pagamentos assim mesmo
se o velho dsse-me um geilo a 1:000$, eu deixa;
va de fazer este negocio com |>essoa de fra. Snh
disse-me quanda eu l estive, que tal vez Quinta
comprasse, o senhor lem volitado de levantar sua
obra, sendo no terreno do engenho, podo haver
para o futuro algum impecillio, porm nio acon-
tece assim se o senhor comprar urna parte de um
herdeiro, faz no que seu, nio ha quem l'ue faga
barreira algunia, talvez esto meu parecer Ihe sirva*
de algum vexame ou eslurdia; emflm com sua
resposta me sei determinar, sendo at sabbado
vindouro, pois os meus compradores esli a espera
da minha resposta, faca seu estudo, pense o que
melhor entender, pois o meu plano est feito. Aqu
me tem a seu dispJr, por ser
Dc Vmcs.,
Criado obrigado
Manoel Joaquim Ferreira.
Sitio do Cavaco, 23 de setembro de 1869.
Illm. Sr. Manoel Joaquim Ferreira.Accuso o
recebmento de seu favor de 25 do corrente mez,
na qual me offerece por compra urna parte em
Tabocas, a qual Ueixo de fazer por desconhecer
qual as trras que Vmc. all possue, pois meu pa
e mii e seus sogros louvado Deus anda existem,
e sao os nicos proprietarios de Tabocas que co-
nhece, e durante a sua vida aquellas trras so
podero ser vendidas por elles e nao por qoalquer
outro; acho que Vmc. esta engaado, que o seu
advogado enganou-se ou de toa fe. ou Vmc. en-
tendeu mal o que elle Ihe disse. Desde j protesto
era nome de meus pas contra esse seu procedi-
mento, e decidamente passo a scienticar-lhes o
que Vmc. quer fazer com sua propredade, e du-
rante a sua vida. Sou
De Vmc.
Seu cunhado venerador
Joo Francisco da Cunha.
Engenho Preferencia, 17 de setembro de 1869.
Protesto,
os quo Manoel Joaquim Ferreira,
e genro, pretende vender urna par-
te das tenas do nosso enginho Preferencia, situa-
do na posse Tabocas, desde j protestamos coutra
tal procodimento, porque gracas a Deus ainda
somos vivos, c nem fizemo* doacio alguma do taes
terrenos; per isso protestamos contra todo e qual-
qual negocio que sobre a nossa propredade labo-
ras fr feito, e promettemos azar dos recursos que
nos faculta a le contra esse procedmonto crimi-
noso. Engenho Preferencia, 17 de setembro de
1809.
Domingos da Cunha e Silva.
Auna Marta de Jess.
Procurador, Joao Francisco da Cunha.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia Ia.
Aracaty10 das, hiate nacional Deus te guarde,
de 96 toneladas, capitio Manoel C. da Costa,
equipagein 6, carga varios gneros; a Bartho-
lomeu Lourcnco.
Ro de Janeiro 19 dias, polaca hespanhola
Temern i, de 178 toneladas, capitio F. Font,
equipagem 13, em lastro; ordem.
Lisboa-39 dias, barca portugueza, Ferreira Jor-
ges, de 329 toneladas, capitio Manoel de Jess
e Silva, equipagem 12, carga vinhos e outros
gneros; a Oliveira Filho k C
Rio do Janeiro e Bahia5 dias vapor americano
South America, de 2000 toneladas, commandan-
te Teuklepangh, equipagem 73, carga differentes
gneros ; a Henry Forster A C.
. .Vano saludo no mesmo dia..
Rio dc Janeiro e purtos intermediosVapor bra-
silero Guar, commandante 1 tenent P. H.
Duarte.
Observadlo.
Suspenderam do lamario :
Para a Parahyba, o brigue hollandez Deodato, ca-
pitio Ommnndson, carga o mesmo lastro que
trouxe do Rio de Janeiro.
Para o Rio Grande do Norte, a escuna norte al-
lema Petreburg, capitn Dyskstra ; com o
mesmo lastro que trouxedo Rio de Janeiro.
ECITAES.
COMMERCIO.
PRAgA DO RECIPE DE OUTUBRO DB 1869
AS % 1/2 HORAS k niM.
Algodao de Pernambuco 1* sorte 1*117, 1*144
e 1*151 por k).
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 3(4 d. por
1*000 (hornera e boje).
Frete de assuear para o Canal inglez 37/6 e 5
por OjO (hoje).
F. J. Silveira
Preeideata.
LeaJSeve
Secretario.
Novo Banco de Pernanibi\co
em liquida<$o, 3 de agos-
to de 186.
Os Srs. accionistas podem receber o
sexto dividendo de um e meio por cont
do capital: s quarUi-ieiras e sabbados.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco, em liquida-
<;ao,24 de setembro de 1969.
Pela caixa filial se faz publico que as
notas de sua emisso de valor de 20*000,
da d. i 17,501 por dame e que esto sondo
substituidas na tbesourarta geral pelas di-
laceradas, nSo sao rttbrieadas, e somente
assignadas por um director do banco, e
pelo liquidante da caixa- afeaixo asig-
nado.
Ignacio Jocufuim d'8tza Lto,
De ordem do Illm. Sr. conslhelro inspector da
thesouraria de fazenJa de/ta provincia se faz pu-
blico que a arrematacio das pedras de alvenaria
e cantara em bruto existentes as proximidades
da fortaleza do Brum que deveria ter tido lugar
no dia 29 do expirante mez, fica transferida para
o da 2 de outubro prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria do fazenda de Per-
nambuco, 30 de setembro de 1869.
Servindo de official-maier,
Manoel Jos Pinto.
COOBRTO
Vocal e instrumental
SABBADO 2 DE OUTUBRO DE 1869.
Em beneficio do Sr. Gialdnio Gialdini, maestro
da companhia liryca italiana, da prima dona a
Sra. D. Clementina" Amaldi, e o Sr. Leonida Bos-
chini Io bartono, no salo do Club Pernambu-
cano, que foi para i-so oiYerecido aos beneficia-
dos pelo empresario, gratuitamente.
Os beneficiados para abrilhaotar o entretimento
incluiram no sea variado programma abaixo,
urna fantazia para piano que sera executada pela
Sra. Amaldi, e outra para rebeca pelo Sr. Bos-
chini.
Programla.
1* PARTE.
I. Symphonia da opera Gulheriua Tell para
piano executada a quatro maos, pela Sra Amaldi
e Gialdini (Rossini).
2. Romance da opera J. Normanni a Pars can-
tado polo Sr. Bo?chini (Mercadante).
3. Grande phantasia para clarinete, tirada da
opera Belhni, Beatrice de Tenda executada pelo
Sr. Martins.
4." Aria de Omlre, na opera Dinorah, cantada
pelo Sr. Amaldi (Mayerben).
5. Phantasia da opera I. due Foscari, executa-
da na flauta pelo Sr. Candido filho.
6." Duelo da opera H. Trovatore, cantado pela
Sra. Amaldi e Boschini (Verd).
2. PARTE.
l. Grande phantasia para piano executada pela
*> 1"! \ III'l lili
2.' Aria da opera Mara de Roban, cantado
pelo Sr. Boschini (Donisetly).
3. Grandiosa aria da opera La Semiramde,
cantada pelo Sr. Amaldi (flossiui).
4." Phantasia para rebec3, tirado das operas
Joanna d'Arc e Nabucadonosor, executada pelo
Sr. Boschini (Bartelloni).
5." Romaneo Erituche mac :hiasi quell Angelo,
da Opera um Balli ift maschera, cantado pelo Sr.
Boschini.
6. Carnaval de Vencza para flauta, executada
pelo Sr. Candido filho { Rriecialdi).
7. Dueto da opera Barboiro de Servlha, can-
tado pela Sra. Amaldi e Boschini (Rossini).
Principiar s 8 horas em ponto.
AVISOS DIVERSOS:
Gabinete Portuguez
de Leitura.
A directora scientifica a todos os Srs. associa-
dos c mais pessoas convidadas para assistirem ao
aniversario do Gabinete Portuguez de Leitura, o
qual estava marcado para o dia 3 de outubro
prximo vindouro, que, em virtude de pedidos de
muitos Srs. socios, fica adiada a referida festa
anniversaria para o dia 31 do mesmo mez, auni-
versario natalicio de S. M. F. o Sr. D. Luiz I.
Outro sm, fleam semeffeito os annuncios pu-
blicados para a suspensao do expediente na biblio-
Iheca do mesmo estabelecimento.
Secretara da directora do Gabinete Portugus
de Leitura em Pernambuco 29 de setembro do
1869.
Joaquim Xavier Vieira Ligo,
1" secretario.
Na travessa da ra Bella n. 12, engomma-se
para homens e senhoras, e cosem-se obras de al-
huate, dando-se fiador.
Deseja-sc saber aonde mora o Sr. Joaquim
dos Santos Araujo ou Arruda, para negocio de
seu nteresse._______________________________
Aluga-se um moleque para servico de casa:
a tratar na ra do Imperador n. oO.___________
JuMi^oaresuaSuWa^anoe^AntonioSoares
da Silva Jnior, Jos Antonio de Paula Madurei-
ra e Cunha Irmios A C, filhos, sobrinho o amigos
do Sr. Manoel Antonio soares da Silva, falleeido
a 4 de setembro prximo passado, na cidade do
Porto; rogam aos seus,amigos e aos do finado a
sua assistencia a urna jiissa com que fazem su-
fragar-lhe a alma, s/ horas da manhia do dia i
do corrente, na matriz do Corpo Samo; pelo quo
desde j protestan! o seu reconheeimento.'
Caixeiro
Precsa-se de um caixeiro que tenha pratica de
taberna e armazem de carne, e que d fiador a
sua conducta : na ra da Praia n. 2.
SANTO ANTONF
Na/na das CfMcs n. 2, travessa de S. Francis-
co, acha-se aberw o novo deposito de louca fabri-
cada na villa do Cabo, por conta do mesmo fabri-
cante Joio TravasSs, cuja louca j bem conde-
cida por sua quarfdade, ja no fetio e j no esfriar
e adocar a agoa, assim como vidrada para fogo e
seeeo, tigelas e panelas de varios tamanhos, assa-
deiras e fregideiras. buiSes para manteiga, our-
nes para assento, jarros para flores, e finalmente
tudo que se fizer preciso para arranjo de casa, por
precos regulares, segundo a qualidade e valor do
effeito. O fabricante proprictario adverte ao res-
peitavel pobhco. que de sua offieina, desta dala
em diante, nao sahir louca alguma senao para o
seu deposito na dita ra das Cruzes n. 2, ondo
vende a retalho c por grosso a qualquer pessoa
que procurar, c promette satisfazer a todos : e
desde j protesta contra qualquor allepaco de rc-
inessa recebida cm directa para oualqucr outra
parte que nao seja para seu deposito nesta praca.
Para conhecimento de todos faz este que assigna.
Villa do Cabo 1" de outubro de 1869.
0 fabricanteJoao Travassos.
DEGLARACOES.
O administrador da recebeona de rendas in-
ternas geraes faz publico que neste crreme mez
de setembro e no de outubro prximo futuro, que
os contribuintes do imposto sobre industrias e
proi>soes, residentes as freguezias da cidade e
as de fra, teem de paga-lo, livre de multa
AVISOS MARTIMOS.
lin-
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto, pretende seguir eom
muita brovidade obeigue nacional Istbel, por ter
a maior parte da canta engajada, e para o pou-
do noria, referido praso, sera pago com a mu-. o que Ihe falta, trata-se com os consignatarios
1 Antonio Luiz de Oliveira Azovedo A C, a ra da
Crnz'n. 57, primeiro andar.__________________
ta de 6 0_0.
Recebedoria
de 1869.
de Pernambuco, 18 de setembro
Manoel Carneiro de Souza Laceria
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Ilhna. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar com quera
se queira encarregar de fazer sua custa as obras
Para o Rio Grande do Sul,
Vai seguir com brevidads o brigue portuguez
Boo Sorte, capitio Lourelro, recebe alguma carga
a frete a tratar no escriptorio de Amorim Ir-
maos A C, ra da Cruz n. 3._________________
Rio de Janeiro
Para o indicado porto pretende seguir com mui-
de que necessita o"sobrado n. 37 da ra da Moe- ta brevdade a barca portugueza S. Joio, por ter a
da, concedendo ella, alera de outras vantagens, o maior parta-de seu earregamento engajado, e para
arrendaraentopor grande numero da annos. o resto que Ihe falta, trata-se com o consignatario
Recebe para isto propostas era cartas fechadas, Joaquim Jos Gonpalves Berao, ra do Commer-
na sala ae suas sessoes, doveodo os pretendentes ci n. 17.
do
exanuaarem as obras de que careoe o predio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia
Recite, 4 de setembro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigue* de Souza.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
O .conselho de compra^ do arsenal de guern
precisa comprar o seguinte :
5 dozias de taboas de pnho de 3|4 de grossura.
10 ouzias de folhas de papel llxa surtidas.
3 duzias de limas mugas triangulares sortdas de
5 a 6 pollegadas.
200 vas&ouras de timb on junco.
As peasoas que quizerom vender os objectos
cima declarados, apresentem auas propostas na
sala do conselho com as respectivas amostras, as
11 horas no dia S de outubro. futuro.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra do Pernambuco 29 de setembro de 1889.
Hygiao Jos Coelho.
Coronel director interino.
Jas Baptista de Castro Silva,
Secretario.
Pela secretaria do governo so convidara os
Sis. Joa Francisco do Retjo Barros, Augusto Ce-
sar Beraira da-.aleaaoca, Lua Anmia%Coelho
Cfera, bacbarel Bernardino de Sena DiaT Jnior,
esto Augusto de Attayde, baebawl Jos da
TBeMosfrda Onvei-
Aftafeoa
> do oarreio
pigar os partea de seus requerlmetos encaminha-
dos ao aunmtario da jnstlca para que pcasam tar o
conveniente destino
Dr, Joaquim Crrela de Araujo,
Secreurio.
MSJflBaflffSS

LEiLOES.
LEILAO
DE
30 peqas de esteiras para forrar
salas
Ter$a-eira 5 de outubro.
as II horas em ponto
O agente Pinto far lei;o por conta e risco de
quem pertencer de trinta pecas de esteiras para
forro de sala, s 11 horas do dia cima dito no
armazem do sobrado da roa da Cruz n. 45.
LEILIO
Em continua^ao
Do variado lepoftlto de louca
vldros, porcelanas e eryaUe
alto
Roa da Cteia n. 6.
HOJE
O agente OH veira continuar o leilio dos
tigos aopra mentionaos, em lotes a vontadei dos
pretendentes, as 11 horas da manhia do dta
Sabbado 2 de oMtbro
Ama de leile,
Na ra da Palma n. J>7 precisa-se de urna ama
de leitc quo nao traja filhos.________
Ama





CASA FELIZ
Aos 20.000*5000
No Recife arc da 'oucelcao n. 2
Os 3baixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis tem ex posto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagaio as sortes que sahirem
no mesmo buhte c.m o descomo da lei somente.
PRECOS.
Rilhete iateiro 240O0
Meios 12IW0
Quart.w 6*000
E de 1004 para cima a 22 o bilhele.
Figaeiredo A Leite.________
ma.
Na ra da Cadeia n. 50 precisa-se de urna ama
para cozinhar. ____________________ .
-
Finados.Gabriel Goncalves Lomba, Anna Mi-
chaella dos Anjos, Jjs Bento Ferreira Bahbar,
Anna Maria de Jess, Antonio Maria de Annuncia-
cao Coimbra, Ignacia Brgida de Mello, Joauna
Francisca da Silva Loureiro, Antonio Jos Coelho,
Antonio Joaquim da Silva Maia, Henriqucta Maria
do Reg, Jos Joaquim Pereira da Silva, Jos Pe-
reira dos Reis, Anionio Rodrigues Lima, Mara
Francisca da Silva Guimaraes, Josepha Maria do
Cerqueira, Maria Joaquina Felicidad) do Amara),
Joao- Pereira da Silva Guimaraes, Manoel Lopes
Ferreira, Manoel Joaquim da Costa Maia, Joanna
Roll da Silveira, Affuida de Abreu Lima, Anna
Quiteria de Souza, Francisco de Assis Gama Cys-
ne, Gaspar da Silva Fres, Jos Ferreira da Silva
Leite, Domingos Francisco Dias, Manoel Francisco
da Silva Man, Francisco Jos Pereira Braga, JoaJ
qulm Jos dos Santcs, Feliciana Josepha Cysae, Ri-
ta Maria do Naseinruto, SebasUo Jos de Oliveira
Macedo, e Izabel Martiniana Mavignier.
Irmandade do Divino Espi-
piriro-Saato da igreja do
Gollegio.
A mesa regedor i tendo obtido licenca do Exm.
Diocesano para trasladaros ossos dos irmos abai-
xo mencionados, qie no anno de 1860, foram m-
luimados as catacumbas existentes no convento
de S. Francisw, diista cidade, convida aos paren-
tes e amigos dos niesmos finados, qoe desajarem
qne estes restos mortaes estejam era separado, a
intenderem-se com o ex-juiz o Sr. Maaoel Gou-
Silve Agr, at c da 6 do corrente. Kaatfe !
e outubro de 18C.
O escrivao.
__________Luiz Epiplumio thturici*.
Jos Francisco Orphio, amigo ca^ro do
finado Bernardino Francisco de Azevedo Campos,
faz sciente ao re;peitavel corpo commercial c a
quem mais conviei, que bavendo chegado a esta
cidade um sea primo cora igual nanie, resol ve,
Sara evitar equvocos, asslgnar-se de hora em
iante por Jos Francisco Orphao de Campos. R*.
cife de outubro de 18W.

Preeisa-se de nna ama para ocembar para ra-
pases solteiros : na ra da Lingoeta n. 1.
i *..


W? ,fef?br sf^
PTmglat
i- 7 Ilu-
d oxee i
ras a .MH

homem livfM o icrnj, (aje oteada de cozloha
com perWao, e teijhv boa conducta : a traftr
un o moromi de moz ou eom o regente do
raesmo hoapitaf, om Sanio Amaro da-i Salinas.
" BEBERIBE.
Alugs-se un easa na povoaco de Beberibe,
ce-m traite* : na na da Imperatrix n. 13.
Irmandacla do ossa Senhora da Rosario do
Corpo Sanio.
Sao convidados os irmaos desta rasoeitayei r-
nianiladii a se i'cnoireiii n<> respectivo consistorio
no dia 2 de outubro, pelas (i horas da lardo, para
cm mesa geral, so proceder a eldcSo da mesa que
tera de reger a mesma irmandaQo no futuro auno
de 1870.
Jos Antonio Pernandes Fradique,
_________ Escrivao.
O Si\ Ildefonso de Araujo Cliaves, chegado
hontem do Rio de Janeiro no vapor Tocrmtins, pnr
inuito favor dirija-se ra do Imperador n. 12,
das 10 horas da manhaa ao meio dia, que muito
se lhe doseja fallar a negocio de sen particular
interesse, e isto cem urgencia, antes que se retire
deslacidade a pessoa que lhe dse ja fallar.______
Aluga-se urna escrava que faz o servfijo ex-
terno e interno de urna ama : alraz da matriz da
Doa-visU n. 26, 1" andar.
carta
Carta.
O Sr. Ji'o It.iDtista Guimares tetu urna
na ra da l'raja n. 3.
Precisa su d;: u cauero que teulia pruliea
de taberna : na rna da Aurora n. ">6.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000|1
Bilketes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costme
O abaixo asslg lado, tendo vendido alm de ou-
tras sortes f qtirtos n. 1389com 4:000j da lotera
que se'acabou de extrahir a benolicio da matriz
de Jaboatao (121") convida aos possuidores a
virem receber na conformidade do costume sem
descont alguin.
Acham-se a venda os bilhetes da 3' parte da
lotera a beneficio da reja de S. Goncalo do Re-
cife (122a) que se extrahir no dia 6 do corrente.
Precos.
Os do costume.
Manoel Martms Finia.
Attenpao
Para festa.
Amga-sc uro,sobrado de nm andar na rna lo
Amparo n. I, an Ulioda ; para ter., podem pru ir
a chave na laberna Uo Sr. uilhennc, junto lo
njesmo sobrado, epwa-tratar, na praea da lude'-
pendancia, loja do calcado n*. 37 e .1f.
Preeisa-sealugar una amajom wu escra'"a
que saiba engommar, cozinhar e comprar, da-:>>
bom salario : na ra do Pires n. 70.
O lestonjnteiro do fallecido subdito franciz
Joao Vignes, convida aos devedore do finado a
saldarem seas dbitos amigaveimente, do contraiio
serio ajuizados sem excepto alguma.
O advogaclo
Affnso de Albuquerqne Mello mudou o seuew
criptorio para a. ra das Cruzes n. 37, defronte la
typogtaphia do ia rio.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Companliia Indcmnisadora, estabelecic a
testa praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
om edificios, mercaduras c mobiiias: a
raa do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Precisa-se de um forneiro e um amassadoi:
na padaria alloma de Santo Amaro.
Aivocacia
O bacharel Francisco Gomes Prenle j|j
mudou o s?u esenptorio de ad#ocacia 5
para a ra do Queimado u. 18 primeiro
andar, onde pode ser procurado das 10
horas da manhaa as 3 da tarde.
Joaq
pal
uim Jos Gon-
ves Beltrao
Furtaram da estribaria do ongenho Mncambique
tres cavallos, a saber : um qunrto ala-ao, com
ires ps calcados ti a frente abena, j.t velho e com
varios ferros ; nm castanho, gratule, que anda
baixo o meio, com ama estrell" na testa, c tem
varios ferros ; nm castanho, pequeo e muito es-
perto, mas qunrto e tem varios ferros: quem
aclinr estes qnartos leve-os ao engenho Mueam-
hique a entregar ao dono, que ser recompensado. |
Aluga-se una casa terrea, sita na ra da
Casa Forte confronte ao sitio do Roa Fama, por
cinco mezes: quein pretender dirija-se mesma,
ou no pateo da Periba n. 10 (prjgresso).
Precisa-sc de una ama para andar com urna
menina recem-nascida, e tambem compra-se urna
<-scrava que cozinhc : a tratar na ra da Cruz n.
43, das 9 horas s i.
Ama
Precisase de una ama livre, prefer ndo-se por-
tugueza, para cozinhar em casa de hornera soltei-
ro : na ra da Cadeia n. 30, sobrado.__________
Offerece-se urna ruulher idosa para' ama de
casa liomem soltelro : na ra de Aguas Verdes
n. 43.___________________________i__________
A pessoa que nfferece muito dinheiro por o
aluguel da casa do pateo do Trro n. 19, queren-
do comprar a anraeo existente'na mesma, cde-
se a chave.
Precisa-se do um criado para todo-servico de
hotel, paga-se bem, prefere-se escravo : a tratar
na ra estreita do Rosario n. i I, hotel Lisbonense
Notas das caixas filiaes do banco do Brasil
irocam-so eom mdico descont, na loja de Manoel
Soares Pinheiro, praca da Independen* n. 22.
Joaquina Antonio de Faria Barbosa agradece
cordialmente s pessoas que se dignaram assistir
os ultim h sufragios da sua prezada lilha Anna
Amalia de Faria Abren e Lian, fallecida a 26 do
correte.
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAL
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguii
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimaraes.
Coimbra.
Cliaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de^FamalicSo.
Lamego.
Lagos.
CovilliKa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
O senhor da loja de fazendas da ra da
Queimado n. 29, que annunciou querer fallar com
o acadmico do 4o anno Augusto C. de Mello L'F-
raistre, queira dizer o que pretende.
Precisa-se
de um trabalhador para a fabrica de cerveja da
ra da Florentina n. 20, para todo o servico.
Cavallo furtado.
lOO- de gratlflcacSo
Desappareceu na noile de i* do corrente e do
sitio do Sr. cnsul inglez, em Sant'Auna, defron e
do Chacn, um cavallo com os signaes seguintes :
grande, gordo, ruco pedrez, tem as dinas e cau-
da prctas e comprlas, tem no p esquerdo um
signal de ferida de corda, porm j seccas : gra-
tifica-se com 100i a quein o levar no raesnio-si-
tio ou na casa n. 23 da ra da Soledad?.
F0'_HINHAS
* .;!>*".O (le --iilllr M L'.t e HChM*-HC
* vcwln n
LI Vl ,V RIA FRA-NGEZA
Itun <1< Oi-ok^o, K O.
a> ufanadas : ,'..^i-j

\wnm I! (EL
I'AKa 0 ANN DE 1870
PR3CO R.S O .
ttenclo.
Precisa-so de urna senhora que nao tenha fara
lia e que tcnba conhecimento da Imgoa nacin. 1,
para ensinar prlmeiras letras o trabalho de agu-
lha em um engenho distante desla eidade seis T< -
goas : a tratar na ra do Alecrim n. li. e pagu-
e bem. I________.
Precisase de urna criada portugueza de con-
ducta afiancada, para curar de meninos em urna
casa de familia, devendo saber lavar e engommar:
a tratar na ra do Crespo n. 12, escriptorio.
Associaqao Bcneficente dos Ar-
tistas Alfaiates.
De ordem do vice-director convido a todo- os
socios para comparecerem em assembla geral no
dia 3 de outabro, visto nao ter havido numero no
dia 20 de setembro, alim de tratar-se do art. 11
dos nossos estatutos.
Secretaria da Associaco Beneficente dos Artis-
tas Alfaiates 1 de outubro de 1869.
Manoel Ignacio Gomes,
Io secretario Interino.
Muda
nnca
Manoel Duarte Vieira faz publico que mudoi
sua residencia da ra larga do Rosario n. 16, para
o largo do Terco n. 11, onde todas as pessoas que
o bonram com sua amizade, e nelle depositan
sua conlianr.a, o acharo sempre prompto a de-,
sempenhar com fdelidadc qualquer mandato, quer
no que diz respeito ao servico de balanciador des
estabelecimentos commerciaes, quer em promovf r
qualquer questao no foro desta eidade, para cujes
misteres n'um e outro caso, se julga habilitada
pela longa pratica adquerida durante 27 annos
Aluga-se
urna ca a em Beberibe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Commercio n. 34.
Oozinheiro.
Offerece-se um eozinheire : na ra da Aurora
n. 50.____________________________________
Joao Cavalcanti de Almeida por haver outn
de igual nome, da data do presente assignar-se-h i
Joao Cavalcanti de Almeida Pinto.
.
Outuhro de 369.
"' FALQPE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
>
3
mciiTii ii ceimiiTiiiiTi ni ceirin ioitiiirts di
CHAPEOS BE SOli
/T
De todas ai qualidades I
De todos os fcitioi I
De todas os precos I
RA DO CRESPO N* 4 ,
Par a tura certa das iosim anlijis e recentes, eatarrbos pulmonar, atlbma; Imm convulsa, ealarriM
bronchij, em goral contra todos os tolTrimenlos dai vas respiratoria!.
DEPOSITO GERtl,
ica. s: nnc
3, RDA LARGA DO R0ZAR10, 34
PERNAMBUCO
.XA.
m
k tlitrapeulica das dirrts molestias do mito,desde
pharyngile ou mal da garganta at a tubcrcula^ic
pulmonar, paasando pelas diu'rsas bronebites catarrbaes
e o empbysema acaba de ser enrequecida com oais
asle medicamento, que tomara a prmeira ordem entre
todos at boje conhecidos. O-wope Vegetal Americano,
garantindo paramente vegetal, nao contm em sua
composicao um s atme de opio, e sim somente sue-
cos de plantas indgena*, cajas propriedades benficas
na cura da molestias qne pertencem aos orgios de res-
piracio foram por sos observadas por longo tempo,
com ptimos resultados cada ves mau cresceoles; pelo
que nos julgamos snlorisados a compor o xarope qne
agora spresentamos, s s onerece lo sos mdicos e ao
publico, frotamos com os alteslados abaixo o que le-
vamos dito, e contamos que o eonceilo de que j gosa
o xarope Vegetal Americano crescerl de dia s dis,
deixando muito apos de si todos os peitoraes em voga.
Ulm. Sr. Barthalomeo k C. xarope Vegetal Ame
ricano, preparado em sua conceitoadissima pbarmacia,
nm nlil remedio para combater i terrivel satbma.
Sofra en aquella molestia ba quatro meses, sem anda
ter combalido os ataques mensaes qne tinbs; este ultimo
que tire foi fortissimo que me prosteu por 8 das, nsei,
porm o seo milagroso xarope. lomudo spenss tres
loses, e at o presente nao fui de novo siseado. Prsss
Osas, que es fique resiabelecido por urna vez. Resdo.-
Ihe, pois os meassgrdecimentos norme ter aliviado de
to horrivel mal. Com a mais signifleatKa gtalidAo,
aubscrene-me deVmcs. aOBctusse e reconbecdo criado.
Swrino Duarte. Sua Casa ti de fevereiro de 1868.
Illms Srs Bartbolomeo ftC. Depois de qoasi seis
mete* de soflnmento com nm* tosse iacessante, laslio
extraordinario, expectoracil* de um catarrh'o ainarelln-
do, e perda total das Torcas, que o menor passeiv
me fatigava completamente, cansado de tomar mus un-
iros remedios sem resollado tire a felicidade de saberque
Vmcs. prepararan) o xarope Vegetal Americano, n rom
elle, graca* Deas, me sebo resiabelecido ba mais de
dois mezes, e robas como se nnds livesse solTrido. A
gratidio me torca a esta declaracio, qoe podero Vmcs.
fazer o aso qne qnizerem. Sou com estima de Vmcs.
mnilos respeilador e criado. Antonio Joaqitim it
Catiro e Siles. Recife 8 de fevareiro de 1868.
Atiesto qne nssi do zsrops Vegetal Amiricano, de
eomposicAo dos Srs Bartbolomeo A C. para cura ile nm
forte deQaxo qne me irouxe ama rouquido, que me nao
(azis edtender, inflammacJo e sor na garganta, tosse,
grande falla derespiracao, e lianei completamente res-
tsbeleeido com om so vidro do mesmo xarope; pelo
qne Ibes protesto eterna gratidao. Recife 10 de Ja-
neiro de 1868. Ja%uim ftrtir irtnk$*Jnior.
Esto recoobecidos.
Do xarope Vegetal Americano especialidade de Bartholomco&C^
34RA LARGA 00 ROSARIO.34.
Noi coslnmsmos procurar alteslados para acreditar
nossos preparados, e deiamos quaua spplicacio e os
resultados obtidos pelas peasoasqae se dignaram acceita-
los, Ibes deem crdito e voga ; porque sao sempre os
entestado* considerado* gratuitos, e delle* que laes
mo o charlatanismo; mas nt querendo otcader a* pes-
soas que espontneamente nos offereceram, os qne abaixo
vio transcriptos, os laxemos publicar manifestarlo-Ibes
nossa granillo pela allencilo, esparando qne venbsm
etles corroborar o eonceilo, e scceitacio que tem mere-
ede nosso xarope. Barif.olonuo k C.
aVTSSTtBOS.
Illms. Srs. Bartbolomeo AC.fi com s mais soba
aatisfaco que declaro ser o xsrope Americano de nma
eficacia extraordinaria, pois que seffreniM bs dias de
intenss tosse, A ponto de nao poder dormir a noite s
despeito mesmo de medicamentos que tomara, a elle
recorr e na terceira colber fui sllmado, e de lodo me
sebo boje resiabelecido com o oso sement de qussi
meio frasco; grato pois A esse resaludo manifest t
Vv, Ss. mea reconbecimento. De V. Ss. smigo, ve-
nerador e obrigado. Manoel Antonio Viegas Jnior.
Sus casa 20 de sbril de 1868.
Illms. Srs. Bartbolomeo & C. Penhorsdissimocom
o favor que me Bzeram de aronselbar o aso do xarope
Vegetal Americano, de sns composiclo, qaando me
sebera bastante doente de ama censpaco, que me
torooo completamente ronco e que trouxe ama forte
tosse, e me impossibiliton de comprir os meas derere*
de cantor da empresa lyrica, vou agradecer-Ibes mea
completo reslabelecimenlo, qne obtive com um s vidro
do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos
traiamentos. Desejarei qoe cutios como en recorram
ao sen xsrope para se verem aliviados de lio terrivel
incommodo, lio fatal neste paiz. Com malor conside-
radlo contino a ser de Vv. Ss. atiento, venerador
obrigado. Laii Cremona. Recife 25 de selembro
de 1868.
Illms Srs Bariholomeo ftC.-O xsrope Vegetal Ame-
ricano qne Vv. Ss. tm expesto k renda de toda effl-
eseia para o curativo d'aslbma, canforme observei ap-
plicando-o a mea lllbo Josqaim, menor de quatro
annos; victima d'esse flagello, qne at entlo por espaco
excedente a dous annos baria resistido a oulros jaropes
de grande nomesda. Queiram pois Vv. Ss. acceitar a
expresso altamente sincera de meo reconbecimento ao
meritorio servico que lbe prestaran eom o indicado
xarope, acreditndome para sempre de Vv. Ss. criado,
atiento e obrigado. Americo Nelto de Mendonca.
liecife 2 de outubro de 1868.
SOFFRIMENTOS DESTOMAGO, CONSTIPAQAO.
Cura en, poucos'dias pelo carvo oe BELLOC em p ou em pastilhus.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. EssassffeccJessSodis-
sipadas r.ipidan:entc pilas PEROLAS DETHER 1D' CltlTll
ANEMIA, A PALLIDEZ e os soffrimentosque necessitamdo
empregg dos fciiugiuobos bao sempre combatidos com o mclhor resultado
pelas PiLUiAS D VALLET. Cada I'ilula tem incravailo o nome VALLO.
PO DE ROG. Basta dissolver oni frasco d'este p em meto
garrafa il'agua para se obt-r una limonada agradavel que purga sem fa-
zer clicas.
VINHO DE QUINIUM de barraque. Este vinlio, nm dos
pouoos cuja composiclo i garantida constante, urna das mclhores pre-
paracoes de quinlno, sem accJo notavcl sobre os convalescentes, dando-
Pies forcas e apressando A volta a saude. Cura as ebres antigs qus re-
sistSo ao sulfato de guinino.
MOLESTIAS DA BEX1GA. A maior parte d'estas moles-
tias, cono as sciaticns, lombagos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sao curadas pelas perolas OE essencia DE THEfttaajmNA do
Dr. Cleitan. 0 professor Trousseau em sea Tratado de therapeutica aeon-
selba ss para sercm tomadas na occasilo do jantar, na dse de 4 A 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH
Garantido puro e de primeira qualidade, um dos poucos aprovados pela
Academia de madicina.
AVISO. Todos estes medicamentos foram aprovados pe* Academia
imperial de medicina de Pars.
DErOSITO f ^ *
En faria, L. FRERE, I, ra* Jaoeb
peroNcuaLLE ; Bkbxa.ii 4 Perntmtuct. aUnix *t O.
. Cearo.....aos et Cw.
Mr ai
i
B CABUGA
"1 esquina
da ra larga do
Eosario.
&I.-GEIE0
7J M WABOS FRESCOS BE BACMO
EKCO DE HONRiaT
Vende-ae em fraseos*
e mel frascos trlsngn-
hres, phsimiscl Hoco,
3, ras de Castiglione,
em Paria.
*s wnirnfnrrews, os leo pardos, d''im cliei- .rorte, e antis composicoes fUtks eom dos
de poJM coiumuns, laes como o ett/ualo, a amin. o pintea, C liza, ot oleonloi ainm'ortt WKaitora
e.....Sino i" oleo' vtgrtrte: foram imaginados para Ktbat?uir os verdmlrlros oros ile flaaitloi
fn-fM'oa obttdoa na i.ulMtria pnr sreeos mni balxos, em qv.anin que os ro'.Hdeiroii otev de hirio ,|e bacallin
Irasco sm rclativamoiiie multo caro, vtstd que para obtel-os frseos e mm mistara, cumpre exercer
grande ti^ifcncla e ter os nralorp* cuidados nos proprios rngsres das p-:si*, assiiei rnusn niida xm
M. Ilogf dvs.de o anno de 186'.. Estrs eteo paro de RaralkAo d.< Trrm.-lom dr Hom
grnngHS/am \nn OSU' precioso medicamento tuna faina siniversal as moltttiiu do yeito, ai afle/cen
tirrofimmmt lymphatitai, a maptua iot menino,ste,,e por isso.derso lugar a ocha* e ii-sU..
iiiiilares. oran
Nula. O ale* de Dogg mui fcil de digr-rir, *stmgne-se entie os outros olee* pela >n>
cor de palfra, oseo cli"ir)su\e e delicado, e seo gosto dr sardinlia fresca.
O !;tLA'(HJO [amnavel do chefe dos traballio- cliymkos da FACULDADE DE MEDICINA np
PtHlS conrnw como aegue : O oteo c6r rie palho de. M. ong conUm urna terca parte. V rlii
ci|>ls ne vos mau do qus ot oteo pardos e nao aprsenla ilgum ios inconveniente* a, .'.
re:* VrnJr-r fsn ledos us phariMeiaa das Franca a dos pases eatrasaaefras..
OPPRESSO SOFFOCQO
As Prrois d'nhrr do DouTor. Clkrta approvadas pela Acad*emia imperial
d'' metlicina de Pariz acalinaiii quusi sempe instantneamente es ataques d'asma,
oppnesaiio, solTocajao, assiiu como as dores de cabega c emaquecns. suffi-
cientc na occasiao em que apparecer o ma, o engolir-se umr. ou dlifi perolas
rom urna pouca d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este genero de doengas.
As Perolas de (erehenthina do dotor Cr.BRTAn sSo imprecadas diariamente
com grande xito para a cura das nevralgiafl, rheumatismo, sciatico e catcrrlios
da bexiga, Estas perolas foram sempre recoittmendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau, que indica este medica-
mento como o mais efticaz. conveniente tomar de 4 at 8 na occasiSo das
comidas.
A approvagao da Academia imperial de medicina sem duvida a mclhor
garanta da boa preparado d'stes medicamentos e de sua efcacia.
Deposito em ltio-J,vM!iso, Ditponchelle; Chevolol. Em Pessajibmo, MaurerkC".
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE f867
Para a. Superordade d'a
Inventada por LE GR AND, Perinmista de Imperador dos Francezes.
PARS. 207, Rna Hniul-Hoiiorr. 107 PAHIS.
CRKME ORIZA ORIZA LACT
DE NINON DE LENCLOS
Para dar frescura A ptlle, destruir as rujas da cara,
tvnsertar ttn nautenlt a belleza di juisnluie.
LE1TE ANTEPIIEL1CO
Para rsfrtsear, br'm dttuitp*recr us nodoas e ai lardas.
SARAO OII17, \....... D'nmn massa opresivamente snave e d'oan sriTnme ikx mais delicados.
OI1IZA-CF.AM KOtssscse. Massa espena Intente preparada para os banbos e a bnrha.
OlllZA-FLllD........ I'omaib fiinilicanleenutritiva para conservaroscabelloscemiM'dilosdcquvbra
ORIZA Pili LOCME.. Teluno Ue boi c oleo de arela com base ik. i|nina para os cabello*,
OllIZA-Oll........... Olro Hiiissiini) perfumado para Inslrar os rabrllns e rmpedilns de qiMbrarem.
OBIZ \-!l'.UI,AVn\K. Cristallisailo com vilela, para dar brilbo aos cnl>ellos e a barba.
OK1ZA KLOAVKRS.... Agua incomparavel de uin perfume roas* e delicado, para furtilicardo la pclle.
OHIZA-ACIOULIN... Vinafr do limcador, aroma e Dillrpbilio.
ESSF.NCE-ORIZA..... Perfumo conccDlrado para o lencos producto milit delicado.
ORIZA T.VS.......... l'fi ruino do bom loui u da .illa suciedade para ns lencos.
ORIZA-FOWDERS___ Klor de arro* da Carolina para a cara c a betlcsa da pclle.
ORIZA-DF.NTIFR10K.. I'ara alvrjar os denles e conservar ns enlvns.
OUlZA-DFNTAU'iE.... Nova aanasa para al vejar OS dinles ss destruir o enmalle.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNNO
Pan linpea t sjiubri'lidt da tjti, failificaaca i uli wt, ov tattsiaii it caMr n fiuiit irtswr rapilunate.
DEPOSITO GERAL na Caza de
E em Caza de todos Perfumistas do Brazil.
as
m
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
0 Quinium Labarraquo, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preforido todas as outras preparares de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razao de seu modo de prepararlo, estes vinhos con-
tm apenas vestigios de principios activos, e em proporcOes sempre variareis.
O Quintnm Labarraqua, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composi^So determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Quinium Labarraquo prescripto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamerito, seja por antigs moIes_
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, is meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plidas, este vinlio um poderoso
auxiliar dos' ferroginosos. Tomado junto, por exemplo, com as piluias de
Yallet, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida aegio.
Deposito em Pars, L. FRERE, 19, rao Jacob
Rio-Janeiro, DDPONCHELLE; CHEVOLOT. Pernambuco, MARER et O
Ai
CARVO DE BELLOC
PARS

Approvado e recommendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
egualnseute o remedio por excellencia contra a retencSo de ventfe. Finalmente em
rasSo de sitas propriedades absorventes, recommendado como verdadeiro remedio nos
cazos de dianrhea a chelerna. ear>i* Be Beliae tema-se na occasiSo das comidas
sob a forma de pos ou de pastilhas.
Deposito em Rio-JiNEnto, DuponcheUe; Chevolot. Em Persasbco, Mattrer i C'.
UCA
AO ANNEL DE OURO umk s
Este importante estabelecimento no sen genera, tem sempre nm sortimento sem ignal, esquina
e vende por presos qne.nenhnma outra casa pode vender. da rna lardado I
vista da qualida e do prego das joias cada nm pder-se-ha convencer da verdade.l B \
Oarante-se ser tndo de lei. Compra-se onro, prata e pedras finas por prepos mnito ele- Rosario,
vados.
A loja est aberta at s 9 toras da. noute.
Sk2 ___,j|


! i
~

Sabbado 2 de Outubro
caj#*d
JOAOUIM DIA9 DOS SANTOS & C. aeabam de abrir >jfi estabelecimento 6* cal-
cado estrangoiro a rtia Nova n. 30, onde o publico ej.l0oWrar tudo o qnc-nele ge-
nero de commercio ha de melhor o de mats gosto em Pars e Uondres.
Por todos os vapores .transatlnticos ree^Jao tales constantemente remessas de
Acado novo, pelo que ter sempre o eslabeleomiento o que a respeito se pfle exi-
5r. Ao publico cm geral e a seus amigos em particular, pedera a cooperario, que
, possam dispensar, cellos de que serio servidos com lealdade.
---------
1869
Mikroskope acjwoma-1JJ Vx*^^^
cu. ObjavLin-^^, ^
Baronietre e termo-
matre. Qenti|rade
e reuumeure.
ramn
Causa admiracao.
Mas liao se pode duvidar;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
rcilEHA k 1BMA0 .. ,, ,
donos deste importante c magnifico armazem de seceos e molhados sito a ra do Raiigei
n 3. iuRindo nao aceitarem concordata- alguma com os scus cnllegas resolveram (er
nominar o su armazem -INDEPENDENCIA-, nssim como o sea fim nao seja illudi-
ao respeitavel publico deixaro de annunciar. sem o que o mesmo e julguc e adm re...
Mas cmo nos pomos da va frrea, j.i se lem disentido e apreciado a realeMe impos-
sibilidade a ver quein vende gneros to barato, por esta razSo que aununctamoa.para
que todos tanto da praca como do mallo acredite o que neste asseveram e aqueues
,ueai.ida nao nos tenlia.-n honrado com suas fttrato. poerao dirigir-scao mesmo
ertos do que ver.) gravada a sinccritlade e mrtJmdo de negociar muito franco sem que
iiecessKemos de andar meia noite pelos oilws das matrices figurando-nos por oons
demofios neui mcuno na fronte da msica com o pendao FERREIRA & IRMAO,
Eua do liangel n. 3, armaxem da Indepen-
dencia.
JCf f01 PRECISO .AGIflUEITI
O demonio mudou-se por sua livre e expontaaea >outade
VIVA 0 DI DE S. BARTH0L0MEU
Agora nmguem presuma que fot um dcrqonto qualquer, fqi
E cirstal de rocha do Brasil.
V J Ciermaun.ncommendaao publico, seus vi(bw pemeopicos a^rfe.coa-
":Z fS'o,Sr 6 S QbrSado.'i-los lodoso, 'nos e os er
1T 2 f Jtunde faicr convergir muito de sorte que a visto oto e distmcta.
STaSScco S met vid os Pde-se vencer estas diffkuldades. Para os que ten.
vTsta & a. o'tvXio m convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
l^7Sfi^SS%o^t pormeiodeum vidro concavo affasla-se o ponto de
Sab aiSfaegr os (ocios e deixa ver. to lopge como as outras v.stas. Qan-
Jo o^rSlin^StO chatio que succede aos que tem chegado a urna certa idaoV
o ouesocama Jrcsbvfe, veta melhor de longe que de perto, e nao enxergam senao
Sm neorna4staia-orcffiari da vista; com um vH^cmiveopestes enxergarao
S distinctamente como na aade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando e
vista nrincipia eufraquecer, previrte-se o mal.
V .Centona tncarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
colher/aprimeira viSa, wjeqwTfer a iade c-ro dvisU, oculos propnos para
cualquer pessoa, *','". $a n n
Para que sao fabricados estes vidros f T
Para a vista royope, {vista curta). Para a vista qae n5o supporta os ra.os
Mas nao sahio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PABA HMS PERTO DA MATRIZ
Sea dominio esl hoje asseutado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA U ARAGAO R. 32
I E\IIAlfl VE-IiO
Gomo garboso se ostenta
-Como lepido se mostra
E as diabluras que faz!!!
*
Negra tranca no coilo lhcondeia
Solta briza ao mago desdem :
Deita a fronte u'um peito e conhece
Quantas maguas o seio conlm.
Esta linda e gentil creatura tambem
Oueiios. manteica e cafe,
m
Queijos, mnteiga
Vinbo, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardmhas.
' Tudo barato
Para agrada-,
Venham reguezes
Que bao de goslar,
N. B. Brevemente ser annonciado o dia, eta qvje este importante armazem Je mo-
lhados ter principio a pralica de certa diabruraqvje mirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso
tabelecimento, comprar os nossos superiores generas por pre?os muito ra_soaveis
ii^iomn nalaia flnr a ANDR DELSIC
CABELLEIBEIRO
7 1 Ra io Cro^poi: andar 7 k
ENCCiNI'lWli-SE-llA sempre ftes'te cstabelecimento um yanaflo e.Donito sorti-
ento cm perfumaras franeezase inglzas cwa tista damos aos leitore-
LUST Marca gamnriffa de JOUVW. k-
EXTRACTOS.De-superior qnali DITOS FINOS.em'frasquinliosproprios para presentes "Lubin Gosnell.
POJkMADASBanha8na de variosdieirosLubin.Gosoelle, ocete Hygieniiue
SABONETES.finos para toiletteLubin A Monpelas.
EAf DENtapRICE.agoa para limpar denles Soaet ygwniquc Lubin A u.
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por mementos, ve es-
,oaQar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palparas Iremem
ilefraqoca. ;'
Para a vista que os ollts. sSftdesiguaes.
Para a vista que se turva com o iraba-
ho e a leitura.
Para a vista prcsbyta (vistagalon ).
solares nom grande clandude.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as pajpebras esiao cer-
cadas de saogue.
Para a visa que um dos ottios myope
e 'o outre presbyto.
Para evitar ualmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata. .
/ierre.
BRILHANTINA.para lustrar a-barba e os cabellosLubio.
AGUA DE COLONHA.Marca vwdadeira de Jlo Marina Farica. r'mha.
COSMTICO.cherrosoLubin-
POZ DE ARROZ.ditoLabiB.
HUILE DE SENTECROleo para conservac5o dos cabellosSociete Hyginmie
ESCOVAS FINAS.para cabelles, denles e unhas.
BLAIREAW.Pinrel para baib.
O.RANPIS.para abellos.
HE OES fNVISIVEK.para cafeellos.
GRAVATAS LINWSSIMAS.<*o melhor gosto.
BNWiLAS..de phanlaMa. pwa passeio e de tversos'latuanhosetc, etc.7rtc. .
A la parfuaierie Parisienne. .
7 A RA 1)0 CRESPO l.# ANDA* ? A.
Sortimente .de binculos
para tboatro, e oculos de
acaace pana o campo e_m*-


Mauleiga ingleza" flor a 1^300" por 'OO
grammas.
Dita dita a 15200 idem.
Dita dita a l #000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3^500 idem.
Dito dito a 30200 idem.
Dito dito a 30000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 2O e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
. Yellas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Vinho bordeaux era caixa, 7)5000.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de "ferenles mrreas. a
10400.
Fosphoros de segranos, masso 500 rs.
Banha de porco a 72 Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a 50 e 60 a caixa.
Sabo de massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas comameixas a 10, 10300, 208O"
e 30500.
Ditas de mnteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 500 grammas.
Frascos com maclas seccas a 20000.
Lletas, pince-n'e? e
facer-mam, oore, prata,
tartaruga, bfalo, eco
etc., etc.

rvihas' franceza em mnteiga, 900 rs. Serveja de differentes marcas, duzia 60
a |at Tapioca do Maranhao a 240 rs. por 500
Fructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata.
Ditas s de pecegos maiores a 500 rs. a
lata.
fm tambem grande sorlimento de rologios par pareee, que do be ras para
cima (te#6a. (tos maig lindos moteto elogios para agibeka, e.oui'OvUfaita, prata '
foteutki, kiglezes, sisso6 eprisontaes dos elbores .e mais afamados fabri-
Ve*ias era grosso e a retabo. Em Perdambuco.
N. 2i=ftua NovaN.
21.
AS BOUBAS CURADAS

Todas as molestias sjTjhlitieas.
PELO
0
''
.
ELEXiRGODR. SEViL
nico-depurativo sem mercorie que tanta aceitacao teas aneiet ido no Bra-
uas repblicas do sul e na Altemanha especialmente para cora das bembas,
todas aqeelUas
samas, rkeumatismo, toda.s as motestias syphiliticas em
proven da impureza do sangue.
AJNIOG DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Bartteolomeu A- C.
S4Hna Larga lo osario

Crandc arm^etu de fazondas e roupas feitas rna da Imperalriz
n. 31 parta larga, de Paredes f orla.
Noste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sartimeoto
de roupas de todas as quabdades, pautte de alpaca a 30,.30500 at 60. Ditos dt
merino, ditos da onsemira d rea Ixmitoe.rolos a H, 60, >*0 e 100, de panno preto
sacos e sobrecaacos. Ditos do brim pardo finos e ordinarios. Ditos do alpaca branca
e de cOres de S05OO a 50000. Calcas de brim de cor finas .e ordinarias, ditas
brancas de toda? as qualidades, ditas de bria pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 4.->, 50. barato. Compfctoortiment de camisas fraaoezas de algodo e de buho de 20 at 50
nma. Sortimento de seroula francezas de algodo. de finho e bramaste a 20 e 20500.
lento completo a 30.
Grvalas (mantas) nwissimo gosto a todos os .procos.
40 at 70 a du/ja.
ROUPAS PARA MENINOS.
F.m-arrega-se d< quaesquer obras de encommenda tanto pata homem, como
para meninos, e com brevidade, por iaso que ton um bonito swliiaeto de fazendas de
todas a; quaid.ides tanto em casemiras como brins, pannos finos e ootcas moitas fa-
zendas.
FAJGNDA6 -r-^' *
Bramantes de 11 palmos de largura a 1*800 o metro. .
Cambraias de cor e brauca.
Alpaos de toda as cores a 640 rs. o covado.
Poil-di3-chvre eom lista do seda fazenda de gosto a 10200.
Barquines de guipurc enfeitadas a 180000.
Sortimento de chitas escuras e claras a 280, 300 e 360 rs. .
Madafiolao fino a 60500, 7, 80 e 90000.
Alfoelo peca com 20 jardas a 40500, 50500 e 60000.
Peca le algodo largo a 70500.
E outnas omitas fazendas que ser enfadonho mencionar Chegnem i roupa
feila quo se estl liquidando na toja ra da Imperatriz n. 32 (junto loja de oiirives) do
LESO DA PORTA LARGA
COMTITitlIA DOS ift
16 RA DA CRUZ 16
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vinhos de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeHadas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
Incumbe-se de encommeftdas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentas, a saber:
Pecas de nougat. Pes-de-Iot enfeitados.
Bitas de pao-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armac3o de assucar. Empadas.
Spaulo ferwawdes de i. gimares
SOB A D1RECCAO DO MUITO HBIL ARTISTA
ALFAJATE PEDRO
'g
fe
Nesta offiema enconU"aro os respeitaveis freguezes um dos primeiros artis-
tas esto j bem conbecido (com grande especialidade em fardas), i>or muitas pessoas
gradas desta oidade.
O esmo estabelecimento se acha munido de um completo sortimento de
fazendas, do que ha de nelhor no mercado, proprias da offleina.
flgraudo sorlimento de roupas feila que tem, vende e manda fazer menos
20 por cento de que em outra qualquer parle ( dinheiro).
43 RA DA IMPERATRIZ 48
Jimto a padaria franceza.
Paredes Poro.
Superiores sedas de cor e listras a 10600 o covado.
Lindas poupeHnai de 15a, com grande variedade de cores escuras e claras a
160 rs. o covado.
Pecas da miisselma branca com salpicos e com seto metros cada pera, peto ba-
assiine preco Antomo^Correa de Vasconcellos A C.
(MME1IU E MODISTA
MADAMA LECOMTE
Com loja na rna da Imperatriz n. 7.
Tem a honra de parteeipar ao respeitavel publico o en particular seus fregue-
zes.que, pelas relacoes que acaba de encelar com algumascostureirase modistas das mais
afamadas de Pars, que todos os mezes I he mandam figulinos, de vestidos, man-
teletes e chapeos fue esto-na maior costo o ,na' modernos, 'se acha habilita-
da para (wer '-vestidos jsara passeio e visitas, bailes e casamentes. As sentoras que
ahonrarem com a suafreguezia. nao deixarao de ser satisfeitas. tanto palo bom gosto,como
i dos preces e prompdao na entrega das encommendaR ; tambem tem bo-
nitos emites amito modo reos e de todasas edres. Fazem-se chapeos do todas as qualidade
tanto de fil cono de palha.
- Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 10000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de ^orco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em mnteiga a 00
rs. a lata.
Copos finos pira agua, duzia 40800.
Garrafas finas para meza, o par 50000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite franoez engarrafado a 10000.
Presante em barril a 480 rs. -por 500
grammas.
rarello em sacca com 21 kilos por NI.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
Caz, lata a 80800.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10200 a lato.
Latas de po-de-lo a 900 rs.
Biter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muitas marcas a 10000 rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 80&
grammas.
Marrasquino de zero a 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720. por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garanten! tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que n5o conhecera o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evplicar queHes
que nao entendem.
VEJAM QUE BIABRURA
Tirar premio sem comprar bilhetcs
Isto s pode ser artes do
ii ti
BOM DEMONIO
Estdecidido=o mundo marcha!
Leiam=admirem
E...... espalhem pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASSMPTO CABE EM VERSO.
BOAS TESTAS SEM CUSTAB DINHEIBO
J8J^utErrjniMii\!H3
No intuito de fazer urna fallada o bou deaiomio resolvou mimosear d ora
em 'diante com um bilhetc a qoalquer pessoa que de urna ee Hie comprar 50000 de
gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por dianto sempre um bimete
por cada 50000. .
Cada um desses bilhetcs dados de mo beijada proporcionara ao portador
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna Ihe for
propicia coincidindo o numero do dito bilheto com o do que tirar urna das tres sorte?-
maiores da 1* lotera que correr nesta provincia a* mee de dezembro vindouro.
mam pao
i gigo de champagae, valor.......N 300000
1 caixa de vinbo do Porto (Meneres).. 230000
1 duzja de garrafas de cereveja (Bass) 90000
1 presunto de fiambre............ 154000
1 queijo prato................... 60000
, .. I dito flamengo...........T....... 30000
a !.. .1., ..,n,.m,,U.U ni AJUV1A
...
1000000
mm pimio"^
1/2 gigo de chimpagne, valor............ 15/>00O
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 110500
(Bass).............. M80O
.v.... 60DOO
6 ditas de cerveja
1 queijo prato
I dito flamengo...................... 30OOD
1/2 caixa de pacas..................... 40000
6 latas de mannelada.................. 60OOD
500003
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres^ valor.. i 10500
6 ditas de cerveja 1 queijo prato........................... 6|0u>
1/2 caixa de charutos de Simas............... 30080
. 250000
I
Kn

MAIS DIABRURAS i
Se a peesoa a quem a sorte houver favorecido qwier Iroatrljohjtn
gneros cima mencionados eu preferirir recaber o respecivo valor em alnheir aio
ter duvidafem satisfazer.
Venham, fregueses
Da prac,a e mato, -
Comprar barato
O BOM DEMONIO
Frapa da Boa-Vista n. 32, esquina da ru*
do Aragao.
-






Diario de Pernambuco L_ Subbk> i#9i de 1869.
-
/.'
5
A ESMERALDA
Este antiguo estabelecimento. completa-
mente reformado de novo, est as condi-
poes de servir vantajosaraente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos prepos so os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
ftbfttfi
JL 5 fllii DO m&\ Y 3
ALGODO
L0.IA DAS ACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote do todos os tamanhos para descaro?ar algodao, do
muilo coahocido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descargar, al-
godio do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro, e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodao.
MACHINAS de fac5o do fabricante Platt B. C, Obdlian PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores quo tm
nado ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores 2
virem a exposico das mesmas na ra da Cadea do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
-mcoutraro mais o seguidle:
Debulhadores para milho.
'iyliudros para padarias.
Arados americanos.
Carriuhos de miio.
Machinas para cortar sapim.
Caimas de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas di lineo finas,
ditas de cobre e lati.
Ferro de todas as qualdades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de verguinlia,
Vassouras amenguas. __^
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
rversida-ile seria enadonho emiumera-lee.
Folha de ferro.
Balances americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas Anas.
Treiis completos para cozialia.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Mtanos para refinacQes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualdades.
Serras avulsas para machinas.
Manaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
osportencentes lavoura e artes, qae pela
1.
Na ra Bolla n. 3, preosa-s ana cozinhar. cotopjar ((nliar f relertiHlo-
le escrava, para ala* (Td*lunt. fanutia de Wi pe-,
O hachare! Antonio Pedio Ferrara
j'ma, inventarante dos bens da finada D.
Cj -Haria Adriana .Carneiro, de quem 6 herdei-
)"o o Visconde de Loores., faz sciente a to-
dos os inquilinos dos predios abaixo men-
cionados quo elle o nico competente pa-
ra recebar os alugueres dos raesmos pre-
dios, visto serem estes pertcncentes refe-
rida heranca. para cujo lirr., ou para outi'.
qualquer negocio, pode str procurado em
seu cscriptorio de advocada, ra do Quei-
mado n. 39, 1 andar, entrada pelo pateo
de Pedro II, das 10 horas da manlia s 3
ila tarde.
Una do Apollo.
Sobrados ns. p, i, 12, li e 16.
Ba do Trapiche.
Sobrados ns. i:i, i, 17 e i
Ra da Imperatriz. Cr 9 G
Sobrados ns. 86 e 88.
Ra do Hospicio.
Sobrado n. 53.
Ra da Aurora.
Sobrado a. 36.
Ra da Saud;,dc.
Casas terreas ns. 23, '25, 27, 29, 31,
e 33.
Ra da UniOo.
Casas terreas ns. 58, 60, 62, 64, 66
O 68.
Cruz de Almas.
Sobrado n. 6.
Ra do Imperador n.
Agr & C, liquidatarios da extracta firma de
Qainteiro & Agr, rogara a todos os devedores da
mesma, que quanto anles venhaia saldar seus d-
bitos ; e nao o fazendo at o da 15 de outubro
prximo, sirao as cuntas entregues ao procurador
para as haver judicialmente, iWf que estaa se-
cunda vez que fazcm este pedido, afim de nao ha-
'er queixas, e nao serem tamben) enerados com
COSTREIRA.
Cosc-se costuras de alfaiate a moda fran-
eeza, por preco commodo, na ra Augusta
i) .112, e d-se anga sobre as mesmas.
Colbcgo
de varios regulamentos de impostos altera-
dos e creados
pela le n. J307.de 26 de setembro de
1867, comprenendendo
>s de pessoal, escravos, industrias c nmfliaW ,
ello (organisado alphanoeatnente, explicando
:ada acto a que sello est sojeito se so deve em -
pregar eslampilha ou verba, no primeiro caso
piem deve inulilisa-la), transmissao de proprle-
dade, dizima de chancellara, emolumentos, mullas
applicadas fazenda publica ce. etc., c em appeti-
dice o do cofre de depsitos
pblicos
notados com as
instruecoes e decisdes posteriores
at a presente pnblicncao
por
Francisdo Augusto de Almcida,
lt'scripturario
da recebedoria de Pernambnco t
acha-so no prelo o breve a ser publicado ; a*.
signa-se na ra estrella do Rosario n. 12, por 3fi
o volme ; # pira
quem nao assiguar. Torna-se de grande uciHoado
aes Srs. advogados, solicitadores, hefrociantes o
funecionarios pblicos, a acqutslcio deste tra-
balho.
Oompaiihia dos triihos uiba-
nos do Eecife Olinda.
Nao tendo algara dos senhoros acciouistas satis-
feito as 2*, 3' o V chamadas de 6o acroes, pelo
3ue, perdern) o direito a ellas em Jace do ari. 8-
os estatutos, por ordem da direc^ao, se faz pu-
blico que, se receben) p ropo-tas al o dia 5 de
outubro prximo futuro, no cscriptorio do thesou-
reiro, Sr Jos Baptisla Braga, ra Nova n. 3o, i-o-
bre as mesmas acedes. As condicoes das propos-
tas o pagamento, eontado, de 3S 0/0, sobre
200, valor de cada urna aegao ; observando-se
as Jisiwsii^des do art. 37 dos estatutos.
Escriptorio da corapanhia, lii.cil'e 29 de setem-
bro de 1869.
Joao J laciaim Al ves,
1- secretario interino.
flMaSOBREl
(SEM LI5UTI2.)
Na Iravossa da na
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se pal-
qiicf quanlia sobre ouro,
prata c pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transaeco quo se (izer em
sua casa, prometiendo todo c zelo
Cjcoiisideracuo s pessoag qae se
dignarera do houra-l em sen esta-
bo crimen to.
Na mesma caa compra-se ouro,
e brilhantes.
Obra
Attengiao.
curiosa.
Est mpressa e exposta venia pela quanlia de
1&000 cada exemphr a obra intitulada.
E' um monuioento de especialidades brasileir.is,
em verso, senao sublime, mas d portuguez dt>
bom cunho c de una vercificacao deleilavel.
As notas em prosa sao utilissimas peia sn.i ori-
ginalidade, conlendu at receilas uteis diversas
eafermidades.
EsU pequeo livro em hrocliura o nico <\m
lia no-Brasil, proprio para as escolas, e Mgno de
todos os Hasilciros que pivzam o betp de sen
paiz : as livrarias dos Srs. Lailhacar e NVljOelra.
O agen'e de compras e vendas de
escravos, Jos Maiiins Alvusda Cnizatlias
se residindo na roa de Horlas n. 96, promp-
lo a desempenliar frit s o Sen dever para
este (im, como para outros que seuscurn-
mitentcsojulgiiein habilitado mediante suas
respectivas commisses.
E'i'de importancia!!!
O aviso que faz o Campos da ra de
Imperador n. 28,.pois solle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os dia-
i utos que to anejosamente eram espera-
dos de Costa 4 Innos, e sao elies das se-
iiuintesmarcas.: expqsigiio Normas impe-
riaes e Havanciros. A elles antes que se
acabera.
O Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitos outros gneros anto para
tnes^, como para despensa, o seguinte :
Camaroes soceos do Marantio.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel "de S. Joao do
lo-Novo. i
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psdi5 francez, (mtrico-decimal).'
ASSIM COMO.
As,tabellas que mais aceitaco tem merecido
das casas de cOmmercio em grosso e a re-
lalho, smente pela fcil' comprehensao e
commodo preco,, S no
Armazem do Campos
SEliURO
Foi forUido do cercado de enj-enho Bonito,
comarca de Nazareth. fregueza de Tracunbaem,
djins quartos caslanhos, ambos castrados, toado
sido furtodos na noile (te sabbad >, 2i do correte,
osquaes tem o fero d*faienda : roga-sc a qual-
quer das aatoridades e pessoas particulares, que
sendo encontrados, serem tomados e entregues
aqu, ou no Recife a meus correspondentes Leal &
Irmao, que ser paga qualqaer despeza qae se
hoaver de fazer.
Igniclo Xavier Carneiro Aranquerquc.
Para urna familia alle-
maa de duas pess'.as, pre-
cisa-se de ama ama moca
para comprar o fazer o
mais servlco e casa : uo
"tartro la matriz de Santo
Antonio n. 4,2 andar._______________
Na ra Direita, loja de calcados n. 32, pre-
cisa-se de dous oficiaos sapateiros de ponto, que
sejam peritos e assiuos, pag.i-se bem.
inrpct'ial couipauhia de Londres
Por seqs agentes nesta .praca
Samuel Power, JohnMon de C.
Ra d Senzall Nova n. 42.
Faz puhhco que tem aberto urna agencia nesta
piaija de segoro. contra rogo.
Os agentes9t_a autorizados a-eioitlirem apoll-
es, leando assim os segurados desde logo segu-
ros costra qnalquer prejuizo, que possam solTrer
causado pelo fogo.
Os agentes esta) ratorisados a averiguarem
quaesquiT reclamacoes e depuis de competente-
Hienie (laminadas a saldarem (como j lem feito)
Sor nicio de saques sobre a companbia om Loa-
res ao cambio do dia.
A companbia prometi prompta verifica cao de
qualquer reclamacao,assim como prompto paga-
mento, concluida que seja satisfactoriamente taes
rerilkacSes.
As' pessoas que quizerem effectuar qualquer
seguro bastarlo remeiler a esta agencia urna nota
indicando soraenle a ra e numero do predio que
Hcjarera segurar ou em que estiverem deposita-
das as mercaduras, assim como as quantias.
Samuel Power, Johns!on & C.
Arates:
Ra da Senralla Nova n. 42.
Em Fra de Porta, no larao 'do chafalla, casi
n, 21, ha urna p s-oa habilitada a ser ama de
casa cslrang"jBg'U"*a^i,r-i ipr'-n*"_______
ama para o srvico de
duas |iessoa> : na ra da Uniao n. 53
SHR* YuBacK R^?S
r cebem eneommendas do quera quizer se 9
__} utiiisardas produceo^s do bem conbeci-
| do estabelecimento geographico Je lop-
grajdiice de
"ursler Renclegger & C.S
WIMERTHUn NA MJISBA
g Picmiaiio uaa e.\posii;ots de Londres e B
2'Pars o qual se encarrega da liiliogra-
8 pliin eimpiassode carias geograpliicas, V
at ilamas de cidade, plaas de empresta 83
5 lechnicas e de qualquer trabalho impor- S
38 lanle desle giiiero.
No escriplorio dos mesmos acharase t]
eq alguoias amostras das produe(,'ojs do di- Si
. li> cstabelceiniento. 'i
iSsptt mwmmmmvBm
; Precisa-se de tima para o sei vico interno e
externo de urna casa de famiiia, prefennao-sc
Bscrava : na ra larga do Rosario n. 16, por ci-
ma da padaria do Sr. ManoePAntonio de Jess.
-----
Cosinheiro
Pivrisa-se de um ou mesmo njudanto : no boc-
eo das Roias n. 8.
Feitor
Precisa-ce de um feitor de meia idade c qne d
informacoes de sua conduela, para um sitio perlo
desta praca : a tratar na ra do Aragao n. 32.
Precisa-so de urna ama para caca de pouca
familia : na ra do Caldairciro n. 69.
IOOjUOO.
'Contina a estar fgida, conforme os annunems
publicados por i;ta folha ns. 217 a 238 do auno
prosiino panado, a e.-crava, parda aeaboeolada,
de Jos Loorenco UoncaJves, .do nomo Luiza,
idade de 22a 26 annos, ponto mais ou menos;
cheki do norpo c de altura regular, tem fal-
la dos denles da trente qnasi no todo, o o ca-
bella, propriamenle de cabocla : quera tiver
nolicia dola ou a apprehender, dirijass ra da
Caricia n: .'iO, jpi t^er gratificado com lOOjOOO
r
Pin 'isa-so de urna ama, livro ou escrava,
que saiba bem cosinliar, e seja de muito
bos CDslumes. Dirigir-se ra Bella n.
37, sobrado e i andares.
Alugem-se
dura casas terreas sitasiiio Mangninho,
do rio, recommendaveis pela via frrea
na na do Vtgnrio n. 31.
a margen)
a tratar
FEITOR
Precisa-se de. um feitor do boa conducta, forte
e vigoroso, que seja casado, para sorvieo de silio
e a direceo dos escravos : a tratar na fabrica de
rap, rua'doWondego n. 107.
i i
COMPRAS.
Com muito hiaior vantagem compram-se
moedas de onro'e prata : na loja de jijas do Co-
raraode Ouro u. 2 D, ra do Calinga.
O muzeo'de joias
Na ra do Cahug n. 4 compra-se ouro, prata
( pedras preciosas por procos mais vantajosos do
que em ontra qualcnier parle.
Ouro e p!,att
Compram-so moedas de ouro c prata do todas
as qualdades, por bora preco : na ra da Cadeia
do Recife n. 58, loja do azulejo.
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores., ouro e prata em obras inutilisadas
brilhnntes e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco da Coneeicao, no Itecife.
Compram-se e vcudemse diariamente para fra
e dentro da provincia cscravo de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lerceiro andar di sobrado n. 36, rua das Cruzes,
freguezia de Sanio Antonio.
Compra-se um prcto de meia idade : na ra
do Rangel, padaria.
O MUSEO DE JOIAS
1 C/^)


GOMES DE MATTQS IRMA3S
tendo feito completa mudanza era sen antigo e
icreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporjoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especial idade as Exms.
Sras. de bom gesto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
3iide enoontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tndo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQ08 DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no vos gostos, assim como grande voriedade de salvas e pafceiros de,
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
iibjectfM de prata para uso das igrejas,
Cempram e trocam qualquer joia ou pedra pteciosa e tarantem
i qualidade do objectos vendidos.
C^5

O MUSEO DE J0I4S
Alup-se od vhde-se ma escrava parda de
10 a :3 anuos, perfeita cozialieira, coctureira e
eug niaadeira: ua paaaria n. i da ra dos Pena-
dores se^ira. .
a ---------
e sino unos
i-;i|*-i para rumi-ni
Compra-se papel para embrulho : n,
Pavao, ra da imperatriz n. 60, de '
da Silva.
DE
LEITURA
PARA USO DA
INFANCIA
PELO
BRASILEIAA,
Dr. A. Cesar Borges.
(2" EDIC0 MUITO MELHORADA E
. AUGMENTADA)
Estes dous livros,' resultado de grande expe-
riencia e estados especiaos do autor, vieran) sa-
tisfazer a uma'das-inais listantes necessidades da
instrnecao primaria, e por tal forma que, pelos
governos de quasi odas as pr jnncias leen ido
adoptadas para as escolas puihcas, assim orno
de rofeU'
Lustro do gaz.
Compra-se um lustro de vidro, nsado, de 4 on
5 bracos, parr gaz da illmniuacao publica : na ra
No va .'lo jan. 11.
A VH1DAIIE
55Ra do Qneimado55
A VERDADE tendo em deposito grande
qttantirlade demiudjzttie perfumaiias, e de-
sejando apurar dir.lieiro o adqncrir boa fre-
guezia est rssolvida a vender inuitissimo
barato, ; por essa razio convida ao n.'spei-
lavcl publico a' vir conipulenlenitnle muni-
do a sortir-se do bom e barato, l'ois yogo-
do a Terdade apparece, tudo mais des-
aparece
Grande sortimento de bonecos de cera e
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
Ricos plobos para candi iro de gaz a
Cbamins a.......
Grande sortimento do objetos de
lou(.i para brinqnedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua llorida verdadeira a
Hila com dita dita o .
Frasco com oleo de babosa a 500 e
Dito com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extradM les a .
Latas pequeas com btiilia muito.
lina a li'e......
BiMnetet de diversas quali iades a
80, KiO, Oe.....
Finas csrovas para dentes At KQ a
Lindos coques modem'.ts a.
Pavius para gaz, dazia a 210 e .
Escovas para faci a !i O, GOO e
Ditas para cabello a.....
I'ehtes para tirar pioll o a ICO e.
(Jrineos de cores, bonitos a IRO e
I\'Cas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo para macbina de costura,
frasco a........
l*ennns d'aeo linas caisas a 800 e
Dita d'afo Pcrry, caixa a. .
Galao de algodo peca ....
Lindos babadinbos e eulremeio
peca de 500 a......
Bowes de madrepc-ro'a, groza ;
Ditos de louc,a muito lino a t0 e
Ditos para caifa a ItiO e. .
Caixa com papel amizale a. .
Ditas com envelopes .i. .
Ditas com breias a.....
Caixa com agulhas fun lo dourado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para costura a 240e
Caixa com linda de marca a .
Linlia dft cores em Bovellos (li-
bra) a........
Carreteis de linhaAlex:indrede 10
at 200. i .
Grampos muito linos com pasea-
ros, duzia a......
Cartas portuguesas,' dnzia a .
Dilas francesas a 2;$-200. e i .
Papel almaco e de peso, resma a
3(5400, 3 ,iia muito lina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Dilas de 13a para debrum de ves- .
tido, pega a......
Palles linos para segurar ca-
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2iO, 320 e.....
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar peaa a .
Carices com cohetes a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de liia decaraccl peca a 40 e
Fita de coz peca a 48i> e .
Alfinetes de alio a.....
Sapatosde 15a para menino a 2iOe
Ligas para scnliora, fiar a. .
Grvala de sedas de cores a .
Culcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borradla por
lOOrislHM
Xa Vcrdade rea do <|ueiiiado
u. .5.
1*800.
320
U/>
600
I 5i
WO
720
500
<500
1*000
206
320
600
24800
320
700
500
240
200
80
000
lOOO
ltoo
400
1*500
ROO
200
240
700
480
40
280
160
500
.280
seo
.
toa
3*000
rS.'iOO
6J70C
ICO
320
504:
321
m
41
loo
100
560
100
80'
ICO
200
80
Eneommendas
Comprase urna escrava que saiba cozer c en-
gommar, ainda u,ue nao seja muito moca, porra
que tenha comportamento perfeito : na ra da Ca-
deia n. 30 segundo andar pe dir para quem .
Papel para ccnbriilho.
... toja do
Flix Pereira
iVINDAS.
. >
por grande numen) to fofessoras particut
O prlmciiu lian (-fcsolaHimente diverso.das
cartas vulgarmente condecidas pelo nome do A
BC) < compOsto segundo um systeuia natural,
philoiophico eameno qne ao.s raeninus facilita
ettraordinarlmmata o conhecimento da leitura,
tornamlo-jhes muito mais rajriloj, e nuito nxnos
penosos, seus primeiroe, timfflUs 'e vaeilanles pas-
aos na vida Htteraria.
O' tefiHe iwro coasta do mnitos artigos, ooa-
tos etc., Jfdoi tao brecas orno oonvetn fogaz
altencao das crianzas, e escriptos em linguagera
e e>t; lo apropria^bs franqusza de sua iutel-
gensla.
B de maneira camhinadas Melle so achara as
materias que, ao tnesmo paseo .que vivamente in-
tf ressara e deleitam Bs p<;queB Ihes e imphratamllies ao espirito e no coraeao fe-
cuudos p-eeeitos de Bioral, irafirando-lhes, dead
logo, com o gosto da leitura, o amor da virlude
e a repugnancia da do vicio.
" Sao ambos estes llvroS nitHlimente impressos e
elegantemente encadornadas em Paria, o contem
estampas Oaas reprasirataado os assumptos dos
eontes ;-e- que os toma mais convidiHivoe aos rae-
nios e muitop^ttipria -para presenteou premios
dos.mesmoa.
Contera llamis o segundo do os bellos hymnos
com msica para o comeco o t)m da escola.
: Hccommeixdamo-los pos confiadamente aos e-
uhorea paiade Tamilia, e protesores que anda os
nao conhecem.
- Primeiro livro. SOO
Satondo 20QO
; A VENDA NA .
L^vraria ira n caza,
^MlA DO CBESPO-r^
Oa-se hom premio p ljlOOO, 2/;
Si; -101 o SftaVfoeva estarajia: na casa 4e Theo-
do-ro Simn k C, largo do Pelourinbo n. 7,
Sello
Novo regulamento do sello : vende-se na livra-
ria econmica ao p do arco de Ssnlo Antonio.
Peixe abacalhoado
Industria rio-grandense da fa-
brica de Ferreira Guiutarrs
c C-, no Rio-Grande o
Sul.
Esto peiTo, assim preparado de excellento ma-
neira : vende-se uo armazem de Antonio Gomes
Pires 4 ., ra da l^deia n. 53. '_____
l#OO
Sias de lia, ohjocto de gosto e de excellente
lalidade : na ra do Queimado.n. 31, loja de A.
qnali
M. Rolim & C
Farinha a' veida em saceos
Vendo-se farinha da trra a 3*800 o sacco : a
tratar na ra Augusta n. 10.
Libras sterlinas
Vendem-ae libras sterhoas : na ra da Cadeia,
escriptorio ri. 49.
Vande-sa tres inoieques do 42 a 44 annos e
um negro de SO, todos peca : no terceiro andar do
sobrado n. 36 a ra das Cruies.
Piano barato.
Na ra do Alecrim n. 14 vender ara piano da
opti n eonstruccBo por preco con venante por pre-
cisar, concert.
Moleque cozinfceiro
Vende se um bom moleque de 15 annos de Ida*
de, com.ptima Ogura, e coanha sffrivelmente,
proprio para criada-po. ser muito ladino : na ra
do Rosarjo da Boa-vista n. 4.
mam
Attenco
a praea do Corpo Santo n. 17, Io;
andar, vemle-se ijiais barato du que ai t
outra qualquer parte cal da Lisboa e
potasa taiftossia da mais o->va M raer-,
iio vinuo Burdeaux de an-
eado, afsiui ciun
perior qualidade
VNDESE
A PRECO FDCO E MDICO
SOMBR1NHAS de setim verdeultima no-
vidaje para senlioras, a 13 e 25^.
LINDOS cortes de-tarlatona orvallada, pro-
prios para Daile* i. 10,?, 13& 15^, 17-
e 22000.
ESPECIAL sorlimenh) de coques enfetlad< -
e lisosultima'modaa 2^500, 36000,
3/1500, 4, 4*500, M e U.
GRANDE e bello sor.imento de chapeos de
palha da Italia, elegantemente enfeitados,
para senhoras e meninas a 15$, 144* 13&,
Ho9.
TRANCAS E CACHOS imila<;io de ta-
bello, para senhor,9, a 1^800 e 800 rss
GRANDE e agradavel sortimento de gti.
pur ou crocli prdo, em pecao metro
a-fe, 3IUOO, 44 o 04v
DITO branco a 4803, W e 34800.
LINDO FIL de seda branco com ramagecj
o metro 84500.
LINDOS e ricos aderemos de plaqus da-
bles, com brilbanthas, rubins, esmera-
das, perola. e camafeos ; n5o ha diffe-
renc'a do ouro de lei e conserva por los-
go tempo a sua c>r natural, vende-se a
154, 18, 304. 4;S$, 90* e 1206, esle
preco menor ao feitto de qualquer per*
verdadeira do mesmo trabalho.
BONITAS CORRENTES do mesmo meta!
para relogios, a 0, 84 e 104, no
MAZAR DA MODAOrtAUA NOVA
Nlo mak calilos brancos^
A tintura japoriea para fingir es eabftos
da cabeca e da barba, 1'oi a uniea admiida
Exposi$ IMttWMl, por ter sido reco-
nhecida superior i Hdas as preparafcoes at
hoje existentes, s^m alterar a sade.
Vende-se a lOOO oada frasco na
Rita da Cada n. 51o
1. andar.
nxa.s v
garrafal
Na taberna do largo do Paraiio n. 20, venden
manteiga Ihgtea flor a IJtQO. IgSOO e W)
hhra, carne do nena nova a 3ft).a tafe e ats
mus a UV>Oo gigo._______
- Vendem-se das elsa ierre'
ra de Sania 11
^i : tratar na roa di Ac.
Dio Eul


v


LIQUIDA
^
i
AS NOVAS u
11-EUA DO QUEMADO--11
Cliegaram da Europa pelo ultimo vapor toja de Augusto Porto & C. ricos
trles das ttfais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
inenios. .
Grande variedade de sedas de listras de diversos preros todas de lindas cores,
*orgurao de seda prula, e grosdenaple de varias qualdadcs e gorgnrSo de seda laa de
O Dronrietario do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera- jifferentes cores. ___no
Novos vestidos brancos de blond para noivas. lindas eolias de seda pan camas
tr'tt n. 72, declara ao respeitavel publico o seus fivguozes, que est liquidando todas as
fazendas e roupas feitas que tem em sen estabelecimenio como se podera ver no sea
anuncio o preco abaixo mencionados,
Chitas fraacezas matizadas a Algodao entestado 00 rs.
3O ra. Vende-se algodo entestado proprio para
Vende-se chitas francezas escuras matiza- ienroes e toalhas, 1)00 rs. o metro, dito
das a 320 rs.o covado por este preco saa.jtn^ado a t#, metro.
loja da Arara, rn.i da imperatriz n. 72.
LAAZ1NHAS A 240 RS.
Vende-sc lazinhas para vestidos de se-
nhora a 240, 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
BAREGES DE LAA A 500 RS.
Vende-se bareges de la rom listras para
vestidos de senhora a ;>00 e GiO rs. o
covado.
Alpacas de lustras a 500 rs.
Vende-se alpacas de listras para vesti-
dos de senhora a iOO rs. o covado.
CHITAS FRANCBZAS A 28!) RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
o covado.
CORTES DE LAA PARA VESTIDOS A
2#i00.
Vende-se cortes d 1 laa para vestidos de
seihoras a 2:>i00 cada uin,
PERCALES A 440 RS.O COVADO.
Vende-se percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
solinas brancas linas, a 500 rs. o covado,
brigantinas de ores, a 440 rs. o covado.
Bales modernos de todas as
cores.
Vende-s^baloes moderno sbranco e de co-
res a 4, 40500 e 50.
COBERTORES DE ADGODAO A 1500.
Vende-se cobertores de algodo a I $500,
cobertas de chitas a 40GOO e 90 cada urna,
GANGAS PARA CALCA A 320 RS.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brim de cores para caifas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, caserairas de
cores para calca e palitots a 2,->500 e 3,
o covado, meias casemiras enfestadas para
calcase pnlitots a 10 o covado, brim pardo
de todas as quallades e brim branco de
todas as qualidades na rua da Imperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a 40 rs.
Vende-se alpacas .de. cores lizas finas a
6'i0 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro. .
MADAPOLO ENFESTADO A 3>300.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
a 30500, pecas de madapolo inglez de 24
jardas a 50, 60100, 70, 80 e 100
Chales de merino 'i$.
Vende-se chales de merino estampados
20, chales brancos e de cores a 10000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Voi.de-se urna grande porc3o de corles
de brim castor para calca de homem, 640
rs. cada um.
rande porciio de retallaos
Vende-ge grande poreo de rctalbs de
chitas e casas pretas a 100 e OO rs. o
cova lo, retamos de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
LIQUIDAM A ROPA FEITA
Vende-se palitots de brim de cores a 20,
ditos de alpacas de cores a 20, di'os de
meia casemira a 20 e 20500. ditos de pan-
no preto bom a 80 o 100. calcas de algo-
do azul para escravos a G40 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 1#, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, role-
tes de brim c fusto de cores a 10 e 10300,
coleles de cesemira de cores a 20500 e 30,
e outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a O rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pecas de algodo 40600,
30200, 60000 e 70, para liquidar.
Halos de arcos a I 5.
Vende-se bales de arcos pan senhoras
pelo baratissimo preco de 10300 cada um,
Cortes de canibraia barras
a 3$000.
Vende-se corles de cambraias barrsa a
2-> e 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. eada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM-A 10.
Vende-se carteiras para viagem 40
jaraas a o;>, opiuu, 4o, o e uuj a peca. cada urna.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o covado,
ellas antes que se acabem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
vai vender ou liquidar, poucos (lias poder durar, e quem se quizer sortir de fazenda
e roupas feitas para a festa pelo preco que ltio agradar, se podera dirigir a roa
Imperatriz armazem da ARARA, que estar aherto todos os das uteis,
manha, as 9 horas da noite.
ditas de laa e'sda, cortinados^oTddos'fSra camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho hordadas. -*4L.
Luvas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de se las de cor para senhoras.
Espartilhos de 50 at iOJ, lindos bournous de cachemira de cor para saluda
Je baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco c prclo para sennoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para homens e meninos.
Sortimento de militas fazendas de la, linho e algodo todas por presos muito
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapetes o de alcatifa para
forrar saloes ludo em quantidade; e vendem* semprelpor menos que em outra qualquer
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
k
21*-
NOVA ESPERNQA
Rua do Queimado -2^
Advertencia!
M\
Este adniirarel
Depurativo na,
[conten en imer-
Icurio, ioo ou
arsnico | m
__ lt lloroso modifi-
cador uarao sanguc ecura radicalmente as molestias depelle.taea como a Jepra, a*impgen, auerPc*';?f .
esninhas, e os Pannos, etc.Empregado alariamente elle refresca a massa do sangue e consolida o mwmi^
1 mipnrin 11 innip Cura em 3 dias os corrimentos ant.gos
AlMtltAU lAUtl os mais rebelde*.
Pars, 7, BJ Denaln,
Grande o rorooleto sortimento de machinas para
desenrocar algodao de nova iuvenoao clisadas l-
timamente em direnra para a loja de Manoel
nenio de Oliveira Draga & C. na roaDtreitan.
53 Garntese que a melhor ijualidade que at
o presente tem viudo ao mercado : acham-se em
exposieao aoa compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimenlo de pesos kito-
grammos de melhor comprehensao dos nue tem
vindo at o presente, assim como marcos de lalo
at meio grammo pelo mesmo systema, balancas
de latao de forca de 5 a) kilogrammos, metros
de madeira e de latao para medir fazendas, alem
de grande sortimenlo de miudezas e ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos qne s a vista
faz crdito : na rua Direila n. 83, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C. ^______
ou recentes
4#000
500
das
da
6 horas da
72. Rua da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
0 proprietario do armazem de fazendas denominado Gar.baldi, na rua da Impe-
iz n. 5(5 declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
desejando diminuir este grande deposito por me.o ^SBSfJt&
da 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surt.r-
J1U ouu
Rua do Queimado ns. 49 fe 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevcdo Maia, est .acabando
com as miudezas de seus estabe-
leciinentos por tsso queram apre-
ciar o que c bom e baratissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
l&KM), U, H e. .
Caixas de bnha com SOnoveHos
Pares de sapatos de tranca fa-^
zeoda nova a......* 2(5000
'ares de sapatos de tapete
(s grande) a......1550O
Dtnias de meras Ornas para ho-
mem a........3,!{800
Tranotas do Porto fazesda boa
e pelo preco melhor 100- altos a 5200
Livroe- de missoes abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito .
flrMa25'00e.....'i80f
Silabario portugaez com estam-
pas-a........
(bravatas de crese pretas muito
linas a ........
Cartes com colehetes deltSo
fazenda fina a.....
Abotuaduras de vidro para siete
fazenda lina a. .
Caixas com penna d'aco Bwito
finas a 320, 4(KH 500 e .
Cartoes-dT? linha Alexandre-que
tero 200 jardas a .' .
Carreteis de linha Alexandre- de-
70a*a200a......
Caixas com superiores oleias
de nessa a......
Duzias de agulhas para machina
Libras de pregos Irancezen di-
ver^ tamaito a. .
Livros escriptnrad1 para rl de
roupa a. ...... .
Talheres para meninos muito
finos a. ,......
Caixas com pape) amizade muito
fino a.......
Caixas eom lOOenvelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meniaas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de finhacom 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de louca muri
finos a........
JLOJA
DO
ralnz
ser, e
dar no -
se de boas fazendas, e por diminuto prego, i
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
1,5000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lencoes a 15000, dito liso enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 3300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, 60, 70, 80, 90 e 100, a
peca. *
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanziuhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5u0 rs. 0 COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado proprra para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 10.
Vende-se seda de cores para vestidos de
senhora a 10 o aovado.
POBXO DE RETAJ.H0S.
Vende-se urna porco de retalhos de cas-
sas, de 13a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' ellps antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de .listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10.
Vende-se chales de casga a 10, e de me-
rino a 20.
CORTES DE LA A 20400 RS.
Vend< :m-se cortes de 15a do listra para
vestidos de senhora a 2400 rs. para aca-
bar.
ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecas de algodao a 40, 50, 60
e 70 a pega. E moilas outras cousas que
seria enladonbo menr'Aoar.
0320
0500
020
0500
10000
0100
0100
0040
20000
0240

<5I2
0240
0700
0600
0320
0500
0320
0160
200
60
20500
GALLO VIGILANTE
Rua do Crespo n. 9
O proprietario deste bem r,onheci cimente, alm do* milito objeelos que tinliam ex-
postos a apreciara do respeitavel publico, man-
daran vir e acabam de reeeber pelo ultimo vapor
da Europa un completo e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, a qnaes es-
to re^irridos' a vender, como de seu costume,
por preco muito baratinhos o eonnuodos para to-
dos, sen tanto que o Gallo....
Muito superiores hros de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mu boa e bonitas gollinhas e pnnbos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores peuts de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfcites para cabecas das
Exmas. senhoras. .
Suiwriorcs trancas preta e de cores com vidn-
lhos e MU elle; esta faienda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e oso, sendo aquellos brancos
com lindos desenbos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30J000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas. ,
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
podo desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracba, etc. etc. etc.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4 C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fomecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. rua do
commercio n. 32. ^^^^^__
160
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
C0VCASEMIRAS DE CORES A 20500.
Vende-se casemiras de cores a 2500 e
33000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 3*000.
Vcndem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30000, ditos de seda a 100 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para cal^a a 88 rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para ac-
bsr
IGRANDE SORTIMENTO d" impigens
de nouPA feh-a de todas as qualidades. molestias de pelle.
Machinas a vapor d
forqa de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balancas para armazem e baldo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnea e de Uhit-
field.
Prencas para copiar carlas.
Fog5o americano patet
Scbonete de alcatrdo.
DR
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que Ufo boa
acceitac5o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cer
sarnas, caspas e todas as
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34rua larga do Rosarlo34.
Vende-se a'roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes podero yir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
BALES DE ARCOS A 15500 Vede.se no amaTeSmael.o de,Vicente Per-
Vendem-se bales de 20 e u arcos a reira a nosta & Filho, defrotite doarcodaCon-
1)J500 cada um, dilQS modernos a 45. i ceicao, em barricas grandes.
BRIM HAMBURGO A 84000 A PECA. Qfv im
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham- MBllteiga a VVV TS. a llura.
CEMENTO
burgo a 85, vn a ser mais barato do que
algodosinho.
CORTINADOS A 14,5000,
Vende-se cortinados para cama a 144
para liquidar. Ditos para janellas a 74.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na rua da Imperatriz n. 56 B
:' pechiactaa sen Igaal.
Vende-se manteiga ingleza ttor a 1*000 por 500
jrammas o 900 rs. a libra; no progresso do pateo
lo armo n. 9.
!'. mi t
Libras sterlinas
Vendem-se no hotel do nivirso, l* andar, quar-
to n. 1.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de eadcia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nessa vez tam-
bem asseguramt sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxe.
Linha 'muito boa tle peso, frouxa, para enclier
labvrintflo.
Bone baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo im.
Grande e variado sortimenlo das roelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecMos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a dentieo das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recbe-kts por todos os
vapores, aura de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sio applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista djscbiectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, rua do Crespo n. 7.
Extractan carnis
Este producto alimentacao para doentes, jnui
apropriada para creancas e para as pessoas saas;
indisoenavel a todos, porm, prineipalaente aos
viajamos, que terao netle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incarruptivel, e
que com faciidade se aprompU e se conduz, por-
que n'um peqneno volame carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
cao dos senhores de engenhos que encontrarao no
EXTRACTM CARNIS o reenrso de alimentacao
agradavel, hygienica e barato para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, wd Rio-Grande do Sal,
que acaba de crear um deposito nesla cidade em
casa de Jos Victorino de Rezende & C, rua da
Cada, escriptorio n. 5i, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a rua da Cada n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, niesma rna n. 6!.
Joaquim de Almeida Pinto,* rua largado Rosa-
rio n. 10. .
Antonio Mara Marques Ferreira, praja da
Boa-Vista n. 91.
jf. B.As latas que conten o extracto razem
um guia para seu uso.
Na pharmacio do Pinto rua
Larga do Rosario n. 10 junto
ao quarteldo corpo de polica.
Acham-se constantemente promptas a se-
ren satisfeitas, as presoripces" dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pharma-
cia, compostas de medicamentos, tanto in-
dgenas, como estrangeiros.
Tosse e molestias do
peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat, Agri5o
pao Cardozo, juca, mulung, mutamba, etc.
etc. ele.
Rlieumatismo # e molestias
syphiliticas.
Arrobe vegetal jarope de Salsaparrilha
do Para, pillas e. xarppe do veame, tin-
tura e xarope de sicupira.
Doeiujas do ligado e baf o, anemia,
opilado etc.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pi-
lulas, xarope e vjnbo da milagrosa JUR-
BEBA,
SEZOES Oi) FEBRES INTERMITENTES
As pillas antpperiodicis de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu'autor rua larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel rio corpo de
polica,
BAZAR UNIVERSAL,
Una Nova**
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precoscommodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mats modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima expsito serviros- a electos para almo-
50 e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manleiga, camas de ferro para
casados, solteiros e'enanca, berros, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e rtesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrado
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.__________________
Loja de miudezas de Ferreira da CunbaA
Temporal, rua do Queimado n. C3, est
quimando por todo proco :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Re/les para coques a 240,400 e 500 rs.
Linba de 200 jardas (duzia) 1,5200.
Caixa muito fina para p de arroz IflSOO.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 141300.
Agua divina idem 1,5400.
Gravatas pretas para homem 4 0 rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio philocme verdadeiro 1-3200.
Aderecos de plaqu 1#>00, 2 e 53.
Meias cruas para homem 3^300 e 4 a
duzia.
Botoes enfeitados para vestido, 1 >200 a
duzia.
Leques do santol 53, cada um.
Dittos de madeira 33 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 25,
23500 e 33 cada um.
Meias finas para senhora 43 a duzia.
Banha em frascos a 400,640 e 13200.
Frascos com extrado muito fino 23 e
23500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com extracto 23500.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Galao de 13a para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 13500,
23 e 23500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 13.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
240 rs.
La para bordar de todas as, cores (libra)
63800.
Bonete para menino 13,23 e 23500,
Linba de marca (caixa) 240 rs.
M-ias para menina (duzki) 33 e 3.>00.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e uu,
Capellas francezas a 23500.
Facas e galios, cabo de balanco (do,
"Laparacavalloum^elgM.
Bengalla de canoa 13, 13300'e 23.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) 13500.
A Nova Esperanca, rua do Qoeimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidad*
de miudezas, e como se approxima o tem
po" em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande qoantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregu-
zes, em tempo to opportuno quando I
NOVAESPERANCA convida-os pechincha-
rom, pois que para comprar-se caro, nfc-
falta aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes 0' que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ru do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinba.
acaba de reeeber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos d
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dorados (ultim
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallees, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novoi
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo con
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperua, mar
fim, osso e faia.
Espartano simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas rua do Queimado n. 21, nr
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de que muito.
collares se vendem por ahi intitulados o*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoa
pas de familias nao creem (comprando-oa?
noeffeito promettido.o que s pdem dar.
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porn
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da bumanidade,
fez urna encommenda directa destes collaret;
e garante aos pas de familias, que sio o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo d*
convulc6es, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a rua do Queimadr
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinhos, antes que estes sejam acommetti'
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collare*
de Royer.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao amigo deposito de Henry Forster i
C, rua do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida:
e a retalho por menos preoo do que em oulr qtu
craer parte^_________^_____._________
Oleo de linhaca
nos armazens de Tasso Irmao.
Salitre
nos armaiens de Tasso Irmao.
Ayu i de Flortdu
nos armazens de Tasso Irmaos^__________
AttenQo
Venctonvse os estxjieimeniai de taljeroa e pa-
daria. bem afroguozad*, e bomtogir, na Ponte de
So a tratar na rua do osarlo da Boa-vjsf
n. 56.
J cordeiro previdente
Rna do Queimado n. IB.
Jovo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d-
receber um outro sortimento que se torn;i
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel pubhco em geral e de sua
boa freguezia em particular, no se afas-
lando elle de sua bem conhecida mansidlo
a barateza. Em dita loja encontrar os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor delarangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservaco do
issei da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cha-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
(rancezes em frascos simples e enfeitados. _
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta. .
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
i Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qpalidade,
com escolbidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiorese menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetas imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fl-
aas perfumarlas, muito proprias par pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos da metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroi
e noneca.
Opiata inglexa e franeeza para dentes.
Pos de camphora e outras difJerentea
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mal coques.
Um outro sortimanto de coques de,no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
a alguns d'elles ornados de floras e fitas,
asto todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvellas e ta para cinto*.
Bello e variado sortimento de taes objec
tos, ficando a boa esco'ha ao gosto do comj
prador.

1
. i
3.
J

ak*


Diario de
Peniambuco
Sabbado 2 de Oulubro de i869.

------
7
S
RIVAL SI EfflM
Rua do Queimadon, 49 c 57 /o/a
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Stlva conhecido por
Jos B/godinlio.
Est queirnando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazer novo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caixas de liabas do gaz com
50novellos a 500
Latas com superior bana a
120, 200 e ..... 400
Frascos de oleo babosa muito
fino a. ..... 400
Duzias de oieias (inglezas)
muito boas a 40OOC
Garrafas com |agua florida ver-
dadeira...... 10200
Garrafas com agua]divina da me-
lhor qualidade .... 1^500
Caixas com 12 frascos de ebeiros
proprio para mimos 203OG
Dita com|6 frascos muito finos 0800
Oleo baboza muito fino que so
a vista ...... 6500
abonetes de calunga muito bo-
nito ...... 6240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... 0600
Pecas de babadinho com 10
varas a...... 6300
Pecas de fita de eos qualquer
largura ..... 05OC
Zscovas para unhas muito fi-
nas i...... 6500
Estovas para dentes fazenda
muito fia ..... 6240
Pulceiras de contas de cores
para meninos 6200
aixas de linha branca do gaz
com 30 novellos 6600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores 6040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 46000
Pares de botes para punhos
muito bonito .... 6120
Libras de 15a para bordados de
de todas is cores 86000
Pentes com costas de metal
muito finos 6320
Novelto) de linha muito grande
para croxs 6320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 6480
irosas de botes madreperola
muito fino ..... 6300
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 6320
Pecas de fita de lita todas as
cores ...... 6300
Espelhos dourados para parede
16000 e..... 16500
Espelhos de Jacaranda muito
fino ...... 26000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol 6060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 6320
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ...... 16500
Frascos de sndalo e patecboly
muito finos 16200
EM CONTINACAO
A DINHEIRO NA LUJA E ARMAZEM
DE
FLIX PERKn 1 DA SILVA.
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante d*
extincta loja denominada=JA/tD7.l/ DAS DAMAS=b ra da Imperatriz n. 36, e nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidacao da grande quantldade de
fazendas que ali existiam, pelos poucos dias que leve at entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVAO
onde o respeitavel publico encontrar um granee sortimento das melhores fazendas de
linho, 15a, algodao e seda, que se lhe vender! muito mais barato do que em oatra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que negociam em pequea
escala, tanto da praca como do matto, nesta c.sa poderlo fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porces, vendendo-se-lhes pelos precos que se compram, ns
casas inglezas; assim como as excellenssimas familias podero mandar buscar as araos-
tras de todas as fazendas. ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; estabelecimento se acha constantemente aborto das 6 horas da manhSa s 9
da noite.
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste estabelecimento se encontrar diariamen-
16 um completo sortimento de pastelaria de todas
s qualidades para lanche e sobre-mesa, etc., etc.,
julianos de todas as qualidades para cha, presun-
.09 de fiambra, bolos irglezes, pudins, e finalmente
udo que consiste em un boa pastelaria, com a
Jiaior asseio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
jho do melhor que ha no mercado. Nesta casa
-.ecebem-se encommenJas para casamentos, bailes
rbaptisados, compremettendo-se os donos do es-
a belecimento a ser ir o melhor que for possivel
i vontade do freguez, dispondo para esse fim de
am completo pessoal. Recebe-se avulso toda e
lualquer encommenda, como sojam, bandejas,
yolos e piws-de lo decorados, doces d'ovos, seceos
ede calda e crystalisados, frac tas nacionaes e es-
.rangeiras, amendoas confeitadas, um completo e
cariado sortimento de jaixnhas de todos os gostos
i presos, para mimosear senhjras ; estas caixi-
ahas recentcmente chegadas de Paris, sao de pri-
iiorado go to, offereee molas aos galanteadores do
jello sexo, pois nellas actoaro um digno e serio
presente para as donas de seus pensamentos. lico-
res, vinhos finos de todas as qualidades, conservas
lomemos em latas. Os dono* deste estabelecimen-
s nao se poupando ;i despezas, azem todos os
jtorcos para servir o respeitavel publico o me-
or que for possivel, e sendo principiantes e lu-
eando com todas as dilficuldades, esperam a con-
correncia do respeitavel publico desta capital, na-
jionaes e cstrangeiros. Pechincha : legitimo vi-
Dho muscatel em caixas, que se veude por commo-
io preco para particulares e para negocio.
AsMicar de tildo de ferro de
C hanteaud.
O assucar fe ruginoso deChanteaud obtido
pela associaco do exido de ferro inteiramente so-
iuoel com o assucar cuidadosamente purificado.
Este assucar, de um. bella apparencia crystalina,
tem o simples gosto mui agradavel_ do assucar,
sem o mencr sabor sdstringeute : nao tem accao
irritante sobr a mamosa do estomago e entestinos,
e rpidamente absorvido pelo apparelho digesti-
vo sem eaosar as constipa E- boje o preparado de ferro de mais aceitacao
para a chlorose atouia dos orgos, perdas brancas
menstruales difficcis, etc., e tem a seu favor o
luizo antorisado da escola de medicina de Paris,
e dos chimicos o* mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartbolomeu 4 C, ra lai ga do
Rosario n. '14.
Esplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de^'casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maior promp-
Udo vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceila-las, quando nao stejam
completamente ao seu content, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-ihe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Espartilhos a 3000 na loja do
Pavao
Vende-se urna grande porcSo de esparti-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todds os tamanhos, e
vendem-se a 30 cada um.
BRAMANTE PARA LENQOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A i #800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro "e meio; e vende-se pelo
barato prego de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
CER\ DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande por?5o de cura de
carnauba em saceos, por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas rausselinas de
cores a 500 re. o covado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pav3o as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem viudo ao merca-
do e vendem-se muito em conta.
FAZENDAS PARA LITO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeitavel publico neste ostubeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francetas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de lia de
todas qne tem vindo, proprias para luto, como
sejam, lazinhas, alpacas lavradas e lisas, cantao,
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
oreco barato.
NOVAS BASQUINAS COM CINTO.
Chegaram as mais modernas basquinas de gros-
denaple preto, ricamente enfeitadas, sendo de um
feitio inteiramente novo, com neos cintos largos, e
vendem-se por preco razoavel
CASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um elegante sortimento das mais finas
e mais modernas cassas francezas que tem vindo
ao mercado, sendo cora padroes miudinlios c
grande?, e vendem-se por preco muito em conta.
Vernizes.
Vende-se no escriptorio de Joaquim Gerardo de
Bastos, rua do Virarlo n. 16, primeiro andar, os
seguintes vernizes em latas de 0 libras, do
acreditado fabricarte do Para, Caetano Antonio
dos Santos Lisboa:
Verniz copal escuro.
Dte dito claro.
Dito dito escaro proprio para obras de folha de
Flandres.
Dito cor de ouro o i dooradilho._____________
AS SEDAS DO PAVO
Altas novidades.
Pelo ultimo vapor chegaram para loja do Pa-
vao, que vende mais barato do que em outra qual-
quer parte, as sedas seguintes : ponpelinas ou
gorguroes de linho e seda, com os mais delicados
pudroes, sedas de listras, padres inteiramente
novos, groz de todas as cores, sondo verde, azul,
lyrio, rosa, cinzento, etc., setins, branco, azul,
verde, rxp, lyrio etc., etc., assim como um gran-
de sortimento de grodenaples pretos de todas as
qualidades, e superior gorgurao preto de seda
oara vestidos e colietes.
v AGRACIANAS.
Chegou esta nova fazend* e m o nonie de Gra-
cianas, sendo de uma s cor, lyrio, roso, verde,
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se uma grande porcSo de esta-
menha mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo uma fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
o c ovado, fazenda que serapre se vendeu
por muito mais dinheiro.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento os me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12j$000 rs. cada par at 25(5000 re,
isto na rua da Imperatriz n. 60, de Flix
Pcr^ir (is Silv3
BALDES modernos E SAIAS de la
Na loja do Pavo vende-se os mais mo-
dernos bales reguladores tanto de musse-
lina como de 15a de cor, e as mais moder-
nas saias dd laa enfestada, mais barato do
qu(! em outra qualquer parte.
sultanas
Chegou para a loja do Pavio um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
cora listas de seda e os padrees mais novos
que tem vindo a es'e mercado, vendendo-se
a 15100 o covado, na loja de Flix Pereira
da Silva rua da Imperatriz n. 60.
ORGANDY BRANCO.
Vende-se o mais moderno organdy branco para
vestidos com listras largas e miudas, assim como
uma grande porcao de eambraias brancas, tapadas
e transparentes, tendo das mais baixas de 4000 a
peci, at as mais finas de 10 ou 12^000, todas
est!.s eambraias se vendem mais barato do que em
outra qualquer parte.
COLCHAS DE FUSTA O.
Vendem-se colchas de fust> brancas e do cores
poi preco muito em conta, na loja do Pavo.
ORGANDY DE COR
A 360 rs. o covado.
Vendem-se bonitos organdys de cores com bo-
nitos padroes e fixes a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA SENHRA.
Vendem-se finissimas camisas (rancezas borda-
das para senhoras, na loja do Pavo.
BAREGES A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais lindas bareges transparentes todas
de la, proprias para vestidos e roupas para me-
ninas, sendo com as mais vivas cores, tendo de
listras, quadrinhos e lisas, e vendem-se pelo bara-
to preco de 500 rs. o covado, nicamente na loja
do Pavo.
AS CELEZIAS DO PAVAO.
Vendem se as mais linas celezias, esgnioes e
br'tanhas de linho por preco muito em conta.
FISTAO BRANCO PARA" VEST DOS A 6i0 RS.
Vende-se fnslo branco, com lista e lavradinhos,
muito proprio para vestidos e roupas de meninos,
a (40 rs. o covado.
COLLERINHOS PARA SENHORAS.
vendem-se linissimos collerinhos de esguiode
linbo proprios para senhoras e tambem para me-
ninas a 54 a duzia.
ALPACAS DE CORDAO.
Vendem-se ss mais brilhantes alpacas de cor-
daoziuho para vestidos, tendo asmis lindas cores,
como Bismark, lvrio, rxo, g?nga etc. etc., pelo
ba :ato preco de 100 rs. o covado.
TARLATANAS.
Vende-se linissima tarlatana branca e do todas
as cures, assim como fil branco lizo a 800 rs. a
vara.
ALGODAO ENFESTADO.
Vende-se superior algodozinho com duas lar
gi ras. proprio para lencSes, sendo lizo e entran-
cado, e vende-su por preco muito rasoavel.
MEIAS PARA MENINOS A 31300 RS.
Vendem-se duzias de meias superiores para
meninos e meninas, pelo barato preo de 34300 a
duzia.
BASQUINAS DE GUI PUZE.
Chegaram as mais bonitas e modernas basqui-
n is pretas de guipuze, que se vendem mais barato
d'j que em outra qualquer parte; assim como as
n ais delicadas romeiras ou pelerinas de croch
p -euis, enfeitadas de verde c ontras cores, que se
v>md3 muito em conta.
CHAPEOS DE SOL.
Vende-se um grande sortimento de chapeos de
sol de seda c alpaca que se vendem muito Da-
ntos.
LENCOS BRANCS.
Vendem' so bonitos lencos trancos e de cores
com barras e abanhados, pelo barato preco de
1500 a duzia, ditos de linao abanhados a 64 a
c uzia, ditos de esguio para varios precos, ditos
c e algodao a 24 e 14600 a duz.a.
U ** CtUlMAtX*'*1'
A AGUIA BRANCA tem convicelo de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitacSo de seus precos, estao na opinio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepeo d'aquelles objectos que estao alm do commum,
como bem sejam:
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
quando a bertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obra de apurado gosto
e perfeicSo, proprias paro um beHo pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas, dentes, cabell e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS'DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alnetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 5|.
Botes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 4 o par.
Camisas de flanella para homem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de 13a para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soUre de inchacao as pernas.
^tP^L
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de t#alhas de labyrin-
tlio, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
peonas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alflnetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusiiltra, merece a A guia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se tinha visto de tao bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundado
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente se acliam venda na
loja da Aguia Branca, seria senao impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e amiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a egnunodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esque?am de comparecer loja d'Aguia
Branca rua do Quemado n. 8.
SE llffill MI M
NO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido arnracm de secco e molhados, parlecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do matto e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teem um grande e wntajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outr qualquer parte, por ser maior parte destas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100$, tara cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero
armazem.
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,
Elle d e restaura forra e sanidad a pel'e
da cabera,
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele fazerescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pello e o casco da cabera
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornarem
brancos,
Elle conserva a cabera n'um estado de fs&i
cura refrigerante e agradavel,
Elle n5o demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
da vel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservacao e arranjo dos cc-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pec-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem ox
O CABELLO. /
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos cstabelecimentos de
A. Caois, I. da C. Bravo A C. P. Maurer
& C, M. Barbosa, Bartbolomeu & C, c em
todas as prineipaes lojas de perfumaras
e boticas.
r TRIIMPHO MEDICA DAS CIENCTs
Bartholomeu & C,
sabido deste
azul, etc., etc., e muito encorpada, com lustre pro-
priamente de seda, sendo melhor e mais moderna
que este anno tem vindo para vestidos, e vende-
HAIIIIA,
RevU venda rm escolhido sortimento de ob
toctos de maroineria, como sejam, mobilias de ja-
caraad, iaogno eatnarello, obra nacional e estran-
aira, e aparado ijosto e por prejo< razoaveis :
aa rua itreita do Rosario n. 31 Nesta mesm
casa aaem-se com pertocio todos trabalhos di
pallirtii como sejam, nuaibamentos de lastre
para eam. eadeir.u e sophs. _________
No iraMem de Cuno Irnwos 4 O, rua de
Madre de Dos o, :*, voe-m vho do Porto, da
Pasto, e fino, em sarrafa|e barriv de Menezes,
Chamico, e ootr marcag ardHadas, vinbo de
Pasto, imitando tf Ilgnera, eis toaWw e 5 e 10.
Cbegoa IttonH aaperior vinbo verde, marca
Menezes, em qaartos.
Cern e car mu Ha.
Retalh,-sebaratJ para acabar.
GAZ AMERICANO 93 a lata, a 400 rs.
a garrafa e 60o rs. o litro.
VINHO VERDADEIROFIGUEIRAoGOe
640 rs. a garrafa, a 40500 e 40800 a cana-
da, a 70 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
30500 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEffiO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 2*200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 5 10440 e
10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
graramo.
DEM FRANCEZA 960. 900 e 850 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kiio-
grammo. '
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 10400 o kogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR
720 rs. a abra, o 10570 o kogrammo, em
porgao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDL\
120 e 140 re. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kogrammo, e 60 por 14 kogrammos
Visho, Pilulas, Xahope e Tintura
de Jurubeba simples e ferruginoso;
Oli:o, Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & V
Pharmaceuticos-Droguistas
PEIMAMBL'CO
A Jarubeba : esli planta boj reconbecida
como o mais poderoso tnico, como o melboc
ilcsobslruonte, c como tal applieada no padecimentoi
do ligado e baco, hepatites, damaas, tumores inter-
nos a especialmente do ulero, bjdropesias, errsi-
pellas, etc.; e associada ao Ierro til as palhda;
core, cbloroscs e falla de menstruaco, dejarran-
jos do estomago, etc., e o qne diseos tlestio
innmeras curas imprtanles obtidas oom nossos
preparado j bem conbecidos e osados pelo nais
distinctos mdicos do paiz e Portugal. Em todos os
nossos depsitos distribuimos gratis folhetos ou
melhor fasem conbecer i Jnrubeba seo resaltados
e appiicacio.

se pelo barato preco de 21 o covado.
ALPACAS LAVRADAS
Na loja do Pavao.
Chegou pelo ultimo vapor um grande sorlimen
to das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, tendo entre ellas algumas que
fazem a vista propriameote de seda, e vendem-se
por precos moo em conta.
GRGURO PRETO.
Chegou para a loja do Pavao o mais encornado
gnrgurao de seda preto para vestidos o colletes,
que ?e vende mais barato do que em outra qual-
quer parte.
MADAPOLAO FRANCEZ
A 74000, s o pavao.
Vendem-se pecas de madapoln fraacez com M
metros, pelo barato preco de 7*000, dito entestado
com 20 jardas a 7/000, assim como Inissimos ma-
dapdoes francezee e inglezes, ditos de jardas, que
se vendem maja barato do que em outra qualquer
parte, por baver grande porcSo ,
AS CASSAS DO PAVO
Covad. a 300 rs.
Vendem-se issiaias cassas francezas com lia-
do,d^ho.effiJA.jJK8r8.ocoYado.
NaWadoPavio
Vende-je um pande porcao caitas e*cara*,
e claras, da cores fixas, 'por precoj que aimiramn
SAC0)S
com farinha da trra.
Maia A Landelino vendem saceos com farinha de
mandioca, mais barato do que em outra parte :
na rua do Qneimado, travessa do Rosario u. 18.
620 rs. o kogrammo, em porco ba aba-
timento.
BOLACUINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 o U400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOBOS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 3 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 65500 a groza.
AME1XAS EM LATAS E GAC1IINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 30500, 50500
e 10 a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de uma libra, e em caixa ba aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a dnzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS &
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOQE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30, 20800 e 20400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
OPi GRAO"* I .*, braTTK ."SaSEtf So'pS
OO e 240 re. i libra. 440 e 320 rs. o j .ilognmmm.
""sSo MASSA 1 260 200 rs. a libra, < FINO GMDO E MtUDIN.IO os
lt!ZT- k"ogrammoem ^^ SST. .ha7TS54&
MASSAS PARA SOPA, MACARR.iO, TA- grammo.
LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO a 20/00,
10750 o kogrammo. 20500, 20200 e 20 a libra, e 50450 e
SEVADINHA E SAF 280 rs. a librae 40180 o kitegrammo. -..Li
Assim como ba outros muitos mais gneros, vmho em ancoretas. apitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de L.sba. marmel=
servas gela de marmello, pcego, ervilbas, peixa em latas,
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoce, com.nho mmenta
rnolhos de seboa 10500, finalmente muito mais gneros que
menciona-los. .____________.-------------
sardinhas de Nantes,
grandes
enfandonho
CERTA eINFALLIVEL
em TRES DAS
[PhifBdDenain7'
pars
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento; na rua da
Madre de Dos n. 22, armazem de Jo3o
Martins de Barros.
ESCRAVOS FGIDOS,
Muita attenco
Fugio no dia 29 de jnnlio o escravo Manoel, de
na^n Angola, idade ;J0 annos, noiiro mais ou me-
nos, com os signaes seguiuies : falta de denles na
frente, andar vagaroso, pernas finas, marcas de be-
xigas, levon ralea e camba de riscadinho, chapeo
de pallia novo : ropa-se ao senhores capitaes de
campo de o prenderem e levarem-no rua Dircita
n. lo. que serao generosanimite gratifirados. Be-
confia-se qne anda pelos uugenhos do Cabo.
__Fugio de-de o ultimo do mei de junho, o
preto Jacob, tpndo os signaes seguintes : estatura
baixa, magro, fulo, olbos pequeos, rost9 compri-
do, tem ponc barba, os dunle* da frente perfei-
to, bem fallante, os pos |>equpnos e seccoe, w
de'os minimos de ambos os pos tem um vine <
como se tve?.se amarrado um cordao : a pes-.a
que apnrehende-lodirija-t3 roa da ImperalrL
n. 44, z* andar, qe ser generoiamente recom-
pensado.____________________________
Jos Joaqun, da Costa Maia & C, rua do
Crespo n 6, acabam de reoeber um grande sor-
timento de pedras marmore, como seja lijlos de
diversos tamanhos, laminas, saccadas, soleiras e
degraos, bem como tenas de ferro galvanisado
de diversos tamanhos, que tudo vendem muito
em conta.___________________
Grande sortimento
de apis pintados e guarniotes para ornamanto.
d salas,quarto, etc., etc.: vende-se. nalivraria
econmica ao p do arco de i>anto Antrnio.
A ruadLivramentob.6,contina a ha-
ver para vender por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde at hoje vindo a este
mercado.
CAIa DE IjISBOA
POTASSADARUSSIA
A mais nova no mercado, a rWjb'hkioatel: w
unuubrnaiiUMTnDireiu,pntlcal: o araem de Maaoel T. Basto, roa do Coinmerck
tratar na mesma aa Dlrelt n. 6f.
a. 13.
Cha tol-purgatlvo e depurativo
de chaaibard.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o cha
toni-purgavo de Chambard possue tuq j|osto sabo-
roso e um aroma snavissimo, e as propnedades as
mais notaveis sobre os embaracos do estomago,
do Btestmos e do figado, o desob-'truente por
excellencia na constipaoao do ventre, e na Um
resguardo algum. Depurativo especial e directo
dasbfles dos humores, refresca o sangue depu-
rando-o. ___
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomen 4c a, roa larga de
Rosario n. 34.
Na rua de Aquino Fonseca .4 C, venderse mereuiio, vi-
ptfo' enRarrtlhdo MENERB8, amretas especiaes,
caldo Lisboa cera em velas, chapagMi e cognac,
carvo animal, vidros em caixas.
ATTENCAO
o 'preto
: ltur
Fuuio no dia 16 de setuobro
iou
regular, pernas arquea
ulo
o
crrenle
crioulo Jnliao, eom os signaos seguintes
,d3s, usa nuissas, tem 4B
annos de" idade, podco mais on menos. Este es-
cravo pertenecu e foi comprado Sra. D. Athana-
zia Mara do Espirito Santo, viuva de Joan Manwi
de Son Vianna, moradora no Curato de Bom Jar-
dim. Soppoe-se com fundamento, queesteescravo
se tenha dirigido para ai|nella romarca, hem
mo ba ia2oes para suplir que e'le alH eiteja
acoutado em casa de algum parante de sMex-B6-
nhora : por isso roga-se as autoridades poltci*e o capitaes de campo o lavor de o capturaren e-
envlr i roa Hova n. 50, ondr se mdemmsar*
qualiiner despea, e se gratitrera, WBdo ratater.
A abaxo asignada proUata d |iH* I*6>m
proceder contra.quew quer W twiha dado cauto
aorpferido seu escravo, por i**1 n1"* td.ouy
de tm< di-ew*a** fO'a sduaid pafa'Tumr
Mara Carol na F freir de Carvalbo.


*

/
(
8
Diarjo 4e Perhambupo
m S:
_e Oulu1>ro de 1869
Jl> OlU'.td
CMARA DOS SUS. DEPDTADOS
SSSS.9 EVI 21 DE AGOSTO
PRESIDENCIA DO SU. NF.BIAS.
(Continuaran)
Entre estas sobresaliem: Io, privilegio por
>.)aimos,pari a companliia usul'ruir as obras
que construir; 2o. o direito de desaproprmr
v;rro|(8, edificios e oulras qiiesqiiiT bem-
,'ii.tiias, nao smenle as que forma nece-
sarias cnnslrucgo das docas> mas ainda
'.tote beta a cmara) ao cnsteto das mes-
mis ; eiu -V lugar conf;r s companhias
o direito ilo impor a laxa que fr conve-
niente sobre a tonclag;m dos navios que
demudare! 03 portos onde ollas execula-
rein taes constru', Oes.
A' vista du rpido resumo que acabo de
fuer reconhecer a cmara que o projecto
pretende que ella ablique u:n dimito que
pal* constituido s a ella cabe, o da inicia-
uva ,;;olre mpostos, em favor, nao do ga-
bina actual, porque nao posso acredi-
i, ijue baja quem tcnha a velleidade de
ciar que o gibinete aclual possa execular
a aiitoris.irS.i em toda a sua plenitude.
O ;>!!. Pituiiu n\ Silva :Essas laxas
sao a retribuidlo de servigos, nao sao im-
postes.
O Su. Baiuos B\nnr:r): Mas de quan-
to i taxa ?
O Su. Pebiiia da Silva : O governo a
establecer de corabinago com as compa-
aitias. Veja-.e o que passou no orgamento
a respeito d) Rio lo Janeiro.
O Sa-, Barros Hahiuio:O valor das
:;.*ias nao est determinado no projecto,
ser-.u <|e o governo entender de aceordo
f.-iiHM coinpanliia, a cmara nao ocoobece,
.u o fha, delega, poK essa faculdade ao
governo.
Dizia eu, Sr. presidente, que o projecto
-.loftafodo i construego de docas por
meio de com janhias, autorisava o goveroo
j conceder-lli! at o direito de impr sobre
o commercio e conseguntemente sobre a
industria do paiz, o que faz semelbante
delegago ser urna medida de confianca Ili-
mitada depositada, iiu no gabinete actual
nicamente, (i:nas a todos os gabinetes qu3
s3 sucederem ao actual.
Essa confianca previa a todos os gabine-
tes futuros nao posso dar; e ainda mais
entendo, Sr. presidente, permita a cmara
dizsr-lh'o, que esta confianca Ilimitada
js gabinetes futuros se fr votada como
-.; ada no projecto,. pe a dignidade desla
> amara em risco deaaufragar no mar apar-
cellado do eonceito publico.
Se, considerando o pronto em ge ral, en
tendo que elle tal, copo acabo de ex-
pender cmara : considerando-o em rela-
no a sua applicaco provincia que tenho
.i honra de representar, elle se me affigura
qual oulra espada de Damocles suspensa
sobre os interesses mais vitaes do commer-
cio e industrias da minha provincia (apoia-
dos), espada que mais (lia ou menos da,
era futuro mais ou menos remoto, ser
brandida por mos menos prudentes do
que s do art.ial ministerio, por maos que
' m vam sol inspiracoes allieias aos inte-
resses pblicos, e enlo essas- interesses
que nos cumpa! proteger sero feridos de
irte. (Apo ados).
Nao posso, portanto, volar pelo projecto
que se discuL.
Bem sei que, oppoudo-me, como acabo
de fazer, ao projecto, incorro na pedia de
ser hostil aos melhoramentos materiaes do
; aiz. Mas w que me conbecem, os que
ltn lidado comigo na assembla legislativa
da minha provincia, podem dar o testemu-
nho de que tenho sido um dos mais esfor-
zados em promover taes melhoramentos.
'Apoiados).
Tem sido milito preconisada a conslruc
rao das dcas par meio de emprezas, attri-
buindo-se-lhe grandes virtudes; pretnde-
se que ellas tenham o mrito de attrahir ao
paiz a emigraco de capitaes.
Senhores, a cinigragao de capitaes se-
melhantemnte a dos bracos, com effeito
vantajosa ao paiz aoqual se encaminha es-
pontneamente. Quando, porm, ella lem
lugar allraliida por privilegios, isences e
garantas, privilegios, iscuces e garantas
que s Ihe podem ser concedidas em pre-
juizo das industrias estabelecidas, nestas
cundieses, em vez de ser ella umavantagem
para o paiz, rebela uro symptoma do deca-
dencia e miseria, porque os capitaes c os
bracos, esses ious poderosos instrumentos
da pnidua.-o quando oxploramindustrias qn:
li-snaidoluc-os safficientos.ou qaando s
enlram eme >:icunvncia tomos estabelecidos
paiz.cercadose protegidos por monopolio,por
privilegios, isences e garantas, que os es-
tabelecidos nao tm, 6 evidente que as in-
dustrias que elles vm explorar n3o Ibes
do lucros correspondentes, e que ento
para manterem se mister soccorrer-se das
industrias estibelecidas anteriormente no
paiz, havendo dos|ucros destas urna certa
cyjta-parte. Indemnisam-se por este meio
na sera das industrias j existentes no paiz.
(Apoiados.)
Creio qtie digo urna verdade que n5o
siffre corrtesta$io. Tolos aquellos que
odiaren! seriamenTe para esta materia h3o
do chegar a re(onhr"ceresta verdade.
A Ilustre coramissSo de obras publicas,
em sua bem ehiborada exposicHo de moti-
vos com que juslificou o projecto que foi
substituido pe) que agora se discute, apro-
semou-nos as ciocas como tendo tido a vir-
tade de operar urna rcvohicSo completa em
Live poo1, determinando-Ihe urna nova poca
de prosperidade. (Apoiados.)
O Su. Arauo Ges :O que ha em Li-
verpool sao diquesfluctuantes.
O Sr. Barros Barreto :Ha dcas tam-
bem qae j oceupam um espaco de 500
hectarts.
O Sr. Pkrra da Silva :- lia 16 dcas,
alm dos diques fluctuantes.
O Sr. Barhoi Baiwfjf. :Nao basta que
3 dca tenham produzido esse grande
glaierra para provorum t 4t! al^ixlo que
all fosse demandado, cmbow^com grarde
risco, pelos navios que se destinavim
q elle commercio. Y osla H8cessid]idt>j
foi dovida o empentio que puzeram os hi-
glezes em dictar Liverpool com um pn.
Pde-se, [>oiM diier que foram as d6 as
fizerara o augmento daqoella localidad, i
Nao, senhores. Lcmbrarei anda que de
1730 a 1770 smente do porto de Liver-
pool sahirain-2,000oa' .ruidos o ar-
mados paca o trafego*de escravos. Osrc-
gociantes de Manghester, que linham neces-
sidade de algodao, promovim a sua cultu-
ra por todos os* *io$-, um dos ^nap \a*
con truirem e-quparem navio em Livus-
pool que levassem bracos de toiRi^ ; .w-,
dices aos Estados-Unidos para augmento
tnhtr capitaes estranyetras, -p-rrque- <;Hb?| viro tj cjrga c ih?scarg;i tle nanos-as-tl-ie parttetrtaref tbeseqee n3o pode sor
so viro i\ cuita de grandes ttfeniicroft de
e o que c inveiu a paiz que
votiHSi; iesponiajieamcnte entrar em
rrenda owii osopta^jNj'J paiz, para
explonwwa as iiidiistriti-gpe^estes nao
padem- explorar ou que s ujdoram im
JHBlamente. (Xv
N.I i os ''oeajMpijajHHL do privilegios,
de isences de garai tiaa\ os quaes, como
j observei, M^iirtirri > nada menos
:;is, eonta !|m*Jor>xtfa|ndo do LiU'D,wuido
governo ingltz aljuem foi ella ruraettida
por Mr. IIunL nambuco, e b^o'titsWC'Srtl. DesejaSamos-
trar que nessti corra figw cmrr desprza
peculiar daquelle porto* vertas que silo ;om-
rauns a todos os porlos o mitras que quer
!i;ija dcas, quer nao, ho de setnpre ser.
foi tas e n5o poilerao ser evitmlas ainda qae
liajarWcas\apoiados>r mfrpfanto elle apli-
que tirar-se-das industrias estabelecidas sentn essa cunta para jwrtjlicar
r os lucros
tabelacer-se.
la^i'oiluccao do algodo, de que, tanto ic-
a^roil
erPB
Tnigmen
viitr
flisse que consilero
elfeito e coBcorrido em parte para o melho-
ramento de Liverpool, para que se conclua
qae a cmslrucclo dellas entre n6s seja ignal-
mente vantajosa. Seria para sso preciso
que a nobre commisso provasse que as
coadices de Liverpool quando se estabele-
ceram as dcas, eram as meema dos portos
do Brasil; mas i3o tratou disso, nem pode-
na faz-lo vantajosamente.
Um Sa. Diputado :Como tratou do por-
to da Mi de Janeiro *
6 Si. Bai.boi Bawusto :Sr. presiden-
te, Liverpool era en 1700 um pequr-uo-Jjer-
'o de 5,000 almas situado a margem direi-
ta do ersey ; nlo tioba un porto abriga-
da, e entretanto era mdispensavel s fabri-
cas de il'aochester e oulras eidades da In-1
a a Inglaterra; e o outro tornar l,i-
rtjm porto capaz de recbete gran-
de "numero do navios empegados no trans-
porte des productos dess i cultura.
Ora-, sendo Liverpool urna posicao de tal
importancia, era necessario que fosse tona-
do um porto capaz de s.rtisfazer s necesi-
dades do commercro que pira arlli conver-
ga, e para isso trataram os Ingleses dej
construir diques eoutras obras ne:essarias,
empenhandonisto seus poderosos recunos
e esforeos. Emprelienderam, pois, csws
grandes obras, dando-Ibes todas as prop9r-
coes convenientes a satisfazer s exigencias
de seu commercio ; construiram diques,ar-
mazens e dcas onde os navios encontrm
todas as facilidades surflricntcs, nao smtm-
te para entrarem com seguranca no porto,
mas ainda para carregarem e descarre;ja-
rem as mcrcadorias quetransp^rtarem.
Nestas obras tm elles dispendido quanlia
superior a 130,000:000(5 em nossa moeda,
at aggra.
0 Brazil estar nestas condc/ies'? Seus
porlos exigem taes obras, ou quando o exi-
jam. estar elle as condices de enlregir-
se a semelliaute dispendio de capitaej ?
Nao, senbores. era temos porlos senie-
Ihanlesao que era enlo Liverpool; nem a
dillerenca de nivel das mares na costa do
Brasil, excepeo da do Maranho, cntri a
baixa-marea preamar lio nolavel que
exija a construeco de dcas e diques fl.ic-
tuantes, como succede em Liverpool, ua
Hollanda principalmente e em oulras partes
da Europa ; foram taes necessilades que
determinaram all a construeco das dcas e
diques fluctuantes.
Mas no Brasil, no porto do Rio de Janeiro,
por exemplo, a diflerenca do nivel das ira-
rs, nao excedendo de um metro, e na mi-
nha provincia de dous nao juslificaro Les
construeces. S no Maranho, onde
muito maior a diflerenca, seria por este lado
justificada essa construeco.
Nao me record se a nobre commisso
tambem allegou as vanlagens -produzidas
pelas dcas na Hollanda. Mas eu j ponde
rei que a Hollanda e,tava em condiebes
ainda peiores que Liverpool, porque alli a
diflerenca de nivel das mares superior a
10 metros se me ao engao. Alm disto,
a Hollanda foi quasi inteiramente conquis-'
tada s aguas, e, para que esta conquista-se
operasse, era necessario formar diques, alim
de que as aguas inundassem os terrenos
creados; e desde que construiram esses di-
ques, formaram com alguns delles bacas de
lluctuaco dentro das qoaes podem os na-
vios cairegar c dcscarregar, permanecido
constantemente uo raesmo nivel ao lado dos
caes em que effectuam a carga e descarga.
0 Brasil nao est uestas corirjices, nao pre-
cisa de emprear em taes conquistas os stus
capitaes.
Sr. presidente, tenho por ora procurado
demonstrar que ascondices actuaes do Bra-
sil, encaradas pelo lado physico, nao sao as
inesmasque as de Liverpool e da Hollanila,
quando emprehenderam taes obras ; que os-
lamos felizmente em cundicei muito mais
vantajosas do que aquellas paragens, e por-
tanto, que nao iiocessitamos fazer sacrificios
tamanbos, como os que se exige para o ;s-
tabelecimento dessas construn.-oes.
Agora a cmara me p.riniltir que, en-
carando a questao pelo lado eijouojiico,
eu soccorra-me a uus dados estasticos.
fornecidos por uns artigos que foram re-
ceutemente publicadas na minha provine a,
para provarque mesmo nos paizes em qua
se estaboleceram as dcas as condicles
que eu expend, ellas nao lem podido t'ar
aos capitaes nellas empreados esses lucros
avultados que esperavam e com os quaes
nos acea.
Segundo esses dados as dcas de Londres
que, como a cmara sabe, sao apresentadas
sempro como as que maiores lucros da o,
nao recebem scnio a trra parte da toce-
lagem dos navios que demandam o porto
de Londre- ; as dcas de Liverpool, que
esto as condices mais vanlajusas, por-
que alli nao ha outro recurso para o na\ o
que demanda o porto senao atracar aos
diques se pretende descarregar, ainda ss-
sira nao entra para dcas seno a metade
da tpnetagem absoluta daqu lie porto ;
as dcas de Marselba, que sao apresenta-
das pelos mesmos engenlieiros ioglezjs
como modelos de contruego, onde foram
attendidas todas as regras de arte e de eco-1]
nomia, essas dcas, digo, nao tem dato
ainda os lucros que se esperava que ellas
dessem; as dcas do Havre, em smente
nao tm dado os 'lucr s que se esperivi.
como os navios sao obrigados a urna d-*-
peza muito superior aquella que flzeran
antes do estabelecimento das dcas; tanlo
as dcas de Londres (excepcSo feita da
dca Victoria que baixmi a taxa 30/,)
como as de Liverpool, n5o do as' vant i-
gens que se >ulava que auferissem os
capitaes empregados.
Portanto, digo cu, se naquellos paizes
onde o desenvlvimento commercial tiio
avultado que o dos nossos portos nio Ibes
pode str igualado, nena podemos tera pre-
tenco de que o iguale to cedo, aquellos
construccoes nio tm dado os lucsros qoe
se esperava, como se pretende que em um
porto como o do Rio de Janeiro, que s
necessitadt_cese trapiches oade possati
attrahir navios para carrejar e descarregai,
um porto franco a toda a qualiiade di
navios e a hora do dia e da noite, em-
preguem-se nove on dez mil contoa, s-i
mente para tormos a vaidado de dizermos:
Estamos t5o adiantados como as oacoes d i
Europa, temos dcas tambem Nao mu
parece que sej> de vantagem semelliaatn
emprego de capitaes has circumstancias eni
que nos acharaos.
Temos muito qae fazer antes d preten
dermos empregar capitaes em obras dests
natureza, e em quantia tao avultada.
emquanto nao..pozermos o paiz em cstaj
tal qoe oflisrega grandes vantageas aoi
capitaes aacioaaes, jiao procrenos a>
urna cota-parle para
/ament
(Anoi.'tdns). ^
Sr. pre.ldealc.jeJi j
f minha provincia, summamento perigoso ;
n.j ijiie acredite que,os actuaes Srs. u>ns-
nos acam delle uso pernicioso aquella
provincia, nao: faro ustca ao actual gaW-
nete ; mas umi autori*acao Jestn Ordem,
oe fio annua que n3o daqddlas que
fipparecom a|)enas se poe mo sobre
ellas, que inteiramente' urna Iet perha-
nente, poc em risco ;i provincia de rVr-
namhuco no dia em qu lannr-se mflo
delta para servlf-se a- interesses pooco
ennfessaveis; recejo, Sr. presidente, c re
ceio muito, qte a pretexto de se beneficiar
Diz-se que as dcas em minha provincia
poder a provincia de Pernambuco ter o
melhorament de seu
ella necessita.
Senhores, jaba poaco dlsse que as dcjs
nos lagares em que hoje se acb:tm estabt-
lecidas, nao tm apresentado os resnltados.
que as compachias que as construiram es-
peravam ; ora, e no porto de Pernambuco
onde a frequencia de navios muito irrffe-
rior dessas localidades, estabeleeendo-se
as dcas, tivessemos de tirar por m'io de
laxas sobre a tonlagem dos navjos no
smentc o lucro do capital empregado
nellas, mas ainda o do duplo ou do triplo
desse capital, queem quanto pode montar
o mellioramerito do porto, acontecer ne-
cessariamente que o commercio da provinda
e conseguinlemente a sua industria ficar
em muito maior desvautagein do que a
das outras provincias, Orar mais onerada
do que outra qualquer provincia do Imperio.
(Apoiados dos depntados de Pcrnammlco.)
Permitta-me a cmara, que diga ainda
mais-algumas palavras a este respeito. Em
um projecto que apparece muito bem apa-
drnhado, smente pelas pessoas que pre-,
tendem leva-lo a effeito mas mesmo pelos
crditos de seus autores, vejo orea-las as
dcas e as obras do melhorament fio por-
to, na quantia de 1,^00,000; ora a*
1,500,000 ao cambio actual so........
20.000:000^000.
o preco
que eslabelecia mn suj prop.ila. Eu nao
irouxe esses papajis! porque ugo pritendia
[entrar boje tiestaanntysj luiruiriosa; fallo-
iici em uulra oci'asiao, e iMiliMDOStrarei que jar lodos
as Ikpmis |)tculiai os ao porto devem ser | embarque
;s;:
iiujaugiiadj. (Apoiados.) Luxra com ellas
o commercio, e lucra a sfleisaco das al
fandegas, porque as deas^ alo auxiliares
prestantes o seguros das reparlices cobra-
doras de direhos. Ao Estad'u'a compa-
ginas mais proflcuamente compete construir
"as dcas ? Eis urna nova quest3o que se
suscita.
para man indubitavel que a admiuis-
MttcIOTTQbftw das aifandegas ou*estai;5es
cobradoras dos direitos dos impostes de
imporlacao e exporlaco de gneros ganba
em simjiliicar seus ervicoi, em conceutra
'os na parte Itscal, eem nao pretender bra-
os servieos de embarque e des-
da./aercadorias, e nem de sua
Bfi
recspui* ammiisit;i- metsde-da
cia que figura na conta, o que,
ainda que a proposlado Si-. (;d^e em vez
de 18 sebelins. exigem apenas a'metade,
,ainda assim exigira peto servido que se pro-
'pe a fazei'f,inais do que actualmente se
paga... PFW
O Sn. Mki.i.o RKuod um aparte.
O Su. ^vs-JI'.uMtETO:..al:dinheiroa
dados, #., TO.-^'dftsipezas-estas que sefl-
pae *c Ikio .de lazer.
-ec, pwtanto, cmara- que tome em
c.onsidei'ikcau a minba emenda, que tem por
minha provincia, nao se. me v- causar fim desviar da minha provincia um grave
ruina, e ruina mfatlivel o rrreparavel.
(Apoiados dos deputafos de
perigo, o perigo de se conceder piivilegio
Prnambuco). (paf a a consU'ucco de dcas, com o fim de
tiivu'-se ppr.weio dellas nao smente o ca-
sa) necessrtas, porque s^or meio deltas pital empregado nellas, mas ainda o que
/r despendido do melhorameiUo do porto,
porto, de que tanto i;* contra semelbante cousa que reclamamos
porqu sto pora, semduvida, em risco gra-
vissimo os interesses de Pernaflabuco. E' in-
toleravel que se tire das dcas nao smente
o capital empregado nellas, mas ainda o ca-
pital mais avultado empregado no melhora-
reenK) do pilo. (Apoiados.)
Nao cansare por mais lempo a paciencia
da cmara (muitos nao apoiados), e agradi -
co-lhe a benevojencia com que me lui at-
t i adido
Vozks: Muito bem !
O "Su. Phisikk.ntk :Aemanda do nobre
deputado fica sobre a mesa para ser apoia-
da opportunamenle.
O SR. PERBIBA IVA SILVA : Sinto
profundamente achar-me em divergencia de
opinioes com o honrado representante de
Pernambuco, que acaba de Impugnar o pro-
jecto presentemente sojeito apreciaco da
cmara.
Permiltir-me-ba o Ilustre deputado que
Ihe diga qute seus argumentos, posto des-
envolvidos com forca, me nao modificaram
ns d-as que a respeilo do projecto adoptei
log'qoe foi- apresentado, e, mais ainda,
depois de o examinar e estudiar com o cui-
dado necessario.
Trata-se de autorisar o governo para con-
ceder a companhias nacionaes ou estran
gdras, que se organisem com as convenien-
Em urna proposta que deu lugar ao pro- les garantas de" pessoas e de capitaes,
jecto que se acba no senado, e atada aquel- direito de construir dcas nos porlos du
te que actualmente se discute, eu vejo que Brasil, que dellas necessitem para facilidade
seda a companhiao direito de formar aedesenvolviraento de seu commercio mari-
ca tarifa, pela qual deva cobrara taxa dejtimo.
modo que produza esta um lucro que d Para o fim de se pagarem dos capitaes
para so tirar 60 /o para custeio, um fun.- por meio de urna amortizado regular, e de
do de amortizarlo que nao poder ser de
menos-de 1, % a 3 "/ do, capital (porque a
annuidade para o fundo de amortizaco dve
cri'.-cer na razo inversa da duracio do pri -
vileio),e, alm disso, os juros dos capi-
taes empregados, que nao poderlo ser in-
feriores a 8 0.
Ora, para que se salisfaca a todas estas
condices eu sou levado, senhores, a che-
gar ao resultado seguinte: a taxa que se
estabelecer sobre a tonlagem dos navios
que demandarem o porto de Pernambuco
nao poder*produzir quantia inferior a ...
4.000:0005, a qual dividida por 200,000,
numero das toneladas dos navios que pode-
ro demandar as dcas naquelle porto, dar j rencia, ou endosso, ou cauco.
a quantia de 20& por cada tonelada;Mal; Eis, pois, definida e declarada a inlca-
ser a enorme taxa qae pesar sobre o com- cao do projecto: esta a sua base funda-
-hiclu-
mercio daquelle porto.
O Sil. MfMSTRO DA. AGRtCrjLTl'Rlt:
indo as obras do porio.
O Su. Barros Barheto:Semduvida.
Ora, a taxa de 203 por tonelada o du-
plo, o triplo, o quadruplo tle tudo quanto
se tem cobrado em dcas E ser razoavel
que nos, os representantes da provincia de
Pernambuco, deixemos passar bi projecto
que pe em tamanho risco esses interesses
que nos cumpre zezar e acatar ? (Apoia-
dos.)
J dissOi Sr. presidente, que nao
meus receios em ser a autorisaefio execu-
tada pelo gabinete actual ; nao, senbores:
o perigo est etl ser sera Ihante antorisaco
executada por gabinetes aos quaes nao po-
demos de antemo prestar confianca; o pe-
rigo ficSr ahi esta antortsaclo como lei
permanente, da qual podero lancar mo
aquel les que por mais de urna vez tm do-
minado o paiz e que blham para os pblicos
interesses, permitta-se-me dtzC-lo, com elhos
vesgos. .(.Muito bem.)
Sr. presidente, eu pretendo ainda orcu-
par a ationcBo da casa-na diseussfio deste
projecto, mas aguardo-me para ouvir alguns
dos honrados depetadejs que porventara
quiram impugnar estas poncas-e desalinha-
das considerares que apresentei. (Nao
apoiados.)
Mas n3o me sentarei ainda sem oflVrecer
desde j um artigo additivo ao pfojeclo, o
(pial concebidonestes termos.
As disposices da presente lei, tu par-
te relativa construeco :de dcas s lera
applicaco no porto do Reclfe depois que
este frmelboradp ao ponto de- tonwt9e
accessivel a navios detoflaS as!ot*coes.
Com este-aHdHrvo tenlw porfirate^viaraa
minha provincia o riscoqw acabei de apon-
t*r. E' necessario que se reparem inteira-
mente as obras do raeiboromento do porto,
essas que sao reclamadcis por toda a pn*
vincia, das obras que sio puramente de
dcas, cuja necessidade nio se faz anda
sentir pelo commercio, sean luvida porqsw
o porto de Pernambuco, como a cmara
lera conhecimento, por obra da propria
natureza urna dca e doca euorrae.
O 9r. Corra e Oi.ivbim:Apoiado.
O Sr. Bardos Bawieto IO que necessi-
lamos alli qoe se melhore o porto, que,se
facilita de navios de todas as toneladas, o que agora
evitam demandar a barra do Recite; logo
que esses navios puderem entrar naquelle
porto, no dentro dello que encontrarao
embaracos que justifiqnem a constraclo
das preconisadas dcas.
Eudeseiavamosarar i untara a mexacti-
dSo de urna conta qoe ahf appareCe n'am
memoria publicada pelo Se couselheiro
pr. Galtae* a fjMAlrMjUda'
*w o
mercio da provincia, d esta bel ecer-se o
mental.
A questo ci'ra-se em saber se ha ou nao
conveniencia e vantagem publica na creaco
de companhias e emprezas particulares des-
tinadas construego de dcas.
O que so deve entender por urna dca ?
Simplesmente urna baca seguida ou cerca-
da de um caes, ao qual atraquem fcilmen-
te os navios mercantes, e aonde des des-
carreguem suas merc3(lorias ? Nao, mais
alguma idea devoraos annexar-lbe. A dca
boje, como eonvm, comprehende igualmen-
funde- te a construeco de armazens, aos qoaes
se transportem as mercadorias descarrega-
das nos seus caes, e onde se conservem
ellas todo o tempo que aprouver aos donos
ou consignatarios, ftinccionando assim como
trapichas aifandegados.
E prin ipio correnteo nao contestado que
o commercio para augmentar e prosperar
carece de facilidades e liberdades ; que os
navios n3o. demandara um porto em que
nao -encontram meos comm'dos, rpidos e
baratos de descarga e carga de mercado-
rias que transportan ; que sempre que os
eslorvos apparecera nestas operaces e
crescem as despezas cora o trabalho, ao
passo que soffre a mercadoria com a dimi-
nuicSo do seu valor e com a deteriorado
da sua qualidade, soffre igualmente o navio
com as demoras e gastos a que constran-
gido.
Ento decrescc o commercio, diminuem
as transaccoes raercantis em vez de aug-
mentaren, pela orden natural das cousas.
Um porto que nao offereca aos navios
caes seguros, a que atraquem, e onde des-
carreguem coin. br vidade e seguranca,
obriga-os a maiores despezas, e at causa-
Ihes embaracos e mesmo perigos,. visto que,
fundados maje oe menos ton*.-* de trra,
tera que plisa de seu -botdo liara bordo
de pequeos barcos os gneros qoe formara
sua carga, e vise^veasa ; estes Ibtoob me
ores arriscam-se a humedecer mais e es-
tragar os gneros no trajelo do navio s
alfandegas ou lugares de desembarque, e
durante tantas aideaes, o que eleva ao
tobro e triple o irfjflbo, ,0s riscos de de-
terioracao eos gastos necesaarios.
Um porto, pois, que tft*a> odae aonde
atraquen oe twios, ahi-*eU armazens
em que depositem seus oarregeaaenti08 -
ferece-Hies muito mais vanlaens, exige-Ibes
menos dias de estada, anima e faz prospe-
rar o commercio, d4 iaoenivos s negocia-
coee, ao paaso que com todo isso ganba o
fisco, qqe nao precisa ter tantos empregados
a vigiar deeeaigM e sitios distantes, a a
0 da adaialsiraclo pobtlcn.
"OoeCQQStn)tt|o, jibjs, de dfcas com
n*r tlraAar Afl i***ff* Aa <*AinAt^aiAan
-mrt wte anan t/o ira t tero un? vxrtmwm^w^i^f
aetnaz
zana*.
pr doctor de raflas
im()orlan- i guarda o armazenagam ; e que esles ulli-
portanto, mos devem dttr-se a companhias particula-
res que offerecao garantas.
Sempre que se possam estas organisar c
ftnectonar, dispense-se repartico das al-
fandegas de semelbante encargo, e realiza-
se misslo uniea detobradora dos tribu
tos, porque ao passo que se allivia o Es-
tado do onus t responsabilidades de dete-
rieraeSo e fartos- de^neradotias, poder
conseguir melhor a sua administraco com
uiais economa de empregados e de despe-
gas. Deixando s companhias particulares
a construefo de dcas, isto de bacas
caes para receber os navios, e de armazens
para guardar os gneros que forman) a sua
carga, poupa-se o empate e mmobilisafio
de capitaes do thesouro, applicados a taes
edilicai;es ; e anda na minha opinio o
commercio ficar -mais bem servido por
companhias particulares do que pelo fisco,
que tem regularaenlos, formalidades ueces-
sarias e estorvos, que se nao podem dis-
pensar (apoiados), e contra os quaes clama
sempve o commercio, com o que perda
at o crdito do governo.
Este o principio hollanftez e inglez, as
duas naces mais entendidas em assumptos
e pratica io commercio : este o principio
qe vai a Franca admittindo, e que espero
se realisar pelo mundo. (Apoiados.)
Vejamos o que entre nos se tera realisa-
do. At aqui o governo faz armazens, a!u-
ga trapiches, compra estabelecimenlos para
receber mercadorias. A administraco da
all'andega, alm de cobrar direitos, estende
sua aco a vigiar navios surtos no porto, a
fazer assistir por empregados s suas car-
gas e descargas, em distancias grandes uns
dos outros, e s vezes mesma hora, a pa-
gar um numero copioso de trabajadores"
dentro dos seus csiabelecimentos, a agglo-
merar, emlim, e pralicar tantos e to di-
ver-os servieos, que tudo se baralba, se
confunde, se atrapalha, e nao possivel rei-
nar a ordem, e menos ainda oflerecer faci-
lidades ao commercio, que quer pressa e
brevidade nos seus despachos, e perde com
todas as demoras, alm de dar-se changas
a maiores contrabandos e fraudes. .
E o que lucram as alfandegas ? Despen-
dera mais uesst a servidos de carga edes
carga, e de armazenagem de mercadorias,
do que recebem em seu pagamento.
Comprebendeu-se no Hio de Janeiro a
necessidade de dcas, que facilitassem as
cargas e descargas de navios, e Ih'as tor-
nassem mais baratas c seguras. Erapre-
hendeu o governo urna, a da alfaodega, t
j alguns mil conlos tem despendido, sm
c a construeco de
custado igualmente
sommas importantes.
Coahecamos emflm que ao governo nao
convinha ser emprezario, perda muito em
todo o sentido, fiscal e financeiro, perseve-
rando no systema iniciado do querer tudo
fazer por si e por sua co^ta.
No orgamenlo que este anno se voton e
foi reraetlido pela cmara ao senado, eu
como relator da Ia commisso, de aceordo
com o meU collega e com o nobre ministro
da fazenda, propuz que, o governo conce-
desse por um certo numero de annos, a
urna ;ompanbia, as obras.da dca. o os ar-
mazens e trapiches da alfandega com a
condigo de concluir a dca, e melhorar
estes, percebendo taxas pelos servigos de
embarque, desembarque e armazenagem de
mercadoiias, abra de reconstruir o capital
que despendesse e ganhar lucros razoaveis.
alliviando o fisco do encargo de urna admi-
nistrago, que Ihe era perfeitamente impro-
pria.
Entendo que foi um grande beneficio pu-
blico esta deliberaco da cmara. (Apoia-
dos.) O thesouro deixar de gastar som-
mas importantes com a concluslo da dea,
que nunca devera _ser por sua conta em-
prehendida, e sim "abandonada iniciativa
particular; deixar ainda de fazer urna des-
peza superior de 300:000-5 ao que cobra
em pagamento das cargas, descargas e ar-
mazenagem das mercadorias ; deixar de
pagar esse eslado-maior chamado capalazias,
que Ihe consumiam sommas mais elevadas
que vantagensoblidas. (Apoiados.)
Pois isto que fizemos para o Rio de Ja-
neiro e que consignamos no o garaento, o
que desejamos mo por este projecto que
discutimos se estenda aos outros portos do
Imperio, que preGisarem de iguaes melho-
ramentos. (Apoiados.; Nao seja s para o
Rio de Janeiro applicado o nosso telo ;
olhemos tambera para as outras provincias.
(Apoiados.)
Disse o nobre deputado por Pernambuco,
a quem respondo, que sua provincia nao
precisa de dcas: nao pens pelo mesmo
modo, permitta-me que lb'o declare com
lealdade ; mas dado o caso de. que assim
seja, nao precisa o porto de Santos, do
Para, do Maranhio, doCear.e outros mui-
tos do Imperio lp|(Bpoiados.)
A providencia do projecto para os por-
tos do Imperio que necessitem de melhorap:
mentos materiaes para o desenvolvimenTo
prospero do seo oowmercio maritiuio.
(Apoiados.) Se o de Pernambuco nao ca-
rece de dcas, nio se construiro dcas no
Recife, ms aonde fr conveniente, use o
governo da autorisag,3o que Ihe concedida
pelo projecto ; examine, estude a situagao
dos portos e do commercio respectivo, as
unas condices o vantagens, as garantas of-
Iferecidas pelad emprezas qoe pretenderem
tomar a si o encargo, e eteeute a lei cm
criterio e sapedoria. (Apoiados.)
Es ahi a intengo, o fim, a idea primor
dial do projecto que o nobre deputado cen
surou, e que eu sustento Com a mais firme
COBVCC50. ..-.j.
fim assumptos polticos, senhoree, ji me
ouvisteis por retes este atmo recommen-
dar^vtw com instancia, qae promovis ur-
gen temen te t passagem d reformas que
restauren) o systoflBd representativo, dando
jad povo alHfcrdade foleta da eleigno, que
gneros Ielleirtopossttarfito^fiop>9 de algutaas
11 d fe- liis, que com ,
cae 'profcrbem t aataitiitic auferirem lucros razoaveis durante o goso
de 1)0 annos, que o tempo do seu goso,
depois de cujo prazo devem passar ao Es- _
tallo todas as suas construegoes ; permitte- ainda a ter concluido,
se s companhias contiatadoras que perce- armazens, que Ihe tem
bam urna taxa pelos servigos de embarques,
desembarques e armazenagem das merca-
dorias, regulada por nina tarifa accordada
entre as companhias e o governo. Conce-
de-se-lhes ainda a emissao de ttulos deno-
minados no commercio e legislago ingleza
warrents, constando a qualidade e quan-
lidade das mercadorias depositadas nos ar-
mazens, c pelos quaes cobram tima porcen-
tagem, e que sao negociaveis Dor transfe
data da npmrto d um program*
a floi nao l*4fHdlpr ; j aomr to-
il^o do lwra/pi tos compre esi-
3ai)o andamento <% trabalhos
nao va? esquegais tamiem de irdes dolando
o paiz com a soliifo de ofijectos relativos
aos seds interesses materiaes. e ao desen-
vohimento de sin riqueza e. prosperidade
no commercio, na odustria, o agricultura
e as arles, rt ci/iijimcto de providencias
adoptadas nos dons sentidos, moral e ma-
terial, formar um titulo de gloria para a
actual legislatura.- (Apoiados.)
Em Maga* a estes ltimos assumptos,
aos interesses materiaes- do paiz, pensei e
pens sempre que cumpre destacar do go-
verno os servigos qe se podem confiar a
companhias particulares, aos capitaes indi-
vid uaes reunidos e fortalecidos pela sua
mesma juncro. Assim penSorei o systema
adoptado de construir sua costa o gover-
no liuhas telegraphica e estradas, de cos-
tear por sua conta o abastecimento de aguas,
e de pralicar muitos outros servigos que
nilhor o fazem emprezas particulares.
O governo dte, tas a suprema delibera-
gao, as eompanhi3s..a<-adn)hjistrago ; o go-
verno ser a intkSgehn o genio, a inspi-
rago; as companbi33 o braco, o inssrumen-
la, a aego. .Allivia-se o govenno de gran-
des onus, responsabilidades e despeas, e
o paiz lucra com. os.servigos. Aoimam-se,
alm disto, as creaces de emprezas, o
espirito de companhias fortes em capitaes,
com o que mais se desenvolve a riqueza
dos individuos e -com ella nao so a do paiz
em geral, seno tambem a do thesoore po-
blieo, que mais fcilmente cresce com esse
augmento, perqu tira suas rendas nao dos
capitaes particulares, mas.dos lucros que
elles auferem.
Quanto mais se desenvolver e espirito
de emprezas, e mais afortunadas e felizes
forera estas, mais ganhar o paiz, mais lu-
crar o thesouro publico. (Apoiados. i Vede
esse bello, admicavel. esplendido espect-
culo da Gr Bretaalia, da Hollanda, da Bl-
gica, dos Estados-Unidos da. America do
Norte, c at da propria Franca, posto tenba
este paiz a mais cenU'alisada adrainistracio.
As emprezas particulares enriquecem-se, e
enriquecen! a. naco, commettendo as obras
e instituiges mais importantes, ramaes tele-
graphos. vas, de commuoicagao, estradas,
portos, dcas, navegaroes e tudo quanto
concorre para o engrandecimento, commo-
didades.gosos e liberdades do povo.
E' mister, pois. entregar iniciativa in-
dividual os melhoramentos materiaes, ani-
ma-la, desenvolv-la e liberta-la da tutela
governativa, que, acabrnnhando todas as
aspirages, estraga e mata. tudo. (4poia-
dos.)
Considerou o nobre deputado o projecto
como medida de conlianga poltica e, posto
preste o seu -apoio -ao ministerio actual,
sendo a autorisaco permanente, teme-se
dos seus successores, que possam perlen-
cer a partido contrario ao seu.
Opino inteiramente em contraro s ideas
do Ilustre representante de Pernambuco.
Nao encontr na-lei -o principio de confian-
ga poltica. Fosse ou seja qual lr o mi-
nisterio frente da administraco publica,
fallara eu, votara em favor da providencia
consignada, que pura e essencialmente de
materia administrativa, de iuteresse mate-
rial do paiz, e nisto nao ha, nao deve ha-
ver poltica. (Apoiados) Vou mais longe.
Partisso de qualquer individuo a jta, lem-
brasse-a quem quer que fosea?etta adop-
tara e defendera, anda que meachasse
em desaccordo com o proponente e mas-
sumptos mesmo administrativos, porque a
entendo ulil, proficua, vantajosa.
Vio o nobre deputado perigos na adop-
go da providencia do projoclo, porque se
concediam privilegios, e sobreca regava- o
commercio e a navegaro com maiores onus
e despezas.
Nem em urna, nem em outra observa-
gp pens como o meu Ilustrado amigo.
Aonde se consignam privilegios no projecto ?
Ha apenas autorisaco para conceder a cons-
truego de;dcas, equivalentes pelas suas
condiges trapiches alfandegados. Nfio
pode portanto o governo permitlir mono-
polios a urna companhia qualquer, e por-
tanto nenhum privilegio. Consentir a crea-
ojio de urna, de duas, de mais emprezas,
proporro que as transaccoes raercantis,
a affluencia do commercio as forem exi-
gindo.
Aonde se sobrecarregaram de mais des-
pezas e eslorvos o commercio e a navega-
gao ? Nao se obriga nem um navio a ser-
vir-se das dcas creadas. E' esse si rvigo
voluntario. O navio que quizer atracar ao
caes, descarregar directamente de bordo, e
sem baldeages, para trra, os gneros e
mercadorias que. transportar, paga as laxas
estabelecidas pelos servieos que lhes sao
prestados. O que preferir descarregar ou
carregar no mar por meio de saveiro e de
baldeacoes fa-hvha, e pargtmto: Nie ser
mais dispendiosa e dimorada esta descarga
ultima? (Apoiados.) N3o lucrao mais peto
primeiro systema?
Citou o nobre depjutado exemplos de Li-
verpool, de Londres, da Hollanda e da Fran-
ca, para combater o projecto. E eu os
tomo para .sua defesa.
Comegarei por lembrar o de Liverpool.
A primera dca que alli se construio foi
ordenada pela municipalidade nos ltimos
annos do secuto XVII. Era um porto mi-
seravetmente frequentado. Era urna cidade
que ao principio do seculo XVIII contava
apenas orna popula?ao de 0,000 almas.
Esta dca dando vantagens, augmentando o
commercio, fsrtetetde meio6 para se ir
raelhoramentb o porto, dando idea de diques
fluctuantes, trouxe como consecuencia as
creagSo de^, maitas oulras. Hoje conta,
creio, cerca de 20 dcas-----
O Sn. Dionysio Martins : Vinte e
seis.
O Sr. Pkueiba da Silva.:O commercio
cresceu, a populago augmentouTse *a ci-
dade enrigueceu> os habitantes prosperare,
e hoje pose a eidado raais $% quatrocen-
tos mil habitantes j Nlo digo qte s dcas
tizeram tuno, mes ooncorraram grandemen-
te, poderosissimaraente. (ApMcdds.) O
exemplo passos dabi para DuWin, para
Bristol, pare Hu!, para mutos outros -fon-
tos martimo, que coatad) acloamente
auitas dcas e tm tedas per este-fnmde
iaslrameote do ft%a*o e do prognes
attingido a prodighxs- prosperidade.
Em I^rwaasawapsriamsaita. tue-
cnlo prosent, HB oowsedMo consteoceie
(fe dcas. ntRJWl tur mto oto, sel.
O S. BamWBJ^R^- 'f

I
\

s
fciawaatf >',

ZX
ato

*&


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK41OH2GA_B931GD INGEST_TIME 2013-09-14T02:26:23Z PACKAGE AA00011611_11957
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES