Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11955


This item is only available as the following downloads:


Full Text



T
ANNO XLV. NUMERO 223.


PABA A CAPITAL E LIGASES ONDE IAO SE PAGA PORTE.
Jor tres mezes adiantados. \ .............. 6GOO
Por seis ditos dem. T................ 12.0000
Por nm anno idem.................... 24)5000
Cada namero avalso.....,........ ] \ 41320
QUINTA FEIRA 30 DE SETEMBRO DE 1869.
PARA DEBT10 E FORA DA PHOVHCIA.
Por tres metes adiantados
Por Si is ditos idem. .
Por nos i ditos idem .
Poromanno.....
6,1750
i3500
200250
271000
DIARIO DE PEMAMBIM
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.

SAO AGESTEI :
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos," no Para; Goncalvesd- Pinto, no Mai^nh5o; Joaquim Jos de OJiveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marones da Silva, no Natal; JosJasM
Pereira d'Almoida, em Mamanguape;? Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Vila da Penha; Belarmino dos Santos Bulcab, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Franfttao Tavares da Costa, em Alagas,* br. Jos Martins Alves, na Bahia; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFTICIAL.
Ministerio da marinha.
Commando em che fe da forca naval do
Brasil, em operacoes no Paraguay, bordo
o vapor Princeza, em Assumpco, 31 de
agosto de 1869.
film, e Exm. Sr.Depois da victoria ai-
caneada por nossas forcas em Pirebebuy, e
do abandono de Caactip, Ascurras e Bar-
reiros Grande, tive noticia que o inimigo
fugia para o norte em direceo das cabe- l
ceiras do Manduvir e qu all resistira,
fazendo-se forte em urna extensa mata que
de infantaria na canhoneira Henriques Mar-
tins e transporte Guaycur, forca que foi
condnzida para este porto no vapor Galgo,
como j tive occasio de communicar a V.
Exc.
Naquelle passo fcaram os monitores Cea-
r e Sania Catharina nao s para protege-
re m a forra ainda all estacionada como
tambern para condizirem o material de ar-
lilharia quando livesse de descer o resto da
mesma forra.
Nao sendo snficiente urna s ^iagetn
Henrique Martins e Guaycur
condusissem toda a tropa e as familias que
acompanhavam, tiveram de fazer mais duas
Ihe deixava livre a retaguarda, apoiado em! viagens do passo Fleytas ao ponto em que
um passo do mesmo rio ; mandei ento que
a canhoneira Igual'emy, e as lanchas Inha-
ma, Jejuy c Tebiquary tentassern subir at
aonde fosse possivel a ver se poderia ser
impedida a passagem do inimigo por aquelle
passo.
Com effeito no dia 17 pela manha se-
guiram as embarcaces at pouco cima do
Passo Orquete, onde ficou a Igraetmy, por
offerec ir esse ponto a vantagein de se po-
der dominar o campo de urna e outra
margem do rio, e continuaran! as lanchas
aguas cima, alcanzando o ponto em que se
acha a piqueo vapor Paraguary, 11 le-
guas da luz.
Como viesse a noite e fosse preciso pro-
ceder com prudencia, regresaran) as lanchas
para bordo da canhoneira e all permane-
cern! at o dia segainte pela manh5a, que
do novo tornaram aguas cima.
Chegando bifurcaco do 'rio tornaram
as lanchas, que iam dirigidas pelos Srs. ca-
pito de fragata Joo Antonio Alves No-
gueira e capito lente Jidnardo Wanden-
kolk, o rio Caragustahy e foram ao passo
Curajo, que estava obstruido por urna pare-
de de pedras, tendo de elevaco sobre o
nivel do rio una braca, e tres de espessu-
ra, deixando apenas um estreito canal em
urna das margeos e smentt navega-
vel por canoas.
Querendo os referidos officiaes levar a
effeito o que Ibes havia eu incumbido, trata-
ram de desobstruir o rio, trabalbando com
ferramentas apropriadas, e conseguindo,
com as guarnicSeo das lanchas e do Lindoya
que j all tinha chegado, abrir urna maior
passagem, arredando as pedras que forma-
ran) a muralha e deixando assim livre passo
c todas as embarcaces, que immediata-
mente continaram rio cima.
Da masireaco do Lindoya vio-se que
alguns homens passavam gado para o norte
por um desfiladeiro das cordilheiras.
Oinimigo que acompanhava os movimen-
Vos das embarcaces na subida do rio, e
vendo-se atacado e perseguido por nossas
forcas, lancou fogo a seus vapores que j
se achavam perto, para que nao ficassem
em nosso poder.
Proseguiram comtudo as embarcaces em
sua commisso, mas os immensos obstcu-
los encontrados no rio, e sobretudo a falta
d'agua, faz com que nao se pudess e levar a
effeito o que havia eu ordenado, e tivessem
de regressar.
Em quanto no Manduvir tentava-se al-
cancar o iaimigo, penetrando-se por aquelle
rio at as proximidades do passo Gonsales,
o encouracado Barroso, canhoneira Araguay
u lancha Couto, seguindo para o Rosario e
Jejuy fundearam na bocea do Cuarepotf e
seus commandantes com a pancha a vapor
c outras embarcaces miudas subiam aquelle
rio, chamando tambem para all a attenoo
do inimigo.
Nada porra foi encontrado a nao se
dous espias que lograram escapar-se occul-
tandose as mattas, mas ficando com os
nossos os cavallos, que nao poderam le-
var.
No regresso das embarcaces do Mandu-
vir, foram recolhidas muitas familias que
ailluiam s margens, vidas de alimentaco.
Entre essas familias encontrou-se urna da
provincia de Matto-Grosso, aprisionada na
invaso daquella provincia.
Cahindo Garaguatahy em nosso poder, U
cando portanto dominado por nossas forcas
o Manduvir, mandei tratar da suspenso
de um dos vapores paraguayos e de um pa-
tacho, mettids a pique quando persegui-
dos pelos monitores em Janeiro deste anno.
Confiei esse trabalho ao Sr. commandante
da 1.a divisan, que eslou certo aproveitar
as vantagens que offerecem o actual estado
ao rio.
Aproveito a opportunidade para reiterar a
V. Exc. os protesto da mais alta estima e
consideradlo.
A S. Exc. o Sr. conselheiro bario de Co-
tagipe, ministro e secretario de estado dos
negocios da marinha.Eliziario Antonio de
Sanios, ebefe da esquadra.
se achava a canhoneira Belmonte, pouco
distante da fz; vindo da ultima vez os
monitores, visto que o rio baixava e cor-
riam elles o risco de ficarem presos por
falta d'agua. Chegaram ao rio Paraguay-
no dia 14, e passaram para o Galgo, que
j all estava de volta, parte da tropa e
familias conduzidas pelos navios de guerra.
A canhoneira Felippe Camareta trouxe
na mesma occasio 400 paraguayos, entre
mulheres e enancas.
S. Exc. o Sr. brigadeiro Portinho, pas-
sando-se para o vapor Cuyab, chegou a
este porto no dia 21, chegando dous dias
depois o commandante da l1 diviso com
a Belmonte, Henrique Martins, Cear e
Piauliy, tendo satisfeito completamente,
com milito zelo, intelligencia e pericia, a
commisso de que fdra incumbido.
Reitero a V. Ex, as homenagens da
mais distincta considerarlo.
A. S. Exc. o Sr. conselheiro,baro de
Cotegipe, ministro e secretario de estado
dos negocios da marinha.Eliziario An-
tonio dos Santos, chefe de esquadra.
No dia 28 fiz descer o encouracado
Cabral com destino a Montevideo, devendo
apenas se demorar no Carrito o tempo
preciso para fazer pequeos reparos indis-
pensaveis sua viagem.
E' quanto se me olferece communicar a
V. Exc, aproveitando mais esta occasio
para renovar a V. Exc. as segurabas de
minha estima e mais distincta considera-
ran.
A. S. Exc. o Sr. conselheiro bario de-
Cotehipe, ministro e secretario de estado
dos negocios da marinha.Eliziario Anto-
nio dos Santos, chefe de esquadra.
Commaudo em chefe da forca naval do
Brasil em operacoes no Paraguay. Bordo
do vapor Princeza em Assumpco, 31 de
agosto de 1869.
lllra. e Exm. Sr.Conforme communi-
quei a V. Exc. em meu ofDcio n. 188 de 16
do frrente, seguio a canhoneira Henriques
Martins para o Tebiquary, levando o com-
mandante da 1.a diviso, para auxiliar no
qae fosse preciso forca do Exm. Sr. bri-
gadeiro Portinho ; e no dia 5 chegon ao
passo Fleytas, acampando pouco depois em
frente a esse passo aquelle general.
Entendendo-se o commandante da divi-
so com elle sobre o
Commando em chefe da forca naval do
Brasil em operacoes no Paraguay. Bordo
do vapor Princeza, em Assump-o, 81 de
agosto de 1869.
llim. e Exm. Sr. O vapor Taquary,
deixou este porto com destino a Corumb
no dia 18, levando a mala que trouxe o
Leopoldina e o Lindoya, qne se achava
concertando no Cerrito chegando na ma-
drugada desse dia seguio immediatamente
para o Manduvir.
Com o flm de poder de mais perto pro-
videnciar sobre os movimentos que se
tinham de fazer por aquelle rio part para
alli no vapor Galgo na mesma madrugada,
voltando a este porto s 9 horas da noite
desse dia.
Nao sendo precisos os serviros da SU-
vado presentemente, e lornando-se diliicil
navegar elle por estes rios, visto que abai-
nante se faz sentir com forca, mandei-o no
dia 20 para Montevideo e alli aguardar as
ordens de V. Ex., seado substituido em
Humayt pelo vapor Ypirangav que deixou
a ilha de Toledo, no Uto Paran, por nao
haver mais a necessidade da presenca de
um navio naquelle ponto.
O Marcilio Dias que tora ao Cerrito
deixar a carga destinada para o estabele-
cimento naval regressou a 20.
O aviso Felippe Catnarao- regressou do
Tebiquary carregado de familias paraguayas
nesse mesmo dia.
Depois das ultimas victorias alcancadas
por nossas forcas o Manduvir um ponto
de fcil communicaco entre ellas As-
sumpco.
Sua alteza tendo;de emprehender movi-
mento de forcas pelo rio, fez marchar para
as margens do Manduvir um corpo de ex-
ercito, que se acha junto da esquadra, pr-
ximo do rio Paraguay.
Para facillitar esse movimento tem para
alli sido mandados nao s os navios de
guerra disponiveis como os transportes e
chatas precisas para a condcelo da tropa
e cavalhada.
As conhoneiras Belmonte. e Henrique
Martins, e os monitores Cear e Piauhy,
que chegaram do Tebiquary no dia 22
com e resto da forca do Exm. Sr. briga-
deiro Portinho, parliram .tambera para o
Manduvir no dia 24, indo o Henrique
Martins para cruzar entre a Conceico e
foz do Rio Apa.
Para evitar qualquer tentativa do inimigo
pela parte superior do Apa, fiz collocar
entre o forte de Olympo e o de Coimbra
um dos melhores vapores da flolilha de
Matto-Grosso.
O menitor Rio Grande concluio os re-
paros que fazia no Cerrito e chegando
este porto parti immediatamenle para
cima a eucorparar-se aos navios da Ia di-
viso.
0 aviso Felippe Camaro seguio para
Corumb no dia 24.
O 'Barroso desceu a este porto para
refazer-se de carvo e mantimentos e urna
vez supprido. voltou para o Pirebebuy.
Designando sua alteza urna forca para
embarcar em Assumpco acham-se promptos
os navios de guerra e transportes neces-
sarios para tal fim, vindo o encouracado
Bahia, que estava no Manduvir, para
oceupar-se na condueco da artilharia que
daqui tiver de seguir.
A canhoneira Henrique Dias tem, em Ita-
pn, recolhido grande numero de familias
paraguayas e passado para o lado corren-
tino, sendo j superior a 300 as que se
tem apresentado.
As lanchas a vapor tm prestado impor-
Tebiquary e
Itlm. Sr. Sahi d> Rio de Janeiro para servir
le eserivo do vapor Cuyab, da flitilha de Matto-
Grosso, no dia 23 de outubro de 1864, indo de
passagem no vapor de guerra Beberibe, que tocou
em Bueno-Ayres no dia 30 do dito mez; e ahi
ntMBi para o paquete a vapor Mrquez de Olinda,
que seguio viagem com destino a Corumb no dia
i de novembro do dito anno.
Chegm s a Assumpco no dia 10, que seguio s
11 horas da noute, pouco mais ou menos, e no da
seguinte foi o Sr. coronel Carneiro de Campos,pre-
sidente e commandante'das arma-* de Matto-Grosso,
visitado pelo nosso ministro residente _e son secre-
tario e, depois do termos recebido carvo e urna en-
commeiula do capito do porto para ser entregue
ao commandante do forte Olympo, seguio nessa
mesma tarde o vapor para seu destino.
No dia 12, as 10 horas da manha, avistamos o
vapor de guerra paraguayo Taquaru, o qual, de-
pois de nos cortar a proa no lagar denominado
potreiro, fez sigual com nm tiro de artilharia para
que parassemos, no que foi promptamente obede-
cido.
Recebemos entao ordem pora voltarmos a As-
sumpco, e, alli chegando pelas 9 horas da nonte
mais ou menos, notamos logo grandes OTimentos
nos navios Paraguayos, os quaes cercaran) o pa-
quete, fazendero vigiar por grande numero de s-
caleres; pouco depois apresentaram-se a bordo 30
homens armados e commandados por um offkial,
3ue procurou o commandante do paquete e Ihe
isse t Vengo hacer contpanhia con usted, e esta
forea nunca mais sahio de bordo.
Dias depois apresentou-se urna commisso com:
posta de tres individuos, declarando que tinham
ordem do seu governo para varejar o navio ; exi-
giram do commandante que Re franqntasse tudo,
e apoderando-se das cartas e mais papis porten- _
centes ao navio e ao passageiros foram arrolando nos trataram com bondade.
at mesmo ao major Palacio (Paraguayo) a quem
Souto, pouco antes de morrer, eniregou um par
de botoes de brilhantes no valor de 400 o tantos
mil ris, e dous relogios patentes de ouro, para
ser o producto empregado c:n vveres, de cuja
commisso o dito major nunca nwis deu conta.
_ Em das de dezembro vimos de nossa priso
nbarear forcas para os vapores Taquary, Igurey,
'Salto de Guaura e Mrquez de Olinda (ento ar-
mado em guerra), os quaes seguiram viagem
agaas cima, levando a reboque duas chatas que
montavam pecas de calibre 88.
En) certo dia, veio nossa priso um offkial de
marinha (paraguayo), e nos disse que da parte de
seu governo, desejava saber quaes 03 sidos que
percebiamos no Brasil; pedio os nossos ttulos,
etc. Aps esto appareceu outro dizendo-nos que
seu governo, para inelhorar nossa sorte, manda va
dar-nos liberdade na capella de S. Joaqaim, sob
palavra de honra de na sahirmos daquelle lugar
emquanto durasse a guerra, e que para nossa
subsistsnefa nos dara meio sold, por cari-
dade.
O coronel respondn que aceitavamos a liber-
dade* onin as coiiilicoes que nos oferocia, mas nao
es siMus por que a constituir) do Brasil o pro-
hiba; do que lavrou-se termo que assgnmos.
\'n dia 31 de dezembro foi posta em lberdado
a tripolacao do Mrquez dt Otinda, da qual fazia
parle oanestreje machnista que iam servir no vapor
Cuij'iba ; estes homens vimos da nossa priso em-
barcar em urna escuna ir aguas abaixo.
Em um dos prmeiros di:.s de Janeiro, s 9 1/2
horas da manh, avistamos o vapor Salto de Guaipn
que fundeava, e logo ouvimos salvas, msica to-
ques de sinos, vivas, etc.
No dia soguiute desembarcara quatro pecas
de bronze de calibre 24, que, sendo recomidas
ae quartel onde estavamos presos, reconheci
sorem as que mea tinado pai o tenento coronel re-
formado do exercito Vicente Colho tinha des-
enterrado do Guapor, fazendo transporta-las ao
trte de Coimbra, onde f-las montar ; bem coqp
duas pecas de calibre 6, algumas balas e metra-
(has, liaste de bandeira, urna imagem de Nossa
Seuhora, paramentas de padre, etc.
Veie a'nossa priso o escrijro do vapor Mr-
quez de Otinda, e pnwurando pelo Sr. tenenle-
coronel Carneiro de Campos entregou urna carta
do Esnv Sr. conselheiro Paranhos, vinda por in-
termedio do nosso cnsul, n'um vapor inglez que
horas depois seguio aguas cima.
No da 8 de Janeiro sahimos da priso e nos fl-
zeraui embarcar com a nossa bagagem no ferro
carril, e dahi partimos at a ultima estar), donde
nos transportamos a S. Joaqaim, acompanhados
por um offkial e tres pracas desarmadas, que
tantes servidos j nos nos
transporte da tropa I Manduvir, e j na laga Ipacaraliy, por
para Assumpco, segundo tora determinado onde se faz a passagem da maior parle de I vendndo'a roipaTos irasieTde pouco'valorTue
por sua alteza, embarcou-se o batalho 12 nossos feridos de Pirebebuy e Caraguatahy.' uauamos aojtroprio coronel e as outras pessoas,
tudo que encontraran) e lando o qae nao nao esla-
va lacrado.
Exavnlnaram os livro?, a carga do navio e ba-
:agem dos passageiros, fecharam, lacraran) e sel-
aram p.iies e escotilhas; alinal relraram-se, le-
vando comsigo os caixotes com dinheiros do nosso
governo, que iam para Matto-Grosso, as malas do
correo para Cuyab, um caxote pequeo com es-
poletas para a fotilha, mais de oite cantos de ris
em ouro pertencentes companhia e que o res-
pectivo commandante entregoa, alm de outro di-
nheiros de propriedade particular.
Em seguida recebeu ordem o commandante
para ir trra e immediatamenle depois, cada um
por sua vez, o coronel Carneiro de Campos, o 1*
tenente Mangabeira, o fiel Antonio Joaqun) de
Paula Res e o eserivo do respectivo navio,
Conduzram-me a urna pequea casa prxima
ao desembarque, e ahi fui apresenatdo a urna com-
misso presidida por um coronel, a qual depois de
me deferir juramento perguntou-me:
i.* Se nao sabia do protesto de 30 de agosto
daquelle anno.
Respond que tinha noticia porque delle trata-
ra urna carta de Montevideo transcripta no Jornal
do Commercio.
2.- Se eu nao sabia da entrada de firmas brasi-
leras no Estado Oriental.
Respond que ouvi fallar que para l tinham
marchado.
3. Se levava alguma instmecao particular do
meu governo.
Respond negativamente, accrescentando que o
meu emprego sendo secundario s tinba que cuin-
prir as ordens do meu commandante.
4.* Como me atreva a passar pelas aguas do
Paraguay, sabendo destas cousas, e se eu nao te-
ma da guerra que estava deparada ao Brazil.
Respond que nao havia semelliante declarar)
de guerra, e que eu tinha de enmprir as ordens
do meu governo,
Findo este interrogatorio, foi-me lulo o depo-
mento, e achando-o conforme assignei com elles.
Tive ento ordom para recolher-mc ao vapor
Iguery, e para ahi fui acompankado de um ofll-
cial.
No da seguinte tive de voltar a presenca da
mesma commisso para ratificar o depoimento, e
lizeram com que eu o assignasse de novo, sendo-
me ento permittido voltar para bordo do Mrquez
dt OUnda, onde j encentrei todos es meus com-
panhelros.
Soube depois que o eserivo do Mrquez de
Olinda, sendo chamado para ser interrogado, nao
pode assignar o depoimento por nao ter idade le-
gal, pelo que foi chamado o nosso cnsul; mas,
como este quiz assistir ao interrogatorio, no que
nao concordou a commisso, teve de retirar-se,
alinal sendo substituido pelo cnsul portugaez que
tempos depois foi fuzilado.
A's 6 horas da tarde desse mesmo da veio a
bordo o commanda:ile da esquadra, e azeado-nos
reunir leu urna especie de sentenca, concluindo
que a commisso, a vista dos nossos depoimentos,
nos considerava prsoneiros de guerra, e resol-
ver em cansequenca que nos recolhessemos ao
quartel da Rbeira com as nossas bagagens.
Cabe-me aqu mencionar que o mesmo comman-
dante da esquadra procurou fazer-nos acreditar
que senta muito a contrariedad* porque passava-
.J mos e que fazer ? dizia elle, sao cousas do gover-
^ no, tenham paciencia.
Seguimos inmediatamente para o lugar que nos
foi designado, onde chegando, perguntou um capi-
to ao Sr. coronel Carneiro de Campos, com qual
dos companheiros desejava flear, ao que Ihe res-
pondeu que todos aquelles officiaes; accedendo a
sso o capito, fez-nos entrar para urna sala s
escuras, onde Picamos desde logo encerrados,
dando-nos buena-nockts.
Durante todo o tempo que estivemos aessa pri-
so, isto at o da 8 de Janeiro de 1863, dia em
que partimos para a capella de S. Joaqaim, nada
nos faltou, porque alm dos soccorros quo nos
prestava o governo da repblica, que, sem serem
abundantes, nao deixavam de ser bons, o nosso
consol tornera tudo quanio desejavamos, alm de
mil pesos (moeda papel) que raandou ae Sr. coro-
nel por intermedio do eserivo do vapor Mrquez
de Olinda, para supprir saas necessdades e as de
seus companberos; dinheiro que o dito coronel
distribuio tomando quatro partes para si, dando
duas partes aos capites e urna aes demais compa-
nheiros, a quem considerou em geral como alfe-
res, em cujo numero entrei eu.
Cumpro aqu um dever declarando que o refe-
rido coronel seccorria com dinheiros aos compa-
nheiros que a elle recorran), cobrando recibo, e
posso afftrmar tombem que fez isto a todos menos
a mim, Souto e Mangabeira, por preferirmos es-
gotar os poneos recursos de que podamos dispor,
Durante o trajelo fomos bem acolliidos pelas
autoridades dos lugares onde tacavamos para re-
pousar, sendo para notar que apenas chegavamos
a qualquer ponto desde j encentra vamos animaes,
carreta* promptas, etc.
Chegmos finalmente a S. Joaqun) (40 e tantas
legos poaco mais o menos distante da capital)
em fim domingo; fomos bem recebidos pelo com-
mandante, quo mais tarde teve de ser sacrifica-
do por nos tratar bem I Pois segundo nte disse
uin patricio meu (Botelho) soube <7ue o dito com-
ira nos carceres de Cerro Leo,
mandante fallece
trazendo nos ps grandes barras de ferro.
Em lias de novembro de 18tj3 fomos transpor-
tados desta capital para Villta, acompanhados
pelo mesmo ofticial e praeas (j agora bem ar-
madas), e notamos que durante a nossa viagem
eramos ento tratados com rigor. Chegando ao
dito lugar no dia 1 de dezembro, ahi estivemos
oto dias, lindos os quaes nos fizeram embarcar
no vapor pora com destino a Humayt. Logo
que unamos a bordo nos amarraran) os ps_ com
um cabo de linho bastante grosso, excesso do
coronel Carneiro de Campos, sendo nos alliviados
desse castigo logo que chegmos ao nosso des-
tino.
Nao nos deram cousa alguma para comer du-
rante o dia. Levaran) para a trra bastante do-
ente o meu companheiro Sampao, que veio a fal-
lecer no dia 28 de Janeiro do dito anno.
Logare o commandante deste vapor teve no-
ticia de tal fallecimento chainou-mc e perguntou
se aquelle meu companheiro era christiano ? Ao
que ihe respond que sim.
Durante nossa estada neste vapor soffremos
bastantes privacoes, bme e estivemos expostos ao
tempo.
No da ti de mateo partimos para a villa do
Pilar, onde chegando desembarcaram-nos e de-
ram urna salla'para priso; ahi estivemos at o
dia 24 de inaio, da esse eo) que por occasio dos
tiros que ouviamos apresentou-se-nos na priso
um olBcial com urna escolta de soldados arma-
dos, e tuna carreta, na qual immediataa>ente nos
lizeram entrar, ficando toda a nossa bagagem.
Ao anoitecer desse dia chegmos a um lugar
denominado Porta do Boqueirot, onde perma
nec-mos por aspaco de dez raezes e dias.
Aqui fallecen no dia 28 de setembro de 1867 o
fiel de 2" classe Antonio Joaquim Paula Reis. pro-
veniente de grande debildade por falta de alimen-
taco.
Neste lugar recebeu o Sr. coronel Carneiro
de Campos urna carta aberta de sua familia, com
data atrasadissima, vinda por intermedio do com-
mandante daquella villa.
Um mez depois da nossa estada neste lugar se
dgnaram mandar nossa bagagem, faltando mu-
tos trastes e roupa de uso.
Era ana manha do mez de marco de 1867,
quando apresentou-se a porta da nossa priso o
commandante proferiodo em altos gritos futra
los pjesot) e inmediatamente sahimos; como, po-
rem, o coronel Carneiro de Campos, pela sua
idade e molestias ( que ento estova soffrendo )
se demoMssc um pouco, o cabo da escolta des-
embalando a espada f-lo sahir sem Ihe dar tem-
po para vestir-se, e daqui seguimos a cavallo
para o Pasto Poc, onde passados alguns dias nos
foram entregues nossas bagagens, que reconhe-
cemos terem sido varejadas, encontrano-se falta
de alguns objectos.
Um dia apresentou-se em nossa priso o major
Palacio, propondo-nos o seguinte ; a nossa liber-
dade, o fornecimento de alguns generosalimenti-
cios, bem como sacar os ferros dos nossos eompa-
nhniros Souto e Mangabeira ( separado um do ou-
tro), o I* por ter offerecido mate ao cabo que nos
vigiara, e o 2* por ter perguntado ao dito cabo
onde se achava o exercito brasileiro, e o que fa-
zia a esquadra ; pedindo-nos o dito maior em re-
tribuir) um documento em que cerlillcassemos
que eramos bem tratados e que nunca nos tinha
faltado cousa alguma.
Pretextamos nao faze-lo por falto de papel e
tinta ; mas sendo-nos estes objectos fornecidos de
prompto pelo dito major, nos apuros em que ja
nos vamos, nao ti vemos remedio seno condes-
cender, Souto e Mangabeira depois disto foram
sollos e vieram eomnesco. O cabo foi fuzilado.
Aggravando-se o soffrimentos do coronel, veio
este fallecer no dia 3 de novembro do dito anno.
Seu cadver foi conduzido em urna rede ; nao le-
vou seus uniformes, porque havia pedido isso a
seus companheiros como dsposico de ultima
vontade.
Na manha do dito dia apresfntou-se urna com-
misso aftm de arrecadar o espolio, o que effecti-
vamente fez, levando um appare'ho de prata para
almoco, dous relogos, um cordo, urna corrente
e uu par de botoes de punho, sendo tudo de ou-
ro> tres commendas de differenles ordens, urna
insignia do Cruzeiro, um par de casticaes, urna
palmatoria, um paliteiro e 12 tolheres, sendo tu-
do de prata, seas livros e papis, seus uniformes,
roupas e dinheiro em ouro, que tudo foi entregue
pelo piloto Arouca.
No dia 4 de dezembro do dito anno fallecen o
doutor do exercito Antonio Antunes da Luz.
No dia 31 do dito mez teve igual sorte o l-
ente reformado da armada Manoel Luiz da Silva
Souto.
No da 4 de Janeiro de 1868 o piloto Jos An-
tenio Rodrigues Braga ; e no dia 2t do dito mez
e anno o 1" tenente, tembem da armada, Agneilo
de Paria Pinto Mangabeira, tendo sucenmbido to-
dos por inanico, resultante de falta de alimento.
Daqui por diante comecamos a experimentar o
mais cruel tratamento, sendo obligados a fazer
servicos que nossas forcas nao permittiam.
Depois (lestes acontecimentos, eu e meu unco
companheiro, o piloto Arouca, seguimes para Hu-
mayt, com ordem de levarmos o absolutamente
indispensavel.
Deixamos por consequenca as nossas roupas e
os poneos e insignificantes trastes que ainda nos
restaran) e que nunca mais tornemos a ver.
Chegmos ao nosso destino s 9 1|2 hr.ras da
noute, e j estovamos deitados quando sentimos
movimentos d rodas de vapores e a exploso de
muitas bombas, una das quaes arrebentando m
frente a porta do calabouco, metteu a dentro.
Concluimos logo que os encouracados tinham
vencido os obstculos e seguirn) aguas cima.
No dia seguinte fui ter a outro calabouco, onde
encontrei o camal brasileiro agonisando, sobre
nm couro de boi : e vi o major Cunha Mattos
bastante enfermo e varios officiaes do corpo a que
elle pertencia.
Demoramo-nos poucos dias em Humayt, se-
guindo viagem no Igurey para o Chaco, e dahi a
S. Fernando, perdendo a pouca roupa que ainda
tinhamos; porque, tendo-se offerecido um ofllcial
paraguayo para conduz-la as carretas que acom-
panhava, nunca mais o tornamos a ver.
De S. Fernando seguimos para Lombas preci-
pitadamente.
Os presos que nao podiam acompanhar a mar-
cha eram lanceados.
desde o Passo Poc at uns dous das antes da
minha apresentaco ao nosso exercito, testemu-
nhei actos da maior perversidade.
Asssti ao fuzilamente do coronel paraguayo
Alen, a pretexto de ter affrouxado as correales
de Humayt para facilitar a passagem da esqua-
dra brasileira ; de D. Benigno Lpez, ministro
Berges, de um padre de muta nomeada, de um
ofllcial hespanhol que servia nos navios para-
guayos, de inuilos soldados brasileiros, argentinos
e diversos paisanos de differoutes nac5es.
Vi at fuzilar-se urna pobre velha, ncepar cri-
ancas e acoilar atrozmente muitas mulheres.
Havia um tribunal, no qual era inqniridor o ca-
dete Simplicio do nosso exercito (boje fuzilado),
que mandava acoitor brbaramente pela meuor
discrepancia que notova as declaracoes das vic-
timas que Ihe eram apresentadas.
A mortandade era censiderarel. i
tos nao cessavam ,
rotiravam dos calaboucos grande numero de ca
daveres dos que suecmbiam fome e s flagel-
lacees.
Um da ( e o consderei o ultimo da minha vi-
da) fui designado com o mea companheiro Arou-
ca para sermos fuzilados por occasio do grande
combate qne houve em fins de dezembro.
Confesso que recebi esta noticia com a maior
udiferenca e antes agradec a Deus o termo dos
nossos sotTrmentos.
Na hora aprazada caminhamos escoltados para
o lugar do supplcio ; mas, por motivo que ainda
boje ignoro, ti vemos ordem de parar a poneos
passos de -distancia do lugar em que resida L-
pez.
Aguardava com impaciencia as ultimas ordens,
quando fui sorprendido pelo perdo do verdugo,
que nos commutou a pena em carrogar carne
fresca, paos, limpeza de acampamento, recolher
o armamento dos feridos, etc.
Em Janeiro do corrente anno segu para Cerro
Leo, e l enoontre os officiaes prisioaeiros de
nossa marcha para o interior. Espero com con-
lianca que nao terminar o mez de setembro sent
termos obngado a Lpez a abandonar o territorio
deste paiz, destrocando-lhe o resto das forcas qm-
anda conserva.
Deus guarde a V. ExcEmilio Mitre.
Commando da 3* diviso de cavallaria Acam-
pamento junto a villa de Caraguatav, 25 de agosto
de 1869.
film, e Exm. Sr.Cheio de satisf.tco pelo feliz
xito da ommisso de que fui encarregado, pov
me parecer ter conseguido um completo trumpno
para as armas alliadas na perseguir) que se fez
ao tyranno Lpez, alcaneando-o e batendo-lhe a
retaguarda, cabe-me a alta honra de dar parte a
V. Exc. dos successos que realsaram durante es-
ses das as forcas do meu commando.
Tendo marchado da villa de Caraguataj na ma-
nha do dia 19 do corrente, recebi ordem de Y.
Exc. as 7 '/ horas da larde para avancar.'e as^
sum o commando da vanguarda, na qualidade de
chefe mais caracterisado, o que elTectvamente so
realisou a 1 '/; ou 2 leguas alm do passo do ar-
roto Saladillo s 9 7, horas da noite desse mesmo
dia.
As toreas da vanguarda constavam de cavalla-
ria, ao mando do Sr. coronel Manoel A. Oliveira
Bueno, cojiposta da 7' brigada ao mando do Sr.
coronel Bento Martins de Menezcs, da 9' brigada
commandada pelo Sr. coronel Joo S. de Sampaio
Meuna Brrelo, o do regiment general San Mar-
tin ao mando do coronel D. Donato Alvjres e 2pe-
cas do artillara mandadas pelo 2 tenente Carlos
Augusto Pinto Pacca, e mais urna brigada de ca-
vallaria, ao mando do Sr. coronel Cantillo Mercio
Pereira, que foi levada por tnim para junta-la as.
outras.
Ao amanlmccr do dia 20 coutinue a marcha.
encontrando desde logo grandes banbados e estei-
ros, at que as 7 da manha os exploradores do *
corpo de cavallaria ao mando do Sr. tenente coro-
nel Jos Fernandos Doca, da vanguarda, encon-
trou-se com a vanguarda do inimigo; houve um
tiroleio, no tiin do qual o inimigo se dispersou
todo lelos mentes, deixando quatro morios no
campo.
Esse tropheo nao impedo que a vanguarda con-
tnuasse sonipre a marcha, que era feita por den-
tro de um estero de duas leguas de exlenso, com
agua pelos joelhos dos cavallos c em umitas par-
tes pelos peitos, tendo alm de tudo isto sangas
que s eram descobertas quando nellas cahiam os
animaes, que quasi nadavam.
No centro mais ou menos desse banhado en-
contrei ara de terreno elevado e secco, com pal-
meiras, precedido de outro de menores dmensoes.
onde o inimigo se lzera forte, preteudendo iinpe-
dir-me a passagem com a sua infantoria.
Para vencer esse obstculo e ao mesmo tempo
proteger o tenente-coronel Doca, que havia trava-
d fogo com os exploradores da vanguarda, fiz
avancar lados os carabincros de que dspunha e
as duas pecas de artilharia, nao mandaudo os lan-
ceiros, por ser i npossivel faz-los earregar.
Depois de um pequeo combate e alguns tiros
todos os dias, a^_ara^n2ecif.r' de artilharia, o inimigo retirou-se deixando no
campo 15 morios,
Deste ponto determinei que oSr. coronel Bueno
com a brigada de Mateo Maninez, regiment Sau
Martn e as duas pecas de artilharia seguissem a
tomar conta do lugar denominado Begehy, distante
meia legua.
Nessa occasio, que eram 10 da manlia, exped
um ajudante, solicitando de V. Exc. qne mandas-
se infantoria, vendo que me approximava de mon-
tes e picadas, onde necesariamente o inimigo me
esperara, e por isso s a tarde pude seguir com
o resto da forca a incorporarme ao Sr. coronel
Bueno, encontrando meio caminho urna ilhoto,
com refugiados do inimigo, que mandei recolher.
Naquelle campo passaiuos a noite sem mais novi-
iade.
Tive alli noticia por dous estrangeiros desterra-
dos, de que as9 horas da noite do dia 19 L sua comitiva marchara com o resto de seu exerci-
to. na direceo do Arroto Fundo, distante i '/le-
gua pouco mais ou menos, para cuja passagem
tinha que lutar com enermes dfflculdades, em
eoiisequencia de grandes hanhados e profundas
sangas e do proprio arroio. que n dava vo.
Desde ento delbere canca-lo nessa_ operario
e bate-lo, esperando essa noite a diviso que pela
manh ped a V. Exc, e que me eonslava estar
prximo ao acampamento, e ahi chegon elTectva-
mente s 9 horas da noiie.
Para levar a effeito aquella resolucao tratei de
destacar urna forca que levasse o ataque pelo
flanoo esquerdo, n momento em que eu lizesse o
mesmo pela retaguarda. Escolhl o Sr. coronel
Bento Martins, a quem entreguei o commando de
urna brigada especial, composta do 12 corpo pro-
visorio de cavallaria e do regiment da mesma
arma, que estavam inelhor montados em toda
torca.
Como o caminho da columna de Bento Martins
devia ser tres ou quatro vezes maior do qne <
eaminho por onde o resto da torca devia marchar.
li-Ia seguir s 7 horas da manha, ficando eu para
fazer o mesmo s 9 1/2 com a infamara do Sr.
coronel Ayala, 4 corpos de cavallaria e 2 peca>
de artilharia.
A'quclla hora puz-me a caminho, buscando a
picada Roducu, que vai ter ao Arroio Fundo.
Tendo encontrado, ao entrar n'elle um batalho
inimigo, mandei ao respeclivo chefe urna intima-
r) concebida nos termos da nota que V. Exc. se
dignou dirigir-ne, para que se rendesse com a
forca que comraaudava.
A intimar) ao principio nao foi acolhida, mas
depois a receberam, pedndo ento um praso para
responder.
O Sr. tenente-coronel Doca, a quem tinha in-
cumbido dessa msso, por autorisaco minha.
concededeu-lhe meia hora, no funda-qual, se
nao viesse resposta, me obrgaria a dar um ata-
que, fazendo executar as les da guerra. Expira-
do, sem resposta, o praso marcado, mandei dar
um tiro de canli \ signal que convencionei com
o Sr. coronel Bento Martins.
Feito isso, mandei avancar pela picada, mas nao
encontrei j a forca que alli estava, a qual se
aproveitou do praso concedido para melhor fazer
a sua retirada
Segui por este caminho sem novidade at des-
embocar, i hora da tarde, no Potrero Recalde.
onde encontrei urna forca inimiga, que calcule!
em 400 homens de infamara com 3 pee as d
artilharia. completamente guarnecidas e muui-
ciadas.
Estas forcas escoltavam tres carretas e um car-
ro perteucentes equpagem de Lonez e de mada-
ma Lynch ; tratei de averiguar se j havia chega-
do ao seu destino o coronel Bento Martins, e certo
disso, mandei que o regiment da S. Martins e
17 de cavallaria, que j o Sr. coronel Martins ti-
nha destacado por um morrozinho, segusse para
a direito, e a infantaria do Sr, coronel Ayala car
regasse baioneta pela frente, conservando o res-
to da cavallaria do Sr. coronel Bueno para pro-
teceo.
Assm dspostas as torcas, avancaram com bas-
tante felicidade, presteza e energa ; o inimigo s
teve tempo de dar dous tiros de canh o algui*
de fuzlaria : resistindo uns quarenta laoceires a
p, e outros escapando-se pelo monto, alli encon-
traran) a morte, levada pela fuzlaria da infantaria
argentina ; desse modo lieou totalmente destruida
a forca inimiga. .
No'numero dos morios contaram-se doi i nw
jores, que ditem ser o commandante e o mimu
os do vapor Viiue e cinco de iiutio.
reram tome, excepeo do 1 te-
Cu rumba e os
Tedos inorrerain
nento de artilharia Barbosa, doutor do exercito
Neis, piloto Israel, e um 1' tenente argentino que
foram fuzilados.
De Cerro Leo fomos amarrados para as Cordi-
lheiras.
Durante a marcha os que cansavam_eram lan-
ceados; e os alimentos tornaram-se to escassos
qne vi-me obrigado a comer couro secco de boi,
cascas de laranjas, ossos, etc.
Iamos para Caraguatahy, qnando ouvndo tiros
ti vemos ordem de temar por outro caminho ; mas,
recebendo noticia de que estavamos completamen-
te cercados, o major que nos aconipanhou conhe-
ceu que nao tinba meio de escapar, e enlo de-
clarou que estavamos em liberdade e cada um
tomasse a responsabildde de que tivesse de pra-
ticar, porque ia fazer outro tanto ; foi ento que
eu e meu companheiro Areuca experimentamos
o mais vivo prazer, indo apresentar-nos ao nosso
exercito, trazendo em nossa companhia nove pa-
raguayos.
Pego a V. S. que attondendo aos meus sotlri
meatos, releve as ncorreccoes e o desalinho desta
singella, porem verdadeira exposico, qne o meu
estado nao permilte que tenlia deseuvolvmento
que eu alias desejava dar-lhe.
Deus guarde V. S.Bordo do pontao Elisa
em Assumpco, 26 de agosto de 1869.Illm. Sr.
capito d* mar e guerra Miguel Joaquim Ribeiro
do Carvatoo, chefe do Gorpo de fezenda.-/o Coellio de Almeida.
EXTERIOR.
NOTICIAS DA GUERRA.
O Nacional, de Buenos-Ayres, publica o seguin-
te offlcio do general Mitre ao governo da repbli-
ca, transmitndo copia de outro do coronel Carlos
B. de Oliveira Nery, a respeito dos ltimos encon-
aos de nossas forcas com as de Lpez, em 20 e 21
de agosto prximo passado.
O general em chefe do exercito argentioo ao
Exm. Sr. ministro da guerra e marinha D. Martin
Gaiuza. ,..
Caraguatay, 2 de setembro de 1869.
Tenho a honra Je passar as mos de V. Exc. a
parte detalhada das operacoes e combates prati-
cados nos dias 20 e 21 do prximo-passado pela
diviso da vanguarda, que pui as ordens do Sr.
coronel Nery.
Por essa parte ver V. Exc. que a perseguicao
feita ao inimigo pelas torgas sob mea commando
deu os bons resultados que devam esperar-se da
constancia e actividade com que se executou, e
valor que manifestaran) no combale as torcas ar-
gentinas o brasileiras que nelle tornaram parle.
O golpe do dia 21 nao seno a continuar) dos
mui brilhantes que havia recebido j o inimigo
em Peribebuhv, Barreiro e Caraguatay, sob a h-
bil direceo de' sua alteza o Sr. conde d'Eu.
A combioarao cora que abrio-se esta carapanha
teve o mais brilhante resultado : o inimigo perdeu
suas posieoes, seus depsitos e fundicoes, e boje
nao Ihe resta mais do que um numero diminuto
de forcas,sem recursos nem elementos paraman-
ter a guerra, e devido somanto obsecaco deste
desgranado povo.
Dentro do muito poucos dias continuaremos
i
m
-'-

V-*"


.E38! 3Q 0R8;
I JC
06 j ftjm.it
e Pernambuco Quinta teira $ dte Seiembro de 1869.
.ES Q&3MUH
| RUI
I

I
diato das turcas, e muitos outros offleUe sBafter-
nos.
Alm do .tiiiqulamenio loUl da forca nmiga,
licarnin roiuu Iropbos dese Mo do armas as 3
peca-, lo, imittos prisioneiros, as.
ir- carruHNHRpN'o da equipagan do ly raimo
*e sua ramilla.
Duas das pecas tire do as toulilisar, por sccm
dj puxara bracos, c tu rilo ttilia uieios preciso?'
para couduzi-las, assiuj como fui obrigado a con-
sentir no sa(|uc das carretas, pelo menino motivo,
donando depois ; itdessein ou destrus-
Mfle.
Cuiicluido o combate, Rve vontado de passar o
Arroio Fundo, pnra bater mitras forjas tlaiuimign
que iam per, m nao u H por tur ja reebido
.irdcn pola Seguida vez |iara retirar-u-, e o osta-
de da cavalhaiU oiu permiitia emprehoailer ope-
racSe* arriscadas como essa ; ordenei a retirada,
que (ai iniciada nessa mesma tarde.
AlgtiKS feridos, lomados depois do combate, re-
taren! qne a forca ehegava a 600 hmeos, e que
realmente eram cniprcgados em escoltar as Ircs
cairelas, sondo du parecer que nao eseapou m
s tollo* |iete outro lado do Arroio.
A' vista do que, estoa habilitado para informar
a V. Exc, que lodos os inimgos que so achavam
nos MTedores do Arroio Funde, com elleites belli-
cos o carretas, eslo .-oiiiplelaiuente destruidos, e
os que se aCTOram #b otnro lado do mesmo arroio
logc-m espavorid >-. deixamla cuno wsiifio da sua
sagem, nflntdade du velhos, mudieres e nieni-
[geribund >-, i* >* mais coininoventes i|uadros
da miseria, como V. Exc ver pelos fados que
vou mencionar no linal desta parte.
Entre os fui idas que tivenios lamento ter qne
mencionar os distinctos chufes, coronel 1). Man
\yala, chufe de infamara argentina, o major Jos
Luiz da Costa Jnior, eomniaud#W do 12" carpa
uavisono do cavailaria, o lenle I). Manoel ller-
.i, do regiuiu.nto general San Martin, B inais 11
liomuns da tropa argentina e ove braaWeiros, e
norias iiiii rabo itisuncto do 15" corpo de cavaila-
ria e iii's ihiiouns de tropa argentina e o linete
D. loso Domingos Jerez, contiso.
Pizcram-se dignos do maior elogia :
O Sr. coronel I). Juan Aval, pela bravura e pe-
ricia com que dlsp iz e se poftou sempre fruniu
la divi-.i (!. sea commamw, din lo um IHIo cx-
emplo as s "ts cummaii.l.'.'lis.
O bravo Sr. c minel Manuel de Oliveira Bueno,
ooajjuvou-nie com sua pericia, actividade o exi>e-
rieuca mi guerra, diriginde com certeza a artillu-
ria no combate, onde preslnu relevantes serviros,
augmentando o? que anteriormente prestir na
boa marcha desia expedleSo.
O muilo eonhecido ste exercito alliado, Sr.
coronel Brnte Martins de M.-nczes, por sua bravu-
ra, calma e acert nos canbales, tornon-se ainda
mais agora irlas disposieoes que tomn e pela
carga enrgica que extcifion pulo llanco direito do
inimigo.
O Sr. coronel ll mata Almez, eommandante do
regiment San Martin, qne conjuntamente com o
Sr. lente coronel J is Fernandos l>oca Hzerain
seoipre a vanguarda, com muilo tino, pericia e
abalho, vcacundo o p.r^eguindo o ntmige todas
iv vezesque se Ihes apieseniava, lomando nocom-
bite um t parte mais activa, earregando-o pelo
Jl i ico |uerd ; o maj r Jos los da Costa Ju-
uior, commandante do ISvcorpo provisetiode ca-
vallaria, tiniau-se digno de espeeial ineucao pelo
valor com que, a frente da sen carpo e deotro de
ildt banhado, fez urna das mais ililnceis e brilhan-
tes cargas que nesta campanha se leem vista, sen-
do' acompanbado por sen valente carpo, uuthusias-
inan lo-o com o denodo que o suldado deve ter
saei'iflc.ando-sc por sua patria.
Os Srs. coronel Jo i Sabina de Sampaio Menna
lian uta. lenentes-coroneis Manuel Antonio da Cruz
Brilhaote e Manoel J, s Soares, majores Jas Dio-
go dos Res, o todas os domis offieiaes e soldados
mencionadas as partes de seus respectivos che-
fes, qne presenciaram o comporumento ilelles, aT-
lirmain a sua repulacao du valuntes, tornando-se
digno du elogio pulo'hem quo cumprirain os seus
leven e encargos.
O capiuo argentino D. Jos Domnguez Jerez,
la u.italhfto pnmeii o de. linlia, e ajudante do Sr.
oronul I). Juan Avala, muilo se distingui por ser
um das primeiros que. com a espada era punho se
laucn mhre oihimigo, pelejando corpo a corpo,
arrojo que houvera sido vielim, seno fosse de-
fendido pelos soldados, licando assim mesmo con-
tuso.
N'aa menciono o Sr. coromd Gamillo M-tc
Preira, commaudan'u da segunda brigada de ca-
vailaria, por ter eonfessailo que nao eulreu na
necio.
O major Gonstantino de Souza, que servio as
minlias ordens; os captaes Juta Mariano de Je-
Ignacio de Andrade, ajudanle de campo o tenente
loo M. dos Santos, uscrevente da reparlicao '
de banco circulantes, e pelos quacs a naca* se
duzam, mais de nvl almas de atTibos os sexos e
de diversas idades, e grande q'janlidade de gado
bastante gordo pelo campo.
Dando por concluida t avejente exf(osifao.
nho a-honra de passar a* maos do V. Exc. as A rrt"W>w ux.i e3ta nota de incenvenbnle, e
rlusas parles dos chores das Jorcas .brasileiras. semesamnte nos annaes p.ulanxaiUare-, e loarn
que esliveram son as minhas ordns nesses das, modoracao do presidente, responde.ijj nos se-
i de gado repe^asabUisim, contraria ao verdalSiro esprilo da lei de 3 de novembrode 1841, na parte rela-
da li ; puia q i I :v -sj .iisp 'a 1 :r n cjjitoj do tiva ao principe imperial, sao applicavcis prin-
sujao, je- ref'ndi decreto ni u;diata:n inte. ceza imperial. Oraran) os Srs. Rodrigo da Silva,
>em assim da intimacao quo mandet ao rmn-
mandimte d i Italalhao paraguayo, eiiciBWo "a
pcala de Rodacu, para que V. Exc. flqoc por-
finiamente ao fado de tudo quanto all occor-,
reo.
l.ongratnlo a V. Exc. pelo feliz xito desta ex-
pedicaoque ao arroio Fundo (izeram as forjas ao
mande de V. Exc, a quem Deus guarde.CarlM
II. (k BUveim Neiy. Win. e Exm. Sr. general
I). Kinilio "Mitre, digno cxd cito argentino e das farcaa brasileiras da van-
gnardtk.
MOimmno, 10 de seti:mbro nr. 1809.
Est linalmeiite resolvida u qneslao Mau, 3e
nm mailo satisfaiorio todos os interesses neila
envolvidos.
0 documento importante que pnblca a Tribuna
de 8 do c.HTonte, mosira que o guvernu ouv-io os
reclamos da opiniao, e salvon-se da imputacao que
os fadsa anteriores autorisavaoi a fazer-lhc. Gol-
locott-M asatei en urna posicio honrosa e reata-
beleceu de alguna solio seu crdito la o proun-
damen'c ahnlado.
Segundo o refurida ilocumunto, que r. n acta de
accordo celebrado em 0 do ^arenle bol* a Sr. ba-
rio de Mau pula eommisnao ll-cal dos bancos
efleemen-sa i liquide cae do ustabelecmenlo Mau
5c G-, pela forma que passo a expiir.
O gove ii i ocienl eximio o banco Man de toda
e qttalquer responaabi inade pula emissio que
oxistia em circu i cao, na importancia de .",000," 08
pesos, p. contrado a onriga^ de coovert-la em
ouro. i-au troca o referido banco ouirecou ao go-
verno lit dos da divida publica de valor quasi
igual, e dedamu-se entiifeita completando aquello
val.'ir com a somma de 8.201 pesos, que o mes-
mo jruvernu i-econheieu dev^r-llie- eoino compen-
-ai;a. Hesulloii d'esta transaccao tao justa que,
I i o activo do banca du l'i,"(X),l.'il pesos, Ihc
guinias termos
' O poJeT
Por ttulos de 3
-coentiva reconen a nota da honrada- mea los :
do
deputado do quartcl-mestre general e o altere)
Francisco Pereira de Souza, ajudante de ordens,
todos juntos ao commando desta divisan, porta-
ram-se muito bein, Iransmillindo com pontuali-
dade, intelligencia e rapidez as minbas ordens,
para todos os panto.-, sendo alguns de dillicil tra-
jelo.
Agora me perniltir V. Exc. que eu consigne
aqu alguns dos rauilos eitos i(ue ol>servei em re-
laco ao estado em que se acha o exercito nmi-
go e as familias que o acoinpanhaiu.
1). sejaudo ser minucioso, mas nao tendo podidu
enipregar algum tempo na apreeiacao de tudo
qu.tnti era preciso, voja-me obrigado a narrar
iinplesmente aquillo que pude presenciar.
Grande era a quantidade de velhos, mulhercs e
mannos, sem loicas, j pela foine e pelo cansaco
e e:u eompleta nudez, abandonados no caminho
por onde l'oi lugindo o tyranno Lpez sto aties-
ta mais una vez a inliuraanidade desso monstro
para com seas compatriotas.
Desde que api quena vanguarda comecou a
perseguir a retaguarda iniraiga, tiroteando e car-
regando-a quandi era asado o terreno, tiveram
principio os successos dos quadros que passo a
descrecer.
Ao entrar no grande banhado junto a um mon-
te encontrei um grupo de 12 ou 10 meniuos, uns
morios, outros deitados ou sentados, que nosolba-
*aoi com indilTerenca todos, em estado de indes-
criptivel fraqueza.
Dalli em diante va se aqu e all um velho,
anulber ou menino muriendo ou j morto de af-
JJicco por falta de alimento.
Vimos consternadores espectculos, como por
flseinnto, urna velha e urna joven, ambas nuas,
com a pello sobre os ossos, eaucllos desgrenludos;
pareciam ante-; dous esqueleto* ambulantes do
que seres humanos.
A moca que pareca ser filha, movida pelo amor
natural, quera amparar a velha, que sem duvida
alguma teria cabido na lama, onde acallara a vi-
da, se ella, posto que sem loicas e dobrada sob o
peso de scu esqueleto e da ancia, nao procurasse
sustenta la, at que a mao carictativa de nossos
solJados Ibes tana estendida para dar-lhes a
vida.
Mais adianto, n'uma Ihota, jazia um bo de car-
ro, morto da vespera, talvea de cansaco c lr..quu-
za, rodeando o alguns meninos ja Sem forcas, dous
dos quaes deitaram-se de cada lado do boi, pro-
curando carnea-lo.
Depois disso vi dentro do mesmo banhado e em
um dos lugares mais rumias outro boi morto, in-
coada jlela deeoinnasieo interda, e sobre elle
quairo meninos, um maiibundo, dnas ftidos pelo
tiroteio d t manba, e o quarto, que pareca ter
algum alent de vida, com as mais erguidas, pe-
dia a n issa gente qne os levasse.
No campo prximo a subida do banhado, em
Bogeliy, encontrei outro grupo de meninos, a roda
de urna fognera, renlo pedacos do couro, restos
Je lasados ja velhos.
.\e leius mis ena entes com forea vital; era este,
pode dizT-se, o pessial do exercito to tyranno,
qunndo. j sem armaineato, mnno9es o fnrea mo-
vel. n.ii i-..'.;istijni a nossos valones o vigorosos
saldado.
O proprio Lpez segundo refero um prfsroneiro,
abandonando sua equipagem, guardou com cuida
do nm aniforme de soldado, para usar delle quan-
! f-ir de porto perseguido por'nossa gente.
Em toda a extens'io to caminho do arroio Pala-
dino ao Fundo, seis leguas mais on menos, trai;-
*tei por grandes banhados, sangas e atoteiros,
jue constituan! senos eitibarajs e um tempo
huvoso .po mpossibilitavi a tropa de marchar
por esses lugares.
Eram tantos os obstculos naturaos que irape-
.Jirain-me d.j razer cum a cavailaria as marchas
rpidas que desta arma pdese esperar, e tam-
oem parque tema que avistando o inimigo, o
> estad > da cavalhada nao me perraittisse ba-
Nio otwtant i e com todas as cautela* n3o pude
evitar qne tima torga parte da torca deixasse de
mirar em combate, por estar em eavailos, Cans-
los unse outros inatilisadw.
O tyranno Lpez foge com tanta precipitacao
j.te no espajo dessas seis leguas vio-se obrigado
i abandonar trinta o tantas carretas, mirando nos
anbados o armaoicoto c muuifues que ellas con-,
eoaamissao permnnjnte, de data de hantem, es-
i fjue.n decreto de 7 d^ carrente, que uiitiSa
extinguir n litlos da divida contrario a.i venia
doiro epint da lei, que deve-se aospeuder seas
elcitos iuunodlatairieniu.
' A letra doart. 11 da lei de 7 de iulh de-o
di punto clara o tcruiiiiante, mandando qncaiar os
lulos.
A< garantas cjaceildas emisso npausam
nos arts. 5 7 da citada b moda terminante as rondasandstrictas ao servco
daqucllas dividas para extincc.ij do papal, e ale
a t ital do eqinraiente da divida recibida ara ga-
ranta.
A lei, mandando queimar os ttulos fracciona-
rios, parece icr querido garantir anda melhor a
conversan da emissio, excitando o perigo, anda
remoto, possivel, de que se podesse fazer uso des-
tes ttulos para outros llns que nao sejam os que
ella leve oi vista.
u A qtieima de la ao importa a des-
Iruicao das garanta, pas iue a c i umisoo fiscal
licar munida de mu dunamodld |iw expresse o
total que nossue de cada divida, e o direlto que
llio assisle aos interesseseaiaorlis.iuaa que a estas
soinnias correspoude.
Sio obstante, o governo, cuja interesse pri-
mordial, conservar o (edita di papel fiduciario
uue regula todas as operac/ies do mercado, man-
da snspendor a queima daquelles ttulos, at que a
honrada assemblageral, a qne'm toca' interpiet
sua varita.I- ai ditar a citada le.
Apezar da ducilhfade com que o poder oxernti-
va respuinluu, e das seguranzas com q_uo proen'-
rou dar mais larca a suas pafavras irampiilisado-
r.is, o ciaijiiercin fica inquieta e debaixd de uun
pressao desgradatel. Por ora o que elle vd a
senado dectarando que as disposieoes do arl. 6*
Coelho Rodrigues
encerrada.
e l'cnido,
Rodrigo
licando a
ao amanuenses interino do hospital militar da
.micao da corle Domingos Honorio Maleval,
ua sade.
discussao
e C da crrente uigjforam m-
i:idecin Jos das Santos Mal ha-Jo para o lugar
de 4* es.-ripturario daalfandega da Baha, e l.uiz
da Veiga I'essda para o de fiel da armazem da de
Pernambuco.
- II
A cmara dos depulados apiiravou hontem em
Cerivira diseusnao o pr ijcclo do senatio determi-
naad i que as dtaposicoes do art. G* da le de 23 de
nuvembjo de 1841, na parte relativa ao priucipe
Imperial, sao applicaveis princeza imperial.
Approvou em seguida, em tuna s discussao, o
! projeeto sobre a elevagau Ua peasa coucedida a
I). Heraielinda do* fcrnijnarej Peixoto, viuva do
tammtc-coronel Francisco Mara dos Gnimaraes
Pexolo.,
fusne resiitudo o saldo de 8,< hiliJade do banqueiro, (ue to alto semprc suelen
tou o seu credilo, e para chegar a este nico re-
sultado de ulili-lade prolilematica, para nao dizer
de pernicioso effeito, nao valia a pena pro iuzir o
pecios segniutes :
Gil!
otras descontadas
a recc.ber
protestadas
valores a recebor da caxa
matriz e iliaus
immoveis
Capital dos suecursaes
Movis de e-enptorio, ele.
Sal las ilc cotilas crrenles a receber
Pesos.
1.0 li.fi I
124,203
espantoso crime que ti az ha mais de um anno sus-
pensas todas as transages.
1,031,268 i 0 Sr. Hackianou, incumbido de contrahir um
l,7!l | empres'imudc 8 milhoes na Europa, para ser ap-
2,000,000 i'licado con versan de papel, i parti no vapor
30,000 Laplaee, reecbeiJo aqu B,0W pesa- de ajuda d
-OId.l'i custo, fra a poreentagum que Ihe ha de locar, se
J,il7.9a7 realizar o mesmo emprestime.
309,307 ; Depois de tanto traba Iho renuncou o Sr.^flga-
~
afim de tratar de
O Marciho 9m entran m Desterro ante-h-m-
-teiuanouuj, proqpdento da Assutiqicie, lomou
carvao e segmo honlem para essa corte.
As noticias qu* Um s.u j0 pauea i nportaacia.
Alguns vasas de guerra ra da Manduvir a rereber tropa pira cercar Lo
pez ria cima.
Confirma*! a luga precipitada de Lpez. A'
sumpeao, entre as familias que diariamente se
apreseniovam, chegaram as daoias do sequile de
Lpez.
l."i
A cmara dos deputa las approvou hmlem em
rimeiro lugar o requer neato olTerecido pelo Sr.
riasalo, na sessao antee-1 lenfe, pedindo ao governo
informacoes sobre negoofcM da provincia das Ala-
# 'Approvanin seguida os pareceres das commis-
soes de pdderes sobre as elei^oes primarias feitas
em varias paroohas das provincias
go comiiletamcnte vencido, deixando em nos
poder 2 bocas de fogo.
t O da 17 Toi de deseanco filoso, pos a tropa
nao tmba comido dorante as 48 horas preceden-
tes. Na batalba de 16 o brigadeiro Pedia oi*
rigeirament feridu por urna lancada. Avaliaa-ufi
em 2,000 o> inimigos morios nesse dia.
u fio lia 18 2- corpa n eaaaoitn ainda ani-
quillou 1000 infSayx, qne emo Kbocade-togi>
guardavam a picada que rondiz a Carago
lahy. Iinme i,atanieii!e depois da ebegada a esto
ultimo ponto, coiiiiniiou-so na perseguicao do
inimigo pelo exercito arswilino e pelas loi ca
sileiras ao inanJMbflAl Jota Aula, que, nto
afteo, acatavam-se p
ara
. do Amazonas,
Approvou depois successivaineute os pareceres Ro de Janeiro e Minas-deraos.
das 2' e 3' commissoes de poderes sobre as elei- Approvou depois em 3 discussao, com algunas
i;oes primarias feitas em diversas parochias das emendas, o projedo concedendo dez loteras a"
provincias de S. Paulo, Goyaz e anta Camarina, hospital dos lazaros da corte.
Anpravon mais, ora lerceira discussa, o prpjec- Aiproyou ainda, em urna s discussao, tambera
lo do seiiad > anterisan la o gavemo a pagaran 'om varias emendas, o projedo antorisando o go-
esenvao dos africanos livres IJalbino Jo-^ daPran- vuinojiara onneednrao canferenteda alfandeua
aa Kibeiro os veifimontos que Ihe sao d vidos e o da ame Lucidio Jos Candido Pereira do Lago
fjrem at que se declare supprimdo o lugar. ^ni auna de licenca com toilos o- seus vencmen-
Approvou ainda. em ama uuica discussao, a ros para tratar de sua saade onde Ihe eoawer.
Em ultimo lugar o Sr. Camilla Barreta, oh'.endo
Fundos pblicos e accoes
Di n huiro
O bario do Mau rrrebeu tolos estes valores I rinos Cervantes a paila da f.izenda, c sendo aceita
coui sntisfac'. e sendo interpellado pebj presidente essa renuncia, fo eucJrregado di'lla inteiinamAis
da conunissao, declaren que nao tnha a menor i o ollcial maior da secretaria, (pie o Sr. Naya,
observaco, nem reclamacao ele especie alguma a | Consta que a causa da residuco de S. T
fazer, pelos actas platicadas pela coinniisso fiscal, origiuou-se de desgosios e quesf^s cora 0 Sr
- o pre-
durante o lempa que te ve a seu cargo a liquida-
{nue banco Mau & C.
l'ui una lula tenaz, e dosassombrada (pie o ban-
queiro brasileiro susientou contra a rnaldade de
uns, a instigatjae de outros, conviccBes erradas
l'-stes, prevenejjts d'aquellcs, mas da qual sabia
liustamante, ministro do governo, de quem
sitenle Batid nao pftde separar-se.
Outros sao da opinio quo S. Esc 9emUt0-se
por concordar na suspunsa da (jueima dos ttulos,
resolvidapor elle.
Toda a imprensa, com excepcao da Trlbvnn.
a final victorioso^ fazend'o prevalecer justfca e o combate o governo pelo accordo'celebrado, e por
direito. Este brilhante resaltado prova a solidez nutro lado parece que o Sr. ba
da sua ruspuitavel casa, que salda a emissao com
a terca parte de seu activo, e recome anda urna
somma assaz avullada, cena de \inle mil enntos
de ris de nossa mueda p.-la cambio actual, para
proseguir em suas operacoes.
governo per sua parte hahililon-se para sabir
do rgimen do papel moeda, e peder em curto
praw realisar essa da, se proceder Com boa f
c nao appliear a outros uns as reodas especiaos
destinadas amortisaco de sua divida. Parece
que seu pensauento e contrahii um emprestimo
em Londres para applica-Io converso desse |ia-
iel. Para garanta segura d sse emprestimo, de-
pusi.ar todos os litlos da divida publica que re-
ceben agora, e com estes titulas teem, com
disse, nina renda alTevtada ao pagamento de seus
juros, e urna forte amortisayo, ha toda a pro-
babildade de que apparecam na refurida praca
captaes para subscreverein o emprestimo projue-
tado.
Sendo a primera vez (pie a Ropublida Oriental
caii-.orie naquelle mercado monetario para ohter
recursos, ba recelos de que seja mal suceedida
ua tentativa ; mas, desde que o emprestimo se
batea em garanta lio segura, e deve ser applica-
do a um lim tan justo, pareec-me que sao infun-
dados taes receios. |
Esl aberto o registro cvico at o da 30 do
crrenle, para nscripco dos votantes que quize-
rem concorrer para a eleico parcial de senado-
res e representantes, ou para renovaba o do corpo
legislativo.
Foi contratada com os Srs. Brassey Wyter A C,
de Londres, a construccao da via frrea do Alto
Uruguay, que, partind da cidade do Sallo, vai
concluir na l'ronleira com o Rrasil. Estes mesmos
senhores sao emprezarios de ferro carril Central
Argentino, e offerecein toda a garanta na execu-
-o da nova empreza de que se encarregain.
Se houvar orna tregua prolongada no estado
permanente de guerra civil em que vive este paiz,
elle podera sarar profundas feridas na sua sita-
<;o tiiianceira, sombra da paz que se profeca do
Assumpcao, e que promette aos povos d'rsle con-
t i no me um risonho futuro em eompensacao dos
horriveis dias que acafelan do passar. Aquellas e
OOtras emprezas semelhantes concorrero para o
desenvolvimento e riqueza da Repblica, e para
torna-la mais intimamente ligada ao Brasil pelos
lagos do commercio e das boas relae -.
No terreno especulativo agita-s novamente a
antiga e j sedica qnesio da confederaco de lo-
dos os estados do" Prata. A Tribuna esl publican-
do urna serie de artigos com o titulo Estudie so
bre una qaestion del dia, em que se advoga
aquella idea, que lem o apoia do presidente Ballle
e do ministro llustamanle. Se .fosse urna aspira-
cao nacional, ella ganharia milito terreuo, e quic
serealisaria com es apoio ofcial, e mais um
grande estado se ergueria na America ; mas ob-
serva que o poyo lem profunda averso a eme-
Ihanie organisacio, e far enrgica resistencia no
dia em qne prelenderem lgalo, ainda que por
esse tenue laco, A Canfederacao Argentina.
Hontem parti para ah o Uareilio Dias e levan
a seu bordo algnus dos prisioneiros resgatado*
Lpez por nossas forcas, fado qne pela primeira
vez so conseguio na presente guerra. Faz horror,
e ao mesmo tempo inspira compaixao, tuflo quan o
referem estes nossos inelzes compatriotas de seu
longo captiveiro. Basta ouvi-los para considerar
sania esla guerra que fazemos com tanto sacrificio
a fera mais dainada que tem apparecido entre
os homens. E' preciso que a proteccao do gover-
no e a generosidade do povo brasileiro andam
em auxilio d'estes martyres e Ihes fa ceras amarguras qne j soffreram.
Na Repblica visinha o fado que mais oecupeu
a atteneao /oi o da morte do eminente argentino
l>. Valentim Alsina, que exerceu em sua patria as
mais elevadas posirdes, e soubo sempre mantir
um noinepnro e honrado. O governo nacinnaI,
o da provincia deram as inaiores demonstracoes
de pezar ^mm- sua torta, e nao bou ve classe al-
guma de Buooos-Ayws que nao se lizesse notar
em seu entem>, um dos mais imponentes que se
teem visto naqaoUa ridade.
O presidefHe Sarmiento votou a tai do cougrosso
sobre o direito de iolurveiicae do governo nacio-
nal as provincias, e apresentou nesta occasio
urna luminosa exposieSo de motivos.
Tem estado na ordem do dia a questo do porto.
Para inulilisar o contrato celebrado pelo governo
nacional, acaba o eongresso de provincia de votar
grandes sommas para construir-se o porto per
conta de Buenos-Ayres. Diz um jornal nllemaoque
all se publica com muito o-pirito, que at agora
ningueni coidava de fazer ao menos nm bom an-
coradouro.mas que repentinamente lodos se es-
forcam |iara se fazer dous magnficos portos.
- 15-
A questio bancaria otra em nova phase. I) -
pnis do accordo celebrado com o baro de Mau.
deterrninon o governo eoiomissofiscal que quei-
ma sse todos os ttulos da divida publica, qne tl-
nbara sido entregues por aquelle banqueiro.
O commcreio alarmo-so extraordiriariamente
cora esta deliberacSo, e munio-sc por diversas ve-
zes na Bolsa para elevar uaia representaca ao go-
verno, no sentido de suspender o effeito de seme-
Ibanle deliberaci-i; e para mais grave tornar-se
estesituaeao, a commissao permanente da cmara
de Representantes dirigi a segninte nota ao mes-
mo governo, qne tem sido applaudida pelo Sinlo,
jornal que combate o convenio e todas as ultimas
medulas flaaneeiras com iofatigavel vigor.
Eis a nota a que me retiro : O aiaixo assig-
nado tem a honra de derigir-se ao poder cxecatl-
vo para levar a seu conhecimento que na sessao
do hoje, celebrada p lo honrado corpo a que tenha
a honra de presidir, foi autonsado para manifes-
se devem
accordo,
um pr-
ir3o de Mau conti-
na a sustentar sen direito indemnisaca > pelo
proceduieiiio da gavema, embora tenha declara-
do quenada linba a reclamar contra o proce 11-
aiouta da (Minmissao fiscal, que nao fez uns da
qn executaf o que Ihe foi ordenado pulo poder
exuculivo.
Silo causas muilo distinctas, que
confundir. Annuucian lo o resulta
o orga official iliz: Acaba de dar
muir passo para corlar a crise bancaria. O prin-
cipal banqueiro da repblica, o haru de^ Mau, se
inclinou anic a lei c twis persa kifies. e ver se esta lei e suas preseripedes lTenderam ou
au direitos perfeitos do banqueiro : esta 6 que
a questo pendente.
Tem reinado un lempo tcrrivel por c, c as
eoiisequeiieias llaes principian! a appareeer.
No dia 9 do crreme, as 10 horas e 23 minutos
da noute, perdeu-se totalmente no banco inglez o
brigue brasileiro Pallas, que cntrava neste porto
procedente daht O capito e toda a tripolaco fo-
ram salvos na lancha do mesmo brigue, qn aqui
chegou no dia 11, < 2 liaras da tarde. 0 carre-
gamento tlesse navia constava de assucar e agur-
dente, e a pozar das previdencias dadas pelas au-
toridades, requi.sic.io do nosso consulado geral,
sempre prompto uestes casos em providenciar,
nada julgi tpie su possa aproveitar.
emenda approvada pelo senado a propositan que
aut trisa o governo para conceder a Antonio de
Lacerda isencao de dreitos solire as materias a
objectas precisos para a rualisacoda euipruzaque
tem por lim estabelecer una communica^o cu-
tre a ci la le alta e a cidade baixa na capital da
Babia, e construir um caminho de letra urbano
entre a praca da Palacio e a povoaco da Barra,
na mesma capital.
Approvou igualmoiiie em una s discussao o
projecto aulorisando o governo a conceder a em-
preza que su arganisar para construir o ramal fr-
reo do Rio Grande cidade de Jacareliy, na pro-
vincia de S. Paulo, os mesm favores concedidos
a campanilla iugleza de J.indialiy a Santos.
Approvou lambeui, em terceira discussao, o
projecto concedendo varias loteras.
Approvou mais, em segunda diseussap, a pro-
posta do g iverno para abertura de um crdito ex-
tra rdinario ao ministerio da inariiiha, coin o se-
giutoadditivti :
A 3" commsso do orcamcnlo offerece como
adilitvo ao projedo n. I0ij que abre um crdito
ao ministerio da marinha, o de n. 203 qne abre
nutro crdito ao ministerio da guerra.Jaguttribt
-Lima e Silva Sub nho.
Approvou ahi la em segunda discussao o pro-
jedo sobre a reforma municipal.
Em ultimo lugar occupou-ie com a continua-
<'- policial.
Orou o Sr. Duque-Estrada, ficando a discussao
encerrada.
Foi offerecida a seguintc emenda :
Supprima-so o art. 2" com todos os seus .
//. Gi'oca.
Foi offerecide o segunte parecer :
A 1" commissao de poderes, a quem foram
rometldas as aothenficas da eletcao primaria da
pana-ha de S. Gabriel da provincia da Amazonas
que d Ires eletores, tendo examinade-as com a
aerid atteneao, verilicou que essa eleieao corren
regularmente com as formalidades legaes, sem
protesto o nein reclamacao alguma.
Pelo que 6 de parecer que seja declarada va-
lida a ejuicao primara dessa parochia- e recouhe-
cidos os pojares dos respectivos eleijore'.
Sala das conferencias, em 10 de setembrn de
I8'ji)._/-,. _\. da Siten yunes.A. S. Carneiro da
Cunka M. F. Correa.Dosiinyues. Duque-Es-
tnidn Teixtira. Duarle de Azecedo. Antonio
Prado.Das da Hucha.
" Sua Magestado o Imperador, acompanbado de
seus semanarias, chegou hontem 9 horas da
manba ao arsenal de. marinha, visitn as nfflri-
nas de machinas e relirou-se s onze horas da
uian bal
Em seguida Sua Magestade visitou fnudiejio
do Sr. conimendador Miguel Couto dos Santos e
all examinou o portao de ferro destinado ao asy-
lo de MarLi Pia.
Por decretos de 9 do corrente niez foram no-
incados :
Inspector em commissao da tbesouraria de fa-
zendada provincia do Espirit Sanio o segundo
Morrcu o general Antonio Das, um dos deca- escrpturario da de Pernambuco Thoni Arvellos
nos do exercito oriental, c antigo Hilador de sna
inipicns.'i.
Na confederacii Argentina tudo marcha appa-
rentementejem paz.
O congiesso nacional autorisou o governo a
contratar 20 professores para ocnsino desciencias
especiaes na universidade de Cordova e nos colle-
gios Racionaos. Era urna medida mu desejada
polo Ilustrado presidente o Sr. Sarmiento, que,
como se v, conserva-se fiel sue ideia de educa-
dor de seu paiz-
Foram apprnvados pelo mesmo eongresso os
tratados celebrados com o Chile para o servico
postal e extradiccao de criminosos. Sao duas ne-
cesidades do servico publico entre os dous pai-
zes, que ficam perfeitamente attendklas se houver] Mattos.
boa f na exeeucao desles ajustes, principalmente
do ultimo.
Contina a questo do porto entro o governo
geral e provincial, e. por causa de algumas pala-
vras proferidas pelo ministro do interior D. Velez
Sarsfield, alludindo ao pensamento de separaeo,
sempre acariciado por Buenos-Ayres, a discussao
tornou-se um pouco azeda.
O genital Gelly y Obes foi ao Paraguay, e que-
rem alguns enxergar nisso trabalhos do referido
general para obter do governi provisorio que acei-
to sua candidatura para a presidencia daqoea
repblica.
As honras fnebres decretadas e feitas a D.
Valentim Alsina ainda nao tiveram termo. Os
dous governos rivalisam de esforcos na demoiis-
tracao, e a que mais notavel me parece a vota-
cao da provincia da somma de 4,000 pataeoes para
a publicacao da bingratihia do Ilustre morto, a
qual de deve ser de*inbuida s escolas publica.
INTERIOR.
RIO
lar-lbe que o decreto goveraalivo do 7 do corren-
te, mandando extinguir os ttulos da divida pu-
blica, que se recebaran em garaulia im toleles
DE JANEIRO
9 DE SETBMBRO.
Realisou-se houtem, segundo o programma pu-
Micado, as corridas dadas pHa socedade Jockey
Club. O resultado foi o segninte :
! corrida em partie lie. Cabrito, Avahv,
Swau Colibr, Cravinho. Ganhou a prova o Co-
libr ; a 2a prova tendo disparado apenas o Coli-
br e o Cabrito, ganhando ainda o Colibr, foi an-
nullada ; tendo de correr de novo o Cabrito, o
Swan, o Cravinho t o Cottbri, ainda desta vez ga-
nhou o Colibr, sendo o 8* t\ Cabrito, o 3* o Cravi-
nho e o 4 o Swan.
2" corrida.Entraram todos os sete cavados,
ganhou o Anitiat.
3* corri-fa.(amadores).Ganhou o Renegado
dos dnco cavallo* constantes do programma.
3J con ida.Tendo-se apresenlado todos os ca-
vados apenas dispararam sete cavados sendo ven-
cedor o Kchfpse.
0* corrida.Ao toque da sineta tendo-se apre-
sentado cinco eavailos. Foi vencedor Tairplay.
Tendo-se cotisado alguns amadores, fizeram nm
premio de 20O, afim de ser premiado um dos tres
eavailos qne tinham deixado de correr na corri-
da dos gauchos. Foi vencedor e Cerf.
8' corrida, (steeple chase).-"*Dos cineo eavailos
que correram foi vencedor o C W
Hontem, na cmara dos denotados, logo depois
da leitura do expediente, o Sr. Teixeira Jnior,
oblendo urgencia, fundamenton o segunte reque-
i imente, cuja discussao flcou adiada por ter pe-
dido a palavra o Sr. Aranjo Goes :
Requsiro :
< 1. Que soja dada para ordem do da a pro-
posta sobre reforma do actual processo de fallen-
cias apresentada pelo ministro da justica em io-
nho de 1866. y J
I. Que por intermedio de ministerio da jns-
lica se pecam ao governo Imperial as seguintes
informaees :
Qual o numere dos processos de fallencia his-
tau ranos no jaizo comraereHrt desta corte dasde Ja-
neiro de 1866 at esla data.
Qaantos chesarara afinal jnlgataento e qual a
Itialificacao das faHeneias.
Qual o numero das concordatas que fbram
homologadas no referido jirizo durante aquelle pe-
riodo.
Sala das gestos, em 6 de seternfciro de 186.
fiotrando-se na ordem do da, a amara trnton
unicamafe da terceira discussao ao projedo do
Espinla.
Inspector da alfandega do Penedo, provincia
das Alagijas, o bacharel Jos da Cosa Carvalho
Guimaraes, ficando sem effeito o decreto de 7 de
novembro do anno pasado, pelo qual fura nomea-
da para o referido lagar Constantino Lopes Gu>
maraes.
1* conferenie do Para o 2* dito da de Pernambu-
co Francisco Alfonso Ferreira.
2o conferente da de Pernambuco o 1 dito da
do Para Jos Thomaz de Agniar Pires Ferreira.
Por decreto de 3 do crrente foi nomeado offi-
cial da 2' classe do corpo de fazenda da armada
o addido mesma classe Joaquim Jos Alvos de
Por deereto de 6 do corrente foi promovido
graduado de capitao o Io tenente da arma do ar-
rimarla Francisco Ramos de Oliveira Guimaraes,
na conformidade da inmediata e imperial reselu-
cao de 25 de agosto do corrente anno.
Por outros decretos da mesma data foram nt-
meados :
O padre Pedro Luiz Rosacapellao alteres da re-
parlicao ecclesiastica do exercito, e Jos Mariano
Cavalleiro de Macedo, cscrivao das ofJicmas d ) ar-
senal de guerra da provincia do Para.
12
Hontem nao houve sessao na cmara dos depti-
tados por falta de nnmero legal.
14
A cmara dos epatados approvou hontem em
3" discussao o projedo abrindo nm crdito extra-
ordinario ao ministerio da marinha, com o addiii-
vo offerecido na t* discussao.
Approvou em seguida em 2a discussao o ore-
jelo concedendo dez loteras ao hospital dos La-
zaros da corte.
Occupon-sc depois com a discussao das emendas
do senado proposieao creando collegios eleito-
raes em diversas provincias do imperio. Depois
de algumas observacoes dos Srs. Araujo Goes,
Benjamn! e Cruz Hachado, foi apprevado um re-
quenmento do adiamento proposto pelo Sr. Joao
Mendes.
Em ultimo lugar o Sr. Casado, obtendo urgen-
cia, fundamentou o seguintc reqnerimento, cuja
discussao ficou encerrada :
t llequeiro se pecio ao governo as feguintes
informacoes :
' 1 Qual a quantia despendida com a acquisi-
cao de voluntarios da patria remeltidos da pro-
vincia das Alagas para esta corte, durante a a ministracao Alencastro?
2. Quacs as obras publicas mandadas all
construir dnrante a mesma adnimistracao o se
para ellas proceden o competentoorcamento
3* Qaaes os individuos encarregados dessas
obras T
4. Quo somma recebeu cada nm delle* dos
cofres da provincia para levar a effeito a cons-
truccao de taes obras ?
5." Finalmente qual o estado em que se aeham
ellas e de que modo lm esses individuos cumpli-
do e satisfeito seus deveres, em relacao a essas
mesmas obras e as quantias para esse flm rece-
bidas?
urgencia, fundam-mlo:i (l segninte requerimento,
enja discussao lirau encerrada:
hequeiro que se peca ao governo o segualo:
< Copia das facturas de fazendas compradas
pelo arsenal de guerra de MattO-GrosSO durante a
adminisirac t da Dr. Jas Vieira Couto de llaga-
Krik, edo balanri da luja eslabelecida no mesmo
arsenal. .
t Infarmac/ies sobre um par de bichas ou brin-
cos de brilhantes, que pelo mesmo arsenal se diz
ter sido comprado, qual o lim e preco de tal ob-
jee.lo.
Copia das relacoes de prets para pagamento
de ra^oe* fornecidas as prisioneuas brasileiras
pelo eommandante do 1" corpo expedicionaria a
Corumb, e dos documentos com que aquelle com-
mandante nstruio e inuralisoii os ditos prets.
Copia da autarisacao dada ao Drvd*)iVhde
Magalhos, ex-presideule de Matt>-Grosso, para
abrir crditos supplementares; e informadnos so-
bre as despez.is feitas com o acampamento Couto
de Magalhes, com o Mingrulho, com a fortaleza
de S. Jos, e qual a utilidade de seinelbintes obras.
Qual a duspeza elfectuada com o desmancha,
conduecao e construccao do vapor Cuiab, que
transferio para a provincia de Goyaz ; qual o flBS'
peza feita com a rede de pescar e ajuda de custo
ao eommandante que nomenu para o dita vap ir,
e bem assim com o ongeiiheiro encarregadp da
reconstrueco delle no Cayap.
Q.ial a despera feita com plvora para salvar
i arlilharia durante as motea de dancas e fidgue-
do dos soldados no acampamento t'.ouio de Maga-
lhes.
Quanto se despenden cen o apparelho c ma
chnismo de banbo d- ebuva mandado cuHocar
pelo presidente no palacio do fevertoe; quanlo
com o jamar dado s forcas expedicionarias na
Cas-auge, quanto com os eslejos pubiicus com a
entrada das ditas forcas na capital.
Qual a qatMtia despendida pelo- cafres pbli-
cos com a estrada do Sangrador Grande a lta>;airi".
com a conslrucco da capelta da dita colonia,
ijada de cusi e vencimentus ao capeilau ; e bem
assim eoof a Oficina de machina, que o ex-pres
sidente de Matto-Grosso mandou montar na pro-
vincia de (iayaz. e finalmente qual a que (lupias
da tlumitiido mandan dar a si proprio para ajuda
d custo e transpone de Cuiab a esta corte.
Copia das inslr iccaes reservadas, que foram
dadas ao Dr. Caula de Magalhes, (piando nomeado
presidente de Malto-GrofO.Gamillo Barreta.
at
Par portara de 10 do corrente foi Doeado en
genlieir do 3-' classe, com os respectivas venci-
meul is e transporte pelo mnimo, o praticanto tas
abras publicas 1 tenente reformado Luiz Francis-
co Monteiro de Barros.
16.-
A cmara dos depulados approvou hontem a
redacc i do projedo concedendo dez loteras ao
hospital dos Lazaros da corte.
Approvou tambem o reqnerimento do Sr. Ca
millo Brrelo, offerecido ua sessao antecedente,
pedindo informacoes ao governo sobre os negocios
da provincia de Matto-Grosso, menos na ultima
parte, relativa instrncci5es reservadas.
" Em seguida o Sr. Araujo Goes, obten do urgen-
cia fundamentou o segunte requeriinento, quo foi
appiovado:
Ituquuiro que o governo informe o numero de
delegados nomeados para a cidade dos Leiices,
na Babia, desde julho do anno passado al esla
data.
O Sr. lbtlencourt tambem fundamentou, depois
de obter urgencia, o seguiute requeriinento, cuja
discussao ficou encerrada, nao se votando por falta
de numero legal:
< llequeiro que se peca ao governo copia da
oformucao do inspector geral das fronleiras, ua
provincia do Rio-Grande do Sul, sobre as aceusa-
ciies feitas aos com mandantes das seccies de in-
fantaria e corpo provisorio da cidade de Bag, e
que deram causa sua deraissio de 1867. >
Entrou de Santa Camarina por Santos o vapor
Paran com as malas que o uapor- condnzia de
Montevideo e Rio-Grande do Su!.
De Montevideo s ha o telegramma ja transmi-
tido de Santa Catharina, c qne sahida do Gua-
por acabava de chegar de Buenos-Ayrns, a
victoria de Ignacio Cu, a sete leguas do Mandu-
vir. Folhas n5j a havia do dia da sahida, 30 do
passado por ter sido segunda-feira.
K* datas di Porto-Alegre sao de 30 de agosto
e ss do Rio-Grande alcaucam a t do corrente.
Tinham sido prprogadas at 6 as sest^ss da as
sembla letzislativa provincial.
O presidente da provincia dera ordens para as
fronteira*, allm de se prepararem aquanelamentos
para as forcas quo nellas tm de ficar de obser-
vaco logo que se concluir a guerra.
Pelo jnko comraereial do Rio Grande fora qua
lineada a fallencia da socedade Commanditaria
Doarte Souza, Krannichfcldt & C, sendo nica-
mente pronunciado Jos Jnaqoim Duarto Souza,
como ineurso no art. 263 do cdigo penal.
De Santa Camarina nada temos que noticiar.
^or portarla de 11 do crrante foram concedi-
dos 30 dias de licenca, com o respectivo ordenado,
Entrou hontem o transporte de guerra Marcilio
Dias, sahido d'Assumpcao a 31 do passado.
Por elle recebemos mais circumslauciadas noti-
cias sobre os diversos moviinentos das nossas
trepas desde Piraj al aragualahy e ainda alem
deste ponto, c a gloriosa serie de Combate* e
triumphns com que as armas adiadas deixaram
assignalada a sua passagem. Ao cabo de tantos
das de pelajas e violentas e penosas marchas por
maltus e pantanos, laroosa foi conceder s tropas
alguns resfolgo c refazer a cavalhada extenuada
de tantas correras. Breve pausa, porm, snppu-
nha-se que fosse. Sacrificando a sua melhor
gente, que sedeixav.-i malar somonte para, demo
ramio os adiados, dar-lhe lempo de nietter de
permeio maior distancia, Lpez conseguir esca-
par-se com 1,000 a 2,000 homens e algumas ba-
cas de fog* segatiAi dwiam, e tomara a direoeao
de nordeste, refugiamlo-se era S. Estanislao.
l-iu quanto em Caragualahy o exercito se pre-
parava para seguir o inimigo fugitivo, despren-
dendo tambem urna columna para Villa-Rica,
haviam-se embarcado na Assompco forjas para
oKossriu, donde era faeil operar solire Santo Es-
tanislao, cercando pelo lado do norte as tropas que
porvenlura restassem a Lpez.
O governo imperial recebeu na segunte coin-
ouniaco una abreviada exposicao das ultimas
opera^des.
Segundo eslava determinado, o 1 corpo do
exercito moveu-se de Piray na noute do l" de
agosto, e o 2 corpo na madrugada de 3. No dia
5 l'oi tomada a trincheira que guarneca a picada
de Saptieahy com duas peoas de arlilhai ia. -Na
da 6 foi rechasiado o inimigo da picada de Valen-
zuela, chave da Cordilheira. No dia 7 nosso exer-
cito oceupou sem resistencia osla villa, junto
qual achavam-sc a iniua de que Lopoz rava en-
xofre e a fazenda da mi de Lpez, onde eslavam
accuuiuladas as riquezas de ledas as igrejas do
Paraguay.
No dia 10 acampou o exercito viste de Pe-
ribebuy, capital provfcwia da repblica. A 12 foi
(esta praca assaltada e lomada apa* breves minu-
tos de una lula renhiiida, em que nossa infama-
ra mostrou o oaior herosmo. A praca achava-se
defendida por 2,600 homens, que totlos, sem ex-
ce|icao de um s, cahiram em nossas mos, martas
eu viviis.
a Na-piella villa foram encontrados grandes
depsitos de gneros e objedos alimenticios, inclu-
sive vinhos do i mais linos da Europa, algum nu-
merario, muito papH-moeda do Brasil, o todo o
archivo do governo de Lpez. Entre os papis
coudos no grande numero de cauto tes que en-
cerravam o mesmo archivo contara-se os ongiuacs
d-s tratados ectebrados pHo Paraguay e docn-
m intos curiosos acerca la ceiebre oouspiraco de
188 coaira o dictador Lopes.
< A tomada de Peribcbuy parece ter sido o que
resolvou o dictador a abandonar Aseurra, pois
d'atai sabio no dia 13 com todo o seu exercito e
fu puna u lar um pouco alem de Caacup, como
se suube, quando aa mauhaa de tS o nosso exer-
cito chegou aquella povoacio. Immediatameiite
resolveu-se persegui-lo, marc'nando os dous cor-
ptx de exercito por dous camlnhos mais ou menos
parailelos. A aurcaa foi tao rpida qne no dia
16 acbou-se o gaadso do exercito inimigo entre os
dous corpos de nosso exercito, e obrigado a acci
lar batalba no lugar denominada Campo-Grande
ou Nbuguass. A lula foi das mais renhidas do
lulo do t* corpo do exercito, com mandado polo
brigadero Jos Luiz Meaaa Barrete, pur ter o Sr.
viscon e do llerval, pelo mii e-do de sua sa-
de. sido obrlga lo a rctirar-se naquella mesma
manbia. Por flm, as 3 horas da tardo, foi o inimi-
r/oO Honda.
ertores, 30tt
que se icha-
uso pessoal de
ijue. aui
de Caac
I lendo felo a marcha doj
isso melhor dispo
c O inimigo, perseeflK
ainda dcixou alli, alin de '
intuas e tinta inmensa baga
vam mudos objedos pn
Lpez u Mme. Lineb ; mas, 11 leguas de contantes
banhados e atoleiros tinham inteiramente estraga-
do nossa cavalhada, alm de que os comboyo de
viveros nao tinham podido acompanhar a mar-
cha. Porcosn foi fazer alto e reservar o resto da
larefa para ulteriores oporaees.
t As pedas soffridas |iel inimigo nao o infe-
riore- a 8.000 liomuns. entra morios c prisionei-
roa, s,,udo 2,000 na tomada de Feribebuy, 4,000
na batalba de. Camiio-Graiide, 1,001) iui combati-
do dia 18 e outros mil na perseguicao linal. o
dia 18 faram incendiados polo inimigo na sua reti-
rada o- seis vapores de bipez que acbavaia
encamados junte aCaragualaby no arroio Jaguy
> as operaco -s do a.ez de agosto foram loma-
das til incas d fogo. sem eonur aa mais pesadas
que sem duvida aeham-se enterradas em Ascum,
porm aia la nao f iran encontradas, e mais 22
anida nao concluidas aeliaram-se no aawnal
up. Alli tamil" .i existiaiii os appareUtoe
praprins para canstrnir-. u loda a casta du arma-
mento e ninnicous. nbjuctes que lodos e ihiraui
nosso poder. A fabrica de emeofre tambem foi-
destruida, e bem assim duas de salitre. A de po
vara onsla aehar-se em S. .lose, e j l'oi mandada
una expediea para tomar canta deslo ponto.
t Alm de d agosto deram liberdade a mais v 270 Brasil-i-
ros, _que aebavam-se retidos em poder do dicta-
dor, 70 enrseos, quasi todos empregados por elle
as suas fabricas de material bellico, e par Km
una populaco paraguaya que nao baa de-
100,000 almas, e que, saudanda com jabino nossa
approximacu, eticammhava-se na sua maior parte
para Assmnp$ao.
O chefe politico da povoaco de S. Jo< man-
dou logo nm olllcio. pondo-se iwm a populaco oV
seu dislrido e da de Ajos dsposicao da allianca,
e annuuciando que convidara para tomar igual
deliberarn as autoridades de Villa-llica, Caaetip.
e outros pontos.
Todos os dias vao apresenl.indo-se extravia-
dos rio exercito de Lpez. E' voz geral enn e edu-
que Lpez j nao teem ouiro intuito seno esca-
par-se ganhando territorio boliviano: alguns
accrescentain que ja lizera urna procianiacaa, des-
pedindo seu exercito. D a isso alguns visea A
o laclo de elle desta vez nao ter obrigado as fami-
lias a acompanba-l.i. Coinludo outros referem
que anda leva consigo na sna fuga una forca res
peitavel, reduzida por uns a 1,000 borneas, "eleva-
da por outros a 5.000 e hacas de fogo euji
numero tambem varia, segundo as narra-oes, (te
i a X.
Por parle do nosso exercito preparam-ae
navas uxpedicoes que, atravessando o norte e e
sul da repblica em breve descobririo o aclaal
paradeiro de Lpez. Devem-se |ior em iiiavuuen-
to logo que as cavalhadas tiverein lido algum
desea neo.
D'untiv os prisineros brasileiros resgalados na-
eordilheiras vieram para este corle no ilarcih.
Das o Sr. Aliliba Ferreira Pimenlel Belleza, qoe
era guai da-nir da alfandega de Curumb, e os
Srs. Joan Cocido de Almeida e Joao Ebo Pereira
de Arenca, alliuial de fazenda aqueHe e plalo esle,
ambos da puariiico do vapor lurquez ilt. Oiin-
dn. Referem estes dous ltimos que dos atoa
compaiibeiros de nforlumu foram os nicos que
sobreviverain aos inauditos torientos pm-ipie live-
veram de passr, eipie alm do coronel Laraeira
de Canipos.f falleceram o 1 lenle Agnelo de
Faria Piuto Mangabeira, o Io teuente icioi inao\
Manoel Luiz da Silva Sonto eommandante do dit"
vapor, o piloto Jos Antonia Rodrigues Braga, u
fiel da 2" classe Antonio Joaquim de Piula deis,
empregada da alfandega Jos Vicente Bueno de
Sampayo, o o Dr. Antunes da Luz.
O Marcilw ias sabio de Montevideo a 9 do
crreme. As folhas que "alli traz nada referem
de impartancia a respailo das duas repblicas d >
l'rata; alm do passamenlo do Dr. Valentim Alsi-
na, que fura govcrnadur da provincia de Buoaos
Ayres. Por occasio da sua morte zeram-ae
grandes demonstracies de luto offieiaes e popu-
lares.
S. M. o Imperador, acompanbado de seus sema-
narios, chegou hontem, as 9 horas da mauhaa, tu
arsenal de marinha, onde visilou as oflicinas d-
machinas, em seguida umbarcou ua galeota impe-
rial e dirigiu-se a Iba do Bom-Jesus, e, dejiois ?*
examinar aquelle eslabeleciineuio, dosenibarcou a
1 hora da Urde no arsenal de guerra.
Por decretos do 1" do corrente foram nomea-
dos:
O bacharel Joaquim de Mello Rocha, juiz mnn
eiit.tl e de orphos dos termos reunidos de Urub
e Maeatibas na provincia da Rabia.
O bacharel Jos Alvs da Silva Pereira. jniz
municipal e de orphos do termo de Minas do Rio
das Cantas ; licando sem eleito o decreto de t8 de
agosto ultimo que o nomeara para os termos
reunidos de Itapieur e Suure, todos naquella
provincia,
Pela secretaria da provincia do Rio de Janeiro
coiinuiiK'.iiii-iias o segunte :
Na noute de honlem bateu solire o costao do
litoral da freguezia de Itaip um v.'poc de guerra
enennracado pertencente repblica do Per.
sendo este acoiUecimente devida a cerraco quii
havia, conforme eommunicou o res[>eclivo subde-
legado.
O Dr. chefe de polica logo que tete conheci-
mento do fado telegraphou nao so ao chefe de po-
lica da corte para que dsse oodheciiaento di
semelhante occurrencia ao cnsul do Per, ni.i-
ainda ao capitn do peno, para os auxilios ne-
eessarios, pMindo a este qne fizesse disso comrni-
nicacn ao Sr. conselheiro ministro da manaba, e
finalmente fez para alli seguir sem demora o dele-
gado do termo, acompanliado de urna forra di
cavailaria do corpo policial, com ordem de prestar
os neeessarios soccorros, procedendo o delegado
de accordo e sob as iidieaeocs do commamianle
do vapor. >
Pelas iudagacoes a que procedemos, soubenie-
mais o seguinte:
Logo quo o Sr. capitao do porto teve noticia V
encallw do aawr peruano, mandou sabir tres va-
pores de rebeque. largando em prmeiro lugai
o Vencedor, que levava a seu bordo o ajudante da
capitana, o cliefe da estacan pernaoa, que seaeba
nesle porto, e um ofcial (te marinha.
Depois de urna hora de viageui o Vettcedar en-
contruu o encouracado peruano encaihado, junio
s pedias denominadas Canto das Ponas. Aclmu
alli o transporte .WironAro', tambem peruano, qne
vem em conserva do encouracado, forcejando para
desencalba-lo; mas o eoecorro que elle pn s -
lava nao era eilicaz. Aps a ebegada do Vencedor
trataram de desencalhar o eocouracado e o conse-
guiram em meaos de una hora, sem ter este
solfcido' a menor avaria.
Os outros vapores de reboque nao chegaram ao
lugar do acontecimento em consequenciada eren-
de cerraco.
Achav-se na praia o delegado de policia rom
um piquete de cavailaria paca dar a protwcao
que fosse necessana.
17
A cmara dos depulados approvou hontom em
prmeiro lugar o requerhiiento do Sr. JJiUwtoourl,
cuja'discussao ficou encerrada na sessao antece-
dente, pedindo informac/ies ao governo sobre ne-
gnciis da provincia do -Uu-Granito do Sol.
Approvou em seguida, em Ia ai* nssin, o ito-
jecto revugando o disposto no arl. ti- rio decreto n.
i, 3U do 2i de agosto de 1866.
Approvou mais, etn 2" discussao, o projecto do
senado revogando o J 2i de art. S* da lei n. 4,08
(k 22 ile agosto de 1860, e restabelectunlo a di-po-
sicao do art 45 do cdigo ooiamercial.
Approvou anda em urna s discussao, as emen-
das feitas e approvadas pelo senado proposicao
ando cotlegies oleitaraes m diversas' provin-
cias do imperte.
Occupou-se depois com a segunda discussia d
projedo concedendo urna snbveocao animal da...
OrOOO empresa ou eompanhia organisada para
a navega;ao de ro Araguava. Oraram os Srs.
Siquer* atondes a Cardo*i do Menes, ficand a
discussao adiada pola her.
Foram offerscidas ao projecto as seguiote*
emeuda :
A
.


^y*tl ba o 2 ,*eJ?, *** atine**, na arnvmti*
deS. Pedro -fl^^ -zartuji.-llc. No
*Ha4SXVA
Diario de Pernasnbuco, Quinta fera 30 de Miembro de 1869.
O tencnte-coronel Luiz Antonio Ferreira Sent
-)1 paraba xptoraeao metnora-
mw da navegado dox rios Mngvguasat e tiet,
ia proveca le S. Paolo. bi'oio PradoRo-
rige-da Stk-
Coacaea se igual favor i companhia que se
tearregar 4a navegaeao "o rio Parahvba, na pro-
vincia de Paute.Paulo Toledo,
Fica 4a sesmo modo concedida a subveocao
20:60|.| aenua'i a companhia orgaoisada para
Mega rae a apar entro os ports de Mousor e
Amarrar*, fie extremem a iirovintia do f.oar
com as do Rio Grande do Norte o Pratmy. Itlfiav
ribe Figu&fcde Mello.Araujo Lima.Doiuin-
Uues.Fernaniet Vteira.Pinheiro.Alencar A-
rartpe Pinto Braga.
Approvou en ultimo lugsr o art. 2d) projacio
sobre a reforma policial ; e eniraudo em disseus-
O 3*. oraram os Srs. Taque* e Aleuear Araripe. ti-
rando ifialmnt<) a discusso adiada pela Itora.
Ktitmu hontem de Montevide o vapor inglez La-
piace, com dalas al li do correrte.
Sabido daqueilu porto nm dia depois do Marti-
llo Das, a onica noticia que traz do theatro da
guerra e o seguirte ielegramina expedido a 7 da
idade do Rosario ao governo de Buenos- Avres:
Por carta do general Aguero, de 4 do correa-
te sabemos que o general Vedra. em data de 2, Ibo
esc re ven
Chegaram boje quatro desertores de Lpez,
2 dizem estar este em Santo Estanislao cora
2,000 liomens e 20 pojas de ar'.ilharia.
Dantro em poned estaremos sobre elle : senos
spera. est perdido, se foge, perdido est igual-
nienl.
As autoridades de Vflla-Biea puxeratn-su s
ordens da allianca, e pedem forca*. Vi para l
o general Portinho, a quem su ineorporarao dou
bataitMfle.
Lpez mandn a Ajos buscar gado e manda-
ram-lhe 3,000 caberas acompanliadas por maihe-
res a be.
Do Hio da Prata nada de impoztancia.
Por ttulos do 16 do correrte fo nomcado i*
eacripturario da alfandega da Parahvba. Joaquim
iMiiygdio do Souza Gouva. para o lugar de 3 es-
miptnrario da mesma alfandega.
Por decretos de lo do crrante :
Fo concedido o foro de mojo lidalgo com exer-
2?na c,sa "P*rial a Antonio Correa Sera,
iilho legitimo do fallecide tenerte-general Antonio
r.orrea Sera, e ao Or. Francisco Marques de Arau-
jo Ges, liliio legitimo do fidalgo cavalleiro desem-
Danranor fnnoconclo Marques de Araujo Ges.
Foi concedida a dispensa de lapso de lempo ao
erel Joao Martns da Silva O-utinho. atim de
poder tirar diploma de comuiendadorda ordem da
nosa.
Foram comedidas as seguintes pensoes qno fi-
cam pendentes da approvacao da assembla
Seral:
A D. Anna do Si e Ollveira, VhTO do capitao-
tenenteda armada T.m'z Joaquim ds Oliveira a de
24 menaae.
A D. Dulce Mari
lente do exercito
2l mensaes, sem p
competir.
? O. Anna Rosa I
2* sargento do 49* <
Beiliiw Amaro I.
Itrwiet commanrftnte firtitkr da guarda naci
iwl (Vis muannos le Aiifie, Ahcuo e Sam'Aa
na do Mallos, da provincia di Uto-Grande Jo
.orte.
Casar Fraacsco e ISegretros teienle-coronel
comeiaudante db batana?) do infantera n. 27 da
gumwa nacional da provincia-do HaHanriao.
Barnardjoo Pereira da Silva major commandan-
te da seeeao de batalho de reserva n. 6 da guar-
da nacional da mesma provinbia.
O major Manoel CleatcMino de Souza Martins
tonente ooronel coinoandanle do batalho de in-
fartara b. 96 &.i guarda nacional da provincia do
Piauhy.
Conceden-se melboramento de referma :
Ao major reformado da guarda nacional da
provincia do Maranhao, Joaquim Havmundo .Nu-
iles Belfort, no posto de leoenle-eoroieL
Ae eapio da guarda aacioaal da mesma pro-
vincia, Kaymuudo Eduardo. Nuoes Belforf, no
posto do major.
Ao capUao da guarda nacional da provincia do
Letra, Joaquina Flix de Oliveira e So, no posto
de major. *"**-
Foi concedida a toncracao que pedio Manoel
Toixcira de Souza Magalhies do lunar de jui'z
municipal e de orphaos do termo de Quelu da
provincia de Minas Geraes.
Fui dispensado o juiz de direiio Fj*lgefGon-
calves da Silva do cargo de chufe de policia da
provincia de Pemambuco.
' segurando ao descubridor ou inventor de urna f-T Dar
3
dusiria atii, a papimeria
ana d-.-scoberta on iei"
ApprovoH aindjHJ
projecto sobre a reforma
tes emendas
e q uso exclusivo da
jHrtao, o art. 3" de i
Jicial, com as segua i
o papel bancario e a f! d. vista, 19 1/8 c\ a
19
Ao 3 &>a airtoridade poiicial s poderi
a mcompatibidade do individuo de*
.">*e W ^2 d. a 90 /t. papel
IrtwftTmga m ,h
' US a m i18. rK)r ,-f
Por portara do 14 do correrte foi concedida a
exoneracao que pedio Manoel Maria Lopes de
Araujo do lugar de adjunto da reparlicao geral
dos lelegraphos.
!9
Hontom ais houve eertio na cmara dos depu-
lados por for falla de wwiero legal
Por decreto n. 4,411 de 9 do correrte foi con-
cedido privilegio por 20 anuos ao Sr. Jos Maria
dos Res para usar no imperio do instrumento de-
nominado azimuthal, de que seu inventor Emraa-
nuel Liis Ihe fez doacao.
"\ibeiro da Costa, viuva do
itonio Jos da Costa, a de
(izo do. meio sold que Ihe
.eir du Ma;allia"-. mai da
pode voluntarios da patrio
alliaes a de IH mensaes.
Ao tenerte do 2i'corpo de voluntarios da patria
1 un Portella, a de 423 mensaes.
Aos alfere* do 6 eorpo de cavallara da guarda
nacional do lo Grande do Sul Quirino Jos dos
Santos, d 7- dilo Antonio Francisco de Moura e
Gomia de Maltos, a de 3fi mensaes cada um.
Por decreto de 13 do correrte foram concedi-
das as honras do posto de capitn do exercilo ao
ente do 34" corpo de voluntarios da patria Car-
io? Sabino Malheiros, em attencao aos relevantes
enrieos prestados na guerra actual centra o go-
verno do Paragoa\.
Por outro decreto de igual data foi concedida a
liento Pereira, de Bulhites Carvalho a exoneracao
>itc pedio do lugar do almoxarire da 3* classe'do
Arsenal de guorra da cortp.
E por outro decreto da mesma data for re-
' rmades : .
0 cirugi.ao do corpo de sado do exercito Dr.
.rae Pedro do Aguiar, naconfurmidade das disno-
sicoesdo J' I-do art. 9 da lei n. 648 de 18 d.;
agost de i8.*>2, visto nchar-se impossibiptado prae
o servico do mesmo exercito.
Hontem, na cmara dos deputado?, logo depois,
da leitura do expediente, o Sr. Pereira da Silva,
obtendo urgencia, fundatsentou o seguirte pro-
jecto :
A assembla geral resolve :
Art. as leis n. 387 de 19 do agosto do
* S46, n. 812 de 19 de etembrq de 1883 e n. 1,082
Ue 18 de agoste, de 1860 serao observadas com as
feguintes altnraceg :
' a L"" ^* 'i^'"'s Parn t0'"'ir Parl'-' nos "aba-
inos dos collegios eleitoraes e votar na eleicao dos
senadores, dejmrtdos e membros das assemblas
pravineiaes, juntament com os cleitores da na
parochia, os ridados qno, tendo as qualtdades
de eleilur segundo a disposicao do art. 94 da cons-
iitui^ao do imperio, pagarem ao tliesouro de im-
posto Mssoal annuo, na corle, 43*000 ; as capi-
- das provincias da (labia, S. Paulo, Pernara-
'''ico, Para, Maranhao e S. Pedro do Snl, 3OJO0O :
as oatras cidades do imperio, 203000 ; as vil-
as, lojOOO, o as parochlas ruraes, 12^000.
_2.* Um mez autos da eleica.i secundaria
dererao presentar os que se anbarem nessas cun-
uicoes, ao presidente da cmara municipal do
termo em que residirem, doeujnentos comproba-
torios de se achasem (|uitis rom o lhe*ouro, ou
colteeiorias pelo ultimo laucamente. O presiden-
te da cmara formar urna lisia que far alHxar
as portas da cmara quinze dias autes do dia da
oleicao.
3 3. Aquelles que por qualquer circumslan-
cia independente da sua vontado nao virem inclui-
do seu nomc nessa lista podem comparecer no
eoflegio eletoral, c reclamar o diroito de votar,
^presentando seus documentos, do que ludo se
tara rneocao na acta.
* 4. A lista incumbida ao presidente da c-
mara municipal, segundo a disposicao da 2".
era por ella enviada com antecedencia- ao juiz de
paz que livor de conruear e presidir u collegio
oleitoral, sob pona da multe de 2OOJ000.
t Art. 2." A qualifieacao de votantes comecada
pela respectiva junta da parochia, terminada
pela conselho municipal de recurso, nao poda sor
annullada pelo govern, salvo no caso de ter 6ido
apresenlado junta eoiquaoto funecionava pro-
testo regular por niillidades nsanaveis, a que ella
nao tenha attendido, progredindo nos seus tra-
bamos :
t Art. 3. Ficam revogadas as disposicijes em
contrsrio.
Paco da cmara, 17 de setembro de 1869.
Entrando-se na urdem do da, a cmara oecu-
pou-se cora as seguintes discussoes, as qnaes fi-
<-aram encerradas, nlo se voiaudo por falta de
numero legal :
Do projecto declarando que as pensoes concedi-
das a rarios individuos o foram sem prejdizo do
direito ao meio sold.
Do projerlo do senado revogaudo o 24 do art.
2. da le n. 1,083 de M dft agosto de 1830 e res-
labelecendo a disposicao do art. io do cdigo com-
Da emenda approvadlpelo senado proposicao
que aulonsa o governo para conceder ao bacha-
r-ii bento Jos da Costa Jnior isencao de direitos
sobre os objectos de que trata a condicio do con-
trato celebrado por elle cora a presidencia da pro-
vinca de Pemambuco para a construfleao de ama
liuha frrea da cidade do Recite pevoacao de
Jaboatao. ^^
O Radical b-Mmeiro de 8 do correrte noticia
que falloeeu o Sr. Jbse Feliciano Pinto Codlbo da
Cunha, barao de Gocaes.
O finado goaeu senipre durante a vida de gran-
de imporuncia poltica.
- 21 -
Hartera nao liouve sessao na cmara dos depu-
lados por falta de numero legal.
Entrn Iwntem do Rio da Prata o paquete fran-
cez Anus, cora ful has de Buenos-Avres e Monte-
video at 14 e lo do correrte.
Do Paraguay nao tornos noticia de successo al-
gara importante. As correspondencias da As-
sumpcao at 3 do correrte, que encontramos pu-
blicadas as folhas do Rio da Prata, limitanise a
aprecjayes e conjecluras sera consignar factos
positivos. Lpez, segundo parece, conserva-se no
mesmo ponto; esperava-se, porm, que brevemen-
te sedosse algum feito de armas, norquantu dos
exercitos alliados, dizem, iam destacar .">,000 ho-
iiicn.s, que tijvoz j tivessem marchado, em perse-
guieao do fugitivo inlmigo, para acabar com os
tenues resios do seu poder militar.
Na Repblica Argcntbia nada occorria que possa
interessar-nos ; e quanio ao Estado Oriental ape-
nas podemos consignar a renuncia que D. Alexan-
dro Magarinos ''.ervartes fez do cargo de ministro
da fazenda cujo exereicio interino foi confiado ao
respectivo ofllcial raaor.
&. M. o imperador, acompanbado de seus sema-
narios, chegou ao arsenal de marinha hontem s
J borai d mauha, percorreu as offlcioas de ma-
chinas, e embarcando na galeota imperial, dirigi-
se a Ponta da Armacaq^ onde visitou os arma-
zons pertencentcs aos miaisterios da marinha oda
guerra, o, regressaiuJb; desembarcou no arseual a
12 3/4 horas da tarde.
_. 22
Hontem, na cmara dos deputados, depois do
que so acha publicado no lugar competente, o Sr.
Rodrigues fundamentou o seguirte requerimeulo,
cuja discussao ficon encerrada :
Requeiro que se peca ao governo o seguirte :
1." A ivhicao do mostra que instruio o pret
numrico apresenlado a Utesouram de fazenda do
Piauhy pelo tenente-roronel Jos Lustosa da Cu-
nha, como ciimmandanie do 2o corno de volunta-
rios daqueila provincia, no dia 28 de jutho de
186'.
2." Iuformagoes do que consta oCQcialraente
sobre os processos erimes instaurados contra o
tenante coronel Manoel Rodrigues da Silva.
3" Informacoes sobre o processo instaurado
contra o coronel Jos de Araujo Costa, pelo assas-
snat) do seu escravo de nome Victorino.
4. Informaeoes sobre quaes os documentos
que fuudamentarain o aviso de 3" de novembro de
1803.
Sala das sessOes, 21 de setembro de 1869.
23 -
A cmara dos deputados approvou hortera em
primeiro lugar o reipici imento do Sr. Colho llo-
drigues, cuja discusso ficon encerrada na sessao
antecedente, pedindo informacoosao governo sobre
negocios da provincia do Piauhy.
Approvou depoissuccessivamnte os pareceres
da 2J coraniisso de poderes sobre diversas ele-
coes prirtarias feitas nos 1, 3" e 5o dlstrictos da
prormeia da Babia, S> de S. Paulo e Io das Ala-
goas.
Approvon mais em urna s discusso com va-
rias emendas, o projecto autorisando o governo a
pasjar carta de naturaltsaco aos subditos portu-
gueses Jos da Silva Campos e outros.
Em seguida o Sr. Araujo Ges fundamentou o
seguirte requeriment cuja discusso ficou en-
cerrada, nao se votando por falta de numero
legal.
t Reqneiro que se peca ao governo a copia dos
ltimos olUcios do presidente da Bahia acerca dos
acontecimentos que liveram lugar na cidade dos
Leufles, era dias do mez passado.
Outro sim, copia da Commutiicjio do presiden-
te da mesma provincia declarando que o juiz de
direito Casimiro do Senna Madureira acceda a co-
marca do Teixeira, na Parahvba.
_Pelo mesmo motivo ficou encerrada a 3* discus-
so do projecto revogando o disposto no art. 6o do
decreto n. 1,341 de 24 do ajrosto de 1866.
ontinuou em ultimo lugar a 2* discusso do
art. 3 do projecto sobre n reforma policial.
Orou_o Sr. Duque-Estrada Teixeira, licando a
discnssao encerrada.
Foram offerecidas as seguintes emendas :
Ao art. 3o % 8.A autoridade policial s po-
dera ordenar a incommunkabilidade do individuo
detido preventivamente por crimo naflancavel para
a averiguarlo do crime e seus autores.
' Essa interdicSo no exceder de tros dias, e
se limitara a ampios prohki ;o de fallar o reo a
qualquer pessoa sem permisso da autoridade;
nao resultando delta nenhuma outra aggravacao
de pena.y. de Menear.
t Ao art. 3" S 1.Substitua-sc o 1 pelo 1
do projecto primitivo./. de Menear.
SubsUua-se o % 2o pelo seguirte:Nos eri-
mes aflaneaveis, cuja pena exceder de quatro an-
nos de prisao simples, assim como nos erimes ira-
fiancavois em que nao se effeetuar a prso pre-
ventiva, pede a autoridade policial obrgar o ini
ciado a pre*tar caigao ou lianza quando existir
contra elle presurapeo vehemente.
_ Dentro de 2i horas depois deeffectuada a \i-
sao a aaloridade policial remetter sob pena de
responsabildade ao juiz formauar da culpa, o cor-
po de delicio e aa pfovas colligidas.T. de'Menear
Araripe.Du'iiie-Estruda Teixeira.
prevertivaraerte por eritno nAancarel quaudo
for iiKbspensavol, e para a amignacio do crime
e sens autores. "^
Essa ftterdiccao nao exceder de tres diasJ
se limitara a simples prohibicao de fallar o r
quaiqner peasaa sem permisso da autoridade,
nao resoltando della nenhuma outra aegravaco
da condicao do preso./ dt AUnear.
Ao art. 3 i l-Substiiua-ee o 8 pelo i V
do projecto primitivo.-J de Menear.
Substilua-se o | pelo seguirte :Nos eri-
mes afflancaveis, cuja pena execeder de seis an-
nnos de pnso com trabatho, c oito annos' de pri-
sao simples assim como nos erimes iaafflancaveis
em que nao se effeetuar a priso preventiva pode
a autoridade polciaTDbrifnr o indiciado a prestar
caucao_ ou llanca quando existir contra elle pre-
surapeo vehemente.'.
Dirtrode 24 horas depois de eflectuada a
prisao a autoridade policial remetter, sob pena
do responsabildade, ao juiz formador da culpa, o
corpo de delicio e a proviw nlligIda<-7. de
Menear Aiwipe.Duque-Estrada feixeiru.
Occupou-se em nllimo logar rom a 2" discusso
do art. v do mesmo projecto. Orar im os Sr. Viei-
ra da Silva, Duque-Rstrada Telseira e Andrade
t'igueira, ficaudo a discusso adiada pela hora.
Foram offerecidas as seguintes emendas :
Ao art. 1 A flanea uao ter lu?ar nos eri-
mes cujo mximo da pena fr : l raorto, 2- ga-
les, 3- seis anuos de priso com trabalho, 4* oilo
annos de priso simples, viute annos de de-
gredo. *
J O dispesto\q art. 38 g 2 da lei de 3 de de-
zoinbro de 1841 s ser applicavol aos erimes a
que est imposta pena de prisao com trabatho A
hanra.porm, nao ter logar se, addieionadas dnas
ou ffiais penas, exeedrrem de um terrd ao mxi-
mo, mareado aa paragrapbo anterior.'
Ao reo absolvido era 1" instancia, sendo iu-
torposta a appellaco ser admitlida lianca alo de-
cisao do recurso qunnrto a pena nao exceder o
mximo marcado no antecedente qnando ha
concurso de delicio.
E' cempetente para conceder a lianca tanto
o jniz da culpa como a autoridade que effeetuar a
prisao.
$ O damno n)ser|-om>rehendido no arbitra-
mento da llanca, art. 68 da lei de 3 de dezembro
de 1841.
O registro da lianca em b-ne de raz, quando
o valor doste nao exceder a 4:0004 e a 3:000a nos
outros termos, nao Qbrigatorio. O reo ou seu
fiador apresditar certidao negativa passada pelo
esenvao das hypotheeas, que ser junte aos autos.
0 esenvo das hypotliecas que dentro de
2-i horas nao dor certidao requerida soffrera a
pena de snspenso por 1 a 2 mezes, procedondo o
juiz ex-offlco eu a requerimento da parte ou sen
procurador.
E' o art. o do projecto n. 71 de 1861, boje
decreto n. 1. ,
| E" o art 6 do mesmo decreto,
'SE'o art. 7 dem. Viehrn dn Silva..
Ao art. 4.J Supprima o $ 2o.
O J- 3 subsiilua-se polo segunte : A flanea
podera ser presiada antes de effetuada a priso.
cemqalquer termo do,jirocesso.T. Alencar \ra-
ript.Duque E$lrain 9cix:rm. >
d/v, 19 1/4
parcular.
2430,000 aos extre-
... franco,
hobre Poringal regalou. premio da tabella
Pie demos na reviste de hontem.
f No mercado demetaes nada consta rae se fi-
doZ-""^ : \',oP*ad)rns de* a I280e ven-
dedoreSal28:iOadinbein).
.aerJ.ftSVniwj~nm^',*no ,0 de apolices
^aMdeSO 0/0a801/z, em dte regular de
Kto-T i" eirupres,il,l de ,868 a >* de premio.
asiW lilul.is ficam procurado^ mas
res,a preo inferior ao de
e#odaraui-sH
bfiVar na corte um importantissimo rro sb o t-liQ
luloAV*gao Tcmoa n nkm.,-oiin lem3 Mathlde, captlao J. A. Muller, com
dos profer*vp-esentdos para a jnenlo de di- O uiesmo bjSlTO que trOaiXe O Rio de Ja-
eersas boato kydrogmphiris rio tmsil m rpido neiro '
ertmro do futiera rede geral de sitas vas ni
gaveis.
O trabalho do f)T. Mora-s eonim minuciosos
dados e mu cariosos apontamentos geogranhicos,
corograpbibos, hyrographioos e estatisticos sobre
vndedo-
i.'
imi
English
iKije
IHIJM.
325 accoes
do banco do
rasl |i7 9 x niliU a js&joeo,
Kuu-se tnnboni ojo nm pequen lote de
tionco -of Bio de Jomeiro a
't'.coes do
12*#0OO.
i n~ SfJ"ra* pani p,!|nambuco : a 12 a eseuoa
lioilandeza S. Peiersburgo. e o patache hespanhol
lemerario ; a 18, .* brigues norte-allemes Pres-
to e Sophe ft L*cv ; a 19, o brgue norte-allemo
Wo, c o brigue brasileiro Danwo; a 22, o pata-
cho UesiMrtiol LmtreuM ; a 23, a fcarca framreza,
Qranvtlle.
. O vapor norte-americano Soiith .imerica de-
1 v.a partir no da 23, is 10 horas da manha.
Esiavam carga para Pemambuco : o mi-
gue l.rasileiro S. Piulo, e o patacho hespanhol
BAHIV.
Ao da 16 precedeu a sociedade Humanita-
ria Atiil.rwmsla :\ oieieao da sua direcloria, que
lena assim organizada : presidente Dr. Antonio
perreira G.ircez, secretario?
Joao Pinto Brrelo
Carvalho.
o imperio e soas varias provincias.
Na apreciacao fejia sobre as barias hvdrogra-
pnicas, aprsenla elle jndk-iosas considercoVs so-
bre varios projectos de juncedes entre' ellas e
meio de navegaco fluvial por vapor, e trata dos
canaes neeessarios e oulros melhoramentos im
portantes que se fazem mysier para o estabeleri-
memo futuro de urna rede iesses camiohee ime
marrnam, na phrase de nm cxriptor.
O seu livro aeta-se dividido em quatro partes
am de nma bem elaborada e instructiva intro
dnerao. Na primewa trata elle das bacas do leste,
na segunda das de oeste, na terecira das do cen- '
tro, e na quarta Rnalmcnte da de segunda or-1
dem, contendo-se nesia parte um epilogo, em rrne I
(I autor nassa em r*i dem para a Hnvaw, ese jim hespanho
tmtm, capin Mellet, cm a me*m cawi
que trouxe do Rio de Janeiro.
dem para a Bahia, patacho inglez Gfen-
v*ck,, capitao Deaier com a roesma carr;i
que trouxe de Terra Nova.
DECLARACOES.
autor passa em
ncar mao i
iboramentos
. revista os meios de que pedera
anear mao o governo para levar a effeito
Joaquim
thesoureiro Luiz
H y potito e
Pereira de
Depois do pequea demora-no porto, segui-
J-am para o Rio ,ie Janeiro o vapor Purkilaeo
monitor AlahiuUpa, peruano*.
No dia 26 do correrte, fez a presidencia en-
trega, a Sania Casa de Misericordia, da quinta da
Boaviste, que a provincia comprou para servir de
,\sylo de alienados.
Arribanm, ao porto da capitel, a K do-eor-
rente : a galera americana CUij of Bortn, com
Odias do viagem, de Callio, com aguaaberta;
e a oscuna hollandeaa Presto, por torftiesarvorado.
1~J. Palleceram ;.na capital, a artista dramtica
. Iticoiohna: e em Lences, o majpr Ramiro da
Silva Gmmaraes.
A alfandega
343:1281440 rs.
o majpr
renfM de 1 a 23 do correrte,
DIARIO DE PERNAMBUCO
HF.CII'K, 30 BF. SKTEMa DB 18G9.
NOTICIAS DO Sil, J)0 IMPERIO
Chegaram hontem, dessa procedencia, os vapo-
res brasileiro Tocantms c francez Estremadurc,
trazendo jomaos de 9 a 24-do correrte.
Tendo sido prorogados at 30 do correrte os
trabalho? da assembla geral legislativa, o gover-
no resolten adiar a partida do Cruzeiro do Sul do
da l> para 23, fnzendo nesta data seguir o To-
cantins em vez daquello.
Sb as rubricas Parte Oficial, Exterior e inte-
rior encontraran os leitores por extenso as neff-
ciasmais importantes, tarto da guerra, cmoda
corte.
Dos jornaes colhemos mais o que segu.
mavto enosso.
- A SUuacoo, jornal da capital, narra o se-
guirte :
Recolhondo-so para esta cidade o Sr. alferes
Sabino Fernandes de Jouza, que se achova desta-
cado na colonia de llacai, foi a sua comiliva as-
saltada em plena luz do dia pelos m perto do l'aredao. e morto um cabo, que infeliz-
mente linlia so anraMfle dos seos eompanneirM :
a monte de*fe infeliz loi a rcete.
OSr. Sabino e mais algumas pracas con?c-
ciiiram afflgeele-los com alguns tiros.
BOTAS.
Encerroii-se no dia 31 de julho ultimo a as-
wmUea provmaal; offerecendo o presidente da
provincia, por esse Tarto, um baile aos deputados.
No dia 3 de ago.-to, a presidencia da pro-
vincia tomara por omprestimo sem juros a praio
de seis mezes a qnantia de 6:0()0 para Bnoetnar
o pagamento de duas quotas da subveneao eblca-
dida p.r lei provincial a empreza de navegacao do
Aragnaya.
O cambio regn'ava : sobre Londres 18 5/8
!> d., sore Pars 486 a 47o. sobre Hamburgo
*K rs.,e sobre Portugal 176 a 184%
j. Sahiram para Pemambuco : a 20, o brigue
Tt Oeoguun. "
Lemos no Jornal da Rabia :
Hontem (18) pela va forrea chegaram esta
capitel 4 ou 5 familias, representando ao todo
urnas 2opessoas. namaior parte meninos emu-
Ihcres, emigrantes de llapicnr de Cima, por cau-
sa da aecea, e que desejam fazer residir no sul
da provincia.
Logo que chegaram, proenraram e reparlicao
da polica, que lite prestara soccorros, e obteve
aloja-los no hospicio de Jertualem at que te-
nliam deslino.
Foi nomcado promotor publico da comarca
de Penedo, o Sr. Dr. D. Luiz de Souza da Sil-
veua.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
TRRAS PUBLICAS.Por deliberacao da pre-
sidencia, de 28 do crlente, foi Horneado o Sr. Jos
IJewrra Cavalcanli Maeiel, itiiz commissario de
medroso de trras publicas no municipio do Bar-
leiros.
INSTIiCC.lO PlinLICA.-Por dita de 27, foi
removido, a seu pedido, o pmfessor do inslruccao
primaria Mauocl Pereira df Silva, da cadeira da
Albanrn para a de Venda Grande.
i.AHI.NKTK l'0lliU(liEZ DE LEITURA.Ac-
(luiescemlo a h de-ejos de muilos associados, a di-
rectora d'esle eslabelecimento resolveu transferir
I fesla anuiversaria da instbanlo, para o dia 31
de outubro, aniversario natalicio de S. M. F, o
Sr. Luiz I.
WNHEIRO.Os vapores brasileiro Tncantins e
rrancei Eslremadure Iroiixeram as seguintes
quaiilias, para os Sis.
_ os me-
de que se oceupa, e um Appendice,
que I urna carta de Napoleo I ao ministro do in-
terior sobre diversos canaes, que se projectava
"Cuiior.
O Dr. Moraes offerece materia para serias refle-
xoes tanto aos timoneiros do estado, como aos
urasileiros em geral que aspirara o engrandeci-
mento do imperio, e di incentivo para meditar-se
sobro a firmaeo de grandes emprezas, s quaes
sein duvida estao reservados vastos luturos.
Felicitando ao Dr. Morae? pelo importante ser-
vico ue prestuu ao seu paiz publicando urna tal
obra, agradocenwe-lhe a jifera que nos fez de
um exemplar do seu til e bem elaborado livro.
LOTERA.A que se acha venda a 122a a
iienellcio da igreja de S. lioncalo d'este cidade
que corre no dia 6.
i .?P,?'I?S OPFERECIDOS. Numeracao dos
b.'lhetes da lotera 122" oereeidos pelo thesoureiro
uas loteras para auxilio das despezas da guerra
Bilhetes ns. 1480 a 1489. *
PASSAGglROSO vapor nacional Hin/Hw>
vrado dos portos do sul, trouxe os seguimos : '
John Donnelly. Maria da Conceicao, Gustavo A
Walbaun, Dr Jos da Costa Guinaraes, Lniz da
veiga Pessa, Ildefonso de Araujo-Chaves, D. Ma-
na Magdalena Cavalcanli, Joao Francisco de Al-
meida, Francisco de Souza Rodrigues. Antonio Ja-
nuano de Oliveira, sua senhora. 3 fllhos e 1 cria-
uo, i cadete e 11 ex-pracas, 2 escravos do vlscon-
de de Suassuna, Jos Barbosa Vi Hela, Luiz (liber-
to), D, abbade Fr. Manoel de S. Caetane, Fr. Je-
sumo da Conceicao e 1 criado, Antonio da Silva
neg, Firmino Leocadio de Lima. Jos Leandro Lo-
pes de Oliveira, Bibiano Ferreira da Costa Sam-
paio, Cezar Augusto Zonatti, Antonio Bozerra Mon-
e-.\egro, J. Antonio Francisco da Silva Braga,
Llysses de Olinda Leite de Hraexes, Antonio fa-
vares 4ianna, Antonio Manoel Alfredo, Pedro Cor-
ra Vieira. Antonio Lopes Vieira, itozendo Mon-
teiro de Lima, Dr. Joan Vasco Cabial, Amonio
Joaquim de Paria, Manoe! Balbino Gnm-s,Thnma7
de Aqumo Loureiro, Joaquim Ferreira da Costa
Sampaio.
Seguem para o norte :
Buzaglo Joscpbe, Dr. Jos Joaquim Ferreira
Vallo e sua familia,; Eueas Al ves de NascimenU),
1. Paulo dos Santos Perto, Rapbael Serte, Dr. Era-
clito de Alencastro Pereira orara, 18 ex-nracas
2 escrav -
COMPANHIA
BEBERIBE
Pela secretaria desla companhia trr.
pnblico, para conlwcimenlo e quem inte
ressar possa, que os clufarizcs c bicas es-
tar abertos desde as o 1/2 horas da ma-
n at as 9 da noute durante o erae.
Escriplorio da Companhia do Bebente
27 de setembro de 18W>.
O secretario,
I>r. Prxedes Gomes de Souza PHanga.
O administrador da recebedona de rendas in-
ile22i22?s-- p.uhlin) -qae ne:i,c correrte me/
os
profis
as de fra, leejn de paga-lo, bvre de mulla ;
u!'60fl |lrSS"'Spri pag'C0"'a
deRiSe<,"ra de Pcrnambuco' ,8 dt <*tembr
Manoel Carneiro de Souza Lacerto
Santa Casa da MseSra
do Recife.
A Illma junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar com quem
se queira encarregar de fazer sua cusa as obre-
de que necessita o sobrado n. 37 da roa da Moe-
da, coneedendo ella, alem de outras vanteirens o
arrendaniento por grande numero de annos '
Kecebe para isto propostes em cartas fechadas
na sala oe suas sessies devendo os pretenderte^
exammarem as obras de que carece o predio
Secretaria da Santa Casa de Misericordia d,.
Recife, 4 de setembro de 1169.
O Mervio,
____________________fedr(i Itodrigue* di fttniza.
anta Casa la Miswricorttia d
Hecifc.
.Ajnna^jurtaadiinnistialiva da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
ata de suas sessoes, no dia :m do setombro, pela-
tem de ser arremata
quiltro horas da tarda,
quem mais vantngens offerecur, |>elo teniiio de nril
a tres annos, as rendas dos predios em seguida fe-
COMMERCIO.
arcas siaufKs.
-No da 10 de agosio, narra o Sapucalni. foi
assassinado na villa de Cabo-Verde, no logar de-
nominado Venia-Larga,com uintiro, Manoel Cun-
dido de Mello por Manoel Vicente, conheeido por
Manoel Paraguay. O assassino logrn evadir-se ;
p Tm, gracas as providencias tomadas pelo dele-
gado de polica, o Sr. Dr. Carvalho, conseguio-se
a sus capinra.
L-se no Parahybano :
A grande secca vai produzmlo
mmente vio apparecendo incendios
fazendas.
Fomos informados que ha dias umdestes es-
tragn grande parte dos cafezaes das fazendas dos
Amorini Irmaos A C.
Bank of Rio de Janeiro.
Rabe Schmmellau & C.
Pereira, Carneiro & C.
Tasso Irmaos.
David l-'eireira Hallar.
Keller & C
P. M. Maurv.
Oliveira Filiios A C.
J. K. da Silva Novan;.
Pbipps Brothers A C.
A. de Sonta Rogo.
Jos llodnuiii's de Souza.
Carvalho A Nogueira.
Th. Simn A G.
Jos da Costa Maja.
Jo.- Augusta B. Cecilio.
C. A. Soilr da Motla.
J. Gerardo de II isl,>s.
280:000 XX)
100:0005000
96:8!)o000
90:300000
00:0003000
():0000D0
39:9501000
20:0001000
12.000f000
0:000000
4:2003000
1:0703700
l-.OOOOOO
:0000
oOOOOO
4003000
1G03000
1305000
1435000
lias
u rbcantriB trroxe mai* s segnlnles quan-
males. lli-
em diversas
Continuoc em ollimo lugar a 2.' discusso do
art. 3. do projecto sobre reforma policial. Or
'> Sr. Andrade Fignera, licando a discusso adia-
da pela h ra.
Por decretos de 13 do correrte foram nomea-
lo* : f*'m r
O juiz de direito Luiz Antonio Fernandes p.
nheiro chefe de polica da provincia de Santa Ca-
tharina. Marcou-se-lhe o praao de tres mezes e
a aiuda de cusi de 800*000.
O bacharel Joao Vicente Pereira Dutra juiz mu
nicipal e de orphaos do termo da Barra de S.
Joao, da provincia do Rio de Janeiro.
O bacharel Luiz Rodrigues Nunes juiz munici-
pal e de orphaos do termo de Jacobina, da pro-
vincia da Bahia.
O baoharel Floriano Jos de Miranda juiz muni-
cipal e de orplos d termo de Atalaia, da pie,
vincia das Alasas.
O bMfcaret Jos Joaouim adta feves joj qm-
ntolpal e dfrerphaos? Ottelaz, d prowfncla de
Minas Geraes.
Por decreto de 28 de iulho ultimo foi reintegra-
do o coronel Joaquim Ribeiro da Silva no ejerci-
cio de amuaaniiante superior da guarda nacional
do municipio do Sobral, da provincia do Cear;
licando sem efleito o deereto de H de dezembro
de 1867 que o reformo naqaelle posto.
Escce.vem.nas da villa da Estrella:
Fallecen aqu ama senhora, D. Jaaquina do
Armazem, qne contava o pequeo numero de 103
janeiros. A finada andava e va perfeitamonte.
vive hoieentre nos o Sr. Jos Algarve, natural de
Portugal, que j tem tido o prazer de saudar por
*t vew o dirir Ano fem. Em rapaz, diz elle,
fe Um dos tripulantes da galeota de D. Joao VI.

A cmara dos deputados appprovou Bontem, em
primeiro lugar, o. requerimento do. Sr. Araujo
Ges, cuja discusso neou encerrada na sessao
anteeedente, sobre negocios rMivos provincia
da Babia.
. Approvou esa seguida, em 31 discusso, o pro-
jecto revoganda o dlsposto no art. 6 do decreto
'-i l,3ii de, i, de agosto de 1866.
Approvou depois nm requerimento de adiamen-
O offtfBBcido-po fli Pereira da Silva ao projecto
em l di|cus*a% conferindo aos alumnos das es*,
ct as ui*riore de agrionltura o titulo de bactia-
re em scienelrt naturaes.
prosoa mais, era l" discusso, o projecto as-
Srs. Cornelio (da norte), capitao Simao e Joaquim
Lucio, parliade o fogo das ierras deste ultimo. Os
fazendeiros devem avisar aos viiinhos, quando le-
nham de queimar suas rocadas, porque preveni-
dos evitam casos semelhartes.
O pharol do Juiz de Fra noticia :
Demos ha lempos noticia de que na fregue-
aa de Sania Barbara, no lugar denominado Sena
Negra haviam disparado umtiro contra Jos Ma-
riano da Rocha, jjue escapara de ser victima por
empregar-se a carga arma no peitoril uaja-
Sabemos agora que a 8 deste mez foi o infe-
liz Jos Mariano assassinado na mesma Serra 3c-
gra, cahmdo terido por nm tiro de espingarda.
No dislrieto do Descobeito, municipio do Mar
de liespanha, foi assassinado no da 8 do corren-
te o prestimoso fazendeiro Antonio Jos de Arau-
jo, por seu sobrinho Vicente de Lemo* l
no e casado com urna filha natural de Aratijn e
foi sompre protegido por elle, que at o sustewava.
Iiileliftiente ease malvado con .atlir-se. .
s. paulo.
A oapital chegara pre-o no da-44 do cor-
rete, um imperial marmbeiro daeotortaliavaldo
liapura, de nome Rufino, que fra reeolhido ao
quarlel do contingente, atim de responder con-
..clho de guerra.
Este imperial marinheiro ferira na colonia urna
preta, matara um soldaie e constava que tenta-
na\aT director do eslabelecimento
niO DE JANEIRO.
yo senado sao approvados, para subirem
sanecao imperial, as proposicoes : isenundo do
imposto da decima os edificios das pracas do com-
mercio, autorisando e governo a prolongar a es-
trada de rodageirt da capital-para o centro da pro-
vincia da Parahyba, abnndo um crdito ao gover-
no para a compra da ilha das Enxadas, autori-
sando o governo a contratar a eoaslruccao de d-
cas em diversos portos do imperio, o bolindo o
transito pela chancelaria das retecoes de qoae-
quer papis forenses.
Achavam-se votados em segunda diseussao, taes
como foram da cmara dos deputados, os'arts.
3, 4o e 5o da lei do orcamento geral do imperio,
relativos aos ministerios da Justina, dos estrangei-
ros, e da marinha ; fleando adiado o 6rporain-
'da se nao ter votado a fixacao de forcaa de ierra.
Hp dia 20 comecaram as discusse's : 2 da fi-
xacao de forcas de trra e 2" do art. 7* de orca-
mento geral do impfcrio, ministerio da fazenda.
A a'ra"dega da corte rendeu, de 1 a 23 do
correrte 2,086:0823480.
'Ei,jas .nol|cias commerciaes da ultima dala :
. Indurado traosaoces eov cambia menos que
regulares sobre Londres a 19 1/4, 3/8 a i9 i/i
tart^''111^' 9 P* MM a 495 rs. por franco, enVctuadasv soraiaan os
saques para o paquete france Ettrw^mdnre
Para a P.ialnba. oo:2()05000
o Natal. ,00o
o Cear. 106:142JB50
o Maranhi i 6S:S3O|000
o PWf. LloOSOOO
Para a Europa leven, o vapor raneez 16,000
francos em prata e ouro.
CRUZEIRi DO SUL.-A stttMa deste vapor, da
corte para o norte do imperio, aetiava-s annnn-
eiada para o 1" de eatubfo.
ASSKMIii.lvV 0BRAL.Segundo carias da cor-
te, anda seriara do novo prerogadm as cmaras
at 5 ou G, caso nao coucluisse o senado a discus-
So das leis anmiaes.
BISPO DIOCESANO.-Seguio hontem para a
Europa, bordo do Estremadure, S. Exc. Rvina.
o Sr. D. Francisco Cardoso Avres, nosso bispo di-
ocesano. S. Exc. Rvma. foi acomp mhado at bor-
do por diversas autoridade- c sacerdotes.
Urna guarda de honra, de um dos corpos da
guarda nacional, fez-lhe as honran doeslvllo;
dando a fortaleza do Bim a salva do costume.
Durante a ausencia de S. Exc. Rvma., ficam
governsndo o bispado os Rvms. providor conego
Gama, Dr. loairafm Graciano de Araujo, vigario
geral, i' conego .Marcelino Antonio Dornefao.
ilOSI'ITAl. PEDRO II.-Devendo boje funecio-
nar a junta administrativa da Santa dasa ds Mise-
ricordia, pedem-nos qno tiio lembremos a conveni-
encia de se tratar, desde j, de agenciar Rmati--
vospao leilio qne una fazer no dia de
S. Pedro do Alcntara-, e que fao bem resultado
tem dado esta estabdceimenl
INSTITUTO ARCHE0LOGIC0.-Reune-se boje
em sessao ordinaria, essa associaino.
HrPOSTOS rTOVINCIAES.-Hoje .: o ultimo dia
ilo receliimento d"e taes imposlos, relativos ao anno
fintfo de !86t-69, cujo semestre addicional encer-
ra-se delmitvamento.
SEDULAS EM SriiSTLUlCAO. -D'amanbaapor
diante fieam sujeas taes sedulas, de 5* e tO#, ao
leaeMto propereianal de 10 por cento por mez
at completa demonetisacao.
COMPANHIA PER?UMB{;CANA. Encerra-se
tambera boje o prazo para a lomada de apolices
'essa companhia.
COMPANHIA DE BEftSMB.Durante o verao
estao abertos os ehafarizes e leas da companhia
at as 9 hoaae.da noite.
FESTEJOS PUBUCIW. Co;sta-no^ que um
Srofessor publico de mstrticcao primaria (testa ci-
ado tem a idea, oom acqoaspfcncia dos-respecti-
vos pas, de organisar o- em bata-
Riao patritico, devidamenle ooifalmsado, para
assim tomar parfe- tambem no regosijo publico
acia terrainaco da guerra.
Soria bom, que os domis coHi^gas de magiste-
rio esposassem a idea, o assim (urmasaem, nao pe-
queas seccoes, mas ura respe tavet corpo de in-
fentis soldados patriticos.
MINISTERIO DA Jl -SIICA-Por este ministerio,
era 17 do correrte, foi atmeedido v.ih .inno de li-
enca ao i d commerek)
e Pemambuco, Manoei'ne Carvalho Paes de An-
erad*: e prorogada por ilotis mezes, com erde-
Bade, a lieenea. concedida ao juiz de dreto da
ImpevaWii, no Ceaf, Dr. Salsstiano QMnclo de
Arataf Costa,
IMPORTAJffE OBRA. Erinardo Jes
de-Meraes, babtl migenbeiro q<*.e ue nm dafleartri
PRAfA DO RECIPR 29 DE SETEMBRO DE 1869
AS 3 1/2 H0HAS DA TABDB.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 3|4 d. por
1UUU.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Noy Banco de Pemambuco
em liquidaeo, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem. receber o
Multo dividendo de nm e meio por cento
do capital: s quarta-feiras e sabbados.
Caixa filial do banco do Brasil
em Pemambuco. em iiquida-
cao,24 de setembro de 1869.
Pela caixa filial se faz publico que as
notas de sua emisso de valor de 200000,
de n. i 17,501 por diante e que esto sendo
substituidas na thesouraria geral pelas di-
laceradas, nao sao rubricadas, e smente
assignadas por um director do banco, e
pelo liquidante da caixa abaixo assig-
nado.
Ignacio Joaquim d Souza Leao,
ALFANDEGA.
Hendimentodo dia 1 a 28. 712:009*033
dem do dia 29......24.9741142
OOo
160400o
1841000
20O0C'ii
'iOOli
clarados
ESTABELECIMEMOS DE CAIIIDADE.
lina do Calatmiieoti
Casa terrea n. 20, por auno '. i#.
Ba do Fagnnd-'s '
Casa terrea n. 32. por anuo .
lina do Padre Florianno.
Lasa terrea n. 49. idem.....
Itua da Tirarla;
Lasa terrea n 19 .
PATRIMONIO DOS Ulii'liOS.
Ra do Pivs.
Casa terroa n. 3(i. .....
Ba da Cari..iba.
Casa terrea n. 10....... mm>
Ba do Pilar.
Casa terrea n. 10o ................ mm,
dem n. 96...................... m
Sitio n. 5 no Perno da Cal. .,........ ISOjOt
uspretendentes deverao apresentar no acto da
arremata cao as suas tiamis, ou comiiareaerein
acompannados dos respecrrrds' dadores
Secretar da Santa Casa da atboricoVdla do Bc-
ctfe, 24 de setembro de 1809.
O cscrivao,
Pedro Rodrigues de-Snuza
73G:98377o
MOVIME.NTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem cora gneros
143
4S4
------627
97
120
------217
luapefco do arseual de
marinha.
Faz-se publico que a commissao de peritos
examinando na forma determinada no regulamenti.
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de feverciro de
1854, os_cascos, machinas, caldeiras, apparelbos.
mastrea^oes, velamos, amarras e ancoras dos va-
pores Cururipe e Mandah da compjinliia Pernam-
bucana de navea>can costeira, Caiwiragibe a Ufe-
loque da companliia Vigilante de aeboq'ue. aetteu
todos esses objectos em estado de poderem os va-
porea continuar no servico em que se emprwam
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernaibu-
co 28 de setembro de 1869.
O inspector.
H. A. Barbosa de Almeida.
Descarregam hoje 30 de setembro
Brigue inglezJessie Scottmerc.adorias.
Escuna ing1eaa=Bcmidem.
Lugar.norte-allemaoRerthoeridem.
Escuna inglezaRattin idem.
Patacho inglezReis Ueideu
Barca i;iglezaZepliei inadem.
Brigue inplez.Verilbacalho.
Patacho inglezHaideedem.
Brigue austracoNtale S.farinba de trigc.
Escuna inglezaPandorq-Warinha de trigo.
Barca ingleza^rm==feTro.
Brigue norte-alleraao Willebaldtaboado.
Escuna austracaElena P farinha di- Oigo.
Patacho inglezJulio Lmafff^earvo.
BECEBEDBIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 28. 53:137*429
Idem do dia 29...... 1:341*703
34:499*132
Para Lisboa
O brigue portugnez Bella Figucirense, capitao
i Correia de Cirvaldo S >hrinho, recclie carga a
frete : trata-se com E. H. Ilabello ra do Com-
m-ivio n. 44, 2" andar.
Eio de Janeiro.
Para o indicado porto, pretende seguir com
inuita brevidade o brigue nacional itoM, por ter
a maior parte da carga engajada, e para o pon-
co que Ihe falla, trata-se com os eomlgnalaHos
Antonio Luiz dn Oliveira Azevedo & C, a ra d;i
Cruz n.57, primeiro andar.
CONSULADO PROVINCIAL
Hendimentodo dial a 58. 77:3813512
dem do dia 29....... 8:235*524
85:61736
tartos entrados^ da 2ff.
Rio de Janeiro e portos intermedios7 dias
vapor nacional Tocantin*. de 7">2 tonela-
das, commandante J. M. Franco, equipa-
gem 52, carga differentes gneros ; An-
tonio Luia de O. Azevedo A- C.
Bahia6 dias, barca ingleza Dingartm, de
245 tonelufas, eapitto Lightborly, tqni-
pagem 15, em lastro; James Ryder
4C.
Rio de Janeiro e BabiaB dias, vapor fran-
cez Extra-madure-, de 1279, toneladas,
commandante R. Geost, equipagem 114,
carga differentes gneros; Tisset Frere.
Navios sabido? no mesmo dia.
Bordeaux e portos. intermedios Vapor
francez Extremadme, commandante
Geost.
LivorpoolPatacho norte-allemao L Pla-
ta, capitao C. Molkombloz, carga algo-
dao.
Obterro^ao.
Sospenderam do lamrao para a Parahyba
a barca noruega Hermanos, capito P. Hauff,
com. o mesmo-bstro que trorne do Rio de
Janeiro.
Rio de Janeiro
Para o indicado porto pretende seguir com umi-
ta brevidade a barca poriugueza S. Joao, por ter a
maior parte do seu carregamento engajado, e para
o resto que Ihe falta, Irala-se com o consignatario
Joaquim Jos Gonealves Beltrao, ra do Comuier-
co n. 17.
Sebre Lobdrea cere*aVV woyiefr a W. a.wtariov bydwgra; Vtepn- dem para a Parahyba,. pataetto r
Companhia americana o kasiloi-
ra de paquetes a vajwr.
At o dia Io de outubro e petado dos portos
do sul o vapor americano Smilli America, o qual
ilepois da demora do cosiumo seguir para New-
YarK, tooaad no Pani e S Tiioniaz ; para frotes e
passagens trata se cora os agentes Rtirv Porsier
& C, ra do Trapiebe n.8.
Para Montevideo
Devo seguir em poneos d as o novo e ttfeiro
ptacho allemao Diamanl, o qnal tem una excel -
lente cmara para pasaeiros quem qnizeranro-
veitar essa boa opportunidade para passagens <
dingir-se para tratar a bordo com o capital mt
rira do Vigario n. 1, am\ir, escriirtorio do
Baltar, Oliveira A C.
LEILOES.
LEIliO
De tOO saceos eom fcljiio l>ra
sen marea.
ROJK.
L. *. Burle & C. farao lefRo p.^r conta e r
deqoem pertencer por mwrvenco do ageni.-
Fesiana.e em pre -n^a do vicecnsul do naba
de 28 saceos c m letjao brinco sem marca ava-
riado d'agua salgada v ndos do Genova na .ba
i aliana Rosa, caoiao fflvOKi. eniradn nesfe porto
e i. 3 do (Mrenle, os quaes sera vertidos qnm-
la-feira 30 do correntc s 11 horas da matti
uo armazem do Annes.
m
IUGIVE1
r


**"


PSW,.*"




*
Diario /le Pernambuco Quinta feira 30 de Se4embro de 1869
-
LEILAO
me terreos e qnatro partes de
u 01 sobrado.
O agente Puntual competentemente autorisado
vender ein leiiao os lerreuos seguintes : sendo o
\* com las fenles (de 41 palmos e 29 de fun-
do) um para ra da Uniao pegado a easa ter-
i-ea dos Uerdeiros do Sr. Francisco Sergio de Mal-
los e outra para a ra da Sandaae ; o 2* com os
mesmos palmos de fronie c fundos que o 1 e no
inesmo segniment, tendo nina frente para ra
da Saudade e ouira pnfa ra dos Ferreiros ; o
3 na estrada do Chora Menino defronte do sitio
la Sr. Dr. Fonsoca, com 30 palmos de irent- e
luientes e tanto a 300 de fundo, sendo murado
no fundo e cerca de limoeiro na frente, solo pro-
pro e 4 partes do fobrado de 2 pandares solo fo-
reiro, sito ra da Guia n. 29 (pechincha !)
110JE.
No andir do sobrado n. 62, ra da Cruz, as
il horas.
1TENCA0
Porgnla-se a mesa regedora da irmandade de
N. S. da Solodade, que servio no anno de 48GS,
principalmente aos senhores escrivao e tkesoureiro,
anal foi o destino que tiveram as madeiras velhas
a cubera da igreja e o forro de amarello do corpo
da mesma que se lirou ainda em perfeilo estado,
para se poder fazer dito concert, visto ter sido fei-
to pelo Sr. tliesoureiro, como consta de suas
contas
O irmao- observador.
Attenpao
LEILIO
De SO saceos com feljo miila-
tlaho. & oarrls rom kauha,
barr* com vioho verde.
Je.
O ageMe Pestaa fa leiiao por roma e risco
*e quem pertencer dos gneros cima tudo para
fechar facturas : quinta-reir 30 do corrento no
armazem do Annes largo da alfandega as 11 ho-
ras da manhaa___________________^_
"LEILAO
Em continuapo
Do variado deposito de loiica,
vid ros. porcelanas c crystaes
sito
Ra da Cadeia n. G.
O agente Oliveira continuar o leiiao dos a
tigos supra mencionados, em lotes a vontade dos
pretndeme*, as i i horas da manha dodia
HOJE
Furtararn da estribarla do ongenho Mucambique
tres cavallos, a saber : um quarto alavao. com
tres ps calcados e a frente abena, j velho o com
varios ferros; um castanho, grande, que anda
baixo e meio, com urna eslrell na testa, e tem
varios ferros ; um castanho, pequeo e muito es-
perto, mas c quarto e tem varios ferros : quem
achar estes quartos leve-os ao engenho Mucam-
bique a'entregar ao dono, que ser recompensado.
Aluga-so urna casa terrea, sita na ra da
Casa Forte confronte ao sitio do Boa Fama, por
cinco mezes : quem pretender dirija-se mesma,
ou no pateo da Penha n. 10 (progresso)._______
De movis, louea e vldros.
A SABER:
Um piano forte, 1 harmnico, 1 mobilla de Ja-
caranda, 1 dita de raogno, castieacs com mangas,
andieiros a gaz, 1 rico espelho com moldura dou-
rada (grande). 2 cadeiras de bataneo, descancos
de ps 1 cama franceza, 1 toilet, 1 guarda ves-
lido de mogno com espelho, 1 bcreo, 1 guarda
roupa. 1 coinmoda, 1 santuario de Jacaranda, 1
machina de costura,
lima mesa elstica, 1 guarda lonca, 2 appara-
dores 1 sof, 12 cadeira-, dilTerentcs mesas, lou-
<., apparelbos para toilet, copos, clices, garrafas,
eompoteiras, t duzias de garrafas com vinho do
Porto, 1 cama de ferro, 1 quartinheira, 1 cabide,
1 jardineira com pedra miniore, 1 palaquim,
1 burra prova de fogo, 1 caixa com arreios de
metal para 1 cavallo eontros ohjectos.
Sexta-feira de outubro
no sobrado da roa do Imperador n. 29.
O agente Pinto autorisado por urna familia que
Mira-so para o Para, far leiiao dos movis e
niais objectos cima descriptos pertencentes a sua
asa de campo, os quaes objectos sero transpor-
tados para o sobrado da ra do Imperador n. 29,
oii'lc se electnar o leiiao no dia cima dito.
Principiar as 10 horas.
LEILIO
EM PiRAHYBA
O leiiao dos sobresalentes e mantimentos da ga-
lera ingleza I-uncashire, aimuneiado para hoje 27
lo corrente, Sea transferido para sexla-feira 11
de outubro.
.AVISOS DIVERSOS.
t
Guilherme Patricio Bezerra Cavaleanli roga as
pessoas de sua misaje, o caridoso obsequio de as-
-i-tirem una missa na, pelo repouso eterno de
sua sempre lembrada esposa Landelina de Sonza
Cavalcanti, manda celebrar na matriz de S. Jos
amanha, i de outubro (s i horas da madrugada),
trigsimo d a de seu fallecimento.
Vende-se um bom cavallo de sella, de muito
bons andares e um cabnolet de rodas, com os
arreios em perfeito estado- a tratar com o dono
na ra das Cruzes n. 33 taberna.
Precisa-se de urna ama para andar com urna
menina recem-nascida, e tambem compra-se urna
escrava que cozinhe : a tratar na ra da Cruz n.
6, das 9 horas s 4. _____
Ama
Precisa-se de urna ama livre, preferindo-se por-
tugueza. para cozinhar em casa de homem soltei-
ro : na ra da Cadeia n. 30, sobrado.
OITerece-se urna mulher idosa para ama de
casa homem soltelro : na ra de Aguas Verdes
n. 43.
Jaboato
O abaixo assignado vem protestar sobro a phi-
lanlropia de que este jornal, deu noticia em prin-
cipio do corrente mez ; (sem duvida mal informa-
do o seu redactor) de ter D. Joaquina Maria do
Espirito Santo, alforri;.do seus escravos, pois que
sendo esta senhora casada cora o abaixo assigna-
do muitos annos, e nao tendo havido entre elles
separarlo do bens e nem contrato algum de es-
crituras de barras, desquites, etc., Dio pode em
face das nossas leis alforriar ou dispor dos nossos
bens, e ento so pode a isto attnbuir aos conse-
Ihos qne sem duvida recebe ella de seus sobri
nhos, que tudo isto movem, para locupreta-
rem-se dos servidos desses alforriados, e na mor-
le desta senhora, constituirem-se seus herdeiros,
visto que nao temos lilhos, e nao prevalecer as
suppostas alforrias ; pelo que faeo publico da il-
legalidade do semelhante attentado as leis do paiz,
e protesto desde j contra os autores por qualquer
prejuizo, damno ou offensa que me possa resultar
em consequencia da desobediencia que est e
possa resultar dos referidos escravos para comigo,
lelo que peco as autoridades do paiz, garanta-me
no direito de minha propriedade.
Pao Amarello no engenho Macug, 22 de setem-
bro de 1869.
Manoel Joao de Oliveira Pina.
Ama 20$000 Ama
Na ra dos Pires sobrado n. 27 pagase 20
mensaes por urna boa cosinheira e se for escrava
se pagara mais, com tanto que seja de boa en
ducta.
O Sr. Augusto C, de Mello L'Eraistre.estudan-
le do 4* anno da faculdade de direito, quefra vir
ra do Queimado n. 29, loja de fazendas.
Feitor
Precisa-se de um feitor de raeia idade e que d
informacoes de sua conducta, para um sitio perto
desta praca : a tratar na ra do Arago n. 32.
Precisa-se de nina ama para ca?a de pouca
familia : na ra do Caldeireiro n. 68.
Na travessa da ra Bella n. 12, engomma-se
para homens e senhoras, e cosem-se obras de al-
faiate, dando-se liador.
Gabinete Portuguez
de Leitura.
A directora seientifica a todos os Srs. associa-
l3s e mais pessoas convidadas para assistirem ao
aniversario do Gabinete Portuguez de Leilura, o
mal eslava marcado para o dia 3 de oulubro
troximo vindouro que, em virtude de pedidos de
muitos Srs. socios, (lea adiada a referida festa
aaniversara para o dia 31 do mesmo mez, auni-
versarlo natalicio de S. M. F. o Sr. D. Luiz I.
Outro sm, ticam sem effeito os annuncios pu-
blicados para a su theca do mesmo estabelecimento.
Secretaria da directora do Gabinete Portuguez
ile Leitura em Pernambuco 29 de setenabro de
1869.
Joaquim Xavier Vieira Ligo,
Io secretario.
Fugio desde o ultimo do mez de junho, o
preto Jacob, tendo os signaes seguintes : estatura
baixa, magro, fulo, olhos pequeos, rosto compr-
do, tem ponca barba, os denles da frente perfei-
ros, bem fallante, os ps pequeos e seceos, os
dedos minimos de ambos os ps tem um vinco
ramo se lives.se amarrado um cordao : a pessoa
que apnrehende-lo dirija-se ra- da Imperalriz
u. 44, t- aadar, que ser generoiamente recom-
pensado.
Ompankia dos trilhos u ba-
os do Eecife Olinda.
Nao tendo algum dos seahores accionistas satis-
feito as 2a, 3* e 4* chamadas de 68 accoes, pelo
que, perderarn o direito a ellas em face do ai t. 8
los estatatos, por ordem da direeeo, se faz pu-
blico que, se recebem propostas at o dia 5 de
outubro prximo futuro, no escriptorio do thesou-
reiro, Sr Jos Baptista Braga, ra Nova n. 33, so-
bre as raesmas aceOes. As condiedes das propos-
ras o pagamento, contado, de 3fi 0/0, sobre
iOOf, valor de cada urna accao; observando-*e
as disposicoes do art. 37 dos estatutos.
Escriptorio da companhia, Recife 29 de setem-
bro de 1869.
JoaoJoaqaim Alvos,
___________ 1 secretario interino.
Foi loriado do cercado do engenho Bonito.
.oraarcadeNazareth.fregoeza de Tracunhem,
iloua quartos castanhos, ambos castrados, tendo
Mdo furtados na noite de sabbado, 24 do corrente,
is quaes tem o ferro da fazenda : roga-se a qual-
quer das autoridades e pessoas particulares, que
- ndo encontrados, serem tomados e entregues
i, ou no Recife a raeus correspondentes Leal &
irmao, que ser paga qualquer despeza que se
iver de fazer.
_______Ignacio Xavier Carneiro Albnquwque.
Oaixeiro
-se de nm caxero que tenha pratica de
de carne, e que d fiador a
O bacliarel Antonio Podro Ferreira
Lima, inventariantc dos bens da finada D.
Maria Adriana Carneiro, de quem herdei-
ro o Visconde de Loures, faz sciente a to:
dos os nquilinos dos predios abaixo men-
cionados que elle o nico competente pa-
ra recebar os alugueres dos mesmos pre-
dios, visto serem estes pertencentes i refe-
rida heranca. para cojo flm, ou para outr
qualquer negocio, pode ser procurado em
seu escriptorio de advocada, ra do Quei
mado n. 39, Io andar, entrada pelo pateo
de Pedro II, das 10 horas da manhSa s 3
da tarde.
Ra do Apollo.
Sobrados ns. % 4, 12, 14 e 1G.
Ra do Trapiche.
Sobrados ns. 13, 15, 17 e 42.
Roa da Imperatriz.
Sobrados ns. 86 e 88.
Ra do Hospicio.
Sobrado n. 53.
Ra da Aurora.
Sobrado n. 36.
Ra da Saudade.
Casas terreas ns. 23, 25, 27, 29, 31,
33 e 35.
Rua da l'nio.
Casas terreas ns. 58, 60, 62, 64, 66
e 68.
Cruz de Almas.
Sobrado n. 6.
Na rua Bella n. 3, precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar, comprar e engommar. preferindo-
se escrava, para casa de urna familia de tres pes-
soas.
a
Estrada de ferro de Oljnda
Beberibe,
Compra-se dormentas com_ as dimensdes se-
guintes : coHipriment 10 palmos, largura 7 o
meio a 8 polegadas, grossura 3 e mera a 4 | le-
gadas, sendo das madeiras seguintes : sicupira,
oiticica, amarello, louro verdadeiro, cedro, pao
d^arco, laranginha, e outras dyeconhecida dura-
cao para a cbo, e que nao sejarn lascadieas, tudo
de quina ni va, podendo os prelendentes'apresen-
tar suas propostas em carias fechadas, dirigidas
esta superintendencia, no armazem provisorio
da mesma estrada, na rua da Aurora, das 6 da
manha s 4 da tarde, at o dia 30 do corrente.
Recife, 22 de setemero de 1869.
O superintendente,
Aair de Abre* Parla.
Precisase de urna ama para o servir interno e
externo de una casa de pequea familia, prefere-
se escrava : na rua das Cruzes n. 28, 1 andar.
Precisa-se de urna para cosinhar para rapa-
xf solteiros ; na rua de Hortas n. 7 refinacao.
Leoncio Goncalves de Arruda, natural do Rio
Grande do Norte, segu para Roma concluir seus
estudos no collegio americano.
1!
Precisare alugar um preto para o servico
externo de refinacao : a tratar na rua Direita nu-
mero 10.
O testamenteiro do fallecido subdito francez
Joao Vignes, convida aos devedores do finado a
saldarem seus dbitos amgaveimente, do contrario
serao ajuizados sera excepcao alguma.
O advogado
Affonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
riptorio para a rua das Cruzes n. 37. defronte da
typographia dn Diario.
Precisa-se de urna ama para servico de pouca
familia : a tratar na travessa,de S. Jos n. 35, se-
gundo andar.
Aluga-se orna casa terrea n. 40, sita na rua
Direita dos A togados: na rua do Caldeireiro nu-
mero 50.
Casa para alugar
Aluga-se urna boa casa assobradada, sita na So-
ledade rua de Joao Fernaiides Vieira, com basr,
tantes commodos para familia, com cocheira, es-
tribara equartos para criadbs, toda canalisada
para ser Iluminada a gaz, pintada de novo o bom
quintal com portao na frente; a tratar na rua
Nova n. 3.
Lolleeeo

de varios regulamentos de impostos altera-
dos e creados
pela lei n. 1507 de 26 de setembrode
1867, compreoondendo
os de pessoal, escravos, industrias e proissoes,
sello (organisado alpliabeticamente, explicando
cada acto a que sello est sujeito se se deve en>
pregar estampilha ou verba, no prmeiro ca*o
uem deve inutilisa-Ia), transmisso de proprie.-
ade, dizima de chancellara, emolumentos, multad
applicadas fazenda publica etc. etc., e era appen-
dice o d-j cofre de depsitos
pblicos
notados com as
instruccocs e decisoes posteriores
at a presente pubhcacao
por
Francisdo Augusto de Almeida,
lescrpturario
da recebedoria de Pernambuco :
acha-se no prelo e breve a ser publicado ; as-
signa-se na rua estreita do Rosario n. 12, per 3*
o volume ; depois de publicado CHstar 4*5 para
quem nao assgoar. Torna-se de grande utlidade
aos Srs. advogades, solicitadores, negociantes e
funecionarios pblicos, a acquisjao deste tra-
balho.
TRILHOS RRANOS
DO
Recife Apipucos.
Do Io de outubro p oximo futuro em dianto a
empreza far observar restrictamente a ultima par-
to uo art. 2 do regnlamento do Exm. Sr. presi-
dente da provincia/que obriga os Srs. assignantos,
assim como as pessoas que tiverem passes do
governo, a conrervar c m sigo os seus respectivos
t>lhetes ou passes, para os apresentarem quando
forem exigidos pelos empregadoc do trem, sujei-
tando-se na falta a > pagamento da viagem, segun-
do a tabella do prego das passagens.
Escriptorio da empreza 24 de setembro de
1869.
W; Rawlinson,
_____ Geronte.
Na rua do Mondego n. 61 precisa-se de um
homem que entenda de plantajes para tratar de
um quintal.
A pessoa que olferece muito dinheiro pos u
aluguel da casa do pateo do Tergo n. 19, queren-
do comprar a armado existente na mesma, cde-
se a chavo.
Precisa-se de um criado para todo servido de
hotel, paga-se bem, prefere-se escravo : a tratar
na rua estreita do Rosario n. II, hotel Lisbonense
Veneravel ordem terceira de
S. Francisco do Recife
Estando vago o lugar de sachristao de nossa
yenaravel ordem, por assim haver requerido o
irmao quo exercia as funcees deste cargo, e em
virtude do artigo 146 dos estatutos, convida o nos-
so charissimo irmo ministro, aquellos de nossos
irmos, que se acham no caso de poderem bem
desempenhar o dilo lugar, que "dlrijam suas peii-
et's mesa regedora para serem attendidos.
Secretaria 28 de setembro de 1869.
Jos Rufino Climaco da Silva,
___________________Secretario. .
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
Xo Reelfe arco da Coaeelco o. 9
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagaro as sortes que sahirem
no mesmo bilhete com o descont da lei somente.
PRECOS.
Bilhete iuteiro 24O0O
Meios 12000
Quartos ti 000
E de 1005 para cima a 22S o bilhete.
____ Fgueiredo & Leite.
AMA
Francisco Moreira dos Santos Andrade vai i
Europa tratar de sua sade.
20:000^000.
Bilhetes do Rio a venda, rua do Cabug n. 2
Casa da F. Precos do eostumo.
CASA DA F.
Orecisa-se alugar um menino de 12 a 13
annos, forro eu captivo, para o sorvico de duas
pessoas ; assim como de um moleque ou um pre-
to que entenda de eozinha, que seja fiel e nao 10-
nha vicios: a tratar na rua dos Osso?, onde est
o hospital de Santa Thereza ns. 42 e 24, ou na pra-
ca da Independencia n. 39.
F de importancia!!!
O aviso que faz o Campos da rua do
Imperador n. 28, pois s elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que tSo anciosamenle eram espera-
dos de Costa 4 Irm2os, e sa"o elles das se-
guintes marcas : exposico Normas, impe-
riaes e Havaneiros. A elles antes que se
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitos outros gneros anto para
mesa, como para despensa, o seguinte :
Camares seceos do MaranhSo.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel do S. Jo5o do
Rio-Novo.
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psdr5o francez, (metrico-decimal).
ASSIM COMO.
As tabellas que mais aceitado tem merecido
das casas de coramercio em grosso e a re-
talbo, smente pea fcil
commodo preco, s no
comprebenso e
Notas das caixas filiaes do banco do Brasil
trocam-se com mdico descont, na loja de Manoel
Soares Pinheiro, praca da Independencia n. 22.
Na rua Direita, loja de calcados n. 32, pre-
cisa-se de dous officiaes sapateiros de ponto, que
sejara peritos e assiduos, paga-se bem.
Aluga-se
urna ca a em Beberibe : a tratar com J. I. -le M.
Rogo, rua do Commercio n. 34.
Cosinheira
Na rua do Crespo n. 6, precisa-se de urna
soa para cozinhar. agradando paga-se bem.
pes-
Precisase fallar com os seguintes sen tures :
Joaquim Apolraario Mayer, casado com Catharina
Mayor, seus lilhos o Dr. Manoel de Moraes M:
Mayer, Jos Gabriel de Moraes Mayer, Gertrudes
Perpetua Mayer da Fonseca, casada com o Dr.
Manoel Gomes da Fonseca : dirijam-se a rua lar-
ga do Rosario n. 10.
Armazem do Campos
SEGURO
Imperial companhia de Londres
Por ses agentes nesta praca
Samuel Power, Johnston & C.
Rua d Senzalla Nova n. 42.
Faz publico que tem aberto urna agencia nesta
praca de seguros contra fogo.
Os ageutes uslao autorisados a emittirem apoli-
ces, ficando assim os segurados desde logo segu-
ros contra qualquer prejuizo, que possan sofl'rer
causado pelo fogo.
Os agentes estao autorisados a averiguaren)
quaesquer reclamacoes e depois de competente-
mente examinadas a saldarem (como j tem feito)
por meio de saques sobre a companhia em Lon-
dres ao cambio do dia.
A companhia prometi prompta verifleaejio de
qualquer reclamaco, assim como prompto paga-
mento, concluida que seja satisfactoriamente taes
verificacoes.
As pessoas que quizerem effectuar qualquer
seguro bastaro remetter a esta agencia urna nota
indicando somente a rua e numero do predio que
desejarem segurar ou em que estiverem deposita-
das as mercadorias, assim como as quantias.
Samuel Power, Johnston 4 C.
Agentes.
Rua da Senzalla Nova n. 42.
COSTREIRA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran
ceza, por preco commodo, na rua Augusta
n .112, e d-se flanea sobre as mesmas.
O Sr. Jos Marcelino de Souza tem urna car-
ta vinda da Babia em casa de Tasso Irmos, rua
do Amorim n. 37.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRAFOSO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
esta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mollias: a
roa do Vigaron. 4, pavimento ter eo.
Troco miudo.
ATTENCAO
Henri Stoffels retira-se para Montevdo,
se alguera se jolgar ser seu credor fa?a favor
de receber na rua da Cadeia n. 36.
de
Rua do Imperador I
Agr & C, hquidatarios da extracta firma
Qumteiro & Agr, rogara a todos os devedores da
mesma, que quanto antes venhatn saldar seu d-
bitos ; e nao_ o fazenda at o dia 1S de outubro
prximo, sero as contas entregues ao procurador
para as haver judicialmente, pois que esta a se-
gunda vez que fazem este pedido, afim de nao ha-
ver queixas, e nao serem tambem onerados eom
custas.
Da-se bom premio por sedulas de 1*000, 2;
'i, 104 e 204 (nova estampa: na casa de Theo-
do-ro Siraog ^ C^, largo do Pelourinho n. 7.
A companhia Pernambucana, nao tera duvi-
da em expedir para Goyanna, no dia que se con-
vencionar e as horas, o seu vapor Parahyba, afim
de conduzir os passageiroa que deseiarem ir
assistir afestividade dooragonaquella cidade. E*
porm, para esse im mister que as pessoas inte-
ressadas e que assim o desejarem, comparecam
hoje no sen escriptorie para se entenderem res-
peuo, e se fazerem os respectivos annuncios.
Precisa-se de un forneiro o um amassador:
na padaria allomaa de Santo Amaro.
Aluga-se um sitio nos Remedios margem
do rio, com boa casa e bastante arejada, e com
vantagera, e entre os arveredos que tora, encontra-
se para mais de 30 ps de coqueiros que j botara:
no armazem de materiaes na rua da Concordia.
Aluga-se urna preta moca para o servico de
urna casa e carregar meninos : a tratar na rua do
Hospicio n. 24.
Precisa-se de nma
rua da Imperatriz n. 9.
ama para cozinhar : na
ra rua dai'raia d. ?.
Ao pala le familias.
A abaixo assignada, competentemente autorisa-
da pela directora geral da nstruccao publica, en-
sina primeiras letras, todo trabalho relaitvo a agu-
Ihas, msica comprebendendo piano e canto, e
francez. Os senhores pas de familia que se qui-
zerem ntilisar de seu prestimo, confiando-lhesuas
meninas, podem dirigr-se a rua do Vigaro n. 10,
2* andar. A abaixo assignada nao somente recebe
algumas externas como internas, e por honorario
razoavel.
Jowpha Maria Souto daCo?ta.
.4U
Precisa-se de urna ama livre para tratar de me-
ninos : na loja de livros ao p do arco de Santo
Antonio, ou na rua ao Hospicio n. 40i
Caf Sania Isabel
RESTAURAPIT
llavera telos os das
Oerveja em copos.
Bire en choppel.
Schoppen bier.
Comidas todas as horas.
Recebe assignantes.
Para festa.
Aluga-se um sobrado do un andar na rua do
Amparo a. 22, era Olinda ; para ver, podom pedir
a chave na taberna do Sr. Guilterme. jante do
mesmo sobrado, e para tratar, na praca da Inde-
pendencia, loja de calcado ns. 37 e 39.
Precira-ao atufar urna rea Ierra ou escrava
que saiba engommar, cozinhar e eemerar, da-te
bom salario : na rua do Pires n. 79.
Advocada
O hachare! Francisco Gomes Prente
mudou o seu escriptorio de advocada
para a rua do Queimado n. 18 primeiro
andar, onde pode ser procurado das 10
horas da manhaa as 3 da tarde.
Joaquim Jos Gon-
jalves Beltrao
RUA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ras-
co do Minho, em Braga, e sobre os segis-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova dejFamaiicio.
Lamcgo.
Lagos.
Covilta.
Vaojal(Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Bar cellos.
Na praca da Independencia n. 33, se da di-
oneiro sob penberes de ouro, prata e pedras pre-
ciosas, e seja ejoal KJr a quantia : na mesma casa
se compra e vende objectos de ouro e prata, e
igualmente se tu toda e qualquer obra de eneom-
menda e todo qualquer concert tendente
mesma arte.
NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O dernonio mudou-se por sua livre e expontanea vontade
VIVA 0 DIA DE S. BARTHOLOMEU
Agora ninguem presuma que foium demonio qualquer, fot
0 BOM DEMONIO
Mas nao sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE ATE PARA UIAIS PERTO DA MATRIZ
$eu dominio est hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RUA Dd ARAGAO N. 32
VI1\IIAM VE-IjO
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostra
E as diabruras que faz!!!
Negra tranca no eolio lhe ondeia
Solta briza ao mago desdem ;
Deita a fronte n'um peito e conhece
Quantas maguas o seio contm.
Esta linda e gentil creatara tambem
Queijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bohmnlias,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Para agrada',
Venhatn freguezes
Que bao de goslar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia, em que este importante armazem de mo-
ihados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da rua do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres genen s por precos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 10300 por >00 Vinho bordeaux em caixa, 70000.
grammas.
Dita dita a 10200 idem.
Dita dita a 10000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Chfino superior a 30500 idem.
Dito dito a 30200 idem.
Dito dito a 30000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 240 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes cora sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Fructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata.
Ditas s de pecegos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 10000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de raustarda a 800 rs.
Latas com carne de .Ktrco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
Garrafas finas para meza, o par 50000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 10000.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
grammas.-
engarrafado a 400 rs.
*: Vinagre branco
Bolaxinhas de
10400.
Fosphoros de segranos, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a 50 e 60 a caixa.
Sabo de massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas comameixas a 10, 10500, 208O
e 30500.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 500 grammas.
Frascos com maclas seccas a 20000.
Serveja de differentts marcas, duzia 6(9.
Tapioca do Maranho a 240 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
Gaz, lata a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
2? Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxihhas beato Antonio a 10200 a lata.
Latas de plo-de-l a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muitas marcas a 10000 rs.
Estrilinbas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os propietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todoa
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evpcar quel>ea
que i!?o entendem.
VEM QDE DIABRRA
Tirar premio sem comprar bilhetes
Isto s pode ser artes do
t i r t
BOM DEMONIO
Estdecidido=o mundo marcha!
Leiam=admireni
E...... espalhem pelo universo
SE TO EXTRANHO ASSUMPTO CABE EM VERSO.
ROAS FESTAS SEM CSTAR DINHEIRO
P PE HIIHA!
No intuito de fazer urna fallada o bou demomio reselvou mimosear d'ora
em ruante -om um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez lhe comprar 50000 de
gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por diante sempre um bilhete
por cada 50000.
Cada um desses bilhetes dados de mo beijada proporcionar ao portador
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna lhe for
propicia coincidindo o numero do dito bilhete com o do que irar urna das tres sortea
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vindouro.
gigo de champagne, valor....... 300000
caixa de vinho do Porto (Meneres).. 230000
duzia de garrafas de cereveja (Rass) 90000
presunto de fiambre............ 15OOO
queijo prato.........'.......... 60000
dito flamengo.................. 30000
latas de marmelada fina.......... 6.4000
caixa de paras................. 80000
1000000
<
mm premio
i/2 gigo de champagne, valor............ 150000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 110500
6 ditas de cerveja (Rass).............. 40500
1 queijo prato....................... 60000
1 dito flamengo...................... 30000
1/2 caixa de pacas..................... 40000
f latas de marmelada................. 60000
500000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. H05OO
6 ditas de eerveja (Rass).................. W50Q
1 queijo prato........................... 60000
1/2 caixa de charutos de Simas............... 3*5000
250000
MAIS DIABRURAS!
Se a pessoa a quem a sorte houver favorecido quizer trocarg por outroe
os gneros acuna mencionados ou preferirir receber o respecivo valor em dinheiro nV
se ter duvidafem satisfazer.
Venham, fregnezes
Da pra(ja e mato,
Comprar barato
Ao BOM DEMONIO
Pra^a da Boa-Vista n. 32, esquina da rua
do Aragao.
--------. J6,
i


!

Diario de Pernanibuco Quinta feira 30 de Seteuibro de 1869.
EMPRESTIMO SOBRE!
DE
(SEM LIMITE.)
Na (ravessa da
das Cruzes n, 2,
meiro andar, da-se qual-
qiier quantia sobre ouro,
prata c pcdras preciosas.
O dono deste estabelecimcnlo,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condeses de ga-
rantir a transaccSo que se zer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerado s pcssoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
e brilhantes.
Obra
curiosa.
Est impressa e exposta venda pela quantia de
14000 cada exemplar a obra intitulada.
E' um monumento de especialidades brasileiras,
em verso, senao sublime, mas de portugus de
bom cunlio e de urna verciflcacao deleitave.
As notas em prosa sao utilissiinas pela sua ori-
ginalidade, conlendo at receitas uteis a diversas
enerraidades.
Esto pequeo livro em brochura o nico que
ha no Brasil, proprio para as escolas, e digno de
todos os Brasilciros que prezam o beni de seu
paiz : as livrarias dos Srs. Lailhacar e Nogueira.
O agente de compras e vendas de
escravos, Jos MartinsAlvesdaCruzacbas
se residindo na ra de Hortas n. 90, promp-
to a desempenbar n5o so o seu dever para
este fim, como para outros que seus com-
mitentesojulguem babilitado mediante suas
respectivas commisses.
I
EM CONTINUACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
tlljBjUtMH
a-aaa g>& iiiai?aaa?aiiaq. w
DE
FEIIX FEREIRA DA $11. VA.
0 proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante d*
extracta loja denomiuada=/AflZ)/.l/ DAS DAMAS ra da Imperatriz n. 36, e nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidado da grande quantidade de
fazendas que all existiam, pelos poucos dias que leve al entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVO
onde o respetavel publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linbo, la, algodao e seda, que se lhe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as "pessoas que negociatn em pequea
escala, tanto da praca como do matto, nesta casa poderao fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porces, vendendo-se-lhes pelos precos' que se compram, n*s
casas inglezas; assim como as excellentissimas familias poderSo mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas, ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; o estabelecimento se acha constantemente aberlo das 6 horas da mankaa s 9
da noite.
Explendido sortimento de pechincha do pavo para escravos
A 200 RS.
.
^^
=>
** ^EtMA
A AGUIA RRANCA tem conviccSo de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridus
de de qualidades, e a limitacao de seus precos, esto na opiniSo do respetavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular ; mas ainda assim ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepcao d'aquelles objectos que esto alm do commum,
como bem sejam:
Um amigo especial do tinado Joo da Costa
Campos convida os parentes e amigos do mesmo
finado, para na_sexta-feira, Io de outubro, pelas 6
heras da manha, ouvirem algumas missas que
manda celebrar na matriz de S. Jos, pelo eterno
repouso de sua alma.________________
Juvino de Souza Res e seas raaos agradecen)
cordialmente a todas as pessoas que se dignaran)
acorapanhar ao cemiterio publico os restos mortaes
de seu prezado irmo, Eduardo de Souza liis; e
le novu os convida assistir a urna niissa que
mandara jesar na matriz da Boa-vista, as 7 horas
da manhaa do dia Io de outubro, e stimo do seu
passamento, protestando ainda por esta vez'seu
eterno reeonliecimento.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Vende-se urna grande porco de esta-
menha mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
Acha-se este grande estabelecimento com- sendo orna fazenda escura trancada e muito
pletamente sortido das melhores roupas, j cncorpada, pelo barato preco de 200 rs.
sendo calcas palitts e coletes de[casemra,: o covado, fazenda que sempre se vendeu
de panno, de brim, de alpaca, e de todas, por muito mais dinheiro.
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos easemi-
Cortluados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer hores e maiores cortinados bordados pro-
THEATRO.
O abaixo assignado, representante da empreza
lyrica italiana, declara aos Sis. assignantes das
recitas da mesma empreza que, visto se Uw in-
cendiado o theatro de Santa Izabel, flcou o abaixo
assignado na impossibilidade de dar aos Srs. as-
signantes as recitas que inda faltavam para com-
plemento das assignaturas; e, porlanto, convida
o abaixo assignado aos Srs. assignantes a virem
receber a importancia de suas assignaturas, na
razio do numero de recitas, que faltavam, no es-
criptorio ra do Imperador n. t!, desde o dia
30 do eorrente at o dia 2 da outubro, das 9 uo-
m da ma haa s tres da tarde.
Outro sim, previne o abaixo assignado aos Srs.
assignantes que, informado como se acha o abai-
xo assignado de que ha a generosa idea por parte
dos Srs. assignantes de azerem desistencia de
suas assignaturas em favor dos artistas, o abaixo
assignado, receliendo a declarado dessa desisten-
cia por occasio do pagamento, entregar aos ar-
tistas em favor de quem so fizer o beuelicia a im-
portancia dessa desistencia, j entregando a cada
um o que em seu beneficio se desistir, j ratean-
do pelos coristas ou por todos, caso a desistencia
lr feita em favor d'aquelles ou deste.'.
Lastimando o successo que deu causa a impos-
sibilidade em que se v luje o abaixo assignado
de poder continuar a desempenhar os seus com-
promissos para com os Srs. assicnantes da empre-
za, aproveita o abaixo assignado o ensejo para
agradecer aos Srs. assignantes a cooperario que
se dignaram de prestar sua empreza e a gene
rosidade com quo quercm agora proceder em fa-
vor dos patricios e companheiros do abaixo assig-
nado. '
Recife, 28 de selembro de 1869.
G. Mariniutgeli.
Aluga-se ou vende-se urna escrava parda de
10 a 33 annos, perfeita cozinheira, eostureira e
eng mmadeira : na padaria n. i da ra dos Pesca-
dores se dir.
Attenqo.
Em Fra do Porta?, no largo do chafariz, casa
n, 24, ha urna pessoa habilitada a ser ama de
casa estrangeira ou de outra qnalquer.
Offerece-se um refinador para trabalbar em
etinaejio, que refina por lia 22 arrobas : a tratar
uos Guarapes, na refinaeao de Luiz Antonio Gon-
ajves Pena& C
Precisa-se de una ama para o servido de
iuas pessoas : na ra da Uniiio n. i:i
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia, que cozinhe e compre : na prac.a da Boa-
vista n. 7, 1* andar.
COMPRAS.
Com muito maior vantagem compram-se
uioedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
i-aco de Ouro n. 2 D, ra do Cabng.
0 muzeo de joias
Na roa do Cauug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
me om outra qualquer parte.________
Ouro ep ata
Compram-se moeda de ouro e prata de todas
as qualidades, por bom preco : na ra la Cadeia
do Recife n. 36, loja do azulejo.
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
jos os valores, ouro e prata em obras inutilizadas
brilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco da ConceiCao, no Recife.
I
ESCRAVOS
Compram-se e vendem se diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se um prcto de nieta nade
do Rangel, padaria.
na ra
Compra-se urna casa terrea com bastautes
commodos para grande familia, c em chaos pro-
prios : a tratar na ra do Hospicio n. 34. Na
mesma casa vendem-se urnas cadeirinhas de rebu-
fo, em bom estado.
TJIMS.
VEINDE-SE
urna taberna sita na ra Direita, em bom local :
tratar na mesma ra Direita n. 69.
Vende-se um esrravo moco, proprio na
serriyo do campo: a tratar na roa Velha n. fe.
Sello
Noto reglamento do sello : vende-se na Jura-
ra eeonwica ao pe do arco de Santo Antonio.
qualquer peca de obra, com a maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respetavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linbo e algodo e outros mu i tos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Esparlilhos a 3000 tu loja do
Pavo
Vende-se urna grande porco de esparti-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3f5 cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do PavSo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
ne^as de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o enmpri-
mento de um lcncol, o qual se faz com um
metro e urna" quarta, e para cama de casal,
com ura metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 1(5800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas musselinas de
cores a 500 rs. o covado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaqoinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em coDta.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavo.
Encontra o respetavel publico ueste estabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
como sejam, cassas francezas e inglezas, chitas
pretas de todas as qualidades, fazenda de la de
todas que tem vindo, proprias para luto, comn
sejam, laazinhas, alpacas lavradas e lisas, canta i.
bombazinas, merino, etc., que tudo se vende por
preco barato.
NOVAS CASQUINAS COM CINTO.
Chegaram as mais modernas basquinas de gros-
denaple preto, ricamente enfeitadas, sendo de um
feilio inteiramente novo, com ricos cintos largos, e
vendem-se por preco razoavel
CASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um elegante sortimento das mais finas
e mais modernas cassas francezas que tem vindo
ao mercado, 9endo com padroes miudnhos c
grande*, c vendem-se por preco muito em coma.
AS SEDAS DO PAVO
Altas novidades.
Pelo ultimo vapor chegaram para loja do Pa-
vo, que vende mais barato do que em outra qual-
quer parte, as sedas seguintes : ponpellnas ou
gorguroes da linho e seda, com os mais delicados
pudroes, sedas de listras, padroes inteiramente
novos, groz de todas as cores, sendo verde, azul,
lyrio, rosa, cinzento, etc., setins, branco, azul,
verde, nixo, lyrio etc., etc., assim como um gran-
de sortimento do grosdenaples pretos de todas as
qualidades, c superior gorgurao preto de seda
para vestidos e colletes.
AGRACIANAS.
Chegou esta nova fazenda c m o nome de Gra-
cianas, sendo de urna so cor, lyrio, rxo, verde,
azul, etc., etc., e muito encornada, com lustre pro-
pijamente de geda, sendo meihor e mais moderna
que este anno tem vindo para vestidos, e vende-
se pelo barato preco de 2# o covado.
ALPACAS LAVRADAS
Na loja do Pavo.
Chegou pelo ultimo vapor um grande sortimen
to das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, tmJo entre ellas algnmasque
fazem a vista propriamente de seda, e vendem-se
por precos muito em conta.
GURGURO PRETO.
Chegou para a loja do Pavo o mais eneorpado
gurgurao de seda preto para vestidos e colletes,
que se vende mais barato do que era outra qual-
quer parte.
MADAPOLO FRAXCEZ
A 7*000, so o pavao.
Vendem-se pecas de madapoln francez com 22
metros, pelo barato preco de 74000, dito entestado
com 20 jardas a 7#000, assim como fnissimos ma-
dapotoes francezes a inglezas, ditos de jardas, que
se vendem mais barato do qne em outra qualquer
parte, por haver grande porcio
AS CA88ASDd PAVAO
Covad. a 300 rs.
Vendem-se finissimas castas francezas com lin-
dos desenhos e coras fizas a 300 rs. o covado.
CHITAS BARATAS
Na Ma do Pavo
Vende-se nma gran porco e chitas escuras.
claras, de core flxas, por precos que admiraran
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 1200 rs. cada par at 25<>000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
BALOES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavao vende-se os mais mo-
dernos baldes reguladores tanto de musse-
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias de la enfestada, mais barato do
que em outra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda e os padroes mais novos
que tem vindo a es'e mercado, vendendo-se
a UiOO o covado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
ORGANDY BRANCO.
Vende-se o mais moderno organdy braneo para
vestidos com listras largas e miudas, assim como
urna grande porco de cambraias brancas, tapadas
e transparentes, tendo das mais baixas de i|000 a
peca, al as mais linas de 10 ou I2O00, todas
estas cambraias se vendem mais barato do que em
outra qualquer parte. .
COLCHAS DE FUSTO.
Vendem-se colchas de fusto brancas e de cores
por preco muito em ponta, na loja do Pavo.
ORGANDY DE COR
A .160 rs. o covado.
Vendem-*e bonitos organdys de cores com bo-
nitos padroes e Exea a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARA SENH< HIA.
Vendem-se finissimas camisas francezas borda-
das para senhoras, na loja do Pavo.
BAREGES A 00 RS.
Chegou para a loja do Pavo um grande sorti-
mento das mais lindas barges transparentes todas
de la, proprias para vestidos e roupas para me-
ninos, sendo coi ti as mais vivas cores, tendo de
listras, quadrinhos e lisas, e vendem-se pelo bara-
to preco de oOO rs. o covado, nicamente na loja
do Pavo.
AS CELEZ1AS DO PAVO.
Vendem se a- mais linas celezias, esguines e
breUnhas de linho por preco muito em conta.
Fl'STAO BRANCO PARA'VESTIDOS A 640 RS.
Vende-se fusto.branco, com lista e lavradmhos,
muito proprio para vestidos e roupas de meninos,
a CO rs. o eovado.
COLLERINHOS PARA SENHORAS.
Vendem-se ftnissimos collerinhos de esguiode
linho proprios para senil Tas e tambem para me-
ninas a 'i a dnzia.
ALPACAS DE CORDO.
Vendem- se as ruis brilhantes alpacas de or-
daozinho para vestidos, tendo as mais lindas cores,
como Bismark, lyrio, rxo, g?nga etc. etc., pelo
barato preco de 100 rs. o covado.
TARLATANAS.
Vendo-so Qnissima tarlatana branca e do todas
as cores, assim como lile branco lizo a 800 rs. a
vara.
ALGODO EXFESTADO.
Vende-se superior algodozinho com duas lar-
guras, proprio para lemjoes, sendo lizo e entran-
^ado, c vende-so por pre?o muito rasoavel.
MEIAS PARA MENINOS A 3J500 RS.
Vendem-se duzias de meias superiores para
meninos e meninas, pelo barato preco de 3*500 a
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
piando abertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfelyo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musida.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas, dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
, OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e cora pin-
gentes para o pescoco.
Outras cora aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botes com ancora,
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 55.
Botes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, H o par.
Camisas de flanella para hpmem, a me-
ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para boraens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de inchaco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas Je labyiin-
tho, para baptizados.
Renda e bicD de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Bom negocio
Vemle-se (ItiMs pequeas rasa* de pedra
ecal, situada;; na Baixa-Ver'da na Capui
quem as pretender diriga- a esta i.\
graphia que achara .-om quem tratar."
Vende-se verdadeiro cimento ; ni ra da
Madre de D>os n. ii, armazem de .1
Martins de Barros
Vi'tidom->e ditas casas terreas de n lo a
rita de Santa Rila, e outra uu fundo dcsta de
na ra de Sania Rita-nova, ambas em solo pro-
prio : a tratar na roa da Aurora n. M A, com o
agenle Bnnbkt.
fafak
,/%m
*
Pilulas assiiearadas de Bristo!.
CONNO TV.il NEM CM0MELAMO8 NEM NENIIC1
OOTRO UINEBAL.
A grande Beeidade e falla de um et-
thaitico ou de urna medicina purgativa, i a
muito que tem sido sentida, tanto pelo p<
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco i vo, como mesmo por meio da fa'culdoe
e P. II. para fardas vir especialmente
i Branca.
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSLLTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer dasintelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
era tal genero, e'ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
para a loja da Aguia
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objecles
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Quoimado n. 8.
4
iIPO
duzia.
BASQUINAS DE GUlfZE.
Chegaram as mais bonitas e modernas basqui-
nas pretas do guipuze, que se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte; assim como as
mais delicadas romeiras ou pelerinas de croch
pretas, enfeitadas de verde e onlras cores, que se
venda muito em conta.
CHAPEOS DE SOL.
Veudo-se nn> grande sortimento do. chapeos e
sol de seda e alpaca que se vendem iuw ba-
ratos.
LENQOS BRANCOS.
Vendem se bonitos lencos braneos e de cores
com barras e abanhados, pelo barato preco de
34900 a duzia, ditos de liuho abanhados a 6 a
duzia, ditos de esguio para varios precos, ditos
de algodo a U e t#600 a duzia.
SACCOS '
com farinha da trra.
Maia & Landelino vendem saceos com farinha de
mandioca, mais barato do que em outra parte :
na ra do Queimado, travesea do Rosario n. 18.
Vende-se um sitio com dilferentes arvores
de fructo, e pequea casa de vivenda, assente na
Capunga, freguezia da Boa-vista, qne lemita com
s sitios dos Srs. Gamboa e Launano : a tratar na
ra Angu*t*. sobrado n. 26.
Jos Joaqoim da Costa Maia & C, ra do
Crespo n 6, acabam de receber um grande sor-
timento de pedras marmore, como seja lijlos de
diversos tamanhos, laminas, saccadas, soleiras e
degraos, bem como telhas de ferro galvanisado
de diversos tamanhos. que tudo vendem muito
em conta.
Grande sortimento
de apis pintados e guarnieses para ornamento
de salas, quartos, etc., etc.: vende-se nahrraria
econmica ao p do arco de Santo Antrnio.
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMAO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e mamados, parlecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do matto e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teem um grande e vaotajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a realho, por
menos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parte destas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de I00:>, tora cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
GAZ AMERICANO 95 a lata, a 400 rs.
a garrafa e 60(i rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRA 5C0 e
640 rs. a garrafa, a 45500 e 4800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISROA das melhores marcas,
400, 440 e 300 rs. a garrafa, a 30 e
35300 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISROA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 15340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 45500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 25200,
(5800 e 15400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 15440 e
15280 a libra, 35140 e 25800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA 960. 900 e 850 rs.
a hbra, e 25100, 15980 e 15870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 15400 o kilogrammo, em porc3o se
far abatimento.
RANHA DE PORCODE RALTIMOOR
720 rs. a libra, o 15570 o kilogrammo, em
porcio se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
12fte 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 3#800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo, e G6 ppr 1 i kilogrammos.
CVFTEM GR.iO 65 e 65500 a arroba,
-2QQ e 240 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABO MASSA 260 6 200 rs. a libra,
57i e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha melhores que ha no mercado,
abatimento. 35200 a libra, 75080 e 65340 o
620 rs. o kilogrammo, em porc,5o ha aba-
timento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 15 e 15400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PIIOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA, 2S0, 400 e 560 rs. o masso,
35200 e 65500 a groza.
A.MEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 35300, 35500
e 15 a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA 11 55300
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADE1RA IHLERSA
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 15500, 45200, 15 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMRUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
fl*3S(*()
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
135. 25800 e 25400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOUCINHO DE LISBOA 00 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e II5500 por
14 kilogrammos. .
CHA FINO, GRADO E MIUDINHO os
35 e
kilo-
MASSAS PARA SOPA, MAGARRAO, TA- grammo.
LIIARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEG* 10 25700,
15750 o kilogrammo. 25500, 25200 e 25 a libra, e 55450 e
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra e 45180 o kilogrammo.
Assim como ba outros muitos mais gneros, vinbo em ancoretas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada, con-
servas gela de raarmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinlias de Nantes.
vinbo verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebolla 15500, finalmente muito mais gneros que enfandonho
mencionados. #
ATTENCAO
No nrmazem da ra de Apollo n. 38 ha para
vender urna cadeirinha ou palanqnim com todos
js pertences, em muito bom estado, e por preco
commodo.
Taberna
Vende-ge a do pateo da Penba n. C : os preten
dentes podem eertlficar-se qne o primeiro ponto
da ribeira para este fim.
Cha toni-purgativo e depurativo
de Chambard.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o cha
touipurgativo de Chambard pagano am gosto sano-
roso o um aroma suavissimo, o as propriedades as
mais notaveis sobre os embaracos do estomago,
dos intestinos e do ligado, o desob'truentc por
exceliencia na constipacao do ventre, e no tem
resguardo algum. Depurativo especial e directo
das biles e dos humores, refresca o sangue depu-
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomcu & C, ra larga do
Rosario n. 34.
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, cm pdennos con
toda a coniianraeseguridade, recommendr
as pitulas vpgctaes assucaradas deBttttol,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partea e ma:s
ingredientes essenciaes, tornaiido-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este Demedio nao compost >
dessas drogas ordinariamente usadas ua
composicio dessas pululas, que por ah se
vendem, mas sim, sao preparadas com fl-
uais linas e superiores qualidades deraizt-*
medicinaes, hervas e plantas, depois de e
haver chimicamente extrahido e separad.',
os principios activos, ou aquellas Miles
que contem o verdadeiro valor medicina',
daquellas porcoes fibrosas inertes e agre--
tes inteiramente destituidas da menor virtt -
de. Entre esses agentes activos ou ingr- -
dientes especficos, podemos nomear a jw-
dophgtiiii, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o maia
"laravilhoso possivel sobre as regioes
Jii/'iilo, assim como sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinacao com o
leptandriii, e mais algflns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, toi-
nando-se por isso niuitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
nalureza, que jamis Cora apresentado ao
publico. As plala* vegetan assucaradin
de fristol, achar-se-lio sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, les com
sejam as seguintes.
Dyspepsia, uu ndi-
gestSo,
Adstringencia, ou..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
llatulencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo.
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
AlTecees do ligado.
Iclericia,
HoinoiTodkts.
Man balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam
sua origen) da massa do sangue: a salsa
Hirrillia de Bristol asm meihor de todo-
os purificadores deve ser tomado conjnn
lamente com as pilulas, pois que etas
duas medicinas, leudo sido expressamente
preparadas paraobrarem de harmona orna
som a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida em dizer.
que no maior numero dos casos, poda
amanear nao s um grande alivio, como
tambem urna cura prompla e radical, ato
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
CMJL 1>E LISBOA
POTASSA DARUSSIA
A mato nova no mercado, ;i preco razoave^: r
mazeni de Manoel T Dasto, na do Commercii
armazem
n. 13.
Charutos e Havana.
e grande sortimento da Baha e Rio de Janeiro,
fumo do Par.i, em macos e em chicotes, dito su-
perior de Baependy, e outras mullas qiialidJ<
que ge vendem em grosso e a retallio, na antip..
casa de Jos Leopoldo Bourgard, ra da Cadei'
n. lo.
Vernizes.
Vende-se no escriptorio de Joaqnim Gerardo d
Bastos, na do Vigario n. l, primeiro andar, i
seguintes vernizes em latas de 6 e 9 libras, d>
acreditado fabricante do Para, Caetano Ant
dos Santos Lisboa :
Vcrniz coual escuro.
Mili' dito claro.
Dito dito escuro proprio para obras de folha de
Flandres.
Dito cor de ouro oudouradilho.
Aovo
Saias de laa, object de gofto e do excetlcnle
qnaltdade : na ra do Queimado n. 31. loja de A.
M. Rolim & C.
Firinha a' venda em saceos
Vende-se farinha da trra a 3*800 o sacco : a
tratar na roa Augusta n. 10.
Cera de carnauba.
Hi'l.iilia-.-i' barato para acabar.
Vendo-se nma escrava de 18 annos de Idade,
cozinlia e Taz todo o arranjo de una casa : a (ru-
lar na rus da Guia n. 7
Libras sterlinas
Vendem-se libras stei linas : na ra da Cldci;
escriptorio n. 49.
Libras sterlinas
Vendem-se no hotel do Universo, 1 andar, quai -
to n. 1.
No armazem de Cunha Irmaos & C, ra de
Madccde Dos n. 34, vendse vinho do Porto, da
Pasto, e fino, em garrafas! e barris, de Henezes,
Chamico, e outras marcas acreditadas, vinbo de
Pasto, imitando o Figneira, en barns de 5" e 10. Vendem-se duas casas terreas no bairro da Boa
Chegon ltimamente superior vinho verde, marca i Vista, solo proprio, e muito bem construidas a
Menes, em (uarlos. I tratar com Alexandre dos Santos Barros (olaria).
Predios novos
PULULES
DE VALLET
.
As Plalas e Vallet. approvadas pela
Academia imperial de medicina de Pariz,
s3 empregadas eom o maior ^g^a^
xito para curar a chlorosis,
e forticar as constitaicoes
fracas. Nunca este ferrugi- ___
noso ennegrece os dentes.
Para a gaiantia da sua autlrenlicidade.
o nome do inventor val gravado em cada
pilula como mar^cni.
, em Rio-Jor^o, OtfttcitUt; OfMM,
*&** 1 em Tei.iia.wco unrfiC".
1


*






...,.- ,i n ....." i ii ni
6

Diario de Pemambuco Quinta feira 30 Je Seteml>r de 1860,

____j__, .>.
LIQU1DAC0
SEM IGUAL
O proprietano do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
j. 72. declara ao respeitavel publico eseus freguezes, que est liquidando odasas
i las e milpas feitas que lem em son estabelecimento como se poder ver no seu
annuncio e preco abaixo mencionados,
Chitas franco/a* matizadas a
:is re.
Vende-se chitas francezas escuras matiza-
das a 320 rs.o covado por este preco sna
i da Arara, roa da imperatriz n. 72.
LAAZkXHASA 2'i() RS.
Vende-se la/.inhas pai a vestidos de se-
nhora a i, 280. 'O e 400 rs. o co-
' BABKGES DE LA V A 500 RS.
Vende-se bareges de la com lislras para
vestidos de seahora a 500 e 640 rs. o
ado.
llpaca* de lislras a 500 rs.
v'enie-tt lpicas de listras para vesti-
das de senhora a 50Q rs: o covado.
GUITAS FRANCEZAS A 289 RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
o corado.
CORTES DE LU PARA VESTIDOS A
2,-HOO.
Vende-se cortos d i lia para vestidos de
dioras a 2>iOl) cada nm,
PERCALR8 A Mft US. O COVADO.
Vende-se percales muito finos para vts-
tiios de senhora a 40 rs. o covado, mur-
iias brancas finas, a 500 rs. o covado,
brigantinas de cores, a 440 rs. o covado.
Bales modernos de todas as
edres.
Vende-s* bales moderno sbranco ede c-
rosas^ 4iJ500e."-.
COBERTORES DE ADGODAO A H00.
Vende-se cobertores de algodo a i 500,
rtas da chitas a 1 GANGAS PARA CALCA A 30 RS.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brim d cores para calcas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cocea para calca e palitols a 2^300 e 3$,
o covado, molas casemiras enfestadas para
< alease palitots a IA o covado, brim pardo
de todas as qualidades e brim branco de
' Mbu as qualidades na ra da Imperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a 640 rs.
Vende-se alpacas de cores lizas finas a
6*0 rs. o cavado, tarlalanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3500.
Vende-so pecas de madapolao enfeslado
Algddo entestado fMSOi.s
Vende-se algodo enfestado preprio para
lences e toalhas, 900 rs. o metro, dito
trancado a 45, metro.
Chales de merino a *..
Vende-se chales de merino estampados
a 2-5, chales brancos e de cores a 4O0O
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Vende-se urna grande porreo de cortes
de brim castor para caiga de homem, 640
rs. cada um.
Grande poreo de retalhos
Vende-se grande porfo de retalhos de
chitas e cassas pretas a 160 e 200 rs. o
cova io, retalhos de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
LIQU1DAM A ROUPA FE1TA
Vende-se palitots de brim de cores a 2,
ditos de alpacas de cores a 2$, dios de
meia casemira a %% e 25500. ditos de pan-
no preto bom a 85 e 105. calcas de algo-
do azul para escravos a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e i,-?,, camisas de
i iscado de listras a 800 rs. cada urna, colo-
tes de brim c fusto de cores a 15 e 15500,
coletos de cesemira de cores a 25500 e 35,
e outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratsimo preco.
Algodo de listras a 300 rs.
o covado
Vende-se algodo de Ifstras para roup
de escravos a 200 rs. o covado.
PEQA DE ALGODaO A 45.
Vendem-se pecas de algodo 45000,
55200, 65000 e 75, para liquidar.
Haloes de reos A I 500.
Vende-se bales de arcos para senhoras
pelo baratissirao preco de 15500 cada um,
Cortes de cambraia barras
a 3ooo.
Vende-se cortes de cambraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 040 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 15.
Vende-se carteiras para viagem 15
cada urna.
as m\% SEMS
11--RUA DO QEIMADO--11
Chegaram da Beropa pelo ultimo vapor a loja de Angosto Porto C. ricos
cortes das mais linda sedas oVmimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentes.
Grande variedade de sedas de listras de diversos precos todas de lindas cores,
gorgurao de seda preta, e grosdenaple de varias qoalidades e gorgurao d<> seda la de
di Arenles cores.
Novos vestidos- lmeos de blond para noivas. lindas cohas de seda para cama?,
ditas de la e seda, cortinados bordados para camas e janeHas, fronha* e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Divas novas de JeiWtn.eelegantes sombrinhas de si-las de cfir para sctihnras.
E>|)ar*Ms de .">5 at J05, lindos bournons de cachemira de cor para 9.iliida
do-baile, hasquinos de renda preta, e ditos de croch braneo e preto pira senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e-hsas-para hwnens e meninos.
Soilimento de muitas fazendas de la, linho e algodo todas por precos muito
mdico.
Tpeles grandes para sof, piano e camas, pecas de tojHes o de alcatifa para
forrar sales tudo em quaniidade; e venden sempre"por menos rfbe em oulra quaiqoer
parte.
Esleirs da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
a
Est admitirte!
lUepuralivn nao
rartm era slnler-
rnri, iodo oti
lloroso moilifc-
adorporaosangueeCTirarsdlcalmeiitewBolMitiasrtoiille.larsomonlopra. asiwpip-ns. as herpe*, as L
espiabas, c os Pannos, eleEmpreado daj-iamenle elle refrese? na^ rio sangw econsolida o saude, j
a TNjprrAfi ranpt Cura em 3 dias n c,t'bwb109eigsou Meemo
Par, 7, B' Denuin,
os mais rebeldes.
DO
GALLO VIGILANTE
rival n mm
Ra do Quemado ns. 49 c 57-
lojas de mrudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas deseus estabe-
lecimcntospor isso queram apre- |ma
ciar o que t>om e barahssrmo.
Pecas de tiras bordadas com 12
superior, a
A
r
te.
M
*-M
21
Grande completo sorlimento de machinas para
desearorar algodode nova iaren^ao chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
liento de Oliveira Braga A ('. roa Direila rr.
63. Garante-se que a mclhor ijoalidade que at
o presente tan viudo ao mercado : acham-se em
exposiro aos eon)pradores.
Systtma decimal.
Grande e completo sortimento de pe?os kilo-
irammos de mefcor eemprehensao dos que lem
vindo at o presente, assim como marcos de lalao
at meio grammo pelo mesmo systema, balanras
de lalao de forca de 5 a 20 k lograinmos, metros
d madeira e de lalao para medir IMtaem, alm
de grande sortimento de miudezas o ferragens de
trolas as qualidades, turto por precos que s a vista
faz crdito : n ma Direita n. 33, loja de Manuel
Rento de Oliveira Braga 4 C.
COGNAC.
Rita 1 Crespo n. 9
Os pi'opnetanns deste bem ronhncido estaliele-
eimento, alm dbB nmitos olijecr que tin*am ex-
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubonch dC, em
cognac orna das que man agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa do Th. Just. ra do
commercio n. 32.
4f5O00
500
v)00, pi'i as de madapolao inglez de 2i
jtrdasa W, ^iOO, 7*, 80 eiO# a pega.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o covado,
antes que se acahem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
val vender ou liquidar, poneos das poder durar, c quem se quizer surtir de fazendas
roupas feitas para a festa pelo preco que Ihe agradar, se poder dirigir a ra da
Imperatriz armazem da ARARA, que estar aberto todos os dias uteis, das 6 horas da
i:\anh3a, s 9 horas da noile.
72. Ra da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriz i. 58. declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
s^er, e desejaode diminuir este grande deposito por meio de urna liqnidacao que fin-
daii no da 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surlir-
-se de I adas, c por diminuto preco, a saber
metros, fazenda
10500,2;), U e.
Caixas de liona com SOnovellos
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......2#)00
Pares de sapatos de tapete
(so grandes) a......i^oo
Duzias de meias cruas- para ho-
mem a........3^0
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a Uvros de misses abreviadas a 24000
Duzia de baralhos franceses muito
finos a204OO e....."i^SOt"
Silabario portuguez com estam-
pas a .......
Gravatas de cores e pretas muito
finas a........
Carines com clcheles de lalao
fazenda fina a......
Abotuaduras de vidro para cofete
fazenda fia a. .
Caixas com penna d'aco multo
finas a 3, 400, 500 e .
Cart5e3 .de linha Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linha Alexandre de-
70 at 200 a .
Caixas com superiores obreias-
de massa a......
Duzias de agaHias para machina
Libras fie pregos Irancezes di-
verso tamanlio a. .
Livros escriptuTad para rol de
roupa a........
Talheres para meninos muito
finos a........
Caixas com papel amizade muito
fino a........
Caixas com 100 envelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezo.uras muito finas
unhas e costuras a .
Tinteiros com tinta prela muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha cora 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Crozas de botoes de louca muito
finos a........
BAZAR UNIVERSAL
3 Ra IoTa**
vir e acabam de recter pelo ultim vapor /1Q rTOQ- rf\ \T onr o
da Furopa um completo e varia*) sortimento de V/dl liCil U V Ictlllicl
fmas e mui delicadas especialidades, asouaeses! ..i. Dtvtn n....iji^.. > > .
Soresolvidos a vemW. emo de seu rstame,! Neste BAZA encontra-se om completo
por precos muito baratinhos e commodos para to-! sortimento de todos os artigos que se ven-
bs, com tanto qne o Galio.... dem porprecos-eommodos comosejam: Um
Muito superiores tayas de pellica, pretas, bran- completo sortimento de machinas para cos-
cas e de mu lindas cores.
para
.5320
500
,5026
1500
1,5000
.5100
TOO
.5040
25000
(240
126
240
700
000
320
500
320
160
200
60
2500
Mui boas e bonita gollinhas e piwlios para se-
ntara, neste genero & que lia de mais moderno.
Superiores pentes tartaruga para coques.
Lidos e rquissimes enfeites para caberas das
Exwas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de eres com vidri-
Ihns e sem elles; est fazenda o que pode haver
de melhor e mais honiio.
Snperiores e bonitos leques de madreperola,
marlim, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenlios, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Esrossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alm tiestas, temos tamben) grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algunias muito
finas.
Boas bengalas de snperior canna da India e
eaatio de marlim enm lindas e encantadoras lien)-
ras do mesmo, nesie genero o une de melhor se [
pode desejar ; alm deltas temos tambem grande I.
quantidsdc de outras qualidade", como sejam, ma- ""ente de soph, janellae porta, capachos de
deira, baieia, osso, borracha, etc. rir. ete. ISparto e coco, objectos para escriptorio e
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de oadeia e' muitos outros artigos me se enconlrarao
Linfas e%pSs ligas de seda e borracha | venda.n? mesmo estabelecimento e que vale
tura de todos os-ystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas- na ul-
tima exposic5o servicos a electos para almo-
?oe jantar, salvas> bandejas, taholeiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa.
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, berros, eadei
ras longas para viagem, ditas de bataneo,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baWes americanos, gu r-
da comidas, brinqoedos para crianfas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tpeles para sala, quarto.
I6C
CHITAS LAUCAS A 280 rs.
Vaaddm-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODAO IvNFESTADO TRANCADO A
\000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
l.ncoes a l,->O0O, dito liso enfestado a 900
metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos d,6 senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A S300.
Veodera-se pecas de madapolo enfes-
tado a 3:00, dito inglez de 24 jardas ou
-i metros a S, 6, 7, 8, 9 e i0, a
peca.
LANZLNHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-te lanwnhas para vestidos de se-
ra a 2O0, 2i0, 320, 400 e 500 rs. o
BARHK PARA VI'.STIDO A 500 RS.
luiege de listas para vestidos
a 500 e G40 o covado.
ALPACAS DECORES PARA VESTIDOS A
tW. I rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, GiO
^T720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEPAS DE CORES A 1.
las de cores para vestidos de
-xihora a i o covado.
"OUCO Dfi RETALHOS.
Vende-se. urna poreo de retalhos de cas-
sos, de la e sedas e de outras fazendas
p$r muito barato preco.
s qu se acabem.
JOU.Y DE CORES A 800 RS.
chaly de listas de seda a 800 rs.
c coado.
CHALES DE CASSA A I.
Vende-se chales de cassa a 1, e de me- 1500 cada um, ditos modernos a
r. i a 2. i BRIM HAMBURGO A 8JOOO A PECA.
CORTES DE LAA A 24G0 RS. I Vendem-se pecas de brim Tiz de lara-
Vepdtt-se cortes de la de listra para burgo a 8, vem a ser mais barato do qne
vestidos de senhora a 2100 rs. para ac- algodosinho.
bar. | CORTINADOS A i4000,
VLGODO A PECA 4000. Vende-se cortinados para cama a 14f>
ide-se pegas de algd5o a W, 5)9, 65 para liquidar. Ditos para janollas a 7'v
e 7aj)eca. E muitas outras cousas que Todas estas fazendas se vendem muito
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 500.
Vende-se casemiras de cores a 2^500 c
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 3000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para caigas de
homem e meninos a 400 rs. p covado.
angas para calva a 330 rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde c de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25.
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 15000, para aca-
bar.
JGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA 7EITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 20 ou
30 por cento do que em oulra casa: por
isso os pretendentes podoru vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
ALOES DE ARCOS A 15500.
Vendere-se bales de 20 e 30 arcos a
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2. mallos.
Arados americanos.
Machinas de facao e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balancas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres d ferro do Milnez e de Coit-
field.
Prencas para copiar carlas.
Fogo americano palent
para segurar r.s meias.
Boas meias de seda par senhora e para meni-
nas de i a t2 anana de idade.
Navalbas cabe de inarlim e l-irianifra para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantida pelo fabricante, e nos por nnssa ve: tam-
bem asseguramas roa fwUdade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores apulhas para machina e para erma.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrHho.
Bons baralhos de cartas para wltarete, assim
como os tente* para o mesmo tim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhccidos per-
fumistas.
COLAHES DE ROER. .
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
facilitan) a dentico das innocentes enancas. So-
mos desde muito recehedures destes prodigiosos
collares, e continuamos a recehe-los por todos os
vapores, afina de que nunca fal'em no mercado,
romo j tem acontecido, assim pota podero aquel-
es que delles preeisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deinis collares, e es quaes atlcndendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista discbjectos que deixamos
declarados, aos nossog fregnezes a amigos a virem
comprar por presos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
a pena ir examinar.
Extrae(iioi earnis
Este producto alimentario para doentes, mni
apropriada para creancas epara as pessas saas;
indispenavel a todos, porm. principalmente aos
viajantos, qun terao nelle o recurso de poderem
ler alimentacao de carne fresca incerruptivel, e
jue com facilidade se aprompla e se ennduz. por-
(p.)e n'um pequeo votume carrega-se alimentaciio
para maito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
ciio dos senhnrcs de engenhos que encontraro no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentnrfi.il
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
seus doenles.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tinelo medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezendc Se C, ra da
Cada, escriptorio n. i, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Catttl n. 32.
as pharmacias dos S -.
Manoel Alves Rarhnsa. mesma ra n. 61.
Joaq'uim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira. prsca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contera o extracto irazcm
ua guia para seu uso.
Na
ca
eria enadol" meAc^nar.
barato na ra da Imperatriz n. 56
Scbonete de alcatrdo.
DH
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
acceitac^o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certe
das impigens, sarnas, capas e todas a?
molestias de pelle.
Deposito nnico,
Pharmacia de Bartholomeu C,
34~-rua larpa do RosariOr-34.
CEWEMT0~
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arc da Con-
ceicao, em barricas grandes.
Janteiga a 900 ts. a libra.
K' pechincha sea Igual.
Vende-se manteiga injjleza flor a 1*000 por 300
Srammas e 900 rs. a libra; no progresso do pateo
o C.irmo n. 9.
Taberna.
Vonde-s a taberna da coa do Livrameuto o. 39:
a tratar na me>ma,
pharmacio do J*iuto ra
Larga do Rosario n. 10 junto
ab quartel do corpode polica.
Acham-se constantemente promptas a se-
ren satisfeitas, as prescripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pharma-
cia, compostas de medicamentos, tanto in-
dgenas, como estrangeiros.
Tesse e molestias do
peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat, Agriao
pao Cardozo, juca, mulung, mutamba, etc.
etc. etc.
Rheumatismo e molestias
sypliiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de Salsaparrilha
do Para, pillas e xarope do veame, tin-
tura e xarope de sicupira.
Doencas lo Igado e baro, anemia,
opila?io etc.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pi-
tillas, xarope e vino da milagrosa JURl-
BEBA.
mm o mm rtermxtes
As pillas anti-periodicas do Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
phannifia do sea autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao qnnrtel do corpo de
polica.
Loja de miudezas de Ferreira da Cunha-
Temporal, ra do Queimado n. G3, est
quimando por todo preeo :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Redes para coques a 210, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) 1,5200.
Caixa muito fina para p de arroz I 500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e .120 rs.
Agua florida verdadeira a 15300.
Agua divina dem 10400.
Gravatas pretas para homem 4r0rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio philocme verdadeiro 1)200.
'Aderemos de plaqu 10500, 20 e 50.
Meias cruas para homem 30500 e 40 a
duzia.
Botes enfeitados para vestido, L>200 a
duzia.
Leques do santol 5->. cada um.
Dittos de madeira 30 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 20,
20500 e 30 cada um.
Meias linas para senhora 40 a dnza.
Banha em frascos a 400, 610 e 10200.
Frascos com extracto muito fino 20 e
20500.
Caivetes de duas folhas a 210 rs.
Sabonetes flhos 80, 160, 200, 210 c
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
, Cartas francezas 200 e 240 rs.
Cajxa com extracto ,i 2\00.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos pretos 200. 210 e 320 rs.
Galo de la para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 10500,
20 e 20500.
Caixa com obreias de maco ;i 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 10.
Ditlas com envelopes a" 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
210 rs.
La para bordar de todas as cores (libra)
60800.
Bonets para menino 10, 20 e 20500,
Linha de marca (caixa) 210 rs.
M'-ias para menina (duzia) 30 e 30500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 20500.
Facas e galfos, cabo de balando (du-
zia) 70.
Chicotes para cavallo 600, 800 e 10500.
Bengalla de canna 10, 10500 e 20.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) 10500.
A NOVA ESPERAHCA
Ra do Queimado 2)
Advertencia!
A Nova Espelunca, roa do Qneima*
n. 21 tendo em deposito grande quantidad*
de miudezas, e como se approxima o tea-
po em que tem de ser dado o halanco, i
isso desde j previne ao respeitavel pi
co, que est resolvida a vender suas m*r-
cadorj^ pelo baratissmo preco, para assaa
diminuir a grande quantidade das que
tem : assim pois, venham os bous fregne-
zes, e os que nlo forero venham aer fregne-
zes, em tempo 13o opportono qoando i
NOVA ESPERANZA convida-os perbincba
rem, pois que para comprar-se caro, nV
falta aonde e a quem...
Elle quer eellaqner
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos e
gosto e perfcico, e ella (loje da Nova la-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente reee-
be, e por este h'dar continuo (d'ambos) a
Nova Esperanc roa do Quemado n. 21,
alm do grande sortimento qee j tmh.
acaba de receber mais o- segnints:
Bonitos broches, pulceiras e Brincos d
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar beoe
bandeijas.
Brincos pretos cena dourados (attn
moda).
Filas largas para chtfo.
fflbdernos galles, franjas e trancas- de
seda e de la, para enfertes de vestido.
Botfies de todas as cores e moldes doto*
para mesmo fim.
Trancas pretas com vidriihos sendo con*
pengeates e sem elles.
Botes- pretos com vidrimos com pingeo-
tese sem1 elles.
Luva de pellica, camurea e excossia.
Finas meias de seda par senhora e me-
ninos.
Delicados- leque de madreperola, mar
fim, osso e faia.
EspartHho simples e bordados.
Bengalas- de baleia.
Finalmente, um completo sortimento da
miudezas -ra do Queimado n. 21,'na
Nova Esperanca.
Collares medmos ellecrt-magnctt
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de.qoe muito
cellares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Rover, e eis porqae muiloa
pais de familias nao creem (comprando-oa)
no effeito p/oraettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da homanidade,
1'z urna encommenda directa destes collare;
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo t
convulces, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a ra do Queimadc
n. 21 comprarem o salva vida, para sena
filhinhos, antes que estes sejam acommetti*
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
flcil alcancar-se o effeito desejade, embon
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
m m m
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster *
C, ra do Imperador, ora carregamento de ga
de primeira qualidade; o goal se vende em partida.-
e a retalho por menos prepo do que em outr quai
quer parte. __________________________
Oleo de linhaca
nos armazens de Tasso trinan.
Salitre
nos armazens de Tasso Irmao.
Ayu. de Floridu
nos armazens de Tasso Irmao.
Attenco
Vendera-sc os estabelecimentos de taberna e pa-
daria. bem afreguezados, e bom lugar, na Ponte de
choa : a tratar na ra du Rosario da Boa-vista
o. 36.
3 cordeiro previdente
Ra lo Qncimado n. te.
Movo e variado sortimento de perfumaras
-finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e*commodidades de pre-
'os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
a barateza. Em dita loja encontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
jeza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agndaveis.
Copos e latas, raaiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
a outras qualidades.
Pinos extractos inglezes, americanos e
irancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do tino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentrada" e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
jom escolhdos cheiros, eja frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos'muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
oas perfumaras, muito propinas para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
! moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos-de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vdrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciacao de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeiclo.
FU ellas e Otas para cint %.
Bello e variado sortimento de taes objec
tos, ficando a boa sscolha ao gosto do com
prador.
\




Diario de Peruambuco Quiala feira 30 de Selembro de 1869.
A ESMERALDA
Giosas de botoes madreperola
aiuito lino i.....
Sabunete niuitu finos 60, lO,
IGO, 240 e '. .
Pegas de fila de laa lodas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
U000 e.....
Espelhos de Jacaranda muito
tino .......
Pecas de bancas brancas e de
cores de caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
luas ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
,$500
,5300
0G0
5320
1*500
15200
L0.lt DE J014S
DR
ibem nun & g.
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado le novo, est as eondi-
$oes de servir vantajosaraente os seus fre-
guezes, visto que aeha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, sujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate,
\ S RUI DO CABLli N. 5
VE\!)E-SE
A PHE^ FIXO E MOWCO
SOMBUINHAS de selinv veniaultima m>-
vidade para serihoras, a 18 e ifi-
LINDOS corles de tarlataua orvalliada, pro
prios para bailes a 105, 13$, 155, 17
e 2i*MJ0.
ESPECIAL sortimeuto de coques enfeilao'os
e lisasultima modaa 2^500, 3:>000.
3(5300, U, 4oO0, US e U.
CHANDE e bello sorliuionto palha da Italia, elepaulerneule Cnfeitados,
para senlioras e meninas a 155, lid, 135,
TRANCAS E CACHOS milacao de ca-
bello, para senkoras, a 15800 e 800.rs.
GRANDE e agradavel sortimento de gui-
pure ou croch preto. em pecao metro
A VERDAD!
ooRa do Queiniadooo
. | A VERDADE temi em deposito gramk
15oOO:quanUdade de mradcaas e perfumaras, ede
Isejando apurar dieiru e adquerir boa frt
25000|guezia est rssohida a ywkt nuutissiiiK
barato, ; por essa raziio convida ao respei,
tavel publico a vir CumpefeoteacnU uimu
do a sortir-sc do bornebai-lo. I'ois quan
do a Verdade apparece, tudo mais des-
apparece____
Grande sortimento de bonecos de cera t
massa as mais lindas possiveis vestidas a ca-
rcter.
! Ricos globos para candieiro de gnz a
Cbamias a........
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com dita dita a .
F.rasco com oleo de babosa a 500 e
Ditp com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agaadivina a. .
Frasco com extractos finos a .
LaUp pequeas com banhi muito
f$a a 120 e .
Siiuonetes.de diversas quali lados a
8O,l(i0.2iUe.......
Finas escovas para denles de 120 a
Liados roques modernos a. .
I'avios para gaz, duzia a 240 e .
Escovas para fado a 500, 000 e
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piolho*a 160 e.
brincos de cores, bonitos a 160 e
Pegas de tranca de la com 8
varas por.......-
Oleo, para machina de costura,
frasco a.....
'
i i mu ii
ResU a venda um e.-colhido sortimento de ot-
elos de marcneria, ,ain, mobilias de Ja-
;ar.ind. mogno c am.irello, obra nacional e estran
{eir, de apurado gn-to eporprij;o razoavels:
u ra estrella do Retarlo n. 32. Nesta nesma
aaa faaem-se cun perfeigio todos os trabalhos t
alhinha, eorop sejain, empalhamcntos de lastro;
jara camas, eaeinu e suplas.
Bartholomeu & C.
>
a U, 35500, 45 e 65.
MITO blanco a 2oOO, U O 3800. Peuoas d*aco finas caixas a 800 e
LINDO FIU de seda branca com ramagem Di^iTacq Perry, caixa a. '
o metro 5&00.
i LINDOS e ricos aderecos de fthiqM* d-
bles, com brilliantinas, rubios, esmeral-
das, pe oa, e camafeos ; nao lia dilt'e-
renca do ouro de lei e conserva por lon-
go lempo a sua cor natural, vende-se a
155, 18, 305, 455, 90# 6 taW, este
preco menor ao feitio de qualquer peca
verdadeira do mesmo traballio.
BONITAS CORRENTES do mesmo metal
para i elogios, a 65, 85 o 105, no
BAZAR DA MODA50-RUA NOVA
ASSI
denles fazenda
de cores
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinbo cora 10
varas ......
do Mata c Silva conhecido por Pecas de fiti de eos qualquer
largura .....
Escovas para unhas muito fi-
nas ......
Escovas para
muito fina .
Pulceiras de contas
para meninos .
Saixas de liona branca do gaz
cora 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de tedas
as cores .....
100 Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para punhos
muito bonito .
Libras de la para bordados de
de todas ?s cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linba muito grande
para croxs .
Duzia de Rafea frova para bor-
dado ......
RIVAL IV IDO
Ra do Quewwdon, 49 e 57 oja
de miudezas de Jos de Azcve-
Jos( Bigodinho,
Est queuaaudo tudo quanto tem em seu
-tabblecimento para acabar e faier novo
>ortimento, por isso queiramvir oumandar
er o que bom e barato,
olivas de bubas do gaz com
50 novellos a .... .
.atas com superior banba a
120, 200 c.....
raseos do oleo babosa muito
lino a. ....... .
:uias de meias (ing'lezas )
muito boas a .
1 larrafas com agua florida ver-
dadeira ......
jrralas com agua.'d i vina dame-
Iborqualidade ....
.aixascom i2 Irascos de chairas
proprio para mimos a .
'itacom|t frascos muito finos
'o baboza muito lino que s
a vista ......
500
400
4500C
15200
1)500
2550ft
5800
5240
5600
5500
550C
5500
5240
>520
ear le.oxido de ferro de
Chanteand.
O asswmr fe-ruginoso de-Chanteand oblidn
pela assuciarfuj do oxido de Ierro mtekameak .,-
luvel com o assucar cuidadosamenle parificado.
Este, assucar, de urna bella appnrenr crystalina.
lein o simples gosto mu i apradave) do assucarj
sem o menor sabor adshiitpeirte : nao tem aecao r
irritante sebre a mucosa do estomago e eakMlnos, Lartas poituguezas, duzia a
e rpidamente absorvido pelo apparelho digest-; Ditas francezas a 25200 e .
vo_sem causar as consiipacws do venlre. papel almat0 e de peso, resma a
35400, :j,>;iO0 e .
Laa muito lina para bordar, libra
5500
5040
45000
5120
85000
5320
5320
5480
GafSffde algodo peca
Lindos habadinbos e ntremelos
peca de 500 a......
Botoes de madreperola, groza a
Ditos de louca muito fino a 120 e
Ditos, para calca a 160 c. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obrejas a.....
Caix* com agulbas fundo dourado
Ditas de dias ditas a.....
Thesoura para costura a 2i0e
Caixa com linba de marca a .
Linba do cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alexandre de 70
at 200. ...... .
Grampos muito finos com passa-
ros, duzia a......
E' hoje o preparado de ferro de mais aceitarlo!
para a clilorose atona dos orgfuw, perdas brancas
menslrua$5es diulceis, ele, o lem a seu favor o
juizo anlorsado da esc-Ja de medicina de Pars,
e dos cbimicos os maisuotiveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholemeu & C, ra tai ga Rosario n. :t4.
Mo mais eabellos brancas.
A tintura japoneza para tingr os cabellos
da cakaaa e da barba, foi a nica admitttda
;i Kxpcmcao Universal, por ter sido reoo-
nbecida superior i todas as preparares at
boje existentes, sem alterar a sade.
Vende-e a l(>t)00 cada frasco na
Rna da Cada n.
1. andar.
51,
ATTENQAO.
Na taberna do largo do Paraizo n. 39, vate-.el
mauteiga ingteza l!or a ilitd. Ije e 900 rs. a
libra, carne do sertS* nova a 320 a libra. -
15800
320*
100
800
I $800
liara
72(1
500
5500
15000
A ra do Livramento n. G, contina a ha-
ver para vender por precos rasoaveis, o
melbor vinho verde at boje vindo a este
mercado.
IGA
Carante-se a casa, perianto faz t
conta. Krstando apenas algumas
niercadorias e armacao da liqui- I
daciio do armazem da loja ra (T;j
Nova n. 60. faz-se seieota ao pu- ^
blico mlcrcssado, que liipiida-sc a ~p|
aanaeao o niercadorias existentes P*"j
anda no dito armazem, e por con-
Mqueoda negocio incontesta-
vnlweato majoao, nato que se
galana i rasa ; quem pretender i
dirija-re tratar no mesmo arma-
zem.
LIGA
000
15000
15400
100
l.-viOO
300
200
240
700
480
40
80
100
500
280
500
100
200
15400
35000
500
457GC
BRACO
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a..... 100
Ditas de la para debrum de ves-
tido, peca a...... 480
Pentes finos para segurar ca-
bello a....... 320
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 840, 320 e...... 500
Caivetes grande com molla a 320
Dito para aparar penna a 100
Cartes com colxetes a. 40
Rosetas pretas, par a ... 100
Tranca de 15a decaracol peca a 40 e 100
Fita de coz peca a 480 e 3i6
Alfinetes de lati a..... 100
Sapatos de 13a para menino a 240e 800
Ligas para senhora, par a. 160
Gravata de sedas de cores a 00
Cslcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das TMias.
Um par de suspensorio de borracha por
100 ris! 11111
Ra do Imperador n. 26
Xesto estabelecimento se encontrar diariamen-
te um completo sortimento do pastelaria di; todas
as qiiadadi' para lanche e sobre-mesa, ele., etc.,
hnlinnos de todas a? qualidades para cha, presun-
tos de fiambre, bolosingleze?, pudins, e finalmente
tudo que oenasM etn una boa pastelaria, com a
otaior asseio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
nbo do melhor que ha no mercado. Nesla easa
tecebem-si encommendas para pasamentos, bailes
rbaptisados, com|iremettendo-se os donos do es-
a beleciinento a si'r ir o melhor que Cor possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse (im de
um completo pessoal. Reeebe-se avulso toda e
qualquer encommenda, como sejam, batejas,
botos c pes-de IA deeorados, doces d'ovos, soceos
e de caWa e crystalisados, fructas nacionaes o es-
H-angeiras, amendoas coufeitadas, um completo e
variado sortimento de caixinhas do todos os gostos
e presos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
nlias recentemente chegadas do Paris, sao de pri-
tnorado go to, olerece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acharao um digno e serio
presunto para as donas de seu pensamentos. lico-
reSj vinhos finos de todas as qualidades, conservas
I entornos enralas. Os donos deste estabelecimen-
B8 nao se pompando despezu, fazem todos os
olorcos para servir o respeitavel publico o me-
li or'que for possivel, e sendo principiantes e lu-
eaudo com todas as difficuldades, esperam a con-
correncia do respeitavel publico desla capital,' na-
jionaes e estrangeiros. I'echincha : legitimo vi-
nlio muscatel em caixas, que se vende por cemnio-
do preco para particulares c para negocio.
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintura
db jurudeba simples e ferruginoso ;
lko, pomadae emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & V
Ph a rmace uticos- Droguistas
PERAMBL'CO
A Juniticba : esta planta 6 hoje reconLecido
como o mais poderoso tnico, coma o mellier
'lesobslruenle. comolalapplicaila nos padecimetlc 5
do ligado e baco, hepatiies, duresas, tumores inter-
nos e especialmente do ulero, bjdropcsias, erysi-
pellas, etc.; e associada ao Ierro nlil as pallida
cores, cbloroses e falla de menslruacio, desarrar,.
jos do estomago, etc., e o qne disemos altestao
innmeras curas importantes oLlukis oom nossos
preparados ja hem conbecidos e usados pelos mais
dislinclos mtdicosdo paiz e Portugal. Em todos os
nostoa depsitos distribuimos gratis (olhelos qo
melhor fasem conhecer a Jurubeba seos resollados
e applicacao.
Ao publico.
Io Vit.il de .Vcgreiros com li h e 'fticin.,
oiirive ma dn IMfWadnr n. .10. wnoV m
barato, concerla qualquer joia por nrlrNh da p
eoquuem ouira qualquer parle, compra un
Iho, proto, c pedras preciosa- : ser & ni qui .. -
pavecam para sahoretn ffa verdaAa.
Veadem-sfl tres portas novas com Ln
rois : no paleo de S. Pedro n. i
Na ra do Vigario n. 16, e.-cripjoiio
de Aqnino l-'onseca A C, veai-e rMrrvrtA, 1
nho engarrafado MK.NKHKS, amvretas rsiMna
cal de Lisboa cera em velas, chapagaeoa
carvao animal, vidros em caixas.
ESCRAVOS FGIDOS.
v.s
Peixe abacalhoao
Industria rio-grandense* da fa-
brica de Ferreira Guiraares
& C, no Rio-Grande do
Sui.
Este peixe, assim preparado de excellente ma-
neira : vende-se no armazem de Antonio Gomes
Pires & C, ra da Cadeia n. 53.
Armacao.
Vende-se urna armacao mvernisada e envidra-
cada, que serve para qualquer estabelecimento,
80 como para loja de sapatos, miudezas, ou outro ne-
gocio, por preco commodo ; bem como um san-
tuario em ponto pequeo e em perfeito estado;
assim como duas redomas de vidro para santos :
na ra do Vigorio n. 26.
Pgiram do engenlio Fin
do termo da Estada, na noitt
10 para II do cafmfle, don-
ca vos-mulatos, os n..es : 1
n.inpiailosau xoi. Sr. barV>s
Nazaretfa ha 16 das pn...... <.. -
on menos, sehdo Jti3o, Ida U
30 a 32 anuos, bem bnibado,
tos cabelludos, lem os dedos dos ps, isto '. -
mnimos curtos e quasi ipte trepam um no mi
tendo todos os denles de frente, ceipo rvgul
leva chapeo de couro do sartaneio, cal^j azul
algodo qne Iho chamam pellr d'onea coli
debaeta escura e mais alsuma r<>npa. foi -
do Illm. Sr. tenenlc-coronel Afostimo <' n
Mello, de Ouricury, oonlroda iimne PeHx.
bra, alto, hom corno, idade 25 annos pouo
ou menos, levou chapn de couro de al a- 1
calca azul de algodo que Ihe chamam palle d
ca c cobertor de bata escura, foi asaran 1
film Sr. Eduardo Pereira de Sqnza, da pravii
da Parahypa, que o venden por seu pruenra '
Sr. Jos Lopes Alheiro ; quem o apprehenfVy -
levar ao mesmo engenho Firmesa ou na Ri I
cscriptorio de Dominizos AttBS Maicis. a ;-i..
Vigario n. 31, sor generosamente recompon ., .
Milita attenco
Fugio no da 29 de juuho o escravo Manoi de
naco Angola, idade 50 annos, pouco mais ou .- -
nos, com os signaes segninies : falta de dente-
frente, andar vagaroso, pernas finas, marcas d--1
xigas, levon catea e camisa de riscadinho, ehqpc
de palha novo ; roga-se aos senhores rpita-
campo de o prenderen! e levarem-no .i rna Di:
n. 16, que sero generosamente gratificados. :
contia-se que anda pelos engenhos do Cabo.
100^000.
Contina a esr fgida, conforme os ann;p, -
publicados por esta folha ns. 248 a 258 do
prximo passado, a escrava de Jos Lourenco G'
(jalves, de nome Luiza, idade de 22 a to ai
pouco mais ou menos, cheia do corno e altu
guiar, tem falta de denles da Ircnle e quasi nq 1 -
do, eo cabello propiamente de cahocla : iiu,
tiver noticia della ou a apprehender, dirija--" ..
ra da Cadeia n. 50, quesera gratificado :; '
IOO3OOO.

1
r 1
5.
LISTA GERAL
121
DOS PREMIOS DA PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. GAS, A BENEFICIO DA MATRIZ DE JABOATO, EJTR VIUDA EM 29 DE SETEMBRO DE 1869.
-NS. PREMS. NS. PI.EMS.lNS. PUEMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
I
I
12
lo
JO
2t
26
37
38
41
48
48
M
8
06
67
08
9
70
80
81
83
88
W
IOS
14
19
31
U
27
*8
t
M
43
52
M
88
M
71
78
79
86
m

R
17
31
3
i*
44 Vfi
H
59
1
64
65
67
69
73
75
79
I
90
97
308
20
11
K
27
8*j
B
41
43
64
66
67
84
89
O
400
2
3
10
21
24
;;,
41
45
47
82
6
57
69
O
62
65
72
76
9f
8
i*
481
8S
19
94
502
i
5
I
1 7
9
11
11
24
- 33
34
37
41
46
47
49
50
53
0
68
69.
74
7fi
80
84
88
87
600
43
14
17
19
24
:t
38
40
13
7
14
73
77
79
82
"85
88
44
S5
4.
40|
4*
700
2
i
4
5
9
23
M
36
39
40
43
49
55
58
59
68
72
76
79
80
84
W
83
94
800
4
6
12
13
14
16
24
33
36
38
43
53
59
60
64
72
74
80
84
88
903
4
7
44
H
44
1004
44
204
44
84
44
84
44
84
44
92G
27
33
38
39
,0
4 i
53
B
62
77
80
84
90
1000
3
7
15
25
28
29
M
48
49
52
K
83
65
68
70
88
91
93
1100
1
6
41
15
19
24
41
44
46
49
50
53
61
63
44
NS. PREMS.,NS. PREMS.
1164
66
67
76
77
85
88
92
95
97
99
1200
2
7
10
13
14
16
17
18
19
32
36
48
52
53
51
63
68
69
70
84
87
88
90
91
93
94
97
98
99
1388
5
8
12
14
15
18
22
44 1337
38
41
42
44
20*
44
84
63
65
72
75
78
89 4:0004
96 H*
.97 4*
1404
5
7
II
14
17
29
32
33
38
40
41
48
67
73
81
93
1B02
6
40
15
18
83
24
20
27
28
36
39
42
46

59
66
67
84
44
84
44
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.|NS. PREMS. |NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. MttHfi
1569
72
74
76
79
80
82
93
1602
8
10
12
29
34
35
49
SL
57
61
72
86
87
98
96
1704
5
19
2
33
41
43
47
50
53
87
08
76
77
84
1802
6
7
?0
13
15
18
24
33
3,
44
1836
47
50
62
65
66
67
81
83
84
86
93
98
1901
3
6
11
18
23
27
38
40
41
46
54
66
50'
84 60
44
44
4
44
*f
41
82
03
77
86
88
1614
19
30
31
45
47
18
53
0
64
76
77
84
81
84
44
404
44
204
44
84
1
2089
21W
18
19
23
34
38
48
SI
52
87
69
70
77
83
84
96
2200
1
6
18
21
37
39
43
46
80
02
72
75
81
83
84
86
80
2
96
88
2300
1
12
ti
iav4
33
37
47
4
84
44
52
2355
56
19
60
64
67
69
70
75
77
78
84
95
98
20C
II
12
14
17
24
28
18
38
63
66
P68
68
65
66
69
85
08
8506
18
20
21
36
48
4*
68
82
82
2803
6
8
11
12
13
14
14J2616
17
84
44
>4
44
44 2897
2904
44
23 5
31 6
34 8
48 9
49 11 ^
51 13
52 16
C7 18
70 21
73 23 .
79 30
93 33
2706 __ 36
18 , 38
25 39
30 4^4 43
33 _ 45
35 _
37 _ 63
42 64
43 68
44 . 73
48 __ 78
46 81
47 1 88
49 3001 _
56 4 -*
56 11 _
61 13 _
80 16 _
87 17 _
88 18 _
97 22
2816 M
21 38 84
K 42 84
38 47 44
44 -* 62 804
46 _^ 85 44
60 67
64 60
66 41 m-
08 69
71 63
81 76
82 79
92 80
44
84
3081
82
84
85
86
94
3100
12
16
25
29
32
40
55
56
57
60
63
65
67
70
75
79
81
97
98
3262
. 3
6
11
17
18
26
30
32
40
41
42
48
52
56
59
61
63
64
65
86
78 -
8#
44
3279
83
86
87
89
95
96
97
99
3300
5
7
8
21
97
29
41
60
53
68
62
'4
67
73
70
77
79
83
88
93
89
3481
4
6
10
11
17
91
32
33
39
68
69
71
76
77
82
87
89
404
44
7004
44
3490
96
3503
7
8
12
18
21
24
34
43
51
64
67
70
76
80
84
85
88
3604
7
16
17
93
31
33
43
46
47
48
60
64
71
74
80
81
84
88
89
91
96
97
98
3797
44
52
61
72
44 3782
83
85
95
97
3807
9
10
23
56
- 31
34
37
43
50
82
54
68
,67
73
88
98
3911
14
16
17
91
23
M
36
38
68
73
81
82
90
99
95
4002
4
6
20
24
36
43
47
54
66
60
44
84
44
4062
68
71
73
77
78
81
84
93
94
98
4112
19
21
22
27
30
31
V
46
48
62
64
67
67
76
78
82
84
86
88
96
97
4200
2
6
7
13
18
19
25
27
37
38
39
42
81
63
55
44
84
44
84
44
4263
67
68
72
76
82
84
88
96
98
4304
5
I"
11
13
17
94
27
34
43
46
48
51
86
88
60
61
84
-*
-i n
78
86
4404
6
9
18
19
93
96
97
35
49
44
46
47
M
81
57
65
44
84
44
2024
44
4Q4
41

204
44
84
44
4466
69
74
78
79
87
90
92
99
4501
6
10
15
16
17
18
22
30
32
33
37
46
54
56
62
64
"2
78
81
88
95
97
99
4606
18
90
96
30
40
44
49
53
63
44
70
72
98
98
84 9
904
44
84
44
84
44


"T

8
Piario de Pernambuoo Quinfa feira 30 de SeteriiLro de 1869.




ASSEMBLEA GERHL
CAMAKA DOS SRS. DEPTADOS
SESSO EM 16 E AGOSTO
* PRESIDENCIA DO SU. NEBIAS.
(Continua ra))
Dir-se-hn que, independentemento de
estar consignada nesta le. existencia das
c.uoreiros, poderiam ellos continuar como
ates da autoridade policial, exerceudo
respectivas funccoes como subordina
Co a essa mesma autoridade; e que, por-
tanto, intil a repetico.
Direi, Sr. presdanle, quo o projecto
leve por tira, mencionando todos os agen-
tos policiaes, evitar que o governo tivesse
de dar o regulamento respectivo para a
k)ae.\ecuc5o desta reforma, quando nao
padesse ter duvidas sobre o pessoal da
polica, aproveitando entidades de antiga
cieacao, que seriam urna excrescencia no
.systema novamente aceito. Nesle caso es-
tariam os inspectores de qoartero, que
poderiam ser tambem chamados para o
mecanismo da acc3o policial, se acaso a
lei nao determinar quaes os nicos agentas
dessa acco.
L'm Su. Dkpitado : Ficam os inspecto-
res?
Sn. Ai-enc.vr Araripe: Nao tero
mais funccoes policiaes, adoptado o pro-
jecto.
O | 4o do art. Io determina que os car-
gos policiaes sejam incompativeis com os
cargos JHdiciaes.
Sobre este paragrapho recahiram algu-
nias observares do nobre representante
por Peruambuco, as quaes (odas me pa-
iecem inprocedentes. Disse elle que este
paragrapho nao consegue o grande Ora que
tomos em vista com a presente reforma,
qi.il a separacao entre polica e justica.
Parece-me que se o nobre deputado ti-
vesse ponderado bem sobre os termos
em que est con;ebido este paragraplio,
conlrontando-o com outras d.sposicoos do
projecto, sobreludo com o % i* do art. 2\
iiao proferira semelhante proposico; se
u tivesse confrontado com a attribuico
dada aos juizes mumeipas e aos juizes de
paz, da mesma sorte nao teria dito que o
projecto nao consigna a separacao da po-
lica da justica, e que o referido 4o
deficiente. Cada disposico tem un lim
especial; do complexo, porem, das dispo-
sicoes do projecto em harmona entre s
resulta o lim principal a que nos pro-
pomos.
E se n5o vejamos em breves palavras
se consigo demonstrar a minha asserco.
As autoridades policiaes de que trata
eUe projecto nao podem exercer funeco
aiguma judicaria; o individuo que au-
toridade policial nao pode aceitar cargo
algum judicial ; logo, a desejada separa-
to esta feita da maneira mas completa
possvel em relaco s nossas crcumstan-
cias: ir alem nao anda admssivel.
O nobre deputado, tendo feito as obsor-
va^oes de que me tenho oceupado, apre-
sentou varas emendas ou um projecto
substitutivo de que agora tratarei somonte
na parte relativa ao art. 1 do projecto.
Farei das emendas a este paragrapho re-
sumida analyse.
Pretende o nobre deputado que os che-
fes de polica nao sejam uomeados d'entre
os sacerdotes nam funecionaros pblicos.
Eraqtianto ao que respeita aos sacerdotes,
creio ser disposico iuteiramente intil.
Pelos caones nenlium sacerdote pode
exrcer certas funccoes civs, contrarias ao
seu sagrado carcter: e desde que pela
nossa consituico poltica temos aceitado
os caones como normas de procedor,
ellos constituem les do estado, que deve-
nios observar; e sendo assim, ja existe a
prohibir de serem sacerdotes uomeados
para os cargos policiaes, e nao podemos
deixar de julgir inteiramente inultil a dis-
posico lembrada na emenda.
O Sn. Souza Res : E nao obstante,
tem havido sacerdotes autoridades poli-
ciaes.
O Sr. Alencar Araripe : E' verdade
que conhefo um fado destes.
O Sn. Souza Res :Ha mais de um.
O Sr. Alencar Araripe :-Ora, um dele-
gado de polica tem de praticar muitos
actos contrarios ao sau sagrado ministerio:
tem, por exemplo, de elecluar prises ;
c dando-se neste acto resistencia, nao tem
necessidade de empregar a forca mate-
rial at o ponto de matar o resistente ?
E' ncontestavelmente esse o seu dever ;
um ministro do altar nao p le sujeitar-se
a esta contingencia que as leisjda igreja
catholica, e por conseguinte as nossas,
Ilie vedam. Portanto, os- cargos policiaes
sao por sua natureza incompativeis com o
carcter sacerdotal; e bastam as regras
cannicas par* evidenciar que os sacerdotes
nao podem ser nomeados para taes car-
gos. Se devessemos estabelecer a dispo-
sico proposta pelo nobre deputado, ento
nlo haveria ponto algum da lei ecclesi-
astica que nao devessemos fortificar com
urna determinaco da lei civil.
O Sr. Souza Res :Mas o nobre deputado
nao conhece o facto de sacerdotes mo-
meados delegados e subdelegados?
O Sr. Alencar Araripe :Apenas consta-
rue a nmeaco de um, que foi mandado
no carecter do autoridade policial para
pacificar urna popularlo perturbada pela
commocao civil. Foi um emissario poltico
obreiro de paz, que o governo qualificou
com a forca da autoridade, para um lim
louvavde justo. Prestado o grande ser-
vico S* pacificaclo, esse aacerdote deixou
o cargo.
O JJr. Souza Res :Ha mais de um, em
Minas, e creio que mesmo aqui, isto se
tem dado.
O Sr. Alencab Araripe : Mas anda
assim o facto so indicara abuso da lei,
mas nao necessidade de estabelecer a
regra. A nomeacao de um clrigo para
cajj eiaes torna-se impossivel diante
rlei antiga despreza-se, ento
igualmente ser a nova lei desprezada
quando houver proposito de viola-la.
Determina mais a emenda apresentada
pelo mea digno c llega que os funecionaros
pblicos nao possam tambem ser nomeados
autoridades policiaes. Esta disposico, Sr.
presidente, parece me muito inconveniente
para os nossos lugares contraes...
O Sr. Souza Res:Eu a considero a
mais conveniente possvel.
O Sr. Alencar Acampe :.., porque sa-
bemos que nesses lugares ha rande falta
de pessoal habitado para as funccoes pu-
blicas ; e, se passar esta idea, nao teremos
ah pessoas que possam ser nomeadas para
es cargos policiaes. As accumulace em
bes paralen* san indispensaveis, e a m-
compilibilnladi' creada pela envela seria
em detrimento; do servico nacional.
O 4 >." do projecto substitutivo do no-
bre depulado oceupa-se das nomeacoes c
subslituicoes. Tendo eu j feilo as obser-
vac ;s que me parecern! convenientes a
este respeito, dexarei de dzer mais alga-
raacousa sobra til a sumpio, conchando
pela sin n-jeirao.
O { :l.1' r.oii da sc-parco -la polica *
ila justica. J iz ver qne ni projecto ela-
borad i pela commistao, de aecordo com o
projecto eflorecido pelo Sr. ministro da jus-
tica. esta separacao est perfeitamente de-
te rimada ; e portanto. dcsnece*saria a
providencia- que o nobre deputado propoe
neste paragrapho.
O Su. Souza Res :Nao acha que seria
mais conveniente, sendo feita nos termos
da minha emenda ?
O Sn. Alencar Araripe:Nao; da mr-
neira que est no projecto da commissao a
separacao Oca compltanos limites compa-
tveis com o nosso estado social.
Aceitar a emenda do roeu Ilustre colle-
ga seria dar ao projecto nova forma a al-
terar-lbe a redacco em varios pontos sem
adianiarmos idea aiguma proveatosa.
Sr. presidente, em vista disotoervacoea
que tcnlto feito, pareee-me que ai bjeccoes
apresentadas pelo nobre ileputado por Per-
nambiico, bem como .">s alterace* por elle
lemhi adas, nao podem impedir ou obstar a
approvaco do art. I." do projecto en dis-
cusso. lcrm:ineco na convicc-So de qne 01 do e experimentado, pecas novas-,
artigo digno de ser aceito por esta tlos-
tre assembla; e creio qne com' a sua
adopcSo como lei conseguiremos vantajjens,
e wntagens muitos importantes, que o paia
espera com anxiedade, camprindo-nos yor
isso que nao eixemos de votar a ^orojecla1-
da reforma na presente sess3o,
Tenho concluido. (Muito be! Muite
bem !)
O SR. GOMKS DE CASTRO : Sr. presi-
dente, des-java acompanhar o nobre depu-
tado pela provincia d Pernambuconas ob-
servaces que hontem fez sobre o projecto
da reforma policial ; lioba assim mais liber-
dade. aprecava a lei em seu todo; mas,
advertido pelo exemplo dado pelo obre
relator da commissao. o tembrando de que
apenas disponho de mia> hora, lmtanne-
hci a algumas observaces- sobre o art. I.,
que se discute.
E'Qutil lembrar cmara a importancia
da materia. As dsposce$ da lei de 3 de
dezembro, relativas orgaetsaco da poli-
ca, tm levantado queixas, tm excitado
um clamor geral. Talvez possa aflirmar qne
n3o ha actualmente opines divergentes
nesle ponto : lodos os partidos desejam
reforma da lei na parte em que se refere
organisago da polica,
Uma Voz : Organisaco dpolicia ?
O Sr. GOMRS de Castro:A organisac5o
da policial sim da jurisdccSo, da compe-
tencia, que a lei de 3 de dezembro den aos
delegados e subdelegados de polica, que
em si reunem attiibuices lieterogeneas, e
at mesmo inconvenientes e repognanles.
Sob este ponto de vista, a reforma pro-
posta um melhoramento, um progresso
porque limita a accao da polica quelles
objectos que Ihe pertencem em virtude de
sua propria natureza. O que compre in-
dagar por agora seo art. 1. em discus-
so pode ser aceito em todas as-suas partes
e como se acha concebido.
Aparto-me, Sr. presidente, da opinio
manifestada pelo obre deputado pela pro-
vincia de Peruambuco, quanto ao 1 .* Com
o nobre relator da commissao* enteodo que
os chefes de polica dovem ser nomeados
dentro os hachareis formados em direito.
O bom desempenbo do cargo exige no in-
dividuo que o exerce o conhecimento da le-
gslacao, estados jurdicos que aao se po-
dem presumir nos individuos de profisso
diversa.
O Sn. Presidente :Lembro ao nobre
deputado que ha sobre a mesa urna emen-
da a este respeito, que diz :hachareis for-
mados que tenham a pratica de quatro
annos.
O Su. Gj-mes'de Castro :- Agradeco a
V. Exc, mas a emenda nao me contraria-.
Se infelizmente muitos hachareis em direito
lm exercido o importante cargo de chefe-
de polica de um modo pouco exemplar,
pela ignorancia de seus deveres, nao. nos.
licito esperar que as cousas se passem. de
melhormodo, que o servico publico, se tor-
ne mais regular, dado ao governo o Ilimi-
tado arbitrio de nomear para tao elevado
cargo a qualquer individuo, sem respeito o
sua classe e profisso. Pelo meaos a inno-
vaco nao sera justificavel. (Apoiados.)
Entretanto, Sr. presidente, parece-me con-
veniente exigir um certo tirocinio do ba-
cbarel nomeado para chefe de polica, re-
cordando a disposico da lei de 3 de de-
zembro sobre a nomeac3o do juiz munici-
pal. O cargo por demais importante; o
seu bom desempeulio exige aiguma expe-
riencia e coab^cimento praticos, que nao se
podem encontrar em quem apenas deixa oe
bancos de academia. E para que nao seja
Iludida a exigencia desse trocinio, como foi
a da le de 3 de Dezembro, pois o anno de
prati ;a apenas significava o decurso do tem-
po, e nao a pfatica effectiva e real, pode
ser augmentado o prazo, exigindo-se em
vez de um, dons ou mais annos de prlica.
A emenda eflorecida pelo nobre deputado
pelo Rio de Janeiro prevenio o meu pensa-
mento. E ncm se diga que essa emenda
restrige demais a classe dos hachareis ha-
bilitados para o cargo de chefe de polica.
Nos annexos au relatorio do honrado mi-
nistro da justica encontrase um rol de
hachareis habilitados para o cargo de juiz
de direito, que tm talvez mais de qua-
trocentos nomes. Ha, portanto, onde es-
colber vinte e um, pois tantos sao os che-
jes de poliica do imperio. -
Nao aceito tambem, Sr. presidente, a
opiniio do nobre deputado pela provincia
de Pernambuco quanto nomeacao dos
chefes de polica, que S. Exc. que seja da
attribuico dos presidentes de provincia.
A descentralisacao, que e urna necessida-
de, que urna asprac5o do paiz, nao deve
ir tao longe.
O Sr. Pereira da Silva d um aparte.
O Sr. Gomes de Castro : Funcciona-
rios de immediata confianca do governo
geral, incumbidos de servcos que interes-
sam ordem publica, administracSo do
estado, devem os chefes de polica ser no-
meados pelo mesmo governo. Neste ponto
a centralisaco n3o ser excessiva, porque
do contrario se entorpeceraa acc3o do go-
verno em um assumpto em que, como lem-
bra o nobre deputado pelo.Rio de Janeiro,
Al ajui, S,r. presidente, tenho ido de
accordo com o nobre relator da commusao;
apatto-ae porm de S. Exc. quanto i mate-
ria dos ns. 1, 2 e 3, do 3." projecto
apenas modifica a lei de 3 de dezembro,
pois nelle se declara que essa lei fica cm
vigor em tudo quanto filo fr expressamen-
te revogado. As queixas articuladas contra
a celebre le referem-se s attribaicoes das
autoridades por ella creadas ; sobre este
ponto que a opinio publica se tem mani-
festado Limitemos, pois, a reforma ao
ponto indicado pela opinio de paiz: fi-
quem as autoridades existentes c conheci-
das, nada aconselha a snbsiituico de un-
agentes por outros, mas cortem-se as attri-
bucoes excessivas e improprias de taes
agentes, tire-se polica o qac pertence
justica, limite se o arbitrio, por demais
largo e pergoso, que Ihe conceden a lei, e
teremos satisfeito a aspiraco do paiz e
cumprido o nosso dever. (Apoiados).
Em minha humilde opinio, Sr. presi-
dente, o art. Io devia limitar-se a regular a
nomeacao dos chefes de polica, compe-
tencia dos presidentes de provincia para
siispende-los, sujeitando o acto ao conheci-
mento do governo, e Analmente substi-
turco dios mesmos chefes, quando suspen-
so. f4o pontos estes n;To' regulados pela
lei de 3 de dezembro, ou que o devem ser
de diversa maneira N3o sei, porm, qnal
o motivo de locar-se no pessoal da pohcia,
substtuindo-se nos agentes por outrw ou
introdttzindo-se no machinismw, j concci-
csjas
funccoes- nao nos sfio indicadas, como, por
exemplo, agente de polida, grtirda poli-
cial, etc.
O Sr. Alencar Araripe :E' por pouco
lempo.
O Sn. Gomes de C \s rito: Nao poss-
vel calcular o tempo. ependendo da so-
luco do governo, decorrer algumas vezes
o lapso de tres, quatro e mais mezes at
que se resol va o conflicto ou pela desappro
vaco do acto do presidente, ou pela de-
misso do chefe de polica suspenso e no-
meacao de ouiro. Parece-me, pois, con-
veniente dar ao presidente a faculdade de
nomear o substituto do chefe de polica
suspenso, marcando a lei as qualidades que
elle deve ter.
(Ha um aparte).
Se o nobre relator da commissao quiz,
com a disposico que discutimos, l mitar o
arbitrio dos presidentes pela substiluico
forjada dos chefes de polica suspensos,
n3o me parece ter Conseguido o sen lim.
Tendo o presidente a attribuico de demit-
tir o delegado, atlribuicilo que o projecto
nao Ihe riega, usar della sempre que nao
qiiizer que o chefe de polica suspenso seja
substituido pelo delegado proposto por elle;
a substtuic recalar assim no novo dele-
gado da livre eaeolhi do presidente. Ora,
se a lei tem de ser burlada, por que nao
dar aos presidentes a faculdade de escolhe-
re os substitutos dos chefes de polica,
mas de um modo nobre, e nao de urna
maneira indirecta e pouco digna? (Apoia-
dos).
O projecto apresentado pelo honrado1 mi-
nistro da justica nao ten semelhanle dispo-
sico, deixa aos presidentes de provincia
escolha thos substitutos dos chefes de po-
lica ; nese-, como em otros pontos de
i qoe me oceuparei em occiwio opportuna1.
Se os agentes d polica de qudala' Kanto diz-lov a nobre commissio eraesdou
projecto slo os inspectores actuass,- direi!-para.peior o>projecto. Coi esta declara-
com o nobre deputado'por Pf.rnamboco que j;;,^, n0 fallo ao-respeito que evo s luzes
acreaco ?5o tem importancia; mnda'-se^dn nobres diputados de que-ella se com-
apenas o noroe a urwi cntidade condecida. p5e : enuncio apenas o resuitido da com-
Sfe, porm, feam enSd.ide nova, cS- parace que f;jnb db projecto primitivo cota
o elaborado pela- nobre commissao.
serr que conbecamos as sotas attribu:$oes,
porque em m.itera de eompetencia o vacuo
' p rigoso. (Apoiados); Pareceu-me ou^
vir ao nobre reiator dasommisso qur o
regulamenlo determinarle1 as funccoes de
taes agentes.
fermilla-me o- nobre epatado qu eo
recnce o alvitre. N5o son snspeHo, teoSo
dadte o mais franw apoio aO'nmisterio, e
depwit-o no honradb ministro-da justica '#~
limitada- confianca r-eston eertr de que o
regulamenio ser perfeitamente elaborado?
de nao vira mal ao'paz de orna'tal disposi-
co. Nb rstou, porm, resoKido a con-
ced-la, porque eutende que o poder legis-
lativo nao pode despojar-se d seo mais
importante direito : definir as-artribuicoes1
Recapitulando' o- qoe disse,-julgo, Sr.
presidente, que sao aceitaveis, cam as mo-
rem voluntarios e para que os designados
nao se tornassem refractarios.
Parece-me isto summamentc assisado ;
nem tao contrario disciplina militar
como pareceu a alguns dos honrados mem-
bros ; em nac5es provectas na sciencia mi-
litar esta distinceo existe. Ctarei urna
das que mais se avantajam neste assumpto,
a Inglaterra.
Na armada ngleza os marinheiros e sol-
dados sao divididos em duas classes dis-
tinctas. A prmeira est isenta do castigo
corporal ; a segunda, que por seu procedi-
mento tem necessidade de ser reprimida
com mais aiguma elficacia, est sujeita a
esse castigo. E todava ningnem dir que
nessa nac3o apparecem casos de iadiscipli-
na, como receam os honrados membros a
quem mere.'eri.
Alli, s-, um individuo que por sua mora-
hdade foi collocado na prmeira classe, de
linquio de modo que seja necessaro cas-
tiga-lo corporalmente, passa para a segunda
classe, e sealii reincido na falta ento su-
jeito ao castigo.
J veem os nobres membros que achara
inconveniente a disposico do projecto que : ttnho
ella nao tem tantos senoes, como Ibes pa-
receu.
Et desejara mesmo qme no estado actual
do reerotamento esta medida tivesse sido
adoptada, e que o soldado moralisado que
houvejse provado pelo seo procedimento
que bem comprehendia os deveres do ser-
vico mi lita i* nao fesse i inmediata mente su-
jeito aio sastigo corporal (a>poiados>r nao a
arbitrio o commandante, porque boje- nao
isso possivel, priiicipalmete em tempo
de paz, mas- em eonsequencia de decisso' do
conselhoqioe se forma para qse esta peoa
seja impost.
Isto nao passa de mero desoje1 meu. Cbw
md tratamos agora di' abolicao deste casiv-
go, pareceii-aie conveniente manifestar a
simados internas e segundo a ndole do povo
sobre quem deve recaln'r este tributo.
Nos oC'tros, habituados com as innume-
^is senc5es que as insiruccdes de 10 de
julho de 1822 e outras tem consagrado
neste paiz, nao podemos deixar de render
homenagem aos principios essenciaes da
conscripeo sem causar '/"ande vexame po-
pulaco.
Fei por isso que a Ilustre commissao,
com toda a sabedora, consgnou as muitas
isencoL'S que se notam no art. Io do projec-
to qu se discute, atlendendo aos nossos
costuraos, vaslidSo do nosso territorio,
s necesidades da instrueco publica e a
outras conveniencias moraes, qoe se fossem
desprendas, loriara certamente de aggravar
o imposto do recrutamento.
Sr. presidente, V. Exc. me permttri
agora que eu diga algumas breves palavras
em resposta a varios nobres deputados que
tem fallido sobre esta materia.
V. Exc. concebe perfeitamente que, fa-
zendo essas observarles, nao tenho em
vista deixar do respetar muito as opinioes
los honrados membros; a necessidade qoe
de sustentar as ideas que ainda ha
pouco disse que aceitava e que esto con-
tidas no projecto que rae obrlga a essa
ligeira resposta, ou antes a algumas breve*
espcaces que tenho de dar aos nobres
deputados.
Fuco, pois, a todos que rae desculpem
por usar discordar desuas illosradas opi-
nides-.
Coraecarei pelo honrado mcrabro da fi-
lustre cormnjssao e que todava fot dissi-
dente quando assignou este projettov apre-
sentando un'trabalho loen elaborado e que
eu nao posso em devo analysar, porque
nao tem sido impugnado- ou a disoueso
nao tem versado especialmente sobre elle.
Minha Uirefa smente- declarar qual
minha opinio a-respeito dbsse projeotb; e
minha opinio- a este respeito, opmiao ja vef se uesfteo aiguma impresso" que pos-
emiltidaem entro lugar. Quando Uve a= saa) ler 0;iusad0 ^ rellexoeseilas por esse
honra de perteocer ao eonselho naval; lra-^honra(]0 deputado.
tando-se dosta importante- materia, propuz; Comecou- o-nobre deputadb per acciinar
diOeaeoes apontados; algumas da-quaes se ao goveimo a adopeo daqoella meJSda. A e alarma o-lP'artigo do prometo, quando
agente
do poder publico. (Apoia-
dos
dos).
Seria mesmo mais-- fatil a sep5o do
artigo, se a> nobre commissao jonsignasse
nelle as furrecOes attrHlHidas a essesnovos
agentes, pcrelb introdlWdos i>mohinis-
ino policial. Tudo ficava patente, a -discus-
sSo era posswel. O qne- fazem esse* agen-
tes? Para qae servem? Sao pergenias
qoe nao esS> respondidas no 5*ojee1e da
iw)re commissao.
O'Sr. A.eNCAR'ARMNPe d im1 aparte.
O Sn. Gmks de Cisneo : A* o>enos
ii projecto do' honrado -ministro da. justica
aclftm na emendas- olterecidas pelo nobre
deputado pelo Rio-de Janeiro, os- 1" o
2*, e que-devem ser supprim idos os ns. 1,
2e3fdb-f3. Y? o-que liaba qne dizer
sobre o artigo em dlseusso.
Vozes-:-Moito bem'l modo bem'!*
A dieeuwo fica adiada pela hora.
ORDE^SDO'DfA.
jg- Cntina a 3" discussao do projieelo
sobre a> reforaea do recrutauaento, cora: as
emendas-aperadas.
O'SR.-GARWEMAvfaz algumasconeide-
roces.
O'SR BARO DE MRI7IBA (mnietro
a'goerra):Sr. presidente, pretendo nao
(ocupar por moito tempo a atlenco da ca-
tnara aa*-obseirvacoes que voB-lazer, coiBh
5>rinde o-dever que me-incumbe de revelar
a-opiniO'qa tenho, qoe tatabem a do
overno,. acera das diversas disposico
IHM>
creacao dos- agentes secretos, oojae deviam
wgiar os ciniftosos, a?p*ehend-tos e im-
fwdir a pratwa de erimes, ele. Sibia-se o
yropostav porem-, ficou parada e semanda- j decara que obrigaco de "todo o cdado
ment, naturalmente por cnasa das irequen-, j,. -^^ de w^l. 39 anu0i 0 servico dis-
tes mudncas de_ ministerios quesoeeede- .af-ns, quando Ihe tocar por sorte, quando
I el! nao ti ver nenbunaa das iseorfes legues
I que o projecto-consagra.
Se nao estive^se iwe nossas
Ms, como disse, Sr. presidente, er.tendo
quedepois-da execi^ao-desta lei nao bave-
r gravo ineonvenieote na abolicao do-cas-
tigo-corporai, mesmo para es refractarios.
ts actuaes
declarada a ebrigaco que ten- todos os
brasileiros de tomar armas, eo comprehen--
Adopto,-perianto, a emenda, qoe estendeo deria^a objecco-do-loooradomemaro ; mas
favor de nao ser castigado corporalmente
aqualles que designado 00 ao seu subs-
tituto.-
Reeonheco que ser diflicil deprameos
com pena te* eflicaz, qe, ao* passo qoe
corrige, nao exclue de fileiras* o soldado
que tem delinquido. Todas ao> mais co
inutilisam o soldado para o serwifo ou o
enraqpecem pbjsicameae. A pena do je-| braslt'r maores-"d
jum, a do carregamento de aras, a do
priso -oMiiples. iiiutilisain. tempo-ariament.)-
do projeeto scostitutivo apreseatado pela o soldado, emquanto
iatoslre eommisso. | ral, appicado com modhraco, ao passo
Come?arei pr notar algumas -tiestas dis-^que, como j disse, corrige, infunde tam-
yosicSes- qoe parecen precisar de algn*: bem aos-outro* um certa receio salotar de
retoque,- poslo que este nao seja essen-
eW.
Em-geral peso dizer que adopto inteiV
era to vaga a medrda ; propunaa-se a lamente o projecto salv- algumas-modifica--
,^oes queme -pareeem, como dis*e, conve-^
' olientes-
Depois- disto- oiicupar-me-he 1
fjue queria o-governo, a^cmara poda con- {emendas- que foram apresentadas pelos
cedr ou negae com pleno conhecimeoto do Ihonrados-deputodos que-entraran* neste de-I
que l'azia. Mtis a nobre commissao conten-
iou-se com a induso ios agentas-policiaes
no rol dos f-unecionarioev sem mencionar as
suas attiibuices, os seos deveres, No>
posso votar pela creacao. de taes--agentes,,
jorque no-approvo o-que nao eoaheco*.
(Apeados).
Est no mesmo caso-a guarda-policial de
que trata an..2 do $ 3.9 Pelo-acto addi-
cional esto-as assemMas-provioci.ies er.-
camegadas da fixaco da forca policial, eujp
.numero varia para mais ou para menos,
segundo os recursos da .provincia e o grao
de confianca: que a assembla- deposita no
presidente. E' urna instituicio permanen-
te, urna forca cowbecida,. com destino
certo e determinado na. lei. Mas, uomo
forca publica que ,.militarmente ongani-
sada, um instrumento da polica nao
tem vontade propria nao delibera, est
disposico- dos agentes policiaes. (Apoia-
dos;.
O Sr, Alocar Araripe d um aparte.
0 Siu Gomes sr Castro :Nao podemos
innovar. O acto addicional deu 6 assenv
blas provinciaes a attribuico de fixar a
forca policial. E* por conseguinte urna ins-
tiluico provincial, organisada e regida eo-
mo parece ailminlsraco provincial, e se-
gundo as neeessidades do seriico publico.
(Apoiados).
Essa forca est, verdade, disposico
das autoridades policiaes que a empregam
na captura dos criminosos e em outras di-
ligencias e servicos, mas como instrumento
passivo, e nao como depositarios da auto-
ridade. publica. Se a forca policial fizada
e regalada por leis provinciaes. se pela sua
propria organisaco nao delibera, apenas
execula, nao quer, mas obedece, n3o pode
ser classificada entre os agentes policiaes,
reconhecidos nesta lei que apenas deve
crear funecionaros, aos quaes confie a au-
toridade, e nao incluir no numero delles
os executores de suas ordens, os instru-
mentos cegos de suas deliberacoes. (Apoia-
dos).
Chamo ainda a attenco da cmara para
a disposico relativa substiluico des che-
fes de polica, quando suspensos pelos res-
pectivos presidentes de provincia. Deter-
mina o projecto da commissao que o chefe
de polica suspenso seja substituido por um
dos delegados da capital da respectiva pro-
vincia. Pouco importa que seja o Io dele-
gado, porque na mor parte das capitaes,
na quasi totalidade deltas, apenas ha um
delegado de polica, e portanto impossi-
vel a escolha.
Esta disposico, Sr. presidente, nao me
parece conveniente. O delegado empre-
gado da confianca immediata do chefe de
polica que o propoz. Dada a desintelli-
gencia entre o presidente e o chefe de po-
lica, e como eonsequencia a suspenco
deste, o delegado se acha em m situaco.
Se tiver os sentimsotos qae devem carac-
terisar um funecionario de tal ordem, nao
pode aceitar a substiluico..
Accresce que o delegado de polica tem
urna jurisdieco restricta ao termo da capi-
tal, um autoridade subalterna e pude nao
estar habilitada para dirigir a polica era
bate.
A respeito da primaira parte- direi qoe
com eBeito.parece de oolilidade qoe no 2'
do art.. Io se faca urna pequea-modifica-
Cao. Da maneira porque se aeha redgido
este paragrapho nao comprehender elle a
isence de urna classe que reputo digna de
toda a attenc3o,.a saber, dos que se dedi-
cam s ordens, ou para mellior dizer des
alumnos dos seminarios episcopios.
Esta isen-jie, no estado em.que se acha
o nosso clero, cuja iostrueco to neces-
saria e indispensavat, parece conveniente;
A necessidade de rserotar para o exercito
nao pude do-empenho de dotar o nosso clero com.
pessoas habilitadas- para as respectivas so-
mercas, e estas habilitamos, adquiremrse
nos senwnarios episcopaes, nos.cursos tbeo-
logcoe.
Nao. me parece necessario que no. 3o
se faca, menco dos ministros-de outras re-
ligioes, nao s porque essa alasse muito
pequea no Imperio, como, porque, como
bem observou. um honrado membro desta
casa esses. ministros quasi nunca deixam
de ter ida de maior de 30 annos ; e pois
esto fura da, obrigaco fue tem todo o ci-
dado braseiro de concorrer cora o seu
contingente para o recrutamento do exercito
00 da armada.
Nao tenho duvida em que se accrescen
ao 8." do mesmo artigo urna declaraco. a
respeito da responsabilidade do substituido.
Essa declaraco, que para mira nao era
necessaria vista da intelligeacia geral que
se d palavraresponsabilidadeem ma-
teria desta orden, torna-se todava vHH para
apartar alguns escrpulos qae tenho ouvido
produzir-se nesta augusta cmara. Esta res-
ponsabilidade limita-se nicamente ao caso
de deserco dentro do anno. Creio que na
mesa existe urna emenda que satisfaz com-
pletamente i observacao que acabo de fa-
zer.
No 9r* me parece tambem de rigorosa
justica que urna vez isentos do servico mi-
litar aquellos que perdem um irmo na
guerra ou em eonsequencia de ferimentus
adquiridos em combate ou do desastre pro-
veniente de servico, sejam tambem isentos os
irmos daquelles que ficarem inteiramente
imftilisados as mesmas condicoes.
Houve urna ligeira falta na redaeco do
art. 8o quando diz : ;Os voluntarios, desig-
nados e substitutos nao refractarios ficam
isentos dos castigos corporaes. Esta fal-
ta consiste em nio serem os substitutos nao
refractarios que ficam isentos destes casti-
gos, mas os designados nao refractarios.
E, pois que fallo nesta materia, tambem
parece-me conveniente declarar que nao
duvido aceitar a abolicao completa do casti-
go corporal, mesmo para os refractarios,
nao pelas razes apresentadas na casa por
mais de um filustre deputado, mas porque
na verdade a moralidade do proprio refrac-
tario pode igualar dos voluntarios, que nao
esto sujeitos a estes castigos, assim como
i dos designados que se apresentam a satis
faz*r a sua obrigaco.
O motivo porque a nobre ;ommissono
comprehendea na regra geral a abolicao
delinquinm do nwsmo modo, nao inhabili-
tando o soldado- para taaf mmediatamente
o servi$ov.
Boje os generaes que- tem estado no
commanslo do nO'SO exercito se tem pre-
valecido com 1 muita vanlagem do eastigo
corporal*.mesmo-em cases- em qua ouiras
penas nais grave- doveriam ser impostas.
Invoco o testerauubo do honrada- mem-
bro pel:.prouincia* do Rio- Grande-do Sul,
que tantes servicos prestou no exercito
que est combateado no Paraguay
O Sr.. Pedermuas : .verdade, mas
V. Exc. note que vamos compr o nosso
exercit de outro-aiodo,
O Sr.Ml\istr* DA.GraRaA; Mas,- em
fim, a corrente da opinio reprova este meio
de represso. Costra esta corrate nao
podemos persistir por mtitto tempo* como
viram-se obrigados a praticar oui-os Esta-
dos, em.cojos .exercitos e armadas.a mes-
ma peaa era applicada, e- o fizeram ; nao
quando o artigo-to parcirooaito, que,
bem !oge de comprobeoder aqaelles que
hoje iostao obrigades ao servico das armas,
limita essa obrigaco a certas classes s-
mente,-que alarma- pode causar a declara-
cao de-art. 1* T
0 nobre deputado enendo tambem que
nao deven ser alistados- todos os- cidados
S8 e menores de 30
annos, ppetendendo que- esse zkstamento
se devareferir smenle a urna rdade, que
qse o castigo corpo-^ ftxou nJ,. (8 ann08 e W)tende que assim
pederamos satisozer completamente as
exigencias do exercito e da armado para
oi-contitgenles de cada anno.
Vejamasse com|effeit o servico pode ser
feito no prioieiro auno com esses recrulas
a. que o oobre debutado se referi.
Segunde o seu calcnlb, deve a. classe
dos 18 annos prodazir pelo menos-23,000
iodivduosi segundo- a populaco que elle
fiaou para- della ser tirado o contingente
necessario .
Has, con quanto isto seja verdade, o
nahre depuiado ro- lancou sas-vistas a
todas as faces da sea opinio, nao a enca-
ren em todos os sentidos, porque se fosse
alistada e sorteada smeote a prmeira clas-
3dos 18-aanos ns-primeiro anno tambem.
acooteceria..qoeno caso de urna- eventuali-
dade de guerra nao teriamo- mais da
iMXX) homens para oecorrer a oecessi-
dades de urna campanba,
Parece-ae que isto evidente; mu* se n^
pode recusar. Soopooka-se que-o exercito
actual regressa da. campanha em que se
aeba, eternos neeessidade dedarbaxaa
toda a provincia. Pelo menos a lei exige
a centralisaco indispensavel, mesmo I no chefe de polica condicoes que dispensa I destes castigos foi seguramente porque que-
essencial. I no delegado, I ra dar mais. um incentivo para apparece-
porque os seus homens da-Estado nao re- todas as ^3$ j texistem, eisto nao
conhe^essem mnetta era necessaria, mas;esla muife longe de succeder (apoiados) ;
porque.l.succedeu o qae est suceedendojcomo prQencheria. nobre depatado as fi-
ntrenos. 0 governo, portantes nao J"* leiras do-exercito Com os25,000ho-
imens. S se houvesse guerra, a qaem re-
correra ?? A. guarda nacional ? Mas im-
punha lb um ouas que ella.nopode sup-
portar.
O Sr.. RtTTE.>couRr: Nem o poderia-.
fazer na. forma da lei.
0 Sa. Minisero da Guerra:Mas nao
isto quanto basta em resposta ao nobre de-
putado;. urna semelhante desposico alm
de iniqpa. seria um favor feito s classes
que hoje esto sujeitas ao recrutamento,
pesando o imposto inteiro sobre a classe
que agora se approxima dos 18 annos.
Segundo o proprio calculo do honrado
membro, de qae a populaco sujeita ao ser-
vico das armas na idade de 18 annos sej^
do 25,000 homens, segue-se que, sa-tivesse
esta classa de dar 8. ou 9,000 homens de
contingente nessa poca, s dessa classe de-
vera sabir esse contingente, quando pelo
contrario, se abraoger o mesmo alistamanto
as classes que esto sujeitas a este onus,
era vez de 25,000 homens, o nobre deputa-
do acharia 150.000, Jhomens pelos quaes ti-
vesse do repartir esse imposto no. primero
anno. Como, pois, fazer um favor a tantas
classes para onerar a urna smenle? (Apoia-
dos.)
O Sn. PEftENEirAS :Em beneficio da
execuco da lei, que a grande difficuldade
que vejo ah.
O Su. Ministro da Guerra: Demais,
senhores, preciso attender que um syste-
ma dessa ordem nao se poe de cbofre em
execuco. E' preciso preparar primeva a
populaco, preciso advertir aos pas de
familia (apoiados), a todos os interessados,
para que saibam qual o tributo qoe Ihes
lia de caber e peasem maduramente sobre
o procedimento qoe devem ter. A idea do
honrado deputado afastava todas estas con-
siderac5es, faa immediatamente pesar so-
bre a classe dos 18 annos todo o tributo
que era necessario para completar o exer-
cito.
ga conveniente oppr-se a essa corrente.
O governo quer seguir o mesuiocaminbo
que adoptaran! essas nanees, em que o cas-
tigo corporal se acha extincto.
Com essas alleracoes tenho para mim
o prvojecto merecer o assentimeuto da c-
mara dos Srs deputados; tenho para mim
que com a sua approvaco dar-se-ha um
grande passo para podermos com mas-al-
gioma justica repartir o oneroso imposto do
recrutameiuo pelas- difirenos classes da
sociedade.
Nao digo com isto, senhores, que o. pro-
jecto est, perfeo. Iieconbeco qpe em
theoria elle poda ser levado ao ponto da
satisfazer muitos escrpulos que se tem ma-
nifestado nesta tasa, e qua fura delia talvez
ainda possam apparecer.
Mas a experiencia, o tempo- que nos
ho de mostrar pralicamente quaes sao as
modficacues que convera fazer nesta ma-
teria.
Em umpaiz constitucional, como o nosso
onde as cmaras se ireunem em cada anno,
onde os representantes da naco vo beber
entre o povo, donde sahiram, as ideas pra-
ticas que sao necessarias para reger-se o
Estado e para a felicdade publica, nao.
diflicil que essas ideas possam pouco a pou-
co vingar |depois de amadurecidas conve-
nientemente.
Os defeitos do systema que o projecto
adopta poderlo ser conbecidos as paro-
cha?, nos municipios, as cidades e as
provincias do Imperio ; ser ento occasio
de dar-se maior lalitude lei.de escoima-la
de algumas fallas que porvontura ella pos-
sa levar.
Por ora parece, qae se quizermos chegar
perfeico do systema, ou embancaramos
completamente o recrutamento do exercito,
ou cahiriamos ao defeito de onerar a popu-
laco mais do qae de vemos e carecemos.
Nada mais conforme aos principios do
que por exemplo, a conscripeo da Prussia ;
e todava, se ella fosse transplantada para o
Brasil, nao poderia deixar de causar o maior
vexame e violencia a toda a populaco, que
mui difficilmento se habituara aquello sys-
tema.
Na Inglaterra, os homens eminentes re-
conhecera as vantagens da conscripeo proa-
siana, mas sao ao mesmo tempo .unnimes
em julgar que ella nao deve ser adoptada
naquelle paiz. Na Austria, em Franca e
em outros pazes onde esse systema tem
sido admittido, tem-se isso feito com va-
rias modficaees, segundo as suas neces-
Depois, est o nobre deputado certo de
que ter na classe dos 18 annos os 95,000
homens de que S. Exc. fallou ? Eu techo al-
gumas duvidas de que na pratica o seu
calculo nao venha a ser falho.
O Sr. Pedernciras :Foi feito com maita
margen..
(OjwinMor-se-eo).
TYP. DO DIARIORA DAS CRUZES B, 4
X

<*
\
r
\ /


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4HQAJG6U_OZK0P9 INGEST_TIME 2013-09-14T04:30:11Z PACKAGE AA00011611_11955
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES