Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11954


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 222.
M <>[>
I
PARA A CAPITAL E LUGARES
Por Iros mezes abantados.......
Por seis ditos den........
Por um auno dem. ada numero avulso.........
'lO SE PAGA PORTE.
83000
12(5000
84,5000
3320
i
OUARTA FEIRA 29 DE SETEMBRO DE 1869.
/
<*
D14RI0
PARA DEim E TORA DA PROVTCIA.
Por tres mezes adiantados.............
Por seis ditos idem.............
Por noM ditos dem...........
Por rjm anno. ,...... *
13*500
203260
273000
Propriedade de Manoel Kgrieira de Fara & Filhos.
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos < Filhos, no Para; Goncalves Pinto,
SAO A.i;*Ti:*:
Pereira d'Almeida, em
- "wT&n^^ <*. A*;*** ^ d, Silva, no H; JrtJt*.
em teami; Frac/o Tavares o. e Ala*>aS; Dr. to iSASL. a S% XSuSttv?2l?*'i DmmeS JoS CosU Braa>
parte ornciAi.
Coveruo da pro* lucia.
tXPEDIENTF. ASSUi.NAlio MLO EXM. SR. DR. MAXORL
o KAKlttKNTO machad imhtei.h, vick-pre-
SlDENTB DA PROVINCIA. EM 5 DE JTLHO DE 18(59.
1* accedo.
N. 100.Portara ao Exm. Sr. general com-
mandanie das armas.Xo ofllcio incluso por co-
pia, do Exm. Sr. presidente da provincia do Itiu
Grande do Norte, encontrar V. Ble. os esclare-
cimentos solicitados em seu ofllcio n. 3ii de 12 do
mez passado, relativamente ao desertor do M) ba-
talhao d- infamara, Leonardo da Costa Bezerra
N. 107.Di I a
om I
7.a e
tos de taes embregado?, relativos ao mez de junho
ultimo.
If. 127.Dita io mesmo.Recommendo a V. S.
que em vista da inclusa conla, mande liquidar e
pagar ao delegado do termo da Floresta ou ao seu
procarador, conforme solicilou o chofe de polica
interino em ofllcio de 2 do corrente sob n. 951, a
importancia das diarias abonadas aos recrutas
Manoel Coelho Pereia. Manoel Antonio Silva e Li-
berato remira, mencionados em dita conta, os
quaes, tendo viudo d'aquelle termo foram reraet-
iidos o primeiro e terceir* ao commandante das
armas, e o segundo ao inspector da arsenal de
niarinha com destino a companbia de aprendizes
niarmlieiros, segundo consta do citado ofllcio.
iv.'-.'"8 ~P"a. ao mesmo.Attendendo ao que
gerente da
recommendo a V. S.
do da subven -
a ao mez de
d i a'......"""'"" "'' tAn,"lu ''"' 'pwj^ao \u mciiMi uu 11:1004000 e relativa ao
n 2-fu"2i T. V<: d0 ler'" ,,ue SJ0"""" jnnh ultimo, com .pie o governo imperial auxilia
v^Sn?, crreme, wb n. MI. aquella companhia que segundo consta do mencio-
N. 108.Dita ao mesmo.Tomando em cons- "
wacao a materia do oicio de V. Exc. n. 367 de
M de junbo ultimo, acabo de reeotrcmeudar ao
commandante superior interino da guarda nacio-
nal deste municipio, que mande addir ao segundo
batalhao de infantaria aquartelado, o soldado do
terceiro da mesma arma Jos Lourem'o de Yas-
coucellos, e ao inspector da tbeeouraria' de fazen-
M que mande pagar o pret especial dos venc-
wentos do mesmo que amia nao o tiver sido al
junho prximo lindo.
Pi. 100. Dita ao director do arsenal de
guerra. Km vista do numero de serventes
que existe nana arsenal, e consta da in-
formar;,., da conladoria da '.besonraria defazenda,
juma por copia, tica de nenhum elfeito a autor-
saca.) que, em resposta ao ofllcio dessa directora
n. 96_de 17, dei em 18 de maio ultimo, para a ad-
missao de mais um, o qual lica desde ja dispen-
sado. v
N. 110.Dita ao capitao do porto.Em vista do
que repivsentou-uie em ofllcio de 3 do corrente
o engeuheiro das obras geraes. recommendo V.
& que mande intimar ao dono da barcada deno-
minada Nona Senliora io Navegantes, Barlholo-
ineu Francisco, afim de que dentro de um prazo
tjreve faca os concert- no arrombamento causan-
do pela mema barcaea, na varanda do lado do
sol da ponte 7 de setembro.
N. 111.Dita ao commandante do presidio de
Fernando.Transmuto Vmc. as inclusas guias
dos sentenciados constantes da relaeao junta por
copia, que tem de seguir para esse presidio, com
excepto da de Antonio Jos de Santa Anua, a
qwal j foi para abj reraeUida.
2* seccao.
N. 112.Portara ao Sr. iesembargador procu-
rador da corda, fazenda e soberana nacional.
lcmetto V. Exc. a inclusa qneixa que, contra o
;juiz municipal supplente do termo de Ipojuca, Lou-
rencoBezerra Aires da Silva apresentou esta
vmm la o tenente-coronel Gaspar Cavalcanti
de Albuquerque Ucha, e bem assim as informa-
les que a respeito obtive nao so daquelle juiz
municipal supplente, como dojoii de direito inte-
rino da comarca, alim de que com brevidade in-
forme, como Ihe parecer de direito.
N. 113.Uta ao chefe de polica interino.Re-
meti por copia iV.S.0 aviso circular expedido
pelo ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas, em 11 de junho prximo lindo, afim da
marles que forera necessarias relativamente aos
colonos que existem no municipio do Bonito, mi-
nistre trimensalmente nao s o mappa estatistico
de que trata a primeira parte, como tambera a re-
laeao dos individuos exigida na segunda parle do
uiesmo aviso.
N. 114.Dita ao commandante superior interino
da guarda nacional do Recite.Em vista do que
pouderou-me o general commandante das armas
em ofllcio n. 367 de 0 de junho prximo lindo,
expera A. S. ordem para que o soldado do terceiro
batalhao de infantaria, Jos Lourenco de Vascon-
ccllos, que adoeceu em servico o solTreu araputa-
ao da perna direita, fique ad'dido ao segundo da
mesma arma, desde o dia que este aquartelou, e
at que possa obter alta.
N. 115Dita ao commandante superior da
Suarda nacional do Rio Formoso.Por delibera-
dlo d'esta dala mando, que ao alferes secretario
do batalbiio n. 44 d'esse municipio, Francisco Co-
lombiano da Silva Guimaraes, se d a guia de que
trata o art. 45 do decreto n. 1130 de 12 de maren
de 1853, por ter lixado residencia nesta capital,
como informou esse commando superior em ofll-
cio do 26 do mez lindo, e V. S. recommendo a
cxpedicao de ordem, para que seja ella passada.
N. 117.Dita ao juiz municipal do termo de
Garanbuns.De seu ofllcio de 12 de junho prxi-
mo findo, consta que Jos Segismundo de Albu-
querque Maranhao e Luiz Elias da Silva e Albu-
querque foram nomeados tabelliaes do termo do
om Conseibo, por decreto de 13 de julho de 1867,
entraram era exercicio e-n virtude de portara
d'esta presidencia de 24 de deaembro do mesmo
anno, e que o segundo apresentou a respectiva
carta imperial. Cumpre que Vine, informe se Al-
buquerque Maranhao tambera apresentou a sua
carta, e no caso negativo a razo por que continua
a sertir sera titulo.
N. 118.Deliberaco.O vire-presidente da
provincia, attendendo ao que Ihe requereu o ba-
cliarel Vicente Jansen de Castro o Albuquerque,
jais municipal e de orqhos do termo de lngazeira,
rosolve conceuer-lhe um mez de licenca com orde-
nado, na forma da lei, para tratar de sua sade
cade Ihe convicr.
If. 119.Dita.O vce-presidente da provincia,
iitendendo ao que Ihe requereu Frederico Colom-
biano da Silva Guimaraes, alferes secretario do
batalho de infantaria n. ii da guarda nacional
do municipio do Rio Formoso, e om vista do que
informa o respectivo eommandante superior em
?tncio de 26 do mez Ando, resolve que Ihe seja
dada a guia de que trata o art. 46 do decreto 1130
de 11 de marco de 1853 para esta capital, onde se
acna actualmente residmdo.
N. 120.Dita.O vice-presidenie da provincia,
de conformidade com a proposta do Dr. chefe de
polica em ofllcio n. 955 de 2 de corrente, resolve
nomear para o cargo de delegado do termo do
,abo, ao actual primeiro supplente do mesmo de-
legado, Francisco Paes Barreto.
3* seccao.
N. 125.Dita ao mesmo.Em vista da inclusa
conta, que me remotteu o ehefe de polica raterirro
com ofllcio de 2 do corrente sob n. 952, mande
* *;$***' ao Dr. Joao Thomda Silva a quanta
at 115*140 rs. proveniente de diarias abonadas
aos recrutas Joao Ricardo da Silva, Leando Perei
ra Braz, e Antonio Pereira Bastos Mangabeira Sa-
bara, os quaes vieram do termo de Ouricury e fo-
ram destinados ao servido do exercito, segundo se
evidencia do citado ofllcio.
N. 126.Dita ao mesmo.Tomando em consi-
derac.ao o que solicitaran! os empregados da al-
f.mdega desta capital no incluso requerimento, a
*\'M se refere a sua nformacao de 3 do correrte
ti. 33, resolv, de conformiaade com o parecer
di contadoria dessa thesouraria. abrir a essa re-
partirao sob mmha responsabilidad nos tefmos d
decreto n. 2884, do 1 de fevereiro de 1862 um
crdito supplementar, na importancia de 210001
ara occorreraos pagamentos concornentes a ver-
a-Estac5es de arrecadar-ao-do exercicio em li-
quidacao de 1808 a 1869, visto achar-se nuasi
e^otado o crdito votado a essa verba. Assim
lica \. S. habilitado a mandar pagar os vencimeo-
nado requerimiento cumpn'o as condicoes do sen
contrato durante o precitado mez.
-Y 129.Dita ao mesmo. Expeca V. S. suas
ordens afim de que por ossa repartido se ajuste
contas, e p.isse guia de soecorriment, ao alferes
do corpo n. 30 de voluntarios da patria, Chrvspi-
niano Uuarqne de Macedo, que tem de seguir para
a"v>r,i",n v'1|)0r Gaar 1ue ^ espera do norte.
!t~D"a ao mesmo.Em vista que do infor-
moa V S. em officion. 321 do 22 de maio ultimo
nesta data determino que fique de nenhnm effeito
a autonsajao qne havia dado para a admissao no
arsenal de guerra de mais um servente o qual
Oca desde j despensado.
N. 131.Dia ao mesmo.Expeca V. S. suas
ordens para que em vista da inclusa conta, em
duplcala a que se refere o ofllcio do chefe de po-
iria interino, datado de 2 do corrente, e sob n.
903, seja paga ao sargento Apolinario Gomes da
silva a quaniia de 18*080 proveniente de diarias
abonadas aos recrutas Manoel Francisco de Araujo
Bego, Cesano Antonio de Soasa, Manoel Gomes e
Manoel Messias deMenezes, os quaes tendo sido
enviados do lermo de Tacaral, foram destinados
ao servico do exercito. segundo consta do predito
ollicio. r
N. 132.Dita ao mesmo.Em vista do que pon-
fe? general commandante das armas no ofllcio
n. .167 de 30 de junho ultimo, junio por copia,
acabo de mandar addir ao 2- batalbao de infantaria
aquartellado at que possa obter alta o soldado
do 3' batalhao da mesma arma Jos Lourenco de
Vasconcellos que adoecendo em servico, solTreu
amputacao da perna direita; e recommendo a
\ a. que r.iando pagar o pret especial dos venci-
raentos do mesmo que ainda nao o tiver sido at
o referido mez de junho lindo.
N. 133. Dita ao mesmo. Ao cabo Manoel
Pereira de Miranda mande V. S. pagar em vista
da inclusa conta, que me remellen o chefe
de polica interino com ofllcio de 3 do cor-
rete sob n. 968, a quantia de 12J800 proveniente
de diarias abonadas aos recrutas Ignacio Gomes
de Ohveira, Jos Joaquim de Sant'Anna, Firmino
Assumpcao da Silva e Joao Gomes da Rocha, in-
dicados em dita conta, e que vieram do termo de
Itamb sendo que o. de nome Francisco Assump-
cao da Silva foi posto em liberdade por incapacida-
de pbysica e os oulros enviados ao brigadeiro com-
mandante das armas com destino ao servico do
exercito, segundo consta do citado ofllcio.
If. 134.Dita ao mesmo. Tendo n'esta data
approvado a deliberacao que era virtude de auto-
risacao desta presidencia de 23 de junho prximo
lindo tomu o engonheiro Raphael Archanjo Gal-
vao Filho, de chamar para auxila-lo na commis-
sao de que se acha encarregado o desenhista
Eduardo tiadatit, vencendo a gratificado mensal
de loOOOO a qual Ihe ser abonada do 1 deste
mez em diante pela verbaObras publicas geraes
e auxilio as provinciaese em vista de attestado de
exercicio; assim o commanico a V. S. para seu
coiihecimento e em resposta ao seu citado ofllcio
de 25 do citado mez de junho, sob n. 415.
N. 135.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Em vista da sua nformacao de 2 do cor-
rente, sob n. 377, dada com referencia a da conta-
dora de.sa thesouraria acerca do requerimento,
que incluso devolvo, mande V. 8. pagar a Maria
Francisca dos Santos, rnai do soldado do corpo ef-
fectivo de polica, Jos Ferreira Barres, que se
acha servindo no exercito em operacoes contra
o governo da Repblica do Paraguaya o que se
Ihe dever proveniente da gratificaco a que tem di-
reito, nos termos da lei n. 611, urna vez que elle
se jioslre antorisado para esse fim, de conformi-
dade com o art. 5o da lei n. 753.
Pf. 136 Dita ao mesmo.Mande V. S. pagar ao
gerente da companhia Pernarabucana, que assim
o solicita no incluso requerimenlo, o que foi de-
yido da subvencao de 5:000*, relativa ao mez de
junho ultimo, com que a provincia auxilia men-
samente aquella companhia, a qual cumprio as
obrigacoes do seu contrato no supradito mez, co-
mo se v do agestado junto ao mencionado reque-
rimento.
N. 137.Dita ao mesmo. Com a delib'raco
junta por copia datada de boje, e pela qual resol-
h1 i A>c,umr,credil suPPlementar na importancia
. V i par% a continuacao dos pagamen-
tos de despezas por conla da verba do art. 5 S1 da
.o?norcamentodnpXl'rcicio eraliquidacao de 1868
a 1869, respondo o ofllcio que V. S. me dirigi em
2 do corrente, sob n. 379.
N. 138.Dita ao mesmo. Inteirado de quanto
V. S. expoz em sua nformacao do Io de Junbo
ultimo, sob n. 304, recommeiido-lhe que marque
um prazo breva ao collector e escrivao nomeados
para a collecloria de Barreiros, Manoel Leitao Fi-
gueira e Manoel Jos da Silva, afim de que soli-
citem seus ttulos na secretaria desta presidencia.
N. 139. Dita ao mesmoProvidencie V. S. para
que depois de liquidada, em vista das duas contas
juntas em duplcala, a despeza feita com o forne-
cimento de luz e agua para o quartel do destaca-
mento de guardas nacionaes no terme de Iguaras-
s durante o mez de junho ultimo, seja paga a sua
importancia a Joao Lmz de Almeida Ribeiro con-
forme solicitou o chefe de polica em ofllcio de 2
do corrente, sob n. 957.
N. 140.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Ameacando imminente perigo a ponte
provisoria que se est desmanchando entre esta
freguezia e a de S. Fre Pedro Goncalves, provi-
dencie Vmc. com urgencia para que seja vedado
todo e qualquer transito por ella.
N. 141.Deliberacao.O vice-presidente da pro-
vincia attendendo ao que solicitou o inspector da
thesouraria provincial em ofllcio n. 379, resolve
abrir um crdito supplementar na importancia de
1:038*005, para continuacao dos pagamentos de
despezas feitas no exercicio, em liquidaco de
1868 a 18 i9 por conta da verba do art. 15 da
lei do respectivo ornamento ; visto ter sido in-
suQlciente os crditos abertos a essa verba como
se v da demonstrado que veio annexa ao citado
ofllcio.
4* seccao.
N. 143.Portara ao Exm. e Rvm. Sr. bispo.
Pelo offleio de V. Exc. Rvma. de 29 de junho pr-
ximo findo, sob n. 121, flquei inteirado do ter sido
provisionado o Rvd. Joao ViceotoiJuedes Pacheco,
no lugar de coadjuctor da frojwJWBb de Santos Cor-
me e Damio da villa de lguai^^H
N. 144.DUa'a cmara muaicIpUdo Recife.
Em vista do qUe pondera a cmara .municipal do
Recife em I de junuo prximo fin-
do, sob n. 45, aatorh a mesma ca
der pola verbaordanados-^nao s o vencimeu-
los que compelem ao amanuense aposentado Can-
dido de Souza Miranda Couto desde 26 de maio
ultimeal 3 daqnelle mez, como os demais que
for vencendo ate o fim do exercicio corrente.
Pl. 145.Dita ao engenheiro das obras feraes
Dr. Antonio Vicente do Nascimenlo Feitosa.Res-
pondendo ao seu offleio de 3 do correle, tenho a
dizer-lhe qtie nesta data, recommendo ao capilo
do porto, que mande intimar ao dono da barcaca
denominada Nossa Senhora dos Navegantes, Ba-
thalonieu Francisco, alim de fazer dentro de un
prazo breve os concertos do arrombamento cau-
sado pela mesma barca na varanda do lado do sul
da ponte-Sete de Setembro.
If._ 146.Dita ao engenheiro Raphael Archanjo
Galvao Filho.Respondendo ao seu offleio do 1'
do corrente, tenho a dizer" que approvo a delibera-
cao que Vmc. tomou de eonformidade com a an-
torisacao desta presidencia de 25 de junho prxi-
mo findo, de chamar para anxiliar no servico,*da
commissaode que se acha encarregado o desonhis-
ta Eduardo Gadaut, vencendo a gratificaco men-
sal de I50j, a qual dever ser-lhe abonada do 1
deste mez em diante e em vista do attestado de
exercicio, para o que tica expedido a conveniente
ordem a thesouraria de fazenda.
N. 147.Dita aos agentes da companhia Brasi-
icira de paquetes a vapor. Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes a vapor man-
dem dar transporte para a corte por contado mi-
nisterio da guerra no vapor Guar, que se espera
do norte ao alferes do corpo n. 30 de voluntarios
da patria Chryspiniano Buarque de Macedo.
KXPED1ENTK ASS1CNADO PELO SR. DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARA1JO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 5
DE JULHO DE 1869.
1* seccao.
N. 148.Ofllcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia declaro a V. Exc. em
resposta ao seu offleio de 3 do corrente, sob n.
373, que lica expedida a conveniente ordem nao
so aos agentes da companhia Brasileira de paque-
tes, para darem transporte para a corte no vapor
Guara, que se espera do norte ao alferes do cor-
po n. 30 de voluntarios da patria Chryspiniano
Buarque de Macedo, como tambera ao inspector
da thesouraria de fazenda para ajustar-lhe contas
e passar guia de socorrimento.
If. 149.Dito ao mesmo.Do ordem de S. Exc.
o Sr. vicepresidente da provincia declaro a V.
Exc. em resposta ao seu ofllcio de n. 263 de 2 do
corrente, que nesta data se mandn satisfazer o
pedido do commandante do deposito especial de
instruc<;ao. de cem pares do meias e cem lencos.
2* seccao.
N. 150.-Ofllcio ao Dr. chefe de polica interino,
i j i Sr vicePre3'dente da provincia, man-
da declarar a V. S. em resposta aos seus oBcios de
prasMente da provincia, em vista do qne
infonnou o engenheiro chefe da repartirlo
das obras publicas, em olficio n. 320 de 20
di corrente mez, resolveu abrir novamente
a concurrencia para a construcc5o das pon-
tes da Passagem da Magdalena e Casan-
ga, futiendo os pretendentes apresentar m
sdayiroposts em carta fechada at o dia 8
do fcjfa prximo vindouro, convindo que
coro antecedencia comparecam nesta secre-
taria} afim de examinar a nova planta or-
Caminto pata a ponte do Cixang.
O secretario,
Dr. Joaquim Correa a"Araujo.
Commando das aranas.
QUAItna.-GEXERALDO COMMANDO DAS ARMAS DE PBR-
HAMBUQO, 2* DB SKTEMBRO DE 1869.
Ordem do dia n. 449.
0 brigadeiro commandante da* armas
publica para conhecimento da guartilco e
devios lins:
l* Que a presidencia, por portara de
28 da agosto lindo concedeu 3 raezea de
licenca de confonuidade cora o art. 4
do dacreto n. 3579, com os vencirnentos do
art. 5" Ia do citado decreto ao Sr. ca-
pitao do 8a batalhao de"- infantaria Jos
Looguiuho da Costa Leite,
preso Isidoro Das dos Prazeres, pelas effensas
physieas feitas em Antonio Jos de SantAnaa, em
o de agosto nltimo.
SUICIDIO.Foi hontem tirado do rio Capibar-
I!, junto ponte Sete de Setembro, o cadver de
um nomem corpulento, de cor parda, representan-
do ter 50 annos, que nn pude ser eouheeido.
Suppoe-se ser esse cadver, de um hornera que na
vespera noite atirou-se ao rio de
ponte, por volta de 9 horas da noite.
FESTEJOS PATRITICOS. Enviara-nos o se
guinte sobre o corpo patritico de lanceiros:
i Por convite do Sr. major Joaquim de Albu-
querque Mello, commandante do esquadrao pa-
tritico do freguezia do Poco da Panella, reuui-
ram-se em sessao ordinaria no domingo 26 do
corrente, diversos membros das commiss5es en-
carregadas da formacao do mesmo esquadrao, e
deliberaran! que em lugar de nm esquadrao se for-
I mar um corpo de lanceiros, composto de quatro
companhias, e passajilo-se inmediatamente no-
mtacao dos respectivos olliciaes, licou o dito corpo
orgauisado pelo modo seguinte :
Estado-maior.Tenente-coronel eommandan-
e 3 do corrente sob ns. 931, 952, 953 e 968, quo
se expedio ordem a thesouraria de fazenda para
pagar ao delegado do termo da Floresta ou ao sen
procurador, ao Dr. Jo*j monte da Silva, ao sar-
gento Apolinario Gomes da Silva e ao cabo Manoel
Pereira de Miranda as quantias constantes dos ci-
tados ofllcios.
N. 151.Dito ao mesmo.Nesta data autori-
sou-se a thesouraria provincial, a pagar a Joao
Luiz de Almeida Ribeiro a quantia de 12*370,
conslante do ofllcio de V. S. datado de 2 do cor-
rente e sob n. 957, o qual (lea assim respondido
de ordem do Exm. Sr. vice-pre?idente da pro-
vincia.
N- 151Diio ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda transmitir a V. S. o
titulo junto de nomeacao do cidado Francisco
Paes Barreto, para o lugar de delegado do termo
do Cabo de conformidade com a sua proposta em
ofllcio n. 955 de 2 do corrento.
N. 153.Dito ao juiz municipal da 1' vara des-
ta cidade.O Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia manda aecusar o recebunento das guias dos
sentenciados de que trata o offleio de V. S. de 3
do corrente.
N. 154.Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Fa^a Vmc. recolher ao corpo
sob o seu commando praca que se acha no ser-
vico da reparticao da sade do porto, ao que trata
o seu ofllcio n. 281 de 3 do corrente.
3' seccao.
N. 155.Ofllcio ao inspector da thesouraria de
fazenda. De ordem de S. Exc. o Sr. vce-presi-
dente da provincia communico a V. S. para seu
conhecimento que, segundo consta de offleio do
Exm. Rvm. prelado diocesano, de 29 de junho pro
ximo lindo foi provisionado o Rvd. Joao Vicente
Guedes Pacheco no lugar de coadjuctor da fregue-
ria de Santos Cosme e Daraiao da villa de Igua-
rass.
2.* Que a 30 do mesmo mez embarcou,
no vapor Paran com destino a corte, o
Sr. lente em commissJo da Io corpo de.
catadore a cavallo Ttbmaz Augusto de
Vasoancellos Coimbra.
3.* Que a presidencia communicon em
oflicie de 30 de agosto findo, t*r pf oro-
gado por dous mezes a licenca de um
mez, que, nos termoi do art. 4 i" do
decrete n. 3379 de 3 de Janeiro de 18(Kj,
havia concedido por deliberado de 26 de
julho d'oste anno, ao Sr. capitao do es
tado-roaior de artilheria Tiburcio Hilario da
Silva, lavares.
4." Que em cumprimento do disposto [
em afso do ministerio da tierra de 9 de
abril de 1859 publicado na ordem do dia
n. 120 d,i respectiva secretaria d'estado,
embarcaran no vapor Tocantins i 9
lo Joaquinrdn Albuquerque Mello; major liscal
Jos Francisco do llego; tenente-secreiario Se-
verino Duarte; ajudante Francisco Antonio Pon-
mal Jnior; porta estandarte Verissinio Cha-
ves Jnior; capelln padre Candido Ferreira da
Unha ; cirurgiao Dr. Adrio Luiz P. da Silva.
1.' companhia.Capitao Dr. Henrique Mame-
do, lente Antonio da Silva .Noves, alferes Miguel
Jos da Molla.
a 2.' dita. Capitao Ceciliano Rodrigues do
Passo, tenente Antonio da Bocha AccioM Lins, l-
feres Ricardo Pereira de Sant'Anna.
3 dita.Capitao Joaquim Silverio de Sonta.
tenente Jovino Bandeira de Mello, altores Eduar-
do Fenton Jnior.
4.' dita.Capitao Sebastio Anteaavrto Reg
Barros, tenente Antonio Soriano do Reg Barros,
alferes Amonio Luiz do Reg Barreto.
Finalmente convencionou-se ne uniforme que
deve ser adoptado e decidram-se oulros negocios
relativos boa ordem e direceo do corpo.
l.evantou-se a sessao, marcando o Sr. com-
mandante o primeiro exercicio para sabbado 2 de
outubro s 5 horas da tarde, no Campo do
Arraial.
COMPANHIA PERDAMBUCANA.-Hoje o ul-
timo da era que reciben) carga os vapores Ipoju-
ca e Giqni, para os portos do norte e sul, confor-
me o annnneio da mesma companhia.
CLUB RADICAL.Hoje, pelas seis horas da
tarde, ha sessao ordinaria na ra das Cruzes, so-
brado n. 32.
VAPORES TRA.NSATLANTICOS.-Sobre as li-
nhas de vapores francezes e inglezes que fazem o
do corrente, afim de serem inspeccionados servico entr a Europa.o Brasil olo da Prat, diz
na Corte, os Srs. capilo Manoel Joauuim i "9", l0'!?!*10 Jornal io **'/> o seguinte:
MacMfa. aygrefado a > arma re cavallaria, >
tenente Francisco Antonio de Si Barreto
Despacho da vick-prbsidencia do da 24 ds sb-
tembro de 1869.
Engenheiro Antonio Vicente Nascimento do
Feitosa.Em vista de disposto no aviso de 10 de
junho do corrente anno, nao tem lugar o que re-
quer.
Gentil Hornern Rodrigues de Souza.Concda-
se sem vencirnentos na forma da lei.
Joao Pedro de Souza.Informe o Sr. comman-
dante do presidi de Fernando.
Jos Domingues Porto.Indeferido.
Joaquim Bernardo da Cunha Borba.Indeferido
a vista das informarles.
Jos Augusto de Araujo.Nao estando devida-
mente feto os concertos, segundo informa o enge-
nheiro encarregado das obras geraesj nao tem Tu-
gar o que requer.
Leopoldine Antonio da Fonceca.Junte-se.
Miguel Archanjo Das Ferreira.Informe e Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Manoel Jos de Mello.Dirija-se ao Sr. coronel
commaudante superior da guarda nacional de
Olinda.
Manoel Bezerra de Vascoucellos.-D-se a baixa
pedida.
25
Antonio Valentim da Silva Barroca.-Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fozenda, ouvindo o
da aiiandega.
Antonio Ignacio da Silva Junior.-Encaminhb-se.
Angelo Cesar da Cunha.Passando recibo,
como requer. '
Bernardo Correa dos Santos.Informe o Sr iuiz
municipal da primeira vara.
Francisco Ferreira Borges.Dirija-se ao Sr
inspector da thesouraria de tatenda.
Jeronymo Theotonio da Silva Loureiro.Apre-
seute-se o supplicanto para ser inspeccionado.
Manoel Rufino de Carvalho.Em vista das in-
forraacoes, nao tem lugar o qne requer.
Manoel Flix do Nasc.ment.Dirija-se ao Sr.
inspector da thesouraria provincial, ao qnal se ex-
pedio ordem ao sentido que requer, desde 21 de
agosto prximo findo.
Manoel Thomaz de Souza.Junte a planta do
terreno a que allude, e requeira por intermedio
da cmara municipal respectiva, nos termos dos
arts. 2 e 3 do decreto n. 4105 de 2a de fevereiro
de 1868.
Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso.Enca-
mince-se.
Vicente Ferreira da Costa.Nao possivel por
ora executarse a obra de que trata o snpnli-
rante.
Innior e alferes Francisco Jos da Silva,
e Luiz Jos de Souza, aggregados a arma
de infantaria.
5." Que tendo concluido a 10 do cor-
rente a licenca com quo veio da Corte o
Sr. capitao do o* corpo de voluntarios
da patria Ignacio d'Albuquerque MaranhSo
Cavalcante, segundo declarou nesle quartel
general, foi na mesma dala dispensado do
servico do exercito, de aecrdo com a
disposicao do aviso que Ihe concedeu dita
licenca.
%." Qua por portara do ministerio da
guerra de 19 de agosto ultimo, publicado
na ordem do dia n. 886 da reparticao do
ajudante general, foi dispensado do ser-
virle do exercito a 11 do corrente o Sr.
capitao de voluntarios da patria Anton/o
Garando de Gusmo Lobo.
7.0,Que com autorisacao conferida pela
presidencia em officio de 15, nomeou a 16
do corrente o alferes d'estado-maior de 2*
classe Francisco Eduardo Benjamn para
servir no deposito especial de instrueco,
dumite a auzencia do Sr. alferes Luiz
Jos de Souza.
8. Que a 22 do corrente recolheu-se da
licenca com que foi a provincia do Ceari o
alferes reformado Alvaro Conrado Ferreira
d'Aguiar, empregado no deposito de re-
crutas.
Outro sim, determina o mesmo brigadei-
ro, que na raanh5a do dia 1 de outubro vin-
douro, se passe revista de mostra em seus
respectivos quarteis a companhia de opera-
rios militares do arsenal de guerra, e dep-
sitos existentes nesta provincia pela ordem
seguinte:
A's 0 horas a companhia de operarios, s
6 '/ ao deposito especial d'intruccjo, s 7
ao dos recrutas, e as 7 Va ao de presio-
nemos de guerra paraguayos.
AssignadoJoaquim Jos Goncalves Fontes.
ConformeEmiliano Ernesto de Melle Tambo-
rtm, tenente ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
irni.Miiiu rumio encoiam
os vapores transatlnticos francesas e inglezes, if
andam para o Brasil e Rio da Prata o nove servi-
extinguio-se no ramo mascohno, segundo diz a
Uiizeta da Cruz de 4.
SINISTROS MARITIMOS.-A admiustracio fe*
Burean Venta de Paris, acaba de publicar o seu
sexto boletim martimo do anno de 4809. Segan-
do esse boletim, o numero dos navk completa-
mente perdidos, duranto os meses de junho eiu-
Ino. elevou-se a 243, a saber: 120 navio inglezes.
cima dessa 23 allemes, 20 americanos, 19 fran:ezos,8 lioliaa-
Jl,oS' 7 ."'"'"'lUM'.'s, diDamarquezes, 3 italiano
38.navius de difireme bandeirxs. .Naquelle nu-
mero eomprehendem-se 21 vapores, 17 navios
eoMeoiados, e 21 navios que se su ppoe perdidos
totalmente com as pessoas a bordo por nao haver
noticias delles.
IMPRUDENCIA FATAL.-m joven chamado Jo-
s Wagner, que viva em Cbarleston (Virginia)
morreu a 8 de jullio, por una singular circums-
tancia.
Elle dizia ter o poder de fascinar as serpentes
anda mesmo as mais perigosas.
Nest-s dia tinha tomado urna serpele, e mostra-
ra a seus amigos a extranha faculdade, de que era
dotado. Depois de ler enroscado a serpente em
volta do braco, lancou-a a trra, em seguida co-
mecou a bater-lbe ; cora urna vara al enrai-
vecero reptil. Ento tomou-o de novo, dizendo :
Es Inuco beija-me agora I e metteu den-
tro da bocea a cabeca da serpente.
O reptil mordeu-lhe a lingua, e urna hora depois
o desgranado expirava no meio dos mais horrivei
padecimentos.
Quinze minutos depois que foi m >rdHo a sua
pell apeseiitava a cor escura e manchada da ser-
pente.
GENERAL LEBjEUF.Este general, que acaba
de er nomeado ministro da guerra era Fi anca,
nasceu em 3 de novembro de 1809.
Foi discpulo da escola polytechnica, na qual
enlrou em 6 de novembro de 1828, e da escola de
artilham de Metz, como alferes, em 6 de agosto
de 1829.
Em 1833 recebeu as dragonas de tenente, e em
1837 as de capitao ; em 13 de setembro de 1846
foi nomeado chefe de esquadrao ; sendo dons an-
nes depois encarregado como segundo comman-
dante da escola polvlechnic3, cargo em quo so con-
servou desde 1848 at 1850.
Nomeado eoronel-em 10 de maio de IWt, fez a
campanha da Crimea, e foi promovido a general
de brigada em 1854, a a general do di visa o em 21
de dezembro de 1857.
O imperador cnnflou-lhe o commando da arti-
Inaria, durante a campanha da Italia em 1839.
Mais larde foi nomeado ajudante de campo di>
imperador e membro da commssao de artimaa.
0 general Lebcuf recebe > a cruz de ofBeial da
legao de honra em 1840 ; o grao le commenda
dor era 11 de outubro de 1850, e a placa de gran-
de ofncial era 25 de agosto Ue 183$,
Foi uitiiuMiMte numeaao ministro da guerra
pela conlianga que nellc deposita o imperador Na-
PERNAMBUCO.
BEVSTA DIARIA.
PROMOTOR PUBLICO.Por dehbftracao da pre-
sidencia, de 25 do corrente, foi nomeado o Sr. Dr.
Joaquim Antonio da Silveira, promotor publico da
comarca de Cabrob ; de cujo cargo foi exonera-
do o Sr. Dr. Tiburcio Raymundo da Silva Tavares,
seu pedido.
THEATRO DE SANTA ISABEL.S. Exc. o Sr.
vice-presidenle da provincia, attendendo urgente
necessidade que ha de ser reconstruido o theatro
de Santa Isabel, e desejando satisfazer essa ne-
cessidade publica, reuni na noite de 27 do cor-
rente, no palacio do governo, diversos negociantes
e capitalistas de nossa praca, com o fim de combi-
nar o meio o\ i mais promptamente se realisar esse
trabalho.
Depois do considerandos acertadas, feitas por ai-
gamas das pessoas prsenles, resolveu-se nomear
urna omm issao, composta dos Srs. barao do Li-
vramento, Luiz Goncalves da Silva e Antonio de
Moura Rol ira, que procurar obter um emprestimo
provine ia, da quantia necessaria reconstruccao,
mediante um juro raznavel, o qual ser embolsado
da tora ia que posteriormente fdr eonvencionada.
INSTITUTO HISTRICO E PHrLOSOPHICO
Amanh ja reune-se esta sociedade em sessao ordi-
naria, para tratar da primeira discusso de regi-
ment interno, e da these do Sr. B. de Castro Cha-
ves'Da escravido e sua origm ; e se ella to-
i leraCja pela philosnphia.
PRONUNCIAPelo subdelegado do l. distric-
to de Jaboalao foi pronunciado, como incurso as
Secretaria do governo de Pernambuco
em 23 de setembro de i869.
.n-. n
OUCO se laz publjea queoE^m. Sr vice-1 penas do artigo 203 do cdigo criminal, o reo
no que ja livemos occasiao de annunciar, o qual
consiste na suppressao da linha intermediaria que
tm as companhias entr o Ro de Janeiro e o Rio
da Prata, indo os mesmos paquetes que veem da
Europa at alli ; os inglezes, porm, param em
Montevideo, os francezes vao at Buenos-Ayres.
O primeiro a encelar a carreira o inglez \Douro,
que devia sahir do Soulhamplon a 9 do mez pr-
ximo, seguindo-se-lhe o Giroiuk da buha franceza,
que partir de Bordeaux a 24.
Assim no fim do mez prximo nao teremos
vapor para Europa, salvo se, como j o dissemos
urna vez, passar por aqu, algum dos intermedia-
rios que deixam de trabalhar e recolhem-se.
Sobre o servico da companhia franceza o
Jornal do Havre de 8 deste mez publica o se-
guinte :
A datar de 2 de outubro prximo o servico
das lnhas do Brasil e Rio da Prata soffrer as se-
grate* alteracoes
t 0 paquete partir de Bordeaux a 24 de cada
mez era lugar de 23. O servico da linha da Rio da
Prata ser suppiiuiido, e o paquete que parlir de
Bordeaux continuar a viagem at Buenos-Ayres
sem parar no Rio de JaneiroJ*
vapor partir em OuTiibro ser un novo,
o Gronde, de 500 cavallos, o a elle se seguiro
dous outros igualmente novos, o Amazona- e o
Uruguay.
' Por causa desta alteraco o ilenerario das via-
gens actualmente era vigor, sero modificados, e a
partir de Outubro.
Bordeaux.......
Lisboa.......... 27
Daker-Gore..... 4
Pernambuco..... 13
Baha........... 15
Rio de Janeiro... 18
Montevideo...... 24
Buenos-Ayres___ 28
Buenos-Ayres....
Montevideo...... I
Rio de Janeiro... 6
Baha........... 12
Pernambuco..... 14
Daker-Gore..... 21
Lisboa........... 29
Bordeaux........ 3
JVorn. As datas e horas da partida de Bor-
deaux e Buenos-Ayres sao as nica imperati-
vas.
as viagens do mez de fevereiro de cada an-
no, a partida de Bueno-Ayres pode ser retardada
um dia ou dous para compensar os ias de menos
que elle tem.
c A demora nos portos da escala indicados no
ilenerario cima, o mximo, e a companhia tein
o direito de dimiuui-la, conforme aceordo entre o
commaudante do vapor, o agente da companbia no
logar e o agante do correio embarcado.
< Nao obstante, a r-expedico do porto do Rio
de Janeiro nao poder ter lugar, tanto na ida como
na valia, seno quarenta e oito horas ou dmis das
uteu passados no porto-
Este praso comecar a correr desde o momen-
to da chegada.
CABOS ELCTRICOS SUBMARINHOS.No dia
3 de setembro corrente parti de Londres para a
India^ingteza, o celebre engenheiro inglez Laraiter
Clark.qucoquecollocouos dous cabos inglezes e o
francez. Ainda ha poneos das tinha chegado
Europa, vindo dos Estados-Unidos, e agora dirge-
se por ordem do governo inglez ao golpho prsico,
para collocar um novo cabo. Termiuada esta ope-
racao, embarcara no Great Ecstern, que o e-pera
em Bombaim para emergir o cabo elctrico da
India.
MORTE DE UM PRINCIPE.Falleceu na tarde
de 3 de setembro corrente, victima de um ataque
de apoplexia, o principe Frederico Guilherme Cons-
tantino Herraann Tasselon de Hohenzollern Uechin-
gen.
Tinha nascido a 16 de fevereiro de 1801, e con-
lava portanto 68 annos.
Succedeu a seu pai no dia 13 de setembro de 1838
no governo do principado de Hechingen, e cedeu
este principado Prussia pele tratado de 7 de de-
zembro de 1849.
O prncipe Frederico Guilherme nao leve filhos
de seu primeiro casamento cem Eugenia de Beau-
harnas, princeza de Leuchtemberg, nascida em
1808 e fallecida era 1847. Tendo sido morganati-
co o seu segundo casamento, nao Ihe pode succe-
der nenhum dos dous filhos qne delle leve, e por
consegiunle a linha dos Hohenzollern de Souabe
Cheg ada Partida
24 11 h. ni.
1 h. t. 28 8 h. ni.
7 h. t. 5 meia noite.
3 h. ra. 13 3 h. I.
5 Ii. m. 15 1 Ii. t.
2 h. i. 20 2 h. t.
8 Ii. t. 25 9 h t.
8 h. m. 30 4. h. I.
4 h. m. 2 5 h. t.
11 h. ni. 9 8 h. m.
9 b. ra. 12 7 h. t.
9 h. ra. 14 7 h. t.
meia noite 23 6 h. m.
5 h t. 30 meio dia.
2 h. I.
ASSEMBLEA POPULAR.A 22 de agosto ultimo,
reuniu-se urna grande asserabla popular so fau-
bourg, de Viener-N'eusdat, em Vicnna d'Austria.
A reunio foi ao ar livre, e concorreram a ella
duas mil pesoas, entre as quaes havia bastante-*
eamponezes e muflieres. Depois de numeroso?
discursos contra os conventos e ordens religiosas,
a assembla adoptou por unanimidade as duas se-
guales rosolucoes : 1, a legislacao tem por mis-
svi abolir completamente a concordata concluida
sera o assentimento do povo; 2, de devec <
governo submelter as ordens religiosas e congre-
gacoes aeco do poder do estado ; bem com
applicar-lhes as disposicijes da lei sobre as asso-
ciacoes.
LOTERA.A que se acha venda a 121', a
beneficio da matriz de Jaboato que corre hore.
CEMITERIO PUBLiCO Obituario do dia 24 d
correute :
Maria, Pernambuco, 10 annos, Sauto Antonio ;
dyarrhea.
Manoel Gyby Rodrigues, Hespanha, 33 annos, sol-
teiro, Boa-vista ; tubrculos pulmonares.
Joao Elu, Franca, 48 anuos, Boa-visla ; bernia es-
trangulada.
Francisca Xavier da Fouseea, Pernambuco. 70 an-
nos, viuva, Poco ; congeslao cerebral.
Thereza, frica, 80 anuos, solleira, Boa-vista ;
gastro hepatite.
Mara Rita da Coneeico Costa, Pernambuco, 5i
annos, solleira, Boa-vista ; tate.
Jos, Pernambuco, 2 annos, S. Jos ; dyarrhea,
Felippe, Pernambuco, 10 dias, S. Jos; perito-
nite.
Padre Francisco Joaquim Benico, Pernambuco
58 annos, S. Jos ; bemorrhaga cerebral.
25-
Luiz de Franca Mello, Pernambuco, 80 annos, ca-
sado, S. Jos; gastro intente.
Eduardo do Souza Reis, Pernambuco, 23 anno*.
soltero, Boa-vista ; febre perniciosa.
Francisca Lopes da Silva, Pernambuco, 102 anno?,
viuva, S. Jos ; desynteria.
Luiz de Souza Alves Lima, Pernambuco, 16 annoe,
soltero, S. Jos ; endocrodite.
20
Maria da. Conceicao, Pernambuco, 57 annos, sol-
leira, Boa-vista ; infeecao purulenta.
Luiz Jos, Pernambuco, 33 annos, casado, S. Jos :
ttano.
los Cavalcanti de Albuquerque, Pernambuco, 81
annos, viuvo, Recife ; cadralgia ebroniea.
Emilia, Pernambuco, 2 mezes, Recife ; desynteria.
Bernardina Correa de Brilo, 35 annos, solleira .
congesto cerebral.
27
Angelo, Pernambuco, 3 annos, Santo Antonio ; v-
mica.
Dagaberto, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ; con-
vulsoes.
Manoel, Pernatubuco, 4 mezes, Boa-vista ; iufc-
rite.
Joao, frica, 45 annos, Boa-vista; ascile.
Arma Amelia de Abreu e Lima, Pernambuco, is
annos, solleira, Santo Antonio ; amolecimento
cerebral.
CHRONICA JIWMRH.
TIIBI\1I, DA li:i, A VAO.
SESSAO EM 23 DE SETEMBRO DE 1869.
PRESIDENCIA BO EXM. SR. COKSELHEIHO C.VETAN '
SANTUG0.
As 10 horas da mannaa, presentes os.Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Mona.
Domingues ua Silva, Regueira Costa e Souza Leao.
abrio-se a sessao.
Passados os fetos, deram-se os seguintes jura-
mentos:
Recursos crimes.Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Galdiao Tavares da Silva.Relator o Sr.
deserabargador Domingues da Silva, sorteados os
Srs. desembargadores Regueira Costa, Souza Lea
e Gitirana.Improcedente. Reccorrente, o juizo ;
reccorrido, Roberto Thomaz do Aquino.Relatoi
eSr. de-erabargador Domingues da Silva, sortea-
dos os Srs. desembargadores Motta, Almeida Albu-
querque e Lourenco Santiago.Improceden-
te. Reccorrente,o mizo; reccorrido, Manoel Fer-
reira de Mello.Relator o Sr. desembargador Re-
gueira Costa, sorteados os Srs. desemhariadoivs
Almeida Albuquerque, Souza Leao e Motta.im-
procedente. Reccorrente, o juizo; reocorrida.
Francelina Maria da Conceicao.Relator o !>r.
Souza Leao. sorteados os Srs. desorabargadorc-
Motta, Gilirana c Almeida Albuquerque,Impru-
MUIIUDB I




i III i-


-

%
.6981 30 0S8M3T32 30 eS AM33 Ul&ill, l>en40ltifco Quart feirii 4> de Setembn, de 1869. .VJX
GHK&
=



?i

tlenle. Reccpriv.ate, o juizo;
dor Sonta Lo*', sorteados QS ^babado-
res Roeaeira Cosa. Motta e Domln|ttaa da Sil-
vaImi" Reccurrente, o jtu; rcc-
rorrido, Damin- J-*o Rodrigues.Hehitor o Sr.
tlesombargadnr Malta, sorteados os dcsembargado-
rea Rfaeira Cosa, Alnici'l* \lliu.|U;>rqu e Gil
rana.Improcedente ^correle, o juiz.>; rec-
corrido, Joio Alvos daxfreita*. Relator o Sr.
aaambarfador Molla, sorteados os Srs. descartar-
adoros Souza I- '< Donuugae* da Silva Lou
renco Santiago.Improcedente. ReeoorrcBte, o
jaizo ; reeeorridos. Manoel Jos F. B.Tg.-s e oa-
iros.Relator o S. deseuil.orador l>immjri6Sa
Silva, sorteados os Sis. iloseiioargadore-- Almena
Albuqiifi.! ie,l, .urtico Santiago c Molta.-laipro-
cvlento. _
ABRAS cenrus.De Joaqun* Alvos Torres con-
oedi.'U-se ordena mtituande-SC as pBflBB IB"
Am'u.xr,\o crm.AppeHsnte, iota Lula" Fcr-
reir.i Mfeeiro; appeliados,o curador peral e Justi-
no Pon ira ilfl Parias.-"-Mermada a -seiilenca.
Ai, m.\co.cs ohimbS.AppellBWB, o jiuz. ap
reccori ido, Joio ] celno da Silva Bordos
Reeoiil
uhecda
a firma da l iudos nos carros propnos, 32
nomoai.-ao. rr,i-vcr. 37. foram condu*lo< cm carros
I). mesn)o Misftci oncalvcs da Luz, MMo 1 nao
Ihe certifique se eslao ou nao mancillado
eram
de 4'
escravos e
ordenr e a
Iva Borres.Cerno, pede. Ldaveres, sendo qrtc 81 foraio condiuuloa ao com-
- ediodo igual oertidaj teo om carros de 1, 2' e 3' ordens, uti eram po-
as caixcjros Sa'us.t'Cno | Uros de caridad.'. 32 eram escravos e 44 foram le
da
da
iiue se <"= "-.....-i------
os slts caixeiros Satasflano Mximo de Igra
Antonio Franeelino da Silv
De Gaimaraes Luz
mn-isco Mni-tiiH,'lManoe Garios Maia e Jos An-
tonio Carlos Maia,DA-se. '
Do tlalvfc & IrmSo, reirnerendo o registro
nomeaeao do sea caixeiro I oaqnim PaBliao
Silroira.Repistre-e. |
I).- Ladislao Tolentino CavalcamW de Allm-
oueroue, rvquereoda lambem o registro da no-
meara, de scu caixeiro Melcliiseltk Gaedes Ak*;
colorado.H.'gistrr-se. -i
Do Alvaro Augusto do Almeida, roquerenJo o
registro de un*, papel do cemTactn que celebrara
com Carlos Afostinho Lapcaicre, da provincia de
Seraipe, para forueccrlke algodao, de suas La-
vras, descarocado e enfadado mediante o rorne-
cimemo de captacs, qrc vencerao o juro de um
p)r cento ao me?..Regstrese.
I Be Hcnriqtic Ourtfcerme Stci.ple, juntando o co
No inez de juno foram sepultados no centilcrio
el publico, como tatiiheni provam a* gu
A nov..
de Santa
pellario, Antonio Quinrino de Ajevedo.
iurv. Aiipellanles, o juizo B (.aiiuto
Ros; appellada, liberaliua L*a da Silva lira-
1Improcedente
TASSAGBKS.
I),. Sr. desemt.r.vador Giliruia aoSr. desembar-
jeadoi- Guerra. A|ipella.-ts civeis: appellanie,
M:ichari>f; a*uelUdo, Jo*
Vaseoacellos. Aopellanje, i ai|uim Jos# dos San
tos; appaHado, Anumio iM.in.-iseo dos Sntos. Ap-
llalil.
aao
tinada
nheciinento do pagamento do imposto de seuB-
cio de corretor peral, do i' semestre de 18bJ a
187.Selladoe cinb.eimento, volte.
i0 Henurdiw de Vas.ouccllos juntando igual
coulieninoalo.-registrado eulregue-se ao sup-
iVFraBWcu Jos Silveira, lambem juntando
j'Im'Veri-ira''MactVd^V afipeHado, Joo.uiz deJvM,a| om** ' Moreira di Soura, Francisco Domtn-
t
De M.HM-i
pues da Silva Arauj c Manoel Alvos G'.^alvt*
PefM*W, apresentaBde comrato que celcbraram
I -aquim di Siveira tutor *os lilliosda j allimaracnte, approvando e rctilicando a
i Mara Dene lien Ai.| Atexandre Rodrigues itoftSiHrte*] ap|.o;-
lirma do
ultimo
de
nalvw de Araujo i'eroira ; apiHado, Severiiu i |
T de Santauo. de eulubr.. de 187.-Vista ao ir. -vsbhbwin
Uo Sr, ri.-Mi!arjdori".iieri-a ae, Sr. de.s^.ibar- liseai ,
gadorUcieiie iSanl! ip...Api^laroes civei : up-1 Viudos do Sr. 4cseiikir?ador Hscai.
nodanie. MaodtOinaz de Ail*uquerque Maia ; j,,;,,, i>odio fc Mello, podmdo mairicu
umi, a viu.v.1 o lierdeios Mi Aires l-eiit.ira. A|i*ollate, De. Joaqun Manoel l.uiz Gncrvcs e. Fran o Antoeio le-
ftBMRsco de Miranda; aisieHado, Juse-'toiliigue.s r..,rA iegislr de sea contracto social.negis
riMiistre tambem
tou cerca de 4O:0O0J, r.-eo ilie-endo-sc me tam-1
bom como redor d: 19:210*110 rs. cmsiuitos do
lettras aceitas p ir meu sogro, c alg.nni* en 1 issa-
das e.n favor do filln; lead'-so separad i, segmid
WWThn< sn'ti'i ;.'es pira paa-n-Uo d<> erodo-
ressendo o cugouho Frricos, o trras de Papa-
gaio (ab itndo-so n'uma lere.a parle, que a |>cr-
tejeia a algaus liordelros),' urna execu.;
i- berikw '
*> 20:*sX)i.
fea, c oulro oaHSuachuma, por serera es juemai*
garauliain aos redores, sedo os oulros ht>as es-
i ei.ivos de ponco- valor, e dividas que amda. boje
' c.-tao niuUtJgMerefB pagas, como se pjd'jr ver
dos rspcOT^HpBns?'
Voltando lrwsta cidada sam se*sr homologa-
do o inventario *iela oppn.Mpio d'a^uelle berdciro,
fui a niinha casa o referido Barbosa purguntar-
mo quem Ihe pagava urna Hlra que meu cunha-
dn lite devia garantida por met soi-ro. Disse-lbe
o que lia vi a, e que naouie linlia asqueciilo de des-
cre*er todos s cfadores do casal mi eujo nume-
ro elle entra va, c i*He sendo, eu tambem credor,
a nossa sorte seria igual, que apenas se julgaase
o invonlario trataria de vender o engenlio para pa-
gamento de todos os credores. Elle porm coin
voz jjittwb|eJ|specto feroz, dissen'i ste negocio
lia tratartdalRepelli-o conw devia, e elle todo
furioso e trmulo sabio, dizeod '. eu hern sei
qaem me lia le pagar. Decorridos algnns das
me midon citar part pagar-lh? intogralmente o
que imu sogro Ihe devia |Kir eadosso foit) ao lidio,
sendo tambem citado logo depois por Jos Cordei-
\ ro Pontes e por outr.w credores do casal.
Nada lio irrisorio como exigir-so judicialmen-
le o pagamento iiiU'gral de un henleiro, quando
Estas parcelas som.naiw 27 cadveres. todos sao igualmeule resjwnsavcis, cada uu por
Est exjdieado ludo, patente a mMade dos fue- urna parto e.irresp iiidente a que ti-er ua iierau-
tos ; c ne omtnoto diz o Sr. Dr. Mascse, que h c,,. Kramos seis berdeiros, e enla i Uatentei meu
paimtSMl \lid" pelo cK-ndinini&tind'M' no [0MX- \ direito, viudo pagar someiite a sexta parle a
ador det uros fnebres pora levar faro o cemte PooleB) o mosmo Barbosa, Guerra, Velloso, Silva
no cadar-eira sein guia t s (om o biVie'.e de res- : Lopos e oulros, sendo que satistU inlegralmente
pmisiil /'> [orneceiior, fi can i pira (\u o |a algn? credor* que ino c.ederam e traspassa-
' tilrns"! o aillo nui'.'iz e sitkjutjasse u lei, rain seus titules, oque ludo consta dos autos,
"te te |^k a^> f.,
vor de seo ica filft fa"
Vtivo nne' ^nhante, e opto, sempre
uTcno" -**"iwnh' "^ M
.,pi../ >l*larfo, ni |0 bem fazer, e
^, posteridad iipio, irm modelo, c
. .Winc liara- aquellas qo tcnio sido a alvo.a
<*e se dedicarain tantos exeossos em seu benefl
vados em cano de 4* urdeui e a mao.
O numero d;vs pess.ias epuludas no eeiuited|
e pelas i| i ici -, pg ui ii imp i lo de 10
nos aicx.es de abril, iikio e junii... f -.acia-
mente coin .i cifra api-.-.-utada pelo Sr. vcreadH"
Barro> Brrelo e bo;n a-si.u a cifra l'i'3 relativa
aos cadveres de pessuas pobres e qae (oram eii-
torradas por earida le^pneazendo arduas pai -ej
ilas, cima dita?, a somina Ue i'i3 cadveres, nao
tabernil o Sr. Dr. Barres Brrelo e com dio o Sr.
Dr. Mostoso, rojo i cxplicar-se em relami ao pa-
gamento do imposto a differenca, que tai de 4od
pai oSif, numew este das pesias fallecidas nos
iros meses citados.
A txplicaeao porm, fcil e os refendos non-
tures caHaraaw; ci-la:
Bsaaa 5!i7 eram :m me.z ilc aliril:
52 cadveres de escravos 5
30 cadveres, que foram conduzidos ao cemitrio
cm carros de i* ordem c a mao.
Su iiiozdo laaio.;
32 cada-vi res Je esorayos;
37 calavrre-, quefiraiu eor..lnzidos aocetniterlo
em carros de V- nr4e.m e a mao.
Ks me/, de jiinlf-.".
"2 cadveres de escravos;
4* qatiaveres, que for.ua coaduzi.los ao cc.aiserio
cm carros de i ..dem o a mao.
Idas hcrdelros),'urna execu ja.i ^'".41 do, na. dar tesioaw de seu reconlieci- '> .'"..,' 4
s o Irtgcnho aamrxm imboi'a'^uJnMnto ; o nao^ereSlo eu nerrer no analhema 1 t^ors, M. \-
, un sitio em tljfras uaBgenno 4am. dos ingratos ,' par i*so v..u rogar a V. me coaeeda vo A C, 1'-
do Phsso. A|i|*r lante. loaqBp Sev,'ria:io N .gnoi- n.-se.
r: ai.|M'll; (onio l'Vrn.iiides Itilh-iro; .apellado, JMauo.il Itefc-
o de (lvii.a Jaiiiacji. Ajnielfcrate, Jos *
vicr Roitii\Mlrs ile AII..U|i-r\jue; eppellados, os
escravos MBaJael, Mar e Do Sr. d.s,Miil:irpa.l.r l.mrenef) Santiacra, au
"Sr. aaBtiiba.giidor Ainnia AHKiijuerquo. Aj-
es otveis : aupoUaute, Jos Felippo '
'ra; appeflado. Andr Pi-es Yisgueiro ile.Xlb;i-
iquerqu.'. App-ilaaM, Autenio Moreira dos liis ;
api- diada. Feliciana Mafia Otywpia, Appw'.antes,
Joao b*p?ista da Cwtnc oiitros ; aiHwBMaa. Anua
Ignac.;..- sous ii. a w jorseu jTocuradiM-. Revista
civel do ttio u>. Janeiro : re#eelTe,Bf-, Ma-
RBaUoa Perreina K\*v>> > rflecorrdos, <> estamen-
leiro a inveaiariaaVM d.. i'nwAo Joaquii;-os Fer-
reira Draga e a taflflds racional. Ai>pellan>e<
criin.-s : apiielUiiis, a; juizo ; appellafcj, Jnaquiu
Netos da Funsee.a. Appettanie, o juizo:, appellado,
J 1 da Silva Henea. '-Appellanle, o ja'/. 1; appel-
lado. Felippo de'Onsfa S.inl '.
1 1 Sr. desemiwFefttt] Almeida AUmquerque a >
Sr. de>e,iiuargail* MdUaAp|>ella?ir. Btvaw: ap-
.. He. Galdiii- >!' S-.nl ..> Nuiles de Oliveira;
appellado, Mui'^el *dc Azevedo AaSrade. Appel-
- lanie. Jse FraiHin de Obveira: appella.lo. \)<-
iningos .le i;:rr>>s Uiand:"i.i. .*if.|)e|lac,ii',s cri-
iii.-s: applU.iile. ivjuizu: appell.iils, Manoel Rodri-
S gues do Nasc.iMcfik,. Appjll inte,Candi lo Jos da
Silva; apiielladu. o jui/....
110 Sr. dnaenibargador Multa co Sr. desemliar-
gador Dowusgiics da Silva.Afj.ollacdes civeis:
appellanle, Vulimio fie. S e ADiaquerque ; aupol-
lado, Tibaroio Afiteriano Bapla. Apbeuanl*,
Joao Foliote da-Fika Santiago; appellado, Jos
Guimaraes du outx. ApiieUaute, Manoel Gas^i-
o berdeiros de
l'ranc.isco Uibi-iio Guimara^,
de soa euntratte social. Regislre-se. |
)n FortRuam dos Santos Port... addi amento,
ao c.nlracto social de Memles, Patea L. Pa
retirada do imjco Jos Bernardo fcendes---Nao
ten lugar vista da uliiuw irarte do art. aw
G. Gumiwercial.
foaMiiB Ignueio Pessoa de. biqueira e
Gavaleartte lie Albuquerque ArCo-Ver.le,
sieial.Uegis-tre-se. .
Nada mais liavendo sido prsenle^ a desparto e
dad-i a luir (li 0 meia da manbaaj o Exie. 61.
presidente eiicerrou a scsSbb;
/cmi'o o lamo ihmunando licre e ileiassoatoitu lo
ule que um motivo appaiecesst que kste por
I deitoerlo a prerariateo e tUslmrulo rfat dtnkeiroi,
fCrteitrenU's A cmuini municipal.
Da maneira aciiua exposU, para o Sr. Dr. Mos-, gja Barbosa, por serios aqui residoMtos
coso todos o* cAdavepes enterrados no cmiterio
*>
Anill
contrat..
ileviam ser eoiilnziilos em carros, que p.agam o
imposto, inda mosmo que os cadveres sejaii es-
cravos, pobres e que possam ser conduzidos em
carros do 4' ordem. tir h:
yue emili.viai.'iilo das cousas lem o desliado
vereadur!
E este zelo laaio mais de notar que o Sr. Dr.
Mosc.M). luierendu |IM todos os cadveres sejam
cndiuidis em canes, que pagam imposto, al ja
assegra que ..s sntiiment >s dos pretos da Costa
d'frica nao lem logar bojee que oseadav : -
dos aftfjEMM que. at aeoN lempo eram cuiul iza-
dos a mao li j > sao coi carro I
Queta conliecer as eondicoos especiaos de nossa
sociedade e a inll encia que as estae5B e\erce 1.
no orcani-iiio. determinando essa inllueuea 1110-
SSSSAO JGDIGIAIUA EM 27 DE SETEMRHO DE
ma.
eRKSIBIWmA DO MOL sn. liF.sr.MIIABOADOR A. F. l'E-
RKTri.
Sm-ettrto, Julio Guimaraes.
Ao mel dia declaron-se aborta a se reunidos os Srs. desembargad.-res Silva Guima- ate n carcter epidmico
r!e Res c Silva deputa los Rosa, Basto e liarao| vencer-so .le que
S "iruanev faltando con. par.ic.paea 1 veral de variar de um .nez para nutro, porquanlo vaTia n eSc
eVa 4' meo ni mda.lo o Sr. deseo-bargador Ac- numero de morios, mrmenle as classes aa.xas,
que pendem no tribunal do cominercio.
Eimpiaul coma o pleito de Barbosa e outros,
confa inim e meu fallecido conc.unliado Luiz Pe-
dro das Noves (eramos os nicos |uein se diri-
m clia-
iado outra ve/, para assistir um novo nveuta-
rio, o qual olTeetivamenU se coucluio, sendo bo-
mologado por sentenca. Fui prejudicadj 11 esse
segundo inventario, porque una divida que me
liulra cabido na priineira partillia, loi subslituida
por una entra cou.-iderad 1 perdida, como a*
faci-esti; utas nao reclamei, e. nem me mosire
deseontenle, afi.n de evitar intrigas de familia.
Feilo o r iuveniari-. cm que se conservou a
me-iiia designacao de liens q-ie se bavia feto no
primeiro para pagaioulo das'dividas passivas ira-
tal de haver do* iierdeiros a execuelu de Caxoei-
ra pelo seu justo valor para meu pagamento, cor-
rendo lodo o processo miaba curta; estando
isto combinado e justo fui Habido prfidamente,
toado Barbosa a babiiidada de Iludir o; Iierdeiros
com promessas e elfereciuienlos para Ihe eco.
um pequeo canto em sin conecituada folha afim
de demonstrar ao IHm. Sr. Dr. Jlo Ra> niund 1
Pareira da Silva a minlia gratulan, e patentear
nao so os desvelos ddmasmorespeitabilissimo d..u-
or, como o estado especial a que se dedicou para
me salvar das horriveis garras da morie.
Eu vou. Srs. redactores, barrar o estado grave
da enfermidade em qne me achei para V. a todo
o publico poder formar urna Idea se nao completa,
ao menos aproximada do meu eslado morboso, e
poder V. e o-publico reconhecer nao s o talento
sriehtifleo do medico, do quem cima venlio de fal-
lar, como o Inieresse, cuidado e zelo, que appllcou
para meu restaboleciraento.
Fui accommetiid.i de nina ervsipela foriissima,
e de una intensa febre que me produzio o delirio,
e chcsoit a febre a tomar o carcter de pormeissa
u tvphoide.
A sysipella reeollieu-se por duas vezas ; mas a
constancia e perspicacia, sent os profundo co-
nlieeimonlos medico-, a e eilinin pratica do Illm.
Sr. Dr. Joao Kavnmndo l-ereira da Silva, flzeram
com que a erysipelta roauparecessc, e continuando
110 meu trata'mento com um cuidado tal, que ai
um amigo, nao .ligo buin. que s um. pai pode
prestar a um lilho a quem ama, ou esposo a soa
consorte quando ella Ihe merece os seus desvelos.
Srs. redactores, para o publico aquilatar os
meas soffcimenlos necessario que eu declare,
que antes du Sr. Dr. l'ereira da Silva se incumbir
do meu-tratamento eu maudei chamar dous bal.i-
lissimos mdicos, e um destes linlia mais a quali-
dade de meu amigo, e este assiiu como aquelle,
nao ma deram esperancas de restabelecimento e
at ceustou-me que este mea vaa%) desaulmoa-se
a um ponto tal, que propalou a noticia de qne eu
nao scaparia, om lim, Srs. redactores, cheguei a
ue o pranto e a cuuteruacao ac-
paracao, para enx.igoar a bocea, servindo db' pre-
servativo aos dVnies e a< geeglveB, iaadv ora ex-
cellente e aromtico goslu ao paladar depois de se
haver fumado, e ao me.-mo lempo um admira
vel meio para suavizar a irritaQo da pelle deoois
de se hJNer'feitb a bai+a.
Acha-so venda as pharmadas (Je A.
Bartvisa, J. da Qjiceif5o Bra-
M.iuttT r C. e BartholomeA
(c C.
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIPE 48 DE SETEMBRO DE I8f,l
AS 3 1/2 HlinAS DA TABM.
90 d|v. 180 rs. por fraaeu.
Paralaba para Liverpool."t, V
Cambio sotire l'aris
Frote de algodao da
d. e S 0|0
\
P. J. Siveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario..
Dio umitas em KgHDS aaas, tomando rem e traspassarem a referida execucao para seu
ha de fcilmente con-
a recita do cmiterio lia de
coli e ile mi poder comparecer o Sr. deputado
.Vianda Leal. -
Lida, foi approvada a acia da precedente essao.
O nwrivo Alvos de Brito registrn o Ultimo
protesto de letra sob ... 11. 1,7:11) a 21 do Brrente
mez : e o protoeoilo do escriva'J Albuqucrque
conserva laesma uiunorac 1 e
data indicadas ua
acta da sessil. de 2') >leste mez.
JUI/i.VMKNTOS.
I Appollttnle, Franeisc 1 da Costa Maia
1 do, o Dr. .bis Eugenio
liante, Garlos lloock ; appellado, Lond ni 1
appella-
da Silva Ramos : appel-
siliau Bank: appellau'.e, Albino Jos Ferrcira da
Gunlia ; appellado, Domingos Francisco Tavar
miro Lueia-do tierna apf>cUaio
Pedro Fenreira da Cruz.,
Conflicto de jiirisjieao enlrc os snbstilutos do _A(|a'|0S ',K.jj (,, (j0s Srs. deputados.
Joiz de ilfixilto t O jlli'.o ili 1 .l-i.
Ao $r_ dosTi.ikirgailor ORirana.ApieI5aoo
eivci; ampollante, M.noe! Geraldo Monleiro; p-
pollado. los de Si Gavalcantc.
Do Sr. desouaargador Rugueira Costa aoSr.
tasambargadar Bauza mbm.Appcllaaaa eivel :
appellai*.e, Uaneel Alvos l..aciel; appellado, o
major Lurz Francisco da Suva Cuinani. Revista
,ivbi ; rcraorrontr,., 4 sua nusilier eeulros; reowrriuos^ Anw *lW">'^..jcnitrai'-,or w.-?.
de Carvnlho e ssa nullicr.
O Ud.-)..., U ARA IIU..'-. ^
Do Sr. desciiitiargador Seuza Leao ao Sr. nes-
iiiiiaryaulOT'finirau.i. AppsIlaQOes civeis : appd-
laaU, Carlos Sainos; appellado, Manad Marques
de Oliveira. Appellants, Francisco Cielito do
Monte<: suamlher; apj-.cJiados, Odaviano Ro-
drigues o ostros. Appellanle, Feliciana Maria
Olvuipia; appoilado, JosTerreira Colho.
Assignou-se dia par* jr.gamenlo dosivgnintes
eitos:
ArmiMeits civeis.Appell.ante, D. Joaquina
Francisca de S ; appeRados, Jos Parlado de La-
cerda Jnior e o curador dos orflhtes Lkz e Jo-
s. A;ipe!l.ii;lrs. o tenentc- no do^ Adujar Montarrow: e outros; apvellndos,
Estevio Jo:,"i'aes-Barrcto e sua mnlher. Apiiel-
lante, Li/ Jistiniano de Sou/.a B lia ; appella-
do*, Justino Teixeira da-Barba e outros. Ampol-
lante, o ti-fienic-corene! Luiz de Albtquerqne
Mar.'ia-li'i; appellado, Gervasio Jos da Costa.
Ai'f BJ.! ; :-. cniMES -Ampollante, o proniotoF ;
appeltado, I ;.priano Jos. Senres. Appoliante, a
proinstor; aVpallado, Antonio Bernardo Perei-
ra. Appellarcta, o juizo a-ppollado, Antonio Onin-
lino d.-^ Azevodo. AppeMante, o promotor; appel-
lado, Benedicto, esersvo e Lu/. Gomia do
Mello.
A' 1 hora da tarde eneerrou-sc a sessae.
fn e-ian.lo presentes os Srs. Miranda Leal c
\ccioli nio foram propostos os foitos adiados as
lrecwJomes sessoes, entre partos, embargante,
l.iviniano Pcmamle da Silva Manta ; ombargada.
I). loanna Ignaeia de Jess : appeltautes, Jos
Francisco Riiieiro Ma.-liado o outros; appoila.l,
Amaro Jos dos l'razeres.
I'A-SSAGKNS.
Do Sr. deseaibargador Silva Guimaraes ao Sr.
irarsmlor -* a SUm- apt-UU^*, V^......
Jna Vaz de Oliveira ; appellado. Custodio Collaeo
l'ereira Jnior ; appellanle, Armioio Pessoa de
Albiiquenque appellados, David William Bow-
man e oulros : appellantes, Guimaraes & Oliv>ira;
Mpallada, a directora da Cauta Filial do Banco
do Brasil nosla cidade : appollanto, o Dr. Manoel
de Pigueira Paria e outros; appellado, o Dr.
Gabriel So res Ihposo da Cmara. .
Nada mais hoave, e foi encerrada a sessao a
meia hora da tarde.
em certas oeoasies o numero dos morios aval-
la.lo ; eporianto, se s pagam porcc.itagein os 011-
nerrainentos Teilos cm caries de 1', 4' o '.V orjens,
lia vendo enrfus de I* ordem para conduzir aquel-
los que nao podeni pasar de classe siqierior. lia-
vendo ent rramentos a mao e enteiros di
vos, que nao pagam poicenlageni, claro qu Q
rendimento la cmara, proveniente da taxa sobre
carros fnebres, nunca |iode ser na razao do
mero das guias le sepultura.
No CHtanto. de ludo lili aecusado por diversos
motivas milito bem refuta veis, e para prova veja-
mos ainda.
a No parecer SsignaoV pelo Sr. I)r. Moseoso o
pelo Sr. Dr. Costa, que assignou o itareenr com
reslriecoes, fui acasado :
1." Porque nao obrigava o nedreiro, R3J horas
canas, a o nioertar as catacumbas;
2." Por pie as ras do cmiterio nao estavain
limpas:
;i. Porque nao plantoi arvores, que tives.-ein
pagamento, Picando abrigado pagar alguns d-
bitos que faltavam, e eslipulando-se na referida
que toda e qualquer diflerenca que jqne eanao posso descubrir um oulro 1
botivesse de princpal e juro seria dividida entre | monstrarlhe o meu recoiilieciniento, 6
oa mesnios Iierdeiros, sando isto com o nico lim
de me prejudicareui. 0 demonio porm que *m-
it e que se no u'a/.o de seis mezej naoestivesse con-
cluida aquella execucai. elles cadentes seriam
ilniga.los a pagar os juros lgaos do que se Ihe
.levesse at seu real embolso, assim como sei lam
Novo Banco de Pemanibnoo
em liqmdacilo, 3denos-
to de 18(39.
Os Sr?. accionistas podein reeeber **
sexto (hvideato *lc iu e uiei por eenR*
ilo ca[)ilal: S quirta-fiiitas e sabha.lo.s.
Caixa filial do banco do.Brasil
ein Peniambuco.ein liquida-
t;ao,24 de setembro de 1869.
Pela caixa lilial se faz publico que a*
notas de soa.emissi de valor ile 2OJOO0.
ib n. 117.501 [>or diaote c qbe cstao sendo
substituidas na tiiesouraria geral pelas ili-
e suiuenli-
assignadas por um director do Iwnco,
pelo liquidante da caixa abaixo a?si<7
nado.
Ignacio Joaqitim dr So Al.FANDEGA.
ttendimeniodo lia 1 a 27.
dem do dia 28 .
MOVIMINTO DA ALFANDEGA
valor de
J
obre ijjrigados a pagar-lbe o excedente se o valor
o un- Caswica nao ctiegassse: foi osla a armadilha
que elle so. servia
Trot.ii de ii.igar aquellos dbitos cuno pode, e
consta de suas proprus carUis, dlrigi las aos Iier-
deiros ; e foit. i.-to demorn a uxocucu cedida
at completar os -eis meses sem que houvesse o
meu ir embara.;.. la parte dos exacuiados, e mui-
l... menos dos cedeules, como certilicui 0 resp-c-
tivoosenvao; e lindo o prazo leve ainda a hahi-
lidade de (azor o mi que os mesmos cdanles nao
interviessem na arregaatagSo do engenbo, o nem
IK'SMiaaU'uiua, aliui de requerer uiua nova awa-
iaeao, como requereu, sendo-I he aflnal adjudlca-
um extremo tal, que opranio e a consveriww > i .1,llp,iU. ,-. .r.n ,hricailas
coinmetleram a uiiulu presadaesposa, que ja se laceradas, II
reputav viuva, e at mandarara fazer offlcio de
agonia II! J todos estavavam desanimados, e
juigavaui mproucua a medicina.
Eu inesiiio, Srs. redactores, observando um es-
tado igual ao meu ein outro qualquer individuo di-
i ia: estn uitimados^is s^nsdias. Mas nao acontecen
assim a mou rospeito, e posso asseverar que o meu
restabeleeiniento, o meu triumpho fot deytdo ao
grando cuidado e iuteresse que tomou o Illm. Sr.
Dr. Poreira da Silva, e reconhocendo eu tuJo
quanto cima venlio de dizer laueei mao da penna
nao s para agradece a to distiucto medico, e
inisai'-ilio qu.. reconbecido sou, como para MI-
ntilicar ao publico de qne uao s achara no Illm.
Sr, outor um me-lico apt|aima em sua profls-
sao, coma constante em estar ao lado do seu doente
quando o v em omnenla perigo sacrilicando ate
horasdo sen rcpjusu em favor do seu doente.
Queira o Illm. Sr. Dr. Pereira aceitar esta de-
moiistracao da mi ni graUdao e sincera amisade,
tro nieode de-
liizer pu-
blico a grao de sciencia medica, do que esta orna-
do S. S., e do zelo que lem co.n os seus docnles.
Na) enlenda S. S. que esto pejueuu tributo de
minlia publica gra'.iJi seja elToito do adulaoa.,
no, eu nao eosiumo thunferar con o podre,m-
sonso da adulacao a iiiuguem, e seria deslustrar a
pessoa de S. S. com um elegi iuiinereiido, por-
G91:.1Wia
S0:hioi7:t;t
nscoonm
/olumes entrados com fazeudas
Ider dem com (teneros
volutnes sahidos com fazeudas
dem idom com gneros
482
MI
-----t
15
.'.no
------63*
uielhor aspecto e chairo, porquanto a qualidad ', ,\ oagenho com o abata] da o' parte, send-> (lll'
iu: 0..
com a
TltljSsTFXAlL Ett COlIlfERClO.
ACTA DA LSSO ADJKISTHATIVA UE 27 E
SETEMBiiO DE189.
1-imSUC.Nr.lA B# BXM. Sil. BESEMBARGADOR ANSELMO
nttJBMGMBJUnTL
A's (O besas da mauhli, reunidos os Srs. depu-
udos Koaa, tasto e baiSo de CnuniQi, faltanda
om pi,rtecip;iro verbal < Sr. Minuida Leal, o'
Exm. Se. presidente destaren aberta a sessao.
Lida i .i app; uvada a (ata da sessao de 2H.
BXMBNBUTB.
Oilicio do presidente e-acretario da junta dos
correctoras, iruado de .'i do corrale, apr-*-en-
lando o 'Jioieliin commercial da semana prxima
flada.A* arabivo.
J)ilo do jTessor publico da [reguisia de Pe-
dro Martyr de Miada, offorecendo um oposcOlo
q:i fez puidic.ii em sua defoza, Cottleado 08 '.ac-
tos praticados -cantra elle, uiotivad.w pela sua
ajtMsetasie em as eleices (.rimaria de 1860.
Accitse-s!.
Fu-i pelo Sr. secretario aeCBsada a rece.pfe do
IBcie d.i Sr. JJr. aacretario do goveriw lida m
a prxima pasada aessao.
Aos Srs. daBOladti foram dietribuidos o diario
-de Lu.. GoiuaVea i'a Silva A Pialo, e o de Ca-
ima & C.
i WACROi.
. Uequertiento 4e J,<.i vi.u d*Cuuh Freir i
Tnoao, do Ceari. pedrvl. a graea de Ibes ser re-
snslradc t nomea^ao xle. seu caixeiro despaelianle
t'liristiano Ander Egg.Registre-e.
De Jlaiuel Jos ai1oi:j, apro-euiando o couhe-
iin-uto de haver pago o imposto do offlcio de
corretor, qu como LirofStn do Antonio Bottllio
Pinto de Mosquita Ju>or exerce nesia prai,'a. Jo
! se ii-stre A.> corroufa ejarwcio.Registrado en-
tregue-'e ao sflopTicanle.
De Gong,'ilo i iao corretor floral apre-
seataado igaal conhecimanta.Registrado ontre-
^ue-se ao uppeanti!.
De rancisco 4tf S;.otns Jureira, ajHKsentaiido
ara ser registrad:', a Hornear.-..i de sen caixeiro
anoel Miranda de S mea Janwr.Itegitre-se.
Oe Srainpiiliro. Candido da Silva, presentando
tambem, parn n mMWBO Bm, i aomca^o o seu
iCatcioledo Menezes.Regis-
4re s...
De GandoUe A Cimaragibe, sobmettendo i re-
.gislro o distrai-to desea sociedade, e podindo an-
BOtacoes ueste sentido no eontraeto eincto.Va-
la M Sr. de-e uiargador fiscal.
De Iqs Alves Lima req.lerendo o registro si
rauli.ine.i de nina procuraca-i bastante e da carta
do reos e tudo juma.Registre-se.
De Jos Kelieiano de Nazaretb, pedindo eerlido
di registro di nonieac^io de sen eaixeiro Inno-
io Feliciano de Naareth Certilique-se.
De J a.jubo Franelser, das Chagas e Silva, pa-
din 1 o eerlrdao de se acli.ir inscripto a nomoaco
"xeiro Manoel de Araujo Lopes.Dse.
D Ilenrique Marlins Saldanhn, pediado (|ue so
llie mande pastar por cerlidao a nomeaeao de seu
oro Antonio Marlins Saldanha Jnior.As-
la a peticao volte.
D i oRNin.) Ilenrique Marlins Saldanha apresen-
lando, jnra o fim de serem inscriptos na resnee-
liva matrieula, a nomeaeao de seus caixeiros Joao
Antonio de Oliveira e Jos Jeronymo Fernandes
Guimaraes.Seja registrada.
De Miguel Gen5alves da Luz offereceudo re-
gistro a nomeaeao de seu caixeiro Antonio Fraa-
PUBLICACOES A PEDIDO.
c-aduiini.strador do eemlte-
rlo pnblfco
Em o n. 218 deste jornal foi publicada a acta
da 4a gassan ordinaria da cmara municipal, em
13 de selemltro corrent o em cuja acta se acban
os pareceres de commissao sobre o cmiterio pu-
blico, assigna.los, o primeiro, pelo Sr. fir. Hoscoso
e Bonto Jos da Costa, tendo este assignado eora
restrigoes e o segundo parecer relativo a medidas
tomar para uieltior regularidadc dos a^gocios do
smiterio samento assignado pelo Sr. Dr. Mos-
eoso.
Nadadirei sobre n primeiro desses parecer,
pwquanto a Sr. Ir. (>)Sta, justificamlo o seu vot.
no que se ftparava do Sr. Dr. Moseoso, refulou
olialmenie as -aMcgacoes do Sr. Dr. Moseoso, e
qjw podan tier por mim apreciadas e respon-
dida-.
Assim, desde que entre os proprles vercadores
e raeinbros da aiesma commissao a ijastioa cun
q*ie fui icatado pelo Sr. Dr. Moscjsu adiou res-
liocto e reparacao, julgo do.mea dever nada mais
diier a proposito desse parecer: vamos portan-
toiratardeaprecJM- o parecer do Sr. Dr. Moseoso,
jicaaselnaada me&idaique se devem t.anar para
uielli r regi-uriilu.' dos aegocios do .cmiterio
publico.
.V-este parecer o Sr. Dr. Moseoso apaisn-se no
parecer do Sr. Ca-os Barretu, e >mo o facto
prinoipal n'este parecer seja a cobracca do im-
posto -obre carros jinebros, a ja-opsito" de coja
cubi-anca se uta bs carga, de prefereaoia sobre
e>e ponto que me deinorarei.
O Sr. Dr. Moscjs) diz no referido parecer que
coai-o s-rstema adojitado para a cobran j?.-da taxa
sobro os carros fnebres os cofres nnniicipces sof-
freui prejuizse que convem empecer & c-ao dos dinbeiros di cofre munici|ial; e para
prova dista allega o Sr, Dr. Moseoso que o ren-
liuieiitu Lt eolies mcni.'ipaes, readimenlo;prove-
niente da taxa sobre carros fuiwbnes, devia d Bi r
maior, porqr.e <7o rst vos Itallos Ae nossa. gente,
de qunfjfutr tuutdtuit que seja, querer fazer figu-
ra torneaos e por um etimtUo bt por um capitel1'*, que uSa tem razio de ser, tifio
ha quem deive de ulugur um curro mais detente
para levar o cadver de *tn prenle ao cmiterio t
isto para tuto aiimenlar a critica des visinim e
dos puteles, havendo at mullos fne venda ou
empeiam o uatoo objecto 4e valor que potsutm,
para terem a busopltia de dizer que gastarara
uuilo no enterro.
E, para corroborar estas justas e sensatas eao-
aideraces, diz ainda o Sr. Dr. Moseoso:
To grandes prejuizos sofivm os cofres muniei-
petes que, sendo incontestavel o que ncima fica dito, I
rrfnunanttose no entanto o tnappa dos enterra-
atentos diario* altt se encontru um ou outro carro
de prime ira ordem e todos os mais de ordem tnfe
rhr o o Sr. Dr. Hoscoso, nao costate com o que
allega, appella para os algrirismos diz essa a
razao por onde o Vareador fia mis Brrelo tbtou
a grande cifre de 2?7 cadveres,'pelos quaes nao
foram pagos imposto de l\) jmr cealo e bmm fo-
ram coadiuidOs gratuitamente porque osles foram
167, entretanto que no mea d ag.-sto, baveudo
23S eniorramentos 14.3 pagarain ini|iosto e no aaaz
de abril sobre 238 somento sobre Di se pagua o
referido imposto.
Vejamos, porem, a verdade :
No mez de abril foram sepultados no cmiterio
publico, segundo o numero das guias de sepultura
dadas pela cmara, 340 cadveres, sendo que 97
foram conduzidoa em carros funebr de 1" 2* e 3*
ordens, 61 foram.ceadozido&em carros de cari-
dade, i>2 eram cadveres de escravos, e 30 que
foram conduzidos em cauros i' ordem e a mo,
nao pagando a referida porcentagem se nao os
cadveres condolidos em carros de 1", 2* e 3"
ordens:
Ao mez de m.iio foram sepultados no cmiterio
publico, cuno tambem provam as guias da cma-
ra. 233 caita veres, sendo que 107 foram oondnzi-j
dos em carros de I?, 2a e 3a ordens, que pagaram I
que ahi mais abunda a do genero excremen
tifia ;
4.* Porque nio plantea minias llores ;
o." Poi.|,.v-, iiuamieaju'. '"i acnaJo suja.iir
roupa da .-apela, e misturada arotrpa su|i cor
engominada.
Olanlo H primeiro pinto di aeeusacas teiiho a
dizer que o pe.lreiru loi coulralado somonte para
fechar e abrir catacumbas e que nesle trabamos
absolva o pedreiro o lempo, alm de que, dado
mesmo que liveose o pedreiro occ.isio para fazer
c.oiicerlos nas ca!:eii:iil> ;s, nao podia o adminis-
trador exigir serviqos que nao foss<.! o pedreiro
obrigado pelo respectivo contrat .
Quanto ao segundo ponto da aecusacao deve sa-
ber 0 Sr. Dr. Moseoso, se que j leu o rcgubi-
meulo do ceniilerio, que cada um empregado lem
suas funecoes especiaos a exuressas, e que por-
.tanto o asscio das ras do cemilerio corre por emi-
ta dos guardas, a quem competo conservar o c-
miterio com o maior asseio possivel, como se acha-
va, e designar o trabalho dos serventes, que Ihe
sao inmediatamente subordinados.
Quanto ao lerceiro ponto tenho a dizer que, sem
ser obrigado, plantei no cmiterio, ha lempos, as
arvores de que traten o Sr. Dr. Moseoso, nao sen-
do, porm iienfiuma dellas do genero bxchbmbn-
titia, genero dose.oiibecido na botnica, menos
que sacrificados os principios da ciassilicacao na-
tural das plantas, fossem ellas classiflcadas pela
semellianza no cheiro, e plantei as arvores que
exislem no cmiterio, porque eram essasas espe-
cies nesse lempo plantadas ein todos os jardins e
quintaes (aniculares, convm.lo notar que a cma-
ra nunca dispendea qnantia alguma a este res-
peito
Quanto ao facto de se ter encontrado a roupa
da capeil.i. adiando se parte dclla suj.i e mislura-
da com a roupa eugouiinada nao me deve la] cir-
cumstancia ser levada em canta, e sim ao nvm
capsllao, porquanto pelo regulamento do cemile
rio a oapella est sob os cuidados desse sacerdote
qqe pelo regulainnilo nao se pode desculpar com
pessoa alguma.
Finalmente disse ainda o Sr.'Dr. Moseoso cm
23 de setembro corrent, em um requerimenlo fe
lo (rame a cmara, que eu punlia os mais seve-
.ros ombaracos que lossem depositados cadve-
res na capella do cmiterio e que ahi se fizessem
os oUicios fnebres.
Para cemhotor esta falsidade, eu apoello para o
MBmiuibo de lodos ; e folgo em declarar ao Sr.
r. Moseoso que, salvo o da de finados, nuuca a
cmara dwpendeu com a cera, consuuiniida na
apella onde sempre se fizeram todos os actos re-
ligiosos, qnantia alguma.
Antes de terminar convm notar o segaintc :
O Sr. Dr. \tosco-o, oleilo voleador da cmara
uiutucipal do Hecie, desde que tomou cunta de
seu cargo ate boje, foi niembro da commissao d
cemiteriu e abi a isse carcter, exammava tudo,
rubrieav toliias, esercia einlim iodos os actos,
proprios da commissao de que eslava incumni 1.;
e at a nrinfea demiesao nada achon de mao, e ao
contrario par sua tolerancia e ae quiescencia tud
ma relia van iik*mo pe dos tempus anligos ; ao
depois, pu.'ai, S. S. so oiibuu accusaces, s en-
xergou uniavis para censura, s transpirava zelo,
levado exponte de deswmtieear a verdade dos
Tactos (juana operara tal milagro ?
Confesse o Sr. Dr. oscoso de que S. S, boje
injusto, afim de satisfazer a mesquiibus capri-
chos.
Recife, 29de>5elcmbraile 1869.
Mamoel Ijz Viriles.
valendo ess.i (iropriedade de mais de 30:000030
(icou com ella por urna bagatel a. como s ve dos
autos, que esli no cartorio do Sr. Manoel Marn.
A.iUa n.j s.iikfoia i siu ambico. arma urna
conta dolosa pois s as despezas m nitam a 3:0005,
lauca toda a siza cm conta dos Iierdeiros, qu in-
do "allis Ihe cuinpria pagar melado, e conta os
juros dos seus crditos por tal forma que a exe-
cucao de Caxoeira nao chegou para elle pagar-se;
e anda se julga credor de, una qnantia avultada!
3Ta ceasas de que acabo de tallar deu-se una
circumslancia, que o publico deve saber.
Quando lizeram a eseriptura, reeeiando que nao
inlervindo eu (que nem sabia de tal arranjo) a an-
oullasse, quando viesse ao meu conheciinento.
declararan! ua referida eseriptura que separa-
tan) para meu pagamento o engenbo Ferricosa
(abalando algamas liarles, que j pertenciam a
cerlos Iierdeiros) as Ierras do engenho Papagaio,
um sitio no engenbo Samba, e outro no Guachu-
ma; entretanto que na copia d'essa mesma es-
eriptura, que Barbosa julou aos autos, se omittio
esse trecho eu declaraco, que existo no titulo
original, exarado no livro de notas do Sr. tabel-
lan Almeida, sendo que prevalecendo-se Barbosa
d'essa subtracao requereu para levar a pracaa-
rendas da mesmo engenho Frrico -a para sen pa-
gamento, e sobre isto sustenta una nova questao.
dista a crer tanta audacia, c quo actos d'essa or-
no paiz, sem temer-se a devi-
O baro do C aaajM Verde p
Mico.
Nao pretenda responder a uur avulso, qne Jos
Ali/es Barbosa (figurando o tillw), fez destribuir
por alga mas pessoas. A cireunrsiancia de na.
declarar a lypograpliia em aue tora, impresso. ba-
lara jiara se eonhecer a falsidade do que se diz
no iHesmo avuJeo, cujo aalor se quiz subtrabir
devJda respoitabiUdado. Considerando, powin,
ipie a occasia era propria para bVesmascarar o
meu conlendur, resolvi-mea Jaferir o que tem oc
corrido no*casal domen fallecido sogro Louren
eo Jos das Naves com relacan ao dito' Barbosa: o
pitblico apreciar o sea proeedimento, ^ualiflcan-
do-o como elle o merece.
Sendo os iierdeiros ae tempo da tallecimento do
mevm Nev (wn 1861) todos maiopee, a aseataram
em fazer o inventario amigael, para evi tar gran-
des espezas, no que annui Concluido sste, um
diN herdeiros lee jrfgwnas exigeneiaf em que nu
pude assentir oomo- iirvenlariaBle que era \ 'nomea-
do por elles) e descontente esse herdeiro. traton
derejuerer ao juta, oppondo duvidas o noli idades
m que ae lioha i'aito. peto que dtixou o maaio
dem sepratiquem
da punicao !
O procedimeuto de Barbosa me induzio a inten-
tar contra elle acoa) de uullidade da cessao e
Iraspasso do Caxoeira, visto como nem eu c nem
niinha mulber assignamos a eseriptura, e nem de
qualqner forma inlerviem is nesse contrato, -nul.
Iierdeiros de urna 6' parto, e o maior credor do
casal, e a mesma aecao se lem opposto o referido
Barbosa, ao passo que embaraza tambem a mmha
execucao que corre sobre o engenho Ferricosa,n>
masar que na supradita eseriptura reservaran
para o meu |iagame;ito I
Luto lia mais de seis annos sem poder receber
o que uie deve o casal, or causa da discordia
plantada por Barbosa entre os Iierdeiros, alim
do que nao estando estes cm contacto comigo,
podesse elle melhormcnte se locupletar com mais
uniros bens do casal. E como dizer-se que re-
cebi bens de um valor omito superior ao pas-
sivo, para pagamento dos ere lores, e que d s
sesbens me aeho de posso, quando nao pude ain-
da receber uque me deve o casal, apezar dai<
sonlencas que tenho oblido a ntU favor, c cuja
execucao tem sido prolellada pela chicaua a mais
vil ? Se os bens separados para pagamento dos
credores foram ltimamente engenhos, ierras e aj.
execucao sobre a propriedade Caxoeira, se esta
propridade est na posse de Barbosa, que j a
du de arremlameiito por dous eolitos de res an-
nuaes ; se ainda se nao ultimen a niinha execu-
cao sobre Ferricosa c suas dependencias, conti-
nuando a lutar com Barbosa, quacs sao, pois, erses
i.ens que recelo e de que me acho de posse para
pagar-me e pagar taoibeni a todos os credores ?
No tribunul da relacao, o no do comniercio es-
to os autos originaos dessas questoes por se ter
appellado das sentencaa que foram proferidas
meu favor, e no cartorio do Sr. Manoel Maria,
creio lem igualmente outros autos de queso ex-
trado a carta executoria para o termo de Porto
Calvo, onde teta corr lo a execucao de Barbosa
Em todos elles bem como nos documentos, que
possuo, o que exbibirei proiiipiamente, se fr no
cessario, est a prova irrefragavel de ludo quanto
vendo de xpor
0 publico aprecio o procedimento de Jos Al-
ves Barbosa, e o qua.iq e como entender.
:\o tai avulso que me refer no comeco dcs-
ta exposciu, diz o lho de Barbosa, qne serei o
responsawel por todo quanto Ibc acontecer, e
seu pai. Devo duclarar-ibe : Io que nao me lein-
bro de sua pes.-'a. 2 que seu pai tem desairelos,
e provaveluienteiaimigos, pois, algans artigos tem
Kiiparacido no Diariadt Pemambuco com a epi-
graphe O Dabo Coxoe assignados por Siwul,
i(ue dizeni ser.-lhe allusivos, por oulros negocio
ou quesies qile me sao inloiraraenle eslranhos
sendo do suppr qu^ nessas que-loes ou n'untra<
su ser vi-se lambem dos muios repro vados, de que
lia u>ado para comigo : tal vez elle mesmo nao pos-
si saber o numero de seus iiintigos I E como res-
ponsabilsar-me pelo que Ihe sueeeder ?
Confiando na magistratura do mou paiz e no
bom direito que me assiste, como credor do ca-
al do meu fallecido sogro, repellirei as prelences
injustos do mesmo Barbosa^e nao usare senao dos
recursos legaes para os tribunaes superiores.
Recife, i de sasombro do im.
po Verde.
tanto queira aclhor esta declaUfiao como um in-
genuo protesto da gralido desle seu eterno e gra-
to amigo.
Itecife, 23 .le setembro de I8G9.
lijando Pessoa da Silva.
Gamelleira
AO PUBIICO.
Aspr-.iepi:a-"es -e:npe trazem consequencias
desagrada veis.
Levad o pela pii.neira impressao, que me cau-
sou o acto do Sr. subdolC'-'ado de Gamelleira Car-
los Lenidas do llego Barros, o ignorante das ra-
zos, que no seu espirito actuaram para expedir a
.recatoria contra mim em busca de um cavallo,
que se suppunha haver eu conduzido com outros
ineus, fiz publicar a correspondencia, que os lei-
'tores viram inserto no Diario de 2i de corrent.
Uoje porm. chegaodn a rellexao, e informado
coin certeza do q.ie a |uee subdelegado assim pro-
ceder a re i'.iisigo do conductor do trem, e chelo
da estaca >, que tambem por sua vez se engaaran,
venho jiclo mesmo Jornal resumir ao Sr. Carlos
o crdito, e reputacao de que merecidamente gosa,
e que tanto feri.
Aceite, portante, por sua bondad.* o Sr. subde-
legado Carlos Lenidas do Rogo Barros esta satis-
farn publica, o. solemne que Ihe dou, dignndo-
se'de perdoar mmha irreflexao.
Gamelleira, 25 de setembro de 1869.
Joao Francisco de Salles.
Sealtores redactores. Tendo eu tomado conta
do mimando do balalho de Allegados dirig uina
pequea allocucao, na qual guarde! toda a modc-
raco, entretanto leudo o Diario de boje, nelle de.
parei com um pequeo artigo do Sr. Antonio de
SLelu, defondeudo se, por eu dizer, queme
constara estar a caixa do balalho exausta e mal
administrada, lomando para si o que nao e com
elle. / '
0 thesonreiro s tem a missai de receber e pa-
gar, assim nao ple ser cansa do airas.) da caixa
seno extraviar os diuheiros condados a sua guar-
da, sendo o atraso da ca, proveniente i
administrado do conaelho administrativo,
mais que nada aulrinei ; portr.nto
o Sr. S Loiao ..'n se molestar
que eu disse.
Hecie, 28 de setembro de 1869.
Hanoel Joaquim do Urjo e Albuquerqne
Descarregam hoje 29 de sotembn
Barca francezaAdele mercadorias.
Escuna ingleza=B.i'z dem.
Patacho nglezll-is L-riseidean.
Barca inglesa Xtpkuim idoia
Brigne nglez Sera baca..
I'ai.cbo uiglezHaidei dem.
Briguo austracoSlale S.familia do trige.
Cseuna inglezaPandorafarinba de trigo.
Escuna inglezaRattin varios gneros,
KECBBEDOKIA DE HENDAS IM'EUNAS
KAES DE PEKNAMBUC.
Bendimonto do da 1 a 27. o0:ld/>8ih
dem do dia 58...... 3:o28#W7
GK-
;::i.i7aS*
r.()NSULADO PBOVINCIAL
llendiinentoito dial
dem do dia 28 .
72:>:r*5W;
i:9M*60
77:3815507
tanto
nao tem raza o
com as palavras
Srs. redactores.Tlam convencido n de qne de-
"?" 1?W to8lof*da P* saolenaa. xar ao olvido os feitos Gloriosos de qualquer h. ro
Nelle estavam especificados todo os erad ores (assim como nio dar publicidade s acedes'aa'flavloa
laxa, 49 eram pobres de candada que foram con-1 do casal e seus respecuvos crditos, o qna un-1 de um individuo que r^ao sa poapa e nem -
Ao publico.
Somente em attencao ao publico respondo aos
insultos que me foram dirigido pelo anonymoo
lampea) do paz. Estimo mnito saber, que o Sr.
Inmpeo d gas nal .ju'.'r duchar nem patentear
meu procedimento aos tribunaes.
Pela ultima vez direi ao remrido Sr. lampean do
gaz que devolvn intacto todao* Iwrnardices e
provBcaciJes proprias de quera connece e frequen-
to o lupanar, nao pretendo r a Piranbas, porque
recelo que a harpa ou lampco do gaz. me torno
um simile. ..,
O ofjendido.
Ainda irmandade de
N. S. da Soladade.
A algaravia ib ex-Uiesourero nlerino,
publicada no D/urinn. 20, nao merece res-
posta vista da falta (le verdade, de que
se reseeuli:, como tleduzit quem se der ao
liaballio de combinar o qu i tenlto dito a
lal respeito como ijtie ello escreveti.
Recolha antes o diulieiro que adianlou
sem autorisaco, que com isto nao far mais
do que reparar urna falta commetda no
exercicio de dito lugar.
Recife, 28 de setembro de 1869.
Bernardo da Cuaha Teixeira.
MOViMEMTO DO PORTO.
Sucios entradas uo dia 3^.
Rio Grande do Sul 21 dtaa, escuna nurle-
allemaa Emanml, de 172 toneladas, ca-
pito T. Marckman, equipagem 5, car-
ga 873 arrobas de carne: a Araorim lr-
mao.
Valenca40 das, brigue bespanhol Fran-
cisco, de 220 toneladas, capito Jerony-
mo Fener, equipagem 14, carga -inh:
a Pedro M. MaurV.
New-Yiuk54 dias, lugar norte-allemao
Beethecend, de 156 toneladas, capillo
Harstedt, equipagem 9, carga 500 barri-
cas com farinha de trigo c outros gne-
ros ; a Jobnston Paler A .
Terra Nova30 dias, patacho inglez Gira-
lemh; de 159 toneladas, capito i. B.
Daster, equipageni 9, carga 252 bar-
ricas com bacalho ; a Jolmston Pati
Babia8 dias, brigue bespanbol Ikuiitjue-
la, de 180 toneladas, capito Ambrosio
Boronata, equipagem 12, em lastro, a
Pedro M. Maury.
Sergipe5 dias, patacho brasileiro Gkria.
de 159 toneladas, capito Beruardioo llo-
drigues de Almeida, equipagem 12, em
lastro ; a Joaquim Jos Gonijaves Bel-
Uo.
Goyanna6 horas, vapor brasileiro Pa.-
rahyba, de 104 toneladas, cpmmaudnni.'
Mello, equipagem 13 ; a Companhia Per-
nabucana.
Sucios saiiidos no nwsmo dia.
Rio da PrataBarca nacional hcbel, oa-
pito Jes Rodrigues Couco, caiga MSH-
car e agurdenle.
BarcelonaEscuna bollandeza Auna Maria,
capito G. A. Von Dofilun, carga algo-
dao.
LiverpoolPatacho inglez ilih; capttac.
Morrii'b, carga algodao.
MamanguapeVapor brasileiro Mindalm.
commandante Julio G. da Silva, ca; r ;*.
varios gneros.
'
Agua Florida de Mur-
ray e Lnman.
Porsemduvida alguma alesncou um perftiti
successo oeste paiz, o qual nao tem esemplo nos
annaes do toilei. A sua rande e vasta iiopulaii-
dade nteirameote oL-scurec* l*oem de lado a dos
mais unos perfumes inpertaJ lla Ailemanha,
Frailea e Inglaterra. Kss'a. m pVuland;,do "
se devora tanto attriimir i causa da n."1 e')mPa.r;'-
tiva baralea, mas sim Uo smente su "'"'"'
seca superioridad..', (jifal^uer um leddo m^'"'e',;
nado da mesma exhala a fragrancia das II *res }
mais odonforas e delicadas do trpico. O sen de-
licioso a deleitavel aroma, d tao fresco e nfri?e-
rante qual aquelle que dimana e se dilTunde dos
mimosos botOea de rosas esprgfdos e carrejados
pelo matutino ..rvalho dai'nellc paiz, cuja rma e
picante alOMrfera e justamente celebrada tanto
telo lo historiador. Ainda mais, o
seu aromaoao se evapora ou se desvanece, anres
pelo contrario, elle parece imbuir-se e enlranhar-
sa cada vm mais nas dobras do lefico, como so
houvesse incorporado em cada nma fibra de sea
delicado tecido.
jPissolvida nagua, torna-so urna admiravelpro-
DECLABCOS.
No dia 29 do crreme, uepois da audknci:.
do Dr-juiz municipal da 2* vara, tem de ir pra-
caosilio denominado Allemo, cun duaimat-.
a frcguezia dos Afogidos, por oxecncao de Lu.;
Gomes Silverio, orno seccionarlo de Antonio p
reir de Oliveira Maia, .'Mira I). Mana Francisca
dos Amos Curado, rom o abate da le, sendo o fi-
lio por 5:600, o as duas malas por 3.30OJ
COMPANHIA
Pela secretaria desla companhia se faz
publico, para conhecimento de quem lole-
ressir posa, que os chafari/es e btcas es-
tar*, abertos desde as 5 1/2 horas da di-.-
alia al as 9 da notitc durante o verlo.
Escriplorio da Companhia do Beberib-',
27 de setembro de 1869.
0 secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pili.
Co^^hode^compras do arsenal
de guerra.
a -onseilio de compras du arsenal de gn n.
;;,', aechlas-de couro
4 bacas aV? l,,u-
I cassarela de t*i79-
1 chaleira de dito.
0 chicaras de lou?a.
4 pires do dita.
7 copos de vidro.
14 ourines de louca.
f
\\*


Diario de Pemambuco Quaj-la eir 29 de Seembro de 1869.
a
2 pralns d.' dita.
Vi QjHs
=i rotaercs d<* nttral jura rhl.
U eolaeres de Uitu para sopa.
aconchas de metal.
I -fatas para awa.
t-"> garfil paradia.
pMetw e ferro.
i jarr de tarro.
I culo de ver ao longe.
33 pelle* He lustre.
>7 pare* de beims.
"* lari4lA f liila.
LtWO mappas par o movimento diario, confor-
me o inndew).
As jiessTias trfle quizerem vender os objectos
'cima ikrltrartnc. aprsentelo suas propoatne na
->tla do cousellio com aj respectivas amostras, as
1 I horas no dia 30 4o crrente.
Sala do- coneelhe do compras do arsenal de.
uerra de Peruantbueo S de seti-nibro de 8(i9.
Hygino Jos Coelho.
Coronel director interino.
lose llaptista de Castro Silva,
Secretario.
Tribunal do c onraercio.
Por esta secretaria se faz publico que fica regis-
trado o papel de distrato lia sociedade de Pedro
Ferreira di' Aranjo Braga e Jos Dominguos Pe-
Teira, Gcando o ex-socio Braga exonerado de
qualquer responsabilidade.
Secretaria do tribunal do commercio de Pcr-
tunibuco 24 de seteinbro de 1869.
O offlcial-maior,
Julio Ultimantes.
COMPANJIA PFJCv\MBUCANA
Navegando costea a por vapor
Macei escalas e Penedo.
i4 'f > aegujr paja o portes cima no
3B9NBB da 30 do frrente as 5 horas da tar-
de. Beeebe carga al o da i!J, encommendas,
passageu* e Uiiilieiro a frete at as 2 horas a
tarde do dia-da saluda ; no escriptorio do Forte
do MaMos n. 12.
BAHA
O palhabote Garihaldi, capillo Custodio Jos
Viauua : a tratar com Tasso Inuaos.
LEILOES.
AVISOS MARTIMOS.
CU1PAXBIA BRAS1LE1RA
DK
Paquetes a vapor.
Dos porios do su I esperado o
vapor Cruzeiro do Sttl, comman-
dante J. P. G. Alcoforado, o qual
depois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
r embarrada no dia de suachogada. Encommen-
' dase diuhe.ro a frote at odiadasua saluda as 3
tioras.
.Nao so rceebem como encommendas senao b-
itos de pequeo valor queniioexcedam a duas
arrobas de peso ou 8 pannos cbicos de medicao.
ludo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo com. carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se receben) na agencia a ra da Cruz
. 37 priineiro .indar, escriptorio de Anti nio Luiz
U; Oliveira A/evedo c C
Para Lisboa
Qbrigue portugoez
-losCorreia de Ca '
frete : trata-se coit
mereio n. 4i, 2 an
Oe terrenos e quiltro partes de
um sobrad*.
O agente Pontual competentemente autorisado
vender em leilao os terrenos seguinles: sendo o
! com ouas frentes (do U palmos e 296 de fun-
do) urna para ra da Uuiio pegado a casa ter-
rea dos herdeiros do Sr. Francisco Sergio de Mal-
tos e outra para a ra da Saudade ; o 2o com os
mesmos palmos de frente e fundos que o 1" e no
mesmo seguineut". lendo una frente para ra
da Saudadee onlra para ruados Ferreiros ; o
3a na estrada do Chora Menino defivnto do sitio
do 9r. r. Pinseca, cen 30 palmos de rent e
duzontos e tanto a 300 de fundo, sendo murado
no fundo e cerca do limoeirn na frente, solo pro-
pro a 4 liarles do sobrado de 2 pandares solo fo-
reiro, silo na da Otila n. 29 fperbincha !)
Unlnta-feira a o
No Io andar do sobrado n. OS, ra da Cruz, as
11 horas.
Ama 20S000 Ama
Na rudo Wrev sobrado n. 27 paga sr 203
mensuef p>r urna bva ensinheira e se or escrava
se pagana mais, t'owtanto ijue seja de hpa c n-
ducta.
1' Sr. Augusto C, de Mello L'Erjristre,estodan-
te do i* anuo da (acuidad* de direlto, queira vir
ra do ftMiqado n. 21, toja do iazendaa,
Prueba-s de urna ato para eoziuhar
pouca fawtfa, forra ou escrava : na ra Diraita n.
Oo, loja de ferragens.
Precisa-se de duus ou tres trabalhajores pa-
ra padaria, que entend perfeitamente do trabalho
de masseira, paga-se boiu ordenado : a tratar na i
ra do Nogudra. lo, das (i horas da manhaa s I
5 da tarde.
Ul MJ
Nova icjad* calcados, na ra Direita n, 32,
catfronte a Iravessa da Penlia.
Mathias de Albuqtien/ue Mello Jnior tem aber-
o a ftoncorrwi.i publica, nrr soa loja de caica-
h. com completo imrtimeniw a ra Direita desta
oda de ii. 32 : e para ella ciwma a altencao das
pessuas de scu onheciMiento e auiizado
Os abaixo assignado^h^jicieiite ao res-
peitavel publico e com opecaWpe ao eorpo do
commercio, que ter justo e cn|raiado com o Sr.
Laurino do Senna Leile a taberna sita no Largo da
Penha n. 6, livre o desembarazada ; porlanto se
ilguom se adiar cym direito mesma, compareca
no praao de tras das, lindos os quaes por nada se
responsabilisarab. Rocife do setombro de 1869
Jiis da Costa Cazeiro.
Joaquim Pereira da Oosta Nobre.
Mrua Bella n. 3,' precisa-se ik.- nina ao que
saina coznbar. comprar e engwnmar. preferindo-
se escrava, para casa de uio.i familia de tres pes-
a
se-
LULIO
De tOO saceos eom fcIJSo bran-
eo sem marea.
Quinla.feira 30 do corrente.
O age te Pestaa fa- leilao por conta e >lsco
e quein pertencer dos gneros cima tuds para
f char facturas : qninta-feira 30 do corrento no
armazem do Annes largo da alfandga as 11 ho-
ras da inanliaa
Cozinheiro.
Precisa-se de ura cozinheiro ou)esn ajudan-
le, mas j com arruina platica de ca-a de pasto ;
na ra do Amorra n. 15, taberna.______
ktmsr
Precisase de urna ama que siba bem cozinhar
e engommar, que seja pessoa de muitn la con-
ducta, para tratar do arranjo de urna casa de um
moco folleiro : quem estiver oestes casos, senda
branca ou parda, dirija-so ao pateo da Bibeira
n. 13.
Estrada de ferro de ljnda
Hebtnbe,
Compra-se dormentas com as dimensoes
i"V" irimento V) palux>s, largura 7o
nieio a 8 polo|*las, grofsiir*" 3 o uteia a 4 ^lle-
gadas, tendo das roaueims seguales ; sicupira,
oilicica, amafello, louro voflider, redro, pao
-rano, Iniaupnha, a outras di; reBoeida dura-
rio |iara o cMh, e quena sejain bseadiras. ludo
de quina niva, pudendo os prjtedeBtes apresen-
lar suas propostas em cutas fech, das, dirigidas
a esta superintendencia, no armazein provisorio
da mesma estrada, na rna da>A(Sra, das 6 da
manlia i as i da tarde, al o da 30 do correule
Rvflife, 22 de setomcro de lt.
O superintendente,
Anrr Je .Viren Parlo.
Feitor
:\
FIO HE VEL4
Barbante
Precisa-se de um feitor de meia idade o que d] E Casa de Rabe Sohinetau C. Corpo
intormacoes d sna conducta, para um sitio perto
desta praca : a tratar na ra do Ara gao n. 31 ^
Pfeciia-so de urna ama para casa de pouca
familia : na ra do Caldeireiro n. 68.
Santo n. 15.
Hfllii Ftfittrirens?, opilan
lo Sub inio, recebe carga a
B. Babello ra do Com-
Rio lo Janeiro.
Para o indicad' iorto, pretende seguir com
muita brevidade o I !gue nacional Isabel, por ter
a maior parte da r gi engajada, o para o pou-
i qup Ihe falta, nata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Ovejra Azcvcdo & C, ra da
Ouz n.'i7, piiineiio andar.
Rio de Janeiro
Para o indicado porto pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca pnrtugueza S. Jimo, por ter a
maior paite de seu rarreaaniento engajado, e para
m resto que Ihe falla, traase com o consignatario
luaqoiai Jos Concalves Bellrao, ra do Commer-
rio ii. 17.
mmk mmm
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o 'lia 30 do corrente o vapor
Guai', commandantc o 1 te-
nente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir, para os portos do sul.
Desde j recebem-e passageiros engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
mt embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a fete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se receben) como encommendas senao ot>-
teetos de pequeo valor e trae rfiio exceda m a
arrobas de peso ou H palmos cbicos do medicao.
Todo que pasMr destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
;-ens s se recebem n i agencia ra da Cruz n. 57,
t" andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Ai1.'-vedo A C.
LEILAO
Oe 30 saceos coiu feljao uiila-
iiuho. 35 barris com banha.
barris com vinho verde.
Quinta feira 30 do torrete.
E. A. Burlen C. faro leilao par conta e risco
de quem perlencer por irnervencao do agente
Pesiaua, e em pre > nca do vicecnsul de Italia
de 200 saceos com fe!j5o branco sem marea ava-
riado d'agua salgada v ndos de Genova na .barca
naliana llosa, eapilo Fevelli, entrada neste porlo
e 3 do corrente, os quaes seraa vendidos qnin-
ta-feira 30 do corrente as U horas da manhaa
uo armazem do Anees.
LEILAO
Em continuapo
Do variado deposito de louca.
vidros. porcelauas c crvstaes
sito
Ra da Cadeia n. G.
O agente Oliveira continala o leilao dos a
tigos supra mencionados, em notes a vontade dos
pretendentes, as 11 horas da manliaa do dia
Quinta-fe ra 30 de setembra.
LEILAO
EM IMtlf tllYJIA
O leilao dos sobrei-alenles e mantftnentns da ga-
lera ingleza Lancashire, nnunciado para quinla-
felra 23 do corrente, fica transferido para segn'
da-feira 27, por causa da molestia do respectivo
capitao.
COJIIR
DAS
Hcssagerics imperiales.
At o dia .10 do orronic mez espera-se dos
jKirtosdo sul o vapor francez Estramadurc eom-
mandante Givit, o qual depois da domora do cos-
tume seguir para Brdeos tocando em Dakar
tjore) c Lisboa.
Para eondicedes, fretes e pssagens trata-se
ua agencia ra do Commenlo n.' \).
CMl'AtSHIA PERNAMUCiVNA
DE
Navegando eosteira por vapor.
Vjq de (iallinltas, Rio^FormoM e Taman-
dar.
O vapor Parahy!ni, conunandante Mello, seguir
liara os portos cima no dia 30 do corrente,
meia noite. Recebe car, enconimenda, passagei-
ros, e dinheiro a fretes no escriptorio do Forte do
Matt s p. t.
ia americana c brasiiei-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1> de outubro imperado dos portos
do sul o vapor americano South America, o qual
dopois da demora do costume seguir para New-
\ -tk, tocande no Para e S Tliomaz ; para fretes e
passagens trata se coro os agentes Henrv Forslcr
A C, rna do Trapiche n. 8.
De movis, louca evidt os.
A SABEI!
l'm piano forte, 1 harmnico, 1 mobilia de ja-
caranda, 1 (lila de mogno, easticaes com mangas,
candieiros a gaz, I rico espelhocou) moldura dou-
rada Lgrande), 2 cadeiras di balanco, deseangos
de ps 1 cama franceza. 1 loilet, 1 guarda ves-
tido do mogno com espelho, 1 berco, 1 guarda
roupa, 1 coinmoda, 1 santuario de 'Jacaranda, 1
machina de costura,
lina mesa elstica, 1 guarda louca, 2 appara-
dores 1 sof, 12 cadeia-, diterenls mesas, lou-
ca, apparelhos para toilet, copos, clices, garrafas,
compoteiras, 2 duzias de garrafas com vinho do
Porlo, 1 cama do ferro, 1 quartinheira, 1 esbide
1 jardineira com pedra m rmore, 1 palaquio,
1 burra prova de logo, 1 calx coin nrreios de
melal para 1 cavallc e el j.vtos.
Mexta-felra t de outnbro
no sobrado da ra do Imperador n. !l.
O agente Pinto uuofisade por urna familia que
retia-separa o Para, fara leilao dos movis e
mais objectos cima descriptos pertencenles a sua
casa de campo, os quaes objectos serio uanspor-
tados para o sobrado da ra de emperador n. 29,
onde se effeetnar o leilao no dia cima dito.
Principiar as 10 hora?.
0 bacliarel Antonio Pedro Kerrcira
Lima, inventarianta dos bens da finada D.
Mara Adriana Carneiro, de quem herdei-
ro o Visconde de Loores, faz sciente a lo-
dos os inqoilinos dos predios abaixo men-
cionados que elle o nico competente pa-
ra'recebcr os alugueres ifbs miamos prft-
dios, vjsio serem estes pertencentes refe-
rida beranr* para cojo fim, ou para outn
qualquer negocio, pode sel" procurado em
seu escriptorio de advocacia, n" ra do Quei-
mado n. 39, Io andar, entrada pelo pateo
do Pedro II, das 10 horas da manhaa 5s 3
da tarde.
Roa do Apollo.
Sobrados ns. i, i, 12, He 10.
Roa do Trapiche.
Sobrados ns. 13, 15, 17 e 12.
Ra da Imperalriz.
Sobrados ns. 86 e 88.
Ra do Hospicio.
Sobrado n. 33.
Ra da Aurora.
Sobrado n. 36.
Ra -da Saudade.
Casas-terreas ns. 23, 25,47, 29. 31,
33 e 33.
Roa da Umita.
Casas terreas ns. 58, 60, -, 61, 66
e 68.
Cruz de Aluns.
Sobrado ti. li
SHERRY 0L0R0Z0
Gelo seal.
C06MAC HKWIVE8SY.
Em casa de Rabo Schmcttau d C. Corpo
Santo n. 15.
CAHM1MNHA
SUPERIOR.
Roussillon, carte Blanche.
Km casa de Itabe Mehinettan A
O Corpo Want n. I..
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
C1IATE.VU LA ROSE.
CIIATEAIT RAlZAX
Em casa de Rabe Schmcttau & C. Corpo
Santo n. 15.
1M
Prccisa-se de una ama para servico de pouca
familia : a tratar na Iravessa de S. jjes n. 3o, se-
gundo andar.
TRILIIOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Alnga-se una casa terrea n. 40, sita na ra
Direita dos Afogados: na ra do Caldeireiro nu-
niero 50.
Ao publico!...
Rende informado que a miaba raulher, D. Ma-
ra Gbrlstoa Bastos Vianna, que eomigo eontenle
em aecao de divorcio, obteve do 1" substituto do
juiz municipal do termo deGo>anna, mediante a
falsas e cvillosas alfcgncSes airara do liccnQa
para cnnlrnhir um tmprettimo ile 3:O00, appres-
^so-inc cm declarar a quem nteressar posen : que
pie oppore ao pagaoMot i de qualquer quastia
que for einpreslada a supradicta miaba mulher ;
que j;i receben cm dinheiro e escravos o que fui
juli>ado neeessario para sua ali i.enlaco e liles
expensas e a quem nao pode aproveilar aquelle
airar ruegularmente eonuedido sem que eu foss
a jouvido como cumpria.
Em lempo opportuno farci valer os documentos
mncii i un
Crande armazen Je tondas e roipas felfas rna da laiperalm
b. 32, pora larga, de Paredes Porto.
Neste estaheleciioento encontrar o respeivel publico um booo sortiaento
de roupas de todas as qualidades, palitots de alpaca a 3.), ;,>300 at 64 Sitos d
nennu, ditos de casemifa de cores bonitos gostos a 6a, 8 e I0>, de pannowjelo
saco e sobrecasacos. Ditos de brira pardo unos e ordinarios. Ditos d^paca braoea
e decores do :i#00 a ,)UOO. Calcas de briio de er linas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemir
(Je cor e preta de y. W,_W a 150. Colleles de todas as qualidades e preco moita
barato. Completo sortimento de camisas francez as do slgodfo e de linho de at tf
urna. Sortmeto de seroulas francezas de algodo, de |nho e bramante a 2 e 2500
f> ate 7# a dozia.
HOUPAS PARA NENIAOS.
Encarrega*se de qnaesqner obras de encommenda tanto para homem, como
para aaerunos, e eom brevidade, por isgo que tem um bonito sorlimento de azendas da
tortas m qualidades tanto em casemiras cemo bros, pannos linos e outras mitas a-
en das.
FAZENDAS
Bramantes de II palmos de largura a mo o metro.
Cambrais de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poilde-chvre com lista de seda fazendu de gosto a *02OO.
Basqumes de guipure enfeiladas a iS^iKX).
Sortimento de cbis escuras e claras a 280, 300 e 360 rs.
Madapolo fino a 6;>500, 741, 8,-J e 9-5000.
Algodo peca com 20 jardas a 4;).v00, 5^00 e G,$000.
Peca de algodo largo a 7i>00.
E outras muitas fazendas que ser enfadouho mencionar Cheguem roepa
tetta que se esla liquidando na loja ra da Imperatri* n. o2(jimto loja de ourives) do
LEftO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
v
Superiores sedas de cor e listras a 1*600 o covado.
Lindas poupelinas de 13a, com grande variedade de ctires escuras e claras a
i60 rs. o covado.
Pecas de musselina branca com salpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
atissimo preco de 4000 a pera : na loja das Colnmnas, ra do Crespo n. 13," de
Antonio Correa de Vasconcellos A- C.
CASA DA FOBTIIJIA
Aos .4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
. O abaixo asslgnado tendo vendido alm tras sortos I naeion. 16W com liOoOi da lotera
que se acaliou de extrabir a beneficio do palri-
monio dos orphaos 020*)ronviila ao< possiiidorc-
a viren) reeeberna copforuiidadu do costume sem
descont alguiit.
Acham-s a vonda os billn'cs di "i' parte da
lotera a beneficio da matriz dn Jaboatao (I21-i
que se extrahir no dia 29 do coi rente.
Prec;os.
Os do costme.
Manel Martins Fiuza.
-^
Preci-a-se du una ama ,'ivre para tratar de me-
ninos : na loja delivw* no pe do arco de Santo
Aotnju, mi na roa oo Ilo<|iicio n. 40
AMA
Precba-fe iiitini.-i ama para o servico interno e
externo de una asa da pequea ramilla, prefere-
liva : na ra das Ci-uzes n. ix. 1 andar.
KrccisaTe de tima para cosiobar para rapa-
/ Ijeiros; na ra de II > i is n. 7 refina cao.
(Cal Sania 'TsSe
IEST411UST
HaverA Gcrrja em copo-;.
Hiere en cboppcl.
Schoppn liier.
Comidas ;i todas a? h ias
Recabe assignanto
E' de importancia!!!
O avisu que faz o Campos da ra do
Imperador n. 28, pois so elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que tfio anciosamente eram espera-
dos de Costa & Irmlss, e sao elle:> das se-
guintes marcas : exposico Normas imoe- Precisa-se de urna ama livre ou escrava qu,.
riaes e Havaneiros. A ellos an.es que se ^J^iSS!"*
acabem.
n. ."> terceiro andar.
! I ll'l Vi^Mi.
Leoncio Gonc.Jves de Anuda, natural do Itir.
Grande do Norte, segu para Roma concluir seus
un collepio americano.
francisco Moreira rt I Encopa tratar de sna mude,
Do Io de outubro p nximo futuro em dianl
empn /.a lar observar restrictamente a ultima par-
to do art. 2 do regularnetitn do Ex ni. Sr. presi- I qne teno en ii'ii poder, e que T,rova"eAuberan-
dente da provincia,.pie obriza oj Sis. astgnantes, temeoto o nenliiun valor e nulidade desse celebre
assim como as pemoas que tioroBi pases do
g iverno, a conrervar c n >igoos wns i-especlfvos
mlbetes ou passes, pira os jprasontareni quando
forcm exigidos pclta e,mpregados do tiem, sujei-
i;n lo-se na filia a i pagamento da via^cm, segun-
do a lbeila de preco das passagens:
Bacriptorio da empresa 21 de setembro de
18.
W; fla\\1inson,
Gcrcqte.
Henri Stoffels retira-se para Montevdeo,
se alguem se jnlgar ser seu credor Lira favor
de receber na ra da Cadeia n. 3ti.
tlvar e de oairos de igual jaez que j ten sido
concedidos : assim como fcilvez umito breve d a
publicidade oulros dommcntns sobro maneira in-
leressanli', que uiostram, uilo t o Iwm uso que
certa pes'sM exlrtmamenlr escfopnlosa faz da in-
fluencia resultante ddTii ili'v.u! > cargo, como
lambem mundo excmplar porque s administra
jiisiiea na minli.i lena.
Hei do a.i menos lomar es-a di.-fona dos mcus
injustos e prfidos pcrsognidori -.
Engenbo Go\auua-Giande. I'i de setembro de
1869.
____Joo Francisco Cm mlcunii iIMhutineique.
AVISOS DIVERSOS.
IMSTITLTO AKCHEOLOGK O E GEOGRAPUICt
i
Para Montevideo
lleve seguir em poneos d as o novo e veleiro
li.ilacbo aliemao Dinmmt, o qual tem urna excel-
lenle cmara para passageiros : quem quizer apro-
veilar esaa loa opportunjdade para passagens 6
dirigir-se para tratar a bordo rom o capitao ou
a ra do V gario n. i, Io andar, aaeriutoro de
taltar, Oliveira & C.
COMPANHIA PERNAMBUCVNA
DE
!VaTegaeSo eosteira por vapor.
Mamanguape.
< vapor Mandah, comman-
ilante Julio, seguir para o por-
lo aciisa no dia 28 do corrente
as ("i horas da larde. Recebe car-
_: ga, encommendas, passageiros o
'dinheiro"a dele at as 3 -horas da tarde do dia
da saluda : e>criptoiio no Forte do Maltos n. 12.
COMFANIIIA PtiliNAMBUCANA
DE
^faregaeo eosteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cean, Mandah, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, commandan.it
, seguir para ^)s portos
na no dia 30 do corrente as 5 hora.-
x tarde Rwt>.> rarga at o dia 29, eaeom-
mendas, pa dinheiro afrete at as
5 horas d dia da anida ao escriptorio
.* Forte d .11
llavera sessao ordinaria quinta-feira 30
do correle setembro. pelas 11 horas da
manhaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalhi de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, ti de setembro
de 1809.
Joj Soa Azevedo,
Secretario perpetuo.
Na trarossa da ra Relia n. 12, engomma-se
para homens c senhoras, e cosem-se obras de al-
faiate, dando-se fiador.
Jaboatao
O abaixo assignado vem protestar sobre a ph
lantropia de que este jornal, deu noticia em prin-
cipio do corrente mez ; (sem duvida mal informa-
do o seu redactor) de ter I). Joaquina Maria do
Espirito Santo, alforri, do seus escravos, pois que
seado esla senhara casada com o abaixo assigna-
do a muitos annos, e nilo tendo havido enire elles
soparacao de bens e nem contrato algum de cs-
cnpiurasdt harras, desquites, etc., nao pode em
face das nossas leis alforriar ou dispor dos nossos
bens, e euto s pude a ato attnbuir aos conse-
luos que som durida recebe ella de seus sobri
nhos, que tudo isto movem, para locupreta-
rem-se dos servieo desses alien lados, e na mor-
lo desta senhora, constituirem-se seos herdeiros,
visto que nao tomos liics, o nio prevalecer as
supposlas alforrias ; pelo que faco publico da I-
legalidade do sertiethante attentado as leis do paiz,
e protesto desde j contra os autores por qualquer
prejuizo, damno on offensa que me possa resultar
em contequenoia ida desobediencia que esta e
possa resultar dos referidos escravos para eomigo,
pelo que poco a#lordades do paiz, garanta-me
no direito de minbu pcoariedade
Pi Amarello no eqgenho llaeag, 9 de setem-
bro de 1869.
Manoel Joacoe Oliveira Pina.
10J00.
Contina a oslar fgida, conforme os aonnncios
publicados por esta lollia ns. 248 a 258 do anuo
prximo passado, a e-cr.iva de Jos I.oureneo (on-
calves, de nome Luiza, idade do 22 a 26 annos,
ponco mais ou rnenos, ebeia do corpo e altura re-
gular, tem falta de denles da Ireute e quasi no to-
do, e o cabello 6 propriamentc de cabocla : quem
ti ver noticia delta ou a appreheuder, dirija-se
ra da Cadeia n. 50, que sera gratificad j com
100000.
(Jasa para alujar
Aloga-se ama boa casa assubradaua, sita na So-
ledado rna de oao Pni njudi V'ieira, com bas-
tantes eoinmod >s para familia, com eoclieira, es-
tribaria eipiailos para criado-, leda canalisada
para ser illumiuad i a g:v. pinli la d>- novo o liom
quintal com porlao na frente : a Halar na ra
Nova n. .1.
O Campos
Tambem tem em seu eslabelecimento,
alm de muilus mili os gneros a tito paral
mesa, como para despeitta, o seguinte:
Camare.'. Si^rns dn M.ninlio. l\ rca-.o alngjir*iun phete | cvico
O verdadeiro caf de Moka, externo de reflnacao': a tratar na ra Direita nri-
Ftimo picado do Daniel de S. Jo5o do mcro <0-_____________'._______________
R0-Novo. Alnga-se >'"ia casa no Poco, na do Rio :
Termos de medidas para seceos, segn-', ,rm'sc "obr:"10 da'""lle Hortas "48
do o psdto francez. (mtrico decimal). -'i.r^a-se de nina ama para eoiJnbar i na
Precisa-se de urna ama para o serv-o
duas pessoas : na ra da Uuiao n. 33_______
d'
AMA
Precisa-se de unja ama para casa de pouca fa-
milia, que cozinhe e compre : na praca da Boa-
visian. 7, indar.
II ha lo Imperador u. 9
Agr A C, liqnidajarios da .-xtincta firma de
Quinteiro & Agr, ropam a todos os devedores da
meeaia, que quanto anles venhain saldar sets.de-
bitos ; e nao o fazendo at o dia 15 de ootabr
prximo, seao aseontas entregues ao procurador
para ae haver judicialnaeahvpoia que esta a se-
gunda vez que ftzem este' pedido, allm do naoha-
rer queixas, e nao serem tambem onerados com
cusas.
1)atten;vo
Antonio D0J*a 1 Xavier de l'aiva, (Jenesio Au-
gasto l'eneira Limosa, Jo> Paulino Duarte da
Silva, seguem para Ttoma un vap r francez.
(lolliffo
Aluga-se urna prela moca para o sei vico de
casa e camgar mieainos : a tratar na ra io
icio n. 2a.
Aos pal* de familias.
Aabaixo assignada, competentemente auterisa
da pela directora geral da instruccao publica, en-
sina primeiras letras, todo trabalho retalivo a agu-
Ihas, msica comprehendendo piano e canto, e
francez. Os senliores pas de familia que se-qni-
aerem utiBsar de seu preslimo eonHando-lhesuas
meninas, podem dirigir-se ra do Vigario n. 10,
i andar. A abaixo asgnaa nao somente recebe
algumas externas como internas, e por honorario
razoavel. i 4
_____________Jwepha Maria Sonto u Costa.
Alnga-se uan sitio os Remedios margen)
de"m, com boa casa e ^asante arejada, e com
vantagam, e entre os arrrdo6 que lom, encontra-
se para mais de 10 ps de eoqueiros que j botain:
no armazem de materiaes na ra da Concordia.
de varios regulamentos di niposlos altera-
dos e croados
pela tei n. 1507 de 6 de setembro de
18G7, compreoendendo
os de pessoal, escravos, industrias c profissoes,
i'ilo (orgaoisado Ktp'nabflicafflCflte, explicando
cada acto a que sallo esta sujeiio se se deve em-
pregar eslampilba ou verba, no primeiro caso
quem deve inuiilia-la), tiausuo-sfio de proprie-
dade, dizima de cbanceilaria. emoliunenlos, mullas
applicadafl fazenda publica etc. etc., e emappen-
dice o do cofre de depsitos
pblicos
- notados com as
inslraccUes e decisdes posteriores
at a presente publicacao
FftfncTsdo Autustode Almeida, .^.
l"escriplurario ...
da recebedoria de Pernambuco :
acha-se no pelo e breve a >er publicado ; as-
signa-se a ra eatreita do Rosario n. 12, por 36
o vonine ; depois de pu!iti;4-cut3r 1$ para
quem nao assignar. Torn n le ulilidade
'"s Srs. adiogados, sotieilaooiaa. negociantes e
funccionarios pblicos, a aequisiejio deste tra-
balho.
Na ra do Mondego n. 61 precisa-se de um
homem que emenda de plantacoes para tratar de
um quintal.
ASSIM COMO.
As tabellas que mais aceitaco tem merecido
das casas de commercio em grosso e a re-
tallio, smenle pea lacil comprebensao e
comraodo preco, s no ,
Armazem do Campos
Monte Pi Popular
Pernambucano
De ordem do Illm. Sr. director sao convidados
os socios effectlvos para renniao de assembla pe-
ral no dia quarta-l'eir, 9 do corrente, as 7 horas
da noite.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
no 28 de setembro de 1869.
Ernesto Jos de Menezes,
___________secretario interino.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Gompanbia Indemnisadora, eslabelecida
aesta prafa, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e raobilias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Precisa-se de um forneiro e um amassador:
na padaria allomaa de Sanio Amaro.
ra da imperalriz n. !l.
Terrenos de mariuha
.Nao ha disposieao de lei que mande incluir nos
tiialoade aoramcBto* a de seeeo para obras, ou
Mividao pubiic;, como o bavia as antigs sl-uia-
rias. Quem quizer que advinlie. ele, efe.
O tesiamenleiro do fallecido subdito fM
Joao \ignes, convida aos devedores do tinado a
saldaren seus dbitos amigaveiinenie, do oMr~aric
serao ajuizados sem excepcao aleinna.
A pessoa que rtnVrece milito dinheiro por o
aluguel da casa do pate i do Terco n. 19, (meren-
d comprar a arni.ic.o exi?teute na mesma, ce"de-
se a chave.
1'reci para todo servico de
hotel, -paga-sr bem, prefer.--.- escravo : a tratar
na ra esfrega do Hosan* % II. hotel Lisbonense
Attenqo.
Km Fura de Portas, no largo do diafariz, caa
n, 24, ha urna pessoa habilitada a ser ama de;
casa estrangeira ou de oulra qnalquer.
Offc0Me-a um rellaador para trabalhar en
reflnaflBO, gne nfma por dia 22 arrobas : a tratar
nos Guara fes, ia rBS eao de Luiz Antonio on-J
calves Pcuai C.
Veneravel ordem terceira de
S. l'Vaneiseo do Kecifc
Estando vago o lugar de sacbrisiao de nossa
\"enaravel ordem, por as r requerido o
irmao qne axareiH a* fbnecr- irgo, e em
virlude Uo anigo 146 do convida onos-
iri-simo innao uiinisjr queUes de n.
;5os, ^jne se acham' no raso de poderem bem
etesempeabaro dito tagar, qi.e !drija*> suas pen-
cos nes.< rendidos.
Secretaria 28 de etanibrt do *<6ft.
Jos Uiifln'>r,l:maco da Silva,
lio.
Imperial conipanhia de Londres
Por seus agentes nesta praca
Samuel Power, Johtiston <& C.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Faz puhlieo que tem aberto urna agencia nesta
praca de seguros contra fogo.
Os agentes estao aulorisados a emittirem apoli-
ces, ficando assim os segurados desde logo segu-
ros contra qualquer prejuizo, que possam soffrer
causado pelo fogo.
Os agentes estao autorisados a averiguaren
quaesquer reelamacoes o depois de competente-
mente examinadas a saldarem (como j tem feitoi
por meio de taques sobre a companhia eu Lon-
dres ao cambio do dia.
A companhia pmnietto prompta verincacao de
qualquer reclamacao, assim como prompto "paga-
mento, concluida que seja satisfactoriamente laes
verifleaces.
As pessoas que qnizerem effectuar qualquer
seguro basta rao nemetler a esta agencia urna nota
indicando somenle a ra e numero do predio qu>'
desejarem segurar ou em que esliverem iloposita-
das as mercadorias, assim como as qnantias.
Samuel Power, Joltnslon 4 C.
Agentes.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Aluga-se um sitio na Tone com fi gnyides
quarlos. 2 ialas grandes, cozinba lora < Airto
para criado, baixa de eapim > arvoredos de fructo:
a tratar com Andr de abren Porto.
Caixeiro
O Sr. Jos Marcelino de Souza tem nina car-
ta vinda da Bahia em casa de Tasso Irmos, ra
do Amorim n. 37.
Precise-se de um caixeiro de idade de 12 a 14
auno-, que tenlia pialica de taberna e d fiador a
sua conducta : a tratar na (iraca da Santa Cruz
liunnro 4.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Mi nbo, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guiraaies.
.Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalir-ao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal(Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcollos.
O advocado
Alfonso de Albuquerqne Mello mudon o sen es-
criplorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
Precisa-se alugar ninaaina forra ou escrava
qne saiba engommar, cozinhar e comprar, da-se
bom salario : na ra do Piro n. 70.
Para festai T
Aluga-se um sobrado de um andar na ra do
Amparo n. 22, em Olinda ; para ver, podem pedir
a chave na taberna do Sr. liuilherme, junto do
niesmo sonrado, e para tratar, na praca da ln ik'iideneia. loja de calcado ns. 37 e 39.
COSTBEIRA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
ceza, por prego comrhodo, na rna Angosta
n .112, e d-se anca sobre as mesmas.
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Rio a venda, ra do Cabug n. i
Gasa da r. Precos do eoslumo.
__________CASA DA FK.__________
Orccisa-ae lugar um menino de U a !*
annos, forro eu captivo, para o sorvico de ouas
as assim como de um molegae ou un pre-
to que emenda de eozinba, que seja fiel e nao te-
hha vicios : a tratar na rna d- "nde esta
,la Tl.ereza ...-. Se2i..ou na pra-
ca da independencia n. 3P.


o
Diario de Pernambuco Quarta feira 29 de Setembro de 1869
.>
mam domado
Nova loja de calcado
JOAQUM DAS DOS SANTOS A C. acabam de abrir uin estabelecimento de cal-
cado estrangeiro a na Nova n. 30, onde o publico encontrar ludo o qne neste ge-
nero de commercio lia de melhor e de mais gosto em Paris e Londres.
Por todos os vapores transatlnticos receberito elles constantemente remessas de
calcado novo, pelo que ter sempre o estabelecimento o qne a respeito se pode exi-
gir. Ao publico em geral e a seus amigos em particular, pedem a cooperado, que
Ibes possam dispensar, ccrtos de que serao servidos com lealdade.
Causa admirarlo,
Mas nao se pode duvidar ;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
FERREIRA i IRJIlll
donos deste importante e magnifico armazem de seceos e molliados sito ra do Rangel
n. 3, julgando nao aceitarem concordata alguma com os seus collegas resolveram der
nominar o seu armazem INDEPENDENCIA, assim como o seu fim nao seja illudi-
ao respeitavel publico deixarao de annunciar. sem o que o mesmo o julgue e admire..
Mas como nos pontos da via frrea, ja se tem discutido e apreciado a realeza e mpos
sibilidade a ver quem vende gneros to barato, por esta razo que annunciamos para
que todos tanto da praca como to matto acreditem o que neste asseveram e aquelles
que ainda n5o nos tenham honrado com suas freguezias, podero dirigir-se ao mesmo,
eertos de que ver5o gravada a sinceridade e mftliodo de negociar muito franco sera que
uecessitemos de andar ineia noite pelos ottes das matrizes figurando-nos por bons
demonios nem mesmo na frente da msica com o pend5o na mo feito bausa.
FERREIRA & IRMAO,
Ra do Rangel n. 3, armazem da Indepen-
dencia.
Mikroskope achroma
tisehen. Obietiv Lin-' ,/ ."\^
sen. S^mSt ^-<
Baromelre e lerrao-
metre. Centigrade
e reuumeure.
OCLOS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. I. Geraiaun. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com estes vidros, a vista descanca, frtifica-se e n3o a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolbido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se esta obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez. mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. (J alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais longe, os raios que expelle sjo
mui convergentes ou mui divergentes e a vis5o nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao disncta.
Com a applicacao de meus vidros pde-Sfr vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, .por meio de um vidro concavo aflasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deiia ver to longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que sucede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor d longe que de perto, e nao enxelgam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
tao distinctamente como na idade ds 15 annos. Servindo-se desles vidros quando a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. I. Germana encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, aes-
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
ni NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O demonio mudou-se por sua lirre e espontanea ronlade
VIVA 0 DA DE S. BARTHOLOMEU
Agora mnguem presuma que fot um demonio qualquer, fot
0 BQM DEMONIO
Mas nao saldo da Boa-Vista
PF*
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos saodesiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos omos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Sortimento
para theatro,
alcance para
rinha.
de binculos
o oculos de
o campo e ma-
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que d5o horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada etOieada, mglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua NovaN, 21.
CHEGOU-SE AT PABA UIAIS PERTO DA MATRIZ
eti dominio esta hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA D4 ARAGAO N. 32
VII\II %11 \'E-LO
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostra
E as diabruras que faz!!!
Negra tranca no eolio lheondeia
i Solta briza ao mago desdem : t
< Deita a fronte n'um peito e conhece
< Quantas maguas o seio contm.
Esta linda e gentil creatina tambem
VKMDE
Qneijos, manteiga e caf,
Vinho, cb e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinhas.
* Todo barato
Para agrada",
Venham freguezes
, Que lian de gostar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia.em que este importante armazem demo-
lhados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do %Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener- s por precos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a I 300 por 500 vinhn w^5m m ; *7.nnn
i 3
*Bsk
o S&$
* a x a
w TZ o u <
isa./) 5. -
3^' 3
o
C ^

= 3
?
N
V> BStiiil
o
3t. a,
-5 -3
i O a <; a
. 3 3 _,-
" yin > -o ~
_ a. ea.f n w B *.
* v> y> rn rS'^r*"^'^SS^i'i
8 j a 8 2^2
z> o o ^ >
w O 3 C-J
ts*=
CMfBTAItt DOS ANANAZES
16 RA DA CRUZ 16
Ha diadamente sertimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes (realidades, vmhos de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces t
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentos, a saber:
Pecas de nougat. P5es-de-lot eafeitados.
Ditas de p5o-de-!ot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja cora armaco de assucar. Empadas.
grammas
Dita dita a 1200 idem.
Dita dita a 15000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3(5500 idem.
Dito dito a 35200 idem.
Dito dito a 34000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf decaroco a 200, 240 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 210 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a iOO.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Fructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata.
Ditas s de pecfgos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a I 000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de orco ?. 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos fiara agua, doria 4)5800.
Garrafas finas para meza, o pac 5#000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 15000.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
grammas
Vinho bordeaux em caixa, 75000.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de 'ferentes mrreas. a
i 5400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 15000.
Charutos do Lima a 55 e 65 a caixa.
Sabaode massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas comameixas a 15, 15500, 25800
e 35500.
Ditas de manteiga a 25800.
Ditas juliana a 15 por 500 grammas.
Frascos com mac3as seccas a 25000.
Serveja de differentes marcas, duza 60.
Tapioca do Maranh5o a 240 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G>z, lata a 85500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a I 200 a lala.
Latas de plo-de-l a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muitas marcas a 15000 rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zeroa 15 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evpcar .mielles
que nao entendem.
T
VEJAffl QUE DABRURA
ar premio sem comprar bhetcs
Isto s pode ser artes do
II!!
ANDR DELSUC
CABELLEIBEIRO
7 A Ra do Cropo1/ andar 7 A
,. ,n kN^0NTR.AR-SE-HA sempre neste estabelecimento um variado e bonito snrti
e..to em perfumaras Irancezas e ingle cuja lista damos aos leitores?
LUVAS Marca garantida de JOUVIN.
nrinM nSSsT1^ sufper0r- T,alidade 5Mrca LB,N & GOSNELL.
POM\r\niS? ^Z .^T^0-8 pr>pri0s para presentes Lubin & Gosnell.
^ROnptfV ? 'na 'Je. V?n?S c,e,ros-Lubin,Gosnelle, SocietHyginiue
Av nK^ Para tota^Lobm d- Monpelas. ** 3
JMi UL.NTIFRICE.agua para limpar dentes-Societ Hyginique Lubin & D.
cierre.
?nLiLnpTrAAr^Pua ,Uxfar abarba e os cabellos-Lubin.
mir?t'rn0 HA'""M.ar,.a verdadeira de Joao Marina Faiica.
COSMTICO.cheirosoLubin.
POZ DE ARROZ.-dito-Lubin.
FSCOV AS Sftl? conservado dos cabelIos-Societ Hyginique
ni udim i, sTpara cabellos, denles e unhas. ,B 4
BLAIRLAU.Pincel para barba.
GRANPOS.para cabellos.
REDES LNVISIVEIS -para cabellos.
j?v^'f J L,NDISSIMAS--do melhor gosto.
HLNGALAS.-de phantasia, para passeio e de diversos lmannos etc., etc., etc.
A la parfumerie Farisienne.
7 A RA DO CRESPO 1." ANDAR 7 A.
COSTIIIEIKA E MODISTA
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
Tem a honra de partecipar ao respeitavel publico e em particular seus fregue-
zes, que, pe as relacoes que acaba deencetarcomalgumascostureirasemodistasdasmai*
afamadas de Pars, que todos os mezes Ihe mandara figurinos, de vesdos, man-
? w pe0S .T est3 no maior osto e mais moderaos, se acba habilita-
?LnP1Zer VStld?S para passei0 e visitas- bailes e casamentos. As senhoras que
USES! ^asuafreuez,a' nao deixarao de ser satisfeitas, tanto pelo bom gosto, como
E. ir 0Slprec? e ProraPtidao na entrega das encommendas ; tambem tem bi"
aTdX^^^
Estdecidido==o mundo marcha!
Leiam=admirem
E...... espalhem pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASSl 3IPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM GUSTAR DIXHEIRO
No
AS BOUBAS CURADAS
Todas as molestias syphiliticas.
PKLO
_. gELEXIRDODB.SEVIAL
Lnico depurativo sem mercurio que tanta aceitaco tem meieudo no Bra-
s'arnaf Sin iS9 M A"?manha esPecia,m^^ Pa'a cura das boubas,
ssa dTssss &rlesas syphi,icas e em gerai todas a^ei,a3
NICO DEPOSITO
Pharmacia e drogara.
DE
Bartholomeo 4 C.
IRoa Larga do Rosarlo 84
P PEfllIUlA!'
intuito de lazer urna fallada o bom demonio resolvou mimosear d'ora
em diante com um bilbete a qualquer pessoa que de urna vez Ihe comprar :>0O de
gneros, com dous a quem comprar I0f?000, e assim por diante sempre um bilhete
por cada 5^000.
Cada um desses bilheles dados o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna Ihe for
propicia coincidindo o. numero do dito bilhete com o do que tirar urna das tres sorte
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia do mez de dezembro vindouro.
PRIIIRO PMO
gigo de champagne, valor....... 30/5000
caixa de vinho do Porto (Meneres).. 23^000
duzia de garrafas de cereveja (Bass) 9I000
presunto de fiambre............ 15000
queijo prato................... 6^000
i dito flamengo.................. 3000
6 latas de marmelada lina.......... 65000
I caixa de pagas................. 8^000
100,J000
M BOA-VISTA
g riiun _____________
r3 L(V H
g DE S
^PALO FERRAMDES DE M. GIMARES^
^ SOB A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA >-
S ALFAIATE PEDRO s
ta PetP i i Sfi 0f?Cmil econtrar5 s respeitaveis freguezes um dos primeiros arlis-
gradas desta c?dade esPeca,idade era fardas)' Por muita3 Pessoas
foM i ,.0 melmoJ ^'^nwnto se acha munido de om completo sortimento de
lazendas, do que ha de melhor no mercado, proprias da oficina.
" O grande sortimento de roopas feita que tem, vende e manda fazer menos
20 por cento de que eraoutra qualquer parte ( dinheiro).
48 RA DA IMPERATRIZ 48
Junto a padara franceza. i
1/2
sio pitra
p gjgo de champagne, valor............ ISrJOOO
G garrafas de vinho do Porto vMeneres)... 1LJ5O0
ditas de cerveja (Bass).............. 450O
i queijo prato....................... 60000
I dito Camengo...................... 3,5000
1/2 caixa de pacas..................... 40000
6 latas de marmelada................. 6|}000
500000
T
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. 11 300
b ditas de eerveja (Bass).................. 45300
1 queijo prato........................... 60000
1/2 caixa de charutos de Simas............... 30000
250000
MAIS DIABRURAS !
Se a pessoa a quem a sorte houver favorecido quizer trocarj por ootrot
os gneros cima mencionados ou preferirir receber o respecto valor em dinhfiro nao
se ter duvida em itis/aaer.
Venham, fregnezes
Da praqa e malo,
Comprar barato
A O BOM DEMONIO
Pra^a da Boa-Vista n. 32, esquina da ra
do Aragao.
I


D

ario de Peniambuco Quarta fera 29 de Selombro de IW.
/
-------
A ESMERALDA
EMPRESTMO SURI
L0.lt DE .mus
DK
&C
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
guezes, visto que acha-se prvido com um
expendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos presos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
N. 5 RIJA DO (UBI (i i \ 5
(SEM LIMITE.)
Na ravessa da roa
das Ciros n, 2, pri-
nieiro andar, d^se qnal-
qner quanlia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transacijao que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraciio s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Qlub Pernambucano,
O abaixo assignado, emprezario do Club
Pernambucano, olerece gratiltamenle o sa-
lo do mesmo para concern, aos artistas
da companhia Ivrica.
Recife, 27 de Miembro de 1809.
P. /. Layme.
O abaixo assignado, amigo e testamenten o
do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos
Santos, fallecido no dia -3 do corrente, con-
vida aos amigos e parentes do mesmo para
ouWrem algumas missas, que no dia 29 do
corrente, na igreja matri: da Boa-Vista, pe-
las 8 horas da manh, se bao de celebrar
por alma daquelle Ilustre finado.
Innocencio Serfico de Assis Carvallio.
O agente de compras e vendas de
escravos, Jos Martins Alves da Cruz acbas-
se residindo na na de Hortas n. 90, promp-
to a-desempenhar nao s o seu dever para
este fim, como para outros que seus com-
mitentesojulguem habilitado mediante suas
respectivas commisses.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
\o Recife arco da Coaceico a. <5
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
zes bilUetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagarao as sortes qae sahirem
no nismo billiete com o descont da lei somonte.
# PRECOS.
nlheta inteiro 24000
Meios lOOO
Quartos 6000
E de 100 para cima a o bilhele.*
^^^ Figueiredo & Leile.
Um amigo especial do finado Joao da Costa
Campos convida os parentes e amigos do mesmo
finado, para na sexta-fclra, 1' de outubro, pelas 6
horas da manilla, onvirem algumas missas qae
manda celebrar na matriz de S. Jos, pelo elerno
repongo de sna alma.
Rtia do Qucimado n, 49 c 57 loja
de miudezas de Jone de Azeve-
do Mata e Silva couhecido por
Jos Bigodinho.
55
5o-Ba do Queimado
AYERDADE n deposito grande
qoanlidade de i as o peiuir.'rias, e de-
sojando apurai ro e adquer boa
goeza est i .i ?sim'o
Est quemando tudo quanlo tem emseu barato, : por i zo aonvida ao res
estabelecimento para acabar e fazer novo lavel publico a t compefmtemenfe moni-
sortimento, por isso queiram vir ou mandar ido a sortir-so di borne barato, pois quan-
Notas das caixas filiaes do banco do Brasil
troeam-se com mdico descont, na loja de Manoel
Soares Pinheiro, praca da Independencia n. 22.
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
CACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descargar algodo, do
inuito conhecido fabricante Eagle Cotton ffin.
'CACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos 'os tamanhos para doscaJrOar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
CACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho az obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de faco do fabricante Platt B. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas esUs machinas sao de superior qualidade e as memores que tem
viada ao mercado ; e para a sua apreciado convidam-se os senhores agricultores "
rem a exposicao das mesmas Ba ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontrarn mais o seguinte:
Compaahia Pernamhucana
De ordem do conselho de dlreccao da compa-
nhia Pernamhucana se faz publico que somente
at o dia 30 do corrente mez scrao aceitas assig-
naturas de accoes da mesma companhia cuja
emisso se acha annunciada. Pern? mhuco 2 de
setembro de 1869.O gerente. F. F. Borges.
i
AMA
Precisa-se de urna ama livre ou escrava que
cozinhe com perfeicio o diario de urna casa, e que
seja de boa-conducta : a tratar na ra do Vigario
n. o, 3" andar.
a ra Direita, loja de calcados n. 32, pre-
cisa-se de dous oflieiaes sapateirs de ponto, que
sejam peritos e assiduos, paga-se bem.
D Rosa Ignez dos Santos Lima, seus filhos e Q-
Ibas, pungidos pela mais aguda dor pelo paga-
mento de seu flllio e iruiao, Luiz Romo de Souza
Abre e Lima, vem agradecer do intimo de sua
alma a todas as pessoas que se dignaram assistir
as exequias e acompanhar ao cemiterio publico o
cadayer de scu prezado lilho e irmo ; e os convi-
dam'para Ihes fazerem o caridoso obsequio de
honrarem com suas presencas a celebracao de al-
gumas missa* que mandam celebrar por alma do
mesmo finado, quinta-feira, 30 do crrente, na
igreja de S. Francisco, as 6 horas da manhaa, pelo
3ue se confessam eternamente gratos por este acto
e caridade e religiao._____
Juvin de Souza Reis e seus irmaos agradecen)
cordialmente a todas as pessoas que se dignaram
acompanhar ao cemiterio publico os restos mortaes
de sen prezado irmao, Eduardo de Souza Reis; e
de novo os convida a assistir a urna misa que
mandamjesar na matriz da Boa-vista, as 7 horas
da manhaa do dia 1 de outubro, e stimo do seu
passamento, protestando anda por esta vezjseu
eterno reconhecimento.
Aluga-se
urna ca a em Beberibe : a tratar com J. I. do
Reg, ra do Commercio n. :li.
M.
Cosinheira
Na ra do Crespo n. 6, precisa-se de urna
soa para cozinhar. agradando paga-se bem.
pes
Precisa-se fallar com os segumtes senhores :
Joaquim Apolinario Mavcr, casado com Catharina
Mayar, seus filhos o Dr. Manoel de Horaes M.
Mayer, Jos Gabriel de Moracs Maver, Gcrtrudes
Porpf tua Mayer da Fonseca, casada com o Dr.
Manoel Gomes da Fonseca : dirijam-se a ra lar-
ga do Rosario n. 10.
Cozinheiro.
Na ra do Amorta n. 37, precisa-se do um co-
zinheiro que seja bom.
Urna pessoa que se retira para fra da cida-
"e, vende Ha mobilia de Jacaranda a Laiz XV,
consistindo em 12 cadeiras de guarnirn, 2 de
bracos, 2 de balanco, sof, 1 jordineira," 2 conso-
los, tudo com tam'po de pedra ; tambera vende
1 rica secretaria e I piano de Jacaranda, tudo oom
pequeo uso : nesta typographia se dir quem
vende.
r>ebulhadores para milho.
-yundros para padarias.
Arados americanos.
Carrinbos de mo.
fachinas para cortar capim.
Pannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Tenas de ferro galvanisadas.
pinas de zinco finas.
Ditas de cobre e lat5o.
Perro de todas as qualidades.
4ikos de ferro.
Folba de Flandres.
fachados americanos.
Faces ditos. m
Qalaios e cestas de verguinha-
iassouras americanas.
Folies de iodos os tamanhos.
Juraos e safras para ferreiros.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Ternos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almarjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engoramar.
Mojnos para refinacSes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais perenees para as
mesmas.
Latas de gaz,
Finalmente muitos outros artig I ospertencentes lavonra e arles, que pela
4iversidsde sena enfadonho ennumera-los. H v
Troco niudo.
' Da-se bom premio por sedulas de 1000, 2;
35, 10 e 205 (nova estampa: na casa deTheo-
do-ro Simoir \ C largo do Pelourinho n. 7.
A companhia Pernamhucana, nao tera duvi-
da em expedir para Goyanna, no dia que se con-
vcn.'ionar e as horas, o seu vapor Parahyba, afim
de conduzir os passageiros que desejarera ir
assistir a festividade do orago naquclla cidade. E'
porm, para esse fim mister que as pessoas inte-
ressadas e que assim o desejarem, compare^am
hoje na sen escriptoria para se entenderem res-
peito, e se fazerem os respectivos annuncios.
Obra
curiosa.
lista impressa e exposta venda pela quanlia de
l000 cada exomplar a obra intitulada.
' mu monumento de especialidades hrasileiras,
em verso, senao sublime, mas de portuguez de
bom cuolio e de urna vercih'caeo deleilavel.
As notas em prosa sao utilissimas pela sua or-
ginalidade, eoutendo at resallas uteis diversas
enfermjdades.
Esto pequeo livro em brochura o nico que
ha no Brasil, proprio para as escolas, o digno de
todos os Urasileiros que prezam o bem & seu
paiz : as livrarias dos Sis. Lailhacar e Nogueira.
Sociedade Liberal Uniao Be-
neeeute.
Por ordem do Sr. presidente sao convidados os
senhores socios insultadores eeffectivos para com-
pareeerem as 7 horas da noite do dia 29 do cor-
rente, na sala de nossa sesso, afim de em assem-
bla geral extraordinaria darmos cumpruenlo ao
que dispSe o artigo 29 dos estatutos.
Secretaria da Sociedade Liberal Uniao Benefi-
tente27 de setembro de 1869.
I. Secretario,
_____________Theophilo Pedro do Rosario.
TfEATRO.
O abaixo assignado, representante da empreza
lyrica italiana, declara aos Srs. assignantes das
recitas da mesma empreza que, visto se ter in-
cendiado o tln-atro de Santa Izabel, ficou o abaixo
assignado na impossibilidade do dar aos Srs. as-
signantes as recitas que inda faltavam para com-
plemento das assignaturas; e, portanto, convida
o abaixo assignado aos Srs. assignantes a viran
receber a importancia de suas assignaturas, na
razio do numero de recitas, que faltavam, no es-
criptorio ra do Imperador n. 43, desdo o da
30 do corrente at o dia 2 de outubro, das 9 ho-
r-s da ma haa s tres da tarde.
Outro sim, previne o abaixo assignado aos Srs.
assignantes que, informado como se acha o abai-
xo assignado de que ha a generosa idea por parte
dos Srs. assignantes de fazerem desistencia de
suas assignaturas em favor dos artistas, o abaixo
assignado, recebendo a declaracao dessa desisten-
cia por occasio do pag .ment, entregar aos ar-
tistas em favor de quem se Dzer o beneficio a im-
portancia dessa desistencia, j entregando a cada
um o que em seu beneficio se desistir, j ratean-
do pelos coristas ou por todos, caso a desistencia
fr feita em favor d'aquelles ou dcstes.
Lastimando o successo que deu causa impos-
sibilidade em que se v boje o abaixo assignado
de poder continuar a desempenhar os sens com-
promssos para com os Srs. assignantes da empre-
za, aproveita o abaixo assignado o ensejo para
agradecer aos Srs. assignantes a cooperario que
se dignaram de prestar sua empreza e a gene-
rosidade com que querem agorai proceder em fa-
vor dos patricios e companheiros do abaixo assig-
nado.
Recife, 28 de setembro de 1809.
G. Marinangeli.
Aluga-se ou vndese urna escrava parda de
30a33annos, perfeita cozinheira, costureira e
eng mmadeira : na padaria n. 1 da ra dos Pesca-
dores se dir.
COMPRAS.
Com muito malor vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja da joias do Co-
raco de Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
ver o que bom e barato.
Caixas de linhas do gaz com
oOnovelos a .
Latas com superior banlia a
120, 200 e.....
Frascos de oleo babosa muito
fino a.......
Duzias de meias (inglezas)
muito boas a .
Garrafas com agua florida ver-
dadeira ......
Garrafas comagua]diviua damc-
lhor qualidade .
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos .
Ditacom|G frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p* de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinho com 40
varas .
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escvas para unhas muito fi-
nas ......
Escovas para denles fazenda
muito fina .....
Pulceiras de cotilas de cores
para meninos .
aixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Peeas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botes para punbos
muito bonito .
Libras de la para bordados de
de todas ?s crela .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botes madreperola
muito fino .....
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e.....
Peas de fita de la todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
1^000 e .....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de carac.fl i .
Pares de meias croas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
lbas ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
< woc
ftAMtt
Asquear de oxido de ferro de
Chanteand.
O assucar ffrwjnwso de Chanteand ohtido
pela associaco do exido de ferro inleiramentc th
luid com o assticar cuidadosamente purificado.
Este agsaear, de ama bella apparenck cryttarhu,
tem o simples gosto mui agradavcl do asnear,
sem o menor sabor adstringente : nao tem acelo
irritante sobre a mososa do estomago e ente>tinos,
e rpidamente absorvido pelo apparolho digesti-
vo sem causar as eODSdpaowi do ventre.
E' hoje o preparado de ferro de mais aceitaeo
para a chlorosc atona dos orgaos, perdas brancas
menstraacons dUBecis, etc., e tem a seu favor a
jnizo aatorsado da escola de medicina de Pars,
e dos chimieos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bailiolomeu i C, ra larga do
Rosario n. 34.
'do a Yerdade nrtparecL1, tudo mais des-
I apparer*
500 G/nac sortmento deJD 'o cera e
mossa as mais lir.as nossi ?eis vestidas a ca-
400 racter.
Bieos globos par:, ^ndietro de gaz a
) Cbamms a.......
Grande sorlimoi.lo de objetos de
louca para brinquedo de m
Garrafa com til fa n. '. .
Dita com agua florida fcrdadeira a
Dita com dita dita a .
1500 ; Frascocomoleod.'babosa a 300 p
'Dito com agua (Colonia a 300
2i?50f> | Garrafa com agua divina a. .
^800 Frasco com exlrrfctoS finos a .
LaUs pequeas com baulu muito
00 fina a I2i e......
Sabonetes de diversas qua lados a
i$2IO so, 100, 'iOe......
Finas escovas pata denlos do 120 a
600 [.indos roques modernos a., .
Paviosparagaz, dazia a 2i(j e .
#300 Escovas para farto a 800, 000 e
Ditas para cabello a. .- .
50(. Pontespara tirar pioibo a 100 e.
Brincos de cores, bonitos a I (10 e
#08 Pecas de tranca ele la com 8
varas por.......
#240! Oleo para mv! ;'.r, do costura,
frasco a........
2001 Pennas d'aeo finas ca'fltas a mo e
! Dita d'aco Perry, caisa a. .
#000 Galo do algodo pera ....
Lindos babadinios c chpemelos
#040 poca de 509 a......
Botos de madreperola, grwa a
4 #000 Ditos de louca milito flno a 126 e
Ditos para caifa a i (JO o. .
#120 Gaixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
8>000 Ditas com obrlas a.....
Gaixa comaplbas fundo dourado
#320 Ditas d#tas ditas a.....
Thesoura para cosiura a 2't0e
#320 Caiv.a com linlir. de marca a .
Linha de ci'es em novellos (1-
#*80 bra) a........
Garreteis de linha Alexandre do 70
#^00 at OO. .,,....
Grampos multo fiaos com passa-
#320 jos, duz.ii a......
Cartas porluguezas, duzia a .
$300 DtaS francezis a 2&00 e .
ik>-n^ Papelalmaco o de poso, resma a
l#o00 5*00, *mo e ....
La muilo lina para bordar, libra
2j>000 pita de algodjo para debrum de
sapa tos, poca a.....
oOOO Ditas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a ......
#3201 Pentes finos para segurar ca-
; bello a.......
> i Ditos ditos de bfalo tiara alisar
a 1\0, 320 c......
} Caivetes grandes com molla n .
Ditos para aparar penna a .
Carios com colxetes a ...
Rosetas pretas, par a .
Tranca de 19a caracol peca a 40 e
Fita de coz pecan 480e ...
Alfinetes de lat3o a.....
Sapatosde la paramr-nino a ^0e
Ligas para: enhora, par a. .
Qravaia de sodas de cores a .
Cslcadeiras a.......
Grande sortimento de rend da* libas.
Um par de suspensorio de borracha por
1(X) ris!!!.'!!! '
Y.'t Yerdade rasa do QueSmada
n. 55.
AI DE MSIIOA
POTASSA DARUSSIA
A mais nova no mercado, a proco razoavel: n(
aranzem de Manoel T Bailo, ra do Cnmmercic
n. 13.
15800
320
100
800
I 800
10 0
720
500
1;?000
200
320
600
2#5O0
320
700
500
2*0
200
80
600
1#000
1,-HOO
400
1^500
600
200
240
700
480
40
280
100
500
2S0
500
1O0
.:.'oo
3;>00j
4;>?O0
ico
4F.0
30
500
320
100
40
100
100
81 D
100
800
100
21H i
80
Precisa>c de um rapaz brasileiro para cai-
xeire de loja de miudezas, e que tenha pratica,
sendo de boa conducta : a fallar na ra do Gabu-
g, loja de cera.
0 MUSEO DE JOIAS
CZ3
GOMES DE MAHOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarlo um completo sortimento do que ^a de mais elegante
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao \isto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por pregas mais vaatajosos do
:jue em outra qualquer parte.
Ouro ep-ata
Compram-se moedas de ouro e prata de todas
as qualidades, por bom prera : na ra da Cadeia
do Hecife n. 58, loja do atol
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata cm obras inutilisadas,
brilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco da Conceicji i, no Recife.
Charutos de Havana,
e grande sortimento da Balita c Rio de Janeiro,
fumo do Para, em-macos e em chicotes, dito su-
perior de liaependy, o outras muias qualidades,
que so vendem em crosso e a retalhn, na antiga
casa de Jos Leopoldo ourgard, ra da Cadeia
n. I".
Jos Joaquim da Costa Maia k C, ra do
Crespo n 6, acaban) de receber um grande sor-
timento de pedras marmore, como seja lijlos de
diversos lmannos, laminas, saetadas, soleiras e
degraos, bem coiim toldas de ferro galvanisado
de diversos tamanhos, que tudo vendem muito
em cinta.
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que ^ejajii s.olios : no
terceirq andar do sobrado n. 16, ra das Cruzes,
freguesa de Santo Antonio.
Conipra-se um prcto de meia idade : na ra
do Rangel, padaria.
COMPRA-SE
Comra-se osns. 1, 2, 14, e don. lo
al o ultimo do peridico que sepublioou a
anuos denominado Dona Lija, o n. 2 at o
ultimo do Barrigudo, e o n. I at o ultimo
do Papagaiode Dona Liga e paga-se bem:
nesta typographia se dir.

0 MUSEO DE JOIAS
Compra-se urna casa terrea cora baslautes
cominodos para grande familia, e em chaos piv-
prios : a tratar na ra do Hospicio n. 21. Na
mesma casa vendem-se urnas cadeirinhas de rebu-
co, em bom estado.
ty'NDAS.
Cera de carnauba.
Relaliia-. ttenpo
Vendora-M os cstabelecimentos de taberna e pa-
daria. beo) afreguezados, e hom lugar, na Ponto de
L'cha : a tratar na ra do Rosario da Boa-vista
n. SO.
ATTECA6.
Na taberna do "largo do Paraso n. SO, vende- se
manteiga ingleza flor a I400. 1200 e 900 rs. a
libra, carao do sertao aova a 320 a libra.
Vernizes.
Vendo-s no eserlptorio de Joaquim Gerardo de
Bastos,a roa do Vigario n. 16, pnmeiro andar, os
seguintes vernizes em latas de 6 e 9 libras, do
acreditado fabricante do Para, Caetano Antonio
dos S.intos Lisboa :
Verniz copal escuro, f
Dite dito claro. ^
Dito dito escuro proprio para obras de folha de
Flandres.
Dito cor de ouro ou douradilho.
Na ra do Vigario n. 16, escriptorio de T.
de A dio Fonseca A C, vende-se mercurio, vi-
ntio ongarrafado MKXEI'.KS, aaearetas npec
cal do Lisboa cera em vela?, chapagnee cognar.
carvao animal, vidros em caixas.
Nlo mais cabellos brancos.
A tintura japoniza para lingir os cabellos
da oabeca e da barba, foi a nica admiltida
Ej.'posico Universal, por ter sido reco-
nhecida superior todas as preparacoes at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a I.rJOOO cada frasco na
Ra da Cada n. 51.
1. andar.
A40UO
m de laa, objecto de gosto o dt excellente
qnalidade : na ru:) do Queimado n. 31, loja de \
M. Rolim & C.
Farinha a' venda em saceos
Vende-se farin ha da trra a 3*800 o sacco : a
tratar na na Ausnst* n. 10.
Taberna.
Vcnde-sa a taberna da roa do Livran-.?nlo o. 39:
a U';ar na mesma.
VE1E-SE
A prECo fixo i: mdico
SOMraiNHAS.de sefim verdeultima n>
vidade para senlioras, a 18 c 2f.
LINDOS curies de tarlatana orvalliada, pr r
prios p:ira bailes a lj, i:!^, V,)~\ 17 .
e 2$0UO.
ESPECIAL sortimento de coques afeitados
e lisosuilima modaa i'ioOO, 3^000,
3/BOO, U, 45500, :;. e o->.
GRANDE e e!lo sortimento de chapeos de
palha da Italia, elegantemente enfeilado ,
para senlioras e meninas a 15-?, 145,13 ,
i 15 o9i.
FRANCAS E CACHOS irhilago de cn-
bello, para senlioras, a J:j8t0 e 800 : .
jRANDE e agradavel sortimento de gui-
pare ou croch preto. em pecao met o
a U, 34W0, 4 e 6,i.
DiTO branco a 2300. 3.j e 3?J800.
LINDO FILO de seda branco com ramagen
o metro SdBOO.
LTNDOS e ricos aderecos de plaqus d .-
bles, com brilhanlinas, rubins, esmeral-
das, petla, e camaleos ; nao lia dilL-
renga do ouro de Ici e conserva por lon-
go tempo a sua cor natural, vende-se a
l#, 18/3, 30,>, 4ir>, 90-? e 1205. es'c
preco menor ao feitio de qualquer pe;:
verdadeira do mesmo trabalho.
BONITAS CORRENTES do mesmo met 1
para relogios, a 65, 85 e 105,' no
BAZAR DA MODA80RA NOVA
Peixe abacallioado
Industria ro-grandense da fa-
brica Je Ferr ira Gui maraes
& C, uo Kio-Grande do
Sul.
Estcpeixc, assim preparada de exeelleste nr.-
ueira : vende-so no armazem de Antonio Gom-s
Pires 4 C, ra da Cadeia n. 53.
Arniaeao.
Vende-se urna armacao invernisada e env^
cada, que serva para qual(|uer estabelacimentc,
como para loja de sapatos, miudezas, ou outro m-
pncio, por preec commodo bem como ou
tnario em ponto pequeo e em perfilo estaco ,
assim como duas redomas do vidro para san
na na do Vigorio n. 2t.
No armazem de Curilia~lrn>aos t, ra oe
Madre de Dos o. 34, veudeso vinno do Porto
P.vto. e fino, om garrafasje barri?, do Mcne.
Chamico, o outras marcas aeredHadas, vina *i
Pasto, imitando o Plgoolra, cm birns do o' e 10 .
Chcgou ltimamente superior vmlio ven;
Menezcs, em guarios.
^


Ditujio de Peinambueo QuarT feira 29 Je Setembro de 1869.
SEM IGUAL
O propritjtano do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impcia-
Lne a. 72, declara ao respeitavel publico eseus freguezes, que est liquidando /odas as
tacadas c roupas feitas que tem em sen eslabelecimento como se poder ver no scu
jauuirie e preco abaixo mencionados,
Ckltas francezas matizadas Algodo enfestado OOOrs.
3t ivs. Vende-sc algodo enfestado proprio para
ffead-se chitas trancezas escuras matiza- jenfes e toallias, 900 rs. o metro, dito
4isa3ift i*.o covado por este preco sna lran(.a(j0 a i#,metro.
i *t da Arara, ni.i da imperatriz a. 72.
LAAZkNlIAS V tw as.
Vesde-se ISazinhas pa vestidos de se-
ra a 240, 2&0, SiO e 400 rs. o CO-
SA!*.
B.VREGES DE L.il A 509 RS.
tiAii-t6 bareges de laa eom listras para
*MJ4 Alpacas le lislras a 5 rs.
fetle-sc alpacas de listras para vest-
g e sealiora a 800 rs. o covado.
CHITAS FKVNCEZAS A 280 RS.
?eale-se chitas francezas claras a 280 rs.
vado.
COBTKS DE LA PARA VESTIDOS A
2$100.
Vttts-se cortes tfj lia para vestidos de
ras a %$\9d rada inri,
MtCAL.ES A ilft RS.0 COVADO.
?de-se percales muio linos para vts-
af. de senliora a 440 rs. o covado, mur-
sdiaas brancas linas, a 500 rs. o covado,
tiStantiiias de .cores, a 440 rs. o covado.
Salees modernos de todas as
cores.
V^aie-s >ba!es moderno sbranco ede c-
r*a*. 45300 o ::. f,
flMEBTOHES DE ADGODO A 1#500.
Ycade-se cobertores de algodo a I 500,
jaras de chitas a 1S600 e 25 cada urna,
CANGAS PAISA CALCA A 320 RS.
?aade-se ganga para caira a 320 o cova-
4a, bro de cures para calcas de bamem e
Maaos a 400 rs. o covado, casemiras de
v para calca c palitots a 2J500 e 3j,
aafcaie palitots a 1$ o covado, brim pardo
fe todas as qualidades e brim branco de
Mas as qualidades na ra da Imperatriz
72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Veude-se alpacas de cores lizas finas a
Gl&rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
Efc. o elro.
AIMAP0LA6 ENFESTADO A 35500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
3 3|30, pecas de madapolo inglez de 24
Chales de merino a *A.
Vende-se chales de merino estampados
a 25, chales brancos c de cores a 16000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
Veiide-se urna grande poreao de cortes
de brim castor para calca de bomem, i (iO
rs. cada um.
Cirande poreao deretalhos
Vende-se grande poivao de retalhos de
chitas e cassas pretas a 160 e 200 rs. o
cova lo, retalhos de cassas, 13a e chitas de
cores baratsimos.
LIQUIDAM A ROUPA FEITA
Vende-se palitots de brim de cores a 2,
ditos de alpacas de cores a25, dios de
mcia casemira a 25 e 25->0(). ditos de pan-
no preto bom a 85 e 105, calcas de algo-
do azul para escravns a 640 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 15, esmisas de
; iscado de listras a 800 rs. cada urna, cote-
tes de b.-im c fusto de cores a 15 e 15500,
coleles de cesemira de cures a 25500 e 35,
e outras muitas qualidades de roupas feitas
que se vend por baratissimo preco.
Algodo de listras a 200 rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PEQA DE AL.G0D.v0 A 4/1.
Vendem-se pecas de algodo 45000,
55200, 65000 e 75, para liquidar.
Baldes de arcos a 15 Vende-se bales de*rcos par senhoras
pelo baratissimo preco de 15500 cada um,
Cortes de canibraia barras
a 3AOOO.
Vende-se cortes de cambraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 1*.
Vende-se carteiras para viagem 1#
Vfis a 5>, 65400, 75, 85 e 105 a peca. cada urna.
. Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o. covado,
Xas antes que s;j acabem todas raais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
as vender en liquidar, poneos das poder durar, o quem se quizer sortir de fazendas
rwpas feitas para a festa pelo preco que lhe agradar, se poder dirigir a ra da
aperatr armazem da ARARA, que estar aberto todos os.dias atete, das 6 horas da
auaha, s 9 horas da noite.
72. Ra da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
O proprielario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
55. declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas cm
*r, e Uesejando diminuir este grande deposito por meio de urna iiqnidago que in-
4m oo dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se t boas fazendas, e por diminuto preco. a saber:
atez n. 55.
CUITAS LARGAS A 280 rs.
Tandem-se chitas francezas largas a 280,
e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
15000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
t nutro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Veadem-se cassas francezas para vesti-
das 4e senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 35300.
Vesdem-se pecas de madapolo enfes-
U4a a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
t metros a 55, 65, 75, 85, 95 e 105, a
pee*
LANZ1NHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se Unzinhas para vestidos de se-
ttfMra a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
atado.
iREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vaade-se barege de listas para vestidos
k 906 e C40 o covado.
tiPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5 ,U rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
720 rs. o covado propria para vestido do
mama.
SEDAS DE CORES A 15-
Veade-se sedas de cores para vestidos de
cabora a 15 o covado.
PORCO DE RCTAI.IIOS.
Veade-se una porco de retalhos de cas-
sas, de la e sedas e de outras fazendas
fsc muito barato prec,n.
A'etis antes que se acabem.
ClIALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaiy de listas de seda a 800 rs.
<* cavado.
CUALES DE A88A A 15.
Vende-se chales de cassa a 15, e de me-
a.
>RTES DE LAA A 25400 RS.
CHITAS PARA CORERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 30 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500.
Vende-se casemiras de cores a 25500 c
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
Vcndem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 350OO, ditos de seda a 105 cada um.
RRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-so brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Ciaugas para calca a 3VO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dila de cores a 440 o covado.
Percales unas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e do cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25.
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de Iinho Ano a 15000, para aca-
bar.
JGRANDE SORTIMEM'O
DE ROUPA FF.ITA DE TODAS AS QUALIDADES,
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em mitra casa : por
isso os pretendentes podero vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Ibutina preta a 320 rs. o covado, para
llALOES DE ARCOS A 15500.
Venden:-se bales de 20 e 30 arcos a
15500 cada um, ditos modernos a 45.
BRIM IIAMBURGO A 85000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ilam-
iS'MS
11--RUA DO QmiA
11
Chegaram da Europa pelo ultimo vapor toja de Augusto Porto d C. ricos
cortes das mais linda sedas de-mimosas cores pira rostidos proprios para'bailese casa-
mentos.
Grande variedade de sedas de listras de diversos procos todas de lindas cores,
gorguro de seda preta, e grosdenaple do varias qualidades e gorgitra' de seda la de
differcrites cores. fl
Rovos vestidos braicos de blond para noivas, lindas colxasdc sedpara camas,
ditas 3c la o sena, cortinados bordados para camas c jartcllis; fronhw e toalhas de
eambraa de Iinho bordadas. i
l.'ivas novas d Jonvin. eelegantes sombrinhas de S las de cft para senhoras.
Esp'arlilhos de 55 at 305, lindos bonrnons de tira de cor para sabida
de baile, basquihos de renda preta. i> ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas o lisas para hoRKfls e m ininos.
Sortimento de muitas fazehdas de lia, Iinho e algodo todas por procos milito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas di tapies o de alcatifa para
forrar saines tudo em qtiantidade; c^*ndem scinpre'por menos que em mitra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4.5 e 6 palmos de largo.
m
SABIDAS DE 'BAILE
Chegaram pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindsimassahidos de bai-
K's, ricamente enfeitadas, o melhor gosto que tem vindo ao mercado : na do'
Crespo n. 13, toja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcelos.
m
RIVAL SEM 0
Ruado Quet'mado ns. 49 e 57
tojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimentos por isso queram apre-
ciar o que e bom e baratissimo.
PaCaS de tiras bordadas com 12
inclros, fazenda superior, a
45000
500
15500
fazenda
15500. 25, 3> e
Clisas de linha com SOnoveHos
Pares de sapatos de tranca fa-
zemlaiteva a......2,^000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a.....(
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........35800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 altos a 5200
Livros de missoes abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
linos a25400 o.....5S0f
Silabario portuguez com estam-
pas a........
Grvalas de cores e pretas muito
linas a '......
Carines com clcheles de latSo
fa/.enda lina a. .... .
Abotuaduras do vidro para colete
fazenda fina a. .
Calxas com penna d'aco moito
finas a 320, 400, 500 e .
Cartoes de linha Alejandre que
tem 200 jardas a .
Carreleis de linha Alexandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias
de massaa...... 5040
Duzias de agulhas para machina 2o000
Libras de pregos irancezes di-
verso tamanho & .... 6240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 5120
Talheres para meninos muito
finos a. ... 5210
Caixas cem papel amizade muito
fino a........ 5700
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a........
Pentcs volteados para meninas e
senhoras a....... 5320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 5500
Tinteiroscom tinta preta muito
boa a 80 120 e 5320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 5100
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 25560
Grozas de bot&es de louca muito
Gnos a........ 160
5320
5500
5020
5500
15000
5100
5100
Graneo c completo sortiinenlo de machina? para
descansar algodaude nuva inveucao ebegadas ul-
tiimment em direitura pura a loja de Manoel
Rento de Oliveira Braga & C, na ro Direita n.
33. Garante-e que a melhor (malidade que at
o prsenle tem viudo ao mercado : acfifcm-se em
exposieao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e complet iorlimenlo de pesos kilo-
granimos de melhor comprehensao dos que tem
viadoat o presente, assim com .marcos de latao
at meio grammo p TOiatao de forra de S a 20 kJlgrammos, metros
de madeira e de lalao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de niiudezas e ferragens le
todas as (jualidades, tudo i>nr preeos qoo so a vista
faz crdito : na ra Direita n, :i, loja de Manoel
liento de Oliveira Braga di G.
COGNAC.
IOJV
1)0
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo n. 3
Os p*prwtarii>s deste )n-\n eonherido eslabele-
cimento, atm flus omit olijecKH tfn tinhamex-
(stos a apreciacao do respHinvel publico, man-
daram vir o Ititf i a rcenber pelo ultimo mpor
da Europa um completo o vanado sortimento de
(as e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao*resolvidos a vender, como de seu costume,
por prcos muito bartanos e commodos para lo-
dos, coiii tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pelhra, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e ptmltos para se-
nhora, neste genero o que ha de mars moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coque?.
Lindos e riquissimos eneiteg para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trannas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta ftizend* o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreoerola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqueites braneos
cora lindos desenlio, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Eseossia para se-
nhoras, as quaos semnre se vendern) por 3O000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204,
alm destas, temos tamlieni grande sortimoato de
ontras qualidades, cutre as quaes alguraas muito
finas.
Baas bengalas de. superior cana da India e
castao de marOm eom lindas e encantadoras liiru-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas lemos tambem grande
quantida.de de ontras qnalidades, como sejam, ma-
deira, haleia, osso, borracha, etc. ele, ele.
Finos, lioiiitos e airosos chicotiiihos de cadeia e
^uStaffiSS^ ligas de seda e bomeha venda no mesmo estabeecimento e que vale
De superior quaiidado da mui aeeredila-
da fabrica de Bisqdit Dubouch & C, em
cognac utna das que mais agurdente de
cognac, frnecem para o consammo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just. ra do
commercio n. 3.____________
BAZ4RUVHSAL
*na oTa-tl
Carneiro Vianna
Nes-te BAZAR enContra-se um completo
sortimento de todos os artigos qwe se ven-
dem por preeos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados- ra America e approvadas na ul-
tima exposicSo serviros a electos para almo-
co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, caadieiros para sala ecimademesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditos para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, berros, cadei
ras tongas para viagem, ditas de balance,
espcllios de todos os tamanlios, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, g r-
da comidas, brmquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porte, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarSo
Machinas vapor de
forca de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de facao e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balanfas para armazem e balc2o.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e d Uliit-
field.
Prencas para copiar carlas.
Togao americano patent
para segurar as meias,
Bas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
>'avalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba : sao muito boas,e de mais a mais sao p-
rantidas pelo fabricante, e nos por nnssa ver tam-
bem asseguranivs sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capetas para'noiva.
Snperiores atrull'.as para machina e para crox.
Linha muito boa do peso, fronxa, pora encher
laliyrinlho.
Bons liaralhos de cartas para vukarete, assri
como os lentos para o mesmo lim.
Grande c variado sorlinx'nto das reclhores per-
fumaras e dos ineihores e mais eoahecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuls5es, e
facilitam a denlicSb das imiocenles criancas. So-
mos desde muit recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebo-Ios por todos os
vapores, afun de que nunca fallem no mercado,
romo ja tem acontecido, assim pois jioderao aquel-
lis que delles precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes vrda-
deiros collares, e os quaes attendendo-sc ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista discbjectos qne doixnmos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a vin-m
comprar por preeos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7-
a pen ir examinar.
ExlracluiH mm
Este producto c alimentacao para doentes, mui
apropriada para rreancas epara as pesseas sSas
indispcn>avel a todos, porm, principalmente aos
viajantos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incorruptivel. e
que com faciiidade se nprompta o se eonflrjr, por-
que n'um pequeo volume caneea-se alimentacao
para muito lempo. Sobreludo chama-se a atten-
0o dos senhores de encenlios queenconlrarSono
EXTRACTIIM CARN1S o recurso de alimentacao
agradavel, hygieniea e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesla cidade em
casa de Jos Victorino de flczen.le & G., ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cadea n. 32.
as piarmacias dos Sis. .
Manoel Al ves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, S ra largado Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, prsea da
Boa-Vista n. 91.
N. TI.As latas que conten o extracto trazem
urna guia para seu uso.
J'illl
Scbonete de alcatro.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerfe
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu d C,
34ra larga do Rosario34.
feadem-se cortes' ile 15a de listra para burgo a 80, vem a ser mais barato do que
4 de sl,o,-a a iOO rs. para ac- ^0.^^ A J|#n(ft
\LGODO A PECA 44WOO. Vende-se cortinados para cama a 14
Veade-se peras de a 45, S, 6 para liquidar. Ditos para janrllas a 7tf.
a peca E muitas outras cousas que I Todas estas farendas se vendem muito
m enfadubn nwnr-vvv. 'barat0 Qa rua ^ Imperatriz n. 50
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Coa-
ccicao, em barricas grandes.
Manteiga a 900 rs.lihra.
1J' peehlaeha sem Igual.
Vndese manteiga ingleza flor a 13000 sor SCO
Srammas e 900 rs. a libra; no progresso a pateo
o Carnio n.4>.
Vende-so um eseravo moca e de benita tigir
ra, pedreiro de toda obra, e perito em assentarnen-
to de engenhos. o muito bom cozinheiro : na es-
trada de Jo5o de Barros, sitio n. M.
Na pharmacio do j'mto rua
Larga elRosarion. 10junto
ao qnartel to corj)o de polica.
Acham-se constantemente promptas a se-
rum satisfoitas, as proscripcoes dos Srs.
facultativos, e as necessidades dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pharma-
cia, composlas de medicamentos, tanto in-
digenas, como estrangeiros.
Tosse e molestias do
peito.
_ Xaropes de fedegoso, rabo de tat, Agrio
pao Cardozo, juca, mulungii, mutamba, etc.
etc. etc.
Reumatismo e molestias
syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de Salsaparrillia
do Para, pilulas e xarope do vdame, tin-
tura e xarope de sicupira.
Doencas do ligado e baro, anemia,
opilado ole.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pi-
lulas, xarope e vinho da milagrosa JLUU-
BEBA,
SEZOES 00 FEBRES KTEBSITEXTES
As pilulas auli-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu autor rua larga do Ro-
sario n. 10, junto ao qaartel do corpo de
polica.
Loja de miudezas de Ferreira da Cunha-
Temporal, na do Queimado n. 03, esl
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 c 500 rs.
Redes para coques a 2'i0, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) 10300.
Caixa muito fina para p de arroz 16500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 100, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a IPOO.
Agua divina den 1(0409.
Gravatas pretas para bomem ;i 4 0 rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio pliilocme verdadeira 14200.
Aderecos de plaqu 1^500, 25 e 5f3.
Meias cruas pan homem 3>00 e 4 a
duzia.
Botoes enfeilados para vestido, l#20O a
duzia.
Leques do santol 5\ cada um.
Dittos de madeira 3-S cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 2$,
2500 e 3$ cada um.
Meias linas para senhora #0 a duzia.
Banha em frascos a 400, G40 e l-*200.
Frascos com extracto muito fino 2? e
20300.
Caivetes de daas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 4G0, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 000 c 800 rs.
Agua de colonia *400, 500 e 800 rs.
Cartas francesas 200 e 2i0 rs.
Ciixa com extracto 35GO.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 es.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
GaQ-de laa para vestido (pees) 400 rs.
Fita ile sarja lisa e lavradas, 1>500,
U e 2#500.
Caixa com obreias de maro 40 rs.
Caixa com panel amizade a 700 rs.
Dilto e duurado al.
Ditlas com er.velopes i\ 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 1G0 e
240 rs.
Laa para bordar de todas as cores (libra)
64800,
Bonets para menino lo, 2;$ e 2#500,
Linha de marca (caixa) 40 rs.
M^ias para menina (duzia) 'B e 3#500.
Pecas de tranca liza e do corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e800,
Capellas francezas a 2:>500.
Facas e galfos, cabo de balanco (du-
zia) 7 Chicotes paracavallo G00, 800 e 1^500.
Renga I la de canna 1.5, 1?>500 e 2(J.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) 1#500.
A NOVA ESPtRftrUTR
21 -=Rua do Queimado-2)
AvertenHcia!
A Nova Espelunca, rt:a do Queimatf
n. 21 tendo em deposito gi ande quantidadt
de miudezas, e como se spproxima o Um-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel p-
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo baratissimo prego, para as&ia
diminuir a grande quantidade das m
tem : assim pois, venham os bons fregbfr
zes, e os qne nao forera venbsm ser fregue-
zes, em lempo lo opportuno quando *
NOVA ESPEHANCA ronvida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, ifi<
falta aonde e a quem... A
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente deParis) quer sem-
pre primar em nos rometler objectos da
gosto e perfeirSo, e ella (loja da Nova Es
peranca) qner sCTrtpto dividir com seus fre
guezes o que de bom constantemente rece-
Be, e por efcte lidar continuo fd'ambos) >
Nova Esperanza na do Queimado n. 21.
alm do grande sortimento qne j tinl.a.
acaba de receber mais o seguinie :
Bonitos broches, pulceiras e brincos d*
madreperola.
Papel e envekpe3 bordados e mati-
sados.
Papis proprios para onfitar bollos
bandeijas:
Biincos pretos com dourados. (ultima
moda).
Fitas largas-para eioto.
Modernos galloes, *ranj;is e tranc*' d
seda c de la, para enfeites de vestidas.
Botos de todas as cores e moldes-ero
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vkri!lies sendo com
pengentes e-sem elles.
Botoes pretos com vidrilbos com pige-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leqne de madrsperula, mar
fim, osso e faia.
Espartiiho simples e bordados.
Bengalas de>aleia.
Finalmente, nm completo sortimento d
miudezas rua do Queimado n. 21, i
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulges das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de que mnito
collares se vendem por ahi intitulados c*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitc
pais de familias nao creem (comprando-os;
noefleito promettido.o que so pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porD
que detesta a falsificarlo principalmente no
que respeita ao bem estar da bummidad,
'ez urna encommonda e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a taas crear>
cas tem salvado do terrivel incommodo d*
convulroes, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a rua do Queima?
n. 21 compraran o salva vida, para sena
filhinhos, aules que estes sejam acoaimett>
dos do terrivel mal, quando ento ser i-
fficil alcancarvse o effeko desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collarw
de Royer.
J cordeiro previdente
GAZ GA2 GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster 6
>'.., rua do Imperador, nm carregamento de bm
de primeiraqualidadejoqual se vende em partida?
e a retalho por menos prego do que em outn qual
quer parte.______________________________
Oleo de linhaca
nos armaiens de Tasso Irmo.
Salitre
aos armazens de Tasso Irmao.
Ay i de Florida
nos armazens de Tasso Irmaos. ..
Attenpo
Vende-sc a facrica de cigarros e charutos bas-
tante afrecuezad'a e cem poucos fondos : quem
pretender, dirija-se a meaua, na rua Diiva nu-
mero 50.
IIna do lucimado n. 16.
Novo e variado sortimento de perfumaria.-
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
aiarias, de que efectivamente esl prvida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torea
aotavel pela variedade deobjectos, superion-
dade, qualidades e commodidades de pre-
{os; assim, pois, o Cordeiro Previdente ped-
i espera continuar a merecer a aprociac*
lo respeitavel publico em geral e de su;<
boa freguezia em particular, nao se afa-
'.ando elle de sua bem conhecida mansidac
barateza. Em dita loja enconlraro o.-
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamm?.n.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas doynelhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
isseio da hocca.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
cq de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocpme verdadehu
Extracto d'oleo de superior qualidade,
ora escolhidos cheiros, em frascos de dille-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para m3os.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos. H.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invemisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
jentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
ros e bonitos moldes com filis de vidrilhos
s alguns d'elles ornados de flores e fitas,
tao todos expostos apreciacSo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUKHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeic5o.
11 vel Lis e Otas para eintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, fleando a boa escolha ao gosto do com.4
prador.

/




mmm


\-

l\
M
Diario d Pemambuco Quarla feira 29 de Selcmbro de 1869.
ibro
-

ftcta venda nm ese i limcnto de ob
Rectos do maraarla, er>mo sojaui, mol>ilas*ie ja-
WMt. mogaoofti.MivIlo. obra nacional c estr&n-
feira, de apurado go^to e por pr^ctu razoaveis :
aa ra e ario n. 32. Xcsta mcsma
casa fazem-secom pmbicjto todas es trab.ilhos at
^alhWsa, como.sejam, emiialhamontos do lastros
para canias, eadeirase sophs. ^^^^
un iiUv
Torneiras para pas rossufis: ua i ua do Queimado, Azevedo 4 Ir-
.nin.
A ra do Livram.Mito n. G, contina a ha-
ver para vender p ir procos rasoayes, o
melhor vinbo verde al h mercado.
LIGA
-
---------------
A DINHE1R0 NA LOJA E ARMAZEM
b* CttlMAC
89"iaoa m usaipaiaawaaasi w
FEMX
DE
PERiAniA.
DA SELVA.

fi WlinlO M a eaaa, aorlanlo Taz
coala. Uettaedu apenas airamas
mercadorias e armado da,4Tqnv *
lo armazem da tap na C~j^
Nova a. (0. f./.>i cicnte ao pu- r
blieo iii!<-re>s:iJ'Vqo. MC|U i.i-se a M-2J
armario o RaaccAuojiaa existentes k*"
ainih no dito armazem, e pur con- !
mqnenria 6 negocio imenWytA-
i iiii! tartaja**, visto que se |
(Tiranta a tasa ; |n pretender t
riiiiia-se ira lar no UtSUiO arma-
0111.
LIGA

ran --
Wi
Venile-so verdadeiro cimento ; na na la
Ala ir de Dcos n. 22, armazem de Joan
fartins de Barros.
biugo m
OURO,
u.26
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
extinctaloja denominadaJARWU DAS D.t.W.tS^ na da Impcrattiz n. 30, o nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liqm'dacao da grande quantidade de
fazendas que alli existiam, pelos poucos dias que leve al entregar as chaves, vio-sc
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu cstabelecimento, o=PAVAO
onde o respeitavcl publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
Itabo/ 15a, algodo e seda, que se llie vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, c as pessoas que negociam em pequea
escala, tanto 'da praca como do raatto. nesta casa poderao fazer seus sot timentos em
pequeas ou grandes porces, vendendo-se-lhes pelos procos que so compram, n-s
casas inglezas; assim como as excellentissimas familias podero mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas. ou mandur-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; n estabelecimento se acba constantemente aberro das G horas da manha s 9
da noite.
Expleudido sortimento de do pavao para ochavos
roupas eitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-sc este grande cstabelecimento com- sendo urna fazenda escura trancada e mu lo
pletamcute sonido da3 melhores roupas, encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
sendo calcas pautte e coletes de'casemira, o corado, fazenda que sempre se vendeu
de panno,'de brim, de alpaca., e de todas por muito mais dmheiro.
as mais fazendas que os compradores pos-
PEGMINCHA DO K
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco de csta-
menha mescladn, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moloques,
Cortinados
sam desejar, assim corno na mcsma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
Ri5;ul<> Imperador
Xesio etabaieciate"" se encontrar diariamen-
te um romp- ti siiiiinv''o de pastelaria de todas
as qtv'lilav-' para lanrhq e bre-niM*, ele., etc..
In.liiios da todas as qnafcla* para rita, presun-
tos de latnbre, li 'lo* u^lrry-. pudins, e liiiaiuii'Hte
wdo ip;e eonsiste em um. hoa pastelaria, como
maior ssnio o esmero, rfi liy-son, pretn e miudi-
nho do molino- qne lia no mercado. NesU casa
(ecelic.o-s^ eru-'oiniiii'iHU-s para natamantos hilaj
rita plisado<, mili llllif dil f n o douos do es-
a lioieriineiiio a m'v ir o mcihor .|iie lor aossivel
voniade do freguez, disjiondo para es-o lm de
din ttampleto |m-ss.kiI. KeceVieH avnlso Inda e
ipialguer enwimmend, emno s*>jnm, bandejas.
i. i .-' pes-de lo diTwfados, doce> d'ovos, seceos
calda e crysiatisado, inicias ii;o-ionaes e es-
iranfoii-as, auieadua- oufoita las. un completo e
variado sortimento de-caix/nhas de lodosos guatos
pira minvwaar senlnra* ; estas eai\i-
nlws iec.eiitemen'e ehegadaf de l'aiis. s.o de \wi-
morado go lo. nlferwa molas aos gatantcMoret) do
>.<:, sexo, pois mlUm ;o-haro mu dieiio e serio
Tinll para as doni;s de s,.u< pensaonMitos. lico-
res, vuilios HaiMilutadas as cjnnliilades, cmiservas
Iduw'nM em lata. Hs douos dc-tte esiatieleeiinen-
es Sil) SO pmpandi df-"is. hwn tolosos
mreos para servir h respeiinvel publico o me-
h or ipie lor poasival. sendo priBoipiantaa e la-
eii!ktcoiii todas as dicul.lides, espralo a con-
rorr-Mn-ia do n-sp-'iuv-.d publico desla cipilal, na-
ionms o esir.iM;-''iri: Peehinrha: lettititira vi-
ntj. iBaaeatai am catea*, que a vaada por arao-
do arcao para parlicr.laro.- e para DefOOW.
ATTEHJAO S
Grande e til no-
viade.
Tabellas oHparalivas dos pcecos de 9|
Raliiuer gapero de au-i < pelo anUgo sys- Sgt
tena a i uwdenio METUIi'.O DECIMAL, sS
Irnbalho bi|e de ?raude ulilidade. por- J
que com um simples guipa de vi^ia v- ti
se a relaca o 4o ir -o da libra ou da ar- j?
roba com o luJQgrxinina sem se perder O
no; i so ira/eao. papando assim o tra- )tjlt
baHio d fazvr o menlo e evtterdesim
os cHianos. EMiM -trasllas san boje in- t^l
dispeisaveis i todas <|iK DagorJan com ^
algwdao, aw icar. lli.ido-, ferraren* rt tado ipi.'lqu'-r Roaero fl|
ou artigo de i*. Algi oRoaipfam 9H
aae restaiu. vaada-M roa do Crespo s&
u. 18, loja dos Srs Audrade .'< Mello, 0
Madre de Deas ti. i, .an:ia/.>*n Sr. ^
Ainoriui, e Vigar.o n. I. priuieiro andar. ^S
.ia.:
Bartholomeu & C.
VlKHO, PlLULAS, XAR0PE E TINTURA
de jurubeba simples k ferruginoso ;
Olko, Pomadas Emplastro da mbsma
plaa preparados por
BARTHOLOIKO & C4
Phahmaceuticc-8-Droouistas
EBIVtMirCO
A Jurabeb : esl planl hoja reconlieciila
. i o mais poderoso tnico, como o melhor
desobmruenle, e como lal applieawt no* padscimentoa
.lf ligado e b(o, hepalile, dtUEM, temores mtar-
o especislmcnte do ulero, hjdropeias, erjfsi-
nclla, itc; e assciada ao ferro uul as pallidas
ostef, ehJoroc e faka de iMOlraavio, de$rrq-
oa do eatomsgo, etc., e o qne d^emoa alleaUo
innomeraa coras mporunies obtias oom nossoa
nroiarolos ji bem conbrcido e oaadoe pelos maie
batiocloa mdicos d pau Ponopl. tm iodos os
nossos depoailos distribuimos gfs folhelos qus
melhor fasem conboow a Jormnata seo resaludo
qualquer peca de obra, com a maior promp- prios para camas e para janellas, que se ven-
lido vontade do freguez, e n5o_ sendo
obligados a acceita-las, quando n3o stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavcl publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linlio e algodo e outros muitos artigas
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-sc-!he vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 00, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
i;s>ai ilkos a 34000 na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porco de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 30 cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperalriz n. 60, urna grande porcao de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 45800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras militas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos por prego mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperalriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas mussenas de
cores a 500 rs. o corado.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feiltos mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em conta.
F.-VENL)AS PARA LlJO
Na loja do Pavao.
Encontra o respeilavel publico neste estakeleci-
mento nm grande sortimento de fazendas prataa,
como sejari, ssas l'raitcezas e inglezas, chitas
petas de todas as qualidades, fazenda de lita de
tudas que tem vindo, proprias para luto, como
sejam, Tuizinlias, alpacas lavradas e lisas, caauo,
boaroazinas, merino, etc., qoe tudo se vende por
preaobaradi.
* NOVAS BASQUINAS COM CINTO.
Chegaram as mds moderaas basquinas de gros-
den.iple pretn, ricamente eafeiladas, sendo de um
fekiointeiramente novo, com ricos ciatos larga*, e
venddin-se por preeo razoavel
r.ASSAS FRANCEZAS.
Vende-se um eiegante sorlimenu das piis Qnjs
e mais modernas caesas francezas'^ne tem vindo
ao mercado, sendo com padreas miudinlms
grandes,* vendem-se por preco milito cm coola.
AS SKUAS DO PAVO
"Altas n ividades.
Pelo ultimo vapor ckegaram para loja do Pa-
vao, que reade mais barato do que em outra qual-
que'' parte, as sedas s.-guintes : ponpellnas ou
gnrgmoes de linho e seda, com os mais delicados
pidroes, sedas de listras, padroes iiHeiramcnte
s. groz de todas as cares, sendo verde, azul,
Imo, rosa, cinzento, etc., setifl, branco, azul,
verde, roxo, lyrio etc., etc., assim como um gran-
de sortimento de grosdenaptes pretos de todas as
qualidades, e superior gorgurao preto Ue se.da
oara vestidos e ctilletes.
V AGUACIAN4S.
Chegou esta nova fazenda c i o norae de Cra-
cianas. setidQ de urna s cyr, Jyrio, rxo, verde,
azul etc.. etc., emoito encorpada, com lustre pro-
piamente de seda, feudo melUur c mais moderna
que ste anuo tem viudo para vestidos, e vendo
se plo barato preco de 2$ o covaflo.
ALPACAl LAVRAQAS
Na loja do Pavo.
Chegou pelo ultimo vapor um grande sorliman
to das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, tendo entre ellas algumasque
fazem a vista nropriamCTte de seda, e vendetn-sc
por precos omito ora conta.
A AGU A BRANCA lcm,con\icco de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitacio da, seus precos, esto na op nio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa fregaezia em particular; mas ainda assim ella julga^de seu
dever scientiicar a todos, da recepejo d'a^uelles objectos que esto alm do commum,
como bem sejam :
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
llio, para baptizados.
Renda e bico do guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos o delicados espanadores de
peonas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas c alfinetes.
Tliesouras de duas, tres, quatro e cinco
peinas para frisar babadinhos.
Bom negocio
Veiule-se duas peruchas casas i cal, situadas na Haixa-Ycrda ,a {'- -
qu'em as pretender dirfg-se a rsl i}'-
graphil que achara cun ijnpm tratar.
Grande sortimento
-de iiapeis pintados e guifrnlhie* pava i>rnafrC
de sidas, quartos. ota., t-tt vmoi a Uo>'.*
conuinica ao pedo arco de Sanio Ajitrni^-
Vende se nimio boa farilUia da o.amhwf *m
saceos, nova, e cu-se iliT, :enra coipraniKi-jini
50 saceos para cima ; na roa da Ooirod: >
veiideiuoc duas ci-
rua.de Sania Rita, e outra ao fondo desta 4em.*.
na ra de Sania itita-nova, ambo* en ssluaar-
prio : a Halar na na d,i Aurora n. -vi A, fvs ->
agente Euzebio. ________
TekFlME IMiVllMil IVLV
Pai.v u Lksoo, Toxauoh, i; Banuo.
-v..
dem a 12000 rs. cada par at 25^000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 00, de Flix
Pereira da Silva.
BALDES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja to Pavo vende-se os ma3 mo-
dernos balos reguladores tanto de musse-
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias dd laa enfestada, mais barato do
que em outra qualquer parle.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga c bonita fazenda
com listas de seda e os padroes mais novos
que .tem vindo a es'e mercado, vendendo-se
a lilOO o corado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da Imperalriz n. GO.
ORGANDY BRANCO.
Vndese o mais moderno organdy branca para
vestidos com listras largas e mitidas, assim como
urna grande porcao de cambraias brancas, lapadas
e transparentes, tendo das mais baixas deiOOO a
[n'.;a, al as mais finas de 10 ou 12.4000, todas
estas cambraias se rendara mais barato do que em
oulra qualquer parle.
COLCHAS DE FUSTAO.
Vendcm-ao colchas de luslao brancas e de cores
por ureco muito cm conta. na luja do Pavao.
ORGANDY DE COR
A MO rs. o covado.
Vendem-se bonitos organdys do cores com bo-
nitos padroes e ixes a 360 rs. o covado.
CAMISAS PARffSENIlORA.
Vendem-se finissimas camisas francezas borda-
das para senhoras, na loja im Pavo.
BAREGES A'oOO RS.
Chegou para a loja do Pavao um grande sorli-
ment das mais lindas pareces transparentes todas
de lia, proprias para vestidos e roupas para me-
ninos, sendo com as mais vivas cores, tendo de
listras, quadrinbos e lisas, c vendem-se pele bara-
to proco de 500 rs. o covado, unicauonte ua loja
do Pavao.
AS CELEZIAS DO PAVAO.
Vcndem se as mais linas celezias, esznioes e
lirctanliiu; de linho por precu muito em ron'a.
FUSTAO RUANCO PARA VESTIDOS A 0 RS.
Vende-se fnstao branco, uom lisia e lavradinlios,
muito proprio para vestidos e roupas de niciiiuos,
a CiO rs. o covado.
COLLERINHOS PARA SENHORAS.
Vendem-se fmissimos cuilerinhos do esguiaode
linho proprios para seuh ras e tanibem para me-
ninas a 5 a duza. *
ALPACAS DE CORDAO.
Vcndem- so as mais brilhantes alpacas de o ir-
daozinho para vestidos, tendo as mais lindas cotes,
como Bisniark, lyrio, iiixo. ganga etc. etc., pelo
barato preco de 100 rs. o covado.
TARLATANAS.
Vende-se finissima larlatana branca 4e todas
as cores, assim como lile branco lizo a 8#0 rs. a
vara.
ALGODO ENFIESTADO.
Vende-se superior algo laozinho com duas lar-
guras, proprio para leneoes, senda lizoe ealran-
cado, c vende-so por preco muito rasoavel.
MEtAS PARA MENINOS A 3*390 RS.
Vendam-se mizias de mcias superiores ^para
meninos e meninas, peto barato prego de :!i500 a
duzia.
RASQUIAS DE GU1PUZE.
Chegaraoi as mais boeitas e modernas basqui-
nas pretas de, guipuze, que se vendem mais barato
do que em outra quaauer parte; assim. como as
mais delicadas romeiras ou pelerinas de erodio
pretas, enfeitadas de v*rde e ontraa cores, que se
vi.nd2 muito m conta.
Bonitas caixinhas demadeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carleira
mando abertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados c de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um bello pre-
sante, tendo algumas com musi;a.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
Ibas, e os mais necessarios para vtgens.
ESCOVAS DE MARFIM
Piraunhas, dentcs, cabello e roupa.
Outras de balea com machotados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
' OBRAS DE MADBEPEROLA
Leques, escoras para dentes, caetas,
didaes, brincos, alnetes etc. etc.
Ricas caponas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras."
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
genies para o-pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e Iran-
selin dourado.
Boioes com ancora, e P. II. para fardas
e colletcs.
Abotoaduras d'avcnturine com o p do
prata dourada, para cohetes, cada um 5;?.
Boioes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Camisas de llanella para homem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem sollre de inchaco as pernas.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereeeu ao fabricante o pomposo titulo de
Mon-plustilira, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
rocer das intelligentes senhoras, a devida
etima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se tinha visto do lo bom
em lal genero, e ainda assim custa cada
papel apeas 200 rs.
Provavelraente d'aqni a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca. 9
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constanteminte se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquegam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
Si M
NO
VATIVO
N. 23Largo do Terco.N. 23.
SIMIO DOS SANTOS ft C.
Os propietarios deste bem sortido armazem de seceo e molhados, parlecipam
aos seus numerosos fi ecuozes, tanto desta praca, como do malto e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teemum grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias c as mais novas do mercado, as quaes vcndem em grosso e a relalbo, por
menos preco do que om outn qualquer parte, por ser maior parte destas mercaorias
compradas por conta proptia, por isso quem comprar ale a quantta de 100, lera cinco
por ceulo pelo seu prompto pagamento garanliudo-se qualquer genero saludo desle
armazem.
melhor fasem conbMtf
e applicaflo.
Ao pubiieo.
Jos Viul de Negreiros, com loja e offlema de
ourives ra do Imperador n. 30, vende muito
barato, eoncma qualquer joia por metade do pre-
co que em outra qualquer part, compra ouro ve-
H10, proto, e podras preciosas : ser bom que ap-
pa-ecam para aaharam da v&toO*, _____
Veadem-se tres porta* novas com eUv|ia-
aieis : no pateo de S. Pedro n. 1.
GURGCBO PRCTO.
Chegou pura a loja do Pavao o mais ancorpado
gurgui-iin de seda preto para vestidos e coMotes,
que K .ais baral 1 do que em. outra qul-
.iuef parte.
MAOAPOLAO PRANCEZ
A 7000, s o pavao.
Vendera-se pecxs de madapoln franeez com 2i
metros, pelo barato preco do 7*000, dito eafastada
com 20 jardas a 7000, assim como finissimos ma-
dapoles franeczes e inglezes, ditos de jardas, que
so vendem mais barato do que em outra qualquer
parle, por haver grande porcao .
. AS CASSAS DO PAVAO
Covad 1 a 300 rs.
Vendem-se finlssiuias cascas francezas com li-
dos desenhoi e cores llxas a 30* rs. o covado.
CHITAS BARATAS
Na loja do Pavo
Vendo-se urna grande porcao de cuitas 'escuras.
e claras, de cores flxas, por pretos que admiramn
GAZ AMERICANO 9 a lato, a 400 rs.
a garrafa e G00 rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRAa oGO e
G40 rs. a garrafa, a ySOO e 4#800 a cana-
da, a 720 e 910 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
35500 a caada, GOO e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7ala caada, e 1(5340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a GOO rs.
a garrafa, 4^500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA a
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 2>200,
15800 e 10400 a caada, 300 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA 1NGLEZA FLOR 10440 e
10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
grainmo.
DEM FRANCEZA 960, 900 e 850 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 10400 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE
720 rs. a libra, o 10570 o
porcao se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 o 140 rs. a libra, 2G0 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arroba.
ALPISTA 20 rs. a libra e 520 rs. o
Ven !e-se uuTgrandl sortimento de chapeos de kogrammo, c U por 1 i kdo^nmmos.
I de seda e alpaca que se vendem muito ba- i CAFE EM GRAO i 60 e 60oOO a arroba,
200 e 240 rs. a libra, 440 c 520 rs. o
kilogrammo.
SABAO MASSA 20 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ba
abatimento.
ha aba-
BALT1MOOR
ologrammo, em
sel de seda e alpaca que
ratos.
LENCOS RUANCOS.
.Vendem sa bonitos lencos brancos o decores
com barras e abanhados," pelo barato preco de
3o00 a duzia, ditos de linho abanhados a tS a
duzia, ditos de esguiSo para varios precos, ditos
de algodo a 2 e IWO a duzia. _____
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna efficacU verdaderamente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
a applicado contra a paral^ia, astbma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
,tes ou antigs, sulocaees, catharros,
broaeiiicos, etc., e em geral contra todos
os sofrimentos das vas respiratorias, e
na phtisica pulmonar, spa virtude conia
o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
cbrjU^tavel, e ninguem ha que a dcscouhe-
ca. Ra Lirga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
SACOS
com tarinho da Ierra.
Maia & Laudelino vendem saceos com farinha de
mandioca, mais barato do que em outra parte :
na ra do Queimado, tr.a,vpssa.dn Rosarip n. !><
G20 rs. o kilogrammo, em porcao
timento.
BOLACIIINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 e 10100 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PIIOSPIIOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCIA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
3520 e 60500 a groza.
WIEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS 30500, 50500
e 10 a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VEBDADEIRA HlLERSd
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
IDE.M DE LARANJA DOQE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QIEJJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3 0." 20800 e 20400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOUCIMIO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e 110500 por
I i kilogrammos.
CHA FINO. GRADO E MILINHO os
melhores que ha no mercado, 30 e
70080 e 60540 o kilo-
A Mi 1 AFAMADA
(fitA DE FLORIDA,
di:
N1KUAV afc aVlSiSIA*.
lie o mais delicado e mimoso e aw ni
mo lempo ornis estavd de ledos c per-
fumes, e encerra ems, no seu maior mee
de esceltencia, o proprio aroma da ie
deiras flores, quando ainda na su;i Hure*-
cencia e fragancia natural. Cuino intnnek
SdgUPO e rpido allivio contra as thHTS._aj
cabeca.nervosidadf, debHMade, dMmaias.
flatos, assim como contra todas as era
ordinarias de aecid.'iiti's liyslcivis; e
sumina cllicacia c nao tem oulro \ iguale. Igualmente quando deklflmpi
com agua, toma-se um deutitrien) *> ipa *
agradavel e excellent'c, desdo aos AriMs.
aquella alvina o aperolada BppartJOttt Qa>
altamente apreciada e desejada pGAtfSfev
nboras. [
Como um remedio contra o man nl.
da boca, depois de diluida em gn,
summami'iite eNceliente. uta remover
tralizar todas as materias Impuras
crfam roda dos denles e das geogiij.
tornando-as duras, sadias e d'iiina linda
encarnada. Quanto a taattfadeza, asana
e permanencia do seu fragrant aroma. *
por certo nao tem igual ; e a sua
ioiidade sem rival. Ella igualimt
na-se um meio mui exceltente, pa
remover de sobre a pello do rosto, toda a
qualidade de broloejas, ebulircs. sardtK.
pannos, manchas, impieiis e espil lias.
Quando se uueira servir delta cono khmv
dio para Ifeer desaparecer quali]iiw nm
destesdisftgramentos, e que tanto desfe
amalindas feices do bello sexo; devetT-
se usal-a n'uin estado de dilhuYan. ib -;!,-
perando-a n'uma pouca d'agua : poada
irataniento de ipialquer espinha. u>a-:-f-fea
della pura em toda a sua forra. Fina*-
mente como um admiravel meio de 1
municar as feicoes trioueiras e |
urna pello macia o (Turna treiupai 1
vina, daiido-lho urna linda cor ilc n a
para mu tal fim, ella leva a palma a ; ><
os perfunies que se leeni invonlailii a'
je, e existe em plena soberana sem rii
Bem entendido tildo isto se rele r
mente a AoA de Fi.oiiida be Mi iuiay
Lanman.
As imitacoes que so tem feito na Fi-,:ra,
Allemanha, assim como em Olrtras peal s :
sao inteiramento imitis e invaliosas ; \n-i-
tanto ive-iuinienda-so mui especala .'
s senhoras, que tenham loda a preca icio
e cuidado, de quando comprarem, usfcjam
certas que compram.
A Gbnuina
AGUA DE FLORIDA
- M
MURILVY LANMAN,
A qual preparada somonte pelos nnic
Pniprielarius.
LANMAN Oj KEM8.DE NOVA VORK"
Acha-se a venda uQS estal)elecimoi
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. i'.
rer A- C. A. A. Barboza Bartholomeu, i',.
Faris, 36, RuaVivlenne, a>
CHA6LEMrniCiN
DASENFER!t|IDADAS DES8KXUAES, AS AFFIO
)ES CUTNEAS, E ALTKRACOESDOSANGU.
|10000cur6(UsmfiinoM
puatuiM. kerpe, ra
comixoet,aortmo*ia,fl.
l'trfoes, cicioaoa do tan-
tjue; eiru, alterafti
do mague. iXarape vegetal sem mercurio). r-
rtiv recetaca BAjntSS BHNKRAB*
lomao-se Jous por semana, eojuindo o iracumenu
Depurativo : muregado as mesma molestia.
Este Xarope Citracu as
ferr de CHABLK, can
immediaUmenleqialq&e?
puroacao, rlaa;aao,
__ a6iiidu, igi-
menie o fluxos e florti troncal das mulbert.
Esta injeccao benigna iipregi-i com o Zarape *t
Citracto de Farro.
Hemrr*l4aM. Pomada qn* u cara em irea a
POMADA ANTIHERPETICA
Contra 1 as a[ec{Oii cutnea* e comiso*)
PlLULAS VEGETAES DEPURATIVA
Jo av Chata*, etda fraact val ie*Mptaaiia
ia folbU>.
DEPURATIF
dn SANG
PLUS Qi
COPAHU
30200 a libra, 70080 e 60540 0
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA- grammo.
LHARIN E ALETR1A, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20700.
10750 o kilogrammo. 20500, 20200 e 20 a libra, e 50450 e
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra e 40180 o kilogrammo. m.. m
Assim como ha outros muitos mais gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas.marca lingmcas^ de l^^JS^S^^
srras gela de marmello, pcego, ervilhas, peixe em latas,
sardinhas de Nantes,
erras ge lea ae maiHionu, c^go, o. ...o, ^..-------,-, nminia orando-;
inho verde engarrafado, pomada caneUa, cravo *^^'V^*J^Tl
._ ...1.11. t 1 bk\\ nntmonta miuin mais gneros que euiauaonu e
molhos de sebolla
mencionados.
4 10500, finalmente muito mais gneros que
-
1
VTTENCAO
Vende-so uin siu'a com dilfcrenle* ""*
da frwclo, e pequea oa.ia do vivenda, assenle na
Gapnnga, freKUi'zla da Baa-i*t, que le.uiit com
tu sitios dos Srs. Gamboa e Launano : a tratar na
ra Augusta, sobrado n. 26.
No nrraazero da ra de Apollo n. 48 ha para
vender urna eadeirinha ou palanqun! cora todos
os pertence?, em muito bom estado, e por prceq
iMmmodo.
Vende-se urna e*eraya de 18 annos do idade,
cozioha c faz todo o arranjo de urna casa : a tra-
tar naifua da Guia n. 7.
Taberna
Venda-je a do pateo da Ponba n. o' : ,og preteu-
oni eerlilicar-se que o primeiro ponto
para este fim. .
Vende-se urna casa terrea de pedra e caJ
sita cm Ofinda, ra do Amparo n. 43 : a tratar ao
Recife, ra da Cruz n. 3, Io andar.
Cha toa-purgativo e depurativo
do Chainbai'd.
. Composto das plantas as mais odorferas e as
uuis virtuosas dos moDles os mais elevados, o coa
tonipurgulico de Chambard possuc um gosto sabo-
roso e um aroma suavissim, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do figadn, o desob^truenie por
esceltencia na constipacao do venlre, e n'io tem
resguardo ahjam. Depurativo especial e directo
das hiles e dos humores, refresca o sangue depu-
rndolo.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomeu & C, ra larga do
Uosarion. di.
Predios novos
Vendem-se duas casas terreas no bairro da Boa
Vista, solo proprio, o'uuii'o bem c instruidas : a
tratar com Alexaudre dos Santos Barros (olara).
Fugiram do cnpenho Firtoi
dn termo dn BRqda-, aa '
10 para 11 do corrala,
rravo- mualos, os q 21
comprados ao xm. Sr. bal
Nazarcth ha 1.5 dias poi
011 menos, sendo Juo. Hade <*
30 a 3 anuos, bem hartad/), pai-
tos cabelludos, tem os dodos dos pos, i-u-
mnimos curtos e quasi que trepriin nm nd nnv
tendo lodos os dentro de frente, corpo hulhP *
leva chapeo de muro de arlanejo, calni
algodo que Ihe cliamam palle doea '' < ',. 1: t
derbata do Illm. Sr. tonente-coroncl Agnstinhi" i.m.t t
Mello, de Ouricun', o nutro de nome FI4.X. ca-
bra, alto, bom corpo, idade 25 annos pnnre By
011 menos, hvoo chapeo de eouro dq aj
catea azul de algodo que Ihe chamam pi.
ca e cjertor de bata escura, foi esM
film Sr. Eduardo Pereira do Souz.i, da \ 1 nri
da Parahvba, que o venden por seu prix'!
Sr. Jos Lopes Alheiro ; quem o apjiri
levar ao mesmo engetiho Fir.....a op no H
escriptono de Domingos AtVes Matheos,
Yigario n. 21, sor generosamente rceompOJla
Muita attenco
v;..
Fugio no dia 29 de junho o ^cravo
nacao Angola, idade .'JO annos, penco n
nos, cop os signaos segninle 1 falia <
frent'-, andar vagaros
xigas, levan calca o rao.)!
de pallia novo : ropa
campo de o prender
n. iMue-sera
coufia-se que anda pelos eagenl
niEtva






8
Diario de Fenuimbuc Quartti feira 29 de Setembro
ASSEMBLEA GER4L
CMARA DOS SUS. DEPTADOS
SESS.O EM 10 L'C AGOSTO
PHESIDK.NT.I.V DO SI NLUAS.
(Coi
if< .implo eonhVtmenta por parta
[de (Memo imperial dio aos sens actos d
nuii.irjo mais rcapeitavel e mais aqgusto
carcter, imprmem-lhe maior torca e mais
respeilo c maior dignidade.
V:il ido-tac do pensamento de um gran
de e.v'i iptor Inglez, o insigne commtndador
Guilhorme Blakstono, direi que i ndm,,a-
0 ponimiento di ni e da repres- Cao procedente di cora urna Uonra aos
es na i pd flear extasiad olhos da lei. porque ii -rta superiori-
auto o receto do i A polica nldado de talentos e de habitaees, pela
meio de prevencao e o ajxitiar da pon- presumpeo de que os empregos sao sem-
Co: sem boa polica nao possivel satis-!Pre pivenchidos pelos mais dignos e mais
ta.:er as graves Migenci is da ordem social; j capaz s de os exercer.
daqui ;;e v qu '"so torna dolar j Alm disso, a nomearo eiti pelo go-
ii paiz de leis que dse olvain e asse- verti geral tem seguramnte mais perma-
1869.
cues feitas polo governo imperial tm i Se olho para a polica franceza, e sobre-
por si um longo decurso de tempo sen tndo para applicw iogleza, digua de icnita-
C3o. e admirada por lodo o mundo, vejo
urem o policiamento de tira poro, cohi-
bmdo os crimes e roprimindo os crimino-
sos.
Nos, que desejamos urna boa adminis-
tracao de justica, obramos com acert co-
raecando a reforma peia polica: esta a
base de aeco do poder judicial, e desde
que elle ti ver essa base desenvolvida e se-
gura, produzir os grandes eleilos em fa-
vor da liberdade do cidad3o, e consequente
jtrosperidade geral. que vemos realisados
entre aquello* pavos, qae, como os Ingle
-es, gosam de urna boa de um forte poder jndciario.
Folgp, Sr. presidente, de ver que o no-
bre deputailo que Impugna algunas dispo-
nes do projecto. coDvenha na utilidade
da sua paite essencial, isto na separa-
co da justica e da polica, e uas garan-
das que elle offrece a liberdade indivi-
dual.
A primeira contestado (cita pelo nobre
deputailo ao projecto fui relativa ii nomea-
(io dos chotos de polica, nomeacao que o
projecto manda que soja feta pelo impera-
dor. O nobre epatado eoteadap que esta
muiearao nao de ve ser foita pelo governo
geral, e sim pelos presidamos de provin-
cia.
nencia do que as nomeacoes feitas pelos
presidentes de piovincia, e isto eertamen-
te constitue una vantagom de mui subido
aprefo,
O nobre depntado a quem respondo .dis-
se que a nomoaro ftita pelos presidentes
de provincia feria por consequencia evitar
conflictos. Mas, Sr. presidente, n3o des-
cubro raz3o alguma que autorise esta pro-
posirio. Se o nobe deputailo pretende
referir-se faculdade que teriam os presi-
dentas de demittir os cliofes di polica,
lembro que isto se previne no projecto,
quando estabelece um meo prompto de
resolver qualgu r desintelligencia entre os
presidentes e os c'icfes de polica, por meio
da suspenso que o mesmj projecto aulo-
risa.
Supposto possa apparecer essa desintel-
ligencia, nao ha grande dftieutdade cm re-
solv-U. Se o caso de urgencia, o re-
medio est na suspenso ; se, porm, as
circo instancias admittem demora, dirige-se
o presidente ao governo imperial, que na-
turalmente atfender mais ao seu prmeiro
delegado na provincia do que ao ebefe de
polica. E se o receio de conflicto lal,
que [inssa suscitar a necessadde de alguma
providencia, d
no animo do nobre deputa- cumstancia a sua demesSo
verno imperial. 6 isto um
avernos acreditar que basta a
Nenhuma razio de c-or;\ emenda se apre- cautela da suspenso.
Pudendo os cheles de polica ser suspen-
sos pelos presidentes e devendo eiles ra-
zoavelmonte esperar em semelbante cr-
dada pelo go-
motivo muilo
suficiente para que nao provoquen esses
conflictos sem que liajam razos muito fun-
dadas e procedentes.
Se atiendo, Sr, presdele, para o que
se passa em outros pazes; vejo que ne-
nhuma legislaco judiciosa conlia a nomea-
Co_ de funcionarios de certa importancia
seno ao poder central; porque ba neces-
senta para que semeihauM nomeacao 'seja
retirada do poder central, para ser conferida
aos presidentes de proviaoia. Nao sei que
motivo actuou
do para propr esta innovado. At boje
o governo geral tem nomeado esses altos
funcionarios sem que se note inconvenien-
cia alguma para o servieo publico.
Se eu visse, Sr. presidente, que o nobre
deputado tirina por lim com essa providen-
cia restrictiva do poder geral descentralisar
a adminslraoo policial, eu poderia acem-
panba-lo
que se suscita-,rm reelamacos contra a
origen debas, era se apresentasse ne
nhuma razo de desvantagem para a causa
publica.
A dootrina e o tempo s5o polo systema
actual de nomearSes, e esse systema, por-
tante, deve continuar.
Ora, poder-se bia dizer qua as nomea
coes feitas pelos presidentes de provincia
alliviariau o govenn geral do grande tra-
balho e de ncomporlavel oaus; mas con-
siderando qqe as nomeac&es dos chefes de
polica su muito limitadas, noto que nem
esta vantagena podemos admiltir. Apenas
21 chefes de polica tem o governo de no-
mear ; eiles nao sao mudados mui frequen-
temente; por consequencia, nem lia gran-
de onus de que se allve o governo im-
perial.
Se se tralasse de outra classe de auto-
ridades mais numerosas, e cujo provimento
depende do exame de volumosos processos
documentados, como os oflicios de justica.
o motivo poderia ter alguma procedencia;
mas a respeto de autoridades, cujas no-
meacoes sao pouco numerosas e feitas em
longos espacos. mediante a simples noco
das suas habilitaces jurdicas e do seu ca-
rcter moral, nao poder ter valor apreciavel a
providencia lumbrada pelo nobre depotado.
A sabedoria da lei que determnou que as
nomeapoes dos chefes de polica sejam fei-
tas pelo governo imperial est;' s-anccfooada
pelo tempo e ao poda deixjr de ser re-
produzida uo projecto qu ora disenti-
mos.
que as nomeacoes dos seus prncipaes agen
tes fazem-se nao s d'entre os juristas, mas
tambem d'entre os advogados mais nota-
veis, e d"enlre aquelles que mais se dis-
tinguen na sciencia do direito.
Na luglaterra tem-se observado, confor-
me nota o abalisado criminalista allemo
Carlos Miltermaier, que quando as nomea-
C5es das autoridades policiaes nao eram
feitas d'entre os homens versados nacen-
cia jurdica, davam-se frequentes factof pr >
judiciaes punicao dos delinquentes.e con-
trarios le em consequencia da mal en-
tendida bengnidade com que se portavam
essas. autoridades; desconliecendo os seus
deveres, e nao alcancarido at que ponto
eram obrgadas a seguir o restricto direito,
ellas praticavam actos de censuravel indul-
gencia e de reprovado arbitrio, na persua-
so de que assim procediam bem. Se all
temos este ejemplo, se a polica superior
all tirada d'entre as pessoas habilitadas,
e habilitadas nao s pelo estudo do direlo,
como tambem por urna longa prabea, nao
devemos ser ns que consagraremos1 o prin-
cipio das nomeagbes para os cargos mais
importantes da nossa polica ,sem reserva,
-stendendo-as a todas- as classes de eda-
dios,
O governo inglez- procede sempre com
esmerado escrpulo na cscolb da organi-
(;3o do seu pessoal de policio', e segundo
ailirma utiKXavel
homens h
onde vio exercer jurisdiccSo policial; sen-
do certo que ordinariamente costomam ser
ouvdos os presidentes de provincia. Alm
disso estou convencido que em alguns
casos nio seria antajosa esta circunstancia
do conhecmento local, e que o nobre de-
putado quer dar tanto peso. Digo que em
alguns casos n3o ser conveniente que o
funecionario policial seja relacionado na pro-
veca onde va exercer o seu cargo.
E tanto assim, que a lei de 3 de dezem-
bro, conhecendo previdentemente a necessi-
dado que ha, em certas occasies, de sor o
funecionario policial integramente estranho
s relaces pessoaes da localidade, ordena
que, em vez de formarem cuipa em deter-
minados factos criminosos os subdelegados
e delegados em seus distrctos, v o chefe
de polica, como pessoa estranba, que pode
melbor administrar iustica, por se nao ver
peado pelas consideraces pessoaes. J
este era o pensamento da lei antiga, quando
creou os nossos bem conbecidos jutset del
fura.
e deputado apresentou tamlm
Ouobr
H0 3 fdi
idea da reduecjk) nos supplentes dos
delegados- e subdelegados.
Nao posso concordar con esse pensa-
munto; porque todos nos sabemos que an-
da com o numero actual do suptenles, nem
sempre os cargos sao devidameate preen-
chidos; muita vezes em alguma localida-
des dos nossos sertes os cargo policiaes
sao abandonado, dando-se inconveniente
les que, aloradas provas especiaesydemons-
O nobre depulado por Pernamboco inv|.traii a sua eapacidade nao s a> respeto
acephatia; e se esses casos se dao havendo
i iiotavel escviptor, procuram-se l crescid nomero d supptentes, com mais
atrillado*, e so* se nonwum aquel-, bequeock se daro se o numero fr mr-
pugnou a restrieco que o i>rojecto faz d
serem as nomeares smente feitas d'entre
os hachareis formado.
Sr. presidente, admirei por certo' que
tosse impugnada semelhan? provdeneia ;
admira! que o robre depotado quizesse
estender pela forma porque estendeu as
nomeacoes de chefe de polica-, facultan*)
que ellas fossem (eitat d'entre todas ae
classes do cidadios, excopcSb smente
da sua aptidatj iordica, orno %iabem a
respeto da su ionganimidade de carcter.
Entende-se nen paiz, onde busca-se a rea-
lidade e vanlagem> das cous*j, e nao- prin-
cipies de mera y ioellicaz tbeoria, que o
jui policial deve- inspirar respeto- por soa
sciensi e por iea> oaracter.
Jti'se v que allivonde a polica perfeit
e pode servir de modelo, proeua-se apti*
dao-de oaracter. Se'uao podemw chegar
requencw
todo, como quer o nobre depntado.
Alm dwso, eu eirxergo at urna vsnta-
gem1 politic ueste numero de supplentea-, e
de polica, guarda poMcial e aos carce-
reiros.
Parece-me Sr. presidente. que o nobre
deputado nenhuma raz3o tem ni sua im
pugnacao. Quando se trat de reformar
a pokcia, compre dar-lhema vigor, mais
torca, mais ampios meios deaecao; deve-
mos conferir-lhe as convenientes faculdadeo
para que ella possa bun desempenhar %
s"ii impoi tantissimo encargo. Incumbir a
polica da difficil tarefa de prevenir os
crimes. de ajudar a justica pela collecco
das provas dos delictos, prender o guardar
os deliinjiientes, vigiar pela seguran^ indi-
vidual, e sustentar a paz publica sem inves-
tida de meios efficazes fazer della urna
entidade digna de irriso; consttoir um
porigo de mais na sociedade, que confia na
aeco dessa entidade, e v-se a cada mo-
mento Iludida e prejndicada.
Os agentes que exialem creados pelas
leisactoaes n3o s5o os mesmos, excepf3o
dos careereiros, de que aqbi se trata'. os
agentes de polica que deten substituir
aos inspectores de quarteirSo, devem e*-
ercer funece mais activas e enrgicas de-
que exercera estes empregado creados
pelo cdigo do processo criminal. Da
maneira por que eiles s3o constituidos
n5 podem prestar ao policamento das
nossas cidades e povoados os [mesmos
serviros a que se destinam os agentes de
polici* mencionados- no art. Io do projecto
em disflusso.
Alrw disto, os inspectores de quartfeirao
sao creauras que estScr subordinada tam-
bem s autoridades ermnnaes. O pro-
jecto crea agentes meramente policiaes.
sem dependencia de outra autoridade, a
vem a ser ^, assim Sa em toda a exten- Xfml *"" reCOnhBCda
sao das-nossas provincias- unw certa classe'
de pessoas na*s iinmedlotamente nteressa*
das n9'cOnserva<;o da o*dfem e paz publica;-
por isso-mesmo- que se consideran como-
deposilarias de urna parte dopo*ler, que
vela em> favor desses bens- seeaes.
falta de oulras distioeces civis, qe nosso
paiz n3o concede facilmenlev os nossos mo-
neste pensamento; perm nao
ti ibuco da nomeacao Jos chefes de poli- duada calhegoria estejara na immediata rfe-
uos baten ote e tiincnonurios puWicos. [anda a este ponto de"perfeic-3o, estorcemo- destos concidados-contentara'sersobretudo
u 5>n. F\r.> nc L\.wos-:--Os >acerdo- -nos-ao menos por imitar 13o bom- modelo n>p tniams <>Mnc ,\n ttvn;* pnm
cia dada aos presidentes de provincia possa
trazer resultado algnm em relacao des-
centrasaco administrativa do rgimen po-
licial ; essa dnteentetsacSe j existe em
toda a" plenitude.
A nossa organisacao policial ft por tai
maneira feita, que a aeco da polica distri-
bue-se por todos os pontos do imperio, sem
que possa jamis tralisada; apenas ha a suprema inspeccao,
que necessaria e indispensavel da parte
do governo imperial. Em todos os pontos
do imperio a admmstrac.o daj providen-
cias policiaes opera-se peas respectivas au-
toridades, sem que a origen da nomeacao
dolas prejudique o exercicio prompto' e
local das funecoes que esiao dentro das at-
tribuicoes dessas mesmas autoridades. Por
consequencia a innovaran que o meu nobre
collega quer consignar na reforma, tirando
do govorno imperial a nomeacao dos che-
ios de polica para confer-la aos presiden
tes, nao pode ter lm agum til; tima
-aiteraco sem razoavel fundamento. A lei
s deve fazer-se para proveito publico.
Vejamos, porm, ^e as nomeacoes feitas
pelos presidentes de provincia viro a ter
alguma vantagem em relaco ao faci das
proprias nomeacoes em si.
Sabemos que as nomeacoes feitas pelo
governo imperial tm sempre um certo cu-
nbo de autoridade e Corea que se nao en-
centra as nomeacoes feitas pelos governos
provincaes.
A crenca de mais acurada escolha, e a
pericia desse poder, para que se nao quebr
o lo da unidado indispensavel admnis-
tracao de um paiz regularmente constituido.
Se convm por um lado alargar a acc3o ad-
ministrativa, conven) por oulro lado forti-
ficar a aeco poltica que parte do cen-
tro, e prende todas as partes ainda m-
nimas, que constituem o grande todo cha-
mado Estado, e retirada a qual tudo so
desune, e despedaza pela falta de liig-
c3o. A ac;3o poltica central nos corpoe
moraes, o que nos corpos physicos a
torca de cobes3o. A nomeacao dos func-
cionarios de mais alta gerarchia e de mai
importantes funecoes por certo o meio.
de manter essa aeco constante, com que
o centro do corpo social manten adheren-
tes a si os membro* distantes : por esse
modo que sustenta-se o realisa-sc essa cerH
tralsaco poltica que nenhuin estado dis-
pensa.
acardo-
lea Cito exceptuados por sua nateceza.
O Su. Sor/,\ Rkis:ao> obstante, tm
sido alguns nooieados.
O Su. Pinto be Campop-:----Chefes do
polica ?
O Su. Sotzv Kkis :DeJegadbs^ e sub-
delegados.
O 9. luBfCMf AR.vniPE :Sr. presiden-
te, eu tanto mais notei que o-nobre depo-
tado quesse estender a todos as classes
nos-ao menos por imithv 13o bom- modelo, nesses lugares centraes do nnperiov com
naquillo que est ao nosso alcance restnn-; ^5 cargos-, que reputan oo-no' sgnaes
jumos a cawcidade d>nomeacao pidacapa-
cidade juridia.
Anda unaranro, Sr^presidente, aconse-
Iha a nomea>?5 para caraos policiaes de
pessoas prottesionaes: autoridade pjoiicial
obrigada a dar a razo dos seus actos.
Ora, se urna autoridade pertciai, to gradua-
da cew o efeefe de pokciay que nas-res-
pectivas provincias o primetro agentfc da
seguranza e iraoqjjillidade- n/ibica, no-for
booorificos e como prtas de- c,onsdteTc3o
por parte db govem do paiz ; un nwio
d satisfazos' a mu legitimas aspif acn dos
qtse desejam-tomar paite mais activa" oas
co3*w publicas-da se tocalidadO:
A^tembrancn; poisr de reduzir o 'nnme-
ro dos supple.ies das autoridades- pelieiaes
n3otem, nomsa modo' a pensar, raaao
algi:mo plausiva, e nao-pode seraeeitfc.
Leiibiou tarjkem o nobre dep'.itidB'qiae
polica dfevia-ser
nos embarazos que a aeco po-
licial encontn quando neoessa de empre-
gar agentes seus e os nao' encentra.
Assim a creacSo dos agentes policiaes-
de que aqui se trata, para'supprir a de-
'^ ficiencia de ac\jo dos inspectores de quar-
'teirao, nao ama inutlidad, n*> urna
mpes repetc^- do que ex*te na tegisla-
c3o- frente: eiles devem, pelo regula-
menft> do governo, ter defiaida as soas
funecoO, de confnrmidade C8ia dispo-
Ce do presente projecto, qae pasearen
em MU
EmqiKnto g-jovda policial;- farei a
mesiwi observac>. Verdade que a au-
toriitsHe- policial acioalaiente pod dfepr
da foita> pablica ; mais quem tem obser-
vado r. 1 jfficuldades- con que s- veas a
polica' ltoJa afim de poder ter torca
promptt-pera a immea'-ata exesucao das
suas orden, ha de reconbecer qae ba toda
a vantagem na disposieao do projesto.
FDLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
Paulo Fval
Segunda parte
TRRAi PATA*
VIH
Historian de ladees.
(Continuado do n. 219)
Qiantos tomavam rap se satisfizeiam
custa da Sra, Blot, excepto o sugeito taci-
turno, que foi sorrateiramente tomando
nina formidavel pitada de um cartuxinho de
papel.
Nao era t5o bonita como esta, mas
ti.Tha-lhe apego por causa de meu pobre Blot
que m'a comprara, apezar de condemnar
as senhoras o uso do rap.
= A de minha mulher custou oitenta
francos na fabrica, declarou Adolpho. Toma
cuidado com o pexe, Celeste.
Floresta negra I repetio o bem fallan-
te, o termo proprio. E vejan como em
todas as cousas existe urna especie de fata-
lidade. Pars comecou por ser urna flo-
resta ...
Nao possivel I disso a proprietaria.
Foi sim, minha senhora, affirmou o
adjunto, a floresta de Bondy ou antes1 de
Livry, ;ujos restos alravessamos.
O Sr. Tourangeau tudo quer para
Livry.
Libriacum, d'antes abbadia de Santo
Agostinho... anterior capital, minha se-
nhora.
E Vaujoars ?
Nada ? J passou pela vista os com-
mentarios de Cesar, minha senhora ?
Urna floresta I prosegua o bem fal-
lante, nada mais que urna floresta. Caca-
Tam-se veados e javalis na raa de Riche-
lieu...
S a pesca l possivel agora, disse
Adolpho... ao correr do rio.
E no lugar onde est agora a Bolsa,
quadrilhas de ladros descarados...
Todos desataran a rir. Sejamquaes fo-
rera, os motejos com que ataquem 4 Bolsa,
alcaocam sempre boa cabida.
Ah I exclamou a' proprietaria, o meu
pobre Blot tinha d'esses ditos respeto da
Bolsa I
Concilio, pois, que o nobre deputado
nenhuma razo tem para propr que as
nomeacoes dos chefes de polica sejam
d'ora em diante feitas pelo governo pro*
viociar', e n3o pelo governo imperial, corso
at aqu adiase estabelecido pela nossa
legislaran, c como o projecto em discussae
reproduz.
Se o nobre deputado nos tivesse apre-
sentado inconveniencias resultantes desse
modo por que at agora sao feitas as no-
meacoes dos chefes de polica poderiamos
acompanha-lo na sua idea; mas as noiaea-
setis subalternos e annoncia-la nos cida-
dos com quem trvtaj
OfllciO'.
As leis que marcam-as-snas attrmtiices,
e o proprio-projectoora eaa discuee, d5o
prova caftali desta verdade. O bofe de
polica tem- de decidir frequectemente
sociaes a nomeacao de chefe d polieian
quanto onsiitero que estos SnccionariosJ uii. boawm liatn+tt^o pela> sciescia da-te-a supptencia dc-'chefode
devem ter IwbiltacOes especiaes-, as~quaesgislac3opatria, cora poder*bem satisfaror
s pdem possoir aquelles que se consa; este carg ? Elle tem frequeatemente de
gram ao estiud'o di> jurisprudenri'; oclie i baver-seom questes jurioVvaey deve reso<*
de polici deve ser umqurisperitbv por isso^ v-las psr si-nossens actos e instruir aos
que o homem* que dbve exctitar o fazer i seus delegados enwwaitas oscasies e cov.m>
executar a le. beio-a-conhecer para-n3o!o farcoa criterio- se oe 'fr perito no
errar, deve-a- conhecer para a erjinar aos 1 direito ?
Drvergwte, pos,-iteirairente- idea n: subdelegados,~ acb* monwnnamte.
em raza.- do- sen nobre depuUdo, eu^prwporia ate qae os de-| Tend'os delegados suplentes espeoiaes-,
llegados e subdelegados fossem. tachareis e send estes sempw escolbiifc d'oRtre a
formados, se tivesseraes no paiE pessoai.ipessoas-mais idneas para, rsso, para qqe
sortente para isso;. mas, tembrando-m^, Mr ossebuelegad do munido da* eas.
qiie nem laesnio em todas as nossas cap\ fonc^oes'.9,
taesfl exigeneia seria-.possivel, o m*lo me- .
questbes relativas ppisoes fianzas; efnon-nos lugares centran*, das nss*s provnv-i -ai w benion-qtje um certa parma*-
como podL>r-faz-lo>wm.buem nao.entena cas, deixei de susci'Jir esta Doviaencia :-j>noia do mdtvidnes no exeruieio dos-oar-
dido- nodireilo? chafe- de poliein tem i querer, porm, que os cheles de polica.!*0!" t je-vaolagem publicare se ja Imjpo
de instruir aos seus subalternos, deJsadis nio sejam pnrfeiamente habitaues peio.!e,e8a,.^'*f'9UD"t,eSado9 ae lera aqpeHa- A guara policial, coa executor. das
conbecimen do direltov ser urna. incon-4wlaw,l(ft(to^ue deviam tVl<> n** ordens d autoridade r.io a simptesre-
tsniencia, qu* esta augusta cantara, reconhe- tera0 ^'da orovidtnn proposta,
j^i, i pelo nobe deputado; porque era veoedn
Urna das raaCes que dnn o nobre depu--! fmento-htner mudaoca.a respeilo dos-de-
tado para que as nomeacoes dos-casfos de-I "3?0,8 haveria ta!aoem respeto dos-
poUcM fossem.feitas pelos presidentes de!fubtlelegadotvdes.le.queareapestodaqceHes.
provincia, consista en que, sendo ella J ovessa alleraco. Esta conUma mudan
dada aos delegados,- deven* estes auilriM Nem sempre da for^a fapparatasa que a
tituido pelos suoillega-los. autoridade' policial nocessita ; sim, de
Ora*mqaaito> primeira parte, eMprojee- agentes promptos, afe.Hes a certa- genero
to satisfaz, determnanosqp*.nos 9ases-(te de servieo qamella carece. O mmentos
saspenstio, o che de po.fcia seja sabstftta- mes tndb- para a polica ; e o aspecto
do peto-delegad* da capital; emqpsnto,. mitar dd seMado frecuentemente- a pre-
porero,-a-'snbstitr.odos detegados pelo jndica. E' preciso qne a policio tenaa
executor83-seas proprios sempre dlspostes
aoseu reclamo: a orgamsaco ntitap
m obstculo; para isso; a torca regular
deve siyeitnr-se polista nos casos de
eerta perawneaeia que podem esperar mais
proficua aenao; nos lances momentneos,
s a guarda policial inseparavel da.-auto-
ridade a pode coadjuvar com exits -vanta-
joso.
A bolsa ou a vida I arriscou Adolpho,
que nao era desprovido de memoria.
Celestj soltou urna das mos para Ihe
beliscar o joelho, em testemunho de-odrai-
raco.
Toma cuidado cora o peixo,. cecom-
mendou Adolpho.
para thes dizer que nada muda, con-
tinuou o bem fallante. A floresta- de Pars
existe ainda, s lhe fallam as aboces. En-
contra-se n'ella basta qnantidade de veados,
se acreditarmos no que dizem as comedias,
javalis florescentes, selvager.s oudomesticos,
serpentes: quera o negar! 9 tambem rosas
para occulta-los, avezinhas encantadoras
que gorgeiam em todos os. andares de todas
as casas, os alegres cnticos da mocdade.
E certo que ha algumas pequeninas dilTeren-
cas ; as florestas o amar nao faz das suas
seno na primavera, aqui um andar
continuo...
O Sr. um tanto fresco nos seus di-
tos ; isso diante de sanhoras-..
As vezes sao-no estas matronas, as ac-
Ces: a Sra. Blot de Vaujours, na teve por
si a raaioria, que protestou :
Nada, nada f Tem muito chiste ; e
a comparacp engenhosa. Queira con-
tinuar.
E vedara que semelhanca, (em com-
pensac3o. Lobos ento abundam___e
cervaes.
Refugiaram-se todos em Pars I
Mea charo senhor, disse Tourangeau,
muito gosto me dariam as suas relaces,
se coraprasse alguma cousa por estes sitios.
'uma floresta sao precisos guardas :
nos temos os policas...
E os que roubara a caca.
E os que cacam sem furtar.
E os trapeiros... sao os qpe apanham
cavacos.
E inglezes, como em*Fonlainebieau.
Floresta floresta 1 floresta I
Temos largas avenidas para coches
principescos, e veredas sombras que cor-
rem tortuosamente pelo interior das raat-
tas, onde o bandido espreita a presa.
As ras largas e os beccos I
Floresta I floresta I
Estesugeitoexprime-secom elegancia,
disse Celeste a Adolpho. homem fino.
O Adolpho responden :
Falla de mais. Toma t sentido no
peixe.
Emquanto aos proprios bandidos, con-
tinuou o passageiro eloquenle, que floresta
se pode gabar de ter urna collecc3o seme-
Ihante de Paris ? Fallam no Senart e em
Villers Cotterets. S3o urna lastima 1 A
e- subdelegados-; con -o aa com proweito,
se lar homem-ignorante' em matera jur-
dicas ?
O-chele- de polica, tem de tratar com
agentes estrangeiroffc cujas exigenaias- en-
volvem graves qneses de direito, e la-
mentavet que em. taas oecasioss elle se
mostr inferior saa pesi$3o. Poo-conse-
quencia, acornearan- dos befes de-polica
restricta aos legistas, aos komens aJaece-
dores do-direko, -de indaclnavel o intui-
tiva necessidade.
N5o -s entre mis qae as nemeaces
para oe mfiortantes cargos de polica sao
feitas d?entre as pessoas assim habilitadas.
petico do qpe existe; urna creaeao nova.
qne dar os mais proficuos resultados
seguranca individual e ilranquili-Jade pu-
blica.
Fallo agonados carce?eiros. Desde qne
o projecto tcatava dos agentes que--tm. de
feitas por estas auforidadas, escdberrae-hiauui(;a no Pesseal dos cargos pwMciaes nao pede servir aco da polica*. era cengruente
floresta de Paris mettia-as na algiboira.
Eu conservei a assignattira. que o
meu pobre Blot tinha da Gaz.;*- dos Tri-
buna-y suspirou a proprietaria.
-Iac, tenho. o Direito, deelarou *6
adjunto, era sociedadn com 0.parodio e o>
capo relator ; uekpadre Nberal,
- O. capitao ?
Ora t nao : o parodio. Hontem li-
vemos nos no folietim jautamente a his-
toria, do merceeiro da ra de S. Thiago,
cejos subterrneos servias, de armazem
quadrilha do. Poalain...
Eu presenciei essa. audiencia, Sr.
Tourangeau I O meu pobre Blot era /ary.
onita sociedade I apreciou o bem
fallante como entendedor da cousa. Eu
tenho a Gazrta e o Direito. Lembram-se,
minkas senhoras, das quadrilhas do Hon-
rse f
Ah I que patife exclamou Celeste.
Foi pelo meu casamento. Ento pescava
Adolpho menos vezes.
O peixe I disse o Campead.; segurado
bem.
E os Nathan I proseguio o erudito
passageiro. Pelo lado das damas ; Minetf
e Rosine l Temos um autor que as apro-
veita com bastante geito : o Sr. de Balzac.
Leiam Vautrin. Algum conheciraento bom
tem elle nos pinhaas... Continuando : do
lado das damas, Lina Mondor ; ah tem
ama bera finora I e Clara Wendel f esta
deu para dramas ; couia que as lisongeia
muito o po-las em scena... Mas de Luiz
Felippe para c que a floresta so pova.
Em 1833, apparece a quadrilha Garniar,
setenta e cinco de urna vei 1 A quadrilha
Chatelain, que usava sapatos de ourello
para se nao ouvirem na calcada.
Em cima v3o dous homens de sapatos
de ourello, interrompeu a Sra. Campe3o.
Minha mulher d continuamente mos-
tras de verdadeira perspicacia, disse o
Adolpho. Nao largues o peixe, menina t
O adjunto se morda com inveja do pas-
sageiro facundo.
Houve tambem a quadrilha Hog, a
qual deu afinal luz.
O homem taciturno espirrou. Era o
prmeiro rumor que fazia. Metteu a m3o
algiboira para sacar do lenco, e ficou at-
tonito ; o lenco ausentra-se lhe.
Talvez o senbor o perdesse, disse-lhe
o adjunto, porque c pelos sitios n3o bi
ladros.
Bem longe nos arrastou \i esta scena
pelos ramps do realismo ; n3o iremos, po
rra, at dizer o modo porque se assoa quem
nao tem lenco. O passageiro mudo vio-se
piliividuos conbecedoresda provincia, e por;
isso mais habilitados poca o desempacho das-
respectivas funecoes.
Sr. presdeme, nao me parece- que essa.
raaao tenha* ppocedensa alguma j: porque o
governo imperial pode da mesma i'rma no
aiaar a pessoas conheeedoras da lugar parai
neduzido > esse extremo. As duas matro-.
as sorriam,; a proprietaria desdobrou um
Carnoso lonco de seda. novinbo:em folha., a
Celeste disso:
O' Asiolpho, dirae o man.
O-que Adolpho fez-.com a soadico dtila
tomar sentido no peixe.
, A especie humana cruel. Assoou-se toda
a carruagem. O viajante silencioso ncdeu
mostras.de lcar humilhado. O sugeito que
dava bem lingua continuout:
Mnim?que floresta t Setenta e-tres
condemnaces para a quadrilha do Carpen-
tier : E para nao irmos mais longe :: iinda
ha dous dias, Cuurvoisier, Mignard Gau-
thier, Sonque, Chapn,, qae-trazia em-camp >
mais de duzentos soldados, jis escarpas de
Poulmann, os Vanterners de Marehetti
Eos que ainda nao cahiram dabaixo da
mao da justica, a melbor quadrilha I os t-i
mosos Casacas Pretasy que tem os soldados
na escoria dos bairros nfimos e os generaos
as mais elevadas regios sociaes...
D'essa nao falla o jornal, interrompeu
a proprietaria,
prohibido, para nao atemorisar o
commercio. A verdade que trabalham
em ponto grande, e que a polica nao v
boia.
Dizem que s3o protegidos de muito
alio...
E qne dispm de grande influencia...
E que a justica tem medo d'elles t
Como! o qae I exclamou a Sra. Cara-
pe5o que escutava boqui-aberta ; isso 4 da
gente se arripiar.
Ainda que rae pagassem, declarou o
Tourangeau, nJo era eu que habitava em
Paris f
Adolpho atreveu-se a encolher declarada-
mente os hombros.
Eu sou caixa, disse elle com a serena
importancia que 13o querido de Celeste o
lornava, caixa principal, e como o adminis-
trador da casa um fidalgote que s quer
boa vida, eu que carrego cora toda a res-
ponsabdidade I S por sv e bastante.
Cuidado com o peixe. A noss casa co-
mo sabem urna das mais importantes da
capital. Habitamos n'um sitio deserto, e
que passa por ser dos mais perigosos; no-
ten estas diversas circumstancias. Entre
as causas celebres que acabara de citar, tem
o nome da ra de Enghien por mais de urna
vez figurado, resoando no recinto da justica
criminal. Nao juer dizer nada. Peguem
n'um homem intelligeote, instruido, pru-
dente, dextro e corajoso, que elle ha de
sabir se to vem em contabilidade como na
arte da pesca. E, visto que fallei em pesca,
certameajte convir as -servieo -publico.
O nobee deputado, impugnando o 3* 'de
art. i" dizque a sea desposicjo itesne-
cessara.psit conter a repetjaodaquilSoque
j se acha estabelecido na legislaco patria..
Eu creio -(segundo a minha tembrancav que
o Ilustre preopinante referio-se aos agotes
far-lhes-hai aqui observar, em poucas-. pa-
lavras, que abranda ella sensivelmente os
oostumes, assim como os- philosophos da
antiguidade aUribuem. msica ; o que ni
neg, apezar de o nao ter experimentado
pessoalmente. Na- opera, um beareiro de
vir tudo abaxo,. nao acham ? Eu.nao
gosto.de cantigas seno metlidas com.geiti-
nho as comedas que ellas- alegrara
muito quando s3o em estyllo conhecido...
Peado agora tenho eaa palavra>.... Biza,
pois,. que faco tanto caso das quadrilhas de
ladros como da nevo que cabio, ha com
a-anos. Nao ha limita como a, do peixe,
que deve natureza os seus instinctos.
quelle que por mudos anuos- se d pes-
ca, ensina ao peixe mil estratagemas inno-
centes, com que ene acarrla para a vida
privada. En desaflava o Maudrin* o Car-
touche, e at os Casacas Pretas de que
para ah fallaram, que me furlassem da
sobreloja onde moro um embrulho sequer
de mil francos...
Oh ob, f exclamo* o adjunto do Li-
vry, ainda bem que e'Jes aqpi nao esto*
para Hie responder!
Diante d'elles, replicou Adolpho com
finura, nao communicava en os pormenores
que por minha livre vontade vou dar
aqui, diante de gente de bem. Segura o
peixe, Celeste... Estamos em Bondy.
Para va effectivamenta a carruagem, Apre-
sentaram-so dous ou tres desgranados de
trouxa s costas, mas a terrivel palavra :
Completocahio-Ihes como nevo da bocea do
condoctor, quem a servente do botequm
trouxe o copito de agurdente, que todo o
que sabe do seu officio enxuga, para ajudar
os cavallos a resfolegar.
Echalot e Similor cantarolavam na almo-
fada : concordaran em evitar-lhes o con-
tacto ao apeiar-se, por que traziam sapatos
de ourelo.
Estas historias do ladres sempre alguma
cousa deixam no animo dos mais intrpidos.
Celeste, que segurava os cadozes com o
braco estendido, para consrvalos frescos,
pedio humildemente que corressem urna vi
draca, mas a proprietaria nao se podia es-
quecer do seu pobre Blot, que aborreca
as correntes de ar. Juntava-se ainda que
o ar mephitico n3o desagrada totalmente aos
indgenas dos arrabaldes de Paris.
N3o renuncio palavra, proseguio
Adolpho apenas a carruagem largou de novo.
O que tenho a dizer contm uteis esclare-
cimentos, e de.passagem certifico Ihes que
se trabalho ha muitos annos para fundar a
sociedade dos pescadores de linha do de-
partamento do Senna, porque nutro es-
mencionar todos aquelles- que lhe fieam
subordinado e que devem comper as-pecas
do macbinismo polica!. Nenhucna incon-
veniencia ha. de consigr.ar aqui a.*eaisten-
ciados careereiros.
(Cximuar-a&ha).
perancas de introduzir assim na capital, pa-
tria minba, novo elemaato de ordem e de
civilisacao. Sou official da gsarda civica.
Fallam do-floresta : calentamos alerta. Dur-
mam socegados...
Para os- que nao tenbo a hoara de conhe-
cer aqui, oceupo a sobreloja do palacio do
Sr. Schawartz, na roa de Enghien n. 49*
em Paris, bairro* Poissonire, cujo nome
basta para ter as minhas sympatbias ; mora
no mesmo pavimento outro eaixeiro, o que
a divide em dous guartos distinctos, se bem
que o&seus moradores alimentem relaces
da maior cortezi;K N3o se trata, porm,
d'isso.. Disse eu que desaflava Maudrin.e
Cartoucbe. Accnescento Poulailler, Bar-
rbase Lacenaire. Eu"ca sou assim Ah
vo-.as minhas armas, n3o as escondo : em
p.iueiro lugar, tenho urna quinta onde nun-
ca tico; o domicilio das minhas lnhas.
Tres quartas partes emeia das desgranas
pro vera do fraco. que as pessoas de Paris
tem por dormir ao campo. Av noute a
mesma em toda aparte ; urna vez na cama,
posso sonhar vontade que repauso no seio
da mais vi cosa verdura. A porta do pala-
cio nao se pode abrir sem que toque urna
campainha na saleta. iacommodo, por
va do grande mo vi raen to que ha na casa;
d, porm, um prmeiro rebate, que evita
toda a quantidade de sorpresas. Segunda
campainoa, que communca com a porta da
saleta, toca, mal esta se abre, segundo
rebate: o primero quer dizer : Cntela
comsigo I o segundo : Traga armas I N2o
para aqui : terceiro toque, batendo-me jus-
tamente aos ouvdos, cabeceira da cama,
sa logo que tocara na porta da sala. Meas
senhores e minhas senhoras, a primeira
campainha apanhon-me assentado, a segun-
da de p, a terceira ciama-me : Defende,
Campeo, os diversos valores confiados
tua vigilancia f.
-* curioso, soltou o adjunto de Livry
Curiosssimo repetio o bem fallante,
que, f, trocava olhadellas, com a pro-
prietaria.
O passageiro taciturno tirou gravemente .
da algibeira papel e lapis, e cscreveu urna
duzia de palavras.
poeta, murmurou o figur3o elo-
quenle, em tom de mofa.
O adjunto re Isso n3o me admira meu charo senhor ;
temos muitos c no sitio.
(CoHtinuar-se-ha.)
TVP. 1M> DIARIORl A DAS (RtZES V. 4

i
'4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN17GSN03_25L375 INGEST_TIME 2013-09-14T04:06:48Z PACKAGE AA00011611_11954
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES