Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11947


This item is only available as the following downloads:


Full Text



V
'
ANNO XLV. NUMERO 215.
/

F1EA A CAPIT^ i. LGABES TOE MAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes tdiantados. ;*^^..............
Por seis ditos idem.....................
-Por uta ano idem...........,., ><, 1IIT .
Cada numero avulso.............
6J000
i_'>oob
245000
320
S 'kvffl
TERQA FEIRA 21 DE SETEMBRO DE 1869.
PARA DEOTBO E FORA DA PROVIKCIA.
5S.
%r
Por tres mezes adiarrtados.
l^or seis dito* idem. .
Por no\ 1 ditos idem .
Por um anuo.....
1750
13500
201250
27#000
* I
Proprflde de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
J^K*
SAO AGE?
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filhos, no Para; Connives d Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oiveiro, no Cear; An^iiO de Lemos Braga, no Aracatr? Jo3a Maria Juo Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Percha d'Almeida, em Alantanguape ,#1 Antonio Alejandrino de Lima, na Parahjba; Antonio Jos Gomes, U Villa da Penha,' Jelarmino dos Santos BulcSo, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa tiraga,
em Nazaretli; Francino lavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martin AJves, na Bahia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
_
PARTE OraCIAl.
Cioverno da itrovlucia.
BXPSSMWIE ASMonaim PELO EXVI. SR. Bit. MVNOKI.
DO N.VSCWKVro M.V:llADO lor.M.I.A. V1CR-PRR-
SIDKKTB )\ l'OVIMJIA i:m 2'J de jimio de
1SI9.
1' scelo.
X. 770.Portara ai> Exm. general eomman-
llanto las armas.Transmiti a V. Rxft alim do
ser entregue ao alumnu do e amo da facilidad
de dsreitu desta cfdade, Alexandre Barbosa de
Souza a fe d*oQi;:os que soiieitun, e foi remcltidu
como aviso da guerra de 10 do crrante.
X. 771.Dita f menino.Para cunipriinento
do avio da roparii(io da guerra de 19 do cr-
lente, faga V. Exc. seguir para a curte atim de ir
prestar serviros ao exercito em operaeftea contra o
Paraguay, o soldado du extinto orpod gnarnicao
desta (irovincia Jos Maria Kerreira, por Mr sMo
Ate o detrimento ijue leve o reuneriineaM da re-
ferida {.rafa, pot_V. Exc. informado em uiiitibio
prximo passado.
X. 772.Dita ao mesmo.Passo a- julios de V.
Exc. para sou conliecimento c execoc&O, a inclu-
sa copia do aviso circular do ministerio da guer-
ra de II do crlente, recommendando a remessa
regular dos inappas da forca existente nosta pro-
vincia, ijuer de linlia, imerda guarda nacional, su-
jeita aquella repartirn.
P. 773.Dila ao director do arsenal de guerra.
Mande V. S. recebar a bordo do vapor Ornar,
> mnservar ne.-e arsenal at que se Ihe d o con-
veniente destino, um volunte contenJo dlferenles
artigo* que pelo arsenal de guerra da corte sao
remettidos ao dedosilo do artigo bellicos da pro-
vincia do Itio-Grande do Norte.
X. 775.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para sen conlieciuionto, que, segundo consta de
aviso da guerra do 8 do crranle, Fi demittido
Hermenegildo Severiano Gonealves, do lugar da
oiitra-mostre da oflirina de ferrairo desse ar-
senal.
X. 776.Dita ao mesmo.Informe V. S. acerca
do que pede no incluso requerimento o padre
Miguel Vieira de Barros Marrca.
X. 777.Dita ao commandante de Fernando.
Xa primeira occasiao opportuna, envi Vine,
para esta capital com a necessaria segranos, a
ser apresentado ao cgefe de polica, o sentenciado
Manool Teixeira de Carvalho Uabalau, que tsto re-
quereu para tratar de seus diretos.
X. 778.Dita ao cnsul de Portugal.Tendo
expedido nesta data .'.3 convenientes ordens no
sentido do que solicitou o Sr. Dr. Claudino d'A-
raujo Guimares, cnsul de S. M Fidelssima, em
tlieio de 18 do crrante, com relacTw ao espolio
do subdito portuguez Damiao Pinto de Olivein,
asshn o communico ao mesmo sr. cnsul em res-
nnsta ao citado officio. Henovo ao Sr. cnsul os
protestos de minha perfeita estima c dislinelacon-
ideracao.
2." seccao.
X. 780.Portara ao commandantc superior da
guarda nacional de Olinda.Devolvendo a V. S.
as contas em duplcala, vieram animas ao scu
ollleo de 3 do corrente, relativas ao fornecimento
lie luz e agua, feitn nos mezes de mareo e maio
Ueste anno para o quartel do destacamento de
guardas nacionaes existentes nessa cidade, julfro
(i aveniente remetter-lhe por copia, para os devi-
dos effeitos nao s o oflleio de 18 desle moa, sob
n. 353, com que o inspector da thesouraria pro-
vincial impugnou o pagamento dessajiespeza mas
tambora o parecer da contadori.i da mema tbe-
souraria.
X. im Dita" aa commandante superior da
iiarda nacional de Palmares.De conformidade
iom o dispoto no decreto n. 1130 de 12 de marco
de 1853, art. 9 e art. 1 20 do de u. 1351 de C
de abril de 1851 designe V. S. novo dia para rea-
nio do consol lio de reviso da i.iliiiwcao dos
guardas nacionaes do natalhao n. 55 desse coni-
mando superior ficando assim respondido o seu
nllloio de 8 do corrente.
X. 782.Dita ao juiz de direito do Cabo.Re-
meti a V. S. para seu conliecimento e lins con-
venientes a inclusa copia da lei provincial n. 82i
de 18 de maio do anno passado, determinando ti-
rar perlencendo a freguezia do Cabo todo o ter-
reuo comprehendido nos limites do engenho Mas-
saugana, a que fazia parte da de Ipoj ica.Iguaes
aos juizes municipacs do Cabo a de lpojuca.
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POF.
Paulo Fval
Segunda parte
TlllS* PATAS
VI
As salas de Schwariz.
(Continuaco do n. 214)
X. 783Bita aojuiz municipal do termo de i
rimes.Em reannsta ao seu officio de 25 do maio
prxima dudo, tenbo a diz-r que remetta-mo para
sor reototUdo ao cnsul de 8. M. Fidelissima, como
solieita t-sie en ofllcio de 18 do corrente, o termo
deanolamento dos bens que constituem o espolio
do subdito portuirnez Damiao Pinto de Oliveira,
fallecido na povoaclo da Baixa-Verde ness
lermo.
3.* saoelo.
X. 78'i.Portada ao inspector da thesouraria
de lazenda.t'.ounnunico V. S. para seu conne-
i'imento que, por aviso do ministerio da guerra de
11 do corrente, foram approvados de 380 e 900
ri'is, o oimeiro para etapa e o segundo para for-
ragan que tcm de vigorar ncsla provincia durante
o lemeslre de jullio a dezembro do auno corrente.
X. 785.Dita ao me*mo.Mande V. S. ajuslar
contas e passar guia do soccorrimento ao capitao
do corpo n. 30 de voluntarios da patria Francisco
de Soasa Ferrara Habello, que se achava com li-
COM* nesta provincia, o qual lem de seguir para
a corte no vapor que se espera do norto, allin de
icuinr se ao respectivo corpo cm operacoes con-
tra o Paraguay.
S. 780.Dita ao mesmo.Communico V. S.
para seu conliecinien o que, segundo consta do
aviso da repartieao da guerra de 10 do corrente,
foi demittido Hermenegildo Severiano Goncalves
do lugar de contra-meslre da olficina de ferreiro
do arsenal de guerra.
X. 787.Dita ao mesmo.Em aviso de 11 do
corrente, declara o Exm. Sr. ministro da mari-
nha que naquella data se dirige ao da fazenda so-
licitando (iiovidencias para sor augmentado com
aquantia de 14:8'.)2750 o crdito distribuido
para as despeas da rubricaForca navaldo ac-
tual exercicio de 1868 a 1869, devendo semelliante
quanlia sabir de igual verba do municipio da cor-
to do inesuio exercicio : o que communico V. S.
para seu conliecimento e direecao.
X. 788.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Attondeudo ao que solicitou o chefe de
polica interino no oflleio junto por copia, datado
de bontem e sob n. 909, com referencia ontro,
tambera junto por copia, do delegado do termo de
Papacaca, recommendo V. S. que mande pagar
ao mencionado delegado ou ao scu procurador, a
quantia de 6i, proveniente d aluguel de oito
mezes, vencidos em 18 de abril ultimo, da casa
que naquelle termo serve de cadeia.
N. 789.Dita ao mesmo.Declaro V. S. para
seu conliecimento e lins convenientes, que, confor-
mando-me com a proposta do procurador fiscal
dessa thesouraria, comida em otlico de 10 do
crreme, resolv exonerar o coronel Tiburtino
Piuto de Almeda, do lugar de ajudante do mesm i
procurador fiscal, na comarca de Santo Antao, a
notnear para o substituir o bacharel Jos Antonio
Correa da Silva.
X. 790.Dita ao raesmoTomando cm consi-
deracao o que V. S. expoz em seu oflleio de 11 do
rorrente, sob n. 333, resolv nomear o bacharel
Jos Antonio Correa da Silva, para o lugar de lis-
cal da collectoria do municipio da Escada, ficando
assim respondido o citado otTieio. ,
X. 791.Dita ao mesmo.Depois de liquidada,
em vista da rontae relacSo junta, a despeza feta com
o sustento dos presos pobres da cadea da villa do
Brejo durante o mez de maio ultimo, mande V. S.
pagar a sua importancia Jeronymo Perera Ma-
rios ou Evaristo Mendos da Cunha Azevedo,
confoEina solicitou o chefe de polica em oflleio de
hontem, sob n. 90i.
X. 792.Dita ao chefe da repartieao das obras
publicas.Mande Vmc. orear as despezas que se
tem de fazer com a reedicacao da parte do edi-
lieio em que funeciona a FacDldade de Direilo
desta cidade, que foi destruida pelo incendio quo
all se deu.
N. 793.Deliberarao.O vice-presidente da
provincia, conformando-se com a proposla do pro-
curador fiscal da thesouraria provincial, couda
em officio de 10 do corrente, resolve exonerar o
coronel Tiburtino Pinto de Almeda do lugar de
ajuJanto do raesmo procurador fiscal na comarca
de Santo Antao, e nomear para o substituir o ba-
charel Jos Antonio Correa da Silva.
N. 791.Dita.O vicepresidente da provincia,
atlendendo ao que expoz o inspector da thesoura-
ria provincial em officio de l do corrente, sob
n. 333, resolve nomear o bacharel Jos Antonio
Correa da Silva, para o lugar de fiscal da collec-
toria do municipio da Escada.
4a scelo.
X. 796.Officio ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia do Hio Grande do Norte.Bepresentando-
me verbalmenlo o commandante do vapor Guar,
que smente na sua volta dos portos do norto po-
da fazer entrega nessa capital do maior dos 3 I
volumes com diferentes artigosque pelo xrsenal de!
guerra da corle sao remettidos para o deposito de
J,|uir, a Odorieo de Carv.nllio e Silva Castello
liilhco, ofllcial da secretara da admmislraciij de
fa*nda provincial de Piauhy.
EXMSMENTE ASSIONvDO PELO s:i. MI. JO\Q(IM COR-
SEA DE AlUl'Jo, SECRETAPIO DOGUVERM'l, EM 23 DE
JIMIO DE 1869.
1* secci.
>. 809.Oflleio ao Exm! Sr. general comman-
artigos bellicos dessa provincia, lomei a delibera- danto das armas.De urdein lo Bxni Sr. vice-
(.ao de fazer desembarcar aquello, alim deser para
ahi enviado em um dos vapores da companhia
Pernambucana, o determine! que os estrs dous
seguissem a seu destino no referido vapor Guar:
o que conraninico V. Exc. para sua sciencia.
X. 797.Circular aos Exms. presidentes das
provincias do sul o norte.Passo s raaos de V.
Exc. dous exemplarcs impressos do rea torio que
o Exm. Sr. conde de Baependy, presidente desta
provincia, apresentou asseinbla legislativa, por
occasiao de sua abertura, no dia 10 de abril ul-
timo.
N. 798.Portara cmara municipii do Re-
cfe.Declaro cmara municipal do Itecif, en
additamento ao meu officio de 17 de maio ultimo,
liara sen ronhecimepto c fins convenientes, que,
segundo consta de aviso do ministerio do imperio,
de 14 lo corrente, a cmara dos Srs. deputados
approvou as eleicoes primarias das parochias da
Boa-vista desla cidade ede Nesta Senhora da Luz
da villa de Pao d'Allio, pertencentcs ao primeiro
districto eleitorald'esla provincia.-Igual acama-
ra municipal do Pao d'Alho sobre a eleicao da pa-
rochia de Xossa Senhora da Luz, pertencente ao
primeiro districto eleitoral d'esla provincia.
N. 799.Dita cmara municipal de Flores.
Declaro cmara municipal da villa de Flores,
em resposta aos seus oflicios do 16 de marco ulti-
mo e 1" do corrente, quo ficaiii approvadas as ar-
prsstdeme da provincia declaro a V. Exc. qne
nesta data se expedio urdein, nao s aos agentes
da companhia Brasileira p.ira darein transporta
at a corle, pir anata do ministerio da guerra,
mas lamben a ihesmiraria da fazenda para pas-
sar coma o ajtistar gula de soccorrimento, ao ca-
pitn do 30 corpo de voluntarios da patria, Fran-
cisco de Sooza refreir Rabello, que para all se-
gii&afim de reunr-so ao exercito em operacoes
contra o Paraguay.
Ia seccan.
N 810.Olllcio ao Dr. chefe de polica Interino.
O Exm. Sr. vice presidente da provincia, res-
pondeado os oflicios de V. S. datados de hontem,
e sob ns. 901 e 909, manda declarar que a thesou-
raria provincial tem orden para pagar as (plan-
tas enastantes de tacs oflicios as pessas nelles
mencionadas.
N. 811.Dito o mesmo.De erdoui do Exm.
Sj. vice-prestknle da provincia, declaro V. S.
que o director ao arsenal de guerra tem ordem cdase cura ordenado somonte.
sidonte do tribunal do jory. Em resposta ao ofll-
eio do V. S. data lo de hoje. cbeme dizer-lhe que
arabo lo expedir as convenientes ordons para ser
reforcala, como pede, a guarda que deve ama-
thSa apresentar-se nesae tribunal.
N. 821 Dita ao commandante do corpo pro-
visorio de polica.Faca Vmc. reorcar, dobrando
a guarda ipie amanba tem de estar no' tribunal
do jury, devendo ser cranosla de pracas de con-
liauca e commandada por ollicial de toda a confi-
anza que dever ligo cedo cntender-se eom o pre-
sidente do mesmo tribunal para receber as devi-
Jas irKlrurees.
X. 822.Dita ao delegado de polica do termo
do Cabo. Em resposta ao seu oflleio. datado de
hontem, tenbo a dizer-lhe que approvo o seu pro-
cedimcnlo, e que na mesma dala em que foi orde-
nada a retirada do destacamento da forca do cor-
po de polica foram expedidas as convenientes or-
dens para sor o mesmo substituido por torca da
guarda nacional.
DESPACHOS DA VICR-PBSH>ENC!A DO DA 17
DR SBTEnm DR 1869.
Antonio da Costa e S.D-se.
Bario do Livramenlo. Nao tendo o aflianc,ado
William rumprido aquillo a que se nbrigou, nao
pode ter lugar o que requer o supplicante.
Francisco Americo de Aragao Bab lio. Con-
para entregar V.
V.'SyflS II
ni cues de que trata o seu oflleio
irmas, correames e mu-
de 1 do corrento
sob n. 1H9, para armar o destacamento da villa de
Cahrob.
N. 812.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vico-pre-
sidenta da provincia eoinmunica V. S., para os
fins cooveiienles, que nesta dala deferio a peticao
do sentenciado Manoel Femara de Carvalho Ha-
termos de contrato que por copia acompanharam
o segundo dos seus citados oflicios.
N. 800.Dila a cmara municipal da villa da
Garanhuns.Declaro a cmara municipal da villa
de Garanhuns, em additaiaento ao meu officio de
17 de maio ultimo, para seu conliecimento e fins
convenientes que, segundo consta de aviso da re-
partieao do imperio de 11 do corrente, a cmara
dos Srs. deputados approvou a eleicao primaria a
que se procedeu na parochia dessa villa.
N. 801.Dita a cmara municipal da villa do
Bonito.Communico a cmara municipal da villa
do Bonito, em additaiaento ao meu officio de 17 de
de maio ultimo para seu conliecimento e fins con-
venientes que, segundo consta de aviso da repar-
tieao do imperio de 14 do corrente, a cmara dos
Srs. deputados approvou as eleicoes primarias das
parochias do Bonito e S. Jos d Bezerros, perten-
centes ao 4* districto eleitoral desta provincia.
N. 802.Dita a cmara municipal da villa do
Cabo. Bomelto a cmara municipal da villa do
Cabo, para son confrecimento e flns convenientes, a
inclusa copia da lei provincial n. 844 de 18 de
maio do anno passado, declarando ilear perlen-
cendo a freguezia dessa villa todo o terreno com-
prehendido nos limites do engenho Massangana, c
que fazia parle da de lpojuca.
N. 803Igual a cmara a municipal de lpo-
juca.
N. 801.Dita ao engonheiro Luiz Jos da Silva.
-Respondendo ao seu officio de 18 do corrente,
tenho a dzer-lhe que, em vista do aviso da repar-
tieao da agricultura, commercio e obras publicas
de 2! de marco ultimo, nao pode ser concedida a
passagem para o Ro de Janeiro que Vmc. pede
em sen c lado officio.
X. 805.Dita aos agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes a vapor. Podem Vmcs. fazer
seguir para os portos do norte o va per Guar a-
manhaa a hora indicada em seu officio de hoje.
N. 806.Dila aos mesmos.Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes, mandar dar
transportes al a corte por conta do ministerio da
guena, no vapor que se espera do norte, ao ca-
pitao do corpo n. 30 de voluntarios da patria Fran-
cisco de Souza Rabello.
N. 807.Dita aos mesmos.Dem Vmcs. suas
ordens para que dos ires volumes remettidos para
o Ro Grande do Xorte pelo arsenal de guerra da
corle no vapor Guar, soja desembarcado o maor
ilclles seguindo 03 outros dous a seu destino no
referido vapor.
N. 808.Dita ao gerente da companhia Per-
nambucana.O Sr. gerente da companhia Per-
nambucana, mande dar ama passagem de estado
a r at o Cear no primeiro vapor que para alli
rematacoes dos iupostos de que tratara os dous lalau, que so acha no presidio do Fernando, e que
* pedio vir a esta capital para fazer urna procon-
cao, afim de garantir os seus diretos, expedindo-
se ordem ao commandante daquelle presidio para
remoite-lo com a precisa seguranca e a ser apre-
sentado a V. S.
X. 813Dito ao presidente e uiembros do con-
selho de ravisao.da guarda nacional do Btn Jar-
dim.O Exm. Sr. vico-presidente da provincia
manda aecusar o recebimento do officio do V. S.
de 18 do corrente em que d conta dos trabamos
dessa consclho.
3* seccao.
N. 81 i.Oflleio ao inspector da thesouraria de
fazenda.Do ordem do Exm. Sr. vice-presidenlo
da provincia declaro V. S. que, segund* oflleio
do Dr. chefe da polica n. 903 de 22 do corrente,
estere completo o destacamento do termo de Cim-
bres dnrante o mez de maio lindo.
N. 813.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, manda fransmttr a V. S.
as tres inclusas ordens em duplicata "seb ns. 673 a
677,_edldas pela reparttciV do ajeniante general
do exercito.
N. 816.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-prc-
si.lente da provincia manda declarar V. S para
os lins convenientes que, segundo oflleio^ do juiz
municipal do lermo do Cabo, bacharel Joao Gon-
zaga Jl.ireellar de 18 do corrente, nessa data re-
saturnio o exercicio de seu cargo.
N. 817Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vce-pre-
sidente da provincia, manda declarar V. S. quo,
segundo cilicio do promoto publico do Cabo, ba-
charel Andr Cavalcanl de Albuquerque, a 21
deste mez reassumio elle o exercicio do seu cargo.
N. 818.Dte ao procurador fiscal da thesou-
raria provincialS. Exc. o Sr. vice-presidente da
provincia manda declarar V. S. para seu conlie-
cimento, e afim de que o faga constar a quem
competlir que, conformando-so com a sua proposta
de 10 do corrente, resolveu por deliberacao de bo-
je, exonerar o coronel Tiburtino Pinto de Almeda
do logar do ajudante dessa procuradora fiscal na
comarca de Santo Antao, e nomear para o subs-
tituir o bacharel Jos Antonio Correa da Silva.
N. 819.Dito ao Dr. Jos Amonio Correa da
Silva.Pela secretaria do governo se declara ao
Illm. Sr. Dr. Jos Antonio Correa da Silva, para
seu conlipcimciito e afim de que solicite o scu ti-
tulo na mesma secretaria, que, por deliberacao de
hoje, foi S. S. nomeado fiscal da colleloria do mu-
nicipio da Escada.
EXPEDIENTE ASSIGNAD0 PELO SR. DR. JOAQUIM COR-
nEA DE ARAl'JO, SECRETARIO DO GOVER.NO, EM 21
DE JUNIIO DE 1869.
I' secQo.
N. 820.Portara aojuiz de direito interino, pre-
A opulencia tem miserias oceultas.
l)zem-fio todos. Todos o crem.
t isso verdade ? fatalidade ?
Nao ser antes singella desforra da mi-
seria ciosa?
Dirijam -se aos nao abastados; nao este
ou quelle melbor informado que os outros,
mas qualquer, ao acaso, e perguntem-lhe
Dla historia de certa casa urea, d'uma ou
outra, senSo tambem ao acaso c de qual-
quer ; aposto que lhes contam cousas va-
gas, verdade, mas terriveis, mas de arre-
<>iar, o tendendo invariavelmente para o
trgico.
Ts't l'or ni la grandeur ne nous rendent heureux
Nem por isso Lafontaine era muito vc-
zuiro de mos versos ; esse que ahi fica,
tetestavel como c, chato, frouxo e prosai-
co, to Ilustr como a inais nobre rima
da Corneille. Que ainda assim vai grande
.listancia do que eile diz geral crtica de
uue oyro e grandeza nos toi:nam necessa-
ri3aente miseravsjs. ,
E sen5o, agarrem no primeiro dos fer-
vorosos adeptos d'ess dogma que achamm
n raao, offerecam-ltie grandeza oh ouro, para
empregarmos at ao fim o estylo da boa
ola, e vero se elle ds deWilla Dtogot
Pois por traz de todo o esplendor, a
porventura a inveja, que-
e,. amo esse ar-
ijjado roruai.. :\: :amado todfca gente se.
nao canea muilo com a escolha, ha de tra-
duzir-llics demasiado larga a palavra an-
gustia por oulras que dizem mai?, que im-
pressionam melbor,. e o veo, levantado s
suas raaos, lia de sempre mostrar-lhes san-
gue e lagrimas.
porque todo fulgor magua, e ahi est
a explicaco. De accordo. Mas fra da
explicarlo, nlo ancla sempre ahi mais al-
guraa cousa ?
Sempre. Em casa do baro Schwartz,
por exemplo- mesmo com a melhor vontade
que dar-se pode, o mais sublil observador
nao descobriria o menor, symptoma san-
grento, nem o mais leve pretexto para la-
grimas. E comtudo alguma cousa alli ba-
ria. O que ? bagatellas, alguns segredi-
nhos, que nos apraz confessar aqu em
massa ao leitor, afim de eslabelecer urna
d'essas boas contas que produzem os bons
amigos.
Principalmente, n5o esperem cousa seria I
Primeiro, depoi* da sopa, a Sra. Sicard,
a aya puxada sustancia, fallou baixinho
nossa Branca, que crou e sorrio.
Segundo, um poucochinho depois, acer-
cou-se Domergne da baroneza, e deu-lhe
conta em voz alta de urna ordem que exe-
cutra.
A irmandade de S. Pedro desta cidade.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
irmandade da ordem terceira de Nossa Senhora
do Carino desta cidade.Fica a supplicante au-
torizada a proseguir na obra do que trata, e a
prestar contas da despeza que fizer para poder re-
ceber o beneficio da lotera a que se refere.
Josepha Maria do Sonto Costa. Remettido ao
Sr. Dr. director geral ia iastrneels publica, para
attender a supplicante nos termos de sua infor-
macTm n. 298 de 13 do corrente.
Jos Francisco de Salles.Mande-se dar a guia
requerida.
Joo Marnho Paes Brrelo Jnior.A vista das
informacoes naa tem lugar o quo requer.
Joao Manoel Soares e Silva.Seja relovado da
I multa, ficando obligado a apresentar na thesou-
raria de fazenda para o registro das trras de que
trata as notas exigidas pelo art. 93 do decreto n.
1318 de 30 de Janeiro de 183i.
Joo Manoel de Siqueira.Encaminhe-se.
Jos Augusto do Araujo.Informe o Sr. enge-
nheiro encarregado das obras geraes.
I.concia de Lima Freir. Concedo o prazo de
trinta das sem prejuzo dos respectivos vencmen-
tos e contado do dia em que deixar o exercicio
da cadeira da povoacao do Nossa Senhora do O'
de lpojuca. -^
Luiz Epiphanio de Souza.Eucaminhe-se.
Man" Hafloo do Carvalliu.Intorine o Sr. Dr.
etiefe do polica.
Manoel Francisco*do Hollanda Cavalcanti.Ao
Sr. general commandanto das armas, para man
dar inspeccionar de sade o supplicante e infor-
mar.
Washington Idelfonso de Novaes Calumbi.Di-
rija-se ao Sr. director geral interino da instruc-
eao publica.
Francisco da Silva, rindo de lpojuca, para re-
cruta.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Se-
basliao, escravn de Jos Rodrigues de Oliveira
Lima, por disturbios e ferimenlo.
A'ordem do da Varzea, Firmino Jos de Hol-
landa, .or briga; e GalJina lkllirmina de Lima,
por briga e lerimento.
Dens guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel 00 N;isci:nento Alachado Purteila vice-
presidente da provincia. O chefe de polica
Francisco de Assis Oliii-iru Muciel.
PEENAMBCO.
to*ja(
Depois da baroneza terjhto : Muito bem,
Domergue, ao retirar-se, deixou descahir
esta phrase : Ha de romper amanha o dia.
E a terrivel senha nao alierou o mais
levemente a serenidade da formosa mu-
lher.
Terceiro, qual pelo mesmo instante, o
Sr. Schwartz, que envolva a baroneza com
vistas maritalmente admirativas, mas um
tanto inquietas, acenu ao poderoso Alavov.
que traga va conscienciosamenle.pstentando
audaz.colete de veludo com flores doura-
das sobre a feliz protuberancia de um ven-
ir capitalista. Aquello Alavoy era o
einissor de ideas mais elegantemente enca-
denado, que jamis se vira.
O aceno era de certo combinado, porque
Alavoy largon sbitamente o garfo, e disse
como quem repentinamente se lembra de
alguma cousa que Ihe ia escapando :
Ora esta 1 E ento ? Ia-rae esque-
cendo de lembrar o negocio do Danduran
que ficou combinado para esta noute.
Bem, bem ; soltou simplesmenle o
Ilustre banquelro.
Se o Sr. faltasse... insisti Alavoy.
Apontado na carteira, interrompeu
baro. Tempo para tudo !
Savinien Larcin conta va a historia mais
chistosa que dar-se pode acerca das taxas
dos sapatos de Dupin.
Tornou o nosso mestre Balzac proverbial
o negocio do Cbaumontel. Talvez que o
negocio do Danduran fossea vlvula de se-
guranza d'aqoelles consortes.
Afraal, o barao nao perdeu bocado. A'
sobremesa, disse, dirigindo-se mulhcv.
A prove tar o negocio I Urna voltinha
Opera ? Nao ? Caneada ? Bem. Li-
berdade.
Apezar da bella conciso do estylo, o ba-
ro achava meio de fazer as perguotas e dar
elle mesmo as respostas.
Chamou Domergue.
O coup! Cedo de volta, accrescen-
tou.
A baroneza trocou um dar d olhos com
o grave lacaio.
Finalmente, quarlo e ultimo esclareci-
mento, quarylo serviam o oaf, o baro per
guntou sbitamente olhando para a raulher
com a vista fixa !
verdade, Giovanna, isto deve ser
seu^
Tinba entre o indicador e o pollegar urna
chavinha bonita, que mostrava esposa.
A Sra. Schwartz olhou, sorrio e respon-
deu:
r Tenho quebrado a cabera por ella. E
a chavo da minha gavelinha do meio.
Engracado / disse o baro
Di'u a chave Sra. Touban, que a passou
a Glayeulx, e a Sra. Schwartz recebeu-a das
mos do dandy Alavoy. Po-la em cima da
toalha, sem apparente turbaco.
Em volta da mesa "Vocava-se animada
conversaro. Poda-se fazer um jornal
chistoso com as feiticoiras graoiohas que
Savinien Larcin recitava de cor. Muito
uteis sao no campo os joviaes fatedores de
comedias!
Ao cabo de alguns instantes, parecera
Repartieao da polica.
2' seceo.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 20 de setembro de 1869.
N. 1363.Illm.. c Exm. Sr.Levo ao conhcci-
nieato de V. Exc. que, segundo consta das parli-
cipaedes recebidas nesta repartieao, foram reco-
midos a casa do detencao os seguintes indivi-
duos :
Dia 18.
A' minha ordem, Thom da Silva Letao, como
sentenciado militar, vindo do presidio de Fernan-
do do Noronha ; e Eustaquio, escravo de Joaquim
de Souza Leao, vndo de S. Lourenco, por andar
fgido. ,
A' ordem do subdelegado do Reeifc, Raymundo,
escravo de Ludovico Jos de Avelhir, a requeri-
mento deste; e Antonio Rodrigues da Silva, a
requisicao do capitao do porto.
A' ordem do de S. Jos, Pedro eFelippa, escra-
vos, esta de Guilhermna de tal, c aquelle do Ma-
thias de tal, como suspeitos de andarera fgi-
dos.
Da 19.
A minha erdem, Joao Vcra da Silva ou Joao
REVISTA DIARIA.
PROMOTOR PUBLICOPor deliberarao da pre-
sidencia, de 18 do corrente, M norneado oSr. Df
Au>terliano Correa do Crasto, proiiiolor publico
da comarca da Roa Vista.
TRRAS PUBLICAS.Ainda por deliberaran
dessa dala, fui nomeado, de conformidade com o
ait. 30 do regulamenlo de 30 do Janeiro de 185i,
o tenente-roronel Vicente Ferreira Padilht Calum-
by, juiz coininissai io de medicao do Ierras publi-
cas, no municipio de Bonito.
SEMINARIO DE OLLSD.V. O Rvm. Sr. roitor
deste estabelccimento acaba de receber dous no-
vos bolos, para as obras que neeessita, sendo :
lo Rvm. Jos Arminio da Silveira Borges, quantia
agenciada na cidade de Mamanguapo, l'il .-> rs. e
do Rvm. vigario do Rio Formoso 50i rs.
INCENDIO DO THEATRO DE SANTA ISABEL.
Acha-se consuinmado o sacrificio do nosso thea-
tro publico, cuja construrcao foi autorsada cm
1839, o que, ap* numeras vicissitndes, pode ser
aberto em 1830, sendo d'ahi em dianto o seu pal-
co sempre pisado pelos mclhores artistas do Bra-
sil, desdo Joiio Caetanodos Santos at Joaquim Au-
gu to Ribeiro de Souza, e de Gabrella da Cnnba
De Vechy at Julia Azevedo ; e que vio ahi serem
representados os sublimes trabalhos dos veihos
mestres. bem como as locubraroes modestas dos
discpulos novis na lide dramtica.
Todas as dores e todos os prazeres, todas as
glorias e desdouros firmaram-se para sem,>re com
o incendio do nico theatro da capital, pois, que
nao consideramos taes ssas casas do representa-
cao que ahi existem. Todo so lindou n'um mo-
monto, pelo arrojo de invejosos cannibaes, qne s
pensam no seu en, aos quaes se deve perseguir
com vigor, para que novas scenas nao pratiquem
no futuro. ,
Do theiitro de santa Isabel restam apenas as pa-
redes do caixao do edificio, o alpendre c o prti-
co, tudo isso despido de ornatos, e denegrido pelo
crepitar do fogo durante cerca de seis horas.
' n'um desses factos que a polica deve mos-
trar toda a sua aclividade e experiencia ; do
zelo com que esmrilha as circunstancias acer
cantes do occorrido, que ella patenla seu tino e
tua energa ; finalmente, do afinco com que es-
tuda cousas c interroga pessas, que ella chega
at o tlirono da verdade, e d'ahi declara alto e bom
som, a innocencia ou culpablidade daquelle ou
daquelles en vellos no manto da occurrencia.
Quo a polica nao tropide ante pessas e cousas,
e chegar morada e> verdade, e entao o publi-
co poder saber com certeza qual o motivo que
produzio o incendio, qual o fim que se levo em
vista, e qual o culpado ou culpados.
enhuma morte ha a lamentar, felizmente, nes-
ta cataslrophe, indo melhor o Sr. Jovniano Jos
de Albuquerque, que soffreu com a queda do pia-
no do salao.
Com o incendio do edificio, desapparecen o ni-
co ponto onde o nosso publico ia distrahir-se da*
lides da vida.
A cidade do Recife, balda em geral de distrac-
coes, necesila que se pense, j c j, na recons-
trnecao desse ou na edificaran de DD nutro thea-
tro, que d a sua populacao enlretimontos va-
riados e instructivos.
De S Exc. o Sr. Dr. Manoel Portella, Pernam-
bncano como nos, c como tal conhecedor das ne-
cesidades publicas de mais palpitante inleresse,
esperamos algumas medidas ou alguns esforro
para a realisacao dessa idea, ligando assim seu
nomo salisfacao dos desejos de loda a popu-
lacao.
completamente esquecida a chave. Nin-
guem de certo reparn em duas ou tres
bagas de suorque latirn junto dos famo-
sos cabellos da baroneza. Eslava calor :
ha rostos que empallidecem com a calma.
No meio do deslumbrante desabrochar
do seu sorriso, a baroneza eslava muito
paluda.
Na mesa, no momento em que a cha\
Ihe tocn, adherir toalha um objecto pe-
quesimo, fazendo-lhe na alvura urna
mancha iraperceplivcl : um nadinha ; af-
gure-se-lhes um grao de areia, um tomo.
Percebera a baroneza, que nem urna vista
d'olhos conceder chave, que aquelle
tomo era cera ?
Sabia ella sequer que com cera se pode
tomar o molde de urna chave ?
Pretendem certos philosophos que as se
nhoras nao teem preciso de olhar para ver,
e que sem aprender cousa alguma tudo
sabern.
Ao levantarem-se da mesa, achou a ba-
roneza meio de acercar-se de Domergue e
dizer-lhe:
indispensavel que eu v esta neute
Paiis.
Afora estes foteis encondrijos, nada mais,
a casa do baro Schwartz era asylo da mais
profunda paz.
Havia Edme Leber, ao sahir do cas-
tello de Boisrenaud, tomado o caminho
que atravessa a campia e alcance a mata
para subir a Montfermeil. Corra a estra-
da ao rado da quebrada uns cera passos,
por causa de um ngulo agudo que exitia
no tracado da tapada. Aos ltimos claros
do crepsculo, pareceu a Edme des-
tingmr um .vulto exquisitsimo, que se
arrastava por entre as estevas da outra
banda da estrada; nao dissemos vulto hu-
mano. Era como que um reptil do cabeca
de homem, e mais fcilmente acredilou a
mora n'aqnella viso, porgue j de tarde
vira urna vez, no seu cabaz tirado por um
cao de gado, aquella miseravel creatura,
meio mendigo, meio moco de'recados,
davam para o pateo do Prato de Estanho.
Vira ella multas vezes Tres Patas no exer-
cicio do triste emprego. Emquanto eslava
doente e fraca de animo, inspirra-lhe o as-
pecto de Tres Patas urna compaixo mistu-
rada de terror. Por mais de urna vez e
como que seu pezar, passra Edme horas
inleiras a velo, movendo a parteparalysada
do corpo e praticando com o toro e es bra-
cos actos de verdadeiro vigor.
Para Edme, aquelle reptil de cabeca
humana, antes adevinhado que percebido
as sombraba estrada, era o aleijado do
Prato de Estanho.
Todava nao durou muito aquella idea ;
quem havia de suppor que Tres Patas po-
desse girar por aquelles sitios desertos
sem a sua equipagem ? E de mais aquella
hora, em que elle nunca abandonava o seu
posto do pateo das diligencias t
N'aquerle momento devia o cao de gado
ir galopando para Paris.
Produzem d'esles effeitos as ultimas cla-
ridades do crepsculo, e enganam a vista
cada instante.
Tinba Edme o espirito to replecto como
o coraco, ao sahir d'aquella casa onde
acabava de tentar urna prova to decisiva
para ella. Era todava urna changa, e a
noute traz os seus pavores. Quando Edmee
passou ao p das estevas onde a viso se
sumir, interrogou-as com vistas irrequie-
tas.
Nada vio.
Foi seguindo o seu caminho sem mais
pensar n'aquelle incidente. O seu caminho
era comprido o atravessava um campo de-
serto ; comprido para r alLivry, pela mata,
muito mais comprido ainda para ir ate
Paris. Ora, desde que o diamante satura
la bolsa de Edme, a bolsa ficra vazta.
O ultimo dinheiro dera-o Edme ao esenp
torio dos barcos. Edme, que acabava de
recusar to altiva o auxilio da baroneza;
Edme que Ihe de deixra no trwn, sem
que ella a quizesse, urna joia perdida, e que
nao s a baroneza nao reclamava, mas de-
quera a _
lebre em todo o bairro de S. Marttnho.
As trazeiras da casa da ra de Nossa Se-
nhora de Nazaretb, onde Edme morava,
horrenda enfermidade tomata cesj xlarava formalmente nao Ihe pertencer,
m Edme nao tinha com que tornar um lugar
na carruagem de Livry P
Que Ihe importava ? senta-se forte.
N'aquelle momentq, exaltava a a febracomo
a ebriedade exalta. Parecia-lhe muito sim-
ples emprebender aquella jornada de cinco
leguas ; fra dupla a distancia, que Ihe
importara isso ? Arfava-lhe o seto, a ca-
bera escaldava ; passavam-lhe pelos olhos
largos deslumbramentos; sentiose, porm.
forte.
Sei quanto quera saber, pensava.
Eslou curada, bem curada J nao amo:
quem liavia de suppor que fosse to facu
deixar de amar I
Era como para com a eslrada. Desa-
fia va o amor pela mesma mzo que desa-
liava o cansaco.
Mas, apezar dos seus esforcos, o peit
deixava escapar solutos e as pernas troca -
vam se-lhe.
Chegou todava entrada da mala, um
ponto onde a estrada penetrava de sobit
sob espessa abobada de folhagem. No fin
de alguns passos, tornou-se tamanha a es-
curido que a custo se destinguiam os ob-
jectos. J Edme nao adiantava um passo.
se bem que repetisse comsigo-:
Vou andando, eu vou andando.
Escurecera-lhe no cerebro, como no exte-
rior escurecera. Nao tinha consciencia di
fraqueza que Ihe amarrava os movimento^
como um liame. Parou ao p de urna ar-
vore e encostou-lhe a testa ao tronco, mu -
murando :
preciso andar... Eu vou andan-
do I..
Sabio rumor do interior da mata ; podi.
ella, porm, dar por tal ? Zumbiam-lue o -
onvidos e a respirarlo faltava Ihe.
Forara-lhe as pernas faltando lentamente
debaixo de si. Cabio de joelhos ao p ti i
arvore, pensando ainda :
Vou andando, vou andando.
N'aquellas horas, que tanto se parecen
rcom a agona ; singulares sonhos avassai-
lam o espirito. Voltava a viso. Em
de tocar em trra, Edme encontrou don
bracos que brandamenie a sustiveram, i\
antes de se Ihe fecharan os olfcos, destil -
K'uiram-lhe vagamente as Irevas um
lil horrendo : o lipmem reptil, Tres Pata-,
o mendigo do Pateo de Estanho.
(Conlinuar-se-ha.)
V
f!



I-------_
w
!

>
i1
Diario de Pernambuc w. Terqa eira 21 de Setembro de 1869.
Eremos que S. Exc. encontrar capitaen sutH-| dcscaabargador Citirana, sorteados os Srs. desem-
rientes para levar efleiio a reconstrueeao do
theatro de H.mU Isale4, e o apoio geral da pro-
vincia.
FESTEJOS PAtaiOTir.OS NO POgO DA PA-
NELLA.No domingo reunise, no hotel da po-
voaco do MoBleim, mu erescido /minero de ha-
hilantes da freguezia do Poro, sol) a presidencia do
imm rollega o Sr. r. Henrique Mamede, e n*
tallaram urna sociedade com a denominaeao do
Sociedade Patritica do Po<;o da Panelln, alioi de
promover fostrj >s n'essa froguezia, por uceaba i
do .-o terminal- a guerra contra o Paraguay.
Aps atgumas ennsideraci-s, feitas polas pes-
soas, presentes resolwu-se uomear duas oooimis-
scs, eompostas da* pessoas las diversas loeaHda
des, sendo nina dellas para eaoafregar-so di I fes-
tejos que se dovem iazer. e oulra para tratar da
formacao de um e-quadra >, qiie tei.i de eucorpo-
rar-se divisan patritica, que a sociedade, Uoze
de Setembro Ma orgauisando.
Para a coiuuussa i do* festejos da freguezia fo-
rain escnlhidos os Srs.:
ApIpUCOS.
Claudio Dubeiix.
Mb Francisco d.> Bego Maia.
Jos Burle Jnior.
Monteiro.
Albino Jos da Silva.
Antonio Jos (Jomes do Corren.
Gonealo Jos Air.msa.
Caldeireiro.
Francisco Mainedo -*e Almeida.
Joo Manuel da Yoga Seas.
Dr. Rufino Augusto de Almeida.
Poco da Pauella.
Dr. Bartholomeu T. de Sonta e Silva.
'aldino T. Cabral de Vascuiicellos.
Wilhaui Uawlinson.
Casa-Forte.
Eduardo Fentun.
Di. Francisco Jos da Silva.
Francisco Jos da Silva Guinaraes.
Para a eommisM que deve formar o esqua-
lrifcLi os Sis.:
Apipueos.
Antonio da Silva Noves.
Franri Scbastiao Affonso d.i llego Barros.
Monteiro.
Antonio da Rocha Accioli Lins. i
CeciUaoo Rodrigues dd Passft.
Folippe Duarte Pereira Jnoior.
Caldeireiro.
Francisco de Paula llego Barros.
Dr. itenrique M miedo Lias de Almeida.
Miguel Josa da Molla.
POCO da Panella.
llenriquc de Miranda llenriqnes.
Henrique T. Cabra! do Vasconcellos.
Joaqnim Silveri de Souza.
Casa-Forte.
Eduardo Fonton Fitiio.
Jos Domingues Codicra.
Severino Dnarte.
LIBEBADE Ante-hontem por occasid da
posse da no nasa eleita para a irmandade de
Nossa Senhora das Dore, que so venera na Igrc-ja
de S. G meato, fot alforriada urna Cffanca, servid-
do-mede paraitympho o Sr. Pedro Panto dos San-
t O acto e-tive animado e foi torantc.
UFA DA VIHACAO.Moradores desla roa se
n is qoeixam do iocoinroodo que Mies cansan) urnas
n>.-ieiriz.-s ah residente-, Kn das inmoralida-
des que pratie.tm, sen a menor attehcio para oofl)
o publico em geral. Chamamos para as vistas da
autoridade competente.
PAHA OS FESTEJOS.A' casa de cabelleireiro
do Sr. Jaymo, na do Queimado n. 6, aeahain de
chegar algumas grvalas com aa cores uacionaes,
piMpnasp.ua sereu) usadas pelos batalhes pa-
irioticos.
PAHA A PaBaIIYBA.Hojeas5horas da tarde
segu o vapor Cornripe da coinpanhia Pernanibu-
caaa, atol de noodmrir os passageiros que quiso-
m insistir ai leilio da barca ngleza Luitlm-
lore. ltimamente naufragada ali.
O vapor Cornripe recebe carga, encommendas,
dinhoiro : conforme o aouuciu no lugar Comp-
lanlo.
POBRE Rita.Ti lamimos do Figuro a seguin-
te noticia de um faci occerrido em Pars
Um des nosso* amigos,emprogado no miois-
terio do interior, o que viudo na ra de Saint
Mariin, tinha pnj coslume, todas as manhas, dar
dous sous de csmola a a um ceg, que se in--
lalLiva diarianic.nie a nina das porras do houle-
vard SehasWpol, qnasi em iVenlrt da piaea das ai'-
les e ollici.ie-. hoiilem julgaiido dar o sen olilo do
eostQW, laucn m barrete do ceg, em logar de
oma moe.la >l dous sous, um Iniz de 10 Ir., e t
urna lima depois deu pelo cu engao.
Corren pois ao boulevard rt<; Sebastopol mas
m ceg | i.ao e gar, eslava um honieui aleijado, tendo ao p de si
um realejo.
Onde est o eego pergtW)t)u o meu amigo.
Oneni, o Sr. Benjamiu 1 repondeu o aleija-
0 i. Uetruti-se agora mestno; foi almocar para
s;ia casa.
K' iiKiil i l.inge d'aqui 1
: Rea a i iu>-os passos; na rna de Petit-Car-
raau.
O nossn amigo partiu na direcgo que acaba-
v,i de se iin'-ar.
i Apenas all ebega, pergunla pelo Sr. Benja-
inin.
' No segundo andar, porta direila, re?pondeu
a porli-ira.
O nosso amigo sube, toea a ca'iipaiiiha...rin
criado uetn trajado, apparecc-lhe, vindo abrir a
porta.
O Sr. Benjamn ?
t Est em easa.
A ante cmara tiiba urna anparencia elegan-
te ; atravez da porta da sala de janlar, que eslava
entre aborta. viaJse una mesa bem servida, cober-
ta com una Una e|alvatoaiia,e guarnecida de cris-
tacs e objeciosdo prata.
Havia evidentemente engao.
< Meu cari senhor, disso o creado, podis
entrar, eabiit aportada umsalSo mobilado
turca.
O meu amigo la deseulpar-so pelo engao,
<1 e c.omniitera. Mas nenliuuta ra/.ao linh.i para
suppor que eslava iludido. O ceg acbava-se
n'aauello sallo, sentado etl um sof, com rri-
sonho.
Deaejacs fallar-me Disso elle.
Meu senhor, responden o nosso amigo, que
nao sabia, como devia eondiuir-so n'aquclla nc-
casio ; meu senhor, sinlo ter vindo incommo-
lar-vos mas parece-rne.. .creio que esta nia-
nhaa, anisando pelo boulevard de Scbastopool....
ras d"i par engao dous luues por dous
sous.
i. !, meu senhor, fse o ceg com
maneffes tBinto agradaveis ; muilo possivel...
anda nao tratei de examinar.. .e se ha erro na-
da mais justo do que remedia-lo.
Em seguida tocou urna campanilla. Appare-
ceu lugo um i?i
Pergunla a i Ernesto, so na receila desta ma-
niioa, eueonlrou urna mned:i de W francos.
.\ ;:.oeda eslava l. t'rouflr o criado, e por
orden 4e seu amo, eiitregon-a ao nosso amigo otn
urna bandeja de sarao.
O nosso aniii i, temfO le novo o san dinheiro
ii retirar, pronunciando algnnKH palaajns parase
ul|ur, quando osuiposto velho, se The dirigiu.
ili/.enaV): _
Perdao, mea ?enl: n- esquece-vos nma cou-
sa. que n.io deiva de interessar-me.. .dewe di-
nheiro perlencfiii no-:ne dous sous I
LEILAO. Huje as 10 horas xffeelna o agente
Piulo, no ai it.izi-in do sobrado da ria do Apollo
u. 40, u leiloda casa terrea tila na mesina ra
n. 19, de inauba, barrls com bren.
barricas, metas e qnartosde barricatftastin e mai^
objocios conforme o annucio do motoo iganlo
ia**-riik) n lagar competen* 'esto Otrno.
LOTERA.A que se acha a venda a 121', a
beneficio da matriz de Jaboatio que corre n i
da 20.
PASSA6WR0S.V bordo do hiate ucfteakl
tlr.tcios, Koracio l'rance Ramos e Raymundo
Faleo.
hargadores Almeida Albuquerque, Souza Le
Regneira Costa leram provinien; i. Ueccorren-
te, o julio; reccoiiido, o Mkeharcl Claudino Be-
icrra Cavaleanu.Relator o Sr. desembargador
LoareneoSaatiago, MnKd is os Srs. desembarga-
do res Souza Lco, (Jitirana e Damingues da Sil-
va. Deu-se proviniento.
Ar.unwo uk rzTicvi.Aggravantc, Joaquina
liccdicta Vieira; aggravado, o juizo.Relator o
Sr. do-'omb ugador Loarenco Santiago, sorteados
os Srs. desembargadoros Almeida Aibuquerquo e
itirana.Derain provimcnlo.
II \K.\s coiipus.Soncedoram soltura a Eslovao
Candido da Silva, e ordem a Jos Antonio d'Araujo
e Joan Antonio da Silva, para o da 21, ouvida a
autoridade re-perliva.
Ahpkllai;oi-:s cui.i:s.Appellante, o juizo; ap-
pellado, Antonio Vicente Ferreira. A' novo
mv. Appellante, o juizo-, appellado, Zeferino
l'entandes do Souza Barros.A ivo jury. Ap-
pellanies, Placido Pereira e outros; appelladj, a
ustica. Mullo o proeesso de I1-. 19_cm dian-
te. Appellante, o juiz i; appellado, Joao de Fa-
rias I.ciio.A' novo jury. Appellante, o promo-
tor ; appellado, Antonio da Silva Faria.A' novo
jiiy. Appellante, o juizo; appellada, Felicidade
remandas Ferreira.A' novojory.
Ai'pellacoes civis.Appeilante, Archanjo Soa-
res da Silva; appellado, Autniio Jos de Olivei-
r*.Oonlrmada a se u.'ie; i. Appeanie, a fazen-
da; appellado, Jos NuiMM de Soia Wander-
ley.Coiilirinada a senlein;a.
PASSACKNS.
Do Sr. deseinbargador Guiraiia aoSr. desembar-
gador Cierra. Appellaco-s civeis: appcllar.'e.
Jiiaqoim Sevcriano Sogufiira; appellados, Tasso
i Irmao. Appellanle, Domingos (Jomes da Fro-
ta ; appellado, Felippe Gomes da Fruta.
Do Sr. desembargad..!' Guerra ao Sr. deseinbar-
gador liOureiieo Santiago.Appellacoes eivois: ap
pellante, Qeuienlinu de Hollarla Lima ; aipellado.
Jos Pacifico da Costa Caraca Appellante, Auto
nio Morcara dos liois; appellada, roliciaua Mana
Olympia. Appellanle, Jos Folipue Bezerra de
Uonezes; appellado, Andr Pires Visgueii a Albu-
querque. Appellante, Francisco Jos l.eite; ap
pellado, Joao laplista Gomes Penna. Appellanle,
Luiz -Iii-tiitano deSoii/.a Boibi; appellad a, Jos-
lino Teixeira de Borba o outros. Appellanle, Ga-
briel Germano de A. Mouiarroyos; appellado,
Ksh'vao Jos l'acs Brrelo.
Ao Se. desentbargador .Movida Albuquerque.
Appellacao civel: asudlanto, Uan-j GeraJdo
Monteiro; appellado, Jo5o da Silva Cavai.-ante.
Do Sr. desembargador Lonrene>> Santiago, au
Sr. desi oibargador Almeida AibuquorfK. Ap
S'CllacOe.s civeis : appellaiite, Caldino dos Santos
leves e Oliveira ; appelladj, ilanoel de Azevedo
Andrade. Appeiiafe, Jos Ffanciseo de Olivei-
ra ; appollal.i, Domingos d: Suiza BarruS. Ap-
pellanle, Jos Folipjie de Sonza Santiago ; appel-
lailo. Jos Gomes de Souza. Appellanles, Antonio
do S Albii(|iier>pie e oulros ; appellado Tiburcio
Valeriano Bapti-ta.
^ DoSr. desembargador Almetda Albuquerque ao
Sr. deseinbai'gador MollaAppellaedes civeis: ap-
pellante, Mauoel do Bogo .t< ros ; appcllanda, I).
Francisca da Cunda Batnleira de Mello. Appellan-
les, o juizo o Manuel (mjuciIvos F.-nuira e Sjlva ;
appellado, Caetaon Pereira GVmQalvcs da Cu-
ulia. Apiiellanle, Manuel Cacimiro Lucio de Sou-
z;; appellado, Pedro Vieira da Cruz. Appellacao
crime : appellanle, o juizo; appellado, Antonio
Bernardo Pereira,
Do Sr. desembargad ir Oonringues da Silva ao
Sr. desenihargador Ilegneira Cusa. Appellacao
civel : appellanle. D. Hermend i Mara da GlU-
ceicaoj appellada, D. t'.lara Sophi FiuIi. Ap-
pellacao crime : appoHnte, .lu.- Gamito de Sania
Rosa; appellada, Liberaliiu Leba Jo Senea
Brasil.
Do Sr. desembargador Begueira Costa ao Sr.
desembargado! Suiza Lefio.Appellaojo mine:
appellante, Antonia Perucio S.raiva Cascllo Urli-
co ; appellado, Andr Cp'fanio Ferreira Lima.
Da Sr. desembargador Smiza Lea i a > Sr. de3-
embargadorGilirana. .'.ppellacoes civeis: appel-
lante, Aluxandro Rodrigues dos Aujos; appellado,
Jos Joaquim da Sihx-ira. AppelTante, o- loa-
qiiun Pereira deMendonca; appellado, Dr. Pedro
de Atiiavdo L"bo Moscoso.
Dkuok.v.ias chimks.Com vista ao Sr. desem-
bargado!' promotor dajuslica: appellanle, o juizo;
aiipfailo. J.. Durnanlo de Sou/a. Aiipebante.
Ignacio da Silva; appellada, ajuslbj". Appcllan-
le, o juizo ; appellado, Vcenlo l. da Cruz. Ap
pcllanie, (i juizo-; appellado, Jos Lni. dis Sa-
les. Appellante, o juizo; apucHado, Joaquiui
Oencalves da Luz.
As?iguuu-se da para julgamento dos seguutes
feitas:
Ai'I'km.acoes ctVEts. Appellante, Joao Luiz
Ferreira Riheiro ; appellados. o curador geral e
outros. Appellante, Archanjo Soares da Silva ;
appellado, Antonio Jos de Olivura. Appellante,
Antonio Fnnciscn Muniz de Miranda : appellado,
Jos Antonio da Silva. Appellante, a Santa On
da Misericordia; appellado, o visconde de Suassu-
na. Appellante, Aiexandre Kodrgues da Slva ;
appellado, Honorato Jes de Oliveira Figuei-
redo.
Apprllcobs crimks.Appellante, ojotjo; ap.
pellado, Zeerino Feriiaudes de Souza Barro*. Ap-
pellante, Manoel Gomes do Araujo Pereira: appel-
lado, Sev.iruo Teixeira de Souza.
As 2 horas da tarde encerrou-?e asessao.
sentido de que os flscaes das Treguezias desla ci-
dade inf irwem se teem cunprido os arts. 21 e 22
do titulo 4" das posturas de 30 de juttbo do 1819,
e no caso negativo, qnat a razio purque nao tem
sido.Foi approvado.
OSr. Dr. Barros Brrelo propoz e foi approvado,
que a comraissao do cemilero avahe i quantidade
de tijido, cal e arela de consummo diario no me--
mu cemiterio, para que seja uo.>to ein praca.
A eommissaa de polica e do eeiiiiteno publico
em vista la propo>ta do Sr. Uamejro, aprsenla-
ram o seu parecer relalvanicnle as medidas que
je eleve lomar com Deferencia aos precos dos car-
ros fnebres.Addiado a requeriuento do Sr. Dr.
Bitanga.
i;msiando a cunara que os cadveres de |
soas pobres, que sao levados ao cemiicrio publico
para seren all lirados do carro o cenduzdos ao
lugar onde devem ser sepultadas, neccssarlo
que o emprezario dos earn s pagu m para esse m
aos serventes do efabeJeeimeoto > quantia de 15
pul cada um, delenninou que se olliciasse ao ad-
ininisirador, que tomando ein considerado o ex-
pBSlo, providenciarse, nao consenlindu a eonlinua-
caode senicllian;e abuso, devendo taes cadveres
uat coiiduzidos ao bigarda sepultura pelos u.
das e serventes do dito estabeiecimenlo.
Mandou-se remetter a eoinmismii de .-ade'.una
peticao do Jos Ignacio de Avilla, pedindo pa/aire
mover da lugar do Moudego para as casanis.
19 e ; a ma nova Je Sania Rita, una machn
vapor.
fc-paiMiwo para a sessao de amanliaa 10 dn
correle, a arremalaco da obra dos concerlos da
ponte do Lucra, e do imposto de 300 rs. por ca-
beca fa} gado ni.irto as ireguezias de fra da ci-
liado para o consummo das mesillas.
_ Despachanm-so as potcdesdM Amonio Joaquim
Ferreira Porlo, Antonio Candido de Oliveira, Albi-
no Jos da Silva, Angela Hariado Espirite Sanie,
Andr Alvos (ama, Antonio Teixeira dos Sanios,
Amonio Ontir*Martin*, Claudio de Sania Clara Pa-
ch.'co, Franco da Costa, Fianci-co Pateara Bar-
l'o-a, padre Gregorio Lipparoiii. George Slarr,
Sanalo Alvos Tavares, Henrique de Miranda Deli-
nques; Joao Francisco da Costa, Jos Lucio Lns
(2), J s Ferreira Cimpas, Joaquim RodriguesTa-
vares de Mello, Joaquim Manoel de Oliveira o Sil-
va, Clemeiilirio Henrique da Silva, Joo Jos da
Cunta Lagos, Joaquim Jo- Coelho 4 C, Joaquim
Manoel Ferreira de Souza, Luiz Gomes Beaerra,
Luiz Jos da Cosa Amorim, barban! Manuel Izi-
dro de Miranda. Manoel Ribeiro Bastos. Rabello &
Ti'incheira (2), Fr. Seralim prefeilo da Penba, Vi-
cente Pereira do liego, Victorino Jos Monteiro, e
levanlon-se a sessao.
Eu Francisco Camilo da Boavagem, secretario
a escrevi.Ignacio Joaquim d-' Sonta Leo, pro
prc-sidente.Dr. Pedro lie Alkujrfc Lolio Hosco
SO.Jos M'irin Freir (imneiro.Manoel de Jar
mt fiirreto liento Jote dn Costa Jnior. Dr.
Jaita Mario Sere.Feli.r Frmuitco de SpNM Ma-
gatltaes.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
com que nos honram aquelles que nos conhe-
cem.
Pois bem Tendo vindo a esta cid?de do Ilccife
tratar de meus negocios, na volia levei contigo 9
cavallos que cm Inzi pela via frrea.
Bem tranquillo havia chegado a miuha casa,
quainlo aps min chegou tambem um deprecado
daquelle celebre subdelegado rcquisiiando ao do
disiricto onde inoro, que bavundo-se raubado (
expresso do deprecado) ne distriet de Camellei-
ra um cavallo a um Sr. Dr. Antonio Vnnancie Ca-
valcante, que sendo esse cavallo um dos que ha-
via condazido contigo pela vis frrea, e havendo
suspeitas (note bem o publico) de que fossem tam-
bem rebraos todos os mais, houvesse o subde-
legado de Barra Grande de apprehender kSo s o
dito cavallo como a niim mesiuo, e remellcr-me a
sua disposicaa.
E-tavams todos em Gamella sorpresos com e-
melhanle requisicao, (piando logo aps chegou no-
va precatoria, dando o dito por nao dilo ; e sabi-
das as causas o laclo foi que nao roubaram ao Sr.
Dr. Antonio Venancio ncnlium eavallo, mas o por-
tador que devia levar-lhe o cavallo a estarn de
Gamelleira, levou-o nao sei porque equivoco aes-
lacao de Hibeirao.
Tanto bastn para que se expedisse aquello de-
precado no (ual o aflirmava que o cavallo do Sr.
doutor era um los meus, que estes eram todos
suspeitos de haverem sido fnilado* ou raubados,
como diz o deprecado, e eoncluia-se pe.lindo a mi-
rilla prisao ionni iliata e a minha cnndoccao para
tora do distrielo de ininlia residencia at a presen-
ca daquelle.bacli-mirim!
Se en nao estires-e no lugar de minha residen-
cia onde sou conlieciilo e todo-i me fazein justica,
se de feito o cavallo do Sr Dr. Venancio no-ap-
pareeesse, ou por qnalqner niulivu se nao nedesse
logo conhecer a verdade do acentecintento, seria
eu- mais urna victima da prepotencia policial, pre-
potencia que todos >s dias loroa-se mais escanda-
losa c lein dado lugar a que a autoridade j nao
seja considerada como o amigo do paiz, o protec-
tor e defensor dos seus direilo?, mas o seu inimi-
go, o sen algoz.
Deus permita que Mta piihlic.iea sirva para
corrigir o tal subdelegado de Gamolleira, qne para
outra vez seja elle Mana* leviano e malvolo, ieui-
brando-se deque nao d boa copia de sua mo-
ralidade quem Co fcil ein julgar mal,mesmn da-
quelles que nao conhere ; o que nao o nonie de
familia non) a pos rao (pie Urina a boa reputacao
do alguem ; nao sao poueos os conliecidos fldalgos
e poderosos, que vivem a cusa do alheio.
Recife, 20 de setembro do 1800.
Joao Francisco de Salles.
PBLIGACOES A PEDIDO.
<: aeta.no
(HROMtA summum
TRIBUNAL DA RKLt(;,iU.
. SKRSAO EM 18 DE SBTBMBRO DE 189.
MESiBCMCU Di KXM. SH. OOSiaiIfciUO
urriacja
As 101, ;, presentes os Srs. d.
>., Guerra procurador Akiw Alhuquer'j! e
Mingues -..va, Regueira Costa e Souza Lean,.
: gailar aua, abr.,
seaal
Passados os:' n-.i-sa o segaintes julga-
Racmwoii crimes.Rocor/ente,ojoizo; recorri-
do, Cllhsiovao de Torres Galindo.-Relator a Sr.
CMARA MUNICIPAL.
1" SESSAO ORDINARIA DE 9 DE SETEMBltO
DE 1869.
PniSIDKNf.lA no SR. D. B.tRR0S DHP.'-TO.
Prsenles os Srs. Dr. Seve. Dr. Mo-coso, Dr. Cos-
ta liiniur, Dr. Pitanga, G.tmeuo e Souzi Maga-
Ibaes, falando com causa os mais sent ires, bre-
se a sessao.
E' lida e approvada a acta da antecedente.
L-se o seguinte
r.xpEDirvTE.
m ollicio do Exin. vico-presidente da provin-
cia de ."M de agosto ultimo, declaran lo .-. amara
que na inesnia data expede as necessarias oslens
a tliesouraria de fazenda para providenciar nu
sentido de seren removidos os Inconveniortes, ile
que trata n oflieio da mesma camarade 25 do dilo
mt-z, sob n. 7i. Intoirada.
Q Sr. Dr. Ptianga pede a palavra e aprsenla o
seguinte reoueriaiento :
" Havendo f.llecido o contador de!a "amara,
proponho lara preencher o lugar oVstO ao oHcial.
e para o (leste o amanuense mais aniigo.
Paco da cmara, 9 de siembro de 1869.
Dr. Pitanga.
Poslo em discus>o, o Sr. Dr. Barros B?.rreto
propozo addiiimento, o qual nao pasmn.
Em seguida o mosmo sonh ir p.a a arrtofl a re-
querimiaiio, e fui approvado unaniapmeiiie.
Picando vago o lugar de amanuense, e devendo
ser prcenchido, o Sr. Dr. Moscoso pede a palavra
c faz a segninle proposta :
ProBonho o aJ di amento do preenchimento da
vaga de amanuense <|ue tem de fioar p;u acceso
do actual ao lugar deofncial-maior.
i Paco da cmara, em 9 de selembro de 1889.
Dr. Ij>b9 Mostoso.
Posto em diBcasaao, foi appravad).
Cairo ollicio do subdelegado Io suppiente da
reguezia da Boa-Vista, Dr. Pedro de Athayd* Lo-
bo Moscoso Jnior, romnmniean-lo haver lio l" do
crreme, assumido o exercio de mesmo cargo.
Inleiradn.
Outro do procur.ulor, informando, como Ihe, foi
determinado em ufficio de 1 do c)nenie,o reque-
rimentos do ex-procma.Ior rracis--) de Paa e
Silva e sen fiador Jezuiuo Ferreira da Silva, diz
que, quanlo a casa n. 3 da ribeira de S. lose, re-
reb ju por mao de Autoaio Moreira de Mendonca
um anuo de aluguel a vencer no ultipi
rento, u ijuanto aos tale- nada pude nWtibrint
o prsenle, etc.A comntissao de policia.
Outro do adBrtndir do cemiterio
otara -uas orden, aflu de bj ser mais d ula
gqiaalguma para en tarramentas ein caia^ui:
da referida confraria.Quo se
rqcnrador t se declare ao adm que
eimi fuanto nao eetejam todas as catacumbas da
referraa conraria completamente propany!.
ipw Gstivereiii_ acabadas podean te
veres dos raaos da mesma confraria.
Outro do niesmo, communican jo qne a irmar-
dade d.i .santa Cruz nao tem eataeuml es de
CBUHidaa, e mosm i nao se poden jo desocupar oes-
lealres meces, pode a cmara ana d s irdcns
riecessarias-afini de que nao .oj.i dada guia alguiaa
para eiHerrluienlo em taes aUeomhas.Que se
na ao procurador.
ELE1QA0.
DOS
Jalzcs. escs'Sves e mordomos
qc hii de festejar a \ossa %c-
ahora Vi gezu do ft.ivranieuto
erecta :aa igreja da mesuia me-
nhora na villa le Pao dMino,
no anuo de INt a 18 SO.
Juiz por eleijo
Olllm. Sr-
Teuente francisco de Soiiza Monteiro.
Juizes por devora
Os IIluis. Srs.
r. Joaquim Correa de Araujo.
Major Joao Antonio da Silva Camal.
Rvd. vlgariq.interino Antonio Domingos de Vas-
concellos Arajgao.
lente Antonm Francisco de breos.
Juiza por cleieao
A.Exm. Sra.
D. Mariana de Souza Candil!].
Julias, por devocao
As Exms. Sr*.
11. \lariu l"ranci tenente-coronel Luiz de AlbuqUrqne Maraihao.
D. Olympia dy breos Vascunddlos Arag^o, con
sorie do illm. Sr. Dr. Joao Silveira Marque slia-
calbo.
D. Joauna I'rancisca de Mello, viova do finado ca-
p;Iao Manoel Civalcanti de Albuquerque.
D. Claudiiia Mara das Dores, consono do lllm.
Sr. colector Je-uiav Duningues Cirneir'o.
Escrivao por elcica
0 lllm. Sr.
Firmiuo Sotr de Araujo.
E-crivaes por devocao.
Os llhns. Srs.
Tenente-eoroni 1 '.hristovao de Holanda Cavalcante
de Albuquerque.
CapitSo Mauricio Francisco de|Lima.
Major Hypolilo da Silva.
Capitio Francisco Jos de Albuquerque Pinto.
Escriva pir eleicao.
A Exm. Sra.
D. Rosa Marcelina de Souza Landim.
Escrivaas por devoco.
As Exms. Sras.
D. Francisca de Albuquerque Mello, consorte do
escrivao Urbano Carvalbo dos Santos.
D. Maria Joaquina da Onceicao, consorte do Sr.
Manoel Arres de Souza Cavalcante.
I). Mara da Conceieao Leite, consorte do Sr. Poli-
ciano Pereira Leite.
D. Severina de Souza Cavalcante, consorte do Sr.
Antonio Botelho Falcat.
Jult protector.
O muilo Rvd. D. abbade Fr. Eugenio de Santa Es-
colstica e S.
Juiza protectora.
A Exm. Sra.
D. Anua Goncalvos Ramos, vinva do finado Ma-
noel Francisco liamos.
Mordooios.
s Srs.
Antonio Anacilo dos Sanios.
Joao Thouiaz Pereira.
Firmiuo Venancio de Araujo.
Itooediclo Jos de Sanl'Auua.
Angelo Custodio Vianna.
Vicente Ferr ira Villa-Nova.
Olegario Jom Peixoto.
Manoel do Bs|iinlo-Santo Barros.
Maximiano Jos Vicloraira.
Jo.upiioi D.imasceuo Mariiiho.
Manuel Antonio do Nastimento.
A ulero fiomes de Sant'Anna.
Mordomas
As Exms. Srs.
I). Joseplia Maria da Conceieao.
D. Viclorina, filha do finado' A titanio Victorino de
Araujo.
D. Anna, armsorto do Sr. Manoel Ponciauo Pe-
reira.
D. Anua, lilba do finado- Joao Damasceiio Ma-
riiiho.
I), rrnefsn, filha do finado Joao Martins Seahra.
D. Caouida, consorte de 8r. Manoel Thom do as
cimento.
D. Severina, consono do Sr. Marcolino Barbosa da
Silva.
D. Maria, consorte do Sr. Severino Baymundo de
Barros.
0. Felicia, consorte do Sr. Antonio Jos Victo
riano.
D. Angela, filba do Sr. Thomaz Jos Villa-Nora;
D. Maria Joaquina Cavalcante.
D. Luzia, eunerte; do Sr. Marcolioe Pereira da
Silva.
Procuradores.
Os Srs.
(ienuino Jos Adiatlvo da Silva
Mailiwano de Souza Landim.
Procurador geral.
Manoel Jos de Parias. ^
Thcsoureiro.
Josi1 Zererina do Espirito-Santo.
O vigai k interino Antonio omingnes de Vus-
coMceUos Arando.
Ag
ua Florida de Mur-
ray e Lninan.
A verdadeira prova da genuidade e pureza de
qualquer um perfuuie exlrabido das llores con le na sua duradonra existencia, quando exposto
n'litencia do ar.
O aroma derivado de leos chimlcos desvanece
em breve 6 deixa aps do si um cheiro por certo
mu pouco agradavel, paren aquelle que obtido
mediante a destillacao de frescas c odoripheras
(lores, se apura o aprfeica pelo contacta do ar,
por conseguinte a sua draeao de maior espacn
de lempo. Eis por so que a aguaFlorida de
Mniray e Laninan, formando nina concentrada
prodiiccao das mais raras llores do sul. apanda-
das durante ozenilli da sua florescencia o maior
fragrancia, nao s possne a fresquidao de um
ivm'o ramalhele, mas tambem indestruclivel e
uextinguivel, a nao ser a excppcao de lavagem do
lenco anteriormente humedicido na mesma.
clia-so venda as pliai inacias de A.
Gaors, M. A. Barbosa, J. da Conccr;5o Bra-
vo & C, I'. Maurer & C. o B irlludoraeo
& C.
C3MMERCI0.
PKACA DO ItECIFESO DE SETEMBUODE 1869
AS a l/ IHMUa DA l'AltOK.
Cambio sobre Londres SM) d/v. 19 7|8 d. por
uooo..
K. J. Silveira
Pramdenle.
LealSeve
Secretario
N^ovo Banco de Pernambuco
em liquidoslo, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber o
sexto dividendo de um e raeio por cento
lo capital: s quarta-eiras e satinados.
Navio soJiid no mettto _.
Aracatypelo AsadHiate nacional Gracioso, capi-
lao Manoel Caetanu da Costa, carga varios
gneros.
EDITAES.
Perante o conselbo de revista da guana nacio-
nal (leste municipio, s pelo presente chamados
para seren inspeccionad.)- na sala das sesses da
cmara municipal, no da 23 do crreme, s 10
horas da uianba, os guardas abaixo menciona-
dos :
! batalbao-Je arlilharia.
Eufrazio Nery Barbosa.
Augusto Cynaco Villas-Boas,
eronymo joaquim da Silva.
Carlos Fredeneo Barbo-a.
Flix Antonio Pinto-Serodio.
Cirios Estevas Alves.
iRoacio Dias Fernandez.
Manoel Gomes do Miranda Leal.
1 baialbao de infaularia.
Joaquim Vieira do Mello Pinto
Itapbael Archanjo Val e Silva.
Alvaro Paulo Noblato.
Manoel Cyriaco da Paz.
Francisco llenrqnc do Alcntara.
Dionizio Antonio ifOliveira Moura.
Ismael Antonio d Oliveira.
Antonio Alfonso Itipucira.
Joao Jos Araujo Lima.
Jos Baplista Braga Jnior.
Antonio Teixeira dos Sanio- Ju:i ji".
Luiz Mai luis d'Araujo.
Vicente Ferreira da Casta.
Jos Marcelino dos Santos.
Anselmo de Jess Carvalbo.
Joaquim Jos de Saiit'Aiin.i.
3" batalhao de infaolaria. .
Joo Ferreira da Silva.
Jos da Silva Ouimaracs Sobrinho.
Jos Ferreira da Visita^ao.
Procopio Joaquim Dias.
Ludsero Lopes do Lima.
Manoel Bessone de Mello.
Francisco Rodrigues Barb
ti" batalhao do ini'aniaria.
Joaquim Coelho do Amaral.
Francisco Antonio da Cunta.
Joao Rodrigues Nogneira.
Evaristo Amonio de Lima.
Antao Vieira (uimaraes Filho.
Jos Joaquim de Sant'Anna.
Manoel Severino da Luz.
Amando Pereira da Costa.
Sala das ses-"ie- do eon-olho de revisla, 16 de
setembro de 1859.
O secretario,
Fnaaio J.J.J. d'Oliceira.
O Dr. Mauoel Jos da Silva Neiva, juiz de direito
da 2" vara criminal e substituto da do especial
do eominercin nesia ciJaile do Becife de Per-
nau^uco, por sua magostada imperial e cons-
titucional o Sr. I). Pedro II, a quem Deus guar-
de ele. ele.
Paco saber aos que o presente odital virem, e
delle noticia tiveiviu, que no da 13 do mez de
ouluhro do corrente anuo, se ha de arrematar por
venda a quem mais dr Sffl traca publica depois
da audiencia respectiva os predios pgnintes: a
casa terrea u. 41 cita a rna Direita da freguesa
dos Afogados, rom 3 janellas na frente e porlao
ao lado, conteudo duas salas e qualro quartos, co-
znha fra, quintal com alpina alwredea da me-
los, li:nitando-se os fundos c, ,;i a estrada de fer-
ro, avahada por iODOO). Oulra dita mais pe-
quea n. 43, sila a mesma rna e fregneza, lendo
duas peipienas salas, dous quartos, pequea co-
zinha e pggno quitital, avahada por fi-'iOOOO,
os ipiaes predios vao a praca por execnoao con-
tra Wsc Pedro Velloso da Silveira e sua mnlher.
E na falla de lancador que cobra o proco da ava-
haran sei a a aiTouiatacao feita pelo preco da ad-
judicaran rom o abaii'iu'iilo da lej.
E para que ohegue ao conheciniento de todo;
mandei passai a ptmsnM 'ue ser publicado pela
intprensa e atlixado no lugar do ostume.
Dado e passado nesta cidade do Becife de Per-
tiaiiib'ico, aos 18 de setembro (le 1869.
Eu, Manoel Silvino do Barros Faleo,
escrivao interino, o subscrevi.
Manoel Jesda Silva Neivas.
uECLARACOES.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta leltras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinlieiro era conta corrente e a
orazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidade
principaes da Europa, tem corresponderse
na Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
York e New-Oileans, e imitte cartas de
crdito para os raesmos lugares.
Ba do Commercio n. 36.
O lllm. Sr. inspector da Ibesouraria de fazen-
da tiesta provincia manda Iazer publico que cm
virtude do officio da prarideacia de 9 de agosto
uliimo, sao chamados pelo presente Luciano Arco
c Flexa, Joao Jos Tiburcio e Pomaode tal, tara
no praso de 60 dias que Ibes lita marcado, indem-
nisarem a fazenda a quantia d" I30000 cada um.
|iroveniente de multa que lhes foi'imposta pela
mesma presidencia, nos termos do artigo 11 das
instrueces de 6 de abril de ISil p)r haverem lo-
mado o roer uta Manoel Joaquim do poder da es-
colla que o sandalia da villa de Cabroh esla
capital. Findo o .pial sera a eokrauoa elloeluada
, executivamente de conformidade com o artigo I*
do regulaim-iilo que baixuu com o decreto n. 4181
de ft de inaio de 18H.
Secretaria da ibesouraria do fazenda de Per-
nambuco 18 de selembro de 1869.
Serviudo de idkir.l-iiaior,
Manuel Jone Pinto.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Comprara e venden) por conta propri*
metaes, moedas uacionaes e estranfeiras,
sbji9| de cambio, sedulas do governo e dci
qanco do Brasil, por bora premio.
escontam letras da trra e outrostitu
los comraerciaes.
Encarregam-se por conta albeia das raes-
mas transacc5es, da cobranfa de letras d
ierra e de outros ttulos coramerciaes.
Becebera quaesquer quantias em deposi
lo, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho 11. 7.
ALKANDEOa
Kendimeniododia 1 a 18. 4U6:29t>024
dem do da 20 49:744*007
O subdelegado de Gantelleira.
Srs. redactores,A muita violencia e desaforo
acha-se ex posto (|uem qner que viva neste desgraga-
dopaiz,nnde leisarbitrarias e eompressorasda liber-
dade iadividual sao aggravadas, j pela ignoran-
cia, ja |iela per vegidade de mullos de nossos cte-
lo es agentes policnfc's.
Veja o publieo-o que acontecen comigo e
do praredinien do Sr. Carlos Lenidas do Reg
Odiro .lo muMiio, propondo diversas medidas Barros, subdelegado do districto de Gamelleira.
que jul;a cpiiveoienia adoptarse uo cslabeloci- feou morador ua povoaco de CameHa de Da
memo.A spectjva.
Outro do imsirfoalmeiilandj um reJalorio cir-
camstanciado do estado d.| respectivo eslabeteci-
meeto.\ iaesua (ommissp.
0 Sr ameiro apre9a(ou ua re^uorimento ao
-Sou
Grant
pa povoaco de OameHa de Barra
'ande, provincia d. rapil-
lia somos bailantes conliecidos no lugar de nossa
residencia, at o praaenia jamis soffremos innra-
lacaw particular on publica que nos nossa <)^H
rar; autes vivemos bem satiseiios com o co^H
.16:040*03!
M0V1MEXT0 DA ALFANDEGA
Volnmes entrados com fazendas
dem dem com -gneros
totumes saludos com fazendas
dem dem cora genero
68
143
------211
86
532
----- 638
Desearregam hoje 21 de setembro
Hrigue inglezesse Scottmercaduras.
Harea franceza-'-Ade/cdem.
Barca [talana/?oo-idem.
liaren portuguezaS Jooo--idem.
Hrigue hollandezCornelia ct- Oertrudcs -farinha
de trigo.
Hrigue austriacoGuUeppinadem.
Barca in?lezaLat*ina=hacalhao.
Patacho dioamarquezIMgevmhos.
Brigoe norte'allemaoWafarinha de trigo.
Escuna ingleza=*<,a plvora.
HBCJEBEDOIUA DE RENDAS INTERNAS 68-
RAES DE PERNAMBUCO.
Hendimento do da 1 a 18. 29:697*572
dem do dia 20...... 4:873*196
34:370*768
COM8ULADO PROVINCIAL
tendimenlododial a 18. :Vk9Si9M
dem do dia 20....... 10:86 053
46:119*269
MOVIMENTO DO PORTO,
Navio entrado no dia 20.
Londres60 dias, escuna ngleza Bessie, de 152
toneladas, capllao* Joseph Mrns, equipagem 7
carga plvora o oulros gneros; a Otile & C.
COMPANHIA
DO ____
BEBERIBE
No dia '-l lo correle pchs 12 horas
do dia lera rugar n escriptoridtla (.ompanhia
rna do Caiug n. airemalacao do
cliafariz da povoaco de Apipueos; nao
seadmitlindo propostas que cotnprehendam
mais de~ nove mezes a contar do Io de ou-
luhro prximo H le jonho do anno vin
douro, data em que teem do irem
praca todos os chafariz;* e bicas desla
Cittnpanhia: os Sis. licitante;, c unparecam
com seus fiadores ou declaraca dos
mesmos no mencionado dia. devendo sol-
as propostas em caria fechada apiesenlada
na mesma occasio ou antes no escriptorio,
onde melhor se deverao esclarecer e infor-
ma das condices do con'.ralo da arrema-
laro.
HaSte sobre a qual se deve lancar:
Chafarii da povoaco de Api-
pu :os........ t........... 300)9000
Escriptorio da Companhia do Bcberibe,
20 de setembro de 18(39.
0 secretar,
. Dr. Prxedes Gomes de Stuza Pitonga.
administrador da reeeb'iiona de reuJas in-
lernas geraes faz publico que neste jrrenle mez
de setembro e no de ontultro prximo faturo, que
os contribuinies do imposto sobFe industrias e
praflaaBM, residentes as freguez.as Ca cidade e
as de fra, teem de paa-lo, Iivre de mulla ; fin-
do, porm, o referido praso, ser pago com a mul-
ta de 6 0|0.
Recebcdora de Pernamb;ij. 18 do setembro
de 1869.
___________Manoel Curneir.. \ Larerd*
Pela secretaria da cmara municipal desla
cidade se faz publico para eonheeimento do qaem
possa inUiressar, que lend estado noje qm praca
nao s o imposto de 100 rs. por carga de fariana
o oulros legones que vem aos mercadas pblicos,
como o do 500 rs. oor cabeca di gado morto para
o consumo das freguezias d'i dade, nao
appareccu lieilante (tara neubum delies, o conti-
niiam ein praca no dia 22 do corren'.:) paraserom
arrematados por quem maior preju es-
tando habilitado na forma da le,
Secretaria da cmara municipal do Recife 15 de
selembro de 18C9.
0 secretarlo,
Francisco Canuto da Boaviasem. ,
Santa Casa de Misericordia
do Recito.
Allhna. junta administrativa da Sania Casa de
ricordia do Recife, maula azor publico,que
precisa contratar para a botica do hospital Pedro
II, nos mezes de outubro a dezembro prximo vin-
doura os seanintes inedicamealos:
Absiniho, kilograrama.
WHdo acerico, dem,
enf ctrico puro, den).
Acido marinhn, dem.
Acido ntrico puro, den).
Acido nsalici, ideill.
Acido anlfpnco, dem.
Acido tartrico, dem.
Ac preparado, idein.
Aconilo. dem.
Agua de i ma, duzia.
Agua de iWde laranj
Agua de rosas, dem.
Agua de sedelite, garrafa.
Agua de Viclty, dem.
Agua ngleza de Lisboa, dem..
Acut.-ao. kilograrama.
Alcool de :'6 graos, litro.
Alecrim. kilogr&nma.
Alfaaema. dem.
Algalias inglesas de n. 1 )2, dusi*.
Aloes, kilegramma.
AlvaianV, dem.
Ameixas panadas, Idei i.
Amoniaco liquido, dem.
Arsnico. dem.
Assafeiidn. i lem.
Asucar candi, idem.
Aascar de leite em p, Idi i
Avenca. idem.
llagas de :;;nbrn.
Balsamo lie cupahba, i i m.
Balsamo de fioravanle, id
Bal-amo de lolii. dem.
Balsamo |>i liviano, den).
Balsamo tranquillo, idei.i.
Banha de porco, idem.
Barbante lino para cut m'b idem.
Bejoim de Lisboa, dem.
Belladona, idem.
Benzina, idem.
Bicarbonato de soda, Jera.
11 irradias "unidas com pipo?, duzia.
Bot.es de rosas rubras, kil gramiiia
Bromnrto de potassa, idem.
Canecas de papaolaa, idew.
Cainca, idrtn.
Caixas para pilulas, groza.
Cal virgen), kilogramina.
Calomelanos inglezes, iil
Cabes graduado* n. i, um.
Camphora, iulograinma.
Canthariilas em p. idem.
Capsulas de rupaliiba, c...
Carbonato de magnesia, ibaramma
Cubonato de potassa, de.i.
(laiboiialo de soda, dem.
Camba, idem.
Centaurea menor, den).
Cera amarclla, idem.
Cera itranca em grumos,
('.evada, idem.
Oevadinlia.idein.
Chieorea, ident.
Cbloralo de potassa, deu.
Qiloi'oformu., dem.
Colla de Iba Ins. idi'itt.
Confeitos de lclalo de ferro, duzia.
Cieinortarlaro cm p, kigiainma..
Cabanas am n, idem.
D.'gilalis. ident.
Dulcauaiii. idem.
Baapkwtro de eienta, id. i.
Ei!i;tlastrodc aquilao.id...
Emplastro roimnuin, wea).
Esptulas de ac sntiidas. ... ta.
E 'tteia de aniz, kjlogra ta.
Ksscneia de canalla, del.!.
L'ssenria de cidra, dem.
Essencia de flor do laraiij... idem.
Ksscneia de hurielaa pimec'.a, dem
Boaancia de rosas, ident.
Kssencia di salsapain:?, .idro.
Essencia de Iberehenlma. garrafa.
Essencia do vvrgaiiuda, LiCgramma
Ergotina, dem.
Eihei clibirydico, idem.
Eib'-r sulfrico, idem.
Kibcr ntrico, idem.
Extracto ii.' acomia, idem.
Exilado de ;,U\t:;is. dem.
Extracto de belladona, ide;.i.
ExiracNMle caiiiomill.i, i.'
Extracto de cicuta, dem.
Extracio de r.tvas de calaiar, idem.
Extracto de fumaria, idem.
Exilado de genciana, idep.
Extraclo =_e jurubclia, ide::).
Extracto de nos vmica, bk -'-
Extracto de opio animoso, '.i!cm.
Extracto de salsaparrUha, i iom.
Exiraclo de ti idaceo, dem.
Extracto de valeriana, idem.
Pesca de ouro, idem.
Flor de rnica, doto.
Flor ele boriagens. dem.
Flor de enxofre, idom.
Flor de malvas, idem.
Flor de pabugucir-n.deni.
Flor de tilia, dem.
Flor de violas, idem.
Figado de enxre, dem.
Fumaria, dem.
Funil de vidro n. -', um.
Genciana, kilograiioia.
(iiyeerina branca, idem.
G imilla de batata, idem.
(ioitima de batata purgativa, idem.
Gomma arbica esrolhida, \m.
Goinina arbica em p, id.m.
Gral de porcellana n. 1, nm.
Ca I do vidro n. i. idem.
Herva terieatre, .' iTainin?.
llydt-oi.'liloratp de u: iliua.idsm.
1I>m'i|io, idem.
menso puto, idem.
Iodo puro, dem,
(adrelo potaam, kJew.
Ipeoaeoanaa prata,
jalapa em p, dem.
I Kermes mineral, i. cm.
Licor de labarraquc-, garrafa.
Ludia ;a em pi, kilugiaunu.
Liiibaca inleira, dem.
Macolla gallega, id.
Magnezia calcinad, Mam.
Uagm-zia de Ilenry, vidro.
Manila comniuw, Kilegramma.
Malina um lagrimas, iJctti.
Manteiga de carn, dem.
Hassas caustica, idam.
Mel de abeihas, garrafa.
Mercurio doce, kilogramo.
Mezeriao, idem.
Mostarda, dem.
Musgo islndico, id "
Nitrato de bismutho, idanj.
Nitrato de prata em lapis, idem.
Nitro puro, idem.
Nox-moscada, dem.
Oleo braneo de Che.vri r, vidro.
. Olw de alfazema, kilegramma.
Oleo de amendoas in^lcz, idem.
Oleo de bati|Hil. dem.
Oleo de cravo, dem.
Oleo de ligado de bacallao, garrafas z..
Oleo de ligado de bacallao ferruginoso, dem -
Oleo ie hnbaca, kilegramma.
Oleo de ricino, idem.
Oleo vermfugo, frasco.
Parietal ia, kilogramma.
Papel azul para embnilho, resma.
Papel braneo para Mbroll dem.
Pasta de jiijiilu, kilogramuia.
Pastillias de Beliuc, caix.
Pasiilhas de ipecacuanba, kilogramn -
Paslilhas le Keinp, calxa.
Pastilhas de kermes mineral, vidro.
Paslbas denal, caixa.
Pedra unie, kilograoima.
Penetras de cabello, unta.
Penetras de seda, dem.
Perchloniilo de ferro, kilogramma
Pez de Borgooha, idm.
Pospoato de ferro do Le s, vidro.
Pillas de Allion's verdadeira, caixa
Pillas de Valle (5 pillas), ridro
Poliguia seoaga, kilt-gi minina.
Popa de tamarindas, dem.
Pomada mctenrial, dem.
Puntas A: veado falcinadas,idem.
Pos de Rog, vidto.
Potassa caustica, kilogramma.
Pides de urna a pito eneas, duzia.
Precipitado rubro de mercurio, kilogramo*..
Purgante Le Boy, rancz, garrafa de P
Quassia, kilogramma
(Juina em caacag dem.
Qnina em p, idem.
Batz de alcapus, Idem.
Raiz ds nltlis, idem.
Raz de espargo, idem.
Raiz de genciana, idem.
Rezina d anco, idem.
Proto io'aretide mercurio, dem.
Rezina de ba#la, ident. BH
Rezina de guaiaco, ijem. H^H
Ruibarbo emiji, idem.
'%
\
-!
>.'
I
.
r
i
i
wm




^
' '" '.-:
-'

m
Diario de Fetnvmbaco Ter<;a fefcra 21 de Setemfcro dcf IfltfJ.
Nibao branco jjngdalinn, dem,
s.tbn para r iltin.
Sabjtneta de M-11 1 >, dauu.
Sal amargo, kdogramma.
Sais hortense, idem.
^tlsaparrilha, i
Saeciarureto d.- oleo de bacalho, caixa.
Sassairs, kilogramma.
Scilla, id
Seane, i4
Sentedles -le. -ngelin. idem.
Serpelas,.,, dem.
SpernMcelt em rama, iJem.
Soluew de proUodunMo do ferro, dem.
Siratnoio. iden'.
Subnitrato de bismutio, dem.
Sueco de grosellcs, francez. garrafa.
Sulfato de soda, kdogramma.
Sulfato de ferro puro. dem.
Sulfata neutro de atropina, den).
Suspensoros escroto**, duzia.
I'ansagem, kilogramma. (
Vidros com colla de 1 a 4, duzio.
Vidros paraopodeldoc, idem.
Vomitorio de Le Roy, francez, vid.
Vinho de jurubeha. garrafa.
Vinho de Covisart, garrafa.
Xarope de Bourg >ls. vidro.
\arope de codina do Berln;, (le..].
Xarope de eapargo. dem.
Xarope de Guy, dem.
Xarope de iodureto de Giben, .m.
Xarope de iurubeba, idea.
Xarope de f.abellony, dem.
Xarope de Lamourcaux, dem
Xarope de nato, idem.
Xarope peitora', iafllez, idem.
Xarope de quina \s pescas que quizaren concuner arrema-
taco do forneei.-naulo dos ditos Medicamentos'
devemcomparecer c.mi saas propostas em cartas
I i-liadas na sala das sessoes da mc-mia Illma. jun-
'1 administrativa pelas huras da larde do dia 23
do corren te, aeompanhados de seus (adores, ou
munidos de car ti S desles.
Secretaria da Santa casa de Misericordia do Re-
i..-, 6 de setembro de 1869.
O esorivao,
Pedro Rodrigues 4$ Sauza.
Siuta Oa.su da llisericordia
do Recite.
A Illma. junta adn ilustrativa da Sania Casa da
"Misericordia do Recite prensa contratar com quem
se queira encarrujar de f.uer >ua cusa as obras
le i|ue necessita o hitando n. 37 ta ra da Moc-
il 1, concediendo ella, alero de oulras vantagens,o
ai rcndamenlo por grande numero de annos.
Recebe para isto propostas em catas fechadas,
ni sjm ftfl sam gnrnn*i. devendo si pretendemos
\amiuarem as u!i;ms de que canee o predio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
K-'-ife, \ de ete: Jiro de 1869.
O eserivo,
Perjt Rodriyue* de'Sonza
Joaqnim Jos Gonra!re DeUtio, roa do Com-
incrcio n. 17.
IMPA11A Ji&ASlLEIRA
DK
Paquetes a vapor.
Dos portes do su I esperado
at o da 21 do crreme 1 o vapor
Cntsriro do Sul, commandante
J. P. G. Alcoforado, o qnal de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
Jar embarcada no oia de sua chegada. Encommen-
dase dinheiro a frete at o dia da sua sabida as i
horas.
Nao se rocebem como encommendas senao ob
(ectos de pequeo valor e que nioexcedam a duaf
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medican.
rodo que pasear destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas.-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 37 primeiro andar, eseriptnrio de Anti nio Luiz
de Oliveira Azcvedo tC.
ros, pertences diversos moris da taberna da
ra de Santa Hita n. 1, em mn ou mais lotes, enja
talterna bastante afreguezida o limito ben) loea-
lisada.
Quarta-feira 22 do corrale.
Ter principio as 10 horas do dia.
Preri>asc de urna ama livrrpara iralar de me-
ninos a ro.1 dn Hospicio o w.
COMPAiNHIA PERNAMBUCANA
DE
\avejjacao costeira por vapor.
Maroaoguape.
O vapor Mandah, comman-
dante Julio, seguir para o por-
to Mima no dia 28 do corrente
as C horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 3 horas da tardo do dia
da sabida : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PKRNAMBCANA
DE
Navegado costeira por vapor.
Macei em dircitura. Pnedo e Aracaj.
O vapor Jagttnribe, commandante Guilheriiic se-
uuir para os portos cima no dia 22 do corrente
as 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 21
as 3 horas, encommendas. passageiros e dinheiro
a frote al as 2 horas da lard do dia da sabida :
no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Xa prxima audiencia (do juizo de orpbios
Hito tem lugar no da terea-feira -21 do corrente,
mu de r A praca a renda, por lempo de tres an-
uos, da casa de sobrado de dous andares n. 17,
sita em a roa ettreita do Rosario, serrindo de base
1 oece deSOOd. o que eagando. _
Consulado provincial
Pela adminisr.vao desto consolado faz-se
publico a qoem interessar pussa, que com
0 presente mer. termina o receblmento dos
lilTerentes mpostos prorincl^esrelativos ao
tnno linanceirifindode I808 I8(ii), sendo
'in seguida liquidado* c remetlidos pelo
juizo os dbitos dos contribuin'.es, omissos,
aiim de sctiii- execotivamento cobrados,
na forma da iei.
Consulado provincial. I" de setembro
do 1H09.
O (administrador,
Antonio Cnucir Mucltado lias.
Pvranle a cmara municipal desta cidade de
i oda, estarn d me embasta pobNeapara
-rieni arrematada por qoem maioc lauco olere-
cer, nos das l!i 3 23 do correte mez, os impos-
iis seguintcs : :ap 111 de planta pea quantia de
J-000 ; alTer.. de pesos e medidas, sendo o
arrematante obri [ado a aflerir os Ja mesuia cama-
m iiJeiiinibi\>o alguiua, pea de 607000;
'oqueiros de pr uecao para tegoeio, pela de
76^000 ; os alugaeis das casinha? da ribeira,
pela de "OaOO 300 rs. por eabeca de gado vac-
'nin, pela de 247AC00 masca;- o 1 oeojeiras, pe-
11 de 2l00 ; IW rs. por carga de farinha e le-
;jinnes, pela de 13500 ; 10o rs. uor eabeca de
l.-ado recolhklo ao eiirral, pela de sTsOOO ; repeso
ln acougue, pela de 6*500 ; 200 rs. por eabeca
de gado suiuo, pela de 600 ; 10 i rs. por eabeca
le gadnovelhtun.pela Ag 1 5300.
1 is pretendemos dererSo comparecen nos referi-
1 das com s us Un lores eo..ipo. .; mente habi-
uiailos na fiana da Iei. .
Paro da cmara municipal de diinda em 9 de
mbro de 186!).
Manoel Antonin dos Passos o Silva,
Pro pie-i,.
Raymundo Theodorice los Dornella?,
Po teira. no imped rnenlo do Secretario
CUMPANIA PERNAiMBCANA
DE
\'aves;aoo costeira por vapor.
Parabyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah. Acarac e Granja.
^rhr O vapor Ipojuca, commandanit
$/\\ Moura, seguir para os portos
JBStf cima no dia 30 do corrente as 5 hora-
da tarde. Recebe carga at o dia 39, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da saluda no escriptorio
lo Forte do Mattos n. 12.
BAHA
O palhabote OanbaMli, cnpito Custodio Jos
Vianna : a Iratar com Tasso Irmaos.
O patacho brasileiro Ramn
segu com muita brcvklade para o Rio Grande do
Sul, para onde recebe a frele um resto de carga :
a tratar no eseriptprio de Amorim Irmaos & C,
ra da Cruz n. 3.
lo de Janeiro.
Para o indicado porto, pretende seguir com
milita brevidade o brigue nacional Isabel, por ler
a maior parle da carga engajada, e para o pod-
e-i que Ihe falla, tratl-se com os con-iguataritis
Antonio Loiz de Oliveira Azevedo & C, ra da
Cruz n.57, primeiro andar.
AVISOS MARTIMOS.
CPA1IA BR.lllEie.1
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 'M do nrrenlc o vapor
Guar, conunandi ate o Io l-
ente P. II. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
i para os portos do sal.
Desde j recebem-se passaceirot e engaja-se a
osa que o vapor poder rondozir, a qual dever
:nharcada no dia desoachogi da. Encommen-
las e dinheiro a frete at as dua oras do dia da
tu sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
obas de peso oa 8 palmos cbicos de medicao
l'odn que passar destes limites dever ser embar^
1 cn.no carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
90 se recebem na agencia raa da Cruz n. 57.
^ andar, escriptorio de Antonio Liz d Oliveira
1 vedo t C.
COMPANHIA PEI{NAMBUG.\NA
di;
Navegagdo costea por vapor
Parahvba
O vapor Contri>t; commandante Silva, seguir
para o porto cima no dia 21 do corrente as 5 do-
res da tarde. Recebe carga, encommendas, passa-
geiros e dinheiro a frete al as 2 horas da lardo
do dia da sabida no escriptorio do Forte do Mallos
n. 12.__________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
Navegando costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e Taman-
dar.
O vapor Parukyba, commandante Mello, seguir
para os portos cima no dia 30 do corrente,
nieia noite. Recebe carga, encommendas, passagei-
ros, e dinheiro a fretes no escriptorio do Forle do
Mattos "n. 12.
LElLOES.
Ili: J9IOVEIS
0 geme Pontual competentemente autorizado
vender em loiao os movis seguimos : 2 'mo-
bilias de Jacaranda com lampos de marmore sen-
do urna Julias a Loiz XV, 2 cadeiras espregni-
eosas, 1 toiiet, 1 candieiro a faz, 2 serpentinas,
jarros para deitar flore-, 1 cama de Jacaranda
para casal, 1 lavatorio, 1 toucador, 1 marqueza,
1 sof, 1 bureo, 2 temos do bandeijas, meio ap-
parclho para cha, 2 guarda comida, 1 apparador
Quarta-feira 22 do crreme.
No i* andar do sobrado n. 28 ra do Qucima-
do, as 11 horas.
de 50 saceos com arroz da India marca
S. J., quarta-feira 22 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por cotila e risco de
quem p.'rtencer, de. marca S. J.. 60 saceos com
arroz da India, vindas do Porto pela barca portu-
gueza S. Joo, entrada neste porto em 13 do cor-
rente, no dia quarta-feira 22 do corrente, s 11
horas da maalia, no armazem do Annes, largo da
Alfandega.
LEILAO
Do variado deposito de loncas,
vidros, porcelanas e crys-
taes sito &
RA DA CADEIA N. 0.
O agente Oliveira competentemente au'orisado
vender em cilio o deposito cima, em lotes
vontadedos prelendenles, as 11 horas da manha
do dia
Qninla-feira 25 do; orrentc._________
LEILAO
De fazendas, urna armaco com balco, b-
cos de gaz e registro, i carteira e utna
burra.
Uointn-feira 93 de setembro as
11 horas en ponto.
O senle Pinto far leilao requorimenlo de
Mi ls Latbaro A C. e por mandado do lllm. Sr.
I)r. juiz especial do commei ci da arinacao e fa-
zendas da loja da ra do Crespo n. 20 A, embar-
gadas a Costa Se Castro, os qnaes objeclos seo
transportados para o armazem da ra do Impera-
dor n. 57, onde se elTectuar o leilao em um ou
mais lotes a voutade dos compradores as 14 llo-
ras do dia cima dito.
Os pretondentes podem desde j examinar o in-
ventarlo em poder do mesmo agente.
AVISOS DIVERSOS.
Oaixeiro
Precisa-so de um homem para caixeiro de urna
nadara, que lenlia pralica e d fiador de sua con-
ducta : no pateo do Terco n. :if>.
Troco niiudo.
_ Da-se bom premio por sdalas de 1 000. J;
o, 10 e 202 (nova estampa: na casa de Theo-
do-ro Simov \ C, largo do IVIonrinho n. 7.
AMA
Percisa-se de doas amas, sondo orna que
eosinlie bem o ordinario de urna casa e
compre, e outra qm; en^omme, prefere-se
esciava, e paga-se Liem : na ra dos P.res,
sobrado n. 27.
Ama
Precisa-se de una ama para cozinbar : na tra-
vessa dos Pires n.20, sitio du Geriqiiti._______
i!
Fugio em das do crente mez do engenho Pi-
mcntel, o e^eravo Silwerin, preto, de 20 annos de
idudr, rosto redondo, altura regalar, com 11111 pe-
queo buco de barba, testa pequea, falla des-
caneadn, e qnando falla vidVu os olhos para cioi.i,
este escravo foi comprado ao Sr. Jos Antonio do
Albuquerquc, da ciliado de Goyanna, pira onde
lalvoz Iciiha stguido: p-de-se a todas as autori-
dades a sua captura, c o conduzireai ao referido
engenho ao sen senhor Francisco de Paula d'AI-
buquerque Lima, ou a roa do Imperador n. 77,
primeiro andar, que terna generosamente recom-
p.'nsados._________
ITTEMlfl l) UM
Grande armazem de fazendas e roupas foilas roa da loiperalriz
b. 52, porla larga, de Paredes Porlo.
Neste estabelecimento encontrar o respeilavel publico um bonito sortimento
de roupas do todas as qualidad ;s, palitots de alpaca a ,15, 3$300 at 65. Ditos de
merino, ditos de casemira de cores bonitos gostos a >,->. G.->, 83 e 10>, de panno preto
sacos e sobrecasacos. Ditos de brim pardo finos e ordinarios. Ditos de. alpaca branca
e de cores de 35500 a 5OO0. Calcas de brim de cor linas e ordinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo fino e ordinario, ditas de casemira
de cor e preta de 45. 53. 6> a 153. Colletes de todas as qualidades e prego inuilo
Completo sortimento de camisas francezas de algodo e de lialio de 23 at S
w
ente Rcmio ilaTTta Campello, Cleto da
Costa Campello AuctMo Furliinati da Costa Cam-
pello (no Paratiiiav). i'ranci-eo lntellio de Andra-
de, Francisco Tasares Rotellio, Francisco Xavier
dos Santos, o Antonio Severiano de Me lo Falcao
(ausente), Ribos e guaros de Senhorinha Lotera
deAlhnqncrqne l'.impello, aradi'Cem do intimo
d'alma a todas as pessas que so di^narain assis-
tir ao funeral c a acompanliar ao cemilero o ca-
dver de>sa sua mnito presada mae e sogra. o
cunvidam a todos os seus prenles c amigos para
que Ibes faeam a raridad* de assistir a missa
de rquiem, que ter lujiar na inalriz de S. Jo?,
s 7 horas da manha lo dia 2-'t do corrento.
Pedem-nos encij-ecplaoieiiie aumaosso-
cios 011 convidador qoc se. acliou na noite de sab-
liado 18 do corren, na partida da sociedade Ter-
ps)chore, que, leudo trocado o seu chapeo, ao re-
tirar se. por outro 000 tem o forro preto, srva-
se de dirigirse com ell. a rua da Saudade u. 6,
aonde e poder desfazer-se 11 encano.
barato.
urna. Sortimento de seroulas trancezas de algodao, de linho e bramante a 23 e 23300.
Grvalas (mantas) novissimo gosto a tojos os precos. Meias sortimento completo a 35.
V) at 75 a duzia. *
ROUPAS PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesqticr obras de encommenda Unto para hornera, como.
para meninos, e com brevidade, por isso que tem um bonito sortimento de fazendas de
todas as qualidades tanto em casemiras como brins, pannos finos e outras militas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de II palmos de largura a 15800 o metro.
Cambraias do cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 010 rs. o covado.
Poil de-clivre com lista de seda fazemla de gosto a 15200.
Rasquines do guipurc enlejiadas a 185000.
Sortimento de chitas escuras c claras a 280, 300 e 300 rs
Madapolao fino a 63300, 73, 85 e 95000.
Algodo peca com 20 jardas a IjJBOO, 53300 e 65000.
Peca de algodo largo a 73500.
E outras militas fazendas que ser enfadonho mencionar Cheguem roupa
feta que se est liquidando na loja ;i ra da Imperatriz n. 52 (unto loja de omives) do
LEJO da porta larga
DE
Paredes Porlo.
Attencao.
S E. Don Casio Mondes \imes.
(Q. E. P. D.)
Falleci a 21 de agosto de 1869.
Don Juan Buson, vice-cnsul de Espaa, supli-
ca sus amigos y.con especialidad a ros compa-
triotas se dignan asistir algunas misas fnebres
que, en sufragio del ilustre tinado, se celebrarn
el martes 21 del corriente las 6 1/2 horas de la
maana en la parroquial iglesia de Buea-Vista, y
desde ya agradece a todas las personas que se
dignaran xa*.!StiC-*.as auhi.riti>Ko.
a.
LEILAO
10:
30 saceos com carnauba.
8 barricas eom breu.
libras de fio.

23!) barricas vazias.
57 meias ditas.
23 quartos ditas.
30 rolos arcos do Porto.
Diversos pedacos de pinbo.
Meio barrica com pregos.
1 carteira e mocho e a
Casa terrea da ra do Appollo n. 19, com quin-
tal c cacimba.
HUJE.
'l'ei''a-feii-a 21 de setembro as
O horas.
O agente Pinto tara leilao a requerimento de
Jeao Francisco de Souz 1, testamentoiro e inven-
tarame dos bens do tinado Joao Luiz Goncalves
e por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da
segunda vara, da casa terrea e mais objeclos ci-
ma mencionados, ns 10 horas do dia cima dito,
no armazem do sobrado da ra do Apollo n. Uf.
LEILAO
Vara o indicado porto pretende seguir com mui-
' brevidade o lugre porluguez Cisne do Vouga por
1 maior parle da carga engajada; e para o
'> que Ihe falla, trata-_ com o c nsignataiio
De fazendas em continBiaeo.
IIOJE.
MagaHiaes Irmaos conlinuarao por nterveneao
do agente Olivrir?, o seu leilao de grande sorti-
mento de fazenda-, as ralis proprias do mercado.
Terea-leira 21 do corrente
as 10 horas da. maahaa, em seu armazem ra
da Cadeia.
LEILiO
S. Excia. O011 Casto Men-
t es Nues, contralmirante de
la escuadra espaola del Paci-
fico hroe del Callao, y una de
las glorias contemporneas de
Espaa, falleci en Pontevedra,
su provincia natal, con la edad
de 45 aos. Su porvenir era
digno de la mayor atencin por
sus escelentes calidades que
nadie podia esceder ; es pues
una perdida irreparable para la
nacin y para la marina.
Acompaamos a sua familia
en su inmenso dolor por una
perdida tan insensible.
Ama
Preeisa-se de una ama forra ou captiva para o
servico interno o externo de urna casa de peque-
a familia : na ra d-1 Conceco n. 43.
0 abaixo assignado pnvirieinrio do hotel na-
(iinal, sito na rna da Hruz 11. I. participa ao res-
peilavel publico, qiii lendo-sc dissolvido amiga-
velinente a soeiedade que girara 80b a tirina de
I.endiiif & Camaraeibe liea desta data om diante a
meu cargo lodo o activo e p ksvo, par ler de reli-
rarse o socio Camaragibe, o qnal Picar girando
sob a firma de Antoin l.endolf o cora o mesmo
nomo de lintel Nacional.
Pernatnbueo, 18 de setembro de 1SG9.
I.endolli Antonio.
Ao publico.
Joaquim Etelvino Bezerra da Canha, Jos Tho-
maz de Aquino Pereira e Servido Bezerra da Cu
nha, previnein ao respeilavel corpo eommercial ea
todos em geral, qnc Bzeram entr si una soeieda-
de eommercial sob a Orina social Etelvino, Pereira
& Cunha. Esta soeiedade comeeou sita existencia
desde o dia 7 de Janeiro do corrente anno.
'SOIEDADE PATUIOTICA
PO^O DA PAWEIiliA.
Peto presento sao convidados os Illins Srs.
membros da commissao de festejo e esquadrao
patritico da freguezia do Poco da Panella, a se
reunrera injarta-Xeira 22 do corrente, as 3 1|2
d iinbi'iio imii>i Lj Mi.nirjm^ alini do se-
ren asseritadas as bases dos esiejos e organlsa-
pao do esquadrao. Roga-se o eouiparecimento de
lodos os membros eleilos, no dia e hora desig-
nada.
0 secretario,
Serverino Duarte.
.Clips DE CABELLOS.
CIIEGOL" peu> paquete francez Estramailuie, um novo e completo sorliinenlo
(le COQUES DE CABELLOS do allitno e purissimo gosto de I MUS.
ANDRE DELSUC,
Cabelldieiro,
7 A, ra do Crespo, primeiro andar.
1 I' 1
i
Superiores sedas de cor e listras a 1 ,-5600 o covado.
Lindas poupelinas de Ija, com grande variedade de cores escuras e claras a
5G0 rs. o covado.
Pecas de mussena branca com salpicos e com seto metros cada pera, pelo ba-
atissimo preco de 4-3000 a peca : na loja das Colnmnas, ra do Crespo n. \'i,] de
Antonio Correa de Vasconcellos C.
AMA
Precisa-se de urna ama para lavar e engommar,
e onira para cozinbar para una familia e-trange-
ra : traase no largo do Pelourinho n. 7.
Bcberibe
Aluga-se urna casa na povoacao com trastes :
na ra da Imperatriz n. IS.
Para festa.
Aluga-se um sobrado de um andar na ra do
Amparo o. 22. em Olinda ; para ver, podem pedir
a chave ua taberna do Sr. Guilherinc. junto do
mesmo sobrado, e para tratar, na praca da Inde-
pendencia, loja de calcado ns. 37 e 39."
Padaria
Preeisa-se de um bom mestre de masseira : na
na Imperial n. 193.
Attencao
O Sr. que trouxc da provincia do Para, pelo
wpor ''trulla, cDegaflo no Hin do mez prximo
passado, nina carta para o Dr. Candido Valeriano
da Silva Freir, e urna encommenda para I).
Anna Candida da Cimba Freir :' tenha a honda-
de ie dirigir-se ao largo do Carino n. 18, pri-
meiro andar, ou' dudare sua morada.
i'
Precisa-se de una de ha conduela para Halar
do arranio de urna casa eom lodo o aceio de un
moco soltoilM, que saiba bem lavar e emgommar
para elle s e cosinhar para 3 pessoas : quem es-
tiver n'estes caaos dirija-se pateo da Penha n. 10
que se dir qWm precisa.
AMA
Aluga-se o sitio da estrada da Torre, com
excellente casa de morada, a qual assohradada
na frente e tem cocheiras paca carros e eavallos e
quartos |iara pretos, baixa para capim e arvores
de fructo : a tratar na ra N>va n. 12, loja de
fazendas.
Aluga-se
Da, armaco, pertences, gaz, -gneros, pi-
pararquiadas e canteiros da taberna da
ra de Santa Rita n. i.
O agenR Martins far leilao da armario, gene-
duas casas em Beberibn no porlo da Madeira, com
duas salas, dous quartos, eozinha fura, muito
frescas, com os fundos para o Hio : a tratar na
roa Direita n. 69.
Aluga-se
parte da frente do primeiro andar da roa do Im-
perador n. 32.
Precisase de urna ama para o servico interno e
externo de urna casa de pequea familia, prefere-
se escrava : na ra das Crnzes n. 28, Io andar.
ATTENCAO
Precisa-se alagar um preto ou um molegue de
1C anuos, escravos ou livres; na rePinacao da ra
de Hortas n. 7. ^^__________^^
Precisa-se de urna para cosinhar para rapa-
zas solteiros ; na ra de Dorias 11. 7 rcflna^fo.
PADARIA
Precisa-se de upi fornciro e dou1 amassadoesr
parapaduia, fofa desta provincia : tratar na
ra do Amorfo n. 37.
Precisase de um bom cozinheiro, boineiu ou
mullier, com tanto qQe eulende da arte, paga-se
bem : na rna Nova n. 2o.___________________
Ama de leite
l'l m'M c urna ama Jo -kitc uo Guilcifni
do Bispo n. 23. ______________
AIMPRATRiZ
Com esta dominacSn veio pelo ultimo vapor ri-
quissinios cortes de fular de seda de duas salas
bordadas a seda froxa, ultima novidade em Paris
a Exmas. Sras. que quize'em ver 011 mandar bus-
car para amostra, dirijamse loja do Paco, rna
do Crespo n. 7 A. No mesmo esiabelecimenlo ha
um comp eto sortimento de pannos de erf e
para giiarnicio de cadeiras, sofaes, jardineiras, e
lambem ha para bandeijas riqntssimas toalbas de
labyrintho da trra (Cear).___________________
" (Js consignatarios de o caixas com cerveja
marca diamante L, a 3'i vindas de Londres no br-
gue inalez Wo Gratule, entrado em Sdejatnedo
corrente anno, consignadas ordem, a~ qnaes se
aeham depositada? na alfandega, queiram vir em
casa de Vasso IrmSos pagar o frete das mesmas.
ATTENCAO
Na ra da Cadeia sobrado n. GG se dir
quem vende urna escrava, bonita figura
com habilidades, garante-se nao ter vicio
algnm. ________
Aos 20:000^000.
Bilhetes do Bio a venda, ra do Cabug n. 2
Casa da F. Precos do eosiumo.
CASA UA F.
Attencao
l'recisa-se de officiaes de caldeireiroe laloeiro :
na rna do Brum n. Si._______________________
Fuflo de casa de sou senhor a eicrava liosa
Mana, reprsenla ler 40 annos, com cicatriz no
brac/i e ooira ua p provenientes de gneimaduras,
fhl comprada ao Sr. fe, Jos Mara Mrscoso da
Veiga Pessoa, foi vista em Cachangi a procura do
mesmo Sr. Dr. Moscoso : quem a appreh"iiile-la
leve ruados Prazeres n. 50, que ser gratiBoado.
Precisa-se de alagar um piolo, paga-sc bom
alluguel ou mesmo da-se algiima quantia adiau-
tada; a tratar no Pateo do Terreo n. 63.
Manoel da Silva Jaco me Pessoa procurador bas-
tante nesta provincia da Exilia. Sra. D. Joaquina
Mara Lira, da Bara'nba do Norte, precisa saber
onde se acha o Sr. Joao Pereira de Castro, Lima
herdeiro do casal da mesma senhora. O aiinuii-
ciante pede ipiem pos a 1! ir tal noticia, se digne-
faze-lo nesta typegraphin ou a na Velha da fre-
guezia da Boa Visia n. ."il.
Um lioineiii solieiro. lemlo em sua nUMpl
nina uina menina de (i annos, branca, deseja en-
contrar una mullier branca, nacional ou portu-
gueza, com tanto que se ja capaz de dirigir una
Isa e goste da vida retirada; quem pretender
pode indicar sua residencia a roa do Padra Fln-
riano n. 71, segundo andar, para ser procurado.
Soberanos e ostro nacional
Vende-so mais barali do que em nutra qual-
quer parle : era casa de Carlos P. ce Lenios & (1,
rna do Vigario n. 10, armazn.
_ oioui.a-io Uiioar um menino Uo 12 a Vt
annos, forro ou captivo, para o sorvtro rte dnas
pessoas ; assim como de um moleque ou um pre-
lo que entenda de eozinha, que seja liel e nao t -
nha vicios: a tratar na rna dos (issos, on le est
o hospital de Santa Thereza ns. 2i e 21, OU ni pia-
ra da Independencia 11. '.)'.<.
Ollerecc-se ama senbora po'lugueza den
idade, habilitada para govern.ar orna e-isa do
homem solteiro ou de pouca familia : a ti atar na
ra da Lapa n. B.
Aluga-se
O sitio da estrada de ferro com exeeHente c 1
le moradia a qual sobradada na frente, tem r -
xeiras para carros e eavallos o quartos para pr -
tos, baixa para capim e arvore de t'ructi ; a tra-
tar na ra Nova n. 12, luja.
Precisase allugar urna escrava qu^ saiba
cosinhar e emgommar; a tratar ra da Cadeia
n. 34 2." andar.
O Sr. Dr. Manoel L. da Cunha Maeiel tem
earlas'na ra da Madre de Deus n. 1.
O les lamen iei ru do fallecido subdito francez ,
Joao Vignes, convida aos dev.edores do lina do a
saldarem seus dbitos imigareinieuie, d.1 conirario^
serio ajuizados sem excepcao algiima.
Precisa-sede um lrab,alhador, na padaria di
ra Iteal do Manyninli 1 n. O.
Preeisa-se comprar oa alugar una casa ter-
rea ou sobrado de um andar, as freguetias de
Santo Antonio ou Boa-Vi-la : quem tiver anntin-
cie 011 dirija-se rna do ITopicio 11. 2i.
Na raa Di re la n. lii ba urna pesoa sizuda
que ensacca tarinha de encommenda para embar-
que, fazendo anda o obsequio de despanha-la por
conta do comprador : pode ser procurado a qual-
quer hora do dia.
Ku abaixo assignaMo tendo perdida nm bi-
Ihete da lotera do Bio de Janeiro de n. 1175, e
tendp de chegar a lista dos premios no primeiro
vapor, por isso peco que ningnem pague o premio
que possa sabir, senao ao abaixo asaignado.
Joao Benedicto Jos do Sant'Anna.
Na ra estrella do Rosario n. 17, 2" andar,
precisa-se de urna ama quccozinba e compre para
duas pessoas : quem estiver mistas condicSes, all
appareca. ___________'
ESCRAVA.
Precisa-se alugar para cozinhar: a tratar no
Coraco de Ouro, ra do Cabug.
CABUG
esquina
da ra larga do
Rosario.
b .g*r % wwm
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra .casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de Iei. Conpra-se ourii, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja est aberta at as 9 horas da noute.
esquina
da ra largado]
Rosario.
}


-
mBin
^M
; Diario de Pernambaco Terqa feira 21 de Setembro de 1869
fc;


NOVIDADE
0 JAYMR, tend" em vista sempre apresentar novas raelhoras em scu esta-
belecimenlo de cabelleiro ra do Queimado n, G, acaba de preparar com decencia
e gosto, urna sala especial onde o respeitavel publico, cora certeza, encontrar o que
ha do primor em perfumaras, bijoterias, flores e tinturas para cabellos etc. -'es mais
afamados fabricantes de Pars e Londres. Elle conscio de que o que espende a purc
verdade, espera que o sen estabelcimento soja visitado por senhoras e cavailielros, mikroskorje aci,roma.
para o que pesd sao vidados.
i PARS
19-Rua Nova-19
FltEDERICO ALTIKI1
cirurgiao-dentista, muito conhecido ha dez annos n'esta cidade, pela perfec2o dos sem
trabamos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete ond(
icharao os commodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discipuh
.1. LEKOIV
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou coa
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhore
garantas do boro desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por isso c
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontrarem no set
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tera honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a pressSo do ar e com molas de ouro, platin;
vulcanite e um inleiramente novo n'esta cidade.
Cura radical dos denles cariados.
Chumbagens (obturares) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos dentrificios fabricados pelo propro annunciante, o que le prmitte^ afiac
car sua boa qualidade.'
Escovas para dentes. etc.
Perfei^o de trabalho e presos moderados.
Viagens para fra mediante ajusto previo.
tisehen. ObictivLin- V-v
8.in V*k"'.cSi-^SK~-'______
.o^Si
sen.
Barcmetre e termo-
roetre. Centgrado
e reuumeure.
O gabinete acha-se
lias uteis.
aberto das 8
OCULOS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. J. Germano, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com estei vidros, a vista descansa, fprtifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhdo um vdro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto oo mais loage, os raios que expelle sSo
mui convergentes ou aiui divergentes e a viso nao perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso nao distincta.
Com a applicaeao de mcus vidros pdese vencer estas diflkuklades. Par;a os que tero
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo aflasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver to longe como as outras vistas, (toan-
do o crystalino muito chalo, o que succede aos que tem chegado a urna certa dade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e nao enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarao
to distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. i. Germana encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
colher, a primeira vista, seja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
NO FOI PRECISO..AGUA BENTA
O demonio mudou-se por sua lirre e expontanea vonlade
VIVA 0 DA DE S. BARTHOLOMEU
Agora mnguem presuma que fot um demonio qualquer, fot
0 BM DEMONIO
Mas mo sahio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA WAIS PERTO DA MATRIZ
Seu dominio est hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA M AMGAO N. 32
Como garboso se ostenta
Cmo lepido se mostra
E as diabluras que fazt
fPP>
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Sorlimcnto
para theatro,
de binculos
e oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sorlimento de relogios para parede, que do horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, sussos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua NovaN. 21.
ANDRE DELSUC
CABELLEIREIRO
7 A Ra do Cropo1/ andar 7 A
ENCONTRAR-SE-lIA sempre Reste estabelecimento um variado e bonito sorti-
mento em perfumaras francezas e inglezas cuja lista damos aos leitores
LUVAS Marca garantida de JOUVJN.
EXTRACTOS.De superior qualidade marcas LUBIN & GOSNELL.
DITOS FINOS.em frasquinhos proprios para presentes Lubin & Gosnell.
POMMADASBanha fina de varios cheirosLubin.Gosnelle, Socel Hymnbue
SABONETES finos para toiletteLubin & Monpelas.
EA DENTIFRICE.agoa para iimpar dentesSociet Hyginique Lubin D.
BRILHANTINA.para lustrar a barba e os cabellos Lubin.
AGUA DE COLONIA..Marca verdadeira de Joao Marina Faiica.
COSMTICO.cheirosoLubin.
POZ DE -ARROZ.dito Lubin.
Si??nSFUH_0le(ip.a,ra cons0rva;3 ESCOVAS FINAS.para cabellos, dentes e unhas.
BLAIREAU.Pincel para barba.
GRANPOS.para cabellos.
REDES INVISIVEIS. para cabellos.
GRAVATAS LINDISSIMAS.-do melhor gosto.
BENGALAS.de phantasia, para passeio'e de diversos tamanhoselc, ele, etc.
A la parfumerie Parisienne.
7 A RA DO CRESPO I. ANDAR 7 A.
CONFUTARA DOS ANANAZES
16RA DI CRUZ 16
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de dfferen
js qualidades, vinhos de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melher que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, raropes refrigerantes, doces df
calda, etc.
Incumbe-se de encoramendas para grandes jantares, bailes, bantisados e ca-
samentos, a saber:
Negra tranca no eolio lhe ondeia
i Solta briza ao mago desdem :
. Deita a fronte n'um pcito e conhece
Quantas maguas o seio contera.
Esta linda e gentil creatuia tambem
Queijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinlias.
Tudo barato
Para agrada-,
Venham fregue/cs
Que han de gosiar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia, em que este importante,armazm de mo-
lhados ter principio a pratica de certa diabrura.quc admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA dama do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener s por presos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 10300 por 500 Vinho bordean* em caixa, 70000.
grammas.
Dita dita a 1,5200 idem.
Dita dita a J 000 idem.
Dita franceza a 900 rs. dem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 30500 dem.
Dito dito a 3(5200 idem.
Dito dito a 30000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf d caroco a 200, 240 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas esliarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de ^renles mrreas. a
10400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a 50 e 00 a caixa.
Sabode massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas com ameixas a 10, I ;:>00, 20800
e "
Fructas portuguezas em calda a 600 rs. grammas.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 500 grammas..
Frascos com maraas seccas a 20000.
Serveja de different-?s marcas, duzia 05.
Tapioca do Maranho a 210 rs. por 500
a lata.
Ditas s de pecf gos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 10000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de jorco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
Garrafas finas para meza, o par 50000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 10000.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G-z, lata a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
E, Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10200 a lata.
Latas de po-de-l a 900 rs.
Biter cm garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muias marcas a I 800 rs.
Estrilinhas para topa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima esl erpecificado, a.Iveite a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se explicar acroellea
que nao entendem.
Pegas de nougat.
Ditas de p5o-de-lot.
Ditas de tmara de ovos.
Ditas de caramilo.
Bandeja com armaco de assucar.
P5es-de-lot enfeitados.
Bollos idem.
Pratos de doce de ovos.
Tortas folhadas de erme e carne.
Empato.
.'ierre.
COSTURA E MODISTA
MADAMA LECOMTB
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
Tem a honra de partecipar ao respeiUvel publico e em particular seus fregue-
zes, que, pe as relacoes que acaba de encetar comalgumascostureirase modistas das mais
atabacas de Pars, que todos os mezes lhe mandam figurinos, de vestidos, man-
teletes o chapeos que estao no maior gosto e mais modernos, se aeha habilita-
da para fazer vestidos para passeio e vistas, bailes e casamentos. As senhoras que
a honrarem com a sua freguez.a, nao deixarao de ser satisfeitas, tanto pelo boro posto, --orno
pela barateza dosprecos e promptidao na ntrega das encoramendas ; tambem tem bo-
nitos enfeites muito modernos e de todasas cores. Fazem-se chapos de todas as qualidades
tanto de filo como de palha. i
VEJAN QUE DABRURA
Tirar premio sem comprar bi/hetes
Isto s pode ser artes do
l t i i
Est decidido=o mundo marcha!
Leiam=adniirem
E...... espalhem pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASS3IPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM CUSTAR DfNHEIRO
(]LE PEniINA!
No intuito de fazer urna fallada o bom e".momio resolvou mimesear d'ora
em diaulc com um bilhete a qualquer pessoa que gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por diante sem;;-re um bilhete
por cada 50000.
Cada um desses bilhetes dados de me tda proporcionar ao portador
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da forrea Ibe for
propicia coincidindo o numero do dito bilhete com o io que tirar urna das '.res sortes
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vindocro.
1 gigo de champagne, valor....... 300000
l caixa de vinho do Porto (Menercs).. 230000
i duzia de garrafas de cereveja (Bass) 90000
1 presunto de fiambre........____ loOOO
1 queijo prato................... 00000
1 dito flamengo.................. 30000
6 latas de marmelada fina.......... G00<>
1 caixa de pacas................. 80000


f
1000000
fWMWLm"xaemmmViM
AS BOMAS CURADAS
E
Todas as molestias syphiliticas.
FLOR JA BflHKTA
LO
1/2 gigo de clnmpaghe, valor-----'........ 150000
6 garrafas de vinho do Porto Hener ... 1 !0rOO
6 ditas de cerveja (Bass).............. 4j-rKK)
1 queijo prato....................... 00000
dito flamengo...................... 30000
1/2 caixa de pagas..................... 10000
6 latas de marmelada................. 60000
i'iao
, ELEXIR DO DR. SEVIAL
sarnas, rbeamausmo. todas as molestias sypniliticas e em geral SS&
proven*! da erapureza do
sangue.
NICO
todas aquellas
34-
DEPOSITO
NA
Pnarmada drogara.
. DE
Dartholomea A C.
Roa f,arga do Rosarlo 34
5
UPADLO
ss
Nesta oflicina encontraro os respeitaveis freguezes um dos primeiros artis-
tas estoja bem conhecido (com grande espeeialidade en fardas), por muitas >3Ssoas
gradas desta cidade.
O mesmo estabelecimento se ada manido de um completo sortiniento e
fazendas, doqueba de melhor no mercad, proprias da officina.
Ogmie sortiment deroupas feita que tem, vende d%anda fvnr:onos
20 or cento deqoe emoutra qualquer parto ( dinheiro).
48 RA DA IMPERATRIZ 48
Junto a padaria franceza.
500000
FEMANDES DE H. GIMARAES^
SOB A DIRECCAO%0 MUITO HBIL ARTISTA ^-
ALFAIATE PEDRO I
0 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. 11031 >
< ditas de cerveja (Bass).................. 40500
1 queijo prato........................... o'^OO-
.- 1/2 caixa de charutos de Simas............... 300O
SOOO
MAIS DIABRUEAS !
Su a pessoa a quem a sorte honvci favorecido quizer li ': on'ros
os gneros cima mencionados ou preferirir receber o rer-ecivo \ i ao
se tera dvida em s'atisfszer.
Venham, fregnezes
Da pra<]a e malo.
Comprar barato
. Ao BOM DEMONIO
Pra9a da Boa-Vista n. 32, esquina de iraa
do Aragao,
*


r
\Y
i -
Diario de Pemambuco Tenja feira 21 de Setembro de 1869.
A ESMERALDA
LOJA DE J0L4S
EMPRSTIMO SOBRE
rua
pri-
t
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
$oes de servir vantajosauente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
ex atendido sortimento de obras de ouro e
prata de le, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, eujos prepos sao os
mais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
se em troca ou compram-se com pequeo
abate.
Y 3 RA DO (lilii \ :
(SEH LIMITE.)
Ala (ravcssa da
das Cruzcs n, 2, r..
meiro andar, da-se qual- f
f qucr qiianlia sobre ouro,
prata c pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transacc3o que se fizer em
sua casa, prometiendo todo~ zelo -
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
AGENCIA
Do Dr. Arer.
PEITORAL DE CEREJA
cura pntisica e todas as molestias do pello.
SALSA PARIlILliA
cura ulceras e chagas antipas, empigens e dartos.
TNICO
conserva e hmpa os oalicllns.
PILULAS CAT1IART1CAS
pnrameute vegetaes e sem mercurio, cura sesoes,
RIVAL SH
Ruado Quemado n, 49 col ojo
d( miudezas de Jos de Azcvc-
do Mata e Silva co*i he cirio por
Jos BjolUiJid.
Est qncirnandu todo qun temen sea
--r>---- w -^i# UH.H.UI1U, lua m:m>C>,
purgam e purificara lodo o svslema humano : ven-
de-se nicamente em casa d Samuel
4 C, ra da Senzala-nova n. 4S
P. Johnston
CASA FELIZ
Aos 20:000*5000
No Recife arco da Coneelcio n. t
Os abaixo assignados temise habilitado na
turma das leis teui exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde so pagaran as ortos que sahirem
no mesmo bilhele com n descomo da lei somente
PHEGOS.
Bilhete inteiro 2i000
Meios 12000
Quartos GjOOO
E de 1005 para cima a 225 o bilhete.
Figueiredo A Leite.
O agente de compras e vendas de
escravos. Jos MartinsAlvesdaCrnz acbas-
se residindo na ra de Hortas n. 90, promp-
to a desempenhar nao s o seu dever para
erte m, como para oatros-que seus corn-
mitentesojutgnem habilitado mediante suas
respectivas commissoes.
^ATTECWT
i *
Aluga-se duas casas com bstanle com-
modos, e vende-se urna na cidade Nova do
Santo Amaro: tratar com Antonio Jos
Gomes Jnior, em Santo Amaro.
Notas das caixas liliaes do banco do Brasil
trocara-se com mdico descont, na loja de Manoel
Soarej Pinheiro, a praca da Independencia n. 22.
CHOCOUTE HOHEOPATHICO, da mellior qua-
lidade.
CHA' PRETO E CHA" VERDE, da mclhor qua-
lidade. '
Livros para a tomada da historia das molestias.
Reciraens para uso dos enfermos.
Tudo o que diz respeito a Homoopathia eao Ira-
tamnto dos doentes.
NA PHARMACIA ESPECIAL HOMEOPTICA, DO Dn. Sa-
1____ BINO O. L PlNHO.
GRANDE HOTEL
DE
ALGODAO
LOJA DAS ACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os lmannos para descarocar algodao, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godao do autor New York Cotton Gin.
!*a!hnI & Vtn TOS*!*de "? 'Je ferro e mais toda a machina.
lAUHNAb drtaj ^oer Gms, de cujo trabaliio faz obter mais 2.000 em arroba
attCHJNAS de faco do fabricante Platt & C, Obdban PatentLiverpool
.->'-, m a 6SlaS mac,,inas s5 d? superior qualidade e as melhores que tm
n> o o mercado ; e para a sua apreciado convidara-so os senhores agricultores "
ssisff.tssrna rua da Gadoa do necif n-m a d ** nd"
ORIENTE
Rua larga do Rosario n. 44
Especialidade na preparacao dos gneros ali-
menticios, promptidao e asseio as cncommendas
e boa organisacao no estabelecimento. Rccebem-
se asignaturas para o eslabelecimento e a domici-
lio, facilita-se a leitura de jornaes nacionaes e es-
rangeiros. Espacosa sala para o elegante jogo de
Inlhar, e ha decente e commoda hospedagem.
< ompauhia Peruanibueaua
De ordem do conselho de direccio da compa-
nhia Pernambucana se >az publico que somente
ate o dia 30 do crreme mez 'serio aceitas assig
naturas de acedes da mesma companhia cuja
emissao se acha annunciada. Penumbuco 2 de
seembro >le 1869.O gerente. F. F. Borge
ATTENCAO
Precisa-se de urna ama de boa conducta para
tratar do arranjo de urna, casa com todo o asseio,
de um moco softeiro, que saiba bem lavar e cn-
gommar para elle s. e cozinharpara tres pesoas*
quem estiver negtes casos, sendo branca ou parda
dirjase ao pateo da Penha n. 10, que la se dir
quem precisa.
Ama de leite
Procisa-se de urna ama de leite, r
tenha nibo : na rua larga do Rosario ni**1
andar.______ '
Precisa-se de nm criado hbil e que seia
moco : a tratar na loja da rua do Crespo n. II.
Na rua estreita do osario n. 35, pri-
meiro andar, casa de urna familia que for-
nececommedorias precisa-se para todo o ser-
vico de casa e rua, de serventes livres ou
escravos, preferindo-se estes.
Aluga-se a casa n. 28 da travesea de S. Joao
a"!l .^L^' 2 quarlos> qi'it'l e cacimba, preco
ae iS0OO : a tratar no mesmo lusrar.
Precisa->o de um caixeiro de idade de la
18 annos : na rua da Cadeia-nova n. 7.
-Na travessa dos Expostas, sobrad- n. 18, 1
andar, fazse comida para fra, lava-se roupa e
engomma-M. ludo com asar o o promptidao.
Detonadores para millio.
'JyiiciLs para padarias.
diados americanos,
atrillaos de mo.
fachinas para cortar japim.
Cautos de clmmbo.
ombfs de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
e naco finas.
Ditas ce bre e lato.
Ferro de todas as qoatidades.
JCt-A s ce (erro.
FoHa lo randues.
americanos.
i i ditos.
Balaros e cestas de vergeinha.
yasse iras cmerieanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tomos e safras para ferraros.
Finalmente muitos outros artig
de seria enfadonbo ennumera-los.
Foa de ferro.
Ialancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
IVis de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trena completos para cozinba.
Peneiraa para padarias.
Baldes galvanisados.
Crrenles de ierro para almanjarras.
espingardas e rcwolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para relina^oes.
Aceite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas-as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertcnces para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencenes lavoura e artes, que pela
SEGURO
Imperial companhia de Londres
Por seus agentes nesta praca
Samuel Power, Johnston & C.
Rua d Senzalla Nova n. 42.
Faz publico que tem aberto urna agencia nesta
praca de seguros contra fogo.
Os agentes eslo autorisados a emitlirem apoli-.
ees, ficando assim os segurados desde logo segu-
ros contra qnalquer prejuizo, que possam solTrcr
causado pelo fogo.
Os agentes esto autorisados a averiguarem
quaesquer reclauaroes e depois de competente-
mente examinadas a saldarcm (como ja tem feito)
por meio de saques sobre a companhia em Lon-
dres ao cambio do dia.
A companhia promette prompta verificacao de
qnalquer reclamagao, assim como prompto paga-
mento, concluida que seja satisfactoriamente taes
verifica cftes.
As pessoas que quizerem effectuar qualquer
seguro bastarlo remelter a esta agencia urna ola
indicando somente a rua e numero do predio que
desejarem segurar ou em que estiverem leposita-
das as tearcadorias. assim como as quantias.
Samuel Power, Johnmoii & c.
Agentes.
Rua da Senzalla Nova n. 42.
estabelecimento para abar
sortimento, por isso querrn) vr
vero quo 6borne uralu.
Caixas de liulias do gaz
50 novellos a .
Latas com suporior banlia a
120, 200 e.....
Frascos de oleo babosa mnfn
lino a.......
Duzias de meias ( inglez.i< i
muito boas a
(torraras com ;agua florida ver-
dadeira ......
Garrafas cora aguadivina dame-
lhor qualidade ....
Caixas com 12 frascos de cheiios
proprio para mimos .
Dita cornil! Irascos muito finos
Oleo baboza muito lino que s
a vista ......
Sabonetas de catanga muito bo-
nito .....
Caixas de p de arroz mailo
superior .....
Pecas de babadmlio com 10
varas ......
Pecas de fita de cus qualquer
largura .....
Escovas para unlias muito fi-
nas ......
Escovas para denlos fazenda
muito fina .....
Pulceiras de con tas de cures
para meninos .
Gaixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de bolees para puniros
muito bonito .
Libras de laa para bordados de
de todas as cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botes madreperoia
muito fino .
Saboneta muito finos 60, 120,
160, 240 e.....
Pecas de fita de 15a todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
13000 e .....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores do caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos y.....
Caivete maflo fino com 4 fo-
ihas-T ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
lazer novo
u mandar
OO
400
400
\ JOOC
1*201
lj)3O0
2o0ft
800
1800
240
600
500
50f.
500*
240
200
600
040
40O0
120
8000
320
320
480
500
320
500
i -y.m
2000
J060
320
i 200
O abaixo assignado, crino herdeiro dos bens do
casal de Manoel de lesas lordao Caldeira c Paula
Mua de Fraga Cajdelra, faz ver aa ruspuitavel
publico e a cumini-.-ao de emancipacao de escra-
vos menores, autorisafla pelo governo da" provin-
cia, que nao aceite qnalqur propona de alguns
escravos pertencenles ao to casal, pois pretendo
propr accao em juizo cortL;a qualquer tran;ac-
eaooo negocio i)ue lizer JPsemelhantn-; escravos
e bens, temi ja proteslad||ereas c dainos mes-
ma commissao, relalivaraaite duas escravas de
menor idade de nome llargarida de quairo anno
e Rosa ile dous ; e para que ni >;ieu se chame a
ignorancia, faz o presente, proceflendo contra
aquelles em juizo, se o contrario o Orer. Recife
0 do sotembro de 1869.
______ Manoel de Olegario Jnrdo Caldeira.
l'iecisa-sc de mna ama que lave e engonnne
para casa de pouca familia : a tratar na rua do
Queimado n. 28, loja,
Aluga-se
o segundo andar e sollo do sobrado da rua da Ca-
doia do Recife n. 60, com bstanles commodos e
muito fresco : a tratar no armazem da Exposicao
de Londres. *
COMPRAS.
Com muito maior vantagem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racaode Ouro n. 2 D, rua do Cabug.
Perdigueiro
Desencammhou-sc um cachorro perdigueiro, de
cor pedrez, com grandes malhas cor dV'caf no
lomb > : tem orclbas compridas da mesma cor :
quem deUe der noticia na rnr. Nora h. IL, ser
bem recompensado.
t) MUSEO
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
R'OO MBUGA-N, 4
onde eucontrarao um completo sortimento cloque ha de mais elegante,
bello e precioso era brilhantes, esmeraldas, rMns e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar..
IDEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos assim como grande varidade de salvas e pajiteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo o*3o de
objectos de prata para uso das igrejas,
.,H*HEM2rjoia ou pedra preciosa e g^t*m
0 muzeo de joias
Ka rua do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
uroepat
Compram-se medas de ouro e prala de todas
as qualidades por bom preco : na rua da Cadeia
Jo Becifo n. 58j8ja do azulejo.
Compram-se moedas do ouro e prala de to-
dos os valores, ouro e prata em obras nutilisadas,
brilhantes e mais pedras preciosas : na loja de
ourives da arco da Conccicao, no Recife.
Assucar de oxido de ferro de
< lianteaud.
O assucar fAj'ugmnte Ai\ rhinind obiiJo
pela oMociaca do oxido de ferro iuU i,- mente to-
i'irrl com o assucar enidaJosamenie purifleado.
Este assucar, de upa baila appare -alia,
lem o simples, aoste mui agradav-l d) assncar,
sein 'i nienor sabor adstringente : na-: tem accao
irrtame sobre a DlDCusa do ertomago e entettino,
e rpidamente absorvido pelo appareih: dig 'i-
vo sem cansar as eonsii&ac3i vei
E'boje o preparado de ferro de i m.-ao
para a ohloroso atola dos orgf: -, i las I rn :as
menstrua(oes diflleeis, etc., e lem i \ avor o
juizo autorisado da c-c^la de medicine de ParsJ
e dos cliiniicos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bai (holomeu & (.'., rua larga do
Rosario n. :ji.
55-rPaia do Uuoiiiiado5o
A \ i granile
<|ii.iiiii1-!- dj miudezas c perfumarias, e e-
sejaudo : dlclieiro o adquerir boa be-
-,l(,;-': rssjlvda a vender niuitissimo
barai. : r pasa razad convida ao i -, i-
lav<-'l!,;' '' Mr compctenlcmeote moni-
do a $ do bomebarato. Pois qa>
lo a tVnade .i['i>.' ca\ ludo mais ites-
apparece....
tiii mente do boaeo .; do en e
nwsaa as idas pom veis veslidas a
racter.
Ricos ra candieiio de gaz a
Chami .......
Grande :o de oitj
lonca; arahrnojocdo de mee
Garrafa rom lin(n a. .
Diacoiu agua dolida rordadeira a
Diui com .!.'f,i dita a .
Frasco corr oleo de babosa a 800 e
Hilo cora ggiu d.; Colonia a 'Q e
Garrafa c. :n aguadiviu i. .
Frasee com extractos linos a .
LaUi pe m baubi mu i
Roa a un e......
Sabnnetes de diversas qoali lades a
so, ir.u.^ke. .....
Finas es ;i denles de lO i
Lindos (-q es moderaos .
l'aviospai i gaz, dazia a "i0 e .
Escovaa ira hete a i1 o, 600 e
Ditas para cabello a.....
Penles para tirar |>iolho a ICO e.
Brincos de ios, .onilos a 100 e
Pcyas de tranca le 13a com H
varas por.......
Oleo para machina de coslu i,
Irasco a........
Penosa i i o as caixas u 800 c
Dita d'a.-o vrrv, santa a.
Galaock' aigodi i pira ....
Lindos baUadiabo* e enliemetes
pi'ca de .'Uv) a.....
Bolita de madrencrola, groza a
Ditos de iouca niul^fmo a 120 e
Dilos para calca a |G0 e. .
Caixa com papel auiizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obrejas a. .
Caixa com agalhas fundo domado
Ditas Je dli;>s ditas a.....
Tliesoura para cosluia a 2i0e
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Carreteis de i.ha Alexandro de 70
at 200. .......
Grampos muito linos com passa-
ros, du::ia a ^
Cartas portuguezas, duzia a : .'
Ditas francezas a 2,j00 e .
Papel almnro e de peso, resma a
:.00. 3500 c .
uaa nmito lina para bordar, libra'
Fita de algodao para dobrum de
sapatos. .era a.....
Hilas iic 15a para debrum du o -
lid'), peca a......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos do Lualo para alisar
a 20, 320 e......
Caivetes grandes com mulla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartoes com colxetes a .
Reectas pn las, par a
JOM
I #600
1^0(0
720
500
i son
i 000
200
3(i
600
320
700
800
240
20O
SQ
GOO
l,->000
uitm
400
1:-5500
OO
200
iO
790
480
40
280-
IGO
500
280
SCO
100
200
l.oOO
300O
'...:no
O-sTC.)
ir,ft
i80
320
Ti aura de la decaracol peca a 'i e
Fita de coz pera a 180 e .
Alfuieles de la!3o a.....
Sapatosde lla para menino a 240
Ligas pac senhora, par a. .
Grvala de si i de cores a .
G-lcadeiras a.
500
320
100
10
100
560
100
800
160
200
80
Vende-Be dous escravo*, pecas, sendo um de
12 para 13 asnos, e outro de 20 "mais ..i menos ;
na rua do Queimado n. l.'I I." andar.
Vende-se um
bonet e banda', pr .
esqaadro de cavaliaria de JaboalLo !
graphia.
Grande sortimento de rendas das Ilhas.
Um par de sosp nsorio do borracha por
loo res.'.':::!:
.\a Vcrdadc risa do Quclntado
. 5,.
i lardamcnl arda,
'Pi'i'i para o eorp de wia on
nesia typo-
I
h
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
e denlro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios: no
lerceiro andar do sobrado n. 36, rua das Crmes,
treguezia de Santo Antonio.
Compra-se um prcto de meialdade : na rua
do Rangel, padanal
ingleza lina a fW o
Vende-so inaifeiga
kilop anima ou 1^ libra, haiatas m vas o iiigo a
l.j'OU : uj palco do Carino, esquina :. ;'ja de
llorta?, armazem n. .
C-tiva.s novas
Chegou de novo pelo Bxtrmadui ompleto
sortiincbo de Invasde Jouvin, de c eseoll idas
ultima moda : no arnvzem do vaa-.-r :ranoez,
rua Nova n. 7.
PTASSA DARUSSE
A inais nova no mercado, a preco raioa?el: m
armazem de Manoel T Basto, rua lercic
o. 13.

0 MUSEO HE JOIAS
.ornaes
embrulho
para
Comp ani-se joruaes pira otttbrulhu a 140 rs, a
libra : na fabrica a vapor da rua larga do Rosario
Compra-so 3 portas em lima eslado, e que te-
nham.altura de I palmos e lirgnra de o; tratarse
na rua l;ir?a d" Rosario, n. Jii.
irmks.
V NO SERIDO
V^de so-Wo S-ri.i.i. ,-,. |h .la v.lla lio ,rdim,
umittiMii.is euudiots segpintes : um lamoso on-
genno do moer com ,v-"'.i e nnr. casa
do mesmo. lem um acudo exirem r indo,
que garante amplamente (amtliax de urna secca,
com immciiso e muilo grande peixo, nina porta
d'agoa construida quasi toda Jo metal, com para-
fuso de fechar c abrir, pela qual banba-se com
pouco Wabalho, por via de rogacOci, cerca de 500
bracas uo trras agrcolas com bastante largura,
que tem atraz do agudo, que toda so acha plaa-
da docaud^tein tambem 120 coqueros preals a
dar fructos e mais ontras frncloiras, iem" quatro
mil e lanas bracas de cerca ein bom estado, urna
casa de vivenda, do tiiolo, e tenas pronrias, tem
1870 brajas demarcadas. Por via das
de agoacoes tem-se semnre urna eunstanie prima-
vera : quem o pretender morar no scr-
ifm. poiier eonv irsar a raspeto com o Sr. ten
Jns Thomaz de Aquino Fereira, na ma da C:id#ia',
casa do Sr. Luiz Goncalves da .Silva & C, quo in-
formar; o qual oslar nesta praca al o dia 23
do correnle.
Charutos e Havana,
e grande sortimento da Babia c F ineiro,
fumo do Para, em magos e em chicotes, dito su-
.perior de Baependy, e oulras muias quaiidades,
que se veudem em grosso e a relalho, na amiga
ca-a de Jos Leopoldo Bonrgard. rua 'a Cadeia
u. I-i. ________
Xa rua do Vigario n 1), escriptorio de T. de
Aquino Fonsecat C. vende-se mercurio, vinho
engan.u'ado MEXEHES, anc&retas espeeiaes, cal
de Lisboa, cera em velas, chapagne e gnac, .-ar-
vao animal, vidros em caixas.
Vende-se um sorrado de dous indares, sito
na rua do Brum, fivgut-zia de S. Pedro Gonaivc-
n. 18, com bstanles commodos, o d;ias cas'inhis
no fund-j do iimiuio sobrado, pin frente paran
"*?*, "mesmp, do mesmo
sobrada sao proprias para um bom estabeleciraen-
to : a tratar no
Salas da Iju, cliente
qnalidadc : na ru., dj Queimado n. 31. loja Je A.
M. Robra & C.
por invco commodo um deposito de cbarotas bu-
lante afregneadp, rua da Impcralrii n.
por ler o dono de raltrsr-se nvra a sertSo p^r mo-
lestia, O local d oscelicnte, nao s par." omp, somb
para outros quaesquer negocios, c fa-
zendas, miudezas, chapeos, ele. eic, prestando so
a annacao para qualquer dcllc
de Apollo ns. 73 o 7">, prensa di> al^od, o.
Bom negocio
Vnnde-se duas pequeas casa
e cal, situadas na Baixa-Verda na apunga;
quem as pretender dliga-se a esta typo-
graphia que adiar com-qiiem tratar.
Oh que pechincha!!
Poreales de duas larguras, enri i is, a 30 rs.
oeovado; s se vende por oslo
grande qnantidade : na casa ths
fronte do Livramcnto. Dam-se i
Ao pubiieo.
Jos Vital de Nogreiros, com loj i o ofleina dr
ourives rua do Iniperador n. 30, .-onde milito
barato,- concerta qualquer joia por motado do pre-
co que em outra qualquer parle, compra ouro ve-
Iho, proto, c pedras precio..;,, ; ser ';om uuo ap-
paregam para saberom da venlade.
Predios novos
-Venilem.se daos casas lrn a Boa
Viila, soJa.BMprlo, o muito bem cjusiruidas : a
tratar com Alexaudrt dos Santos Danos (olaria>
Osabaixosr.signados, proprielaiios dtsfo
eslabelecimento,' declaran! d^reSpcitavil
publico o com especialidade a seus hiimc-
ros frejueze?: que .lesta data em dianto
as mrcidoiias seriio vendidas' a preco lixo,
e moilico! Isto resolveram osmesmos pro-
prietarios em consequencia de reiterados
pedidos de muitas pessoas por ser este
aystema de vendr q que mais garanta e'
confianza inspira ao comprador.
As vendas em grosso, serao feitas cora
os abatimenlcs na razo seguinte :
Compras de 503 a 1003 descont 5 %
> dolOMaBOOj 10%
"00) para cima di L
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra.
O propritaris doBAZAR DA MODA,
observam ma:s que, recebando todas g
mercad*ras de conta propria, oll'erco-n
a quem comprar Indas as vantajesas cond -
c5es das casas in: ponedoras,
O estabelecimento conserva-se aberto
todos os dia.- uleis das G botas da manbSa
s 8 horas dn noife.
Recife, 1 de agosto de 180'J.
./$; deSdhza Soares d- C.
m M t'JUU
DA
O CABO
x. ;7.
sortunnnii'
111.1%
l\UA DO MPi:i{BOR
Nesto armazem ha uui gra
qnartlnlias de diversas qu buhas, mu
gues, jarras para sala, gr;,udos c pequeas, va- *
res proj no para jardim, cacos para d
iios para brnrga, loura vidrada para irn i
canos vid/; vidrar d: I. i, :i, 6 e 10 ni 1-
-ende por prec
mui.o ra:oaviis por ler grande
Peixe abacallioao
[tnlasfria rio-grondense da fa-
brica ele Forreira Guimaraes
& 0.f lo Kio-(irande v
Sul.
Este peixe, r,.--ici preparado de excellenlc i
neira : veade-sr no armazem
Pires i (1, raa da Cadeia u. ', 1.
(M nova de Lisboa.
Vcndo-se aa ra do Anc ora de P.
& Irm-o n. 18.
yndf-se
i
\m o
em muito bom ocal: quam preteuder dirija-sc a
rua DtreiU n. 3, quo achara com quem tratar.
ir


Diario de Pemambuco Tenja feira 21 Je Setembro de 1869.
I

LiaUIDACA
SEDA IGUAL
O proprictari do aruiazcm de fazendas denominado ARARA, ra da Impcra-
trijc n. 11. declara ao respetavel public ) eseus fregueses, que est liquidando odas as
!a< e roupas fcitt que ten em sea eslabelecimento como se poder ver no seu
ann.id'i c preco abaixo mencionados,
CMtafrfrttMCmamatizadas Algodo enfestado 900 rs.
,. 3* rs- Vende-se algodo entestado proprio iara
\ ml.-.M' clnlas francezas escuras matiza- ,en(.es e toa|j,aSt 9 rs> 0 mell-U) t|it0
(kiiBi rs.o covado por este preco sona iran(.aj0 a ir5, metro.
Iiij da Arara, ru.i da imperatriz 0. 72. f,
luja da arara, rtu aa impe
I.U/.INIIASA VKS.
Venli'-si' laazinhas par-a vestidos de se-
h ira a _'iU. 280. 3O c WO rs. o co-
vado.
rvi:i;i;s di-; la a soo rs.
Venl.'-se liareges de la coin listras para
fejjMos de senhora a iUU e GM) rs.o
Mirado.
Alpaca* de listras a rs.
Ve:ide-se alpacas de li-lias para vesti-
das de senhora a 808 rs.o covado.
CHITAS FUANCEXAS A 299 RS.
V.-i lo-so hitas francezas claras a 80 rs.
m catado.
COATES DE LAA PARA VESTIDOS A
2AUHI.
V-nde-se cortes 4 J la para vestidos de
UtitlOra* :i 2->HK> rada um,
PEMULKS A IM USO COVAIX).
. Veadft-se percales milito tinos para vts-
lu-; de senhora a 140 rs. o covado, miir-
solmas brancas linas. aOO rs. o covado,
brillantinas de cores, a O rs.o covado.'
Baffc* modernos de todas as
cores.
Vende-s haloes moderno sbranco ede co-
res a \h. *#8OeMI.
ooaeRToaEs de adc.odao a hsoo.
Vende-se cobertores de algodo a 1-5500,
cobertas de chitas a I 000 e 2# cada urna,
GANGAS PARA CAU'.A A 320 RS.
Vendi'-fe ganga para calca a 320 o cova-
do. lirim le cures paj? cairas de hamem e
in-nios a i!)0 rs. o covado, casemiras de
abres para calca o palitots a 2$500 e 3>,
o cjv.nl i, m.'ias casemiras entestadas para
ise. palitots a I.** o covado, brim pardo
ie todas as ijualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da Imperatriz
n. 72.
Alpacas lizas a IO rs.
Vende-se alpacas de c6res lizas finas a
6) rs. o covado, tarlalanas de cores a 320
rs. o metro.
M.UUPOLJto ENTESTADO A 35300.
Vende-se pecas de madapolo enfestado
* 3J500. pecas de madapolo inglcz de 2i
Chales de merino 3$.
Vende-se chales de merino estampados
a 25, chales brancos e de cores a I,->Ot0
cada un.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A 64U RS.
Veude-se urna grande pcele de cortes
de brim castor para calva de liomeai, tiiO
rs. cada ora.
Grande porco de rctalhos
Vende-se grande porco de retatiios de J
chitas e cassas pretas a 100 c 200 rs. o|
cova io, retalhos de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
LIQUIDAS! A ROUPA FEITA
Vende-se palitots de brim de cores a 2$,
ditos de alpacas de corea a 2-5. di os de
meia casemira a 2-5 e 2->'00. ditos de pan-
no preto bom a 8$ e 105. caifas do algo-
dan azul para escravos a OiO rs. ditas de
algodo do listras a 800 e 1, camisas de
riscado do listras a 800 rs. cada urna, col-
tes de brim o fusto de cores a 15 e loOO,
colotes de cesemira de cores a 26390 e 35,
e outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preeo.
Algodo de listras a 300 rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para ruupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A Mi.
Vendem-se pecas do algodo 45000,
55*00, 65000 e 75, para lipiMar.
Baldes de arcos l30i#.
Vende-se bales de arcos par senhoras
pelo baratissimo preco de 15300 cada um,
Cortes de caml>i-aia barras
a 3A01M.
Vende-se corles de cambraias barrea a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDV A 010 RS.
Vende-se lencos de seda a 'iO re. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 15-
Vende-se carteiras para
cada urna.
as mm SEDAS
11-RUA DO QUEIMADO-11
Chegaram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto & C. ricos
corte! das mais linda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e casa-
mentos.
Grande variedade de sedas de listras de diversas oreos todas de lindas cores,
gorgorito de seda prela, e grosdenaple de varias qualidades e. gorguro de seda la de
dillerentcs cores. JJ
Novos vestidos brancos de hlond para nnvas; lindas roixas bV seda para camas,
ditas de laa o soda, cortinados bordados para camas e jaii-jlta, fronhas t toalhas de
cambraia de linbo bordadas.
Luvas nevas de Jouvin.eelegantes sombriahas de se las de cor para senhoras.
Espartilhos de 55 at i05, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, liasquinos de renda prela, e ditos de croch branco e pelo para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para Iioiiiiis e mininos.
Soitinento de mudas fazendas de la, linlio o algodo tolas por presos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e cimas, pe<;j d; tap les o de alenlifa para
forrar sales ludo eni ipianlidade; e ve:idem seaipre[por menos ipie en oulra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
m
DE BAILE
Chearam pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindissimas saludas de bai-
les, ricamente enfeitadas, o melhor gosto que tein viudo ao mercado : ra do
Crespo ii. 13, loja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos.
n .i
Giande e rumplcU) sortimento de inacliiuas para
descaroear algdaode nova invencao ebe^adas ul-
liinanieiite em dircilura para a loja de Manoel
Iltiiiii de Oliveira Braga & V... na ra Uireita n.
53. Garante-se i|ue a melhor i|ualidade que at
prsenle lem viudo an mercado : acbam-se em
exposii;ao aos cumpradures.
yjrstema decimal.
Grande e cmplelo sorlimenlu de pesos kilo-
grainmos de mellior eoinpreliensao dos que tena
vindo al o presento, assim como marcos de lalao
al meio grammo pelo mesmo syslema, balancas
de lao de forra de 5 a 20 kilogrammos, metros
de madeira e de lao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de niiudeas o ferragens de
todas as qualidades, ludo por precos que so a vista
faz crdito : na ra Direila u. 33, loja de Manoel
liento de Oliveira Braga k C.
viagcm
u
jardas a 5,5, 0,5500, 7-, 8-S e 10,^ a pe?a.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 30 rs. o covado,
ellas antes que se acahem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
vai vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e quem se quizer surtir de fazendas
e roupas feitas para a (esta pelo preco que lbo agradar, se poder dirigir a ra da
baperairiz armazem da ARARA, que estar aberto todos os dias uteis, das 0 horas di
maahla, !) horas da noile.
72. Ra da Imperatriz. 72.
^.nn^mjLiDM
n
n
raJriz
O propietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
n. 58, declara ao respetavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
>' desojando diminuir este grande deposito por meio de urna liqoid ivao que fin-
dar do dia 13 on 2J do corrente, por isso convida ao respetavel publico a vir surlir-
r de boas fazendas, e por diminuto preco. a saber
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas ranoezas largas a 280,
320 e 3G0 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
10000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lenroes a 1(5000, dito liso enfestado a 900
o mitro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 R6.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
HADAPOLO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 3^300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a H, U, 70, 80, 90 e 100, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
n'iora a OO, 240, 320, 400 e 300 rs.
covado.
BA&EGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Veade-sa barege de listas para vestidos
a 500 e GiO o covado.
\LPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
.. ims. 0 COVADO.
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 2-5300.
Vende-se casemiras de cores a 20300 e
30000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca prc-
ta a 30000, ditos de seda a 100 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de bomens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
o covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Ra do Queimado ns. 49 c 57
tojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Main, esid acabando
com as miudezas de scus csiabe-
lcementos por taso f/ueram apre-
ciar o que e bom c baratissimo.
Pecas de liras bordabas con 12
metros, fagenda superior, a
10500,20, 30 e...... 40000
Caixas de linba com 50 novellos 500
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......20000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......10500
Duzias de meias cruas para ho -
mem a........30800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 altos a 0200
vros de misses abreviadas a 20000
Duzia de baralbeo francezes muito
finos a2 5400 e.....208OC
Silabario portugoez com estam-
pas a ........ 03o
Grvalas de crese pretas muito
linas a........ 0300
CariOes com colcbeies de lato
fazenda fina a...... 0020
Abolladuras de vidro para colete
fazenda lina a. 0300
Caixas com penna d'aco muito
tinas a 320, 400, 500 e 10000
Carloes de lnha Alexandre que
tem 200 jardas a 0100
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a...... 0100
Caixas com superiores obreias
de massa a 0040
Duzias de agulhas para machina 20000
Libras de pregos Irancezes di-
verso tamanho a. 0240
Livros escripturado para rol de
roupa a........ 0120
Talheres para meninos mnin
linos a. ,...... 0240
Caixas com papel amizade muilo
fiuo a........ 0700
Caixas com lOOenvelopes muilo
finos a........ 0600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... 0320
Tbezouras muito finas para
, unhas e costuras a. 0300
Tinteiros com tinta prela muito
boa a 80 120 e 0320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 01GO
Pecas de fita branca elstica
muilo fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 20300
Grozas de botoes de louca moito
linos a........ 160
De superior qualidade da mu accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Machinas vapor de
forca de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavados.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
nsar algodJo.
Balancas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar carcas.
Fogao americano patent
GALLO VIGILANTE
Eltia 1 Crespo n. "3
Os propndtpriMa de*le beui roubpcidn eiabch)-
cimeiilo, alin dns inuitos nijerios ipie liiiliam Xr
pastos a a|ircei;uao ti. resiel,'ivi-l |iuhlico, in.ni-
daraai vir e ai-aLaiu ia rwwMT pvlu ultimo vapor
da Borona un evunleta e mnaio sortiiuento de
linas e mili delirarlas esiierialidadet, as quacs e*-
lao resolvidos a vender, como de sen eostnme,
por piceos muilo I.Mi'alialuis e eotiiuiodos )ara to-
dos, com ranio que o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas c de mui lindas cores.
Mi bitas e bonitas gollinlias e pannos para se-
nhora, neste (enero o que ha de mais moderno.
Superiores puntes de tarlaruga para coipies.
Lindos e riipiissiuios enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores (rangas pretas e de cores com vidri-
llius e sem elles; e.-ta fazenda o que pode tiavcr
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenhos, e ates pretos.
Muito superiores meias (io de Eseosia para se-
nhoras, as quaes seiupre se venderain sur -'JOOO
a dn/.ia, entretanto i|iffi nos as vendemos por 20,
alea dwtac, temos tamiem grande sortimeulo le
onlms qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marital nona lindas iiwmaiiHilwiM lgn
rasdomesroo. ih>u- genero o que de melhor se
pode desejar ; alera dess temos tambera gHwao
i|iianlid'.lo de nutras qualidade, como sejain, ma-
deira, lialeia, uo, bo racha, ele. ele. etc.
Finos, bonitos e airosos chico ti nhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
liara segurar as meia.-..
oas meias de seda para sennora e para meni-
nas de 1 a t anuos de dado.
Navaihas cabo de niarliiu a tariaruaa pan fazer
barba ; sao muiUi lioas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo faln cante, e n* por nossa ve: Uni-
bem assegurain-s sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva._
Superiores asulhas para niaeliina epara crox.
Lkiha nmito boa do peso, frouxa, para encher
labyrinlho.
Bous baralhos de carias |iara voltarete, assim
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das mclhores per-
fumarias e dos nielliores e mais conhecilos per-
fumistas.
SOLARES DE ROE.
Elctricos magnetices contra as coovulses, e
facilitara a dentie das inaucoutes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e cxmtiiiuamos a recebe-los |ior todos os
vapores, alini de que nunca faltein no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois poderao aquel-
los que delles piecisarein, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraran destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao appcados, se endero com un mui
diminuto lucro. .
Rogamos, pois, avista djscbjeclos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes amigo a virem
comprar por precos muito razoaveis a loja do gallo
vigilante, ru do Crespo n. 7.
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa
coramercio n. 32.
de Tb. Just. ra do
BAZAR UNIVERSAL
8Una Nora**
Carneiro Vianna
Neste BAZAK encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dera por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima cxposK'o servicos a electos para alrao-
Co e juntar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa,
(parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manleiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de bataneo,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quaoros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e aesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escrptorio e
muitos outros artigos que se encontrarn
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a peni ir examinar.
Extractan! carnis
manguitos
para senhora a
a 1)5000, para aca-
Vend;iin-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covadopropria para vestido de' Gollinhas e
Sinbora. 500 rs.
SEDAS DE CORES A U. D'tas de linbo fino
Ven res para vestidos de bar.
senhora a $ o covado. {GRANDE SORTIMENTO
I'OUCAO DE RETALHOS. j DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUALIOADS.
Vende-se urna porco de retallos de cas-: Vende-se a roupa feita por menos 2b' ou
de la e sedas e de outras fazendas 30 por cento do que em oulra casa: por
por muito barato preco. j isso os pretendentes podoro vir examinar
A* lies mes que se acabem. para ver areadade doannuncio.
CHALY DE CORES A 800 RS. Vdlbutina preta a 320 rs. o*covado, para
Vende-se chaly de lisias de seda a 800 rs. acabar.
o covado. i BALOES DE ARCOS A K5500.
CHALES DE CASSA A Venden:-s bales de 20 e 30 arcos a
Vende-se chales de cassa a i, c de me- i;>50# cada um, ditos modernos a ift.
rifk) a 25. BRIM HAJfBURGO A 8(J000 A PECA.
CORTES DE LAA A 200 RS. Vende pecas de brim lizo de Uam-
Vendem-se cortes de la de listra para burgo a W, vera a ser mais barato do que
vestidos de senhora a 2#i00 rs. para ac- algodosinho.
bar. CORTINADOS A UOOO,
ALGODO A PECA 40000. Vende-se cortinados para cama a I4
Vende-se pecas de algodo a 45, 50, 60 para liquidar. Ditos para ja&ellas a 70.
e 70 a peca. E muitas outras cousas que Todas estas fazendas se vendem muito
seria enfudoalm monrJ-'iv. barato na ra da Imperatriz n. 5G.
Este producto alimentacao para doentes, mui
aproprjada para rreancas e para as pesadas siaa;
indispeiuavel a todos, porm, principal .lente aos
viajantos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incarruptivel, e
que coin facilidade se aprompta e se cunduz, por-
que n'iim pequeo vohjnie carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretodo ebatna-se a atien-
elo dos seiiluoes de. engenlios que encontrarao no
EXTltACTL'it CAUSIS o recurso de. alimentacao
agradavel, h>gieuica e barala para seu- fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico l)r. Ubatuba, no Riu-Graiulo do Sul,
que acaba de crear uio deposito nesia cidude em
casa de Jes* Victorino de Kezendo & C, i ra da
Cada, escripturiu n. 52, primeiro andar, veuden-
do-se :
No deposito a ra da Cadea n. 31
as pliarmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma-rua n. 61.
Joaquim UeAlineida Pinto, a ra largado llosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, pnca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que coutem o extracto irazem
una guia para sen uso.
Scboncte de alcatrdo.
M
Antonio Nuries de Castro.
Este acreditado preparado, que to-bos
acceitaco tem merecido n'esta provincia:
muito se recqmmenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e toda& u
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu iPC,
34ra larga do Rosario34.
^ceFeto
POBTLAND.
Vende-se no armarem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filbo, defronte do arco da Con-
eeicao, em barricas grandes.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna elli.acia venladeiramente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, suf icagoes, catharros,
bronebicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vas respiratorias, c
ni phtisica pulmonar, sua virtade contra
o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
contestavel, e ningaem ha que a desconhe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
Novidade.
UVAS EMACAAS
Cbegaram no ultimo vapor da Earopa, e achara-
se venda no petit restaurant do Hotel Central,
roa estrena do Rosario n. 4 A.
Vende-se gela de mSo de vcaca em
pequeos copos i rs.: na ra' da
Cruz n. 13.
Jos Mara l'aliueira continua ven ler em seu
escriptorio,.largo do Corno Santo n. 4, 1* andar
Potassa da Russia superior.
Lonas da Russia de superior qualidade.
Briiizoes da Russia de superfcr qualidale.
Cemento Portiand.
Dito Remano.
Pao de algodao do commendador Pedroso.
Vlnho Bordeanx._______________________
CERVEJ4
Vndese cerveja branca Bas a melhor do mer-
cado e engarrafada por E. & G. Hibbert a 7f a
duzia na rna do Commercio n. 22, armazem de
Eduard Fcnton, onde tambe-n ha a venda cerveja
preta do afamado Barclay, de Londres, a 8000 a
duzia.
Loja de miudezas de Ferreira da CuuhaA
Temporal, ra do Queimado n. 153, est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) I200.
Caixa muito lina para p de arroz 10500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 1.0300.
Agua divina idem 10400.
Gravatas pelas para homem 4 0 rs.
Pentes de Iravessa para menina 320 rs.
Olio philocme verdadeiro l.->200.
Aderecos de plaqu 10500, 2-S e 50.
Meias cruas para homem 3 >500 e 40 a
duzia.
Botoes enfeitados para vestido, 10200 a
duzia.
Leques do santul i 5>, cada um.
Ditlos de madeira 30 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 20,
20500 e 30 cada um.
Meias linas para senhora 40 a duzia.
Banha em frascos a 400, 640 8 1)1200.
Frascos com estrado muito fino 20 e
20500.
Caivetes de dnas folhas a 2i0 rs.
Sabonetes linos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 100, 500, G;iO e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas 200 o. 40 rs.
Caixa com extracto 34800.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com cosa de metal
320 rs.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Galo de la para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 10500,
20 e 20500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 10.
Dittos com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas ICO e
240 rs.
Laa para bordar de todas as cores (libra)
G08OO.
Bonets para menino 15, 20 e 20500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M ias para menina (duzki) 30 e 30500.
. Pecas de tranca liza e de corqeol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e800,
Capellas francezas a 20500.
Facas e galios, cabo de balanco (du-
zia) 70.
Chicotes paracavallo 000, 800 e 10500.
Bengalla de caima 10, 10500 e 20.
Vortas para luto 500 rs. (Cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 10500.
emporal pode ser procu-
racl(fm seu estabelecimento bo-
emporal contina
A NOVA ESPRALA
21itua do Queimado 2
Advertencia!
A Nova Espejea, -i ra do Oucimafl
n. 21 tendo em depos Vquantidaria
de miudezas, e como se approxima o lem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne, ao respetavel publi-
co, que est osolvida a vender suasmer-
cadorias pelo baratissimo preco, para usim
diminuir a grande quanlidade das que
lem: assim pois, venbam os bous fregue-
zes, e os que nao forem venbaoi ser fregu
zes, em tempo lao opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os petbincha
rem, pois que para comprar-se caro, na*
falta aonde e a quem...
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer aem
pre primar em nos remelter objectos de
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rect?
be, e por este lidar continuo (d'ambos) a
Nova Esperanca na do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j.i tinba.
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos d*
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeilar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Bo'tes de todas as cores e moldes novo*
para o me6mo tim.
Trancas pretas com vidrilbossndo con
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilbo com pingeo
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camorra e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar
Dm, osso efaia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento d*
miudezas ra do Queimado n. 21, aa
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magneh
eos contra as convulces das
ere a ncas.
N3o resta a menor duvida, de que m'uiui
collares se venden por ahi intitulados ct
verdadeiros de Royer, e eis porqae muiu *
pais de familias nao creem (coiprando-o*,.
noefeito promettido.o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, pora
que detesta a falsilicaco principalatente ti*
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares,
e garante aos pais de familias; que sao. o
verdadeiros de Royer. que a tantas creau
?as ten salvado do terrivel incommodo d
convulces, assim pois preciso, que ve
nbam a Nova Esperanca a ra do Queima<
n. 21 comprarem o salva vida, para seot
filhinlios, antes que estes sejam aconmiett--
dos do terrivel mal, quando ento ser i
fficil alcancar-se o efferto desejado, embor;
sejam enipregados os verdadeiros coUarw
de Royer.
nanc,a, emporai conunua a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
preqo que venda em sua loja
com titulo "de emporal.
Para cabriole!
Vende-se um rico cavallo, bonita estampa, gordo
e manteado, muito trotador, bom de cabriole!; na
cocheira do Thomaz, ra de Santo Amara, defron-
te da e&tacao.
m mm
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster a
C, ra do Imperador, ana carregamento de gai
de primeiraqualidade; oqual ?e vende om partida;
e a retalbo por iaenos preso do que em outra qual
quer parte.
J cordeiro previdente
Ra do Queiiuatlo u. 16.
Novo e variado sortimento de perfumaras
tinas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, sui>emr-
lade, qualidades e commodidades de pre-
sos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
i espera continuar a merecer a apreciac-
io respetavel publico em geral e de su:,
boa freguezia em particular, nio se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidik'
a barateza. Em dila loja encontrarao os
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Laminan.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos memores e mais acreditados
fabricantes.
Dila de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elxir odontalgico para conservaco do
jssein da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ebei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoeza, transparente
a outras qualidades.
Finos eitraclos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de'cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambera para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimento do coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhes
e alguns d'elles ornados de flores e filas,
esto todos expostos apreciacao de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obraade muito gosto e perfeico.
Flvellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec .
tos, ficando a boa escolba ao gosto do con\
prador.
r
i


Diario de Peruambuco Tei\*a feira 21 de Seleiubro de
1869.

--------
testa venda wu esoolkid urtnvaio ile ol
lelos de mtranet a, comu sojam, mol lia* de ja-
caranda, mogno on'ir.rcllo, obra nacional e estran
feira, de apura e por pn;o< razoaveis
na ra estrella d<> I (osario n. 3i. Nesta mesin?
casa fazem-securn p.rfeico lodos os trabaltios palhiaha, como sojam, cmpalhaineutos Je lastro*
para camas, cadeiras e sopns.
nuwr~
l'oineiras
trrossuras
ni ii'.
para passagem d'agoa, de diversas
na na do Queimado, Azevcdo & Ir-
7
A ra do Limimuite D. G. contina a lia-
ver para vender p r precos rasoaveis, o
mdhor vinho verde al boje vinilo a este
mercado.
EM CONTINUACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
A AGUIA BRANCA le conviccao de -pie a abundancia de objectos de novidade-
Gra va raspa trio'icas.
Pi'le ultimo vapor enegarain de oacomntenda
especial grvalas brasileiras, ame verde para os
prximos festejos la emirlu-ao da guerra. A ven-
da o casa do eabcllereiro Ja vine, ra oo Quei-
inado n.
(>a9& aa wmaea9Uh^ m
DE
PM
Garntese a easa, portant faz
canta, itestamln apenas nlgamti
mercadoi as e armarn da liqui-
da a i do aroiazero da luja ra
_._, Nova n. (iu: fai-sc sciento ao pu-
xmh^Mir-o interessado, i|tie liqnda-se a
gB armaran o tncreadiiiiM existentes
*mt anda do dito armazn, o |">r con-
sequencia negocio inconie-la-
vclinonc v&ntajoso, visto qne se
fl inte a rasa : quem pretender
dirija-se a tratar no mesmo aima-
bBA lom.
LIGA
K BMBKi nWI Wm ncw oKUaBfii
CIMENTO
Vende-se veidadero fulo ; na ra da
Ma Ir de Dos n. 2, armazem de Jle
Marlins de Barros.
N
FLIX PEREIR1 IBA SILVA.
O proprietario deste graude esiaheleeimento leudo sido n arrcmalante da
exmela Ioja denommada=/A/{D/l/ DAS DAMAS=i na da mperatriz n. :!(i, e nu
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a lupidarao da grande quantidale de
fazendas que all exstiam. pelos poucos das que teve at entregar as chaves, vio-se
obligado a pasear a inaior parte dessas fazendas para o seu esiabelecimento, oPAVAO
onde o respeitavcl publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linlio, laa, algodao e seda, que se Ihe vender muito mais hara'o do que em oulra
qualqner parle, eom o lim de apurar dinli.it o, e as p-ss,>as que nogoeiam em pequea
escala, lano da praca como do matto, nesta casa poderJb f.i/.er seos soi timantes em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lhes pelos \mVl qiw Sn comprara, n s
casas inglezas; assim como as excelleutissiinas familias poderao mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas, ou mandar-sc-ha levar nulos taeiros da mesma loja em sitas
casas; o esiabelecimento se acha constantemente aberto das (i horas da manlia as 9
da noite.
Explendido sortimento de wonuau do pavao pats v escravos
TOlipaS teitaS Vende-se urna gratule ponan de esta-
NA LOJA DO PAVO BA DA menlia meselada, propria para vestidos de
MPERATRIZ N. CO cscravas, camisas e calcas para moleques,
Aclta-se este grande esiabelecimento com- sendo orna fazenda escura trancada e tnuito
plelamete sortdo das melhores roupas, encornada, pelo batato proco de 200 rs.
sendo caigas palitots e coletes de casemira, o covado, fa/enda que se.mpre se vjndeu
de panno, de brim, de alpaca, e" de todas por muilo mais dinbeiro
as mais fazendas que os compradores pos- Cortiuados
sam desejar, assim como na mesma loja Para camas ejanellas.
lea um bello sortimenio de pannos casemi- Vende-se m grande sortimento aos me-
** ^IMA156
50-
jOl
Na pitermacio do Pnlo ra
Larga do Kosnro n. NJjnI
aoqunrtel do oorptM|p|M)iic8.
Aiham se constanlenienle promplaa .1 >n-
rem salisfeitas, as ptvscripces dos Sis.
laculIatraM, e as nea'SMdadc- dui enfer-
mos, as especialidades da mesma plianna-
fia, composlas de medicaiMenlo?, lantoin-
digenas, como estrangeiroe,
Tosse e molestias do
peito.
Xaropes de fedogoso.rabo delal, Agriio
pao Cardozo, juca, mulutif, mulataba, (!.
ele. ele.
Rheumatismo o irrofesti*
sypliiliiejis.
Arrobe rgete), xavone de SalfaparrMta
do Para, pilulase xarope do voan, bu-
lina e sarape do ropira.
ojulifio ele.
Emplastro, oleo. iionuG
dever scienlilicar a todos, da recepcao d'afjueHes objeclos que esto alm do commum"
como bei sejara :
Bonilns ramullas de ffiadeiras envernisa- Pannos de crochet para cadenas
das, contende, navalbas e os mais necessarios I Novo sm lmenlo de toalbas de labyrin- WOCIMjaS (10 \%m C BK'0, aiIMfilir
para vtagem, semndo ellas de carleira* Um, para baptizados.
1 nti T ., np[vh e bico de 8"Pm-, branco e
Outras conforme aquellas, proprias para preto.
seahoras. pio proln> (lo sef]a< cnm sa|.,jcos#
uutras maclietadas, com thesouras e os Pequeos e delicados espanadores de
ma.s necessarios domados c demadrepe- pennas coloridas, proprios para piannos.
rola gara costara, obras de apurado gosto oratorios, de.
Bonitos passarinbos de mclal prateados,
para segtirar costaras, leudo atmofadinhas,
de velludo para agullias e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco'
peinas para frisar babadinlios.
tintara, fil-
ilas, xarope o vinhti da milagrosa Jllli-
ras, hrms, etc. etc. para se mandar fazer Ihores e maiores cortinados bordados pro-
qualquer pega de obra, com a inaior promp- prios para camas e tiara janellas. -ru se ven-
dao a vontade do freguez, e nao sendo dem a I2?000rs. cada par al 25,8000 rs.
e perfeigao. proprias paro um bello "pre-
sente, tendo algumas com musi;a.
Estojos ou ca teiras de ce uro com na va-
inas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MABEIM
Para unhas, denles, cabello e roupa.
Outras de balea com inachctados de ma-
dreperola para os mesmos (Ins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para denles, canelas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capel'as com veos para noivas.
AGLI1AS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
merecen ao fabricante o pomposo Ululo de
.\0n-plus11ltra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sera duvida me-
Ciulos de brim, com elstico para se- r'i0l-'l;i ,,;iS'"telligenles senhoras, a devida
cores,
com pin-
DACO
Utia do Imperador 11. 26
Xes:e MfatiilanWlhto se Meontrari diariamen-
te 11:11 rompido toriimenM de paslelaria de todas
as qu.iliil.iili's para laaeh. e soliie-inesa, ele, etc.,
DOMOS de todas as (pialidades para ella, presun-
tos de liamlne, bolosinglezes, pudias, e linalmente
'ido ipie consiste em nina boa pstela ra, coma
maior nsseio e esmero, cM hysson, preto e mhidi-
nlio do melhor jue ha no montado. Nesla casa
'rcelu-io-s,' encoinmemlas para casainentos, bailes
1 ,'iaplisados, compremeltendo-sc os donosdoes-
a befodmento a ser ir o melhor que for po*slel
; voni.ile do frefnet, di ani eoin|ii.>to peatotl. KMene-mi avulso toda e
ipiabpier ein'ommend.i, como sejaoi, bandejas,
odose p.ies-de l decorad >s, doces d'ovr-s, seceos
''ileeatLie erystalisados, inicias nacientes es-
ran.-'i'ir.w, amendoas confeitada*, um completo e
'arfado soitnneiito de raixiiilias de Iodos os postas
e lirecos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
itia- reeenieinente ehegadas do l'ails, sao de pri-
noi:.d 1 go M, olferere ni d:n nos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acl.arao mi digno e serio
preSQMM p.ra as dona< de -cu peusamenlis lico-
:es. viuhos linos de todas as quaidades, conservas
laindIlUH en latas. Os don os deste eslabelecimen-
s na 1 se pnip-inl) despean, ii-n tolos os
itoivo< para servir o respetavel publico o me-
t or que for possivel. a sendo principiantes lu-
jando com todas as diilicnlJades, esperain a cou-
eofroneia do respeitavcl poldico desta capital, 11a-
dooaea e erttvangeiros. PerMacha : legitimo vi-
nho niuscatelem eaixas, que se vende por comino-
do proco para particulares e para negocio.
aTTEN&rO 1
j Grande e til no- jg
m vidade. m
Tabellas coiiiparativas los pr ms de
M qoalipier genero de peso polo utijo svs- ega
3 bina ao moderno MTRICO DEClItAL, 55
flB| Irabalho luje do.grande utilidide, por- s8
&i ('i! com 11 o simples finlpo d-* vista ve- Jjgg
^5 se a relacEo do preeo da libra ou da ar- |
*i raba eom a kilngraauu seai se perder H
jBjji una fraceao, poopaodo assim o tra- gj
;^ balho de (xter a calculo e evitar de si ^
Sj os engaos. Balas tabellas sao boje in- g
'W{ dispi'iisaveis a lodoa que negociain com fi
'si algodo, assucar. couros xaiqne, mo- s
S Ihado-, lerrageaa e todo qualquer peero g
Sg 011 artigo de peso. Alguns cxemplares g
^2 que restan, vende-se na do Crespo
iSa 11- 1, loja dos Srs Andrade & Mello, g
3 Madre de Deus a. i\, arm:aein do Sr. jjj
Aiionm, e Vigano n. I, priiueiro andar. 5
I
es
bordadas a
fazenda do
Novidade
P a r b a i
Ricos corles de tarlatana
\!a. com o campo prateado,
limo gosto; tambem ha setim brancoe
de cor (Macau) para assombriado des
mesmos.
Pira baptisados
Ricos envovaes de cambraia branca bor-
dada com todos os pertences.
Para casamentas
Ricos cortes de jlond de seda com as
competentes v:as capellas; tambem ha
moreanlique, gorgor3o e grosdr-naples ludo
branco para o mesmo fim.
Para passeios
Ricos cortes de seda de curo Dretas,
sedas de tudas as quaidades, pelerinas de
tilo de seda ultimo gosto para hombros das
Rimas. Sras. fejumes de guip brancas e
pntaa ultima novidade, poupelinas de seda
e lintio, cliapebnas pretas enfeitadas de
:. panteadores, camisinhas, saias bran-
cas bordadas, ptinhose gobnhns no mesmo
gostii;- sititus de seda de cores e pastea
ultima novidade em Pars; linalmente
outros mijitos artigos de gosto, os quaes
sa tornara raassada ptiblica-los por serm
de militas especies. Recebem-se novidades
por todos os paquetes, todo descrito se
cncontra na- loja do Paco, a roa do Crespo
ti. 7 A.
Vende-so am balcao em bom estado,
proprio para esiabelecimento por preco
commodo: na ra da Cruz n. 13,
obligados a acceila-las, qliando no stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este visto esiabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francesas e inglezas, ccroulas de
linbo e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens c senhoras promet-
tendo-se-lbe vender mais barato do que em
outraqualquer parte. Na ra da mpera-
triz n. GO, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Ilspai-ilhos a S^OOO na loja do
Pavo
Vende-se urna grande poreo de esparti-
Ihos modernos com o competente curdo,
tendo sortimento de todos os tamanbos, e
vendem-se a 3^1 cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A i 800
Cliegou para a loja do Pavao, ra da
mperatriz n. 00, urna grande poreo de
pe?as de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de uro lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-so pelo
barato preco de 16800 res cada metro,
leudo esta larga fazenda, outras militas, ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pecbincha pelo proco.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se onu grande poreo de cera de
carnauba em saceos, por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da mperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
MUSSELINAS DE COR
Vendase as mais bonitas musselinas de
cores a "j()0 rs. d covado.
AS BASQUINAS DO PAVAO
Cbegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados, sendo com os
(cilios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muilo em costa.
FAZENDAS PARA LUTO
Na loja do Pavao.
Encomia o rcrpeilavel publico ueste esiabeleci-
mento um grande sortimento de fazendas pretas,
nomo sejam, cassas francesas e inglezas, chitas
pretal de todas as quaidades, fazenda de laa de
todas que tem vindo, proprias para luto, como
sojain, laaiiohas, alpacas tarradas e lisas, cantan,
bombazinas, merino, ele que tudo se vende por
precontrato.
NOVAS BASQUINAS COM CINTO.
C.hegaran :.s mais modernas basquinas de gros-
denaple preto, ricamente enfeitadas, sendo de um
feitio intolramente novo, com neos cintos largos, e
vendeni-se por preeo razoavel
CA88AS FliANCICXAS.
Yende-sn um elegante sortimento das mais finas
c mais med irnaa cassas francezas que tem vindo
ao mercado, sendo com padroes miudinhos e
grandes, e vendem-se por preeo nnto em conta.
AS SEDAS DO PAVO
'Vitas novidades.
Pelo ultimo vapor ehe-jaram para loja do Pa-
vao, tpie vende mais barato do que em Outra qual-
que' parte, as sedas segnintes : ponpenas ou
gorgnrdcs de linho e seda, com os niais> delicados
pulroes, sedas de listras, padroes inleirauenlu
novos, groz de todas as cores, sendo verde, azul.
Krio, rosa, cinzento, etc., etins, branco, azul,
verde, rteo, lyro etc., etc., assim como um gran-
de sortimento do grosdenaples relos de todas as
qoalidades, e superior gorgurao preto de seda
para vestidos e colletes.
AGRAC.IANAS.
Chegou esta nova fazenda c m o nome de Gra-
cianas, sendo de urna s cor, 1) rio, rxo, verde,
azul, etc.. etc., e milito encorpada, com lusnepro-
priamenle de seda, sendo melhor o mais hiodonia
que este anno tem vindo para vestidos, c vende-
se polo barato preco de 2J o covado.
ALPACAS LAVJUDAS
Na loja do Pavao.
Chegoii pelo ultimo vapor um grande sorlimen
to das mais modernas e mais bonitas alpacas la-
vradas para vestidos, t^ndo entre ellas algumas que
fazem a vlrta propriamente de seda, e vendem-se
por procos muito em conta.
GRGURO PRETO.
Chegou para a loja do Pavao o mais oncorpado
gurgurao deeda preto para vestidos e clleles,
que se vendo mais barato do que em outra- qual-
quer parte.
MVDAPOLAO FRANCEZ
A 7000, s o parto,
Vendem-se pegas de madapoln francez com 2
meti, pelo bara'to preco de 73000, dito entestado
com 20 jardas a 7|000, assim como Bnissimos tria-
dapoloes franceze.s e inglezes, ditos de jardas, que
se vendem mais barato do que em outra qualquer
parle, por haver grande porca
AS CASSAS DO PAVAO
al. a 300 r?.
Vendem-se fiaissiinas rascas francezas eom lio-
dos desenlios e cores fixas a oitO rs. o cuvado.
CUITAS BARATxS
Na loja do Pavao
Vende-se urna grande porgo de chitas escuras.
8 claras, de cores fixas, por precos que admirama
par ate 25^000 rs,
isto na ra da mperatriz n. GO, de Flix
Pereira da Silva.
RALOfiS MODERNOS E SAIAS DE LAA
Na lj do Pava 1 vende-so os mais mo-
dernos bales ivguladores lano de musse-
lina como de Ha de cor, e as mais moder-
nas saias d ; laa entestada, mais barato do
que em oulra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavao um grande
sortimento das mais lindas ftiltanas. para
vestidos, sendo muito larga e bonila fazenda
com listas de seda e os padees mais eevos
que tem viudo a ese morcado, vendendo-se
a 1-5400 o covado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da mperatriz n. 60.
OGANDY BRANCO.
Vndese o mais moderno oryandy branao para
vestidos com Bstras largas e miadas, assim como
urna grande porcia de cambraias brancas, lapadas
e transparentes, tendo das mais balsas del000 a
pera, at as mais linas de 10 oj| 12.iOOO, ludas.
estascambraias se vemlein mais barato do que om
oulra qualquer parte.
Q9LCHA8 !>;-: FU3T0.
Arende;n-.-.- colchas de fustao brancas e de corea
por preco muilo em conta. na luja do Pavao.
OUGANDY DE COR
A ;!(i0 rs. o covado.
Vendem-se bonitos ergandys de irores com bo-
nitos padroes e lixes a :iijO r^. o covado.
CAMISAS PAR A SKNH'iRA.
Vendem-se fiuissiroas (tamisas francezas borda-
das para senhoras, na loja do Pavao.
BAREOES A 50 US.
Cliegou para a luja do Pavao um grande surli-
meiuo das mais lindas bareges transparentes todas
de laa, proprias para vestidos e roupas para me-
ninos, sendo com as mais vivas cores, tendo de
listras, quadrinlios e lisas, e vendi'in-se pelo tra-
lo preeo de oOO rs. o Covado, nicamente na loj
do Pavao.
AS CELE/JAS 1)0 PAVAO.
Vendem so. a- mais linas celezias, esgnioes e
bretanba- de linbo por preco muito em conta.
nlioras.
Voltas de grossos aljofaes de
para circular os coques.
Outras -igualmente bonitas, e
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dotirado.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um ;>..
Boloes de cristal, encastoados em'prala,
para punhos, .-> o par.
Camisas de llaneila para liomem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
colima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se. tinha visto de tao bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
pa|iel apeos 00 rs.
Provavelmente d'aqtii a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarlo a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e quaidades a infinidade d'objeclos
que constan tem ;nle se acbam venda na
loja da Aguia Branca, seria senio impossi-
\el ao menos infadoubo por isso elia con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconlieccr a commodidade de seus precos
e a cnceridade de seu agrado, que nio se
jai >
AS pillas anli-periodic.-s de Pinto.
nico deposito dest.s medicamentos na
pharmacia do sen aotor ia la-ga de Ro-
sario n. 10, junto ao qaartcl do eerpo de
polica.
Nao mais cabeBS bom
A- tintura aponrza pan twjir os ai.- U -
da cabera e da barba, l'oi a nica admit ta
Etpof&a Umttrsal, jwr ter sido 1
nbecida superior todas as preparanV-s at
boje existentes, sem alterar .1 saiidr.
Vende-se a 1^000 rada frasco lia
Rna da Cada n.
L andar.
51.,
lillmds 18 me-s, eognmma peifei!m-nle a tr-
lor na ra do Uueimadi. 8, I- andar.
Ditas de dita, tecido de borracha, para esqnecnm de comparecer loja
quem solfre de incbacao as [lernas. Branca roa do Quemado n. 8.
d'Aguia
ESCflAVOS FGIDOS.
s e

I CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMAO DOS SAlNTOS ft C.
Os proprtetarios deste bem sortido armazem de secco e molhados, parlecipam
aos seus numerosos freguezes, Uiulo desta praga, como do mallo e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teera um grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parte deslas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quanlia de I00#, ter cinco
por cento pelo seu promplo pagamento garanbndo-se qualquer genero saludo deste
armazem.
Bartholomeu & C,
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintura
de jurubeda simples e ferruginoso;
Oleo, Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
8ARTHOLOME0 & CA
Pharmacf. uticos- Droguistas
pkrnahbuco
h Jurubcba : csli plaata hoja reconbecida
como o mais poderoso inico, como o molhor
clesobsiriien te, c como tal applicaita nos padccimealos
do ligado e iiaeo, hepatites, daresas, tumores ole-
nos c especialmente do ulero, hidropesa*, erjrsi-
pellas, ule; e associada ao ferro uUI as paludas
cores, chloroses e falla de menstruaco, desarran-
jos do estomago, etc., e o que disemos attesUo
inaumerai coras imporlaoles obtnkl oom nossos
preparados ja bem conlweidos e usados pelos mais
dislioclos mdicos do paiz Portugal. Em lodos os
nos*M depsitos distribuimos gralis folhelot qne
melhor fasem conhecer Jurubcba seos resollados
e applicacio.
Para forrar casa.
Vende-se boa alcatifa peto barato preco do 900
rs. oi nietro : na ra do oucimado n. 3lT lola de
A. M. Itolim &(]. *
Jos Joaquim da C ista .Alaia A C., a ra do
Crespo n 6, aeabam de peceber um imd sor-
timento do pedras marmora, como -ja tupios de
diversos tamanlms,Jaminas, saccadas; soleiras e
degraos, bom e has de forro yalvanisado
de diversos tamanlos, que tudo vendem muilo
em conta.
Attenpo.
Vcnde-sc o armazem de molhados da na da
mperatriz n. 39, per sen dono rrtirar-se, bem
afreguezada para a trra, e livro do qnalquor onu-:
quera a pretender pode dirigir-so mesma, o la
lera as inormayjes que precisar.
Vende-se urna escrava perleiu engomma-
deira, ooiinlj.ra o eostoreira, 5 ditas para todo o
servieo, idades de 16 a 30 annos, um bom escra
vo, nm dito o um moloque idado 12 a 30 annos:
na iravessa do Garmo n. 1.
GAZ AMERICANO 9 a lato, a 400 rs.
a garrafa e G0'.> rs. o litro.
VINHO YERDADEIRO FlOUEIRA 0O c
GiO rs. a garrafa, a 4^500 o 4^800 a cana-
da, a 70 o 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 300 rs. a garrafa, a 30 e
3ootiO a caada, OO e 040 rs. o lilro.
AZEITE IH);E DE LISBOA i 900 rs. a
garrafa, e a 7-> a caada, e (340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a OO rs.
a garrafa, l500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 2->200,
15800 e 10400 a caada, 3G0 e 480 rs.
o litro.
. MANTEIGA INGLEZA FLOR 3 40440 e
10280 a libra, 3*1.40 e 2800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA 9G0 900 e 830 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 40870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 40400 o kilogrammo, em poreo se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALT1M00R
720 rs. a libra, o 10370 o kilogrammo, em
poreo se far abatimento.
620 rs. o kilogrammo, em porgan ha aba-
timento.
BOLACHNHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QALIDADES, a 15 e 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PIIOSPIIOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHIMIAS
DE MIJITOS TAMANHOS 30500, 50500
e I > a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de uaia libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVFJA INGLEZA MARCA II 50500
a iluzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a dnzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 40500, 40200, 40 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasqueii a, e 500 rs. o
frasco.
ARROZ DO MARANHO EDA INDIA B/l-M DE LARANJA DOCE AROMTICA,
logrammo e 30800 a arroba. i ,
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o**1 )' *
kilogrammo. e 65 por 14 kilogrammos.
AVE EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
de abatimento.
TOUCINHO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e 110500 p.or
1 kilogrammos.
CHA FINO, GRADO E MIDINHO os
30 e
o kilo-
200 c 240 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABAO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs o kilogrammo, em caixa ha melhores que lia no mercado,
abatimento. 30200 a libra, 70080 e 60540
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA- grammo.
I"N E ALETRIA- 80 rs- a libra e TDEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20700.
10750 o kilogrammo. 20500, 20200 e 25 a libra, e 50450 e
SEVADINHA E SAF 5 280 rs. a libra e 40180 o kilogrammo.
Assim como ha outros modos mais gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada. con-
servas gttla de marmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinhas de Nantes.
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoee, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebolla 40500, finalmente muito mais gneros que enfandonho
menoion a-Ios.
ATTENCO
No nrmaxera da ra da Apollo n. 28 ha para
vender urna cadeiriuha ou palaaquim cem todos
>s pertences, em muo Ixnn estado, e pur preco
commodo.
Cha toni-pargavo e depurativo
de Chambard.
Composto das plantas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o cM
tonipurgativo de Chambard possne um-gosto sabo-
roso o nm aroma suavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intotinos e do ligado, o desoWruente por
exeellencia na constipagao do ventre, e nao ttm
resguardo algum. Depurativo especial e directo
das biles e dos humores, refresca o saague depu-
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL, 9 .
Pharmacia i? Bartholomea & C., ra larga do
Rosara n. 3i.
CIGARREIROS.
No armazem n. 18. iravessa da Madre do Deo-,
vende-se papel do soda para cigarros, marca muito -----------------------------------------,.____
grande, e superior qualidade, por preco commodo. Urqeneia
- Vende-se um escravo mooo c do bonita figu- Gcncalvos & Toixcira lem pira vender travs
ra, pedreiro de toda obra, e ponto em asbenUman- do qualidade c im 40 palmos do comprmanlo e
to de engenhos, e muito bom cozinheiro : na es- 12 pillegadas grossura na esauina da ra
irada de Joao de Barros, sitio a. 29. da Peuha n. 8.
As autoridades policia
quem compev.
No dia 29 de maio do correnle ann
gio o escravo Esequiel, ct nulo de 30 :
annos de idade, estatua regular, rcfurysdo,
cor bem preta, cabera redonda, trajava ca-
misa azul e calca de casemira ciuscnla; du-
rante o dia costnma andar ganHaudo
rua.s ou (in armazens de assurar ou na^
tabernas a conversar e a beber; duran e ;
noite recolhe-se a tellrciros alicrtos ou pe-
netravois, casas em ConsirucfSo e a ot>
tros quaesquer lugares onde se possa ami-
gar: quem o apprbender tetrtw a bondad*
de o conduzir i roa da Aurora n. 2(. i
ser gratificado.
Fiieiaiu do engenlio Vi:. .
do termo da Eseaai, na ni i:.
10 para II do corrtuje, dous p
pravos malalos, u- q jes forsni
comprados ao Exni. Sr. barao da
Nazareth ha 13 das punco i
ou menos, pendo Joo, idade <' 30 a 32 annos, bem barbado,
tos cabelludos, tem os dedos dos pea, >to vt
mnimos curtos e quasi qin- trepam um mi w
tendo todos os dentes de frente, corpo rcgul;
leva chapeo de co\iro de saltanejo, calca azu' de
algodao que Ihe chamam pelie doma o eobeitof
de baeta escura e mais alguma roupa, ii e .
do Illm. Sr. lente coronel Agosliuo' O rr;
Mello, de Ouricury, o outro de nome Flix, es-
bra, alto, bomeorno, idade i'-> anana piuco i
ou menos, levou chapeo de curo de altas h
calca azul de algodao que lite chamam pello i)
ea e cobertor de baeta escura, foi escravo ito
Illm Sr. Eduardo Pereira de Souza, da prov ncia
da Parahyba, que o venden por seu procarador u
Sr. Jos Lopes Alheiro ; qrem o apprehond.r i
levar ao mesmo engenho Firmesa ou no lleeil n
escriptorio de Domingos Alves Malftuns, a rna ri i
Vicario n. 21, sor gonenisainent.i recompensad
No dia 15 de agosto ultimo fugio de c:
Sr. r. Joao de Hollanda da Caoba, a ra de Bi n-
lica, na Passagem, ri. 48, onde se achava alug,
o__moleque Francisco, crioulo, bastante p el/.
IS annos de Idade, eom un signa! de queimadui i
no hombro esquerdo, trajava calca e ja p
brim, consta que so acha servind cm loja de i. -
palliadi.r, de qne 6 olDcial, ou ftngtDdo flue 11- -
tende aprender esse offle o, pelo que st pi
contra quem lie der agasatio quem o apprenen-
der, queira leva-lo rtia da Aurora n. ,
ser gratificado.
Multa attenpo
Fugio no dia 29 de junho o escravo Han
nacao Angola, idade 50 annos, pouco mais on me-
nos, com ossignaes seguintes : falta de denles aa
frente, andar vagaroso, pernas finas, mana.- do be-
xigas, levoo caiga e camisa de riscadhiho, chapee
de palhanovo : roga-se aoi senhoras capirai
campo de o prenderem e lcvarein-im a na Di
n. lo, que sero generosamenle graUflcados. I
conlia-se que anda pelos enpenhos ao Cale.
Fugio do engenho Todi'-. os Santos s
de Ipojuca, no dia 30 de maio, o escravo Con
representa ter 45 annos de idade, poaco mai
monos, cor vermelha, alto, groseo, ollios pequeos,
sam barba, r os ps radiando, fui escravo .!.
D. Senhorinha Mara do Livramento, que morn ni
villa de .Ser'mhaetr. ; no dia immediato da fi
esteve na mesma villa : suppoo-se estar acoul
o que so proceder com o rrgor da le qrj
tenha, e pede-e s anloridades pohciaes ou cap i
taes de campo a captura do mesmo e entregai
mesmo engenho ao abaixo assiguado, ou n:
da Moeda n. 5,2 andar.efcrlptoiio de Mam- Al-
ves Ferreira & C, que ser generoamente recoflr-
pensado.
________Miguel Paulino Tolentino !'; -
Fugio no dia Io do correnti',
Duas Boceas, sito na fragucrla dolMo Formoso.
escravo cabra claro de nome Saturnino, seattrj
co do corpo, alto o fallante, ps bem feitc-. v.
serto do Pianc e foi venaido ncs.a praca
julho prximo passado pelo Br. Pedro Jorg
Silva Ramos, c supn5e-se que fugio para o mi
serlo, levando calca e camisa de aigodaozinh ;
clupo de coura e ra matulo d couro ee (.v>
Iha com alguma roupa : por isso pede se as anto-
ridades policiaca e eaptaes decampo de o cap-
tarar eentregar no mesme engenho ao pe
Sbastiio Antonio Accfoly I.ins Wanderlev. on \
Recife. ra da Moeda n, o, 2- andar, escriptei
Manoel Alves Ferreira & C, que serio gen o- -
mente recouipen-ados.
Fugio da casa doabaixn sss;
o seu escravo ue nomo Eogeni
oulo, idade 80 annos, punco nm
menos, estatura regti
. cabeca calva, barba
mareas de boxiga, pamas fma-s eniiml.-
foi escravo do engenho Cardna, c
dar para as bandas de la : aera o neg
ao hotel d.i Universo, rna do Trapic i; :
receber 50 js de gratifl-jc ,o.
MedericAruoiut.


8
Diario de Pernambuco Terca feira 21 de de Seleriibr 1869.
ASSEMBLi 6ER4L
CMARA DOS SRS. DEPDTADOS
SSSiO KM 9 DE A OSTO
PRESIDENCIA HO SR. NEUIAS.
(Conliniiacdo)
Senhores, as relaros entre o parlamen-
to e o poder ejecutiva esto desenliadas
mi confronto (testes faetos. marquez
da Paran, enlo Honorio Hermeto Gar-
r iio Lelo, chote da matoria ta cmara cm
Si-2, c o maruuea de Paran, chafe do
gabinete de i da srtembro de 1881. E'
o mt'smo hornero. Knlrotar.l chefe da
maioria, elle qir rnrig tica pela
derara) que ib-.- tribulava o ministerio
cmeoslo de seas unidos, o tuiaisterio que
ehe apotava : saa opinio en preponderan-
te. Chele do gabinete, ntio qw
eaerce decidida influencia sobre o parla-
mento, a ponto, senhores, de obter o que
pareca impossivcl.....
O Sn. i.ntz Machado:A ; los circu-
los.
O Sn. Ministro da JcsriR\:E' exacto.
i.- raes retacos nao de necessanamente en-
tre o poder execulivo c o peder modera-
dor, Fbndadas na razio e no respeto
tilo publica; sao estas as reiacoes que
lossa constitaicSe designa lo felizmente
pal i pbraso h
Passarej a tratar, senliores, da ootra face
Eotendo que dictadura ura estado aor-
as!, um estado extra-legal. Pode-se era
conscieocia dizer que desda 10 de jullio do
anno passado estamos nessas condicoes
excepetonaesJ Que estamos :/um estado
^Jtra-legal, achna da lei ?
O que se nos increpa ? um co facto, a
cmisso .11 pap'-l-moedi sera antorisaco
rto puder legislativo. Porvealnra esse
.;iiij acto conslilue um estado? Me pa-
rece que lia
(Anotados).
VezKs:Qtmndo rtenltam direito
dual ou poltico foi atacado.
O Sn. Munsno da Jisi;.\ : Qinndo,
porral, senliores, houvesse realmente urna
dictadora, esae estado extra-legal quem o
teda inaugurado ? Seria acaso o gabinete
de 16 de julho Mande#reeorreu ao meio
extremo pira salvar o paiz, para solver
comproraissos de honra,' c desatrontar a
nacional, empennada em urna
i tii ntl ;ri r .- Tsii]vV.i:;D i a pmposla do go
! vvr,-. i ex|Hvss i do voto
h a :i ili m: i la apreso
tala palo p ider ejecutivo. (Apoi.id
Se, pois,? nossa constituido nos
est :s exe:ii;--> e normas da liaguagem
deve ser usa li entre os poderes polticos,
se >s eslylos parlam .'litares consagrara a
mesma c:! ?ia, pjdia o gabinete de tOde
julho vira -miara dizer com tora tr-
.', oes, t eolio a dissolueo do
bolso; pi'-i'j i i:i lar-vos embora, quero
i!'s,;'iii v -. Liai-nt, pois, os meios de
goveno F'eu esta nina lingo -gem im-
pr.ip.ia d no, e hnpossivcl da psrtc
do :i ibr .. : lente do cnselh sempre
corle/, qa ;r as suas rolacoes poiiticas,
uoer iiissuis relajos iudividujes. (Apoia-
do*; mu!) bem.)
0 nobro presi lente do consellio, vindo a
esta cmara no dia 18 do julho, apresen-
tou un programma, verdade; mas acaso
t-

.,

----------
ingleza
zzz
aquello programma era apresentado cxclu-
,u
aqu mn aouso 'a pjiavra.
indivi-
digmdade
i ra
di-
0 Sn. Cauz Machado:Para pagar
vidas de honra contrahid is porelles.
O Sn. Ministro o\ }v nhores*; se este estado exilio, quem o
mangaron foi a cmara transada, quando
no dia 18 de julho exborbitoa da constitu
cao negando ao governo os meios necessa-
tios para a administrado do paiz. (\poia-
dos); muito bem).
Apresentarei opposicJo :ra dilemma,
j qi9 ella parece lito inclinada a cssa es-
pecio de argumento. Ou a cmara est
. brigada, como disse lord Grey, a dar ao
governo. osmeios.de provee s necessida-
des.do estado, afim de que o poder mode-
lador possa f.rercer livreraente sua atlii-
L'tiico, ou n.lo iem aquella obriga^ao. Se
a cmara est obrigada, entSo, como eu dis
se e affirmo, ella inauguroa a dictadura,
ceso dictadura noiivesse.
Se, porem, a rasara r.ao est obrigada
a votar os hvnos do governo, entao, se-
nlioivs, para qii3 niio liijui corseada a livre
attrbuicao do poder moderador, o gabine-
te, por elle escollado, tem o direito e mes-
mo o dever de recorrer aos meios extraor-
dinarios para o governo do paiz, at que
essa crise constitucional so resolv pela
elccie e os actos ultra-legaes recebara a
sanecia nacional. (Apoiados).
Neste .case, sc-ohcres, temos-o direito
<.'e draer opposicSo: Cessem as recri-
naefim Vos c.impristos o vosso dever,
nos cumplimos o noso. A na;o decidi.
Dea-nos o triumpho, (Muito bem! mni-
to b'Ill!) *
O nobro senador pela provincia da Babia,
o Sr. Zacaras; p'relendeu em vJo attenuar
o erro de sen partido censurando o gabine
c, de 10 de jame por nao ter vindo esta
cmara, com a franqueza que devia, e da
qUal usam os gabinetes ing'.eies, pedir os
meios declarando que pretenda dissolver
a cmara.
lato se diz no proprio paiz! E* possiyei
existir urna situafo raais clara mais definida
do que foi esta ao nascor (apoiados), desde
saa inauguraco q
O norae do nobre presidente do conse-
Ibo o todos os oulros, abstrahindo do meu
(maos apoiados), que illustram este g b-
nete, no diziam claramente que elte sabia
do seio, do amago, do mais puro amago
do partido conservado? (Apoiados).
A reunio1 desses nomes, a organtsacao
do gabinete, nao eslava dizendo cmara
passda: Nossa co existencia impossi-
\el? (Apoiados),
OSn. Cu IfsCHAOO : Quenam que
se apontasse para o sol ao meio-dia.
O Sa. Ministrona Jnuoa : Qneria o
nobre tjx-presidente do coaselho que o ga-
binete innovasse estylos cstabelecidos no
paiz. e usasse de una nguagem menos
conveniente que podia at ser tomada como
urna ameaca ? (Apoiados.) .
O Sr. Gomes de Castro :Era urna raci-
vilidade. mn
() Sr. Ministro da Justic.a :Era, como
diz meu nobre amigo, pelo menos urna in-
delicadeza. ,,!
Campos : Era o modo
fallar sua ca-
sivamente maioria da cmara passada|?
Na >, senliores; o governo neste recinto
fall ao paiz, (Apoiados.) O programma
a primeira palavra de um gabinete. Na-
quelt momento sobretodo, em qae o gabi-
tiL-h de julho b appelhr para a vaco era
iddispensirel que disses se ueste recinto,no
pri..'ir; '..i ai ij<3comparocia ante a re-
pres':,';" :!;;;j;ial, ipiac craul as sua.
id''a;. :i |a >lLas queiasiikn-itersancodo
paiz. Se im) proferisse (w*a primeira pa-
lavra solemne neste recinto, como conbece-
ra o paiz o principio quo representava ?
Mas. declarando o seu programma, o no-
bre presidente do consclho disse muito ter-
miaanteinent,; que nao podia. nem espera-
va a confianza da maioria da cmara. (Apoia-
dos.)
E, sea'i'ucs, qjando o gabinete de 10
de ju!!r> dcixasse de eomprir o sen dever
aquella emergencia, porque nao cumpli
a Cantara > sea"? Porque o nobre senador
pela Babia, um dos ehefes dessa opposc5o,
nao I!;. avonselhou um proceditnento mais
legitimo e mais digno f Porque algum dos
orgos da maioria u se levaotoa para di-
ser ao gabinete com sua voz autorisada :
Nos vos danos os meios de governo, po-
r.n com elles fmbein um voto expticito e
positivo de desconanca ? Nao era este o
procedimento qm evn ter tuna opposigo
governamentaj! Sen d".nda.
Enl3o, senliores, non baria risco dequali-
ficar-se essa linguagew como oom arnei.'<;3,
nao. Ero a linguagen drgna e franca da
representadlo nacional aoe' inr> ministerio
uud nao moreda a sua eam?aa$t. (Apoia-
dos)
Vaiias aecusaces se tirv feito no* sevtdo
conira osla siluaco. O nubrs sx-nndor pea
Babia, o Sr. conselbeiro Naburo; anda m-
crepaa ao gabinete de Itdc jufto... Onwe
Stanley conleranava na tribuna
quati lo faz'a parte do governo.
A huir s 'iiliores, qae o nobre sead >r,
ando esta respeilavel autoridad;, fossu
;e que justamente dea a seus adver-
o exemplo das rocriminagoes. Porque
nao se lembrou da palavra de Chris\o a
respailo da mulber peccadora: Aquella
que se sentir sera culpa que Ihe atre a pe-
dra. Aquelte dos nobres senadores que
se scalissem sem colpa qae podia alirar
a pjdra ao part lo conservador. (Muito bem )
Mas qail seria este?...
Ivn vez de u na'opposieao grave, sizuda
e til ao piiz, C)iV-\:ara: urna opposco
se:n principios, sera pMisaraento moralisa
dor, urna opposieo toda de recrenna.oj.-.
Foram procurar na historia poltica de
sen dominio recordaces e exemplos de
inaudita \ideacia c escndalo para nos im-
putaren).
O Sn. Pinto de Campos : O Sr. Pinto
Lima o disse aqu eloquentemente. des re-
vendo de um modo digao a clironiea 11
progressismo.
OSn. MiNisrno da Jcsticv: Sinto,
senliores, que seria tempo de concluir ;
mas preciso anda d zer alguma cousa a
respeilo da pretendida reacru.
O Sn. Pinto di: Campos: Estamos
ouvindo com muito gosto; preciso por
ludo isto em pratos limpos.
O Sn. .M-mstiio da luSTIOA : Deve
fazer o paralielo entro a ictoalidade e a si-
luaco que a |ire-edeu, durante o peri
decorrido d Janeiro de I8W at a asren-
sodo gabinete di 1 de julho. Note.
porm, a cmara que era 180 a
progressista eslava desde muito
Armada. O gabinete do Sr. marque;; He
Onda a tinba hbilmente preparado ; com
o caduceo poltico de seu programma
havia o nobre senador por Pernambuc
adormecido o partido conservador.
O Sa. Pinto im: Campos : Aquclle gabi-
nete, sm. foi que sabio das sombras.
O Sn. MiMismo da Juitica: Portanto.
senliores, no coofroete dos dous periodos
preciso ter muito era vista esta dille-
renca capital de urna situaciio consolidada
c de nma situado rwscente.
Kotretanto o que impntam aoac9o
conservadora ? Km qoe coosiste a espan-
tosa reaeeo ? Vejamos;
Alterar*> no p8oal sdmioistrativo, no-
m^;Bes e deraissoe-;. D,-wssrs de em-
pregos de t-onlianca e e^iMeg^dos es-
i ran I jos poltica.
Tralarei prhneiro desta \Mnvx dasse.
juei nfe se record-.', senliwes-. dv que
foi a sessao de IS de julho do- anoo p"
ndu iv.is*y ree'wjto-7 ,Naquel?a- .cmara,
qoe ia expirar, tinlwro asiento muitos em-
pregadoe, alguns de Konfianca poWca-, con-
mento proprio dsscm mais do que essa
actividad* ordinaria do empregado publico,
fiel enmpridor da sen dev r. Nessas cir-
cumstancias extremas necessario mais do
que isso; a dedicacto siocera, a abnega-
fo, que s d5o os amigos iuentilicados
com a situac3o.
Foi por esse motivo que o governo prin-
cipalmente destttuio alguns empregida> de
polica. Niio descroverei o estado do paiz;
elle bem conhecido. Com a oppasiefo
violenta que se levantava podia de ura mo-
mento para nutro necesslsr 0 governo da
edicaco de seus agentes at raesmo para
na imprensa liberal.
discur-
defeza dessa opposifo provocadora
Passo a tratar da polica das provincias.
O governo exonerou 18 ehefes de polica
inclusivo" seis a pe li lo, e alguns desses
amigos da situaco. Foram pois demitti-
dos nicamente \-l era 21, cargos de con-
fianza poltica. E' sto urna reacejk)? En-
tretanto no periodo progressista demill-
ram-sc 33 chefesde polica.
Usa Voz : O Sr. Zacaras declarou
que esse era o direito do governo.
O Sn. Ministro da Jlstioa :Nao dis-
cuto o direito de exonerar; esse direito 6
geralmente reconhecjdo, axiomtico. Nin-
guera o contesta. Neste momento confronto
os fados.
Magistratura. Senliores, o gabinete de
16 de julho removeu 14 jatees de direito,
todos a seu pedido, promoveu 16. Mas
nolai que dessas 16 promocoes I i foram
solicitadas pelos respectivos juizes; s duas
nao foiam em virtude de desejos manifes-
tados petos respectivos magistrados, a do
"sitnaclo i"'z f'e ^'rB'' '''! Paranagu e a de juz de
creadle direito de luhamhupe ; este ultimo, toda-
va, foi promovido para urna capital de urna
das provincias do norte niiis prosperas, a
do Para.
O Su. Cniz Machado :B* preciso que
alguns alleres passem a lenentes. (Hilari-
dad e).
O Sn. MiMSTao da Ji>tI(:a :No pe-
riodo progressista removoram-se 7) juizes
de direito. Foram proaiovidos 58, e a
rnaior parte para lugares remotos, para
provincias longinqnas ; sendo obrigados
esses magistrados a abandonar a carreira
e licar fra do qnadro. Alguns muito dig-
nos lm feito rectamaircs, cujo echo j
ebegou a esta casa. (Apoiados).
Alm dessas promocoes, o"part*) pro-'
gryssista larx;ou mo de um expediente
que o ministerio de 16 de jwlho nao empre-
gouf sern empegar- em caso algum. Foi
oda BomeaQo para1 o crgn- de chefe* de
policio d proincias remoss, como nm
meio az&do de arranca-Ios de suas comar-
cas. Se* os magistrados amim removidas
se dispuRbam a seguir para sea destino-,
eram demitdos; se nao'obedfeiiam, fica-H
esto c rasignadas
(Apoiados.)
O Sn. P*nto dk Campos:E em
sos do parlamento.
O Sn. Silva Nlnks: as vesperas da
eleicao municipal recrutram dizendo que
a lei nao era* clara.
O Si. Ministro da Jcstica:No Cea-
r-----Eu dou a preferencia minha pro-
vincia, porque ella fambem leve, senlio-
res, a preferencia na acensar i. No Ceari,
seguudo o testemunbo insuspeito do Sr.
seaador Pompeo, prendeu-se em 1867 um
liomem invalido, fetor de urna fazenda, e
que tinba oto Albos, para recruta !
Nesta mesma provincia, o presidente Al-
vina, segundo aquello testemunbo, maltn
a vigano da fi eguezia de Iboass em 200,
E queris saber o motivo, similores ? Porque
oppoz-se ao recrutamento de ura chrislao,
que assitia ao otlicio divino, c que ahi
mesmo ao p do altar foi preso!
Vozes:Oh! Oh!
Oitras:Fez-se isso em varias par-
les.
O Sr. Ministro da Jistica :Este facto
est narrado no Ceareme 4). 2-25 de 7 de
(evereiro de 1867.
Senliores, creio que conbeceis o norae do
Ilustre missionario brasileiro o Dr. lbapi-
na (muitos apoiados)....
_OSn. Coioka dk Outkiba:Qoe tem
prestado relevantes servicos.
O Sn. Ministiio da Jistica:----- este
Ilustre brasileiro. que renunciou ao sacer-
docio da lei para se dedicar ao sacerdocio
da relgio. Suas palavras tem naquelles
sertes do norte reanimado e sentimento
religioso, Sua palavra tem edificado, para
servr-me da bella phrase do nobre deno-
tado pelo municipio ueulro, qoe rae ouve,
tem edificado pedra por pedia, viniera por
viniera, os hospicios, as casas de caridade,
onde curada a pobreza. (Muitos apoia-
dos.)
O Ilustre missionario pregava em om
dia do armo de 1867, fazia nina de saos
predicas religiosas, ni matrr da Ategfw
Grande, provincia da Parahyl. O povo
eslava suspenso cte sua palavra- inspirada.
ente, nao como sepplicio, mas como'simples
ra o de seguranza em ura lugar onde n5o
ha va cad-
Esta mesma verso, de ter sido o indivi
do atado a dous paos, nao est perfeita-
mente provada, porque se duas pessoasde-
puzeram no sentido de ter visto Jeronymo
naquella posico, sua m3 jurou o con-
trario...
OS'. Castf.i.i.o Hranco: Foi um puro
romance, que me comprometto a desfazer
com documentos.
O Sn. Ministro-da Jlstica:... suam3
depz em juizo que a impulaco era falsa ;
que liaba adiado seu filho preso, mas que
nao sollieu a menor violencia, sendo-lhe
no dia seguinte restituido...
O Sr. Cruz Machado:Vivo e sao. Pois
de oulros, no tempo delles, achavam-se ou
cadveres, como no Rio Vermelbo, ou as
ossadas, como as sorras do Itambc.
O Sn. Ministro da Jlstica :Vivo e sao.
Fra apenas detido, negaiuh sua propria
mi a pretendida violencia. (Juem mas
que um corceo de mi deveria fallar a ver-
dado nesta occasio, se o facto da cruzfosse
verdadeiro. (Muitos apoiados.)
Entretanto, o presidente da provincia,
justamente escrupuloso a respeilo de taes
abusos, dominio o subdelegado e mandofr-o
responsabilisar. comraunicando este facloe
os respectivos documentos officiaes ao go-
verno imperial.
O que fez ento o governo, senliores ?
Nao mandou archivar o facto como se fazia
no tempo do progressismo. O gabinete de
10 de julho anda nao archiven nenhuma
tropela, nenhuma violencia de qnalqucr
autoridade...
Volts:Muito bem !
O S. MiNfsrno da Justigi :Tem cum-
prido e ha de ciiraprir o seu dever, casta
de qualquer sacrificio ; ha de fazer respei-
lar a lei, embora esse acto de energa fhe
acarrete eompromeitimentos, ^uenore-
cea.
Vozrs :Sfiito bem !
OSn. Mixwvho d-.v Justica :& gabine-
te de 16 de judio appvovou o pro9edimen*-'
to do presidente das Magdas, louvpo-o pela
De repente.... A igreja acercada. Era; |jrmPza com qm se hornera, pelo acert
urna escolla que vinha fazer colheita de re-1 ^ medidas tomadas-, e recommendbu-lhc
crulas no templo do Sjnhor
Vozbs :01! oh !
O Sn. Pints de Camws- :Al no con-
fssionario chegaram a pender!
OSn. Cruz Machado -: At junto do al-
tar de Nossa Senhora fora prender nm
artfice que o oosstruia, r por conta1 do
governo f Mas o aubdelegndo- pouco ter.ipo
depors- ficou paral;*tico das nafios, do Ti3T-
vo no Serr.
(Ha cairos apartes.)
OSr. Mctistroda Jistic.a:Qual foi
senliores* A sua pureza.a sua legimidade,js'derados aes peto proprio
gabinete de
9
periodo de rei>efidas transacfes, qimndo
as crencas polticas pareciain alxdadis,
quando no havianos liomens e iks-cou-
sas polticas, ao cabo dessa quadra desas-
trosa pea incoherencia' e versatilidadev-no
de-uw golpe de estado, como tnn gablete
illegitiinf. Nao s#fce negaram os mto5
de governo, como daqui atAeacaram o
pata: ooai a revolucjoi coma anarclwi;
con* rios de sangue- (Apoiados).
Uestes- kancos, recordo-me bem, deste-
bancos-, oode costuma sentar-se a bros
eraum tiiumpho pana moralidado pnaMica
o apparejimeolo de om mioisterio fiiho le-,
gitimo de um partido compacto, de um- mi- .leputecan^ pernamjoucana, levanttM-se
nistei o ipie represeirt.'pv* seui msela aro
vam avulsos sem ordenado; erara lanzados-; reparafo-- que o govrno proj^ssita deu ao
paiz e opmio por aemelbactes alteuta-
dos?' Areparaco fcs'aqnell- que o no-
ble ex-presblente do cooselho, Sr. Za-
caras, deelwoo no sensle em sesso do
anoo passado: Disse elte que sendo aqu
na corte aperados os resfalas, a-verifica-
das as iseneJerlegacs qu porventura pu-
nenhnma fez. Entretanto' poderia 3er re- desjetn existir, esta vam sa3tefeitospa$quer
tora do quedro. (Apoiadbs).
O Sr. C2 Macha':Supprkniam co-
marcas importantes como as do sito- Verde
e Rio-Pardo. (Apoiados).
Sr. Mi.vMrtmo da JtfSneA : Houvo
um remoco forjada nesse perwo>> do
pro^esssmo; o gabinete- de 16 aV julho
vj'nerou-s*.
das grandes id s que ten* predominadon
paiz ? (Apoiados.
Certamerite. senbore rr a rooraliclade po*
blica nesse dia expandio-e e exulte.
(Apoiados.;
Nesse dia o governo representativo, rjjie
o governo dos parto*r
(Muito bem.)
Recuido-me agora, Sr. presidente, qt
urna voz pergunlou aqu no da 18deji>-
llio do anuo pascado donnR) viniuv o acte!
iniuisterio, se -.raba da somcwai e das tre-
vas. Atravs de um an-ao' que nos separa.'
eu respondo ao nobre ts^toputado de S*.
Paulo : Vientos da fu, da >orora b
voz qu- nao tinba o direito de ae repre
sentar aquefl provincial, e disse- qoe a si-
tua^a-inaugorada era iwa- e$teUkmmto po-
ltico. Entretanto, senderes, aqnelles em-
pregadte,. qw erara representantes da"nai;b, forana ex-
er.;er sens empregos. Alguns pediram
espontaneamene- sua demiesSo, o* oolros
ah pecmaaeceini na admir.lra?5o.
Pde-se, senliores, chamar d reactora
urna siaacao qe se inaugwrava-con este
excesse-de modenacao ? (Adiados). Talvez
alguns amigos-do miDisterio-consideiwssem
que havia exagetw$5o neste^ procediiaetito.
Mas, senliores, o-gabinete entendia aaoem
urna sitaa(jo-'iao- melindrosa' e diflicil elle
torca- dos recursos
6 -J* ^etaiativo. *- jg ^X^TiSi
O Sr. Pinto bk
por qne elle costumava
niivh*
O Sa. Ministro da Justica:A constitui-
ro nao nos d ahorma da lmguagem no-
bre e cortez qne deve ser usada enlre os
diversos poderes ? ...,.,
Nao diz a coustuicao que o Imderador,
o supremo poder moderador, quando negar
sanee de qualquer lei deve responder cora-
misso da cmara neste> termos: o Impe-
rador quer meditar sobre o projecto de lei
para a seu tempo se resolver N3o isto,
urna recusa...
Uma Voz :Sem duvida..
O Sr. Ministro da Justica: E" uma re-
cusa ("rmal na phrase da constltuic3o:
uma i-cusaexpressa nes3edesejo de medi-
tar para opportunamente resolver. Evi-
ta-sp i declaracSo positivanao saneciono
a lei
conflicto.
Diz umbem a constituio que rejeitando
a cmara uma proposta do poder executivo
se diria ao soberano uestes termos: A c-
mara dos deputadostestemunhaao Impera-
dor seu reconhecimento pelo zolo que mos-
vigiar os interesses do Imperio, e
ihe soppica respeitosameate digne-se tomar
(Apoiados ; murta- ben>->a
O Sr. Cruz Maguado : Tiernos das la-
zes com a cor da purpura de que nos rto
vestio a opno publica.
O S?.. Ministroda Ssmgfk: J bouv*
quem me chamasse tosalo ; nem eu sei
por.pie, creio que por eulendei que me
haviam nomeado paca ora. emprego publico,
e nao para fazer parta do sequilo de um
hornera que naquelle teiapo oceopava m
posto no governo. Nao me canso em re-
pellir a p;,lava, nao sala a peoa. Se a re-
cord neste momento, para ter o diserto
de por minha vez chamar tanabein de ingra-
to aqoelle nobre senador por causa de
quem se me lanQOu esta imputar,o dura.
Sim, seahores, ingrato o nobre sena
dor pet Babia para com o gabinete- de 1<5
de julho, quo refundi era nm o seu partido
aindaj na vespera um agfrregado de ampos,
de pequeas fraccoes, de interesses desen-
enntrados e at repulsivos, (.^poiados.).
Quem fez daquelles grupos, que antes de
16 de jnlho disputa vam o pader, daquelles
grupo,-., (pie nao representavam ideas, mas
Iransaccoes de momento : daquelles grupos,
que tinl.am dividido este p<*iiz em pequeas
zonas polticas, quem fez Uesses fragmentos,
n3o direi um partido porque anda n3o o ,
nao, carece de muitos anuos de opposicSo
para se tornar um verdadeiro partido...
Mas quem Ihes deu ao menos essa appa-
rencia que hoje tem de partido, quemes
conchegou e reuni t
Foi o gabinete,de 16 de julho, ou antes
foi esse exemplo de moralidade poltica,
fot o que nao se va desde 1862. a ascenso
ao poder de um partido legitimo. (Apoa.
dos, muito bem.)
Este facto, senhores, tem uma alta sigoi-
ficaco ; a ascenso de um partido legitimo
prooca immediatamente a creacao, embora
anda em germen, de um outro partido po-
ltico, que represente a opposica (apoiados),
a opposco, elemento essencial em todas
as situacoes do systoma representativo.
solvitb algumas e muito jDStifieadaaente,
porque- os magbtrados liberaes nao tm
em'ge! dado ejemplo drquella circoms-
peccD (mnitos apoiados), aquella mede-
raeaopoitica, daqoeHa gravide que de-
raro durante o periodo de aeis annos-os
magistrados conservadores (nwrtos apok-
escropnlos! Entretanto profana va-so o tem-
plo religioso, arrancava-se*> cidarK sua
provrwia, o pai'familar deixand'na'mi-
seria iBolher e rifces I
(Ha^ varios apwtes.)
Incnepam-nossenhores. o facto > re-
crutamento do jt!i de paz. Itamtw.- Este
r.esta
dos"), e de que V. EscvSr. presidente", tro facto j foi perieitrnenle explicado
no9re exempto. (Muitos- apoiados "
nws
rwito bem).
O Sr. Frreira DKtoiiAR dam aparto.
O'Sr. Jwstro DA.tesTig.v:0'givcre
teas sido moderado, mas tem sabido igual-
rsate ser enrgico, & ha de s*^ quant |
fir necessario. (Apoiados).
c cobciliada com a onergia
Por conseguinte, senhores, ingrato o no-
bre senador para quem o tirou daquella
illuso em qoe se embalou por tanto tem-
po de seu terceiro partido, desse partido
que nanea obteve organisar, porque era
uma verda4|ira utopia. Os partidos nao
so creados polos bornes, aSo fi'bo das ideas!
!'mirp^ece:Ia'"provoca"dora deumlnascem do impulso da opiniao.
1 Sniores o nobre senador pela Baha,
no final dp seu discurso proferido no voto
de gracas disse o que ello chamou apro-
pnadamente o seu penitet. Foi realmente
o mea-culjia da opposco, proferida pela
voz de seu ctiefe. Pois bem, exclamou
elle: Nos fizemos o mesmo ; mas cesse
esse systema de recriminaces, que lo rd
nicamente da eptoe-naciese!', que se< le-
vantava em seudavor codo? iwn vig# ex-
traordiaario. (Apeiados; muito bem).
Se as proviniias um oa outro Saeto
deu-so-contrario, a este estabetecime!do
Jgoverno, -porque,-. senhoi-es> era circoto
mais estrerto-a.conser*a?o de empregaos
possuidos de um espirito por tal modo
hostil ao governo iiodia ter serias esnse-
quensias. (Apoiados+i as provincias, em-
bora eu faca justica-sua illustruco, nio
ha orna opinio esclarecida, e to calma
como na capital do Imperio.. (Apoiadas).
'ias, senhores, s inembeos de uinpar-
tid>que recusooao governo os. meios de
admnistrau o pai, de tornar ezeqoivelio
orcamentCH tem o direito, j. nao digo.de
pedir, mas de esperar um lugar naqoelle
cucamente ? Nao. Pelo sen voto tinham-iss
collocado fra daadministraeo. (Apoiados).
Tinham renunciado a toda a solidariedade
com este governo que chama vam absoluto.
(Apoiados); Portanto, nao podiam decente-
mente exigir dieste govecno. que os- conisr
derassem como servidores do estado, pois
cora, seu voto nconsUtacional ektes nega-
vam o estado.
"Entretanto o gabinete entendea que pau-
sado aquella primeiro, momento de effer-
vescencia, elles reoonhecerianx sea erra;
considerou-os, nao. obstante seu. procedi-
mento* como emptegados dooetado, e nao
empregados lacetosos que rempiam como
governo legitimo do paiz. Foram todos
conservados em seus cargos quando razes
especaos nao se oppuzeram, a essa tole-
jancia.
Nesta corte o chefe de polica renuncio!
o seu cargo, do contrario serta conservado.
Poucas deraissoes se fizeram no pessoal;
onze entro subdelegados e snpplentes, A
deinisso de um dos delegados foi pedida.
Estas poucas deraissoes nao foram mo*
Uvadas pelo receto que nutrisse o governo
da hostilldado daquelles empregados. Nao
tiveram por fim armar seu partido com os
meios de comprimir arontade nacional, e
de impedir que se pronunciasse as urnas
de uma maneira clara e positiva. Para
suspeita-lo seria preciso no ter visto a po-
pulacho desta corte nos das que succede-
ram-se a 16 de julho. (Apoiados).
Morros Srs. Deputados :E era todas
as provincias.
O Sr. Ministro da Justica :O governo
nao precisava de procurar na autoridade o
apoio para a sua poltica, pois o tinha na
opinio do paiz. (Apoiados). Do que elle
precisava e precisam todos os governos em
em circumstancias to difficeis como aquel-
las, era rodear-se de amigos extrenuos, de
liomens da sua plena confianca que no rao-
casa pe** nobre epetado pal Vaatmmwm,
que me oave, e pete nobre- ex-pres da queKat'prftvineiav (Aooiat*s.-) Fiera, en-
tao bempatente qt essa desagradare! oc-
currenciav longe de- ser urna prova despi-
nto de mteleranc' e arbitr do psvtfdo
A>- modera-; conservador, tinh* sido, ao contrario, urna
sem davf-l prova bei expresla do respeito :eiv da
da a maior torca de wn governo* (ApoiaH rnoderaro com qos-ella praeede. ()*i*os
doe). j apoiados.) Louvores merece o nobre dapu-
>'Sb. Prs^- dk Campo:Apoiado. NinJ tado por PBrnamb*&que, cc*n srenficto da
gueim>d em.quem corre. 'saa sade,indo ao>l*ogar oniese tinba.ao
-S. Mr?-Ro da JftsricA : Guardado aconteeimento, so^n a s
da nacional.-Po period progressista,
nhores.cxpediram-se 3^4i actos-ou
H&udade).
estando orgaaisada
be-
se'nefica re.)labeleceu'i# im eri> da le,.&fez
de-jeessar oa ierro, a entretanto foi .swito
defisgurado e mako exagerado.
O Sr- Oorr:a dk Olivera:Agradeco
a V. Exc: poraea nao pode ir, escrevi
tendo immediatomente, a-a carta ebegou a tempo
a
cretas.- (Oh-! oh!
Hs Voz:: J
guarda nacional.
&Sr. MrisRO da asric.v :3i
aps-si oto meies do dominio e cito raeze*, de se proVidenciarx
de grande aetividade. Isse algaasmo di-| OSn. H* a Jlst'Ka:No
vidido pelos anoos d osa'termo medio ife; durante a dominio .progressista, i
742-decretos.
O' Sr. CrW/ MacuAte :Nem.
Para,
I se uiu jaia de paz. O de Ttorera foi preso
a praga'no momento em que se diriga ;
para prasidir a aaesa, licaodo incommuni-
cavel daranle o tempo daj^ico.
Nestamesma provincia, em Viseo, na
vespera da eleicao, o delegado, reunido ao
--------------1 a*. ~r.cr.MHvn bataihao da
dos gafanhotos do Egypto.
*;SR. Mwbwro da JrsTicA:Em una
anao o ministerio de 16 de juiho, tendo
neaessdade de arredar- officiaes pouco es-
craifjalosos que empregavam a> autoridade commandante do respecvo
e aHuencia* do posto como instrumentos de guarda naciouaU assaltoita ca do. p
hestilidada ao governo apenas expedio B8
deeretos.
paz qae devia presidir a. mesa, e coinmet-
tea asmaiores-tropeliasv Este facto ebe-
0 Sn. Correa de Suveira :Entrando gou ao conhecimento do^overnode enlo
a reintegraco de homens qi tinham sido
regularmente reformados.
O Sn. Ministro ba.Jdsti?lv Eta nu-
mero de 50. Um dos meios de que tonfou
.mo com rauita frequencia o partido pro-
gressista para arrsdar os ofciaes. decahi-
dos da graca, e substitu tos por outros
que nem- sempre tinham a precisa donei
Quai foi, poiflft, seu procedraenio? Que
fizesan esses- politicosK severos que hoje.
pretendera. moralisar o paiz ? Mandou-so
ouvir o. proprio subdelegado,, que havia
assaltado com mo armada a casa do c(L>
d'to. xV vista da sua respostav mandon-se
archivar a,violenciau
0,Sn.eoRRA dsOiiveira.: Bem diie-
dade, foi o da caeaco docommaados su- rentemeate do que fez o digno presidente e
perioros, de batalhSes e seojoes de bata- Pernambuco a respeilo do-tacto deltsmbe.
Ihes. O numero de tass creacSes elevor>
se a 248.
O Sn. Cnr* Maciiajo-Que quantidade
do phsphoros!
O Sr. Ministro a Jusica :S eom-
mandos superiores erearam-se 65 no do-
minio progressista. Nos creamos sjjmente,
2 no periodo de um aneo.
(Trocam-se apartes.)
Creio, senhores, qua vista destes faetos
nao se pode dizer que houvesso urna reac-
gao ou mesmo urna grande alteraeao no
pessoal administrativo. (Apoiados-)
Considerarei agora a outra face da reac-
C3o, a seguranca individual.
Rucrotaraento.Sabis, sanhores, oque
se tem laneado conta do gabinete de 16
de julho e de seus delegados sobre esta
materia. Entretanto, nao foi durante a si-
tuaco conservadora, nao, foi no pleno do-
minio progressista que se introduziram no
vocabulario poltico estas phrases significa-
tivascorada de homens, correras de bar-
baros, mashorcas....
O Sr.. Cruz Machado Prender para
voluntarios !
0 Sr. Ministro da Justica:... vo-
luntarios presos...
0 Sr.Casado:Voluntarios de corda!
O Sr. Ministro da Justica :... phrases
estas que expriraem bem fielmente o es-
tarlo do paiz naquelle tempo. Ellas abi
O Sr-. Ministro da JrsascA:Nao posso
releric todos os fados de que flz ampia
proviso, porque a camaca j est fatigada
(modos nao apoiadosX-
O Sr. Souz-a Res: Ouvmos. a V. Ex.
cora muta satsfacao, (Minios apwados.)
O Sr. Msmstro jm Justica :Nao posso
reproduzir aqu *jhi metade de aconteci-
mentos ideticos aos que tenbo referido, e
que doraiem nos archivos pblicos, onde
foram sepultadas tantas violencias, tanta
tropelas e arbitrariedades impunes dos
agentes do partido progressista! (Muitos
apoiados.)
Vozes :=Nem n'um mez!
O Sr. Ministbs da Justica .-Senhores,
o supplicio da cruz I...
O Sr. Araujo Lima :No Cear elles en-
pregaram at a torquez (Oh! Oh!)
O Sr. Ministro da Jlstica : A origem
desta aecusaco a seguinte: fez a impren-
sa opposicionsja da provincia das Alagas
graves accusacQes a um subdelegado por
ter mandado atar um individuo a uma
cruz.
O presidente da provincia, cidado Ilus-
trado, immediatamente mandou investigar
do facto, e chegou ao conheciracnto do que
realmente um individuo, um operario, ti-
nha sido por um soldado da escolta atado
a dous paos, os quaes rilo tiam forma al-
guma de cruz: eram dos pos deitados e
sem ligaco lancaxam mo desse expedi-
perseverasso neasa mareta. Ao mesmo
**mpo mandou publicar no Diario Oficial'
o original da communicaco da presidencia
da provincia, e o aviso-que se Ihe ctpedio
em resposla, com dota de...
Pb, senhores, um governo- que entrega-
opmifw) publica, reprovacS do paia-.
taes faetos, pode ser acensado de violento 7
P6de ser elle acensado- d compheidade em
crimes que nenlium governo ten torga de
prevenJr,pois que a pn>pria Divindade que
fez o homem livre conente que etTes se re-
produzanv (apoidos)...
O Sn. PMoar Campo*-:Reprovando-os.
O Sr. Xttimno da JbsOlpA:;.. o- gover-
no que entrega repro*ac3a do paiz os
aotos arbitrario da auioridadd ; que orde-
na e acororaa a sua ponco, esse governo
p.'sM ser chamado de arbitaario, de violador
da liberdadt individual ?
ltretanto^ senhores, eompare-ae este
fac, na sua verso real, como o fr-to de
um-^iarda naoiooal, Franensco Jes-d* Li-
manque na provincia de Pernambaeo foi
era 867- remsHto por sso commaodante
ao qpartel depotteia e fa'.teceu de mos
trates.- f"ApoiaOo da deputa$ao pernambu-
cana)
O Sa, Pintodk Campos Oom o maior
escaadalo.
O 9a.-MiNisAao"iA Justkc Chsganda
a denaocia desta tacto ao governo impe-
rial, tratou estedte obter es^arecimentosda
presidencia.
Este Meado atorir o proprio coraraan-
dante-a quem ss-imputava a violencia de
que tallecer o tKuala nacional...
UH*A"oz:Dizem que atemorreu drame.
O Seti MiMsiitftiOA Justii a.. nego-: oflicisl o facto, e remetteucomo prova um
corpo-ite deletc Mas quscorpo de Jelio-
to, senliores?! Umcorpo.de delicio-em
que os profissiaaacs, examinando o cad-
ver da guarda nacional, dteclararam >.ise o
individuo provavetmente tinba fallecido de
febre intermitiente, pois seas companheiros
diziam.que tres-das antes-elle se queixara
de fsios. Eis a corpo de elicto que fea f
para, o governo-^rogressista, em virtude do
qual m.-iiidararanse archivar esses papis e
sepabar este erime,
0->Sr. Cni:z.MiciiADO.---Eu vi um de50
annos, com 10 fiios, ferido de bala e
chumbo no acto de ser rserutado as-Dores
do Goanhans..
OSr. Diarte de Azxhcdo :Atc-sdentes
do caes se cacava.
OSr. Ministro da Justica: Senliores, o
que sao estas violencias, porm, a-vista de
um fado j referido nesla casa i>or nm no-
bre deputado por Minas, o facto de serem
castigados a chicote os presos dacada de
Ouro-Preto!
O Sn. Chuz MAUiw.no:Ghicste-?! Baca-
lho! (Hilaridade).
O Sn. Ministro Div Justica : Este facto
trazido ao cont>ecimento do gabinete de
12 de maio; e este, senhores,. custa a crer,
exped um aviso declarando ao chefe de-
policia.que isso tolerava, ss-no ordenava ;.
declarando-lhe que a conslilnico Jdo impe-
rio tinha abolido o acorte, as marcas de fer-
ro quente e as torturas 1
O. Sr*. Cbm Machado : Isto saben os
meninos de escola que tem a constituicio..
O Siu Ministro da Jusmca .Justamente.
Eis. seahores, como o partido progressista
govemava este paiz, como elle o moralisa-
va.'Era assim; ensillando ao chefe do poli-
ca os rudimentos da constituco.
O Sn. Vieira da Silva E como nao ti-
nham para onde mandar esse chefe. de po-
lica, mandaram-o para o Maraauo. (Pa-
sadas).
O Sr. Pinto Lima :Mas esses faetos s3o
dos dous ltimos ministerios.
O Sr. Ministro da Justica :Sem duvi-
da ; a maior parte destes tactos sao de 1867,
menos o que acabei de referir, que de
1865, o aviso do Sr. Nabuco tem a data de
26 dojunho.
Algemas.Chegou a Apparecida, provin-
cia de S. Paulo, um homem algemado, e,
suecedendo quo nessa occasiajo se achasso
all a augusta princeza imperial, foi levado
a seu conhecmento este facto, que devia
magoar seu coraeo. O presidente da pro-
vincia quando soube do occorrido repro-
vou, nao s aquello acto, como o uso que
so fazia desdo muito lempo daquelle meio.
Nao" ha quem apprve esse systema de guar-
dar presos ou recrutas: mas quem intro-
duzio e vulgarisou esse costume no paiz V
(Contitiuar-sp-lia.y

1
TVP. 1)0 DIARIOBl1 A DAS VRIZES M.
metal
B


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8S9LZWJ1_8X756A INGEST_TIME 2013-09-13T22:51:28Z PACKAGE AA00011611_11947
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES