Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11944


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLV. NUMERO 212.

CABUL E 15CAKS OTOE *A0 SE PAGA P6*fE.

SEXTA FEIM 17 DE SETEMBRO DE 1869.

Por sw ditos idem............ ...... .#*~ ^B^S^s Pur trcs m0MS adatados.............. 6JI780
Por nm anno idam.............." ."..... 1S22S ^Sgfcf^ Por i ditos idem................ ($500
Cada numero vubo ............. *S ^^ Por wa, ditos idem................. .' ^gS
..... ffazu Por nmanno............... 27J000
DIARIO DE PEMAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figueiroa de Faria & Filhos.

NAO AGENTEN
:t~!-''^h~^^
PAUTE OmCIAL
no Natal; Jos Justino
(
reme da provincia.
KtPEDIENTK ASSINUM) l'KI.O EXM. SR. DR. HAMO* DO
NkiUMiiNro MAINADO PtRTRLLA, VIE-PnEsIDli.NT
DA PROVINCIA, EM 17 DKJUNHO DE 1869.
1" seccao.
K. 576.Portara ao Exal. Sr. general cnniman-
Jame das armasMande V. Ex.-, por un liberta-
do o Mrula Jos Gregorio, visto ter sido julgado
11 servico do wrerciio, como se vd do ter-
oo aymexo aoseu olllcio de 16 do corroute sob
3o4.
Dita ao capitao do porto.A vista 4o
que xpe V. S. em seu aflkio d 16 do'cor-
route, sob n. 7i, recommendo nesta data a rama
ninicip.il desla ridade que lome as necessa-
rias providencias, no Mido '
buso do lanear-se en tullios
N. 593Dita ao mesmo.Autoriso V. S., nos
termos de stia informaco de 12 do crreme, sob
n. 336, a mandar entregar, mediante lianza idnea,
ao vigario da fregoezia de Flores, padre Pedro
Manoel da Silva Burgos, a quantia de 8G155I0,
que se acha em deposito nessa thesourara, pro-
veniente do beneficio do pnmeira parte da lotera
extrahida a favor das obras da capella de Nossa
Senhora da Concecao, naquella villa.
N. 594.Dila ao mesmxEx pega V. S. suas
ordens para (pie, em vista lo incluso rcqueriraen-
to documentado, soja pago Julio Cesar Goncal-
ves Lima, na qualidade de procurador da profes-
sora interina da cadoira do instruegao primara
de Villa Bella, Lucinda Casado Lima, o que se
tla^;a\Bjer >ta plloiente do seu vend-
a 503.Dita ao mesmo.Transmuto V. S.
de fazer eessar ojp.ara ** conliecimeuto e rms convenientes, a to-
no rto, o que davajj6,usa P'a d ,ermo <*<: prurogacao por dou
lunar .a reclamaran qoe a es-a capitania~jirii^' anno*> 0 contrajo feito pela commissao cto polica
nm varios propnetaros de trapiclics, situados no :d* mlda legislativa provincial, com Carlos Er-
Porle do Mallos; o que declar a V. S.' em res-
posta ao citado oflei*.
*.* seegao.
\. 578.Portara o Dr. chefe de polica.Em
resposta ao ofQcio de V. S. do 8 do correte, so!,
16, tenho a dizer-lhe, que segundo a nSela
de novunbru de 1868, oi mandado destarar
na vdla de Granito un outci.il inferior e 15 pr.i-
<^s do corpo. provisorio de polica o que effecti-
vamen* all se acha segundo os ltimos quadros
tu forca polftial, enviada pelo respectivo coinraan-
(lante, pelo que sendo essa villa sede do termo do
* ai. estando os destacamentos a disposioao do res-
ivo delegado, pode elle faze-io estacionar no
r que inais conveniente achar para o servico
publico o deligeneias polieiaes.
N. 579.Dita ao juiz de direito da comarca de
Caruar llemetta V. S. a qoeixa apresentada a
nuto de Mosquita Falco, para o apanhamento
dos debates da inesuia as.sembla.
-V 396.Dita ao mesmo.Declaro V. S. para
seu conhecimento e fins convenientes, que o cliefe
interino da repartir das obras publicas partiei-
pou-me, em oflieo de lo do correte, stib u. 227,
que achando-se em perfeito estado de conservacao
a obra da ponte da Escada, mandara lavrar o ter-
mo de entrega definitiva d'essa obra, e passar o
competente certificado ao respectivo arrematante.
N. 597.Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas.Inteirado, pelo offlcio que Vmc. me di-
rigi hontem, sob n. 230, de ha ver mandado la-
vrar o termo de recebimento definitivo da obra do
primero e tercero termos da estrada da Victoria,
e passar o competente cartilicado ao respectivo
arrematante, visto ter decorrido o prazo de res-
_ ponsabHidade d aquella obra, e ostar ella em per-
pmsidencia por Manoel Florentino dos Santos, I fci, estado de mservacJo, tonho a dizer era res-
contra o juiz municipal e do orphaos desse termo, r,os,a ao. '"'tado_ olllcio, que del sciencia dessa oc-
ie Ihe foi dirigida para informar com a porta-
ra do 2 de junb > do anuo passado.
\. ."'Sil.iiia m ni'smo.Memetta V. S. a quei-
xa e infonnacoes que Me fotain pedidas a respo-
in das aecu-aroes feilas ao juiz nmnicipal e do or-
phaos desse termo, pelo bacharel Manoel Henri-
-<|iie Cnnleiro.
(. 5S1 Dila ao juiz de direito da comarca do
tonito.Iteiuetta V. S. as infonnacoes pedidas
na portara de 21 de marco d aun, passado so-
loe a- ceataeBa feilas aojuiz municipal e de
arakioa de CamrH iwr Jos ARtooi i \ alentim.
3.a seccio.
N. iiSl Portara ao inspector da lliesonrara
ue laxend .TransoaiUo aV. S. os prets, juntos
om duplcala, que me remmettcu o brgdeira
coramandanie das anuas com offlcio de lionlem,
sob ns. :\:i o :;!, atim de que, depois de lqui-
dadoa sejatn pagoi os reseineatoa relativos a Ia
qojieaa deste nez, das praeas empregadas no
deposito de recrutas, e dos presioneiros de guer-
ra paraguayos, existentes nesta provincia.
8. .Wi.Dita ao mesmo.Existindo na secre-
tara do governo a mofeas mezes dous caixoesi-
uhos com medieameios, que se esio arruinando
)Hir niotereni sidoproeurados por parte da auto-
vidade qoe os requisitou, V. S. os envo, allin de
pie mande por em pra(a os sobreditos medica-
.nifntos.
X. ">8,">.Dita ao mesmo.Recommendo a V.
s. que. en vista da folha, relacSo noininal a pret,
juntos etn duplcala, mande tiquidar e pagar os
\encimemos, relativos ao mea de abril ultimo do
"llii-.il e proas la guarda nacional, destacadas
M villa ila ll.ia-Vsta, sendo a importancia dos do
i Hcal antregue ao capitn Liberato Al ves Gui-
inaraes, e a dos das pracas ao capitao Francisco
Manoel Rodrigues Coellio, ou ao procurador de
laes eapitaes, Andi Avelno l'erera da Silva,
ronfornie soliciten o commandante superior d'a-
qnella comarca, em officio de 21 de maio ultimo.
N. 586.Dita ao mesmo.Tomando em consi-
daracloo que V. S. axpoz em seu olllcio de hon-
t' tn D. 392, resolv abrir a essa tbesouraria sob
miaba responsabdade, nos termos do art. 5 8
do decreto n. 2,8SV do I" de l'evereiro de 18G2,
u:u crdito supplementar na mporiancia de B87#
para ir sepagaudo as ferias do petsoal econtas do
natcrial empregado nos concerlos urgentissinlos
(ue ntio sendo axeeolados por administraco no
i ei i da sala de abertura do edificio, em quefunc-
tiona a alfandega dala capital, visto ter sido in-
salli.-i. nle a quanlia de8.'t, consignada para taes
concerlos. O que declaro a V. S. em resposia ao
citado offlcio.
M. 5X7.Dila ao inspector da tbesouraria pro-
\incial.Annuindo ao que solicitou o cHbfe inte-
1 no da reparticao das obras publicas, em offlcio
de 3 do crreme, sob n. 212, recommendo a V.
S. qae pela verba, estudos graphicos, mando en-
tregar ao thcsotireiro d'aijuella repartcao a quan-
tia de 500I para ser abandonada por adiamnten-
lo ao engenbeiro do 3" dstricto, Jacintho Paes de
Maadooea Jaguar, para occorrer as despezas
com a obras que val examinar em diversos pon-
tos da provincia, e por conta da ajuda de custo,
Ihe compete, por essa commis-
N. 588.Dita ao mesmo.O chefe uterino da
repartirio das obras publicas, particpou-me em
(flicio i'e hontem sob n. 230, que, tendo decorri
i > praso de responsabidade da obra do 1 e
' tornaM da estrada da Victoria, e achando-se os
tormos em perfeito estado de conservacao
mandara lavrar o termo de entrega definitiva dessa
obra e passar o competente certificado ao respec-
tivo arrematante. O que declaro a V. S. para seu
conhecimento e fins convenientes.
N. 58!.Dita ao mesmo.Em additamento ao
meu officio de 4 de maio ultimo remello a V. S.
para os lias convenientes, o incluso atteslado que
veto annexo ao do ebefe de polica interino, do 1"
do correnle, sol n. 788, com referencia a casa
Arrendada a Caelano Dellino Monteiro de Carva-
lho, para servir de quartel ao destacamento do
termo d'Agna Preta.
N. fi'.i).Dita ao mesmo.Inteirado do conte-
dodeoffleis que V. S. me dirigi em 14 do cr-
lenlo, 10b n. 3ii, tenho a dker em resposta, que
pode mandar por novamente em arremaiacao com
0 abale de 3:090< no preco annual de 70:001*.
porque foi a praca, conforme indica a junta dessa
thesouiaiia.o imposto de 2#500 do gado vaceum
morto para o consumo deste municipio.
If. 591.Dita ao mesmo.Inteirado polo offlcio
que V. S. me dirigi em 14 do currento, sob n.
343, de haverem Bartholomeu A C, dado por fia-
dor Jos Nogueira de Sooza, arrematado por um
anno, e com o abale de 4 % nos oreos do res-
pectivo formulario o fornecimentodos medicamen-
tos para a interinara da casa de delengao, tenho
a dizer em resposta ao citado offlcio, que approvo
cs9a ramatacao.
N. 5*8.Dita ao mesmoAccuso recebido o
officio de 28 de maio ultimo, sob n. 292, em que
V. S. participial haver Heraclito Constantino de
Paula Monteiro, dando por fiador Anloni Jos
Ribeiro de Moraes, arrematado o fornecimento dos
objectos necesarios ao expediente das repartieses
provincia* no exercicio prximo vindouro, com o
abate de 1 por cento nos procos que serviram de
base ao contrato celebrado o actual eiercicio.
Eai resposta tenho a dizer que approvo essa arre-
matacio, devendo o respectivo contrato-ser effec-
tuado sob as mesraas condiedes do cima men-
cionado, e que por copia veio annexo ao offlcio de
4 de eerrente, sob n. 320, accrescentando-se a de
ser o fornecimento da secretaria do governo so-
mante quanto aos objectos que para ella forem pe
didos.
correncia a thesouraria provincial, para os fins
convenientes.
N. 598.Dita ao mesmo. Pelo offlcio que Vmc.
me dirigi em 15 do correte, sob n. 227, fiquei
inteirado de haver mandado lavrar o termo de en
trega definitiva da obra da ponte da Eseada, e
passar o competente certificado ao respeciive ar-
rematante, do que dei scieucia tbesouraria pro-
vincial, para os ilns convenientes.
'r soccao.
N. 599.Portara cmara municipal da cida-
de do ltecife.Trazendo o capitao do porto ao man
conhecimento, em olllcio de hontem datado, s.,b
11. 74, que os proprietarios de varios trapiches si-
tuados no Forte do Matto; se queixam de que o
respectivo fiscal manda laucar alli aculo entuluos,
o que muito prejudica ao porto, tajicipalmente
aquello lugar que ha pouco tempo fra aprofunda-
do a expensas dos ditos proprietarios, recommendo
a cmara municipal do Recife a expedieao do
suas ordens, para que cesse semelbante abuso tao
nociva ao porto, marcando um lugar para nelle
se lancar o lixo.
N. 000.Dita mesma.Recommendo reama-
ra municipal do Recife, que providencie em ordem
a nao continuar o servico de lavagem de roupa no
espaco murado junto ao gymuaso provincial.
N, 601.Dita ao director interino dos Indios.
Parasj3dor resohref acerca do contedo do seu
offlcio de 27 do abril ultimo, convm que V. S.
informe circunstanciadamente sobre 6 que diz do
juiz eoramissario que allude o seu citado offlcio,
remettendo-me documentos que comprovera suas
infonnacoes.
EXPEDIENTE A6SI0NAD0 l'KLO SR. DR. JOAQl'ISI COR-
REA DE ARAUJO, SECRETARIO DOGOVERNO, EM 17 DE
JUNHO DE 1869.
Ia secfao.
queriinenlo, em que Cypriano Cosme de Souza
pedo licenca para continuar com o curral de apa-
nbar peixe, situado entre a ilha do Nogueira e o
ancoradouro, e que allude a informaco de V. S.
de 16 do crreme.
i.' seccao.
>'. 603.Officio ao commandante superior da
guarda nacional da loa-Visla.0 Exm. Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar V. S. que
transmitto tbesouraria de fazenda, para o fim in-
dicado em seu offlcio de 21 de maio ultimo, a folha,
relacao nominal e pre, que em duplcala vieram
annexas ao citado offlcio, o qual fica assim respon-
dido.
N. 604.Dita ao capitao Joao Themoteo e An-
drade, presidente do conselho de qualificacao de
l'anellas. Exm. Sr. presidente da provincia
manda aecusar a recepcao do offlcio de V. S. de 8
do correte, que acompanhon a lista dos clda-
dos qualilicados nessa ^arochia, para o servico
da guarda nacional, do que tica inteirado.
N. 605.Dito ao Sr. Francisco Antonio Pereira
de Brito.Pela secretaria do governo se avisa a
Francisco Antonio Pereira de Brito, que na repar-
ticao do correio se acha a sua peticSo dirigida ao
governo imperial pelo ministerio da justlca. cou-
vndo que mande pagar o porte respectivo, para
que possa seguir o seu destino.
3-1 seccao.
N. 606.Oflieo ao chefe da reparticao das obras
publicas.O Exm. Sr. vce-presidente da provin-
cia manda declarar V. S., que a thesourara
provincial tem ordem para entregar ao thesou-
reiro dessa reparticao os 5005 constantes de seu
offlcio de 3 do crreme, sob n. 212, o qual fica
assim respondido.
Expediente alionado pelo exm. sr. dr. manoel
do kasctmknto machado portella vicepresi-
dente da pnoyinua em 18 de junho de 1869.
Ia seccao.
N. 608.Portara ao cnsul portuguezRes-
pondendo ao offlcio que me dirigi com data de
hontem o Sr. Dr. Claudino de Araujo Guimaraes,
cnsul de S. M. Fidelsima, tenho a dizer que ao
juiz municipal e de orphaos do termo de Caruar,
dou sciencia de haver o mesmo Sr. cnsul consti-
tuid o maior Antonio Vctor da Silva Vieira agen-
te ad hoc veSM consulado, afim de promover a
arrecadacao do espolio do subdito portuguez Joo
Bento Para, alli fallecido, e recommendei que faci-
litasse ao mesmo ageute o desempenho de sua in-
cumbencia. Renov ao Sr. cnsul a seguranca de
minha perfeita estima e distincta consideracao.
JJ. 609.Dita ao conselho de compras do arse-
nal de guerra.Com a informaco do brgadeiro
commandante das armas, datada de 17 do corren-
te, sob n. 355, junta por copia, respondo ao offlcio
3ue me dirigi o conselho de compras do arsenal
e guerra em 7 de maio ultimo, relativamente
compra das 40 arrobas de plvora, pedidas pelo
coronel commandante d> fortaleza do Brum, para
as salvas que tem de dar a referida fortaleza, nos
mezes de jutho e agosto prximos futuros.
2* seccao.
>'. 610.Portara ao chefe de polica interino.
Transmiti a V. S. a informaco junta por copia
do commandante superior da guarda nacional de
Santo Antio, relativamente irregularidade com
que feila a substituirlo das praeas do destaca-
mento de Santo Antao, de que trata o sea offlci*
n. 703 de 11 de maio lindo.
N. 611.Dita ao commandante superior da
tarda nacional de Santo Antao.Em resposta. ao
iu offlcio de 9 do correnle, em que participa-me
nao ter-se reunido o conselho de revisao da guar-
da nacional desse municipio, tenho a dizer-lhe que
providencie do conforraidade cora o art. i- % 26 do
decreto n. 1354 de 6 de abril de 18oi, e p art. 9*
do de n. 1130 de 12 de marco de 1853.
N. 612. Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Cabrob.Expeca V. S. as
suas ordens, pura que o destacamento existente
em Cabrob, seja sobslituido por outro composto
de pracas da guarda nacional do municipio do
ff. 613.Diti ao juiz municipal de Caruar.
Coramuuicando-ine o cnsul do sua magestade fi-
delissma, em offlcio de hontem haver conferido
na mesma data procuracao especial ao major An-
tonio Victor da Silva Vieira para que em nome
d'aquelle consulado, e como seu agente ad hoc
proceda a arrecadacao dea objectos juc consumera
o sspolio do subdito, portuguez Joao Benlo Para
que fallecer ososa cdade; assim o declaro a
Vmc., afim de que reconheca e mesmo major co-
mo agente do referido consulado e Ihe facilite a
execueao de na incumbencia.
N. 014. Ddliberacao. O vice-presidente da
provincia altendendo ao que Ihe requeren o 2o sar-
gento do corpo provisorio de polica, Antonio Joa-
quim de Barros Lima, resolve coneeder-ihe um
"ez de liaenca com vencimentos para tratar de
sua saude oni Ihe convier.
N. 615.Dita.O vice-presidente da proviucia
de conformidado com a proposta do chefe de po-
lica em offlcio n. 884 de 16 do correnle, resolve
conceder^ a Liberato Florentino de Marques a
I exoneracao por elle pedida do cargo do subdele-
gado do dstricto de Baixa Verde do termo de
Flores.
N. 616 Dita.O vice-presidente da provin-
cia de conforinidade com a propusU do cliefe de
polica em officio n.884 de 16 do correnle, resolve
nomear paral)cargo de subdelegado do dstricto
de Baixa Verde, do termo de Flores, Amonio
Lopes de Squeira Braga.
3' seccao.
N. 617.Portara ao inspector da thesourara
de fazenda.Em vista da couta junta era duplca-
la, que me remetleu ochote ,1e polica com ollicio
de 16 do correnle, sob n 881, mande V. S. liqui-
dar e pagar a Malaqnas Jos Baplista ou ao seu
procurador a despeza feila durante o mez de maio
ultimo com o fornecimento de luz e agua para o
quariel do destacamento de guardas nacionaes
existentes em Cimbres, antga villa de Pesqueira.
N. 618.Dita a> mesmo.Recommendo a V.
S. que em -.isla da conta e pret junto em duplca-
la, mande liquidar e pagar a Jos Mara Ferrara
da Cunha, para isso indicado em offlcio do chefe
de polica inlerno datado de honiem, sob n. 889,
nao s os vencmoutos do urna escolla de guardas
nacionaes que veio do termo do Limoeiro condu-
ziudo cinco recrutas, mas tambm a importancia
das diarias abonadas a esses recrutas, os quaes
constara da mencionada conta, o foram enviados
ao commandante das armas para o servico do exer-
cilo.
N. 619.Dita ao inspector da tbesouraria pro-
vincial.Tendo por delibera?* desta data snce-
dido a aposentadoria que solicitou o escriplurano
da secretaria do governo Joao Mauoel de Castro
resolv nomear para esse logar o amanuense da
mesma secretaria Manoel Jos de (lampos Barbosa
e pira o de amanuense o collaborador Silviuo An-
tonio Rodrigues ; assim o declaro a V. S. para
seu conhecimento o fins convenientes.
N. 620.Dita ao mesmoTransmuto a V. S.
liara os fins convenientes, SO exemplare? impres-
sos do regulamento dado em 21 de junho do anno
prximo passado a essa reparticao.
N. 621.Dito ao mesmo.Depois de liquidada
em vista das conlas e mappas juntos a despeza
feta, durante os mezes de margo a maio deste an-
no com o sustento dos presos pobres da cadeia do
termo de Garanbuns, mande V. S. pagar a sua
importancia aos negociantes Lopes & Paiva, con-
forme solicitou o chefe de polica interino em of
ficio de 16 do corronte sob n. 882.
-N. 622 Dita ao mesmo.Expeca V. S. suas
ordens para que e.n vista da inclusa conta, que
me remelteu o chefe de polica inlerno com offl-
cio de 16 do oriente, sob n. 878, seja liquidada e
paga a Maximano da Silva a importancia do
aluguel vencido de junho do anno prximo pas-
sado a maio ultimo, da casa que servio de quar-
tel ao destacamento do povoado da Capunga.
N. 623. Dila ao mesmo.Pode V. S. de con-
formdade com a sua informaco de boje sob n.
350, com referencia a da contadoria dessa thesou-
raria, mandar pagar a Francisco Xavier Cavaican-
te Lins a importancia da 4* prestagao, a quo tem
direito na qualidade de arrematante do 1" lanco
da estrada do Ilapissuma a Pasmado, como se v
do certificado, annexo ao requermenio que incluso
devolvo.
N. 624.Dita ao mesmoAccuso a recepcjSo
do offlcio de hontem, sob n. 347, em quo V. S.
parlicipou haver o bacharel Jos Ferreira da Ro-
cha Jnior, dando por fiador Jos Lopes Rosas, ar-
rematado por um semestre, e com o abate de 20
% nos procos da respectiva tabella, ofornecimen-
10 do sustento para os presos pobres da casa de
detengao e em resposta tenho a dizer que approvo
essa arrematacao.
N. 625.Dita ao mesmo.Por deliberagao des-
ta data roso I vi nomear colaboradores da secreta-
ra do governo a Ovidio Pergentino d9 Souza e Mi-
nervino Jefferson Pereira de Olivera vencendo
600*000 anHuaes cada um. O que declaro a V.
S. para seu conhecimento e lins convenientes.
N. 626.Dita ao mesmo.Commnico a V. S.
que nesta dita dispensei de servir na secretaria do
governo desta provincia o collaborador Trajano
Orias Gomes dos Santos devendo ser paga a Joa-
quim Francisco Borges Ueha que o substituto, a
gratillcacao de 60000 mensaes que elle perce-
bia.
4a seccao.
N. 628. Dito ao presidente da provincia das
Alagoas.Transmiti por copia a V. Exco incluso
regulamento expedido por esta presidencia em 31
de margo ultimo, em virtude do arl. 51 da le n.
853 de 5 de junho de 1868 Fica assim satisfeita
a requisicao de V. Exc. constante do seu offlcio de
7 do crreme.
K. 629. Dito ao presidente da provincia do
Para. Tendo sido contratado de conforraidade
com o offlcio de V. Exc. de 11 do maio ultimo, o
meslre pedreiro Francisco Xavier Soares, para
servir as obras militares dessa capital, remeti a
V. Exc. copia do referido contrato, afim de que
se digno appreva-lo e expedir as suas ordens
para o transpone do mesmo meslre e de sua fa-
milia.
N. 630.Portara ao Exm. bispe diocesano.
Nqatendo sido incluido no orcaraonto do exerci-
cio correte, segundo me declarou o inspector da
thesourara de fazenda em ofllcio de hontem sob
n. 394, a despeza com o pagamento da congrua
do vigario eneommendado da fregueza de Nossa
Senhora da Pe ha de Gamelleira, de que traa o
offlcio de V. Exc. de 12 do corrate sob n. 115,
nesta data solicito ao Exm. Sr. ministro do irape
rio as necessarias providencias sobre o pagamento
da referida congua: o que participo a V. Exc.
Rvina. em resposta o seu citado offlcio.
N. 631. Dita ao gerente da companhia Per-
nambucana. O Sr. gerente da companhia Per-
nambucana, mande dar ama passagem de estado
a proa para o presidio de Fernando, no primeiro
vapor que seguir para alli, a Ignez Luiza do Es-
pirito Santo, raulber do sentenciado Manoel Fer-
nando dos Sanies.
N. 632. Dita ao mesmo. O Sr. gerente da
companhia Pernambucana, mande dar passagem
de eslado a proa ala o presidio de Fernando-, no
primeiro vapor que seguir para alli a. UarcolinA
Luiz
Mana da Coneeco, mnlher do sentenciado
Antonio Cabral e a dous Itlhos menores.
ff: 633. Dila ao mesmo. OSr. gerente da
companhia PernamUicain, mande dar urna "passa-
gem de estado a proa para o presidio de Fernando,
no primeiro vapor que para alii sejioip, a Maria
Francisca da-Concecao-, mullier do sentenciado Ja-
cintho das Burros Guedes.
N. 634. Deliberagao. O vice-presidente da
provincia em vista do ollicio do director geral in-
terino da nstruccao puMica, de 16 do correnle
sob n. 180. resolve exonerar o padre Juveiirio Vi-
rissitno dos Anj s, do cargo de delegado luterano
do districto de .Xazareth do Cabo, visto ter modado
a sua residencia para a povoago de Nossa Senho-
ra do O' de Ipojuca, e nomeia para o substituir o
capitao Antonio Manoel do Reg Barros.
N. 633.Dita.0 viee-presidenio da provincia,
em vista do olllcio do director geral interino da
nistnicgo publica, do 16 do comnta sob n. 179,
Jos .\ogoeira de Meti do cargo de^delegado ilite-
rario do districlo de S. Caetano do Raposa, e no-
mear para o substituir a Joaqun Tbeotonio da
Silva Lyra; assim o manda communicar a V. S.
para sea conhecimento, envando-lhe o titulo do
nomeado para ter o conveniente destino.
H. 656.Dito ao mesmo.S. Exc. o-Sr. vice-
presidenle da provincia leudo por deliberagao
desta data sob n. 180, resotvido exonerar o psdre
Juvencio Virisskno dos Anios do Pargo de delega-
do Iliterario do dstricto de Nazareth do Rabo, e
para o substituir ao capitao Antonio Manoel do
llego Barros; assim o manda communicar a V. S.
para seu conhecimento, enviando-lhe o titulo do
nomeado para ter o conveniente destino.
foram mencionados es Srs. Pinto e Falco mp>
arlisias, quando elles .ao apenas amadores, qne ge-
nerosa e cavalheraiwnle se preslaran cania-
dous sotos.
14
resolve exonerar a Lm-iano Jos Nogueira do Mel-
lo, do cargo de delegado [literario do dstricto de
. Caetano da Raposa e para o sublituir nomeia
Joauifc Theolon* da Silva Lyra.
I*. 636.Dita.0 vice presidenta da provincia
em vista do offlcio do director geral interino da
in.-truecao publica, de 16 do*eorrente sob n. 178,
resolve exonerar a Joao Henrique de Miranda, do
cargo de delegado lllerario do dstricto de Itama-
raca e nomear para o substituir ao tonente-coro-
nel Francisco Cardoso Gavalcanti.
.Y 637.Dita.O vico-presidente da provincia,
attend9ndo ao que requeren o professor da se-
gunda cadeira de seincas naturaes do Gvmnasio
Provincial, EVIipp Menha Calado da Foceca, e
tendo coi vista a ihfurmhcao do director geral in-
lerno da inslrurcao publica do primeiro do cor-
re'ite sob n. 155, resolve concedev-lhe dous mezes
de licenca nora venciinentos na forma da le, para
tratar de sua saiidc.
N. 838.Dita. -O vce presidente da provincia
resolve nooiear para xercer os lugares ile colla-
boradar da secretaria do governo, a Ovidio Per-
genttnl do Souza e Minervino Jcfforson Pereira de
rliveira, os qua s deverao encarregar-se de co-
piar o hvros antigos do archivo; cuja letra come-
ga a apagar-se n pereebero os vencimentos an-
niuies ue 600'XH).
N. 639. Dita.O vice-presidente da provincia
resolve nomear para exercer o lugar vago de es-
criturario da secretaria do governo, ao amanuen-
se da mesma secretara Mano i Jos de Campos
Barbosa.
Y (ilO. Dila.0 v:ce-presi'lonto da provincia
resolve Hornear para o lugar vago de amanuense
da secrflara do governo, o collaborador da mes-
ma secretara Silviuo Antonio Rodrigues.
N. 641.Dita.0 vicepresidente da provincia
attendendo ao que Ihe requeren o escrplurario
da secretaria do governo Joao Manoel de Castro,
resohsj conceder a aposentaderia por elle pedi-
da, nos termos do paragraplia segando do artigo
primeiro da le provincial de 7 de abril de 1851,
com os vencimentos que ihe competirein.
EXPEDIENTE ASSII.,\1)0 PELO SI!. DR. JOAQUN CORMA
DE ARAJO, SECRETARIO DO D9VERN0, ESI 18 DI!
JUNHO DE 1869.
2" seccao.
N. 643.Olllcio ao Dr. cliefe do polica interi-
no.Do ordem do Exm Sr. vice-presidente da
provincia transmiti a V. S. .nimio junto de
nomeagao de Joao KapOiaaeenti de Mello c Silva
para o cargo de subdelegado Jo dstricto de Pal-
mares do termo Je Garanhnns de conformidade
cora a proposta de V. S. em ofll io n. 87i de 14 de
crreme.
N. 644.Dito ao mesmo. S. Exc.oSr. vice-pre-
sidente da provincia, manda declarar a V. S. em
resposta ao seu officio de hontem sob n. 889, que
a thesourara (le Fazenda tem ordem para pagar a
I i-i- Maria Ferreira da Cunln a qoanlias, cons-
tantes do Citado ollicio.
__ N. filo.Dito ao mesmo. D- ordem do Exm.
Sr. rice- presidente da provincia declaro a V. S.
em resposta aos seos Ofifcios de le 11 do corren-
le. sob ns.J794 e 881, que o engetiheiro da reparti-
cao das obras publicas novion i 17 deste mez ao
arente da companhia da ilbuoinae.io a copia dos
citados officios para seren dadas as precisas pro-
videncias.
X 046.Dito ao mesmoDe ordem do Exm.
Sr. vice-presidente da provincia declaro a V. S.
em resposta ao seu offlcio n. 883 de 16 do corren-
to, que nesta data se expedio ordem ao comman-
dante superior da guarda nacional de Cabrob
para fazer substituir o destacamento da Tula do
mesmo noine por outro compo-to de pracas do 2o
dos referidos municipios.
N. 647.Dito ao mesmo.Do ordem do Exm.
Sr. vice-presidente da provincia transmuto a V.
S. o titulo junto de nomencfi > te Antonio Lopes de
Squeira Braga para o cargo de subdelegado do
districlode llaixa-Verde dn vrnio de Flores, de
conformidade eom o offlcio n. 884 de 14 do
correnle.
N. 648.-r-Oito ao juiz de direito interino da I*
vara.O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda declarar a V. S. que fica inteirado por seu
ollicio de 17 do correnle, de nessa data ter assu-
mido o exercicio da l1 vara de direito no impedi-
mento do juiz elfectivo e do seu Io substituto.
N. 649.Dito ao juiz de orphaos do termo do
Recife.O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda declarar a V. S. que fica inteirado por seu
offlcio de 17 do corronte de haver V. S. nessa data
reas-umido as funecoes de sen cargo.
N. 650.Dito ao juiz municipal supplenle da 1*
vara desla cdade.O Exm. Sr. vice-presidente
da provincia manda declarar-lho em resposta r
seu ollicio de hojo datado, que lica inteirado de
haver V. S. na data de hontem assomido o exer-
cicio da i* vara desta capital.
N. 651.Dito ao juiz municipal do termo de
Ourieury.U Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. em resposta ao seu
offlcio de 10 de abril ultimo, que fica inteirado de
haverem sido nomeados para os lugares vagos de
partidor desse jnizo, Jacintho Jos dos Sanios e o
alteres Ricardo Pedro da Silva, sendo este tambera
de distribuidor e aquelle contador.
3' ser
N. 652.Offlcio ao inspector da thesourara do
fazenda.O Exm. Sr. vic-presideuie da provin-
cia manda declarar a V. S. para os fins conve-
nientes que segundo ollicio do juiz de orphaos
desta capital bacharel Francisco de Carvalbo Soa-
res Brando de 17 do corrale, nessa data reassu-
ii.io elle o exercicio de seu cargo.
N. 653.=Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vico-pre-
side ite da provincia manda declarar a V. S. que
nesta data se expedio ordem ao commandante su-
perior da guarda nacional do municipio |de Cabro-
b para fazer substituir por pragas dado munica
po de Ex as que compe o destacamento d-
villa de Cabrob.
4 seccao.
N. 654Oflieo ao director geral da nstruccao
publica.S. Exc o Sr. vice- presidente da provin-
cia tendo por deliberagao desla data cent visla de
io V16 do crrente, sol) n. 178, resolvi-
DBSPACHOS DA VICK-PRESIDEV'.IA DO DA
DE SETEMBRO DE 1869
Antonio Feitosa de Mello. riao tem lugar o
que roquer em vista da doutrina do aviso do mi-
nistero da guerra de 13 de fevereiro do crreme
anno.
Abaxo assignados proprietarios do sitio c ter-
renos no lugar de Santo Amaro das Salinas.In-
forme a cmara municipal desta eidade.
Daro Civaleante do Reg e Albuquerque.
Como reqoer.
Encarregado da fesla do Orago da cdade de
Gnyanna.Pira expedida a conveniente ordem.
Jos Augusto de Araujo.Conceda-se a proro-
gacao pedida.
Jo.io Ribeiro Hnntarroyos. Infonne o Sr. l-
ente coronel commandante do corpo provisorio
de noticia.
Junta administrativa da Santa Casa de Miseri-
cordia. Requera por intermedio da cmara mu-
nicipal, juntando a planta do torren.) de que traa,
nos termos dos artgos 2."c 3. do decreto n. 4105
de 22 de revereiro de 1868.
Maria Adclaide do, Barros e Silva.-Dirija-se ao
Sr. inspector da thesourara provincial quanto ao
pasamento at o primeiro semestre de 1868 a
1869, e aprsente os mappas de sua aula relati-
vos ao 2. semestre desse exercicio para que pos-
sa ter lugar o pagamento a elle correspondente.
Rita Quiteria d'Ofiveira.Informe o Sr. deseo)-
bargador provedor da Santa Casa de Misericordia.
Manoel Joaquira do Nascmento.Informe o Sr.
coronel commandante superior interino da guarda
nacional deste municipio.
Repartidlo da polica.
2* seccao.Secretaria da polica de Pernanibu-
co, 16 de setembro de 1869.
Jt. 1346.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
cpagoes recebidas nesta repartgSo, foram hontem
recomidos a casa de detengao os* seguintes indivi-
duos :
A mnha ordem, Joao Manoel do Nascmento,
por crime de roubo na provincia do Piauhy.
A ordem do subdelegado do Recife, Le Blanc
Arnud, francez, a requisicao do respectivo cnsul.
A ordem do de S. Jos, Joaquim Pereira da
Rocha, por desobediencia.
A ordem do da Capunga, Joaquim, escravo de
JoJo Jos da Cuifha Liges, a requermento d'este.
A ordem do dos Afogados Joao Ncpomuccno por
crime de furto.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascmento Machado Portella vice-
presidente da provincia. O chefe de polica
Francisco de Assts Oliveirn Maael.
PERNAMBCO.
seu offlcio
do exonerar a Joao Henrique de Miranda do car
go de delegado Iliterario do dstricto de Itamarac
e nomear para o substituir ao tenenle-coronel
Francisca Cordeiro Cavalcante; assim o manda
communicar a V. S. para seu conhecimento, en-
viando-lhe o titulo do nomeado para ter o destino
conveniente.
N. 655. -Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia tendo por denheracao
desta data o era vista de seu offlcio de 16 do. cor-
rate sob n,. 179, resolvido exonerar a Lacoo
REVISTA DIARIA.
GUARDA NACIONAL.-Por deliberara.) de 13
do correnle, da presidencia da provincia, foram
nomeados para o Ia balalhao da reserva do muni-
cipio de Olinda :
1.* eompaahia. Alteres Luciano Eugenio de
Mello.
3.' dita.Alferes Hilario Manoel da Concecao.
4.* dila.Capitao Jos Antonio Pinto, alteres
Jeronymo Jos Pinto.
S.* dita.Alferes Malinas Ferreira Lima.
6." dita.-Capitao Jos Candido de Souza Castro,
lente Candido Eliodoro de Souza Miranda
Couto, alferes Jos Gongalves da Silva.
ESTRADA DE FERRO DE S. FRANCISCO.
Adiando se doenle, e como tal impossibilitado por
alguns das do exercicio de suas funeges o Sr.
Dr. Manoel Boarque de Macedo, engenheiro fiscal
deMa estrada de ferro ; pela presidencia da pro-
vincia foi designado o Sr. Dr. Fclippe de Figueiroa
Faria, ajudante effectivo, para exercer interina-
mente aquelle cargo.
CONTRARIA DO LIVRAMENTO. Amanhaa
proceder-se-ha elegao da mesa administrativa
desta contraria, no anno de 18691870. Para
essa reunao srio convidados todos os raos.
THEATRO. A companhia lyrca cantou ante-
hontem no thealro de Santa Isabel a opera de Bel-
lini em 3 actosNorma.
Essa opera sufflcientemenle conhecda do nos-
so publico, que a ouvio canlar varas vezes em
outras pocas naquelle theatro.
A msica linda, e foi escripta com o preciso
gosto e cuidado para exprimir em suas diversas
phases os sentimeutos que esperimentam os per-
sonagens do libreto. A Norma encerra verdadei-
ras bellezas musicaes e pode. sem inconveniente
servir do norma aos maestros adstriclos escolla
de Behini.
O desempenho nao foi bom. no geral, e nem a
mise en seenue estove na altura do nosso thealro
e seus frequentadores. Alguns pedacos, e at dos
inais lindos e puros, foram trucidados. No en-
tanto torga eonfessar que o Sr. Amaldi em alguns
pontos cantou com raimo e expressao, bem como
a Sra. Pierotte, cuja voz acharaos mais igual ecor-
recta que de ouiras vezes.
O que tornou-se insoffrido foi o tenor.
Cremos que essa voz canten ante-hontem em
publico em papis da ordem determinada na Nor-
ma pela vez primeira. O Sr. emprezario nao deve
insistir em fazer cantar o Sr. Bonacich em pr-
meiras partes: ser isso deshumano e attentato-
rio contra os onvidos dos seus assignantes e do
geral do publico.
O Sr. Scollari cantou melhor na Norma que no
Fausto, e sobretudo nao se tornou enfadonbo na-
quella opera como nesla cora as suas posicoes dra-
mticas forgadas.
Os coros da Norma, foram regularmente canta-
dos, e a orchestra, excepgao feita por um ou ou-
tro insignificante defeito, executou bem a parti-
tura.
CLUB PERNAMBUCANO.Tem logar hoje a
partida do correnle mez.
SUFFRAGIOS.A sociedade benefleente Segre-
do e Amor da Ordem manda celebrar amanhaa s
7 horas da manha, na matriz de Santo Antonio,
urna missa pelo repouso eterno da Exma. Sra. D.
Henriqueta Amalia de Faria, irmaa do seu socio o
Sr. Adriano da Silva Faria; e para ella convida a
todos os associados.
SOCIEDADE PATRITICA DOZE DE SETEM-
BRO.Domingo, no salao do Club Pernambucano,
haver reunao das commissoes desta sociedade,
sob a presidencia do Exm, Sr. general J. J. Gon-
galves Fontes, s 6 horas da tarde, afim de tratar-
se de negocios relativos ao tira da sociedade.
FESTA DAS CHAGAS DE S. FRANCISCO. Na
;noticia que hornero demos sobre asta fesvidade,
INSTITUTO ARCHEOEOGICO.Reuni se hon-
tem o Instituto Archci.logte., sob a presidencia do
Exm. eooselhero monseor MnnizTavares, ecom
assistencia dos Srs. Drs. Soares de Azevedb, Cma-
ra Tamarindo, Alf.m coronel Leal, padre Lino do Monte Carmefo e ma-
jor Salvador Henrique.
E" hda e approvada a acia- da anteceden;.
O Sr. secretario perpetuo i? conta do segninle
expediente:
Uin ofllcio do secretario da presidencia, offer-
tando ao Instituto de ordem do Exm. vico-presi-
dente a provincia un exomplar da primeira, e
outro da segunda parte do velatorio da segunibt
e.cposico nacional.Inteirado, mandando-sc ar-
.chivar.
Outro do presidente da provincia das Alagoas.
olfertando ao Instituto, um cxemplar impresso do
relatorio, litio peante a assembla provincial da-
quella provincia, era 16 de marco do correnle
anuo.Inteirado, maniando-se archivar.
O mesmo Sr. secretario perpetuo menciona a-
seguintes offerlas:
Varios nmeros do Diurio de Penuimbuco, pelo
consocio Dr. Figueiroa.
Alguns nmeros dos seguintes peridico ; Opi-
nio Xacimal, Oriente e Anuente; pelas respec-
tivas redaegoes.
Pelo Rvm. prefeito do hospicio de Nossa Senhora
da Penha, fr. Seraphim da Calania, par interme-
dio do Sr. padre Lino do Monte Carmelo os seguin-
tes objectos para enriquecer o muzu do Instituto :
Dous raros de cobra, nm ovo de cma, urna co-
bra em conserva e una espada de osso do espa-
darlo.
Pelo Sr. Jos de Vasconceltos :
Rehtorio do Dr. Americo Milito de Freitas Gui-
maraes, chefe de polica da provincia de Sorgipe,
apreseotado ao respectivo presidente, em 18 de
fevereiro de 18C9.
Ordens do dia, commando em chefe de todas as
torgas em operages na repblica do Paraguay,
por sua alteza o Sr. conde d'Eu ; sob os ns. 21 a
28, impressas na typographia do exercito c no
acampamento.
Priqiosta para levar a effeilo os melhnramentos
do porto de Pemambuco, feita pelos Srs. baraodo
Man, consetheiro M. da Cunha Galvao c Dr. J. F.
AI ves Branco Muniz Brrelo, impressa era um
grando folheto em 1867.
dem petos mesmos senhores em oulro folheto
grande, tambera, impresso no Rio de Janeiro em
1868.
Um volume de poesas denominado, Cantor
d'Alvorada, offertado por seu autor o Sr. Marcia-
no Gongalves da Rocha.
Todas estas offerlas sao recebidas com agrado c
mandam-se archivar.
Vein a mesa um parecer da commssao de ad-
missao de socios approvando um Sr. para socio cor-
respondente. E' adiada a votacao para a prxi-
ma sessSo.
Vem igualmente a mesa e va a imprimir um
parecer da commssao de fundos e o gamentos ap-
provando o balango de receita e despea verifica-
da no trimestre de abril e junho do corren!
anno acadmico.
E' distribuido pelos socios presentes o n. 15 da
Revista Trimensal do Instituto.
Ilal.inco do Io trimestre de abril a junho de I1iit>>
1870.
Receita.
Mentalidades. 75*000
Rendimenlo da Revista. 1."i (KM)
Joias de socios. 20 5'ion
Deposito no banco. 1:965*320
Saldo em 31 de marco. 9V88o
3:0085125
Despeza.
Expediente. Ordenado ao Amanuense. 14400
7o5lHn
Dito ao Continao. 303000
Porcentagem ao mesmo de..
HOiOOO. 225000
Impressos da Revista n. 11. 1555000
Saldo cm deposito. 1-.90W340
Saldo cm caxa. 819o'iu..
3.0085125
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RECI-
PE.O pessoal dos estabclecimentos cargo desla
corporacao, no mez de agosto, oi o seguinte :
Hospital Pedro II. Enfermos nacionaes 192,
eslrangejros :i, mendigofl 17, Olhosde enfermos
10, emj>regados 17, serventes e lavadeiras, 16to-
tal 275.
Hospital dos Lazaros.Enfermos 30, entrega-
dos 6, serventes 2total 38.
Hospicio de alienados.Enfermos 76, emprega-
dos 9total 85.
Casa dos expostos. Educando-se na casa 90,
em creacao fra 75, emprogados 12, srvenlo 1
total 178.
Collegio dos orphaosEducandos 133, emprega-
dos 12, serventes 2total 147.
Colkijio das orphaas.Educandas 73, empre-
gados 12, serventes 3total 88.
Secretaria.Empregados 7, advogados 2, solici-
tadores 2, cobradores 2total 13,
Ao todo 910 pessas, dasjpiaes 235 pertencen-
les ao patrimonio dos orphaos e 675 ao de cari-
dade.
GIQUlA.Por este vapor da companhia Per-
nambucana recebemos o Penctlense de 9 do corren-
te, e o Diario das Alagoas al 13 do correnle.
No dia 6 tomou posse do lugar de inspector
da alfandega de Penedo, o Sr. Silvestre Domin-
gos da Silva Pimental.
O Exm. presidente das Alagoas nomeou
urna commissao. composta dos Srs. engenheiros
Carlos de Mornay, Frederico Mery, Antonio Pires
Lopes e Arnaud Massy, pliarmaceutico Claudino
Falco Dias, e o Dr. Joao Lopes do Aguiar Silva
Muritiba, para examinar o encanamento d'agua
potavel do Bebedouro, e chir sua opiniao acerca
dos seguintes pontos :
t 1."Se o agude, contando em si terreno pa-
ludoso, e passando a* aguas do riacho Luiz da
Silva, em seu curso, por lugares brejosos, offere-
ce entretanto as eondicoes necessarias para o for
neciraento d'agua potavel a populagao.
2."No caso afnnaiivo, que raelhoramentos
convir fazer, e o ouslo delles.
3.Pela negativa, se ser de vantagem pro-
longar o encanamento alm do acode de a encon-
trar as aguas na sua nascenca ou aqnem della.
t 4."Era qnalqnor deslas hypolheses, quaes
seriam as obras necessarias, o seu cusi, o lem-
po em que ftrariam concluidas, trabalhand
regularmente.
5. Sosera admissivel o remedio dos filtra-
dores c a respectiva importancia, ao menos pro-
yavel.
6.Se como medida auxiliar para o abaste-
cimento d'agua na eidade, e mesmo como recur-
so mais prompto para obler-se o fornecimento
desse genero de primeira necessidade, conviria
canalisar por qualqner foima as aguas do Riacho
Jacaraeica.
7.A despeza provavol com esse molhora-
mento, com declaragao dos meios mais facis de
realiza-lo.
Lemos no Diario \s Alagos: M .
Coasta de cetamunieacAs recebidas na so



Diario de Pernambuco Sexta feira 17 de Setembro de 1869.

eretaria de polica que na povoagao da Lage do
Cauhoto'fei brbaramente assassinado eaeett-
das e cora urna punhatada na face esquerda o
capitao Ignaeio da Rocha Gallado Pinioga na oc-
caso, md que se retirava da [eir daquella pe-
vocao para sua rasa. O cadver do infeli, que
tinta cabera esbandalbada, fui encorando no
meio da estrada perlo da dita povoagao.
t O subdelegado respectivo, apenas teve conhe
cimento do facto, mudou postar, durante a nou-
te, piquetes as estradas e deu outras providen-
cias tao efficaze* que no dia seguinte, pelas 7 ho-
ras da manha, j eslava preso Joo Lopes dos
Santos, que, secundo sua propria confisso, foi o
autor do tao brbaro alternado.
t O mesmo subdelegado julgou conveniente
tambem prender a Manoel da Paixio por ser
companheiro de viagem de Lopes c por suppodo
cumplice do crime, em vista dos interrogatorios
c mais deligencias, a que proceden.
REMEDIOS.Moradores deste arrabaide se nos
queixam do ncommodo e daino que causara all
os porcos e outros animaos, sem que o llseal res-
pectivo d providencias. A' ser isso verdado,
aperamos que as auloridade competente faca
cessar o abuso.
LOTE1UA.A que se acha a venda a 120", a
beneficio do patrimonio dos orphaos, que corre
*o dia 18.
PASSAGEIROS. O vapor nacional Potengi
Jos da Costa, Joao Pinto da Costa, Antonio de
Aguiar.
Seguiram para os portes do sul a bordo deste
iin.-srao vapor, os seguimos: Candido Rodrigues
de Oiiveira, Henrique Diogo Pitte, Perzur, Poupe,
sua senhora e 1 urna criada, Francisco Machado
Castello Branco, Antonio Francisco Leite, Francis-
co Goncal ves Torres, Bayardo Leopoldo de Souza
Magalhaes, Dr. Miguel Tiburcio Bastos da Silva,
Jacomc de Lima Lacerda, Muniz Corte Real de
Menezes, Marcolino Fontes Magalhaes, Francisco
Jos Garca, Jos de Garca Valerio, Gregorio Ro-
sendo Villa Nova, Joaquim Jos Antonio de Vas
concellos, Joo Pinto de Veras, Antonio da Silva
Guimarcs, llidio Pereira Branco, Jos Joaquim
do Oiiveira, Antonio D. da Costa, Manoel Joaquim
dos Santos Francisco Goncalves de Arruda, I. Jos
de Sant'Anna, Helena B. Cesar e eu eseravo, C.
Candido M. Pinto, Cincinato Jos da Silva.
Tambem para osportos do norte seguiram a
bordo do vapor brasileiro Pirapama, os segura -
tes: Manoel Oiiveira Castro e sua senhora, I'Him-
no B. Fontanelle, Antonio Niines Ferreira de
Mello, Domingos Jos Pinto Braga, Jacintho *.
Oiiveira Gondim, Antonio M. do Nascimento, Jos
Joao Meades da Rocha e seu criado, Jos Ferreira
Gomes e seu criado, Joaquim Pereira do Arantes,
Jos Mendos da Rocha o 3 criados, D. Guilhermi-
na Weedam e 3 iilhos, Francisco Fernandes Lima
Jnior, Antonio F. da Rocha, Joaquim Arystides
da Silva Franca e 1 criad), Pereira Leite, Uly-ses
da Costa Espiado!*, Vicente Severiano Duarte o
scu eseravo, Dr. Manoel Fernandes Vieira e sou
eseravo, teen te-coronel Felippe B. Cavalcante
da Rocha. ,
CEMITERIO PUBLICO.Obtuario do da 13 de
setembro de 186!):
Joao da Costa Campos, Pernambuco, 33 annos,
casado, S. Jos; ttano.
Maria, Pernambuco, o mezes, Boa-Vista ; hepa-
tite chronico.
Antonio Jos Ferreira, frica, 60 annos, soltciro,
da-Vista; amolecimento cerebral.
Honorio Jos da Rocha, Rio de Janeiro, 3o annos,
solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Apolinario Ignacio da Conceicao, Pernambuco,
36 annos, casado; congestao pulmonar.
Maria, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vista; es-
pasmo.
- li -
lgnacia, Pernambuco, 7 mozos, Recife; diar-
rhea.
Maria Luiza, Pernambuco, Gi annos, solteira;
interite chronico.
Jlo, Pernambuco, 6 mezes, S. Jos; denticao.
Autouio, Pernambuco, 8 mezes, Recife; cnsul-
SOftS.
Antonia Isabel da Conceicao, Pernambuco, 32
annos, viuva, S. Jos; febre typhoide.
Nerio Hermino Candido, Pernambuce, 48 annos,
viuvo, S. Jos ; apoplexia fulminante.
lo
Anna, Pernambuco, 40 annos, solteira, Santo
Antonio; tubrculos pulmonares,
Bento, Pernambuco, 60 anuos, Boa-Vista; ana-
sarca.
Gracliano Jos de Souza, Pernambuco, 10 anno?,
Boa-Vista; vermes.
Maria, Pernambuco, 7 annos, Santo Antonio;
marasmo.
piteada a alguma obra destinada ao embellesa-
mento desta cidade, ou a qualqucr outra que sa-
tisfar o louvavel desojo do generoso corago de
V. Exc.
Esta offerta que foitao agradavclmente rocebida,
quanto generosamente offerecida, que a expiv.--
sao viva do ardente, e nunca interrumpido amor,
que consagra V. Exc a esta trra, queso orgulha
o desvanece de ser o bcrco de tao distinrto brasi-
leiro, esta offerta, hemos, ido limitada, coojo
modoslamenlo disse V. Exc, ol; e n sua qnant-
dade ella tem ennhoda generosa bondsde de V.
Exa, em sua qualidade est impresso o sello do
amor do sobralense, que nunca so esqueceu de
sua trra, e seus prenles, e dos scus amigo, do
Cearense ilustrado, que sempre lembrado da sua
provincia, a tem servido com dedicacao, a tem re-
presentado com honra e dignidade ; ella, pois, tra-
duzindo para os fllhes do Acarac, taas recor-
dacoes nao menos ratas do que ncontestaveis,
grva-se nos corceos dos inunicipos do Sobral,
ganhando ahi a mais sincera gratido.
Nos humildes representantes deste municipio,
interpretes dos sentimentos de seus habitantes, e
conscios dos seas proprios sentimentos, temos o
prazer de apresentar a V. Exc. os protestos do
mais sincero reconheciment, e assegurar a V.
Ex;, que apreciamos, consideramos, o temos sau-
dades do illastraii patricio, a quem nos diri-
gimos. *^
Deus guarde a V. ExcIllm. e Kxm. Sr. con-
selheiro desembargador Jeronymo Martiniano Fi-
gueira de Mello.Joaquim Ri'beiro da Silva, pre-
sidente.Jos Cantillo Liniuires.Antonio Ray-
inundu Ciivalcanti.Tito Francisco Attelneio da
Sih-a.Onofufi Muniz Itibeiro.Antonio Rangel
do Nascimento.Vicente Ferreira de Arruda.
Jarintko Tercio de Oiiveira Gaudim.
Nao esta a primeira vez iiue o Ilustre conse-
lliciro desembargador Figueira de Mello se tem
mostrado dedicado a provincia do Cear, provin-
cia do sen illnstre nascimento, j por diversas vo-
tes tem dado disto nao equivocas provas.
Quando o cojera morbus devastava os Cearen-
ses, foi aquelle to Ilustre conselheiro, que nao
sendo indeffenle aos gemidos de seus patricios
desvalidos, o prirneiro que enterdendo-se com os
seus amigos na corte, e empregando seu valimento,
obteve nao nomos de 13:000000 senao nos falha
a memoria para soccorrimento dos iieccssitados,
foi csse conselheiro. ei i llm que, durante es ca triste porque passnu a provincia de seu nasci-
mento nunca della se esqueceu, dedicando-se, com
interesse ao bem estar de seus patricios, que tem
seiupre achado no seu generoso coracao um vali-
mento, e una proteego. Assim pois, dominado,
como todo o Cearense, de reconhecimento, e gra-
tido pelos feitos de tao Ilustre quanto honrado
conselhoiro, um dia vira em que a briosa provin-
cia do Cear melhor exprossar a sua gratido ao
distincto e honrado Sobralense.
Recife, lo de setembro de 1860.
Um Cearense.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Questao AralangiL
i i juiz sena igual.
Nao sem razo qno temos dito, pse o Sr. Joao
de S dispoe do juiz Lol Alves, que em tuclo llic
faz a vontade I
Este juiz, cada dia que se passa d nova prova
de que tudo sacrificar para o tnumpho inglorio
de seu cliente querido.
Veja o publico como nm juiz se constitue advo-
gado do urna das partes.
Na audiencia de 31 do passado foi elle por pa-
lavra averbado de suspeito pelo advogado do te-
ncnie-coronel Gaspar Cavalcanti.
Depois de ter consultado o juiz de direito, des-
pachou que, caucionado o juizo, viessem os arti
gos de suspeicao na primeira audiencia.
E at boje nao deu mais audiencia : no dia 6
nao compareeeu, nem tambem o advogado e pro-
curador do Sr. Joao de S f
No dia li deixou ainda de comparecer, e tam-
bem o advogado e o procurador do Sr. Joao de S I
Entretanto, mandou que o escrivo Iho fisesse
conclusos os autos para reconsiderar o despacho
que dra, mandando vir os artigos de suspeicao I
Ora, quem uao v noste procediniento ignobil c
indigno a escandalosa proteego que e juiz prodi-
galisa parte ?
E' notavel a circunstancia do nao lerem com-
parecido nos das de audiencia toda a gente do
Sr. Joo de S, e seu juiz II!
O conluio nao podo ser mais patento, n infame I
E o juiz quer reformar o despacho naturalmente
baseando-se em que a causa do execugo ; quo
foi esse o motivo quo allcgou para nao admittir a
suspeicao, na oecasio em que esta Ihe foi posta 1
Mas o proprio advogado do Sr. Joao de S i de-
ciaron em um dos seus artigos no Jornal do Re-
'fe, que tal motivo nao prevalece, porque nao se
trata do execncao, mas de manutencao.
Veja o publico quanto se presta om juiz sem
vontade, dominado pela parte que o governa e di-
rige !
Como a suspeicao funda-se em motivos legaes e
provados, nao ha* audiencia para se apresenlarem
os artigos I
E, depois, o Sr. Joao de S vira dizeodo que i
se passarara os 48 dias em que deve sor julgada
a suspeicao t
E o juiz abandona o termo, e sem bcen^a nem
parte de doente, sem que passe a vara ao mmc-
liato, vem para esta cidade em vez de ir dar au-
diencia.
O escndalo nao podo ser maior.
O Sr. Joao de S dir que tudo isto mentira.
Mas, tudo isto fcil provar com documentos o
fertiddes.
Nem tanto, Sr. Lol I nem tanto I
Respeite, ao menos, sua dignidade .'
Reeife, 16 do etembro de 18fil>.
Ihivida resolvida
Havendo o Sr. Dr. Antonio Venancio Cavalcanti
d'Albuquerque formulado ao Sr. Dr. chefe de po-
lica a duvida de perlencer ou nao o engenho Rai-
nlia dos anjos ao districto policial de sua jurisdic-
fSo, depois da lei n. 870 do crrente anno, que
deu lugar a que o rendeiro do dito engenho se
oppuzessc a accao policial, e a autori ladede outro
districto e termo differente arrogasse a si direito
que nao Ihe competa, foi resolvido em officio de
b do crreme mez pelo Exm. presidente da pro-
vincia, que o engenho Rainha dos Anjos continua
a pertencer ao districto policial de S. Jos da Ex-
trema da freguezia de Gameleira, visto a le pro-
vincial n. 870 do crreme anno s ter alterada a
divisao dos districtos de paz.
Damos a pnblicidade o seguinte resultado para
esclarecimento dos mteressados.
BOTE.
Pulmeria celinos
Contra ns mordeduras das cobras,
Illm. amigo Sr. Dr. Sabino.Tendo urna minha
escrava sido mordida do urna cobra, recorr ao
seu remedio iPlumeria colinos porque estando
a dita preta com grandes drei em toda a perna,
com continuadas vertigons, ncias, suores fros,
a ponto de ficar prostrada duas horas depois j
nao tinha dores, e todos os sens padecimenlos lo-
ra mi gradualmente desaparecendo, a proporgao
que se Iho aplicava fios niolhados com agua e a
tintura da pulmeria ; assim como una colher da
mesma tintura dissolvida em agua fra de hora
em hora, e logo a terce.ira colher torminarsm as
dores e mais padecimenlos. "E* na realidade es-
pantoso o efeito da tintura de plumera celinos,
e por lato seria um bem publico fazer conbecer
o grande mrito desse remed.
S. C. 13 do setembro de 1869.
Seu amigo muito obligado e criado,
Joo Valenlini VHiela
Observacao
Mais de urna vez tenho feito publicar as com-
mnnicacSes que rae tem sido feitas em relacao
aos efeitos da pulmeria celinos no tratamento
das mordeduras de cobras.
Fazendo agora publicar a carta supra escripia
polo Sr. tcnenle-coroncl Joao Valcntim Tllela,
tendo |ior fina particular agradecer-1 he o interesse
que toma pelo bem da humanidad?, referindo um
fado importante obtido pelo emprego da plumera
celinos em doses homeopathicas.
Na minha pharmacia homeopathica se distribue
um impresso indicando o modo do empregar esse
medicamento.
Dr. Sabino O. L. Pinito.
0 artista Jos Coelho Barbosa ao Sr.
P. J. Layme.
Sorprehendido com um pequeo communicado,
inserto no Diario de Periiambtco de honlem, e
assgnado pelo Sr. P J. Layme, nao pude doixar
de lamentar que eu fosse to sinistramente com-
prehendido pelo Sr. Layme, quando na publica-
cao de meu programma d um soirc no salao do
Club Pernambucano, cedido pelo seu respectivo
empresario, acrescentei a ultima parte do pro-
gramma dansas pelas excellenissimas familias
dos convidados I
Com effeilo, tendo eu distribuido meus bilhetes
a pessoas conhecidas e insuspeitas ; e tendo sido
instado por algumas dessas pessoas, para que no
fim do soire fosse permiltido haverem dansas en-
tre as familias dos convidados, pensei quo com is-
to, muito longo de incorrer no desagrado do 1-
lustrc empresario, concorresso para mslhor bri-
Ihantismo e divertimenlo dessa noito do soire,
urna vez que eu apenas cedia a um rasoavel pe-
dido. .
Longe e muito longo esta va de pensar que cssa
minha condescendencia fosse provocar da parte do
Sr. Layme um tao desfavoravel conecito do mim,
3ue sei presar-me, e tenho consciencia de minha
gnidade e de meus deveres, e urna olTensa in-
directa aos Ilustres cavalheiros e as suas excel-
lentissimas familias, que me fizeram a honra de
aceitar meus convites.
Quando pedi ao Sr. Layme o referido salas, na-
da occultei-lhe, e mamfestei-lhe bem meu pensa-
mento, mas entretanto para nao o.Tender os enly-
los admittidos nesse satn, de mui boa vontade
prescindo desde j de todos os favores do em-
presario do Ciub Pernambucano. Rogo apenas ao
Sr. Layme mais moderacao o prudencia quando
houver de interpretar alheios sentimentos, que
devem ser mu acatadas.
Recife, 16 de setembro de 1869.
Jos Coelho Barbosa.
COMMERCIO.
AO PUBLICO.
Na quaiidade de Cearense, fazendo publicar o
offerecimeoto da quantia de 1:000S000 que fez o
Ilustre conselheiro deserabargador Jeronymo Mar-
tiniano Figueira de Mello, a cmara municipal da
cidade do Sobral para o seu melhoramento, nao
tenho outro fim seno levar ao conhecimento do
publico em geral, e com especialidade da provin-
cia do Cear, o amor e ardente desejo que sempre
teve o Ilustre conselheiro pela prosp ridade e en-
grandecimonto da ditosa provincia que o vio nas-
ier, por enjo motivo a cmara municipal respec-
tiva, cora sobja gratido, querendo manifostar-lhe
sen reconhecimento Ihe dirigi o seguinte officio.
Paco da amara municipal da cidade do Sobral,
era lo de juoho do 1869.
Illm. e Exm. Sr.Esta cmara tem a honra de
iccusar a recepclo do offieio do V. Exc de 10 de
maio findo, por meio do qual dignou-se V. Exc
olferccer a este municipio a quantia de 1:0003,
quo nos foi entregue pelo Sr. tenente-coronel Jos
Saboia, e flea ella no cofre desta muniripalidade,
dande ser opportunameiitc retirada para wr ap-
PRACA DO RECIPE 16 DE SETEMBRO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar bruto americano3000 por 15 kil.
Assuear canal2850 por lo kil.
Algodao de Pernambuco 1 sorte14130 e 1137
por kil.
Algodao de Pernambuco sem iuspeccao 1*096
e 14098 por kil.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 3i4 c 19
7[8 d. por 14000 .
f. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & C.
Comprara e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sBjjei de cambio, sedlas do govemo e do
qanco do Brasil, por bora premio.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los cGinmerciaes.
Encarregam-se por conla alheia das mes-
tnas transacg5es, da cobranca de letras da
ierra e do outros titules commerciaes.
Recebetn quaesquer quantias em deposi-
to, em cont corrente, e a prazo fhro.
Largo do Pelourinho n. 7.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
orazo xo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem correspondentse
na Baaia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
York e New-Orleans, e imitte cartas de
crdito para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Saques sobre Londres
SOCIEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn C.
Saccao sobre os Srs. Samuel Montagu A
C, banqueiros em Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
de vista quantias cima de 100 at
a 1,000 a 30 aj 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
ALFANDEGa.
Kendiraentodo da 1 a 15. .
dem do dia 16.....
393:279*835
32:208J123
427:487*960
MOVLMEN'TO DA ALFANDEGA
Volumes ontrados cora fawnd.is 63
dem dem com gneros 414
------\ 477
Volnmes sahidos cora fazendas 240
dem den cora gneros 805
-----1045
Desearregam hoje 17 de setembro
Bngue ingiezesse Scoltmercadorias.
Galera francezaAmelieidem,
Barca inglezaGazeUa idem.
Barca italanaRosaidem.
Barca portuguezaS. Joaoidem.
Brigue sueco/fetenataboado.
Brigue hollandez Cornelia Gertrudcs-farinha
de trigo.
KECEBEDORfA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
rtendimento dodia I a 13. 24:073*441
Idem do dia 16...... 1:357*887
2.1:4314328
CONSULADO PROVINCIAL"
ttendimento do dia 1 a 15. 30:783*970
dem do dia 16....... 2:353*763
33:1395742
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 16.
Macei12 horas, vapor nacional Giqui, de 223
toneladas, comraandante Azevedo, equipagem
23, em lastro.
Trieste64 dias, brigue austraco Gnisepino Fran-
cisco, de 265 toneladas, capitao Vidovich, equi-
pagem 12, carga 2370 Barricas cora farinha de
trigo; a Slatheus Austin & C.
Trieste66 das, brigue norte-allemao Ida, de 189
toneladas, capitao Kneppel, equipagem 8, car-
ga 2314 barricas com farinha do trigo; a or-
dem.
Observacao.
Nao houveram sabidas.
EOITAES.
O Dr. Manoel Jos da Silva leiva, juiz de
direito da 2a vara do crime, e substitu-
to da do commercio desta cidade do Re-
cife de Pernambuco e seu termo por S.
M. I. que Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edilal virem e
d'elle noticia tiverem, que no dia 7 de outubro do
corrente anno se ha de arrematar por venda,
quem mais der, em praca publica deste juizo, de-
pois da respectiva audiencia, o seguinte :
Um sobrado de dous andares com Inja, sito na
ra das Aguas Verdes n. 22, tendo no prirneiro
andar 2 salas e 2 quartos, cozinha fra, c no se-
gundojindar tambem 2 salas o 2 quartos, cozinha
no sola.), quintal com portao para a ra do I lor-
ias, e na loja com rotula ejanella 2 salas, 2 quar-
tos, cozinha fra, pequeo quintal separado do
quintal do sobrado, avahado dito predio avista do
estado era que se acha, em 5:000*. O qual foi pe-
nhorado por execuco de Jeronymo Joaquim Fiu-
za de Oiiveira contra Joaquim Coelho Cintra.
E nao havendo lancador que cubra o proco da
avaliacao, a arrematado ser feita pelo prego da
adjudicacio, na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital que ser afxado
nos lugares do costume e publicado pela im-
prensa,
Recife, 14 do setembro de 1869.
Eu, Manoel Maria Rodrigeselo Nascimento, es-
crivo, o subcrovi.j
Manoel Jos da Silva Xeiva.
O Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, juiz .aos feitos
da fazenda desta provincia, por S. M. o impe-
rador, que Dos gusrde etc.
Faz saber aos qne o presente edital virem e
delle tiverem notic3, que se acha em concurso,
com o prazo do 60 dias, a contar da data deste,
para provimento definitivo, um dos offlcios de es-
crivao dos feitos da fazenda provincial desta cida-
de, creado pelo art. 3. da lei n. 333 de 26 de abril
de 1854, o qual licra vago por falleeimento do
respectivo -sertontuario vitalicio Antonio Jos de
Oiiveira Maciel.
Os pretendontes ao mesmo oTicio devera no re-
ferido prazo apresentar os seus requerimentos
competentemente instruidos de conformidade com
o art. 14 do decreto n. 817 de 39 de agosto de
1851. e com o aviso n. 832 de 30 de dezembro de
1854.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital, que ser lido e
afflxado nos lugares do costume e publicado "pela
ni prensa.
Cidade do Recife, 19 de julho de 1869. Eu, Joo
Vicente de Torres Bandeira, escrivo o subscrevi.
Abilio Jos Tavares da Silva.
DECLARACOES.
O inspector interino da alfandega, faz pu-
blico que por autorisacao da thesouraria de fa-
zenda em portaran. 136 de 11 do corrente, sero
levados a hasta publica a porta desta reparticao,
pela i hora da tarde do dia 18 do presente mez, os
objectos abaixo declarados, livre de direitos ao ar-
rematante, ficando dependente da Exma. presi-
dencia da provincia a approvacao da arrematacao,
a saber:
1 braco grande de ferro para batanea, 1 dito
menor, 2 conchas grandes do pao chapeadas de
ferro com correntes, 2 ditas menores dito dito sem
correntes, 54 pesos de bronze de diversos tama
nhos, 100 ditos de ferro ditos ditos, 61 caixilhos
para janellas com parte dos vidros quebrados, 8
rades de ferro para janellas com rede de rame,
rolos de la empastada e alcatroada para forro
de navio, 11 varetas de ferro, 1 portao grande de
ferro, 2 bandeiras de dito, 6 oculos de dito, 2
grades de ferro para janellas. 2 ditas dito meno-
res, 5 guindastes de ferro, 1 bomba para apagar
fogo, 15 rodas de ferro para carros de mo, 2 car-
ros grande* do caixao com 4 rodas, 4 banda dp
portas, 4 pnrtdes de madeira das mesmas, 2 gra
des de rmideira envernliadas, 2 portaes das mes-;
mas, 13 mnias portas para janellas, 1 rolo de
chambo pesairdo 228 kogrammas, ^ porcio de
zinco da coberta no trapiebe, pesando 7,!W kilo-
graramas.
A'fandega de Pernambuco, 14 de setembro de
1869.
O inspector interino,
L. C. Paea do Andrad
Conselho de compras
*~W navaes.
0 conselho contrata no dia 20 do corrente mez
sobas pundicoes do estyloe vista do propostas
recehidas ate as 11 horas da manha, o forneci-
menti de galinhas aos eslabelecirijentos de raari-
nha no trimestre prximo vindouro de outubro a
dezembro, assim como promove no mesmo dia por
igual forma, a compra dos objectos do material da
armada seguintes: 24 feixcs de arcos de ferro
para pipas de 2|8 a 88,10 barris de alcatro, 30
pecas debrlm, 2 bules de ferro estanhado, 200 al-
queires de cal preta, 12 libras de cera em ardi-
les, 1 pega de cabo de rouro de 3 oollegauas con-
tend 60 bragas, 20 cubos de madeira, 120 bracas
de corrente de ferro de 1 1|2 pollegada reforcada,
20 arrobas de estopa de algodao, 20 pelles de
marroquim encarnado, 8 arrobas de mialhar bran-
co, 10 libras de obreias francezas, 2 oculos de al-
cance, 400 ps de mangueira de sola cravado para
bomba d incendio, 2 pecas de tapete, 2 terrinas
de ferro estanhado, 20 tira-linhas, e 1,000 tijolos
de fogo.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
16 de setembro de 1869.
O secretario
Atexandre Rodrigues dos Anjos.
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade se faz publico para conhecimento dos mte-
ressados. que a requerimento de um pretndeme
a arrematacao do imposto de affencoes, flcou a
mesma uesta data espagada para o dia 22 do cor-
rente.
Secretaria da cmara municipal do Recife, 11
de setembro de 1869.
O secretario,
Fraricisco Cannto da Ba-viagem.
Depois da audieucia do juizo ae orphaos do
dia 17 do corrente, ir praga a renda do sobra-
do n. 17, sito ra estrellado Rosario, por lempo
de tres annos, servindo de base a ronda de 800*,
que paga annualmente sob fianga.
O Illm. Sr. conselheiro inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia, em virtude da
ordem da presidencia, manda fazer publico, que
no dia 18 do corren fe mez, pelas 2 horas da tarde,
ira praga perante a junta da mesma tnesouraria,
a quem mais der, o expolio deixado pelo finado
tenente pnsioneiro de guerra Paraguayo Pedro
Jos Pereira. O inventario do dito expolio acha-
se nesta secretaria, e ser franqueado aos preten-
den tes.
As pessoas a quem convicr deverao compare
cer nesta thesouraria no referido dia e hora indi-
cados.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco II de
setembro de 1869.
Servindo de offlcial-maior,
_______________Manoel Jos Pinto. ______
Perante a cmara municipal desta cidade de
Olinda, estaro novamente ora hasta publica para
seren arrematados por quem maior lango offere-
cer, nos dias 16 e 23 do corrente mez, os impos-
tos seguintes cap m de planta pela quantia de
622*000 ; affericao de pesos e medidas, sendo o
arrematante obrigado a afferir os da mesma cama
ra sem indemnisacao alguma, pela de 607,5000;
cojUeiros de produego para negocio, pela de
47b*000 ; os alugueis das casinhas da ribeira,
pela de 704500 ; 500 rs. por cabega de gado vac-
cum, pela de 247*000 ; mascates e boceteiras, pe
la de 29*100 ; 100 rs. por carga de farinha o le-
gumes, pela de 13*500 ; 100 rs. por cabeca de
gado recolhido ao curral, pela de 27*000 ; repeso
do agougue, pela de 6*500 ; 200 rs. por cabega
de gado suino, pela de 6*600; 100 rs. por cabega
de gado ovelhum, pela de 1*300.
Os pretendemos dererao comparecer nos referi-
dos dias com s us liadores competentemente habi-
litados na forma da lei.
Pago da cmara municipal de Olinda cm 9 de
setembro de 1869.
Manoel Antonio dos Passos e Silva,
Pro-presidente.
Rayirundo Theodorico Jos Dornellas,
Po teiro, no impedimento do Secretario
Consulado provincial
Pela administraco deste consulado faz-se
publico a quem interessar possa, que com
o presente mez termina o recebimento dos
differentes impostos provinciaes relativos ao
anno financeito findo de 1868i 1869, sendo
em seguida liquidados e remettidos pelo
juizo os dbitos dns contribuintes,;omissos,
afim de serem executivamente cobrados,
na forma da lei.
Consulado provincial, Io de setembro
de 1869.
O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar com quem
so queira encarregar de fazer sua custa as obras
de. que necessita o sobrado n. 37 da ra da Moe-
da, concedendo ella, alem de outras vantagens, o
arrendamento por grande numero de annos.
Recebe para isto propostas em cartas fechadas,
na sala ae suas sessoes, devendo os pretendemos
examinarem as obras de que carece o predio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 4 de setembro de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigue.', de Souza
O* Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, em virtude dar ordens em
vigor, manda fazer pu lico que tem marcado o
lia Io de outubro prximo vindouro para o con-
curso que se tem de abrir na mesma thesouraria
para preenchimento nao s das duas vagas de ter-
ceiros escripturarios nella existentes, como das de
praticantes da mesma, assim como da alfandega e
da recebedoria de rendas. Versaio os exames
para praticantes sobre as materias de que trata
o Io do art. Io do decreto n. 3114 de 27 de junho
de 1863, a saber : leitura, analyse grammatical e
orthographia, arithmetica e suas applicagoes ao
commercio, com especialidade rednegao de moe-
das, pesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e compostos, theoria, de cambios o suas
applicagoes : e para os de terceiros escripturarios
as mesmas materias exigidas para praticante, e
mais as do 2o do dito decreto, a saber : theoria
da cripturago mercantil por partidas simples e
dobrada3, e suas applicagoes ao commercio e ao
thesouro, traduego correcta das lingoas ingleza e
franceza, ou pelo menos da ultima, principios ge
raes de geographia e historia do Brasil, algebra
at equagdes do 2a grao, e pratica do servigo da
reparticao em que esver servindo : o canaidato
ser dispensado do exame em qualquer das mate-
rias cima mencionadas se mostrar ter sido nella j
approvado. Os cand'datos que nao forera empre-
gados pblicos deverao apresentar seus requeri-
mentos instruidos de documentos que provem ida
de completa de 18 annos, isengao de culpa e pena,
e bora couiportamento.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 31 de agosto de 1869
Servindo de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
THEATRO '
DE
S. ISABEL.
Enpreza lyrlca Italiana.
SABBADO 18 DE SETEMBRO DE 1869.
Recita livre de assipiaturaia* do contrato)
Cantar-se-ha a opera trgica em 3 actos de
Bellini
NORMA
Os bilhetes vendem-se no da do espectculo.
Principiar as 8 horas.
N. B. Os Srs. asignantes tem preferencia at
meio dia do boje 17.
AVISOS MARTIMOS.
(MM1A BllSILElll
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
finar, comni;'lid ante o te-
nente l>. ||. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir nara os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engai*-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ler embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
ua saluda.
Nao se recebera como encommendas seno ob-
leetos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medigao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antouio Luiz de Oiiveira
Azevedo & C. .
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
tttrega$So costclra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandah, comman-
dantc Julio, seguir para o por-
to cima no dia 28 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do dia
da_sahida : escriptorio no Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
n
\avcga?o costeira por vapor.
Macei em direitura, Pnedo e Aracaj.
O vapor Jaguaribe, commandanteGuilherme se-
guir para osportos cima no dia 22 do corrente
as 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 21
as 3 horas, encommendas, passajiciros e dinheiro
a frete at as 2 h>ras da tard do dia dasthida :
no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Savegai'o costeira por vapor.
Parabyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah. Acarac e Granja.
*u\\t O vapor Ipojuca, commandante
Maura, seguir para os portos
aB cima no dia 30 do corrente as 3 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 29, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at a<
i horas da tarde do dia da-sabida no escriptoric
do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima no
dia 20 do corrente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete, n i escriptorio do Forte do Matlos
a. l.
COMPANHIA BRAS1LEIRA
Dl
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 21 do corrente i o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
J. P. G. Alcoforado, o qnal de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se 3
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinhehrd a frete at o dia da sua sahida as i
horas.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor eque nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medigao.
Tudo quo passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens s se recebem na agencia ra da Cruz
n. 37 prirneiro andar, escriptorio de Anti nio Luiz
de Oiiveira Azevedo & C.
baha
O palbabole Garibaldi, capitao Custodio Jos
Vianna : a tratar com Tasso Irmo3.
O patacho brasileiro Ramn
segu com muita brovidade para o Rio Grande do
Sul, para onde recebe a frele um resto de carga :
a tratar no cscriptprio de Ainorim Irmos & C,
ra da Cruz n. 3.
Para 3 indicado porto pretende seguir com mui-
ta brovidade o lugre porluguez Cisne do Vaugu por
ter a maior parte da carga engajada ; e para o
pouco que Ihe falla, traia-se cora o c nsignataiiu
Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra do Com-
raercio n. 17________________________
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto, pretende seguir com
muita brovidade o brigue nacional habtl, por ter
a maior parte da carga engajada, e para o pon-
c- que Ihe falla, trala-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo & C, ra da
Cruz n. i7, prirneiro andar.
Serodio Juniarios movis cima para pagamento
dos credores de seu casal; no nrmitem da ra
do imperador n. 16 as 11 horas do dia
LEIO
DE
Fazendas geraes
a 20 do corrente
Magalhaes Irmaos faro leilo por intervenga
do agente Oiiveira, de grande e completo sorli-
menlo de fazendas a mais preprias do mercado
assim como de outras avariadas que possam ao-
parecer. v
Segunda-feira 20 do corrente
as 10 horas da manha, em seu arroazem ra
da Cadeia.
AVISOS DIVERSOS.
O abaixo assgnado avisa ao respeilavel pu-
blico, que nao se responsabilisa por qualqucr ob-
jecto que seu eseravo Basilio vi comprar fiado,
fophael Fernandrus branles.
Perdigijeiro
Desencaminhou-se um cachorro perdiguero do
cor pedrez, com grandes majuas cor.de caf no
lombo : tem orelhas compridas da mesma cor
quem delle dor noticia na ra .Novan 11 ser
bem recompensado. '
no paleo
Ireeisa-sc de urna ama de leite
de S. Pedro n. 10.
AMA
Amonio n. i. 2o andar.
l'ara uina fan.ilia alle-
niaa de duas pess*,as, pre-
eisa-se de una ama moga
para comprar e fazer o
mais servigo de casa : no
largo da matriz de Santo
A uga-se
parte da frente do prirneiro andar da ra do In>-
perador n. 32.
Cosinheiro
Precisa-see um hom cosinheiro, forro ou es-
eravo, no collegio do Rom Conselho, ra do lani-
cio n. 30. v
lili
Precisa-se de urna ama livre ou escrava qno
saiba coznihar e que soja de boa conducta para
um sitio na Passagem da Magdalena : a fallar na
ra Nova n. il.
Jos Alfonso Baudoux.ux seu sogro o' soma ir-
maos e cunbados, suinmameiile penhoradoi 'de
reconhecimento muito agradecen a todas as pes-
soas o mais prenles que prestaran! o caridoso
obsequio de assistirem aos suffragkH o de aconi-
panharem ao cemiterlo o fretro de sua presaa o
sempre chorada esposa, (Iba, cunhada e irma,
. Mana Anua Boudoux e de novo convidama
essas caridosas pessoas e amigas a compareciera
na matriz da Boa-vista, sexta-leira 17 do corren-
te, pelas 7 horas do manha, stimo dia do seu
passameuto, alim de assistirem a algumas missas
que so tem de celebrar no referido dia o por
cujo acto de caridade Ihes sero sumniamento
ratos.
Innocencia Guilhermina daCoocekao Caraeo.
Manoel da Cosa Campos, Joo de Medeiros liapo-
so, Claudino Jos Raposo (ausente), Francisco da
Medeiros Raposo, Joaquina da Medeiros limoso,
?iido Al"iiral R:iP0S0. Joo Marlins da Silva
Vilella, Jos Lopes Alheiroe Joaquim Lopes Alhei-
ro,agradeeem de todo o coraro a todas as pes-
soas quo tao obsequiosamente se dignaram de as-
sislirao funeral do seu mui pn-zado marido Ir-
raao, genro, eunhado o primo, Joo da Costa lam-
pos. De novo rogara aos scus amigos e a, s do
tinado, o candoso obsequio de assisiirem os actos
do stimo dia, quo constara de missas o memento
solemne, que lera lugar na matriz de S. Jea. no
da sabbado 18 do crreme, pelas 7 horas d.i ma
Pitia, peto que desde j manil'estam sua gratidio.
Jos Luiz de Souza, Rita Maria de Souza, Maria
P raneehna de Souza, Francisca Maria de Souza,
Jos Hamos de Souza', agradecen! cordialmonte a
todas as pessoas de sna imisade que se prestaran!
acompanhar o corpo de sua falecida esposa e Mo
Francisca Maria das Chagas, da casa do sua mo-
rada ao cemiterio publico e de novo os convida a
assislir a missa do stimo dia que lera lngir n
dia 18 do corrente as 4 e 1,2 horas da manha
na matriz de S Fr"i Pedro inncalvcs do Itecifc.
(juera tiver para alugar urna ou duasescra-
vas de todo o servigo, inclusive de vender Da ra,
annuncie, para ser procurado, ou dirija-so aos
quatro cantos em Olinda, taberna do altores Joa-
quim Rabell Pessoa de Briio.
Alugase um mulcqne cun 13 aunis de
idade iyie sirva para compras e mandado-; na
ra Difeila n. 28 segundo andar.
Alugaso urna casa terrea na ra AuL'usta ;
a tratar na ma Din-ila n. 106. .
LEILOES.
de arroz descascado & 17 do
corrente.
O geme Oiiveira fara leilo por conta do quem
perlencer, de 120 saceos de arroz descascado de
muito superior qualidade, e em lotes vontade
dos pretendentes :
HOJE.
s 11 horas da manha em ponto, no armazem do
Sr. A:ines, defronte da arcada da alfandega.
LEIO
do sobrado de tres andares e soto da ra
do '/gario n. 26, edificado em chaos
proprios.
Sabbado 18 de setembro
s 41 horas em ponto.
O agente Pinto far leilo servindo de base a
maior offerta obtida do sobrado cima recommen-
dado por ser edificado em ra de muito commer-
cio era chaos proprios e de bom rendimento an-
nual.
Os pretendentes queiram comparecer s 11 ho-
ras do dia cima dito: no escriptorio do referido
agente, ra da Cruz n. 38.
Precisase de una ama para cosintnr e
comprar; na ra do Livramento n. 24, loja.
Precisa-se do urna ama smnite para cosi-
nhar : na roa de Hurlas n. O, sobrado,
Caixeiro
Predsa.se de um pralico do taberna : na roa
de Santa Rita n. 1.
A commisso administrativa da contraria de
Xossa Senhora do Livramento, convida a todos os
irmaos para mesa geral afim de procederem a elei-
gau de juiz, no dia 19 do corrente as 10 horas da
ii.nb. Itecie 10 de setembro do 1869.
Joo Manoel Lins da Rocha
_______________Secretario da commisso.
O Sr. Secnndino Prediiano Gomes de Ovei-
ra, mande buscar urna carta que existe na loja da
ra Nova n. SO, o pagar o importe deste an-
nuncio.
A fabrica de lotiza do Barba Iho
da villa do Cabo.
A fabrica de louca que exista na villa do Cabo,
em trras do engenho Barbalho, a qual foi premia-
da pela exposico nacional de 1861, proprieJado
do tonente-coroel Jos de Moraes Gomes Ferrei-
ra, nao existe ha muito, a ultima cheia do Pira-
pama levou o que de resto havia ; assim nao sa-
bemos como della possa vir louca para ser depo-
sitada e vendida em um novo armazem que se
abri ra do Imperador 11!
Pedimos a explicago deste inigma.
LEILO
DE
Urna mobilia de Jacaranda, constando de 12 ca-
deiras de guarnigo, 2 ditas de bracos, 1 sof,
2 consollos com pedra e jardinem, 1 cama
franceza de Jacaranda, 1 piano de armario, I
marqueza de amarollo, 1 nn-ia coramoda de
dito, i lavatorio, 7 cadeiras, 2 mesas de pinho,
3 camas de vento, 2 pares de lanlernas, escar-
radeiras de porcelena, 1 tapete para sof, 1 can-
dieiro a gaz, 2 jarros de porcelana, 1 banheiro
de fnlha, i baca e jarro, louca para jantar, dita
para almoeo, garrafas para vinho, clices, copos
para aga e trem de cosinha.
Terfa-felra 11 do corrate.
O agente Martins far leilo por autorisago do
IK'jJurador da viuva de Joaquim Antonio Pinto
Na ra da Concordia n. 130 vnde-
se muito boa farinha de mandioca em sac-
eos novos vintla da Escada no dia 15 do cor-
rente, faz-se differenca comprando-se 50$
para cima.
Socicdae patritica Doze de Se-
tembro.
A commisso centra!, convida a todos os Srs.
membros das commissoes parciaes, CDCarreg3doH
da organisago das halalhoes patriticos, acompa-
recerem no salo do Club Pernambucano na 2*
feira 20 do corrente, s 6 horas da tarde, para
tratar-so de negocios relativos ao fin da sociedade.
Secretario,
A. Lamenha.
Caixeiro
Precisa-se de um bomem para caixeiro de urna
padaria, que tenha pratica o d fiador do sua con
ducta : no pateo do Terco n. 38.
f

i
, /



Diario de Pernambuco
Sexta
felra 17 de
^'embro


Hospital Portuguez de Beaeleen-
fia em: Pernambifo.
A junla ail:uJ l~'! Hospital Portuguez
de Benecneia em fai imbu* que
o 14 aniversario di insiv'Hasao deste po mstiiu-
to, lera lugar no da 19 do corren te mez no seu
estabelecimento do Cajueiro. As II horas da na-
nliaa. haver js cautada, pregando ao evange-
lio, o Itvra. Sr. fre Joaqun) do Espirit Santo.
Em seguida ae prutieara urna accio meritoria,
digna por corto Jo ser emitada : o Sr. Francisco
Jos da Costa Araojo mimbro da actual junta ad-
ministrativa, qnorendo com sua Exma. esposa a
Sra. D. Vkencia Perpetua Freir de Araojo, com-
memorar o anniversario de urna insiuuieao toda
de caridaoY. teio lesolvido dar gratuitamente car-
ta de liberdade aos seus cscravos menores Tho-
ni, Rita e Crescencia, Ocando ainda a cargo
d'aiiuelles Srs. a eduraeai dftOfts menores. Ter-
minada a bita, e este acto de caridade, tora lu-
gar o jantar aos enfermos,, qae sero sen-idos
polos iBmbfos da anta. A tardo haver o cos-
lamado leilo de prendas, oifered'Vtf ao hospital,
cujo producto applicado nos soccorn dos ne-
CCiltados enfermos. Tres bandas militares tora-
rao escribidas pecas de msica durante o leilao,
sendo urna dellas a da sociedade BELLA L'NIAO
que de bom grado se presta em obsequio ao Hos-
pital Portoguez. E r a dispiiMijao do lodos iw coiieorrentes qne o
queiram visitar, desde as 'J horas da marab, at
as !' horas da n ole.
A junta administrativa, nao i|iiorowlo encom-
inodar com fastidiosas circulare, m cartas pe-
lindo donativos a todas as pooas que so dignam
sempre o todos os anuos, coiieorrer com as suas
eflertas para abrilhantar os bUeios do anniversa-
rio do Hospital Portugnez em IVrnambuco, se
prevalere da occasiao para solicitar da caridade
que extremosamente carao m i i popolaejta ii is-
la cidade, esses donativos qne maior importancia
devem trazar ao seu basar de premias^ naijuelleJ
MEcontndo a' mesma junta administrativa que' cima nonde se pasj#5,> as surtes que sahirem
no msmo bilhete com o descont da le somonte.
rom benevolencia e carinlio ser envida, vem
desde j pola sua parlo, o em nomo de seus com-
patriotas desvalidos que se abrigare pelos seus
solTrimontos as enfermarlas de to pia institu-
cao, agradecer a todas as pessoas que se digna-
rem por qualo^uer mancha concorrer com o seu
bolo para tao humanitario lim : sondo que os
onearregados dossas rocepojSes sao os seguintes
senhores :
Recife, 11 de selembro de 18G9.
Francisco Joao de Barros,
Provedor.
NO RECIFE.
Antonio Jos Coimbra Guimaraes.
Marcellino Jos Gonoalves da Fonte.
Antonio Henriqne Rodrigues.
Jos Joaquim de Lima Hairao.
Jo3o Pereira Moutinbo.
Fancisco Joao de Barros.
KM SANTO ANTONIO.
Jos Joaquim da Gesta Maia.
Gaspar Antonio Vieira Guimai
Antonio Cunea de Vasconcellos.
Custodio Jos AI ves Guimar
Antonio Alvos Li-bre.
BOA-V/STA.
Joio Francisco Paredes Porto.
Flix Pereira da Silva.
Francisco Cocino Brandao.
Jos Alves Lima.
Domingos Antonio da Silva Beiri-.
S. JOS1.
Pedro Jos da Costa Castello Branco..
Jos Luiz Ferreira da Costa.
Thcotonio Flix de Mello.
Joaquim Antones da Silva.
Jos Jeronvino da Silva.
' PASSAGEM E CAPl'XGA.
Miguel Jos Barbosa Guimaraes.
Jos Monloiro de Siqueira.
Jeronvmo Joaquim F-usa de Oliveira.
OL1NDA.
Angelo Baptista d Hasciment.
Luiz Jos Pinto da Costa.
Antonio da Cruz Ledo.
Kecife, 11 de selembro da 1869.
Francisco Joao -de Barros,
Provedor.
(SEM LIMITE.)
Na travessa da na
Cruzes n, 2, pri-
nieiro andar, da-se qual-
qecr qiianlia sobre ouro,
prala e pedras preciosas.
O dor.o deste eslabelecimento,
compet nteT.ente autotisado pelo S
governo, est as condifes de ga- sal
rantir a transaccao que se flzer era m
sua casa, prometiendo todo o zelo ]
e considoracao s pessoas que se g
dignartn de honra-lo em sen esta- 8
beecimento. H
Na mesma casa compra-se ouro, 9
prata e brilliantes.
mmmwmm mm swril
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
\oIiecifearcoda Concelfon. 3
Os abaixo assignados tendose habilitado na
forma djn leis leal exjjpsto a venda os seus feli-
zes biihetes das lotadMdo Bio de Janeiro na casa
PRECOS.
Bilhcte inteiro 243000
Mcios 12-S000
Q n a rtos (i 000
E do 1003 para cima a 22 o bilhcte.
Figuciredo & Leite.
N 'tas das caixas Uliaes do banco do Brasil
irocain-se com mdico descont, na laja de Manoel
Soares Pinheiru, praca da Independencia n. 22.
GRANDE HOTEL
DE
ORIENTE
Ra larga do Rosario n. 44
Especiilidade na preparacao dos gneros ali-
menticios, promptidao e assoio as encommondas
e boa organisacao no estabelecimento. Becebem-
se assignaturas para o estabelecimento c a domici-
lio, facilitase a leitura de jornaes nacionacs e es-
trangeiros. Espacosa sala para o elegante jogo de
bilhar, c ha decente e commoda hospedagem.
Companhia Peruamfoueana
De ordem do conselho de direccao da compa-
nhia Pernambucana se laz publico que somente
at o dia :H)do correte mez serao aceitas assig-
naturas de accoes da mesma companhia cuja
emisso se acha annunciada. Pernrmbuco 2 de
setembro de 18C9.O gerente. F. F. Borges.
r
Na ra estreita do Rosario n. 35, pri-
meiro andar, casa de urna familia que for-
uececommedorias precisa-se para todo o ser-
vico de casa e ra, de serventes livres ou
escravos, preferimlo-se estes.
Preciosa publicapSo
jurdica.
Commentario do cdigo criminal Portugus
e Drasileiro.
Vende-8e na loja do Sr. Heraclio Paula
Monteiro, a ra do Imperador n. 71, a
importante e moderna obra sob o titulo de
annotacoes ao cdigo do conimercio portu-
gnez em 6 volumes pelo Exm. Sr. conse-
lheiro Dr. Diogo Pereira Forjaz de Sam-
paio Pimentel, lente cathedratico na nniver-
sidade de Coimbra. Os subidos crditos
de que goza muito merecidamente aquello
eximio commercialista por si s bastaran)
para recommendar to imprtame obra,
quando nao concorresse mais para isso a
grande vantagem de ser um ptimo com-
mentario ao cdigo commercial brasileiro
tna falta absoluta queba de qualquer ootro)
pala mxima bumogeneidade de entre militas
das suas disposicoes, e as do mencionado
cdigo portugnez, qne Ihe servio de texto.
Correi pressurosos, distincta mocidade do
4o anuo da Faculdade de Direito desta c-
idade e notaveis jetos, a prover-vos desse
poderoso auxiliar para vossos traballios da
sciencia, e pelo preco commodo de 20
oda a obra em G vol.
im i mm
FIO HE VKIi.1
Barbante
Em casa de Rabe Schmetau & C. Corpo
Santo n. 15.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
t?OCXAC HEMWESSY.
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
CAHMPANHA
SUPERIOR*
Roussillon, carte blanche.
En casa de Rabe Schinettan f&
G. C orpo Piaa n. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CHATEAU RAIJZAW
Em casa de Rabe Schmettau A- C. Corpo
Santo n. 15.
Ama
Precisa-se de urna escrava que cosinhe o dia-
rio de urna casa de familia, faca as compras, pa-
ga-se bem : na ra dos Pires sobrado n. 27.
Aluga-se a casa n. 28 da travessa de S. Joo
com 2 salas, 2 quartos, quintal e cacimba, preco
Precisa-fe de ura caixeiro de idade de 16 a
18 annos : na ra da Cadeia-nova n. 7.
Publlcai'o Iliteraria sublime
sob o 1 nlo liona Pesias do Moutc, em
Itraga.
Acha-se venda na loja da ra do Crespo
n. 25 A, esquina da do Queimado, a pri-
morosa Memoria do Bom Jesm, do Monte,
em Braga ornada de gravuras Onas, se-
gunda edic3., obra da penna de ouro do
mui Ilustrado lente da universidade de
Coimbra, o Exm. Sr. conselbeiro Dr. Dio-
go Pereira Forjaz de Sampaio Pimentel.
Quem tiver noticia da extraordinaria devo-
c5o que existe em Portugal para com
aquella milagrossima imagem, afflumdo
sempre para o seu magestoso templo em
romaria, o numeroso povo de todas as
parles desse reino; quem sonber avaliar
as brilhantes descripcoes, e o bello estudo
daquelle conmmmado jurisconsulto e eximo
Iliterario portuguez, nao deixar de procu-
rar, quanto antes, prover-se de um exem-
glar da dita memoria, pelo diminuto prego
de 3:?, na loja cima indicada, onde j ha
pequeo numero dellas.
E' de importancia!!!
O aviso que faz o Campos da ra do
Imperador n. 28, pois s elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que to anclosamenle eram espera-
dos de Costa A Irmaos, e sao elles das se-
guintes marcas : exposicao Normas, impe-
riaes e Havaneiros. A elles antes que se
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de mullos outros gneros anto para
mesa, como para despensa, o seguinte :
Camarocs seceos do Maranhao.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio-Novo.
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psdrao francez, (metrlco-decimal).
ASSIM COMO.
As tabellas que mais aceltago tem merecido
das casas de commercio em grosso e a re-
talho, smente pela fcil comprehenso e
commodo prego, s no
Armazem do Campos
Aos 20:000000
CASA DA FRI.ICIDADE
39-Praeada lailcpendeueffl-t'
Os nbaixi. assijjiiaJos tem exposto a venda os
seus folizes biihetes da 59* lotera em beneficio do
Moule Pi Geral (i!ti), cujas listas sao esperadas
ate o dia 21 do correte, sendo os premios pagos
vista das listas.
Foram vendidos necia casa alera de outros pre-
mios o bilhete n. 2829 com 20:0005000, n. 719
com 800*, e 39U com 200*000.
_______ Veras & Barbedo.
Olferece-se para caixeiro de armazem do
molhados ou de assucar, um rapaz portuguez com
pratica dos mesmos, dando fianza de sua conduc-
ta : a tratar na na do Itaugel n. 10.______^^
Ama
Precisa-se de una ama para I ivar e enjrommar
s outra para coalnhar pata punca familia : na
travessa dos Piras n. 21 sino do Giriqniti.
Aos 4:000^
Biihetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costurae.
Acbam-se a venda os felizes biihetes garanti-
dos da 10* parte da lotera a beneficio do patri-
monio dos orphaos (120-), que se extrahira sab-
bado 18 do trrenle mee.
Procos.
Os do costme.
__________________Manoel Martina Fioza.
ATTENCAO
Nfrua da Cadeia sobrado n. 66 se dir
quem vende urna escrava, bonita figura
com habilidades, garantc-se nao ter vicio
algum.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar
ra da Imperatriz n. 53, loja de marcineiro.
na
ama.
Precisa-se alugar urna ama livre ou escrava, de
muito Cons costumes, para servir de companhia a
urna senhora e fazer algum servico de casa : di-
rija-so >ua Bolla n. 37, sobrado de dous an-
dares.
Aluga-se
urna casa em llel.cribe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Commercio n. 3i.____________^^
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 18, Io
andar, fazse comida para fra, lava-se roupa e
engomma-se. ludo com asseio e promptidao.
Precisa-se de urna ama para engommar e
andar com meninos : na ra daCadiia. n. 10.
As Sras. Maria Jos Cervilha de Mello e Isa-
bel Hozinda de Mello, tem urna carta viuda do Rio
Grande do Norte, no largo do Corpo Santo n. t,
armazem.
Aluga-se um boa baixa de capim
Capunga, a tratar na casa n. -1-1.
ti
Ama
As Sras. Maria Jos Cervilha de Mello e Isa-
bel Rozinda de Mello tem urna carta vinda do Rio
Grande do Norte, no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.
PADARIA
Precisa-se de um forneiro e dou* amassadoesr
para padaria, fra d'esta provincia : tratar na
ra do Amorim n. 37._______________________
Precisa-se de um forneiro e um amassador: \
na padaria allomaa de Santo Amaro.
Preeisa-se de urna ama forra ou captiva para o
servico interno e externo de urna casa de peque-
a familia : na rua_d Conceico n. 4o._________
Na ra da radeia n. 59 exl.te urna carta
para o Sr. Dr. Pedro Affonso de Mello, e ontra pa-
ra o Sr. Basilio Moraes de Miranda Vaiejao.
Aluga-se o sitio da estrada da Torro, com
exeellente casa de morada, a qual assobradada
na frente e tem cocheiras para carros e cavallos e
auartos para pretos, baixa para capim e arvores
e fructo : a tratar na ra Njva n. 12, loja de
fazendas.
Prancisco Ribeiro Guimaraes c C. partici-
pan! ao respeitavel corpo do commercio e a quem
mais possa interessar, que no dia 9 de corrente
compraram ao cr. Bernardino Jos de Medeiros, a
taberna sita ra da Deteneao n. lo, livre e de-
sembaracada de dbitos e de qualquer onus : se
alguem se julgar com direito a qualquer reclama-
cao, compareoa na mesma taberna, no praso de 4
das, contados da publicacao deste. Recife 11 de
setembro de 1669.
Aluga-se um moleque de 14 16 annos de
idade, proprio para criado, ou para qualquer ou-
tro sorvico que esteja em relacao com o tama-
nlio do mesmo: tratar na praca do Corpo San-
to u. 17, Io andar.
DE MATAS
Veneravel ordem 3" de 8.
Francisco da cidade do
Recife.
De ordem da mesa regedora convido a
todos os nossos chatissimos irmos para
comparecerem paramentados com seus h-
bitos, igreja de nossa veneravel ordem,
os dias 16 e 17 do corrente, para assistir-
mos as vesperas, festa e Tc-Deum. em so-
lemnlsago do anniversario da impresso
das cbagas do nosso Sepharico Padroeiro,
esperamos que nossos irmos nao deixaro
de tomarem parte no regosijo de to
grande magnitude, para a ordede sera-
phica. Secretaria, 13 de selembro de
1809.
O ecretaro,
Joao da Cunha Soar Guimaraes.
Ama de leite
Precsa-se com toda urgencia de nma ama de
leite : na travesa di) Veras ai. lo, l' andar. Nao
>e olha a preco.___________________________
Precisa-se de um criado para lodo servico de
hotel, paga-se bem, profere-sc escravo : a tratar
na ra estreila do Rosario n. H. hotel Lisbonense
COSTREIRA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran
ceza, por prego commodo, na ra Augusta
n.112, e d-se fianga sobre as mesmas.
Em casa de THEODORO CHR1STI-
.AJASEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
asertivamente todas as qualidades de vinbc
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Na praca da Independencia n. 33, se da di-
nneiro sob penhores de ouro, prata e pedras pre-
ciosas, e seja qual fr a quanlia : na mesma casa
;e compra e vende objeelos do ouro e prata, e
igualmente se faz toda e qualquer obra de encom-
menda e todo e qualquer concert tendente
mesma arte^________________________________t
O advocado
Affonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
criptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronto da
typographia do Diario.
Aos 20:000^000.
Biihetes do Rio a venda, ra do Cabug n. 2
Casa da F. Precos do eostumo.
CASA DA F.
AMA
Precisase de urna ama para o servico interno e
externo de urna casa de pequea familia, prefere-
se escrava : na ra das Cruzes n. 28, Io andar.
Attenco
Preeisa-se de ofliciaes de caldeireiro e latoeiro :
na roa do Brum n. 54._______________________
Precisa-se alugar nm criado ou moleque de
idade de 12 a 14 annos; na ra da Cadeia do Re-
cife n. 53, loja de chapeo.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra d
Imperatriz n. 18, preferindo-se do mato e sem
filhos.
Joaquim Jos Gon-
Ives Beltro
pal1
ESCRAVA.
Precisa-se alugar para cozinhar
Coracao de Ouro, ra do Cabug.
a tratar no
Attenco
O Sr. que trouxe da provincia do Para, pelo
vapor Paran, chegado no tlrn do mez prximo
passado, urna carta para o Dr. Candido Valeriano
da Silva Freir, e urna encommenda para D.
Anna Candida da Cunha Freir ; tenha a bonda-
de de dirigir-se ao largo do Carmo n. 18, pri-
meiro andar, ou declare sua morada.___________
Precisa-se alugar urna escrava fiel para
vendas de taboleiro na ra, on ainda mesmo
forra para o mesmo fim, paga-se bem agradando,
e juntamente aluga-se um moleque de boa con-
ducta na roa da Praia n. 66. *
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seRuin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenga,.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalco.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
O n. 814 da lotera 293 com a sorte de 2:000
foi vendido na ra do Cabug n. 2, Casa da F, e
continuam a vender os da sagainte lotera n. 294.
O advogado Dr. Antonio de Vas-
i concellos Menezes de Drummond,
| mudou o seu escriptorio para a ra
I do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua proisso em todos os das
uteis das 10 horas da manba at
as 4 horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
I urgente, ser encontrado no seu
domicilio, ra da Aurora n. 26.
Grande ralas de fazendas c ronpas feilas na da Imperalriz
n. 32, pora larga, de Paredes Porlo.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimenlo
de ronpas de todas as qua/idades, palttots de ilpaea a :i.$, 3,51500 at 05. Ditos de
merino, ditos de casemira de torea bonitos gustos a o\ CJ, 8# e I0>, de panno preto
sacos e dobrecasacos. Ditos de futra pudo linos e ordinarios. Ditos de alpaca branca
e de cores de .'!5500 a ;i.>00f). Caigas de brim de edr linas e < rdinarias, ditas
brancas de todas as qualidades, ditas de brim pardo lino e ordinario, ditas de casemira
de cr e preta de i4, 5(5, 0,-> a \o. Golletes de tocias as qualidades e prego muito
barato. Cmplelo sortimenlo de camisas francesas de algodo c de linbo de 23 al 5
urna. Sortimenlo de seroulas francezas de algod'i, de lindo e bramante a i"> e 23500.
Grvalas (mantas) novissitno gosto a tolos is pregos. Meias sorlimento completo a 33,
43 at 73 a dozia.
ROUPA PARA MENINOS.
Encarrega-se de quaesquer obras de encommenda lano pata liomem, como
para meninos, e com brevidade, por ss<> que tem um bonito sortimenlo de fazendas de
todas as qualidades- lauto em csemiras como brins, pannos linos e outras omitas fa-
zendas.
FAZENDAS
Bramantes de 11 palmos de largura a B800 o melro.
Cambraias de cor e branca.
Alpacas de todas as cores a 640 rs. o covado.
Poil de-chvre com lista de seda fazenda de goslo a 13200.
Basquines de gupure enfeiadas a IS>OO.
Sorlimento de chias escuras e claras a 280, 3p0 e 360 rs.
Madapoln fino a C3500, 73, 83 e 93000.
Algodo peca con 20 jardas a 13500, 5500 e 63000.
Pega de algod largo a 7->oO.
E outras militas fazendas que ser enfadonb mencionar Cheguem ronpa
feita que se esl liquidando, na loja roa da Imperatriz n. 52 (junto loja de ourives) do
LESO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porlo.
de
U uiiruiJiJVk;.
CHEGOU peTT). paquete francez Extremadure, um novo e completo sorlimento
COQUES DE CABELLOS do ultimo e pcriashno goslo de PARS.
ANDRE DELSUC,
CabelIcircSro.
7 A, ra do Crespo, primeiro andar.
Superiores sedas de cor e lastras a 13600 o covado.
Lindas poupelinas de 15a, eom grande variedade de cores escuras e claras a
560 rs. o covado.
Pegas de musselina branca com salpicos e com sete metros cada pega, pelo ba-
atissimo prego de 43000 a pega : na loja das Columnas, ra do Crespo n. 13,|;de
Antonio Correa de Vasconcellos & C.
" f FALQUE
N'ESTA ANTIGA E CREDITAT^
FABRICA
I1CIITI1 II CIRITlliTIIHTI ID1 C01PLIT0 IIITIlIRTt DI
CHAPEOS Bl SOL:
De tedas as qualidades I i
De todos o feitios I
De todas os pregos I
RA DO CRESPO N' 4
XAROPE
VEGETAL AMERICANO
E S ALID ADE
BARTHOLOMEO &C
Para a eura certa ia iomcj antigs e reeentei, caUrrhos pnlmonar, sllima; tosse convulsa, aUrrb*
arouchis, o em goral contra todos os sollrimentos das vias respiratoria!.
Di:i>osi 10 ceras.
' BOTICA E3 DROGARA. {
34, RDA URGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
lhe, pois os meus icrdecimentos por me 1er liio 4
to horrivel mal. Com a mais significativa prau.li-.
subscrevo-me de Vmcs. affecluoso e reconhecido criadn.
Seterino Duarte.Sn Casa 14 de feereiro de 1S6H.
A therapeutic a pharyngite ou nl da garganta at a toberculao
pulmonar, passando pelas diversas broncbiles calarrhMS
a o emphvsema acaba de ser enreqoecida com mais
este medicamento, que tomar a primeira ordem entre
lodos at boje conheeidos. O jarope Vegetal Americano,
garaniindo puramente vegetal, nao contm em sua
composic&o um s tomo de opio, e sim somente sue-
cos de plantas indgenas, cujas propiedades benficas
na cura da molestias qne pcriencem aos orgos de res-
pirado foram por nos observadas por longo lempo,
com ptimos resultados cada Tez mais creseenles; pelo
que dos julgamos autorisados a compor o larope que
agbra apresentamos, e oflerece lo aos mdicos e ao
publico, Provamos com os attestados abaiio o qne le-
vamos dito, e contamos qne o conceiio de que ja gosa
o jarope Vegetal Americano crescer de dia dia,
detxaodo muito apa do ai todos os peitoraes em voga.
Illm. Sr. Barthalomeo k C.O jarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em ana conceiiuadissima pbarmacia,
nm ntil remedio para comkater A terrivel asthma.
Sofra en aquella molestia ha qnatro metes, sem ainda
Mr combatido os ataques mensaes qne tinba; este ultimo
que tive foi fortissimo qne me proston por 8 dias, osei,
porm o sen milagroso xarope, tomando apenas tres
dses, e at o presente nao fni de novo atacado. Prasa
Vtai, qua eu fique resiabelecido por nm* vea. Rendo-
Illms Sr Barlholomeo C Depois de quasi s*is
mezes de soffrimento com urna tosse incessante, fa>tt i
extraordinario, pectoratAe de um catarrho amarella-
do, e perda total das torcas, que o menor passei>
me fatigava completamente, cansado de tomar muis oo-
tros remedios sem resultado tive a felicidade de saber qi:s
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e com
elle, gra(as a Deus. meacho resiabelecido ha maisd*
dois meses, e robusto como se nada tivesse soll'rido. A
gralido me forca a esta declaracAo, qne podero Vmr.
faxer o uso que qnierem. Son com estima de Vmc*.
mnitos respeitador e criado. Antonio Joaquim Catiro < Silva. Recife 8 de fevereiro de 4868.
Attesto qne nsei do xarope Vegetal Americano, di
composieAo dos Srs Barlholomeo C para cara de M .
forte defluxo qne me trono nma rouqnidio, que me u :
fatia edlender, infiammaQio e dor nagargania, to~<-
grande falla derespiracAo. e iiquei compleiarncnto re-
tabeleeido eom um s vidro do mesmo jarope; pelt
qne Ibes protesto eterna gratidAo. Recife 10 de Ja-
neiro de 1868. 7oejuim Pereir* Aranltt*Junior.
Eslo reconbecidoa.
RA
CABOGI
esquina
|da ra larga do
Rosario.
ao mmi de ou
nwJA
EO
____ MBE
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem. igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados. 3
AJ loja est aberta at s 9 horas da nouie.
CABUG
esquina
da ra largado
Rosario.


__i,----i_w.


Diario de Pernatnbco Sexta feira 17 de Setembro de
NOVIDADE
O JAYME, tenrto em vista sempre apresentar novas mclhoras em seu csta-
bilecimenlo do cabelleiro na do Queimado n, 0, acaba du preparar com decencia
t gosto, urna sala especial onde o respeitavel publico, cora certeza, encontrar o que
ha do primor em perfumaras, bijoterias, lloros e tinturas para cabellos etc. des mais
afamados fabricantes de Pars e Londres. Elle conscio de qae o que espende a puru
verdade, espera que o seu estabelcimento sqa visitado por seoiboras e cavaibelros,
para o que pesd sao vidados.
19-Rua Nova-19
FKEDEKieO &iUTIER
cirurgo-dentista, muito conhecido lia dez annos n'esta cidade, pela perfeigo dos sem
trabamos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
lhoramentos na sua casa, pode d'hora avante recober as senhoras no seu gabinete ondf
acuario os commodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobritmo e discpulo
I. IiEROUX
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou coa
feliz successo as primoiras casas de Pariz c de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profisslo ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao erwontrarem no set
gabinete, depositera no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos ossystemas: a pressio do are com molas de ouro, platina
vulcanite e um tnteirameute novo n'esta cidade.
Cura radical os dentes cariados.
Chumbagcns Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos fientrilicios fabricados pelo proprio annunciante, o quelhe permittei afiac
Car sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfei^ao de trabalho e presos moderados.
O gabinete acha-se
dias uteis.
iagens para fot a mediante ajusto previo
aberto das 8 horas da manaaa at as 4 da tarde de todos d>
Mikroskope
tisehen. Objetiv Lin
sen.
Barmetro e termo-
metre. Centigrade
e reuumeure.
RISCOPICOS
E erystal de rocha do Brasil.
F. 9. Ceruiaao. recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com csteo vidros, a vista descanca, fwrlifica-se e uo a canga como da
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vdro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez maia grossos, o que altera o crystalino do iho c deteinina quasi sempre do-
res de cabera. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as ve/es que o objecto est mais perto ou mais longe, os raios ijue expelle 83o
mui convergentes ou mui divergente.e a viso nao c perfeila. Um grande numero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de serte que a viso nao distincta.
Com applicacao de meus vidros pde-se vencer estas dfliculdades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por. meio de nm vidro concavo alasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver lao longe como as outras vistas. Quau-
do o crystalino muito chato, o quosuccede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e n5o enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; cora um vidro convexo, estes enxergar^o
tao distinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quaudo a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. I. Cicrnann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
colber, a primeira vista, soja qual for a idade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myope, (vistacuita).
Para vista que se cobro de nuveus.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as papebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o traba-
lho e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as papebras esiSo cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbytu.
Para evitar finalmente que o crystalino
do' olho se cobra de catarata.
NllO FOI PRECISO AGUA BENTA
* O demonio mudou-se por sua livre c expontanea vontade
VIVA 0 DA DE S. BARTHOLOME
Agora tunguem presuma que fot um demonio qualquer, foi
0 BOM DEMONIO
Mas nito sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA MIIS PERTO DA MATRIZ
Seu dominio est hoje asseutado. onde foi botica,
ESQUINA DA BA M ARAGAO H. 32
YEMHAM VE-IiO
Como garboso se ostenta
('orno lepido se moslra
E as diabruras que faz!!!
Negra tranca do coilo lhc ondeia
Silta briza ao mago desdem ;
Deita a fronte n'um peito c coimece
t Quantas maguas o seio conten.
Esta linda e gentil creatura tambem
Quetjos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De ruantes boas sardinbas.
Tudo barato
Pra agrada ,
Veahara freguezes
Que bao de goslar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia,em que este importante armazem eTe me-
Ihados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirarmais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener- s por precos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 10300 por 500, Vinio bordeaux em caixa, 70000.
Vinagre branco engarrafado a 4O0> rs.
Bolaxinhas de differentes mrreas. a
iMoo.
Fosphoros de seguranza, masso 500 rs.

Sor ti ment
para theatro,
de
binculos
oculos de
S*.
alcance para o campo e ma-
rinlw.
Lunetas, pince-nez e
Tace--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimeot* de relogios para parede, que d5o horas epara
cima de m nMM lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
Morad* efoteada, ingleses, sursses e orisontaes dos elhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas cm grosso e a retalho, Em Pernambuco.
N, 21=Rua NovaN. 21.
grammas.
Dita dita a 10200 idem.
Dita dita a 10000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 30500 dem.
Dito dito a 30200 idem.
Dito dito a 30000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 210 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 2i0 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a OO rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes com sa! refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Eructas portuguezas em calda a 000 rs.
a lata.
Ditas s de pec< gos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espante! a 10000 o masso.
Frascos dora .onserva a 900 rs.
Ditos (Jila de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de Hirco a 800 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a 50 e 60 a caixa..
Sabo de massa a 240 rs. por 500.gre
mas.
Latas comameixas a 10, I05O0J. 208Ofr
AJNDRE DELSUC
4
CABELLE1REHI0
A ifoia do Graspoi; andar 7 A
ENCONTRAR-SE'HA sempre Reste estabelecimeato um variado e.boailo sorti-
mento em perfumaras francesas e inglezas cuja lista damos aos leiteres
LUYAS Marca garaatida de JOUV1N.
EXTRACTOS.De superior quaiidade marcas LUBIN DITOS FrNOS.em frasquinho6 proprios para presentes .Lubin & Gosaell.
POMMAOAS. Banha fina de varios cheirosLubm, Gosneite, Sanie Hyeui3u
JABONETES.Anos para toilette Lubin A Monpelas.
EAU DENTFRICK.agaa para Bmpar dentesSainte Hygieajque LubiaA D.
mmmm dos am\ azes
16-RA DA CRUZ 16
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de dfferen
tes qualidades, \mhos de superior qualidade, chflsson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confesadas, xaropes refrigerantes, doces dt
calda, etc.
L-.cumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
amentos, a saber:
Petas de noagat. P8es-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armacSo de aseucar. Empadas.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 500 grammas.
Frascos com mac5as seccas a 20OOOl
Serveja de differentes marcas, duzia 6$.
Tapioca do Maranho a 240 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 5.
Liguigas e paios a 800 rs. por 500 gram
mas.
Ghz, l.,la a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bola\iiili;> beato Antonio a 10200 late.
Latas de po-de-l a 900 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800, Bter em garrafas a 800 rs.
rs. a lata. Licores finos como coracol, amsade, 6
Coitos finos para agua, duzia 40800. outras mutas marcas a 10000 rs.
Garrafas finas para meza, o par 5;>U00. Esuilinhas para sopa a 800 rs. por50#
Cognac engarrafado a 800 rs. grammas.
Azeite francez engarrafado a 10000. Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Presunto em barril a 480 rs. por 500 Massa de tomate a 720 por 500 gram-
grammas. mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se erradicar quelW
que n5o entendem.
T
ar
VEJM QUE DIABRURA
premio sem comprar btlhetes
Isto s pode ser artes do
I I I
Pierre.
-Sainte Hygienque
RRILHANTINA.para lustrar a barba e os cabellosLubin.
AGUA DE COLON HA.Marca veradeira de Joo liarme Farima
C08METK.cheiroaoLubin.
POZ DE ARROZ.dita-Lubin.
HEULE DE SENTEUR.Oleo para daiiservaco dos cabellos
ESCOVAS FINAS.para cabellos, denles e unhas.
BLAIREAU.Pincel para barba.
GRANPOS.para eabellos.
REOES INVIS1VE1S.para cabellos.
GRAVATAS LINDSSIMA.-do melhor gosto.
BENGALAS.de phantasa, para passeio e de diversos lamanhosetc, etc., etc.
A la parlumere Parsienne.
7 A RA DO CRESPO I.' ANDAR 7 A.
mam e modista
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
Tem a honra de parteerpar ao respeitavel publico e em particular seus fremie-
ze&,quo, pelas reiacoes que acaba de encelar com algumascostureirase modistas das mais
fJSS i6 qUe ?08 os mezes ,he mandam figurines, de vestidos, man-
tele^ e chapeos que estio M maior gosto e mais modernos, se acha habilita-
da para fazer vest:dos para p**eio e visitas, bailes e casamentos As senhoras que
"?? suafre8u^. Sot rao de ser satisfeitas, tanto pelo bom gosto, Zo
pela barate dos precos e prompt.do, na entrega das encommendas ; tambem tem bo-
WWmSfifi!?9"** ^ F^Posdetodasasqua.idadt
BOM DEMONIO
Est cleci(li(lo==o mundo marcha !
Leiam=adniirem
E...... espalhem pelo universo
SE TO EXTRANHO ASSLMPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM CUSTAR DINUE1RO
QL'E PErlIMHA !
No intuito de fazer urna fallada o iom demomio resolvou mimosear d'or.:-
em dianle com um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez lhe comprar 50000 iii
gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por diante sempre um bilbel-j
por cada 50000.
Cada um dessM Lillietes dados de mao beijada proporcionar ao portado."
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna lhe foi
propicia coincidindo o numero do dito bilhete com o do que tirar urna das tres soites
maiores da 1* lotera que correr ueste provincia no mez de dezembro vindouro.
1 gigo de champagne, valor....... 300000
1 caixa de vinho do Porto (Meneres).. 230000
1 duzia de garrafas de cereveja (Bass) 90000
1 presunto de fiambre............ 150000
1 queijo prato................... 00000
1 dito llamengo.................. 30000
6 latas de inarmelada lina.......... 60000
1 caixa de pagas................. 80000
1000000
I AS BOUBAS CURADAS
E
Todas as molestias syphiliticas.
PELO
, ELEXIR DO DR. SEVIAL
NICO DEPOSITO
KA
Pharmacia e drogara.
DE
Bartbolomeu A C.
34 R lrgM do Rosarlo84

UPADLO
DA BOA-VISTA i
f
1/2 gigo de champagne, valor............ 150000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 110500
0 ditas de cerveja (Bass).............. 40500'
1 queijo prato........................ 60000
i dito flamengo...................... 30000
i/i caixa de pacas..................... 40000
6 latas de marmelada.........:....... 00000
500000
DE
FEMAKDES DE M. GUIMARaES
SOB A DBEtCAO DO MUITO HBIL ARTISTA
ALFAIATE PEDRO

Nesta offiema encontraro os respeitaveis freguezes um dos primeiros artis-
tas este ja bem coubecido (com graade especialidad* em fardas), por muitas pessoas
gradas desta cidade. l
O mesmo estobelecimeoto se acha munido de am-completo sortimento de
razeodas, do que ha de melhor no mercado, proprias da oficina.
0 grande sortimento de roupas feita que tem, vende e manda fazer menos
20 por cento de qae em outra qualquer parte ( dinheiro).
4S RA DA IMPERATRIZ 48
Junto a padaria franceza.
6 garrafas de vinko do Porto (Meneres), valor.. 1105OO
6 ditas de cerveja (Bass).................. 405OO
i queijo prato........................... 60000
1/2 caixa de charutos de Simas............... 30000
250000
MAIS DIABRURAS!
;'x
Se
a pessoa a quem a sorte houver favorecido quiaor trocar" por tff^a*
os gneros cima meociouados ou preferirir receber o respecivo vor em dinWro' nl>
se ter duvida em saUsfazer.
Venham, fregnezes
Da pra Comprar barato
Ao BOM DEMONIO
Prapa da Boa-Vista n. 32, esquina da rar
do Aragao.
"V



.
Diario Je Periiambuco Sexta fefra 17 de Setembro de 1869.
I
A ESMERALDA
a
a
5
AGENCIA
KM
Do Dr. Ayer.
PEITORAL DE CEREJA
cura phtisica e todas as molestias do peilo.
SALSA PARRILIIA
cura ulceras e efcagas antipas, empiecns e darlos.
ToNlt',0
! conserva e limpa os cabellos.
PILULAS CATHART1CAS
lliiiramcute vegci.irs ni inereiirio, cura sesees,
i pargain o purifleam todo o yslema bumano-c ven
do-e nicamente em casa de Samuel P. Johnston
A C, ra da Scnzala-nova n. i2
Attenqo.
L0J4 DE JOUS
&
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado ie novo, est as condi-
qoes de servir vantajosaraente os seus fre-
gnezes, visto que acha-se prvido com um
explendido sortimento de obras de ouro e
prata de lei, assim como brilliantes e ou-
tras pedras preciosas, sujos presos sao os
inais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
S3 em troca ou compram-se com pequeo
Sibate
V 5 Rlli DO C.WJG.4 Y S
Constando ao abaixo assignado que a sua rau-
Iher Hara Clu stkuia Bastos Vianna conduzio
bonlcm. 5 do crrente, cm sua cumpanliia para a
ciliado doRecife-dousescravos. Cometi e Lito,
o priuieiro Je i a i' auno> de idade e o aguato
de 42, u que os pretende vender; dcotjra o pu-
blico, para que ninguem se chame a engao, que
sua mulber qnc move contra o abaixo assignado
accao de divorcio, nao pode dispr d'esses escra-
vos, e que o mesnu aliaixo assignado d;ir-se-ba
pressa em promover pelo* meios legaes a uullida-
de de qualquer negocio que se fl*r com os referi-
dos escravos.
Eugenho Govaana Grande, 6 de selentfiro de
! 1869.
Jalo francisco Cacalcanti O agenta de compras e vendas de
esclavos. Jos Martina Alvcsda Cruz adas-
se residindo na na de Hurtas n. 90, promp-
to a desempenhar nao s o scu dever para
esle lira, como p.ua Otilios que seus cont-
inenles o julgtiein habilitado mediante suas
respectivas commissiies.
Colla compagina lyrica o giunto in questa
cilla il professore Beliraini Callisto, il quate da le-
zioni tlil corno, tromba, sax, conietto trombone
e bonibardino. Componee rduee per banda, per
orchcslra c per piano forte Marcie e Ballabili. R-
duceduett,le.rzett,iii:ui'il, cavaiino e romanzo
con accompagnamento de piano forte per banda c
jad orebestra. Per lo'.i.ittative dirigersi al teatro
S. Isabella dalle 12 alie 3 e dalle 8 pom alie 11.
Maria Carmina avisa as scuhoras mis
de forairias que faz vesiidus pilos mais mo-
dernos fifftiiitos de Pars, lava, arma e en-
feita chapeos d i pallia ou de seda, tanto
para senhoras, como para meninos e mais
barato do que outra qualquer: no pateo
de S. Pedro n loja.
Osabaixosassignados, proprietarios deste
esUlii'lecimeuto, declaram ao respeilavel
publico e com especialidade a seus nme-
ros fi eguezes, que desta data em diante
as mercidorias serao vendidas a prego fixo,
e mdico. Isto resolvern} os mesmos pro-
prietarios cm consequeucia de reiterados
pedidos de muitas pessoas por ser este
systema de vend r o que mais garanta e
confianra inspira ao comprador.
As veudas em grosso, serao feilas com
os abatimentos na razJSo segnmte :
Compras de 50-% a 100 descont 5 /
de 100^ a f00:> 10%
de 500 para cima !'%
Pagamento realisado no. mesmo mez da
compia.
Os proprietarios doBAZAR DA MODA,
observara mais que, recebendo todas as
ini'rcadi'i'i.is de conla propria, olTerecem
a quem comprar todas as vaalajesas condi-
ces das casas in:portadoras.
O cstabeleciniento ronserva-se aberto
todos os dias uteis das 0 horas da manha
s 8 horas da noite.
Recife, 1 de agosto de 1809.
_ ______Jos de Soiizn Son res A C.
Escrava para alugar
No largo do Corpo Santo n. 17, 2o andar, existe
para alugar urna escrava que sabe lavar e eozi-
iihar.
TRIl'MPHO MEDICA DAS CJENC1
Ama de leite
ALGODO
L0.I1 DAS MACHINAS
ACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodo, do
muHo conbecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
ACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
ACHINAS ditas de Koller Gins, de cujo trabatlio faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
CACHINAS de faoao do fabrcame Platt B. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melfoores qtte tm
'ido ao mercado ; e para a sua apreciacao oonvidam-ser os senhores agncu'tores "
irem a exposifao das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, eade
urarao mais o seguate :
i
Aluga-se duas casas com bastante com-
modos, c vende-se, urna na cidade Nova de
Santo Amaro: tratar com Antonio Jos
Gomes Jnior, em Santo Amaro.
CHOCOLATE HOMEOPATHICO, da mclhor qua-
lidade.
CHA' PRETO E CHA' VERDE, da melli-r qua-
lidade.
Livros para a tomada da historia das molestias.
Resmeos para uso dos enfermos.
Tudo o que di;, respeito a Homeopaihia c ao tra-
tamento dos doentos.
Na phahmacia esprciai. homeoptica, do Dii. Sa-
bino O. L. l'l.NHO.
CONVITE
Veneravel ordem tereelra de S.
Francisco do Becffe.
Convidam-se aos reverendos senbores sacerdo-
tes que qneiram celebrar missas com a offerta de
2^000, a diiigirem-se igreja desta veneravel or-
dem, das 7 s 9 horas da uianliaa do da 17 do
corrente.
Secretaria 11 de setembro de 1809.
O seeretarioi
Joao da Cunba Soares Guimarae-.
i'ttuihadores para milho.
v,;ndros para padarias.
rados americanos.
jarrmfaM de mi.
uinas para cortar capim.
;annos de chumbo.
"linas de Japy.
'das americanas,
""elhas de ferro galvanisadas.
-olhas de zinco finas.
>itas de cobre e latao.
^erro de todas as qualidades.
\rcos de ferro,
-olha de Flandres.
iados americanos.
Jac5es ditos.
m e cestas de verguinlia.
- *ssouras americanas.
-.Mes de todos os tamanhos.
""ornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros ailig
rsidade seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americarws.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trena completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Crtenles de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refmacoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de-todas as qualidades.
Sorras avulsas para machinas.
Maneada e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
ATTENCAO
Precisa-se de una ama de boa conducta para
tratar do arranjo de una rasa com todo o asseio,
de un inoro solteiro, que saiha bem lavar e en-
gommar pira elle s. c-tzinharpara tres pessoas:
quem estiver nesles casos, sendo branca ou parda,
dirjase ao pateo da Penha n. 10, que l se diva
quem precisa.________
Trooo iiiudo.
Da-se biim premio por sdalas de lOOA, 23;
5|, IflJ e 205 (nova e-tai'ipa: na casa deTheo-
do-ro Simop \ C larRo do Pelourinhe n. 7,
Atteneo.
Precisae alagar um sitio que tenha nu boa
esM-e viv-oda com 6 ou 7 alemas, e fra delta,
liabitacoes para qnatro criados. Deseja-se qua
dito sitio sejr. nos arrabaldes desta cidade e com
preferencia em o trajelo da va le rea de Apipu-
eos. Dirijam-se os donos vorbalmente na por es-
cripta ao consulado francez, ra do Trapiche; Xmo
n. li.
Ao commercio,
Jos Domingues Pereira ei>m quanto julgue a
firma de Pereira-c Rraga a riinguem nesla pra^a
esbir devend <, convida com tmlo a quem a ella se
julgue credor, a quanto antes procurar cobrar do
annanciaute por a ter dissolvido com Pedro Fer-
reir* de Araujo Braga, e car somenie na posse
dos estabeleci montos.
Perderam-se I
duafi chaves de cafre, seguras por tima corrente
de prata, desdo a ra do Queimadn at ao pateo
do correio : quera as achar e as quier enirepar
naprac-\ da ludejondenia 2i, ser reeouipeu-
sado.
ry^
GOMES DE WAHOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da nonte na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarSo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paiiteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Comprara e trocara qualquer joia ou pedra precioi e garaatem
a qualidade dos objectos vendidos.
c^

0 MUSEO DE JOIAS
Preosa-se de urna ama de leite, mas que ao
tenha filbo : na ra larga do Rosario n. 1.', 2
andar.
Precisa-se de um bom cozmheiro, lioinem ou
mulher, com tanto que entenda da arte, paga-se
neis : na na Nova n. 2o.
Com muito uaJor vanlagcm rompram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
raeaode Ouro n. 2 I), roa do Calm?;'!.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
Ouro e p-fetii
Compram-sc moedas de ouro e prata de todas
as qualidades, por bom proco : na ra da Gadcia
do Recife n. 58, loja. do azulejo.
Compram-se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras inutilisadas
brilhantes e mais podras preciosas: na loja de
ourives do arco da Conceioao, no Recife.
3ESCRAWL
Compram-se e vendem se diariamente para fra
e 3%ntro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, eom tanto que sejam sadios : no
tereeiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
fregnezia de Santo Antonio.
Comjirase um pao do bandeira, que
nao soja muito grande : nesta typograpbia
se dir.
Compra-se um preto de meia idade : na ra
do Rangel, padaria. .
Cuuipram-se por maior ptefo sedulas
de 16, JUGO eo->000:na ra Nova, loja
n. 7.
Compra-se un eseravo de cor preta, de
meia idade, sadio e de bous co-uimes : a tratar
najua larga do Basado n. 38, ija.
Jornaes para embrulho
Compram-s jornaes para embrulho a O rs, a
libra : na fabrica a vapor da ra larga do Rosario
n. 21.
Compram-se de 10 a 50 accoes da compa-
nhia Pernambucana; na ra do Amorim n. 66.
211*
VrNDAS.
Casas para vender
Vende-se 11 meias-aguas de pedra e cal jun-
'a ponte?inha confronte a campia do Pomhal,
ao lado direlto quem vac do Hospicio para Santo
Amaro, pertenrentes ao fallecido Joaqoim Jos
Pereira de Magalhes para liquidaces de dividas
o mesmo : a tratar com o mpregado do chafa-
riz do Forte do Mallos.
Elm tejnjjos moderos neabum.descabr-
mento operou maior revolu?5o no modu &
curar anteriormcnlc t-ni vogadoque o
PEITORVL DE A14G.4HITA
TANTO N TRATAMENTO DA
TOSSt:, CROPO,
ASTIIMA, THISICA,
ROlOflDO, lll'.SKItlWIKNTOS.
IIKONCIIITES,
TOSSIi CONVULSA,
DOtEI DE IT.1TO, *
EXPICTOBApAO DE sam;ik.
ljiuo ein luda a grande serie de enfermi-
dades da i;ai.i;a\ta, do rorro e dos orgaos
da iu:si'iii.\(.Ai), (iie tanto atoiinontam e fa-
zom soffrera luimauidade. A maneira an-
tig;i de curar consista goialinrnic na appli-
cacSode vesicaturios, sangras,sarjar ou ap-
[iliiarexteriormente ungentos fortissimus
cofflpostos (le substancias vesicantes, alm
deprodzir.mpolhas; cujos differentes mo-
dos de cuiar, nao faziam seno enfraque-
cer e diminuir as forras do pobre (lenle,
conlribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truidlo inevitavel de sua victima Quem dif-
ferente c pois o effeito admiravel do
PEITORAL DE AXACAIIUITA !
EM VEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CALZAR
INAUDITOS SOt'HWMENTOS AO DOENTE,
CALMA. MOlurtCA E SUAVIZA ADOR.
ALI.IVIA A IRR1TAC.O
IiKSEMVOI.VE O ENTEXDIMENTO,
KOTtfICA O CORI'O
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
molbores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testificara seren exactas e venladeiras estas
relaroes analgicas, oualm disso'a experi-
encia de milliarcs de pessoas da America
Hespanbola, as quaes forain curadas com
este maravilboso remedio, sao mais que
suffieientes para sustentaren) a opiniao do
PEITORAL DE ANACAHUITA t
Deve-se notar que este remedio se acba
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como regatees, em quanto que porm,
alguns destes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Ilydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropcs, com os quaes to
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A ComposicSo de Anacahuila Peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
m frascos da medida de cerca de meio
quaitilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicaco d um ou dous frascos
para a effectuac3o de qualquer cura.
Acha-se a venda nos cstabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. Maurer
de C, 11. A, barbosa. Bartbolomcu C, e
em todas as principaes boticas ojas de
dragas.
CANOS
para encaiiamenlo d'agoa
Canos de ferro forrados de porcelana, o esta-
nbados, do diversas crossuras : venda na ra
do Queiniado, Azevcdo & Irniao.
----< V--J'-,^4
'ljga
1^
15
Garanto-se a casa, prtanlo faz
conta. Restando apenas algnmas
mercadoras o armaran da liqui-
da-*ao do armazem da loja ra
Nova n. 60, faz-se scieote ao pu- >.!
blico interessado, que liquida-se a y-^H
rmacao e mcrcadorias existentes
ainda r.o dito armazem, e por con-
seqnencia negocio incontesla-
velmenlo vantajoso, visto que so
tarante a casa : quem pretender
dirija-se tratar no mesmo arma-
zem.
Vendo-fe ou permrta-se por alcuma casa
nesta cidade ; um sitio com trras de plantar,
capoeiras, casa de vivenda.e para farinha, com
ruitas larangeiras e limeira?, um coquciral e
-eutras arvojes j produzindo, o qual conbecido
por Sitio Jacoihin ao la<1o da villa de Ignaras-
mi: tratase no sobrado da roa de Horlas n. 48
800
>2()
-2
7W
&8Q
10 .
8j
ICO
aoo
. 280
:>((
KKl
sen
Pura olerecer ao Hospital Portuguez no
dia 19 do corrente.
Objecto que se d subido apreoo por ser intei-
ramenle novidade, e por es?e motivo torna-se nma
prenda mui valiosa e por pouco dinheiro para o
comprador. Guarda se sepredo do objecto que
para nao se tornar conbecido, o que recommenda-
i<* que nu deixem de vir comprar para ofler-
Urquelle pi estabelecimento um artigo que
readiaeoie ha de ser mui bera aceito pela respeita-
vel commisso a quem fot enlrepue, comotambem
ba e ter bastaste animacao pela parte dos con-
cn entes ao leito. Pode-se procurar ra. do
Crespo n. 7 A. loja do Paco
Vendem-se duas pequeas casas de
pedra e cal, situadas na Bana-Verde da
Capuaga: quem preten der dirija-se a esta
.typograpbia que achara com fuem tratar. j|
Para forrar casa.
Venderse boa alcatifa pelo barato prego de 90
rs. o metro : na ra 4o Quemado a. 31, loja de
A- M. Rohm & O.
Voodo-s nma boa escrava sem vicios, pro-
pria para irabalho de campo : a tratar na traves-
a da Madre de Dos n. 14, das 9 horas da ma-
ntiaa s 4 da tarde.
Vendem-se sele escravos, sendo duas pretas
de lo a *) anuos, duas irrtalas de 20 a 28 asnos,
estas com hadAdades, um cabra de li aunar um
cabriob* 4o 9 aauos o um preto de 30 aawi to-
4oa de biia coadtfBW : na rpyde Hona n. 9G.
Vende-se urna nepriuha de 14 annos eom
baliilidades : m raa da Penh3-n. 3. t andar.
N6o mais cabellos brancos.
A tintura japoneza para tingir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admiltida
Exposifo Universal, por ter sido reco-
nbecida superior todas as preparaces at
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a i 4000 cada frasco na
Ra da Cada n. 51,
V andar.
Cal nova de Lisboa.
Vende-se na ra do Apollo armazem do Reg
& Irmao n. 18.
Pechincha
Vende-se um sobrado na ra do Quatro Cantos
da cidade de Olinda, por prego muito commodo,
por ter soffrido ruina de estar ha muito lempo fei-
xado, faz-se todo negocio ; a tratar na ra do Li-
vrameato n. 31, 2 andar.
Vende-se o estabetocuneato de taberna e pada-
ria com boas frefueaas, ha ponte do Ucha; a
tratar na ra 3o Rosario dfl BaV'iofa n. 56
Vende-so o palaeho nacional 'Xtb, pnMnfl
i navopu*, cojo navio m aeha aocorade neste
porto conclundo a desokrta do eirregMienti. i*
anre qnrtronre do Ri Gand do Pul, v nden-
Ido-se conjuntamente dbi esaraves mocos, bons
rawinheiros. Os prlad)ies p.-lem ir a se
bordo examina-lo e Watar no csciiutorio-da.rua.-
da Cadeia n. 51
Peixe abacallioado
industria rio-grandense da fa-
brica de Ferreira Guimaraes
& C, no Rio-Grande do
Sul.
Este poixe, assim preparado de cxcellenle ma-
Seira : vende-se no armazem do Antonio Gomes
tres & C, ra da Cadeia n. 53.
, Vende-se um balco em bom estado,
proprio para estabelecimento por preco
commodo: na ra da Cruz n. 13.
VENDE-SE
ide-se urna escrava de nacao, ra da Cruz
ni 20, 2 andar, sendo boa quitandeira, engoma
lito e cosinha o diario. _________
Na ra do Vigario n 19, e-criptorio de T. da
Apoino Fonseca & C. vendese mercurio, vinbo
engarrafado MENEUES, ancoreUs espeoiaes, cal
,d Lisboa, cera em vela?, chapagne e cognac, car-
vao animal, vidros em eaixas.
Vende-se, na ra da Aurora n. 26, um excel-
lenl8*3cravo pardinbo, de cor escura, do 13 annos
,4d idade, boa. figura, robusto, offteul do aibiaie, e
com principio de boleeiio, ptimo para pagem.
A VERDADE
55Rua do Queiniado55
A VI'.UDADE tendo em deposito grande
quantidade de miudozas c perfumarkis, c de-
tejando apurar dinheiro o adqnerir ha lie-
guezia est rssolvida a vender n.t; lissimo
barato, ; por csa razao conrida ao r< Sj
lavul publico a vir competentemeirte atai-
do a sortir-sc do borne barato. Pois aaan
do a Vertlade apparece, ludo mais des-
apparece....
Grande sortimento de buneijos de cera e
massa as mais lindas possi eWveslidas a ca-
racter.
Ricos globos para candi no de gaz a 1 800
Chamins a....... 320
Grande sortimento de obj.'ios de
loaba para brinquedo de nirnino 10(
Garrafa com tinta a.....
Dita cora agua florida terdadeira a !
Dita cora .lita dila a I ti P
Frasco com oleo de babosa B S00 7 J I
Dito com agua de Colonia a :i00 e Sd
Garrafa com aguadivii'ia a. 1:>j()o
Frasco com extiailos iiiins a |000
Lats pequeas com bauh i muito
lina a 1211 e......
Saboiietcs de diversas qua'i ladee
80, ICO, 240 e......
Finas escovas para denlos de iUa
Lindos coques modernos a. SSOO
I'avios para gaz, dnzia a it le ..'
Escovas para fado a 5 0, GUU e
Ditas para cabello a..... JOO
Feutes para tirar piollio a ICO e. ^
fJriacos de cores, bonitos a KiO e 201
Pecas de tranga de lita com 8
varas por....... 80
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Fennas d'aco finas eaixas a 800 e MOO
Dita d'aco Ferry, caixa a. !&QfJ
Galo de algodao peca .... *11' >
Lindos babadinlios e entremeios
peca de 500 a......l$QC
flotoes de madreperola, groza a
Ditos de loufa muito lino a l0 e
Ditos para calca a Ico e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com cjivelopes a. ,
Ditas com obreias a.....
Caixa comagulbaa fondo-domado
Ditas de ditas ditas a.....
Tliesoura para cosluia a K)e
Caixa com linlia de marca a .
Linha de cores em no\ellos (li-
bra) a........
Carreteis de linha Alcxaudre de 71)
al 00. .,,....
Grampos muito finos com pasea-
ros, duzia a......
Cartas porluguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2>00 e .
Papel almaco e de peso, resma a
3f?i0O, 35500 e WSOP
La muito fina para bordar, lira 65KK
Fita de algodo para debrum do
sapatos, pe^a a..... I'.'
Ditas de la para debrum do ves-
tido, peca a.....-. IH
Pautes linos para segurar ca-
bello a........ :,J
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2i0, 320 e......
Caivetes grandes com molla a 32I
Ditos para aparar penna a KM)
Cartes com colxetes a ... 10
Rosetas pretas, par a ... 100
Tranca de la decaracol pera a 10 e i 00
Fita de coz peca a 480 e 560
Alfineles de lat5o a..... 100
Sapatos de la para menino a 240e 800
Ligas para senbora, par a. 160
Grvala de sedas de cores a 2< K)
Cslcadeiras a....... si'
Grande sortimento de rendas das libas.
Um par de suspensorio de borracha i o
100 ris I! 1!! I!
\: Verdaile i na do Quciinado
_____n. aa.___________
Assucar de oxido de ferro de
Chauteand.
O assucar fe ruginoso de Chantenud el:,!
pela associacao do exido de ferio inlcirumnitr
luvel com o assucar cuidadosamente purificado.
Este assucar, do una bella apparencia crjsUliua,
lem o simples gosto mui agradavel^ do asmear,
sera o menor sabor adstringente : nao tem ae^'3
irritante sobre a mucosa do estomago e enleMiuos,
e rapidamento absorvido pelo apparelho digest'
vo sem causar as constipaco'S do ventre.
E' htje o preparado de ferro de mais aceilaeao
para a chlorose atona dos orgos, perdas broa
menstruaqes difflceis', etc., e tem a seu Error fl
juizo autorisado da escola de medicina de IViria,
e dos cbimicos os mais notareis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pbarmacia de Bartbolomeu & C, ra larga de
Rosario n. 34._______________________
Na pharmacio do Piulo ra
Larga do Rosario n. lOjuulo
ao quartel do corpo de poliche
Acham-se constantemente promptas a se-
rn satisfeitas, as prescripces dos Sis.
facultativos, e as necessidades dos enfer-
mos, as especialidades da mesma pbaima-
cia, compostas de medicamentos, tanto ki
digenas, como estrangeiros.
Tosse e molestias do
peito.
Xaropes de fedegoso, rabo do tat, AgriSO"
pao Cardozo, juc.mulung, mutamba, et-1.
etc. etc.
Rheumatismo e molestias:
syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de Salsaparrilb?
do Para, pilulas e xarope do vclainc.
tara e xarope de sicupira.
Doenras do ligado e baf o, anemia,
opilado etc.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pu-
lulas, xarope e vinbo da milagrosa JRU-
BEBA,
SEZOES 01' PEBRES IXTERMITEXTES
As pilulas anti-periodicas de Pinto.
nico deposito dests medicamenlos na
pharmacia do seu autor ra larga do ro-
sario n. 10, JHnto ao qoartel do coipo de
polica.
CAIi RE IINRO %
PDTASSADIRUSSI4
A mai1 nova no mercado, a preco razoave
armazem de Uanoel T Bast, ra do Commercir
p. 13.__________________________
Para cocheiras
He muito bom a #rec commodo : rae- '
Ramos n. 4, enebemonto de Botelho Aiaujo & c.


6
Diario de Pemambuco Sexta feira 17 Je Setembro de 18G9.
t'
LIQUIDACO
SEMI
0 proprictario do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
t ii. 11. declara ao respeitavel publico e seus que est liquidando todas as
e roupas feitas que lem om sen eslabeLvimenlo como se poder ver no seu
a.. iiinciv) o preco abaixo mencionados,
Chitas fraucezas matizadas a Algodo enfestado aOOrs.
30 rs. tes6 algodao enfestado proprio para
Vende-se chilas francezas oscuras matiza- ienfoes e toamas, 900 rs. o metro, dito
dasa30 rs.o covado por este preco sna llU!li;ui0 a \.%. me|,0.
Chales de merino 3.$.
Vende-se diales de merino estampados
a >>, chales brancos e de cores a 10000
cada um.
CORTES DE BHIM CASTOR PARA CALCA
A 640 RS.
loja da Arara, ra da imperairiz n. 72.
LAZ1NUAS A -240 RS.
Vende-se la/.inhas paia vestidos de se-
dIi ira a 240, 280, 30 e 400 rs. o co-
vado.
BARfiGES DE LAA A 500 Rs
Vende-se barbes de la com istias para
\ istidoa do senhora a 900 e lii rs. o
lo.
Alpacas de listras a 5O0 rs.
Vende-so alpacas de ristras para vest-
na a fiOO rs. o covado.
CUTAS FRANCEZAS A 28!) RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
o covado.
CORTES I)R LVA PARA VESTIDOS A
a-uoo.
Vende-sc cortes dJ laa para vestidos de
seahoras a 2>400 cada urn,
PERCALES A m US. O COVADO.
Vende-se percales milito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado, raur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
Itrilhannas de cores, a 440 rs. o covado.
Baldes modernos de todas as
cores.
Vendes < hales moderno sbranco e de co-
res a 4, 4^500 e 55.
COBERTORES DE ADGODO A 1*500.
Vende-se cobertores de algod3o a 10500,
cobertas de chitas a 10600 e 2) cada urna,
GANGAS PAIA CALCA A 320 US.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brim de cores para caifas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
eres para caifa c palitots a -2-5500 e 30,
o covado, metas casemiras enfesladas para
calcase palitots a 10 o covado, brim pardo
d? todas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na raa da Imperairiz
ii. 72.
Alpacas lizas a 4 rs.
Vende-se iparas de cores lizas finas a
040 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro.
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vende-se pecas de madapoln enfestado
a 30500, pecas de madapolo inglez de 24
jardas a 50, 60400, 70, 80 e 100 a peca.
VoLde-se urna grande porco de cortes
de brim castor para calca de hornera, 640
rs. cada um.
randc porciio de retalhos
Venderse grande porcSo de retalhos de
chitas c cassas pretas a 160 e 200 rs. o
cova lo, lealhos de.cassas, laa e chitas de
cores baratsimos.
LIQUIDA A ROUPA FEITA
Vende-sc palitots de brim de cores a 20,
ditos de alpacas de coros a 20, dios de
meia casemira a 2-S e 20500. ditos de pan-
no prcto bom a 8-5 c 100, calcas de alg
dan azul para escravos a 640 rs. ditas de
algodode listras a 800 e 10, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tes de brim c fustiu de cores a 10 e 10500,
coletos de cesemira decores a 20500 e 30,
e outras militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de lustras a O rs.
o covado
Vende-so algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado. >
PECA DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pecas de algodao 40000,
50200, 60000 e 7\ para liquidar.
Baldes de arcos I &500
Venderse baloes de arcos para senhoras
pelo baratissimo preco de 10500 cada um,
Cortes de cambrala barras
a 3O0O.
Vende-se corles de cambraias barrsa a
20 e 30 cada um.
LENCOS DE SEDA A G40 RS.
Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
um, para liquidar-
CARTERA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 10
cada urna.
Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240. 280 e 320 rs. o covado,
ellas antes que se acabem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
vai vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e quem se quizer sortir de fazendas
e roupas feitas para a festa pelo preco que Ihe agradar, se poder dirigir a ra da
Imperatriz armazem da ARARA, que estar aberto todos os dias uteis, das C horas da
manliSa, s 9 horas da noite.
72. Ra da Imperatriz. 72.
H8
s25
CONVITE GERAL.
*
0 proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriz n. 56, declara ao respeitave! publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desojando diminuir este graade deposito por meio de urna liquidaco que fin-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazencUs, e por diminuto preco, a saber:
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
10000.
Vende-se algodao enfestado trancado para
lencoes a 10000, dito liso, enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 30300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, 60, 70, 80, 90 e 100, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanziuhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 rs. O COVADO.
r*Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
6enbora.
SEDAS DE CORES A 10.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 10 o covado.
PORCO DE RETALHOS.
Vende-se urna porco de retalhos de cas-
sas, de la e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' elles antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10.
Vende-se chales de caisa a 10, e de me-
rino a 20.
CORTES DE LAA A 20400 RS.
Vendem-se cortes de 15a de listra para
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
.ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecas de algodo a 40, 60, 6^'para liquidar.
0 a peca, e muitas outras cousas que Todas estas
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 20500.
Vende-se casemiras de cores a 20500 e
30000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30000, ditos de seda a 100 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para caigas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
(angas para calca a 390 rs.
Vendem-sc gangas de cores para calca e
palitots de bomens e meninos a 320 rs. o
covado.
MSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se larlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para aca-
bar.
GRANDE SORTIMENTO
D ROUPA FEITA DE TODAS AS QUAUDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes poderlo vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
3C3l~lr
BALES DE ARCOS A 10500.
Venden-se balSes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, ditos modernos a 40.
BRIM HAMBRGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 80, vem a ser mais barato do que
algodaosinho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se cortinados para cama, a 440
Ditos para janellas a 70.
fazendas se vendem muito
AS IVAS SEDAS
11--RUA DO QUEMADO-I 1
Chcgaram da Europa pelo ultimo vapor loja de Augusto Porto A- C. ricos
cortes das mais 4inda sedas de mimosas cores para vestidos proprios para bailes e Pasa-
mentos.
Grande variedad de sedas de listras de diversos procos todas de lindas cores,
gorgurto de seda preta, e grosdenaple de varias qualidades e gorguro de seda la de
dill'erentes cores. {?
Novos vestidos brancos de blond para noivas, lindas colxas de seda pata camas,
ditas de laa e seda, cortinados bordados para camas e janellas, fronhas e toalhas de
cambraia de linho bordadas.
Lavas novas de Jouvin.eelegantes sombrinhas de sedas de cor para senhoras.
Esparlilhos de 50 at iO0, lindos bournous de cachemira de cor para sabida
de baile, basquinos de renda preta, e ditos de croch branco e preto para senhoras.
Grande variedade de camisas bordadas e lisas para hom?ns c mininos.
Soilimento de muitas fazendas de la, linho c algodo tudas por precos muito
mdico.
Tapetes grandes para sof, piano e camas, pecas de tapates o de alcatifa para
forrar saloes tudo em quantidade; e vendem sempre'por menos que em outra qualquer
parte.
Esteiras da India de 4,5 e 6 palmos de largo.
SABIDAS DE BAILE
\11
Chcgaram pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindissimas sabidas de bai-
les, ricamente enfeitadas, o melhor gosto que tem vindo ao mercado : ra do
Crespo n. 13, loja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos.
Grande c completo sorlimento de machinas para
descansar algodode nova invencao chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
liento de Oliveira Braga & C, na ra Direita n.
lio. Garante-se que 6 a melhor qualidade que al
o presente lem viudo ao mercado : acham-se em
exposic/io aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortlnienlo de pesos kilo-
granimos de melhor comprehensao dos que tem
vindo at o presente, assim como marcos de latao
at meio grammo pelo mesmo systema, balanzas
de latao de forca de 5 a 20 kilogrammos, metros
de madeira e de latao para medir fazendas, alm
de grande sortimeno de miudesas c ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direita n. 53, loja de Manoel
liento de Oliveira liraga & C.
\<*.m un
RIVAL SEM SEGl \D0
Ra do Queimado ns. 49 c 57*
logas de nuudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimentos por isso queram apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
10500,20, 30 e..... 40000
Caixas de linha com 50 novillos 500
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......20000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......10500
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........30800
Tramlas do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a 0200
Livros de misses abreviadas a 20000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a204OO e.....208OC
Silabario portuguez com estam-
pas a ........ 0320
Gravatas de cores e pretas muito
finas a ....... 0500
Cartoes com colchetes de latfto
fazenda fina a...... 0020
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a. 0500
Caixas coja penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e 10000
Cartees de linha Alexandre que
tem 200 jardas a 0100
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a...... 0100
Caixas com superiores obreias
de massa a...... 0040
Duzias de agulhas para machina 20000
Libras de pregos francezes di-
verso tamanho a. 0240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 0120
Talheres para meninos muito
finos a........ 0240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 0700
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a. ....... 0600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... 0320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 0500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 0320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 01GO
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 20500
Grozas de botes de louca muito
finos a........ 160
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo n. 9
Os propnetarios deste bem conhecido estabele-
cimonto, alm dos muitos objectos que tinliam cx-
postos a apreciad do respeitavel publico, man-
daran) vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo c variado sortimeno de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resotvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas c bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que lia de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e rkfuissiuios enfeites para cabeeas das
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com Hndos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 303000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,5,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desojar ; alm destas temos tambem grande
Suantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinuos de oadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurames sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhag para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLABES DE BOER.
Elctricos magnticos contra as convulses, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, alim de que nunca fallera no mercado,
eomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre cncontraro destes verda-
deros collares, c os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista das cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes a amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32._____________________
BAZAR UNIVERSAL
<8 Ra Mova
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicSo servicos a electos para almo-
Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bcrcos, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrado
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar. ______
Exlraclun carnis
Machinas vapor de
forca de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
nsar algodo.
Balancas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar car'as.
Fogo americano patent
Scbonete de alcatrdo.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pe le.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeo & C,
34ra larga do Rosario34.
Este producto alimentacSo para doentes, mui
apropriada para creancas c para as pessas saas;
indispensavel a todos, porm, principalnente aos
viajantes, que leo nelle o recurso de poderem
ter alimentaeao de carne fresca incorruptivel, e
qne com facilidade se aprompta c se conduz, por-
que n'am pequeo volunte carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretudo ehama-se a atlen-
cao dos senhores de engenuos que encontrante no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao
agradavel, hygienica o barata para seus fmulos c
seus doentes.
Esto producto fabricado pelo processo do dis-
tlncto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezende & C, ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cada n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Al ves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, praca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto irazem
urna guia para seu uso.
2,
CEMENTO
PORTLAND.
3jVende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna eilicacia verdaderamente ma-
ravillosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a parlisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos?e recen-
tes ou antigs, suffocacoes, catharros,
bronchicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulses in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
Loja de miudezas de Ferreira da CunhaA
Temporal, ra do Queimado n. 63, est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) t#200.
Caixa muito fina para p de arroz i500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 10300.
Agua divina idem 1)5400.
Gravatas pretas para homem 4'0rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio phijocme verdadeiro 1#200.
Aderecos de plaqu 1#500, 2# e 55.
Meias cruas para homem 33300 e 43 a
duzia.
Botes enfeitados para vestido, 13200 a
duzia.
Leques do santol 53, cada um.
Dittos de madeira 33 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda,
23500 e 33 cada um.
Meias finas para senhora 43 a duzia.
Banha em frascos a 400, 610 e 1300.
Frascos com extracto muito fino 23 e
23500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
320 rs. -
Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com extracto 23500.
Cartas porluguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Gal5o de la para vestido (pessa) 400 rs.
"Fita de sarja lisa e lavradas, 13500,
23 e 23500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 13.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
240 rs.
Laa para bordar de todas as cores (libra)
63800.
Bonets para menino 13,23 e 23500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M-ias para menina (duzia) 33 e 33500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e800,
Capellas francezas a 23500.
Facas e galios, cabo de balanco (du-
zia) 73.
Chicotes paracavallo 600, 800 e 13500.
Bengalla de canna 13, 13500 e 23.
A NOVA ESPERAR
21Ra do Queimado 2)
Advertencia!
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convda-os pechincha-
rem, pe'.., que para comprar-se caro, nc
falta aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem
pro primar em nos remetter objectos dt
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinha
acaba de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brinco pretos com dourados (ultim
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos com pingen
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me
nios.
Delicados leque de madreperula, mar
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento d
miudezas ra do Queimado n. 21, ns
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoa
pais de familias nao creem (comprando-oa.'
noeffeito promettido.o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade.
fez urna encommenda directa* destes collares,
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean
Cas tem salvado do terrivel incommodo d
convulces, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a ra do Queimad
n. 21 comprarem o salva vida, para sena
filhinhos, antes que estes sejam acommett:
dos do terrivel mal, quando entao ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embon
sejam empregados os verdadeiros colrare*
de Royer.
seria enfadonbo menr-atta,
barato na ra da Imperatriz n. 56.
Novidade.
UVAS E MACAAS
Ghegaram no ultimo vapor da Earopa, e acham-
se venda no petit restaurant do Hotel Central,
roa estrena do Rosario n. 4 A.
Farinha
Na na Augusta n. 10 se dir quem vende
saceos de farinha da trra de boa qualidade.
Jos Mara Palmeira contina vender em seu
escriptorio, largo do Corpo Santo n. 4, i* andar
Potassa da Russia superior.
Lonas da Russia de superior qualidade.
Brinzoes da Russia de superior qualidaile.
Cemento Portiand.
Dito Remano.
Pao de algodao do commendador Pedroso.
Vlnho Bordeaux.
ATTENCO.
E' chegada a occaslao de quem quizer preve-
nir-se de urna das melhores tabernas, tanto por
seu local ser dos raelhores.como est afreguezada,
pois se dir o motivo aos pretendentes porque se
vende : no pateo da Penba n. 6, a tratar na
mesma.
J cordeiro previdente
Rna do Queimado n. 10.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que eflectivamente est pro vida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d^
receber um outro sortimento que se toma
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pee
e espera continuar a merecer a aprecaacu
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nSo se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidu
e barateza. Em dita loja encontraro os
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco di
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
jom escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamaitos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de ppenlo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arioz
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras diferentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Chegou ao amigo deposito de Henry Porster Fivellas e fl<.a8 para cintos.
C, rna do Imperador, nm carregamento de gaj j>D\\n a vir*A' m;Jw. j .,, >,;
de primeira qualidade; qual se vende em partida- ^l'0 e. vanad-0 Sortimento de tes Objec
e a retalho por menos prego do que em outra qual tos> ucanOQ a boa escoma ao gOStO do CQm.
quer parte. I prador.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 1500.
emporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza, emporal contina a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
prego que vendia em sua loja
com titulo de emporal.
Para cabriole*
Vende-se um'rjco cavallo, bonita estampa, gordo
e manteado, muito trotador, bom de cabriole!; na
cocheira do Thomaz, ra de Santo Amar, defron-
te da estacao.
GAZ GAZ GAZ

wm


Diario de Pernambuco Sexta fei/a 17 de Selembro de 1069.
RIVAL II SIDO
Ra do Queimado n, 49 e 57 loja
de m'udezas de Jos de Azeve-
do Mata e Sdva conhectdo por
Jos Bigodinho.
Est queimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimenlp, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caixas de linhas do gaz com
50 novellos a 500
Latas com superior banha a
120, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa muito
uro a....... 400
Duzis. de meias (inglezas )
muitb boas a 4OOC
Garrafas com agua florida ver-
dadeira...... 10200
Garrafas com agua'divina da me-
lhor qualidade .... 1(51300
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2#i>0fi
Dita com|6 frascos muito fiaos >80O
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... ,$500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... ,$240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... (600
Pecas de babadinho com 10
varas ...... 500
Pecas de fita de cs qualquer
largura ..... 50C
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para dentes fazenda
muito fina ..... 240
Pulceiras de contas de cores
para meninos 200
Gaixas de linba branca do gaz
com 30 novellos 600
Percas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4000
Pares de botSes para punhos
muito bonito 120
Libras de 13a para bordados de
de todas as cores 8000
Pentes com costas de metal
muito finos 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 180
Grosas de bot5es madreperola
muito fino ..... 500
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 320
Pecas de fita de la todas as
cores ...... 500
Espelhos dourados para parede
1000 e..... 1500
Espelhos de Jacaranda muito
fino ...... 2000
Pecas de tranca brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ...... 13500
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos a .
GRANDE UU
DE
ril^|ISJtb
I
EM CONTINUAC \0
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
80aoa m wsaipaaaiiaaao. s
DE
FLIX PEREIRA DA SILVA.
O proprietano deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
exlincta loja denommada=/AflZ)J.tf DAS DAMAS= ra da Imperatriz n. 36, e nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidacao da grande quantidade de
fazendas que all existiam, pelos poucos dias que leve at entregar as chaves, vio-se
obngado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVO
onde o respeitavel publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linho, la, algodao e seda, que se lbe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar diuheiro, e as pessoas que negociara em pequea
escala, tanto da praf-a como do matto, nesta casa podero fnrer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lhes pelos precos que se compram, as
casas inglezas; assim como as excellentissimas familias poderao mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas, ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; o estabelecimento se acha constantemente aberto das 6 horas da manha s 9
da noite.
-/ tm&f~:

b* $UtMAB0
5**
A AGUIA BRANCA tem convieco de que a abundancia de objectos re novidade-
em seu constante e completo_ sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a hmitacao de seus precos, esto na opinilo do respeitavel publico
em geral, e na de suaboa freguezia em particular; mas ainda ass'mv ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepcao d'aquelles objectos que esto alm do commum,
como bem sejam:
lltui
Resta venda un osculbiil
/ectos de marcineria, como sojam, n
Jarand-roognoeam;.rollo, obra uai
jeira, de apurado gosto e por pr$o
ra estrena \\o Rosario o
*a faxem-se com pcrteqao todos 06
palhiaha, como sejam, einpalha
para camas. cadenas a soplos.
Torneiras para passagem d
jrrossuras: na ra do Quejando, Azevedo A Ir-
Bar,
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de^casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
san desejar, assim como na mesma loja
ALTA NOVIDADE
EM POPELIXAS OU UORl'RO DE LINHO E
SEDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavao um elegante sortimento das mais
bellas poupelinas ou gorgorees de linho o
seda, com os mais delicados padrSes qtie
se pode imaginar, assim como urna grande
porco de cortes da mesma fazenda, tendo
de todas as cores e garantindo-se que neste
genero nao ha nada mais bonito nem mais
tem um bello sortimento de pannos casem- proprio para vestidos, e vende-se por pre-
ras, bnns, etc. etc. para se mandar fazer Co muito razoavel na loja de Flix Pereira
qualquer peca de obra, coma maiorpromp- da Silva, ra -la Imperatriz n. 60.
15200
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento; na ruta da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao
Martins de Rarros.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Nesle estabelecimento se encontrar diariamen-
te um completo sortimento de pastelaria de todas
3 qualidades para lanche e sobre mesa, etc., etc.,
bllanos de todas as qualidades para cha, presun-
tos de fiambre, bolos inglezes, pudins, e finalmente
tudo que consiste em urna boa paslelaria, com o
maior asseio e esmero, cha liysson, preto e miudi-
uho do melhor que ha uo nereado. esla casa
*#cebein-se eneommendas para casamento, bailes
i) baptisados, compremettendo-se os donos do es-
tabelecimento a ser ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse tim de
DUB completo pessoal. Heeebe-se avulso toda e
qualquer encommenda, como sejam, bandejas,
bolos e paos-de lo decorados, doces d'ovos, seceos
a de calda e crystalisados, fructas nacionaes e es-
trangeiras, amendoas confeitadas, um completo e
variado sortimento de caixinhas de todos os gostos
J precos, para mimosear seuhiras ; estas caixi-
nhas recentemente chegadas de Par?, sao de pri-
morado go to, aderece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas acharao um digno e serio
presente para as donas de seus pensamentos. lico-
res, vinhos finos de todas as qnalidades, conservas
e mdihos em latas. Os donos deste estabelecimen-
to nao se poupando despezas, fazem todos os
es orcos para servir o respeitavel publico o me-
lhor que for possivel, e sendo principiantes e lu-
ando com todas as dilculdades, esperam a con-
correncia do respeitavel publico desta espita!, na-
eionacs e es'.rangeiros. Pechincha: legitimo vi-
nho niuscatelein caixas, que se vende porcommo-
do preco para particulares e para negocio.
ATTENQO
Grande e til no-,
vidade. i
Tabellas comparativas dos precos de i
qualquer genero do peso pelo antigo sys- i
tema ao materno MTRICO DECIMAL, i
trabalho hoje de grande utilidade, por- j
que com um simples golpe de vista ve-
so a relacao do preco da libra ou da ar-
roba com o kilogramma sem se perder I
urna s fraeco, poupando assim o tra- j
balho do fazr o calculo o evitar de ir
os engaos. Estas tabellas sao hoje ib- j
dispensareis todos qae negociam com j
algodao, assucar. couros xarque, mo- j
Ihados ferragens e todo qualquer genero j
ou artigo de peso. Alguns ejemplares j
une restam, veude-se roa do Crespo
n. 18, loja dos Brs. Andrade Mello,
Madre de Detu n. 24, armazem do Sr.
'Antora, o Vigar.o n. I, pnmeiro andar.
Charutos e Havana,
e'gnnt'.i sortimento da Baha o Rio de Janeiro.
Zumo do Para, era macos e em chicotes, dito su-
perior do Baependy, e ostras muicas qualidades
que se vendem em grosso e a retalho, na antiga
ca*a de Jos Leopoldo Boar^-ard, ra da Cadeia
n. 15.
Excellente compra.
Vende-so urna mulata de 19 a 20 annos, lava,
counha e engomma perfitti'nente, sem vicios nem
achaques, n muit<> propria para casa de familia :
na ra de Santo Amaro n. 2, defronto da capella
a Piedado, ou aota typographia.
Lidio vontade do freguez, e nao" sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Aos dez mil covados de cassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 6o urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e grvi-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propiciamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, cora tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Espartfhos a 3000 na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porco de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os taannos, e
vendem-se a 3c cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
P'ij,asde bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
meuto de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 13800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaees para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
4000.
Vendem-se hooitas cortes de cambraia e
tarlatana, ricamente bordados a la, pelo
baratissimo prejo de 0^.
Ditos por estarem um pou machucados
a 43.
Ditos finissimos coiu seda a 4J.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com duas saias, sendo fa-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente figurino,
a 18:>; linissimos crt s de cambraia bran-
ca, ricamene bordados, que at podera
servir para noiva, a 253000, e outros mui-
tos cortes de dilferentes fazendas que se
liquidara baratas ua loja do Pavo.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porcSo de cera de
carnauba em saceos, por preco mais barato
do quo em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 240
Vende-se cassas com delicados padroes e
cores fixas 240 rs. o covado: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVAO
Cbegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados, sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito era conta.
GROZ DE COR
Cliegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo rerde, azul, lyrio, cinzento
e branco muito alvo, quo se vendem mais
barato doqueem outra qualquer parte.
BASQUINAS DE FIL
VenJe-se as mais modernas e mais ricas
basquinas de tilo preto, por preco em conta.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
23000 E 23500
Vendem-se vendinos para meninos e
meninas, pelo barato proco de 23000 e
23500, assim como ricos enxovaes para
baptisado.
MADAPOLO FRANCEZ A 73000 A PECA
Vende-se pe?38 de mad ipolo francez en-
festado com 20 metros a 73UOO a peca;
pechincha
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas musseliuas de
cores a 500 rs. o covado.
CELEZIAS
PANNO
DE
LINHO
ATOALHADO
Vendem-se as mais finas celezias de linho
com 25 varas cada peca, sendo mais Anas
ainda que os mais linos esguioes que tm
vindo ao mercado, a 453, 553, 603000 e
7U30O0, tambem se vende em varas as
mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lences
com perto de 4 palmos de largura a 700,
800 e 13000 a vara, sendo em peca tam-
bem se faz alguma equidade; bramantes
para lences com 10 palmos de largura a
13800 e 23500 o metro, e de linho muito
superior a 33200 e 33500.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 23400, 33 o 33500 o metro, e
outras muitas fazendas brancas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim nico de apurar
dinheiro.
CHITAS
MADAPOLO
ALGODOSINHO
Vendem-se superiores hitas escuras e
claras pelo barato pre.;o de 280,320 e 360
rs. F as percallas a 320 e 360 rs.
Pecas de algodosinho de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolo
dos mais baratos at os mais finos; assim
como, superior algodosinho enfestado para
lences, toalhas, tanto liso como trancado;
todas e>tas fazendas se vendem mais barato
do que era outra qualquer parte, para apu-
rar dinheiro.
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco do esta-
menha mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo urna fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
o covado, fazenda que sempre se vendeu
por muito mais dinheiro.
VESTIDOS A 800 rs.
Com duas saias
Cliegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, e mais bonitos cortes de vestidos
de cambaia, e organdys; com mais lindos
paditis, e o competente figurino, tendo
cada corle IS covados, que pode dar corte
para senhora, e menina, e vendem-so pelo
barato pre>;o de 3000, nicamente na loja
e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 360 RS. 0 COVADO
Vendem-se finissimos organdys de cores
para vestidos com lindissiraos padrees pelo
barato preco do 360 rs. o covado ; assim
como ditos bran;os muito finos com listas
laras e eslreitas, e de quadros a 800 rs. e
13000 a vara, tambera tem tarlatana bran-
ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara ;
lils de flores a iO rs. a vara, e ditos lisos
a 800 rs. a vara, e de salpico a 13000;
isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n: 60 de Fex Pereira da Silva.
CHALES DE CASIMIRA
Cliegaram os maii modernos, e mais
bonitos chales de casemira com dezenhos
inteiramente novos, que so vndenla 93,
103, 123 e 143; assim como urna grande
purco de ditos do menina que se vendem
mais baratos do que em outra qualquer
parte ; na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 00, de 'Flix Pereira da
Silva.
Cortinados
Para camas e janeilas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 123000 rs. cada par at 253000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Fex
Pereira da Silva.
BALDES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavo vende-se ^os mais mo-
dernos baloes reguladores tanto de musse-
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias d^ la entestada, mais barato do
que em outra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda e os padroes mais novos
que tem vindo a es'e mercado, vondendo-se
a 13400 9 covado, na loja de Flix Pereira
da Silva a ra a Imperatriz n. dO.
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas quando abertas.
Ootras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com msica.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARF1M
Para unhas, dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.'
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 53.
Boloes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 43 o par.
Camisas de flanella para homem, a me-
lhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de inchaco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipar, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados csp.inadores de
pennas coloridas, proprios para piarmos,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de melal prateados,
para segurar costars, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de du,i>. tres, quatro e cinco
pernas para irisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLLSL'LTRA
Tal a qualidade dessas agulhas, que
merecen ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligcntes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se linha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim casta cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a poiico abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a iiifinidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e anliga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer ,i loja d'Aguia
Branca roa do Qti'-'imado n. 8.
A ra do Livnimento n. 6, contina a ha-
ver para vender por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde, at hoje viudo a este
mercado.
1 -" '' I : ''i i* O.-!* M;ia C. rn i!)
;> n acaban de i sor-
Unieniu do |icdra$ ui;;riiioic, caio s do
diversos ijini:>:.Im-, i.oninas. sarradas, suit-ima
defti a<>'lxmi ,,aiii tedias do forro galfBnisd
de diveroa lamaoho, qn tado vendem n
em cunta.
Bravatas 'patrio icas.
Pele ultimo vapor cliegaram de eneojtimenda
especial grtalas brayileiraH, Miro-verde para ps
prximos festeja da eoncluiin da guerra, A vao-
da em casa do cal llereiro Javine, ra i.o Ouei-
uiadii ii.
CENEJA
Vcnde-c rervej.i inaiicn Basa n incllinr do mer-
cado e engarra!ada |...r E. 4 Iliblicrl a 7 ,i
doiia n na do Gomroerclo n. 2, armazem de
Eduard Fentori, nnde tambera lia a venda cei veja
preta do afamado Barclay, du Londres, a 8000 a
duzia.
ESCRAVOSFUeiDOS.
ea
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terco.N. 23.
SIMO DOS SANTOS & C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados, parlecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do mallo o igualmente aos ami-
gos do bom barato, que teemum grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parto deslas mercaduras
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de iOJ, ter cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero saludo deste
armazem.
GAZ AMERICANO 9 alafa, a 400 rs.
a garrafa e 600 rs. o litro.
VJNHO VERDADEIRO FIGUEIRA 560 e
640 rs. a garrafa, a 4^500 e 4800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a U e
3/500 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7$ a caada, e 15340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 4($500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 25200,
I800 e 1(91400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR i i 10 e
I280 a libra, 3I40 e 2800 o kiio-
grammo.
DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
a libra, e 2100, 1980 e i870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a Ii
bra, 1400 o kilogrammo, era porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR a
720 rs. a libra, o 1570 o kilogrammo, em
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 3800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo, e 6 por I4kilogrnmmos.
CAF EM GRAO 6 e 6500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libia,
570 e 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha
abatimento.
620 rs. o kilogrammo. em porco ha aba-
timento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS jQUALlDADES, a !c I jiOO a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. era caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA, 280, 400 e o i i rs. o masso,
3^900 e oOO a croza.
AMEIXAS EM LATAS F, CACHIMIAS
DE MUITOS TAMANHOS 3 YMQ, 5500
e 1 a libra.
GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
o masso.de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se aba!."menlo.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 5500
a duzia e 500 rs. ;: garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERSA
BELL, 800 rs. a garrafa a 95 a duzia.
VINHO DO PORTO EN'I^RRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 1>>00, I200, Ie
800 rs. a carrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 7 e 6 a (rasqaeira, c 500 rs. o
frasco
DEM DE LARANJA DOf e aromtica,
ll a frasqueira e 1 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
3, 2800 e 2400, em -.. a faz-se gran-
de abatimento.
TOUCINHO DE LISBOA 100 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e 11 500 por
11 kogrammos.
CHA FINO. GRALDO E MIUDINHO os
melhores que ha no mercado, 3 e
3200 a libra, 70S0 e 3540 o kilo-
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA- grammo.
LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 2700,
15760 o kilogrammo. 25500, 25200 e 25 libra, e 5*130 e
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra c 4I80 o kilogrammo.
Assim como ha outroS muitos mais gneros, vinho em ancorelas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, narmelada. con-
servas gela de raarmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinas de Nantes,
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoce, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebolla 15500, finalmente muito mais gneros que enfandonho
mencionados. _____________.
ATTENCAO
o
No nrmazem da ra de Aballo n. 28 ha para
vender urna eadeirioha ou palanquim com todos
>s pertence?, em muito bom estado, o por preco
commodo. >
CIGARREIROS.
No armazem d. 18, travessa da Madre de Dos,
vende-se papel de seda para cigarro?, marca muito
grande, e superior qualidade. por prego commodo.
Cha tonl-purgativo depurativo
de C hamfeatrd.
Gomposto das plantas as mais odorferas e a-
mais virt'io tonipurgtlivo de Cliambanl possae ;im gtosabu-
loso e um amma suavissimo, e as propriedades as
mais nolaveis sobre os embarafos do estomago.
dos intestinos e do figado, o desob-truente por
excellencia na constipagao do ventre, e nao tem
resguardo algum. Depurativo especial e directu
das biles e dos humores, rofi esca o sangae depu-
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomea i C, ra larga d.i
Rosario n. 34.
AVISO
As autoridades policiaes
quem competir.
No dia 29 de maio du correte armo fu-
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 32
aimos de idade, estatura regular, reforcado,
cor bem preta, cabeca redonda, traja va ca-
misa azul e calca de casemira rinmita; du-
rante o dia costuma andar ganhando as
ras, ou cm armazens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; dtrame a
noite reclbe-sa a tulhciros abertos ou pc-
netraveis, a casas em cooslruofSo e a ou-
tros fjtiaesqucr lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprebender tenha a bondade
de o conduzir ra da Aurora n. 2G, onde
ser gratificado.
Fugirain du i'iigi'iiio Firmeza
do termo da Escada, na noite do
10 para 11 do corrente, dous es-
eravo mnlato?, os <\ yes foram
eoDipradoe ao Exm. Sr. barao do
Nazaretb lia 15 dias pouco mala
ou menos, sendo Joao, idade do
30 a S2 annos, bem barbado, pei-
loa cabelludos, tem os dedos doa ps, i-to oa
liiiimos curtos e '|" ;-i que trepam um no nutro,
tendo todos os dentos do lente, corpo regular fl
leva chapeo de couro de sarlaiicjo, calca azul do
algodao que llic chaniain pelle d'miea e cobertor
de bata escora e mais algonu roopa, (o escravo
do iim. Sr. tenante-coronel Agostinho Correa da
Mello, de Ouricurv, o outro de nonw Fex. ea-
bra, alto, bom corito, idado 2> anuos pouco mais
ou menos, levon chapeo de couro de abas lai
calca azul de algodao que Ihe chamam pclle don-
aa e cobertor de badla cacara, foi escravo do
Illin Sr. Eduardo Pereira de Sonsa, da provincia
da Parabyba,.que o vendeu por seu procurador o
Sr. Jos Lopes Alheiro ; quem o apprehender o
levar ao mesmo eiigenlio Finuesa ou no Recit no
escriptorio de Domingos Alvos Maiheus, a ra do
Vicario n. 21, sota generosamente recompensado
No dia lo de agosto ultimo fngio de casa do
8r. Dr. Joao do Hollanda da lamba, na de Heni-
fica, na Passagem, n. 18, onde se aehava alagado,
o moleque Francisco, crenlo, bastante p eto. do
19 annos de idade, com um signal de qneimadnra
no hombro esquerdo, trajava calca c jaqueta de
brim, consta que se acha servindo em loja de m-
paihadwr, de que oflleial, ou lingindo quo pre-
tende aprender esse olDco, pelo que se protesta
contra quem Ihe der agasalho ; quem o appreben-
der, quena leva-lo ra da Aurora n. 26, qn sera j;ratificado.
Muita attenco
Fugio no dia 29 de juuho o escravo Manoel, do
u-i.'io Angola, idado iiO anuos, pouco mais ou me-
nos, com os signaos segnintes : falta de dentes na
frente, andar vagaroso, pernas finas, marcas de be-
xigas, levon calca e camisa de riscadinho, chapeo
de palha novo ropa-se aos senhores capitaes do
campo de o prenderem e levarem-no ra Direita
n. lo, qae serio generosamente gratificados. Dts-
confia-se ipie anda pelos engenbos do Cabo.
Fugio do engenho Todos os Santos da villa
do pojuea, no dia 30 de. maio, o escravo Gonealo,
representa ter 4-"> annos de idade, pouco mais on
menos, cor vermelba, alto, grosso, nllms peqoeoo ,
sem barba, e os ps rachando, fui escravo da Sra.
D. Sentiorinhn Mara dn Livramento, que momo na
villa de Serinliaeic ; no dia immediato da fugid*
esteve na mesma villa : suppoese oslar aeootado,
o que se proceder com o rigor da lei a quem i
tenha, e pede- e s autoridades poheines ou eapin
IM de campo a captura dmenme o entregar no
mesmo engenho ao abaixo assignado, ou a ra
da Moeda n. o, 2J andar.escriptorio do Manoel Al-
ves Ferreira & C, que ser generosamente recom-
pensado.
Miguel Paulino Tolentino Peres Falrao
Fugio no dia Io do correle, do engenho
Duas Boceas, sito na freguezia do Rio Forn' -*>. >
escravo cabra claro de noine Saturnino, sendo sec-
co do corpo, alto o fallante, ps bem fritos, fri d >
-erto do Pianc e foi vendido nes.a pratj* em
julho prximo paspado pelo Sr. Pedro Jorpe da
Silva Hamos, e supp8e-se que fngio para o mesmo
sertao, levando calca e camba de algodaorinho,
chapeo de couro e ura malulo do couro de ove-
Iba com alguma roupa : por isso pede-se as auto-
ridades poneiaes e espita es decampe de o cap-
turar e entregar no mesmo engenho ao seu senhor
Sebastin Antonio Accioly Lins Wanderlev, on ni
Itecit'o. ra da Moeda n. 5, 2o andar, escriptorio do
Manoel Alves Ferrci'a 4 C, que reria genei.
mente recompensado-.
Vende-se um escravo moco e de bonita tigu-
Urgeneia
Goncalvpg 4 Teixoira tera para
vender travs
Fugio da casa do abaixo assignar. >
o seu escravo de nomp Eugenio. cr-
oulo, idade So annos. poui
menos, estatura regu'ar, cor preta,
cabeca calva, barba mirlada, ten
mareas de bpxigas, pernas fina-, entilo!-** ( rro,
foi escravo d engenho Carn
dar para as bandas de l : que' frvu-i
ra. pedreiro de toda obra, e perito cm assentamen- de qualHade c >m 40 palmos de comprhnento e 1 ao hotel do Universo, ruado Trapiche n. ., qc >
to de engenbos. e muito im cozinheiro : na es- 12 pollos idas de grossurr.: na esquina da ra [rccciier 50,s do gratifleacao.
liada de Joao de Barros, sitio n. 29. da Penna n. 8. Medenc Arnouit.






8
Diario de Peniambuco Sexta feira 17 de de Setenibro 1869.
<

*

AHEBLEAfiEMI
CMARA DOS SRS. REPUTADOS
SESSO KM 7 DE AGOSTO
I'RKSIUKNCIA l>0 Sil. NKBIAS.
Continua crio.)
O que era argente naquella occasio,
mandar sem perda fo lempo oc-
csipar a inimjga ; i>to f.'z o in-
bie Sr. (Jiiijue. mandando immediata-
m^nte para all nma diviso commamlada
p -lo bravo coronel Hormes da Fonseca Se
ti Gi-lli y OI>:s f /. seguir a sua
m!>arcada. a razan. pon pie o pos
soai o material de sen exercito sendo muito
menos numeroso, era-llie isto muito mais
l. e ate presumo que fui isto de accordo
cn o nobre duqoe.que sempre se mostron
solicito em proporcionar todas as facilida-
di-s aosnossos bravos adiados.
Censaron anda o nobre senador que
fosse abolidos alguns corpos de vo'untarios,
.jue. diz S. Exc., ficsm seos restos glo
liosos privados do prazer de voltarem a
suas provincias com as respectivas bandei-
ra.. Declaro que tambem lamento que ba-
lalhes que adquiriram tanta gloria para o
Brasil penlessi'in a exi.-tenoia, nao restando
aos bravos que Ibes sobrevjvem, ao menos
aquella c0nsolac3o: principalmente porque
entre os hatalhes snppriiiiidos figurou o
26.' do voluntarios de minha provincia,
cuja bandeira Ihc fra olTertada pelo bello
sexo da capital do Cear, e notorio que
aqne'.ie hatalhao por sua bravura e denodo,
bem COIU i por sua adrairavel moralidade
fez sempre ligura Itrillunte no exercilo ;
mas rmfessamdo o nobre senador que os
batalli-V-s supprimidos tinliam Picado gran-
demente reducido, nesta conlisso est in-
cluida a justificarn do arto do nobre ex-
vn-i.d em chefe, o qual, deveulo attender
antes s conveniencias do servico do que
ao amor-proprio das provincias, n5o devia
proceder de outro modo.
A conservaco de hatalhes desfalcados
seria um embarago para a reguiaridade
do servico e para a economa do thesouro,
visto como, emquanto com cada um da-
quelles batalhoes se devena continuar a faz> r
a despeza indispensavel para a manutencao
do pessoal dos respectivos estado-maiores,
o pequeo numero de pracas de cada um
deles seria insnfficieate para o servico que
rdinariamenle Ibes distribuido.
O nobre senador falln de um objecto em
que tenbo necessidade urgente de tocar, e
foi sobre a m administracao da justica mi-
litar: tenho especialmente necessidade de
tocar neste objecto, porque foi a misso
em que me ocenpei no exercito, eu ca
membro do tnb nal da junta militar de
justica, e desde que o nobre senador fallou
da administradlo da justica, que toca ao
tribunal a que pertenci, tenho necessidade
de defender-me.
E* verdade que o nobre senador nada
disse em relaro aos actos destes tribunal,
_; mas falln em geral na administracao da
justica ao exercilo, e preciso por isso dar
explicacoes. Fez o nobre senador urna
descripc&o lgubre de um ponto que ser-
via de priso em Humayl.
Senhores, o nosso exercilo durante todas
a> marchas e acampamentos dispensou os
pontees, tinha o que alli se chamava a guar-
da do exercito, que um lgeiro reducto
destinado a pristo dos culpados ; era o ni-
co mcio de prista possivel; mas, aeonte-
cendo que infelizmente alguns oflkiaes pre-
sos militas vezes abusassem, porque sbe-
se que un collega que est de guarda mui-
vp7.es tem nttencao. com os rxllegas pre-
sos, visto ter-se como cerlo que o oflicial
nao fogo. resultando dahi abusos, o gene-
ra! em chefe reconhcen a necessidade de
r. alera lessa priso. uina pristo naval
que olferecesse mais garanta, e laucn mo
de um dos navios inulilisados, a que se cha
nwva ponirn. istn deu-se no passo da Pa-
tria e om Humayt. referindo-se a este ul-
timo o nobre senador.
>. Exc, porm. descreman ti ponto
de um modo lerrivet, dan lo a entender
que elle corria n risco de submergir-so de
i hora para nutra, por pie fazia 43 pulle-
gadas d'agita por hora. Nao davido e antes
creio que s.ja esta a pura verdade, porque
acredito na palavra do nobre senador, que
visitn o navio e receban informaces de
que o ponto fazia agua por este modo ;
mas que houvesse risco que nao admil-
to. porque esse navio se achava em Hu-
mayl, muito peno das barrancas, e o rio I
lo fundo que os navios qnasi encostam
barranca, podendo-se desembarcar a pran-
cha.
Assim, se houvesse algum perigo, os
presos desembarcaran sem o menor-risco.
Convenho que o ponto, como era urna
priso, estivesse telvez um pouco mais ar-
FOLHETIWI
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POK
Paulo Fval
Segunda parte
TltK* PATA*
IV
Tres Patas.
(Contnuago do n. 208)
Forcejou EJme por assumir a usual se-
renidade.
J na escada nao fallavam, e o passo pe-
sado de Domergue acabara de afastar se.
Era evidente que a baroneza eslava alli
i'ir.i da porta. Entretanto nao en-
trara. Edme con?ervou-se por um ins-
tante de pe, com os olhos nos dous baten
lechados. Depois, vencida pelo cansa
00 oo pela commocSo, assentou-se de novo,
murmurando insensivelmente :
Tremer ella tanto como eu ?...
iroo da algibeira urna bolsa, em que se
ouvia limr dinheiro, e da bolsa um pa-
pelmho em que havia embrolhado um ob-
jcto da grossura de um grao de milho.
E anda asiim I pensou ; tal vez que
ella nao tenha que negar nem cousa que
eiconder. Ha bastantes annos que a res -
peito e estimo.
, J e.la desembrulhra o papel com gesto
macbinal, quando a porta alim se abri.
lee tornou a metter rpidamente o papel
na bolsa e a bolsa na algibeira. Eslava a
baroneza Schwartz no lindar ; acertou de
ido e nao tivess prancha, mas a verda-
de que lodos os navios alli pela nature-
za do rio, que tem una corrente muito
forie, se acham perto da barranca ; e se
este nao tinha prancha, pelo menos devoria
estar amarrado por algusna espia a barran-
ca, e nesta hypothese seria muito fcil a
approximaro para a salvacio de todos os
presos e piaras da respectiva guarniejo.
Mas o que mais me preoecupou fui a
circumstancia relatada pelo nobre senador
de ter encontrado as pracas cendemnadasa
morte no poro em ferros e ns.
O nobre senador n*oti que o navio nao
tinha capacidade para a quarilidade de pre-
sas que alli encontrou, e que eram pomo
mais ou menos 100. Eu Uve occasio de
ver este navio, e pareceu-me ser bastante
espacoso ; o mesmo nobre senador disse
que elle tem tres coberlas, o que d urna
idea de nao ser pequea sua capacidade.
Sbese que a respeito dos presos r.on-
demnados a moite exige-se a maior scgi-i-
ranca ; e, portanto, nis admira muito que
fossem para o poro, e nem mesmo que
eslivessem em ferros o que admira a cir-
cumstancia de seacharem os presos ns.
o que asseguro a cmara (pie s pode ter
lugar por commodidane dos mesmos pre-
sos ; porquanto em urna priso fechada, e
sobretodo, no poro de um navio natural-
mente havendo calor, admito que nessa li-
berdade soldadesca, onde multas vezes nao
ha questo de pudor, pudessera os presos
despir-se por seu proprio commodo, mas
que esta nudez fosse effeilo da miseria e
do deleixo da administra o, o que nao
posso admittir.
Entretanto, o nobre senador, desenven-
do o qaadr com cores lgubres, como que
dava a entender que era isso defeito da ad-
ministraeo, de certo modo ferindo o ca-
rcter dos bossos generaes e dos olliciaes
daquella praca de guerra. E' islooque
coniesto. porque atanco que em nenhuma
guerra do Brasil hoove mais abundancia,
nunca houve falta de roup i. Nesta guerra
a excepeo las horriveis penurias a que por
algum tempo esliveram sujetas as forras
expedicionarias de Matto-Grosso, grande
injusliga fazer-se ao governo a menor censu
n a este respeito.
Sempre vi os nossos soldados perfela-
mente vestidos ; e se por qualquer circums-
tancia sao separados de seus corpos e en-
costados a outros corpos, possivel que por
algum tempo fiquem privados de receber
sold e fardamento, pela circumstancia ni-
ca de nao levarem comsigo as suas guias,
mas em lodo caso recebendo sempre a eta-
pa com a maior puntualidad-.
O que, porm, aflanco a casa que ha-
vendo no exercito brasilero- lautas almas
generosas nao admissivel que se censen-
lisse que pracas brasilea-, era paiz estran-
geiro solTressem miseria. Por honrado exer-
cito brasilero e de nosso governo declaro
que s observet alli a maior abundancia, o
maior espirito de Humanidad* em todos os
offieiaes. E pois, quando mesmo alguns
dos presos estivesse pelas circumstancias
que indiquei sem receb r suido e farda-
ment, nao faltariam brasileiros que os
soccorressem at que a anloridade supe-
rior, sendo informada do facto, providen-
ciasse.
E pela mesma exposi Hi que fez o nc-.
bre senador v-se que esse estado de mise-
ra nao poda dar-se. desde que elle refero
o nome do eommandanle. qne era um ma-
jor da cavallaria do Hio-Grande do Sul, pro-
vincia q.:e se distingue por seu cavalheris-
mo e generosidade, sem envolver na refe-
rencia censura, ao contrario parecendo too-
va-lo ; e disse mais o nobre sonador que
havia a bordo um excedente medico, o Sr.
Dr. Symphronio, de cujas boas qualidades
eu com effeito dou testemnnho.
Ora, senhores, se havia um eommandan-
le que nao merecen censuras, se havia um
medico que foi elogiado, crivel que se
dessem essas faltas sem que elles recla-
massem, e crivel que a administracao su-
perior deixasse de dar providencias no sen-
tido de desappareccr tal inconveniente ? De
modo nenluim.
Agora aeerescento a tudo isto que o eom-
mandanle de Humayt o distincto coronel
Piquet, um homem de coraro bem for
mado, e que de modo algum podiam dar-
se atrocidades desta ordem, sem que elle
inmediatamente profidenciasse. Por con-
sequencia esta censura nao pode de modo
algum proceder.
(5 nobre senador falln de aohar alli
alguns presos ha muito tempo sem pro-
cesso. Isto, senhores, acontece algumas
vezes, mas defeito necessario de um
exordio em marcha, nao pode vir dahi
censura aos generaes, aos altos funciona-
rios porque urna cousa casual, muitas
vezes inevitaveL
Preso um omrial ou urna praca, no-
dar logo com o movimento da mo?a, e o
negro sobr'olho estremeceu-llie levemente.
Foi isto rpido, mais rpido que o fulgor
do raio. A baroneza Schwartz transpoz os
humbraes, risonha e serena, como cumpria
to preclara dama, como importava
quem de tanto coracao e conscencia era
dotada ; quem tinha sobretudoo poder e
0 querer para ir em auxilio de qualquer
infortunio que sua compaixao se socorra.
E aqui reside o melhor privilegio da ri-
queza : nunca recusar, ir mesmo ao encon-
tr da iraplorago timida, fazer mais ainda :
procurar, procurar com fervor a occasio
de dar, como outros procuram a occasio de
obter. Digam o que disserem, Deus ama-
ta os ricos.
Era a baroneza Schwartz esposa adorada
de um homem poderoso e rico. Desem-
penhava como se deve desempunhar o seu
papel de Providencia, e muitas bencos Iho
oircumdavam as mos sempre largas.
Foi, portanto, conservndose lalqual era
e'sem transpor o limite da costumada bon-
dade, que tornou de arabas as mos de
Edme para puxa-Ia para si e dar-lhe um
beijo na testa, dizendo-lhe:
Lomo pode a minha fllha deixar-nos
ignorando que eslava doente ? Sabia que
estavamos em Aix na Saboia. A Branca nao
1 he escreveu ?
Escreveu, sim, minha senhora, res-
pondeu Edme com os olhos baixos; a
menina Branca teve a bondade de me dar
noticias suas, minha senhora,
E por que nao respondeu ? Esteve
doente ponto de perder as suas bobea ?
Estive tres mezes de cama, minha
senhora.
A baroneza assentou-se, mas a voz sain-
me menos sola quando disse :
Tres mezes! Todo o tempo que es-
tivemos em Aix ? E sua m5i ?
^de
meam-se os offieiaes para o
vestg
mas de
destinos o
munhas in
que
campamen!
fiscal do procese a oulio
poni, quand psSs que serviram de
base priso ainda se acham em mo do
presidente nomeado para o conselho, e
algumas vezes desapparecem diante desta
mnbilidade constante do exeieito.
Se os presos por si- filo reclamam o
nao tiu um canal para fazer chegar ao
superior a aacissidade de attender-se ao
sen oVeito, do-se esses esqueciraentos,
sem que, entretanto, possa vir dahi
culpa alguma anloridade superior; ha
ahi sem duvida defeito, mas da legisla-
rn militar, que muito urge seja harmo-
nisada com as instituirles livres de nosso
paiz.
Os auditores tm altribuices mailo i-
mitadas. smente. para conUecerom dos
processos para os quaes sao nomeados.
Parecia-jne de vantagem que aos audito-
res fossem concedidas altribuices mais
largas, e acredito que isto ha de acontecer;
isto que na nova legislaco militar que
se trata de organisar em substituico dessa
legislaco carunchosa do conde de Lippe,
se adoptem medidas mais razoaveis, dan-
do-st aos auditores algumas altribuices
semelhantes s dos promotores pininos,
para requerereni u que. for a bem da jus-
tica militar, ali-n de se evitarem essas
fallas que se do sem scioneia dos supe-
rior, s.
Assim, pois. as reflexes $do nobre se-
nador de modo algm podem manchar a
administracao do exeivito em ndaro
justica. e ainda mesmo aos membros da
junta militar de jnslira e aos auditores, os
quaes conlieco lodo de porto: sao hacha-
reis muilisMinos (listinctos, dedicados ao
servico publico, e que jamis se poupayam
a dar andamento os pro:essos. desde q i
nao houvesstm esses embaraces, que uu
estavam em suas mos evitar.
As altribuices da junta militar de jus-
tica sao nicamente limitadas ao julgamen-
lo dos processos que Ibe soben em re-
curso dos conselhos de guerra. Folgo, en-
tretanto, por caber-me esta opportunidade
de declarar que os collegas que. c maiigo
serviram, tanto os jui/.es militares, como
os rogados, eram dignos le todo louvor
pela soi icitude com que sabiam conciliar
o rigor do direito com o favor da equi-
dad*.
O nobre senador fallou tambem da falta
de armas em nosso exercito, declarand >
que depois das nossas torcas acamparen!
em Assumpco tinham ido torcas para a
vanguarda avanzada em Luque, appare-
cendo 300 pracas desarmadas.
O nobre senador- entrn em clculos,
que por falla de tempo eu fio posso
apreciar, a respeito dos soldados nossos
e do irdmigo, que morreram, das armas
que deviam ser tomadas; fallou do arma-
mento remetalo, e concluio por censurar
que tivessem do esses soldados assim
desarmados.
Eu, para apreciar esta censura, limito-me
a fazer a reflexo de que o nobre senador,
fazendo-a e devendo recuuheeer qua ella
era grave, dev.a apresentar alguma prova
dsso, e nao vi <\\w o lizesse. Portanto,
parecendo-me possivel que S. Exc. fosse
engaado por aquelles que o informaram.
eu aeerescento que isso nao admissivel
desde que se sabe que o soldado em eam-
panha insCparavel da sua arma; e nao
constando que nos gloriosos combates de
dezetnbro nossos bravos soldados estives-
sem desarmados, leviam todos levar com-
sigo as competentes armas.
S. Exc. declarou que toda tropa foi por
Ierra para Assumpco, e quando mesmo
tvesse ido embarcada, quer de um, qner
de outro modo, nao devendo os soldados
emprehender aquella marcha sem se aaha-
rem convenientemente armados e equipa-
dos antes da partida, para em qualquer
eventualidade poderem bater-se; nao se
pode razoavelmente admittir que elles, ao
chegarem a Assnmpjo, eslivessem faltos
da primeira peca do seu armamento, qfle
a espingarda.
Portanto, eu ereio que S. Exc. foi victi-
ma de alguma informaco inexacta, filha
dos despeitos que se do entre mutos
offieiaes que, contando ter promoejio ou
condecorarlo, e nao obtendo-as logo,
tratam de levantar castellos contra os su-
periores. Isto cousa que se d muitas
vezes, nao censura que faco, porque as-
sim toda a humanidade; este o re-
curso ordinario do despeito em toda parte.
Por consoqusnea pode ter acontecido que
tal losse a erigem da informacio de que
Minha mi adoeceu a tratar de mim,
minha senhora ; restabeleci-me : receiava
d'ella.
E humedeceram-se-lhe as pestaas as
palpebras sempre baixas.
E deixou deeorrer tanto tempo, ex-
clamou a baroneza com a mais affectuosa
inflexo, antes de recorrer nossa ami-
zade ?
Edme lovantou pan ella os grandes
olhos azues, tristes e quasi severos ; e res-
pondeu :
* Nao temos preciso de cousa alguma,
minha senhora.
A baroneza tornou-se paluda. Procurou
todava sorrir dizendo :
. Sff por brio, minha querida menina,
peco-lheque se nao ofrenda. Pagar-nos-
hemos das ees que para o invern ha de
dar minha filha.
Estremeceram as palpebras de Edme, e
contrahiram-se-lhe as encantadoras feicoes;
todava replicou com voz clarissima :
Eu nao dou mais lic5es menina
Schwartz, minha senhora.
V
O botao de diamante.
Era a baroneza Schwartz mui formosa
ainda. Havia mais de doze annos que a
cor secara na tela do seu retrato, pendu-
rado como o do Schwartz ao lado do fo-
go. O tempo pareca .ter tidopouca accao
n'aquelle feliz e sereno desabrochar; pare-
cia-sa ainda com o retrato ; os olhos bri-
Ihavam-lhe com o mesmo fulgor ratelligente
e meigo ; nenhuma ruga viera arregoar-lhe
o largo contorno da testa, as feces conser-
vavam a firmeza do oval, cousa rara ; e,
cousa mais rara ainda, os lineameotos do
pescoco conservavam-se irreprehensiveis.
Releva que o digamos em todo o rigor
da palavra: era a baroneza Schwartz mui
^Liriamente foi echo.
^Bubservo no proprio rea-
i guerra do anno passa-
^Hvel que se pudesse
em culpa dos supe-
i, por exemplo, (pie o nobre ex-
ministro da guerra, fallando do calibre ou
adarme das nossas espingardas, disse que
havia um perfeitamente brasilero i 4 e 6
milmetros e estro ioglez 14 e 60 milme-
tros ; que em virtude dessa dilTerenca,
aconlecendo ser di le rente e cartuxame,
mas confundindo se s veres um com o
outro e resultando dahi diliculdades para
o soldado, se tinln lomad) providencias
para que o cadaiame, que nao adapta-
do ao adarme brasileiro se inulilisasse.
prgnnto eu : se o Ta ;to denunciado pelo
nobre senador verdade ro, nao ser antes
o effeito daquella ordem ? Isto que re-
conhecendo-se ser o armamento das tre-
zentas pracas alludidas do calibre prohi-
bido, se Ibes determinase que fosse elle
recolhido ao deposito para Ibes ser distri-
buido outro novo acampamento de Lu-
que ?
Faflou tambem o nobre senador em ar-
mas desappirecidas, o disse que Lpez
mandn buscar algumas em Lomas Valen-
tinas.
Esta historia de colheita de armas feita
pelo inimigo em um acampamento de que
nosso exercito estove SMihor, cousa to
inverosmil que nem concho que dahi
se qm'ira dedu/ir urna censura ao nobre
ex -general emcbtd'e.
i} i Lpez tvesse algum deposito de
armis ikciiIo debaixo da tena em Lomas
Valenluias, e idii mandasse s occultHS
transferido para seu novo acampamento,
tuna cousa que eu concebo, e se isto ti-
vesse succedido, dih nenhuma censura
podia pro vi r ;o nobre duque de l'.ixias, que
nao tinha o dom de advinhar. Figuro esta
hypothese como meramente possivel, e
porque em minha estada no Paraguay C*ns-
tou-me que em algum dos acampamentos
conquistados ao inimigo, em que nos temos
demorado por meito lempo, algumas vezes
se encontravam armas enterradas.
Mas ter nosso exercilo deixado por de-
leixo armamento nosso ou do inimigo para
qnc esto depois o mandasse colher, islo
impossivel; nao s porque o zelo do nobre
duque de Caxias e o dos demais generaes,
e at o dos commandantes dos corpos re-
pelle a dea, mas anda porqoe sabido
que em guerras prolongadas, como esta,
ha urna crescida populaco de vvaudeiros
de todas as naces. que vistam invariavel-
mente os campos de batalha, logo que ellas
se terminara, em busca de objectos de va-
lor, ou de curiosidade: e comprehende-se
ipie; se em Lomas Valentinas tivessem fi-
cado armas dessiminadas, antes que*ellas
pudessem ser colindas pelos agentes de Lo
pez, t-lo-hiam sido por aquellos visitantes
curiosos.
Pretendeu o nobre senador coui os seus
clculos arithmelicos sobre o numero dos
morios e fe idos, nossos e do inimigo, nos
combates de dezembro, chegar a um nu-
mero exacto das armus que deviamos ter
colhido nos respectivos acampamentos, e
atfirmando. posto que o nao provasse, que
assim nao snccedeu, concluio censurando
pelo desappareciinento deltas ao nobre
ex-general em chefe.
A censura do nobre senador, baseando-
se na simples addico de parcellas que S.
Exc. tomou por pontos de partida, mas nao
na somma real das armas que foram arre-
cadadas nos acampamentos, demonstra que
S. Exc. nao teve ainda occasio de obser-
var as horas afilictvas que se suceedem. a
um combate sanguinolento. Se tivesse essa
experiencia, saberia que ento os deveres
de um general e de todos os chefes sao to
complexos que muitas vezes o de fazer
recolher as armas dispersas deve ssr um
dos ltimos, porque evidentemente os de
perseguir o inimigo que foge, reeompor os
batalhoes dispersados no choque, oolher
os feridos e conduzi-los aos hospitaes de
sangue, devem merecer-Ibes preceden-
cia.
Agora calcule a cmara que no embate
das armas muitas fracturaram-se, ficando
imprestaveis, que entre os nimigos ha mui-
tos que, vendo cahir os companhros, sa-
cam-ih' s as armas e as fazem conduzir, que
entre os nossos podem haver soldados ta-
fues, que, pretextando terein perdido as
armas no combate, disponham das suas e
de outras que possam guardar desaperce-
bidamente; e finalmente, que antes de to-
rem os chefes opportunidade de mandar
l'azer a colheita regular das armas deixadas
no campo, j o crescido numero de visitan-
tes curiosos, de que fallei, deve ter feilo a
sua sorrateiramente; e respondam-mo os
que meouvem, se possivel esperar, como
pretendeu o nobre senador, que tantos fo-
formosa, e, sem accrescentar para a sua
idade, que to amargo correctivo .
Havia dezeses annos, pelo menos, que
Julia Maynotle mudara de nome.
Dezesete annos haviam decorrido depois
d'aquella hora de luto e amor, em que o
seu sorriso estoicamente dcil Iluminara a
tristura do adeus, no silencio e solido de
vastos bosques.
Dezesete annos! A rosa de urna ma-
nha, a mulher de urna primavera.
E, comtudo, a baroneza Schwartz parecie-
se anda com Julia Maynotle.
Podem as aguas do co deslizar durante
securas pela pura belleza dos marmores
antigos. Mulheres ha que sao esculpidas
em marmore.
Era bella ; o baro Schwartz estreme-
cia-a, com paixo ardente como um rapaz,
zeloso como um velho.
Elle, o baro Schwartz, o domador de
milhoes I
Era sinceramente moca, e sem o soc-
corro d'essa arte que tantas outras pe-
dem em vo mentida mocidade.
Era moca ponto de parecer juvenil
par de Edme Leber, aquella flor adoles-
cente que acabava de abrir a sonla ao fa-
gueiro sol dos dezoito annos. Diriam, ao
ve-las, duas companheiras, duas rivaes an-
tes, porque havia entre ellas naqnelle mo-
mento nao sei que mysteriosa aragem de
rancor.
E nao nos cahio da penna ao acaso a
palavra rivaes. Quizemos sbitamente es-
clarecer o segredo daquelle singular collo-
quio. Edme amava ; tinha medo.
Houve silencio de parte a parte. O as-
pecto da baroneza exprima desgosto, es-
panto e talvez tambem certa confuso.
A mo^a conservava-se fria como um bronze.
Um esclarecimento que, apezar da sua
apparencia frivola, se nao pode aqui omit-
ram os morles e feridos, guantas devem
ser as armas arrecadadas ?
Tive occasio de observar o que acabo
de expor em don sanguinolentos combates,
os Je 24 de setembro e 3 de novembro de
1867, dirigidos pessoalmente pelo intrpido
e honrado genera! o Sr. eonde de Porto
Alegre. No segundo daquelles combates
os cadveres do inimigo se contsvam por
milhares; e posso adancar cmara que,
quer em um quer em outro, o numero das
armas arrecadadas esteve longe, muito lon-
go de attingir ao dos morios e feridos. Ze-
loso, vigilante e providente, como o dis
tinelo general de que acabo de fallar, nin-
gnem pode dizer que tenha havido alli falta
ile zelo. E'que estas cousas dan-se por
necessidade dos acontecimentos, por effeito
natural delles.
Assim esta accosacao nao tem nnhum
fundamento, principalmente depois da de-
monstraco feita no senado pelo nobre mi-
nistro da guerra, al com os mappas, a
respeito do armamento.
Sr. presidente, creio qua a hora est a
dar, e eu nao quero cansar a attenco de
V. Exc, nem dos nobres collegas que me
fazem a honra de oovir. (Muitos apoia-
dos).
Por este motivo deixo de apreciar outras
censuras feitas ao nobre duque de Caxias
pelo Ilustre senador a que me tenho refe-
rido, parece-me que pelo menos as princi-
paes acham se completamente refutadas.
(Apoiados). Entretanto, sorprendendo-me
que os nobres membros do ministerio de 3
de agosto de 1866, que nomeou ao nobre
duque commandante em chefe das torcas
brasileiras, e que Ihe teceram constante-
mente os maiores elogios, hoje o censorem;
peco licenca cmara para ler um trecho
do relalorio do ministerio da guerra, do
anno passado, em que se faz ab distincto
genera! a justica que elle merece, o se-
gu nte :
Proclamada a victoria, e no meio de
imanimes e ardentes aedamaces, foi subs-
tituida na ama do reducto a bandeira pa-
raguaya pela auriverde, symbolo sagrado
la nossa nacionaldade.
Estavamos de posse das importantes
fortficaces do Estabelecimento, e ao mes-
mo tempo que to esplendida ornada ergua
bem alio a merecida reputaco do exercito
imperial, a nossa esquadra abrilhantava os
seus fastos quebrando o encanto da mais
famigerada fortaleza da America do Sul.
Seis foguetes lanzados ao ar, signal
convencionado entre nosso general em che-
fe e o vice-almirante, annunciavam a todo
o exercito e esquadra que o espantadlo
do rio Paraguay, as bateras de Humayt,
impossivel de transpr-se, na opinio de
abmsedos proflssionaes, foram toreadas por
urna diviso da nossa esquadra, composta
dos vapores enconracados Turnandar, Bar-
roso e lialiia, rebocando cada um delles
um dos monitores Alegos, Para e ftio-
(runde, sem termos de lamentar a perda
de ura s homem. Estes monitores j
tinham no dia 13 vencido tamhem o peri
goso passo de Curupaity, coadjuvados por
fortes bombardeios da diviso de navios de
madeira.
Em todos os pontos da nossa extensa
linha foram religiosamente cumpridas as
orens do bravo general em chefe que, em
pessoa- dirigi a aeco do assalto ao forte
do Estabelecimento, patenteando ao mundo
que para a desaffronta da honra nacional
anda Ihe sobrara torcas, e seu braco sent
o mesmo vigor para sustentar essa espada
invicta, que tantos dias de gloria tem traca-
do na historia patria.
Senhores, destaco do relatorio do nobre
ex-ministro da guerra apenas os trechos que
indiquei, para nao vos tomar tempo ; mas
como estes ou quaesquer outros que eu vos
lese, do extenso artigo sibre as operacoes
da guerra 00 periodo decorrido daabertu-
ra do parlamento de 1867 ao de 18"58, se
encontrariam iguaes elogios bravura, peri-
cia e tctica do nobre duque. Estes elogios,
baseados as operacSes do exercito e da
armada, e desenvolvidos em 40 paginas de
um m folio, como o relatorio daquelle
anno, sao to completos que constituem
uina verdadeira epopa, cojo protogonista
o nobre marquez, hoje duque de Caxias.
Se os homens que, estando no governo,
assim apreciavam o patriotismo e os servi-
Cos daquelle Ilustre veterano da indepen-
da sao os mesmos que hoje o aecusam,
licito perguutar qual das duas apreciacoes
exprime a verdade, a do tempo em que se
fundavam em dados offieiaes, ou a d.- hoje,
que se inspira as paixoes e no despeito ?
A resposta nao pode ser duvidosa.
Concluindo estas observarles, direi que,
defendendo assim ao nobre duque de Ca-
xias, que alias nao precisa da minha defe-
za, porque, tendo consciencia dos relevan-
tes serviros'que tem prestado ao paiz e da
jusga que toda a najo, o at os eslran-
iS Ihe fazem (apoiauos), v sua defcja
na manifestacao do espirito publico : dcteR-
dend )-o, digo, eu defendo tambem ao go-
verno passado, que foi quem collocou o
nobre duque no commando em chefe de
nos jas torgas ; quero dizer, defendo os
membros daquelle gabinete no qoe diz res-
peito guerra, quando pensaram com cal-
ma e f.iziam justica ao nobre duque, contra
o que boj*!, em estado da paixo e iracibi-
lidade, dizem contra si proprios.
E, fazendo esta defesa, defendo tamben
ao meu paiz, que se adiara em circums-
tancias muito tristes se elevasse posicio
de ministros homens que nao livessem o
criterio necessario para avaharen) a impor-
tancia de um cargo, como era o commando
em chefe de om exercito, e fossem esco-
Iher um homem qoe nao tivesse a capaci-
dade para isso.
Longe de fazer esta injustica aqoelles n-
dados que chamaram ao nobre doqoe,
elles ao contrario conheciam que era aquel-
lo o cidado mais apio para esta emprec;.
(Apoiados).
O Sr. Alencam Arante:Apontado pela
opinio.
&0 Sr. i\r.r aribe : Conheeiam que o
Hq passado glorioso, que o p-estigio do
sen nome e as diversas victorias que ha-
viam enobrecido a sua carroira invicta,
eram urna garanta de que novas victorias
iriam seguir-se no Paraguay. (Apoiados).
Estando a hora to adiantada, vou resu-
mir o mais cpie me fr possivel ootras
eonsideraeoes que pretenda fazer.
Tenho visto, Sr. presidente, qu se tem
querido deprimir anda ao nobre duque de
Caxias, fazendo sobresali- o mrecmento
do seu successor, merecmento que son o ,
prtmeiro a proclamar c que acredito que
toda "a naco proclama do mesmo modo
que eu ; mas que de modo algum pode ex-
cluir o mereciiniinto daquelle ipe o prece-
den. (\poiados.)
A escassez do tempo nao me permitte
desenvolver o que desojava dizer a este res-
peito, mostrando que em negocio de pa-
triotismo as comparares sao odiosas, e
que os servicos prestados ao estado por Mte
ou por aquelle devem todos merecer n gra-
tido nacional na razo dos sacrificios que
fazem os seus servidores. *
Assim me mitarei a ponderar, que se
esta dilTerenca se tem querido fazer anles
para prejudicar o mrito de um general, do
que para exaltar o de outro, de que ningueni
duvidou, e ao contrario todos confessam.
pudesse prejudicar alguem, seria qoelle>
que desceram do governo, visto que todos
sabem quando se achavam no poder, S. A
o Sr. conde d*Eu tendo requerido como boin
Brasilero e distincto militar, que e, para ir
prestar sf us servicos em nosso exercito.
isto Ihe foi negado.
O muito distincto Sr. conde d'Eu, corres-
pondeodo ao herosmo daquelles de qm m
descende, e posico que oceupava em i>
nosso exercilo, se mostrou sempre digno
desta posico. Heqnerra com inslan.i i
para ser mandado para o Paraguay, alim d>-
servir em qualquer posico, e este seu re-
querimento nao foi atiendido pelos men>
bros do governo de ento.
Portanto, fique consignado que, se d;i
comparaco e dilTerenca argidas alguma
censura pudesse resultar, era contra estes
mesmos que nao aproveitaram nesse tempo
o patriotismo por ninguem contestado, e
ao contrario m'iito digno de louvores, di
serensimo Sr. conde d'Eu, de cuja infati-
gavel actividade, aito prestigio o roer nhe-
cidos talentos mililares o governo que o no-
meou e toda a naco esperam a prompta
teaminaco da guerra.
Conclo, Sr. presidente, fazendo votos\
para que os membros do gabinete actual,
desenvolvendo, como espero, os reenraos
naturaes do nosso paiz, consigam, confor-
me as rellexoes que liz, quanto a negocios
internos, o maior desenvolvimento intellec-
tual, base indispensavel dos melhoramentos
materiaes de que o paiz necessita ; e quan-
to aos da guerra, a prompta terminaco
della, invocando para este lim os brios na-^
conaes, de sorte que nada falte para gpe
dentro de prazo breve esteja com luida com
a dignidade propria de nome Brasileiro, e
de conformidade cora os tratados existen-
tes, deixando-nos como compensaran de
tantos sacrificios, para o Brasil a completa
desaffronta da honra nacional e a necessariu
liberdade em nossos ros, e para o Para-
guay a reconstituido de urna nacionalidade
coni os gozos da liberdade propria deste
secuto e do solo americano em que habita-
mos. (Apoiados).
(Conlinuar-se-ha.)
tr, que desde que a baroneza entrou na
sala, as vistas de Edme haviam-se-lle por
militas vees dirigido para os magnficos
cab-llos, cujas massas ondulosns e descahi-
das, segundo a moda do tempo, Ihe des-
ciam em duas conchas symetricas muito para
baixo das orelhas. Pareca que os olhos do
Edme queriam romper e afaslar aquelles
veos que algum testemunho valioso Ihe oc-
cultavam. A baroneza reparn n'aqulla
notavel insistencia.
Foi ella quem primero cortou o silencio.
Dar-se-ha o caso, perguntou, que mi-
nha filha praticasse alguma desattenco?..
Nao, minha senhora, interrompeu
Edme ; era impossivel: a menina Branca
bondosissima e mui bem educada.
Minha querida filha. disse a baroneza
tomando-lhe de novo a mo e com inflexo
completamente materna, confesso que nao a
percibo. A menina Edme tem-nos at
hoje manifestado muila dedicaco e amiza-
de. A minha Branca est na idade dos
desatinos, deve-se-lhe desculpar algum erro,
ou alguma palavra menos prudente ; mas
se son eu a culpada, hei de ter para comi-
go maiio menos indulgencia. Ora vamos,
seja franca : tem alguma olens nossa? ^
Nenhuma, absolutamente, minha se-
nhora, pronunciou custo Edme.
Ento porque nos deixa ? Porque
regeita to naturaes offerecimenUs ?' Bem
sei que conheceu tempos mais felizes e que
am brio bem fcil de conceber...
Engana-se, minha senhora. Um ir-
mo tinha eu e urna irmia, que chegaram a
ver effectivamente a nossa casa feliz. Am-
bos morreram. Emquanto mim, nasci
no dia seguinte ao da nossa desdita e nun-
ca conheci seno pobreza.
Ha em tudo isto um enygma, minha
filha, replicou a Sra. Schwartz, sem perder
cousa alguma da paciento docura. S a
menina pode explica-lo. Est a arder em
febre; nao acceito a sua despedida, ou pelo
menos, peco-lhe que reflicta. Sua mai n i
tem outro arrimo, pense n'isso...
Minha senhora, interrompeu pela se-
gunda vez Edme, cuja voz se tornou mais
firme e quasi dura, nunca estive to des-
preocupada como nesta occasio, e 6 era
nome de minha mi que Ihe fallo.
A baroneza levantou-se repentinamente, e
os gestos parecam indicar que despontava
nella a idea de estar tratando com urna
louca.
A' isso responden claramente Edme.
Engaase, minha senhora : estou
com a minha razo perfeita.
N'esse caso, minha chara menina, re-
plicou a baroneza, que se refugiou aliim
na sua posico e assumio severa gravidade.
permita que lho diga que a nossa conver-
saco lem durado suflicientemente. Sup-
pondo qae fosse preciso, o que nao creio,
significar-nos a deciso que para comnosco
tomou, essas cousas fazem-se por escripti
e em duas palavras. Ainda agora pareceu-
me que desejava urna satisfaco, prestei-me
ao seu capricho, por muitas raz5es, que
seria orgulbo da minha parle especificar.
Nao era esse o seu desejo, segundo ora
creio. Pareceu-me .adevnbar depois as
suas palavras urna especie de provocaco, e
at mesmo urna ameaca, de tal modo des-
tituida desenso e t5o fra do sen carcter,
que quiz saber o qae era. A minha curio-
sidade nao chega ponto de Ihe dirigir
mais perguntas. Eu nao despeco a menina
Leber; mas se a -sua vontade dexar-nos.
faca o que Ihe parecer. A' parte esta orti-
ca, em que a menina nao eslava em si, s
conservaren excelleate memoria, e estou
prompta para attestar...
( Continuar-se-ha).
TI P. DO DIARIORITA RAS CRIIZE8 SL v
!

\



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQR6HZVAV_M5FDSX INGEST_TIME 2013-09-14T03:27:53Z PACKAGE AA00011611_11944
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES