Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11942


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XLV. NUMERO 210.
*
v
11
PARA A CAPITAL LUGARES OITDE NAO S PAH PORTE.
Per tros mozos adiautadus
Por seis utos idem. ,
Por m mo idem. -
Cada numero avulso
(5000
129000
24,5000
320
fmn FEIM IS DE SETEBBO DE I8G9.
PARA DETTRO E TORA B* PROVIIlA.
Por tres mezes adiantados.......... tun**
Por stis ditos idem............ .'...... ionn
Por noMdkos idem...... ....... S
... ....... $gj
DE PEMAMBCO.
Propriedade de Manoel Kgueira de Faria & Fkos.
SAO ACE>TE:
^^^^^^^s^BJissm^ssssssssM
Antonio Marqtws da Silva, no Natal; JosJpjno
*- Jos da Costa Braga,
PARTE OFFICIAL
Wlmlsterlo) do* ucocios <-Iraq-
gefros.
As rolarles diplomticas, que j achavam in-
Wrompidas entre o Brasil e a repblica do Per,
aerlam de ser restabelocidas por modo airoso
pa.a ambos os paires.
Abaixo vao transcriptas as duas notas este res-
Agradece- nrailo mea bom amigo o presi-
dente da repblica do Per, esta prova do am i za-
de, e espero que vossa missao, Sr. ministro, con-
tribuir sempre para estreitar as relaees que tao
natuial e felizmente existem entre o Brasil e o
Per.
?erno la provlnda.
DBSPACWOS DA VICE-PBESIDENCIA DO DA
DE SKTRMHW DK 4869
Antonio Augusto Mariel.lanorme o Sr. capitio
11
lo trocadas entre o Sr. D. Jos Mara de la Tur--' do porto.
o Bueno, numoado ministro residente da dita re- i Antonio Cesario Moreira Otas.Birfia-e ao Sr
.iiiMH-a nesta curie, e S. Exc. o Sr. iniaistro inte- spector da thesouraria de tascada. '
:o dos negocios estraageiros.
IWo de Janeiro, 2 de selembro do 1868.
ministro.Tendo voltadu o Per ao dominio
di consttuicoo que regia antes de 1863, e depois
'' reclamado pelo voto unnime dos povos. pre-
lenle constitucional da repblica, o Exi. Sr. co
enharina Leopoldina de Castro Araujo Ramos.
Gonceda-se o praso de 30 das sem prejuizo dos
respectivos vencimentos, e contados do dia em
que deinar o exercicio da cadeira de Pcsqueira.
Daro Cavalcante do Reg AlhuquerqueIn-
8 o Sr. engenheiro chafe da repartirao das
otiel D. Jo.-. Baila, un dos sen- pi-muiros cuida- \ obras publicas.
-i0 toi _restabelecer entre o governo da repblica Padre Francisco Juan de Azevedo.Concda-se
ao imperio as relacoes normaos, perturbadas a licenca requerida com vencimentos na forma da
'r occurriwici.is i que deram lugar a mensigcm le.
u o relatono deretacoes exteiiores na abertura do Francisca Mara da AnnunciacaoSeja noroea-
Entre os nossos feridos apontam-se o gene-
ral Pedra, nao gravemente, e tim fTtrio do finado
barao do Trmmphn. Entre ns mortos se aponta um
valente offlcia IPlacido Ffolho, Bio-Grandense.
Ontros pormenores nao tenbo des? brilhan-
te oncrarSo, que vem dar flm a esta lutuosa guer-
ra de cinco anuos.
No dia 18 chegou a esta cidade o general
<>orio, que nao cessa de faxer elogios ao conde
d Eu, cuja intrepidez o hroe rlo-grandcnse ad-
0 ganara! Osorio aat patear atgam temo em
Asiuuijicao para tratar-se Vsan antiyo ferTnwn-
tu. Est mnito mais imgro, por* sempre aleere
e lorie. Vto-o huacem em casa do consol huiro Pn-
ranhos.
Tem chegado grande numero de 'fcrtdos :
Oraseros 175, paraguayos 304.
Aproveihvee o lempo. Nao sci se o governo pansa
em osthsbecr altndeg.i. Em mnlia humilde opi-
nin nao o conveniente a ruin! ic. de alfandogas
as actuaos cireomstancas 4a Paraguay. Antes
ter Assumpcao como um porto franco, e orgaowr
depois a iiapo.-ic.o directa. A necessidade palpi-
tante
com
de nova na cao. chamar a pn
mfSi. Botris a institajej da" a.__
capital de Paraguay nao iumediria o contrabando.
que poderia ter logar desdo a Tres-Boceas at
aqu por teda a iiurgoiii .usan ordo do rio Para
guay. Essa reparticao montan i eotn todos os seus
mpregados seria inuito dispon liosa, sem poder
entretanto itis/azer ao Itm .1 sus instiaicao,
I-ora impossvel a polica do r
O secretario do j or. Serapio Ma-
chino, Paraguayo, que se achav estudando no
(.hile ha 6 annos. Purbmce a una
competa a jurisdieao do governo provincial. E'
nm confuto seno que oecdba a attenrao publica, e
de cuja soiucao depende tateresses geraes de or-
dem mui eterada. Parece que os estadistas ar-
Mtoos so osforcam en fazer urna eoneiliacao
luir os dous governes. Pode ser que a obte-
im, mas con harmonisaro os dous principios
e aproseotam ain antagonismo ? E' o que
que
ongresso de 1867.
atencao, e afm de que fiquem entregues
s profundo olvido as phrases qne occasio-
aTim a desntelligeiKa, e (jue nunca podera ap-
ir o actual governo, senliodo mnito qoe
vessem sido proferidas, enva ao Brasil um
uno ministro di|il tostemuiibo inequvoco dos sinceros desejos
qiM o animan de manter com elle roBcfieVaa
wrfeila intelligencia e cordial amizade.
onrado com lao importante missao, cabe-me a
a de solicitar de Sua Mageslade pelo digno or-
de V. Exc, a audiencia de recepcao, para por
-lios de Sua Magestade a caria autgrafas
Die acredita como ministro residente do Per
anlo ao governo de S. M. o Imperador, e da qoal
ivmello V. Exc. a inclusa copia authenliea
DiKae-sa poia, V. Exc. receber etraiismiiiu-mc as
'ideiisdeSua Magestade a este respej.
Apioveitando esla opportuaadadt, para mim
(trato manifestar a V. Exc. a alta estima
-Ietocom que subscrevo-me
Be V. Exc. mu atiento e obediente servidor
/.i Tmtc Bueno.
da para a cadeira da Villa da Ba-Visla'
Padre Joo Vicente Guedes Pacheco.Informe
o sr. inspector da thesouraria provincial.
Juio Joaquim de Moraes Concedo.
Loiz Epifanio de Souza.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda, oavindo o da al-
fa ndega.
Manoel Thomaz de Souza.Informe o Sr. ns-
nppoBho difflcilimo, te bam o4e nada seja diflcl
e a am patriotismo ben inspirado.
- Por fallar ero jurisdiccao, reparo em tempo que
etou lora do termo da minha, e que devo entrar
na ordera. Faeo-o ja, descolpando-me cem a falta
absoluta de materia.
r"nZT '-VI ? '"" No dia 7 pela manhaa chegou a este porto o
paquete francer. Aunis, trazando a celebre trgica
Kistori, que leve aqu urna grande recepc.io, pre-
,^, ,^ ^ ,te p.-ite, ss.'y rs. JssitrAsws susssssrsrJSB h
Dcais quena que o governo pi-ovsorio saiba esta demonstraeo, e logo que o paquete fundeou
montar regularmente a machina governaliva.'"
I>. us queira que as usur|..ieoes da lyranna sejam
siibsiiOidas pelo exercicio firme c" independenle
das anturi.kde'i do povo, Deus ipieira que o fu-
ror deliraute,das t\iminias seja substituido pela
e nudez
que dfflieilinente
peetor da thesouraria de fazenda.
Minervino de Souza Leao.Encaminhe-se.
Thereza Mari a de Jezus.NSo consta que o snp-
plicante fosse recrutado.
ASSUMPCAO, lt DK ACOST DE 1869.
Honra ao exercito brasileiro Gloria ao conde
d'Eu, ao augusto general em chefe dosso exer-
cito !
Urna grande batalha no da 16, e a. victoria pa-
ra as armas brasileiras I
Honra ao joven general, que portou-sc como um
Ao Wm. e Exm. Sr. barao de Cotegipe, ministro henV. honra a seus cotumandados I Gloria ao ni-
dos negocios da nwrinha e interinamente dos
- estrangeiros.
ne-
esfrangeirosRio de
de lew.Seccao cen-
Minstero dos negocios
o, em 4 do selembro
iral.
liccebi hont.Mii a ola que o Sr. B. Jos Mara
Torre Dueo fez-me a honra de dirigir, part-
( )>ando-me que vem esla corle com o nm de
belecer as relacoes normaes ntreos gover-
do Brasil'edo Pe,i, e pedindo dia e hora pava
peno
Os porinenorcs desse brilbonte feito de armas
rousiam de una caria de pessoa fidedigna, que
live occasiao de ler, dirigida ao Sr. conselheiro
Paranhos.
A eHa me irei referindo nesta narracao, loman-
do-lhe as particularidades.
Pela madrugada do dia 16 fez sua alteza mar-
char de Peribobuy em diroeco ao Campo Grande
o i* corpo de exercito ao mando do general Vic-
torino,* o 1 corpo, sob o coinmando do general
di >r e pasmo o rer o estado de
em que chegam osses infehies
se podera mover, lio ectaaaados se achaiif.'
Sao verdadeiras inundas ambulantes, a inani-
cao os ia Biataado a poueo pouco em seus
acampainento nas sordilheiras. Co>ta a crer que
otyrunnoh-rasMa tal pomo w indilfurunca pa-. coragen. sejena e eoulanie do .
ra o padec.mcnto de seus saWalos mas inste I saiha ronh ,-er o defender seas direitos .
\ era aae. v llMu
A lome tavrava nao so no
er seus
ver milito ilitli'-il ser essa reorganisa-
pao iwlilica e social do Paraguay. Em Peribebuv
tomn encontrados os archivos pblicos. Ellos
podaran lincariiiuila luz na queato de proprie-
era confesar que oiuitas a as acmapanliavam ,|.,de.
acampam?nio como
nos |K>nfos eniquo.se achavam as familias. As
qae esfao eliegaudo a e;4a cidadosa unaainie>
iiuuitc) palas estradas e pelos
tem morrillo de
mallos.
O general Osorio declarou que desde sua sabi-
da de Caacupc at Luquo encontrou pelo cami-
nho 1)2 niulheres moras de lome, ontre essas
mudas mocas e bonitas, e milito criancas. E" hor-
a essa consequencia da guerra I Admira que
Dizem que se encontrn tambera em Peribebuv
duzent e ramos contos em moeda papel brasi-
leira, qne se ere ser ainda da que loi apprehen-
dida no vapor Mrquez de Olhuhi em 1864.
Depois das noticias qne cima don, nenliuina
mitra lem chegado, o que de boa agouro, pois
agglomerarara-se no caes carruagens com os
meinbros da comiBissao e vanos convidados que
embarearam-se era um pequeo vapor, onde ja
estavanma banda de mmica. Pouco depois veio
ella para trra, e desembarcou no caes do ferro,
que eslava apinbado de povo, que a recebou com
limito enihusasmo, atirando-lhe llores em quanti-
dade. Tendo A'seguir nessa mesma tarde para
Buenos-Ayres, nao pode a grande artista aceitar
um camarote qae foi posto a sua dsposicao no
theatro de Solis para assstir a representaco do
Pohuto. Disse ella naquelle theago algumas represontac^es. Goar-
do-me para eHa poca para apreciar esse genio
artstico.
O senado nao approvou a lei de bancos livres,
organisada pela cmara de representantes, o tem
sido aecusado pelo Siglo e outros diarios por tal
os
"(negar S. 1L o Imperador a carta que o acre- | Jos Luiz, de Caacup, na mesma direegao. Era o
ditajunto sua augusta pcssa na qualidade de Q"i cortar a forca iotanga em sua maor parte;
stro resdenie d'aquelia repblica. I P0'^ segundo a deciarago dos passados, essa for-
ca fugia de Caacup, quando percebeu que nosso
exercito para la marenava.
..i-.,,., i c.-iutiui; ii .ii|in-ii,i i t:|iuinir,i.
O governo de Sua Magestade v com satisfazle,
que nm dos primeiros cuidados de S. Exc. o Sr.
coronel Jos llalla, ao assumir a presidencia
do Per, foi, como declara o Sr. Torre Bueno, res-
tablecer aquellas relacoes, as quaes achavam-se
interrumpidas em consequencia damensagem lida
no Btlgruso em 1887, e da memoria, apresenlada
i i li'jsnia poca pelo ministerio de rlacdes exte-
riores.
A fr:ini|ueza com que o actual governo do Peni
reprovau que naquelles documenl s te disse com
idacao ao Brasil, e sobreludo a iniciativa que elle
loaata, mandando esta corte mu ministro en-
carregada de manifestagao tao solemne, sao moti-
vos sulBcienies para que o governo de Sua Mages-
entregue, como entrega, ao mais profundo
'iyido oceurrencias, cuja importancia e signilica-
.1* desapparecem neetu momento.
amig id-i- senlimenlo?, de que o governo do
l'cni da to aprcciavel testerannho, encontram
no joverno do Brasil inteira e sincera reciproci-
dcVl.'.
Se esses senlimentos pdem ser robustecidos,
de-certo uinguem para sso contribuir mais elB-
izmente do que o distincto ministro, que os ma-
sta em nome do governo peruano.
lnho saii.-laco de participar ao Sr. Torre
uno, que Sua .Magestade o Imperador o recebe-
. lnje as 7 horas da larde, no paco de S. Chris-
I A.!
Aproveto com prazer esta opportnnidade para
i ecer ao Sr. Jos Mara La Torre Bueno os
tastos de minha cousideracao a mais alta.
no de Cotegipe.
Ao Sr. D. Jos Mara La Turre Bueno.
Em consequencia Sua Magestade o Imperador
ben no indicado da o Sr. La Torre Bueno,
i io de apresenlar a sua credencial
jo mesmo augusto senhor, proferto a seguinte dis-
curso :
SenJior.Bestabelucda ao Per a constitu-
de 1860, o governo quo boje rege seus dosti-
r.oe, ipresenta-o perante todas as nacde como a
iiifestacao soleinno da volitado popular, e ap-
; lica-.-e com solicito interesse a cultivar e consoli-
ir as relacoes com todas as potencias amigas, sob
liases iinmuiaveis da razio e da ju?tici, eoadi-
que s por si baMm para tornar perpetuas
paz e a concordia dos estados, ahrndo-lhes ama
i irga estrada de progressn e Lem estar que exi-
i a civjlisacao e a huiilanidl.ide.
c o governo eminentemente ullustrado de Vosas
le recebe ja osle tesoemanho de cordial
ia : o autogmpho qne tenbo a alta honra
-itar nas maos de A'ossa Magestade, a
deacial do carcter conyque meu governo dig-
i-ee acreditarme junto/de Vossa Magestade.
Se eu nao tivesse, ppr factos que Tlustram o
iasil e que preaeneiei/eom salisfacao em Bolivia.
. nliira e irresisvrl ifonvcco da franca, sabia e
i poiilica do goTCyfno de*"Vossa Magestade, j-
itado/ un cargo, cujos resultados
tria duvidoso irfra lyatema disiinetod'aqelle
Is nobres actos do gabinete brasi-
Nuti-ido men espirito com tao lisongura
o fundada es|ierauca, nada me seria mais
I do que desenipenhar a missao com que
deixando ligadas as relacoes da rc-
com o imperio. Assm, a ventura dos po-
"aseemos ao vasto e frtil territorio das duas
vsinhas, seria tarda nem duvidosa. A as
i le interesaos nao mais um vinculoque as
Ha ohterio, os govemos, que rivlisam
reos pelo progresso de ambos
s, immensos resultados, por meio de leis
Mates e benficas qoe facoltem ampia liberdade e
ecao agricultura e ao commercio, manan-
undos da riqueza publica, que lornarao
' poderosos os dous estado-.
-a Magestade, quemo Brasil ja tanto deve.
Ese. coronel Baila, que no curto periodo
no tem dado um impulso extraordina-
i nossas vas de cominunicaco e explora-
do nosso territorio oriental, ko os chamados
i abrir as fontes do progresso das ricas cu-
as que governam, abrindo-as de maneira que
para o faturo possa det-lo. Nao pois, in-
que este momento, no qual se
fflciaes entre o Brasil e o
va era em qae unir-
me os po\
^^s memaros
gloria que
issim como
Mage?tad;
_ s 7 horas e 3o minutos da nianhaa o coronel
Vasco Alvos, que fazia a vanguarda do Io corpo,
fez signal de inimigo a frento.
Sua alteza maiidou a infamara dexar as mo
chitas, observou o campo, e mandou estender li-
nhas de aliradores em distancia que as nossas es-
pingardas, que sao de alcance, tocassom o. inimi-
go sem sermos offendidos.
Eu chamo a attencao dos leitores do Jornal di
Commercio para essa parle. V-se que o joven
general evilou o erro commettido por outros ge-
ueraes, que nao procuravam aproveitar o alcance
das nossas armas, e approximavam nossos solda-
dos de infamara excessivamente das linhas ini-
mgas, pondo-os sob o alcance das armas para-
guayas, as quaes sao muito inferiores s nossas.
Do judcioso expediente do augusto general resul-
tou o feliz xito da victoria, cora muito diminuas
perda de nossa gente.
Nossos triumphos tm-sempre nos cuslado mui-
to sanaue, muilas vidas e muila miseria. Conti-
no, poTm, com a narracao da batalha.
O principe estabeleceu duas bateras e fez con-
vergir os fogos dellas, ao passo que a avallara
flapqueava o exercilo inimigo pelos dous lados.
O inimigo, conhecendo a estrategia, foi recuando,
e nossas-Torcas avanzando
nham procurado niascarar a como as qn^erain os gavernw alli.idos. Sao
fins do Asyli): aoccerroi prompot at recem-rhe-
j'/i/os, temporarios para vs moros, e $os, perma-
nentes para (i< iloentes, mtnlioat e nr'ogennrios.
Enlre, as familias que for.ini ultmiamente re-
eollmi.is ao asylo conla-sc urna familia brasilea
de Mallo (liosso. E' a do Sr. Salvador Corroa,
que ja foi vire-presidente daqnella provincia do
rico, antes da
guerra. Eslava pcisioueiro desde 1864. Causa
-,dor profunda onvir do veneran
portas cas mesillas enfermaras, visto que nao po- raciio de seus svffritnantos i i
diam levantar-se para carrega-los nem havia if.Ttem oSr. conselheiro Paran
sepultura aos mor
a verdade, -pie esses como as qnizeram
tactos e a voz uiiantmc das familias que chegam
estao denunciando !
Parece que o espirito do mal animan acabeca
e o cora cao do ministro americano Mac-Mahon.
Fatal aberracao da intelligencia humana Befere
ainda o general Osorio que ao eatrarem nossas
forras em Caacup cncontrarain-se nos bospitaes
de Lpez ah os cadavers ao lado dos doentes, c Brasil, c que era um fazendm
que^sultimus, para afT.istar de junio do si os de-1guerra. Eslava pnsioueiro desde
motos, os tam emparrando com os ps, |Mraa*|dor profunda onvir do venerando aaciao a ar-
gente encacregada ah de dar
tos ,
Os nossos prisioncros se achavam em estado
lainentavel de magreza e fraqueza : nem mover-
se podiam. Muilos tem morrido a esforcos de se
levantreni.na commocao de ver seus compatriotas
Entretanto Mac-Mahon anda exaltando Cpese a
sua gente. Que encarnen.
0 governo provisorio, dous das depois da
sua posse, fez alllxar ao som
de sua familia,
los os fez hos-
pedar nm sua casa, de onde so sabiri esta familia
para vollar a Matlo-Grosso, no primeiro vapor
que par* l sabir.
No asylo esli lanibem recolhidas duas fami-
lias mais, nina de pessoas livres, o outra de escra-
wos que dizem pcrtenccr ao Sr. barao de Villa
Mara. Seguirao tainbein para Malla Grosso nes-
les dia-.'
MONTEVIDKO, 29 1>K AUOST0 DE 1809.
Sane o Ame sera levaraenhama noticia posieror
da msica de ama
>, banda brasilcira tres edilaes pelas esquinas. No 1, as que j trabamos do theatro da guerra.
nmvi^H^'Vx na"f"i"53 P^f, -do Sovi;rno A||ehas no intervalfo de lempo que deccorreu
depois ia partida d i Presidente, recebemos a con-
lirmaco do brlhanlo frito 'armas de 18, em Ca-
Cuntintiain as sosoes extraordinarias, e crcio
que durarao al lo de fevereiro de 1870, poca em
que romecar a sessao ordinaria.
Chegou hontem do Paraguav o encouracado
Silr,ido, e sabe amanhaa para ssnmpco o' pe-
queo vapor tamego.
da Silva offrreceu um requerimenlo dfe adiamen-
to, cuja discussao ficou adiada, depois do algu-
mas observatOcs do mesmo senbor, e dos Srs. Bil-
tencoun, Cruz Machado e Jaguaribe.
Approvou mais, em 21 discussao, depois de ora
rem os Srs. Correa, ministro da marinha e Tei-
xeira Jnior, o projecto abrindo ao ministerio d>
marinha, para a compra da ilha das Enxadas, um
crdito extraordinario de I,4r-0:000i00.
Approvou anda, era 2' discussao, depois ll-
orar o Sr. Gama Cerqueira, o art. 1" do projecto
sobre a reforma policial, com as seguintes emen-
das :
j No art. 1 J3 a. .1em vez de agentes de po-
licadiga-so inspectores de quarleirao e outro-
agenles de poeia.
No mesmo artigo 2osupprtmam-se as pa-
lavrase designando para o substituir uterina-
mente a um dos delegados de policio da capital.
.4. Araripe.
Ao art. 1- ir aerrescente-sc: que nao cx-
ercerem em cargos de magistrarora c que lve-
rcm 4 annos de pratea adquirida na advocada ou
em qnalqner outro omprego publico.Duque-Es-
trada Tei.ceira.
Ao art. l*os chefes de policia perceberao ven-
cimentos iguacs aos qae pereebem aclualmente
osjuizes dedreto no exercicio de taes cargos,
estes vencimentos se dividirn em dous tercos de
ordenado o um terco de gratificarla pelo exerci-
cio eftcclivo.Cruz Stchado.
Em ultimo lugar oeciipou-sc com a discussao
do art. 2o do mesmo projecto. Orou o Sr. Andra
de Figueira, fleaudo a acnssao adiada pela hora.
INTERIOR.
IftlO DK .1 \M MtO
2 DR SETEMBnO.
Hontem nao houve sesso na cmara dos dipu-
tados |ior falta de numero legal.
provisorio. No 2, publicova as noticias constan
tes do telegramma cima, e declama traidor
patria qnalquer paraguayo que prestasse o me-
nor auxilio a Lpez. No :i" declarava solemnemente
a Francisco Solano Lpez frada lei, eassassino
da patria e da humanidade.
O effeito moral que devem produzir nas massas
essas declaracoes olliciaus manifest. Esse B ro,
que se tnba acostumado a encarar a Lpez c uno
sen semi-deus, se ha de agora modificar muito a
favor dos alliados.
E' nm dos uteis resultados da fondacao do go-
verno provisorio, digain o que (|uizerem* os immi- i
gos de.sa idea fecunda e justa.
Admira que no Brasil baja estadistas que ne-
guem a utilidade de ser o governo provisorio ins-
tituido logo com sua soberana Admira ainda
mais que quizessem esses publicista que Iiouvc-sk
apenas governo municipal, governo local.
Parece que fesses nossos estadistas nao estuda-
ram bem esse nssumplo, ou que vin as cousas
apenas pelo prisma de suas patxSes. AdmHrlr qae,
lora de Lpez, nao se poda fundar no Paraguay
o mesmo c escape;
-'"i I
raguatay, no qual Rcou completamente desbaratado
o ultono exercito do brbaro Lopes,
Sua alteza nao descansen nem deixou nossa
gente repousar, o marcUa uo cucalcu do fugitivo,
seouioso de agarrar lao valiosa presa. Por sua
ordera subirain sois ranhoneiras peKl Mandiivir,
e ocruparan os (lassos que te rio offereco para
o mirle. l'ara rodea-lo sera misler dusponta-lo
mnito, o que nao ser fcil a una forca sem ro-
riii>os e perseguida de parto,
Atrar-se-ha Lipez para o snl, e tentar trans-
pr o Paran para sneoorrai-se i piotecco do
Urqalia? E' uma vagein perigosa, e mui mearla
era seus resultados.
Urquza nao lera muila satisfagan em acolher un
hospede tao incomrodo prcsenteiner>te, e niesino,
nao lliu podera olferucer um asylo franco e peiuia-
neule. (te poderes alliados tomaran comas ao
celebre cauddlio se elle pompese assm a reserva
que bu compre guardar.
Entretanto ha toda o probabilidad* de que Lpez
o que ser una l'orluiw para o Bra-
na mesma proporcao, i Um governo independerile e soberano-,
ate a extremidade de um passo fundo onde se; que admillir e-querer que Lopoz. anda que esteja I ,il EIe 'tem Vua"pis|a che de pr-lhe
travou a mais reabida luta ; nossa cavallar.a car- 0 com tas qaantos indios, o governo' legitimo' maTe mu conhecedores do lerro.io que per-
Sgo^seTn^" IS^E'i^i. ad^nllbr aae_niba;ao.a;.o |eoS2. 'S5 reputo ,eil a U.U,
fogo do 2" corpo, que
inimigo. Esse fez mais
abandonou o canipo de
so poder 22 pracas, muito armamento, grande ckiso da guerra, um meio "de chamar para nos-
quantidade de municoes, mais de 1,000 morios.! so lado muilos paraguavos e diminuir o numero
700 ou mais pnsioneiros, e grande numero de lo- ,|s S(.quazes do dictador, impugnar a idea e o
ndos. Nossas perdas foram, em rigor, de 300 fora tacto do governo provisorio querer que se faca
de combate. I a guerra custa s do sangue brasileiro, como
O principe em pessoa dirigi a accao e teve um se os exercitos do Brasil devessssn ser lides nao
ajudante de ordens ferido, bem como 9 pracas; s pelos seus generaes, mas tambara por nossos
Dirigi POT yetas estadistas, como chair cano, e nada mais.
A esse respeitoos argaaltos se tm mostrado
muito diversos do nos; tm poupado o sangue de
seus compatriotas o mais que podein, lilmliiido
sempre as obligarles do tratado da trplice alii-
anca. e afastaBdo sempre do theatro da guerra
muitos de seus batalbdes, sob o protexto das revo-
Incoes intestinas da repblica. Nao louvo o pro-
ceder de nossos alliados, mas o aprsenlo como
arauneutao, para prova do qae affirtao.
Comprehendem todos os espirites pensadores
de seu piquete fra de combate,
palavras animadoras infamara, e com seu
exempio mostrou o que deviam fazer seus solda-
dos. Gloria ao joven lidador I Foi um liere. To-
dos concordam em considerado tal. Os proprios
argentinos I he fazem os maiores elogios.
E' um cnthusiasmo geral em nossos exercitos
pelo conde d'Eu. As maneiras alTaveis, ao trato jo-
vial para com todos, sem sobranceria nem orgu-
lho para ninguem, justica.com que distribuio a
raedatha de mrito a queni teve direilo, no da II
de jnlho, ao tino com que dispoz
as operares, a que os ires editaes do governo provisorio sao meios
generosidade com que reorgamsou um batalhao I moraes para a conclus3o da guerra e os meios
de voluntarios, as altas qualidades com que j ti- -
nha penhnrado a todo o exercito, reuni agora o
joven cabo de guerra a gloria immorredoura da
bravura nos combates, da intrepidez diaute da
morte.
Podem parecer exageradas minhas expressoes,
mas nao importa : sou enthusiasta desse moro,
que verdadero principe, pruicipe sem precon-
ceitos, principe liberal, emflm.
Logo que se acabou a acro foi frente do Io
corpo, e abracou o general Jos Luiz, a quem con-
ceden as honras do dia.
A luta deu-se em um extenso campo, e o inimi-
go reeuou mais de ama legua, carregando sempre
os nossos.
No dia 17 sua alteza foi ao hospital de sangue,
vizitou a^ todos os feridos, dirigio-lhes palavras do
consolacao, doces e suaves como o balsamo qu a
mi earidosa do cirurgiao Ihes applicava s feri-
das. Depois sua alteza tomou todas as providen-^ e soberana, outra entldade.
cias para o prompto transporte dos feridos para
eta cidade.
A falta de irens, as irregularidades desse servi-
co, a distancia em qne flea o campo da batalha do
ponto ultimo a que chegam as locomotivas, .trou-
xeram muitas difficuldades, mas todas tm sido
vencidas.
Nos dias 18 e 19 chegaram maitos ferido?.
moraes sao tao imporlantes como os outros, B em
casos como o actual preferiveis.
Agora o assnmpto do governo sem soberana,
goverro local, municipal, como queran! alguns.
Pergiuito en: poderiam as tres rftedes alliada?
tratar decentemente com esses governichos locaes
ou mumeipaos? N5o sendo, como o Paraguav
somente a cidade. de Assumpr-o. devera hav.-'r
um governo local em Assumpcao, outro em Laque,
ou tro em Aregua, outro em Limpio, outro em Cu-
pinta, e assun por diante. Quem nos afflrma que
a deliberacao de um governo mnnictpal deAnto
A -tivesse de accordo com a deliberacao do go-
verno local do ponto B ?.
Terklm os alliados de lutar contra as opinioes
diversasdos mesraosgoverniculos ; seria unu Ba-
bel construida pelos mesmos govemos alliados.
Ao contrario o governo provisorio do Paraguav,
elevado altura de governo com independencia
Seus actos terao
mais for^a: as consequencias delles serio mais
eflieazes. Para prova ah estao os tres edHaes a
que me refiro cima.
J eslo a cargo do governo provisono attii-
bucdes que corriam por conta das nossas com-
mis5es, chamados tribunal administrativos, para
as qnestoes de predios ; commisse commercial,
para os assumptos do contencioso; e commmao
nio s argentinos e brasileiros, como tambem pa- dos fnietos do paiz como a diziam. Ao menos j
raguayos, a esta cidade. ] nao correrlo por conta do Brasil as deliberares
No dia 18 o exercito marebou na direecao! desses tribunaes, muitas das quaes nos desacredi-
de Caraguatay, para onde se dirigir o exercito I uiram, como foram as constantes dos faetos expos-
nimigo depois de derrotado no Campo Grande. tos pjlo Sr. Mallos na nacao Argentina. Proce-
que (fea distante de Caraguatay tres leguas. O deram mnito bem os doas ministros plenipotencia-
campo de batalha (lea tas planicies adjacentes s! nos mandando cessar as attribnices desses tri-
cabeeeirss do rio Manuvira ou Tuhitin. O nosso
exercito vai em duas columnas pelas duas es-
tradas.
A cada hora esperamos noticias do conde
d'Eu e do exercito que o aeompanha em perse-
guico de Lopz.
bunaes hybridos, mel civis, rnei militares, que
representavam para com o governo do Paraguay
0 papel ^.procuradores sem proatrarao.
Chegam continuamente a este porto navios
earregados de mercadorias, que os negociantes
mstwam buscar com medo da fulnra alfandega.
pie o gov
provisorio do Paraguay representasse antes uma
eomwiaso argeniina, do que urna administraco
paraguaya. V.' uma nrdade que todos que se
achavam em Assumpcao confirmara, accrosceu-
lando que felizmente elle nao logrn o seu intento,
porque esbarrou com o lino e habilidado do nosso
enviado extraordinario, que cortou-lhe a vasa. E'
preciso conservar em Assumpcao permanentemen-
te um representante do Brasil, hornera Ilustrado,
coHhecedor da poltica oda historia desles paizes,
relacionado com os personagens mais distinctos
delle, c doptado de um tino superior para des-
truir em principio ogermem do muitos embaracos
futuros.
Be(irando-sc o Sr. consellieiro Paranhos em
breve, como se diz, nao possivel deixar de atten-
der-se quanto antes a uma necessidade de tal or-
dem. Abandonar o governo provisorio nestes
momentos diffieeis, deixa-lo morad dessa in-
lluencia argentina era que jo fallei, que naod rme
nem dosespera de estaboleecr- se, ser um grande
mal para o imperio. Sei bem que Assumpcao nao
offerece muitos altraetivos para um diplmala,
mas cortamente nenhuma missao tem hoje o Bra-
sil mais seria e mais importante do que essa. E'
um sacrificio aceita-la, mas um sacrificio honroso,
e que deve reconimunaar
estima publica.
O governo provisorio est eomecando a sna ta-
re fa de reorgnisa^ao com vigor* o intelligen-
cia. Depois dos decretos que j se conhecem,
pondo Lpez fra da lei e puntido os Paraguayos
que anda o apoiarem, publico.i um em data de
18, ratificando solemnente, 6em a menor restric-
ta), o accordo do 2 de junho ultimo, feito pela
commissao paraguaya com os representantes das
narSes alliadas; outro nomeando.urna comtuissao
administrativa para attender as reclamacoes de
casas, outro orgauisando a policia e a capitana do
porto, e designando para chefe da capital e dis-
trelos prximos, oo tcnenle-coronel Decoud, e
para capitao do porto ao cidadao D..Benigno For-
reir. No decreto de nomeacao daquellc fez o go-
verno uma mencao honrosa dos aarvioos que
prestou na guerra contra o dictador. Oeste modo
vo sendo atiendidas as inlluencias que se podem
reputar legtimas, e todas podem pleitear a elecao,
sem receio. E' tudo quanto acho de interosse
poltico nos factos uliiipmcnte oceorridos no Pa-
raguay.
Quanto a Confederadlo, ella marcha era paz,
subsistindo sempre as Jesconliancas de alteracoo
da tranqulllidade publiea, nas" provincias do
norte.
O governo nacional acaba de suhmaitar a ap-
Ir**efack) asagaeis eoiarato que ez com fc.
[adero para a cmstasecio de um parta e de
locas na baca de Buenos-Ayres, e, ao mesmo
lempo, o governo provincial as cmaras das
rovincias comestam ao governo nacional o direito
e fazer uma tal eonvoncSo preleadafl*! q Por decretos do 20 de agosto ultimo:
Foram removidos a pedido :
O juiz de direito Jos de Alraeida Martns Costa,
da comarca do Penedo, na |rovJncia das Alagas,
para a do Brejo, na do IfaranbSo, ambas de 2*
eni rancia.
O juiz municipal de orphaos Ignacio Jos de
Oliveira Arroda, do tormo de Campanha, na pro-
vincia de Minos-Geraes, para o de Pirahy, na do
Rio de Janeiro.
Foram nouieados:
hacharel Jos do Hollanda Cavalcanti de Al-
buquerque, juiz municipal e de orphaos do termo
de Itaqui, na provincia do S. Pedro do Rio-Grande
do Sul.
O hacharel Deoclcciano da Rocha Vianna, juiz
municipal e de orphaos do termo de Santa Auna
do Cainso, na provincia da Babia.
Joo da lioclia Santos, olcial da secretara de
polica da provincia do Maranho.
O major Manoel Ignacio l'ereira de Magalhaes,
lenenle-coronel chefe de oslado-maior do com-
inando superior da guarda nacional do municipio
da Estancia, na provincia de Sergipe.
O capit.o Francisco Ignacio l'ereira d Castro,
tenente-coroncl commandanto,do batalhao de in-
fantaria n. 23 da guarda nacional da provincia da-
Parahyb?.
O capitao Jos Joaquim Carneiro, major ajudan-
te de ordens do conunando sii(>erjr da guarda
nacional da capital da provincia do Cear.
0 capitao Joan Segismundo Liberal, tcnenle-co-
ronel chefe do estado-maior do coinmando supe-
rior da guarda nacional dos municipios de Cas-
cavel e Au.uiraz da mesma provincia.
O capitao Francisco Scveriaao Facanha Lidou e
o leneute Viriato Candido Rodrigues, majores
ajudantes de ordens do mesmo coinmando.
O lente Augusto Carlos Ribero de Asis, ca-
pitao secretario geral do mesmo conunando.
O lente Jos Joaquim de Carvalho, capiio
quarlel-mostr do mesmo coinmando.
Francisco Jos de Paula Pereira, capitao cirur-
giao-mor do mesmo commando.
O tenent'i Joao Pedro de Brito Fontanclle, capi-
t3o quartel-mesfre do coinmando superior da guar-
da nacional do municipio dePeracuruca, na pro-
vincia do Piauhy.
Foi reintegrado no exercicio do lugar de com-
mandantc do batalhao de infamara.n. 17 da guar-
da nacional da provincia do Par o tenonte-coro-
nel Joo Antonio Meirelles.
Concederam-se :
Ao hacharel Luiz ('.aciano Munz Brrelo, a de-
nissao que pedio do lugar de juiz municipal e de
orphaos do termo de Sant'Anna do Cimisao, na
prnvlnea da Baha.
Ao capitao reformado da guardo nacional do
provincia do Cear Agostinho Luiz do Silva, me-
Iboramento de reformo no posto de major.
Ao tenenle-coronel reformodo do guarda nacio-
nal da provincia do Maranho Francisco Mariano
Serra, melhoramento de reformo no posto de co-
ronel.
Foi suspenso do exercicio, de conformidode cora
o eidado que o fizer j o decreto n. 2,306-do i de agosto de 1863, sobre
representaco do respectivo presidente.
O coronel commandante superior da guarda na-
cional dos municipios de Angcoe Macau, da pro-
vincia do Ro-Grande do Norte, Joaquim Carneiro
Machado Ros.
Entrn hontem do Rio da Prala o paquete in-"
glez .leo, com foi has dcBnenos-A\rcs c Monte-
video at 27 o 28 do passado.
Do theatro da guerra as ultimas noticias s.V
daladas da Assumpcao 2t Uo passado e constam
da carta que em seguida, publicamos :
Assumpcao 22 de mosto dk 1869.
Em data de l!) do crreme S. A. o Sr. conde
d'Eu dirigi ao Sr. conseflieiro Paranhos o se-
guinte telegramma de Caraguatay.
Hontem dispuz as forras dos' ex-rctos allia-
dos em tres columnas : un'ia ao mando do gene-
ral Mitre tomou a picada da dtreta, a do general
Victorino a do centro e a do general Jos Luiz
Menna Brrelo, rom as forras do general Castro,
a da esquerda. Eh segal afrente destas Torcas.
As tras divisfies deviam reunir-se neste ponto.
As 7 horas e 30 minutos, a columna do centro
encontrn uma batera com Ii pecas de campa-
nha e guarnecida por J3C0#> Iwmens, de que ja
tinha noticia por um reconliecimcnto que llz na
vespera.
Travou-se um combate e os 9 horas e 13 mi-
nutos a batera era tomada de assalto, Bcsndo era
nosso poder as 12 pocas, mokas municoes o ar-
mamento, mais de 1,000 morios, 120 prisi^neiros
e 200 feridos. Morreram na-acrao o coronel Her-
moza, commandante da forra, o tenente-coronel
Berna! (o que se baten com o general Prtioho),
o tenente-coronel Escobar, o major Cbtenel e ou-
tros odlcias paraguayos menos importantes. A
nossa perda foi insignificante eih relaeao a f"o
inimigo; ni excede de 200 homens fra de com-
bate
Logo que a nossa forca ohegou a Caraguatay.
o inimigo incendiou seus seis navios que liana no
Manduvr. Vou fazer uma explorarn neste rio
cora c caploo de fragata Salgado ; e o almirante
que faca o quo ora llie ndico.
Segu a perseguico ; coiilinue a mandar-
me cavados e nulas.
Por outro telegramma recebdo hontem do nos-
so coinmandanio em Piraj sabe-se que o regi-
ment S. Martin aprisionou a bagagum de BM
I..ncli, e qne aprisonou-se um dos ministros de
L>pez o 40:000 em prala.
Cresee todos os das a emigracoo das familia-,
procurando o valle de Prrajii. "Grande numen.
deseas familias e de prisioneiros tem chegado a
esta capital.
Os prisioneiros sao pela maor parle rapases de
12 o 13 anuos, cujo sacrlirio s excita compaix".
Das familias emigrada muitas pessoas tm ca-
bido inanimadas pelos caminhos. J estao tam-
bem nesta capital quasi todos os nossos prisiOBM-
ros que restaran, todos era misero estado, e que
tonah sido inmolados, se nossa proteccao se de-
morasse por mais algumas horas. Entre estas
est um missionario, que era cura da villa de M
randa, cujas informaces conlirinam os horrores
que celehrisain o inimigo da allanca.
O governo provisorio tem espalhado cominisses
para acudir s mi-eras familias que satavam vo-
tadas ao exterminio.
Reduzem-se alguns pormenores mais, sobre o
alaque de Caraguataliy no dia 13, e conlinnaco
da pei>egnico Vita ao fugitivo Lpez. Dma-.-c
nao sabemos com que fundamento, qae este se
metiera na serra de Al dama.
Das repblicas do Prata. nonhuma noticia ha
de importancia. Em Montevideo inaugurara-sor
um lazareto a sete leguas de distancio da cidade.
S. M. o Imperador acorapanhado de seus se-
manarios chapia ao arsenal de marinha hontem
s 9 horas da manila, c embarcando na sua ga-
leota dirgio-se a illia, onde visito o dique impe-
rial, as obras era conslruccao na mesma ilha, e as
3* e i" seecoes do almoxarfado.
Em seguida visitn a balera da praia de Fra
e a escola de primeiras letras do Sarco da Juru-
juba, e regressouao arsenal de marinha s 2 t/
horas da larde.
O Sr. conselheiro Franeisco de Salles Torres
Hornera resgnou o cargo de presidente do bneo
do Brasil, sendo substituido interinamente pelo Sr.
conselheiro Jos Pedro Das de Carvalho, vice-pre-
sidente.
Por dacreto de 31 de agosto ultimo foi nomea-
do VJa/Ml Henrique de Paiva para o lugar de
administrador do eorreio da provincia do l'iauhy.
com os vencimentos da tabello o que se refera
o artigo 23 da lei n. 239 de 26 de seterabro.de
1867.
Por dewoto do tf do correntc foram reforma-
di com o respectivo sold por inteiro, na con-
formidade das dsposicoes do 1 do art. 9o da le
n. 6i8 de 18 de agosto de 1832. os tenentes da
arma de infamara Helvecio Monz Teiles de Me-
nezos e Jos Apolnario Guimaraes, visto aclia-
rem-se impossibiltados para o servico 4o exerci-
to em consequencia do ferimentos recibidos em.
combale.
Por outro decreto de igual data foram concedi-
das honras de postos militares do exercito aos in-
dividuos seguintes, era attencao aos relevantes.
3 -
A cmara dos deputados approvou hontem em serviros prestados na guerra actual contra o go-
2.* discussao o projecto determinando que- no re-
gulameulo que o governo estabelecer paro a fisca-
lisacilo, seguranza e policia das linhas e servico
teiegrapbjco, podera mpr aos infractores penas
de multa e de prisao.
Approvou depis.'em uma s discussao, o pro-
jecto autorsando o governo a cocedcr eompa-
nhia Bio-Grandense da estrada de ferro de Porto-
Alegre a Hamburg-Berg, do municipio de S. Leo- i no los dos Santos, e do 7
poldo, na provincia do Rio Grande do Sul, os mes- Francisco Moreira.
verno do Paraguay .
De capitn, ao capitao do 23" corpo de volunta-
rlos da patria Francisco de Barros Accioli de Vas-
concellos.
De tenenle, ao tcnente do 29" eorpo dilo Augus-
to i.ornes Ribero Leilo.
De alferes, ao alferes do 6u corpo de cavallaria
do guarda nacional do Rio Grande do Sul Qairi-
" corpo dito Antonio.
mos favores concedidos eompanbia ioglcza da
estrada de ferr de Santos o Jundtay.
Approvou, em seguido em ij discussao o pro-
jecto concedendo uma subvencao annaal de.
_4 _
A cmara dos deputados approvou hontem, em
uma s<> discussao, ooni emendas, depois de algu-
mas observaedes do Sr. Beojarnim, o projecto coo-
40:00# empreza on companhia organisada para : cedeodo pensos a D. Eulalia Candida Card
a navegacio do rio Araguaya, entre a porto de Barros e a outros.
Itacaia, na provincia do Matto-Grosso, at o pre-
sidio de Santa Mara, na do Goyaz.
Pedindo or. Jagoaribe, e sendo approvada a ii compra da ilha das Enxdas:
dispensa de intersticio para entrar iramodiaraente ; Iraordioario de J,i60:0OWOO0. iwuiaao
em I* diseupsao q njesmo projecto, Sr. Pereira 1 Appravou igualmoote era (erceira ojsous*u
Approvou om seguida em terceira d?flf^!;r?
proposta abrindo ao miniflerio da mar
nm
crdito ex-

lumvH
MUTILADO
L
. '





Ifcario de Pernwnbuco Quarta fetra 15 de Setembro de 1869.

/




projecto determinando que do reglamento que o
governo eslabcleeor para a flscahsaco, seguraaea
0 polica das linhas e servco telegraphico, poder
mpor ios Infractores penas de mua e de pri-
sto.
Approvou cm terceira discussao com emendas,
depois de algumas obscrvacCes dos Srs. Pereira da
Silva, Angosto e Oliveira, minwtro da agricultu-
ra e Barros Brrelo, o projecto autorsmdo o go-
verno a contratar a couslruecio de Jocas era dif-
iranles portos do imperio.
Approvou simia em primeira discussao o pro-
jecto sobre a reforma municipal.
Continuou em ultimo lugar a segunda diseussio
do artigo segundo do projecto sobre a reforma po-
licial.
Oraram os Srs. Araujo Lima, Alenear Araripe
e Andrade Figueira, eando a discussao adiada
pela liora.
Sua Magestade o Imperador, acompanhado por
seas semanarios, visitn, honlein a escola militar
da Praia Vermeha, assistndo s aulas preparato-
rias de portuguei, francez e de primciras letras
estabelecida para os prisioneiros de guerra para
guayos; percorreu em seguida as enfermaras,
Juramentos o todas as mais dependencias do es
labeleci ment. Tendo chegaJo s 9 e meia horas
4a manha, retirou-se sua magestade l e 1/4
liora da tarde.
Por occasiao da resignacio que o Sr. con=clhe-
ro Salles Torres-Homem fez do cargo de presiden
te do banco do Brasil, trocaram-sc os seguintes of
(icios :
Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de levar ao
conheciment de V. Exc. que a directora deste
banco resolveu unnimemente, cm sessio extraor-
dinaria de 31 do mez findo, que se consignasse em
acta um voto de agradecmento a V. Exc, pelos
relevantes servicos que prestou ao mesrao cstabo-
ieclmento durante a sua presidencia, consagrando-
so aos seus interesses com o maior zlo dedica
cao.
Outro sim resolveu a mesma directora que
em seu nomo agradecesse a V. Exc. a considera-
>;3o e cordialidarfe com que penhorou aos seus
membros drixandn Ihes a mas viva e grata recor-
darn do seu distincto carcter.
Cuntyrndo, porlanto, este agradavel encargo,
prevalcco-nte lambem da opportunidade para ote-
recer a V. Exc. os protestos de ininha cordial es-
tima e dstincta consideracio.
Deus guarde a V. ExcBanco do Brasil, em
1 de setembro de 1869.Illm. e Exm. Sr. consa-
Iheiro de estado Francisco do Salles Torres-Ho-
mein. Jos Pedro Das de Carvalho, vice-presi-
deme do banco do Brasil. >
Illm. e Exm. Sr.Tenho a satsfacio de accu-
sar o reeommento do offlcio datado de 1 do cor-
rente mez, em que V. Exc. annuncia-mc o voto de
agradecmento, com o qual honrou-me a directo-
ra do banco do Brasil.
Felicitme dessa manifestaco lisongera, para
mnha vaidade, da parte dos honrados companhei-
ros de meus trabalhos, bein que nella deva eu ver
Erimcro que tudo a expressao de sua extrema
enevolencia para commigo, dando exagerado
apreco a servicos em quo elcs mesmos tiveram
a parte principal, o quo me tornaram facis por
sua experiencia, o por urna cooperarlo zelosa e
honesta.
A perf.-ita harmona em que no decurs de
tres annos achei-me com a directora no mcio das
numerosas e graves quesloes deste perodo criti-
co, e as provas de c nfianca e consideracao com
que semprc distinguio-mc, (icario perpetuamente
gravadas no meu coracao.
Pedindo a V. Exc. que se digne ser o inter-
prete junto directora dcstes meus sentni 'iitos
de gratidao, aproveito-me deste ensejo para reite-
rar a V. Exc. as expressoes'de cordeal estima e
subida considerado de que merecedor.
Deus guarde a V. Exc, 3 de setembro de
1869.Illm. e Exm. Sr. Jos Pedro Das de Carva-
lho, dignissimo presidente do banco do Brasil.
Francisco de Salles Toires-Homem.
5
Hontem nao houve sessao na cmara dos depu-
talis por falta de numero legal.
Por decretos de 1 do correnle foram concedidas
as seguintes pensos, que licam pendentes da ap-
provaco da a.-sembla geral :
A D. Carila Parrara de Castro, viuva do teen-
te-coronel de commissao Carlos Cyriflo de Castro,
a de 66000 monsaes, sem prejuizo do ukuu
sold.
A D. Delmira Fobronia de Oliveira, viuva do
cnpitio de commissao Sal vino Antonio do Olivei-
ra, a de lio > mensaes.
A D. Isabel Grifeldes Sicupira Peroira, viu-
va do capita>> doVxereito, Joo Cactano Pereira,
a de 30*000 mcusaes, sem prejuizo do raeo
sold.
Ao aleres do exliaeio iS' corpo de voluntarios
da patria Leio Francisco Santiago, a de 30*000
mensaes.
Declarou-se que a pensio concedida por de-
creto de 19 de junho de 1867 a D. l-elisberta
Martina de Carvalho deve entender-so como con-
cedida a D. Felisberta Fagundes de Carvalho Mar-
ns.
Rcccbeu-so hontem da estacao do Desierro o ie-
gnintc telegramma do Sr. vice-presidente da pro
vinri \ de Sania Camarina :
Ao Sr. ministro da mantilla o interino dos
negocios estrangeiros cotnprimenta o vice-presi-
deute da provica do Santa Catharina, congralu
lando-se com S. Exc. por novos trumphos obltdos
pelas armas alliadas no Paraguay.
Acabo de receber pelo vapor Guaporc, ebega-
do hontem noite dos partos do sul, as seguintes
importantes noticias, em offlcio de 30 do agosto,
do nosso ministro em Montevideo :
O exordio contnuava marchando em tres co-
lumnas ; a da esquerda com os generaos Mitre e
Auto cncontrou o immigo no dia 1 em Ignacio
Cu, a 7 leguas do Manduvr, e o bateu, toman-
do-lhe tros pecu fl matando 300 homens. A co-
lumna da dircita, com o prncipe, nao oncontrou
obstculo. A do centro, com o geueral Victorino,
encontrou o inimigo fortificado com 12 pecas ; fui
derrotado o fugo, tendo carregado sebre ella
bayoneta o batalhao desbulla ; na fuga foram
quasi lodosos ininiigos morios ou prisioneiros pe-
Ja avallara brasileira.
* Contnuava a perseguieo das ultimas tarcas
de Lpez.O vice-presidente, Jonquim Xaoier Se-
res.
O Sr. desembargador Jeronymo Martiniano Fi-
gueira de Mello, duputado pela provincia do Cea-
r, enviou com oliicio de 10 de maio, cmara
municipal do Sobral, sua cidadu natal, a quanlia
Je 1:000J00 para ser applicada inelhoramen-
tos da mesma cdade, a juizo da referida cmara.
6
Por decreto n. 4,406 do Io do crrante foi con-
cedida companiia ingleza The atliance british
and foreign Ufe and fue assurance a_ necessaria
autorisacao para estender suas operacoes i cidade
do Rio de Janeiro.
Por decreto n. 4,407 da mesma data foi lambem
concedida companha Unio Cemente a neces-
saria autorisacao para funecionar e a approvacio
de seus estatutos.
Ante-honlem as 11 horas e 35 minutos da noi-
te foi racetado o segumte telegramma. enviado
por intermedio da estagao telegrapbica do Dester-
ro directora da Companha Brasileira de Paque-
tes a vapor.
O uapor, sabido deste porto hojo s i ho-
ras da tarde, S, tendo desgovernado, bateu em
urna pedra nos Ratones, do que resnlion encher-
se o quartel de proa. Agora, 9 horas da noite,
recebi a noticia o pedi capitana embarcares
para a vinda dos passagoiros; vou para burdo.
Amanba communicarei o que occorrer; nenhu-
ma morto ou ferimento houve.
O Sapucah'j noticia que no arraial de S. Jos da
Boa-Vista fm assassinado, no dia 19 de jalho,
Dyonfcio de tal, por um individuo qae era conhe-
cido o evadio-se.
No arraial da Pratinha, diz ainda a mesma fo-
Iba, foi assassimdo, pela escolta que o ia prender,
e criminoso Mendonca.
Por portara de 4 do crrante foi concedida a
Antonio Jos de Brilo s demisslo que pedio do
lugar de amanuense de 1" classe do almoxarifada
do arsenal de guerra da corte, sendo nomeado,
tor outra portara de igual data, Pedro Pinto de
onza para o referido logar.
Por telegrarmn vindo de Santa Catharina, hon-
tem i. tarde, sabemo que este vapor conseguio
iafar-se, e eti cncalhado na Praia de Fra, n'u-
raa braj d'agua, o om fund duro. Tratam all
Jo esgota-le o par-lhe o rombo, atlm de seguir
Yiagcm para este porto. Os passageiroa nada sof
Santa Cruz, quo sahio hontem para o ni,
tersa o primeiro engenheiro da companbia ope-
rarios c malaria! para azer reparos no referido
vapor.
O Paran sahe hoje pira Santa Catharina para
trazer pata o nosso portJ os passageiros e nulas
do Guqpor.
8
Hontem da do festa nacional por ser o ani-
versario da proclamaco da independencia do
imperio, esliveram embanderados os navios do
guerra surtos no porto e as fortalezas, lando as
salvas do estyllo. Houve Te-Dfum nacapella im-
perial, que assstiram Suas Magostados e Alte-
zas Iniperiaes, e 1 hora Suas Mageslades roe-
berain jo pago da cidade as pessoas que os foram
i'omprwBentar por to fausto mo'.ivo, pro!'.-rindo
nesta ecasiao o Sr. desembargador lanocencio
Maroues de Araujo Goes, como relator da com-
missla da cmara dos depuladss. o seguinle dis-
curso ;
t Seahor IA cmara dos deputados incumbi-
nos da honrosa mi-sao de felicitar V. M. Impe-
rial pelas glorias que o paz, entre vivas demous-
Ira^aes de jubilo, commemora no dia de boje.
Seahor t Ao grandioso e patritica ferado er-
guido 7 de setembro de 1822, as aprazives
margens do histrico Ypiranga, pelo excelso pai
de V. M. Imperial, o Brasil inteiro responden com
actos de memoravel herosmo, dedicacaoe bra-
vura, e a independencia, que solemnisamoa, sem
duvida um bem que lhe (levemos.
Foi nesga poca, to cara esse principe mag-
nnimo, que o Brasil apresentou ao mundo o feliz
enlace d liberdade com a monarchia, enlace fe-
cundo em seus benficos resultados, e qne, me-
danle o auxilio da Providencia Divina, lia de su-
perar os embaracos e dilDculdades que nos asso-
berbam.
Seahor I Se o dia 7 de setembro, anniversario
de lao nobres coinmettimentos e de una obra to
imgestosa, ostenta-se grato e sempre risonho aos
Urasileros, V. M. Imperial, mais do que nenhum
outro, o sent, porque elle associa-se a lembran-
ca dos supremos esforcos, dos leaes e generosos
saerilicios feitos pelo immorUil fundador do impe-
rio em prl do nossa emancipacao poltica, e dos
quaes o Brasil recorda-se com profundo reconhe-
cimento.
Digoe-?e, portanto, V. M. Imperial acolber
estas sinceras nianifeslacoes da cmara dos depu-
tados, as quaes ella interpreta fielmente os mais
ntimos -entllenlos do paz, qne contempla em V.
M. Imperial e em sua augusta dynastia a conti-
nuacao de glorias, que nao pdem ser esquecidas,
o symbolo da ordem consorciada com a liberdade,
e a mais solida garanta no futura.
S. M. o Imperador dignon-se responder :
Associo-me ebeio de jubilo s congratulacoes
da cmara dos Srs. deputados, pelo anniversario
do dia mais glorioso da naci brasileira
A' noite assstiram Suas Magostados no theatro
lyrico Fluminense urna representacao de gran
de gala dada pela companha da Plienix Di ama-
tica.
O arsenal de guerra levantou no pateo princi-
pal um corcto que noite foi Iluminado, tocando
all at s 10 horas a banda de msica dos apren-
dizes menores. Illuminaram-se os edificios pbli-
cos e muilos particulares, sendo muito concorri-
das de povo a ra do Ouvidor c piafa da Consti-
tuicao, onde se illuminaram os qhatro tanques
com os seus ropuxos.
hontem mais o seguinte telegram-
pelo commandaute do vapor Gua-
Recebeu-se
ma, expedido
por :
Rocei cm urna podra na barra do norte de
Santa Catharina, rasguei urna chapa e cncalhei
na praia, mas preparei o navio e acho-me enca-
Ihado hoje na cidade, onde espero concert, allm
de seguir viageni.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RBCIFR, li DE SRTEMBRO DE 1869.
NOTICIAS DO SUL DO IMPERIO.
Hontem pela raanha chegou o vapor inglez
Onetda, trazendo datas do Rio de Janeiro at 8 e
da Baha at li do correnle.
Sob as rubricas Parte Oficial, Exterior e Inte-
rior vo por extenso as noticias mais importantes;
alm das quaes apenas encontramos as que se-
guem.
GOYAZ.
Recebemos jomaos da capital al 24 de julbo.
Ein Santa Mara de Tabatetiga um grupo de
individuos untan assassinar o respectivo subdele-
gado de polica Pacfico Antonio Xavier de Barros.
Deva partir para all dentro de poucos das o Dr.
chefe de polica com 2o pravas.
TABANA.
Alcancara a 21 de agosto, os jornaes que rece-
-inin.
lares cm cambio cobro Londres a 19 d. para o pa-
pel bancario e a I/i, 19 3/8 e 19 !/t d. para o
papel particular, o sobre Franca pequeaas do 500
a 490 rs. por franco
Negociaram-se pequeos lotes de soberanos a
12*420, iS#M0 e 12*380, 40 apolices geraes de 6
por ceulo a 80 por cent), um pequeo lote de di-
tos do emprestiino nacional de 1868 a 73*000 de
premio, 10 accoes do banco do Brasil a 162*000 e
100 ditas da companha de illnminacao a ca de
Ro de Janeiro a 30o*000.
Sahram para Pernambuco: a 7, brigue hes-
panhol Almirmnle, brigue esenna norle-allewao
Malhilde, brigue dito Muuzia, e brigue hollandez
fedite.
Pernambuco
Ficava carga para
brasileiro S. Paulo.
o brigue
homo:
Fallecer o Sr. tenente-coronel Manoel Jos
da Cunha Biltencourt.
Diz oContiuercio do Paran :
A canoa Batalka, que se oceupava as via-
gens entre esia cidade c a de Nhundiaquara, ten-
do sido sorprendida na baha por um forte tufo
que sobreveo no dia 9 s 3 e meia horas da tar-
de, sossobrou.
Consta-nos que o prejuizo calculado em
dous conlos de rois, c que infelizmente nao se pu-
deram salvar nem um dos remeiros, apezar de
haverem lutado por muito tempo a nado contra o
mar e vento.
MI.SAS-GERAES.
Os jornaes desta provincia alcndara a 30 de
agosto.
o dia 29 installra-se a assembla provin-
cial.
O Noticiador de Minas refere o seguinte :
Foi ha pouco encontrado as immediacSes do
arraial do Itio das Podras, desta capital, e junto a
estrada que por ah passa, o cadver de um indi-
viduo que lora assassinado, e cujo estado denota-
va ter sido o crime commetlido ha mais de quinze
das.
A autoridade competente fez auto do corpo
de delicio e prosegue as demais diligencias pa-
ra o deseobrimeBto da verdade, sendo que ainda
nao se pude obler esclarecimento algum, quer
acerca do assassinado, quer acerca dos autores do
crime.
Na noite de 28 de julho ultimo, no districto
do Peeanha, termo do Sarro, Francisco Gomes de
Sant'Anna assassinou com um tiro de garrucha a
Fortnalo Vieira Braga, com quem travou-se de
razoes por causa de urna rapariga.
O delinquente que j reo de oatros crimas^f*
foi immedialamento preso e remettido' para aflP1
dea da cidade da Conceicio, com destino a esta R1
capital, tendo-se mandado instaurar o competente
processo.
No dia 1 de junho prximo findo, na fazenda
de S. Joaquim, termo do Ro-Pardo, foi assassina-
do Antonio Rodrigues de Oliveira, sendo logo ca-
pturados Carlos Teixeira Barbosa e Joao Antonio
de Suuza, indigitados cerno mandantes.
Foi instaurado o competente processo, e ex-
pedida ordem de priso contra os autores do cri-
me, que sao Fradcisco Teixeira Barbosa e Joao
Pereira Lima.
s. PAULO.
Temos jornaes at 6' do crranle.
L-se no Diario :
Constando qu se achava homsiado no barro
de Busncava,do districto de Santa Ephigenia o r
Bento de Oliveira Valente, pronunciado em J5 de
setembro de 1860, pela subdelegacia da vtlla do
Santo Amaro, no art. 193 do cdigo criminal, co-
mo autor da raorte de Joao, escravo de D. rsula
Mara Domingues, foi recommendada a sua prisao
ao subdelegado respectivo, o Dr. Americo Ferrei-
ra de Abreu, a cuja disposicao foi posta urna tor-
ca de dez pracas do corpo policial, commandada
pelo alferes Podro Jos do Espirito-Santo.
O Dr. Americo Ferreira de Abreu, acompa-
nhado do respectivo escrivao, inspector de quar-
teiro e da forra mencionada, effectuou a priso
do referido criminoso, que foi recolhido a cada
desta capital. >
BIO DE JANEIRO.
O senado approvou, em terceira dscussao para
snbir sanecao, o projecto da cmara dos depu-
tados concedendo dispensa de frecuencia do quar-
to acno de dirafto, ao estudante Joaquim Aurelio
Bar eto Nabuco de Araujo.
Votou tambe.ii, cm segunda discussao, os arts.
2* e 3 do ornamento geral do mptrio, despozas
dos ministerios do imperio e da justica, taes como
vieram da cmara dos deputados.
Eis as noticias commerciaes da ultima data -
Cambio.-Londres 19,1 1/8,191/4, 19 3/8 e 19
l/2d. a 90 d/v., sabbado; dito 19,19 3/8,19 1/4 o 19
1/i d. a 90 d/v., boje, 19 d. bancario a 90 d/v., ho-
Pars iO rs. por fr. a 90 d/v., hoje; Marse-
BAHIA.
Inaugorou-se, no dia 7 de setembro, na capital,
a sociedade Libertadora Sete de Setembro.
Acerca do acto diz o Diario:
As 2 horas da tarde achava-se reunido, na sa-
la das sessoes 4a cmara municipal, nm numero
consideravol de pessoas de todas as classes, e tao
brlhante era a reunao que pareca haver-se a
cidade esmerado em enviar para aquelie ponto,
que o centro da vida publica do municipio, a
mais escolhida pon-A de seus habilantes.
< Convidadas a inscrever se na lista dos funda-
dores as pessoas qu o desejassem, subi dentro
em pouco o numero das assignaturas a 244, no-
tando-se enlre os nomos inscriptos os de algumas
das mais respeiUveis senhoras desta capital.
Abrio-se a sessao, e taita a leitura dos esta-
tutos da sociedade, procedou-se a eleicio de seus
funecionaros, sendo esc lindos:
PresidenteDr. Ablio Cesar Borges.
t Vice-presidenies.Drs. Francisco Jos da Ro-
cha e Jos Luiz de Almeida Couto.
Io secretario.Dr. Frcderieo Marinho de A-
raojo.
2o dito. Dr. L-juronco Gomes de Araujo c
Silva.
t Thcsoureiro.Cominendadar Manoel Joaquim
Alves.
Membros do conselbo director.
< Dr. Antonio Carneiro da Rocha.
Dr. Innocencio Marques de Araujo Goes.
t Francisco Alvares dos Sanios.
Dr. Augusto Alvares Guimaraes.
Dr. Altiuo Rodrigues Pimenla.
t Proclamado o resultado da eleicio, o Dr. Abi-
lo declarou constituida a sociedade, proferindo
um discurso, em cujo final declarou que naquelle
momento couferia gratuitamente a liberdade a um
seu escravo adulto, que achava-se presente, e re-
cebeu logo sua c rta.
Na mesma occasiao foram IMas tres outras
cartas de liberdade que, em nome da sociedade,
passaram, tambem gratuitamente, o Sr. Jos Ma-
ra Henriques Ferreira, a duas crias, e a Exma.
Sra. D. Aula Carolina Henriques a urna ter-
ceira.
Um brado unnime de enthusiasmo acoliten
a pnblicacao desses actos de verdadeira e da mais
sublime caridad.:: e nao foram os nicos.
Puuco depois, o Dr. Antonio Ferreira Garcez
declanu, entre os mais calorosos signaes dead-
miracao dosnmvintes, qne ia libertar, em nome
da sociedade, urna cria sua
Para a manumissao de ama creanea branca,
que apparcceu solicitando proteccao da sociedade,
promoveu-se urna subscripto, que em poucos
momentos, produzio a quanta de 160*, qne man-
don-se entregar ao thesoureiro eleilo para ser
opportunamentc applicada em beneficio dessa in-
teressante menina.
Por ultimo coube a palavra as pessoas que
tinham-se inscripto para fallar, e no mcio de gran
des applausos foram ouvdos os Srs.: Dr. Jos de
Ges Siqneira, representante da sociedade Medico
Pharinaeeulico de beneficencia mutua ; Dr. Fran-
cisco Jos da Rocha, pelo Conservatorio Dram-
tico ; Manoel Pinheiro de Souza, pelo Gremio Lit-
teraro ; Silio Boccanera, pela sociedade Benefi-
cenle Italiana; Dr. Antonio Ferreira Garcez, pela
sociedade Humanitaria sob os auspicios da liber-
dade ; Saiyro de Oliveira Uias, pela corporacao
aeademca; e os socios Pedro Ribero Moreira,
Dr. Lourengo Gomes d'Araujo e Silva e Dr. Vc-
tor Isaac de Araujo.
As 6 horas da tarde terminou a importante
reunio.
Angnramos a nova sociedade o mais auspicioso
futuro; para isso bastar que nao arrefeca o en-
thusiasmo do primeiro momento, e continuem a
affluir socios.
A contrihuicao pecuniaria a mais mdica
possivel, doze mil ris annuaes, pagos em qua-
tro prosiacoes, e ninguom ha portante, que nio
possa concorrer para a grande obra que se-'ini-
cia. >
No dia 8 do 'crrente soguiram para o Rio
de Janeiro, os dous vasos do guerra peruanos, e a
crvela americana Poiisinout.
O cambio regulava : sobre Londres 19 a 19
1/2 d., c sobre Paris 496 reis.
Sahio para Pernambnco, a 10, o brgae bra-
sileiro D. Mauricio.
je ; Fans uuu rs. por fr. a \H) d/v., hoje; Marse-
ha 496 rs. por fr. a 90 d/v., hoje; Havre 493 e
496 rs. por fr a 90 d/v., hoje.
Me taes. Soberanos a 13*380 para 10 do cor-
rente e para 11 do crrante; ditos a 123109 para
31 de ontubro prximo futuro.
Acedes Rio de Janeiro Gas Company a___
30b* por aeeao ; companha Fidelidad a 14* de
premio.
< Eflectuarauve transacc^es menos que rogo-
VAPOR AMERICANO.
Tambem chegou hontem o vapar ameriuo South
America, trazendo datas do Para al 7 do cor-
rente.
Dos Estados-Unidos nada adiantou elle em
noticias, por serem is datas que trouxe anteriores
as que recebemos por va de Lisboa.
, AMAZONAS.
Comecou a/puolicar-se em Manos o j- mal
Commercio do .^jinazonas, diariamente.
No dia 2 do agoste concluiram-se, cm Man-
core, as eleiedes de eleitores geraes.
No dia* 15 de agosto existia nos cofres da
thesouraria provincial, o saldo de 86:286*377 rs.
PARA.
Tendo oblido lcenca da presidencia Dr. Es-
merino Gomes Prente, ntrou no exercicio inte-
rino d! chefe de polica o Dr. Constantino Jos da
Silva Braga, jniz de direito.
A sociedade Vinte e oilode Julho alforriou a
menor Lina, escrava da Santa Casa do Misericor-
dia. E" a terceira inanumisso qne esta socieda-
de realisa, depois de sua nstamelo em 28 de
julho ultimo.
Para reger interinamente a cadeira de geo-
graphia do lyco, foi nomeado o Dr. Antonio dos
Passos Miranda.
No dia i do correnle foi assassinado bordo
[4o vapor inglez Cearenae, chegado nesse dia, o 2.
iloto William Wilson pelo cosinhero Luiz Martins,
__ne foi em continente preso.
|." Falleceu o negociante Albino F. Villas-Boas,
socio di firma commercial Villar & C.
A alfandi'ga renden do 1 a 6 do crrante
41:204*232 rs.
O cambio regulava sobre Londres 18 3/4 d.,
sobro Parias 49 res, sobre Hamburgo 960 reis,
e sobre Portugal 90 0,0.
Lemos no Diario do Gram-Par :
Joaquim Antonio Ramalho, um indio de Alen-
quer, matou em 17 d'este mez, urna mulher do
nome Feliciana Pereira Martins, com que viva
amasiado, ladeando o facTo de circumstancias taes
que trasia assombreda a popular o d'aquella villa.
t Joaquim Antonio Ramamo, um indio de 30
a 40 annos de idade; o regular a sna estatura,
cabellos pretos corredios, falla fina E' casado.
Ha cerca de dous annos que abandonou sua mu-
lher, para ir viver concubnado com a pobre vc-
tima de seus mos inslinctos.
O crime foi perpetrado s 8 horas da noite,
com um grande tercado americano, que produzio,
diz o respectivo subdelegado do polica, um hor-
rivel golpe sobre o peite na parte anterior s cla-
viculas que, tomando toda a extensao do um a
outro hombro, atravessou suas paredes c foi ferir
profundamente os pulmoes, separando ao mesmo
tempo a mi esperda pelo matac*rpo, o ferindo a
direita at aos ossosda corpo e matacarpo.tractu-
rando-o em parle... A desgragada morrea em 3
minutos.
Esta era urna mameluca de 20 annos, pouco
mais on menos, orphi, e quo viva com son to e
tutor, d'ondo seduzio-a Ramalho,que levou-a para
fra do districto em qu9 viviam. Em julho ueste
anno voltaram para o distrhto, e Feliciana son-
dando as profunoezas do abysrao em quo se
precipitara, arrependeu-se e buscou sahir do poder
do homem, que so a conduziria a ermes. Pedio
auxilio autoridade, para realisar seu intente,
recejando as iras do seu algoz, se fosso s a obrar.
A autoridade proporcionou-lhe meios de se trans-
portar para Alemquer. Ahi que Ramalho que
eslava de alcata, logrn seas desejos, matando
brbaramente a que taPrez houvesso resgatado
com seu affecto muitos das de pesares para o seu
verdugo.
t Ramalho evadin-se mas a polica envidava es-
orcos para captural-o
_PEBMHirnCO.
REVISTA DIARIA.
MINISTEHIO DA F.\ZENDA. -Por esto minis-
terio, em 2o o 30 da corrente, foram expedidas as
duas seguintes circulares:
< O viscondo de Ilaborahy, presidente do tribu-
nal dothesouro nacional, vistas as duvdas susci-
tadas em algumas repartieses de fazenda, se os
requerimentos em que se passam cerlideS e at-
testados devem pagar o sello de 200 ris, am da-
quelle a que estao sjjeitos esses documentos, at-
ienta a observado final do art. 18 do regulamento
n. 4351 de 17 de abril ultimo, a qual nio permiti
escrever em cada meia follia de papel dous ou
mais arlos sujeilosao sello, salvo pagaudo-sc 0 que
fr devido de cada um ; declara aos Srs. inspec-
tores das thesourarias de fazenda, para sua intelli-
genca edevidos elleitos, que, visto serem escrip-
ias as ditas certidoes nos proprios requerimentos,
e passadas em vrtiide delles, nao se podem estes
comidera r actos distmctos daqnellas, no sentido
da dita observaco final, que s se refere aos arlos
sujeitos ao sello que, esenptos com outros na mes
ma meia folba, o possam ser era separado, por se-
rem independnles entre s, e que assim e como
disponha a legislaca) anterior, que nesta parte
nao foi alterada pelo dito regulamento, s devem
pagar tos requerimentos o sello das certides, al-
(estados ou documentos de qualquer designara.)
que nellcs se passarem, estando apenas sujeilo ao
sello de 200 ris, conforme o art. 78 do mesmo re-
gulainenio, os requerimentos, peticoes iniciaes,
memorias e memoraes avulsos, dirigidos a qual-
quer autoridade, quando por si s poderem dar
principio a algum processo administrativo ou ju-
dicial de natureza graciosa ou" contenciosa, ou
quando a elles forem junios como documentes,
nao sendo dos isentes pefo art. 21 do regulamento
citado.Visconde de Itaborahy.
o 0 visconde de Ilaborahy, presidente do tribu-
nal do thesouro nacional, de conformidade com o
aviso do ministerio da marinha de Io de junho ul-
timo, ordena aos Sr?. inspectores das thesourarias
de fazenda que nio paguem os venciraentos dos
offlcaes do corpo de fazenda da armada pela ta-
bella que baixeu com o decreto n. 4173 de 6 de
mao do anno passado, a qual ainda nao est ein
vigor.Visconds de ltaborahij.
DECISO DE RECURSO.-Pelo ministerio da
fazendaoi remetlido presidencia de Pernambu-
co, a copia do decreto desta data, pelo qual foram
relevados os negociantes Alves, Hamburger & C,
da mulla que Ihes foi imposta em 30 de novembro
de 1864 pela differenca para monos encontrada em
urna das tres caixas com chapeos de palha, sub-
mettidas a despacho na alfandega da referida pro-
vincia, em 17 do citado mez; e bem assim a co-
pia do decreto de 22 de setembro de 1866 que re-
leven os mesmos negociantes da outra mulla rela-
tiva differenca encontrada as duas caixas con-
tando espoletas.
ESTAMPILHAS.-A recebedoria de rendas ca-
na de expor venda as estampillas dos valores
de 200, 400, 600, 800, 1*, 2*. 3, 4* e 5J crea-
das pelo cap. do tit. 3o do reg. do sello ue 17 de
bril ultimo.
Para facilitar a nossos leltores o seu uso, vamos
dar-lhes alguns esclarecimento.
As estampilhas, ou sello adhesivo, servem para
os ttulos de sello proporcional, exceptuando o das
notas ao portador e a vista, o do capital das com-
panhias e sociedades anonymas e o de noraeacao
cora veneimenio.
Servem tambem para os actos e papis sugetos
ao sello fixo, que o regulamento do sello classifica
sob as denominacoes de papis forenses, docu-
mentos civs e licencas.
O sello* deve ser collado no alto do (lulo, acto
ou documente, quando nao p der ser no fin, logo
depnfcs da ultima linha escripia, e as letras de
cambio e da ierra onde fr mais conveniente
Ser inutilizado, escrevendo-se o nome do lu-
gar, a data c a assignaiura, parte-no papel e par
te na estampilha, quando o deva ser pelos particu-
lares, como em letras, ou pelo empregado publico,
on a autoridade, como o labellio, as procura-
coes, etc.
O sello adhesivo, que nao estiver inntilsado, re-
putar-se-ha nullo, ficando os ttulos com elle sella-
dos sugetos a revalidacao e multa.
REPBLICA DO PER Chamamos a attancio
dos leitores para a correspondencia diplomtica,
publicada sob a rubrica Parle Oficial, em relacao
as desintelligencias havidas entre o imperio do Bra-
sil e a repblica do Per.
DINHEIRO.O vapor ioglcz Oneida trouxe para
os Srs.
Thomaz Jefferies & C. 00:0005000
Antonio Lopes Braga 10:000*000
Cramer, Frey & a 10:000000
Theodoro Simn A C. 4:700*000
Manoel Martins Fiuza 3:0005000
Perta, Carneiro & C 3.7O *
O vapor Sof/t America levou para o Rio de
Janeiro 7:000*,
PARA A EUROPA.O vapor inglez Oneida,
com 6 recebidos em nosso porte, levou % passi
geiros.
SECRETARIA DE POLICA.Tendo sido exo-
nerado, por portara de 13 do correnle, o Sr. Jos
Piulo dos Santos, porteiro desta reparligao, foi no-
meado para o substituir o Sr. Joaquim Francisco
Borges Ucha.
JURY.Achase designado o dia 11 do outubro
vindouro para reunio da 3* sessao indiciara do
jury desta capital, sob a presidencia do Sr. Dr. juiz
de direito da 2* vara criminal Manoel los da Silva
Neiva.
ARREMATACAO.E' hojo a ultima praca, pe
rante a camara'municipal,dos impostes do aterido
c de 100 ris por carga de farinha e outros legu-
mes, bem como do aluguel do taiho n. 10 na ri-
beira de S. Jos, sendo por um anno o eapaco da
arrematacio.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO.Rene-se mu
nha em sessio ordinaria.
MISSA FNEBRE.Amanhia, s 9 horas da
manha, a sociedade acadmica Arcadia Pemam-
bucana manda celebrar urna missa, na matriz da
Boa-Vista, pelo repouso eterno do baavo general
Joo Manoel Menna Barrete, morto no ataque de
Pirabebuy. Para esse acto convida a referida so-
ciedade todos os apreciadores do mrito dease va-
lente militar.
PEIXE SECCO.Acabara de chegar do Ro
Grande do Snl algumas amostras de pcixe aba-
calhoado, secco na fabrica dos Srs. Ferreira Gui
maraes & C, o qual superior tanto no gosto co-
mo no preparo, que lhe conserva o sabor do pci-
xe fresco. Em casa dos Srs. Jos Victorino de Re-
zende A C, ra da Cadeia do Rccifc n. 52, pri-
meiro andar, achaaa-se expostas as amostras, in-
cumbindo-se elles de mandaren) vir qualquer
porcao.
MULHER MA'.Informam-nos quena ra dos
Acouguinhos ha una crianza que maltratada
horriveimente por urna mulher malvada, que so
diz madrinha -)u ta da dita crianca ; chegando s
vezes a tirar-lhe sangue do corpo. Nao podor a
polica por cobro semelhante abuso ? Cromos
qno sim, e por isso chamamos a attencao do Sr.
subdelegado respectivo.
CLUB RADICAL,Hoje haver sessao as 6 ho-
ras da tarde para tratarse da reforma dos esta-
tutos na ra das Cruzcs n. 32 l. andar.
FESTEJOS PBLICOS.Com o lim de solemni-
sar a grata noticia prximamente esperada, o
termo da guerra do Paraguay, inslallou-so no do-
mingo ultimo a sociedade patriticaDoze de Se-
tembroque dehberou promover a organisa^ao de
urna devisio, composta de batalhoes patriticas
que far as honras a um carro do tryumpho que
tem de percorrer as ras da cidade no da que
fr designado.
Para commandar a diviso, no caso de realzar-
se esta idea, foi convidado o Exm. general com-
raandajte das armas que de bom grado acceitou
ste convite.
Para promover a organisacio da diviso, oiegcu-
se urna commissao central compojia dos seguales
senhores :
Dr. Francisco P. Machado Portella, Dr. Francis-
co de Paula Sales, Luiz Goncalvcs da Silva, Dr.
Joaquim Correa de Araujo, Manoel Jo> da Silva
iuimares, Jos Antonio Pinto, Dr. Adolpho La-
menha Lina.
Esta commissao apresentou o seguinte projecto
que foi unnimemente approvado.
A diviso sob o comnundo do Exm general
Fontes se corapor de duas brigadas.
A" primeira commandada pelo Exm. brigadeiro
Colho Kelly, pertencero, o batalhao da Boa-
Visto, corpo acadmico, corpo do artistas, e o es-
quadro de cavallaria que escoltar o carro de
tryumpho.
A' segunda commandada pelo coronel Antonio
Gomes Leal, pertencero os batalhoes do Recife.
Santo Antonio e S. Jos.
A dasignacio dos commandanlcs dos batalhoes
patriticos, a denominato dcstes, uniforme, ordem
da marcha etc. ser determinado por urna ordem
do dia do Exm. general quo ser publicada em
lempo competente.
A nomeaco dos demais officiaos ser feita pelos
respectivos commandanies.
O carro do tryumpho fica a cargo da commissao
central.
facilitar mais o ahitamente das pessoas
que qmzercm.fazer parle desta publica manifesta-
cao de regosijo, a commissao central nomeou ou-
tras encarregadas do alislameulo na forma se-
guinle :
Bairro do Recita.
Upita) do porto Jo Manoel Picaneo da Costa.
Antonio Jos Silva do Brasil.
Antonio Gomea de Miranda Leal.
Luiz Antonio Goncalvcs Peona.
Jos Pedro das Netas.
Santo Antonio.
Jos Rodrigues de Souza.
Dr. Felippe de Figueira Faria.
Manoel Manis l-'iuza.
Firmino J;de Oliveira.
Francisco de Paula e Silva.
Boa Visto.
Decio de Aquino Fonceca.
Antonio Carneiro Maceado Rios.
Joio Francisco Antunes.
Dr. Joio Mara Seve.
Wenceslao M. F. Pereira da Silva.
S. Jos.
Rodoipho J. Barata du Almeida.
Manoel Joaquim Ferreira Esteves.
Joo Antonio da Silva Pereira.
Manoel Antonio Ribero.
CustodioJManoel Theodoro.
Corpo de artistas.
Manoel Rodrigues do O'.
Juvencio A. da Cunha Cesar.
Joao dos Santos Ferreira Barros.
Alexandre dos Santos Barros.
Corpo acadmico.
Antonio Joaquim de Sena Jnior.
Valfrido da Cunha e Figueirdo.
Joo Baplista Guimaraes.
Arminio Alvares Alfonso.
Jos Izidoro da Silva Galvao.
Alexandre Barroso de Souza.
Alexandre Gomes Ferrio Argollo.
Esperamos quo a patritica e enthusiastca po-
pulado d'esla cidade concorrer com seus esfor-
cos para a realisacio desta idea.
ALFORRIA. O Sr. Joaquim Pacheco da Silva,
om loja do. trastes ra da Cruzes, acaba de
pralicar urna accao meritoria ; dando carta de li-
berdade urna sua cria, de nome Emilia, de 8
annos de idade, a qual lhe deve ser entregue no
domingo prximo na festa de Hospital Portnguez
de Beneliceucia.
AUXILIO AO COMMERCIO.O Sr. Pacheco,
guarda-lvros de urna casa commerciil desta ci-
dade, acaba de pnblcar urnas tabellas de transfor-
inacao dos pesos do antgo systema ao moderna-
mente adoptado entre nos metrco-deciraa!, as
quaes sao de rauila vantagem ao commercio, por
facilitareni a oblencao do preco correspondente ao
kilogramma quando conhecido o preco em libra
ou arroba. Acham-se ella venda nos seguintes
lugares : ra do Crespo n. 18, loja dos Srs. Andra-
de e Mello; ra da Madre de Deus n. 24, arma-
zem do Sr. Ainorim ; e ra do Vigaro n. 1, pri-
meiro andar.
CLUB PERNAMBUCA.NO.A partida do corren-
to mez ter lugar sexta-feira prxima, 17 do cor-
rente.
LOTERA.A que se acha a venda a 120', a
beneficio do patrimonio dos orphios, que corre
no dia 18.
PASSAGEIROS.Entrados dos portos do sul no
vapor inglez Oneida :
Chapeman, Wilhelm Olio, Dr. Francisco Elias do
Reg Dantas e um criado, Jean Carrera, Dr. Ma-
noel Fernandes Vieira e um criado, Dimingos
Jos Pinte Braga, Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za, Dr. Floriano Jos de Miranda, Fredenk J.
Corberll, Gregorio A. da Silva.
Alm destes conduz mais 101 passageiros em
Irausito.
Seguem para a Europa no mesmo vapor.
Victorino Jos Pereira de Abreu, James Paul,
Evaristo Simio da Rocha, Christovo Moar, John
Miller.
Sahidos para os porto do sul no vapor
americano Sou/i America:
Ms. Damon, Pedro Marques de Alcntara,
commendalur Euzebo R. Rabello.
CHROMl'A JUDICURIA.
TRIBUXAL DO COHJIERCIO.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 13 DE
SETEMBRO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. DESEMBARGADOR ANSELMO
FRANCISCO PERETTI.
A's 10 horas da mauha, presantes os Srs. de-
putados Rosa, Basto, Miranda Leal e bario de
Cruangy, S. Exc. o Sr. presidente atrio a
sessio.
Foi lda c approvada a acta da sessio de 9.
EXPEDIENTE.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
correteres firmado do 11 do andante, apresentan-
do o boletn) commercial da semana prxima lin-
da.Ao archivo.
Jornal Oficial de n. 195 a 208.Ao archivo.
Assgnaram-se as cartas de matricula de Luiz
Sand A C. e de Francisco Ribero Pinto Guima-
raes.
Lavrou-so termo de transferencia do livro diario
pcrtencc.nte a Manoel Leao Carneiro Pinto para
servir firma de Leio A Reg.
Dislribuiram-se os seguintes livros : Diario c
copiador de Carlos Pinto de Lemos A C. e copia-
dor de Almeida Borges A C.
Expedio-sc a carta de registro da barca nacio-
nal Flecha, propredade de Francisco Joao de
Barros Jnior A Joaa Licio Marques Jnior, os
quaes assignarain o termo de juramento e r#pon-
aabihdada estatuido no arl. 403 do cdigo com-
mercial.
O Exm. Sr. presidente assignou dou3 oulcios
para serem enviados ao conservador do commer-
cio do Cear, e ao Dr. juiz de direito substituto da
vara commercial desta capital.
DESPACHOS.
Requermento de Joo Pedro de Mello, natural
da ilha de S.' Miguel, reino de Portugal, com 26
annos de dude, domiciliado ha mais do 6 annos
nesla cidade, e estabelecido com armazens do mo-
Ihados a rus do Livramento ns. 38 e 38 A, raque-
rendo sua matricula. Aprsenla em abono de seu
crdito commercial um aiiesiado firmado por ba
rao de Nazarelh, Tasso Irmo, Joao Martins de
Barros, Luiz Jos da Cosa Ainorim, Rosa Irmios,
Antonio Joaquim de Va Gomes, Mondes A Cocino, e Alfredo Henrique
('arria.Vi>to ao Sr. desembargador liscal.
De Joaquim Jos da Costa Fajuzes Jnior c Jos
Laurenlino de zevedo, commercianles que fall-
ram sob a firma de Fajozes Jnior A Azevedo,
pedindo sua rehabilitaeio.Autoado pelo aneial
Reg Bangui, que servir de escrivao, ao Sr. desembargador fiscal.
Do Manoel Bernardino Alves, pedindo para se
lhe cerliftear o registro da nomeaco de seu ca-
xeiro Hermino Antonio de Alcntara.Certifi-
qense.
Da Manoel Jos Soares, pedindo que se admita
registro a nomeae/io de seu caxciro Manoel
Francisco de Carvalhe. Registre-se.
De Manoel Bernardino Alves, pedindo igualmen-
te que se admita registro a nomeaco de seu
caixeiro Joo Francisco de MendoncaRegs-
tre-se.
De Antonio da Silva Carneiro, pedindo tambem
o registro da nomeaco que dera a Joaquim Fran-
cisco Mac i el Pinheiro, para caixeiro de sua loja de
fazendas na ra Direita dos Aflojados n. 94.Re-
gistre-se.
De Francisco Jos dos Passos Guimaraes, pedin-
do certido do registro da nomeaco de seu cai-
xeiro brasileiro Francisco de Paula Fernandes
Morara.Certifique-sc.
De Antonio Augusto dos Santos Porto, pedindo
que se proceda a eliminacao do seu caixeiro Joa-
quim Jos da Fonceca Bastos, visto ter daixado de
o ser.Com requer.
De Francisco Rodrigues da Silva, pedindo que
se lhe certifique se existo ou nao registrada a
nomeacio do seu caixeiro Manoel Hoque do Espi-
rite-Santo.Cortifique-se.
Ue Joaquim Innocencio do Espirito-Santo, pe-
dindo se lhe certifique se se acha ou nio regis-
trada a nomeacio de seu caixeiro Leobino Fran-
cisco de Paula.Gerlifique-se.
De Jos Duarto Coutinho, pedindo para se lhe
registrar a nomeaco de seu caixeiro Joao Apolina-
rio Ribero Coutinho.Registre-se.
De Elias Avclino de Barros, pedindo que so lhe
registro a nomeacio de seu caixeiro Manoel Pau-
lino da Silva.Registre-se.
De Joii Baptista Telles, pedindo a nscripc^o de
seu caixeiro Jovino Lydo Ferreira.Registre-se.
De Jos Joaquim Goncalves Bastos, pedindo
certido de continuar ainda matriculado como sen
caixeiro Joaquim Orestes de Albuquorquo Mou-
raCertifique-se.
De Machado A Moura, mostrando haverem sa-
tis'cito a exigencia fiscal sobre o registro de sea
contrato social.Registre-se.
COM INFORMACAO DO SR. DESEMBARGADOR FISCAL.
De Franciaco Joao do Barros Jnior c Joao Licio
Marques Jnior, propnetarios da barca nacional
flecha pedindo carta de registro.Gomo requer.
Sendo 11 lloras e meia do dia, e nada mais
ha vendo a despachar, o Exm. Sr. presidente en-
cerron a sessao.
SESSAO JUDICIAR1A EM 13 DE SETEMBRO DE
1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SK. DESBMBARGADOR. A. F. PK-
RBTTI.
Secretario, Julio Guhnares.
Ao meio dia declarou-se aberla a sessao, estando
reunidos os Srs. deseiiibargadores Silva Guima-
raes, Reis e Silva, Acciol, deputados Rosa, Basto,
Miranda Leal, haro de Cruangy.
Lida, foi approvada a acia da precedente sessio.
O escrivao Albuqucrque registrou o ultimo pro-
teato de letra a 10 do correnle mez sob o n. 1793;
e o escrivao Alves de Brilo a 9 do dito mez sob o
n. 1737.
Remetteii-se para o cartorio competente autos de revista denegada pelo supremo tribunal
de justica entre parles, recrranles os adminis-
trateres da maesa fallida de Seve, Filbos A C,
recorridos kilson Trillon A C.
Remelleu-se tambem para o respectivo cartorio,
os autos de revista decidida pelo tribunal do com-
mercio da capital do imperio (contemplando o re-
crreme como credor cbyrographario) entre par-
tes, recrreme o visconde de Suassuna, recorri-
do os administradores da massa fallida de Joa-
quim Jos Silvera.
ACCORDAO ASSIGNADO.
Embargantes os administradores da massa fal-
lida de Jos de Castro Redondo, embargado Jo
Alves da Cruz.
JULG AMENTOS.
Juzo especial do commercio : appelante auto
Jos Jeronymo Monteiro, appellado reo o Dr. Ig-
nacio Joaquim de Souza Leao, liquidante da ca-
xa filial do banco do Brasil nesta cidade; juize-t
os Srs. Silva Guimaraes, Accioli, Basto e Miranda
LealConfirmou-sc a sentenca appellada.
Juizo municipal do commercio de Pendo: em-
bargante appellante reo Francisco Leitao de Car-
valho, embargado appellado autor Joao Lopes Bra-
ga : juzea os Srs. Silva Guimaraes, Reis e Silva,
baro da Cruangy e Miranda Leal.Foram dos-
presados os embargos.
Appellante Manoel Antonio de Albuquerqun
Machado, appellado Amaro Jos dos Prazeres ,
appellante Mariano Xavier Carneiro da Cunha,
appellado Joao Pinte de Lemos Jnior; appellan-
te Antonio Jos Duarte Braga, appellado o cura-
dor da massa fallida de Thomaz de Figueirdo ;
appellante Jos Joaquim Gomes de Abreu, appel-
ladcs a viuva e herdeiros de Jos Antonio de Bav-
ros Wanderley ; appellados os administradores da
massa fallida de Bernardo Jos Pereira, da cidade:
de S. Pedro do Rio-Grande do Sul, appellado-i
Duarte Pinte A C.; appllante Jos do Reg Mello,
apDellado Antonio Baptista Nogueira.Adiados 4
pedido dos Srs. deputados.
PASSAGF.NS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva : appellante Francis-
co da Costa Maia, appellado o Dr. Jos Eugenio
da Silva Ramalho.
O Sr. desembargador Accioli jurou snspeici
e passou ao desembargador Silva Guimaraes :
appellanles a viuva e filbos de Joo Cavalcami
Acciol, appellado Joao Teixeira Machado.
DISTRIBl'lCAO.
Ao Sr. desembargador Acciol : appellante'
Brosthelman A C., appellado Jos Francisco Ta-
boca.
AfiGRAVO.
Juizo especial do commercio : aggravanle Ma-
noel Francisco Duarte, aggravado Antonio Duar-
te Machado. O Exm. Sr. presidente nao toman
conhecimento.
Encerrou-sc a sessio urna hora da tarde.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Memorndum
PARA OS EXMS. SRS. MAGISTRADOS, QUE TEEM PAR
ADVOCADO PERANTE OS TRIBCNAES OU JUIZOS EM
QUE FUNCCIONAM.
O/Z/rti para a lu, enopara quem acondui.
I
N. 512.Aviso de 7 de Novembro de 1861.
Ao Presidente da Provincia do Rio de Janei-
ro.Resol ve duvidas, apreseuladaa por um Jui.:
de Direito por causa do parentesco entro ello
existente e dous Advogados do Foro de um dos
Termos da sua Comarca.
2." Secco.Ministerio dos Negocios da Justi-
ca.Rio de Janeiro em 7 de Novembro de 1861.
Illm. e Exm. Sr.Levei ao alio conhecimento
de Sua Magestade o Imperador o oflkio dessa Pre-
sidencia, sb n. 1,034 de 18 de Junho do anno
passado, acompanbando copia do um oflicio di >
Juiz de Direito da Comarca do Cabo-Fro, propon-
do as seguintes duvidas : 1", se existindo cm um
dos Termos daquella Comarca dous Advogado,
sendo um Sobnnho e outro Cunhado desse Magis-
trado, poda, quando all abrisse correcio, rever
os autos em que tvt-ssein intervindo esses Advo-
gados?; 2', se as appellacoes crimes, recursos o
aggravavosdeviadar-se desuspeilo?; V,minera
consentir, que esses Advogados defendam ou aecu-
sem no Jury, que presidir f; 4', em lodos es pro-
cessos que poder ir ao Juiz de Direito era gru do
recurso, ainda quando as respectivas razos nio
sejam produzdas por aquellos Advogados, qual
de ver ser o seu procediineuto ?; .ia, finalmente, se
as disposices da Ord. Liv. 1- Til. 48 29 o Til. 70
43, e dos Avisos de 12 de Novembro de 183":
n. 106, de 29 de Setembro de 1845 n. 266, de 3 do
Deiembro de 1833 o n. Uo de 27 de Abril do
1833, comprehendem tambem os Sobrinhos ou s
os Cunhados, limaos e Filhos do Julgador ?
E o Mesmo Augusto Senhor, conformando--;:
com o parecer do Conselheiro Procurador da Co-
ra Soberana e Fazenda Nacional, Houve por bem
decidir, quanto Ia duvida, que nao ha inconve-
niente, em que o Corregedur tome conhecimento e
pro veja em processos onde lenham intervindo,
como Advogados ou Procuradores, os prente- o
Cunhados, de que tratam as Ordenacoes. porqao
elles de facto nao procuraran) leante o Correge-
dor, mas perante Juiz disliucto. e para com quem
eram desempeddos; quanto 2*, e 3", 911a deve
darse de suspeilo, porque a Ord. Lio. 1 Tit. 48
20 () o prohibe es prestamente nao fuzeado dis-
tineciio alguma, e, no Tribunal do Jury, i contid--
rado tambem Julgador ageite que uppltca a Lei
ao facto; quanto 4*. que, se oyrecursos nao-
forem escriplos ou assignados^por Advogados im-
pedidos, poder conhecer delta, saleo se souber que
taes recursos sao obra dais Advogados, seus pren-
les, em fraude da Lei,/porque, em tal caso, abri-
gado dar o exempto de idelidade mesiu.i
Lei; quanto o\ finalmente, que ai Ordenaron
e Avisos citados s comprehendem Pai, Irmiio n
Cunhado do Julgador no mesmo gru. O que lhe
communco para sua intellgencia.
Dous Guarde V. Exc.Francisco de Paula
Negrciros Sayo Lobato,Sr. Presidente da Pro-
vincia do Rio de Janeiro.
U
N. lO.Justica. Avfjo de 8 de Marco de
1866.
Ao Presidente da Relace) da Corle.Declara,
quo s por Le expressa pode *er estabelecda in-
compatibilidade entre-o offlcio de Advogado, e O
cargo de Empregado publico.
J."'Seccao.Ministerio dos Negocios da Jus-
tica. -
Rio de Janeiro em 8 de Marco de 1868.
A' Sua Magestade O Imperador foi presente umi
representacao doBacharel Augusto Jos de Castro
e Silva, que so queixou contra o acto dessa Presi-
dencia, declarando ao Juiz Municipal do Termo do
Nictheroy, que nao devia considerar na tramen
dos Bachareis, que crtectivaroente exercem advo-
gacia, aquelles que, sendo Ofiiciaes das Secreta-
rias de Estado, estio por este emprego material-
mente imposibilitados dc'desempenhar os deverea
do offlcio de Advogado.
E o Mesmo Augusto Senhor, Tendo envida
o Conselheiro Consultor dos Negocios da Justica o
a Seccio da Justica do Conselho le Estado, llouvo
por Bem, por Sua Imperial Resoluco de 8 do
Feverero ultimo, Mandar declarar que esta incom-
patlbilidade, importando vm obstculo a confianc.',
das parles, e urna limitacao da liber ade garanti-
da pelo art. 179 $24 da Constitinciio, s por Lei
expressa pode ser estabelecda.
Deus Guarde V. Exclas Thomaz babu-'>
de Araujo. Sr. Presidente do Tribunal da
Corte.


() Consta-nos que nessa conformidade ja se
leem dado por suspcltos s Exms. Srs. desembarga-
dorea Freitas Honrquos, Domingues da Silva, Gi-
tiranai Santiago, Guerra, Custodio Guimaraes,
Alexandre Bernardino e outros, quando so tem
apresentado porante os Tribunaes, do quo sai
dignos membros, Advogado, que sao seus pare
ou aCm-al o segundo gru.
\


r
4
UEGftfH


rs
Diario de Pernambuco Quarta fetra 15 de Setembro de 186*
Elei(?ao

i,- i devoto* i|uo u* a dd nosilfciM.il a
Ntjssa Seuhora do Smaculo na ogreja do i
vho Espirito Santo, e n 8 do setembro do anuo
187C
Juiz protector.
O Illm. Sr. Manoel Goncalves Agr.
Juizas por eleicao.
Os Illms. Sis. :
Dr. Joaqun Correa de Araiijo.
ir. Bunio Ji.s di Cosa.
Dr. Alexandre da Soma freir do Carmo.
Jaitas por eleicao.
As Ex mas. Sras.:
Barnima de Villa-Bella.
Baroneza de Cruaniiy.
HMtesa de Bonifica.
Juizes por devofao.
Os Hma.flr.:
Manoel Alvc< Santiago.
Antonio Duarte Cyueire vianna.-
Joaanim Montero di Cnu.
lanas por eKM.
\t ExtnfTs. Sras .
Pima Al Illm. Sr. 0:11 nendador Ignacio Joaquim
d i Soasa yStn. n.
do Illm. Sr.commil.id-r Luz Jo=e U-
reira Sunoes. ,.,.,
Consorte do Illm. Sr. Jos Joa-raim da Co.-ta
Mala.
Kscnves p>r eleicao.
Os Jllm. Rr:.:
Aatouio ('. >rr.i de Vaseoaeellos.
Comm.mdid >r Jos Jiaqulm do baria Machado,
i tolo d.; Albuqoeraaa Gama. _
Bserfias por oleiijao.
As Exina. Sras. :
Consorte do Illm. Sr. Antonio ie M "'1 R,)|1IU-
(. orte d'i liin. Si. J .a Mirtitrs de Borro*.
Consorte do illm. Sr. Manoel Joaquim da Mlva
BrasHeito.
Escrives por devoeao.
O Illms. Srs. :
liento Jos Cordciro.
Paulo Jos Gomes,
i raoebeo Jos da Costa Bibeiro.
Escrivas por devoro.
As Exmas. Sras. : __
Consorte do Illm.r. Jos de Az evedo.Andrade.
Conforte do Illm. Sr. Js Biptita Braga.
Censurte do Illm. ^r. Jos Joaquim Alvos.
Tliesoureiro.
O Illm. Srs. Antonio Francisco das Santos.
Procarador.
( Uhn.'Sr. Manoel Fernandas da Silva.
O vigario Antonio Marques de Lastima.
Pooseea Bastos, Dr. Joaquim Josa de Campos da!
Mcdoiros de Albuquerquo, Joa(|Um Haia do |
Espirito Sanio, Joaquiui de Sonta Aleve*, Jos
d'Avila Riancoiir Meiv, Jos Antonio Gomes
N'ctto, Jos liento do Andrade, |>adre Jos Fran-
cisco Borgi's, Jos Gomes Morda, Jo- Joaquim
da Costa Maia, Jos Joaquim de Oliveira, Jos dos
Santos Villaia, I.ourenro Hachado Dias, D- Maria
Luiza da Conceico Ferreira, Manoel Camello Pes-
sa, Manoel Jos de Araujo, Manoel Jos Luiz Bi-
eiro, Manoel Soares de A., Manoel da Silva
Pontes, Nicacio Freir de Andrade, D. Pnscilla,
secretario da directora do Imperial Instituto Ver-
nambueano, Dr. Silvino Cavalcanti de Albuquer-
que.
Correio gornl.
Belaco das caitas registradas rindas do sale
norte pelo- vapores utida e South America,
para os senhores abaiso declarados :
Antonio de Souza e S (i), Alfredo Gassier, Augus-
to Mareal Vaz Cerqueira, Antonio Alves de Ma-
raes, Antonio Jos Leal Res, Antonio Lopes Br.v
-a Eduardo J. Carrsll, Francisco Lama Silva Cos-
ta, francisco da Silva H'-gn, Joaquim Francisco do
Espirito Santo (2), Joaquim Uicardo Monleiro de
l'aiva, Joo Antonio Gomes Guimaraes, Jos Mo-
reira da Silva Jnior, Jos de S I.eitao Jnior,
Luiz Antonio de Siqueira, Dr. Luiz Folippe de
Souza Leao, Luiz Goncalves da Silva & C, Mello
Lobo & C. (i), Manoel do Nascimento Ferrador,
Dr. Pedro Antran da Matla e Albuquerque, capi-
llo Seraum. padre Vitali.
C0MPAM1IA BRAS1LEHU
1)E
Paquetes a vapor.
Dos portes do sol esperado
at o dia 21 do crrante o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
J. P. G. Alcoforado, o qnal de-
pois da demora do eostume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dover
ser embarcada no da de sua clicgada. Encommen-
das e dinheiro a frete al o dia da sua sahida as i
horas. _
Noserecebemcomo encommendas senao ob
lectos de pequeo valor e que nao exoedam a duaf
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medican.
Tudo que passar dostes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Provine-sc aos Srs. passageiros, quo suas pas-
sagena s so rucebem na agencia a ra da Cruz
o. 37 primeiro andar, escriptorio de Ant< nio Luiz
do Oliveira Azcvcdo & C.
Aos 20:00(^000.
Bilhilos do Rio a venda, na do Cabug n. 2
Casa da t. Prego* doeosluwo.
CAS A DA F.
Troco miudo.
AMA
Da-so lioin premio prr scdulas de IJ00, S*;
:5, IOi o 903 (nova e-lampa: na ra-ade TBico-
.lo-ro Siinoff V C, largo do Pelourinho n. 7.
Precisaseu\i urna ama para o servieo interno e
externo de urna casa de pequea familia, prefere-
se escrava : na ra das Cruzes n. 28, I* andar.
casa7e ri:\iioii;s.
Ti'avesn las Cruzes n. 9.
O abaiso atsifnndo avisa a todas as pessoas que
leen penliores vencidos em sua easa, que nao os
resgatando at o dia 30 do frrente, lar leilao
publico do ditos penliores, de conformidade com a
disposico co art. I) das instrucr;.oes cm vigor, salvo
ge lorem as cautelas de taes penliores reforcad is
convencionalmente Recife 13 de sotembro do 1809.
N. Danheisser_________
Na ra Direita n. 29, andar, ha urna es-
crava para se alugar que taz os servaos de urna
casa. ___________.
Anr.a de leite
Precisa-sc do urna ama de leite : a tratar na
ra Direit a. .
IEMPRESTIMO S0BRE|
OPERA ITALIANA
Depois do espectculo
CESAS
32Ra do Imperador
COMMERCIO.
1869
PRCA DO RSCIFEH DK SErESIBlODE
kS 3 1/2 HORVS D.V TAHDE.
Alg )J"o de Pernambuco sem inspeccao ltlJU
por kil. (hontem). ,
A'godao de Pernambuco l4 sorto llto por
Lil. (hontem).
A'godao de Macei l sorte-liW por kil. posto
a bordo, frete .!e 5-16 e o t)|'J (hontem),
|.-lo de dito 2a sorte13246 por kil. posto a bordo,
frete de 5/16 d. e 5 |0 (hoje).
Algodao da Parahyba I' sorte 15246 por kil.
posto a bordo, frete de 1/2 o o 0/0 (hoje).
C.mhio sobre Londres 90 d/v. 1 7|8 d. por
14000 (hoje).
Cambio sobre Paris90 drv 473 rs. por franco
(n"p>- i ani s
I ote ite usurar d.iqui para Liverpool = 20/ o
0i0 por tonelada (hoje).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEG.>.
nmdimontododia 1 a 13. 284:5134873
Mera do dia 14......5o:9804301
O inspector interino da alandega, faz pu-
blico que per autorisflo da ihesouraiia de fa-
zenda em porlaria n. 136 de II do crrente, sarao
levados a hasta publica a porta desta rcparlieao,
pela t hora da tarde do dia 18 do presente mez, os
obiectos abatxo declarad*!, livre de direitos ao ar-
rematante, fiando dependente da Exma. presi-
dencia da provincia a approvacao da arremalacao,
*i **;il)6r "
i braco grande de ferro para balanca, I dito
menor, 2 conchas grandes de pao chapeadas de
ferro com corremos, 2 ditas menores dito dito sem
correntes, 34 pesos de bronze de diversos lana-
nhos 100 ditos de ferro ditos ditos, 61 caixilhos
para janellas com parte dos vidros quebrados, 8
rades da ferro para janellas com rede de rame,
4 rolos de laa empastada c alcatroada para forro
de navio, 11 varetas do ferro, 1 porlao grande de
ferro, 2 bandeiras de dito, 6 oculos do dito, 2
grades d ferro para janellas. 2 ditas dito meno-
res, 3 cuindastes do ferro, 1 bomba para auagar
fugo, 15 rodas de ferro para carros de mao, 1 car-
ros grandes de eaixlo com 4 rodas, 4 bandas de
porlas, 4 portees de madeira das mesmas, 2 gra-
des de'madeira envernadas, 2 portaos das mes-
mas, 13 meiai portas para janellas, 1 rolo de
chumbo pesando 228 kilogrammas, 1 porcaode
zinco da coberta no trapiehe, pesando 7,150 kilo-
grammas.
Alfandega de Pernambuco, 14
1869. .
O inspector interino,
L C. Paes do Andrade.
Corapaiihia americana c
de naauctcs a
fcrasilei-
na
pri-
ra ae paquetes a vapor.
Al o dia 13 do correlo esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
South America, o qual depois da demora do eos-
turne seguir para os portos do sul, para frates
e passagens trata-so com os agentes Henry I*us-
ier & C, ra do Commercio n. 8.____________
Kio de Janeiro.
Para o indicad porto, pretende seguir com
muita brevidade o briguc nacional tabel, por ter
a maior parle da carga engajada, e para o pou-
ci que lite falta, trata-sc com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo t C, a ra da
Cruz n.57, primeiro andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de pequea
familia : na ra da Senzalanova n. 112, terceiro
andar,________________________________
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinlnr e com-
prar, pagando-se bem : na ra da Cruz n. 10, 2"
andar.____
Boga-so pessoa, em poder da qual, exisie
nina letra vencida, ou a vencer nestes dias, c fir-
mada por Cincinato Velloso da Silveira, o favor
de a aprasentar na na da Mangueira n. 7, para
ser satisfeia a iaiporianria da mesma._________
LEILOES.
Attenco
Precisaba de offlciacs de caldeireiro e latoeiro :
na roa d llrum n. 34.____________________
Preci*-se alugar uin criado mi molequo de
idade dol a 14 anuos; na ra da Cadeia do Be-
cife n. ojjiojade chapeos. ^^___
de setembro de
LEILAO
:}
Pela secretaria da cmara municipal Ue-ia
cidade se faz publico para conhecimento dos inte-
ressados. que a requerimento de um pretndeme
a arremalacao do imposto de affencoes, flcou a
mesma nesta dato espacada para o dia 22 do cor-
rente. .. .,
Secretaria da cmara municipal do Beeife, 14
de setembro de 1869.
O secretario,
Francisco Cannto da Boa-viagem.
340:4944174
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volames sabidos cora fazendas
dem idem com gneros
43
452
------495
503
922
------ 937
Descarregam hoje 13 de setembro
L.-igue inglezlesse Scotlmercadorias.
Galera fraocezaAmelleidem,
Warca inglezaGazelln idem.
Darca italanafloja-dem.
Drigee suecoHelenatoboado.
Urigue liollandez-Corn de trigo.
Brigoe portuguez Bella Ftguereiue vanos g-
neros.
Barca portuguezaS. Joaodem. ,,_,
KECEBEDOBIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Uendimento do dia 1 a 13. *5:?*2*:'?i
dem do dia 14....... >:8i6o0
14:181*974
THEATRO
DE ____
S. ISABEL.
Enpreza lyrlea italiana.
Quarta-feira 15 de setembro
Bareciiade assignatura (lia do contrato)
ESTUFA DO PRIMEIRO TENOR SR. B0-
NACICH
na opera trgica em 3 actos de Bellini
NORMA
DE
caixascom queijos decoalha
HOJ
O agente Pestaa far leilao de queijos de
coalha cm un ou mais lotes, hoje s 1
da manhaa no armazem
As Sras. Maria Jos Cervilha de Mello e Isa-
bel Rozinda de Mello tem urna carta vinda do Kio
Grande dotforte, no largo do Corpo Santo n. o,
armazem.
Uospial Portuguez de Beneficen-
cia cni Pernambuco.
do Annes.
de arroz descascado 17 do
corrente.
O agente Oliveira far leilao por canta de quern
pertencer, do 80 saceos de arroz descascado de
limito superior qualidado, o em lotes vonlade
dos pretndeme* :
ftcxta-felra 1J do corrente
s 11 horas da manhaa em ponto, no armazem do
Sr. Annes, defronto da arcada da alfandega.
AVISOS DIVERSOS.
4XSTITLT0 ARCHEOLOdlCO E GEOGR APHICO
Persona gens
Tollione. pro-consul romano Sr.
Norma druina Sra.
Adalgisa
Clotilde
Flavio, amigo de Pollione Sr.
Oroveso, chefe dos Duridos
Dous meninas fllhos da Norma.
Os bilhetcs vendem-se so no dia do espectculo
Principiar as 8 horas.
Actores
Bonacich.
Amaidi
Picrotti.
Bergeri
N. N.
Scolari.
llavera sesso ordinaria quinta-feira 16
do corrente setembro, pelas 11 horas da
mauliaa.
OllDKM DO DI.V
Pareceres e mais trabalhos de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, 13 de setembro
de I89.
Jos Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo. ____
CONSULADO
uendimento do dial a 13.
dem do dia 14. .
PROVINCIAL
. 27:4395550
. 1:3584382
28:797*932
AVISOS MARTIMOS.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 14.
) .'.o de Janeiro e Bahia6 dias, vapor inglez Onei-
da, de 1,372 toneladas, commandante V. lleeks,
equipagem 115, carga varios gneros ; a Adam-
son Howive & C. .____
r.'ew-York por S. Thomaz e Para22 das sendo 6
do ultimo portoVapor americano Sonth Ame-
rica, de 2,000 toneladas, commandante Tenkle-
pang, equipagem 62, carga vatios gneros ; a
Henry Forster A C.
Navios xah idus no tnesmo da.
io de Janeiro e BahiaVapor americano South
America, commandante Tenklemangh.
Southampton e portos intermediosVapor inglez
Oneida, commandante F. Reeks.
Kio Grande do Norte Brigue norueguense Ener-
te, capito I. Iverscn, em lastro.
LiverpoolVapor inglez Saplnjra,
A. Hyle, carga algodao.
C0MPANH1A PERNAMBUCANA
DE
XaTegaco eostelra por rapor.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear,
Manda.hu, Acarac e Granja.
O vapor Pirapama commandante
Torres, seguir para os portos
cima no dia 15 do corrente as 5 horas
la tarde.' Becebe carga at o dia 14, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete
2 horas da tarde do
io Forte do Mattos n. 12.
-m.
O abaixo assignado avisa ao respeitavel pu
blico, que nao se responsabilisa por qualquer ob
jecto que seu escravo Basilio v comprar fiado.
Baphacl Fernandres branles.
Perdigueiro
Dcscncaminhou-se um cachorro perdigueiro, de
cor pedrez, eom grandes inalhas cor de caf no
lombo : tem orelhas compridas da mesma cor :
quern dclle der noticia na ra Nova n. 11, ser
bem recompensado.__________________________
Trecisa-se de urna ama de leite : no pateo
de S. Pedro n. 10.
Attenqao.
Preeisa-se alugar um sitio que tenba urna
casa de vivenda com 6 ou 7 aeovas, e fra della,
. habitacoes para quatro criados. Descja-se quo
horas'da tarde do dia da sahida no escriptorio dito sitio seja nos arrabaldes desta cidade e com
preferencia em o trajelo da va frrea de Apipu-
cos. Dirijam-se os donos verbalmente ou por es-
criptoao consulado francez, ra do Trapiche Novo
n. 14.
commandante
0MPANI1IA PEKNAMBUCANA
DE
Xavega^o eostelra por vapor.
Goyanna.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para o porto cima no
dia 16 do corrente as 9 horas da noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n > escriptorio do Forte do Mattos
n.12. _________
DECLARACOES.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarlo em praca nos dias 9, 13 e 15 do corrente
i ara seren arrematadas por quern maior preco
/ .-Tereeer as seguintes rendas municipaes;
Imposto de affericao de pesos c medidas pea
cuanta de rs. 19:00014000.
" Imposto de 100 rs. por carga de farinha e ou-
t.-os legnmes vendidos nos mercados pblicos por
' Aluguel'do talho n. 16 do quartoiro do lado do
norte .lo acougue da ribeira da freguezta de s. Jos
^s7'aemttca sero feitas por um anno ;
aquellos que pretenderem concorrer a ellas, dovem
i Ibilitar-e na forma da lei, e apresentarem> dous
d as antes as suas habitac5es para serem julga-
'SAs cond55es para taes contratos sero declara-
das antes de entrar a praca.
Paro da cmara municipal do Beeife I ae se-
(embro de 1869. ^^ de ^nos Barret0j
Pro-presidente,
Francisco Cannto da Boaviagem,
Seereurio.
HMUA BRilSlLElRil
DE
Paquetes a vapor,
Dos portos do norte esperado
at o dia 30 do corrente o vapor
Guar, commandante o Io te-
nente P. II. Duarte, o qual de-
pois da demora do eostume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete al as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
iectos de pequeo valor e que nao excedara a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens so se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo C.
Ao commercio.
Jos Domingues Pereira com quanto jnlgue a
firma de Pereira & Braga a ninguem nesta pra^a
estar devendo, convida com tudo a quern a ella se
julgue credor, a quanto antes procurar cobrar do
annunciante por a ter dUsolvido com Pedro Fer-
reira de Araujo Braga, e ficar somente na posse
dos cslabclecimentos.
2:
O n. 814 da lotera 293 com a sorte de 2:0004
foi vendido na ra do Cabug n. 2, Casa da F, e
continuara a vender os da seguinte loteria n. 194.
Correio geraL
Belacao das cortas registradas existentes na ad-
Stracio do correio derta cmade, paraos se-
nitores abaixo declarados:
D. Anna Franriliua da Cunta. Antonioi da Cu-
nha Pereira Bairo. Antonio da Costa Bego Lima,
AoUTFtoSfte Aranio, Antonio Joaquim de
IVovaes, Antonio Luiz de Fams, Antonio Pereira
Pedro Ferreira Lima, Barao do Bemfica desem-
fcargador Bernardo Machado da Costo Do a, Car-
neiro & 'Nogueira, Carlos da Silva Araujo Dn
Francisco Brederodes de Andrade, Dr. Francisco
de Carvalho Soares Brando, Francisco Lopes da
.S.lva, Francisco Martins Bapso, tenenU-coronel
Memeterio Jos Velloso da Silveira (2), JUBtino
Minoel Baos, Jnstioo Jos de Son Campos, .
Jjoaiuina Marta do Sacramento, Joaquim Jorge da
Fugio no dia 1- do corrente, do engenbo
Duas Boceas, sito na freguezia do Bio Formoso, o
escravo cabra claro de nome Saturnino, sendo sec-
co de corpo, alto o fallante, ps bem fettos, veio do
serto do Piauc e foi vendido nes,a prafa em
julho prximo passado pelo Sr. Pedro Jorge da
Silva Kamos, e suppoe-se que fugio par omesmo
sertao, levando cal^a e camisa de algodozinho,
chapeo do couro e um matulao de couro de ove-
llia com alguma roupa : por isso pede-se as auto-
ridades policiaes e capites decampe de o cap-
turar c entregar no mesmo engeoho ao sen senhor
Sebasto Antonio Acciolv Lins Wanderley, on no
Beeife, ra da Moeda n, 5,2 andar, escriptorio de
Manoel Alves Ferreira k C que sero generosa-
mente recompensados. ^^______
A junto administrativa do Hospital Portuguez
do BeneJlBMicia cm Pernambuco, faz publico que
o 14 anniversario da stollac.3 desto pi institu-
to, ter logar no dia 19 do eorreftte mez no seu
estabelecimento do Cajueiro. As II horas da ma-
nhaa haver missa cantada, pregando ao evangs-
lho, o Bvm. Sr, frei Joaquim do Espirito Sauto.
Em seguida se praliear urna aeco meritoria,
digna por certo de ser emitada : o Sr. Francisco
Jos da Costa Araujo membro da actual junta ad-
ministrativa, qnerendo com sua Exma. esposa a
Sra. D. Vicencta Perpetua Freir de Araujo, com-
memorar o anniversario do urna instiluicao toda
de caridade, tem resolvido dar gratuitamente car-
ta de liberdade aos seus escravos menores Tho-
m, Bila e Crescencia, ficando ainda a cargo
d'aqncllcs Srs. a educacao destes menores. Ter-
minada a fesla, e este acio de caridade, tora lu-
gar o jantar aos enfermos, que sero servidos
pelos membros da junta. A tarde havera o cos-
tumado leilao de prendas, ofTerecMas ao hospital,
cujo producto applicado nos soccorros dos ne-
cesitados enfermos. Tres bandas melitares toca-
rao escolhidas pecas de mnsica durante o Joriao,
sendo urna dellas'a da sociedade BELLA UNIAO
que de bom grada se presta em obsequio ao Hos-
pital Poruiguez. Este o suas dependencias, esta-
r a disposieo do todos os concurrentes que o
queiram visitar, desde as 9 horas da manhaa, at
as 9 horas da noute.
A junta administrativa, nao querendo encom-
modar com fastidiosas circulares, ou cartas pe-
dindo donativos a todas as pessoas que se dignam
sempre e todos os annos, concorrer com as suas
ofTertas para abrilhantar os festejos do anniversa-
rio do Hospital Portuguez em Pernambuco, se
prevalece da occasio para solicitar da caridade
que extremosamente caracterisa a populacao des-
ta. cidade. essos donativos que maior importancia
devem trazer ao seu basar de prendas, naquelle
c.-i.ilH'locimcnlo. .
E contando a mesma junta administrativa que
com benevolencia e cariuho ser ouvida, vein
desde j pela sua parte, o em nome de seus com-
patriotas desvalidos que se abrigam pelos seus
solTi'iuientos as enfermarlas de to pia institu-
cao, agradecer a todas as pessoas que se digna-
rem por qualquer maneira concorrer com o seu
bolo para too humanitario fim ; sendo que os
encarregados dessas recepedes sao os seguintes
senhores :
Beeife, 11 de setembro de 1809.
Francisco Joo de Barros,
Provedor.
NO BECIFE.
Antonio Jos Coimbra Guimaraes.
Marcellino Jos Goncalves da Fonte.
Antonio Henriqne Bodrigues.
Jos Joaquim de Lima Bairo.
Joo Pereira Moutinho.
Fancisco Joo de Barros.
EM SANTO ANTONIO.
vn. Jos Joaquim da Costa Maia.
^Gaspar Antonio Vieira Guimaraes.
Antonio Correa de Vasconcelos.
Custodio Jos Alves Guimaraes.
Antonio Alves Lebre.
BOA-VJSTA.
Joo Francisco Paredes Porto.
Flix Pereira da Silva.
Francisco Coelho Brando.
Jos Alves Lima. .
Domingos Antonio da Silva Beins.
S. JOS'.
Pedro Jos da Costo Castello Branco.
Jos Luiz Ferreira da Costa.
Tlieotonio Flix de Mello.
Joaquim Antunes da Silva.
Jos Jeronymo da Silva. ._,,-.
PASSAGEM E CAPLNGA.
Miguel Jos Barbosa Guimaraes.
Jos Monleiro de Siqueira. (J
Jeronvmo Joaquim Fiusa de Obveira.
OLINDA. i
Angelo Bautista d* Nascimento.
Luiz Jos Pinto da Costa.
Antenio da Cruz Ledo. -
Beeife, 11 de setembro de 18b9.
Francisco Joao de Barros,
Provedor.
(SEM LIMITE.)
Na Iravcssa da
das Crnzcs n, %
meiro andar, da-so qual
quer qnana sobre ouro, 1
prata e pedras preciosas. 1
O 4ono deste estabelecimento, \
competentemente autorisado pelo
governo, est as condices de ga-
rantir a transaeco que se ftzer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em sen esta-
\ belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro, jj
m prata e brilhantes.
$wmmm mmm mmm
CASA FELIZ
Aos 20:000*1000
\o Recife arco da Concelco a. <
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis lera exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Bio de Janeiro na casa
cima aonde se pagaro as sortes quo sahirem
no mesmo bilhete com o descont da lei somente.
PBECOS.
Bilhete inteiro 245000
Me.os 12K)0
Quarlos C^OO
E de 1003 para cima a 225 o bilhele.
Figueircdo & Leite.
FIO 15E:V!X1
Barbante
Em casa de Rabo ScbmeCau A C. Corpf>
Santo n. 15.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelp seal.
COGMAC IIE^^FSSir.
Em casa de Rabe Sclimettau A C. Corpo
Santo n. l'.
CAHMPANHA
SUPERIOR*
Roussillon, carte blanche.
Km casa de Halio ttclimettan A
Ci. Corpo Nant n. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CIIATEAU RAUZAN
Em casa de Rabe Schmettau & C. CorjK-
Santo n. 15.____________
Club Pernambucano
A partida do corrente mez ter lugar n;i
noite do dia 17.
Aluga-se o Io andar do sobrado da ra de
Apollo n. 28, lado da frente, proprio para escrip-
torio : a tratar no armazem do mesmo._________
Notas das caixas liliaes do banco do Brasil
trocam-se eom mdico descont, na loja de Manoe1
Soares Pinheiro, praca da Independencia n. 22.
f
GRANDE HOTEL
DE
ORIENTE
Ra larga do Rosario n. 44
Espcci-.lidade na preparaeao dos gneros ali-
menticios, promptidao e asseio as encommendas
i boa organisacao no estabelecimento. Beccbem-
se assignaturas para o estabelecimento e a domici-
lio, facilito-sc a leitura de- jornaes nacionaes e es-
trangeiros. Espacosa sala para o elegante jogo de
bilhar, e ha decente e commoda hospedagem.
Compaahla Pernambncana
De ordem do conselho de direceo da compa-
nhia Pernambucana se faz publico que somente
al o dia 30 do corrente mez sero aceitas assig-
naturas de acebos da mesma companhia cuja
emisso se. acha annunciada. Pernr mbuco 2 de
setembro de 1869.O gerente, F. F. Borges.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A* OIIMDA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas electuarem no praso
de 10 dias (a contar do dia 5 de setembro
prximo) a 4aprestac3o de suas acr'es na ra-
zodelOn/o- Para esse ^m ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteis
desde as 11 horas da manhaa at s 2 da
tarde no seu escriptorio, ra Nova n. 3.
Escriptorio da companhia, 30 de agosu
de 1860.
Io secretario,
Iheo. Just.
SRVEME
Na roa estreita do Rosario n. 35, pri-
meiro andar, casa de urna familia que for-
nececommedorias precisa-se para todo o ser-
vico de casa e ra, de serventes livres ou
escravos, preferindo-se ostes.___________
Ama
Precisa-se de urna escrava que cosinhe o dia-
rio de urna casa de familia, faca as compras, pa-
ga-se bem : na ra dos Pires sobrado n. 27.
Por ordem da directora sao convidado-
os senhores possuidores de accoes desta
companhia. por traspasso dos accionistas,
comparecerem no escriptorio da compa-
nhia, 1 hora da tarde do dia 15 do cor-
rente aGm de que se inscre ^am no livro
competente e fiquem habilitados recebei
os respectivos ttulos de accoes.
Escriptorio da companhia, 11 de setem-
bro de 1800,
Titeo, hut.
Io secretario.
Dividas.
O abaixo assignado, arrematante das dividas do
espolio do finado Jos Manoel Pereira de Menda-
nha, avisa aos devedores do dito finado que man-
dem sati-fazer seus dbitos, no praso de 30 das,
contados da data deste, findo o qual proceder a
cobranca judicialmente ; na ra das Lineo Pontos
n. 82. Beeife 2i do agosto de 1809
Joo tle Azevedo Pereira.
AMA
Precisa se de urna ama que compre, cozinhe
engomme, para mulher e marido : na ra da Pal-
ma n. 29.
Aluga-se a casa n. 28 da travessa de S. Joao
com 2 salas, 2 quarlos, qui-ital e cacimba, preco
de 14*000 : a tratar no mesmo lugar. _______
16 a
Precisa-sede um caixoiro de Idade
18 annos : na ra da Cadeia-nova n. 7^
de
O abaixo assignado nao se responsabilisa por
conta que os seus empregados contralurem era
nome do abaixo assignado. Beeife 13 de setembro
de 1869. ,
Luiz da Fonseea Macedo.
Ama de lcilc.
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar
ra da Imporatriz n. 53, loja de marcineiro.
na
"i
Aluga-se
urna casa em Beheribe : a tratar
Bego, ra do Commercio n. 34.
com J. I. de M.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor
Macei, escalas, Penado e Aracaj.
rii O vaper Potengi, commandante
J(XL Pereira, seguir para os portos cima
Wmmti no dia 15 do correte as 5 horas da
tarde. Becebe carga at o dia li, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde do dia da sahida no escriptorio do For-
te do Mattos n. 12.
BAHA
Prancisco Bibeiro Guimaraes & C partici-
pan! ao respeitavel corpo do commercio e a quern
mais possa interessar, que no dia 9 de corrente
compraram ao cr. Bernardino Jos da Medeiro, a
taberna sita ra da DetencSo n. MS, livre e de-
sembarcada de dbitos e de qualquer onus : se
algucm 3e julgar com direito a qualquer reclama-
cao, comprela na mesma taberna, no praso de 4
dias, contados da publicacao deste. Beeife 11 de
setembro de 1669.___________________________
Perderam-se
duas chaves de cofre, segaras por urna corrente
de prata, desde a roa do Qneimado at ao pateo
do correio : quem as achar e as qnizer entregar
na praca da Independencia n. 22, ser recompen-
sado. _______________.
O palhabote Garibaldi, capito Custodio Jos
Vianna : a tratar comfasso Jrmos.
Caixeiro
Precisa-se de um homem para caixeiro de urna
padaria, que tenha praca e d fiador de sua con-
ducta : no pateo do Terco n. 38._____________
A Arcadia Pernambucana manda cele-
brar amanha, pelas 9 horas do da, urna
missa na matriz da Boa-Vista pelo repouso
eterno do bravo general Jo3o Manoel Menna
Barreto, fallecido heroicamente no memora-
tet combate de Pirabebuy; e para esse acto
de religiao e patriotismo convida a todos os
cidad5os sem distincclo de classe.
O secretario,
J. de S e Albuaueroue Jnior.
- O pianista Annibal aple, son da men-
t da sociedade Philarmomca do Bio de Janeiro
da Associaco Musical de l^boa o rKentamonte
condecorado com o habito de Chnsto p >r S- M-
Fidclissima de Portugal, de.norando-se ;nda1;
gum lempo nesta cidade cora o fim de dar i Iguns
concertosVencarrega.se durante esse_ tempe^de
tomar urna oa duas d.scipulas me se queiram
aperfeicoar no estylo moderno do piano eras-
truir-sc no novo methodo harmnico do celebre
planista Gottochalk. trato-se com o pianista no ho-
tel de rUnivers, na ra do Trapicne-novo ^das 9
da raanha at 1 da tarde. No mesmo Jugar se
achara b.lheles para o sen primeiro conceno
Precisa-se comprar ou alugar um sobrado
tde um andar, ou casa terrea, cora bastantes com-
modos para familia : quem ver nuncieondi-
rijase arpado Hospicio n. 24, sendo nos bagros
de Santo Antonio ouBoa-Vtsta.___________
Na travessa dos Expostos, sobrado n. 18, !
andar, faz-se comida para fra, lava-se roupa e
engomm-se. tudo com asseio e promptidao.
Club Pernambucano
O empresario do Club Pernambttcanr.
tendo cedido os salos daquelle edificio a
Sr. Jos Coelho Barbosa, para um con-
cert musical, vio hoje cora bastante sor-
presa e admrac3o um pomposo annunco
daquelle Sr. no qual promette um wrev
particular para lodos os gostos.
E como quer que nao concorde o empre
sario com os caprichos da phaniasia do
Sr. Coellio, vem protestar contra seme-
lliante divertimento para o qual n3o pode
prestar-se o edificio do Club, cujo fim
nada tem para os festioaes dansantes r
poticos do Sr. Coelho, previnindo ao pu-
blico que jamis consentir que nos saloes
do Club Pernambucano se deem espectcu-
los de tal ordem.
Nao pode nem de leve caber ao empre-
sario a responsabilidaie de tal disfructe.
pois que contando com um concert mu-
sical, como milites que tem havido all,
nao esperava que fosse elle convertido em
urna festa, bem conhecida entre nos.
porem que sempre tem lugar em edificios
apropriados.-Recife, 13 de setembro de
1869. ,
P. J, Mijne
Aluga-se urna mulata eozinheira
ra : a tratar com Albino Jos Ferreit
no iargo de S. Pedro n. 4.
e costura-
erreira da Cunha,
Escndalo
Aluga-se um escravo para
quer hotel ou casa particular
Augusta n. 10.______________
criado de qual-
a tratar na ra
, Para o indicado porto pretende seguir com mul-
to brevidade o lugre portuguez Cianedo Vouga por
ter a maior parte da carga engajada ; e para o
pouco que lhe falla, trata-se com o c nsignati rio
Joaqnim Jos Goncalves Beltrao, a ra
mercio n. 17,

4114
Precisa-se de urna ama livre ou escrava, que
saiba cozmliar e que seia de boa conducto, para
nin sitio na Passagem aa Magdalena : a fallar na
ra Nova n. 44.
do urna ama para casa de ho-
o cozinhar : na ra
Precisa-se
mem solteiro para comprar
do Padre Floriano n. 71, segundo andar.
Precisa-se de urna ama para engommar e
andar com meninos : na roa da Cadeia. n. 10.
~ As Sras. Maria Jos Cervilha de Mello e Isa-
bel Bozinda de Mello, tem urna carta v.nda do^Mio
Grande do Norte, no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem
O 8r. Secundino Preddiano Gomes de Ojivei-
ra, mande buscar urna carta QiM tiste j^g*
rna Nova n.
nuncio.
30, e pagar o importe
Na padaria a roa do Bangel, precisa-se alu-
gar urapreUh
Compram-se por maior preco sedulas
de 1A, 2A000 e 54000: na ra Nova, loja
n. 27.
UAL
Precisa-se de una ama livre ou escroya para
todo o servieo de easa de pepuena familia : na
rna das Cruzes n. 4.___________________
Feitor
jiina.
Precisa-se alugar urna ama livreou ^va,
muito nons costumes, para servir ^ ^nipanh.a a
urna senhora e fazer algam serv.co de casa, di
rija-se rna Bella u. 37, sobrado de dous an-
dares.
Precisa-se de um feor de meia idade, cisado.
e que d fiador a sua conducta : na roa do Ara-
go n. 32.___________________________
Alagarse um boa baixa de capim : n
Capunga a traUt na casa n. 22.
Ser possivel que se continu a consen-
tir que exerca o lugar de pharmaceutico.
e de'um importante estabelecimento desta
cidade, um homem nao profissional? A
Rima, cmara municipal deve syndica
esse abuso e puni-lo convenientemente.
O doente infeliz.
TEHB4T14T
Yeneravel ordem 3" de b.
Francisco da cidade do
Recife.
De ordem da mesa regedora convido a
todos os nossos chatissimos irmos para
comparecerem paramentados coro seus ha-
bites, i igreja de nossa veneravel ordem.
os dias 16 e 17 do corrente, para assistir-
mos as vesperas, festa e Te-Deum. em so-
leranisaco do anniversario da impresso
das chagas do nosso Sepharico Padroeiro.
esperamos que nossos irmos n3o deixaro
de tomarem parte no regosijo de t5o
grande magnitude, para a ordede sera-
phica.Secretaria, 13 de setembro di;
18G9.
O secretario,
Joo da Cunha Soares Guimaraes
Precisase alugar W'gffir>-
Coraco de Ouro, ra do Cabug.
\1



I
p
4
Diario de Peniambuco =_ Qaria feira. 15 de Setembro de 1869.
NVIDADE
O JA\.\IE, tendo cm vista sempre apresentar novas mclboras em sou esla-
bslecimealo de cabjlleiro rna tos Queimado n, 6, acaba de preparar com decencia
o gosto, uma sala especial ondo o respeitavel publico, com certeza, encontrar o que
ha do primor ora perfumaras, Mjoterias, flors e tintuns para cabellos etc. f'cs mais
ifamados fabricantes de Paris e Londres. Elle conscio de que o que espende a purc
verdade, espera que o sen estabeleimento seja visitado por senboras e cavaihelros,
para o que pesd sao vidactas.
f<^c Mikrosk-ope acbroma-
lisehen. Obicliv Lio-' .., \~~~i
SCD Ab,,!,;. V
Baromelre e termo-
nietre. Centgrado
e rcuumeure.
DENTISTA BE PARS
19Ra Nova19
FUtiIIEB1B O TIER
cirurgio-dentista, muito eonheeido lia dez anuos n'esta cidade, pela perfeicao dos sem
trabalhos, tem a honra de participar ao respeilavel publico que tendo feito moitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete ond<
icharSo os comodus precisos para familia.
Acha-se tambem na saa casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
i. ii km \
o qual acaba de voltar de uma longa viagem a Europa, durante a qual praticou coa
feliz successo as primeiras casas de Para e de Londres, offerecendo assim as melhoref
garantas do bom desempenho para ludo o que for relativo a proissao ; por isso c
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontrarem no sot
gabinete, depositen uo dito seu sobrinho a mesma confianca com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos ossystemas: a pressaodo are com molas de ouro. platin.
vulcanite c um inteiramentc novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chunibagens (obturacoes) cora ouro c com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos (li'niiiii.ios fabricados pelo proprio annunciante, o quelhe permiltej afian
Car sua boa quadade.
Escovas para dentes. etc.
Perfei Viagens para fra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manilla at as 4 da tarde de todos d>
das uteis.
SCOPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
1\ J. Cici-maun. Kcommcnda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque. cu:u tste, vidros, a vista descanca, furliica-sc e nao a canea como cjiu
os vidros ordinarios. Um vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se est obrigado ;i muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que aHera o cijstaliiio do o:ho e determina quasi sempre do-
res de cabera. < alcance ordinario da visto perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vc-zes que o objeclo est mais perto ou mais tonga, os raios que expelle sao
mui convergentes mi a.ui divergentes e a visao nao perfeila. Um grande numero de
pessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a visao nao dstincta.
Com a applicaro de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a VMM curta e rujo crystam> 6 mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
Ion-ge), o que-se chaml myupe, por ineio de um vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que Cae divergir os objeetose deixa ver tjjo longecomo as ootras vistas. Quan-
ilii o crystalino muito chato, o quesacccdc aos que tem chegado a uma certa idade,
o que se chama presbyta, vetf melbor de longe que de perlo, e nao enxergam senao
um nevooiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarpo
to dislinctamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando a
vista principia eufraquecer, previae-se o mal.
F. (cruianu tncarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, aes-
collier, a primeira \isla, seja qual for a ade egro de vista, oculos proprios para
qualquor pessua,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
r
"'FALQUE
TA ANTIGA E CRED1TAT
FABRICA
IICOIIII II CIISTilTIIIITI 111 C6IPLIT0 lOITHHTI DI
C11APE9S Di SL:
De todas as qualidades I
De todos os feilios I
De todas os precos I
RA DO CRESPO
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de uvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as plpelas tremem
de flaqueza.
Para a vista que os olhos sSodesiguaes.
Para i vista que se lurva com o traba-
lho e a leilura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o oulro presbylo.
Para evitar finalmente que o erystalino
do olho se cobra de catarata.
Sorlimenlo
para theatro,
de binculos
e oculos de
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Para a. Superioridado d'a
m
mm
InTBUfla por LE GR AND, Perumigla do Imperador des Franceses,
IMRIS. M9, Ra ttaint-Honor, *. PMdK.
OXtl :m B ORIZA
DE NBiOM OE LENCLOS
Para dar frrieura conienar cfi mmente a be Una dajuetnlu le.
OJbilZIA LAOT
LEITE ANTEPIIELKO
Ptra rtfrtirar, tranquear e adoeer a pill, fazen-i
dct-Jfipirtctr u$ uodoas t a$ lanlai.
>!iA !'YS.......... r-i< filme do liniii loui c da l!a socic'daile pa.a os lencos.
rm 5 LS^-' ^ ''f """ ,la c<">i"' Pa "ra e a Mina da pette.
uiu/..\-i)i-.M!iiu(.|-,.. I ai;i alvejar 1UZA-1)|-.NTAI1(K ... Nova aMHji |ra alujar os dtnles fcui desltuir o effnille.
AGUA TNICA E QUINA E POMADA DE BALSAMO OE TANNINO
Pirj iaffa t uMride^U (kj, faMiiiciaiii i (jtt les, es tnitdii.il 4a HM ts laztaia otatur r bi.rOSITO AL m C*za de
Lim Caza de totes Perfumistas do Braz
alcance paia
riulia.
o campo e ma-
Lunetas, pince-nez e
race--main, ooro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
lea tamben grande sortimenln de relogios para parede, que do horas c para
cima de mesa dos m;iis lindos modelo Hclopios para libeiia, de ouro, prala, prata
domada efuk'ada, iiglezes, suissos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas cm grosso e a retarbo. Km Pcinambuco.
N. 21=Rua NovaN. 21.
COWEITAIIU 0S ANAN4ZIS
16-RU DA CRUZ 16
lia diariamente s rlimeiiio de bollinhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vuIkjs de superior quadade, cbllisson preto, e miudo, o melhor qut
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces df
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentas, a saber:
Pecas do nougat. Pes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Btillos dem.
Ditas de tmara de otos. pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folliadas de crme e carne.
Bandeja com armaciio de assurar. impadas.
n NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O demonio mudou-se por sua livre e expontanea vontade
VIVA O DA DE S. BARTHOLOMEU
Agora ninguem presuma que foi um demonio qualquer, foi
O BOM DEMONIO
Mas mo sahio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA MAIS PERTO DA MATRIZ
Sea dominio est hoje asseutado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA D4 ARAGAO H. 32
VMHAM \ i>M>
Como garboso se slenla
Como lepido se mostra
E as diabruras que faz!!!
Negra tranca no coilo lheondeia
Solta driza ao mago desdem :
Deita a fronte n'um peito e conhece
Quantas maguas o seio conlm.
Esta linda e gentil creatina tambem
Queijos, raanteiga e caf,
Vinlio, cha e bolaxiulias,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Pota agrada ,
Venhaiu freguexes ._ .
Que hao de gosiar,
N. B. Brevemente ser annunciadu o dia, cm que este importante armazem de me-
lhados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener s por precos muito rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a i 300 por 500 Vinho bordeaux

grammas.
Dita dita a 11200 idsm.
Dita dita a imo idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3500 idem.
Dito dito a 3(5(200 idem.
Dito dito a 30000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 2.0 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 2VOrs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
VeHas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Fruclas portuguezas em calda a 000 rs.
i lata.
Ditas so de pecf gos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para faras a 120 rs.
Chocolate espanhol a 1^000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
DUos dila le mustarda a 800 rs.
Latas com cania de ,iorco a 800 rs.
Sardinhas do Mants em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
em caixa, 70000.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de dilerenlcs nirreas. a
10400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 gramnws.
Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a 50 e 60 a caixa.
Sabo de massa a 240 rs. por SOOgram-
mas.
Latas comameixas a 10, 10500, 20800
e 30500.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 500 grammas.
Frascos com macas seccas a 20000.
Serveja de differentes marcas, duzia 60.
Tapioca do Maranhao a 240 rs. por 900
i grammas.
Farello cm sacca com 21 kilos por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G-z, Uta a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de ptixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10200 a lata.
Lata* de |>o-de-l a 900 rs.
Hiter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
ootras multas marcas a 10OOOrs.
*
Carrafas finas para meza, o par 50000. Eslrilinhas para sopa a 800 rs. por 500
Cognac engarrafado a 800 rs. I grammas.
Azeite francez engarralado a 10000. Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Presunto em barril a 480 rs. por 500 Massa de tomate a 720 por 500 gram-
grammas. mas.
Os propietarios garanten, tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de uma libra, e se evpcar aquellos
que nao entendem.
VEJAM QUE DIABRRA
Tirar premio sem comprar bilhetes
Isto s pode ser arles do
t f i t
MONIO
Estdecidido=o mundo marcha!
Leiam=adniirem
E...... espalheni pelo universo
se tao extranho assmpto cabe em verso.
BOAS FESTAS SEM CSTAR DINHE1R0
E MODISTA
ADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
JTem a honra de panenpar ao respeilavel publico e em particular seus fregue-
ue, pelas relacoes que acaba de encelar cnmalguiiiasco.qureirasemodistasdasmais
afamadas de Paris, que lodos os mezes Ihe mandan, figurinos, de veslidos,
teletes e chapeos que estSo no maior gosto e mais modernos,
da para fazer vestidos para pass-io visitas, bailes e casamentas.
raan-
se acha habilita-
As senhoras que
, i"--- r"' "ii uaiits u ixisdiiii-iucis. as sennoras que
abonrarem coin a sua ,mi\t,>m, n3o dfixaro de ser salisfeitas, lauto pelo bom gosto, como
Pla_-i'jffi8 dof. prcgn.s e PwmjiilSki na entrega das encommendas ; tambem tem bo-
Fazt-m-si chapeos de todas as qualidades
mos enfeiti's muito modernos p <)p loriaos
tant> d" fil como i|p paMia
COrps
No intuito de fazer uma fallada o bom drmomio resolvou mimosear d ora
era diante com um bilbete a qualquer pessoa que de uma vez lhe comprar 50000 de
gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por diante sempre uui bilbete
por cada 3-5000.
Cada um desses bilhetes dados de mo beijada proporcionar ao portador
o direilo de receber um dos premios abaixa mencionados, se a roda da fortuna lhe or
propicia coincidindo o numero do dito bilbete com o do que tirar uma das tres sortes
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vindouro.
iilI
gigo de champagne, valor....... 300000
caixa de vinho do Porto (Meneres).. 230000
duzia de garrafas de cereveja (Bass) 90000
presunto de fiambre............ 15MiOO
queijo prato................... 60000
dito flamengo.................. 30000
6 latas de marmelada fina.......... 60000
1 caixa de pacas................. 80000
1000000
VEGETAL AMERICANO
ESALIDADt
BARTNOLOMEO&C
Fot a cari corla 4 louei hfts e ttuirt, e,Urrb*s paloimr, uOima; Um eeavulia, eatarrim
roockui. em goral contra todot o offriFOlw da* tm respmloriai.
ttEPOSITO ERAL
1 '2 gigo de champagne, valor............ 150000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 110500
6 ditas de cerveja (Bass).............. 4*500
1 queijo prato........................ 00000
1 dito flamengo...................... 30000
1/2 caixa de pacas..................... 40000
6 latas de marmelada................. 60000
500000-
t phsrra
34,1A IAWA 80 IlOZARIO, 34
PERNAMBCO
mica it difera molestia do peito.deade lhe. pon o meo*
T
lea tnWctiUi
?oom7, penaadpelas dimsas bronebite caiirrtses
* Mt*aeM aaka lew aawfaaddi ca mi
as* aaaMiaaaiiili m tonar prraaiira orden eatre
*u auWJaeatdMeaaM, 0 aarapa VeMal AaaerieaM
aramiaJo Diuaraeoie nattal. ota costea em SU1'
;on*a-ijJo on .6 auno de opio, e sim .rnente soc.
cea dejfcnraa iDdi(enn, cejas propriedidei beneflcaa
m caMAtMlatiae qoe pertencem aos orfaoi de rea-
piraco (oran por d* kMrvadaa por K>ao teo
son pbiMataaailiaaa* cada m mu ctaaceaaeaTpaS
qoe a jlfaaoa naiaii>*i. a aaaaim o atrope
H* apret**.***, ^tereco lo ao. medicoVe w
poMtao, IVtfaaaw coa oa MtetiMaa aban. qa0 u.
ranio* dilov. coattM ML'jye* *>> taaaitiaan eraaeera tea m". S
dtiiaatd* nano a*os da ai todo* oa poitoraet en reg!
Din. 8r. Baytbaleoae* C-.O i.rop. Tefetal Aa.
.-.cano. Gmarada on aaa coaceiludoiMu pbennacia.
mnOI "Hf coaakatw t i^JT^km
MU ttiwlk aaolaaUa k. qntr. mar*. JZL
Praaa
ithlSlftTIfi!
+.+*U+*m~Z*. Z mLpm tn?tn?
paran* $m taintr*** aro., toauaio **>
da***, e al M-eMat* lio fui de atoto Uc***
M m IfM raataMaci. por
me, poi o meoatnUecimeoto por me ter alWiad.) da
tao borrifel sul. Can a mal uiUcaitva gratUio,
subscraro-me daVmct. affoclaoao o recenhecido criado.
- Smrw flarle.-Su., Ca* 14 de rerereiro de 1868.
Ilal Sr "iaW*Beo*C. Depois de ou
mexe* de lonrimento com ana toase ineessante, fatti
eitraordinario. eipeclora<;a de un Calarrbo amaiell -
do. e pena total daa fbreas, qoe o menor passi'
, me faii*Ta comptetamenle, cansado de tomar mu:? ot,-
tr. reaedUs tea re**ltsdo lite. fbiddc de sabor ; ..
rmes. prepara.an o xa ropo Vegetal Americano, e com
elle gracaa a Deas, toe acko restabelecido ha miis d*
dais ame*, e mbot*. como se nada tivesso solTri j. A
fWaaH* tn* fore mdaebrocto, ijne podero Vmr.
fazer o oso que qniaerem. So com esla de '
maltes respeiudor e criado. ^ttonio loa---
eSi/r*. r*-
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. 110500
0 ditas de cerveja (Baas).................. 40500
1 queijo prato........................... 60000
J/2 caixa de charutos de Simas............... 30000
Cfllro l
Bocif8 dahrereiro de 1868.
Atlasto qne naei do tarafe VegeUl Americano, da
eonposieio do* Sra Barttoaanw) A C. para cora de um
forte daflaze qo. ae trouxe oa* rouqu'di. que me j-j
rana dUnder, iBanmacAo e dor na gargaDra. lorr,
gmd* Bita dereplra(.. a tkpiei completaran,
tabeUetdo **n a a*adt* do motao aare*; pela
que Ib* protesto ter o. gr. lidio. Keeafe- jo j, ,.
onro de 1888. Jotqmm ttrnrt imito+'Jutw. -
Matt racaaatcioa.
,
MAIS DIABRURAS !
Se a pessoa a quem a sorte hoaver favorecido qoizer trocar por oulr^
os gneros cima mencionados ou preferirir receber o respecivo valor em dinheiro nSt
se ter davida em satisfazer.
Venham, regnezes
Da praqa e mato,
Comprar barato
Ao BOM DEMONIO
Prapa da Boa-Vista n. 32t esquina da roa
do Aragao.
aaaal


' "- -____________________________________________________________________


_mp


Diario de Pernambuco Quarta feira 15 de Setembro de 18G9.
(
M
A ESMERALDA
AGENCIA
Do Dr. Aver.
PEITMU1, DE CEREJA
cura phtisica e todas as molestias do peilo.
SALSA PARltlLHA
cura ulceras c chagas amigas, empigens e darlo?.
TOXICO
conserva e hmpa os cabellos.
PIULAS CATHART1CAS
pnramcutc vegetacs e sein mercurio, cura seses,
purga m c pantera todo o systema humano i ven-
du-fclnicamente em casa d Samuel P. Johnston
4 C, roa da Senzala-nova n. 42
Attenqo.
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecmento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra vel. Tambem compram ouro. prata e pe-
dras preciosas
N. 5 RUI DO C4BUGA N. 5
Constando ao abaixo assignado que a sua nin-
llicr D. Minia Chrisliana Bastos Vianna conduzio
hontem, 5 do cor rente, om stia companhia para a
eidade doRecife -doiis escravos, Cornelio e Lito,
o primeii'o de 2i a 2.' arinos de dade e a segundo
de 12, e que os pretendo vender ; declara ao jm
blico, para que ningncm se chame a engao", que
sua inulher que more contra o abaixo assignado
acciio de divorcio, nao pode dispar d'csses escra-
ro, e que o ure-m > abaixo assignado dar-se-ha
Uressa era promover pelos meos lepes a nullda-
dc do quali|uer negocio qne se llzer com os referi-
dos escravos.
Engcnhu Govanna Grande, 6 de setembro de
1860. I
Joo Francisco Cncakanli de Aqtbttuerqm.
Iezbs ou febres 1\tebtI\teT
As pillas anli-periodicas de Pinto.
nico deposito destes medicamentos na
pharmacia do seu autor ra larga do Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
Superiores sedas de cor e listras a 15600 o covado.
Lindas poupelinas do laa, com grande variedade de cores escuras e claras a
itO rs. o covado.
Pecas de inusselinn branca com salpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
atis9imo preco de 4#000 a peca: na loja das Colnmnas, ra do Crespo n. 13, de
Antonio Correa de Vasconcellos & C.
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
CACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodao, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gln.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Coltpn Gin.
MACHINAS altas de todos os tamaitos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas e lloller Gins, de cujo trabaluo faz obler mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de Cacao do fabricante Platt B. A C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores quo tm
indo ao mercado ; e para a sua apreciado convidam-se os senhores agricultores "
viran a expsito das mesmas na roa da Cada do Recife a. oG A, loja do Bastos, onde
'jncontraro mais o seguinle :
Debulhadores para milho.
fjylindros para padarias.
\rados americanos.
rrinlios de at.
Machinas para cortar capim.
Oannos de chumbo.
Bmbw de Japy.
Ditas americanas.
Tenas de ferro galvauisadas.
,'olhas de zinco finas.
Ditas de cobre c latan.
rerro de todas as qualidades.
Arcos de ferro,
"olha de Flandres.
Machados amen anos.
racSos ditos.
ialaios e cestas do verguinha.
Vassouras americanas.
rolles de todos os lamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
iversidade seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Balaacas americana?.
Tinas de madeira americanas.
I's de ferro ditas.
Baldos de madeira ditos.
Temos de bandejas linas.
Trens completos para coanlia.
Peneiras para padarias.
Baldos galvanisados.
Correntes de forro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para reinaces.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qua'idades.
Sorras avuTsas para machinas.
.Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
osperlencentcs lavoura e artes, que pela
agente do compras e vendas do
escravos, Jos MartinsAlvesdaCruz achas
so residindo na ra do Hurtas n. 9(5, promp-
to a desempenhar nao s o seu dever para
osle \m, como pan outros que seus com-
mitentesojulguem habilitado mediante suas
respectivas commissoes. _____
Um negro de idade C(J annos, som vicios, sadio.
proprio dar sitio : na ra larga do lio-ario, loja
n_21__________________________________
Aluga-se .um priraeiro anJar na ra das
Agoas-Verdes n. 8B, e um ontro dito proprio para
rapaz solleiro, na na Direila n. 63 : a tratar na
ra das Cruzes n. 9, 1 andar.
Colla compasla lyrtca e giunlo in questa
cilla il professore Beltrami Callista, il quale da lo-
zinni dii corno, tromba, sax, cometi tnnnbone
e bomhardino. Compone e riduce per banda, per
orclieslra o per piano forte Mareie e Ballabili. Ri-
duceduett, terzetti.qiiartetii, cavalir.e e romanze
con aceompagnamento de piano torio per banda e
jod orehestia. Per le liallave dirigersi al teatro
3. Isabclla dalle 12 alie 3 c dalle 8 pon alie 11.
O Sr. Jos elphino da Silva Carva-
Iho dirija-se ao largo do Praizo n. 8,
para receber urna carta.
P
. n
o
Aluga-se duas casas con bstanle com-
modos, e vende-se urna na cidade Nova de
Santo Amaro: a tratar com Antonio Jos
Gomes Jnior, em Santo Amaro.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Emquanlo durar a ntorrupco do transi-
to no sitio da Jaqueira, em consequencia
Ja i'.ollucaeao do novo encanamento d'agua,
lieam supprimidos os trens depois do espec-
tculo dotliealro de Santa Isabel.
Escriptorio da companhia, 10 de setembro
de 1869.
O gerente,
Mwlinson.
m
Mu in Carmina avisa as senhoras mais
de familias que faz vestidos pelos mais mo-
dernos ligurinos de l'ai is, lava, arma o en-
feita chapos da pilha ou de seda, Ututo
para senhoras, como para meninos e mais
barato do que Otilia qualquor: no paleo
de S. Pedro n ii. loja.
Os abaixos assignados, propietarios deste
estajHeciineule-, declarara ao respeilavel
publico c com especialidad*] a seus nme-
ros l'roguezes, que desta data em diantc
as mercidorias seiiio vendidas a preco fixo,
o mdico. Isto resolveram os mesmos pro-
prietarios em consequencia do reiterados
pedidos de muilis pessoas por ser este
systema de vendtr o que mais garanta e
conlianca inspira ap comprador.
As vendas em grosso, soro foitas com
os abatimentos na rodo segninte :
Compras de 50j a lOO descont 5 %
delOOd a 500;$ 10%
de 500:> para cima 13%
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra.
Os proprietai ios do-BAZAR DA MODA,
observam mais que, ixv.cbendo todas as
mercaduras de coala propiia, olferecem
a quem comprar todas as vantajosas condi-
C5es das casas importadoras.
O estabelecmento conserva-se aliorto
todos os das uteis das O horas da mauhaa
is 8 horas da noite.
Recife, 1 de agosto de 1869.
Jos e Sonsa Sagres & C.
PERFUME INKXTINGUIVEL.
P.vitA o Li:.v,o. TotCABOIt, R Bamio.
A VERDADE
55Ba do Queimado55
A YKKDADE tendo em depos/io grand*-
quanlidade demiudezase perfuman..
sajando apurar drdieim o adqnvrir La fie-
Iguezia est rss.)lvida a vender Oiuitissiino
barato, ; por essa razao convida ;;
lavel publico a vr conipetenlemenle muni-
do a sortir-se do borne barato. Pois quau
do a Vcrdadc ipparecc, tudo mais des-
apparece-----
Grande sortimento de bonecos de (
m lempo oma^ esUvel de todos os per- "assa as mais lindas possi.eis vestidas ata-
i'muos. e ericen om Si, no seu maor auge \ J^cUr.
A MU AFAMADA
a(l r di: florida,
DE
MtltUAY fc LA\MAS.
lie o mais delicado e mimoso e ao racs-
le excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, ipiamlo anda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Comoumraeio
seguro e rpido allvio contra as dores de
cabrea, iicrvosidade, debilidade, desnudos,
falos, assini como jcontra todas as frma.-
ordinarias de accidentes hystericos; de
SUtoma ellicaca e nao tem outro que o
goale. [guarniente, qoando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos (lentes,
aquella alvina e aperolada apiiarencia au
altamente apreciada e desejada pelas se-
nhoras.
Como um remedio contra o inau balito
da boca, depois de diluida em agua,
suimiaiiii'uti: e\colleate. la/, remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos denlos e (las geogivaSi
(ornando-,s duntf sadias e d'uma linda cor
encarnada. Olanlo a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por corlo naO tem igual; e a sua supe-
rioridado e seui rival. Ella igualmente tor-
ua-se um meio mu cxceltente, para fazer
remover de sobre a pelle de rosto, toda a
qualidade de brotoejas, 'bulices, sardas,
pannos, manchas, hupigens e espiuhas.
(Joando se quera servir della como reme-
Ricos globos para candviro de gaz a
Cbacnins a.......
Grande sortimento do objetos de
louca para brini[uedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com fita dita a .
I'rasco com oleo de babosa a 606 e
Dito com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractes tinos a .
Labs pequeas com hanhi muito
lina a ln e......
SaboneteS do diversas quali ades a
80,100,2i0e.....
Pinas estovas para dentes do lOa
Lindos toques modernos a. .
Pavios para gaz, duza a 210 o .
Escovas para fado a liO, DO o
Ditas para cabello a.....
Penles para tirar piolho a 160 e.
Brincos de cores, bonitos a 1(50 e
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Oleo pan machina de cosluia,
frasco a........
I'emias dato finas caixas a 8U0 o
Dita d'aco Perry, caxa a. .
Galao de algodao peca
Uq para fazer desaparecer qualquer um Lindos babadinhos e entremetes
--te* disfiguranientos, e que tanto dosfei-
I ROtJ
32P
--:
COO
320
'
500
240
200
86
600
laHtfi
400
Escrava para alugar
No largo do Corpo Santo n. 17, 2o andar, existe
para lagar una escrava que sabe lavar ecozi-
nliar.
Maria Bernardina Monteii o, seus netos, lillias o
genro, e Antonio Ferreira da Rocha Leal, tendo
recebido a infausta noticia do fallenmentn, em
Lisboa,de seu genro, p.ii. eunlindo e irmao, Fran-
cisco Ferreira la Rocha Leal, mandam, no dia 18
do corren ta, celebrar mstM por nhmm na ma-
triz de Santo Antonio, a pi incipiai- as 6 horas ds
inanliaa, para o qne convidam os seus prenles u
amigos, e aos do tinado ; e desde j se confessam
eternamente agradecios por este acto do caridude
e relieiao.
Scnlioi ntia Leojiiildina do Hcgo Cazuuib, viu-
va de Emilio Americano do Reg Oizumb, con-
vida a todos os amigo<, prenles o euHlMMMH de
seu fallecido miirMo, para assistirem a mfasa do
semo dia quo dove ler lugar i convenio do
Carino as 7 horas do da (i|uarta-feira) lo dbste
mez ; agradecendo cordealmente, nao s aos >\w
assi-tiram e acoinpanharam o seu enterro, como
os que comparecer na referida inissa:
AMA
Antonio n. i, 2o andar.
Para urna familia alie-
mita de duas pesseas, pre-
cisare de urna ama moca
para comprar e fazer o
mais servieo de casa : no
" argo da matriz do Santo
CONVITli
veneravel ordena teccira de S.
Franclseo do Beelfc.
Convidam-se aos reverendos senhores sacerdn-
tes que queiraip celebrar missas com a offerta de
2000, a dirigirein-sc igreja da-ta veneravel o
dem, das 7 s9 horas da inauhaa do dia 17 do
cor rente.
Secretaria li de setembro de 1869.
O secretario,
Juao da Canha Soares Guimara'.
l'i-ecisa-se de um bom cozmleiro, homein ou
mulher, com tanto que etonda da arto, paga-se
bem ^ na ra Nova n. 2o.
COMPRAS.
Com muito Kiaior raniagem compram-se
moedas de ouro e piala : na loja de jolas do Co-
rncao de Ouro n. 2 D, ra do Cabug.
0 muzeo de joiis
Na ra do Cabug n. 4 coiirpra-se ouro, praia
i pedras preciosas wr procos mais vantajosos do
le em outra qualquer parte.
Ouro e pata
. Compram-se moedas de ouro e prata-de todas
as qualidades,.por bom preco : ua ra da Cadeia
Jo Recife n. h6, loja do azulejo.
* Compram-se moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro e prata em obras inntilisadas
brilhantcs e mais pedras. preciosas : na loja de
ourives do arco da Conceicao, no Itecife.
-SE I
SCE10
Compram-se e vendein se diariamente para (ora
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejain sadios : no
terceiro andar-do sobrado n. 36, rua das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
> Comprase um pao de bandeira, quo
nao soja muito grande : nesta typographia
se dir.
Coinnra-se um escravo de ineia idade, sadio,
e de bons coslumes: a tratar das 10 horas da ma-
nhaa em diante, na ra Direita n. 58, loja.
Comprarse urna negra que engomme bem e
cozinhe, que nao tenha vicios e noni achaques :
na ra Nova n. 8.
Compra-se um prcto de uicia idade : na raa
do Rangel, padaria.

:VrNDAS.
0 MUSEO DE JOIAS
ZSj.
yA
zn
GOMES DE MATTOS iRIWfiOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecmento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obra
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata "contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
este
am alindas feicoes do bello sexo; devera-
se saWa n'um.estado de dillieo, destem-
perando-a n'uiua pouca d'agua ; porm no
'ralaiiicnto de qualquer espinlia, usar-se-ha
ilclla pttra em tuda a sua forra. Final-
mente como mu aditravel meio de com-
iniiniear as feicScs trigueras e paludas,
nina pollo macia o d urna transparente al-
vura, dando-Uie urna linda cor de rosa :
liara um tal lim, ella leva a palma a todos H"xa fm lmlia de ,n:"'al ;|
peca de 500 a......I-
liilides de madreperola, groza a
Ditos de louca muito lino a 120 e 200
Ditos para caiga a'lOe. .
iixa com papel amizadoa. .
Ditas com envelnos a. .
Ditas com obreias a..... *(j
Caxa com agullias fundo dourado i S
Ditas do ditas ditas a..... |<>i
Thesoura para coslma a 20e
is perfumes que so teem inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido titilo isto se refere nica-
mente a .Vola ut Florida de Mluuay .
Lawian.
As imitacoes que se tem feito na Franca,
Allomanlia, assim como em outras partes ;
sao iteiramente nuleis e iuvaliosas ; por-
lanlo leconuneuda-se mui especialmente
is senioras, q,o tenham toda a precauco
o cuidado, de qoando eomprarctn, estejam
certas que compram.
A Gknuina
AGUA DE FLORIDA
DE
MLHILVY A LAN.MAN.
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios.
LAN.MAN KLM1, DK NOVA YORR-
Acba-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, d- C. P, Mau-
ro r & C. A. A. Barboza Bartbolomou, A- C.
Vcnde-se, na ra da Aurora n. 26, un excel-
lenle escravo |iardinho, de cor escura, de 13 annos
de dade, boa figura, robusto, odlcul de alfaiate, e
Com principio de l.olceiro, ptimo para pagem.
n
k
para encanamento d'agoa
Canos de ferro forrados de porcelana, e esla
nhados, de diversas groararas : venda na ra
do Qaeiaiado, AuveJo iV Irmao.
sms^ ajH-iSiSttiMM-Sfia^
LItA
ATTEN^O
Grande e til no-
vidade.
Tabellas comprale." >- dos presos de |
qualquer geuoro de pftw pelo antign svs- j
tema ao moderno MTRICO DECIMAL, l
irabalho hoje de grande utilidade, por- j
que com un simples golpe 'de vista ve-
se a relcelo do preco ;.i libra ou da ar-
roba com.o kil minara sem se perder I
urna so fracc/o,)) itipaOdo assmi o Ira- j
balbo d> facr o calcirTa e vitar de si j
m engartos. Esta* tai 'Has sao luje in- j
dispensavei i todos ijue negoetam coB>j
algodao, assucar, conros xarque, mo-
Ihado-, ferragens e todo qualquer genero j
ou artigo d peso. Al^ans .cxemplares
que restaui, vt'nde-sc ra do Crespo
n. 18, toja dos Srs. Audrade 5c Mello,
Madre de Deas n. S, armazn do Sr.
i Amorim, o Vigano n. i, primeira andar.
0 MUSEO DE JOIAS
Para cocheiras
Mel nanita bou a preco commodo: no caes do
llamos n. 24. enchemeuto de Bolelho Araujo A C.
Vende-se superior mel era barris de 5: em
casa de Manool Alves Fe uandes & C, ra da
Moeda n. 5. 2" andar. _________
darante-se a casa, perianto faz
conta. Restando apenas algumas
jjd-;?^ mercadorias e armacao da liqui-
dacao do armazem da loja ra L^
Nova n. fio, M-ae sciente ao pu- T
blico inlcressado, que liquida-se a HJ
rmacSo o mercadorias existentes
ainda no dito armazem, e por con-
sequencia negocio inconlesta-
veluiciite vanlajoso, visto que se
garante a casa : quem pretender
dirija-te tratar no mesmo arma-
zem.
LIGA
Vendem-sc qaatro escravos pecas, proprios
para qualquer servieo, principalmente para o de
campo : no 3o andar do sobrado n. 36, ra das
Cruzes.______
-
:
li.;?.'
:;->

'. I

II '
.
8')
PARA m
Torneiras para passagem d'agoa, do diversas
rrossuras : na ra do Queimado, Azovedo & Ir-
mao^________________________________ .
Nao mais cabellos brancos.
A tintura 'pyopvii para tingir os cabellos
da cabeca e da barba, foi a nica admittida
Exposicao Uniccrsal, por ter sido reco-|
nliecida superior todas as prepararles ate
hoje existentes, sem alterar a sade.
Vende-se a 1 >060 cada frasco na
Rna da Cada n. 51,
1. andar.
Excellente compra.
Vende-se uuia muta U* i a 20 annos, lava,
cozinba e enflnnma pevfeilemete, sem vicios neni
acliaqiies, e muito propria ]iara rasa de familia :
na ra do Santo Amaro n. 2, defronte da capella
da Pjedade, 011 nesta typngraptiia._________
Charutos de Havana,
e grande sortiinenlB dBahia c Rio de Janeiro,
fumo do Para, en* matse 9 chiootes, dito su-
perior de Baenendy, e outras multas qualidades,
que se vendem emroso e a rolalbo, na amiga
e<* de Jos Leopoldo Bourfcard, ra da Cadfchi
Xk Id:______________________________
V_&-se mn bi'tiia em bom estado, proprio
para estabelecimente, pon^refo ommodo : ua ra
da Crnz n. 13.___________________________
- Veade-Ki gnla a-i iij4<* v*ccv ea feqm-
aos copos por 240 rs.
__m i
Cal nova de Lisboa.
Vende-se na ruado Apollo
Irmao n 18.
armazem de llego
Ptciimcba
Vende-so ura sobrado na roa do Quatro Cantos
da ciduJe de Olinda, por preeo muilo commodo,
por ter soffrido ruina de ewar ha muito lempo fei-
xado, faz-se todo negocio ; a tratar na roa do Li-
vramento n. 31, 2 andar._____________
Vendem-se 60 saceos com fannha, de al-
qaeire cada sacco, e 2 ditos de gomma muilo ti-
na : na roa da Praia a. 4. ________________
Peixe abacalhoao
Industria rio-grandense da fa-
brica de Ferreira Guimares
&, C, no Rio-Grande do
Sal.
Este peixe, assim preparada de excellente ma-
neira : ven^e-se no armazem da Aalouio Comes
Pires & C, ra da CaJeia _. o3.
Linlia de cores em novellus (li-
bra) a........
Carreteis de linliaAlexandre de Tu
at 900. ,.....
(lampos muito linos com pasea-
ros, duza a......
Cartas porluguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2->_X) e .
Papel almaco e de peso, resma a
341406, 35O0 e .
wa muito lina para bordar, libra
Fita de algodao para debrum de
sapatos, peca a.....
itas de laa para debrum de ves-
tido, peca a ......
l'entes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2i0, oO e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartbes com colxetes a .
Rosetas pretas, par a .
Tranca de laa de caracol peta a 40 c
Fila de coz peca a 480 e .
Alfineles de lalao a.....
Sapatosde laa para menino a 2'iOe
Ligas para senliora, par a. .
Grvala de sedas de cores a .
Galcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das libas.
l'm par de suspensorio de borracha n
lOOris!!!!!!!
\'a Yerdade na do Qaicliua'dc
u. 55.________
Assucar de oxido de ferro de
Chantcaud.
O assucar fe ruginoso de Cbante.'iud 6
pela associac.au do exido de ierro inO rain "
luiti com o assucar cuidadosamente purilic.
Este assucar, de urna bella ajiparcnria crystau;1,
tem o simples gosto mui agradavel do assuenr,
sem o menor sabor adstringcute : nao tem a .
irritante sobre a mocosa do estomago e cni.v..
e rpidamente absorvido pelo apparelho dijftsii
vo sem causar as CODStipacots do venlre.
E' hoje o preparado de ferro de mais acei -
para a Morse atona dos orgaos, pedas 11..:.
nieuslruagues dilliceis, ele, cleinasiu i...
juizo autorisado da escola de medicina do 1\
e dos cbimicos os mais nolaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Baitliolomeu *: C, ra .-.
Rosario n. 34.________________________
Na pharmacio do Piulo r
Larga do Rosario u. 10 j u_o
ao quartel do corpo de pol I
Acbam-se constantemente promptas a si
rem satisfeitas, as prescripcoes dos !
facultativos, e as necessidades dos e:..
mos, as especialidades da mesma pbarn
cia, compostas de medicamentos, la;.'.
digenas, como estrangeiros.
Tosse e molestias t
peito.
Xaropes de fedegoso, rabo de tat, k -
pao Cardozo, juca, muking, vnutamba, ev
etc. etc.
Rheumaiismo e mofefcfc
sypbiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de Salsapai.
do Para, pilulas e xarope do veame. '
tora e xarope de sicupira.
Doeneas do (gado e baf o. aneuii*.
opilado etc.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, fu
lulas, xarope e vinho da milagrosa .1
BEBA, *
GAZ GAZ GAZ
Chegoo. ao antigo deposito de Henry Furs'.
G., ra do Imperador, um earreganwHto 6
de primeira qitaldade; o qual se. vende em pal
e a retalho por menos preco do que em outra qu,"
luer parte.
CAL, BE IIMIOA
POTftSSADARUSSI
A mais nova no mercado, a prepn razi '
armazem de Manoel T Basto, ra do C
a. 13._____________________________
- Vende-se nma boa escrava ^mjici
pria para trabalb-de campo : a ir..la
sa da Madre de Dcos. n. n, da.-
s 4 da larde.
I
I


.



.

Diario de Pemambuco Quarta feira 15 Je Setembro de 1869,
LIQUIDACM)
SEM IGUAL
O proprietario do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
triz n. 72, decl:raa;> respcila\el publico c seus freguezes, que est liquidando fodasas
fazendas e rotipas feilas que tem ca sen estabelecimento como se poder ver no seu
ocio e preco abaixo mencionados,
Chitas francezas matizadas a
38 rs.
Vende-se chas francesas escuras matiza-
das a 320 rs. o covadd por este preco sna
loja da Arara, n da imperatriz n. 72.
LAZINHASA 210 RS.
Vende-se Uazinhas para vestidos de se-
nhwi a 210, 280, 320 e 400 rs. o co-
vado.
BAREGES DE LA A 500 RS.
Vende-se bareges de la com listras para
vestidos de senhora a 500 e iO rs. o
ido.
Alpacas de listras a 500 rs.
Vende-se alpacas rte listras para vesli-
do3 de senhora a 500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS A 880 RS.
Vende-se chitas francezas claras a 280 rs.
c covado.
CORTES DE Lkk PAR VESTIDOS A
2|iO0.
Vndese cortesdi laa para vestidos de
lioras a 2$400 rada um,
PERCALES A Vift RS.0 COVADO.
Vende-se percales milito tinos para vts-
t; is de senliora a 440 rs. o covado, mur-
solinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
bi ianlinas de cores, a 4i0 rs. o covado.
Baldes moderaos de todas as
cores.
Vende S'liales moderno sbranco e deco-
rosas*, MftOOeSf.
COBERTORES DE ADGODO A I 1500.
Vende-se cobertores de algodo a I#500,
coserlas do chitas a 1600 e 2a cada urna,
GANGAS PAItA CALCA A 320 US.
Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
do, brira de cines para 'calcas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, casemiras de
cores para calca c palitots a 2#500 e 3?>,
o covado, nacas casemiras entestadas para
calcase palitots a !,$ o covado, brim pardo
iie todas as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na ra da Imperatriz
Algodo enfestado aOOOrs.
Vende-se algodao enfestado proprio para
lcnres e toallms, a 9O0 rs. o metro, dito
trancado a Ir?, metro.
Chales de merino a 23.
Vende-se diales de merino estampados
a 23, chales brancos e de cores a I #000
cada um.
CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
A G40 RS.
Veiide-se urna grande porco de cortes
de brim castor para calca do hornem, 60
rs. cada um.
Grande porco de rctalhos
Vende-se grande porgo de retaios de
coilas e cassas prelas a 160 e 200 rs. o
covaJo, rctalhos de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
LIQUIDAM A ROUPA FEITA.
V mle-sc palitots de brim de cores a 2,
ditos de alpacas de cores a 2$, dios de
meia casemira a 2$ c 2J300. ilitos de pan-
no preto bom a 8> o I0& caifas do algo-
do azul para escravos a G40 rs. ditas de
algodo de listras a 800 e 14, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
tos de brim c fusto de cores a Uel0500,
colcles de cesemira de cores a 20500 e 30,
e ostras muitas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratissimo preco.
Algodo de listras a 3O rs.
o corado
Vende-sc algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PECA DE ALGODaO A 40.
Vcndcm-se pecas de algodo 40000,
50200, 6.0000 e 70, para liquidar.
Balocs de arcos 1500.
Vende-se baloes de arcos para senhoras
pelo baratissimo preco de 10500 cada um,
Cortes de camnraia barras
a S simio.
Vende-se corles de cambraias barrsa a
20 B :50 cada um.
LENCOS DE SEDA A GiO RS.
AUGUSTO PORTO & C.
U--RUA DO QUEMADO-I 1
Tendo ciicgado ltimamente ao sea estabelecimento grande variedade de fa-
sendas do gosto as pem disposico de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
procos possiveis, sendo:
Bournous de cachemira brancos e de cores, o que ha de mais elegante para
hombros de senhora.
Novos gostos de manteletes justos ao corno denominado silphides, sirennes..
orientales de renda prcta de soalines, o que ha de mais elegante para urna moca.
Basquines de guipure preto, novo gasto, enditados desetim de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capella para noivas. Fronhas e toalhas de cambraia de linlio
bordadas. Cortinados bordados para camas c para janellas de diversas qualidades :
colxas de seda c de la e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorguro de la e seda de cores, muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorguro de seda branco c de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas enjos oreos sao em geral
muite mdicos. Grande sorlimento de camisas para homcm, tanto lisas como bordadas
e de cores.
Continuam sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama e
para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifas sales, e grande quantidade da
Esteiras da India para forrar salas.

SABIDAS DE 1IAILE
Chegaram pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindissimas sahidas de baj-
es, ricamente enfeiladas, o melhor .gosto que lem vindo ao mercado : ra do
Crespo n. 13, loja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos.
mgmum
Vende-sc lencos de seda a 040 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 10
cada urna.
Alpacas 11 as a 4 rs.
Vende-se alpacas de cores lizas finas a
640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
rs. o metro
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vende-se pecas de madapolao enfestado
a 30360, pecas de madapolao inglez de 24
jardas a 50, 60400, 70, 80 e 100 a peca.
Assim como vende-se chitas para coberhs, a 240, 280 e 320 rs. o covado,
ellas antes que se acabem todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
tai vender ou liquidar, poucos. das poder durar, c quem se quizer sortir de fazendas
o roupas feitas para a festa pelo preco que Iho agradar, se poder dirigir a ra da
Imperatriz armazem da ARARA, que estar aborto todos os dias uteis, das 6 horas da
manha, s 9 horas da noitc.
72. Ra da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
0 proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ra'riz n. 5, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
sor, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidaco que An-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber:
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
10000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lencoes a 10000, dito liso enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 30300.
Vendem-se pecas de madapolao enfes-
tado a 30300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, 60, 70, 80, 90 e 100, a
poca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A. 500 RS.
Vende-se barege de listas p'ara vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5u0 rs. O COVADO.
^Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covadopropria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 10.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 10 o covado.
PORCO DE RETALH0S.
Vende-se urna porcao de retalhos de cas-
sas, de 13a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' elles antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10.
Vende-se chales de cassa a 10, e de me-
rino a 20.
CORTES DE LA A 20400 RS.
Vendem-se cortes de la de listra para
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
ALGODO A PEQA 40000.
Vende-se pecas de algodao a 40, 80, 60
e 70 a peca. E muitas outras cousas que
8cria enfadonbn mencionar.
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 20500.
Vende-se casemiras de cores a 20500 e
30000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30000, ditos de seda a 100 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a 3SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e.meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para aca-
bar.
IGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS CUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes poderao vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbuna preta a 320 rs. o covado, para
BALES DE ARCOS A 10500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, ditos modernos a 40.
BRIM HAMBRGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 80, vem a ser mais barato do que
algodosinho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se cortinados para cama a 140
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na ra da Imperatriz n. 56.
40000
500
20000
RIVAL SEM
Ra do Quemado ns. 49 e "57
lo jas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de scus estabe-]
lecimenlos por isso queram apre-
ciar o que c bom e baratissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
10500, 20, 30 e.....
Caixas de liaba com 50 novellos
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a ......
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......10500
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........30800
Tramlas do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a
Livros de misses abreviadas a .
Duzia de baralhos francezes muito
finos a204OO e.....
Silabario portuguez eom estam-
pas a ........
Grvalas de cores e pretas muito
finas a........
Cartoes com clcheles de latao
fazenda fina a......
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a......
Caixas com penna d'afo muito
finas a 320, 400, 509 e .
Cartoes de linha Alexawlre que
tem 200 jardas a .
Carrcteis de linha Alejandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores ebreias
de massa a......
Duzias de agulhas para machina
Libras de pregos franceses di-
verso tamaito a. .
Livros escripturado par rol de
roupa a. .......
Talheres para meninos muite
finos a. ,......
Caixas com papel amizade muito
fino a........
Caixas com 100 envelopes muito
finos a.......
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a......
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de louca muito
finos a........
Grande c completo sortimento de machinas para
descarocar algodao de nova uveiicao chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C, na ra Direita n.
53. Garante-se que 6 a melhor (|ualidade que at
o presente tem vindo ao mercado : achara-se em
(xpo.-i'.-ao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
trrammos de melhor comprehensivo dos que tem
viudo at o presente, assim como marcos de latao
at meio grammo pelo mesmo systema, bataneas
de latao de forca de 5 a 20 kilogrammos, metros
de madeira e de'laio para medir fazendas, alm
de grande sortimentrr de miudezas o ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direila n.>), luja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C.
COGNAC.
0200
20000
208OC
0320
0500
4020
0500
10000
0100
0100
0046
20000
0240
t512f
10240
4700
4600
0320
0500
0320
0160
200
60
20500
GALLO VIGILANTE
Ra lo Crespo n. 9
Os propnetarios desle bem conhecWo estabele-
cimento, aln) dos muitos sbjectos que tinham ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
ilaram vir e acabatn de retener pelo ultimo vapor
da Europa um eompleto e variado sortimento do
finas e mni delieadas especialidades, as qnaes cs-
tao resolvidos a vender, como de seu costme,
por precos nuiito liaratinhos e coinmodos para to-
dos, com tanto qoe o Gallo....
Muito superiores luras de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cures.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que lia de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfoites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlim. sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior caima da India e
castao de marlim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Juandade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as moias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marlim tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
. labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assin
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumaras e dos melhores e mais conbecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROEB.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, *.
facilitara a denlicao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se renderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que dexamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis aloja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Risquit Duboucli 4 C., em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, brnecem para o cotisummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.
BAZAR UNIVERSAL
8auaMova*
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por presos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os aystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposic5o servicos a electos para almo-
Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa,
paredee portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei
ras tongas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamaitos, molduras
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrado
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
160
Machinas vapor de
forqa de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fac3o e serrotes para desca-
rocar algodo.
Bataneas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
eld.
Prencas para copiar carlas.
FogSo americano patent
Extractnm carnis
Este producto alimentario para doentes, mui
apropriada para creancas e para as pessdas sitas ;
indispemavei a todos, porin, piincipalviunte aos
viajamos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca ineerraptivel, e
que com facifidade se aprompta o se eonduz, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
cao dos senhoros de engenhos qoe encontrarao no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos c
seus doentes.
Esto producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Heaende & C, ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cada n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma' ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa
rion. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, A prara da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto trazem
urna guia para seu uso.
Scbonete de alcatrdo.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que Uto boa
acceilacao tem merecido n'estr provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu 4 C,
34roa larga do Rosario34.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna efcacia verdaderamente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos-e recen-
tes ou antigs, suffocaces, catharros,
bronchicos.etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vas respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pemam-
buco.
CEMENTO
PORTLAND.
SfVende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Co-
cei; io, em barricas grandes._________^_
Novidade.
UVAS E MACAAS
Chegaram no ultimo vapor da Europa, e achara-
se venda no petat restauran! do Hotel Central,
ra estreita do Rosario n. 4 A.
Farinha
Na na Augusta n. 10 se dir quem vende 98
saceos de farinha da trra de boa qualidade.
M
E
todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIX DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitacSo tem merecido no Brasil, as
repblicas do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das boubas, sarnas,
rbeumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm d
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA
Pharaacla e drogara.
DE
Barthomeu A C.
S4Rna Larga do Hosarlo34
Loja de miudezas de Ferreira da CunhaA
Temporal, ra do Queimado n. G3, est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) 1200.
Caixa muito fina para p de arroz 1^500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 15300.
Agua divina idem lo400.
Grvate pretas para homem 4'0rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio philocme verdadeiro a 1&200.
Aderecos de plaqu 10500, 2# e 50.
Meias cruas para homem 3.-5500 e 40 a
duzia.
Botoes enfeitados para vestido, 10200.a
duzia.
Leques do santol 50, cada um.
Dittos de madeira 30 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 20,
20500 e 30 cada um.
Meias finas para senhora 40 a duzia.
Banha em frascos a 400,640 e 10200.
Frascos com extracto muito fino 20 e
20500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500. 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com exteacto 20500.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs. t
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Galo de la para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 10500,
20 e 20500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e domado a 10.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francesas 160 e
240 rs.
L5a para bordar de todas as cores (libra)
60800.
Bonets para menino 10,20 e 20500,
Linha de mar (caixa) 240 rs.
M'ias para menina (duzkt) 30 e 30500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 20500.
Facas e galfos, cabo de balanco (du-
zia) 70.
Chicotes para cavallo 600, 800 e 10500.
Bengalla de canna 10, 10500 e 20.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 10500.
emporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nan^a, emporal contina a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
preqo que vendia em sua loja
com titulo de emporal.
A NOVA ESPERANQA
21-= Ra do Queimado 2J
Advertencia!
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quanlidade
de miudezas, e como se approxima o tenv
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em lempo lo opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincba-
rem, pois que para comprar-se caro, nn
falta aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto c perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre di\idir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinha,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollo
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas d
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Lavas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creangas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
cellares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoa
pais de familias nao creem (comprando-oa)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, pora
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao O
verdadeiros de Royer, que a tantas creas-
Cas tem salvado do terrivel incommodo d
convulc5es, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a ra do Queimad-
n. 21 compraren) o salva vida, para sem
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
flicil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam "empregados os verdadeiros collarei
de Royer.
Para cabriole!
Vende-se nm rico cavallo, bonita estampa, gordo
e mantedo, muito trotador, bom de cabriolet; na
coeheira do Thomiz, ra de Santo Amara, defron-
te da estaeao.
Para forrar casa.
preco de 900
Queimado n. 3, loja de
Vende-se boa alcatifa pelo barato
rs. o metro : na ra do
A. M. Rolim & C._______
Vende-se a taberna sita na ra do Pharol n
10, com poucos fundos. a tratar ua mesma.
J cordeiro previdente
lina do Queimado n. 1G.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torn;.
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, qualidades e commodidades de pre-
os; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
i espera continuar a merecer a apreciac5o
io respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, n5o se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
barateza. Em dita loja encontrarao os
tpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservac2o do
tsseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invemisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
o boneca.
Opiata ingleza o franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Um outro sortimento-de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
3StSo todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
FlYellas e fitas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.






Diario de Pernainbuco Quarta feira 15 de Setembro de 1869.
7
RIVAL m SEGUNDO
RuadoQucimadon, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conheci'do por
Jos Bigodinho.
Est queiraando ludo quanto tcm em seu
estabelecimento para acabar e fazornovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caixas de linhas do gaz com
50 no vellos a 500
Latas com superior banba a
120, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa muilo
fino a....... 400
Duzias de meias (inglezas)
muito boas a 4>00C
Garrafas com ,agua florida ver-
dadeira...... l-ylOb
Garrafas com agua^dvina da me-
lhor qualidade .... 1^500
Caixas cora 12 frascos de cbeiros
proprio para mimos 2#30f\
Dita com|6 frascos muito finos $800
Oleo babaza muito fino que s
a vista ...... 500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... 240
Caixas de. p de arroz muito
superior ..... 800
Pecas de babadinbo com 10
varas ...... 500
Peas de fita de cs qualquer
largura ..... 50C
Escovas para unbas muito fi-
nas ...... OO
Escovas para den tes fazenda
muito fina ..... 240
Pulceiras de coritas de cores
para meninos 200
Gaixas de linba branca do gaz
com 30 novellos 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4O06
Pares de botos para punbos
muito bonito ISO
Libras de laa para bordados de
de todas as cores 8060
Pentes ccm costas de metal
muito finos 820
Novellos de nha muito grande
para croxs $320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... =480
Grosas de botes madreperola
muito fino ......,5500
Sabonete muito finos GO, 120,
160, 240 e..... 320
Pecas de fita de 12a todas as
cores ...... 500
Espelbos dourados para parede
UOOO e..... -1,51500
Espelbos de Jacaranda muito
fino a...... r2000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 ra-
lbas ...... 1500
Frascos de sndalo e patectaoly
muito finos .....
DE
. EM CONTINUACAO
A DiNHEIRO NA LQJA E ARMAZEM
A ** CtUttMAttf
1200
Vende-se verdadeiro cimento; na >rtm da
Madre de Dos n. 12, armazem de Jo3o
Martins de Carros.
mmm m waiaiaa'aaa-o. w
DE
FLIX FEKEIKi DA SILVA.
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
extracta loja denommada=/A/?D/.W DAS DAMAS=*i ra da Imperatrix n. 36, e nao
Ibe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidacao da grande quantidade de
fazendas que alli existiam, pelos poucos dias que teve at entregar as chaves, vio-se
obligado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o==PAVAO
onde o respeitavel publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linho, la, algodao e seda, que se lhe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que negociam enrpequena
escala, tanto da praca como do matto, nesta casa poderao faier seus sortimentos em
pequeas ou grandes ponces, vendendo-se-lhes pelos presos que se compram, as
casas iRglezas; asara como as exceltenlissimas familias poderlo mandar buscar as amos-
tras de todas as fircendas, ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; o esUbelocimeno se acha constantemente aberta das 6 horas da manhaa as 9
da itoite.
Bartholomeu & C,
A AG'IA BRANCA lem convicio de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limjtac.a'o de seus precos, esto na opiniiSo do rcspeilavel publico
em geral, e na de suaboa freguezia em particular; mas ainda assim ella miga de seu
dever scientificar a todos, da recepco d'aquetles objectos que estSo alm do commum,
como bem sejam:
Esplendido sortimento de
rorcpas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortklo das melhores roupas,
sendo calcas pah'tts e coletos de^casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sara desejar, assim como na mesma loja
ALTA NOVIDADE
EM POOKLINAS OU fiORGl'RO DE.LINHO E
SEDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavao um elegante sortimento das mais
bellas poupelinas ou gorguroes de Imito o
seda, com os mais delicados padrees que
se pode imaginar, assim como urna grande
porco de cortes da mesma fazenda, tendo
de todas as cores e garantindo-se que neste
genero nao ha nada mais bonito nem mais
tem um bello sortimento de pannos casemi- -proprio para osudos, e vende-se por pre-
ras, Wtw, etc. etc. para se mandar fazer 50 muito razeavel na leja de Flix Pereira
qualquer peca de obra, com a maior promp- da Silva, rita da Imperatriz n. 60.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
Neste esttbeieiinento so encontrar dia Harna-
te um completo sortimento de paslelaria de todas
as qualidades para lanche e abre-mesa, etc., etc,
bollado* de todas as qualidades para cli, presun-
tos ludo que congaste em urna boa paslelaria, com o
maior asseio e esmero, cha liysson, preto e miudi-
ulio do melhor que ha no morcado. Nesta casa
recebfli-si eo'wmmendas para casamentas, bailes
<) bapt*ndos, comprmeltendi>-so os donos 4o es-
tabeleeimento a ser ir o nwlhor que for possivel
i vontade do freguez, dispondo para esse lim de
um completo pcsso.il Recebe-so avulso toda e
lualquer i ttommenda, como fcjam, bandejas,
lilos o paes-cle 16 de&wados, doces d'ovos, seceos
de calda a erystalisados, (rostas naciouaes o es-
traugeiras, amndnas cuuleitadas, um completo e
variado sortmiem'o de caitinhas de todos os gestos
.; precos, para minutar HriUlH ; estas caixi-
nlias recentemenle fregadas de Parid, sao de pri-<
inorado go to, offerece iolatt aos galanteadores do
bello teso, pois nellas acbaro um digno e serio
presente para as donas de seu* peusaraentos lico-
res, viirtos fino de todas as cualidades, conservas
e mlhos em latas. O* donos deste estabelecimen-
to nao se poupando u despezas, t'azem todos os
.isforcos para servir respeitavcl puhlieo o me-
.'hor que for possivel, o sendo principiantes e lu-
undo c-mi todas as dfllfeuldades, esperam a con-
lorronfia do respeitavul ptbheo deta capital, na-
eionaes e esirangeiro-;. Pertneh : legiuuio vi-
nho muscatol em caixas, que se vende por commo-
do prei.:<> para partlfoiaro e para negocio. _____
RIGAUD
on U er
priltla et ok*Ua.
rm cito dias o miis,
swa o imprego de neo-
huma oulra substancia,
faz com que o cabello
toma i sua cor primi-
ka, soi manchar a
pee nem snjar a roupa
seo presentar o me-
nas perico.
rcy
Colorigeneo difiere
inteirameote de todas
as lindura* tendo por
base o nitrato de piat^e
auo requeren! o imprego
de duas ou tres sub&ian-1
e/aaliqoidas diversas.
Afi**;a-ee o suceesso |
I exifindo a assgnatura.
DEPOSITO
Em Pernarobiico. P Maurer Ce
Macei, Paulo Jos da Costa Arinjo.
Vende-se dous bonitos
em
_ ecravo de 11 e 18
annos, sio pe^as^e urna mulata do 18, com habi-
lidades : na ra de Horu* a. 9.
tido vontade do freguez, e n3o sendo
obrigados a acceita-Ias, quando nao stejam;
completamente ao sea contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o.
respeitavel .publico *m bello sortimento de.
camisas fr'ancezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros amitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-ihe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na raa da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da-Silva.
Aos slez mil covados de csssas
'i'a.acf*za
Co\ado a 300 Cavado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra -da Im-
peratriz n. 00 urna grande quantidade de
mil evados das melhores casas francezas
para>\estidos, tendo padrees raiudos e gra-
dos, assentados -era todas as cores, estas
cassae sao propriamente francezas, tendo
transparentes o tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padres
serena muito bonitos, sao todos iixos e seria
fazenda para muito mais diitLieiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Esp&rtilhos tt 3AOOO na loja. do
Favo
Vende-se urna grande porco de esparti-
Ihos modernos coc o competente cordao,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendera-se a 3^ cat'a um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande' porco de
p-cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de I5S0O ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras miHtas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechrcha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
MtOOO.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tarlatana, ricamente bordados a 15a, pelo
baratissimo pre<;o de C.-J.
Ditos por eslarem um pau> machucados
a y.
Ditos flnissimo* Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, coa duas saias, seado fa-
zenda ebegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente llgurino,
a I8; flnissimos clh s de cambraia bran-
ca, ricamente bordailos, que al podem
servir para notva, a 2>000. e outros mu-
tos cortes de diterentes fazendas que se
liquidam baratas ta loja do Pavao.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos, por pre^o mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz a. 30. De Flix
Percira da Silva.
CASSAS A 2i0
Vende-se cassas com delicados padres e
cores fixas 240rs'. o covado: na loja do
PavSo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavao as mais
ricas basquinas do casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em conta.
GROZ DE COR
Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio.cinzento
e branco muito alvo, que se vendan mais
barato doqueem oulra qualquer parte.
BASQUINAS DE FIL
Vendft-se as mais modernas e mais ricas
basquinas de fil preto, por preco em conta.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
2;>000 K 2300
Vendem-sa ve-tidinhos para meninos e
meninas, pelo barato preco de 000 e
#500, assim como ricos enxovaes para
baplisado.
MAOAPOLO FRANCESA 7f>000 A PECA
Vende-se pegas de madapolSo francez en-
festado com20 metros a 7000 a peca; e
p* chincha
MUSSELINAS DE COR
Vendase as mais bonitas musseliaos de
cores a 500 rs. o covado.
CELEZttS
PANNO
DE
LINHO
ATOALHAOO
Vendem-se as mais finas celerias de linho
cn 25 varas cada peca, sendo mais finas
anda que as mais baos esguioes que tm
vindo ao mercado, a 45$, 53-?, 60s!000 e
701000, tambem se vende em varas as
mesraas ceiezias, -seado preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lences
com perto de 4 palmos de largura a 700,
800 e 1)5000 a vara, sendo em peca tam-
bem se faz alguma equidade ; bramantes
para lences com 40 palmos de largura a
;800 e 2^500 o .metro, e -de linho muito
-superior a 3,51200 e 3#500.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 2li00, 35 e 3o00 o meti, e
outras multas fazendas brancas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim rico de apurar
dinheiro.
CHITAS \
MADAPOLO
ALGODOSINHO .
Vendem-se superiores chitas escuras-; e
cleras pelo barato preco de 280,320 e 360
rs. F as percallas a 320 e 360 rs.
Pecas de algodosiho de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolo
dos mais bacatos at os mais finos; assim
como, superior algodasinho entestado para
lences, toalhas, tanto liso como trancado;
todas ettas fazendas se vendem ais barato
do que em outra qualquer parte, para apu-
rar dinheiro.
PECIHNCHA Dd PAVAO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco de esta-
menha .mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo un&a fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
o covado, fazenda que sempre se vendeu
por muito mais dinheiro.
VESTIDOS A 800 rs.
Com duas saias
Chegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, e mais bonitos cortes de vestidos
de eambaia, e organdys; com mais lindos
padrSes, e o competente figurino, tendo
cada corte 18 covados, que pode dar corte
para senhora, e menina, e vendem-se pelo
barato preco de 000, nicamente na loja
e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 360 RS. O COVADO
Vendem-e finissimos organdys de cores
para vestidos com lindissimos padrees pelo
barato preco de 360 r. o covado; assim
como ditos brans muito finos com listas
larga* e eslreitas, edequadrosa 800 rs. e
I000 a vara, tambem tem tarlatana bran-
ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara ;
filos de flores a 640 rs. a vara, e ditos lisos
a 800 rs. a vara, e de salpico a J000;
isto na loja e armazem do Pava), ra da
Imperatriz n: 60 de Flix Pereira da Silva.
Bonitas caixinbas de maderas envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
quando abertas
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras c os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeicao, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musida.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
Ibas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas, denles, cabello e roupa.
Qutras de balea com machetados de ma-
dreperola paraos mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com clstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Ostras com aljofares coloridos, e tran-
selin douradd.
Botes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 3;?.
Botes de cristal, encastoados em prata,
para punbos, k-> o par.
Camisas d flanella para hornera, a me-
lhor qualidae que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de laa para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de-dita, tecido de borracha, para
auem soffre de incbaco as pernas.
Pannos de crochet, para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas,, proprios para piaios,
oratorios, etc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
Vinho, Pilulas.Xaiiope E TlNTUnA
de jbrubeb.v simples e ferruginoso;
Oleo, Pomad.ve Emplastro da mesma
plxnta preparados por
BARTHOLOMEO & C*
Parmace uticos-Droguistas
pek.v1mbi 1 o
A Jarubeba : esta plaata c liuje rtconliiau'i
como o mais poikruso tnico, como o nieri. r
ilesobsl ruen tu, como lal apulicada nos padecmento*
to ligado e ba;o, hepatilcs, Jurcsas, tumores intei
uos e especialmente do ulero, hidropesas, erysi-
pellas, etc.; e associada ao Trro til as pallicrs
corea, chlorosea e (alta de uieiistruacao, desamo.
jos do estomago, ele, t o qua diaemos aited.'o
innmeras curas iiupoitanlcs oblidas oom aossos
preparados j bem coubecidos e asados pelos mais
dislioclos mdicos do pail a Portugal. Em lodos os
nossos depsitos distribuimos gratis folhelos qaa
melbor fasem conbecer a Jurubeba seos resultaaoi
e applicscio.
Ll
Rost venda um escolhido sortimento de ob-
jectos de marcineria, como sejam, mobilins de ja-
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de fiaranaa,mognoetmarelRi,obra nacional e estran-
NonrplusuUra, "* ikmSm Hr^* o. etra, de apurado gosto c por pi ^o* razoave.3
merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua aprcciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a-
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente se acham venda na
loja da Aguia Branca, seria seno imposs-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e anliga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer loja d'Aguia
Branca roa do Queimado n. 8.
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo do Tenjo.N. 23.
SIMAO DOS SANTOS a-C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e moldados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto destapraca, como domatto e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teemum grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a relalho, por
meaos preco do que em outn qualquer parte, por ser maior parte deslas mercaduras
compradas por conta propria, por isso quera comprar al a quantia de lOOji, tei cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garaotindo-se qualquer genero sahido deste
armazem.
CHALES DE CASEMIRA
Chegaram os raai* modernos, o mais
bonitos chales de casemira com dezenhos
inteiramente novos, que se vendem a 9:j,
10;>, i2l e i i?; assim como urna grande
porg3o de ditos de menina que so vendem
mais baratos do quo em outra qualquer
parte ; na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, do Flix Pereira da
Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12,5000 rs. cada par at 25,5000 re,
iste na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
BALES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavo vende-se os mais mo-
dernos bales reguladores tanto de musse-
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias de la entestada, mais barato do
que era outra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda e os padres mais novos
que tem vindo a cs'e mercado, vendenJo-se
a 15400 o covado, na loja de Flix ?ereira
da Silva ra da Imperatriz o. CO.
GAZ AMERICANO 95 a lata, a 200 rs.
a garrafa e 600 rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO FIGUEIRA oCO e
640 rs. agarrafa, a 4$5O0 e 4;j800 a cana-
da, a 70 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 35 c
35500 a eanada, 600 e OOrs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 w. a
garrafa, e a 75 a caada, e i 340 o litro-
VINHO BRANCO DE LISBOA a GOO rs.
a garrafa, 45500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
00, 240 e 320- rs. a garrafa, 200,
I 800 e 15400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
M.%NTEIGA INGLZA FLOR 3 154 iO e
15280 a libra, 35140 e 2800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA a 960 900 e 80 rs.
a libra, e 25100, 15980 9 15870 o kilo-
grmmo.
DEM PARA TEMPERO a
bra, 15400 o kilogramrao,
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR
720 rs. a libra, o 15570 o ki'ogrammo, era
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARAMIAO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra, 260 o 300 rs. o ki-
logrammo e 35800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
040 rs. a li
em porco se
620 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
timento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 15 e 15400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 70 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PH0SPH0R0S DO GAZ E DE SEGU-
RANCA. 5 280, 400 e 560 rs. o masso,
3520) e 65500 a gtm.
AMEIXAS EM LATAS E CACH1NHAS
DE MU1T0S TAMANHOS 35500, 55500
6 15 a libra.
GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 55500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS. VERDADEIRA IHLERSd
BELL, 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 15500, 15200, 15 e
800 rs. a garrafa.
GENERRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 75 e 65 a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM de laranja doce aromtica,
115 a frasqueira e 15 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORI.S,
35, 25800 e 25400, em caixa faz-se gran-
libra i 10 e 520 rs o Ij,a' e 880 rs- kl,o2ramm0> e 115^00 por
14 kiloi^rammos.
aa ra estreita do" Itosario" n. 32. Nesta mesma
asa azem-se com perfeicao todos os trabalhos iia
palhiaha, como sejam, empalhamentos de lauros
para cama.*, cadeiras e sopns.
A ruado Livramento n. 6, contina a bo
ver para vender por precos rasoaveis, o
melhor vinho verde al boje vindo a este,
mercado.
Jos llalla I'ulmeira contina venk-r em sea
escriptorio, largo do l^orpo Santo n. 4, Io andar
Potassa da Hussia superior.
Lonas da Rossia de superior qoalidade.
Brinzoes da Rossia de superior iptalidale.
Cemento Portiand.
Dito Remarjo.
Pao de algodao do comuieudador Pedroso.
Vinho Bordcatix.
ATTEN&AO.
E' chegada a occasiao de <|uem quizer preve-
ni-se de una das melhores taberna?, tanto por
seu local ser dos melhorcs,como esi afreguezada,
pois so dir o motivo aos pretendentes porque se
vende : uo pateo do Terco n. 6, a tratar na
mesma.
ESCRAVOS FGIDOS.
SOO e 240 rs.
kilogrammo.
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs o kilogrammo, em ;aha ha
abatimento.
MASSAS PARA SOPA. MACARRO, TA-
LHARIN E ALETRL\, 800 rs. a libra e
15750ok'Uigrammo.
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra e
CHA- FINO. GRADO E MIUDINHO os
melhores que ha no mercado, 35 e
35200 a libra, 75080 c 655.0 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25700,
1 500, 23200 e 25 a libra, e 5450 e
45180 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros, vinho em ancorlas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, liogoicas de Lisboa, marmelada. con-
servas gela de marmello, pcego, eryilhas, peixe em latas, sardiiihas de Nantes,
vinho verde engarrafado, pomada canela, cravo, ervadoce, cominho. pimenta. grande^
molbos de sebolla 15300, finalmente muito mais gneros que enfaudonho
mencionados. ___________________
ATTENCAO
Nj nrmazem da ra de Apollo n. 8 ha para
viinder urna cadeirinha ou palanqu!:n com todos
pertences, em muito bom. estado, a por preco
commodo.
CIGARREIROS.
No armazem n. 18, travessa da Madre do Dos,
eude-se papel de seda para cigarros, marca muito
grande, e superior qualidade, por prego commodo.
Vende-se um escravo moco e de bonita liga-
ra, pedreiro de toda obra, e perito om assentamon-
to de engenhns, e muito bom cojsinhoiro : na es-
trada de cao de Barros, sitio n.
Cha toni-piirgatl* o c depurativo
de Chambard.
Composto das plaas as mais odorferas e as
mais virtuosas dos montes os mais elevados, o cha
tonipurgiiliio de Chambard possue um gustosabo-
roso o um aroma suavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do estomago,
dos intestinos e do ligado, o desob-truente por
cxeellencia na constipado do ventre, e nao tem
resguardo algum. Uepurativo especial e directo
das hiles o dos humores, refresca o sangue depu-
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL,
Pharmacia de Bartholomeu &. C, ra larga d-i
Rosario n. 31.
Urgeneia
Gont;alves Teixeira tem p-ra vender travs
de qualidade c >m 40 palmos de comprlmento e
12 polletiadas de grossura : na eiiniua da roa
Ua Pcnlia u. 8.
As autoridades policiaes ea
quem competir.
No da 29 de raaio do corrento armo fr>
gio o escravo Escquiel, crioolo de 30 32
annos de idade, estatua regular, reforcado,
cor bem preta, cabeca redon la. tiajava ca-
misa azul e calca de casemira cinzenta; du-
rante o dia costuma andar ganhando as
rua>, ou em armazens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; durante a
noitc rccolhe-se a telheros abertos ou pe-
notraves, a casas em constiuccao e a ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar : quera o apprebender tenha a hondada
de o conduzir ra da Aurora n. 26, onde
ser gratificado.
Fugirain do engrano Firmeza
do termo da Escada, na noite da
10 para 11 do crrente, dous es*
n'nvus mulatos, os q..aes fontal
comprados ao Exm. Sr. baro da
Nazaretli ha 15 dias pouco mais
ou menos, tendo Juo, idade da
^jj. -ysteas^r 30 a 32 aunes, beui barbado, pe-
tos cabelludos, tem os dedos dos ps, isto o
mnimos curtos e quasi que trepam um no OutTO,
leudo todos os dentes de frente, corpo regular e
leva chapeo de couro de sartanejo, calca azul da
algodao que lhe cliamam pella d'onca cobertor
de hacia escura e mais alguma roupa, foi escravo
do Illm. Sr. tenente rtironel Agoslinho Correa da
Mello, de Ouricnry, o nutro de nome Flix, a-
bra, alto, bom corito, idade tii muios pouco mais
ou monos, Ievoii chapeo de couro de abas largas,
caira azul de algodao que lhe chainam pella d'on-
a e cobertor de hata escura, foi escravo do
lu Sr. Eduardo Pereira do Sonta, da provincia
da Parahyba, que o vendeu por seu procurador o
Sr. Jos Lop-s Alheiro ; quem o apprehender a
levar ao mesma engenho Firmona ou no Recifeno
escriptorio de Domingos Alves Matheus, a ra uo
Vicario n. 21, sor generosament.- n>compensado
No dia l."i de agosto ultimo fugio do casa do
Sr. r. Joo de Hollanda da Cunha, a ra de Bem-
lica, na Passagem, n. 48, onde se achava alujado,
o molequc Francisco, crioulo, bastante p eto, da
lo annos de idade, com um sigual de queimadura
no hombro oquerdo, trajava calca e jaqueta da
brim, consta quo se acha" servindo em loja de m-
paJhadnr, de que offlnal, ou lingindo que pre-
teode aprender esse oulivo, pelo que se prottata
contra quem lhe der agasalio ; qnem o apprehcn-
der, queira leva lo ra da Aurora B. 26, quo
ser pratiliradn.
Muita attenqo
Fugio no dia 29 de junho o ewravo Manoel, da
naco Angola, idade 50 annos, pouco mais ou me-
nos, com os slgnaes seguiutes : falta de denles na
[rente, andar vagaroso, pernas una., marcas de be-
xigas, levo calca e camisa de riscadinho, chap/J
de palha novo : rnpa-ea ao* senhores capules da
campo de o prendaren) e levarem-no ra Direita
n. 16, quo atrio generosamente gratificados. Bes-
conliase que anda pelos engenhos do Cabo.
Fugio do engenho Todos os Sanios da villa
de Ipojura, no dia 30 de niaio, o escravo Goucalo,
representa ter 43 annos de idade, pouco mais o
menos, cor vermelha, alto, grosso, ol,, s peqoenos,
D. St-nhorinha Mara do Livramento, que morou na
villa de Serinhaen: ; no dia immedialo da fgida
esteve na mesma villa : suppde-se estar ac.rjudo,
o que se proceder com o rigor da ki quem t
tenha, e pede- e s autoridades policiaes ou t
li- de campo a rantura do nie-mo c c
mesmo engenho ao ahaxo assi?nado,
da Moeda n. 8,2> andar.o.-crpiui ,o do
ves Perreira A C, que sera geucrosameole recwtt-
Miguol Pauliuj Toleattao Pero; F:,'.:3.
ou na ra
Hauool Al-
aai
aaami







_
Diario de Pemambuco Quarla feira 15 de de Selembro 1869.

ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS
SES&AO BM 7 DE AGOSTO
'insim-.w.iv no sn. nf.bus.
(Continua (o)
O

l\ UMU
que na i
te-
izo
iie
Oeste modo
omiti um j
sustento c|iio aquillo
chainam adheso .! is
ir. nada mas 6 do que
ito'dc .rio physica c ino-
.
1) S ,. Asdiiaiik Frnt'KHw : Desde que
.): deputado assiguila a causa, con-
,reitO.
O S... Jauuamk :Entin os nobres de-
id aowtan o principio dos tateos:
iliutM cmcta mmper ent oantU princi-
pa errneo, qau lioje uinguein aceita, e em
l qual smenle *5 pode dzer que
i: : : -n a adhes daquelles que tru-
'a:;: levar o Paraguay a este estarlo, o
:.:.. foi Francia, o qual COineCOU sua
p indo em pralica aquelle conselho de
Htiio. qmndo, por toda resposta ao
11 ilc u i conservar a paz de seas estados,
; io a seu jardim c corlo om sua
.a..! as papoulas raais elevadas. Fran
operacao de
se elevavam
. 'i n*j limitou-se a sangrenta
ir todas a-; cabe-cas que
ta da nultido : qutz que sen trabadlo
le raduxr os Paraguayos a tima .mass
uniforme, sem matiz, altonita
i -p..i; o .' tesiguada coin si i s nesvenlura
, id ge.racoes futuras, c por jaso
i casamento dos Hespanhcs In mulheres brancas do paiz, p'rmtiiodo-o
uascoin as indgenas, medida que tinha
por fim oslerilisar as familias mais dislin'.-
de cuja descendencia de antemo se
ava.
Ora, sendo os successores de Francia
despostas como elle, a consequencia tem
esta que estamos vendo, urna geraco
tituda das facilidades, que.eonobrccem,
talluda para obediencia cega, para acoac-
; hoinens que nao pensam, nao cogitam
i< cuja razio como que desappareceu.
.1 apoio do que acabo de affirmar, Sr.
te, permitla-mc V. Exc. que eu cite
Irecli is de um artigo do Sr. Dr.
sarmiento, actual presidente da Repblica
argentina, no Adtwiiser, jornal de Boston,
de junlio do auno passado, poca em
que representara aquella Repblica, como
ministro dos Estados-Unidos.
i...........
Seria bom que o Adceriiser lesse o
ir o da viagem do capito Pag sobre
o Paraguay, para reconhecer o que o go-
verno de Lpez e a cega subrasso
I a vi.ln a sua ciednlidnle. Esta farra
(sangrenta, calculada para infundir terror i
I foi o primeiro acto da poltica sombra e
suspeitosa daquelle hornera, e ella assegu-
rou-lhc a supremaca no governo local e o
predominio sobre o publico. ...
Agora que com as autoridades citadas ja
moslrei que o Paraguay um paiz anouijlo.
collocado pela lyrannia e pelo terror fura
das leiscommuns da taraanidade, como eu
ha pouco (lizia, vou anda corroborar os
milis argu nentos mostrando que em outros
paizes a justica, a ordem eregulai idade
do poder aquillo que o legitima e consolida,
e que ludo isto faltand /., o seu po-
der c ephemero, illegfttm >, irregular, nao
tem existencia seno casual, aqaeHa une
Ihe offerecem os esteiros, as montanhas, os
pantanos, etc., e que, por tanto nao tem
razo de ser.
O fado]que quero referir em apoos disto
o que se deu nesta grande guerra que
nltimamonte o mundo testemunhou na
America do Nortp.
Sabu-se que aquella naco dividid! em
duas partes sustentava cansas diversas.
querellos Estados.do Snl, que sustoala
am a escravido, separarle dos do Norte,
e este-, que sustentavam a emanciparn
los esflravos, querendo a todo o transe con
inlegridade da grande repnblica.
rfo a guerra grandes proporces,
nacoes civlsadss reeonheceram os
do Snl como beligerantes. Por
o eram dous poderes que se debateram
i que com forcas ignaes, at que par
foi a sentenca lavradi pela* armas
m favor do Norte, camodo a ca-sa do Sul.
Constituidos nestas eondices o Norte e o
serva
Sul com forras quasi iguaes, como j disse.
'guayos.
o
dos
i O Advertiser admira o herosmo do
;Jono de As>umpcao, mas o capito
descreve alguma cousa semelhante
n lempo de piz: todos os habitantes da-
quella cidade encerrados em suas casas as
11 horas do da, por ordem do governo,
ifim deque os Norte Americanos nao pu-
lessem {fallar com
mnguem.
Isto e urna
Hernia provavelmente sem exemplo na
ra ila rara humana, e que parece fa-
mlosa. Nada de divino ha nisto. asub-
mi.-saodo Indio, do escravo, do brbaro,
do homem ignorante, a seu amo.
Iteceioqnc os escriptores que tenhoci-
tado sejam bavidos por suspeitos por serem
ennos os seos autores e de lempo em
queja seu paiz se achara em guerra com
n Paraguay, e por isso peco permissao para
citar tambem algnns trechos da historia de
grano, escripia pelo Sr. general D. Bar-
uu i Mitre, a qml temi sido publica-
da em 1839, muto antes da guerra do Pa-
[uay,acha-so senta de toda suspeita,
Jli emiUido sobre a deca-
lencia moral do Paraguay e do tyranno que
para ella mas concorreu.
o o Paraguay, berco da civilisscSo do
i' da i'i'ita, era ji om tSIO o paiz mais
ipprimida da jnorca tki
S il. ('. in |uitda 11 am 1536 pelos restos da
.xpedico de 1). Padre Mendonza, escapa-
as chammas c fome, que puzeram
tormo a primeirapovoaQao de Buenos-Ayr's
leve por progenitores urna raca varonil, que
fundn urna colonia turbulenta, despedafada
pelas facetes. Um homem de genio da
I :rea tempera dos Gortezes e Pizarras fe/.
surgir a ordem do seio daquella sociedade
noi ui i. Domingos Martnez Irala, o
maior conquistador do Rio da Prata, foi
.n doou o Paraguay de suas primeiras
tuic&as, despertando por raeio dolas o
espirito municipal da colonia, e operando
o mesmo tempo a fusao da raca indgena
i- da europea.
a O espirito municipal, a fusao das rafas,
e a influencia theocratica das misses jesui-
s formam o grande co da historia do
Caraguay. Esta colonia to pacifica ao tern-
era qoerompeu a revoluto, tinha viv-
anles da perpetua agitacSo, sustentando
- furos e franquezas em pugna com as
tendencias invasoras do poder real e do
.rilo theocratico ; c como o antigo Ara-
bio, teve suas assemhlas e seu Padilha de-
lado m cadafalso. A carne sobrepojou
m ao espirito. O saugue indgena pre-
dominou sobre o sanjjue europeu, e as maos
americanas transraitliram a seus descenden-
t ijs sua ndole suave, seu idioma-e seu tem-
peramento, inoculando-lhes as veas a prc-
^nica.
JFazendo o retrato de Francia, diz o mes-
iiptor :
a bisanstvel por natureza : misntropo
por temperamento; .'mplacavel em seus
s, tenaz at em suas maneiras, era urna
daqellas figuras sombras, sobre cujos
labios paludos e comprimidos rara vez se
buxado um fro e sinislro sorriso.
no todo homem solitario, tinha urna f
i em si mesmo, e possuido de intole-
ia e de orgulho desprezava tanto a seus
inpalrotas, quauto encarava cora repulso
iros. Tal era o homem pre-
destinado, que arrancado de seu retiro pela
icvoluco, devia por-se afrente della como
o genio sombro da dominaco absoluta.
N'ontra arte di/, ainda aquelle hsto-
ir :
imissarjos do governo do Bue-
Vyres (bagaran ao Par,iguay no im do
aiaz de setembro (18H), e a primeira cou-
[00 viram ao chegar a Assumpgo ioi
Torcas levantadas no raeio da maior
praca. Nellas acabavam di ser suspensos
r>sL*adaveres de dous Hespanhes que, en-
idos por um apparato de contra i
) forjado pelo Dr. Francia, tinliam pago
pois que o Sul, apezar da ioferioridade da
sua populacao, jogou al wM ponto com
elementos oU'wiaes, visto ipi^cstadistas do
Sul, quando estiveram no poder, os tinh un
predisposto para este Gm ; c illocada, digo.
a queslio neste p de gualdade, o que
que principalmente decidi da victoria pelos
Estados do Norte ? Sem llovida, seohores
a ordem, a regulardade, a justca. pie man-
liveram estes estados em todas as suas opc-
racoes, m' todos os actos da alta admins-
tracao atravs das paixes partidarias.
, Aopassoque os Estados do Sul, poder
revolucionario que nao tinha fundamento
legal, laucara mo de medidas dictatoriaes
fazendo proclamacoes extremas, que cha-
mavam para as armas todos os homens ca-
pazas de pelejar sem nenhuma dislincco,
e por consegrante estabelecerot a desor-
dem, a falta d harmona, desprezando to-
das as regras, todos os direiios ; os Esta-
dos do Norte empregavara todos os meios
enrgicos de que precisavam ; porm cora a
calma e dignidade propras das maiorias
convenidas de seu direito, mais cspie-
ciam que eram um poder constituido e qoe
por isso, nao devendo empen'iar seno urna
parte de seus recursos, tanto em homens
como em dmheiro, para nao comprometie-
ren! seu futuro, timbraram em respeitar
todas as populacoes s rasolvar todos os di
reitos, do que deram proras nos momen-
tos os mais solemnes.
Sabe-sc, por exemplo, que duas vasas
o intempestivo zelo dos agentes do norte
creou ao governo grandes diiliculdad es,
despertando as paixes populares; e foi,
como nota o Sr. Russillon, que por ordem
do governo francez escreveu a historia da-
quella guerra, a primeira o negocio do
Trenl, navio inglez, que, levando a seu
tus constantes com qne os Turcos o^^H
miara os regos, aquella valenle n
presentante das heroicas tradicoes da an-
tiguidade, mas qu) por sua desgranas passa-
das tinha perdulo a naeionadade, passando
a fazer parto do impario Oltovano, levan-
lou-se contra saus oppressorea, inspirando
gernes sympathias as naces christSas da
Europa, as quaes, vendo que da luta entre
opprossores e opprmidos resultava, alm
de outros males, grande prejuzo a seus
mteress.'s comm-rciaes, fizerarn surgir urna
grande opino em favor da Grecia contra a
|uia. A Franca e ajoglaterra, unin-
ilo se com a Riiiii. de^lavMm Turqua
n i limitado prazo de um mez deve-
*k\m estar suspensas as hoslil'dades. Findo
esse tempo, lizeram approximar as suas
'squidras, as quaes deram depois a cele-
bre batalha de Navarino, que decidi da
independencia da Grecia, obrigando a Tur-
quia a abrir mo de urna parte dos seus do-
minios, consloindo-se assim a nova nacio-
nalidade da Grecia.
O Su. Candido Mkndes d um aparte.
*'0 Su. Jvr.uvniBF.: O que digo que
essas nacoes linham o estimulo do int"-
resse commercial, alem de outros, para nao
consentirem que continasse a Grecia a
soiivr as adicidades que all commettiam
os Turcos. Se tiveram. razo para assim
proceder, destituindo a Turqua de urna
parte de seus dominios, milito maior te-
mos tiiio nos defendendo interesses muito
legtimos no Rio da Prata, e principalmente
no rio Paraguay, deque somos riheirinhos.
Nao iiodamos tolerar por mais tompo a-^
aiTronlas que nos dirigi o tyranno do Para-
guay, que. alm dos atientados per elle.pra-
ticados contra nossa soberana nacional, nos
tem tolliido a Kvrc commnncaco, como
era nosso direito, por aquelle ro com urna
nossa prorincia importante, como a. de
Matto-C.rosso.
O tratad), a qu; ha posft) allnli, (lis
tres nacOjs entra a Tur | lia, de t de
julho de I87, como se den; en;ontrar em
qnilqner chronica europea daquelle anm>.
mas refiro-me agn especialmente His-
toria de Cem Annos de 1750 a 1850 por
Cesar Cantu.
Offens&s mais ou menos iguaes s que
fez o dictador do Paraguay ao Brasil foram
dirigidas s repblicas Argentina e Orien-
tal, nossas alliadas, e por isso as tres na-
coes alladas, fazendo aquolle dictador a
guerra, a que foram.prorocados, eslo no
pleno direito de depO-lo pelas armas, como
ningiicm contesta. (Apoiados)
Entretanto vencido o dictador era toda!
3S suas fortificac.es, donde fugio precipita-
damente, j sem recursos para continuar
urna guerra regular, internou-se as hre-
nhas e montanhas de seu paiz, onde fugi
tivo e sem ubi conhscido procura rehilar,
como o moribundo; rehila contra a morle.
Sua capital acha-se em nosso poder, e
apezar de todos os esorcos do tyranno
para conservar jungida a seus novos acam-
pamentos ambulantes toda a populacao pa-
raguaya, grande parto desta tem aflluido
para aquella capital, onde j desassombrada
bordo dous enviados do governo confede-
rado do sul em commisso Europa, M i-
soneSlidell, foram ambos violentamente
aprisionados no golfo do M.-xcopelo capilo
Wilks da marinha de guerra dos Estados-
Unidos, que os conduzio a Nova-York, on-
de foram considerados prisioneiros de gtier-
za c encerrados no forte Warren. Enlre-
tanlo, o governo, cedendo s enrgicas re-
clamacoes da Inglaterra c s observar/es
da Franca, declarou em I de Janeiro de
I8>:3 que os Srs. Masn e Slidell fossem
poslos em liberdade.-
O bom senso do povo americano, que
alias tinha cercado com os maiores applau-
sos o capito Wilks, levou-o a approvar
este reto de sabedoria do seu governo.
E' com procedmentos desta ordem que a
justica triumpha e a opino publica das
naces augmenta a forga moral dos gover-
nos que assim proeedem.
Nao foi s este facto. A segunda vez, a
que alludi. foijo caso da violcnciajlwme lo-
mos victimas, quando o vapor (Vassitcheis
da marinha de guerra dos Estadas du|Nor-
te, entrando para o porto da Baha dal
arrehatou a falsa f em 7 de outubro de
1861 o corsario Florida dos Estados do
Sul, que se achata abrigado debaixo de
nossas fortalezas, desrespeitando assim o
direito das gentes e todas as altencoes que
devia ter com urna naco amiga. Esta vio-
lencia praticada em frente de nossas forta-
lezas e de urna nossa estar > naval.se nao
fosse seguida de prompla reparaco, seria
almde um insult) a nosso lavilho, ana
ndelevel mancha nos bros de nossa oa-
cionalidade. Entretanto, em vistas de nos-
sas justas reclamacoes e das obsenaces
dos gabinetes europeos, o governo de Lin-
coln, que enio presidia os destinos da-
quella repblica, reprovou o procedimento
do commandante do Wassueliett c deu ao
Brasil todas as satsfa;
O Sn. Candido Torres Fu.no : Depois de
colhido o effeito.
Uma Voz :Mas ao menos deu-hos as
devidas satisfaces.
O Sn. Jaguaribi: : E' verdade, mas de-
venios applaudir o acto da justica. (Apoia-
dos.)
Entretanto, senhores, quando assim pra-
tcam as nacoes que respeitam a justca e
a opino publica, que sao as bases de le-
gtima autoridade, o que ha no Paraguay
que se possa comparar com o procedimen-
to dos poros civilisados ?
(Ha um aparte.)
A verdade esta: aquellas naces nao
prcs:ndiram jamis daquillo que constitue
a le das uacoes; ao contrario sempre res-
peitaram o direito internacional, ao passo
que o Paraguay constituio-se fra da le i,
seu dictador converteu-sc em reo de lesa
humanidade.
O Sn. Alcmcar AiumrK : Um povo to
brbaro nao se compara com povos civili-
sados.
O Sr. Jacuaiube :Quando um povo est
nestas circumstancias pode-se dizer (pie
existe all o governo legitimo ? De modo
nenhum. Encarando para a historia dos
outros povos, vemos que, quando algum
por seus excessos perturba e ameaca a
existencia dos outros, esles esto no direito
de reprimir esses excessos.
evidentemente que nao temos no paraguay
nenhu.m nutra pretac.ao, aleunl; resdvar
nosso direito da livre ntvogagao do rio,
sen3o a da regenerac,5o daquelle povo.
(Apoiados).
Passando a outra ordem de ideas relati-
vamente guerra, en peco licenca acamara
para dar uma breve resposta a algum i-
aprecacoes feitas por Hin Ilustre senador,
que dec!arou-se obrigado a ennuncia-las
pelo facto de ter do ao Paraguay, de ter
recebTdo impresses e s athar-se, c-mo
homem poltico, no dever de exp-las ao
paiz e augusta cmara de que raembro.
Julgo-me na oh'igacJn.de. responder ao
illustre seuador (o alustrado Sr. Silveira
da Molla), com tanto maior razan quatto
nSo s psroce-me que S. Exc, a quem
alias muito respeito, nao foi exacto, nem
bastante justo as suas apreciaooes, como
tambem e principalmente porque, tendo-
me cabido estar no Paraguay, nao como
simples viajante, por mera satisfaco de
curiosidad, mas no cumprmento de de-
veres para omomeupiiz, tendo estado
all, no^onw, iomistt, mas pir espaeo de
juasi anno e meio, nao depois de lindas as
operacoes militares, mais ao tempo em
que estavam em electivi jade, live occases
freq'ieiites de apreciar os trabalhos que
coniam por cunta dos nossos bravos sol-
dados, a diligencia e a aclividade iofatga-
veis dos nossos generaes; por isso tam-
bem me julgo obrigado, com > o Sr. sena-
dor, a apresenlar ao paiz as emocoes que
no Paraguay recebi.
Si'nhore.s, o Ilustre senador qncixa-se
de que, em o noare general em chefe, que
voltou ulinamente enfermo do Paraguay,
nao hava iniciativa, c qne dah vinha a
delong da guerra, dah vinha que ha mais
tempo nao tvesse ella terminado.
Antes de ludo uma considerarlo, e
que, mies que o uobre e muito dslncto
general o Sr. duque de Guias fosse para
o Paraguay como commandante em chefe,
outros distinctos generaes, aos quaes eu
nao cessarei de rendar elogios, tinliam
conimandado em chefe aquelle exercilo,
bastante lempo hava decorado, sem que
todava elles consegu.-.sem por termo
guerra.
Mas, p;rgunto eu : alguns dos membros
do senado que hoje aecusam o Sr. duque
de Caxias j se lembraram de aecusar os
generaes que anteriormente commandaram
o exercito, por esta falta de iniciativa.
ou: porque nao fizessem o humanamente
poS3ivel para terminar a guerra ? Sem du-
vida que nao.
C >mo, pois, estes, que ha pouco faziam
ao Sr. duque os maiores elogios, que
nao cessavam de elogiar a sua pericia, a
sintctica e os seus esforcos, que admi-
ravjm que na sua idade pudes-e mani-
festar tanto vigor, so agora achara defeito>
no nobre duque, s agora dizem (pie n >
bouve essa iniciativa da sua parte, e que
por falla della a guerra nao chegou ao
seu termo ? y
Senhores, dllieuldades do Paraguay
sao manifestas (apoiados), ellas nascera da
caces, do que sao exemplos brillwnles os j n3o poderi.i de modo algu ser traosposta
r\3 esouadra de raadeira. princpalaeote
constando que quando nossos encooracados
da oppresro deseja a inslallaijo de um natureza do terreno todo inlercortado
novo governo paraguay o, que habilite aquella
naco a regenerar-se.
Os alliados, coherentes com o fim para o
qual lm feito a guerra ao dictador do Pa-
raguay, procurara satisfazer as reclamags
da populacao paraguaya existente em As-
surnpco auxiliando-a no empenho de ser
all estabelecido um governo provisorio.
(Ila diversos apartes.)
Permutara os nobres deputados que u
complete meu pensamento.
Tem-se estranhado que se qu -ira organi-
sar um governo provisorio no Paraguay, es-
tando Lope/, na circumscripro daqnede
paiz. Maravlha-me semelhante opinio,
quando vejo que igual procedimento tem sido
repetido era diversos paizes, em que se tem
tratado de demolir um poder cuja legitirni-
dade contestada.
O Sn. Axokade Figvkuu: Uma naco
eslrangeira fundar governo em outro paiz!
O "Sn. Jai;i wnmr.:Nao impomos um go
verno ; animamos o po'oparaguayo, liber-
tado daquelle tyranno, a acclamor um go-
verno a quedamos o nosso assentimento;
na qualidade de seus alliados Ihe presta-
remos auxiiio e garantas.
Os que admirara de que semelhante facto
se pralque smente agora manil'estam a
sua estranheza. Nao viraos o que aconte-
ced cm Montevideo quando ao governo de
Villalba succeden o general Flores? O qu<<
foi ento a autoridade do general Flores
seno a.de um governo provisorio? Qnem
que governava nosso paiz nessa occsio?
Eram os progressistas e liberaes que Sppro-
varam o fado, r.o qual agora chamam {ifrf
cedimento nunca visto, sendo, portanto, ma-
nfesta a contradieco dos que ento appro-
varam o que hoje reprovam.
O Su. AxDRAnF. Ficeira :O facto
di Itrente.
O Sn. Iagambe : Nao Ihe rejo diffe-
renca. Como este eu podera citar outros
muitos fados, com-i, por exemplo, os da
Franca depois da primeira e segunda reti-
rada de Napoleao, onde sob a influencia
dos exercitos alliados foram erigidos go-
vernos, que outra cousa nao eram seno
provisorios, antes que Luiz XVIII se sen-
tasse no throno.
O Sn. A.ndiud:'. FicuEaAS outros Sus.
Deputados do apartes.
OSn. JAGUAniin:: Ao facto caberla a
nterpretaco que o nobre deputado Ihe
quer altribuir, se de outra maneira se t-
vesse passado, se nos, leudo um exercito
no Paraguay, nomeassemos quem nos
aprouvesse "e o mpuzessemes como go-
verno aos habitantes daquelle paiz por
meio da forca. Platicamos porventura
assim.?
O Sr. Anoram: Figurira : Ha doos
meios: ou a fraude ou a violencia. Em-
prega-se a fraude.
O Sn. Jacuaiube : O nobre deputado
injusto para com o governo do seu pro-
prio paiz.
O Sn. Andrare Figueira : Quero ser
mas justo do que o governo;. o que con-
demno a intervenco.
O Sn. Jvguaiium: : O nobre deputado
saoe que na capital do Paraguay est uma
massa de populacao que vive em desor
dem, que precisa de autoridade civil para
reg-la, evjtaBdo-se por meio defta a oiio-
sidade do um rgimen puramente militar.
ncorreado para que se forme all um
governo provisorio coraposto de Paraguayos
provamos o nosso espirito de moderaco
e justica.
Este procedimento, que se firma no ex-
emplo de outras naces, nJo pode razoa
velmente ser censurado, e ao contrario
Todos sabem que em razo das violen- deve ser applaudido, porque demonstra
pantanos, e da falta absoluta de
ment daquelle paiz, por causa do sola
ment em que o despotismo o tem feito
viver. Se recorrer-se historia moderna
daquelle paiz, pde-se demonstrar que
essas difficuldades j estavam praticamento
reconhecids desde 1810, poca da revo-
luco, que emancipou da Hespanha as pro-
vincias unidas do Rio da Prata.
Ento Belgrano, cidado prestigioso de
Buenos-Ayres, e o primeiro autor da inde
pendencia da Repubtiea Argentina, fazen-
do-se, de simples homem de letras, dis-
lincto soldado da causa de seu paiz, no
intuito deobter-lhe a emaneipaco poltica,
p/.-se testa de um exercito e fui tratar1 depois
de chamar os Paraguayos adherencia do I c
causa da independencia; mas com que dif-
(iculdades nao lutou aquelle sincero pa-
triota, nao obstante proclamar urna causa
abracada geralraente por lod is, sendo elle
o raais competente, porque era ao mesmo
tempo general e diplmala, emquanto ma-
nejava a espada, incitava os povos in-
dependencia, chamndoos ao dever com-
mum, visto como o Paraguay fazia parte
do vite-reinado de Buenos-Ayres ? Lutou
com mil difficuldades e foi obrigado a re-
trar-se.
E' verdade que elle confiara mais na no-
tan e sympathia da causa que defenda,
do que na torca d. que dispunha, hitando
contra exercito mais numeroso, de sorte
que antes de entrar em combate procurara
fraternisar com seus irraos do Paraguay,
sendo taes as rantagens que collieu das
eutabolaces que com elles trarou, que
apezar de ser batido as batalhas de Para-
guary e Taquary (19 de Janeiro e 9 de
marco de 1811), sendo obrigado a reti-
lar-se do Paraguay, antes de faz-lo con-
se.L'iiio conferenciar com difiranles cheles
do exercito paraguayo, e de tal sorte os fez
compenetrarem-se da santdade da inde-
pendencia das provincias do Rio da Prata,
que elles em sua volta a Assumpcao a
proclamaram e lizeram aceitar; mas a
verdade que se Belgrano, apezar do en-
tusiasmo que excitava a causa de sua
expedro, nao foi nella completamente
victorioso, a razo principal foi a das diffi-
culdades naturaes daquelle paiz.
Se, pois, a propria historia mostra que
sao grandes as difficuldades daquelle paz,
nao admira que o nosso exercito tenha
adiado embaracos que o fizessem parar na
marcha gloriosa que tem seguido militas
veze?.
Se por outro lado, algumas outras causas
tem existido para que a guerra n3o che-
gassem a um resultado rpido ou para a
demora nos movimentos do nosso exercito,
como por exemplo a da derastaco do cho-
lera-morbus em nossas fileras pouco tem-
po depois de all ler chegado o venerando
Sr. duque de Caxias, essas causas provie-
ram do governo que dirigi aquella guerra
no sen comeco,-que nunca mandou um exer-
cito bastante numeroso, de sorte que pu-
desse acabar, segando as regras da arte,
com o genero de guerra com que lutava.
que era de atacar a inimigos sempre entrin-
cherados.
Sabe-se que as regras da arte militar
tem estabelecido que nao se pode atacar
trincheiras sem um numero crescdo de
assattantes na razo do quintupulo ou sex-
tupulo sobre o numero das forcas entrin-
cheiradas; mas nosso exercito, posto que
numeroso at certo ponto, nunca se achoo
em condiebes de poder dar esses ataques
sobre trincheiras fortificada?.
Entretanto a verdade que apezar dessa
desproporcao nunca faltou ao nobre duquo
essa/nciativa de dar ataque '
Ovelha e Kstabelecimento, sobre trinchei-
ras dobradas e triplicadas, os quaes de-
monstrara elocuentemente que nunca Ihe
faltou essa iniciativa.
E que maior prora de iniciativa queria
o Ilustrado senador do que essa da notavel
marcha do flanco sobre llumayti? Jssa
opcracSo foi exceutada pelo nobre duque
de Gaxas, com tanta babfftdade e precau-
-eo que, apezar da longa tinha que lev de
percorrer antes de chegar ao ponto objecl-
ro, se o inimigo se atrevasse 4a alacar-nos
em qualquer ponto da extensa linha oceupa-
da, o modo previdente da disposico de
nossa forca se prestava a que o ponto ata-
cado fosse promptamente socorrido por
outros, sendo a inimigo rechassado, como
succedeu todas as vezesque o tcntou. Hou-
ve falta de iniciativa em quem empreen-
deu e conseguio a oceupaco do Tayi ? Sem
ser ocenpado aquelle ponto da margem do
Paraguay cima de Humayt, debalde se es-
gotaria a impaciencia do Brasil pela demo-
ra da esquadra em forcar a passagem da-
quella fortaleza.
Logo, porm, que se contou com aquella
ponto de apoio, onde a diviso da esqua-
dra que transpnzesse o passo perigoso se
pudesse prover do que Ihe fosse necessa-
ro, quebrou-se o encanto de Humayt,
gracas a bravura de nossa marinha, e ao
lino e previso do inclyto general em che
fe de todas as forcas do imperio, ento
marque/, e hoje duque de Caxias,
Ha grande injustca em acensar ao nobre
duque de falta de iniciativa, por nao ter
atacado as forlicaces de Humayt. Antes
da passagem da esquadra e antes que L-
pez fez passar parle de suas torcas de Hu-
mayt para Tebiquary, atacar aquellas for-
ificaces com a torca que all tiuhamos,
nsuficente para uma tal opracio, seria
uma temeridade, que nos poderia expor a
tristes consequencias.
Depois, wrm, daqnelles dous fados, es-
treilando-se o cerco cora a mudanca de
nossos acampamentos de Tuyuty para Go-
rupaity, e de Tuyn-Cu para Pare-Cu, est
no conhecimento de lodos, e o jornalsmo
do imperio o publicon, que o nobre duque
receiando qne a acoso do cerco fosse muito
demorada, avontou em conselho de gene-
raes a idea de atacar a fortaleza, 4Wido-
a a viva torca, mas os Ilustres generaes,
que com elle conferenciaran!, convencidos
de qne o cerco effedivamentc existia e que
o inimigo se devia render pela fome, foram
de opino que nao se devia perder vidas e
declararan) que contavam que Aelo cerco o
inimigo so renderia poupandolje as vidas
que ferian de perder-se no ataque.
G-MBO, pois, se diz que o nobre duque
nao teve essa iniciativa ?
A censura feita ao nobre duque por nao
ter atacado o novo acampamento de Lpez,
logo que passou-se para Tebiquary, empre-
gando os encooracados que bovino trans-
posto Humayt&s na condueco de forcas
para este fim, completamente mproce-
j dente, porque para isso seria preciso dis-
de trahir as torcas do cerco de Humayt, e
erro seria afrouxar aquelle cerco,
lamo porque aquella fortaleza era justa-
mente reputada o primeiro posto militar do
Paraguay, e convinna tirar ao inimigo o pres-
tigio que Ihe provinha de sua oceupaco,
mas tambem porque Hornada continuava a
impedir que subisse nossa esquadra, ele-
mento de forca de que nao podamos pres-
cindir para contnuaro de nossas opera-
Coes, e que ficaria inutilsado se adoptasse-
mos como ponto objectivo dellas qualquer
outro antes que aquelle celebre baluarte
paraguayo cahisse em nosso poder.
Tambem nao pode proceder a censura
de nao termos oceupado Humayt, seno
que o inimigo a abandonou, visto
sabido que este anandono foi o ef-
feito immediato do reconhecimento feito em
10 de julho do auno passado pelo to bra-
vo como dislindo general visconde do Hcr-
val, c era nada tendo o cerco sido desrao-
ralisado por aquello abandono, qne consis-
ti na passagem da guarnieo da fortaleza
para a margem fronteira do Chaco, onde
foi inmediatamente batida e ostreramente
sitiada at render-se; manifest que ah
nao ha da parte dos sitiantes falta aiguma,
que lies possa acarretar censuras.
O nobre duque tudo tinha prevenido para
que o cerco nao fosse transposto, mas nem
as forcas sitiantes do lado do Cuaco e nem
mesmo os proprios enconracados podiam
permanecer debaixo das bateras de Hu-
mayt, era cuja frente o ro muito estivito
e portanto a passagem da guarnieo para
o Chaco nestas circumstancias, para conti-
nuar sitiada pelas forcas do Chaco, sendo
acto de desespero, longe de depor contra a
eflicacia do cerco, ao contrario o acredi-
ta, porque foi a necessaria consequencia
dellc.
A actividad, Sr. presidente, que o no-
bre duque desenvolveu durante os dias e
noitosdos renlii hs combates de nossas tor-
cas de trra e de mar contra a guarnieo
fugitiva e as forcas paraguayas viudas do re-
ducto do Timb, para proteger-lhe a fuga,
foi admravol. S. Exc. transporlava-se
com incrvel rapidez de seu acampamento
esquadra e dal ao Chaco evice-versa, con-
forme reclamavam os variados e tristissi-
mos episodios do uma hita original, que
alm docanho e do toril, era tambem bra-
co a braco, ora entre lamacacs, ora sobre
canoas paraguayas, cuja fuga atravs de
uma laga nossos escaleras obstavam.
Confesso que eu, que alias j me hava
habituado com a adividade do nobre gene-
ral, vendo-o montar a cavallo invariavel-
conhecl- grande
transpozer m o psso de Humayt, alguns
deiles solfreram maior arara eom os fogos
daquelle reducto do que mesuw com os de
Humayt.
Portanto, nao era absolutamente possivel
que o exercito fosse embarcado para o Te-
biquary ; su i marcha por trra inmediata-
mente depois da tomada de Humayi, sem
mais tratar de desalojar do Timb a res-
pectiva guarnieo, ho s fez nos ganhar
lempo, como poupou-nos a perda de murtas
vidas, como passo a mostrar.
O nobre duque oomprehendea perfecta-
mente que aquella fortificacao, s tendo
ento como razio de ser a necessidada de
proteger os evadidos de Humayt para n
Chaco, deveria ser abandonada logo que
elles foram aprisionados, e assim effecti-
vamente succeden ; pouco depois qoe o
exercito parti para Tebiquary, desappare-
ram do Timb os Paraguayos.
Este presen timento, proprio dos grandes
generaes, e a resoluco que tomou o nobre
duque de nao fazer caso daquella fortifica-
ci, e emprehender immediatamente a mar-
cha, revelam sua tctica e seguranca de
vistas na apreciarn dos movimentos do
inimigo ; assim, pois, onde o nobre sena-
dor achou motivo para censura, nao o ba
seno para grandes touvores.
Vejamos agora se era admissiyel o trans-
porte de nossas torcas a bordo dos encon-
racados : nao era isto possivel desde que
tinliam de passar diante de uma fortificacao
que hava feito muito mal aos encouracados
na priraaira vez que all passaram, e muito
maior mal Ibes furia se elles fossem cTra-
gados.
Alm dsso sabe-se que esses vapores sao
em regra de pouca capacdide, fotos de
proposito com pouco volunte, para nao ser-
vrem de alvo ao inimigo, o seu espaeo
acanhado c improprio para receber gente.
cavalhada c -todo o pesado trem de um
exercito, e em que condices para passar
por baixo das bateras de uma fortificacao ?
Alm destes vapores nao tereni capacidade.
sobrecarregados com gente e cavalhada elles
nao podem morer-se em manobras de
guerra, a carga estorra Ihe a marcha e nao
poderiam absolutamente transpr um passo
diflicl como era do Timb.
Assim, pois, enganou-se o nobre senador
quando, na sua aprecaco, enlendeu que a
nossa forca podia seguir embarcada, sem
dinida por se ter S. Exc esqnecido de que
anda eslava em p o Timb, por cuja fren-
te era impossivel a passagem dos navios de
raadera, os nicos capaz es de transportar
tropa; qiwnto aos encouracados, j demons-
tren a impossibildade.
O Sn. Ai-K-ngar Ahauiim::E" o que suc-
cede a quem falla no que nao entende.
O Sn. Iagbamk iFica demonstrado o
equivoco desta apreciaco. (Apoiados).
Antes de fallar das batalhas c combates
de dezembro de que se oeeupou tambem
o nobre senador, devo dzer que aqneltes
fetos foram to gloriosos, mereceram em
lodo o imperio tantos applausos, e at de
grande parle do jornalismo estrangeiro.
que em verdade rae admiro de que um
homem que nao profissional pretenda
aprecalas no intuito de mostrar quono
general que os dirigi nao houve a neces-
saria iniciativa e aclividade. Eu, porm.
observo que basta allender aos fetos de
dezembro o ao sen desfecho para que elles
por si inesmos demonstrem grande estra-
tegia da parte do nobre duque, o qual por
suas evoluecs conseguio enfraquecer as
sobre fortifi-
mento todas as madrugadas, c percorrer
ora as linhas avanfadas, ora os depsitos,
transportes e mais dependencias do exer-
cito, nao pude deixar de encher-me da maior
admiraco drantc da incessantc soeitnde
com que S. Exc. durante aquelles dias de
attribulaco, sem embargo de sua idade,
acnava-se cm toda parte onde convinna
providenciar.
A exposico desses fados s por si de-
monstra que quem assim procede nao pode
ser acensado de falta de adividade e ini-
ciativa.
Sr. presidente, o nobre senador censurou
qae nao se tivesse, logo depois da tomada
de Humayt, feito a nossa torca subir em-
barcada para o Tebiquary. lamentando que
houvesse tanta demora com a marcha por
t rra para alli.
Ha aqu um equivoco da parte do nobre
senador, e parecer suppr que com a
queda de Humayt nao restava no rio ne-
nhum obstculo subida da esquadra, quan-
do sabido que ento conservava-se anda
guarnecida a fortaleza do Timb pouco ci-
ma de Humayt, pelo lado do Chaco, a qual
forcas iuimigas, cortando-as de sorte que
sera poderem auxilar-se urnas as outras.
succedeu que quando Lpez destrocado em
Lomas Valentinas fugia vergonhosamente.
seu acampamento de Angustura ignorava
completamente a derrota e a fuga de seu
dictador.
Pois o general que tem o talento de di-
vidir desta forma o campo inimigo, para
mais fcilmente bate-lo em detalhc, depois
de assim enflaquecido ; destre completa-
mente todas as suas forcas, apodera-se de
todo seu trem de guerra, e finalmente ob-
tem aquellas gloriosas victorias, pode ser
acensado de falta de iniciativa ?
Sr. presidente, ia-me escepando a cen-
sura feita pelo nobre senador, por se nao
ter embarcado nossa forca nos encouraca-
dos para com ella transporem a fortaleza da
Angustura, e assim poupar o tempo que se
perdeu cun a famosa estrada do Chaco,
ubra para mira de grande merecimento, e
que uma das bem merecidas glorias do
distindo general visconde de Itaparca, mas
que na opino do nobre senador nao me-
rece a importancia que se ihe tem dado.
Fazendo osla censura, S. Exc. nao equivo-
cou-se, como tinha acontecido a respeito do
Timb, visto ler reconhecido que Angustu-
ra ainda ameacava-nos, quando diz que os
fogos daquella fortaleza nao mpediam que
alguns encouracados tivcssem passado e
repassado por ella.
As rellexes que j fiz sobre a impossi-
bildade de passaram nossas tropas embar-
cadas em frente do Timb servem tambem
para responder a esta nova censura. Limi-
to-me, pois, a dzer muito pouco a este
respeito.
Os encouracados podiam ter passado por
Angustura mas v-se que o nobre senador
nao pode apreciar o que transporte de
torca, esta nao consiste s em soldados,
mas tambem em artilhara pesada, careca-
me e tudo quanto ha de peso era materia
de um exercito; para isto s navios de
grande capacidade, como os de madeira, im-
possiveis dante das forllicaces de Angus-
tura.
Se os encouracados passaram e repassa-
ram, pelas Mfeessidades da guerra, que
eram navios construidos para isso, mas nao
podiam faz-lo se fossem carregados de
gente, e seria uma loucura, que traria em
resultado o sacrificio de vidas e tal vez de
algum dos proprios encouracados.
Portanto, o nobre duque, como distnd i
general que poupou vidas, fazendo o que
era humanamente possivel.
Centinou o nobre senador a censurar,
que depois da tomada de Angustura sc-
gnisse nosso exercito por tena podeudo
ter ido embarcado com muito mais rapidez;
mas j tendo mostrado que um exercito nu-
meroso como era o nosso, e com seu pe-
sado material de guerra, nao acharia com
facilidade bastantes transportes para sua
conducc3o, dispensme de reproduzir os
inesmos argumentos.
(Continuar-se-h9.)
TIP. DO WAHlt-Rl A DAS lRIZES M. 4
i
UM
iii^iffii
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECOUP0F3H_8XJ5GE INGEST_TIME 2013-09-13T23:09:19Z PACKAGE AA00011611_11942
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES