Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11941


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 209.
F&KA A CAPITAL E 1GABIS OIDE IAO SI PAfiA PfllTI.
Jor tnw mate fwtotei................ i^a
Por sais ditos idem. ;.............. [ .' MI9O0
Por nm auno dem.............." 9i
Cada auroro rulso ............!!.'.'!! iJSo
TUCA FEIM 14 DE SETEMBRO DE 1449.
lA DMTBO- I TORA DA WmWtt.
Por tres mezes adiantados..............
Por iris ditos idem................'
Por nop ditos dem...............
Porominno.............
ao*r*o
Propriedade de Manoel Rguwa de Faria & Fho
inmn i'i
...... .- ... .
-----
A* A*W.7
--------.
0. Srs. Gerardo %^d^ fifi?' SSLfS* ^Sf ^^. "A*; Joto Mam Julio Chaves, no Ass; Antonio Maraes da Silva, no Natal; Jos Justino
>** tiexandrmo de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomas, na i ifta da Penoa; fielarmioo dos Santos Bulco, em Santo AnOo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazarea, Fnacmo Tawe4a Caita, mi Alagla; Dr. Jos Martins Ates, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinbo, no Rio de Janeiro.
M
PASTE OFnCIAL
oven da provincia.
KXI'CDIKNTE ASSIi.'ADO HELO KXM. sn. R. MANOEL
DO MASSIMKM MACHADO 1'UIlTKUa, VICK-rilE-
SIDKNTB tA MOVINCIA KM 1 DK JIMIO US
1869.
4' scecio.
N. 539 Portaria io Kxm. Sr. general coui-
mandante das arma*.Kxpedjudo nesla dala or-
ilem, para que as guarda* dos arsonaes de guer-
ra e marinha, s^uai dora em diaiile i'eitas a deste
celas pracas da co.npantua de apreudizes artfices,
k daquelle pelas-da companhia de operarios mili-
tares dos mesuras arsennes; asaim o eammunico
.. V. Exc. para son conhecimento.
saim o coinuiuuico a Y. S. para seu coahtei-
mento.
N. 356.Dila ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Transiuiio a V. S. para os fias conve-
nientes, a inclusa relacao nominal dos Srs. depu-
tdos que compareceram as sesgues da assembla
legislativa provincial a contar do i.0 a 16 deste
mez.
a. 357.Dita ao mesmo.Em i 'esposta ao oflkio
que V. S. me dirigi cm i 1 do curente sob n.
434, ten lio a dizer, que chamo e escrivao nomeado
para a colledoria da villa da Escada, tclarmino
Gomes do (Hiveira, a prestar juramento afim d
poder entrar no exercicio das funcgoes do seu
lugar visto j ter elle solicitado o competente
titulo.
N. 558.Dita ao mesmo.Inteirado, pelo alucio
que V. S. me dirigi em 14 do corrente sob n. 345,
N. 540. ^-ta ao mesmo.Tendo nos termos da de haver Sevcrino Jos, dos Santos Aguiar dando
ua informacao de 15, e, do director interino do' P01' <*>' Bernardo de Siqueira Castro Monteiro,
arsenal de guerra de 30 do crcenle, deferido o arrematado por um trienuio ; e pela quanta de
1 65800o annuaes, o imposto de 20 por cento da
icqueriiiionlo em que o mancebo addido a compa-
nliia de operarios daquelle arsenal, pede para
prestar seus servaos na guerra contra a re-
publica do Paraguay, acabo de providenciar que
i dito mancebo soja apresentado a V. Exc, atim
de o mandar alistar com destino ao cxercito em
"perafees..
N. 541.Dita a: director de arsenal de-fierra.
A Tina da su a utiormarao de 3 do eorrene, sob
u. 105, defer o requeriiaenlo em que o mancebo
addido acompala de-operarios desse arsenal, pe-
depara ir prestar os seus -ervicos na guerra contra
a repblica do Paraguay ; o que comniunico a
V. S., afim de quo mande aprsenla!' o dito man-
por cento
agurdente da comarca da Victoria, em resposta
tenho a dizer que approvo essa arrematado.
N. 559.Dita ao mesmo.Ao 1. sargento Deo-
medes Frjneftcp das Chagas mande V. S. pagar
depois de liquidados em vista, do pret numinal
jnn'.oem duplcala, que me remetteu o comnian-
dante superior de Santo Anlao com offlcio de 9 do
corrente os rencimentoA relativos ao mea de inak>
ultimo dos guardas naciunaes destacados na villa
da Escada.
4" secjao.
N. 560.Portara ao desembargador provedor
da Santa Gasa da Misericordia.Approvo o contrato
eebo ao general eommandante das armas, liara do novo engajameuto feito com o ofltal da secre-
dar-lhe o conveniente deslino. ,ariil da Santa Casa da Misericordia Rtancisco Go-
N. 5'i Dita ao taesrae.Em vistt de sua in- "?es Castellao, que por copia acompahhou o ofli-
rormacio n. Hu de luutem datada, providencie V. [ ^.^Y- Exc. de 11 do crrente sob n. 1939.
S. para que a guarda desse arsenal seja dora em j N. 561.Dila ao administrador do correio.
(liante feita por i :aeas da conipauhia de operarios Com a inclusa informacao junta por copia mnis-
militares do mesino'arsenal. Itrada pelo Dr. chefe dettolicia interino em 11 do
corrente, sob n. 867, respondo ao offlcio que Vmc.
me dirigi em 14 de abril ultimo acerca da prisio
do estafeta Antonio Viera de Mello.
X 50. Dila ao director geral interino da ius-
truecao publica.Ein vista da sua informaco do
1" do corrente sob n. 1 5 mando Vine, inscrever
uo respectivo quadra para ser admittido no gym-
nasio provincial, quando liouver vaga como, alum-
no interno gratuito o filho de Margarda Rodrigues
Pereira, de norae Joao Rodrigues Pereira, do que
uaquella villa do ..-smo uome, o subdito porta- i ll*a'a alioslados juntos, provando ter a idads
guer Damiao Pin! de uliveira, do btspado do Vi- legal.
v u. com vine c mico annos de idade o sulteiro, o | N. 563. Dtliberaco. O viee-presidenle da
qual all negociavu em urna loja de fazendas d | provincial attendendo ao que rqoereu a professo-
sociedade com o Brasilero adoptivo, Jaquim
N. 543.Dila ao inspector do arsenal do mari-
nlia.Providencia \'. S. para que a guarda desse
arsenal seja d'ora e:;i dianie feita por pracas da
companhia de aprend tes artiikes, lieando assiqj
dispensada a guarda nacional desse sorvico.
.N. 54 i. Dita ao cnsul de Portugal. Cabe me
i-oiiiiiiuoicar ao Sr. cnsul de M. Fdelissiuia,
(Maudir.o de Arauj Guimares, que segundo par-
cipou-meo jui: i. .uiicipal e de orphaos do termo
de flores ein officio de i' do me/, linuj, laileceu
"6'
com
Duarte Pinto da Silva, declarando a dita autori-
dadeja proceder r.aloraa da le eeonven(des com
relacao ao expoi ilu tinado. Renov ao mesmo
Sr. cnsul os prcUbtosde minlia subida estima e
distincta consideraran.
.N. 515.Dita ao conselho de compras do arse-
nal de guerra.Autoriso o conselho de compras
do arsenal de guerra, a promover a compra dos
livros e objectos necessarios para provimento do
almoxnrifado do raesrao arsenal constante do pe-
dido jauto, sol n. 19.
.\\ i6. Deliberadlo. O vice-presidente da
orovincia attendendo ao que requereu Joio Pran-
eisco de Souza, resolve couceder-lhe licen^a nao
so para remetter para o presidio do Femando no
prmeira vapor que | ira alli seguir a serem en-
tregues a Henriqae Jos Viera da Silva, os g-
neros constantes da relacao junta, assignada pelo
secretaria do <. ;::j, nao pudendo porm 0DM-
luar o desembarque dos mesmos gneros sem que
por parte do con.laudante do referido presidio se
proceda a exame. am de verilicar so lia aguar-
I 'iitu ou otilra qualquer bebida espirituosa, como
lambern poder o mencionado Henrique Jos Vie-
ra da Silva, enviar para esta capital os generes de
prodaceao da Ida, que tiver trocado com os sen-
tenciados do dito presidio.
i' seccao.
N-. 547.Portara ao commandanie superior in-
lerino da guarda nacional do Rec fe.Exped ndo
m nesta data, para que a guarda do arsenal
do inarinlia seja dora em diante feita por pracas
da eompannia d aprendiies artifiees do mesmo
arsenal ; assim c conunnaieo a V. S. parasen co-
uliccinienio e direesao.
N. 548.Dita ao mesmo. Expedindo orden
tiesta data, para que a guarda do arsenal deguer-
i ora em diante feita por pracas da com-
panljia do operar; >s militares do meneo arsenal ;
assim o eommnni ) a V. S. para seu coiihecimen-
lo a fins conve
N. 549. Dita ao commandanie superior da
guarda nacional do Bonito.Expeca V. S. as suas
rdeos, para que sejam substituidos por pracas
do batalnio n. 16 as que axtotem destacadas na
villa de s. Bentp.
K. 550.Dita ao promotor publico de Cabrob.
A bein do servir.' publico siga Vmc. sob pena
asponsabilidaae, ()uanlo antes para a sua co-
marca a reassomir o respectivo cargo.
-V 551. Bel raeji O viee-presidenle da
rinda attendendo ao eme Ihe re<|uereu o ba-
I Antonio Ruarqne de Lima, juiz de direilo
da comarca de Caruard, i-esolve eoneader le licenca, com os i s dalei, para
tratar de u nesta eidade.
3 secc.i i.
N. 551Portara ao inspector da tnesouraria
de razenda.-Declaro a V. S. para seu conheimen-
.iii tic que < faca constar a quem competir,
que,secundo consta do .-.viso di ministerio da fa-
' i de 31 de mai i ultimo, M mdeierida a pre-
lencao do tbesoureiro da alnndega desta capital,
Francisco de Oliveira Mello e Silva de serem os
seus fiadores despensados de especializar e ins-
crever de novo a hypotheca sobre os beta saranli-
doresjla fianoa que pelo supplicaji'e preslaram
coma tbesoureiro interino, porquante smente as
juizo dos fettos, onde inlentnram o competente
para a validado da nova fiaUea, cabe
iulgar por ser da sua exclu-iva cempetanela, na
forma do novo rgimen nypotaeeario, se nao des-
pensaveis algumas das fonualidades do mesmo
proeesso, como se lera entendido no thesouro em
casos 11 mtic atienta a circumstancia especial
de ter sido [ireslada lia pouco lempo a tianra an-
r; sendo que para esse fim ia a directora
I meloso dar as necessarias inslrue-
io procurador fiscal dessa thesouraTia.
N. 533.Dita ao mesmo.lntciradj de quanto
V. S. expdz c:n seu offlcio de 4 do corrente sob
158, tenho a di,:er em resposta que convenho
[ue Jaquim Ignacio Ribeiro Jnior continu
a fornecer no semestre de julho a dezembro deste
anno os medicamentos necessarios a enfermara
militar desla capital com o abate de 34 por cenlo
nos procos do respectivo formulario o mediante as
ruis condicoes constantes do citado offlcio visto
ser a sua proposU a que mais vantagena offerece
a fazenda nacional e ao servieo da mesma enfer-
maria.
N. 554.Dila aa mesmo.Mande V. S. liquidar
e pagar em vista do pret junio em duplcala, que
me remeiteuo commandanie superior deste mu-
nicipio com officio de hoje sob n. 113, os venci-
mentos, relativos a prmeira quinzena deste mez
dos guardas nactonaes do i.* batalliao de artilla-
ra aquartellado no Hospicio c dos contingentes a
elle addidos.
N. 355.Dita ao mesmo.Tendo nesla data au-
t irisado o conselho do arsenal de guerra a pro-
mover a compra dos livros e objectos necessarios
para provimento do aknoxarifado do mesmo arse-
nal constantes do pedido junto por copia: sob n. 19
ra publica da cadeira da villa de Barreiros Gra-
ciliana Felississima Caral e leudo em vista a in-
formaeao do director geral interiuo da instruejao
publica de 8 do correnta sob n. 167, resolve con-
cedr-ihe 30 dias de lceuca com ordenado so-
mente para iratar de sua saJe.
IIPBWEM; ASS1GNADO PELO Sil. PR. JOAQUIH <0R-
RRA DK ARAUJO, SKCRETAIUO DO GOVBRO, EM 16
Dfi Jl'NHO OE 1869.
i* seccao.
N. 3G4.-rOfQeio ao Exm. Sr. general eomman-
dantedas armas.De ordom de S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, declaro a V. Exc. em res-
posta ao seu officio de 14 do corrente, sob n. 347,
que nesla data se mandou satisfacer o pedido do
commandahte do deposito oxpecial de instrucc,.o
que vco annexo a seu citado officio.
2'seccao.
N. 565 Officio ao Dr. chefe de polica interino.
S. Exc. o Sr. vice-presidenle da provincia, man-
da declarar a V. S. em resposta aos seus officios
de 16 do corrente sob ns. 878, 881 e 882, que
transmitio as thesouraria geral e provincial, para
os fins convenientes, os documentos que vieram
anuexos aos cilados officios.
N. 566.Dilo ao mesmo.O Exm. Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.
para os lins convenientds, que nesta data ordena
ao commaniante superior da guarda nacional dos
municipios do Uonito e Caruar para fazer subs-
tituir por outros do balalhao n. 26 daquelle muni-
cipio as pracas que eslao destacadas em S. Benlo.
N. 567.Dilo ao commandanie superior da
guarda nacional de Santo Antao.S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia, manda declarar a
V. S. em resposta ao seu officio de 9 de corrente,
que a thesouraria provincial tem ordem para pa-
gar ao sargento Diomedes Francisco das Chagas,
os vencimeutos constantes do citado officio.
N. 568.Dito ao juiz do direto da comarca de
Cabrob.O Exm. Sr. vice-presidente da provin-
I ca manda declarar a V. S., quo lica inteirado por
seu officio de 25 de maio prximo lindo, de ha-
ver nomeado para exercer interinamente o lugar
de promotor publico dessa comarca ao cidado
Aristdes Newton Saldanha de Alencar, e bem as-
sim quo nesta data se ordenou ao promotor effec-
tivo que, sob pena de responsabildade, siga para
essa comarca a reassumir e exercicio de seu cargo.
N. 5C9.Dilo ao juiz municipal de Cabrob.
O Exm. Sr. vice-presidenle da provincia manda
aecusar o recebimento do offlcio de V. S. de 4 de
maio ultimo, em quo communica ter entregue aa
nacharel Livino Lopes de Barros e Silva, juiz de
direilo interino dessa comarca a quanlia de.....
537^700 reis que linha em seu poder.
N. 570. -Dito ao promotor publico interino da
comarca de Cabrob.O Exm. Sr. vice-presidente
da provincia manda aecusar o recebimento do offl-
cio deV S. de 24 do mez lindo, era que communica
ter sido nomeado pelo respectivo juiz de direto,
promotor publico interino dessa comarca, e ter
nesta data prestado juramento e entrado em exer-
cicio.
3' seccao.
N. 571. Offlcio ao presidente da associacao
commercial benoficente. O Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia manda communicar a V. Exc,
que em 11 do corrente, submetteu ao conheci-
ment do governo imperial a materia do offlcio,
que a directora dessa associacao lhe dirigi em
10 desie mez.
N. 572Dito ao inspector da thesouraria defa-
zenda.O Exm. Sr. vics-prosidente da provincia
manda communicar a V. S., que segunda offlcio
do juiz municipal do termo de Cabrob Agnello
Jos Gonzaga, de 4 do maio Ando, foi por elle en-
tregue ao bacbarel Livino Lopes de Barros e Sil-
va, juiz municipal do termo do Ex e interina-
mente de direto da comarca, a quantia de 537 700
que estava em seu poder.
N. 573.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. para
es fins convenientes, que segundo officio de Aris-
tdes Xewton Saldanha de Aleacar, de 24 do mez
(indo, nessa dala foi elle nomeado pelo respectivo
juiz de direilo promotor publico interino da co-
marca de Cabrob, prestando juramento e assu-
mindo o exercicio do dito cargo.
N. 574. Dito ao mesmo. O Exm. Sr. vice-
presidente da provincia mand declarar a V. S.
para os fins convenientes que nesta data se expe-
dio ordem ao commandanie superior da guarda
nacional do Bonito para fazer sunslituir por pra-
cas do batalhao n. 26 dojl d'aquelles municipios
as que se acham destacadas em S. Bento.
4* seccao.
N. 575.Offlcio ao vigario de Gameleira. O
Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda
communicar a V. Rvm. em resposta ao seu offlcio
de 14 do corrente, que o chefe interino da repar-
ticao das obras publicas tem ordem para mandar
examinar e orc^r os reparos de que precisa a
nova igreja destinada para matriz dessa freguezia.
DESPACHOS DA VICK-PRKSIDE.N'ei.V DO DA 9
DE SSTEMBRO DE 1869
Auguslo Rodrigues de jOliveira. Passe pqr-
taria. t f r__M _rt|"H
FoncccaA Jautos.Puse portara.
Francisco Antoulo de S Barrote. Era, vista
das Informacdes nao tem lugar o que requer.
Francisco de Miranda Leal Seve. Passe por-
tara. *
Francelino Augusto de Uollanda Chacen. In-
forme o Sr. Dr. juiz dos feiios da razenda.
George Hermn Augusto Ehrarkdt.Nao pos-
ivei por ora fazer a obra de que trata o suppl-
eaate.
Jos Jauuaro de. Faria.Concedo vate dias.
Jos de Carvalho Araujo Cavalcanti Junte ein
original ou por certidao os documentos que men-
ciona em sua patrio.
Jos Manoei de Siqueira. InformA p-Jr. ins-
pector da thesouraria Ue fazenda.
Jaquim AHfcinio de Carvalho. J foi anpro-
vado o contrate celebrado com o supplicante.
Jaquim Rodrigues Maia de Oliveira. Passe
portara.
Jaquim Pereiw$ Arantes. eclare o suppli-
cante o batalhao a que pertence seu caixeiro.
Landeliuode Luna Freir. Ea vista das ia-
formaees nao tem lugar o que reqaer.
Mara Figueira d'Oliveia RodriguesSon,as-
sandp Jieeinjo.
Manoe) Ferreira da Cruz. laten Sr. Dr.
chele de polica.
Manoel Rufino d Carvalho.Informe o-Sf. Dr.
juiz municipal da prmeira vara.
Paes do Mello 4 CUidefei ido a: vista das in-
formac.0es.
Pedro Alejandrino Machado. A vista das in-
formacoes nao tem lugar o que requer.
10 -
Camilla do Carmo Torres. Informe o Sr. Dr.
direcfor geral da instrueco publica.
Francisco Bellarmiuo dos Santos Freita?. In-
forme o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Juvencio Anreliano da Cuqha Cesar.Nao ten-
do o supplicante direto pelo respectivo contracto
a pagamento adiantado, ser trimensalmenle pago
em preslages vencidas, para o que ficam exped
das as convenientes ordens.
Jos Sabino Lopes de Mediaros.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.
Jos Jaquim de Barros.Junte certidao -de ca-
samento.
Leonor Carolina de Vasconcelos Bwges Leal.
Indeferido a vista d.is informacoes.
Thomaz Antoni do Gouvela'.Informo o Sf. Dr.
chefe de polica.
Repartf^o da polica.
2* secc3o.Secretaria da polica de. Pernambu-
co, 13 de setembro de 1869.
N. 1320.lllm. c Exm. Sr.Levo ao conheci-
ment de V. Exc. que, segundo consta das parli-
cipacocs recebdas nesta repartjao, foram neo-
lliidos a casa de dettencSo os'seguntes indivi-
duos ;
No da II do corrente, a miaba ordetn. Jeso-
quiel Arcene, francez', a requerimento do re
tivo cnsul.
No dia 12, a minha ordem, Antonio Joiquini
Leile e Joao Francisco dos Santos, vindo do termo
de Cimbres, o primeiro como criminoso e ultimo
como senlenciado.
Por offlcio de 11 do mesmo mez, communcou-
me o tenenle-coronel commandanie do corpo de
polica que, pelas cinco horas da tarde do dia an-
terior, um inglez, que se achava recolhido no xa-
drez d'aquelle quarltel ordem do subdelegado
do Recife, tentou suicidar-se, dando um golpe no
pesclo, que teria sido seguido de outros se nao
fosse o se haverem opposto a isso os presos que
no mesmo xadrez se achavam.
O referido inglez fi immedialamente soccorrido
e tratado pelo Sr. Dr. Ferreira Alves e Pharma-
ceutico Jaquim de Almeda Pinto.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Machado Portella vice-
presidente da provincia. O chefe de polica
Francisco de Assis Oliveira iluciel.
PERNAMBUCO.
cbado o euediente, nao poderam ser mencio-
nados no manifest. i%am, pois, transportados
d>qui como acercscjnio ao manifest, e como laes
dados nesse documemv alfandega de Lisboa.
A quantidade de volnme causou especie ao ins
peetor *aquolla alfandega, e d'ahi seguio-so o
proeesso de que se folla' no trecho. Nao occorreu,
porm, ao Sr. inspector, que a le que permtlio
hoeaeerescios aos manifeslos, nao aeterminou o
peso ounuantidade de volumes une podain como
tal serem Iransporlados, e nein refleclio que as
alfandegas do Brasil tem manifestado navios com
accrescinios au manifest supejiores em numero
de voUmics e peso 1/3 da carga manifestada.
O ^f. E. R. Rabollo faz publicar boje um
artigo, onda explicara com clareza o que se passou
cora o navio Alexamhe Uerr.ulauu,o para elle cha-
raaraosn alleucjo dos rateras-sades.
N/i, 'podemos dexar de lamenlar que em Por-
tugal taes peas sejam postas ao coramercio, e que.
<['u um cuidadoso exanio, se lira assim de alguma
turma a Upada repulacao de urna casa commer-
cial, que, lia cerca de quarenta anuos tem sabido
sempre hianter-se.com a honra e prohidade neces-
K
sanas
pr.ica
CAJQ
raeoii,
de ama ,
Lacerda
coramercio, e na altura conveniente I escravo.A' novo jury.
embargadores Giiirana, Guerra procurador da
cora, l.oureiico Santiago, Almeda Albuquerque,
LMotta, Domngues da Silva, Rcguera t"jta o Souza
Leao, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deraiu-se os seguinles julga-
nientos:
Rexrso chime.Recorreole, o juizo; recorri-
dp, Jos Goncalves Bandeira. Relator o Sr. des-
embargador Souza Leao, sorteados os Srs. desem-
bargadoros Regueira Costa, Domngues da Silva
Almeida Albuquerque.Iraprocedeute.
AnenAvo de peticao.Aggravante, Jos Alves
Barbosa; aggravado, o juizo.Relator o Sr. des-
embargador Guerra, sorteados os deserabargado-
res Gitirana e Almeida Albuquerque.Negaram
provimento.
AppEixAgoEs crimks.Appellanle, o juizo ; ap-
pellado, Anlouio Jos Francisco.Nao tomai aui
conhecimento. Ap|>ellante, Joaquira Rodrigues
Franco; appellada,ajuslica.Improcedente. Ap-
pellanle, Jos Bezerra da Silva; appellada, a jusli-
ca. Improcedente. Appellanle, o juizo; appella-
00, Ldurenco, escravo.Nao tomaram eonheci-
mento. Appellanle, o juizo; appcllado, Juliao,
l'ernambuco. e as meliiores do mundo.
A' MUNICIPAL.Esta corporacao b-
sessao de h tem, para o lugar vago
use, ao cidadao Joao Ribeiro Pessoa de
Jnior.
IMPIUliNClA.Uontem tarde nm aprendiz
raarinbeiro, achando-su na ra da Aurora, e que-
reudo cbogar mais depressa ao bairro de Santo
Antonio, resolved passar na ponte de-ferro dos
uilhos urbanos de Apipucos ; oppondo-sc, porm,
o guarda da entrada, elle recusou atindelo, es-
bordoando-o. Foi preso e remettdo aoSr. Dr. che-
fe de polica.
SUEZ.Eis a situaeau geral dos trabalhos da
companhia universal do canal martimo de Suez,
no dia 13tio mez passado.
Cutio que Allavn execular no dia 15
da junlip de 189.....
Cutio ujieclail." desde lodejunuo a
13 da julho de 1869 ....
Met. culi.
8.656:150
2,004:785
Cubo que falt.iva execular no dia 15
(ieju^ode 186'J......6,631:365
Esto* plgiirsmos sao o resultado da ultima e
definitiva medirfw que foi annunciada pelos jor-
uaes francezes do mez passado. e que dao boje o
umuero exacto de metros cbicos que fallara para
ArPEf.i.AcoRs riivEis.Appellanle, Manoel Elias
de Moura; appeJlado, o curador geral. Confir-
maran! a sentepca. Appellanle, Anlouio Alves
Menezs; appcllado, JJellarmino Gomes de Mou-
ra.Despresaram os embargos. Appellanle, Um-
belina de Araujo Guerra; appellado, B. Jos das
Neves.Despre'sados os embargos. Appellanle,
Francisco Luiz Caldas; appellado, Joaquira Jos de
Abreu. Reformaram a seulenca. Appellanle,
Flix Jos do Reg; appellado, Jos do Reg Gran-
ja. Mandaram averbar a denuncia.
Assignou-se dia para julgaraento dos seguintes
feitos:
Appellacoes civeis.Appellanle, Dr. Francisco
Luiz Caldas; appellado, Jaquim J. d'Abreu. Ap-
pellante, D. Umbelina de Araujo Guerra; appella-
do, Bento Jos Neves Vandcrley.
passage.ns.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago.Appellacoes civeis:
appellanle, Manuel do Reg Barros; appellada, 1).
Francisca da Cunta Bandeira de Mello. Appel
ceriar o muro que tem em frente do drto predio ;
declara que nada lem a oppor.Conceden-*.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede-
era seu requerimento Francisco de Paula Costa,
diz que nada tem a oppofa prelencaodo suppli-
cante, dando-selhe a competente cordeao.
Mandou-se cerdear.
^ Outro do mesmo, informando o requcriiueuo de
George G. Slarr, no qual pede pira fazer um mu-
ro- e acatar a casa de seu sitio no lu?ar'4os Af-
flictos, declara nao haver que oppor a preteiro
do suuplieanie e conforme lhe foi dele: minado dea
a cordeaeao.Concedeu-se a licenea.
Oulro uo mesmo, informando o requerimenio de
Jaquim de Oliveira Mello em quo pede licenea
para fazer um portan em seu terreno da rita da
Hora na estrada do Joao de Barros, tem a dizer que
nada se Ihq^offereco a oppor por isso passou a
dar cordeaeao.Concedeu-se.
Oulro do mesmo, informando sobre o que nede
em seu requerimento Silvestre Correa da Costa,
lem a dizer que o supplicante pretende tapar com
barro os luracos feitos pelas aguas no oilao e
frente da casa que possue no Calme, para o que
uada se lhe offerece a oppor.Concedeu-se.
Outro do mesmo, inforinainlo sobre o que pede
m seu requerimento Joao Jos da Cunha Lages,
cumpre-lhe dizer que nada tema oppor, dando-se-
lhe a competente cordeaeao.Mandoa-se cer-
dear.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
Jos Olympio dos Santos em seu requerimento, tem
a dizer que nada se lhe offerece a oppor a proten-
i;ao do supplicante, em consequeni do que pas-
sou a competente cordeaeao.Concedeu-se.
_ Outro do mesmo, iuformaudo sobre o que pede
Francisco Ferreira Bastos, cnmpre-lho dizer que
nada tem a oppor a preferidla do supplicante, dc-
venlo dar elle na enllocaran das soleiras melade
da largura do andar inferior, como marcam as
posturas.Concedeu-se de conformidad com a
infurinayao.
Outro do mesmo. informando sobre o requeri-
mento de Olympio floncahres Rosas, em que pede
licenea para construir ama salea sobre a casa em
respaldo ra do l.ivramemo, tem a dizer quo
nada se lhe olTereec a oppor, eonstruinuo o sp-
lanle, Joao K'uppe da Silva Santiago; appellado, j pilcante a obra de cenfurmdade com as posturas.
tu
n.
Jos Gomes de Souza. AppelIaule,~Arcbaujo Soa-
res da Silva; appellado, Antonio Jos de Olivei-
ra. Appellanle, D. Anna Francisca de S; appel-
lado, Jos Furlado do Lacerda Jnior. Appellan-
les, Antonio de S Albuquerque e outros; appel-
o acabaawato do canal c sua abertura navega- lod< J'burcio Valeriano ilaptista.
REVISTA DIARIA.
HOSPITAL PORTUGEZ.-Tcm lugar no do-
mingo prximo, 19 do corrente, a solemnisaeo
do dcimo quarto annversario da inslallaeo do
Hospital Poriuguez de Beneficencia nesta eidade. .
Pela manhaa ha a funecao religiosa constante
de missa cantada com sermao, incumbido do mes-
mo o pregador da capella imperial Fr. Jaquim do
Espirito Sanio, e tarde o leilao de beneficencia.
Es-es actos serao cercados da costumada so-
lemnidade.
CABELLEIREIRO.O estabelecimento do 'Sr.
Godofredo, ra do Crespo n. 14, acba-se conve-
niememente preparado para bem satsfaz6r a pu-
^i concurrencia, encontrando-se nelle o que ha
Pitis moderno em preparados de cabellos, in-
dispensaveis s elegantes toilleles das senhoras.
ACCAO MERITORIA.O Sr. Francisco Jos da
Costa Araujo e sua Exma. esposa, em commemo-
racao do nniversario da inslallaeo do Hospital
Portuguez, do graciosamente liberdade tres es-
cravos seus de menor idade, incumbindo-sc ainda
da respectiva criacao.
Ha acc^o que est cima de todo o elogio, bas-
tando apenas a sua consignaeo, para marcar-lbe
o merecimento.
FAMILIAS DE VOLUNTARIOS.-O Exm. bar*o
da Soledade distribue s pessoas que lhe deixa-
ram documentos comprobalorios da respectiva
qualidade, o que Ihes tocou cm rateio no producto
do beneficio dado pelo Sr. Coimbra, em favor das
familias dos voluntarios da patria.
DINHBIRO.O vapor francez Extremadme, le-
vou de nossa praea para o Rio de Janeiro.......
12:000*.
TENTATIVA DE SUICIDIO.As 5 horas da
tarde de 10 do corrente, tentou suicidar-se no
calabouce do quartel do eorpo de pc-iicia, onde se
achava recolhido, dando um golpe no pescoco, um
inglez preso ordem do subdelegado do Recife.
Sendo desarmado de prompto pelos outros presos,
foi elle medicado pelos Srs. Dr. Ferreira Alves o
pharmaceutico J. de A. Pinto.
ALEXANDRE HERCULANO,-Entre as noticias
que hontem publicamos sb a rubrica Diarh de
Pemambuco, acha-se o seguate trecho, na parte
em que se trata de Portugal :
Entrn ltimamente no Tejo a barcaportu-
gueza Alexandrc Hercnlano, procedente de Per-
natnbuco. A alfandega instaurou proeesso contra
o capitao, por trazer fra do manifest 803 volu-
mes, incluindo 420 saceos de assucar. A impor-
tancia dos direitos dos objectos nao manifestado?,
anda approximadamente por dous cornos de res.
Quando o inserimos nao nos occorreu que esse
navio pertencia casa dos Srs. E, R. Rabello que
goza na nossa praca de subido conceito, se nio
abster-nos-hianios de dar-lbe cabimento.
O navio Alerandre Hermlntio, por ter satdo
deste porto s 7 horas da manhaa de urna segun-
da-feira, teve necessidade de preparar os seus pa-
pis no sabbado anterior. O- consulado acnava-se
fechado no domingo, e os volumes mencionados
no trecho cima, tendo embarcado depois de
5 horas da tarde, quando o consult, tinha j te-
cao eni grande escala, que deye ler lugar a 17
de novembro prximo futuro, islu d'aqui a tres
mezes.
MARECHAL NIELEste marechal, que acaba
de fallecer em Pars, nasceu em Muret (Alto Ga-
rona) no dia 4 deoulnbro de 1802. Contara por
consegrante perlo de 67 annos.
Prtucipiou a sua carreira militar em 1821, e
f*egen no posto de general de divisao em 30 de
abril de 1853.
Tres mezes depois de rebentar a guerra do
OricnirTcniofl o commando ein chafe de enge-
nharia em operaces na Crimea, e algunsdias 8e-
pois do avallo definitivo de Sebastopol reentra as
insignias da gra-cruz da Legiao de Honra. F.m 7
de junbo de 1837, fui nomeado senador.
Foi encarregadoem 1858 de pedir officalmmte
ao rei do l'iemoole a maulla princesa ClolHde
liara o principe NapoJejo, eao prineipio da guerra
de Italia reeelieu o commando' do 4." corpo do
exereito dos Alpes.
Depjs da victoria de Solferino, foi nomeado
mareebal de fraoca.
Niel publicou m 1856 a historia do cerco de
Sebastopo.
I-ACTO CUIHOSO.m principe de sangue, e
filho d'nm rei, est exposto n'um barraco cm
companhia de macacos e de cees sabios.
O tercero filho de Theodoro, cojo nome Huit-
n Worhti foi confiado a Mr. Bounogand, armei-
ro do defanlo rei, para aprender a fabricar armas.
Mr. Bounegand, depois de ter executado a sua
missao ra Abyssina, foi para Franca, levando
comsgoo principe Bou 1 u Workey. Theodoro ha-
va estipulado nina quantia mensal. para o prin-
cipe, emquanli) elle se conservasse no estrangeiro.
A morte, porm, d'este monareba, em Magdala,
poz termo s rcmessas de dinheiro.
Mr. Bounegand, cujas posses sao limiladissimas,
entendeu que uaodevia conservar por mais lempo
osen real aprendiz. Nestc entretanto appareceu-
llie Mr. Alexandrc Fairgrico4 proprictario d'uraa
companhia ambulante, que viaja pela Franca, c
assegurando-se da identdade do princine, fez um
contrato com o armeiro para tratar da educafo
futura do filho de Theodoro.
Nesle momento Bouhi Workey viaja, com Fair-
grico, pereorrendo toda a Franra, alojado n'um
magnifico salo, construido expressamente por
sua intencao.
.NOVO COMCTA.O Sr. Guilhcrmc Tempel, di-
rector do observatorio de Marselha, descobno, a
12 de agosto ultimo, s duas horas e meia da noi-
tc, um bello cometa, passando sob a constclln^o
da Harpa de Jorge.
LOTERA.A que se aeha a venda a 120', a
beneficio do patrimonio dos orphaos, que corre
no dia 18.
COMPANHIA PElNAMl'CANA.-Hoje o ul-
timo da em que reeebem carga os vapores Pira-
pama e Poleiigi, pajra us poi los do nurte e sl,
conforme o annuucio da mesma companhia.
PASSAGEIROS.A barca p.rlugueza & Jouo,
vinda do Porto, trouxe os seguintes :
Francisco d-> SilvaPilvo, Antonio Gauve Mu-
mz, A. da Silva Ferreira, Manoel de Araujo Pe-
reira, Manoel Antonio dos Santos Lenes, Mauoel
Custodio Loureiro, Antonio Auguslo Pereira de
Almeida Coulc, Manoel Soares da Silva, Sebastian
Luiz Machado, Joao Manoel Rodrigues, Jos Lopes
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque Appella-
coes crimes: appellanle, o promotor; appcllado,
Auioiiio Bernardo Pereira. Appellanle, o juizo ;
appellado, Francisco Alves dos Santos.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador GuerraApnellacao civcl: appellanle, Er-
nesto Brasil de Mallos; appellados, os herdeiros
do Miguel Ferreira de Mello
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
peltacao crime: appellanle, Manoel Gomes d'Araujo
Pereira; appellado, Severno Teixeira de Souza.
Do Sr. aesembargador Moda ao Sr. desembar-
gador Souza Leao.Appellacao cvel: appellanle,
Joaquira Severno Nogueira;" appellado?, Tasso &
Irmo.
Do Sr. desembargador Domngues da Silva ao
Sr. desenmargador Rcguera Cosa.Appellacoes
civeis: appellanle, Jos Antonio de Oliveira Gon-
calves; appellado, Francisco Severno de UO-
raes. Appellanle, Francisco Acacio Wanderley ;
appellado, Manoel de Mello Montenegro Pessoa. Ap-
pellacoes crimes : appellanle, Zeferino Fernandos
da Silva Barros; appellada, a juslica. Appellan-
le, o juizo ; appellado, Antonio Ribeiro da Silva
Ferro.
Do Sr. d'-embargador Regueira Cosa ao Sr.
desembargador Souza Leao.Appellacoes civeis:
appellante, Jos Jaquim Pereira de Mendonca ;
appellado, Dr. Pedro de Athayde Lobo Mosco-
so. Appeliantc, a Santa Casa da Misericordia;
appellado, o viscondo de Suassuna. Appellante,
Jospha Mara de Sant'Anna; appellado, Jos Ca-
bral de Oliveira Mello. Appellacoes crimes: ap-
pellante, o juizo; appellada, Felicdade Pires da
Luz. Appellante, o juizo; appellado, Joao de
Parias Leitao. Appellante, Placido Pereira de
Figueirdo ; appelladada, a justica.
Do Sr. desembargador Souza Lea) ao Sr. des-
embargador Gilirana.AppellaQoes civeis: appel-
lante, Manoel de Almeida Lopes; appellado, Ma-
noel Firraino Ferreira. Appellanle, Jaquim Ca
valcante de Albuquerque Mello; appellado, Del
fim Luiz Cavalcante de Albuquerque. Appellante
Sebastiao Jos Gomes Penna; appellados, Manoel e
Jovno, menores. Appellanle, Domingos Gomes da
Frola, appellado, Felippe Gomes da Frota. Ap-
pellante, Joao Luiz Ferreira Ribeiro ; appellados,
o curador geral e outros.
Deligekcias ciumes.Com vista ao Sr. desem-
bargador promotor da justica: appellanle, o jui-
zo; appellada, Joscpha Mara da Conceicao. Ap-
pellante, Luiz de Franca Ventana; appellada, a
juslica.
As 2 horas da larde encerrou-se a sessao.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 25 DE AGOSTO
DE 1869.
PUESIORNCIA DO SB. DR. BARROS B.VRRETO.
Presentes os Srs. Dr. Seve.Dr. Pilanga, Dr. Cos-
ta Juaior, Dr. Moscoso. e Gameiro, fallando com
causa os mais senhores, abre-se a sesga >
E' lida e approvada a acta da antecedente
sessao.
L-se o seguinle
EXPED1ESTB.
l'm offlcio do Exm. vice-presidenle da provin-
cia, de 17 do corrente, declarando a cmara em
de Miranda, Custodio Goncalves de Figpeiredo,! resPsla a ou,ro oflie, f** *> mesm0' ?0 '
Antonio Jaquim, Mauoel Jaquim, Manuel Fer-
reira.
Sabidos para o sul no vapor francez Rxlre-
madure :
Antonio Giovamin Maselie, Coccoli Francisco.
CEMITERK) PLBUCO.Obluario do da 12 de
setembro de 1869 :
Mara Anna Braudoux, Pemambuco, 30 annos,
casada, Poeo ; bronciiites.
Francisca Mara das Chagas, Pemambuco, 33
annos, casada, Recife ; molestia interna.
Joauna Evangelista da Silva, r/ernaubuco, 42
annos, solleira, Recifo ; desenteria,
Maria Alexandrina da Ressurreicao, Pemam-
buco, 40 ailas, viuva, S. Jus ; tubrculos pul-
monares.
Maria, Pemambuco, 2 mezes, loa-Vista ; con-
vulsoe.
Adriano, Pemambuco, 1 auno, Sanio Antonio ;
MMtatjao.
Luza Thereza de Jess, Pernambuco, i annos,
Wa-Visla; volhice.
Amancio Ignacio dos Santos, Pernambuco, 38
annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Gulhermioa Maria Pereira da Silva, Pernambu-
co, 23 annos, Santo Antonio ; febre purpura!.
- CHROMCA JIDUIARIA.
Titiniwi. d.% imi.a \o.
SESSAO EM II DE SETEMBRO DE 1869.
PRESIDiyCIA DO EXM. Sft, CONSELHEH'. OAETANO
SAIfRAGo,
A 10, horas da manhaa. presentes 03 Srs. des-
Conceiieu-se.
Outro do mesmn, informando o requerinenlo de
Coriolano Velloso da Silvera para edificar um mu-
ro no funde de seu sitio povoacio dos A fugados,
tem a dizer que deu a cordeaeao* para o mencio-
nado muro.Cuiicedcu-se a licenea.
Outro do ni"smo, informando sobre o que pede
a Santa Casa de Misericordia, para substituir a co-
meira do predio n. 36 a rua da Cidrada, declara
que nada tem a oppor.Cmco.lcu-se.'
Oulro do me-rao, informan 11 sobre o requeri-
mento de Henrique de Miranda Henriques, em-
preiteiro dos concerlos dos camos de esgoU das
aguas dos quiniaes das casi- e atos da Casa For-
te, o qual pede o pagamento da obra, tem a dizer
que fra a mesma executada de conformidade com
o ornamento c. tem o supplicante direto ao que r
quereu.Mandou-se pagar.
Ouir) do mesmo, Informando sobre o que pede
Thomaz do Carvalho Soares Rrandao Sobrinho,
para receber a prmeira preslaeao do sen contrato,
declara haver o mesmo executado melade das obras
de conformiilaile com o orcamento e tem direilo
a mesma prestaco.Mandou-se pagar.
Oulro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Antonio Martina Duarte, tem a dizer que
nada ha a oppor a preteneao do supplicante.Con-
cedeu-se.
Oulro do mesmo, informando sobre o que pede
Jaquim Rodrigues Tivares de Mello, cuiiipre-lhe
dizer que pela planta da eidade. n prmeira rua
que parallela dos Pires, atravessa o sitio do
supplicante, pelo que deixou de dar a cordeaeao.
Indeferio-se a pelica .
Outro do mesmo, declarando que os conferios
de que precisa a estrada d,i Torre al a entrada
da rua que vai dar na capella, consislem em at-
lerrar do mesmo modo os diversos buracos que
existem no leito da mesma estrada que dillieoltain
o transito, e nos qnaes junta-sc agua no lempo de
invern, esses concerlos mportaroemPO a 100
e parece lhe que se pode oocarregarao tlscat de
os fazer. Qae ^e ofliciasse nesle senUdO a
fiscal.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Antonio Eloy Rodrigues da Silva, no
anal pede para rebocar o otlo do sobrado n. 48
da rua Nova, cumpre-lhe dizer que o rapphcaate
o que pretende concenar o reboco do ottao al
o primeiro andar, no que nao ha inconveniente era
onceder-se__Concedeu-se.
Outro do mesmo. informando o requerimento
de Jaquim Pereira Bastos, em que pede licenea
para rebocar a frente de suas casas de laipa no
atlerrinho do Giqu, diz que nada tem a oppor.
Concedeu-se.
Oulro do fiscal da freguezia do Recife, repre-
sentando sobre o costme inveterado de obstruir-
se o caes d'alfandega com caixas e outros objec-
los que alli desembrcalo afim de serem poste^-
riormento despachados, onde sao demorados mu-
tas vetes por mais de 8 das, pede urna providen-
cia a respet), porquanto lem apparecido recla-
mares.Que se levasse ao conhecimento da pre-
sidencia.
Outro do mesmo, indicando qnaes os logares
da freguezia quo se acham mais entulhados da
lixo.A commisso de polica.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio.
coramnnicando que tendo convidado ao cirur-
giao Francisco Jos da Silva pan com elle proce-
der as corridas da freguezia. o mosmo respondeu-
Ihe que a isto se nao prestava, porque o seu con-
iralo era tao somenle para dar consulta aos presos
pobres da casa de detonc,ao que baixassem a en-
fermara, e na casa dos expostos aos meninos e
aos pobres das freguezias que fossem a sua casa
pedir consullas. A commisso de polica com
todos os documentos relativos as contrato.
Outro do fiscal da freguezia da Rea-Vista, com-
municando haver, como lhe fra determinado,
mandado proceder ao concert do pa*sadco que
atravessa da rua de Joo Fernandes Viera ao
Manguiiho, e despendido a quantia de 40J, sendo
36J de niadeira, como da coula junta, 33 de coii-
duccao e U de duas caadas de piche para a
piulara, nao tendo feito dospeza de mi d'obra
porque esse servifo preslou-se o guarda Fran-
cisco Anlouio Teixeira d'Albuquorque, ajudado
pelos serventes.Que scpigasse.
Outro do fiscal da freguezia do Po^o, coman-
aicando haver multado a Inuocencio barcia Cha-
ves, e ao mestro pedreiro Manoel Norberlo de
Mello por infraccao dos arte. 2 e 3o das posturas
de 2 de maio de 1868, combinados cun o art. IV
das mesmas posturas.Que remetlesse os termos
de infraccao.
Foram approvados cuatro pareceres da com-
misso de tdilicacoos.
1.* No sentido de nao ser acceo o oferecimcn-
lo feito por Manoel Firnima Ferreira, nao soracn-
que approva a arrematacao que procedeu, da
obrada ponte da estrada do cemiterio publico pela
quantia de 7:490 Inleirada; faga-se o termo de
contrato.
Outro do procurador, informando sobre o reque-
rimento de Joaqunn Militao Alves Lima Jnior,
em que pede o pagamento da numeracao que fez
em diversas ras da freguezia de Santo Antonio,
tem a dizer quedos livro? de despeza consta haver,
o supplicante receDlo a importancia das numera-
cSes que ez as freguezias de S. Jos, Recife e
Boa-vista, nao constando nada acerca da de Sanio
Antonio.A commisso de polica.
Oulro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o requerimento de monsenhor Francisco Mu
nz Tavares, cumpre-lhe declarar que nada tem
a oppor a preteneao do supplicante. Conce-
deu-se.
Outro do mesmo, remetiendo o orcamento dos
muros a fazer afim de lapar-se as entradas do
beceo denominado do Campello, na na da Cruz e
na da Senzalla, conforme lhe f i determinadoA
commisso de polica. .
Outro do mesmo, informando sobre o requer-1 te porque as posturas era vigor nao adinittcm tr-
menlo de Francisco Moreira da Cosa, tem a dizer
que dos Ires caxoes de. casas que o supplicante
quer acabar na rua do Aecrim, dous s teem 22
palmos de frente cada um e o terceiro 30 palmos,
mas as posturas ora em vigor nao permittem ca-
sas de 22 palmos.lanie o supplicante a licenea
que teve para construir os caxoes que al-
lude.
Outro do mesmo. informando o requerimento de
Joao Jos Rodsigucs Mendes, rtedindo para recons-
truir o seu Bredip na. ponte d'Uchoa n, 18 c oou-
vessas com menos de 40 palmos, como principal-
mente com lal concesa i sanceiouaria o abuse, re-
sultanto da editicac/w do diversas casinbas na fre-
guezia de S. Jos, etc.
2.a Consontindo que Remigio Kneip feche seu
terreno no caes do Capibanbe, de confmnidade
com as posturas podendo abrir um poriioou por-
ta para serventa, menos duas portas em firma
de predio.
3." Que nao aproveila a Jos Alves Barbosa a
allegacao feita em seu requerimsuio, om o quai
f-
^


'
I

ario de Pernambuco Terqa feira 14 de Setembro de 1869.
procura rugir das multas impostas pelo fiscal da
Boa-Vista por infracco as posturas.
4.* flnahuente. Quo nao se poda negar a Jos
Atoes Barbosa fechar o sen terreno com muro
cora grade de ferro au sera ella, de conformidade
com as posturas, pagando porm a multa que
solreu por edificar sera licenca.
O Sr. Gameiro requereu e foi approvado, que
se ordenasse ao engeoheiro para levanlar a plan-
ta do lugar da Torre.
Mandou-se passar a limpo, um projecto de pos-
turas sobre a edicaco, e sobre objeclos que em-
baracao o transita publico, o qaal se achava ad-
diado, e se offieiasse a presidencia, pediodo appro-
vacao.
Mandou-se reraetter ao advogado para dar o sen
parecer, duas uetiefas do brigadeiro Joaquim Ber-
nardo de Figuereoo.
Mandou-a tambera remeller a commissao de
polica urna proposta de Frederico Velloso Kop,
offerecendo-se a fazer a remoco do entulho do
caes Capibaribe a terminar em Santo Amaro.
Determinou-se mandar por novamente em praca
no dia 9 de setembro prximo vindouro o imposto
de 500 ris por cabera de gado consumido as
reguezias do fura da cidade, e a obra da pon le
do Luca.
Despacharan)-se as petedes de Antonio Jos
Duarte Braga, Antonio Martina Duartc, Antonio
Victorhno, Antonio Jos Rodrigues de Souza, An-
dr Atoes Gama, Agr 4 C, Antonio da Silva Aze-
vedo, Alexandrino Jos Soare, Boa ventura- da
Silva Braga, Bernardo Tavares Coutinho, Bento
Joaquim Gomes, Candida Scnhorinha Lassere,
Francisco Forreira Bailar, Francisco Demetrio de
Almeida, Francisco Martins Raposo, Flix Jos da
Silva, Francisco de Paula Costa, Francisco Anto-
nio de Brito & Filho, Francisco Moreira da Costa,
Francisco Atoes Mascaronhas, Henrique de Miran-
da Henriques, Hermenegildo Eduardo do Reg
Mooteiro, Jos Ignacio Borges, Jos Clcmentino
Henrique da Silva, Joaquim Manoel de Oliveira
Silva, Joao Francisco Paredes Porto, Jos Ferrcira
Campos, Jos Ferreira da Silva, Joaquim da As-
?umpco Queiroz, Joo Severlano Carneiro da
Cunba, Jos Jacomc Tasso (2), Joanna Maria Bap-
tista, Joao Francisco Orpho, Joao Jos da Cunha
Lagea, Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, Jos
Ignacio d Avila, Jos Pinto da Costa Soares, Joa-
Suim Jos de Sant'Anna, Jos Antonio de Oliveira,
r>anna Maria da Rocha, Joo Francisco do Reg
Maia, Jos Alves Barbosa, Maria Cysneiro Freir
de Moraes, Maria do Loreto Barros Campello, Mar-
celino Jos Goncalves da Fonte, Manoel Antonio
Baltar, Manoel Rodrigues da Silva, Manoel Izidro
de Miranda, Manoel dos Santos Pereira, Manoel
Mendos, Maria Rosa Ayres, Manoel Azevedo de
Andrado, Pinto da Silva & Cascao, Pedro Maurel,
Rufino Manoel da Cruz Causseiro, Sabino Bruno
do Rosario, Tbomaz de Carvalho Soares Brandan
Sobrinho (2), Tolentino Joaquim da Silva Pimentel,
Vicente Ferrcira da Silva e Vicente Moreira da
Silva, e levantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario
a escrevi.Ufanoel de Barros Barreto pro-pre-
sidente.Dr. Pedro de Atltayde Lobo Moscoso.
Jos Maria Freir Gameiro.Bento Jos da Costa
Jnior.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Dr. Joao Maria Seve.
CORRESPONDENCIAS.
Srs, Redactores: k^Coirespondencia de Por-
tugal de 28 de agosto, trazida pele paquete
francez Esttemadure chegado hontem, traz o se-
grate trecho sob a epigraphe carta de Lisboa:
Eutrou ltimamente no Tejo a barca portu-
gueza Atexandre Herculano, procedente de Per-
nambuco. A alfandega instaurou processo con-
tra o capitao por trazer fura do manifest 803
volumes, incluindo 420 saceos de assucar. A im-
portancia dos direitos dos objeclos nao manifesta-
dos, anda aproximadamente por dous cantos de
reis.
Posto que nao tenha a distracta honra de en.
onecer os muito zelozos empregados da alfandega
de Lisboa, en fazia-lhes a justica de considera-Jos
como prototypos em materia de honradez e cura-
primento de deveres : nao obstante, porm, tao
vantajosa opiniao que de Ss. Ss. fazia, fiquei ma-
ravilhado com a noticia dada pelo peridico su-
pracitado, porque nunca me poderla vlr lem-
branca que o zelo de um erapregado qualquer po-
derla exceder as raas do natural, do que dado
admittir-se, e ira anda a ponto de. 11; dar urna
faculdade interpretativa, que excede a previso da
propria le I I
Como consignatario do referido navio n'esta
praca, nao posio leixar passar desapercibido se-
melliaiite facto sera que proteste contra a arbi-
traria delberaco Ja alfandega do Lisboa pela
responsabildade moral que dahi me possa pro-
vir.pns que, louvado Deus, era mala de 30 an-
nos de vida commercial anda nao appareceu
quem ousasse laucar a mnima macula sobre a
minha reputaco. *
Quero ir aindu era auxilio do notciador do
fado assignalado. Nos 803 volumes que foram
fra do manifest do navio, nao se comprehende-
ram 420, porm 460 saceos com assucar, 322 di-
tos com farinha de mandioca c mais meia duzia
de outros volumes de insignificante valor.
Quid iixde ? perguntarei eu agora. Pos ha al-
guma lei, alguma disposico prohibitiva de levar
o capitao de um navio carga fra do manifest, e
de que da conta como accressimo ao mesmo ma-
nifest ? I
O decreto de 13 de julho de 1834, annexo P,
art 7", diz o segrate :
Se o capitao nao exibr os manfestos no
tempo dado, eom as solemnidades exigidas, se es-
tes nao conferirem um com o outro, e se nao vier
as pr.meiras 2i horas dar entrada na alfandega,
incorre na pena de pagar dobrados direitos de
porto, se, porm, algumas mercaderas nao forem
comprehenddas, ou se houver differenca entre
as raercadorias e o manifest, o capitao ser pes-
soalmentc condemnado a pagar urna sorama igual
ao valor das mercadorias omittidat, sendo de con-
sumo prohibido, e dobrados diroitos de consumo,
imposicoes e emolumentos, se forem gneros ad-1
mittidos. As mult..s impostas dos captaes ou I
mestres serio pagas inmediatamente, podendo co-
brarse execut va mente pelo navio e fretes.
Entretanto, o capitao do navio d entrada na
alfandega as primeiras vinte e quatro horas uteis
depois da sua chegada, exhibe os msmifestos e de-
clara nossa occasiao que traz 803 volumes era ac-
crescimo ao manifest, pelas circumstancias que
mais adianto motivaremos: e cumpridas estas
ma iujustca, instaurar-se processo contra o capi-
llo, porque cumprio com o seu deccr, porque exe-
ctttou oque a lei Ihe determinave que pzesse TI
Como que se dizo capitao trouxe 803 volumes
de varios gneros nao manifestados f
E' exacto que esses volumes nao foram mani-
festados ou mencionados no manifest do navio
legalisado pelo cnsul de sua nacao; mas se aca-
so fossem esse volumes de contrabando (o que s
poderia ter lugar eom annuencia do capitao do
navio) iria o proprio capitao declarar que os tra-
zia,,e isso no prazo de vinte e quatro horas prefi-
xo por lei ? 1
A nao querer fazer de absurdo axioma, nao se
pode attribuir isto senio a extrema volubilidade
ou a metaphisicas intorpretacoes.
Expliquemos como o caso se deu :
No da 3 de jnlho s 3 horas da tarde, pouco
mais ou menos, hora em que termina o expediente
do consulado, fechava o referido navio os seus
manfestos no consulado portuguez: era isto n'um
sabbado.
O navio tinha urgencia de sabir na segunda-
feira, 5 do referido mez, at 9 horas da manhaa,
hora da maro, e em que o consalado nao estava
aberto; e pos parece saltar aos olhos do mais
myopo, que tendo o navio de receber anda carga
no sabbado 3, como consta da declaracao feita
nessa o:caso no consulado e da do empregado do
posto fiscal, que declara ter recebido os despachos
de bordo s cinco horas da tarde do mencionado
dia 3 (documentos que pelo paquete Oneida re-
meti neje para Lisboa) nao poda o capitao do
navio dizer no consulado que tinha recebido a
bordo carga que s mais tarde hacia anda de re-
ceber, e da qual s dopois disso teria de assignar
connecimentos, que por tal motivo nao podiaro ser
apresentatfos no consulado portuguez a hora em
(ae o capitao do navio receben os seas papis.
Parece-me desaecessario accrescentar mais al-
guma consa ao qa fica dito, porque pens ter
convenientemente provado, que se praticou ama
grave injustica centra o capitao da barca Alexan-
>tre Herculano, de minha consignajao : entretanto,
dire anda que mais singular se torna este caso
porque, quer navios entrados no Tejo, qoer entra-
dos oeste e n oulro3 portos, levam ou trazem sem-
pre ou quasi sempre, carea fra do manifest, e
nao consta que por seraefhante facto, era Lisboa
ou en qualquer alfandega de naco civlisada to-
nda isto servido de motivo do escrpulo, ou de
o3tentacio de zlo, visto con o capitao deelarou
em lempo competente na al/aadsga a carga qne
levava em acerurimo ao manifest, e a lei nao
diz qual a quaotdade de volumes quo nessa con-
formidade pode um navio cooduzir.
Concluindo, acrescentaie ainda, que
803 volumes nao ha m s de conta propria, ou
Sor mira embarcado: foi ludo carga recosida de
versos negociantes desta praca e conveniente-
mente despachada.
Sou, senhoros redactores, com a devida consi-
deracao de Vmcs.
Euzebio Raphael Rabello.
Pernambaeo, 13 i setombro de 1869.
PURLICACOES A PEDIDO.
dem
*
idea cora gneros
469
683
Maranguape.
Acabo de ler no Liberal de 28 de agosto prxi-
mo passado a publcacao de um facto, que se diz
por mlm praticado sem que o communicante as-
sgnasse a noticia, que nem pode ser afflrmada
pela redaccao do mesmo jornal, que tambem de-
clara nao assegurar s o facto verdadeiro.
Pos bem; saiba o publico, e a redaeco do Li-
beral, que a noticia fornecida pelo anonyino nao
exacta, que semelhanto canto no passa de urna
criacao de imaginaeo, e de pessdas que me sao
desaffectas, no intuito de molestaren), e fazerem-
me conhecido corao um homem perverso e cruel.
Entretanto espero nao o consegu rao; porque
os factos de minha vida jamis autorisarao esses
c outros juzos oriundos do odio e vinganea que
injustamente so me votam e a meu velho pai.
Pelo que insto e rogo ao autor da noticia, quei-
ra assignar seu nome, e affirmar o facto que dera
lugar a publcacao, para dar-lhe a devda respos-
ta, quer pela imprensa, quer perante as autorida-
des. Antes porm que assuma a responsabildade
da noticia, nao posso deixar de o considerar como
um dcsaffeelo e injusto inimigo, que a todo o
transe me quer deprimir, nao duvidando Iludir a
boa f do Liberal, que so prestou a dar publica-
cao a um embusto.
Nao receo a publicidade de meus actos ; por-
que nao me arreceo da verdade, nao tenho um s
que me faca corar.
Mas desejo evitar a calumnia, ea mentira, arma
de que mudos lancam mao e investem contra to-
dos que julgam crear resistencia, ou oppr ditfl-
culdades as suas aspirares, c miras individuaos.
Portanto si pretende o communicante ser crido,
e merecer a devida resposta, faca o que pego, e
rae lera prompto e respeitoso.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque Filho.
Agua Florida de Mur-
ray e Lnman.
As senhoras que desejam e gostam girar e mo-
ver n'uma atmospbera radiante de frescura e fra-
gancia, devero sempre asar desta rica e mimosa
agua, nos seus toucadores. Urnas poucas de go-
tas deitadas no banho, ou n'um copo d'agua, no
caso que deseje dar urna lavagem odorfera aos
dentes, achar-sc-ha ser eminentemente refrigeran-
te e_su ornamente saudavel, c para a boa conser-
vadlo dos dentes nao ha cousa melhor; a mesma
usada n'um fino lengo de cambraia pea occasao
do urna visita ou ao rir-se a um baile, a delicada
e deleitavel fragrancia que se diffunda do lenco,
attrahir a si mais attencao, do que o raro-borda-
do do que o mesmo composto. Aquellas pes-
sas sugeitas a vertigens e dores violentas de ca-
beca, quando presentes em grandes assemblas,
acharan um prompto allivio no uso da Agua Flo-
rida, a mesma faz desapparecer como por encanto
toda a oppresso do espirito, r^sttundo ao mes-
mo urna doce e refrigerante suavldade, alliviando
as ideas, dande ao espirito urna bnlhante elaslici-
dade,.e mente novo allivio e vigor.
Acha-se venda as pharmacias de A.
Caors, M. A. Barbosa, J. da Conceic3o Bra-
vo & C, P. Maurer de C. e Bartbolomeo
A C.
COMMERCIO.
PRA^A DO RECIPE 13 DE SETEMBRO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TARDR.
Algodao do Rio Grande do Norte15223 por kil.
posto a bordo, frete de 1/2 e 5 0/0 (sabbade).
Algodao de Pernambuco sorte 1A123 por
kil.
Algodao da Parahyba f sorte1*246, U2S3 e
1*266 por kil. posto a bordo, frete de 1/2 a
5 0/0
Algouao de Macei 1* sorte1*300 por kil. posto
a bordo, frete de 3|16 d. e 5 0|0 (hoje).
Dito de dito 2' sorteU253 por kil. posto a bordo,
frete de 3/16 d. e 5 OO (hoje).
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 5|8 d. por
1*000 (sabbado).
Cambio sobre-Paris 90 div 479 e 480 rs. por
franco (sabbado).
Cambios soDre Londres90 d/v 19 3/4, 19 7/8 e
20 d. por 1000 (hoje).
Cambio sobre Paris 90 dlv. 478 rs. por franco.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Saques sobre Londres
SOCIEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn fy C.
Saccao sobre os Srs. Samuel Montagu &
C, banqueiros era Londres.
A* vista quantias 5 at 100, 3 das
de vista quantias cima de 100 at
a 1,000 30 aj 90 dias de vista quan-
Descarregam hoje 14 de setembro
uriguo inglezJesse Scottmercadorias.
Gatera francesaAmelieidem,
Barca inglezaGazellaidem.
Airea italaiiaflojaidem.
Brigee suecotfefcnalaboado.
Brig^ue hollandezCornelia & Gei-trnfctUrial-*
de trigo.
Brigue portaguez Bella Hgiurenis varios g-
neros.
REC8BEDORIA DE RENDAS INtEtNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo doda 1 a II. 15 180*547
dem do dia 13...... 3.802*777
CONSULADO
tlendiraento do dia 1 a li.
dem do dia 13. .
ib &f
:. 18:983A32i
provincal"-
10:570*582
6:868*968
I>
A

27:439*550
MOVIMENTO DO POftTO.
Navio entrado no dia IX.
Porto40 dias, barca portugaeza S. Joo, de 244
toneladas, capitao Manoel Ferreira Leite, eqni-
pagem 17, carga differentes gneros ; a Joaquim
Jos G. Beltrio.
Navios sahidos no mesmo dia.
MamanguapeVapor brasileiro Munda, com-
mandante Pena, carga varios gneros.
AssiiBarca brasilelra Flecha, capitao Joao A. de
P. Victoria.
EDITAES.
3.* seccao.Secretaria do governp de Pernam-
buco, 6 de setembro de 1869.
EDITAL.
Pela secretaria do geverno, sao convidadas as
pessoas que quizerera contratar o previlegio para
abastecimento d'agua potavel a cidade de Olinda,
nos termos da lei provincial n. 888 de'tt de junho
ultimo abaix) transcripta a apresentrem suas pro-
ponis de patmo tul, camisas de brim branco.
cajeas de algodao azul, camisas de algodao azul,
eaicas de panno azul, calcas de brim branco, ca-
misas de basta azul, toodo o corno 3 palmos de
coraprimento e as mangas 3 inclusive os -punhos,
rardetas de panno azul, lencos de soda preta para
grvala?, sapales sceos de lona para mari-
nliagem.
' *ara tuzeim navaos.
Boneta de chapa e pao, eamisas -de brim bran-
co calende algodao azul,camisas de algodao azul,
calcaste brim tranco^calcas te oanno azul, far-
dos e as testemi'aihas que se acharem
dlstrietos.
Cidade do P.ecfe, 13 de setembro de 1869.
Ea Manoet Antunes Correa, escrivao uterino
do jury e eser
Anninto Cor ola no Tavaies dos Santos.
DECLARACOES.
- ----------------------------------------------------------------------------
Pente a cmara municipal desla cidade de i Ci
Olinda,oataro novamente ora hasta publicapara te *[m bi^*^ ^ f*10 MuI ,
sarera arrematados por quem maior bnro offere- ..JK .M atas de conro de t,
eer, nos Sis 16 e 23 do crrante mez, o's impos-
(os segantes cap m de planta pela quantia de
622*000 ;' affericao de pesos e medidas, sendo o
arrematante obrigado a afferir os da mesma cama
ra sem indemnisacao alguma, pela de 607*000;
coauetros de produeco para negocio, pela de
476^000 ; os alugueis das casinhas da ribeira,
pela de 70^500 ; 500 rs. por cabega de gado vac-
cura, oeki de ti73000 ; mscales e bocoteiras, pe-
la de 29*100 ; 100 rs. por carga de farinha e le-
gumes, pela de 13*500 ; 100 rs. por cabeca de
gado recalhido ao curral, pela de 27*000 ; repeso
do acougue, pela de 6*500 ; 200 rs. por cabeca
de gado suino, pela de 6 600 ; 100 rs. por cabeca
de gado ovellium, pela de 1*300.
Os pretendemos dererao comparecer nos referi-
dos das com s us dadores competentemente habi-
litados na forma da lei.
Paco da cmara municipal de Olinda em 9 de
setembro de 1869.
Manoel Antonio dos Passos e Silva,
Pro-pre dente.
Raymundo Tbeodorico Jos Dornellas,
Po teiro, no impedimento do Secretario
postas cm carta fechada ao Exm. Sr. vice-presi- lofta'
dente da provincia at o da 6 de outabra proxi- ae oO.
Consulado provincial
Pela administrado deste consulado faz-se
publico a quem interessar possa, que com
o presente mez termina o recebimento dos
differentes impostos provinciaes relativos ao
anno flnanceiro findo de 18G8 1869, sendo
em seguida liquidados e remettidos pelo
juizo os dbitos dos contribuintes,;omissos,
afim de serem executivamente cobrados,
na- forma da lei.
Consulado provincial, .1 de setembro
mo vindonro, devendo as aguas ser trazidas mil
metros^ Ucima da ponte sobre o ro Beberibe na
povoaco do mesmo nome, e nos termos da infor-
magao do-engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas n. 306 de 3 do corrrente.
LEI N. 888.
O Dr. Manoel do Nasciraento Muchado Portella
vice-presidente da provraaia de Pernambuco : Fa-
?o saber a todos os seas habitantes, que a assem-
bla legislativa provincial decretou e ea sanecionei
a resolucao seguinte:
Art. 1. O presidente da provincia- fica autorisa-
do a contratar com Justino Jos de Souza Cam-
pos, ou com quem melhores vantagens offereeer o
encanamenlo d'agua potavel para a cidade de Olin-
da sob as seguintes bases :
!. As aguas devero ser saudaVeis e tiradas
do lugar indicado pelo engenheiro -director das
obras publicas.
2." Poder o contratante organsar urna com-
panhia para execucao das obras.
3. O contraante ter o previlegio de vender
agua ao povo a razan de 20 ris por balde usual
pelo espajo de 50 annos, cujos prasos comecar a
correr do dia era que for annunciada pelos Jor-
naes a concluso das respectivas obras pela collo-
cacao de dous chafarizes nos lugares designados
no contrato.
4. O prazo do previlegio ser espaoado na ra-
zao de 3 annos por cada chafariz collaeado alm
dos mencionados no paragrapho precedente.
Art. 2. O presidente da provincia fica antorisa-
do a impor io contratante ai condicdfl qne julgar
necessarias para facilitar a rea isa^a deste enca-
namento doterminar os prazos para cwneco e con-
cluso dos trabalhos e imoor as mokas necessa-
rias.
Art. 3." Ficam revogadas as disposicoesem con-
trario.
Mando portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimeuto e execucao da presente resolucao
perlencer, que a curapram e facam cumprir tao
inteiramente coma nella se contm.
O secretario do governo desla provincia, a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 23 de junho
de 1869, quadragesimo oilavo da ndqteaoncia e
do imperio.Dr. Manoel do NascmehmMachado
Portella.
Sellada e publicada a presento resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco. em 23 de
junho de 1869.O secretario, Dr. Joaquim Correa
de Ar&ujo.
Registrada a fl. m livro de leis provinciaes.
Secretara do governo de Pernambuco, 23 de ju-
nho de 1869.0 chefe da 4.a seccao, Francisco de
Leinos Duarte.
O secretario,
Dr. Joaquim Correa de Araujo.
O Dr. Armnio Coriolano Tavares dos Santos, juiz
municipal da 2.' vara e preparador dos procos-
sos do jury desta comarca do Recife, por S. M. o
imperador, a quem Deus guarde etc. etc.
Fago saber que, pelo Dr. Manoel Jos da Silva
Neiva, juiz do dreito da 2." vara crinnnal desta
comarca, me foi communicado ter designado o dia
11 de outubro oroximo vindouro pelas 10 horas
da manhaa, para abrir a terceira sessao ordinaria
do jury, que trabalhar era dias conscutivos; e
O administrador,
______Antonio Cartieiro Machado Rios.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar com quem
se queira encarregar de fazer sua casta as obras
de que necessita o sobrado n. 37 da roa da Moe;
da, eoneodeado ella, alem de outras vantagens, o
arrendamento por grande numero de annos.
Recebe para isto propostas em cartas fechadas,
na sala oo suas sessoes, devendo os pretendentes
examinarem as obras de que carece o predio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 4 de setembro de 1869.
O escrivao,
______ _____Pedro Rodriguen de Souza.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fazen-
da desla provincia manda fazer publico que em
virtude da ordem do tbesouro n. 123 de 18 de
agosto ultimo, acba-sa autorisado para vender apo-
lices da divida publica pelo prego de 80 OO.
As pessoas a quem interessar devero dirigir-se
referida thesouraria.
Secretaria da thesouraria de fazenda do Per-
nambuco 9 de setembro do 1869.
Servindo de eflicial-maior,
Manoel Jos Pinto.
tre, polainas de panno proto, sapatoes e sobreca-
sacos te panno azul.
Para artfices avulsos.
Blusas de panno azul, Wusa te algodao azal,
calcas do brim branco, calcas de algodao azul, cal-
cas de panno azul e cathlau de algodaezinho.
Tambem o conselho contrata o foraecimento de
galinhas para os navios da armada e estabeleci-
inentos de marnha no dito trimestre, e promove a
compra dos seguintes objectos do material da ar-
mada :
2 bules de ferro estanhado, 200 alqueires de cal
preta, 120 bracas de corrente de ferro de 1|2 pol-
legada reforcada, 12 libras de cera em archole, 20
arrobas de estopa de algodao, 10 lenees de ferr
inglez de 1(16 de grossnra, 10 arrobas de graxa
do Rio Grande, 20 peles de marroquim encarnado,
rtarro de mialnar branco, 2 oculos de alcance,
10 libras de obreias francezas, 6 panelas de ferro
para derreter bren, 40 grosas de peonas d'aco, 6
arrobas de pregos de ferro de costado de 7 polle-
gadas, 6 arrobas de pregos de ferro de costado de
6 pollegadas, 10 arrobas de pregos de ferro de Cos-
tado de 5 pollegadas, 10 duzas de taboas de pinho
de 2 pollegadas, 10 duzias de taboas de costadinho
de pao carga, 2 terrinas de ferro estanhado, 20
tiralinhas, 1,000 lijlos de fogo, 30 vidros encar-
nados e circulares para pharol com 21 3|4 polle-
gadas de dimetro e 1|4 de convexdade. '
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
10 de setembro de 1869.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos
O administrador da recebedoria de rendas in-
ternas geraes, declara que do dia da publcacao
desto se acha em execucao o titulo 3* capitulo 1*
do regulamento 4334 de 17 de abril ultime, para
o que existem venda na mesma recebederia as
estampilhas dos valor de 200, 400,600, 800rs. 1*,
2*, 3*, 4* o 5*, para com ellas serem sellados os
ttulos e papis de que tratara a e parte do
art. 24.
Declara outro sra, que para serem despacha-
das com mais brevidade as partes, devem exhibir
urna nota de quantidade e valores das estampi-
lhas de que se querem prover e de sua impor-
tancia total, aflrn de que possam entregar ao mes-
mo tempo a referida importancia.
Recebedoria *de Pernambuco, 13 de setembro
de 1869.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
O abaixo assignado avisa ao respeilavel pu-
blico, que nao se responsabilsa por qualquer ob-
jecto que seu escravo Basilio va comprar.
Raphael Fernandres branles.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, em virtude dar ordens em
vigor, manda fazer puMico que tem marcado o
dia 1 de outubro prximo vindouro para o con-
curso que se tem de abrir na mesma thesouraria
para preenchimcnto nao s das duas vagas de ter-
ceiros escriptursrios nella existentes, como das de
pratieantes da mesma, assm como da alfandega e
da recebedoria de rendas. Versatao os exames
para pratieantes sobre as materias de que trata
o Io do art. Io do decreto n. 3114 de 27 de junho
de 1863, a saber : leitura, analyse grammatcal e
orthographia, arithmetica e suas applicacoes ao
commerco, com especialidade reduccao de moe-
das, pesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e compostos, tueoria, de cambios e suas
applicacoes : e para os de tei'celros escripturarios
as mesmas materias exigidas para praticante, e
mais as do 2o do dito decreto, a saber : theoria
da escripluraco mercantil por partidas simples e
dobradas, e suas applicacoes ao commerco e ao
tbesouro, traduccao correcta das lngoas ingleza e
franceza, ou pelo menos da ultima, principios ge-
raes..de geographia e historia do Brasil, algebra
at equac5es do 2o grao, e pratica do servioo da
reparticao era que estiver servindo : o candidato
ser dispensado do exame em qualquer das mate-
rias cima mencionadas se mostrar ter sido nella j
approvado. Os candidatos que nao forera empre-
gados pblicos devero apresentar seus requeri-
mentos instruidos de documentos quo provem ida-
de completa de 18 annos, isencao de culpa e pena,
e bom comportamento.
Secretara da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 31 de agosto de 1869
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
O Illm. Sr. conselheiro inspector da thesou-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Novo Banco de Pernambuco
em liquida#to, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber o
sexto dividendo de um e meio por cento
do capital: s quarta-feiras e sabbados.
Soeiedade bancada
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
SBJiai de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil, por bom premio.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccOes, da cobranza de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca i txa a con-
vencional
Recebe dinhero em cont corrente e a
oraze fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem correspondentse
na Baha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
York e New-Orleans, e imitte carias de
crdito para os mesmos lugares.
Ra do Commerco n. 36.
ALFANDEGA
Kendiraentododia la 11. 2ii:960*8oO
Wem do dia 13......42:S83l023
284:513*873
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
volumes entrados cora fazenda 3'
dem idem com gneros 471
Volme sahidos com fajonda 211
__; 796
31 de Janeiro de 1812, foram sorteados c designa-
dos os cidadios seguintes :
Freguezia do Recife.
Alfredo Henrique Garca.
Joao Marques Correa.
Francisco Jos de Barros Jnior.
' Freguezia de Santo Antonio.
Leopoldino Antonio da Foneeca.
Joaquim da Costa Fajoses.
Dr. Aureliano Augusto Pereira de Carvalho.
Francisco Antonio de Assis Ges
Joaquim Al ves Montero.
Francisco da Silva Reg.
Miguel Bernardo Quinten.
Manoel Jos de Azevdo Santos.
Antonio dos Santos Ramos d'Oliveira.
Antonio Jos Pereira de Mendonca.
Dr. Antonio Joaquim Ayres do Nasciraeuta.
Freguezia de S. Jos.
Joaquim Jos Ramos.
Dr. Francisco de Paula Soares.
Anselmo Jos Pinto de Souza.
Freguezia da BoaJVista.
Dr. Jos Antonio de Figueirdo.
Conselheiro Joao Silveira de Souza.
Dr. Eduardo de Barros Falcao de Lacerda.
Luiz Amavel Dubourcq Jnior.
Christovao Santiago d'Oliveira.
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo.
Juvencio Augusto de Athayde.
Jos Luiz Innocencio Pogge.
Francisco Antonio Pontual Jnior.
Barao de Villa Bella.
Manoel Teixeira de Albuquerque.
Jos Delfino da Silva Correa.
Vicente Teixeira Xavier.
Candido Casemiro Guedes Alcoforado.
Antonio da Silva Azevedo.
Vicente de Paula de CMiveir i Villas-Bas.
Dr. Jos Honorio Bezerra de Menezes.
Antonio Jos da Silva Azevdo.
Dr. Manoel de Barros Barreto.
Joaquim de Gusmao Colho.
Joae da Silva Faria.
Augusto Cesar Pereira de Mendonca.
Dr. Pedro Affixiso de Mello.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Firmino Herculano Baptista Ribeh-o. -
Freguezia dos Afogados.
Antonio Valontim da Silva Barroca.
Freguezia da Varzea.
Firmino dos Santos Vieira.
Dr. Francisco do Reg Barros de Lacerda.
Freguezia do Jaboatao.
Antonio de Souza Leo.
Antonio Francisco Paes de Mello Barreto.
Vicento.de Araujo Pinheiro.
A todos os quaes e i cada um de per si,
como a todos os inieressados, em geral, se convida
para comparecerem no !. andar da casa que foi
cada, na sala do jury, tanto no referido dia e1
hora como nos demais dias seguales emquanto
durar a sessao, sob as penas da lei, se faltaren)
E para quo chegue a noticia a todos, mandei
passar o presento edita!, que ser lido e afflxado
nos lugares mais pblicos e publicado pela im-
prensa, e tambem remetter igoaes aos respectivos
subdelegados para publica-los e raandarem fazer
as notiflcaccs necessarias aos jurados, aos pulpa-
a quem mais der, o expolio deixado pelo Tinado
tenenle pnsioneiro de guerra Paraguayo Pedro
Jos Pereira. O inventario do dito expolio acha-
se nesta secretaria, e ser franqueado aos preten-
dentes.
As pessoas a quera convier devero compare
cer nesta thesouraria no referido dia e hora indi-
cados.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco 11 de
setembro de 1869.
Servindo de offlcal-raaior,
_______________Manoel Jos Pinto.
Terca-felra 11 do corrente, depois da audien-
eia do Dr. juiz de orpbos desja cidade, vai pra
ca por venda a parte do escravo Antonio, pe ten
ceate ao herdeiro Argemiro, a requerimento^o
seu tutor, cujo escravo peca c emende de V
naci.
Inspe^co de arsenal de
marnha.
Faz-se publico que a commissao de peritos
examinando na fnna determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, caldeira, apparelho,
raastreaco, veame, amarras e ancoras do va-
por Ptrapama da comnanha Pernarabacana de
navegacao costeira, achou todos esses objectos
em estado de poder o Vapor navegar.
Inspeecao do arsenal de marnha do Pernambu-
co 11 de setembro de 1869.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
Faco constar a quem convier, que o Illm. Sr.
Dr. director geral interino tem designado o dia 11
de outubro prximo vindouro, pelas 10 horas da
manhaa, para ter lugar nesta secretaria o exarae
de habilitacao para o magisterio primario do sexo
femenino.
A_s senhoras que quizerem fazer dito exarae de-
vero inscrever-se na forma das inslrucces de 11
dejunbo de 1839, ate-o dia 9 do mesmo.
Secretoria da instruccao publica de Pernambuco
10 de setembro de 1869.
O secretario,
Aureliano A. P. de Carvalho.
bem
Conselho de compras
navaes.
O conselho contrata em 14 dj corrente mez
vista de propostas recebidas at as 11 horas da
manhaa e sob as condiceoes do cstylo, o foraeci-
mento no trimestre prximo vindouro de outubro
a dezembro,dos ',bjectos do faldamento seguintes:
Para aprendizes artfices. _
Bones de uniforme, bonets de servic, blusa* de
bnm branco, blusas de algodao azul, blusas de
puno azul, calcas de brim branco, calcas de algo-
dao azul, camisas de algodaozraho, cobertores de
lia, cobertores do algodao, calcas da panno azul,
colch&Js de linho chetos de palha, fronhas de algo-
dozinho\ lencos do seda preta para grvalas, len-
ees de ajodanzinho, sapatoes, saceos de guardar
roupa e travsseiros de Inho cheios de palha.
Para impendes mar!abeiro3 e aprcndkes ditos.
No da 14 do corrente, depois da au-
diencia do Sr. Dr. juiz de orphaos, tem de
ser vendida em basta publica a preta Li-
bante, sadia de servico domestico, avaliada
por 950jj(, e vai a praca a requerimento
de Libanio Candido Rlbeiro, tutor da
menor Anna Amelia.______
O Illm. Sr. conselheiro, inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia manda fazer pu-
blico, que a arremaiaco que deverla ter hoje lu-
gar as 2 horas da tarde, perante a junta da dita
thesouraria, de 21 cavallos do deposito especial de
instruccao, fica transferida para o dia 11 do cor-
rente a mesma hora, perante a referida junta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 9 de setembro de 1869.
Servindo de offlcial-maior,
_________________Manoel Jos Pinto.
Santa Casa da Misericordia do
Reelfe.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 16 de setombro, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offereeer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARJDADE.
Ba larga do Rosario.
Sngundo andar do sobrado n. 24. 302S00e
Becco do Quiabo.
Ca5a terrea n. 8. ...... I6J000
Ra do Nogueira.
Casa terrea n. 17....... 302J000
Ra da Roda.
Casa terrea n. 3........ 98000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 38....... 160000
Ra da Gloria,
Casa terrea n. 57 146O0O
Ra da Matriz da Boa Vista
Casa terrea n. 56....... 20002
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49...... 1701000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Seqo.
Casa terrea n. 13 por auno. 2I9000
Ra do Pires.
Casa terroa n. 36....... 1445000
Ra da Cacimba.
Casa terreii n. 10....... 86000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1463000
Idem n. 98........................ 203^000
dem n. 96......................., 202000
dem idem n. 103...... 202 000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 150000
Os pretendentes devero apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 9 de setembro de 1869.
O escrivao,
_________________Pedro Rodrigues de-Souza
Perante a cmara municipal desta cidade e3-
tarao em praca nos dias 9, 13 e 15 do corrente
para serem arrematadas por quem maior preco
offereeer as seguintes rendas municipaes:
Imposto de affericao de pesos e medidas pela
quantia de rs. 19:0001000.
Imposto de 100 rs. por carga de farinha e ou-
tros legumes vendidos nos mercados pblicos por
2:240*000.
Aluguel do taino n. 16 do quarteiro do lado do
norte do acougue da ribeira da freguezia de S Jos
por 730*000.
As arrematares serao feitas por um anno;
aquelles que pretenderem concorrer a ellas, devem
habilitar-se na forma da lei, e apresentrem dous
dias antes as suas habililacoes para serem julga-
das.
As condicoes para taes contratos serao declara-
das antes de entrar a praca.
Paco da cmara municipal do Recife 1 de se-
tembro de 1869.
Manool de Barros Barreto,
Pro-presidente,
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer publico, que
Srecisa contratar para a botica do hospital Pedro
, nos mezes de outubro a dezembro prximo vin-
douro, os seguintes medicamentos:
Absintho, kilogramma.
Acido actico, idem.
Acido ctrico puro, idem.
Acido marrano, idem.
Acido ntrico puro, idem.
Acido oxlico, idem.
Acido sulfrico, idem.
Acido tartrico, idem.
Ac preparado, idem.
Acnito, idem.
Agua de colonia, duzia.
Agua de flor de laranja, idem.
Agua de rosas, idem.
Agua de sedelite, garrafa.
Agua de Vichy, idem.
Agua ingleza de Lisboa, idem.
Alcatro, kilogramma.
Alcool de 36 graos, litro.
Alecrim, kilogramma.
Alfazema, idem.
Algalias inglezas de n. 1 a 12, dusia.
Aloes, kilograraraa.
Alvaiade, idem.
Ameixai passadas, idem.
Amoniaco liquido, idom.
Arsnico, dem.
Assafetida, idem.
Assucar cand, dem.
Asscear de leite em p, dem.
A vinca, idem.
Bagas de zimbro.
Batan de cupahiba, idem.
Balsamo de fioravanle, dem.
Balsamo de tol, idem.
Balsamo prdviano,
Balsamo tranquillo, idem.
Banha de poico, idem.
Barbante lino para embromo, idem.
Bejoim de Lisboa, dem.
Belladona, dera.
Benzina, idem.
Bicarbonato de oda, i (em.
Borracha sorlidas com pipos, duzia.
BotJes de rosas robras, kilogramma.
Bromaren de potassa, idem.
Cabegas de papoulas, idem.
Cainca, dem.
Caixas para pilulas, croza.
Cal vrgem, kilogramma.
Calomelanos ingiezes. dem.
Clices graduados n. 2, um.
Camphora, kilogramma.
Cantharidas em p, idem.
Capsulas de cupahiba, caixa.
Carbonato do magnesia, kilogramma.
Carbonato de potassa, idem.
Carbonato de soda, idem.
Caroba, dem.
Centaurea menor, idem.
Cera amarella, idem.
Cera branca em grumos, dem.
Cevada, idem.
Cevadiuha.idem.
Chic-orea, idem.
Chlorato de potassa, idem.
Chloroformio, idem.
Colla de ftaodres, idem.
Coneitos de lactato de ferro, duila.
Cremortartaro em p, kilogramma.
Cubebas em p, idem.
Degilalis, idem.
Dulcamara, idem.
Emplastro de cicuta, dem.
Emplastro de aquilo, dem.
Emplastro commum, idem.
Esptulas de ac sortida, urna.
Essencia de araz, kilogramma.
Essencia de canella, idem.
Essencia de cidra, dem.
Essencia de flor de laranja, idem.
Essencia de horlela pimenta, ideo
Essencia de rosas, idem.
Essencia de salsaparnlha, vidro.
Essencia de therebentma, garrafa.
Eseencia de vergamota, kilogramma.
Ergotina, dem.
Ether chlorydico, idem.
Ether sulfrico, idem.
Ether ntrico, idem.
Eatracto de acnito, idem.
Extracto de alcacus, idm.
Extracto de belladona, dem.
Extracto de camomill, idem.
Extracto de cicuta, dem.
Extracto de favas de calabar, idee*.
Extracto de fumaria, dem.
Extracto de genciana, idem.
Extracto de jurubeba, dem.
Extracto de nos vmica, idem.
Extracto de opio gommoso, idem.
Extracto de salsaparrilha, dem.
Extracto de tridaceo, idem.
Extracto de-valeriana, idem.
Fezes de ouro, idem.
Flor de rnica, idem.
Flor de borragens, Idei i.
Flor de enxofre, idem.
Flor de malvas, dem.
Flor de sabiigueiro, dem.
Flor de tilia, idem.
Flor de violas, idem.
Figado de enxofre, dem.
Fumaria, dem.
l"-miI de vidro n. 2, um.
Genciana, kilogramma.
Glycerina branca, dem.
tiamma de btala, idem.
Gomma de batata purgativa, dem.
Gomma arbica escollda, dem.
Gomma arbica em p, idem.
Oral de porcellana n. 1, um.
Gral do vidro n. 1, idem.
Herva terrestre, kilogramma.
Hydrochlorato de mollina., idem.
Hyspo, dem.
Incens puro, idem.
Iodo puro, idem,
lodureto potassio, idem.
Ipecacuanha prcla, idem.
Jalapa em p, idem.
Kermes mineral, dem.
Licor de labarraque, garrafa.
Linhaja era p, kilogramma.
I.inhaca inteira, dem.
Macolla gallega, idem.
Magnezia calcinada, idem.
Magnt-zia de Henry, vidro.
Mann commum, kilogramma.
Mann em lagrimas, idem.
Mantciga de cacao, idem.
Masas caustica, idem.
Mel de abelhas, garrafa
Mercurio doce, klogratn
Mezcrio, idem.
Mostarda, idem.
Musgo islndico. dem.
Nitrato de bismutho. idem.
Nitrato de prata era lapi-, len.
Nitro puro, idem.
.Nox-moscada, idem.
Oleo branco de ChevTter, vidra.
Oleo de alfazema, kilogramma.
01 jo de amondoas inglez, '. tem.
Oleo de batiput, idem.
Oleo de cravo, idem.
Oleo do ligado de baealhio, garrafas 24.
Oleo de figado de bacallao 'erroginoso, dem
Olea dehnhaca, kllogr
Oleo de'ricino, idem.
Oleo vermfugo, frasco.
Parietaria, kilogramma.
Papel azul para eral.: sma.
Papel branco para embramo, Wem.
Pasta dejujuba, kUoramma.
Pastilhas de Belloc, caixa.
Pastilhas de ipecacuanha,'- '/ijra :.ra.
Pastilhas de Kemp, caxa.
Pastilhas de kermes minor..', vidro.
Pastilhas de naf, caixa.
Pdra ume, kilogramma.
Pineiras de cabello, um::.
Poueras de seda, idem.
l'erchlorurio de ferro, kilogramma.
Pez de Borgonha, idem.
Posphato de ferro de Lera?, "!dro.
Pilulas de Allion's verdadeira, Misa.
. Pilulas de Vallet (50 pu!as\ .Oro.
Poligula senega, kilogranm,:.
Popa de tamarindos, dem.
Pomada mercurial, idem.
Pontas de veado ealdDtdas, ^cm.
Pos de Bog, vidro.
Potassa caustica, kilogramma.
Potes de urna a oilo on^as, Juzia.
Precipitado rubro do mercurio, kogrmma.
Purgante Lo Roy, fran:-.-:. .rafa de t/,>.
Quassia, kilogramma.
(Juina em casca, dem.
Quina em p, idem.
Raz de alcassus, idem.
Raiz de althea, idem.
Raz de espargo, idem.
Raiz de genciana, dem.
liozina de angco, idem.
Proto iodureto de meivuu: lem.
Rezina de btala, ideo.
Rozina de guaaco, idem.
Ruibarbo em p, dem.
Sabo branco amygdalin\ tCesL
Sabo para opodeldoc, Maci.
Sabonete do alcatro, :
Sal amargo, kilogramma.
Salsa hortense, idem.
Salsaparrilha, idem.
Saccbarur4lo de oleo de ~
Sassafrs, kilogramma.
Scilla, idem
Sanne, ,'dem.
Sementes deangelin, '.'. "
Serpentaria, idem.
Sp-jrmacete em rama,
Solucodo protocdur':) ferro,
Straraono, idem.
Subntrato de bisniuii.-. Ic i.
Suj2o de groselles, fraacer, garra .
Sulfato de soda, kilogratr.Tr.i.
Sulfato de ferro puro, ;jcm.
Sulfato neutro de anu em.
Suspensores escrotae, du ia.
Taasagem, kilogramma.
Vidros com colla do 1 ;i i, duzi*.
<
. r
"-O,
\
Vidros para opodeldo-:, ultrj.
lerio de Le Roy, .-
idro.
V




Diario de Pernambuco
Ter^a feira 14 de Setembro de 1860.

8
Vinhodc jurubcba, garrafa.
Vinho do Govi rafa.
Xarope de Bourgoi, vidro.
Xarcpc de codioa de Berlue, J
Xarope de espargo, dem.
Xarope do Cuy, idam.
Xarope de odurtio de Gibort, idcm.
Xarope de jurubeba, idem.
Xarope de Labellony, idem.
Xarope de Lamoureaux, idem.
Xaropo de nat, idem.
Xarope pciloral inglez, idem.
Xarope de quina de C.rimault, idem.
As pessas que quizerem eoncorror ;i arrema-
toslo do fornecimenlo do~ ditos m idicanx
devem comparecer cj:ii saa< proposl:is pin caitas
lechadas na sala das sessoes da mesma Illma. jun-
ta administrativa petas 1 lloras da tarde do c!.a !l
rio corrente, aeompanliados do seus tiadores, ou
munidos de c.irt;.s deslcs.
Secretaria da Santa casa de Misericordia do le-
nle, 6 de setembro d&isttf.
O eserivao,
Pedro Rodiiguei dg Suma.
->
THETRO
S. ISABEL.
tGjapreza lyrlca laUaaa.
Quarta-feira 15 de setembro
8* recita de asignatura (IIa .lo contrato)
ESTUFA DO PRIMEHU) TEN )R SR. DO-
NAC1CH
na epera trgica em 3 actos' de Belni
G01IPAMI MAS11M!
DK
Paquetes a vapor.
Dos poitos do sul esperado
at o dia 21 do rovrenteio vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
J. P. G. Alcoforado, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portas do norte.
Desde j recebem-se paseaaeiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de suachegada. Encommen-
das e dinliciro a frete at o dia da sua sabida as i
horas.
Nao se recebem como encommendas seao ob-
Jectos de pequeo valor e que nao excodam a duat
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros, que suas pas-
sagens so jo recebem na franela a ra da Cruz
n. 37 primeiro andar, escriptorio de Antinio Luiz
do Oliveira Azevedo & C.
\
Sr.
Sra.
Sr.
Actores
Bonackh.
Amaldi
PlerottL
Uergeri
N. -N.
Scoiari.
Panesagens
Toltione. pro-consul romano
Norma druina
Adalgisa
Clotilde
l'iavio, amigo de Pollione
Oroveso, chefe dos Duridos
Oous meninas filhos da Norma.
Os bilhetes vendem-se s no dia do espectculo
Principiar as 8 horas.
Alta novidade para todos os
gostos.
QUIXTA-FE1HA tu DE SETEMBRO.
I.IVDO K POMPOSO 80RI12E
(Particular)
NS SALOES DO CLUB VKRNAMBICAN* SOB A
DWLUAO DO TENOR
J. COELHO BARBOSA
Km favor do mesmo.
brande reunlSo familiar
eflm a coadjuvaciio dos distinctos artistas os
llluis. Srs. Caris Ernest, Francolino, Salusliano,
(Uaudiolduburque e Antonio Martin?, os quaes
pi'estam-se graciosamente; cabendo a direccao
anlicipar-lhcs desde j o? seus agradecientes.
Ordem do siore.
1.* parlePoesa.
2." parteMsica.
:'.. parteDansa pelas Exmas. familias dos con-
vidados que quizerem prestar-se.
A direccao julga absolutamente desnecessario
.-upplicar as pessas que honrarem com sua be-
nevolencia, esteLindo i pomposo tomepor-
que seria so por em duvida a sua tao conhecida
lmspitalidade.
Cemecar as 8 horas e l' minutos.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
HaTega^5o coselra por vapor.
Parabyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear,
Mandah, Acarac e Granja.
Mb O vapor Pirapama commandante
.Lfl Torres, seguir para os portos
mmn cima no dia lo do corrente as 5 hora."
da tarde. Recebe carga at o dia li, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
!\avegaco costeira por vapor.
Goyanna.
t^3\W O vapor Parahyla, commandante
sfjflL Me"0 seguir para o porto cima no
^BAo dia 16 do crreme as 'J horas da noite.
'Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
uheiro a frete, n > escriptorio do Forte do Mattos
u. 12.
Compauliia americana c brasile-
ra de papeles a vapor.
At o dia l do correntc esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
South America, o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul, para fretes
e passagens tratase com os agentes Ilenry Fos-
ler de C- ra do Commercio n. 8.____________
Eio de Janeiro.
Para o indicado porto, pretendo seguir com
muita brevidade o brigue nacional Isabel, por ter
a maior parte da carga engajada, e para o pou-
co que Ihe falla, trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azcvcdo & C, ra da
Cruz n.87, primeiro andar. _______________
BAHA
O palhabote Garibaldi, cnpitao Custodio Jos
Vianna : a tratar com Tasso limaos.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Javegaco costeira por vapor.
Mamanguapc.
O vapor Mandah, comman-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 13 do crrente
as 6 horas da larde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros c
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do dia
da saluda : escriptorio no Forte do Mattos n. 12
Para o indicado porto pretende seguir com mui-
ta brevidade o lugre portuguez Cisne do Vouga por
ter a maior parte da carga engajada ; e para o
pouco que lhe falta, trata-se com o c nsignataiio
Joaquim Jos Goncalves Reltro, ra do Com-
murcio n. 17
Aos 20:000^000-
flilhetes do Rio a venda, ra do Cabug n. 2
Casa da F. Precos doeostun
CASA A P1I.
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico interno e
externo de urna casa de pequea (amina, prefere-
se escrava : na ra das Cruzes n. 28, 1 andar-
CASA DE PJE\HOK^S.
Travessa da* Cruzes n. 3.
O abaixo assignado avisa a todas as pessas que
teem penhores vencidos em sua casa, que nao os
resgatando at o dia 30 do corrente, far leilo
publico de ditos penhores, do conformidade com a
disposicao ao art.) das inslruccoes em vigor, salvo
se forcih as cautelas de taes penhores refnrcadas
convencionalmcnte Recife 13 de setembro de 1869.
N. Daaheisser.
Se ra Direita n. 2, 2' andar, ha urna es-
crava para se alugar que taz os serviros de urna
casa.
Troco mrdo.
Da-se bom premio por sdalas de 1*000, 2;
51, 105 e 205 (nova estampa: na casa do Theo-
do-ro Simot Ama de leiie
Precisa-se de orna ama de
ra Direita n. 8.
leite : a tratar na
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de peqnena
familia : na ra da Senzala-nova n. H2,terceiro
andar._________________________________
Precisa-se de nina ama forra ou escrava que
saiba bem cozinhar : na ra Nova n. 21, loja de
fatenda.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar, pagando-se bem : na ra da Cruz n. 10, *
andar.
Fugio da casa do abaixo assignado
o sen escravo cte nome Eugenio, cri-
oulo, idade 50 annos, pouco mais menos, estatura regular, cor preta,
eabeca calva, barba mesclada, tem
marcas de bexigas, pernas fina?, entitula-se forro,
foi escravo do engenho Carauna, c suppde-se an-
dar para as bandas de l : qnem o pegar leve-o
ao hotel do Universo, ra do Trapiche n. 2, que
receber 50 de gratificarlo.
Mederic Arnoult._______
Rogase pessoa, em poder da qual, existe
urna letra vencida, ou a vencer nestes dias, e fir-
mada por Cincinato Velloso da Silreira, o favor
de a apresoutar na ra da Mangueira n. 7, para
ser salisfeita a importancia da mesma._________
Attenco
Precisa-se de offlciaes de caldeireiro e latoeiro :
na ra do Brum n. 54._____________________
Precisa-se alugar um criado ou molequo de
idade de 12 a 11 annos; na ra da Cadeia do Re-
cife n. 33, loja de chapeos.
As Sras. Maria Jos Cervilha'de Mello e Isa-
bel Rozinda de Mello tem urna carta vinda do Rio
Grande do Norte, no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.
LEILOES.
IEILiO
de fazendas em continuaq.ao
Mello, Lobo & C. continuarlo por intervencao
do agente Oliveira, o seu leilo de esplendido sor
i ment de fazendas as maisproprias do mercado.
HOJE.
as 10 horas da manhaa em sea armazem a ra
da Cruz.
COMPANHIA BRaSILEIRa
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 30 do corrento o vapor
Guar, commandante o Io te-
nente P. H. Duarte, o qual de-
_ f. pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
sor embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frote at as duas boraa do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qnesuas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
1* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevsdo & C.
LEILO
Do deposito de vinho* e aguar*
dente sito rna do Urna nu-
mero 30.
O agente Pontual competentemente autorisado
vender em leilo o deposito cima bem como a
armarlo do mesmo n'um lote ou em diversos a
vontade dos licitantes.
HOJE.
Dever ter lugar o leilo no mesmo deposito
as 12 horas.
Os Srs. licitantes poderlo desde j examinaren
o balanco no escriptorio do dito agente, ra da
Cruz n 62, 1 andar. Garante-se o arrendamen-
to do predio em que est o deposito.__________
~leteao
Da galera ingleza Lancashire, da lotacao de
1177 toneladas inglezas encalhada defronte da
barra de Gramame na provincia da Parahyba do
Norte, na quinta-feira 16 do corrente ser ven-
! dida em hasta publica o casco de ferro da refe-
I rida galera, os maslros reaes e tres vergas gran-
| des de ferro, tres ancoras grandes e cerca de
300 bracas de corrente, quatro vergas sobresa-
lentes de 50 e 70 ps de comprimento e o mais
que tiver a bordo.
O leilo ter lugar na praia de Gnrugi (distan-
te do navio pouco mais ou menos meia legua) do
meio dia em diante na presenca do Illm. Sr. vice-
cnsul brilannico e os empregados fiscaes e ser
feito por conta e risco de quera pertencer. As
condiccoes serlo annunciadas no acto do leilo.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costeira por vapor.
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
y'Tiy O vapsr Potengi, commandante
JIXL Pereira, seguir para os portos cima
MHB "o dia 15 do corrente as 5 horas da
tarde. Recebe carga at o dia ti, encommendas,
passageiros e dinheiro a fete at as 2 horas
iia tarde do dia da sahida no escripterio doFcr-
te do Mattos n. 12.
INSTITTTO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPHICO
PERXAMBLCANO.
Haver sesso ordinaria quinta-feira 16
do prximo setembro, pelas 11 horas da
manliaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, 13 de setembro
de 1809.
Jos Soares de Azezedo,
Secretario perpetuo.
Aluga-
,-se
urna easa em Beheribe : a tratar com J. I. de M.
Reg, ra do Commercio n. .'i.
Precisa-se comprar ou alugar um sobrado
de um andar, ou casa terrea, com bastantes com-
modos para familia : quem tiver annuncie ou di-
rija-se ruado Hospicio n. 24, sendo nos bairros
de Santo Antonio ou Boa-Vista.
Na travessa dos xpostos, sobrade n. 18, !
andar, faz-se comida para fra, Iava-se roupa
engomraa-se, tudo com asseio e promptidlo.
Aluga-se urna mulata cozinheira e costura-
ra : a tratar com Albino Jos Ferreira da Cunha,
no largo de S. Pedro n. 4.________________
Aluga-se um escravo para criado de qual-
quer hotel ou casa particular : a tratar na ra
Augusta n. 10.
Precisase de urna ama para engommar e
andar com meninos : na ra da Cadeia. n. 10.
As Sras. Maria Jos Cervilha de Mello e Isa-
bel Rozinda de Mello, tem urna carta vinda do Rio
Grande do Norte, no largo do Corpo Santo n. 6,
armazem.
O Sr. Secundino Prediliano Gomes de Ojivei-
ra. mande buscar urna carta que existe na loja da
ra Nova n. 50, e pagar o importe deste an-
nuncio. v
Na padaria a ra do Rangel, precisa-se alu-
gar um preto. __________^___
EWlPRESTiMO SOBRE
(SEM LIMITE.)
Na Iravessa da na
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
qner quanti sobre ouro,
prala c pedras preciosas.
O dono deste estabeleciraento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condiepes de ga-
rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraco s pessas que se
dignarem de honra-lo era seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
3 prata e brilhantes.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
\o Ileolfe arroda Concriron. 2
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagarlo as sortes que sahirem
no mesmo bilhete com o descont da lei somente.
PRECOS.
Bilhete inteiro 24S000
Meios 125000
Quartos 6000
E det00 para cima a 22 j o bilhete.
Figueiredo & Leite.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama e leite s a trataj na
Ponto de Uchoa n. 9 A.
Aluga-se o Io andar do sobrado da ra de
Apollo n. 28, lado da frente, proprio para escrip-
torio : a tratar no armazem do mesmo.
Notas das caixas liliaes do banco do Brasil
irocam-se com mdico descont, na loja de Manoe'
Soares Pinheiro, praca da Independencia n. 22.
GRANDE HOTEL
ORIENTE
Ra larga do Rosario n. 44
Espeehlidade na preparacao dos gneros ali-
menticios, promptidlo e asseio as encommendas
e boa organisaclo no estabelecimento. Recebem-
se assignaturas'para o estabelecimento e a domici-
lio, facilita-so a leitura de jornaes nacionaes e os-
tra n ge i ros. Espacosa sala para o elegante jogo de
bilhar, e na decente e commoda hospedagem.
C ompanhla Pernamburana
De ordem do conselho de direcelo da compa-
nliia Pernambucana se faz publico que somente
at o dia 30 do correntc mez serlo aceitas assig-
naturas de acedes da mesma companhia cuja
emisso se acha annunciada. Pornr mbuco 2 de
setembro de 1869.O gerente, F. F. Borges.
Pracisa-se de urna ama para comprar, cozi-
nhar e engommar para urna pessoa : na ra da
Senzala-velha n. 132, 2o andar.
OPERA ITALIANA
Depois do espectculo
SC-J?3~.S CSES
NO
iBBnim niwB
32Ra do imperador
Il II \MM
FIO DE VEIiA
Barbante
Em casa de Rabe Scbmetau & C. Corpo
Santo n. 15.
SHERRT 0L0R0Z0.
Gelo seal.
cogmac iii:\\b:ssv.
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
CAHMPANHA
SUPERIOR.
Roussillon, carte blanche.
i:m casa de Itabe Schmettau A
V. Corno Mant a. 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CIIATEAU MI/AV
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez ter lugar na
noite do dia 17.
ESCRAVA.
Precisa-se alugar para cozinhar: a tratar no
Coracfto de Ouro, ra do Cabug.
Ama
Precisa-se de urna ama para livar e engommar
s outra para cozinhar para punca familia : na
iravessa dos Pire* n. 22, sitio do Giriqniti.
O Sr. Jos omingues da Silva & C, dirija-
sd ra do Queimadoj). 1, afim de c lhe entre-
gar nina carta commercial.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava
paran servico de urna casa de familia : na ra do
Araiilo ii 10, loja do charo*.
uOTramiRi
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos,
A ra do Crespo n. 23 e casas daostume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garanti-
dos da 10" parte da loteria a beneficio do patri-
monio dos orphios (120'), que se extrahira sali-
bado 18 do corrente mez.
Precos.
Os do costume.
Manuel Martms Fiuza.
ATTENCO
Na ra da Cadeia sobrado n. 6G se dir
quem vende urna escrava, bonita Ggura
com habilidades, garante-se n3o ter vicio
algum.
Os abaixo assignados declaran a
quem interessar possa, que nesta data
realizaran a compra dos gneros, armacao
e ntencilios commerciaes existentes na ta-
berna sita ra Direita n. pertencente ao
Srs. Jeronymo Francisco Ferreira e Fran-
cisco Igleizas Lopes, livre c desembarazada
de qualquer compromisso anterkr a re-
ferida compra. Quem se julgar com di-
reito a reclamar contra este acto, queira
faze-lo no praso de oito dias, Ando os
quaes nao se attender a reclamacao al-
guma.Recife, 6 de setembro de 1869.
Francisco Fernandes da Silva.
Francisco Jos Pereira do Valle.
Vicente Alves Moreira, agenciador de ven-
das de escravos, mndou sua residencia da rna de
Hortas n. 94 para a ra da Paz n. 34, onde seas
freguezes o poderlo procurar para a mesma ocen-
paeao. Recebe escravos, e promette prompta venda
Ama de leite
BRACO DE OURO,
Ra do Imperador n. 26
Neste estabelecimento se encontrar diariamen-
te um completo sortimento de pastelera de todas
as qualidades para lanche e sobre-mesa, etc., etc.,
bolinhos de todas as qualidades para cha, presun-
tos de fiambre, bolos inglezes, pudins, e finalmente
tudo que consisto em urna boa pastelaria, com a
maior asseio e esmero, cha hysson, preto e miudi-
nho do mellior que ha no mercado. Nesta casa
recebem-se encommendas para casameBtos, bailes
e baptisaoos, compreraettendo-se os donos do es-
tabelecimento a ser*ir o melhor que for possivel
a vontade do freguez, dispondo para esse fim de
um completo pessoal. Recebe-sc avulso toda e
qualqner encommenda, como sejam, bandejas,
bolos e paes-de-l decorados, doces d'ovos, seceos
e de calaa e crystalisados, fructas nacionaes e es-
trangeiras, amendoas confeitadas, um completo e
variado sortimento de caixinhas de todos os gostos
e precos, para mimosear senhoras ; estas caixi-
nhas recentemente chegadas de Pars, sao de pri-
morado go to, offerece molas aos galanteadores do
bello sexo, pois nellas achanto um digno e serio
presente para as donas de seu- pensamentos. lico-
res, vinhos finos de todas as qualidades, conservas
e mlhos em latas. Os donos deste estabelecimen-
to nao se poupando despezas, fazem todos os
esforcos para servir o respeilavel publico o me-
lhor que for possivel, e sendo principiantes e lu-
tando com todas as difliculdades, esperan a con-
correncia do respeitavcl publico desta capital, na-
cionaes e estrangeiros. Pechincha : legitimo vi-
nho muscatel em caixas, que se vende por commo-
do preco para particulares c para negocio.
Precisa-se
de um eaixeiro que tenha pratica de taberna : na
travessa das Cruzes n. 12.
Na ra estreita do Rosario n. 35, pri-
meiro andar, casa de tuna familia que for-
nececommedorias precisa-se para todo o ser-
vico de casa e ra, de serventes livres ou
escravos, preferindo-se estes.___________
Ama
Precisa-se de urna escrava que cosinhe o dia-
lio de urna casa de familia, faca as compras, pa-
ga-se bem : na ra dos Pires sobrado n. 27.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A' OLAA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas effectuarem no praso
de 10 dias (a contar do dia 5 de setembro
prximo) a 4aprestacode suas.ac?oes na ra-
zode 10 % Para esse fim ser encon-
trado o Sr. tbesoureiro todos os dias uteis
desde as 11 horas da manha at s 2 da
tarde no seu escriptorio, ra Nova n. 35.
Escriptorio da companhia, 30 de agosto
de 1869.
1 secretario,
Iheo. Just.
Por ordem da directora s3o convidados
os senhores possuidores de accoes desta
companhia, por traspasso dos accionistas,
comparecerem no escriptorio da compa-
nhia, 1 hora da tarde do* dia 15 do cor-
rente afim de que se inscre^am no livro
competente e fiquem habilitados receber
os respectivos ttulos de accoes.
Escriptorio da companhia, 11 de setem-
bro de 1869,
Theo. Just.
Io secretario.
Precisa- c com toda urgencia de nma ama de
leite : na travessa do Veras n. 15, Io andar. Nao
se olha a preco.__________________________
Precisa-se de um criado para todo servico de
hotel, paga-se bem, prefere-se escravo : a tratar
na ra estreita do Rosario n. 11, hotel Lisbonense.
Aluga-se um boa baixa de capim : n
Capunga, a tratar na casa n 22.________
Aluga-se
um excellente cozinheiro e um bom official de ea-
rapina, ambos escravos: na ra Direita n. 21,1
andar.
Dividas.
O abaixo assignado, arrematante das dividas do
espolio do finado Jos Manoel Pereira de Menda-
nha,-avisa aos devedores do dito finado que man-
den! salisfazer seus dbitos, no praso de 30 dias,
contados da data deste, findo o qual proceder a
cobranca judicialmente ; na ra das Cinco Pontas
n. 82. Recife 24 de agosto de 1869
Joao de Azevedo Pereira.
' Aluga-se a casa n. 28 da travessa de S. Joao
com 2 salas, 2 quartos, quintal e cacimba, preco
de 145000 : a tratar no mesmo lugar.
ATTEINCAO
o
O abaixo assignado, como herdeiro dos bens do
casal de Manoel de Jess Jordo Caldeira e Paula
Maria de Fraga Caldeira, faz ver ao respeitavel
publico e commissio de emancipacao de escra-
vos menores, autorisada pelo governo da provincia,
que nao aceite qualquer proposta de alguns escra-
vos pertencente ao dito casal, pois pretendo propr
accao em juizo contra qualquer transaegao ou ne-
gocio goe fizer de semelhantes escravos e bens,
tendo j protestado percas e damnos mesma
commissao, relativamente duas escravas de menor
idade de nome Margarida de 4 annos c Rosa de 2;
e para que ningucm se chame a ignorancia, fazo
presente, procedendo contra aquelles em juizo, se
o contrario o fizer. Recife 9 de setembro de 1869.
Manoel Belisario Jordo Caldeira.
No ra das Flores n. 33 precisa-se de urna
vendedeira de bolos, paga-se 100 rs. por pataca.
:n
VERDADEIRO LE ROY
de SICIfRET, Docteur-Mi-ferln
Ru de Soine, 61, PARS.
AMA
Na rna Formosa n.
urna ama de leite.
Ama deleite
24, sobrad
Drecisa-se de
Offerecem-se duas senhoras portuguezas, urna
para administracao de qualquer casa de familia, e
outra para educar meninas nesta cidade ou fra
della t quem precisar de seus sen-icos, pode diri-
gir-se ao largo do Pharol n.57._______________
Precisa-se de um eaixeiro de idade de 16 a
18 annos : na ra da Cadeia-nova n. 7.
C08TUREIRA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
caza, por preco commodo, na ra Augusta
n .U2,e d-se fianca sobre as mesmas.
Precisase de urna ama que compre, cozinhe e
engomme, para mulher e marido : na ra da Pal-
ma n. 29.
Antonio de Albuquerque e Mello embarca
para o Rio de Janeiro a sua escrava parda de 23
annos de idade, de nome Feliberta. ____
Ama.
Precisa-se ajugar urna escrava qnc cozinhe e
engomme, para casa de muito pouea familia ; e
tambem aluga-se urna negrinha ou moleque ; na
ra do caes do Capibaribe, casa nova com portao
de ferro ao lado.
4NA
Precisa-se de urna ama livre ou escrava, que
saiba cozinhar c que seja de boa conducta, para
um sitio na Passagem da Magdalena : a fallar na
ra Nova n. 44.
Km cail.i garrafa, vai, ''re a roiliaen | njirl azul
que leva meu linete, titiffrilulo fl]i|(i|u fin mii-
rcllocom o Sello Urania!, bo covmm mwc z.
W. JT. nrot-
lii,doMiui;al.l'ia
il* 5''0 II.i;
bra Paria, acrHavrl
a GO das di r s'a
an orataM^iaH-M
4o alultmrntt! r di
maior drsconin
E' de importancia!!!
0 aviso que faz o Campos da ra do
Imperador n. 28, pois selle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que tao anciosamente eram espera-
dos de Costa & Irmaos, e sao elles das se-
guintes marcas: expsito Normas, impe-
riaes e llavaneiros. A elles antes que se
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitos outros gneros anto para
mesa, como para despensa, o seguinte :
Camaroes seceos do MarantaSo.
0 verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Ro-Novo.
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psdr5o francez, (metrico-deciaaal).
ASSLM COMO.
As tabellas que mais aceitado tem merecido
das casas de commercio em grosso e a re-
talho, smente pea fcil comprehens2o o
commodo preco, s no
Armazem do Campos
O advogado
Affonso de Albuquerqne Mello naudou o seu es-
criptorio para a ra das Cruzes u. 37 defronte da,
typographia do Diario.
18
G
RUA*
IDO
esquina
| da ra larga do
Rosario.
40 ANNEL DE OURO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das jolas cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Cpmpra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
vados.
A! loja est aberta at as 9 horas da noute.
HIJA
EO
CABUG
esquina
da ra larga dora
Rosario, nj
o
'-. *
MOTILADO



_______ -------------.


\
Diario de Perntanbuco Ten-a felfa 14 de Setembro de 1869.
,
NOVIDADE
0 JYYME, tendo em vista sempre apresentar novas minoras em seu esta-
beleciraento de calwlleiro rua do Qucimado n, 6, cala de proparar com decencia
e gosto, urna sara especial onde o respe^avel publico.com certeza, encontrar o que
ha do primor em perfumaras, bijoterias, flores e tinturas para cabellos etc. dos mais
afamados fab cantes de Pars e Londres. Elle conscio de, que o que espende a purc
verdade, espera qne o sen estabelcimonto soja visitado por senhoras e, cavainelros,
para o que pesda sao vidados.
DENTISTA El
19Ra Nova19
FKEDERICO U AITTIER
cirurgo-dentista, muito conhecido ha dee annos n'esla cidade, pela perfeicSo dos seu.1
trahalhos, tem a honra e participar o respeitavel publico que tendo feito muitos me-
lhoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete ondf
acharao os commodos precisos para -familia.
Acha*se tambem a sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
J. IEKOUX
o qual acaba de vfitarde urna longa viageaa a Europa, durante a qual pratcou com
feliz succosso as primeiras cases de Pariz ee Londres, offerecendo assim as raelhores
garaittias do ben desempenho para tudo o qie for relativo a profissao ; por isso c
anmwciante pede -aos seus amigos e clientes que por acaso o nao enconlrarem no set
gabinete, depositem no dito ssu sobrinho amesma confianca cora que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos essystemas: a presso do are cramelas de ouro, platina
valcanite o um inteiramente'aovo n'esta okUde.
"Cura radio*! dos denles cariados.
Chumbatjeps (obturarse*) com ouro cora massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar s dores de denles.
Agua afea dentriiicisabricadospeie proprio annunciante, o quelhe permittej afian
<;ar sua Boa qua idade.
Escovaspara dentes. etc.
ferfeipao de trabaiho e prepos moderados.
Viogcns para ftra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manha at as 4 da tarde de todos d.'
Mikroskope achroma-!
tisehen. ObjetivLin-^^ \3
sen.
Barmetro e term-
metro. Centigrade
, ereuumeure.
uuincis
M" FALQUE
TJ'ESTA ANTIGA E CAEDITATA
FABRICA
>
MHIIA SI C0HST1SIEIIITI IDI COlrLITO II1TI1IRT6 Di
CHAPEOS DE I.t
De todaa u qualidadei !
De todos os feitios t
De todas os preces 1
RA DO CRESPO N' 4
MEOALHA A EXPOSK?A0 UNIVERSAL DE 1867
Para a Si^ercxr'icia.cle d'a
nmmmwmm
Lidiada por LEGRAND, Perfumista do Imperador dos Fraacezes.
P-tRlfc- O, Km *>Sait-H*ir, SO?. PARS.
REME ORIZA 'ORI55.A. I^A-OXll
E crystal de rocha do Brasil.
V. *. Gcrniaun, rocommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com este.'i vidros, a vista descanca, fortifica-se e nao a canea como com
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emqaanto
que, com os vidros ordinario* se est obrigado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada ve* mais grossos, o que altera o crystalino do lho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est-mais perto ou mais loage, os raios que expelle s5o
mui convergentes ou mu divergentes e a viso nao perfeita. Um grande uumero de
pessoas tem o defeito de fazer convergir muito de sorte que a viso Do distincta.
Com a applicaco de meus vidros pode-se vencer estas diflieuldades. Para os que tem
a vista curta e rujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
lone), o que so chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os'objectos e deixa ver tao longo como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, veem melhor de longe que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarpo
to distinctamente como na idade de lo annos. Serviodo-se uestes vidros quando a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. *. (ermann encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
colher, a primeira vista, seja qual for a iade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O demonio mudou-se por 8ua livre e expontanea vontade
VIVA O DA de s. bartholome
agora mnguem presuma que fot um demonio qualquer, fot
O BOM DEMONIO
Mas mo sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA UIAIS PERTO DA MATRIZ
Seu dominio est hoje assentado. onde foi botica,
ESQUINA DA RA DJ ARAGAO N. 32
VEXIE.-OI TE-IiO
umb^ Como garboso se ostenta
^^^ Como lepido se mostra
Wf^^ E as diabluras (pie fazl
Negra tranca no coilo lheondeia
Solta briza ao mago desdem :
Deita a fronte n'um peilo e conhece
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de auvens.
Para a vista que" por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraquoja.
Para a vista que os ollios sao desiguaes.
Para a vista que se turva com o inte-
rno e a teitura.
Para a vista presbyta (vislagalon ).
Para a vista que n3o supporla os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Sor timen to de binculos
para theetro, e oculos de
alcance para o campe e ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
facc--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sortimento de relogios para parede, que do horas e para
cima de mesa dos.mais lindos modelo Relogios para algibera, de ouro, prata, prata
dourada efoleada, inglezes, suftsos e orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua NovaN. 21.
Quantas magnas o seio contm.
Esta linda e gentil creatma tambem ________
Queijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardiuhas.
Tudo barato
Para agrada-,
Venham freguezes
Que Uo de gostar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia, em que este importante armazem de mo-
lhados ter principio a pratica de certa di jorura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener s por presos muito rasoaveis
Manteiga ingleza flor a 1#300 por 500
grammas.
Dita dita a l,-y20 dem.
Dita dita a"l000idem.
Dita fianceza a 900 rs. dem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a 3$1300 idem.
Dito dito a 3($200 idem.
Dito dito a 3#000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco i 200, 240 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.
a lata.
Fructas portuguezas em calda a 600 rs.'
a lata. I
Ditas s de pewgos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a I 000 o masso.
Frascos roe conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de jorco a*800 rs.
Sanlinlias de Nantes em manteiga a 800
rs. a Lita. J
Copos finos para agua, duzia 4(5800.
Garrafas finas para meza, o par u>000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
DE MNON VT. LNCUM .
Para dar fmturn A fW, AMm'r ni r da cure,
conservar eternamente a felina da jutenia le.
LEITE ANTErilELICO
Para rtfretear, tranquear e aducer a pelle, (alendo
deiipparccer ui nodoat e ai tardat.
-*^
SARAO OltlZA....... D'iuia massa c:cfivameBe snao e 'un perfume dos mais delicados.
ItlZA-ClCAM ousswjse. 'Ba^^n espccialncntc preparada para os bauliw e a barba.
OHIZA-rl.ltD........ Pomada fortificanKso nulrilivn para eawseriarost'abcllos cempodilosde quebrofein.
RIZA PWLOCME.. Tcluiio de bui oteo de awln com base di quina para os cabellos.
KI/.A-OtL.......... Oli'oiiiiJssinMt perfumado para luslraros cabellos euipediloi de quebraren!.
OR1Z \-UU;.!.A.\ 111.\;:. <:iJs:ailisj (MUZA f-LtA'A KI\S.... un iiicnmiMiatel 4c o" perfume isuavc c delicado, para forliCcarde le.aeUe.
ORIZA-ACIuULIN.. Vinagre do loucador, ai usa e anlepiiltco. .
r.SSKNCK Oi'l/ \..... Perfueio crmocntrad pai34H lencos producto milito delirado.
ORIZA-LYS.......... Perfume Jo Ihmn 4ui e da alta soviedarfe para OBJZA-l'OWBEr.S-----Flor de arro la Ciroliiia para a caa* a lictela da pclle.
OH!ZA-I)KNTf:'ItlGK.. i'arr..alvejar os denles e conwvar asgenghos
OlUZA-DKMAUti:.... Noju *iassa para alvejar os di ules ieoi destruir o malte.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
fH 'mfsit e 'iiottiitie i .*(fi, micait uabt >.s, *s emstiitisit ttbir e s fizwl* intu r4pid>ntU.
Dflwwero amxL m Qm de
1' a Caa de todo?, rcrfimisas do Biai'H.
Causa admiraco,
.Mas nao se pode duvidar;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
i
donos deste importante e magnifico armazem de seceos c molhados sito ra do Rangel
n- julgando nao aceilarem concordata alguma com os seus collegas resolveram de-
nominar o seu armazem INDEPENDENCIA, assim como o seu fin nao seja Iludir
ao respeitavel publico deixaro de annuuciar, sem o que o mesmo o julgue e admire...
Mas como nos pontos da via frrea, j se tem discutido e apreciado a realeza e impos-
sibilidade a ver quem vende gneros t5o barato, por esta razo que annunciamos para
que todos tanto da piafa como do mallo acreditem o que neste asseveram e aquelles
que ainda nao uos tenham honrado com suas freguezias, podero dirigir-se ao mesmo,
cerlos de que vero gravada a sinceridade e mfthodo de negociar muito franco sem que
necessitemos de andar meia noite pelos oitoes das matrizes figurando-nos por bons
demonios nem mesmo na frente da msica com o pendao na rno feito balisa.
FERREIRA & IRMO,
Ra do Rangel n. 3, armazem da Indepen-
dencia.
Vinho bordeaux em caixa, 7&000.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinbas de differentes mrreas. a
14400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 10000.
Charutos do Lima a o e (5 a caixa.
Sabo de massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas comameixas a Ig, 1^500, 2(5800
e 3.A500.
Ditas ci manteiga a 2800.
Ditas juliana a 13 por-300 grammas.
Frascos com maceas seccas a 2)0CO.
Serveja de differentes marcas^ duzia 6.
Tapioca do Maranho a 240 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 5#.
Liguicas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G>z, Iota a 85500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10200 a lata.
Lat 18 de po-de-l a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores linos como cora col, amisade, e
outras muitas marcas a J^OOO rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 50O
grammas.
Azeite francez engarrafado a 1^000. Marrasquino de zeroa !0a gairafa.
Presunto em barril a 480 rs. por 500 Massa de tomate a 720 por 500 gram-
grammas. .mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evpjicar aquellos
que nao entendem.
VEJAM QUE DABRURA
Tirar premio sem comprar bilhetes !
Isto s pcle ser artes do
BQM DEMONIO
Estdecidido=o mundo marcha!
Leiam=adinirem
E...... espalheni pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASSDMPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM GUSTAR DLNHEWO
PPErilMA!1
No intuito de fazer urna fallada o bom r-i momio resolvou moev d'ora
era diante cora um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez Ihe comprar 5*000 de
gneros, com dous a quem comprar 10>000, e assim por diante sempre um bilhete
por cada 5#000.
Cada um desses bilhetes dados de mao beijada proporcionar ao portador
o direilo de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda ta ortana lhe for
propicia coincidindo o numero do dito bilhete com o do que tirar crr.a das tres sortea
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro vjduuio.
IMEITMU DOS A Yl YMES
16RA DA CRUZ16
Ha diariamente sortimnto de bollinhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, violto* de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor que
se ^de encontrar oo aereado, amendoas confeiladas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
fncombe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e- ca-
samontos, a saber: -v^r*
Peeas de nougaL P5es^le-lot enfeitados.
Ditas de pao-de-lot. BoHo idem.
Ditas de tmara de oves. l'ratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crtme e carne.
Bandeja com armacao de assucar. Empadas.
I gigo de champagne, valor....... 305000
I caixa de vinho do Porto (Meneres).. 23*000
i dzia de garrafas de cereveja iBass) 9A000
1 presunto de fiambre............ 155000
1 queijo prato-----............... 6*000
1 dito Qamengo.................. 3*(KX)
Q latas de marmelada fina........... 6*000
1 caixa de pagas................. 8*000
lOOOOO

{
V
1/2 gigo de champagne, valor............
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)...
6 ditas de cerveja (Bass)..............
1 queijo prato.......................
1 dito flamengo......................
1/2 caixa de pacas.....................
6 latas de marmelada................."
(10STIIEUU E MISTA
MADAMA LECOMTE
Com Iqja na ra da Imperatriz n. 7.
Tea a honra 4e partecipar a respeitavel publica e em particular seus fregue-
zes, que, pelas relaces que acaba de eaeetar com algumascostureirase modistas das mais
afamadas de Paris, que todos os mezes ihe mandam figurinos, de vestidos, man-
teletes e chapeos que esto no raaior gosto e mais modernos, se acha habilita-
da para fazer e*dos para passeio e visitas, bailes e casamentes. As senhoras que
a honrarem esm asuairqeza, nao deixaro daser satisfeitas, tanto pelo bom gosto, como
pela baraaeaa 4m praes e promptidao na entrega m eneammeodas ; tambem tem bo-
nitos enrede marto moderaose de todasas cores. Fazem-se chapeos de todas as aualidades
tanto de fil como de palha.
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.
i ditas de cerveja (Bass).................
1 queijo prato..........................
1/2 caixa de charutos de Simas..............
I5.-SO0O
116500
45500
(SOCO
3*000
meo
6*000
50*000
11*500
4*5*0
0f80
timo
f
25*0*0
MAIS DIABBURAS!
So a pessoa a quem a sorte houver favorecido quizer '.iu por OoA
os gneros cima mencionados ou preferirir receber o resnecivo valor ero mnotrD
se ter duvida em satisfazer.
Venham, fregnezes >
Da praqa e mato,
Comprar barato
Ao BOM DEMONIO
Prapa da Boa-Vista n. 88, esquina da ra
do Aragao.


Diario de Pernainiroeo Tewja feira 14 de Setembro de 1869.
A ESMERALDA
AGENCIA
Do Dr. Ayer.
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) aeabam de reabri-lo ao res-
peitavel pnblieo, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra^a, e por prepos o mais resumido|possi
veL Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
IV. 5 MA DO CAMIGA \ 5
PEITORAI. DE CERF.IA
cura phlisica e todas as molestias do pello.
SALSA PARRH.HA
euru ulceras e cbagas antigs, empigens e darlos.
TNICO
conserva e limpa os cabellos.
PILULAS CATHARTICAS
puramente vegetaes e sem mareiuio, cura sesoes,
pargam e pnnficam todo o svstema humauo : n-
dele nicamente era casa de Samuel P. Joluislon
& C, ra da Scnzala-nova n. i2
ttenqo.
Constando ao aliaixo assignado que a sua mu-
llid- D. Mara Cliristiana Bastos Vianna conduzio
hontetn, 5 Jo eorrent<\ em sua companhia para a
eidade doRecito dous escravos, Conidio c tito,
o primeiro de i a 2o annos de i Jado c o segundo
de 12, e que os pretende vender ; declara ao pu-
blico, para que ningucm se chame a engao, que
sua mulher que move contra o aliaiso asignado
accao de divorcio, nao pode disnr d'esses escra-
vos, o que o meso ahabeo assiftoado dar-se-ha
Sresta em promover pelos meios iegaes a imllida-
c de qualquer negocio que se fiaer eom os referi-
dos escravos.
Engenlio Goyanna Crande, O de setembro de
1869.
Joao Francisco Cavalcanli de A SEZOBS Olj FEBRES I.\TEBItE\t"
As plalas anli-periodicas de Pinto.
nico deposito dests medicamentos na.
pharmacia do sen autor ra larga do lio-
sario n. 10, jnnto ao quartel do corpo de
polica.
^JL

i. 11 %
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Emquanto durar a intemipciio do transi-
to no sitio da Jaqueira, em consequencia
da collocacSo do novo encanamento d'agua,
licam supprimidos os trens depois do espec-
tculo do tlieatro de Santa Isabel.
Escriptorio da companhia, 10 de setembro
de 1809.
O gerente,
imtiinson.
PERFUME INEXTINGUIVEL.
Para o Lkm;. T'i'cabor, r. B
Ama
Superiores sedas de cor e listras a IjGOO o covado.
Lindas poupelinas de 15a, com grande varedade de cores escuras e claras a
uoO rs. o covado.
Pecas de musselina branca com salpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
stsimo preco de 45000 a peca: na loja das Colnmuas, ra do Crespo n. 13, de
Antonio Correa de Vasconcelos C.
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamaitos para descarocar algodlo, do
muito conbecido fabricante Esgle Cotton Oin.
MACHINAS Atas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godio do autor New York Cotton Gin.
ACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
CACHINAS drtas de Roller Gins, de cujo trabamo faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
'ACHINAS de faci do fabricante PlattS. d C, Gbdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores que tm
nao ao mercado ; e para a sua apreciado cosvidam-se os senhores agricultores "
virem a exposicao das mesmas na roa 4aadea do Recife n. -SO A, loja do Bastos, onde
encontrarao mais o seguinte :
Jebulbadores para railho.
Precisa-se de urna ama livre ou e:ciava quo
ozinliecont perfeicao o diario de urna tasa e que
jeja de boa conducta : a tratar na ra do Vigario
n. *, 3 andar.
Nooilao da matriz da toa-Vista n. 1. preci-
sa-se alugar una esrrava para vender taboleiro
com bolos, eo seu senhor garanta sua conducta.
O agente de compras e vendas de
escravos, Jos Martins ALves da Cruz adas-
se residindo na ra de Hortas n. 90, promp-
to a desempenhar nao s o seu dever para
este Om, como para ontros que seus com-
mitentesojulguem habilitado mediante suas
respectivas commissees.
Na Boa-Vista, ra Velba n. 82, tem
para se alugar orna preta para cosinhar e
emgommar.
Um negro de idade 60 annos, som vicios, sadio,
prnprio dar sitio: na ra larga di Rosario, loja
n. 22.
Aluga-se um primeiro andar na ra M
Agoas-Vcrdes n. 86, e um ontro dito proprio para
rapaz solteiro, na ra Direita n. C3 : a tratar na
ra das Cruzes n. 9, Io andar.
Iirasiieini
Mua Carmina avisa as senhoras mis
de familias que faz vestidos pelos mais mo-
dernos liguriuos de Pars, lava, arma e en-
feita chapeos di palha ou de seda, tanto
para senhoras, como para meninos e mais
barato do que outra qualquer: no paleo
de S. Pedro n ii, loja.
~~~ AMA.
Precisa-sede urna ama livre ou escrova para
todo o prvw> de easa de pepuena familia : na
ra da? Cruzes n 4.
rao lempo p mais estavel de todos os "per-;massa as mais lindas possiveii vestidas
fumes, e enterra emsi, no seu maior auge rociar.
de exo'lkitcia, o proprio aroma das Yerda-',RiC0S globosparacanditriro de gara 3->HQ
deiras lores, qttando ainda na sua flore **"&* a....... :v2<
cenca o fragancia natural. Comoummeio Crande sortimento de objetos de
Feitor
Precisa-se de um feitor de mea idade, Cisado.
e (pie de Ihidur a sua conducta : na ra do Ara-
gao n. 32.
A MCI AFAMADA
y(H A DE FLORIDA,
DB
1WUIAY fc LAN.H IX.
lie o mais delicado e ai tinoso e ao pies-
! AVEHDAD8
155Ruado Queimado5
A VERDAMS tendo em deposito Rnw>
.qtiantidade emiudezosc ;>'rfmnaria,edf-
'sejando aparar dlohciroc adqoerlr Uto fce-
guezia est rssjlvda a vender nuiUiaw
barato, ; por essa ntSo convida aoreapd-
tavoi publico a vir competememenle mau-
do a sortir-se do bom e barato. Pois qoa
do a Vcrdadc pparece, tudo mais <-
apparece-----
Grande sortimento d -jt
i
loufa para brinquedo Q: meofco
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida t& dadeira a
as com bai.ui muito
Dna a lne ......
Sabonetes de diversas ati
80,100,240 a.....
Finas escovaa para denles t\c 20 a
Lia coques moderno> a. .
Pavos paragn, dwia a t
p as para fado a 5\.0, UOO e
Colla compagnia lynca e giunto iu qncstaj
citta il professore Beltrami Callisto, il quale da lo-
ij^|ni dif corno, tromba, sax, cornetlo troniLone
^joinbardino. Compone e riduce per banda, per
orchestra e per piano forte Marcie e Ballabili. Ri-
duce duett,terzetti,quartetti, cavatine e romanze
con accompagnamento de piano forte per banda c
jad orchestra. Per le trattative dirigersi al teatro
S.Isabella dalle 12 alie 3 e dalle 8 pon alie 11.
O Sr. Jos Delphino da Suva Cirva-
llio dtrija-se ao largo do Parazo n. 8,
para receber urna carta.
ATTENCAO
"\z
Os abaixos assignados, proprictarios dcste
estabelecimento, declaram ao respeitavel
publico e com especialidade a seus nme-
ros freguezes, que desla data em diante
as mercidorias serao vendidas a prefo lixo,
e mdico. Isto resolveram os mesmos pro-
prietarios em consequencia de reiterados
pedidos de muitas pessoas por ser este
systema de vender o que mais garanta e
confianra inspira ao comprador.
As vendas em grosso, serao feitas com
os abatimentos na razio segninte :
Compras de 505 a 1003 descont :i .'
de lOO a 500^ 10 0'u
de 500A para cima 1 .' /,
Pagamento realisado no mesmo mez da
compra.
Os proprietarios doBAZAR DA MODA,
observam mais que, recebendo todas as
mercadorias de conta propria, offerecem
a quem comprar todas as vantajosas condi-
Coes das casas importadoras.
O estabelecimento conserva-sc aberto
todos os dias uteis_ das 6 horas da manhiia
s 8 horas da nolte.
Recife, 1 de agosto de 1869.
Jos de Sonza Soarcs d C.
.----------------------------------n--------------------------------
Ama.
Precisa-se alugar urna-ama livre od escrava. de
muito bons costumes, para servir de companhia a
urna seohora e fazer algum servico de casa : di-
rija-so ra Bella n. 37, sobrado de dous an-
dares.
o
Aluga-se duas casas com bastante com-
modos, e vende-se urna na eidade Nova de
Santo Amaro: tratar com Antonio Jos
Gomes Jnior, em Santo Amaro.
Jylindros para padarias.
-.rados americanos.
-arrinos de rao.
'-lachinas para cortar capim.
Cannos de chumbo.
nbas de Japy.
Ditae americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
'.lhas de zineo finas.
Jitas de cobre e lato.
^erro de todas as qualidades.
08 de ferro.
?olha de Flandres.
lachados americanos.
Tacoes ditos.
Balaios e cestas de verguinha.
j/assouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros arttg
iversidade seria enfadonho ennumera-106.
Foiha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas un madeira americanas.
l'.is de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Tetraos de bandejas finas.
TreKS completos para cozinna.
Penetras para padarias.
Baldes galvanisados.
Crrenos de ferro jwra almanjairas.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
MoiRhos para refinacoes.
Azoite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas-as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaos e todes os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz, *
ospertencentes lavoura e rtes, qce pela
X#ia Bernardina Montoiro, seas notos, fillias e
gonro, e Antonio Ferroira da Bocha Leal, tendo
recebido a infausta noticia, do fallecimenlo, em
liifboa.de sos penre, pai, coaibado e irmio. Fran-
risco Ferreira da Rocha Loa!, mandnm, no dia 18
o corrente, celebrar niissas por sua altea, na ma-
triz de Santo Antonio, a principiar as horas da
inanhaa, para o que convidan os seus prenles a
amigos, eansdo finado ; e desde j secomessam
eternamente agradecaos por este acto de caridad*
e feligiao.______
.-EHHBHPHBBBI
Scnhoriiiha Leopoldina ao llego Cazamba, viu-
va de Emilio Americano do 'Eego Cazamh, con-
vida a todos os amigos, parales e lonhecidos de
seu fallecido marido, para assistirem a inissa do k;
stimo dia Carino as 7 horas do da (qarta-l'eirai 18 deste
mez ; agradecendo cordealmeate, nao *. aos que
assi-tiram e acompaoliaraiit o seu enlerro, come
os que comparecer na referida missa. ____
AMA
Antonio n. 4,2" andar.
Para urna familia allo-
mas de duas pesoas, pre-
cisa-se de urna ama moca
para comprar c fazer o
mais servico de rasa : no
COMPRAS.
Com muito maior vantagem compram-se
moedas de ouro p prata : na loja de joias do Co-
rarlo de Ouro n, 2 D, ra do Cabug.
O ntuzeo de joias
Na ra do Catug n. i compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualipaer parte.
Ouro e p'ata
Compram-se meedas de our e firata de todas
as qualidades, por bom preco : na ra da Cadoia
do lenle n. 58; loja do azulejo.
Compram-se moedas de ouro e prata de lo-
dos os valores, ouro e prata em obras DMtKsadas,
brilhanles e mais pedras preciosas : na loja de
ourives do arco aConceicao, no Recife
M1PRM1 \10I-SE
Compram-se e vendem-se diariamente para fra
e dentro da provinc'a eseravos de todas as tdades,
cores e sexos, com tanto qoe sejam sadio : no
terceiro andar do obrada d. 16, ra das Cruzes,
freguezm de Santo Antonio.
Compra-se um pao de bandeira^ que
tio seja muito grande : nesta typograpriia
se dir.
0 MUSEO DE JOIA;
TJ5
GOMES DE E3ATT0S IRMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geraJ e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao nm completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, nibins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBMS
de novoa gostos, assim como grande variedade de salvas* e palitek-os de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e competo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compiam e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanten!
quahdade dos objectos vendidos. puwi e gvantem
0 MUSEO BE JOIAS
CoHiora-se um escravo de meia idade, sadio,
laron A* nVirtT ',< airtn-' v.ununu-c un csuiaru uo meia lUoe, saillO,
largona maaz ... samo e de bons costumes: a tratar das 10 horas da ma-
nhaa em diante, na ra Direita n. 58, loja.
Cmnpra-se urna negra que engomme bem e
ozinhe, que nao tenlia vicios c nem achaques :
na ra Nova n. 8.
Comprase um preto de meia dado
do P.angel, padaria.
na na
VENDAS.
Cal Hova de Lisboa,
Vende-se na ruado Apollo armaxem de Rpeo
& Irmao n 18.
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabera,ne\sii!aile, debilidade, desmaios.
flatos, assim cfflo'KOntra todas as formas
ordinarias de airidiMios hysterieos; deD,,a com dita dita a .
sumara cflicacia e nao tem ontro que o!Fra5COc&moleodebibosa a oO e
iguale. Igualmente, qnando destemperada 'Dito cora agua de Cotona a ^OU e
com agua, torna-se mu diMitif'iicio o mais Garrafa' com agua divina i. .
agradavH c excellrntc. dando aos dentes, i frasco com extractes lino- ;i .
aquella alvinac aperotada apparcneia tito!Lataspeqo
altanirnie apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como utn remedio contra o man hlito
da lima, dpofc de diluida em agua,
summaui'.iilo Mllente, faz remover neu-
traar todas as materias impuras que se
criam rada dos denles e das gengivas.
tornaudo-as duras, sadtap e d'uma linda cor; Ditas para cabello a.
enramada. Ouanto a delicadeza, riqueza Peots para tirar piollio a iO e.
e p 'nnai'cncia do aeu fragrant aroma, ella Brincos (!< cores, bonitos a 'IW e
por orto nao tem-igual; e a sua supe- ^* de '.ranea de 13a com 6
rioridade sem rival. Ella igualmente lor- var;,s por.......
na-seuiu meiomui exceUeute, para fazer Gleo para machina de oostilra,
remover de sobre a prlle do rosto, toda a frasco a........
raalidade de brotoejas, (bulicoes, sardas, j Pennas claco finas caas, a suO
pannos, manchas, itnpigens e espinhas. Dita d'aco Perry, cai.xa a. ..
Qnando se qura senir della como reme- Galao de algodao peca ....
dio para fazer desaparecer qualquer um j Lindos babadinhos e en'.rernetos
destes disii-iiiameiitos, e que tanto desfei-1 pera de 500 a.......
ananudas feiges do bello sexo; devera-Botes de madrepnola, groza a
se usal-a n'imi estado de dlluivao, destem-l Ditos de leura muito fino a l0c
petando-a nunia pou.:a d'agua ; porm no i Ditos para calca a ld e. .
Irataiik'iilo de qualquer espinha, usar-ge-ha' ('axa com papel amizade a. .
della pura em tuda a sua forca. Final- Ditas com envelopes a.
mente como um admiravel meo de com:
municar as feiroes trigueiras e paludas,
urna pello ruaciae d'una transparente al- Ditas de ditas ditas a.....
vura. dando-lhc urna linda cor de rosa : ,Tliesoura para costura a 210 e
para um tal fim, ella leva a palma a todos (:uxa com linha de marca a .
os perfumes que se teem investido al lio- j Linha descares em novollos (li-
je, e existo em plena soberana sem rival.; Dra.' ........
Bem entendido tudo isto se refere tuiica-. Jarretisde liuha Alexandre de 70
mente a Agua de Florida de Muiuuy A! at 200. .,,....
Laman. Grampos muito tinos com pstt?
As imilacoes que se tem feito na Franga,' ros, duzia a......
Allemanha, assim como en outras partes ; 'Cartas porluguezas, duzia a .
sao inleramente inutes 0 nvaliosas ; por- j Bitas franeczas a 2;>00 e
tanto recoiiniietida-se mui
s senhoras, que tenliam toda a precauejo
e cuidado, de quando comprarem, estejam \ $* ronil f'113 Para bordar, libra
redas que compram. : Fita de algodo para debrum de
A Gkm i\a sapatos, peca a.....
AGUA DE FLORIDA Ditas de la pan debrum de ves-
de | todo, P^a a......
MURRAff 4 I.ANMAX, Pentj finos para segurar ca-
A qual preparada smente pelos unidos ue" a.......
-Proprietarios, Ditos ditos
  • LANJIAN A KEMl. DE NOVA YORK- | a 2i0, 320 e......
    Acha-sea venda nos estabelecilaentos de i Cuwt grandes con molla a .
    A. Caors,J. da C. Bravo, C. P. Mau- Ditos para aparar penna a .
    rer G. A. A. Rarboza Ra lliolomett, & C.: Cni'toes com colxetes a .
    i- Vende-se, na roa da Aurora n. 16. om excel- j Josetas pretas, par a .
    lente escravo pardinho, de cor escura, de 13 annos: tranca (le laa o> caracol peca a 40 e
    de idade, boa figura, robusto, otHciat de alfaiate, e Fita de COZ peca a 480 e .
    Ditas com obreias a.....
    Gaixa coma^ulh.is fundo dourado
    especialmente Papel almaco e de peso, resma a
    a a i.recattcao 3IW0, U-m e .
    com principio de hnleeiro, ptimo para pagem.
    n
    i
    u-L
    u
    para encananlentod'agoa
    Canos do ferro forrados de i arcelaaa, e esta-
    libados, de diver-as gros-ura- : venda na ra
    do Queimado, Azevedo & Irmio._____________
    Veade-so um preto de 30 annos, robusto, um
    cabrinha de 9 annos, lindo e lio&ssimo : na ra
    de Hurtas n. 96.
    Alfinetes de lat":o a.....
    i Sapatos de la para menino a 2 'Oe
    ; Ligas paa senhora, par a. .
    I Gravata de sedas de cores a .
    ipalcadeiras a.......
    ' Grande sortimento de reodas das Ditas.
    : l'm par de suspensorio de borracha per
    : 100 ris I !!!.'! !
    \a 'erdaflc ra do QuetasaiL
    MI
    ISO i?
    Ti
    M
    inp
    oo
    7(
    :*

    iHOOb
    IJMM
    400
    30(1
    tt>
    241
    1
    iW
    Ht
    2M
    460
    3A
    280
    hh
    ICB
    2W
    IMOO
    80
    m
    5txi
    ICO
    tOI>
    i>
    eo
    Vinho
    Assuear de o\do de ferro de
    (hancaud.
    O assuear fe ruginoso de Clianteaud 6 i!,iito
    do Recife n. 3.
    irritante sobre a mucosa do estomago e entetBo)
    e rpidamente absorvido pelo apparelbo c'.
    vo sem causar as constipaco>s do ventre.
    E' hoje o preparado de Yerro de mais aceitarlo
    . para a c.hloroso atona dos igaos, perda- bract'.
    O verdadeiro e melhor cemento que tem meostruacoaa dmi.vis, etc., e ten a aeu fon* ..
    vindo ao mercado, vende-se por 100 a bar-
    rica de 1 arrobas, no armaziai de Candi-
    do Alberto Sodr da Molla, na travessa da
    Madre de Deus n. 14.
    8 LIGA
    Vende-se urna escrava de idade !i annos
    crioulo, com babilidades : ua roa da Penlia n. 5,
    *" anear, m 2
    Pr3chiucha
    \ ende-se um sobrado na ra o Quatro Cantos
    da eidade de Oliada, por pre^o muito commodo,
    por tersoffrido rntna de estar ha muito lempo fei-
    xado, faz-6e todo negocio; a tratar na ra ao L-
    vramento n. 31, 2* andar.
    Vendem se 60 saeeos eom /amiba, de al-
    queire cada saeco, e 2 ditos de goimna rauito fi-
    na : na ra da Praia a. i.
    Vende-se dous bonitos eseravos de 14 o 18
    annos, sao pefas, e una mulata de 28, com habi-
    lidades : ua ra de Hortas n. 96.
    "attenco.
    E chegada a occasiao de quem quizer preve-
    nir-sede uma das melhores tabernas, tanto por
    seu rocaFser dos maHioree,comat afreguerada,
    poiB se dir o liotiv aos pretaudentes porque se
    vende : no pau do Terco n. 6, a tratar na
    mesma.
    Garante-se a i faz
    conta. Restando apenas alemas
    mercadorias e ani.. iui-
    daco d armazem di oja a ra CT^fl
    .Nova n. tto. (.iz-fo sniente ao pu-J^J3
    blico interessado, que .'quida-se T2|
    armaban e mercad entes p*|
    ainda no dilc armazein. e por con-
    sequencia negoc!-i .nconesta-
    vclmente vaatajAso, visto queso
    garaMe a casa : quem pretender
    dirija-se y tratar no :na-
    zem.
    RAPE GROSSO
    . A loja da Aurora, na ra Lirga do Rosario n.
    38, pertencente a Manoel Josc Lopes & IrruSo, re-
    ceberam o bom rap gasse |rosso o Rio de Ja-
    neiro, muito fraseo, e do muitas raais qualidades,
    e que se vende tanto a rotalho como em libra.
    110 M CABELLOS BIUM
    A tintura japoneza para tinglr os cabellos
    da caneca e da barba, fot a nica admiltida
    Exposigo i'mversa, por ler sido reco-
    anecda. superior todas as prepraces at
    boje existentes, sem alterar a sado.
    Vende-se a i 5000 cada frasco na
    Bna da Cada n. 51,
    1. andar.
    Vendem-se escrava de i j ida de 15 3 an-
    uo;, sendo 3 boas engommade': s o cezinheira9, as
    sua* conductas fielmente se fera ver aus compra-
    dores, 1 dita de msia idade, bea juitandeira, por
    WOg, 1 bom escravo que pagt t$ diario : na tra-
    vessa de Carino n. i.
    Vendem-se qoatro escravos pecas, proprios
    para qualquer servico, prlncipAltnenie para o de
    campo : no 3* andar do sobrada n. 315, ra da?
    Cruws.
    juizo autorisado da escola de medicina de V
    e dos cbimicos os mais notnveis.
    DEPOSITO ESPECIAL,
    Pharmacia de artuolomea k C, ra larga Rosario n. 34.
    Na pharmacio do Piulo ra
    Larga do Rosario u. 10 j unt
    ao quartel do corpo de polie
    Acbam-se constantemente promptas a ?<-
    rem satisfeitas, as prescripeoes dos Sis.
    facultativos, e as necessidades dos entir-
    mos, as especialidades da mesma phan-.!-
    cia, composlas de medicamentos, l mi i
    digenas, como estrangeiros.
    Tosse e molestias i
    peito.
    Xaropes de fedegoso, rabo de tat, AtirS
    Ipao Cardozo, jnc,mulung, rautemba^:
    lele. etc.
    Rheumatisino e molo>ti,
    syphiliticas.
    Arrobe vegetal, xarope de Salsapan i
    do Para, pimas e xarope do veame,
    tura e xarope de sicupira.
    floencas do ligado e foif o, mm%
    opilaro ele.
    Emplastro, oleo, pommada, tintura, >
    las, xip""q n '",-~
    BBBA,
    lulas, xarope e vnh da milagrosa 'j' '
    Para forrar casa.
    Vend-se boa alcatifa pold borato pfego de 900
    *3- "SSl* : Oticimide d fl; loja de
    A. Koblfl e i
    mi Venlte-*'Wnia SM a ra dn ltiarol B.
    W,tom poneos fundos. a tratar na mosina.
    c ^P ao aatigodtposito de Henrv Forocr*
    b "g_g ,ni??,ra?or> cargamento de ai
    de pnme.ra,malidade;otmal setentleem pa;
    Jl. ? por meD03 pre0 do 1ae em "(ra
    CAli DE LISBOA
    POTSSADARUSSIfl
    J* mais nova no mercado, a preco razoavd : r.r
    armazem de Maaoel T aste, d. 13.
    i Vende-se una boa escrava sem vicios.
    pria para trabaHrt de campo : a-tratar na ta
    sa da Madre de Dos n. 14, das P horas Glr^^
    s 4 da tarde.
    .








    o
    4
    Diario de Pe uambuco Terqa feir 14 Je Seteinbro de 18C9.
    I

    LiaUIACAO
    SEM I6UAL
    (. "'iprietana do armazem de fazendas denominado ARARA, ra da Impera-
    t.'zn. 72,. declara ao respeitavel publico cseu ireguezes, que est liquidando todas as
    fazendas e roupas feitas que tem ein seu eslabeiecimeota como se potar ver no seu
    a..nuncio e preco abaix mencionados,
    Chita* francezas matizadas a
    :*S rs.
    Vende-se chitas francezas escuras matiza-
    das a 120 rs.o covado por este preco sna
    I a da Arara, ra da imperatriz n. 72.
    LAAZINHAS A 240 US.
    Vende-se lazinhas para vestidos de sc-
    r'iora a 240, 280, 30 e iOO rs. o co-
    \udo.
    BAREGES DE LA A 300 RS.
    Vende-se Laregos de la com listras para
    \ sjidos de senhora a fiOO e 640 rs. o
    i nado.
    Uparas le listras a 500 rs.
    Vende-se alpacas de listras para vest-
    C >s de a a 500 rs. o covado.
    CHITAS FRANCEZAS A 289 RS.
    Vende-se chitas francezas claras a 280rs.
    0 covado.
    CORTES DE LA PARA VESTIDOS A
    t$400.
    Vende-se cortes d; la para vestidos de
    f inhoras a 2)100 rada um,
    PERCALES A 440 I!S.O COVADO.
    Vende-se percaies muito linos para vts-
    t dos de senhora a 440 rs. o covado, mur-
    sulinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
    1 rilhaoticas de cores, a 450 rs. o covado.
    Saldes modernos le todas as
    eres.
    Veade-s^ baldes moderno sbranco e de co-
    res a tfi, iNpeS.
    COBERTORES DE ADGODO A 1?>500.
    Vende-se cobertores de algodo al9500,
    cobertas de chitas a 1600 e 2# cada urna,
    6ANGAS PARA GALGA A 3J0 RS.
    Vende-se ganga para calca a 320 o cova-
    do, brim de cores para calcas de liamem c
    neniaos a 400 rs. o covado, casemiras de
    cres pa-.i caifa e palitots a 2500 e 3,
    o covado, meias casemiras enfestadas para
    cagase palitots a 1 o covado, brim pardo
    le todas as qualidades e brim branco de
    todas as qualidades na ra da Imperatriz
    O. 72.
    Alpacas lizas a 140 rs.
    Vende-se alpacas de cores lizas finas a
    640 rs. o covado, tarlatanas de cores a 320
    rs. o metro.
    MADAPOLO ENFESTADO A 35500.
    Vende-se pecas de madapolo enfestado
    a 3)5500, pecas de madapolo inglez de 24
    jardas a 5(S, 6$400, 7, 8$ e 10 a pcea.
    Algodo enfestado &OOrs.
    Vende-se algodo enfestado proprio para
    lenfea e toallias, 900 rs. o metro, dito
    tram.ado a \$, metro.
    Chales de merino a .
    Vondc-so chales de merino estampados
    a 2;>, chales brancos e de cores a 1(5000
    cada um.
    CORTES DE BRIM CASTOR PARA CALCA
    A 640 RS.
    Vende-se urna graude porc3o de cortes
    de brim castor para calca de homem, 640
    rs. cada um.
    Krandc poreo de retalhos
    Vende-se grande porgo de retalhos de
    chitas e cassas prelas a 160 e 00 rs. o
    eov.ilo, retalhos de cassas, la e chitas de
    cores baratissimos.
    LIOL'IDAM A ROPA FEITA
    Vende-se palitots de brim de cores a 25,
    ditos de alpacas de cores a 25, ditos de
    mua casemira a 2t$ e 2)5500. ditos de pan-
    no preto bom a 85 e 105, caifas de algo-
    do azul para escravos a 640 rs. ditas de
    algodo de listras a 800 e 15, camisas de
    riscado de listras a 800 rs. cada urna, cole-
    les de brim c fusto decores a He I 500,
    coletea de cesemira de cores a 2)5500 e 3)5,
    e ostras umitas qualidades de roupas feitas
    que se vende por baratissimo preco.
    Algodo de listras a 300 rs.
    o covado
    Vende-se algodo de listras para roupa
    de escravos a 200 rs. o covado.
    PECA DE ALGODaO A 40.
    Vendem-so pecas de algodo 45000,
    55200, 65000 e 75, para liquidar.
    Baldes de arcos a 1*300
    Vende-se balees de arcos para senhoras
    pelo baratissimo preco de 15500 cada um,
    Cortes de cambraia narras
    a 34000.
    Vende-se cortes de cambraias barrsa a
    25 e 35 cada um.
    LENCOS DE SEDA A 640 RS,
    Vende-se lencos de seda a 640 rs. cada
    um, para liquidar-
    CARTEIRA PARA V1AGEM A 1,5,
    Vende-se carteiras para viagem i l&
    cada urna.
    AUGUSTO PORTO & C.
    11--RUA DO QUEIMAD0--11
    Tendo chegado ltimamente ao seu estabelecimento grande variedade def-
    iendas de gosto as pem disposico de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
    precos possiveis. sendo:
    Bournous de cachemira brancos e de cores, o que ha de mais elegante para
    hombros de senhora.
    Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes.
    orientales de renda preta de soalines, o que ha de mais elegante para urna moca.
    Basquines de guipure preto, novo gosto,enfeitados de setim de cores. Vesti-
    dos de blond com manta e capella para noivas. Fronhas e toalhas de cambraia de linho
    bordadas. Cortinados bordados para camas c para janellas de diversas qualidades:
    colxas de seda e de la e de seda para camas de noivos.
    Epingl, lindo gorguro de 13a e seda de cores, muito elegante fazenda para
    um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorguro de seda br3nco e de cores com
    listas assetinadas, panos, casemiras e mudas outras fazendas cujos precos sao em geral
    muite mdicos. Grande sorlimento de camisas para homem, tanto lisas como bordadas expsito aos compradores.
    e de cores. SvSttJlHE dCCmftl.
    Continuara sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama e
    para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifar saloes, e grande quantidade da
    Esteiras da India para forrar salas.
    r%: *^?22
    Grande e completo sorlimento" de machinas para
    descarocar algodo de nova invenc3> chegadas ul-
    timamente em direitura para a loja de Manoel
    Bento de Oliveira Braga & C, na ra Direila n.
    33. Garante-sc que a melhor qualidade que ae
    o presente lem viudo ao mercado : acham-se em
    SAHIDAS DE BAILE
    Chegaram pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindissimas sabidas de bai-
    les, ricamente enfeiladas, o melhor gosto ajte tem vindo ao mercado : rita do
    Crespo n. 13, loja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos.
    Assim como vende-se chitas para cobertas, a 240, 280 e 320 rs. o covado,
    ellas antes que se acabera todas mais fazendas e roupas feitas, e que pelo preco que
    vai vender ou liquidar, poucos dias poder durar, e quem se quizer sortir de fazendas
    c roupas feitas para a festa pelo preco que lho agradar, se poder dirigir a roa da
    Imperatriz armazem da ARARA, que estar aberto todos os dias uteis, das 6 hora* da
    toanha, as O horas da noite.
    72. Una da Imperatriz. 72.
    45000
    500
    CONVITE GERAL.
    C nroprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
    ratriz n. B, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
    ser, e desojando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidac3o que An-
    dar no da 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
    se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber
    RIVAL IM
    Ra do Queimado ns. 49 e 57
    lojcs de miudezaz de Jos de
    Azevedo Maia, est acabando
    com as miudezas de seus estabt-
    lecimentos por isso queram apre-
    ciar o que bom e baratissimo.
    Pecas de tiras bordadas com 12
    metros, fazenda superior, a
    15600, 2*, 3,* e.....
    Caixas de linha com50novellos
    Pares de sapatos de tranca- fa-
    zenda nova a......2)5000
    Pares de sapate* de tapeta
    (s grandes-) a......10500
    Duzias de raeiae croas para ho-
    mem a........35800
    Tramoias do Porto fasenda btwi
    epelo prec melhor t&O attosat
    Livros de misses abreviadas a .-
    Duzia-de baralfcos franceses muir*
    finos a2400e ,
    Silabario portuguez con* estam-
    pa a .. .....
    Gravitas de crese pretamuito
    finas a........
    Caribes com clcheles dfeTatao
    fazenda fina a...... ..
    Abotuadunfs de vidro para oolete
    fazenda fina a. .
    Caixas com penna d'aco muito
    flnas-'a 320, 40$ 500 e .
    Car toes de linha Alexandrt-que
    tem 200 jardas a- .
    Carreteis de linha Alexandae de
    70 at 200*......
    Caixas com supeores- obneias-
    de massa a......
    Duzias-de agulhas para' maobina
    Libras-de pregos fraocezes di-
    verso tamanho a* .
    Livros escripturadt para rol do
    roupa a. ...... .
    Talheres para meninos muito
    finos a. ......
    Caixas com papel amizade muito
    fino a........
    Caixas-com lOOenvelopes muito
    finos a........
    Pentes volteados para meninas e
    senhoras a.......
    Thezouras muito finas para
    unhas e costuras a. .
    Tinteiros com tinta preta muito
    boa a 80 120 e .
    Varas de franja para toalhas fa-
    zenda fina a......
    Pe?as de fita branca elstica.
    muito fina a.......
    Novellos de Mnhacom 400 jardas-
    Resmas de papel de pezo azul
    muito lino a ...
    Crozas de botoes de louga muito
    finos a........ .
    JLOJA
    Grande e completo sortimento de pesos kilo-
    grammos de melhor comprehensao doa que tem
    vindo at o presente, assitn como marcos oe lata
    at meio grammo pelo mesmo systema, bataneas
    de latao de forja de 5 a 20 kilogramraos, metros
    de madeira e de latao para medir fazendas, alen-
    do grande sortimento de miudezas e ferragens de
    todas as qualidades, todo por precos que s a vista
    faz crdito : na ra Direila n. 33, loja de Manoel
    Bento de Olivetra Braga & C.
    COGNAC.
    CHITAS LARGAS A 280 rs.
    Vendem-se chitas francezas largas a 280, |
    320 e 360 rs. o covado.
    ALGODAO ENFESTADO TRANCADO A
    1(5000.
    Vende-se algodo enfestado trancado para
    lencoes-a 15000, dito liso enfestado a 000
    o metro.
    CASSA3 FRANCEZAS A 240 RS.
    Vendem-se cassas francezas para vesti-
    dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
    MADAPOLO ENFESTADO A 35300.
    Vendem-se pecas de madapolo enfes-
    tado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
    22 metros a 55, U, 7(5, 85, 95 e 105, a
    peca.
    LANZINHAS PARA VESTIDOS A
    200 RS.
    Vende-se latftinhas para vestidos de se-
    nhora a 20C, 240, 320, 400 e 500 rs. o
    covado.
    BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
    Vende-se barege de listas para vestidos
    a 500 e 640 o covado.
    ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
    5uO rs. O COVADO.
    ^Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
    c 720 rs. o covado propria para vestido de
    senhora.
    SEDAS DE CORES A 15-
    Vende-se sedas de cores para vestidos de
    sebbora a 1(5 o covado.
    PORCO DE RKTALHOS.
    Vende-se urna porc3o de retalhos de cas-
    sas, de !Si e sedas e de outras fazendas
    por iauito barato preco.
    A' elies autos que se acabera.
    CHALY DE CORES A 800 RS.
    Vende-sa chaly de listas de seda a 800 rs.
    o covado.
    CHALES DE CASSA A 15-
    Vende-se chales de cassa a 15, e de me-
    rino a 2(5.
    CORTES DE LA" A K 2*400 RS.
    Vendem-se cortes de la de listra para
    vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
    bar.
    ALGODO A PECA 4,5000.
    Vende-se pecas de algodSo a 45, 55, 65
    e 14 a pera. E omitas outras cousas que
    seria enfadonbo mencionar.
    CHITAS PARA COBERTAS A 280.
    Vende-se chitas francezas para cobertas
    a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
    covado.
    CASEMIRAS DE CORES A 25500.
    Vende-se casemiras de cores a 2)5500 e
    35000 o covado.
    CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
    Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
    ta a 35000, ditos de seda a 105 cada um.
    BRIM DE CORES A 400 RS.
    Vende-se brim do cores para calcas de
    homem e meninos a 400 rs. o covado.
    Cangas para eal^a a StO rs.
    Vendem-se gangas de cores para calca e
    palitots de homens e meninos a 320 rs. o
    covado.
    MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
    Vende-se musselina branca a 500 rs. o
    covado, dita de cores a 440 o covado.
    Percales finas para vestidos de senhora
    a 440 o covado.
    TARLATANA VERDE A 320 RS.
    Vende-se tarlatana verde e de cores a
    320 o metro.
    Lencos brancos a 25-
    Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
    Gollinhas e manguitos para senhora
    500 rs.
    Ditas de linho fino a Ii5000, para aca-
    bar.
    {GRANDE SORTIMENTO
    DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
    Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
    30 por cento do que em outra casa: por
    isso os pretendentes podero vir examinar
    para ver a realidade do annuncio.
    Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
    nnhiT
    ALOES DE ARCOS A 15500.
    Vendem-se balees de 20 e 30 arcos a
    15500 cada um, ditos modernos a 45.
    BRIM HAMBURGO A 85000 A PECA.
    Vendem-s pecas de brim lizo de Ham-
    burgo a 84, vem a ser mais barato do que
    algodosinho.
    CORTINADOS A 145000,
    Vende-se cortinados para cama a 14*
    para liquidar. Ditos para janellas a 75.
    dem muito1
    barato na ra da Imperatriz n. 56.
    5200
    25000
    '2580C
    (5320
    (5500
    5020
    4500
    45000
    4100
    4100
    4046
    S5000
    4240
    4120
    4240
    4700
    4600
    4320
    4500
    4320
    4160
    200
    60
    25500
    DO
    GALLO VIGILANTE
    ltu;i do Crespo n. 9
    Os propnetarios deste bem conhecido estabele-
    cimen, alin dos muitos objeetos qxte tinliam ex-
    postos a apreciaeo do respeitavel poblico, man-
    daram vrr e araban) de receber pelo ohimo vapor
    da Europa m completo e variado sorlimento de
    finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
    fio resolvaos a veiyler, como de seu eostume,
    por precos1 muito baranho3 e cowraodos para to-
    dos, em tanto que o Gallo....
    JJuito superiores toras de pellica, pretas, bran-
    c-aift.de mai lindas cures.
    Wui boas t bonitas gollinhas e ponfcos para se-
    nhora, neste genero o que ha de mais moderao.
    Superiores pentes de lartaruga para coques.
    Lindos e riqissimos cafeites para cabecas das
    Exmas. senhoras.
    Superiores trancas pretas e de c&res com vidri-
    lhos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
    de melhor e mais bonito.
    Superiores e bonitos teques de madreperola,
    marflm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
    com lindos desenhos, e estes pretos.
    Muito superiores mcias fio de Escossia para se-
    nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
    a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
    alm destas, temos tambem grande sortimento de
    outras qualidades, entre as quaes algunias muito
    finas.
    Boas bengalas de superior canna da India e
    castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
    ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
    pode desejar ; alm destas temos tambem grande
    uantidade de outras qualidades, como sejam, nia-
    eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
    Finos, bonitos e airosos cnicotinhos de oadeia e
    de outras qualidades.
    Lindas e superiores ligas de seda e borracha
    para segurar as meias.
    Boas meias de seda para senhora e para meni-
    nas de 1 a 12 annos de idade.
    Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
    barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
    rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
    bem assegurames sua qual idade e delicadeza.
    Lindas e bellas capellas para noiva.
    Superiores agulhas para machina e para crox.
    Linha muito boa de peso, frouxa, para eeher
    tebntntlo.
    Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
    como os tcntos para o mesmo fin.
    Grande e vanado sortimento das melhores per-
    fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
    fumistas.
    COLARES DE ROER.
    Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
    faeilitam a denticao das innocentes criancas. So-
    mos desde muito recebedores destes prodigiosos
    collares, e continuamos a recebe-los por todos os
    vapores, afim de que nunca faltem no mere ^,
    tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
    es que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
    vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
    deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
    para que sao applicados, se venderlo com um mui
    diminuto lucro.
    Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
    declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
    comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
    vigilante, ra do Crespo n. 7.
    De superior qualidade da mui accredita-
    da fabrica de Bisquit Dubouch AC, em
    cognac urna das que mais agurdente de
    cognac, fornecem para o consummo do
    Reino da Inglaterra.
    Vende-se em casa de Th. Jost. roa do
    commercio n. 32.
    BAZAR UNIVERSAL
    'lili Xova-
    Carneiro Vianna
    Neste BAZAR encontra-se um completo
    sortimento de todos os artigos que_ se ven-
    den por precos commodos como sejam: Um
    completo sortimento de machinas para cos-
    tura de todos os systemas, mais modernas
    adoptados na America e approvadas^na ul-
    tima exposiyo servicos a electos para almo-
    Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
    sas e malas para viagem, indispensaveis para
    senhoras, candieiros para sala e ciaademesa,
    parede e portal, mangas, tubos e globos de
    vidro, machinas para fazer caf, ditas para
    bater ovos, ditas para amassar farmha, ditas
    para fazer manteiga, camas de ferro para
    casados, sotteiros e crianca, bercos, cadei-
    ras longas para viagem, ditas de bataneo,
    espelhos de todos os tamanbos, molduras
    para quadros.gaz, baldes americanos, gu da comidas, brinquedos para criancas, um
    completo sortimento de cestinhas, oleados
    para sala e aesa, tapetes para sala, quarto,
    frente de soph, janella e porta, capachos de
    Sparto e efteo, objectos para escriptorio e
    muitos outros artigos que se encontrarlo
    venda no mesmo estabelecimento e qne vale
    a peni ir examinar.________^_
    160
    Machinas a vaporde
    forca de 3 e 4 c-
    vanos.
    Motores para 2 cavallos.
    Arados americanos.
    Machinas de faco e serrotes para desca-
    rocar algodo.
    Bataneas para armazem e balcao.
    Camas de ferro.
    Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
    field.
    Prencas para copiar cartas.
    Foglo americano patent
    Scbonete de (tlcatrdo.
    DB
    Antonio Nunes de Castro.
    Este acreditado preparado, que to boa
    acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
    muito se recommenda para a cara cer
    das impigens, sarnas, caspas e todas ai
    molestias de pelle.
    Deposito nico,
    Pharmacia de Bartholomen & C,
    34ra larga do Rosario34.
    Extractum earnis
    Este producto amentacao para doentes, mui
    apropriada para crean?as e para as pessas saas ;
    idispenavel a todos, porin, principalmente aos
    viajantes, que terao nelle o recurso de poderem
    ter ahtnentacao de carne fresca incsrruplivel, e
    que cora Cacifidade se aprompta e se conduz, por-
    que n'um pequero volume earrega-sc alimentacao
    para muito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
    cao dos senhores de engenhos que encontrarao no
    EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimqptacao
    agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
    seas doentes.
    Este producto fabricado pelo processo do dis-
    tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio'trande do Sul,
    que acaba de crear um deposito nesta cidade em
    casa de Jos Victorino de Rezende & C, ra da
    Cada, escriptorio n. 53, primeiro andar, venden-
    do-se :
    No deposito a ra a Cada n. 32.
    as pharmacias dos Srs.:
    Manoel Al ves Barbosa, mesma ra n. 61.
    Joaquim de Almeida Pinto, roa larga do Rosa*
    rion. 10.
    Antonio Mara Marques Ferreira, prsea da
    Boa-Vista n. 91.
    N. B.As latas que contem o extracto trazem
    urna guia para seu uso.
    CEMENTO
    PORTLAND.
    gVende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
    reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
    ceirao, em barricas grandes.
    Novidade.
    UVAS- E MAgAS
    Chegaram no ultimo vapor da Earopa,e achara-
    se venda no petit restaurant do Hotel Central,
    ra estreita do Rosario n. 4 A.
    Farfulla
    ta Augusta n. 10 se dir quera vende
    I saceos de arinha da trra de boa qualHUde,
    98
    Xarope de fedegoso
    de Pinto
    E' de urna efficacia verdadeiramente raa-
    rtviihosa como calmante do systema nervoso
    e apphcado contra a paralisia, astbma,
    tosse convulsa ou coqueluche, tosse recen-
    tes ou antigs, suffocaces, catharros,
    broncneos, etc., e em geral contra todos
    os soffrimentos das vias respiratorias, e
    na phtisica pulmonar, sua virtude contra
    o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
    contestavel, ninguem ha que a desconhe-
    ca. RuaLarga do Rosario n. 10, Pernam-
    buco.
    M BOllilS IR.1D.IS
    E
    todas as molestias syphiliticas.
    PELO
    ELEXIXDODR.SEVIAL
    nico depurativo sem mercurio que tan-
    ta aceitac5o tem merecido no Brasil, as
    repblicas do Sul e na Allemanha espe-
    cialmente para cura das boubas, sarnas,
    rheamatismo, todas as molestias syphiliti-
    cas e em geral todas aquellas provm da
    empreza do sangue.
    NICO DEPOSITO
    Pharacla e drogara.
    DI
    Barthomeu d C.
    84Ra I-arfa do Rosario34
    Loja de miudezas de Ferreira da Cunhad:
    Temporal, ra do Queimado n. 63, est
    quimando por todo preco :
    Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
    Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
    Linha de 200 jardas (duzia) 1200.
    Caixa muito fina para p de arroz 1500.
    Relogio de sol 120 rs.
    Latas com banha a 160, 200 e 320 rs.
    Agua florida verdadeira a t#300.
    Agua divina dem l->i(H>.
    Gravatas pretas para homem 4r0 rs.
    Pentes de travessa para menina 320 rs.
    Olio philocme verdadeiro 1#200.
    Aderecos de plaqu 14500, 25 e 5#.
    Meias cruas para homem 30500 c 4> a
    dnzia.
    Botes enfeitados para vestido, I?>200 a
    duzia.
    Leques do santol 5#, cada um.
    Dittos de madeira 3$ cada um.
    Coques de trasca, boa fazenda, 2,
    2,-).'>( Ki e 30 cada um.
    Meias tinas para senhora 45 a duzia.
    Banha em frascos a 400,640 e 15200.
    Frascos com extracto muito lino 25 e
    25500.
    Caivetes de duas folhas a 240 rs.
    Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
    320 rs.
    Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
    Agua de colonia 400, 500 e"800 rs.
    Cartas franeezas 200 e 240 rs.
    Caixa com extracto 25500.
    Cartas portuguezasa.120 e 200rs.
    Pentes brancos com costa de metal
    320 rs.
    Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
    Galo de 13a para vestido (pessa) 400 rs.
    Fita de sarja lisa e lavradas, 15500,
    25 e 25500.
    Caixa cora obreias de maco 40 rs.
    Caixa com papel amizade a 700 rs.
    Ditto e dourado a 15.
    Dittas com envelopes 300 rs.
    Caixa com agulhas francezas 160 e
    240 rs.
    La para bordar de todas as cores (libra)
    65800.
    Bonets para menino 15,25 e 25500,
    Linha de marca (caixa) 240 rs.
    M-ias para menina (duzia) 35 e 3,>300.
    Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
    Sapatos de la para menino a 320 e 800,
    Capellas francezas a 25500.
    Facas e galfos, cabo de balanco (du-
    zia) 75.
    Chicotes paracavallo 600, 800 e 15500.
    Bengalla de canna 15, 15500 e 25.
    Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
    Papel almaco, greve (resma) 15500.
    emporal pode ser procu-
    rado em seu estabelecimento bo-
    NAN9A, emporal contina a
    vender na Bonanqa, pelo mesmo
    preqo que venda em sua loja
    com titulo de emporal.
    A NOVA ESPEBANQA
    21=Rua do Queimado 21
    Advertencia!
    A Nova Esper?nca, ra do Queimad
    n. 21 tendo em deposito grande quanlidada
    de miudezas, c como se approxima o tem*
    po em que tem de ser dado o balanco, por
    isso desde j previno ao respeitavel publi-
    co, que est resokida a vender suas mer-
    caduras pelo baratissimo preco, para assim
    diminuir a grande quantidade das que
    tem: assim pois, venham os bons fregue-
    zes, e os que nao forem venham ser fregue-
    zes, em tempo to opportuno quando a
    NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
    rem, pois que para comprar-se caro, nao
    falla aonde e a quem...
    Elle quere ella quer
    E' sempre assim.
    Elle (correspondente de Paris) quer sem-
    pre primar em nos remetter objectos de
    gosto e perfeico, e ella (toja da Nova Es-
    perarla) quer sempre dividir com seos fre-
    guezes o que de bom constantemente reee-
    be, e por este lidar continuo (d'ambo>*
    Nova Esperanca ra do Queimado n. 2i,
    alm do grande sortimento que j traba,
    acaba de receber mais o segrate:
    Bonitos broches, pulceiras e brincos de
    madreperola.
    Papel e envelopes bordados e mati-
    sades.
    Papis proprios para enfeitar ftollo
    bandeijas.
    Brincos pretos com dourados (Rima
    moda ).
    Fitas largas para einto.
    Modernos galloes, franjas e trancas de
    seda e de la, para eqfeites de vestidos.
    Bot5es de todas as cores e moldes novo
    para o mesmo fim.
    Trancas pretas com vfdriihos sendo com
    pengentes e sera elles.
    Botes pretos com vidritftos com pingea-
    tes e sem elle.
    Luvas de peilica, camurea e exeossia.
    -Finas meias de seda para senhora e me-
    ninos.
    Delicados lequc de madreaernla, mar-
    fim, osso e faia.
    Espartilho simples e bordado.
    Bengalas de baeia.
    Finalmente, um completo sormento de
    miudezas ra do Queimado a. 21, na
    Nova Esperanca.
    Collares anodinos ellectro-magneti
    eos contra as convulces das
    cremeas.
    NSo resta a menor divida, de que muito.
    collares se vendem per ahi intitulados oa
    verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoi
    pais de famias nao creem (compraodo-of)
    no effeito promettido, o que s pdem dar,
    os verdadeiros; a Nova Esperanca, por
    que detesta a falsikagao principalmente no
    que respeita ao bem estar da humanidade,
    fez urna encommenda directa destes coUareaj
    e garante aos pais de familias, que sao oe
    verdadeiros de Royer, que tantas crean-
    cas tem salvado do termel incommodo da
    convaleces, assim pois preciso, que ve-
    nham a Nova Esperanca a roa do Queimado
    n. 21 comprarem o salva vida, para san
    filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
    dos do terrivel mai, quando enMo ser
    fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
    sejam empregados os verdadeiros collarea
    de Royer.
    Predios novos
    Vendem-se duas casas terreas muito bem cons-
    truidas, solo proprio, e que se pode levantar so-
    brado por ter alicerces bem fundados, assim como
    os oitoes na freguezia da Boa-Vista : a tratar na
    roa da Uondego, olaria, com Alexandre dos Santos
    Barros.
    Para eabrlolet
    Vendesnm rico mallo,bonita estampa, gordo
    e manteada, muito trotador, bom de cabr
    eocbeira do Thomaz, raa (je Santo Amar#
    teda estacao.
    3 cordeiro previdente
    Roa do Queimado n. 10.
    Novo e variado sortimento de perfumaras
    finas, e outros objectos.
    Alm do completo sortimento de perfu-
    maras, de que effectivamente est provida a
    loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
    receber um outro sortimento que se torna
    aotavel pela variedade de objectos, superiori-
    dade, qualidades e commodidades de pre-
    sos; assim, pois, o CordeiroPrevidente pede
    e espera continuar a merecer a apreciaeo
    do respeitavel pubco em geral e de sua
    boa freguezia em particular, nao se afas-
    tando elle de sua bem conhecida mansido
    a barateza. Em dita loja encontrarlo os
    ipreciadores do bom:
    Agua divina de E. Coudray.
    Dita verdadeira de Murray A Lamman.
    Dita de Cologne ingleza, americana, fraa-
    ceza, todas dos melhores e mais acreditados
    fabricantes.
    Dita de flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
    Elixir odontalgico para conservac5o do
    isseio da bocea.
    Cosmetiques de superior qualidade e chei-
    ros agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores, com
    pomada fina para cabello.
    Frascos com dita japoneza, transparente
    e outras qualidades.
    Finos extractos inglezes, americanos e
    francezes em frascos simples e enfeitados.
    Essencia imperial do lino e agradavel eneb-
    ro de violeta.
    Outras concentradas e de cheiros igual-
    mente finas e agradaveis.
    Oleo philocme verdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qualidade
    com escolhidos cheiros, em frascos de diife-
    rentestamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores e meaores
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos e ea figu
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinba para barba.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    fructas.
    Ditas de madeira invernisada contendo fi-
    nas perfumarias, muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
    bem de perfumarias finas. ,
    Bonitos vasos de metal colbridoSi^-e do
    moldes novos e elegantes, com po-de twoz
    9 boneca.
    Opiata ingleza e franceza para dentes.
    Pos de camphora e outras difiranlas
    qualidades tambem para dentes.
    Tnico oriental de Kemp.
    Alada mais coquea.
    Um outro sortimento de coques de no-
    vos e bonitos moldes com filets de vidrjlhos
    e alguns d'elles ornados de flores fitas,
    esto todos expostos apreciacSo de quem
    os pretenda comprar.
    GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS.
    Obras de muito gosto e perfeico.
    Fivellas e Utas para cintos.
    Bello* e variado sortimento de taes objec-
    Iha angosto docom-
    /
    <
    *
    \




    Diario de Pernambuco Terqa feira 14 de' Setenibro de 1869.
    /
    500
    0240
    mo
    5500
    50C
    5500
    0240
    0200
    0600
    0040
    40000
    0120
    0000
    0320
    0320
    0480
    0500
    0320
    500
    10500
    2000
    0060
    0320
    [0500
    10200
    RIVAL SH wm
    Ra do Quetmadon, 49 c 57 loja
    de miudezas de Jos de Azeve-
    do Mata e Sdva conhectdo por
    Jos Bigodinho.
    Est queirnando tudo quanto tem em seu
    estabelecimento para acabar e fazernovo
    sortimento, por isso queiram vir ou mandar
    ver o que bom barato.
    Caixas de linhas do gaz com
    50 novellos a 500
    Latas com superior banba a
    120, 200 e..... 400
    Frascos de oleo babosa muito
    Gao a....... 400
    Duzias de raeias (inglezas)
    muito boas a 4;>00C
    Garrafas com agua florida ver-
    dadeira...... l ;>(Xi
    Garrafas com agua'di vi na da me-
    lbpr qualidade .... 10500
    Caixas com 12 frascos de cheiros
    proprio para mimos 20506
    Dita com)6 frascos muito Anos 0800
    Oleo baboza muito fino que so
    a vista ......
    Sabonetes de calunga muito bo-
    nito ......
    Caixas de p de arroz muito
    superior .
    Pecas de babadinbo com 10
    varas ......
    Pecas de fila de cus qualquer
    largura .....
    Escovas para unhas muito fi-
    nas ......
    Escovas para dentes fazenda
    muito fina .....
    Pulceiras de contas de cores
    para meninos ....
    Gaixas de linha branca do gaz
    com 30 novellos .
    Pecas de tranca Lisa de todas
    as cores .....
    Resmas de papel pautado muito
    fino ......
    Pares de botSes para punhos
    muito bonito .
    Libras de la para bordados de
    de todas as cores .
    Pentes com costas de metal
    muito finos .
    Novellos de linba muito grande
    para croxs .
    Duzia de linha froxa para bor-
    dado ......
    Grosas de botes madreperola
    muito fino .....
    Sabonete muito finos GO, 120,
    160, 240 e.....
    Pecas de fita de la todas as
    cores ......
    Espelhos dourados para parede
    10000 e .....
    Espelhos de Jacaranda muito
    fino a......
    Pecas de trancas brancas e de
    cores de caracul i .
    Pares de meias cruas para me-
    ninos ......
    Caivete muito fino com 4 fo-
    lhas ......
    frascos de sndalo e patecboiy
    muito finos .
    EUHIMIDAGO
    DE
    EM CONTINACAO
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    3(&=m* iM Mpaa&waaa-o. w
    DE
    FLIX PEREIKA DA SILVA.
    .. 9 proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
    eilmctai loja denominada=/A/10/.l/ DAS DAMAS=i ra da Imperatriz n. 36 e nao
    lhe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidado da grande quantidade de
    fazendas que all existiam, pelos poucos dias que teve at entregar as chaves, vio-se
    obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabeiecmcnto, o=P\VAO
    onde o respeitavel publico encontrar um grande sortimento das melliores fazendas de
    imno, 15a, algodao e seda, que se lhe vender muito mais barato do que em outa
    qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que egociam em pequea
    escala, tanto da praca como do matto, nesta casa podero fazer seus sorlnentos em
    pequeas ou grandes porces, vendendo-se-lhes pelos precos -que se coinpram, nS
    casas inglezas; assim como as excelleotissimas familias podero mandar buscar as amos-
    tras de todas as fazendas. ou aandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas;
    casas; o estabelecimento se acha constantemente aborto das 6 horas d manhia s 9
    da noite.
    Bartholomeu & C.
    A t)0 dttMAtJ'^
    A AGUIA BRANCA tem conviccjo de que a abundancia de objectos de novidade-
    em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioratos
    de de qualidades, e a limitacao. de seus precos, estao na opiniao do respeitavel publico
    em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas ainda assim ella julga de seu
    dever scientificar a todos, da recepco d'aquelles objectos que estao alm do commum,
    como bem sejam:
    Expandido sortimento de
    roupas feitas
    NA LOJA DO PAVO A RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com-
    pletamente sortido das melhopes roupas,
    sendo calcas palitots e coletos 4ecasemira,
    de panno, de brim, de alpaca, e de 'todas
    s mais fazendas que os compradores pos-
    sam desejar, assim como na' mesma loja
    tem um bello sormento de pannos casemi- pVoprio para vestidos, e"vende-se" por pro-
    ras, bnns, etc. etc. para se mandar fazer co muito razoavel na loja de Flix Itereira
    qualquorpeca dentera, coma maior(promp- da Silva, ra da Imperarte n. 60.
    ALTA NOVfDADE
    EM TOOTELIXAS G0R60R0 BE LINHO E
    SEDA.
    Mo ultimo vapor chegou para a loja do
    Pavao um elegante sortimento das mais
    bellas poupetnas ou gorgures de. linbo o
    seda, com es mais delicados padrees que
    se pode imaginar, assim como tima grande
    perco de cortes da mesma fazenda, tendo
    de todas as cores e garantipdo-se qoenesto
    genero nlo ha nada mais bonito nem mais
    Grande
    loja de fazendas e roupas feitas
    na da Imperatriz n. 32,
    larga,
    DE
    PAREDES PORTO
    Neste estabelecimento encontrar o res-
    peitavel publico um bonito sorimer.to de
    roupas e fazendas de todas as qualidades e
    precos commodos, tem sempre um bonito
    sortimento de casemiras de cures e pretas,
    panno fino de diversas qualidades, brim de
    Bonitas cores e brancos de boa qualidade,
    ncarrega-se qaalquer obra por medida e
    preco muito commodo.
    ROUPAS FEITAS
    na ioja da ra da Imperatriz n. 'Z, porta
    larga, de Paredes Porto.
    Tem neste estabelecimento um bonito
    sortimeolo de roupas feitas de diversas
    qualidades e precos commodos, como sejam
    palitots de alpaca preta e de cores a 3$,
    3)55 Ocfi; ditos de panno preto sacos a
    *Sft, 75 e 84; ditos de panno superior a
    12, IWe 465; ditos sobreeasacados de
    dito dito a 18)5, 20 e 2o ; ditos de case-
    .mira de cor a 5&, 6e 10.$; calcas, colletes
    palitots de easemira muito fina de cor a
    20 .e 250; calcas de brim branco de cor de
    Codas as qualidades de -J a 6; ditas de
    easemira preta e de cores de 45 at 12<5;
    colletes de todas as qualidades; ceroulas de
    bramante a 1^500,24000 e 2o00; camisas
    francesas de linbo e de aigodo de todas as
    qualidades e preco mais barato fio que em
    outra qualquer parte; colarindos, gravatas;
    bonito sortimento de chapeos deso de alpa-
    ca e de seda; meias inglezas a G j a duzia;
    pecniacha oeste estabelecimento pelo
    grande sortimento: todos os freguezes se
    podeck) prover dos ps at a cabeja por
    prego tommodo.
    FAZENDAS
    Grande sortimento, como sejam. chitas
    tralas a 300, 320 e 360 rs. MadapoISo
    fino a 70, H e 100 a peca. Aigodo pe-
    chincJba) a 55500 a peca e outras'qualida-
    des. Cambraia branca de todas as quali-
    dades transparente e Victoria de 3 ;500 a
    84 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
    pacas bonitas, selecia a peca coro -8 metros
    5000. Esguio o mais uno possivel a
    2<$o00 e 34 a vara, e outras moitas fazen-
    das por preco commodo, que seria enado-
    nho mencionar, na loja do
    LElO DA PORTA LARGA
    DE
    Paredes Porto.
    CIMENTO
    Veode-$e verda
    Mad,
    Martn
    A a l>
    deiro cimento; na r.p da
    22, rmazem de Joao
    4 AMA
    TorflM
    gross
    aio.
    tido vontade do freguez, e nao sendo
    obligados a acceita*las, quando nao stejam
    completamente ao seu contento, assim como
    n'este -vasto estabelecimento encontrar o
    respeitavel publico um bello sortimento de
    camisas francezas e inglezas, ceroulas de
    linho e aigodo e outros muitos artigos
    propries para homens e senhoras promet-
    tendo-se-lhe vender mais barato db que era
    outra qualquer parte. Na ra da Impera-
    triz n. 60, loja e armazem de Fel Perei-
    ra da-Silva.
    Aoa diez mil corados de cassas
    raneczas
    Cowido a 300 Covado a 300
    Govado a 300
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300 rs.
    Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
    peratriz n. 60 urna grande quantidade de
    mil cavados das melhores casas francezas
    para vestidos, tendo padres miudos e gra-
    dos, assentados em todas as cores, estas
    cassas eao prapriamente francezas, tendo
    transparentes e tapadas, com tanto corpo
    quasi como a chita, e alm dos padroes
    serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
    fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
    talha-se a 300 rs. o covado.
    Espariilhos a 3000 na loja do
    Pavo
    Vende-se urna grande porcao de esparti-
    llios modernos com o competente cordo,
    tendo sortimento de todos os taannos, e
    vendem-se a 34 cada um.
    BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
    PALMOS DE LARGURA A i 800
    Chegou para a loja do Pavo, ra da
    Imperatriz n. 60, urna grande porco de
    p ! gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
    mento de um leocol, o qual se faz com um
    metro e urna quarta, e para cama de casal,
    com um metro e meio; e vende-se pelo
    barato preco de 1^800 ris cada metro,
    tendo esta larga fazenjla, outras rauitas ap-
    pticacoea para arranjos de familias, sendo
    grande peehincha pelo preco.
    Caries de vestido do Pavo a
    eooo.
    Vtndem-se bonitos cortes de cambraia e
    tarlaana, ricamente bordados a 15a, pelo
    baratifisimo preco de 6$.
    Ditos por estarem um poiwn machucados
    a i->.
    Ditos finissimos com o seda a 4#.
    Assim como os mais m nos cortes do
    poil de chvre, com duas saias, sendo fa-
    zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
    em sua caixinha com o competente figulino,
    a 8; finissimos crt-s de cambraia bran-
    ca, ricamente bordados, que at podem
    servir para noiva, a 253000, e outros mui-
    tos cortes de dilerentes fazendas que se
    liquidara baratas na loja do Pavo.
    CERA DE CARNAUBA.
    Vende-se urna grande porco de cera de
    carnauba em saceos, por preco mais barato
    do que em outra qualquer: na loja do
    Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
    Pereira da Silva.
    CASSAS A 240
    Vende-se cassas com delicados padroes e
    cores fixas 240 rs. o'covado: na loja do
    Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
    Pereira da Silva.
    AS BASQUINAS DO PAVO
    Chegaram para a loja do Pavo as mais
    ricas basquinas de casaquinhos de seda
    pretas ricamente enfeitados, sendo com os
    feitios mais novos que tem vindo ao merca-
    do e vendem-se muito em conta.
    GROZ DE COR
    Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
    de cores, sendo verde, azul, lyrio, cinzento
    e branco muito alvo, que se vendem mais
    barato do que em outra qualquer parte.
    BASQUINAS DE FIL
    Vend-se as mais modernas e mais ricas
    hasquinas de fil preto, por preco em conta.
    VESTIDINHOS PARA MENINOS A
    2$00Q E 24500
    Vendem-se vestidinhos para meninos e
    meninas, pelo barato prece de 24000 e
    2$500, assim como ricos enxovaes para
    baptisado.
    MADAPOLO FRANCEZ A 74000 A PEQA
    Vende-se pecas de madapolo francezen-
    festado com20 metros a 74000 a peca;
    i
    ;UNAS DE COR
    nais bonitas musselmas de
    uO rs. o covado.
    CELEZIAS
    PANNO E
    LINHO
    ATOALHADO
    Vendem-se as mais finas celezias de linhe
    com 25 varas cada peca, sendo mais finas
    ainda que os mais finos esguies que tm
    vindo ao mercado, a 454, *5, 604000 e
    70^000, tambem se vende em varas as
    mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
    mo, pannos de linhe do Porto para lences
    com perto de 4 palmos de largura a 700,
    800 e 14000 a vara, sendo em peca tam-
    bera se faz alguma equidade; bramantes
    para lences com 10 palmos de largura a
    14800 e 24500 o metro, e de linho muito
    superior a 34200 e 34500.
    Atoalhado adamascado com 8 palmos de
    largura a 24400, -34 e 34500 o metro, e
    outras muitas fazendas brancas que se ven-
    dem muito mais barato do que em outra
    qualquer parte, com o fim usico de apurar
    dinheiro.
    CHITAS
    MADAPOLO
    ALGODA0SINfl-s?f-
    Vendem-se superiores chitas escuras
    claras pelo barato preeo do 280,320 e 360
    rs. Fnas percallas a 320 e 360 rs.
    Pecas de algodosinbo de todas as lar-
    guras e qualidades. Pecas de madapolo
    dos mais baratos at os mais finos; assim
    como, superior algodosmho enfestado para
    lences, toalhas, tanto li*o como trancado;
    tod^ estas fazendas se vendem mais barato
    do^be em outra qualquer parte, para apu-
    rar dinheiro.
    PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
    ,A 200 RS.
    Vende-se urna grande porco de esta-
    menha mesclada, propria para vestidos de
    escravas, camisas e calcas para moleques,
    sendo urna fazenda escura trancada e muito
    encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
    o covado, fazenda que sempre se vendeu
    por muito mais dinheiro.
    VESTIDOS A 800 rs.
    Cm duas saias
    Chegaram para a loja do Pavo os mais
    modernos, e mais bonitos cortes de vestidos
    de cambaia, e organdys; com mais lindos
    padres, e o competente figurino, tendo
    cada corlo 18 covados, que pode dar corte
    para senhora, e menina, e vendem-se pelo
    barato preco de 4000, nicamente na loja
    e armazem do Pavo ra da Imperatriz
    n. GO, de Flix Pereira da Silva.
    Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
    das, contendo navalhas e os mais necessarios
    para viagem, servindo ellas de carteira
    quando abertas
    Outras conforme aquellas, proprias para
    senhoras.
    Outras machetadas, com thesouras e os
    mais necessarios dourados e de madrepe-
    rola para costura, obras de apurado gosto
    e perfeicao, proprias paro um bello pre-
    sente, tendo algumas com msica.
    Estajos ou carteiras de couro com nava-
    feas, e os mais necessarios para viagens,
    ESCOVAS DE MARFM
    Para unhas. dentes, cabello e roupa,
    Outras de balea com machetados de ma-
    dreperola para os mesmos fins.
    OBRAS DE MADREPEROLA
    Leques, escovas para dentes, caetas,
    didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
    Kcas capelas com veos para noivas.
    Cintos de brim, com elstico para se-
    nhoras.
    Voltas de grossos aljofaes de cores,
    pira circular os coques.
    Outras igualmente ;bonitas, e om pin-
    gantes para o pescoco.
    Outras com aljofares coloridos, e tran-
    elin dourado.
    Botoes-com ancora, e P. II. para fardas
    e colletes.
    Abotoaduras d'aventurine com o p de
    prata dourada, para colletes, cada um 54.
    Botes de cristal, eacastoados em prata,
    para puimos, 44 o par.
    Camisas de flaneila para homem, a me-
    drar qualidade que tem vindo a este mer-
    cado,
    Meias de la para homens, senhoras e
    creancas.
    Ditas de dita, teeio de borracha, para
    quem sofire de inchaco as pernas.
    Pannos de crochet^para cadeiras.
    Novo sortimento de toalhas de labyrin-
    tho, para baptizados.
    Renda e bico de guipur, branco o
    preto.
    Fil preto, de seda, com salpicos.
    Pequeos e delicados espanadores de
    pennas coloridas, proprios para piannos,
    oratorios, etc.
    Bonitos passarinhos de metal prateados,
    para segurar costuras, tendo almofadinhas,
    de velludo para agulhas e alfinetes.
    Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
    pernas para frisar babadinhos.
    AGULHAS NON-PLUSULTRA
    Tal a qualidade d'essas agulhas, que
    merecen ao fabricante o pomposo titulo de
    Non-plmultra, merece a Aguia Branca as
    honras d'am annuncio, e sem duvida me-
    recer -das inteltigentes senhoras, a devida
    estima por sua apreciavel qualidade.
    At agora nada se linha visto de to bom
    em tal genero, e ainda assim custa cada
    papel pens 200 rs.
    PrwtvelmeRte d'aqui a pouco abundaro
    as falsificadas para serem vendidas barata-
    mente, porra as verdadeiras continuante a
    vir especialmente para a loja da Aguia
    Branca.
    Deserever minuciosamente por seus no-
    mes e qualiades a infinidade d'objectos
    que oantemente se achnm venda na
    loja da ^ia Branca, seria seno impossi-
    vel ao menos infadonho por isso ella con-
    fia na constancia de sua boa e antiga fre-
    quezia, e pede aos que de novo queiram
    reeonbecer a commodidade de seus precos
    e a 'Cmceridade de seu agrado, que nao se
    esqueeam de comparecer loja d'Aguia
    Branca ra do Queimado n. 8.
    VlNIIO, PlLULAS, XaROPE E TINTURA
    fle jurubeba simples e ferruginoso;
    Oli:o, Po.madac Emplastro da mesma
    plantai preparados por
    BARTHOLOMEO & C
    Pharmaceuticos-Drogustas
    l>MC\kHUt(0
    A Juriibeba : esta pUBt* Lr.e :c;onLccii<
    como o mais poderoso louico, como q mclhor
    dcsobslruenie, e como !at apf cada aos pt JeeimeDlos
    lo ligado* ba^o, bepalilcs, dures?, U.TOWsinUr-
    nos e especialmcnlo do ulero, bjdro; asas, erjf>
    pellas, ele; e associada ?o ferro Bill as pallidas
    cores, chloroses Taita de nienitruajao, dcsarran-
    jos do estomago, etc., e o que ilisemt alteslao
    innmeras curas Importantes oblidts con nosse
    preparados ja bem condecidos o u-aJcs pelos mai;
    disiinctos mdicos do paiz e Portugal. Km todos o>
    nossos depsitos distribuimos gratis fclhetos
    malhor fasem coobecer Jurubeb seo* resnlti
    appcacao.
    Ll
    Resta venda um escolhklo sortimento de ob-
    (ectos de marcineria, como sejam, mobilias de j:-
    iarand, mogno eamarillo, olira nacional e eslrau-
    jeira, de apurado go?to e por pri^o < razoavei:
    aa ra estrella do Ri -:>.-io n. 3. Nesta mcsn^i
    rasa fazem-se com perfeicao todos et trabalhos ("e
    paihiaha, como sejam, empalhamcnloa de lastr s
    para camas, cadeiras e sopbis.
    A ruado Livramonto n. 0, contina a Ir-
    ver para vender por precos rasoavei
    melhor vinlio verde at boje viudo a <
    mercado.
    ARMAZEM CONSERVATIVO
    N. 23Largo do Terco*N. 23.
    SIMAO DOS SANTOS ft C.
    Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados, parlecipam
    aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do mallo e igualmente aos ami-
    gos do bom e barato, que teem um grande e ventajoso sortimento de diversas merca-
    dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a rctalho, por
    menos preco do que em ouln qualquer parte, por ser maior parte destas mercadorias
    compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100, lera cinco
    por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sahido deste
    armazem.
    Jos Mana Palmeira contina ven 1er cm s i
    cscriplorio, largo do Corpo Sanio n. i, Io and,'
    Potassa da Rusia superior,
    l.onasda ltas-a de superior qualidade,
    Brmzoes da Russia do aui-trioi- (rialida-Ic.
    Demento Portiand.
    Dito Remano.
    Patio de algodao do commoLdador I edroso.
    Vnlio Bordeaux.
    ESCRAVOS FGIDOS.
    ORGANDY DE COR A 360 RS. O COVADO
    Vendem-sc finissimos organdys de cores
    para vestidos cora lindissimos padres pelo
    barato preco de 3G0 rs. o covado ; assim
    como ditos bran;os muito finos com listas
    largas e eslreitas, e de quadros a 800 rs. e
    i000 a vara, tambem tem tarlatana bran-
    ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara ;
    filos de flores a 040 rs. a vara, e ditos lisos
    a 800 rs. a vara, e de salpico a l (000;
    isto na loja e armazem do Pavao, ra da
    Imperatriz n: GO de Flix Pereira da Silva.
    CHALES DE CASEMIRA
    Chegaram os mais modernos, e mais
    bonitos chales de easemira com dezenhos
    inteiramente novos, que se vendem a 9,
    105,120 e 140 ; assim como -ama grande
    porco de ditos de menina que se vendem
    mais baratos do que em outra qualquer
    parte ; na loja e armazem do Pav3o, roa
    da Imperatriz n. GO, de Flix Pereira da
    Silva.
    Cortinados
    Para camas ejanellas.
    Vende-se um grande sortimento oos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para janellas, que se ven-
    dem a 12/1000 rs. cada par at 255000 rs,
    isto "ha ra da Imperatriz n. 60, de Fex
    Pereira da Silva.
    BAL ES MODERNOS E SAIAS DE LA
    Na loja do Pavo vende-se os mais mo-
    dernos balees reguladores tanto de raasse-
    lina como de la de cor, e as mais moder-
    nas saias dd la entestada, mais barato do
    que em outra qualquer parte.
    SULTANAS
    Chegou para a loja do Pavo um grande
    sortimento das mais lindas sultanas, para
    ^dos, sendo muito larga e bonita fazenda
    com listas de seda e os padres mais novos
    que tem vindo a es>e mercado, vendendo-se
    a liOO e covado, na loja de Flix Pereira
    da Silva, rga da Imperatriz n, CO.
    GAZ AMERICANO 9,51 alata, a iOO rs.
    a garrafa e 60'> rs. o litro.
    VINHO VERDADEIRO FIGEIRA 5(50 e
    640 rs. a garrafa, a 4)5500 e 4800 a cana-
    da, a 7-20 e 940 rs. o litro.
    DEM DE LISBOA das melhores marcas,
    400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 3 e
    35500 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
    AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
    garrafa, e a 70 a caada, e 1340 o litro-
    VINHO BRANCO DE LISBOA a G00 rs.
    a garrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
    VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
    200, 240 e 320 rs. a garrafa, 2)200,
    10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
    o litro.
    MANTEIGA INGLEZA FLOR 5 I04O e
    10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
    grammo.
    DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
    a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
    grammo.
    DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
    bra, 10400 o kilgrammo, em porco se
    far abatimento.
    BANHA DE POBCODE BALTIMOOR
    720 rs. a libra, o 10570 o kilgrammo, em
    porco se far abatimento.
    ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
    120 e 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
    lgrammo e 30800 a arroba.
    ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
    kilgrammo, e 60 por 14 kilogrammos.
    CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
    200 c 240 rs. a libra. 440 e 320 rs. o
    kilgrammo.
    SABAO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
    570 e 440 rs o kilgrammo, era ciixa ha melhores que ha no mercado,
    abatimento. 30200 a libra, 70080 o 60540
    MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA- grammo.
    LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20700,
    1075Ookdogrammo. 20500, 20200 e 20 a libra, e 50450 e
    SEVADINIIA E SAF 280 rs. a libra e 40180 o kilgrammo.
    Assim como ha outros muitos rnais gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
    passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada, con-
    servas gelca de marmello, pecego, ervhas, peixe em latas, sardinhas de Nanles,
    vinho verde engarrafado, pomada caneila, cravo, ervadoce, cominlio, pimenta, grandes1
    mollios de sebolla 10500, finalmente muito mais gneros que enfandonho
    menciona-los. ______
    - -------------------- >. .
    Cha toni-pursadvo edepurativo
    de C'haubai'd.
    Composto das plantas as mais odorferas e as
    mais virtuosas dos montes os mais elevados, o dkd
    ;<,npurgaliio de Chambaril possue um gosto fabo-
    roso e um aroma suavissimo, e as propriedades as
    mais notaveis sobre os embaragos do estomago,
    dos intestinos e do ligado, o desobstruente por
    oxcellencia na constipaeao do ventre, e nao tem
    resguardo alaum. Depurativo especial o directo
    das biles e dos humores, refresca o sangue depu-
    rando-o.
    DEPOSITO ESPECIAL,
    Pharmacia de Barluolomcu & C, ra larga do
    Rosario n. 34.
    Urgeneia
    Goaoalvcs 4 Teixeira tem pr.ra vender travs
    na esqui* da ra
    020 rs. o kilgrammo, em porco ha aba-
    timento.
    BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
    SAS QUALIDADES, a 10 e 10400 a lata.
    VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
    masso. em caixa ba abatimento.
    PHOSPH0R0S DO GAZ E DE SEGU-
    RANCIA, 280, 400 c 5G0 rs. o masso,
    302O e 60500 a f oza.
    AMEIXAS EM LATAS ECACIHNIIVS
    DE MUITOS TAMANHOS 30500, 50500
    6 10 a libra.
    GOMMA DE MILIIO AMERICANA 400 rs
    0 masso de urna libra, e em caixa ha aba-
    timento.
    BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
    a libra, em caixa faz-se abatimento.
    SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
    a duzia e 500 rs. a garrafa.
    DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS
    BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a dnzia.
    VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
    DIVERSAS MARCAS 10300, 10200, 10 e
    800 rs. a garrafa.
    GENEBBA DE HOLANDA E AMBUR-
    J.GUEZA 70 ejJJfl a frasqueira, e 500 rs. o
    frasco.
    DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
    11(5 a frasqueira e 10 o frasco.
    QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES, ;i
    ;}.?, 20800 e 20400, em caixa faz-se gran-
    de abatimento.
    TOUCINHO DE LISBOA 400 rs. a li-
    bra, e 880 rs. o kilgrammo, e 110500 por
    1 i- kilogrammos.
    CHA FINO, GBADO E MIUD1NH0 os
    30 e
    o kilo-
    Frigio uo dia 23 do eorrenta, do rngcnl *
    Quileba da freguezia de Scrinkii m, j cscravo ca-
    bra, de nome Flix, quo representa ter .'i;" amos,
    mais ou menos, alto, j,tosm>, cara rga, bt-ai fa -
    Unte, leven calca de brim pardo, camisa dema
    dapolao, chapeo de couro ou um oulro de 11
    novo; cujo cscravo talvftz toaba tornado o cara -
    nbo de Pao d'Alho : quem o pegar a levar ao di: i
    cnpenho, ou no Recite a ra du Imperador n. 4.';,
    .ser generosamente recompensado.
    ATTENCAO
    19
    No nrmazem da ra de Apollo n. 28 ha pr.ra
    vender urna cadeirinha ou palanqun con ledos
    os perlences, em muito bom estado, e por pre;o
    commodo. _________^________.
    CIGARREIROS.
    No armazem n. 18, travessa da Madre de Dees,
    ven(k-se papel de seda para cigarros, marca :
    grande, e superior qualidade, por prego com
    As autoridadespolitaes en
    quem competir.
    No dia 29 de maio do corrate auno fu-
    gio o escravo Esequiel, ciiou!o de 30 i 32
    annos de idade, estatura regular, reforjado,.
    cor bem preta, cabeca redonda, trajava c -
    misa azul e caira de easemira cinzenta; du-
    rante o dia costuma andar ganhando nos
    mas, ou em armazens de assucar ou as
    tabernas a conversar e a beber; durante a
    noite recolhe-se a telbeiros abertos ou pe-
    netraveis, a casas em cousliuccao e a ou-
    tros quaesqur lugares onde se possa abri-
    gar: quem o apprehender ten!.a a bondade
    de o conduzir ra da Aurora n. 6, onde
    ser gratificado.
    Fugiraiu do engenli Firmeza
    do termo Ja Escada, na noite de
    10 para 11 do crreme, ilcus
    era vos mulatos, os n aes foi.
    comprados ao Exni. .sr. h
    Mazar' h ba I o dias p><
    oumenus, sendo. Joiio, idad*
    i-^ 30 a 32 annos, bctli b.rbado, pe-
    tos cabelludos, tem os dedos dos ps, isto ,
    mnimos curtos e quasi que trepara um no ouln .
    tendo todos os dentes de rente, corpo regular
    leva chaiio de couro de sartaucio, calca azul
    algodao que lhe chamam pellc cPonca o cobi i
    de baca escura e mei** alguma roupa, foi eserav >
    do Illm. Sr. Icneuto-coroncl Agostinho i'
    Mello, de Ouricury, o outro do nome Filix.
    bra, alto, bom corpo, idado 2o aunos pinico ma <
    ou menos, levou chapeo do couro de abas l.i
    cale.i azul do algodao que lito chama:
    ca e cobertor de bata escura, fui wc
    lltn Sr. Eduardo Perfra de Souza, da proviui
    da Parahyba, que o veucleu por seu prornrad
    Sr. Jos Lopes Alheiro ; quem o apprel
    levar ao mesmo engenho Firmeaa ou no R
    escriptorio de Domingos Alvos Mathens, a rita do
    Vigario n. 21, sor generosamcnlo recompensad"
    No dia lo de agosto ultimo fugio de
    Sr. Ur. Joo de Hollanda da uuha, ru:i de B
    tica, na Pa;sagem, n. i8, onde se achava akigadi;,
    o molcque Francisco, crioulo, bastante p eto, i
    15 annes de idade, com un sigual de quoiinadui j.
    no hombro esquerdo, trajava calca e jaque:
    brim, consta que se aclia serviudo em Isj.i de
    palhador, de que olcial, ou lingindo quo .
    tende aprender c contra quem lhe der agasallio ; quem o
    der, queira leva-lo ra da Aurora n. 20,
    ser gratilJcado.
    Vende-se um i too o de boniu
    ra, pedreiro de toda obra, e pe
    tode engenhos, e muito i > cozjni*O : r. es-
    trada do Joao je Barros, sitio a. 29.
    Muita attenpo
    Fugio no dia 29 de iuubo o escravo \1
    naao Angola, idade '60 romos, p le ou li-
    nos, com os signaes seguales : fal!
    frente, andar vagaroso, pernas linas, marcas de b
    xigas, levou cal^a e camisa de rNcadmho. ola] '..
    de palba novo : roga-se ao> fenbores eapilai
    campo de o prenderen! c lovarem-no ra b:
    n. lo, quo serao gencrosamenl j gratilirados. Dis-
    confia-se que anda pelos cngcuhos do Cal
    Fugio do engenho Todos os Sani.s a v a
    de Ipojuca, no dia 30 de maio, o eserav,. Ge
    reprsenla ter 4o annos de idade. pouco m
    menos, cor vermelha, alto, grosso', oib< s .
    sem barba, e os ps rachando, fui escravo da
    D. Senliprinha Maria do Livramenlo, que morou :-a
    villa de Serinhaeu: ; no dia inmediato da fuaid*
    esleve na mesma villa : suppoe-se estar
    o que se proceder con) o rigor da u\ a quem o
    tetiha, e pede- -e s autoridade-
    taes de campo a captura doux. .> e ei
    mesmo engenho ao abaixo ass ru*
    da Moeda n. ti, 2a andar.cscripi
    ves Ferrcira & C, quo ser generoauM ro
    pensado. p.i,,-.-,
    Miguel Paoliuo rutartme- Peres Fal
    BB





    6

    Diario de Pernambuco Terca eira 14 de de Selembro 186$.
    A^^TnKDT A rrSJl.T 'itut-rtllstoric e Ceogniphico e tsrrtasjquert.-i Ilustre cidado a merecer a gratl-1 sullos que nunca exi.slrara, do mesmoi obrigacao, j jio quedad de direito,
    t\&fyttiiliJUtift IJjaLU oulras, que boas scr\igos vo prestando. dio de todo o paiz, o seguramente la- modo o alustrado cx-president} ilo *ar IdtjKjag.Qj de ver com que poder, com
    SAMABA DOS SBS. DEPUTADOS
    SESSaO EH 7 DE AGOSTO
    MtCSIDKTMIA BO SU. NENAS.
    (Contimaf&o)
    S assim o Brasil legar mais r'' 'ota
    xtosteridade mn grande nomo, hon lo,
    fcrtmnte e ;i lo. (Maito bem, a, .ito
    Itera .i
    OSR. JAGUAHIBE : Sr. presdale,
    pretendo tK'Ciipar-me principalmente de
    Jrrt'-s relativos guena que o Brasil sus-
    tenta awTiwJBMiite no Paraguay, assumpto
    jMKKtpalwAilla do llwono. Antes, porm,
    fe- o ftrer Urei alguma- palavras sobre ne-
    fpcios internos do pai/.
    Pero, poFm, d cmara indulgencia, da
    qnvt tixtt Haca uecessitat-se mais do que
    presentemente. Nao temi os hbitos da
    tribuna, t j me i.o adiando na ida le em
    u-> *:aor hi mocidode auxilia os orado-
    re*, encobrindeliies as falla?, rogo a meas
    obres eoffega* que sejam indulgentes para
    oni as raudas que eti roraetlcr.
    Sr. presidente, ha dous ramos de servi-
    ro te cuj) desenvolvimento entendo
    qou depende principalmente o cugrandeci-
    mento do Brasil, ou antes que sem o aper-
    eimimenl desses rtous ramos de servico
    -sn patria nao pwtor cltegar queila al-
    ;ura a que parece estar destinada pelos
    fenea de qae a naiurcza a dotoii.
    Refhy-roe, antes de tudo, instrueco
    publica, piir me adiar persuadido que a
    prorae fwla pela constituir,), de que a
    tjtrU' c5o primaria ser dada gratuitamen-
    te a todos, nao obteve anda aquella desen-
    volvimento de que necessila.
    Estou convencido, senhores, quemis de
    x-setade da populacSo do imperio bao rece-
    beu anda o-bapiismo da civilisago, porque
    assitn considero aquelles que nao tem os
    nrimeiros rudimentos de leilura, contabili-
    dade. escripluracao, etc. Sabe-se que em
    I sao chamadas nages barbaras aquel-
    las que n!5o sabom ler e escrever.
    E desdo que mais de tttetide da na cao
    i anda d'ste beneficio, infelizmente
    com tt o confesso, nao se pode dizer que
    a naco que assim permanece, seja pro-
    pimente civilisada.
    Entretanto como no progresso em que
    por outro lado felizmente marcha o Brasil
    00*e aspirar a honra de figurar a par das
    aagoes cultas, me parece que nem um ou-
    iro o ojelo nos de\e preoccupai com mais
    .ciDpenbo do que conseguir que esta pro-
    messa (?a constituico seja urna realidad ;
    tara que, porm, cheguemos a este estado
    amito necessario anda fazer.
    Sahe-sfl qno nao depende mesmo dos
    altos poderes do estado adoptar medidas a
    aste respeito. desde que peta acto addicio-
    naf s ftssemblas provinciacs que perten-
    ce legislar solie este assumpto.
    Entretanto, senhores, posto que esteja na
    conseiencia do todos, que raelhoramentos
    desta ordem no podem ler grande desen-
    volvimento, emquanlo nao bouver bastante
    iniciativa individual, eraquanto todos n5o
    ;e compe-netrarera de que isto 6 urna ne-
    cessidade, e cooperarem para este im ;
    eom todo, como sabido tambem qne nos
    paizes novos cerno o nosso, nem sempre se
    pode esperar bastante da iniciativa indivi-
    dua!, sendo indispensavel que o governo
    muitas veros venha em auxilio della ; en-
    tendo que os altos poderes do estado nao
    podem prescindir de fazer quanto estiver
    -eu alcance ou para naquillo que Ibes
    cabe promoverem este desenvolvimento,
    su para concitarem as assemblas provin-
    s na adopi.-ao de medidas, que levem
    desenvolvimento as diversas localida-
    as rospeettves cireoiiscrq ." is.
    O nohfe niinisiio do imperio em sen re-
    iatoo disse algoma cousa a este respeito,
    . necesstdade da ereacao de um
    aeDselhd de iustrucro superior, que sirva
    : este genero de ; r : e na
    nareri' qne em quanto no i-
    9rmos urna repariica:> central qne d de
    ' rma om i (Mreo I [versas aca-
    r ; d ramos de
    ! em tudo (i l. isil, nos
    este ramo importantissmo da administra-
    ira a rcs'T.tir-se da falta de uni-
    dadfe de accSo, sem a qual nada de gran-
    eo se pode conseguir.
    O S>. Candido MRndes : V. Exc.
    eotralisEdor ?
    O Sr. Jauuahibe : Ao coa'.rario ja
    fdei da r:ecessidadc da iniciativa indivi-
    daal, e aciio de grande vaotagem a prero-
    gativa das asscrriblos pi s a este
    Dizia cu : como tambem nao ha ver um
    eerto incentivo aos poderes provinciacs, os
    aoae? por falta de estimulo nem sompro
    {.romovem os melhoramentos a sea alcance.
    Senhores, respondenrto anda ao parte do
    Robre depntado pelo Maranbao, direi que
    as assemblas c poderes provinciaes, ten-
    do a este respeito toda a liberdade, nao
    tncempativcl com (Ha a ereacao de um po-
    der qae concite e estimule aquelles pode-
    res, sem intervir as suas atlribuicoes, vis -
    toque estas estao discriminadas etnlei; mas
    e bora cxemplo, a apresentafo de mo-
    delos e methodos aperfeicoados, contri-
    MSBdopaia que o oue bouver de melhor em
    materia de instrnecao publica seja adoptado,
    e assim que entendo que esta repartirlo
    colr! pode ser de grande vantagem para
    t p-aiv..
    Sei tambem qne aclualmenl. com os
    eeiapromis os do paiz, (aseado despezas
    oormes na susten'ai;7io dos nosa direitos
    forado imperio, nao aoceasio mais op-
    portuna de fazer despezas co:ncrea.r>;s
    loepodm talvez ser adiadas.
    Mas, senhores, tendo-me mostrado pane-
    gwisia da iniciativa individua!, ou creio ain-
    .ejoeesta Iniciativa pode -tambem serdes-
    pertoda pelo governo o assim, etnquanto nao
    ftr possivel que exista esta instiluiro, a
    peine tenho referido, creada ofcialm
    di pode, por esta mesma iniciativa iadi-
    mai, vir em auxdio d >, desde
    qoeeste com o prest exercer, mos-
    ttwio as vaalagens da idea, convidando a
    vaigos e aiiiares, e em geral a tod
    owts Ilustrados, conseguir que cidadaos
    estas circumstancias se congreguem em
    assoeiacoes, auxiliando o governo neste
    eaCido e servudo, nao ollioialmente, mas
    trm aotoridade de bomens elevados e pres-
    iposos, que com sua animajjSq consigam
    ees poderes provinciaes, que ainstraeco
    poftiea e especialmente a primaria, te
    ttam o raaior dcscnvoivimei.:
    ' assrm, por exemplo, que se tem crea-
    iamtsta corte muitas associa:''es hilera-
    as, a Auxiliadora da Industria nacional, o
    oulras, que boas servigos vao prestando.
    O Sa. Andradf. Fioieira : Subveacioi
    nadas pelo estado.
    O Sr, Jacaribe :Creio -que podem
    receber essa subvengoj; mas tambem creta
    qu* podem viver pelo patriotismo ededk
    cacao s letras, sera qne esse recurso se Ibes!
    preste.
    O Su. A.NDnADK FttifiRA: O que
    verdade que o estado presta-tos muilo
    auxilio.
    Um.v voz : E' urna utopia.
    O Sn. loeliio Rowugies : O lycode
    artes e oflicios existe ha i armos sem ae-
    xilio.
    O Sn. Andiude Figi-eira : Aftd m
    corte ?
    O Sr. Coeliio 4loanir,n:s : Na c'irtc.
    0 Sr. Andradk Fioieira : Examine o
    orcamento, e l ver o auxilio.
    O Sr. Jaguarjbe : Emfim, senliorcs,
    manifest apenas meu desejo nesta parte ;
    tendo-me cabido a palavra em hora" adten-
    tada, mal me poder chegar o lempo para
    outros objectos de que preciso oceupar-me
    com maior desenvolvimento. Applaudo a
    idea do nobre minisiro do imperio, quanto
    a necessidade de um estabelecimento litte-
    rario superior a que cassam subordinados
    osdemais estabeleciraentos litterarios do
    imperio : em quanto, porm, o estado nfo
    pode fundar e manler urna elevada institu
    Cao desla ordem, seja-me permittido fazer
    votos para que os Iliteratos brasileiros mais
    distinctos instituam alguma cousa neste sen-
    tido, de sorte que a honra de ser membro
    dessa associaejio seja om poderoso estimu-
    lo para os homens de letras de nosso ftaiz.
    A vrdade que a instrucro publica t>re-
    cisa de mai>r descnvolvimneto, e confio
    que o governo actual ser solicito em pro-
    move lo. Sei que as provincias se traba
    Iha por melhorar este serviro ; est, porm.
    muito longe de chegar a pirW(e Ha
    railhares de criancas em idade escolar que
    nao frequentam as escolas, mas nao sendo
    possivel qne este beneficio aproveite a to-
    das em qoaeto nao bouver associacei que
    as protejam, como em outros paizes, pro-
    cure-se ao menos fazt r nascer o gosto por
    associacoes desta ordem.
    O outro ramo do serviro que enlendo
    precisar de grande desenvolviinenio para
    que o nosso paiz possa melhorar le costu-
    mes, consolidando suas iaslituices e aspi-
    rando com firmeza ao.s altos destinos de
    urna grande nac5o, 6 a acurada educaco
    do clero. Sabe-se que nestefWluito o zelo
    de nossos prelados iacansavcT'; mas nao
    basta isto ; convem que o estado os auxilie
    uteiilavel que um senador do imperio, que
    s esta posicao iadica que j nao se acha
    na idade das paixSes, o que devia dar exem-
    de mod rac3o, vies*e mgar no recinto
    do senado a beoemerenciaejue o paiz con-
    fere quelle Ilustre cidado.attribuindo-lhe
    ms inteiMjDes e defeitos qae esse Ilustre
    senador alias em sua conseiencia reconbece
    ?;uc nao exstem, e seriao primeiro a oon-
    sssa-lo, se n3o fdase a paixao que lbe ob-
    seca o espirio.
    O Sr. Ai.kncvr ; -- Ol serviros do Sr.
    mostrou com documentos que oj fados
    allegados polo nobre senador en nunca
    existiram, ou foram completamente inver-
    tidos e exagerados. Portanto, d-se um
    perfeito simile entre aquijlo a que se referi
    Cicero e o que actualmete procura prati-
    car o nobre senador a quem me roflro e
    aquelles q'ue com elle fazem-cro.
    Fcitas estas reflexoes, ea passo a oceu-
    par me de objectos relativos guerra, como
    prometti ha pouco. Comecarei. Sr. presi-
    dente, por dizeralgumas palavras em res-
    Dr. Baptisia Vieira sio-geralmento reco- Iposposla a algons obres deputados quean-
    iili.xidos ;.nie- o alcanram as aecusacoes
    que lbe foram feilas.
    OSr Ja(i,aribe: Quanto ao Sr. ex-
    presidentc do Cear, se nao aba agora na
    casa, cu apenas direi que a sua admins-
    tralo fui a melhor que se poda desejar.
    teriormente a esta discussao e no decurso
    della tem pretendido que 6 de alta conve-
    niencia a cessacao d guerra por meio de
    urna paz com Lpez, dictador do Paraguy,
    Senhores, pasto que os oradores qujma
    tm precedido j tenham demonstrado que
    O seu zelo era acudir a todas as exigencias : em vista do tratado felo com as repblicas
    do servico, a sua dedicac3o ao trabalbo argentiaas e do Urogoay, esta paz nao pode
    ter lugar, e, portanto, a este respeito nada
    me resta dizer porque emfim bastava res-
    ponder leyem habemus, isto temos com
    foram por todos reconbecidos.
    Uji Sr. epwtad* : E a sua mederacSo.
    O Sn. Jaui'aiuee : ^E a sua moderaego,
    apoiado, em attender a tocks as reclama- promissos" e estes compromisos devem
    fcs, reparando mesmo um ou outro acto! ser enmprido...
    que elle enteodeu que nao linba sido ba-
    seado em plena justica; nao se negando,
    emfim, jamis a attender aquelles que o
    procuravam. Tudo isto demonstra que a
    OSn. I". Beu-i.uho: Mis o tratade ji
    tem sido modificado em outros- pontos;
    po ia ser tambem neste.
    O Sw. Jagi'.mhrk: O tratado, msu col-
    administrar-o do Sr, Dr. Diogo Velho me- lega, tem sido alterado em um oo outro
    recou b3o s os applaosos de toda a pro- ponto, mas de common accordo entre as
    vincia, como a mais pteoa approvic3 tV> tres naes.
    governo imperial. OS. F. BuLisARay:Ringuem dte qe
    0 discurso por elle proferido, a demons-.; de outro medo: Minguen diz que se o- ras-
    trara com documentos do quanto a-vanootgae violentamente,
    na tribuna, me dispensan de dizer mai*,- 0S. J aocarihi: :Mus, desde qu esse
    nada a respeito, e pprtntoeobre este ponto | aueordo nao liouve, nem rneporece quo deva
    limito-me a dizer que, >ulg?ndo-rae fiel haver, estamos na obrigacao de cumprir.
    interprete dos seniin*etoa de minha pro-
    vincia, preTalecofle desta occasili, ;>gora
    que S. Exc. jno presidente do Geari
    e ninhas palavras io podem s>er saapitas
    de lisonja, para em nuaio (lla render
    homenagem e agradecJmento ao'Sr. Diogo
    -Vcllio pela e.welleute jwesidenci que ;rli
    fez, assim. como rendo Ao mesmo modo ao
    seu Ilustre antecessor o 3r. Goucaio Bap--
    tista Vieira. (Apoiados).
    Antes, porein, Sr. presidente, de deixar
    os negocios da minha provincia, sobre que
    apenas perfuncturkunenie toquei, eu> quero
    anda occopar-me de urna atacan feita pelo
    nobre senador, a qpiem me tenho referido,
    ao que j foi invocada pelo filustre ex-
    presidentejdo Cear, para mostrar (|pe ella
    nSo tinba nenhaia applicaco ao caso para
    que foi adJuxida, e aqulla em qe O'
    nobre senador, fallando do accesso epe o
    OSr. F. BkusAiuo:No nos con?ei
    alterar o tratado ?
    Oir.. J vocnDE:Uv modo algum.
    (>9r. F. Beluario :Eutono leytiv
    MhSMK
    O Sit, Jaolarwc :Porora a le; as coiy-
    vencoeim forca de lei, o nobne depnta-
    do nao ignora; verdade- que podem ser
    alterada*, que podem ser revogadas...
    O Sr, P. Belisahio : Esta que a
    qHestSo.
    O-Sn. Agitarme:... mas-por ora nao
    se trata ou nao ronvera tratar desta revo-
    garao do tratado, e me parece' que, como
    ) demonstraran outros oradores, a opi-
    mo do paiz no fez reelamacao alguma,
    nem chegomos ao tris estado de ser indis-
    pensavel promover es alterara.. Por con-
    sequencia sea opiniao-exige o cuinprimen-
    proporcionando-llics um. ostabeleeimeoto, I Sr. GoncMo Baptista Vieira linba tidor de
    onde adqniraiii iostroccao iipihot i que
    podem dar os smiuarios.
    O meu Ilustrado collega que me prece-
    den j fallou a este reapeit |Krtauto
    apenas accrescentarei. que, i piando se tem
    procurado melhorar a instrnecao das diver-
    sos classes do Brasil, creando-se academias
    de direito, medicina e engentara; quando
    una certa illustrarao se tem dill'undftto por
    outras classes, a classe do clero que quan-
    do o Brasil se emancipou, era si'guiamente
    a mais importante por sua illustracto rela-
    tiva, ri3o tem rcceludo do estado aquelles
    favores que outras tm obtido, de sorte
    que podesse marchar a par dellas; quero
    com isto dizer que tendo ha annos sido
    adoptada urna lei mandando crear umafa-
    culdado de theologia para illustracao do
    nosso clero, esta lei at o presente no
    tem sido posta em execiv;o.
    Sei que algumas diflruldades, segundo
    ouvi dizer, appareccram entre a curia ro-
    mana e o governo para que e ta aculdade
    fosse instituida. Eu, porm, entendo q'-e
    lempo de o governo tratar de vencer es-
    tas diliculdades, se existem, c fazer cum-
    plir esta lei; porque em verdade da illus-
    trarao do clero muito se deve esperar, j
    porque a moralidade e conseiencia dos pro-
    i" para- Io vice-presidente, entedeu que
    era muilo bem cabido comparar com este
    k. sso o que no baixo imperio o impera-
    dor Claudio conferio a um certa pro cnsul,
    contra qnem tinham vindo queixas, mas
    qucixas que elle nao ouvio, porque dorma
    emquanlo lite eram expostas-, e a respeito
    das quaes derguntando, quando os porta-
    dores dellas desappnreceram, dj) que
    que elles se oceupavam, alguns validos
    rosponderam ojie aquelles enviados tinham.
    vindo render grafa-s pelos bons" servidos
    que o proicousul iceusado havia l'eito, e
    enlSo o. imperador se limitara a dizer que
    fosse prorogado o seu governo.
    O meu Ilustre collega j mostrou que
    osla ctacad nenhuma applicaco tinha, j
    porque por facidade do Brasil entre nos
    ni ba nem pode ha ver Claudios ; j poe-
    quo a applicaco que o Ilustre Sr. senador
    ^Hutondade, aqueite chefe to desleal-
    menk assim o brava para com o Brasil;
    respondemos sua provocacao de guerra
    chamando s armas os Brasileiros e fazendo
    a guerra a quem no-la declarava.
    Desde que nos adiamos neste p, esta-
    mos em nosso pleno direito de indagar com
    que poder, com que autoridade Lpez
    nao s invadi o Brasil e as repblicas vi-
    zinuas, mas ainda devasta o seu prorrio
    paiz, o faz nadar em sangue; inventa cons-
    praedes, derrami sangae por toda a parte,
    nao poupa aos seus proprios parentes, faz
    fuzilar ao proprio bspo, constitue-se o ver-
    dugo da bumanidade ou o inimigo do gene-
    ro humano, como o proclamen anda lia
    pouco o ministro de urna grande nardo ao
    retirar-se terrorisado do Paraguay, theatro
    de tantos horrores.
    Ora, senhores, quando est hornera se
    collocanestae crcumstancm ; quando elle
    n3o tem por s a justica, que o fundamento
    universal de lodo o poder, este boraem,
    abstrahindo-se da legitimidade ou illegiti-
    midade com que se collocou na autoridade
    suprema, pode continir, ou ser conside-
    rado o legitimo soberano de uro paiz ? Nao,
    sem duvida. A jestica que serve de fun-
    damento autoridad em toda a parte do
    mundo. (Apartes.) Nos actualmente somos
    belligerantes, e como* taes temos o direito
    de depd-lo.
    O Sn. Candido Torres Filho : Apoiado;
    para po-tofra do Paraguay n3o precisamos
    contestar a legitimidade deile.
    O Sr. Smgvaribe :Trago isto para- mos-
    trar a seiwrazo com que-o nobre depntado
    quiz que nos, q c somos legitimes repre-
    sentantes da> naco, aqui nos as sentamos eo n
    o mesmo direito com que aquello profana-
    dor dessa naco se agente na respectiva
    cadeira de chefe.
    O Sr. C.xwiroo Torrea Ftiiio: Se efte
    uso bem o mal do poder, seo outw
    questo; porn a de legitimidade do sea
    poder, essa est resolvida peta adheso
    heroiea do Paraguay.
    (Trocam se ootros apartes).
    O Sn. Jagi'aribe :Senhores-, quando eu
    digo qae a justiga o fundamento do poder,
    eraborahajam signaespara chegar a este fim, f
    OSr. Jagi \hihk : Na0 ba nenhuma r
    meus collegas, eu para provar aqudlo de
    que estou convencido, Ibes direi que eative
    tambem no Paraguay : tive occasf3o de ver
    muitos prwioneiros, e caosando-me sorpre-
    za a alegra que elles mustravam em sua
    phisyonomia, ao passo que de todas as mi-
    nhas impresses emquanlo estive na cara-
    panha a mais dolorosa paia niim era a da
    idea de cahir prisiom'iro, idea diante da qual
    a da morteem nosso acampamento por mo-
    lestia, ou por qualquer emergencia d goer-
    r, n8o me preoecuptrva absolutamt?nte;
    fui pouco a pouco formando a convicio de
    qec a satwfar;5o, que niostravam os prisie-
    ueiros paraguayos, logo que conheclam a
    hospitalidade dos brasileirw, era prova evi-
    dente de que o estado de prsionelro, que
    para rom seria a maior das desgracas, para
    elles era ama feiicidade por se acbarem li-
    vres do tyranno.
    E na verdade, se eu calcula va que se me
    succedesso a desgrata de cahir prtwoneiro;
    viveria triste e abatido no caso de n5o ser
    logo sacrificado ao odio do despeft; como
    foram tantos brasileiros martyres, como tru-
    dnzir aquella alegra e as francas effusOes
    dos prisionero*. sena> com a eloquente re-
    velarlo daoppressSo em ejoe viviara antes f
    Se isto nao fos^e assimv como explicar a
    contiiwa apresenftico de passados o de-
    sertores- paraguayos- para bosso acampa-
    mento, onde deearavam que se muito maior
    nfio era numero delles, porque rigota-
    sfesima ere a vigilancia sob qwviviam?
    (Ha un aparte).
    ton ou entro foge, verdade ; esSbe o
    noSre depntado rasad disto? porque
    lodos aquelles que cal.tam prisoneiros, ti-
    nham como en j disse, suas lamrtias mal-
    tratadas l, entregues a soldadesca desen-
    filada sajeifte a tortura e a ignominia.
    Nestas condicoes imiito naturaP que gm
    homem se lernbre que, com a siapresenoa
    possa' adorara posico da*creahraeque Ihe
    sao caras, e por esse motivo fuja para onde
    ellas esto-:-mas afianco ao nubre deputa-
    do que, ae menoff-emquanlo estivo a) Para-
    guay eranrpoucos'os fugitivos.
    O Sr. F. BKr.i.is-Mwe:Aoade se*-achara
    os railhares de pristaneiros que temeefeito
    esta guerra?
    O Sr. J/sgiaribr :Aqu; e om diflerentes
    pontos do imperio, sendo que alguns- tem
    morrido de molestias.
    Mas agora procedimeelo daqnel'.es que voluntarien^n-
    to se olTerecem para alistaren-so na logias
    li'aguaya, composta de emigrados para-
    guayos, organisada desde o comeendagaer-
    foi um verdadeiro anachronismo, em qne
    S. Exc. tinha cabido, visto como elle se
    refera a urna queixa que a assembla do
    Cear dirigir contra esse vicepresidente,
    feita no mez de dezembro, ao passo que
    muilo antes tinha sido o Sr. Goncalo Bap-
    tista Vieira nomeado primeiro vce-presi-
    denle. Eu,. porem, quero mostrar que
    e estes siguaes sejam a demonskracao da
    vontade de um povo, ou pela eleicio, ou
    por outro meio estaoelecido, qero dizer
    i|uo o Brasil e seos alliados, que pela guerra
    contra Lpez se constiluiro seus juizes, co-
    nlieeera l>oje que o poder daquelle dicta-
    dor, nao s destituido de fundamento da
    to do contrato, se a tignidade do estado o jusli^a ab*)lnta, mas-inda das formalidades ra^ eqUe fimeciona ao lado do nosso exei-
    eslama, qual a razo por que no-se pode externas con que era urna repblica devia ctof como renlo pauta dasforeas'argeati-
    lizer: tiufnm. knbemus f % ter sido eteito set presidente, visto que nas-. como explicar o empee* mesmo
    e-lhe-a presidereia, nao pelo modo dis-
    postQS- na constituicSe da repblica, mas
    por testamento de seu pai.
    Sabe-se que existe a repblica do Para-
    guay, e que da natureza do governo re-
    publicano a temporaneda Je dos governos;
    entreunto basta diier que o Paraguay
    repblica ha mais de emeoenta annos, etem
    tido apenas-tres soberanos, o l>r. Francia,
    Lpez pai c Lpez filho,' para ver-seque
    para aquelle governo ser outra qualquer cousa,
    dizer
    3Hs, senhores, nao 's isto. Qhonrado
    membro do governo, oSr. bar de; Cote-
    gipe; digno ministro da marmita e inlcrina-
    meate dos estrangeiros, )? discuti-esta ma-
    teria do modo mais satisfactorio, a meu
    ver, na ti ibur.a do senado. Portanto, seria
    audacia minha* querer dizer eom minha lin-
    guagem rude o niesrao -pie S. Exc. em
    seu tstylo. fluente e elegante j disse a este
    respeito.
    Entretanto peco permissiio caoa
    aventurar algumas proposic5es.
    Senhores, um dos nobres deputados a
    quem me eston referindo fallando sobre
    estes assumptos, ou em relaeo a elles, che-
    gou a avancar urna pro[M)Scao qu'i peco li-
    conga a S. Exc: para dizer que me fez ar-
    ripiar as carnes, dizendo que o dictador L-
    pez era to legitimo soberano do Paraguay,
    Porapeu quiz fazer de sua citaco histrica, como nos eramos legitimo representantes
    prios deveres naturalmente rrescem com o muilo mais applicaco pode ter aos quadres
    desenvolvimento intelleclual, j tambem
    porque o prestigio da illustracao e do grao
    acadmico muilo concorrer para augmen-
    tar os esforcos com que deve cumprir sua
    Jiyina misso, cujo fim principal aperfei-
    cor os cosanles, de que sobretodo de-
    pende o nosso futuro ; e de feito, por m tis
    que se faeam boas Icis, desde que ellas
    'nfto sejam auxiliadas por bons costamos,
    debalde poderemos esperar as vantagens
    que o legislador teve cm mente.
    Feitas estas considerarles, Sr. presiden-
    te, eu teria de dizer alguma cousa em re-
    laeo minha provincia, especialmente em
    resposia a um Ilustre senador, que no se-
    nado entendeu dever acensar a diversos
    caracteres da_quella provincia e especial-
    mente ao Ilustre vice-presidente, que foi
    alli o iniciador desta situacao e ao digno
    presidente que lbe succedeu, o nosso Ilus-
    tro collega, que nao rejo M casa actual-
    mente. Como, porm, este nosso pobre
    collega, muito digno ex-presidente daquella
    provincia a este respeito tenba dito quanto
    era necessario, relatando todas as aecusa-
    ces que aquelle Ilustrersenador entendeu
    fazer, tanto ao vice-presidente como ao
    presidente, e ainda a diversos cidadaos,
    que foram acensados em seu carcter pu-
    blico, eu me dispenso de entrar ncsla na
    teria, o apenas direi que o Ilustre vice-
    presidente do Cear, o distincto Sr. Dr.
    Gonzalo Baptisla Vieira, prestan os mais
    relevantes serviros quelia provincia...
    O Sr. Araljo Lima:Apuiado.
    O Sr. Jagi aribe :.......j porque,
    com o prestigio que felizmente gozt em
    toda a provincia, ella achou por toda a
    paite delicado apoio ; j porgu, assu-
    mindo a adrainistraco nas vesperas da
    eJc3o de cmaras e juizes de paz, seu
    bora senso e energa inspiraram-iho t5o
    acertadas providencias que, apezar da anar-
    chia que por loda a parte se levantan, to
    seio do partido decabido como que para
    aproveitar as psic5es officiaes qne Ihe res-
    lavam, e com taos recursos pertorbaT a or-
    dem publica no acto da cleico ; o pbrene-
    si dessa anarchia tornou-se impote.tte, e
    corren o pleito eleitoral com toda ;: rega-
    laridade, nao obstante a agitaci, c beodo
    em toda parte a victoria maiora. Se
    muito poucas foram as beguezias cm que
    venceu o partido lioeral porque notoria
    a maioria desse partido naquella provincia.
    (Apoiados). Assim, cumpro um grato de-
    Ver como representante do Cear, consig-
    nando aqui quanto aquella porco do im-
    perio deve ao Sr. Baptista Vieira, vista que
    a sua previsio e solicitude em buscar os
    esforcos da turbulencia e da anarchia se
    deveu principalmente que a ordem publica;
    nao tenha soffrido o menor abalo em parte
    alguma da provincia, fazendo-se a cleico
    com toda a rcgularidade. (Apoiados).
    S este servico, senhores, deu direito
    tenebrosos do estado do paiz
    imaginariamente pelo filustre
    pela oppojico que com S. Exc. faz coro, a
    citaco que peco uceara casa para fazer.
    Quero referir-me aos tempos em que
    Cesar, tornando-se rebelde, lancando mo
    dos poderes do senado, concentrando tudo
    em si, subjugava a repblica inteira sua
    vontade, assim como actualmente parece
    que ha entre nos um poder lteme que se
    quer levantar contra as nslituicoes do
    paiz, suppondo queso por este meio che-
    gar ao governo do eaiado; este poder
    a actual opposico, a qual, lancando mao
    de tudo para este fim, inventa horrores
    imaginarios que propala como fados ver-
    daderos. Felizmente a opiniSp publica
    esclarecida tem conhecido o ardil, e repelle
    os autores da pretendida invaso.
    A citaco que quero fazer a seguinte:
    Cesar abusava tanto dos poderes p-
    blicos, que Cicero com a sua autoridade
    afianca que elle muitas vezes, para fazer
    favores a reis de paizes remotos, que pro-
    curavam a protecc-o da repblica romana,
    servia-se do nomo do senado e mandava t-
    tulos e nonicacoes, sem que muitas vezes o
    senado tivesse disto o menor conhecimento
    e Cicero refere que elle pessoalmente, que
    era senador, reciba muitas .vezes cartas
    de soberanos da Asie de paizes remotos,
    agradecendo-lbe favores e actos do sanado
    da iniciativa do mesmo Cicero, quando elle
    nem sequer tinha conhecimento desses
    actos, nem mesmo se esses individuas
    eram rcis ou existiam no mundo.
    E' de Montesquieu, em sua obra da
    grandeza e decadencia dos Bouianos, que
    exfrahi o facto alludido: a cmara ,uie
    permita que insira textualmente em meu
    discurso as palavras de Cicero (liv. !)
    carta 15) as quaes sao as seguales :
    Eu vi alguma vez que um senattts
    consulto, promulgado por minha indicarSo,
    foi 'levado a Syra e America sem que
    cu sonbesse de sua promulgaco ; e muitos
    principes me tm dirigido cartas fie agra-
    decimonto por se Ibes tr conferido o ti-
    tulo de reis, indicaco minha, ao passo
    que cu nem sabia ce elles eram reis, e
    nem mesmo se existiam.
    A applicaco me parece ter muito mais
    lugar do que a do nobre senador, visto
    que ella versa sobre a imprudencia com que
    em usurpador pretenda fazer proselytos por
    meio de actos imaginarios, que eram publi-
    cados como se tivessem partido do poder
    competente. E' e que faz entre nos a op-
    pesicSb; quorendo obter o poder a todo
    transe, inventa fados criminosos e os pro-
    pala, esperando que com este novo syste-
    ma de verdades ariifidaes ha de demolir
    o edificio de nossas instituidles, e sobre
    suas ruinas assentar as bases de sua de-:
    aojada dominarlo. Assim
    mostrou que Cesar enviava
    da naco!
    Senhores, pode quera quizer entender
    assim, mas Deui me livre de pensar que
    oceupo esta cadeira coiai o mesmo direito
    com que se assenta na cadeira presidencial
    do Paraguay a fera que a mancha de san-
    gue-...
    mas nao urna repblica.
    Ora, no urn escarneo dizer fue em urna
    repblica se herda a presidencia por meio
    de verba testamentaria?
    (Ha apartes.)
    O Sr. &drade Fkceira : A nossa cons-
    tituidlo como foi feita? Nao se despedio
    daqui a consttuinte, e ella nao fot aceita pela
    naco ?
    O Sn. Jagiaribf. :O nobre deputado
    sabe que nao ha semelhanca de urna cousa
    para a outra : a nossa constituicad foi jura
    da por todas as cmaras do imperio e sem
    nenhuma coaceo; entretanto que o nobre
    deputado que ha pouco disse que Lpez
    tc-m.em seu favor-a adheso do Paraguay,
    O Sr. Candido Torres- Filmo : Pelo me- me-parece que nao tem razo para emittir
    nos enverno de facilo que no foi dis- esta proposico.
    esbocados putado, nos o reconhecemos como tal : tem
    senador e a gr-cruz do Cruzeiro do Imperio ; e nos
    temos tido algumas relacoes com elle.
    O Sr. Jagi arii-; :" nobre deputado
    citou um facto significativo de relacoes mui-
    to amistosas entre o imperio e o dictador do
    Paraguay, antes de sermos por elle provo-
    cados guerra ; este fado serve smente
    para tornar mais revoltante a aggresso,vis-
    to que o Brasil tinha como amigo nosso
    aggressor, a quem havia condecorado com
    um grao elevado de urna das ordens hono-
    rficas do imperio: mas que applicaco
    tem isto ao caso ?
    O Sr. Candido Torres Filho :Toda.
    O Sr. Jagi aribk :Nao tem nenhuma.
    O Su. CvsdidoTorres Filmo :ISs sem-
    pre o reconhecemos como legitimo sobera-
    no ; agora s porque nosso inimigo nao o
    devemos reconhecer ?
    O Sn. Jagcaribe:Eu descerei hypo-
    these : digo que isto no vem ao caso, por-
    que esta condecorarlo lbe foi conferida
    quand i imperio* ro estando em luta, ne-
    nliuma razo tcn.lo para intervir nos nego-
    cios do -Paraguay, se achava em boas rela-
    Ces com elle.
    O Sn. F. Beusario : Porque teve luta
    ficou ilegitimo ?
    (Ha outros apartes.)
    ' O Sn. J\r,i aribf. : Permittam os nobres
    depu'idos que eu continu.
    O Sr. Francisco Solano Lpez, dictador
    do Paraguay cora bom ou mo direito, tem
    sido o chefe daquella naco: o Brasil se
    achou de longa data em relacoes amigaveis
    com o Paraguay, estava em seu direito con-
    ferido urna condecoraco ao chefe de urna
    naco amiga.#
    O Sn. Andrade FigEuu :Logo, reco-
    nhece-o como chefa.
    O Sn. Jagiaribe :Sem duvida nenhu-
    ma. O Brasil, porm, nao tinha motivos,
    nao tinba raro, visto que nada tinhamosl>uerr''
    com# Paraguay seno estas relacoes ami- *
    cavis, de indagir os tit .los com que aquel-
    le ciibdo era soberano do Paraguay. Por-
    tanto conferio urna condecoraco ao chefe de
    urna naci, conferira ao de outra qual-
    quer.
    Cirrcram, porm, as cousas: Lpez pren-
    de falsa f o presidente de Matto 'Grosso,
    apprehende e saquea o navio que o condu-
    zia, sem que antes nos tivesse declarado a
    guerra; invadiduas provincias, pratica nellas
    a deyastaco c crimes horrorosos; macula
    o nosso territorio com toda sorte de profa^
    naco, collocando-noi na dora necessidade
    de defendermo-nos, defendendo a integri-
    dade nacional, lomando satisfacao ao inva-
    sor ousado que, desrespeitando todas ,as
    leis, esguecendo mesmo os beneficios que, o
    Paragey tinha recebido do Brasil, pondo-se
    cima do direito das gentes, atirou-nos
    como Cicero [lace as affrontas mais dolorosas.
    senatus-con- ( sstas circumstancias, achamo-nos na
    xplcar o empenfce
    com-que muitos-prisioneros pedem para
    se alistarem nessa legir>, e at nos cerpos
    da forca argentina c orienta!, que* tem gran-
    de numero delles ?
    (Sr. F. Bpsj.isaiuo:Que numero?
    S-Sn. Jagi.vuiuk: -- Nao o poseo dise;
    coia^certeza; masalianco-que a legsWpara-
    guaya era igu*l pelo menos aum batalhi
    nosso dos mais nmeros e que este Ixi-
    raens assim alistados na causa da aHiancu
    batem-se contra o dictador Lpez oomess>
    indina bravura que os nobres (topetado.'
    chamara herosmo, com.d'azan quando-es-
    lavju dehaixo das suas ordens, de (w\>
    v que nao haaqui seno a forra do habito
    de obedecer cegamente, effeitos decincoer.-
    ta etantos annos de despotismo qae-estra-
    garan um povo inteiro o reduziram aquel-
    los bomens a.condic) do perfeitas machi-
    nas. Nao se chame, pois, a isto entluisiasnij
    e dedicago.
    E, senhores, se fosso enthusasme-e de-
    dicaco, porque motivo o dictador Lope:.
    toma a cautela, qno em nenhuma guerra
    ao menos nas modernas, se tem j>raticadc
    de fazer todas as familias acompacharera o
    exercito ? Sem duvida porque cenia
    ' sem ter ao- p de si esses lagos, cilo ica;
    sem soldados, motivo pelo qual conserve.
    em sua presenga as mis, as mulberes, as
    filhas e as irmas conlo um ncleo para po-
    der contar com os soldados.
    Entretanto isto effeito da violencia, que
    essas familias apenas sao encontradas pelo.^
    geiroa* je disse nesta cmara que dizer que brasileiros do gragas a Deus, rendemho-
    Lopez tem a adheso do Paraguay o | nienagem aos seus libertadores, transpor-
    no que dizer que o lobo possa ter a. tando-se com prazer para os nossos acam-
    pamentos, oude gosatn de alguma comm -
    O Sr. Candido Torrks Fii.no :Prouvera
    a Dos que assim. nao fosse. Ha cinco
    annos o Paraguay em peso empunha as
    armas.
    O Sr. Jagcaribe :Senhores. o nobre
    ministro da marmita e interino dos estran-
    adheso das ovelhas. Eu nao posso^mittir
    esta pensamento melhor do que o fez o
    nubre ministro.
    O Sn. muadi: Figuehu :Quem dora
    que elle fosse o lobo para devorar os Para-
    guayos. (Hilaridadc.)
    O Sr. Jagcaribe :O nosso exerciio lera
    encontrado em diversos puntos 03 cadve-
    res das victimas de Lpez. "Sobc-so que
    didade, e se consideran livrea dos mos
    tratos-do tyranno.
    Assim oque os nobres deputados cha-
    mam herosmo e adheso nao senao o re-
    sultado da compresso e o efeito do hbil
    de cega obedieMia.
    Em confirmarn do juizo (jue tenho emit-
    se c.adaveres de muitos.Paraguayo e estran-
    geiros que tinham sido mandados matar
    por Lpez, o qual peior que lobo, visto
    que este mata para saciara fimo, e*aqn
    mata por instinct) do perversidade.
    O Sr. F. Br.i.i-vu.io:-E os nossos priso-
    neiros quando podem deixar o nosso do-
    minio fogem para elle. (Apoiados.)
    O Sr. Jaguaribe : A fu-;a dos Para-
    guayos prisoneiros de nossos acampamen-
    tos para os d Loptz menos frequente do
    (jue suppoem os nobres deputados, e ha
    para isso um njotivo poderoso sem ser o de
    adheso a Lpez, o de terem elles deixa-
    do suas familias, as quaes tm de soffrer
    muitas torturas, novo meio (ate boje des-
    conhecido), com que o dictador pret
    ensinar a seus soldados que devem morra-
    nos cmbales, mas em caso algum cahir
    prisoneiros I
    Agora quanto razo pela qual sendo
    Lpez um tyranno, e fazendo os alliados a
    uerra nao o Paraguay, masao seu gover-
    Paraguyos nao sacodem o jugo de
    seu opprossor, visto que tm na frente um
    exercito libertador, eu direi que mais de
    80 annos de feroz despotismo sobre um
    povo, urna espionagem tenebrosa, e as fre-
    quentes execucSes pela menor suspeita de
    eoBspiracao, mataran todas as aspiracoes
    dos Paraguayos, nao Ihes deixando na almfc
    seno a alternativa de obedecer ou morf
    rer.
    O Sn. A>BRAaB Figuira :O nobre de
    putado sabe da causa do pbenomeno que
    eu ha pouco assignalava.
    O Sr. Jaguaribe :Mas v c nobre de-
    putado qne nao ha razo-----
    O Sr. Andhade Ficueira d um aparte.
    O Sn. Jaguarirk : Nao ha espontanei-
    dade : como fallar em adheso se nao ha
    espontaneidade ou liberdade nesta esco-
    ma ?
    Um Sr. Deputado :-lia apenas liberdade*
    (Ha ootros a,iarts).
    sendo de todooantigo vice-relnadodeBue-
    nos-Ayres a parte que primeiro foi povoa-
    da e que mais pugnava pela liberdade, pe-
    go permisso para apresentar aqui o treclv
    da obra do Sr. Jos Manoel Estrada, sobre
    a decadencia do Paraguay, publicada era
    Buenos-AvreS em 8W.
    que durante o
    pareca (Jar-Si
    i O Paraguay, diz elle",
    predominio da metropote,
    pressa em viver de si mesmo, hbje r.
    America do Su I a unic excepeo ao decort-
    poltico e a pratica mais ou menos perfeito
    da liuerdade. S no Paraguay normal ;
    escravido, syslematico o atraso, pormancr.-
    te a tyrannia. S alli tem sido o despotis-
    mo elevado a categora de insliuiico. i
    sa das mos de Francia s de Carlos Anto-
    nio Lpez, e este, mais feliz qno aquelle.
    podo legar seu governo era patrimoni
    actual presidente. E seu actual presiden-
    te, que tem percorrido o mundo civilrsa
    se nega a" abrir urna escola, porque sabe-
    que desta ao foro s ha um passo; refaz
    exercito, porque aprendeu qne as baioneta^
    dos despotas cerram ao povo as portas
    Capitolio; renoA-a os atropellos para reno-
    var o terror, porque emsua viagem
    deu que os povos esquecem faciln
    linguagem do medo, quando nao se n
    recordara as respectivas ligos; osi
    dorio para fingir prosperidade ;
    falso amor civilsago os engtnheirosd
    Europa, que vem levantar fortalezas, po-
    rm nao ha babitago do particular; e offi-
    ciaes estrangeiros, que vm educar suas
    guardas de janisaros, mas nao os sabios qu&
    venham arrancar o povo de sua proslra
    intelleclual.
    (Continuarse-
    depois da passagem doTebiquary acharara-i tido sobro a degenerar!) do Paraguay, qu ,
    ( i-artauatau d miilirK Paraiiiiavns e e.stran- sendo de todo o antifro vice-rflDado deBue- \m
    l?
    P. PO WARIO-HA DAS CRBZES N
    \
    HiGtVH


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ELUDKG5F5_RS186A INGEST_TIME 2013-09-14T03:10:44Z PACKAGE AA00011611_11941
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES