Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11940


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUKZRO 208.
PARA A CAPITAL E LUGABS OITOB HAO SE PAGA PQBTE.
Por tres mczes adiantados................
Por seis ditos idem................,' ,'
Por om anuo idem...................
Cada Homero avojso............... #3
SEGUNDA FEIBA 13 DE SETEMBRO DE 1869.
EA1A DEHTBO E POHA DA PWVnfCIA.
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos idem.
Por no> i ditos idem
Por nm armo.
tan ano idem..................' TPQ HoT^ Por s ditos idem...........
ida Homero avojso.............. *T^' Por a ' Porra anno........... ........
DIARIO DE PEMAMBCO.
Propredade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.

>
PAUTE OmOAL
torrrno da provincia.
IvM'EDIEWE ASSMlXAflO PELO EXM. SR. HL M.VXOEI.
l>0 I>*ASOMfNTo MACHADO roiTEI.I.A VICE-PIIESI-
1WNTS DA PK.jVINCIV EM lj DE IINHO DE i8()9.
1* seerao.
X.50CPortara ao Eim. Sr. general coro-
mandante das arma?.Faja V. Exc constar
mullier do segnndo sargento da guarda nacional
resta provincia, Mo Manoe! liorna Jnior, qoe
inarchor para a campanha om abril de 1865, alis-
ado no 11" corpo de voluntarios di patria, c ae-
o auxilio as provnciaes do correte exercirio ;
assisa o communico V. S. para seu eonhec-
meoto.
N. 518.Dita ao mesmo.Segundo aviiQ.do mi-
nisterio da justiga de 31 de niaio ultimo, nesga
data fui solicitado do ministerio da fazenda o pa-
gamento da quaatia de 700*, mandada por esta
presidencia adiantar como ajuda de custo ao ba-
charel Francisco de Faria Lemos, removido de
chefe de polica desta provincia para igual cargo
na corte.
N. 519.Dita ao mesmo.Sendo approvada pe-
lo aviso do ministerio da guerra de 3 do correte
a nonieaco taita por meu antecessor de Manuel
Rodrigues do O' para mestre da ofllcioa de alfaa-
ntalmcnte pertencente ariO da mesma de'nam- '?s do_ arsenal de guerra desta provincia na subs
llftrfft llti nr^T. n A~ ,:-:..^^: J_ ___..... a n tltllieUft lll r.HCiniirn At\2 Tla[ /"Irsmrta Af, Cllt.o ,t...
nagao, que p r aviso do ministerio da guerra de 3
do corrcUe, junte por copia, llre foi abonada una
rrieao de etapa.
X 501. Diia ao mesmo-.Pode V. Eje. mandar
per em librtale o reeruta Manoel Riprdo Pnbri-
<-h>, que incapaz do servigo do exercito, segundo
o termo de inspeero aunexo ao seu offlcio de
hontem datado, sob 348.
X. BOlDita ao mesmo.Restituindo V. Exc,
como soettJ em sea offlcio de 20 de raaio ultimo
sobn. i':~, a proviso de reforma, que o acompa-
nhou, do sentenciado militar Francisco Antonio
Fadario, cabe-tne, em resposta ao citado offlcio,
dizer que. segundo informa o inspector da thesou-
raria de fazenda, o pagamento do sold que essa
praca tem direilo, depende d;i exhibic.lo da res-
pectiva guia nue em- data- de 11 do corrente
aquelle inspector requsitou ao da thesouraria de
fazenda da provincia do fti-< tirando do Sul, onde
i 'i requintada o levada ao competente assenta-
inento a referida provtsao.
V "' Pira ao director do arsenal de guerra.
Constando, de aviso do ministerio da guerra de
3 do corten., ter sido approvada a nomeago fe-
ta por esta presidencia, de Manoel Rodrigues do
i' para mei Ir da ffirina de alfaiates desse arse-
nal, emsctstitnifio'de Casimiro dos Reis Gomes
ila Silva, que fui exonerad", e bem assiin a de um
i contra-mestres da oficina de ferreiros desse
estabeleeimente, para -substituir interinamente o
respectivo mestre, Bandido Jos1 de Gees Telles,
que tanii-ir, fjj exonerado assim ocormunico
i V. Exc para seu conheeiment i.
N. soi _j>ta ;io mspector do arsenal de man-
illatV. eampritnento ao que determina o Exm.
Sr. mini-tro da marrnha en aviso de 29 de maio
ultimo, remeta V. S. para o Maranliiio, no estado
.in que seaehar, a eahlerra do vapor D. Palio,
existente nesse arsenal, para ser aproveitaJ.i na
barca de eicavaeaodaqttelra provincia,
frseci
[f. SOf. Portara ao diiv.-: n-geral da secretaria
de estado di negocios da justica.Aeense o icce-
Imnen o dn oficio de V. S. de \ do corrente, e
iiein assim do decreto que im i o bacharel Lud-
gero Ooncal ss da-Sih-a, para-o cargo de chefe de
p Aieia (I e-ta provineM.
N. ')7,Y/.v.i an chele de polica. Declaro
V. S., ahm de que o faca constar ao delegada do
un il PO 'i Albo, que o inspector da thesoura-
ria provincia!1 participou-mc em offlcio de 11 do
rrenti sob n. ::i.n, kvwt dado despacho para
pagan d despea feita rom o sustento dm
le., d'aq i >li.' termo, a contar
do 1 Je |ull a 11 de aj glo do anuo prximo
nassado i maedou processar para ser paga quan-
do hoin;: qdola, visto pertencer ao exerccioj
meerradi de 1807 a 180^, a correspondente aos
mczes de tiarco a jimlio do ^lesmo auno, abaten-
do-se en. toda essa des; :i n quantia de 134,
.irre-iii-i.lente ao preso M moel Brito, que nao so
cha ndino na relaeao nominal remelti-
..l.-i pelo : pradim delegado.
N. 50c Dita ao mesmo.Com a copia da in-
' rmac do chefe interino da reparticao das
obras publiras, de Irontera datada, respondo ao
nltlcio de V. S. n. 8:tl de 7 d'este mez, relativa-
mentea entenderse a illuminacao at a Cruz das
Alonso Ponte de Santa Anna. '
S. 509Dita ao commandante superior da
r la nacional do Cabo.Respondendo ao offlcio
ile V. S. do 21 de maio ultimo, sob n. 928, tenho a
'lizer-lb? i ie determine ao ommandante do bata-
Ihlo n. tG .-oh esse commando superior, (|uc exija
do te ronel JoSo de S e Albuquerquc, o
archivo da secretaria do mesmo batamao, c logo
pie soja elle entregue, faca V. S. com que seja
informado o requerimen) do alferes Silvino Ben-
lo Zedamea, de que trata o sea dito offlcio.
N. 510.Dita ao juiz de direito especial docom-
raercio interino.Em addttamento ao meu offlcio
de 28 do i ez lindo, transmiti V. S. a carta pre-
catoria reptoriade deligencia commercial dirigi-
da por easo juizo .. js ^e Portugal, c que
deixou de acompanhar o-catado offlcio.
N. 51! -Dita ao juiz de direito da comarca do
Limeeiro Acenso o reeebimento do offlcio de 10
de mu lo corrente afino, com que V. S. minis-
trou-nie os mappas estatisticos d"esse juizo cor-
responder.;;-- a 1868, e mais outros supplejtonos
da esta le anuos anteriores. Nao tendo vin-
do entre os primeiros os mappas ROO ns. 10 e 13
A, cruv.es de reSDonsabitidaae, julgamento dos
uizes do direito, c ap II icSes relativas aos cri-
nies \::.\ tenidos naquelle nno de 1868 julgados
por esse mesmo juizo, naja do remette-los.
S. 511Dila ao j.ii. de direito da comarca da
Boa-Visir Transmuto a .'. S. para seu conbeci-
incnlo o aviso do ministerio da justiga de 31 de
inaio flnde, junto por copia, resolvendo a consulta
par V S ;!;, quinto ao modo pelo que deviam
us Jai hete prestar juramento no tribunal
do jur si i p ou ajoemados.
N. 513.Dita ao commandante do corpo provi-
i de polica.Transmiti Vmc. para os_flns
r invenientes, a dclibera.oo |inta, em que designo
os oficiaos que teem de compr o conselho de jul-
tento do ex-tenente desse corpo Francisco Xa-
vier Rodrigues de Miranda, pelo crime previsto
no art 121 do regulameato de 2 de dezembro de
1833, dovolvendo o c tnselho de investigajao feto
le, que se refere o seu offlcio de
21 do mez indo, sob n. 217.
X. 514 -DeliberaoSo Para o conselho quetem
de julgr r ex-tenente do corpo provisorio de po-
lica. Francisco Xavier Rodrigues de M'randa, pelo
crime previsto no art. 121 do regulamente de 2 de
dezembro de 1853, designo : presidente, o major
Vntomo Pollosa de Mello ; auditor, o promotor
publico, "da capital; -.-oaos, os Srs. : capitaes
Francisco Borges Leal e Camillo Augusto Fcrreira
da Silva ; os tenentes Luiz Felippe Cavalcanti de
Albuqnerque, Joaquim Hercolano Pereira Caldas
Jnior, c Joaquim da Mottt e Silva.
N. : DitaO .vice-presidente a provincia,
attendendo ao quelhe requereu Eduardo Antunes
de Albaquerque Mello, tabelliao de notas e escri-
vao docriae e civel e privativo dj jury do termo
de Cimbrea, resotve caneader-lhe dous mezes de
iiceac*, para tratar de suasade.
3a seceso.
N. 516 Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Accuso recebdo o offlcio de hontem, sob
n. 383, em que V. S. participou haverem sido arre-.i
matadas em teilao, peraat a alfandega d esta
apital t pela quantia de 500S, as madeiras ve-
thas liradas da ponte da mesma alfandega que
e acha em concert, e em resposta tenho a dizer,
que apprcTo essa arremstaejo.
N. Br7jta ao mesmo.Tendo-me declarado
o Exm. Sr. ministro do imperio, em aviso de 8 de
corrente. Iiaver nessa dala dirigido aviso ao da fa-
ic. aiini de ser augmentado, cora a quantia de
(.1*177, o crdito concedido esta provincia
lituicao de Casimiro dos Reis Gomes da Silva, que
< exonerado, e bem assim o de um dos contra-
mestres da aJScina de ferreiros para substituir
interinamente o mestre da respectiva offlciua Can-
dido Jos do Goes Telles, que tambem foi exone-
rado ; assim o CMumuneico a V. S. para seu co-
nhecmento e drecfao.
N. 520.Dito ao mesmo.Transmiti a V. S.
para os tins convenientes as inclusas cuntas docu-
mentadas da receitae despeza da enfermara mi-
litar do presidio de Fernando de Xoronlia, relati-
vas ao mez de abril ultimo com o parecer da jun-
ta de sade que as examinou.
N. 521.Dila ao mesmo.Providencie Y. S. no
sentido de ser abonada urna raco de etapca mu-
Iber do 2 sargento da guarda nacional ilusta pro-
vincia, Joao Manoel Roma Jnior, que marchou
para a campanha em abril de 1865, alistado bo
curpo n. II de voluntarios da patria e actualmen-
te pertencente ao 46 da mesma denomnaro, que
por aviso do ministerio da guerra de 3 do "corren-
te, jumo por copia, lhe foi concedida.
Anuo a que se refere a portara supra.
Ministerio dos negocios da guerra.Rio de Ja-
neiro em 3 de junbo de 1869.Illm. e Exm. Sr.
Expeca V. Exc. as precisas ordens para que, con-
forme solichou o commando em chefe das forcas
om operacoes no Paraguay em offlcio de 6 do mez
prximo passado, sob n. 33, seja abonada urna
racao de etape a mulher do 2o sargento da guar-
da nacional dessa provincia, Joao Manoel Roma
Jnior, que marchou para a campanha em abril
de 1865, alist'dono 11 corpo de voluntarios da
patria e actualmente perlence ao 46 da mesma de-
uoininarao, licando V. Exc. prevenido de que elle
reside pa capital dessa provincia.
^ Deus guarde a V. Ene.Bardo de iluriuba.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
Cumpra-se.Palaeio do governo de Pernambu-
co, 14 de junbo de 1869.Dr. JtfunoW do .\twci-
ment Machado Portella.
X 522.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Tendo sido multado na quantia de S
pelo director geral interino da instrnecao o pro-
fesar publico da radeira de Baixa Verde Jerony-
mo Theotonio da Silva Loureiro, pelos motivos de-
clarados no offlcio junto por copia ; assim o com-
munee a V. S. para seu conhecmento e execu-
eao na parte que lhe tocar.
N. 523.Dita ao mesmo.Declaro a V. S. para
seu conhecmento, e em (esposta o offlcio que me
dirigi em 12 do corrente, sob n. 340, que nesta
data autori-ei o chefe interino da reparticao das
obras publicas a mandar executar por adminis-
tracao os reparos da cidcia da cidade da Victoria,
pois que tendo sido postos em praca por quatro
vezes eixaram de ser arrematados por falta de
licitantes, segundo con ta do citado offlcio.
N. 524 Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Inteirado do conteudo d offlcio que
Vmc. me dirigi hontem, sob n. 226, tenho a di-
zer que me remella o orcamento dos /eparos de
que precisa a ponte do Jundi de .Baixo. para se
resolver a respeito delles o que fr mais conve-
niente.
X. 525.Dita ao mesmo. Participando -me o
inspector da thesouraria provincial em offlcio de
12 do corrente, sob n. 340, que tendo ido quatro
vezes a praca os reparos da cadeia da ciJade da
Victoria, deixaram de ser arrematados por falta de
licitantes, recommendo a Vmc. que mande exe-
cutar taes reparos por administrarlo.
X 526. Deliberarlo. O vice-presidente da
provincia tendo em vista o que requereu o 4" es-
cripturaro da alfandega desta capital, Joao de
Assis Pereira Rocha, c bem assim o que a esse
respeito informaram as reparticoes competentes ;
resolve conceder-lhe tres mezes de licenca com
ordenado somente na forma da le para tratar do
sua sadc na mesma provincia.
4* seecao.
X. 528.Offlcio ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia do Maranbao.Determinando o Exm. Sr.
ministro da marinha por aviso de 29 de maio ul-
timo, que seja remettida para essa capital no es-
lado em que se adiar a caldcira do vapor D. Pe-
dro, existente no arsenal de marinha desta provin-
cia para ser aproveitada na barCa de cscavarao
dessa, conforme fora requsitado por essa presi-
dencia aquello ministerio, acabo de dar neste sen-
tido as convenientes ordens ; o que communico a
V. Exc. para sua inlelligencia.
X. 529.Portara a cmara municipal do Rio
Formse.Com a inclusa copia da informacao
ministrada pelo gerente da companhia Pernambu-
cana em 19 de maio ultimo, respondo ao oficio
que a esta presidencia dirigi a cmara munici-
pal do Rio Formoso em 5 daquelle mez, represen-
tando contra o procedimento da mesma compa-
nhia, pela nenhuma demora que teve os seus va-
pores as escalas da Pedra e de Tamandar.
N. 530.Dita ao engenheiro fiscal da estrada
de ferro.Com a informacao junta por copia mi-
nistrada pelo capitao do porto em 12 do corrente,
respondo ao offlcio que Vmc. me dirigi em 9 des-
te mez, sob n. 120, acerca dos navios de propre-
dade particular que por mais de urna vez tem
ido concertar junto ao caes da estacao das Cinco
Ponas.
. 531.Dita a directora do theatro de Santa
Isabel.Informe a direT-loria do theatro i\ Santa
Isabel, quantos beneficios tem tido lugar no mes-
mo theatro depnis da portara desta presidencia de
Janeiro do corrente anno, a quem concedidos, qual
o pagamento de cada um, e se este tem sido rece-
bido pelo respectivo administrador.
EXPEDIENTE AS61CSAD0 PEJbO SH. DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARALJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 15
DE JC.N110 DE 1869.
' 2a scelo.
N. 53J.Offlcio ao Dr. chefe de polica.O re-
eruta Manoel Ricardo Fabricio, que V. S. mandou
apresentar no quartel-general pi considerado in
expedida pela repartilo do ajudaute-general em
JO de maio deste anno.
N. 536.Dito ao mesmo.Be ordem de S. Exc.
o Sr. viee-presiden te comjnunko a V. S., que se-
gundo consta de offlcio do Exm. e Rvm. prelado
diocesano, de 14 do crreme, foi por despacho
dessa data concedido niiis :{ m m da licenca com
o veucanento da respectiva congrua ao vicario
Jos Pacheco de Albaquerque Maranbao por con-
tinuar a estar doente.
4" seoeio.
N. 537 Offieio ao Dr. Araainio CorioJano Ta-
vares dos Santos, Io secntaro da assembia legis-
lativa provincial.De ortlem de S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia transmuto por copia a
V. S. para ser presente a assembia legislativa
provincial a inclusa informacao ministrada pela
thesouraria provincial em 11 do corrente, sob n.
33?, aceres da peticlo qae devoJvo de Herculan
DIARIO DE PERNAMBUCO
RRCm 13 OV. SETKMBRO DE 1860
NOTICIAS DA EUROPA
Chegou hornera ao meio da o vapor francez
Estreinndnrc. rnsendo datas; de Hamburgo 20,
Londres 23, Pars 24 e Lisboa 28 do passado.
FnAtjgA.Uiseutso do senatus-comulius na cmn-
mism do sead*.Supprestao dos grandes com-
mundos mttttres.Amiu/stiu para delicias e cri-
nes polticos e ielctos cwis para toiemnisar o
anttwro do Mseiuunto de Snpoltuo l.Morte
e fnneraes do nureekal Niel, substituido nonti-
nisteritda querr pelo general hebeikf.
l.N-m.ATtaiA. Ap>ror,u;ao do bil da igrtna da li-
tanda; encerrunento do parUunento.Uiscurto.
Lniz de Carvul ho, que aoompanbou o offlcio de V. ,l1'-1'-*NIU '!//'<>*z'' o mocimento carlista.Can-
S. de 28 de maio ultimo, sob n. 75.
N. 338.Dito ao director geral interino da ins-
trueclo publica.S. Exc. o Sr. presidenle da pro-
vincia manda eommunicar a V. 8.. que fica iutei-
rado pelo seu offieio de 11 do corrente, sob n. 17!
de Iiaver V S. inajtad na faantia de 60000 o
professf publico da cadeira da povoaeao de Baixa
Verde Jerpnymo Theotonio da Silva Lourwro, vis-
to arhar-se incurso no art. 94 da lei n. 469 de 14
de maio de 1855.
DESPACHOS DA VICE-PlXESlBENeA DO DA 6
DE SETEMBRO DE 1869
Amelia de Santa Rosa. J foram providas as
cadeiras a que ailude.
Antonia dos Anjos da Porcuncula. J est
prvida a cadeira para onde pede ser removida.
Cosma Elvira de Araujo J esto providas as
cadeiras de que trata.
Candida Menezes Druraniond da Cunha.Ja es-
t provida a cadeira para onde pede ser remo-
vida.
Padre Francisco Virssimo Bandeira. Indefe-
rido.
Gerente interino da companhia Vigilante de va-
pores a reboque.Informe o Sr. inspector da the-
souraria provincial.
Henrique de Miranda Henrques. Concern a
praca, em que vai ser posta no da 16 do corrente
a obra de que trata.
Caplo Jos Francisco de Sales.Informo o Sr.
commandante superior da guarda nacional dos
municipios de liarreiros e Agua-Preta.
Junta administrativa da Santa Casa de Misetl-
cordia Informe o Sr. inspector da tliesourai ia de
fazenda.
Joaquim Manoel. de Oliveira c Silva -Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Coronel Joaquim Cavalcanti de Albuqnerque.
Informe o Sr. ongenheiro chefe da reparticao das
obras publicas.
Joaquim da Silva Lopes.Passc portarla.
Lisbella de Albuqnerque Mello.J foram pro-
vidas as cadeiras a que ailude.
Bacharel Miguel dos Anjos Barros. Encami-
nbe-se.
Mara Cleobnlina do Mello Oitoni. J estiro
providas as cadeiras de que trata.
Mareolina Furtado da Siiva Cabral. J eslao
providas as cadeiras a que ailude.
Manoel Antonio de Albuquerque Machado.Co-
mo requer.
Paulina MarcoUpa de Almeida.J esto provi-
das as cadeiras a que se refere.
Rita Duarte Negreiros de Menezes. Dirjale relalorio sobre o senatuscoiisultiis, poucas emen
ao Sr. director geral interino da inslrucelo pu- das propo.
blica. A Franca examina
didaturas. QnsoM om os prelados, em conse-
qnene-ia da circular do ministro dy justica sobre
os padres revoltosos. Reducc/io do numero de
dioceus.
Itam k Homa. Concilio, abertura a 8 de dezem-
bro. Breve encernunento das corles italianos.
Emprestimo italiano. Desordens na Sicilia.
Allkuanha.Preparativos bellicotos da Prussta e
Austria. HelacOes falsas e untagonismo das
duas potencias.
Dinamarca. Casamento do lierdeiro presumptico
da coro da Dinamarca coma fitha ivt-M ->
atocine Noruega.
Rossia. iCaminho de ferro de S. Petersburgo
Odrssa.-r-Oiijanisaco 1U1 jury.
Oiuk.ntb 4-Questuo trco-coapcia; conferencia da-
potenciis para a resolver; diljicatdatles. Ars
mmenlos.Desordens na Bosnia.
America do noiitk. Vantugcns dot ilespanhes
em Cub. Pivjecto de venda da illia.Conspi-
ra cao no Mxico.
l'oiiTiini.-r- Encerrauwnlo das corles. Eleieoes
siipplenunlares. Volta ia rainlta.Divers is.
riANCA.
S nos priueipios do corrente mezdi'via coraecar
no senado francez.a discusso do projecto de refor-
ma constitucional. As sesso'< do senado estavam
adiadas emquanto durassem as dos couselhos ge-
raes dos departamentos.
O iiuperidur Najiolelo III, e o principe Xapo-
leao tem tido largas conft-rencias ; allirina-se que
o imperador nao quer o,ue seu pruno lome parte
nas discussoes que c iniecarain no senado ; pir
oiitra parte afflrma-se que o principe Xapoleo de
seja uroBunciar no senado discursos muito libe-
raes nadiseasso d i pr..jccto do scn.ttus-eonsul-
tu-. A commiss > do senado tem regeitado todas
asprupoaUs liberaes tendeles a modilicar o pro-
jecto de senatuscunsultus. Os pontos sotne que
anda contina a discusso na coiniuissa do seua-
io : I" a redaccao do art. .2" sobre a respou-
s.ibilidade dos ministros; alguns membros insistem
em dar aquella rodaccaoVMu carcter mais expres-
inientedeauido. Opweiador, porm, oppoe-^e
qualquer modiTiVSratJR"
O artigo do senatus-consulins redigido nestes
termos Os ministros s depaadeun do impera-
dor. Apresentou-se urna subsliluicao pelo se-
laiilile. : / ,u ministros sa i nomCdiM lelo iinp-
radur. c demittidos y r elle- O segundo p uito
pendente na discusso a intro lncco oeste mes
rao ariig i de nina pnrase (pie aiirime ao impera
dor o direilo de delegar a pretjdencia do couselbo
em um dos seus membros. Devia finalmente che-
gai -se a um accordo sobre o restabelecmento do
discurso do throno.
O Sr. Devienne. f\ne est encarregado de fazer o
liaymundo Lins dos Santos Gouvoia. l'a--
Portara na forma do regulamouto do presidio de
ornando.
Tiiereza Mara de Jess.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Thercza Alexandrina de Barros Mello.J es-
t provida a cadeira para onde pede ser remo-
vida.
Repartidlo da poltcia.
2a seecao.Secretara da polica de Pernambu-
co, H de setembro de 1869.
N. 1313.Illm. e Exm. Sr.Levo ao conhec-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
eipacoes reeebidas nesta repartirlo, nao foi hon-
tem recolliido casa de detenoao individuo al-
gum.
O delegado de polica do termo de Tacarat,
por offlcio datado de 25 do irez passado, partici-
pou-me que, tendo expedido urna forra para cap-
turar no lugar Brejo dos Padres do* mesmo ter-
mo, ao sargento de polica Miguel Arclianjo, que
desertara levando comsigo a importancia do sold
do destacamento de Aguas Bellas, nao foi este
capturado, por j se havor ausentado, sendo en-
tretanto pre-o o individuo de nome David de tal,
desertor do exercito, que no referido lugar viva
ha annos refugiado.
Communicou-ine o delegado de polica do ter-
mo da Estada, em offlcio de 2 do corrente, que,
tendo sido processados por elle os individuos re-
colhidos cadeia d'aquella villa, de nome Joaquim
Antonio do Xascunento, Manoel Vicente Ferrera
e Romualdo Pereira Gomes, pronunciara ao pri-
meiro no art. 101, ao segundo nos arts. 193 e 205,c
ao terceiro no art. 37'do cdigo criminal combi-
nado com o g 3. do art. 2." do decreto n. 1090 do
i" de setembro de 1860.
Por offlcio de 20 do mez findo, o Dr. jue muni-
cipal e delegado do termo de Cimbres communi-
cou-me que, naquella mesma data, pronunciara,
como incurso nas penas do art. 192 do cdigo cri-
minal, eombinado com o art 34 do mesmo cdigo.
Antonio Ferrera da Silva, que se acha ausenie,
Manoel Gomes de Souza, preso, como co-ros no
crime de tentativa de homicidio, perpetrado na
pessa de Miguel Ferrera da Silva, despronuncan-
do os indiciados no mesmo crime (do qual j dei
parle V. Exc. em data de 2 do sobredito mez),
Manoel Francisco da Silva e Jos Gomes da Silva.
Em offlcio de 25 do dito mez, communicou-me
anda aquelle juiz, que no quarteirae de Saubo-
ral do mesmo temo foram presos, e recolhidos
cadeia sua disposico, os individuos de nomos
Jos Antonio Mureuo e Francisco Jos Maciei, con-
eanaz do servro em iaspecco de sade e por isso I ^^Th^KiS" aT iS" d,0 deCret D>
posto em liberJade. O que communico a f 6. de 90 d? *' de 8C,embro de 1860> v,8t0 O"10
a nova iituaro creada ao
! senado francez pefcw artigos !, 5o e 7o do senatus-
consiilus e em vista dos quaes aquelle corpo ad-
qoire a publicidaile das suas ses.-oes, a taculdade
iie Inzer o seu regiment interno, o direito do in-
le-peilaro, o direito virtual de fazer emendas, sob
forma ile oosorva;"e; motivadas, 8 ltimamente o
direito de vote suspensivo; equivalente ao direilo de
vito.
Por offeito destas reformas oeesj o senado de
ter o lugar dislincto que lhe dava a cousiituiclo
de 1862, entrando no eyelo do- poderes polticos.
Em vez de ter s voto consultivo aos negocios p-
blicos, tica senliorde voto deliberativo, e, conser-
vando o seu papel de moderador, paseas ser urna
das rodas activas do mechanismo constitucional.
Foreste motivo pensara os imperialistas ib ra-
que seria assemelhar anda mais o senado ao corpo
legislativo, couredendo-se-lhe o direito de emenda
absoluto, substluindo o voto suspensiv i de natu-
reza excepcional'pela mera exigencia da approva-
<;ao collectiva das duas cmaras para fazer a lei,
e concedendo-se igualmente ao senado a iniciativa
legislativa, c |ornando-o electivo todo ou em
parte.
Para a eleicao do senado aconselham o methodo
inlirocto, ceudo eteitores os conselhos geraes dos
departamentos (jootas geraes); mas anda se de-
bate nestes corpn4e devem ter o direito eleiloral
absoluto, ou se devem limitarse a apresentar can-
didatos, entre os qaaes o chele do estado esclito-
ra os senadores. Tambera se discute se o cargo
de senador deve ser temporario ou vitalicio.
A Franca prope que o numero de senadores
seja de 188 ou dous por deparlamento. Melado
seriara uouwados pelo imperador, c a entra meta-
de seria vitalicia. Actualmente os conselhps ge-
raes de 41 departamentos designados pela sorte,
elegeriam outros tantos senadores. As vaoat
futuras seriara
3' De delictos e contravencoes em materia de
alandegas, de contribuigoes indirectas, c de ga-
rantas de ouro c prata,
De florestas,
De pesca,
De inspeceo de estradas,
De polua de iransportes;
4 De nfraccao relativa ao servro da guarda
nacional.
Art. f A amnystia nao applicavel s despe-
ras do processo e de instancias, nem aos prejuizos
e interesses erestituiQoes resultantes de julgamen-
to* lindos; nao podera, em caso nenbum, ser op-
posta aos direitos de terceiro. Nae se far resti-
tuiclo das ijuantias despendidas at esta dala.
Art. 3. Os nos-os ministros licam eucarre-
gados da execurao do presente decreto.
Feito no palacio de Saut-Cloud, aos 14 de
agosto de *86UNapoledo.t
No segunde eoucedo-se amnystia para os ofll-
ciats inferiores e mais pracas, por descrcio ou
desobedieucia ;no terceiro concede-se a amnista
a todos os offlciaes marinheiros e outros at ma-
rioheiro, assim como aos offlciaes inferiores e ou-
tras graduacoes at soldado, das tropas de inari-
lilla, por deserclj ^jue nao tenliam sido julgadas
e condemnadas definitivamente ata a data do de-
creto ; no quarto n concede amnista completa
por Unios os delietos e contravencoes em materia
polica, de inscripeis, de navegacao e de pesca
in.iriiiuta, isunuuiiidoj uKtuaieuie a data do
decreto.
Estas medidas cati?aram grande impressao,
foram bem reeebidas em toda a Franca. Em Saint
Etienne foram postos em liberdade 56 condemna-
dos. Era Pars foram sollos 150 presos por delie-
tos polticos ou de imprensa.
Em Paris esta-se na expectativa de saber se
Rochefort, que apesar de comprehendido na ulti-
ma amnystia, nao poder gosa-la em quanto nao
cumprir a senteuga de 4 mezes de priso por de-
licio coinmum; se Rochefort se aproveitar da
amnista, e se o prximo numero da Lanterna
seria datado de Pars. Atllrma-se, porm,que Ro-
chefort s entrar em Franca sendo eleito dipu-
tado.
A imperatriz e o prncipe imperial deviam
embarcar em Tbaioo no da 28 do passado para.se
dirigirem a Ajaccio, na Corsega, onde se fazem
grandes preparativos para celebrar o centenario
de Xapoleo I.
A imperatriz devia regressar a Paris no da 2
do corrente.
O imperador, j restabelecdo, tem dado alguns
passeios a p. O imperador, depois da votarlo de
senatus-consultus ir para Biarritz onde se demo-
rar um mez. O imperador dirgiu um telegram-
ina para Ghalons agradecendo o acolhimento feito
all ao principe imperial. O acampamento devs
ser levantado no mez corrente.
A imperatriz era esperada em Constantinopla no
da 12 do corrente; parece porm que nao ir ao
Egypto, e parece que esta resolijgao foi tomada
em consequenca da pendencia entre o sultau e o
vce-rei do Egypto.
Fallecen o ministro da guerra o general Niel.
As despezas do fuueral foram l'eitas por conla do
iiiesour.) imperial. Calcula-so em 400,000 o nu-
mere d pesaoas 'l'ie ci>ncorreram ao ronera!.
Foi r. lineado ministro da guerra o general Lc-
beuf. Dz-se que o novo ministro tencona inj.ro-
Jiuir a. unas economiasno orcamoulo do exer-
cito.
Dz-se que o imperador chamar breve-
mente para entrar no ministerio o Sr. Rouher.
Os prelados fr. ncezes eslao autorsados a
ass: um accordo cora a curte de Boma.
' O governo francez coocluio um tratado de
cxtradicc.o com a Soissa; obtendo qu" os cri-
minosos" polticos {llie fossei entregues, assiin
como os perseguidos por delietos civis.
lNOI.ATKlinA
Bueerroa se o parlamento nglez no da H
do passado, depois de urna laboriosa sessao.preen-
cluda pela reslucao de negocios de grande al-
cance.
Depois de grande agtaro no povo, nos seus re-
presentantes e na cmara dos lords, depois de
estar propinquo um conflicto grave entre as duas
cmaras, conflicto que ainda mais gravemente re-
Oecteria sobre o povo.quccm Inglaterra segu com
grande interese as quesillos que se ventiam no
parlamento. Hlecluou-sc contento da maioria do
paiz a abllelo di greja offlcial da Irlanda, fado
este que nunorlalisa esla sesso.
O parlamento foi encerrado por commisso da
rainlia, e o lord chanceller leu a seguinto men-
sagem :
llvlords e senhores.
Retstbemos ordem de sua magestade para
vos dispensar da conlinuarao dosvossos trabalhos
no parlamento.
t Sua magestade faz-vos saber, com prazer,
que continua a receber de todas as potencias es-
trangeiras as mais enrgicas segurancas das suas
dsposrles amigaves, e que a sua confanca na
mauutencao da paz continua tambem, e se confir-
raou no decurso do corrente anno.
As negociagScs em que sua magestade estava
empenhada cora os Estados Unidos da America
do Xorte suspenderam-se de commum accordo, e
sua magestade espora seriamente que essa demo-
ra ter por effeito a conservaclo no p de urna
ami tade duradoura das relaeoes que exstem entre
os dois paizes.
Sua magestade experimenta a mais viva
traballios d'este auno.
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia.
K. 533.Ditos aos juizes de direito da 1J e 2a
rara desta cidade.Do ordem de S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia transmuto a V. S. o
aviso junto por copia do ministerio da justica de
7 do corrente, declarando nao poderum ter lugar
nas actuaes crennastancias os reparos de que ne-
cossiia a sala das audiencias desse juizo e que fo-
ram por V. S. pedidos.
8.* scelo.
X 534.Offlcio ao inspector da thesouraria de
fazendaO Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda transmittir a V. 8. as 8 inclusas ordens,
sendo duas do tribunal do thesooro nacional, sob
75 e 76, e sois do ministerio da guerra, datadas
de 3e 7 docorrenie m6z.
N. 833Dito ao mesmo.--S. Exc. o 6r. vice-
presidente da provincia manda transmittir a Y. S.
-pezas da vwfeaObraspnblicas geraes a inclusa ordem do dia em duplcate e sob n. 674,
poder dos mesmos foram apprebendidos sete ca-
vallos furtados era trras de criaelo.
Por offlcio d'este data, partcipou-me o subdele-
gado do segundo districto de Jaboato que, tendo
averiguado e feito minuciosas indagacoes acerca
do apparecimento do cadver do pardo Manoel,
escravo do major Antonio dos Santos Souta Leo
(facto este de que dei parte V. Exc. no dia 4
d'este mez), nao pode crer qae o referido pardo,
que era maior de 40 annos e completamente ceg
e sem inimigos no logar, tivesse sido assassina-
do; pelo que lhe parece provavei que, cgo como
era, cahisse elle no rie, onde suecumbio de asphy-
xia por subuerso, a ircnicqiunTiT do na pe-
quona cchenle, que teve lugar no mesmo rio em
o dia 28 do me pasudo.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimonto Machado Portea vice-
presidente da provincia. O obele de polica
Francisco de Asas Oliveira Maael.
sa-
lamos senadores, as vacaturas '-;:_-""^ zclo e a q/atigavel assi-
preeuclii las a .ernadamente por ffle^^n,X priaido Sos arduos
eleigao e por nomeacao imperta!, ate que um dos
elementos ebegae < propon-oes normaes. As con-
dices de elegibilidade seriara 40 a 45 annos de
idde, e servicos Importantes prestados ao estado,
ou aos interesses nacionaes.
Xega-se a noticia de estar o Sr. Scbneider
redgindo um regulamento para o corpo legislati-
vo ; afflrma-se que o regulamsnlo ser feito con-
forme as disDOsicoes do sciutus-consultus por urna
commisslo especial noraeada pela propria cmara.
Diz-se que o Sr. Segris, um dos ebefes do ter-
ceiro partido, tem grande probabildade de ser
eleito presidente do corpo legislativo, pois que
alem dos 116 votos dos seus correligionarios signa-
tarios da famosa nterpellacao, cunta oomosqua-
renta deputados da esquerda. Xeste raso o Sr.
Scbneider Ccar supplantado. .
Por ura decreto do governo fleam suppnmidos
I os grandes commaudos militares. E-ta suppressao
considerada como um symptoma pacifico.
O governo este estudando ura projecto para a
suppressao do sello dos jornae?.
Os jej-nae" francezes pu licam decretos de
amnystia concedida pelo imperador para comme
morar o centenario do nascimento de Xapoleo 1.
O primeiro destes actos assim concebido :
Napolen, pela graca de Dos, e pcU vontede
nacional, imperador dos francezes,
i A todos os que a presente virem, sado :
Querendo per um acto, que corresponda aje
nossos sentinienlos, eonsagrar o centenario ao
nascimento de Napolen I.
c Temos decretado e decretamos o segrate :
Art. 1 E' concedida amuyslia plena e-com-
pleta para todas as condemnacoes pronunciad,
ou em que se tenho. incorriiteal agora :
c t Aos crimes e deudos polticos ;
c f Aos delietos e coniravences em materia
de imprensa,
De policia, de impaeasae de hvre.ru,
i De reunif.es publicas,
De conflhtos;
A medida que pnssou respeto das epi-
zootias de nature a animar e a proteger a
ereacau dos gados em Inglaterra, sem por emba-
races inuteis liberdaife da importoro.
AbfiHndo a laxa sobre os srgnros contra o
incendio, lendos satisfeiM os votos, qoe de ha
muito so formavam ; abolmdo o direito sobre os
cereaes, baveis dado urna nova prova do interes-
so que ligaea ao dSsonvuMmento da industria e
do eommerrio, e busra dos mefos de provimen-
lo, quo a nossa posicao proraove, e de que earece
necessaria mente.
Sua magestade osper, qae comprando e di-
rigindo os retegrapitos electriim?, o estado satis-
far essa obra- lo de-ijavel, para o eommerrio o
para as relaees soetaes, t que consiste em eKa-
belecer reln^Aes rpidas, facis e certas. Ser
um seguimento natural do syslema adoptado pelo
correin barato, systema que actualmente em-
pregado com vani igem no mundo civilisado.
Senhores da- cmara dos commnns.
Temos instracres para vos- agradecer, era
nome de B. M., os subsidios que haveis lboral-
meute concedido, eom o llm de orrorrer s des-
pezas d'este anno, e as raedizas que permiMirao
liqmdar as desperas da exnedirao feta Abys-
sinia.
Mylors e seaheres.
S. M. apraz-se em pensar, que, regressando
vossos esforros procuraram', e os resultadrw que
produzram s irapnrtant *s leis com que temos
dolado o paiz, segundo as nossas instituiroes.
< Durante as ferias oontinuareis a aproveitar os
vossos conhecinienlos pratiebs e experiencia, que
bMMm a base slida das aptidoes legislativas.
S. M. invoca a bencao do Todo Poderoso para a
vossa obra recente, e para os vossos trabalhos
futuros em favor da prosperidade publica.
O parlamento deve novamente abrir-sc no dia
28 de oulubro.
IISVAMU.
As ultimas noticias de llespauha do as guerri-
Ibas carlistas quasi Bomplolsmoute dispersas ou
aprisionadas.
Urna das mais importantes era a guerrilha com-
mandada pelo general Polo, que contava no seu
ultimo combate com 70 homens de cavallaria.
l'olo e o rm secretario foram presos. Em Per-
pigno foram presos pelas autoridades franeezas
seis cheles, que foram internados em territorio
francez.
Desapparereu a guerrlbr. carlista que se for-
mara na provincia de Barcelona
Parece que o; carlistas, para fomentar a des-
ordem em Madrid, e indispr os nimos das pes-
soas religiosas contra a iMoaluoSo besjianhobi, pro-
jectaram fazer em Madrid urna manifestacao con-
tra o clero, atiribuiiido-ii depois aos liberaes. Os
redactores das prinripars follias de Madrid reuni-
ram-se e deiiheraram aar sentir nos jornaes
que nenbum grupo, nenbum jornal, nenhun ciub
liberal tomara a iniciativa da manifestarlo em
projecto, certamente adiada pelos inimigos da re-
voluclo.
C jrria o boatu de se ter descoberlo una vasta
conspiraeo olimsiva, em sne estavam implicados
ntuikh parsonageus poliiico- : acci:escentava-se
aqe se a constituirlo nao inpedisse, teriam sido
presas pessoas de qaem se poderia suspeitar
aloitaineiile que tiaballiavain naquelle sentido, o
lualmenie que o governo conseguir conjurar os-
Iraraas dos revolucionarios.
A Framyi diz que se acha resolvida em pruci-
pio a abdicarlo de l). batel em seu lilho.
Correu o boato de que a poltica do Sr. Ri-
vera se inclina para a candidatura do duque de
Montpensier, e que tem tido reunioes secretas com
ns partidarios. O moumiil desmenle esse boato.
Apparece um novo candidato ao tlnono vago ;
o duque de Genova, sobrinlio de el-re Vctor
Emmanurl. O principe conla apenas 14 annos.
Diz-se qne essa caudidalora apresentada pilo
general Prm, e apoiada pelos progressstas, em
vista de se torra malogrado as candidaturas
do Sr. D. Femando e do Sr. D. Lniz. Parece
que nao sao alheias a este assumplo as conferen-
cias que se tem feto entre o representante da
Hespana em Paris c o representante da Ilalia o
eavalhoiro Niara.
Apezar da insistencia com que se falla naquel-
la candidatura, nao nos parece que o governo to-
aba por ora opiniio asente aeerca d'aquella
11 u esto.
AGazeta desinenlecathegoricamente na sua par-
te offlcial a correspondencia Fabra, que afilan-
cava que o ministro bespanbol em Lisboa o Sr.
Fernandos de lo- l'.ios tinba receido instrucc/ies,
secretas, para preparar o povo portuguez para
urna junegao dos dous peros peninsulares. A ta-
zeta declara que o Sr. Fernandes de los Ros nao
levara instruccoes alm das que compendouu)
discurso que diiigis ao re de Portugal, no acto
de lhe entregar as suas credoneiaes, cuiilortuii Uto
fra indicado pelo gover.
Chegou a Madrid o regente, e parlio para
Pars; e d'ahi para Vichy o presidenta do conse-
lho de ministros o general Prm, licando substi-
tuido pelo general Topete
Ha serias reclamaces diplomticas enlre
Pars e Madrid.
O governo hospanbol qneixa-se da irapunidado
com que os emigrados burboncos conspiram
contra o gabinete.
Parece que j terminaran! M fu-ilamenlos.
A forca de voluntarios que disperso a guerrilha
de Polo, o que o fez prisionero, pedio como rej
eaOMOn dos seus Modosa, que nao fossem fu*
zilados.
No acto legislativo, que tem por fim por termo -, Levantou-se urna grande questo com o
ao eslabelecimnto da lgreja da Irlanda, houve
grande cautela em nao perder de viste as diver-
sas consideracoes, que se recommendaram vossa
attencao n) comeco da sesso parlamentar.
(i que sua magestade espera que essa me-
dida importante poder ser citada como urna
prova rrecusavel do desejo extremo, que anima
o parlamento; de attender, de urna maneira ra-
soavel, estabelecendo leis para cada ura dos tres
reinos, s ercumstancas especiaes que possam
affecta-los respectivamente, e de tratar, segando os
principios de urna justiga imparcial, de todos os
iuteresses do todas as classes da nacao.
i Sua magestade nutre a intima eowicrao de
que o acto de que se trata ha do favorecer o cum-
pnmento da obra da pacifieaeao na irlandi, o po-
der contribuir para reunir todas as classes da
populacao d'aquelle paiz com os seos concidadaos
da Inglaterra e da Escossia, em sentimentos de
concordia fraternal, nue devem sempre formar a
priaeira origem da forca do seu vasto imperio.
Sua magestade- vio com prazer quanto o
vosso concurso foi cordealmente acceito no acto
sobre tributos, cujo lim por termo a um eslado
de cousas, de que geralmentese uueixavtra.
Sua magestade felicita-vos dos resultados a
que haveis chegado, depois de tardes por' muito
lempo estudado as questoes relativas fallencias
e priso por dividas ; estes resultados foram
acolhdos com legitimo favor pelo comraercio e
pela opiniio publica.
A lei que tendes feito para as escolas dotadas
pela Inglaterra, tornar mais aproveitevois ao
povo, os grandes recursos d'aquelles eslabelec-
nienios, c augmentar a utilidade d'essas es-
colas.
t Pode rasoavelmenle esperar-se que a le que
orgamsa a ftsoalisaeao das reincidencias dever
dar novas garantas seguranza das pessoas e
das prdpriedades.
prelados, em consequenca da cUcular do minis-
tro da justiga. Os prelados que desobedecern!,
foram entregues ao >upremo tribunal.
0 governo suppriinio nos novos orgamentos
o imposto de capitaao.
Falleceu em Pontevedra o Ilustre vencedor
de Callao, o almirante Mndez Xunes : o seu fu-
neral eflectuou-se no dia 22.
O governo he-panliol vai publicar um de-
creto, reduzndo muito o numero das dtoceses.
ITALIA E BOMA.
() joma) Civitt Catholka desmonto o boato de
se ter adiado a abertura do concilio ecumnico.
O numero dos bispos que nao aceitarara o convite
para assstirem. Bao cliega a ;i00.
O Sr. Baroclio nao assisie ao concilio ecum-
nico. ,
Dizem de Florcnga que brevemente se devo
publicar o decreto do encerraraentoda sesso par-
lamentar.
O denotado Chrsp parti para Londres,
com o fim de eslabelrcer relagoes cnlre a liga par-
lamentar, de que chefe, e a sete de Mazzini.
A Ilal.a pedio ao governo francez autorisa-
gao para emittir nm novo emnrestimo era Pars.
Manifeslaram-se novas desordens na Sicilia.
O governador da Iba, general Meuiots, pedio rc-
forgos ao governo italiano.
ALl.EUAXHA.
O rei Guilberme da Pru-sia, antes de regressar
a' capital, examinou com toda a minuciosidade o.
estado das jirincpaes pracas e fortes das frontei-
ras, e passou revista s forras que as gnarnecem.
A eiquadra da Allemanha do norie, armada do
canhoos novos de grosso calibre, fez-se ao mar no
dia 19.
Os jornaes prussianos, ao mesmo lempo que
desmentorn que se trate de augmentar o oro*1"?"*,
tu da guerra, oongiatulara-se por contar a armo
I MUTILADO I




-KJ
Diario de Petnambuco Segunda feira 13 de Setembro de 1869.
ra prussiana maior numero d canboes do qa a
da Franca.
Em (janto o moral Moltk, acompanhado por
grande mima* do olciies do estado-innior, es-
tuda as froat*1 i Prussia, o govomo
austraco esp.i ronteiras do norte
diversos c' noria lucir de 200 a :00
homens, enrarregados de seguir todos
os inovimeriio? dos oeiaes prusianos.
O Sr. de Bismark, depois do aneerramcntB das
delegado es, vai para HiarriU, onae por essa poca
se deve acbar o imperador Napolco.
Diz-se que o antagonismo entre a Prussia e a
Austria so c implica com a animosidad que oxis-
teeutre os Sis. de Bcusl e de lismark. As eou-
sas entre a Austria e a Prusoia chegaram tal
ponto, que Francisco Jos racasnu aceitar uin con-
vite do czar para ir assisjir a nina grande revi--
ta da es juadra russa, s porque u rei Guilheruic
tainliem vai.
A Prussia acaba de snffrer um grande cheque
era Vionna d'Austria. Sao condecidas as tentati-
va, feitas na Hungra pela Prussia, afliu de que
dcgenerassc em sxpararan completa o dualismo da
Austria e da Hungra. Esta poltica do Sr. de
Bismark nao surti effeito dcsta vez : todas as
delegarles risteithensps votaram por unanimidadc
a conservacao da delegarao do reino era Vienna ;
o que corresponde a'dizer Prussia que a
Hungra nao quer ingerencia estranha nos nego-
cios de sua casa.
O Sr. de Beust pronunciou um discurso, em
que declarou que a Franca era amiga mudo sin-
cera da Austria, em quanto a Prussia era amiga
pouco sincera.
O ministro da guerra austraco fez um discurso
na delegaran de Rechslag, quando disculiam o
oicumeiito da guerra, em que defendeu iorga-
nisacio do cxereto sob o ponto de vista politico,
constitucional, militar c econmico.
Os coronis dos reg mentos austracos recebe-
rain ordem de ter tudo primlo nos deposites,
as fortalezas, c nos quarteis, e de completarem
os forneeimenlos de muui^es de guerra.
Dzem de Pesth que se hoje a Austria entrasse
em guerra, a Hungra se separara do imperio, por
que milito pouco bellicosa
Na Allemanha geral a reaco centra a
poltica unitaria da Prussia.
O governo- Saxonio est disposto a nao res-
tabeleccr a pena de morte, apezar d'ella estar con-
signada no cdigo penal para os criraes de assas-
sinio; alta traicao, c alternado contra a vida do
soberano allemao.
Si'gundo os planos dos oleiaes do estado-
maor promano, que estao reconhecendo a Sa-
xbnia, vao se fazer as immediagoes desta cidade,
grandes trahalhos de fortilicaco para po-la
ceberto de todo o ataque por parte da Austria.
Forma-se na Saxoiiia urna assocacao, cujo lim
a conservacao da autonoma saxonia.
A Austria olfereeeu na Polonia austraca um
asylo aos polacos perseguidos pelo governo rmnn
A Turqua fez o mesmo. Por isso as relajees
entre a Russia e a Austria, como entre a Russia
" T,*"^", 3o actiialinonte muto pouco arai-
gaveis.
A qnestao da freir cncarccrada em um con-
venio da Cracovia elevou-se queslao poltica.
O ministro da juslica e dos cultos fez publicar
urna ordem, em vista da qual quaesqucr deci-
Sai episcopaes que condemnem algum padre a
ser encarcerado em prisoes ecclesiasticas,' nao
soja valida senil) quando o condemnado se sub-
nietta voluntariamente.
SCANDINAVIA.
No da 28 de julho realisouse o enlace matri-
monial do principe herdeiro da Dinamarca, com
a princeza i.uiza da Suecia. Houve festas durante
alguns dias. Os dous esposos chegaram Co-
penhague no da 10 de agosto, sendo receidos
com grande enthnsiasmo. Toda a cidade estava
clieia de bandeiras e noute a illumiuacao era
geral.
Os dous principes foram saudados sua che-
radapor immensa mnltido. O casamento da
ilha do re da Suecia com o herdeiro de Chris-
tirno muito auspicfoso para os dous povos, por
isso que dcxa antever a rcalsarao do pensamento
que lia de levar ao seu termo a" de ha muito pro-
jectada unao scandnava.
nrssiA.
O ministro da jnstica nomeou urna commissao
de homens competentes para se oceupar da
elaborado de uin projecto de le, com o lim de
introduzir a iostituieo do jury na Russia ; logo
que os relatnos esperados das nacoes estran
fn* tabre a efliraeia desta instituirn e sobre a
extonsao que se Ihe deve dar, forem submettidos
decisio de juristas competentes.
O czar acaba de percorrer pola primoira vez,
em caminbo de ferro, todo o espaoo comprehen-
dido entre S. Petersborgo e Odessa.' A linha an-
da nao loi aborta circularan, o so o ser d'aqui
a dous ni
OBIRXTR.
A queslao entre o sultao e o vice-rei do Egyplo
parece dar logar a eomplicaces entre as grandes
potencias.
flrma-se trae tem encontrado grandes difllcul-
dades a reunio de una conferencia internacional
paraaplaiuara questiio entre o vice-rci e o sultao.
O governo ingles porm insiste neste projecto.
Parece porm que tendo o grao-visir enviado ao
Cairo um dos seus ajudantes do campo, portador
de tima nota em que pedia explicad-oes sobre os
fados imputados a este principo, foi satisfactoria
a imposta do kpedive. e o governo ottomano de-
clarou-se satisIMto. S faltara fixar as condiees
e o ceremonial da visita que o vice-rei deve fazer
ao sultao seu suzerano.
O vice-rei do Egyplo quer crear para si urna
guarda saissa de dous mil homens emandou alis-
tar gente na Suissa.
A Austria e a Inglaterra exigeni explicacoes.
Continuara com actividade os armamentos
na Turqua, como prevencao contra quaiquer
.tualidad*. Existe agilacao na Bosnia, e re-
ceiam-se desordens.
O governo turco contratou com o banco de
Oonslantinopla um emprestimo de doze milhoos
de libras a seis por cento, com amortisaoao em 33
annos.
O principe Carlos da Serva parti para fazer
nma visita ao imperador da Russia, que chegou
ba pouco a Litadla (Crioaa).
O governo romaico quer reformar a sua admi-
nistracao civil.
AMERICA DO NORTE.
Noticias recebidas pelo cabo transatlntico, di-
sea que liaviam sido derrotados os-tevultosos de
Cuba, do commando de Jourdan; que ns revolto-
sos de Cuba se apresentaram em numero de dous
mil homens para ataearem do salto de noile a
cidade do Porto Principe; sendo porm a guarn-
cao maior que elles julgavam, foram repelldos
depos de una hora d combate; foram dispersos
pelas tropas e voluntarios que Ihes eausaram mui-
tas mortes, e os perseguirain at duas leguas da
povoacao.
Descobrio s; unta conspinrao i favor de Ccs-
pera.
A esquadra bespanliola de Cuba apresou nma
frota de quinze navios que levavam scoorros pa-
ra os insurgentes.
Falla-se em negociares entaboladas em Madrid
pelo representante americano para a compra da
ilba de Cuba.
As noticias de S. Domingos dizera haver o
pfosidente Salnava abandonado Jacmcl, aehando-
se actaalmente a fazer o sitio de Cayes.
Snblevaram-su contra Jurez dez mil indios
do estado de Chiapas.
Foram presos no Mxico dous francezes e um
belga, acensados de trabalharem n'uma conspira-
eo contra o presidente Jurez.
POftTGGAL.
Encerraram-se no da 23 do passado os traha-
lhos das cmaras, pronunciando el-rei o seguinte
discurso:
Dignos pares do reino e senhores diputados
Ja narjo portaguoza.Venlio exercer no seio da
representaco nacional um dos actos mas impor-
tantes da realeza constitucional, encerrando a pri-
racira sessio desta legislatura.
adiantados na essao qne venbt oncerrar. A vos-
sa appmrar'i-as prrtpostns mals argentes de im-
postes, das medidas reputadas mis epportuna
para elevaro credfto. a mpliacao da desarmotl
sacao dfnotada na-leiislaco rigente, para alar-
gar o principia fecundo da livue transmiuio
Siena disposi^ap da propriodade, esporo qno bao
e acilitara'o m?u governo a solucao doman
importante dos problemas actuaos, d neorn
por um modo etllcaz para prosperidado do
pao.
A situaeio financera pede novos e incessan-
dados, e estas metda legislativa- dotem
cooperar poderosamente para seu melli iramento.
Confio que na prxima sessao da legislatura a de-
(iieacao dos representantes do povo coadjajB
conezlo igual os esforc>s do meu govrrno, afim
de entramios em estrada raais dosafogada, conci-
llando com as exigencias imperiosas do estado da
fazenda publica, as exigoucias nao monos atteh-
diveis dos progresses maraes e ec*nomicos.
Est encerrada a sessao.
Voltou de seu passco ao norte no da 20, sua magostado a rainha, a bordo da
crvela Estephania, melhorada de seus padeci-
mentos.
as elecoes supplementares para suppr-
mcnlo das vagas dos ministros de 7 dias, foi reo-
leito por Lisboa o Sr. Saraiva de Carvalho, e 6le-
lo por um dos crculos de Algarve o Sr. Lnji Mal-
K
Falla-se a subsiituicao do conde d1
nosso minislro em Madrid.
Prle boje (28) note, para o Porto, el-rci o
Sr. D. Lbz, indo residir no palacio das Carrancas
os Sons ou tres diasque all se demorar Acompa-
nha-1o-ha o duque Loul (mipistro do reino c pre-
sidente d flonselho de mini-tros] o o Sr. loaquim
Thomaz Lobo d'Avila, ministro das obras publicas
S. M. vai encerrar a exposi-
cao soTIcIcoia do Porto, parque nao nodo inaugu-
ra- la, pms coincidi a abertura da expo-ico com
a chegaila de sua augusta esposa. \ rainha nao
vai ao Porto.
Dizomos jomaos de hontem que o Sr. Eduar-
do Moser, eommerciante da praca do Porto, acaba
dedingir circularus s municipalidades o s di-
versas pessoas influentes, convidando-as a furnia
rem empresas para o estabelecimento do vas ame-
ricanas penss, do novo svstema de Mr. Holgn,
para o transporte de mercaderas. Eite meio de
transporte offerece novidade, mas carece de ser
pravamente estudado ; parece, porm, ser de
grande vantagam applicado alguraas locali-
dades.
< Eis a comparaco dos clculos de despeza de
transporte :a dbtanca de 10 leguas, ha vendo
boa estrada, percorre um dos nossos carros ordi-
narios em 18 a 2i horas, o urna carga d* 10 ar-
robas nao custa menos de 24^00 rs. Conforme o
calculo feto com o systema de Wine-lrumuiuj, o
da freguezia de Santo Antonio os proclamas
guintes:
I.* denunciaclo.
oao Rarbosa Lima, ecm Eranciaea
Aguiar Buar
Manoel Luiz Carlos Tavares, com Maria Theo-
dora de Lima Barros.
se- ta Amali;
divisaren]
4T Rrreti
douado, general de divisa.) que se acha nos Ac* transporte desse mesmo poso, ficaria por aquella
res, e que designado para ministro da guerra.
N urna das ultimas sessoe das corte* foi ap-
provado o parecer da commissao, suspendendo a
exeecao da reforma da instrueco publica, decre-
tada em 31 de dezembro de 18Cn.
No Diario do Governo vm publicada a le
do meios, i ceder cobranea dos impostas e deraais reodi-
mentos pblicos, e a applica-los s despejas 1c-
gaes, devendo as respectivas tabellas fazer-seas
relillcacoes necessaria?. Foi a lei que & ultima
hora o novo gabinete pedio ao parlamento, decla-
rando que nao havia tempo para se discutir o or-
cameuto' geral do estada. N'um dos artigos da
ihstancia a 200 rs. e seria ella pefcorrlila em'i uu
G horas.
-O custo desta nova viaeao ora Inglaterra, varia
conforme o peso, que ella' chamada a conduzir,
desde 700 at ::000i por milha uglea, ou 1
1 3 de kilmetro (2:1005 a 9:0O03 por legua de
fi kilmetros) e o transporte a razo de 20 rs.
por tonelada de 70 arrobas, ou mil kilogrammas
por legua, darla um bom proveito para a ompreza,
com tanto que honvesse rasoavel trafico diario.
A via americana tonnada por postes ou pi-
lastras, que por meio do grandes moitoes susten-
tan! um cabo de rame, sobro o qual correm os
caixdes das mercadorias, podndu empregar-se
lei teve o governo ampia autorisacao para rofor- para motor o vapor ou a agua, oque tornarla
mar e simplificar os servieos pblicos, rcorgam- mat0 mais barato o transporte. Pode esta via
sar os quadros dos empregados, diminuindo a des-1 nstabelecer-so na encosta mais ingreme, e em toda
a parte onde haja possibihdade de sustentar um
poste, como os do teiegrapho elctrico, nao exce-
dendo o ntervallo s o.m, ou 720 dos nossos ami-
gos palmos. Pode assim galgar grande vao, des-
presando as escabrosidades e accidentado do ter-
reno, o que muito especialmente caracterisa quasi
peza, dando conta s cortes do uso que llzer d'cssa
autnrisacao. A lei declara que o imposto de via-
eao sobr as contribuirles predial, industrial e
pessoal no anno civil de 1860, continuar a ser
de W '. e no exercicio de 18691870, ser de
40'. sobre a eontribuieo do registro, e de 20
sbreos dreitos de mered, matricnlas e cartas. 1 todo o territorio de Portugal, que muito monta-
Da carta de nosso correspondente extrahi- nhoso e cortado de rios, os qtiaos pela maior pal-
mos os segnintes trechos:
* E' curiosa a nota das emssoes de nseripees
(ttulos de divida fundada) feitas pelo ministerio
S-Vizen, em nonie das economas e da morali-
dade poltica:
Em 30 de julho de 1868
2S de agosto
4 de setembro
9 de setembro
de dezembro
de dezemnro
16 de mareo de
21 de abri
31 de maio
22 de julho
Total
1869
2:000
2:000
3:000
4:500
3:000
8:000
3:600
3:000
6:000
4:000
38:100
con los.
Em um anno 38 mil ecem contos dlsncrpcOes,
isto cortando quadros, reduzindo de 15 '., os
vencimenlos dos funecionarios, despedindo muitos,
reduzindo metade a verba destinada para onras
publicas. Mas em que se consummo tiio grande
sonima ? Nao ha memoria de se fazer em 12
mezes tao larga- emisslo, ncm mesmo quando pa-
gamos n'um anno perto do 10 mil contos effecticos
de estradas e caminhos de ferro, porque a emissao
nao excedeu a 22 mil e quinbeutos contos.
Parece que vao fazer-se algumas mudanzas
no pessoal administrativo. Falla-se nos Srs. : Se-
bastio Maria da Nobrega Pinto Pizarro, para go-
vernador civil do Villa Real; Jos Tibnrcio de
Sampaio Roboredo, para o distrcto da Guarda;
Migoel Osorio, para Coimbra ou Porto ; Jacinlho
Augusto de Frcitas e Oliveira, pira Portalegre:
Joo R. da Costa Cabral, transferido de Portale-
gre para Santarm ; sendo concedida a exonera-
cao pedida pelo marquez de Sabugosa, de gober-
nador civil de Lisboa, e para esse cargo nomeado
e Sr. D. Joo Pedro da Cmara.
E' notavel como simultneamente se manifes-
tou em ambas as casas do parlamento a opiniao,
cada vez mas arraigada de que preciso acabar
com o principioda heredilaricdade n'um dos ra-
mos do poder legislativo. O deputad* A. Cabral
de S Nogueira, apresentou um projecto dous ou
tros dias antes do encerramento das cortes, para
que a cmara dos pares seja vitalicia e renovada
por eleicao popular, e que entro ns requisitos para
os
5 elegiveis ou nomeados, seja a idadede 40 annos. ,ra 0 ,. -(5o tMZr
Na cmara alta, o marquez de Vahada pro- |umes induindo 420 i
17.. e. resolvp.n-sc ant> no intorvallo da sessao. ___..' .__ .... -. .
poz, e resolveu-se, que no ntervallo da Bes
urna commissao estado o modo de reformar
aquella cmara em harmona com os principios
mais liberaes c progresivos.
O governo de Madrid mandou inserir na Gu-
zeta Oficial o seguinte desmentimento acerca da
correspondencia da agencia Fabra de que Ihe de
conliecimento ao fechar da mala de li :
Una correspondencia da agoncia Fabra, publi
cada nos peridicos de Lisboa, podia perturbar por
um momento as boas relaijoes que felizmente exis-
tem, nao s entre os governos, como entre os dous
povos maos da pennsula. Esta corresponden-
cia, sem duvida, escripia em boa f, mas inspira-
da talvez por algum mal intencionado, tenda a
malquistar o governo hespanhol com os portugue-
zes e a fazer do Sr. Fcroandes de los Rios alvo da
anlpathia de um povo, altamente zelozo da sua
dignidade e independencia. Affirmava o alludido
escripto que o Sr. Fernandes de los Ros levava
instruccoes secretas para conseguir de el-rei D.
Luiz que aceitasse a cora de Hespanha, ficando
assm desde logo unidas ambas as nacoes, portu
gueza e hospanlola, pelo que se chama" uniao pes-
te pequeos, engrossam no invern ou a3 vezes
mesmo em quaiquer trovoada.
Tom experimentado raeluoras sua emiuen-
ca o cardeal patriarcha de Lisboa, na bella viven-
da dos viscondes do Paco do Lumiar, para onde
foi ronvallescer. Tem o Ilustre prelado ido pag
sar algumas tardes soberba quinta os duques
de Palraella. O nuneio de sua santidade foi visitar
o patriarcha ames de hontem.
Vio nomear-se commissoes para estudare pro-
pp, urna a reforma da ntruecao pabUea, oulra,
a reforma administrativa, as quaes propostas de
reforma o governo levar, se confori|ar-se com
ollas, ao parlamenta em Janeiro prximo futuro.
Anda se nao sabe aocerto se se reuiir em se
-embro a conferoncia escolar, instituir!) que o mi-
nisterio Sa-Vizeu crou para substituir |o exlincto
consclbo geral de instruceao publica.
5 Houve Urna graode trovoada em Celorko da
Reir. As cheias dos riberos comecaram a ma-
nfestar-se logo ao comeco da tempestade ; a
chuva era acompanhada por saraivada de ex-
traordinario lamaiiho ; o Mondego turvoa-se e
comecou a arrastar na corrente os deslroeos da
borrasca. As povoacoes que mab padecerm fo-
ram as de Valle de Azares, Ratoera e Bageosa.
Em Celorico houve proprietario qne tere pre-
juizo maior de OOOOOO. Os bacellos icaram
Juasi todos desenterrad^,.e de umitas proprie-
ades a cheia fez um monta.) de pedras e arria.
Innu eras familias icaram reduzidas miseria.
Em una cabana onde se abrigava da trovoada,
appareceu fulminado por urna faisca elctrica um
criado de servir. De Mallo do Azares desappa-
receram seis creancas e cinco homens. ra d'elles
acoutra-se debaixo de um castanheiro, mas ven-
do passar urna lebre na corrente de urna rbeira
prxima, quiz apanha-Ia e foi arraslado pela le-
vada. Apezar de ser crescida a relaco dos es-
tragos, parece que ainda nao tudo, porque par-
te d'elles anda se ignora. Os prejuzos causados
em Celorico e nos sitios onda a trovoada carre-
gou, sao superiores a 200 Tontos de ris.
Tem havdo trovoadas em outros pontos do
reino.
Entrou ltimamente no Tejo a barca portu-
imcza Alexandre Hrrculauo, procedente de Per
nnmbuoo. A atrumioga iwt.inrou prua>i roa.
zer fra do mauifosto 803 vo-
saccos de assucar. A im-
portancia dos dreitos dos objectos nao manifes-
tados anda aproximadamente por dous contos de
ris.
Guilherme Gonjalves dos Santos, com Anna
Francisca de Moraes (alvo.
Bernardioo Alvos .N'eiva, com Alexaudrina Ame-
lia Pavao Carvalho.
Luiz de Franca Lolte, cota Joanaa Mana da
Conctcio.
Narciso Jos Machado, com Maria Anglica de
Jess Filgoeiras Basto.
2.* denuncacao.
Sebastiao Jos Gomes Pinna, com Ermina Maria
de Almeida.
Silvano Carneiro, com Aloxandnna Maria Ta-
vares.
3.' denunciacao.
Dr. Graciliano de Paula Bautista, com Cltra Ma-
na Sevfc.
NOTIUAS COMMERCIAS.Sao estas as ulti-
mas das principaes pracas da Europa:
Londres, 21 de agosto.
Depos de urna alca de 3/4 d. por libra aps a
Eiliida do ultimo vapor, teve o algodo urna
aixa de 1/8 d. por libra. Colamos actualmente :
ode-Pernambuco 131334a 14 1/4, o diParahvba
13 a 13 1/4, o do Macei 13 5/8, o do Maranho 13
3/4 a 14 1/4, o do Rio orande do Xorto 13 1/4 a 14
1/8, o do Cear a 13 7/8.
O assucar est firme aos preces de 26/ a 28/
o branco, e de 18/6 a 24/ o mascavado.
O caf muito firme de 35/6 a 74/ segando a
qualidade.
O cacao do Para vende-so de 45/ a 53
Liverpool, 27 de agosto.
0 mercado de algodo e de assuear fita calmo,
aos precos da praca de Londres.
Havre, 27 ie agosto.
O algodo est calmo ; vendendo-se o de Per-
nnmbuco ordinario a frs. 16.'i.
0 cacao do Para calmo a frs. 80.
VAPORES DE LIVERPOOL. O vapor inglez
Ambroie devia partir a 2, e o La Plata a 13 do
corrente, para o Para, Maranho e Cear.
NAVIOS A CARGA.Em LisboaGratidao e Co-
tete para Pernambuco, Bom Successo para o Ma-
ranho ; no PortoMura e Saphyra para Pernam-
buco, Formosa para o Maranho.
NAVIOS CHEGADOS. A' Lisbea-a 18 Nova
Vaiineira, d Para, a 21 Gladiator (vapor) de Per-
nambuco, a 22 Alexandre Herculano, idem, a 23
Ligeiro, do Para e a 27 Constante, de Pernambu-
co ; ao Porto a 23 Amisadt, do Maranho.
NAVIOS SAHIDOS. Do Lisboa a 19 Ligeira,
para o Para, a 21 Cearense (vapor), para o Para,
Maranho e Cear, e a 22 Pereira Burges, para
Pernambuco.
LOTERA.A que se acha a venda a 120', a
beneficio do patrimonio dos orphos, que corre
no dia 18.
BILHETES OFFERECIDOS. Numeracao do
bilhetes da lotera 120* offerecidos pelo thesoureiro
das loteras para auxilio das despezas da guerra.
Bilhetes ns. 989 a 998.
m de Parla, fnll. Serrente, ah!
rem uuia lapide como lembralija de n
paes, dev.j declarar que cssa lerabranr,a s'toi
Delflaa de. sugerida polo odio de am irmo desnaturado,
paca contranar-me, e ostentar ao mesmo lempo
sua hypocri-a.
A ningum, senao niiin, caba esse de\or que
eu nao esqueei. nem poda esipieccr, succedeu po-
rm, quo .joando n. tereeiro dia do faMWnpnto
de.mmhap/elizirmaa eu pmcurava cumprilo,
fui sorprendido com a noticia de haverem-me
precedido meus paes! Nisto nao houve espuuta-
nejdade, mas o emprego de sugestBe* de meu ir-
mao e flgadal inimigo Joao da Silva Parla, que
procura semprc lutar com:, nado com os
Bornes de nossos paes, cuja vontade domina intei-
ramente sequestrando-os de relaeoes com os de-
raais lilhos.
Minha fallecida Irmaa morava em minba compa
nhia ha quatro annos, e durante este espaco de
tempo, eem sua longa enfermidade nenlium soc-
corru recbeu de nossos paes, que pareciam t-la
abandonado, ao ponto do nao a visitaren) una
vez se quer, emquanto jazia enferma por cinco me-
zes, com os mafores soflhnientos.
Sua manutencao, iratamciito, enterro e exequias,
tudo peou sobre mini.
Nestas cireumstancias, com > podia eu suppr
que seria privado por quera quer que fosse, de
camprir esse ultimo piedoso dever, de assentar
urna lapide na sepultura que eu dra minha ir-
maa ? Para ovtar este grande desgosto faltou-me
a previsao de que o odio de meu irmo Joo da
Silva Paria se ostentara em sementante occa-
siao !
O que acabo de dizer ha de todos parecer bem
extraordinario ; mas nao faltar ensejo de funda-
mentar a assercao que deixo feita, e de provar
exuberantemente que meu irmo Joo da Silva
Faria tem querido sacrificar seus irmos por mo
Recebe dinheiro
"orzo flxo.
Saca vista ou pr
prtteipaes da Eut
Ha Baria.'Bu ;e^l'
York e Ncw-Orleans, e iutte cartas
^ito para os me|BonHre
Ra do Commerco n. 3.
ALKANDEGA.
Reodiment' do dia 1 a I o. .
dem do dia 11 .... .

VIOV:
4'i:076i8O7
.)|it
M>VIMENT DA ALFANDECA
Volantes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volme sahidos com fazendas
dem dem cora gneros
9
-----421
-=#!' M
Descarregam hoje 13 de sr
Brtgue ingiezlesse Scottmercadoi
Caleta rncezaAmeliedem,
liana inglezaflflwflnidem.
Barca talaraRosaidem.
Brigee sueco/iWenauboado.
Brigue hollaudezCornelia fc Gert riali.i
de trigo.
Brigue portuguez Bella Figtterene varl)s ge-
neros
ABELLA dos rttEcos dos Gmaos sr irnos \ ai-
nElXO DE BXMRTACAO. SE.M.V.XA DE 13 S i8 DK
SBTE11BB0 DE I8G9.
Mercadorias: Unid..
Abanos.........dnzia
Algodo em caroco.....ki! ..
nao se havendo dado motivos para ella, c sim so-
mente a coaeco aiteirament empregada e sus-
tenlda. Entao o publico se espantar da mons-
truosidade de pretender-so constituir um pai al-
gez de seus Rlnos !
Recife, 10 de setembro de 1869.
.liftenio da Silva Faria.
Homenagem ao mrito *
Lendo o Diario de Pernambuco de 27 de agosto
ultimo 11. 195, deparamos em sua Revista Diaria
com a noticia, de que foi portador o ultimo pa-
quete da Europa, de ter sido agraciado por Sua
magestade Fdelissma, com o habito de Nossa Se
nhora da Coneeicao de Villa-Virosa, o Sr. Joao
Luiz Ferreira Ribeiro, muto dign commerciante
de nossa praca.
Essa noticia muito alegrou-nos por ter sido con-
cedida a gracA espontneamente, indeperdentc de
podido ou remuneraban, e ser portanto um ga-
Ihardao ao mrito do agraciado, cojas qualidades
e sentimentos nobres sao por nos conhecidos o ad-
mirados, pelo que S. S. tornou-se credor da nossa
estima e considerado.
.... kilog.
?
e fermentadas:
. litr.
Ao Sr. Joo Luiz, ijue muito dever ufanar-sr
PASSAGEIRO*. Entrados de Mamanguape, no por essa graca to honrosa como acertada, damos
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
PRONUNCIAS.Pelo delegado de polica do
termo da Escada, foram pronunciados Joaquim
Antonio do Nascimento no art. 201, Manoel Vi-
cente Ferreira nos arts. 193 e 205, e "Romualdo
Pereira Gomes no art. 237 do cdigo criminal
combinado com 3. do art. 2 do decreto n.
1090 do i. de setembro de 1800.
Pelo delegado do termo de Cimbres foram
pronunciados, como incursos as penas do art.
192 combinado com o art. 24 do cdigo criminal,
Antonio Ferreira da Silva (ausente), e Manoel Go-
mes da Silva (preso), pelo crime de tentativa de
homicidio perpetrad o na pessoa de Miguel Ferreira
da Silva.
soal, ou mais ainda visto que ne haveria para am- n_ rV41 _. _
has seno um s ministerio da guerra e nutro da '-Aunuba ul. LAVALLOs.Como taes foram
fazenda, embora com dous parlamentos differentos. K*?? P" alegado.Je'Cimbres, Jos Antonio
Accrescentava por ultimo o correspondente qupf^?'Vn? o rancisco Jos Macicl, em poder dos
sua magestade el-rei D.Luizestavaiinclinado aacei- ^ es wram aenados 7 cavados fuados.
vapor Mandah
Joo Baplsta Cabral, Antonio Francisco Lins,
Joaquim Baptisla da Siivera, Jorge Javenal de
Araajo Luna, Florentino Cavalcanto de Albuqucr
que Flores, Francisco Jos Martins Jnior, Ave-
lino Laurano do Oliveira, Jos Gomes da Siivera
e 1 criado, Joao Baptista de Aguiar, Feliciano
Jos Coelbo, Ignacio dos Santos Coelbo, Augusto
Joaquim de Cap-albo c um escravo. Jos Pedro
Baptisla Carneiro, Joaquim Pinto Meireles c um
filho menor, Jos Lopes Teixeira, Joo Jos de
Fretas, Fumino Jos Leao, Js Pereira de Cas-
tro Pinto.
Entrados do Aracaj, no vapor nacional Ja-
guaribe :
Capito Tito Alexandre Ferreira Passos, Jos
Ignacio dos Santos Coelho, Jos Fernandes de Ma
galbaes, C. Portella, Gregorio R. Villa-Nova, G.
Borstlleman, Candido Rodrigues de Oliveira.
Segucm para Lisboa, no patacho portuguez
Maria :
Joo Jos Henriques, Alexandrina Florenr-a de
Albuquerque Mello, Mara Primitiva do Rosario
Henriques c Manoel Cypriano de Albuquerque.
Sabidos para os" portos do norte no vapor
Guar :
Feliciano Pereira de Lyra Tavares, Adalberto
Estevo Lima, Luiz Soares Raposo da Cmara,
Manoel Connives Costa, Jos Gomes da Silva,
Maria Francisca das Neves, Antonio Rodrigues da
Silva, Autonio Ximenes Maciel de Arago, Ma
noel Silvestre Ferreira Bastos, Francisco Ignacio
Ja Silva a sus onhnr.i, Antonio Rnrl>o.-a Aranhn
da Fonseca, Joao Francisco da Coneeicao, Salus-
lino Eubgenio Carneiro, Jorge Augusto de Brito,
Manoel Joaquim Baptisla, Loureneo Antonio de
Azevedo, Theodor Edlefsen, Thomaz Candido da
Silva Mello, Antonio Fehppe, Antonio Corroa
Frias, Antonio dos Santos Villar, Alexandre Jos
da Silva, Jorge Martiniano L. de Sampaio, Fran-
cisco Xavier de Mello, Luiz da Costa e S, Joo
Christino Pires e 2 pracas de polica.
Segniram para os portos do sul, no vapor To-
cantins :
Joo Legto de Miranda, 1 escrava de Joo da
Cunha Magalhes Jnior a Antonio de Squeira,
Jos Henrque Trindade, Carolina e um filho, Va
leriano Pereira dos Santos, Jos Antonio da Silva,
padre Antonio Procopio da Co ta, Numa Pom-
pilio, Manoel Jos de Oliveira, Ignacio Goncalves
de Lima, sua senhora e 2 filho?, Maria da Con-
eeicao Annunciacao, Gregorio Pinto, Joaquim Jos
Ferreira Sobral, Joo Nones, Cezar Ribeiro de Si-
oa nossos sinceros parabens, e esperamos que S.
S., aceitando-a, alm do mais, como um estimulo,
continuo a pautar os seus actos pelos principios
da honra e do dever, certo de que elles scro de-
vidamente apreciados por nos brasileiros, c pelos
seus compatriotas, amantes da justiea e do m-
rito.
Talvez que a pabcaco destas linha*. fillias da
sinceridado com que as padrinhamos, va de algu-
raa forma abalar a reconhecida modestia do Sr.
Joo Loiz, porm pedimos lh.o e esperamos des-
culpa.
Finalmente, tomamos a liberdade de tornar ex-
tensivos os nossos emboras ao jusliceiro e patri-
tico governo portuguez, pela honra que mere-
cida mente acaba de conceder ao Sr. Joao Luiz
Ferreira Ribeiro, contlrmando d'est'arle o gran-
de e incontestavel principio universal: Dai a
Deus o que de Deus, e a Cesar o que de Ce-
sar.
Recife, 12 de setembro de 1869.
.
Enfermidades mortaes.
Quando um doente morre, quaiquer pode dizer
do que morrea. Nao poi, justo, que, quando
se cure, todo o mundo saiba com que se curou ?
E oo eotanto militares de molestias mortaes sao
curadas com a salsaparrilha de Bristol, e ninguem
o .-abe.
Os casos que se apprcrxmam ama suMmida-
de milagrosacomo e do joven Jaymn WyrkolT, o
qual foi mteralmente arrancado das garras da
morte, quando ja so achava meio devorado pelas
escrfulassao os qne naturalmente so pnblicam,
e talvez um centenar delies teern assombrado a so-
ciedade que os teem iido, taoto as principaes fa-
llas, como as publicaces medicas. Porm a
salsaparrilha de Bristol, tem conseguido atibares
e centenares de militares de curas, qaando j os
mdicos menea vam a cabeci e diziam :Nao ha
esperanca I-
Em todas as'partes, durante todas as eslacCes
do anno pro]uz maravillas em silencio. Oxal
que bem da humanidade, se conhecesso univer-
salmente a verdade relativamente as suas admira-
veis qualidades.
Acha-so ven Ja as pharmacias de A.
Caors, H. A. Barbosa, J. da Conceigo Bra-
vo & C, P. Maurer C. e Bartholomeo
C.
tar, ou j havia acceitado. Foi grande o desgos-
to que no prmeiro momento estas noticias pro lu-
ziram em Lisboa, mas o Sr. Fernandes de los Rios
apressou-se a desmentir immediatamente pelos jor-
nacsas afOrmacSes do correspondenteda da agen-
ala Fabra.
A declaraco do Rr. Fernandes de los Rios pro-
duzio o mellor effeito na opinio publica, as
cmaras e na imprensa do reino vislnho, e todos,
LE1LAO.Hoje s 11 horas em ponto, effec-
ta o agente Pinto, na porta da alfandega, o leilo
de duas caitas com brm pardo avariado.
NOMI'.ACAO.Foi nomeado para o lugar vago
de 3* escriturario da contadona da thesouraria
provincial o Sr. Jos Leon.llo da Cuaba Alconfor.
TKESOURARIA PROVINCIAL.-Perante a jun-
ta desta reparticao, vao praca no da 10 do
correte : o aterro e bomba da Ubaia
e bomba da Ubaia, avahado
como era justo, icaram convencidos do absurdo e tudo em l:705OOO ; os reparos urgentes da pon-
malevolencia da calumnia. le do Anio. no valor da fi:ti70.snoo ?<.;*
O paiz dfafrneta felizmente, sem alteraco, as
Itberdades polticas, que sao a base do svstema re-
presentativo, e urna tranquillidade eomplota asse-
gura a todas as manifastacoes da aetividado so-
cial o seu plen9 desenvolvimento.
As relaeoes amipaveis do men goverhocom as
potencias estrangeiras continuara inalteraves, as
^im como o resimito da autonoma c da indepen-
dencia desta naco gloriosa, sempre dispoata a
aturma-Ia e mant-las i custa do todos os sacriti-
cos.
As cireumstancias melindrosas da fazenda pu-
Miaa sao conhecidas e requeren que por meio de
um plano combinado da providencias nos esforce-
mos por attennar as difQculdadns do thesouro di-
minuido as despezas e simplificando successiva-
moDte os servieos, augmentando a recita em pro-
pdreao com as facilidades dos contribuate?, res-
taurando o crdito e desenvnlvendo a riqueza pu-
blica, cajas fontes convm avivar dentro daespho-
ra dos rocanos de qao pedemos dfipOr.
Neste eatiiinho foram j valiosos es passos
Para corroborar por modo solemne a negativa
do Sr. Fernandes de los Rios, devo saber-se que o
nosso etnbaixador nao levou instruccoes algumas,
mais do que aquellas que compondu 9 resumi
no discurso que teve a honra de pronunciar pe-
rante el-rei D. Luiz, ao entrcgar-Ihc a credencial,
o qual discurso foi publicado no Diar'n Oficial de
Lisboa, e o fiel transumpto das instruccoes do
governo.
.0 ministro dos negocios estnngeiros de Hes-
panha informando telegraphicamente dos aleives
e falsdades da correspondencia Fabra, nrocarou
logo o coade d Alte, ministro de Portugal em Ma-
drid, dando-lhe explicacoes amplctissimaj acerca
das instruccoes dadas ao Si*. Fernandes de los
Rios.
O Diario do Governo de Lisboa transereveu
por ordem superipr esta declaragao realmente im-
portante vista da audacia com qua a noticia de
que se trata fra forjada. Suspeitassc que foi fei-
ta ou fabricada mesmo em Lisboa. Outros atlri-
buiraoi manejos do3 viontpensieristas. Pare-
ce quo o Sr. Fabra nao enviou da Madrid seme-
ntante cousa. A polica emprega as suas diligen-
cias.
O ministro de Hespanha em Lisboa, o Sr.
Fernandes de los Rios, mostrou oficialmonte 3o
Sr. Mendos Leal, ministro dos negocios estrangei-
ros, as Instruccoes que recebera do seu governo.
em tudo conforme as ideas que expoz no discurso
dirigido por este diplmala a cl-re na occasio do
apresentar em audiencia solemne as suas ereaen-
eiaes.
Todava, tima de Piarritz ao Jornal do Com-
mercio do Lisboa, diz que effectivamente houve na
Granja urna entrevista entro o regente de Hespa-
nha o o presidente da assembla constitu n:u, na
3nal se tratou da offerta da cora ao Sr. D. Luiz
o Portugal, conservando rada reino, semelhan-
ca da Suecia e Noruega, a sua autonoma. Era
esta, diz-se a combinaco a que albdia a corres-
pondencia Fabra.
Reuniu-se a 17 o conselho de oslado, para ser
ouvido sobro a amnystta que o governo quer con-
ceder todos os preessauos por tentativas de re-
volu durante a gerencia passada. Ainda nao sa
nio o respectivo decreto.
_ Altlrma-so que o Sr. Carlos Bonto da Silva j
nao quer ir para o Brasil us qtia inis-
tro plenipotenciario.
Anjo, oo valor de 6:6703000 reis.
I.\STRUCC.\0 PUBLICA.-Acha-se marcado o
dia 11 de outnbro prximo para ter lugar, pe-
ranle a directora geral da instrueco publica, o
examo de habililaco para o magisterio primario
do sexo femenino. A nscripeo. das concorrente<
deve ser feita al o dia 9 desse mez.
APOLICES DA DIVIDA PUBLICA.- A thesou-
souraria de fazenda desla provincia est antori-
sada a. vender taes apolices ao prego de 80 %,
na conformidade da ordem o thesouro nacional
de 18 de agosto prximo passado.
INCOMMODO PUBLICO.-Para em nosso poder
una censara urna sociedade d msica mar-
cial, que funeciona ra da Mangueira, visto
como, em seus ensaios nonte, traz ineommodo
a visinhanea pelo descompasado da execucao e
abuso dos pratos e zabumba, seguodo articula a
referida censura.
f Por nos meamos nenhuma sciuncia temos do
acto, e por isso, consignando a censara pura e
simplesmente, e admitrado a existencia d'aquelle,
contamos tambera que cessaro por parte da refe-
rida sociedade os motivos que deram lugar a re-
clamacao a que alludimos.
DOURO Este vapor, da linha de Soutampton,
chegou Lisboa no dia 25 do passado, levando
16 das e meio de viagera do Ro de Janeiro, to-
cando na Baha, Pernambuco e S. Vicente, e ah
se demorando as horas do costme. E' unta das
melhores viagens que tem feto os vapores dessa
linha,,
SS. AA. o Sr. duque e Sra. duqueza do Sase e
sous filhos gosavam perfeita saude.
GNEROS DE ESTIVA. O vapor franqez Es-
tremadure trouxoos seguintes gneros : 6o cautas
com queijos a Carvalho Zenha 4 C, lo a J. J.
Gonealves Bel trio, 23 a Corga Irmo, 16 a Joo
Ignacio da Costa, 9 a Lima Silva & C, 14 a J. M.
da Rosa 4 Filho, 15 a C A. Sodr da Motta.c 12
a Fonseca St Santos; 14 caixas conservas, 2 bar-
r* vmlio e 1 cognac a ordem ; i caixas azeite a
11). Chnstiaoson, i a II. Leyden ; 35 caixas frue-
as a J. Correa Braga & C.; 80 caixas vanos o
licores a C. A. Sodr da Motta; 30 caixas sardi-
nnas a J da Silva Faria i Irmo; 14 caixas a-
meixas a H. Oettli & C.
TRANSITO.Da Europa para o sul lo imperio
trouxe o Estremadure 173 passagelros,
PROCLAMA.*, Forana lidos hontem na matriz
quena Mascarenhas, Dr Manoel Tburcio de Fre-
tas Barro.-, Baro do Vasconcellos, Manoel Bran-
co, 1 escrava de Francisco Duartc das Neves a
Antonio Jos de Abreu, capito Manoel Joaquim
Machado, tenentes Francisco Antonio de S Bar-
reto Jnior, Francisco Jos da Silva e Luiz Jos
de Souza, D. Luiza Francisca da Veiga CaDral.
Dr. Graciliano de Paula Baptista e um criado,
4 recrulas da marinha, 12 recrutas do exercito,
2 pragas, capito peruano Guilherme de Roem.
Jos Augusto de Fretas, 4 escravos a Antonio Pe-
reira da Silva, Jos Maria, Pedro {tolano de Al-
meida Couto, Salusliano do Castro, Antonio Alves
de Carvalho Bastos, Jos de Scuza Brando, Ao-
gusto Eduardo Pioa, Jos L >pes de Oliveira e 1
escravo do Dr. Eduardo de Barros Falco de La-
cerda a J. J. G. de Abren.
Vindos da Europa no vapor fraoeez Ettre-
madure : Simo Biagio, Henry Mueseh, Joo da
Rocha e Silva, Antonio Nunes Teixeira de Mello,
Vicente de P. de Oliveira Yillasboas, Jos Corie-
ro do RegoPontes, Luiz Ferreira de Almeida, Ma-
noel Barroso Pereira, Antonio Emilio de Moraes,
Jos Maria Geraldo de Moraes, Luiz Jos Gomes
da Affonseca.
CEMITERIO PUBLICO.Obtuai o do da 9 de
setembro de 1869 :
Jos, Pernaoibuco, 1 anno, S. Jos ; febre.
Paulino Bispo de Azevedo, Pernambuco, 50 an-
nos, solteiro; gastro colte.
Anna Joaquina do Oliveira Cavalcanto, Pernam-
buco, 45 annos, casada. Boa-vista ; hepatite.
Carlota Joaquina de Vasconcellos, Pernambuco,
38 annos, casada, Santo Antonio : abeesso no
ventre.
Alexandre Jos da Paixo, Pernambuco, 55 an-
nos, casado, Boa-vista; totano.
Emilio Americano do Reg Cazumb, Pernam-
buco, 43 annos, casado: gastro hepatite.
10
Mana, Pernambuco, 10 dias, Boa-vista; ttano.
Joao, Pernambuco, 27 annos, solteiro, Boa-vis-
ta; tubercolos pulmonares.
Jos Gomes Ramos. Pernambuco, 83 annos, vio-
vo, Boa-vista; anemia.
Manoel, Pernambuco, S. Jos*; ao nascer.
Joao Jos Gom s de Gandra, Pernambuco, 42
annos, casado, Santo Antonio ; pencardite agudo.
Antonio Bezerra de Jess, Pernambuco, 45 an-
nos, casado. Santo Antonio ; ulceras intestinaes.
Jacmtho, frica, 66 annos, Boa-vista ; tubrcu-
los pulmonares.
Jean Prieto, Paraguay, 2i annos, Boa-vista ;
tubrculo* pulmonares. .
Maria, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio; va-
rilas.
Rita Franco, Pernambuco, 22 annos, soltera,
Santo Antonio; tubrculos pulmonares.
Isabel, Pernambuco, 5 annos, Boa-vista; con-
gesto cerebral
Clotildes, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
convulsoes.
Rogelio Smao da Silva, Pernambuco, -2' annos,
S. Jos ; anazarca.
Carlos, frica, 40 annos, Bua-vista; anazarca.
COMMERCO.
PRACA DO RECIFE 11 DE SETEMBRO DE 1869
AS 3 1 '2 HORAS DA TARD.
Cambio sobre LondresM d/v. 19 3ii e 19 7i8 d
por UOOO.
90 d|v 483 rs. por franco
Cambio sobre
do banco.
-
t. J. Siivera
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
um
Arroz coin casca......kilo;.
dem descascado ou pilado .
Assucar branco ......
dem mascavado......
dem refinado.......
GaUinhas........unta
Papagaios.......
Azeite de amendoim ou men-
dobim.........Utro
dem de coco ...... a
dem de mamona......
Batatas alimenticias.
Bauuilba .
Bebidas espirituosas
Agurdente cachaca.
Idem de canna .".....
dem genebra.......
Idem resillada......
dem alcool........
dem cerraja.......
Idemvinagre.......
dem viiiho de caj......
Bolacha liiia.compreheudidos os
biscoit s.........kilog.
dem ordinaria, propria para
embarque........ >
Caf bom.......
dem escoma ou restolno ...
dem torrado ou nioide. ...
Cal branca........
dem prela........
Carne secca ( xarque ).....
Carvo vegetal........
Cera amareUa....... >
dem de carnauba em bruto. .
dem idem em velas, ....
Cha..........
Cocos seceos.......eento
Colla..........kilog.
Couros de boi, seceos salgados.
Idem idem espichados....
dem dem verdes......
dem de cabras cortidos um
dem de onca.......
Doces em calda......kilog.
dem em gela ou massa.
dem seceos.......
I'.spanadorcs de pennas grndes duzia.
Idem pequeos......
lem de palha.......
Esteiras de carnauba .... cento
dem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional......kilog.
Farinlia de aramia.....
dem de mandioca.....
Feijn de quaiquer qualidade.
Fumo charutos......centro
Idem cigarros...... >
Idem em folha bom kil
dem em folha, ordinario ou res-
tolho .........
dem em rolo c em latas bom
dem, ordinario ourestolho.
Rap ......... .
Gomma de mandioca, (polvilho).
fpecacuanha ( raz )?
Angico (toros)......duzia
Caibros ........um
Baxams ........
Frechaes...... >
Jacaranda (coucoeiras) duzia
l.enba em achaa......cento
dem em toros......
Lindas e esteios......um
Loar s (prancboes).....
Pao Brasil........kilog.
dem de jangada......uin
Quiris ,........duzia
Vinhatico costadnho de 25 a 30
inillimelros de grossura. um
dem prancboes de dous costa*
dos at 50 millimetros de gros-
sura .........
dem taboado de menos de 25
miliimclros de grossura duzia
Taboado diverso......
Tatajuba........kilog.
Travs.........urna
Varas para pescar.....duiia
dem paraagulhadas
dem para canoas.....urna
Cavernas de sucupirafera obra)
Eixos de sucupir para carro
dem..........par
V. CKs
301
26S
11060
IO0n
JJDOII
n
177
32t
9t
JOOl.
,.oo
937
C75
5i';
10-'
5*450
na
3911
3.
3CI
337
600
301
660
I7tl
JO't.
47C.
li
9S9
3!
97
ISK
I6K
442
431
76.:
' Ofit
jOtM)
1JJ438
560
640
370
3STI
lOOOO
1J13:;
78';.
-2JH80
iK^OOo
44600
12JJ00O
OJOOO
JjlOOO
136
681
92
27-2
.000
320
i090
613
681
tti
IjUBO
170
1*70:5
60*000
360
US i
5J00O
PL'flOOO
3*000
1J*000
I 5000
10*00
m
: aooo
-oo
ooo
Mel melaco........ivilog.
Saques sobr Londres
dem de abclha
Milho. .
Ossos.
SOCIEDADE BASCARA EM TOM^DTA pX^caVnaba \
Theodoro Simn Sf C.
Sacco sobre os Srs. Samuel Montagu A-
C, banqueiros era Londres.
A' vista quaniss 5 al 100, 3 dias
de vista quantias cima de 100 at
a 1,000 :J0 (te 90 dias de vista quan-
ttas cima d c 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Novo Banco de Pernambuco
em liquidac/io, 3 de agos-
to de 18G9.
Os Srs. ao-:onstas" poJem receber o
sexto dividendo de um e meio por cento
do capital: s qcarta-feiras e sabbados.
kilog.
i
mullios
kilog.
Pechury.
Pedras de amolar
dem de librar......
dem de rebollo.
Pennas de ema ...... *
Passava.........mollios
l'ontas ou cbifros de novilho ou
vacca. ........cento
2OJJO00
lUiOOO
96^000
33
0O0O
2*401
u*00O
14000
33300
10*000
50
320
68
ii;
.' .'OOO
811
3
18
34
! 796
16o
ilog.


par
kilog.
>
ceuto
duzia
PBLICACOES
A PEDIDO.
Sociedade banearia
em commandita
Teodoro Simou & 0.
Compram o ver.Jera por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sbjj9| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil, ver bot premio.
Descontara !:trs da Ierra outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-so por conta alheia das mes-
mas transac^ branca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem q-~ quer quaiitias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
Aos que apparecendo no cemiterio publico des-
ta eidado, e por acaso (aneando suas vistas se-
pultura da miiha mailo presada irmaa Henriqtic-
EN6LISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Desconta ia praca laxa a con-
mencionar.
Sabio
Sal. .......
Salsaparrilha ....
Snalos de couro branco
Sebo ou graxa cm rama
dem em velas. .
Sola c vaqueta .
Tapioca......
Imhas de boi. .
Vassoura3 de carnauba
dem de passava.....
dem de timb......
Alfandega de IViiiambuco, 11
1869.
0 1. conferente, Francisco de Paula GoHjaltes
da Silva
O 2." dito. Joaquim de Carvalho Jlendonr:.
Approvo.Alfandega de Pernambuco, il da se-
temio de 1869.Paes deAndrade.
Conforme. Joaquim Tertuliar.) de Mev.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimpiito do dia I a 10. l3:3il#0M
Idem do dia II...... 1:839*531
2:80(>
3iS
10
2 mi
m
ato
47'
I 320
20t
380
76*
IOO
960
do setembro de
Vi: 0*543
CONSULADO
endimentododial a 10.
'dem do dia II. .
PROVrXCtAL
. 6:087*88').
. 3:600*48'-.
20:9971370
PRACA DO RECIFE
EU 11 DESETEMBW) DE 1869, S 3 30IUS n.\ IASK
nevKiA *i:m\x\i..
Cambios.Sobre Londres regulnu a 19 5i/8 10
3/4 o 19 7/8 d. por 1; sendo o tutal dos squ< i
effectuados durante a semana de 70,000.
Aloodao. 0 da Paiabvba, posto a bordo vcn-
deu-se a I7.S700 por 15 kilogramnns.
Assdcab.O mascavado bruto americano do
Canal v> ndeu-se do 2&30 a 3 por I'i kiloaram-
mas, "
l
^^^WB*MI


'

=z

Diario
de Pernambuco- Segunda feira 13 d^, SeU-iu^ro
de
1869.


dea-M
1 *r ce

a 1#j00 a arrolia.
u-se a i|500 a
barri-
do ."3100 a 65500 a arroba.
r Kbra.
garrafas un bolijas ven-
za ordinaria eoui 430
rilara.
vendan, a I "> a libra,
-Vendeu-se a 7300 a caix.i.
-Mem a l por galn.
: a 8 a calta.
Os flamengos venderara-se a -23CO0
-0 injrlez v i leu-se a 170 r*. por H'bra
.Vendeu-sa o de Lisboa a 10 i a
-O de Portugal vendeu-se a li'iS
-Os de Portugal vemleram-sc a 220J
a pipa, c os de otitros paizes a I90.
Vhcas.As de ".i.-ii, >sicao venderani-sc a 610
i ii pacota de 6 velas.
D:: -O rebate de letras regulou de lo a
12/o ao ai
Prkti vDo algodao carregand i desto para o
porto de Liverpool, a vapor, '.i 10 d. por libra e
o /. e rola i i d. por libra c.'i %; du assacal1
15/ por tonelada e "> %, e para o Canal a 22 (i por
tonelada e '> "' Do algodao para Liverpool, car-
regando em Mossor 5/S d. por libra e 3 "/0; n >
Natal H. 10 d. por libra 5%; e na ParaJtyba a
', l/ifl d. por libra e 5 /,
MOVIMIENTO 00 PORTO.
Sanos entrados no dia-ll.
Araeaj e portos intermedios dias, vapor bra-
sileiro Jaguaribe, do S8 toneladas, comman-
dante Goilnermo Augusto M. de Castro, equipa-
. gem 30; a Companhia Peraambneaa i.
Mamanguape 20 horas, vapor brasileiro Man-
dalia, de 222 toneladas, eoiiiinrmdante Pena,
equipag.'in l', carga algodao; a ComnaBhis
l'ernambucana.
RO de Jiiieir.i17 dias, brigue nirte-allemao J-
piter, de 427 toneladas, eapitao J. C. Ostman,
equipagem ti, einlastro; aordem. Seguio pa-
a a Parahyba.
Natos snhidus ns mesmo dia.
l'-arcejpna Polaca bespaahoia Modesta, eapitao
A. fiaristany, carga algodao.
liio Grande do Norte Brigue hollando/. Jan
/r.oov, capitn P. Seherpbeer, em lastro.
Navios entradas no dia 1-2.
Bourdeam e portos intermedios 17 das, vapor
frncez Estremadure, de 1,179 tonelada.-, com-
mandante Geost, eqiiipagom lio. carga.(alen-
das e antros seeros ; a Tiss t lYres.
Lio Fonusso(i horas, vapor brasileiro Parahyba,
de lOi toneladas, commandante Mello, equipa-
: a Comanhia Pomambacaaa.
Savia sal'ido no mesmo dia.
ilio de Jaueiro o Ilahia Vapor Iraucez Estrema-
t, oommandaate Geost.
EDITAES.
- 3.* seceao.Secretaria do governo de Pernam-
<\ i setembeo de 1869.
EDITAL.
Pela secretaria do geverno, sao convidadas as
pessoas que qaizerem contratar o previlegio para
abasteeimeoto d-'agua potavel a cidade de Olinda,
nos termos da le provincial n. 888 de 23 de jnnho
ultimo abaix i transcripta a apresentarem suas pro-
pj-tos em caria lechada ao Esta Sr. vico-presi-
dente da provincia at o da 6 de outubro prxi-
ma vindonro, deveudo as aguas ser trazidas mil
metros cima da ponte sobre o rio Bebcribe na
poroacio do mesmo nomp, e nos termos da inlor-
macao do engenheiro chefe da repartirlo das obras
publicas n. 306 de 3 do corrrente.
LE N. 888.
O Dr. Maisoel do Naseiincuto Muchado Portella
vice-presidente da provincia de Pernambuco : Pa-
co saber a todos os seus habitantes, que a assem-
bla legislativa provincial decretou e ou sanecionei
re igutafe:
Art. 1. O presidente da provincia lica autorisa-
do a contratar com Justino Jos de Souza Cam-
jtos, ot com quem melhores vantagens olTerercr o
encarmenlo (Tagua potavel para acidado de Olin-
da sob as seguintes bases :
! i tira
>i i.' As aguas deverao ber saudaveis e
jsm di Ponse, cava-
id! H"sa u joiz de paz
limo Sacra-
.ni i di cidado do
em vina lo da
Pago saber aos que a presente caria de editos
virein, que por parle d SanJoS Colho,
me foi endnrecada a peticao do theor seguinte :
Itlm. fsr. juiz de paz da freguezia de Santo An-
tonio. Dwseao dos Santos Coelho, que, Ihe de-
vendo Jo! Antonio do Oliveira, a quantia de
|:674}667 rs. e juros, como se v da coma juuta,
proveniente de dinheiro de emprestnos, que o
supplicanto fez ao suppliradn, e mah a quantia de
" \ do urna letra aceita polo supplteante. a ped
de do siipplicado, o que foi pago pelo suppbcanto,
e beni assno es ores de mu e meiopor cento ao
inez, como nella se acba estipulados, e nao puden-
do o supplicado receber a cil soafinenle,
para ser interrumpida pcescripcao por se adiar
anseWe e em lagar looerte e nao sabido, vem re-
querer a V. S. para este Bra, que se digne ad-
miiiir aju-iiiicica), a (ual julga por seentenr;.i,
id pM6H editaos ^ora o prazo da lei, para a devida
citacao.
NesieS termo*, pedo V. S. deferimento.E R.
M.O nreenrador, Luiz Anbmio Eloy Beuevides.
N. 73.20ii rs.PagouSOO rs. Rocebedoria em
Pernambuco, de seteoibro de 1869.Alcntara.
Franca.
Na qaal paticao dei o despacho seguinto :
Como requr. Freguezia de Santo Antonio, 9
de setembro de 1861 Augnsto .1 \ l'.mseea.
Em virtude do qual despaiho, se proceden
iuqnerica i das resloraunbas, que d.'pozeram sol; o
juramento dos Sontos Evftngelbos, a respeito da
ausencia o incerieza do lugar da residencia do
supplicado Joao Antonio de Oliveira, e sendo tildo
autoado e preparado, me vieram os autos con-
clusos e por mini lidos, n'clles profer a sonteuca
do theor .-eguinte :
Visto provar-se pelo depoiraento das testemu-
nhas de foi Has, que o Jnstiflcado .loaa Antonio de
Oliveira, acha-so ausente era parte incerta, hoi
por joatifleada a sua ausencia ; o eseriv.io passe
os e lilaos do estyllo com o prazo de 30 Jias, pag is
as cusas pelo justificante, t-'reguezia de Santo
ntonio da cidade do Recife, 11 de setembro de
869.Antonio Augusto da Fonseea,
Nada mais se conlinhaein dita sentenca, dada
nos autos, por bem da qual se passoii ao jiisiifl
cante o presente edital com o prazo de 30 dias,
pelo qual se chama e cita o referido Joao Antonio
de Oliveira, para que dentro dos 30 dias comp-
rela por si ou por seu bastante procurador, para
proceder aos t rraos da conciliario na forma d i
peticao, o ;i qualquer outra pessna, para que Iho
faca'saber d'esta mesmo citacao, alim de que ello
nao fique indefezo. Oporleiro deste juizo, Fran-
cisco Manoel de Almeida, publicar este nos luga-
res mais pblicos d'esta freguozia, c o affixar,
passando cerldaocm forma.
Dado e passado nesta Ireguezia do Sanlissimo
Sacramento do bairro de Santo Antonio da cidade
do Itecife, provincia de Pernambuco, aos lidias
do mez de setembro de 1809.
E en Joaquina do Silva Reg, escrivao que o es-
crevi.Antonio Augusto da Fonseea.
Nada mais so eoatinlia em'dito original (|ue
me reporto e dou f, e vai a presente na vonlade
>em cousa que duvida faca, na forma do estyllo,
e por miin subscripta e assignada nesta freguezia
do bairro de Santo Antonio da cidade do Reeifo,
provincia de Pernambuco, aos 11 dias do mez de
setembro do aano do nascimento de N'osso Senlior
Jess Christp de 1861,'tS'da independencia e do
imperio.
Subscrevo e assigno.
Em f de verJade, o escriviio,
Joaquim da Suva Reg.
DECLARACOES.
ealras de brini branco, calcas- de asm anu, far-
i m branco, gravata ;ro do lus-
tre, polainas de panno preto, sapates e sobreca-
sacos de panno azn!.
Paraartificesavulso*.
IIjs:is do panno azul, blusas de algodio- azul,
calcas de brim branco, calcas de algodio azul, al-
cas de panno azul o camisas de algodaozinho.
Tambem o consol lio contrata o foruecimcnto.de
galinhas para os navios da armada e estabeloei-
mentos de marinha no dito trimestre, e promeve a
compra dos seguintes objectos do material da ar-
mada :
i bules de ferro estanhado, 200 alqneires de cal
preta, 110 bracas de corren lo de forro de 1|2 pol-
legada reforcada, 12 libras de cera em arente. 20
arrobas de estopa do algodao, 10 lences de forre
inglez de ![I6 de grossura, 10 arrobas de graxa
do Rio Grande, 20 peles d marroquim encarnado,
8 arrobas do mialh;.r branco, 2 oculos de alcance,
10 libras de obreias francezas, 0 panelas de ferro
para derreterhreu, 'lOgrosas do pennas d'aeo, C
arrobas de pregos de ferro de coslado de 7 polle-
gadas, 6 arrobas de pregos de ferro de costado de
6 pollegadas, lOarrobas de pregos de ferro de
lado de 5 pollegadas, 10 duzias de taboas de pinho
do 2 pollegadas, 10 duzias de taboas de costa linho
de pao carga, 2 terrinas do ferro estanhado, 20
tirahnhas, 1,000 lijlos de rogo, 30 vidros encar-
nados e circulares para pharol com SI 3|4 polle-
gadas do diametroo 1(4 de convexidade.
Sala das sossoes do conselho de compras navaos
10 de setembro d 1869.
O secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos
No dia 14 (lo crreme, depois da au-
diencia do Sr. r. juiz de orphos, tem Je
ser vendida em hasta publica a preta Li-
bania, sadia de servico domestico, avalipda
por 950^, e vai a piaca a requerimeiilo
de Libanio Candido Hlbeiro, tutor da
menor Auna Amelia._______
O lllm. Sr. conselheiro, inspector da tbsou-
raria de fazenda desta provincia manda fazor pu-
blico, que a arrematacao que devana ter hoje lu-
gar as 2 horas da lardo, peraiiie a junta da dita
ihesourarta, de 21 cavallos do deposito especial de
insjruccao, lira transferida para 'o dia II do cr-
reme a mesma hora, peranlo a referida junta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 9 de setembro de 1869.
Servindo de ofneial-maior,
Manoel Jos Pinto._______
anta Casa da misericordia do
Blccife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Itecife manda fazor publico quena
sala de suas sessoes, no dia 16 de setombro, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
[uetn mais vantagens dffeiecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguRla de-
clarados :
ESTABELECIMEXTOS DE CARIADE.
Kua larga do Rosario.
Sngundo andar do sobrado ri. 24. 3024000
Boceo do Quiabo.
Casa terrea n. 8........ 1463000
Ra do Nogueira.
Casa terrea n. 17......302*000
Ra da Roda.
Casa terrea n. 3........ 985000
Una das Calcadas.
Casa terrea n. 38 ^ lOOjOOO
Ra do Gloria,
Casa terrea n. 57 ....... 146*000
Ra da Matriz da Boa Vist.a
Casa terrea n. 56....... 20*002
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 49...... 170*000
Ra da Moeda.
96000
Ditas ,..,, ,
Lisboa, dem.
I'ouoinho, kMogramma.
Os es poderlo apresen! suas pro-
postas em cartas techadas, as (unes deverao ter a
ordtin estabelertda no prsenlo arman
Aeretaria da Sania Coso de Misericordia do
Reeifo, 4 de setembro de 1869.
escryao,
_________ Pedro lloilruines'le Snuzu.
Perante a cmara municipal desta cidade es
tarao em praea nos da 9, 13 c l.'i do correnle
para serom arrematadas por queio maior preco
offerecer as seguintes rondas municipae:
Imposto de alTerirao de pesos e medidas pela
quantia do rs. 19:0001-3000.
Imposto de 100 rs. por carga de farinba c ou-
tros legnmes vondidos nos mercados pblicos or
.100.
Aluguel do talho n. 16 do qnarteirao do lado do
norte do arengue da ribeira-da freguezia de S Jos
mmo.
A *rremalacoes serfio Litas |wr um anno ;
aquellos ipie pretenderen! concorrer a ellas, devem
hibililar-se na forma da lei, e apresenlarem dous
dias antes as suas babililacoos para sercm julga-
das.
As ondicoes para taes contratos sero declara-
das antes de entrar a praea..
Paco da cmara municipal do Rccife Io de se-
tembro de 1809.
Manool de liairos Barrlo,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagcm,
____ Secretario.
Correio geral.
Pela administrado do correio dcs cidade so
faz publico, para ins convenientes, que em vir-
tude da eoHvencSb postal, celebrada pelos gover-
nos brasileiro e fraucez, serao expedidas malas
para Europa no dia lj' do correute pelo vapor j ment d
inglez.
As cartas serao recebidas at 2 horas antes da
que for marcada para a sabida do vapor ; o os
jornaes at 3 horas antes.
Adminisiracao do correio de Pernambuco 11 de
agosto de 1869.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
LBLOES.
LEIL40
De 3 latas com banlia de porcof 7 barricas
com cerveja, 'i barris com presuntos,
cai.vas com mullios.
HOJE.
O agente Pestaa far leilao por conRi e risco
de quem perleucer dos general cima em lotes e
para fecbaaiento de comas no dia segunda-leira
13 do earrenie polas Hlioras da ataabia no ar-
inazcm do Aunes.
De caixas com brim pardo
ava lado.
HOJE.
Segunda feira^i:! de setembro as II ho-
ras na porta da al'andega,
O agente Pint) far leilao a requerimento' de
D. P. Wild, e por autorisacrio do cnsul de Fran-
ca, em preseuca do seo delegado e por conta e
risco de qnem" pertenec' de duas caixas marca
V. P. n. 129 e 130 com 60 pecas de brim pardo
avariado a bordo da barca franceza h'ijno, viu-
da do Havre, o loilao sera effectuado no dia, hora
e lugar supra mencionados
LEILtO
de fazendas em continua^.ao
Mello, Lobo & C. continnarao por intervencao
do agente Oliveira, o son Icilo do esplendido sor
fazendas as maisproprias do mercado.
Terea-feira 14 do correute
as 10 horas da manhia em scu armazcm a ra
da t'uz.
Segundo andar dito. .
PATRIMONIO
[radas
lo I jar indicado polo engenheiro directa* das
publicas.
'i 2.' Poder o contratante organisar um; com-
panhia para execnco das obras.
: O contratante ter o previlegio de vender
agua ao povn a razio de 20 reis por Laido usual
pele espaco de 50 annos, cujos prasos comeear a
coiT'r do dia era que for annunciada pelos Jor-
naes a conclusao das respectivas obras pela collo-
cacio de dous cbafarizes nos lugares designados
i ,i i.
4." O prazado previlegio ser espacado aa-ra-
7 io de 3 annos por cada chafariz collocado alm
tos mencionados no paragrapho procedente.
Art. 2. O presidente da provincia (lea autorisa-
do a iinpor ^o contratante as condicocs qio julgar
necessarias para facilitar a rea sacio deste enca-
namento determinar os prazos para'comeco e con
dos trabalhos e imoor as maltas necessa-
rias.
Art. 3." Ficam revogadas as dispesieoes cm con-
trario.
Mando portante, a todas as autoridades a quem
i i rascenlo e execucio da presme resoiucao
pertencer, que a cumpram e fac,am cumprir tao
znteir-.mente como nella se coatiu.
O secretario do governo desta provincia, a faca
i aprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de PernambtK"), 23 de junho
de 1^69. quadragesimo oitavo da independencia e
do imperio.Dr. Manoel do Nascimfiito Machado
Portilla.
Sellada e publicada a presente resoiucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, em 23 de
junho de 1869.O secretario,Dr. Joaquim Correa
de Ar&vjo.
Registrada a (1. do livro de lcis provinciaes.
Secretaria do governo do Pernambuco, 23 de ju-
r.Uc de 1869.O chefe da 4.* seccio, F/rtic/icode
Leos Duarle.
O secretario,
Dr. Joaquim Correa Je Araujo.
Faco constar a quem convier, que o lllm. Sr.
Dr. director geral interino tem designado o dia H
de outubro prximo vindouro, pelas 10 horas da
manhaa, para ter logar nesta secretaria o examc
de habilitacao para o magisterio primario do sexo
femenino.
As senhoras que quizerem fazer dito exame de-
verao nscrever-sc na forma das inslruccoes de 11
de junho de 1859, at o dia 9 do mesmo.
Secretaria da instruccao publica de Pernambuco
10 de setembro de 1869.
O secretario,
Aureliano A. P. de Carvalho.
DOS ORPHAOS.
Ba do Seqo.
Casa terrea n. 13 por anno. 219*000
Ra do Pires.
Casa terroa n. 36....... 144*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 10....... 863000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ...........
dem n. 98...................
dem n. 9C...................
dem idem n. 103.
Perante a cmara municipal desta cidade de
Oiiuda, estarao novamente em basta publica para
serem arrematados por quem maior lauco offere-
cer, nos dias 16 e 23 do corronte mez, os banas-
tos seguintes : cap ni de planta pela quantia de
622-5000 ; alTericau de pesos e medidas, sendo o
arrematante obrigado a afferir os da mesma cma-
ra sem indemnisacSo alguma, pela de 607*000;
coqueiros de produccio para negocio, pela de
4763000 ; os atugueis das casinhas da ribeira,
pela de 70*500 ; 500 rs. por eabeca de gado vac- -
cun, pela de 247*000 ; mscales e boceteiras, pe- "J? n- 5. ,r" 5i!".
la de 29*100 ; 100 rs. por carga de farinha e le-
gumes, pela de 13*500 ; 100 rs. por eabeca de
gado recolliidn ao corral, pela de 27 3000 ; repeso
do acougue, pela de 6*500 ; 200 rs. por eabeca
de gado suiuo, pela de 6*600 : 100 rs. por eabeca
de gado ovelhum, pela de 15300.
Os pretendemos de ferio comparecer nos referi-
dos dias com s us Madores competentemente habi-
litados na forma da lei.
Paco da cmara municipal de Olinda cm 9 de
setembro de 1869.
Manoel Antonio dos Passos e Silva,
Pro-prosjdente.
Rayinundo Theodorico Jos Doradlas,
' Po teiro, no impedimento do Secretario.
146-5OO0
203*000
, 202*000
202*000
150*000
Os pretendentes deverio apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa la Misericordia do Re-
cite, 9 de setembro de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de-Souza
AVISOS MARTIMOS.
Para Lisboa
pretende sabir com muita brevidade o palhabotc
portuguez Novo S. Lourenro \ para o resto da car-
ga e passageiros, trata se com os seus consignata-
rios T,Je Aquino Fonseea &. C, ra do Ylgarlo
n. 19.__________________________
OOMPANHU PEKNAMIiUOAiNA
DE
\avegaeSo costeira por vapor.
Paiahyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear,
.Mandab. Acarac e Granja.
O vapor Pirapama commandantt
Torres, seguir para os portos
cima uo dia lo do corrente as 5 horas
la tard. Recebe carga at o dia 14, encom-
raendas, passageiros e dinheiro a frele at a.'
i horas da tarde do dia da sabida no escrptorir
io Forte do Mallos n. 12.
LEILAO
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Navegacao costeira por vapor.
Goyanna.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para o porto cima no
dia 16 do corrente as 9 horas da noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frote, u escritorio do Forte do Mallos
0.12.
Do deposito de vinhos e agur-
dente sito ama do Urna nu-
mero JO.
O agente Pontual competentemente autorisado
vender cm loilao o deposito cima bem como a
armario do mesmo n'oin lote ou em diveros a
vonlade dos licitantes.
Terca-feira 14 do correte.
Dever ter lugar o loilao no mesmo denosito
j-, 12 oras.
OsSrs. licilantes podero desde ja examinaron!
o bolauco no cscriptorio do dito agente, ra da
Cruz n '62, 1- andar. Garanie-se o arrendamen-
to do predio em que est o deposito.__________
LEILAO
Da galera ingleza Lancashire, da lotacio de
1177 toneladas inglezas encalhada defroeto da
barra de Gramamo na provincia da Parahyba do
Norte, na qninta-feira 16 do correnle ser ven
dida em hasta publica o casco de ferro da refe-
rida galera, os maslros reaes e tres vergas gran-
des de ferro, tres ancoras grandes e cerca de
300 bracas de corrente, quatro vergas sobresa-
lentes de oO c 70 ps de comprimento e o mais
que tiver a bordo.
O leilo lera lugar na praia de Garugi (distan-
te do navio pouco mais ou menos irteia legua) do
meio dia em diante na presenca do lllm. Sr. vice-
cnsul britannico e osempregados flseaes e ser
! feito por conta e risco de quem pertencer. As
' condiccoes serao annunciadas no acto do loilao.
Troco miiulo.
Da-so bom premio por sdalas de 1*000, 2*:
3, i e 205 /nova e-tampa: na casa de Theo-
do-ro Simop \ C. largo do l'elonrinhon. 7.
Ama de leile
Precisa-se de urna ama de leitc : a tratar
ra Direifa n. 8.
na
jEMPRESTIMO SOBRE*
(SEM I.IMIT1.)
Na (ravessa da rna
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-sc qual-
1 quer quantia sobre ouro,
prata e podras preciosas.
O dono desta estabelecimento,
competenteriiente autnrisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideracao s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilliantes.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
Xo Reelfe arco da Conceieon. 2
Os abaixo assignados tendose habilitado n,.
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
zes bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde so pagaran as Borles que sahiron
no mesmo bilhele com o descomo da lei somente.
PRECOS.
Bilhete inleiro 2U000
Meios 12- 000
Quartos li000
I", de 100 para cima a -2-> o Bhete.
Figueiredo & baile.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leile : a trata.i na
Ponte de Ucha n. 9 A.
Aluga-se o 1 andar do sobrado da ra de
Apollo n. 28, lado ua frente, proprio para eserip-
torio : a tratar no armazcm do mesmo.
Attenpo.
Joaquim da Silva Reg, cavalheiro da ordem de
Christo e escrivao dos juizos de paz e dasubde-
legacia da freguezia do Santissimo Sacramento
da bairro de Santo Antonio da cidade do Rcci-
fe, provincia de Pernambuco, em virtude da
lei. etc. etc.
Certifico que a carta de editos entre partes
autor. Joao dos Santos Colho e rea Joao Antonio
de Oliveira, do iheor seguinte :
Conselho de compras
navaes.
O conselho contrata em 14 do corrente mez
visla de proposlas recebidas ateas II horas da
manhaa e sob as condiccoes do estylo, o foroeci-
mento no trimestre prximo vindouro de outubro
a dezembro, dos objectos de Tardamente seguintes :
Para aprendizes artfices.
Boneis de uniforme, bonets de servico, blusas de
brim branco, blusas de algodao azul, blusas de
panno azul, calcas de brim branco, calas de algo-
dao azul, camisas de algodaozinho, cobertores de
lia, cobertores de algodio, calcas de panno azul,
colchSes de linho cheios de palha, fronhas de algo-
daozinho, lencqs do seda paeta para grvalas, len-
ces de algodaozinho, sapatcs, saceos de guardar
roupa e travesseiros de linho cheios de palha.
Para imperiaes niarinheirus c aprendizes ditos.
Boneis de panno azul, camisas de brim branco,
calcas de algodao azul, camisas de algodao azul,
calcas de panno azul, calcas de brim branco, ca-
misas de baeta azul, tendo o corpo 3 palmos de
comprimento e as mangas 2 inclusive os punhos,
fardetas de panno azul, loncos de seda preta para
grvalas, sapates e saceos de lona para mari-
nhagem.
Para fuzilciros navaes.
Bonets fle chapa e palla, eamisas de brim bran-
co, calcas de algodao azul, camisas de algodio azul,
Inspe^co do arsenal de
marinha.
Faz-se publico que a comnissao de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 132i de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, caldeira, apparelho,
mastreacao, veame, amarras e ancoras do va-
por Giqui da companhia Pernambucana de nave-
gacio costeira, achou todos esses objectos em es-
tado de poder o vapor navegar.
Inspecgio do arsenal de marinha de Pernambu-
co l de setembro de 1869.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, na sala de suas sessoes,
pelas 3 horas da urde do dia 16 do,corrente rece-
be propostas para o fornecimento de gneros que
houvercm de ser consumidos em todos os estabe-
lecimentos pios seu cargo, tanto desta cidade co-
mo da de Olinda, nos mezes de outubro dezem-
bro vindouros.
A saber :
Assucar refinado, kilogramma.
Dito de segunda sorte, dem.
Dito de torrao, idem.
Aletria, idem.
Arroz do Maranhio, idem.
Azeite doce, litro.
Agurdente, idem.
Azeite de'carrapato, idem.
Bacalho, kilogramma.
Batatas, idem.
Caf em grao, idem.
Cha preto, dem,
dem hysson, idem.
Ceblas, cento.
Carne verde, kilogramma.
dem secca, idem.
Farinha de mandioca, litro.
Fumo do Rio, kilogramma.
Feijao molatioho, litro.
Farello, sacco.
Manleiga franceza, kilogramma.
Peixe fresco, idem.
Sabio, idem.
Sal, litro.
Velas de carnauba, kilogramma.
Companhia americana e brasilei-
ra de paquetes a vapor.
At ti din 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thotnaz e Para o vapor americano
South America, o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do sul, para frotes
e passagens lrata-se com os agentes Henry Fos-
ter 4 C, ra do Commercio n. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor.
Macei, escalas, Penedoe Aracaj.
O vaper Potegi, commandante
Pcreira, seguir para os portos cima
no dia lo do corrente as 5 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 11, encommendas,
passageiros e dinheiro a fretc at as 2 horas
da tarde do dia da sabida no escriptorio do For-
te do Mallos n. 12.
AVISOS DIVERSOS.
Aos laboriosos.
Concei tam-se.
sob llanca, machi-
nas de' costura,
com perfeicio e
presteza, azen-
do-se mesmo
qualquer pega
que por ventura
se quebr; assim
como machinas a
vapor, cylindros
de padari ou ou-
;lro qualquer ma-
chnismo tenden-
te a industria do
paiz, sob as mes-
mas condicoes cima : na rna dos Patos n. 8.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava que
saiba bem cozinhar : na ra Nova n. 2i, loja de
fazenda.
Precisa-sc alagar um preto que seja bom, paga
se 25 por mez : quem tiver dirija-se a ra d-
Hortas n. 7.
Notas das eaixas filiaes do banco do Brasil
trocam-se com mdico descont, na loja de Manoei
Soares Pinlieiro, praea da Independencia n. 22.
GRANDE HOTEL
DE
ORIENTE
Ra
Aos 20:000^000.
Cabugi n. 2
larga do Rosario n. 44
Especialidade na preparacao dos gneros ali-
menticios, promptidio e asseio as encommendas
e boa organisacao no estabelecimento. Reeebem-
se assignaturas para o estabelecimento o a domici-
lio, facilita-se a leitura de jornaes nacionaes o es-
trangeiros. Espacosa sala para o elegante jogo de
bilhar, e ha decente e commoda bospedagem.
Companhia Peruambucana
De ordem do conselho de direc.;ao da eompa
nhia Pernambucana se az publico que somente
at o dia 30 do corrente mez serio aceitas assig-
naturas de accoes .da mesma companhia cuja
emisso se acha annunciada. Pera? mbuco 2 de
setembro de 1869.O gerente. F. F. Borges.
Precisa-se de urna ama para comprar, rozi
nhar c engommar para urna pessoa : na ra la
Senzala-vclha n. 132, 2 andar.
FW
BAHA
O palhabote Garibaldi, eapitao Custodio
Vianna : a tratar comTasso Irmaos.
Jos
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
tfavega^o costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandali, comman-
dante Penna, seguir para o por-
to aciraa no dia 13 do corrente
as 6 horas da larde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a freie at as 3 horas da tarde do dia
da saluda : escriptorio no Forte do Maltos n. 12
Bilhetes do Rio a venda, ra do
Casa da F. Precos do eoslumo.,
c a* v d.\ ri::.
AMA
AVISO
Quem tiver contas com o brigue inglez Gauntet
devem apresenta-las no escriptorio de Saunders
Brothers & C, largo do Corpo Santo at o dia 13 do
corrente.
Para o indicado porto pretende seguir com mui-
ta brevidade o lugre portnguez Cisne do Vouga por
ter a maior parte da carga engajada ; e para o
pouco que Ihe falta, trata-se com o c nsignataiio
Joaquim Jos Goncalves Bellrao, ra do Com-
mercio n. 17,
Precisa-se de una ama paro o servico interno e
externo de urna casa de pequea familia, prefere-
se escrava : na ra das Cruzes n. 28, 1 andar.
CASA DE .%HOliIX.
Travessa das cruzes n. 9.
O abaixo assignado avisa a todas as pessoas que
teem penhores vencidos em sua casa, que nao os
resgatando at o dia 30 do corrente, far leilio
publico de ditos penhores, de conformidade com a
disposicao ao art. 9 das inslruccoes em vigor, salvo
se forem as cautelas de taes penhores reforndas
convencionalmente Recife 13 de setembro de 1869.
N. Danheisser.
AMA
Precisa-se de urna ama engommadeira o oulra
que eezinhe bem o diario de urna casa, prefore-se
escrava, e paga-se bem : na ra dos Pires, sobra-
do n. 27. _____
Na ra Direila u. 29,2 andar, ha urna es-
erava para se alugar que taz os servieos de urna
casa. _____.
AMA
Precisa-se de urna ama para casa de pequea
familia : na ra da Senzala-nova n. 112, terceiro
andar.
i
Na ra estreita do Rosario n. 3o, pri-
meiro andar, casa de urna familia que for-
nececommedorias precisa-se para todo o ser-
vico de casa e ra, de serventes livres ou
escravos, preferiudo-se estes.
Ama
Precisa-se de urna escrava que cosinhe o dia-
rio de urna casa de familia, faca as compras, pa-
ga-se bem : na na dos Pires sobrado n. 27.
Dividas.
O abaixo assignado, arrematante das dividas d
espolio do finado Jos Manoel Pereira de Menda
nba, avisa aos devedores do dito finado que man-
dem satisfazer seus dbitos, no praso de 30 dias
contados da data deste, lindo o qual proceder ;
cobranca judicialmente ; na ra das Cinco Ponla.-
n. 82. Recife 2i de agosto de 1869
Joao de Azevedo Pereira.
Aluga-se a casa n. 28 da travessa de S. Jo>
com 2 salas, 2 quartos, quintal e cacimba, prec
de 14*000 : a tratar no mesmo lugar._________
Ama de leite
Na ra Formosa v. 21, sobrad precisa-se d
urna ama de leile.
Offerecem-seduas senhoras portuguezas, un';
para administracao de qualquer casa de familia,
outra para educar meninas nesla cidade ou fr
della I quem precisar de seus servieos, pode diri -
gir-se ao largo do Pharol n. .ri7. ____________
Precisa-se de um caixeiro de idade de 16
18 annos : na ra da Cadeia-nova n. 7.
RA
|DO
CABUG
esquina
da rna
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
RA
EO
_______DE jomas CABGA
___ Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. da rna larea do
larga do ^ da quaiidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.l 5
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
A4 loja est aberta at s 9 horas da^noute.



I.-I'

*

Diario de Pernambuco Segunda fera 13 de Setembro de 1869
O adrogado
Alfonso de Albuqm'rqne Mello mudou o seu es-
critorio para a ra tas Cruzcs n. 37, defroiite da
typographta do Diario.____________
Ahi#i-se
um exeellente cozinheiro e lira hom ofllcial de ca-
rapiaa, arabos cscavo : na ra Dimita n. 21, Io
andar.
BlUOO
ATTEISCAO
O abato) assigMd*, como herdeirn dos bens do
casal de riaiiuul de Jess Jordao Calduira e Paula
Mara ile Fraga Caldeira, (m ver ao respeitavel
publico e cflWrafsao do i'in*nrina$io fle i
vosniPiiom^autorisada pulo guvrniuda provincia,
que nao arcite qualqucr primicia de ligara esere-
erffiwenlu n lito casal, poli pretendo prpor
aivao era Jnlzo contra qnalqner transaeco ou ne-
OCtotjM flzer ile swelhantes eerave*_ e bens,
leudo j protestado percas e dainos mema
comraissa i, relativamente duas cscravas de menor
iiitlie de immc M,n.ud;i de i anuos c Rosa de "- :
e para que nineiifti'i se >hmiu- .> ignorancia, fazo
presente, nrocedendo contra aquelles em juio, se
o contrario o fier. R*fc ) de setembro de I8C9.
Manocl Uetisario loftlii Caldeira.
Mikroskope achruma-
liseheu. Objetiv Lin-" \~~")
sen.
Barmetro e termo-
metre. Cengrade
e reumneure.
No na das Plores n. 35 pn-etat-se de orna
vendedeira de bolos, paya-so 100 rs. por pataca.
Ama
Aiuda preclsa-se do orna ama para cozinhar :
no pateo da llibeira n. 1:1.
Ollcreec-o urna portuguesa do bons cosiu-
mes para cas:, de ponea familia, engomma e case
coi perfeieao. e faz mais alj-um servir de casa :
Atacase ntna i'scrava para ama da leite : na
roa daa Cien tantea o. I, sobrado.
Ra do Imperador n. 26
Xestc eatakeleoimonb) se encontrara diariamen-
te um completo sortimento de pa-AsUria de tudas
as qualidiutes para lancho o obre-mesa, etc.,-etc.,
0 dio' s fara cli, presun-
tas do Hambre, bolotnglesa*, podios. eButimente
Judo que consilo mi una la pasdlana, cuma
ji.iior asseio c e-mero, cha hysson, preto o miudi-
11I10 do melhor qae lia no mercado. Nesta casa
recefocm-se ehciinmondas para casamento;, bailes
e barateado. ramgffmritftfMa os Amos do es- ^ -.,. ,,,. s |Vlllll n3 Wp
tabeleciiiienti) a ser ir u inelhdr que for possivel------.i----------
-a volitado tta frejuez, dispondo par esse tlni de
um completo pessoal. Kecebe-W uvulso toda e
qualquer encoinmenda, como Njam, bandejas,
botoso pes-de-ldwopadoa, doces d'ov s, icoPOf
; de calila e erysWlfsidoa, fructas naciooaes c es-
trangfias. amendw is cmtaiUdaf, um completo e
variado sortiracnt.1 de caisinhas de lodos Ot) guatos
e presos, para mimosear senfeoras ; estas caixi-
nhas recenteineiiie chegada*daParis, rio de mi-
morado go lo, oferece molas nos galanteadores do
bello sexo, pois nelias acliarao um digno e serio
presente para as donas de seus pensanientos lico-
res, vinbos finos de fulas as qualidades, conservas
o mullios em latas. Os donas de-te estabetecimen-
to nao se guipando despezas, fazem todos os
aforeos para servir o ivspeiiavel puhlis-'i o me-
lhor que tur possivel, srndo priiicipiaNtcs o te-
tando com til i- i- iil'iMllados, esperan) a Cun-
eirreuciado ir-|i'itavci publicodeslacapital,
ioiaes e esir i cetros. IVi-hirch : legitimo vi-
alio muscatel em eai\ <>, qua M vende por colmo-
lo proco para pirticul.iiv- e para negocio.
OCULOS PERISCPICOS
ESCRAVA.
Pcela-e alegar para cozinhar
Coraran de Onro, rna do Cabuya.
a tratar iw
AMA
1JL_
Precisa se de urna ama que coiapre, minti e
engommc, para mulher e marido : na ni da Pal-
ma n. 29.
Alnga se um boa baixade cupita : na
Caputiia. a iralar na casa u. 22.
Na praca da Independencia n. 33, e d di-
nneiro sob penliores de curo, prata-c pedras pre-
Antonio de Albuquerque i^ Mello embarca
para o l!i de Janeiro sua escrava parda de 23
ranos il>- idade. de nomo Febberla".
Ama.
Precisa-se alagan* urna cscravn que cozinhe e
engnmme. para Cnsa de milito fiouca familia ; e
(ainhein aluga ra do caes do (lapil aribe, casa nova coin porlao
de ierro ao lado.
Ama
E crystal de rocha do Brasil.
F. dos; pomue, com esteu vidros, a vista descansa, forlifica-sc c nao a canea como om
os vidros ordinarios. Urna vez escoltado um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios so est obligado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grosso?, o que altera o crystalino do lho e deteimina quasi sempre do-
res de cabera. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vestes que o objeGto est mais perto ou mais longe, os raios que expelle s5o
mui coavergWrtu8 ou owii divergentes e a visao uSo perfeita. Um grande numero de
pessoas te o deleito de fazer convergir muilo de sorte que a visao nao distincta.
Com a applicacao de meus vidros pde-se vencer estas dilTiculdades. Para os que tem
a vista curta o cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro cncavo affasta-seo ponto de
vista, o que faz divergir os ebjectos c deixa ver tao longecumo as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que succede aos que km chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, o nao enxcrgam setiao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergarjk)
tao distinclamente como na idade de 15 annos. Servindo-se desles vidros quando a
vista principia cufraquecer, prevne-sc o mal.
F. A diernaaii encarrega-sc pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
coHier, a prtmeira vista, soja qual for a iade egro de vista, oculos proprios para
qaalquer pessoa,
ciosas, C seja qual for a qnantia : ne-mesma casa
-*...'. p tiln |rit* i'/.i,
->'. compra e vendo ohjeelos e onro c prata, e!1rWMM ,i.w pr,K
ii)uiiiiiciiil -i r*i. ii.o.. .|u>oi{iii-i Oin .i uw enrniu- ;
monda
e todo
mesm <|nnli|i
tpialquer conocrte
Precisase de urna ama para livar o entoramar
oulra para cozinbar para ponea familia: na
i'-> to firffniti.
**.
tendente
Preeisa-se alugar algrau .escravos, paga-se
bom aluguel, agradando nao se poe duvida en
adiantu alguioa quantia, confirme convencional*-:
a tratar no pateo do Teo n. 3.
Aos 20:000^000
CASA DA RBUCHUDG
38-l>i*:u'-ida Iutlcpcadeocia>99
Os abaixi a-siguddS te;n nopootQ a venda os
seos felizes iiilhetes da 57" loleria do Estado Sa-
nitario (J93i, cujas lisias sao esperadas at 13 do
eorrcnU] sendo os premios pogos in eontinenti.
_____________________Veras & llarbedo.
.'iOiOOO de giaiicaca i n quem pegar a pre"
ta Mara, eriouia, idade de 25 ann s, alta, com
todos us denles na frente, clhos-grandes, quando
falla gagueja algtimo censa, um oonco sellada,
dcsappareceu liouteiii a tarde, levando vestido de
lia j us ben) usado : quem pegara dita prea apresenle-a
ao sen senhor Clorindo Catan, morador na ra Ve-
las, sobrado n. 2, que ser inmediatamente pago
._tp}ijg3 ESI
O advogado .l)r. nionio de Vag-
concellos Menezes de Drummond,
mudou ij seu esaiptorio para a ru
do Imperador n. f), onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua protissao em todos os dias
uteis das 10 horas da manha al
as l horas da tarde. Fra dssas
horas, e para qualqucr oceorrencia
urgente, ser encontrado no- seu
domicilio, rita da Aurora n. 26.
3IS3?
'M\M
sai
Ao commereio.
Ainaral fe Souza, eslabelwidos na cidade de
Goianna, ra do Meio h. 31, previnem ao respei-
;avel corpo cwinmercial, que nesta data dissolveram
uiiigavelincnte a sociedade que gyrava sob a firma
cima ; (cando o socio Ama ral encarregado por
sua eont.i. da coheanca das dividas da mesma fir-
ma, e o mais, activo e' passivo da casa, a cargo do
socio Souza. Goianna l do agosto do 1869."
Loorenco Freir do Amara).
Mathias Gomes do Souza.
F de importanda!! I
O aviso que faz o Campos da ra do
Imperador n. 28, pois s elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que tao anciosamenle erarn espera-
dos de Costa de frmaos, e sao elles das se-
guintes marcas : expsito Normas, impe-
riaes e Havaneiros. A clles antes que se
acabem.
0 Oampos
Tambem tem em seu eslabelecimento,
alem de muitnsoutros gneros antt> para
mesa, como para despensa, o seguirrte :
Camaroes seceos do Maranhio.
0 vertadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio-Novo.
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psd/e francez, (metrico-decimal).
assiai com
As tabellas ({je mais aceitacjo ten merecido
las casas de commereio em grosso e a re-
talho, smente pea fcil comprehensao e
vommodo pre^o, so no
Armazem do Campos
Joaquina Jos Ga
Qalves Beitrao
IA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre Ban-
:o do Minho, em Braga, e sob^e os se&w-
tes logares em PorlugaJ:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Claves.
Viseo.
Vilhi do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpaissos).
MtBodella.
Beja.
Brcellos.
Precisa se de um caixeiro ue 14 a 10 anuos:
na rna da Concordia n. 7.
OSr. kis Do......gues da Sdva & C, dirija-
sd rita do Qneimado n. 1, afim de se Ihe entre-
gar tima carta eommercl.
.UL4
M:
Prccisa-se de urna ama livre ou escrava. que
saitia cozinbar c que seja de'boa conducta,' para
um sitio na l'assagem da Magdalena : a faltar na
roa Nova n. U.
l'recisa-se de una ama lua uu escrava
para o servico de una casa de r.iniilia : na ra do
Aragao n tO, luja de cbaruteo.
Precisa-.se
de um eaixeiro que tenha pratica de taberna : na
travessa das Cruzes n. 12.
(M DA FWTIIU
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme
Acham-se a venda os felizes bilhetes garanti-
dos da 10a parte da lotera a beneficio do patri-
monio dos orpliaos (O-), que se extrahir sab-
oado 18 do corrente mez.
Precos.
Os do costme.
'_____ Manoel Martina Fiuza
COSTJRERAT
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
caza, por preco commodo, na ra Augusta
n .112, e d-se fianza sobre as mesmas.
Club Pernambucan
A partida do corrento
noite do da 17.
mez ter logar
na
GOffiPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
aECIFE A? OI,3\||A.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas elfectuarem no praso
de 10 dias (a contar do dia de setembro
prximo) a i'-prestacao de suas acfif es na i a-
z5o de *0 %. Para esse lira ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteis
desde as i i horas da manhaa at as 2 da
tarde no seu cscriptorio, ra Nova n. 3a.
Escriotorio da companhia, "JO de agosto
de 180.
Io secretario,
_____ Iheo. JilU.
NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O (Jemonio mudou-se por sua livre e expontaiiea \ontade
VIVA 0 DA DE S. BARTIOLOMEU
Agora uinguem presuma que foi um demonio qualqucr, foi
0 BOM DEMONIO
Mas nfto sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA WAIS PERTO DA MATRIZ
Seu dominio est hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA Dd ARAGAO N. 32
VEJWHAltl VE-IiO
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostra
E as diabluras que faz!!!
!
a Negra tranca no co.lo lhe ondeia
* Solta taita ao mago desdem :
eita a fronte n'um peito e conhece
t Quautas maguas o scio coalm.
Esta linda e gentil creatura lambeta
Queijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinlias,
Doces seceos e licores.
De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Para agrada-, t
Venham freguezes
Qne bao de {-oslar,
N. B. Brevemente ser annunciado o dia, em que este importante armazem de mo-
tilados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
naBONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nossoes-
tabelecimento, comprar os nossos supet eres gener s por precos muito rasoaveis.
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a Aisla myope, (vista curta).
Para vista que so cobra,-da nuvoas.
Para a vista que por momentos, vfi es-
voa^ar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista lbo e a leitura.
Para a vista presbyta (vislagalotn ).
Para a vista que nao supporta os ratos
solares neui grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras estao cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o oulro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
do olho se.cobra de catarata.
de binculos
oculos
e
de
Sorli ment
para theatro,
alcance para o campo e ma-
rmita. .
mm*mm
Lunetas, pince-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambem grande sorlimento de relogios para parele, que d5o horas e para
cima de mesa dos mais lindos modelo Relogios para algibeira, de ouro, prata, prata
dourada efuleada, iugtezes, suissos c orisontaes dos melhores e mais afamados fabri-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Em Perambuco.
N. 21=Rua NovaN. 21.
Cansa admirarn,
Mas n3o se pode duvidar;
No armazem Independencia
E' onde se pode comprar.
i
ATTENCAO
Na ra da Cadeia sobrado a. GO se dir
quem vende urna escrava, bonita figuia
com habilidades, garante-se nao ter vicio
algum.
Os abaixo assignados declaram a
quem interessar possa, que nesta data
realizaram a compra dos gneros, armaejo
e utencilios commereiaes existentes na 'ta-
berna sita rua Direita n. i. pertencente ao
Srs. Jeronymo Francisco Ferreira e Fran-
cisco Igleizas Lopes, livre e desembaraada
de qualquer compromisso aneri. r a re-
ferida compra. Qutm se julgar com di-
reko a reclamar contra este acto, queif-a.
fas-vio no praso de oito dias, lindo os
quaes nao se attender a reclamafo al-
guraa.Reiife, 6 de setembro de 1809.
Francisco Fe mandes da Siloa.
Francisco Jos Pereira do Valle.
donas deste importante e magnifico armazem de seceos e mol hados sito rua do Rangel
n. 3, julgando nao aceitarem concordata alguma com os seus collegas resolveram de-
nominar o seH armazem INDEPENDENCIA, assim como o seu fim nao seja Iludir
ao respeitavel publico deixaro de annunciar. sem o que o mesmo o julgue e admire...
Mas como nos pontos da va frrea, j se tem discutido e apreciado'a realeza e impos-
sibilidade a ver quem vende gneros tao barato, por esta razo que annunciamos para
que todos tanto da praca como do matto acreditem o que neste asseveram e aquellos
que ainda n5o nos tenham honrado com suas freguezias, podero dirigir-seao mesmo,
certos de que ver3o gravada a sincertttede e mt-thodo de negociar muito franco sem que
necessitemos de andar mia noite pelos oites das matrizes figurando-nos por bons
demonios neta mesmo na frente da msica com o pend5o na mo feito bausa.
FEEEEIRA & IRMO,
Ra do Rangel n. 3, armazem da Indepen-
dencia.
Manteiga ingleza flor a I #300 por 500
gramma3.
Dita dita a I 00 idem.
Dita dita a i000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a :ii>00 idem.
Dito dito a 35200 idem.
Dito dito a 36000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf d caroso a 200, 2i0 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Yellas estiarinas, masso 720.
Potes com sal refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs. -
a lata.
Eructas porluguezas em calda a 000 rs.
a lata.
Ditas s de pec lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocol-ile espanhol a lS000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos diLi de iustarda a 800 rs.
Latas com carne de jorco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a ata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
Garrafas finas para meza, o par 5^000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a I.-SOOO.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
giammas.
Vinho bordeaux em caixa, ToOOO.'
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de differenles mrreas. a
1^400.
Fosphoros de seguranza, masso 500 rs.
Banha de poico a 720 por 500 grammas
Vinho do reino, garrafa a LOOO.
Charutos do Lima a 5> e 6:> a caixa.
Sabode massa a 240 rs. por 500gran>
mas.
Latas comaineixas a t$, I500, 2800
e 30500.
Ditas de manteiga a 2s>800.
Ditas juliana a 10 por .KM) gtammas.
Frascos com maceas seccas a 20000.
Serveja de differentes marcas, duzia 60.
Tapioca do Maranh3o a 240 rs. por 500
gtammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 50.
Ligaicat e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G,z, Lia a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
I, Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 1>200 a lata.
Latas de po-de-l a 900 rs.
Bter om garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muitas marcas a I OOO rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem ludo quanto cima est especificado, adveite a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se evp ara quelles
que nao entendem.
. VEJAffl QUE DIABRRA
Tirar premio sem comprar bilhetes
Isto s pode ser artes do
t i i t
BOM DEMONIO
Est (leci Leiam=a 11 m irem
E...... espalhem pelo universo
SE TAO EXTRANHO ASSUMPTO CABE EM VERSO.
BOAS FESTAS SEM CSTAR QINHEIBO
Vicente AI ves Moreira, agenctokir de ven-
das de escravos, mudou sua residencia da ra de
Horta* n. 94 para a ra da Paz n. 34, onde- seus
frejBlezes o podero proeurar para a mesma occa-
paeo. lteeebe escravos, o prometi prompta venda
C0ITAM4 DOS ANAIUZES
16-RA DA CRUZ -16
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vinbos de superior qualidade, chHisson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas cooeitadas, xaropes refrigerantes, doces df
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentes, a saber:
Pecas de nougat. PSes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. pratos de doce de ovos.
Ditas de caramHo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armagao de assucar. Empadas.
PPEniI.IlIA!'
No intuito de fazer urna fallada o bom oemomio resolvou tn.r.icsear d'ora
em diante com um bilhete a qualquer pessoa que de urna vez lhe comprar 50000 de
gneros, com dous a quem comprar 100000, e assim por diante sempre um bflhcte
por cada 50000.
Cada um desses bilhetes dados de nulo beijada proporcionar o portador
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna lbo for
propicia coincidindo o numero do dito bilhete cora o do que tirar urna das tres sortes
maiores da i* lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro \\:\ '. :ro.
1:11
1 gigo de champagne, valor....... 300000
1 caixa de vinho do Porto (Menores).. 230000
1 duzia de garrafas de cereveja (Bass) 90000
1 presunUr de fiambre............ 155000
I queijo prato................... 60000
1 dito flamengo.................. 30000
6 latas de marmclada fina.......... 60000
1 caixa de paQas.................. 80000
1000000
mm PREMIO
1/2 gigo de chimpagne, valor............ 150000
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... 140800
6 ditas de eerveja (Bass).............. 46tM>
1 queijo prato....................... 00000
1 dito flamengo....................... 30000
1/2 caixa de pacas..................... 40000
6 latas de marmelada................. 60000
500000
Cao fgido
Desapparecen um casliorrmho inglez, rateiro,
tem macoleira de m-tal branco ao peseoco-:
quem o achar ou souber alguma nnticia delle, d-
rija-se ra do Apollo n. 32, que ser graiiticado.
Alaga-so o 2" andar o sotao d) obrado da
ra da Guia n. 31 : quem pretender,, entenda-se
no depsjto da ra da Sanzala-velbfl n. 48.
Em casa de THEODORO CHRJST^
OISEN, roa da Cruz n. 18, encontram-si
etoctivimente todas as qualidades de vinh<
Sordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Ama de leite
Precisa- o com toda urgenia di nma ana de
.leite : na travessa do Veras n. 18, Io andar. Nao
so olhaa preco.
l'reciM-se de um criado para todo servico de
hotel, paga-so bem, prefere-sc escravo : a tratar
na ra cstreita do Rosario n. II, hotel Lisbonense
Cozinheira.
Prccisa-sc* de ama cozinheira ; a tratar na roa
|Novan. 28.
(OSTIIIEIRA E MODISTA
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
T a honra de partecipar ao- respeitawl poblieo e em paftkwkir se.us fregue-
zes, que, pelas relacbes que acaba de encetar com algumascostureiras e modistas das mais
afamadas de Paris, que todos os mezes lhe mandam figulinos, de vestidos, man-
teletes e chapeos, que esto- na maior goste e nus modernos, se acha habilita-
da para fazer vestidos para passeio e visitas, bailes e casamentas. Assenhoras que
ahonratem.om asuafre>gueza, nao deaj*a de ser satisfeila*, tauto- pelo bomgosto, coao
peta barateza do precos e promptidao na entrega m encommendas ; tambem tem bo-
nitos enfettes muito ftodernos e de todasa cOres. Fazem-se chapeos de todas as qualidades
tanto de fil como de palha.
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres), valor.. 110500
6 ditas de eerveja (Bass).................. 40500,
1 queijo prato....................>-----*. #0|MF
1/2 caixa de charutos de Simas...............
250000
:*#*
MAIS DIABRTJRAS !
Se a pessoa a quem a sorte houver favorecido quisor u*oac j
os gneros cima mencioaados ou preferirir receber o respecivo valor em -i-iroto
se ter dovdi em satisfazer.
Venham, fregnezes
Da praq e mato,
Comprar barato
Ao BOM DEMONIO
Pra^a da Boa-Vista n. 32, esquina dar raa
do Arago.



Diario de Pernambaco Segn la (eir 13 de Setembro de 1869.
ESMERALDA

AGENCIA
a
I
a
*
Moreira Duarte & & tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
ioja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem oflFerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
K 5 RA DO C m1 \. 5
Do Dr. Ayer.
PE1TORAL DE CEREJA
cura nhlisica e todas as molestos do peilo.
SALSA PARKII.IIA
cora ulceras e chacas amigas, c.npigen* e darlo?.
TOXICO
conserva c limpa os cabello.
PII.I'LAS i:ATHAHTICAS
puramoute vegetaes e sem mercurio, cura sesocs,
purgan) e pnrittcam lodo o syslema humano: ven-
der nicamente em casa de Samuel P. John&ton
4 C, ra da Seniala-nova n. 42
Superiores sedas de cor e stras a 1#600 o covado.
Lindas poupelinas de 13a, com grande vai iedade de cores escuras e claras a
iGO rs. o covado.
Pecas de inosselina branca com salpicos e com sete metros cada peca, pelo ba-
aUssimo preco de 4.-5000 a peca : na Ioja das Columnas, ra do Crespo n. 13, de
Antonio Correa de Vasconcelos A C.
L0.ll
ALGODO
DAS MACHINAS
BASTOS
f-ACIIINAS americanas do serrote de todos os tamanhos para descarofar algodo, do
multo conhecido fabricante Eagle Colln Gin.
iJACtiLNAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Colln Gin.
HIAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de faco do fabricante Flatt B. C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade o as melhores que tm
. ] ao mercado ; e para a sua apreciaeo convidam-se os senhores agricultores "
i a exposicao cas mesmas na ra daCada do Recife n. 36 A, Ioja do Bastos, onde
enconttaro mais o seguinte:
Uebulhadores para milho.
.'ylindros para padarias.
-.rados americanos.
Carrinhos de mo.
hias para cortar capiu.
Camos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Tenas de ferro galvanisadas.
Poibas de rimo finas.
Ditas de cobre e lalio.
Ferro de todas as quaidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
'Jachados americanos.
racSes ttes.
Salaios e cestas de verguinha.
Vassouras americanas,
folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras pera ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
veraiade seria enfadonho enuumera-los.
Foiha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Ternos de bandejas finas.
Treus completos para cozinha.
Penetras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas c rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refiuayes.
Azette de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as quaidades. .
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertcnces para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
Attenco.
Constando ao abaixo assignado que a sea nh-
ier D. Mara Christiana Bastos Vianna cuiidiuio
liontem, 3 do crrante, em sua companhia para a
cidade ot-Bedfe-dnoseecravQ* Cornelio e Ifio,
o primeiro de M n -"> robos de idadt e o segundo
de l, e que os pretende vender ; declara ao pu-
blico, para que ninguem se chame a engao, que
sua inulher que move contra o abaixo assignado
aeco de divorcio, nao pude dispr d'esses escra-
vos, e que o mOMUa abaixo asignado riar-sclia
pressa em promover pelos humos legacs a nuilMa-
de de qualqucr negocio que se nzer com os referi-
dos escravos.
Engenho Govanoa Grande, t de setembro de
1809.
Jodo Francisco Caraknnli le Aglbuuergue.
WbsITfebbes HHHHB
As pillas aiiti-periodicas de Pinto.
nico deposito des*>a medicamentos na
pharmacia do son autor ra larga de Ro-
sario n. 10, junto ao quartel do corpo de
polica.
Ama
Precisa-se de ama ama livre on eeerava que
ozinhe com perleicao o diario de urna casa e que
sej ii. 5, 3 andar.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Emquanto durar a iuterrapcSo do transi-
to no silio da Jaqueira, em conseqiiencia
ila collocaco do novo encanamento d'agns,
licam supprimidos os trena depois do espec-
tculo dotheatro de Santa. Isabel
Escriptorio da companhia, 10 de setembro
de 18tt.
O gerente,
RawHmon.
Modista brasileira
Maris Carmina avisa as senlioras- mais
ile familias que faz vestidos pelos mais mo-
dernos (gaos de Caris, lava, arma e en-
fcita chapos de palha ou de seda, tanto
para senlioras, como para meninos c mais
barato do que ouira qualquer: no pateo
de S. Pedro n. 12, l<>ja.
.lU.
Precisa-sede una ama livre ou escrOTO para
todo o servlco de easa de pepuena familia : na
ra Feitor
Precisa-se de nm feitor de meia idade, usado.
e que de liadur a sua conducta : na ra do Ara-
gao n. 32.
COMPRAS.
Precisa-sede urna'ana que saina cosinhar : a
tratar na ra do Queioado .n. 3l"
Nooilao da matriz da Uoa-VMa n. 1, preci-
sa-se alugar urna oserava para vender taboleim
com holos, eo sen sentar garanta Riia-conducta*
O agente de compras e vendas do
escravos, Jos Martina lvcs da Cruz achas
se residindo na ra de Moras n. 96, promp-
to a deseinpenhar nao s o sou dever para
este m, como para outros que seus com-
mitentesojulguem habilitado medanle suas
respectivas commisses.
Na Boa-Vista, ra Velba n. 82, lem
para se alugar urna preta para cosinhar e
etngommar.
Com muito biaior vantagem compram46
moedas de ouro e prata ; na Ioja de joias do Ce
racaoiie Ouro n. 2 D. na do Cabnp.
Omuzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e podras preciosas por preeos mais vantajosos d>
que em oulra qualipier parte.
Ouro e p"at
Comnram-sa moedas de ouro e prata de toda
as quaidades. por bom preco : na ra da Cadeia
do Recite n. .'8, Ioja do azulejo.
ESTABELECIMENTO EMJ832
Salsaparilita de Brislol.
1 .':<.liI\IA E 0H6INAL
FllASCOS GMNDES
AVERDADE
55
-B.ua do uein la do i 5
i A ViiHOADE tendo em deposito gr
quanlidada demiaikaase perfnaiarias. e sejandu apurar dirhetfo e adqucrii
Iguexia est rssalvkb .1 veodr iwuitiss
barato, isa raz^o convida oor^
lavel publi n a fir comiwlentemefiie 11
I lo a sortir-se do boro e barato! Pow quan
j do a Verdad'e ap|)aecc, tudo mais
' apparece------
OGBANDE l'URIFICADOR D0SANGUE1: Grandesorlimeotedeboeros de o.
Esta rxcellcnte e adxairvel medicina, e|iassaa; mais lindas possiveis vestidas a
preparada d'uina mancha a mais scinilili- racter.
Um negro de idade 00 annos, sem vicios, sadio.
proprio dar sitio : ua ra larga do Rosario, Ioja
n. 22.
Aluga-se um primeiro anJar na ra das
Agoas-Verdes n. 8c, o um outro dito proprio para
rapaz solteiro, na ra Uireita n. 63 : a tratar na
ra das Cruzes n. >, 1" andar.
Ollerece-se um moco para caixeiro, com
bastante pratica de molhados, para aqni ou fra
da cidade, e dando fiador a sua conducta : a tra-
tar na travessa da Senzala-velha n. 4, taberna.
Colla compagina lyriea e giunlo in questa
citta il professore Beltrami Callisto, il quale da le-
zioiii dii corno, tromba, sax, cometi trombone
e hombardino. Compone e riduce per banda, per
orcliestra e per piano lorie Marcie e Ballabili. Ri-
duceduett, lerzetli.quartetti, cavaline e romanzo
con accompagnameoto de piano forte per banda e
jod orcbeslra. Per tr.ittativo dirigersi al (airo
S I-ialxlla dalle t-> alie 3 o dalle 8 pon alie ti.
Veneravel rmandade de .\ossa
enhora da Fenha de Ciamel-
lelra.
Por ordem da mesa regedora scientiico
a todos os irmos desta veneravel irmanda-
de, e mais devotos da milagrosa Nossa Se-
nhora da Penha, que a festa de sua Augusta
Padroeira ftcou transferida, por motives
ponderosos, para o da 3 de outubro pro-
xio vindouro.
Consistorio, em a de setembro de 18G9.
O escrivo,
Joo L. Doradlas Cmara.
Compram-si; moedas de ouro e prata de to-
dos os valores, ouro o prata em obras inutilisadas
brilhantes e mais pedras preciosas : na Ioja de
ourives do arco da Conceico, no Recife.
' ESEd
Compram-se e veudem se dlartameatepara lora
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lercoiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Comprase um pao de bandeira, que
nao seja muito grande : nesta typographia
>> dir.
Compra-se um cscravo de meia idade, sadio,
c do bons costmnes: a tratar das 10 horas da ma-
nliaa em diante, na ra Uireita n. 58, Ioja.
LINDAS.
Vende-se urna canoa que pega i.COO lijlos
grosaos : a tratar na ra do Jasmim n. 27.
Cal nova de Lisboa.
Voixla-fe na rudo Apollo armaieni de Reg
& Irmao n 18.
Attenpo
Vendem-se os estabelecimentos de taberna e
padaria da Ponte de Ucha, para pagaiaeolo dos
redores : a iralar na ra do Rosario da Boa-
Viste n. 56.___________
Vende-se urna escrava de idade 14 annos
crioulo, com habilidades : na na da Penha u. ii,
t andar.
CASA DA FORTUNA
Ra-do Crespo o. 83.
O abaixo assignado teudo ohdo licenoa da pre-
sidencia e satisfito as outras exigencias da lei,
avisa ao respeitavel publico qaa ter sempre
venda no seu estabelecimento bilhetes das lote-
ras do Rio de Janeiro, cajos prooiio-. serao pagos
promptamentc vista das listas com o descont
smente da lei.
Procos :Inteiros.. 2'tiOOO
Meios... 123000
Quartos. 6^000
E em quantidade maior de 100/000 na razao
de 225000 por bhete.
________ Mapoel Martins Fiuza.
Jos Monteiro le Siqueira rnudou-se
para casa n. 3 de ra da Cadeia.
Vendc-seuma mulata de. l'J a 20 annos, la-
va, cozinha e engomma omito bem, sem vicios nem
achaques : a tratar na rea de Santo Amaro n. 2,
defronte da capella da So|<-dade.
Vende-se, na ra da Aurora n. 26, um excel-
lenle oscravo pardinho, de cor escura, de 13 annos
de idade, boa figura, robusto, otQcial de alfaiate,.c
com principio de boleeim, ptimo para pagem.
n
T,
H
J
para encanairiento d'agoa
Cauos de ferro forrados de porcelana, e este-
nliados. do diver-as grussuras : venda ua rus
do Queimado. Azevedo Irmao.
Vende-se um preto de .30 annos, robusto, um
cahrinha de 9 amios, lindo e lindisstmo : na ra
de Hortas n. 96.
oa por CaiBuoos e Droguistas mui doctos e
d'uma instrucrao profunda, tendo tido niui-
tos anuos de experiencia ao par d'uma lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composicao nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
composia d extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
aujessenio, no sangae ou nos humores;
6 estes dilt'erentes extra -los venenes, achar-
se por urna tal forma combinados ponto
de ciiuservarei em toda sua forra, o cu-
rativo especial de virtude, que cada umde
per si possuO. A raz da planta de Salsa-
pan ilha, piodu/.ida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparacSo, sendo a iput-
lidade que lodos os mdicos mais prezam
e estimas. Na composico da ttalsa-
parriiha fie Brisiol entra mais de 50
por rento dcste concentrado extracto. Ella
nao onec ra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramenle
diversa de todas essas mais preparages,
as quaes debaixo do noine de Salsaparr-
Iba, sao aceondicionadas ou postas em gari
ralas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma eolher de cha poi-
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE RR1STOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveilo e vanlagem aleancado por aquelles
que acondicinala sua preparacio em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Kalsaparrilha de Bristol
ouiiteem a messa quantidade igual aporcan
cuntida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, posaos ainda muito mais forra e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar conlida dentro de
seis garrafas de pequeo lamanho. Por-
laiilo mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas prodceles, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa fcal-
saparrilha de Bristol nao possue a
menor virtude ; porm quito eilectivamen
lesSo elles goaAti em siktmo, qundo indi-
camos, ou simplesmente refeiiinn-nos para
com essas centenares de certiddes e tes-
temunhos authenticos, por n>s recebidos
de todas as classes da socieilade, nos quaes
plenamente alleslam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
diferentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
so produzidas, que nos habilita exer-
cer aquello constante cuidado e disvcllo na
mimiciosa escolha; e o que assegura e ga-
lanle unifomiidade de excedencia.
Em quanto que, por outro lado, nos n3o
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
co; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva comunica; que po-
demos afoutamente dizer aosdoentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
Salsaparrilha de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e etTectiva cura das seguintes enermidades:
ltie,.SL'io|i sparacandieirolegaza I
MHaaat* a....... S
Grande smiimeiiio de objetos de
' louca para brinquedo de menino KHi
Garrafa com tinta a. .
Dita com agua florida vei dadeira a 1 &M <
Dita com dita dila a i;;'i >
Frascocomoleo debabesa a 500 e *-.'
Dito com agua deCohmia a O e i>'H
Garrafa mm agua divina ai i-
Frasco cora extractos finos a i.'
LaUs pequeas tora bal i iiiuilo
lina a 121'e >'
Sabenetes de diversasqnali ladesa
so, 100,240e..... aati
Finas estofas para iIiIis de 120 a
Lindos coques moderaos a. '
Pavios para gaz, duzin a ifl e .
Estovas para fado a o O, liOO e 70*
Ditas para cabello a.....
Feotes para lirar pioliio a ii'.lt e. i I
Brincos de cores, bonitos a cu
Pecas do tranca de laa com 8
varas por....... tut
ieo para machina de costura.
frasco a........
IVnnas d'aeo finas caix.is a 80X1 e l-50(f'
Dita d'aco 'erry, caixa a. ... 1
Galao de algodo peca ....
Lindos liahadinhos e ntremelos
peta de 500 a......1 .'ji
Botes de madreperola, groza a
l)ilu^ de lou^.i muilo lino a 1^0 o M '
Ditos para calca a 1(50 e. :''
Caixa com papel amizade a. Vf.
Ditas cora envelopes a. .... *W
Vinho
Dilas com obreias a.
Caixa comagullias fundo doura,lo
Ditas de dilas ditas a.....
Thesoura para costura a iOe
Caixa com linha de marca a .
Linlia de cores em novellos (Ji-
bra) a ........
Carreteis de linlia Alexatidiv de 70
al OO....... .
Grampos muito linos con pasta-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, duzia a .
Ditas francezas a 2>200 e .
Papel almaco e de piso, resma a
35400, liSSOO c .
La muilo fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Hilas de la para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes linos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2iO, 320 e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para "aparar penna a .
Cartoes com colxeles a .
Rselas pretas, par a .
Tranca de la de caracol peca a 40 e
Fila de coz peca a 180 e .
Alfmeles de Iatiio a.....
Sapatos de la para menino aSiOe
Ligas para senhora, par a. .
Grvala de sedas de cores a .
Calcadeiras a.......
Grande sortimento do rendas das
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,

0 MUSEO DE JDIM
CZ5
1
zn
GOMES DE MATTQS IRMiiOS
tendo feito completa mudanza em seu antgo e
acreditado estabelecimento de joias, com omde
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom g-osto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG JL k
onde encontrarlo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platino se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBWfS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objeelos de prata para uso das i grojas,
Compram e trocam qualquer joia ou peira preciosa e garaatem
a qualidade doeobjecto vendidos.
5ianoeI Jos Gnncalves Pereira tein vinho fine,
(puro) vkido do Porto, em caixa de 12 garrafas,
proprio para presentes, mimos, etc. afiancando-se
sua boa qualidade, declara-so que de>te genero
nao teni vindo a este mercado ; na ra da Cruz
do Recife n. 36.
CEITO~~
O verdadeiro e melhor cemento que tem
vindo ao mercado, vende-se por I0> a bar-
rica de 14 arrobas; no armazem de Candi-
do Alberto Sodr da Moita, na travessa da
Madre de Deusn. 14.
F-^W**-*
Tinha,
Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febn e Malignas e
Felire e Sezoes
Biliosas,
0 MUSEO
FI
liarante-se a casa, perianto &i
rinia. Restando apenas algu.
, raereadorias e annacao da liqui-
Mf^j> daijao do armazem da Ioja ra JT;
Kl( Nova n. fiO; faz-se MieiKo ao pu- ^
B| H Wieo intereasado, que liquida-se a p
armaba c mercadoras existentes r^SM
ainda no dito armazem, e por con-
sequencia noaacio inoorteta-
velmente vantejos, visto qne sa
garante a casa quem pretender
dirija-so tratar no mesmo arma-
zem.
LIGA
m
TBmores
Abseessos Apostemas,
Empces,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermididts cima apohtadas o adian-
tamonto da cura, grandemente promovi-
do-e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pilulas
vegetaes asssicaradas de Bristol.
tomadas em doses moderadas em connec-
c5o ou conjunctamente com a Salsaparrilha:
ellas fazem remover e expedir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados- pelo systeraa,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; a
por esta forma facilita a volla e o exercicio
normal das operacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
Ai Caors, J. da C. Bravo 4C.,P. Majojn
C, B M,A A.arbosa. Bartbolomea C &.
.t.
28H
I6D
,.n
284)
S6d
i 00
liO
:.,
|,VilM<

I
KH'
!'
' <
| on
: -
80
[(has.
Um par de suspensorio de borracha ;
100 risl !!!!!!
Xa Verdade na do ttueiocadto
_____u. as.______
.lssucar de oxido de ierro de
Chantcand.
O assucar fe ruginoso deOttOteaud < obliil
pela associacao do extdo de ferro in
lucel com o* assucar cuidadosainenle purilictli..
Esle assucar, de urna bella apparem-ia crjstalini.,
leui o simples gosto mui agradavd do aas
sein o menor sabor adstringeute : nao tena ;
irritante sobre a mueosa do estomago o enteftii
e 6 rpidamente absorvido pelo apparelho digest'
vo seui causar as constipneo* 9 do reir.
E' hoje o preparado de ferro do mais acei:
para a.cbloross atonia dos orgaos, pedas lirauc .
menstruacoes difceis, etc., o tem a seu faftur
juizo autorisado da escola de medicina d- Pan .
e dos (milicos os mais notaveis.
DEPOSITO ESPECIAL,
Phannacia de Bartholomeu A C, roa larga d-i
Rosario n. 3i.
RAP GROSSO
A Ioja da Aurora, ua ra. larga do Rosarlo n.
l 38, pertencente a noel Jos Lopes- A Irmao, re-
caueram o bom rap jasse groso do Rio de Ja-
neiro, mnito ^weo, e d mnitas mais qnatldadc,
egao se vpnrte tanto a retaiho como em libra.
Vende-se um esoravo moco e de bonita figo"
ra, pedreiro de toda obra, e perito om asseutamen"
lo de engeebos, e multe bom cozinheiro : na os-
Irada de Jlo de Barree, sillo n. 29.

CJlI DE LISBOA
POTASSADARUSSIA
A mais nova no mercado, a nreco razoavel: nt
armazem de Manoel T B;isto, a ra do Comuiercic
n. 13.
No ra do Vigario u. Ii), e enplono doTho-
maz de Aquino Ponseca &. C, vende-se :
Mercurio de 1 t|2 libra em cacas.
Vinho engarrafado Menei
dem idem deontms fabricantes
dem m barris e auci.retas. espo ial.
Cal do Lisboa viuda pelo ultimo vapor de carga,
Cera em vetas de Li-boa.
Champagne e cognac em caixa?.
Carvao animal e vdroscm caixa-;.
V*ndem-se cscravas de idaj de 17 a 3o an-
nos, sendo 3 boas engnmmadeiras a cozinheiras, a
suas conductas fielmente so (ara ver aue compra-
dores, I dita de meia idade, boa ^'jitandeira, por
4003, 1 bom eeravn que liario : na tra-
vessa do Carmo n. 1.
Na pharmacio do Piulo ru ,
Lars;a do Rosario n. 10 j ti n t
ao (Tuartel do corpo de policir.
Acham-se constantemente promptas n s -
rem satisfeitas, as prescripcoes dos Sis
facultativos, e as necessidades dos enli
mos, as especialidades da mesma pharm-
cia, compostas de medicamentos, tanto in-
digenas, como estrangeiros.
Tosse e molestias d
peito.
Xaropes de fedegoso, rabo detal, A. i
pao Gardozo, juca, molung, mutamba.e!
etc. etc.
RlieuiiLatsmo e molest"
syphiliticas.
Arrobe vegetal, xarope de Salsaparrill'
do Para, pilulas e xarope do veame, ti
tura e xarope de sicupira.
Doent'as do ligado e ba<;o, iichi; .
opilado ele.
Emplastro, oleo, pommada, tintara, 11-
lulas, xarope e vinho da milagrosa Jl
BEBA,
LUVAS
Completo sortimento de luvas msns
Jouvin de lindas cores escolbidas ao nH
gosto d'actaal moda em Pari( chegades i
vapor Oneidtt, ao armazem do vapor
cez roa nova n. 7.
Qiegon ao antigo deposita de llenry f
C, ra do Imperador, nm carn^amenr-
e aretallH.por^nl*ft->J*,f,u''
iner parto _____________
_ Vede-se nia <
habilidades : na ra da a n. 8, '
\
inAH




Diario de PemaMbuoo Segunda feira 13 de Sdembro de 186*.





LIQUIDACO
SEMI
triy.
O proprietorio do armazem de fazendas denominado ARARA, na da Impera-
2, decura ao resp. ablico e seus iv^uezes, que est liquidando fodasas
fazKTndas e roupas fehaa qae lera em seu e8tabeiecimento como se poder ver no sen
aanuncie c prego abaixo mencionados,
Chllas fraacezns matfxadas Algodao eofestado h rs.
u \ i 3? rs" Vende-se algodao entestado proprio para
Ve^-se dulas francesas is matiza- Icn -L,s e tf,r:ll (J00 rs. mctro, dito
d:\sa.i20 rs. o covado por este prego sna lra, .; a | m(!lrn_
Cianlcs de merino 2&.
loja da Arara, roa da imneratri: n. 7-2.
L.UZINHA8A2M)RS.
Vende-so lazinas para vestidos de se-
niora a 240, 280, 30 e 40'. re. o co-
i do.
B.VRE ES DE l.\\ A BOA RS.
V le-s ibareges de isa com listras para
senhora a EJ) oio rs. o
AHpacxs le listras a ,'0 rs.
Veode-s i alpacas de ltras para vesti-
dos de 8 ira a 500 rs. o covado.
CHITAS FRANCEZAS I US.
chitas francezas ca. as a 80 rs.
o covado.
CORTES DE LA PAP.A VESTIDOS A
25400.
Vende-se cortes d 13a par? vestidos de
senhoras a 25400 cada nm,
PERCALES A 148 BS. COVADO.
Vende-so percales muito (nos para ves-
tidos de senhora a 440 re. o covado, mur-
svilinas brancas finas, a 500 rs. o covado,
brtftantinas de cores, a 449 rs. o covado.
IBaldcs modernos ta todas as
cores.
Vendes hales moderno sor .meo e de co-
res a h& 15500 e 55.
COBERTORES DE ADGODilO A 15500.
Vende-so cobertores de algodSo a 14900,
cobertas d chitas a 15000 o 25 cada urna,
CANGAS PARA CALCA A .20 US.
V.n to-se gangn part ettfoo n 020 o cava-
do, brim de cores para calcas dehameme
meninos a'00 rs. o covado, :asemiras de
Corea para calca c palitots a 25500 e .'! >,
o covado, metas casemiras enfestadas para
i ilease palitots a 14 ovado, brim pardo
de todas as qualidades e briffl branco de
todas as qualidades na roa da Imperatriz
n. 72.
Aijtaeas lizas a 4 rs.
Vende-so alpacas de cures lizas finas a
GiO rs. o covado, tarlalanas de cores a 320
rs. o metro
MADAPOLAO ENFESTADO A 35300.
de-se pecas de madapelao enfestado
a 30600, pecas de madapoliio :nglez de 2'
jardas a .>\ 05400, 75, 85 e 105 a peca.
Vcnde-se diales de merino estampados
a ->. chales brancos e de cores a 15000
cada un.
CORTES PE BRIM CASTOR PARA CALCA
A CO RS.
V \.(L'-so urna grande porco de cortes
de brim castor para calca de hornera, iO,
rs. cada um.
frande porcao de retalhos
V le-se grande porcSo de retalhos de
chit!s e cassaa prclas a 100 c OO rs. o
cova lo, retamos de cassas, la e chitas de
cores baratissimos.
LIQUIDAN A ROUPA FE1TV
Vende-se palitots de brim de cre3 a 2-\.
ditos de alpacas de cores a 25, di'os de
moia casemira a 25 e 2^500. ditos de pan-
reto bom a 85 e 105, calcas de algo-
din azul para escravns a (40 rs. ditas de
algodao de listras a 800 e 15, camisas de
riscado de listras a 800 rs. cada ama, cole-
tes de brim c fustao de cores a 15 c 15300,
coleles de cesemira de cores a 25500 e 35,
e outras militas qnadades de roupas feitas
qu? se vende por baratissimo prego.
Algodao de lisuras a SO rs.
o covado
de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
PEC4 DE ALCODaO A 45.
Vendem-se pecas de algodao 45000,
500. G50O0e75,;pafa liquidar.
Bales de arcos fl*00.
Vende-se balos de arcos pan senhoras
pelo baratissimo preco de 15300 cada um,
Cortes de cambra! a barras
a 3S090.
Vende-se cortes de cmbraias barrsa a
25 e 35 cada um.
LENCOS DE SEDA A 640 RS.
Vcnde-se lencos de seda a 040 rs. cada
um, para liqaidar-
CARTEIRA PARA VIAGEM A I\
Vende-se carteiras para
cada urna.
AUGUSTO PORTO & C.
11--RUA DO QUEIMADO--11
?
Tendo chegado ltimamente ao seu estabelecimento grande variedade de fa-
lendas de gosto as pem disposigao de scus numerosos freguezes pelos mais mdicos
presos possiveis, sendo:
,,; c decores, o que lia de mais elegante para
''orpo denominado silpbides, sirennes..
.nais elegante para urna moca.
'.olicitados deselim de cores. Vest-
. 9nbas e toalbas de cambraia de linho
oara janellas de diversas qualidades:
Rouriious de cachemira 1 ,
hombros de senhora.
Novos gostos de manteletes j. :
orientales de renda preta desoalines, o t>.
Basquines de guipure preto, ni
dos de blond coin manta e capella para noi
bordadas. Cortinados bordados para camas
olia de seda e de la e de seda para camas de noivs.
Epingt, lindo gorguro de laa e sed3 de cores, muito elegante fazenda para
om lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorgueo de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas cujos procos sao em geral
lmite mdicos. Grande sortimento de? crfuiisas para liomem, tanto lisas como bordadas
a de cores.
Continuam sempre a ter grande variedade e tapetes para sof, para cama e
para pianno, porcao de tapetes em pegas para alcatifar sales. e grande qaantidade do
Esteiras da India para forrar salas.
SAHIDAS DE BAILE i
Cliegaram pelo ultimo paquete vindo da Europa, lindissimas sabidas de bai- W
les, ricamente enfeiladas, o melhor gosto que tem vindo ao mercado : ra do |
Crespo n. 13, loja das columnas, de Antonio Correa de Vasconcellos.
Vende-se algodao
viagem
a i5
\ ellas antes que se acabem loas" mais fazendas e roupas feitas. o que pelo preco que
vai vender ou liquidar, poneos dias podor durar, e quem se quizer sortir do fazendas
a roupas feitas para a festa ,e!o preco que Iba agradar, se poder dirigir a la da
Imperatriz armazem da ARARA, que estar abero todos os dias uteis, das G horas da
manliaa, as 9 horas da noite.
72. Sua da Imperatriz. 72.
CONVITE GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriz n. .'o. declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas cm
ser, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna IiquidacSo que fin-
dar no dia 13 ou 20 do correte, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber :
CHITAS LARGAS A 280 rs. CHITAS PARA COBERTAS A 28&
Vendem-se chitas francezas largas a 280, Vende-se chitas francezas para cobertas
320 e 300 rs. o covado. a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
ALGODAO ENFESTADO TRANCADO A
10000.
Vende-se algodao enfestado trancado para
lencoes a 15000, dito liso enfestado a 900
o m-jtro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 380 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 55, 65, 75, 85, H e 105, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nbora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTROO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTfl)OS A
5iO rs. O COVADO.
!JVendem-sc alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 15.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 15 o covado.
P0RC.0 DE RETALHOS.
Vende-se urna porcao de retalhos de cas-
sas, dfl la e sedas s de outras fazendas
por muito barato prego.
A' ellos antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 15.
Va de-se chales de cassa a 15, e de me-
rino a 25.*
CORTES DE LA A 25400 RS.
Vendem-se cortes de la de listra para
vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
bsr. -
ALGODAO A PECA 4*000.
Vende-se pecas de algodao a 45, 55, 65
e 75 a pega. E muitas outras cousas que
seria enfadonhn menrJAnpj'.
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 2500.
Vende-se casemiras de cores a 25300 e
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPAC\ A 35000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35000, ditos de seda a 10 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para caigas de
uomem e meninos a 400 rs. o covado. .
Gangas pa.-a calca a 32 rs.
Vendem-se gangas de cores para caiga e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lengos brancos a 25.
Vende-se lengos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 re.
Ditas de linho fino a 15000, para aca-
bar.
IGRxNDE SORTIMENTO
DS P.Ol'PA FEITA DE TODAS AS QlALirADF.S.
Vende-se a ronpa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em entra casa: por
isso os pretendentes podero vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Valbutina preta a 320 rs. o covado, para
acabar.
BALES DE ARCOS A 15500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
15500 cada um, ditos modernos a 45.
BRIM HAMBRGO A 85000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
borgo a 85, vem a ser mais barato do que
algodosinho.
CORTINADOS A 145000,
Vende-se cortinados para cama a 145
para liquidar. Ditos para janellas a 75.
Todas estas fazendas se vendem muito
ffcarato na ra da Imperatriz n. 56.
Ra do Queimado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, csl acabando
com asmtdczas dcsew-esta.be-
lecimenlospor tsso tjiteram apre-
ciar o que e bom e baratissimo.
Pegas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
1;>3U0, 25, 35 e..... 45OO0
Caixas de linha com 50novellos 500
Pares de sapatos de tranga fa-
zeivianova a......'' 25O0
Pares do sapatos de tapete
(so grande) a......' 1550o
Duzas de meias cruas para ho-
rnera a........35800
Tramoias do Pbrto fazentfa boa
e pelo prego melhor 100 altos a 5200
Livros de misses- abreviadas a 25000
Duzia (Je baralhos francezes muito
finosa2-5400 e..... 2580f
Silabario portugus- com estam-
pas a ........ 5320
Gravatas de cores e pretas matto
finas a......... 5500
Cartes com colcheies de latib
fazenda fina a....... 5020
Abotuadnras de vidro para colele
fazenda lina a. 5500
Caixas com penna d-aco muito
finas a320, 400, 500 e 45000
Caribes (te linba Atexandre que
tem 200jardas a 5100
Carreteis de linha Aiesandre de-
70 at 200 a...... 5100
Caixas com superieres- obreia-
de masaa a...... 5040
Duzias de agalhas para machina 25000
Libras de pregos francezes di-
verso tananho a. 5240
Livros eseripturado para rol da
roupa a. ...... >"512e
Tlheres para meninos muito
finos a. ,...... '5240
Caixas com papel aniado muii
fino a........ 5700
Caixas com> lOOenvelopes muito
finos a........ 4600
Pentes volteados pare meninas e>
senhoras-a....... 5320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. ,#500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 5320
Varas de franja para toalbas- fa-
zenda fina a. 5160
Pegas do fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos- de linha eom 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 25500
Grozas de bote* de louga muito
finos a........
160
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4 ca
* valles.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fado e serrotes para desca-
rogar algodao.
Bataneas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de L'hii-
field.
Preacas para copiar carlas.
Fogao americano patent
JLOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Uua d Crespo u. 9
O propietarios dcste tiein Bpnhecido e^tabele-
eimento, alm dos motos n'ijec'w qae tinham ev-
pnstos a aprsciajao df> respeitavel publico, niaii-
m vir e neabam d;r rcccr peto ultimo vapor
da Europa inn completn e vnriado sortimento de
nta e mui Meadas especialidades as quaeses-
tao resolvidos a vender, como o de sen costme,
por precos muio baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto qme o Gallo....
Muri superiores lavas de pellica, pi^s, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e liomtas gollinhas e punhos para se-
nhora, nesto genero o que ha de mais moderno.
Superiores penfts de tartaruga para coques.
Lindos e rii|iiissimos eufeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores tranga? pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem ellos; esta fazenda o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores rucias fio de Escossia para se-
nhoras, as qiraes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretaRto que nos as vendemos por 205,
lloi destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
nuantidade de outras qualidades, como sejain, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicoliuhos de oadeia e
de outras qualidades.
I Lidas e superiores ligas de seda o borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas do 1 a 12 anuos de ilude.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para iazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramss sua qualidade e delicadeza.
Lidas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, topan, para encher
labyrintho.
Bous baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tantos para o meemo (ni.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitan! a denticao das innocentes changas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderao com um mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista das cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a vircm
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grande o completo sortimento de machinas para
descarogar algodao de nova iu ven rao chegadaa l-
timamente em direilura para : loja de Manoel
liento de Oveira Braga & C, na ra Direila n.
ite-se que a mellior qualidade que at
u presente u m vindo ao mercado : acham-se em
exposicSo aos comyndores.
Systema decimal.
Grande e cooplclo sortimento de pesos kfto-
graimnos de melhor comprehensao dos que tm
vindt at o presente, a;sim como marcos de latao
at meio grainnio pelo inesmo systema, balanzas
de latao de forca de 5 a 20^logrramos, metros
de madi'ira e e'lalao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de miudezas e ferragens de
todas as qualidades, ludo por presos que s a vista
faz crdito : na ru.i Direita n. 5', loja de Manoel
Bento de Oveira Braga & C.
COGNAC.
De superior qualidade da mui aecredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32. __________
BAZAR UNIVERSAL
Carneiro Vianna
Nesle BAZAB enconlra-se um completo
sortimento de lodos os artigos que se ven-
dem por pregoa commodos como sejam: Um
completo sortimcto de madiinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposigao servidos a electos para abne-
g e jantar, salvas, bandejas, taboliro, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala eeimademesa,
paredee portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para Cazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, bergos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros, gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criangas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarlo a
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
Loja de miudezas de Ferreira da CunhaA
Temporal, rua do Queimado n. 03, esti
quimando por todo prego
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Exlractum carais
Este producto alimentarao para doentes, mui
apropriada para creancas e para as pessas saas;
indispensavel a todos, porm, principalinente aos
riajantos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incerruptivel, e
que com facifidade se aprompta e se conduz, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para mHito tempo. Sobretudo chama-se a alten-
cao dos senhores de engenhos que encontrarao no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao
agradavel, hygieoica e barata para seas fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba,no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade m
casa de Jos Victorino de Rezende & C, rua da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se:
No deposito a rua da Cada u. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma rua n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, rua larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, praca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto irazem
urna guia para seu uso.
Scbonete de acatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitagfo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34rua larga do Rosario34.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna efficacia verdaderamente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, suffocages, catharros,
bronebicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulsbes in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ga. Rua Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
CEMENTO
PORTLAND.
SVcpde-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Fitho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes.
Novidade. "
UVAS EMACAS
Cliegaram no ultimo vapor da Earopa, e acham-
se venda no petit restauran! do Hetel Central,
roa streita do Rosario n. 4 A.
Farinha
Na rua Augusta n. 10 se dir quem vende 98
saceos de farinha da trra de boa qualidade.
AS
E
todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIXDO DR.SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitag5o tem merecido no Brasil, as
repblicas do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das boubas, sarnas,
rheumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provena da
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
iu
Pharmacia e drogara.
M
Barthomeu & C.
84Rua Larga do Hosarlo94
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) lf>200.
Caixa muito fina para p de arroz I #500.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 160, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 1)9300.
Agua divina idem 15400.
Gravatas pretas para homem 4 Ors.
Pentes de travessa para menina a 320 rs.
Olio philocme verdadeiro 15200.
Aderegos de plaqu 15500, 25 e 55.
Meias cruas para homem 35500 e 45.a
duzia.
Botoes enfeilados para vestido, 15200 a
duzia.
Leques do santol 55, cada um.
Dittos de raadeira 35 cada um.
Coques de tranga, boa fazenda, 25,
25500 e 35 cada um.
Meias tinas para senhora 45 a duzia.
Banha em frascos a 400,640 e 15200.
Frascos com extracto muito fino 25 e
25500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com extracto a 25500.
Cartas portuguezasa 120 e 200 rs.
a Pentes brancos com costa de metal
"320 rs.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Gal5o de 13a para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 15500J
25 e 25500.
Caixa com obreias de mago 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 15.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
240 rs.
La para bordar de todas as cores (libra),
65800.
Bonets para menino 15,25 e 25500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
Mias para menina (duzia) 35 e 35500.
Pegas de tranga liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 25500.
Facas e galfos, cabo de bataneo (du-
zia) 75-
Chicotes para cavallo 600, 800 e 15500.
Bengaila de canna 15, 15500 e 25.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almago, greve (resma) 15500.
emporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
conina
k NOVA ESPERAN^
21=Kua do Queimado = 2)
Advertencia!
A Nova Esperanga, rua do Queimau
n. 21 tendo em deposito grande quantidad
de miudezas, c como se approxima o tem
po em que tem de ser dado o balango, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo prego, para assin
diminuir a mande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes. e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportuno quando a
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-sc caro, nao
falta aoi.Jc e a quem...
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos reraetter objectos de
gosto e perfeigo, e ella (loja da Nova Es-
peranga) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o qtio de bom constantemente rece-
lie, e por este lidar continuo (d'ambos) a
Nova Esperanga rua do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinba,
acaba de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e raati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallees, franjas e trancas de
seda e de la, para enfertes de vestidos.
BotSes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengenles e sem elles.
BOles pretos com vidrilhos com pingn-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
lim, osso e faia.
Esparlilbo simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas rua do Qaeimado n. 21, na
Nova Esperanga.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces rfcw
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que moito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitca
pais de familias nao creem (comprando-os]
no effeito promettido, o que s pdem dar.
os verdadeiros; a Nova Esperanga, porB
que detesta a falsificago principalmente nc
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean
gas tem salvado do terrivel incommodo d
convulges, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanga a rua do Queimadi
n. 21 comprarem o salva vida, para seni
filhinhos, antes que estes sejm acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
flicil alcangar-se o effeito desejado, embor;
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
nansa, emporal conunua a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
preqo que venda em sua loja
com titulo de emporal.
Predios -novos
Vendem-se duas casas terreas muito bem cons-
truidas, solo proprio, e que se pode levantar so-
brado por ter alicorees bem fundados, assim como
os oitoes, na freguezia da Boa-Vista : a tratar na
rua do Mondego, olaria, com Atexandre dos Santos
Barros.
Para cabriole!
Vndese um rico cavallo, bonita estampa, goirjo
e mantedo, muito trotador, bom de cabriolet; na
eorheira do Thomaa, rua de Santo Amare, defron-
te da estacao.
J cordero previdente
Rua do Undulado n. fl .
Novo e variado sortimento de perfumarlas
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se tonu
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
iade, qualidades e commodidades de pre-
sos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
d espera continuar a merecer a apreciagc
io respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidc
e barateza. Em dita loja encontrar os
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
eza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para eonservago do
isseia da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, con*
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinbas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
s boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difirentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciaoo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeigo.
Flvellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com
prador,
!
-\



Diarlo de Peruambuco Seouuda feira 13 de SeteinLro de 1869.
'*
RIVAL SH BiDll
Ruado Qucimadon, 49 e 57 loja
de. miudezas de Joa de Azeve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Esta queimando tudo.quanto icmomseu
estabelecimento para acabar c fazer
sortimenlo, por isso queiraui vir ou mandar
ver o que bom c barato.
Caixas de linhas do gaz cora
50novelios a 500
Latas cora superior banua a
120, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa muito
uno a."...... 400
Duzias de meias (iuglezas )
muito boas a 4->00C
Garrafas com ag-.ia florida ver-
dadeira...... 1,>^vK>
Garrafas com agu:;.divina dame-
lborqualidade I->500
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos -2->50(
Dita com|6 frascos muito finos 800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior i .* .
Pecas de babadinho com 10
varas ......
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escovas para uuhas muito fi-
nas .....' .
Escovas para dentes fazenda
muito filfa .....
Pulceiras de contas de cores
para meninos .
Gaixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para punbos
muito bonito .
Libras de la para bordados de
de todas as cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botoes madrepeola
muito fino .....
Sabonete muito finos GO, 120,
160, 240 e.....
M
DE
Pecas de fita de 13a todas as
cores ......
Espelbos dourados para parede
lOOO e .....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i / .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fiuo com 4 fo-
lbas ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
500
240
600
KWO
?>50C
500
240
200
600
040
4,000
120
8000
7^320
320
480
500
320
500
1500
000
060
320
ri,$wiLm^.]
EM CONTIMJACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
aBiaA m niai?aaa,a2-o. m
DE
FLIX PEREIRA DA SELVA.
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
extracta loja denotmnada=/ifl0/i DAS DAMAS**** ra da Imperatriz n. 36, e nao
lhe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidacao da grande qiiantidade de
fazendas que all existiam, pelos poucos dias que teve at entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o sou estabelecimento, o=PAVO
onde o respeitavel publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linho, la, algodao e seda, que se Ibe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que negociara em pequea
escala, tanto da praca como do matto, nesta casa poder5o fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lhes pelos precos que se compram, as
casas ingleas; assim como as exoeilentissimas familias podero mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas, ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; o estabelecimento se cha constantemente aberto das 6 horas da manbaa s 9
da noite.

** $UIMAt>
-fri
A AGUIA BRANCA tem convicio de que a abundancia de objectos de noviJade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto dclles, a superioridas
de de qualidades, e a hmitacao de seus precos, esto na opmio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anda assim ella julga de seu
.,4ever scientificar a todos, da recepcao d'asroeHes objectos que csto alm do commura,
como bera sejam:
Bonitas caixinhas de madeiras envcrnisa-
das, contendo navalbas e os mais necessarios
Bartholomeu & C,

S'
V i,
DB ', .'
I
I 200
raude
loja de fazendas e roupas feias
m\ da Imperairiz n. ll'l
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
precos commodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de cores e prelas,
panno fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
encarrega-se qualquer obra por medida e
prejo muito commodo.
ROUPAS FEJTA3
na loja da ra da Imperatriz n. 52, porta
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas feitas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
palitots de alpaca preta e decoros a 3,
35',0 e 4; ditos de panno preto sacos a
6)5t 7(5 e 8; ditos de panno superior a
12, 14 e IG; ditos sobreoasacados de
dito dito a 18& 20 e 25; ditos de case-
mira de cor a 5, 6 e 10; calcas, colletes
e palitots de casemira muito lina de cor a
20 e 25; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 2 a 6; ditas de
easemira preta e de odres de 4 at 42
colletes de todas as realidades; ceroulas de
braznante a 1500,2060 e 2500; camisas
francezas de linho e de algodao de todas as
qualklades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte ; oolarinhos, gravatas;
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 6 a duzia;
peeliincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: todos os freguezes se
podero prover dos ps at a cabeca por
preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. ,. Madapolao
fino a 7, 8# e 10 a peca. Algodao (pe-
chincha) a 5A50O a peca e outras qualida
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 3 500 a
8$ a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, aelecia a peca com 28 metros
i 28)5000. Esguiao o mais fino possivel a
2 500 e 3 a vara, e outras mu tas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LERO DA PORTA LARGA
DB
Paredes Porto.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento; na rw da
Madre de Dos n. 22, armazem de JoSo
Martins de Barros.
NI.V
Expiendido sortimento de
roupas eitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de[ casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-1 de todas as cores c garantindo-se que neste
sam desejar, assim como na mesma loja genero nio ha nada mais bonito nem mais
tem um bello sortimento de pannos casemi- proprio para vestidos, e vende-se por pre-
ras, brios, etc. etc. para se mandar fazer co muito razoavel na loja de Febx Pereira
qualquer peca de obra, coma maioi promp- da Silva, ra da Imperatriz n. 60.
ALTA NOVIDADE
EM POPKLINAS OU GORGURO DE LINHO E
SEDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavao um elegante sortimento das mais
bellas poupelinas ou gorgurSes de linho 9
seda, com os mais delicados padres que
se pode imaginar, assim como urna grande
porco de cortes da mesma fazenda, tendo
Torneira* pata passageva d'agoa, de diversas
grossuras: na ra do (tteioiado, Azevedo 4 Ir-
um.
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-ihe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
As dez mil ovados de cassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade* de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padrees iniudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padres
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
f7.enda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se n :M)0 rs. o covado.
Espartilhos a 3AOOO na loja do
Pavo
Vende-se ama grande porcao de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3(5 cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1^800
Chegou para a luja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 1(5800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaccs para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
eooo.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tailatana, ricamente bordados a laa, pelo
baratissimo preco de 6-jl.
Ditos por estarem um nouco machucados
a i.
Ditos finissimos con. seda a 4(5.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com duas saias, sendo fa-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente figurino,
a 18$; finissimos crt-s de cambraia bran-
ca, ricameme bordados, que at podem
servir para noiva, a 25#000, e outros mui-
tos cortes de differentes fazendas que se
liquidam baratas na loja do Pavo.
CERA DE CARJSAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos, por preco mais barato
do que era outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz Q. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 2i0
Vende-se cassas coin delicados padres e
cores fixas 240 rs. o covado: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVAO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas do casaquinhos de seda
pretas ricamente enfei lados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em conta.
GROZ DE COR
Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio,cinzento
e branco muito alvo, que se vendem mais
barato do que em outra qualquer parte.
BASQUINAS DE FIL
Vende-se as mais modernas e mais ricas
hasquinas de fil preto, por preco em conta.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
2$000 E 2^500
Vendem-se ve>tidiohos para meninos e
meninas, pelo barato preco de 000 e
2^500, assim como ricos enxovaes para
baplisado. -
MADAPOLO FRANCEZ A 7000 A PECA
Vende-se pecas de madapolao francez en-
festado com20 metros a 7KJO0 a peca;
prebincba
MUSSEUNAS DE COR
Vende-so as mais bonitas muselinas de
cores a 500 rs. o covado.
CELEZIAS
PANNO
DE

LINIK)
ATOALHADO ,
Vendem-se as mais finas celezias de linho
com 25 varas cada peca, sendo mais finas
ainda que os mais finos esguies que tem
vindo ao mercado, a 455, 55)5, 60000 e
70(5000, tambem se vende era varas as
mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lences
com perto de 4 palmos de largura a 700,
800 e 1(5000 a vara, sendo em peca tam-
bem se faz alguma equidade ; bramantes
para lences com 10 palmos de largura a
1(5800 e 2,5500 o metro, e de linho muito
superior a 341200 e 3;5500.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 2(5400, 3 outras muitas fa*endas brancas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim nico de apurar
dinheiro.
CHITAS
MADAPOLO
ALGODOSIMIO
Vendem-se superiores chitas escuras e
claras pelo barato preco de 280, 320 e 360
rs. F as percudas n 320 e 360 i
Pecas de algodosinho de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolao
dos mais baratos at os mais finos; assim
como, supenoralgodosinho enfestado para
lences, toalhasj tanto liso como trancado;
todas e^tas fazendas se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte, para apu-
rar dinheiro.
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco de esta-
menha mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo urna fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato preco de 200 rs.
o covado, fazenda que sempre se vjndeu
por muito mais dinheiro.
VESTIDOS A 800 rs.
Com duas saias
Chegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, emais bonitos cortes de vertidos
de cambaia, e organdys; com mais lindos
padres, e o competente figurino, tendo
cada corle 18 covados, que pode dar corte
para senhora, e menina, e vendem-se pelo
barato preco de 5000, nicamente na loja
e armazem do Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 3rt0 RS. O COVADO
Vendem-se finissimos organdys de cores
ira vestidos com lindissimos padres. pelo
irato preco de 360 rs. o covado ; assim
como ditos branxis muito finos com listas
largas e estreitas, e de quadros a 800 rs. e
1;">000 a vara, tambem temtarlatana bran-
ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara ;
lils de flores a (40 rs. a vara, e ditos lisos
a 800 rs. a vara, e de salpico a 1000;
isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n: 60 de Flix Pereira da Silva.
CHALES DE CASEMIRA
Chegaram os mais modernos, e mais
bonitos chales de casemira com dezenhos
intciramente novos, que se vendem a 9,->,
10-5,12^ e 14,; assim como urna grande
porco de ditos de menina que se vendem
mais baratos do que em outra qualquer
parl ; na loja e armazem do P3\o, ra
da Imperairiz n. 60, de Flix Pereira da
Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimenlo aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 124000 rs. cada par at 25,5000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Febx
Pereira da Silva.
BALDES MODERNOS E SAL\S DE LA
Na loja do Pavo vende-se os mais mo-
dernos bales reguladores tanto de musse-
lina como de la do cor, e as mais moder-
nas saias da la entestada, mais barato do
que em outra qualqoer parle.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo ura grande,
sortimento das mais linuas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda e os padres mais novos
que tem vindo a ese mercado, vendendo-se
a 15400 o covado, na loja de Fcs Pereira
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
para viagem, servindo ellas de carteira
mando abertas
Oatras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madre pe-
rola para costura, obras de apurado gosto
" perfeico, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musi:a.
Estojos ou carteiras de couro com nava-
Ibas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MAR FIM
Para unhas, dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para citcular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
JBoies com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d^venturine com o p de
prata dourada, para cohetes, cada um 5#.
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Camisas de flaneila para homem, a me-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
qnem soffre de inclnco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimenlo de loalhas de tabyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicps,
Pequeos e delicados espanadora do
pennas coloridas, proprios para pannos,
oratorios, ttc.
Bonitos passarihhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS XON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d"essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Xoii-pltisulira, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
Al agora nada se linha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a ponen abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarlo a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seos no-
mes e qualidades a infinidade J'^bjectos
que constantemente se adiara venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo qoeiram
reconhecer a comraodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer loja d'Agoia
Branca ra do Quemado n. 8.
BftRTHOi
o
o.
CA
IL0.1O
Pe
MBfliAJtttl i O
A Jninfc : i i < -:. ffam i .-. \w\
eOBW i iii.il-- K J ; i .
desol^liuciil.
do ligiJ.i e h:.co, lu
I] li i;, ..
pellas. BlC. i. soct's la .iu ''<. > i ul
ores, cblorc&s e'fi arrpr-
jas Jo MMOiagd, do., e ,J. J.MS
innum-ras c. i npoiUllld .!,Uih.- com bo
prepara los j:. Iiem i
distincin RiCieosilo paiz nossus deposi'.os di?tribaiii)i>s ralis [o'.tielos r a
nwlbor Tasen, conht.cr a Jur'jbeba seo res
e applica^o.
IIEJRIII
Resta venda uro escoltildo sortimenlo de ob-
lectos de mtremera, como ^jam. mobilias de j-
^irarid. mog.i eaiiarco, obra nacional e estran-
jeira, de apurado g -lo e or piiij.o- raznaveis :
aa na estreita do Rosarlo n. 3. N'ecta mean
.asa fazera-sp com perfeico todos os irabalhos O
[illlaWii,como sejam, emnainamcnl -.-iros
para enas, cadeiras e sor i
A ru.i do Livramento ;,. O, contina a ii;;-
! ver para vender por procos rasoaveis, o
'' melhor vinho verde at hoje vindo a este
i mercado.
SE ME1IDUVIOAR VIHIW
Jos Mara Talmeiva
escriptorii, lao do <'. rpo -'anto
Potassa 'h Russia superior.
Lonas la iius-a de superior qualidade.
Briozifcs da Rnssi de superior qnalida lo.
Cemento Pon..
Dito Remano.
Pao de algodao do commendador Pedrosc.
Vinho Boroeaax.
m spu
aml.tr
NO
VATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMIO DOS SANTOS ft C.
Os proprietarws deste bem sorlido armazem de secco e molhados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do mallo e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teemum glande e vantajoso sortimenlo d diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalbo, por
menos preco do que era outn qualquer parle, por ser maior parte destas mera dorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100 >, lera cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
ESCBAl'OS FUS3DQS.
Fiio uo di.i *2: do eorrente, do engenho
Qnilcba !a rreiraezia de Serinhaem. o To ca-
bra, de i mo PeHx, que representa ter .'(" innos,
mais ou menos, alto, grosso, cara i irga, bem Fal-
lante, levou calca de brim pardo, camisa d* m
dapolao, chapeo do couro ou nm onlro de chile
| novo: cn)e escravo Ul vez lenha lomado o
nho do Pao d'Aiho : quem o pefM e levar a i di!
engeobo, ou no Recite a ra do Im| crador i. .
ser ." n rosamente recompensado.
GAZ AMERICANO 95 a lata, a 100 rs.
garrafa e 600 rs. o litro.
VINHO VERDADEIRO F1GUEIRA GO e
640 rs. a garrafa, a 4500 e 4800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 3# e
30500 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro-
>VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
agarrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 320 rs. a garrafa, 2,>200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR a I0O e
1>2S0 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
650 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
limento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 e 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
As autoridades policio os e &
quem competir.
No da 29 de maio do correte aono fri-
gio o scravo Esaquiel, crioulo de 30 i ._
annos de idade, estatura regular, reforcado,
cor bem preta, cabera redonda, trajava ca-
misa azul e calca de casemira cinzenta; du-
rante o dia costuma andar ganhando naa
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU- r*>
RANCA, a 280, 400 e 560 rs. o masso,
302O e 60500 a gro/.a.
AMELXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS -30500, 5jJBO0
e 10 a libra.
GOMMA DE AIILIIO AMERICANA MO rs
em armazons de assucar ou as
a conversar e a beber; duran.e a
ou
[ tabernas
noite vcolbe-se a telheiros aberlos ou pi-
netraveis, a casas em coQStr&cfSo e a ou-
tros quaesquer logares onde se possa abri-
gar : quem o apprehender tenha a bondaH
Ide o conduzir ra da Aurora n. 26, once
gramrao.
rDEM
640 rs. a li
em porco se
PARA TEMPERO
bra, 10400 o kilogrammo,
far abatimento.
BANHA DE POBCODE BALTIMOOB
720 rs. a libra, o 10570 o kilogrammo, em
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
Tilogiammo. e 60 por 14 kilogrammos.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABAO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
a _
570 a 440 rs. o kilogrammo, em caixa ha melhores que ha no mercado,
abatimento. 3^00 a libra, 70080 e 6
o masso de urna libra, e em caixa
timento..
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SER VE JA INGLEZA MARCA II
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM RASS. VERDADEIRA IHLERS4
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 1)200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA 1 AMBUR-
GUEZA 70 e 6,-> a frasqueira, e 500 rs. o
fn^co
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
OTEMOS DE DIVERSOS VAPORES, a
30, 20800 e 20400, em caixa faz-so ran-
da abatimento.
TOUCINHO DE LISROA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, c 110300 por
14 kilogrammos.
CHA FINO, GRADO E MUDINHO os
30 e
o kilo-
to^a. | ser gratificado.
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA- grammo.
LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20700,
10750 o kilogrammo. 2>500, 25200 e 20 a libra, e 50WO e
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra e 40180 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros,-vinho em ancorelas, azeil
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada.
servas gfla de marmello, pcego, ervilhas, pcixe em latas, sardinhas de Nji
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoco, cominho, pimenta, jwndes
amibos de sebolla 10500, lioalmente moito mais gneros que enfandoi,,
menciona-los.____________________________
ATTENCAO
No nrmazom da ra e ApoHo n. 38 ha para
vender urna cadeirinha ou palanquim om todos
os pertences, em muilo bom estado, e por pre>;o
commodo._________________________
CIGARREIROS.
No armazem n. 18, travesea da Madre do Dos,
?ende-se papel de seda para cigarro?, marca muito
grande, e superior qualidade, por pre^ commodo.
Chaconl-purgativo edepurativo
le chaiuliard.
Composto das plantas as mais odorleras e as
r.:.'.is virtuosas'dosmontes os mais elevado-, o rh
tmi-pvrgatico de Chambaril possuc um gn9to saho-
raso o um aroma suavissimo, e as propriedaJes as
mais notaveis sobre os embaracos do
dos intestinos e do ligado, o desobtruente p>>r
excellencia na conslipagio do venlro, e nao tem
resguardo algum. Depurativo especial o .recto
das hlese dos humores, refresca o sanjnc lepo*
rando-o.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C, t'uaU'gade
lljsario nT 3i.
- Vende-se una carroga do cavallo com eal-
xao, cobyU, propria para refinacao oa padana__:
para ver c tratar, na oftlcma dr 'r. Cario?, em >.
oucalo.
l'ugiram do engeobo Firmeza
do ternio da Etcada, na noite i'j
10 para II do eorrente, dous os-
cravos mulatos, os q acs fbran
comprados ao Exm. Sr. bario da
Naiaretb ha 13 dias ponco ma's
ou menos, endo ]u3o, dado de
ixB O' ^ a W annos, bem barbado, pri-
tos cabalados, tem os dedoa dos ps, isto i
mnimos curtos e quasi que trepam nm no ontr >,
tendo todos os dentes de (rente, corpo regular >i
leva eha to de couro de sarlaneio, caiga azul de
algodao me lhe chamam pelle d'miga e eobertci
do badta escora e mais alguma roupa, foi aserai i
do Illm. Sr. lente coronel Agostinbo Correa de
Mello, JiOmieury, o outro de nnme Flix, ci-
bra, alt.,, bom corpo, Idade o annos poueo ni: .*
ou menos, levou chapeo de couro de alias largas,
caiga az'il de algodao que lhe chamam pelle d< ;-
ca o cot-ertor de bata escora, fi>i esrravo d >
illm Sr. Eduardo Pereira de Souza, da provinci.i
da Para'iba, que o vendeu por seu proedrador .i
Sr. Jos Lopes Alheiro ; quem o apprebender a
ovar a1 mesmo engenho Firmesa "U no Reciten >
escripto'.'io de Domingos Arrea Matlieus, a ra do
VigaHo -i. 21, sor generosameni.' irrompeniado
N> > dia lo de agosto ultimo fugio de casa >
Sr. l)r. Joao de Hollanda da Cunha, ra de Heni-
fica, na Passagem, n. i8, onde se ai-bava alugad>,
o moleq e francisco, crinlo, bastante p eto, de
18 aniKsde idade, com um signal de qtieimadr i
no hombro esquerdo, trajava raiga e jaqoeta de
brim. o nsta que se acba servindo em loja de n-
palhador, de que olcial, ou lingindo que pr-:-
tendo aprender esse oficio, pelo quo u ptx>tes.'i
contra qnem he der agasalho ; quem o appreh( i-
iler. qu 'ira leva-lo ra da Aurora n. 2fi, q i
ser gratificado._________ ____
Muita attencao
Fngi; no dia 29 de junho b eaeravn Hanel, '?
nagSo ..ngola, idade -'0 anno?, ponco mais mi n -
nos, com os signaes segnintes : falta de denla
frente, indar vagaroso, pernas flnas, marcas de }-.-
xigas, Isvoo caiga o camisa de rscadinho, chapi >
de pallia novo : Nga-ei ao< senhores eapilie d :
campo Je o prciukrem c Iovarsro-no ra Din'"
n. lo, r|ue serio uenerosamorHD gratieados. 9a-
confiase que anda pelos engenhos do Cabo.
Urgpneia
JcD,;nlves 4 Teixcira tem D
de qualidade c im 40 palmos de comprl
12 poegadae de grossura :
da Pcnlia n. 8. I
lugio do engenho Todns un Sanios da i
de Ipojuca, no dia M de main. n ewravo RongA),
\- nta ter io airaos de idade, pnneo mata i
meno-, cor verm-lha, alto, gresso, olhos pcqner.i l,
sem barba, e os ps rachando, foi escr.ivo aa Wa.
D. Seuhorinha Mara do Livramento, quo mornm
villa dj SermnaenG ; na dia immedi..to da fgida
tu inosQia villa : suppjc-se estar acontada,
o qne ie proceder com o rigor da le a quem o
leihr, e pede- e as autoridades |.ii--. '"h
d : campo a captura do mesmo > >
meamo engenho ao abaixo assiflead'1 ou "a : '
~ da M:;d3 ti. o, S> apdar,e5criptorli> do mn
c | vc3 Ferreira dt G., que ser gei.er-isanieni i'
alFaono Ijlentino Peros val.>>#



.
*


8
Diario de Pernambuco Segunda feira 13 de de Seleiubro 1869.
-.-,,--- ----
CMARA DOS SRS. DEPTADOS
SSSSAO EM 7 DE AGOSTO
I'RESIDEN'CIA DO SR. NCHAS.
(Coi)tiuuarii)
Sa. PekmgAo Mm.iikiii'i :Issoeraurna
i partido modera lo Graecio-
aais lardo, e itelle nasc m o ch.ima-
nrii.Io r inserrador. Prtanlo, j
I OS !in".is CO^gaS que n partido eonser-
I ir tea as suas raizes em ana patullo li-
beral, e i i [> jIe deixar lo ter desde que
He se imilla na constituido do imperio,
I un rminnniiMionlP liberal. (Apoiados).
0 Su. Cnii Machado :O partido conser-
vilor :im ramo do grande partido nacio-
nal, e organisou-se em I83G.
O Su. Pmdm Mm.iikiii'i :Eu nao pre-
ciso sabir da consumirlo do imperio para
i lar o pu'z de todos os mellioramentos
p issivefo, iiiuracs e materiaes ; e at mes-
m su q i /.'ssi', se a opinio a^eitasse, fa-
rei i reforma em mu sentido democrtico.
' prova wt em OjM a propria constituicao
Jara expresamente em um de seusar-
uj '. pasalos, qualro anuos di sua
ni icuijio, i'lla pode ser reformada, e pare-
11 at c mpletamente.
(t S:i. Cmz Mvc.iado : Completamente
mi i: a constituicao um acto da soberana
tando-se si meMio. Completamente
m pollera ser mudada pela soDerania em
ta actvidade, isto por urna revoluro.
0 S:;. PjcrjwgO Malheiro :Podia urna
li 5o de qualquer estado consignar
s ii.iis liberal
Voz : So se poflun reformar os
pantos que nao forem constituieionaes.
Voan :Nao, seuhor.
O Sk. Pinto dkC.vmpos : S polos meios
i cados na mesma contituieo.
O Sa. Perdigo Malheiro :1" expressa
i faeuldade de reformar qualquer dos arli-
! ti, mes.ii* os respectivos a limites e attri-
tiuicSss dos poderes polticos.
A exagerar.) por-n das deas liberaes
isenvolvenao c tois cresceu com o
(uta de 7 de abril de 1831.
Essas ideas, senhores, deram em resulta-
do aspiraces de imiores franquezas; ate
erl i sonta estas aspirares eram justas,
|uo,s ibratndo as'provinei s viviam do
baixo da compressi da torca centralisa-
lura.
Mas as idjs exageradas fizeramcom que
rssam em nm projecto de le, pira
il irisar a nova legislatura a fazer as refor'
n ; il mandadas, apresentan lo em 1831, as
i l is extremas de abolir) i.hr mmanhia federativas outras desta
n'ureza.
Felizmente estas ideas nao passaram por-
que a min ira da cmara reunida a maioria
m 11 > prestaram naquella pocha um
I miis relevantes serviros que o elemen-
mservador tem jamis prestado ao paz
ip liados) ; evilindo que na e passassem
tis ideas, saltn a unidad:- do imperio,
'-i'i di monarheia, e com ella a susten
i do systeraa ajas, nos rege.
\ lid' is'il o3j coraprebendjWi estas
is. Mis a cmara de 1831, exorbitando
ten mandato, inserio no acto addicional
I rae aquillo que ella foi aittorisad
'. ir em relaco reforma, com o que
lozio graves embaraces e c3mplieaco;s.
Dah originou-se logo depois a necess-
dad indeclinavel de acudir com remedio
de Htdem secundaria M mes-
illas ida s conservadora e liberal tem sido
manifestadas em diversas datas.
A idea conservadora viera em 1841 pro-
ver de re m odio os graves males daadmi-
nistracji : em 1850 n ivas providencias.
A idea liberal nao se contenlava com a
faculdade de legislar: nao se contenlava
cora a admimstraco. A idea liberal omitas
vezes transviou os bomens no excesso de
suas apreciares e aspiraces.
A exageraran propria do partido libe-
ral : o partido liberal o partido do pm
gresso quasi irreflectiilo ; eo partido da
preciptaco ; das inspiraos de momele ;
falla inais imaginaco do que a raza i.
Uma Voz :Do enthusasmo. K' nmw -tornado digna de um premio
i opto e eficaz a estas desordena que o ad-
iu il. '.'in sua eaecucao, causou as admi-
i j3o das provincias e geral, fazendo com
ambas se tebassem quasi em constante
O Su. I". Bslo.vrio : -Tambera fatade
11 as disposico
O Su. PeaiUGAoMvLHEiRO : O acto addi-
ond foi tamban p ssimameute redigido:
' 'dos gravissimos de redaccSo que
taimante tem dalo lujar a militas duvi -
[aeat5 a.
,'' lose prqpunlia na assembla g-ral
rata aedida, log vinha a duvidaisto
rtenee .i assembla provincial: quera o
faser algum : pertence
ebla provincial; eram duvdas
.estoes, que ainda boje sobsistem cm
parte. Novo relevante servico, embora in-
10 por llie \xm ser possivel mellior,
ion o elemente conservador com a le
da interpretaran de 1 s 10.
O m Crjtz .Machado:De 10 de maio,
O Sa. Pmmoao Malheipo : Quanto,
pois, s leis fundamentaes do imperio, eu
i 11 aii iiim descrimnado os dous parii-
' ir na loage : ah esl a
iservadora, a idea liberal, cada uma
sustentando as suas doutrinas, applicando-
as; :n i s s stenlando-as theoricainente,
appUcaado-aa de facto.
N5) obstante, direi que em outras leis
grande enanca, como diz o Sr. Pinto de
Campos.
0 Si. Pkkoigo Mai.hi:i;o:N) pois,
de admirar que tenha cabido em graves er-
ros, e lio graves, quacs foram entre outros
asrevolQc5ei.de \SM ede."8l8: orros
que eu deploro. Foi anda o partido con-
servador quem salvou o laiperio nestas
crises.
Tudo revela, portanto, a verdadera n-
dole do partido conservador, que c tam-
b m da liberdade, do progreso, da civil-
sacad, sem escessos. #
Descendo agora a outras questoes, eu te-
nhode apontar algumas, que merecem mais
especial altenr,3o ; fado-bel muito perfuncto-
riamente para nao abusar da paciepcia da
cmara. (Mutos nao apoiados).
Em primeiro lugar, vejo a necessidade
de regular .mellior a importante questo
de centralisafao e descentralisara).
As provincias me parece que anda boje
nao estam no p em que devem estar (a
poiados); eu nao desejo que as provincia*
se constituam estados : ellas sao divses
administrat vas do Imperio (apoiados); mas
entendo que as provincias devem ter mais
lallude na sua adunnitraeo que esta
descentralisacao administrativa se desenvol-
va um pouco mais a beneficio das provin-
cias. (Apoiados).
O Sa. Cruz Machado: A descentrjlisa-
?o adminislrativa tem senas enlo na cous-
tiluco, cumpre regulamenia-la.
O Sr. Pkrdigo Mai.iu:iuo:Eu entendo-
que nisto nao vai s o bem das provincia-:.
e sim tambera o do Imperio. Qaanlo me-
Ihor se adrainistrarera as provincias por
si mesmas, mellior ir lambem a admi-
nistraco geral, que hoje so v em grandes
embaraces por causa das admitiistracoes
provricaes.
Em segn lo lugar, temos a admiuislra-
fo da justifa, organsacao judioiara, raa
gistratura, a polica; isto umobjecto im-
portaiitissim i, senhores! (Apoiados). Seu
boa administrafo da justica eu nao com-
preliendo como possa bem reger-sc um
estado.
A magistratura a solida garanta d-os
direitos do cidado, da sua idjerdade, da
sua honra (apoiados); preciso que ella
soja constituida de modo a condignamente
preencher este lim. Esta necessidade
(apoiados) de melhor orgaaisacio, de me-
Ihoramento da admnslrago da justica se
aclia consignada em um tpico do dis-
curso da cora, e um dos pensaraeu'.os da
falla do tbroao ; mas eu nao desejo que
isto fique s em palavras, e sim que se
reduza ortica, que seja uma reahdade.
Passemos fora publica. A torca eu
entendo que deve ser organizada de modo
que possa satisfazer a todos os lins para
que a constituico, as leis e o estado a
vnrrtou nm s quexun:
did por tal maneir.i que, anda lia poue),
owfeceu desta cmara um especia
a par dos voluntarios e exercito, e ar-
mada, que esto servindo no Paraguay.
O Sr. Culv. Macm.vdo: Has preciso
allivia-la do ssrvico da poHcia.
0 Sa. Bittexcourt : Apoiado ; sso
de absoluta necessidade.
O Su. PKiiDir.Ao MAi.iiiHito : Portanto,
abolir aguarda nacional, como eu ouco
propagar boje o partido liberal, que ins-
creve na sua bandeira esta proposico
abolii;) da guarda nacional, entendo que
uma grave Rustica, uma negra ingra-
tid j. (ApojaaUs e apartes). Ella tem-se
O premio que eu julgo que a guarda na-
cional merece nao a sua suppresso ; ito
seria um castigos e nao um premio ; se a
guarda nacional tera prestado tantos e to
relevantes snicos por tanto tempo, se
ella n5o se tem queixado, se tem cumprido
o seu dever, e nao fallando a elle, nao
vejo a razu d 'sta suppressao.
Diz se: a guarda nacional esl muito
sobrecarregada de servico : uma yer-
dade; mas, por sso mesmo que Jelia
est muito sobrecarregada e tem prestado
tantos servcos, que deve merecer um
premio.
O premio deve consistir em ser ella con-
serv da com uma organsacao aproprada
ao seu grande Boa, qual consumir a
grande reserva da torca publica, e nao a
suppressao, a abolido.
Consegui.ntenieutc, dispensada a guarda
nacional de todos os servico^ de guarnclu
e de polica (apoiados), efeto este servk;o
respectivamente pelo exercito permanente
e pela torca policial, embora para esta os
cofres geraes auxiliem as pr vine-fas...
O Sn. I'. Bixis.uu : Ecom ejercito
permanente ?
O Sa. Pi:aiimAo Mu.nimio : Nao : a
torga publica digo que no meu entender
se deve. compr, alm da armada, dos tres
elementos, exercito permanente, corpos
policaes e guarda nacional (lia aparte)
sendo esta a grande reserva do exercito.
Do system ekiloral. O discurso da
cora referio-sc lambem a este objecto
Aguardemos que se aprsente algum pro
jecto.
Todos reconhecem a necessidade de rever
a le eleitoral; mas em, que lemos..'.,
questo grave a estuiar.
O Sa. Cruz Machado : Compre dar
representantes s grandes minoras: hodie
inihi, eras libe.
O Sr. Piudiu.vo M vi.hkiro : Sobre a
legislando pouco ou nada diz a falla do
nao se falla do nosso cdigo
exigein.
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POR
Paulo Fval
Segunda
parte
TKI2* P.lT.ift
IV
Tres Paas.
^r.ontinuaro do n. SOS)
i) 5r. Matheus assumio un ar de es-
pinto, atravz do qnal tran?pareca sua
j-onta de zombaria.
O ei.iior probibira-m?. conierou ;
io eston s rdeos do Sr. baro.
im, uns valia q;ie elle se oxupasse
I arias, como o Sr. Mauricio e o
O Sr. Miguel vai por ra
milio, queira desculpar o atrevimento.
<*, sabe Deus onoV por mos si-
uma vida diablica...
: i : :a o Migoelt
!' dozentos e Irezenlos bozas
: ei|uentando os theatros, coian-
indo dividas absurdas, e pagan-
i anda o baro.
I ',e deu uma volta pelo quarto.
tas I!' vo" s, mudou t5o su-
# : a physionomia de Tres Patas que
se dissera uma transguracao. A mascara
da, os olhos, ardentement* ani-
' is, dirigiram vistas fazilantes para a
'la abena. Ajanella dava para osjar-
E' mintia opinio que deve ella compor-
se do exercito permanente, armada; a forra
policial e da guarda nacional como grande
reserva do exercito.
O Sa. Cruz Machado :Apoiado.
O Su. Pkrdico M.vi.iiimio: Eu nao
desejo, nao darei o men voto para a abo-
liCo, para a suppressao da guarda na-
cional.
A guarda nacional uma instituirlo
pde-se jzer que at poltica: o cidado
armado ; o complemento das instituiroes
liberaes; nao podemos nem devemos sup-
pri mi-la.
O Sn. Pinto df. Campos:DevemosJme-
luora-la.
O Sa. Perdigo Mauikiro : Devemos
unicamenie melbora la. Mas nao basta
dizer que devemos melhora-la, preciso
dizer como.
A guarda nacional tem prestado ao Im-
perio em todos os tempos os mais rele-
vantes servcos (apoiados);. ainda nesta
quadra, nesta crise, a guarda nacional tem
concurrido para a guerra do Paraguay com
o mellior de 40,000 ou 50,01)0 bomens
(apoiados); alera dsso, ella tem feilo du-
rante estes cinco longos annos de guerra
todo o servico, pde-se dizer. das guar-
nieses do Imperio e da polica. (Apoia-
dos).
On, a guarda nacional at hoje nao le-
dins. Os hospedes do castello de Boisre-
naud andavam dispersos pelas ras de ar-
voredo ; aquella vista de olhos drigo-se
todos e cada um d*elles rpida como um
relmpago. Aquella vista de olhos buscava
alguem.
Quando o baro se voltou, olhava Tres
Patas para o jardim com placida admira-
cao.
Ah est um paraso suspirou. Des-
culpe.
Onde vai elle buscar esse dnheiro ?
perguntou o Sr. Sehwartz.
O Sr. Miguel ? sso nao soi. Sa o
Sr. baro quizer, informo-me.
Anda ahi Lecoq I pensou em voz alta
o banqneito.
Tres Patas abaixou os olhos e nao res-
pondeu. As sobranceras de Sehwartz es-
tavam franzidas.
Depois de algum .silencio, o aleijado pro-
seguio com certa repugnancia :
Ha uma senhora... que deve ser
muito rica.
O passeio do Sr. Sehwartz teve uma pa-
ragem.
Moca ? inlerrogmi.
Bem bonita, replicou Tres Patas.
Os olhos do banqueiro, cravados n'clle
com insistencia, solicitavam respaata mais
explcita.
Nao a condessa ? comecou.
Nao, replicou Tres Patas.
O banqueiro deu a ultima volta no quar-
to, visivelmente agitado ; depois parou de
novo arrebatadamente. ,
Senhor Matheus, disse, em tudo isto
nao tenho outro ioteresse senao o de ser
til. Esse rapaz foi meu erapregado, e
mesmo alguma cousa mais. J o meu bom
coraco me causou desgosto ; mas estou
tb roo
civil.
Nao vejo necessidade urgente do se tratar
deste objecto, verdade ; nao hava, por-
tanto, occasHo de, na falla do throno, se
repelii' a mesma cousa que foi dita anteri-
ormente, e de que o nobre ministro tra
tou. no seu relatorio.
Mas, ha outros ramos de egslaco, que
me parece exigem com alguma urgencia
retoques, reviso: quero fallar especial-
mente da legisia(3o cammercal.
No cdigo do commercio lia a parte das
la lencas, que cuinpre, me parece, rever,
corrigir, a ira de remediar os graves iu-
cunvenientes que a pratca desta legislapio
tem demonstrado.
O Sr. Cruz Machado :Apoiado.
Sr. PkrogaoMalhkiro :A parte das
sociedades tambeni merece alteneo, e urge
que seja retocada, A nossa legslaco nao
reconhece a especie de sociedades denomi-
nada de respousabilidade limitada. E' uma
ntrodueco que julgo necessaria, porque as
associacoos sao dos maiores elementos de
descnvolvimento do commercio, da indus-
tria, e por conseguate da riqueza publica,
e esta especie uma daquellas que mais
concorrem para esle lim.
A lei de 1860 (de 22 de agosto) uma
lei retrograda (apoiados), porque com suas
desposcoes nimiamente restrictivas pz na
dependencia immediata da tutela do go-
verno, da sua pcrmisso, a creacao de todas
as sociedades, ainda as puramente bene-
lieontes e [Iteraras. (Apoiados.) Nada
escapou rede que por parte do execu-
tivo foi la arada sobre as associaces.
O Sa. AxDaADi: Figukira :Na occaso
foi necessaria para acabar com os abusos;
hoje nao.
O Sa. Peroigao Malheiro .-Estas e ou-
tras desposcoes da legslaco commercal
que temos, me parece que esto no caso
ile serem rovistas, emendadas, revoga-
das.
Passarei agora ao ponto das financas.
Nos sabemos o estado afllctivo em que
se acham as nossas Guaneas.
Dre muito pouco sobre este assumpto,
porque entendo que o voto Ae gracas lmi-
ta-se apenas a generalidades; por isso es-
tou passando apenas uma vista do olhos
ella tem proce- sobre lodos os ramos da administra;>, de-
pois d a questo poltica
ouvor na altura era que i minlia limitada intelli-
gencia pode atlmgi-la.
Sabemos o eslado alllctivo em que se
achara as flnancas. Pois bem ; o orca-
menlo passou quasi como se achava orga-
nisado pelos nossos antecessores. Sent,
senhores, que se ti vase encerrado to bre-
vemente aquella discussoi apoiados), porque
alguns collegas e eu tinhamos feito estu-
dos sobre o orcamento no intuito de ver
se conseguamos este lira, qnal eraredu-
zindo certas verbas da despezas e elevando
outras, procurando desde ja consignar pro-
videncias que de prximo futuro lizessem
desapparewr certas outras verbas, assim
se ditigenciasse rednzir a despeza geral, de
modo que, reduzida ella, a rceeita pudesse
equdibra-la, e nao fosse necesaario, lalvez.
grande elevaco de impostas, ou, pelo me-
nos, a continaco desta elevaco, lancan-
do-se bases raesmo para a sua redueco
nos futuros orcamentos.
Era um Irabalho que prepara vamos desde
j ; embira na actualidade uao ronseguisse-
mos todo o intento, poderiamos mais tarde
obl-lo. Nao foi possivel entramos nesta
discusso, alias de mais vantage n real e
proveilo do que o dbale em que agora nos
acharaos ernpenbados.
Prende-se com as finangas a questo da
pre&Mfie; mas para a produeco, senho-
res, eu eulendo que convm promover os
inelhorameutos maleriaes do paiz e tambera
os meliioramenlos moiaes.
Os insl/iraiih'Htos'malei'ian reduzem-se
principalmente a vas de communicaco.a es-
tradas e a facilidades de navegaco segura,
ui''lborauienlo dosportos.construccaoe do-
cas para abrigar os navios e mellior servico
do commercio, e mesmo fiscal.
Nao basta que o paiz contenha a riqueza
proverbial de q le a nature/.a cora tanta pro-
digalidade o doto.ii; necessario applicar
os meios para aproveitar esta riqueza, e
estes meios sao os inelhoramentos mate-
riaes e moraes.
Alera da facildade de eommumeaces e
navegaco, necessario qin se proleja a
lavoura, o commercio e a industria, porque
desta coilecliva proterno que ha de re-
sultar o melhoramento geral da produeco
do paiz.
Nao se pense, por outro lado, senhores,
que a emigracSo ha de desenvolvcr-se com
o systema que at aqu temos seguido.
Esses diversos ensaios estao todos repro-
vados; a experiencia est feita.
Desde 1808 at agora tem-se sustentado
todos os systemas para attrabr colonos o
immigrantes ao Brasil ; o estado tem feilo
grandes despezas com a ntroduecao de co-
lonos, cora a immigraco; mas o resultado
tem sido nullo, nao tem correspondido aos
sacriticios. (Apoiados.) E por que ? Me pa-
rece que porque o paiz ainda nao offere-
ce todas as vantagens que o emigrante
procura e deseja encontrar. Ninguem dexa
o sea paiz por outro seno pelo wu bera-
aitar, para melliorar de sorte, para viver
melhor; e al se diz que para o emi-
grante a doulrina : ubi be .e ibi patria.
i-isla a regra do emigrante.
E' preciso, portanto, que o paiz I he olTe-
reca todas aquellas vantagens, e rnuito maio-
res do que as que tenha no paiz d'onde
emigra, para que elle o deixe e venha "esta-
belecer-se em o nosso. Estas vantagens
provm principalmente da facildade de
communicaces, de boas estradas e nave,
gaco segura, o nao de crear colo-
nias nos sertes sem facildade de virem
ou maudarem aos mercados, obrigan-
do-c os colonos a irem estabelecer-se
onde elles nao querem ou nao Ibes convm
icar.
A consequencia da ausencia de um bom
systema a que temos presenciadoo
abandono das colonias. (Apoiados.)
o emigrante
recompensado com a estima publica... O
senhor sabe muita cousa da tal condessa
Corona, nao ?
Sei, respondeu Tres Palas. O coro-
nel deixa-lhe tudo...
Nao fallo d'isso I interrompeu com
vi saudade o Sr. Sehwartz. &'
E justo. O Sr. baro est em re-
gra.
Mudavam os papis. O laconismo j nao
estava do lado do banqueiro. Continuou :
Deus lomado, hem por mim nem
pelos que de pe.rto me tocam termo de que
me inquietar, nem para que lomar infor-
males. O Sr. Matheus l tem talvez as
suas razes para tanta discrifo.
Tonho, sim, Sr. baro, disse Tres
Patas. Tenho as mnhas razoes.
O banqueiro deu uma reviravolta.
Tempo, dinlieiro.accrescentou voltando
para a secretaria. Negocio concluido. Boas
ooutes.
Assim despedido, Tres Patas arrastou-se
logo para a porta. No limar, parou e disse
com humildade :
Tinha contado com a bondade do Sr.
bar3o;..
Este, que j folheava os seas papis com
com certa affectac3o, interrompeu-o e ros-;
nou estas duas palavras :
A'galope I
Era para saber, prosegaio Tres P-tas,
se o Sr. baro rae poderia recommendar ao'
Sr. Sclwarlz, o pai to Sr. Mauricio, que o
Sr. baro conheceu em Caen no tempo da
restauradlo.
Erapaldeceram as faces do banqueiro.
Respondeu todava, carregando na ultima
palavra :
Conbeci o pai de Mauricio, em Paris.
N'islo nao ha offensa, replicou Tres
Alm disso, preciso que
tenha no paiz toda aquella somma de lber
dade que elle deseja para exereer a sua
industria; e nao ser como que constrang-
do a exereer antes uma do que o itra. Neste
caso teriamos a substituirn da escravido
por um outro systema que sera a mesma
escravido disfarcada ; e, como se tem j
dito, sera em lugar do trafico de negros e
trafico de brancos.
* Nao isto o que eu desejo. Eu desejo
que o paiz so prepare com todos os me-
llioramentos materiaes e moraes que julgo
indispensaveis para que o emigrante ache
nelle tudo o que Ihe convm ; e es a ra-
zo por que os emigrantes procuram os
Estados-Unidos e os do Prata e tera aban-
donado o Brasil.
A colonisaco allema por algum tempo
affluio ao nosso paz; mas ha j bastantes
annos que nao vein c; e no entanto Lc-
goyt diz e demonstra com estalisticas que
a mais importante e mellior emigrarlo.
Mas para o maor bem do paiz nao bas-
Patas, em Caen oa em Paris... o mes-
mo. Tenho alguem que anda a procurar
gente de Caen : a mnlber e a filha de um
banqueiro. Era gente muito rica em tem-
po, e icou pobre como Job ; vamos que
uma historia bem exquisita.... Ahi tem ;
c estou eu massando oSr. baro. Vejo
alm d'isso que nao esl contente contigo.
Mas vou adquira do idade e experiencia.
Nao gosto de olhar muito de perto pira
certa gente, nem para certos negocios.
N'outra occasio Ihe fallarei do Sr. Sehwartz
e da tal familia do banqueiro. Son um seu
criado, Sr. barto.
Deixou baler a porta e desappareceu.
Ao ver Tres Patas sumir-se, q Sr.
Sehwartz fez um movimento como 'para
correr para elle.
Anda o Lecoq em todo isto, disse
pela segunda* vez, quando se assentou. Sin-
to-o roda de mim, e ha momentos em que
tenho medo I
A cabeca descahio-Hie para as mos. Es-
tava poderosamente preoecupado. No fim
de alguns segundos, voltaram-lhe as refle-
x3es.
Minha raulher f murmurou emquanto
que profundas rqga; se Ihe cavavam na
fronte. Miguel I
Mais nada. O pensamento icou com
elle.
Devemos, porm, notar aqu urna rr-
comstancia muda. Depois de ter reflVctido
e por ventura de haver co-abatido no inti-
mo, o barao tirn da algibeira do clete
orna cbavinba de ac lavrado, bonita e pa-
recida com as que fechan os indispensa-
veis das senhoras.
Olhon para ella e hesitou.
flas fetcoes d'elle havia um sorriso pun-
gitivo.
tara os inelhoramentos materiaes; sao in-
dispensaveis os moraes.
Nos melhoramentos moraes eo compre-
bendo a instroeco e a religo.
A inslrucrJo publica, n3o s a primaria
como a secundaria, e at a superior, sabe-
mos que se acha entre nos em estado de-
cadente. Eu chamo a attenco fio goverr.o
para ste assumpto, que de gravidade e
do capital interesse
O esta lo da religo no nosso paiz, senho-
res, no meu entender, decadente tam-
ben. Basta altender para o estado em que
se acha o clero secular e regular; salvas as
honrosas excepces que folgo de reconlie
car, em geral o clero nao inspira aquella con-
lianca que eu entendo que deve inspirar;
nao se tem elle compenetrado bem de sua
misso espiritual e moral.
O Sr. Pinto dk camposTalis populas
qualis sacerdos.
O Sr. Perdigo Malhkiro :E' verda-
de. Nojenitanto eu exultara que o nosso
clero se elevasse a altura de sua misso di-
vina.
O Sr. Bitte.ncourt :Para isto era pre-
ciso dar os meios de ensno.
O Sn. Perdigo Malheiro : Sem duvi-
da. Eu chamo igualmente a atten;5o do
governo para este ponto, porque entendo
que um paiz sem religo, senhores, e um
paiz catholico, nao pode marchar bom.
(Apoiados).
A religo, tambem a moral, e a moral
da religo, sobretudo da catholica, a mais
perfeila que conheco. (Apoiados).
OSn. Bittencourt : a nica.
O Sr. Perdigo Malheiro : Nao ha
pbilosophia superior a esta.
O Sa. Pinto de Campos :Apoiado.
O Sr. Perdigo Malheiro:Passo ago-
ra, Sr. presidente, a fazer algumas observa-
coes em relaco aos negocios exteriores.
Serei muito breve, porque um mju collega
parece que pretende failar ainda hoje, e a
hora se vai adiantando.
A prmera queslo a que diz respeito
as convenroes consulares, Eslas convences
senhores, lem sua raz era urna lei de 1800-
sobre a condico civil dos lilhos dos estran-
geiros nascidos no Brasil.
Esta lei foi uma innovaro no nosso paiz.
uma importaco que nao nos trouxe jeom
as convences consulares seno graves com-
plicares ou graves inconvenientes, e os
mesmos inconvenientes eu receio que se
dm ou peiores anda, cora um projecto de
lei que estamos dsculindo. sobre crmes
praticados no estrangeiro.
Um povo como o nosso, anda novo, um
povo fraco nao se deve estar emmaranhan-
do em taes quesles com as nares es-
trangeiras, sobre tudo comasnaces pode-
rosas.
Os cnsules quizeram constituir-so em
estado no estado, governar no imperio, fa-
zer e desfazer, sem prestar obediencia nem
audiencia as autoridades do paiz, nem res-
peitarassuas leis. Reclamacoes sobre re-
elamaces, questoes sobre questoes se re-
produziram sem cessar. Com milita dilli-
cuMade consaguiram-se accordos inter-
pretativos. Pensa a cmara que cessaram
as pretencoes exageradas dos cnsules ?
Conlinuaram ; porque dizem elles que
tem instruccoes dos seus governos e que
devem obediencia primeiro a elles do que
ao governo do Brasil. Assim proseguem e
subsistem as mesmas diflieuldades e emba-
races.
O Sr. Andrade Figl'eira i E at ha
queixas dos propros nacionaes.
O Sr. Perdigo VIalheiro : Diz muito
bom o nobre deputado. Eu posso infor-
mar a respeito disto, porque assumpto
que me passou omitas vezes pelas mos.
O outro ponto, senhores, e este ser o
ultimo para terminar, relativo s nossas
retacos no Rio da Prata.
Este assumpto gravissimo e de m-
menlo. Ainda cedo, senhores, no meu
entender, para que a historia, com a sua
critica inexoravel, com o seu juizo severo
e imparcial, julgue as complicaces em que
nos havemos envolvido, e, portanto as ques-
toes cora Montevideo e ltimamente com o
Paraguay. Eu me absteri de fazer este
juzo; ainda cedo.
Mas nao posso deixar de notar desde
j que se t Tilia querido sustentar alli cer-
tos principios, applicar certas doutrinas,
que entendo nao serem as verdadeiras do
direito das gentes, e muito menos as con-
venientes ao imperio. (Apoiados).
A queslo com Montevideo, todos sabem,
comecou por urnas reclamacoes que se fi-
zeram. Nao sendo logo satisfeitas, foi a pre-
sentado o ultimtum ; nao se tendo dado
resposta immediata, applicou-se o que se
chamou represalias. As represalias foram
empregadas por tal forma, que equivale-
ram a verdadeiras hostilidades, ao ponto
de se destruir Paysand e de querer-se
arrasar Montevideo bombardeando o.
Nos, porm, naquella mesma quadra l-
de dinheiro ; em ne-
nunca Sehwartz hesi-
No era negocio
gocos de dinheiro
lava.
Tendo assim hesitado, abri uma gaveta
da secretaria, da .qual tirou um pao de cera
de moldar.
Para que tinha elle aquillo ? Quem sabe?
Talvez o letor a tenha igualmente ; o tam
bem eu ; e todava nem o leitor nem eu
fabricamos chaves falsas.
Tinha n'uma das m3os a chave gentil que
a vista taciturna aifagava; com a outra
amollecia a cera entre os dedos.
Quando Tres Patas desda a escada seu
modo, ouviram-se passos de mulher no
corredor do primeiro andar, Parou to
commovido qtte ia desfallecendo. Era a
baroneza que, prevenida por Domergue,
passava sala, ondea esperava a donzella do
barco, Edmce Leber. Tres Patas ouvia-lh
dizer:
Ne preciso incommodar minha
filha.
Aquella voz sonora e doce, mas firme,
produzio em Tres Patas extraordinaria im-
presso. D.'ssera-se por um momento que
aquella lastimosa creatura, reptil humano,
apegado ao ch5o, se ia levantar completa-
mente como um homem.
Dardejou para traz de si uma vista rpi-
da ; os olhos morticos fuzilavam-lhe.
Se, porm, tinha desejos, tambem Ihe
nao faltava receio, que se poz elle a des
eer os ltimos degros com singular rapi-
dez. Quando a baroneza por seu turno
baixou, acompanhada de Damergoe, estava
a escada solitaria.
Na sala, continua va Edme sozinha. O
rosto encantador ora exprima animosa re-
solucao, ora vagamente reflectia profundis-
simo desanimo.
nhamos j soffrdo as denominadas repre-
salias que o miuislro iuglez Cbrstic exer-
ceu, bloqoeiando o porto, tomando vio-
lentamente navios nossos e offendendo o
nosso commercio. Queixmo-nos com todo
o direito. No amianto tomos contra Mon-
tevideo, nacao visinha, nacao amiga (recla-
macoes), rsto ,- com quem estavamos em
paz, ter igual procedimento.
Platicamos assim com Montevideo, na-
cao muito mais iraca em relaco a nos do
que o Brasil em relaco Inglaterra; bas-
tava para isso ver a distancia que vai do
Rio de Janeiro a Montevideo e a que meda
entre o Rio de Jenoiro e a Gra Brelanha.
N5o tinhamos tanto que recciar do poder
inglez, como Montevideo do-poder do Bra-
sil. Reprovmos uma doulrina e tomos
inmediatamente applicar a mesma doutrina
reprovada I
N3o comprebendo. E' uma questo de
principios. Convm que plantemos no Rio
da Prata essas doutrinas ou mesmo em
these as aceitemos ? Eu neg.
O Brasil entende que deve ser respeita-
dor dos verdadeiros principios do direito
das gentes. Quando se constituirn) os
estados modernos, depois da paz igreja
por Constantino, e da invasao dos barba-
ros, a doutrina christa prevaleceu como
elemento essencial na organisaco dos po-
vos modernos ; o direito das gentes mo-
dicou-se profundamente pelas doutrinas do
chrislansmo.
Neste direito de*vem-se, cois, seguir lam-
bem os principios chrisiaosuo facas a
outrem o que nao que res que le facam;
faze a outrem o que desejos que te fu-
rnia. Estes mesmos principios que regu-
lara as relaces individoaes, devem reger
as relaces dos estados entre s. O direito
das gentes nao uma sciencia de contra-
dicees, tem principios certos e que n3o se
transgridem impunemente.
Assim como-estas, Sr. presidente, se tem
pretendido applicar aquellos estados uma
doutrina que nao adopto, a quasi conti-
naco da tradicional poltica portugueze.
Parece que continuamos essa mesma dou-
trina de ntervenc5o machiavelca ou floren-
tina. Nao de,vemos ntervir, meu voto,
nos egoos internos daquelles estados. De-
ve-so deixar plena liberdade aos outros es-
tados, segundo o direito das gentes, de
procederem como entenderem que-mellior
Ihes convm.
O Sn. Candido Mendes : EntSo nao
quer a poltica de intervencao.
O Sa. Peudigo Malheuio :O que con-
vm ao Brasil por' ser justo, por ser dos
nossos meihoes nleresses a abstenco,
e nao a ntorvoncio. Em quanto o govern.-
nao se convencer de que deve proceder
para com acuelles estados e quaesqoer ou-
tros, segundo uma poltica inais larga, de
vistas mais profundas, que penctrem mais
no futuro, havemos de eslar sempre em-
penhados nestas questoes mesquinhas que
nao do o resultado que se espera. Pelo
contrario, essas doutrinas indispoem cada
vez mais os Estados do Prata ; e podem
indspor contra nos os outros Estados da
America, e muito provavelmente as naces
civilisadas, causanlo-nos um verdadeiro e
grave damno.
Irritam-se as relacc> com esses estados:
e sendo j rivaes por natureza (basta serem
vznhos) e pela historia, nao comprehendo
que to cedo possamos restabelecer e man-
ter com elles as boas e duradouras rela-
CO'S que tanto devemos desejar.
O nosso interesse est, em mudar a di
recc3o da nossa poltica, fazendo com que
cuidemos inais du u6s. Devenios imitar
nesie ponto a poltica ingleza, poltica larga
mas que ao mesmo tem trata principalmen-
te da Inglaterra.
Eu desejo que o Brasil trate principal-
plmente do Brasl.~tApoados.) Ainda que
cootivesse elle 100,000,000 de habitantes e
fosse a primeira naco do mundo, eu pro-
clamara esta mesma doutrina. E quanto
mais forte fosse o Brasil, tanto mais rigoro-
samente deveria praticar a poltica e doutri-
nas que sustento.
Por esle modo, senhores, que com-
prehendo que o Brasil melhorar no seu
interior, tratando em primeiro lugar do seu
proprio desenvolvimento, afina de progre-
dir e oceuparo lugar a que deve aspirar
e Ihe destinado na communlio das na-
ces.
O Sn. Candido Mendes : A poltica do
Brasil no Ro da Prata tem sido sempre
sincera.
O Sr. Perdigo Mauieiho : Se fallo
com esta franqueza, parque, como disse
a principio, desejo que o Brasil se eleve
tanto no seu desenvolvimento material e
moral, na sua prosperidade c cvilisacao,
que se constitua urna das prmeras e mais
notaveis naces do mundo, e possa pr-se
a par da Franca, da Inglaterra e do outras
naces desta ordera.
(Contiiiuar-se-ha.)
Padeca. A febre nao a deixava um mo-
mento socegada.
Apoderava-se agora d'eila um torpor
que a prostrava, logo depois uma especie
de doenlia anciedade que a obrigava a.mo-
ver-se, e por instantes Ihe Unga de pur-
pura a pallidez das faces.
N'estes momentos, assumia-lhe s vezes
um nome aos labios, nome queja por mais
de uma vez pronunciamos, e que t vera o
privilegio de t3o sensivelmente impressionar
o barao Sehwartz : Miguel...
D'uma vez, cahindo do andar de rima,
uma escala brilhante, corrida no piano,
subi e desceu todas as oitavas do teclado,
como milagrosa prestidigitaco.
Edme sorrio atravez de uma lagiraa.
I,arrou a janella para voltar ao retrato.
O caprichoso piano calra-se. Pela ultima
janella da sala, no meio do crepsculo que
ia baixando, passava um raio vivido do sol
e derramava luz pela opulenta formosara da
baroneza Sehwartz. Edme Leber qued-
ra-se alli em contemplacao e como fasci-
nada.
Porera, cousa singular. diamante quo
brrlhava debaixo das prodigas mas.-as do
negro cabello em breve Ihe attrahio inven-
civelmente as vistas. Os olhos cravaram-
se-lhe n'aquella chispa e n3o a deixaram
mais.
Sentrara-se passos abafados no tpele
da escada principal.
Domergue disse tora da porta:
Eu uSo quera incommodar a Sra.
baroneza, mas a menina Leber esl ainda
t3o doente...
(Stntinuar-te-ha).
*

TYP. 1)0 DIARIO -Bf i DAS IRZES ti. 4


-J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE3UCTECV_VCWINZ INGEST_TIME 2013-09-13T22:40:48Z PACKAGE AA00011611_11940
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES