Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11936


This item is only available as the following downloads:


Full Text


PW

I
ANNO XLV. NUMERO 204.

---------------------------------------------------------------
na* a tmtii e iMAm em m a paga wm.
or tres naca* adianto**.......
r seis ditos dem........
IPor amo Mem.
a


6*X
JQGO
24OGO
3*)
DIARIO DE
o: ^JEIMJ^E SETHHtt DE 1869.
PAfiA ftWIO E PORA DA PHOOCIA.
Por Iros e/os atoados......, ,
Por seis ditos idom....... .....
*or nevvditos dem....., '......
Por nm armo. ..... ..........
WO
27*000
Propredade de Mnoel Fteueira de Farfa

AO A4.ESTK
J^^i^"0 tw*c*.ai**,,- nr. ** SS.aiv,H*'.feS"t%,b^k;rd.%r"!Dom",i!0'',osd*^*"*
PART 0FFTCIAL
i o lenlo presionis de guerra paraguavo Pedro
Jos Pereira.
N. 473 Ditaaomesuro.Expeea V. *. anas or-
Cioverno da provincia .para que em vis!a dl Jnclusl conIa- 9ue me
I- sec-^ proveniente de transportes, dados per conta do
N'. i39.-JHb :,<, ...esL-Man* V i fam """toTOto gb*r;. nos tro da mesma estrada,
u "!'.?"'' -V .apitiio do porto.-Tendo S.
M. o Imperador por bem concedido o mu imperial
exequtur .;, Bo.iue.ac5o do Manuel .Joao de Amo-
i un, para wae-coosut da repblica Argentina ne*
ii capital, aswi, ociHiiiHunlcj a V. S. para o scu
2a sopco
X Wi-IVrt;iH'a a.. Qr.nbfe Te polica meri-
". .-.esta tlfcl.. recHiiuendu M ispete* da
inesoararia de far.mda qU(J em vista dos recibos.
queem duplcala ywrain annexos ao seu ofti.-io
16 10 do carente, sob o. 852, man*; liquidar e
age* a Jo* Laurentino de Aievedo a despena
teitt com o aluguel de cavallos e sustento de,-tos
i.ara couducokodo termo de Duique ao de Flores
nos gneros alimenticios, de que traa o citado of-
iIibi.1 que flea assim respondido. Quanto ao sal-
do de Ktf 390, que. do- existir em poder do the-
-'ureirodessa leparticao proveniente (10*2:0004
que/no foram entregues para a compra deeses
/eneros, eoavm qu( v. S. o faca recolher ao co
re.4amesi.ua th.siuiraria, a cuj) chafe dou sci-
rucia dessa iniolut delilicracao.
I 53.Hiuau mesmo Tendo S. M. o Impe-
i-aoer. concedido o >eu im.ierinl esoquatur a no-
ment) de Maoc;-! Juao de Amorim Sobrinho,
liara vice-coasul da repblica Argentina nesn
apital : astdn o '-ommunico a V. S. para son co-
nliernnento. -
N. 4G4Dita ;ie mesnio.ooi > ofieio >unto
:opia do pnAedor. da Santa isa delericor-
Ma; respondo ao de V. S. deO.do.c.irrjita relativo
n ahenado Luiz IVIippe.du Menezes S. .
/?. 'ii.-i.Dila ao commaapante superior Interi-
no da guarda i, a;iun;il do Uecie. Con3edo a
iiiTmisso por V. S. pedida em acuotlicio desta data
para que o 2* balalhao da guarda nacional sob o
-<:u ciminiando superior taca as honras funobrt
^osrflsios nioMa< s do capilao do iikesmo batalhio
Jo< Fianeisce Brandiio......
N. iti. !>:'.;..-, c mniandante ,o eorpo provi-
trte de polatfa.Antoriso-o a incluir do con'1
-"b sen commando ao soldado Sabino Douradn
.avalcante, alistando como, scu suLstutc o pM
toinptJque falta para completar .o ennajanicnto a
Hil.iniiiuo Pferrai-a da Silva, J<: ;|ae
olHcio n. 24S de II xlo.corrone.
n. 201, relativos a espza de
ob9|500 paj;a sot- a responsabilidade da preaMen-
ca e proveniente de vencimentos de atoa escolta,
que conduzio recrutas daqaelle termo para esta
capital, e da captura de taes rdf rulas, flea saHsfeita
a reHiiiMcaode V. S. contkia em seu offlcio n. 182,
de 2 de abril destanno.
N.4rs. Bita ao inspector da thesonraria pro-
vincial Em vista das tres incluas cntas qm>
me remellen o superintendente di estrada de
ferro do Recite ao S. Francisco com o olflcio de
0 d. crrante, mande Y. S. liquidare pagar a de*-
pera teita no mez de maio ultimo com tran?portes
dados nos trens da mesma estrada por conta da
provincia ecom um telegramma dirigido pela pre-
sidencia a cmara municipal de Seriuhem como
se v de. taes-cantas.
N 476.Da au raesmo.Mande a V. S. liqui-
dar em vista das incluas contas e rolarles a des-
peza feta !nos motes de abril c maio doste anno
com o sustento dos presos pobres da naeia do
reifa de l.ima. Lnia Mara da Conceicao, por of-
fenws n moral pub.tea. ? '
A orilem do da ffw-Vwta, Vtcvata oseravo d
?3*,acellos. 'i.^.rnnuienled'esle-.
nr cOMd do 1- do crrante, cominuoicoo-mH
l,o subtpfevado do t diricto do ftbnatao ( Gnr-
M que avisado do qiie-no rio do-engenti G ir
Ia-de-ciriM d'aquello^li*icto apparerr ma ca
Mee de cor parda, ilo peaua de giB-s nrnedialamenhs iflflMa lugar para proo:-
der ao competente aUfo m Tistoria (rae f..i logo
reitisado, nao obstante acbai^se o corno em esta-
sob n. 86S.
N. 477. Dita ao inesmoDeclaro a V. S. em
resposta ao seu offlc'o n. 282 de 24 de maio prxi-
mo nudo que pode mandar entregar ao respectivo
secretario como dWermirfou est presidencia em
13 de alirl ultimo, o que for devi
moel, conhoy alB por Santo A"ntiw, perten-
-* .jor Amoiw,dos Santos de So4 He*. u^'Jind'T P ^ "** '
tepertloa que o xaamwraia, emeadem fun
dados -'------ -. -
-ido pelas mensa-
lidailes to* alumno' iideities do gvmnasio relativos
ao trimestre__de abril a junho correrHe, e de que
trat a reteeao que incinsa devolvo, visto como o
alumno Francisco Bezerra do Amaral foi amittido
em lugar do de nonio Jos Manuel Cavalcante de
Almeiifa, por portarla do regedor do mesmo gj-m-
nasio jH.r occasii. de dar comprimento ao despa-
cl dwt'presidencia de 2de ouiubro de 1868.
^ 4' t. 478.Officio r.o Eun. Sr. presidente da pro-
vinrta ffi BahaAcenso a recepcao do offirio de
20 de maio ultimo, a que viram annexas duns
xempiares do natatorio com que o bario de S.
Lonreneo paawn, a V. Kxe. a adminisiracao des-a
provincia no dia 23 i: abril prximo (Indo.
N. 47CDito aa Kxm.Sr. presidente do Paran.
, Com ii ofllrio de 29 de abril ultimo recebi dous
ata o s 11exemplaivs do relatorio com que o Dr. Cirios Au
gusto Ferraz de Ahrnu passou a V. Exc. a admi-
** e Silva, a qwintia de 2f5#O0 rs., cons-
ta do offlcio deV.S. de 12 docorrente, sob
n W9, o qual flea ass?m respondido de ordem do
i?'ion *ieft->M'*9 A. 488.Dtt ao commandante superior da
Ruara ksi VCahrebo-.-^ E*m. Sr. vine
presidate da provincia manAa dectarar a T. S
eav reposta ao sea oficio de f T do mez (indo, que
M foram tomadas as providencia ae sentido de
soccorrer a probreza a obvia/ os males qne po-
demrcl"lt'lda Bc e assola essa esmarca.
N. 481 Dito ao juiz mnnwipsl supphmte de
!>erinliem, Francisco Manoel de Sobri Oiiveira.
--0 Exm. Sr. viee-presidente d provincia manda
de.-larar a V. S. que Oca inteiradn por >eu ofHo
de 18 de maio nlftiao, de aaver V. Jt. asunmido o
exercicio da vara mancfpftl do terino d Seri-
nhaem, .no impedimento do juiz effectivo e seus
1."' MlllStitlllOS.
S.' sercao.
N. 490 OfBeia ao inspector da tftesonra-ia de
lazenda.S. Exc oSr. vico-presidente da provin-
cia maRda devolver a V. S. competentemente des-
pachado o reqnerimento documenfado. a qu se
refere sua informacae de 10 do crrante, sob n:
J74.
N. 491 Dito ao Inspector da tbesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia
manda transmlttir a V. S. para seu conhecimento
copia da portara desta dota, pela qttaVres.ilvea
prorogar at o dia 16 do curente a presente ses-
sao da assemhla legislativa provincial.
X. 492.Dito ao mesmo.O Exin. Sr. vice-pre-
sidentc da provincia, por deNberaco desta data
em v mstriifcao publica do 11 do correqte, sob n. 171,
resolvBu nomear J i$ Ignacio dos Santos Quaresma
para reger interinamente a cdeira de instruccao
primaria da povoacio de Varas, percebendo a i
gratifiearao annual deiOO, o que a V. S. com- I
iiiunico de ordem do raesmo Exm. Sr., para seu
conhecimento e fins convenientes.
o ST'S^'i^n,1^?0-1^ rdem da S> Exc|ftpo'C3o lo jii especial o w. vue-presidente da provincia, commumeo a > --
w', nao podando por isso serenr as respectivas
antas de liberdade entregues boje ao tutores.
luu de orplos, para que este as ontregae am tu-
lores quandu assignarera os termos de tutela Por
osta forma fica satisfeita a disposicao do art. 3* da
citada loi.
,. I'ESTA DA SEftHOBA DA PEJfHA.-Domingo
do correnta teve lugar no hospicio da Penha,
a Hvds. padres eapucbnios, a fcstividade d'a-
desta denonnnacao solemiiisa amauhaa o acfver-
sano da roconciiiacjto de-sen templo com mtssa can
laiia, erando ao ovaogclbo o Rvm. Jos EstevcS
> lanna.
Celebrar sua primelra missa o Hvm. Joaquim
Avelmo Cavalcanti.
CAPTURA._pelo delegado de pdicia do termo
'le erinnaem foi preso .%uel Francisco llodri-
gnes, que n'uma cacada nodia 24 Je agosto, feri i
gravemente Manee! Fraiuisco, corno j noticia-
mos, viudo elle a fallecer.
do de adianlatlft- pnlrefaccao edevorado pelos pei- ,,,^11, !' fffsz ''-** "a"
xes om ditferer^s partes : s.;ndo ime no-e arto !S, X"*!*Senh>r- c" Pi"np e nngnifi- AIU.,,..h. u 7 "V n h',^,n,^ *** *
rerilicou-so ser ., Sadaver do cscavo de nnmr "2S WIB *" OT p"drM iMimai *'sd6 te*P1sS2Sft -Biom*rli, cor.selheiro
i remotos cotumam ce**ra-ia. 'teWboaal de Constanca, .-.cala de n converter
'iades em alguna vatigios de crtioe, que dtesr-
nram, que o infeliz escravo Uti a*saswa*t :
i '|ue recommendei ii'est data qaelle subde-
<|ii" cofltlmtass a pro-ederas averTgua-
iflenteninntns, allmd verillc*''e- a morte d i
roforido pardo o nMwguia o rosuRado de um
ernne, e (|uo no caso afirmativo nstaurass logo
o mtnpetentB processo, ilanlo-mo parte do resul-
tada, p proin.-eiido tcDfttnentementc a captura
co di'lmqu.-nto ou delimpontts
Dens guarde a V. Bfcc.Mm. e Exm. Sr:. Dr
anod do Xascmamo Machado Porteila, vice-
presidente da provinhn: o chere d-j polica,
Futotcism Je-Assls Olivtim Maclel
i festa a novona, so | Vf*1'' calnotfe, fazendn a sita abjoracao do
a concurrencia de Beis, que tambera P!?islan,,l, nun recebor ali o pao etartiaristieo.
> temjilo. adornado coa apurado boro gosto e i
primor, ostentava paineis da historia sacra, onde f
abundan os uxoinnios da saa nural e .las virtu- i
ve diz o hlond*, tofo estodo da liritoria, da litte-
ratura eda arte hespanfcota .|uo ->er >n esta con-
versa), convertido o auclor da celebre bro-
xura : Ptnx suw Jo concilio, que iei pora na littoratura aJIe-
maa, e que j ate ve raaisoV dez edicoes.
i Empiesenc.i da ingratas da sua patria
cTMirlue mui opportiRftinente o jornal religioso de
llns esta noticia : os- hespanhoes devein eneoii-
Irar am motivo de coesofaro ede esperan^ Bas-
ta conversan inspirada pela genio de sua na-
l
cao.
2' sercao. Secroiaria n> polica de Pennambu-
cn, 6 de sntemfcro de 1801'.-
fc29.1.fllnv e EXirt. 9rLevo ao conheci-
mento de V. Exc. que, aeauadn omsta d.is parti-
recebidas nesta rofiarticao, foram- reco-
Ihttos a casa de dottencao- os seguintes indlvi-
daos ;
No dia 4 do corrento, ordem de presidente do
Aun d da relaca i, K-tov.. Candido da Silva, a
A' minb.i ordem, Mana, at segunda ordem.
A ordem do subdelegado lio S. Jos, Jos Sa-
bino Lopes de Modeiros, Felicia Maria do Carino
>\ 467.Dita ao mesmo.Podo Vmr. exelnirj nislraco dessa provincia'
ilf?T22LSv ,;""lll''1ni!"^i^-1<,'ABton1o N. 480-Dito ao Exm. Sr. presidente do Rio
^ftS^IMSnt^^^ a"^ ^-i*^'.la^^^^'^^el.qUesmiciia e
V \c* _J-i r e'?rrcntc;. ., '>'! 'i*m cemrtattani.. dis arma> no ollcio jnnln
rl. 4W.venoeracio. -- O vice-presidente da -
provincia c.unforrn.indo-sc com a proposta do Dr.
chefo de polica i m oillcio n. 870 de 12 do nor-
reata otes, resolva nomear para o lugar vago tte
.'Io rappknte do sabadafad* da fregnezia do S.
-"ose desta cidr.d Antonio Dia da Silva Car-
de|.
3* aacoio.
X. Oil.l'oriiuia ao inspector Ja thesonraria
S. M. o Imperador coucedido
o sen imperial excvuatur a nomoaciio de Manoel
\ntonio de Amurim Sobrinno, pan vice-consul da
icpublic.t Argentina nota capital, assim o com-
niuiiico a V. s. para seu conhecimento e us con-
'. niente>.
N. 470.Dila ao mesmo.Em vista dos inclu-
os recibos co. dnjiMaata, mande V. S. nao s li-
quidar a de-pe ( Vita com o aluguel de cavallo-
jiara conducao da termo do Uuique ao de Flores,
dos desvalidos do ultimo de taes termos e com o
uto dos mencionados cavallos a proporcao
.]iie para esse flm iam sendo adquiridos, mas t.i'm-
bem pagar o que se devor, jtessa despeza a Jos
l..ui( ulioo de Azevedo, conforme solicituu o chele
de m ilicia iutcriii em ofBcio do 10 do crrante sob
ii. 8"2. A i referido chefe recomrnendo nesta data
V. S. para seu conhecimento e fls convenientes,
que por .deliberacio desta data, foi Joaquim Jos
de Mello nomead.) para rog*interinamente a ca- ,. jau Bar-trsfa de VaVco'n.vlos"imrTsturWo'
deira de instruccao primaria da villa de Ingazeira.' N nja k a ideado ni I '
percebendo a gratificncao de 600000.
4* secca).
^. i94.O.Ucjo ao Io secretario da asscmlda
legislativa provincial Armihio Coriolaiio Tavares
dos Santos.\. 114. -Sua Exc o Sr. vicepresi-
dente da provincia mapda trabsinitir a V. S. para
conhecimento da assemblea togislativa provincial,
copia da portara desta data pela qual resolved
S....eiado de S. Jos,
roel (,orra da Silva, Pedro *> Costa Bizerra,
nrisco de Smuz.i (ime, Francisco de Paula
Lins e Mftnoel Fernandos Eiras, por disturbios;
Mbtiocl dos Sanios Osta. por otJmsas physica^
i! resistencia ; e Joao Coellio da Costa, para re-
arla.
FILWCrWA..Va comruuTB ranceza o Pouil-
eommetter'se tim crime de que la-
A ordem do da Ron Vista, Manoel Mariano dos
Sajaos, por crioio de furto.
te da provincia nomear a Joaquim Jos de Mello
para regar uterinamente a eadcira de instruccao
| primaria da vida de htpMera, pereebende a gra^
por copia, queh-a V. Exc. d.chrar odia era que *. ? 0OW00 K o que a ?. S.
foi ahi capturado o desertor do 10 batalho de in-
lantaria Leonardo da Costa Beterra de que trata
o sen ollcio Je 7 do crrante.
N\ 481. Deliberaeao.O vice-prosidente da
provincia tendo em vista a proponte do director
geral interino da instruccao publica de 11 do cor-
quafaea recolher *ao cofre dossa tbesouraria o
sudo de 83j.ao que. segundo o c:*iib offlcio exis-
to am podar do Ihesmtreim d'riqiielh raparticao,
proveniente dt>s froooatMO que por ordem desta
prcsideari.t, foram entragiios ao snpradito thesou-
iriro para fornecimantode taes socorros.
N. 471.Dita ao mesmo.Devolvendoa V. S. os
isiis documentos comprobatorios d.is daspezas,
i s nnportncia de 1:68!-S422 pi-ovoniantes da pas-
-sfens da ida e vnha para o presidio de Fernando
a da conducao de ganaros poreonta do ministerio
da guerra no vapor Muni nambucana, tenho a dizer que proceda a esse res-
de wm( rmidade com o parecer da conta-
ilortn dfesa thesfinraria, a qne ae refere a sua ii'-
i.icao de 12 do crrante sob n. 382, mandando
pagar a parte dtsas despezas para que existir
.rdito a ficano o restantes para quando o liouver.
.V. 472.DRa ao mosmo. -Cortmuoieoa V. S.
i ira ati conhecimento, que no dia 11 do crrante
i ileceu no quartel das Cinco Puntas onda resida,
FOLHETIIW
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
ror..'
Paulo Fval
Segunda parto
TUE ".%TA
JII
O eausielto.
(CoutiauacSo >\& o. 201)
CasSrn a etiegarta o mvo ruante sen?a-
ilo oalfe os convivas da casa de Boisre-
njurl. O 'liuhsiio nao lera chairo ; fra esla
,i!ta verdad e^qnecida do resto da trra,
. uc iam le eiicoutra-la inscripta por eirm
da porta de lod a easa bancaria bem e$Ci-
itateeida se o Tres Patas era horneo de
dinheiro, tinba naturalmenlo direito bom
acolhimeato: neta sombra ddttrida tal res
pfV- Mas o dinheieo recabe-sa oo escrip-
iorio competunlfi c basta para so um
e.ir-i ; (kibaixo de que prelesto passava
oTresPat;ts a soa p.rr;a!S!tissima equi-
pagura o limiar do sutptaoso alacio, n' -
(fueJIe dia da dmufaoi efli que o miliona-
rio s recebra os seus afi^oa 1
Era mote pan vastas glosas. No cris
tollo de JWsrenaud o* regolamenlo prohi-
ba qu s Wlasse em nfjocios. O Sr.
harao Schwartz deixava os seos convidados
para receber Tres Patas no gabinete. Se-
ria para fallar cni poltica f
geral interino da instruccao publ
reata; sob n. 171, reselve nomear a Jos Ignacio
dos Santos Quaresma para reger interinamente
a cadeira ,de mstruceao primaria da povoaco
de Varas, percebendo i gratificacao annual de
6005000.
If. 482Dita.O vice-presidente da/provincia
usando da attribuijo que Ihe conlere o art. 7, da
le de 12 de agosto do 1834, re^olve prorogar at
o da 16 do crrante, a sessfio da assembla legis-
lativa provincial. J
N. 481DitaO vico presidente da provincia,
attendendo ao que requeren Joaifbim Jos de
Mello, e em vista da inf .rmacao do Hrector geral
interino da instruccao publica, .lo 8 do correntc,
sob n. 166, resolve imm^a-lo para reger interina-
mente a cadeira de ns^ruccao primaria da villa
de Ingazeira percebendo a gratlllcaco annual de
6005-
KXPl'.DIENTE A.S,IG:.A1.0 PPLO SR. Dn. JOAQLlM CORREA
0E ARAVJO, SECRETARIO DO GOVERKO, ES 14 DE
JLXHO DE 1SC9.
2." scecao.
X. 484.Oflleio ao director geral da secretaria
do estado dos negocios da jiislica. Resttuo a V.
S. o requerimento junio em que Vicente Ferreira
l'adilha Calmnbi, pdf a sua mageslado cr impera-
dor, a graaa de reforuia-l no posto de tenente-
coronel. acompaohado do conhecimento da recc-
be.loria das rendas desta provincia, que mostra
ler elle salisleito os direitos da respectiva folha
corrida.
N. 48a.Dito ae Dr. ebefe tle polica interino.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia, transmiti a V. .S. o titulo junto de nomea-
co de Antonio Dins da Silva Cardeal, para o lu-
gar de :i" snpplente do subdelegado da freguezia
de S. Jos nesta cidada, da conl'ormidade com a
saa proposta em oOteio 0. 870 de 11 do crrante.
N. 486.Dita ao mesmo.Nesta data autorisou-
se a tbesouraria provincial, a pagar a Antonio d;i
communico de ordem rio mesmo Exni. Sr. para
seu conhacimpnto.
N. 496Dito ao mesmo.Tendo S. Exc. o Sr.
vicc-presdeno da provincia, por deliberaeao des-
ta data e em vista de sua proposta de II do cor-
rente sob n. 171 resolvido nomear a Jos Ignacio
dos Santos Quaresma para reger interinamente a
cadeira da instruccao primaria da povoaco de
Varas, pr.rceliendo a gralifleagao annual de 6003
rs.; assim o manda communicar a V. S. para seu
conhecimento.
N: 497.Dito ao suneritnndcntc da estrila da
ferro.Pela secretara do governo se communica
ao Illm. Sr. superitondente da estrada de farro do
Recifa a Sil Francisco em resposta ao seu offleia
O dciBgsdo do tormo de Scrinhacm communi-
aaa-me em data de 3 do crreme, que no dia Io
ciyynira oaptorar a Mieoel Fraacis-o KaM
gires, que no ma 24 do mez passado ferio grave-
mente com nal tiro a M.raool Francisco, quando
com c li a V. E. em minha parta do dia 31 do mez
dito ; que contra o referid) Miguel, fui ja instau-
rado o competente procossq, no qual tem jurado
cinco testermmli;is, todas contestes, declarando
terem sido cafases os lerimentos. Prevenio-me
o^ mesmo rb-legado deol.iranilo-nie q'.u Manoel
Francisco veto a suceumbir dos niesmos ferimen-
los.
0 sul)delega.lo do istrieto de Ca-supo partaci-
pou-mc por officio datado do 1* do mez rilado,
que tendo no dia 1 do m -z prximo passado, Vi-
cente LacrAo, fefiflh gravemente com um punhal
a sha propria mull o- Mria Alexandrina da Con-
d's do coraca, (r dos premios dispansado<
peloi eo aos lilhos dilectos de Dsu<.
A'ff horas da manba, de 5, c.-lebrou o olHei >
la missa 8. Exc. lvma., o tapo desta dijese,
distribuiidoaps o sagrado pao da redenijieao
cerca de-60l> pessoas que o hospicio s;j tiitham
coa/aanMai
Na fesu, qieentrou H iras do dia, OR--,
cou o Rvd! |>refeitn, e disse a oracao do Evang-1
mnn Rvd. froi Fidelis, qiie ahuifd >u em considb-1 Ion acaba de
raeoes phyfosnphico-theologicas sobre o culto dos
smtos o especialmente sobre o de Nema Senhora,
irreinatando o sea discurso, depois de urna Mera
elaborada aootogia da Virgero Santissima, com'
una invncacn ao coraci dis fteis desta provln-
eia, para p iderem elles, obreiros do Senhor, le-
var a efleito o proecto da reedilicaeaa do sen
templo.
Nos lempos ehuvosos a arroja de Koasa Senhora
da Penha invad la pelas aguas plnviaes, com
verdadeiro prejauo dos fiis que ali vao, e cujo
numero por ctemais elsvado ao que cumporta
as proporcoes do templo/ .
Esta duas causas levaram os Rvds. padres
projectarein a construccao de mu novo templo,
vasto c coberlo da invasao das aguas, ende
possaaa nabar refugio seguro para a oracao todos
quantos -eilo se dirigiren.
Os grandes beneficios que os padres capuehi-
nlios tem prestada no Brasil cansa da r.-ligiao,
a- ate da segur.inca publica, no interior de ntais
do urna provincia : o c mceito, nimiam"nte liana-
geiro, que o sen espirito altamonte religioso tem
arangeada em nossa provincia natal ; o a ndole
bondosa e cathohea do n isso pvo ; sao outros
^nf"'''^, n" mV* **8* fyi>,i"'' assi,n n ,,es- "a 0l,i;l wwWo "aanWtaSite
IKWsanws aqnelles rol,gos para racorrorem a p;lgar, ibretuiU quandu se eaawrream
m ,e?c L qUe- 5ET r'">!t,,d'1' a< l,,p- ceico, po lugar do Mundo-novo daqdoHo distric-
tg", e T(mnc<^ Pra os fm c,,nvf 't0^ '"-i Pres em figrante para responder
na.n es as contas que vterain annoxas ao citado ao pi.ces,(, (p,0 M, ,, ;, ^,nma^r Cl,mo ineur-
(H i lade publica no auxilio obra tao meritoria
<|e querem levar euVito.
Esse auxilio, pois, nao fallecer ; o antes ere-
mos que ser prestado de tanto melhor vonlade,
quanto incontcstavel que os prcce-Jentes dos
llv.ls. padres autorisam suppr (jua ser mages-
t>iso"e monumental esse novo projeclMn. temlo,
a por isso mais um embellezamenio para a nossa
cidade.
A msica da fesia foi nova, e excellentcmcnte
executada.
A' noile ofilciou S. Exc. Rvma.
A' <"oneurronca, quer pala manhaa, quer
nr::t", foi excessiva.nente grande.
TRfLHOS l-RBANOS DE APIPFCOS.Em coa-
sequencia de ler de ser enllocado debaxo dos tn-
Ihos desta eompanhia nos sitios Parnameirim e
Jaqueira o novo encanamenlo da eompanhia do
lleliaribe, fica interrompido o trafago dos trens
ne rente ; lando os passageiros, que se destinarem a
alem desse [ionio, de atravassarem pe, alim'de
tomar um mitro trem que se achara poslado do
lado opposto.
MDRTE REI>E.VTI.\A. No domingo, ao meio
de mteresses entre os dous, o primeiro anhoa tal
odio ao segundo, q .e planeo iaaia-lo.' .
Elfectivain*oio o velho ca:ieg.u urna espingar-
da, o dingmdo-se pela mauUa cedo cama on-
df se a cha va o filho, e em i|uanlo esto dorma
ilravessou-llie,) aoraeioeom a bala da su esco-
peta. A morta do mancebo tai instantane i
O desgraaado assassino, !kvnh pelo remorso
da aacao que pialicaja, loi aataajar-se jodfea
NOVO WPOCTO.-Bni bigtaterra, o paz da
economa social por excellee i:., seimndo duea
as pessoas que jamis a visiincam, lodos es lla-
memos pagam imposto.
A agua pag-a ; oar paga ; o hgo paga ; pelo
que dw, re-|M,ito a ierra, oscilado ser dizer iue
esla c.riv.idn de Iributos. Nao oonlente com toda
esut paganca, a livra Albion va tancar nm im-
posto sobro os pianos.
Confessamos que nao aabaiMM nisso neon*e-
iiieute alguin. Nesle |K)>ito, tamban uilWM da opi-
niao do tliiutw Mr. D.il.'lns ; o divermeoio de
aturdir na ouvidos do prximo, -nma das libenk-
d-ve
reg r com phre-
afneana, dos lin-
so as penas do art. 20'i do cdigo penal, em dia, falleceu no c.'s do Dantas, na fregnezia d
I
vista docorpo de delicio a que se procedou.
se.Tao. Secrrttaria do governo de Commnnicoo o-delegado do tnno da Escada,
Pernambuco, 4 de sotembro de 1800.
Pela secretaria do governo, o de ordem
da Exm. Sr. vic-i-presidunte da provincia
se convida a todos.os funecionanos pblicos
a assistirem ao cortejo que no dia 7 do
crrante aniversario da independencia do
Imperio, no palacio do governo se tem de
fdzer a elioje de S. M. o Imperador pela
ii horas da tarde.
O secretario
Dr, Joaquim Correa de Aran jo.
Repartido da polica.
2" seaco.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 4 de selembro de 186.
N. 1289.Illm. e Exm Sr.Levo ao conheci-
mente de V. Exc. que, segundo consta das parli-
cipacScs recebidas nesta repartigo. foram hon-
tein recolliidos a casa do detcnco os sogainie-
iiidividuos :
ordem do subdelegado de S. Jos. Mirla Pe-
Magila-
Ninguem ali ignora va a lenda do Tres
Patas, quem os criados do bar > tinham
ordem de tratar por Sr. Mathous. Era
Tres Patas personagern de ha mu,tu
celebren.) oaiir.t da Porta de S. Mirtinlio,
e as saas re.lacoes com a Sr. Sohwartt pro-
longavam-llio agora a gloria at
lena.
Cliegra um dia Tres Patas, ningu-m
sabia d'oh'le, ao pateo do Pialo de Eslanho.
sede de urna empreza de diligencias que.
antes do estabelecimento dos caminlios de
ferro, tinh liulias para todo o arrabalde
de leste. Descera do seu cabaz, puxad i
por um cao. o fra a p. islo subiftdo
em maos c ventre, ao esxriptorio Alli.
Q/.eri o ir; ndtspensavel para ter direilo a
inslallar-se no pateo na qualidade de sr-
venlo. hnWedwtamente depon, servmdo-
se das mos, c do resto do corpo, mettidu
n'uma especia de arafste munido de. rodas,
tomara I ufar no sitio onde as carruagens
param ao chegar.
Os principios d'clle havram sido difDceis.
N;io possuia a dizer verdade, nenlium dos
requisitos physicos do servente ; mas as
qualidades moraes compensavam iargameo
te e-sa falla. De mais, em Pars, as cousa>
extravagantes prosperam sempre; e, maneta
d ambos os bracos qno pinte quadros da
|fiist ria com o pe ha de? obter sempre xito
milito para invejnr.
Caminhando de peras has algibeiras.
como os chasqueadores do sitio diziam.
IVei^nlas oxcitOb essa ndmiracao que pre-
cede e preptra a voga. Estabelecera ello
as costas qntro ganchos, que Ibo serviam
de mos, e nos quaes com a maior dostreza
llxava os pesos. Ao lado, pendia-lhe um
-pitoque os coclteiros da prosima estar.)
de carruagens om breve conheceram : um
assnbin chamava um liacre don-- urna cita
dina, tres om cabriolel : no lim de oil'o
das etava Islo regulado como Tres patas
recebasso ordenado dofoverno. Para guar
dar objeatos, nao Un lia igual : quanto s
questiunctilas de dinheiro com a mulher da
escripteno, tratavalhes ella dos negocio-
ii'um abrir o fe.har dollios. Sabem o po
ler de qae certos advogados dispem ao
tribunal : Tres Patas ganhava todas as cau-
sas junto da senhora Ttturteau, depois de
Deus, a nica dona da barraca, creWam pasSagiros e bagagens.
E nao pensem qoo levava muito tempo
a atravessar o pateo do Prato de Estanto.
Era gil de m3oS e tinha um modo admira
val de mover a inerte bainha em que se
Ihe cncerravam aa pernas. Ciminhava co-
mo os lagartos, e os lagartos s5o lestos por
mais que os acensen) de preguicosos.
Um anohymo de genio descohrto-lbe a
alcunha de Tres Patas, quepintava n'un
iraco a latnentavel enfermidade. Ningpem
ignora o prodigioso impulso que urna alen
nha ada dar urna celebridade popular
Matheits o aleijado podera talvez eariqua-
cer ; Tres Patas prodiwio meramente eu-
ihnsiasmo, e os companheiros veuciilos de-
sertaran) da praca.
A pos a gloria, chegam duas dviadados :
urna rasteja, snbmdo do escuro Trtaro, a
a ootra alwle o v6o, qno baixa do
Chamam-se. Inveja o Ksia.
por ellicin de 30 do mez passado, qne na noute
do dia 20 d'aqnetld mesma mea; apparecera sobr-
as agnas do rio Amaragi .11 i" districto n cadver
do prato Manoel erioul.., escr.ivo da Francisco
Vicha Peixoto, morador no mesmo districto ; e
que tendo procedido ao competente auto de vis-
tura, verificou-se ter o mencionado prcto morri-
d > afogado; o assim como qne razando as neces-
saros indag.'icOe-, foi informado de qno Manuel,
andava fu^'j'd., costnmava a embriagar-S e dava-
se ao intrctiinento de pescara.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Machad i Prtetla viee-
presidenta da pr.ivinca. 0 chefe de polica
l'nincisco de Assis Oliceira Macul.
REVISTA DIARIA.
ALFORHIA DE ESCRAVOS. Nao estando ain-
ecifa. de urna aongastao pulmonar, Manual Joa-
quim Cnutinho de Moraes, que poucas horas antes
cliegra. na barraca Vmpz't, do porto de lamel-
leia. Proceden competente vestoria Sr. Dr.
Ermiro Cnutinho.
IH8S0BAJIA PROVINCIAL.Nos entres des-
ta repaitica> licaram no ultimo de agosto passado
as seguintes quantias : .
Em apolices. 135:353*000
Em ttulos 7o:iMi:i.,ono
Em letiras. 323:373JJ28
Ba dinheiro. 136:li008."i
FIORIMENTO GRAVEXo lugar Mundo Novo."
do tlstricto de Crasuipe, no primeiro do crrante.
Vitante Laaro ferio gravemente com um punhal
sua mulher Mara Alexandra da C ineeieao. O
crniinosu foi preso, e'eslava sendo proces-do.
AFFOKADO. Do rio Ainaragi, no quarto dis-
tricto da Escada, foi tirado o cadver do piel o Ma-
noel, escravo de Francisco Viaira Peixoto, ahi mo-
rador, o qual, andando fgido, ahi per. ceu de as-
phygia por submeisao.
CRICKET CLUB.Amanhaa haver, na campi-
a de Santo Amaro, nina partida desta sociclade,
da lavrados e nom assignados todos os termos de comecando s 9 horas da manhaa.
tutela das creaoels libertadas por forea da le n. IGREJA DO ESPIRITO SANTO- A irmandade
A Inveja sajmeou ilo de Tres Palas
esses mil boatos qifb matam urna reputacan
tibia, mas 'lie cntuniM-em a grande fama:
aecuaou ella Tres Palas de ptjrteiiC'f po-
lica uu de la/.er parle de urna associai.o
de malfeilores; duas aHega$es de que
Paria 6 soberanamente prodiga, ponto que
os boatos pblicos nao raro as ddicionam
nuil outni, apoiardaapparerrte incompa
t bilidade. A PoeSia, (Una dos denses, sac-
c.iidindi) sobre o novo favorito o pfodoclo
dos nuiravilhosiis cantearos-* do seu janliui.
cingio-o de florida aurola ; prestou-lhe a
riqueza, esse encanto irresisUvel; afftrmou
por toda a parte que ia elle aecumu ando
algures falioloso tlmsouro. Ja ningueiu
acredita em Iw-uxaS. mas o sobrenatural tem
a vida dura ; a Poesa fez de Tres Patas
urna especie de gnomo, que nuidava de
pelle certas horas para se pas*ar is es-
pberas domadas da elegancia aristocrtica.
Especifiquemos : < Poesia presin Myste-
riosos amores ;i Tres Pitas, o .eptil luuna
no. Era como que um d'esses rontos em
.pie Perrault casava monslnw oom prince-
sas. Tratava-se de nina mulher moca e
formosa : at ahi,. nada itnpossivel. A
mulher, porm. era lambem nobio rica.
E aiireditavam em to absurdo sonho ?
.Nao sei. Paris muito inclina lo nao
acreditar cm cousa algnma, para nao ter
alinal de acreditar em M
Cotisavam-se, pois. a Poa.sia e a Inveja
para completar a gloria de Tres Palas, la-
mentado nao pareca elle. Sirio e modes-
to, c ntinuav a cumplir o seu mndalo
oom exomrdar cuidad', <* f\7h,$> que nnm
sequer suspeitava das trombetas que Ihe
apregoavam a fama. No^era men ligo ; io-
inava, porm, com as rnSos ambas o que
Ihe davam e agradeca gravemente s bol
sas gen. rosas que se abriam ao aspecto da
sua enfermidade ; repellia to poucoas es-
molas como qs slanos. Os costumes d'elle,
eram puros, apezar do que a chronica di-
zia: vivia s e sobriamente,
E, comtudo, nao mentia dejtodo a chro-
nica. Havia sutficiente verdade nos legen-
darios recamos da historia de Tres. Patas
para legitimar, quantos espantos aopare
cessem.
Tros Patas era recebido em ca^j do Sr
barao Schwartz; na humilde escada que
conduzia ao cacifo de Tres Putas bavtatn
encontrado, tinham reconhecido urna estrella
do cu parisiense, a bella condessa Corona.
Tal era a charada proposta aos curiosos
pelo lagarto do Prato de Estanto.
O birSo Schwartz esta va no sen gabi-
nete quando um criado Ihe foram an-
nunciar o Sr. Mathous.
Mandem subir o Sr. Malheus, disse
elle sem hesitar.
O Sr. Malheus desceu do seu carro sem
difliculdade, e iranspoi a escadaiia do jar-
rina com a ajuda de original evolucao : for
(emente agarradas aos deg^os, as mos
alavam-ihe ambas o toro e o apndice que
Ihe cootinha as p-rnas. Faiia. alio aqnilln
mui lestamente, com grande' -pasmo dos
spectadores que contemplavatn l^njolnro.
Nofurdo da escada, tondo um Criado ser-
vical querido levantar-llie a parte pnialv-
8?da do cwpo, o Sr. Malheus. agr
si a cnsafiinar a innsica Ja
gitenotex, e do Pmpht-ta...
Avaha-se em 300,000 u numero dos pianos exis-
tentes em Inglaterra.
A Franca conta ousadamenle uoin meio millio
de [nanos.
fortopal aparar de ter cstailsheas muito menos
imporianti-s, como |mr axemplo a das linas, ba
bimento elaborada pelo nosso esnirituoso amigo 0
Sr. Bernardiuo Martms da Silva, ho possue alada
a dos pianos. Podemos ootnlado calcular om vin-
le e cinco mil, salvo erro, os nue hoje existam
nenies reinos. Ora, urna libra 'imposta a cada
nina de sas liarmoniosas machinas dar annual-
mente a agradavel e. redonda i|ii;mtia de cent. e
do e cornos c quinhentos mil ris para amorsar
o dficit.
U na vez que fallamos neste imposto, e -que as
cmaras esto abertas, lembrajiios us caes e os
atea, que apezar do que dizem as cosinheiras, s
servara |ra faltar iiescaiimhas marmotas, |>ura
dormir em quanto os ralos velan, para aojaras
oseadas, e para as horas da folganca darem a
sua arranbadella.
E os papagtios, os cinaiio;, e os coxixos t E'
preciso que ludo islo pague, quando o pobre paga
pelo sustento indispeiis.vel para vivar.
Mas onde o imposto devia ser Ineamvaet, era
com esses pfrpttuos OtHUUdtUM t httm(mid:td>:.
como Ibes chama Michele, ni caes. Se tildo islo
pagassa, poder-se-hia dobrar o subsidio ac-s po-
bres mestres do piiinoiras I..-tiras, e alliviardas
dcimas os mioguail.is otdenadM dos primeiros
logares do fbnarunultsai.
DIARIO DE PRRNAMBUCOSe chogaram ho-
je os Vapores Tocanlins e l'itura, distribuiremos
amanhaa noss* numero de (uinla-feira.
RETRATOS.Acaba de chegar luja de mada-
ma Falque, ra do Cresi o n. i, tuna nova re-
messa dos retratos do conda de Porto-Alegn-, vis-
condes de Inhama e de [taparea, baVSo doTrum-
pho, hain como das glorias ti i exarcito brasil r .
tolos- lythoraphados em bem papel, e com todo o
esmero. Vende-so este a 80O cada cxe.mplar, e
aqnelles 25000 cada um.
DiNHEIRO.O vapor Ib'r.ipaflW trouxc as sc-
guiutes quantias para os Sis. .
Tis-at freres. 30:000000
Antonio Goncalvas Ton:-. 806$000
Ferreira Pinto A C. 6tO$7iO
II de la Granja. SO'JOOO
FESTA DO BOM CONSELIIO. -- A irmandade
acadmica de Nossa Senhora do Bom Consctho
disse-lhc :
E escusado.
Todava, depois da sua introdueco no
gabinete do rico banqueiro. e quando ras-
tejou tres passos da secretaria, oSr.
Malheus. soltando um suspiro de allivio
tirn da algibeira qm lenco asseiadissimq
eenxugou largamente a testa.
Ento, muita pt-essa, Sr. Matlteus ?
Perguntou sorrindo o bno Schwartz.
Dispunbi aquello varo Ilustre de estylo
muito san quando ia< Ihe aprazia. Os
licassus de recente data sao excntricos
com pinico susto. Preparara o Sr barSo
Schwartz merecida reputacfto para a soa
pessoa. entre os qno d'elle carecan), pela
hrevklacrc da phrase. Segundo os gram-
maiicos, a palavra principal, a palavra por
excedencia, o verbo. Nnfcem, norm. qne.
a suppressao do verbo aao torna a plnas.i
incompreheasivel.
Tempo, dinheiro I Dizia militas ve-
zes o Sr. Schwartz, traduzindo seu o-odo
o famoso axioma da nossa presadsima
Inglaterra.
Em virlude de lo til costumeira, ga-
nliava por anno os ordenados de tres ou
wiairo prefeitos, s a sub enteader verbos.
E todava os que o conheciam sahiam bem
qne a menor commoro o fezia fallar como
qualquer simples mortal.
Tres Patas responden, baixando acabeca
com respeilosa cortezia:
Tinha vonlade de ver um poucocb-
nho a propriedade do Sr. bari, mas nao
me atreva a vr aqu por mera dis'racta.
(CoHtinnar-so-ha)*
IIIGIVH
"T"



_
>2
.ubi III
j i i**
J J V
Diario de PT\ianitbttco Terqa feira 7 de Setembro tJe 1869
festeja amnala sua nadroeira, no oonvento lie S
Francisco, oeMtfando sua primeira mssa o Rvm.
HereuUi M-a/qucs ila Silra.
As 7 oras Ja marthaa, S. Exc. Rvma. o Sr.
hispo diocesano celebrar missa.
Orara W Cesta o Rvm. J)l'- Joaquim Graciano
de Aiauio. c n Te-Deum o Rvm. pregador impe-
rial rreil laquiin do Espi rito Santo.
NOVO ATHN'EU.Haver sejsao extraordn. -
ria convoca la p< la mesa, sogun lo dispoe o art. 17
dos estatutos, amanilla 8 do Corrate, as ho-
ras c lugar do cosame,
LOTERA. A que se tena a vcnda' a 119", a
beneficio da Santa Gasa de Misericordia, que
corro no dia 10.
PASSAGEIUO.Sahido para o Porto, no brigue
portugoez Untan :
Augut" l'ias Corroa.
CKMITKII10 PUBLICO.Obtuario do dia 3 de
setembro de 1669 :
Manuel de Mallos Teix.'ira Lemos, Pernambuc,
57 anuos, solteiro, Boa-Vista ; gastro intente.
Joaquim Jos Perera de Guimaraes, Portugal, 71
anuos, casado, Boa-Vi Amaro, Pernambuco, 20 annos, S. Jos; hyper-
trajtdiia
Rita Mariv di Santa Cruz, Baahia, 56 annos, viuva,
Boa-Vista; intente chronico.
Tiieodora Maria de Jess, Pernambuco, 40 anaj)s,
solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Jo<, Pernambuco, i mezes, S. Jos ; inflammagau
no intestino.
4
Jos, Pernambuco, S. Jos; espasmo.
Franretina, Pernambuco, 24 anaos, Santo Antonio;
histeria.
urea, Pernambuco, 10 das, Santo Antonio;
runvulsocs.
Maria, IVr lambuco, um mez, S. Jos; Convul-
so^-.
H.inriqu-ta Amalia de Farias, Pernambuco, 35 an-
uos, sol'.eir; encefalite.
Maria Luiza de Soma. Pernambuco, 48 annos, sol-
teira, S.mto Antonio; alataco do corac".
Maria Ko*a Nogueira de Castro, Pernambuco, 36
annos, casada, rtca-Vista.; hydroperitonitc.
5
Leopoldina Umbelina da Silva, Pernambuco, 23
anaos, solleira, Santo Antonio; peritonite pur-
pura!.
D luna Maria do Rosario, Pernambuco, 70 annos,
solteira, S. Jos : erysipela.
Therexa Maria da Co n-eicao, Pernambuco, 56 an-
uos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Leopoldina Mara do Nascimento, Pernambuco,
25 annos, solteira, S. Jos ; rbcumatismo cere-
bral.
Lourenca Maria da Cnnceicao. Pernambuco, 60
annos, solteira, Boa-Vista ;" lebre biliosa.
Candida Rodrigues Machado, Pernambuco, 50 an-
uos, solteira, S. Jos ; congestao cerebral.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 11 DE AGOSTO
DE 1869.
MHS0CKCU Di sn. DR. SUIZA I.F.0.
Presentes os Sis. Dr. Barros Brralo, Dr. Costa
Jnior, Dr. Monos, Dr. Pitanga, Dr. Seve e Ga
lueiro, fallando com causa os mais senhoros,
abre-se a sessao.
ti' lida e approvada a acta da antecedente
ktaftlfta
Leu se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do Exm. vic.e-presidonte da provincia,
de 3 do correntia, declarando a cmara ein respes-
ta a utro d.i inesma, de 28 de jullio ultime son
n CG. qu approva a arrem itaejki dos quatro spa-
nos existentes nos cantos do lado do norte e sul do
ac igue publico da freguezia de S. Jos, patos
quan'ias mencionadas na rolaa^io quearompanhou
au citado o:licio.InteiraJa, lacam-se os termos de
emirato, c -c eoinmuiiique ao contad ir e procu-
rador.
Oulr-i do mesmo, de rual dala, concedondo a
autorisacao que pede a cmara um seu otlieio de .
28 da j.iiho prximo finito sob n. 65, para de-pen-; Fl*darii Rampk, na importancia de 60 3000.Ao
ayo fijcat fez latrar* compleme termo de infrac-
cao.A* Ciiminissio de edDcacao.
Outro do inesma, informando sobre o que re-
quer Joaquim I. i lo, locatario da casi
n. 25 traVossa' do C upo Sanio, para substituir
por novas as tres soleiras existentes as portas da
frente, cumpre-lbo dizer que nada tem a op-
por-se.-- Conccdeu-se.
Outro do moMiio, informando sobre o requer-
meato de. Sal y ro Serafim da Silva, para cdi.lcar
nina casa com 74 palmos de frente dentro do seu
-itio na traves-a doLamcir no load iro, recua.-
da Ja-estrada .'0 palmos, tem a dizer que nada ha
a appor.Conrcdeu-H).
Outro do mesmo, informando sobra o que, ped'
Joaquim Jos Raptla para fazer alguns concert
na casa n. da ru* da Madre de Dos, tem a
dizer que a dita casa est raarc.ida.oa planta para
recuar porto de 20 palmos para alarg.iniento da
ra, mas << mu as ufaras que pretende fazer sao
diminutas, parece-lhe que se pde.pernuttir.Con-
cedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobro o que pede,
Jos Das da Silva Guitnaraes, para reedificar a
frente de seu sobrado n. 18 ra do I.ivrainento,
cumpre-lhe dizer que nada tem a oppor, urna tea
que se lite d cordeaco.Mandouvso cordear.
Outro do incsino, informando sobre o que pede
Bento dos Santos Cecilio para reparar o canno de
esgoto da eocheira ra da Paz n. 13; tora a
dizer que nada ha qae oppor.Conceden-se.
Outro do mesmo, informando sobre o reqiieri-
mento de Satyro Serafim da Silva, para construir
duas bracas e meia de muro em seu terreno a
e-trada do Lamciro no Monteiro, doctora nada
ter a oppor, pelo que deu logo a cordeacTio.Coa-
oedeu-se.
Ontro di mesmo, informando sobre o requer-
ment de Jos Jacome Tasso, tem a dizer que nada
se llie offerece a opi'6r.=Concedeu-so a li-
cenca
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
em um requerimento Jos Joaquim Barbosa da
Silva, jnqiiilini das Casas ns. 12, 14 e 16 da praca
da Independencia, do patrimonio municipal para
fazer diversos coneertos em a rasa o. 12; tem a
dizer que corto qne as hombreiras da primeira
porta da dita n. 12, estn partidas, assiui como
que estao ein muito mu et;ido as duas soleiras.
e necessitam ser substituidas por outras.Conre-
deu-sc a liecnea para o supplicantc fazer os cun-
enos a sua custa, como ubrigado pelo seu
contrato.
Outro do mesmo, informando contra o que pede
Joo Jos da Silveira, pruprietario da casa n. i a
travessa do Carvalho na freguezia de S. Jos, para
abrir a porta que antes linha uo.oito da inesma
casa no alinbamcnto da ra da Assumpcao.ln-
deferido.
Outro do mes no, informando sobre o que pede
no rt-queriinenio junto Pedro Alexandrino Rodri-
gues Litis, proprielario da casa de um andar n.
23 da ra de Aguas-Verdes, freguezia de S. Jos,
liara substituir a varanda existento, que de ma-
deira por outra de ferro, abrir una porta no cen-
tro do primeiro andar e fazer outros coneertos,
etc. ; i-umpre llie dizer que uenhuui inconveniente
lia em conceder-so o que pede o supplicanle.
Permi;tio-se.
Outro do mesmo, dizondo cm virtude do que llie
foi diteriinnadopclo despacho lancado no reque-
rimento junto, de Remigio Kueips," que o terreno
do supplicauli; acha--e situado entre o de Antonio
Ferrara Porto e o de Jos Alvos Baruoza, que an-
da est sii:: ediflcaco.Indeferdo
Outro do mesmo, declarando que nenhuma al-
leracao tem a f izer na cordeaco dada pelo seu
antecessor ein 27 de junho de 1867, a Jos Jerony-
mo Monteiro para edilicar uoia aun Ierra eem
solea em seu sitio ra do Soledadc.Conce-
deu-se.
Outro do mesmo. addiado desde a sesso do 21
de julho ultimo, uifoiuiando sobre a prctenco de
Loiireiieo Riheiro da Cunha Oliveira, pedindo h-
venCa para construir um sobrado de dous anda-
res e >ota, na ra da'Praia n. 45, fazendo as por-
tas de ineii' circulo Indeferdo.
Outro do fiscal da freguezia do Recife, remet-
iendo um termo de infraeco as postaras, roiu-
uottida por Antonio Maruns Duarte e o peIre.iro
de Atkawic lobo Oicosn.Beato Jos da Cotia M-
nor.%r. JoCto Mura Sei.Dr. Praxaes Gomes
de Souza Pitanga.
Caglsk Bank of Rio de Janeiro
Limited.
Capital do Banco "0.000
accoes dfl/L.20 .... *> ) ,000.000
Capital vattsado..... oOO.OOO
Fundo do reserva .... 140.50.)
Balanijo da aixa ilial cm Prnambco, em
31 do agitlo de!8C9.
A
Letras -descontadas. X. \ i)32:388ib00
Eraprestimos e contas
caucionadas..... 132:628-?!000
Letras raceber. 00:730jl 80
Garantas e valores de-
positados....... 443:0*5-Vi 10
Mobilia etc. do Banco.. 1ti:301j$0(M)
Diversas cuntas..... 749:910-> riO
Caixa.......... 197:483i5120
dar aquautia de 2:001^ com a desapropnaco do
ierren* di> quintal da casa n. 39 da ra da Impe
rabil i n segiiunenln ao caes do Capibaribe. bem
lian b q le occurrer com escrptura o sello de
.'Ihaiito desapropriac i.Que se aJBeiay ao
iigonhoiN, o se li/.esseui as domis communica-
Outr-i do mesmo, de 10 do corronte mcz. com-
muniean lo que devendo S. .\. a Sra. prioreta D.
Leup 'Mina com tem augusto? esp.iso a lilhos su
jilir pira a Europa no vapor iiijlez, que e-pe-
rado uesta provinci no da 1J ou lido corrente,
e pudendo acontecer que queirain visitar esta ci-
dade. manda a cmara para om tal caso cumpa
procurador.
Outro di fiscal da freguezia de Santo Antonio,
remettendo atoa relaco das ras e trave-sas da
uesina freguezia.Ao Sr. veteador Dr. Uoscoso.
O.Uro di lisc.nl da freguezia de S. Jos, remet-
lenlo don- termos de inl'racc.o, commettida pelo
lente coronel Manoc! Camello Pessa, visto nao
ter murado o > prazo i|Uo Ihe f >i marcad > os ter-
renos que pos-in; na ra do Alecrime na da Con-
cordia.ai procurador.
Outro do li-cal la freguezia da BJa-Vista, infor-
mando a pi;ti(;o de Manoel Anselmo Darboza tem
a dizer, que a vista do que dispno o art. Io do til
i" das posturas de 30 de junho de 1849, nada se
neer em palacio, a i ai de f izer aos augustos va- Iba offerece oppdr a prelengao dosupplicanle, ob-
jantes as honras la recepr.).Inieiada.
O ilms (3) do Dr. mz le orphis de-te termo,
o pri.neiro de 27 de jiilh i ultimo, communi<'audo
haver entrado na niesin i data no goso d 8 dia
ie liwnija, que Ihe foram concedidos polo Kxm.
Sr. vicu-presidente da provincia; o segundo de
4 do corrente, coiiimunicaud lamben ter entrado
ajase de nova lieenea de lj'dias, qu igualmen-
te llie fora concedida ; o terceiru linilineoie. de y
da mesmo mez, dcclaiando li.iv<-r naquella dala
assiimido o exeri-i.rio ilii dito cargo, roininciindo
o resto da lieenea de lo dia<.Imeirada.
Outro do alvogado, coiu:n lineando qiM P'ndo (l-
ir a corte do imperio, por ni itivo inexperado, ti
prineiro paqueo; que pas-ar, declara que lica fa
zendo as suas vezes u bacliarcl Cypriano Fen loi
Gtndea Aleofontdo, e espera que seja approvada
esta subslituicao, que ser por pitucos dias.In-
teirada.
O uro di solicitador, remetiendo como llie fora
exigida, urna relacao dos tormos do infi aeoo s
posturas, que so acliam em juizo, na qual declara
o estado dalles.Ao Sr. vereador Magalhes.
Outro di. procurador, remetiendo o conliecimen
to da quantia do 78i99, importancia dos 3 por
cento. dediizidis dos veneimeiilis dos empregado<
cm o mez de jullio ultimo. -Ao archivo.
Outro do contador, informando sobre a petieao
de Tliomaz de Carvalho So i res Brandan Solirinho,
arromatanie do passadlco da Baixa-Verde na Ca-
punga, declara (pie o mesmo j recebeu a tercei-
ra prestaco do seu contrato, e em qnanto a-^
apolices que depositou para garanta do dito Con-
trato, consta-llie (pie >e acham no cofre.M.m-
dou-se entregar.
Outro do engenlieiro eordeadar, informando
sabr o que pede Antonio Manuel do Sacramento
no requerimento junto, para concertar a coberta
da casa sita m beeo de Tocolomb, freguezia de
S. Fre Pedro G Calves; teui a dizer que nada se
llie offerece a oppdr, collocando o supplicante
eanno enterrado na panda para esgoto das aguas,
como deteruiiiiam as posturas. Concedeu-*o.
Outro do nie-mo, informando sobre oequmnen-
to junto, do tenonte-coroiiel Manoel (lamello Pes-
soa, rumpre Ihe dizer que nao ha alteracao a fazer
jia cordeaco que Ihe fora dada em 2 de dezlubro
d 1867 para edificar em seu terreno entre a roa
do Alecrim e^a da Concordia. Coucedou-sc a
cenca.
Outro do mesmo, informando sobro o que pede
em um requerimento .Mmoel Jos da Costa Cabral,
tem a dizer que nao ha inconveniente em coaee-
deo-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requori-
ment de Manoel Benedicto dos Santos, em que
pede Hornea para construir cinco easinhas de
nrr cobortas de paula, m lugar de S.into Ama-
ro das Salinas, declara nao ser permittida pelas
postaras seuiehantc edifleagao.Indeferio-se.
Outro do me-mio, informando sobre o que re-
qiier Manoel Pinnino Ferreira, relativamente a
um terreno de 140 palmos de frente, do que e
seohordo dominio mil, na ra da Concordia; de
clara que 6 certo o que allega O supplicante.A
tomnnsso de ediflcaco.
Outro do mesmo, informando sofcre o que pede
Antonio do Azeveda Villaroneo, tem a dizer que
nao ha inconveniente em concoder-se o que requer
o supplicante para lev.m-ir mais a euoirui de sua
casa n. 68 na da Croz, em qmnlo a sabstitai-
c-"io da trapcira por urna gafeira que oretondo
fazer, as posturas nao iratam detaes miras.Con-
cedeu-se a primeira parte, e indeferio-se a se
g linda.
Qutro do mesmo, informando sobre o que pede
no requerimento junto J >s da Silva Notes, para
levantar de novo o niiin de sua casa sita a povoa-
cao de Apipucos, roborando nov'as janHIa o por-
tas, cumpre-lhe diser que a ca esta em man estado, necessiiaudo ser reedificad i.
e sendo assim, as obras s exocutar duveo ter as
diinensOes das posturas.Indeferdo.
Outro do mes no, inf u-iiami > bre o requeri-
mento de Jos Alve* Uirlusa que ped para aug-
mentar o predio ein que mora no caes do Capiba-
ribe n. 22, tem a li/.er que o sopplicant- pretende
ievantar um sobrado na casa n. 20 com a fhesma
alluEa que a do sobra lo n 22. o i aehm exocu-
ttda swnelhaute obra, constando-llie quo o respec-
serrando todava que a ser concedida a lieenea, li
cam prrjudieados os arts. 8 o 11 do dito titulo.
Nao te a lugar.
Outro do mesmo, informando o roqueriineuto de
Jos Alves Karfetta, que pede liccnca para edili
car muro com Jardmi, ou o que Ihe aprouver e n
suas pmpriedades ns. ti e 2i do caes do Capiba-
ribe. declara qne o ~upplicante j se aclia imilla
d i por ter principiado a obra somi liccnca.A
com nisso de udilicacao.
Outro do me-mo, informando contra n que ex-
poz ein seu requerunent) Jo- Alves Barboza, re-
iativaiiieule a multa que lie foi imposta pelo .dito
liscal.ludel'erido.
Outro do mesmo, eominoRieandn que o passa-
digu existeule ao lado do muro do sitio da viuva
llerculan i, acha-so bastante' arruinado e quasi em
estado de desabar por ter apodrecido as liuhas e
travessoes que sustcntaiu a tahua que d passa-
gom aun viandantes, precisando ser de prouiplo
reparado.Que u fiscal procedesse ao concert.
Outro do mesmo, informando a petigo de Joa-
quim Goneaives Coelbo & C, em que peden para
abrir urna padaria na ca-a n. 1 do largo da San-
ta Cruz, tem a informar que nadaoppe a preteu-
o dos Mipplieantes, vito pie j houvc na mes-
illa rasa igual o^tabolecimento.-Cinccdcu-sc.
Outro do administro! o' do ceinilerio da freguc-
ia de S. Loureneo da Malta, pedindo a pagamen-
to da qiianlia de 6,5 que dispendeu com o lapa
Menlo de urna caiaeimiba no mesmo estabeleei-
iiienl*.A comuiisso respectiva.
Fia* approvada uoi rtquorimenlo do Sr. Gamei-
ro, para que o engenheiro dirigindo-so ao lugar
da Torre, cuja estrada acha-se intransitavel, faea
o organionti dos coneertos iudispeusaveis que a
mesnia precisa.
Mandou-se remetter a coramisso de polica um
parecer de commisso.s j ligando legal e no caso
le a Tacceifi a especialisaco de lianza que tem
de prestar o procurador.
Foi approvado um parecer da commissao do
sade no sentido de se parmittir que Joo fran-
cisco Orpho pos-a assenur duas pequeas laixas
no quintal da'casa n. 11 da praca da Boa-Vista
para nellas retinar assucar.
Estverain em praca a obra da ponto do cern-
terio pul).ico, e o imposto de iiOO rs. sobre cabeca
de gado morlo para o consumo das freguezias de
fora d.i cidade. aquella primeira foi arrematada pe
l.i q lautia de 7:VJ0JI, por Tliomaz de Carvalho
SoaiesBrandlo Sobrinlio,subre flaneado baro do
Livramonto.e o segundo deixou de ser por nii ha-
ver licitante.
Mandou-se reeommendar ao fiscal da froguezi i
de S. Jos, quo lize-e observar as posturas aquel-
les que, leudo balanzas do arrobaco no mata-
ilouro publico e estabelecirneutis na Cabanga,
anda nao affehram os pesos c medidas.
Dospaehiirain-se as nsti{es de Antonio Valen-
tn da Silva Barroca, Agostin'io Itibero da Silva,
Amelia Feliciana Ferreira do Bnto, Antonio Luz
Caldas, (Antonio Cabral de Medeiros, Antonio Vic-
torino, Antonio Jo^ G unes ( ), Antonio Ferreira
dos Santos, Albino da Silva Leal, Antonio Gomes
da Silva, Angelo Cu-tnlio do Sacramento, Antonio
Pinto de Barros, Heiijuinu do Carino Lope-, Clau-
dio D.ibeox (), Candido Thcotonio da Cmara
Santiago, Daniel Baptista dos Santos, Ernesto *
Lepoldo, Francisco Emiliano da Cruz Ribeiro,
Fran -.--CO de IIollaoda Charoo, Francisco Moivira
da Costa, Francisco Ferreira Balthar, Francisco
le Barros C, .rica, a junta di Santa Ca-a de Mise-
ricordia. Jos Caetatio de Medeiros Jnior, Jos
Faustino de Lemos, Joaquim Lopes Machado (2).
Joanua do Jess Nevos Quaresin, Joo Luiz Fer-
reira Hibeiro. Jeronvmo Salgido da Costa Quima-
riif, Joaipiim Bernardo de Figuoircdo, Joo Fran-
cisco do Heg.i Mala (2), Joaquim Militan Alves Li-
ma Jiini r, Joo Jos da Silveira, Jos Dias da
Slvn, Jis da Silva Barros, Jo- da Silva Noves,
Jo- lleiirique Carnairu de Al ijoiaa, lt* Ignacio
Avil i, J .s LiDello, Paulo Ferreira d i Paixo, Re-
migio Keips, Tliomaz Jo- da Silva Gusiii. Tho-
uaz le Carvalho Soares Branda Sohrinho (i),
Flio n.iz Paque, Vicente Jos do Oliveira (2), Vi
ocote Jos de Oliveira o outros ; o tevautou-JS a
ej-o
En Francisco Canuto da Boavingem, Secretario
a subscrevi.Manoel de Barros Brrelo pr-pre-
siJetitc.Jos Mara Freir Ganeiro.Dr- Pedro
Passico.
Contas correntcs sim-
ples 291:9100310
DepositQS praso lixo,
com aviso e por le-
tras 1,550:321,5370
2,534: 87.-5890
Letras pagar.....
Ttulos em caucTto c de-
posito ........
Diversas contas. .-. .
l,8:4W7i0
8:5785100
443:0155510
240:402*270
S. E. 0. 2,534:4875890
Pernambuco, 4 F. B. Bloxltam, Manager.
Joseph S. Lambley, Accountant.
PUBLICACOES A PEDIDO.
O advogado CSatipar lli-iumucad
ao r. advo^uiio auu !' l-
buqiierque e Helio.
Sorpre.-a bem d sagrada vel me causou a 1 llora
do artigo inserido no Jornal do llecife n. JOS, em
que vem estampado o uoiun do Sr. advugado Af-
louso d'Albuquerque o Mello, patrono do Sr.' to-
uenle-corouel Joo de S e Albuquerque. E de
ponto subi esse desagradavel sentimeuto, quaodo
coiisidorei que o distincto articulista se agarrou
iniuha pessoa de modo lao descomedido, que
presta-se gerarem-.-e duscuuliauc.is senas que
podein comproinetter, se j nao comprometteraui,
a sua illustracao jurdica e deixar correr des-
garro a sua posie. grave de advogado de urna
causa duque d inculcas de santa.
Que ie>ponsabilidade me podo caber do que
leein o-cripto ou lioiiverem deescrever os amigus
do Sr. tenentecoronel Gaspar CavaJcanli para as
columna-d Jornal do Recife f
Cuino se me chamar a cintas pela presenca do
respeilavel Sr. couiinendador Manuel Jos da Costa
e outros mu dignos^propriotanos da Ipojuca con-
gregados na sala das audiencia em que presidia
o Sr. capito Loureuco Bezerra Alv s da Silva
como juiz municipal ?upplentj ?
Nao euxerga o articulista auvogado que estas
circuui-iaucias dcixaui trausparecer reeeios de
que se prepara va urna scena de alta vioieucia, e
que cHio o sentiiuculo da justic.a se desperlou
nos nimos d'ossas pessoas respeitaveis T
J que vem cabida a qu ilfieaeo apaixonada e
grosseirade comitiva referindo-se a to distinctos
cavalleiros.
A que aproveitam os apodos de mo gosto ati-
rados sobre inim pelo articulista, apodos condeui-
nados pela costumeira cortezia guardada sempre
m foro illustrado, e observada em salees de dis
lllire.vi ?
Nao comprehende o adovogado articulista quo
taws e quejaqdas descahidas servein trzer a
luine de sua parte ogerisa pe-soal para eoinmigoj
a revolar raucores do partidario, que nao do |Sf-
iroio; a por s claras u ubscurecimento que iutur-
v.i Ihe o euteudiuionto que as.-im denuncia-s. ou
entorpecido, ou derraucado pela caliginosa in-
fluencia de plidos uiesquinlias?
E to alto sobein os azedumes do advogado ar-
t;culi>ta. que at quein tal o dira? serviu a
preocupa-lo o metal de miulia voz que ceusurou
como sibilante aos sea delicados tmpanos!! Oh !
por Deiiseu peco ao advogado articulista que n>
mais continu as-iin a esc re ver a hislon i sob a
tnspiraco de taes preiicupages; pur Deus eu
Ib'opoco, porque o criterio desapaixonado do pu-
blico poder fcilmente qualilicar as suas narrati-
vas do longas viagens s famosas liespanhas e
desconliar que em e.-tilo carecido de brilho onen-
til tem prt-tencoos aeslana.iar nova odiyaj do pas-
mosos cotilos arbicos.
E, pois, coiivenhamus ambos om um pintoa
cada um de nos, fique a responsabilide pelo que
dissemos ou pelo que cscrevemos.
Alto o bom som declaro que simiente me pode
ser cabida a respousabihdade dos fatos de que
prestar informaQdes c dos artigos quo e>crever
robnndo coni a minua assiguatura. J proced
a-sim e do inemo mudo procedo boje o assim
apresenUiiido-uie dou claras mostras dequeentre
em lica o me conservo com viseira levaiitada.
E domis, escrevo para um jornal acreditado;
trato de urna causa importante, o desojo p >r i.-s i
ser bem comprehenddo e apreciado pulo- hoinens
le opinio o pundonor, de juizo entendido e des-
apaixonado. E taes conquistas me ba-tam, que
satisfazein ellas as mmhfus inoifcviUi aspua^o-s
c nio advogado. Embura iujustainonto doe.-udo
pelo advogado articulista posso e devo as-egurar
ao mesino que nao envergo a capa do jogral, o me
leulio fra das coitdic&M de liufu do baixa come-
da. Nao nutro proleneoes dar libos ao advo-
gado articulista, mas devenios ambos convir que
o papel de advogado nao podo em caso algumuu-
t-ri.-ar a mise om scennde pecas a que se nao
pos-a ajustar a discussao grave requerida em di
reito, plirase concentrada, que exige a sensatez >
ao toileto de polidez que iuipie a civihdado.
Anda honteui mesmo escrevondo para o respe-
tavel ;':ii/ri de P-rnambuco, e antes de ter co
nnecimento do artigo de quo agora me estou oc-
cupaui!, dwnonstrei que sabia zelar cssas pre-
ceiiajuocs.
A questo jurdica nortanto simples,eos pon-
tos cm que ella faz o seu gyru sao pouros.
Foi prestada a caucao na causa de siisppco ?
(juando o Je quo modo? Nestes pontos so cifra
toda a c .litro versia.
E se por ventura nao foram guardadas toda
as regras ostabelecidas na ord. liv. 3.* tit. 21 2t e
formalidades recommandadas por praxistas da
melhor nota, tanto melhor para a cau-a dos clien*
tes do advogado articulista, e tanto pcior para
inim.
Antes que fossem apresentados os artigos pres-
lei cau o, e dessa cautela lenho documento. Os
artigos de suspeicao leem de ser offerceidos na
primeira audieacia-do juizo e eu o fare.
Se acaso os artigos por mim offerecidos forem
julgados insubsistentes e sem lomenU jmidico,
tanto molh ir para o advogad articulista e tanto
prior para mim. Se acaso a causa quo deponbo
paranifada c un os ltimos julgados dos tribunae-
supernres do pait, em sua oxecucao poder ser so-
phi-iiiada ser mais urna conquista alcancala pelo
locontestavel talento do advogad i articulista, que.
ornar a sua fronte com mais este laurel, e tanto
melhor para elle, e tanto peior para mim e para
aquelles qne teem em cunta o seu dircito e auto-
ridade dos tnbunaes.
.Nao me dado autecipar juizos ; nao sou nun-
cio de julgamentos que inda ho de vir; taes fa-
cilidades e temeridades deixo-as para o advogad i
articulista. K permita anda o advogado articu-
lista, quo antes que pouha remato a este ligeim
apona nenio chime a sua aiieu$o sobeos e-
giiintcs versculos biwnaabfies, reroinmeiidando-
llie us tonda muito em lembr incaLope de Vega
recomuieuda o pensamonto.
Cuino las paga el vulgo, es justo
Hablarle en necio para darle gusto.
U.u i vez jue los tolos c a turba i|uem d a
iiftVfta; eonvm dizer asneiras que ti raein ao
i paladar da mosma.
jo ferir as susceptibilidades d i advoga-
do articulista chamand i a su i attanca i s ii,r os
vcr-i'ulos que ficam citados; sn o liz porque
vi n'elles mais um eonselho que urna adverten-
cia seria.
A questao a respeito dos factos qne oceorreram
eu a precisare! n?s tsrmos seguales;ignoro w
o juiz de direto veio assislir & audiencia eonvj-
te do juiz municipal; o advogado articulista nao
veio com o juiz, chogou pnucos minutos antes;
foi do advogado articulista que ouvi o aniunfcio
da certeza da viuda do juiz; finda a audiencia
i 'tirn-se o adro^adn articulista em compaubia
dojuiz para o engenho ConceicAo.
Ti ve occasiao da asseverar varias pessas que
a vinda dp jotz do direi hnha pcwtn termo a pres-
sao, ein que me linha enllocado o Sr. capito Lou-
reneo llezerr Alves da Silva.
Refer truelmente varias pessois que tendo o
pnrtcro dos auditorios aborto audiencia do juiz
municipal eu demandara aquelle juiz que designas-
se qtfai era a audiencia que se abra, e qne elle
inmediatamente a dosignou.
Posso altanar que apenas averb da suspeito
o Sr. capMo Loureneo Bezerra Alvos da Silva,
este sacou da algibera um cumplido papel, de que
foi lendo estiradas cun-idcrac5es, ao cabo da-
quaos concluio, declarando que nao adinittia a
suspeicao por ser de(ceeuco de causa, e nao de
acao primeira. Cunherendo ento one o juiz se
achava perplexo re.speitos*mente obsorve-lhe que
andara bem avisado se consullasse as dificul-
dades em que se achava ao juiz de diroito. qui-
se achava presente; elle o fez. e depos de bavel-o
consultado, foi elle que doclarou ser leigo, e ter
por obrigacao consultar ao seu assessor legal.
Nao contesioi nunca ao advogado artculi las ha-
ver o juiz indeferdo o lancamento requerido pelo
mesmo na causa de manutencao. No que con-
cernente ao ggravo interposto pelo advogado ar-
ticulista disse que nao me parala ser caso coni-
proheddido m rogulamento de 15 de marQo, Has
que nenhuma opposico tinha a fazer, nina vez
quo me ere reservado o dircito de contraminutnr
o mesmo aggravo ; mas taes observaqoes eu as z
camarariameule ao advogado articulista.
Foi isto ludo quanto se passou; e foi isto mes-
mo quo em cenversacoes eonmmniquei a alguinas
pessas, que nao haviam assistido a audiencia'
Perianto pelas informaedos que aqui presto e
pelo que dentis escrevo, assumo tola a respon-
sablidade.
lim ajuste final proponho ao advogado artirulis
ta que ponha os seus eseripios par da refiexo
que ihe devem trazer seus annos, e na autorise
a mocidade dar-lbe consellms de prudencia ;
procedendo como pr icedeu, deu lugar'a troca dos
papis ; o meu o ser de em frase polida Vale.
Recife, & de setembro de 1869.
Ga-par de Drnmmond.
Cabe-nos escrever algorras linhas em res-
postas ao communicado do Sr. Bernardo da
Cunha Teixeira, que foi por domis violento
na sua resposta | Uns irmaos Sem duvi-
ia o mesmo Sr. ao tragar aquellas hutas,
achava-sesob a presao di raiva, e tanto
assim qne nos mimoseou com o titulo d--
ineptos e ignorantes, quando nos nio tve-
mos em vista, senio desportar a commissS >
encarregada da obra da igreja, Soldado.
j qual acba-se em concert ha mais de
dois annos; sem que vejamos prugrussu em
tal obra, o que vemos um deleixo, ou
quasi abandono, cousa essa que se torna
muito sensive.i, e do alguma lnna repara-
do: esperamos pois que essa commissao
compenetrando-se de seus deveres, des- n-
penliem melhor o onus que sobre si assen-
ta. Eis pois a resposta que d ao Sr. Ber-
nardo da Cunha Tdxeira.
Uns irmaos.
Espero portante merecer a approvacao de V. S.
com a sua conliaoca. So de V. S. amigo e eriado
Guilherme Augusto Rodrigues Selle.
Protectora das fa-
milias
Em camprimento du provenido no art
9 do regulamenio, se convida a todos os
senhores contribuinte essa as-jacico.
queainda nao liverem apres litado as certi-
des de idade dos segurado.. para que fa-
camentrega dallas. ntni n 19, Io andar, alim> de ser expedidas o
mais breve possivel para inspectora ge-
ral do Bio de Janeiro.
As Citrtidoes devem ser selladas e reco-
nhecidas por tabellio.
Recife, o de agoslode 1869.
Narciso de Vidal
iilog.
COMMERCIO.
dem resillada......
dem alcool........
dem crveja.......
Idemvinagn;.......
dem vuiho d. caj......
Bolacha Una. comprebendidos os
bsroit s.........
dem ordinaria, proprlti para
embarque........
Cal bom........
dem esc- .a ou restolh i ...
Idein t-uiado OU molde. ...
Cal branca........
Id'ir. preta *v ^9
a ( larque ).....
Carvao vegetal.......
Cera ainarella....... *
dem decaniaba om breM. '.
dem idem cm velas,.....
Cha.........\
Cocos seceos.......cento
Colla..........kilog.
Couros de Loi, seceos salgados.
dem dem espichados. ...
dem idem verdes.....
dem de cabras curtidos Din
Idem de onca.......
Doces em calda......kilog.
Sota e Basto.
Historia inteiiessante contada pok cm capi-
TA0 DO BAT.VI.HV0 0V Mv'-VlST.VAUAPA-
ZIADA DA GUARDA NACIONAL.
Eu, cidado con lecorado pela >rdein dosGril-
loscavalheiro da ordem de S. Raymund e ca-
pillo da guarda nacional por graca do meu com-
inandante etc.
Fa^o saber que a guarda nacional urna fonte
inexgirtavel tiara mim, ella 6 o meu santelmo, e
grasas a innlia desenvolvida sciencia musical,
tenhi compostdprfuj Imdissinias que celada*
pela Sota (nome que dei a minha msica de gril-
los) tendo como mostr u Basto eternas estr idei-
rices, faco o meu co n nan lano e cu npuiheirus
pasmarein e soltarem liravqs!!.. belhssimo I I..
mnito biiin I... quao 11 onve.u a execugo das pe-
cas por mim escripias I!...
Eu lenho um poder mgico, faco os grillos can-
tar at arrebentarem !!!.. que importa n molo
Dos meas guardas ?.... nao me encommodam as
lacrimas; e cantein os grillos que eu dou de Sota
e Basto. A tunha saffra o q wrtel, como lodos
o sabem.
Mando avisar atropelar, prender a qualquer
cida lo que eu ent m ler que deve servir em mi-
nha companhia embura pertenca a outro ba-
talbo, n mesmo da reserva I... E diga-lhes; vo-
c pem deixar de comparecer a revista do ba-
talla > mu de ser preso, se .ue der.....d"ii de Sota
e Basto com os grillos.... e vivam os grillos I...
Nao exijo ser -mpregado publico, nem a mama-
ta da detencao ou cetniterio. porque lenho a de-
tenfo do cal'tbouce e o cemiterin d is mea- boleos
.... e vivain os grillos... vuu dando JoSila e Basto.
Hei de ser presidente da repblica dos grillosl I!
sim porque eiles do-me o po-n so dcada dia.
Qualiiiquei, para minha coinp uiliia a compa-
nhi.i macacal e cachorra!, o pretendo lambom
q labficar a companhia lyrica !... Ento si n pu-
dere gritar com todas as forjas dos meu- pul-
imies I : vivamos grillus II... vivain os grillos se-
nhores I... Dou encheio de Sota a Basto. Final-
mente teuho tanto am >r aos ffrill >s, que se algum
filtio dos meusinata aiguin, imnediaiainente mi-
inoseiolue com urna dalia de bolos!....
O collarinho d'aza de grillos.
Agua Florida de Mur-
ray e Laaman.
J I vai essetempn em qu pur meio de bem
elaborados e engeuboauaannunciosposjornaeepa
tilicos, se alcanc.iva a einpalmar-se c. introduzr-se
um artigo inferior aceitaco publica.
As essencias ordinarias e de urna cmanacao
acerba, fabricadas de leos baratos, sao buje em
dia universalinente rejeitadas em despeito de to-
das as impre-sas cerndoes comprovativas; em
que esle admiravel e riquis-imo perfume e cos-
mtico, comp.isto o extrahido por urna espeitavcl
o responsavel Urinado raras e delicadas flores
e plantas iiatiirae.s, e sobremanera estimado na
America do Sul c Mxico, de preferencia todas
as mais perfumaras e aguas cheirosasvai gran
geando e adqurindo para si de dia em danova
fama, novos triumplios,pur ineiodotodasas clas-
s.-s do mundo civilsado, sem mitra recmnincnda-
eau mais do que a sua incontestavel excellencia.
Nenhuma senhora a qual haja espargido alguma
gotas desta d-licinsa essencia florida sobre o seu
lenco, ou haja usado a me luicao, como um cosmtico; por certo he-itar um
s instante em perfeitamente coincidir com as se
nhoras e senhoritas da America liespanboia ; as
quies a temjusalo para mais de vinle annos, me
diante umaenuipleta exclu-o de todo e qualquer
outro perfume.
Acha-se venda as pharmacias de A.
Caors, M. A. Barbosa, J. da Concnjco Bra-
vo A C, P. Mamer C. e Butholomeo
* C.
Lisboa, 28 dcjulho de .869.
Illm. Sr.Participo a V. S. qne lambo estabele-
cido ii meu oscriplono de c.uninissoes nesta cida-
de. a ra do Amparo n. 66.
Encarrego-nie de ludo quanto seja concernento
a commercio, espemlmenie da :
VENDA de assucar, algodo, caf, arroz, ma-
doiras, agurdente o mais gneros do Brasil.
DEM do vinhos, cereaes e mais gneros da Eu-
ropa.
COMPRA o remesa -le poneros ou qnaesquer
encrwnmendas om grando uu pequea escalla.
DESCO.NTOS por compra ou venda de lettras e
papis de crdito
MOViMENTU do fundos para todas as pracas
ou lugari's.
RK'iElUMEN'fO exiiedico de telegrammas ou
qnaesquer eiiiiimonicaoues do Brasil, Bio da Pra-
ta e para qualquer parte da Europa.
COBliANCAS liqnidac.oe> inf.irmn^Sc?, etc.
A longa praiiea que lenho do c nnmercio a o-
meus habt-is de tralialli > fazeiu-me julit.ir que
saberci cumprir cihii palo e activi lade qualquer
.commssa i eoin que V. S. quizer nonrar-me. Oh
servir risea e m .ledicace as ordensquo me
fercta dadas ser o mea alvo.
PBA^A 1.0 HECIKt 6 DE SETEMBRO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TARDK.
Assucar bruto americano .'iOOO por 15 kil.
Alg mo do Macci 1' sorte U259 por kil. poste
a bordo, a frele de 3j8 e 5 0|0
i'junbio sobre Londres 'JO d/v. 19 t|2 d. por
i 1000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca taxa a con-
mencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
oraze fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
priRcipaes da Europa.tem correspondencias
na Babia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-
York e New-Orleans, e imitte cartas de
crdito para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 30.
Saques sobre Londres
30CIEDADE B\NCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn f C. .
Sacc3o sobre os Srs. Samuel Montagu -
C, banijueiros em Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
de vista quantias cima do 100 at
a 1,000 30 ate 90 lias de vista quan-
tias cima de l ,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Compram o vendem por conta proprtr
netaes, moeilas naciouaes e estrangeira.v
se.qa de cambio, sadulas do governoe do
|anco do Brasil, por bom premio.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes
iuas transacebes, da cobranza de letras d^
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi
to., em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
auna.
c.
.uto
li
47U
445
9>!
y.
27
2SK
IOS
44*
431.
7C::
hiato
iOOO
11438
560
64(>
370
3o(
tOjOQti
U133
784
2J180
1800
2U00O
ISjtXlo
lGUfitt

kCig.
centro

lilog,
ovo Bainco de Pernambuco
em. liquidaQao, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber o
trato dividendo du um e meio por cento
do capital: s quarta-feiras o sabbados.
ALKANEGA
rtendimeuto do da 1 a 4.
dem do dia 0 ... .
120:071*075
33.3oi*258
3:9284333
MOV MENT DA ALFANDECa
Volurao sabidos emo fazeudas 157
dem itlcra cora gneros 187
v ----- 3|4
Dsscarregam Hoja- 9 de setembro
Brigue ingiez Galera fraucezaAmetieidem,
Barca inglezaGazelladem.
Batea italanall'Sn idem.
Brigec suecoILIen itabeado.
Brigue hollandezCornelia & Geeslrudj faiinlia
de trigo.
Bnguu portuguoz Bella Figuereme varios g-
neros. -
I inportaapo.
Vapor brndleiro pihapama, iiwto to Granja
e porlos intermedios, m itufestou ;
12-accns algodi; a L. A. Si(|ueira.
40 ditas dito; a Sawuders, Brothers & C.
128 ditas diio; a Marques Barros & C.
Ki0 uitas ililu ; a Gomes de Mattos & Irinao.
29 ditas dito ; 3 saceos carnaua, il mullios
couriuliiis, 3 garajos rarne, 81 courus salgados ;
a Luiz Goneaives da Silva 4 Pinto.
30 ditas ditos; 575 courinbos, 10 garajos car
ne, 20 saceos a 1 barrica carnauba, 2 saccas al-
godao ; aurdem.
24 ditas dito ; a Manoel da Silva Ponte.
3 garaios rarne ; a Lino do Paria & C.
Iti Utos dita; a.Manuel Marques Pinto.
3 ditos dita, 2 saccas algodao; a Fcrroira Pin-
to & C.
110 ditas dito ; a Rocha Leal V C.
52 ditas dito ; a Jos Gomes de Albuquorque.
82 ditas dito; a J. V. de S Cavalcante.
14 ditas dito ; 1 caixa carnauba, 4 ditas carno
cuueijos; M Janiiario doS.
10 garajos carne, 3 barricas sebo, 30 courinhos,
280 esleirs. 2 saccas algodao, 402 couros salga-
das ; a Jos Dias Soares.
11 ditos ditos, 30 saccas algodao, 5 meios de so
la ; a Gregorio Paes do Amaral & C.
375 ditos dita ; a*J. J. de Carvalho Uoraes.
150 ditos dita; a J. Buson.
05 diti,s dita; a Jos Goocalves Ferreira & C.
71 ditos dita, 3 couros salgados ; a Joso Lopes
Davim.
7i ditos dito?, 30 saccas algodao ; a Albino da
Silva Leal. ._., .
3 garajos carne; a J. J.de Faria Machado
36ameii.s do sola, 48 saceos fejao, 17 ditos
gema, 21 cutiros salgados, IfJ eaixas yolas, 7 gara
ja"* carne, 23 saccas algodao ; a S Leito & Ir-
mo.
12 saccas feijio ; a Ferreira 4 Irmao.
7 ditos goma; a Beltro. Oliveira & C
ABELLA nos puncos dos gbneuos sojeitos a di-
rei to D EXPORTACAO.SEMANA OE 6 A li DE
SETIMBRO DE 1869.
Mercadorias: Unidades. Valores.
Abanos......... dniia 300
Algodao cm caroeo..... kitog. 258
dem em rama ou em laa. li 10
Carneiros vivos....... um <'>i000
Porcos idem........ ?3000
Arroz com otaca...... kilog. 68
Idem descascado ou pilado 177
Assucar brauco...... 320
Idem masca vado...... 190
Idem refinado....... 43H
Gllinhas :...... ama 13000
i^ajiagaios ... .... 54000
Azeite de ameadoim ou men-
ilohim......... litro 937
Idem de cOco ....". 67-*
Idem do mamona...... 5.'.'i
I atalas alin .... kHog. 102
llaunillia.......' *450
Bebidas espirituosas o fermentadas:
Vguardento cachaba. .... litr. 195
dem de canoa...... 390
dem genebra...... 330
123000
13(1
G8I
92
272
3J00O
350
1 iOW
61::
681
545
24181
171
1J70::
COOOt
MO
15500
" 5*000
93*00K.
3400o
124000
6*901
IO4OOO
102
sooo
64000
nm 10-3000
>
duzia
lOaJOOO
idem mu golea ou massa.
Idem seceos.......
Esquiadores de pennas grades .
Idem pequeos......
lem de pallia.......
Esleirs du carnauba .
dem propriapara forrooui -tiv.i
do navio....... .
Estopa nacional......
Paraba de araruta.....
Idem do mandioca.....
Keijo de ijoalquer qualidade. .
Pumo charutos......
dem ciparros......
dem em f.dha bom
Idem era folfia, ordinario ou res-
tolho ........
dem era rolo e eu latas bom .
dem, ordinario ou rostolho. .
Kape .........
Gomma de mandioca, (uolvilho).
Ipecacuanlia ( raz ).....
Angico (toros)......
Caibros........um
Enxams........
Frechaes......
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em adas......cento
Idem em toros......
Lin has e esteios......um
Lour s (pranchSes).....
Pao Brasil....... kilog.
dem de jangada......um
Quiris ,........duzia
Vinhatico costadinho de 25 a 30
inillimetros do grossura. .
dem praneMea de dous costa-
dos al 50 millimetros de gros-
sura ........;
(dem taboado de menos de 25
millimetros de grossura .
Tabnado divarso......
Tatajuba........
Travs.........
Varas para pescar.....
Idem para aguilhadas <
dem para eanoas.....
Cavernas do sucupiraem obra)
Eixos do sucupir para carro
idem..........
Mel melaen........
Idem deabelha .'.....
Milho.........
Ossos....., .
Palha de carnauba ..."..'
Pecliury.........
Podras de amolar .
Idem de filtrar......
dem de rebollo.
Pennas de cma ..."..
Piassava.........
Ponas ou chifles de novilho ou
vacca.........
Sabio.........Kilog.
Sal. ........
Salsaparrilha.....
Salalos de couro branco .
ScIjo ou graxa em rama .
Idem em velas. .
Sula c vaqueta.....
Tapioca. .....
Unhas de boi.....
Vassouras de carnauba .
Idem de piassava .
Idem de timb ....
Alfandcga de Pernambuco,! dosc/.emhroaV? !8fi?'
O 1." conferenti!, Joaquim Aurelio Winderley.
O 2. dito. Bwcutano Cesar Ottoni.
Approvo.Alfandega de Pernambuco, 4 do se
tein-o de 1869.Paes de Andradc.
Confirme. Jr.ijuim Tertuliano de Meditros.
RECEBEDOBIA DE RENDAS 1NTERNA> GE-
RAES DE PERNAMRPCO.
Rendimenio do dia 1 a 4 7:408*652
Idem do dia 6...... 3:563490'.'
duzia !44O0O
96,3000
Kilog. 3::
urna GjOfH
duiia 24400
1 64001
urna IOOO
33500
par 163001
kilog. 50
I 320
Kilog. 6S
1 10
molhos UNO
Lilog. 817
31
1 18
34
1 4.37flC.
molhos 160
c.-mto 2 4800
Kilog. 348
a !<>
t 2|05';
par 80-:
m
170
3 IJ2i
20',
c.'-nto 38(:
duiil 70K
!420t'
960
10.977465
CONSULADO
rtendimenio do dia 1 a 4
tdem do dia 6 .
PROVINCIAL
7:03R477:.
3:9774W;;
3.WC57
MOVIMENTO DO PC8T0.
Navtos entrados no dia 6\
Valenca 35 dias, pnlaea hespauhola '/ujtro, de
160' toneladas, capitn Job* Carall, eqniaagein
15, raiga vuiho; a lvieir Carneiro aV C
Bahia4 dias, barca nacional Isabel, do 342 toar
lada-, capitn J.is Itodrigues Cuuta, equipagem
13, carga lastro; a B. P. Guiniaraes.
Bahia3 das, barca portiigneza holina, de 3ki ~
toneladas capito Joaqun Jos) da Gineeiro.
eipiipagem 12, carga 4,000 arrobas de carne c
3,000 sacro* com f.uinlia ; a Antonio L. de O.
Azevedo A C.
Navtos fallidos no tutano dia.
BahaFliate aniP.rirano Mar y A, Withmn, rpita
Portarng, carga parte da a|uc trono de New-
York.
MaracailmnLugar dinainarquez Mriant, capiti
Cli Jense, cm Ustro.
BarcelonaSumaca hespanhola M-J.'ia L-izo, e? -
pitao L. Marytany.
PorloBrigtio (Hirtugnez Unido, ;^pii;o Joao Vi-
cente de (Carvalho.
S. ThomazBrigue north-aHemao AaaH, capif"
A. Briilin. em lastro.
Navios sonidos no Ha 4.
AracatyHiato bra>ilero Deus ti Cuanit, caaa"
Alanuel Caalano da Costa, carta dlereote ge
eros.
M'issor-Hiato brnsileiro S.J0S0 Bapisrt, taai-
tao Joaquim do Moara Guedes, i-ir^a varios e~
eros.
Obsenmcdo.
Nao Iiouve cutradas.
ECITAES.
A cmara municipal desta ciliado a* puhli
co jiara coiiinriuienti de sus mnnir.ipcn 09 arti-
gos /de postura almix transeript ram prnvisoriamente approvados pelo Esm. presi-
denie da provincia fin 7 de agos^> prjimo ftndo
Paco da cmara municipal do Recife, I de se
'embro de 1869.Manoel de Barros Barreta, pro-
lirosidente Francisco Canuto da Bomiagim, se-
cretario.
Quarta scc^ao.Palacio d 1 governo de Pernam-
buco, 27 de agosto de 1869.O vico-presidente,
la provincia, temli em vista n que ponieron a c-
mara ntnnidpal do Recife em nili-iudo 23 do eor
rente, sob n. 73; rosulvo apurovar provisoria
uimite, nos termos d > artigo 2.a do derroto de 25
de outtihm de IS3I, os artigos de posturas .iddi
i-ionaes ahaixo transcriptos :
Art. I. Em qnaloiier aibra que se edificar, rce-
lilicar, demi.lir, enneertar na trente, oitoes, mu-
s, precizando de andaiines, o toda vez qne so
retelhar de novo qual pier casa, se far nma cer-
ca de madeira ou tij 'los 011 nutro ayialqaer ma-
lcra! 1] le abranja tuda a largura do passeio o o
da a frente du predio, de raod 1 ejoo fique o trao
sito imblico desembarazado o se evita qualquer
accidente.
as ras em que nao houver passeios a eercir
nao podera ter mais de um metro.
Art. 2* Ninguem poder depositar materiae,
de qualquer qualidade que s jain, na fren das
a-asas ein Con*lnieclo mi .cunserlo, por mais do
vinle e quatro horas, para screin reawyido, sch

Hl



V
~r
-
Diario de Ferriaiubucd Ter<;a feira 7 de Setenik de 1860.
;______.______*, _______________. ____________
3
: t o dotro m
licita V pagar 1
cldenta.
CM Wblicas, ca- .-,,,,., ,i aluin
" ''"!'>
,a8;t n.viiks ara i- fo
"a descargado ou dtttlub.iroad is, salvo nos
ugares 4*stgaado! pela cmara municipal, nos
qnaes pintarn os mestnos obiectos demorarem-se
ate tres das, foem como os objectos mercantis des-
sembarcadn o da alf.indega, ou os que
uverein da ser emb ireados, e que, sendo volrno-
sos, nao possa.n ser recolhidos inmediatamente.
infractores pfarao a multa de 15*800 reis
por cala i>l)je -t >, e <: dtbro na rcine-u!
j >1 * A CUta do dcwno para 0 >-ito publicj ou o
' rt. V Wk|PtVg#:1a! as dispu I Xau'uent'J Machad > Por-
ti'lla Cmifere Annns Jaoma IV."*.___________
Domingos Alfonso Jfy Ferreira, (orn"1 ebeff do
>Ia.!o iMior do ro infundo superior da (/"''da
aarna! do municipio d : con,mandan-
?o superior Interino da mesm.l guarda, por S.
'. 'i tmp rador, a quem Beos guarde etc. etc.
ber ao Sr. alteres Arscmvt Jos de Al
1 ni 1 Pernambuco e a todos acuelles que podo-
rea e qnitvem lazer chegar ao sen eoaneeiitten-
'", que, pelo prsenle odital chamado PB<>inpa*
reeer 110 qaartel da residencia do eommando >u-
perior, dentro do praso de trinta das, coalados da
lata deste : o nao o fazendo duran;; esse lempo
.....> nmada oaoQ*etliOda investigacXo pan vo
rificar a itu usencia, dos tormos do 13 di de-
iv,w 11.';.:!"; de 25'de noreni re-de (883. visto
M>r >e ausente do atallian lia mais d. ,vwm-\ ro
1110 me participou por oili.-i 1, o Sr cooimandantc
Quartel d < eommando superior interino r de
setembro de 18(50.
________jJomii mso Ncry Porreira.
HlOgrum
ntr:i
O Dr. Abilin Jos lavaros da Silva juiz dos
eitos da fazeoda desta provincia do Par-
dmb&oco por S. M. o [(aperador e coa*
titucional (i senlior I). Pedro II. que Deus
guarde, ele.
F.i/. saber que no da ) do correte mea
na sala dos auditorios, dapoia da audiencia
respectiva deste juizo, se ha do arrematar
por venda a quem mais der, a requerile-
to de Ctetaao Pinto do Veras, nvsotamnie
dos bens de Francisca Romana .lo Veras c
rom consentimento dos Drs. procurador fis-
cal da fazenda provincial curador peral,
a casa torrea sita n na dos Pescadores,
freguezia de S: Jos 11. -Ji, omn 14 palmos
.lo trente e 53 dilos de tunds, dtia> salas,
lous qnarios, copiar lora que serve do eo-
sinlia, p.'queii.. aintal, caciuba nieeira, com
sotjo, o noli:) ditas pequeas salas, com
piarlo, sollo foreiro ao patrimonio dos
orpUSos. avaliada por DOOj
I para que chegue ao conhe:imonto de
todos maurtei la/ r o [-o-ei! c edita) que
ser ailixado nos lugares io costme e pu-
blicado pela impii'iisa.
Dado e passado nesta cidadti do Recito
de Pmambtico, aos 2 das do mezde se-
-tembro de l8G!t.
Eu Joio Viceuli' Torros BiJeira, escri-
vo o lubscrevi.
Abilio Jos-: Tacares da Suva.
Prfj-i
Farcl
Pl'IX
Ssb
Sal, litro.
Velas de carnauba, kilogramma.
Dita* stearinas, idem.
Vioagre. litro.
Vinho tinto de Lisboa, idem.
Dito branco, idem. ^k
l'oucinho, kilogramma.
Qf coueorrentes podero apresentar suas pro-
pitas cui cartas fechadas, as quaes devero ter a
ordem estabelecida no presente annuncio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
locife, 1 de setembro de 1869.
O escrivao,
f __________Pedio Un I ritme - O lllm. Sr. inspector da tbcsotiraria de la-
zi'iida desta pro vi ocla manda fazer publico que ein
virtude Ja ordem da presidencia, no dia 9dooor-
ivnte inez, pi.-las 2 horas da'larde, serao arrema-
tados, peranti' a jimia da niesina tbesouiaria, por
q":n iapir lanQo offerecer, 21 cavallos do depo-
sito especial ih: iastruccq.
As pessoas a qnen convier. deverao compare-
cer nesta thesomaria no dia e hora cima mencio-
nadua.
Secretaria da tbosouraria de fazenda de Pernaai-
buco 6 de setembro do 1869. ^\
Servindo de ofllcial-maior,
____________ Manoel Jos Pinto.
Sexta -feira, 10 do correle, depois da au'
deaCM do Dr. juizdeorpliaos, vai a praga por ven-
da a parte do escravo Amonio, periencenta ao seu
lulelado Argomiro, avahado ein 383#, a requeri-
mentudo n
Santa Gasa da Misericordia
do Recife.
COMPANHIA FTftNAMBCAiV
/x
Di
Vavega^ao costelra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Taiuandar.
*^\ > vanor I'ara^yba, eomraandante
Xli Mello, seguir para o porto acnna no
tBmtkm dia 10 do corrente a meia noite
Recebe carga, encoramendas, passageiros e di-
iheiro a frote, n. escriptorio do Forte do Mallos
a. 12.
Hrmandade do Divino Espi-
ri o Santo >
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
%avcj;a?o costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Mario, Araoaly, Cear,
Mandah. Acarac e Granja.
O vapor Pirapama cottimandanit
?do a todos os
aossa areja,
D" ordem da m-sa .7 'llin'con
irmaos a comparee...re,n
nmarrtfl pelas 10 horas do dia, rtW ePC(rPl"iM'"S
assistirmos a festa de Nossa Senhora o.' Senacul-
O esrri ao,
Luiz Kpifanio Maurica.
Aos 20^000^000.
Dillietes do Rio a venda, ra do C:ibngi n.
Casa da r'. Preces do'eostum'i.
'.%*% D% VK.
3L
THEATilO
Lembramcs ao Sr. Antonio Jos Duarte Coim-
nra, digno emprezario do Santa Isabel, que na pr-
xima orgnnisarar que lem de fazer de sua eom-
panriii. dramtica, dovo fazer acquisieo do Sr.
Aore Augusto Javier de Maeedo e de sna Sra.
I. Antonia de Maeedo.. artigas de mrito ineon-
testavcl e sempreapplaudidos e festejados em to-
lo; res, seguir para os porto da a parte so apresentam, e hnje muito eomide-
u O Mlor Maeedo lenj-sj tornado credor dos
maiorcs- elogios pela forma porque administra (?
tnealro e companhia que pelo empresario Ibe foi
condado, seguro no sen hom repnrtorio. A trma
porque este digno actor foi reeebido ltimamente
om Pernambuco, no 29, mnstrou at a evidencia
os recursos artsticos de que depSe,
Estes dons artistas viriam fezor una poca do
Sr. Loimbra. no theatro de Sania Isabel no que
lucrara a empreza, c nos teriamos a fel'ecidade dt
admirados anda.
.________Tlibrrto ao merjto.
>b 20-QOOOon
CASA DA FEWCIUADE
--rarada fauepeadeuela-99
(|> abaix' assignad is tem expo-.'..' a venda os
seos feil'88 >i,nets rta lotera 127-128 a, ^ithe-
rohy, enj..*"' fHo esperadas ateo dia 8do er-
rente iendo os oreniios pagos in continenti.
Gr ndc
casa.
Aluga-so com oommodo para numerosa fami-
lia na eftraJa do Lua do lleo n. 45': a tratar
com Joaqunn Fernandes Vanna ra da Cruz jk.
66, 2* andar, escriptorio.
Fr. Amonio h-
pagos
Veras & Barbedo.
la tarde. Recebe carga at o dia i, encotn
nendas, passageiros o dfnheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sahida no cscriptorir
lo Forte do Mallos n. 12.
BECLARACOES.
Pela secretaria da cmara municipal desta
. ble se faz publico para CilbecimentO de quem
iteressar possa, qw nSo M arrematada, como
siava aiuiunciada. ein 2o do corren'.*, a" obra do
concert da ponte do Lea, on-ida :ia quanlia de
SSOJtOOO, a qual CiilMiouar Kll praea ein o dia 9
de setembro prximo viuu-juro.
Serrelariada cmara maicipal :1o Recife 28 de
agosto (le 1869.
o secretario,
_____ Francisco iJanuto da Boaviagera
Consulado provincial
Pela ailministraco desie consulado faz-se
publico a quem interessar possa, que com
o prsenle mez termina o recebimento dos
difieren tes impostos ptovinciaos relativos ao
auno financeirofindode 18685 1869, sendo
om seguida liquidados o remettidos pelo
juizo os dbitos dos conlribuintes, omissos,
afim de seren ejecutivamente cobrados,
na forma da lei.
Consulado provfutal, i* de selembro
-le48C9. %
O administrador,
Antonio Curneiro Machado liios.
Sauta Casa la Misericordia do
llecifc.
A lUnu. janta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Hecl'u manda fazei' publico que na
sala de suas sesadas, no da 9 de setambro, pelas
'(iiatro horas da tarde, ti .1 de ser arrematadas
|uem i:;ai- vanlasens ..:. r cer, neio lempo de um
- ti as anuos, as rendas Joj indios em seguida de-
otandoa ;
ESTABELECIMEXTTJS DE CAI'.IDADE.
Kua do Padre Floriano.
< asa terrea zw 49...... 1705000
l'ua das Calcadas.
Casa terrea n. 36....... 19'JAOtiO
Ra da Moeda.
Primeiro andar do 37. 76000
-jgundo andar dito...... 96000
PATRIMONIO DOS ORPUAOS.
lua da Cacimba.
Idem idem n. 12...... 116,5000
I! na do Pilar.
Casa terrea n. 10o ................ U6J000
Idem n. 98........................ 20:13000
Idem n. 96......................., 2024000
Sitio n. "i noFomo da Cal........... ISOiSOOO
Os pretendentes deverae apresentar no acto da
iiatacac as suas tanc,as, ou comparecerom
lompanhados dos respectivo! fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
fe, 31 de agosto de I8C9.
O eserivn.
Pedro UadriQues drSoUza
A Illma. junta administr.niva da Santa Cusa da
MUenrurdia do Itecife precisa contratar com quem
se queira enearregar de fazer sua cusa as obras
de qne necossita n sobrado n. 37 da ra da Moe-
da, oncedeado ella, alem de oulras vanlageus, o
arreada meato por grande numero de anuos.
Recebe para isto prypoatts em cartas fechadas,
na sala ue suas sesses, devendo os pretendentes
examinaren! as obras de que carece o predio.
Secretaria da Santa Oa-a de Misericordia do
Recife, 4 de setuabn de 1869.
0 escrivao,
^ ______________Pgiro Rodrigue* de Souza.
Perante a cmara mumcipal desta cidade es-
tarao em praca nos iliai '>. 13 e t."i do crrente
para serem arrematadas por quem maior preco
offerecer as seguinlns rendas municipaes:
Imposto de affericao de pesos e medidas pela
quanlia de rs. 19:0001 OUO.
Imposto de 100 rs. por carga de (arlaba o ou-
iros lepantes vendidos nos mercados pblicos por
2:240*000. .
Alugucl do talho n. 16 do ipiarleiro do lado do
norte do arnuguc da ribeira da livguezia de S Jos
por 7305000.
As arrematacCes serao feil.is por nm anuo ;
aipiellesquepreteudcreni concorrer a ellas, dovem
habilitar-se na forma da lei, e aprescnta'-em dous
dias antes as suas habilitadles para serem miga-
das.
ASeondirOes para taes contratos serao declara-
das antes do entrar a praca.
Pago da cmara mumcipal do Recife Io de se-
tembro de 1869.
Mnnool de Barros Barrcto,
I'ri-presidente,
Francisco Canuto da Boavagnn,
Secretario.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Ntvegagdo costara por vapor
Fernando de Noronha.
O vapor Coitiiipe, comuiandante Silva, seguir
para o porlo cima no da 10 do crreme ao meio
dia. Recebe carga at o dja 9, encommeodas,
passageiros e diubeiro a frete at as 10 horas do
dia da sabida : escriptorio no Forte do Malosn. 12
Para oMaranho
O palhahote portuguez Carolina, capllo Joao
Paulo de Olvera vai sabir breve por ter grande
parle da carregamento engajado : para carga e
passageiros, trala-se com E. R. Rabelio ra do
Com merejo n. 4i.
TUMPANHIA BRAS1LEIM
DE
Paquetes a vapor.
ANDA
CASA D OKW
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
\ ra do Crespo n. 23 e casa* do costume
O abaixo assignado tendn vendido alm de nu-
tras sones 2 motos n. 1686 com 700 da lote-
ra que se acalwa de extrahir beneficio da or-
dem terceira do Carmo do llecifo (118") convida
*os possuidores 1 virem receber na conformida
de do costume sem descont algum.
Acham-se a venda os bllietes da 28* pane da
lotera a beneficio da Santa Casa da Msericardia
(119?), que se extrahir no dia 10 do crlenle.
Presos
Os do costume.
Manoel Martms Finra
oanta Anglica Pimentel ao
reiirar-sa para a eidao de Lisboa, e nao .dendo.
pelo man estajo do saa saude, desp-dir-sa passoal-
men'edaquellas pessoas qne o obsequirain, pede
desculpa desLt falla invoiunlaria.
l'recisa-si do umcaixiini
;' pratfea de taberna : na na do Rang^ nu-
mero
9,
Pfccia-?C de urna amalivre, que seja de boa
conduela ; na ruado Pilar u. 40, a tratar as 5 ho-
ras da tarde
a trataj na
acham-se fgidos desdo o anno de 1866 os escra-
vos Laurindo e Manoel, aquello fugio do engenbo
Quepe freguezia da Luz ; fura comprado ao fale-
cido Antonio Ricardo do Reg ein 1S'8 entao
com 18 annos, e boje deve ter 29 de Idade, cha-
mado Laurindo como vai dito, pardo claro, gros-
so, do altura recular, rosto redondo, mostrando I.
tlguns signaos debexigas, cabellos caxiados, ollios I f
grandes, mu pouco habilidoso, trabalha mal de)
Sapateiro, diz seroffn-ial de casa de caldelra, met- :
tido a Miente, e simulando ser livre vai mentmd<>
descarado, lisio nutre Manoel, fgido do enae-!
11I10 Brejo, freguezia de Santo Amaro Jaboatao; !
Dos portos dooorteesperado fora.,comprado tanibem nesla praca ao Sr. Auto- I
at o dia 7 de setembro o vapor mo,,ios *iic.,rildl! JnuP com 14 anuos de idade
Tocanlins, commandaate J. M
THEATRO
DE
S. ISABEL.
13uipreza'lyrica Italiana.
G1 recita Terqa fci'ra 7 de setembro de 1869
DIA DE GRA\0E CALA,
LogoqueoExm. Sr. presidente da provincia
chegue a tribuna caniar-se lia pela companbia o
hymno da independencia do Brasil
Seguir-so-ha pela primeira vez a nova opera em
5 actos de Gnnnod
FAUSTO.
0 estylo desta mostea lao complicado e diffl-
cil que em todos os grandes thealros oude so exe-
culou fizeram-se at dous mezes de ensaios c rc-
petio-se mais de 100 venes, entre nos nao pode-
ro serfazer tantos ensaios, mas os professores da
orrhMtra lutarao lodos de boa voniado contra as
difflculdades immensas que iam. encontrando e
concorrero em tudo com o hbil regente Sr. Gial-
dini para a boa execu^ao dj dita opera. Em va-
rios thealros de eidades de primeira ordem anda
nao foi representada esta opera phantaslica por-
me os empizanos nao liveram animo de fazer
as militas despezas que ella- exige, machinismos,
transforinaroes, rises, luz elctrica, scenaros e
vestuarios dispendiosos sao indispensaveis para
corear de bom successo o sublime pensamenlo de
Geth. grande poeta alientan, que como todos sa
bem, tem feito urna revolucao artstica c lutera-
na. Com os pequeos recursos que empreza
dispon, mostrar lauta aoragem, poder' parecer a
alguem afoitamento, mas nao isto nao outra
cousa se nao desojo de continuar a dar provas da
boa yontade que tem de agradara este Ilustrado
publico merecer lite a benevolencia o fornecer-lhe
o meio de apreciare dar o sen juizo tambem so-
bre esta nova e afamadissima opera
Personagens. Adores.
O De Fausto............ Sr. Cesari.
Mepliistofele............. Scolari
Valentino................. Boschini.
Vagner.................. 1 Galassi.
Margarida............... Sr.' G. Beltrammi.
Siebol.........,......... i> Pierotti.
Martlta................... Beltrani.
Estudantes, soldados, paisanos, mocas, matro-
nas etc.
A seena passa-sc na Allemanha.
Os bHhetes sao vendidos no dia do espectculo
seguir
para os portes do sul.
Desde j recebom-se passageiros o engaja-se b
arga que o vapor poder conuuzir, a qual devora
las e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 3
llOlfe.
Nao se receban eomo encommendas senao ob-
iectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.'
trrobasde peso ou 8 palmos cbicos de medie ai.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recobem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
\zevedo & C.
o pouera boje ter 26, cabra escuro, com o ape- .
Ferreira Franco, o qual depois !"" "(! Manoel Caboeulo por rerla semellianza a J
da demora do costume seguir s,a r.:u*A ', u:uxo- irosso, bem espadando, ps ;
grandes Rebatos, tem tanto cabello que quasi Ibe I
0STRE1RA.
Cose-se costuras de alfaiat a moda fran-
caza, por preco commodo, na ra Augusta
n .112, e d-se fianza sobre as mesinas.
IemprestTI* Se
FE
Paiy Lisboa
0 briguc portugnoz Constante I segu para
Lisboa com a menor demora possivel, por j ter
parte de sua carga prompta : para o restante e
passrgeiros, trata-se con os consignatarios Olivei-
ra, Filhos & C, no largo do Corpo Santo n. 19, ou
como capitn pa maca do commerco.
COMPANHIA i'KRNAMBUGANa
DE
%avegac!io eosteira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandah, comman-
daate Penna, seguir para o por-
to cima no dia 13 do crreme
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommenda, passageiros e
dinheiro a frete al as 3 horas da tarde do dia
da saluda : escriptorio uo Forte do Hattos n. 12
toma a testa, vellneo e fmixum. ynem appre
nder referidos rscravos, queira ontrega-lo ao
(SEM LOTE.)
Na fravessa da na
i das Cruzes n, 2, pri-
*eu dono Sr. Jos Mondes Rodrigues Caiopelo no i nipPA 'lll(!'P tS'l.CO itlt'll
engenho Bogas Velha? coman-a do Cibt, distante | W U,C" U Udr, U'W (]lliil*
da villa t legua e meia, ou ao Sr. Jesuino Carnei- i niion mmiilia aalma tm
roda Costa nosta nrao, morador na na do Cor- | M *\MT (|lliil!l(l SOPC OIIPO,
redordo Btsp. n. 2'i, -crio dj que ter unta paga M J
I prata e peoras preciosas.
O dono deste estabeleciraonio,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transaccao que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
|} dignarem de honra-lo em sen esta-
M belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
I prata e brilhantes.
mmmmmmMm
Santa casa de. misericordiado
Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misarioardia do Recife, na sala de suas sesadas,
pelas 4 horas da larde do dia 9 do corrente, re-
ebe proposlas para o .'i neciniento do pito e bo-
lacha, que houverein de ser consumidos cm U>-
dos os ostabelecimentos pos 4 ^eu cargo, tanto
lesta cidade como da de OlinJa ; nos mor.es de
"jtubro a dezembro vindonros.
Secretaria da Santa Gara de Misericordia do Re-
cife 3 de setembro de 189.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Gasa de Misericordia
do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, na sala de suas sessoes,
sias :t tuna da Itpde do dia 9 do corrente rece-
So propostas para o fomecimeato de gneros que
i ninm de ser eonsumidos em todcs os estabe-
I cimento* pios wn cargo, tanto desia cidade co-
mo da de Olintia, nos atozes da outubro dezera-
i'ro vindouros.
A saber :
\ssnear refinado. Kilogramma.
Dito de segunda sorte, Idem.
Oio de torro, idem.
Aletria, idem.
Arroz do Maranhao, idem.
\rAti doce, litro.
^gutmhMlri,! idem.
\zeite de carrapatn, idem.
Bc:dbn, kilogramma.
rtn, idem."
Jif m grao, dem.
CU* preto, idem.
dem hyssnn, i
la^, eento.
i (Miera, idem.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo cosfeira por vapor.
Macei em direitura c Penedo.
*^t O vapor Gfyud. commandante Aze-
/\1L vedo, seguir para os portos cima no
^Bamkmi da 9 do corrente as horas da (ar-
de. Recebe carga at o dia C, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
urdo do da da sabida ; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
IWAMA BMLEIIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperada
at o dia 8 de setembro o vapoi
Giiiii, commandante o Io l-
ente P. 11. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passaizeiros e engaja-se a
;arga qne o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia ds
-ua sahida.
Nao se recobem como encommendas senao ob-
iectos de pequeo valor e que nao excedam a i
jrrobas de peso ou 8 palmos cbicos do medicao
rudo que passar destes limites devera ser embar-
rado eomo carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
ens s se recel.cm na agencia roa da Cruz n. 57
' andar, escriptorio de Antonio Luiz do Oliveira
Vzevedo & C.
Para Lisboa
pretende sabir com milita brevidade o palhabote
Iiortuguez Nuro S. oxreugo : para o resto da car-
, traas-; iata-
ri is T. de Aouino fonsef Igario
n. 19.
ritouiaz It. Sitminerson, capitao ua galera de
err- Lancnshire, de 1177 toneladas, pertencente
ao porto de Liverpool c com destino d'aquelle
po*to a Calcuta com una carga de sal, e agora
encalhada ditas milhas distante de trra nos ar-
recifes entre Gurajri e a barra do rio Gramanie
na provincia da Parahyba, des'jando proteger o
mais possivel os interesses dos proprietarios e
assegurados do dito navio, faz sciente (tela pre-
sente que se acha prompto a receber propostas
as seguimos condiedes :
Que o navio seja bolado, os mantimentos e mais
pertences do raesmo que se tiverem descarregado
para serem do novo postos a bordo, e o navio
posto no dique (dock) no Rio de Janeirp incluindo
os servicos de um incrgulhador para examinar o
estado do casco.
Pagamento destes sorvicos ser feit na con-
clusao do trabalho, estando a contento do mesmo
captto a quem se devem dirigir as propostas em
carta fechada no vice-consulado de S. M. Britan-
uica na Parahyba, at ao dia 9 do corrente, quan-
do serao abenas ein presenca do vce-consul. O
capitao nao so responsabilisa de aceitar qualquer
das propostas.
A copia da vestira que se fez sobre b navio
pode-se ver no escriptorio de Sawnders Brothers
* CAgente de Lloyd largo do Corpo Santo nu-
mero 11.
Ama
Antonio da Silva Paria, Adriano da Silva
Faria. Francisco da Silva Faria, Maria Emi
liaFaria Gadanlt e llypolito G.idault, m.mi-
festa o sea re onlieeimento s pessoas que
prestaram o caridoso obsequio de assistirem
os sull'ragios e de acompauliar o fretro de
sua prazada cunhada t sempre honrada ir-
m5aD. Henriqucta Amalia Faria, e de novo
convidam essas pessoas e demais amigos
para comp'arecerem na matriz da Boa-
Vista, sexta-feira 10 do corrente s 7 horas,
stimo da do seu passamento, afim de as-
sistirem o memento e missa que celebrar-
se-ho, c pelo que ficaro assas agrade-
cidos.
Francisco Acciolv de Gouveia Lins ajji aduce i iC coml"';' v,mde objectos de ouro c prata, e
pessoas quo se digaram acompanhar ao cemite- 'intmenle so Taz toda e qualquer obra de encom-
-^ __LI' .___. mandil f\ trtAt\ ,1 .ioi.I in Bnsnat ., 1 ., t ^ .^
Precisa-se do urna ama livre ou cscrava que
cozibhecom perfeico o diario de urna casa e que
seja de boa conducta : a tratar na ra do Vigario
n. ii, .3" andar.________
Precisase de urna ama que saiba cozinbar e
engommar, para casa de pintea familia : a tratar
na na do Cnhug n. 1, loja de joia.
Na praca da Independencia n. 33, se d dl-
nneiro sob penliores de ouro, prata c pedras pre-
io-as, o seja qual lr a quantia : na mesma casa
c compra e vende objectos
Ama 33 leite
Precisa-se de nina ama de leite :
Piute de Ucha n. 9 A.
-Rodrigues Irmo A-C. lazein sciente ao
publico, ospecialmenie ao corpa do cem-
mereio que CHnprarm arSr. Jos Moniei-
ro de Siqueira, a sua foja de louea estabe-
Jeeida ua casa n. tUirn da Cadeia doltecife
desta cidade, ficardo quites com o mesmo
Sr., e sem responsabilidad!; pelo passvo.
A sociedida das Arvs Mirchaoicase
Liberaos de Pernambuco sobro os aupicios
de N. S. do Amparo, convida a ldos os
irm3os para no dia 8 de setenabro
horas da DUh achar-se na salla de suas
reunioes alim de se proceder a eleigo dos
novos funecionarios.
O Io secretario,
Siman de 8 MM Monteiro.
Precisase de contratar umliomemdr
i lade preferindo-sc porltlguez pa a insinar
pritneiras letras a tres meninas un um en--
genho na povoaco de Abren de Una, quem
cstiver noslascircumsl.mcias pode-se diri-
gir ra da Moeda n. 5. V'andar escrip-
torio de Manoel AI ves Ferreira & C.
Pn-cisa-se de tima ama para casa de
homem solteiro, s para cosjhhar: na /ua
do Livramento n. 3i.
j Jos Monteiro de Si pteira mudou-se
para casa n. 3 de ra da Cadeia.
Pedido
Pede-se pessoa que na sociedad:! Stgredb e
Amor da Ordem levou por enjiatio um chapeo de-
so, no da i do rorrete, queira -ter a hondada de
desfazer a truca na rna do Livramento n. 2o, loja.
Se houver quem quena vender urna casa
terrea em chaos proprios e com oommodos bastan-
tes para grande familia, e principalmente na fre-
iruezia da Boa-Vista, annunce por esie Diario, ou
dirijase roa do Hospicio n. 24.
Ao publico.
O abaixo assignado, morador e negociante na
villa da Escada, leudo encontrado urna outra pes-
soa com nome igaal, avisa que de boje em dianto
nao assigna-se mais com o nome de Tiburcio Va-
leriano da Costa, e sim com o de fltturcio Vale-
riano Baptista da Costa.
Villa da Escada 6 de selembro de 1869.
_________Tiburcio Valeriano Bautista da Costa.
Precisa-so de unta ama para wsiitfear ein
urna casa de homem solteiro ; na ra do Crespo
n. I. '
rio publico os restos moriaes de seu sempre cho-
rado amigo Manuel de Hattos Teiieira Lima ; e de
novo convida aos amigos e prenles do mesmo
para assistirom a missa do stimo dia, que ter
lugar no dia 7 do cerrente, no convento do Car
iho as 8 horas da inanbaa.
LEILOES.
De fazendas geraes.
A 9 do corrente.
Mello Lobo & C. farao leilo por intervencao
do agento Oliveira, do mais completo sorliraeiito
de superiores fazendas ioglezas francezas, alie-
maas e suissas de algodao, linho, la e de seda as
mais propria do mercado.
Ojiinta-feira 9 do corrente
as 10 horas da inauhaa em seu armazem sito
ra da Cruz.
LEILAO
De urna calessi por forrar, 3 carros, um
excedente cabriolet americano de 4 ro-
das, um cavado para o mesmo, 2 pare-
lhas de burros para carros e 1 carrosa.
SEXTA-FEtn.v IOdocobremtk.
O agente Martins fara leilo dos carros, burros
e cavallos aeima em frente ao armazem n. 16 da
ra do imperador, ao meio dia do da cima
De 9
LEILAO
pardU
eulxas com brim
arariado.s.
S xta-feira 10 de set mbro as 10 1[2 Ro-
as na porta da allandega.
O agente Pinto far leilo a requerimento de
U. R Wtbl e por autorisacao do cnsul de Fran-
ca ein pressnea do ?eu delegado e por conta e
risco de quem pertencer de duas caixas marca
V I', ns. lii e 110, enmend 60 pecas de bnm
pardo avarialo a bordo di 'vi-. 'r,-,..., p-,,.,
LEILAO
De cordes, trancelins, colares, alQnetes,
rosetas, brincos, adere?os, meios ditos,
alflnetes para retratos de ouro de li e
18 quilates.
Mr\f a-felra IO do cerreaie.
Pelo agent Martins no armazem da ra do Im-
perador n. 16, as 11 horas do dia, sem reserva
de preco para liquidar um espolio.
menda e todo
mesma arte.
e qualquer concert tendente a
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
\j* Recife arco da Conceicao n. 9
Os abaixo as-dignados tcndo-sn habilitado na
forma das leis tem exposto a venda os seus feli-
zcs bilhetes das loteras do Rio de Janeiro na casa
cima aonde se pagarn as sortea que sahirem
no mesmo bilhote com o descomo da lei somonte.
PRECOS.
Bilhote inteiro 2VSO00
Meios 125000
Quartos 6J000
E de 100 para cima a 22 o bilhele.
_^______________Fijtueiredo & Leite.
Aos seuhores de eiigenko
Urna mogo habilitad* em primeiras letras c com
pratica de ensino, propoe-se a lecconar em al-
gum engenhn as immedaeoes da estrada do ferro
do Recife a S. Francisco : a pe>soa quo de seu
prestimo se quizer utilisar, dirj -se a ra da
rento ein diante por alguns das ; e para que seja I l'raia n. 53, 2" andar, que achara com quem tralar.
isto o menos ineommodo possivel para os Srs. pas
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
SMM*
Tendo a companhia do Beberibe de collocar o
novo einanaincnto d'agua debaixo dos trilitos no-
sitios Parma merim c Jaqueira, ser interrompido
o trafego neste lugar do da qunta-feira 9 do cor
sageiros, esta companhia tem reselvido ter tres
trensdo lado de Apipncos para encontrarem os
que vo do Recife, de sorte que os passageiros s
lerao o ineommodo de atravessarem a bomba da
Jtgneira ap, o qual ser para este fim convenien-
temente assoalhado:
Escriptorio da companhia, Gdo setembro
de 1860.
O gerente,
Rawlinson.
Troco miudo.
Da-se bom premio por scdulas de 15000, 2;
5a, 10,2 e 205 (nova c-tanipa: na casa de Tuco-
do-ro Simop *c C, lari;o do Pelourinhn n. 7.
ATTENCOO
Perdeu-so um par de brincos de pin-
gentes encastoado cm diamantes, um dito
sem diamante, um anel com 7 diamantes
encastoado emazul, urna fga de cintero,
tudo de ouro de lei. Previne-se, e pede-se
aos Srs. ourives a quem for offerecido,
de os appreendere lvalos ao abaixo as-
signado a ra do Cabug, ioja de cera,
que ser recompensado.
Beato Ekuterin de Souza Castro.
Ao pubico.
O abaixo assignado. tendo-se constituido, peran-
te o juizo do orphos da villa de Barreiros, cura-
dor de seu genro Manoel Francisco da Rocha
Wanderley, meoor de 18 annos, por prodigalidade
deste, avisa a todae qualquer pessoa, que nenhum
negocio de compra, venda, permuta, ou outra qual-
quer transaccao faga com o dito seu genro, sob
peua de nullidade desses contratos e transaccoes,
urna vez que nao tenha o assontimento do abaixo
assignado.
Eugenho Roucador, 27 de agosto de 1869.
Evaristo da Costa Leitao,
AVISOS DIVERSOS.
S no deposito de pao e cestas a ra larga do
Roaai ,. uvas brancas
mus ido notai ,>atre aquellas
i algnmas pozando mais de 1/2 libra, estas
para os primeiros quo apparecerem.
Jl
Programma da festa de Nossa
Senhora da Conceicao da Es-
cada da Igreja dos Militares.
no dia 8 do corrente.
As 12 horas do dia 7, urna gyrandola de fugo
e a msica do 1" batalho de infamada da guar-
da nacional annuncar que no da segointo se
celebrar a fe 8 ser hasteada a bandeira que sahira da casa da
jniza arompanhada da mesma msica ; as 8 1|2 respectivas commissous.
principiar a festa sendo pregador o Rvd. Anto-
nio de Mol Albuquerqne. A' tarde haver m-
sica e bolons, e a noite ladainha oom sermo do
Rvd. Leonardo Joao de Grego. lindando tudo com
nm rico balao, sendo a orcheslra de todos os actos
msica do bem conheeido Sr. Colas.
Precisa se de tres pretas para vender na roa
das tres horas em diante, pjgando-se a vendagem
a seus senhores : podem contratar os mesmos na
na da Guia n. i, casa de um andar.
AIHA
OPERA 1TALUNA
Depois do espectculo
OEZ
32Ra do imperador
Ama de leite
Na rita Formosa n. 21, sobrad n-eeisa-sc de
urna ama de leite.
Offerecem-seduas senhoras portuguezas, urna
para administradlo de qualquer casa de familia, e
outra para educar meninas nesta cidade on fora
della t quem precisar de seus servicos, pode diri-
gi'-se ao largo do Pharol n.S7.
Fujo, muito fujo!
Continua andar fgido o moleque Senador, sa-
hndo do sitio S. Miguel dos Abogados no dia 22
de agosto, com um gancho no pescoco, no p urna
corrente com um cadeado, no mesmo unta leridn.
levando paga para Ha tiraren! o ferro, que diz Ihe
havia promettido vende-lo para bordo, rt creoulo,
cor fula, idade Ii anuos, corpo secco, ps camba-
dosde bixos, j muito conheeido n'esta praca por
fujo : a pessoa que o pegar leveao dito sitio que
ser pago o sen trabalho.
Precisas o de um caixeiro de lia 16 annos :
na rita da Concordia n. 7.
Precisa-sc do una para cosinbar ein casa de
familia ; a tratar no largo da Alfandega armazem
n. 2.
Ama de leite
Precisa- c com toda urgencia de nma ama de
leite : na travessa do Veras n. 15, Io andar. Nao
se ollia a preco. ______________
Precisa-so de um lerreiro as obras da Re-
cia Orainagc Company Limited, no largo das Cin-
co Pontas. ___________________
Vicente Alves Moreira, agenciador de ven-
las de escravos, mndou sua residencia da ra de
Hortas n. 9i para a ra da Paz n. 31, onde seus
fi'cguezes o polerao pfucurar para a mesma oceu-
oacao. Recebe escravos, e promette prompta venda
Precisa-se de um criado para tratar de um
pequeo quintal: ra da Cadeia n. 39.
100$ de gratificapo
Fugio do engenlio Murim, do termo de
Itnmbe, no dia 18 de julho ultimo lindo,
a escrava Joaquina, com os signaes se-
guintes: mulata de 25 annos do idade, falla
vagarosa, cabellos um pouco encarapinha-
dos, palpebris e olhos salientes e grandes.
tem urna pequea cicatriz na testa, ps
cavados, bracos finos, ventre eres-ido e es-
tatura regular. Quera apprehender a re-
ferida escrava, que fugio para o Recife,
onde diz que livre, e levar ao dito en-
genho, tem 1005 do gratificarlo.
Precisa-se alugar um preto para ser-
vcq de padaria, (menos maceirn), quem
liver pode se dirigir ra da Imperatriz
n. Ii.
O agente de compras e vendas de
escravos, Jos Martins Alves da Cruz achas-
se residindo na ra de Hortas n. 96, promp-
to a (Jesempenhar nao s o seu dever para
este fim, como para otitros mitentesojulguem habilitado mediante suas
LUIZ QUEDES C0UTIN1M GVRRIDO
Dons auaiversario
1 vol. 8o brochado 20
MVR.VMA FRANCK7..V
____ 9Ra do Crespo9
Ama de leite
Precisa-se de urna ama do leite : a tratar na
^rua Direita o. 8.
m
Precisa-se do tuna ama para servido de
pouca familia: a tratar na travessa de S
Jos n. 35, andar.
Precisa's' de urna ama para casalfe.
homem solteiit: tratar na rua da Con-
cordia n. I 'i.
Na B rua Velha n. 82, lem
par ir urna preta para costobtr e
Miimar.
AVISO
Jos Alues Barbosa declara que o 8r. Jos ile
Souza Oourado deixou de ser seu caixeiro desde o
! de sotembre crreme.
(lar apia
Precisa-se de um carapina : na fabrica do gaz.
Precisa-so de urna ama que saiba bem en-
gommar, prefere-se oscrava : na rua Nova n. 50,
Io andar.
AMA
Precisa se de urna ama para pouca familia-, que
saiba cozmhar, alguma cousa engommar, c que
saia algumas vezes a recados : na loja do Galle
Vigilante, rua do Crespo n. 7.
Precisase do urna ama uara cosinbar em
urna casa de homem solteiro : na rua do Crespo
n. 1.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar : na rua de Hortas n. 1.
E' de importancia!!!
0 aviso que faz o Campos da rua do
Imperador n. 28, pois s elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaba os cha-
rutos que to anciosamente eram espera-
dos de Costa & Irmaos, e sao ellos das se-
guintes marcas : expsito Normas impe-
riaes e Havaneiros. A elles antes quo se
ac bem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitosoutros gneros anto para
mesa, como para despensa, o seguinte :
CsmarSes seceos do Maranhao.
0 verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel do S. Joo do
Ro-Novo.
Termos de medidas para seceos, segun-
do o psdro francez, (metrico-decimal).
ASSIM COMO.
As tabellas que mais aceitaca -> tem merecido
das casas de commerco em grofso e a re-
lalbo, smente pela fcil compreuensao e
commodo preco, s no
Armazem do Campos
- Em casa de THEOIH
\NSEN, rua da Cruz n. 18, '"
Dordoatrx, Bourgogne e do Rheno,


r
I




Diario
t PemaniLuco *Terqa Mi 1 de Setenio de 1869.
' *-------------------------:--------------1-------------------:------
-JT n
GOHPAMA PERWAMBCAHA
DE
"ssam % m
Os Srs. Saund? Srothers & C., T^sso rmaos,
Luiz Antonio de &qer-a.
<.i:ni;\Ti;
0 SR.F. B0R68.
Restando anda emittir algumas :s desta conpanhia, daquanlia r.omill d<
2U0000 cada ama, das quaes s se aoetinm OO poi
cada nccao ; convida.* pela-prc-sente ao publico em geral e especialmente aos Srs
capitalistas c interctsadoa no comro'jrcio, que queirain dar empreo seguro aos scu>
capitaes, dispotiiveis, a subscrever o numero do acetas que Ihes approavcr.
Algumas tiestas actes ja tom sido loriadas por pessoas que conhecem a vautagem
de na presente oacasiio (conhecidameiite a mellior), empregarem o dinlieiro de qui
poderem dispr em objeetos do valor real, como vapores, predios etc., qu Ihes garan
tam scus callaos.
A conpanhia possue boje 10 vapores, 6 iwtoiraraenle novos, e uestes o ultimo esu
a chegar do Inglaterra, onde foi construido expressamentc para ella.
Alin disso esta edificando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
scmbla.
Seus dividendos tem sido ds 10 / ao anno nos ltimos i annos.
As actes que se emittirem gosam dos meamos direitos, e percebero o benetei'
dos mesmos dividendos que osantigos em propono da entrada.
Rwbemse assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
AssemWa n. 12.
Mikroskope achroma-
liscnon. ObjctivLiQ-"
sen.
Barmetro c termo-
metre. Centigrade
c reuumeure.
1- V'FiLQOB
N'ESTA ANTIOA E CREDITATA
FABRICA
>
ISCIBTIi SI CMSTAJTIHSTI IDI COIPLITO SI1TUMTQ
CHAPEOS DE aOL:
De tudas as qualidadesl
De todos os feilios I
De todas os preces I
i
RA DO CRESPO N 4
OCLBS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
r. 'J. Ueriuaun. r.commenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfeicoa-
dss: nor-uie, con estn Vidros, a vista descansa, fwrlica-se e nao a canea como cm
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
nue, com os vidros ordinarios se est obngado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do iho e dte mina quasi sempre do-
res de cabera. O alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros dolbo.e,
todas as vezesque o objecto est mais perto ou mais tonga, os ra.os que expela sao
mui convergentes ou bu. divergentes o a viso nao e perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a v.sao nao disUncta.
Com a auulicarao de m'eus vidros pode-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista cuita cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
lone), o aue se chama mvope, por meio de um vidro concavo aflasta-se o ponto de
vista, 0 que faz divergir os'objectos e deixa ver 15o longe cuino as mitras vistas, guan-
do o civstalino muilo chato, o que sucede aos que tem ebegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, ven melhor de longe que de perto,
um nevoeifo na distancia ordinaria da vista; com um vidro con\
NAO FOI PRECISO AGUA BHU
O demonio muriotix por sua livre e espontanea vonlade
YIVA 0 DA DE S. BARTHOLOME
Agora ungueal presuma que fot um demonio qualqucr, fin
0 BOM DEMONIO
Mas nilo saSio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA IMAIS PERTO Dft mm
&eu dominio esl hoje assentad^ on,|e foibotiea,
ESQUINA DA RA Dd AfiAGAO
. VXIIAM VK-1-O
R. 32
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostra
E as diabruras que faz!!!
Negra tranca no col lheondeia
. Solta riza ao mago desdem
t Deita a fronte n'um peito e eoohece
i Quantas maguas oseio conlm.
Esta linda e gentil creatnra tarohpm
e nao enxergam seuao
u convexo, estes enxergarao
to disnctamenle como na idade de 15 annos. Servindo-se destes vidros quando c
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
V. *. ernaaa encarreg3-se pela sua experiencia
colher, a primeira vista, seja qual for a idade e grao de vista, oculos propnos para
qualTiicr pessoa,
tendente aos olhos, a es-
Para que sao fabricados estes vidros 7 7
Para a vista myope, (vista curta;.
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v cs-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista qae as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a \ ista que os olhos sao desiguacs.
Para a vista que nao supporta (
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as palpebras csto cer-
cadas de sangue.
para a vista que um dos olhos myope
)ueijos, manteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardmhas.
Tudo barato
Para agraila ,
VenhMii freguezes
Que ha do gustar,
N. B. Brevemente ser annuuciado o ;a, em que este importante anna/em demo-
Ihados ter principio a pratica de certa di-brura.que admirar mais do que TEMPORAL
na BONANCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar 0 n(>ssoes-
tabelecimeto, comprar os nossos s\iperieres gener s por procos muito rasasteis.
Manteiga ingleza flor a l#30 por oO Vinho bordeaux em caixa, 7^000.
> a vista que se turva com o traba- e o oatro presbyto.
Iho c a ieilura. ^, l'^ra editar finalmente que o crystalino
Pai a a vista presbyta (vislagalon ). do olho se cobra de catarata.
llHl
Tintara instantnea de Desnour, e real de Jayme: ^ende-se ra do Qaei-
mjido n. 0,
Salao de cabelleireiro,
onde lambem se encontrar um cxplendido e variado sorimento de perfumaiias fmas,
: dos melhores fabricantes de Paris.
m
Sortimeulo
para tbeatro,
alcance
rinha.
de binculos
o oculos de
ma o campo e ma*
**-^^
Lunetas, pinCe-nez e
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
etc., etc.
Tem tambera rande sorlimenlo de r.-logios para parede, que dao horas e para
cima de mesa dos mais lindos moutlo Relogios para algiHeira, de ouro,
domada oftrloada, inglczcs, snissos e orisontaes dos mdhore
cantes.
VdSf em grosso e a relalho. Km Pernambuco.
N. 21Uua NovaN. 21.
prata, prata
e mais afamiMlos fabri-
gramraai.
Dita dita a \&-200 id --m.
Dita dita a 14000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 10U rs. idem.
Cha fino superior a :<&<*0 dem.
Dito dito a 3di00idem.
Dito dito a i-jOOO idem.
Arroz pilado a lO rs idem.
Caf de caroco a 200, 2t0 e 280 rs.
idem.
Milho alpista a 2'0 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a iOO rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 720.
Potes com sa refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 000 r*.
a lata.
Eructas portuguezas em calda a GOO i .
a lata
Ditas s de peegos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate esp.mhol a lo'OOO o masso.
Frascos com conserva a M)0 rs.
Ditos dita do ni istarda a80> rs.
Latas cun carne de orco a 800 rs.
SardinL.s de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 441800.
Carrafas finas para meza, o par 5?OG0.
Cognac engarrafado 3 800 rs.
Azeite francez engarrafado a l,i>000.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
grammas.
Os propietarios garantem tudo quanU
a a tIOOO.
J e Cf a caixa.
rs. por SOOgram-
i, t^bOO, 280O
RA D CRESPO R 7 A,
prineao anuak.
ANDR M9L8UG, calmil ir-'ro de Pars, tem a honra de informar ao fospeil.i-
:.diliu. qm Abril nvnk\ |j',i us invstcrs ie bw arte, ra do 61
i.. 7 A, priint'iri) andar, um Hadante sNk) e wiw/. X.V, ornado am o maior gesto.
Cora a vaittagbia de ji bv sido.jii>tamenie apreciado pelo pahUoo parismise e
pernambiirann e auiitodii por hahoia empmgti^ francezes e brasik'iros, olfcrace o
m i^icstuno m narfMfROi I ii BtflBHeatiswoMS seohoras que o honrarura com sua
c/infi-mca, iarrgando- de qualquer ppiiteada de iiaile tbeutro, soir^e, notra, etc.
etc.; e foi ucctido tolla a especie de o!)jectos para ornament dos preciosos cabellos
de s. Baca.
Andr Bolsuo, tendo <;m visU a utilidado dos fi equenta(R)re de s i.iin,uto, tem preparado, oulra sala, com utna especial, en o *, Cftcuntrar sempre
o-meo pu;s ultraen ^Q|NMti8, extractos, sahonetes. pos de awoz, ditos para
destes, lavas de, onvin. etc.. mutua o mais completo sortina^o dos p i dos
pffuiaistas Lobin, Condray. Pfwr, Rimtnel, Grosoett, etc., etc.
Aradect'iid.i desde ,j a iisrm. lAiliawl,;
servinus. Andr el,*ue oompToni>- r tudo o que esliver ao-jieu :
para completa satisfaco da Iwa freguezia pernanibucana.
ANIR DELSC
tABELLEtEIRO DE PAW6 7 A- RtA I>0 CBESPO7 A PaiMfitW A>DAR.
DENTISTA BE PARS
19Ra ^ova-l)
FItEliEltICO ilTTIKR
irurgiao-dentista, muito conhecido lia dez annos ji'esta cidade, pela perfeicao dos seo
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitave publico que tendo feito muitos im-
horamentos na sua^asa, pode d'liora avante receber as senhoras no seu gabinete ond
char5o os commodos precisos para familia.
Acha-sc tambem na sua casa e na sua companhia, o sou sobriubo o discipnb
.1. IjEKOUX
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou con
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo asskn as melbow
^rantias do bom desempenho para tudo oque for relativo a profissao ; por isso r
mnunciante pede aos seus amigos e clien'es que por acaso o nao encontrarem no ser
gabinete, depositen no dito seu sobrinho a mesma confiancacora que o teto honrad'
i dez artnos.
Dentaduras por todos ossystemas: a press3odo are com molas de ouro, platim
vulcanita o um inteiramente novo n'esta cidade.
Cora radical dos denles cariados.
Chunihagens (obturacbes) com ouro c com massas diversas, segundo os casos.
Hemedio para acalmar as dores de denles.
Agaa e pos dentrilicios fabricados pelo proprio annom-.iante, o quelhe permiltej aflap
;ar sua ooa qualidade.
Esaovas pa'a dentes. etc.
Perfei Viagens para fra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-sc aberto das 8 horas da manh5a at as 4 da tarde de todos d>
lias otis.
(MHmiA dos mmm
16- RA DI CRUZ16
Ha diariamente sortimenlo de bollTnhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qnah'dadcs, \inhos desnperior qualidade,rh Hmson preto, e mitido, o melhor qn-
se pode encentrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces d-
calda, etc.
Incumbe-sc de encommendas para grandes jantares, bailes, baptiados e ca
samentos, a saber:
Pe^as do n.:iiTat. PSes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de otos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tartas femadas de erme c carne.
Bandeja aom armacao- tle assdcar. Empadas.
Vinagre blanco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de dfferentcs mrreas. a
LJ400.
Fosphoros de seguran''1, masso 500 rs.
| Banha de porco a li por 500 grammas.
Vinho do reino, gar.
Charutos do Lima a
1 Sababde massa a 2'
mas.
Latas, com ameixas a
e 36500. "
Ditas, de manteiga a 2#800.
i Ditas juliana a I por ->00 grammas.
Frascos com maceas seccas a 25000.
Serveja de different s marcas, duzia H-
Tapioca do Maranho a iO rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 5$.
Liguicas c paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G z, Lia a 84500.
Dito em garrafa a 400 r?.
Latas de i iixe a SOO rs.
Bolaxinhas beato Antonio a i#200 a lata.
Latas de .o-de-16 a WO ft.
Hiter cm garrafas a 800 ri.
Licores finos como cdra':of, amisade, e
outras muias marcas a I000 rs.
Estrilinhas para topa a 800 rs. por5 grammas.
Marrasquino de zeroa 1$ a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 50 gram-
mas.
cima est especificado, advert a todos
que no conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se ovplitart aquellos
que nao entendem. _____ _
VEJAM QUE BABRRA
Tirar premio sem comprar bilhetes
Isto s p I ti t
BOM DEMONIO
Est decid h1o=o mundo marcha!
Leiam=-=admircm
E...... espalhent pelo universo
SE TO EXTRA NHO ASSLMPTO C.RE EM VEH^C.
BOAS FESTAS SEM CSTAR DINHE1RO
(VE PF/III\T.IIA V
No intuito de fazer urna fallada o bom dmomo resolvou mimosear d o. i
cm dianlo com um buhaste a pialquer pessoa que de urna vez llie comprar 5*000 i.e
gneros, com rious a quem comprar 10.^000, e assim por diante sempre umbimct.-.
por cada 5,>000. -_, ,
Cada um desses bilhetes dados de nulo bajada proporcionar ao portado
o direito de receber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da forfcma ihe fui
propicia coincidindo o numero do dito billiete com o do que tirar urna dae Ires sortc>
maiores da Ia lotera que correr nfsta provincia no mez do dezembro vmdooro.
gigo de cli^iinpagne, vnlur....... 305000
caixa de vinho d> Porto (.Mencrcs).. 23000
duzia de garrafas de cereveja (Bass) 9WO0
pregunto de tambre............ 15<0<>
_ queijo prato................... C;500O
1 ddo flamengo.................. :i,>00(
6 latas de marmelada lina.......... fiMKH
1 caixa de pacas................. 8*000
10*0(M
I
'2 g^o dt eh imiwgiif, valor............ IW00O
6 garrafas de vinho do Porto (Meneres)... If450t>
G ditas de cerveja (Bass).............. 4s50O
I queijo prato....................... (i.?(KK>
1 dito flamengo...................... 3d00(>
i/2 caixa de pacas..................... '>*000
latas de marmelada................. 6i5iiOO
COSTI1IE1RA E MODISTA
MADAMA LECOMTE
Com laja na ra da Emperatriz n. 7.
Tem a !oura de paneripar ao respeitave publico e em particular seus fregtte-
z>;.jjiie. pelas iviaeOes que acaba de encetar oomaJgiimasci>stKrasomodistasdas-iiiiii>
afamadas de Hara, que tocios os mezes Ihe mandara figurinos, de vestidos, man-
teletes o clipeos quo Ostao no maior gosto e mus modernos, so acba habilita-
di para fa;r vestidos para passidb e visitas, bailes o pasamentos. As scnimras que
a honraren com a iua ftgt'zia. oo deix.v3o de ser satisfeitas, tabto pelo bom gosto, eoim>
pela boraleza dos piscos e promptdao na entrega das encommendas ; tambera tem bo-
nitos enfeites muito modernos de todasas ctJes. Fazem-se chapeos de todas as qualidade.
tanto de fil como de palba.
50*000
rjliuf iiir/i
6 garrares de vinl ( do Porto (Meneres), valor..
6 ditas do cerveja (Bass)..................
i queijo prato...........................
1/2 caixa de charutos de Simas...............
n>500
45500
0->000
3$00
25VJ0C0
MAIS DIABRURAS !
Se a pessoa a quem a sorte houve favorecido qrttzer trocai" por i
os gneros cima mencionados on preferirir receber o respecivo valor em 'flfthoiro
se ter duvida em saiisfazer.
Venham, fregnezt-s
Da praqa e mato,
Comprar barato
A O BOM DEMONIO
Pra do Aragao.



Diario de Peniarobnc Verija feira 7 d Setembro de 1860.
I
I
i
vos *o:ooo^ooo
CASA DA KOBWNA
Rita do Cresoo m. 98.
o abaixo asdgwadotoado .Atldo lfcnim pre-
sidencia e satisfeilo as outras exigencias da Ici,
avisa ao respeitav_ol publico qi\o, lera sempre a
venda no sen ostabeleeimeiii> bhetos das kili>
rias do Itio de Janeiro, eujos pi o:uio, serio pagos
promptamento vista das listas com o descont]
smeute da lei.
rrvos : -Intetru' >00
Moios... 12-1000
Quaftoi. S000
E ein quaniidade maior do 100 3000 11a razao
de 22000 por bilhete.
Man..el Matiins Fiuza.
O advogado
Alfonso de Albuquerqne Mello mudou o sea es-
rriptorio para a ru das Cruzes n. 37, defronte da
lypograplna do Diario.
Dividas.
MCdANCA DO
lUMftKIfcft
Albn,, Daptista da Koctia participa
a todo? os-ivis frcgnMoaquf modrm-
se com a saa ofieina dapraoa da
independencia n. 12 para a na das
Cruzes n. 23; provine, portante, a
todos os amigos e treguozes ipie >e
achara ein casa a qualquer hora
do disipara executar ledo e qualquer concert
que de_sua arte exigir possam, tendente a sua
proflssao; e ein sua falta ncharao com quem
tratar.
olas das raixas lilia.s do barco do Brasil,
ooam-se com mdico descont, na Urja de Manoel
Soares Pinheiro, praea da (iidepemk -ocia n. 22.
GRANDE HOTEL
DE
Compra-se
lina mesa de meto de sala com ampo
le pedra, em bom uso : a" tratar na ra Dt-
teita n. 84, padaria.
-^
VENDAS.
i
Ccordeiro previdente
Un;*, do <|iielnado n. 10.
Sovo e vanado sortimento de perfumaras
linas, e outros objectos.
VERAE
5oRna do (iueiniado
A YF.HDADE tendo em deposito gian.l*
quantidade deniiuile/aso peilunni
sajando apurar dir.heiroo adquerir boa !i>-
iiuezia esti rssjtvrda a vender mtiitit-s
baralw, ; por essa razao convida ao rrs;e-
tavel publico a vir competen!.menio muni-
do a snrtii-se do bomebar'ai <. Pois tual
do a Verdac appareee, tudo mais des-
appareee-----
Grande sortimento de [Mineros d
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sea estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
toja de cera) acabam de rabri-lo ai res-
peitavel pblico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem comoram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\5 RIJA DO CABUfiA H 5
O abaixo assigiado, arrematante das divftlas do
'ilio do tinado J<'s Manee! Pereira de Metida-
uia, avisa aos devodotea Bo dito finado qae man* j
dem salisfazer seus debito-, no praso de 30 das.
contados da data deste, findo o pial pi
eobranra judicialmente ; na rea das Ciuco 1'
n. 82. Recite 24 de agosto de 1869
Joo de Azcvcdo Pereira.
Precisa-se de
ra Nova n. 3.
Ama de leile.
ama ama de leite
a fratar na

m
"-j .-a
wmmm m mmm mm
t) advocado Dr. Antonio de Vis-
concellos Menezes de Drummond,
mudou o sen esefipiorio para a ra
do Imperador n. 90, onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua prolissSo em todos os dias
otis das 10 lloras da manhna al
as i horas da tarde. Pora dessas
horas, c para qualquer occorroncia
Argento, ser encontrado no seu
Rua larga do Rosario n. 4 A.
fcftoci .hdade na preparacao dos gneros ali-
menticios, promptidao e assoio as ciieommondas
e boa organisacan no estabelecimento. Recebem-
sc s>jgnaturas para o estabelecimento e a domici-
lio, (acuita-so a leitura de jornaes nacionaes e es-
trangoiros Espaeosa sala para o elegante jogo do
bilhar, e ha decente c commoda hnspedagem.
.Kii^'in ao da 2-" de jullio pi.iximo pas-ade
do oenlio I na. comarca do Gano, o preto Anto-
nio, efioulo, idade 28 annos, altura regular, secco
do corno, cor Tula, as nadegas um pouco grandes,
pos fetos do cravos o bichos que leve ; levuii ves-
tido camisa e calca branca, chapeo de bata de
cor j nsdo : i'oi vendido pelo Sr. Lourenco
VL'ira de Helio, descona-se que seguir para o
ongonho Paciencia por la ler pai. Quem o pegar
6 levar ao largo do Par..izo n. 11, ser lem re-
compensado.
Alm do completo sortimento de perfu-
narhts, de que efectivamente est provida a
oja do Cordeiro Frevklente, ella acaba de m3Ssa a? ma's Irnda* possi^cjs vcsljdas a _:.
^ceber um outro sortimento que se torna ra4er.
otavel pela variedade de objectos, superiori- Hkoa glnlns para carfliieiro do gaz a
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodo, do
muKo conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descato;ar, al-
godo do autor New York Cottor? Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro o mais toda a maeuina.
MACHINAS ditas de Roller Oms, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodio.
MACHINAS de facao do fabricante Platt B. A C, Obdhan PatcntLiverpool.
Todas estas machinas s5o de superior qualidado e as melhores quo tm platica.
vindo ao mercado ; e para a soa apreciarlo convidam-so os senhores agricultores .
virem a exposifio das mesmas na na da Cadea do Recife n. 5G A, loja^do Bastos, onde
encontrarao mais o seguinte:
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
KECIFf: A* OliIMDt.
Por ordem da directora sito convidados
uS Srs. accionistas elTecluarem no praso
de 10 dias (a contar do dio :i de setembro
prximo) a 4a prestacao do suas acc es na ra-
zao de 10 "/o- P'ira GSS0 fi"1 St'r^ encon-
trado q Sr. thesoureiro todos os dias uteis
desde as 11 horas da manilla al as 2 da
larde no senesr.ripiorio, ra Nova n. 35.
Rscriptoiio da companhia, :I0 de agosto
de 1809.
Io secretario,
7/ffo. Jvst.
Ama de leite
Procisa- e de urna ama de leite para criar urna
enanca de idndc de auno e meio : a tratar na
ra do Apollo n. W.
Compauhla l*rnantbucaiia
1K' ordeni do conselliTde diraceio da compa-
nhia l'rnambucana se az publico que somonte
at o lia HOdo cortante nvz serao aceitas assig
naturas do accoe- di me-ma- companhia cuja
eioissao se ada annunciada. Peni; mhuco 2 de
setembro de 1803.O gerente. F. V. Burgos.
Antn
Jos Mirtins Alvos di Crt, faz
sciente aos seos antgos o comilentes. que
mudoii sua residencia da ra do Fogn.
I, para a de. Hortas n. !)G. aonde prometle
comorir suas ordens como do costume e
io HenrH|UH KodngHes e Joao Pe aro
RodriflDcs, tendo de mandar celebrar una missa
na matriz do Corpo Santo, si guda-feira 6 do cor
reme, as 8 horas'la manilla, or ser o I2nniver-
sai o do passamento dn sua p reza da mal D. Car-
lota Mara Joaquina l'odripncs. con idam a seus
paronler. e pessoaa de ;aa amizade para assistirem
a este acto reliamso.
i 11 nmmmmmm
iade, qualidades e commodidades de pre-
sos ; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
i espera continuar a merecer a apreciaQo
lo respeitavel publico em geral e de sua
ooa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
i barateza. Em dita luja encontrarao os
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Laminan.
Dita de-Cologne ingleza, americana, fran-
jeza, todas dos mclhores c mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes,, c vilete paratoilet.
Elixir odontalgico par;Conserva?o do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qnalidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
aomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essenciadmperial do fino e agradavel chei-
'o de violeta.
Outras concentradas o de cheiros igual-
mente tinas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo $e superior qualidade,
^>m escolhidos che-ros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
oara mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Oebulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhns de raSo.
Machinas para cortar japim.
Cannos de chumbo.
Bombas de lapy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e latao.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro,
i'olha de Flagres.
Machados americanos.
Faces ditos.
Balaios o cestas de verguinha.
Yassouras americanas.
Folies de todos os tataanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Foiha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de fer.ro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas o revolvere.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moiiihos para reinaQes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Sorras avolsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertenecs part as
mesmas.
Latas de gaz,
Pncisa-se por aluguel de urna ne-
grinha de lia lannos, para servico in-
terno de pequea'familia na ra Direita
n, 79 'andar. ____________
_ Alnga-se a casa n. 88 da travossa do S. JoSo
com 2 salas. quartos, quintal e cacimba, preeo
de li.OOO : a tratar n t mesmo lugar.
Precisa-se de urna ama para comprar, cozi-
nliar e engommar para urna pessoa : na ra da
Senzala-velha n. i'-t, 2*1 andar._______
Joaqtiim de Vasconcellos Pinto declara aos
soiis fieguezcs amigos/ eouheddos, que contina
a comprar assucar no arinazem deronte da csta-
cao, cintjanii ll-ira, e pede a seus freguezes que
com elle tem relacoes de negocios, facam dili-
genrif de saldarem suaa emitas esta >'afra, bem
cuma fornece-se saceos para reeeber assucar em
pagamento.
Ozinheira e eu^oranladeira.
Urna pequea familia paga 3000o mensaes por
urna cWrava que counfte bem e seja de boa con
danta, o 334 a oiitraque soja perita engommadei-
ra, se agradaron) oao se duvida adiantar alguns
mezes a quem convier pode, dirigir-se em carta
fechada a L. M. F., confeitana do Sr. Freitas, na
roa da Cruz do Recife,
AGENCIA
EM
Chamic- a
Grande sortimento de. objetos de
loura pura brinquedo do menino
Garrafa com tinla a.....
Dita com agua florida verdadeira a
Dita com uta dita a .
Fraseo remolco de babosa a ifv I
Dito com agua de Colonia a 300 e
Garrafa com agua divina a. .
Frasco com extractos finos a .
Latas pequeas com banbi milito
lina a i'i1, e......
Sabonetes rte diversas quali lados i
80, 60,140 e.....
Finas escovas para dentes de 120 a
Lindos foques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a 40 o .
Bacovas para fado a >' 0, titH) e
Ditas para cabello a .
Pentes para tirar piolli) a 1<>0 o.
Brincos" de cores, bonitos a KiO o
Pe^as de tranca de l'ia com S
varas por.......
Oleo para machina do costura,
fiasco a........
Pennas d'aro tinas alias a 800 c
Dita d'aco Perty, caixa a. .
Ga!3o de algod3o pera ....
Lindos habadinhos e eiMlMcios
peca de LiOO a......
Boloes do madreperoli, groza a
Ditos de louca muito lino a 120 e
Ditos para calca a lt0 e. .
Caixa com papol amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreas a.....
Caixa comagulhas fundo doiirado
Ditas de ditas ditas a. v. .

Ditos muito finos era caixinha para barba.; Thesoura para coalara a 240 e
Caixinhas com bonitos sabonelcs imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
aas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papcl5o igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Caixa com hnha de mana a
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Cairelis de linlia Alexaudre de 70
al 200........
Grampos muito tinos com pausa-
ros, duzia a......
Bonitos vasos de metal coloridos, e de Cartas portuguezas, duzia a
.ir..
Precisa-se de urna ama livre ou escrova para
todo o servico de e; sa de pepuena familia : na
ra das Cruzes n L
Finalmente muitos oulio3 artig ospertencentes lav.>ura e artes, que pela
diversidade seria enfadouho enaumera-ls.
Swpwriwree sodas de cor c Ustras a 1,5608 o covado.
Lindas pocpolinas de 13a, com grande variedade de cures escuras e claras a
360 rs. o covado.
Pefaa de muselina branca com salpicos e com sote metros cada peca, polo ba-
atissimo pre^oife 4.000 .1 peca: na leja das Cofeimnas, ra do Crespo n. Vi, de
Antonio unt* q\ Vasconcellos A C.
Precisa-se do urna ama que saiba cosinhar : a
tratar na ra da Qtieinude n. ;>!
|Do Dr. Ayer.
Ama
Prccisa-se de urna eserav que cosioho o da*
rio de urna casa da familia, faca as compra, pa-
ga-se lym : nariia dos Pires sobrado n. 27.__
Despedida.
Candido Alberto Sadr da Unjta nao
pela brevidade do sna partitla ao snl do imperio,
despedir-so de cela nm de seus amigos, pede a
todos dcsculpa dessa involuntaria falla, o olfereco
o seu limitado presumo em qualquer lugar em
que se ache.
PKIT'lRAI. DE CEREJA
cura phtisica e ttnlas as molestias do peilo.
SALSA PARRII.HA
cura ulcerase chagas antigs, empigens e darlos.
TNICO
conserva e hmpa os cabellos.
PILLAS CATHARTICAS
purameute vegelaes e sem mercurio, cura se3oes,
prgame purificantodo u systema humano: ven-
de- e nicamente em casa de Samuel P. Johuston
& C, ra da Senzala-nova n. i2
- i,,.i i i *
Opera Italiana.
Euconlra-se em casa de Andr Delsuc.
podendo, cabellereiro, ra do Crespo n. 7, Io an-
dar, um bonito sortimento de luvas de pel-
pcov a ^ca mijrca rnirantida de Jouvin.
olfereco__________Z_______i____________________
Precisa-se de urna ama que eozinbee com-
pre : na roa boperial, sobrado n. 1, 1" andar
inoldes novos e elegantes, com p de arroz
* boneca.
Especial p de arroz sem composic5o de
meiro, o por isso o mais proprio para crian-
;as.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difierentes
jualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda nial* enqnes.
Um outro sortimento de coques de ne-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
i alguns d'elles ornados de flores e titas,
sto todos expostos apreciado do quem
is pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS. ^
Obras de muito gosto e perfeic5o.
Plvellas e Illas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
ios, ficando a boa escoiha ao gosto do com-
irador.
- Htu.
!# O
7;' I
"01
BtMi
U I*
:i')
74
I4>
600
IAKK>
iltoo
loa
800
200
840
700
480
0
-I)
lf?[)
OD
180

Km
10.'

200
WitM'
:->tioo
Veiid -se
milho novo em sarcos grandes : para ver, na com-
panhia Peniambucana.e tratar, no armazcm da
Estrella, largo do Para izo n. li. ____________
Vinho
Vluga-se urna mulata cozinheira e costurei-' Precia se de urna ama para
ra : a tratar com Albino Jos Ferreira da Cnnha, I rua Imperial n. 4. sobrado, 1 andar,
no largo de S. Pedro n. 4.
cozinhar : na
cozinhe e en-
Prertsn-se de ama ama
do '".abug n. 18. sobrado.
para cozinhar :.na rua
Alu^a-se
Precisa-se de uoia ama qoe
gomme : na rua do Cabqg n. i?*._____________
Aluga-se um dos lados de um se?un- n ^ an(]ar 0 snir do andar, porto da ribeira, proprio para n t Pom muiios comniodos e bastante acetado,
escriplorio ou moraiha de iomem solte'u o,
iBtiRM esliidaote: traliT na na da Con-
cordia n. 125.
0
EO DE JOIAS
G/2
GOMES OE MOTOS IRMJ&OS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias. com ofimde
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
ROA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha tle mais elegante,
be\\o e precioso em brilhaiites. esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata c platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHftNTES. ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nfio visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Comprara e trocam qiudquer joia ou pedra preciosa e garantera
a qnalidade dos objectos vendidos.
visto ter-se reedificado ha poucos dias, arha-se a
chave no Io andar do mesnio para qnem qnizer
ve-lo. o ahi saher onde *e alnpa.
Manncl Jn- Gmcalves Peret, a tewvinho line.
(puro) vindo do Porto, em caixa de 12 (arrafas!>,
proprio para presentes, mimos, ote. atlan^ando-se
MU boa qnalidade, deelara-se que dote genero
nao tem vindo a este mercado ; ua rua da Cruz
do Recife n. 30.
Vende-se umescravinho peca le idade
de 12 a 13 anuos ; na rua do Queimado
n. 13. Io andar._____________________
Vende-se um molequiuho d 7 para 8
annos. bonita figura e milito sadio ; nesta
iY|iograpliia se dir quem vendo.
Ditas francezas a $200 o
Pa>el almaco e de peso, resma a
3#4O0, :iA500 e .
m muito fina para bordar, libra
Fita de algodo para debrnm d>
sapalos, peca a.....
Dilas de 13a para debrum de ves-
tido, peca a......
Pentes finos para segurar ca-
bello a ".....
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 2i0, 320 o......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar pehna a .
Cartoes com colxetes a \
Rosetas pelas, par a .
Tranca de 13a d caracol peca i 40 e
Fita de coz pega a 480 e .
AlfiliCtes de latao a.....
Sapatosde 13a para menino a 40e
Ligas pa a senhora. par a. .
Grvala de sedas de ores a .
Cslcadeiras a.......
Grande sortimento de rendas das llhas.
Um par de suspensorio d- borracha ;
lOOris! !!!!!!
Xa vertlade rna d tVmlawa^
POTASSADARUSSIA
A mais nova no mercado, a pire,,. ia/. bm-I o
armazem de Manoel T Basto, rua do O-mmere.
n. 13.
T
4B00
0(5700
ir,'.;
reo.
3?')
560
:.
roe
i."
100
100
MO
WQ
ROO
ICO
aao
8fl
GO
383
Ote
"Preci-in-e de nm mesire de francez: na rna
do Queimado n 19.__________________________
Ao commercio.
Francisco Ferreira da Silva declara ao comiier-
cio que de honteo em diante a taberna sita na Ira-
vessa da rna das Cruzc n. 12, quo gyrava sob a
lirma de Miranda & Silva, fleou somente penen-
rendo todo o activ > e pa ter o socio Manon!- de Miranda da Pedra Jonior,
amicarelmente dissolvido a sociedade da referid*
taberna. ______________.__________
~Z~No >iit*i da matriz da Hoa-Vi-ta n. 1. preci-
sa-se aliigar urna eserava para vender taboleiro
com bolos, en sen senhor garanta ma conducta.
*- Pa rua do Vigario n. 7, armazem, preeia-sa
alusir um ccravo para -ervieo de casa, a qnem
se dar boa paga e soirtento, poden'loir dormir em
casa le si-uWibor, bastando se achar as 7 noeas
da manhaa.
COMPRAS.
i
Com muito maior vanlagcm coinpram-se
moedas de ouro e prata : na toja de joias do Co-
raejiojle Oum n. 2 D, rua do lbng. -
0 mozeo de .joins
Na rua do Calinga n. 4 compra-so ouro, prau.
pedras preciosas por precos mais vantajosos rt<
|ue em ontraioalquer parte.________________
Ouroeput
Comprnm-se meedas de ouro 3 prata de toda>
s-q*iiHd,. por bttm-prr^o : na -rn%-da C?~
do Herir I dn'BllutejO._________
('j)ii. rota de to-
dos os valores, nffnff prat.i em rtbr.-.s iniitili-adas
brilhuntes e nia;s pedras preciosas : na luja de
oorives do aren da leoiceieo. no Rerlfe.
Couij lava ia loeia idade. si-
a. e bou co>iuiues : na rua do Crespo n. 12,1"
and r.
Vende-se urna muala de 28 annos
lava, engomma e cosinlia ludo o que se
chama bom : na rua de Hortas n. fld.
Vndese urna ca-a terrea de pedra e cal,
chaos proprlos sita na rua do Amparo da cidade
ilo Olinda n. 4o : a tratar na rna da Cruz n. 21,
l nadar.
Urgen eia
Goncalves A Toixeira tem p:.ra vender travs
de qualidado e >m 40 pahnos de comprlmento e
12 pollegadas de grossura : na esqoiua da rua
da Penha n. 8.
Vendaje a armaca > da toja n. 43 A si,ia a
rna do Hortas, eir perfeitn estado tcvla pintada e
de bom l'ium, pmpria pan qnem qnier e lecj-r um deposito ou fabrica de cigarros e cha-
iiitns : a tratar na luja contiguo n. 43.
para encanamento d'agoa
Canos de ferro forrados do porcelana, e asl-
nhadis, ao diver-as ur..ssuras_: venda na ru
do Queimado, Azevedo & Irmao.___________
\enoe-se a taberna da rua c na mesma'casa ven'le-sc urna mes;. d--jant:lr. '
dita redonda, e mais-alguns ebjerlos em honi e-t?
do ; vende-s- em cunta por o d"iio retirar-n par.i
fra : a tratar na mesma.
da i"ti-
CIG&RREIROS.
No armazem n. 18. travesea da Madre de Deo\
v-ende-se papel de seda para cigarro, marca innilo
grande, e superior qu ibdade. por proco cnnoiodo.
Vende-se urna mualo de 19 a M annos, la-
va, c izinha e engemma muito bem, sem vicios nem
achaques : a tratar na rua de Santo Amaro n. !.
defronte da capella da Sokdade___________
Vende-se muito boato i sof, 2 cun-lu<. 1
mesa redonda, e 15 eadriraa, da; qnaes 2 sao d
braew e I do balanco, com alunra no. mas em
muito bom estado : a tratar na rua oa Pan/ia nu
mero 31.
Predi >s uovos
Vcndem-se duas easa< terreas muita bem con-
truidas, solo proprio, e que se pode levantar so
hrado por ter alicorees bem fundados, sslm mino
os ni'oes, na freguezia da Ba-Visto : a tratar na
ruado Mondego, olarir, com Alexandre dos-Sanl"?
Barro'. __________
flarante-se a as, p<-rtanto fai cont.
apenas algumas mercadorias e aiii.ac.au
dacSo do armazem da luja rua Nva n. fiO. I
sciente ao publico interessado, que liquida
armacao e merendonas exlstenie aimla no I--
armftcSn -
armazem, e por consequencia e negocio moinw-
Uvelinente vantaioso, visto que se girante ;< i
quem pretender dirija-so a tratar no un "
niazem.
A rna do Livramento n. G. oentu i
ver para vender por prega r is. aveis,
inllior si dio
morcado.
verde at boj.- viudo a esW
v
GNNIM Fi HMrl
Comt^ram-si c vendem s.^ diariamente psva16Ta
ed cores e se vos. com unto quu sejam sadlos: n>.
terreiro an. ''r di sonrsdo n. S6, a rua das Gnes,
freguezia de $*aio Antonio.
Novidade.
VWS EMACAAS
Cbesaraai no rltimn vapor da Europa, actem-
se venda no petit restaorant no Hotel Central,
rita estrena do Rosari n 44.
Taberna.
Vende-se urna escolente taberna fia rnaDirolta
"n. 92, nafregii7.ia dos Af gados, a qnal e acreditafti.tendopmens fundos, prepria para al-
mam principiante ; o motivo dessa venda dir se-ha
ao pretndeme. Adverto 'iedmdmo tem bi ns cmmodos, o aconhlnndo o an-
dar do sobrado per rima do referido esfahelerimen-
'lo : a tratar na mesmo., on na reta do Rangcl, no
ajougue u. 61.
los Mora Palreeira contina ven I. r ei.i :
escripiorlo. Irfrgo do Corpo Sanio n. 4, Io and:
PotiSi'a da Russia suicrior.
Lonas da llos-dA dcTBperior MnaMn;
Brintrt da ttusla :de topertu' quliii
Cemento p.-rtiand.
Dito t -inaiio. *
Pao de algodao do commecdarlor PKi
Vlnho Bdrdaiix._______
laUf fresco e aWare
Vendo senm sitio pequen >. nmij
cssa doTWlraflo. caa para feltor, c
bar, boaHgoa de beber, gran le rae.
iHimba e taixdie para banho e
muitos arvoreoos e Se militas qnaHwm>
tudo a beira. ^rio no ponto in
eo mais hlfaVel dos ar;
(rsur na t ** uj>*' andar
Vendo->e salitre rrvwaria;
rua da Cadeia do Recife n
.,,(,
llaVI


<
d de J'oinaiubuco Terqu feirtt 7 Je Scleinbro de 18G9.

LllIDArO
Oproprietari ni de fazendas de ARARA-, na da Impera-
ban. 72, deolai ao respeitavel publico eseus i. que est faodMo /odas as
las o roupas lebas que.tem ein sen cstabelecitnenli' Como so-poder ver no seu
auiiuueio e preco abaiso tuuuciunaue,
Chitas fra t&eexas iisxladas a
3 SO rs.
Ven.l.'-sc chitas francez: s matua-
da|a320 rs. o covado por este crece sna
1 cja da arara, ni.i da imperatriz u. 7.
LAAZlNHASA fWatS.
Vi^n.l i-a I i'.'uias |)a>a vusiidos do se-
nlwra a 40, 80, ItiO o 4 rs. o CO-
vjdo.
BAI DE LAA A 00 RS.
bareges du 13a cen batas para
vesdo de seniora a .'ilX) o GO rs. o
curado.
Alpaca* do Distras a 50D rs.
Ve.rle-se alpacas d i tUtras para ves-
dos de ;: 300 rs. o cotudo?.
^ cutas i'(',ANct;z\< a m> rs.
V u li-so ctiias francezas ciaras a 280rs.
y cnvail i.
CdftTES DE LA PARA VESTIDOS A
MO.
Vende-80 corles la para .eslidos de
us a i iOO cada mn,
PERCALES A 4i(i US.O COVADO.
V .i i -so parales i.uio linos para vts-
tidos do senhora a i 40 rs. o covado, mur-
sotnas biancas finas, a 300 r&. o covado,
1 : haiilinas de cores, a i';U rs. o covado.
rftaies u:h2ci*mos E otias as
cores.
Vendes balos moderno sbranco edec-
re-:i a. ',.>;j 'Oc ;;.,.
BEHTOHES DE ADCODAO A I500.
Vaode-sc cobertores de-algodSt o 1)500^
efth-' tas I chitas a liS(>0) o 2$ cadanma,
INGAS 1'ARA CALCA A 340113.
Vemle-se ganga para calcan '.20 o cova-
do, brim d" conos para calcas de hamem e
meninos a 400 rs. o covado, caemiras de
ojivs para calca e paiitois a 2>500 e o..>,
a ""vid i. meias casemiras (ifeiladas para
Olease palitots a | aovado, brim panto
!-1 las as quididades e brim branco de
todas as fjaaiidades na iuj da Imperatriz
?i. 7.
Alpaca* lias rs. "t*jg
Vn le se alpacas de cores lizas linas a
Gi'i rs. o covado, tarlaauas do cores a 320
rs; n metro
MVIHPOLO ENFESTADO A 31300.
V-'iid,'-se pecas de ni.ulapo..) enfestado
i -iiJ. pecas de raadapnlo i'iglez do 24
judas a 5#, 65iOO, 7:>, 85 o U') a peca.
45 RIJA DA. CADKIA 45
DE
Algodo eafestado AOOrs.
Vende-se algodo infestado prnprio para
lences c loadlas, i 1KX) rs. o metro, dito
Iranrail.) a l, metro.
Chales ieincriu 2,*. .
Vcjido-se diales de merino estampados
a 2..'. cuales brancos e du cores a 1000
Cada om.
COIMES DE UlM CASTOR TAHA CALCA
A 040 te.
Ve !:-sc urna grande porcao de corte?
de brim castor para cale de hornero, 040
rs. cada m.
irniailepore derclalhos
Vende-se grande porco de rotali.
chiii- cassas prelas a 100 e 00 rs. o
cova lo, reaili: de cassas, la e chitas de
cores baratsimos.
W il>AM A ROt'PA FEITA
\ k' ide-se paiitois de brim de cores a 2r>,
ditos de apacfl de cores a2$. dios de
nac i ca*eiaira a <* e 25')O0. ditos de pao
no preto hora a 8 e I0, calcas de algo-
dSy aztd para esciavos a (40 rs. ditas de
afgodaode Hstras a 800 o l;. camisas de
iscado de littras a ,S0U rs. cada una, cole-
tes de brim c fustn de cures a l,->e lotiO,
Coletea lie ic.-einira decores a 25500 e U.-j,
e outraa ouiitas cpialidades de roupas feitas
que se vende-por baralissinio pi^jco.
Al^oilo ilc ISstras a SOO rs.
o cavado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 00 rs. o covado.
l'E-.iA DE ALG)).\() A 4/.
V'..;;.-.- pacas de algodo 4-5000,
5:.vO C)000u7'>, para iipiidar.
Kale de arcos 1 509.
Vendu-SQ baloes de arcos pan senhoras
M.
, lilil
S015 A DIRECgAO DO MUITO IIAllL ARTISTA
Laurmno, alfaiate.
Os proprietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado anecessid
urgente de ler na deccao de sua oflicina de roupas por medida, um artista perito, t
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, cojivictos de que
com todo o capricho a vontade do ficguez.
Tem o mesmo estabelecimento omboms'irtimemto de fazendas proprias para
roapasde homem.comosejam: casimira de cor, indos padroes, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos c de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, liados cortes de gorguro para collete,
gorguro I'ekm, superior qualidade.
Os freguezes encontrarao anda um variado sortimento de roupa feita, camisas
ingieras, collannlios, ceroulas, grvalas prelas e de ptiantasia. mcias para homens, sc-
uhoras, mernuos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, amainado,
baloes do diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e otros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus preco incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
ade
tem
satisfar
RIVAL M
lina do Queipado ns. 49 c 57
tojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as midezas de seus cslabe-
f cementos por tsso queram apre-
ciar o que e bom e baratissimo.
Pecas de liras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
lwO, 2& 3 e.....
Caixas de linita com 50 novellos
Pares de sa palos de tranca fa-
zenla nova a......
Paras de sapais de tapete
(s grandes) a......
Ouzias de mcias cruas para ho
4/>O00
500
mem a .
pelo baratsimo pceo de l>*i'K) cada um, TrI,mO'i'S do Porto fazenda boa
i 5500
.31600
(orles decambeaia barras
a 3&000.
Vende-so corles de cambraias barrea a
y 6 '< cada um.
LBSCJQfi DE SEDA A 040 RS.
Vende-se lencos de seda a G4 rs. cada
um, para liquidar-
CARTEIRA PAA VIAf.EM A !;>.
Vende-se carloiras para viagem i.->
cada orna.
Assim como vende-se chitas para cobert-.s, a 240, 28<) c 2M rs. o covado,
ellas antes que se acabem Indas mais razertdas e roapas 1'eiias. e que pelo preco que
ai v.-nder ou liquidar, poneos di as podar dura.', e auem se qnizer sortir de fazendas
' roupas feitas para a festa iw'to preCb que Iha a/radar, se poder dirigir a ra da
mpriratriz rmaidmda ABABA, QU estar aberlo todos os das uteis, das 0 horas da
.nauliaa, s 9 horas da noitc.
72. Erna da Imperatriz. 72.
?W5&f
CONVITE GERAL.
0 proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da lape*
rairiz n. .);. declara ao raspeitavoi publico que lendo grande deposito de fazendas ein
ser e desojando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidaco que fin-
rtara no dia 15 ou 2u do cornmte, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
le ne boas fazendas. e por diminuto proco, a Sber:
CHITAS LARGAS A 280 rs.
v :i h :i(0 rs. o covado.
ALGODAO ENTEST VDO TRANCADO A
I;M)00.
Ve.ude-se algedio enfestado trancado para
lencoes a 16000, dito liso enfestado a 900
o ni'tro.
CASSAS FRVNCEZAS A 240 RS.
ve idem-se cassas fraueezas para vesti-
dos de sonhora a 240 e 280 rs. o covado.
M\D\POLO ENFESTADO A b^OO.
Vendem-se pecas de madapnlao eufes-
l|du a 3300, dito inlez de 24 jardas ou

22 metros a &$, U, H, H, 9 e 10^, a
pera
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vnndft-se lanzinbas para vestidos de se-
niora a 00, 240, 320. 400 o 500 rs. o
Covado.
BYHEGE PARA VESTIDO A 500 RS.
V Mile-se barege de listas para vestidos
a 500 e 040 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5..rs. O COVADO.
7*N'ndem-se alpacas de cores a 500, 640
e 7< rs. o covado propria para vestido de
seniiora.
SEDAS DE CORES A i*.
v^nde-se sedas de coras para vestidos de
seobora a 15 o covado.
PORCO DE RETAJLHOS.
le-se urna porcao de retalhos de cas-
U$. da la asedas e de outras fazendas
por milito barato preco.
A elta antes cue s acabem.
CHALY DE' CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CUALES DE CASSA A i.
-se chales de cassa a 14, e de me-
rino a t.
TES DE LA A 81460 RS.
lem-se cortes de la de listra para
ra a 24400 rs. para aca-
bar. ,
\LGODO A PECA 4d000.
e pecas de algodo a 44, 5^, 60
e 7:5 E muitas outras cou.-as qaej
teria e,niadoabooienia''nu'.
CHITAS PARA CO BERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dila encarnada a 30 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 2#500.
Vende-se casemiras de cores a 25500 c
SfliOOO o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 3(5000.
Vciidein-se chapeos da sol de alpaca pre-
ta a 300O, ditos do seda a 10$ cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Veade-se brim de cores para caicas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
.angas para calca a 3SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
paiitois de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSEMNA BRANCA A 500 RS.
Venda-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dila de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 c metro.
Lencos brancos a 24.
Ver.de-se lencos brancos a 25 a duzia.
Collalbas e manguitos para senhora a
500 rs. *
Ditas de linho Gno a 15000, para aca-
bar.
(GRANDE SORTIMENTO _
DE ROOPA FETA DE TODAS AS Ql'ALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em nutra casa : por
isso os pretendentes podero vir examinar
para ve> a realidade do annuncio.
Velbutiua preta a 320 rs. o covado, para
acabar.
BALf)ES DE ARCOS A 15500.
Vendan -se baloes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um. ditos modernos a 45.
BRIM IIAMBURGO A 85000 A PECA.
Vendem-se pacas de l^im I izo de ilam-
burgo a 8,:, vera a ser mais barato do que
algodaosinlio.
. CORTINADOS A 145000,
Venda-se oorfinados para cama a 445
para liquidar. Ditos para janellas a 75.
Todas estas fazendas om muilo
c pelo proco melhor 100 attos a
Livros de missoes abreviadas a .
Duzia do baralhos francezes muilo
finos alOO o.....
Silabario portuguez com estam-
pas a ........
Grvalas de crese pelas muito
finas a ......
CartSes com clcheles de lato
fazenda lina a......
Abotuaduras do vidro para colete
fazenda fina a .
Caixas com penna d'aco mnitc
linas a 320, 400, 500 e .
Caribes de linba Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linba Alexandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias
de massa a......
Duzias de agulhas para machina
Libras de pregos irancezes di-
vers tamanho a. .
Livros escripturado'para rol de
roupa a........
Talhercs para meninos muito
finos a. ......
Caixas coin papel amizade muito
fino a........
Caixas com iOOenvelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalbas fa-
zenda fina a......
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linhacom 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de louca muito
finos a. .......
Machinas vapor de
forca de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavados.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes para desca-
nsar algodo.
Balanzas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar canas.
Fogo americano patent
5200
25000
580f
43i0
5500
5020
5500
15000
4100
5100
5040
25000
j 5240
5120
5240
5700
5600
5320
5500
5320
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
lisia do Crespo n. ?
Os proprietarios deste beni contim-jj cslabele-
ciiuento, alero dos muiros ohjectos que liiiham ex-
postos a aprecia cao do respeilavel publico, man-
daran! vir c acabara de receber pelo ultimo vapor
da Europa nm romplelo e variado sortimento de
finas o mui deficadas especialidades, as quaeses-
la-. resolvidos a vender, como de sen custuuic,
por procos muito baralinhos o commodos para to-
dos, con tanto que o Gallo...
Muito superiores luvas de pellica, prelas, bran-
cas e. de mui lidas cores.
Mui boas c bonitas golliuhas e punlios para se-
niora, oeste genero o que lia du mais moderno.
Superiores peines de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos eufeites para canecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vlri-
Ihos e sem ellos; esta fazenda o que pode baver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de tnadreperola,
niarfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias lio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vondei afu por 30(KK)
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alm destas, temos tambem gratulo sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas milito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castaode marfim com lindas e encantadoras (gu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tamben) grande
quaolidade de oalras qualidades, como sejam, ma-
deira, baieia, o>sa, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cicotiulios de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora c para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
Navalbas cabo de marlini e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramus sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas copellas para ooiva.
Superiores agulhas para machina c para croxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eucher
labyrintho.
Bons baralhos de carras para voltarute, assim
como os tontos para o mesmo lim.
Grande o variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes. e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois podero aquel
les que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
derros collares, c os quaes attendendo-se ao flm
para que sao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dasebjectos que deixamos
declarados, aos uossos freguezes e amigos a virem
5160 eomPrar l,or precos muito razoaveis loja do gallo
" vigilante, ra do Crespo n. 7.

Grande e completo sortimento de machinas para
descarocar algodo de nova inven cao chegtdas l-
timamente ein direitura para a loja de Manuel
liento de Oliveira Biaga & C, na ra ireita n.
33. Giiiante-se que a melhor qualidade que at
o presente tem viudo ao increado : acliam-se ein
exposieao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento_de pesos kilo-
grammos de melhor comprehensao dos que lem
viado at o presente, assim como marcos de lalao
ato meio grammo pelo mesmo systema, batanea*
de latao de forca de o a 20 kilugrainnios, metros
de madeh a e de lalao para medir fazendas, .ilm
de grande sortimento de midezas e ferragens o>
todas as qoalidades, ludo por precos que s a vista
faz crdito : na rita ireita n. 53, loja de Manuel
Bento de Oliveira Braga & C.
-COGNAC.
De superior qualidade da mui acredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, foruecem para o cousummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
coifimercio n. 32.
BAZAR UNIVERSAL
* -ma Nova
Carneiro Vianna
Neste RAZAR encontra-se um completa
sortimento de todos os artigos que se ven-
den) por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposifao servicos a electos para almo-
co e jamar, salvas, bandejas, taboleiros, bol-
sas e malas para viagem, iadtspcnsaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, berros, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco.
espelhos de todos os tamanbos, molduras
para quadros gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente de sopli, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos oulros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pan ir examinar.
21.
t.gWkESPEMRCA
200
0^
hiradiini carnis
Este producto alimenta<;ao para doentes, mui
9 ski apropriada para cranlas e para as pessas saas;
' I indispen-avel a todos, porffi, principal^iente aos
viajantes, que tero nelle o recurso de poderem
IfiO ter alimentaeao de carne fresca iucorruptivel, e
que com facilidade se aprompta c se conduz, por-
que n'um pequeo volunte carrega-se alimentaeao
para maito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
ca> dos senhores de engenhos que encontrarao no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentaeao
agradavel, hygionica e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo proeesso do dis-
tincto medico r. Ubatnba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de croar um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezando & C, ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cadea o. 32.
as pharm.'icias dos Srs.:
Manocl Alvos Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rion. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, praca da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto irazem
urna guia para seu uso.
Scbonete de alcatrdo.
DK
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que Uto boa
acceitaco tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerl
das impigens. sarnas, caspas e todas ai
molestias de pelle. -
Deposito nnico,
Pharmacia de Bartholomea & C,
34ra larga do Rosario34.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna eflicacia verdadeiramente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, suffocacoes, catharros,
bronchicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtode contra
o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
I barato na ra da Imperatriz n. 50.
CEMENTO
PORTLAND.
\ ende-se no armazem amarello do Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceieao, em barricas grandes.
Balanpas orizontaes
Pelo novo systema de kylo-
gramna.
Vende-so no armazem de J. A. Moreira Das
ruadaCrutn. 26. '
Cal nova dw Lisboa.
Loja de midezas de Ferreira da Ctinha-
Temporal, na do Queimado n. (53, est
quimando por todo preoo :
Jogo de vispara a 400 e 300 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 300 rs.
Linha de 200 jardas (duzia; I 200.
Caixa muito fina para p de arroz 1500.
Relugio de sol 120 rs.
Latas com banha lO, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a I .-J300.
Agua divina idein 1-5400.
Gravatas prelas para homom 4 0 rs.
Pentes de Iravessa para menina i 30 rs.
Olio phocme verdadeiro 1-SOO.
Aderecos de plaqu 15300,'2A' e .">>.
Meias cruas para homem 3,->300 e 4^ a
du/.ia.
Rolos enfeilados para vestido, 1^200 a
duzia.
Leques do santol S#, cada um.
Dittos de madeira 3^ cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 25,
20500 e 3 cada um.
Meias linas para senhora 4,5 a duzia.
Oanha em frascos a 400, 640 e 1^200.
Frascos com extracto muito fino 2$ e
25500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500. 600 c 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Carlas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com extracto 25500.
Cartas portuguezas a I20u20O'S.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos jretos 200, 240 e 320 rs.
Galo de lia para vestido (pessa) 400 rs.
Fita do sarja lisa e lavradas, i>500,
25 25500.
Caixa ciim obreias do maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 15.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
240 rs.
Laa para bordar de todas as cores (libra)
65800.
Rois para menino 15, 25 e 25500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M ias para menina (duzki) 35 e 35500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 o 800,
Capellas francezas a 25500.
Facas c galfos, cabo de balanco (du-
zia) 75.
Chicotes para cavallo 600, 800 e 15300.
Rengaba de canna 15, 15500 e 25.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 15500.
emporal pode ser procu-
Rua do Quetn)a(lo"-=2)
Auyerteneia!
A Nova Espcr?nca, a do Quemad"
n. 21 tendo em deposito aWte quantidada
de midezas, e como se appru.w" tem'
po em que tem de ser dado o balanco, p,"
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caderas pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo 13o opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rera, pois qqe para comprar-se caro, nie
falta aonde e aquem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos da
gosto e perfeiro, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n.21,
alm do grande sortimento que j tinba,
acaba de receber mais o seguinte :
Ronitos broches, pulceiras e brincos d
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos a
bandeijas.
brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gaiioes, franjas e trancas da
seda e de laa, para enfeites do vestidos.
Ooles de todas as cores e moldes novoi
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilLos sendo coro
pengentes e sem elles.
Rotees pretos com vidrilhos com pinget-
tes e sem elles.
Luvas do pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque do madreperula, mar
Gm, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
bengalas de baieia.
Finalmente, um completo sortimento da
midezas ra do Queimado n. 21, n
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellcctro-magneh
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por abi intitulados o*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nio creem (comprando-oi)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porn
que detesta a falsificacao principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collarea.-
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crear-
cas tem salvado do terrivel incommodo d
convulces, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a ra do Qucimad;'
n. 21 comprarem o salva vida, para sena
lilhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do, terrivel mal, qnando ento ser di-
flicil alcancar-se o elfeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
Farinha
Na ra Augusta n. 10 se dir quem vende
saceos de faruiha da trra de hni qualidade.
68
LIVAS
Congelo sortimento de luvas no'.is de
Jouvn oe lindas cores cscolhidas ao-ollimo
gosto d'actual moda em Pari^, chegados pelo
vapor uncida, ao armazem do vapor fran-
oez ra nova n. 7.
Feijao
mulatinho muito no. o, em saceos : vende-se por
barato preco : no armazem do Jos Rodrigues du
Carvalho, na travessa da Madre de Dos n. 5.
No ra do Vigarjo n. 19. e criptorjo deTbiA
ntaz de Aquino Fonseea & C, vende-so :
Mercurio de 1 i\i libra em caixas.
Vinhoengarrafado Meneres>.
dem idem de ontros fabricantes,
dem em barris e ancorlas, especial.
Cal de Lisboa viuda pelo ultimo vapor de carga.
Cera em velas de Lisboa.
Champagne e cognac em caixa*.
Car van animal e vidro* em caixas.
Escrava a veridn.
O procurador da viuva de Joaquim Antonio
Pinto Serodio Jnior autorisado pelo juizo com-
petente vende a escrava Luiza, crioula.idade pou-
co mais ou menos de 22 annos, com habilidade,
pertencente a esse casal para pagamento dos crc-
dores do mesmo < nu Nova n. 60, 2o andar,
as 6 as 9 horas da manhSac das 4 as 0 da trrde.
gaz m az
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, rna do imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partid:'
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
qner parte.
ILIU II
Resta venda ura escolbido sortimento de ob-
,ectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand, ntogno eamarello, obra nacional e estran-
jeira, de apurado gosto e por pr$;o< razoaveis :
ta ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
:asa fazera-se com perfcifo todos os trabadlos de
jalhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
tara camas, cadeiras e sopns.
Vinho do Porto fino
Vende-se por 30*000 a duzia igual ao que se
vende por ah a 3* e 5* a garrafa ; na ra da
Cadeia n. 21.
Vend-so na ra do Apollo3,armazem de Reec
& Irmb n. 18.
rado em seu estabelecimento bo-
todas as molestias syphiliticas.Inania, emporal contina a
pelo vender na Bonanza, pelo mesmo
preqo que vendia em sua loja
com titulo de emporal.
Saceos com farinha de
mandioca.
Mala A Landelino vendem saceos com farinha
de mandioca, em purcao. e por preco cominodo :
na ra estreita do Rosario n. 18.
ELEXIXDO DR.SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitac5o tem merecido no Brasil, as
repblicas do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das bonbas, sarnas,
rheumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm da
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
RA
Pharmacia e drogara.
n
Barthomeo & C.
34Rna Larga do Hosarlo3-1
CEMENTO
Vende-se pos de. lar ng iras de urn-
higo e da china, de sapmi de fructa-pao.
lima doce e de umbigo e palmeiras : na
Ponte d'Ucha n. 10.
O verdadeiro e melhor cemento que tem
vindo ao mercado, vende-so por 105 a bar-
rica de 14 ai robas, no armazem de Candi-
do Alberto Sodr da Motta, na travessa da
Madre de Deus n. 14.
____________
Vende-se urna casa terrea de pedra 6
cal na maior arte, sita na estrada da Ba-
Viagem. cm 40 palmos de frente, conten-
d dnas salas e gabinete, dous quarlos e
grande cosinha lora, em terreno prnprio, a
confinar pelonascente com a mesma estra-
da e margem do Rio Jordao. fe pelo puente
com Ierras do sitio do alto: trala-se na ra
Queimado n. 48. primeiro andar, ou na ra
do Hospici < n. 28.
Vended-e libras esterlinas, em euro: n
eriptorio d Carvalho & Nogucira, ra 3o Apollo
n. 20.
i

wu


Diario de Periiambuco Terqa feira 7 de Seembro de I8C9.
__________ \ .
RIVAL Si mu
Rua do Queimadon, 49 e 57 loja
de miudczas de Jos de \4zeve-
d<> rima e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queirnando tu estabeleeitneuto para acabar c fazer noto
sortimerito, por isso queirara vir ou mandar
ver o que hora e barato.
Caixas de liabas do gaz com
50 novelios a 500
Latas com superior banha a
120, 200 o .... 400
Frascos de oleo babosa muito
fino a....... 400
Duzias de raeias (inglezas )
muilo boas a #)0C
Garrafas com agua florida ver-
dadera a...... 1J201
Garrafas com agua divina dame-
Ihor qualidade .... 1)5500
Caixas.com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2550h
Dita com|0 frascos muito finos #800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... {$500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... ,>240
Caixas do p de arroz muito
superior ..... 600
Pegas de babadinbo com 10
varas ...... #500
Pegas de fita de cus qtialquer
largura ..... #50(.
Escovas para unhas muito fi-
nas ... 500
Escovas para denles fazeuda
muito fina ..... 240
Pulceiras de contas de cores
para meninos 200
Gaixas de linda branca do gaz
com 30 novelios 600
Pegas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4000
Pares de botoes para punhos
muito bonito a .... 120
Libras de laa pa a bordados de
de todas >s cores 8000
Pentes com costas de metal
muito finos 320
Novelios de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de botoes madreperla
muito fino -. 500
Sabiinete mudo finos a 60, 120,
160, 240 e..... 320
Pegas de fita de laa todas as
cores ...... 500
Espelhos dourados para parede
1000 e..... 1500
Espeltios de Jacaranda muito
fino ...... 2000
Pegas de trancas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos a...... 320
Caivete muito fino com 4 fo-
Ihas ...... t500
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos 1320()
EM C0NT1NUAC0
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
89-Haaa oa mapaaaiMja-Hai aa.
DE
FLIX PEREIRA DA SILVA.
O proprietario deste grande estahelccimento tendo sido o arrematante da
extincla loja denominada/Afl/IV DAS DAMAS=$ ra da Imperatriz n. 36, o nao
Ide tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidaco da grande quantidade de
fazendas que alli existiam. pelos poucos das que leve al entregar as chaves, vh>8*
ubrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, oPAVO
onde o respeitavcl puolico encontrar um grande sortimento das melliores, fazendas de
linho, 15a, algodao e seda, que se Ihe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinbeiro, c as pessoas que negociam em pequea
escala, tanto da praga como do matto. nesla casa poderlo fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porgues, vendendo-se-lhes pelos pregos que se compram, n s
casas inglezas; assim como as excellentissimas'familias poderlo mandar buscar asamos
tras de todas as fazendas, ou raandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
casas; estabelecimento se acha constantemente aberlo das 6 lloras da manhaa s 9
da noitc.
ALTA NOVIDADE
EM POUPELINAS, OU GORGURO DE LINHO E
SEDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavo um elegante sortimento
das mais
Explendido sortimento de
roupas eitas
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com- bellas ponpelinas ou gorguroes dojinho o
pletamente sortido das raelhores roupas, seda, com os mais delicados padroes qHe
sendo caigas palitts e coletes de casemira, se pode imaginar, assim como urna grande
de panno, do bnm, de alpaca, e de todas porgao de cortes- da mesma fazenda, tendo
as mais fazendas que os compradores pos- de todas as cores e garantindo-se que neste
sam desejar, assim como na mesma loja genero nao ha nada mais bonito era mais
lera um bello sortimento do pannos casemi- proprio para vestidos, e vende-se por pre-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer go muito razoavel na loja de Flix Pereira
qualquer peca de obra, coma maior promp- da Silva, ra da Imperatriz n. 60.
Grande
loja de fazendas c roupas fritos
ra da Imperatriz n. 52,
pora larga,
OE
PAREDES PORTO
Nesto estabelecimento encentrar o res-
peitavul publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
pregos commodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qual dades, brim d-
bonitas ctres e hrancos de boa qualidade,
encarrega-se qnalquer obra por medida e
prego muito commi -do
ROUPAS FEITAS
r:a Ipja da ra da Imperatriz n. 52, porta
larga, de Paredes Porto.
"era nestn estabelecimento um bonito
sortirncnU) de roupas feitas de diversas
qualidades e pregos commodos, como sejam
palitts de alpaca preta e de cores a 3.
33 OeW; ditos de panno preto sacos a
65, 7#e8; ditos de panno tsuperior a
125, 14/Je 16$; ditos sobrecasacados de
dito dito a ISii. iO-S e 55; ditos de case-
mira de cor a 55, 3 e 103: calcas, Golletes
o palitts de casemira muito fina de cor a
20 e 2U5; caigas de brim branco de cor de
todas as qualidades de -$ a 6->; ditas de
casemira preta e de edres de 45 at l#;
Golletes d-J todas as qualidades; ceroulas de
bramante a l500. 5000 e 300; camisas
francezas de linho c de algodao de todas as
qualidades e prego mais barato do que em
outra qualquer parte ; c>larinhns, gravatas;
bonito sortimento de chapeos deso de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 6$ a duzia:
pocfcineha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: todos os freguezes so
poderSo prover dos pos ate a cabega por
rprop oomniodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, cuno sejam, chitas
baratas a 300, 3* e 360 rs. Madapoln
ftw a 7$, Sil e 105 a peca. Algodao (pe-
cbJncL3) a K300 a pega e nutras qualida
dies. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente c Victoria de 3>>(K) a
$# a pega. Lanziuhas de bonitas cores, al
paca* bonitas, selecia a peca com 8 metros
328O00. Esguio o mais lino possivel a
JSOO e 3j5 a vara, o onlras militas fazen-
das por prego commodo, que seria enfado-
so mencionar, na loja do
LElO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
i
Vende-se vtudadeno cimento ; na rup na
Madre do Dos n. annazem deJ"
Marns ce Barros
riu moa
Torneirb para pas-ap-m d'agoa, do diversas
grosswas: na rus 4o Queawdo, Azevedo & Ir
0109.
tido vontade do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel pblico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
los dez mil co vatios de cassas
fraueezas
- Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das raelhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas san propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas,, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muiio mais diuheiro, mas re-
talha-se a :I00 rs. o covado.
tispartilhos a 3*000 na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porgo de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vetidem-se a '.)$ cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 15800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porgo de
p gas de bramante com 40 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fnzendao cumpri.
ment de um lengol. o qual se faz com un
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato prego de 15800 r8 cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicages para airamos de familias, sendo
grande pechiocha pelo prego.
Cortes de vestido do Pavo a
04000.
Vendem-so honitos cortes de cambraia e
larlatana, ricamente bordados a 13a, pelo
baratissimo prego de I
Ditos por cstarem um nou' machucados
a 45.
Ditos finissimos coiu seda a 45.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de hvre, com duas saias, sendo fa-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sus caixinha com o competente figurmo,
a 185 ; finissimos cort s de cambraia bran-
ca, i-icamen c bordados, que. at podem
servir para noiva, a 55000, e outros mui-
tos cortes do deferentes fazendas que se
liquidam baratas na loja do Pavao.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porgao de cera de
carnauba em saceos, por prego mais barato
lo que em outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 40
Vende-se cassas com delirados padroes e
cores txas 210 rs. o covado: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 do Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVAO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquiohos de seda
pretas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em conla.
GROZ DE COR
Chejpram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio.cinzento
. branco muito alvo, que se vendem mais
barato do que em ootri nnaRpiar parte.
BASQUINAS DE i 1L
Vende-se as mais modernas e mais rica.
hasquinas de fil preto, por prego enmonta.
VESTID1NHOS PARA MENINOS A
5000 E5500 ^
Vendem-SH ve-tidinhos para meninos e
meninas, pelo barato prego de 5000 ,
O, assim como ricos enxovaes para
haptisado.
MADAPOLAO FRANCEZ A 75000 A PECA
Vende-se pegas de madapolSo framezen-
fesudo com20 metros a 75000 a pega;
i chincha
MUSSEUNAS DE COR
Vende-se as mfis bonitas musselmas de
cores a 500 rs. o covado.
CELEZIAS
PANNO DE LINHO
ATOALHADO
Vendem-se as mais finas celezias de linho
com 5 varas cada pega, sendo mais finas
ainda que os mais linos esguies que tem
vindo ao mercado, a 455, 555, 605000 e
7i5OO0, tambem se vende em varas as
mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lenges
com pertp do 4 palmos de largura a 700,
800 e 15000 a vara, sendo em pe.;a tam-
bera se faz alguma cquidade ; bramantes
para lenges com lo palmos Je largura a
15800 e"5500 o metro, e de linho muito
superior a 3500 e 355 Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 5400, 35 e 35500 o metro, e
outras muitas fazendas brancas que se ven-
dem -multo mais barato du que em outra
lualquer parte, com o fim nico de apurar
dinh-'iro.
CHITAS
MADAPOLAO
ALGODAOSPNflO
Vendem-se superiores chitas escoras e
claras pelo barato proco de *0, 30 e 360
rs. F as percallas a 34 e 3'iO rs.
Pecas de alod3osinho de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapoln
dos mais baratos at os mais finos ; assim
como, superior algodaosinlio enfestado para
lenges, toalhas, tanto liso como trangado;
todas Brtas fazeu ias se vendem mais barato
do que Pin outra qualquer parte, para apu-
rar diuheiro.
PECHINCHA DO PAVAO PARA ESCRAVOS
A 00 RS.
Vende-se urna grande porgo de csta-
menha mesclada. propra [ara vestidos de
escravas, camisas e caigas para moleques.
sendo urna fazenda escura trancada e muilo
encorpada, pelo barato prego de 00 rs.
o covado, fazenda que sempre s .adeu
por muito mais dinbeiro
VES'IDOS A 800 rs.
Com duas sai.is
Chegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, e mais bonitos cmtes de vestidos
de cambaia, c organdys; com mais lindos
pad oes. o o competente figulino, tendo
cada corle IS covados. que podo dar corle
para senhora, e menina, e vendem-se pelo
barato prego de 5000, uaicamente na luja
e armaren do Pivao a ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Suva.
ORGANDY DE COR A 3-50 RS. O COVADO
Veiidein-sejinissimos organdys de cores
para vestidos com lindissimos padroes pelo
barato prego de 360 rs. o covado ; assim
como ditos uranios muito finos com listas
limas e eslreilas, edequadrosa 800 rs. e
15000 a vara, tambera tem tarlatana bran-
ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara ;
lils de flores a >40 rs. aHara. e ditos a 800 rs. a vara, e A* salpico a 15000:
isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n: (50 de Flix Pereira da Silva.
CHALES DE CASEMIRA
Chegaram os mais modern-s, e mais
bonitos diales de casemira cora, dezenhos
inieiramente novos. que se vendem a 95-
105. 15 e 145 ; assim como urna grande
p >rgao de ditos do menina que se vendem
mais baratos do que em outra qualquer
parte ; na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60. de Flix' Pereira da
Silva.
t'ortlnades
Para camas e janellas.
Vende-se um'grande sortimeLto aos me-
mores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a l5000rs. cada par at 55000 rs.
teto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
fta $1MA*6
A AGU A BRANCA tem convieco de que a abundancia de objectos 1 novidade-
era seu constante e completo sortimento, a boa esculla no gasta delles, a superioridad
de de qualidades, e a limltagSo de seus pregos, csto na op nio to respeitavel publico
em geral, e na do sua boa freguezia em particular; mas ainda assim ella julga de sen
dever scientificar a todos, da reccpgSo d aquellos objeclos que esto alm do commum,
como bem sejam :
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
piando abertas
Outras conforme aquellas, proprias para
senltoras.
Outras roacbetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeigo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musi a.
Estojes ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARFIM
Para unhas. dentes, cabelle roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA-
Leques, escovas para dentes, caetas,
draVs, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas cpelas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Vidtas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, c com pin-
gentes para o pescogo.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dnurado.
-Buloes com ancora, e P. II. para fardas
e cohetes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata donrada. para cohetes, cada um l
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Camisas de flaneda para homem, a me
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de lia para bomens, senhoras e
creangas
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soflre de incbag5o as pernas.
Pannos do crochet para eadetraj.
Novo sortimento de toans Jo labjrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de gutpur, branco c
preto.
Fil') preto, de seda, com saipicos;
Pequeos e delicados espanadores de
peonas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, ttc.
Bonitos passarinhos de metal pvateados.
para segurar costuras, tendo .ilmoiadinhas.
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, q'natrd e cinco
pernas para frisar babadinho?.
Bartholnm^ii & C
iVnrao, Pili-las, X.vnoer: e Tirtoaa
DE JuRUBEDA SIMPT.ES E FERRl'GINOaO ;
1H10, Pomaoab Emplastro da mkm\
PLANTA I-KI-PA^ADOS POH
BARTHOLOUREO & C*
I* :i a nMACEU ticos-Droguistas
PEHiYtMBl < O
A Jurubsba : ea |>aa(f boje r::kc iH
ramo o inais poderoso tnico, coma o nxtlft
'Iesol>lrucnB.-,tr-". I il ipnHu*ll w' pflttmtmoH
Jo ligailoe bejo, bepaliMt, ilnmta*, iuim>rii6 ntir-
no o cspcci.i'.iiifi-.'.c 1 ,:cr->, hjilro|Niu, r|si-
pell3s, etc.; e ass?iJ ,io ferro 0 ulil n< pHiil.i
corcf, cbloroses fjli.i Ue uiciHlraavio, Jcsarma-
jos do cslomajo, c';., o o iuu diai-ajos llettAn
innmeras curas ImpilUnlei obliiies con
prefMtdot ja hem conheciJos e Madoa ^clI>s MM
di.-lincloj nicdicos do paii l'jnugal. t':u iolos ni
nossos depsitos distribuidlo! palto foleloi o.nj
Rtalhor fa>em conhecer a Jurubeba seos reMU
e applica;ao.
AGULHAS NON-PLUSLLTRA
SALSA nmk Di PARA
ou
s Depurativo do sangue
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo d
Non-plusultra, merece a Agota Branca as
honras d'um annupcio, e sem duvida me- Usado as ttri feslias do pVe. rmpigeoi>,.
recer das intelligentes senhoras, a devida, dores rheiimnlrcs e nlicrn? \vner
estima por sua aprociavel qualidade. UNic) DEPOfflT
Ataffora nada se. linha visto do to bom I Rna larfra dcflosaio n I.
em tal genero, e ainda assim custa cada; rz ,, ,,,... ,, ,.,, .;.,.i rti.., IUI ,.u,^,
papel apens 200 rs. !*. oin -:tio na Dsht-Vi*rla n. ?>. ruta ir.-s cta,
Provavelmente d'aqni a pouco abundaro SU^S S.*. .
asfalsilicadas para serem vendidas uaraia-1 rua ja ka|mri n 47 (|ill! ai.|,ar rol
mente, porm as verdadeiras continuarn a
loja da Agoia
vir especialmente para a
Branca.
Descrever minuciosamente por seas no-
e qualidades a mfinidnde d'objotos
.il o una lie ii'iiii. Binj
ijiicn ijjriz'T iliriia-?1 k
11 (|ii ii tiai.-.r.
Gr
mes
que
Fo0o do engmho Tmlus os Santos da villa
-i- il Ipnjnri, mi ilia :!<) r in.iio, e-cravn Doncalj,
constantemente se acnam a veiuia na: rP|)re,,n;i,,.,. /lS MIW>^ ()l, tliiliv {mm) mi]'%r,lt
loja da Aguia Branca, sena senao impossi-,menos, car venneloa, alto,grano,olii pttuwaua,
- vel ao menos infadonho por isso ella con- 2^**i J>S 'flffy fl" ( v:'v"(,a Sra
; rL .._,:, f_. 'D. St*nhinnli.-i Mr.r:adiil.ivrarneiiio. une nuirmn*
fia na constancia de sua boa e amiga Ir-, vj||a ^ ^rill.IK ,,ia ia]m.iUt ,,a f,H.;(trv
quezia, c pede aos que de novo queiram I esteva na mosina lia snepiBe-M Mar ksimho,
reconhecer a commodidade de seos precosloqneso procadar aun a rigor aa w\ a
e a cinceridade de seu agrado, me nao se inba.,opede-i
esquecam de comparecer
iiunn'ii
'.i raptii
Branca rua do Queimado n. 8.
ido uue nao se ''"iir., o pede-M a? atunhdadfs iMilinars na raptii
a L;i ^.4-..':. ilai-s d" !-ai!i|n) a c.i|i!i!ri (l.imcini c mingar un
j !';J 'b"' ; mesmo ivjgenlio aoakain Meignad, mi narria
da Moeila n. .'!, ap.dar.iM-riplorii' do Ualtotl M
ves Ferrein & (i, que ser gfepisanientr n-rum-
pensadp.
Mijxuel Paulino "PsmHnn Por.-1? Pairan
N.23
Largo do Terpo.N. 23.
SIMAO DOS SANTOS KII
Os proprictarios deste bem surtido armazem de secco e molhados. parlecipain' i ArnT
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praea, como do matto e iguaimen'c aos imi-ja preta f/Kirema da '. sta,
arato. que leem mn grande e vautaioso sorliuiento de diversas merca- mais ira am. raix
Aclii-s; anenle iwe o da i d<> enrrrnte a
escrava Felicidalo, ewm ! fula, i'.i'-'llo rvpartidu a preso p tem falta e sigan dentes nairent*-, anda ili-i-m
haraendamonte. talla bem o lbeufpa-s>- al-unii
viaes ii,i ;')na, lovon voii'lo proto do elni.x lut'
terhadi. inuitn conheeida aas nas dn liosariu,
Caldeireiro, R-ida e Rangcl: qoinii a ic.-ai liv. t
ao ahaix i assignadii, que cr vidamc w.r rea m
penAd i i rua do Qu< imade o. t, luja, on du '
andar.
J'ixi Rodrigu dn Si>ra 1'orhu.
Fgida ilrsilr 11 il'.i t, \w. |. [> ii: .-(
de 40 anua p u."
rl s, 11 n-ta, >sia-
so e a retalll, por ilnn aV''c,,rn" rmjur: qnem a m ar .- levar-
, i.;. sua senl) ira Mana licrnarda di* Ie na rna-t.i
testas mercaduras Goia w h-m roma.....muin.
os do bom e barato, qu
doria.' e asmis novas do mercado, as quaes vendem em grosso
menos precn do que em outr qualquer parte, por ber maior parte d
compradas por conta propria, pir isso quem comprar al a#qiiantia de 1001 terj lineo Fll}lllIll ,|,a ,v (!i. ;it,l).l.......,..iV,
por cento pelo seu prnmpto pagamento garantindo-se qualquer genero sahidttdeste GmsdaiiciA, pardo, alto, (abeHne raiapinh, nr\
armazem bastadt i bexignua^ U GAZ AMERICANO a Oblata, a 4<0 rs. 020 rs. okilogrammo, em por50 I .ba- ^TnCXSr^Jt^^i
a garrafa e 60 rs. o litro. timento. Id'wode sabe pete mai.haa apara mul \ ;m.a noi-
VINHO VEUBADEIROFlGUEIRiU oGOe BOLACIHNIIAS EM LATAS DE DIVtR- tc quera o ptarar leve-o a rua liosa, luja 9a
lGUEIRA>a
e 80#a
640 rs. agarrafa, a 4l.ri0ii e .80^a cana- SAS QUALIDADES, a ISc I >4(H) i lata,
da, a 70 e, 94< rs. o litro. VELLAS DE ESfARMACEl E a 7f0 :3.
DEM DE LISBOA das melliores marcas, masso. em raiga lia abatmiento.
400, 440 e 5iK) rs. a garrafa, a '& e
355V0 a caada, 60i e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
gnala, e a 7,3 a caada. < 15340 o litro
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 45tt0 a ranada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
OO. 240 e 30 rs. a garrafa. 25*00,
I800 e 15400 a caada. 360 e 4K0 rs.-
o litro.
MiNTEIGA INGLEZA FLOR 5 15440 c
15280 a libra, 3,5140 e 2,v800 o kilo-
giaiiiiuo.
DEM FRANCEZA .. 9(i0 900 e 8;i0 rs.
a libra, e 25100, l,->980 e i 870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO a 640 rs. a li
bra, 15400 o kilogrammo, em porgo se
far abatimento.
BANHA DE POBODE BALTIM00R.
720 rs. a libra, t 15570 o kilograiiuuo, em
porcao se far abalimento.
ARROZ DO MARANIlAO E DA INDIA
120 e UO rs. a libra. 260 e 30t) rs. o ki-
logrammo e 3,^800 a arroba.
ALP1STA 240 rs. a libra e 320 l. o
kilogrammo. e 64 por 14 kilogrnmmos.
CAF EM GRAO 63 e 65500 a arroba,
200 e'240 rs. a libra. 440 e 320 rs. o
kloffjtftejiiio.
SARAO M \SSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs o kilogrammo, em caixa ha
abatimento.
PIIOSPHOROS DO CAZ E 0E SEGU-
RANZA, 280, 400b 580 rs. o raiso.
33200 e 64500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHLNHAS
DE MUITOS TAMANHOS a 35500, IJoOO
e 13 a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA i 100 rs
o masso de una libra, e em cair.a ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a fibra, em caixa f.u-se atnthflento.
SERVE JA INGLEZA MARCA II a 5$H
a duzia e 5o0 rs. a gnala.
DEM BASS. VERDADEIRV IHLERS 4.
BELL, a 800 rs. a garrafa e 95 a Juila.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MUSCAS 13300, l200, 13e
800 rs. a garrafa.
GENGBRA DE HOLANDA E A.M
CUEZA ;i 73 e 63 a frasqoBrra, j '>00 rs. o
DEM DE LARANJADOCEAtl'X>AiiCA,
113 a frasqueira e 13 o fr
' QLEIJOS DE DIVERSOS VAPORES;
135. 23800 e 2^400, em caixa faz-so gran-
de abatimwilo.
TOCINHO DE LISBOA 400 i :. a li-
bra, e-880 rs. o kilogramra, o-1!300 por
14 kilojirammos.
CH~ FINO. GRADO E MI: !:: ) os
melliores que ha no mercado, 33 e
200 a libra, 7,3080 o 65510 j
Arroda it Irma>, onde *m rraliili*a
As autoridades polioiaes e >
quem competir.
No Ja 2!) de inaio do convnte. a' no if>
gio o esrravo Bsequiol, CfiHilo de 30 i .*.
an-ios de idade, estatura recular ii-ori.-ado.
cor bem preta, cabeca redi-n la. iiajava ca-
misa a- il c calca de casemira miiZeiila; rante o da costa na andar ganliaudo uh
rua-, o i ui armazi ns de losiinn ou n;v
taberna? a conversar e a bib-i : duran e .
noite rxolhe-se a telheiros abfrtiu) ou p
netraveis, a casas em consirm ..So e a >.
tros quaesquer lugares c-nde se possa abri-
gar: quem oapprebender u-nlia a bonda)
de o coiidtizir .i rua da Aurora ii. <6, no !*
ser gi'dtifieado.
Fusirain dn enpi'iilw
do termo da tsi topara ll '
cravus mualo
i-'irni."
nnite i!-i
irii'-, ilufis r-
dS (] :('S fnrS"!
MASSAS PARA SOPA. MACARR0, TA- grammo.
a libra e DEM PROPRIO PARA NEGOCIO i 25700.
25300. 23200 e 23 a libra, e 5i5Q 9
LII \RIN E ALE IRA, a 800 rs.
Id750 o k l"graiiimo.
SEVADINHA E SAI' 280 rs. a libra e 43180 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros, vinho em ntorstas,
plSiiaS, figos IlOVO:
servas g.'lea de m:i
vinho verde engarrafa
inoihos de sebolla 13300, filialmente muito mais gneros que
meni'iona-liis.
m
BALES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavi v.nde-*.) os mais mn
demos baloes r-<,'iilador.'3 tan*;) do mnssi -
lua como de la de (Ar, e as mais moder-
nas saias d i 13a en;i{>tada, mais barato di-
que em outra qnafqow pmie.
SULTANAS
Chugou para a loja do Pavo nm grandt
sortimento das mais lionas sultanas, para
vestidos, sendo muito lar-ra e bonita fazenda
com listas dusdaft os padroe^mais noviw
que tem vindo a es e mercjdo, vendendo-sr
a 15400 o covado, na loja de. Flix Pereira
da Silva rua da Imperatriz n. 60.
SABIDAS DE BAILE
,-
Che.-aiam n-lo ollimo paquete '.indo da Europa, lindsimas .-!
lis. ri.-aiuent.-1 nf.iiadas, n uu-lhor gosto que Wm viudo ao mercado : i na do
Crespo n. 13. loja das oliimnas. de Anlouio Correa de Vas.oncells.
illfl -a*eaW:ar3Bifiaa
cninpi-.-iifosao Exm. Br. barloen
Nazarelh lia 15 din* ni-iM* n-:-<
mi menos, rendn Ji 30 a 3-2 anno, I m h.-.rbado, pi i-
tos eab^'lndos, tem os de>l"8 i- l \ fS
mnimo* cortos e nuPl une trtttaui nm m< miir^,
tendo t. los os denlo i!o freate, ruriio n-cuar i
leva (baaiidi* eonro de sarlanc.|<>. ';0; azul ftj
algodao" qoe Ihe rhamam pella dun^a e CflierloJ
dcliarii i'srura e mal1 aljrorra rmifa, fui e>,'r?.' <
do lllm. Sr. lente.ccrun I A?"-'inh" Correa i
Mello, di-Onrii'iiry, o oirtro do uimie Flix. r.\
lira.alj,!, bom corno. Idwls l'i wiihis i -m-i. n ji
ou mcii's. lovou enapu do ruom i!u aba* larcas;
calca ai il liolgodn que II:; rlianiaiH pillo d'oo
ea eiibertnr no hawa oseara. f"i owrvn #
film Sr. Eduardo Pereira da m da nruThtef.i
da Pur.ihyba, que o ronden por n-u prurnradorji
Sr. Juftj Lup-'s Albeln: auem anun-liender -
lovar ao mesmo engeami Firmesa u nn Rerireu,)
esrrip!>i~io ila Domiiipns Alvo? M.-ohi-ns, a roa I.
ViL-aii-' n. 21, sor |ei,i,ros.imeni" riTompon-.i I -
r'pirm uo da .'t dn aurrentiv do enjn-ulio
QuhVb.f da frenueiia de Sel :r,li-in. o orravo cu-
li: ,i. de nnnwi i'elix, que P.-pre-- -i.i u-r S aun 3,
mais nu menos, alio. BTossn, San lirtta, bemfaf-
lante, I -v< u calca de brim pard >, canil* Jv m
dapnllo, chapn de non mi nm miini de chllo
novo; -lijo escravtalivz tenba l.-malo o o.in:i-
|ab (w Pao d'Allin : quem o petar i- li-var ;-i \\>
iho, ou no R< rife a rua d> Inqieradur n. 43,
si r '.'.itor^-ou-nip reeTannenmiin.
INJECTION BRO
r fi m*r*ll, boluianmM< awiea .t. cum bu. ueniiun. aduimu. > t
aa anaaaa'koUra. muai: (Biifir a kwlreefM *)< < fenww Site, Nato*** Baacau. a.
Fupio Jo iniii-iili'i Uiiii J.iiilnii lia fietiOezU
da Esrad, aa madrogada h da :o do b>Ih pr-
ximo p.bsaJu o o cravn pretil il- 11 me Hantwt, dn
dado W anBiis, ponen mais iiujiirini*. cujm esrra-
vo tem m ignaes sepiiintrs: rriioin, cir lata,
erro > curta, catalura regular, nu .ra barba, bA-
ladeso lita rajado, muito regri-ta c tun faltotfa
urn |i: iluyj da orelha dirca, enj iwnrvn Un
: 1 i ioau< dias uesia i-.l.i! il I:- (< ai8r.
-: roga-sfl as antMt'idados _m.Iiriar*
sBa ap r.-ln-n-a-i, a>-iio coma <
eatmra* capitio d- cao pn "o -i wnioer P"**"3
que o pegar c lovar ao d ""
id 11. '7. n entregar
; : Ja S C,
I..


H^RHMI
Diario de Pernajnbuco Terca feira 1 de de Srtembro tfc>&.
ASSEIBLi SSaiL
i
CAHAkU IUL ESPUTADOS
SE3SAO 9M^ D* AGOSTO
raRsioMM iw su. Nicas.
/ (CoHtinuaco)
0 nobre d 'petado qnerend > defender o
tirwdimento desse despota qsanan fez pri-
i.'ir.) nm navio nosso c (is- indiv luos
(pie !!')! 3 I) >rdo, IIOS tCOUXO O ftfMMll) (Ja
i.it'-iri, que, militas vozes tcm feiti guer-
i'i :i t'tzi-r |i na dechracio.
Sr. presidente, eu. comquanto respile
nuiu lo-kw os procedente* ingle/.'.;, todn-
>ii nm materia de guerra e qnesibes inter-
naeionaes en nao *s adopto sempre. V. Exc
sabe qw urna das vezes ora que a ingla-
i m assim proceden, leve par fina fazer
apprehender os galees hispanices peija-
rtus de ouro que iam da America : portan
t-o. kta exempt nao deve ser elevado a
pi incrpio internacional.
81 nioaioriti, por consequ'mcia, neste
yunto os precedentes nglezes; adopto os
da pw lies pavos Me antes do fazerem uru
ctu de hostilidad^ o fazem* preceder de
<: i declarar > solemne ; tildo quanto n5o
i '! sio parecer um acto de pirataria.como
0 .pie praticou o dictador Lpez em 1864.
f:iz.n4o aprisionar o vapor Mrquez de
Oliwl i e os mus patsagefeOt. Anda por
--ti- fado, portanto. nao podemos adiar
m> attenuante alguma.
Mas o Ilustro deputado, sectario da paz
agora, da paz inmediatamente, recordou-
?ios o protesto dn varias potencias, do Chile,
Vnrite Equadorem favor da independencia
el i Paraguay, e dems tronxe-nosas paia-
vras'dc n:n secretario da legarn britannica
'.II Buen is-Ayros dizendo que, se nos n5o
queriam is exihiguir at o ultimo Paraguay",
ora oecasilo asada de fazer-se a paz. Eu
' tamben), Sr. presidente, entendo que occa-
i5e houve era que nos podamos ter acei-
I !) as eimdicoes que Lpez viesse solici-
<-w ; qn indo se deu a conferencia cora o ge-
'ier.il Mitre, era agosto ou selembro de
Kti...
O Sr. F. Bklisario : -Nos relatorios do*
ministros do Brasil n5o ado a existencia
disso.
O Srv. Jlwoteira :Mis ura facto pu-
lieo. *
O Su. F. Bkusario d;i um aparte.
O Sr. Jinoteih a :Nessa occasio se disse
qne o dictador do Paraguiy aceitava todas
as coadiro menos a sua expnhlo; nessa
isiSo ainda nao linlia tido lugar o desas-
tre de Curupaily.s tinharaos tido victorias,
fcuham is litio t\ do maio, Uruguaya-
ia o Riachuelo, c Lpez ainda nao tir.ha
itrado no periodo da barbaria ; portanto.
se havia urna occasio para o tratado, era
Mi.
I) pois disto a guerra entrn n'um pero-
do.encarnicado, Lpez comecou com urna
barbara e crueldade infernaos. Por conse-
quericia a responsabilidade desse repudio
i: io nossa ; nos boje entrando para o po-
der devenios marrter aquella solidariedade
de, honra nacional a que todo o governo
ti've prestar afencfio.
Mis. colloc-da a guerra neste p, como
podemos agora nos liurailliar "? E1 portanto
Uestes ntnlo que digo, que nao podein >s
1 i'.'T a paz c >'n Lpez, podemos dar por
le niada a nossa missSo.se por ventura s>-
demorar milito a guerra, nao fr conveni-
ente RXhaoriron llu souros do Brasil e nem
indar niais os seus nobres Bulos perde-
o a sm.i vida, enrrendo por aquellas mor-
tanhas selvageni atrs de um homem. que
se t'ii manchado por tantos actos, que cer-
iamnie nao o collocain no pe de um go-
i'tToo regular.
O Su c.\. irmcs Fhjho: -Bepois
las vid'fias de li-'Z-'inbro nao teria sido
Smbem occaslt asada '
() S: Ji Noi.t.i-': Po4eria ser se el e
l issu todas a-- condicoes, se e"e mesmi
Ielara9se oj sania do Paraguay, porque
ivi un ... isar aquellas bri-
^i intes vi inri is : n*j; nao deviamos Se
ls depois d tantos amos de sacrificio
r [i 'la eapad i a Lope/, e
is s-as phalangaa iibs campos de Lomas Va-
il is as tinharaos dizimado em
Viea, se liiiliiiii'' feito aquella brilhanl.'
i-issagem p^lo (iliaco, passagem que por si
faz a honra c a gloria dos seus autores.
oassagem que faz h'.nra e gloria ao duqim
Catia. que i ordenou, e ao'marechal
\rgolo que a executou; faranha pela jual
este Ilustre general tena sido tao Wctoriado
o receben na capitnl daminha provincia urna
ovai.'a i, ucn Iriurnpho scmelhantc aos tri-
'i nphos romanos, com a diferenca de que
esse paiz taes solemnidades cram decreta
das pelo sanado, c alli foram pelo povo.
nm vista di piela passagem to brilhante e
,:i i decisiva do xito da guerra c das glono-
vis jomad is que se Ihc s'eguiram, como
;iavi,imos de renunciar a impormos ao ini-
mig as rondices a que elle se devia sn-
C?
No momento em que ostentavaraos aquel-
grandes tnurnphos. depois de scmelhan-
e brhantissima passagem por urna estra-
da, fioras'im dfteT, Huctuante, e da qual a
propria natuivza como que leve inveja, fa-
i-a d isapparecer I igo depois debaixo
Jas aguas-do rio paraguay, como sua-edeu
ao tmulo de AlArico, que foi encoberto aos
s dfl todos no leito do rio que fleoo
"guardan lo aquelle segredo orno haviamos
i\'~\ i estnder niiios Bupulises ? (Muito
ben) '
(II i diversos apartes.;
Ivi seiqua o grande erro est cm app-
n>is para aquj os oxamplos da Europa
Uffl lodo o por tftdo. f'Apojados.)
' Napoh'o em Villa-Franca parou..(Apar-
i Sei bem qq se p^e dar este facto;
mas veja:n os nebros deputadtf a grande
a entre a lula h Austria e a Fran-
A Franga
intia desembanbado apspa la por unTa tda,
-mea Unha passadn os'A'pos para l.vrar
"Italia do jo o.
Mis i|ii diffcreaea imi ntre potas
'i da ordem, combatendo por una idea
ra;i o tyrrmo d i Paragnav, qoR
mmdar i S prisior.
. nao d'.ividou a^oatar a bmtsiteiros
s re-
araba a '
'. QM mando
de
Hato.
O Sa. WHiBfMA : E' verdade ; e
riandmi fu/ilar seu progrlo irm3o.
O ii lo pssla provincia do Rio
Janeiro, nimo lugar
obre esta materifl. ; i at a exem-
com qoasl
as as potencias di Europa, nao lbc fa-
ziira. porem, estas urna gu na pessoal ;
mas a guerra com a Franca n3o podia ser
outrajqliando Napoloao appareceu om scona
de volta do Egyplo, quando assumio o
mando supremo, fazende-se V cnsul, a
Fraoca osla va em gueira com q*i\ iou
as potencias di Europa ; a questSo nio era
com Napolcao. A guerra ja perdurara
havia anuos; o qoando o grande caeit5o.
tomando en 1790 as- redeas do governo.
perguntou cmara dos Q;iinhents: o que
lizeste desta Franca que eu dcixei tan
prospera, tao respeitada, c que encontr
to abatida, e t3> deprimida ?referia-se
luta toda nacional, e nao de carcter pes-
soal.
(Cruzara-sa diversos apartes).
Os nobres deputados que se tm distin-
guido pedindo a paz tm cortamente boas
intences, mas eu deseiava que os nobres
deputados, para emitlircra esta opiniao,
percortessem o nosso paiz (apoiados). fos-
sem a todas as cidades. a todas as-villas o
aldeas, e nesses lugares iniuirissom a op-
ni5o dos mocos, dos veihos e das familia
Procedon-se alli a aleieij municipal; o
liberaes gritaram que a eleicj era falsa,
porque els n3o puderamcoeorrer: visto
que antes tiham*se armado contra as au
loridales legaes. e n'iwf momento dado
obtiveram ama maioria accideittal na cidade.
e com os seu* p^tos largor knpuzeram
antoridide. fazendo urna especie do g"J-
verno provisorio. Tfesta situago o con-
servadores, a cuja fronte eslava o distinco
,coronel Gnlmon, ll/.eram urna reaeco em
favor da aatoridade leg.timj, e expel rain
da cidade os ta>' desordc'uts.
Cbe|M o da 7, o procedtui-so eleico:
procedndo sea ella, ta fitferaes gritaram
l"8 "i*1 ladeira. o fizeram tal ba-
rufho, que o propriu presidente da pro-
vincia licou perplexo.
A' vista de lies reclamar/ios, S. Exc.
mandn examinar cuidadosamente, e des-
cobriudo algumas pequeas faltas, como
sempre se ilS nos lugares do interior, a
formou ao giv rno imperial o que achou
inelhor e mais acertado ; e o escrpulo'
nobre ministro d > eporio (que tm sido
realmente muito severo nestis materias, c
esses cavalheiros sereleitos no districto
da Jliia, muito menos o tere iro. que se
Ihes aggregou naquella poca. (Apoiados.)
O qoe eu "disso realisou-se ; era candi-
datos pnderam ser.
O honrado Sr. senador Saraiva pronun
eiou estas cousas no senado sem ter exa-
minado bem a quesillo ; que ella, por
peqiWM, nao merecen a atientan esclareci-
da def. Ese. Disse at que o 5." dtstri to
ficava-ao su I da provincia, c era lodo hbo-
aproprfada. so nHo erro-!,]os p?]MS m,e .
"doctos manufaclui a
As industrias n3o so improiisara^em nm
paiz que nao inrlustrffso
Ihc prelend
de cada urna
que o menos
nea, a denominaco que
dar.
Ora, a respdnsabifidade
I das casas do parlamento pela rdacc3o dos
- respectivos pmjectos de rtsfosta a falla do
ihrono 6 innegavel; d ufco modo seguir,
se-hia o absurdo de ser autor da resposta
e mesmo autor da pergunta; conseguinto-
mente o voto de graeas n3o apenas urna
panphrase do discurso imperial.
Se nao o desenvolvimento do texto, se
ral, qtandj u ii. districto est a oeste da
provincia. (ApoiadoOS: o m>ijpo sonadir jpode ser alguma cou'sa mais, a limitac
quiz se reforir ao3.* Histricto, que o do jque muitos exigera nessa resposla, sobre
ul da provincia, bem. quanto psito I n5o ser obrigatoria para a assemblageral,
geegrapliica ; mas este 3. districto ao, a meu ver, da maior inconveniencia,
contrario todo conservador; e portanto onde Assim, se a corda no seu discurso des
e-daoos liberaes do Sr. senado* Saraiva no perta aattencaodo parlamento sobre cer-
sul da provincia da Baha, quer se c nsi-
dereo:j."ou o 5." districto? Em parte
c uas laminas
perguntassem (porque assim que era de honra lite seja feta...j
desejar que o representante da nacSO pu- O Sn. Fontks : Apoiad).
desse fallar ao seu paiz), inquirissem nes-j S Jlnqueiiia :... foi tal, que S.
sas aldeas, em que a iradieco daquellas! Exc. imtendcu dever annullar a cleicS, e
carnificinas lmchegado, pela forma seguin jfoi annullada por aviso de i de dezembro
te : Vos queris a paz cora' Lpez, ou do anno pascado.
esles promptos a pagar urn pouco mais j Pois o manifest diz que o nobfe minis-
de impostos para completirmos o nossotroapprovou a eleico! (Hilaridade geral.)
lira? Queris a paz sem condiclbs. ou DesU maneira nao se pode .irgdftenlar',
juereis dar algum contingente miis de pes-jdizendo que o peto bronco, que o dia 6
soal para a luta? noutel (Apoiados.)
A resposta nao se Liria esperar; de Vu\ Voz: Est cheio de mexactides o
iodos os cantos e ngulos deste Imperio
se levautariam vozes umsoi as ; n3o, com
semelhanie despota n5o! podemos mais
tal manifest
O Sn. Ji'nockiwa : O illmtrc sonador
para diante d-la por fiada, mas collocar
o Brasil no posico de amiio do Lpez,
dar-lhe arapiexo fraternal nao I
Portanto, se a popula;!) d Brasil tm
dado at boje, sem grande reluctancia,
todos os elementos de que o governo tem
precisado; se tem dado os homens e o di-
nheiro, por quorazo havemos do fazer-lho
urna injuria, nicamente porque queremos pojados.) Pois enlo urna nova situaco |io-
conservar um cambio raais-ou menos alto?!litica ha dse servir dos mesmos funecio-
(Apoiados o apartes). narios de confiaoca da situaco passada ?
Devo dizer ao nobre deputado que nao'
pela ramha provincia, o honrado Se. Sarai-
va, fej mal em repetir no senado estas
cousas, porque sujeitou-se a que -se -Ihes
possa logo mostrar que S. E\c. esta em
erro.
_ E ainda mais, S. Exc. disse que se tinlia
Coito urna grande derrubida na provincia;
Su, so refere mudanga de autridbdes po'
liciaes. at um absurdo fallar nisto. (A*
que
adianta nesta materia urna palavra ; S. Exc.
pensa que o cambio com> est traz urna
grande diferenca ; isto exacto; mastani-
bem certo que elle infije para a alca dos
nossos gneros; e pensando-so tu lo quanto
ha a favor e tudo quanto' lia contra, re-
conhece-sc que o estada actual nao
oom; mas, em relajo aos lavradores.
apresenta esta attenu uitc. Portanto, ainda
querendo os nobres deputados resolver a
quesio carabialmente, ou smente por
libras esterlinas, nao vejo to grande pro-
cedencia as suas observarles, para sacii-
licarmos tudo de repente.
Alem disto, Sr. presidente, a vahula
pela qual nos governo" livres. como o
nosso, se faz conhecid.i a opinio,
imprensa : eu nao tenho lido em jornal de
provincia nenhinna a reclamara!) de que se
faca paz com Lpez. (Apoiados.
vluitas assemblas provineiaes lm-se
reunido, acabam de encerrarse seta faze-
rem semelhanle redaniaeo. Quando a as-
sembla provincial da miaba provincia,
eleita pela situaro decahida, acaba de
volar al urna indicago e,xlravagant
(apoiados), para S3 levar pecante o chefe
do poder execulivo ura voto, de censura,
porque mantinha o gabinete actu; 1!
Um absurdo, absurdo tao grande que a
eoumissao nomeada por a i lella assembla
nao aceitou o mandato t Pois bem; tendo
essas assemblas manifestado o seu pensa-
menlo sobre tanta cousa licita e nao licita,
nada disserain em prol da paz repentina e
sem dClonga. *
Essas assemblas provincias podiam ter
enviado representaces ao governo central
ou a esta cmara Desse sentido', porcia nao
o lizerara. (Apoiados).
Vejo smente a opinio dos nobres de-
putados que pode ter echo em albura grupo
respeitavel dopiiz, mas nos nao dvemos
antipr os graudes interesses naciouaes
opiniao de um grupo por mVis respeitavel
que seja. (Apoiados).
Sr. presidente, depois destas observaces
me permiltir) V. Exc. e a casa, cuja atten-
eo b nevla agradeco, que eu diga lign-
inas palavras e n relaeio ainda a negocios
politices da miuha provincia e que se fi-
hain i discursos pronunciados no sonado.
O manifest dos chefes liberaos disse
que para Lences, na Balda, liaba sido no-
meado subelegado ura individuo assassi-
no, e disse mais que a priraeira cleicao
municipal liaba sido approvada pelo bou -
rad > ministro do imperio.
Eis aqui, Sr. presidente, dous fados
que vem no manifest e que sao comple-
tamente falsos; se os outros que alli vm
sao deste jaez...
O Sr. Pinto de Campos : Pois sao !
(Bisadas). .
O Su. jp-QUEiBA.: ... ns podemos
dizer que ormaniesti um amontoado do
factos imaginarios.
O Sr. Pinto de Campos : Posso-lbe as-
segurar que ludo assim ; um aleono de
falsidades.
O Sh. foNQWRA : O manifest disse*
qtie Thomaz Bodrigues Bolla, assassino,
(inlia sido nomeado para subdelegado do
districto da Cravada. municipio de, Lences;
o manifest disse, e o Ilustre Sr. conso-
Iheiro Sairaiva vai repetind') esta aecusaco
sem se dar ao trapalho de verifica-la mo-
llior. (Apoiados).
Eis aqui urna certido que foi apresen-
tada na assembla provincial da Babia pe!
Ilustre deputado conservador o Sr. Freir
do Carvalho, a qual demonstra que o indi-
viduo aecusado do crime de homici o nao
era Thomaz Rodrigues Rolla, mas sta ioio
Rodrigues Rolla; que esse individuo ttSo
foi nomeado sublelegado para a Cravada,
em Lencos mas sim noni jado para sub-
delegado do districto di Y''ii a, termo
d.. villa do Muyo d)C. i;,.), o nomeado
em l de fevereirode 18G7. sob proposta
do chefe de polica De. Almdda flaleo, e
no dominio da situaco passada. .
O nobre conselheiro on
(lamente nesses factos.
J ouvi a urna pessa espirituosa dizer
que o celebre manifest, no qusdfz res-
pailo aos factos, pareca urna segunda odi-
Co dos romaneos do baro de Munlcansefl
(Risadas):
Agora vojamos a que;t"o da eleico muni-
cipal cm setemiro do auno passado, de-
pois de urna luta que dias
de setembro houve oes Lences. entre as
duas parcialidades.
O nobre senador, que viaiou ltimamen-
te pela Europa, e que vio alli essas all'Ta-
eSes polticas, parece que esqueceu-se do
pie observou. Na Inglaterra muda-se tu lo
como tambemnos Estados-Unidos; eainda
agora com a eleico do general Grant para
presidente desses estados reuniram-se em
Washington cerca de quarenta mil preten-
den les aos lugares que diviam vagar pela
inauguraco da nova'admlnistraco.
Portanto,o nobre senador nao fez mais do
que render urna homenagem ao carcter d
Sr. desembargado!1 Fi^uercdo Rocha, p r-
queera impossivel que esse dignovice-pre-
sidente da provincia da Baha conservasse
aquellas autoridades, que por assim dizer
at vespera 4i:iham escandaHsdo a po-
pulacrm.
.M is nesta troca de apartes entre os Sr.
scnadLire* Saraiva e baro ile S. Loureii'.'o
pareoeu-me ver que este Ilustre senador,
presdeme daquella provincia, tiravn de si
urna grande parle las reclamicoes e aslan-
cavn sobre oSr. desembargador Figueirodo
tocha, principalmente quando o Sr. Siraiva
diss(T((ue se tinha nomeado para supplenle
alguma.
Tarobem o Ilustre senador entendeu de-
ver atacar o vico-presideote da provincia
por ter n*gado saneco lei do orcamculo
provincial. Esta questo j tcm sido muilo
debatida; mas eu anda vou dizer duas pa-
lavras sobre ella.
O' Sr. senador Sei ava, bem *omo o Sr.
Zacaras concordaram em que a lei provin-
cia! tinlia com eT.'ito di-posicojs que of-
fendiam a impostos gorairs, e qne alm
disto desconhecia os direitos do presidente
da provincia Ora, so isto assim, o art.
tfi teiyetaco terminantemente dispQem que
neste caso o presidente da provincia sus-
penda a lei o a remelti a ass -mbla goral.
Apoiados).
o que fez o ditrno Sr. Figueirodo
Rflcfl*.
Os Sus. AflAUlO Gks i: octros
res :Apoiados.
tas medidas, que dello dependem, e que
s5o indicadas pelas oircumstancias do paiz
o pela opini-) publica, que motivo se op-
pa a que a assembla geral por sen turno
previna a corea, o antes ao governo, sobre
outras medidas, que ella pretenda realisar
duaanic o exercicio de suas atlribuicoes, e
que alvez por mal entendido laconismo, te*
nham deixado de ser consignadas na falla
do throno!
Acaso os partidos sao apenas represen-
tados pelo governo que inspira as cmaras
legislativas}?
Estarao estas condemnadas a nao ter ini-
ciativa ?
Eu justifico a nobre comms*o, por ha-
ver consignado no projecto outros assump-
tos. alm daquelles de que se oceupou a
falla do throno. .
Sinto, porm, que a honrada commisso
nao fosse mais adianto, e, do accordo com
a pielle ponsamento, n5o se oceupasse de
sknho- outros a que urge attender, c a que prova-
i velmonle terei do referir-mo se a isso der
O S... Jtcwura:--G ainda "osle nonio lu?ar temP m,e f "*
devo fazer urna observacao:' En, um resu-1 Sr prcsnknto, a fallado llirono e o pro-
rno de discurso que li m H-formn de bou ; ff"! compromisso do governo A
tem. e cuj. autlieuticida.le ni po^o garan- > desse programo toma-se md.s-
ponsavel quando, como agorJ, se naugu-
tir, se v que o lustre Sr. baro de 8.
Lonrenco dissera que se esliv sse na ad-
minisiracao da provincia talvez nao suspen-
desse aquella lei. Acreilo que. isto ser
nm erro typographico da Hefor-ma, 00 qu
rou urna situaco politica.
Um paiz constitucional, como felizmente
o nosso, onde se diz que ba governo da
nafan pela naco, tem o direito de exigir
m e importar
(Apoiados).
de proposito quizesseui e.-lahelec.er esta es-! daquelles que se achara testa da admi-
pecie de incoherencia por parte do Sr. ba-
ro de S. Lonrenco, porque o Sr. baro de
S. Loareneo reconheceu que aquella lei of-
fendia a impostos geraes: o que se segu
que seria obrgad i a suspen l-la como
fezoSr Figiwiredo Rocha. Portanto en-
lendo que isto foi um equivoco.
O Sr. Pinto dk cmii-os :Dev. ser.
O Sr. Joqik.ika:Alm le onlras di*-
posjees na lei provincial a assembla iv-
provou iir empreslimo que S. Exc. o Sr.
bario-de S. Lonrenco lizera na importancia
de 480:000*.
Se um fado semelhanle occorresse na
assembla geral, importa va isto a retirada
do ministe;io : mas em urna provincia,
o que se devia segn' era a r,:stilui;a.> da
qoantia.
. c nem ba in-
conveniencia em que, ainda poV longo lem-
po, o Brasil contine a comprar ao es-
trangeiro productos manufacturados, desde
que elle encomia na agriccfcnra c no com-
mercio os capilaes necessarios para obl-
tos.
E' certo, porm, que o equilibrio entre
a importado e a exporlacao deve ser urna
realidade para que o paiz prospere.
Mas o reme lio n5o esta nadiminuioSo da
importaco da qual raiceemos, e slm ne
augmento da exportaco dos gneros do
paiz.
Como, porm, augmentar a expoitaco.
sem dar impulso agricnHora, sem auxi-
lia-la, quando ella a nossa principal funte
de riqueza ?
O Sr. F. Bklisario :A natuieza se cn-
carrega disso.
O Sr. Cardoso Fontks :Mao apoiado.
(Ha outros apartes).
O Sn. Josk Calmon :N5o depende s
da nitureza. Desde que a importacSo sq
se torna necessaiia, indispensavel o aug-
mento da exportaco para que o equilibrio
se mantenha; e certamente a natureza por
si s, apezar de toda a sua robustez, sem
o auxilio do braco humano, nio nos pro-
porcionar os meios de conseguir o equili-
brio.
O Sn. Duti'E-EsTitADA TEIXEIRA Va-
mos aos meios.
O Sr. Jos Calm n : Justamente, va-
mos aos meios ; o nobre deputado vem ao
encontr do meu ponsamento.
Sr. presidente, qual o recurso para que
esse augmento se consigna ?
O recurse est indubitavelmente na agri-
cultura. ...
Mas sem os bracos, seu primeiro instru-
mento, peder a agricultura medrar.?
Os bracos infelizmente fallara ierra
neste paiz, como a tena falta aos em outros
paizes.
O nico remedio, senhores, est sem du-
vida na mmigraco. (Muitos apoiado*.)
O Sn. Das Rocha : Nao chinean.
O Sn. Jos Cai.mon : Sr. presidente,
V. Exc. ha de permittir-rae que tratando
da immigracao, ou me aproveite do ensejo
para dirigir urna pbservacao ao honrado
nisiraco, nao s a explicaco dos actos
consuinmados, como a declaraco a mais
cmplela e solemne (taquillo que, em be-
neficio do estado, prctendem ou podem ministro da agricultura.
fazer. Li com a maior atiene;
Na propria Franca, que alias tanto se
tem querido imitar entre ns, o discurso
imperial nao cosluma peccar pelo laconismo
que eondeinno.
O autcrata do Sena cosluma dar aos
subditos testemunho escriplo de suas
intencoos e de seu procedimento futuro.
Se, porm, ceno que muilas vezos
depois se retrahe, recelando talvez que a
a onda das exigencias do povo cresca,
medida que vSo sendo feitas as concessoes,
e assim se amesquinhe o poder c a fu rea
da autoridade, o defeito est no systema
do delegado nos Lences um genro ou
amigo de uugenru do Sr. Calmon, ao qoe
relorquio-oSr. baro de S. Lourenco de-
clarando que nao havia sido elle quem lizera
aquella nomeafao.
Como destas palavras do Sr. harn de S
Lonrenco se pude inferir que Exc.
pao achava prudente aquella nomea-
i;o, de.vo dizer que ella foi muito acertada,
porque recahio no digno Sr. Jos Bernardo
de Bello, aquello uue sustentou a lula con-
tra os anarchistasdaquelta localidad; e que
dotado de qoalidades muito distinetas.
(Apoiados.) Quer tornar isto bem claro.
porque.0 Sr. Figuwredo Rocha niera ca-
paz do- -.Yjmear ura homem que nao fosse
bem conceituado; eesta cmara, que ouvio
o que eu disse a resperto do Sr. coronel Cal-
mon, Marta tomad i de pasmo quando se
enteadesse que um ndividno por ser amigo
do Sr. Calmon nao devia ser nomeado;
pelo contrario, um cidado como o Sr. Cal-
mon deve ser sempre abracado pelo gover-
no ; cidado que tcm prestado grandes
serviros, c que entretanto tem sido victima
das maiores injustas, ao ponto do Sr.
senador Saraiva haver dito que oSr. baro
de S. Lourenco dera fu ca no Sr. Calmon
por ter este urna demanda importante. .Esst
demanda era com o Sr. tenente'-coronel
GoneeJo de Amarante Costa, e este senhor,
antagonista do Sr. coronel Calmon, pe o
contrario amigo do Sr. baro de S. Lou-
renco. (Apoiados.)
Quero que so reconbera que o Sr. coro-
nel Calmon, que at por seus mais terriveis
adversarios nanea foi aecusado de crime al-
*um, tendo a is prestado ao paiz muito
bons smicos, ainda se conserva no- ostra-
chjmo, ainda nao foi reintegrado, porque
desles hoinons para quem afortuna pontica
nao corre suavemente.
Porlanto, desta tribuna posso dirigr-me
ao nobre ministro da justica, que paula seus
actos pela mais severa impa-cialidade, pe-
dindo-lhe que examine esta, questo, e le-
vante esse sequestro a que os nirafgos li-
beraes do Sr. Calmon o tm condemnado,
fazeudo grande alarido na imprensa contra
esse cavalheiro, que vendadeira mfluenna
conservadora no termo dos Lences. (Apoia-
dos.) $
Os Sus-. Fernn des da Cumia k Abacio
Gf.s:E' um cidad maito distineto e
n merece sea' reintegrado.
OSr. Jsqehia:No entretanto a Sr.
conselheiro Saraiva disse no senado que as
influencias no sul da provincia sao os Srs.
coronel Spinold c Dr. Frederico de Al-
meida.
Isto no exacto, e-eu posso fallar desta
maneira, porque sem que queira arrogar-
me grand \ importancia, sabido que em
l8a?ei] e ornen Ilustre amigo o Sr. Arau-
joGes fomosoleitop >r aquello districto,
e eutive maior numero devotos do que os
candidatos d i governo, apezar dos meios
violentos a que a administraco enlao se
soccorreu. Depois veo a depurarn nesta
casa. (A|>oiados.)
Eu disse aquellos senhoresr mens com-
itra os quaes, alias, nao te-
nho qnetBb alfuma pessoal, pois que a
todos respeil:), eu lies disse,- na ocettiau
do debato da vericaro dos nossos pode-
res emjirlhn de 1807. que so a situaco
i'ohi piara
rwme scnio
barejo d"o governo nao soi como possam
Eu nao defenderei o Ilustre vice-presi-, f?> daquelle pa.z n.a.or.i.e,, e com
denle da provincia da Balda das acciisaces" 'f,0 a ^ .poiisab.hdade pelos actos do
que Ihe fe o Sr. senador Zaearias, ^ Pujer xccovo; o imperador all e res-
rando que ello se tinba perdido co npleta
mente na politica quando daixou os seos
autos, porque o Ilustre Sr. senador Zata
ras gosta sempre de fazer espirito ; mas o
digno vice-presidente da Bahia. qu tem ad-
ministrado a provincia com a maior mode-
raco e inteireza, poda responder muito
bem a S. Exc.: Sedoixei os mous auto-
nira emmaranhar-mo na poltica, outros
dfixarara a cadeira knparcial do magNte
rio para se entregar as paixoes odenlas da
poltica). .
Vou concluir, Sr. presidente. Entendo
que a cmara deve manter integralmente o|
projecto de resposti, e que a emenda do
nobre depatado'pela minha provincia nao
podo passar, porque este trecho do projec-
to responde completamente a essas don-
trinas falsas c chimeneas que boje sao pro-
paladas, e que tem por fin perverter. tudo
para ver se nessa conftagraco geral po-
dem os nossos adversarios sahr salvos com
o poder as mos, anda que no paiz s se
vejam ruinas. (Apmados).
Portanto, a cmara deve envitr nesta
occasio urna resposta cora, contend >
urna declaraco to franc- o to clava como
a que se acha exarada no tereciro periodo
do projecto.
Teono concluido.
Vozes :Muito bem! Muito bem I
(O orador felicitado).
O Sil. JOS CALMON: realmente
difficil, se nao impossivel, prender por mais
lempo a attencao da cmara, depois de ha
ver fallado o ilustre deputado pela Babia,
mrmente estando a hora j ro adtanta-
cia E, pois, tratare! de ser breve, at por-
que compre ser breve para agradar ou an-
tes para nao desagradar.
O Su. Gai.vo : V. Exc. adrada sempre,
O Sa. Cardoso pclllNEzes ;-Mesmo ne
fallando.
O Sr. Jos Cai.mon : Sr. presidente,
tem-se considerado o voto de grabas una
paraphrase da falla do throno; algunsdos
nossos homens plitiooe* sem disneeSo de
ci eneas assim o entendem. Outros, po-
rm, em anlogas condicjs. pensam de
forma diversa ; e por isso que entre esies
vou ao mesmo lempo encontrar a nobre
eommisso, cojo*projecto se- discute, c o
Ilustrado ciiefe.da imprensa que advoga a
loiitrina liberal.
J se \% que as opnio s, divergentes
neste caso, nao se achara na razo da diffe-
reri(,a de principios politices das parcialida-
des que no paiz se debatem.
Cada qual pmsa vremento, livremen-
le enuncia o seu juizo, sem que receie of-
fendifr a solidariedade partidaria.
Eu vou cora aquelles que entendem que
o voto du graers nao pude ser considerado
urna paraphrase da falla do throno. Procu-
rarei provar a mirflia proposicao, e para
isso de mister recorrer a signilicaco do
vocabulo.
Parapbrase quer dizer explicaco do tex-
to por n|eio de outras palavras que, tem por
lim dar ao texto mais alguma difuso, mais
algum desenvolvimento.
Se o vol de gracas fosse apenas ama
paraphrase, e por conseguinte o desenvol-
vimento da talla do throno; parece lgico
que a tarefa de sua red.ici.o (devera anles
incumbir ao ministerio, que o autnr du
primeiro discurso, do que as cmaras le-
gislativas, sob cuja responsabilidad*! a ins-
piracoos nao por certo escripia a talla da
cora.
Se pelo contrario. 6 ao corpo legislativo
quecurapre assumra responsabilidade pela
rodaeco do voto de gracas, que responde
ao primeiro discurso, enlao deve-s convir
ponsave
A responsabilidade do nionareha, longe
[ I de ser urna garanta, pelo contrario, um
i mal, por ser dilieilimo e perigoso o cor-
rectivo que porveniurj so torne necessario
appli ar aos desmandos do governo.
Os ihronos, a historia o ensina, quasi
sempre so derribam pelas revoluces. meio
violento e funestissimo para os oslados, ao
peen que os ministerios responsaveis facil-
niento se subsMuem. sem que o estado
corra o perigo, e sem que a cora se des-
cubra, sem que. seja ferida.
Essa a dilferenca capital entre o sysle-
raa que rege a Franca e o nosso systema
de governo.
Mas pretende o gabinete limitar-se s
medidas que indicou na falla do throno ?
Sr. presidente, pelos principios que tenho
eslabelecido sou Coreado a acredita-lo.
Sao essas, porm, as aspiraees nicas
do partido conservador? N5o tm ellas
presentemente mais latitude, e nao pro-
mettom ainda maior desenvolvimento?
A prudencia e as altas conveniencias po-
lticas, se militas vezes impoem aos gran-
des partidos o retrahimento no caminhar
das reformas e das concessoes ao povo,
outras vezes vem obriga-lo a seguir para
diante, cedendo fu rea das cireumstancias
e aos reclamos" da opinio publica.
Estamos presentemente nestas condcoes.
E' urgente a substmico de certas leis
que, no conecito geral, j nao se pres-
tam s necessidades do paiz, por outras
mais consentaneas com o desenvolvimento
moral e material que ello tem attingido
nos ltimos lempos.
Ponhamos de parte os pequeos projec-
tos que tendem a reformar um u outro
ponto da nossa legislaco, j to complica-
da, e que ainda mais o ser com as refor-
mas parciaes. Nossa trela outra, nosso
lira principal devo consistir em simplificar
a legislaco do paiz, tomando todas essas
resolueos, avisos e decretos relativos a
nm mesmo assumpto. e refundi-los em urna
s le para cada objecto, com as alteraces
que a acluahdade exige.
Os paizes do veliio mundo nos do o
exemplo.
Esse dfsideralton s poderemos alcanfar
por m^io las grandes reformas, e estas s
tm lugar quando os projectos abraugem as
grandes questoes.
O Sn. Arai jo Ges : Difficilem vem
posin'asti..
O Sn. Josk Calmon :Folgo entretanto
qoe a cmara actual tm-se compenetrado
desta necessidade, ao passo que sinto con-
fessar que, tant > a falla do throno como o
projecto cm discusso, mostramse defi-
cientes por esse lado.
Assim, Sr. presidente, nem urna palavra
encontr alli sobre a insltnicgSo publica; e
V. Exc. sabe
nao raminha (apo
sobre o ensino livre, necessidade palpitan-
te, de cujo remedio nao podemos prescin-
dir. Mas o governo actual nao quer infe-
lizmente o ensino livre, pois que, no seu
relatorio, o nobre ministro do imperio ma-
tn'a idea.
Nem urna palavra ainda na falla do thro-
no e voto de gracas quovenl|a animar a
agricultura, que definha que, nao .obs-
tante, ainda c nosso primeiro manancial.
(Apoiados).
J nao quero rclirir-me industria pro-
driami.nle dita, porque, V. Exc. sabe, o
Brasil tora sempre vivido de agricultura e
commercio, sem industria. (Apoiados).
Emquanto o Brasil nflo tiver fabricas, e
to c- do nao as ter, ha de ser tributario
o relatorio de
S. Exc; estamos de accordo em todos os
pontos que o nobre ministro fere em seu
relatorio, menos quanto immlgraeo dos
Chins.
Para dar que fazer polcia bastam os
que j existen) entre nos (risadas; ; a expe-
riencia feta nao anim^doura (apoiados)
e nao permiti continuarmos com este sys-
tema.- (ApoiadosJ
Iuclno-me opinio do illuslre deputa-
do pelo 3" districto da provincia do Rio de
Janeiro, que ba das sustentou nesta casa
ser a imraigraco caucasianna a nica que
nos eoQYi in; para melbprar a rara do paiz.
j to atrasada.
O Sa. Ribeiko da Luz : Estragada.
O Si. Josk Cai.mon : Estragada, diz
bem o nobre deputado.
Mas, Sr. presidente, querer o estrangei-
ro imraigrar para este paiz, onde, excep-
Co feila dos centros de popufacao, que dif-
cilmeiile se curaraunicam ei/trc si por pes-
simas vas de communicaco\ tudo mais
quasi inacessivel ?
Desenganemo-nes, senhores, n3o haver
riqueza o prosperidade mi Brasil sem que a
agricultura caminhe ; nio haver agricultura
sem bracos; nao haverao bracos sem im-
migrac.; nao haver immigraciio sem
vas de communicaco. (Apoiados.) Eis
o resultado a que en- desejava chegar.
Pois bem, demos um impulso d esta ne-
cessidade indeclinavel, e comecomos por
levar ao rio das Velhas o vapor ; dalli era
diante a nalureza como que encarregou-se
de por si s commnnicar o sol com o or'
te do imperio por meio do3 ries navegaveis.
(Apoiados.)
Mas, senhores. todas as reformas de que
carecemos, todos os melhoramcntos que o
pa'z reclama, c que nem lodos eatSb pre-
vistos no projecto em discusso e na falla
do throno, icaro merco da vonladc dos
membros do governo ?
Quem ojuz da opportunidade ?
Ser o governo, exceulor das leis, ou o
parlamento, que faz as leis e que o seio
da represenlaco nacional ?
Devemos ns consentir que se confirme o
dito de que a cmara chancellaia por on-
de transilam as ordens do governo, quando
ella, pelo contrario, deve ser o tribunal on-
de o ministerio vem prestar coritas da exe-
qucae por elle dada s leis que ella confec-
cinou ?
Ser o governo ao mesmo tempo poder
executvoepoler legislativo 1
Onde ficaria esse governo da nafo pela
naco ?
s membros do governo, quando tm as-
senlo no corpo legislativo, nao obram pe-
raute este naquelle carcter, quanuo se tra-
ta do actos puramente legislativos, o sim
como membros da representaco nacional;
neste caso tem ellos os mesmos direitos
que ns outros, que nao fazemos parte do
ejecutivo.
Representantes do poder execulivo, elles
vm s camarts prestar cuntas ao seu joiz;
representantes da naco, tm elles aqni
lana iniciativa como os seus collegas.
Nao cumprehendo, pois, a ihcoria que
coarcla ou restringe a liberdade que cada
nm de ns tem de iniciar projectos de re-
formas no seio do parlamento'.
Essa theoria, so fosse por ns applicada,
provocara dentro em pouco a sciso no
partido, Sr. presidente, seria o triumpho
da opposco.
E' um erro funesto era que tm cabido
algumas cabecas nota veis do qualquer dos
"IV M UIJHIUVVWU I7lfclllva ? o j .... _
que sem nstrucco o povo lados polticos neste pa.z, erro a cuji., con-
poiados); nem urna palavra soquencias eu, humilde membro desta casa,
i nao estou dispenso a submetter-me. entrfc
tanto que me considero soldado mu lo leal,
e to leal como os mais firmes do partido
concrvador. (Muilo apoiados)!
Dizia aqni ha dias um nobre deputado
que, sempre que em sna presenca se pro-
feria a expressao -- partido liberal, os
ervos se Ihe agitavam. Eu nao encaro a
qeslad da mesma forma que a encara o
noBro deputado. Pens ao contrario que
a existencia de partido conservador depende
da existencia do partido liberal; se este
desapparecesse o outro nio teria razio de
ser; a soberana indispensavel nos par-
tidos polticos.
fContinuar-st-htk)
TVP. DO BlAtiie-RD* M8CKIZES R. 4
3

I UEhKl
^PP


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBM5VXXLG_YRL255 INGEST_TIME 2013-09-14T00:24:36Z PACKAGE AA00011611_11936
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES