Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11935


This item is only available as the following downloads:


Full Text

lili

NNO XLV. NUMERO 2fJ3.

i
PABA A CAfITAI E LUGARES OIDE IAO SE PAGA POHTX
Jorlresatzwadiinudos.......... atMt
Por seis djios idab -........ M*00
^ no ano idwh ..'...'.'............. t*wo
: : : **$
lDA FEIM 6 D SETEMBRO DE 1869.
T
PA4A DEITBO E RfflA DA ?*WtK0lL
es mezei adaoltd*
Por stw ditos dem.
Por ao\i dito dem
Por lunaooo
DIARIO DE PERJVAMBUCO.
Propriedade de Maaoel Figueirda de Faria k Fflhos.
-------r
--------------- ii i-

ACJEHPTE
3E
em Nameth; Pnncino Tabres da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Mart/nsAive -ffiVeHXr^ da CosU Bra*a'
vV
PARTE OFTICIAL
Uvrrno da proifuela
BBSPACHOS DA VKJR-MUSlDEKet \ DO DA 2
DE SETEMBHO DK 1860
Engonheiro Amonio Vicente do Nasci-
mento Feitos.i. Remettido r.o Sr. inspector
da tliesouraria de fazanda para mandar pa-
itar ao supplicante o que -for devido.
Bochare! Chrysolilo Ferreira de Castro
Chavas.Ao Sr. inspector da tbesuuraria
t anfe o que for devido.
Flix Miguel. Em vista ta doutrina do
viso do ministerio da guerra de 28 de ju-
ilio do cqqggjje anuo, nao tem lugar oque
i juer.
J. Marmaiigili. Informo o Sr. inspector
da thtisouraria provincial.
Joan Carneiro Lins Soriano Jnior.En-
* aminle-se.
Jos RstevHo ik> Oirorra. Conceda-se.
Manoel Joh- do Espirito-Santo. -Enea
miirtie-se.
Mara l'igueia de Oliveira Rodrigues.
A snpplicante deve requerir thesouraria
de fazenda para proceder liquidado do
ineio-sold dt que trata, nos termos do de-
reto n. 49 de 27 de junbo de It0, e
do art. V> do regulamento n. :)607 de 10
de fevereiro de 186H.
Fr. Antonio de Santa Anglica Piraentel.
Passe portara.
Antonio Carlos de Rurgos Ponce de Len.
- -J est prvido' o lugar que requer.
Antonio Evaristo da RocLa.Informe o
Sr. Dr. chele de polica.
Adolph > Civalcante do Oliveira Maciel
Informe o Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Antonio Augusto Pcixolo de Alencar.
'.onceda-se na forma da le.
Antonio Augusto Pereira di Silva.Passe
portara nos termo? do reglamento do
. presidio.
Bati do I.ivramento.l>irija-se ao Sr.
tosrteclor da thesouraria provincial.
Domingos Paulino Ayres.Informe o
Sr. especio! da thesouria provincial,
Padre Francisco Verissimo Ranieira.
he-so, Dio ha vendo inconveniente.
Francisco do Souza Pontos.Requeira
r MtfllOS. i" aMMBBaM
pub ico, de ocas c pomposas propagandas do l-
ber lades anarchicas, origens das mais.insuppor-
lavis tyrannias, nao encontram echo na actualida-
fle. Por ahi pinguem fara fortuna.
er O lavradr, o commorciante, o industrioso, o
capitalista, o operario, emllin iodo os que que-
rem moldurar soa eoudcao pelo trabalho, nao oo
gilaui de poltica abstracta e pessoal. Aos exce-
sos dessa poltica attrbuera ellas, nao sera razan,
o Miado-de atraso de nos produces;) e a* diffi-
culdades com que lutam.
E' preciso abandonar essa dreccao e cami-
nhar resoluto para as escolas e para o trabalho
Nao nos falta lberdade ; carecemos de acli-
vidado r instru-cao. A aotividade lem si4o ener-
vad.-, p^ fertdidade espantosa desle abencoado
solo, o a rastrueco nao se diffunde por negligen-
cia dos pas de familia, que aguardara inertes o
ensino gratuito o official.
A escola apenas auxiliar da educacao. Nos-
ta parle a iniciativa individual pode tudo, como
toen) provado aSuissa, a Alleraanha, os Estados-
Lindos c a I ranea.
A inspeccao o o zelo doblado, em materia de
msiruecao primara, tica serapre muito quem da
vigilancia sustentada pelo ntere&se e amor dos
cidadaos. pas de familia.
O trabalho quw diier e-forgo ntellgente do
nomiMii na conquista da natureza bruta. Sao ida<
coiinexas, trabalho, lberd*de o asrucco. O
trabado sem liberdade, e^cravid-; sera ins-
n-uccao, miseria ; all o esforco sera dignidade,
aqu ou se acaba no desespero.
O trabalho livr, repetando as vocacoes,
aproveita todas as di raws do liomem, donde a sua ecundidado. O
trabalho sem instruccio augmenla o sacrilfcio, e
nao pr.idnz jamis o graode resultado : a inde-
penoen-ia *> trabaMiador.
O tiab.iifio o ama de todos os bens deste
mundo, meviiavi'i sentenoa I tem seus rigores,
mas adobados por algamas compensac/ies. Como
pena prodaz os mais e regenera, concedendo o maor de todos os favo-
>oni1ni\n!ii ---------_.* *_. -
8ae8irse odios, invejas,
Dos-partidos as pelej.ts
Naasaigia occasiao
Todos, todos se abracara
Todas as mos se entrelac.v.u
Cm pbreResi fraternal
E' que nesia sceaa ou viso
Os felizes do juizo
Oo gi ande da Hual!
Mas por que tanta alegra
Por que tao grande harmona
Flores tantas vivas mil ? I
E' que o co sorriu agora
Vendo uor-se nesta hora
janla paz ao Brasil I
Pirabebuy foi vencido!...
Jai o tyranoo abatido
Coberto de maldicoes!
E a nossa heroica trra
Ap- ribombos de guerra
De victoria ouve as caa^oei I
Eludo diz: Viva a fasta
Nenhuma s face mesta
Se divise entre v :
Nos tjvemos a victoria
Nossa patria canta glon'a
Ao Excelso qae per nos I...
Fcnde-se o ar! surge Casias
Conde d'Eu Ias aJegrias
Dosta ierra de CabraJ I...
Ap> Triumpho l vera!
Pois na t).ualln tambera
Mosirou sen ura guiara'... .
A gnW!r% ia?l>zi Ltnenthirt, em viagrm de
Liverpool para Calcula, carregadi de sal, enea
moa nos arrecifes em frente barra do Gramrna-
me-, no dia K de ago-lo passado.
Para o lugar do slnlstro seguiran logo algn
enipregado por parte da alfandega, o Dr. juiz mu-
nicipal e do commercio, e o vice-consul de S. M.
Britannica, aflm de providcnciareni sobro.o salva-
monto do casco e car
* Nada, Bgfra, pod
ve! retirar Waseo di nr
dissolvido ee) quasi sua totalidade
do 17 do mer aWertor, a neeessaria autorisacao i ,s~, ___
para .tender suas operacoes ao imperio, sujetan. 5,rid fS^\e.tmo "v,dM l/uI^d*g ?l
o Brasil nc ^ZVuZ^L qa3' ^^ "*
ito-se
as lefs e reglamentos do Brasil nos actos
qui-praucar no paiz, e depositando em qualquer
dos bancos do imperto o valor de 10:000*, como
tundo de garanta, na forma da restriccao segunda
de mo decret0 "'27,! ,9 de dezein,)r"
n.?CT-,> t,e AicaDtra Bellegarde, do meu consa-
imistro e soerntarto de esiade dos
,t>Ka,www!r>i}tte1obTas i
hn entendido efaca exeelar. Palacio
_ O cisc de Ierro, e dKom que acha-sc em ]ll.d '-'"'iri), cm 18 de setembro de i5!, qnadi-
muito bom Atado, o quo duvid. pelus embales 3,mo gumfe da independwbria du iinpeHv' Est
que tem souffco. "tbrk-a de S. M. o Imperador.-Pedro 'de M-
A presencia da provincia nWcou o dia wtara ellegm-c
de novernbra prximo futuro, da as-
seiublea provinrial. que tem d>; tuneciouar no
bietlno doJti
* A se*- no dia 1
de outubro adrante,so nao houver algum adiaman-
to, por.cooveni'in-i.is do servido pattl
penal Fire fn^uranee ompmy^t theor segoin-
A todos quantos este presente vfrem \-
* Uji'MJrado juiz du Acuito' d Ca opina-Grao- diveftar
de. Dr. liman Marta Correa Lima, foi agijedido ?ul,*'n|
injustaftieBtSno Dnpei-tndm; u "dame
Estatuios.
Certifico que mvta secretaria de estado se ada
compi-ttotemente archivada tradawo dos esta-
tuto? da cmnpaBtria d> seguros contra o fogo-fm-
-as pessoas cajos notm>s se aeham i
mptos, e enjos sello., ahi i-iu afBxos, sepa.
ivh-saodaf. &>irt itnairto pela razio
o ieipralicabilidado em alguns
da difficuldode
Francisca Ferreira da Costa.Informe o
Sr. inspector da trtesourana de fazenda,
Jos Augusto de Araujo.Informa o Sr.
'ugenlieiro eucarregado das obras geraes.
Xio Pi da Fonceca.Informe o Sr.
i-ominandante do presidio de Femando.
Jiiiiiu i Jos de SaofAnca.Informe o
Sr. capitao do porto.
Manoel Jos de Soozl NootavConce-
'll-SC.
M mo' 1 Ignacio de Albuquerque Mara-
iiliao.Selle o requerimento.
Muiiniana Francisca de Paula.Declare
0 nomo de sua Alba, e prove q>ie se acha
esta em condieoes de alimentar a supp i-
caolfl o seus tres lillios, existndo ao mes-
mo tempo as pravas que tiver da lionesti-
dade e moralidade a suppcante c da
s'ilircdila Giba.
resa independencia, garanta da dignidade.'
f Ma<, compre nao esquecer que o trabalho
exige, come, e-enrial condica., o socego tanto na
vida individual como na collectva. Quando pa-
xe.s vehementes e.desordenadas fazera explosdes
as sociedades, acendera-so as grandes guerras,
ou internas ou externas, e desde logo se paraly-
sam as energas do irabaMw, es-asseiara os tror
duelos, diminuom as rendas, eaearece a vida, e a
un seria ameaca ou dev.ra os pows. As revolu-
coes sao dos mais lemiveis o destruidores conlbc
tos. A proporco qw a instruceao se dillundir,
as revolneoes se tornaran mai? raras e exeepcio-
naes, o a proi-isao do agitador, ridicula.
Discutan! os innovadores incorrigiveis qual
das turmas de Koverno a mais conforme aos
principios absolutos da si-ienna, e deem pivlo-
reheia seu s bor, pouco nos importa. Nos dis
cutiremos os ruetbodos de trabalho mais cnnsen-
taneos cera os recursos do no*so paiz. Nao se
resiste a evidencia dos factos, e nem fcil em-
briagar o senso enmmum com os perfumes das
f
Aore* de -* -TriHi w0m j
Commando das ai'ma*.
yfirrin"miwiaiiwa quounm cas .uim\s de hb-
KAMBCO, 1" ni: SKTEKlinO DE 1801'.
Ordcm do'dia a. 411.
O 'hrigadeiro coiBifianlauto das armas,
dclara paraos lins convenientes, que aca-
ba de a.|iiarlUff#93ra fazor o Servico da
gu iriHctt d#Rcidade, o 3" batallio de
infantaria-dste municipio do commando do
Sr.li'iiente-cropel Francisco de Miranda
l/l S substituid i ao 2 da mes-
u'iii.i. queprestou o mesmo servigo por
e !p.v<> de don lue/.es.
A iv,gu!ar'nWm; c nrowptidSo com que o
Z' balallia) satis'fe an exigencias do servi-
io ordinario a seu cargo, c as eitraordiaa-
i ias. d" a medida do interesse, que tama
rim no ciirnpriui'riti) de sous deveres, seu
aiiuiaiiti; o Sr. coronel Rod Iplto Jo3o
II rata d" Alioeida, sua (fGoia!idade,0guar-
dasem gcwd, poio que o mesmn hrigadei-
ro Ihes tributa os devidos agradecim-ntos.
O quartel passou para o Sr. comman-
danb? do 3tMB estado de asseio, tal com-
o hasta: ^c.'lii lo o Sr. commandaute do 2
do Io de artilharia c do-Sr. commandaute
ora eoccup.i. o nasiia eoraruandauU'
is armas espera qno o conservar nes-
88 estado, se n > em molliores condi-
i tos COK-aices Puntes.
Gurtflrm Em llano F.rnet'.e ds Mello Tnmbo-
i m, lenle aia.Ia.nle 'lo anfiis. encarregado do
rfatall ^
DIARIO DE PERNAMBUCO
IIECIFE, 6 DH SETBBFIO 1K 1869.
Como continua^ dos dous primeiros, publi-
i ;ii o Diar o seguate artigo, no
<;ual vai desenvolvendo mais suas ideas esse or
!a opiniao publica.
\ 32 de cjasto ;. If69.
U lempo da p iliaca. atatrac4a passou para
i(5a nuis voltar. Kiababj os pregiieiros de no-
>.lules, os ospiri'.os iiiconataai^.s.fc ossonbadi
de utopjas tentaos desviar a attencao publica
mnerasso lentj c gradual: conquista pacifica
( raaw esdarev-Ja pela oxperieneia I Perde-n
-;u tempo, aq o anda cuidara em ibudir
paiz com i apraSaaveis, e promessas
--V.'i
itjculdades erescem,' o
i'Ia.ita _as lulas da p diuca
exaine das
llivio aos males
A' propor.-
pirito p
|* questdes pralicas,
i.isepiravcj-
E**a grita
lindas transo:':
iradasaric pro
isafio do poder t
No. paiz. ou antes no mundo, appareee urna
irresisiivel tendencia revolucionaria, nao para ef-
fectuar raiidancas e transformaQoes na organisa-
cao p"liliea dos estados, mas para conquistar,
transformar e devassar todos os sogredos da na
turezn, e angmentar o bem estar do horanra. Po-
rara, esta na!ureza_rebeldo n.ao se deixa vencer
senao pelo Irabalho. Trabalhemos, pois, condi-
cao neviiave! do bom estar individual e da pros-
peridade das naces.
Quando desembaraeados. pelo trabalho das
grandes difficaldsdes que agora nos opprmem.
cscutaromos em hora de distraeco a theoria*
do* ulopislas, inventores g repblicas justase
pacilicas,
Em verdade, o voto do paiz o da inaugura-
cao da poltica pratica para a desenvolvimento in-
tegral de todos os seus recursos.
O tempo da poltica abstracta passou para
nao mais vahar, i
a. .de Aibuquti-qa Lia.,
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFfClAES.I'or deliberado da presi-
dencia de 3 do corrente, foi nome.do para o lu
gar de praticante da secretaria do governo, o Sr.
Manoel Joiquim Rodrigues do Nascimento.
ACCAO MERITORIA.A Exma. Hra. D. Joa-
quina Mana do Espirito Santo, moradora no -ito
Pao Ainarello, do engenho Macng, freguezia dr
Jabuatao, acaba d.> dar gratuitamente liberdadft
aos seus escravo? Sebastin, Trajano, Hygino c
Ap 'lonja, tornando-se por acto tio meritorio dig-
na de todos os encomios.
NAUFRAGIO.0 patacho brasleiro Calad, de
I18 toneladas, pcrleucente pracadi Bahia, que
vinha do Asj para o noaso port com carrega-
mento de sal, apanhaado muito mo^tampo na
altura do Pitaoguj ao sul do Natal, foi obrigado
a correr poya al aos baixos do porto de Mi-
cu, com agua aherta, indo ahi pique. Salvou-se
a iripolagao bagagera e algam material do navio.
CADVER. No rio que banha o engenho
Gurjtu de Cima, no 2' districto de Jaboato, f ii
lirado o cadr.ver do prelo M.raoel, escravo do Sr.
Amonio dos Sanios Souza Lean, j em adiantado
estado de putrefacta-; declarando os peritos ha-
verera vestigios de t^r sido elle assassinado.
TRILHOS l'RBANOS DE OLINDA.-Na sesso
l ta compatthia, do dia 30 do crrente, foi eleito
director, em lugar do Sr. baro da Soledade que
recusen acechar o cargo, o Sr. Jos Joaqui Al-
v's: o autorisa'l a directora a nomear um ac-
cionista para substituir ao director ausente o Sr.
Manoel Jos Danta*.
CABELLEIREIUO.-O Sr Jayraa Eneas Gomes
da Silva, estabetecido com casa de cabelloireirt
ra do (UBuiado r. G i andar, acaba de fazer
grandes laeilidramentos no seu estabeleciment,
onde ha de | resente um variado deposito de per-
fumarias dus molhores fabricantes da Eur.paJ
alora de diversas quididades de objectos de toilet*
te. Recammeadando esse estabeiecinenio ao nos-
so publico, estamos convencidos qSesaliira eile sa-
tisfeiio da aiacu?3o do trabalho e do agrado e
smceridaae^o respectivo propietario.
GUARDA NACIO.VAL.-Pelo quartel general do
commando superiir do municipio du Recite,
cliamadi o Sr. alteres Arseiino Jos de Atmeida
I'ernaiabuco a ah ciMiiparecer dentro do praso
do 30di**a contar do 1" do crreme; tindooqnai
o consetka de invesligacao proceder ao exame do
sua aasencia.
POESA.A soguinto foi recitada, no palacio
la presidoneia, pelo Sr. Pelinn J. c. Guedes, por
occasiao dapassoiaia pelas ultimas noticias viada*
do theativdA' guerra:
Gao wpeelactilo brilhante
E' o ver febricitante
D* prazer.a raultidol
Qiem so dejxa no marasmo
am nao soatc entbasiatno
So- exalta sua nacfui I
At meflTioo'estrangeiro
seu (ossap sobmacetro
1 io*a-a patemao coracaot
Mas a que/n render um hymno
A" exceptu do Divino
Supremo gqvernador ?! !..
A Osorio I f I. ..re da guerra;
Estrella da nossa trra !
Nosso bravo defensor I !...
PROCLAMAS.Foram ldos bonlein na matriz
da freguona de Sauto Antonio os proclamas
segrales :
^.' denunciaco.
Dr. Graciliano de Pajla Baptista, com Clara Ma-
na Seve.
Carlos Cj riaco Radich, cora Joseplia de Paula
Nevos.
i.* denunciaco.
Matbaas Alvc3, com Joseplia Candida Evaugo-
IlSt-d.
Basiiano de Magalliaes Castro, com Mara Celes-
tina Paes Barrlo.
Pedro Antonio Argcmiro da Silva, com Alexan-
arma Marnlia da Silva. ,
Manool Apolinano deSant'Araa, com Eulampia
Agripnia dos Santos.
Guilhorma Pedro daSilveira, com Josepha Ama-
lia de Abreu.
Fi-deriai Maia, com Ambrosiaa Maia.
verissimo Barbosa de Suuz.i,com Auna Joaquina
anonyinasI.H^nettdas do ng, e tamben un te
firmada pur um cecto Ayres du Mello, de equivoca ^l achwi-se meios de segnrar por un n
repulagao, rwidi-nte por aftl WjIBcmnie, e premio? razoaVeis, os navio- no
0 iltiffta magistrado, cft datante 28 do pos-' ^P?> a* c9saa'< armeens e edificio, os rf^ntiti
sado, defcndS-se com dignidad.1 e franqueza, p Mgs e as fnamdas nuiles coudos, contra os
columnas dVoraif arguicous, odhfundfndo cus dcsleaes aggrcssoros a(**^p!dieiite esta*riecwr-e mn csrriprio
d iii"uVjna# coiicliidcnte c manifest j Para eftetiis-r ta'ea segaros, o com estas vistas
Honra, pois, a tao dlstiacto carcter. ) ien~p cwnvencionado iris segulntes prop sta?| ;1^
No ultiufo vapor do sul chegou a estas pa- fl--* (tinta swjnadas- pelas partes mteressada
gas o iiossojptrieid'p amigo, c ipiao Manoel Co- |?,>st'' Presente.
mon:no%A)iro (h Cimba A'rantaa', quosc acha- : l eol< pac estabelecer urna sociu-iade de
va no thea|r#d'a guerra desde suas prunetfaf g.uros de edificios, navios nos portiw, gene-!
luces, ejff^to-so il i ;i,!ete du ibedal e outios efbitoV, contra o logo
ao posto ey^ue so acha. tferatxo da flenominacao-^TJ Im.-ierial In-u-
rin 'iy a compabra imnerial de
seguros.
1." Que o cantiaJ subscripto sm de bbras
w e duzuntas mil cm aegos de libras
Miguel Arehanjo Coutinho, com Paulina Goacal-
ves de Macedo.
3.a denunciaco.
Joao Antonio de Can-alho," com Houoria Maria
do ('armo.
Angelo R.Hilio Peroira Chaves, com Maria
Amelia Piuheiro Jacunie.
Manoel Joaquini do Nascimento, com Auna
Maria Benedicta.
Jovino Fraucisco de Paula, com Maria do BaM-
rlo-Santo.
Antonio Peregrino de Fars,
corre no
Columba
rai'cs q:if ornam su n bre poilo,
c distinijcSo^om que scmjire se man
^t^ein di anear m ooum de tintas tadigas.
na>eio de sfla familia, da qual acliava-sc au
lia bastante gfnpo.
Fe'icjlamos seu digno pal o uosso wtimavel
amigo Sr. Manoel Porfirio Aranlia, por semclliau-
te motivo At natural regosijo.
As a ilifeias do vapor americano MeiTiiiuuk,
sobre as ultimas victorias do nosso valenle cxuici-
to, contra aiposici's do'inimigo. foram aiiui re-
cebidas comniita saiisfafao, illiiniiiiando-si; noi-
bi Os cdift-ios pnblic id nuraefO de i
,rii iiciilaasi
uro oin i unos fazer
jos pela conClilsa da guerra t'iu
mortfera !
lefd ilo-se das
'es do cambio di.'csa praca c do Hiu,
para llOO e t.j>000 por ar-
>, com entradas regalares.
[irt i, someflte, carga para
rigue inglez Melita, embarcando al-
os ult
desastrosa
0 n I?
ultima- 00
l'.xand os?
roba'na ns
Contini
Liverpool,
godao.
LOIKlilA.A que se acha a venda a i t', a
beneficio d Santa Casa de Misericordia, que
ALFANFflr.A.- Esta
pwsado 7i:!)3il87 n,
PASSAGKIKOS.Vuelos da liranja e portas in-
termedios, no v.ipor Pirup ,,"t. Iioiiiem :
Jaciullio F. O. Gjudim, Jo,ii|iiim (ionealves da
Silva, Adelaide L. C. Chave*, urna irma e um II-
Iba menor, Juo C. Linlian'- a M awraxo, Ber-
nardmo G. Linhares. Raymuiiilo Palca, Horacio
Francisco Ituno-. Bi lojno liamos Chives, J^s
Gomes do Albaquerque, JBS Pi de Sa C;ivalc.anli
edous escravos, Francisca Ittwos de Suiza. Ra-
cliel de 6 iiza Li ni, Frai'weo A. Fe-him, Antnnio
13 Que assim que a soimna de libras 800j00O
wr subscripta a cotn.ui-s.ii> cima uoraeada con-
vidara uua assemWa ger..l dos accionistas para
elegerem li dos accionistas para serem directores
o o; qu.-uis om 7 dos accionistas para sorora no-
ineados diructores, cora> ftcara adianto ntonciooB-
- npstUra de \xmMtom^4* ti duains
mn des quaes aancr:. I .,;<> -<^^E
pel. menos de sub o nunwro dos
quaesiia drectwtt assit eteiios o approvado
coihera ura presidente e um vice-presnlente, c
que pelo menos 7 das de anstf ser dik de Nal
P'-r aviso publico.
R. Qbe os directores d cootpanbia West ludia
IMck niearan 7 das ditos aeciottij^HIErom
directores, iM^B com os li aceiraiUtak yie
yao ser den arobtorc pelo as, coii
ja fica dito, ^aslituirau o dito tribuoal de 21 di-
rectores.
l.o. Quo o irimairo nribunnl de dire.cti
imitara a fum-cienar por 3 ..ranos, ena
dos quaes S,j*3P^*r*W; 2l_direcJ>.r
te ann, e oun| L >ino*
insprmH'ictariaadincajiR^ cpa.ihia do
West India Dock* r-TIjJWJMr' respectiva-
mente da inesma '""iragr' foram oleilos ou
noraeados o que se rWarem. Purt.nto que
dep.is da oxpira?au dos iMmiewos dous anuos,
neiihum di^directoi-jis continu mais lempo no
exerciein da directora que i airaos seguidos, c
pei'tanlo aasim que a conlmuacaa ck qualquer
dellcs om exerccio pssa ser prohibido ac menos
C dos directores Sabino do soroio por votar*)
cada i anuos, c outros ti ,-era-i Borneados para"
substituir da ifiW'ira ja mortoianada, a
oo [iiimiro tribunal, de din-cloros devi
dcierraraada por soito. e a ikvloa:attoncj
do ser daflo aoseguinie ai;
Ib. Que os ;; Drimcims directores
quinhentas'cada urna.
." Que nenhum accionista seja. perrailtido
subscreyer menos libras qninhentas. nem mais de
libras cinco mil.
. 3." Que cada accionista depositar libras dez
por cauto sobre a quantia subscripta oo auto de
executar o auto de convenan que astabalefa a
sociedade, c que elle na mesma occasiao entrar
em um convenio ou dar oulra garanta conve-
niente, prometiendo por si. seus herdeirn, toata-
mentelros e ad iiini -tradores, pagar o restante de
sua subscripeo ou qualquer parto da mesma
quando for chamado por ajuelle fim, conforme as
estipulares que devem comer o auto da con-
vencao.
i." Que os cavalheims Uenry D ivdson, Thoraas
l-ovtland, Thomaz Huglin, Eiward Kemble, Ri-
chaid Lee, R.bert Hdligan, Tilomas Pliumincr,
John Sinith o Joseph Timperon sejam nomeados
em commissao para recojerem as assignaluras
das pessoas que desnjarem subscrever e que-cadu
pessoa subscrevendo eslas prospostas pagara na
raesina occasiao aos senhores Barchav Tritura e
os dosie esubeleeimeiitn) nos
o importe da sua subscripeo como ajuda de
casias para levar a elTeito as proposlas, cujo pa-
gamento ser considerado como parle do deposito
sobre a quantia subscripta, e ser levado em
conta ao accionista, quando pagar o restante do
deposito, mas perder seu direito ellc no caso de
nao ser pago todo o depo.-ito. E quaesquer duas
ou mais pessoas da dita commissao terao licenca
de saccar sobre os banqueiros para pagar as des-
pejas da formacao do dito estabelecimento..
0 Que a commissao ser autorisada a mandar
sabir'cnisi-liro de J lora
eleitos pelos aecimiistasx- 2 dos 7
ser
qe.tdev.
meados pelos directores dis comp;mhfl^^^H
ludia DoeiV Que os o directores em segun^B
gar que devem sair consjsl'aojainbem de 3 dos
ditos ti, o de 2 dos ditos /. Qtie n..5' director..-
em lorreiro lugar devem sabir consstiru> de i
Jos ditos ti- e le I dos ditos 7, e que os 6 direc-
tores que devem sabir em quarto lugar, consisti-
rau dos i restantes dos ditos ti e dus 2 real
dos Atoa 7 directores, quo devora ser nssfm rtei-
tos ou Borneados como Dcai meiieonadn,eqa[
quer pessna que livor serv,! i no empresa de di-
rector ser no caso de ser reeleito uepois de le
deixado de funecionar por um auno.
17. Que 'i verificadores sern tambem eleitos na
primeija assembla dos arci nc-us os quaes ron-
tinnarao a funecionar or 3 annos, e no inspira
can dos mesaos, um d'entre elles sahir.i do exar-
cicio, e assim em cada segumte anuo em volacao.
eoutros sarao nomeados para es subsiilnir, e se-
rao qualificados para serem reeletos d.pns de
estarem fora do exerccio por um anna da mesm
maneira que se acha j prevenido neste respaq
dns directores. Que os verificadores se reunir*;
trimestralmente, e examinar* a vofiliiiatio a?,
cuntas da sociedade e declarcao aos propietarios
o resultado das suas verficacoes trimestracs, an-
nuahnente em una das suas scsses on assem-
blas.
18 Que 12 depositarios serao escnlhidns da mes-
ma maneira que os directores e verificadores, o
|ue o fundo capital, como tambera o capital pro-
UM MO MINISTRO DO ALTARScxfa-fei-a ul-
tima, sendo chamado um padre estrangeiro, minis-
tro da religio ebristaa, a ouvr de confisso um
moribundo, recnsoii-se elle IssH pretextando ser
bexiguento o enfermo Isso nassoa-sc no 'Jaft-,
s 7 horas da tarde do referido dia. Nao nada
edificante semelnante excmplo,
DIA7DETESETEMBR0.-Amanl.a oqun-
dragiisimostimo anniversario de uossa emaucipa-
cipajo putica. llavera cortejo em palacio, e ar-
rumamento de tropas. A' n.iute a emproza lyrca
do theatro de San a Isabel leva sceoa a opera
Fausto, sendo o espectculo cm grande gala.
PROTESTO DEEIRaS.-O escrivao dos pro-
testos Jos Mariano est de semana ; ra de
Santo Amaro, n. 20.
G VMELLEIIIA Comnaoic.im-nos o segninte :
Este povoado augmenta; lodosos das nellerei-
na a mais inalteravel paz, o que devido boa
ndole dos seus habitantes o moderaeio que
sempre tem destinguido a3 suas autorlade-, e
procipaimcBte a preponderancia que exerre so-
bre os coracoes a religio christa. Comeffeito
explicaran dos erangelhos, e dos cathHcismos o
mais actos religiosos que de continuo cele.br..m-se
nesta freguezia, se deve em grande parte o pro-
gressp, a paz e tranquilidad.: de que Rosamos.
No domingo (12) prximo, de.o di da benejio d
SS Sacrameiit i. que costuma a-pii hiver nos dias
santificados as o horas da tarde, d.ir-se-lia corae-
oo ao septenario de N >ssa Bonitura das Dores, cuja
fesU celebrar-se-Ha no it 19, sendo orador as
vesperas o Rvm, Constantino Gome e'Matto*. na
resta o Dr.. Luz Ferreira Nobrc Pelinca, e no i. -
Deom o Rvm. Antonio de Mello e Albuquerque,
esses dous ultiuios j sao bem conhecidos do iiU-
l':""' 'ital, o primeiro um aven filh .
do n;- iro de Onda, de talento e Inlcll-
gencia robustos. llavera na tarde do dia ItTcava-
rhadas, e a imite soltarse-hao haloes, e queimar-
se-ha um lindo fogo de artificio. Cosamos ver
'lade paz e tranquildade, mas estamos s-.ITrendo
graves males, que convm sejm remediados por
quem competir, taes cofflo a falta oeste lugar de
um agente do sello, falta que obrga ir pr-eurar
se sello na cnlade do Rio I'orm0so, distante oito
leguas, e o grande inconveniente de ir esmolar-
sc jusnc.-i cm Seruhem, que disU nove legua-
do povoido. E de esperar que a nova asscmid a
provincial proenra remediar esU falta,elevando a
villa este povoado. Alada nao se conelulo a ma-
triz desta freguezia, apezar dos grandes esfoj
do Rvm. pamclio, que se acbaem mos com oce-
miterro que pretende concluir at o fim do cor-
rente anno. Chamein Vmcs. para isto a atlencj
do Exm. bispo e presidente da provincia.
PIIUPAMA.Cb.goii honemda Gratyae-por-
los intermedios, este vapor da compaahia lVr-
nambucana.
Fallecen no Aracalf, o tnente-ooremol An-
tonio J.vsA rio Frailas.
Na provincia do-Rio Grande do Norte falle
cerant: Jo- Barbosa do Medeiros, no Acarv, de-
cano da familia Medeiros, ema 90 anno; Germa-
no Gomes de. Rriui, no Principo, cun 60aaoos,so-
brinho do fallecido senador Guerra; o lilxsri
hpp, com 80 annos de idade, no Campa Grande,
lendo vivido de yaqueiro at poneos da* antes de
fallecer; Anna C .rdosa, cm 100 anw.s no Ca-
tle, mesibro da familia Cardoso.
Da capital da Parnhybi nos oscrevem, em I
do corrent-' '
relmto Eiisi'. Kelipne H. C. Roeha, Luz Daoli-
Cavalcaati, Ignacio Ferreira Serrano, Maria Fran-
cisca das Ne.es, Pelronio Nstor de S. Magalhes,
l.oiirenco A de Azeveri \ Jorffe M. Lopes deSam-
piyo, Antonio domes P soa, k owntita a entre-
gar o7 nufragos do pataobo Calai.
Saludos no vapor t'n ana. para o sul do im-
pero :
J is Joaquim da C. Fleitas e sua senhora. Tho-
maz Angn-to de V. Coiml.r.i, D.irainges de Mello
Rodrigues Loureiro. Antonio J. da Costa, Manoel
da Costa. Antonio .lo Suares de Oliveira. Lufa
Borges, Eugenio Augusto Branda.) Ramos, Dr. Jo-
s de BroMir Lima, Manoel J. do Espirito Santo
Luna, .lose lanicio dos Santo-, Juan Carrera, Wd-
tia-n Wangban,.sua senhora, dous filhos e duas
criadas, Tlieodora Maria do S Pinto e uou< lilhos.
Sara|liiin M.imira, Francisco t. Antunos, Antonio
i i Cosa Mesipiii i, i os Das d Cruz Lima, S. Go
mos de Figueiredo, Francisco da Silva, llemique
Vianna JaT>aa, Jos Ignacio de Sani'Anna. Sera-
phim Valeriano de Paula. Joao ]). (oiivs, Ludwig
Huekuk, Candido A. Sodr da Molla, Jos Fernan-
dos Riheiro Jnior, Carlos R. Finck. Pedro Jua-
|uim F. da Csta, A Ib ni i Hensehel, Curios Forne.
Manoel Luiz Pereira. LMz "da Veiga Vanla, Car
los J s ile Castro. Manoel Aires de Son ja Leite,
M.-)iioelaFernandes deCAsta, Antonio Joaquim do-
Santos, J,.s da Costa, Joaquim Francisco dos S.
Maia. Francisco idti- ilo (i,iveira e Silva, capitn
(Vildino Antonio da Silva l'Vaa.. t'i'iilo de l.ellis,
Aut dio Leiioldmo di Silva, Manuel ilorges Leiie.
loaquun Onnealves ti Silva Rocha. Mariano T.
I'ra lo, Carlos Pivjdt), Ul sses Delhoy, ito recrutas
a do s guardas nacmnaes, oscravos Ctsiidita a >it
entregue Victorino de Su Passos, Josepba D.
Kraneisea Balthazar da Silveira. Maris. Fex e Sil-
vina J J. ( mies le Abreu, Joo Ludovieo J s
de Avelar. Pranciso. M ireolino, B.-viano. M-noel,
Ttiomi', Fruetoose, Matinus, eVMUto, Francisco,
Cssiana e Camlfo Antonio Jos de Abren.
Tribuna! do cwnmercio.
Por esta secretaria se faz publico que em data
de 19 de agosto foram registrados n decreto e
matulos abaixo tjanscripls, da Imperial Fire
Insur.iuc. Gijmpeey, de seguros contra fogo,
establecida em Lurdros, com agencia nesta
cid da
Serretiria ib tribnnal do eommercio fie
Pernambuco, 3 de setembro de t860.
O official-m
Julio Guinia,
DBCftrtO S. 3I5V DK 18 DK SETT.MRIV DE t8W.
Permttte qm a compinhin inqltzn Imperial Fire
continente divdio entre, o pag > aos prnprietartoj
em proporcao s respectivas acees, c que os ju-
fttxarante Company estenda snis oprracGes ao ros fnturos on dividendos, que de tempes em
mtfwrto.
Atleodt: ido ao que me requeren a rcmpanMa
fmperi;:! Fire Insurance C-impany. fundida era
Londres, c devidamente represeutaita pelos'llns
agentes ne*ta arara, Baird, LeCcq & C. hei por
hem opnceder-llie. de conformid.id.' com a miiilia
immetata resolocSo de 2o de julho ultimo, toma-
da sobre o nareeer da sTrcS dos negoeloi do in-
feri do conscHic de est8d>; exara I
individuaes serao cingidas dentro destes limites.
v 7." Que o deposito de libras dez por cento sobre
a quantia subscripta depois de deluzir as de.spu-
zas da formaeo do estabelecimento ser empre-
gada nos fundos pblicos em no ue dos deposita-
rios e denorainado^Fundo capitale que os
juros sobreomesmo serao erapregados e aecu-
mulados por cinc airaos, durante cujo periodo
nenhum dividendo ou juros quacsuuer serio pagos
qualquer subscriptor.
o. Que no caso dos premios oorrentes, recebi-
dos sobre os seguros ratos pela sociedade, jirova-
re:n insuIRcentes para o pagamento das-pedas
que resultarem, este capital, e todas as suas ac-
n>nalacoes, ou qnanto dclle foc necessano, para
aquelle lira ser appbcado pan satisfazer c resti-
tuir taes portas, e no caso de nao ser sufllcieta
para aquelle fim, os assgnantes serao de lempos
em lempos (Conforme exigir a occasiao) convida-
dos pelo tribunal de directores pagar -miras
qiiandas como .chamadas em proporcao as suas
subscimieoes, e at toda ella, se as exigencias da
soi.'ictke precsarem dus mesmos.
1). TJue pos casos dos premios serem mais que
sufflcientes para satisfazerem aos prejuizos prove-
nientes dos seguros ratos pela sociedade e as
despezas da aaministracao, as sobras que, nao
forem necessarias |>ara saldar os coriTpromissos
correntes e despeas da sociedade serao empre-
gadas de lempos em tempes separada e distneta-
mente a parte do fundo capital e aceumular em
beneficio da sociedade.
10. Que na expiracao do dito praso de ? annos,
as contas da Sociedade como coraganliia de segu-
ros serao apresentadas urna assembla de pro-
prietarios, e se for provado que a ompreza tem
sido prospera, tres quarlos ou quatro quintos
(conforme determinar a maioria em tal assembla
geral dos proprietsrios) do fundo ou das caucos
provenientes dos premios reeebidos por seguros,
empregado, como j flea mencionado com as
aecuraulaeoes do mesmo, dorante os ditos cinco
annos*, ser ent. transferido e formar parte do
mesmo fundo capital da conipanha, e que seme-
Ihante invesligacao dos negocios da eompanhi i c
transferencias para-o fundo capital lero lu^-ar na
expiracao de todos os cinco annos successivos.
11. Que na expiracao do dito primeiro mencio-
nado praso de o annos urna conta do.cmprego
e da accnmulaca do capital sub-crplo ou fundo
capital ser tambem apresentado peranto urna as-
sembla geral dos propretarios, e se for provad
que a nnprata tem sidq prospera, de modo que
a tranferoncia ser feita dos premios empreados
para o fundo capital, o total dos juros ou produc-
to do fundo capital juntamente com a'accumula
veniente dos premios ser empregado nos- seus
nomes, dviolndo-os em classes de i cada urna.
Quo os seus nonios serio variados ou transposlos
conforme for necessaro a moda da pratica du
banco da Inglaterra, na gestan dos fundos e das
eauces parlamentares, mas nenhum fundo ser
empregado nos nomes de menos de 4 deposi-
tarios.
10. Que todos osempregades superiores do diti
estabelecieiento em projectb serao noraeados pelo
tribunal dos directores.
20. Que duas assemblas geraaa dos propreta-
rios terao lugar pelo menos annaalment nos mu-
zes de Janeiro e junlio cm. cada anno, do que u
necessaro ser dado.
21. Que as assemblas gerae.^ extranrdiiirriaa
podem ser convocadas petos, du*eotores, ou por
20 propietarios como consentmento de 5 direc-
tores dando previamente 10 das de aviso.
22 Que em todos os escrutinios geraes um pro-
prfelario possuidor de 1 areao ou libras SOO do
nlisciipro terao direito a dous votos c aquel!', s
l> eraiaeo 10 acues ou libras 6,00f>de subscrip-
eo, a ires votos e nata mais.
23. Que a dita comiuisso estar e estar auto-
risada por por este a inserir no projectado aula
no contrato e as regras e regulameetos, q*e
devem ser preparados para o governo e a ge.-in
da sociedade e para promover e estabelecer seu
crdito, c a sua repulagao par*] CoTn o publico.
2i. Nos cujos nomes, estn" uestes subscriptos
por este instrumento concordamos separada u ,
respectivamente, em sernos ac*cionstas da socie-
dade que se pmpo3 cima estabelecer, as sem-
inas que se achara, adianto dos nossos nomes res-
pectivos debaixo das clausulas e condigoes acrat*
estipuladas, e taes-outras condieoes regras o rc-
gulamentos que serao introduzklus no dito projec-
tado auto de contiato com oa pela aparevacao
da difa coininisso onde unir, maioria da mesma.
E n- por esta separada e reqieclvamente con-
cordamos em subscrever e executar o dito auto
de contracto quando for requsitado e-no acto du
assgnar estas propostas temos pago as niaos da.
dita commissao a somma de libras una por cent >
sobre o importe dnaossas snbscripcoesx promet-
temos pagar o restante de libras dez por rento,
quando forraos chamados para aquelle fim, corar
j fi.-a dito, o deposito de libras urna por cent >
ser, e o mesmn por este declarado confiscado
mesma sociedade c nenhumn, demanda quer no
foro, quer em um tribunal de eqoidade ser ce-
inecada ou instituida para recobrar o mesmo ou
qualquer parte do mesmo.
Em testemuiiho da quo assignajnas aos 15 do
dezembro de 1802. E porquaslo as diversas par-
tes mteressadas nesta presente era seguinicnto das
ditas pripostas e para levar as mesillas a inteiro
elToito e execucao, lem concordado em fonnar-se
urna companhia c- entraran n'uma subscripeja
para levantarem iiOO aceites di qninTientas libra.
cada urna, a somma de bbras um milliao c de -
zenlas mil como capital da mesina companhia a :>
somma particular subscripta por cada urna d.is
partir est escripia adianto do seu n -me, e sol-
io, subscriptos e collocados por ella neste pre-
sente.
E porquanto n'ma assembla geral dos subs-
criptores convocada pela commi-sao mencionada,
as me-mAs propo-4as em 4 de Janeiro ultimo pas-
sado. O muito lloarado Charles Prce, lord major
(magistrad i em ebefe) do Londres, os Ilims. Sw.
imos do mesmo, durante os taes 5 annos, ser in- Joseph Huddart, Ebenezer Maitland, DNtniel Hil-
lempos crescerao do todo o montante do fund
capital, de*de e depois di expirac dos taes 5
anuos, sern divididos entre, c pagos aos proprie-
tariM om proporcao sitas respectivos accoes se-
mestralmeute.
l. Que nenhum pmpefetarin ser pcrrailtdo
transferir as suas aredes srm licenea d triliunal
de djrectnrcs, e todas as aprdHJacdes para tal li-
conca ser! fetas par escripto deelarand-j as ra-
dred, David Mitchell, .leremak Olive, Tltnma&
Reed. Abraham Watson Rutherlbrd, Roberto Sla-
de, Uenry Smlh, Goorge Wi.od'ord Thelluson.
John Henton Trlton. Ric-iard Twiniug e Aadrow
Wederbenn foram devdamente eleitos para serem
quatorzo dfl-ectoros da dita companhia, e as direc.-
tores da companhia dnWest mdia Doekno-
mearam aos Illms. Srs. H-mrv ftavidson, Thornas
Goland, Thonias Hugbam, Bdwafd Ke>nbte, Ri-
chard Lee, Tilomas Plumner o Joseph Tompemn,
para sororti o? otttros soto di. compa-
nhia.


-r



.- -


m
diario de Pernambuco Segunda feira 6 de Setembro de 1869
'KWH
a
'
**
E porqnanto na dita assotrihlca da 4 \dc Janeiro
ultimo, os ditos Clwrles O.-ice, Henry Davidson,
Tonina Hojjhan, Edeward tiemble, Wichard Lee,
Ebenezer ahlana, Jeremiak Olive, Tilomas
Muiuner, fcaiert Slade, Henry Smith, Gcorgo
Wondford Tbeflusson o Joseph Temperen, lorara
dcitos depositarios ila mas* o elfcjtos. da diu
-oguros, e aos Illms. Srs. Grant Al-
ian, Gworge Brewo, Stephen Callley, Samuel Dru-
ve e Wiliian Sewis, faraia eleitos vcrifkkdoreBnaw
contas da dila companhia. Eporquantoa eommis-
sl>s quera o mcsfflo foiToferido pelas ditas pro
postas leu oeshjooe prsenle auto de contrato
appruvmt o mesmo.
E |>orquanto cada ama das parles iateressadas
este presento., fez e pagamento antes da execuco
do inesmo casa bascara dos Srs. Barchay Trit-
ton e Bevan om Lomba i >l Street de iiin deposito
le. libras/nore or ecnto em addiejoo ao deposito
previamente ftSo por ello r,a ella delibras urna
por cento, que Calendo libras dez por eento s 4>re
a quantia da snbscripro Vilo ou dclla e o total
das soturnas de dinheiro assim pago por va de
deposito do libras rento e vinte in. Saibam.
piis, agora qno cada pessoa de quera o noine o
sello se adum subscriptos ecollocados neste pre-
sente (exeeotuando os ditos Charles Price, Henry
David-on, Thomas Hughan, Edward Komble. Ri-
fcard Lee, Ebenezer Maitland o Jeremiak Olive)
punto refere ao actos e tollos conve.ucimiados c
partuados para serem feitos por elle ou olla, ou
nerrieims, ti-siamenleiros e aiiminislradores delle
ou dalla e nein mals longe, nem de outra maneira
envenciona, proi&etle e concorda para elle ou
-ella e os herdeiros, testamonleiros, administrado-
res o curadores delle ou dola Coin os ditos Char-
' los Price. Henry Davidson, Thomas Hughan.
Edward Kemble, Richard Lee, Ebenez r Maitland
dores e curadores.
E cada um delles o dito Charles Price, Thomss
Hughan, Edward Kemble, Richard Loe, Ebem-
zer Maitland, Henry Davidson o Jeremiak Olive
quanlo refere aos e feitos, que cada um con-
vennonou e coneordoa em fazer por si, seo tes-
taiaenleiros o administradores, convenciopa, pro-
melle e concorda por si, seus herdeiros, testanien-
teiros o administradores coin o dito Thomas l'lum-
mer. Roben Slade, Henry Smith, Georgo Wool-
ford Thidlussen e Joseph Temperen seus lesta-
menteiros, administradores e curadores da ma-
nera seguinte, islo 6 : Que as diversas partes in-
1eresadas neste presente e os diversos e respec-
tivos icstainunteiros e administradores e toda ou-
tra pessa' quem sera pns urna ou mais ilas ditas acedos do Hbras quinhen-
tas nodito capital, cmquanlotlle en ella possae, a
mesnia ser c continuara ama companliiapelo no-
rata da emnpanhia Imperial de Seguros paraos
propsitos e sob a3 condicoes, estipulacdis o con-
veaio-s candante exprimidos e cntelos coneer-
neote a me-ma, islo : Que as difas propo.stas ex-
primem os principios fundamentis ou constitui-
r. da companhia por esto establecidos e sern
juardadas e effeciuadas por onda um me obro del-
a do inesmo modwquaae as prevNdes, estipula
ces o convenios aellas comidas, foseein aesle
anda repitidos e expressamente cnnvencioaavtos
para serem ctTectiiifa'os, e as ditas propostas nao
sao totalmente M em parto revogaveis ou altera-
reis por qualqncr motivo on snb qualquer pretex-
to que sej., e quo qualquer artigo, materia ou
cousa qnepjssa ser cuntida em quilquer instru-
mento para ser depois a-signado pela couip mha
a por q .n'sqiier membro della e qualquer acl i,
materia on cansa por ser liavda, feita, consum-
mada u executa la por ulles, na qualquer deiles,
purquanto o mesino sera contrario ao espirito, ver-
dadeira nt:) ,-ao o senado das ditas propostas, ab-
sol.ita nente millo o. de nenlium elfet) em todos os
Umt>ia>iaff(Htos, construc^des e propsitos quacs-
qaor, tafctcm respeito aos membros da cumpa-
nbia. quanto a todas as mais p.'ssoas.
I. Quo o nbjecto e negocio da companhia de
separar navios e outras embarcaedes no porto ou
n i t.ileiro as eonstruindo, ou nos diques soom-
corl dn, e mercadorias a bordo das mesinas,
tamben) (arcas e nutras embarracoes sobre rios o
canaos narogavcls, o mercadorias a bordo das
iii'-siins. elicios, genero-, men-adorias e effeitos
ul a Craa Rrelanha e Irlanda, nu cm outra qual-
quer parle do mundo contra perda oudamn por
foto.
2- Que suscito e sem prejuizo as ditas propos-
ita como ji mencionado todas as ordens, regras
. iv-ulamentosparaa condnc'io c administrac
los negocio* da companhia sern sujeitos >u
(isnntendencia e poder das retiuides geraes da
ceinp inhia da maneara em dimite prvida.
3. Que naterceiraqaarta-feira em Janeiro o a
tereetra qoarta feira era julho em cada auno, urna
reuna i geral dos tiiemluos da companhia ter lia -
yar entre as horas do ineio da e duas horas, nn
cscriptorio principal da companhia, ou em tal nu-
tro lugar que o tribunal de directores da compa-
nhia nomear para acuelle Om, c que cada mem-
bro da companhia nomear para aquello fim fl
que cada membro da eo npanhia euto pnasutnd i
uiaa ac(o de libras qunlieulas do capitl da com-
panhia ter dir*ito de entrar c votar em tal reu-
nan.
4. Q te daz das do aviso antecedente ser dado
de cada reunan geral destas por annuucns na
gaceta de Londres, e em dous ou mais dos jor-
naos da manha em Londres.
8.0 Qoe os directores desta companhia on urna
mairia delles, ou vinte ou mais membros da com-
panhia con o consent nenio por escriptode fforu
oamais dm-ctores, podem de tempos em lempos,
cenvocar una reunio geral especial da compa-
nhia por um annuncin que aovo serfeitn na gaze-
ta de Londres o em duas nu mais folhas da ma-
nlia .-ni Londres, deveodu ser assignado com us
nome.s das pe-oas pedind a reuna > e declara-
dlo do sen lim. Mas a renno couvncada por t
annuacin nao ter lugar depois de vinte, ou antes
da espirarn de dez das de apparecnn-ntn do
aununcio na gazata e das tacs duas folhas da ma-
nlia em Londres.
. Que nenliuma reunio geral ser competen -
te, quer para proceder, quer decidir qualquer ne-
gmio aerauuat que p.'lo immos trinta mennros
cada um dos quaes po.ssur na ter dreito seu
libras urna uu para cuna do fundo capital da dita
companhia, estarn presentes na occasi < de pro-
eoder-se o decidirse sobre a mesnia. Porta nlo que
depois de esperar pelo espaco-dc urna hora ou
mais do toui|io noinea lo para" ter qualipier reu-
nio goral trila membros da companhia devida-
ronnt qnaliflcad >s, nao e.stiverem prosen'os e pro-
cedorom ao trabaiho. Ou se trinta menibms as
sim qualilicados se enenntrarem e procederem ao
trabaiho, e antes da deeUin do iiesmo esliverem
rednzidos a menor, numero do que trinta mem-
bros, enlo e em qualquer das duas dita* hypo-
theses, ser licito o (iresidente de tal reunio m
sena. ver presidente, ento os membros reuni-
dos uu nina maioria delles adiar tal reunio geral
um da futuro. E no caso de que em qualquer
reunio geral, o n^gnrin que pretendein discutir
o decidir oella, nii for no todo nem em partfi as-
sim decidido, on se no caso que f.ir pedido um es-
erntinio sobre qualquer questao ou materia de que
se esta tratando, eniao e em todos os taes casos
ser licito tal reuna geral adiar at mitro dia
futuro, quer para o flu de discussao futura sobre
as materias de que estivereui tratanJo nu prucc-
der-sea tftn escrutinio de qualquer urna questo
en materia de que so trata emno i m>'nc.ionadn
em qualquer dos taes casos -era dado avis de tal
sdiaatento na gizeta de Londres, pelo menos cin
ce dias antes do dia do adiameuto, e tal reunio
adiada ter lugar em conf>rmdade.
7." Qoe o actual presidente do tribunal de direc-
tores da dita companhia presidir a to las as reu-
nidas ger es, e no ea presidente, e no cas i de serem ambos ausentes.
enlo qualquer outro membro do tribunal, de di-
rectores euto presoute p le presidir, o no caso
de nenlium director e-tar presente ento a primei-
ma oou a que so devo azer em tal reunio geral
ser de elrger um |iresdenio de entre os membro>
presentes.
8." Q le os actos do todas as reunidos geraes sc-
aSo enirados em un livro, e ncllo as-iguado pelo
jiresidente, presidindn mesina.
f* Qno todas as m iterias e coim que devert
<*er tratadas as rennides geraes da companhia em
lodo* caso anndo urna dinVenca de opmn -e le-
vantar, sern deter nin id is pi>r umi m.iinria il-
votos des membros presentes devidamente qu.dill
cado, o a diu maioria ser verificad i por un n*-
erutinio so for pedido p >r quasquer A delles o que se o nn poro fdr igual, o presi lento
tora o vot de desempate.
10. Qie om toda membro q.io ento pxsuir o tari direiio em si
propri > a o, d ios nu tres acedes do fumlo capi-
tal da diu companhia le segaros e nada mais, ter
direlto a um voto; cada roe libro quo ^is,n pos-
suir nu ter titulo piatro, cinco, seis, sel.', ntn
ou nova aeciVs e na 11 mais d dito capital ter
dous votos, e ea la ipibiibrn qoe asim possur mi
tiver titulo dez acedes d i dito tan li) capital ter
fra votos, mas eoliun numero qualjuer ter ti
lulo mais de tres v dos.
11. Quo debaixu do pijdw o goveruo geral su-
perntendonte ocsta j dado, as reunios da com-
panhia ser licito semelhante qualquer reunan
geraj; eiuminar, rescindir, mudar ou variar a
gras e jegulaue latios pelo tribunal de di-
rectores para a ir os negocios da cj
nhia, t novas regras, fdiilP
UU refulaoi.-o! w para a mesma, -ma- dai-sc-ha
palo B^^^^^^Huli- pi-
fe dirmuore-, seudo a -V
ros" da din r
habilitados para v.itarem a taes reunid 'S ji
|ue propro rescindir snendar ou varar quaes-
iuer taes regras ordens ou regularaentos, ou pro-
lir outras, e tal aviso declarar espoeldcad un
as regras ordens ou regulamentos, quo -o p vode
rescindir emendar ou varia e as parcol iridade
da proposta mudanca ou variaco. E tamliem
as particularidades de quaesquer nova- regra-.
ordens ou regulamentos queoe pretende propr e
olribund do directores (poder se jnlgar conve-
niente) publicar tal annuncio na gazeta de Lon-
dres em duas ou mais folhas da manha ma Loi*-
dres e nao se hade competir a tal reunio geral,
rescindir, emendar ou variar quaesquer taes ro-
g'ras, ordens ou r g_ulamentos tocando ou concer-
nenle a administracao dos negocios da dita cmnpa-
nhia nao mencionados, e parlicularisandoespecii-
camente era tal annuncio. E todas as em adas ou
variaedos de quaesquer regras ordens ou regula-
mentoo exstiiitw e tambein todas as regras or-
dens uu regulamentos novos que sern Jeitos por
qualquer urna tal reunio geral nao sern oxecu-
tad'is ou ficaro obrigatorios para com o aciuai
tribunal de directores al que os mesmos cstiv.-
rem primeramenlo approvad >s e comtirmados por
urna reunio geral subsequoate da mesma, com-
panhia.
11 Que na oxpracao e depois de seis raezes da
data de>t nenhuma pessoa ser habili-da para
ser candidato, ou eleito para o e.npr.-go le direc-
tor, depositario, cu verificador da dia companhi >
por este esiabelecida, sem que ella lenlia sido por
seis mezes kalendarios, previo tal eleicao. p>s-
sudor e com dreito na sua propria pe so a seis
aecdes ou libras tres un pelo iu piwl da mesma conlpanhia.
13. Quo urna vez em cada semina (c mais ve-
zes se for requsitado pelo actual presidente e vice-
presidente de quasquer dous ou mais directores)
haver urna reunio regular de directore* a qual
todos os directores e-daro devidamente convida
dos, e quaesquer cinco ou mais delles compnro
um tribunal de directores, e estarn habilitado
a tratar do quaesquer dos afazeres e negocios
da dita companhia, por este colloc ida debaixo di
alministracao dos directores da dita couipinhia,
salvo cm taes casos e cm te.s oecasioes anude
a presenca lo onzo ou mais directores por este
expressamente exigido para constituir e formar
um tribunal para decidir, fazer ou tratar das
materias especiaos expre-s^mente mencionadas r
particularisadas, sendo preciso a presenca d
onze ou mais directores. E o dito tribunal de
directores ter lugar no principal cscriptorio
da companhia a tal hora do dia ou dos ro-pec-
tivos das em que o inesmo ser marcado para ter
lugar conforme for marcad por ordom do tnini
nal de directores para aquello flu, e qae em to las
as taes reunidos os tribuaaes de direciores, ou n-
negocios geraes, ou qualquer neg^a-io particular
da companhia ser tratado, decidido e determi-
nado.
li. Que ser na competencia do tribunal do di
rectores regular, dirigir e administrar todos >>?
bavores e negocios da companhia sujeitos ao dit
poder e governo superintendente das reuuide-- g -
raes, e os directores tero o privilegio d> niear
todos o.-r empregados superiores que ostav.iui no
emprego ou empregados no -^ervico da companhia,
excepto os depositarios o verioad.in-a com taes -a
Urios e di'baixo de taes clausulas e condignos que
elles julgarem conveniente, e liberdade de d p >l-1
a vonlade e plenos poderes e autoridade p ira flx li-
as coodiedes do seguro, e as regras pelas qoae-
os seguros estarlo governados, e geralmente regu
lar, dirigir, mandar e administrar todos os nego-
cios e prtenlas da eo npanhia.
15. Que ser licito ao tribunal de directores no-
mear qualquer um do seu numero, ou qualquer
outro para ser um director sompre presente, mi
administrador geral ou principal dos negocios da
companhia, c apresentando-se constantemente no
cscriptorio daquella companhia com aquello sala-
rlo quo n tribunal de directores julgarem rasoavel.
16. Quo na expiraco do praso do tres auno-
quo devem ser cu uputadus do dito quart-i dia d
Janeiro ultimo, cinco dos actuaos directores sahi-
ro do exercicio, e ouiro membros da dita c >m-
panliia devidamente qiialilkados sern eleitos pira
os substituir. One os cinco directores que devem
primeiramente saliirtio exercicio cousi lira de tres
fra dos quatorzo eleitos pela compmhia por este
e-tabelecida, c dos fra dos se'e nomcado< p I *
directores da companhia do W-t Imlfa Dock-.
Que os cinco directore* qno devem sahir em se-
gundo lugar, consistiro de tres fra dnditos
qualnrze e dous fra dos ditos sote. Que os cinco
directores que devem sahir em terceiro lugar con-
sistiro de quatro fra dos ditos quatorze, e um
dos ditos seto. Quo os seis directores que devem
sahir em quarto lugar d > exercicio, consistirn dos
quatro restantes fra dos ditos quatorze e dos dous
restantes dos ditos sete. E at que o total numero
dos di los quatorze o seto directores eleitos como
lica neste j mencionado tero sabido, os Jilos
quatorze e sete directores respectivamente sahiro
snccessivameiiie do exercicio p..r snrlejo e que de-
pois us directores salnrao do-exercicio em vVitacaii
segundo a qualquer lempo ou lempos jpialquer pessa que
tiver servido nn ompreg de director ser qualiu-
cado para ser reeleito depois do ter e-tado fra
do cxeccicin por um anno e nada mais.
17. Que o Illin. Sr. Henry Smith da cidade de
Londres tem sido nomeado pelns ditos directores
e pur este constituidn e nomeado o actual pre-
sidente e o IIIih. Sr. Thoiuaz Pliunmer da cidade
de Londres tem si to da mesma forma n miead.), e
por este constituido e nomeado o actual vice-
presidente do tribunal de direciores d i dila com-
panhia, e que cada um delles continuar em exer-
cicio durante o tempo de dous anuos a serem con-
tados do dito quarto dia' de Janeiro iil.iino, a que
no din de duus annos o tribunal de diroetufoi de
enti esc.olher por en'ro ellos sdcceoore* ais
presidentes e vice-prcsidenles para igual praso de
dous annos. e que no caso da inorle, ros'gaacl i,
disqu.->liiica? i mi remojan da qual<|uer presiden-
te ii tribunal de directores na primeira sessan pro-
cedern eleicao de um successnr em seu lugar,
e que cada eleicao para presideale, o vice-prosi
denle de ento ser habilitado para ser elegido
presi lente.
18 Que em todas as oecasioes, em que o presi-
dente uu rico-presidente nao se apresoularem den-
tro do e-pago de quinzo minutos depois do tempo
nomeado para o nbuual de directores tomar as-
sento, e preceder a funecinnar, ser licito ao di-
rectores om asseinbla proceder eleicao de um
director para presid.r como presideale em^al tri
buual.
1. Que nenhnm tribunal de directores sera
qualiiicado para eff.tetuar ou determinar qualquer
negocio, cuino tribunal sem estarci presentes pe-
ni manos otnco directores.
20. Que t rectores, as materias debaixo de considerarn se
rao decididas em t idos os casos, em que ha diver
geucia de opini por uma pluralida le de vozes
dos direct'ires presenti-s, que sero conhecidospor
escrutinio se f,r rei|uesiUdo pur qualquer um dos
directores, o no caso de serem iguaes us nu ueres.
o presidente de enlo ter um voto de desem-
pate-
21. Quo ser licito para o triminal de directores
nornear cmnmissd^, as qu es se h i de c-.cdh.er
entre elle i, alim de funecinnar para taes propsi-
tos, e por tal lempo, e delegar a elles taes p idr
res com que soaclta revestido o tribunal do direr
lores confiirmo arharem cmivenientes.
ti. Que os netos do tribunal de directores e o-
das couimissdes serio regularmunie entrados em
um livro que ser guardado pelo secretario d>
emao.
2d. Q ie pelo menos tres directores funecionare
um uuia comui-s.l o estarn presentes em tem-
pis ennvenientes, que sern m;rcados para aquel
le fl.n pelo tribunal de directoras, nu esenploriu
principal da companhia para receb-r pMoosta>
para seguros e p ira resolver o decidir sobro as
nesmas, e as^ignar c entregaras apolles, u rec-
'erns premios e dlreitos d > sello pira as mesmis,
oque os tres mi nais directores faro e manda-
r > fazer assim legalmento ser obrigatorio sobre
a co upan lia, mas nenh una somma excclemlo li-
iras 10 OJ) sera segura sobre qualquer risc.n ouotj-
jecto segure, ou sobre bensem qualquer um edifici
iu nutre lugar, quer por uma apibce ou pir va-
rias, sema pr iputa pira o mes no ser pri neira-
uento sub ncitida o resdvida pulo tribunal il-di-
rectores, e nenhu n'director on directores assigna-
r > pialqner apotlee oa apolices de seguros pela
pial quer risco singlo ou nbjecto de seg iros >i
lieus on qualquer um eJilIcio ou outro lugar ser
sei/ur, ou pir coala de ama ou miis p-ssoas
imr q i .1 |uer s un na ou so n-uas de dinlteiro ex-
ido ao todo libra 10,000, sem' uer previa-
mento autorisado para assim fazer por uma reso-
luc.w ou ordem do tribunal de direciores de en-
tes da assembla geral ento prxima seguinte,
tribunal dos directores dentro de 21 dias se-
gundes depois de tal notificaran convocar una
las as apolices que sera eraittidas 1 reunio geral especial para eleger urna pessoa ou
npanhia quer debaixo das ordens do| pessoas para serempregado suaerior ou emprega-
-, hii_ por quj|f|uer cummis- dos superiores em lugar de panana ou pessoas,
nos, refirirao as pronMtas impres | cujns ompregns ficaro assim vagos.
. companhia que acmnpanharao a da apolice 37. Que durante a vaga de um dos ditos em-
eonteudo as condiedes e os roguiainfcutos de seus | pregados, ser licito ao sonrovivento ou aqnaMe
seguro atrs pariicularidtdes relativas a i
ellos cfnno o trib mal de directores ou as ronniV
geraes da companhia ordinaria ou dirigir.. de
te ai,ios em lempis e que en cada unia.iar#aoii-
co de seguro sera c ntido uiaa provis i as se-
guales palavras, isto :Sompre com a previ-
-ai c fleaado expressamente conveocioaado c de-
clarado p^r este, c o veraaleira iutejilo c entoo
dunenio deste ana fondo capUolp es fundo-
npanhia >('o somento respoasaveis para
os mandos sobre a mesma delaixo desla apolice.
o que nenlium membro da Jila companhia ser
sobra qualquer iniitino ou pretexto sajeito ou res-
pnisavel para qoaesquer cootas contra a dila
companhia alm do seu quinho o fundo capital
ou fundos da dita companhia e cajo quinho c
assenlado adianto da sua as-ngnatura no auto de
contracto, estabelecendo a dita companhia ou inan-
tido em algum outro auto rel'erndo. a* inesmo e
declarando o ser um membro da mesma, nao
obstante qualquer cousa ao contrario nesla apo-
lice.
25. Que os salarios di3 directores sero fixa-
dos na reunio geral da companhia, a qual ter
lugar na 3" quarta-feira em Janeiro prximo.
20. Qae o fundo da companhia e ida a massa
real e pessoal da companhia ser poamido cm no-
mo dos depositarios, nu algnps quatro delles na
maneira adianto mencionada, isto os ditos de-
positarios sero divididos em tres classes de qua-
tro piisNU? cada cna, eo dito capital e massa
real e pessoal ser possuido em tal maneira que
o tribunal de directores resolverem ; possuido
u is aomes dos depositarios de urna ou mais da*
Jilas classes e que o total do inesmo quer cmsis-
iir era caucos reaes, fundos pubhci. ou cau-
cos do governo, ou outros ben- oaKfleitos quaes-
quer ser do temp >s em le.np' transferido.
e Hendido o empregad i conformo o tribunal de
lirectoresjde ento ordenar e dirigir, mas que
nenhuma parte do tilo capital ser por qualquer
motivo permitildo licar ou ser empregado nos no-
nes de menos de quatro dos ditos depositarios.
27. Que os depositarios no lempo ou nos tem-
pos e na maneira requerida pelo tribunal do direc-
tores oxeeutaro de deelaracoos de depsitos das
maesas dos dinheiros, apolices. fundos e cauede-,
com que se acharo vertidos, e taes deelaracoos
de deposito cot tero um convenio ju contracto
feto pelos dopo-itarioi para com os directores,
(iie nao forem depositarios para dispor dos mes-
os da m*neira que os directores de tempos cm
te npos mandarn em conformidade com a con-
(Tinca co.a cjue se aeham revestidos.
28. Que nenh una pessoa ser depositario da
couipaniiia por um periodo mais prottmgado que
o de u n ann i dep >is de eessar de s>jr u u d is di-
rectores da mesma excepto na expi#|ro do um
anno elle for reeleito director. *^
29. Que os actuaos veri Picadores da cmipanhia
continuarn em exercicio por ires annos a serem
co uputados do .dito quarto dia de Janeiro ultimo
e que na expirar i do terceiro anuo do dito pra-
so de tres annos* e depois no ti n dj-cida auno
um deUes so retirar do exercicio, e um outro se-
r eleito em seu lugar ate lodos os aetuaes verifl-
calures sahirem saiTessivamente do exercicio na
ordem emq io js-iachan antes mencin ido, e
lepis os verificad ires para seren para o futuro
eleitos sahiri do ex-rcicio em votafo, segundo
a soa senioridade de eleicao, em que em qual-
quer lempo n tempos, qualquer pessoa que lera
orcipado o dito lugar d: verificador ser qualifl-
cado para ser reeleito a tal o.mpregit dep >is de
ter sido fra do exercicio por espaco de um
anno.
30. Que os verificadores j mencionados epari
seren nonioados como j lica neste tnencion ido
su reunirn cada trimestre ou mais vezes se jul
Harem conveniente para ex i ninar o -verificar as
cintas da eompaanU e publicaro o resultado das
sitas veriiicaces triioestraes a compaahia na sua
reunio geral na 3a quarta-feira em julho em cada
cada anuo depois da expiraco di presente anno
e o primeiro relalorio dos verilicadnres ciinter
uoi i expusico das cantase dos neg-icios da com-
panhia al 4 de Janeiro do 1801, c cada rea-
torio om successo contera igual exposico dos
mesmos at o quirtu dia de Janeiro ptecedendo a
renniao geral, na qual o dito relalorio ser apre-
se itado. *
31. Que durante o tempo que qualquer mem-
bro denla companhia occiipar o lugar de veri-
ficador elle ser qualificado a ser eleito um di-
rector e depositario, mas qtiando fir eleito direc-
tor, no emprego de verificador (rara enlo vago o
um outro membro ser eleito em seu logar d>
inesmo modo como se o verificador assim eleito
director tivesse deixado esta vida ou tornou-se
desqualiflcado.
31 Que nenhuma pessoa ser qualifleada para
o futuro a ser eleito director, depositario ou veri-
ficador desta companhia, sendo na occasio de
tal eleicao, governador* vicogovernador. director,
depositario,'verificador mi administrador, ou qual-
quer outro emprego superior do qualquer mitro
cscriptorio on companhia de seguros de pedas nu
dtanos contra lugo, e so depois de ser eleilo elle
for escnlhido governador, vice-Bovernador, direc-
tor, verificador, depositario ou administrador ou
nomeado qualquer emprego em qualquer outro
escriptono oucuipanhia do seguros de perdase
dainos contra o logo e aceitar o mesmo, o seu
lugar como director, depositario ou verideadnr da
emnpanhia por este estabelecida, ficar por couse-
gitinte inmediatamente vago.
33. Que se qualquer dos directores, deposita-
rios ou verificadores da companhia duranto o
tempo do seu emprego pa-sar desla vida, ou de-
baixo dos regulamentos neste comidos, Bear des
qualilirado de guardar o emprego, no lugar um
tal emprego licai enlo inmediatamente vago.
E se qualquer tal director, depositario ou verili
c.idor, durante o tempo de estar em exercicio de-
sojar licar desmieraJo do mesmo elle poden re-
mellar a sua douiisso ao mesmo por e-criplo
ao presidente do tribunal de directores da compa-
nhi i, o porc insegninte o son emprego llear vg i.
3't. Que se qualquer pessoa que for eleilo di-
rector, depositario nu verificador desta companhia
durante a sua continuacao no emprego, eessar
ile possuir e ter direilo, seu proprio, sois ac-
edes, na libra Ires mil ao muios, do fundo capi-
tal da dita companhia, seu emprego ficar ento
immeditamente vago.
33. Que no caso do qualquer director, deposita-
rio, oa verificador na opiniao do um tribunal de
directores consistindo de nao menos de l direc-
iores de enlo da dita companhia negar-se ou re-
cusar, ou licar ineapaz do funecionar como tal
director, depositario ou verificador, ou porlar-so
mal em seu emprego, ou sem o eoosenlimento
do tribunal de directores de ento ausamar-se da
(r-ltretanha pelo espacn de 3 mezes ou mais,
ento em todos os ca*OV ideticos ser o po >er
ser eleito a um tribunal de directores, consi-tindn
de nao monos de II directores convocar tuna reu-
nio geral da dita companhia tomar tal caso em
cmsideracn, o a dita reuma por este e*l auto-
risada e com poderes, so jnlgar conveniente por
meio de uma rcsoluca assignada pelo presid-nte
la mesma remover do seu emnreg tai director,
depositario ou verificador, o |H>r cnnsejprinte tal
emprego ficar e sera declara lo vago, o a dita
companhia proceder a uma eleicao de um nutro
director, depositario ou verificador no lugar na
pessoa assnn removida, da mesma maneira eoaan
se ella pasiasse d-sta vida ou-eessas-e de possnir
e ser qualificada n seu proorio dreito 6 aecoe-
iiu libra- ires mil pelo menos do fundo capital da
dila companhia.
36. Q-ie os directores da dita eomnanhia do
We-t india Docks cm qualquer tempo pur espaco
de 13 dia*, que deven ser coudos do da em qiie
os directores desta companhia umiiead >s por elles
sahiro do emprego faltar i do nomear qualquer
um ou mais directores, os quaes estn p ir este
iiiturisadiis a nomear, ou se qualquer director.
leiHiiitario on verificador, assim j eleito ou para
ser eleito pidos membros desta companhia. pis-
forre n ivido d sen em.iregn. n tambem en iodo
caso nnde tal director, depositario mi Verificad >r
sahir d exercicio por votara i, a enti primeira
reunan ge/al desta companhia preceder anien-
cao d'iima pessoa eu pessoas dos ditos etnpregos
respectivamente, e salvo a.-har-se inpraiicavel, ou
ser por razos graves considerado iaexpe.U.-nie a
n-mieae'i de taes directjuvs nov.is, dep iTiuro-
ou venllca lores ter lunar na primeira neaai
la corapinhia antes de proccd-'r-so, antes deqnal-
itro negocio. Has se a*iiaj acontoeer que
tal nova nuil';u;o nao tiver lugar na primeira
reunio geral, a mesma ser feita na reuna > en-
lo seguinte ou ao menos n'tt-na retia tan pr-
xima nanlo as crie im-toncas do rao neriniti-
ro. Mas se tal vago succeder e fr notifica lo
ao tribunal do directores, 6 semanas ou mal* an-
empregado on empregados sobrevivenlea daqtteUa
Marcgo deararregar as obrigaedes do mesmo.
3*. Q ie*do o capital e a prepriedade da com-
panhia ser considerada e tomada eotno bens
peasoaes ; e portanlo sa qualquer beni real
fr comprado para a coinpanhia, todos os taes
autos e instrumentos, transferencias asegures se-
r immnliaftmente havidos, feitos, effeituados e
executados conforme (f necessaria on conceiuen-
to^ouqanviaracon-elhado pela lei para dar aos
mesmos a natureza de bens pesoaes quanlo aos
membros da companhia. e todas as pessoas recla-
mando debaixo delles. aFiQrVAJ*
99. Que os presfiatos e futuros membros d
companhia poderlo effeituar soguros como com-
panhia da mesma maneira que os cstranhos pos-
sam fizer e tero dreito aos mesmos remedios
para a cobranga do qualquer perda que pnder
ter lugar aa mes no c serao de toda maneira s i-
geitos s mesmas condiedes o regulamentos, quan-
to s possoas que nao forem membros da compa-
nhia.
it). Que nenhura prejuizo ou darano por fogo,
ncc.vinnado pela invacan, inimigo estrangeiro, ou
coinmocao civil, ou por qualquer poder legal mi-
litar, dd por qualquer motivo contra a paz do ro.
ou intua resistencia notoria contra a autoridade
dos magistrados, ou contra qualquer autoridade
legal ser valido, ou ser considerado como tendo
sido seguro pela dita companhia e o mesmo ser to-
mado por ser executado nos seguros feitos pela
companhia.
41. Quo para conduzir e administrar os nego-
cios da companhia, o guardar os lvros, documen-
t is. instrumentos e seguro- della, ca^s e domici-
lios propnos sero comprados ou allugados por
termo, pelos ditos directores nos nomes de quatro
pelo menos dos dep isitarios de ento, que o prin-
cipal domicilio sera ento sempre cm Londres e
que na frente do mesmo. no do principal c dos
outros domicilios de ento ser pintado ou im-
presso em grandes latirsT/ie Imperial usuran
ce Company(\ campanhia imperial de segures).
42. Que o dito principal e outros doidicihos se-
rn vendidos de tempos em tempos, ou estarn
an lepnis disposicao do tribunal de diiectores,
e uma outra ou outras compradas ou lomadas n >
lugar da mesma se o tribunal de directores de
entojulgar conveniente.
43. Que se qualquer membro fr desejoso de
vender a aeco as acedes delle ou della do capital
11 coinpanhia, ello ou ella notificara o mesmo tri-
bunal de directores por algum escripto debaixo
da man delle ou della, contoado o nomo residen-
cia e cpialidade da pessoa quem ella propio
vender as mesmas, e so o tribunal de directores
julgar conveniente que a* mesmas dewriam ser
compradas por conta da companhia; o tribunal
de directores dentro em 13 dias depois de rece-
ber tal notificacao faro scente ao membro pro-
pondo tal venda, a sua inlenco de serem os di-
rectores compradores da parle da companhia, e
fixaro sobre as mesmas um valor justo e equita-
tivo sobre as mesmas exercendo o devido cuidado
s circunstancias da coinpanhia, e o membro
propondo tal ven la ser obrigado pela dita ava-
liac) e i inmediatamente ara pagando elle ou
ella o dinheiro pelo que a dita arca o ou acodes
dalle ou della fore n avahadas ou pasas, ficar i
perlencentes companhia. transferidas pelo ven-
1 ir taes 4 dos depositarios da dita c onpanhia
qie o tribunal de directores nomear >" para
a pielle fin, e tal aeco ou taes acedes sero ven-
didas a dispnsico, ou retidas beneficio da com
panhia, conformo julgar aumntate o tribunal
de directores. E *o o tribunal de directores de-
clinarem do ser os compradores de qualquer ae-
co ou toes acedes, ello notificar dentro do es-
pieo de lo dias an membro assim propondo ven
dar a aeco ou acedes delle ou della, se o tribus
nal de directores consentir ou n a ven i das
mesmas a pessoa propdn ser o comprad r das
mesmas, e sem que o dito tribunal de dir-sotore-
consentir a venda das mesmas ser valida, e se
elle consontir a venda das mesmas, a trauferen-
das mesmas ser feita s expensas dos* comprado-
ros por umn-lrumento de venda e contracto na
forma proscripta para aquello proposito no codi
cilio adjunto ao presento.
44. Que os testamentaros mi administradores
de qualquer membro que passar desta vida nn
lieara i sendo membros da companhia, taes te-ti-
menleiros oa almiuisiralores em eonseojmoeia
das acedes assim dev.ilvendo ou ou fieando nenes
revestidas em qual pier destas capacidades, sero
obstante habihdados a receber taes dHvdefldo*
dos seus respectivos testadores ab-inlestados, ae-
co ou acedes mas antes de estarem habilitad >s a
receber taes dividendos, olles deixaru coin a pe-
soa nomeada para aquelle fin pelo tribunal de
directores, a verificarn do testamento nu as cartas
de administracao em virtJde das quaes redara mi
respectivamente e a porinittem tomar uma isepla
do mesmo, oU um extracto do iiesmo, e entrar o
mesmo cm um livro cu lvros guardados para
aquelle fira.' se os Jilos tesiamcntelros ou a luii
ni tradores sero des-joso-- de dispor_da aeran dos
seus tostadores ou ab-iniestados darn nulicia l >
mesmo ao tribunal de directores e a nomo inora-
dla e.condico da pessoa ou pessoas as quaes ell-
propde vender a mesma e dentro de 13 dias pr-
ximos depois de receber tal noticifieaco, o tribu-
nal de directores d iro pessoa notificando o mes-
mo, seu consontim-nioou recusa venia prepus-
ta. E se recusara o mesara, os directores p o rao
um valor sobre a mesma, e sern os compradores
por conta da companhia a aquel! i aviliacn; ma-
se elles consentirera vendada mesman compra-
dor da mesma ter dreito a inesm*, innnediata-
mento no pagamento d direiro da sua compra, e
a execuco do um acto de convenio igual a aquel-
lo neste j reqtiisiado ser executado por muros
compradores eran o consentimento dos directores.
43. Quo aonde qualquer pessoa tiver dreito
qualquer aeco de fund da companhia cono le-
gatario on prximo prente elle produzir e dei-
xar como eompeteme empregado da coinpanhia
a verificaran oo te-laraenio ou carias da a Iminis-
traeo em virtnde das quaes elle reclamar taes
acedes do tnndo j neste ra-racinna lo. e por eou-
seguinle, e qnando elle executaf mu instrumento
de contrato para obser o elfoctnar os artgos re-
gnlarai-ntoss o cstipula^des neste cuntidos, urna
formailo qual se acha inserido no codieillo dest-
presente, elle ficar sendo um membro da compa-
nhia sera que um tnbnnal de directores om que
onze mais delles estarn presentes dentro de 13
dias prximos depois do tal verificarn ou taes
cartas do administracao ser i deixadas como com-
petente empregado eom i j ficoii mencionado dis
corda do inesmo e notificar o sacaran a tal leguario
ou prximo prente. E no-caso 'de tal dissidi'iicia
a aeco de tal legatrrio ou proxim i iiarente ser
tida como dispraivel da maneira no-te j prescrip-
ta para a disposico de qualquer aeco devolvendo
mi sendo revestida nos testamntenos ou adminis-
tradores de um fallecido membvo.
46. Se para responder as aeg-s da companhia
ser necessario fazer-se urna chimada aos mem-
bros da mesma para qualquer parte da snuma on
somraas subscriptas por llm do dito deposito de
libras 10 % enlo equantas vezes o mesmo acn
tecer a necesstdade, c mveniencia ou expedienta
de tal chamada e a quantia da mesma e o lempo
e lugar do pagamento da mesma sern tomada
em eonsiiteraco c resolvidus e n un tribunal de
directores constando de II directores pelo menos,
e no caso de qualquer membro deixando ou re-
cusando responder a dita chamada pelo espac
de um mez kalen lario depois do lempo nomead
pelo tribunal de directores para pagamento e > vi-
so do mesmo na gazeta de Londres edua* films
de manha das pe Londres a aeco ou acede de
taes me ubres nn fundo capital da dita rom lanhia
e perder o direitn lodos os dividendos da mes-
ma por tal desfalque pso facto, a benefiei da
raesm i companhia e exclusivam nto da^cjinsca
gao da mesma, rada membro em desfalque, <
nerdeiros delle u della, teslamonteiros nu ad.ni
ni-traddres pidero se o iribuaal do directores
julgar conveniente, ser d -mandados p^la manlia
da chamada -obre a subscripc-vi delle ou della in
ura.i aeco de &>nveoio era aorae dos ditos Chir-
les Price, Henrv Dividsm, Thomas Hugh m
E Iward Kemble,'Richard Le Bbnz-r W.iiilan I e
Jrtieiniah Olive, ou quaesquer depositario* que
podero ser nomead em seu lugar mi dos do seu
re-pectiviis lestamenteirns ou administradores.
47. Que se os premios corramos de qual pier
um anuo fore n mais qun-sufllrieittp.s para, pagar
asperdas provenientes de seg iros feitos pela coin-
panhia, e as desposas da ad 11inistra5.au ifaqaette
anim, a sotam que ni ser pr-ciso para pagar a>
otirigaedes e'orrentesra despezas da eran taulna
ser empregada de toraposein tompos separada ein
listinctaraente. >? nao juntamente cora o fundo ca
pial c acisumular para o beneficio da companhia,
---------i-fl^i'" ......--------------------
nas snjelto ser empregado do lempos em lera-
pos como fica neste depois mencionado.
48. Qno na expiraco do termo ito cinco annos,
os quaes devem ser computados do quarto da de
Janeiro ultimo, as emitas da coinpanhia sero
apresentadas reunio coral da dita, companhia
no enlo seguinte mez de jul'no, e se parecer
tal reunio geral que a empieza tem sido feliz.
tros (piarlos ou njuatro quietos do fundo ou c in-
coes provenientes de premios reeebidos por
guros conforme a reunio determinar e erapre-a-
do coui '' mesoa^Buranle os cinco anuos, sern onio
transfondos e lieara como parte do fundo capital,
da mesma companhia, e que iguaes investigaroe>'
- iOS d
S
los negoeiosda companhia e transferencias" d..
fundo ea'pUel ter lugar na expiraco do cada 3"
auno s.'i.'uinta.
49. Que na expirac/io do dito primeiro mencio-
nada cinco annos por conta do emprego e das ac-
curalacdes do capital subscripto, sero tambem
ajiresautajas ento seguinte reunio da compa-
nhia n<* mez do julho, e se parecer que a era-
preza tem sido prospera de modo que ordenar-
se-ha fazer uma transferencia dos premios eui-
pregados ao fundo capital, o total do- juros ou
producto do fundo capital juntamente com as ac-
cumulacdes dos mesmos duran." taes cinco annos
sero logo divididos o pagos entre os membros da
dita companhia ein proporco s toas respectiva'
acedes e que os futuros juros e dividendos que
de tempos em lempo. proeederao do total do fun-
do capital ( incluinlo a transferencia dos pre-
mios empregados, e as accumulajes dos mesm..s,)
sero desde e depois da expiraco de taes cinco
annos, divididos e pagos entre os proprietario-
era pro|iorc5o s suas respectivas acedes semes-
tral mente
30. Que se qualquer pessoa tendo qualquer re-
clamacao ou exigencia para com a companhia de-
baixo de qualquer apolice de seguros, julgar ne-
cessario ou expediente fazer valer a mesma con
Ira a coinpanhia ou por qual itier procedimento
da lei ou pelo tribunal de equidade, a mesma se
r e podar ser intentada contra os directores da
companhia, pelos quaes tal apolico ou apolices de
seguros sero subscriptas.
81. Que sujeito s disposiedes que de tempos
era tempos sero fetas era conformidade ,com os
cargos poderes e autoridades neste comidos, o
fundo da companhia mnntando a dita somma de
libras um milho e duzentas mil ser carre-
gado e ser o nico fundo carregado ou respnn-
savel pelas dividas, reclamacdes c exigencias dos
segurados ou outros credores da dita companhia,
e que alem ou de outra sorto quo em respeito
das suas separadas e respectivas acedes do ou
lio dito fundo quo se aeham assentadas adiante
das suas assignaturas a este prsenle ou manti-
lla em algum oulro auto em relacao ao mesmo.
Os membros desla companhia 011 seus herdeiros,
testamenteiros 011 administradores ou seus bens
nu eflralos nao sero responsaves para as mesmas
dividas", reclamaces ou exigencias ou qualquer
delles para cousa alguuia comida neste presente
auto ou para se'r tido. feito, eftectuado ou execn-i
lado pelo tribunal de directores ou outros em-
pregados ou membros da companhia ou i>or qual-
quer reu.n 1 geral da companhia, ou do ouira
sorto ao contrario do mesmo de qualquer ma-
neira nao obstante.
32 Que nenlium membro da companhia sob
qualquer pretexto ser sujeito qualquer cha-
raado para pagamento companhia do qualquer
outra ou mais somma de dinheiro que o saldo
(se, ha) entao ficaudu por pagar da quantia subs-
cripta por ello.
81 Que os directores, depositarios, o outro
empregados de enlo da dila companhia sero
ndeoiuisados c protegidos quanlo a prejuizo fra
do fundo capital da din companhia euvra todas
as despezas, dainos e expensas que elles eneor-
rero ou podero acorrer ou sortir na execuco
das suas respectivas funcrSes, ou dos seus car-
gos, salvo so os mesmos acontecerera por sua
propri a negligencia voluntaria ou culpa, o que
nenlium delles ser responsavel pur ipalquer ac-
to ou culpa de qualquer oulro delles, ou por
qualquer banqueiro ou outra pessoa co;n quera
quaesquer dinheiros ou effeitos perlencentes
mesma cmnp nhia ser en poder ser alojado ou
depositado para salva guarda ou de outra ma-
neira uu p.'la instiffleieneia ou deficiencia de qual-
quer c.iucao sobre a qual quatq-ier dinheiro da,
uu perlencentes dila coinpanhia. sero dados
fra ou emprogad is, nem por qualquer outra per-
da, d-sgraca ou damuo quo Dpssa loante ser na
execuco das suas funcedes mi cargos respectivos
011 em relacao aos mesmos salvse o inesmo aconte-
cer respectivamente per, u por viada suaprepria
culpa voluntaria. E no caso que quaesquer d recto-
res ou qualquer director ser demandadopnr qual-
quer perda proveniente de qualquer apolice ou
qnaesquorapolices desegurosque sero subscriptas
por elle ou pnr elles, tal arcan nu taes acedes se-
ro defendidas pela e a expen-ns da companhia
E no caso do sor qualquer director compellid > a
pagar qualquer somma u somuias de dinheiro.
cusas ou despezas, damnos au expensas em Jun-
sequencia de ter subscripto qualquer apolice ou
aporras de seguros ou p ir ou em respeito a>
ter elle feito qualquer outro auto leal ou auto
risado como director da dita companhia, e nao
ser reembolsado, e indeinnisadu pela coinpanhia
lia 111 liataraenle em pedindo ento o quantas ve-
es tal caso recorrer; todo o director as-im dam-
nificado sera livre de instaurar ura proeesso con
ira qual pier dos depositarios tendo fundos nos
seus nomes pertencentes companhia e ter di-
reilo a recobrar o importo de tal quantia mi
quaalias de dinheiro, cu-tas, despezas e expensas
provenientes do tal aeco para recobrar a mes-
illa. E no caso do nao ter fundos ou sulnVien-
tes fundos nos nonios de qua-vquer depositario-, u
director ou os directores assim dunuilicadis es-
tar ento livres a obrigarein nina contribuieVi
los membros da eomnanhia por esto ertabelerida
at o vaLr da dit> .smnma ou das ditas sommas
de dinheiros, cula's, despezas dainos ou expen-
sas com os juros legaes para os meamos e tam-
bein Indas as custas e despezas pmvenionles do
arto do obligar tal eonlribiuco. E atim do mes-
mu director ou os directores assim damnifica
d is pod-ro e elle e olles estn por oslo autori-
ados a tixar o importe da chamada e para no-
tificar o mesmo da maneira j 01*10 exprimida a
respeito das chamadas quo sel* devem fazer pelo
tribunal dos directores, e se qualquer membre
faltar e n responder a qualquer llamada autori-
sada a fazer-se, por esta presonte chamada elle nu
ella incorr-r na merai ui!ilto_da_.dos-meinbros
recusandoejpn>!ii-&r4ftfu feitas pelo tribunal do directores, e ser e pode
r ser demandado por tal chamada era urna arco
de convenio instancia do dito Charles Prece, Hen-
ry Davidson, Tnomaz Hngham, Edward Kemble,
Richird Lee, Ebeneger Haitiana e Jeremiak Olive,
mi quaes pier depositarios que devem ser Bornea-
dos em seu lugar ou seus respectivos testamen
teiros ou administradores para o beneficio e in-
do anidado do director ou directores fazendo tal
chamada.
31. Que quando e quantas vezes quo os Mtc
depositarios com os quaes todos os outros membros
da companhia por este estabelecida tem contrata-
do como lica ja exprimid, ou ns sote depositarios
com os quaes taes coavonios sero feitos para o
futuro era conformidade eom osla presente clau-
sula, quer pnr niorle, renuneiacao, nu de mura
maneira reduzidos ao numero do tres ou un
menor numero on tero fallido totalmente, os di-
rectores de ento da dita companhia mandara 1
preparar um intrumento pelo qul todns 0-
membros de ento da dita companhia entrara., em
um convenio' com sete dos depositarios de ento da
dita cempannia que sero para aqnelle fim apon-
lados o nomeado. pelo dito IrihiinaJ de director
do mesmo iheur conteddo eeffeito que o convenio
neste j meneinnad 1 celebrado pelos meinb os da
diu companhia excepto os sete depositarios e p d
dito insiram-'nto'os otos seto depositarios como
luaes tal converan sera celebrado celebrar un
convenio c.om'cinco mitres depositario de en
do mesmo theor e eeeito qu3 o convenio ueste j
mencionado celebrado pelos ditos sete depositariu-
com ete convenrionados como j fica dito, e
q laudo os instrumentos assim preparados s rao
approvadus pelns directores, c passados lirap .
elle- os ditos directores executaru os mesmos e
os deixaru para serem executados pelos outro-
uiembres da emnpanhia o faro annunc'o d
merao na gazeta de Londres e cm*duas outras
folhae da manha das gazetas de Londres ecad a
membro da coinpanhia axeratar os mosra s sera
demora al a execuco do mesmo por elle on par
ella nao ser permiltido ou intitulado a receber
quaesquer dividen lo ou outros lucres mi vanta-
gen< em respeito das acedos delle ou della do
rundo capital da dita companhia. on vender ou
di-|idr da* acedes delle on della na mesma.
00. Que quanlo o quanta vezes os ditos cinco
depositarios com os quaes os ditos sete deposita
rios tooi con venrionado como fica ja exprimid i mi
os cinc depositarios com ns quaes taes convenio-
seio celebrados para o futuro em conformidade
eran a presente, clausula sero reduxidas por m-r-
te, penunciaco ou do nutra raaoeira ao numero
de dous oa a menor numero ou .lliro total-
mente os directores de entao da dila emnpanhia
mandarn preparar ara instrumento pelo qual ot-
ilan sele depositario de ento celebrarn um con-
venio com cinco outros depo-itarios de enlo da,
dila companhia que devora ser para aquelle flu
apuntados e uoraeados pelo dito tribunal dedirer-
toM* do iiiaaBar-aonteiiaV,>*iew e effeilo que 1
convenio ja neste convencional! pelos ditos seto
deiwsilaiio-, equaiidoo instrumento assim pre-
rovado pelns directores e passa-
do liuiji 1 o inesm ser deixado para a execu-
^Hks ditos cinco deposiinies i\n cscriptorio.
praaripal da eompanhia, e n aviso do me mo ser;t
dado aos taes cinco depusiterios, e cada um dos
Bawctnei) depusilarios oxecnlarao ento o mesmo
a at exorular o mesmo, elle lo ser permillido
nem habilitada1 a receber qoaesquer dividendo
ou nutres lucros 011 vantagens em respeito das
suas acedes do fundo capital da dila compa-
nhia, ou a vender ou dispor das suas ae\6es na
mesma.
56.-Que no caso de qualquer ineinbro presente
ou futuro da coinpanhia, por este estabelecida re-
recusaron deixar em qual|uer lempo ou tcinpoo
de pagar qualquer chamada ou quaesquer cha-
madas i|ue se possam exigir dos membros da com-
anhia debaixo deste presente ou das propostaa
nelle recitadas ou cm ipialquer lempo ou tempos,
em qualquer cutre respeito obrar em rompimos*
to uu recusar effeeluar annuir quaesquer do
convenio,cmivcnco'es e eslipulaeoes ne.-le presen-
te ou as di as propostas respeciivatncnie notle
cuntidas, enlo e em lodo seiurlhaute caso, qual-
quer e cada um la! membro serano caso deman-
dado pelo importe de taes chamadas 011 per oulro
qualquer rompimento oh falta em effectuar ns taes
convenios, convencoes eestipulacdcs om nina ae
cao do cenveoio instancia d9 ditos Charles Pri-
co, Henry Davidson, Thomas Herghan, EdwarJ
Kemble, itchard Lee, Ebenezer Maitland o re e-
miak Olive nu quae quer depositarijs para serem
nomeado em seu lugar ou do dos seus respeeti-
vos administrad ores, e em tal caso a somma ou
sommas que sero ou poderao ser cobradas en
eu ou em qualquer dos nomes em uma nrgo ou
demanda contra qualquer membro ou inembros
da dita coinpanhia sero pagos e applicadn em
beneficio da companhia conforme determinar ou
apuntar do tempus era tempos o tribunal de direc-
tores a direceo de qualquer aeco ou demanda
para ser couiecada us nmtujs dos ditos Charles
Price, Henry Daridaon. Tilomas Hughan, Edward
Kemble, Richard Lee, Ebenezer Maitland e Jere-
miak Olive, en quaesquer depositaoios para serem
Horneados cm seu lugar ou do dos seus respecti-
vos tesiamenleiros, administradores para todos a
quaesquer dos fins j mencionados. E < s ditos
Charles Price, Henry Davidson, Thomas Hnghan,
Edward Komble, Richard Lee, Ebenezer Maitlud
e Jeremiak Olive ou quaVquer depositarios para
serem nomeados em seu lugar nu seus respecti-
vos testamenteiros nu administradores nn des-
continuarn nem relaxar-se-lia, nem deixarao ir
revelia qualquer aeco ou deman la sem pri-
meiro ler e oblea o cuiiseniimento do tribunal de
directores de enlo da dita coinpanhia para aquel-
le Om nem sera habilitado qualquer membro da-
dita eerapnhia, o qual ser reo nn sero reos em
em qualquer aeran ou demanda para qualquer
cessaco, relaxamenio ou revelia, ou reelarnur o
beneficio, ou a vnntagein do mesma te quakinoi'
maneira, ou sob qualquer pretexto.
57. E finalmente fica alm por esto declarado
convenciunadu entre pela partea cada um iHk
pur si, seus herdeiros tetameiileiros o adminislra-
lures, contrata, promePe o concorda eom os un-
iros e cada um utres delles seu e seus lestanvn-
teires e administradores que se uma fallencia fr
declarada o aborta Contra qualquer membro la
Ciimpaulna por osle eslab'lecida u tal tnenihp fr
por ella declarado filudo a aeco on acede do
membro que assim fr adiado e declarado fallido
ficaro inmediatamente revestidos na companhia e
sero aprepriads na maneira neste era diante
mencionado, i-to 6, >-er licito o Iribum I de direc-
tores fixar o valor das amanas e no pagamento de
tal avaharn aos curadores ou au curador do
membro fallido tal arco nu taes arrZe* sero
tiatisi'eridas peto dito curador 011 os ditos curado-
res quatro mi mais depositarios de entao da
companhia, ns quaes seio nomeado pelos tribu-
nal do directores, em deposito, para a companhia
o no caso della uo resolver Comprar tal arcan on
laes acedes do fallido a tal avaharn coma (ira j
mencionada, ella permitir e a u ti irisar o curador
ou os curadores a vender e transferir as mesma--.
um comprador ou compradoras, qae finar um
membro da companhia ou ficaro membros da
dita coinpanhia snb as clausulas e condicofts Oestu
j estipula las a respeito de outras compras do
acedes e nu estante o curedor ou curadores ero
habilitados a receber os dividendos provenientes
ou pagav.is sobre a aeon nu acedo* do uoalquer
tal membro fallido. Ma ames de ser o dito cura-
dor 011 us ditos curadores habilitados para receber
qualquer dividendo ou quaesquer dividendos mi
vender qualquer aecjbi nu (piaesquer acjdes pr-
lenecules um uicnibro fallido ello ou elles dei
xaro m principal eseripiori 1 da dita companhia
ceta a pe-soa nmn-ada pelo tribunal ds dirretnres
para aquelle fim, o instrumento da no mea cao delle
11 dellos como curador da mesma o dos effeilo
do tal lallid raemhm, Em testemnRho do quo
nos o diversos membros constuuindo dila com-
panhia temos neste assignadn os nossos nomes e
enllocad o os nossos sellos ao< doze dias fie feve-
eirn do anno do Nusso Senhor 1803. Segna-so
o re ou schedula a qual se refero o instrnmeato
cima, constando da forma de transferencia* das
acedes um comprador herdeiro mi prximo pa -
rento Rognido pelas assignaturas, o juntamente as
residencias dos areionida.
E nada mais se declarava nos ditos documen-
tos cscriptns nalmgia inglezi, o os quaes fiel-
mente Iradas! para o idioma nacional, c depois do
conferir este cum o original ao qual mo reporto,
lornri a entreva-la quem m'o apresante al
Em fe do que asigne o selloi esta com o sello
do uieii nfficio nesta muito leal e heroica cidade
de S. Sebastin do Rio d Janeiro, aos 30 diaa do
aeide marco dn anno do Nascimento de Messo
Senhor Jesu- Chiistn de mil uilu centos o sessan-
la e tres. Hd. Ce Tage. Tradudur publico in-
terpreto commerrial e jurainentatU).
Outm sim rerlifteo que na pagina primeira quo
prei'i-de a Iraduec artraa transcripta se aeba a
ceriido do iheor seguinie .
Hilario Le P^pe, traductor pertilico e inlerprelc
co nmereiaI e jurauentado da praca el eeier?.
Certifico que me forara apresentndos uns docn-
nientus ceriptos na Imgua ingiera, sendo o pri-
meiro a declaracao do, tab dlio felum Constable
Harris, di cidade do Londres, o qual aff.rma ter
se apresenlado n prestado* juramento perante elle
dito tab.lli.il, o sollieitador Frederiek Wiiliam
Oliver cm como o doi-umeuto marcado vi urna
copia ver ladeira c exacta do instrumento da com
panhia Imperial de Seguros, coin data de doza do
feverri^de rail oilncenfw e tres, c das diversas
assignWras im mesmo, tendo ella examinado o
conferido a dila escriplura marcada A, eom o
documento era original na poses.-o da dita com-
panhia dan do era Londres aos vinte e seis de ja-
nenciro de ini! eitocentos e sessenla e tres. Adia-
se devidamente reconhecnla pelo vice-consnl do
imperio do Biasi! % assignatura do nUdboein
vinte e sete & Janeiro do ihii oi tocen tos e ses-
senta e tres, c rubricada com o sello das impe-
ri es arma* do consulado.
Certifico que traduzi ndilo documento marcado,
escripto na imgna ingleza para o idioma da tunal
e diz o seguinte : E p >r ser verdade o referido,
pasou-.e a presente certoln a rcpierimento do
I! iar LeC-icque e Cmnpanhia c em virtade do
despach 1 nelle proferido.
I'agou na recebedoria do municipio da cortea
G72UD, cmnn consta do respi rlivo conheclinento
que tica archivado conjanciamente com o referido
requernnento. Sorrotaria de estado dos negocios
da agricultura, eiinmercio e obras pobaaas em
trinta e um de nulubro do mil otloeentoee ses-
senla e ir o impedimento do director-
Bernardo Jos de. Catiro.
LON'DON 4 BRASIUAN BANK, (TJMTTEJ).)
Capital d 1 Baaco 13,000 acedes
do fi 100................. 1.1^33:333*330
Acedes cmiUidas 13,000...... .11 JB:8#!5K)
Capital pago a 43 por acedos. i\20O000jMXX>
OALANCO DA CAIX.V PO-IAL EM PXP.NAMBTJCO KM 4 BK
AOoSTO DR 1869.
Activo.
Letras descontdas.......... 1,390:970*920
Crditos diversos, oulr os bancos
e eaixas filiaos........... 1,564:611^570
Caixa:
Em moeda corrente......... 211:101*700
Rs........
Passioo.
Capital fernecido pela caixa
ma'iiz...................
Depsitos:
2,866:7*1*290
888:888tKWO


Diario de PerfiataW Segunda eira 6 de St-tciid>ro de 18G9.
1'm r ,
V praso xn.. fS
'.rditos sobre divrt
bancos i
107:::
c i ..,94*290
2,866:781*290
_-------
Pernambneo, 3 do setembro de 1869-
J. HWfc.nttrt,
Aetvuntant.
Kaglsh Bank of Ra de Janeiro
Mmltcd.
Capital do Banco riO.OOO
axcoesd,' fi 20 1,000.000
r,ptal realisado..... 500.000
Fundo di ;'e-serva..... 120.50o
Malanco da caixa lilial ou teni.miuco, em
;l de aposto do i M.
Acti
1,elra< descontadas. .
KmptvM irnos e tontas
caucionadas.....
letras recaer. .
ltrantias valores de-
positados....... 43:O35lO
Mobilia etc. do Banco.. 1S:30I.JQG0
Hivois-is conlas..... 749:910^ 20
iaixa.......... 197:483^120
32:388-53Q
132:628*000
0:730)180
Coalas conralos sim-
ples 291:910*340
i apositos praso lixo,
com aviso c por le-
tras i,130:321*370
i.t)-5-',:i87r>89a
t.etras pagar.....
Ttulos em caujo e de-
posito ........
Diversas imita?.....
1,842:4614710
H:'i78.->'f00
13:043->:10
240:402 &7
S. E. 0. ^',0^4:487^800
Pernambu.o. 4 de seterobm de 18(59.
F. ti. Bloxham, Manager.
Jsepi S. Lambkij, Accountant.
franco: srnrto o valor dos saques oTrertn.idns dn-
i ranlo i soinan d? .""0,00* i.
Auic*\o. Venileu-au d de Pernambueo a
lO y'.OO i.
As-r.. u:-o niscavado pnreado o o bruto
v:ndcu-so do 283 a 3&450 t>s"."i Utos.
Aguabi.j.ti;. Vndou-se '94| a pipa.
Couaos s soceos e salgados venderam-se a
2)0 rs. a libra.
Arroz.O pilado da India vendeu-sc a 3*200
a arroba. -A.
Azeite-oce.Venden-so o de Lisboa a 3J800
o galn.
BacalhAo.Retalhou-se de 20* a 22* a barrica,
llcando em deposito cerca de 500 barricas.
3olachh*as.Vondeu-se a tiO0 a barr-
quinha.
Caf.Vendeu-se de 5*600 a 6*500 a arroba.
Cha.dem do 23200 a 2 iKOO por libra.
Cerveja.A duzia do garrafas vendeu-se de
4 3500 a 8*.
boe$& Venden-so a ingiera ordinaria com 430
por ceulo do premio sufrre a factura.
Ma.ytki.;a.A ingh-za vendeu-se a 1-3 a libra
e a france/a de 740 a 760 rs.
Massvs.V nili'u-sc a 7*500 a caixa.
Oi.ro de iMAt.\.iilom a 2* por galio.
Passas.Idoni ;t 8', a caixa.
PiiK.-iii.Nros.dem a 18 a arroba.
Qceuos.Os flainengos vendejain-so a 270O
cada un.
Sarao.O inglez venden-so a 170 rs. por libra.
Toicimio.Venden-so o do Lisboa a 10J i
arrolia.
Vi.naouk.O d.- Portugal vendeu-se de 1155 a
\t'> i por pipa.
Vishos__OsdePortugal venderam-se le 220.5 a
2304 a pipa, e os de outros paizes a 195*.
Vklas.As do composco venderam-se a 640
rs. o pacute do C velas.
Dusoonto. U rebate de letras alternou de 10 a
12 ,'0 ao anno.
Parrrsv-Para Liverpool, carregando em nosso
porta, 9 16 5 ,0 em vapor, pelo ak'odo 1/2 d.
por libra-om navio de vela : pplo lastro de asalt-
ear 15/ 5 PBLICACOES A PEDIDO.
Ao intogeirimo Sr. Dr. jui-: municipal da
r vaca.
JUSTINA
Acaba de si r prouancia delegado d'esta capital o subdito portuguez
Joaquim d'Almeida. establenlo a roa Im-
perial d'esta cidade, como cmplice do
lime de que trata o art. 209 do cdigo
-rirainal.
Esta pronuncia, com quanlo autorisada
pelo parecer da nobre promotoria publica,
nao nos pareen todava a mais conformi-
sta os principios do dircito e pro va dos
autos.
A queixa dada centra Jocquitn d'Almeida
peto roubo da plvora perpetrado no depo-
sito de Jos Lefio do Mello, na fregaezia
dos Affogados, quo aulorisou a referida
sentenca, revela etn seu todo o man in-
tento de querer-se arrancar-do querelado
certa porrao de dmbeiro, que pussa ga-
rantir os compi'omeumentosemque se acba
o queixoso para com sous credores, o isla
su provado cxhuberanlemeu'.e dos autos,
m face dos depoiraenlos das tesMmonbas
raais documentos a!i existentes.
E entretanto a* ma intelligencia do art.
0a Io do cdigo criminal, anda d'esta
vez permanecen em detrimento de Joaquim
d'Almeida a quem nem de leve poder
tocar a injuria do crimeque se lite pretende
arrogar.
Nao asistiremos por Igo ra na devida
apreciacao do Tacto que deu lugar a refe-
cida pronuncia, e nem ttmbeni na analyse
sobre as diverjas provas dos autos, que
julgamos toilas em abono do querellado,
por que estn lo a cansa ja afecta ao in-
tegerrnno Sr. Dr. joiz municipal da 1*
vara, esperamos a costamada jusliga que
sempre destribnc na altnra de sua missao,
e asim tranquillos aguardamos urna de-
isao que tenha em si o COflltO da jusiit.a,
Acaremos satisfuitos.
X X X
Lisboa, % cMw de 1869.
ilim. Sr.Participo a V. S. trne tenho estabele-
ido o mea escriptorio de coininissocs nesta cida-
'I?, ra do Amparo n. CC.
ncarrepo-mc de todo qnanio seja concernentc
i cotnmeirio. cspeciilmonlo da :
VENO A de assncar, algod'io, caro, arroz, ma-
delras, agurdeme o mais guncros do Ilrasil.
IOEM de violto?, crcaos o mais gneros da Eu-
i pa.
COMPRA c remp.sa de gneros ou quaesquer
eaeotn iii-ndas etn grande oj pequooa escalla.
DtSCO nl'Os por compra ou venda de lettras c
papis do crdito.
MOVUKNTO de fundes jara todas as pracas
vj lacarns.
REt'.EBIMEXTO e expedi-an do telegrammas ou
juaesquer cmmtinlca^oes do Brasil, Rio da Pira-
ta e para qualquer parte da Europa.
COBRANCAS lijaiclajes informacocs, etc.
A longa p'ratica que tenho do coramercio e os
oipus hbitos de trabalh') fa.:om-mc julgar que
saberei cumprir com zelo e actividade qualqaer
<*ommiss51 com que V. S. quizer nonrai-me. Ob-
servar rista e com dedicve as ordens que me
t'orem dadas ser o mea alvo.
Espero porlanlo merecer a auprovacao de V. S.
?om a sua conlianca. Sou de V. S. amigo o criado
-Guilkenne Augusto Rodrigue Selle.
MOVIMENTO DO PORTO.
tiavio entrado vn din. 4.
Babia8 dias, briguc ingiez Sumyudt, "e 287 to-
neladas, capiHo I.erintdalo, eijuipagem 10, em
lastro : a Johnston Pater A C.
" Kiirws snliidos no mesmo da.
ParaHiato brasileiro Joven Arlhur, capitao Tra
jano Antunes da Costa, carga varios gneros.
Purto-AlegreEscuna b-illandcza Ceres.
Kavio entrado no di a 5.
Granja e por tos intermedios 9 dias, vapor bra-
sileiro I'irapama, do 312 Toneladas, coniman -
dantc Moura, equipagem 30, carga algodo e ge-
nero-i : a comoroiliia Pernanibucana.
ECITAES.
Domingos AITonso Ncr\ Ferreira, coronel chefe d>!
c>lado maior do ciimiiandi superior da guarda
nacional da municipio du Recife, e commaudan-
te superior interino da misma guarda, p.>r S.
M. o Imperador, 8 quem Ueos guarde etc. etc.
Paco saber ao Sr. alfares Arselino J.is de Al
meida Pernainbueo e a todos aquellos quo pode-
reni e quiltrea! fazer che'ar ao sen conhecimen-
to, qup, pelo presente cdital 6 chamado a Siitnpa-
recer no quartel da residencia do coimnando m-
perior, dentro tjo praso de trinta das, contados da
data deste ; e nao o fazendo durante esse tempo
ser nomeado o eouselho de ins'csligacji > para ve
rificar a sua au ncia, nos tormos do y 20 d > de-
creto n. 3,535 de 25 de novemiro de 1865. visf..
ter so ausentado do Brasil ha mais de 4 anno*, co-
mo me p irlicipou por officio, o Sr commandante
do batalhao.
Quartel do commando superior interino 1 de
seteinbro do 1809.
___________.iningne AiTonso Nery Ferreira.
O Dr. Abilio Jo< Tavares da Silva juiz tos
fetos da fazenda desta provincia de Per-
nambuco por S. M. o Imperador e cons-
titucional o senbor D. Podro II.- que Deus
guarde, etc.
Faz saber que no dia 9 do correte ra^z
na sala dos auditorios, depois da audiencia
respectiva deste juizo, se ha de arrematar
por venda a quem mais der, a requerimen-
to de Caeano Pinto de Veras, inventarame
tos bens de Francisca Romana de Veras e
com consentimento dos Drs. procurador fis-
cal da fazenda provincial curador geral,
a casa terrea sita na ra dos Pescadores,
fieguezia do S: Jos n. 24, com 14 palmos
de trente e 55 ditos de fundos, dua.s salas,
dous quartos, copiar fra que serve de co-
sinha, pequeo quintal, cacnba meeira, com
soto, c nclle duas pequeas salas, com
tjuarto, sollo foreiro ao patrimonio dos
orphos.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei fazer o presente edital que
ser affixado nos lugares do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 2 dias do raez de se-
tembrode 1801*.
Eu Joao Vicente Torres Bandeira, escri-
vo o subscrevi.
Abilio Jos lavares da Silva.
flus do Pilar.
Ca;> terrea n. 105 ................ U6*000
dem i)- 'J8........................ 203*000
dem n. t8......................, 2025000
Sitio ii. 5 no Pomo da Cal........... 1W1*0(K
Os pretcndo.ites devero apresentar no acto da
arrematarlo as suas flaneas, ou eomparecerem*
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
cife, 31 de agosto de 1869.
O eserivao,
Pedro fodriaues deSovza
Ra do Encantamento.
Sobrado de dous andares n. 3. 600*000
Ra do Amorim.
Sobradode dous andares n. 2l,2idem 600*000
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
Aljlma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar cora quem
so queira encarregar de fazer sua casta as obras
de que neeessita o sobrado n. 37 da ra da Moe-
tla, concedendo elia, alom de outras vantagens, o
arrendameate por grande numero de annos.
Recebe para isto prupostas om cartas fecbada,
na sala ae suas seasoes, devondo 03 pretendentes
examinarem as obras de que carece o predio.
Secretaria da Santa Cn-a de Misericordia do
Recite, 4 de seijtnbro de 1889.
O escrivo,
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tarao em praca nos dias 9, 13 e 15 do corrente
p*ra serem arrematadas por quem maior pretjo
offerecer as segtiintes rondas municipaes:
Imposto de afferieSo de pesos e medidas pela
quanlia de rs. 19:0001*000. "
Imposto do 100 rs. por carga de farinha e ou-
tros legtimes vendidos nos mercados pblicos por
2:240*000.
Aliigiicl do talbo n. 1C do quarteirao do lado do
norte do a^ougue da ribeira da freguezia de S Jos
por 750:5000.
As arrematares sero (sitas por um anno ;
aquelles que pre'tonderem concorrer a ellas, devem
habililar-se na forma da lei, e apresentarem dous
dias autes as suas habilitacoes para serem pulga-
das.
As condeces para taes contratos serao declara-
das antes do entrar a praca.
Pac.; da cmara municipal do Recife 1 de se-
lembro do 1869.
Manool de Barros Brrelo,
Pro-presidente,
Francisco Canuto da Boaviag-m,
' ___________Secretario.________
O Illm. Sr. inspector da tbosourana do fa-
zenda desta provincia, em virlude dar ordens em
vigor, manda fazor putdico qoo tem marcado o
dia 1 de outubro prximo vindouro para o con-
curso que se tem de abrir na mesma thesonraria
pira preencbtmento nao s das duas vagas de ter-
ceiros escriptumrios nella oxistenteg, como das de
praticantes da mesma, assim como da alfandega e
oa lecobeduria de rendas. Versaiao os exames
para praticantes sobro as materias de que trata
o | 1 do art. Io do decreto n. 3114 de 27 de junbo
de 1863, a saber : leitwa, analyse grainmatical e
ortb igraphia, arillunetica e suas applicacoes ao
commercio, com especialidade reduccao de moe-
das. posos o medidas, calculo de descont, juros
simples e compostos, theoria, de cambios e suas
applicacoes: e para os de tefeeiros escriplurarios
as mesmas materias exigidas para praticante, e
mais as do S 2o do dito decreto, a saber : theoria
da esoripturacao mercantil por partidas simples e
dobrdas, e suas applicacoes ao commercio e ao
MSoaro, tradnecio correcta das lingoas ingleza e
franceza, ou pelo menos da ultima, principios ge-
raes de geographia c historia do Brasil, algebra
at eqnacoes do 2o grao, e pratica do servico da
reparticao em que estiver servindo : o candidato
ser dispensado do exame em qualquer das mate-
ria* cima mencionada* se mostrar ter sido nella j
approvado. Os cand datos que nao forem empre-
ados publico* deverSo apresentar sous requeri-
mentos instruidos de documentos que -provem ida-
lia, completa de 18 annos, isencao do culpa e pena,
e bjsn coinportamento.
jwcretaria da thesouraria de faienda de Per.
nambeco 31 de agosto de 1869
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
U------9____J__________i q_
DEOLARACOES.
COMMERCIO.
ALPANDEGA.
Rendimonto do dia 1 a 3. .
Itera do dia i.....
92:516*386
28:057*689
12O:W1*075
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade se faz publico para conhecimento de quem
interessar possa, que nao foi arrematada, como
eslava annunciada, em 25 do corrente, a obra do
concert da ponte do Luca, oreada na quantia de
880*000, a qual continuar om praca em o dia 9
de setembro- prximo vindouro.
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
agosto de 1869.
O secretario,
_______ Francisco Canuto da Roaviagem
Consulado provincial
Pela administraco deste consulado faz-se
publico a quem interessar possa, que com
o presente mez termina o recebimenfo dos
differentes impostos provincaes relativos m
anno financeiro lindo de 1868 1869, sendo
em seguida liquidados e remedidos pelo
juizo os dbitos dos contribuintes, omissos,
alira de serem executivamente cobrados,
na forma da lei.
Consulado provincial, Io de setembro
de 1869.
O administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
adames entrados com fajeadas
Idsia dem com gneros
V ilutaos sahido3 com fazendas
dem idem com gneros
524
385
-----909
190
450
-----640
Descarrogam hoje 0 de setembro
Hrigue nglezlesse Scottir:cradoras.
Barca inioeaGizellai-fem.
Barca italana/.'osaidem.
datera fr.ncezaAinaiieidem.
Brigee suecor/c/ataboado.
Rrigue hollandoz Corintia & Ge KECEBbSrLV DE RENDAS INTERNAS'6B
RAES DE PERNAMBUCO.
Bendraento do dia i a 3 6:194*346
Uetn do .lia 4...... 1:213*806
108*652
CONSULADO
l'endiraento do dia!
fiera do dia ... ,
TROVINCiAL
6:91310
6H
/:wrf*775
PRACA DO RECIFE
UBRO DR 1869, -\ TAKOE.
RKVINTA lH%W41i.
Cmidws.Saccou- o a 19
i '2 d. per 1 *; sobre Pa.
Gonselho de compras
navaes.
O lllm. Sr. rresidente do cosjelho manda f^izer
publieo que transferid para. 10 do corrente mez a
s.;*san qne se acba annunciada pars o dia 6.
Sala das sessoes do conseiho de Compras navaes
4 de selembro de 1869.
O secretario
Alexundre Rodriguen dos Anjos
tamta Casa da Misericordia do
Recite.
A IJlma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Rocifo manda fazor publico quo na
skla de suasjpessoes, no dia 9 de setambro, pelas
quatro horas dn tarde, tem de ser arrematadas
uem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
i tres anno-, as rendas do< |.rJios om seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIBADE.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea r.. 49...... 170*000
Ra das Calcadas.
frlQ....... 192*000
Roa da Moeda.
I'rimeire aada 4b sobrado n. 37. .
Soguml'- .....
MlirMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Cacimba,
dem idem r 12 ..... ,
761000
THEATRO
DE
S. ISAREL.
Empreza lyrica Italiana.
611 recita de assignatura(8a do contrato)
Terqa-feira 7 Je setembro de 18*39
DIA DE IR.UIIE G.\U,
LogoqueoExm. Sr. presidente da provincia
chegue a tribuna cantar-se lia pela companhia o
hymno da independencia do Brasil
Seguir-se-ha pela primeira vez a nova opera era
5 actos de Gonnod
FAUSTO.
O cslylo desta msica tao complicado e difO-
cl que era todos os grandes theatros oude se exe-
cutou fizeram-se at doos mezes do ensaios o re-
petio-se mais de 100 vezes, entre nos nao pode-
ro serfazer tantos ensaios, mas os professores da
orrhpstra lutaro todos de boa vontade contra as
difliculdades immensas qne iam encontrando e
concorrero em ludo com o hbil regente Sr. Gial-
dini para a boa exeeui^ao ds dita opera. Em va-
rios tbeatros de cidades de primeira ordem ainda
nao foi representada esta opera phantastica por-
lae ns einprezaros nao tiveram animo de fazer
as mnitas despeas quo ella exige, machinsmos,
transformacoes, visos, luz elctrica, scenaros e
vestuarios dispendiosos sao ndispensaveis para
coroar de bom successo o sublime pensamento de
Getb. grande poeta alternan, que como todos sa
bem, tem feito urna rcvolocao artstica e Ilitera-
ria. Cora os pequeos recursos que a empreza
dispoe, mostrar tanta coragem, poder parecer a
alguem afoitamento, mas nao I isto nao outra
cousa se nao desojo de continuar a dar provas da
boa vontade que tcm.de agradara este Ilustrado
publico merecer Ihe a benevolencia e fornecer-lne
o meto de apreciare dar o seu juizo tambera so-
bre esta nova e afamadsima opera
Personagens. Actores.
0 Dr. Fausto............ Sf. Cesar.
Mephirtofele.............( Scolari
Valentino.....^......... Boschini.
Vagner......W.......... Galassi.
Margarida............... Sr." G. Beltramini.
Siebel..........'......... Pierotti.
Martha................... Beltrami.
Estndantes, soldados, paisanos, mocas, matro-
nas etc.
A scena passa-se na Allemanha.
Os bilhetes sao vendidos no dia do espec laculo
COMPANHIA PEP.NAMBCANA
ur.
%areg.ico costclra por vapor.
Goyanrta.
O-vapor t'aruhgba, commandaiite
Mello, seguir para o porto cima no
_ dia 6 do corrente as 9 horas da noite
Hecebe carga, encnmiuendas, passageiros o di-
ihoiro a frele, n escriptorio do Forte do Mallo.
a. 12.
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperado
at o dia 8 de setembro o vapoi
Giutr, commandanle o 1 te
nente P. B. Duarte, o qual de-
pois da demora do costunic eo
Swrlos do norte,
j recebem-se passaneiros o engaja-sc a
;arga qso vapor poder conduzir, a qual dever
ias e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
ua sabida.
Naoge recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passardestoslimites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-sesos Srs. passageiros que suas pessa-
gens s se recebem na agencia raa da Cruz n. 57.
1 andar, escriptorio de Antonio Luiz do Oliveira
Xzevedn & C
JL
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Varegae^o costeira por vapor.
Paralaba, Natal, Maco, Ara-^ity, Coar,
Mandab. Acarac e Granja.
O vapor Pirapamu cointnandanu
Torres, seguir para os portos
cima no dia 15 do corrente as 5 hora-
la tarde. Recebe carga at o dia 14, encom-
aendas, passageiros e dinheiro a frete at a
i horas da tarde do dia da salrfla no escriptorit
lo Forte do Mallos n. 12.______________
Para Lisboa
pretende sahir com muil brevidade o palhaboto
portuguez Novo S. iMureneo : para o resto da car-
ga e passageiros, tratase "com os sous consignata-
rios T. de Aquino Fonseea & C, ra do Vigario
n. 19.
Su no deposito d pao o cesias a ra larga do
Rosario acharo saborosas maclas euvas brancas
muscatel, levendo notar-so que entre aquellas
exisla algumas pozando mas de 1/1 libra, oslas
serao pata os primeiros quo appareeprem."
Aluga-se utn grande sitio denominad) olhn
de vidro, entre Cruz de Almas o Paraainerrtm,
com sobrad para morado, casa para esclavos,
estribara, caa para feitor, dita para faz.ir vri-
nha, cacimba com boa agua de beber, bomba,
tem o dito sitio diversos arvoredos de fructo e
boa baila para pl inlacao de capin : quem o pre-
tender dirija-se a ruado Aragao n. 13, a tratar
com Jos Antunes Guimares ouconi Manoel Per-
ir ira Ramos na mesma ra n. 31.
~Aos 20.000^000.
Bilhetes do Rio a venda, ruado Cabug n. 2
Casa da Fe. Precos do eostumo.
V\%\ D%
FU.
AMAS
Precisa-se de urna para cosinliar c comprar c
outras para engommar e andar com criancas. pa-
ga-se bem : na praca da Independencia n. 22, se
dir quem precisa.
Aos 20T000^000~
CASA DA FELICIDADE "
-Praca da Iadepeodencia-99
Os abaixi asolanados tem nposto a venda o>
seos felizes bilhetes da lotera 127-12S do Nithe-
n>h\, cujas listas sao esperadas at o dia 8 do cr-
rente sendo os premios pagos in continenti.
Veras & Brbcdn.
; Fagrodoengenho.;. .,itjmo nudo.
Itambe, no dia 18 de jtilho ^,es pe.
a escrava Joaquina, com os stgn guintes: mulata do 25 annos de idade, tan.
vagarosa, cabelloa um pouco oncarapinha-
dos, palpebns e olbos salientes e grandes,
tem urna pequea cicatriz na testa, pe
cavados, bracos linos, ventie eres ido e es-
tatura regular. Quem appi-oliender a re-
ferida escrava, quo fugio para* o Recife.
onde diz qu livre, e levar ao dito en-
genho. t.'.m l()i-i de y.ttilicacio.
Precisa-te litigar utn preto para ser-
vico de padatia, (menos maestro), quem
tiver pode se dirigir ;i roa da Imperatriz
n. 4. .
O agente ere compras e vendas de
-cscravos. Jos Martins Alvos da Cruz achas-
se residindo na na do Borlas n. 90, promp-
to a desempenltar nao s o seu dever para
este flm, como para outros que seus com-
mitetitesojulgiiein habilitado mediante suas
respectivas commissoes.
AIA
Precisa-se de urna ama para servico de
p'ouca familia : a tratar na travessa do S.
Jos n. 35, 2o andar.
Piecisa-se de urna ama para casa do fami-
lia : a tratar na ma estreita do Rosario n. 18 B.
loia de miudezas.
CyPASIIIAJRASILEIIl.\
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos donorte esperado
at o dia 7 de t-eteinbro vapor
Toatittins. eommandanto J. M.
Ferreira Franco, o quai depois
da demora do costume seguir
para os porto-* do sul.
Desde j reebem-sc passageiros c engaja-sc a
arga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encamnen-
las e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 1
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor c que noexcedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
rudo que passar do?tes limites dever ser embar-
<*a!o como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
fns s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, escViptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo c C.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costme
O aba'.xo assignado tendo vendido alm de ou-
tras sones 2 motos n. 1686 com 700| da lote-
ra que se acalmo de extrahir beneficio da or-
d.-m terceira do Carino do Recito (118') convida
atis possuidores a viren receber na contornada
de do eostumo sem descont algum.
Acbam-se a venda os bilhetes da 28a parte da
lotera a beneficio da Santa Casa da Misericardia
(ll|n': que so extrahir no dia 10 do corrente.
Precos.
Os do costume.
______^^ Manoel Martins Finta
Na ra Nova n. 48 precisa se alugar um
molequo de 12 annos, ou um preto velho para
servigo de casa. Na mesma casa se vendem dous
corixs muito cantadores.
Para Lisboa
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
- A\k. ved. seguir para os portos cima no
nS^dia 9 do corrate as 4 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 1!, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do da da saflda ; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Do Io de setembro prximo em diante,
a partida dos trens. ser regulada por urna
tabella que pode ser procurada na estarlo
do Recite desde j.
As horas das partidas as estaees ter-
minaes, serao as seguintes:
DIAS UTEIS
Do Recife Apipucos.
Manhaa 6,10 7,10 7.50' 8,50' e 9,50.
Tardo 2,30 3,30' 4,20' 4,30' 3,30' 6,35' 8:5" e 9,15'.
De Apipucos *oo Recife.
Manhaa 6,20' 7,8,5'9, 10 e 11'
as 6 horas da tarde.Mlecebe car- Tardc 3;t- 4:)- $ |w 8.20' e 9,20.
DOMINGO* E DIAS SANTIFICADOS
Do Recife Apipucos.
Manhaa 6. 7, 8 e 9.
Tarde 1, 3. 4,5, 6, 7, 8.20" e 9,20.
De Apipucos ao Recife.
Manhaa 7, 8, 9 e 10.
Tarde 2, 4,5, 6 5' 7,5' 8,25' e 9,25'.
Escriptorio da companhia, 28 do agosto
de 18G9.
O gerente,
Rawlinson.
0 briguc portuguez Constante U segne para
Lisboa com a menor demora possivel, por j ter
parte do sua carga prmnpta para o restante c
passrgeiros, trata-sc com os consignatarios Olivei-
ra, Filhos & C., no largo do Corpo Santo n. 19, ou
com o capitao r>" praca do commercio.
COMPANHIA PElNAMBIjCAM
DE
Vavegacito costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandoln, comman-
dante lrenna; seguir para o por-
to cima no da' 13. do crrente
ga, encommendas, passageiros c
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do dia
da saluda : escriptorio no Forte do Maitos n. 12
Thomaz B. Stinuarson, capitao ua gaiera do
err Lancashire, de 1177 toneladas, pertencente
ao porto de Liverpool c com destino d'aqudlo
po'to a Calcuta com urna carga de sal, e agora
encalhada duas milhas distante de torra nos ar-
recifes entro Gurag e a barra do rio Gramame
na provincia da Parahyba, des jando proteger o
mais possivel os intoresses dos proprietarios e
assegurados'do dito navio, faz scentc pela pre-
sente que se aeha prompto a receber propostas
as seguintfes condicoes :
Que o navio sejaboiado, es mantiraentos c mais
pertences do mesmo que se tiverem descarregado
para serem de novo postos a bord, e o navio
posto no dique (dock), no Rio de Janeiro indurado
os servieos de ura' merguRiador para examinar o
estado do casco.
Pagamento destes servieos ser feit na con-
clusa do trabalho, estando a contento do mesmo
capiaoa quem se devem dirigir as propostas em
carta fechada no vice-consulado de S. M. Bitan-
uica na Parahyba, at ao dia 9 do corrente, quan-
do sera abertas era presenca do vice-consul. O
capitao nao se responsabilisa de aceitar qualquer
das propostas.
A copia da vestora que se fez sobre o navio
pode-se ver no escriptorio do Sawnders Brothers
i CAgente de Lloyd largo do Corpo Santo nu-
mero H.

!EMPRESTIMO SOBREI
LEILOES.
LEILAO
De H caltas marca !. C n. 91
a 9H. com latas com chourl-
eas viudas de Lisboa no pata-
cho porttisiiex Mara.
HOJE.
O agente Pestaa far leillo por conta c risco
de qnem pertencer do genero cima mencionado
o qual ser vendido em m ou mais lotos a von-
tade : segirntla-H-ira 5 do corrente as U horas da
manhaa noiarmazem do Annes defronte da al-
fandega.
AVISOS DIVERSOS.
(SEM LIMITE.)
Iravessa da roa
das Cruzcs n, 2, pri- 1
oiciro andar, da-sc quai-
quer quantia sobre oure,
prata c pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condices de ga-
rantir a transacc5o que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
e brilhantes.
Ama
Precisa-se de urna ama livre ou escrava quo
cozinhecom perfeicao o diario de urna casa c qne
seja de boa conduela : a tratar na i ua do Vigario
n. 5, 3" andar.
AMA
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costea por vapor
Eernando de Noronha.
O vapor Coruripe, commandante Silva, seguir
para o porto cima no dia 10 do crreme'ao mete
dia. Becebe carga at o dia 9, encommenda,
passageiros e dinheiro a frete al as 10 horas; do
dia da -ahida : escriptorio no Forte do Malos n. 12
Para oMaranho
Guilherme Patricio Bezerra Cavalcan c seus
irmos, Joo Vctor de Souza, sua mulher e seusl
filhos, e nor, agradecem do iatimo d alma o fa-
vor de considera; que Ihes acabam de dar as
pessoas que se dignaram assistir aos suffragios
fetos por alma de sua virtuosa esposa, cunhada,
filha, irma e cunhada, Landelina d.i Souza Caval-
canti; e de novo convidara para assstirem as
missas e memento que se rer na igreja de S.
Jos de Riba-mar, na terea-feira 7 do corrente. as
7 horas da manhaa, stimo dia do seu fallccimen-
lo ; bem como agradecem tambem a todos que uo
momento mais doloroso do seu soffrimento Ibes de-
ram a p. ova mais robusta de sua amizade e con-
siderscao.
O palhTinte portuguez Carolina, capitao Joao
Paulo de Oljveira vai sabir breve, por ter grande
parte do carregamenio engajado : para carga e
<. trata-se com E. II. Itabello A ruado
146/000. Commercio n. 44.
Joao Yictr de Souza Jnior c sua mulher Lauro
Augustaija Silva convidara aos seus parentes e
amigos qnlSno poderem assirtlr ao memento que
se tem de celelirar na igreja de S. Jos, de i
Mar; para mmparecerem na matriz de S. los,
onde tem do celebrar-so una missa por alma de
sua mui prezada irma e cunhada Landelina de
Souza Ofvajjtonii. lerga-feirv7 d. corrente 4s 4
horas damanhn. _______________1
flO HH Bssi
Troi raiudo.
Oa-se bom premio por sedlas d.-l
5S, 10* e 208 (nova e-tampa: na casa de 1
do-ro Simn & C, largo do Pelournho n. 7.
Precisa-se de urna ama para servico interno de
casa de familia : na praca da Independencia n.
19. so d r.______________________________
Precisa-se de urna' ama que saiba cozinhar
engommar, para cas3 de pouea familia : a traa
na ra do Cabug n. 1, toja de jnia.
Na praca da Independencia n. 33, se da di-
nnoiro soB penhorps de ouro, prata e pedras pre-
ciosas, e seja gaial fr a quantia : na mesma casa
-e compra o vende objectos do ouro e prata, e
igualmente se faz toda e qualquer obra de encom-
menda o todo e quafcjuer coueerto tendento a
mesma arte.
CASA FELIZ
Aos 20:000^000
lo Recife arco da Concclco n. 3
Os abaixo as-dignados tendo-sn habilitado na
forma das les tem exposto a venda f>s seus feli-
zes bilhetes das tetaras do Rio.de Janeiro na casa
cima.aonde se pagar as sorles que sahirem
no mesmo liiltioto com o descont da lei somonte.
PRECOS.
Bjlhetc inicuo 2300O
Meios 125000
Quartos 6a000
E de 100a para cima a 22.3 o hilbete,
______t_________Figueiredo & Leitc._______
Ama
Preei j *o de urna ama para o serrico de nina
saiba poser; a tratar na rea
do Aragao n. 33,
Aluga-se utn dos latios de utn segun-
do andar, perlo da ribeira. proprio para
escriptorio ou moradia de homem solleiro,
menos estudanle: tratrr na ra da Con-
cordia n. 125.
Precisa'st- de urna ama para casa de
homem solteiro : tratar na ra da Con-
cordia n. 125.
Na Boa-Vista, ra Vellia n. 82. tem
para se alugar urna preta para cosinliar e
emgommar.
Rodrigues Irmao dcC. fa/.eiu sciente ao
publico, especialmente ao corpo do cem-
merco que compraram ao Sr. Jos Muntei-
ro de Siqueira, a sua loja dn louca estabe-
lecitla na casa n. 6 da ra da JJatka do Recife
desta cidade, Picando quites coro o mesmo
Sr., e sem rcsponsabilitlatle pelo passKo.
Jos Joaquim Lima Bairo. tendo de man-
dar celebrar por alma de eu fallecido ami-
go do Rio de Janeiro Antonio Rodrigues S
Vianna, 30 lias de seu fallecimento unta
missa na igreja do convento do Carmo s
8 horas da manha no dia 0 do presente
mez. E para este acto de reJigtSo e cari-
dade convida aos seus amigos e daquelle
fallecido o caridoso obsequio tle prestarem
ua assistencia, dando com isso mais- urna
prova de quanto apreciavam as suas quali-
dades, e como um ultimo tributo de vene-
rago as suas cinzas.
% *
- A socie ida das Artes Media deas e
Liberaes de Pernambuco sobre os aupicios
de N. S. do Amparo, convida a t"dos os
irmos para no dia 8 do setembro ;\ 9
horas da manhaa achar-se na salla de suas
reunioes afim de se proceder a eleico dos
novos funecionarios.
0 Io secretario,
Simo de Smza Monteiro.
Precisa-se de contratar um homem de
idade preferindo-se portuguez pata instilar
primeiras letras a tres meninas na um en-
genbo na pvoac3o de Abren de Una, quem
estiver nestas circumstancias pode-se diri-
gir ra da Moeda n. 5. 2' andar escrip-
torio de Manoel Alves Ferreira & C.
Precisa-se de urna ama para casa de
homem solteiro, s para cosinliar: na ra
di Livramento n. 34.
Jos Monteiro de Siqueira mudou-se
para casa n. 3 de ra da Cadea.
Precisa-se alugar urna escrava boa cozinhei-
ra e outra boa engommadeira : a tratar no arma-
zem da ra do Commercio n. 22.
Precisa-sede unaaiulher capaz que queir,
ir Mamanguape levar urna criaiica a Seus pais
dando se-lhe transporte e pagando se-lhe o traba-
Iho ; quem quizer dirija-so ra do Cabug nu-
mero 7, loja de cera, oude se dir com quem it
deve tratar.
Os abaiin a-dignados declaran) ao publico e
especialmente ao corpo do commercio, que desde
o da 19 de agosto prximo passado dissolveram
amigavelmente a sociedade que (iuhain 110 estabe-
leeiraeoto do taherua cita a ra do Santa Bita
n. 1. sob a firma de Guimares & Costa ficantiu
todo o activo c passivo a cargo do ex-socio Costa
retirando se o ex-soco Guimares saldo de seu
capital. Recife, 1 de setembro de 1869.
Francisco Ribeiro Guimares
Francisco Torres da Costa
IV
Precisa-se de urna para cosinliar ca casa de
familia ; a tratar 110 largo da Alfandega armazein
n. 2.
Precisa-se
de um homem que entenda da plantaeao de DO*
horta : a tratar na estrada de Joo de Barros, sitie
n. 24.
Ama de leite
Precisa- c com toda urgencia de nma ama di-
leile : na travessa do Veras n. 15, **andar. NV
se olha a preco.
COSTREIRA. .
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
caza, por prec commodo, na ruaAugusU.
n .112, e d-se tianca sobre as mesmas.
AMA
Precisa-se de nma aiulher livre ou escrava qut
cozinheo diario de tuna casa de pouca familia,
paga-se bem : quem estiver nestas coudicoes, ap-
pareca no escriptorio da ra da Cruz n. 60, ou n;>
travessa do chafariz n. 15.
Precisa-se de um erreiro as obras da Re-
cife Drainage Company Limited, no largo das Cin-
co_Pontas. _^_____________________
Vicente Alves Moreira, agenciador de ven-
das dt escravos, mndou sua residencia da ra de
(tortas n. 94 para a ra da Paz n. 34, onde setis
freguezes o poiero procurar para a mesma oceu-
pacao. Recebe escravos em commisso, c promotto
prompta venda. -
Precisa-so de utn criado para tratar de um
pequeo quintal: ra da Cadeia n. 39.
Aos senhores de eagenho
Urna moco habilitad)) em primeiras letras e con.
pratica df ensiao, propde-se a leecioear em al-
gum engenho as immediaees da estrada do I
do Recife a S. Frnne.i>eo : a posoa que d>^
pre Praia n. 53. 2" andar.
I
das tn
-ni
ra da Guia 11. Ia '

-T



Diario Je Pernambuco Segn la feira 6 Je Setembro d 1869.

cor-",
-w
u-ASHU PEBSiMUCMA


4 0\SKMI4> IK DIRECTO
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmaos,
Luiz Antonio de Siqueira.
U ERE IV TE
0 SSL $ F. BORGES.
Restando anda cmittir algumas acgoes desta companhia, da quantia nominal d.
2006000 cada urna, das quaes s 66aceitan] cm virtude da lei, 20 % ou '*0000 poi
caria ar.cSo; convida-ae peto presento ao. publico era geral e cspecialmcne aos Srs
.-apilbalas e interessados no comiuercio, que queiram dar empreo seguro aos sea-
pitaes, dispouiveis, a subscrever o numero deaeces qu.e llies approuvcr.
Algumas -testas aocoes j tero* sido lomadas por pessoas que conhecem a vanlageD".
de a presenta occasiao (conhecidamenle a melhor), empregarera o dinheiro da qu-
pederem ^por em objectos do valor real, como vapores, predios etc., que Ins garan
Tim seus capitacs.
A companhia pessue boje 10 vapores, 6 meiramente novos, e destes o ultimo est*
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressmento para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno puo possue r,o largo d'As-
-scmbla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % a al>n0 nos ltimos 4 annos.
As aec/tesquese Cmittirem gosam dos mesmos direitos, e perceberao o benoGci<
dos mesmos dividendos queosantigos em pioporco da entrada.
Recebem-se assignaturas no escrptorio- da companhia no seu edificio ao caes di
Vssembla n. 12.
Mikroskopo acbroma-
tiscbcn.Ohj.-uvL.n- V^
sen.
Barmetro e term-
metro. Centigrade
e reuumeure.
H ? falque
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
ISG4ITB1 81
CflSTlSTIBHTI II'
CHAPEAS
DB
De todas ai qualidadea I
De todos os fcitios I
De todas os presos I
COMPLETO SattBElTB DI
SOL;
RA DO CRESPO N' 4
oculos luiuintu
E cry&tal de rocha do Brasil.
?. *. Cetnianv, recommenda ao publico, seus vidros periscpicos aperfec,oa-
dos; porque, com esta vidros, a vista descanga, fortifica-so e nao a canga como crn
os vidros ordinarios, lima vez escolbido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios, se est obligado a. muda-Ios todos os annos e os ter
ada vez mais grossos, o quelitera ciy*llino do ohoe determina quasi sempre do-
res decabeca. O alcance ordinario da vista porto de 30 centimetros do olbo, e,
tudas as-vetes que o ohjecto est mais perto ou mais lo \g\ os raios que expolie s5o
mui convergentes ou nui divergentes e a visao nao perfeia. Um grande uumero de
pessoas tem o defeito de faaer convergir muito de sorte que a vis5o n3o distincta.
Com a applicarao de mens vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a viste curta e cojo crystalino mui convexo (o que faz ver bem. de perto, e mal de
longo), o que se chama roy<>pe, por mew de wm vidro concavo affasta-seo ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver lio longe c- mo as outras vistas (Juan-
do o ciystalm*) muito chato, o que suoede aos que t*-m chegado a urna certa idade,
o qae so chama presbyta, veo melhor de. longe que do perto, e nao enxergam senao
bik nevueiro na distancia ordinaria d* vista; com um vidio convexo, estes enser^arj,
lio distinctaraente como na idade d- 15 annos. Serviudo-se destes vidros quando a
vista principia enfraquecer, previne-se o mal.
F. Cicrniaau encanvga-se pela sua experiencia, tendente aos odios, a es-
col her, a primeira vista, seja qu! for a idade e grao de vista, oculos proprios par
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
NAO FOI PRECISO AGUA BENTA
O demonio mudou-se por sua Hvre c expontanea vonlade
VIVA O DA DE S. BARTHOLOMEl]
Agow mnguem presuma que fot um demonio qualquer, foi
O BOM DEMONIO
Mas nito >ahio da Boa-Visto .
CHEGOU-SE AT PARA MIIS PERTO DA MATRIZ
Scu dominio esl hoje assentndo. onde foi botica,
ESQUINA DA RD DJ ARAGAO N. 32
VttMIAH VE-JLO
Como garboso se ostenta
Como lepido se mostia
E as diabruras que faz!!!
( Negra tranca no co lo lhe oiuleia
< Sulta triza ao mago desdora
Deita a fronte n'um peito e conheco
s OuaDlas maguas o seio contera.
Esta linda e gentil creanira tamhHin ____ __________
VEMDE
(Jueijos, uiapteiga e cat,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
j De Nantes boas sardiuhas.
Tudo barato
. Para agrada ,
' Venhnm freguces
Que han de gustar,
N. B. Brevemente ser annunciado o da, em que este impoi tante ai mazem de m -
diados ter principio a pratica do certa diabrura.que admirar mais do que TEMPORAL
na BONaNCA da ra do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimeto, comprar os nossos superieres gener s por presos muito rasoaveis.
Para a vista myope, (vista nula;.
Para vista que se cobre de iiuvcns.
Para a vista qoc por momentos, v es-
v(vi.ar pequeos pontos ng*aa.
tara a vista que as paipebras ireraem
do fraqneza.
Para a vis'a que os olbos s3odesiguacs.
Para a vista que se torva com o traba-
itho e a leitura.
Para a vista presbyta (vistagalon ).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as paipebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o ontro presbylo.
Para evitar Analmente que o crystalino
do olho se cobra de catarata.
Tintura instantnea de Dc^nour, e real de Jbyme: vende-sc ra do Quei-
'ifldo n. (5,
Salao de cabelleirairo.
onde tambem se encontrar um esplendido e variado sornento de pcifumarias fina:-,
0 dos melhores fabricantes de Paris.
mmmm mm wmwmmm ss ^Kitt^tei^sli
Sortimerito de binculos
para theatro, e oculos de
alcana: piRI o campo e ma-
rinha.
Lunetas, pince-nez e
face--mam, ourb, pi-ata,
tartaruga, bfalo, ago,
etc., etc.
Tem tambem grafide sotimento de rrtopos para partee, que
cima de mesa dos mais lindos moaelo Rehuios par? jlgdetJ-a,
doinnia efoteada, inglezes, suissos c orisontaes dos melhores
' s.
Veula em grosso e a refalhn. F.m Pernambuco.
N. 21-=Rua NovaN. 21.
dio hojas e^ara
de O-uro, prata, prata
e mais afamados fabri-
Maoteiga ingleza flor a 10300 por 5U0
grammas.
Dita dita a 10200 id^m.
Dita dita a 10000 idem.
Dita franceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cli tino superior a : Dito dito a 30200 idem.
Dito dito a 0000 idem.
Arroz pilado a lO rs idem.
Caf de caroco a 200, 2i0 e 280 r^.
idem.
Milho alpista a 10 rs. idem.
Toncinho de Lisboa a iOO rs. idem.
Vellas estiarinas, masso 70.
Potes com sa refinado a 400.
Ervilbas franceza em mantc:ga, 1)00 rs.
a lata.
Eructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata
Ditas s de pee gos maiores a oOO rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a I.-5000 o masso.
Frascos .*,m conserva a 900 rs.
Ditos dita de nvistarda a 800 rs.
Latas com carne de .orco a $00 rs.
Saiinhvs de Nantes era manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duzia 40800.
Garrafas linas para meza, o par 5,>000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a I vOO.
Presunto em barril' a 480 rs. por 300
grammas.
Os proprietarios garanten! tudo qnanb
Vinho bordeaux em caixa, 70000.
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de differentes mrreas. a
10100.
Fosphoros de seguranca, masso 500.rs.
Banha de porco a 7 Vinho do reino, g'arr fa a 10000.
Charutos do Lima a : J e 0 ]S a caua.
Sabaodc massa a 240 rs. por 500gram-
mas.
Latas com ameixas a i i, imo, 9080
DENTISTA BE PARS
19Ra ^ ova19 .
FUE19EKICO CMUTIER
irnrgiae-denlisJa. nmit<^ cunnecido lia dez annos n'esta cidade, pela perfeigo dos seu^
irahalhos, tem a honra de participar ao espeitave publico que tendo feito mnitos m
'htiramentos na sua casa,, pode d'hora avante receberas senhoras no seu gabinete ond
harSo os commo Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discipoh
j. i.i:isoi v
qual aecba de voltarde urna longa viagem a Eur.ipa. durante a qual praticoo con
reliz successonas primeiras casas de Par?, ede Londres, offerecendo assim as melhor
^arantias do hora desempenho para tudo o que for relativo a profissaV) ; por isso
mnunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontraren! no sev
4tbmete, apoultnm no dito seu sobrinho a mesma confianga com que o tem honradi
i dez annos.
Dentaduras por tolos os systcmas: a pressao do are com molas do ouro, platin;
'ulcanite e um Intetramente novo n'esta cidade.
Cura radical dos denles jEIrftffos.
Chumhaeens (obturaeees) rom ouro c com roassas diversas, segundo os casos.
hemediopara acalmar as dores de dente.
Agua e pos i^entricios labricalos pelo proprio annum-'iaate, o que lhe permittej afiar
^r sua boa qnalidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipo de trabalho e preqos moderados
Vingens pora fura mediante ajusto previo,
0 gabinete arlia-se aborto das 8- horas da manhaa ateas ida tarde de todos d
(ias otis.
Ditas de manteiga a 20800.
Ditas juliana a 10 por 00 grammas.
Frascos com magas sectas a $0004.
Serveja de different s marcas, duzia 64.
Tapioca do Maranho a 2i0 rs. por 500
grammas.
Farello em sacea com 21 kik.3 por 50.
Liguicas e paios a 800 rs. por 'JOO gram-
mas.
G z, I .ta a 85300.
Dito om garrafa a 400 rs.
. Latas de peixe a MW rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 10900 a lata.
Latas de pao-de-t a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores linos como ccracol, amisade, e
outras muias marcas a 10000 rs.
Estrilinhas para &pa a 800 rs. por 500
grarnmas.
Marrasquino de zeroa 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 800 gram-
mas.
cima est especificado, adverte a lodos
que nao conhecem o peso de 300 grammas, mais de urna libra, e se evphcar Aquella
que nao entendem.
VEJARE QUE DIABRUBA
Tirar premio sem comprar bilhetes
Isto s p'le ser artes do
lili
BOM DEMONIO
Est decid idi==o mundo marcha!
Leiamadmirem
E...... espalhem pelo universo
SE TO EXTRANHO ASSUMPTO CABE EM VERmO.
BOAS TESTAS ShM GUSTAR DINHEIRO
ppEnii:ii\!'
No intuito de. fiuer ama fulhula u uom dimpmio resolvou mD&scar ,d ora
em diante com um bilheto a qualquer p>ssna que de urna vez lhe comprar Q|M00 do
gneros, com dous a quem comprar 100000, o assim por dianto setnprn-iuik'Oiucle
|)or cada 5-5000. ... .
Cada um ilesses bilhetes dados de mo bajada proporcionar ao portador
o direito de rceber um dos premios abaixo mencionados, se a roda da fortuna lhe for
propicia coim-idindo o numero do dito bdlietn com o do que tirar urna daeilrea ortes
maiores da Ia lotera que correr nesta provincia no mez de dezembro "ifldnnro.
II
mmm\ dos aviujes
IJ6R4J4 OA CRUZ-16
tes
i'
se p
Ha diariaini-nti sortenlo de bollinhos parai;h. fiambre, pastis de differeti
lades, vilius de supurAr qualida/le, cha Hisson pr^to, e mudo, o melhor q.u.
dn encontrar no mrcado, amenroas confeita.fas, saropes rtfrjgerantes, doces d>
. de.
RA DO CRESPO Al. 7 A,
PRIMERO ANDAR.
ANDR DKLSUC. cabeil ir.-uo de P.u is. tem a \toara d informar ao respeita-
,)iibS*e. que .ibro ieceii-meijUv. para os inysteres de sisa arte, ra do Crespo
r. 7 A, ftritaeii a-iar, mo elegante salo a Lin/.XV, renlo ooiu o aior gosto.
COJD a uiiagem \le ji br sido patamente apreciado pelo iinhco parisiense e
pornamb'i: ano c aujliado por habis empiygadug frauczrg c nra^lefos, olerece o
ecu Meslimo aos ravalheirn.s o s e^celjfcfiilissim.is senhoras qu* > honrarem com sub
COJtitg. ecarregati4o-u de qualquer ptiitead de baile tl.ealrn, soiro, noiva etc.
etc.; o foroectodo toda a especie de objectos pai a "ornamento dos preciosos cabellos
de Ss. bes. .....:
Andr Delsnr. teado em vista a utilididj dos fropjcnydoivs de seu stabele-
4'imontn, lea preparado, ontra sala, cqm eiflrada especial, on e se eaeoMnri sempre
onec pi.ua ultraem perl'uui.irias, extractos, sihonoles, pos de arroz, ditos para
denles, lavas de Jouvin. etc., einlim o mai- coiiqi ment dos productos do
perfumistas Lubin, Coudray. Pver. Bimu1'!. Gnisnell, etc., etc.
Atfradecep'l' desdo ji a todas as fimilias iju o'olisequi.u-em, ulisnoVo-se def
5,'rvicos, Andr Oelsuc i^xiqn-omoite-s.; a l'..,vr tudo o que esliver ao ^cu Lcsuc/, | l,*^es cjwpeus
eompleta saliifacao $a boa freguezia perriaiiiDucana.
calda, etc.
Incumbe-fin de encommeadas para grandes janUiw,
smenlos, a saber:
Pegas de nougat. PS^s-de-lot enfadados.
Ditas de p?5n-de-lot. Bollos dem.
Ditas de tmara de otos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramlo. Tortas folhadas de erme e carne.
Bandeja com armacn de assucar. Empadas.
-
---------,,-----------------------.___--------------------------;--------------------------,i----------
COSTUt MODISTA
gigO de Ohainpague, valor....... 306000
caixa de vinho do p..rto ^Mmut.-s). '^OOO
duzia do garrafas de cereveja (B.lS^) t)#O0i!
prounto de liainbre............ 15 00
queijo prato.................. (i000
1 dito flaraengo.................. .'1,6000
6 latas de raarmeladu lina.......... fiOO
1 caixa de pagas................. 85000
looaooo
00
www inri
1/2 gigo de oh imi>iK'"'. va|,,r............ 150000
(i (aPrafas de vinho do Porto (Menerts)... 11<>500
6 ditas do cerveja (Bass).............. 4. 500
I queijo prato....................... (k$uOO
1 dito flamengo,...................... 3000
t/2 caixa de pagas..................... i/WOO
t latas de marmlada............:------ t^-ta)
MADAMA LECOMTE
j3om loja na ra da Imperatriz n. 7.
s Teto a honra de parieeipar ao respe^tavel pnbh(o e era pailicular seus fregue-
/.flSy}>;. petas r-l.^oes quu acaba de encetar comalgiima.scosiuieirase5iodislasdasmai>
ra afamadas de Pars, que niezes lhe niamlam ligurinos, de vestidos, tnan-

50*000
6 garrafas de vinj o do P.irto (M n.ies), valor.. 1,1,5500
6 ditas de cerveja (Ba>s).................. iBOO
i queijo prato........................... dQ&J
1/2 caixa de charutos de Simas............... .'<50 que
AMRK DELSIC
CABELLEIRERO DE PARS 7 A RA W CRESPC7 A -PRIMEIRO ,\NDAR.
, liguiinos, de vestaos, tuan-
esto no nfaor gosto e mais modernos, se acba habilita-
da p p vestidos 'para pasgeio n visitas, bailes e casamentos. As sen. oras que
aladwfaremciiinai'UaJf'egueiB, naod-ixarode.sefsaiisfeita.s, tanto pelo bom gosto, anuo
peto baxsteza dos veos e piompti.lo na enti-ega das encommendas ; tambera tem bo-
nitos ^Mifejt/'smiiitjrao(ler5iosedttodasas edres. Fa/.em-se chapeos de todas as qualWade.
tanto do fll como de palba. f
25O00
Mais diabruras
Se a .pessoa a quem a sorte houve favorecido qmaer bocar por rtro<-
os feneros cima mencionados ou preferirir recetier o respecivu valor c- dinheiro na<
e ter duvida em satisbzer.
Venham, frngnezes <
Da praqa e mato,
Comprar barato
Ao BPW DEMONIO
Pra^a da Boa-Vista n. 32, esqaina da roa'
do Arago,
UHVEL


Diario de Pentambuco ~ Segunda eira 6 de &etembro de 1869.

A ESMERALDA
ios s 0:000 woo
'CASA DA FORTUNA
"'-'**#
-l'j laWatenJI <* pre-
sidencia < encas Ja le!,
avisa ao respeitavel publico quo ter t-nipr
venda no sen estoJielccimento hilh'ctcs das lote-
ras do llio de Janeiro, cojos gremio serlo pagos
promptamento vista das listas cun o descont
somonte da le.
Preeos :Inleiros. .
Meios.I. Rsflfc)
Quarlo. IWK)
E otn quanldadc maior do lOOjOO na rasao
de 223000 por billieto.
Manocl 'artins Finza.
O atlvogado
Alfonso de Albuquerqne Mello umitan o sea'es-
i iptrio para a ra das Cntzos n. 30, de fronte da
typograpbja dn Diario.
Divid
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
ioja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra$a, e por preeos o mais resumido possi-
vel. Tambem comoram ouro, prata e po-
dras preciosas
N. 5 MI DO CUUU 5
as.
O abaixo assignado, arrematante das dividas do
espolio do tinado Ji'S Manool Pereira de Mend-v
u'ia, avisa sos devedores do dito finado que man-
den] satUfazcr seos dbitos, no praso de 30 das,
contados da data deste, lindo o qtial proceder a
cobranza judicialmente ; na ra das Cinco Ponas
n. 82. Recile 24 do agosto de 18C9
Joo de Acvedo Pereira.
Ama de Iciie.
Precisa-sc de urna araa de leite : a tratar na
ra Nova n. '.).
mmmmmmmMwm mm
j|| O advogadn Dr. Antonio do Vis- j
cw concellos Menczes de Drummoud, j
* murlou o seu escripl'orio para a na
j do Imperador d. 20, onde pude |
jgj ser procurada para o exercicio de W
i sua prolissao em todos os dias |S
uteis das 10 horas da manha at j||
m as \ horas da tarde. Fra dessas 5
g| horas, e para qualquer occorremia S
s urgente, ser encontrado no spu *
fi domicilio, ra da Aurora n. 26
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para dcscarocar algodo, do
muito conhecido fabricante Eagle Coito Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes o de todos os tamanhos para descarriar, al-
goda (\o autor New York ColtoD Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Huttor Gins, de cujo trabalho faz ofeter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de facao do fabricante Platt B. C. Obdhan PateutLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior ijualidado e as memores que tm
vindo ao mercado ; o para a sua aprociacao convidam-se os sentares agrcuitores '
irein a exposicio das tnesmas na ra da Cada do Reeifo n. 56 A, loja do Bastos, onde
mcontraro mais o seguate :
Feitor
Procia-se de um boinrm que entend de todo o
servico de campo, par trabalhar em um sitio : a
tratar no largo da ribera da treguezia de S. Jos,
subrado n. "i
iebulhadores para millio.
Sylindros para padarias.
Irados americanos.
Jarrinhos de mi.
Machinas para cortar apim.
Ganaos de chumbo.
Sotabas d? Japy.
Mitas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
"ornas de rinco tinas.
Oitas de cobre e lato.
Ferro de todas as cualidades.
\rcos de ferro.
col ha de Plandres.
Machados americanos.
freoet ditos.
Jalaios e cestas do verguinha.
Vassouras americanas,
r'olles de lodos p>s tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Foiha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Hg de ferro ditas.
Saldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Tiens completos para cozioha.
Peneiras paia padarias. _,
Baldes gal-vanisados.
C Espingardas e rewovers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para eognmmar.
Moinhos para renacBes.
Azoite de espermacele, proprio pal a machi-
nas debidas as qnalidades.
Serras avalsas para machinas.
Mancaes e lodos os mais perteaecs para ae
mesmas.
Latas de faz,
Finalmente, mutas tros artig ospertencentes lavoura e artes, que pela
liversidade seria eufadonhu ennumera-los.
Superiores fieda* do cor e I istias a 60Q o wvado.
Lida* poupehuas de lia, com grande variedade de cores escuras e claras a
560 rs. o ova*.
Pecas de mtisseiina branca com salpicos e com sote metros eada peca, pelo ba-
atissitao pruo de 4:5000 a peca : na loja das O.lnmnas, ra do Ciespo n. 13, de
Antonio Cornea de Vascooeellos 4 C.
COMPANHiA
DO
TRILHOS URBANOS
DO
KECIFE A* OM\DI.
Por orriem da directo>ia sao convidados
nS Sr.s. accionistas effeetuarem no praso
de 10 das (a contar do da i de setetiibio
proximn) a 4l prestagode suas ac^. es na ra-
zaodel0%- Para esse tm ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias irteis
desde as II horas da maimi at s i da
tar Kscriplorio da companhia, ;I0 de agosto
de 180!).
Io secretario,
_______________Iheo. 3mt.
Jos Mirlins Alves da Cruz, faz
scienlo aos seos amigos c comitentes, que
mud.iu sua residencia da ra doFogo n.
!), para adejlortas n. tt. aonde promelle
eomnrir.snas ordeus como do costume e
[iiatiea.
__ Doseja-se eiirareeidameoto saber ond resida o
sr. Franriseo da Cosa e Silva, que se diz negociar
eop fazendas, afim de payar urna sua letra passa-
da ao Srs. Guimries & Silva, tlnna fallida nesta
praca. O annunciant pede ao roupeitavel oublico
f ao corpo coninicri'ial, ou a quem notici* tior
di nirsino annunciado, dar-llie ulgumas informa-
eoes snbre sua residencia. __________________
v" AiiMnT^!eT\^ajul7o^uj^rHiu!ae^Jn7-
i|uim Francisco de Aleni, Manoel Joaquim de Aleni,
Antonio Joaquim de Alrin, Alvaio Joaquim de A-
lem, Mara da PWafle dos Santos Alem, Jos Joa,-
quita Das Fernande.- Jnior, marido, fllhos e cu-
nhado, e ma s prente.-' da linada D Mara do Mon-
te Coolho Alem, agradercm cordialiBente a tudas
as pessoas que se ilignaram aeouipanlwr sen corpo
ao centeri.i publico ; e de novu os convida para
assislir a missa do stimo Uia, na segunda-fe-ira 0
no corrpnli', as 7 horas da manhaa, na greja da
Madre de Dos.
No eseriptorio de Dominpos Alveg Mathoos,
a ra d> Viyario n. 41. >leseja-se saber M i xiste
nesta ridaAn o Sr. Fiancisco Augu-lo do Cont,
filno de Joaquim Jo-e do Couto, da liba Terceira
(Acores) com quem muilo se deseja fallar, a neg-
coi de s.'U inlere-se.
Preci-a-se de tima ama para comprar e !
nhar na ra Velha n. 13.
MUl>ANGA 00
Alliin iD.qiiista da lloclla participa
a todos os seos freiruezesqnc niudou-
se com a sua ufhYina da praca da
Iii.lepeiHl-'oea n. 12 para a ra Jas
Cnues n. 13 previne, portanto, a
lodos os amigas e Ireguezes qne se
chara em casa a qualquer bora
do din, para executar todo e qualquer' concert
que de -ua arlo exigir possam, tenilente a sua
profissao; e em sua falta acharao com quem
trjtar;_____ ____________________
iICTA~
ALWSET,.
No'lorr.cao. d Onro se diz (|uem pracM de
urna escrava que sirva para comprar, cozinhar e
engomrr.ar. para casa rie familia.
olas ilas caxas* man do banco do Brasil,
focam-se com nodirn descont, na loja de Manoel
oare.- Piohciro. nrara d.i Imlependencia n. .
GRANDE HOTEL
DR
* Fri'cisa-'se por aluguel de urna ne-
grinha de lia 15 aunes, para servig in-
terno de pequea familia na ra Bireila
n. 79 a9 andar.___________________-____
vluga-se a casa n. W da travessa de S. Joao
rom 2 sala, 2 quarios,q'ui'til o cacima, prego
de 115000 : a trata/ n i me-oio lugar.
Prccisa-s de orna ama flwe ou escrora para
todo o scrvko de easa de pepuena familja : na
ma mis Crur.es n 4.

Precisa-r-e de urna ama qae saiba coiinhar : a
tratar na raa do_Qn- imadn n. 3t-
Ama
Prccis.-8 c orna escrava que cosintio o dia-
rio de urna casa de familia, faoa as compras, pa-
ga-se bein : ua ra dos Pires obrado n. K.
Despeiid.
Candido Mtxvto lOAVi da IftWla nao poVndn,
(?ota brevidail", de sua parlula ao sal do irriperi".
(Jespedir-se de cada um d sens amigos, p*de i
todo* descuipa d-'ssa invtdnstaria faifa, e oil'ereee
o 'ii liinitado preslimo em qualquer lagar em
|UO se aclle.
Aluga-se urna oiuiala cuzinbeia e dmlurej-
ra : a tratar cem Albino Jos Ferreira da Cunhn.
m largo de S. 'Pedro u. i.
Precisa-.-e de urna ama que eoztuhe e en-
gotmiiu : na roa du Cabug n 18.
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MAnOS IR85AOS
tendo feito completa mudanpa em seu^antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CIBUGA N. 4
loiuie enconlraro um completo sortimento do que ha de mais eleganteJ
bello e precioso em brUhanles, esmeraldas, rubias e ludo que *m obras
de ouro, prata e piatiaa se pode desejar.
BOESECOS DE BRILHiNTES, ESMERALDAS E RUBINS
e povw goslos, assim como grande variedade de lvs e pnliteims le
prnia con traslada e de gosto anda nio visto, e completo sortimento de
objetos de prata para uso das igrejas,
Comprara e trocam quakjuer joia ru pedra preciosa e sarantem
a qualidade dosobjectos vendidos.
ORIENTE
Ra larga d Rosario a. 4 A.
EspecLlidade na preparaeao dos gneros ali-
menticios, pF'iin|itidao ar-ein as encumraendas
i boa organisacao no estabelecimento. Recobem-
se as-ignaturas para o estabelecimento e a domici-
iio, facilita-se a leltura de jornaes oacionaes e es-
trangeiros Cspac..sa sala para o elegante jogo de
lhar. o ha .decente e commoda hospedagem.
Miniel 'I i .it-i.i- \". Al mi l.i f u scir.i .o ao
respeitavcl publico e eom e ao corp i
do cooimerci i que cumuron a llluimuato Angu-to
Henriipie a Silva a aTioaca > da loja di ruada
liopertril sila nri-a~a n o'i, livro e deseomara-
ca ia 'lo qualquer dfvMWs ou iaiposlo, -romt'Klo
quem se jolgar com aliuoi tlireito queira apre-
sniar-se no praio de -i das a contar da data
(le*te. rWifn.:| qe sote ol o de 1859
i) atiaixi assioiado, niurailor na ci-
dade de N^izarcth, leudo de mudar-sc para a
villa de alossor. comarca do (lio-Grande du
N re, declara qiw leudo ido nc-onanle
uaquella cida^le puf muito.s anno#,"iiada deve
a ps>soa ilguma, se por acaso jolgarem-se
raedor h;ia ile aproseutar sea dbitos uo
NNO de 8 dias a screin pagos.
Cidade do IWife, 30 de agi.stn de 1869.
Lidtslo H-hIhI/iIio d'Armjo Cesar.
f-twio no da 2> de juMio prximo passalo
do Migeuho Una, comarca do Cabo, n oreto Anto-
nio, crioulo, iilade28 anuos, altura regular, soten
i!o rorpo, cor fula, as nadega< um ponco grandes,
IM-seios de cravus e bichos que- leve : 1* tido camisa o calca branca, chapeo do baela de
fit\~ ja usado : l'oi vendido pelo Sr. Lourenco
Vieira de Mello, de-eonlia-se que seuuira para "
enpenbo Paciencia por la ler pai. Quem o pegar
e levar ao largo do Parizu n. ti, ser foem re-
etiHipensado.
Com milito :.i.n-r vaoia^em coiapram-se
moedas de ouro o piala : na k];i de joias do Co-
racaode_0 a do Cabuya.__________
0 miuseo de joias
Na ra do Canug n. & eompra-se ouro, prata
d pedra praeiosas por pre^oS mais vantajosos do
que em oatra diialquer parle.
Compram-se e vendemso diariamente para lora
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
coreo e sexo*, com tanto que sejam sadios : no
le-ceiio andar do sobrado u. 36, i ua das Cnues,
freguezia de Santo Antonio.
Comp
ra-se
l.'ma mesa de mm de .-ala eom taf>o
de pedia, em bom uso: tratar na ra Di-
reila n. 8i, padaria.
Onro e p *at
Compram-se moedas de uuro e'praia de todas
as qnalidades, por bom preeo : na ra da Cadeia
do Nerita n. ;'i8, loja do azulejo.
Compram-Ke moed.is de ouro e prata de to-
dos o valores, ouro e prata em-obras inutili-adas
brilhantos e mais pedras preciosas : na loja de
onrives do arco da Conceico, no Recife.
VrNDAS.
Ama de leite
Precisa- e de ama ama de leitc para criar urna
crianca de idade de auno o meio : a tratar na
ra d> Apollo ii. 4i..______________
Conipaalilii PeragimJiieaaa
De ordem do eonsellio dn .lirecea i da ump.v
uhia Pernambucana se az pulilico que aumente
alo o dia :;0,lo c.orrente ipil seri aceitas a uaturai du accoes da ine-sma ci)mpanhia cuja
eoii-.'.<) SO acli i aonuneiada. Pern: mhuro 2 de
ttMidiro 'le ffifl. O frente F. V. 9 Tgv*.
^^Atoii Hinii limMrnryfue^^JoaT^
0 MUSEO DE JOIAS
Antonio Hoiuique Roori|rues e JoaoTciro
Ro>jiue, tendo de mandar celebrar jju mis>a
na matriz do Corp > Santo, scjtofid-eira 6 do cor
reme, ;is 8 horas d manhaa, por Mr ol0aouiver-
sacio do pa-samento de sua pretada mii D. Car-
lota Mara Joaquina R drigUi'S, con idam a seus
p.ir.-nies e pessoas a> sua amizauV para assisticem
a i -le acto re'iyioso ....______________^_
< Preeisa-se de nina ama para r.umprar, coa-
nli.ir e en^ommar para una pessoa : na ra da
Sepzala-velha n. I Mi, i" amtar._____________
Jo.iq.uoi de V^sc^icellos Pinto declara ao-
a comprar assuear no arniazem del'ronie da ela-
co, emCmelleira, e pede a seus froguezej- que
eom elle t.'in rehenes de nejpicitis, fa^am dili-
gencia de saldareni suas rontai* -*ta safra, bwn
iMiuo fornece-so sarros para receber a-sucar em
pagainenlo. _
OoziulieTi te eii^ora iiiiileira
l'ma iM>ipiH(ui liunilia paji.i.MOOO meneaos p'or
urna oarrava que cozmiIm b*i e seja de boa con
duela, o ''>3 3 i'Htru pie seja perita en^omitiadei-
ra, se agialarem nao se duvid?. adiaotar algnns
iiezes a quem convier ple dingir-w em carta
fechada a L. U. F^ ronfeiuuia o Sr. FreiUs, na
ra da Cruz, do Recife,
AGENCIA "
feordeiro previdente
Rna do 4|iielniailo a. 10.
Sovo e variado sortimento de perfomarias
tinas, e outros objectos.
Alm do completo sortimeuto de perfu-
narias, de que ellectivamente est provida a
oja do Cordciro Providente, ella acaba "eceber um outro surtimento que se torna
otavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, qualidades ecommodidades de pie-
os; assim, pois. oCordeiroPrevidente pede
i espera continuar a merecer a apreciado
lo respgtavel publico em geral e de sua
ma freguezia em particular, nao se afas-
ando elle de sua bem conhecida mansidSo
i barateza. Em dita loja encontrarlo os
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Mnrray & Lamman.
Dita do Cologne ingleza, americana, fran-
;eza, todas dos melhores e uiaisacreditado.*
fabricantes.
Dita balsmica dentriticia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilei.
Elixir odontalgico para conservacSo do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior quadade e chei-
-os agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
jomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes; americanos e
'rancezes em frascos simples e enfeitados.
Esscncia imperial do fino eagradavel chei-
q de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
lente tinas o agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
.ora escolhidos che ros, em frascos de diffe-
entes tamanhos.
Saboncies em barras, maiores e menores
tara mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
cas de meninos.
Ditos muilo linos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
rucias.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
tas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes, sf
Ditas do papelo igualmente bonitas, tarn-^
em do perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coJoridos, e de
aoldes novos e elegantes, com p de arroz
boneca.
Especial p de arroz sem composico de
,heiro, c por isso o mais proprio para crian-
zas.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos fe camphora e outras differentes
(uaiidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Alada aials coquis.
Um ouiro sortimento de coques de no-
i alguns d'elles ornados de flores e fitas,
istao todos expoflos apreciaco de quem
iS pretenda comprar.
GOLUNHAS E PNHoS BORDADOS.
Obras de muito gusto e perff ico.
Flvellas e fitas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
4s, tirando a boa escoiha ao gosto do com-
rador.
Veiid -se
milho novo eni saceos grandes : para ver, na enm-
paMiia Pernainbiicana. e tratar, i.o armazem da
lv-trella, largo do Paraizo n. 14.
Vinho
Manoel Jo-. Concalvcs Pereira tera vinhn Une.
!(p*ro) vindo do Poto, em eaixa de 12 >arrafas>.
proprio para (irisentes, mimos, etc.. a(ancaodo-se
-ua bia qualidade, d^clara-se que do>ie gener
nao tem viniii a este mercado ; na roa da Cruz
do Recife n. M.
Do Dr, Ayer.
l'KIT 'RAL DF. CERFJA
cura phlisica e todas as ni'dMIas do pello.
SALSA PAHI'.H.HA
fera ulceiw a chacas aiiiip*^, empigaos e darlos.
Td.M'O
conserva e limpa os nihrtliM.
WLULAS CAT.HARTWw\S
porameule .-egetries e sem merooia* c#ra sesoes.
iiuram < purilicoii (*> o sf^tivua humano : ven-
le- .'Dnicam-iiie em ea-a de Samuel P. JohnsUi
f C ra i|a SeuzaLi nova ti. 12
fS(nrh IhiliaiiH.
Encontra-se em casa de AndrA nl*nc.
ralvdlpreirH. a rtrt do Ospo o. 7, Io an-
dar, oro bonito sortioifirto de lavas de pel-
lica marca garantid^ du Jonvin.
Precisa-e de nma ama que C'-zinhee rom-
pro : tu roa [mneriaj, -i.hralo n. t, 4"-ftiMlar
Preeja se de nina ama para roiinhar : na
rna Imrwriil n. I. obrado Io andar.
Pr<>cia-v> de nma ama para cozinbar : n* fDa
do Cabug n. 18, ^obrado.
im m mm
55Run do Qurinia(i A VERDADE tendo etn deposito grande
qnanlidade de miudezas o perfumaras, e rte-
sejando apurar dirdieiro e adqitrir boa fi'e-
iraezia est rss.)lvida a vender mwti.-sifao
barato, tanto a relalho, COBO a mscates
ptra esses tornareni a revetoler; per ess
razao convida ao respeitave! puWico a *
compeleiiteinete munido a soitir-se. de
bom e barato. Pois quamlo a NERDauF.
appiiece, ludo mais dosapparece.
Grande sortimento de limeras de cria
raassa as mais lindas possi^is vestidas ac^i-
racter.
Ricos globos paracandieirodc gaz
aldHOOe. ....
Grande sortimento de objetos de
louca par briuquedo do menino
Garrafa com linia a.....
Dita com agua llorla a. .
Frasco com oleo de babosa a ^00,
OOOe.........
Dito com agua de Colonia a 300,
400 e ........
Garrafa con agoa divina a. .
Frasco com extracto fino para
lenco a........WOQD
Lat. s pequeas com batiha a .
Jabonetes de diversas njoali lades a
80, ICO, 240e.....
Finas escovas para dootCS a 1G0,
320 e. .......
Cutjues modernos a.....
Pavios para gaz, duzra a. .
Escovas paia fado a '> 0, 600 o
Dilas para cabillo a. *. .
Pautes para tirar piolho 3 1<>0 e.
Brincos de cores bonitos a lliO o
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Franja preta de la peea com
10 varas a,......
Fila preta para relogio urna por
Oleo para machina de tostara,
frasco a........
Penas d'aco finas caixas a 800 e
Dita d'aco Pery, caixa a. .
Galn de algodo peca ....
Latas com banha a.....
Lindos babadinhos e entremeios
peca de 500 a......I3Q0
BoiOes de madrep-rola, groza a
Ditos de louc3 muito fino a 100 e
Ditos para calca a D>0 e. .
Caixa cora papel amizado a. .
Dilas cora envelopes a* .
Ditas com breos a.....
Caixj com agulha fundo doorado
Ditas de ditas ditas a.....
Thesoura para cosluia a 100,
240 e.......; .
Caixa com linha de marca a' .
Linha de c6res em novellos (li-
bra) a .......
Ditas com 200 jardas em carre-
teis duzia a 70, 120 c. .
Grampos muito finos eom passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas. duzia a .
Dilas tramen! a 2f>200 e .
Papel alinaco e de p a 36400, :<5300 e .
.3a muito fina pata bordar, libra
Fita de algodo para dobrum de
sapatos, pera a.....
Ditas de 15a para debrum de ves-
tido, peca a ......
Pentes linos para segurar car
bello a.......
ditos de bfalo para alisar
. 320 e......
s grandes com molla a .
para aparar perina a .
Cartoes com colxetes a .
Rosetas prelas. par a .
VVnde-e um escra*wiho pe^a te idadr
de 12 a 13 anuos ; na rna do Queimado
ii.. '3. |. andifr.__________________________
-r-Vfiid-.-e luti moleqiiHiho d 7 para 8
anuos. biAla ligura e nmilo sadio ; nesta
iyiiogrf*ua Re diri >piem vendo.
Vende-se urna muala de 28 anuos
lava, engomma e cosinha ludo o q se
chama bom : na ra A- tlortas fi. flfi.
Vndese o.na ea-a lenca de peilra n ej.
otoHproprio sita ni rna d* Amar-> d eidade
.le Olinda n. 45 : a catar na roa do Ouro a. 81.
1 sudar.
0 vcrdadeiio e melhor cemento que tem
viudo ao mercado, vende-se por 103 a bar-
rica de 14 arrobas, no armazem de Candi-
do Alheito Sioir da Moita. na travessa da
Madre tle Ddis n. 14^__________-
V"inle-se urna casa terrea de pedia a
cal na maioc arte, sila na estrada da B6--
Viagetn. Cm 40 palm>is de frente, conten-
do iliias satas o gabinete, dous quurtos e
grande cosinha lora, em terreno |*roprio, a
eiqilinar pelonascenle com a misma estra-
da t! margem do Rio Jonfllo. e pelo puente
com trras do sitio do alto: trata-se na ra
Queimado n. 48, primeiro andaV, oo na ra
do Hospicio n. 28.
Vende-se ps derlar ng ra de *n-
higo e da china, de sapoti tU fnie.ta-p3o.
lima doce e do nmbigo e palmeiras : n_
Ponto d'Uchd n. 10.
100
Kti
70()
500
lutrt)
141
401)
600
2A' (0
.Sil)
70D
501)
24D
2UJ3

900
160
600
lOOO
|400
480
20*0
i(
2(
240
7(|Q
isa
o
2S0
160
500
280
sed
un
200
16400
3*O0
idOfi
6*700
ICO
480
400
320
100
40
100
.%Ii B LISBOA
POTASSA DARUSSIfi
A mais nova ao merend, a preeo iaz< awl: V
armazem de Manoel T Basto, roa do G umierci
n. 13.
CANOS
para encanamento d'agoa
Canos de ferro forrados de porcelana, e esla-
nhados, oe diver as (nsuras : a \enila na ru.i
do (]iieiHiado. Azevedo 4 Irmo. ._____
No vida de.
UVAS EMACAAS
Ohegnrnni no ultimo vapor da Europa, e arbam-
rna estrena do Rosario n 44.
Garr.nte-se a cara, perianto faz r-oitts, Restandj
apenas alpnniQ^ niereadorias e ai n ac.io da lii|ni-
daeiio lo armazem da loja rna Mura n. MI. faz so
scieiite ao ptihliee interessado, que l<|Uda-se %
armacao c mercadura enintenie anda no dilD
armazem, e por consequencia negocio incontes-
tavi'lmente vanlajoso, visto qne se arante a casa
quem preiender dirija-fe a tratar no inesmn ar-
uiazeui.
A ra do Livramento n. 6. co.ttuia a hi-
ver pura vender por pp-cos rasoareis, 0
mrHM>r vi dio verde at tvue- viudo a este
mercado
los Mara PaJmeira conlinria ven ler em Ma
e-eriptorio. largo do Corpo Santo n. 4, t* .'.nda ,
Pota'ssa da Russia snperinr.
Lonas da Rtn-'ia de superior ({nalidade.
Brinzoe* da (tnssia de superior (naltda le.
Ceipento Porti.o I
Di'o Ri-manii.
P.mo de alfrodi do tommendader PedmMi.
Vlnho Bordeare*.________________^^^
115o fresco e saiive!
Vende cP nm itio pemieno. murado, com boa
rasa de sobrado csa pira feitor, rn^h.-ir. p*'-
baria, boa^n qV bebr, grsn le rarin.ha enu
iiomfta e tan roe nara hanhn e para I v r roup,
mnitos"arvore l..s e de militas qnaRdiid-, el-, ele,
Indo a beira do rio. no punto mai- tu eo inais'MndBVfl d i< arredores frto c'td.id,' : a
'ratar m ma Nova n. ifl I* andar.
Ven-te !?<> oo iroea e por n>us cswi n.i Ha-
de. um -itio na Bnixt-verde n. K, rw 're- c aw,
xendo diiandn -pidr a cal e nm -le i" i'-;. I""';'
nlaniMdo. eom viv iro ; qnem fli'* ruada Pa'mn n. 47. qne achur ""v'r
Vfndem el.hra- esterlinas, em nr_: nnw
eriptorio de Carvilha V( '."*
D. 20.
j IIHVEI


6
Dfafio de Peiuamimc* Segunda eir* 6 ck SMembftf.de i#C9.
O proprielarm do armn/cm de duendas don ARARA, ra da Impera-
fodas as
no sea
aAiuTncio e preco ahaixo mencionados,
Chitas fraorezas matizadas n
3*0 rs.
in^inwtcuiu uu .tinn/.oiii ue lazenoas ion irajn; '!c AHAHA, ra aa
i). 7% teclara 9 respejtavol publico eseus iv-ueaes, que est liquidando
* endas ; roupas fcias que u?a em seu estabek-i imento como se podar ver
Algodo rnfesfado ftOOrs.
Vende-se algodao enfestado proprio para
.*,. j se ciniabrranuzas escoras matiza- ien, -,os c t0;i|1( y^ t |t
rt^a.JO rs.u covado por este preco sna t,an(lii
I ja da Arara. 111,1 da imperalriz 11. 72.
L\AZ;iNH\SAOS.
V'-n !,-.-;. Itaiahas para vestidos de se-
i'ioia a iO, 2*0, I20 e40U rs. o co-
lado.
BAJEfRS DE LA A A 5O0 RS.
Vr.;:i'li;-S! bareges" de 15a eom listras para
\ '.-ti I-is de senhora a ;(M) e iO rs. o
c irado.
Alpaex* de lineas a SO rs.
V lo-so alpacas de Jijiras para vesti-
das tte sihora a 500 rs. o covado.
CUITAS FRANCEZAS A 280 US.
V.'iih-sa chitas francezas Sarasa 280rs.
0 O iv.nl .
CORTES DE LA A PARA VESTIDOS A
2.5 K>0.
V*>U se cortes d la para vestidos de
sdahora* a i^iOO cada urn,
l>SRCALKA IfS RS.O COVADO.
Vend.-Se percates 'imito linos para vts-
id'is lo senhora 'a 4't0 rs. o covado, ni ur-
sulinas brancas fina, a 500 rs. o covado,
lri hannas de roles, a 440 rs. o covadn.
iales modernos de todas as
teres.
Vende s baldes moderno sbranco e de cu-
res a ,,-y 10500 6 5$.
CDRIvUiES DE ADGODO A IA500.
V.'nd.vs't cobertores de algodo ai-SoOO,
oobertis I- chitas a 1-5600 e 2$ cada urna,
GVNGAS PARA CALCA A 320 US.
\ M lw-$fe ganga para calca a 320 o cova-
do, briin de ciuv* para cairas de bamem e
inermn* a 400 rs. o covado, casemiras de
covs para calca e palitots a 2-SoO e 30,
O -ovad i. meias casimiras oiifestartas para
caloso palitots a I o covado, brim par de t 'das as qualidades e brim branco de
todas as qualidades na lu da Imperatriz
B. 72.
Alpacas lizas a Alo rs. ^s
Vn lo-se alpacas do cores lizas finas a
640 r<. o covado, lrtatanas de cores a 320
i. o metro
MxDYPOLAO ENFESTADO A 3.300.
V-''id- su pevas de madapolio enfestado
;i -<)JS00. peras de madapolSo infflez de 241
jardas a ">>, 6 <>0, 7f, 85 c lt<4 a peca. cada urna.
Assim como veni-e-sc chitas para coberl-s. a 2'i. 2S0 e 320 rs. o covado,
ellas ant-'S que so acaben Indas mais fazendas e rouj.as Litas, o que pelo preco que
\ai v iidcr ou liqtii l;:r, poneos dias poder durar, e qriem se quizer sortr de fazendas
e ruana* hitas para a t'esia pelo preco que Ihe agradar, se poder dirigir a roa da
linper.iriz armazem da ARARA, que estar aborto todos os dias utois, das G horas da
UMaliSa, s 9 horas da noito.
72. Ra da Imperatriz. 72.
o a 1?, metro.
Chales de merino a 8.
Ycnde-se chales de merino estampados
a t, chales -ancos e do cores a 1-5000
cada um.
CORTES HK m<\\\ CASTOR PARA CALCA
A 6iO RS.
Ve..de-se una grande porcao de cortes
de brim castor para calca de homem, 640
rs. cada um.
brande porcao de ref albos
Vodi-se grande poican de rctalhos de
chiiis ( cassas pnlas a 100 o 00 rs. o
cova lo, realbos de cassas, 13a e chitas de-
cores baratissimos.
LHjl.l!>A^I A ROll'A FEITA
Vende-se patots de brim de cores a 2^,
ditos de alpacas de corrs.a 2-\ di os de
meia casemira a th e 2$00. ditos de pan
no preto bom a 8-s e f(l|, calcas do algo-
da- axiil para fsciavos a rs. ditas de
godSode listras a 800 o 1;>, camisas de
fcscado de li-tras a 800 rs. cada urna, cole-
tos de brim < fuso de cores a L>e I#o00,
cotetfis de cesemira decores a 25500 r :\%.
e outrav militas qualidades de roupas feitas
que se vende por baratsimo preco.
Algodo de listras a OO rs.
o covado
Vende-so algodao de listras para roupa
de escravos a -200^rs. o covado.
PECA DE* ALGOaO A 40.
Veodom-se pecas de algodao r>000,
5(500 0AO00 o 1-S, para liquidar.
Baloes de arcosa l.$.oo.
Vende-se baldes do arcos par senhoras
pelo baratissiiao \'\voi de l^.'i'.K) cada um,
Cortes de cmbrala barras
3SOOO.
Vendo-sc corles de cambraias barrsa a
2$ e 34 cada um.
LENCOS DE SEDA A OH) RS.
Venderse 1-i.cos de seda a 010 rs. cada
um, para liquidar-
' CARTElRA PARA VLAGEM A
Vende-se carteiras para viagem 45
UA DA CADEA
DE
SOR A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA
Lauriano, alfaiate.
.rmi0HSP,'opro5ros-de!tenOTO estabeiecimento.. tendo experimentado a necc^idade
Silw tercnaIdireccaode soa ollicina de roupas por medida, um artista perito, tf-m
TZ f 5 Launano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do fregnez.
Temo mesmoestabelecimentoum bom sortimemto de fazendas-proprias rara
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padrties, completo sortimento de
Sw^JSfi Prf a* de e6r ca,mra Pre,a' ^randt snrtlmento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete.
gorgur5o Pekm, superior qoalidade.
Os freguezes encontraro anda um variado sorlimento de roupa eita, camisas
inglezas, collannhos, ceroulas, grvalas pretas e de phantasia, mcias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapaos de seda para-sol, colchas, bramante, aioalbado,
baloes de diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e outros mufto ar-
gos que a modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
4A000
500
2,-5O0
lr>.
iUIIBy%LlDI
GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratns n. 5ii. declara ao rei-peitave publico que tendo grande deposito de fazendas em
*er e Insejando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidaco que fin-
tara o., .ha 15 ou 2o do crrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
le hoas fazendas. e por diminuto proco, a saber;
RIVAL Sil
Ruado Qtteimado ns. 49 c 57
' fojas de miudezaz de Jos de
Azcvedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
fecimentospor isso queram apre-
ciar o que bom c baraUssimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
14800, U, U .....
Caiias* d liaba com 50 novellos
Pares de sapatos de tranca fa-
eenla nova a......
Pares Je sapatos de tapete
(s grandes) a......f 500
Duzias de meias cruas para ho -
mem a........* 3^800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco roelhor I0O attos a ,5200
Untos de missoes abreviadas a 25000
Duzia do baralbos iraneczes muito
tinos a25iOOe..... fy
Silabario portuguez com estam-
pas a ........
Gravatas de cres e pretas muito
finas a ... -.....
Carioes com clcheles de lato
fazenda fina a. ... .
Aboluadoras de vidro para*solete
fazenda fina a. .
Caixas com penna d'aco muito
unas a 320, 400, 500 e .
Cartoes de iinba Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linha Alcxandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias*
de massa a......
Duzias deagulhas para machina
Libras de "pregos 'rancezes di-
verso tamanho a. -.
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... .
Talhores para meninos muito
finos a. ,......
Caixas com papel amizade amito
fino a .
LO JA
DO
GALLO VIGILANTE
Una do Crespo o. 9
Os p.opneuirios deste bra conliocido eslaLelc-
eimento, alm do* aiuilos olijeclos que linham cx-
postos a apreciacao *i respeilavel putfiei... mafl-
ifaram vir e acaban d refeber pelo ultimo v;,|>r
il'i Europa um compfcto o variado sorrkntnlo de
finas e mili delicadas especiaiidadus, as qm&s cs-
tao Fesolvidos -a vender, como de scu costme,
por precos muito baratintios o comraodos para lo-
do?, com lanto que o Gctlo....
Ifoito superiores luras de pellica, prela?, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mut boas c bonitas gollinhas c punhos para se-
nhora,neslc peero oque ha de mais moderno.
Superiores penlos de tartaruga para coques.
Lindos e riquiisimos enfeites para caberas das
Exmas. senhonis.
Superares iranias pretas e de cores com vidri-
llios e sem elles; esta fazenda o que podu haver
de uielhor e mais bonito.
ESPERANQA
Queiniado
Advertencia!
2)
51 -mus-
Grande e completo gortimento de machinas para
dtscarocar algoo de nova invencao cbejiadas ul-
limamenle em dircitura para a'luja de Manoel
Benlo de Oliveira Braga & C. na ra Oireita n.
53. Garante-se que a melhor qualidado que at
o presente lem vindo ao mercado : "acbani-so em
osposi^ao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de peso! kilo-
srammos do melhor eomprehenso dos que tem
viudo at o presente, assim como marros de latao
ate" meio grammo pelo rnesmo svsiema, palancas
de latao de forca de a a 29 kilograaimo% imio*
do madeira e de latao para medir fazendas,
de grande sortimento de miudezas e ferragens de
101I8S as qualidades. ludo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Oireita n. 53, lja de Hanoel
Uento de Oliveira Braga it C.
De superior qafidade da mu accredita-
da fabrica de Bisquit Duboucb & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, forne.cem para o consuramo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa
commercio n. 32.
de Tb. Just. ra do
BAZAR UNIVERSAL
O Kn:> Xov O
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se nm completo
sortimento de lodos os artigos que se ven-
dem por precos commodns como sejam: Um
completo sortimento de machines para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposieao servicos a electos para almn-
CO e jantar, salvas, bandejas, tiiboieiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, cawlieiros para sala eoima-demesa.
500
'02C
500
IdOOO
,(100
(100
m
2,)000
para
Caixas com fOO envelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meniaas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas
unhas e costuras a .
Tinteiros cora tinta preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a......
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de bot5es de iouca muito
finos a........
52.40
5120
15240
5700
5600
5320
5500
5320
5H50
200
60
25500
Superiores c bonitos lcques de madreperola, parede e portal, mangas, tubos e globos de
marfim, sndalo c osso, sendo aquellos braucos vidro machinan nara faaer rafti dirs nara
comttndos desenhos, e estes pretoi. Miro, matninas para Mier care, ditas para
Muito saperiores mcias fio de Escossia para se- ater ovos- ditas para amassar farinha, ditas
nhoras, as ipiaes sempre se venderanrpor 30ooo i Para fazer manteiga, camas de ferro para
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,! casados, solteiros e Clianca, bercos-, cadei
alem destas, lemos tamben grande sortimento de i-as lonjas nar viarem ditas dp hidanrn
outras qualidades, entre as quaes atenraaa multo a Pai*',a*r<'m' (mdf flB Bataneo.
espelhos de todos os tamaitos, molduras
para qnadros. gas, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinqoedos para esfancas um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala-e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de snpb, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraro
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
16f
CHITAS LARGAS A 280 rs.
t V,-udein-se ch tas francezas largas a 280,
320 i< 3K0 rs. o covado.
ALGODAO ENFESTADO TRANCADO A
li5000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
leocnes a 1A000, dito liso enfestado a 900
o metm.
<: VSSAS FR\NCEZAS A 240 RS.
Ve idein-se cassas francezas para vesti-
dos dn -ienhora a 240 e SW rs. o covado.
M\D\P0L0 ENFESTADO A 35300.
Veiidem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dito injjlez de 24 jardas ou
22 metros a 55, 65, 75. 85, 95 e 105, a
peca
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se tanaphas para vestidos de se-
chora a 00, 20, 320. 400 e 800 rs. o
cavad.
BVREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 o 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5. .Ore. 0 COVADO.
jeven lem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
tabora.
SEDAS DE CORES A 15.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
sganor a 15 o covado.
POnoAO DE RETALHOS.
Vende-se urna porcao d retalhos de cas-
fiis, d 15a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' e'les antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly do listas de seda a 800 re.
0 Covado.
.CHALES DE CASSA A 15-
Veud'-sii chales de cassa a 15, e de me-
rino a 25.
CORTES DE LA A 25400 RS.
Veriile.ii-se cortos de lia de listra para
tidiw de senhora a 25400 re. para aca-
I
\LG0DO A PEGA 45000.
V pecas de algodio a 45, 55, 65
E moitas outras cousas que
eufailonhn rnencj"ir.
CHITAS PARA CORERTAS A 280.
Veude-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500. s
Vende-se casemiras de cores a 25500 e
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
Vcndem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35000, ditos de seda a 105 cada nm.
BR.M DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para ca'cas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Clangas para ealea a 3Ors.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots do homens c meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSEllNA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado. dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado. m
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarltana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25-
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Glliiihas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas e linho fino a 15000, para aca-
bar.
GRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Veude-se a roupa feta por menos 26 ou
30 por cento do que em mitra casa: por
isso os pretendentes poder5o vir examinar
para ver a realidado do annuncio.
Voloutina preta a 320 rs. o covado, para
BALOES DE ARCOS A 15500.
Venden -se baloes de 20 e 30 arcos a
15500 cada urn, ditos modernos a 45.
ORIM HAMIUJRGO A 8501)0 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 85, vem a ser mais barato do que
algodSosinho.
CORTINADOS A 145000,
Vende-se cortinados pira cama a 145
para liquidar. Ditos pira janellas a 75.
Todas estas fazendas se vendem milito
barato na ra da Imperatriz n. 56.
Machinas vapor de
forca de 3 e 4ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de faco e serrotes paradesca-
rocar algodio.
Balancas para armazem e balc5o.
Camas de ferro.
Cofres do ferro de MHnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar carcas.
Fogao americano pate&t
linas.
Boas bengalas de superior canoa da India c
pistiode marfim com lindas e encantadoras (gu-
ras do mesmb, neste genero o que de melhor se
pdertlesejar ; alm destas temos tambem grande
auanlidade de oatras qualidades, como sejam, nia-
deira, baleia, osso, borracha, ce. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cliicotiuhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias do seda para senhora c para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantid pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben asseguramus sua qualidade e delieadea.
Lindas e beilas capellas para noiva.
Superiores agajhas para machina c para crox.
Linha muito boa de peso, i'rouxa, para cncher
lahyrintho.
Bos harathos de cartas para voltarcld, as;im
como os teios para o mesmo fin. #
Grande e variado sortimento das melare; per-
fumarias e dos mcihoros e mais MnteeidDs per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Eleetricos magnticos contra as eonvoJsGes, c
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebc-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo ja tem acontecido, assim pois poderao aquel
les que delles precisarera, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes vurda-
deiros collares, e os quaes atlendendo-sc ao im
para que sao applicados, se Tenda o com um niai
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dDscbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes c amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
hlrai'liini camis
Este producto alimentacao para doenles, mui
apropriada para creancas e'para as pessas saas ;
indlavel a todos, porm, principal tente aos
viajamos, que tero nelle o recurso de poderem
ler alimentacao de carne fresca incsrruptivel, e
que com facifidade se aproniptu o se conduz, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimenlacan
para maito lempo. Sobretodo chama-se a atten-
c5" dos senhores de engenhos que encontraro no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao
agradavel, bygienica e barata para seus fmulos e
seus doenles.
Este producto 6 fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no RioGraude do Bar,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezende & C, ra da
Cada, escriptorio n. 54, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cada n. 33.
as pharmacias dos Srs.: ,
Manoel Alvos Barbosa, mesaaa na n. 61.
Joaqnim de Almeida Pinto, ra largado Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, praea da
Boa-Vista n. 91.
N. B.-As latas que contem q extracto razetn
urna guia para seu uso.
Scbonete de alcatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to bo
acceitaclo tem merecido n'esta provincia
muito se recommenda para, a cura ceru
das impigens, sarnas, caspas e todas af
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larjra do Rosario34.
CEMENTO
PORTLAND.
Xarope de fedegoso
de Pinto ^
E' de urna eflicacia verdadeiimenle uw-
ravhosa como-calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa oti coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, sufiocacoes, catbarros,
bronchicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtudc contra
o ttano" on espasmos, e convulsoes 6 n-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ca. Rpa Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
S IIOIBVS CIHA1US
E
todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIX DO DR. SEVIAL
Unid depurativo sem mercurio que tan-
\ende-se no armazem amare o de Vicente Fer-u o .: -i o_ :i___
Ira da Costa A Fimo, defronto do arco da CoD. ta ^-C tem mereC"1" n0 "rasl1' nas
Loja de miudezas de Ferreisa da Ctinhail
Temporal, ra do Queimado- n. 09 est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 500< rs.
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha de 200 jardas (duzia) 15200.
Caixa milito fina para p de arroz 15&00t
Relogio de sol *20 rs.
Latas com banha ttO, 200-e 320 rs.
Agua florida verdadeita a 15300.
Agua divina dem 15400.
Gravatas pretas para homem 4 0 rs.
Pentes de travessa para menina 3201%
Olio pbilocme verdadeiro 15200.
Aderecos de plaqu 15500, 25 e 55.
Meias cruas para homem 35*00 e'4'5a
duzia.
lacees enfeilados para vestido, 15200a
duzia.
Leques do santol 55. cada um.
Dittos de madeira 35 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 25,
25500 e 35 cada um.
Meias finas para senhora 45 a duzia.
Banha em frascos a 400,640 e 15200.
Frascos com extracto muito fino 2$ e
25500.
Caivetes de duas folhas a 240 rs.
Sabonetes finos 80, 100, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500. G00 e 800 rs.
Aguaste colonia 400, 500 e 800 rs.
Carlas francezas 200 e 240 rs.
Caixa com extracto 25500.
Cartas portiifuezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos iretos 200, 240 e 320 rs.
Galao de la para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 15500,
25 e 25500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 15.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e
240 rs.
Laa para bordar (15 todas as cores (librt)
65800.
Bonets para menino 15,25 e 25500,
Linha de marca (caixa) 240frs.
M ias para menina (duzw) 35 o 35500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de 18a para menino a 320 e800,
Capellas francezas a 25500.
Facas e gallos, cabo de balanco (du- gaihnhjrr ae pi
zia) 75. _< *" salgado % p
Chicotes para cavallo 6OO,S0freT5500.
Bengalla de canna LV!$500 e 25.
Vortas para luto -fx> rs. (cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 15500.
emporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza, emporal contina a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
pretjo que vendia em sua loja
com titulo de emporal.
A Nova Esperrnca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidada
de miudezas, e como se approxima o ten>
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolrida a vender suasmer?
cadorias pelo baratsimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes.'e os que nao forem venbam ser fregue-
zes, cm tempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convidaos pechincha-
rera, pois que para comprar-se caro, nlo
falta aonde e aquem...
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) qoer sem-
pre primar m nos remetter objectos de
gosto e perfeiclo, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rete-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j traba,
acab de receber mais o segukite:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfertar boBos
bandeijas.
Brincos prctos com douratlos (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gaoes, franjas e trancas tk
seda e de 15a, para enfeites de vestidos.
Bowes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo con?
pengentes e sem cites.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem eHes.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda-para senhora e me*
nios.
Delicados leque de madrcpcrula, mar-
fin, osso efata.
Kspartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, nm completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, 'ni
Nova Esperanca.
Collares anodinos elUctro-magnett
eos contra as conmltes das
creancas.
Nao-resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ah intitulados o*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os)
noeffeito promettido.o que so pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsifioacSo prineipalmente ne
que respeita ao bera estar da humanidad*,
fez urna encommenda directa oestes collares,
e garante aos pais de familias, que s3o o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel iecommodo di
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nbam a Nova Esperanca a ra do Queimadc
n. 21 comprarem o salva vida, para seos
filhinhos, antes que estes sejam acommetti
dos do terrivel mal, quando eijto ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros coUarea
de Royer.
Venda da impostes
Manoel Barbosa da Silva, arrematante dos m-
noslos provinciaes das comarcad de- Tacarat, Ca-
brob c Boa-Vista, e dos-impostos de consumo t
agurdenles do termo de Olinda, avisa aos que
pretenderem comprar ditos impostes, que pode ser
procurado ra do Livramenlo n; 22, onde por s-
ou sen procurador podern entrar desde j em nc
gocio os pretendentes.
Farinha
Na ra Augusta n. 10 se dir quem vende 9&
saceos de farinha da trra de boa qualidade.
LUVAS~
Completo sortimento de luvas novas de-
Jouvin de lindas cores escolhidas ao ultimo
gosto d'actual moda em Pars chegados-pelo
vapor Oneida-, ao armazem do vqaor fran-
cez ra nova n. 7._________
Feijao
mulatinho muito no o, em sacros: vende-se par
barato preco : no armazem de Jos Rodrigues d
Carvalrio, na travessa da Madre de Dos n. 5.
Ns ra do Vigarlo n. 19, e criptono deTbo-
maz de Aquino Fonseea A C, vende-se :
Mercurio de 1 1(2 libra em caixas.
Vinboengarrafado Moneres.
dem idem de oatros fabricantes
dem em b3rris e ancoretas, especial.
Cal de Lisboa viuda pelo ultimo vapor de carga.
Cera em vetas de Lisboa.
Champagne e cognac em caixas.
Carvao animal e vidro? em caixas.
Escrava a venda.
O procurador da viuva de Joaqnim Antonio
Pinto Serodio Jnior autorizado pelo juizo com-
petente vende a escrava Luia, crioula,idade pou-~
co mais ou menos de 22 annos, com habilidad*,
pertencente a esse casal para pagamento dos ere-
dores do mesmo : na Nova n. CO, t andar,
as 6 s 9 horas da manhaae das 4 as 6 da trrte.
Vende-se urna excelt nto casa terrea em
Olmda confronte a Santa Thereza, toda resdiliea*
da de novo, cora os commodos seguinjes : sota,
4 salas, muitos quartos, cosinha indepwjdente,
sendo dita casa dividida em duas, com 3: janellas
em cada extremidad*, "m grande portito no cen-
tro, ptimo quintal murado, com poca de cxcel.
lente agua, algunas frncleiras, plantacao de ca-
nim,' ^n(!n'!;a- ejtribaria para 4 a 3 cavallos,
r e cal, um grande viveiro,
porto para embsrque no fundo
do quintal onde tem 2 portdes o multas outras
commodidades para numerosa familia : ns pre-
tendentes poderao dirig r-se a niesma tanto para
examina-la co o para tratar qualqmer negocio.
r.AZ az (az
Chegon ao antigo deposito de Henrv Porster A
C, ra do Imperador, um carregamonto do gat
de primeira qualidade; o qual se vende em partidaa
e a retalho por menos prefcdo quo em ouira qual*
iuer parte. W
ceicao. em barricas grandes.
Balanzas orizontaes
Pelo novo abstemia de kylo-
grampa.
Vende-se no armazem de J. A. Moreira
ra da Cruz n. 26.
Dias,
Cal nova de Lisboa.
Vende-so na ra do Apollo tarmazeBi de Reeo
& Irmao n. 18. ^
repblicas do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das boubas, sarnas,
rbeumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm da
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu 4 C.
31Rna Larga do ttoarfo_n4
Saceos com farinha de
mandioca.
Mala & Landelino vendem saceos com farinha
de mandioca, em pr$ao,~o por preco commodo :
ua ra estreitado Rosario n. 18.
Vende-se a taberna sita no aterro dos Afo-
, hoja ra Imperial n. 203, com poucos fui-,'
dos, o tem commodos para familia : qhem !'
der pode examinar o a tratar na rna d-rt p'r,i
n. 76,
Resta venda um esoolhido sortimento da-ob-
ectos de marcineria, como sejam, mobittas de ja-
;arand. mogno eamarelln, obra nacional e estran-
ia na ostt-eita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazejn-se com perfeicao todos os trabadlos de
lalhinlia, como sejam, enipalhaiueutos de lastros
ar. camas, cadeiras e sophs.
Vinho do Port fino

Vende-'e por 305000 a duzia igual ao que
vendo por ahi a 3| c 5* a garrafa ; na ra da
Cadeia n. 21.
IHr



Diario Je Pernambuco Segunda feira 6 de Seteinbro de 1869.
RIVAL smil
Ra do Quemado n, 49 e 57 foja
dt miudezas de Jos de Azeve-
dv Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queiraando tudo quanto tem em seu
esUbelecimento para acabar e (azor novo
sortimenlo, por isso quoiram vir ou mandar
ver o qoo bom e barato.
Caixas de linhas do gaz com
80 novellos a "00
Latas com superior banba a
liO, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa muito
fino a....... 400
Duzias do meted (inglezas )
rauilo boas a ..... 4$OOC
Garrafas cora agua florida ver-
dadeira...... l#20b
Garrafas com agua divina damc-
Iborqualidade .... I>o00
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para miraos 2??50^
Dita com|0 frascos muito finos 38OO
Oteo baboza muito fino que s
a vista ...... 500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... 240
Caixas de p de arroz moilo
superior ..... 600
Pecas de babadinho cora 10
varas ...... 500
Pecas de fita de eos qualquer
largura ..... 50C
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para denlos azenda
muito fina ..... 240
Puiceiras de contas do cores
para meninos 200
Gaixas de linha branca do gaz
com 30 novellos 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino .......4000
Pares de botos para punhos
muito bonito i 20
Libras de 13a pa a bordados de
de todas s cores 8000
Pentes com costas do metal
muito finos 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha frova para bor-
dado ...... 480
Grusas de bolees madreperola
muito fino ..... 500
Saboneta muito finos CO, 120,
ICO, 240 e..... 320
Pecas de tita de 15a todas as
Cores ...... 500
Espetos dourados para parode
a 1000 e..... 10500
Espetos de Jacaranda muito
fino ...... 26000
Pe?as de trancas brancas o de
cores de caracol a 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com i fa-
inas ...... i500
Frascos de sndalo e pateeholy
muito finos a 1.5200
-
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
eaoa ou 'saiaaaiwiaa a
DE
FLIX FEREIRJl DA SILVA.
propfietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
extincta loja denominada WAflD/1/ iS DMASO ra da Imperatriz n.-36, e nao
te tendo sido possivel, na mesma ioja, concluir a liquidacao da grande quantidade de
fazendas qoe all existiam. pelos poucos dias que" leve at entregar as chayes, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimeuto. o=^PAVO
unde o respeitavcl puolico encontrar um grande sortimenlo das melhores fazendas de
linho, 13a, algodo e seda, que se Ihe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar diuheiro, e as pessoas que negociara em pequea
escala, tanto da praca como do matto. csta casa poderao fazer seus sw timentos em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lhes pelos pregos que se comprara, n S
casas inglezas; assim como as excellentissimas familias poderao mandar buscar as amos
tras de todas as fazendas-, ou mandar-se-ha levar pelos caxeiros da mesma loja em suas
casas; u cstabelecimento se acha constantemente aberto das 6 horas da mantva s 9
da noite.
ALTA NOVIDADE
EM POl'PF.LINAS O GORGURAO DE LLNIIO E
SKDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavo um elegante sortimento das mai*
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com-' bellas poupelinas ou gorgorees de linho n,
plelamente portido das melhores roupas, seda, cora os mais delicados padrees que
sendo calcas palitts e coletes de casemira, se podo imaginar, assim como urna grande
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas porco de corles da mesma fazenda, tendo
as mais fazendas que os compradores pos- de todas as cores e garantindo-se que nesto
sam desejar, assim como na mesma loja genero nao ha nada mais bonito nem mais
lem ura bello sortimento de pannos casemi- proprio para vestidos, e vende-se por pre-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer 50 muito razoavel na loja de Flix Pereira'
qualqderpeca de obra, coma maior promp- da Silva ra da Imperatriz n. 60.
Covado
Grande
loja de fazendas e roupas feitas
na da Imperatriz n. 52,
porta larga,
OE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peltavei publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
presos commodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qdahdades, brim de
bonitas cores e brancos de boa qnalidade,
encarrega-se qualquer obra por medida e
proco muito commodo
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da Imperatriz n. 52, porta
larga, (te Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas feitas /le diversas
qualidades e procos commodos, como sejam
palitts de alpaca preta o de cores a 3$.
3B O e -5; ditos de panno prelo sacos a
i, 7(3 e 85; ditos do panno superior a
125. 14.-5 e 16#; ditos sobrecasacados de
dito dito a 18$; 205 e 255; ditos de case-
mira de edr a 55, 65 e 105: calcas, cohetes
e palitts do casemira muito fina de cor a
20 e 25$; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 5 a 65; ditas de
cusemra preta e de cores de 45 at 125;
eollotes de todas as qualidades; ceroulHS de
bramante a 15500. 25000 e -5500; camisas
(bocezas do linho e de algodo de todas as
qualidades o preco mais barato do que em
citra qualquer parte ; colarinhps, gravatas;
bonito sortimento de chapeos deso dealpa-
pecnincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: todos os freguezes se
{doro prover dos pes at a cabega por
fjreco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, orno sejam, chitas
baratas a 300. 32 e 360 rs. Madapoln
tuo a 75,85 e 405 a peca. Algodo (pe-
iBcha) a 55OO a peca e outras quahda
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 355* K) a
j a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al
Cacas boitas, selecia a peca com 28 metros
265000. EsguiSo o mais Hno possivel a
29500 e 35 a vara, e outras militas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEO DA PORTA LARGA
Dg
Paredes Porto.
ifiCil .
Vende-se verdadeiro cimento ; na rus da
Madre de IVos n. 2i, armazem de Joa
Martins de Barras
PARIIA
Torneiras para pas-agen 'aeoa, de diversa*
erawara; na raa do Queimato, Ajevodo ir-
O5o. x
tdfto vontade do freguez, e lio sendo
obrigados a acceita-las, quando nao slejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavol publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
los dea mil corados de cassa
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e gran-
aos, assentados em todas as cores, estas
cassas -sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
qusi como a chita, e alm dos padroes
serem anuito bonitos, sao todos fixos c seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Cspartllhos a 3AOOO na loja do
Pavo
Vende-se nma grande porco de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendera-se a 35 cada um.
BRAMANTE PAKA LENOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 15800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de um lencol. o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras rauitas ap-
plicacoes para arranjos do familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
64000.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tarlatana, ricamente bordados a la, pelo
baratissimo preco de 65.
Ditos por estarem um pom^ "-achucados
a 45.
Ditos Qnissimos con. seda a 45.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com ditas saias, sendo fa-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente ligurmo.
a 185;. tmssimos crt s de cambraia bran-
ca, ricamen o borftados. que at podem
servir para noiva, a 25501K). e outros mui-
tos cortes de dilerentes fazendas que Se
liquidam baratas na luja do Pavo.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-so ama grande porgo de cera de
carnauba em saceos por preco mais barato
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra d:< Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva
CASSAS A 240
Vende-se cassas com delicados padroes e
cores fixas 240 rs. o covado: na loja *i
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVAO
. Chegarampara a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaqui'ilios do seda
pretas ricamente enfeitadns,-sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em corita.
GROZ DE COR
Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio. cimiento
e branco muito alvo, que se yendem mais
barato doqueem ^otr qualquer parte.
BASQUINAS Di: FIL
Vende-se as mais modernas e mais ricas
hasqninas de fil preto, p->r(>reCo mcoiila.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
25008 E55(K)
Vendem-se ve -lidinos para meninos e
meninas, *pelo barato preco de 5000 e
550O, assim como ricos enxovaes para
haptisado.
MAOAPOLO FRANCEZ A 75MK) A PECA
Vende-se pe^as de iwdapolo fian-ezen-
festado com 20 metros a 7*kK) a peca;
r> chincha
MUSELINAS DE COR
Veode-se 83 mais booias tui4?!*ena* de
oftre a 800 rs. o covado.

h.

^
V .
** CjEtMAt>
&8,
A AGUIA BRANCV lem convicio de que a abundancia de oljcctos Jo novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa esculla no gosto qelles, a superioridad
de de qualidades, e a limitaco de seus presos, esto na op nio o respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particufar ; mas ainda assim ella ulga de sen
dever scientificar a todos, da recepro d'aquelles objectos que eslo al jm do commum,
como bera sejam :
CELEZIAS
PANNO DE LINHO
ATOALHADO
Vendem-se as mais finas celezias de linhq
com 25 varas cada peca, sendo mais finas
ainda que os mais tinos esguies que tem
vindo ao merrado, a 455. 555, 60/5000 C
7>50 mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lences
com perto de "4 palmos de largura a 700.
8<>0 e 15000 a vara, sendo em peca tam-
bera se faz alguma cquidade ; bramantes
para lenges com lo palmos de largura a'
158tOve 25500 o metro, e de linho muito
superior a 35200 e 35So().
Atoalhado adamascado com 8 palmos d
largura a 25400, 35 e 35500 o metro, e
outras muitas fazendas brancas que se ven-
dem muito rnais barato d que em outra
malquer parte, com o fira nico de apurar
dinh-Mro.
CHITAS
MADAPOLO
ALGODAOSINHO
Vendem-se superiores chitas escuras e
ciaras pelo hwMp preco de 2*0, 320 c-360f
rs. F as perfidia* a 320 e 360 rs.
Pe<;as de aljodosinho do todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolo
dos mais baratos at os mais finos; assim1
como, superior algodosinho enfestado pan
lences, toallias, tanto liso como trancado;
todas e.>tas fazen las m vendem mais barato
do que em outra qualquer parle, para apu-
rar dinheiro. t
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco do esta-
menha mesclada, propria para vestido! de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo tima fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato proco de 200 rs.
o covado, fazenda que sempre se v ;adeu
por muito mais dinheiro
VES'IDOS A 800 rs.
(aun duas saias
Chegaram para a loja do Pavo os mais.
modernos, emais bonitos coi tes de vestidos
de cambaia, e nrgandys; com mais lindos
pad Vs. e o competente figurino, tendo
cada corte 18 covados. que pode dar corte
para senhnra. e menina, e vendem-se pelo
barato preco de' 5000, nicamente na loja
e arma'/em do Pivo ra da Imperatriz^
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 3i0 RS. 0 COVADO
Veiidem-se Qnissimos nrgandys de cores
para vestidos d>iu lindissinios padrSes pelo
bar.do preco de 360 rs. o covado ; assim
como ditos tiran os muito finos com listas
largas e estreitas, e de qnadros a 800 rs. e
15000 a vira, tambera tem tarlatana bran-
ca, o ile todas as cores a 800 rs. a vara :
lils de flores a o40 rs. a vara, c ditos lios
a hOO rs. a vara, e A-i salpico a 15000:
isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n: 00 de Flix Pereira da Silva.
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas o os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
mando abertas
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras c os
mais necessarios dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeico, proprias paro um btllo pre-
sente, tendo algumas com musi a.
Estojes ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MARF1M
Para unhas. dentes, cabello o roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, canelas,
dida-s, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas cpelas cora veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
uboras.
Voltas do grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, o tran-
selin dourado.
Boloes com ancora, e P. II. para fardas
e cohetes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada. para cohetes, cada um 55.
Boloes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Camisas de flaneda para homem, a me-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras o
creancas
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de inchacjo as pernas.
Pannos do crochet para eadeiras.
Novo sortimento de loalhns de labyrin-
tho, para bap/.ados.
Renda o bico de guipur, branco c
prclo.
Fil prelo, de seda, com -lpicos.
Pequeos e delicados estaadores di,1
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, tic.
Bouilos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas o alfinetes.
Thesouras de duas. tros, quatro o cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULUAS NON-PLUSULTR.V
Tal a qualidade d'essns agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Xii-plusitUra, merece a Aguia Branca as
honras d"um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes smhuras, a devida
estima por sua apreciavel qualidado.
At agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero e ainda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmcnte d'aqui a pouco abundarn
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeins continuaran a
vir- especialmente para a loja da_ Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objecti-s
que constantem^rite se acham i venda na
loja da Aguia Branca, seria seno iinpossi-
vet ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que do novo queiram
reconhecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecam de comparecer .i loja d'Aguia
Branca ra do Quimado n.t;.
^Bartholomou & C
VlN'HO, PlLULAS.X.VROPP. E TlNTUIlA
T)T. J^RUBEBA SIMPL'SS B FEIUIUOINOBO
Omo, Pomadae Hiinriam'no da mesma
LLANTA PUl".l>AaAD08 POR
BARTH0LOME0 & C
P HARMACEU TICOS-DnOOL'3TA9
pi:ii%k>niiiO
A Jurnteb* ol filil & hoje ree^nfc:J.i
como o niais |>'jJcrcja tonteo, cuido o mlhof
tlesobslruent.eoomo lal n( pli;Ja uos pacnneinc5
9 iuler-
Doa e cspccialicii'.e Jo en, hjilruiwiaa, mil
pellas, ele; e assc-oJ ao ferro til as paluda*
corea, clileroscs o Talla de mcnalruav'io, dosarran-
;oa do oslouiago, etc., o o ijue diicmoa alUflAo .
innmeras curas iuipoitanlcs ublidas com notaos
preparados ja bem coiihecidoa e'osudos polos mais
dislioclo mdicos do paii e l'orlugal. biu lodos os
unaos dcposiloi diitnbaimo* gratis folnelos ooa
inelhor fascm conhocer a Juiubaba sios refultados
eapplica;..
i m Eii iininiii \m
NO
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terco.N. 23.
S1MA0 DOS SANTOS 11-(1
Os pmprietarios deste bem sortido armazem de secco e molhados. partecipam
aos seus numernsos freguezes, tanto desta praca, como do matto e igualmente aos ami-
gns do bom e barato, que teem um grande e vantajoso sortimento do diversas merca-
lria^ e asmis novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
mrnos preco do que em oulr qualquer parte, por ser maior parte dtstas mercadoiias
compradas j)or corita propria, por isso quem comprar at a quantia do 100;?. ter cinco
por cento pelo sen promplo pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
VIROFE
SALSA PllHl DO PAIA
ou
Depurativo do sangue
Usado as molestias de nl!o, impigoos,
llores rhemp^licas e nK*efa's venreas,
CNFCO DEPOSITO
Rna larga ESCRAVOS FGibSS.
Fupio do .'iigenlio Toil o*Salo cln v'a
de Ipujiica, no ilia 'JO la ;n;\ia, d e?crav C.oiirati,
reprwanta ler '"i ano>w ik" ijade, thiucn mais i*a
meno?, cor vernerti.i, aKo, otos?", n!li< .: ppquen^,
Mn barba, o os pf? nxrhando, tm esmwi oa Sfi
D. Si'iiliorinlia Utl ir. r.HiU'nlo. <\ye morn t \
villa do Seribjerc : r:o ilia iniDiraiatii da fnpid.
estovo na mciii i villa : iuppSeso estar acoulado,
o que se proceder com o njwr da M :i quem.t)
tenha, o pa-fe s autoridades p I rfatea ou capln
lins meino ongoiabu ao absixa as^yaadn, oa na rna
da Mueda n. 8,8" andar/)cripti>ri(i d? Manuel Al-
vos Ferreira A (".., que ser geticro-anieri'.e rccoin-
peflsad*.
Mijuol Paulino Tol*-ntinn Peres Falo?)
f
VV1SII
Acha-se aumento dosde o da Io do frrenlo .i
escrava Fcliridale, eni os signaes seguintes : c r
fula, cabello repartido e preso por pento no rodo,
tein falla do algn dentes na frente, anda rie-em-
baracadaracntc, falla bem e inculra-s'1 alyti.p i
vizo do forra, levou vestido pelo de cima. Ir.! i
feehado, e muito conhecida as ras ilu Rosario,
Caldoireiro, Ruja c Kangcl: qnrai a popar leve i
m abaixo MBignado, quo sr devidaon'iiie recom-
penade ra d > Quoimado n. 12, loja, ou no 3*
andar.
Jos Rodrigttes da SHva ltot-ha.
- ArtlS-H) fllgida lesdo O da 11 ile agn-tii ftnd >
a juvia f.-mrenea da C>t.i, mais ou menos, cabeflm rurtns, houn preta. rMa
tura alta, corpo regular: quem a pegar p levar k
sua senluoa ufara Rernarcm d<' Josus na rna ~\
finia ser i).'[i rernmp.msafto.
Fupio no (lia 2i de :i;o-t > n sciavn do IMiOtO
Constancio, pardo, alto, cabritos carapmhos. ear
bstanla bexgosa,:-.:n ima bellido no olhi-esquer-
do, o os ps torios, ulaa-so andar na rUsy n
dormir n'nma taberna ta n > bsMto de S. Jnac,
donde sano pela maiihaa e para omte v-lta a aoi
GAZ AMERICANO 9;? a lato, a 400 rs.
a garrafa e 60 rs. o litro.
VINIIO VERDADEIRO FlGUEIRA 560 o
610 rs. a garrafa, a 45500 e 4-5800 a cana-
da, a 70e 940 rs. o litro.
DEM DE LISROA das melhores marcas,
a 4 365VO a caada, 600 e 640 rs. o litro.
. AZEITE DOCE DE LISROA 900 rs. a
garrafa, e a 75 a caada, e 15340 o litro
VINIIO BRANCO DE LISROA a 600 rs.
a garrafa, 45500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA a
0<, 240 e 30 rs. a garrafa. 25OO,
15800 e 15400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MXNTEIGA INGLEZA FLOR 3 154*0 e
I580 a libra, 35140 c 25800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA .1 9150 900 e 850 rs.
ibra, e 25100,- 15980 e 15870 o kilo-
640 rs. a li
em porco se
CrhLES DE CASEMIRA
Chegaram os maia mudemos, o mais
bonitos chales de casemira com dezenhns-
inteirament* novos, que se vendem a 95- fahatiinenlo.
105, 125 e 145; assim como urna grand*
p >rco de ditos de menina que se vendem
mais baratos do que em outra qualquer
parlrt ; na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Flix Pereira da
Sil\a.
Cortinados
Para camas a janellas.
Ve.nde-se um grande sortimento oos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125001 rs. cada par at 2>5000 rs.
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Felh
Pereira da Silva.
grammo.
DEM PARA TEMPERO
bra, 15100 o kilogrammo,
fai abatimento.
BANHA DE PQRCDE BALTIMOOR
720 rs. a libra, c 15570 o kilogrammo, em
porc3'> se far abatimento.
ARROZ DO MARANILO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra. 200 e 300 rs. o ki-
logrammo e 35800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo. e 65 por 14 kilogrammos.
;AFE EM GRAO 65 e 800 a arroba,
00 e 240 rs. a~ libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SARAO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
'.i70 440 rs o kilogrammo, em caixa ha
te qnem o capturar leve-o ma Nova,
ArrnJa & Irmao, onde ser (trahfleado.
oja do
620 rs. o kilogrammo, cm ir.) ha aba-
timento.
BOLACHINIIAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 15o L>500 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 n. o
masso. ero eaiKa ha abatimento.
PlIOSPHOROS DO CAZ E DE SEGU-
RANCIA. 5 280, 400 e 560 rs. o masso,
3520 e (55(M)a grou.
AMEIXS EM LATAS E CACUINHAb
DE MLTTOS TAMANHOS 3,'jOO, 55500
GOMMA DE MILHO AMERICANA i iOO r>
o masso de una libra, e um aixa ln aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em*caixa f;u-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA U 5,5500
a duzia e 5(>0 rs. a garrafa.
DEM BASS. VERDADEIRA HILERSd
BELL, a 800 rs. a garrafa e 95 a duzia.
VINIIO DO PORTO ENGARRAFADO DE
diversas Mascas a 15300,1 >oo, 15 e
800 rs. a (rarrafa.
GENERRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 75 e 65a fraaqueira, 9 M'O rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE CROMATICA,
115 a frasqneira e 15 o Irasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORKS,
35, 25800 e 25iO0, em caixa faz-sc gran-
de abaiirnento.
TOUaMIO UE LISROA i-JO rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogramm 1. i 1 IjiOO por
t4 kilogrammos.
CHA FINO. GRADO E MIUDINHO os
melhores qv ha ri< mercado, i 35 r
35200 a libra, 7(>80 o 65840 o kilo-
M\SSAS PARA SOPA. MACARRiO, TA- grammo.
LH \RN E ALETRIA, 800 rs. a libra o IDEMPROWIO PARA NEG IO 25700.
I5750oklogrammo. 25500. 2 5200 e 25 a libra, 3 8|4W e
SEVADINHA E SAF 3 280 rs. a libra e 45180 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros, yjnho em ancoiVtas, azeitonas*.
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marme
servas gela de marmello, pecego, ervilhas, pei.v em latas, sanli;
As autoritliulos poliiiaes ea
quem competir.
No dia 29 de nuio do enfrente a no^f;;
gio o esrraro Baeqnicl, ctwhiIu e f
amos de idade,esuitora reputar n fin
cor bem preta. catx a redi-n la. 11 j ra ra-
misa azul e calca de casemira rinzenta; do-
rante o dia oostiraa andar c
na-, 011 t-m armaze-s de Mmrai n n^
tabernas a conversar e a I* brf: duran e i
noile recolhe-se a tnlbeims :.!<. I> i> |>C
netraveis, a casas no waii,> a iw-
tms quaesqiier lagarvS 1 iid>- s^ |>bf
gar: quem o ayprotffiwlpr lenta .1 l*mi
de o cooluzir roa h Aurora ;.. tS, *ad*
ser ci:iiilii-ado.
de Nants.
grande-
BALES MODERNOS E SAIAS DE LAA
Na Inja do Pavo vendase os mais mo
dei 11.13 liales reguladores tanto de nos* -
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias d la ene>tada, mais barato do
que era outra qnnifptflr parte.
SULTANAS
Chegou pira a loja do Pavao nra grande
sortimento das mais linoas sultanas, par;'
esti ios, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda u o padroes mais novo-
que lem viudo a es e roercarirr, vendendo-*
h IA400 o covado, na loja de Flix ."ereira
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
nho verde engarrafado, pomada canella, cravo. ervtdoce, cominho, pimenia. gram
mlhos de sebolla 15500, finalmente muito mais generes que on.ir.uoimo
mencionados.
mmmKtmmmmmmmmmmmmamm
i SAHIIIAS DE BAILE
1 Chegaram pelo uiiimo paquete vindo da Europa. In.dissimas aatadas de bai-
m les, ricamente rif.-ita.las, melhor gosto que tem viudo ao mercado: amado
m Crespo n. 13, loja das .ol.minas. de Antonio Correa de Vasconcelos.

1
INJECTION BRO
uUllKci f i*rerrail*a, atoeluuaeaw a m.iu -v t cut wu. imulu. .du.nw.. ^
a MMtMa bMie <- (Bf iWW, < ) {** *M o mm pa*a. kftjtw* *4-. h. ^
1'. .. 1 ,'
. ni n-e 4*
10 ora ii,;.. r. .
rnww n ntsas "* > ;-'^ ?
i-.-ii I l*r. .
1 1
i-li li I it
. I ai ti-.* pe-
.lii-i'n.los, lew dota 4>* 1 '- >v- >*
iiooi.oos enro* o ni**' i;i,> "' '-' ''-;ri''
tendo t l>s ns dente- de fronte. ,- in reftata o
leva eliaii.4>> d rtjirodosa.u .''ol J>
'Ijfiiii.i que llie rbanvi 11 pello rh
,e liaeta esrnra < ii'.'i- ;.,u I aa>
do lilil. Sr teme ''
Meiin. d* Onriwrjr, i"" de n..;u.- Mx. rn-
ioa. alto, Imho pit|h>. ida'ifl
mi iu.ii w^ l.v.-u rnapdii de au.. de'ale- liry.i,
ratea kmI de atgi>ji" 'li,,; ln'' ''e'iiian |>4h> f
a "e'e'bert>>r de b.v 1 asr ira. A e--r.v.. >t
film Sr EiiuardoPereira ile Si-u.. d.i iirovim-i
da Parabyba, qiu> 11 vendini ,'--i pi uradnrs
Sr. J'is L"|)-s Allieim ; .pieni >i a|>,>v- hender
levar ao mesmo enpenfi 1 nrtmafl -o h KeeifnttJ
esn-|itorio de t>xningiw Alv.s Mkthmtn, ru* di
Vejai io n. 21, sor generosa nawie r-e 1 ir un Kkl
~ Kin-'io d>i eoeolit l'nl egtw tl.i l.n/ a e-n; >
pnta Mirtinha, Italia .! deljfwla d n>rjNi, r r>
mareas de bexipas. muit> behid.-i e de imii'a laida,
pasa-se liem a i|neoi a I rar a" tilo enceuho, ou
ana Srs Oliveua. I'dlms A '"., mi l'enfe
Kiiiim un da 23 Qoil. bi da frew:i-7.ia de Serioluiein. o e.pravn ca
hra, de imiiie Flix, <\:w re|ire-eota ii-r :i-"> aun 9,
mai- 011 meiMs. alio, rosso, enra IW|M, liem fal
1 -inte, lew n rata de brim pard ranina de rna
da|nd>. rhapo de coiir.....i mu nuini de rhj)
novo : eujo eseravn lalV'-i leolia l>>niadii u eami
nlio de fa d'Aih 1 qnem <> fffr > levar ao ,! :i
engenliK, ou no R-rife a rna Iiu|ara4ur 11. 4K,
s-r geiiep'--"iii-nie recom usado.
l'lieio lo eli|eliln> Bimi JiiiililB i'a ClevUi'.-.i
da Enrada, na nia ximo pagado o e eravo prulo d'- 11 ih- Hanuti, 4*
idade :I0 aoims, piiOTO mai- otl nuiles. rHJll rj>T-\-
fo tem rs ignaes FeauipleS: rriil. e. r lula.
seeeo .! 1 corpa, esta'.ra resillar, po ira barba. faV
11 de-emharaead. muito regn-ti c i> ai hKa >> un i ., -u da erellia Hreita. enj > e.-i-iavo toi rom-
prado ha p 'uro- dias necta ridade d II
Pedro Jorge : roga-se ;\* aiitnridades nnlie-:-.
na apprithensao, a--m rumo se sratinVar
senhor.-; rpita1 de camp n qnmer p-
que o mar e levar o-> dil engenh> i-ii -rna es-
n-eita d-.lli-ario n. 17, \ ontregar a-is Srs. Ilodri-
gn :-, Alinetda & C



I
Diario de pernambuco Secunda feira 6. de de Setembro
;a geral
CMARA fitSSM.*0rAD3S
SSAO EM DK AGOSTO
WCSE.a* DO SR. NEWAS.
Portanto, nao posso deixar da fazer nm
ntra essas palavras de honrado
lo. Su S. Exc. ueste ponto, qmz-
azer solidario com aquHIes que entcn -
di'ltt que o minMeiio do 16 de jomo tfin
t.i rcliail > l'nra das lei~, foi comuhjtamente
nj uslo. 'ApoiaJalHE
C> no disse, i uafaa aclo do gabinete
actual, qu Dio estana fundad n'u na le
r-xpr.essa do paffaagoto foi ess decreto
'.it'irisando a emisso do papel-moeda, at
'0.000:0005 ; (loases apenas se utilisou n
Qiuiitorfo da quantia de 8,000:000?; mas.
logo que foi aborto o parlamento, nos
vimos a dignidade e louvavel pressa com
que o gabinete artnal, presid* pelo nobre
visitado de ftborahy, veio aqu pedir um
bil de indftmnitKk: pedio-o do urna ma-
neira esperial e se biU Ihe foi conce-
dido.
Isto que fazem todos os governos re-
(ljres n/t sy tena representativo.
Portanto. onde est "oem sombra de dio-
lidura para se repetir, noste parlamento
esto patarra, ilando-se.de alguma manen a.
procedencia s aecusaces que fazera oppo-
simiist as sy>tematicos ?
0 Sn. Sor/v RjU3 : Nao foi esta a sua
anteocSo.
O Su. Jinoit.iua : Mas onobre deputa-
do por Pernambuco se recordar que o il-
-lustre depiiludo. a quem cstou ruspondendo
quiz mostrar a improcedencia das aecusa-
tes da opposico liberal quando atacava o
ctual gabinete per exercer a dictadura.
pnis pe S. Ijjc. a quera justificar p^las
necesidades do paiz; o Ilustre deputado
eslava o invicto pelo menos pelo modo por
que expressou-se, de quij essa dictadura
exista ; o'que fez foi justifica-la com as
urgencias, com as circunstancias extraor-
dinarias da guerra do Paraguay. (Ap liados
c til apoia ios).
Mas, porque razo, se tal dictadura nao
existo; se o ovemo tem marchado senipre
enstitucionalmente, se tem governado com
a le do orcaraeulo votada ern setembro de
!807. tiaveruos nos le deixar passar sem
um protesto semelhante expresso ?
O Si.. Soi;zy Rkis: Elle referia-se ao
que a upposico dizia: nao altribuio ao mi
uisierio. (Apoiados).
0 Sa. Ji,NQi!F.m\:Eu nao tenho a me-
nor ntcuco te querer combaler o que
disse o Ilustre deputado pela rainha pr- -
vincia ; porque se alguem fez a autopsia da
sitoaejk) passada com verdadeira dureza
fui S. Exc. (apoiados); por consecrante.
eu tenho amito prazer em applaudir as pa-
lavras do nobre deputado, a que sempre
estimei.
Mas era meo dever explicar este ponto,
punto que podia parecer a alguem duvi-
doso.
Podia-se entender que o ministerio, em
vista da guerra do Paraguay, vio-se obri-
gado a tancar m3o do indios dictatoriaes.
Nln ha tal; deve dizer-se, em vista das
illegaces da opposico, e dizer-se at
-ncii'dade, que smente o decreto relativo
os 40.00i:Oii(),5 que qo eslava autor-
ailo por um acto do parlamento.
Agora, Sr. presidente, eu devo conside
rar a emenda que esse illustre deputado
ipresontoa supprimindo o periodo r da
esposta nlfivcida pela commisso falla
lo throno:
Este periodo esl concebido da seguinte
maneira :
c A' larga s >mbra d i rgimen constitu-
cional representativo, mentido pela inces-
sante vigilancia de V. M. imperial, nao po
n medrar as falsas 'leas, as ms paixes
io s i .'itim s, setnpro dispostas
ippellar pira i agitado, para forga e o
a violencia material.
Entend) que u nobre deputado nlio tem
a menor razan na su.i cateada Roppressiva.
Se ha na isposla da ii.nimisso um perio-
do iue deva ser maulido, cortMneote este,
porque o periodo mais acentuado em ro-
ai;ao s graves qesjes da actijalidade.
Ap.liados.)
Sr. pre ideute, quando vemos a agitaco
im nensa fula na tribuna, na imprensa, nos
mectinys, era toda a parle pelo partido lib
ral, que procura derrocar cirios prioeipios
;ui que a sociedade brasileira deve sempre
manter-se ; quando vejo a violencia com
que se alaeam os principios os mais sacro-
sautos do iiosso rgimen, que um rgi-
men ver laderamente liberal; quando vemos
aspiraces por esses (So larga's reformas
jo.: con>l4ziram o paiz a um profundo abys.
nw. entendo que esta cmara est na obri-
gac3o restricta de, na resposta cora,
anunciar franca e enrgicamente o seu pen
smenlo. (Apoiados^
Pois que ? yual o pergo, sensores,
que hoje p le atlingir e abalar a >ocedade
OrasiJeira ? Nao sito cortamente estas idasl
anarcbicas que so procura incutir a toda a
f rea no animo do povo incauto, essas re-
formas impensadas que cliegara at a atacar
O poder moderador ? I'ois ento o perico
nao pode surgir da aoarchia dessas ideas
Que se lera querido plantar na populaco ?
Esta cmara, que veio, nq da conquist
das urnas, mas da verdade da elei'flio ;.esta
cmara coMervadora n3o tem como seu
prJmeir dever declarar i cora os seus
senlinientos, quando olla, referindo-se
(ranijuillidade publica, dizia que essa tran-
qjiilidaile so tinln mantido pelo respeito
Brasileros tribulam s leis e pea
: boa ndole ? Nao deve aserescentar
que larga sombra do rgimen represeu-
vo, niaiiti lo pe'a vigilaaea da mesma
'.', a- ditc enhnericas e desarraeoedas
nao pudiam creseer, e apa, pois, bSo deve
twver grande n.,vio de qu) essas falsas
is inedrem no pai;
Cita mente cuu -L:
Port-uiio a que vnm a ''menta suppres-
>iva do nobre deputed i i :la nTieia provin-
cia, emenda que est cm contradi ofio fia-
grantecnm lud
do perigp que essas reformas apre-
f!ra-il ? l'uis en-
tiooode est a w fj i naquilio
a cornil; sea projeeto de
wta, ou d is doutrinas e
.eformas que ven aladas nos mee-
>ings> "S thearos, nos ajriilamentos, na
mprensa c oin Uid; a | srte.
Ora, Sr. presidente, ou considero que
C3sas doirtrittn f; estSo pairando
rnenle emuma 'la sociedade.
Ouando vejo que m, G sobom mai-
to at tornarem-sc como urna especie dever. qudquer que s-ja o-resultado, i intenoes daquelle ministerio ? Qu.cm
ihieuca contagiosa atacando a pessuas que quando por ,jou jtSta mvi\n soube porveotun
est3o eolio adas em posicSo eminente,
quando vejo senadores do imp^cio e.conse*
Iheirosde estado OruareiQ coin sua assig-
natura semelhautes doutrinas, o concluirem
com a ameaca de quo ellas iro por diante
u a revolucao sefar, que a maior
obrigaco desta cama." representa os
grandes inleressesUnsci que re-
presenta os verdadeiros inleiesses deslc
grande paiz, levantar um i barreii a para
oppftr essa palavra aatorisada dos illnslra
dos senadores do imperio e tonselheiros de
estado que assignaram o manifestada op-
posi^o (Apoiados.)
Quando vejo arada que nesse martftsf-
em que se iuvenlou urna serie de fados
fantaseos para Iludir nacao brasileira, se
lernrnou cora o dilemareforma ou revo-
luti, e que depois deste manifest se
lem prucurado rigir em systcma de oppo-
sic5o o insulto afim de que caracteres no-
bres n3o possam oceupar as cadeiras de
ministros (apoiados); quando vejo que se
procura fazer pressio desta forma afim de
arredar personagens eminentes do partido
conservador, aquelles que sempre conser-
varam firmes a f deste partido, eu enlan
julgo que cada um de nos deve levantar sua
\oz,eiuiitr a sua opiniao como um proles-1
to contra sementantes doutrinas, e seme-
ihrnte procedimento ; e perianto emuma
peca da ordem desta, em que a cmara
dos deputados expressa o sen pensamento
a respeito dos negocios polticos e da silua-
co, nao poderiamos deixar de incluir o
trecho que o nobre deputado quer que se
supprima.
Sr. presidente, esse manifest assigaado
por nove senadores, alguns dos quaes sao
ooselheiros de estado, urna peca abiurda
e meaos verdadeira.
Era primeiro lugar nao comprebendo
como proclamando-se nesse manifest que
o governo do Brasil boje urna verdadeira
dictadura, esses Ilustres signatarios coiiti-
uuem a exercer suas funoedes de senadores
do imperio e conselbeiros de e Udo. n-
13o a consequencia lgica e que elles sao
cmplices dessa dictadura ; *m, porque
uao pude haver urna le qualquerque parta
do parlamento sem quj no senado esses
cidados que assignaram o manifest sejam
de alguma maneira cmplices porque estao
prsenles s discnsses, do-lhes a sancrai
da sua assistencia e concurso embora fal-
lera e vuiem contra. (Apoiados.) Da mes-
ma maneira os conselheiros de estado, col-
locados tao alto, que tem de dizer sobre
questoes da maior magnitude, como podem
considerar o paiz debaixo do rgimen frreo
da dictadura ? Nao isto urna completa
i intradiecao ? Como se pode conciliar a
iruiBJ(>henvessas ideas vertiginosas ; quan-
do. soaielliaies s a^s q,te assoberbam
todos os diques, amqoilem- todas as bar-
reiras moraes, os qu^teftrefiverein a esse
naufragio geral bau de pro<
t atamos em jqs pela
forra da fa|ta (]e
nossos esforros |ara resistir. (Apoiados.)
Creio, portauto, que eumprinms o nosso
dever. O verdadeiro pmz ahi est para re-
conhecer que sabemos ssguinjts inspiraci5eg
de p-triotjsmo e as pre#ip%p5es do nssu
mandato intermite no prejeeto de resposta
o |M.Tiodifca <\pMke lou referindo.
Sr. frt'siilcnie, causa realmente pasmo a
mamira por que|a opposc3o procede. Co-
ra*' que individuos que se guerrenram d"
mortc, durante qualro annOs : como 6 une
parlamentaras, estadistas, implacaveis mi-
migos do ministerio de 3 de agosto, se
achara de repente colligados com os seus
defeusores para o mesmo fim ? Wb
tem o puvo o direito de exigir a raziio por
que estadistas que, por vezes, oceuparam
as cadeiras do ministerio, por terem dec-
hido, vera dizer tudo quanto se Ihes ha no-
villo contra as loudencias do cllefe supremo
da nacao ? Quando exernara os seus altos
cargos nao reconheciam os deleitos que em-
peciam o nosso mechanismo poltico : s
agora, na opposic3o, que os vem c pro-
clamara !
assignatura no manifest, e-assignatura, na
mesma data, em urna consulta, ou pare-
cer ?
E depois, onde esl o patriotismo daquel-
les que reunem em um documento dessa
ordem tantos factos simulados .e phantasli-
cos nicamente para fazerem. mal ao actual
governo, se u que se recordem de que isto
e urna spada de dous gines, de qie isto
offende principalmente ao Brasil, a este
grande imperio cujos foros de civilisado
lodos nos devemos zelar ?
Eu li, Sr. presidente, era nina gazota iu-
gleza intitulada Patl-MaV-GuzMtv, que o
manifest dos chefes liberaes nao traba feito
mal ao partido conservador, porm muilo
mal ao imperio do Brasil. Quando vemos
naqiiolle documento, Remado por cidados
Ilustres, exurados tantos factos menos ver-
daderos, quando vemos que se quer pintar
all os Brasileiros como urna nacao de sel-
vagens exagerando-se, liesvirluaodo-se o
que se tem dado em varas provincias do
imperio, quasi quo se deve duvidar do pa-
trioti.Nino dos que assignaram semelhanto
documento.
orlanto diante de urna tal tendencia,
(piando observamos o desregraraento da
impreiisa liberal era atacar os caracteres
mais puros e mais nobres, allatnenli con-
veniente empregar todos os nieios lcitos de
coudemnar esses excessos.
Essa paite o projecto de resposta fo
escripia com muiu refiexao, depois do ac-
cortfo inuito meditado entre s raerabros da
commisso, depois de maduro exame de
seu Ilustres relator, cujos talentos cada
vez mais aprecio, do humilde deputado que
agora falla e do nosso honrado collega o
nobre depulado por Minas, cuja illustraco
bem conhecida. Esse periodo, entende-
mos nos, devia ser ioirodazido no projecto
como um protesto contra rA perigos que
podem araeacar o paiz, contra' a anarchia
que quer alear o eolio, apreguada por esses
Ilustres corypheo-, que nao tem talvez
bastante patriotismo para espeirem a sua
vez de subir ao poder," donde cahiram al-
guns com applauso quasi unnime dos
Brasileiros. Querem elles desde j, sof-
fregos. recuperar o dominio com que tantos
males causaram ao paiz. (Apoiados.)
Entre esses reformistas, radicaos, c agi-
tadores, que pela subvers2o dos principios
querem levcr o paiz venguen m iutenco
de verem se na confusao geral elles po loi 3o
sobrenadar, e os condes Julianos, que rae-
nosprezando a sua patria, a entregaramai
jugo dos Agarenos, que% dilercnca pode
haver ? Se ha, contra os primeiros ; por
que n3o tem a coragem de hitar nos cam-
pos de batalha; pretendem dislirrn Jan ente
inocular o veneno subtil dessas iljutrinas
perig sas, que espalham enlru o povo bra
sileiro, contra o poder moderador, contra
a yitaliciedade do senado, c contra outros
principios constitucionaes, ypte tantos be-
necios deve a sociedade lFa=ikira desde
1823. principios que desde essa poca at
boje fizeram com que o Brasil, ento po-
tencia r lativamente pequea, se eonservasse
unido, e subisse ao grao de prosperidade
e grandeza que o colloca boje entre as na-
Ces rivisadas.
N5o era possivel que a commissa dei-
xasse d protestar contra essas ideas anar-
chicas. Nao quiz, que, quando este paiz,
tivesse i,o que eu uo crio; de ser abando-
nado ao capricho e ambiao de pseud ^re-
formadores, e fosse conduzid) au abysaio,
a gtiera tivesse o direito de dizer : A ca-
ntar, dos deputados de t6!i. que loi ek-ita
aos soiis dos byranos fi'siivlK> e hnceros
da populaco desde c Aranoaasali o l'ra-
la, nao soube cumprir o seu dever, porque
na resposta pallida que den cora, nao
incluio um protesto conlra as das anar-
cbicas e desmoral sadoras que amcacam o
imperio de espantosa subt
Nao, Sr. presidente, pela rainha parle c
pela parte de meus nobres coliegas, e tam-
bera por parle desta cmara, nauqueramw
que no futura se nos faca semclbante accit-
sacao. A cmara de 1889 salar comprir
Fkn vista de todas estas considerarles
entendemos que cmara dos deputados
corre urna grande responsabilidade. Con-
siste elia em oppor dique invaso dssas
ideas. O mandato que.lhe foi conferido lera
| principalmente por lim obstar que essas
iheorias perigosas e subversivas tenham ou
paiz alguma aceitafiao
E, Sr. presidente, o pergo a que tenho
aadido, como podendo involve a nacao
brasileira, se tivesse de realizar-se, havia
de arrastir cim opposfclo, os Ilustres signatarios do mani-
fest, senadores e conselbeiros de estado
que jancao face- do paiz as ideas raeno
ordeir-ff c refleotidas que ahi se acham es-
criptas.
A experiencia e a historia eslo demons-
trando que nessas occasioesn3o sao os pro-
vocadores da desordena moral e poltica os
que snrgem d lona d'agua. Vejamos o que
se passou na Franca anda ltimamente ;
bem que nao se possa comparar o nosso
rgimen tivre cora a actual constituico fran-
ceza.
No recente pleito eletoral que naque He
paiz se eirectuni, vimos que na chitisada
Pars o Ilustre Thicrs e o di'tincto Julio
Favre n3o puderam ser deputados no l"
escrutinio ; e se obtiveram depois urna ca-
deira no corpo legislativo, fui porque, bas-
sada a febre da soberana dos anarchistas,
o paiz reflecto quo era urna vergonha sts
aquelles dous grandes lnmirwres, bem que
oppesicionistas, dcixassem d ter assenlo no
prlamento. Foram voncidM no Io escru-
tinio por individuos radicaos, ou socialistas.
Nao vimos era Marselha, o famoso Ljssepe.
o grande empi-ehendedor da aborlura do
canal de Suez, derrotado por um socialia
cbauado Gambeta ?
Ero \\ mora o econo aisla c opposii^ienis
ta Perrycr Qnfrtier nao fui vencido por um
candidato demagogo ?
Fiquem certos os signatarios do manifest
(pie, se norvealura vingassem as suas ideas
de reforma ou- revolucao, a consequencia
necessaria seria a revolurao com lodos os
seus furores, e pela qual as cabecas mais
notaves baviam de desapparecer para dar
lugar a outras que fossem mais adiantidas
as ideas de licenca c de utopias vas.
Sr. presdeme, cerlaraent notavel ver
a maneira porque os Ilustres cheles liberaes
se esquecem do que bontem pralicarara.
Quem abrir as paginas do manifest ver
que urna grande carga se faz actualidad-'.po-
que o recrulamento contina em alguns lu-
gares para se formarem contingentes ao
uqsso exercito no Paraguay.
Quem le nesse papel a declaraco de que
eslavam os nossos liberaes borrorisados por'
passaremem certas localidades recrutas al-
ternados, h i de pausar que no regimem de
3 de agosto os reciijtas erara tratados sua-
vemente. Mas o paiz nao esquifen qu
durante aquelle ministerio se fez urna ver-
dadeira cacada de aaversarius .e encheram-
se as cadeias ; os troneos o as algemas nao
bastava-n. (Apoiados.)
E no emianio o Ilustre presklenle do 3
de agosto vem dizer face da nacao que a
actual admnistraco lem mal cumplido o
sou dever, porque cidados brasileiros tem
sido algemados. Quem nao se lerabra da
raanira pela qual procedeu o ministerio de
3 do agosto, obrigando por todos os meios
os mais violentos a partir para a guerra
milhares de Brasileiros que tinltam a son
favor todas as senres lgaos ? Quem nao
se lembra da tremenda bacanal da eleic3o
de fevereiro de WW7 ? (Apoiados). Ima-
gina o illustre presidente desse ministerio
que conseguir rasgar o passado com a
mesma fcil dade com que eu ras jo esta,
papel? (Basgindo ura papel). E' impos-
sivel; porque esse passado do hontem,
os factos praticados al 10 de julho de
1868 estao vivos na lembranca de todos.
(Apoiados).
Quer a cmara um exemplo da liberdade
daeleici naquslla poca ominosa? Bu
vou da-lo.
Na minlta provincia, m termo dos Len-
edes, havia e ha um homem bonemerilo o\
Sr. coronel Antonio Gomes Calmon, con-
servador dislincto. Nis esperas da ekei '
i;ao sabendo os candidatos designados par*
aquelle districto que o illustre coronel
havia de oppr-se conquista das urnas,
assentaram (pie devia ser denaittido do
:argo de commandante superior, que, em
oulra po;a Ihe fora confiado pelo minis-
terio a que pertenceti o Sr. baraa de
Murilibn.
Exigiram do presidente da provincia, o
Sr. desembaruador Ambrosio Leitao da
Cunh i, que propuzesse ao governo impe-
rial a susponsSo dajiiello coronel. He-
luctou o Si- Litio, [urque esse commin-
danteeuperior fra o que mais se distin-
guir na provincia era retacan guerra do
Paraguay; porque fra ello quem de urna
- vez trouxera para a capital #$ volunla-
rios-(apoiados), alm da o Uros enviados
em diversas remessis. Mas aflffal o Sr.-
Leilo da Cimba ceden presslu e fez a
pnposta exigida, a qual foi enviada para
esla corte por ura fmulo de um dos can-
didatos com a.coudicJo de voltar no vapor
segrale com a suspun-
Assira se ff. I O fmulo no vaaB^s-
guinle voltoe Babia com o oflicio de sus-
pensior Onde estila Justina, pureza de
em pro-
porventura de-
sompenhar o seu dever ? E o Sr. Calmen
ficou su e urna condeco-
caco qualf o gabinete
de 3 de aga^H de forma a si
repel utes:
Melhor merece-las sem as ter.
4 Do que t-las sem as merecer!
E quando se vio ludo isto, quando cu
se que na ntinha provincia se pralicaram
factos seraelhanies, quasdo esta a his-
toria de todo o Brasil (rautos apoiados), de
forma que ainda hontem. quando o nobre
deputado por Minas nos fazia, de urna ma-
neira tao bella* a exposicao do que se
liaba passado na sua provincia, o nobre
deputado" por Pernamboco repeta :E' o
que se passou era Pernambuco pde-se
I querer illmlir o povo ? Eu accresceutarei
'agora :E' o que se passou na Baha, o
que se passou em todo o Imperio. (Muitbs
apoiados).
E sao estes homons. que se torniram
nolaveis por suas injusti \s, por suas vio-
Iencase pote sua prepotentancia, que n s
vm boje dizer que o ministerio actual nao
tem feito eousa algum? d bom, que vio-
ientou as urnas, o que alem de injusto,
altamente absurdo, porque, lendo os libe-
raes, conscios de sua impopularidade i
derrota, abandonando o campo eleitoral,
era intil da parte do governo qualqner
prat'ica violenta. (tHiitos apoiados).
O Sn. Curz Machado : N i erara erros
de fado, era visto systema combinado.
O Sa. J.\Qut.\ :' C nsegmntemente,
Sr. presidente, eu entendo que agora, que
o paiz se acha desassombrajlo do rgimen
que infetzme*te oi inaUgerado pelos ac-
luaes opposicionistas, quando a.popularan
ji respira mais livreuiente, nao senliudo
sobre seu jieito o guante de ferro di po
lidia aroitraria e violenta, da guarda na-
cional qoo s designara por arbitrio e ca-
pricho, daquellas autoridades que ni i
conheciain as normas do justo e dolinos i
procura-se fazer surgir urna tempesta k
na horisonte, para perturbar e?te estado
que garantas ao futuro E quando
procuran!, repito, fazer surgir urna nuvem
negra que ros ameaca cum grandes, re-
formas da consiituivo, a nossa obngarao
primordial elevar nm protesto contra
semelbantc invasSo (rauitos apoiados) ; e
obrigc5o de cada Brasileiro levar orna
pedra para construcejio desta muralha que
h i de oppr urna barreira tao forte ovas3o
de sementantes destinos. (Muilo bem).
Sr. presidente, eu no quero alongar-me
nesta discusso ; entendo que para o par-
lamento nao se pode fallar s Mi em syn-
these; os desenvolvimentus licam para
outras occasioes; aos Ilustrados repre-
sentantes da nac3o n3o se deve fallar senao
quasi em exposioes de iljeses; por isso
passarei rpidamente sobre vanos assiimp-
tos.
Tem-se-nos acensado porque o actual
gabinete nao mencionou a questao do ele-
mento servil na falla do throno, Eu direi
poucas pahvras.
Sr. presidente, quem est dentro'da are-
depulid> pelo Rio de Janeiro, que fallou
ueste assumpto, que nao nos con vm. a cor
lonisaco senao a caucasianna. Tem
gasto omito dinheiroi mas a onica immigra-
co que i.os pode Servir e' espontanea.
E coiTfcB.io parelhas com esta, a ques-
tao de obras psblicas. Se- me fosse licito,
tena augmentado o oream'enlo desse mi-
nisterio, porque anteado que a princi-
pal taboa de sal vacSo de nosso paiz. (Apoia-
dos.) ^
Tenho ouvido (aliar em nteresses de
outras ordem que preciso promover. Eu
disse ha dias que o homem nao vive s de
pao ; preciso tambem que baja grande
desenvoivimento nos melboramantos mate
naes do paiz, a par dos melborameutos mo-
raes.
Este seculo, que o seculo que vio a
grande obra da abertura do isthmo de Suez,
que acaba de presenciar a construeco gi-
gantesca e audaz do caminho de ferro do
Pacifico com 3,0 8 milhas, ligando New-
York a S. Francisco, que um facto que
realmente inicia grandes comraeltimentos,
esta seculo eo pd presenciar que fique-
mos parados. Para obter-se urna parte do
resultado que os Americanos alcancaram
com a via-ferrea do Pacifics, fizeram-se an-
tigamenle as grandes expedicOes, as quaes.
querendo r para o Oriente, passando pelo
C ibo da Boa Esperanca descobrram o Con-
tinente americano. O Brasil foi assira des-
coberto, na tentativa de cb gar-so s In-
dias; m-is hoje o caminho est feito.
E' este scalo que estabelaceu os cabos
elctricos transatlnticos, e nao pode pre-
senciar'que fiquemos como o marco millia-
i io ; deve haver o caminhar simultaneo no
mondo moral e no material; porque m-
possivel que este paiz se adiante nos me-
Ihoramentos materiaes e fique qnem nos
knelhoramentos moraes; seria ama moas-
truosidade; necessario que a intelligen
cia nao fique supplantada: nao deve pre-
ponderar um elemento sobre o outro ; era
quero urna idade, que chamarei de ferro,
afi methoramentos s materiaes, c nem que
prepondere o gosto das questoes scientifi-
cas, ou discusses acadmicas, como em
Constantinopla, onde os seus homens de go-
verno estavam discutindo iheologia, em-
quanto os turcos nvadiara as mutharas da
cidade. E' necessario que haja harmona
e equilibrio nessas" cousas.
Portanto, se me fosse licito, augmenta-
ra o orcameulo do ministerio da agricultu-
ra ; appellemos, porm, para methores lem-
pos e confiemos que o gabinete actual sa-
liera applicar os fundos votados de urna
maneira digna e conveniente aos nteres-
ses do paiz. (Mijitos apoiados.)
Ainda, Sr. presidente, eu devo dizer al-
guma causa em relac3o aos nossos adver-
sarios polticos. V. Exc. ter observado a
grande diTerenca que existe entre a.oppo-
sic3o conservadora c a oppnsicSo liberal.
Quando os conservadores estavam em op-
posieao, nao lancavam m3o de cerlos
raeios, nao queriam atacar os fundamentos
em quo se basa o governo do paiz : na
tribuna a sua linguagem era comedida; na
mprensa. com quanto forte e enrgica, ra
na ont que se passam as cousas, as vezes igualmente comedida. Mas boje a opposi-
n3o as v tao bem como c espectador que
est mais lunge ; como os grandes edi-
ficios quo nao s3o bem vistos seSo em
certa distancia.
Na Europa, os individuos que lem grande
nteresses pela emancipar-So geral, hoje estao
de accordo em que o Brasil, hitando com a
grande guerra do Paraguay, n3o p le tratar
iie'sernelhante questao agora. (Apoiados.)
Ainda -ha pouco li na correspondencia de
(So salta por cima de todas as considera-
yes, e at recorro em alguns lugares ao
insulto c ao convicio.
V Exc. sabe que a opposico feila nos
ltimos tempos pelos conservadores, oppo-
sico de que V. Exc. fez t3o digna e bri-
Ihante parte, nunca lancou mao de certos
meios: emquanto se conservava nest casa
nobre e comedida, seus jornaes eram ele-
vados e dignos. (Apoiadus.J O Correio
Londres do jornal (b Qfmmereio, o pare- Mercantil, era cujo escriptorio se reuniam
cer esclarecido daquelle correspondente,
dizendo que'na Inglaterra era opiniao geral
que o Brasil n3o devia agora agitar esta
qu estao; e que, havendo alguem l que
dis>essc que a falla do throno a teria de
m.Micionar, ettx e a grande maioria daqoelle
paiz peusavara que nao se devia mencionar
semelhante questao nesta conjuctura.
Alera disso, eu poderia citar a opiniao
de illustres liberaes que hoje nos comba-
ten!, sem se lemb arem do .seu papel em
I '7. Nesta casa |fo atacado o gabuet
do Sr. Zacaras pelos Srs. Gavio Peixoto,
Bezerra. lavares Bastos o por um outro
depuiado de Pernambuco cujo nome nao
me record. Esses qnatro deputados de-
clarram que o ministerio Zacaras havia
--ido pouco avisado introdusindo na falla do
liirouo a questao da abolirao da escrava-
tura; e o Sr. Tarafes Bastos accrescentou
Soccorrendose s palavras de Guizot, que
em semelhante materia, quando se pro-
inettia ase-agitavaa questao, sem se poder
resolver inmediatamente, fazia-se ura mal
incalculavel. (Apoiados.) I" questao que aiu
se pode tratar senao para resolv-la logo."
(Apoiados.) Sao as palavras de Guizot em
elaco a cerlos problemas sociaes. (Muilo
bem.)
Como pois, que esses Ilustres ex-de-
putados vm hoje na impreusa fazer-nos
e congrega vam os membros principaes da
opposico, conde estaba o genio e o futuro
do partido conservador, nunca lancou mao
do insulto nem da linguagem menos se-
ria ; o Ilustrado senador o Sr Firraino Bo-
drigues Silva, seu redactor principal, soube
manter bem alto o pensamento conserva-
dor (apoiados), sem que lancasse urna inju-
ria se quer aos seus adversarios. (Mui.os
apoiados).
Depois o Diario do Rio de Janeiro,, di-
rigido por habis pennas, urna das quaes
et entre nos, sustentou-se sempre na
posieo mais digna e elevada (apoiados).
levando o ministerio de 3 de agoslo at
considerar-so vencido e fazer para cscapar-s>-
uraa questao de conlunca da eseolha deum
senador (Apoiados).
Portanlo, e>sa dilercnca notavel entre
os dous pariidos nos est dzendo que a
nacao toda deve applaudir aquelle que pro-
ceden pela forma digna e elevada, quer na
tribuna, quer na mprensa ; e mais que nao
mereca que os seus adversarios, que abo-
saran tanto do poder, que entendern! que
este paiz era urna conquista, que se podia
lser nelle tantas experiencias quantas se
fazi'/n in anime vili, boje, porque cahiram
sobo peso de seus proprios desatinos.
dado tambem >s de litter.iluia
amena, do que j se le fez gesta casa
ama acensa,-So, todava sabe ama-Ios com
studos fortes e profundos da pliHeso-
pliia edo direito. (Apoad.-
K preciso, Sr. presidente, que nos n3o
procuremos desaminar aquelles que trilnam
a senda da9 letras; preciso qqe era nosso
pate, como em outros, aquelle quo se de-
dicou litleralura, que fez bellos roman-
ees e bellos dramas, como M--ndes L al,
possa como elle ser tambem um escolente
ministro. E se o illustre Cearen sasse exhibir urna prova dos sens altos co-
nhecimentos jaridicos, nao tiaha mais que
appeilar para os pareceres dad..s na qoali-
dade de consultor, pareceres quasi todos,
seno todos adoptados pelo conselho de es-
tado. (Apoiados).
Sr. presidente, agora eu quero dar urna
pequea resposta ao illustre deputado pela
provincia do Kio de. Janeiro, na quoslo da
guerra.
Sonhores, eu, como todos o* Brasileiros,
estamos presentemente sob um grande pe-
so, le este grande pesa a questao di
guerra, esla guerra c-mecada em .8oi e
que em 1869 vai perdurando; este guerra
quo tem exbaurido os melhores thesouros
Jo Brasil; esta guerra que dos tem devo-
rado cerca de i00,000 bomens cde...
400.000:000^000!
Mas, Sr. presidente, no estado actual
em que ella est collocada, tendo-se feito
o tratado da trplice allianca em maio de
1805, tendo>-se rajeitado depois todas aquel-
las occasioes que nos podiam trazer urna
solurao razoavel e digna ; como agora, de-
pois que Lpez entrou em um periodo de
grande barbarie, tiavemos nos de estender-
tie mos supplices o fazermos um tratado
em que o nome do Brasil seja escripto ao
lado do do dictador do Paraguay ? (Apoia-
dos).
. O Sh. Cruz Machado :Nunca !
O Sa. Jlnqukhu: E' dikil. muilo
difheil; pare e qta assim nos commelteria-
mos ura acto que seria menos leal para
com aquellas que morreram as campi-
as do Curupaity, c de Lombas Valenti-
nas, paca com aquelles que acredtavara na
c na leahlade das palavras do Bra?il,
para com aquellas victimas ilustres pri-
sioneros de guerra, prisioneiros tomados
falsa f, que quasi todos pereceram,
entiv elles o coronel Frederico Caraei-
ro Campos, meo presado lio. Parect-me
que todos ells, assim como aquellas mu-
Iheres inoffensivas de 0>runib e Albuqaer-
que. que solfreram tanlos marlyrios, todos
elles na hora extrema, de envolta coa o
pensamento ultimo enviado a sua familia,
levaram a conviecSo de que o Brasil jamis
noria o seu nome ao lado do "nome do sen
algoz.
O Su. Y. Bsxisario :E' preciso fallar
um pouco razo, e n3o aumente s pai-
xes.
O Sr. Junqlhia :O nobre depulado ha
de cncontrar-me sempre ao lado da razao,
nunca me esquecerei dola;.mas enlao pensa
o nobre depulauo que esses sentiment.os de
honra, pundonor e dignidade nacional uo
se adiara cin a razad ? Onde pois-est essa
razo subiime, que eu nao posso atlingir?
Eu, Sr. presidente, entendo oee aonde est
a honra, a dignidade, o pundonor nacional,
a lealdade para com aquellas ilhiftres vic-
timas, ahi deve estar a razo nacional!
Pois ento pensa o Befen deputado que
nao havia razao naquellas cohortes de vo-
luntarios francotes s armas para defender o seu paiz o .03
seus direitos? Onde estiva a razo nessa
occasiao? Eslava com elles, eslava ao
lado da bandeira tricolor, eslava ao lado
daquelles que delndiam os seus direi-
los sagrados c sacrosantos de homem.
Portanto nao pense o nobro deputado que
me deixo transviar; fallo sempre a lingua-
gem da razo. Mas ella nao quer smente
imperio do interesse material e econmico ;
preciso cogitar de alguma cousa mais.
Nao quero o suicidio da naco brasileira
por causa desta guerra ; no quero o seu
aniquilamenlo c raorte ; eu lamban nao
digo que devamos continuar sempre a
guerra do Paraguay: o que digo quo
anda na, perdemos a e.>peranca de vencer
pelas armas, e que em ultima hypoibese
nos poderemos d-la por linda, que temos
aieancado inuitas victorias ; mas nao fazen-
do um tratado, n3o pondo a nossa. assigna-
tura ao lado da assignatura do agoz dos
nossos compati iotas e cera palavras doces
de amisade.
V. Exc. iecorda-se de que urna poiencin
de priraeira ordem, a Franca, julgando es-
tril a continuaco da guerra no Mxico,
entendeu retirar-se, mas nao fez trata-
do cora Jurez. E' urna soluco para o
caso em que a sorte das armas nos possa
ser menos favoravel, o que n3o & dv
snppr, em vista da valentia do nosso
estao sofregos, j tem saudades desses ou- exercito e do nosso digno general, o prin-
ropeis do poder, desse estrepitoso rodar de
aecusaces por que nao procedemos do suas eqnipagens minsUtriaes !
mesrao modo que elles ceusuravam ? Por-
veniura nao subsistem as mesmas circums-
tancias ? A guerra do Paraguay ainda nao
esl ahi exigioddo sacrificios enormes do
paiz?
O Sr. Crlz Machado:Responde-se-!ues
cora os raesmos discrasjs delles.
O Sn. Jr.\on:i:u :Eu quero mostrar
cmara e ao paiz que nao baa le nessas
aecusaces, que sao apenar machinas de
guerra cuutra nos. (Mudos, apoiados.) Mas
gateado que a opposico que quer fazer di
.rejto a voltar ao poder, devia inspirar-se
era principios de coherencia, de verdade e
de juslica, e nao devia lomar uraa opiniao
hoje pira deixa laaraaulta: nao devia veslir
buje uraa roupagera para araanha larga-la
desdenbosamente. (Apoiados.)
Entendo que nao' se pode tocar de leve
nessa questao ; nos nao adiantariamos nada
era iuirojJuzi-Ia como aspiraeo na falla do
ihroQo (apoiados); a seu tempo ella ser
desenvolvida ; e vejo nesta cmara todas as
tendencias para que ella sedosenvolva om-
veuientemeute ; j se prepara u trabalhos
preliminares; foi apresentado um proj cto.
pelo nobre depulado pelo Paran, acerca do
censo dos escravus, e um outro est sujei-
to dijcusso, proltibindo a venda de es-I
era vos era basta publica.
E abrirei aqu um parenlhess para pe-
dir a V. Exc. que d para a rdem do da
esse projecto, afim de que seja discutido,
porque pode nao ser completo, mas me-
more o eslado actual; o como j veio do
senado, ficar lei se esta cmara o ap-
prowar.
O Sr. Presidirte: Esse projecto tem
eslado na oruera do da.
O Su. JbaQUEiiu :A questao de coloni-
saco. Eu tambera pens" como o illu.
Mas o paiz est aciraa dessas absurdas
veleidades; bojeointeressebrasileiro nop-
de ser equiparado as veleidades de quem quer
que seja ; o bom senso dos brasileiros, que
inanfostou-se nessa explendida victoria d&i
urnas, e que manifesta-se em todas os seus
actos (apoiados), ha de sempre manter a
opiniao que elle quer que dirija os desti-
nos desle vasto imperio, u.n partido de or-
dem c liberdade, refleclido e prudente,
que sera riscar de seu programma urna ou
mitra reforma pensada e meditada, luda-
vU nao queira- essas reformas sofregas.
pn cipitadas, volcnicas e subversivas, como
aquellas quo querem os nossos adversarios
e para prova a cmara lem visto que nos
nos occuparaos sempre com as reformas
que sao compaliveis cura o estado actual
do paiz: a n-form i sobro a guarda nacio-
nal, a reforma juiiiciaria, a refoima sobren
recrulamento que j foi votada em 2a dis-
cusso, a reforma municipal apresentada
lelo Ilustre ministro do imperio oSr. con-
.-eUieiro Paulino de Souza, projecto que
por si s faz o creditode um.ministro.......
(Apoiados)
O Sr. Cruz Machado .-Magnifico.
O Su. Ji-MQcciiiA .....e que abona a
llustrag", o tino e os estudos profondos
do honrado ministro do imperio (muitos
apoiados); as tentativas quo tem'ito o il-
lustre ministro da justica. os v.trios pro-
jectos que lera apresentado no sentido de
trazer remedio ao estado actual, que lodos
nos nao acharaos bom. da magistratura e
da guarda nacional: essas reformas qu po-
dem solfear algumas alteracoes, porque nao
ha trabadlo nenhura perfeilo, mas que re-
velara no seu autor randa inlelligec.ia,
grandes estudos e grande patriotismo (mui-
tos apoiados); no seu autor quejComq,
cipe o Sr. conde u"Eu, que o comuiaiida.
Mesm urna resoluco para a grande
demora em destruirmos a ultima forca de
Lpez, que sem duvida est fugitivo, lendo
perdido a sua capital, c as suas melhores
fortalezas. Podemos mandar urna brigada
para Matto-Grosso, fortitiearmos o Feicho
dos Morros, estacionar ahi dous ou tres mo-
nitores : mandarmos urna divisan pa o Kio
Grande do Sol, e darmos por Onda a ques-
lo. Sahiamos airosamente, o vencedores.
Po lia haver algum impedimento na navega-
cao, para Matto-Grosso; mas o futuro resol-
vera a qu-sto; e certo que essa nave-
gado pouco imporlante, c nos tratara-
mos ento de^estradas.
Eis o que me diz a razo, que bem qu
pequea, indica perfeitamente o qoe eu
sinto. Me parece'.que procurar a Lpez,
e tratar c im elle urna desiealdade, que
por assim dizer commettemos contra aquel-
les centenares de morios que hlo de le-
vantar 3s suas cabecas paludas pora ex-
probarem o-stntimento daquelles-'que nao
duvidarem para a poupanea d algumas
libras esterlinas fazer a paz com o immigo
do Brasil; que estas Ilustres victimas n3o
nos perdoaiao jamis, e nos nao temos o
direilo de farm- o contrarfe, desdo que
assegnrmos que t* passo o<> seria dado
pelo Bra.l; o que temos o dever de n3o .
conc'uzirmos a um abysmo a nac3o, e che-
gando as cotua a cedo ponto diremos:
Deve-se parar ; mas dahi a fazer tra-
tado de amisade e allianca, note o n rare
depulado, tratado de alliauca c amisade
com quem nao duvidou faltar a todas as
regr-s de direito internacional, com quera "
os tem movido ama gberra atroz, ha um
abysmo, e oste abysmo que na* quero
traflspr.
(Gontnmr-g*-ha.)
Tf. DO WARIO-RIADAS IRIZE8 1L <
t,
lUBlll


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUS89AGYM_ODAXDE INGEST_TIME 2013-09-14T00:56:25Z PACKAGE AA00011611_11935
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES