Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11933


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XLV. NUMERO 201.

**IA A CAIRA! E LWfakMS OBtt ff SE PACA PORTE.
or im mezes adiamados.......... flJMrtrt
P sos ditos dem............ ...... m
** am um i$m............. ...... J Jg
^daBBaerov^iw...... ; ; ; ;; ; ; ; ; ; *****>
SECTA FEIRA 3 D SETEMBRO DE 1869.
T^
PA1A ITH0 X PORA DA PBOVIMGIA.
P'X tres nezes diaiiadoS. >..,,.......
Pvraiis ditos idem..............
Por nov ditos dem......4........
Porom;
65750
13*SOO
20,5250
27*000
Manoel
-----------------
t
*



AO ACIERTES:
em Aszaret; Francino Tavaresda Costa, era
te; Antonfe Jos Gomes, na V da Penha; Beiarmino dos Santos BuIcSo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
Aladas; Di, los Ifartins Afve, fia Hfhia; e Jos Ribeiro Gaspwinlio, no Rio de Janeiro. *
PARTE OFFMAL.
C!oi-erao 4a proviucia.
eXPBMKNTK ASSIONADO MM.0 BXM. SR. R. MANUEL
1 N&sormnrro machado poktri.la, vice-pbk-
MBENTH D V PROVINCIA KM 10 DE IUNHO DB
itm.
1' MCCO.
Y Mt.-"Portarla o Exm. Sr. general oom-
mandante das armas. Constando de aflicto do
presidente do Rio- rawle do Norte ter remetiido
no vapor fntzein do Sul, o disertor >lo lO" bata-
leo e inl..iitai ii do exoreilo Leonardo da Costa
lizerra. aealtn de recommendar ao Dr. chefe de
T"olJeia, nn o sea desembarcar e por a dftposi-
"i de V. Exe. alim doler o destino BOavonlifco u
1tie Mmiminitii u V. Ex, para seu conhectmcn-
to; enviando-lhe a inclusa guia de seccorrimento
do me-mo disertor.
N. 3W.Dita ao mesmo.Communico a V. Exc.
para seu eonh?clniento, que segundo partcipou o
hefo de polica m officio n. w do do corren-
le, na manliaa do dia anterior, fura tirado do rio
Cap bar be o cadver do presioneiro paraguayo
Jos da Trindade. resultando da vestoria a que "se
proeedeu, ter sido a niorte proveniente de asphi-
\ia por suhmei<
X. 343.Dita* ao mesmo.Mande V. Exe. por
oni lilierdad, n rccriuas liereutano Leandro de
J.ira e Henriaue Joo Pedro da Silva, visto te-
rem sido julgados iieapi7.es do servieo do exer-
eto, como se ve dos termos annexos dos seus of-
lieias de 7 e da crreme-, sobas. 3K a 340.
V 3ii.Dita ao inaaOstor do arsenal de mari-
nlia.Mande V. 3. postar amanhaa as 3 horas
ila tardi' no caes desse arsenal a galeota, alim de
transportar para bordo do vapor Cruzeiro do Sul
Exm. conselheiro lose tiento da Cunha Figoeire-
ilo. presidente do Para, i[ue segu para a corte
n aquelle fNff,
N. 31.".Dita ao majar Antonio Doradlas C-
mara, caftn Trajano Alipio de Camino Men-
dooca e Jo:ij v\n iv'ivira liostos inemiiros da com-
missao f.'arrii;ida de irrecadar e inventariar os
han da enloma Militar til l'imenteiras.-Recebi o
illli'io i|ue Vines. i dirigiram ein data de 5 do
corrate, e ioteinMa do quanft n'elle me expen-
dem, tenlio a dizer-lhes em resposta que os auto-
li-o, nao a vender conu propoem os movis de
dilllcil despendiosa remocao, |>erteneentes a ex-
lincta eufona r que fazem monrao no citado of-
ticio, mas a p6-los sob a guarda e responsaBilidde
de peasoa idtmea, lavrando-se disn termo, e fa-
/eudo-se o niesuio pira cotii as imairens calalas
da cape'la. Ficam p ir V'iftcs. aatoroados a ven-
der us eavallos e (fado e ottiros animaes so hou-
vrem Mm smcCssarta pafMMlMa por meio de
'iHtaes pubiieads por tras di*s, bam como, a ar-
rendar os predio r auem p.ir ellos mais olerecer
mediante as levidtt n;iHyii.
i ,'<;3o.
\. :(41Potiaiia ao Dr. ehcfe de polica inteji-
iio.Teodo viudo no vapor Cruzeiro do Sit/ re-
uu'ttido pelo pre.-id-nU' do Uiollrande do lurte,
i desertor de hatlliao de infaiiiariadoexerc^-
lo l,eii.rdo da G>U Itewrra, recommeodoa V
s. qoe o ai';- desumbaroar e |KJr a disposi^ao do
tirigadciio comnvmdante I v. irmas para ter o con-
vi-iMciiti' destino.
N. ;!i7.Dita a i laate superior inte-
iiio da guarda nacional do Recite.Sirva-M V.
S. providencial' para que aniaohia as3'/z horas
da larde se afhe po suarda no caes do
arsenal de manaba, atku li faaer M liornas de-
vidas ao prndenle do Para soaaeltieiro Josi lien-
todaGaotn b'igueiredo, qae segae para acorte
no vapor Ci nzciro dn ?iil a tomar assento na as-
sembta jeral legislativa.
N. 3iS.Delihi'iaeai. -O viee-presidenle da pro-
vincia de conformidaJe. man a proposta do Dr.
eliefe ,lo potista em oficio n. 83'.) de 8 do Borren-
t resolve exonerar dos lugares de 2'. 3", 5" c6
-upplenie-do subdelegado do distrieto de S. Vi-
ente, bflfi 'u"des Aloofarad, Bebastia Jos
.le tfendiinea, Pranaseo ijabral de Mello Caval-
ante, Aine'ricu luid d'.Unuqnerque.
If. :<19.Dita.0 viee-nvesidente da provincia
conformando-se com a proposta do Dr. chefe de
pefleti Un aflleio n. tWI>de 8 do crreme resolve
minear para os lugares lc, i*, 5' e C" supplenle
rio subdelegada do di-tr.; de S. Vicente do ter-
mo de Iiaml'iH os cid;:'. untes na ordem
de mi:: COi rafS i : I'r,:n-v o Cabral de Mello Ca-
valcanie, Alainn'l CaOrai da Mello Jnior, Joao
Francisca da Moma, Jos Joaquim do Espirito
Santo.
3* sectiSo.
X. 350.Portara ao presideate da Associaciie
Omi-ii 'ix-ial Benc&couu.'.Uesptmdeodo ao offloio
que a dihejlo da A i Commer-al Beneli-
do o coHector nomeado para a cidade da Victoria.
Alexandre Jos afaria de IlolUnda Cavalcaoli, dei-
xa por isso de ser satisfeita a rcqaisicao de V. S,
comida em oficio de 3 do oerrentc, sob n. 314, a
quo respondo.
X. 338.Dita ao mosmo.Depois da liquidada,
em vista das eontas juntas em duplcala, a Jespe-
w feita oom o fornecimento de luz e agua para o
quartul do deslacamento da cidade do Ro Fonno-
o, durante os nuaes de setembro do anuo prxi-
mo passado a niaio ultimo, mande V S. pagar a
sua importancia a Manoel Antonio Soares Jnior,
conforme solicitar] o chefe de polica cm ofBeio de
lienlem, sob a. 845.
N. 339. Dita ao inesmo.Recom mando a V. S.
que em vista dos prets juntos em duplicata, que
me remetteu o commandante superior da coinar
ca de Palmares eom offleio de 7 do correte, man-
de liquidar os veneimentos a contar de 14 de fe-
vereiru a 31 de maio deste anuo, dos guardas na-
cionaes destacados no povoado dos Montes, e pa-
gos os de fevereiro e marco a Antonio Domngues
de Almeida Poijas, os de abril a Manoel Garlos
Maia e os de-maio a Jos Rodrigues Pinheiro.
N. 360.Dita ao mesmo.Declaro a V. S. para
seu conhecimento, e afim de que o fa$a constar a
quem competir, que confbrmando-me com a pro-
posta do collecnor do municipio de Iguarassii,
|ue se refere o seu offleio de liootem, sob n. 327,
resolv nesta data nomear o cidado Ignacio Mar-
colmo Bezerra do Amaral, para esercer interina-
mente o lugar de escrivao da mesma collectoria
N. 361.Dita ao mesmo.Confonnando-mecom
a proposta do procurador fiscal dessa thesoura-
n_a datada de 8 do. crrate, resolv por delibera-
cao de hoje nomear os hachareis Joao da Cota
T
n\? ni^r MB!2.Brfin. ^f ,tef?w Wpos,a f *m oflkio aesu AiS* m' 'ae Anlooio Jos JoaoiMD e Justa Marta da
?J? g^r f capiIo Jol,"n. S,,T*> de-Souaa dea expelda a roaveniente .>rdWi .ios agentes da !,.,;-
os i rimemos constantes do citado offie.o. eo ..panliilBrasilera par mandarem transportar i 3' ,
- wraacor|os3!i|jfc3.isdoV'bataI.i deart-'
N. 37!).Ditoao juiz de dlrcito interin do Rio
Formoso Jos Julio Kigueira Pinto de Sotiza.
O Exm. Sr. viee-presideote da provincia mandil
ti.'clarar a V. S. que fica inlcirado pelo seu offleio
do I." do cwrrente, de er V. S. essa data assu-
mido o crxereioo da vara de dlreito como primeiro
substituto.
80.Dilo ao juiz municipal do
Bnique Antonio Fernando* Trigo de Loureiro.
O Exm. Sr. vice-presdenle da provincia manda
arcusar o reeebfmento do officio de V. S. de 6 do
corrente, em que participa ter nessa dala entrado
no guso da licenc de 30 das que I lie foi con-
cedida pelo censelheiro presidente do tribunal da
relac3o.
3" seceso.
N. 381.Offleio ao inspector da mesouraria de
fazenda.O Exm. Sr. vice-pre?td!le da provin-
cia manda communicar a V S. para os fins con-
venientes que segundo offleio do juz municipal da
Uuique. Antonio Fernsndes Trigo de Loureiro, de
6 do corrente, nessa data enirot ellenogoa>da
liconfa pie llie foi concedida pelo consdheiro pre-
sidente da relacSo. ____
f. 382.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. viee-pre-
sidenle da provincia manda declarar a V. S. para
;eu conhecimento e ttns conveniente? que no i.
to corrente assumie o juiz municipal do Rio For-
moso bwhapel Jos Julio Rigueira Pinto za, o exTcicio da vara de direilo da comarca do
__i ue
aria a pe je qne traa o .< efado Ofle.
X. 4tO.-HJ(ncia ao Dr. ein*! de polieia.De
ordem do Exm. Sr. vie'presidente da provincia.
enho a declartr a T. S. que n->r delilniacio des-
o data foi exwiflr Jo do cargo aV 1 sappieote do
teniw do sflbilelegado do distric*) de Agua-Preta, Joa
Flix Xepomucem Jnior, deconformidade com*
proposta de V. 8 em officio u. 853 d 10 do cor-
rente.
X. 411.Dito af> mesmo.te orden do Bxra.
Sr. vice-presidenll da provincia, transmiti a V.
S. o titulo junio dBBome.'icao de Joao Antonio Ro-
drigues para u caigo de subdelegado dmlNrieio
mesmo nome como seu primeiro substituto
X. 383.^Dito ao mesmo,De ordem de S. Exc.
-. o Sr. vice-prosidente da provincia eommunico a V.
,ni r *1 lM Bni8^eo. "? 6oe Laval" s- Q"e segando consta feoffiem do Exm. e Rvm.
and, para os lugares vagos de ajudairte do mes- prelado diocesano, de 8do corrente, sob n. 114,
de Periptfi da
com a sa pr<
mo n. 767.
N HV-Dit a
sitente da pro m
nesta data sed uo
provisorio de p lie
escolta de que ira
corrente, para i o
mo de Igitrasj.
X. 111.DiM io
no da guarda i ciontl
o ile'Bonito, de eonionnidatJe
;n oflieio de 2o de maio ulti-
lesmo. inanda declarar a V. S., que
emae commandante docorpo
para Hu ser apresenrada a
u sen offleio n. 834 de 9-do
i de criminosos ao ter-
umandante
reate, dirigi a e-t i pr> ciencia em 11 de maio
ultimo, tflfhd a diz r a V. Rre. que nesta data me
dirijo a eompanbia de ieeeribe, afim de que na
factura .la passadij pata .> eacanamento d'agua
dobaino de San./ Antonio aodo Recite, atienda as
rcclam t'.-o'.s que i.,' a iikesma associacio no seu
citado Ufficiu.
X. 331.Vita a i ius w i da tliesouraria de fa-
/onda.Km visla ila oi:.u. relacotfl nominaos e
prets juntos em duplicata, que me remetteu o
.'ommandanle marea de aranhuns
com office %!) n 46,mande V.
R. liquidar e pagar ao capilao Joaquim Stlverio de
Souia, os vciiciniei il e pracas desta-
-ados na villa d i B H%0 os daquelle rela-
tivos a me. de abril ui:."-.% e as dqsta* ao cilado
mez d" abril e au Je mai i prximo lindo.
. 331 Dito aa uwsmo.Awoodendo ao que
v. S. qxpoz cm sua informa^ de 7 do coiTenie,
sob1 ti. 362. resolv abrir a essa thesouraria sob
inlnha responsabilidad'!, nos teouos do 7 do art.
">" do decreto n. 884 d i i^ de fevereiro de 1862,
um crdito upplemen.ar a importancia de.....
I4:8927iil>, para eorrcv as despezas no actual
exerdeio por coila da verba-Forca navaldo
niinisterio k inarinli, .oc declare a. V. S. pa-
ra sen corilieeimn i < 'es onvenientes.
X. 3o -Dita ao iiHpecttf da thesouraria pro-
vincial. -Iuleirado do c. ntedo do seu officio de
*i do corrente, sob ti. 3io, lenho a dizer em res-
posta, que visto ja bver prestado tiaiuta o collec-
tor dii municipio d i>6Je V. >. consentir
que enlre <;lle em le suas funccOes in-
dupendentomento da ooBetutao do especialisago
a [hinca c uno tom praticado com ou-
trascm i.. ircumstanc
X. 35.Dita ao mesmo.Transmuto por copia
i V. S. para seu c-v.iheeimenlo c devidos effoitos a
deliberacio do-ta dala peir. qual resolv suspen
U;r do lurnc.io das rospoclivas fune^>es, o col-
ir de rondis pr;vmeUes do municipio de
li, JoaqniH reir de Aguiar.
R. 3.Dita a.) me- :-io -Providencie V. S. pa-
ra qnadapoiii de li em vista da folha e
da, sejam pagos a Manoel
Antonio Soares J.inior. conforme solicitou o c*m-
mandante sai
mo procurad'r ttseal, est na eonarea de Gara-
nhuns, c aquelle na do Bonito ; o que declaro a
V. S. para seu onhecimento e devidos efteitos.
S. 362.Dita ao ctiefe da reparticao das obras
publicas.Constando a esta presidencia como vr-
balmente Ihe expnz que se pode com a abertura de
una pequea picada no lugar denominado Besou-
ro, realisar um atalho eonsideravel o de grande
vaiilageni para a estrada do norte, em relaeiio es-
pcialment a cidade de Nar.areth, reeonimendo a
Vmc. que me informe circunstanciadamente so-
bre este assumpto, mandando desde logo abrir
aquella picada, alim de facilitar o transito que
durante a estacao invernosa torna-sc difflcil pela
estrada de Caxang.
N. 363. Deliberacao. O vice-presidente da
provincia, leudo a vista o que expoz o promotor
li-i-al d.i collecioria de Ilamb em officio junto por
copia e o do inspector da thesouraria provincial
n. 2% de 20 de maio prximo (indo, resolve sus-
pender do exercicio das respectivas funecoes e
coHector do municipio daquelle nome, Joaquim
Jo. Moreira de Aguiar at que se "verifique se
est eu nao em ale.inea nra nftn a anteada, sendo
no eaiietanlo >ul>siltuido oos mrmt do Wl Wfi [
12 do regnlamento de 15' de sefcmliro de 1861.
N. 364.Dila.O vice-presidnle da provincia
conformando-se com a proposta do procurador
lineal datada de 8 do corrente, resolve nomear os
hachareis Jofio da Costa Ribeiro Machado c Jos
Francisco de Ge Cavalcanti, para os lugares va-
nos de ajodantes do mesmo fiscal, este na comar
ca de- Garanhuns o aquelle na do Bonito."
X. 363.0 vicc-presidente da provincia confor-
mando-se com a proposta docollector do munii-
pio de Iguarass, a que se refere o officio do ins-
pector da thesouraria provincial datado de hon-
tem e sob n. 327, resolve nomear o cidadao Igna-
rw> Marcolino Bezerra do Amaral, para exercer
interinamente o lugar de eserivo dapiella collec-
ioria. que se acha vago por fallecimento do res-
pectivo serventuario Claudino de Menezes Yascon-
cellos de Drummend.
X. :W8.Dilo ao recodor doGymnasio.Remel-
lo a Vmc. para seu conhecimento e em resposta
an seu officio de 21 de maio prximo lindo, a in-
clusa cuia do offleio que me dirigi o in da thesouraria de fazenda em 7 do corrente, sob
n. 3113, acerca do despacho livre de direitos na al-
fandega desta capilal, das tres caixas com louca,
vindas de Lisboa, no vapor inglez Chrijsolile com
destino a esse estabelecimenlo, de que traa o in-
cluso conhecimento.
X. 369.Dito ao director da companha dcUc-
bi'i'he.Em vista do que pondera a Associacao
Commercial Beneficente no offleio junto por copla,
datado do 11 de maio ultimo, e do que informou o
chefe interino das obras publicas em officio d< '.>
do corrente, transmiti junto por copia, recommeu-
dando a directora da Componhia de Beberibe, que
na factura do passadisso que esl cxeculando para
a passagem do encanamenlo d'agua do bairro de
Santo Antonio para a do Recife, attenda as recla-
macoes que faz a mesma associacao no cilado of-
lieio.
X. 370.Dito ao gerente da companhia Per-
uambucaPode Vmc. fazer seguir para os portos
los de seu destino os vapores Pirapama e Pfltevgi
no dia 15 do corrente a hora indicada em seu offi
co de 9 do correnle.
!f. 37!.Dilo ao mesmo.Podem Vmc. razar
seguir para os portos do sul o vapor Cruzeiro do
S'amanhaa ajiora indicada em seu efncio de
boje.
BXPBNCNTE ASSIGXADO PELO SR. DR. JOAQUM
HF.A DE AltAUJO; SECnETAHIO UO G0VERN0, EU 10
DE IL.NIlo BE 1869.
! sec^ao.
X. 372.Officio ao commaudate do brigue barca
llumarac. S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em resposta ao seu
offleio de 3 do correnle, sob n. 231, que a Iheso-
raria de fazenda tem ordem para pagar os venei-
mentos de que trata o citado offleio.
2* seceo.
N. 373.Offleio ao Dr. chefe de polica interino.
O Exm. Sr. vite-presidente da provincia manda
transiqittir a V. S. para os convenientes fins osti-
l'oi por despacho dessa dala prorogada por mais 3
mezes a licenca de que goza, eom o vencimento da
respectiva congrua o vigario da freguezia de Una
Candido Jos Al ves da Silva.
X. 381.Dito ao mesmo.De ordem do Exm.
8r. vce presidente da provincia eommunico a V.
S. para os lins convenientes que a 8 do correnle
segando participa o Dr. chefe de polieia em offleio
n. 843 de 9 deste mez, foi lirado do rio Canibaribe
junto a rampa que lica atraz do tlieatro de Santa
Isabel, o cadver do presioneiro paraguayo fos da
Trindade.
X. 383.Dito ao procurador fiscal da thesoura-
ria provincial.S. Exc. o Sr. viee-pres'ideMe da
provincia manda declarar a V. S. para seu conhe-
cimento e alim de que o faca constar a quem com-
pelir, que, conlorinando-s com a sua proposta
datada de 8 do corrente, resol ven por deliberacao
de hnjo, nomear os linchareis. Joan d* Costa Ri-
beiro Alachado e Jos Francisco deCes Cavalcan-
superlnr interi-
De ordem de
S. Exc. o Sr. vil -presidente da piouuua, UBtaViiA
a V. S. em re esta ao seu officio de 10 do coi*-"
rente sob n. II, ijuo nesta data se mandou ix'ir
em Hberdadc oguida nacional Jos Evaristo do
Xascimento coijo\y. S. solicitou em seu citado
officio.
X. 415:Ditobmtz de dlreito da i1 vara desta
cidade.O Exm. i. vice-presidente da provincia
manda declarar a "y. S. que n-sta data s reiterou
ao commindanie do eorpu provisorio de polieia a
ordeo expedida a" 9 do corrente.. para apresentar
a V. S. a'forca qte cnstume ir para o tribunal
do jury e que jxif V. S. foi requisitada em offleio
dessa dai
1 3.' secejin.
X. lie.s-Onicioao chefe"da reparticao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. vico-presidente, da pro-
viii-ia manda declarar a V. S. em resposta ao seu
offteie de ft do correnle sob n. 217, que a ttiesmi-
i'ari i de fazenda tea ordem para pagar a quanlia
de 18-5. constante Jo citado offiei,-.
4." -"(.
X. 417 Officio ao Dr. Armario Coriojaao lava-
res dos Santos secretario daassembla legislati-
va provincial.:K. 112.De ordem de S. Exc a
Sr. viee-presidente da pro\-incia. transmuto por
C'ipia a V. S. para ser presente a a.-semblra legi-
lativa provincial a inclu-a informacao ministrada
te para os lugares vagos de ajndante dessa proco- pela repaeticau das obras publicas em ofllcia de 8
radoria tiscal, este na comarca de Garanhuns e do corrente" sob n. 215, relativamente aos poriu-
le na do Uouilo.
nfRLU,
H DE JU.NHO E 1869.
ein officio '} '-
livog ao mez de-Aawi
da guarda iu-
R.3
; i da Cnaha. i
lemellcu o ex><
itmo,
villa.
5.
,ilo do Rio Formoso
' veneimentos rea-
do ofTtcial e pravas
naquella cidade.
Marta Ferrei-
ar depois de liqui-
, pret nominal que me
f/ir do municipio
le 4 d > corrale, i* ven -
s ao mez de maio deste
uaquolla
i,dos juntes de nomeacao dos 3., i.*, 3. e 6. sop
pentes do sabdi'legaflo do dIStricto de S. Vicente
do termo de Ilamb, de couformidudo com a pro-
posta de V. S. em offleio n. 839 de 8 dcsto mez.
X. 374,-Dito ao mesmoS. Exc o Sr. vice-
preSidetite da provincia manda declarar a \ S.
em resposlla '0 seu offleio de hontem, sob n. 84.,
que nota dala autorisou-se a thesouraria provin-
cial a pagar a .Manoel Antonio Saares Jumor, a
quantia de 63/520 constante do citado officio.
. 375 Dito ao commandanie superior da guar-
da nacional do Rio Formoso. S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia respondeodu o officio de
V. S. datado de 2 do corrente, manda communi-
car que a thesouraria provincial tem ordem para
pagar a Manoel Antonio Soares Jnior, os venei-
mentos- constantes do citado offleio.
N, 376 Dio ao commandante superior da
guarda nacioual de Palmares.S. Exc. oSr. vice-
presidente da provincia manda comminDcar a V.
S., que traaMMtio a^esMMHcia provincial para
os uns coavenientes, os prets que em duolieata
vieram annexos aos seus offlcioi de 7 do cor-
rente.
N. 3-77 Dito ao commandante superior da guar-
da nacional do Limoelro.Xesla dala autori*oii-sc
a theseuraria provincial a pagar a Jos Maiia For-
reira Ja Cunha os veneimentos constantes do pret
que velo annexo ao offleio de V. S. de 4 do corren-
te, o qual Tica assim respondido, de ordem ti .Eim.
Sr. vioe-presidente d&previocia.
N. 378.Dito ao comaaadanlesuperior da guar-
da nacional de Garanhuns.O Exm. Sr. vk'p-prt-
sideole da prdvihcia manda communica a V, S.
j titula- em esjoista o seu fflro de 3
PROVIXCIA. EM
l'seecao.
X. 392.Portara aoExm. Sr. general comman-
dante das armas.Pode V. Exc. fazer seguir pa-
ra a corle no vapor Cruzeiro do Sulos recrutas
mencionados na relacao que veio annexa ao seu
officio de 10 do corrente, sob n. 310. menos os de
nomes Jos Evaristo do Nascimento e Jola Fausto
do Xascimento, que nesta data os mandei por em
liberdade, por terem provade isencao leal.
X. 393.Dito ao mesmo. Mande V. lixc por
em liberdade o lecrula Joo Fausto do Xascimen-
to. visto ter provado isencao legal.
X. 391. Dito ao mesmo.Mande V. Exc. por
em liberdade o rccria Jos Evaristo do Xa.-ei-
mento, o qual vem mencionado na relacao dos
que teem de seguir hoje para a corte no vapor
Cruzrii o do Sul, visto ter provado isencao legal.
2" sccco.
N. 397.Portara ao juiz de direilo interino da
I.' vara.Fico do posse do officio de 2 de abril do
correnle anuo, com que V. R. r nictteu-me os
mappas eslatislicos desse juizo. e os di muni-
cipal do termo do Uurioury. Teudo viudo entre
aquelles uns mappas sob n. 9, que nao sao, pelo
respectivo regulamento, exigidos dos jutzes de di-
reilo, devolvo-os inclusos, assim como o de n. 16,
para que volle com indicaran do numero dos ja-
lados qualiflttulns, eliminados e exisieoles.
N. 398.- -Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Slande Vmc. apresentar u> chefe
dd polica nina rdrea suffictenle do corpo sob o
seu commando para escollar al o termo do Igua-
rassii 4 reos que tem de responder ao jury all,
devendo a mesma escolta demorar-se al seren
clles julgados.
X. 399.Dita ao mesmoReitero a Vmc. a or-
dem quo Ihe foi expedida a 9 do corrente. para
apresentar ao juiz de direilo interino da 1 vara
presidente do jury a guarda que de costume
ir para esse tribunal, e que devora ser foThecida
pelocorpo sob seo cominando, assim que for re-
iccebido o presente officio.
N. 400. Deliberacao. O vce-presidonte_ da
provincia de conformidade com oque expoe o
chefe de polica interino em officio n. 818 de 4 do
corrente, quanto ao engao havido na nameaeao
ue Joao Antonio Rodrigles para o cargo de
subdelegado do diUielo to Peripiri, declat-'and >-
pertencer este districlo au termo de Uuique, quan-
do devia ser ao de Bonito a (|ue elTeelivanieute
pertence, resolv, que, rectificando o engao, se
pas-e novo titulo ao nomeado.
N. 401.Dita.O vce-presidente da provincia
lyulniinaiiilo-se com a proposta do chele de M-
lieia u. 833 de 10 corrente, resolve exonerar do
cargo de 1. supplente do subdelegado do 1. dis-
tricto da freguezia de Agna Prela, a Joao Fex
Xepoir.uceno Jnior, por haver mudado sua rasi-
dencia para lora do distrcto.
31 seceo.
X. 404.Dita ao mesmo. Expe?a Y. $ stW
riten-; para que em vista da conta junta em dn-
phcaia, que me remetteu o chefe da reparticAo
das obras publicas com officio de D do correle
leja paga a quantia de 18^003 proveniente dos
dos menciona los no offleio de V. S. de 26 de maio
. 73. uue lica assmi respondido.
PKSfACIIOS DA TKR-PIIEsidlCTr.lA DO DIA HU1
E AGOSTO DE 1859
Antonio Loh de CRtveira Azcvedo & CInfor-
me o Sr. inspector da thesouraria no fazenda.
Abaixo assignados guardas nacionaes do mu-
nicipio de OlindaInforme o Sr. coronel com-
mandante superior da guarda nacional dos muni-
cipios de Olinda e Iguarassii.
Rento Ju;. da Costa Uibeiro.Junio este ao re-
querinienti anterior, volte ao Sr. inspector da
thesouraria de fazenda para informar.
Francisca Mara da Annunciacfio.Infoniie o
Sr. Dr. director geral da instniccao publica.
Justino Jos de Sant'Auna.Informe o Sr. Dr.
chefe de polieia.
Corone! Joaquim Cavalcanti do Allmqucrque
Informe n Sr. insjieclor da thesouraria provincial.
Jos Bruto lleltrao VcIIomj J Ir.ram expedi-
das as providencias precisas pelo Dr. chefe de po-
lica.
l.uiz da Veiga Pess.i.Cjnceda-se com orde-
naiido smenle.
Man le Joaquim BaptisU.Informe o Sr. chefe
da icpariieao das oln-is pablicas.
Scverina Gomes da Silva. Cmcedo os trinla
das pedidos, porm sem sold.
Capilao Tibicio Irilariri da Silva. lavares.
Conceda-re a prorogaco de loas mezes pedida,
-31-
Antonio Fcrreira dos Santos Jnnior.Drija-se
ao Sr. inspector da thesouraria d fazenda.
Fr. Antonio de Santa Anglica i'menlel.In-
forme o Sr. Dr. chefe de polieia.
A:naiM Jos do Amaral Drija-se ao Sr. direc-
toT geral interino da insti ucea i publica.
Camarina de Luna Mftttuso. Dirija-re ao Sr.
director gral interino da insliuceo publica.
Francisco de Paula lo Reg Barros.Drija-se
Sr. director geral interino da inslrnccao publica.
Francisca l.ud ovina de Borja RibeiroConcedo
o prazo improrogavel de trinla dias sem prejuizo
dos reaueclivos veneimentos e contado do dia em
que deitar o e:;i-reido da cadeira da povoacao de
Abreu de Una.
Jos Leao de Mello.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Joao Manoel Soares :e Silva. Informe o Sr.
I'.vd. vinario da freguezia lo Bonito.
Jos Das dos Sanios Informo o Sr. inspector
da thesiuraria de faWnda,
I iao Maiinbo Paes Brrelo Jnior.Informe o
Sr. general commandante das arma?.
Bacharel Jos da Costa f'.ai valho Guimaraes.
Inileferido.
Manuel Martins de Ca valh ..Pagos os direitos
como requer.
Manoel Francisco de Ilollanda. -Informe 0 Sr.
Dr. chote de piqcia.
Maria Joaquina de Jess.Pagos os direitos na-
cionaes, como requer.
Regerio Lucio da Silva Mergulhao. Dinja-sc
a i Sr. director geral inTorlno da instruccao pu-
bRca.
Yisconde de l.oures. InJeferido vista das m-
l'ormaeoes.
Justino Franctsro da Srha e Joscpha Ma
fia da Concelfo.
Jagel A.tltiwe de Uhq e Aoaa Maria
da Nazarelli.
Eraygdio Lins Tararea c Joaqoina Maria
da OmPtfJo.
Jos Alexandre dos Santos e Maria da
Gl ria ce Jestis.
BernarrJo Pereira Cardoso -e demencia
Maria da Eonceirao.
Manoel Francisco e Fe!ismia Maria da
Conceico.
Antonio Vicente Honorato e Joaojoina Ma-
ria da Concerco.
Joaquim Marinlio de Carvalho Jnior e
liaaja Joaqiniia da Conceico.
Pedro .Soares da Costa e h'elismina \l h ,:>
da Conceic5o.
Florencio Lopes ile Menezes e Cicilia
Lopes das Ciiagas.
Antonio Vicente da Silva e Francisca Ma
ria de Jess.
Joao J'3Q, Bar>|t

Jii:" '
Marcos Antonio dos- Kanlr* e Joanna
Marta da Conceico.
Serafim e Veneranda.
Victd Luiz da Rucha e Maria da Concei-
co. *
Manoel Xavier do Nascimento e Isidora
Mbula da Conceico.
Joaquim de Freitas e Maria Tliomasia.
Commando das armas.
niArrix-cuMiiM.no comm.vndo d.vs .vhm.vs de ckh-
NAMHICO, 2 DK SITKMBRO BE 186.
Ordem dn din n. 448.
O brigadeiro commandunte das armas faz pu-
blico para conhecimento da guarnicao e devidos
lins, que em 2V de agosto lindo, assnm'ii interi-
namente as funecoes de inajorda prac.a do pre---
dio de Fernando,'o Sr. capitao aggregado agraa
ile infantaiia Joaquim Antonio de Moraes nomea-
do por aviso do ministerio da gtiena i'-' J> mes;
mo mez, para subtituir o Sr. car^o reformado
dO e\ereit<> Leopoldo BoTges apresentou-sc hontem i~ quartel-general, e a
PesMiMo 4e quem o /-immandanle do presidio em
oflVin'do refer'''dia 24, assim se exprime :
, (.;S| .ominando compre um dever de reco-
nhecia justica declarando a V. Exc. que o eapi-
u ln|Xildu l'eboa duraola a imriodo de StS,,
mezeeijue coercen o lugar de major da praca do
presidio, foi sollicito no comprimeto de sens de-
veres, justificando plenamente o conceito que ge-
ralmente goza, de hone-to, intelligente e zeloso ;
sua auzeria nao pode dexar de prejudicar a
marcha do servieo, que Ihe eslava eontiado, e que
ella sabia com lealdade sustentar.
AwignaBoJoayftw fo* Ooocahet fiante*,
ConformeBmtftM Ernesto de Mello Tambo-
nm, lente ajudante de ordens euearregado do
detalhe.
DIARIO DE PERNAMBUCO
cmceiios feitos na ilhuninacilo no' palacio da pre- i
sidoncn no mez de maio ultime.
4.' seocio.
N. 4U6.Portara a cmara municipal do Be-
cfe. Concedo a aulorisacao que pede a cmara
municipal do Recife em su olHclo de 9 do corren-
le, Jauto n. 37, para despender a quanlia de 19ft
era Que foram oreados os cotcenos de que ne-
cessta o cano que da esgun as aguas que no
lempo envernse se accumulam nos quintaos e
sitios da Casa Forte.
N. 407 Dita aos agentes dn companhia brasi-
Itra de paquetes a vapor. O Srs. agentes da
companhia braslleira de paquetes a vapor nian-
dem dar transporte para a corte por cunta do mi-
nisterio da guerra no vapor Cruzeiro do Su'
Segantes recentas .Vnlonio Joaquim dos Same-*.
Amanto Jos Torres, Antonio Soares da Silva, Joao
M. Falciio e Manoel Maria da Bva.
N. W6. Dita aos mosmos. Os Srs. agentes da
companhia braslleira de paqdetos a vaaor inan-
dem dnr transporte para a ooNe-por cunta do Wi-
a-terio da guerra aos soldadas do 4. batallo de
animara a m 'ftailheriuino da Costo. Pedr, Ma-
Bool Correa da Gama Ramos, e Cyrillo vda Silva.
EtTEDIStE ASSIfifADO PKLOSR. Dlt. JOAQCIM CORREA
de arat'jo, skchexam* 00 g0ve1wo, em 11 ok
junho db 1849.
t Megaq.
X. 4<10.Ollk'io ao Exui. Sr.iMneral commaii-
ante'das armas.De ordem de S. Esc. o Sr. vi-
.ioverao do bispado.
LISTA DAS I)1SPKNSAST.HK('.A0AS II/nMAMEMT.
DO K10 Bf. JANK1R0.
Jos Jacques da Costa Cuinaries e Hila-
cha da C ista ttaimara"--
Antonio Barbeta deiLima e Francisca
Maria de Lima.
Jos Antonio ide-'Olireira e Joaquina Ida-
lina de Jes6.
Jos de Azevedo Maia e Maria Bosalina
de Jesos.
Francisco Goncalves de Mello e Maria
Jovina da Oiticcico.
Kctmnndo do Kc^ Barros e Ananias Can-
dida fio Reg Barios.
Joo Antonio dt**ra e Josepha Fran-
cisca ia Fon seca.
Belisario de Olwero iima e Thereza Ma-
rra Vwira.
Jeo Simao fvreira de Mello e. Leonor
Maria da Oipjteicao.
Pedro ttiiyjstre fioncalves Be->iire Arma
LeonarrJa1 ferreto Bezerra.
CattiliAfl-.jD's tte CrvaHif, Sal vina Mar
Recipe, 3 de setemdho de I8ii'.l.
Trasladando para as nossas columnas o bem ins-
pirado artigo editorial abaixo, do Diario do Rio,
assignantes, facilitando lites os rneos de se id.n-
licarem cora as ideas da Ilustrada redacao
daquelle jornal.
Na venlade, por mais curta que seja a intelli-
ajBMfa de quem o ler, fcilmente daprehendcrj
que sao as ideas aiii emittidas as mais saase pro-
veitosas nos dillicilmos lempos que vamos attra-
V ICt'l 11(1 i
Essa apologa do traballio, essa quasi deilicacao
do eslorco combinado, iniciando e desenvolvondo
a industria, promulgando as leis da verdadeua ri-
queza pelo amanb.0 da Ierra, pelo desenvolvimenlo
atilado da inlelligencia, pelo emprego funda lodo
capital, e finalmente pelo espirito de associacao;
nada tem de exagerada, porque esse com aflato
o resultado que se colhe da meditaran nos princi-
pios i conomieos.
O trabalho, a melhor o mais real fonie da ri-
queza, devo ser a aspiracio mais lata do noss
joven paiz. S elle pode e deve salvar-nos dos
horrores actuaes, desanuviando o reo do nosso fu
turo das negras e pesadas sombras que o c.obrem,
e fazendo apparecer om lodo o seu brilho o sol
que ontr'ora nos aquecia.
Na iniciativa particular reside o germen da
nossa grandeza futura, pela hoaapplicacao dos es-
foreos e do trabalho humano, em cata (ios thesou-
ros inexgolaveis que nos podo offerecer o hosso
ubrrimo slo.
A poca de trabalho, o nos r.ammhamos para
um lempo em que toda a grandeza consistir ne
trabalho intelligente. e por i*so mesmo proveitoso,
auxiliado pela actividade, de onde nascer o bem
estar geral.
is o artigo, cuja leitura rcoomraendanios :
Va, 12 de. a gimi- de 869.
As enormes despeas da guerra bao de ser
pagas pelo trabalho; esta a nica e verdadeira
soiuco. Us emprestiiiios. augmentando a divida,
apenas adiam o seu vencimento. A reforma nao
ti pagamento; se alivia poremquanlo o devedor,
nao o desobriga.
Trabalhar deve ser o grito desta guerra in-
cruenta da industria, do commercio e da lavoura,
contra a divida representada pelo papel-muoda
resultante de crescentes dficits.
Esta sltuacao linanceira causada pela guerra,
anormal e cheia de dillleuldades. De da em da
os compromissos augmentan), entretanto os capi-
laes fogem e o trabalho diminue.
A etmaaii das tarifas sobre a importa:ao>nem
lempre corresponde ao augmento da renda. nles
nao de estraubar que produza elWTio contrario.
i Proclama-se com serta inadvertencia une o
paiz tem mnitos reeursos. Em abstracto assim e,
porm esses reearsu*. por mais abundantes que
s. jara, nao se offerecem prhno capientis; exigem
e-l'orcos, saciiiciop, trabalho em tira.
. Para ex|dorar esses mananc'iats, o aproveitar
lao generosos donavos da providencia, nao se
< A guerra como o raio. que deixa cittsua
passagem estragos mn minore logo reparar, lur-
eando o augiHMio fa fwpezas rniproOnctivasi >
sentido econmico, a gnerra concorre tambet
para a diimouicao da rcitda.
Altelos exdushwneui.' para a direcjio div
guerra, nao nos snreeda como ao sabio aaltotogb'
fie, ahsorvidv na observac/to da eitreHa, cabio ntv
itbvsmo I
Esses grandes espeetaenfos le sanguo o in-
trepidez attcaem a curiosidade dos povos, e como
que os distraen? de orcupariies mais lucrativas c
que nao deixam de ser taiatem gloriosas O tra-
balho tem suas victorias, tanto mais brilhantes
que promovem a felicidad*' dos homens, a iudc-
pendenria lo cidadao e a consotidacao das iusti-
tnieSes hvres. POlle-sa' emftm asseverar que o
trabalho o agente poderoso o> indis as grande-
sas moraes e poltica, inclusivr a gloria militar.
p >!< que egeral o proveitiio ; o Mnheiro o er-
vo da guerra.
Qnnndo nm paiz lauca nos ahysmos da guer-
ra o sangue de seus soldados e os recnr*os linan-
ceiios de qiw |xide disp.ir, costomo responder
aos que reclaman) atiene, para os melboramon-
his m^terines no interior : arpis dn pterra t
Este afflicPivo adiaincjtti pnde-se MipporUr
respeito das guerra* europeas, rpidas e decisi-
v,->s; mas nao assim de guerras prolongadas e
cuja terminara niugurm se julga habilitadoa
linn-er. "_
l^^*r-',' ........ -!..... do rtViSi"CV>m-
mereio, da nossa lavoura, e da nossa nascenic in-
dustria J Logo que a lempesfaiie do ltf eslalloii,
aunaram-se em capa resistido com imllcxivel
constancia. Mas nomo sustentar a nosleSo, se os
cabos arr^beniam rvm por tiaijP o navio .lineara
descoser-so? !
t A renda liquida da hmara nao pride vencer
a alta dos joros, que vai ludo absorvendo. Qa^in-
do o lavrador so convencer de que a trra nao o
pode salvar, o (pie tara 1 Appellar paro os ex-
tremos recursos, de sunegacio contratos clan-
destinos. O coinuicreio seu tnrno. sei meios
de resistencia, lera tambera de render-se fata-
lidade invencivel.
. Nenias circumsiaueas a iftdaatria seria o ul-
timo salvaftrio. Mas a iiwlii-lria, prineipalinmite
(01 um paja novo em que hado esta por explorar,
dewianda nwiilos cajntae-.
Para sahir deste marasmo em que vamos
caldudo, para acordar aondnnca desalentada, o
fazer briloar esperaacae j abatidas, o gavei'no
inuito pouco pollera azer, mus uo assim a ini-
ciativa muivi.lnal louie.i' o,, i inrrediila en-
tro nos.
Asriipiezas nalurae- doaaa solo, e de que
janano apenas sida awnraftoa d"fitarsos, de nada
valcm, se a iadoslria as na-> desenterrar e aceom-
modar s necc-sidadis do homem. Alirainos esses
thesouros aos ca pitaes que rocwian ollocsjcao.
A avarera quasi jompre p*ui: so nao dMN-
f -a.iairt*>. oio alie emundertf attgmen-
la-lo.
t O actual presidenta do eonselho, com aquella
previdencia que todos lili) reiTiihecem. foz a|>pelk
a iniciativa individual. Ban aiiimadas palavras
nao devem ser de.saltendidas, e nos esperamos
que seu convite seja acollo.
Mas, para completar o pe.isamento do eliefo
do gabinete, preciso reformar a lot de 1830, re-
lativa concessao de privilegios no sentido das
novas tendencias, de modo a htfifoar as emices-
soes e remover as dilllculuad com ipie anda
lula a industria que prelen-le mimut-so nesle
paiz
,E' preciso abrir cr.niiuli-i largo s empiezas v
particulares, do modo o/ae se posaaa onaorpanar
sem grandes e iuuois estol vos, e desenvetver-sc
livre de oppre-sr,..> tnlellas.
Se M nossas riquezas natiii-aes lio immcnsas
eincomparavi'-. nao se deve duvidar i|ue torio o
poder de nllralr os capilaes. AltrahiJos os ca-
pitacs, a victoria do paiz cerla.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIABIA.
INSTITFTU ARCHEOI.OGir.O E GEO'.iRAPill-
CO.Keunio-sc honleui i*s!a -ociedade, em ses-
sao ordinaria, sob i presideie-ia do Exm. consc-
llieiro inoiisenhor Muni/. lavares, e com assi-tcn-
cados-Si<. Drs. Aprigio Guimaraes, SonastO
Campello, Jacntho de Sampayo, Soares de Aaave-
do e os Srs. coronel Leal, padre Lino. Salvador
Henrupie e Ferrera de Aiuieida.
I'V lida e approvada a acia da antecedente.
ce-presidenje da grovioclli, declaro a V. | Didc proswndir de caiiitaes e bracos. Os ca|iitaes
sao expellidos pelo papel-inoeda, e absorv.dos
pela guerra; e os br*?>8 estaoem parte quebrados
nos choques das batalhas, enervados as erums
privac^os de eampanha, ou inulwados pelas mu-
titoofes.
' E' argentissimo supnr esaas energas que
se perdura; e aermennr as noe restara e sao por
si msuftteienles para elevar a produecaa a etfra
necasaaria e corres|wnder asexigenoias dos nossos
raentos exlranrdiuarios.
. Provocar a emigracio de capilaes o bracos,
m tttdo o que reclama o fiaiz para reparar
os prejuiaos col losaaes da guerra, e rostabelecer a
oonflanca e o trabalho.
< A "ermiiiaijaa da guerra ora si 6 ama grande
i ve absortara attencodo governo;
;.i5 na" e era dove ser auaw,
0 Sr. secretario perpetuo menciona o segrate
expediente :
t Um oflieio da soco-dade Crcmjo Dramtico,
convidando o histuto para as suas sessocs pu-
blicas.Inteirado.
t Outro da mesa administrativa da oraam ter-
cera de Nossa Seubora do Carm<>, nedindo a tn.-
ca, por urna outra pedra, da lapide mseripliva da
amiga cadeia desta cidadeE' remeltido a coro-
missao de trnbalhns hiflorico.
Outro do Sr. lliilino Paulino da Nlva Seara,
olfertando ao Instituto una concha de madrepe-
rla encontrada por mu pescador no lugar aa
ponte -dcSc/ bala a olferia com especial agrado.
O mesmo Sr. secretario perpetuo da conta das
segnintes olfertas : Varios n> da Oiorw de Per-
nambneo, pelo consocio Dr. Rguoirdo : om o. a
Opiniao Nacionat, e um dn Oriento, pelas re:iP*"
tivas redacedes ; um exemplar cooteado a Apolc-
ffl do cntiiolicismo e dn* ftbfi-MMM milpees Gre-
gorio XVI e Pk> IX, pelo conselhero Pedro Ae-
tran, e olfertado pelo Dr. lluiino Augusto d Al-
meida ; outr. conlendo ymtes do R>o da I rata,
olTrrtado pelo Sr. Dr. A|>rigio Guimaraes ora no-
me de seu autor o Sr. Dr. Jse Avelmo Gtirge! do
Amoral.Todas csias oflartas sao reeenidas cwii
agrado o raandani-se archivar. _
Vera a mesa urna proposta para a dermsao.dc
um socio correspondente..V commissao rospec-
ti Vil.
E: destribuido pe* Boatos o n. 14 da ecuto.
Trimonsai do histitut*.
Nao liavendo nwis nada a tratar levanta-so a
sessix
ASSASSI>"ATfJ\No lugar Jahoticaba, da fre-
gueiia d'Altno, no dia 29 do prximo passado, fo
assassinadn com um tiro Jos Femara Das, por
Elentero Jos Bezerra, que foi preso no dia se-
gu n le.
CAPTURAS.Por so adiar pronunciado, no
art. 192 do cdigo criminal, desde 29 de abril de
480o, foi preso pelo delegado de Sauto Antao, An-
tonio Pereira.
Env fl-graote foi preso, por ossa mesma an-
toridade, Mannel Teixeira de M lio, aue est sendo
processado pelo crime previsto no art. 20tt do c-
digo criminal. p>r elle perpetrado na pessoa de
sua amasia Helia rumia de tal.
Em ierras do engenho Mello, do termo de
Santo Antao, foi preio um individuo donme An-
tonio Pereira, por andar armado, o qual, na occa-.
siao da pri-ao. den dous tiros sobro a forca.
Ainda pido delegado de Santo Antao foram
presos Manoel los do Nascimento, como autor do
assassiuaio do Joa Marianno. o Thom Ganes da
Silva (ior ter dado don* tiros em Jos dos Santos,
ha tres para cuatro ann
Rl'\ DAS l.ARANGKIHAv.-As malhere?, mo-
UBlva
r iiuiiio-^1
f




Diario de Praaibuco. Se*k feira 3 ** Set*mbro de 1869.



Sahidos paca os portos do norte no vapor
Ipojuca :
Primo Pacheco Borges, Jos de Lima, Jos For-
tunato de Sriuza Jorge, Antonio Gualberto d^H
Frankhn J. do Andrade Porgo, Manoel Vctor de
Jess da Molla, Paulo Cardoso da F., Francisco
- Paula R. do Almeida, Jos Rodrigues Lima,
Mu noel do Xascimento Ribeiro, Manel Gregorio,
Pedro Gregorio, Thjunaz Pompeo de S Magalhaes
c 1 eriada, J. C. Ferreira da Costa o 1 criadas, MJ
Gimes da Gunha Lima, Jos Joaquim do O., su
sentan, ( llllia menor e i criada, Orlado do S.
I!.i\ inundo Pinto (",., Itaymuudo Pmto CavalcanW,
Francisco R. F. Gomes e I criado, Vicente San-
cho Ferrcira Gomes e 1 criado, Francisco Auto
nio Firmo, Antonio Lacaba.
CEMTTERIO PUHLICO.Obtuario do dia 30 de
agosto :
Mara do Monto Coelho Alm, Pernambuco, 43
auno casada, Kec-iIScrJ; npoplexia cerebral.
Mara, Pernambuco, .1 aunos, Santo Antonio;
espasmo.
Fellippa, Pernambuco, 22 annos, solteira, Santo
Antonio ; angina touciliar.
Joaquim Gomes da Silva, Pernambuco, Boa-Vis-
ta; bexigas.
Adolulo Goncalves da Silva, Pernambuco, 12
annos, solteiro, Boa-Vista ; afogado.
Manoel Das Moreira, Pernambuco, 32 annos
solteiro, S. Jos ; phlysica.
Eugenia, Pernambuco, 8 mezes, Recfe convul-
8068.
Maria, Pernambuco, 1 da, S. Jos; espasmo.
Mara, Rrnambuco, 8 das, Recite ; ttano.
31
Antonio, frica, 5i anuos, Boa-Vista ; pblysica.
Mara Isabel Caldas, Pernambuco, 22 annos sol-
teira, S. Jos ; anemia.
Maria Joaquina da Conceicao, Pernambuco, 60
annos, S. Jos ; congestao cerebral.
radoras n'um sobrado desta ra, acero das quaes
disseoios algumas palavras em urna donossas
passadas Batistas, habitara ura 1 andar e nao 2
como sabio.
GUARDA NACIONAL.No dia 1"' do corrente
desaquartelou o 2 batarhao de infantria do mu-
aicipio do Recite, entrando para o quartel o 3
de infamara.
TRILITOS URBANOS DE OLUNBA.Dentro do
prazo de 10 das, contados do dia 5 do corrente,
sao chamados os accionistas desta empresa a fa-
zereui a entrada da quarta preMaeo do valor
total de cada apolice, a razio do 10 em casa
do thesoureiro na Nova n. 35.
PROVINCIA DE GOYAZ.Temos jornae desta
provincia at 10 do julho
Do Correio O/fictal extrahlmos o soguinte :
O Sr. presdanlo da provincia parle amanha
para a cidade de Meia-Ponte, onde tenciona de-
morar-so poneos dias. All assistira S. Exc. dis-
tribuicao de premio concedidos aos alumnos do
collegio do Senhor do Bomflm, estabelecimonto
dirigido pelo benemrito Sr. Dr. des Genettes.
Juntamente seguem para a mesma cidade,
em delgencia do servia > publico, os Srs. Dr. chefe
de polica e inspector da thesouraria de fazenda.
O Monitor conim as seguimos noticias :
Descerara este anno a Belra pelo Tocantins
na cidade de Porto Imperial os seguales Srs.:
Antnnio Bezerra com dous botes, mil grande
c um pequeo ; Frcderico Jos Pereira com dous
botes, um grande e um pequeo ; Jos Ayres com
i ma boles, um grande o m pequeo ; Pacillco
Luiz Ferrara, com um bote grande e, una igari-
t ; tenente-coronel Malinas Ferrera Lemas com
djus hites grandes e dous pequeos ; Francisco
de Salles Maciel Colho-, com um bote grande e
um pequeo ; Antonio Alves Bento, com um bote
limito grande e um pequeuo ; o Canguass com
um grande e um pequeo.
Coma que at a cidade da-Boa-Vista foram
todos muito bem.
Consta (por carta particular de 18 de maio)
que nm dos botes pequeos do Sr. tenente-coro-
nel Malinas Ferreira Lentos perderase na ca-
choeira do Lageado, indo de encontr a urna pe-
dra, perdemlo-se qua~i toda a carga, e Morreado
cinco camaradas. Calcula-se o prejuizo d'aquella
em doas contos de reis. Salvou-se o bote.
Lamentamos este sinistro e o prejuizo d'aquel-
le distnclo cidado, que tendo dado com feliz suc-
cesso 14 viagens ao Para, l'oi de-ta vez mal suc-
. cedido, e isto por nao ir pessoalmenle.
Tonto* noticias da cidade da Boa-Vista do To-
cantins at 12 de abril do corrente. Eis o que
diz unta carta de pessoa lidedlgna :
O respectivo juiz de direito lera conseguida
que o povo e casal dupliquem, que a matriz se
reforme, que a sala da cmara seja urna bonita
sala, que as aulas se encham, que o commcrcio
prospere, que a lavoura tome impuho, plantndo-
se muito algodo, que se trilhe a estrada do Para,
que a justica csteja cheia de criminosos: emfim, que at os
apinags se baplisem em numero de 30
Cmtinua-se a sentir muiki a_falta deJorejt_^r*?efl!W
pnhiiin p^ro iriM-iip .. "'itiniliiip i
uimWia&Aniu.tjompielam-se boje 210 an-
nos que foram proscriptos de Portugal e Brasil os
padres jesutas.
ESQUADRA EM OPERACOES.-Pelo ministerio
da nurinha foi expedido ao vce-almirante, encar-
regado do quarlelgeneral respectivo na corle, em
20 do passado o segmnle aviso :
illm. e Exm. Sr.Convindo fixar o pessoal,
que deve ser empregado no servco de pratca-
gem dos navios da armada no rio da Prata, e em
seus afflucntes, e marcar os vencimentos, que
lhe devem ser abonados as diversas cendieoes de
servco, hoiive por b--m Sua Magostado o Impera-
dor, tomando em eonsderacao o que informou o
commandante em chefe da esquadra em ouera-
eoes no rio Paraguay e a contadona da marmita,
resolver o seguinte : .
1.' O pessoal de praticagera se compora a.
1 pratico-mr.
2 praticos de 1." classe.
4 praties de 2.' classe.
8 praticos de 3.* ciarse.
Praticante- em numero indeterminado.
2." O pratico-mr deve ter perfeito conhec-
ment da navegacao dos referidos rios e achar-se
habilitado, para desempenhar os deveres proscrip-
to* nas instrticcfies, que baxaram com o aviso de
l de setembro de 1868.
Os praticos de 1.* cla-se devem ter perfeito
conheeimento la navegacao do rio da Pra^:ide [ fc-,Uiado a
tres de seas a til lentes. '* -mm^A;
_ Os de 2.*"cTasse da navegacao de tres rioriri-
distinctamentc, os de 3.* classe de dous, c os pra-
ticantes do de um sement.
3. Os praicos de 3.* classe e os pralicantcs
devem ser pracaV do corpn de imperiaes m iri-
nltoiros, que lenham adnnerdo. a juno do prati-
co-mr, na forma da 12.* disposicao das citadas
instrucccs, os conhecimemos ora exigidos no
artigo antecedente.
4. O pratico-mr e os das duas primeiras
classes, que forem nflieiaes de patente, torito senr-
pre direito ao sold repectivo, e quando embar-
c; dos a urna gratilicacao mensal, que ser de
:00000 para aqnelle, d 230000 para os de I.
classe, e de 200i000 para os de 2."
5. Os praticos, offlciacs do commssao, em-
barcados a bordo dos navios do estado, tero di-
reito ao sold da graduacao, e mais a grattlcaco
correspondente sua classe.
6. Os praticos extranumerarios, que forem
chamados para o servco dos navios do estado,
per _ 7. Os praticos de Stjf classe e os pratcantes
tero direito ao sold respectivo, e mas a urna
graliflracao durante o teinpo de exercicio, quo se-
r para aquelles de 100*000 raensaes, o para es-
es de 80*000.
eus guarde a V. ExcBario de Cotegipe.
BILHETES OFFERECIDOS. Numeracao do*,
bilhetes da lotera 118* offerecidos pelo thesoureiro
das loteras para auxilio das despezas da guerra.
Bilhetes ns. ti26 a 635.
LOTERA.A que se aclia a venda a 119a, a
beneneicio da Santa Casa de Misericordia, que
corre no dia 10.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.Mov-
ntenlo do hospital de Nossa Senhora da Conceicao
dos Lazaros, do Io a 31 de agosto de 1869.
Existiam 16 hontens e 11 mulheres, existan 16
homens e 14 mulheres.Total 30.
Advertencia.
Fui visitado o estabcleciniento pelo respectivo
medico deste o Sr Dr. Ignacio Firmo Xavier nos
dias seguntes: 3, 7, 10, 14, 17, 20, 21 e 27.
Existem empregados neste esestabelecimento 8,
saber: capellao 1, medico 1, regente l.dita 1, bar-
beiro 1, cozinheiro 1, serventes 2.
Omordomo domez,
A. 1. Gcmes do Correio.
O regente,
Diitiz IgtuuUo P. dos Santos.
Movimento do hospicio de alienados na Mise-
ricordia de Olinda, do Io ao ultimo de agi*to de
Existiam 28 homens e 46 mulheres, entraran!
2 homens e 1 mulher, morreu 1 mulher, existem
W homems-e 46 mulheres.Total 76.
Existem 11 empregados neste estabelec.inv.tto, 1
homens e 4 mulheres, sendo: 1 regente, i medico,
I capellao, porteiro e sachristao 1; 2 enfermeiros,
1 oarbeiro, 2 enfermeiras, 1 rodeira e 1 cosi-'
iihetra. .
Foi visitado o mesmo esUbelecimento pelos Srs.
mdicos Drs. Firmo e Seve, este em lugar daquel-
le. nos dias 4, 7,12, 14. 17,19. 20, 27, 28, as 10
(HIONH A JlDiriARIA.
TRIBUNAL DA lti:i. \< l>.
SESSAOEM27 DE AGOSTO DE 18C9.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAETAXo
SANTIAGO.
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. desem-
oargadores Gi ti rana, Lourenco Santiago, Almeida
Albuquerque, Motta, Dominges da Silva, Regueira
Costa o Souza Leo, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os seguntes jura-
mentos :
Recursos crimes.Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Joo Jos Bot.lho Relator o Sr. desem-
bargador Domngues da Silva, sorteados os Srs.
desembargadores Souza I.eo, Glirana e Regueira
Costa.Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Ludgero Alonso de RiosRelator o Sr.
desembargador Dominges da Silva, sorteados os
Srs. desembargadores Motta, Gitirana o Lourenco
Santiago.Improcedente. Reccorrente, o juizo ;
recorrido, Joo Felippe daFonseca.Relator o Sr.
desembargador Dominges da Silva, sorteados os
Srs. desembargadores Gitirana, Souza Leao e Re-
gueira Cosa.Improcedente. Reccorrente, o jui-
"u-c^,*''|l'''J'aTTIiil)',l!,arit!cies"'na,l.do 0li'""' -'
ra.Relator o Sr. desembargai'"- comulgues da
Silva, sorteados os Sv. df*seiil)argadores Regueira
Costa, Souza Leao e Lourenco Santiago.Irapro-
cedenie. Reccorrente, o juizo; reccorrdo, Manoel
Joaquim do Na-eimentii.Relator o Sr. desembar-
gador Regueira Gusta, sorteados os Srs. desembar-
gadores Gitirana, Sola Leao c Almeida Albuquer
que.Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corridos, Jos Manoel de Lima e outros.Relator
o Sr. desembargador Regueira Costa, sorteados os
?rs. desembargadores Dominges da Silva, Lou-
renco santiago e Motta.Improcedente. Reccor-
rente, o juizo; recorrido, Jacinlho do Mello P.
Luna.Relator o Sr. desembargador Regueira
Losta, sorteados os Srs. desembargadores Gitirana,
Looreaco Santiago e Almeida Albuquerque.Ira-
procedente. Reccorrente, o juizo; reccorrido,
francisco Jos da Silva.-Relator oSr. desembar-
ga' or Regueira Costa, sorteados os Srs. dnsembar
flores Motta. Dominges da Silva e Almeida Al-
i)uqiitrqUl.._i1proce(ll!nle
JSS db peticao. Aggravante, Antonio
GOTcaWes o Silva; aggravado, o juizo.-Relator
M?niban"*doP Molla- neados os Srs. **
embarg.doresp.nr.v.gucs da silva eGiirana.-No
tomaram conhecii.ien*o ner n|o ser caso de ag.
K'nrAg-Bra? o "' oSUZ ; gravado, Francis-
co de Oliveira-Mello e Silva.-Reliar 0 gr de^m-
bargador S ma Leo, sorteados os Srs. orabar-
gadores Almeida Albuquerque e Regueira tus-
tjuAdiado o jidjamculo.
*fUi<.u.vvo flE i*^*i mknto. Aggravtnte, Joo
de sa AlbulraeTqnft; i-ggravado, o bacliarel Alva-
ro Lchoa CavalcanieRelator o Sr. desembarga-
dor Gitirana, sorteados os Srs. desembargadores
LourencrSaniiago e Almeida Albuquerque.Ne-
gou-se provimento.
Api'ellaces crimes.Appellante, o juizo; ap-
paHado, Francisco Correa de Alhav de.-Adiado o
julgamenlo p.r ter sido considerado o reo ausen-
te. Appelfante, o juizo; appellado, Basilio Luiz da
silva.A' novo jury.
Amellaqao civeL.Appellante, Manoel Henr-
ques T.; appetlados Titoniaz de Aquino Carvalho
o sua mulher.Reformada a sentenca.
P\SSAGENS.
DoSr. dffiembargador Gnjrana aoSr. desembar-
gador LiiflBhco Santiago.Appellaco crlma: ap-
pellanteTo juizo; appellado, Luciano Manoel da
Silva.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador ^Almeida Albuqqerque.Appella-
Thomaz de Parias.Relator j Sr desembargado!"
^^^B&aotiago, sorteadr* 0s Srs. desembargv
dnfWMU, Gitirana o Regraeira Costa.ImpruW
denle, Be8rrcnte,.>ui7; reccorrido, Serapl"m
'adOsAi^ llor o Sr. demb*nr Almeida Albaquer|be, sorteados os Srs. desoin-
btfgadflres Lourenco Santiago, Souza Leo e R-
gueira Costa.Improcedente. Reccorrente, ojui-
zo; reccorrido, Jes Joaquim do SaafAaua.
lator e-Sr. dlMBbargador Almeida AlSqiierqoe,
sorteados os 9M. desembargadorti* Gitirana, &"
mingues da Silva e Regueira Costa.-ImproreJen-
te. Reccorrente, o juizo; reccorrido, Manuel
Francisco do Nascimento.Relator o Sr. desem-
bargador Motta. sorteados os Srs. desemba
res Almeida Albu.pierque, Dominges da fil-
va.Improcedente. lteecorrente,flju rido, Matkias Benigno Wanderlev.-Relatur ) Sr.
desembargador Souza Leo, sorteados os Sis des-
embargadores Almeida Albuquerque Donitioes
da Silva e Regueira Costa. Negou-sc provi-
mento. -_*
Appellaco r.RiMR.Appehinte, o projiotor;
ppohado, Domingos Affonso Ferreira.."Ello de
Hs. 4 i em diante. /
A'I'kllaqes civeis.Appellante, AnWiio Va-
lentn da Silva Barroca ; appellado*, os directores
da caixa lilial do banco do Brasil.Deresado*
os embargos. Appellante, Manoal do Nseimento
Cosa Monteiro; appellado, Manoel gnaoo de Oli-
veira.Nao ha que declarar na pelico e embar-
gos. Appellantes, Jos Pinto Teixeira re huiro* ;
appellado, Jeronymo Pereira da Gira.Confir-
mada a sentenca. Appellante, Joaqaiij Francisco
de Albuquei-i|ue Santiago; appellada, I.Francisca
Mara da Cmceico Cuiiha.Uespresidos os em-
bargos. Appellante, Manoel Antoni Silva; appellado, Francisco das Chaos Snlguei-
ro.Reformada a sentenca. Appcllim, D. Isabel
Joaquina de Souza;' appellado, Antniu Jos dj
Cosa Imburana.Despresados os embargos.
ai
obacharel Sebastian Antonio d'Acciol Ls. Des-
presados os embargos. AppaUantr-, Antonio Car-
neiro de Queirz; appelladoos os herdeirus de
Francisco Bernardo da Cuoha.-Recebdos os era-
argos. Appellante, Honorio Tiom de Oliveira;
ppellada, D. Mara de Sao Josl.Nullo o pro-
cesso. Appellante, o juizo; appellada, Clara Fran-
cisca de Souza Longuinho.Conlrmada a senten-
ca. Appellante, Antonio Alves thtnna; appella-
do, Jos Dias da Silva.'Contirlnada a sentn-
a. Appellante, Antonio Jos deJFreitas; appella-
o, Manoel Antonio Torres.Dljaresads os em-
bargos. Appellante, 1). Joanna Jtntia das Dores;
appellado, o pardo Antonio, porkejcurador.Re-
formada a sentenca. Appellanfc>,oaquim Rodri-
gue* Tavares de Mello; appellafio,b Dr. Bernardo
de Miranda CastelloBranco.ftfrmada a sen
tenca.
PASSAGKNS.
Do Sr. desembargador Gitirafc Sr. desembar-
gador Guerra.Appellaco cyAl :j appellante, Mi-
guel Antonio Jnior; appella<|o,*4moel Dultra de
Souza.
Ajj.r t.^.u,,,gaur I.ourengiSantiago.Ap
..eiiacoes crimes: Appellante, c pjontotor; appel-
lado, Manoel Pereira Parola. inSellante, o pro-
motor; appellado, Antonio Viceite de'Souza Pe-
reira. Appellaco civel: appellie, o Dr. Gaspar
de Vasconeellos Meuezes de Dramnond; appella-
dos, os herdeirrs de Joo Henriie da Sllw.
Do Sr. desembargador LourcTco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pellaco crirne : apellante, o jaizo ; appellado,
Manoel Luciano da Silva e outrog.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador MottaAppellaco crime: a|i-
pellante, Laurentino Jos da Silva; appellado, Joo
8apt-ta Chaves Pcxoto. Appelaco civel: ap-
pellante, Joaquim Cavalcante de Albuquerque
Mello; appellado, Dellim Luiz Cavalcanie Pessoa.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Dominges da Silva.Appellaco civel: appel-
lante, Estevo de Albuquerque Montenegro; ap-
pellado, Jeronymo Jos Barbosa.
Do Sr. desembargador Souza Leo ao Sr. des-
embargador Gitirana.AppollacSo crime : appel-
lante, Roberto Alves dos Santos; appellada, a jus-
lica. Appellaco civel: appellantes, o juizo e Ma
noel Goncalves Ferreira e Silva; appellado, Cae-
tao Goncalves Pereira da Cunlia.
Assignou-se dia para julgamento dos seguntes
feitos:
Appellaco civel.Appellante, Joo Francisco
AIvgs da Silva ; appellado, o padre Antonio Jos
Pinto.
RECEBIHENTO e expedicao de telegrammas ou
qnaesijHer communlcacoes do Brasil, Ro da Pra-
la e para qnalquer parte da Europa.
COBRANCAS liqudaces informacoes, etc.
A longa pralica que leuho do commercio e os
meus hbitos de traballto fazem-me julgar que
saberei cumprir com zelo e activdade qualquer
coinmiss i com quo V. S. quizer nonrar-ine. Ob-
servar cm com dedtea^e as ordens que me
forem dad* ter o meu alvo.
Espero porta nto merecer a approvaco de V. S.
com a sua eoofianca. Son de V. S. amigo e criado
Ouilherm Augusto Radripies Sette.
Ao OtBrvador fcil seria desmacarar o
siilt'lelt'gado, quo foi auxiliar com forga pu-
blica e cora o poder de sua autoridade a
expoliacao que ha dias se veriflcou de ter-
reno alheio, e de que o mesmo Observador
deu noticia neste Diario (em 18, 19 e 0
do crrente.)
Fa^a o tal subdelegado ao Observador o
que fez a esse pobre portuguez, e eslea
certo_ que ha do pagar caro o abuso da
autoridade, que lhe fora confiada para im-
pedir e n3o para auxiliar espoliaos.
cima dos subdelegados, que esquecem
seus deveres e abusam de sua autori-
dade, temos felizmente um presidente il-
lustrado ejusliceiro e um chefe de polica
integerrimo, que n3o tolerariam urna auto-
ridade policial como a de que se trata,
desde qoe se convencessem da verdade
do que disse o Observador,
Uuanto defesa que se fez o subdele
io josT.iara rHn'a";f'()'p*ellio,1 g3*10 tesfar^ado em curioso, nada dizemos.
0 publico sabe muito bem o que valem
essas defezas, e julga com justo criterio de
quanto sao despreziveis os louveres em
boc< propria.
Se este negocio nos interessasse nao
seria aqui, mas sm nos tribunaes, que o
discutiramos. N5o nos interessa, e s a
indignacJSo de que Picamos posuiJos, de
ver que a autoridade patrocinava e protega
com escndalo publico um attentado contra
a propriedade, nos moveu a publicar no
Diario o que observamos.
Diga portanto o curioso, ou antes o sub-
delegado o que lhe parecer, pois nao es-
tamos resolvis a voltar impresa.
0 observador.
ador da c
enibfti'gador procurador da coroa: appellantes. o
juizo a o coronel Jos Peres Campello; appellaaos
o juizo e ns herdeiros do brgadeiro Gaspar de M.
V. de Driiminond.
Babeas corpcs.Concedeu-se ordem a Estevo
Candido da Silva para o dia 4 de setembro, ouvi-
das as competentes autoridades.
As 2 hora da tarde encerrou-se a sessao.
COMMERCIO.
horas 11 e 12 da'raannaa e a 1 da '&rd'e.
Advertencv.
Entraram homens 1 no dia 16, de nome Francis-
co Floresta do Brasil, braneo, outro no dia 27, de
nome Manoel, preto, escravo de Claudio Dubeux, e
tambem 1 mulher no dia 10, de nome Thereza
Irancelina, parda.
Falleeeu no dia 23 Felippa Nery, preto, casada,
15ryiica Pulmouar> entrada a 26 da marco de
O mordomo de rnez,
A. i. Gomes do Correio.
O regente,
Luiz do Seg Barros.
MSSAOEIROS. O vapor Mandah sabido
utSi,ma,,gBaP0 e0ndU2'0 eU I*) 08 86-
r,52SSl id0/^.u0 iof0> Jos Ve* Baptista
Sffi SS^t4*0,**^ Dr J's Cari
SuXlbon ? 85a ^ Cunba' Antonio Baf
Sabido para os portos
tengy :
Antonio Buarque de Gunmao e 3 criados Joa-
quim Jos da Costo Acra, Felippe da Costa. Pedro
Uro A. Silvestre, Jos de Albuquerqae Mello Ar-
mand Marry, Flix Beovindo d-j Oliveira sua
sonbora, lov.o Rapozo d? Sowa, W. Oindre Alves
More.
cao cnine : appellante, Caetano Jos da Silva ,
appellado, Jos Baptista Chaves Peixoto.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta. AppellacSes civeis: ap-
pellante, Francisco Accioli Wandcrley; appellado,
Manoel de Mello Montenegro. Appellante, Luiz
Emiliano de Figueirdo; appellado, Manoel Alves
de Agutar Guerra. Appellante, Estevo de Albu-
querque Montenegro; appellado, Jeronymo Jos
Barbosa. Appellantes, Manoel e seus tilhos; ap-
pellado, o teaenle-coronel Joo Geraldo Filguei-
ra. Appellacoes crimes appellante, o juizo; ap-
pellado, o capitn Vicente G. do Amaral. Appel-
lante, o juizo; appellado, Francisco Jos Raymun-
do. Appellante, o juizo; appellado, Domingas
Affonso Ferreira.
o Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Dominges da Silva. Appollaco civel:
appellante, Alexandre Rodrigues da Silva ; appel-
lado, Honorato Jos de Oliveira e Figueirdo.
Do Sr. desembargador D .mingues da Silva ao
Sr. desembargador Regueira Costa.-Appellacoes
civeis: appellante, Jos Joaqnira Pereira de Men-
donca; appellado. o Dr. Pedro de Athayde Lobo
Moscoso. Appellante, Antonio Francisco de Mi-
randa ; appellado, Jos Antonio de S. Appella-
coes crimes : appellante, Placido Pereira de Fi-
gueirdo; appellada, a justica. Appellante. ojuizo;
appellada, lelcidade Pires da Luz. Appellante, o
juizo; appellado. Joo de Parias Leito.
Do Sr. desembargador Begueira Costa ao Sr.
desembargador Souza Leo.Appellacoas civeis:
appellante, Aotonio Alves ; appellado, Bellarmino
Gomes de Moura. Appellante, Joo Manoel Gon-
ca ves Ferreira; appellado, Caetano Pereira Gon-
calves da Cunha. Appellaco crime: appellante,
Roberto Alves da Silva; appellado, o juizo.
Do Sr. desembargador Souza Leo ao Sr. des-
embargador Gitiraria.AppellacSes crimes : appel-
lante, o promotor; appellado, Manoel Pereira da
t^osia. Appellante, o promotor; appellado, Anto
nw Vicente de Souza. Appellaco civel: appel-
lante, Ernesto Brasil deMattos; appellado?, os
herdeiros de Miguel Alves de Mello.
fejAss.,nou-se d'a para julgamento dos seguintes
Appbllacors civis.Appellante, Hilario Th -
maz de Oliveira; appeliada, D. Maria de S. Jo-
s. Appellante, o curador geral; aopellado, Ma-
noel Elias de Moura. Appellante. Antonio Alves
Vianna; appellado, Jos Dias da Silva.
As 2 horas da tarde encerrou-se a sessao.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO
B.U.ANXCTE DO NOVO BANCO DE PERNAMBUCO BM UQL'l-
DAgXO, EM 31 DE AGOSTO DK 1869.
Activo.
Letras protestadas...... 180:2135940
Titnlus deiwsitados....... 10:o905HiO
Despezas geraes......... i:2i3W00
Caixa.Pelos seguintes valores :
Em ouro amoedado. l:'iiii7.'!0
Em notas do thesouro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil 40:92'i*OOO
Em prata e cobre. 158*881 42:3i8611
Ris. .
Panivo.
Capital............
Emisso...........
Contos correntes com uros. .
Contos cotTentes simples. .
Fundo de reserva.......
Ttulos em cauca).......
Massas fallidas cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e perdas........
Ris. .
237:5775011
91:120*00
8:500*000
4:ol9i280
3:626084
112:743*766
10:390*960
3:615*907
600*400
230*620
237:577*017
IIF.MoNSTRAgAO DA EMISSAO
26 notas do valor de 200*000
ditos
ditas
de
de
100*000
50*000
Ris. .
3:200*000
2:300*000
1:000*000
PRAA DO RECIFE DE SETEMBRO DE 186
AS 3 1/2 HORAS DA TAROE
Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 lii d. por
1*000 (hontem).
Dito sobre dito 90 d/v. 19 Ii2 d. per 1*000
(boje).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA.
Kendimento do dia 1 .... 38:804*120
dem do dia 2......28:684*827
67:488*947
MOVIMENTO DA ALFANDEGa~
Volumes entrados com fazendas 364
dem -idem com genero 583
-----947
Volumes sahidos cora fazendas 130
dem idem cora genero 546
------67
Descarregam hoje 3 de setembro
Vapor iagteiSapkiremercaduras.
Barca franceza.tfousse de Naies mercaderas.
Brigue inglezSesse Scottmercadorias.
Barca inglezaGazellaidem.
Escana norteallenioMatUMt idem.
''..... -*>*>- nattoate t.lTBn.fAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
Rondimento do dia 1..... 3:083*587
Idem do dia 2...... 921*808
4:003*395
CONSULADO PROVINCIAL"
deodimentododial..... 2:679594o
Idem do dia 2....... 1:998*426
4:678*371
l?fvla?aPaesde Andrade respectivo
gutnte: lerm do prote so'
Aos7 de agosto de 1869 nesta cidade do
Rccilt de Pernambuco, etn meu cartorio
.parante ma e^s testemanuas afra assip-
naclas coaperecea o sapplicaate Jlo Jos
de Paiva, edisse que reduzia a termo todo
o conltudo de sua peticao retro que offere-
cia como parle do presente, em quedep-is
de lido assignou com as indicadas testemu-
nhas.
Eu Manoel Stfvino de Barros FalcSo es-
criyao o escrevi.Joo Jos de Paiva.Ig-
nacio Gomes dos Santos.Domingos Josa
Ferreira.
Depois do que produzindo o suplicante
suas testemunhas que sob juramento dos
Santos Evangelhos que Ibes foi por mitn
deferido, juraram convenientemenle acerca
da ausencia dos supplicados em consequen-
cia o mesmo escrivao fazendo autoar, sellar
e preparar, me fez os autos, conclusos e nos
quaes dei a sentenca seguinte i
Em vista do depoimento das testemunhas
de folhas R a folbas 7, hei por justificada a
ausencia.dos supplicados, em consequencia
mando, passe-se editaes de citaco com o
praso de 30 das pagas as custas ex-causa
pelo justificante. Cidade do Refife 4 de
18(59.Manoel Jos ila Silva Neira.
E por for?a desta sentenca o respectivo
escrivao, fcz passar o presente edtal, pelo
ther do qual chamo cito e hei por citados
aos ditos supplicados Moraes A Fragana.
e Francisco du Paula Rufino, para que den-
tro de 30 dias eomparecam ante este juizo
por si ou seus procuradores allegando e
provando o que fr a bem de sen direito
e justica, sob pena de revelia.
E para que os supplicados nao fiquem em
defezos toda e qualquer pessoa prente,
amigo ou conhecido poder-lhes-h5o fazer
sotante de lodo expendido.
E para que chaguo ao conheeimento de
todos mandei fazer o presente edtal que
ser atlixado nos lugares do cosame e pu-
blicado pela niprensa.
Dado e passado nesla cidade do Recfe
de Pernambuco, aos 17 de agosto de
1869.
Eu, Manoel Silvino de Barros FalcSo,
escrivao interino, o subscrevi.
Manoel Jos da Silva Neivas.
DECLARACOES.
Conselho de compras navaes.
O conselho contrata no dia 6 de setem-
bro prximo vindouro sob as condceoes
do estylo e vista de proposlas entregues
al as 11 horas da manha o fornecimento
no trimestre de outubro a dezembro do cor-
renle anno aos navios d'armada e estabele-
cmentos de marinha de vveres, dietas, e
outros objectos de consumo, seguintes:
arroz do M.iranho, azeite doce de Lisboa,
azeite dito inferior, agurdente de 20 graos,
assucar bra ico refinado, aletria, araruta,
assucar braneo
bolachinha
=
8:300000
E.S.eO.
O guarda Ivtos
Francisco Joaquim Pereira Pinto
do sal no vapor Po-
SESSAO EM 31 DE AGOSTO DE 1869.
PBESIDENCIA DO BXM. SR. CONSELHRIBO CAETANO
SA.NTIAGO.
As 10 horas da manha, presante os Sr. des-
embargadores Gitirana, Guerra procarador da
coroa, Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque,
UoU*, Dominges da Silva, Regueira Costa e Son-
za Leao, abno-se a sewo.
Passados o feitos, deram-se os seguntes iulg-
menio:
Rbcuhsos cniMEs.Recrreme, o julio; recorri-
dos, o bacharel Joaquim Gomes da Cunha B -Itrao
e oulros.Relator o Sr. desembarga tor Gtirann
sorteados os Srs. desembargadores Motta, Almeida
Albuquerque e Regueira Com.Improceden-
te. Reccorrente, ojuizo; reeorrido, Bernardino
Lrcelino de S.uza Relator o Sr. desembargador
biurana, sorteados os Srs. desembargadores Lou-
reoco Santiago, Motu e Almeida Albuquer-
que. Improcedente. Reccorrente. o juizo; rec-
corrido, Miguel de Albuquerque Mello.-Relator
f.r'(rbarf dl,rJL,ure"5' Sanago, soitoados
o 8rs. desembargadores Dominges da Silva. Al-
Kfi A'te2!!K-d ^^ra C^-Iraproce-
Roccorrente, pjuizo; reccorrido, Jos loa Ideares.
PBLICACOES A PEDIDO.
Srs. Redactores.Peco-Ibes que decla-
ren em sua Revista que 3o assignei a
carta deliberdadj da minba escravinha
porque, tendo contratado com a respectiva
commisso alforria-la pela quantia, de
300^000, com a condigo de ficar perten-
cendo a referida quantia a mesma escravi-
nha, e acceitando a predita commssao,
como consta da proposta, que existe em
meu p der, acontece que boje acodindo ao
chamado para assignar a carta de liberdade
a achei passada por 250^000, sem que
se-me consultasse para ter lugar semelhante
abatimento; ontendi que era imposigo
para o qual eu n5o eslava sujeito, e ento
estranhando, perante a commissSo, que se
achava reunida, um Ul procedimento, reti-
rei-me com a proposta alludida. Com esta
declaracSo fazem me VV. SS. o grande favor
de chegar ao conheeimento do publico, que
felizmente n3o me utilse dos favores da
humanitaria commisso.
Amaro Joaqutm F. d'Albuquerque.
Lisboa, 28 de julho de 1869.
Illm. Sr.Participo a V. S. quo tenho estable-
cido o meu escriptorio de commissdes nesta cida-
de, ra do Amparo n. 66.
Encarrego-me de tudo quanto seja concernenle
ao commercio, especialmente da :
VENDA de assucar, algodao, caf, arroz, ma-
deiras, agurdenlo e mais genero do Brasil.
IDEM je violtos, cereaes e mais gneros da Eu-
ropa.
COMPRA e reme.sa de gneros ou quaesquer
encommenda em grande ou pequea escalla.
DESCO.NTOS por compra ou venda de lettras e
papis de crdito.
*TO da fundos para todas a pracas
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 2.
Trieste3(1 dias, brigue hollandez Corne-
lia Geertrmda. de 57 toneladas, capi-
t3o G. G. A. Wileraa, equipagem 11 car-
ga 2,810 barricas farinha de trigo ;
Henry Forster d C. |
Buenos-Ayres38 dias, patacho allemo
Bollona, de 98 toneladas, capito II.
Koueger, equipagem 5, carga 7,000 ar
robas de carne ; a Pereira Carnero d C.
Acarac e portos intermedios 23 dias
biate nacional Emilia, de 165 toneladas,
capito Joaquim Jos Mandes, equipa-
gem 9, carga sal ; a S Leito & Irmo.
Rio-Forraoao6 horas, vapor nacional Pa-
rahyba, de lOi toneladas, commandante
Mello, equipagem 15, carga differrfntes
gneros ; corapanhia Pernambucana.
ijio de Janeiro e Bihia'6 d-as. vapor ame-
ricano Merrimak, de 2,000 toneladas,
commandante Siecum, equipagem 70,
carga differentes gneros : Henry Forster
d-C.
Navio sabido no mesmo dia.
ValparasoLugar northe alllema Gcnetio,
capito 0. Kuhse, carga assucar.
grosso, bacalbo, bolacha,
americana, cangica ou miibo>
pilado, caf em grao, caf moido, cha hy>-
son, carue verde, sevadinha, carne seccado
Rio-Grande do Sul, carnauba em velas, fei-
jao, farinha de mandlO'-a da trra, gallinhas,
lenha, malte, manterga ingleza, manteiga
franceza, p5o, sabao massa.sal, toucinho de
Lisboa, tapioca, jolo de alvenaria grossa,
vinho de Lisboa, velas stearinas, vinagre de
Lisboa, velas stearinas de 8 em libra para
lanternas.
Sala das sesscs do conselho de compras
navaes, 31 de agosto de 1869.
O secretario,
Alexandre RodriyuBs dos Anjos.
da, Dr. Jacinlho Pereira do Rogo, Justino Jos" I
vista, Joaquim Bernardo do Mendonca, Joaquim
Ferrera Ramos, Joaquim Rodrigues Tavares M'llo,
Joha Donnelly, Jos da Silva Paria (2), Jo- Fur-
tado de M iidonca, Jos G unes Moroir, Jos Ma-
noel ilos Santo, Jo Pereira dos Santos Andrade.
Jos dos Santo* Neves, J. d>s Santos Villa-, Li-
curgo Albuqaerqno do Naieimentn, Laittanr c
('.. (i), D Maria Benedicta M. Jarobina, D. Marn
l.uiza da Conceicao Ferreira, Dr. Maximiano L.
Machado, Manoel Ambrono nrres Portugal. Dr.
Manuel de Fgirsroa Faria, Manoel Gomes Viega,
M.inoi'1 Jos Luiz Itinwiv Dr. Manoel Tnomaz do
Oliveira, N. Mover (:(), Dr. Pedro A. Matta Albu-
anerque (i), Paulino Ferreira da Silva, Paulo Jos
e Oliveira, Ra\ inundo Goncalves do Valle Gninin-
lies Silva t Alves, Samuel dos Santos Pontnal,
Tnomaz de Aquino Fonseea, Tobas Barrrto de
Menezm. TheoilOi'O Cliristansen, V. de Goianna.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de la-
cenda desta provincia, em virtade dar ordens em
vigor, manda fazer publico que tem marcado o
dia Io de outubro prximo vindouro para o con-
curso que se tem de abrir na mesma tliosouraria
para preenclumenlo nao s das duas vagas de ter-
ceiros esrripturarios nella existentes, como das de
pralicanles da mesma, assim como da alfandega n
da recebedoria de rendas. Versar ao os txames
para pralicanles sobre as materias de que trata
o Io do ari. 1* do decreto n. 3114 de 27 de juoho
de 1813, a saber : leitnra, analyse grammattcal e
orlhographia, arithmeliea e sitas applirat-Ses ao
coramrrrio, com especialidade rcduecan de rnoe-
das, pesos e medidas, calculo de dagcouto, juros
simples e corapostos, tlteoria, do cambios e sua
applicacdef : e para os de tareciros e-cripinrarios
as mesmas materias exigidas par praticante, e
mais as do J 2 do dito decreto, a saber : tlteoria
da eseripturacao mercantil por partidas simples e
doJbradas, e suas appiicm-oes ao commerrio e ao
thesouro, traduecao correla das lingas ingleza n
franceza, ou pelo menos da ultima principios ge-
raes de geograpliia c historia do Brasil, algebra
al equai-oes do i grao, e pralica do serviyo da
repartic^o em que estiver servindo : o cauttklo
ser dispensado do exame em qualquer das mate-
ria'* cima mencionadas se mostrar ter sido nella j
approvado. Os cand'datos que nao forem empre-
gados pblicos deverao apresen lar seus requer-
mentos inslruidos de documentos que provem ida-
de completa de 18 annos, isenciio de culpa e pena,
c bom comportainento.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 31 de agosto de 1869
Servmdo de oOicial-maor,
Manoel lose Pinto.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
Empreza lyrica italiana.
Sabbado 4 de setembro.
Uecita livre de assiguatura (7a do contrato)
Repetr-se-ha a muito applaudida opera du
Vcrdi em i actos
1\ RALLO II WM\
Os ponco? bilhetes que inda existem serito ven-
didos no da do espectculo.
Principiar as 8 horas.
N. B. A empreza tem a salisfaco de participar
ao re>peilavol publico que tendo cltegado do Ri
de Janeiro o Sr. Franceiino, um dos inelbor s ra-
bequislas da corte, tratou com elle c desde j
principia a fazer parte da orchestra.
EDITAES.
0 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, juiz de
direito da segunda vara do crime, e subs-
tituto da do commercio nesta cidade do
Recife de Pernambuco seu termo por S.
M. o Imperador que Deus guarde etc..
Faco saber* pelo presente que Joao Jos
de Paiva me dirigi a petigo seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio. Diz
Joo Jos de Paiva, que havendo no dia ti
de agosto de 1864, protestado para inter-
romper a prescripcJo de seus devedores
Moraes d Fragana e Francisco de Paula
tintino, e tendo justificado a ausencia dos
supplicados, em consequencia do que se
affixaram os editaes do estylo vem presen-
temente em face da lei, de novo protestar
visto como est prestes a fiudar-se o primei-
ro protesto e assim reqner a V. S. que j-
tend* sido competentemente justificada a
ausencia dos supplicados por semenca do
da 13 de agosto de 180i admita o sup-
piieante assignar um protesto passando-se
editaes independeate de nova justificado.
como quer que correu o primeiro pro-
testo pelo cartorio do escrivao Paes de An-
drade o supplicante requer a V. S. que se
digne mandar destribuir por depenuVn. i <
sendo appenso o primeiro. Pede a V. S
defera!' nto. E. R. M.Jo5o Jos de Pai-
va.N. ^380.00.Pg. 200 rs.Rece-
bedoria de Pernambuco i de agosto da
1869.Chaves.Franca.
E nesta petic5o dei o despaeho seguinte :
Sim, justificando, porm, de novo atiento
o praso decorrido. Cidade do Recife 4 de
agosto de 1869.Neiva.
E sendo feila a destribuic,3o ao escrivao
De ordem do Illm. Sr. iusp-ctor da thesou-
raria de fazenda desta cidade so faz public que
no dia 4 de setembro prximo, pulas 2 horas da
tarde, ser arrematada perante a juuta da mesma
thesouraria, por quem malor lanco offerecer, a
metade da casa terrea n. 18, adjudicada fazenda,
sita na ladeira da Misericordia da cidade de Olin-
da, avahada em 8005000. Os licitantes deverao
comparecer tiesta thesouraria no referido dia e
hora cima indicados.
Secretaria da dtesouraria ds fazenda de Pernam-
buco 26 de agosto de 1869.
Servindo de ofTicial-maior,
_________________Manool Jos Pinto._______
Pela secretara da cantara municipal delta
cidade se faz publico para conheeimento de quem
nteressar possa, que nio foi arrematada, como
estava annunciada, em 25 do corrente, a obra do
concert da ponte do Luca, oreada na quantia de
880000, a qual continuar em praca em o dia 9
de setembro prximo vindouro.
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
agosto de 1869.
0 secretario,
_____________Fran!isco Canuto da Roaviagera
Pela secretaria da cmara municipal desta
cidade se faz publico que nao foi arrematado no
da 25 do corrente, como estava annunciado, o im-
posto de 500 rs. por cabe.'a de gado morlo para
con-umo das freguezias do Poco da Panella, Var-
zea, Afogadbs, S. Lourenco, Muribeca c Jaboatao,
o qual contina em pra<;a no dia 9 de setembro
prximo futuro.
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
agosto de 1869.
0 secretario,
____________Francisco Cannto.da Boaviagera.
Santa casa da misericordia do
Recife
A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar a cobran-
za de suas dividas, pagando 20 OfO pessoa que
deltas se encarregar.
Secretaria da Santa Cs>"a de Misericordia do Re-
cife 2i de agosto de 1M0.
O oscrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
AVISOS MARTIMOS.
COMPAlll BRAS1LEIRM
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 7 de sutembro o vapor
Tfeantins, comnmiidanfc i. M.
Fcrn-ira Franco, o qual dopos
da demora do cosame seguir
para of portos do sul.
- Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
wr embarcada no da de suachegada. Encoinmen-
das e dinheiro a fete at o dia da sua saluda as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas sfnao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a dnas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de inedacao.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga,
i'revine-se aos Srs. passageiros qne suas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 87,
' andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedn A C. v ________.
COMPAHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor,
Macei em direitura o Pcnedo.
Jiy O vapor Giqui, commandante Ayn-
,-.;t-J4 ve^> ?^uir para os portos cima no
SSBBB da 0 do corrente as i hora; da tar-
de. Recebe carga at o dia 6, encommendas,
passagens e diuhero a frote al as horas da
tarde do da da sabida ; no escriptorio eo Forte
do Mattos n. 12._______
Para Lisboa
O brigue portngnez Constante II *eg para
Lisboa com a menor demora possivel, por )a ter
parte dn sua carga prompta : para o restante o
passrgeiros, trata-se com os consignatarios Ovci-
ra, Filhos & C, no largo do Oorpo Santo n. 19, ou
com o capillo na praca do cominercio.
GOMPANH1A PERNAMBC\NA
DE
Vavega^o costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mandan, f-mman-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 13 as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, pa -.agiros o
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do da
da saluda : eseriplorio no Forte do Mattoi a -12
por vapon-
Consalado provincial
Pela administra^o deste consulado faz-se
publico a quem nteressar possa, que com
o presente me termina o recebimento dos
differentes impostes provnciaes relativos ao
anno financeiro lindo de 1868 1869, sendo
em seguida liquidados o remettidos pelo
juizo os dbitos dos centribuintes, omissqi.
afim de seren ejecutivamente cobrados,
na forma da lei.
Consulado provincial, l de setembro
de 1869.
0 (administrador,
Antonio Carnciro Machatto Rios.
COMPANHI PERNAMBUCANA
Vavea;aco costeira
Goyanna.
0 vapor* Parakyba, commandante
Mello, seguir para o porto adra* no
dia 6 do corrente as 9 horas da note.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n i escriptorio do Forte o .Mattos
n. 12.
2L
I BUlSlLEIt
DE
Correio geral.

Relacao das eartas registradas vindas do norte e
suf pelos vapores nacional e francez, para os
senhores abatxo decorados :
Anna Frincelma da Cunta, Amorim Irmaos &
C, Augusto Cesar da Cnnha, Dr. Antonio Borges
da Fonseca, Dr. Antonio Joaquim Buarque Naza-
reth, capito Antonio Jos da Fonseca, Antonio Luiz
de Farias. Antonio Pereira da Cunha, Antonio de
S Araujft, Fr. Antonio de 8. Cantillo de Lelle?, B.
de Bemlca, director F. de Tireito, E. A. Burle &
C (2), Euthimio Pereira Alfcnqaerque, padre Fran-
cisco Xavier Dias de Albuquerque, Dr. Francisco
Assis Pereira Rocha Jnior, Francisco Antonio da
Rosa, Francisco Eduardo Benjamim, Francisco Ln-
cto de Castro, Hennenegikl* i. Barbosa de Almei-
/
Paquetes a vapor*
Dos portos do snl e esperado
ale o da 8 de setembro o vapor
Guar, commandante o ? te-
nenie P. H. Duarfe, o qwJ de-
pos da demora do costme se-
gUna A3*" S PTt0S do n0rte-
Desde ja recebem-se passageiros e engat-c a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual dever
+er embarcada no dia desuachegada. Eoecnuntth
Jas e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua saluda.
Nao se recebem como encommendas eaio ob-
lectos de pequeo valor e qao nao eycdam a 3
arrobas de peso on 8 palmos cbicos rudo que passar destes limites devr ?^>r >>mbair-
cado otino carga.
Previne-seaos Srs. passageiros que ?nr^
pns so se recebem na agencia ma da Cruz n. i'/
[ andar, escriptorio de Antonio Luiz de Ofrveir
Uevedo tt C.
COMPAHIA PEHNAMBCANA
DE
*avegaeio costeira por rapo ir.
Parahyba, Natal, Maco, Aracaly, Ceart.
Mandah, Acaracu e Granja.
JJ*l|r O vapor Pirapama commandante
H Torres, seguir para os porto
* ainu no dia 15 do corrento as o hoias
la tarde. Recebe carga at o dia 11, ewom-
endas, passageiros e dinheiro a frete at as
t horas da tarde do dia da sabida no escrip^rn)
o Forte do Mattos n. 11
I.
I ,
lUGlVEL




F
N
Dia
ario de PernambuccJ Sexta feira 3 de Seeiiibro de 18G9

3
fura Lisboa
palhabote
para u ri
,'iiata-
1
ii. i9.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
^Navegacdo costara por vapor
Fumando de Noronha.
O vapor Co/i/Wi) H-ommandanto Silva, seguir
para o porto cima no da 10 do crreme ao meto
carga at o dia !>, eneommcndas,
ageroso dinheiro a froto at as 10 horas do
lia da saluda : escriptorio no Fui te do .Matoso. 12.
LEILOES.
LEILAO
, AMAS
Precisa- WBprar e
uatnu par cogoiiiuiar c i':'
l.tiiu : na nra$a da Independencia u. 22, so
dir quem precisa. *______________
Aos 20:000^000
CASA DA FELICIDADF
--Praca da independencia-**
Os abaixo assignados tcm exposto a venda os
seos reinos bilhetes da lotera 127-4J8 do NHhe-
rohy, cujas listas sao esperadas at o dia 8 do cor-
rente sendo os premios pagos in conlincnti.
Veras & Barbelo.
Precisa-se do urna auia para casa de fami-
lia : a tratar na na estreita do Rasarlo n. 18 B,
loja de miudezas. *___________________
Oerece-se ul lumem com milita pratica de
garifo de campo, para Mtor do en gento, safte lr
e escrever: a pnjsoa que precisar, dirija-se ao
becco do lvixoio o. 27, para (rajar,
51c cerveja, rafe lat a mol-
do. |>uas u ludas e flores de
malvas.
\ 8 &* cnrr:ntf.
Precisa-so do nina ama de leik1 : a tratar no
pateo do Carino, esquina da roa de lionas n. 2.
- Na na l);reita loja do raleado? n. 3i preci-
sa-sc deum caixeiro quelculi pratica desse ne-
gocio, preferind-so portugus. _______
O afeflteOlicWra far Icilao por conta e risco
loquera partencer de porr/ws de (arveja pretae
branca era garrafas e meias, encaixotadas i en
cas, cuu mUacao qual se usa na Alleroa-
uha, passas miada (corinthio i, oroprias para
ludms o eonfeitaria? e por cenia do seguro,
' 3 fardos con 100 Lilngrammas de flires de
ualvas com ayaria, viada d i flunbuigo pelo An~
.'.' i "i. capito II. Van Duffclen.
hoje.
.: II horas da mnnMa,em son escriptorio a rna
la Cadeia n, l, primeiro andir, por cima do ar-
ii37em de m ndas de Sr B irr ica.
~ iiio ~~
lili FAZESflAS
Unjo 3 de setembro.
A. C. de Abreu continuar o sea leilao de fa-
nd.is nglezas e francoias i or ntervenoao do
ita Pestaa : hqjeJ de MtcmbM as y horas
la manhn era sea anmtsem rna da Cadaia.
Jos Mirlins Alv.-s di Crin, faz
sciente aos seos amigos e comitentes, que
inudmi sua ivsi,): ivia da ra rjo Eogo n.-
!), para, a de. Horlas n. 516. aonde promelle
coropjir soas ordens como do costume e
pratica. ______ ______
De caitas eom maca*.
Jloje 3 as 10 f|2 horas da manhaa.
A porta lo araen do Anne, o atiente Pes-
iana vender caix.is com superiores mafia* de-
sembarcadas hornera do vapor tapkyre ein um
oa mais lotos a vontade dos comprad iros : hoje
as 10 [\1 hora la maah'ta ein rran'o.______
LEILAO
DE PREDIOS
0 agente Pontual competentemente aulorisado
vender ein loilo um obrado de inr andar c so-
tilo n. 98, em solo prnprio, sito a rua Imperial e
urna casa torrea n. 3 ora solo foreiro sita cam-
pia da Casa Forte propria para passar festa.
Sabbado 4 de setembro
o 1" andar do sobrado 0. 2, rna da Cruz,
as 11 horas.
AVISOS DIVERSOS.
-2?
'"'i
Guiiuerme Patricio Bezerri tovaicanli c seus
limaos, Joao Vctor de Souza a sua mulher c sous
tilbos, e ora, agradecen do intimo d alma o fa-
vor de considerar. que Ibes acabam do dar as
pessoas que se dignaram. assi'tir aos suffragios
foitos por alma de sua virtuosa esposa, cuntiada,
hlha, irmaa c cunliada, Laffleiina da Souza Caval-
canti; e de novo convidan* para assislirera as
raissas o memento qne se rosar na igreja de S.
los do Biba-mar, na lorca-feira 7 do corrente, as
'i horas da manhai, stimo da do seu fallecimon-
to ; boni romo agradecem tambera a todos que no
momento raais doloruso do seu so^rimento Ibes de-
ram a piova raais robusta de soa amizade econ-
s i dora cao.__________________________
S no deposifo de pao e cestas a rita larga do
liosario acliarao siborosas nacas e uvas brancas
Miuscatel, dovendo notar-so que entro aquellas
existe algumas pozando mais i'.<> 1/2 libra, estas
serio para os primeiros que apparecerem.
Manuel lio Iriguos de Al.noi.la l'iz sciente ao
respeitavol publico ecom especialidada ao corpo
do commorcio que comproa a lilr.miuato Angosto
llenriquoda Silva aacmaeSo da loja da rua da
Imperatriz sita naca r^ada de quaosquer dividas ou imposto, comtudo
quera se julgar com algara dimito queira anre-
sontar-se no prazo do '( das a contar da data
d;ste. Rectfc 3 de seterab o lio 1669.
Aluga-seura grande sitio denominado olho
d3 vidro, entre Cruz do Alakaa o Paraameirim,
oa sobrado para moradia, casa para osera vos,
estribarla, ca-a para feitor, dita para fazor fari-
nua, cacimba com boa agua ilo beber, bomba,
tcm o dito sitio diversos arvoredos de fructo e
boa baixa para plantacao de capio : quem o pre
teuder dirija-se a ruadoArago n. I 'i, a tratar
cora Jos Antunes Guiraares ou cora Manoei Per-
i ira Ramos na mesma rua n 31.
COMPAKHIA
I'OS
TUMOS URBANOS
DO
flECIFE A9 OMVOl.
Por ordem lia directora sao convidados
os Srs. aicionistas elTectuarem no praso
de ludias la contar do dia 5 de setembro
prximo) a 4aprestacao de suas ac-c. es na ra-
/.o de 1U '/. Para esse lim ser encon-
irado o Sr. thesoureiro todos os (lias utets
desde as 41 horas da raanha at as 2 da
tarde no seu escriplorio, rua Nova n. 35.
Escriptorio da companhia, M de agosto
de 18G9.
Io secretario,
Iheo. Just.
Ama
Precisa-sc de ama ama para o srtco do urna
deJuaUb^iiu saiba coser : a tratar na rua
do Aragao n. 35.
- l'ii'ci-a-Mj alugar moa eserava boa cozinhoi-
ra e outra boa engommadeira : a tratar no arma-
zem da rua do Commercio n. 22.
I'recisa-se do urna mulher capaz que qneir,
ir Maujanguape levar urna crianca a sous nai-
dando se-lhe transporte o pagando se-lhe o traba-
Iho : quem ouizer dirija-se a roa do Cabuga nu-
mero 7, loja de cera, onde se dir com quem se
deve tratar._____________________
- Acha-se rugida desde o da 27 de agosto lindo
a preta Lourenca da Costa, do. 40 annos pouco
raais ou menos, cabellos curtos, bera preta, esta-
tura alta, corpo regular: quem a pegar e levar a
sua senhora .Mara Remana Je Jess na rua da
Guia ser bera recompensado._______________
Os abaixo assignados declarara ao publico e"
e?perialme:V ao corp do commorcio, que desde
o dia 19 de agosto prximo passado issolveram
amigavelmcnte a soeiedade que tiuham noestabe-
lecimento de taborua cita a rua do Santa Rita
n. 1. sob a firma de Guimaraes & Costa Arando
todo o activo e passivo a cargo do ex-socio Costa
retirando se o ex-socio Guimaraes saldo de seu
capital. Iltcife, 1 de setembro de 1869.
Francisco Riboiro Guimaraes
Fiaucisco Torres da CosU_______
Prer.sa-se uo ura caixeiro que lenlia pratica
de taberna e d fiador de sua ci inliii-la ;'no pateo
da Bibeira n. 13. ^
M
Procisa-se do una para osinqar em casa de
familia ; a tratar no largo da Alfandcga armazem
n. 2.
Procisa-se de una ama para comprar e co-
zinliar : na rua do Qneimadp n. 22, loja.
Aluga-se por festa oa animalmente urna casa
terrea com soto nos Arrombados de Olinda, com
commodos sufilcientes para urna grande familia,
por ter 7 quartos, 5 salas, cozmha fura, casa de
pretos, quintal murado, arvoros de fructo, e ca-
cimba : quera pretender dirija-se rua da Roda,
sobrado n. 44, que achara com quem tratar.
Eu abaixo assignado lenho justo e contrata-
do a taberna sita rua Imperial n. 213, que foi do
fallecido Antonio Jos Goncalves Pleehc, com o Sr.
Antonio Jos Pereira da Cunha, cunhado do falle-
cido, livre e desembarazada de qualquer debito
praca : por isso qnem se julgar credor da mesma
dirija-se ao annunciante na mesma rna n. 197, no
praso de tres dia, a contar desta data. Recife 1
de setembro de 1869.
Miguel lote da Cosa.
OHerece-se urna pessoa solteira para feitor
de filio, com pratica bastante : a tratar na ra do
Codorniz n. 3.
Bogase aosonhor Adelino Tbeodoro Alves
o favor de dirigirse rna do Santo Amaro,
taberna n. 8, para entregar iras documentos que
eslo era seu poder.
SITIO.
Precisa-se alugar um sitio quo tenba baixa de
capim e alguns arvoredos de fructo : a tratar na
rua do Queimado n. 12, 1 andar.
Por engao fot entregue urna carta vinda do
Rio de Janeiro para o Sr. Francisco Maciel de Oli-
veira : na secretaria da polica, onde poder ser
procurada.
Precisa-se alugar urna escrava que seja boa
quitandeira : na rua das Flores n. 37.
Joaqnim Jos Ramos
ex-socio dos Srs. oliveira Filbos & C. ainda mais
esta vez declara para evitar equvocos que nao se
refere a elle o annnncio de fallencia, inserto neste
Diario, e sim a urna outra pessoa qne (por urna
fatal coincidencia!!) tera o niesmo noine.______
lllamiiiaco particular da rua
Nova.
Os signatarios da illuminarao particular da rua
Nova, rogara ao Illm. Sr. engenlioiro director da
companhia de illuininacao a gaz, que, de confor-
radade com o artigo 4" do respeclivo contrato, se
digne mandar fechar os bicos defronte das casas
dos quo nao pagam o consumo, para que estes
nao estejam gozando o beneficio custa dos con-
tribuimos que ponderosamente teein guardado a
f do referido contrato.
Arrenda-se a padaria do Chora-meninos com
todos os pertences, bem afregnezada, com commo-
dos para refinacao e fabrica de velas, em muito
boa locaiidade, propria para um principiante, e
por precia commodo : a tratar na mesma.
Precisa-se alugar um escravo paraservico de
padaria : quem o ti ver dirija-se ao pateo do Terco
n. 63.
Devoro do Senhor Santo
Christo.
O provedor perpetuo e administrador do altar
convida a todos os devotos que concorrem para
-ta devocao a reunirem-se hoje 3 de setembro,
no consistorio da igreja do Divino Espirito Santo,
as 6 horas da tardo, aim de aa/eearem a? con-
tas qne o mesmo quer apresent.ir. ^^___^_
A commissao administrativa da con-
traria de Nossa Senhora do Livramento,
convida a todos os irmos e devotos, para
comparecer no dia 5 do crtente me?, as
oito horas da manhaa, afim de assistirem
abencao de Nossa Padrooira, assim como pe-
dimos a todas as contrarias e irmandades,
ao signa! dos fognetes repicarem para o
brilhantismo do m sino acto.
Joo Manoei Lino da Rocha.
Secretario.
TI^LHOS URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Do i* de setembro prximo em diante,
a partida dos trens. ser regulada por urna
tabella rpte pode ser procurada na estafan
do Recite desde j.
As horas das partidas as esares ter-
minaos, sero as seguales:
DAS uteis
Do hedf^- Apipucos.
Manliaa 0,10 7.40 '.:>()' 8,50' e 9,50.
Tarde 2,30' 3,30' 4,20' 4,30' o,30- 6,35' 8,-- e 9,15'.
De apipucos no fecife.
Manhaa 6,20' 7,8,5'9, 10 o II'
Tarde 3,3o' 4.3'i' 5,35" *,3S' ^<>' e 9,20.
DOMINGO^E DAS SANTIFICADOS
Do llccife Apipucos.
Manhaa 6. 7, 8 e 9.
Tarde 1, 3, 4,5, 6, 7, 8.20' o 9,20.
De Apipucos ao liccife.
Manlia 7, 8, 9 o 10.
Tarde 2. I, K, f. S' 7,o' 8,25' o 9,25'.
F.sctipt'irio da companhia, 28 de agosto
de 86).
0 gerente,
Iliiivlinson.
EMPRESTimO SOBRE
Extrafaido do Jornal do Com-
mercio do Rio de Janeiro, de
20 de agosto do corrente
anno.
Arrematafoes jtuliciaes
No dia 6 de setembro prximo futuro s
portas da casa da relaco, depois da au-
diencia do juiz municipal da 2* vara, se bao
de arrematar, a quem mais der cima da
avallaran de 2:500dOOO animaos, os a I li-
guis do predio n. 53 K, da rua do Lavra-
dilho, penhorados na execufao que raove
a soeiedade Dous de Desembro, (*) contra
a soeiedade Gloria do Lavradilho )) pelo
cartorio do escriv5o Caelano da Silva.
() Do gran-de Oriente Benedictino,
(*) Do grande Orien- te do Lavradio,
ATTENCAO
No dia 7 de agosto de 1869 fugio do engenho
Poco Redondo, comarca de Goanna, urna mulata
de nome Rita, idade de 30 a 35 annos, com os sig-
uaos seguintes: altura regular, corpo masro, o
eadeiras chatas, cabellos cacbiados, semblante on-
farruscado, bocea tr mbetada, o estomago para
fra, bemeraigada, ps bem feitos, dente* alvos s
perfeitos, toda getosa, sabe coser e faz rendas o
grades, e engorara a bem ; assim como corta cu-
riosamente obrinhas para moninos; quem a pe-
gar condaza-a ao referido engenho, ou entregue-a
nesta praea ao Sr.. Dr. Laurindo de Morae* Pi-
nheiro, que ser bem recompensado.
Precisa-se
de um hornera que emenda da plantacao de urna
horta : a tratar na estrada de Joo de Barros, sitio
n. 24. .______________________
Ama de leite
Precisa- e com toda urgencia de nma ama de
leite : na travessa do Veras n. 15, Io andar. Nao
se olha a prego.
roa
pri-
(SEM LIMITE.)
l\a travessa da
das Crnzcs n, 2,.
meii'o andar, da-sc qual-
quer qnantia sobre oiiro,
prata c podras* preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente aulorisado pelo
governo, est as condifoes de ga-
rantir a trnsaeco que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e coasiderafo s pessoas que se
dignarera de honra-lo em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
IMO FOI PKC'SO. agua BENTA
? O demonio madou-se por sua InT? e espontanea vontade
VIVA 0 DIA DE S.BARiOLOMEU
Agora mnguem presuma que fot um demonio qualquer, fui
0 BQM DEMONIO
Mas nao-saliio da Boa-Vista
CHEGOU-SE ATE PARA INAIS PERTO DA MATRIZ
iSeu dominio est hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RUA D4 ARAGAO R. 32
VEMIIAM TJE-liO
Como garboso se slenla
Como lepido se moslra
E as diabruras que fazill
Negra tranca no co lo lheondeia
Solta irizi io mago desdem
1 Dcita a fronte n'um peito e coninx\
(Juanlas maguas o seio cor.lm.
Esta linda e gentil reafnra lamlioin
VEMllE
Oueijos, raanteiga e caf,
Vinho, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
De Nantes boas sardinbas.
Todo paralo
Para agrada ,
Veuham fregnc7.es _
Qi* han de goslar,
N, B. Brevemente pora annunciado o dia, ein (fue este ftipoitute arrenzena de mo-
! litados lera principio apratica de certa diabrura^que admirar inaia do que o lMi'OltAI.
! na BONANCA darua'do Queimado. Por ora venham os freguezes visitar o ikssuos-
i labelecimento, comprar o< nossos supeiieres gener s por procos muilo rasoaveis.
Manteiga ingleza flor a 1^300 ptir 500 Vinho bordean* cm caixa, 7f>000.
igrammas. Vinagre branco engarrafa*) a 400 rs..
Dita dita a 1(5200 idem. Bolaxiohas de dilTereutes mrreas. a
i
AMA
Precsa-se do urna mulher livre ou escrava quo
cozinlie o diario de urna casa de pouca familia,
paga-se bem : quem estiver nestas condiodes, ap-
pareya no escriptorio da rua da Cruz n. 60, ou na
travessa do cha fariz n. 15.
Precisa se de um ferreiro as obras da Re-
cife Drainage Company Limited, no largo das Cin-
co Pontas. ____________________________
Na rua Nova n. 48 precisase alugar um
moleque de 12 annos, ou um preto velho para
servigo de casa. Na mesma casa se vendom dous
corixs muito cantadores.
Cozinheiro
Aluga-se um perito cozinheiro e dous bons ofi-
ciaes do carapina, todos escravo^ : na rua Direia
n. 21, Io andar.
Aos 20:0004000.
Uilliotes do Rio a venda, rua do Cabug n.
Treces do eostunio.
C.%SA DA F.
r.asa da Pe. "Preces do eostunio.
CASA DA FORTIM
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
A rna do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendido alora de ou-
tras sortes 2 meios n. 1680 com 700 da lote-
ra que se acabou de extrahir beneficio da or-
dem terceira do Carmo do Recife (118') convida
aos possuidores a virem receber na conformida-
de do costume sem descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes da 28' parte da
lotera a beneficio da Sania Casa da Misericarda
(119"), que se extrahir no dia 10 do corrente.
Procos.
Os do costume.
__________ Manoei Martina Pinza.-
Procisa-se de um caixeiro com pratica de
taberna : na rua do Sebo n. 't.
CNCER.
CURA INFALLIVEL PARA HERISIPELA
Pedro Buarque de Macedo, acaba de descobrir
depois de grande experiencia, um remedio, quo
tendo sido applcado militas' pessoa* homeopathi-
camente tem obtidn um resultado, que ainda nao
faltou. quando o remedio applcado por elle pro-
prio, c observada a sua reg a, em vista da gravi-
dade de sua preparaban. O mesmo senhor decla-
ra que nao expoe venda em parte alguma o seu
remedio excepcao de sua casa. Declara mais,
que os vidros do remedio serio rubricados por
elle com tinta encarnada, acompanhando ao mes-
rao um diieccan para o u>o do remedio. Declara
ainda que esta prompto a fazer qualquer cura con-
dicionalmente, para o que pode ser procurado em
Olinda, rua Nova n. 4.
__________A 2i000 O FRASCO____________
= No dia lo do corrente mez e auno l'ugio de
casa do Sr. Dr. Joao de Hollanda da Cunha, rua
de Bemfica, na Passagera n. 48, onde se acbava
alugai, o moleque Francisco, crioulo, bastante
pretrt. de 15 annos de idade, com um sfgnal de
queimadura no hombro esquerdo, trajava calca e
(aqueta do brim, consta que se acha servando ein
loja de empalhador, deque official, ou lingindo
que pretende aprender esse offlcio, pelo que se
protesta contra quem Ihe der agasalho : quem o
apprehender, queira leva-lo rua da Aurora u. 26,
onde ser gratificado. __________________
Dita dita a 1^000 idem.
Dita ftanceza a 900 rs. idem.
Batatas novas a 100 rs. idem.
Cha fino superior a :io00 idem.
Dito dito a 35200 dem.
Dito dito a 3#000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf de caroco a 200, 210 e 280 rs.
idem.
Mittiu alpista a 240 rs. idem.
Toocinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiatinas, masso 720.
Potes com sai refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 000 rs.
a lata.
Eructas portuguezas era calda a 600 rs.
a lata
Ditas s de pecfgos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 1^000 o masso.
Frascos cora conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de x>rco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata..
Copos linos para agua, dtizia 45800
Garrafas linas para meza, o par 5#000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 4 5000.
Presunto em barril a 480 rs. por 00
Ama
Preeisase de una ama livre ou escrava que
coznhe com perfeicao o diario de una casa e que
seja de boa conducta : a tratar na rua do Vigario
n. 5, li" andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para servioo interno de
casa de amilia : na praga da Independencia n.
JB. se d r.
Precisa-se de urna ama que saiha eozmhar
engommar, para casa de pouca familia : a trata
na rna do Cabug n. 1, loja de joia.
I400.
Fosphoros de seguranca, masso 500 ife.
Banha de porco a 720 por 5O0 giaimnas.
Vinho do reino, garrafa a 1$000.
Charutos do Lima a 3-5 e 6S a caixa.
Sabaode massti a 240 rs. por 500gram-
mas.
Latas com ameixas a I, I#500, 2>800
e 30500. ,
Ditas de manteiga a 2?>8O0.
Ditas juliana a I -S por .500 grammas.
Frascos com macas secca a 2t5O0O.
Serveja de diflerenlos marcas, duzia C.
Tapioca do Maranhao a 24 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 5#.
Liguic-as e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
G>z, 14a a 80500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a \ >200 a lata.
Latas de po-de-l a 900 rs.
Biter em garrafas a 800 rs.
Licores tinos como coracol, amisade, e
outras muias marcas a 10000 rs.
Estrilinhas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zero a 10 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que nao conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se explicar quelles
que nao entendem.
Opera Italiana. Aluga-se
Enconlra-se em casa de Andr Delsuc, urna grande casa com 4 quartos e 1 gabinete na
oahpllorpirn rna ln frpnn n 7 4 a n- sala da frente, todos com janellas, e no sotan con'
caoenereiro, a rua uo crespo n. /, i an 13 qaartos ,amt)em grandC9 sendo 2 con. janellas
dar, um bonito sortiraento de luvas de pe- ^^^ grande 9 despensa, cocheira, estribara
qnartos para feitor e escravos, boa agoa de cacim-
ba, tem diversos ps de arvoredos que dao fructos
banho perto de casa, no lugar da Capunga, segun-
do becco da Ventura n. 8 : quem pretender diri-
ja-se rua do Livramento n. 14. Os pretndeme:-
podn i entrar pelo porto do sitio do Sr. Justino d*
e dt
lica, marca gyantida de Jouvjn.
Despedida.
Candido Alberto Sodr da Motta nao podendo,
pela brevtdade de sua partida ao sul do imperio,
despedir-so de cada um de seus amigos, pede a ,
todos dcscuipa dessa involuntaria falta? e offerece ?'!,va Boav,sta'. ^J Cm
Sitio
Ao commercio.
Candido Alberto Sodr da Motta, tendo de fazer
urna viagem ao sul do imperio, deixa por seus pro-
curadores, era l' lugar ao seu caixeiro Sr. Jos
Domingues do Carmo e Silva, em 2 aos Srs. Pe-
reira da Cunha Irmos e era 3 ao Sr. commenda-
dor David l'erreira Rallar ; aos quaes confere to-
dos os poderes durante a sua ausencia para geri-
rem em todos os negocios de sua casa particular e
commercial._____________________________
Precisa-se de urna mulher portuguesa de
meia idade, que saiba ler e escrever, para fazer
companhia a urna senhora de idade: na rua do
Queimado n. 4.___________________________
Vicente Alves Moreira, agenciador de ven-
ias de escravos, mudou sua residencia da rua de
Hortas n. 94 para a rua da Paz n. 34, onde seus
freguezes o poierao procurar para a mesma oceu-
pacao. Recebo escravos em cmmisso, e promeUc | __ Precisa se de um moleque
prompta venda.
Precisare alagar um sitio que tenba grande
baixa para capim, e algumas arvores de fructo :
quem tiver annuncie ou dirija-se rua do Quei-
mado n. 12, t* andar._________t_____________
No largo da Aseembla n. 19 precisase alu-
gar nm molo |ue ou una negra, que soja fiel e de
bons costumes, mesmo sera habilidades.________
Aloga-se una ca*a sita no Monloiro, tam-
bera aluga se alguns quartos proprios para rapa-
zea : a tratar ua rua Nova n. 21, 4o anlar.
Troco miudo.
Da-se bom premio por sedulas de 1000, 4;
51, 10 e 20fi(K)0 (nova estampa), paga-se por
quantias de 1:000* a S:000|;: na casa de Theodo-
ro Simn & C, largo do Polourinbo n. 7.
o seu limitado presumo era qualquer lugar em
que se acbe._____________________________
Fugio no dia 24 de agosto o escravo de nome
Constancio, pardo, alto, cabellos parapinbos, cara
bastante bexigosa, tom urna bellide no olho esquer-
do, e os ps turtos, julga-sc andar na cidade e
dormir n'nma taberna sita no boceo do S. Jux>,
donde sane pola manhSa epara onde volta a noi-
te quera o capturar leve-o rita Nova, loja de
Amida & Irraao, onde ser gratificado.
Aluga-se pira passar a festa urna casa n
Caboco, margen do rio : a tratar no caes d
Ramos n. 8.
feitor exigir as chaves.
Trecisa-se de um copeiro que entenda do
boleeiro : no rua do Trapiche n. 14, consulado
francez.
Obstrucpo
Do ligado e do baco
Os preparados do JURUBEBA (vinho,
xarope, pitillas, oleo, emplastro e tintura)
so eflicazes contra a obstrucQo do ligado
e do baco, a ictericia, a hydropisia, as febres
intermitten'es e durezas, os desarranjos do
estomago, as faltas de sangue e de raens-
truaco, o catharro da bexiga, etc.
nico deposito, pharmacia de seu autor
de J. d'Almeida Pinto.
Rua do Rosario Larga n. 10 junto ao
quartel de polica _______________
Ama e moleque
Na rua da Cadeia do Recife n. 4, 4o andar, por
rima do armazem do Sr. Barroca, precisa-se de
urna ama que cozinhe o ordinario de nma casa ;
e qualquer concert tendento a tambera se joma de aluguel um moleque de 10 a
14 annos de idade, para compras e mandados.
Aluga-se
duas rasas com bastantes commodos, na cidade
novado Santo Amaro : a tratar cora Antonio Josi-^
Gomos .tunior. om Santo Amaro.
Eogomma-se roupa tanto do hornera comodt-
senliora.com perfeicao : na rua do Caldeireiro nu-
mero 10.
AGENCIA
EM
Na'praca da Independencia n. 33, se da di-
nneiro sob penhores de ouro, prata e pedras pre-
ciosas, e seja qual fdr a quantia : na mesma casa
igualmente se faz toda e qualquer obra dejjneom-
menda e todo
mesma arte.
de 14 annos : no
I hotel francez, rua do Commercio u. 11.
Precsa-se de urna ama para tratar de urnas
meninas : na rua da Penha n. 23.
Do Dr. Ayer.
PEITORAL DE CEREJA
cura pbtisca e todas as molestias do peito.
SALSA PARRILHA
cura ulceras e chagas antigs, empigens e dartos.
TNICO
conserva e hmpa os cabellos.
PILULAS CATHART1CAS
purameuto vegetaes e sera mercurio, cura ses5e,
purgam e purificara todo o systema humano : ven-
de-se nicamente em casa de Samuel P. Johnstou
& C, rua da Sonzala-nova n. 42
Em casa de THEODORO CHRIST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
m
RUA
IDO
CABUG
esquina
AO ANNEL DE OURO
ItUA
EO
mb joias | CABUGA
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual, esquina
, -le vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. da ^o iaro-ad0rij
|da rua larga do ^ ^^ da quaiidade e do pre Rosario. Garante-s ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele- Rosario.
vados. #
A loja est aberta at s 9 horas dannoute.
ILEmVH.




Diario de Pernambuco Sexta feira, 3 de Seteuibro de 1869
COMPAWHJi ERHAMBCAHA
.m
U
..*


r
Os Srs. Saunders Brothers & 0., Tasso Irmaos,
Luiz Antonio o Siqueira.
0 SE. F. F. BOfiGE). ,
Restando nimia umittir algunas w&es -1esta m-. panMa, ta quan!-
200k)60 cada urna, das anees se ceitaiu mq vtr>*j4i 'a l^s 20 %. ou
cada tocSo*; comiase pelo prescrita ao |Mh ic' pm ^.r.<\ o ospecialm< > a frs
capiUKstas e intcrcssados nocommercio, qt! ,:.,....-. tat uqtfego seguro ::-is sent
capilaes, disponiveis, a subscrever o numen* dcaccocs ue llies approuver.
Algumas 'testas aeches ja tet sido mina' as por pe? -tas que conhecen.
de ua presento occasiio (crecidamente a -neibor), <-opregarera o
pederem dispor em ubje:tos do valor real, orno_ vapor* >, prrtins <>t<\
*am seos espitaos. .
A compaohia posase Imjc 10 vapores, ( ihtemunento novns, n uestes o ultimo esu-
.a ebegar ihi Ingtaterra, onde foi construido expressaueme para oUu.
Alm disso est edificando vastge arma/.ens, no terreno pue possuc no largo d'As-
sembla.
Seos dividendos tem sido ds 10 % ao anoo us nllimos i Minos.
As aeces queso emittirera gosam dos meemos direitos, a perceberao o beneficii
dos mismos dividendos que osantigos em proporcSo da entrada.
Recebem-se assi^naturas no escriptorio da compinhia no seu odiliei
Assembla n. 12.
caca da Koa-n \.v
^ do Cr^o r. 43.
O hbaixo assignado temi .mido brenca .la pre-
-i' uciae SiilisfeKo flS ie,
avisa ao respeltavol publico qu> lera sernpi <
ver-da no ""'j r'' 'Wlnsmila bil ictes las l< :c-
i i. i '-1 ^.i 'i ios sero p
prom pamente avistabas listas era o o>se< uto
lei.
i Yecos':Inleiros.. 3i 5000
Meios... 1-iOOO
Quarlos. G000
E em imatifTifaric maior 'lo 100 OO na r.vao
le MtObopor l..i te.
M*ii.."l Mnrlim Vln .i.
.:MT)l>>l ii(
:0;)OUU pul
gen..
OOSTTT REIR.
(,ut-Bj coslui.is c oiaidi- a moda fi m-
cv. por ro commodo. tu na Augusta
n .112, e d-se flanea sol e-as turmas.
Mikroskope achruma-
' liseben. Objetiv Lin- ^^ \D
sen.
Rarometre e termo-
metre. Centigrade
e reuumeure.
- <
r'.B*Wi
dinheiro tic (Jt1
qn Hws garan
ao caes d
i
I N'ESTA ANTI6A CREDITATA I
J FABRICA J

ii
CMJTTIIHTI 101 C0IPLII9 ItlTH
OIAPltS !:
Ds toda as qualidades I
De tados os feitios I
Be tedas os presos !
RA DO CRESPO N' 4
O l
' nV" i. de Alboquerqoe Mello no.lou o seu es-
enpiorio para a ra das Cruzcs u. 37. defroni da
iphia do Diario.
MUDANCA DO
AlbinoBnptistada ISiiclia part-ipa
i ,q-cir.-.:.10u-
o con a sua ollicina dapra?4 da
independencia n. 12 para a ra das
Croles n. 23; pre\nne, portanto, a
lodos os amigos e Ircguezes (|ue se
achara em casa a qualquer hora
do dia, parn exeoMar ledo c qualqner concerio
que de sa arte exigir possam, tenderrte a sna
proDssio; o em sn.i falla acharad com quein
talar.
l na senli ,|e tornci
sultelre, engoiulna o cosinjia com perfeicao, tem
as habilitacdei p;tra lxim reger ama r
r ser
iimili pixoia, |!d.' fr procurada na ra de San-
ia Hierenii |l'
Aluga-se um sitie com boa casa de
vivencia com conimodos jwa gran
% - na, era fronte ao sitio do Sr. Bailar
^ ~" 5c Oli*eira : a tratar com Domingos
Atrrs Mathens, na do Vigario n. 21.
TrgWcia"
ALGUEL.
No 'jostfJtD ds Orno se diz quem precisa de
urna escrar qoe sirva para comprar, cozinhar
eopommar, para casa 0> familia.
Notas rts caixas liliai's do banco do Brasil,
rocam-S* qssi modidl descont, na loja de Manoel
Jnares Pnheiro, praca da Independencia n. ii.
Dividas.
O abaixo assignado, arn-matantc ilas dividas du
espolio do finado Jos Mnnool l'ercira de Menda-
ulia, avisa aos devednrrs do dito finado que man-
dem satwlazcr seui dbitos, no praso de 35dbs,
contados da data Serte, findu o qnal proceder a
cobrana jiurialniente ; na ra dus f'.inco Poetas
n. 82. Recife 24 de agosto de 1869
Joao de Azevedo Pereira.
Pr*ci-sn de un feili^r pnrlugucz fiara o
engenho Mallo Grosso er-marca do Rio Pornmso ;
a tratar com
fnXo Ben'ci do Gionva no nwsriio
iMuzcr.no
n. S6 1."
ou com
andar.
Leal iV: ermaj), roa da Cadeia
".
Pr!fisa-s< de
ra Nova n. :.
Ama de leilc.
urna ama de leilfl
a tratar na
Tintura instantnea de Desnoar, c real de Jayme: vende-se rea do Quei-
mado n. 6,
Salao de cabelleireiro,
onde tambem se ein-ontrara utn explendido e variado sorimento de perfumarias tinas,
e das melhores fabricantes de Pai-ts.
Amo
Precisarse de nina mmi para enonbar c comprai
para ema de Snosa familia: n ra das Otras
n. 28, 1 andar ; proliTe-se ccrava e paga-st
bm apiadando.
^ O adwogado Dr. Antonio do Vis-
| conserlos Metieses de rnmmond,
mmlou o sen escriptorio para a na
'do Imperador n. 20. onde pode
S| ser procurado para o exercicio de
2 Si:'' proWssaO i*m todos os dias
i bteia das 10 hora* da manlia at
as V horas da tarde. Kra dessas
[ liorus, e para qualquer occmrencla
urgente, ser tnconlrado no si-b
' domicilio, ra da Aurora n. 26.
ICUIS FERISCQFieOS
E crystal de rocha do Brasil.
V. I. erinann. recommenda ao publico, seos vidros periscpicos aperfeicoa-
dos; porque, com este;/ vidros, a vista descanen, fortilica-se e nao a.canr,a como con
os vidros ordinaria. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquatito
que, com os vidros ordinarios se est obrigado a mdalos todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do 6'ho e determina quasi sempre do-
res de cabeca. 0 alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do lho, e,
todas as vezes que o objecto est mais perto ou mais loog-i, os raios que expolie s5o
mui convergentes-ou anui divergentes e. a viso nao perfeita. Um grande numero de
pesseas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a viso u5o distincta.
Com a applicacao de meus vidros pde-se vencer estas ditliculdades. Para os que tem
a vista curta o cojo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myupe, por ineio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os tajelos e deixa ver lao Longe como as outras vistas. Quan-
do o crystalino muito chato, o que sucoede aos que tem chegado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem meihor de longe que de perto, c n5o enxergam senao
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergaro
tao distinctamente como na idade de IS annos. Servindo-se destes vidros quando a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. <#. CSersnano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhos, a es-
col her, a priraeira vista, seja qual for a iade egro de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Ana.
lYiTba- una boa ci/.iulu-ia, forra on
esc.rava, o^a-s-e bem tunu. M Pios, sobrado
n.27. ____________________
Ama
Precisa-se alugar urna ama forra ou escrava
para comprar c cozinhar, paga-se bem : na ra
Nova, loja n II.
Precisa-se de urna ama de leite. na
8 ra da Impera diz n. 18, preferindo-se
do mallo e sem tilho.
Para a vista rayope, (vista curta;.
Para vista que se cobre de nuvens.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras iremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos s3odesiguaes.
Para a vista que se turva com o traha-
Iho e a leitura.
Para a vista presbyta (vista longa).
Para a vista que n3o supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista qqe as palpebras estao cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos myope
e o outro presbyto.
Para evitar finalmente que o crystalino
clho se cobra de catarata.
ATTENCAO
Deseja-se encarecidamente saber onde reside o
Sr. Francisco da Costa o Silva, pie se diz negociar
com fazendas, afim do pagar uma sua Una pal
da aos Srs. GuimnraesJflV*ilva, firma fallida nerta
praca. O anminciaste pede ao respeitavel nublic.
e ao corno commercal, ou a quem noticia ti ter
do mesmo annunciado, dar-llie algumas mforma-
cies sobre sua residencia.
^p^^^^ii^illllllllllllllHHSH^JMfliH^HHH^HE^XRKflHSV
Getulio Moreira do Castra Lima, Juaquini Anto-
nio Pinto Serudio, sua mulher e liibos, vcui pelo
prsenle agradecer cordlalmente a lodaa as pesi
que sedignaram a-si-tir aos sulTragios eitos por
alma do sua esposa, lillia e irm.ra ; e de novo loes
rugam o caridoso obsequto para ouvinin a mise
do rquiem e memento, que mandam celebrar na
igreja matriz do Cupo Sanio, pela? 7 1|2 horas da
manbaa do da 3 d<> correnle mez, stimo dia da
seu falleeimenlo.
Tvo AutoniD do Araujo Larangeira Le 10, Joa-
qun) Francisco de Alem, Manoel Joaquim de Alem,
Antonio Joaquim do Alrtn, Alvaro Joaquim de A-
lem, Mara da Peade dos Santos Alem,- Jos Joa-
qun) Das Feriando? Jnior, marido, filhos e cu-
nhado, c mais prenles da finada I) Mara do Men-
teCoelho Alem, aiiradeeem Strmmente a todas
as pessoas que se dlgnaiaS) aciinpanhar seu corpo
ao cemiterio publi.'u e de novo os convida para
assistr a mise d) stimo da, na seguuda-leira i
ao corrento, as 7 horas da manhaa, na igreja da
Madre de WOS.
Sortimento
para theotio,
alcance pata
linha.
de binculos
e oculos di-
o campo e ma
O abaixo asignsio declai a que tendo-se au-
sentado desta provincia para lugar inserto o Sr.
Antonio Joaquim da Costa e Silva, roi/a-se, por-
tanto, aos rredoirs dcs'.e, para epresenlar suas
conta? no praso dias, na Boa-Vista, ra d-
Rosario n. 56, pirase verificar seus debito? em
razan do uma caita e'i-ripta pelo mesmo ao abaixo
assignado, afim de se deliberar o qoe raelbor con-
vior. Recife 1 a-; selembro de 1H69.
Antonio Martins de CarvMho Azevedo.
Bom negocio.
Quem quizer emprestar 1:200:000 a premio d--
2 0/0 ao mez para ser emb.i!;aJi. coi prestacCos de
S.; r.000 mensae?. aonuncie por esW follt.'. ^^^
N '-nptorio d Domingos Alvos Malheus.
j a roa. do \ ario n. 21, des'ja-se saber ?e existe
[nosta cid' i Sr. Francisco A.;_ l>lo do Cont.
! Mino de Ju*. m Jos do Couto, da llha Torceira
i .Acore,*) orno :em inuilo se dos-ja fallar, a oego-
iio de si i: ^?se.
Feitor
Preeisa-sedo utn homem que onteiel de todo o
servido de campo, para irabalhar em um silio : a
tratar no largo da ribeira da ireguezia de S. Jos,
sobrado n. o
larga d<
Bsperi.lidade na_preparara ds poner? ali-
iiienticos, promptido e aesoio na? oneunmendas
' 'loa organsaca n e-Lilielecimentn. Rocohcm-
se asignaturas para eslabelaOienio e a teiiUarse a k-itura do jomaos uacionaes o os-
tr.iuryiios. Espaoosa sala para 0 elegante jogo de
.. a la decent e caminada hnspedgem.
RA DO CiWO 1N.7A,
I'RIMI'lR ANDAR.
Recommendanio? o modestoHotl Particular-
da cidade do Porto, ra do Santa Catharina n. LIS.
Palacete, bem diri JWo, com eommodidades para
homens e familias decenios, a*>de?e ericoutra bom
tralamento por ntSm pre(; _____^^
Atencno
Na ra Direi^a n lo precisa-so fallar com o Sr.
Manoel Mari Pacheco, uatnral de Vianna doCa<-
tcllo, a negocio de ?eu inlertKse._______________
A' ra Direita n. 58
Grava-so em n.ai more inMHpcao sepnlchral em-
''iitda pelo ou donrado, e tambem abreo i
ivlevo : c incorta-- qnalqier obra de marmore.
ibrislal on do porcelana, tud com perfeicrio, pres-
tza e proco eomtmwtn. ____________
Precisa-se atufar urna ama |>ara cozinhar e
eanpatF : a tratar na ra larga d Rosario n. 31,
2* andar. ^^__^_^____^____________
^GRSr HOTEL
ORIENTE
Lunetas, pince-nez e
t cj--main, orno, prata,
tartaruga, bfalo, am,
etc.. etc.
Tem tambem grande sormem. -a pareot-, que do boras c para
cima de mesa dos mais lindos moelo.s. Hriupiu para alsibetra, de ouro, piala, prata
dourada e foleada, inglezes, suissos s oris t.iaes dos nielhorcs e mais alamados laDn-
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Km Pernambuco.
N. _51=Rua NovaN. 21.
Precisa
a'uhar. '
do urna ama para e.>mprar e eo"
Vellia n. 15.
COMPRAS.
Ra
Rosario n. 44.
m
DENTISTA BE MIS
19Ra Nova19
FKEDERICO G <11TTIE*1I
;irurgio-dentisU, muito conhecido lia dez annos n'esta cidade, pela perfeico dos sen^
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitave publico que tendo feito muilos me
horameotos na sua casa, pode d'hora avante receberas senhoras no seu gabinete ond
icbarao os commodos precisos para familia.
Acba-se tambem na sua casa e na sua conipanhia, o seu sobrinho o discipub
j qual acaba de voltar de urna longa viageni a Europa, durante a qual praticou con
feliz successo as primeiras casas de Psriz e de Londres, offerecendo assim as meihor-.
aramias do bom desempenho para todo o que for relativo a profiss3o ; por
mnunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontraren,
gabinete, depositem no. dito seu sobrinho a m^sma conancacom que o i
< dez anuos.
Dentaduras por todos os systemas: a presso do ar e com molas de ouro, platin*
vulcani'te e um inteiraraente novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturaces) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos dentriicios fabricados pelo propwo a anunciante o qnelhe permitte afiaD
;ar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipao de trabalho e presos moderados.
f^iagens para fra mediante ajusto previo.
0 gabinete acha-se aberto das 8 horas da manlia at as 4 da tarde de todos ri-
bas uteis.
Com rantto maior vaniairem compram-s.-
inoedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racao de Ouro n. 2 D. ra d Cabuga, _______
0 uiuzeo de joias
Na rna do Cabuc p. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por presos mais vantajosos S&
que em outraqnalqner parte.
H-ffi 15 \1
Compram-se o venden)-se diariamente para fra
o, deniro da provincia escravos de todas as idade*-,
cores e sexos, Com tanto que sejam sodios : i:
lercelro anda d sobrado n. 31, .i rus das Chtees
fregsjBzil de Sanio Antonio.
COMPRA-SE
moedas de ouro e prata de lodos os valo-
res, ouro e prata em obras inutilizadas, e
biilhantes e mais pedias preciosas na li-
ja de ourives do arco da Concedo no Re-
cife.
isso '
no se i
honrad'
Ouro e p at,
Compram-se moedas de ouro a prata de Indas
as qualidades, por boin proco : mi rna da Meisi
lo itecife n. 58. loja do azulejo.
Compra-se
uma csanos seguintes logares: Chacn, Apip'i-
eoe, Monteiroi) Ponte de Uclioa. pr fore-se mesin
pequona ; quem a liver dirija-sc u ru.v das Cinco
Pona? n. L>i.
Compra-se uma cadefrmha uu palanquioi,.
embota soja usado : a iraiar na roa da Imurratriz
n- '%_____________________________________
CixiJlios.
Compram-se pia'ro pan de i'aixilhes para ja-
ncllas : na ra larga do Rosario n. '.'4, ltea;

VMDAS.
Pili isa-se de una ama bvre ou escrava.
que compre, eosiiihee enf.iboe, para casa
.i familia, na roa das Cruzes b. 4.
Precisa-suia alugar urna pardinho, de
I-' a 13 anuos, para ailar nim uma cr%
anee, a tratar a roa do Cebo n. 35 na itn-
perial fabrica de ceneja.
Club PerttmbttBnoT
0 baile do Club Pernanibueanri ann;.ncia-
1o para.e dia tt'dn correute nao tem lugar
. ifiolivos, fkandii transiendo para
d\W
()f abaixo assigwides- Tazew- scivtrte an
i jsjieiviv-'t piihlico, que vtiudtrajuiuoa scus
AORE DELSUC, cabcll ireiru dePans, tem a honra de informar ;i:> respeita-
ve publico,.que :;ilVisoS|e, para os mystres de sua arle, ra do Crespo
n.7 A. i*iersn andar, imrrl'V'.iote salao a LmzXY, rnenlo cuiii -la.
i'jkn a aiiue-ii .M |i ,.p -ido justamente apreciad peiw-pubco b a
pemambucano e auxiliado por habis empreados francetee e b ifiltir
sev -estimo aos cavaUuuroft e ase ras qjw.*i- haruawjia ^m-sua
COI* iota, r ,.(i(. ,!,,, ._ ..,,
;. !''niecendo l de dijei i ornamento ibellos
If Ss. Eses.
Andr i)e|M a u'iiiJ.ide dos frequect. tebeki
camito. tem pr| ila, com id. otfi .v owwntr iemmv 'w'"' !'^isos 'bidi^tes dn Rio, m rtous
;, exlra-tos, sabeiieles, p : graude n. iilti. da,292> lo
d**' lanleto siirtimoh'
perfumistas Lubiri, f 'ver, Itimmul, Grosneif, el.:.,' etc.
Agradecendu as fimuas que o'obaequi
rvicim, Ambo Delsi r iodo o que esliver
pela saiisi^ao da boa freguezia pernambucesa,
t m\M)
CAMF.LLEIREIRO DE PARS ~ A RA DO CRESPO -7 A PRIUEIAO ANUAR.
mm MI 1 HOS iMtZES
16 RU DA CRUZ16
Ha diariamente sortimento de bolnhos para cha, fiambre, pastis de difieren
tes qualidades, vinhos de superior qualidade, cha Hisson pelo, e miudo, o melber qu
se, pede oncontrar no mercado, amendoas ronLitadas, xaropes refrigerantes, doces d-
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para granctes jantares, bailes, baptisados e ca
samtjntes, a saber:
Pecas de nougat. l'es-deMot enfeitados.
Ditas de pao-de-lot. Rollos dem.
Ditas de tamaa de ovos. Prates de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armac3o de assucar. taupadas.
Charutos de Havana.
Chegaram casa "de Jos Leopoldo Benrfard a
j*m da Cadeia n. lo, os mai? acredHadas charuto
de Havana.
COSTIIEUA E HOlllSTl
MADAMA LECOMTE
Cm loja na ra da Imperatriz n. 7.
Tem a lWu-de parteripar ao respeAavei poblfc em particular *sensfregne-
rn Jo* t Aries (Mirhmfesft, libe-1
i aos e Ho-jeiic nte, extrahida a 18 do mez zcs, que. pelas idac-oes que acaba de encolar com algumas costuraras.} monistas as mais
afamadas de i'aris, que todos os mezes Nte maalam ligurinos, de vestidos, n-
tdetes o cbape^s qoe esto no maior gosto e mais modernos, se acha habilita-
da para f.izer wstldns para passeio < visitas, bailes e casamentos. As .senioras que
aht'nr^rem ''oim agtiafregi-rzia, nS- H^varao ocia iterateza do^pre^orf e promptlo na ntrega das eneomnwodas ; t.mibetn Uwn bo-
nrtos
' passado. e continam
ia sefli utj; ua
Cabujj C isa da f'.
, Vieu i ijdrifMei.
a tsr a
rea do
um pseravo do mein idadr pora
ervlco maneiro, paga-se bem, ou tambem se eom-
ra: no largo du arsopai de manaba o. 8.
Gararite-se a caa, portanto faz conta. Hestamlo
apenas aipima? inorcadorias e armacao da liqi-
da^ao do armaaem da lja roa Jtova n. O fw-so
scieclo ao prblico interessado, que liimida-l* ai
irmacao c merradnrias existente anda no dito
rmazi'm, o por consequencia n^cio ine. Hes-
tavclinente vantajomi, visto que se garante a ra*a :
qnern pretender dirija-se tratar no mesm#jr-
mazein.___________________________
VinJio do Porto fin
Vendo-se pr 300o0 ; dnza fcnal ao pie ?
vende por ah a :tj e ti i a gMTala, ni rruMn
Cadeia n. 21._______________
Bscrnva a venda. '
O ppu-nralor da vinva de Joa.mim Antalo
PiBln Seo:.lio Jonior auiorisado r>--I j Jo
plenla ronde a i-crav.Ti.uiza. crioiiU.Hude _
co mai? ii menas fa flannm, eom habilida
pttrteneVni earal para pagano ot do? re-
iloro? d me?me : .foi ^ova n. 60, anlVr,
as 6 s 0 lloras da uianhSae das 4 as &.rtrftfe"
Wnde-se um citcHl uto oa& terrea em
Olinda confronte a anta Thereza. torta reodiKr-
da de iinv, eoiii os como.odos segnintrs : sOla,
4 sala?, muilos quartus, i niiunend^K*
son lo dita caa r! Mkf.iom doas, c-rn 1 janetl.r
.cridado, nm grande portan no t>-
ir. opiiiim qnint^L/norado. rom pco de eMP
lente ala, algui.ias i'rncteiras, planturao dfc*
pim, Sicbeira, estribara liara i a 5 raraNf,
galbnlieir do pdra cal, um prando vivlir*,
baubo salgarlo t portoi p.'.a i,ub....j40 KfJii.
UMS
,
do qOinial onde lom S i 'tas oiise^
|B#Sezaie^irf3.SWeprOpua8D-BHgir xwtjmme* ^ cmmodidade<,rr. numero?, fin-!li-* m p+-
enfeitesmuito modernose de todatas ores. Paem-secfwpos *todas arqntidaties | ,,.,,,1,,,,,,., !K.aera diri? r-w n me-m^ tanto para
tanto de fil como de palba.
icxaniiuada coa o uara titilar pislqaor nrfocw,
.
/
t
/




Diario de Peruanibuco Sexta feira 3 de Sefenibio de 1869.
7
UM SI Sil
Ra do Qitemadon, 49 e 57 fojo
de miudtzas de Jos de Azeve-
do Maia c Stlva conheeido por
Jos fi(i')(l!}ho.
Est queiruando ludo quanto tem entuj
eslabelecimenio para ar.abar e (azor nevo
sortimento, por isso quoiramvh ou mandar
ver o que boro e barato.
Caixas de linhas do gaz com
50 novellos a SQQ
Latas com superior banba a
120, 200 e..... 100
Frascos de oleo babosa muilo
fino a. ..'... 40Q
Duzias de mem (inglezas)
muito boas a .... 400C
Garrafas com ag*ia florida ver-
dadera ...... I) 200
Garrafas coraagu i divina darae-
Ihor qualidade .... I 500
Caixascom I t frascos do cheiros
proprio para mimos ;i SffM
Dita comJ6 frascos muito finos #800
Oleo baboza muito lino que s
a vista ...... 500
Sabonetes do calunga mnito bo-
nito i ...... 240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... 600
Pecas de babadinlio com 10
varas 500
Pechs de uta de cs qualqaer
largura ..... 50f.
Escovas para unlias muito li-
nas ...... -5500
Escovas para dentes fazenda
muito fina ..... $io
Pulceiras de contas de cores
para meninos 200
(saixas de linha bi'atica do gaz
com 30 novellos 000
Pecas de tranca lisa de tortas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ..... i,000
Pares de botos para punhos
muito bonito .... 120
Libras de 15a pa a bordados de
de tortas >s oftn-s 8000
Pentes cora costas de metal
muito finos {1320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de botos madreporol
muito fino 500
Sabonete muito tinos i 00, 120,
160, 240 e..... 3-20
Pecas de fita de Ha todas as
Ares ...... 500
Espellios dourados para parede
t000 e : 1500
Espelhos de Jacaranda muito
fino ...... _>000
Pecas de tranas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito lino com 4 to-
mas ...... i800
Frascos de sndalo e patecholy
muito linos 15200
,:%*
Grande
loja de frondas e roipas taitas
raa da Impsmtriz n. 32,
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste eslabdecimerrto emtMNtM o res-
peitavel publico itm bonito sortimento "de
roupas e fazendas de, todas as qualidades e
precos commodos, ten sempre tira bonito
sortimento de casemitas de cores e pretas.
panno lino de diversas qnal dades, brim do
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
encarrega-se qualqucr obra por medida e
preco muito commodo
ROUPAS FEITAS
na loja da rna da Impvratnz n. a, porta
larga, do Paredes Piirio.
Tem nest'' estabelecimento um bonito
sortiiivoto to roupas feas de diversas
qdlidades e procos conmodes, como sejuiii
palitots de alpaca preta o de cores a 3.
35 O e i$; ditos do panno preto sacos a
6, 73 eW: ditos de panno superior a
i2, I4| efC; ditos sobreeasacados de
dito dito a m, 20 e SA; ditos de case-
mira de cor a 5, tj e 10: calcas, Golletes
e palitots de casemira muito fina de cor a
20 e 25*; calcas de torim branco de cor de
todas as qualidades de 2# a; ditas de
casemira preta e de cores de 44 at 12;
Golletes de tortas as qualidades; ceroulas de
bramante a t30ft, 24000 e 00; camisas
francezas de linho e do aigodlo de tortas as
qualidades c preco mais barato do que cm
outra qn*fcjer pwte : eofariahos, matas;
bonito sorttointo de chapos rte sol de alpa-
ca e de soda ;/nr>ias in<'zas a 6 a duzia:
pechmcter*'oeste estabelecimento pelo
grande sortimento : todos os tregeles se
poder* prever dos ps at a cabeca por
preoo comnede.
I'AZENDAS
Grande soTtimenfo. c.nao sejam, chitas
baratas a OO, 32< e 360 rs. Madapolao
tino a 7$, 85 e lrt-5 a poca. Algoo (pe-
cbmchaf 3 00900 a peca e entras apuai>ia
des. Carabraia branca de todas as qiiali-
dartes transparente e Victoria de 3*500 a
8 a peca. Lwizwbas de bwiUe cres, al-
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metros
a 28000. sguiao o mais fino possivel a
24500 e H a vara, e ouras muiUs fazen-
das por proo*' /ho mencionar, na loja do
LEO DA POSTA LARGA
DF.
Oilll LMIDAEAB
EMCONTINUACO
A DINHESRO NA LOJA E ARMAZEM
O
3(&mA m m-MR&'mz* m
DE
PELIV PEREIUA DA SilEVA.
0 proprietario deste grande eslahelecimento tendo sido o arrematante da
exmela loja denomina9==JARDIH DAS DAMAS^i ra da Imperatriz n. 36, e nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a.liquidaco da'grande quantidade de
fazendas que all existiam, pelos poucos dias que tevo at entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVO
onde o respeitavel puDlico encoulrai uin grande sortimento das melhores fazendas de
linho, laa, algodSo o seda, que se Ihe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar diuheii o, e as pessoas que netrociain em pequea
escala, tanto da praca como do inatto. tiesta casa podero fa/.er sens soi timentos. em
pequeas ou grandes porcoes, veudendo-se-lhes pelos piaros que se compram, ns
casas inglezas; assiin como as excellentissimas familias podero mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas. ou mandar-se-ha levar pelos taixeiros da mesma l> em suas
casas; .. estabelociinento se acha constantementeabeito das G horas da man'.ia s !)
da noite.
ALTA NOVIDADE
i:m ro ra.ix.vs ou oonoeno de limio e
SKI) a.
Pela ultimo vapor chegfl para a loja do
Pavio mi) eleeamo sortimento das mais
Explendido sortimento de.
roupas leitas .
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
1MI>EHATRIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com- bellas poupelinas ou gorgures de linho o
pletameute sorlido das melhores roupas, seda, com os mais delicados padroes que
sendo calcas palitots e coletos de casemira, se pode imaginar, assim como nina grande
de pamio, d brim, de alpaca, e de todas porcao de cortes da mesiM l'a/.enda, lendo
as mais fazendas que os compradores pos- de todas as cores e garantindo-se que neste
sam desejar, assim como na mesma loja genero nao ha nada mais bonito nem mais
tem um bello sortimento de pannos casemi- proprio para vestidos, c vende-se por pro-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer fo muito razoavel na loja de Flix Pereira
qualquer peca de obra, coma maior promp- Ja Silva ra da Imperatriz n. 00.
tido vontade do freguez, e n5o sendo
obrigados a acceila-las, quando nao stejain
completamente ao seu contento, assim como
n'este vaste estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e (nitros mudos artigos
CELEZIAS
PANNO DE LINHO
ATOALHADO
Veodem-Sfl as mais finas eclezias de linho
com -'i vaias cada peca, sendo mais linas
anda quo os mais linos esguines que tem
vindo ao mercado, a ioS, rr,, m-%K\0 e
propnos pra homens e senhoras promet- Tu-MWO, tambem se vende ora varas as
tendo-se-lhe vender mais barato do que em mesraas celezias, sendo prenso; assim co-
outraqualquer parte. Na ra da Impera- mo, pannos de linho do Puto para lences
inz n. (0, loja e armazem de Fetos Perei- com porto de i palmos de largura a-.700,
ia da Silva. ;s Aos dei mil corados de eassa*! |),;m se Caz alguma equidade: bramantes
fraucezas
Covarto a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a HOO rs.
Vende-se na loja do l'avao ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidado de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes muidos e grvi-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas s5o propiciamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrees
serem muito bonitos, s3o todos flxos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a :tO0 rs. o covado.
i;spu tilhos a SOtM na loja do
Pavo
Vende-se urna grande pon o de esparti-
Ihos modernos com o competente eordao,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3 cada um.
BRAMANTE PARA LENGOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1^800
Chegou para a loja do PavSo, ra di
Imperatriz n. 60, urna grande porcSo de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
para lencoes com 10 [olmos ilo largura a
1-800 e *WW o metro, e de linho muito
superior a 3200 e 3;jo(i().
Atoalbado adamascado com 8 palmos de
largura a 2di00, 3d o -3-*500 o metro, e
mitras moflas fazendas brancas que se ven-
dem muito mais barato do que cm outra
jualquer parto, com o iira nico de apurar
dinheiro.
CUTAS
MADAPOLQ
ALf.ODOSINHO
Veadem*se superiores chitas escurai_e
rclaras pelo barato preco de 280, 320 e 360
' rs. F as percallas a 320 e 3'iO rs.
Pecas de ahiodosinho de todas as lar-
guras o qualidades. Pecas rte madapolao
los m*:s baratos at 03 mais finos; assim
Cmo, superior algodosinho enfeslado para
lencoes, toalhas, [mb> liso como trancado
todas -eftas fazendas se venden mais barato
do que em entra qvafqftcv parte, para apu-
rar dineiro.
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 201 RS.
Vettde-se urna grande porco de csta-
menha inesclada, propria para vestidos de
escrar?, camisas e calcas para mnleqnes.
ment de um lenco!, o qual se faz com nm | sendo urna fazenda escura trancada e muito
metro e urna quarta, e para cama de casal, encorpada, pelo barato prego' de 200 rs.
se vendeu
com um metro e meto
barato preco de 15800
e vende-se pelo
ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
Vendem-so hondos cortes de cambraia e
'.ailatana, ricamente bordados a 13a, pelo
baratissmio pre?o Ae 6$.
Ditos por estarem um petiw macliucados
aU
Ditos inissimoscoiu j seda a i.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com duas aias, sendo h-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sea caixinha com o competente fignrino.
a 185; (inissimos crt s de cambraia bran-
ca, ricainen e bordados, que at pod o covarto, l'azenda que sempre
por muito mais dinheiro.
VESTIDOS A 800 rs.
Com duas safas
Gheganam para a loja do Pavao os mais
modernos, e mais bonitos cortes de vestidos
de cambaia, e organdys; com mais lindos
padies. c o competente figulino, tendo
cada corte IX coVads. que porte dar corle
para senhora, e, menina, e vendem-se pelo
barato preco de -000. tnicamente na loj:<
e armavein do Pavao ra da Imperati vi.
n. 00, de Flix Pereira da Silva.
Ol(;\NDY DE COR A 3-iO RS. O COVADO
Vendem-se inissimos organdys de cores
para vestidos com lindissimos padroes pelo
barato preco de 360 rs. o covado; assim
. i ditos aran jos muito finos com listas
servir para noiva, a 255000, e outros Bfti-largas e estrellas, edeqnadrosa 800 rs. e
fardes Porto.
'\i
Veode-ae ?erdadeiro'einh'nto ; na ra 3a
n{a Ir dfHBMOs A. 2i, ariutnem de Joo
Mai;ua- nmk
gro*Mrt$: aarua ^'^aetraa
mi.
Axe***> t Ir-
los cortes de dilerentes fazendas que se
liquidara baratas na loja do PavSo.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se una gfrmd pernio de cera de
carnauba em saceos, por pr.-co mis barato
lo que ero o*a qmlqoer: n* leja do
Pavao rtfa da imperatriz n. JK). De Flix
Perefa d.1 8*va
CASSAS A 2i0
Vetido-se cassas com delirados padres e bonitos
cores fixas i 2i0 rs. o covado-: na loja do
Pavjo ra da Imperatriz n. 60 do Flix
Pereira da Suva.
AS BASQUINAS DO PAViO
Ch'garampara adoja do Pavao as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfadados, sendo com os
feitios mais novo* que tem vlndo ao merca-
do e vend vn-se muito em costa.
GROZ DE COK
Chegaran os mais bonitos grosdenapdes
de cores, sendo verde, azul, lyrio, ciazento
e branco muito alvo, que se vendem mais
barato dcqneem ^Htr*i qualquer parte.
CASQUINAS DK FIL
Vende-se* 0 mais modernas e mais ricas
linas rte ilft preto, pop preco emeonta.
VESTJDkNlOS PARA MCNINOS A
2J000 E25S00
Vendeln-se ve-tidinho> para mninrts e
meninas, pelo batato preeo rte a50(X) e
00, asim como ricos enxovas para
baptisado.
MADAPOLAO FRANCEJr A 750JO A PRCA
lile-** pe?* qV madap.*iSo francs en-
feslado com 20 metros a IffC? P?3; e
p+cBTacEa
MUSSElfS DE" COR
V>nd"-se' as mais bonitas mAsslmaV (1
cOres a 500 rs. o covado.
10 a var, tambera tem tarlatana bran-
ca, e de todas as cores a 800 rs. a vara :
ims 'e floree a t>*0 rs. a vara, e ditos li a 80> rs. a vara, e rt^ salpico a 15000:
isto na loja e armazen do Pavao, ra da
Imperatriz n: de Pefix Pereira da Silva.
h.
?
-=5^^

ft6 CJEIMA156
!&
K AGU1A BRANCA tem .'onviccao de que a abundancia de objeclos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a bo escolha no gasto dettaft, a sup^iioiidas
de de qualidades, e a limitacSo de seus precos. estao na op ni5o do respeitavel publico
cm geral, e na de sua boa fregusia em particular; mas ainda assiin ella julga de sen
dever scientificar a todos, da recepeo d'aquelles objeclos que esto alm do commum,
como bem sejam :
Bonitascaixinbas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
juando aberlas
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras roachetadas, com thesouras c os
mais necessarios dourados e de madrepe
rola para costura, obras de apurado gosto
e perfeieao, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com mnsia.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
tnas, o os mais necessarios para vmgens.
ESCOVAS DE MARFIM
,- Parunlias. dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machelados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, canelas,
dida-'s, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capel'as com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossoS aljofaes de cores,
para circular os coquea. -
Outras igualmente bonitas, u com pin -
gentes para 6 peseoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin delirado.
Sumes com ancora, c P. II. para fardas
e cohetes.
Abotoaduras d'avenliiiiiio com o p de
pi ala dourada, para cohetes, cada um 5j.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
Iho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco u
preto.
Fil preto, de, seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espadadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, ttc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurantosluras, tendo aimofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de duas, tres, quatro e cinco
pernas para Irisar babadiubos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
merecen ao fabricante o pomposo titulo de
Xm-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
custa cada ol0 1"
frasco a
Al agora nada" se tinba visto de tao bom 'la Prela
em lal genero, e ainda assim
papel apns 200 rs.
Provavelmcnte d'aqui a pouco abundarn
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuado a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mos e qualidades a inlinidade d'objectos
1M M lilil
5.)Eua do Queimado55
A YERDADE tendo cm deposito gnnrte
quantid.ide de miud*2.i : jiei fumarias, e do-
sejando apurar di;.lieiro e adquirir boa fre-
a iss.)ivida a vender muitissimo
barate, lauto a rl..iho, como a mscales
para esses toinareiq a roveiu! r; por essa
razo convida ao respeitavel publico a vli
competcntimenle munido a -nrlii-se de
bom e barato. Pois quando :i YERDADE
appaiece, ludo nuus (1c#apparrce....
Gl ai : soi lnn nio de bneras de cera e
inassa as mais lindas poni tis vitidas a ca-
rcter.
Ricos globos para candieiro de gaz
a I-(toe.......HW
Grande sTlimcnto de objeten de
louca par. brinqu-'dc de mi rio 10(1
Garrafa com lima a. ^ 800
Dita com agua florida a. ido o
Frasco com oleo de babosa a 300,
000 e......... 70
Dito rom sjjna de Colonia a 300,
le e........ 500
Garra com agna dtrjna a. 1^500^
Frasco rom extracto lino pa
lenco a ,......IfOOo
LaUs pequeas tom banh a V;
Saboneh .- de diversas qoali ailes a
80, K.0, 2Ule.....iOO
Finas escovas para denles a 100,
320 e. ....... 600
Coques modernos a.....2(5800
Pavios para gaz, duzia a. .". 320
Escovas para fado a "i o, Ooo e 7P0,
Ditas para cabello a..... 500
Pentes para tirar piolho a 100 e. 240
Brincos de cores bonitos a li.O e 20'J
Pecas de tranca de la com 8
varas por....... 80
Franja preta de la peca com
10 varas a,...... 90o
para relogio urna por 100
machina de costura,
800 c
Peiias d'aco linas caixas a
Dita d'aco Pery, caixa a.
GalSo de algodo peca ....
Latas com banha a.....
Lindos babadinhos c entremeios
peca de 300 a......10500
600
lOOfi
14400
48')
20*i
Botoes de cristal, encastoailos em piala, que constantemente se acham venda na
para punhos, i> o par.
Camisas de flaneda para liomem, a me-
Ihor qualidade que tem viudo a este mer-
cado,
Meias de 15a para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem solre de inchaco as pernas.
loja da Aguia Branca, sena senao impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e anliga fre- [)ias com oljro>
quezia, e pede aos que de novo qneiram C;1xa Com agulhas fundo d
Bolees de madreperola, groza a
Ditos de louca muito lino a 100 e
Ditos para caifa a 100 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopcs a. .
reeonhercr a rommodidarte de sens precos
o a cinceridade de seu agrado, que nao se
esqaecam de comparecer loja d'Aguia
Branca ra. do Queimado n. 8.
ARMAZEM CONSERVATIVO
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
S1MA0 DOS SANTOS 8-C.
Os propietarios deste bem sorlido armazem de secco e molhados. parlecipam
aos seus numer'uss freguezes, tanto desla praca, como domatto c igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que leem um grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
di ira> c as irais novas do mercado, as quaes venrtem em grosso e a retalho, por
mimos preco do que em outr quahpier parle, por ser maior parte deslas mercadorias
compradas por con'ta propria, por isso ijuem comprar al a quantia de 100;$. ter cinco
[)or cento pelo sen prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sahido deste
armazem.
GAZ
a garrafa
060
J;>9H0e
900 e
C$870
850 rs.
o kilo-
CHALES DE CASEMIRA
Cherai un os nuil moilern ?. o mais
chales de casemira com dewmhos
iuit'ii imenle novos. qne s vendem a 0>.
<; i($ e 14->; assim como urna grande
P"ic3o de ditos de u^nina que se venden
mais baratos do q^em outra qnafquei
parte ; na loja e armazem do PavSo. ra
da imperaniz n. 60-, do Flix Pereira lal
Silva. '
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me
Inores e mainres cerfcado* bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven
dem a 1-dOOO rs. cada par at 25,8000 rs.
isto da rna da Imperatriz n. O, rte Feli>
Pere'-ra da Mlva.
IULES MODFBNOSE SAIASOELA1.
Na loja do Pav-o vf>nde-4te os mai
demos balees n-gnladores tanto de mnssi-
Ima como de la de cAr, e as mais moder-
nas saias d 15a entestada, mais barato do
qtf em outra qn?qitei Mtl
SULTANAS
Chegou para 3 loja do Pavo nm grande
sortimento ds mais Rodas sultanas, para
ves!i ios, sendo muda tar^a e bonita fazenda
com listas de sviae orpitWs mais noviw
que tem vindica es'e mercado, vendendo-si
iOO c ivailo, na loja de Flix Pereira
Wffiva ra da mf -atilz n. 60.
AMERICANO 9;$ a lata, a 100 rs.
e 60 rs. o litro.
VIMIO VERDADEIRO FlGUElRA 360o
G40 rs. a garrafa, a i->500 e 4^>800 a cana-
da, a 70e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e OO rs. a garrafa, a 30 e
35o"0 a caada. GOo e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 73*a canarta. 15340 o tro
VINMO BRANCO DE LISBOA a 000 rs.
a garrafa. 4->5O0 a caada e 900 rs. o liU'O.
Vinagre verdadeiro de lisboa
200, 240 e 320 rs. a garrafa*, 2.$200,
!#*00 e I;$O0 a caada, 360 e 480 rs.
o Irtro. s-
MVNTEIGA IXGLEZA FLOR 3 UttO e
l;580 a libra, 3,5140 e 2*8800 o kilo-
grammo.
DEM FRANCEZA i
a libra, e 20100,
grammo.
DEM PARA TEMPERO 610 rs. a li
bra, 1.^400 o kilogrammo, em porc3o se
far abatimento.
BANHA DE PORO)DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, c, 1^570 o kilogrammo, em
porco se, far abatimento.
ARROZ DO MARANIIOEDA INDIA
120 e 1 40 rs. a libra. GO e 300 rs. o ki-
logrammo e3r$860 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo. e 6 por 14 kifgrammos.
AF EM GRAO 6.$ e6d)0O a arroba,
200 e 240 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs o kilogrammo, em eaixa ha
abatimento.
MXSSAS PARA SOPA, MACARRO, TA-
LA \RIN, E- ALETRIA, 800 re. a libra e
15750 o k logrammo.
SEVADINHA E SAF 280 re. a libra e
Ditas de dilas tulas a.....
Thesoura para coslma a i(K>,
240 e..........
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em' novellos
bra) a .......
Ditas com 200 jaulas em carre-
teis duzia a 70, 120 e. .
Grampos muilo linos com passa-
ros, duzia a......
Cartas portuguesas, duzia a .
Ditas francezas a 2*>B0 e .
Papel almaeo e de peso, resma
a 36400, :{#50B e .
.a muilo lina pata bordar, libra
Fita de algodao para debruna do
sapatos, peca a.....
Ditas de 13a para debrum de Ves-
tido, pega a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bufalo para alisar
a 240. 320 c......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartees com cohetes a. .
Rosetas pretas, par a .
fOt
201)
240
700
480
:0
28b
ICO
50
206
500
1,820'
SI
m
3400o
40
etm
160
4K^
40)
500
32:'
100
10
IO
620 rs. o kilogrammo, cm porco ha aba-
timento.
B0LAC1HNHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 15 e 16400 a lata.
VELLAS DE ESIWRMACETE 70 rs. o
masso. em < aixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA. a 280, 400 e 500 rs. o masso,
3,$20O e 63500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACIIIMIAs
DE MLTTOS TAMANHOS 3 $500, 35500
e I > a libra. ,
i i< )MMA DE MILHO AMERICANA i 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatinrnto.
SEHVEJA INGLEZA MAtlCA II 5;>5O0
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IIILCRS dt
BELL, 800 rs. a garrafa e 93 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS I5o00, i 1400, 16~e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 73 e 6,-$ a frasqueira, e 500 rs. o
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
113 a frasqueira e !,> o frasco.
QUEI.IOS DE DIVERSOS VAPORES,
3, 25800 e 25400, em caixa faz-segran-
de abalimenlo.
TOUCINHO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, o 115300 por
14 kilogrammos.
CHA FINO. GBADO E MIUD1NH0 os
melhores que ha no mercado, 35 e
35200 a bra, 75080 o 6f540 o kilo-
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 23700,
24500, 23200 c 25 a libra, e 55430 c
45180 o kilogrammo.
I4Z Cheguu ao autigi C, ra do Imperador, uracarre^mento d# pu
de primeira<|uahdade;onual wwoadeOB iiarniv-
e a reulho por menos preco do ifue em ousra qua-
1411er p;u-te.
Saceos com farinha de
mandioca.
IMa & Landelno vendem mecos rom faroLa
de mandioca, em pnrcao, o por preco commodo
na ra estratod<> Rosario n. 18.
CAT DE III*BOA
POTflSSADARUSSIA
A mais nova no morcado, a pru raznavel ; t
armazem de MaiWd T Basto, rea do G.nimerc:
n. 13._________________________
No rna do Vipario u. 19, e cript.ino de*-
lliaz de Aquino Fonseca & C, vende-se : ;
Mercurio do I l\l libra em caixas.
Viuho engarrafado Meneros.
dem id(-m de ontros fabricante
dem em birria e anrnretn?, especial.
Cal do Lisboa viuda p.-lo ultimo vapor de m
Cera em vela* do Li>boa.
Champagne c cognac em caixa*.
Cirvaoani'nal o vidro cm caix:is._________
Gouinia de mallo bo qualidade
Vende-se na ra do Quemia!. numero B,
andar.____
Assim como ha outros riiuitos mais gneros, viuho em ancoretas, azeitonas,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, lingtiiras de Lisboa, marmefada. con-
s.-rvas gi-la de marmello, pcego, erviHias, peixo rn latas, sardinhas de Nantes,
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo. ervadofe, cominho, pimenta, grandes
molhs (e sebolla 15500, nnalmente muilo mais gneros q'ie enfandonho
enciona-lns.
INJECTION BROU

..rcura *km ikhiIiuim atfaiuvu. efl
imi mitltBtt) Fui, ca u
Este admtraTcl
lllepuraiiro puu
coitememsimer-
Irurio, nilu OU
lawnico 1 un
Ivixoroso modili-
cadi .r para o j.ani:i e enra radicallMetiw.BioleMiai tdeiM, toes pw* a lf pWi ^ mpigros. a& berps, as J
rtpIntlM, i'MnwM, e.-Emprp(t*4tariamfnttellerefresra a ntassa dosasgue e consolida o saude.
I..,../,.* ninrqi Cura cm a da os otrr.wnlcs rntitos ou rcceMc .'
IRJECC10 CIBET 01 mh refceld.
Escravo A venca
Na rna Augusta n. 10 vende-se um niulalin' 1
de 11 a 12annosdeidade.
Da 7 de setembr o
PARA BAILES.
Ricos eort.'s 4e t:ir!atau:i ttorjMM a seda (
salpicos pratiados ptlo centro n ano pr>de havn
de nvlhor goslo neste artigo : Vende-se na lo;.
do Paco ra do Crespn. 7.
ovidade.
UVAS E.MACA AS
Chegaram no ultimo vapor da Europa, e acbau^
se a venda no.pent restauran! do llotel Ccntoal.
rn estrena do Hosario n te.
XlROPE
DE
.M'NniLll DO PARA
Depurativo do sangue
Usado as molestias e wUe,, impigem-,
dores rlieumatiras e uireras venreas,
UNiCO DEPOSITO
Boa lar^a lo Hosr< u. 10.
UlIJill
Reata v*nda. iwn escomido -ortimMKn *e oN
;fectos de raarcineria, como sejam, m-'bi!ias de bh
urand. mogate tirjjreilo, o!.r* narional e estra.-
1 jeira, de apara*)' gdsto e por piuco razoaveij-
raa etrefe 'd* ffatsri n. 33. p/ftta m
am faiem-sew iMrteiPio tod.i- os IralSos *c
I Ihinha, como 5ejan>, enipaJhar tito*
*paraear.ia?,ea'J ^is.



Diario de Peniambuco Sexta feira 3 de Setembro de 1869
ilIU MI L1QI
uliA
HA LOJA
DA
72.----Ra da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
(he Arara vai cantar,
Para vender pas fazendas (baratas)
que milite ha de agradar.
0 proprietario deste estabelecimento, toado grande porco de fazendas
!er urna Rauidao em todas as fazendas e roupas feitas existentes
em
no
..o, a^ora que occasi.t de quem tero pouco dinheiro poder se vestir de
e baratsima como so peder ver no annuneio abaixo mencionado.
BRAMANTE PARA LENCOES A 20.
V 11'-se bramante com 10 palmos de
largura para leoces, a 2J, a vara.
PECAS DE ALGODaOA W.
: m- p cas da algodSo muito cn-
corpado 1A, B, fj|8Q0 tw\
MADaPOLAO RAR.VTO A 3,9600,
cas de madapolo c-nfestarlo
i 35800, dito do 24 ^rdas on
, fft. G:K. 70 -K> e

FRANGAS A 2
W. 45 RIJA DA CADEIA W. 45
. DE
SOB A
DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA
Launano, alftatc.
franceza.

a ?csti- Cclarash ecoaoaiicos a 8O
* .10 rs. o covado, ditas escuras
:tfiOrs. o covado.
miUo fino SSfs.
v^ian para vestidos ie seuuora
ivado.
...!:> A'MBS.0 COY .IV).
, percal s asilo finos para vts-
>oliori a 140 rs. ocovado:
fili-llliauia \ 4*0 rs.
Vende se I -.rilhintinas ou mu; ;a!inas de
oros para rostidos de se .horas ':i0 rs. o
corado, laz'nhas muito finas pa;a vestidos
1j .- robora 400 rs. e 500 rs! o covado,
titas -le quadrinhos 2.0 es. c .ovado.
RKADO [ l\ \.\'CF.Z A 360 RS. G COVADO
Yenrle-se rUcido francez pnia vestido
nhora 330 rs. o covado.
I.asiuha* a 8 3 rs. o covado.
Vondeni se lasinhas para vestido de se-
niora a 240, 20. 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas linas a 280 e 320
t. o covado.
Chales de merino a *.
Vo:ido-so chales de merino estampados
ib >. 2->;>0> cada ora, para acabar.
CORTES DE LAAS ABERTOS A 2$i00
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora, 25400 cada un
ALPYCAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vemlu-se alpacas de cores para vestios
d sonhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
U3 de listras 700 e 700 s. o covado.
Chitas prnssianasSBO.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bolitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA CBEKTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Bales de ttt a 30 arcos
14500.
Vende-se baloes de 20 a 30 arcos
l#500 cuda um, baloes modernos brancos
ede cores 5$.
cliizia.
Vende-so colerinhos econmicos a 320
a V/.ia, s se vende assim Innato por ter
gra:i 3o.
CASIMIRAS DE CORES
Vond-j-sfi cizemiras de cores para calsa
e palitt 2-> L2#>00 e :!,> o covado,
Algodio cafestado a i<.
Vende-tse algodo entestado proprio para
toncos c toalhas, 1$, a vara ou 900 rs. o
meiro.
BftlM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vcndo-se brim para calcas e palitots de
hornera e menino, ;i 400 o i'iO rs. o co-
vado, dito lizo a imitacao de ganga a 360
o covado.
Algodo Je listras a 800 rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para coupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Veude-sc cortes de brim castor para
calca de hnmem, 610 e 800 rs. cada um.
' GARJIIRA PARA VIAGEM A l,%
Vende-se carteiras para viagem \ft
cada una, cobertores de algodo 1(5300
cada um.
Cohertas de chita lSOO
Vende se cobertas de chitas de cores
IoS(K> o 2->. cada urna:
ALGODO TRABADO DE EAS LARGURAS A
1 200.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios pira lences e toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
Manas para gravara S O rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs.
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 20500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 25500 a vara, toalhas escaras
15, cada urna. Ra da. Imperatriz loja
da Arara n. 72.
II '4
Os propietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direcon de saa oflicina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal inister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento umbom sirtimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para cohete,
gorgurJo Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontraro ainda um variado sortimento de roupa foita, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phanlasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos c meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas cores e modelos, cambraras, malas para viagem, e oulros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus presos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
S^Sfi^"
CONVITE GERAL
0 proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra dalmpe-
ratz n. 56, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidago que fin-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
a de boas fazendas, e por diminuto preco. a saber:
RIVAL SEU
ilua do Quemado ns. 49 e 57^.
lojas de miudezaz de Jos d
Azevcdo Maia, est acabando
, com at midezas de seus estabe-
lecimentospor isso queram apre-
ciar o que bom e baraiissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
1*500,2-s, 30e. 45000
Caixas de linha com 80novellos 500
Pares de sapatos de tranca fa-
zenia nova a......2/5000
Paros de sapatas de tapete
(s grandes) a......Ii550
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........35800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a (5200
vros de missoes abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a25400 o..... 2(580T
Silabario portuguez com estam-
pas a ........ (J320
Gravatas de eres e pretas muito
finas a........ <55O0
Cartes com- clcheles de lat5o
fazeuda fina a...... 020
Abotuaduras de vidro para col te
fazciKla fina a...... d500
Caixas com penna d'aco nwito
finas a 320, 400, 500 e !#000
Cartes de linha Alexandre que
tem 200jardas a '. t5t00
Carrcteis de Knha Akxandre- de
70 at 200 a .."... 5100
Caixas cora superiores obreias
de massa a...... 50 40
Duzias de agulhas pora machina 25000
Libras de pregos francezes di-
verso tananho a. 5210
Livros eecripturado para rol de
roupa a......... ($120
Talheres para meninos mailo
linos a. ,...... f5K240
Caixas com papel amizade maito
fino a........ 700
Caixas com 160 envelopes moito
finos a........ j5600
Pentes volteados papa meninaa e
senhoras-a....... 320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a 500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 320
Varas de franja para toalhas- fa-
zenda fina a. 160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
LOJA
Grande c completo sorlinienlo de machinas para
descarocar nlgmlao de nova inveacau enejadas l-
timamente em direitnra para a loja do Manoel
Bcnto de Ohveira Bi apa c C.? na ra Dircitan.
53. Garanla-se que a ineior qualidade qui
o presento tem \indo ao Djcrcado : ach?.iB-se em
exposijio aos comp adores.
Sysbpa decimal.
Grande c completo sortimen!o_dr pesos kilo-
grammos de meliior comprehensao dos que tem
viudo at o presente, assim como ma/cos de lalao
ai>; meio Riammo pelo ncsaio sysiema, balangas
de latao de forca de i a 20 Itlojramtnos, i
de madVira e de lati para medir fazenda?, alm
de grande sortimento de miudezas e bnugem de
lodas as qualidades, ludo por procos <;-e s a Tbla
faz crdito : na ra Direita n. b'3, leja de Manuel
Bento de Oliveira Braga & C.
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENTESTADO TRANCADO A
loOOO.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lencoes a 15000, dito liso enfestado a 900
o nutro.
GASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dis de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MVDAPOLAO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 5& 65, 70, 80, 95 e 100, a
poca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vonde-sc lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
B\REGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 800 e 040 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
.; 0 rs. 0 COVADO.
T^Vendem-so alpacas de cores a 500, 640
e 7-20 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A i.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 10 o covado.
I'ORf.O DE BETALHOS.
Vende-se urna porco de retalhos de cas-
sai, de 13a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A1 elles antes que se acabem.
CIIALY DE CORES A 800 RS.
Veade-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10.
Vende-se chales de cassa a 10, e de me-
rino a 25.
CORTES DE LA A 2460 RS.
Vendem-se cortes de 15a de listra para
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecas de algodo a 40, 50, 60
e 70 a peca. E mullas outras cousas qae
seria enfadonbnmenirmar.

CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 30 rs. o
cc.ado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500.
Vepde-se casemiras de cores a 20500 e
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para ca'cas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a 390 rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A -500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlalana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para aca-
bar.
JGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa : por
isso os pretendenjes poderao yir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbatina preta a 320 rs. o covado, para
BAL5ES DE ARCOS A 10500.
Venden -se bales de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, ditos modernos a 40.
BRIM IIAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Hara-
burgo a 80, vem a ser mais barato do que
algodosinho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se cortinados para cama a 140
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na ra da Imperatriz n. 56r
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botes de louca muito
finos a........
200
60
20500
16*
Machinas vapor d
forca de
vallos.
3 e 4ca-
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de facao e serrotes para desca-
rocar algodSo.
Bataneas para armazem e balcSo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de l'hit-
tield.
Prencas para copiar caras.
Fogo americano patent
GALLO VIGILANTE
Una do Crespo a. 9
Os propriefarios deste born cndor ido estabele-
cimento, alm dos muitos oyecios que tinliam ex-
postos a apreciaeao do respei.'avu! publico, man-
da ram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
finas c mu delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de scu costante-,
por preyos muito baratinhos e coiuruodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Mnito superiores hivas de pellica, pretas,Gran-
eas e de mu lindas cure?.
Hui boas e bonitas gollinhas e pundos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabeyas das
Exmas. senhoraa.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de nwdreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqueltes brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm destas, temos tambem grande sortirmmto de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se-
pdo desejar ; alm destas temos tambem grande
(juantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguranws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulbas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para enchor
labvrictho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melltuies e mais conhecMos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
facilitam a dentiyao das innocentes crianyas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
romo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se Tenderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista das enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preeos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7_______________
Exlracini niriiis
Este producto atimentanao para doentes, mui
apropriada para creancas epara as pessas saas;
indispen-avel a todos, porm, principalsiente aos
viajantes, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentayao de carne fresca racsrruplivel, e
que com facilidade se aprompta c se conduz, por-
que'B'um pequeo volume carrega-se alimentayiio
para muito tempo. Sohretudo chama-se a atlen-
ya > dos senlmres de engenhos que encontraro no
EXTRACTUM CARNIS o raeorso de alimentayao
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
seos doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Kio-Grande do Sol.
que .acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Vretorino de Rezende A C, ra da
Cada, eseriptorio n. S, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cada n. 32.
- as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Maria Marques Ferreira, priya da.
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contera o extracto trazem
urna guia para seu uso.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecein para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de fh. Just. ra do
commercio n. 32.
BAZAR UMVEKSAL
1 -Ra XoYO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por preeos commodos como sejam: JUm
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os aystemas, mais modernas
adoptados na America e approradas na ul-
tima exposicao servaos a electos para almo-
CO e jantar, salvas, bandejas, tabofeiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
paredee portal, mangas, tubos e gtobos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
baterros, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de bataneo,
espelhos de todos os tamaitos, finoWuras
para quadros. gaz, baldes americarios; g r-
da comidas, br'mquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sata e n esa, tpeles para sala, quarto,
rente de soph, janella e porta, capadlos de
Sparto e coco, objectos para eseriptorio e
muitos oulros artigos que se encontrar?
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
NOVIDADE
A' LOJA
DO
PASSO
Scbonete de alcatrdo.
DK
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to bos
acceitacao tem merecido n'esta provincia
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
mo'cstias de pelle.
Depsito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
CEMENTO
PORTLAND.
Vendo-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira *a Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes._________
Balanzas orizontaes
Pelo boto systema de kjlo-
gram~ia.
Vende-^no armazem de J. A. Moreira Dias,
ra da Cruz n. 26.______________________
Cal nova de Lisboa.
Vende-se na ra do Apollo Larmazem de Reg
& Iruiao n. 18.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna efficacia verdadeiramentc ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, suflocacSes, catharros,
bronchicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulses in-
Lfontestavel, e uinguem ha que a desconhe-
*. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIX DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitaco tem merecido no Brasil, as
repblicas do Sul e na Al lemanita espe-
cialmente para cura das boubas, sarnas,
rheumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm da
empieza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DI
Barthomen A C.
34Una Larga do Hoaario34
Cliapelinas de palha de Italia ultima no-
vidade emParis.
KNFE1TES
ds todas as qualidades e gostos.
Chapeos e gorros
de pallinha. tudo para senhoras c meni-
nas.
Camisinhas
bordadas para senhoras, como tambem ha
especiaos para noivas.
Saias
bordadas brancas e de cores, ultimo gosto.
Vestuarios
de cambraia branca bordados agulha,
gosto inteiramente novo, propriamente rjara
baptisados. Ditos de fusto e alpaca de
edres, gosto z-.iavo, para meninos de
todas a idades.
Coeiros
Je casemira bordadas seda frouxa.
Kspartilhos
de todas as qualidades e ultimo gosto.
Luvas
de pelica do afamado Jomm, recebem-se
por todos os paquetes.
Goteas
de seda muito ricas, proprias para ca-
samentas, assim como ha para uso ordina-
rio.
Chapeos de sol
bordados e lisos, pretos e de eres.
Uales
de cores e brancos, para senhoras e me-
nas.
Cortinados
bordados para camas e janelas, fazenda de
muito gosto.
Todos estes artigos podem ser procura-
di s ra di Crespo n. 7 A.
A NOVA ESPERANZA
21-= Ra do Queiniado--2)
Advertencia!
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo cm deposito grande quantidad
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o bataneo, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est res'olvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes. e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo tao opportuno quando i
NONAESPERANCA convida-os pechincba-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e aquem... .
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar cm nos remetter objectos d6
gosto e perfeicSo, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar' continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra doQueimado n.21,
alm do grande sortimento que j tinha,
acab> de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sndos.
- Papis proprios pjra enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultimj
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas d
seda e de laa, para enfeites de vestidos.
Boloes de todas as cores e moldes novoi
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo eom
pengentes e sem elles.
Botoes pretos eom vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leqHC de madreperula, fflar-
Gn, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um compteto sortimento d
miudezas ra doQueimado n. 21, n*
Nova Esperanca.
Collares anodinas ellectro-magnett
eos contra as convulces das
cranlas.
N3o resta a menor davida, de que mnito.
cellares se vendem por ah intitulados o
verdaderos de Royer, e eis porqae moitof
pais de familias nao creem (comprando-os)
no eleit promettido, o que s pdem dar,
os verdadiros; a Nova Esperanca, porB
que detesta a falsiicacao principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collareij
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadiros de Royer, que a tantas crean'
Cas tem salvado do terrrvel incommodo di
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seul
tilhinhos, antes que estes sejam acommetti.
dos do terrivel mal, quando entao sera di-
tlicil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadiros collare
de Royer.
Bartholomeu & C,
Vinho, Pilulas, Xarope e Tintura
de jurubeba simples e ferruginoso ;
Oleo, Pomadae Emplastro da mesma
planta preparados por
BARTHOLOMEO & CA
Pharmace uticos-Droguistas
l'KBVtHBKO
A Junibeb : esla plaa boje reconliecida
como o maia poderoso tnico, cm'jo o melhor
ilesohsirueme.icomolal applicaila ODspailecimenlo
do ligadoe baco, hepatiie, duies*., tumores inter-
nos e especialmente do ntero, hidropesas, crysi-
petlaa, etc.; e aasociada ao fervo til as pallidas
core, cbloroaes e falta de ireni>truaco, desarrao-
jos do estomago, etc., e o qne diremos altesUo
innmeras coras impoitdntes obtidas oom nossos
Sreparados j bem co'nurcidos e asados pelos maia
islinclos mdicos d'j-paii e l'onugal. Em lodos os
nossos depsitos distribuimos gratis folbetos ana
melhor fasem conhecer ( Jurubeba atoa resulladoa
e pplicacao.
Farinha
Na ma Augusta n. 10 so dir quem vendo
epos de farinha da trra de b^t qualidade.
saceos
Ra do Crespo n. 17.
ESTE1RAS DA INDIA PARA FORRAR
SALAS.
Gorgorees de cores para vestidos.
Poupelinas de linho e seda de muito bom
gosto.
Sedas de cores de lindos desenhos.
Alpacas de listas muito bonitas.
Ditas lisas de todas as cores.
Gorgoro era chitas, fazenda nova.
Brilhantinas de cores.
Casaquinhos pretos de guipure.
Ditos de casemira de todas as cores.
Riquissimos cortes de vestido de blond.
Ditos ditos de carrfbraia bordados.
Ditos ditos de tarlatana bordados.
Colxas de seda ltimamente chegadas.
Ditas adamascadas brancas e de todas as
cures.
Damascos largos e estreitos proprios para
colxas.
Bales de todas as qualidades.
Saias re cores,
Saias brancas bordadas.
Tapetes de todos os tamaitos e para co-
vados, aveludado.
Cambraias de cores e chitas de todas as
qualidades, e outras muitas iazendas que se
vendem por todo preco, somente para acre-
ditar a distincta firma de
AViGLHIAR4ESa.
Venda de impostes
Manoel Barbosa da Silva, arrematante dos im-
postes provinciacs das comarcas de Tacarat, Ca-
brob e Boa-Vista, e dos impostos de consumo das
agoardentes do termo de Olinda, avisa ao? que
pretenderem comprar ditos impostos, que pode ser
procurado ra do Livramento n. 21 onde por si
ou seu procurador podem entrar desde j em ne-
gocio os pretendentes.
Sempre novidades pa-
ira bailes e casa-
mentes
NA LOJA DO PASSO
Ricos cortes de seda de cores, com ricos
desenhos inteiramente modernos. Ditos
de diversas fazendas de phantasia, como
sejam, bareje de seda, poupelina, tarlata-
na com flores prateadas, tudo propriamente
para soires. Ditos de 13a, gosto escocez,
novo gosto! Ditos de blond de seda para
casamentos, com os competentes veos e
capellas.
Todos os artigos cima descriptos encon-
tram-se por preeos muito mdicos, ra
do Crespo n. 7 A.___________________
Rap Frinceza
DA IMPERIAL FABRICA DE VTBIRA GUIMA-
RES & COUTO,
DO RIO DE JANEIRO.
Vende-se este excellcnte rap no eserip-
torio He Joaquim Gerardo de Bastos, tua
do Vigario n. 16, andar.
\
-V >

unta
i


Diario de Pernambuco Sexta feira 3 de Seteiabro de 1869.
i
A ESMERALDA

Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-o ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por presos o mais resumidopossi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
IV. 5 lili 0 CABUG V 3
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os taannos para descarocar algodao, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godao do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algod5o.
MACHINAS de facao do fabricante Platt B. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Tudas estas machinas sSo de superior qualidade e as melliores qiio tm
'indo ao mercado ; e para a sua apreciado convidam-se os senhores agricultores 2
/irem a exposicSo das mesmas na ra da Cada do Recife d. 56 A, toja do Bastos, onde
incontranio mais o seguinte :
AUGUSTO PORTO & C.
11--RUA DO QUEIM D0--11
Tendo chegado ltimamente ao seu e-tabelecimento grande variedade de fa-
endas de gosto as poem disposicao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
prcos possiveis, sendo:
t Boornous de cachemira brancos e de cores, o que ha do mais elegante para
hombros de seahora.
Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta de soalines, o que ha de mais elegante para urna moca.
Basquines de guipure preto, novo g >sto, enfeitados desetim de cores! Vesti-
dos d" Wond com manta e capella pira noivas. Fronhas e toalhas de cambraia delinho
bordadas. Cortinados bordados para camas o para janellas de diversas qualidades:
eolias de seda e de la e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorgurao de la e seda de cores, muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorgorito de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas cajos procos sao em geral
muite mdicos. Grande sortimento de camisas para homem, tacto lisas como bordadas
e de cores.
ContiBuam sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama o
para pianno, porcSo de tapetes em pecas para alcatifar saloes, e grande quantidade da
Esteiras da India para forrar salas.
Debulhadorcs para milito.
Gylindros para padarias.
Arados americanos.
Garrinhos de mao.
Machinas para cortar apim.
Gannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Follias de zinco finas.
Oitas de cobre e lato.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Faces ditos.
Salaios e cestas de verguinha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
iiversidade seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinacoes.
Azeite de espermaceti, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pola
Superiores sedas de cor c stras a I #600 o covado.
Liadas peupelinas de la, cota grande variedade de cores escuras e claras a
.'60 n. o covado.
Pecas de musselina branca com salpicos com sete metros cada peca, pelo ba-
atissimo preco de 4S00O a peca : na toja das CoJnmnas, ;i ra 4o Crespo n. 13, de
Antonio Corp*a de 'Vasconcellos A C.
Loja de miudezas de Ferreira da CunhaA
Temporal, ra do Queimado n. 03, est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 500 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 500 rs.
Linha do 200 jardas (duzia) IdiOO.
Caixa muito fina para p de arroz l$bOQ.
Relogio de sol 120 rs.
Lalas com banha ItfO, 200 e 320rs.
Agua florida verdadeira a 1)8300.
Agua divina idem I 400^
Gravatas pretas para homem 4 O rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio philocme verdadeiro 16200.
Aderecos de plaqu i 880, 2 Meias cruas para homem 3?jl500 e 4# a
duzia.
Botees enfeitados para vestido, I>200 a
duzia:
Loques do santol 3#, cada um.
Dittos de madeira 3J cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 20
20500 e 30 cada um.
Meias finas para senhora 40 a duzia.
Banha em frascos a 400,640 e 1200.
Frascos com extracto muito fino 20 e
20500.
Caivetes de dsas folhas a 240 rs.
Sabonetes fino* 80, H>0, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 00 e 800 rs.
Agua de colonia'i 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezas i 200 e 240 rs:
Caixa com extracto 20500.
Cartas portuguezas a 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos Dretos 200, 240 e 320 rs.
Galo de la para vestido .(pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 10500,
20 e 20500.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 10.
Dittas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas fraocezas ICO e
240 rs.
La para bordar de todas as cores (libra)
00800.
Bonets para menino 10,20 e 20500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M ias para menina (duzia) 30 e 30500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 20500.
Facas e galfos, cabo de bataneo (du-
zia) 70.
Chicotes para cavallo 600, 800 e 10500.
Bengalia de canna 10, 10500 e 20.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) 10500.
emporal pde ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza, emporal contina a
vender na Bonanca, pelo mesmo
preqo qu venda em sua loja
' C cordeiro previdente
Ra do Inclinado n. 1.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
Joja do Cordeiro Providente, ella acaba de
reoeber um outro sortimento que se torna
aotavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
sos; assim.pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico era geral e de sua
ooa freguezia em particular, nao se alis-
tando elle de sua bem eonhecidauansida'
i barateza. Em dita loja cncontnrao os
preciadles <> bom:
Agua divina Dita verdadeira de Murray A Lammnn.
ita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos nrethoi k arredilados
'abiicantcs.
Dita balsmica denificia.
Dita de flor de arangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odoutalgico para conservado do
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, mainres e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franceses em frascos simples e enfeitados.
Esseucia imperial do fino e agradavel chei-
o de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo phjlocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
jom escomidoseneros,em Irascos dediffe-
entes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
oara mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito linos em caixinha paja barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes miitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada eontendo fi-
aas perfumarlas, muito proprias para pre-
jentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
s boneca.
Especial p de arroz sem composicao de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de caraphora e outras differentes
realidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
'os e bonitos moldos com filets de vidrilhos
a alguns d'elles ornados de flores e fitas,
st5o todos expostos apreciaco de quem
s pretenda comprar. ,
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeko.
Fivellas e fitas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
LITAS
Cmplelo sontfmeflto de lnvas novas
h iouviii de linlas cores i scolhidas ao ol
goio tricUial moda em Pars, chegados pelo
vapor Oneido, aoarmazcni do vapor rn-
ci'Z na ni'va n. 7.
Fugio dnengnhi) T lanos da vina
de [pojoca, no din 30 de maio, o escravo Gon
ler 5 minos do idade, pouco mais >,u
menos, n r venMiha, alto, troteo, olims |ip(|tienLj,
smii b.trUi, c ou fu? r.irhando, fui escravo da 3ra.
I). Scaboiinha Mara do Livi-anunto, que nioron na
villa de PcrioliaP: ; no di;i imnifdialo da fu|yi>i.
etuv': na i'iostna villa : sopnoe-sc estar aroutack,
oquesop icederetMi O rigor da lei a quem
tenlia, e | tile- p s afeitniiddcs policiaes ou capin
uV- de cair:|io a captura doincsmo e entregar n<.
mesmo un?ttiho ao abaixo assignado, ou na ra
da M i-J.-i a. ">. 2 BnAn\eseriptone de lalWl
voe Ferrei: a it C, que ser geierosamontc reo
pensado.
mol Paulino Tolcotino Pere< Fal
para encanamento d'agoa
. Canos de ferro forrados de porcelana, e osla-
nhados, de diversas grossuras : a venda na ra
do Queimado, Azevedo & Irmo.
Feijo
mulatinho muilo no o, em saceos: vende-se por
barato pre^o ; no armazem de Jos Rodrigues de
Carvallio, na travessa da Madre de Dos n. 5j.
Vende-sc urna, dnas, at cinco casas o buc-
eo da Paz, com commodos para pouca familia '. a
tratar na ra da Viracao n. 17.
Vende-se a taberna sila no atorro dos Ato-
gados, hoje ra Imperial n. 205, com dodmb fun-
dos, etem commodos para familia : quem preten-
der pode examinar e a tratar na ra da Praia
n. 76.________________________
Vendem-se duas pretas bonitas, urna de ls
annos e outra de 30, esta com habilidades, aquel-
la bruta : na ra de Hortas n. 96.
Vendem-so libras esterlinas, em ouro : no es-
critorio de Carvalho & Nogueira, roa de Apollo
n. 20.
Vende-so um cylindro em bom salado, pro-
prio para padaria : quem pretender dirija-se aa
pateo do Terco n. 63.
As autoridades pliciaes ea
quem competir.
No dia 29 de maio do corrento ajux I -
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 i .
annos de idade, estatura regular, reforjado,
cor bem preta, cabera redonda, trajava ca-
misa azul c calca de ra-emira cimenta; ti-
rante o "ia r, stn n,i .-. i.ir ganbafi4o Das
ras, ou em umaxcus >!. asncar ou as
tabernas con\#sar e j u-lier; ilurame a
noite recoUie-sc i UjlUeiriis.abtiiOi i )-r-
netraveis, a rasas etu/oiisiroccS.......-
tros quaesqiier iug.uv^ .-.!.- se po i t:,-
gar: ipiemTjappreheniler caia a Uot.tuda
de o condazir ;i na da aurora d. ii v toe
ser gralilirado.
t ,il ,t.mi no luigenhi -\
do ternw da iscaita, ua uom e
10 para I Ido ccrreuie, ("ius i-
cravo inniot'i4, os <\ -.
comprad a- l'.xm. Sr. barao de
Xazai'di da IS illa* pouco BMn
o rwnoft, feudo Joao, idade ae
30 a 3 atmi'i, bom barbado, pe*
tos cabelludos, lem os dedos dos pc, ist
mnimos curtos cqtiasi que iropam um M ouoru,
tendo todos os dent- de rento, corpo regulai e
leva chap'. di couro sai tauejo, eal;a .mil de
algodao que Ihe chamam pello d'onca e cobertor
debataescura e mafsalguma roupa, f"i esaravo
do lllm. Sr. tenente-coronel \i;ostinho Correa da
Mello, de iliiricury. o outro de nomo Flix, ca-
bra, alto, bom corito, dado ;mnos pouco B)
ou monos, levon chapeo do eoaro de al i
calca azul do algodao que Ilu chamam palle i. on-
ca e cobertor de batta escura, fui nscravu no
lllm Sr. Eduardo Peretra dy Sonta, da previocia
da Parahyba, que o venden por sen proraraOor o
Sr. Jo Lopes Alheiro ; qoeui o apprehwd
levar ao mesmo engenho Firaiesa ou no Recil
escriptorio de Domingos Alvos Maihens, a rui da
Vigario n. 21. sor generosamente recompMiaado
Fogio doengenlif. oll*gioda Luz a eacrava
preta Hartioha, balsa e delgada do corpa, om
marcas de bexigas, muito bobada e de muita it t,
paga-se bem a quem a levar ao dito engenln i
aos Srs. Oliveira. Fdhos A C., no Recife.
Fugio uo dia 23 do eorrente, do engen.o
Quileba da freguezia de Seriuhaem, o escravo ca-
bra, de lime Flix, que representa ter 35 aM&,
mais ou menos, alto, grosso, cara larga, bem ': .-
lante, leviu calca de brim pardo, camisa de < .-
dapolao, chapeo de couro ou um outro de d
novo ; cujo esi'iavo talvez teuha tomado o ;>.
uho de Pao d'Alho : quem o pepar e levar ao o io
engenho, ou no Recife a ra do Imperador n. .,
ser gneros-'monte recompensado.
Fugio Jo engenho Bom Jardn) da (reguz:a
da Kscada, na madrugada do dia 30 de agost i -
ximo passado o e.-cravo preto de nome ManoeJ, ita
idade 30 annos, pouco mais ou menos, cujo OBCl -
vo tent os signaes seguinti^: crioulo, cor r*. i,
secco do corpo, estatura regular, punca barba,
la desemharac um pedaco da orelha direita, cujo escravo fol eom-
prado ha poucos das nesta cidaiio do Recife .v !
Pedro Jorge : roga-M s autoridades p< lia :
sua apprehensao. as>im como se gratifican s
senhores espitaos do campo ou qualquer pess a
que o p.?gar e levar ao dito engenho ou ra -
treita do Rasano n. 47, a enlr.'gar aos Srs. ].
gues, Alinela & C
5.
LISTA GERAL
na

DOS PREMIOS DA W. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL N. 330, A BENEFICIO DA ORDEM 3.a DO CARMO DO RECIFE, PARA FUNDACAO DE OH IOSPITAL, ETRilIIDA EM 2 DE SETEMBRO DE 1869.
A'S. PREMS. XS. PREMS. NS. PREMS. SS. PREMS. NS. PREMS. N5. PBEMS.-NS. PREMS. NS. PREMS.
6
O
16
17
19
U
44
Cl
it
S5
63
C9
73
7i
60
84
85
9J>
99
102
4
8
16
18

24
26
28
29
42
43
49
39
73
79
83
91
97
98
206
8
9
11
12
21
36
39
40
42
4a
2024
47
30
32
59
61
63
68
79
81
83
84
95
98
300
1
5
7
10
13
16
21
30
31
33
34
39
43
33
83
86
89
93
94
99
406
8
11
17
20
24
43
31
37
61
63
67
70
74
44
84
44
475
78
93
301
7
20
20
27
28
33
33
it
42
48
49

60
66
73
75
78
81
82
86
%
99
617
19
20
24
30
33
34
36
40
i;
84
44
32 -
34
58
66
73
76
77
82
89
90
94
-I 701
-I 19
204
44
304
44
84
44
721
24
32
33
39
31
54
61
65
68
70
71
74
78
79
83
84
85
92
95
97
802
6
8
21
29
33
3i
35
40
42
51
53
56
S7
58
59
64
67
70
72
74
81
87
88
97
99
900
3
44
84
44
84
906
12
19
21
24
27
32
40
41
42
47
52
58
til
67
80
89
94
98
1003
8
6
20
31
33
4S
i6
47
48
n
63
71
78
81
83
86
1112
15
18
33
33
36
47
54
59
' 76
77
78
44
44
84
44
204
44
1192
95
1206
13
17
19
24
26
28
30
31
33
42
47
50
62
65
74
76
77
82
84
87
90
1301
18
20
37
41
43
44
54
55
67
7J
76.
77
86
87
88
89
93
94
99
1403
3
6
14
84
44
44 1415
20
26
31
35
37
41
50
52
57
62
84 64
68
69
70
81
84
86
90
91
1302
4
7
10
12
15
18
28
34
35
36
41
44
51
53
57
58
82
91
92
1607
9
11
15
17
24
26
35
44
84
44
104
44
84
44
84
44
1614
49
56
63
74
75
77
86
95
96
98
1703
6
13
31
34
42
56
60
61
65
67
69
70
72
79
89
98
1802
3
6
8
9
11
ti
17
18
21
24
27
34
40
43
47
48
63
75
95
98
43
7004
44
84
n
1906
15
26
37
44
45
46
48
52
54
56
62
66
73
79
82
94
2003
11
15
16
24
30
33
44
47
60
64
71
72
73
80
83
89
92
98
2105
27
30
34
36
43
54
55
72
73
91
98
99
44
204
44
>. m CMS. IWS.
02 4J 2391
4 99
9 2414
10 22
18 24
19 36
21 a
23 44
32 49
33 60
37 62
43 63
50 64
51 71
55 74
36 77
63 86
66 87
67 91
71 84 93
72 44 98
73 2306
75 84 12
81 44 13
85 17
86 20
88 21
m 23
4 21
11 26
12 30
20 34
26 ' 41
28 48
32 46
33 47
36 54
3* M
40 78
43 85
45 i04 86
56 44 92
57 9i
59 95
64 96
74 97
77 98
79 2600
87 *- 1
EMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
44 2602 44 2823 44 3033 44 3280 44
12 38 59 81
18 84 40 66 82 _
20 44 50 71 88
21 57 73 83 91 __
26 63 80 44 95 _
28 65 84 97
33 66 85 98
- 34 72* 86 3306
^^ 36- 74 88 10
40 82 98 11
_ 43 92 3104 24
41 93 12 25 91 _
_ i 96 18 31 __
i- - 97 28 32
64 99 30 42
t 75 84 2906 39 4 4
*_ 80 44 8 42 49 _
__ 83 1C 43 59 ^_
_ 90 12 54 63 ___
_ 94 18 57 t __
95 19 59 _
--- 97 20 64 71 __
84 2701 __ 29 VI mm 77
* 44 3 30 82 93
, M 5 wmm 31 94 99
__ 9 __ 33 98 3402
. 10 45 3201 6
15 46 2 7
__ 18 56 5 14
^^ 32 62 9 19
i. 35 68 12 . 37
4:000j 40 73 13 59
41 50 7/ 24 60
32 _ 84 __ 25 61
57 86 __ 32 62
84 59 M __ 83 # 63
44 62 96 __ 36 65
69 1004 300i __ 38 67
l_l_ 79 44 12 . 42 71
82 ... 13 __ 51 74
86 __ 23 ^_ 57 84 82
91 25 _ 61 44 85 84
__ 93 28 63* --- 98 44
84 % 30 68 tm0 99
44*808 37 69 * 3506
_ 13 39 71 __ 18
-1 19 48 72 17 ]
1 21 49 79 18 1
NS. PREMS. NS
3319
20
21
35
43
52
53
62
64
66
69
75
83
89
93
98
3601
3
8
13
28
32
34
41
43
46
53
65
77
79
84
87
98
3707
15
17
26
29
30
38
41
42
44
45
51
59
60
63
44
84
20*
4-i
NS. PR EMS. NS. PREMS.
3777 44 4021 44
83 23 504
85 26 44
87 27
92 29 84
99 36 44
3800 38
1 __ 49
9 __ 51
10 67
27 68
40 _ 78
43 _^ 80 84
43 ... 82 i..
4(i _ 84 84
51 89 44
64 __ 93 -
66 98
75 4100
86 1
N 7
91 8
9i 21
!>.; 29
97 33
3901 39
13 30
M u
22 58
23 Gl
28 71
33 73
36 77
38 80
45 90
48 .04 92
69 H 4200
68 9
69 12
72 14
73 15
73 16 __
82 27 _
83 28
86 31
88 38 _
93 42
98 M __
09 62
NS. PREMS. ;.\S. PREMS.
4268
69
74
75
76
85
91
92
93
95
4307
9
10
11
19
22
25
26
30
31
32
37
38
42
44
38
59
63
66
70
81
83
96
99
4401
5
12
22
30
32
48
49
54
62
64
66
74
81
83
l
4 4485
92
96
97
308
9
21
23
25
28
33
36
31
53
58
57
59
67
76.
77
80
94
4603
4
7
II
13
22
25
26
27
35
38
40
52
55
57
59
60
62
68
74
7
81
S3
44
86
44
84
44
8/
6*
%
204
44

93
95
97
-4700


Diario de Pernambucp Sexta feira 3 de Setenio de 1869.
SSESBLA GERAL
I
CMARA DOS SRS. DEP7AD0S
SESSO EM SO 1>E JULHO.
PRESIOCNTIA 0 Jjft, 4>KBIJLS.
Jtespondendo o nosso' minislro em As-
piran a esta intimarn, o ministro das
lelacfus exteriores do.Paraguay dirigio-nos
ntra not i em .'1 di' selembro, (ir termina
i Mil estas p ihvns :
Nao aderando em Cousa alguma a nota
de V. Esc. a situarn que motvon i solem-
Jeclararo do governo do abaixo assij;-
nado, Oca osle notificado de que de certo
iiluima eonsideraco fari sobrestar o go-
verno di'. V. Kxc. no empreo dos meios
coercitivos (fue. hava resolvido por empra-
tica ; e. eonvnorando o piolesto que liri-
M a V, Exc. na citada data de -M de
agosto ultimo, ter o pozar de faz-lo eflec-
iivo, .sempre que os fados all menciona-
dos venliam confirmar a seguranc/i que V.
Bxc. acaba de dar em sna nota a quo esta
responde.
Quando leve logar, senhores, o aconteci-
nento do vapor Y'lla del Salto, que se d-
rogia por ordcm do governo da repblica
Oriental a uin dos parto da referida
pdilica, para levar succorros c ns-
:coes as autoridades legaes em lu-
ta com a rebellito dirigida pelo general
Flores, o ministro do Paraguay diriga ao
iosso, oiitra unta que terminava ainda da
seguinte maneira :
Factos ti) significativos como os que
gaco oriental denuncia, consumados
e-i! apoio de urna retadijp, com olvido dos
principios de l-'galidade, liase dosulireitos
ifc dynastia dos governos monarchicos, m-'
pressionaram profandamente ao governo
do abaixo assignado, que nao pode deixar
de corroborar por esta coramunicaco as
i declarares de 30 do\igosto e de 3
do correte
Ora. Sr. presidente, evidentemente nao
ha aqni urna verdadeira c positiva declara-
1 de guerra, nem urna comminaco; mas
tos contavamos-a guerra eminente. As
iosshs notas ahi esto. Em vez de respon-
.termos ao governo do P raguay como de
veramos, o nosso ministro dos negocios
tatraogeiros dadarava que as explicacoes
que pedia o Paraguay eram atlentatorias
da soberana e at da dignidade do Brasil!
Com taes opinics, Sr. presidente, com
es principios eorca do direito dos neu-^
,iM, cortamente a guerra bavia de ter ta-
rar, ens fariamos depoiso que realmente
tizemos.
V. certo que nao hava urna verdadeira
deelaraco de guerra : mas nos contavamos
O ella. Tanto se receiava o Sr. coronel
Carneffo de Campos, essa vctima infeliz dos
excessos do tyranno do Paraguay, que re-
usou desembarcar em Assumpco para evi-
tar algum desacato a sua pessoa.
AJgns esi-riptnres de direito interna-
cional, embota raros, entre os quaes -cita-
rei Kluber e, Harteos, cutendem que nao
sano a dedaraciio de guerra entre
beltige antes. Nilo esta, porem, a pra-
observada entre as naces .civilisadas.
Nao obstante urna naco, que se distin
gne entre as mais rivilisadas freliro-me
Inglaterra), peta menos cinco vezes fez
guerra sem previa declararlo; em 4755.
era 778 contra a Franca, em 1802, em
1807 contra Dinamarca, e finalmente ajean-
do rompen a paz de Amiens. Em urna
(tosas occasioes sobreiudo grande quanti-
dade de navios (paoeesee foram appreliendi-
dos j nos i ortos de Inglaterra, j por cor-
arios no alto mar. Cmplanlo estes factos
"v:i:itas-ein um grite de -eprovacao 'na Eu-
ropa, por acaso foi a Inglaterra tratada
como naco barbara ?
Que direil i lidiamos nos, senhores, para
declarar Lpez fra das tais das naces e
comprometamos solemne e terminan-
' nenie ,i nao tratar rom elle ?
Um Ilustrado senador que teve grande
pafte eos iiliinios awrntecrmentos do Bra-
sil, pois dirigi n sen governo por bastante
lempo, o Sr coa i bacanas, indicou
os principios matives petas quaes deviam
ser inser !:> essas eondrWJes no tratado da
trplice allianca.
Em sen discarao de 2( de junlio do cor-
ite anno, S. Exc, depois de assignalar
o pro-edinv-no das nae.'s adiadas para
com Naooleo 1. que julga idntico ao
qoe observamos com Lpez, diz o se-
gofBte :
Agora o nosso caso.
Sr. presidente, o que fez L^pez em
elacao ao Brasil? Lanjou suas hostes
f-obre Matto-Grosso, tomou os nossos for-
lancou os seus soldados sobre .1 pro-
FOLHETIM
03 CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
Paulo Fval
Segunda parte
THH* PATA*
O catfelfo.

' (Continuaran do n. 4>7)
A Sra. Sic'ard era uma muda grav, de
.boa apparenrin. dq meia idade, toda puxa-
ta sustancia, e que dava tanta import n-
ciasua pessoa como o Si-. Domergue,
mas nao sorria. A voz do compaobeiro
ve-a na pccasiSo ern ajee subia s de-
gros da v.iranda.
Ol exclamou. A menina Lebsr !
E a^crescentou com certa benevolencia.
que sellamuito era para estimar :
Prepararam-lle/ bo|e mesraa o seu
quarto.
Venbo apenas saber como assenlio
ras tem astado, irnjnnmu.i a moca-com
certo acanliaiirnl, que agasalbo com
qnearecehiam nao justilii.e j. Faz-meo
fjvor de prevenir a menina...
Queira no enianto entrar para a sala.
V< u dizer que JJie porjlia tallier.
Mas agen me llfobrujaecreaaenlou, a
. bamneza flisse-me... o qoe %,.: ah !
que se a menina viess, a guamasse ella...
AOnar, como sempre.
gaviara atravessado o vestbulo. A Sra.
n subi aescada, emqnanto omcr-
introduzia Edracc na sala. A pallidez
noca augmentara (te ubito, e a ponto
vinria do Rio-C.rande do N, tendo antes
do ludo apprebendido iaespiradamente o
vapor Mrquez de Olina, ro ibado o oteo
dinheiro e lancado era ferros um raeaaaro
da cmara temporaria, presidente noanea-
do para Matto-Grosso, oSr. Cirneiree
Campos.
Eis, senhores, as ratitas que autorisaram
taes clausulas. Eu lamento sinceramente
a triste sorte do Sr. coronel Carneiro de
Campos; mas se tivessemos aceitado a paz
quando com todas as fcmtagens n-la offe-
receu o Paraguay, estara entre nos essa
filustre victima (apoiadosi. nao teriam falle-
cido tantos infeliaes bnsileiros, que tem
expiado os nossos erres o a ness obsti-
nagao.
Reconheco as devastaces que cooaiicl-
teram os paraguayos na invasa > das nos-
sas provincias ; mas em toda a parte to
mundo infelizmente os exercilos invasores
praticam violencias. V. difitil comer o fu-
ror da soldadesca quando nella se desen-
volvem'os insiinctos sanguinarios e a cebi-
ca de saquear as popuiaces vencidas.
Factos dessa natureza se tem dado nos pai-
zes mais adiantados em civii*acSo. Ainda
ltimamente, na guerra entre a Prossia e a
Austria, vimos os excessos em que se des
mandaran os exercilos vencedores naquel-
les mesmos paizos que pretenda se anne-
xar a Prussia. O que podamos nos espe-
rar dos exercilos serni-barbaros do Para-
guay, corapostos quasi etelusivamonte de
indios guaranys 1
Se a invaso do nosso territorio impossi
bilitasse o ajuste de paz com o Paraguay,
cntao" guerras se pe potuariam, porque,
rara aquella em que nao se de invaso do
territorio de um dos beHigerantes-.
Mas, concedendo pie fosan ama atiranta
a invaso do nosso territorio, porventura
nao oceupamos uma parto do Paraguay a
tres annos, e sua proprio capital, lavando
assima aiTronla ?
SenUores, a disciplina do innato brasi-
leire n5o tem permittido. felizmente, imi-
tar os paraguayos as violencias exeroidas
em territorio nosso ; mas, nao obstante.es
alliados tem commettido *alguns excessos.
Nao ba muitos das indgnenme sabendo
que na expedicao contra Ibicnhy o coronel
Coronado passara pelas armas'o cliofe do
destacamento que defenda quellc ponto.
Um Sn. Deputado : V. um cliefe ori-
ental.
O Sr. F. Bm.iSARiCL:-~Sim, senhor. En-
tro as naces civibsaaas, Sr. presidente,
no ba exemplo de se ter feito o me csti
pulamos contra o Paraguay no tratado da
trplice allianca. Embora se lenba queri-
do acMar um simile com o procedimento da
Europa corn Napole5o l, p.irecem-me os
casos to dessemelhantes que eu recearei
abusar da attenco desta Ilustrada assem-
bla apresenlando-lhe tactos histricos tao
conhecidos. entretanto o nobre senador,
a qnem me tenho referido, acbou o simile
perfeito, e com esse exemplo da historia
que elle justifica o tratado da trplice da
allianca. Peco permiso a cmara para
lembrar em poucas palavras o faeto aconte.-
cido com Napoleo. nico que se oncontra,
como lia qnem acredite, para justificar o
nosso procedimento.
Sr. presidente, qsando. rui 1814, apoz a
grande catastrophe de L'ipsicli, ,Napoleo
entrava na Franca exliau iila de recursos,
aoliou apenas para fazer frente aos numero-
i is exercitos que victoriosos- seguiam, um
punhado de soldados. Elle que sempre os
tivera para espalhar aos milliarcs felos
campos ensanguentados da Europa procu-
rando realizar uma poltica impossivel, va
a patria quasi indefosa perante os estran-
geiros que a invadiam! Crande lico, se-
nliores, que nao (levemos esquecer quando
excedemos lodos os limites dos nossos re-
cursos emesmagar urna nacionalidad sem
nos lembrarmos do futuro.
Os alliados conheciam perfeitamenle que
alli Napoleo sera vencido; conheciam o
espirito da Franca, pois os realistas, os ad-
versarios, tanto amigos, como aquelles que
o infortunio faz surgir, eereavam os sobc-
raoos alliados, Elles senta n em todas as
cidades o desencadeamento das paixts,
militas das quaes escasa veis, pelas prove
evidentes dos erres da poltica imperial:
oaviam as imprecacoes contra o grande
guerreiro que, depois de haver levado a
guerra, sem utilidade para a Franca, as
margeos do Nilo e aos ltimos confins da
Europa, a trazia para as margeos do Sena,
s portas da propra capital da Franca, como
alguns se exprimam.
Pois bem, senhores, os soberanos aliiu
dos embora certos de vencer Napoleo. cer-
btf da animosidade do pavo francoz eoutra
esse genio da guerra qoe nesses dias cala-
mitosos syinbolisa todos 03 males c horro-
res delta, nao declarram que a lula era
tal que pareca prestes a perder alent.
Deixou-se eahir n'uma cadeira e levou o
lenco aos labios.
Nao faltava mais que deixa-Ia partir
estas horas e em semelhante estado iisso
o bom do criado, que, f. Ihe tomoj as
mos, frias e ;,s aqueceu as d"elle. t
como se fosse da casa, minha lilh*; tenho
oavido repetir mais de tima vez a Sra. ba-
roneza, rjue uma mestra de piano c eno a
menina era uma verdadeira' amiga.
Um copo de agua, murmurou Kdiae.
E,;como para se descuidar, ac rescenlou:
Estive um poucochhiho doente.v..
Logo Domergue sahio a oerrer. Nao
era elle nennum revolucionario, e noita
porventura Ihe acontecer eoneeber to -
rojada idea ; ppnsou :
Um pou:ochinho doente com a
breca tanta para uns e nada para ouiros!
O que dcabo daquella manca a miseria.
Mal terrivel, e que se nio pdeoceultar!
Existem nao sei que mysleriosos symptomas
que te trahem, 6 miseria I e tanto mais
depressa e com mais seguranca n/ianto mais
feita pareca a tua victima para se mauer
longo das tuas garras !
Aqeelle ente delicado e encantador,
Edine L ber, era pobre ; nao o dissora o
tragedimpo, mas t8o modesto, que o cla-
mara o sen acanhamento. Os .criados com-
prehendem isto melhor qoe os amos; os
cnados te n um sentimento especial, e, do
diablica subtiieza para farejarem a indigen-
cia. \i, aos olhos d'elles. a primeira c a
mais brofunda dr; tem porventura r
pois que desta mal lanos datros malos
dimanara. Occorrera Domergi" a idea
di (pie Edme tinha fome.
Engauava-se. Nao faltava anda o pao
em casa da mi de Edme, posto que de
ludo mais aodassem carecidas. E nao ti-
vera Edme p5o, que bastara a febre para
ameta-li).
pessoatmente feita a Napotdta, qne eitas
tanto desejavam humilhar. Sem fallar no
procedimento do general ingles qe pene-
trara em Bordeaux, alli mesino, pasi s
portas de Pars, os alliados offerectam a
Napoleo a paz emChllon. E a propria
Inglaterra eclarava qoe recenheceni Na-
poleo coa pecador, o que eHa at
ento jamis ffzera.
Anda posteriormente, no celebre tratado
que celebrram em Cbaumont, as potencias
alliadas comprometindose a auxilliarem s
mutuamente por 2 annos contra a Franca,
nada estalielociam para exfitair NapoleHo do
governo.
Foram os proprios fraueoios, foi o pro-
prio sonado francez que declaren soleme-
menta Napoleo decaldo do throno da
Franca, lie (iropri oscievoii sua abdi-
cacao pura e simples, e finalmente assig-
nou o tratado que o exclua do throno da
Franca, aceitando a soberana da ilha
d'Elba.
Em 18l quando so operou essa sbita
e extraordinaria revolueo, a coi a da Fras-
ca, achna-se sobre a cabeca daijuetta a
quem ella p itencia pelos principios do di-
rato divino, que os soberanos alliados re-
presenta vam o defendiam. Para estos Na-
pol-o era um usurpador, que a naco re-
pcllia, e s o exererto collocava de novo
no throno.
Podiam elles que ainda nao setnham le-
vantado da mesa em Vienna, oado divida*
entre s os despojos do inimgo vencido,
elles que tanto se lo upltavaiiK podiam
ver ainda Napoleo fenle do governo ?
Napoleo tinha abdicado, liana assignado
um tratado solemne, ik qual renunciava ao
throno da Franca, e os soberanos colliga-
dos nao podiam abandonar seu alliado Euiz
XVIII, nem sus nteresses o aoonseilia-
vam.
Eis a que fica reduzido o nico exemplo
que se suppoe encontrar na historia do
mundo civlisado para justificar o tratado
que celebramos ao emprebeudermos a guerra
contra Lpez.
Sr. presidente, a aowa persistencia nesta
; guerra provoca contra nos a odiosidade
do mundo e desalia sympatnias i favor,
pelo menos, do povo Paraguayo. O -3ndo
foi couhecido o theor do tratado secreto da
trplice allianca, as na(oe* da Europa nao
redamaran) porque seus interesses commer-
ciaes, suas relacoes sao principalmente com
as tres potencias adiadas, e pdemse con-
siderar utas com o Paraguay. Mas as
naces da America protestaram da maneira
mais categrica possitel.
Peco liconra cmara para lr algumas
de suas dexlararo-s, que trago coro migo,
j ipio nao possoler todas, o que realmente
sinto.
O Sn. Anmuhf. Fi';ri:in.\: Por motivos
muito espoees protestan cada una dessas
nacies.
O Su. F. Bk.h.vrio :Em 40 de agosto
do 1M7 o ministro do Per dirigi esto
oflicio (moxtmndh) ao nosso governo, do
qual, querendo cu nesta hora to adianla-
da pwraan i vkjto da cmara, lerei ni-
camente poucas palarrafi.
Yozr.s: Estamos ouvindo o nobre de-
putado com meito fprazer.
O Su. AsmiAoii Fuukui v: -Sem concor-
dar com as ideas, o ou;o emi muilo pra-
zer.
OSh. F. Br.i.isAnw :. mas desde
que pode temer que a guerra estipulada
com as repblicas argentina e orienlal nao
se limita a reclamar um direito, a vingar
una injuria, a reparar um damno, masque,
se enlende at desconhecer a soberana e
independencia do Paraguay, estabelecer
aelle um |irotectoraiki e a dispr de sua
sorto l'otura, aprossa-se a ma ifestar ao go-
verno imperial, que raM resolvido. de ac-
cordo com os governos da Bolivia, de Chile
o do Eipiador, a nao consentir que se rea-
lze o que seria um escndalo que a Ame-
rica nao poderia presenciar sem codrir-se
do vorgonha.
0 Su. Andiiadk Figdeuia : Isso era hy-
pothese.
0 Sn. F. Bi-a ismuo : -Por acaso 0 Para-
guay usou de injurias lio graves para com-
nosco" Nos, venlade, pedim >s explica-
Coos, nao digo que nao tenbamos procedido
coin energa o dignidade, mas o Paraguay
ilo nos lluvia ultrajado do um modo to
inslito.
E por que nao declaramos nos a guerra
"ao Per e a essas outras repblicas? Um
dos resultados desta guerra segundo tenho
uvido, ser fazer bom patente s naces
iiossas vizulias que o Brasil sabe vingar o
pundonor nacional com extrema energa.
Senhores? as naftas nao sao temidas
pelo que fheram, mas pelo que podem fa-
zer ; n9o fo temidas pelos esforgos que
lazoin sem proporcita com seus recursos,
mas quando sabem eMpregar bem e a
tempo esses esforcos e at onde sao elles
neceasarins. (Xpoiados.)
Esta nossa tenacidade, Sr. presidente,
tem despertado suspeitas as repblicas
nossas-viziuhas, dizem ellas positivamente
que desde que a naco cintra a qual faze-
os a guerra tem pedido a paz e mostrado
sempre desejos de fazo-la, as nacSes alija-
das que (narem a gea a todo o transe
mostram com ts mais do que simplesmento a satisfaco de
sua honra ofTendida.
Nestt ftora t3o abantada, cuna) Icrci
peJacos j dos relatnos dos presidentes
dessas repunlicas, j de aflictas dirigidos
ao nosso governo ; mas nao poderci deixar
de recordar casa, pelo menos, as palavras
que o secretario Ja lega.;o ingloza empre-
gou offerecendo-nos s-.ia modiaco pira tei -
minaco desta guerra.
Eis suas palavias ttixtuacs :
Se as potencias alladas, antes de con-
summarem a aniquilaran do povo para-
guayo, se sentissem emfim dispostas, por
ontukrardes. ik krummdi, a concluir a
guerra, etc.
Ora, Sr. pesideuto, j se nos diz posi-
tivamente que pretendemos a aniquillaeSo
deshumana do povo paraguayo E' este o
seatimonto que dosperta a lenaddade com
que alli nos mantamos.
Certamonte eu applaudoe admiro a ener-
ga, a enacidade de um povo em exocut ir
uma polica, em procurar conseguir un
grande fim ;
lados Unidos ..
bavia un graettu resultaiio a enneeguir, a
unio e integridade da repoble-a ; oa por
consequencia natural e louvavel esse es-
forco e lenacidade.
Mas no Paragu ty, j ;i) i tbne idade
e a energa do poltico que visa uai grande
fim, pois n.nlium alli vejo. F-' quasi o
encarnigamonto ilo selvagem em saciar sua
vinganca na exliuccao completado inimigo'
Podemos nos ler atada esperanca que
aquello povo ignaro o semi-barnaro acredite
que o estrangeii'o que invade seu territo-
encooracados poderiam levar o nosso ex-
ercita atravojsando as bateras de Aogi-
tura! Parece-me que ao dever-se-hia
dizer isto depois de tor-se estado no Pa-
raguay.
Oulro nobre senador accosou o Sr. dotwe
de Caxias do sejuinte modo :
Ha, porem, ainda outras faltas. Lpez
fugio com o iiumaro de 90 homens, logo
redundo a 20; mas o nosso general nao
o mandou perseguir. Porque ? As nossas
fon;as estavam cansadas ? Nao Itevia para
perseguir o mimigo, lofficonte reserva o
de cavallaria?
Mas f/opez fugia com 20 horneas, e
consequentemenlo ferca quj o soguisse po-
deria t o -ta agarrado.
O Sn. A.fORADK PiecciBA: Pena foi que
elle nao fosse l agarra-h. (Hilaridade).
O Sn. F. Belsario :-Estas palavras do Sr.
conselhiro /acarias, pronunciadas nasesso
do 26 dejunbo, foram completadas pelo
seguinte trecho de seu discurso do dia 10
de julho do correte anno .... como nao
podemos apanhar as Lombas Valentinas
Lpez, que fomos encontrar almocando
(nossas tarcas foram ncontrar sobre mesa
0 aimoco serrido ; e Lpez retroa-se pau-
tando os denles para as Cordilheiras).
Isto textual. (Hilaridade).
Un. Sr. presidente, pde-se dizer com
sinceridade que em Lombas Valentinas po-
dia-se ter agarrado Lpez ? Podia-se agar-
rar o chefe du exercito no seu proprio paiz.
i pian d o tiiilo favorecia-lhe a figa, quando
admiramos a energa dos Es- era impossivel saber a que horas teria ella
nesta ultima guerra ; mas alli lugar Lpez, dizem, fugio com uns vinte
homens, mas sabemos que em Assumpco
bavia un destacamento paraguayo, que se
tem calculado 1,300 a 3.000 homens, que
om Luque hava outro destacamento, e
asstm em outros pontos.'
Pois o ehefe da nacao, que fugia em seu
1 ;ri torio, que tinha toda a populnco por
si, podia ser algum dia agarrado? Sea
tarca que o perseguisse fosse insgnifiacan-
te, seria saerdicada; se fosse importante,
(juaes os meios de alimenta-la no territorio
juri tinha de percorrer? Era possivel que
*io. que ocetpa suas cidades, que nao Ihe i anda quando Lpez se retirasse realmente
d quartel no campo do baialha, onde o depois de almocar, como refere o Sr. ex-
degetla sem compaixo, l'.ie vai levar a li-1 presidente do conselho, pudesse ser apri-
berdade ?
CLu eu-sou vctima do uma estranhi illu-
98o, ou nos andamos atrs de umachimera.
I'oi contando com estes seiitimentos do
povo paraguayo que se fez o tratado da
triplico attonca ; nao posso de todo ex-
plica lo e comprelieude-ta de nutra turma
erguesse contra o seu lyrannn.
Sea illuso era permltida at agera.
ella boje absolutamente impossv.d(>poia-
dos); ilepyas de pertoncer-nos toda a na-
vegaeo ditrfio Paraguay; depois de ter-
mos invadido grande parte do territorio
da repblica ; "depois de ocenparmo-? as
cidades mais importantes o sua propria
capital, e vemos ain la a naeo unida com
o seu presidente podemos suppfir que ella
deseje sacudir o jugo e abandonar esse go-
verno por outro que Ihe vamos leva ?
(Trocam-se apartes).
Sr. presidente, tenho rolhido
sionedo ?
Nao, Sr. presidente, nao podia ser.
(Apeiados.)-Eu loria grande satisfaco se o
Ilustrado s nador nos mostrasse quaes os
fundamentos dessa sua to singular opinio.
K' preciso nao imaginar acontecim^ntos to
facis. Desanimo dos exemplos da historia,
seaao na supposico de que esse povo se 'piando vejo os proprios que nos tom dado
cues de muitas pessoas qoe tm vento do, no interior daquelle paiz, e o que apunas
Paraguay, e poco porrnsso para uma
observaco: d so com o Paraguay um
fado extraordinario, di Arente do que acon-
tece com as uaeoes alliadas. Entre nos
o Indio jaz estranlm s nossas relaeoes po-
lticas, apenas mamemos poucas reia(
commerciaes (se assirn se pdem dtamar)
com os Indios das extremidades do impe-
rio; no Paraguay as misses josuite i-
chainarain para a civilsaco apielta povo
de Indios, e sabemos mesmo que publiam-
se jomaos, cscriptos em idioma truredy.
esta tanga e inlerminavel guerra nao ser-
virem para calcularmos o fuluro, quando
vejo que esta guerra ainda nao nos tem
ensinado a contar com as dfficuldades do
provir.
Ouco todos os das por diversos feilos
elogios ao Ilustre general que se acha
testa das nossas tarcas; quaulo a mim,
noto ainda mais uma razo para elogio, a
franqueza (apoiados) com que se tem enun-
ciado em seus officos sobre diversas ques-
tes importantes, mostrando e fazendo bem
sentir as difliculdades cora que lula em to-
dos os sentidos, as que esperm o exercito
julga poder alcatifar se fr feliz as opera-
rles contra Ascurra.
Nao vejo, Sr. presidente, outra s luco
da guerra seno a paz com Lpez. Sob al-
guns pontos de vista nossa posico se asse-
melha da Franca no Mxico, mas onde
est a differenca entre a ex pedilo do M
xico e a posico do Brasil em relaco ao
Paraguay ? A Franca, depois de ter-se em-
penbado nossa empreza Iresloucada, n'um
dia, reconhecendo a loucura dessa expedi-
oo, quando pordeu de todo a esperanca de
Comquanto sei a uma civiiisacfmmui rudo. '." M'-"p'.' ^^"v-^
,', '. J "" ., t,i\c ..i,- r, tnumpho, quando vio os enormes sacrificios
comtudo a suma ex sle. todas e>ta ta- ..' ^ ,,
umiiuuu -ipu nu ca ^ que lazia sem proporcao com os resulta-
mibasquo lM ^*MM ^ dosquo obtinha, poda eollocar nos portas
eoiflosgeneraes sao c-imple ament g (|() xjc0 os scus vapores e (,dv3F a
ranvs. nao fa am uma nalavra do bes- ___ n,._. .____ ,_'__. ,___ .
Apenas se vio s, duas lagrimas que o
brio con ti vera, Ihe arrasaram lentamente as
faces. llevantou o veo e exhibi um ros-
to de dzoitu annos, do lintias delicada-,
mas que j o solrirenlo atacara. Era
.Edme um tempo bonita e bella. Nao
jne fra fcil dizer porque mottvo o gesto,
esse caracterstico que d ao fjbtoro meta
de tornar o parecer eloquente^So resid?
para Ivlme, mai na soberana pureza dos
contarnos, nem na preciosa delicadeza dw
feices Nao veriam de :erto sem abalo
acpiellos olhos rasgados o hmidos, por bai-
xo da fronte coroada de adoraveis cabellos
(ouros, aquello nariz lino de orlas accen
toadas, mas suaves, aqttalla bocea, al! to
sera, mas na qual se adevinhava um tjie-
souro da sorrsos;e todava nao era n'isso
que eslava o encant de Edme. 0 que
u'ella commovia earrebatava^ pairava sobre
taitas aquelles dotes como uma alma, raio,
bar.noQJa e perfume, una emanaco quasi
divina, e, que mais diremos, uma alma de
docura e ca*tidade.
- A sala era vasta,, sumptuosa e mobiliada
roma, na moda que volta agora, mas
qne ento nndava vencida pela phantasia
das cousas da renascenoa e da idade media.
Edme correu-a em volta com^ os olhos
arrasados, que por um nstame se de-
tiv^-am no piano.
Alguma cousa Ihe disse o instrumento,
porque ella murmurou sorrindo com amar-
gura : '
Branca casar cem o-Sr. Leco[.
Por Cima do piano ficava um retrato de
erinca : era uma menina de cabellos pretos,
vivaz e risonha.
- Pois possivel accroscenton Edme.
Branca, aqtelle anginho !...
De ambos os ladee do fogo trnsco, de
marmore violeta, ornado de mosaicos e
carregado de curiosidades pompinas,-pen-
prunitiva.
E' a este povo que vamos fazer eompre-
hender os beneficios da civilsaco. a que
vamos levar a liberiade e fazer cror que
deve deixar o governo que acoitou e talvez
ihe seja o mais conveniente ?
Sr. presidente, esta guerra cortamente
fcil para quem suppeacontecimontos im-
possi eis. Na discusso do senado dous
oradores princip Iniento tem-se etcdpfle
com esta questo; om sobretodo sempre
em divergencia com o meu humilde modo
de pensar e o outro muitas vezes. '
Nao diffhil suppr que o termo da
tierra esteja prximo, quando um desse
oradores doclarorr intil a porda de tempo
ora construir essa estrada do Chaco que
contornou a posic/o de Villeta, porqnc os
do Mxico os seus vapores e declarar a
seus filhos: dentro de tantos dias preciso
panno., vivera quasi no estado de natureza ^V* W I^so
diam na parede outros dous retratas, cujas
molduras, de extrema riqueza, abafavarn a
|ji.,tura, com planto os quadros fossem fir-
mados por um dos bous meslres da restau-
raco. Representaba um d'elles um ho-
rnem de vint cinco annos,. estreito de hnm
bros, baixo. magro, de feicoes inteigentes
o arrojadas ; o;oulro um-i eehhora muito
mofa, quasi to i'ormosa como Edme, e
qua, como ella, encantaVa mais ainda pola
expresso. que pela perfeita rogularidade
das- feicoes.
Quando as vistas de Elme biteram nes-
ta ultima lela, fulguraramdlie as populas, e
snbio-lhe algom sanguo s faces. Levan-
tou-se, apesat do consideravel extennailiente
que pouco antes a prostrra naqueita ca-
deira ; atravessou com passos dilfleois toda
a largura da sala, e parou di inte d i.
fogo! Pareca que o retrato a fascinara.
E seria o retrato ? Era antes urna"" parlo
d'olle ; porque os olhos cravados na tela
conteritravam. todos os raiOs n'um ponto,
que nem mesmo era o rosto, mas qno Ihe
licava mui prximo. Eslava a Sra. baro-
nezrSchwartz coHocada em tres quadros;
trajava galas apparalosas. Ton;ava-se com
um turbante que cacindo ao lado Ihe oc-
cultva uma das orelhas. an passo quo a
outra, alva, Una e adornada com um sim-
ples boto de diamante, sabia da opulenta
maesa de negros cabellos. Era para a oi3-
Iha que Edme olhava, para menos ainda
que-aorelha, porque se via esta perfeia-
roerlte, e a donzeH, causa singular naquolle
estado do soffrimento e proslraco, subi
uma cadeira para observar de mai perto.
luranie muitos- minutos, examinou ella
atteptamente aeuclta ponto do quadro.
Tou> seu ser se Hie concentrava na vista.
Trema e mndava de cor.
Onvo-se rumor de passos ; deseen pre-
cipitadamente, e entre-abriram-sc-lhe os la-
bios para soltar estas palavras:
mais dar prolecco.
El a poda abandonar o Mxico sem tra-
tar com Jurez, sem reconhec-to, cortando
todas as suas relaeoes polticas e mesmo
commerciaes com aquello paiz. o Mxico
est a centenas de leguas da Franca e as
sb relaeoes polticas e commerciaes ne-
nliuma ou pouca importancia tm para o
imperio francez.
Poilemos nos fazer o mesmo com o Para-
guay ?
Prelro lodas as solucoos raz )3veisque nos
tragara com breviilade a paz, continuarlo
da guerra, que supponho mais perniciosa.
Mas certamonte o abandono do Paraguay sem
um tratado de paz nao uma soluco pol-
tica. O Paraguay-S acha encravado no
nosso flanco, um paiz limitrophe, com
Era ella, nao ha duvida !
amergue entrou, trazendo uma ban-
deja.
Fi-la esperar, minha chara menina,
comecou.
Face favor... interrompou Edme
com essa voz seeea e sem vibrtCao quo tralie
a febre to cabalmente como a accelerco
do pulso.
Como se sent ? accrescentou o cria-
do em qnant ella beba grandes tragos-
t Meihor, muito obrigada.
r Est to mudada E como Ihe tre-
me a mao .'
Eslou muito melhor, re?etta impa-
ciento Edmo.
Accrescentou mais ^frio:
Queria ver a senhora baroneza immc-
diatamente.
E depois ainda :
i Diga que me nio preparen quarto,
nem ponham talher.
Domergue olhou para ella estupefacto ;
os othos d'elle eiprimiam tristeza e com*
paixp. Sahio.
Pela segunda vez se vio Edme sos.
AsseiJtaoSe ao p da janella e esperou.
As janellas da sala davam para o jardim.
e tinham as taboinhas fechadas. Edme
Leber enliou pelos intervallos a vista dis-
trahda, e vio as visitas do domingo espa-
ihadas em pequeos grupos no magnifico
jardim. d'onde o sol se retirara. Nao se
encontrava alli Branca, nem to pouco sua
mi. a baroneza. Duas senhoras de ceria
idade jogavam o volante, como affeclando a
maior alegria ; algons figures estabeleciara
circulo em volta do Sr. Contentin de la
Lourd -villo, que tinha na mao o jornal da
tarde.
Por baixo das janellas passvam diver-
sas pessoas, que iam passeiando e conver-
sando.
o qual temos injpoiiante* guestoes de limi-
tes, pelos eus ri is o lamaiio para as
nossas provincias; nao ha remedio seno
vvennos em paz com o Paraguay, se-
no vvennos em boa harmona com seu
governo.
No-comeco desta guerrl-cu \ia am ponto
objeciivo para o qual camMhavamos: era o
grito geral dcienda Ilumayt. Pareca que,
arrasada Ilumayt, pois que nesse tempo
cate paiz, quo se diz tivre, desconhec'a o
tratado fatal quo o ligava; pareca, digo que,
arrasada Homayt, estova concluida a nossa
missio. Nao que o arrasamento de Uu-
mavt resolvesse s por si a ivre uavega-
olo dorio, mas porque era uma justa satis-
faco ao nosso orgulho nacional oftandido.
Derrocamos Humyi, penetramos em As
sumpeo c pronetramos, Sr. presidente,
com a maior gloria possivel; porque se al-
gma da podamos ler glorianes'a campanha
livetio-la quanto era para desojar nos bri-
llwntes feitos de dezembivj. (Apoiados.)
. Hou've tudo quanto dde constituir a
gloria militar : diflieuldade sem numero a
vencer, j do terreno, j da resistencia e
fanatismo do inimgo ; hoave um p'ano per-
feitamenteconcebido e delineado, observado
com perseveranea, ejecutado com denodo
e nergia, e coroado do mais brlhante re-
sultado.
Entramos, perianto, em Assumpco do
melhor modo para a celebrado da paz ;
infelizmente nao a celebramos I
Eu desejaria, pois. perguntar Ilustrada
commisso que redigio a resposta falla do
throno que se acha em discusso quaes sao
aquellas condices que ella suppoe necessa-
ras para que possamos receber os benefi-
cios da paz. que a mesnn commiss > tanto
invoca. Ella declara que temos tato as
primeiras e eflicazes compensaces dos
nossos sacrificios; masen pergunto, wbIki-
res:quaes sao aquelles acontecimentos
que a commisso ainda espera para que a
paz se possa realizar ?
Vejo boje a guerra em um estado indefi-
nido, em um estado vago, cujo termo im-
possivel prever: temos cortado todas as
nossas retiradas e nao vejo um meio de
ahrmos da posico em que nos coHoca-
mos. So nos pudessem, Sr. presidente,
assegurar que, vencido tal ou tal obstculo,
a paz so faria; se pndesseritos dizer que
no fim daHomada de Ascrrra, com mais 8.
10 mezes ou 1 anno de duraoo da guerra,
com sacrificio do mais 20 ou 30 mil almas,
despendendo-se mais 100 ou 150 mil con-
t?, a paz se faria, eu nutrirauma esperan-
ca ; dolorosa e nutil para a poltica e pros-
peridado do Brasil, mas emfim uma espe-
ranca de paz. Na actualidade nao vejo este
limite, nao vejo fim, nao vejo quando pos-
samos conseguir a reazaco da paz, sup-
posto queirantos cumprir risca o tratado
da allianca.'
Eu disse, Sr. presidente, que o Ilustre
general em chefe revelava claramente o es-
tado da guerra ; preciso que nos e o pas
o reconliecamos bem. Nao ha nUto falta
de patriotismo : esta guerra se agita a cen-
tenares de leguas distante de nos, ella nao
nos ameaca. podemos discuti-la com fran-
queza, podemos emltir a nossa opiniao se-
gundo nossas conviccoes. Pois bem, se-
nhores, veio a guerra n'um estado inde-
finido.
O Ilustre general om chefe n'um dos seus
oficios ao governo pede qne se publiquem
todas as ordens parciaes das expedices dos
Srs. generaos Cmara e Menna Barreta,
para que o paiz possa bem avahar, diz Sua
Alteza, as dfficuldades quo nos esperam
no interior do Paraguay, e ello declara mui
positivamente que nao tem podido empre-
hender nenhnma opera5o militar por fa ta-
rem-lhe os meios para isso, porquanto, os
fornecedores n > cumprcm seus contratos,
porque mesmo junto da estrada de ferro e
ilo rto por onde podem vr com facilidade
todos os recursos ellos f.dlim.
Peco I cenca cmara para ler este pe-
queo trecho, mui significativo, de sou of-
icio de27 de junho.
Por esta occasiodevo declarra a V. Exc.
que tenho encontrado nos fornecedores, es-
pecialmente no do forragens. sensivel falla
de meios ou de boa vontade, para orga-
nisaco dos necessarios depsitos, e desde
rescindira o respectivo contrato so t-
vesse esperanca de conseguir por qualquer
oulro em execuco em tempo competente
para auxiliar-mo as operarnos.
(Continuo r-se-hn).
Nao vejo n'isso, disse um dos sugei-
tos cousa que nao seja de todo ponto hon-
roso. O Sr. baro nao se esquece de que
no principio da sua carreira foi banqueiro
dos pobres.
Bom oflicio I respondern).
Os pobres s vetes deixam muito.
Pde-se ser ao mesmo tempo hbil e
philantropico, disse Contentin. Tal e tal !
Sobre isso ha ancdotas pasmosas.
Ouvi fallar do um indigente que todos os
annos comprara mil a mil e duzentos fran-
cos do fundos pblicos.
Um mendigo de Lyo. minha senhora,
dotan roceutomeHto a iilha como nao dota-
mos as nossas.
Sabe a historia da pielie ceg que ti-
nha cincoenta mil escudos na enxerga ?
O quo este Tres Patas tem sobretodo,
ser um animal curiossimo.
Mas onde estar escondido o Sr. ba-
rita ? perguntaram do outro lado do jar-
dim.
Abrio-se uma janella do primeiro andar,
e o Sr. baro responden :
Eu j vous estou conetaindo um ne-
gocio.
Com o Tres Patas, acabaram meia
voz os grupos.
Edme "Leber j nao onvia : apoderra-
se d'tlla grande quebranta ment. Os olhos
cerrados, abaixavam-se-lhe para o tapete
sem o ver, c a cabeca pensativa apoiava-se-
Ihe na mo.
Vamos l ver um bocado a eqaipagem
daquelle capitalista de novo genero, disse-
ram ainda tebaxo das janellas.
A resposta e os gracejos que se seguiram
perdoram-se ao tange.


(CoMiHuar-se-lM.)
_l-----------s---------_
TTP. m DlAltlOUTO' DAS (RIZES M,. ^
I <
rS -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAH23C1U6_ZTMC36 INGEST_TIME 2013-09-14T03:31:20Z PACKAGE AA00011611_11933
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES