Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11929


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 197.


<

'-i
PARA A CAPITAL E LUGARES OHDE IAO SE PAGA PORTE.
?r tres Mftws aniados.............. Mono
ft* a dito* kkn.................. iSgnS
a*or on ino dem......... =&&
UdaauBroand)...........!.' !'*'.' lE
DIARIO DE
SEQUND* FElBa 30 DE I60ST0 DE 69.
PARA DZITHO E FOtA iA MOTOCIA.
Por tros mozos adiantados........ .......
Por svw ditos idem...................
Por no> i ditos dem...................
Porumanno....................
7K>
20*1250
17)9000
H Propriedade de Manoel Figneira de Paria A Filhos.

Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos .P^; Gorjalves A Pinto no Maranhao; Joagoim Jos do Olivera, no Cear; Antonio de Lems B%a, no Aaaty; Jlo Mara Julio Chaves, do Assfi; Antonio Marones da Silva, no MataJ; JosJastino
Pcena d Alme.tda, em Mamafimape;' Antomo Atexandnno de Luna, na Pmhyba; Antonio Jos Gomes, na fflfci da Pet; ^BeHuWno dos Stos Balcft, e Santo Antao; Dommgos Jos da cTst to&,
H, i .______________ m ****&> franemo Tavares da Costa.-em Alagoas; Dr. Jos Martins Alvw, na Baha; e JosA Jtbero Gasparnho, itfftio de Janeiro. -
a
PARTE OmCIAL.
COTf rno da proviuefa-
SiTAMOi BA VIOR-PRUSIMNCIA DO BU 23
I'K AGOSTO DE 18(99
Antonio LopoUinoda Silva Hemetti Ja ao Sr.
iege Jor 4oflfiiasw Provincial para satisfazer o[*
pje re* -#f i supptiwHiK'.
Antoro A'ijh-Iii Peino o de A lencar.Informe o
Si-. inspector da tlisouraria de fazendx
Antonio Tavares Ferreira.Reqaera o suppli-
caate por intermedio da cmara municipal desta
cidado ts lena is du rt. 2>i do decreto n. 05-
de 21 de tere retro do auno pr xino pausado, jun-
tando a ajan'a datorrenn do que se trata.
Amelia d" Mi-Jln Pires <;.ilvo.Informe o Sr.
director ger.* interino da instrucoo publica.
Antonio Pereira do MonteComo requer, pagos
os dircitos naeionaes e salisfefta a ejjigeneia da
Hiasosrara de fazenda comida em sua ralormaeio
de 24 do cerrente, sab n. 883.
Bacliarel Bernardino de Senna Das Jnior.
Informe o Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda.
Carlos Cyrisco Radien.Informe o Sr. inspector
da rheioi")':' a do fazenda, ouvindo o da alfan-
dega.
Domine** lose de Amorim.=Informe o Sr. cn-
ttenbeiro eiu-arregado das obras militares.
Felismina Mara da Coneeieo.Informe o Sr.
desembargado!' provedor da Santa*isa do Misc-
rii'ordia.
Floriano Pereira da BochaInforme o Sr. eom-
mi-sario fkccinador.
Francisco Canea da Silva.Informe oSr. ins-
pector di ti'-varara provincial.
Flix da Crniha Teixeira. Satisfar o soppli-
i:ante a reqiiisieao do inspector da thsoararia de
fazenda constante do otteio junto [tnr copia.
Justina Miria da Concoicao.Dirija-so ao Sr.
dnserabargadi>rjrovcdnr da Santa isa da Bwii*
trardia em senaao da junta.
Joao Pcdr de lesos da Malta.Ficam expedi-
das as con oAleas no sentido que requer o
suppric.iiHo
RiiaDiurtfl Bfogueira de Menezes.Informe o
Sr. director cerat da instruc) publica, ouvindo o
refed t o Gymnasio.
WAmqs ft Hetl.- -nanlo ao pagamento, dirijam-
se a tbesouraria de fazenda.
CotsBaRftudo das armas.
^1 'VHTK.-(>"::.-i.S. l> COJHIAiroO DAS AMIAS DE NB-
f. manco, as m ac,:- ro os lJft).
Ordmt dn din n. -14$.
O l/tigadi-iro i-mnnandante marmas faz publi-
o para- (eobeeineaio da gaarmto e diividos
iins :
Ll Q:ie o Sr. tenoiile en conmissao do l." car-
a i de candores a cavallos Tltomaz Augusto de
Vasconcslius C 'imbra. em II da eofrento resignen
< rest') dac? ca coai que veio a esta provincia,
atim de manir- so 3 iu eorpo.
2. U ib veio da carte ni vapor Tf/mlins
a^resentiU'..:- neste quartel-ifener.il a 21 do cor-
rente o -r alteres do corpo de otad o-maior de 2"
<:1asso Ki'.,a Eduardo Benjamn, que por aviso
lo miiiistori,. da guerra de 2 toi posto a disposiclo
la nnsiJeacia desta provincia para ser e;nprega-
dn c servil' >. segundo commnoic 11
a ni:' i mcii em ollicio de 17, ludo do cor-
rento.
.'I. ftai e Sr allerc do 1." re.imento de caval-
arialigdJca Amar' l ;.i:: :> de Moum apresen-
uu-se nesff qiSTfl-geiieral a 23, tea* chogado
da cofre ik raper 2'oc rudas a 21, cera 3 mezes de
liceii' lida p>r portara do ministerio da
goernvdc iratamonto de sua ~.,<\
: ii s-.it) o 'tu.i i i'iii 'i, ludo
do eorrente ictz,_l;'. em que leve princiopio dita li-
i'iica
Dlro i^Hwrm'ma o mesmo brigadeiro. q i1
na uiiii '.ro se pas-
1 c seas respectivos qaarts, a compa-
nUia i.i iiwrariri? militares o deposites existentes
nesta provincia^ pela ordem segainle :
As C i..r:s a i'dmpanhia de operarios,
B>A oras ao deposito especial de nstracfao,
as 7 a i daa le .,;!;-, e s 7 ij-, ao de prisioneiros
'auayos.
inv\o-J G m- iir,'-, Fonie$.
GoafoTOW liana Ki n -;.'o de Mello Tamba-
ran, : de ordens i ido do.
debute.
as
:l)eiB,porm inimigo da oseravido, nao olho como
fortuna as valores representados por cscravos.
U nico meio existente para que sem abalo
desappaflca o elemento servil no Brasil, a de-
claracao do ventre livre sem restriccao.
>5o s com a palavra que se pode plantar
urna boa doutrina, tornase necessario o exemplo;
eu, pois, sectario da escola da emanciparan, tr-
abo c prazer de abrir o exemplo para a provincia
o Hvre o veolre de mi-
tws eraras ; e -ttoe remettt o aete pelo qual na
esphera das mintrs posses realtsei esse nobre
pensamento.
Villa-Bella, 1." de agosto de 1890.Romualdo
de Soupa Pues rfe Andradr.
Nos abaixo assignados somos senhores e pos-
suidores de tres escravas mocas, de nomes Mara
Isabel, Vietoria do Carmo, e Josefina de Sant'An-
na ; e, considerando sobremaneira deshumano es-
tender a e~cravidao aos liltios das mesmai, decla-
ramos que desistimos do dtreto nascido do princi-
pioo parto segur o ventre,e em* conseqneacia
disto naseerao d'ori em diantc 03 ditos liHios das
referidas escravas no pleno goso da sua libardade
natural e civil, como se de ventre livre nasces-
-''01. ,
Isto fazemos nao porque as nossas escravas
tenbam per si merecido, pois sao quasijienhnns
os servicos, que nos prestam.
Villa-B>lla da Imperatriz, 2S de julho de
1869.Romualdo de Sonsa Paes de Andrae, The-
reza de Jess Pereira /./mi. -s
Testemunhas, Manoel Caetano Prestes, Antonio
Mourao Cahral. >
Dizia-se que a lista trplice, para escolha de
um senador pela provincia, compor-se-hia de tres
dos Srs. hispo diocesano, desembargador Ambro-
sio, conego Siqueira e Algelo T. do Amaral.
PARA.
-r No dia lo do correnlo teve lugar a abertu-
=
H.r>]i*4iu' da polica.
2* scRfii Secretoria da palicia de I'ernambu-
co, 28 Se gwsto de 1860.
ft. I93.III n Sr.Lev.) ao conlieci-
iii nfo W V Kxr, qne, segan lo consta das parii-
cipaeScs i nesta repartiejb, loram hon-
t.jm i i a casa de deteaQao os sogiinte-
indiviluH :
A' minlia ordem, l.uiz e Jos, escravos, cscra-
vos, esto di Jerony.i: i Paes Barbosa, c aqnelle de
irn (ao Manoel, ambos vindos do termo de Pao
. M moel Quaresm d -. Moraes,
ManielC rame, como pronunciados,
Mantel Vnricio Vieira, sentenciado, Lucas Anto-
nio f:vaneli*t, como criminoso na provincia da
Parahybi, FrstteiscjTereira da Silva, por ser de-
r e Mi reclino Jos de Santa Anua, como
alinala, vad; do termo deGoyanna;e bem
imJjs Antonia, a disposiclo do delegado da
capital p i cessado por crime de estellio-
iuto.
tSubdelegado de Santo Antonio.
tConceicao, por offensas a moral
t escravo de Manoel Francisco
uto desto.
Luiz Gonzaga de Lima,
Vista, Jos Joaquina Perei-
inoiltos; e Amaro, es-
ri Correa de S por ser
horas da nolto sem bilhete
ra da nssembla provincial, cuja mesa admraistra-
livat compoe-se dos Srs.: conego Siqueira Men-
iles, presklento: Dr. Paes de Sonza, vice-dito;
Urs. Emilio Dia e Castro Valenie, secretarios.
I'resiou juramento e tomou posse do cargo
de cuete de polica, no dia 18, o Dr. Esmerino Go-
mes Prente.
A' 7 do crreme teve lugar, no'theatro, urna
reuniao da sociedade de etnancipaeao de escravos.
para o tim de eleger a meza provisoria e a com-
missao para organisar os estatutos.
A meza flcou assim composta : Dr. Marcello de
Castro, presidente; Dr. J. li.iplista Parauass c
Joan do O" de Almeida Lima, secretarios.
Commissao de estatutos: Dr-. Samuel Mac-
Dowell e ilearique Bodrigues. Culos Seidl, Joao
de Deus e Silva e Flix Jos Pero'ra.
Segnio, no dia 11, para Yquilos no Peni o
vapor Inca, da companhia do Amazonas, levando
uto importante carregamento para o go'verno pe-
ruano.
A luja maromea Cosmopolita ahrio em seu
seio nina subscripcSo para alforriar crianzas do
sexo fenenipo; tonjlo j reahsado a da menor Her-
ittu, eacwwiado Sr Jos J. PUnonta Magaitia-is.
Acerca do vapor Anajs, da companhia flu-
vial Paraense, que se esperava no Para at o fm
do correte mez, diz o Diario do Gram-Par :
O Anajs cujo deseaho que viraos mostra ser
um formoso navio, como o Moj? e fnfiw, de
maiores dimensoes e dotado com o mais completo
systema de mellioramentos descoberto para tornar
a vida do passageiro o ultimo verbo do confoila-
ble, e que ni viagem de experiencia revtou as
mais satisfactorias eondifSes de navegahilidade.
Mde lo6 pt;s de comprimento, 26 de bocea e
7 rrl de pontal. O p>ro intuir n :n'e livre, por-
que as macflints estai asseites-no convs.
Segundo cartas do districto de Cairary, la-
vravara ahi com intensidade febres perniciosas, e
a foine eonto consequencia da falta de bracos para
o trah.ilho agrcola.
Nossq correjpn-lente diz-nos o seguinte :
As ultimas noticias 400 transmitti ao seu Dia-
rio, nao forara das mais agradaves.
O eommsreioresentia-secita> dealguma des-
conlianea ; tinham Lvido mesm estremecimen-
tos cominTciaes c atlnat at BBBtms.
t A crise vae passando, grabas Providencia e
aos recursos do paiz !
O mercado ainda nao est tao animado e ac-
tivo como outr'ora, porcia ha mais_confianca. A
tempestare, annunciando-se teoebr(a, dissipou-se
com a prudencia. As nuvens carregadas pare-
cem j ir longe por esta vez.
De pditica provincial, o que ha de miis im-
portante, abertura da respectiva assembla, que
teve Ingar a lo do eorrente, com as devidas for-
malidades.
Tam-sc levantino grande opposigo nesta dio-
se contra a Rvm. hispo D. Antonio.
iscute-se largamente conjtra a in-tituicao da
ordem de Jess, que outr'ora tanto fforesceu no
mundo catholico, assim como contra certas demis-
soes de sacerdotes, como lentes do seminario, que
S. Exc. tora feita.
Combato-so pela imprensa a educacao reli-
giosa dos padres brasileiros, em seminarios e aca-
demias da Franca e Italia, de enrolla com a ad-
missio de paNs estrangeiros, quer no ensino pu-
btteo dos seminarlos, qaer em outras fuuccoes ee-
clesiasticas da diocse.
< lia urna opposico declarada no imperio ao
episcopado'brasiloiro ; tudo quanto se discute as
cmaras semelhante respeito, e quanto publi-
cara osjoraaes do sul, ajui transcripto, tanto
na im;irensa conservadora eomo na liberal 1 Faz-
so acreditar que o jesuitismo toma "assento no
Brasil!
Enfretanto, na Inglaterra, nos Estados-Uni-
dos d'Amerira do Norte, abandona-se o protes-
A alfandega ren'deu de 1 a 18 do eorrente
13e:478jiOo t.
HAltAMlio.
A presidencia da provincia marcou o dia 31
de outabro para se proceder eleigo dos mem-
bros d assembl*f provincial no bieanio de 1870
a 1871.
fondo visitado a casa que se edifica no
Apicum, paraasylo dos lazirentos, o Enn. pre-
sidente da provincia nufiena ama commissao.
composta des Srs. Drs. Jos da Silva Mata, Fabio
Augusto Bayma, Joaqum Jos de Oliveira. e en-
g> nheiros Fernando Luiz Ferreira, e Francisco
Gomes de Souza, para examinar a obra, informan-
do sobra o seguinte :
(.* Quaes as condicoes do salubndade do
lugar;
2 Que influencia pode exercer sobre o tra-
tamento dos doentes;
3. Qual o valor da obra feita;
4." Se ha ou nao conveniencia publica em ser
suspensa, e effecluada em potra parte;
5." Neste caso qual o fogar mais proprio para
este fim.
-w Naufragou, no dia 7 do eorrente s 5 horas
da tarde, 12 militas au norte do pharol de Santa
Anna, a barca ingleza Aden,apitao Shephesd.
O navio sojsobrou, perdendo-se toda a carga, que
era carvao, mas salvando-se a tripolacao, com-
posta de 13 pessoas.
Aos nufragos foram prestados no pharol de
Santa Anna todos os soccorros de que careciam.
Foi_suspenso do exercicio de juiz municipal e
de orphaos dos termos reunidas da Chapada e Bar
rado Corda, o bacliarel Manoel Leocadio ia Lima,
afim de ser responsabilisado como indiciado no
crime de introduccio de sdalas falsas na circu-
lacao.
Foram nomcados pela presidencia da provin-
cia : delegado da capital, Dr. Hermenegildo Antonio
da Encarnacao e Silva ; Antonio daRocha Borba,
presidente da Associacao Typographtea; e promo-
tor publico de Guimaraes. o Dr. Jos Jansen Fer-
reira. uf
No dia 1 teve lugar na capella do paco epis-
copal o acto da collago dos Bvms. Joao Valeriana
Cortes Macel, Jos Antonio Carnciro e Jos Con-
nives de Oliveira, apresentados por decreto de 13
de mar^o e cartas IraperacS de 9 de junho nas
freguezias do Nossa Senhora d Concei^ao do
Icat, Santa Helena e Sao Luiz Gonzaga do Alto-
Mearim.
A inauguraco do novo hospital porluguez
achara-se mareada para 31" de outubm prximo.
Falleceram : o majur Ignacio Jos Gomes de
Sonza, o capilla reformado do exercito Luiz F-
lix de teredo S, e o abastadoJavrador Americo
Pedro da Costa Ferreira.
No mez de jnlho ultimo foram sepultados
no cemiterio da Santa Casa de Misericordia 83
cadveres, sendo : 31 de pessoas livres e 3f de
escravos; d'aquclle numero II
sexo maseolino e 12 ao femenino.
pouca agua e q*e pirt.into na-i pVie millnro
queimar nao justamente os calcneos e os ten-
de Aehies ate cima junto de sua inserga
JO*|los orrcspun lente-:, podend ) as exeo-
js a\ fr
^ ?ra_/x^,e''"' sena2 d:l *aa,,tra segumto peza, sem milita deteora, se nao quer ver desmo-
que acliaMo-se a preta deltadi com o rasto pira romr-so completamente esta ioiportantc obra de
cima.os pdiforii'ijcollocadoi cu um vas 1 que traba deftfza do nosso iwrto.
!_ O nosso mercado de algodo contina mais
activo, cora o comeen ua entrada da nova safra,
que me consla ser avallad*.
A inspecQo desto principal artigo da nossa
exportarn Oca rigorosa, ex-vi das grandes rocla-
aiaedes dos negociantes do tal genero, de modo
que de esperar a rehsbHftjcao do nosso merca-
do na Europa, no depiirsfeia presante eoWoila.
O algodao cotoa-sc hoje a 17, deppis da
sciencia das boas noticias chegadae da Enropa,
cora o accrescimo dos laes agrados aos matutos.
Ha queixnme geral de falla do dinbeiro na
praca, o que de pessimo effeito em principio de
satra ; attribuo isto grandes supprimentos para
o mato como de costume.
A barca portuguesa Luzitama dcpacl>u e
sabio para Cabo Verde, em lastro deareia.
Para esse porto sabio o patacho nocional Se-
nhora das tfeoes. alastrado de earvo do pedra e
toros de mangue ; o antigo Etiza & June, atie
fui aqai arrematado, e que vae fazer os reparos
deqoe precisa para poder navegar.
O rendimento da alfandega do mez passado
foi lfr:90683, e o do consulado provincial.....
10:1981831
X
r-boJL
[htf
A alfandega rendeu do 1." a 19 do eorrente Adnlp
13:1:13:^201 r?.
Saicidaram-se, enforcandn-se, o subdito por- a socreila re
tuguez Affonso Jos de Castro, cstabelecido eom'l
quitanda na ra Grande da capital, e o preso
de jnslica Antonio Jos Moreira, cortdemnado l'i
annos de prisao.
O Dr. chefe de polica proceda s syndiran-
cias necessarias sobro o seguinte facto, que foi
assim communicado ao Pan :
a Apresentoa-se no da G do eorrcnter das 11
horas para o meiu dia na secretaria de polica o
sacliristo do cemiterio.da Santa Casa do Miseri-
cordia, com um oQieio do respectivo capello.
co i.munieando este- ao Sr. Dr. chefe de polica,
que all seachava Insepulto um cadver de una
.preta eserara de los Cirios Pereira de Burgos,
por torera sido notados n'elle signaos de sevicias,
e SCuando-s at com a eabeca quebrada em al-
gumas partes.
Estando cm conferencia com a presidencia, o
ddes de
nos m
riacoes dYface superior dos ps torera sido forma-
das na >ccao de deitar agua na vasrtha. Deela-
ram msis'i)ae as partes ex tornas da geraeiro nii
se acham mmefeifcis, mas que tendo notao'ecchv-
mosadas- entrada da vagina atiri o ventre e ea-
eontrou o umero dilatado a ponto do nelle caber
a m.o fecluida. e demasiadamente antiemico ; que
o seu interior apresen'.ava osp mjosidade e peque-
nos coagalos sanguneos, e que por estes signa'es
se pode alffmar que hoiiTe aborto.
Que'finalmente, dando a expnsicao por con-
cluida responde : Ao I." qaesito, sim; ao 2. qne
sevicias prodazindo un aborto funesto ; ao 3." pro-
vavelmente instrumento conluudentc; aos i." o 5."
nao ; ao t.'1 sm : ao 7.--pr. jndicado com as de-
mais resnostas : o que quanto ao valor do damno
cansado elle rrreparavcl; sao estas as declara-
eoes que em sua consciencia c debntxo de jara-
mente prestado tsm a fazer.
Lemas no Publieadar :
Hmtem (16) descleos, embora bera vestidos,
percorreram algumas ruaso dis|>cnseiro e os cri 1-
dos do vapor Canvnsim, trazondo a imagem da
Senhora, da Conceico eesmoiando a enridade pu-
blica,com o fim de m.indarem celebrar ama missa
cm cumprmento do voto, qu3 Irzeram por occa-
sio do naufragio do referido vapor.
riAiiiv.
No dia 16 do- me passado teve lugar a reu-
niao da nraiora do partido conservador da capi-
tal, para eleger o novo gremio do partido conser-
vador, que flenn eomp sto dosSrs.: Dr. Shripticin
d" Soa^ip Mendos, Dr. Eneas Jos Nogueira, Dr.
Agesjlo Pereira da Silva, tenente-coronol Augus-
to da Cunha Castcllo Branco, Fernando de Aguiar
i Almendra, Dr'. Mainel- Pinheiro de Miranda Oso
rio, Dr. Juaqiiim Newton de Carvalho, viga rio Ma-
mede Antonio de Lima, niajor fWoriro I!, de A.
Rosa, niajor Antonio Jns do Ataujo Bacellar, ca-
liitao Jnse Gonjalves Pedreira c capitaO Jos Flix
Alves Pacheco.
ev.w.
Foi marcado para a eleicao de eleitores, quo
develo votar para a organisaco da lista sxtupla
de sena lores, o da 12de setcnbro prximo.
No dia ii reunio-se a sociedade C/'i Cea-
reuse era assdmbla geral e proeedeu a eleicao da
directora que il'vo i'uneeionar no terceiru'anuo
social e foram eleilos ;
Presidente, wfonel Vi A. Borjes, reeleit".
Thesnnreiro, Luiz Sand, dem.-
Directores.
Dr. Attonio Mondes da Cruz Guimaiaes, idem.
Antoniofones Teixcira de Mello, idem.
pertenciam ao Iticardo P. Hughes, idem.
!>'. Augusto Barbosa de Castro e Silva.
rbstor.
PitoT dopeto presidontiMoaeto paanic trarntrneo para o Bio Gaando
em movis
SS93-JI08 e em dinheiro
*m
PMAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ESTRADA DE FERRO DE LIMOEIRO.Por de-
liberacao de 28 do eorrente, resolved a presiden-
cia da provincia, requermento do Sr. J<)? de
Vasconcellos, prprogar per 60 das o praso mar-
cado era 16 de jnlho ultimo para a apresentaoan
de pmpestas para a constrnecao de nmn estrada
do ferro que una a cidado do llocife com a villa
do Limoeiro, tendo ramaes para Nazaretlie Vic-
toria.
mo dia em quo recete carga os vapores^xy'iwa'c
I'oteup, para os porto do norte e sol, coiiirmc o
annuncio da mesma coro pan liia-
LOTERIA.-A qne se acha a veda IW, a
beneficio da Ordem Tereei da Carmo, para lua-
daco de um hospital, que corre no dia 2.
PAS8AGEW8S..-B0 Pare e portos de spa escala.
trouxe seu berta o vapor mwlimrl Paran o
seguimos: Jos Francisco driwrverra, Pedro Au-
gusto H. Georges, Dr. for- Augusto de B. fnglez,
soa senhora cuma lllha menor de M>annos, Eplii-
gema Mara da Cnnceioo, AntotklKvira da
Rocha, Antonia Rilieiro'de FrgaH urna lula,
barao de Vasconcellos, FeKc^^H lw de Lyra
Tavares, Antonio Xenones MkeflH NfSgSo e m
fllho, Joao Francisco de Salles, Abel Joauumj da
Silva, Leocadio Mariano dal.4iz, Jbaquim dajlesfa
Lima, sna senhora e urna criada, PirmfnO Stata,
Primo Pacheco Borges, JosF6rtannto do Sonza.
da Cnncejeo, Saltistino E. Cfl^iro da Cuntu,
Manoel Correa Lima, Hnet (Jlorges Augtrste,
Christoval Solano, Tlieodoro Dteroy, Joo Manoel
Barroso, Theodoro K-lfefsen, M llumbact, Vicente
Valpmella, Gwvam Lacerassa, Exm. general Pra-
do e tres pessoas do seu estado-maior, Vicente
Severino Duarte e um esoravii, lente JosTei-
xeira Pinto, 21 guardas narioha ntencia-
dos, umaescrava a en fregar a Mknoel Teixeira
Bastos.
Segnem para os portos do sal a bordo do
mesmo vapor, os segrales :' JMf Das Pereiri
Gaimaraes, Manoel Castaera, Jle Jos de Mene-
zes Cabral, Marcos Emilio Rodrigues Martins, Jos
Faustino da Vefgs Lima, Antonio Late da Silva
(Xrreira, Arthur de HullandiwGnst.i Freir, Antonio
dos Santos Moraes, Joan Maicelno das Chagas;
lente Antonio Ferreira Gomes, Antonio de Paula
Barros, Mara Ignacia da Cooceicio, Raymondo
Gervasio de Souza Raposo, 65 escravos a entregar,
30 praCM para o exercito.
Chegaram tamrmm a bordo do vapor brasi-
leiro Parahi/ba, entrado de Hoyaima, os seguin-
NOVO DRAMA.-0 Sr. Victoriano ftlhares fez
honlem. no salo do tSealro de Santa Isabel, a tes : Jos Rodrigues do Arauj l'edros. Francisco
leitura do seu drama em 5 actos As vktimaK pe- Antonio da Silva, JoSo Marqu.'s da Silva Mondes,
ranle um auditorio de cerca de 60 pessoasj une
todas s 1 accordes em dizer que esse um dos
memores trabalhos litierarios do nosso joven poeta,
quer pela idea em si, quer pela forma de que re-
vestio-a, e sobretodo pola nnstrta com qtae dcli-
nnou os fhiaes dos actos, que s* verdaderos
primores d'arte,
Fr-licitamA ab joven poeta, por mais cse louro
colindo 110 certamen da bitelligencia.
Lemos no Ccarense :
o A nova-villa de l'aracur, elevada essa ca-
lliegoria pela rcsulif^o provincial n. 1233 de 27 de
novciiilnu de annepassado; fui in>tariada, com a
;ri--e d,i nova cmara municipal, 11) dia 19 do mez
prximo passado.
Chegou do Batarit,-onlo fura preso, o galo
coabecido pelo appcllido do CttringO, que, por
cerca de 12 das, se evadi da cadeia ue-ta cidado.
logrando Iludir a vigilancia do guarda, que o
acompanhava no servido da rampa) ipie^seesra. fa-
zende atra d:i mesma cadeia, e e*i qne se acba-
va elle empregado.
i C iv,'i[.a-se d protestantismo f catholca
o Sr. George Jacob BrunsehevcHer, de naco suis-
so, ora residente uaridade do Aracaty, onde vive
de profissao c.immerciaj, tendo neste sentido diri
Sr. Dr. chefe de polica, sendo todava immedia- gldo sua Btico au Exm. Sr. hispo diocesano.
participou-me o snbdolo-
ja fez recolher hoje "a
Maria Bezerra, por ter
tarto.
ExcIllra. e Exm Sr Dr.
Siento Mtohado P.irtella, vice-
^rovinea. 0 chefe de polica,
Maciel
mente para o lugar, e all, verificando por si o
factoi.de que se traa, mandou proceder ao corpo
de delicio no cadver da infeliz escrava, e depuis
de feitos na residencia do Sr. Dr. chefe de poneia
interrogatorios algataas pessoas, que juraram,
depondo corapri Jmente sobre o caso, deu-se busca
na casa do reo, onde foram encontrados diversos
instrumentos de supplico, como ferros, um pao
poute-agudo. cordas, etc., que j existen) em po-
der do mesmo Sr. Dr. chefe de polica.
Feto isto, expedio este ordem de priso con-
tra o acensado, que foi realisada no largo do
Carmo, em casa da me do indiciado, para a
qual se havia erle passado, c levado para a ca-
deia, onde se acha, recebeu a nota de culpa.
Vai sor instaurado o competente processo
pelo mesmo Sr. Dr. enere de polica.
t Al alsto, (Iremos mais a. copia do_corpo
de delicio, que abaixo publicamos, o qual nao di-
wrge do outro que depois foi feito por falta de
algumas formalidades easeaciaes 110 primero,
sendo apenas que o segundo accrescenla algumas
circunstancias relativas ao aborto (breado.
t este o cor|K) de delicio :
.......que respondesse aos quesitos seguintes :
!. se honre com effeito a morte; 1.a qual a sua
causa immediata ; 3. qual o meto emnregado que
a produzio ; 4.' se a morlo foi causada por vene-
no, incendio 011 innundagio ; 3." qoal a especie
do veneno, qual o incendio ou a innundaco ; 6."
se era mortal o mal causado : 7. se, nao sendo
mortal o mal cansado delle resultou a morte por
falta de cnidado, do offenddo ; e finalmente, qnal
o valor do damno causado.
Em conseqtieaci* passou o perito a fazer os
exanees e investigacoes ordenadas c as qne dle
Fernando Gomes da Silva, Manoel Pereira de
Arante.
dem na bares portueneza ArnnAn, vinda
do Rio-Grande il 1 Sul: Manoel Goncalves Nelto,
sua senhora o 6 lilhos menore>i
B>.mi para a Europa a bordo do vapor
in'\<:7. Su ladina : Tliomaz Lockie.
tantismo pelo catholicismo. Noves templos se eri- julgou necessarias. concluidas as quaes declarou o
"11 ..... ---- ----------u .....
DIABIO de pernambuco
------------------------------------*-----------
RB01W, 30 DE ACOST DK 1869.
NOTICIAS DO NORTE DO IMPERIO.
Chegou hontera pela mafihaa o vapor Paran,
trareado datas do Para at 19, do Maranhao at
21, do Cear ate" 2% do Rio Grande at 26 c da
J'arahyba at 2*.'do eorrente.
AMAZONAS.-
ido juramento o juiz de direito
co Jos Cardoso Guimaraes,
idencia da provincia para
o lugar de chefe de po-
; gruid
oxercer^h^H
-AC
Kxm.el

piul, em visita pastoral,
resano.
^jdi de Souza

gem as cidades da grande repblica, e por con-
segrante, o numero dos proselytos igreja roma-
na all cada vez maior, e admiravel. Nos que-
remos/no meio de tudo isto, a igreja livre no es-
lado livre !
. O Exm. bispo acha-se no Amazonas, visitando
a sua diocese, tendo aberto o chrisma na cidado
de Manos. S. Exc. devfe regressar breve, para
seguir Roma, atim de se adiar presen ao gran-
dioso e solemne concilio ecumnico.
i As obras enceladas pelo Exm. consclheiro
Cunha Figueiredo, vo em prngresso ; o caes em
trente cidado, o theatro publico eo novo pala-
cio provincial, vio mnito adiantados era sua cons-
truccao.
t Trala-se de faaer um jardim ou parque na
prara de Podre II," ein frente ao novo theatro.
Deve flear urna excellento localidade, se realisa-
rera-se os projectos que se propalara. D'aqui la,
at ver para crr !
t Os trunos urbanos de ferro j chegaram ; a
companhia que tem frente o Sr. Cind, nego-
ciante e cnsul americano n'esta pra^a, vai come-
car os trabalhos. |
t No vapor Merrimack, vieranr duas locomoti-
vas ; em breve aqu eslario os trilhos e alguns
carros.
< A linha dizem ser do centro da capital s
estradas de S. Joao do Norte, e Braganca ao
c4BJ.ro.
O cambio vai melhorar e com elle a situara
os deseen tos tambera desceram. O
i$l Paranue dasconta all/ao
_ixa Mam annuncia a 10. Ha milito
, que os d rara superiores a 12 %
especialmente era roaos particulares; isto ^H
bom respu :ommeroio c para os neeamP
tados I
seguate
Que comecando o examo pela eabeca do ca-
dver, encontrn seis feridas profundas, que pe-
netrara at o crneo sem leso do osso, tendo ca-
da urna dolas deas centmetros de dimetro, e si-
tuadas da maneara seguinte duas no parietal di-
reito, deas "no esquerro, e duas sobre a satura sa-
gital ; eneOntrou mais na face contusoes disse-
minadas em diversos potos como ao lado direito
do frontal sobre as anfayses zigoraaticas, e as
faces propriamente dinH ; ainda mais ama gran-
de phlictono entre o hombro direito e o pescoco
de cinco centmetros de dimetro e ainda intacta
ou cheia de serosidades, parecendo ter sido pro-
duzid%por agua qtiente ; que em toda caixa Uto-
racica se encon'ram, quer diante, quer atraz e ato
era ambas as mamas rauitas cicatrizes como s
ue sai produzidas por azorrague, mistasada
com rauitas excoriuoes que parecem nao datar de
mais de quatro dias"; que os bracos e ante-bracos
se acham do cima abixo crivados de innmeras
cicatriz .CoriacOes em todo semelhaotes s
do peiio 9 sonadas em maior numero na face ex
terna des3es siembros ; que o dedo mnimo da
mao esquerda parece ter soffrido algama cantusan
pois acha-se extremamente roxo em teda a sua
extensao, apre sentando ao nivel do phalangeto a
pello despregada dos tecleos sabjacetite* ; qne
tambera se encontrara era ambas as nadegas quer
cicatrizes, qu r feridas semelhanies aquellas j
cima citadas, que era ambos os ps se encontrara
grandesescoriaer.es situadas ao nivel dea catea -
neos e dos tendees de A chillos, o tambera na da**'
superior dos pes ao nivel do metatarso symetrica-
ambos os ps, ficando as partes inter-
me tas e os dedos ioteirameate Ilesos :
grandes esooriaeSaa pareeem predolidas
por agua queate^e segunoi a posicio dellae nao
Aoiiaado'-so anula etfearregade do expediente
o Rvd conegHvpolito Gomes Brasil, vigario ge-
ral do In-padn, lie ferio a policio aatorisandn ao
Rvd. parocho do Arecaty para asetsUr ao acto da
abjaracao da heresia, i proQssao de f catlielica do
novo converso, na turma prescripla pelas leis da
igreja.
Nao nos sorprenden este facto, porque co-
nhecendoao Sr. Jacob, osperavamos que mais
O mais tarde, elle tomasse a nobre nsnincao, em
.|UP tsta, de abjurar o protestantismo e entrar pa-
ra o seio da rardadeira igreja.
De genio tolerante e modos affaveis, o Sr. Ja.-
cob nao deadeftnav* dos artos do n isso culto, nein
mostrar* para com os sacerdotes aquella aversaO
e rancor, qne o caracterstico dos dissidentes
raais aferrados s suas trencas, e aquellos mesmos
que se dizem catbbncos tiara mais fcilmente ata-
carera o dogma e msuitarcm a igreja, de que sao
lilhos.
t L-se na faz da Religiao no Cariry :
O voneiavol padre lbiapina disseadeos s pla-
gas do Carirv novo.
t No dia 25 de jnlho o pavo do Coit va partir
o Santo Apostlo de Jess Christo ao meio das la-
grimas, dos solucos o dos grites profundamente
dolorosos e conste'rnadores da multido.
' O mulero dbs alumnos quo so acham mnlr-
culdosjto intermito do Sagrado CoraQif) de Marta
sobe a75.
A frequen*ia ordinaria varia regularmente de
68 a 56 por mez.
i O veneral apostlo do Cariry, tendo sabido
no dia 2o de julho do Coit, acha-se hoje na po-
voaealdeNuva Jen marca do Sonza, na
provincia-da Parahyba do Norte, bispado de Per-
uaintMieo.
t Logo que se condua o servico da capella
que se eilica napidla -povoacao.o Rvd. Co ironsfl
tora de seguir para a villa do Cajaseiras, para edi-
licar a-casa de Caridade quo all sC projecto as-
tabeleeer. >
BIO 0BA5DE.
O vaeeaonir/p<>, da companhia Pernara-
t>ncaaa, ipieMPde Pernambuco para Fernando de
Noronha, com sentenciados o forja do guarnic.',
arrtbou ao Natal no dia 18 do eorrente, depois de
6 dias do dave'gaoo, em consequencia de nao ter
podido seguir o rumo da Iba pelas vamcoos das
agulhas detrdo. Depois de ter tomado carvao,
seguio a ten destino no dia 20.
1'ARAHVnA.
Escreve-BOS, em 2S do cftrrQOte, nasso cor-
respondente, o sgfllnte:
Pouco eu qoas nada leuho a notictar-lbe
desta capital na presente occasio.
Connnaamos na mais [wrfeita pazo frauqui-
lidade.
A ooramisso de esculapios, encarregada do
verificar e expor as causas da insalunridado pu-
blica, e de propr o raeios de reinpve-las, apre-
senlou jo seu lelatorio, qae est sendo publi-
cado na folba oflleial.
A presidencia, lomando em consideracao cer-
tos tpicos do mesmo relatorio, tem ja expedido
algumas providencias, em relacao ae matadoaro
publico e limpexa das ras da cidade, que me
parecem muito acertadas. ^
? Do exame catar feito pdo Exm. &r. Dr.
V-mando Lislwa; era companhia do engenheiro
Domingos Jos Rodrigues, fortaleza do Cabedd-
lo, reconheoeu-se atw a* repwos precas oste
proprio nacional sao grandes .e eastosos, ciee-
dentes ulvez cem contes de retad
Resta queogoveruo ceatrel ai\tort$e esta dea-
NAVIOS EN'C0.\Tlt.\l>03.-0 palliahnle hnsiloi-
ro .4iro,em siia vtagera i)o Rio Grande do Sul para
o nosso porto, fallju: no dia 23 do eorrente, na lat.
5. 19" 6' e long. O. 36" 50' oom o brigue brasilei-
iii Mannho III, m viagem de Pernambuco para
M ratevido ; e a 27, na lat. S. 10* 40" o long 35"
20', com a barca brasileira Lama, indo de Per-
para o Bm Gaande do Sui. Tudo ia
bem bordo.
DINHEIRO. O vapor Paran trouxe as se-
guintes qnanlias, para os Sis. :
Marques, Barros A C. (ouroi 3:336*000
Carvalho 4 Nogueira ( I 3:83fr8l)00
Jos Rodrigues de Souza 2:20t>4lXK)
Domingos A. Matheus 220*XW
Trouxe mais esse vapor" as seguintes som-
atas :
PartraBhia 88S3000
o Rio de Janeiro 3:1863000
Alm dessas quantias vo mais 1,207:6264609
cm ouro c notas inutilisadas para o thesouqj na-
cional.
i:>CHAVS.-Vieram, no Patm, com destino
corle S8 enerares a eiRregar.
SE.TENCIAD03.Com destino Fernando dio
Noronha vieram 19 presos de ju-lici.
PARA O EXERCITO.Das provincias do norte
vieram para o theatro da guerra il^pracas.
PARAN'.Tira a mala boje s3 hora3 da tar-
de, no correio, esto vapor, chegado houtera dos
portos do norte, para os do sul do imperio.
TRILHOS URBANOS DE APIIH'COS.Acabamos
de ver a nova tabella horaria da partida dos trena
desta companhia, e ainda urna vez vimos que so
desprezam os interesses pblicos, sapnrirainde-i
os pontos de parada dos Irens na ra da Aurora e
Porta d'Agua, lugares aonde ba seinpre muitos
passageiros, sobretudo no segundo, que Dea bas-
tante distante de nialqer das duas estafos de
Apipnooa*M rateiro, e enj* estrada do commiini-
cacao I feasima apenas enove. i > Sr. gerente
o.speram os moradores desses lugares urna refor-
ma nesse sentido, reforma que 6 de toda a equi-
dade.
TOCANTINS Este vapor, da compan|fcrasi-
leira de vapores, tocou no porto da 1'orlaieza no
dht 21 do eorrente, em viagem para oTiorte do
imperte, apenas com 9 dias, aps sua sabida da
corte. E' urna das melhures vagos (pie faz esto
navio depois dos concertos que sofTreu.
PIRAPAMA.Este vapor, da companhia Per-
nambucana, segaio do porto da Fortaleza para o
da Granja, no dia 23 do eorrente.
PROCLAMAS.Foram lidos hontem na matriz
da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes :
1." denunciarn.
Joao Antonio do Carvalho," cora Honoria Mana
do CSmio.
Basiiano de Magalhaes Castro, com Mana Celes-
tina Paes Brrelo.
Pedro Antonio Argemiro da Silva, com Alexan-
drina Marinba da Silva.
Manoel ApoKnano de Sant'A ma, com Eulampia
Agripina dos Santos.
Guilherme Pedro daSlveira, comJosepha Ama-
lia de Abreu.
Frederico Maia, com Ambroziaa Maia.
Miguel Archanjo Coutinho, com Paulina Contal-
ves de Macedo.
Verissimo Barbosa de Sonza,com Anna Joaquina
de Albuquerque Lins.
2.* denunciacn.
Antonio Peregrino de Panas, com Cmumba
Mara Jovino Francisco de Paula, com Mana do Espi
.rito-Samo. .
Maneel Joaqum do Nascmento, com Ania
Maria Benedicta. .
Angelo RutiKo Perdra Chaves, com Mana
Amelia Pinheiro Jacorae.
3." denunclacao.
JoaqunGaodido do Macedo, rom Joanna Eu-
phrosina af Mendonc,a.
Ignftio Antonio dt Oliveira,
da Coneeicao. .
Felino Dunstano Ferreira Colho, com Anna
Emilia da Silva Guimaracs.
Menandro Eduardo Muhlert, com Joanna Mana
Alves Lima. "
Galdioo Francisco Guiarte, com Rosalina Mana
Francelina.
Mareos Fraadsco de Paula Re:s,co (elizaulma
Rosa dos Santos Callado.
Joao Coliano Salles Peixoto, cora, Ilelvina Eleu-
teria da Silva.
Eugenio dnralves Cascao, cora Ismcnia Amelia
de Mattos Lima.
Manoel de Oliveira Castro, com Bemvenuta
Argomira de Miranda Duro.
COMPANHIA PERNAMBl'GANAHoje o uili
rsinn;.viil do coiiraEncio.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DR 26 DE
. AGOSTO DE 1869.
com Radie! Maria
PRESIDENCIA DO EXM. SE. DESF.SUIARC.VDOn ANSELMO
KIUN'MSCO PHI1ETTI.
A's M) horas da manhaa. raoatdos os Srs. depn-
tados Rosa, Bu>to, Miranda Leal o bata* Bb. Cruau-
gy, S. Exc. o Sr. presidente abri a sessao.
l'oi lida e approvada a acta da sesso do 1 !.
EXrEDlENTF.
Foram presentes dous exemplares do* ultimo re-
latorio do ministro da agricultura, comiiinviae
obras publicas, aos quaos se refiri o officio do
director geral da respoctrrn secn laria apresenta-
do em a prxima eesso.Maudou-so archivar.
Foram tambem prer-enles seto exemplares do
diario official n. 188 a 194.Ao archivo.
Assignou-se a carta de matrcula do comman-
dante Jos Joaqum Goncalves Bastos.
Aos Srs. deputados foram distribuidos os se-
guintes lvros cominerciaes : Copiador de Joaqum
da Cunha Freir i Inno, dito de Oliveira Filhos
& C, dito de Manoel Gomes da Cruz & C, ilit de
I) nningos Manoel Martins, diariaeikffeino, co-
piador o diario de Antonio .los a^^Har diario
de Pinto da Silva a Caseto.
Lavraram-se > s termos de transferencia dos l-
vros diario e copiador de Custodio & Bento para
Custodio Antunes Gninann s.
DESPACII
Requermento de Augusto Cesar Sanerenitor de
Oliveira (assignado por Jorujitim Jos Goaaalvre
Beltro) para que se Ilie Rociare, afim de servir
de regra nos casos ecenfrenfes o como so calen-
dem as palavrasdescarga por conta da fazenda
declaradas em un conhecimenlo, e qnaes nejan
cm t;d caso as obrigacos do dono do genero,
quando 0 queia receber bordo, se nestau cir-
oiinistancias devora mij.-iI ir-se a alguma despeza.
Quando o eonheciinenlo lem a condicaodes-
carga por conta d i faxenda-o recebedor tem I
ubngaro de manda-la receber a bordo para o
que deve ser avisado, o nao mandando a receber
o obrigado a pagaras dcspezaad) iransaorte at
a descarga em torra ou trapiBlie, quando pora a
clausula so respon avd pela despeza do>ta e
nao pola conduco de bordo do navio at o caes ou
trapiche.
De Caetano Cariaco da Osla Moreira e Joaqnim
Francisco do Espirito Sanio, mostrando torera sa-
tisfeito a ultima parlo do r.rt. :!02 4 do cdigo
eommercial, providenciando sobre a divisio dos
lucros e partas que uonveiviu na scciedade, cujo
registro pedetn.Registro-se.
De Francisco Coelo da Fonseca etri que pede o
registro do papel do contrato que celebrara com
Pedro Ignacio de Soasa Rabell sobre oaitio com
cultura de caf, alg.do e Iruleras, na sma de
Aratanha, provincia do Cear> juntando a proen-
racao bstanlo exigida no parecer fiscal de 23 do
eorrente.Registro --o.
De Antonio Correa do Vasconcellos, pedindo ao
Exm. Sr. presidente do tribunal o registro de seu
distrato social com Jos Morona Lopes.Vista ao
Sr. desembargador i-cal.
De Antonio Jos da Costa Jnior, pedindo o re-
gistro da sua nomeacao do caxeiro de H. & La-
grange, que aprsente.itegstre-se.
De Pedro Alexandrino Castro Maia, pedindo por
certido, se alm da sua nomeacao de caxeiro do
Francisco Jos Alves Gnimaraes, existe alguma
outnf que esteja registrada neste- tribunal.Certi-
fique-se.
Do Joao Francisco Ferreira Jnnior, pedindo r>
registro do docuim>nlo, que junta nomeacao de
seu caixeiro Jos Luiz Accioli Lins Wandcrey.
Registro-se.
De Pedro Brnno Saupiattot. pedindo o registro
da procurac,ao qna a presenta^ de seu conslitniute
O clave Opiger l-its.RcgoUlWe.
D> Bernardmo Jos da Silva, pedindo o registro
da nomearao de seu caixdro Francisco Teixeira
Pinto.Registre-se.
De "Augusto Ferreira de Lima, pedindo o registro
da nomeaeao de seu caixeiro Adriao Jos Mcdeiros
de Oliveira.Registre se.
De Antonia Raymunda dos Anjos'Monra, oedindo
o registro da nomeacao de seu caixeiro Joto An-
tonio da Costa Moreira res.
De Gomes do Mallos tim hndo o registro
da nomeacao de sen c*j|H Gomes de
Mltos.Jntom a iiomea^lk^aW^Pr lugar o
que requeren os supplicanics.
De Manoel Goncalves de Barros, pedindo o re-
gistro da nomeacao de seu caixeiro Antonio Pinto
Cavalcanli.Uegistre-se.
De ios Mara Freir Gamero, pedindo certido
de estar ou nao registrada a nomoaeo de seu
aataiiro Franklin Freir Gamero.Certiflqoo^e.
fe Joaqum Pereira Arantes, pedindo certido
)io theor do sua matricula de comiwrdante, e ao
registro da nomeacao de seu ealxeiro Franeisco
Pereira Arantes,D-se. -
De Antonio Loos Rodrigues pedia*) o registra


IT
Diario de Pern&mtmco Segunda feira 30* de Agosto de 1869.
/
te oomeaeao do sea caixeiro Francwea Christiauo
Gomes.Registre-ee.
Coui paerr fiscal :
De Joo Bapliata Gomes, Antonio Lopes Braga,
Francisco Jo Gomes, matriculas le eom-
mereiantes.Grarccdorani-se, leclaranu o Sr. de-
butado M votar pela* mesinas, por.:er
mteiro con heci memo do que a firma social que os
anawnos compoem, tem escripia 'informe a le
De Fr.i; los Leandro Coins
de Oliveira, distratojocial Registre-sc
Oe Venad) &Mjf Lopes e Destino Lopes da
Cruz, contrato soisilERegstre-se.
Dada a liosa II e 1/2 da manliia, o Exra. Sr.
presidente encerrutB sesso.
SESS^O JUB1C1AWA EM 16 DE AGOSTO DE
1889.
riG81DE.NCIA D*>nUI. 8B. D K KM DA 06 ABO R A. F. PB-
KETTt.
Secretario, Julio Guimoroet.
Ao meio lia tieelarou-e aborta a sessao estan-
do reunidos os Sr*. deseir.barg.idorcs Gitirana, SU
va Gniraar.s, Hus e Silva, Aceioli, depulados Ro-
sa, Basto, Miranda Lale bario de Cruangy.
Lux fui approvjuL a acta da sessai anterior.
Foi ido o otltoie de 24 do corrate mez do Exm.
Sr. consehieiro presidente da retocan communi-
cande ha ver designad > o Sr. desembargador Giti-
rana para rever .o feito que pend* d'einbarg>is,
entre partes, appellante Jos Rodrigues de Arau-
jo Porto, apellada* Isidoro Bastos C.
Apretinado polo Sr. desembargada Silva Gui
maraes foi asignado o accordo proferido na
soiiao o 12 lo presente mez, entre partes, ap-
Sguante I). Josophina Bemvnda da Cunha Soul >
laior, appellad'uj Mills Lathan k C.
Lidos pe.) Sr. desembargador Reis e Silva, fo-
ram tambeni wigtadu* os accordo* proferidos
na sesso passaria entre partes, embargante An-
tonio Joa |u n Slgalo, embargado Aatunio Gun-
:ilves Ferreira ; embargiote Manuel Thomaz de
Albuqucrque Maraihai, embargado a Dr. Sym-
phreuiu Cesar Coutiabo.
ULO AMENTOS.
Juio muoieipal o do oramercio de Campia
Grande, pr iviuoia da Parahyba : appellantes au
torM Jn* Juuui u do Ctslro \l mra o outro, ap-
peilido ri Gddino Francisco le U cedo : juize*
os Srs. Rai* e Silva, Aceioli, Bastos e barao d
Cruangy.inaadou-se descer o feito para o juizo
qu allin d; )bservar-se i marcha da appella-
cao. *
Jum especial '.:. .xmmnrcio : appeLlaates os
administrad.)res da massa fallida de Jos de Cas-
tro Redondo, appe.ltodo Jas Alve* Pedroso : jai-
Mi os Srs. Guimaraes, Aecioli, Miranda Leal e
barao de Cruangy. oud -uoti-se uina deligennia.
Juizo especial do con nereiu : embargante Jo-
vniano Fernandos da Suva Manta como tutor de
uns orphiti?, embargada I). Joauna Iguaria de Je-
ss. Mandnu-se ouvir o Dr. curador goral.
Appellante Aalonio Francisco da Silveira, ap-
pellados J. U Graf V C, appellanlo Alexandre do:-
Santos Barros, appell.Kl.i ciabarganto 3o Manoel
Jos de Miranda adiados a pedido dos Srs. de-
putidos.
O Sr. desembarzador Aceioli apreseritou para
se asaignar da o assignou-se o de luje para o
jnlgameuto do feito que penda demiurgos entre
partes, appellante Jos Carlos Teixeira, appellados
Oliveira Filhos & C. : juizes cortos os Srs. barao
do Nazareto e S Litao, sorteados o Sr. llosa em
substitulcao ao Sr. bajao de Nazarelli, sendo m-
pellid > o Sr. Basto, pane litigante o barao de
Cruangy e jurando suspicao o Sr. Miranda Leal,
ordenou o Exm. Sr. prosiuenlo que se ofliciasse
ao Sr. juiz cerlo Si'v.L.'ita ali n do tomar parte
no julgaincnlo dos embargos.
PASSACBNS.
Do Sr. de-oinbargailor Aecioli ao desembarga-
lor Gitirana : appellante Jos Rodrigues do Arau-
jo Porto, appel'ad is Isidoro Bastos Se C.
D > Sr. desemargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva : appellanlo Francis-
cu Leilao de Carvalha appellido Jos Lopes Bra-
ga ; apnellante-* os adminitradores da massa fal-
lid i de J.n de Castro Redondo, appellado Jos
Aires da Croz.
D) Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
dse nhargador Aceidi : app.-llante Joaquim de
S Cavalcante do Albutuerpie. appellado o tutor
da nrphaa ilha de Minoel do Gonvea de Sbnza.
Do Sr. desembarcad >r Aecioli ao Sr. de-ombar-
gador Silva 6-ainwrias : appellante Jos Jerony-
mu kfonteiro, appellado o Dr. Ignacio Joaquim de
Souza Leao. com i liquidante da Caixa Filial do
Banco do Brasil nesti cidade ; appellante Jo-
Joaquim G > c* Abren, aupal ado* a viuva c 0-
Jilos de Jos Antonio de Rorros Wanderb'y.
DISTRIBUigOKS.
Ao Sr. des:mbarg.ilor Silva Guimaraes : ap-
pedante Antonio Jos Dnartv Bniga, appellado o
corad ir di m a-^a f.ilida de riiomaz do Figueire
do; anpella ite Prann^m da f' ist;, Maia, ajipella-
do j Dr. Eugenio da Silva Hamos.
AGGBAV08. 1
Juii especial o do e.un n-rcin da villa do Cabo;
aggravante Ignacio de Preilas Ribeiro, aggravado
Aut mi Daarte Machado.
O Bxm. Sr. presidi-nte neg>u provimento.
Nada mais honve, e foi encerrada a sossio
urna hora e nm quarto da tarde.
r o'uros molos fni coastrangido a
aate a )n
o de
m de Siquciin Caca/autfc.
BaarJ of adorwriters 18
tlia bark
ife,^7 ie agosto d 1869.
imSatvar
Omoeofthen
Marchante Evchange.
The Undersigoe L'nderwriters ~
Pursuit, h'or cargo and Freight, wrecked of Pa^ ,
lfiS, desiro lo
on
ralfeainNer. lfiS, dosiro lo expross to R. J.
Sh ilder* Esa/ H. B M. cnsul al Paraib i, oor
aprecialiou of bis valuable serviecs retdcred to
tlie master of the Pursui in disposing of tlie pro-
perty, aul saliling the maller-* relalive to the
saine, wncreby the mjst sitisfactory rosulls to all
parta* concerne I were .it;ained.
Washingtoa Insurance Co.npany, by Isaac Swcet-
ser, president.
National Insurance Companv, by A. H. Bean, pre-
sident.
Bo*ton, asuranco Gompany, by J. B. Tilton, pre-
siden!.
Union Mutual Insurance Company of Mcw edf-
ford, bv T. W. Hathawav, president.
May. 2i: 1869.
TRADUCC-AO.
Nos abaixo assignados, seguradores da barca
Pursuit, seu carregamentoe lete, naufragada em
nivembro de 18i58 na Parabyfca, desojaran* ma-
nifestar ao Jllm. Sr. B, J. Shaders, cnsul de S.
X. Rritaiiuies na Parahyba nossa apreci.i^ao dos
seus valiosos serviros prestados ao mestre da
Pursuit na disposica") da propriednde e no ajuste
dos negocios relativos ao raesmo navio, pelo qual,
resultados o mais satisfactorius para todos os in-
teressados, lorain alcanzados.
2i do i aio de I8G9.
Pela companbia de Seguro de Washington, Isaae
Swcetser, presidente,
Pela nouipanhia Nacional de Seguro era Boston,
A. 11. Bean, presidente.
Pela companhia de Seguro de Boston, J. B. Tilton.
Pola companhia Mutuo Uniao de Seguro em New
Bedford, T. W. Hathaway, presidente.
A medicina por excellenciado
seculo.
Nao ha nenhum remedio que tonha recobido
mais elogios de todas as partes, como seja a salsa-
parrilha de Bristol. Ella tem sido approvada pelo
espago de irinla e cinco anuos, por mais de mil
peridicos principaes ; e pelos doulores, chimicos,
a eseriptores mdicos de todos os paizes Faz quin-
ze annos que toda a faculdade medica de Bfalo,
Brigue inglez tesse cottmcrcadorias.
Rrgue norto-alleinaoAgatkmercadorias
Barca ingletaCtUff/amercadorias.
lalo americaaoMar y & Wemlhan-iim.
^~
ABELLA do* paarjos dos gemiros sujeitos a ci-
REITO Mt IXPORTACAO. SEMANA DE 3 DO M8Z
DE ACOST A 4 BE SKTgMBW) DE 1869.
M i i dorias; T Cuidados,
>
kilg.
deu lira testemuuho unnime de suas ineslimaveis
Abanos
Algodao em careco.....
dem em r.una ou cin 15a. .
Ciirniros vivos.......
Parcos idem........
Arroz com oasca. .
dem descascado ou pilado .
Assucar braaco......
dem niascavado......
dem refinado.......
Gallinhas........
Papagaios......
Azeite^le ameadoim *u man-
lobftn........
dem de coco.....
dem do mamosa......
Batatas alimenticias. ....
Baunlha.......
Bebidas espirituosa* e tormentadas:
Agurdente cachaca. .... ltr
dem de caima ."..... ,
dem genebra...... ,
dem restil.ida <...... ,
dem alcool........" ,
dem ceneja.......
dem vinagre........
dem vinho de eaj......
Bolaclia fina, comprehendidos os
biscoit s.........
dem ordinaria, propria para
embarque........
Caf bom.......
dem escollia ou rcstolho .
dem turrado ou raoide. .
Cal branca........
dem preta........
Carne seeca ( xarque ). .
Carvao vegetal.......
Cea amarella.......
dem de carnauba em bruto. .
dem idem era velas, ....
Cha..........
Cocos seceos.......
Colla..........
I Couros de boi, seceos salgados,
dem idem espichados....
Idem idem verdes
duzia
kilog.

nm
I 9
kilog.
urna
kilog.
:\
PUBLICACOES A PEDIDO.
Adyorto-se nos curadora* on curador da massa
fallida .k Joao liapsla Ninj-ilves Bast. s, que Sal-
vador do Siqueira Ciraleante Slvate, hoj^ mora-
dor na Ilha dos I talo* a antes na ra do Impera-
dor, a q-*em deuomlnaram pornomem da bota
o contra quera se Miriam uns annuncios em al-
lusao a negocio* havid.s danlestinamnnte en-
tre oslo e aqnelle fallido, procura agora co-
brar u na letra pertomxnte a refunda mas-a. a
3ual foi annuneia la pnr este Diario de*de 1866.
que ficoii s.-iente o curad ir F-rreira St \raujo
que disto tomira n n da. Du letra proveniente
dofaz-n las venli 1 as pir u n ex-caxeiro de Bastos
pronunciad igml neme cora elle como cumplir
deqnebra fraudulenta.
Sendo, como sou, obrigid i ao pagamento da di
ta letra, cono foi Velar el o n ) annnncio a qip rae
reti, venho p >r esta me-tino Diurio scientiticar
ao cura lor do dita njassa, .pie tem do ser deposi-
tada a inp .rtancia da refer la letra, aflm de que
uso do direito que Ihe compete, comprindo ain.la
referir que teve 'ugarnannuncindequo se trata em
KMsequenci-i da fazenda-* .pie tirara appn-han-lida'*
na villa da Escada a uina Sra. H.dena, .pie as ha-
via OMnprad.i a. dito ex-caxeiro dp Basto* c a ou-
tro seu irraao, sendo que por islo Helena deix.m
de pagar a letra que tiulia sido por ella acceita a
favo dos m.-sraos.
Por essa raza i pnt idi de raen rig.iroso dever
annunciar nos torra .s era tj-ta o liz, pois callando-
me nioobsiante verserem apprehenoidas fazendas,
que como eu, haviam sido compradas era boa f,
morrena na mesma pecha dos vended.ires que
desde en'ao ficaraui kscoberfos.
Eis ahi a letra p >r po h ratera fui citado a re-
quenmeiilo do nra dos h-r leirn- universal de jfci
Bapti-ta Gong.Ivs Bastos, Salvador de Siqueira
Cavalcante Slvate, o qial omendeu que se nprn
so ha de locuplelar impunemente de tudo quanto
era o 6 da nussa daquello seu honrado aiuie e
protector.
Eis ahi o quo faz a impnni.lade, se c*to tal uui-
Tersal herdeiro do J. B. G.ujalves Bastos, f.-sr
corrigi.lo qu ra I > cora mor descaro e cyui-^aa so
apresentou nesta praca cora ura ca falso fe li
ou 15 cantos de ris, reijuerendo a fallenna de
Bastos, da qual roenou vergonhosamenle d-umsdo
fiaver lentado aeobertar se'cora urna escriptara-
cau pluntastica, nao se atrevera a vir ag .ra co-
orar era seu nomo uraa letra que por manoira al-
ma podo ou po-lia ser Ihe transferida, p.rq-ie foi
em lempo declara.h a sua procedencia. Nein tan-
to confiar as iuthpM enredos, era tanto nos
sophlsinas o chiraiia^.H s sen.s requeri uentos,
por d.raais ejc.irn.waHa justiga. jomando ja com
a impumdadef Vererrus com.) so ha de sabir
de mais e*ta gemilesa. u i I -p .ia nao diga, c*uo '
decostnme, que s,,u quera o perdigo, > q,w n.
quero hogar a acord algim.
Preso por tercao o preso por nao t lo-diz o
adagio.
So procuro por bou rn/vio haver o que erapres-
tei, alara de me n,i. pagare n. faz se-mo guerra.
So nwojefe-i'i ch jiorseguidor.
So mo nio drfon.lo sou imbcil e balda d^
razio.
Se proeoro hanr mtnha propriodade mohada
por meios hrarvlos rnaaruanaag; se procuro h iv
la por justiga chuna n- .w Hinda de perseguidor o
Jtown" s a enred .s para of-
luacar o m.ra .lireit., 1.- nvnisno a tal
ponto de an-Lir-^o a nwsao.1. e persegind as te-
tomunha* que hiera d- |irar n,i nrilCevs, | j|..
entaoto sou eu ovenUuViramente perseguid
is a mais ba 5 mezes estou e-bulhad i
tem me devora entenlr, pois a proprielale de
ja (alio o esoravo Bouedicto que por aio pj-
virtudes curativas, experimentadas durante a bra-
ga pratica le sua proflssao. Quarenta mdicos
dislinctos, domiciliados em differentes povoaco.'S
do estado do New-York, sustentaram-nos comum
outro lestemunho nao menos emphatico e summa-
mente lisongeiro ; e desde entu cinco oitavas par-
les da mais escolhida da profissao, tem contestado
seus mritos, debaixo da responsabilidade de sua
asignaturas, suas curas de escrfulas, cancros,
tumores o toda a casta do molesiias eruptiveis e
ulcerosas, nunca serio osquecida-t em quanto a
lingua ingleza fr lida e fallada. Em urna palavra
ellas tem sido escripias em todos os idiomas mo-
dernos, e causado a admiragao de lodo o muudo
civilisada.
Acha-se venda em todas as priucipaes lajas
de drogas.
Protectora das fa-
milias
Em cumprimento do prevenido no art.
t9 do reculamente), se convida, a todos os
senhores contribnintes essa associa;5o.
queainda n5o liverem apresnlado as certi-
does de idade dos segurados para que fa-
Cam entrega d'ellas, na ra do Livramento
n id. I" andar, alim de ser expedidas o
mais breve possivel para inspectora go-
ral do Rio de Janeiro.
As certides devero ser selladas o reco-
nliocidas por labelliao.
Uecife, 5 de agosto de \869.
Narciso de Vidal
*
>
*
1
1
a
cont
kilog.
i
uiu
vJv
COMMERCIO.
K
PRACA 1)0 ttKCIFE 2S l)H AG)ST.) DE 1869
AS -i 1/ H0IAS DA TAHUB
Algodao da Parahyba sorte 1*280 o 1/5300
por kil. Dosto a bordo, frele de 1/2 d. sem capa.
8i8 e 3 0|0 (hontera)
Freto do acucar daqui para o Canal 22/5 por
tonellada o 5 0(0.
Dito de dito daqui para Liverpool 13i por tonel-
lada e S 0(0
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
kilog.
>
duzia.
>

cenlo
kilog.
>

centro
kilog,
>
duzia
un
duzia
cento
i
ura
t
kilog.
ura
duzia
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descanta lettras da praga taxa a con-
vencioaar.
Recebe dinheiro em conta correte e a
oraze lixo.
Saca vista ou praso sobre as cidade>
principaes da Europa, tem agencias na B
uia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
i New-Orleans, e imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Saques sobre Londres
SOCIEDADE BVMCARIA EM C0MMVND1TA
Thcodoro Simn p C.
^ Saccjo sobre os Srs. Samuel Montagu 4
G, bampieiros em Londres.
A* vista (jiiantias & B at 100, 3 dias
de vista qiiantias cima de *> 100 at
a 1,000 30 ate 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Sociedade bancaria
em commaudita
Teodoro Simn & 0.
Comprara e vender por conta propria
metaos, moedas naeionaes, e eutrangeiras.
sejwi do cambio, sedulas do governo e do
<|anco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los coramerciaes.
Encarrgara-se por conta alheia das mes-
mas transacebes, da cobranza de letras da
ierra e de outros Mulos comraerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, erjj. conta correte, e a prazo fixo.
Largo do Pelouriiiho n. 7.
dem de cabras cortidos .
dem de onca.......
Doces em calda......
Idem em gelea ou massa. .
dem seceos.......
Espanadore3 de peonas grirtes .
dem pequeos......
lein de palha.......
Ksteiras de carnauba ....
Idem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional......
Farinha de aramia.....
dem de mandioca.....
Feijao de qualquer maliiladc. .
Fumo charutos......
Idem cigarros......
Idem em folha bom
hlem em folha, ordinario ou ros-
tolho ........
Idem em rolo e en. latas bom .
Idem, ordinario ourestolho. .
Kapc .........
Gomina de mandioca, (polvilho).
Ipecacuanba ( raiz ).....
Augico (toros)......
Caibros ........
EiLtams........
Frechaes....... .
Jacaranda (coujoeiras) .
Lenha em acuas......
Idem em toros.......
Lindas o esletos......
Lour s (pranchocs}.....
Pao Brasil........
dem de jangada......
Quiris.........
Vinhatico costadinho de 25 a 30
inilliuietros de grossura. .
dem praochoes de dous costa-
dosat 50 millimetros de gros-
sura .........
dem taboado do menos do 25
uiilliini'tros de grossura .
Taboado divarso......
Tatajuba........
Travs .........
Vara< para pescar.....
Idem para agutinadas <
dem para canoas.....
Caverna* do sucupira(em obra)
Eixos de sucupir para carro
idem..........
Mol melaco........
dem deaudua .,.'...
Hilho.........
Ossos. .........
Palha de carnaiba.....molhos
Pechury.........kilog.
Podras de amolar
dem de filtrar ...'... .
Idem de rebollo
l'ennas do ema ...... t
Piassava........ molhos
Pontas ou chires de novilho ou
vaeca.........
Sabao .........
Sal. ,......
Salsaparrilha.......
Sapatos de couro branco .
Sebo ou graxa cm rama .
dem em velas. .'....
Sola e vaqueta......
Tapioca.......'. _
Cimas de boi.......
Vassoaras de carnauba .
dem de piassava.....
dem de timb
ValoFes.
300
2
I I 3."
40Ou
2*000
68
177
320
200
436
!000
3*000
93T
671
5jB
102
SfiVSO
1' 'as
390
3:50
300
337
600
:Hi
660
476
20i
47C
442
959
39
27
2o8
168
442
436
763
4*360
4*000
1*438
560
640
370
350
10*000
1*133
78i
2*180
48*000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
MOHO
613
681
545
2*180
470
1*703
60*000
360
1*500
5*000
95*000
3*000
12*000
6*0-10
10*000
102
5*000
6*000
Vblas. As de com.iosicSo obliveram de 640 a
650 rs. por libra.
DascoNTo.O rebate de letras allernou de 8 a
io auno.
Frkts.Dj assucar, carregando mu, para o
CanalLa 22/6 e 5 '% para Liverpool a 18/ e 3 %. o
do ilfcodao para o ultimo porto l'2d. eo0
nominal
MOVIMENTO DO PORTOT
Navios entrados no da 29.
Monlovd(Jo-82 dias, brigue nacional Alberto, d.'
298 toneladas, capitn J .aquim Antonio do Soe-
corro, cquipagem 12, carga 4,500 qumtaes de
carne; a Maia & Espirito Santo.
Montevideo29 dias brigue port-*guez Jos, de
146 toneladas, capitao Fernando Pcreira, equi-
pagera 9, carga 3,500 quintaes de carne; a
JoaqmtnJw t. BtHr.o.
Rio-Grande do Snl-O dias, brigno bra Bahiano, de 181 tonelada*, capitao Sil vino da
Silva Gallo, cquipagem 11, carga 14,252 arro-
bas de carne ; a Ouveira Filh..s & C.
Rio-Grande do Sul20 dias, patacho hespanhol
i Noeo Blizio, de 173 toneladas, capitao Geraldo
Manstany, cquipagem 11, carga 10,000 arro-
bas de carne; a Francisco Josda Costa Araujo.
Ass 14 dias, biate brasileiro Graciosa, de 83 to
neladas, capllu Joaquim Antonio de Figueiredo,
equipagem 7, carga sal e outros gneros; a
Barlholomeu Lourenco.
oyanna6 horas, vapor brasileiro Paralaba, de
104 toneladas, commandante Mello, equipagem
14, em lastro; a Companhia Pernambucana
Antuerpia49 dias, escuna norte allemaa ilathil-
de, de 148 toneladas, capitao Burghorn, ei|in-
pagem 7, carga dilierentes generes : a Henrv
Forster & C.
Rio-Grande do Sul 21 dias, hiate brasileiro
Amaro, de 313 toneladas, c.nitio Lulz da Costa
Amaro, equipagem II, carga carne; a Maia
& Espirito StMo.
JVavMt sabidos no mesmo dia.
MamangnapeVapor brasileiro Mandah, com-
mandante Penna, carga varios gneros.
Rio-Grande do SulPatacho brasileiro Garibatdi,
capitao Francisco Domingos Arouco, carga as-
socar.
CanalRrigue ingloz Searcb, capitao D. I. Boo-
klcbank, carga assucar e algodao.
Canal por MaceloBrigue inglez Prima Dona.
capitao Larene, em lastro.
Para Patacho bra ioncalves Reis, carga asquear e outros gneros
ParahybaBrigue inglez Melita, capitao Wilkin-
ann, em lastro.
BahiaBarca italiana Gallo Placedia, capitao Cus
tndio Bandeni, carga a mesma que trouxe dr
Trieste.
Navio entrado no dia 29.
Pare portos intermediosU dias, vapor nacional
Paran, de 850 toneladas, commandante capi-
tao de fragata Santa Barbara, equipagem 62.
carga differentes generes ; a A. L. de O. Aie
vedo & C.
Navio entrado no mesmo da.
Liverpool Vapor inglez Saladin, commandante
Kelly, carga algodao.
Ohserva^'w.
Snspendeu do laaran para West Indies, o lu-
gre norte alternan Su//?r, capitao Miessr-gaos, con.
o mesmo lastro que trouxe di Rio de Janeiro.
ECITAES.
um 16*000
duzia.
>
kilog.
urna
du/ia
i
urna
par
kilog.
i
kilog.
cento
kilog.
o
i
par
Kilog.
cento
duzia
20*000
Huno
f>*00
33
6*000
2*400
6*000
liOO.)
3*500
16*000
50
320
68
16
1*000
817
31
18
34
(796
i 160
2*800
3i8
to
taov
800
3i0
476
1:,:,:) i
201
380
768
U200
960
O Dr. Joaipiim Jos de Miranda, juiz municipal
supnlente da primeira vara em ezercicio ne>t;.
ridadu do ReclTo de Penmmbtico. etr. etc.
Faco saber aos qu o nresente edital virein, em
romo por este juizo se han de arrematar a quein
mais dr, lindos os dias da lei, o* Boveis contan-
tes de mobilia, e >utr..s objectos dBhothographi:.
onstantes do escripto de praga qumse acha em
poder do porteiro do juizo, onde poMo os lici-
lantes verilicarem as cujos movis foram penhnrados a Julio dos Santos
l'ereirae a Jos Francisco da Silva Ferreira, por
exeeucao de Vianna e herdeiros do Joao Henrique
da Silva. H
Toda a pessoa que em dito* movis e objeclos
quizer laucar o poder fazer nos das de prac.i.
E para que chegue ao cnnlieciineuto de todos
inandei passnr o presente que ser publicado e
ilfk.ido no Ing.y puhliew do costme.
Dada e uassafla neta cidade ilo Recife uo Per-
nanihuco aos 3 de agosto do 1869.
Eu Pedro Tertuliano da Cunha cscrivao o
subscrovi.
Jonqum Jos de Miranda
!B!?*h3 para S f101"108 0 ,ul M nialas 1e
o vapor brasileiro Forana teni de crnduzir.
r-,rA -T"^ Mr5 K-** u ""-'io dia, e as
cartas a registrar at 1 hoVa.
hnrf ff1?" "I*na,r*. l"*tas no correio al mela
bo Jcpois.de fiada o iH-aaociina declarado, se-
gn Su a seus de>t.nos oom o porte duplo.
agosloT^ d Un"'1 d Ptlna*o 30 do
0 administrador,
_____________Q?jn2ngoR_d^I,assos_Miranda.
- De ordein lo Ulan.' Sr. DriSK T-
er.no da provinna fac,., pnWic, para eonheeimen-
lo de juem mteressar possa, que foram nesta data
recol ndos acasade detencio os pretos Luiz Jos
cnoulos, os quaes foram capturado como fgidos'
na fregueza da Gloria do termo de Pao d'Alho,
pelo respectivo delegado remedidos esta rapanL
tn.ao com offlcio de 23 do corrento ; declarando
primeiro periencer a Manoel de tal, morador no
Acary d provincia do Rio Grande do Norte, e o
segando a Jeronymo Paes Barrxisa, da villa de
Campia Grande .la provincia da Paralma
Quem, pois, se julgar com direito aos ditos es-
clavos, requeira nesta secretaria a sna entrega,
mediaute documentos comprobatorios de dominio
legal.
Secretaria da polica do Pernambuco 27 de agos-
to de 1869.
O secretario.
______ Eduardo de Barros Falcao de Lacerda-.
Pela secretaria da cmara municipal desia
cidade se faz publico pira conhecimento de quem
mteressar possa, que n.io foi arrematada, como
eslava annunciada, em iH do carrate, a obra do
onceno da ponte do Luca, oreada na tjuanti;. de
880*000, a qual continuar em praca api o dia 9
de setembro prximo vindouro.
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
agosto de 1869.
O secretario,
____________Francisco Canato da Roaviagem
. Pela secretaria da cmara, municipal desta
cidade se faz publico que nao foi arrematado no
dia 23 do correte, como e#tava annunciado, o tes-
posto de 500 rs. por cabera do gado morlo para
con tuno das freguezias do Poco da Panolla, Var-
zea, Afogados, S. Lourent^), Muribcca e Jaboato,
o qual contina cm praca no dia 9 de setembro
prximo futuro.
Secretaria da cmara municipal do Recife 28 de
agosto de 1869.
O secretario,
___________ Francisco Canuto da Boaviagem.
O inspocV r interino alfamtega faTpbTi-
ro que em virtude da auiurisattao da ordem do
tribunal do iliesouro nacional 117 de 11 deste
mez, transmettida em portara da tbesouraria de
fazenda n. 129 de 27 de^te mesmo mez, precisa
contratar at o dia l<) de setembro vindouro a fac-
tura do una casa forte no arinazem 11 desta re
partico, tudo de conformi.t.ide com a planta e
descripc-ao do respectivo orcamento, o qual ser
presente aos pretend3ntes.
Alfaudega de Pernambuco 28 de agosto do 1869
O inspector interino,
___________________L. C. Paes de Andradc
Iuspe^co do arsenal de
marlaha.
Faz-so publico que a comnitso de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexn ao decreto n. 1324 de 3 de fevereiro de
OJUiVVMIIl
DAS
Messajeiies irapcriaei
2L
At o dia 30 mez es era-se dos
portes do vapa^^^^^^^Kt^ comman-
dante Joret, o qual lepis da demora do eostomr-
seguir para Brdeos tocando enTDakar ((oree.
e Lisboa.
Para condicSea, l'rpfts e passagens trata-se na.
agcn.'ia ra do Commerm n. 9.
COMPANHIA PERNAMBC^NA"7""
M
Vavcgaco coselra por vapr.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Taiuandar.
O vapor Paralwba, commandant^
Mello, seguir para os por)pS cima n
_ dia 31 do crrente a meia noitc.
I'.ecebe carga, encominendas, passageiros e di-
oheiro a frote, n escriptorio do Porto do Mattos
n.12.___________________________^
CMPAllA 8IUSILEIRT
DE
Paquetes a vapor.
. Dos portos do sul esperado
*l **^ at o dia 8 do setembro o vapor
Guar, commandante o 1* lc-
nente P. H. Dnarle, o qnal de-
pote da demora do costante se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
t-arga que o vapor peder eondtwir, a raal devera
Jas e dinheiro a frele at as duas horas do dia da
ua sabida.
Nao se reccbcnxomo encommendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedan) a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
rudo que passar desteslimites devora ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros me snas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Crnx n. 57,
andar^scriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
Azeredo & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navcgacdo costea por vapor*
Macei escalas e Penedo. *
O vapr Potengi, commandaiite
Pereira, seguir para os portos cima
_ no dia 31 do corrento as S horas da
tarde. Recebo carga at o dia 30, encommendas
passageiros e dinheiro a frete at -as 9 horas
da tarde do dia da saluda no escriptorio do For-
te do Mattos n. 12.
?

Alfandega de Pernambuco, 28 do agosto de 1869.
O l. coiiferente, Florencio Domingues da Silva.
O i." dito.Cirtot Au justo Linsde Soma.
Approvo Alfandega de Pernambuco, 28 de a-
gosto de 1869.Paes de Andrade.
Conforme. Joaquim Tertuliano de Medeiros
RECEHKORIA UE RENDAS iNTEuNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
iendimento do dia 2 a 27 41:956*338
l.lem do dia 28...... 1:443*898
:#'
CONSULADO
tendimento do .lia 2 a 27.
Jera do dia 28. ,
43:400*136
PROVINCIAL-"
77:0774i0i
2:166 S7'i9
Xovo Bmco de Pemambuou
em liquiluclo, 3 de agos-
to de 1869.
Os Si-s. accionistas podem rtceber o
exto dividendo de um e nvio por c?nto
do capital: i tjuarta-fdras e saBbados.
ALFANDEGA
tendimenin do dia a 27 653:03386*1
fdem do dia 28 18.196*9.''
672:0*9* 19
MOV1MENTO DA ALFANDEGA
849
461
?'olamo9 emrados com fazendas
dem idem com generes
Votamos sahidos cora fazendas
; dem idem com eneros
67
33i
700
431
Descampan) hoje 30 de agosto
Bngae francez-.pat/romercadera.
Barca fraacezaoum de Nant;s taercaoria.
79:244*153
PRAGA DO RECIFE"
em J8dg agosto dr 1889, s 3 horas databf.
HBWsn Han\\il.
CaudiosOs saooes rejjulirm stro LflBlre
a 18 ;t/8. 18 Vi, 18 5/8 e 18 .1/4; sobre PaVis a
513rs.; e snbreLisboa de 173 a 180 por cont. Sen-
do o total das iransaccoes 50000.
Auoda. O de P.-rnaiiibucit es.'olhido e resil-
lar de 17*100 a 17*800 ; o de Macei.i, po< a
bmlo, do 19* a 19*100; e o da Parahyb., idem
de 1H*SOO a 19*100 por 15 k|,.grammas. '
Assucar.Conservou-so sem alte^co
Aruu.-O pilado da India vendetPse a 3|*T0
e o do Maranhi. a 3* por 14 kilogrammas.
Aziutk-dooe. -Vende u;-se o de Lisboa a 31430
por palao. .
Bacvlho.A retalho obt>ve 20* por barrica.
Banha n". porco.Ido n a 610 rx por libra
Cap.Vendeu-se de 5*500 a 6*300 a arroba.
CnA.-l.Iem do 2*200 a 2*103 por libra.
Ckrtrm. A duzia d.< parrafas ou botijas
venden-so do 4*300 a 5**00
Krriwixb. -Vendeu-se de 7^800 a 8* a lata de
> galo:
L.ojcA A ingleza foi vendida a 430 /. de
premio.
. M"rr8!f5*- A inpleza repn'oit .le 1*030 a
1*100, e a franceza de 710 a 710 rs. por libra.
sUssas.Von len-se a 7*331 a caix i.
Olooii linhaca.Lien a 8 por palio.
Papbu -dem de 300 a i*0i0 a resma 4o de
nihrnlho.
Pas*a8.dem a 8f a raixa.
PnK^Nres. Mem a 18* a arroba.
Qu'uis.(>s1: engos venderam-se de 24609
a 2*700 rada um.
AB3r-0 inRlnz venden'-se a 170 rs. por Kbra
Tiucinho.-O d Lisboa rejulot de 9*70o'i
10* a arroda.
ViMAoafcO de Portugal vendeu-so de 110* a
I1>l i Vinh Os do Portugal vemleram-se de 8*0* a
WI> e 9* de outros pafeea de 196* a 815* or
pipa. v
0 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, juiz de
iliroito da segunda vara rriminal e sub-
titulo da do especial do couunercio em
uxen-ici i nesta cidade do Recife de Jer-
nambuco por-S. M. I. o constitucional o
Sr. D. Pedro II a quem Deus pnrdt*.
Faro sabor ao< jue o pre ente e lital virein e
delle noticia liverem que por esto Joixn especial
doMin nercto poniera uns autos d exeeucao d
sealenc* le D. Candida Rosa da GmcHcao Piros
contra Guimaraes & Oliveira. E fondo-so fe.t.
penhoraera dinneimp-rt.mcento aos executad.-.
fora pelo silicitHdur Antonio Pinto do Barros, pr.i-
curailor feito o reqiiorimciit.i du trnw seguinte:
Aos 10 de agosto di 1%9 -m publica audiencia
que ais Ht.ise partes &m < Dr. juiz du direito
da segamla vara criminal e substituto da do es-
uerial do commercio em exercicio Manuel fos
la Silva Neiva, nollapelo s-licitador Antonio Piniu
de Barros pr.cura.lor la exe^iente, f.ira acrusa 11
: penh'ira feita, em dinheiro pertencentes a<>s exe-
.itados Guimaraes A Oliveira e roipiereu que
'-a-se assignado os sei-" lias la lei, a penhi.ra
t.-ita, e d'-z aus cred .res inserto* pas i'ditaes ; o que envido pin juiz bnave a penh >ra
nor foita eaiviHadn ..s -eis dias da lei por assig-
nados e tambera >s d.'Z aus credores incerlu-
e o mais por def'ridu, depnie de in ind ir apregoar
in-ln oort.'iro .tus aiidiiorios que o foz na forma
lo c-tvlo, do quo flz o presente extrahidu do protu
'"II' das andienelai o jntei a precatona c term
de nciihnra que segu'.
Ei S'cunlini Relio loro da Cunha, eserlvio
juramentado o werevl.
En Manuel Mara Rodrigues do Nascimento, cs-
crivao o suhscrevi.
Era virtude do .pial o escrivao fez pissar o pre-
os credures incertos do< oxecutadus para que
cnmnarecam n te j tizo dentro do dito prazo.
RtClfe si dcaoostode 1809.
Ku M.moi'1 Mari i Rodrigues do Nasci-
mento. escrivao o siib Manoel Jone da Silva Neiva.
ECLARACOES.
De ordomdo Illra. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazend i sao convidadas as pessoas que ain-
la p issuivm n las de 35000 da sexta, c do 105
la quarta estampa, era substitu fio, a virein tru-
a las por notas do novas ."-lampas, quo para isso
[um rer.ebdo a th.'sonraria du thcsuuro nicinnul.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 23 de agpsto de 1869,
S rvindo do oranal-moinr,
Carlo< (nao de Souza Corma
Santa casa da rHcncordia do
Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Rcnfo precisa contratar a cobran-
es do sua3 diadas, pagando 20 0|0 pesso% que
(lias so encarroar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
rife 21 do agosto de 1869. *
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
I8.V, o- ca-scos, machinas caldeiras, apparelhus.
inastreacos, velames, amarras o ancoras dos va-
pores Ipojuca e Mandah da companhia Pernam-
bucana de navegacao costeira, Camaragibe e Mo-
leque da companhia Vigilante l> rebuque, aehou
tolos esses objectos em estado de poderem os va-
pores continuar no servil em que so empregam.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu
co 28 de agosto de 1869.
O inspector,
______________H. A. Birbosa de Almcida.
Tribunal do commercio.
Por esta secretaria se faz publico que foram re-
gistrados :
O-contrato de sociedade de Antonio Alvos de
Carvalho Veras e Alfredo Pereira Darhedo, estabe-
I cidos nesta cidade com casa de comniereio de
cnmniis-es e conta prepria o alheia c consigna-
cao sob a firma do Veras 4 Barbrdo, o o capital
de -NO 00o* furnecido por ambos.
O contrato do Antonio Henrique de Araujo e Vi-
cente I'eroua Ta vares, e-labelecidos com taberna
uosta e.daile. sob a firma do socio Araujo, e o ca-
pital de 3:000* foruecido pnr. este.
0 distiato da sociedade de Francisco Antonio d<-
Carvalho e Joau Bernardo do Rcgo, que gyrou nes-
ta praca sob a firma de Francisco Antonio de Car-
valho u C, licandoa cargo do cx-socio Carvalho
* liquidaco da extincta lirma.
O eontrat de Hermeneaildo Camaragibe e Gan-
dolfi Anlmio, estabeleciilos nosa cidade com ho-
tel, sob a llrma de Gandolfi & Camaragibe, e o ca-
pital .lo 2:400* fornecido por ambos.
O distracto le Custodie Antuues Guimaraes e
Bento Alves Machado Ga maraes, dissolvendo a
lirma do Custodio A Bento, cajo activo, e passivo
cara a cargo do ex-socio CusU>iiu.
O contrato de J .ao Francisco Otero c Jojio Igna-
cio Nazareth, e>laheleciios nesla cidade sob a lir-
n .lo Otro 4 C. o ira botequhu, e o capital de
12:000* fornecido por ambos.
secretaria do tribunal I i commercio de Per-
nambuco, 2i de agosto delSii'J.
O offk'ial-maior
Julio Guirii'inii's.
Par Lisboa
O brigue portugnez Constante I sefrue para
Lisboa com a menor demora possivel, por j te?
parte de sua earga prometa : par3 o restante o
passrpeiros, trnta-e.cum os cinsignatarioe Olivei-
ra, Filhos St_C, no largo do i Airpo Santo n. 19, ou
com o capitao n- nraca do commercio.
PARA'
THEATRO
DE
S. ISABEL.
Caiupaneta lyriea italiana.
SKGUNDA-FKIRA 30 DE AGOSTO
Precita de assignatara (61 do contrato'
Exerutar-se ha a muito applaudida opera em
i actus de Donizettl
A FAVORITA.
Os bilhetcs vendeoi-se no dia do eraoelaeulo.
Princiniar as 8 h >ra<.
VilOS MABItiMOS.'
De oMem do lllm. Sr. hwp ter ata lhe>ii-
rana de fazim la denla ci la.I .-e faz punUr ue
no dia i le sete nhru preximn, pas.2 liaras .la
'arde, si^r arremataiia perantu a ju .ta da moMB
ibHHiuraria, ir eunni maior lancu offerocor, a
neiado da ca*a t.rroan. 18, adjudicada a fa.eola.
-lita na lail.-ira da Misericordia da cidade de Olin-
li, avahada em 8 K)W00. Os lu-itanl*s dev.i i
o np.ire.-er nesta thesouraria no referido dia e
luir cima indicados.
Soer'laria da ihesoumria de fazenda do Pornam-
buco *i de ag istu do [KW.
Sorviii-lo de olflcial-maior,
M.inool los Pinto.
CUMPA BSASILEIln
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte i; esperado
at o dia 7 Ce setembro o vapor
Tocantins, commandant J. M
Ferreira Franco, o qual depois
_ da demora Jo ;osume seguir
para o porto- do sul.
esde j recebem-se passageiros e eugaja-se a
. -arga me o vaiior poder conduzir, a uual devers
las e dinheiro a freto at o dia da sua sahida as S
loras.
Nao se recebem como er.commenas senao ob
.ocios de pequeo valor eque nao exeedatn a duar
irrobas deypeso ou 8 palmos cbicos do medico.
1'udo que passar destes limites deveri ser embar-
a lo. como carga. $
Previne-se aos Srs. pas3:gr.iros rjnc snas passa-
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz do Oliveirc.
Vzewdn A C.
O paUcho Protector seguir para o referido
porto em pouos lias, por lar a raaior parle do
sen carrosa monto proinplo : para o que Ihe falta-,
quem quizer carrogar a frote enmmodo, pode diri-
gir se ao consignatario Joaquim Jos Gongsh,><
Heltrao, ra do Cummerrio n. 17.
Para oMaranh^
vai sahtr hrfeve por ter a mainr parte ilo carrega-
mento engajado, o palhabote portugus Carolina,
capitao Joao Paulo de Oliveira, recebe cargra a fro-
te : trata-se cora E. R. Rabello, ra lo Commir.-i
n. 44. __________
"COMPANHIA PERNAA)il7CAA~"
DE
Vavcgaco eis Mamanooapc.
O vapor Ifend iki, comman-
dante Pirana, seguir para n por-
to cima no dia 28 lo correnti-
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageims e
at as 3 horas da tardo do da
dinheiro a
da saluda
frele
scrpiorio no Forte do il;t* n. 12
Para Lisboa
o patacho portuguez Mara, capitao Pedro Martin-
Branco vai sabir brevo por i. r auMiornartedi
carga engajada, recebe o resto qne llio falta a fi
te barato, c passageiros : trata-se com K. R. Ra
bello, ra do Commercio d. 44.
LEUDES.
LEILAO
D machinas de serrar madeira, alisar,
cortar rleseuho na madeira, engiailai.
fazer moliliiras e tornear, assim romo
urna machina para faz^r chocolate emui-
tas outras machinas da diversas utilida-
des, madeira* etc.
0 agente P nlual, compotent ra nte antnriaad.i
pele juiz arbitro, far leilao de t idas as marino;-
e mais pert nces da serrara a vapor na logar do
Mondego n. 99, conforme a discripcu loa objectos
em nuder du dito agento, beni como das niade -
ras j apparolhadas e por apparelhar, ferrament.is
etc.
Para melhnr ser aprecia 'o todo o raarhinisin >
esl.nr.i este cm movimento no dia do leilao quo
dever ter lugar
Qimta-fe ra Io de setembro
Na mesma serrana a apor as 14 horas, ondo
poderao os pretenden tos ver o trablhodas m:i-
chinas e examinar os objectos indicados para
leilao.
Para o Porto
pretende sahircom a possivel brevkktdc o patacho
portnmiez Liberal, lein pare; da carga engajada, e
para o r-stu qno Ihe .'alta, pide (ratar-SO cm. Da-
vil Ferreira Hallar i rna do Brum a. 9i, ou com
O capitn do referido navio.
De 300 calsas com avaMas.
Qu^ta-feia Io ,de Sftembro as 41 hora*
em ponto.
No arraazem do Sr. A. S. Azevedo aa eeeadiub.'i
numero 8
O agenle Pinto far leilao per coala e nsr.
quem pertencer do 300 raixas cora massa sorti-
das ultiu.amenie d-sooiliarcndas do navio Mo
de Nantrs o existentes nu armazn) do Sr. avvr-
do na escdmha n. 5, a.rade se >fTeofri o l<
as II horas do .li aona dito.
Pela admimstracao do orrel desta cidade
fazpublicoque boje (30) pela 3 horas da tarde|&C, ra do Commercio a.
Companhia anericaa e k^ilei-
ra de papeles a vapor.
At o dia I de setembro esperado dos por-
lo sul o apor ameri.-an. iltrrimack o irnal
is da demora do rstame sogniri para Now-
tocando no P,,ri e g. Tlviinax, para' frotes e
.:Hgens trata-se cn os agentes. Bcnry Forster
Oe IO aaeoretas de vinti Aa
e fivteo.
Quarta-reira Io 1h M-temUro as 44 IJ2
horas.
Porjfltervenci d avente Pinto, por crasi
do l.-ilo dasnia-<**; noarmazfrai do 8,r Anin
da Silva Awv.-rto na p ILtol ti
de movis e objectos k opro.
De u-a mubilia de Jacaranda eom pedra, 2
gr.indt.-s espclhi* rom moldura delirada, 2 puar
da vestidos, um guarda r-npa. Dina Manir par \
hvro um grande anparadi.r 1c in.*oo. I ra.
de amareilo a Luiz XV rom IB cadeira de gnar
nicSo, I mar| ezj. do arnareNu, I eonnx.da. 'i
marqnea*. 1 me no. I cadeira de vijgem, I cama franceza ja-
caranda, 1 rol.fio do paredp, t dito para mesa,
2 rnnwitos. do amarell., 2 redomaa con ramus de
ll-res, 1 dita- gramle c m ligara, 1 ranaVbbro do
' luiee, i parea de Jante:as com piogonie*, di-
.,
/
1
1


Diario de Pernambijco Segunda feira 30 tfe Agosto de IM0:
______________________________________________________________j_________________
vitsoi olijecto garrafa* eopu
miro< uiuitos i
Clonar.
Quarta.fcira I mln.
O agento Marlios ll(1r or :i do urna
familia que un
ma no l* andar do sobrado n. 14 da ra do Im-
m-rador as it> horas do dia.___________
TSLAO
E FF.3TICS.
SABEH :
i'm sobrada de andar* n solio edificado fcni
rli;o proprio na ra do Vicario n. '-'. uin dilo
na ra da Aurora n. 4, com grande siiio eom
tJ5 palmus do fronte a tnargem I) rio api-
liaribe e eerea de 2,0O>) paln funda cm
Santo Amaro cora atronad'S o viveiros, uin si-
tio na traversa du bccW nos fteRieaio com
IM paliaos de frente e I.SOO de fundo, c pan
n** teersja oom i sala?, i quartos u coiinba
(ora.
Ininta-felra le setemhr as
f 1 horas.
Por intervearo ilo aguate Pialo, mi seu es-
vripinrin ra da Cruz u. W.
LEIO
r>a grande ea-'a aoiaiv'U m Arrala!, o m >/ li^
palmo-; de frente e <> de fonda, 7 j mellas no
uta, osinlia, estribara c qnarlos lora, com
grande terreno, cerca do 1,000 palmos" de fun-
do, arvuredos, um riacho, pasto para animaos
i! malla.
Por interveneio do agontc Pinto, em sea es-
AVISOS DIVERSOS.
Nao se cscondam.
lispiridiao liarb .sa da Silva faz ver ao respcila-
*..! publico, que tendo o 'goejado, durante sete an-
no5, pelos Ityares da via-ferrea do Recite a S.
FraOCtN, juica nada llover a possoa alguma do
lilas transacroe; |x>rn se algtieni s jalear seu
orador, nucir dirigir-so ao esiabeleciojento do
liateo do Carino o. 9, no praso de tres das, afim de
egaes, e faz a presente dorlaracit, su con) o fnn
-le deamasrarar a seus infames detractores.
aixeiro.
Preeisa-se de mu co:n praliea di ti orna : na
ra dasUoias n. 8. __ ___
Ein Goia..ua na p.nleri i de Vwira Jnior &
Irinoo, precisa-se de 4 trabajadores sendo uin
lelles bom neslrc de maceira : quero quizer ean-
pregar-sc nesse ostabeloeinionlo dirija-se a cas:.
r.. GO nu da Cruz loja de cra que achara com
<|uem ajustar.
TRILIIO CUBANOS
DO
Recife Apipucos.
Do i" de setcnibro prximo em diante,
a partida dos trens. ser rotulada por urna
i.ibea qne pode ser procurado na estao
Ao Rucho desde j.
\s horas das partidas as estacos ter-
ninaes, sero as seguimos:
DAS UTEIS
Do teife o Apipucos.
Manhaa 6,10' 7,10' IJStt 8J e 9,3 >.
''arde 2,o0' 3,30' 4,2o' 4,30' 5,:0' ,37 8,o c 0,15'.
De Apipucos ao le-..i
Manhaa 6.20' 7,8,5' 9, i e 11*
Tarde 3,35' 4,3o' 8,35' 6JS 8,20" e 9,20.
DOMINGOS E DAS SANTIFICADOS
Do Uecif d Apipucos,
tunda* 0. 7, 8 e 9.
Tarde 1,3, 4,5, b\ 7, S e 9.
De Apipucos ao Recife.
Manhaa 7, 8. l fl lo.
Tarde % 4,5, G 5" 7,-V 8,:; e 9.."'.
Escriptorio da companliia, 28 de agosto
le 1800.
0 gerente,
Raiclimon.
EnlPRESTIMO SOBRE!
no
(SEM LIMITE.)
Na Iravessa da ra
das Cruz, s n, 2, pri- 1
meiro andar, da-se qnal- |
quer quanfia sobre- ouro, m
prala c podras preciosas. 1
0 dono deste estabelecimento, ^
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
( rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas que se
dignarem. de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
t'reeisa-se alagar un molci:ue, pajja-se bem:
botsl do Franca, ra do Commercio n. 11.
lleeominondnmw o mndusloII i!cl Par':eular
d i Porto, ra du Santa Catbariua n. 13o.
Palacete bem dirigido, cora comoiodidades para
homeus c familias decente-, aouJese enconlia bom
tralamento por modieo proco ______^^
Na ra Direiia. loja de calcados n. 32, preci-
sa-se de um caixeiro que tenlia pratica desse ne-
gocio, preferindo-se pnrloguez ^^^^
~CTNCER.
Pedro Ruan|ue de Macedo, acaba do descubrir
depois de grande, experiencia, nm remedio, que
taado sido applieado A muitas pessoas boineopatlii-
ement lem obtido um resultado, (|iif anda au
faltn, quando o rarnedio applieado por elle pro-
lirio, e observada a "sua reerra, em vista di grari-
dade de su.i pieparaeao. O mesmn senhor decla-
ra que noexu'e ,i venda em parte alguiua o seu
remedio exeeprao de sua casa. Declara mais,
sua os vidrns ii'> remedio serao rubricados por
elle com tinta i-acarwda, acoopanhando ao mes-
mi) una djierras para o uso do remedio. Declara
anda que esta prwnpin a farer qnalijrwr enra con-
dicionalmenti', para o que nde ser procurado em
Oliuda, ra Nova n. 4.
Na ra de Hurtas n. 1 precis:.-se do nina
ama para euiinhar c comprar._______
Pivcisa-s do una ama que saiba coziuliaj" e
tanik'in etvnda de engommar, para una casa de
ponen fanulin a tratar na ra da Praia n. 60.
Preeisa-7t7ie7iiua.ama. preferindo-sa escra-
va, para o servicu de urna caa de punca familia,
fra desta cidade : a tratar na ra do Livramento
n. 31, 2" andar.______________________
a ra do Corredor do lJisp, sino u. 31-
precisase fallar ao Sr. Alexandrino Christiano de
Oliveira, empreg.ido da all'andega, a negocio de
seu inter sse, e pedc-se-lLe por esta folln, por ig-
norar-so sua residencia, das G s 9 bnras da ina-
nhaa o das 3 horas da tarde em diante.______'
r= No dia 15 do crrente mez e anno lugio de
casa doSr. Dr. Joao do Hollanda da Ciinha, ra
de Bemca, na Passagem n. 49, onde se achava
alugadn, o molequr Francisco, crioulo, bastante
preto, da l.'i anuos de idade, com um signal de
queiubdura no hombro esquerdo, trajava calca e
laquota de brn, consta que se acha servindo em
loja de emp.illiador, deque offlcial, ou lngndo
que pretende aprender csse offlcio, pelo que se
protesta contra quem llie der agasalho : qnem o
appieliender, queira leva-lo ra da Aurora n. 26,
ondo ser graliQo^do.
Ama
Precisa se de urna ama lvre on escrava que
cozinhe com perfeicao o diario de una casa e que
seja de boa conducta : a tratar na ra do Vigaro
o. ."i. 3- andar.
Precisa-se de orna ama para trrico interno de
casa de familia : na praea da Iudependeucia n.
39. se d r.
Joaquini de Souza Kaposo obtendo Ireenca
de seus credores para vender sua loja de charutos,
sita ra errila do Rosario n. 1G. contratou com
o abaixo assignado a venda da dita loja, e no caso
de liaver quem dircito tenl.a a nao cessao na dita
venda, dirija-se ra de Hortas n. 1, no praso de
tres das, Bndo o praso Oear sem effeito qualqucr
reelamanao, a contar da data deste. Kecife 28 de
agosto de ls69.
Joaqum Vieira Cnelhn da Silva.
Atten$io
Na ra Direit n. lo precisa-se fallar com o Sr.
Manoel Maria Parheco, natural.de Vianna do Cas-
Wllo, a negocio de seu interese. _______
ESTABELECIMENTO EM 1832
Salsaparillia de Brislol.
LEGITIMA E ORIGINAL
EM FRASCOS GRANDES
\14
Precisa-se _de urna ama que saiba lavar e en-
gimmar com perfeie.w, bem como fazer o servico
iiwrnd de urna casa de pequea .'amiba : a tratar
na roa Nova n. 44, loja.
OGMNDE I'URIFICVDOR DO SANGUEI
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'iuua maneira a mais scientifi-
ca por Chimtcos e Droguistas mui doutos e
d'uma instruccSo i-rofunda, tendo tido mui-
tos annos de experiencia ao par d"uma lori-
ga e laboriosa pratica.
A sua composico nao consiste d*um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
oujessento, no sangue ou nos humores;
e estes diflVreiites extractos vegetacs, achar-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservaren ero toda a sua forra, o cu-
rativo especial de \irtude, que cada um de
per si possue. A raz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparaejo, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais pn:zam
e estimam. Na composico da' Salsa-
parrilha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
u5o encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade : c tanto i-ste, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparagoes,
as quaes debati do nome de Salsaparr-
lha, sao acondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo.
dividimos con s consumidores, o giMinle
prowitu \ .i i. '..ido por aquellos
i|iir> acn Om gar-
rafas pequeas. C;t'l:i un dos frascos da
nossa walsaparrilha de Bristol
oonteem a messa qdantidado igual poreo
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue anda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tento mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas prodceles, em garrafas pequeas,
murmurem e gritein contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa fin-
saparrilha de Bristol nao possue a
menor virtude ; porm quo eectivamen-
le sao elles pvstos cm silencio, quando indi-
camos, nu simplesmenle referimo-nos para
com essas centenares de certides c tes-
temunlws authenticos, por ns recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente altestam o poder curativo e vir-
tudes maravillosas da nossa.
SALSAPARRILIIA DE BRISTOL.
A vantagem d termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se cotnpoem as nossas medicinas,
sao produzidas, que nos habilita, ter-
cer aqttelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excedencia.
Em quanto que, por outro lado, nos no
nos poupamos oem a dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o inelhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou incidiente que entra na sua composi-
co ; pois levados compenetrados da
mais firme e persuasiva conlianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
*-.il*apatrulla de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro ; do que
nenlium outro, que vos tenha sido oero-
cido at boje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e cffectiva cura das seguintes enfermidades:
Escrfulas, Tinha,
Cliagas antigs, Syphilis.ouMal Ve-
nreo
Ulceras, Humores Escrofu-
losos,
Feridas Ulcerosas,
Sexo
Tumores Feminino,
Abscessos Apostemas, Nervosidade,
Erupfes, Debilidade Geral,
Herpes, Febra e Malignas e
Salsagem Pebre e Sezes
Impigcns, Biliosas,
Lepra, febres intermitientes o remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pllulas
vegetaes assucaradasde Bristol.
tomadas em doses moderadas em connec-
Co ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expedir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; o
por esta forma facilita a volta e o excrcicio
normal das operaces funecionaes,
Aclia-se a venda nos estabeleciruentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. MajDJn
C., B M, A.arbosa, Bartholomeu'- C.
Irregularidades do
Na. ra Direita, loja n. 32, preci*a-se de al-
gn* offtciaes de sapateiro, que tenliam pleno co-
nhecimento da arto, o boa conducta.
Preeisa-se de um criado: na ra do Quei-
mado n. 12, Io andar.
Precisa-se do urna ama para cozinhar em
ca-a de homem soltero : na ra da Praia n. 2.
Precisa-se fallar cora o Sr Dr. Joo Hollanda
Cunha a negocio de seu interesse : na fabrica de
cerveja n. 3o, ua do Cebo.
Precisa-se de urna ama para casa do hornera
soltero : na ra do Mondego n. 93.___________
k *
Alexandre de Souza Pereira do Carmo convida
aos amigos, parentes c collegas do finado acad-
mico Jos lias da Rosa Calbeiros, para ouvirem
urna missa por alma deste na matriz da Boa-Vis-
ta no dia 30 as 7 horas da manhaa, trigsimo do
sen fallecimento.
Os Srs. Joo Firmiuo Correa deArau-
jo, Joaquitn Juvencio da Silva tem carias
nesta typograpliia.__________________
Corrigenda necessaria.
No nosso artigo publicado bontem neste Diario
sob o titulo de Companhia lyrica, passarara di-
versos engaos typograpjiicos que couvin ractili-
car, para que nao succeda com elle o mesmo de
que foi victima o primeiro.
Os engaos sao os segrales :
Onde dizConde de Waruikla-soConde de
Warwik; onde dizora aquella quera etc.
la-scera aquella qumete; onde dizPer-
gunta-se, primeiro ao libretistala-sepergun-
lamos, primeiro ao libretista etc.; onde dizsup-
plca-lhe, implora etc.la-sesnpplica-lhe, im-
plora-lhc etc.
Outros existem de pouca importancia, que a lei-
tura supnr a correccao.
Luiz Rizzio.
No deposito de arguardente no caes do Ra-
mos n. 8, precisa-se de um escravo para todo o
servico, dando-se comida e 30J000 mensaes, dias
sanios livres.
LSk OJO
Precisa-ealugiir nina ou diJPi OIjIP ^iwi
vmdernarua. p > b-ni salario se a gra-
da fem : para tratar na rua-do ..Mondego, casa iw-^
ineno 2.
Precisa-se
engommar, para
na rna do Cibui
le urna ama/qie fa*a eozinh;
urtti familia : a tr:
casa d phl
n. 1, loja de jola.
ar e
tratar
MAS
Precisase de nina ama para cwrlihar e toniprar
e outra para engomiaar c andan-com crianc^f, pa-
ga-se bem : na praea era' Independencia n. 2 se
diriquem precisa.
Na ra da Aurora n. 34 preteide-se contra"
tar nra offlcial de pliarmacia, qne tenha bas|anle
calda, etc.
Inc
samentos
Pecas de nougal.
Ditas do pik)-de-i^. -- r-p
Ditas de tmara de. oros.
Ditas de cara mito.
Bandeja com armado de assocar.
Sitio

Precisatse alupar um sitio que tenha grande
baixa para capit, e algumas arvores de fuelo :
quem tiver anufcicie ou dirija-se ra do Quei-
mado n. 12, 1 andar.
Precisa-se de urna ama que sai fea comprar e c -
inhar para casa de pouca familia ; na ra larga
o Rosario n. 21, 2" andar.
No largo da Asseoibla n. I!) precisase Ho-
gar um urde me ou una negra, que seja liel e de
"ious costuran! mesmo sem habilidades.
Aluga-so una ca*a sita, no Monteiro. tam'
bem aluga se alguns piarlos pcopriis ptra rapa-
zs : a tratar na na'Nova n. 21. 4" anJar.
Preeisa-se do mu feitor para um sitio do
Monteiro na rna do Crespo n. 23.
Novo Atheneu.
Hoje haver sessao ordinaria as II horas do dia
no pateo do Carmo n. 9,- sendo a ordem do dia,
posse de di crsas commissoes, c aprescnlaco de
tbeee*
Troco miudo.
1 1|2 0)0 de premio por scdulas de U e 25000;
1 0|0 do premio por sedlas de i>, fOj e 20*000
(nova estampa), paga-se por qnantias de 1:0003 a
"i:000 >: n.i ea$a de Theodoro Simn c C, largo
do Pelourinho n. 7.
eiEiMiA dos imm
16RU* DA CRUZ16
Ha< diariamenfe sorrlnent* d* holliohos para chi, fiambre, pastis de (Merca-
les rmajidades, \inlios de.supo)ior qcahda|e, cha Hisson preto, e mioday o melhor qua
se pode encontrar no mencado| amondoawconfeitadas, xaropes refrigerantes, doces da
Incumbe-se (te encopmcndas-pafa grandes juntares, bailes,- baptisades e ca-
los, a saber:
Pes-da-lot enfeitados.
Bollos illl'Ml.
Pratos de doce de ovas.
Tortas (bmadas de erme o carae.
Empanas,
AUGUSTO PORTO & C.
ll-RA DO QUEIM DO-11
Tendo chegado ltimamente- ao seu e-tab#lecmento grande varietode de fa-
iendas de gosto as poem disposigao-de seus numerosos fregoezss pelos mais mdicos
presos passivfis. sendo:
Boupious de cachemir broncos e de crss o que ha de mais elegante para
hombros de senliora. ^^^^
No vos gOstos de manleletos jnstos ao carpo denominado silphides, sirennes,
orieiitales de renda pela de soalinas, o que ha de-mis elegante para una moca.
Basquines de guipure preto, novo g isla, enfeitados desetim deedres! Vesti-
dos d< blond com manta e capella, para noivas. Fronbas e toaas do cambraia de linho-
bordadas. (Cortinados bordados para camas e para jauellas. de diversos quaiidades:
colxas de seda c de 13a e de seda- para camas ftnoivos.
Epingtl lindo gorgurSo-de la e seda de cores, rouito elegante fazenda para
um lido vestido. Sedas de cres e pretas, goj-guro de seda branc e de cores con
listas assetinadas, panos, caserairas e muitas ouras fazendas. cujos presos s3o em geral
nmitc mdicos. Grande sortimonto de camisas.para hornera, tanto lisas como bordadas
e de cores.
Continuam sempre a ter grande variedade do tapetes para sof, para cama
para pianno, porco de tapetes em peras para alcatifar salees, e grande quantidade de
Esteiras da India para ferrar salas.
No esiTiplorio de Domingos Alves Matlieus,
ruado Vigaro n. 21, deseja-*c saber se existe
nesla cidade o Sr. Francisco Augusto do Couto,
(lino de Joaqum Jos do Cont, da liba Terceira
(Acores) com quem muito se deseja fallar, a neg-
ci de seu interesse._______________________
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. i7, 1. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin
'.es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimai-es.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castc'lo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Fama!ic3o.
Lamego.
Lagos.
Covha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Ua.
Barcellos.
Ensino
OfTercce-se urna pessoa para bveonar
em casas par'icularcs ou na do sua resi-
dencia sem designacao de hora e da :
gramimtica portugeza, principios de
arilhmetica, nogoes do historia e caligra-
phia ; prometiendo alm de todo enipe-
nbo o mais fcil c adaptavel methodo,
que em breve dar bom resultado: a tra-
tar na ra do Queraado n. 3.'i, primeiro
andar, das 10 horas da manhaa as 4 da
tardo ; a entrada pelo largo do Collego.
SEGURO
MARTIMOS
CONTRAFOSO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
esta pra?a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
CPPRESSAO SOFFOCAgAO
As rroia A'rthcr no non Clfktab approvadas pela Academia imperial
de medicina de Pai acalmara quasi sempre iiutanUiHcanit-nte os ataques d'asma,
opprossao, sofTocacao, assim como as ores de cabera e enxaquecas. suffi-
cienl na occasio em que apparecer o mal, o engolir-se una bu duas peclas
com uina pouca d'agoa. com ccrtcia o medicamento mais fcil de tomar pura
este genero de doencas.
. a Peroiu de irrehcnihina do roDTOB Clebta.i siio imprecadas diariamente
r6m grande exilo para a cura das nevralgkn, rheumatismo, seiatico e catairbos
da bexiga, Estas perolas foram sempre recomuicndadas por ura grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doutor Trousseau. que indica este medica-
mento como o mais eflicaz. conveniente tomar de -i at 8 na occasiao das
comidas.
A approvaco da Academia imperial de medicina sem duvida a melhor
garanta da boa prcparacSo d estes medicamentos c de sua efficacia.
Depuiito cm I!n>-J.vMcir.o. DuponcheUe; Chtmlot. Em I'eiinahiicco. Manrcr t O*.
* PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
FHARMACEUTICO, 2, RU OES LIONS SAINT-PAUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Com IODIHETO de l'OTASNIO
0 lodoreto de potassio ara verdadeiro alterante, nm depurador de inconteslavel effi-
cacia; combinado com o zarope de cascas de laranjaa amargas, e aturado
sem perturbacao alguma pelos lemperamenios os mais traeos, sem alterar as funecoes
do estomago. As doses malhematicas qne elle rontem permiitem aos mdicos de receital-o
para todas as complicaedes as affeccoes escrofulosas, tuberculosas, cance-
rosas e nos accidentes intermittentes e terceiros; alm d'isso, o
agente o mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranj as qaassl a amarga.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase paslilhas en todos os casos
em que siio proscriptos os ferruginosos.
de cascas de laranjas amargas.
3b annos de successos aitestao a sua effi-
cacia para curar: as doenpas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gastrites, gastral-
gias ; e facilitar a digesto.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO E CAUCO
Elixir dentfreto, para a alvura c con-
scrvaco dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
coutado do calor ou do fro
iv:
F dentifrieio, com base de magnesia
para a alvura e conservacSo dos dentes,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducao.
Deposito em Rio di Janeiro, e. chwaUi; em Pernambuco, F. Manrer c*; em Uaceio,
Falco Diaa; em Pelotai, Antera Lcl*aa; em Bahia, Da Racha; em Porto AUgre, tom
Delta; em Uaranhio Ferrelra p C'i em Ouro Preto, C. J. V. Welcraaa.) em Sosia Cata-
rina, s. schatel; em i/ontm'ilto, O- imbert) em Buenos-Ayrcs, Btcnepareberaa.
MENgO DE IlOMiA
Vendo-so cm frascos
DE FJGADOS FRESCOS DE BACAIEAO ** *
lares, pliarmacia Hoce,
2, ra de Castiglione,
em Pars.
Ll
Resta venda um escolhido sortimento de ob-
ictos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
arand. mogno eamarello, obra nacional e estran-
{eir, de apurado gosto e por prego* razoaveis :
a ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
-asa fazem-se com perfeicao todos os trabalbos de
jalhinha, como sejam, empalhamentos de lastro?
iara camas, cadeiras e sophs.
Precisa-se do urna mulher capaz que queira
ir Mamanguape levar una enanca a seus pas,
dando-se-lbe transporte e pagando se-lhe o traba-
Iho : quem qoizer dirija-se ra do Cabug nu-
mero 7, laja de cera, onde se dir com quem se
devo tratar.
As cnnlraraccors, os oleo p.irdos. d'um clieiro foi-tc, mais C(ir.-.posir5cs Mas rom oloos
di. |K!>os uinimiiis, la.s como o esguazo, a arrala, o p&ocjr, a lita, im ale* Joi tnmatfartt purntlores,
i ioAjio im /ii itgrtaet, fbrsm imaginados para suuslii .r o* v-ri!n!-!i-os oleo d<- f.'f|a<]<>a ,
fr-ir t!c Macnltin de iVrr.i \ta. listes olt-ua cuininuiis ou seos fcu<-ciiTaii.i>s sin j
ntidos na industria p ir procos mal balios, eiu qunnto i'.'.e 03 verdadeiros leos de fijado de li.icalhao
i i sin rclativaiuenM muito c.nro, usto que para oblel-os fmuu c ten mistura cumprc vxercer '
grande vi. i! inda c ter "s bbsIoici cuidados nos proprios locares das pcsca, assim como manda hter
SI. Ma? desdr o auno de 1K'|0. Estts ol.-o-. puros de Bacalliao iln Tcrra-\in dr Clogg
granpi-araui para osle precioso medicamento una fama universal as molestias lsese hjmphaluat, c magreza dos meninos,etc.,c por issj,deram usar a nocivas o desloaos
oes.
O Ico di rioijij ti mui fcil do digerir, distin;iir-so entre os outros leos pela sua
. a i- do palba, o neo eboiro suave c delicado, o seo gosto de sardinha frosca.
O r.KI.ATOIlIO faioravei do clicfc dos iraballioa cliymlcos da FACULDADE DE MEDICINA DE
| l'MUS conche como segu : O oleo cr ile palha de ti. Hogg ciiilrm urna terca parle de prln-
ciptoa "< o mal do que os leos lardoi e nao aprsenla algum doi inconveniente que se
ic'nr'i n'clrs, quontti ao iheiro e labor.
\ Vcodc-ae na lotlas a phnt-uiacloa da Frasca e loa polaca rstrnnyelroa.
8
RA
|0O
CABUG
esquina
|da rna larga do
Rosario.
AO ANNEL
DE2
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por preqos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prego das jolas cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
vados**
A loja est aberta at s 9 horas daTuoute.
RA
esquina
da ra larga do fu
Rosario.
Bat



',
k "1 1
i* 1

-
Diario de Prnawbuco Segunda feira 30 d Agosto de 1869.
O abaix le, fommereante em Bneno>
Ajres, e ora testa cidade, cumprindo ns orden il-
sau pai, o Sr. Jiiti Fernandos Duarte, morador en
Bareellos, reino de Porlu:al, e nico hei 1 -iro il
sen Uado lilho Antonio Fernandez Duarte de Al
uieida, cemmereinnteque foi nesta cidade, faz pu-
nteo para coohecimenlo d.iquelles, a quem pee>i
interessar, que Itca desde ja prohibida a alienar:
de qualquer bein, o pagamento de divida* e qual
3uer (intra transareao relativamente a heranea (lo
ito finado, pois i|o o pai do annunciante leih te-
tirado os poderes qou ceolerio ao Sr. Frmofaa
Fernandes Duarte para i arrecadado da diia I e-
ranea. O annunriante roga especialmente aos se-
ntare* tabeltiaes que nai lavrem eseriptura alga-
iha de contrato quanlo a ucn* de dita heraw a,
mediante procurarlo do data anterior a do pivsi n-
te anaunrlo. Hedi 21 de agosto de 180.
_________ VanoH Fernandes Dn.irte.
ATfENCAO
O abaixo assipnado, na qu diTadc de prneura-
dor bastante do Sr. Francisca Fernandes Duarb
boje era Portugal, vera iterante o Ve -peitayel pu
blieo protestar contra a maligna nsinuacio feil:
<;m um anmfncio buntein publicado nesto Diaviu
contra o momo Sr. F. F. Duarlc, soto a assigna
tura do Sr. Manuel Fernandes Duarlc ; o qual.
som produzir a procuracil) bastante, que diz le
de seu respeilavcl I ai o Sr. fnSo Fernandes Duar-
lc, residente cm Bareellos, uaquelle Reino, prev
nio quem possa interesar, q'ie leava desde j
prohibida a alienaran de qualquer bem, o paya-
ment de dividas, e qualquer uulra transacra*
rolativamenle heranea de Antonio Fernando
Duarte do Almeida, alli fallecida em eslado de
solteirn, sem desrendentes, mas estahelecido nesta
f]d de ; pok que o dito Pai d'elle annunciante
tinha revogado os poderes que conferio ao mean)"
Sr, Francisco Fernandes Duarte para arrecadaco
da dita heranea ; assim orno que rogara aspe-
ciaimente aos Srs. tabclliacs para nao lavrarem
scriptura alguma de contrato, qaanlo aos lieu-
d'aqneU'outra proenracao.
Km verdade, o Sr. Manoel Fernandes Duarte
procurou d'est'arle derramar urna preven?* dos-
airosa contra -cu honrado irmio o Sr. Francisco
Fernandes Duarte, aprovpitaado se para isto do
sua ausencia d'csta (Jidade, onde at o prsenle
tan semprc pozado de bastarte crdito mercanlil
e de reputacaojdhbada. como- publico e notorio ;
sendo mais estranhnvel esse procedimento do
Baeatno Sr. Manuel Fernandes Duarte, quando, ha
poaco, elle aqu chegoo Je Portugal, onde esti-
vera com aquello seu mano, nao acompanbou o
comumnicacao aljmma a respeito dossa supposla
revogacnda referida proenracao, naohavia otes-
mo motivo para i-so ; o dijo Sr. Francisco Fer
nandes Duarte est na metfcor harmona c em in-
mediato contacto com o seu respeilavcl Pai, se-
gundo consta ; e os bens constitutivos u'aqnella he-
ranea eslao siib a vigilancia e guarda do bastante
pr-Tiirador do Sr Francisco Fernandes Duarte :
o qual pur certo nao os alienar, ncm o faria em
caso algum sem estar para isso devidam- nle au-
lorisado ; o que ludo faz crer, qae o Sr. Manuel
Fernandos Duarte, se njko o um verdadeiro in
truso ne-se negocio (como parece), ao menos lem
pr'Hvdid" com umita precipitan^, temeridade, e
pirito ofTensivo reputaran de seu proprio mano,
e a do abaixo assignado ate boje Ilesas.
Entretanto, pode licar corlo o Sr. Manoel Fer-
nandes Duarte, qae na lograr qailqn r lirrrrr
scus intentos, porque tia> lera justos motivos
ara desairar aquello seu digne mano, nem tam-
Jociii ao abaixo assignado, seu procurador bastante
nesta Cidad.-, os quaes sao notoriamente conhrci-
dos cuma incapazes de qualquer acto repmvndn,
beif*)nw nao se-introiiieltri tnaos lavadas, e
seas-es meieacvmpetcMta*- na *d.Mi*traeo dessa
hi-ramca, \a qual o Pai d'eile j deven ter reee-
bio\|s cuntas mais c\arta>. e aetur-se plenamente
satSsfito.
CW Tribunaes d. lrasil < fferceem as necessai as
Sarnlias para cn*s ligar ns injustos olfrnsnres da
repntaco alheia, e assegurar os direilos de quera
qur, que tor.
Henfo, -."i de agosto de WfiO.
HnrnWfrn fnritx rif Aiunjo.
_ U .iiiaix i u-.i'juadn, priH-urad FriMei -ai habilitado p'.r carias, ipie cana de receber de
l!atroll..j, Riihi de Portugal, do Sr. Franefcen
Femandos Duarte, as quaes offerece i|u.:ii i|ueira
' rexamiii i- ra do Amorim n. to o a ra da
Oajki.-i ii. ">.). iKii> desde j afHanear ao re-poita-
vclfublic.o, y; o Sr. M.iiioel Fernandes Dnarle
f.iUauenie .! ten ineulcado em seos anqqneias
neste />ir/'<>ser oocurador do son res|HMiavcl
l'aj n Sr. J.wo Fernandes Duarte. alli residente-
pan arroftdscin da heranea de sen imn Aio-
nin Fernandes tararte de Al'm ra fallecido em es-
l.i;bdc soi'.iiM. o sem li^rcBdeiites ; pnis, sendo
ocrtii que o me-ino Sr. Manoel PVnndes Doarte
alrt*h'gaodo i!- Huonos-Avrescom arrotos nsu|i-
porlaveis deuui vi-rdadeirn opulmt ,pr tod>s os uieiiis ao sea alcawe inspirar emtanla
parkobter a -.-iia su.'pirada procur:ieao, mas com
lanpnhn ini. lioidaoV (para elle, improvisado Oeso
l' fres,-1 >\ u). que Ihe loi rcfu'UKfa com a da energa da um bora Pai, que ptonanwiUe o
onh Ihe merecido drame 21 anims ile sua anserria
de Pnrtu.'alponen man <>n meisnns pvmit-
S/7. VUras, sAoeheiro daquclla heranea otaria
muver-sa de tao lonne para ateanear aquella pro
va de ciiiliaiira. de que, poresso sou ingrato pro-
sedimento >e baria tornado menos digno, cuino
de primeira intui^ao.
Assim p.s, o abaixo assignado oslando sMo-
risadu por cartas do mesino Sr Francisco Per-
Bandes Duartedatadas de 36 de Jonlm, 9 de Julh>
e 10 do Agosto do crrente anuopara dar esse so-
lemne desmentido ao siijirado Sr. Ha noel peinan-
(les Dnarle, e faze-lo eenbecer peranle orespeita-
iWpoMirnroma um intruso priwurailoi- de sen
l'ai (para nao ou ar tialilica-l.i de um verJadeiro
larmfo), lem anda a ecresrentar, que o uiesm<
Sr. Manoel Fernandes Duarlc mi laldosharmoni:i
edes|Hoto rom seu pruprio Pai. d'alli sabio ipn-
flVil- d -ixoude -e lesp.-d;-, e awim >e reliron para
esu ("adado al'nn da wperar o Vapor, que o devora
I" "* "-indt's faztttdus em l!uonos-Ayre>
eom vento fresco.
i-.n. ..jii.i, ,..i a que o Sr. Manoel < eroande*
Dii'ite |i i-sa crer omieimo proposito uffen-
siyo da n rte do abaixo assignado, que hoje hwM
seieute isi.i de iml iquanto alli oceorreu a res
peito desM-Na /,'iitntica lafWii, atd awwnnda-
muoioraveis patawa* com qae ara venerando Pai
re-|ionl u-llie qtie a cslnriw piesrnti: tuto m
jamprladH pa,-n ftte ir mfmtr aserto e por
OHUfgtHH/t ,iu o tuto fuxtein*miiu)diii:~o abaixo
i-Mgnad i pJr rom instancia ao dito Sr. Manuel
'ertiaii.l'- Diuie. qu<- por sea proprio brie <
haara man e publicar, quanto antes, neste Dm-
ria H*sa '-i proenracaj, que ineulc^ u>r,
sob |mjii;i Jo *-r considerado na ofun-i publica
inaiaw digno da t, a concert, qua deve uiere-
'er;^siin cuum^aaM tcnlia a liutidit sitar eHi alaiiiii Wtjar do ana eseolba aquella
seHipri* ill ola procura cao para que se poss e
reir:ir a respectiva lirina, e por sua woz elle po.
ti ol ii i'oiitrariv aos qno n> ipiizeram
acfti'i'. imiito menos hoje n'aqaelles sen-
11 .i
rriLin
ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
mciini ii ciiiTiiiiuiTj ibi Mirini iiitiiirti h
curifli SOL:
De todas u qualidades!
De todos os feitios I
De todas m procos f
RA DO CRESPO
ios *o:ooo^ooo
CASA DA FORTUNA
R U Crcs|> u. 93.
O abaixo assigna i! 'ido brenca da prc-
gidcncia e safisfeito as outras exigencias da lei.
avisa ao respcitavel pnblico que ter sermre
venda no sea estabelecimento bilhetes das lote-
ras do Itio de Janeiro, cojos premios seio pagos
limpiamente vista das listas com o descont
smeule da lei.
Precos :Infciros.. 21*000
Meios... il000
Quartos. 6*000
E em qnantidafle maior de l*X)/000 na razao
de 2-J000 por bilbete.
Manoel Martins Finza.
COSTREIRT
Cose-se costuras de alfaiat-- a moda fran-
c.oza, por prcco commode, na ra Augusta
n .H2. e d-s fiama sobre as mesmas.
sea es-
O advocado
Affon-o de^lbuquerqne Mello mudoa o
eriptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
MUDANCA DO
4LUGA-SE
i
Aluga-se o -2' amlar e soto do sobrado
tratar no armazem da Expsito de Londres.
da ra da Gad do Recife n. 00 : a
II0II\III\ lili tris
Precsa-se do ura bometn que d fiador de sua conduela, para tomar cont de
um sitio, perto da praca e do caminho de, Ierro, dando-se assim moradia gratis: a
tratar naExposic5o de Londres n. 00. ra da Cada do Recife.
Tintura instantnea de Desnour, c real de Jaymc: vende-se ra do Quei-
mado n. o\
Salao de cabelleireiro.
onde tambera se enoontrar um explendido e variado sorimento de perfumaras finas,
e dos mcltiorcs fabricantes de Faiis.
Bu ai
_ d aa
ff ce
A w
3 a
4!?
_ n rz
c35'33
' 2 -
S^ o
S sr di- al _
A

S a
o -3 .
V. "
M 5
g, -,
f ala.
5- -.xi "2,
3

T3
O
O
B
es
o
ti
es
>
S
9
Albino Raptista da Rocha participa
a todos ossc'is rreguezesquemudou-
so com a sua offlcina da praca da
Independencia n. 12 para a ra das
Cruzes n. 23; previne, portante, a
todos os amigos c Ircguezes que se
achara em casa a qualquer hora
do dia, para executar todo e qualquer concert
que de sua arte exigir possam, tendente a sua
prulisso; e em sua falta acharao com quem
tratar.
Aluga-se um sitio com boa casa de
vi venda eom commodos para gran-
de familia, na Passagem da Magda-
na, em frente ao sitio do Sr. Baltar
& Olueira: a tratar com Domingos
Alves Matheus, ra do Vinario n. 21.
URGENCIA
ALGUEL.
No Coracao d Onro se diz quem precisa de
urna eserava que sirva para comprar, cozinhar e
enpommar, para casa de familia.
.V.I.
Precisa-sc de urna ama que saiba bem cozinhar:
no pateo da Ribeira n. 13.
Aos 20:000^000.
'.%*.% DA lili.
Os abaixo assignodos fazem scientc ao respei-
lavcl publico, que teem venda os seus muito fe-
lizes bilhetes do Rio, ra do Crbug n. 2, lujado
Sr. Malheiro, pagando-sc avista das lisias smenle
com o descont da lei.
PRECOS.
Intciros 240p
Meios lOOO
Ouartos 6000
Do 100-5 para cima a 22*000 o bilhete.
Vicira 4 Rodrigue*.
Notas das caixas filiaos do banco do Brasil,
trocam-se com mdico descont, na luja de Manoel
Soara* Pinbeiro, praca da Independencia n. 22.
ir
3 a
|s o
O 3 a
< s; a 3 '*
r y a a
a 6>
o a o 'ji
^
Sdi-1
BJ'S 3
' S O.
f
<5
ct>
m
S3
ce
. 3 a ts v>
=* -> c 'a.
S c mo
CuS J c ?
i 5>nT S-
"" OS 1
2
(V
O
3

O
ir
S 2
1
o
i
o

i
3
0
8
<9
\o>a tiiiluraria IVancoza
da ra lo Rasarlo da Boa-vista
n. 44, do itio Nchneller
Tinge e limpa com a maior porfeicao possivcl
iodo e qualquer objeeto de seda, liia, algodao, ca-
semira, etc., etc., em peca ou em obra, tira o mf
fazendas, assim como Unge chapeos do feltro,
palha, manilha, c tudo mais eoncernente sua pro-
ilssSo, por preces muito razo.iveis.
\\KOBK
DE
m PARRIUIA DO PARA
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pullo, impigens,
dores rheumatieas.e uleras venerca,
UN1C0 DEPOSITO
Ra larga do Rosarlo n I O.
Dividis.
0 abaixo assignado, arrematante das dividas do
espolio do tinado Jos Manoel Pereira do Menda-
nlia, avisa aos llovedores do dito tinado que man-
dem sali'fazor seus dbitos, no praso de 30 das,
contados da datar deste, findo o qnal proceder a
cobranca judicialmente ; na ra das Ciuco Puntas
n. 82. 'Recife 24 de agosto de 1861
Joo de Azevedo Pereira.
(MilEU.4 G MODISTA
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n. 7.
Tetn a honra de panecipar ao respwtavel ptibko e em pai titular seus fregue-
zes.quo. pelas ivlages que acaba de encelar onnalgnmascustnreirase modistas das mais
afamadas da Paria, que tndos os mezes lite mandam ligminos, de vestidos, rnan-
t'-Ietes e chapeos que estro nu maii/r gusto e mais moiiernus, se acha habilita-
da |>ara fozer vestidos para passeio o visitas, bailes e easameiilns. As seniioras qno
afKinrremcoinasuarreguezia, nudeixaroile SHr salisfeitas, tanto pelo bomgostn.coam
lela barateza dos preces e prompdo na entrega das encomineidas ; tambeiB tem U'-
oitos imfeites milito modernos e de todas as cores. Fazem-se chapus de todas as qualidailes
aillo d lila amio de palha.
FElTOil
Precisa-so de um feit ir que entenda perfeila-
mente de hortalioe e trate de cavado, para tomar
conta de um sitio perto da cidade : a tratar na
ra da Cruz n. 42, t* andar.__________________
Procisa-s** do um foitor portuguez para o
engenho Maito tiro so comarca do Rio Formse;
a tratar com Joan Benio de Gnu vea no mesmo
onffimn oa eom Leal & Irma, ra da Cadeia
n. 56 I." anrtar.
Mikroskope
tisehen, ObjetivLin-
sen.
Barometre e tenuo-
inelre. Centigrade
e reuumeure.
BELfiS PERISCPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. *. Germano, recommenda ao publico, seus xidros periscpicos aperfeicua-
dos; porque, com este; \idros, a vista descanra, furtifica-se e nao a canea como cmi
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido um vidro, pode durar dez annos, emquanto
que, com os vidros ordinarios se esta obligado a muda-Ios todos os annos e os ter
cada vez mais grossos, o que altera o ciystalino do odio e delcimina quasi sempre do-
res de cabeca. 0 alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do Albo, e,
todas as vezes que o objeeto est mais perto ou mais loig-i, os raios que expela sao
mui convergentes ou mu divergentes e a viso nao perfeila. Um prando numero de
pesseas tem o defeito de fazer convergir muito de sorle que a vis3o nao distincia.
Com a applica^ao de meus vidros pde-se vencer estas difficuldades. Para os que tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mi d
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos e deixa ver tao longe c< mo as outras-S'istas. Quan-
do o ciystalino muito chato, o que suivede aos que tem chegado a urna certa idade.
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e nao enxergam seno
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxcrgar{io
tao distinctamente como na idade d^ 18 annos. Serviudo-se desles vidros quando a
vista principia eufraquecer, previne-se o mal.
F. J. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olhns, a es-
colher, a primeira vista, seja qual for a iade e grao de vista, oculos proprios para
qualquer pessoa,
l?ara que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myope, (vista curta;. Para avista que nao stipporta osraio-
Para vista que se cobro de nuvens.
Para a vista que por momentos, v cs-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as palpebras tremem
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sodesiguaes.
Para a vista que se tuna com o traba-
Ibo c a leitura.
Para a vista presbyta (vista longa).
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para vista que as palpebras esto cer-
cadas de sangue.
Para a vista que ura dos olhos myope
e o ouiro presbylo.
Para evitar finalmente que o crystalino
olho se cobra de catarata.
Sortimento
para thealro.
de binculos
e oculos dt
alcance otra
rinha.
o campo c ma
Tem tambera grande sortimeim .
cima de mesa dos mais lindos modelo.. h< u^ios
Lunetas, pinca-nec
face--maiB, onro, prata,
tartaruga, bfalo, ac,
getc. etc.
i,v. do hoias e-para
aloil.eiia, de ouro, pialo, pryln
dourada efuleada, inglezes, suissos euiisintaes dos melliorts e mais afamados l'uln i
cantes.
Vendas em grosso e a retalho. Km Pernamhucn.
N. 21=Rua NovaN. 21.
Precisa-se de
ra Nova n. 3.
Ama de leitc.
urna ama do leitc
a tratar na
Ama
Precisa-se de nma ama para cozinhar e compra
para casa de pouea.famihs : na roa das Croz*--
n. 28, t* andar ;. prefere-se eserava e paga-s
hem agradando. ^^^^^
Feitor
idos.
i-.., i .i.-iiW, ,i aliaiSi"! assignado t.iiulieni pdr
asaemirar au respnilavel puMiem, avista il |ii> lia>
eajiav. que i-ri prompto franquear(uo a Si.
Frauei-iM K.ro.iud.'s Duatu ola n^s melhwri-s
rrtr>-' '. o7. i 11 com o sen re-peitavcl pai.
jweekendo delk 3s maioros provas de conGanca
cced.;u, que Uie prestara
ta>: .ui.:> (-rvii.w mu urna gra ve c:il.rjiida'fc qu.
.olTr.-l;!.
I'.iri't-.: |ii-. que i. istoft qwe anais aflige,, e in-
mu o mI.i ai ii. Matoe Pernanits Du.rte, por
lor-tiu .'ni'ito. i|ue leven, deuois le 21 anuos
ii Irnig i iii-i-nria. e da total privacao desna-
ciaveia tu!trias '. til
>' de ;igosto .le I8G9.
Franekeo Guedtt de Aro*ja.
Joaqnim aftaoel Lopes da Silva faz pn
para setnela do respeilavcl corpo do eommircio c
Jo .) .i o ii..i- i >.->* intui;ss.>r< que na |iiesente
.'na do barco lo Cainneriu
Jl. 4, ao Sr. Antonio Gomes di Costa l.eUc, livre e
ileseiuli:o.o el.i de debito?, o de nualqier onns;
jul.K.i ii nt i ii-ver, mas se alguem se julgar seu
ir, 'una a hondada de apro^entar sim eonta
no pra-o de (rea din* na mesma taberna. P.ecife
23 d 181;_______________,
O Rvm. padre quoqtiiief conlratar a capel-1
lau.i i Ji O'oewcao da estr^ii de i*4n de
Barr.-. diii|a-sf ra do Lirrainento, I >ja de cal-
iadju. 37, a fallar cotu Ferreira Juuior.
ve
RIJA DO CRESPO N. 7 A,
PMMK1R& ANIIAH.
ANDHK r>f?LSUC. ltbrll iretro (krrVis, tem a honra de informar ao respeita-
publico, que abri receutemente, para os juvsleres de wia arle, ra do Crespo
0. 7 A, prkneini andar, um elegante salo Un XV, ornlo com naior gosto.
Com a vantagem de ji t>-r sido |utsiiHerrtt apreciado pet (Mibliw parisiense e
pernamliueaiM o auuliaito por habis empregados francezes e bia.-ileiros, offerece o
seu Hrestmn* aos cava^im y As pxcelleriliw'iinavaelilwn qe ohonrarem eero soa
confi-tna, encarregando-se de qu*lquer pvite^di de .baile O.eatro, soire, noiva etc.
etc.; e fnrneceodo toda a especie de objectos para ornamento dos preowos cabriiw
le Ss. Eics.
Airdn Deistic, teuti* em vista a utilioVule dos frarjtwstadorrg 4e seu sataVete-
'imento, tem preparado, outra sala, com entrada especial, on i se encontrar gempre
iMKft Pto nt-Tn*em pvffuniartasi extwb*, saitonetos. p* d* arroz, ditos pai a
di-lites, lavas de Jouvin. ele, einiim o mais completo sortiirtKnti> dos productos dos
perfumistas Lubiu, Coudray. Piver, Riramel, Grnsnell, etc., etc..
Auradett'nd.i esdo y\ a todas as fimilias que o'.obsequiarem, utilisando-se de
seus servicos, Andr Detauc compromett^-se a fazer mrio o que estivor as seu alcance
para completa satisfago <** a freguezia pernamliucana.
Prccisa-se de um homem que entend de todo o
rvieo de campo, par trabalhar em um -itio : a
ti atar no largo da ribeira da freguezia de S. Jos,
~ miU mmk
Aos 4M0&
Bilhetes garantidos.
\ rtrrdo Crespo n. 3 e casas do costme
O abaixo assignado tendo vendido alm de nu-
tras M.rles I lew n. l eom i:000* da lote-
ra que ae acahon de extrahir benelicio da r-
dea* terceira do Cumio do Itecile (117') convida
ios possuidores a virem receber na conformida
de do cotume sem descont" algum.
Achani-se a venda o> bilhetes da 5' parte da
lotera a beneficio da ordem lenvira do Carmo
do llecife (118 ), uip vtrahir no dia 2 de
setemmro do crrente anno.
Precie.
0* do costme.
Manoel Martn Fioza.
DENTISTA i PARS
19Ra Nova19 .
FlIERERICO 4UTIER
arurgio-dentista, muito conhecido ha dez annos n'esta -cilaile, pela perfeiSo dos seu
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitave publico que tendo feito moitos me-
horamentos na sua casa, pode d'hora vanto receber as senhoras no seu gabinete onde
icharSo os commodos precisos para familia.
Acha-so tambem na sua casa e na sua companhia, o seo sobrinho e discpulo
J. IEROLX
j qual acaba de voltarde urna longa viagern a Europa, durante a qual praticon com
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Lomlres, offerecendo assim as melhores
larantias do bm desempenho para tudo oque for relativo a proflssao ; por isso o
Hinonciante pede aos seus amigos a clientes que por acaso o n5o encostraren no seu>
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma conliancacom que o lem honrado
i dez annos.
Dentaduras por tolos os systemas: a press5o vulcanite e um inteiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical dos denles cariados.
Chumhagens (obturnoes) cora ouro e enm massas diversas, segundo os casos.
Kemedio para acalmar as dores de rlentes.
Aguae-ps rlentrilicios fabricados pelo propio annunciante, o que Ihe permiti aas-
;ar sua boa qtialidade.
Escovas para dente?, etc.
PerfeiQo de trabalho e presos moderado.
Vinyens pora fura mediante ajvsto previo.
0 gabinete arha-se aberto das 8 horas da manha at as 4 da tarde de todos da
lias uleis.
M
ANBRfi DELSUC
aBELLEIREIRO DE PA1US 7 ARA DO CRESPO7 A PRIMEIRO ANDAR.
ATTElNCAO
Precisa-se de una ama que saiba comprare co-
aioiiar. para ea de punca lamilia : na ra larga
do osario n. S andar.
w/mmmmmmmm
O a concellos Menezes de Drumiooiid, m
miidpti i)sen *tS)pt<>rio pira a ra j
do Imperador n. 20. mul pode j
*er proeara prt o extreicio de I
soa prolisso em todos os dias 1
tattis das W'fcora da manha at |
as 4 horas da tarde. Fra dessas a
horas, o para qualquer UCCOJT8QCM !
urgente, ser enrxmlrado. no seu
didr.Hft,.*ri da Aurora n. 26. I
FLOR BA BOA-VISTA i
IjOJA Uj
DE -j-3
rSPALO FERNANDES DEMELLO CIMARiES -^
-*^ SOB A DIRKCCAO DO MUITO HBIL ARTISTA C^5
3 ALFAIATE PEDRO i
dfcrece-w W* 23aflOO pelo alugnel mensa
de UHWfScrava (pie sea boa vendedeira de rn.
de talHii|ue seja llel, bem cm o um mole-
que de boa conducta : na ra da Praia n. 68.
Nesta offieina encontraro os respeitaveis fregoezes um dos primeiros artfetes
em alfaiate para bem poder satisfazer toda c qualquer obra, tanto no bom corte, cobo
no a^erfricofimento das meSmas.
Tonia-se desaecessario rer.nmmendar tste artista, pois que a sua thesoura.ji
bem onhocida, (e com grande especiahdade em fardas) por murtas pessoas distiortw
tiesta cidade"
Acb r-se-hao fgunos de Indas os mezes, p4o que o artista esecuta debsso ds
todos os pteceitos d'arte qasqoer urna obra em fece dos mesmos.
0-mesmo estabelecimento ks acha mnnidu de um cnm|Heto sortimeoto do-fa-
zendas, como sejarn : caserairas de de cor, ditos brancos, seda para colleUs, merius, ele. e mais fazendas propriis
nlcina.
0 grande sortimento de roupas feitas que tem vende por meaos 20 OfU ds
que em .outra qualquer parte.
SUA DA IMPERATRIZ W. 48,
jauto padaria francesa.
11
"v
II ruwi
lubl ti



Diario de Perambuoo Segunda feira 30 de Agosto de 1869.
ESMERALDA
GRANDE HOTEL
DE.
ORIENTE
Ra larga do Rosario n. 44.
Esficciilidade na preparadlo dos gneros ali-
menticios, promptidu e assefa as eni'utitnv-ndas
a boa organisacao no estabcleeimcnto. Recebem-
se as-ignaturas para o estabeUeimeoto c a doitiiii-
10, facilita-so a leilura de jurnaes naciunaes e es-
trangeiros. Espacosa sala para o elegante jogo de
billiar, c ha decente c comnioda bflfpedagfin.
Na prnca da Independencia n. 33, se da di-
inifiro sob penhores de ouro, prata e pedras pre-
EJONW, e seja qual fr a quantia : na niesma casa
* compra e vende nbjectes de ouro e prata, e
igualmente se faz toda a qualquer obra de ene.oni-
:nenda o todo c qualquer concert tendent :i
Desoa arte.
cuide De ra.
largaieaioa at (|e..........
aa rua Dirutta n. i>3, leja de ferragens, que
i^saj fallar ao Sr. Antonio Frwtaco Duarte
efen irmao ex-deptitado provincial Dr, Maxi-
nnano Francisco Uuaite : deve sabor quem ...
gmmHM m IH
Precisa-se de una ama do le te, na
rua da Impcratriz n. 18, preferindo-se
do mallo e sem flllio.
Moreira Diiarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sea estabelecimento
de joias da rua do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-o ao res-
peitavel publico, a quem offerecem nm es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\ 3 HIA DO CANGA \. 5
Madama Adour tem a honra de par-
ticipar ao respeitavcl publico, amante dos
nossos theatros lyricos, que recebeu pido
ultimo vapor da Europa, sabidas de baillc
e bronus do ultimo gosto; rua do Imperador
o. 23 Io andar, e que vende por barato
preco.
Vicente Alvos Moreira, agenciador de ven-
das de oscravos, mndou stia residencia da rua de
Hurlas n. O'i para a rua da P;.z n. 31, onde seus
freguezeso poJerao procurar para a incsma ocru
paci. Recebe escravos ein commissao, e protnette
jrompta venda.
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os lmannos para descarocar algodao, do
muito conhecido fabricante Eagle Colln Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e do todos os tamanhos para descarocar, al-
godao ilo autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas do Koller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodao.
MACHINAS de faco do fabricante Plalt B. A C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melbores que tm
vindo ao mercado ; o para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores l
virem a exposico das mesmas na na da Cadea do Rccife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontraro mais o seguinlc:
AOS 20:000,000
Cusa da fe icidacte
N. 22PRACA DA INDEPENDENCIA N. 22.
Os abaixo assignados, tendo oblido ficen-
;a da presidencia e satisfeito as nutras exi-
gencias da Ici, avisa ao respeitavel publico,
que ton sempre a" venda bilhetes das lote-
ras do Rio de Janeiro, cujos premios serao
pagos promptamento a vista das lisias, cara
o descont smente da lei, pelos pret.os
seguintes :
Bilhetes inteiros... 245000
Muios..... 125000
(Juartos... GWO0
Veras -i7 Rua do Imperador 37
nico deposito de loucas do Barbalho e
da villa do Cabo, mudou-se da roa das Cin-
co Ponas n. 12, para a rua do Imperador
a. 7, com grande sortimento de loucas
para aguas, jarras, quarlinbas e muringo.-
cannes vidrados e por vidrar de urna i It)
pulegadas, os quaes vende-se por menos
M que em nota qualquer parte, por ser
ii tnico recehedor de loucas e cannos, da
fabrica do Barbalho e da villa, de Cabo, o
qual brevemente ser nowameotc annun-
cindo.
Francisco Garrido nodo do retirar-se
para a Europa a 'onselho dos mdicos
vende o suu bem conhecido e, acreditado
Hotel Central sito a rua larga do Besara I9
andar. Os pretendentes podem dirigir-se
ae>niesmo,- a quakpter hora do dia.
Aluga-se o sitio u. da estrada dos AlHrc-
to?, com ama grande casa assnbradada. com inul-
tas aore- de fructo : a tratar na rua da Iiupera-
'riz n. 20, 2" andar.
Debulhadores para milho.
Cylindros para padaiias.
Arados americanos.
Carrinhos de m3o.
Machinas para cortar japim.
Cannos do chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Tenas de ferro galvanisadas.
Folhas de zineo finas. t
Ditas de cobre e lata o.
Feito de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Faces ditos.
Balaios e cestas de verguinlu.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos o safras para ferraron
Finalmente muitos outros artig
dtversidade seria enfadonho emwroera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas. ^.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correnles de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinbos para refinacoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de tudas as qualidades.
Senas avulsas para machinas.
Maneaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
Eagomma-se roupa tanto de homem coinode
-enhora, com perfeicTio : na rua do Caldeireiro nu-
mero 16.
Obstnicco
Do Agudo e do ba^o
Os preparados do JURUBEBA (viiiho,
xaropc, ]!ttlas, oleo, empl -slro e tintura)
san ellicazes contra a obstruecao do figado
o do baco, a ictericia, a hydropisia, as febres
intermitten es e durezas, os desarranjos do
estomago, as fallas de sairgue e de mens-
truarSo, o catharro da bexipa, etc.
Unco deposito, pbarmacia de seu autor
de J. d'Almeida Pinto.
Rua do flosaeio Larga n. 10. junto ao
quartel de policis.
Precisa->e do nina ama do loito : a tratr no
pateo do Girara, esquina da rua do llorias n. 2.
AMA
Loja de miudezas de Ferreira daCunbaA-
Ifcmporal, na do Quetmado n. 03, est
quintando por todo prec :
Jogo de vispara a e .'iOO rs.
Redes pata coques a 2iO, 'sOO e 500rs.
Liaba d>; 2UO jardas (doiia) 15200.
Caixa muito lina para p de arroz 1.5J00.
Relogio de sol 120 rs.
Latas com banha 100, 200 o 320 rs.
Agua florida verdadeira a 15300.
Agua divina dem 15400.
Grvalas pelas para homem 4 0 rs.
Pentes de travs** para menina 320 rs.
Olio pbilocome verdadeiro L)2flO.
Adereces de plaqu Lj.'KM), 2:> e 5/).
Meias cruas [tara homem i 3S-J00 e W a
duza.
Bolees enfuilados para vestido, 15200 a
5 duzia.
Leques do santol 35, cada um.
Dittos de madeira 35 cada um.
(boques de tranca, boa fazenda, 25,
25300 e 3t> cada um.
Meias linas para senhora 15 n duzia.
Banba em Irascos a 400, (140 e 15200.
Frascos cota extracto muito fino 25 e
2Y-k0.
Caivetes de duas folhas a 210 rs.
Sabonetes linos 80, 100, 200, 240 e
320 rs.
Olio babn 400, 300, 000 8 800 rs.
Agua de colonia IOO, 300 e 800 rs.
Carlas francezas 200 e 240 rs.
Caixa cora extracto 25300. /
Carlas poi-tupuezas a 120 e 200 rs.
Peales brancos com costa de metal
320 rs.
Preoi-a-sc de urna ama escrava para o setvice
do tima familia de tres pcssaa : na rua da Cruz
n. 68.1 andar.
Fajio de novo no dia ift do corn-nte da r -
liuacao do Sr. J.niiin> Jos da Rosa,onde 50 aclia-
va alagarto por autori-ayao do Sr. Dr. juiz do
commercio. o escravo Antonio, perteneente mas-
sa fallida de Amaro Gonealves dos Santos; fo
vi slido de calca e camisa azul, crioulo, preto,
alto, magro. "IIios grandes e apitombados, andar
inclinado para a frente, tum ti ann.is de idade, e
costurna eaibreag.ir se : roga-se a qualquer autu
ridadi* policial oa capitao de campo que o encon-
trar, qne o apprchenda e reci-llia-o casa do de-
leDcao, uu o leve rua do Kangel n. i8, em casa
do abaixo assigoabo, adiniubtrador da referida
ma?sa.
Manoel Joaquim Baptista.
AO PUBLICO
Sebistiao los da Silva Brara e Lniz Jut Pinto
da Costa, sricmMeam aoresp itavel corpudo coin-
mercio e ao publteu qne c-to eootnlaitos por so-
cirdade para compra e venda de algodao na pren-
sa de algodao da rua da Lapa ns. 12 c 11, cuja
firma ser Braga Costa, que ter principio no
de setembro do corronta auno, da qual sao os ni-
cos responsivas Recife 30 de agosto de 18(19.
Precisa-se de um csrravo >ie 18 a 25 anuos
que seja peca.: na rua N'< va n. U. 4" andar.
7M
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvado recommendado pela Academia imperial de medicint de Pariz para a
cura-da gastralgia e era gera de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
E egualmcnle o remedio per excellentia contra a retencK de ventre Finalmente cm
r:oJo de suas propriedades absorvenlea, recommendado como verdadeiro remedio nos
caaos de diarrhea e cbolerina. wrrto de Beiloe toma-* na occa^iao das comidas
sob- a forma de pos oa de pastilbas.
Depo.iio em Rw-IrtEMo DupcnchelU: Chevolot Em Pernambico, IHavrer k C*.
E' de importancia!!!
O avisu que faz o Campos da rua do
Imperador n. 28, pois s elle pude forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rulos que 15o anciosamente eram espe a-
dos de Cusa & Irmaos, s.io ellos, das se-
guintes marcas : exposigan Nortrfts Ypc-
riaes e Havaneiros. A elles antes que se
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitos outros gneros tanto para
mesa, como para lespensa, o seguinte :
Camaroes seceos do M;rranhao.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Joio do
Rio-N">vo.
Termos de medidas para seceos, spgun-
do o psdi5o francez. (metico-decimal).
ASSIM COMO.
As tabellas que mais accitac.o tem merecido
das casas de coremerci" em grosso e a re-
talbo, smente |>eia fcil comprenenso e
commodo preco, s no
Armazem do Campos
Aluga-se um esja(ji>so terreno niuito fenil
para planta de canim a com varios arvoredos que
dte tructos : a tratar no Manguinlio, casa que taz
csquint> cora as estradas dos Attlictos e a que vai
para a ponte de OcMb.
Ama.
Precisa-pe de urna ama boa.cnanhira, forra on
escrava, pagase bem : na rua dos Pires, sobrado
D.27.
0 MUSEO DE
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado .estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUG N. 4
orule encontraro um completo sortimento do que ha de mata elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RB1NS
de nevos gostos, assim como grande variedade de salvan paliteiros de
prata contrastada e de justo anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocan qualquer joia
a qualidade dos objectos vendidos.
ou pedra preciosa e garantem
0 MUSEO 1IE JOIAS
COMPRAS.
Com muito kio>>r vapiagein compram-se
moedas de ouro o prata : na loja do joias do Co-
racaod Ouro n. i D. rua di i'ahn Attenqo.
Compra->.; rumba de mandioca da trra : a
tratar na praca do Cdrpo Santo n. it, 1 andar.
0 muzeo de joiiis .
Na rua do Catinga n. i compra-so onro, prata
i pedras preciosas por precos inai3 vantajosos do
inc em mitra qnakiaar liarte.
lIltlMllSil"
Compiniu-se. e veadeiq-su.diariamente para (ora
e dentro da provincia escravos de todas as idades.
mires o sexos, com tanto que sejam sadios : m
terct andar d > sobrad) n. 36, nu das Ciuzes.
t'r.'_ lezia de Santo Antonio.
COMPRA-SE
moedas de ouro e prata de todos os valo-
res, miro e prata em obras inutilisadas, c
orhantcs e mais pedias preciosas na lu-
ja de ourives do arco da Concvicao no Re-
ii'.-.._________________________________
Ouro e p at
Conuram-se moedas de ouro e i rata de todas
as Maudades.Bor bom prego : na rua da Cadeia
do Recite n. 'b, loja do azulejo.
q'l
DE FEI1R0.
Frwisa-se corntuar um portan de ferro j ser-
vido, que tenlia s>te palmos de largo, mais mi me-
nos : n rua do Crespo n. 18.
Compra s. unta escrava uniinniuadeira,
agradando pajjn-sc bem : na rua da Cadeia ao
Rerife, arunem n. 6<.
Compra so una casa que tenha sitio, sendo
na Soli'daile, Cauuuhn Novo, estrada do i<>ao Fer-
nandt s Vieira, ou outro lugar que seja uerto de<-
ta cidade : a tratar na rua da Imperatriz n. 4, 3
andar.
V'NDAS.
(toinma de multo lio qualidade.
Vende-se na na do Qneimado numero 13,1
andar.
Bom rap de Lisboa
Bom rap de Lisboa
A loja da ^ nrora na na ta.rjra do finpartn fl:
18, pertenconte a Manuel J*s* Lpt> A Irmao, re-
i-uberam o bom rap de l^boa, tanto em latas
como :-e.in.#U,a*. do mais fresco c tnelhnr qualidade
que tem ('lies ato a e-te mercado; assim como
(a nnem tem do inuitfe* mais qualida-fo*, o do todo
elle se, vende i;mt,> e'ii linras como a realb.
Attenco
Vendc-se um ho para carrm-a e urna vitella
timiina : na Ponte d* Uchca-n. 10.
V^Nt*sp wiia uivtiWiB com iw am-is delata.
, bilidade, e um lilhodesta, de >lale 8 mezes, milito
(Kilantezinli>, ella uan bom leite para quem quizer
criar crianca : na nij da P n
Vtmda de sirio.
. Vende-sc um sitio no Mnntcim, todo mitraito
wom tena de pianaQo. arvores de frnct), caa de
moiata e um b >-n hanliciro de pedra e cal s>bre
a levada: a 'rayar a r >a lo fVtlma4 n, 44, lunica
Snprlores sedas de cofes de tlstras a WfiQO o
n-ivado, ndaa puptdiiias de laa coiusraades va-
riedades de Qowjs epeira* .ctcas aitS) rs. o co-
vado, |i.v;a- da roimciina branca e mi salpicas e
c,om 7 metrM cMa peca, pela barattesa preco
3dc4O00apeca.
LOJA M tBUK
55Rua do Queimado55
A VERDADE tendo cm deposo grnela
quantidade de miudezas e perfumaras, e de-
seja lo aparar dir.heiroe adquirir boa fi>-
waet a est rssolvida a vender muitissimo
barnlo, tanto a retollio, n no a rnascates
para esses lornarem a revender ; por ess*
razo convida ao respeitavel publico a tif
competentemente munido a sortn*se fi-
bom c barato. Pois quando a VERDADE
apparecc, ludo mais desapparec*
Grande sortimento de bnocas de cera e
massa as mais lindas po8M'eis vestidas a ca-
rcter.
Rkos globos para candieiro de gar
al,jK)e.......S0:o
Grande sortimento de ulij
loufa para brinquedo de menino LOO
Garrafa com tinta a..... si
Dita com agua florida a. ... I O, O
Frasco com oleo de babosa a iiUO,
GOe......, 700
Dita com agua de Colonia a 300,
400 e........ :W
Garrafa com agua divina a. UHKtf)
Frasco com extracto Uno para
lenco a ,......400O
Laks pequeas com banlf a 140
Sabonetea de diversas quali iades a
80, 100, 2i0e...... 400
Finas c^covas para denles a 100,
aao.......... eco
Cuques modernos a.....tfa o
a.
0, (500 o
Pavius para gaz, duzia
Escovas pata fado a
Ditas para cabello a. .
Pentes para tirar piollio a ICO e.
Brincos de cores bonitos a ICO e
Dittos wetes OO. 24-0 e 320 rs.
Galio de la para vestido vpossa) 400rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 4500.,
ip e, 2 >JO0.
Caisa cum obreias de maco 50 rs.
Caixa com papel amizadea 700 rs.
Dilto e dourado a l/t.
Dittas com cuvelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas
240 rs.
La para bordar de todas as cores (libra)
(800.
Bonels para menino 44, 23 e 25500,
Linha de marca (caixa) 2iO rs.
M ias para menina (duzia) 3 e 3500.
Pegas de Iranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e800,
Capellas francezas a 2500.
Facas e galfos, cabo de balano (du-
zia) 7.
Chicotes para cavado 000, 800e 4500.
Uengalla de canna l, 1500 e 2d.
Voi tas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) I 500.
Temporal pode ser procu-
rado era seu estabeleoiment bo-
NANQ/, Temporal contina a
veuder na Bonanqa, pelo mesmo
preqo que vendia em sua loja
com titulo de Temporal.
feordeiro previ den te
Rua do im:i(Eo n. ltt.
^Jovo e variado sortimento de perfumaras
Unas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
uarias, de que eflectivamente est provida a
oja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
"eceber um outro sortimento que se toma
lotavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, qualidades e commodidades de pre-
;os; assim, pos, o Cordeiro Previdente pede
i espera continuar a merecer a apreciaco
lo respeitavel publico em geral c de sua
oa freguezia em particular, nao se afas-
ando elle de sua bem conhecidamansidao
* barateza. Em dita loja encontrarlo os
preciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Laminan.
Dita de Cologae ingleza, americana, fran-
;eza, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para amservacSo do
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada lina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do Qno e agradavel chei-
ro de vilela.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo phi locme verdadeiro.
Eflracto d'oleo de superior qualidade.
;om escolbdos che ros, em frascos de diffe-
entestamanho8.
Sabonetes em barras, maiores e menores
jara mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito linos em caixjnha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
'ructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
las perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
iem de pertrimarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e dp
nobles novos e elegantes, cora p de arroz
aboneca.
Especial p de arroz sem omiposieSo de
;beiro, e por isso o mais proprio para ran-
os.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e oulrw differentes
tualidades tambem para dentos.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
L'm uiiim siirtimento de coque d no-
ms e bonitos moli'es com Aleta de vidrilhos
i algtms d'elles ornados de lloras e fitas,
s pretenda comprar.
GOLL4NI1AS E PUNHOS B0RDAD08.
Obras de muito flr8to e perfeicio.
Fl re I as e filas para latos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gos*0 do a>m-
arador.
320
7(0
500
m)
Soo
80
KiO
4GO
' 6C0
4 000
4 400
480-
200
4*000
do
20O
240
700
\H)
sB
280
no
Me
280
5(0
1200
200
k 4400
3*000
4A500
t700
400
480
400
500
320
iflo
CD
400
2000
?C>
860
400
4 500
400
Fitas de sarja ns. 4 e 2, pera a
800e........ 1,0001)
Grvalas de seda de cores a 200
Renda das ilhas por baratsimo
preco.*
Os apreciadores das calcas apparecam
na loja daVERDADEpara fe munivt'*
de suspensorios com borracha pelo dimi-
nuto preco de 400 rs. o par, e lainhem de
calcadeiras boas a 80 rs.; as pessas qne
nSo pnderem vir a este esiabelecimento
podem mandar seus portadores que serjo
fielmente aviados; a Verdade moslrai o q\w
diz i na do Q leimado n. 55.
= Vende ce n.i mu da Aun.ri u. 26 mu h-
cravo parlo, de 13 annns de idade, robusto. b(;i
Hgiira, [lerfeitu ofllcial de alfaaU, eom i rineipl >
de cncheirn, e ptimo para papem.
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Franja preta do la peca com
40 varas a,......
Fila preta para relogio urna por
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Penas d'aco finas caixas a 800 o
IGO e D'13 d'300 Ptl v> c3'*3 a. .
Galo (e algodao peca ....
Latas com banha a.....
Lindos babadinhos e enlremeios
peca de 500 a......
Butoes de madreperola, groza a
Ditos de louca muito tipo a 400 e
Ditos para caiga a 1(0 e. .
Caixa com papel amizade a. .
Dilas enm envelopes a. .
Ditas com obreias'a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de dilas ditas a.....
Thesotira para cosluia a 100,
240 e......, .
Caixa com linha de marca a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Ditas com 200 jardas em carre-
teis duzia a 70, 120 e. .
Grampos muito linos com pasea-
ros, duzia a......
Cartas portuguezas, iluzia a .
Ditas francezas a 22(K) e .
Papel almajo o de piso, resma
a 3400, :5500 e .
.a muito lina para bordar, libra
Fita de algodao para debium de
sapatos, peca a.....
Dilas de la para debruin de ves-
tido, peca a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a .......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240. 320 e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar peona a .
Oartoes com colxetes a .
Rselas prelas, par a .
Pentes de chtfre para coco duzia
a I500e .......
Trancas de la lisa carac!, peca
a 40 e.......
Fita para coz. pera, a 480 c .
Allinetes de lata a.....
Sapatos de la para meninos a
240, 800 e......
Ligas para senhoras a. .
em ftfrsfl
Inipt-rad' t
Vi-ndeni-> quartinhas da Babia,
e a setalho : no armazem da rua Mo
n. 37. __________________________
Vende-se urna mulata de 8 aonns. peii
engiimnadeira e cozinheira : na rua da Fugo mi-
uiernO.
nl'RKA ITALIANA.
El{ri)iitrfl-5e ni ca* do Aivtr Detalle, rab
leireiro.'a n do Crp<|K) n. 7, i"
ortlmpnto de !avs do
4e Jouvin.
0 andar, um honitri
(iclliea, urwi garan'.iJ.H
Lili I
FIO IIEVGL1
Barbante
Em casa de Rabo Schm>-tau i C. Corp'.
SHERKY 0L0R0Z0
Gelo seal.
Em casa d Rabo Srhmettau c C. Corjfi
Santo o. 45.

SUPERIOR.
Iloussillon, oarte hlanehe.
Em casa de I a be NehmettnH O. < orpoftaat n 15.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE
, CftA*KAr HAVXA1*.
Em casa 4e H.iue Scttntettuo dr C. Co
Slito n. 5.
Vei*^li.vl a d i
na l.ija do Uura;Su de Ouro.


6
io de IVinambuca Segn la feira 30 Je agosto de 1869..-
72.
Ra da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
qce Arara vai cantar,
Para vender suas fazeiulas (baratas)
que muito ha de agradar.
.0 proprieUrio deste cstabelecimonto, toado grande porcao de fazendas em
n&r, \;i. [,- nma Kqaida^k) em todas as fazenda* e roupas eitas existentes no
fl>!s!> agora que occasiao de quem tem pooco dinlieiro poder se vestir de
boa fazenda e haratissima comosepoder ver no annuncio abaixo mencionado.
BADABOLAO BARATO A 300.V
Vende-se peras de madapolDo enfestado
de i-i jarlas.i *.<>:iOO. (lito de 2ijardas ou
rM metro* >-, 6&6J5SOO, 7*800, 85000 e
,9,S0O0.
CINTAS ri\.WCSAS A 280 rs.
BRAMANTE PARA LENCES A U.
V^iide-so bramanie com 10 palmos de
largura para lences, a '-y, a vara.
PBgiS DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pepas do algodo muito en-
corpado l, 5, 0j&dQQe7
Vendem-se chitas francezas para esti-'Colerlak econmico a 3O
dos a 80, iO rs. o eovado, ditas escuras dnzfa.
muito iinas 3G0 rs. o eovado.
Ch'.ii:a huiHo Ono SOO rs.
V'iide-se -chaiinpara vestidos-3e senhora
i. WO rs. o eovado.
JERGALES A Ity R3.0 COVADO.
Yende-s percales muito tinos para ves-
tidos descnllori a 440 rs. o eovado.
Kr-iMialiaas 4140 rs.
V.;ide-se briiharilin.is ou rnursulinas de
cores para vestidos de se .horas 440 rs. o
eovado, lazinhas muito linas para vestidos
de enflora ,- i00 rs. c .'00 rs. o eovado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o eovado.
KISCADO FRANCEZ A 300 R3. OCOVADO
Vende-se ciscado francez para vestido
de senltora ;t(J0. rs. o eovado.
ff-aslnhas a S40 rs. o eovado.
Vendem se laasinbas para vestido de se-
nhora a iO, 280, 320 rs. o eovado.
Cas francezas a 280 rs. o eovado.
Vqn !:;-se cassas francezas 280 rs. o
cov.*d,o, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. a eovado.
Chales le merino 2*.
Venid e-se diales de merino estampados
4 2$e 3500 qada um. para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS- A 2*400
V.-nde-se cortes de lia para vestidos de
Renhora. 21400 cada un
ALPVCAS DE COBES PARA VESTIDOS
Venderse alpacas de .cores para vestii. >s
de senhona, 720 e 800 rs. o eovado, di-
tas de liste 4 700 e 760 rs. o eovado. '
Chitas ftrtissianas 30.
Vende-so ehitas prQssjanas de listras de
cores muito bonitas a 3G0 rs. o -.ovado.
CHITAS PARA QOBERTA A :!20
Vende-se chitas incorpad-as para coberta
i 320 rs. o eovado.
SBales ilc 8 a 3 arcos
Vende-se baloes de 20 a 30 arcos
! |500 cada um, baloes modernos brancos
ede cores 5.
Vende-se entatabra econmicos a 320
a duzia, so se vende assim barato por ter
grande porro.
CASIMIRAS DE CORES
Vend j-se tazemrra de edres para caba
e patttdl i$ 2|BBO e :*> o eovado,
Algoilo enflatado 1 .$.
Vende-se algodacc enfestado proprio para
lences e toalhas, 1$, a vara ou 000 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 40OK. O
COVADO.
Vendse brim para caicas e palilotsde
homem e menino, 400 e 440 rs. o eo-
vado, dito lizo a imitaco dr ganga a 360
o eovado.
Algodo de listras a TOO rs.
o eovado
Vende-sc algodao de listras para roupa*
de estraves a 200 rs. o eovado.
CORTES DE RR1M CASTOR A 640 RS.
Veade-se cortes de brim castor para
calca de homem, 010 e 800 rs. cada um.
CAKTEilA PARA VIAGEM A ifc
Vende-se carteras para viagem t&
cada urna, cobertores de algodo !K>00
cada um.
roberas de chita lSOO
Vende se-coberlas de chitas de crela
14800 e 25, cada urna.
ALGODAO TRAXCADQ DE EVAS LARGURAS A*
1*380,
Vende-se algodao transado de duas lar-
guras, propias para lencesc toalhas para
mesa, se vende a i$200 o metro.
Mantas para grarata SOO rs.
Vende-se mantas para gr*?ata a 200 rs.
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada mn.
ATOALHADO PARDO A 2,5600.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 2^500 a vara, tMHto escuras
1(S, cada urna. Roa da Invperatriz loja
da Arara n. 72.
\. 45 RIJA DA (AI)i:M !' 45
DE
5
tt
R
SOB A DIRECQO DO MUITO HBIL ARTISTA
Lauriano, alfoiatc.
Os propritanos deste novo estabelettimento. tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direceo de sua offleina do roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
cora lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabeleciraento um bom sortimemto de fazendas proprias para
roupas de bomem.como sejam: casimira de cor, indos padres, compiol sortimento de
pandos finos, preto e de cor, casimira preta, grande.sortimento de.brins brancos e de grammoa de meihor comprehensaodos que tem
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para cohete, *-
gorgurSo Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo anda um variado sortimento de roupa feita, camisas
nglezas, collarijhos, ceroulas, grvalas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para so!, colchas, bramante, atoalhado,
baloes de diversas cores e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus preces incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45

LOJA
Ruado Queimado ns. 49 e, 57ip T yr\ \jwnjj i ATT!?
foja de miudezaz de Jos de] IjALLU V1 IjlLA1M 1 Jl
4500O
SOO
I 500
30800
,5200
2000

CONVITE \m
O pronrictario do armazem db fazendas denominado Garibaldi, na ros' djImPJ-
*FSEL ao resoeitavel publico que tendo grande deposito d fazendas em
loj
Azevedo Mam, est acabando
com oy miudezas de seus cstabe-
tecimentos por isso queram apre-
ciar oque bom e barahssimo.
Peras de tiras bordadas com 12
melroBy fazend stq>efir, a
1 $900,2% 3i e, ....
Caixas denlia'conf 50norefto5
Pares de espatos de tran fa-
zenia nova a......2000
Pares de wpatos de tapsSe
^s grandes) a. .
Demias de metas cruas- para ho*-
mem a.......r
Tramoias do Pbfto fazesda boa
e pelo preco rselhor tOO-atos a
ivros- de missoes- abreviabas a .
Duzi^de barallio3-rancezesjnuilo
finos-a2|480e.....SSOT
Silabario portugoea' com estam-
pa* a........
Gravatei- de cores pretas- vaHr
finas- a^........
Cartes eom-' colcMae* de kHm
fazcriflQ'lijBaa.......
Abotnaderos-de \idt9 para colef
fazenda- flaa a; ...
Caixas'COiB; penna d^ace mnito"
finas 320. 400, 50 e .-
fiaiioes fer fnlra AJesatidre qne*
tem 20)H ardas a......
Garreteis linla A2eadre de
70at2a. ......
Gixas com' snperiorjs- obreias
de massa......
Dvaias de afttlhas- paras: machina
Libras do pregos- tranwzw di-
verso tatoanbo a. .
Lirros- esaiptarado pan rol de
roupa a...... ..
Ta'.heres pe* menines muito
finos a. ,......
Caixas com gapel .amhnde muito
fino a ........
Caixas com iOOenvel-pes- muito
finos a........
Pentes volte&tfos para awniws e
san horas- ;t.......
Thezouras maito fcias- para
unhas e ostnras a .
TiiAeiros cf.m tinta preta muito
boa a m 120 e .
Varas de fra^a para tealhas- fa-
zenda fina, a. .
Pecas de fita braisa clstica
muito fina a. .... .
Novellos de llnhacom.^OO jardas
Resmas de papel de- pexo azul;
muito fino a.....--.
Crozas de botes e lo?a multa-
finos a........
21
NOVA ESPEMRCA
Ra do Queimado = 2J
Advertencia!
Grande e completo sortimento de machinas para
deearo(ar algudaode nova inven ja chegadas l-
timamente em direilura para a loja de Manoel
liento de Oveira Braga & C. na ra Uireila n.
o. Sarante-se que a meihor qualidade que at
o prescnc tem vindo ao mercado : acham-sc em
esposjrao aos compradores.
8ystoma decimal.
Gramlc e completo sortimento de^ pesus kilo
indo at o presente, assim como marcos de lalao
at meio grammo pelo mesmo systeou, Lalaneas
de latao de forga de 5 a 20 kilograinmos, metros
de niadeira e de'laiao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de miudezas c ferrageus de
todas as qualidades, tudo por precns que s a vista
faz crdito : na ra ireita n. 58, loja de Manoel
liento de Oliveira Braga & C. ______.
que fin
surth-
dar no dia 18 ou 2 do corronte, por isso convida ao respe.tavel publico a \ir
se de boas fazendas, e por diminuto preco. a nMr- mitFRTAS A 280.
rniT4l f inr.\S \280rs. ClllTAb PAKA. t-Uttm-w ^ *1"-
ALGODAO ENFESTADO 1MNC-ADO A ^^^ ^ ^^ ^ ?^
Vende-se algodoXtado trancado para Vende-se cairas de cores a 2*80 o
lences a l*oSo. dito liso enfestado a 900 jggg^Sftk DE ALPACA A 35000.
0 m ',r0' rn ixrv7 A 2i0 RS Ycndetn-se chapeos de sol de alpaca pre-
. ta a 3.-5000. ditos de seda a 105 cada um.
BR.M DE CORES A 400 RS.
320
500
020
500
1000
100
100
040
2000
240
I20J
240
^700
eoo
320
500
320
160
200
60
2^500
Rna o Crespo a. 1
Os proprietarios deste l>em conftftchJo esabele-
limento, aWm dos muilos nbjectos que tinfiamex-
posjos a apreciacao do raQfeMavel puWieo, man-
dara vir e acaam de recriier pelo ultimo vapor
da Eoropa UM completo 'variado sortimento e
finas e mui dciodas especia/klades, a qnaes c#-
tn resovidos a Tender, como de set? costmne,
por presos muito baratinhbs e commodus para to-
dos, com tanto qoe o Gallo....
Muito superiores Javas de pellra> pretas, bran-
cas c de mni lindas eres.
Mui boas e bonita follinlias e pnntios para se-
nhora, neste genero o qe ha de ras moderao.
Superiores pentes de tartaruga para coques-.
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas c de cores eom viri-
lhos e sem elles; esta fazenda o qt pode haver
de meihor e mais bonito.
Superiores o bonitos kques de nadreperolav
marfim, sndalo e osso, sendo aquetas branca
com lindos desenbos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio do Escossia para s
nhoras, as qnaes sempre se veoderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm destas, temos tambem gramlo sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior caima da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de meihor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Juantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotiuhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim c tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, o nos por nossa vez tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bollas capailas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para erox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo Dm.
Grande e variado forlimento das mclhores per-
fumaras e dos melhores o mais couhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cqnvulsoes, e
faciltam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a rccebe-los por toaos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes altendendo-se ao fim
para que sao applcados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preeos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7-
De superior qualidade da moi aeeredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
(Veino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. roa do
commercio n. 32.
1GC
CASSAS
Ve idem-se cassas francezas para vesti-
dos de ^enhora a 240 e 280 rs. o eovado.
M\DVP0LA0 ENFESTADO A 35300.
Veiidem-se pecas de madapolao enfes-
tado a 3-5300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 5, 6, 7, 80, 9# e I0, a
* LANZhNHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
MBVRGE PARA VESTIDO A 500RS
V.Mide-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o eovado. ,, .
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5 .0 rs. O COVADO.
^Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o eovado propria para vestido de
senh ra. -,.''
SEDAS DE CORES A U.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora alio eovado.
PORCAO DE IU5TAIH06.
Vende-se urna porcao de retalhos de cas-
sas, drf 13a e sedas o de entras fazendas
por muito barato preco.
A' ells antes que se acabem.
CUAL Y DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de UsUs de seda a 800 rs.
o eovado. '
CHALES DE CASSA K *.
Yende-se chales de cassa a l, e de me-
' ".?0RTESDELAAA2400RS.
v.'ndem-se cortes de 15a de listra para
'tido de senhora a 2400 rj. para aca-
b'r- ALGODXO A PECA 4W.
V.Mide-se pe e 7 a pega. E muitas ootras cousas que
mbf mencM"ar,
de
Vendc-se brim de cores para ca'cas
homem e meninos a 400 rs. o eovado.
Cangas para cal^a a 30 rs.
Vendem-se gangas de cores para caifa e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
"mSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
eovado, dita de cores a 440 o eovado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o eovado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25-
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs. tnnn
Ditas de linho Gno a I 000, para aca-
bar.
BRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA. FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendenles podero vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbnioa preta a 320 rs. o eovado, para
BALOES DE ARCOS A 1.5500.
Venden -se baloes de 20 e 30 arcos a
1(5500 cada um. ditos modernos a 40.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 80, vem a ser mais barato do que
algodSosinho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se cortinados para cama a 140
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na ra da Imperatriz n. 56,
Machinas vapor de
forca de 3 e 4 ca-
vallo*.
Motores pana 2 eavallos.
Arados ameriuanos.
Machinas de fac3o e serrotes- para dese-
roc-ar algodHo.
Balanzas para armazem e balcao.
Camas de {erro.
Cofres do ferro de Milnez e de TJhit-
field.
Prongas para copiar carcas.
Fogo americano patest
Exlracliiiii earnis
Este producto alimentacao para doentes, jrrai
apropriada para cranlas e para as pessas saas;
indispen-avel a todos, porm, principalmente aos
viajamos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incarruptivel, e
que com faciidade se aprompta e se conduz, por-
que n'uiB pequeo vohime carrega-se alimentacao
para mtlo lempo. Sobretudo cbama-se a atten-
Qa- dos senhores de engenhos que encontraro no
EXTRACTUM CARNrS o recurso de alimentacao
agradavel, bygienica e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. baluba, ao Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesra cidade em
casa de Jos Victorino de Hezende & C, ru da
Gada, eseriptorio n. 2, primeiro andar, venden-
do-se:
No deposito a ra da Cadt'a n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma ra a 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
ro n. 10. ,
Antonio Mara Marques Ferrara, a praga da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto, irazem
urna guia para seu uso.
Scbonete de cUcatrdo.
DK
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu dr C,
34ra larga do Rosario34.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
roira da Costa & Filho, defronte do arco da Con-
ceicao. em barricas grandes.______________
Balanpas orizontaes
Pelo novo sj stema de kjio-
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' do urna efficacia N-erdadeiramente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tose recen-
tes ou antigs, suffocacoes, catharros,
bronebicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulsbes in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
BAZAR UNIVERSAL
ORus WovaO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por presos commocros como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os ystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas- na ul-
tima exposicSo servidos a efectos para almo-
CO e jantar, salvas, bandejas-, taboliros-, bol-
sas e maras para viagem, indispensaveis para
senhoras, candie'tros para sala e cima de mesa,
paredee portal, mangas, tubos-e globos-de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditas pataamassar ferinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianza, bercoe, cade
ras longas para viagem, ditas de balanoo,
espellios de todos os tamanhos, molduras
para quafrros, gax, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas,. oleados
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos pra eseriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarlo
venda no mesmo estabelec'rmento e que vale
a pen ir examinar.___________________
6MDE
A' LOJA
PASSO
Chapclinas de palha de Haba ultima no-
vidade em.Paris.
ENFEITES
ds todas as qualidades e gostos.
Chapeos e gorros
de pallinha. tudo para senhoras c meni-
nas.
Camisinhas
bordadas para senhoras, como tambem ha
especiaes para noivas.
Saias
bordadas brancas e de cores, ultimo gosto.
Vestuarios
de cambraia branca bordados aguiha,
gosto inteiramente novo, propriamente para
baptisados. Ditos de fosto- e alpaca de
cores, gosto zuavo, para meninos de
todas a idades.
Coeiros
de casemira bordadas seda frouxa.
Espartilhos
de todas as qualidades e ultimo gosto.
Lavas
de pelica do afamado Jouvin, recebem-se
por todos os paquetes.
Colxas
de seda muito ricas, proprias para ca-
samentas, assim como ha para uso ordina-
rio.
Chapeos de sol
bordados e usos, pretos e de cores.
Balos
de cores e brancos, para senhoras e me-
nas.
Cortinados
bordados para camas ejanelas, fazenda de
muito gosto.
Todos- estes artigos podem ser procura-
dos ra d Crespo n. 7 A.
A Nova Esper?n?a, 4 ra do Queimad
n. 81 tendo em deposito grande quantida
do miudezas, e como se approxima o tem
po em que tem de ser dado o balanco, poi
isso desde j previne ao respeitavcl publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes. c os que nao forem venbam ser fregne-
zes, em tempo tao opportuno quando i
NOVA ESPEKANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos dt
gosto e pereico, e ella (Idja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este dar continuo (d'ambos)
Nova Esperanca a ra do Quemado n. 21,
alm do grande sortimento qoe j tinha,
acabi de receber mais o seguinle:
Bonitos broches, polceiras e brincos da
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos a
bandeijas.
Brincos pretos cora doerados (um'm
moda).
Fitas largas para efnto.
Modernos gallees, franjas e trancas da
seda e de la>, para errfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e mrtdes novo
para o mesmo 8m.
Trancas pretas com vidtilhos seado com
pengentes e sem elles.
Bofes pretos eom vidriDios com pingen-
t3^e sem elles.
Luvas de pellica*, camurc e excoasia.
Finas^ meias de seda para senhora-s- me-
ninoa.
Delicados leque de madreperula^ mar-
fim, osso e faia.
Es-partilho simples- e bordadla.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento d
miudezas ra do Qaeimado n. 21, n
Nova Esperanca.
Collare anodinos el4ectro-magnetr
eos centra as cenvulce* das
creaneas.
Nlo resta a menor dwida, de que muito.
cellares se vendem por ahi intitulados ot>
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os)
noeffeito promettido.o que s pdem dar,
os- verdadeiros; a Nova Esperanza, porm
que detesta a falsifica?ao principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encoaiinenda directa destes collares;
e garante aos pas de familias, que sao ca
verdadeiros tte Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel incommedo d
convulcoes, assim pois preciso, que va
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinhos, ante que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entab ser di
fiicil alcam;ar-se o efl'eito desojado, embora
sejam empregados os verdadeiros coliara
de Royer.
Nito mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para fingir os cabel-
los i cabera e da barba, foi a nica admit-
tida Expostfo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparacoes
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1#000 cada frasco na
15!-Rl.\ fi;t CADEIAS. l
i# A\AK.
AS B0I1BM
E
graonna.
Vende-sc no armaiem de J. A. Morera Das,
ra da Crxxt n. 86. ______________.
Cal nova de Lisboa.
Vende-sc na ra do Apollo tarmazem de Bego
| & Imito n. 18.
syphiliti
cas.
todas as molestias
PELO
ELEXIX DO DR. SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitacSo tem merecido no Brasil, as
repblicas do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das boubas,, sarnas,
rheumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm da
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA.
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu & C.
84Rna Larga do Hoyarlo3*
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposieao e variedade
de outras qualidades, finos ; encontra-se no hotel
Central de Francisco Garrido, na larga do Rosa-
rio n. 37,1* andar, e ra estreta do Rosario n.
A. Vendem-se a rotalhu e em grosso.
GAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito do Henry Forster 6
C, rna do Imperador, nm carrogamento de gai
de primeira qualidade; o qnal se Tendo em partida
e a retalho por menos preoo do que em outra qnal
quer parte.
Cal nova de Lisboa
Vende Joaquim Jos Ramos, ra da Cruz n
8, 1" andar._____________________________
Saceos com farinha de
mandioca.
Haia & Landelino vendem saceos com farinha
de mandioca, em porcSo, e por pre^Q commodo :
na ra estreta do Rosario n. 18.
-Vende-se camaroes seceos do Maranho
Rna do Crespo n. 17
ESTEIRAS DA INDIA PABA FB15AR
SALAS.
Gorgoioes de cores para vestidos.
Puupeliuas de linho e seda de muito bom
gosto.
Sedas de cores de lindos desenbos.
Alpacas de listas muito bonitas.
Ditas lisas de todas as cores.
Gorgor5o em chitas, fazenda nova.
brilhantinas de cores.
Casaquinhos pretos de guipare.
Ditos de casemira de todas as cores.
Riquissimos cortes de vestido de blond.
Ditos ditos de cambraia bordados.
Ditos ditos de'tarlatana bordados.
Colxas de seda ltimamente chegadas.
Ditas adamascadas brancas e de todas as-
cres.
Damascos largos e estreitos propriss-para
colxas.
Baloes de todas as qualidades.
Saias de cores,
Saias brancas bordadas.
Tapetes de todos os tamanhos e para ca-
vados, aveludado.
Cambraias de cores e chitas de todas as
qualidades, e outras muitas iazendas que se
vendem por todo preco, somente para acre-
ditar a distincta firma de
A\ IXES GUMARES A C>
Venda de impostes
Manoel Rarbosa da Silva, arrematante dos im-
poslus proviueiaes das comarcas de Taearatu, Ca-
brob e Una-Vista, e dos impostes de consumo das
agurdenles do termo de Olitnla. avisa aos que
pretenderen! comprar ditos imposlos, que pode ser
procurado roa do Livramento n. 52, onde por si
ou seu procurador podem entrar desde j em ne-
gocio os prelemlentes.
Sempre novidades pa-
ra bailes e casa-
mentes
NA LOJA DO PASSO ,
Ricos cortes de seda de cores, com ricos
desenbos inteiramente modernos. Ditos
de diversas fazendas de phantasia, como
sejam, bareje de seda, poupelina, tarlata-
na com flores prateadas, tudo propriamente
para soires^ Ditos de 13a, gosto escocez,
novo gosto. Ditos de blond de seda para
casamentos, com os competentes veos e
capellas.
Todos os artigos cima descriptos encon-
tram-se por preeos muito mdicos, ra
do Crespo a. 7 A.__________________
BapPrinceza
DA IMPERIAL FABRICA DE VIEIRA GUI
RAES & COUTO.
DO RIO DE JANEIRO.
Vende-se este excellente rap no escrip-
a 480 rs. okilograma ; no pateo do Carme torio do Joaquim Gerardo de Bastos, ra
esquina da ra de Hortas u. 2, Ido Vigario n. 10,4 andar.



Diario de Pemambuco Segunda feira 30 de Agosto de 1869.
RIVAL m SEGUNDO
Rtta do Queimado n, 49 e 57 loja
de mudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conJiecido pot
Jos Bigodinho.
Est qneiraando tudo quanto tcm em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram. vir ou mandar
?er o que bom e barato.
Caixas de linhas do gaz com
BOndVellos a .
Latas com superior banha a
1*0, 200 e.....
Frascos de oleo babosa muito
fino a.......
Duzias de meias (inglezas )
muito boas a .
Garrafas cora agua florida ver-
dadeira......
Garrafas com agua divina dame-
lhor qualidade .
Caixas com li frascos de cheiros
proprio para mimos .
Dita comfG frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior d.....
Pecas de babadinho com 10
varas ......
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escovas para unhas muito fi-
nas ......
Escovas para dentes fazenda
muito fina .....
Plceiras do contas de cores
para meninos .
@aixas de linha branca do gaz.
com 30 novel los .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para pnnhos
muito bonito .
Libras de la pa a bordados de
de tortas >s cores .
Pentes aom costas de meta)
muito finos .
Novellos de linlia muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botoes madrepcrola
muito fino .....
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 250 o.....
Pecas de fita de 13a todas as
cores ......
Espelhos dourados para pared
lKXX) e......
Espetaos de Jacaranda muito
fiao ......
Pecas de tranca* brancas o de
cores de caracol .
Pares de meias croas para me-
ninos ......
Caivete muito fino cora 4 fo-
lhas ......
Frascos de sndalo e patccholy
muito finos A .
:oo
iOO
400
i>00.
i;>500
2>50ft
?8U0
500
foto
8QOQ
3500
09OC
,5500
240
.$200
600
,$040
4$000
:$120
$000
5320
r>32
mo
W0
&l
:><>
2?>000
;?060
320
I3S00
EM CNTINUAC \0
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
A 6$ SttfctMA**
DE
FLIX PEREIRA DA S1XVA.
O propnetario deste grande estabelecimento tcdo sida o arrematante da
extracta loja denommada=JAfl0/ tf DAS DAMAS=i ra da Imperati ix n. 36, e nao
toe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidaco da grande quantidade de
lazendas que all existam. pelos poucos (lias que leve at entregar as chaves, vio-se
brigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVA0
KM o respeitavel publico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
uniio, laa, algodao e seda, que se Iho vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que negociara em pequea
escala, tanto da praca como do matto. nesta casa poderao fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lbes pelos precos que se comprara, n s
casas mglezas; assm como as excellcotissimas familias podero mandar buscar as amos-
trare todas as fazendas. ou mandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja em suas
tasas; .. estabeleetmeuto se acha constantemente aberto das 6 horas da manha as 9
da noile.
Expandido sortimento de alta novidade
ILUDS f'Plt'iS EM 5>0LPE,?'AS 0 G0R6CBA0 DE LINHO E
NA LOJA DO PAVO &A DA Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
IMPERATRIZ N. 0 Pavo um elegante sortimento das mais
Acha-se este grande estabelecimento com- *>ellas poHpenas ou gorguroes de linho 9
pijamente sortido das memores roupas, eda,\om os mais delicados padrees que
seBdo calcas palitots e colotes de casemira,' se pode imaginar, assim como urna grande
'le panno, de brim, de alpaca, e de todas porco de cortes da mesma faaenda, tendo
as mais fczendas que os compradores pos- de todas as coros e garantindo-se que neste
.sam desojar, assira como na mesma loja genero nao ha nada mais bonito nem mais
tem umbello sortimento de pannes casera;- proprio para vestidos, e vende-se por pre-
ras, bnns, etc. te. para so maadar farcr oo muito razoavel na loja de Flix Pereira
qualquer peca de obra, coma msiorpromp- da Silva, ra da Imneratriz n 60
A AGUIA BRANCA tem convicio de que a abundancia do objectos Je novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha 'no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitacao de seus precos, esto na op nio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anula assim ella lulga de seu,
dever scientificar a todos, da recepco d'aquelles objectos que cstao alm docomraum, ^\rT'.
FUNDICAO QOSOWMAN
Ituu PASSANDO O CIIAFAUIZ
Tem sempro deposito do todo o ma 'hi
mo emp i ?giicu![;.;;i da provints,
ntreo qual:
Machinas de vapor, para assocaf para
ttgodSo
Rodas d'agfta.
Motores Uoendas do caon.
Rodas dentadas, pnra anhnaes, agea e
vapor.
Taixas de feno, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Ocscarocadoros d'afgoKo ete. ate.
Havcndo era ludo tariodade de i.mrnbo
Arados e iiibluinenlos d';:;;iicnliura.
desde o menor at o maior que so ensb-
i/5200
(iraode
loja de fazendas c roigas kilm
a raa da luperalriz j. S,
porta larga,
PAREDES PORTO
Mesto estabf.lecm>-iito oncnntr;>r o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas c fmulas de todas as qualidades e
preces atmmofios, Irm sempre um bonito
sortimento de casimiras de cores e pretas,
panno fino de diversas q;ial dades, brim d
bonitts cores e trances de boa qualidade,
ncairega-se qualquer obra por medida f
preco eiuilo cummi'do
ROPAS PERAS
a loja da ra da imperatriz n. oi, porb
larga, re Pan-des Porto.
Tem oest- estabelecimento ura bonito
soitmente de roupas feitas de diversas
quididades e precos cummoilos, como sejam
palibts de alpaca preta e de coras a 3$
Ul OeW; ditos de panno preto sacos ;.
65, 7d e b#; ditos de panno superior a
li, H0 e 46(; ditos sobrecasacados <\v
dito dito a 18*. 05 e 235; ditos de case-
mira de cor a 56. e 10#: calcas, collet^
e palitols /te casemira muito fina de c5r a
20 o -66; edeas de brim branco de cor dr
todas as qualidades de 2-5 a 6$; ditas n>
fCaaetnira preta e de edres do 43 at 12-5:
billetes de todas as qualidades; ceroulas de
bramante 3 1*500. 24000 e .joOO ; camisas
francezas de liiriio e de algodo de todas as
qual e uraco cinis barato do que em
outra qiqner pa.l< : colarinhos, gravatas:
l>eiiito sortimento de chapos deso de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a <5-5 a duzia;
pechiocha neste e>tabelei:imento pelo
grande sortimento: todos os freguezas so
poderao prowr dos ps at a cabeja por
proco coHinvodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, cuno sejam, chitas
baratas a 300. 32 e 360 rs. Madapolo
fino a 1$, 85 10 a peca. Algod3o (pe-
cbincha) a r9500 a peca e ontras quada
des. Cambraia bronca de todas as quali-
dales transparente e Victoria de 3$5<0 a
B a peca. Lanzinhas de bonitas rores. al
pa^as bonitas, seleoia a |ica enra 28 metros
a 284000. Escui.lo o mais tino possivel a
2<5500 e 35 a vara, e nutras muitas fazen-
das por pref > commsdo, que seria enfado-
nbo mencionar, na luja do
LEJO DA POSTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Tres asas em Oliwia
V Bdero-w Ira et-a* lerdeas na cidade d Olin-
da, wn chaos prnprjos, na rual do Amiiaru n. .9
>if!0 da Bila n. 26. c la-lfira da S n 5 : trata-e
o VaraduiTM ni n Sr. J.wu Pinto da Cunha, o
O Itwifrt. na lo O'dornii n. !.
iwm)
Vende-se verdadeiio cimento ; pa ra da
Ma Ira de D-os n. 2i, armazem de ^o3"
Wartin3 de Barros.
tidio vontade do freguez, e nao sendo
obligados a acoeita-las, quando -nao stejam
completamente ao seu contento, assim cerno
if este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel peblico uo bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linbo e algodo e outros muitos artigos
praprios para homeoe e senhoras premet-
lenflo-se-lbe tender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
tric n. 60, toja e armazem de Flix -Peiei-
ra da Silva.
.los dez ni i I corados de cssas
Covado a 300 Corado a 300
Govadoa300
Gavad a 300 Covado a 300
Covad a 300 rs.
Vendc-se na loja do Pava ra da Im-
peratriz n. GO urna grande quantidade de
mil covados das melhores -casas fraricezas
para vestidas, tendo padrees miudos e gra-
dos, asseutados em todas as cores, estas
cessas sao propriaiaente feencezas, tendo
transparentes e tapadas, cem tanto corpo
quasi como a chita, e alea, dos padres
erem muito bouitos, sao. todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinkeiro, ntts re-
Lilba-se a 300 rs. o covado.
l&par(Ufaos a & Pavo
Vende-se ^ma graede porcSo de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 25 cada um.
BRAMANTE PAHA LENCOBS COM 10
PALMOS DE.LARGURA A if>8Q0
Chegou para a loja do PavSo, ra da
Imperatriz n. 00, urna grande porco de
p ct de bramante com O palmas de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento do um lenco!, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; o vende-se pelo
barato preco de 16800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, ouas muitas ap-
pcacocs para arranjos de familias, sendo
grande pechncha pelo preco.
Cortes de vestido do Pavo a
eooo.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tarlatana, ricamento bordados a la, pelo
baratissimo preco de 03.
Ditos porestarem umootn-" machucados
a i>.
Ditos finissimos con. o seda a 4 Assim corno es mais m nog cortes de
p zeada chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente Bgerrao,
a 18.-3 ; finissimos cort s de cambraia bran-
ca, ricauen e bordados, que a> podem
servir para noiva, a 2o,-SO(K). e outros mui-
tos cortes do differentes fzend^s que se
liquidara baratas na hija do Pavo.
CERA DE CARNAL I!A.
Vende-se urna grande porco de cura de
carnauba cm saceos, por pre<;o mais barato
ik) que cm outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 240
Vende-se cassas com delicados padres e
cores fixas 340rs. o covado: na luja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaqnmhos de seda
pretas ricamente enfeit idos sendo com os
feitios mais riovos que tem viudo ao merca-
do e vendem-se muito em conla.
GROZ DE COR
Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio. cinzento
< branco muito al ve, que se vendem mais
bara'.o do.queem outn qpjqiior pacte.
BASQUINAS DS i 1L
Vend-s<3 as mais modernas a mais ricas
basquinas de fil preto, p.rprec?) emeimta.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
2000 E^:iOO
Veodem-se v-lidinhoi para meninos e
meuinas, pelo barato preco de 000 t
l"0(, assim como ricos enxovaes para
baplisad.
ViAiiAPOLO FRANCEZ A 7 Vende-se pecas de madapoln francezen-
festado com 20 metros a 7*i00 a peca;
cbinclta
MUSELINAS DE COR
Vend -se as mais bonitas musselinas de
cores a $UQ rs. o covado.
CELEZIAS
PANNO DE LIMIO
ATOALHAOO
Vendem-se as mais finas celezias de linho
com 25 varas cada peca, sendo -mais finas
ainda que os mais linos esguioes qae tem
vindo ao mercado, a 455, 550, 0)WK)0 e
70^000, tambera se vende em varas as
mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de buho do Porto para lences
com perto de -i palmos de largura a 700,
8<>0 e i 5000 a vara, sendo em peca tam-
bera se faz alguma equidade; bramantes
para lences cora Krpalmos de largura a
i-4^00 e d500 o metro, e de linho muito
superior a 35200 e 355i0.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 2*400, 35 e W00 o metro, e
muras muitas fazendas braBcas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
lualquer parte, com o fim nico de apurar
dinlieiro.
CHITAS
MADAPOLO --
ALGOD0SINHO
Vendem-se superiores chitas escuras e
claras pelo barato preco de 20, 320 e 360
rs. F as percallas a 320 e 3'>0 rs.
Pacas de aljrodosinlio de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapoln
dos mais baratos al os mais finos ; assim
como, superior algodaosinho eafestado para
lences, toalhas, tanto liso como trancado:
todas ettas fazendas se vendem mais barato
do que era outra qualquer parte, para apu-
rar djnheiro.
PECIUNCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 20! RS.
Vende-se urna grande porcjto de esta-
menha mesclada, propria para vefltidnn de
escravas, camisas e calcas para moteqnes,
sendo urna fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato proco de 200 rs.
o covado, fazenda que sempro se vendeu
por muito mais dinheiro
VES'IDOS A 8H0rs.
Com duas salas
Chegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, ornis bonitos coi tes de vestidos
de eambaia, e organdys; com mais lindos
pad oes. eo competente- laurino, temi
cada corle 18 covados. que pode dar coi te
para senhora, e menina, e vendem-se pelo
barato preco de .5000. nicamente na luja
e arma/em co Pavo ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 3'tO RS. 0 COVADO
\ eulein-se finissimos organdys de cores
para vestidos Com liodissimos padres pelo
finalo preco Jo :00 rs. o covado; assim
como dos bran m muito linos com listas
loe.is e estrena edequadrosa 800 rs. e
15000 a vara, tambera tem tarlatana bran-
ca. b de todas as cores a 800 rs. a vara :
idos de ares a (i40 rs. a vara, e ditos li a b()0 rs. a vara, e de salpico.a 15000-
isto na loja e armazn do Pavo, ra da
Imperatriz n: 60 d-j Flix Pereira da Silva.
CHALES DE CASEMIRA
CTiegaram os mais modern-s, e mais
bonitos diales de casemira com dezenho>
Jirmwie ijqvos, que se vendem a 95
IO#i 1- e 1 ;; assira como urna cran prea de ditos de menina que se vendem
mais baratos do que era outra qualquer
paite, ; na loja e armazem do Pav.lo, na
da Imperalr.z n. 60, de F,lix perera Ga
Silva.
como bem sejam:
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de carteira
juando abertas
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras e os
mais necessarios dourados e de madrepc-
rola para costura, obras de apurado goslo
e perfeicJo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musha.
Estojos on carteiras de ecuro com nava-
ibas, e os mais necessarios paraviagens.
ESCOVAS DE MARFLM
Para unhas. dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperla para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capel'as com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gantes para o pescnco.
Outras con aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botoes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 55.
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas Je labyrin-
tho, para baptizados.
Renda c bico de guipar, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicas.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
iatorios, ac.
Ronitos passai inhos de motal praleados.
para segurar costuras, tendo almofadinbas.
de velludo para aguihas e alfinetes.
Thesouras de duas, tros, quatro c cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULIIAS NON-PLtSILTRA
Tal a qualidade d'essas aguihas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, "merece a Agola Branca as I
honras d'um annuncio, e sera duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assira custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundarn
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras oontinuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a infinidade d'objectos
que constantemente so achara venda na
loja da Aguia Branca, seria seniio impossi-
Eartholomeu & U7
&***A
DE
*bv
Camisas de flaneda para hornera, a me- vel ao menos infailonho por isso ella con-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer- lia na constancia de sua boa e antiga fre-
ca^. quezia. e pede aos que de novo queiram
Meias de la para homens, senhoras o reconhecer a comraodidaile de seus precos
creancas o a cinceridade de seu agrado, que nao se
Ditas de dita, tecido de borracha, para esquecam de comparecer loja d'Aguia
quei_soffre de menucio as pemas. Branca na do Queimado n. 8.
1 Aull IflTli
Vl.NHO, PlLULAS, XAnOPB E TlMTURA
DE JuaUDEUA SIMPLES U FRnUOINOBO
Oleo, Pomadas Emplastro da mbsma
planta pueparapob por
8ARTH0LOME0 & C"
i';.' ATiMACE UTICOS- DROOUISTA8
*i:i:\tvfitico
A !.:-.'.:ii(:li:i : etli p'.anla i hoje rtcnnhM .i
como o mui poderoso tnico, como o DMlbor
lesobflrucnlt-.e como lal spplicado Dos psileciOMMOn
ilo ligaibe ba^o, hpslile, mrMH, luinorcs imer-
nos u tpocialiiicnle Jo iWro, hjilni|*-m, tryti-
pcllas, ti:,; c associailo ca .'erro o ulil Das ptUliJas
cores, cliloroscs e falta Ja DieD.- jos Jo cstoma^f, etc., e o que diseinoa allasUo
untunaras curas imponjdIcs obtias om n>-so3
Breuara di.-un ls mdicos do paij 'Portugal. Da todo os
uosos d:positos distribuimos gratis follwlo i
mribor ra>cm coubcccr a .'urubeba seo* reso.IV
e .ipplicafto.
Vinho verde
A' roa i!o Li'.iauiiin b. fi cuMina haver para
ve: der por pr- m ra* aveis, o mellur vfalm vftrde
ate hoju vindo a esle iii.t
POTflSS DARUSSI
A mais nova ao mercado, a prepi raz ave) m
arraarera deManocl T Basto, ma do G-mine
n. !).
ESCRAVOS FULX3.
Largo do Terpo.
S1MA0 D1IS SANTOS
Os proprielarios deste bem sortido armazem de secco e mocados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desla praca, como do mallo o igualmente lis ami-
gos do bom e barato, que teomum grande o vantajoso sortimento & diversas meiva-
ditna e as mais novas do mercad., as quaes vendem em grossp e a retamo, por
ramos preco do que em outr quahpier parle, por ser maior parte deslas mercadorias
Compradas p>r emita propria, por isso quera comprar al a quanlia do 100^. lera cinco
por cento pelo sen prompto pagamento garanudo-se qualqiur i Jo deste
armazem.
GAZ AMERICANO 03 a lita, a 100 rs.
a garrafa e 60 rs. o litro.
F i{ nho Todos gs SmKo d.-i fHIa
do Ipoju.-a, no da 30 da malo, i i -i-;... i;n.;i;,;,,,
43 aun a l- idade, puocu man '
menos, r rcrnvlba, alto, petinrai ,
sem birba, o os pea ,., da sr;t.
I). Srtirwrina XariadoL4rauiuni. iHw niomuTia
fiBa de Serinbaa;:; no-da inimodiatn da foidr1
ostevo na mesma villi : suppflo-sa ir rwittaay,
i) que sfl proced ra c m o ni r da l< i .. qui iq!
lenha, e pede- o s a ttord id : i iriae \\ rapui
lini :. eampo a cap ira domeroo e rnovg.-ir nn
meso aBgsnbo ao aoiiixo asign*s oh iu r.
da Moedau. '',! ajular.epriptoriu de U i. i A|.
::''.::. L '.., que er (oci ilr n i'utn-
lo.
fctigucl Paulina Toltniinn P*ri ftdr5o.
Cortlatados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sormento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a lrSOOO rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Vivir da Sil
BALGI-S MODERNOS E SAIAS DE LA
Na Inja do Pava > v.mde-se os mais mo
deiu.sbaloes r^niadores tanto de muse-
lina como (J,: |bi iit; tl-n.t e M majs mo,!,,,..
as saias d i laa en estada, mais barato d.
que em outra qualqvr parte
SULTANAS
Chegou para a loja d Pavjo um grand.
sorl.ment dan mais lin.ias sultanas, par;
vesl1 *en,,', muito lara k bonita fazend;
com listas de seda e os padrees mais nnvo-
qu lem vindo a ej o mercado, vendendo-s^
i llOO o civad, na loja de Fel* l'ereir;.
di Silva i rqa da Imperatriz n. 60.
VINHO VERDADEIROFIGUEIRAOOe
640 rs. a garrafa, a 43501 c i;>S0o a caa-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
a 400. 440 e 5:K) rs. a garrafa, a 30 o
3fi5r0 a cariada. 60o e 640 rs. o litro
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7$ a ranada, e I3i0 o litro
VINHO RUANCO DE LISBOA a 000 rs.
a garrafa, 40500 a caada e 900 r>. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISR0\
00, 240 e 30 rs. a garrafa. 2.^00,
10800 e 10400 a caada. 300 o 480 rs.
o litro.
ItVNTDGA INGLEZA FLORimOe
I80 a libra, 34140 o 2;800 o kilo-
giammo.
DEM FRANCEZA 9i50 900 e 850 rs
a libra, e 20100, l#980 e 10870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMI-ERO a 640 rs. a li
bra, 10400 u kilogrammo, em porco se
fai abatimento.
BANHA DE PORCoDE IIALTIMOOR
720 rs. a libra, t 10570 o kilogrammo, cm
porcSo se fai abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra. 260 e 30u rs. o ki-
tarammo e 3,-$800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
logramnio. f 6* por i kilogrammos.
.AFE EM CRAO .1 05 e 60500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
SARAO MASSA i 260 c 200 rs. a libra,
570 440 rs
batimento.
La aba-
620 rs. o kilogrammo, em rorejo
limento.
BOLACHINHAS E.\l LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a l4o 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 i s. o
masso. era cana ha abatimento.
PIIOSPIIOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANZA. 5 2HO. 4oOe500 rs. o masso,
30200 e H6500 a gmza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHINHAS
DE MUITOS TAMANHOS a 30OO, $0500
e 10 a ulna.
C.MMA DE MII.HO AMERICANA a 400 r>
o masso de urna libra, e em oai.'.a ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em cabta Diz-se abatimento.
SEMEJA INGLEZA MARCA El a 36500
a duzia e 5(>0 rs. a garrafa.
DEM RASS. VERDADEIRA HILERSA-
BELL, 800 rs. a garrafa e i1 i \ bizia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, J200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENERRA DE HOLANDA E AMOUR-
6UEZA 70 c 6;ja (rasqdeira, o 5D0 as. u
frasco.
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA.
110 a fiasqncira e 1> o frasco.
QLEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30, JSOO o 20400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOUCINHO DE LISBOA a 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, a 111500 por
14 kilogrammos.
i& autoridaes polciaes q-\
quem competir.
lia 29 da malo do crrante a no (o-
gio o eseravo Esequiel, crinlo de 3n a 3
anaos de idade, i satura regular. n-f.rcaid&
cor bem preta. .cabeca radon la. traja ra
misa azul o alca de casemira nraeuta; dth
ranlaj o da costu-w andar ganhamlo,n s
rua>, ou em armazens de asurar >m ata
tabernas a conversar e a b*btr; duran
noite rocolb-se a Hheiros ahern.s oo pp.
netraffeis, a casas mi cobstrn-c3ii a ou-
tros qoaesquer logaras wnoV se pussa abri-
gar: quem o apprehemler tenba a IxHidade
de o cooduzir roa da Aurora n. i6, oo I \
ser gratilicado.
^V-^t^
CHA FINO. GRADO E MDINHO os
o kilogrammo, cm caixa ha melbores que ha un mercado, 30 e
30200 a libra, 7,5080 o 60540 o kilo-
M\SS,\S PARA SOPA, MAC\RRO, TA- grammo.
tlSN. E. ALB'H,A 80 'S' a libra e IOEM PROPRIO PARA NEGOCIO 257(NI
I07oOoklogram.no. fcjsoO, -5J0O i 20 a libra, e 50450 e
SEVADINHA E SAFU 280 rs. a libia e *r5180 o kilogrammo.
Assim como lia t.-tiii os muitos mais gneros, vmho em an bbas.
passas, figos novos, charutos de diversas mareas, lioguicas de Lisboa, mirmelada. con-
sen-as gtja de maimello, pcego, erviihas, peixe em latas, sardinbas de Nantes.
vmho verde engarrafado, lomada canella, cravo, ervadoce, eominbo, pimenta, grande:
moihos do sebolla 10500, finalmente muito mais gneros que enfllidonio
luenciona-los.
INJECTION BROU
>, lulallltrl c frrwriuiti, bluunuiu a ui.ica .|.rcut. u ucioiuu. jum.g. v u, J
*J""*aii aaaHia # mU (tigir a iaMrocfa* aa). (ao ud*> da alataaeU.) Pitia, m a
BlaW.kaa4araNllacaa4a.lia. '
Rsle admiravei
|Of>|iuraiiio u.io
mrmslDcr-
Iriiro, inda ou
fcrwnicii i i um
o ajualifl-
fIof ihirso-anueecura nrixh*M*i uIpm.,5 depHe, L:>* ron... u i. (ira. tnnni. Mh.-ri, ^
niHaliu, ?***, etc. -EowreitarVadiniaiU'nlc elle refera a aw Jp naga, cn )da o saude.
A IK JEGCAO CADE? ^?j&l5Lr**' mi^ "
Basm, 7. B' Dwialn,
Fugram do i wnliH fn
do termu da Erada, na noile d>
topara 11 do nnrenif, neai< es-
craww iiiulatos, o t\ -.< Umm
riiiupradn ao Exm. Sr. barln db
Xazaretli ba 13 din-i p m m t
;' mem*, feodn J. ao. klado .-<
, 30 a 'te aeoos,"!" :n baii>a
  • , p> .
    ibeliodns, tem us dortug do- u^, iiu tt o
    ininirao!" uorlo o qua! ifue ireiwm um mi muro,
    todos os i''ui1'< do : o:if. rorpn n-gulnr n
    i da e iuro de sarianei >, i/;, azul rfo
    alRufiio qae !;...' chainai pellodOn^a r n.ii.ri. r
    do baila i'srura e moi ilvurna rmipa, .i e^ravo
    do Illm. Sr. tenente ; .-iiih.> t'.mr. dfl
    Mello, deOtiricury, o oufro do ih Fhix. ra-
    bra, alto, bom cora, idade i' aaaiui pmr maia
    oo mono, levon ehap de eoarn de ai a larvas,
    .i.l de j a idau qn i ilie (Hiamru peUf d'on-
    sa iMbi'rtor de bata eseura. l'oi ajM-rdvti '.
    Illm Sr. Etiuanb Piirmra do Soma, ta i.rovii r ,
    da Parabyba, rrue o Tendee por uru prnrnnidor n
    ti L..p.-s Alheiri- ; q-u-ai u ap.r. hender u
    levar ao in-isino engenho Kirnie
    esrriplurio du OoiDingos Alvo* Maulen, ra do
    \ ii-v.no o. 21, tota geii.Tii.i;;.-n;.- r- mu >,;i-,i L
    l'ugio no di;. 9 do r..ir. ir mexdi
    engeo^p Saot'Anna da comarca do Piirto
    Calvo, o cabra Wenceslao, r>bpra ulu-
    lar, do fi annes pouco mais ou menos,
    sem barba, cabellos piolo, e |.|1( er*>
    'os, l'oi comprado na ridade do Rq-^
    cifo, para onde v-io da prov..,.. i .>;V
    rahyba; o pera assim o eseravo Manee*
    envaro* oe ti annns. r..;,,,,,......Mr,
    tem um denU quebrado uo (i.e.xo Mipriior'.
    bem preto; (uem o* appi-, i.,i,.i H*e a
    casa do negociante Joaquim Rodiigm-s la-
    vares ile Medo.no R. cife, ou n, referido
    onaenho aue ser bem recomin-nsado
    Tupio do eiigenh(70ollcg.Mla |.i a e>rr
    Jart.nha, baia e Xp.da .lo avr*. r m
    nnxea*d bexigas", meiM belw.b ,. .,m,,i, a'lahi*.
    pana-so heni a qoem a levar a-, dito ra^nike, o^
    r*. Oliveira. lhin & C, iw n.-e.fe
    I'iijio uo da 23 d<> eurivi,!,.. Ou ,i
    QilebM da freguezia de Perinhaein. o pmt" f-
    bra, bV nonie Flix, (uo represif i.. i r a I nn s.
    aa uido-is, alio, gfnM^ can larga, i-.o fa
    lantijev. n ea|.;.a 9 brim pard rmu*a de raa-
    ISo. rbapo de couro .,a mu "iitru .le rhil,;.
    'novo; eojo eseravotalwz lonli.i lonw*i "ami
    I nho do Pao d'Alho : qon o pftmr f levi.r i T/o
    ile>, uo no Reri i < Imperador n. t.5,
    W -ido.





    Diario de Pernarabuco Segunda fcira 30 de Agosto de 1869.


    ME1ELA GERAL
    CMARA DOS SRS. DIPUTADOS
    SESSAO EM 28 BE JUUKX
    PgKSHMMCIA ro SU. MIBIA3.
    O Sn. Cohhea :O Brasilero nao pode
    ser entregue por extradiro, ncm expulso
    do territorio do imperio; o estrangeiro
    *n. Eis porque aceito doutrina diilerente
    orai relacio a u:a e a otitro.
    Creio, pois, (pie o arl..'" nao est no caso
    de. ser approvado.
    Xoaho i^iialin -ntt de objectar contra os
    y S e 4' do arl. C" que autorisara o go-
    deo para a regular mediante reciprocida-
    de o julgamento de crimes perpetrados a
    4id.' de navio brasileiros no alto mar,
    oa as aguas leiritoriaes, ou portos es-
    t/angeiros, onde l'r admiitido esse direi-
    ii; e o de'crimes commettidos a bordo
    tle navios estrangeiros contra pessoas nio
    u le cenles .i nipnlacJo, ou mesmo contra
    pessoas da tripolaco no caso de infracc5o
    da polica do porto ou aguas territoraes,
    ni de requisir.o.ou de accordo com a res-
    jiocliva autoridade ttraugeira.
    Ouanio aos cuines pralicados a bordo de
    aajfco mercantes as aguas torriloriaes, os
    lisiados-Unidos aceitom o principio de que
    sujeitos jurisdicc-o local.
    A franca aparta-so desla doutrina. Tra-
    ^Btto-so de ac.os que cotendem somente
    um a disciplina interna do navio, respeita
    i |e:sUcio do paiz a que a cndwcacao
    pertence' e bem assim quauto aos crims
    jierpHtrados a bordo por pessoa da Iripola-
    , jo cfintiM outra da mesma tripolaco,
    s mercantes da caa naco no aWo w-r
    fura dos limites terriloriaes de outra, sao
    sujeitos jurisdiccao do Estado a que per;
    tencem. Sao, napbrase de Wttel, poi -
    ces de seu territorio.
    O Sr. Taques : Ningnem o conteste.
    , O Sr. CoamU : Mis a commisso ad-
    mittio o projecto do senado.
    O Sn. Taques : O projecto
    4*vida tive de sub+r tribuna para prir este dcve.
    presidente, V. Exc. se deve lembrar,
    nada diz
    em contrario.
    O Sr. Conn&A
    ferida na arl. 6"
    O Sn. Taoies
    truir.
    O Sr. Correa
    E a autorisaco con-
    3o?
    Regular nao des-
    Enlo as palavras re-
    gular, mediante reciprocaade, o jalgaracnjo
    e a casa tevbem. de que ao entrar em dis-
    cussSo este projecto com as emendas vin
    das do senado no-bouve, por assim d zar,
    quem niio consideraste taes emendas com1
    dignas de grande reflexo, n5o s porqae
    ellas se refjriam a un projecto de alia im-
    portancia, que contm materia' inteiramente entendeu que elle devia licar.
    nova entre nos, como porque essas mesmis
    emendas alteran consideravelmente o pro-
    jecto que desta camaaa cmara foi para o
    senado.
    4or estas razes opteadga esta augusta
    cmara que esgjs emendas, com o projecfo
    pude como que locar com o dedo em tedia! Se ln razes de tanta ulilidade, de tanta
    as partes onde o mal existe, e deixou n- conveniencia, que tornam necessaria* ex-
    questionavelmente salientes todos os defei- cepces no julgamento ena punico de cri-
    tos das emendas era dwcujaio. teosos dawdem destoe de que o projecto
    eu apenas gata, ah tainos o poder moderador que
    Assim, pois.Sr. ,
    occupar-menbei principatmel f dos arga-
    mentos que tenho pira sustentar que
    art. i", cftmo foi redigido pelo senado,
    torna inaceitavel o projecto, como o senado
    OSr. A.kncar \ruuit.:-AIi est.toda
    a s ja grande utilidade.
    O Sn. Soi'za teis: Sr. presidente, des-
    de que um faato qualiicado de crime en
    nao eomprehendo como so pode fazer fa- xcepco, em materia cnminal.
    de crimes perpetrados a bordo de a*>i faitem s commissoes reunidas de jnslic
    brasileiros no alto mar nao tem a signifl-
    caco que Ihes estou dando ?
    (Ha mais alguns apartes.)
    O art. Ib' da Ord. de 29 de nutnuro de
    1833 providencia para que o delicio pra-
    ticado no alto mar, a bordo d j navio me*
    cant francez, seja sobmettido ao julgamen-
    to dos tribunaes francezes.
    O projecto em discussii) autorisa ogo-
    verno para regular esle ponto, mediano
    reciprocidade. Nao sei o que ha aqfli que
    regular.
    O Sn. Taqlks d um aparte.
    O Sn. & rrea : Desde que se consi-
    dera que o navio brasilero no alto mar
    porcao de nnsso territorio, ha olensa de
    nossa soberana quando outra nacao pune
    deliclos commettido a bordo desse navio.
    \ nossa jurisdiccao de ve ser semprc sus-
    tentada. esta aopiniao deFcolix, que
    assim se exprime :
    Todo o navio que se adiar no alto mar
    patrimonio commum das nacoes. consi
    criminal c diplomacia.
    As consideracSes que aqui se flzeram por
    occasiao de entrar em discussao o projecto
    com as emendas do sen ido, Cora em ge-
    ral no sentido de nao aseitaco das e-n-
    das ; e a este respeito argumentos se pr.
    du/.iram de mnita importancia; entretanto
    a maioria das"commiss5es esiendcu que
    cuilava a disposico que s ijeila a processo
    e julgamenlo o seu autor.
    O S. Alkscab Aawi'k d um apirlo.
    O Sr. SoizaRes : Perde-me o nobro
    deputado; a utilidade fioma princii)io para
    que legislemos sobra dever-se ou nao pro-
    r cessar e punir os autores de fados, que a
    ) le tem nualilicado de criminosos, sem do-
    vifla r zo sufficiente para que cxeepces
    se facam no processo, no julgamento, n
    uenlium desses argumentos, nenhuma das-' punco enafun de toes criminosos, mas os
    muilas consideracoes que as emendas do | casos em'que isto se deve dar devom ser
    senado suscitram, mereca a atlenco do- j delermioados pelas circumstancias que oc-
    vida ; eu, porm, e outro Ilustre cotlega correm por occasiao desses mesmos f
    era p ma em devido lempo, e,
    lo perdi ,-mier pela amnista, far
    desejadolWto.
    . Coelho Ronnici f.s r^-E a amnista
    s se d em casos extraordinarios.
    O Sn. Souza Res :Exactamente; e o
    caso de que tratou o nobre deputado a
    quem respondo nao podo ser sen3o extraor-
    dinario ; sao casos em me se deve .fazer
    dessas commissoes, entendemos diversa-
    mente, c sem acompanharmos aquellas que
    argumentavam coma sabedoria, illustraco,
    patriotismo e longa experiencia de bomens
    tao noUneis como esses de que"se coropoV
    o senado brasilero, julgmos que nao era
    isso razSo sufliciente para que subserew
    mos a essas einendas, acousellwn lo a siui
    adopfao para que assim tu sscinos mps
    lei do paiz.
    \inim,Sr. presidente, assaltou-me, d sil?
    O Su." a-EMQMR AkAnira: Exactamenie.
    O Su. Sorz.v Ra : Entre nos, esto
    doterminados os casos em que a punico
    pode noter lugar; assim par exemplo
    que uem semprc o individuo que tira a exis-
    tepfiil a seu semelhanle punido: se se
    Parece-me, Sr. presidente, que Jesde
    que eu tinlia isto comorazo para aseilar o
    art I* das emendas do seBado, aao podia
    do'rxar de me assignar vencido n'um pa-
    recer que conclua pela adopeo com-
    pleta de todas as emendas do mesmo se-
    nado.
    Alora disto, como j tive occaeo de de-
    clarar, mitras emendas, principalmente
    aquellas que autorisam a regular por meio
    de reproeidade ojulgameato dos crimes
    commettidos em navio brasilero em alto
    mar, em navio estrangeiro dentro dos por-
    ii>s do Brasil, sao sem duvida disposices
    que meu espirito nio pode de modo algum
    aceitar, e que no-sei como realmente pos-
    sam ser aceitas.
    O nobre relator da commisso sem duvi-
    da que ontende, como eu, e como o nobre
    deputado que me precedeu, no que diz res-
    r\\il.v i-v i a ii i ,i 11 i i> i nrt ivi iit I i (H t \c t\\X\ il*l\"l\
    ie alguem o fez em" legitima defesa peito aos crimes commettidos em navio
    e com as circumstancias que lomem o crime brasilero em alto mar, de manoira que se
    justiYavel, sem duvida
    que a disposicao
    pi'iial licar entao sem cfleito.
    Se o nobre deputado portante appiican-
    estivesse bem explcito na emenda que se
    pretenda fazer intervir autoridades de urna
    naciia oslrangeira no julgmente e punirlo
    paiz, contra a constituir!, a forma do go-
    veruo e o chele d uoi de faUidada
    e moeda falsa, assim como aos crimes par-
    ticulares contra Brasileiros, baveado quetxa
    do offendido nos aliancaveis, o nao tsado
    lagar neste ultimo caso o procedimento Ju-
    dicial se tvesse havido julgamento no paiz
    em que o crime tivesse sido commettido.
    Foi s na 3* discusso que appareceram
    as eraenda que o transfoi marain, e assim
    completamente alt-rado, subsiiluindo-ae o
    systema adoptado pelo systema francez, foi
    remetlido para o senado.
    Nao se contentou aquella augusta- cmara
    com as emendas feitas nesla casa, tanto
    assim que julgou conveniente emenda-lo
    ainda semeorotudo alterar o systema adop-
    tado, pelo que foi-nos devolvido.
    Sr. presidente, V. Exc. sabe que rekia
    em todos os paizes perfeito accordo sobre
    o seguinte ponto: que o estrangeiro, da-
    rante o tempo que reside no territorio de
    qualquer naco, est snjeilo as leis desse
    paiz e que o estado tem o direito de puni-
    lo se delinquir.
    As opines tambera n5o se dividen),
    quanto a saber se o estado lem o direito,
    obrigaco mesmo de punir os crimes perpe-
    trados por um subdito seu dentro do seu
    territorio, contra outro estado ou contra
    os subditos desse estado. Se algumas mo-
    difieacoes existem, o principio geral sub-
    siste semprc, porque taes modilicacoes
    versam to smente sobre pontos secunda-
    rios, como por exemplo, se devo preceder
    reclamgo ou queixa, ou se as autoridades
    do paiz do delinquente devem proceder
    i porto. S apptica a sua lei quando o
    leticto commettido por pessoa eslranha,
    ou coutra esta, ou ainda por pessoa da tri-
    polac-Su contra outra, se se d perturbado
    (11 tsaaquillidade do porto.
    O principio que convem manler no Brasil
    .. ru icstrici que os delictos platicados
    a bordo de aavios mercantes as aguas ter-
    'ioriaes bao de ser julgados conforme as
    naasas leis.
    O Su. Fir.iEiRA : V. a theoria actual.
    (.1 Sr. Correa : Sobre esle ponto diz
    um iiotavcl escriptor :
    guando os subditos de um Estado se
    espaiham enire os habitantes de outro paiz
    fora tratar do seus negocios ou por uero
    capricho, e quando os navios mercantes de
    orna naca > entrara nos portos de outra para
    coramerciar, Dio podem Picar isenlos da ju-
    risdiccao do paiz sem risco para a boa or-
    dem da sociedade c para a dignidade do
    giverno. Ha razes valiosas para nao sen-
    i ..i-Ios da iurisd'wcao do Estado em que se
    idiam, e nao ha motivos para pedir tal
    liCnco.
    Com effeito. s3o importantes as razes
    que aconselham entre nos a admissSo plena
    o i principio em que se firma a legislaciu
    dos Estados-Unidos. Embora a Franca siga
    principio contrario, nao devemos celebrar
    r.imelia, ou com qualquer outra polenrii,
    ' convenci que restrinja a jurisdiccao terri-
    i irial quanto aos delictos perpetrados a
    do do navios mercantes em nossas
    aguas.
    Eis o que diz Wheaton sobre essa parte
    da legislaco franceza :
    A legislarlo franceza, sentando navios
    mercantes estranguiros da jurisdicelo do
    paiz, conced-llies maiores immunidailes
    l(r,ae as exigidas pelos principios geraes do
    ito internacional.
    Ej um paiz de extensa costa e numero-
    portOSi como o Brrsii, nao se pode
    vimiilir o principio que a Franca aceitou
    sera o perigo de provocar questes com os
    tras Estados.
    Vozr- : A reciprocidade seria Ilusoria.
    Oan!' aos delictos platicados no alto
    inc intrei em escriptor algum.
    que pude consultar, seio razes justi-
    itivas dq principio que devemos adop-
    tar sem discrepancia de que esses deliclos
    platicados em navio brasilero ficam smen-
    : jurisdicci i d i su(oridade bra-
    ira. (Apoia I
    Fsie principie nao soffre limitacio algn-
    Pada ha pie regular sol ponto
    mediante reciprocldada.
    Porventnra pode bavor caso cm que
    delictos pralicadosem navios brasileiros no
    3U) mar sejam jolgados por autoridades de
    Ira naci ?
    O Sr. Taques : Isso nao est no pro-
    fck>.
    O Sn. CouiiA : Est no arl. 6o 3S
    autorisa o governo para regular, me-
    ii aiito reep.-o'-idade, o julgamento de cri-
    mes perpetrados a bordo de navio brasi-
    no alto mar.
    Tratando da materia diz Wheaton : t Os
    nacao a que pertence. Os tribunaes desta
    naco sao os nicos competentes para co-
    nhecer dos crimes e delictos
    bordo.
    O projecto pe em duvida esta compe-
    tencia.
    O Sr. Taques d um aparte.
    O Sn. CottREA : Direi que se assi m ,
    se apenas se confere ao governo autorisa-
    cio para regular essa competencia* sempre
    reconhecida, se to simples a desposi-
    Co, entao nao ha necesside.le delta, poja
    que o poder executivo tem a attribuicao de
    celebrar tratado nos termos da constilui-
    Co.
    Assim. pois, a desposiro ou intil se
    apenas confere aojorisaeie de que o gover-
    no nao carece, ou se envolve entro pensa-
    mento, se pode trazer o resollado de mo-
    dificar de qualquer forma a competencia di'
    nossos tribunaes para jotger enmes com-
    mettidos a bordo de navios brasileiros no
    alto mar, n5o est no caso de ser appro-
    vada. (Apoiados.)
    Sr. presidente, creio ter tratado das prin-
    ripaes duvidas que pode suscitar a materia
    sujeita discusso.
    Vozes:Apoiido; fallou muito berii.
    O Sr. Cop.rka:Je accordo com o que
    tenho exposto voto pelas emendas di se-
    nado, com excepeo do art. '' e dos Ss *'1
    e 4o do art. 6n.
    Necessito.' porm, Sr. presidente, queV.
    Exc. se digne de dizer-me se na estou em
    erro acreditando que na votaco das emen-
    das do senado podemos desta ar os g
    e 4" do art. Gr, e approva-los ou rojeila-los
    sep-sradamente. De outra sorte terei de
    dar razes que jusliliquem o meu voto em
    relaco a todo o artigo.
    O Sr. PtesroENTi:-O regiment p r-
    mitte.
    O Su. Concia:Eotlo votare! pelo art.
    6" com a excepco indicada. (Muito bem.)
    O Su. Souza Res cede a paavra para
    ouvir um discurso a favor do projecto.
    O Sn. Axdrade Figceira (pea ordeni)
    julga conveniente que alguns aos honrados
    membros das commissoes que assignram-se
    vencidos dessem as razes por que assim
    o Qseram, servmd ellas de governo quelles
    que livessem de impugnar o projecto.
    O Sr. T\oif.s (pelaordem) declara nSo
    nado, urna queslo, que cu diimuv.i pre-
    judicial, sobre a materia que se discuta 6
    raticados a ella a que consigna a radauca de urna s
    palavra que se contm no projecto, qu
    desta cmara l'ol para o senado, [torque de
    que pela primaba vez l as omendas-ilo se- do princpiosnsem os^uaes nao se pode ad- de taes crimes, por certo nao adoptara a
    mittir excepcSo em materia penal, determi-
    nasse ps casos era que os individuos, que
    oamnetlessem os crimes de que se trata
    ueste projecto, devessem ser iscntos. ate
    do processo, eu nao loria duvida alguma
    disposicao ; e smento elle sustenta a emen
    da por ue Ihe parece que a diaposicio
    delta apenas se refere a formula...
    O Sr. Ta.ues :-Tem Jpor fim remover
    ddliculdades.
    O S. Solza Res: Realmente, se o fim
    tal murtanca ivsultou tomai-se facultaii\a u em prestar o meu vot), ainda quando esta
    nao obligatoria a desposico que maula su medida que o nobre deputado apresenlasso e este eu nao tena motivo para oppor-rat
    geral da punico subsiste.
    O Sn. Soiz Res :O nobre deputado nao
    pode demonstrar que o principio geral da
    punico foi respeitado pela emenda que
    discuto; ella o deixou mare deumafa-
    jeilar a processo e julgar quelles que coav
    metlerem os crimes de que o mesmo oro-
    jacto trata. Assim diz projecto (pie ueste
    augusta cmara foi para o sonado;
    Art. A.* Serdo processados, ainda que
    ausentes do imperio, o julgados, de.
    O seuadd na sua omenda a este artigo
    substituio a palavra sero por estas outras
    poero ser.
    A principio, Sr. presidente, me parecen
    qiw as paluvratyorfmio ser, contando facul-
    dade, referiam-so nicamente circumstan
    cia de nao terem sido os crimes commetti-
    dos no paiz, teto de nao poder vigorar a
    resoeito delles a lei j existente no paiz; | cuidado que pode iuutlsa-lo.
    ajas, nao s vc-se das emendas do senado '
    cm geral que nao este o p nisamento;
    como a propria maioria da commiss5o reco-
    nheceu, doelaroq e neeitso como boa a fa
    culdade de processar ou deixar de pro-
    cessar taofi criminosos; alm de que o pro
    jecto da cmara, dizendo serto processtulas,
    nao desattendeti aquella circumslancia,
    anlesnela se fundou; donde se ve bem
    que, se a mente do senado era refriase
    ausencia dos criminosos e ao fado de terem m juiz eu nao compreh''ndo
    sido os crimes commettidos fura do paiz, o
    projecto que desta cmara foi para o sena-
    do nao aconteariava> Perianto, > que lirn
    evidente para mim, e creio que est evi-
    dente para todos, que o senado teve por
    fim lomar facultativa a desposjrio que man-
    da processar o julgar os individuos que
    coma tterem esses crimes de que o mesmo
    projecto trata, (Apoiados.;
    Sendo assim, Sr. presidenle, me pareco
    fora de duvida, me parece fra de toda a
    queslao que se.melhaiite emenda nao pode
    ser aceita.
    Sr. presidente, quando racimo cu nao
    tivesse ouvido o nobre depulad i que me
    precedeu na tribuna, me julgaria dispensa-
    do de oceupar-me de todas as emendas do
    senado, cm murtas das quaes encontrei e
    reeonlieco que existem aisposices incon-
    venientes, disposices offensivas de princi-
    sc referiese i utilidad-, que deseja attender, | idea ; mas o nobre deputado, que assim
    isto aquella utilidade que pode resultar pensa, deve concordar comgo e com o
    do accordo em que devem vivar as dileren- nobre orador que me precedeu, que nem
    tes aiices entre si: mas a isto nao atienden i est isto explcito na emenda, nem ha razio
    a emendado senado: neila se conten ex-jou necossidade para que sedisponhaa se-
    ci'pcao ao dimita de processar a julgar, melbanto respeito : nio est explcito, por
    sem respeito ao principio geral da punico, I que o que diz a emenda 6: O governo
    que deve ser applicado sem distineco. i tica autorisadoa regular por meio de re-
    OSr. Alencar Abampe: O principio ciprocidade o julgamento de crimes perpe-
    trados a bordo do. navios brasileiros ao
    alto mar. i
    Ora, bem se v que isto est dito to
    absolutamente, que pode sor entendido e
    dar logar a questes que tendam a restrin-
    gir o direito commum sobre julgamento e
    Eis as razana que tenho para assim diz-lo. punico, era casos laes, que alterem
    Primeiramento, Sr. presidente, desde quelaqnillo que est estabelecido entre nos,
    se da faeuld;me de processar ou nao os' e constitue direito nico do Brasil. (Apoia-
    criminosos de que trata o projecto, o que dos).
    occorre a qualquer um (U nos pergnnlar i Portante, esta disposicao, quanto a mim
    a quera cabe esta faculdade, e naturalmenie nao deve absolutamente vigorar. Assun
    se responder que a um dos dous, governo lambem a outra, senhores : pois havemps
    ou uz de admittir urna excepcao no nosso direito
    O Sa. Ferueira Yia.yyv : O juiz nao
    pode, ha de processar por forea ; arbitrio
    criminal para que os enmes commettidos
    em territorio, sobre que nao ha duvida
    que nosso, sejam regulados por lei es-
    trangeira ?
    Me parece mesno que as condices em
    qe nos adiamos para com algumas naces
    devem nos aconselhar a nao autorisarmos
    Mas. pergonto cu nos! eoncsses semelhantes, mesmo quand
    pobres depotados se ao governo, onde a' ellas tivess m urna razo de ser muito no-
    independencia do poder judiciario ? tavcl. (Apoiados).
    O Su. Amcngab Auari'e: Nem o pro
    jecto diz o contrario.
    O Sn. Soiza Res : -Ao juiz nao, feliz-
    mente que sobre isto nao ha queslo .
    ter duvida em tomar a palavra, mas tenio pos geraes do direito, disposices oflen-
    FOLHETIM
    OS CASACAS PRETAS
    ROMANCE
    por.
    Paulo Fval
    Segunda parle
    Tllltt PATAS
    (ContinuacSo do o. 190}
    III
    O caslello.
    O caslello de Bcisrenaud, onde o abbadc
    d-. tionili estaoeteceu residencia, equea
    [oeza de Pbaiaris por um instante esco-
    ] para retiro, pela' sua proximidade do
    ley, conta ainda entre os seus hospedes
    cdebfcs o bailarino Trenitz, que alli leve
    a tionra de receber. em I7SS, as senhoras
    Tatfien o Rcamier. Na poca em que de
    o se'ata o fio da nossa historia, perten-
    ot> aquella propriedade e as suas magnifi-
    cas dependencias ao Sr. baro Sclrwarti.
    que se dispunha a fazer-lhes innnmcros afor-
    eamentos. Aforrao^eor 6 palavra trai-
    coea, lha desse aelhor, que, segando o
    rifle, o antigo inimigo do Bem. Importa
    ar as consas como aos homeris o trajo
    prio, e a historia da arte cita monumen-
    aformoscados cor.: enorme dispendio,
    primores incompletos que cran, se
    .fono rara era pessimos edificios.
    ,\pressar-nos-hem:5 a dizer que o vclho
    iod nao passou por tao
    te : limitaram-so a demoli-lo, para
    ao sitio e logar construir urna casa
    moderna e bonita. Era o br2o Schwarft
    animo enrgico e decisivo, que nao
    cousas por nietade.
    MU
    os membros da commisso de juslica crimi-
    nas e de diplomacia assiguado vencidos, pa-
    recia-lbe qve .s devia fallar depois d is
    nohres deputados dizerem por que niio
    adherirn) ao parecer das commissoes.
    (Apoiados.)
    O Sr. Souza Res :Pei;o a palavra.
    O S:. Presidente :Tem a palavra.
    O SI!. SOUZA RES :Sr. presidente V.
    Exc. vio que eu redi da pala ra por deso-
    jar ouvi quem sustentasse o parecer, una
    vez que o combatra o nobre depuiado q e
    meprocedeu: entretanto como o nobro re-
    lator da commisso, por sua p irle, decla-
    ro u tambem que ao vencido, assignado tal
    no paree r, corra a obrigaeo de dar os
    motivos por que assim o tez, eu nenhuma
    Naquelle tempo, quando se chegava ao
    correr do valle, e, depois de ter passado a
    ultima ramara enlacada das mates, a'p'aoicie
    cuKivada se descnrolava vista, a primeira
    cousa que da va nos olhos, a nica.
    aquelle castellinho de contarnos altivos e
    arrogantes, com as seis torrinhas de cata-
    dura austera e os tres corpos desigtraes, djs
    quaes um faflava da idade media, ao passo
    que os oalros dous p reriam copiar algo-
    ma anedocta sediciosa e galante da Fronda.
    A tapada estendia-se em lequ^ por Ira/, do
    palacio, e -confinava por todos os lad s cora
    a floresta, de quo era separada por larga
    quebrada. A alameda que do castello con-
    duza Vaujours era urna cortina de lamos
    duas ou tres vezes seculares,. dos quaes
    cada ramo valia por urna arvorc de cincoen-
    ta anuos ; anda todo< naquella redondeza
    se lembram dessa gigantesca parede de ver-
    sivas do proprio direito estabelecido entre
    as naces, urna vez que, como j
    considero prejudicial a questo que se re-
    fere faculdade de processar ou nao taes
    delictos....
    O Su. Cama Ciiioit.iha: Aj 'lado ;
    urna d\s mais graves.
    O S:\. Souza Rms: .... quanto mais,
    depois. do que esta augusta cmara ouvio
    desse nobre orador, at porque, pretender
    discutir ainda as emendas do senado em
    todas as suas partes, para demonstrar sui
    improcedencia, seria antes enfadar a casa
    (nao apoiadosl.doqac trazer luz para a dis-
    cusso.
    Esse nobre orador com hbil mao des-
    carnou completamente todo esse corpo, e
    O Sn. Ai.iAt: \n A h HK: Na ia tem com
    isso; a amnista tira a independencia do
    poder judiciario ?
    O Sr. Soav Res :- A amnista nao
    do governo. do poder moderador, que
    este cima de tudo isto com > aqudle que
    faz o equilibrio dos mais poderes. | a
    Assim, mais prudente me pareca que
    nao legisasse-mos por ora a este respeito,
    todava, na volaeo reservo-me o direito de
    recusar as emendas que impugne, e aindaqjexistem.
    oul as, que para nao alongar-mc deixo de
    apreciar.
    Erara estas, Sr. presidente, as considera-
    linha a fazer: como disse, de-
    logo ex-officio; se se deve punir o cri-
    mino o, ou se bastar exjiulsa-te do paiz.
    Nao existe porm o mesmo accordo de
    opinies quanto aos crimes, que. o subdito
    de urna nago commelle fofa do paiz, no
    estrangeiro. Os dTerentes paizes da Eu-
    ropa e a America do Norte nao seguea a
    mesma doutrina ; l.a modilicacoes mais ou
    menos profundas na legislaco dos pows
    ainda os mais adantados.
    Pode dividir-se todos os estados cm qnn-
    tro grupos segundo as modilicacoes mais
    ou menos profundas que existem na sua
    legislaco.
    O primewo grupo formad* por aquel-
    los paizes que reconliecem o principie' de
    que os crimes commettidos no estrangeiro
    nao sao punives, perpetrados por quem quer
    que seja e contra quem fr; estes paizes
    reconliecem em sua plentudo o principio
    de territorialidade. Neste grapo est a
    fInglaterra...
    O Sr. DuewsrEsTRADA TmxF.iftA :E os
    Estados-Unidos.
    O Sr.. Vieira da Silva:-------os Esta-
    dos-Unidos da America do Norte e a Fran-
    ga. Mas, ainda em relaco a estes estados,
    d5o-se differencas noteveis na sua le_gisla-
    C", c, em parte, nolaves modificacoes ao
    principio geral. E' talvez os Esiades-Uni-
    dos o paiz que mais rigorosamente mantm
    o principio gral da territoriolidade em
    materia de jurisdiccao crimina!. Tanto as-
    sim, que respeita-sc all o principio ainda
    em relaco aos crimes commettidos eraum
    estado por cidado de outro estado da
    Un3o.
    A Inglaterra aparta-se mais do que os
    E-tados-Unidos do principio geral. Esta-
    belecem-se ueste paiz urna serie de excep-
    tos para casos cspeciaes, e firmou-se a
    competencia dos tribunaes inglezes para os
    crimes commettidos por um lnglez em paiz
    estrangeiro. Note, porm, a cmara que
    o principio da jurisdico penal territorial
    subsiste para dar lugar s excopces. que
    proposito, o poder moderador pode t;cm- eoes queco tmha alazer: como
    bem perdoar, commutar as penas e amiirs* sejava ter ouvido a suslcntaco do parecer,
    liar, noscrraes de qin trata este projecto; visto que o prmeiro discurso foi-lhe con-
    assi.n se conciliaria o quo deseja prevenir o | trariO ; mas", forrado a fallar pelas
    nobre daputado, com a dou ria que sus-
    tento em contrario a emenda quo combato.
    Tenha a bondade de ouvir-me.
    Se ao governo, disse eu e repito, a in-
    disse, | dependencia do poder judiciario tica a mer-
    c sem duvida alguma do mesmo governo,
    porque Ihe (Icaria o direito de fazer pro-
    cessar e julgar nicamente a quem qui-
    zesse....
    O Sa. Fr.uiminv Vianna : Isto um
    sem .atunero de questes internacionaes
    que estamos arranjando.
    O Sn. Souza Res :.... e sabe o nobre
    depulado que nao se precisa de mais para
    que se diga quo a independencia do poder
    judiciario ser atacada com semelhanle dis-
    posicao.
    Nunca, portento, a disposicao de pro-
    censar e julgar os criminosos deve ser fa
    cnltativa.
    dura e
    dos
    a
    enormes caminos
    que
    mliies ou mais, segundo as proporces
    que o capricho nele assumisse.
    Nao era muito para elle ; a casa bancaria
    do baro era o rio do proverbio, onde a
    agua nunca cessa de correr ; com quanto a
    nobreza monetaria Ihe nao remonlasse s
    cruzadas, era j urna ri pieza velba, slida,
    sincera e largamente baseada em credfto
    europeu ; d'elle so dizia que 'emprestaba
    aos reis tanto por semana.
    t m palacio novnho em foi ha, ah tem o
    que apraz ; um tanto no estylo da 1!
    j se v : desperta isso movedoras reminis-
    cencias. Alm de que, as rousas gothicas
    parecem deitar a lingua de fra ao dinheiro;
    se bem que o dinheiro se apaxone s vezes
    pela ogiva, pelas setteiras e at pelo bra-
    zo. Em volta daquelle palacio de um
    branco marmreo, as maravilhas de urna
    lapa la, tragada ingleza, o veludo verde
    qie obum- dos taboleiros de re va, varrido pela ma-
    bra vara a alea, que voltando, conduzia a> nha e noute, agua diamantina em vasto
    Montfermeil pelas alturas de Ciichv c do | lago, limpioho como urna saladeira, e cuja
    . nyade su recosta no canudo da bica, aves
    Comprara o barao Schwarlz, em din de
    baixa, tudo aquillo baratissimo, sem mais
    minucioso exame c no intuito de moja c-
    peeulaco. Quando alli foi para ver o
    modo de tirar da compra maior partido,
    apoderou-se dee o sitio, apenas la che-
    gou. N3o era o baro hornera despido de
    gosto ; longe disso: e, a seu modo, n3o
    careca de grandeza de animo. S. o
    ci Ihe desagradou, porque o baro Schv.
    era o filho do presente, que detesta cor dea I-
    menle o passado. Em vez de retalhar aquel-
    lo paraizc, e i-lo vendendo tanto por me-
    tro para o tranformar n'um d'esses ama-
    veis sitios, onde a gente de Paris vai edi-
    ficar deliciosas vivendazinhas, cercadinhas
    de jardinzihhQS e de gradezinhas como os
    tmulos do cemilerio do Pre Lacbaise,
    levoa em gosto despender alli um par do
    coloridas, peixes sarapintados, caca sabia,
    erafim, a natureza desencascada e digna de
    nos : ahi est o que encanta !
    Portante, duzeotes pi**uc du antigo
    edificio, em bella stuaco e bem escolhida,
    estavaa os pedreiros cm disp
    ficar o palacio ; na
    meandros de novas ras, alulLavam .i que-1
    orada, para ir abr-la mais ao iirgn e en-
    cravar na propriedade cem 1><. o mal-
    ta recentemente adquiridos ; revestiam de
    argamassa o fundo do lago, j cavado ; o
    proprio ch5o comecava a alterar-se (os
    accidentes de terreno sao udispensaveis), e
    o lugar que davia ser montenha recebia
    carradas de trra custa do sitio que ia
    servir de valle. Sao cotretenimentos de
    principe, reparem, e entrelenimento
    milhes ; n3o se trata de
    Branco, era de cavar Del-
    pliinado; a inontanha nao passar-de vinte
    metros cima do valle : julgavam que pre-
    cisavamos de noves eternas ? O cedro do'
    Lbano fica' alli bem, e pianto basta para
    collocar as rochas que ho de vir de Fon-
    taineWeau : rochas terriveis, ligadas por
    cemento romanoJ Se queaem rir, riam do
    corredor de fundos, que nao lem mais de
    sessenta geiras em Verrires com algumas
    pipas de agua de Bvre no que elle chama
    um ro : o corrector de fundos ri gostoso
    do seu labelliSo, que se contenta com qui-
    nientos keOares em Colombes, e osfalfa
    um cavallo lazaronto a acarrelat-lhe agua
    para lauque!
    Quem faz o que pode, nao mais obri-
    gado ; todas as vaidades sao dignas de res-
    peito.
    11 o solba'xando por delraz das arvores
    que eucobrem ao longe o campanario de
    Aulnay-le-Bondy, quando a moca de veo
    preto, que chegra no barco, se dirigi para
    a grade dourada do "Sr. baro Schwartz.
    Seguio ella a alameda com passo rpido,
    mas pouco firme, quasi costoso ; ao ve-la
    por delraz. diriam ser convalescent^ que
    sabia pela primeira vez. Tudo n'ella, afi-
    oai, coHlirmava essa idea ; o cansaco al
    qnebrava-llie o corpo gracioso, mas delga-
    dissimo, que nao pareca j-feito para o
    do que levava. Por duas ou tres v-
    aos, 6e vio obrgada a parar no camnho
    para lomar respirado.
    A equipagem de Tres Patas alcancou-a,
    ia ella apenas meio camnho, se bem que
    o Sr. Ckintenlindo la Lourdeville tivesse j
    dado entrada .no palacio. Sem duvida a
    conbecia o aleijado, porque o rosto immo-
    vel esbocoa leve sorriso ; n3o Ihe falloii,
    porm, e passou-lhe adiante.
    A moca seguio-o com a vista distrahida e
    mor tic a.
    J Tres Patea e a sua equipagem trabara
    entrado, quando ella ebegou ao p da gra-
    tancias da occasiao, peco desculpa aos
    meus Ilustres collegas se porventnra nao
    satisfiz a sua espectativa. (Nao apoiadosi
    O SR. VIEIRA DA SILVA:Sr. presi-
    dente, farei apenas algumas observables
    sobre o projecto em discusso.
    Nao se acbando na casa o Sr. Dr. An-
    drade Figueira, a quem cabia a palavra, e
    o meu nobre collega o Sr. Duque-Estrada
    Teixeira mostrasse desejos de responder
    a algum dos n^bres deputados que susten-
    tara o projecto, v-me compellido a oceu-
    par a altenco da casa por alguns momen-
    tos, subindjo a tribuna.
    Este projecto, Sr. presidente, foi iniciado
    nesta cmara c redgido de urna maneira
    simples e concisa. Limtava-se o projecto
    primitivo aos crimes commettidos por Bra-
    sileiros no estrangeiro contra a indepen-
    dencia, integridade e dignidade do nosso
    Nao foi sem sorpresa minha que acom-
    panhando a discusso do senado sobre este
    projecto li as palavras projectadas naquella'
    augusta cmara por urna das nossas illus-
    traces, admittindo a respeito da Inglaterra
    theoria diversa daquella alli seguida, con-
    fundindo as excepces com o principio geral
    aceito naquelle paiz, confundindo os diffe-
    rentes grupos quo forman) os dilY'-rentes
    estados da Europa pela diversidade da sua
    legislaco sobre a malcra de que nos oceu-
    pamos. Relirome ao muito nobre Sr. vis-
    conde de S. Vicente, que, em apoio de sua
    asserco, leu no senado um trecho da obra
    do celebre jurisconsulto inglez, Btaekstone.
    Reliro-me tambem ao Sr. marouez de Olin-
    da, que, sem-maior exorne, aceitn a opi-
    nio do Sr. visconde de S. Vicente como
    verdadeira, c foi induzido a partilbar o
    sustentar o mesmo crio.
    Eis aqui as palavras do Sr. visconde de
    S. Vicente proferidas em 18B0 no se-
    nado :
    de. Tomou o respracao, e a mo hesilou
    Ihe um tanto, antes de tocar no boto da
    ' campainba.
    domo est abatida, menina Edme I
    disse detraz delta urna voz. Palavra que
    nao a conhecia.
    Voltou-se. a moca sobresaltada, como-se
    hornera sido apandada n'alguma falta, e o
    rosto paludo colorio-se-lhe levevemente.
    Bons dias, Domergue, replicn. Esti-
    ve um poucocliinho doente. Como esfao
    por c ?
    Sorria, e baria na encantadora suavidade
    daquelle sorriso um n3o sel que, que ins-
    pira va d.
    Conhecemos Domergue, o importante la-
    caio que se pareca com um recebedor do
    banco de Franca. A conversapao que ti-
    vera com o nosso amigo Similor nao fra
    de prolongada duracao, porque alcancra
    elle a bonita caminheira, indo de passeio e
    sera apressar o passo. Em negocios, porm,
    cumpre nao julg r da gravidade de urna pa-
    lestra pelo tempo que ella dura.
    Desta vez, tirn Domergue oseuehapo,
    e a austera physionoma suavsou-se-lbe
    notavelmente. Olhando para elle melhor,
    linha ar do homem mais honrado que dar-
    se poda. O que neHe havia era saber
    mantera posc3o. Aqui tratava-se de urna
    senhora, e nao ha quem ignore que nunca
    o galanteio desdourou aos altos persona-
    ge ns.
    Um poucochinho doente repeli...
    Por c todos vamos bem, obrigado, apezar
    das demolieres o do tremor. Palavra, que
    est branca como a ca da parede !... Um
    poucochinho doente I... Ha por c no-
    vidade, j sabe 1
    Nao, Domergue, nao sei cousa alguma.
    Falla-s de casamento .
    Com o Sr. Mauricio? interrompeii
    Edme quasi jubilosa.
    Domergue encolbeu os hombros.
    .tiniuiise-ha).
    Isso nao era casamento, replicou. O
    primo Mauricio perdeu as.boasgracas, as-
    sim como o Sr. Miguel. Cheguei a suppor
    que o Sr. Miguel viesse a ser nosso gODro.
    O Sr. baro nao se oppunha, apezar da dif-
    fetenca de meios. Mas tom-se encontrado
    impossiveis... J tocoua' campainba, me-
    nina Edme ?
    Durante as ultimas pulavraPjP lacaio,
    mudara a moca de cor por muijas vezes.
    Ainda nao, respondeu com voz u-e-
    raula.
    Depois, accrescentou, pensando alto:
    Branca J casar, j! j
    Dezescis annos, arlicnlou Domergue
    carregando no boto de cobre, que fez mo-
    ver urna sineta de toque sonoro e chao ; e
    linda como os amores! Olhe quo os dotes
    de dous milhes de contado nao costumam
    crear bolor. O Sr. Lecoq* est fazendo
    quarenta annos, mas b-rn apessoado...
    A moca repeli 'estupefacta i
    O Sr. Lecoq !
    Sim, senhora... o que se diz...
    pessoa do mu lo crdito... Ainda quo
    sempre suppuz que escolhessem ua> ban-
    queiro... ou pelo menos um duque...
    Fallou-so n'um duque, sabe ?
    N8o sei nada, repeli a mofa.
    Tem razo. A cousa era tratada
    pelo Sr. Lecoq. Ahi est .Jim sugeito que
    nao tem raaos a medir! Afina!, at appa-
    recerem na igreja d o mundo moiaas vol-
    tas, nio Ihe parece 1 MaS < entre, me-
    nina Edme : sabe como nos sonaa, e qoe
    aqui nao ha soberba. A menina Ira de
    gostar muito de ver, estou certo. O* Sra.
    Sicard !
    (Continuar-se-ha.)

    TP. D% VIARIO-RVA DAS COTKES1
    ' *
    I



  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EXMH8QCL1_QR4CO1 INGEST_TIME 2013-09-14T03:08:57Z PACKAGE AA00011611_11929
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES