Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11928


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HNNO XLV. HUMERO 196. SABBADO 28 OE AGOSTO OE 1869.
PABA A CAKTAl l LCAKS OHDE IA0 SE PAGA POHTE. PARA DEITRO E F0R1 DI PIOVIKGIA.
Por tres taeies adiantados rmhv\ WvM n j
Per seis ditos deja? ................ ,2 Mr Porw aeies adwUdi................,
PoriimanrwiS ................. ffi ^9*P**r Por .ditos .don...................
DIARIO DE PEMAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
W7
20*250
27J00


Jfl SAO ACE9I:S:
Os Srs. Gerardo Antonio Aires 4 Filha, no Para; encalves d- Pinto no Maranho; Jaaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Leaos Braga, no Aracaly; Jlo aria Jao Chaves, no Asso; Antonio Marones da Silva no Natf Jos Jastino
Pcreira d'Almeida, em Mamanguape ;* Antn AJexandrino de Lina, na Parafarba; Antonio Jos Gomes, na Vita da Penha; Beanaino dos Santos BulcSo, em Santo Antio; Domaos Wda Coste 55JT '
^^ em Nazareth; Francino Tavares da Costa, em Alagdas; Dr. Jos faartins Aives, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinbo, no Rio de Janeiro. '
PABTE OmCIAL
vero da provincia.
KvPRDtR.fTE ASSIRNABO PELO EXM. SI. DR. MANOEL
b. STASCtMKXTO MICHADO FORTKLLA VlCK-mRSI-
OT8 an wovincia eh 9 nr. jr.vno d:: 1869.
i" secoao.
N. 105 portaraoateo*, ir. mil IIBSSSI ,
(antalas armas DtomM) r^M"pan Shej
a foruu do aviso do n i misterio: da roerra W 2K
(tataib) de artimaa a pe, destacados no presidio
le t'ornaodo, G jilOerme da Coa Podra, Maoosl
Corriii de lauu lVrsus, Cyillo da Silva e Jos
Flix, Bar. {m-e Y.',x-c. do providenciar
(ara que taes prafcas se recolham a esta capilai,
iiim d terem aquello destino.
N.asS.DHoafomnuiRttMte do deposito es-
reciai de iusiniecao.Faca Vine. apresentar-me
uje as i ora* di tipia umpraoa noniada, a Uro
te ir a diligencia a villa, do Cabo.
1* secoao.
N. 30*.Portara ao dheto de polica oterini.
BwoivuH V.-S. os inclusos documentes que
vieran ano-xos ao seu orna-de 3 do corrate,
seb.o. 8'do. relativos as despeas na importancia
de iit, teias peloddosjssio do termo de S. Baa-
Ui i-tta u transporte para Flores, de viveros desti-
nados a s< is desvalidos daqaotta costar-
a, aftai de que seja satisiniiii a 'juisicio da cut-'
uderia da.thesouraria de tetes**, constante do
^arocer jante por copia, que se refere o olBcio
di respectivo inspector, datado de liontem e sol
n.465.
N. 309Dita ao ooraraandante do corpo provi-
sorio (I p .iiea.Faja Ymc. apresentar aojuiz de
direit. presideato do tribunal do jury, enguanto
rf.trar a sessio que se afha raoociuando diaria-
mente e a ei.otar de amanhaa, a guarda que de
costume ir para iqaolle tribunal para a conduc-
;o d.i> reos que devein de sor julgados.
.-eao.
N. 910,Oflieir. no Kxui. Sr. inini-tr.) da Cazen-
nionlu e;n que o niajor belarmino doBego Barros,
pede ao (overno imperial, o arrond.-uiiHiito do tra-
|iiohado algodio por lempo de tuve minos, passo
;is inaos do V. Km-, as informacoes que a resoeilo
rMioistraram o inspector da Ihesouraria de fawnda
m38ej da ttfiMidega eui 26 de niaio prximo
lindo, boro como a planta c infonnaroes da pri-
meira e se.suii'l i aecoao da nestoa alfnndega a
que o iospector desla ao refere, todas juntas por
rupia, coa as queos me conformo, entondendo nao
poder ser i suppbcaDte attendido no que roqttar.
N. 3il.Portara ao inspector da theonraria
de fazea la. i'. >nmuiico a Y. S. para seu co-
fAeemunto e'lins convenientes, que liontem assu-
mio o cargo de director interino do arsenal de
vuerr.i o ironel aggrt?ado ao oorpo de estado-
inaior de si : inda crasse flygino Jos Coelho.
N. 'Mi.bita ao nicsino.l'ode V. S. conformo
indie : 7 do corrente, sob
n. MI. mandar pa-ar idepond^nto de apresenta-
a i de att^tado de freqoencvi, os veneimentos re-
Sativos -ao me* de abril ultimo, do capelln da ex-
mela colonia militar ile I'. intuirs, p.dre Fran-
:iseo Aniano de Sou'a Araujo, que por seu pro-
orador as?im o solicita. requerimentos
que iaellts: 'I -Volvo.
N. .'!)'. Uila ao ni'smo.Kxpeca V. S. sitas
ordeas, para que em vista do pret junto em dupli-
cata, que lne remplteu o onvnandante superior
rfesto miiii'ci[io com oflleio de 7 do correte, sob
o. I01>, sejam liquidados e paups os vencimentos
relativo-' ao i \ei de maio uMimo, do guara na-
cional do ;; liatalliao de i!!:;.:i aria. Jos Louren-
ro da Va.;- rnt II -. tfa i \ i doente no hos-
pital.
N. 314.Dita ao mesmo.ommunico a V. S.
para sen conhpcim -uto o n: e lovenieutes que, se-
ipiadoi le aviso do ministerio da agricultura,
Boaajaerci publicas le 2 mo lindo, nadistribuicao provisoria do crdito pa-
ra as dospezas com os servidos daadle minisle-
rio no prximo futuro exereioio. foiesta provincia
rooieaulada com a somma total de i87:K72s'90,
eml i i' i para obras publicas geraes c au-
xilio aspr> .i'i'-iirs i :ts, ".> para telegraphos
10:0KJ para trras publicas e colnnisaco,......
134:000*paia >ubvenca-i eoaipanWas de na-
vegacioaFapor, 27:'iXtij para o correto, sendo
que a qu: de lo i verlia obras publi-
cas geraes e auxilio as previnoiaes exclusiva-
mente destinado ao pagamento i n ssoal teclmi-
co ao releriJ ministerio ao servido desta pro-
vincia.
N. 315.DHa ao inspector da Ihesouraria pro-
vincia!.Transmuto por copia a V. S. para os lins
coavenientes inclusa poriaria desta data, pela
i mal resolv proropar at o da 14 do correte a
presente sessao da asamblea legislativa pro-
vincial.
N. 3IC Dita ao inesmo. P.'-de V. S. mandar
estregar ao tne*aariro da reoarticao das obra3
publicas, as quantias de que trata o'ollicio do res-
pectivo chele, datade de 'II de maio ultimo, sob
ii. 20 tere a sua informacao de 4 de
corrente n. -i 1U. visto achar-se essa thesoarana
liabilitada para i-o eo:n o credil<> snpplementar
coocedido ca le provincia; n. 8tii, junio por
epia.
N. ;tl?Dita ao mesmo.Depois de liquidada
rm vista &: ronta junta em duplcala a despeza
feita com o fornecimento de luz o agua para o
quartel do destacamento do guarda nacionaes da
villa de Iguarass, a cootar de 8 a 31 de maio ul-
timo, mande V. S. pagar a sua importancia a Joao
Lhz de Almeida Bibeiro, conforme aacitou o che-
le de polica em oficie do honfem, Mol. 38.
N. 318.Dita ao mesun.D-voIvo a V. S. a -in-
clusa relacao e documento que acompjnharam o
seu ollicio de 7 de maio prximo Gndo sob n. 349,
jnjprovaodo o trediio supploiaeniar ao arl. U
ik-Seido .orcamopto vigente na importeta de
de S:S88j080 pedido p_ela junta dessa repartilo.
t& Vi. Deliberacao. O vice-presidente da
pwMnoia asnadando ao que expoz o arrematante
do Planeo da estrada d Itapissnma a Kacareth,
aaaeiseo Xavior Gavalcante Lins, e tendo em vis-
ta o que a esse respeito informaran! o ebee da
renarticio das obras publicas ea thesouraria pro-
vincial em offleios de 18 de maio ultimo e do
corrente, sob as. 189 e 305, resolve conceder ao
mencionado arreaatante 6 mezes de prorogaeao
para a conclusao Jas obras do seu nitrato, a
contar do dia .11 de abril dcsle anno em que se
flndou o praso para sso marcado. E eslaser
apreseotada as estacoes competentes para ter a
ilevida execugao.
4* seccao.
N flWS.Dito ao Rvm. b*po diocesano.Rogo
a V. Exc. livm. se digne de informar acerca do
do que pede na melosa policio o fre Francisco de
S. Boaventura Machado GuSha, egresso da ex-
mela ordem dos meaeres ohaervantes de ?. Fran-
cisco do reino de Portugal.
N.326 Dito ao engenheiro Raphael Archanjo
Galvao Fillio.Tendo cm 3 do corrente submetti-
d< ao couhseimento do governn imperial o seu
oflieio de 29 de maio prximo (indo em resposta
ao desta presidencia de 20 daquelle mez transmtt-
tindo-Jbe o programma para orgAniaacao das tra-
ballies a feo cargo (roe acoippanhou cavrjcrdare-
parlicad da agricoltara, dommerio e obras publi-
cas de 24 de abril ultimo assirn Iho o oommunico
para seu ootihecimenlo.
fct, 227. Deiiberago. 0 vice-presidente da
provincia, em vi6ta-do officio do director gcral
interino da instruccao publica de 4 do crrente,
soh n. 162, resolve nomcar a Manoel Francisco Ca-
valcanti pars* reger inlcrinamenle a cadelra de
instruccao primaria da villa de Tacarat, median-
te a gratieacao animal de 600 i
N. 328 Dita.O vicc-presideute da provincia,
usando da^attribuicao que Ihe eotifero oit 7 da
lei de 12 fe agosto de 1834, reserve prfbgar at
o dia 14 do crreme a presente sessio oa" assem-
bla legislativa provincial.
aXPEDIK.NTK \SSIGNADO l'KI.0 MI. DI!. lOAfJCIM COU-
HEA Df AIUIJO, SECRETAItIO DO COTO1KO, EM 9
DE JBXIIO DE 1869.
Ia seccao.
N. 3J.OlTicio ao Eira. Sr. general cemmao-
dante das anuasO Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, determinando nesta dala ao comman-
dantc do dep sito especial de instruccao, que Ihe
mande apresentar urna praca montada' para ir cm
diligencia villa do Cabo ; assirn o manda com-
nittnicar V. Exc. para sen conlieciuiento.
2* seccao.
N. 330.Offlcia ao ttr. chefe de polica interino.
O Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda
declamr V. S., em resposta ao seu officio da 9
do corrente, sob n. 820, que j se ex pedio ordem
para Ihe ser apresentada a escolla de que trata
es-e officio e o de 2, sob n. 801, como ja fo com-
munirado a 2 deste mez.
X. 331.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda comuiuniear V. S.,
em resposta ao seu officio .de hontem, sob n. 838,
que a thesouraria provincial tem ordem para pa-
gar a Joao Luiz de Almeida Bilioiro a quantia
constante do citado officio.
N. 332.Dito ao juiz de direilo da piimeira
vara, presidente do jury.De ordem de S. Exc o
Sr. vice-presidente da provincia, communico V.
S., que nesta data se expedio ordem ao comman-
dante do corpo provisorio de polica, para apre-
sentar nesse tribunal, d'amanbaa em diante, S
guarda solicitada por V. S. em officio do hoje da-
lado.
3* seccao.
N. 333.Officio ao inspeetbr da thesouraria de
fazenda.De ordem do Exm. Sr. vice-presidente
da provincia, levo ao conhecimento ds V S. que
durante o mez do malo-findo, compoz-se o desta-
camento de Caruar"de un alferes, uro inferior c
vmte pr.neas. seguiBSPIfficio d;; chefe de polica.
n. 834, de 8 do correnie.
4' seccao.
N. 334.Officio ao primeiro secretario da as-
sernbja legislativa provincial, Armiuio Coriolano
Tavares dos Santos.N. 108.De ordem o S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, transmiti
por copia V. Sl, em resposta ao seu officio de 8
do correnie, sob n. 84, para ser presente assem-
bla legislativa provincial, a inclusa informacao
ministrada pelo brigadeiro commandante das ar-
mas em 8 d'eslo mez, acerca do deposito de pl-
vora existente nesla' cidade, c quaes as suas con-
dicoes.
X 33.").Dito ao mesmo.X. 109.8. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia, manda transmiltir
V. S., para conhecimento da assembla legisla-
tiva provincial, copia da portara d%sfa data, pela
qual resolveu prorogar at o Sia {\ ilrrcorrentc a
presente sessao da niesma assembla.
N. 33ii.Dito ao mesmo.N. 110.De ordem
de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, de-
volvo V. S., com a irrormario junta por copia,
ministrada pelo director geral interino da instruc-
cao publica em 8 do crrente, sob n. 168, a peti-
cao do professor publico da freguezia dos A toga-
dos Luz Cyriaco da Silva, que acompanhou o offi-
cio de V. S. de 4 d'este mez, sob n.Sl, que ica
assirn respondido.
N. 337.Dito ao raesrae..\. 111.De ordem
do Exm. Sr. vice-presidente da provincia, tenbo a
buura de responder ao ofido de V. S. n. 86 de 7 Aatunio Augusto da Fonea.
do corrate, dizendo qae, da comparacao feita ea-
PERNAMBGO.
REVISTA DIARIA. '
CEMLTEINO PUBLICO.-Pur dhberacao da pre
stetnria, de 27 do crreme, fui exonerado de ad-
Haiearador do cemiterio publico o Sr. Manuel
iaus Viraos, o nomeado para o aobsiituir o Sr.
J6REM10 DBAMATM: A segunda sso
U-e os dous autographos da lei n. 857 remetiidos pwKea desta sociedade lera lugar amanlia, (do-
por tata assemb>.-i e sanectonads pela presiden-'
oa, veriliea-se que cora effeito se dea o ongano
de awevor-se 4:904*700 re. para a verbaPro-
fesaeets da Escola Normaldo 5." do arl. 3, no
autograpbo que, depois de saaecinoado, foi resti-
tuido mesma assembla, ao passo que no oiro
autograpliD que ficou na secretaria do governo,
eomo de Mlylo, estreveu-se 4:fc09*700 rs. Mas
tendo sido assn sanecionados o publicados, V.
S. restito o que voto junto ao nteio cima citado,
pata a mesma assembla providenciar a tal res-
peito, como julgar conveniente.
N. 338.DUo ao director gcral interino da las-
iruccjio publica.S. Exc. o Sr. vice presidonte da
provincia manda couimnoicar Y. S. para seu
cooliecimonto e em resposta ao seu officio de 4 do
corrate, nb u. 162, que por dehaeraeso desta
data oomeou Manoel Francisco Gavalcanti, para
rc{ter intermamoBte a cadeira de instruexao pn-
sfirta da villa de Tacarat, mediante a gratiica-
cao anuual de 6O0J0D0.
DESPACHOS DA V1CE-PRESIDF.NCIA DO DA 23
DE AGOSTO DR 186'J
Bario do Lvrameelo.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Bento Jos da Costa Bibeiro. Exiba o suppl-
cante o titulo de compra da posse a que se re-
fere.
Candido Emigdio Pereira Lobo. Requeira ao
chefe da'reparlieao das obras publicas.
Flix, Miguel.Informe o Sr. inspector de fa-
zenfla.
Francisco Alvos Morcira.Informo o Sr. Dr.
chefe do polica-.
foaqaJm Manoel da Cosa. Dirija-se ao Sr. ins
petor da thesouraria provincial.
Jos Bento Bellrao velozo. Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Loureneo Gomes Alcoforado.Expeca-SG ordem
no sentido que requer o sup|ilcan!e.
Leopoldino Antonio da Foneeca.Informo o Sr.
Dr. juiz dos feitos da fazenda.
Mariano dos Res Espinlas. Dirija-so a the-
souraria de. fazenda.
mingo) no salan do theatrede Santa Isabel, jielas
1 lioras do dia. N ella far o Sr. V. Palhares a
leitura de um drama de sua couqiosiQao.
E' frauca a entrada do sali tollos que se
apresentarem decentemente vestidos.
TRILBOS IKI5ANOS DE APIPUCOS.Do 1 de
setombro prximo em diante as horas de partida
dos treos desta linlia, tanto do Becife para A|.-
pucos, como viceversa, serio regulados por urna
nova tabella, que distribuida na estacao.
FESTA DE SANTA U1TA.Ainaiiha a confra-
ria de Sania Hila festeja a sua padreeira, oran-
doaf^Bvangcllio o Rvm. Greg. o ao Ti-Dmm o
Rvn. Helio. Celebrar sua primaira missa o Rvm.
Manoel Tertuliano do Figuewodo.
OCCORRENCAS DESAGRAD VVEIS.-Segnn
so eommunicacoea do delegado de Cimbres f ten-
do Isidoro Mari.mo de S, administrador da fa-
zejsda Pinta, distante da villa cerca de 20 leguas,
'le propriedade do Dr. Lui da Silva Gusmao.
msnaado, no dia 23 de julho ultimo, algumas pes-
sots :ipprehonder ao eicravo Bento, qtio andava
Imui-iado as maltas da dita fazenda, ferio esto
com um tiro a
Gameiro, e Soma Magalhaes, faltan-
causa os niais senhores, abrlo-se a
Pitanga,
do com
sos sao.
Poi lda e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o segunte
EXPEDIENTE.
Um officio' do Exm. vice-presidente da provincia,
de 19 do corrente, concedendo a autorisaco qne
pedio a cmara em outro de 14 do mesmo, sob
a. 39, para despender mais nWr o lim do correnie
e**Ht*o, a quantia de dos eontos de res; pela
verba que se acha extincta designada no 4o do
art. 2 da le n. 853 de 5 de junho do anno passa-
do, para limoeza e asseio desta cidade.Inteirada,
facam-se as necessarias commumeaedes. ,
Outro do mesmo, de igual data, concedendo
tambera autorisaco que pedio a cmara em seu
officio de 3 do corrento sob n. 58, para despender
a quantia qne fr necessaria com a compra de ura
cofre para a guarda dos saldos que sobram das
despezas mensaes, e papis de crdito da mesma
cmara, visto nao offerecer seguranza o existen-
te.Inteirada, communque-se ao procurador e
contador.
Outro do mesmo, de 20 do corrente, declarando
quu com a informacao junta por copia, ministrada
pela reparticao das obras publicas em 30 de junho
prximo nudo sob n. 246, responde ao officio que
Ihe dirigi a cmara em 26 de maio ultimo sob
n. 3", pedindo providencias no sentido de ser in-
demhisada pela companhia dos trunos urbanos do
Recite a Apipncus da qnantia dedons contofde
ris, pelo iiso-fructo e oceupacio de parte das
ras e pracas desta cidade, que ten. oceupado
com a collocacio de seus -trilhos.A' coramssio
Je edilicacoes.
Outro do engenheiro ajndante da reparticao da
convoma faca em seguida, para se hvrar da obras publicas, do 12 de julh correnie, cora des-
cssa pessoa disparou-llie um tiroque o es-1 pacho da presidencia de-21 do mesmo, mandando
Manoel Alexandrino de Santa Luzia.A pe
a que allude teve em 3 de julho prximo fiad
n^uo^ dasinformac.es rS ^ L,m I?
Dr. Pedro de Athaydc Lobo Moscoso. Sellados I M0' KM AII< PO.-Falleceu ha das
leijVu raorto. A poiicia local prosegua na sjn-
di-ancia ndispensavel.
Anda essa autoridade communica que, ten-
de ehegad) ao districto de Copety um individuo
desconheci'lo.accom,ranliado de ma moca por
elle raptada, e sendo perseguido por diversas
pessoas, matou ello coui um tiro urna dessas
peesoasj ponaose em seguida mi fuga.
TRILHOS WRBAND.s UF. DUNDA.Xo dia 3 do
ptexira.i mez, no sali d i Club P rnambueano,
dove ter logar a reuniao da assenilda geral dos
accionistas desta empreza, pira ouv.r ler, discu-
tir e approvar o parecer di c miiaissio de syodi-
eancia, nomoada a 17 do correte.
FKST.V EM S. G9NCAL0.Aatanhij a contra-
ria do Senil >r Bom Jess das Dores fIMeja o seu
ieiro] con toda a p >mpa e brilliansa >. para
' qae nada i":u poapado. Orara a> Egangolho
o Rvm. Dr. Pelinca, o ao 'te-Bsum o Rvm. Grgo,
Os sijl >s da missa di festa sera) cantillos pelos
pOofessores Coolho Barbosa, Soares llosa. Candi-
do Di as e liosehini.
Hoje i noule havorao vesporas solemnes, sendo
FOLHETiM
OS CASACAS PRETAS \
ROMANCE
por.
Paulo Fval
Segunda parle
TRISJ PATA**
11
ta* lucio de qaaeerze lihras.
(Cotinuacao do n. iH)
Emquanto isto tinlia I jgar* deitra-se o
vizinho deliaz da sebe qua sparava do s-
minho o campo de luzerna. No momento
em qaiLO barco passava, metteti elle a en-
e mroa com quanta forca os olhos tinham.-
En breva urna convulso nervosa Ihe agitou
o corpo, face de vermeitia tornou-se lvida,
e dea* lagrimas Ihe uziram na orla das pal-
pefcrts
Ab! Similor, STmilr 1 murrourou
GO0i-.i sentida ; ps,certo que falseias
Sao breves as gr
de que. Similor xei
ttvel attraco. Com
nstia, ensugou este os nlb
Nio dea, porm, mais de um pal
os requerimentos. valle quorend
Samuel Halliday.Indeferido vista das i olor-1
macJJes
Sociedade Gremio Dramtico. Entcndasc o
supplicante com o actual emprezario'.
Secundino Predillano Gomes de Oveira.In-
formo o Sr. coronel comiiiaiidanie sopoHef da
guarda nacional d'este municipio.
Thomaz de Figueiredo.Informe o Sr. Dr. juiz
de orphaos do termo da capital.
- 24 -
Antonio Fetosa de Mello.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria do fazenda.
urea Gemintana da Cruz Ferreira.Informe
o Si. Dr. disector geral da instrurrao publica.
Antonio Evaristo da Bocha.Informe o Sr. ios-
pector da thesouraria provincial.
Domingas Paulina Ayres.Passe orlara remo-
vendo a sajiplieaote para a, cadeira de Gorrentes.
Pelijipe Jacome da Costa.Informe oSr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Feroandina Palatina da Silva.Passe portara
concedendo a h'cenca pedida com ordenad) s-
mente.
Francisca Ludovina de Borja Bibeiro.Requei-
ra por intermedio do director geral da instruc-
eii> puhlic.i.
Francisco de Paula do Bego Darros.Infonre
o Sr. director geral da instruccao publica.
Henriquo.Viuna..--iadefcrdo a vista das in-
formacoes.
Idalina Escolstica Guadas Alcoforado.A sup-
plicante anda nao solicitou o devido titulo e por
isto nao pode pretender remoran.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jos lien Bellrao Velozo.Informe o Sr. Dr. i
cheJVde polica.
Joao Manoel de Oliveira. Conceda-se 15 das
de praso.
C'ipitao Jos de Souza Morcira.Sim.
Luiz da Veiga Pessoa.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda onvindo o da Afandega..'dacao de um hospital, que corre no dia -.
Mara Adelina da SHva. -Informe o Sr. direeSeal
geral da instruccao pblica.
Mara Rosahna da Conceifao.' Seja posto enri
Libcrdade.
Rodrigo Lobo de MirandaExpedio-se drdem
no sentlo qne requer.
Sil verlo Joao Nopomuceno Bastos. Iuforme o
Sr. inspector do arsenal de mannha.
Saladin I pronuDciou commuvido ; ia-
me esquecendo de Saladin !
Voliou alraz e apanhou de ^um,. ponto
onde a luzernflwa mais espjessa tuabbjecto
d-i forma oblonga, caja natureza era assz
diffieil de aflevinlar, mas qoe se asseme-
lliava muilo s crisolas de pape!a\j, que o
tyranno rapta no prologo dos melodramas,
e que litio de mais tarde vir a ser, sogwndo
o sexo, o galS ou a ingenua da pera* Tinha
o objecto urna correia. chalot passou a
corroa em volta do pescooo e aArou com
o objecto para as costas, dizendo !
Vai quietinbo, Saladin !
Isepoiu, poz-se caminho ao correr da
sebe, com rapidez que a pesada apparencia
dillicilmente prometiera. A intenfo delle
era evidentemente luter som o galope dos
cavallos. Em Dreve se Ihe espalhou pelo
rosto espessa carnada de vermelhao, e o
suor Ihe inundou s fontes; continuava,
poroa, a correr, ornando para o barco por
cima das silvas, e murmurando, sem cons-
ciencia de tal, o nome de Similor^
Aocabo, porm, de qoati ocoftas oa qui-
nhentos passos, o objecto, sacudido por de
' una jBonsenhor Tcstard du Cosgner, arca-
- iT.i WUli. victima de una febre perniciosa,
na dado de 49 auno
TORMENTA.O dia 29 de julho ultimo oi de
desolacn para os habitantes da villa aelorado
fifespanha). A" I hora da fardo, sem os preli-
minares ordinarios de qoalquct tempesta le, sem
preceder um relmpago oa ara trovo eoieca-
ram a desprender-fe da atlimospera algumas po-
dras dasjnsode am kilogramoaa, as quaes so se-
guiu uta descarga cenada que durou tres quar-
tos de hora.
Na tarde do da 39 rSpredotio-ee o plienome-
no, e urna chuva lorrencial de 3 horas, acabou meno da Iravess dos Verriros" at o caes' do
cmn os frnetes qu i a i irraenta tinha deixadd no : C.pibaribe, obrigon-seo mesmo. demolir o muro
dia anterior, c produziu u derrabara rato do alga- existente c entregar o terreno na cxteiisio de
mas casas, tanto m povoaca) comoin ewnpo, a | oitenla e oto palmos na dHa iravess e toda a
ao.le nanitas pontes c a inutihsaea) de frente, e faz.-ndo muro com cornija, receberia
m utas lionas e herdades. : 2:00j: depois de tudo prompto.
ESTATISfrCA CRIMINAL. Vcflia d i publicar- | Mandou-se pedir autorisaco a presidencia para
sea cstatSstiea criminal de Franca, relativa ao effectBr-se a desapropriacao.
informar sobre a planta da empreza dos trilhos
urbanos doRecife a Olinda, que indica a nova
di recri dos niesmos trilhos.Que se informasse
a S. Exc. que, em vista do disposto no aviso citado
do ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas de ti de marco ultimo, aehou-se a cma-
ra habilitada para designar o lugar da nova diree-
cao dos ditos trilhos.
Outro do administrador do cemiterio publico,
communicando o fado quo teve lugar naquelle
eslabelecimento em o dia sexla-feira da semana
passada as 5 huras da tarde na ocrasiao de ser
eneorrado na catacumba o cadver de Inn cenca
da Silva Teixeira.
Posto em discussao, resolveu-se que o adminis-
trador do cemiterio respondesse:
1. Se estara presento quando se den o mesmo
facto;
2. Se o cadver foi acompanliado da competente
guia :
3." De que modo fizeram voltar o mesmo ca-
dver.
Outro do engenheiro cordeador, informando
sobre o qua pede Jos Mariano de Albuquerque
em seu requerimente, rumpre-llie dizer que nio
ha inconveniente em conceder-se o que o mesmo
pe de, dando-se-lbe previamente cordeacao.Man-
e cortear.
Outro do mesmo, informando sobre o qne pede
Bernardino da Costa Campos, enmpre-lhe decla-
rar qae nada tem a oppr a prelencio do suppli-
cante.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento
de Antonio Joaquini.Ferreira Porto, cumpre-lhc
itier-qne nada ten sfoppAr.Concedeu-se.
Poi a.ijuovado um parecer da commissao de
edificaeds, declarando ter-se entendido com o
desembargador Atolondre Bernardino sobre a
dosapropriaeao do terreno necessario em segol
anno de 1867, a ijuxil oll'erece desconsoladores re-
soltados.
Anda que podesse contribuir para o grande
numero de estrangeiros ipio a exposicio desse
auno attribuiu a Piris. o crio qae os'deliclo- e
crimes cresceram considcravoloiente em relacio
ao anno anterior.
Os crimes, que como o parricidio, demonstrara,
a maior depr.ivaeao moral, augmentaran] 40 por
rento, e l.s os assassiatos, envcoenaraenkM o iu-'
fanteeidios. Outro dado anda mais desconsola-
dor : de cada 100 criminosos Gt sabam ler e es-
crever, c tiniaui r lo 11 nina u-lniccio uni-
n menos lata.
CAFE IMPERIAL.brese hoje, s 5 horas
da larde, o grande e bem Brcpar.do Caf Impe-
rial, a roa da Emperatrit n. 69 ; o qual se acha
sortido de ludo qnanto poden (tosejar os n --
gllo7.es.
LOTERA.A que se acha venda a 118' a
benefici da Ordem Tercoira do Carino, para ftin-
CMARA MUNICIPAL.
ISE53AO EXTRAORDINARIA AOS 28 DE JULHO
< DE 1-8GD.
Aesioe.ni.ia do sn. dr. barbos barbsto, cokti.vuada
PELO Sil. Dll. SOI /.A I.EAO.
Presentes os Srs. Dr. Seve, Dr. Moscoso, Dr
p. tm prestado de tonga data a servidas pu-
blica, ja para lavagem de roupas, j para doscar-
rego de materiaes destinado a odiflcacio e j para
ootros mlsteres etc., eflerecv a mesma cmara a
parte que tem no dito terreno.Acceitoo-se, e
maoden-se agradecer.
Tendo o solicitador dedar do posante a cantara
que se desencaminhara opiocess) execulivo, m-
tentado por quebra de fhoca, contra Iguacio de
Sa Lopes Feroaades, col carta de partidpacao
fdra enviada peto Dr. juli direiv> da Ia vara, e
que por aquella razio nao novia continuado o dito
processo. pedia a mesma cmara que solicitasse
outra para promover a cbranos da multa.
Resolveu-se quo se offlciaosse ueste seulido ao
Dr. juiz de direilo.
Mandou-se remetter a commissao encarregada
de dirigir a arborisaeio da cidade, urna peticao do
respectivo contratante Manoel Ah Guerra."
tstiveram em praca os qnatro espacos dos
cautos do acougue publico da ftoguezia de*S. Jos,
oecupadus com tamos, e turara arrematados, o
primeiro, posto em praja pir S00j( annual, arre
matou-se por 1O075, o segundo, terceiro o quar-
to, em praca por 133J33 cada um arremata
ram-se, um por 9114, outro por 80l e o ultimo
por 902*, sendo os arrematantes He/mino (lomes
de Frcitas g Manuel de Soma Tavares.
Nio teno apparecido licitante ao imposto de
500 sobre cabee i de gado raorto para consumo
as freguezias de fra dn cidade, deliberou-se
que de nove fosse a praca o mermo imposto em o
dia 4 de agosto proxiino'viinLouro.
Foi espacada para o nosma dia 4 de agosto a
arrcmalacao da obra da pate do cemiterio pu-
blico.
Despaeharam-se as pelieoes:
De Antonio Joaquim Pc;ra de Oliveira, Anto-
nio Joaguim Fcrrera Porto, Augusto Fernandes
de Oliveira &. C., Antonio de Azcvedo Villarouco,
Antonio Jos de Oliveira, Bernardo Machado, Ber-
nardino Gongalves dos Seoos, Bernardiuo da
Costa Campos, Bernardino los Leitio, Cuuha &
C, Clemeute Jost Ferreira da Cosa Jnior, Fran-
cisca Maria da Conceirao. Francisco Marques
Vianna, Hcraclo Constantino de Paula Monteiro
Joao Antonio deSouz.i Bell rio. Joaquim Francisco
de Paula Estoves Clemente, Jos Pinto Bibeiro,
loan Antonio Carpinteiro, Jovoo Carneiro Macha-
do Ros, Joaquim Martiulu da Cruz Correa, Jos
Jeronymo Monteiro, Joaquim Lopes Machado, Jos
da Silva Keves, Jos Augusio de Araujo (i), Jos
Olympio dos Santos, Juanea Maria Baptist, Jos
Mariano de Albuquerque, Jos da Silva Loyo, Jos
Hondos da Silva, Joaquim Antonio Carneiro da
Cunha Mirauda, JosAntunio Rosa, Jjs Ignacio
d'Avilla, Joaquim Bernardo dos liis, Loureneo
Bibeiro da Cunha Oliveira. Ludgero Rodrigues
Soares de Carvalho, llanoel Julio da Silva, Manoel
de Souza Menczes, Hanoi I Anselmo do Barbalbo,
Manoel Alves da Costa, Manoel Duarte Rodrigues
Pinto, Manoel Firmmo Ferreira, Maria Cisnero
Freir de Moraes, Olegario Jos da Silva, Bodrigo
Pinto Moreira (2), e levanlou-se a seei
Eu Francisco Canuto da Boaviagom, secretario
a subscrevi.-J/unoc/ de. BaiTOi Brrelo, pr-
presidente.Dr. Pedro de Athajfi Loba Ifesrate,
Jos Maria Freir Gameiro.ar. fraxadtt Conos
de Souza Ptanga.Flix Francisco de Souza 31a-
gaihes.

O Sr, Dr. Moscoso apresontoa o seguinte reque-
rimento (pie foi approvado :
t Para evitar inconvenientes de diversas quali-
da tes, que costumam apparecer as construc-
cues ou coticertos que se fazem as proprieda-
des deste municipio, requeiro que se estabeleca
como praxe quo nenhuma lcen^a seja dada
para taes objectos sem qne venham nos reque-
i ranelos todas as especifkacoes precisas
i maneira que nao reste a menor dnvjila ; assm
como que preceda sempre informacao especlfi
cada do engenheiro cordeador : em segundo
. lugar qae, concedida a licenca, o porteirq faca
urna nota ou relacao, a qual depois de asslgnada
|ielo secretario, ser remettida ao fiscal da fre-
t goezia que pertencam as casas, para evitar
que os proprietarios exeedam, ou alteren as
concessdo* que Ihe (oren fahas.
l'a^o da cmara municipal do Rerife, cm 28
de julho de 18C9.Dr. Lobo Moscoso.
Ha'vendo Francisco Jo's Alves Guimaraes decla-
rad) a cmara que tendo comprado parte da
heranca de D. Margarida de Cortono Ferreira,
constante do inventario que. se procedeu por
fallecimento de D. Ignacia Severiana de Almeida,
escrivao Brito, c comprehendendo es-a heranca
parle de um terreno indeviso na margem do rio
Capibaribe no lugar do Poqo da Panella, que fora
avallado em 400* em dito inventario, cuja parte,
de 8.5888, c reconhecendo que o referido terre-
Saladin cada vez berrava mais.
Morre-se s vezes nesias carreiras deses-
peradas ; naja ma o soldado de Lenidas
que levonaos Espartanos a primeira noticia
do combate das Thennopylas. Felizmente
paqa o heroico e terno ehskit, esiaesram
de sbito os cavallve, ao dobrar a volta de
um carvalhal para entrar na grande plaui-
cie que estabelece clareira entre Sevran e a
estrada da AJlemaaha. A' meio de admira-
vel paysagem, exhibia-se o casteilo de Bois-
retiaud : tinham chegado ao embarcadooro
do bario Scbwartz.
chalot vollou para difnle o embrulbo, e
poz sem ceremonia a m3o no bioo de Sala-
din.
Tres pessoas desceram do barco j pri-
meiro o Sr. COntentin de la Lourdeville
que, fazendo ranger os espatos, lomou pela
alameda arada qae condeza ao casteilo,
depois a menina de veo preto, qoe segoio
mais vagarosamente a mesma direcclo, e
afinal, leve como um sarfeoto- o Sr. Simi-
lor, que depois de ter dii'igto'SO'Seu ad-
versario corlez cumprifflROto, segoio pelo
caminho marginal as pontas dos ps
Tributo ao mrito.
S o homo.m apathico, o coraco insen-
sivel, peder ver com indiforen^a o me-
Ihoramento de sua torra nalal, e conser-
var-se extactico diante d'ellc : nos, porm,
em cujas veas pulsa o sangos brasileiro, e
ijtie somos assiin dotados do espirito reli-
gioso, como patritico, niio podemos jamis
ser in'differentes ao nvlhoramento e cn-
grandeciniento que vai experimentando a
nossa torra natal no curto espado de nove
mezes, depois da chegada a esta iiovoanio i
do Rvm vicario Pedro de Paz e Paiva, a
qoera seriamos, j uo digo ingratos, e sim
injustos, se pela prensa acompanhando
aos nossos comparochianos Luiz Jos Alves
di Costa, professor Rufino Epiphanio dos
Santos, Antonio dos Rentos e Francisco de
i;.'es, niio viessemos prestaHhe em nomo
de toda esta rOCalidade um preito da nessa
mais sincera gralidao, conlirmando. ao mes-
mo tempo tudo quanlo a seu respeito se
disse no Jornal do lircifv do 22 e 23 de
julho prximo passado, em que pesando-se
na balanza da jusliga, sua mu illostrada
administraco nesta paiochia, sio devda-
mente apreciados seus bous serviros, na
verdade dignos, nao s do agradecimento de
todos nos, como mesmo de urna remune-
raco, assim de seu virtuoso prelado, a
quem rendemos tambern immensas graras
por tao bella acquisi.fto que de sua pessoa
mais, acordou e poz-se a berrar como urna, chalot. alapado por traz da sebe, so
aguia uoviiiua. Fosse elle de papclio, ou
nao fosse, poss|te magnigea vot; chalot
reprehendeu-o cammeigum'
- GaWe o seo Wquinbo, ber afrouxar cfasso; oiha pie t'o tapo
i urna re*a, se cortintas, Soladint V-
^B|pa... tu bem vs, miuso t
como urna ptaica ao contempla-lo;
urna das mos, suffocava Saladin, e lim
va com a maaga do outro brato- o suor de
teste.
Nao por nantasjm derri^
asstm se etfalt murmtsro
que anda met mas trp
bao de fazer a sua desgraga /... Mas.
cala-te Nos c estamos, nn assim, pe-
queo ? Vamos saber filialmente que em-
brulhada esta.
Pelo camiulio marginal, por onde Simi-
lor saltitava com os seu- sapatos de ourAlo,
evitando toril graciosa destreza os menores
vestigios do recento chuveiro, ia passo
certo um liomem serio, vendo pbilosophi-
camente deslizar a agua e rempverido entre
os dedos, como marquez "de alta comedia,
orna caira de prata lavrada. De to-raia
perfeic.So era este geito, que se o vissem,
pi'ocutar-lhe-hiam infallivelmente a tradi-
cional renda flamenga nos bofes do peiiilho
e.o chopeo do pasta no sovaco. Nao era
porm, marquez, menos que os azares do
tempo o nao tivesse feito decahir conside-
raveimenie. Em vez da>fraque de seda,
trajava elle casaca cinzenla de ngulos rec-
tos, e adornada de botos tranco?. O Sr.
Scbw.rlz, o .poderoso capitalista, que era
rei naqueHee campos, escolhera para os
seus lacalos aquella solida libr, que trazia
i memoria o uniforme dos mocos do banco
de Franca.
Nio passava o sogeito de lacaio, se bem
que tivesse por costme fallar de chapeo na
tea s autor dades descobertas de Se-
Livry e Vaojours.
snwiqr foi direilo elle e abeirou-o do
ns rnao ; perguntou-lbe com voz
tP*^BP>e'ga
Kl certeza ato Sr. .Demergue que
urna pessoa tem a honra de dirigir a pa-
lavra ?
O Sr. Domergue respondeu tanto como
o fizera o capiloPatu, da Aguia de Mentir
n. 2, mas, se ha dignidade respeitada por
Similor e quejandos a de criado de casa
rica. Ha na alta posigSo do bomem de
libr alguama cousa que os deslumhra e
fascina. Similor, o meticuloso Similor, n3o
desconflou e esperou.
Eslava o poderoso Domergue muito dis-
trahido : olhava para o extravagante veh-
culo de que j fallamos, o cabaz de Tres
Patas, e que tirado pelo cao de gado, se
approxitnav pelo caminho marginal. Sor-
na com altiva Ihaneza, e afastava-se j en-
costando-se sebe para dar lugar equi-
pagem-do aleijado.
Tres Patas apertava com a fera e che-
gava do grande batida.
Ao passar por diante do Sr. Domergue,
dirigio-lhe com a cabera um aceno de fa-
miliaridade.
Muito bons das, Sr. Mmeos, disse-
Ihe cortezmehte o criado. Os negocios vo
menos mal, ao quo parece ?
Tioba o semblante terreo e barbado de
Tres Patas o invariavel sorriso das masca
ras. O aleijado respondeu :
Os cobres custam a ganbar; venho
tratar do meo dinheiro. O Sr. barao est
em casa ?
Para .Vmc. sempte, Sr. Matheus.
J ao tempo a equipagem de Tres Patas
entrava na alameda do coste lo. 0 Sr. Do-
mergue accrescentou meia voz :
Forte mania a do patiTo 1 Como elle
se entretm com tal freguez I
L isso verdade, disse Similor apro-
vetando com gana a occasio para travar
palestra. de se Qcar de bocea aberta.
0 Sr. Domergue abaixou para elle a uo-
bre vista e mirou-o de alio baixo. Simi-
lor piscou os olhos com o maior agrado e
prosegnio :
Com que abundam os mysteros roda
da gente. .
Que quer Vmc. aqu ?... interrom-
peu o Sr. Domergue.
Similor, abaixando a \oz e pondo amo
ao lado da bocea para que nada da respos-
ta se perdesse, replicou :
Nao lenha medo ; gosoda confianra
do mocinho.
Qual mocinho ?
Essa boa! do Sr. Miguel.
A' este nome, as feicoes do Sr. Domer-
gue desenrugaram-se.
chalot, sempre escuta, de bocea abor-
te e o pescoco estendido, fazia esforcos inau-
ditos para ouvr o que se dtzia. Similor
prosegnio tomando atlitude theatral.
Por conseguitite, estamos ncarregados
de Ihe perguntar apenas se o dia romper
amanhtki; Ahiest '
(Contitmar-se-ha.)


Diario de Pernambuco Sabbado 28 de Agosto de 1869.
fez-nos, para esta localidade, (onde, p
se dizer, tem-nos sido un anjo tutelar),
como mesmo do governo a quem suas pre-
gacoes ramio teni utilisado, (ijo critica era
a situacao), quando elle aqu chegou, que,
pode-se assim dizer, a nao ser seus mu
relevantes servicos, e a forca de sua mui
eloquente palavra evanglica, teria o gover-
no dispendido largas smmas com conti-
nuados destacamentos, que nada aprovei-
tariam em comparado de seus servicos
aqui prestados, e feralmente de todos,
sem distinccao de cor poltica apreciados;
receba, pois, senhor vigario, mais este tes-
temunho da ijossa gratidJo, que um ver-
dadeiro tributo ao seu mrito, que !he vrri
prestar todos os seus parochiauos, de urna
e outra parcialidade, aos qtiaes tanto tem
sabido V. Rvm. capilar estima e considera-
co, descontentes nicamente por nao ser-
mos os primeiros que tivessemos a gtoria
de levar a apreciago publica estes servicos
gloriosos de Y. Rvm., aqui prestados a esta
localidade, os quaes o coliocam cima de
todo o elogio I
Se esta traducc5o fiel da nossa gratido
o alfligir, suavise-o o balsamo da verdade,
que resultarnos em nossas palavras, que
so nada mais que um tributo, que Ihe
vra pagar seus amigos e parochianos de
urna e outra parcialidade, e os .respetosa-
mente abaixo assigoados.
Aguas-Relias, 20 de agosto de 1869.
Manoel dos Reis Santos.
Jos Antonio dos Santos.
Jos Ramos de Vasconcellos.
Antonio Pedro da Silva.
Manoel M. de Vasconcellos Ramos.
Henriques Fabiano da Cunda.
Francisco Ramos de Vasconcellos.
Agostinho Marques de Oliveira.
Jos Joaquim de Oliveira Marques.
Luiz Gonzaga de Araujo.
Pedro Antonio de Barros Mattos.
Jos Joaquim de Oliveira Venny.
Constantino R. L. ti Albuquerque.
Manoel Carneiro C. de A. Lacerda.
Adrio Rodrigues de Araujo.
Candido R. Lins de Albuquerque.
^ Victorino Jos da Rocha e Souza.
Vicente Ferreira de Araujo.
Irmandade de Nossa Senho-
ra da Soledade.
Lendo o Diario de Peni'iinbuco de 26 do cor-
rente', depara com as seguintes liabas :
a Desde marca ultimo que j foi nnmeada pe >
lllm. Sr. Dr. juiz de capellas urna administracao
para reger a igreja de Nossa Senhora da Sole-
dado da Boa-vista, de cuja commissao faz parte
o Sr. Bernardo da Cunha Teixeira, que fez
grande empenho para ser o juiz da irmandade,
prometiendo que faria todas as obras que a
igreja precisa, com melhor gusto do que as
que estao feitos, e como at o presente nao te-
os visto andamento de qualidade alguma em
dita obra, nao obstante existir dinheiro em cai-
xa, pergulitamos a este senhor qual o motivo
desta demora, afim de ser suspenso algum mo
juizo; daixamos de censurar os outros membros
di commissao, por seren pessa< inteiramente
i dependentes aos negocios da igreja da Soleda-
de.Uns maos.
Poda dispensar-me de responder ao signatario
dessas litihasUns irmaosquaesquer que elles
sejam, tratando-se porm do mao juizo que a meu
respeito j elles estao formando, sendo eu o the-
soureiro da commissao, e por conseguinte guarda
dos dinheiros arrecadados, nao me quero eximir
de dar oUns trmosa expheaeao precisa.
E' rifo amigo, que quem diz o que quer, ouve
o que nao quer.
E* urna calumnia dizer o senhor Uns irmaos
que fiz grande empenho para ser o juiz da irman-
dade. De duas urna. Ou S. S. nao tem conheci-
mento dos negocios dessa irmandade, ou lera al-
cana lin reservado, atienta a espemlidade que
faz de mim, acobertando de qualquer sensura os
deraais membros da commissao.
Seno tem conhecimento desses negocios saiba
agora.
Tanto nao me interessei por ^er eleito juiz, que
corrondo o e>crunio pela primeira vez, pela se-
gunda e pela terceira empatei com o outro candi-
dato, tendo eu votado sempre em branco, em pre-
senta do Sr. Dr. juiz de capellas ; entretanto que
o meu voto bastava para a deciso do pleito ; dei-
xo porm a S. S. que diga se outro tanto vio fa-
zer-se, e que aprsente um so individuo a quem
tivesse eu solicitado votoco para semeihante en-
carzo, e a quem tivesse feito promessa alguma.
Que tenho feito servicos reaes irmandade
quer em obras, quer em ..utres trabalhos, o que
me nao poder negar S. S., se se der ao trabalho
de recorrer ^ao archivo da irmandade nos annos
de 185818391862 e em muitas outras vezs
quando oceupei o lugar de thesoureiro, escrivao e
juiz interino.
Saiba anda que tendo sido essa eleicio addia-
da, em vista do empa'e na votaco, muilo se ca-
balou, e muitas cartas se escreveram, e milito
mesmo se calumniou, segundo ouvi dizer, mais
nem urna carta encontrar S. S. escripia por mim
nem por aquellos que pleiteara m a eleico em
moa favor.
Saiba mais que tendo-se vencido essa eleico,
o escrivao da irmandade no acto de Janear as
contas, verificando que ellas estavara irregulares,
recorreu para o Sr. Dr. provedor de capellas. o
qual mandando que dsse as razSes porque nao
as quera lancar, elle fez ver que os dinheiros ar-
recadados nao tinham sido recolhidos ao cofre
em sua totalidade, confi nne declaracoes constan-
tes das actas, que a irmandade continuava a man-
ter contratos lesivos de alguns predios seus, feitos
por lempo indefinido, e com clausulas onerosas
irmandade; e que outros contratos estavam sen-
do executados a bel prazer dos contratadores, sem
que se cumprissem as clausulas estabelecidas,
como por exemplo o da obra que se acha paralv-
sada; que a irmandade esta va cada vez sendo
mais prejudicada, pois que se eslava adianlando
dinheiro sem autorisacao da mesa, a quem nao
tinha direito a reeeb-lo, deixaodo-se de pagar o
qne a irmandade devia.
Saiba finalmente que nisso nao houve espirito
de maledicencia, tanto que sendo ditas razdes res-
pondidas pela mesa raedora, e apreciadas pela
promotoria do juizo, davam lugar a que fosse a
mesa suspensa, e nomeada urna commissao para
administrar a irmandade etc.
Se porm S. S. nao ignora lodos esses factos, e
sea fim reservado, permita que Ihe diga
inepto. *
Urna commissao nomeada para administrar
urna irmandade, verificar as irregularidades de
que ella era aecusada, e propr as medidas que
julgasse convenientes, para tazer cessar os abasos
de qae ella se ressentia, nao poda, e nem pode
concluir urna obra sobre a qual penda arguices,
sem estar a qaestao decidida.
O que cumpria commissao fazer, j o fez ba
pouco, q e foi dar > seu parecer.
E, se a commissao era sua totalidade nao podia
concluir dita obra, como o podera eu na qualida-
de de ttesoureiro telo feito ?
Para desempenhar o lugar que oceupo tenho
feito o quanto possvel, pois so de deeimas atra-
zadas ba pouco rcabei de pagar a quantia de....
85: r*, inclusive o ultimo semestre. Por ahi
ajaize S. S do esUdo em que esuva esto irman-
dade.
Procure, portonto outro meio, que por este nao
chegar ao seu desidertum, e representar o pa-
pel de muito ignorante.
E se quer saber quanto ha em caixa, aiini de
melhor esclarecer o publico, e este suspender al-
gum mo juizo, requeira ao Sr. Dr. provedor de
capellas, para que eu preste contas. que inme-
diatamente o farei, pois tenjw-as em da, porque
sei qae quem tem inimigos nao dorme.
Eis o que julgo bastante responder s linhas as-
signadasUm raos.
Se, porm, nao se satisfizer com isso, e quizer
uielbores, oa mais explcitas, pode ped-las mes-
mo pela imprensa, porque eu lb'as darei detalha-
damente.
Recife, 27 do agosto d 186fl.
Bernardo da Cunha Teixeira.
INSTITUTO HISTRICO E PfflLOSOPHICO
Em um numero desto jornal pulilicou esta as-
sociaco a elimmacao de alguns socios, uns a seu
bem, outros como incursos no art. 56 ; islo por
nao terem pago a joia da entrada.
No segundo caso me tcho, dizem os meas sen-
tenciadores : devo portante ao publico a cujo jui-
zo fui exposto, ama succiota cxpcaco.
Na sessfio seguinte que entrei para o !ii-litu-
to, dirigi-me ao Sr. thesoureiro ealregando-lhe
urna cdula de dez mil reis, afim de indemnizar-
se de minha joia o mensalidade. Recusoase. o Sr.
thesoureiro, por falta de troco, o afflrmou-me po-
der dse m pon bar osse dever dentro de quinze
dias, o que pravo com o documento sbaixe.
Na sesso inmediata, dirigi-me ao lugar costo-
mate, o j nao encontrui pessoa alguma, por is que a falta do numero nao tinha permitlido abrir-
se a sesso.
A 12 do correte, sou eliminado em sesso Ile-
gal, immoral e nuila ; porque esta associacao
funciona em dias santos ou feriados, no eutanto
as aulas estiveraia abenas, e houve ponto no pre-
citado dia de minha illiminacao.
Alm dsso annunciaram urna sesso extraordi-
naria, sem designarem a nuleria de que se trata-
ra, quando estas sessoes sao goralmente convo-
cadas, para solucao de negocios importantes, de-
clarndole, portante, pelas folhas sobre que se
ha de deliberar, ou ofliciando-se aos socios ; aflu
de preparados procederem com acert.
Accresce anda, que as sessoes sempre tinham
lugar no largo de Santo Rita n. 1 ; no entonto
mudaram-se, sem serem participados os elimina-
dos Nao obstante estorem as aulas trabalhando,
o que me fez suppor melindrosos os motivos de
urna conferencia, designada para um tal dia,
apresenlei-me no recinto das sessoes onde espere
urna hora, sondo por fim informado, que o dono
da casa nao tinha sido avisado para preparar a
sala, o que era coslume fazer-sc. Retiroi-nie at-
tribuindo, o ser a sesso annunciada para os e
dia, a engao da typographia, ou que meus col-
lega* do Instituto au contando com aula por ser
qunla-feirn, desengaados, nao se rcuniriam
mais.
O Instituto funecionava clandestinamente I
Isto a prova mais eloquente possvel da intcn-
cao formada, de exercer-se contra os eliminados
a vinganca inqualificavel, de que Tomos victimas.
Os meus eollegas procuraram a solido c o se-
gredo I Attendam a que o publico que hoje nos
julga, pode lembraiVe que nos antros, as gru-
tas e na solido; s se agrupam machinadores de
emprezas reprovadas, porque ahi s tm suas
consciencias por testemuuba, e a nica perturba-
cao o remorso.
Podem os Srs. eliminadores asseverar, que cu
nao sali-faria meus compromissos, se compare-
cesse sesso ? Contra islo protesto o meu pro-
cedimento havido para com o Sr. thesoureiro.
Para que nao me participaram, que mudavam
para outro lugar o recinto das sessoes, afim de
que se eu faltosse nao me deixasscm argumentos ?
E' porque o meu procedimento no Gremio Pmlo-
sophco, um attestado vivo do coslume, que te
nho de eumprir minbas obrigacScs, e nao seria
diversa a norma que adoptara para o Instituto.
Porque nao esperaram, que os eliminados a
bem da assocacao estivessem presentes, e assim
proporcionando-Ibes urna defeza, estribassem suas
deliberaron nos resultados da discussao ? E' por-
que a discussao, era o descalabro de seus projec-
tos.
Por ventura as palavras dos eliminados a bemx
associacao infundiram em suas senhorias um res-
peito, que j os molestova, e de que quizeram
ver-se lvres.
Se a voz sempre fulgurante da verdade e da
jusliea faz emmudeccr a vozera que se levanta
em prol da torpeza e da falsidado, porque nao
procederam comooutras associacSes, submetlenJo
os eliminados a um coaselho, que attendesse a
suas razoVs T Porque nao explicam o a bem da
associacao f
Ah esperaram-os de emboscada e cravaram-
Ihes o punbal traicoeiro, nao assim ? I
Porque nao redarguirtm aos sous protestos;
ser o despreso aps a offensa ? !
Os meus collegas sao sagazes : na impossibili-
dade de suslentorem seu acto adoptam um silen-
cio, que os punge, mas quo a prudencia dicto.
Nao deveria pezar no espirito los Srs. elimina-
dores, que eu j tinha procurado indemniza-los
de minha joia, e que tendo a associacao ido func-
cionar em lugar para mira desconhecdo, e que
sem ser participado, faltava por essa razao 1
Na incerteza, portante, se eu comparecera ou
nao sendo avisado, e pagara ou nao, compare-
cende, a eliminacao nao tinha bases solidas 7
Nada I o Instituto gosta pouco de raciocinios e
considerac5es, mais amigo do inslincto: o
que andam dizendo por ahi, e sinto muilo I...
So o Sr. thesoureiro tivesse acceitado a cdula
que Ihe offereci, e me tivesse dado o troco, nao
tinha cumpndo meus deveres ? Alm disso, quem
deixou de satisfazer suas obrigacoes : eu que dei
o dinheiro para se pagar, ou "o Sr. thesoureiro
que recusou aeceita-lo porque os cofres... s li-
nham poeira ?
Desde que proced pela forma demonstrada, era
digno de outro tratamento. E' preciso tornar pa-
tente que a sesso em que fui eliminado, com-
pletava os quinze dias marcados pelo Sr. thesou-
reiro ; sesso que prove ser nulla, immoral, e
celebrada na solido!
Provado, pois, que a sesso de 12 do corrente
ejligna do attencao, que eu quiz pagar associa-
cao, sendo impossbilitado pelos apuras em que
andavam os coffres, provada a precipto{ao e a
injustiga da eliminacao, a mudanca de casa em
segredo, emflu exposlo o Instituto Histrico em
sua nudez ao julgamento do publico, resta-me
agora mostrar a sua equidade, e o seu respeitoH
aos estatutos.
Uro meu amigo, cujo norae nao declino porque
recelo magoa-lo, e s tenho em vista deffender-
me, eatrou p.\ra o Instituto commigo, nao satisfez
at o dia 12 do corrente a sua joia e mensalida-
de ; nao leve para com o Sr. thesoureiro o mes-
mo proceder que eu ; e o Instituto no dia em
que me illiminou, marcou um praso a este meu
amigo para satisfazer sua joia I E' triste dize-
lo, mas verdade; fui informado por um socio
mui dislincto, e o Instituto que dosminto se
anda tem forcas. 0 Instituto expoz-me s apre-
ciares precipitadas de desaffectos. e a juizos
tolvez desfavoraveis, dos que me nao conhecem';
eu de tudo me esqu^co, apenas quero dissipar
essas sombras.
As associacoes scientificas, sao fortemente in-
crepadas de nproficuas, e at prejudiciaes mo-
cidadg, que em vez de desenvolver-se em discus-
sSes uteis, exercto-se na grossena ; ellas nao
passam, dizem alguns, de um lnxo, e de urna
vaidade e-teril sera um fim especial, e tudo quan
lo se annuncia deltas resultar, urna falsa pro-
messa qne nunca se realisa.
As diversas corporacSes desto ordem, que exis-
ten) nesta capital, caminham desmentindo a ma
ledicencia, e confundmdo a inveja ; o Instituto,
perdoe-me se o digo, franqueia triuraphos
aquel les que deva profligar !
Nao d o Instituto Ingar, eu Ihe imploro em honra
das associacoes (iteraras e scientificas, que conti-
nen! a propalar, que seu recinto ama escola
de perdico, onde o cuflivo da intelligencia
exactamente o que se detesto. Nao consinto que os
espiritas analisadores, e que os zoilos quando fa-
cara commentarios a seu respeito encontrem ma-
teria para seu descrdito.
1" documento: Lira. Sr. thesoureiro do Institu-
to Histrico e Philosoohico. Preciso a bem de
meu direito, que V. S. declare se na sesso se-
guinte da minha entrada para o Instituto, nao
Ihe apresento dez mil reis para pagar-se do mi-
nha joia e mensalidade ?
So V. S. recusou acceitar o dinheiro por falta
de troco, afflrmando-me poder faze-lo dentro do
15 das r
Peco-lhe que me conceda o direito de usar de
sua resposu como me ronvier.
Recfe, 21 de agosto de 1869.
Sea criado e obligado,
Jo Remandes Coelko.
Resposto.E' exacto ter-tne o Sr. entregue dez
mi' reis, para pagar-me de sua joia e mensalida-
de, o que nao pude fazer por falta de troco. E'
exacto 'ambem torlhe afirmado podor faze-lo
dentro em 15 dias.
Pode usar de minha resposto como Ihe convier.
Recife, 21 de agosto de 1869.
Seu criado,
Sebastido Mua Batilio Pyrrito.
2o documento:lllm. Sr. thesoureiro do Gre-
mio Philosophico: Rogo-lhe o obsequio de decla-
rar, se no dia em que soiicitoi minha demissao a
esto socedade, nao me dingi primeiramente a V.
S. expondo-lhe, o meu proposito, e pagando urna
mensalidade T
Conceda-uie o direjte de fazer de saa resposto,
o nso que me conviel
Recfe, 20 de agosto de 1869.
. Sihi criado,
iot Fernnndtt Otelko.
Respota:Declaro ser Ttrdade o Ruerno per-|
gunta; pode usar de minha resposto como Ihe
convier.
Recfe, 22 de agosto do 1869.
Sebastio Munte Bazilio Pgrrho.
O Institahrquo conteste ao Sr. thesoureiro de
ambas as aseociacoes aquillo do qne ello o mai s
capaz de dar informaedes.
Recife, 23 de agosto de 1869.
Jos Fernandes Coelh.
PcrintUlr-se-aos -ha expender
tuna patarra obre as enfer-
ni i dudes dos piiluides e da gar-
ganta.
Quando os pulmocs se chegam a enfer-
mar, pode-se dizer que o doente se acha
s bordas d'uma enfermklade incuravel, e
o prinuiro passo dado em to perigosa si-
tuacSo a tosse.
Toma-se po'S da raaior importancia o
italhar-se a mesma mmediatameote. Se
por acaso perguntardes de que maoeira
isso se pode conseguir, promptamen e res-
ponderemoscom o Pettoral de AmcJm-
ciiia de fymp, cojo excellenle xarope
preparado e composto com o maravilhoso
e balsmico sueco d'uma arvore do Mxico,
conhecida desde muitos scalos pelos
aborignes, como remedio excelso para as
enfermidades pulmonares. Esta magnifi-
ca prepararlo curara a tosse em poucos
dias, e s vezes em poucas horas ; allivia-
r a aslhma, curar a irritada membrana
da tracbea e impedir finalmente o desen-
volvimento da thisica. Ao contrario de
todos esses peitoraes e xaropes feitos de
fructas e outras substancias aeree e. de
urna natureza duvidosa, ella nao encerra
em si n nhum acido prussico, e como-igual-
raen te nao contm nenhuma mixtura de
antimonio-ingrediente este que abundante-
mente se encoQtra as prepararles daquells
por conseguinte o seu gosto n5o prodoz
nauseas e suave e agradavel de tomar-se.
Acha-se venda as pharmacias de A.
Caors, M. A. Barbosa, J. da Conceicao Bra-
vo & C... 1>. Maurer C. e Bartliolomeo
& C.
Protectora das fa-
milias
Em cumplimento do prevenido no art.
9 do regulamento, se convida a todos os
senhores contribuinles essa associacJo,
que anda nao liverem apres;ntado as erti-
d5es de idade dos segurados para que fa-
?am entrega d'ellas, na ra do Livramento
n 19, i andar, afim de ser expedidas o
mais breve possivel para inspectora, ge-
ral do Rio de Janeiro.
As certidoes devem ser selladas e reco-
nhecidas por tabelli5o.
Recife, 5 de agosto de 1869.
Narcisa de Vidal
COMMERCIO.
PHAgA IX UEOFE 27 UE AGOSTO UE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TABDK
Algodo de Pernambuco 1- sorte 1^171 por kil
(boje).
Algooo de Macei 1* sorte1 314 por kil. posto
a bordo, a frete de 1|2 d, e 5 0|0 (nontem)
Couros seceos salgados62 rs. por kil.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 18 Si8 e 18 3|4
d. por 1/000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secrotarto.
ENGLISH BANK
()f Rio de Janeiro Limited
Desuna lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recene dinheiro em conta corrente e a
orazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e mjtte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Saques sobre Londres
SOCEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn fif C.
Sacco sobre os Srs. Samuel Montagu -
C, banqueiros em Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
de vista quantias cima de 100 at
a 1,000 30 ate 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Sociedade bancada
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sbjj8| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da tena e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta crvente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
Novo Banco de J?ernambco
em liquidacao, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber p
sexto dividendo de um e meio por centb
do capital: s quarta-feiras e sabbados.
ALPANDEGA.
Kendimento do dia 2 a 26. 626:322494$
dem do dia 27......27:509#.''l|i
MQVIMENTO DO PORTO.
-------------------------------------------------------------,--------------_
Navios entrados no dia 27.
Rio de Janeiro20 das, lugar norte-allemao Sa-
ber, de 241 toneladas, capito Musegaes, cqui-
pagem 10, em lastro; ordem.
Rio Grande do Sul22 dias, barca nacional Pom-
6inAa.de 277 toneladas, capitao Antonio Alves
da Silva, equipagem 12, carga 14,000 arrobas
de carne ; a Amorm Irmao.
Rio Grande do Snl22 dias, barra portugueza
Armmda, de 278 toneladas, capitn Vicente Ig-
nacio da Nova, equipagem 13, carga 13,800 ar-
rollas de carne ; a David Ferreira Hallar.
Rio Grande do Sul22 dias, barca portugueza
Sooinl, de 217 toneladas, capitao Antonio do
Carino Braga, equipagem 11, carga 15,800 arro-
bas de carne ; a L de Oliveira Azevedo & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
BarcelonaPolaca hespanbola Maicelita, capitao
T. Fabregas, carga algodo.
HavreBarca franceza Raoul, capitao Parquet,
carga couros e algodo.
EDITAES.
Faculdade de Direito
do Recife.
De ordem do Exm. Sr. direclor interino, con-
selheiro Dr. Pedro Autran da Malta e Albuquer-
que, e em execuco ao aviso imperial de 14 do
correte, faco publico que tica marcado o prazo
de seis mezes contados da data deste para a ins-
cripcao dos que pretenderen! concerrer ao lugar
de lente substituto desta Faculdade, que servia o
eou-elheiro Jos Liberato Barroso, o que foi de-
clarado vago, na forma do art. 104 de 28 de abril
de 1854, em virtude de rosolueao imperial de 4 do
corrente, tomada sebre consulto da seccao des ne-
gocios do imperio do conselho de estado. Pelo que
todos os pretendemos ao dito lugar se podero
apresentar desde j na secretaria desta Faculda-
de para inscrever*eus nomes no livro competente,
o que Ibes permiuido fazer por procurador se
estiverem a mais de vime leguas desta cldade, ou
liverem justo impedimento.
Sao, porm, ohrigados a apresentar documentos
que mostrem sua qualidade decidado brasileiro,
e de que estn no goso de seus direitos cvis e po-
lticos, certido de baptismo, folha corrida do lu-
gar de seus domicilios e diploma de doutor por
urna das Faculdades do imperio, ou publica for-
ma, justificando a impossibilidade da apreseniacao
do original, e na mesma occa^io podero entre-
gar quaesquer documentos que jnlgarem conve-
nientes, ou como titulo de habilitacao, ou como
pravas de servicos prestados ao estado, a huma-
nidade ou a scienca, dos quaes se Ibes passar re-
cibo : tudo de conformidade com os arts. 36 e 37
do decreto n. 1,286 de 28 de abril de 1834 e 111
e seguintes de n. 1,568 de 24 de fevereiro de 185o.
E para que cliegue ao conhecimento de todos
mandou o mesmo Exm. Sr. director interino af-
flxar o presente, que ser publicado as folhas
desta cidade e nos da corte.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife, 24
de agosto de 1869.
O secretario,
______________Jos Honorio B. de Menezes.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
taro em basto publica para serem arrematados,
por quera maior lanco onerecer, nos dias 26 do
corrente mez, 2 e 9 do mez de setemhro prximo
vindouro, os mpo-tos seguintes : capim de planto
pela quantia de 0224000, afferico de pesos e me-
didas, sendo o arrematante obrigado a afferir os
da mesma cmara, sem indemnisaco alguma,
pela de 6075000 ; coqueiros de produeco para
negocio pela de 4763000 ; os alugueis das casi-
nhas da Ribeira pela de 705300 : 500 rs. por ca
beca de gado vascum pela de 2475000 ; mascates
e boceteiras pela de 29100 ; 100 rs. por carga
de farinh o legumes pela de 13-'i00 ; 100 rs. por
cabeca de gado recolhido ao cnrral pela de 274 ;
repeso do acougue pela de 65500 : 200 rs. por ca-
beca de gado sumo pela de 64600; 100 rs. por
cabeca de gado ovelhum pela de 15300 ; os pre-
tndenos devero comparecer nos referidos dias
com seus fiadores competentemente habilitados na
forma da lei.
Paco da cmara municipal de Olinda em sesso
de 19 de agosto de 1869.
Manoel Antonio dos Passos e Silva,
Propresidente.
v Raymundo Theodorico Jos Dornellas,
Portara no impedimento do secretario.
653:8324200
MOV1MENTO DA ALFANDEGA
429
678
-----1107
128
393
521
Volumes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volumes sahidos cora fazendas
dem idem com gneros
Descarregam boje 28 de agosto
Barca inglezaGazellamercadorias.
Lugar dinamarquezMarianamercadorias.
Brigue nrte-allemoAgathmercadorias.
Barca francezaMousse de Nantes mercadorias.
Brigue franeezPotorromercadorias.
Brigne inglezJase Scoltmerradorias.
Hiale americanoMary tC Wendhan -idem.
Brigue hespanholPepa charque.
HECEBEDOH1A DE RE.NDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 2 a 26 40:7884244
Idem do dia 27...... 1:168*094
41:9564338
CONSULADO PROVINCIAL
Uendimentododia2 a?6. 7i:K85*273
Idem de dia 27....... 2:l92iiil
O Dr. Joaquim Jos do Miranda, juiz municipal
supplente da primeira vara em exercicio nesta
cidade do Recife de Pernambuco, etc. etc.
Faco saber aos que o presente edito! virem, em
como por este juizo se hao de arrematar a quem
mais dr, lindos os dias da lei, os movis contan-
tes de mobilia, e outros objectos de phoihographia
constantes do escripto de praca que se acha cm
poder do porteiro do juizo, onde podero os lici-
tantes verificaren! as suas qaalidades e valores;
cujos movis foram penhurados a Julio dos Santos
Pereira e a Jos Francisco da Silva Ferreira, por
execuco de Vianna e berdeiras de Joo Hcnrique
da Silva.
Toda a pessoa que em dito* movis e objectos
quizer lancar o poder fazer nos das de praca.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicado e
aflixado no lugar publico do costume.
Dada e passada ne~ta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 3 de agosto do 1869.
Eu Pedro Tertuliano da Cunha escrivao c
snbscrevi.
Joaquun Jos de Miranda
DECLARACOES.
Do ordem do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ra de fazenda sao convidadas as pessoas quo an-
da possuirem notos de 55000 da sexto, e de 105
da quarto estampa, em substitu o, virem tro-
ca-la por notas de novas estampas, que para isso
tem recebido a thesouraria do thesoura nacional.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 23 de agpsto de 1869,
Servmdo de" offlcal-moior,
Carlos Joo de Souza Correia
O lllm. Sr. inspecioa da thesouraria de la-
zenda desta provincia manda fazer publico, que no
dia 28 do corrente, as 2 horas da tarde, iro
praca para serem arrematadas, por quem por me
nos fuer, as pinturas das pontea, Santa Isabel e
Seto de Setenibro. O orcamento e clansulas espe-
ciaes para o contrato sero franqueados aos pre-
tendentes, na secretaria da mesma the>ouraria. As
pessoas a qusm convier a arrematado, devero
comparecer no referido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 24 de agosto de 1869. .
Servindo de ofOcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Santa casa da misericordia do
Recife
A Illraa junta administrativa da Santo Casa da
Misericordia do Recife precisa contratar a cobran
ca de suas dividas, pagando 20 0(0 pessoa que
dellas se encarregar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 24 de agosto de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
THEATRO
S. ISABEL.
Erapreza lyrlea Italiana.
Sabbado 28 de agosto.
Recita livre de assgnatura (51 do contrato)
Estando todos os camarotes asignados e que-
rendo a empreza satisfazer as pessoas que desfi-
jara ouviras opsras que se vo executando des-
tina esta nolte em recita extraordinaria da mujto
applaudidaopera em 4 actos de Donizetti
A FAVORITA.
Os bilhetcs vendemse no dia do espectculo.
Principiar as 8 horas.
N. B. Os senhores assignantes te rao a prefe-
rencia somonte at meio dia de amanha 2'.
LEILOES.
AVISOS MARTIMOS.
coma brasilea
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
al o dia 7 de setembro o vapor
Tocanlins, commandanle J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do sul.
Desde j recebem-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conuuzir, a qual deveri
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as' 2
horas.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectosde pequeo valor equenoexcedam a duat
arrobas do peso ou 8 palmos cbicos de medica.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
l andar, escrptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Para o Porto
pretende sahir com a possivel brevdade o patacho
portuguez Liberal, tem parte da carga engajada, c
para o resto que Ihe falto, pode tratar-se com Da-
vid Ferreira Rallar, ra do Brum n. 92, ou com
o capitao do referido navio.
ra de paquetes a vapor
At o dia Io de setembro esperado dos por-
toe do sul o apor americano Merrmach\ o qual
depois da demora do costume seguir para New-
York, tocando no Para e S. Thomaz, para freles e
passagens trata-se com os agentes llenry Forster
& C, ra do Commercio n. 8.
COMPAJ1HIA
DAS
Hessageries imperiales.
At o da 30 do corrente mez es era-se dos
portos do sul o vapor francez Guienne, comman-
danle Joret, o qual.depois da demora do costume
seguir para Brdeos locando em Dakar (Gore)
e Lisboa.
Para condic/ta, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Commercio n. !t.
GQMPAIS'HIA PKRIUMBGANA
DE
\'avcga^So costelra por vapor.
Porto de Galliuhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor tParahyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima no
dia 31 do corrente a meia noite
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n escrptorio do Forte do Matto>
a.12.
CWWUIA BRISILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 8 de setembro o vapor
Guar, commandante o Io te-
nenle P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j reeebeni-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conuuzir, a qual dever
*er embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
jua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
leeros de pequeo valor e que nao excedan) a 2
arrobas de poso ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebera na agencia ra da Cruz n. 57,
1 andar, escrptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo costara por vapor.
Macei escalas e Penedo.
O vap.'.r Potengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 31 do corrente as 5 horas da
larde. Recebe carga at o dia 30, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde do dia da sahida no escrptorio do For-
te do Mallos n. 12.
JL
Para Lisboa
O brigue poitugnez Constante H segu para
Lisboa com a menor demora possivel, por j ter
parte de sua carga prompta : para o restante c
passrgeiros, trata-se cora os consignatarios Olivei-
ra, Filos & C, no largo do Corpa Santo n. 19, ou
cora o capitao n > oraca do commercio.
macUMe serrar ndeira, alisar,
WmXf desenlio na madeira, engradar,
fazer molduras e tornear, assim cerno-
urna machina para fazer chocolate c mui-
tas outra? machinas de diversas utilida-
des, madeiras ele.
O agente P ntual, competeat mnle aulorisaio
pele juiz arbitro, fara leilo de todas as machinas
e mais peri nees da senaria a vapor ns lugar do
Mondego n. 99, conforme a discripeo dos objectos
em noder do dito agente, bem como das madei-
ras j apparelhadas o por apparolhar, ferrainenlas
etc.
Para melhor ser aprecia lo todo o macbinisro
estar este em movimenlo no dia do leilo que
dever ter lugar
Quarta-fera i" de setembro
Na mesma serrara a apor as 11 horas, ondo
podero os pretndeme ver o irablho das ma-
chinas e examinar os objectos indicados para o
leilo.
LElLAtT"
3 FB.SDZO&
A SABER :
Um sobrado de 2 andares c solo edificado em
chao proprio na ra do Vigario n. 26, ntn dito
na ra da Aurora n. 4, cora grande sitia com
135 palmos de frente a margem do rio Cai-
baribe e cerca de 2,000 palmos de fundo en
Santo Amaro com arvoredss e viveiros, um si-
tio na travessa do berro dos Remedios enm
150 palmos de frente e 1,200 de fundo, e urna
casa terrea com 2 salas, 4 quartas e cwinha
fora.
Qnlnta-felra de setemhro as
f 1 horas.
Por intervenc o do-agen te Pinto, em sou es-
critorio ra da Cruz n. 38.
AVISOS DIVERSOS.
Nao se escondam.
Espiridio Barb >sa da Silva faz ver ao re^peita-
vel publico, que tendo negociado, durantestte an-
nos, pelos lugares da via-ferrea do Recife a S.
Francisco, julga nada dever a pessoa algnnvi do
ditos transaccoes; porm so algucrn se julgar seu
credor, queira dirigir-se ao eslabelecmenio do
pateo do Carino n. 9, no praso de tres dias, afim de
serem immediatamente pagos, sendo ditos debitas
legaes, e faz a presente declararn, s Omb fin
de desmascarar a seus infames detractores.
^&^?.
D .Anna Rufina dos Santos Gonveia, Tlbis, no-
ras e sobrinhos partidos da mais intensa dCr pe-
lo infausto passamento de seu mui presado o
sempre chorsdo esposo, pai, sogro e tio Jarony-
mo Bibiauo de Gouvcia, vem pelo prsenle agra-
decer cordialmente a todas as pesas que se
dignaram assistir aos suffragios feitos por alma do
mesmo finado, e de acompanhar seus restos mor-
taes at o cemitero publico e de novo convidara
a todos os mus prente- e amigos para asiisti-
rem a missa de rquiem e memento do stimo
dia que algn* amig. s do finado mandara cele-
brar na igrja matriz da Boa-Vista pelas 7 horas
da manlia do dia 30 do corrente.
Veneravel confraria de Sania
Rita de Cassia.
Festa com missa nova,
Por ordem da mesa regedora desta veneravel
confraria se faz publico que domingo 29 do cor-
rente, ter lugar a e.-to de sua Gloriosa Patroeir,
ladaina na vespera as 7 horas da not>, festa e
Tc-Deum no dia, sendo pagadores do evangellio
o Rvd. Sr. Leonardo Joao Grago, e do Te-Doum o
Rvd. Sr. Antonio de Albuquerque Mello ;offlriar
na festa o Rvd. Sr. Manoel Tertuliano de Figue-
redo, que pela primeira vez exercer as fnnrecs
do presbyterato. Convidase aos irmaos da mes-
ma confraria se dignem comparecer paramento-
dos com seus hbitos para assislirem a todos os
actos. Tocar na fespera ao meio dia e de noita
e na dia antes e depois dos actos a msica do 2?
batalbo de infantaria da guarda nacional Re-
cfe.27 de agosto de 1869.
O escrivao,
_____________Hemeterio Maciel da Suva.
C ,'aixciro.
Precsa-se de um com pratica de ta' erna : na
ra das Hoias n. 8.
Em Goiai.na na paderia de Vieira Jnior \
Irmoo, precsa-se de 4 trabaIhadores sondo um
delles bom mestre de inacera quem quizer #m-
pregar-se nesse estabelecimento dirja-so a casa
n. (0 ra da Cruz luja de cera que aunar com
quem ajustar.
TRILHOS URBANOS
DO
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desto cidade se faz publi'c ., que
no dia 4 de setembro prximo, peas 2 horas da
tarde, ser arrematada perante a junto da mesma
thesouraria, por quem maior lanco offereeer, a
metade da casa terrea n. 18, adjudicada a fazenda,
sito na ladeira da Misericordia da cidade de Olin-
da, avallada em 8)105000. Os licitantes devero
comparecer nesta thesouraria no referido dia e
hora cima indicados.
Secretara da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 26 de agosto de 1869.
Servindo do offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
CORREIO GERAL
Pela administracao do correio desto cidade se
faz publico que hoje (27) pelas 3 horas da tarde
bebar-se-hao as malas que o vapor Saladhn tem
ieconduzir pan Liverpool.
Administracao do correio de Pernambuco 28 do
agosto de 1869.
O administrador,
Domingos dosPassos Miranda,
PARA'
O patacho Protector seguir para o referido
porto em poucos dias, por ter a maior parte do
seu carregauento prompto : para o que Ihe falta,
quem quizer carregar a frete commodo, pode diri-
gir se ao consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltro, ra do Commercio n. 17. ________
Para oMaranho
val sahtr breve por ter a maior parte do carrega-
mento engajado, o palhabote portuguez Carolina,
capitao Joo Paulo de Oliveira, recebe carga a fre-
te : trata-se com E. R. Rabello, ra do 'i>mm< rcio
n. 44.
COMPANHIA PERNAMRCANA
DE
.\Tavega?5o costelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mondah, comman-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 28 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do dia
da sahida : escrptorio no Forte do Mattos n. 12
Para Lisboa
o patacho portuguez Mario, capitao Pedro Martins
Branco vai sahir breve por ter a maior parte da
carga engajada, recebe o resto qae Ibe falta a fre-
te barato, o passageiros : trata-se com E. R. Ra-
bello, ra do Gomniercio n. 44.
Recife Apipucos.
AVISO
Hoje, io minutos depois de acabar o>
espectculo do theatro de Santa Isabel, ha-
vera um Irem espacial qae parte do Recil'a
para Apipucos, tocando em todo? 03 por-
tos intermediarios.
Do Io de setembro prximo cm diante,
a partida dos trens. ser regulada por uma>
tabella que podo ser procurada na estafa
do Recife desde j.
As horas das partidas as csaces ter-
rainaes, sero as seguintes:
DIAS UTEIS
Do Recife Apipucos.
Manha 6,10' 7,10" 7.50- 8,50- e-9,30.
Tarde 2,30' 3,30' 4,20" 4,30" 3,30" 6,3' 8,5* e 9,15'.
De Apipucos ao Recife.
Manha 6,20' 7,8,8' 9, 10 e H'
Tarde 3,35' 4,35' 5.35' 6,35' 8,20' c 9,50.
. DOMINGOS E DIAS SANTIFICADOS
Do Recife d Apipucos.
Manha 6. 7, 8 e 9.
Tarde I, 3, 4,5,6, 7,8 e 9.
De Apipucos ao Recife.
Manha 7, 8, 9 e 10.
Tarde 2, 4,5, 6 o 7,o'8,5 e 9,8'.
Escrptorio da coiapanhia, 28 de agosto
de 1869.
O gerente,
HawliHSoii.
Joaqun de Souza Raposo obleado licen>,a
de seus redores para vender sua k>ja de chirutos,
sita ra estr. ito do Rosario n. 10, contraton co:a
o abaixo assignado a venda da dita loja, o do ca*i>
de haver quem direito lenha a nao cessio na dita
venda, dirija-se ra de Hortos n. 1, no praso do
tres dias, lindo o praso Orar sem etfeito qualqui r
reclamaco, a contar da dato deste. Recife 38 do
agosto de 1-69.
Joaquim Vieira Coelba da Silva.
ANA
.'
(
f
Precisa-se de urna ama que saiba lavar c fla-
goramar com perfeicao, bem como fazer o servio
interno de urna casa de pequea familia : a miar
na ra Nova o. 44, loja.



Diario de Pernambuco Sabbado 28 de Agosto de 1869.
Attencao
1M
SernTuii a.i Silva Ramos, .artista
morad ipoa roa das Aguas
qoBnaoca tove es:;:
ero de outra qualquer
trabalha pelo sen ollicio de alfaiate. E
constando baver nutra pessoa Je igual no-
ine, faz a presente declarado, afim de evi-
tar dvidas futuras. Recife 4 de agosto
ROUBO
200^000 de gratifi-
caco.
O abaixo asignado manifesta fielmente o que
llio lu roubado no dia sexta-feira, 7 de agosto, as
um bab de lia mires que couduzia ama c;.rroea,
.julgirado ter sido ledo o roubo na praca do capun,
na Boa-Vista, aonde o carroceiro se domaron em
VM taberna. O abaixo asonado olerecea quan-
tia cima a quera Ibe cotrcpr o dito roubo, com-
promettendi-se a guardar iuviolavel segredo, po-
tiendo vir ao meu poder por qtialqtier intermedio.
2 braceletes de ouro coni livcla, entraneados,
I dito de cornalina encarnado, I apparelbo de l>e-
looras, completo, eneastoado em miro, obra do
Porto, i bracellede sndalo, i dito de dito de me-
nina, 2 ditos Je coral de dita eum chapa de ouroe
Itedriias, 1 dito de menina de coatiabM brancas,
1 aJfinete de ouro de.meuiaa coni eoraes (podras),
l par de brincos de ouro e'om pinyeiites, tendo par-
la superior sobre a rosita urna aerla, e parte n
feriar por balso urna podra atn; I par do brincos
de cornalina encarnada e eneasloado em ouro, 1
dito de ditos de ouro a bal;".t, 1 dito de rosetas pe
quenas con una pedrinia de coral no nielo. I dito
de brincos de ouro de menina rom podras bran-
iMS, 1 dito de rosetas de ourn lisas, I aunel de
ouro de menina com as letras MJSL, I di!o de ca-
bello de dita toiu as letras MJCIt, 1 par de botoes
de punbo para menina, 2 ditos de ditos dito para
liomeui, sondo i par do cornalina encarnada cn-
castoada em ouro, e I dito de ouro com roseas no
entro, I botiiu de camisa (de peitoi do bozouro
oneastuado em ouro, I volta da lianceim marehe-
tado com urna liguinha de azebiehe, 1 dita de dito
com reiiuitifes, de menina, tendo um S. Br.iz de
ouro, 1 liga de cornalina encastoada em ouro, I
dita de unicorne, 1 bola d>3 cornalina encastoada
i'in ouro, i cara de onro representando o sol, 1
mnedraha de ouro. 1 basiozinbo en asmado em
ciuro, I moedinlia de prata encastada em ouro,
. 1 relogio de ourn patete com crlente do incsmo
metal e chave. 1 imagen de dito representando .
S. da Conceicao, tendo 2 pollegadas de comprimen-
to i pi 'ando de 18 a 20 oi lavas, I volta de aljnl'a-
rs imitando perolas, varias medinhas de piala
nova e '.' 000 em papel, todo dentro de um bab
ti tartaruga, e dentro deste nin pequenino de lar-
ianit;a lamben que continha o ouro das moninas,
'.) camisinhas de menina guarnecidas com renda, c
algumas com marca M, .'i reatidinhos de menina,
-i-ndo 2 de chita, 2 de m;;sselina e 1 ile eambraia
com lislra verde, 2 timaozinhos de chita, o cober-
linhas, sendo 2 encarnadas. 1 lencolzinho com mar.-
ea M, pares de ineinhas, 3 marca M e .') marca A, 1 saia
le eambraia branca com tira bordada em roda, de
senhora, 1 botina de senhora, de pellica branca, e
oais objectos miudo?, 1 par de sapatos de ourelo,
novo, de bomeni.
_____ Joao da Silva Leito.________
Programma da testa do Se-
nkor Bom Jesus das
Dores.
No< sabbado 28 do corrente, ao meio dia, diver-
sas girndolas de fogo subiro ao ar, e a banda de
msica marcial do corpo de artilharia da guarda
nacional executar diversas pOQU sob a direccao
de seu distinc) inestre, annunciando assim a fo'ta
do nosso padroeiro.
As 7 horas da ooite do mesmo dia principiarlo
as vesperas solemnes, orando o reverendo Luiz Ig-
nacio de Moura. .
No asegrate (domingo), as 11 horas da ma-
iihaa, entrar a festa, sendo tiosta occasiao execu-
tada sob a regencia do insigne professor Manoel
Percira da Silva Sarzedello, a grande msica do
immortal Bellini, bein como os solos que sao can-
tados pelos mui distictos professeres Jos Cocino,
Soares Bosas, Candido Das o Baschini, orador
no Evangelho o mui disticto reverendo Dr. Luiz
Ferreira Nobre Pelinca, sendo que nesta occasiao
o distinelo professor Antonio Martins Vianna, exe-
cntar tima lindissima phantazia de Clarineto sob
os motivos da somnmbula por E. Cavallini, a noi-
tc haver Te-Deum, sendo orador o bem conheeido
padre mostr Leonardo Joo Grego ; toca em to-
dos os actos a mesma banda marcial; esta a
solemnidade que pretende apresentar vista dos
fiis a mesa regedora.
Consistorio 26 de aagoslo de 1869.
O escrivio,
Baphael Ardanlo da Rosa Lima.
a pasa aan ?aaa
Reconimcnilamos o modestoHotel Parleular
ai i-idade dol',i:io. ra de Santa Cathario.1 n. 135.
Palacete liem dir.-ido, com commodidades para
homens e familias decentes, aonde se encontra bom
tratamento por mdico preco ^^____^^
Na ra Direita. loja de calcados n. 32, preci-
sa-se de um caixeiro que tenba pratlca desse ne-
gocio,-preferindo-se portuguez. _______
CNCER.
Pedro Buarque de Macedo, acaba de descobrir
depois de grande experiencia, um remedio, que
tendo sido applicado militas pessoas homeopatlu-
camente lem olnido um resultado, que anda nao
faltn, qaando u remedio applicado por elle pro-
prio, e observada a sua regra, em vista da gravi-
dade de sua preparacao. O mesmo senhor decla-
ra que nao expita venda em parte algu.ua, o seu
remedio exceucao de sua casa. Declara inais,
que os idros do remedio sero rubricados p<>r
elle com tinta encarnada, acompanliando aa mes-
mo una di'cc,c,w para o uso do remedio. Declara
anda que est prompto a fazer qnalquer cura con-
diconalniente, para o que pode ser procurado em
Olinda, rna Nova n. .
*
OPERA ITALIANA
D?pois do espectculo
NO
32Ra do Imperador32
Na ra Direita, loja n. 32, precisa-se de al-
gn? ofllcaes de sapatero, que tenham pleno co--
nhecimento da arte, e boa conducta.
AGENCIA
*
EM
Na rus de Horlas n. 1 precisa-sj
ama para c/izisiliar e comprar.
de una
Precisase de urna ama que saiba cozinbar e
tambera Bateada de engonimar, para urna casa de
pouca familia a tratar na ra da Praia n. 00.
Precisa-sede una ama, preferndo-se escr.v
va, para o servico de una ca*a de pouea familia,
fra desia cidad : a tratar na ra do Livrmento
n. 31, 2" andar.
Na ma do Corredor do Bispo, sino n. 31
urecisase filiaran Sr. Alejandrino Christiano de
Oliveira, empregado da alfandega, a negocio de
seu inter. sse, e pedo-se-lhe por esta folha, por g
norar-se sua residencia, das s 9 horas da ma-
nhaa e das 3 horas da tarde em diante.
EMPRESTIMO SOBRE!
(SEM LIMITE.)
Na traversa da ra
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se qnal-
quer qnantia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condc5es de ga-
rantir a trpsaccao que se flzer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
e brilhantes.
Precisa-se alugar um moleque, paga-se bem:
no hotel do Franca, ra do Commercio n. 11.
Henriqne Autonio Francisro ornellas, pro-
f.'ssor particular de instrueco elementar, provlsi-
onado pela directora peral da instrueco publica,
participa ao respeitave publico que se acha abor-
ta a sua aula, na ra da Palma n. 4o. O mesmo
professor ensina as materas lender.tes ao seu ma-
gisterio em casas particulares ; assim como s
tardes em sua aula, grammatica portugueza e ari-
thmctica. ____________^_
= No dia > do corrate mez e anuo fugio de
casa do Sr. Dr. Joao de Hullanda da Cunha, ra
de Beinllea, na Passagom n. 48, onde se achara
alagado, o moleque Francisco, crioulo, bastante
prclo, de l.'i annos de idade, com um signal de
queimadura no hombro esquerdo, trajava caica e
(aqueta de brirn, consta/]ne se acha servindo em
loja de empalhador, dequo '* oflcinl, ou fingindo
que pretende aprender esse ollicio, pelo que se
protesta contra quem Ihe der agasalho : quem o
apprehender, queira leva-lo ra da Aurora n. 26,
onde ser gratificada
Ama
Precisa-se de urna ama livre ou cscrava que
eozinhecom perfei^o o diario de urna casa e que
seja de boa conducta : a tratar na ra do Vigario
n. 5, 8* andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para servico interno de
easa de familia : na praca da Independencia n.
39. se ,d r.
Offerece-se 20 a 25*000 pelo aluguel mensal
de urna escrava que seja boa vendedeira de ra,
de taboloiro, e que seja fiel, bem como um mole-
que de boa conducta : na ra da Praia n. 68.
f^aSS!
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,
Elle d e restaura forca e sanidade a pelle
da cabera,
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualqner forma e posico que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornaren)
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fsoj
cura refrigerante e agradavel,
Elle nSo demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservarlo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
0 CABELLO.
Ionice Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & C. P. Maurer
& C, M. Barbosa, Bartholomeu & C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas,
Attencao
Na ra Direita n. 15 precisa-se fallar com o Sr.
Manoel Mara Pacheco, natrrral de Vianna do Cas-
tello, a negocio de seu interesse.
Precisa-se de um criado: na rna do Quei-
raado n. 12, 1 andar.__________________^^
Precisa-se de urna ama para cozinbar em
casa de homem soltero : na rna da Praia n. 2.
Industria agrcola.
O abaixo assignado proprietario de varios esta-
belecimentos ahricolos, tendo de retirar-so para
Lisboa a tratar de sua saude, deseja diminuir e>
curso de suas operacaes, expondo a venda o enge-
nho Mirtucd (funcionando actualmente coin 50
a 60 escravos) distante legua e meia de Ilelem, com
a qual corresponde p^r Ierra e por agua.
A fabricacao do assurar ah se faz pelo novo
systeina do vaceuo e do vapor.
A agurdente por dous alambiques, sendo um
do antigo systema e outro do continuo.
O material intoirninente novo d'este estabeleci-
mento, sabido da casa bem conbecida de Henry
Claiion & C. (lo Londres, e de primeira orden) a
sua nslallaeo feita com toda a forca e perfeicao
que se pode'desejar.
O material o os apparelbos compem-se do se-
grate :
De una caldeira de 20 cavallos de forca, com
2 fornalhas interiores, dando consecutivamente
vapor de 4 a 5 atheraospheras de preecao : esta
caldeira est munida de todos teas aparelhos de
seguranza, indicadores e assecorios.
De urna machina a vapor oriental de alta pree-
cao, d-> forja de 11 cavallos, dando a sua trans-
misso a um jogo de moendas da maior forrea co-
nhecida nos estabelecimentos d'csta provincia.
De dois dessecadores a dohrc fundo era com-
municacao cora os feliros, systema Taylord.
De una caldeira a cozer no vacuo com todos
os seus aparelhos, o eorrespoudendo cora a bomba
do ar, mandada pela dita machina de vapor.
De 4 bombas para o mnvimento das diversas
operacoes, communicando com diversos depsitos
d'agu fria, agua quenle.mel para assucar, niel de
toi bina e espumas etc.
De urna turbina a vapor gorrespondendo com
girador da machina.
De urna torbina ingleza, de um dimetro maior
movida por baxo pela trausmis.sao mandada pela
machina a vapor.
Estas obras foram montadas e installadas pelo
primeiro artista scientfico e pratipo conheeido
n'esta provincia, que tem funeconado com todos
estes aparelhos; dando producios de um qualida-
de superior a todos que tem aparecido at hoje
n'esta provincia.
Este estabelecimento pode fabricar regularmen-
te de 200 a 300 arrobas de assucar, e 2 pipas de
casaca diariamente.
Pertence a este engenho um lago, cujas aguas
servem para moer actualmente urna pequea ser-
rara de madeira.
A casa de moradia espacosa e de boa construc-
cao : em fim, neste lugar acha-se urna bonita
campia cercada de matas virgens onde se en-
contrara com muita abundoncia maderas tanto
para centruccSes naves como terrestres.
Para. 39dejunho de .1809.
Jos Antonio de Miranda.
Do J)r. Ayer.
ItITORAL DECERRJA, .
cora phtisica e todas as molestias do tilo.
SALSA PAHRII.IIA
cura ulceras e chagas rnicas, empigens e dartosi
TNICO
conserva e hmpa os cabellos. r.
PILULAS CATIIART1CAS
purameute vegeta es e sem mercurio, cura sosoes,
porgara e purificam todo o systema humano : ven-
de-fe tnicamente era casa do Samuel P. Johnston
* C, ra da Serizala-nova n. 42
Na ru;i da Aurora n. 34 protea4o*e contra-
tar um offlcial de pharmacia, que tenba bastante
pratica,
Sitio
Precisatse alugar um sitio que tenba.' grande
baixa para capim, e algumas aores de frcto :
imem ti ver aonuncie ou dirija-se ra do Quei-
niado n. 12, 1* andar.
UML1 1 NVELOS
FIO ni: VKLl
Barbante
Em casa de Rabe Scbmetau & C. Corpo
Santo n. 15.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COCIAC iiK\\i;ssv.
Em casa de Rabe Schmettau de C. Corpo
Santo n. 15.
CHAMPANHA
SUPERIOR.
Roussillon, carte blanche.
Em casa de Rabe Sehmettaii i
CS. Corpo St\u i u. 15.
VIMHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
(II1TEU RAIIZAM
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
\S BOIBAS 'HADAS
E
todas as molestias syphiliticas.
PELO
ELEXIX DO DR.SEVIAL
nico depurativo sem mercurio que tan-
ta aceitaco terq merecido no Brasil, as
repblicas -do Sul e na Allemanha espe-
cialmente para cura das boubas, sarnas,
rlieumatismo, todas as molestias syphiliti-
cas e em geral todas aquellas provm da
empreza do sangue.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DB
Bartbomeu & C.
34Rna Larga do-HosaHo34
ATTENCAO
Precisa-se de urna ama que saiba comprar e c
baar para casa do pouca familia ; na ra larga
o llosa rio n. 21, 2o andar.
. No largo da Assembla n. 19 precisa-se alu-
gar um moleque ou una negra, que seja fiel e de
bons costumes, mesmo sem habilidades.
,- Aluga-se urna ca bem alaga se alguns quartos proprios para rapa-
zes : a tratar na ra Nova n. l, 4o andar.
Precisa-se de um IMtor para um sitie do
Monteiro na ra do Crespo n. 23.
Novo Atheneu.
Hoje haver sessiio ordinaria as 11 horas do dia
no pateo do Carma n. f), sendo a ordein do dia,
posse de di ersas comraissoos, e apresentacao de
theses.
Troco miudo.
1 1|2 0[0 de premio por sedulas de \6 e 23000;
1 0|0 de premio por sedulas de o, 103 e 203000
(nova estampa), paga-se por quantias de 1:0003 a
3:0003 : na casa du Theodoro Simn t C, largo
do Peloiirinho n. 7.
Attencao.
Precsa-se alugar urna casa terrea ou loja, com
tanto que tenlu bom quintal era qualquer urna das
ras do bairro de Santo Antonio : quem tiver po-
de dngir-se ra do Rosario da Boa-Vista n. 44,
que nao se olha o preco do aluguel.
No escrptoro de Domingos Alves Malheus,
ra do Vigario n. 21, deseja-se saber se existe
nesta cidade o Sr. Francisco Augusto do Couto,
lilno de Joaquina Jos do Couto, da liba Terceira
(Acores) -com quem muito se deseja fallar, a nego-
cio de seu interesse.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os soguin
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalic3o.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Ensino
Offerece-se urna pessoa para leecionar
em casas particulares ou na de sua resi-
dencia sem designacao de hora e dia :
grammitica portugueza, principios de
arthmetica, no^Ses de historia e calgra-
phia ; prometiendo alm de todo empe-
nho o mais fcil o adaptavel methodo,
que em breve dar bom resultado: a tra-
tar na ra do Quemado n. 33, primeiro
andar, das 10 horas da manbaa as 4 da
tarde ; a entrada pelo largo do Collegio.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
esta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobihas: a
roa do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Precisa-se fallar com o Sr Dr. Joao Hullanda
Cunha a negocio de seu interesse : na fabrica de
cerveja n. 3g, na do Cebo.
I'recisa-se de urna ama para casa de homem
soltero : na ra do Mondego n. 03.
Ll
Resta venda um escolhido sortimento de ob-
jectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
arand, mogno eamarcllo, obra nacional e estran-
eir, d apurado gosto e por pr$o< raioaveis:
ia ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
NAO FOI PRECISO AGUA BERTA
O demonio mudou-se por sua Iftre eexpontanea vontade
YIVA 0 DIA DE S. BARTHDLOMEU
Agora ntnguem presuma que fot um demonio qualquer, foi
0 BOM DEMONIO
Mas nao sabio da Boa-Vista
CHEGOU-SE AT PARA MIIS PERTO DA MATRIZ
Sea dominio esl hoje assentado, onde foi botica,
ESQUINA DA RA DJ ABAGA R. 32
VEXlIzOl TjE-JLO
ftf&Tflffllfria Como ?arboso se slenla
kiHK^ Como lepido se mostra
* ,w" E as diabluras que faz!!!
.Negra tranca no coilo lhcondcia
Sofa oriza ao mago desdem :
Deita a fronte n'um peilo e conhece
t Quantas maguas o seio conlm.
Esta linda e gentil creatnra tamhem
VEMOE
Queijos, manteiga e caf,
Vinlio, cha e bolaxinhas,
Doces seceos e licores,
' De Nantes boas sardinhas.
Tudo barato
Para agrada .
Venhain fregueses
Que bao de gosiar,
N. D. Brevemente ser annnnciado o dia, em que este importante armazem de mo-
Ihados ter principio a pratica de certa diabrura.que admirar mais do que o TEMPORAL
na BONANCA da ra do Quemado. Por ora venham os freguezes visitar o nosso es-
tabelecimento, comprar os nossos superieres gener s por precos muito rasoavets.
Manteiga ingleza flor a 1300 por 5U0 Vinho bordeaux em caxa, 7f5O0O.
grammas.
Dita dita a 15200 idam.
Dita dita a 1^000 dem.
Dita franceza a 900 rs. dem.
Batata^ novas a 100 rs. idem.
Cha lino superior a uOO idem.
Dito dito a 35200 idem.
Dito dito a 35000 idem.
Arroz pilado a 120 rs. idem.
Caf decaroco a 200, 2i0 e 280 rs.
idem.
Milho olpista a 240 rs. idem.
Toucinho de Lisboa a 400 rs. idem.
Vellas estiatinas, masso 720.
Potes com sai refinado a 400.
Ervilhas franceza em manteiga, 900 rs.:
a lata.
Eructas portuguezas em calda a 600 rs.
a lata.
Ditas s de pect gos maiores a 500 rs. a
lata.
Tijolo para facas a 120 rs.
Chocolate espanhol a 15000 o masso.
Frascos com conserva a 900 rs.
Ditos dita de mustarda a 800 rs.
Latas com carne de jorco a 800 rs.
Sardinhas de Nantes em manteiga a 800
rs. a lata.
Copos finos para agua, duza 45800.
Garrafas finas para meza, o par 56000.
Cognac engarrafado a 800 rs.
Azeite francez engarrafado a 15000.
Presunto em barril a 480 rs. por 500
grammas
Vinagre branco engarrafado a 400 rs.
Bolaxinhas de dllerenlcs nirrcas. a
I-SOO.
Fosphoros de seguranca, masso 500 rs.
Banha de porco a 720 por 500 grammas.
Vinho do reino, garrafa a 15000.
Charutos do Lima a 55 e 65 a caxa.
Sabode massa a 240 rs. por 500 gram-
mas.
Latas comamexas a 15, 15500, 25800
e 35500.
Ditas de manteiga a 25800.
Ditas juliana a 15 por 500 grammas.
Frascos com macaas seccas a 25000.
Serveja de dfferentes marcas, duza 65.
Tapioca do MaranhSo a 240 rs. por 500
grammas.
Farello em sacca com 21 kilos por 55.
Ligucas e paios a 800 rs. por 500 gram-
mas.
Caz. lata a 85500.
Dito em garrafa a 400 rs.
Latas de peixe a 800 rs.
Bolaxinhas beato Antonio a 15200 a lata.
Latas de p5o-de-l a 900 rs.
Bter em garrafas a 800 rs.
Licores finos como coracol, amisade, e
outras muilas marcas a 15000 rs.
Estrilnhas para sopa a 800 rs. por 500
grammas.
Marrasquino de zero a 15 a garrafa.
Massa de tomate a 720 por 500 gram-
mas.
Os proprietarios garantem tudo quanto cima est especificado, adverte a todos
que n2o conhecem o peso de 500 grammas, mais de urna libra, e se esplicar aquellos
que nao entendem.
COMITAIIIA DOS AMYIZES
16 RA DA CRUZ IB
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis de dfferen-
tes qualdades, vinhos de superior qualidade, cha Hjsson preto, e miudo, o melhor que
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitadas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, bailes, baptisados e ca-
samentas, a saber:
Pecas de nougat. Paes-de-lot enfeitados.
Ditas de po-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. I Tortas folhadas de crme e carne.
Bandeja com armaco de assucar. Empadas.
AUGUSTO PORTO & C
11--RA DO QUEIM D0--11
Tendo chegado ltimamente ao seu e-tabelecimenlo grande variedade de fa-
sendas de gosto as pem disposico de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
presos possiveis, sendo:
Bournous de cachemira brancos e de cores, o que ha de mais elegante para
bombuos de senhora.
Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta de soalines, o que ha de mais elegante para urna moca.
Basquines de guipure preto, novo gosto, enfeitados desetim de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capella para noivas. Fronhas e toalhas de eambraia de Buho
bordadas. Cortinados bordados para camas o para jancllas de diversas qualdades:
colxas de seda e de lia e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorgueo de la e seda de cores, muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorgur5o de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas cujos precos s5o em gera
muite mdicos. Grande sortimento de camisas para homem, tanto lisas como bordadas
e de cores.
Contnuam sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama t
para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifar saloes, e grande qantidade d<-
Esleirs da India para forrar salas.
RIJA
IDO
CABUG
esquina
|da rna larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
RITJk
CABUG
Este importante estabelecimento noseugenero, tem sempre um sortimento sem igual,! esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. L ,
vista da qualidade e do prego das joias cada um pder-se-ha convencer daverdadej raa larffadoJ
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados. *
A loja est aberta at as 9 horas da noute.
Rosario.




t
friario de Pernambuco gabWo 2 ce Agosto d 1869.

r

t7.

O :.luis" awgKwk, coinmeiviane e Buenos-
Avres, e ora nesta cidado, cnmprindoas ordensd.
seu pi, o Sr. Joo Fernandas Doarte, morador en
Baroelos r.'in do P-uipl, o uuico nerJcir-Ml-
seu toado fllho Antonio Fernandos Duarlo de Al
meida, cominerciank) que foi nesla eidade, faz pu
blii-opara ranluoimento daquolle?, a quena pes>*
in!^r?ar, que lica esde j prohibida a alienara'
qurr ontra transaecao rHalivamento heranca d.
dito finado, pois que o pai do annnneiantc teni re-
tirado os poderes une nmlerio ao Sr. Francia*
Fcrnaul.s Duarte para a arreeadaco da dita hr-
ranea. O annunciante roga especialmente aos se-
nlu.-KS labellies qno ni> lavrem escripiura adu-
nia de coulrato qnaiito a bous do dita heraee>
mediante proniracao de data anterior a Jo fresen
le annuncio. R-vl'e "l de agosto de 18159.
Mauoel Fernand.es Duarte.
o abaixo Msignado, na qu; lTade de procura-
dor bastante do Sr. Francisco Fernandos Duarte,
boje tm Portogal. vem perantc o re-peilayel |in-
blio protestar centra a maligna insiauaeao feila
em un aniiiuicio oooteui pulilirado nesle Diario
contra o mesmo Sr. F. F. Duarle, sol) a assimia
tura to Sr. Manuel Fernandas Duarle ; o qual,
sem produzir a procuraeao bastante, que dii le
de seu respeilavd Tai o Sr. Joao Fernandes Duar-
te, residente em Barcellos, naquelle Itoino, prev
uio quein possa iuteressar, que ficava desde ja
prohibida a alienaeao de qualquer bem, o paga-
mento de dividas, e qualquer outra transaran
relativamente heranca de Antonio Fernandos
finarte de AhueiJa, alli falleckk) em eslado de
solieiro, sem descendentes, mas ettabeiecMo uesta
CW de ; pois que 0 dito Pai 4'elle annunciante
tinha revogadn os poderes que conferio ao mesmo
Sr, Francisco Femantes Duarle para arrecadayao
dita heranca ; assim con que rogava espe-
cialmente aos' Srs. tabellles para naotavrarcm
escriplura Iguma do contttito. qttanto aos bens
da mencionada fceranca, avista da revogaeao
Taqueirnutra procurara.
Em verdade, o Sr. Mauoel Fernanes Duarte
procurou fert'arte dewar urna prevengao dos-
airosa contra sen honra* irmao o Sr. Francisco
Fernandos Duarle, aproveilando se para isto de
sua ausencia d'osla Cidade, onde at o presente
tem sempre gozado fle bastante crdito mercantil,
o de repulaciw|illibada. como publico e Bolorio ;
sendo mais cstraohavel esse procedimento do
mesmo Sr. Manoel Fcrnandes Duarte, piando, ta
epoueo, elle aqui chegou Je Portugal, onde esti-
vera com aquello seu mano, nao acompanhou-o
communkwao alguma a respeto dessa supposla
revogaefio da referida proetirar/io, naohavia mes-
mo motivo para i-so ; o dito Sr. Francisco Fer-
nandos Duarte est na melhur harmona e em in-
mediata contacto com o seu respeitavel Pai, se-
gundo consta ; eos bens constitutivos o'aquella he-
ranca esto sb a vigilancia e guarda do hacante
procurad.ir do Sr. Francisco Fernandes Duarle ;
o qual por certo nao os alienar, nem o faiia em
aso algum sem eslar para isso devidanv -nte ao-
torisado ; o que ludo faz crcr, que o Sr. Mano.!
Fernand' s Duarte, se nao c un verdadeiro in
ti uso nesse negocia (como parece), ao menos lem
procedido com inuita precipitara, tcmeridade, e
espirito olTensivo reinitara de seu proprio mano,
e a do abaixo assignadn at hoje illi-sas
Eniretanto, pode tirar certo o Sr. Manoel Fer-
nandos Duarte, que na lograr qualquer desses
:->eus intcnlos, porque nao ter justos motivos
para desairar aquello seu digne mano, nem lam-
ben! ao abaixo assignado, seu procurador bastante
MU Cidade, os quaes sao notoriamente conheci-
dos como ineapazes de q^lquer arto reprovado,
liem como nao se inlromfciter mos lavadas, e
sem os meios cooipctrntapna administracao dessa
heranca, da qual o Pai d'eile j dever ter rece-
ido as contas mais exactas, e achar-se plenamente
satisfeilo.
Os Triunaes do Brasil offerecem as necessarias
garantas para castigar os injustos ofensures da
ivpiitario alheia, e assegurar os direitos de quem
quer, que fr.
Becife, S3 de agosto de &8M.
Franciico GmetUt de Araujo.
O abaixoassignado, proemador baslante do Sr.
Francisco Fernandos Duarto, achando-se hoje as-
saz habilitado por cartas, que acaba dereceber de
Barcellos, Beino de Portugal, do Sr. Francisco
Fernandos Duarte, as quaes ouVrree quem queira
vir examina-las ra do Ainoriiu n. **i o ra da
Cadeia n. 53. podo desde j afllancar ao respeila-
vel publico, que o Sr. Manoel Fernandos Duarte
falsamente se tem inculcado em sens annuncios
nesle Diarioter procurador de seu respeilavel
Pai o Sr. Joao remandes Duarte, alli residente-
para arrecadaco da heranca do sen irino Anto-
nio Fernandes Duarte de Almeida fallecido em es-
tado de solleiro, e sem descendentes ; nois, sendo
crio que o mesmo Sr. Manoel Fcrnandes Duarte
alli c.hegando h Buenos-Ayrescom arrotos insup-
portaveis deum verdadi'iro opulent '.procurou por
todos os meios ao seu alcance inspirar coolianca
para obter aipiella suspirada proenraco, mas cun
i unanha infelicidade (para ele, improvisado Creso
He fresca data), que Ihe foi repellida e un a devi-
da energa de um bom Pai, que plenamimle o
oonhoria, e nao podiadesi-Duliecn-, que nao lendo-
lli.' merecido durante 21 anuos de sua ausencia
de Portugal pouco mais oh menossnas precio-
sa lettras, s o cheiro daquella heranca o faria
movor-se de tao longe para alcancar aquella pro-
va de confianca, de que poresse seu ingrato pro-
cedimealo se havia tornado menos digno, como
de primeira atoicao.
Assim pois, o abaixo assignado estando anlo-
risado por cartas do mesmo Sr. Francisco Fer-
nandos Dnai ledatadas de 2ti de Junho, 9 de Julho
e 10 de Agoio ilo eorrente annopara dar esse so-
lemni' desmenlido ao supradito Sr. Manoel Pernan-
des Duarle, e faz-lo conhecer pecante o respeiti-
vel publicocomo um intruso procura.lor de seu
Pai (para nao ou-ar qualilica-lo de um ver.ladeiro
tarlufo), lem ainda a accr.scentar, que o mesmo
Sr. Manoel Fcrnandes Duarte emlaldesharmonia,
e despoito com seu proprio Pai, d'alli sabio (pie
d'eile ik-ixoude-o lespedir, e assim seretinm para
esla Cidade aini de esperar o Vapor, que o devora
levar s sna$ grandes fnzendas em Buenos-Ayre-
cm vento fresco.
Entretanto, para que o Sr. Manoel Pernandes
Duarto nao |>ossa crer o mnimo proposito otfen-
sivo da parte do abaixo assignado, i|uo hojo '>em
sciente est de tud quanto alli occorre-a a res
peito dessasua tentativa infeliz,al mesmo das
memoraveis palavra~ com que seu venerando Pai
re-poiid'ii-lbe- que a estadio presente mo era
unpriada para elle ir alli fazer mxertos e por
coiLseyunt'' que o no fosseincommodar.o abaixo
a-signado jx-de com instancia ao dito Sr. Manoel
Fernandes Duarte, que por seu proprio hrio e
honra inanoo publicar, quanto antea, nesle Dia-
rio ossa suppoata procuraba.), qa mculci ter,
sib pena de sor considerado na opiniao puMca
menos digno da f, ou cunceit.i, que deve mere-
car as.-iu como, que lenha a hunda do de uep <
sitar om algum lugar de sua eseelha aquella
seoque fallada procunco para que-se posa e-
rocar a respectiva Urina, o por sua vez elle po-
der tambein contrariar aos que nao aoneran
acreditar, o mnito menos boje n'aaaelles sen
annuncio-.
Fin.ihoeafe. i abaixo assignad.i t.imbem pode
assegurar ao respeilavel pumieo, avista daqg
caria*, que est proitipto franquearque o Sr.
Francisco Fernandos Doarte e-!a nas ui: Ihores
reJjocs de amitade cihujo seu respeilavel pai,
beodo dello as maioros provas de coBanca
n al ultiman -oedeu, que [ho prestara
[lies serv ua^rave eiil'enuidade que
ere pol?, qe. i-tanque mais alBigo, ca-
l'srnr.'ide.s Duarte, poc-
que *<*, ipioootrotanto nao m-rece, aoi rapelh'-
dMii o eiuerto, que levou, deuois de 21 amius
de su longa ausenea. o ua loul |irvac5o Je.sas
njjjhslaceiii noticiantlfl
H-teifa H de agosta de i869.
Francisco Quede i de Araujj,
alaquin Maaool Lopes da-Si l*a A pul
para ciencia do respeitavel corpo do eomm^raia^
d une i n ois possa Iweressar, que tapr'
-ua laborna do neceo lo. Cami*ert)
..Amonio Coyiesda-tiosta tte, Iivree
-:u(iara(ada de debites, e de qualquer onns;
11 dever, mas se alguem se julgar sen
;iha .1 hondada de apresen* sua cont
I i tres da< a mesina taberna. RecWc
, m. padre
/reja da C
BarwH, dirija-sc ra do LiTrarnentn, !
-t**) n. 37, a fallar com Ferreira Jnior.
-1- riLiii
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
.
>
IICI1TU II CIISTilTIllITl I GI1PLITI MIT1IIITI II
CHAPEOS BB 8L;
Be todu ti qualidadet I
De todo o feitioi 1
De todu o presos t
RA DO CRESPO
N- 4 |
4LIJGA-SE
\luga-se o 2o andar c solo lo sobrado da na da Cafil do Recite n. CO
traiar no armazem da Exposico de Londres. ^______
NORADIi (IIATIS
Precisa-se de um homem que d fiador de sua conducta, para tomar conta
um sitio, perlo da praca e do camiuho de ferro, dando-se assim moradia cratis
tratiu- naExpdSicao de Londres n. 60, ra da Cada doRecife. "
\oh o:oooS04io
CASA DA FORTUNA
Ilua d Crespo o.. 93.
0 abaixo assignado leudo ohtidpi iecnja da pre-
sidencia e satisfeito as outras jxgeucis da le,
avisa ao rcsneitavel publico ,tjuo tera sempre
venda no seii csthclecirai>to bilhetes das lote-
ras do Itio de Janeiro, rtfjoa |iromios sero pagos
promptamente vista 'asustas com o descont
smente da Ici.
Precos ;Inteiros.. 2i000
Meios... 125000
Quarlos. 64000
E cin quaniidadc-maior de lOOOOO na rarao
de 2200O por bilhele.
______ Manoel Martins Fiwa.
COSTURElRAT
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
I caza, por prego commodo, na ra Augusta
I n 112, e d-se flanea sobre as mesmas.
O dvogado
Affonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
I criptorio para a rua das Crnzes n. 37. derronto da
typographia do Diario.
MUDANCA DO
EEKUiBEES
Albino Baptista da Hocha participa
a todos os seos froguezosquemudou-
so coih a sua olllcina da praca da
Independencia n. 12 para a rua das
Crnzes n. 23; previne, perianto, a
todos os amigas c treguezes quo >e
achara em casa a qualquer hora
do da, para executar todo e qualquer concert
qae de sua arte exigir possam, tendente a sua
profissao ; e em sua falta aeharao' com quem
tratar.
Mikroskope achroma-1 OVxs^^^
tisehen. ObjetivLin- ^_ N^,
sen.
Barmetro e eriB>-
metre. Centigradt1
e reuumeurc.
de
: a
Tintura instantnea de Deiiour, e real de Jayme: vende-se rua do
mado n. ,
Salo de cabelleireiro,
onde tambem so encontrara um esplendido e variado sorimento de perfumaras
e dos melhorcs fabricantes de Pars.
Quei-
finas,
I
V)
e>
es
O)
El
5 =s. 2 g.
i S. S o. 5*
11111"
3 3 5 3 3
"lM? 3
"2 3 a "
9 9 ui g .
c. a. o ^
3 2 *H *
0>
"O
01
ISg
O -o
i'I
a- te
P&S'' ^
a V. o .
y z 3 o-
% O o
< g = 2 "
S S a
g =j =
ce te te 00
A. 3 w
3 ce u
S333
Sslfg-
2- a S o.
o
o
o

B
o
O
!
Pg
?-a
es
<9
99
w
3
Aluga-se um siiio com ba casa de
vivenda com commodos para gran-
de familia, na Passagcm da Magda-
na, em frente ao sitio do Sr. Bailar
A Oli\eira: a traiar com Domingos
Alves Matheus, rua do Vigario n. 21..
URGENCIA
4. ALUGUEL,
Ni Soraco de Onro se diz quem precisa do
umatscrava que sirva para comprar, cozinhar e
engommar, para casa de familia._______________
Precisa-se de orna ama que saiba bem cozinhar:
no pateo da Hibeira n. 13.____________________
Preciaa-se alugar urna preta escrava de meia
[jdade, para comprar e cozinhar : na rua do Ara-
gSo u. 10.
Aos 20:000^000.
CASA DA K.
Os abaixo assignodos fazem sciente ao respei-
lavel publico, que teem venda os scus mutto fe-
iizes bilhetes do Kio, rua do Crbug n. 2, loja do
Sr. Malheiro, pagndose a vi; la das listas smenle
com o descont da lei.
PREC-OS.
Inteiros 000
Meios 125000
Ouartos 6JO0O
De 100| para cima a 225000 o bilhele.
Vieira St Rodrigues.

o
1 -~
g
I
COSTIREIIIV E IIOIIISTA
LECOMTE
Com loja na rua da Lnperatriz n. 7.
Tero a honra de paitectoar ao respeitavel publico e-era particular seus fregue-
zes, que, pelas retaces que acaba de encetarcomalgumascostureirasemodistasdasmis
afamadas de Paris, que todos os mezes lite mandara figulinos, de vestidos, man-
teletes c chapeos que esto no maiur gosto e mais modernos, se acha habilita-
da para fazer vestidos para passeio e visitas, bailes c cusamentos. As senhoras que
a honrarem com asuafreguuzia, nio deixarjo de ser satisfeilas, tanto pelo bomgosto, coran
pela barateza dos precos e prom^Udio na en'ega das encommendas ; tambera tem bo-
nitos enfeites nuiito modernosedetodasas cores. Fazem-se chapos do todas as qualidades
tanto de fil como de pallia.
RUA m CRESPN. 7 A,
PKUlfilRd ANDAR.
ANDR DEXSDC, veTjMibiico, que abri receolemeute, para os mysteres de stu arle, rua do Crespo
ti. 7 A, primeiro andar, um elegante salao a fcuiz XV, 01 Hado coau o maior gosto.
Com a vantagem de j'i ter sido justsenle apresado pelo publico parisiense e-
peroasabucaop e auxiliado por habis empreados francezes e brasileiros, offerece o
seu pj-e-stitto. aos i*aibjo o ei.:eliuli*iij;i sejihcraa que o-boorarera cora w*
amm^j, encarregando-se deqiisifier peuteso d>; baile tlieatr; soirte, noiva. etc.
etc.; e fomecendo toda a especie de oijectos para ornamento dos precisos,caMi#
de S.s. Excs.
.Udr Delsoc, lando aai sta a utilida cimento, tem preparado, outra sal, com eti'rada esp^-ial. on le se enr-ontrara sempre
tlbntes, luvae de Joutb, etc., emfim o rais <^rapieM sortmwntD dos productos do
perfumistas Lubin,Sudiay. Piver, Rimel, Grosnell, etc., etc.
Agradecendo desde j a todas as familias que o',ob*equiarem, utiwndo-se de
seus servicos, Andr Delsuc 'comproueitc-se a fazer mdo^.ejBe'estivenao-sdu afcance,
para completa satisfa*;3o da boa fregue/.ia pernambucna.
olas das caixas filiaes do banco do Brasil,
troeam-se com mdico descont, na loja de Manoel
Soares Pinheiro, praca da Independencia a.ti.
.Nova iMlui'uria l'ranccza
da rua lo Kesar* da Boa-vista
n. 44, de <| Tinge e limpa com a maior perfeicao nossivel
todo e qualquer objecto de seda, la, algodao, ca-
semira, etc., etc., em peca ou em obra, tira o moto
a fazendas, assim oomu tinge chapeos de fellro,
r i'lia, inanha,o ludo mais eoncernente sua pro-
tissao, por precoa muito razoaveis. _________
XIROPE
DK
SALSA PARR1LHA DO U
ou
Depurativo do sangue
Usado nas molestias de pelle, impigens,
dores rheomaticas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
Rua larga do Rosarlo n. IO.
Dividas
0 abaixo assignado, arrematante das dividas do
espolio do tinado Jis Manoel Pereira de Menda-
nha, avisa aos devedores do dilo tinado que man-
dem salistazer seos dbitos, no praso de 30 dias,
contados da data desle, lindo o qnal proceder a
cobranca judicialmente ; na rua das Cinco Pontas
n. 82. Recife 24 de agosto de 1809
Joio de Azevedo Pereira.
FEITOR
Precisa-se de ura feilar (|ae enlenda perfeila
mente ile bortalice e trate do cavallo, para tomar
conta de um sitio perlo da cidade : a traiar na
rua da Cruz n. 42, t andar.
Precisas- de um feitor portuguez para o
eugenbu Matto Gro so comarca do Rio Formoso;
a tratar com Joao Bento de 6i>uve Ho mesmo
engenho ou com Leal & Irmao, rua da Cadeia
n. 56 l. an4ar.
-----------
Ama de leic.
Precisa-se de una ama de leile : a tratar na
rua Nova n. 3. '_____
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprai
para casa de pouca familia: na rua das Cruzo
n. 28, 1 andar : preferc-se escrava e paga-se
bem agradando..________________________
Feitor
Precisa-se de um homem que entend de todo o
servico de campo, para irabalhar em ura sitio : a
tratar no largo da ribeira da freguezia de S. Jos,
sobrado n. 5
Joao Francisco de Soma estando procedendo
o inventarilo finado Joao Luir Goncalvi-s, roga
as essoas que tiveram cuntas com o mesmo, a
rpresenla-las na rua da Guia, taberna n. 7.
D-se 3tT:6H0*000ajtjro:iiiodieo sob hypo-
teoa era beua do raz, livres e desembarazados:
na eocadernaeao pari.-ienae, rua do Imperador n.
71, se dir com qaem tratar.
BCLBS FEIISCOPICOS
E crystal de rocha do Brasil.
F. J. Cicrmaua. recommenda ao publico, seus vidros poriscopiros aperfeir^n-
dos; porque, com este;, vidros, .a vista descansa, forlilica-se e no a canea como cona
os vidros ordinarios. Urna vez escolhido ura vidro, pode durar dea annos, em quanto
qae, com os \dios ordinarios se est obngado a muda-Ios todos os annos eosler
cada vez mais grossos, o que altera o crystalino do :lio e deteimina quasi sempre do-
res de cabera. O. alcance ordinario da vista perto de 30 centmetros do 6H10, e,
todas as vejes que o objecto est mais perto ou mais longe, os raios quo expeile sao
mui convergentes ou mui divergentes e a visao n3o perfeita. Um grande numero de
pessoas tem o deleito de fazer convergir muito de sorte que a visao nao dtstwla.
Com a applicaco de meus vidros pde-se vencer estas difliculdades. Para os qt tem
a vista curta e cujo crystalino mui convexo (o que faz ver bem, de perto, e mal de
longe), o que se chama myope, por meio de um vidro concavo affasta-se o ponto de
vista, o que faz divergir os objectos c deixa ver 15o longe como as outras vistas. Qoan-
do o crystalino muito chato, c que succede aos que tem che-gado a urna certa idade,
o que se chama presbyta, vem melhor de longe que de perto, e nao enxergara sent
um nevoeiro na distancia ordinaria da vista; com um vidro convexo, estes enxergar^o
t3o distinetamente como na idade de 15 annos. Serviudo-se de&les vidros quando :i
vista principia cufraquecer, previne-se o mal.
F. f. Germano encarrega-se pela sua experiencia, tendente aos olitos^es-
colher, a primeira vista, seja qual for a iade e grao de vista, oculos proprio^ara
qualquer pessoa,
Para que sao fabricados estes vidros ? ?
Para a vista myope, (vista curta).
Para vista que se cobre de nuveus.
Para a vista que por momentos, v es-
voacar pequeos pontos negros.
Para a vista que as paipebras treracm
de fraqueza.
Para a vista que os olhos sao desiguaes.
Para a vista que se torva com o traba-
Iho e a leitura.
Para a vista presbyta (vista longa).
Para a vista que nao supporta os raios
solares nem grande claridade.
Para a vista operada da catarata.
Para a vista que as paipebras estao cer-
cadas de sangue.
Para a vista que um dos olhos e rajope
e o outro presbyto.
Para evitar tinalmente que o :iyslalini>
A* olho so cobra de catarata.
Sortimento de binculos
para tbeatro, c oculos de
alcance para o campo e ma-
rinha.
--
R6S1
Lunetas, pince-ne* e-
face--main, ouro, prata,
tartaruga, bfalo, aeo,
etc., etc.
Tem tambera grande sortimento u. vfc.w para parede, que do horas epai
cima de mesa dos mais lindos modelos. Relogios para algibeira, de ouro, piala, prat;.
dourada e foleada, inglezes, suissos e orisontaes dos melhorcs c mais afcmades in-
cautes.
Yendas em grosso e a retalho. Em Pernambuco.
N. 21=Rua NovaN. 21.
DENTISTA 01 PARS
19Rua Nova19
FREDERICO GAUTIER
iirurgiao-dentista, muito conbacidu ha dez annos n'esta cidade, pela perfeicao dos seu
irabalbos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feto murtoe m*
horameutos na sua casa, pode d'bora avante receber as senhoras no seu gabraeta ce*
icharo os commodos precisos para familia. -
Acha-se tambera na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e dnapnio
J. LEKOIV
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praucoi
feliz successo nas primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as HttBwree
'asantias do bem desempenho para ludo oque for relativo a profissao ; por so^o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso odo ^^^JSL
gabinete, depositen! no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tem ftoom
* DentaZa'spor tolos ossystemas: a prselo do are com molas de ouro, platfaa
vulcanile e um inleiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical los dentes cariados.
Chumbagens (obturacoes) cora ouro e com massas diverso?, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles. __M^ ,,^
Agua e pos dentricios fabricados pelo proprio annuwiante, o qnelhe permrt afian-
;ar sua boa qualidade.
Bscovas para dentes. etc.
Perfei Viagens para pira mediante ajusto previo.
0 gabinete acha-se aberto das 8 horas da manilla ateas 4 da tarde de todos de-
lias uteis.
Precisa->c de urna ama para o servico interno
do un casa de pouca familia : rua da Praia
n. 4$, I jindar._________________ ________
AMm
^CABELLElREiO DE PAB1S -7 A-RA DO CRE8PC3-7 A -PRIMEIRO ANDAR.
Precisa-se de una ama tnie saiba co-
sinbar para dotis homens soltetros, na roa
do Rangel n. 09.
Aos 4:00
Bilhetes garantidos.
\ roa do Crespo n. 23 e casas do costume
O^aliawoawiMado leo> ven**> alto de eu-
trwWtes Tmeio n. IS com *:000| da lote-
ra que se acabou. dft extrahir a beneficio da or-
den trcrira do Oa*rao do *H* (Hr'),oonvida
ios possuidores a virem receber na contormiaa-.
Amm-s a vt-nte.o bie8 da .'. parte da
lotera a beneQcio da ordem itfeeira do Caimo
do Boolfe (8): iw 'utrahiri no da 2 d*
svt''mbro do eorrente auno.
Precos.
Os do costme.
Manoel Mactiis Fkiza
FLOfl M BOA-VISTA

M
DE
iDIMABiE
SOB A DIIIKCCAO DO MUITO HBIL ARTISTA
nm
ATIEiSCAO
Prccsa-.ce de urna oa que saiba comprar e co-
zinhar. para casa do ponea familia: na rua larga
do Roario o. 2!, 2* andar.
Nesta officina encontrarSo os respeitaveis freguezes tm dos priraoirM i
em alfaiete para bem poder salisfazer toda e qualquer obra, tanto no bom corte, oono
no ap:rfekoameto das mesmas.
Torna-s desnecesiario recoramendar este artista, pois que a soa tftescurs
bem conhe-iida, (e com grande espeeialidade em fardas) por martas pessoas J
Achr-se-h50 figurinos de todos os mezes, pele qoe o artista eseco! rtfiii*e
todos o* prooaitoa>d'arte qualquer urna obra em face dos mesmos. ,
0-mesmo estabelecimento se acha muuido de um completo sortimento de||l*
zeadaa, como^eam: caeerairaa de cAr, ditas pretas, panno pret*, diloe azues, yes
de cor, ditos brancos, seda para colletes,. merinos, etc. e nnisvfezeilae proprito
0 gfltode sortimento de roupas feitas qpo tem vendo por menos 2t 0/flaia
que ent outra qualquer paite.
BOA- DA IUPEIIATRIZ N. 48,
junto pactara franceza*


\

Diario d Pemambuco Sabbado 28 de Agosto de 1869.
ESMERALDA
GRANDE HOTEL
0 MENTE
Ra larga do Rosario n. 44.
EspeeMidade na preparaba dos gneros ali-
menticio*, promplidao o asseio as oncunimendas
e boa orgaoisacao no estabelecimento. Ueeebcni-
se asignaturas para o estabelecimento e a domici-
lio, facilita-se a leilura de jornacs nacionaes e es-
trangeiros. Espaeosa sala para o elegante jogo de
buhar, e ha decente e commoda hosped;igei,i.
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sen estabelecimento
rte joias da ra do Cabug il 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra^a, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro. prata e pe-
dras preciosas
i :; n; i o i: tiii i; i \. s
-Na praca da Independencia n. 33, so d di-
nlteiro sob pcnhores de ouro, prata e pedias pre-
ciosas, e jeja qnal fr a quanlia : iu moma casa
>e compra o vende objeetes de miro e prata, e
igualmente se faz toda e qualquer obra de oneom-
menda e todo c qualqner concert tendent-> a
mesma arte.
Madama Aclour tem a honra de par-
ticipar ao respeitavel publico, amante dos
nossos theatros lyricos, que recebcu pelo
ultimo vapor da Europa, sabidas de baille
e bronus do ulumo gosto; ruado Imperador
n. 23 1" andar, e que vende por barato
preco.
ISBii
m
Dr. Manool Enedino R^goValenra, me-
dico, ra da Camboa do Carmo n- 21.
IIIU.IVU ULt Ul/I 1.1.1.ll
\io q largaremos at pie..........
E' na roa Direita u. 53, loja de lerrag.ns, que
se deseja fallar ao 8r. Antonio Francisco Duarte
"u seii iirh.o cx-deuulado provincial r, Maxi-
miano Francisco Duarte : deve saber qnom ___
Precisa-se de urna ama de leite, na
na da Imperatriz o. 18, preferindose
do mtiito e sem lilho.
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
Mam
Vicente Alves Moroirj, afeudador de ven-
das de escravos, nindou sua residencia da ra de
llortas n. 94 para a ra da Paz n. 34, onde seus
fregjiczes o poJerao procurar para a mesma oceu-
paeo. Heeobe escravos em cominissiio, e promette
pmmpta venda.
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descansar algodo, do
nHirto conhecido fabricante Eagle Cottoa Gin.
MACHINAS tutus, tambera de ser/otea e de todos os tamanhos para descalcar, al-
gedio do autor New York Cottoo Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas do RoBer Gins, de cajo traba&o faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS do facao do fabricante Platt B. <& C, Gbdhan PatontLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as meloores que tra
vindo ao mercado ; e para a sua aprectaco cenvidam-se os senhores agricultores j)
viren a expsito das mesmas na ra da Cadea do Recife n. 56 A, loja da Bastos, onde
encontrado mais o segainte :
Debulhadores para mitbo.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhos de mao. .
Machinas para cortar apim.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvaaisadas.
Folhas de zinco finas.
Oitas de cobre e latao.
Ferro de todas as qaalidades.
Arcos de ferro.
Folha de Frandres.
Machados americanos.
Faenes ditos.
Balaios e cestas de verguinha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Foiha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas linas;
Trens completos para cozinha.
Peheiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Gementes de ferro para almaajarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refmacoe6.
Azeite do espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qtalidades.
Senas avulsas para machinas.
Mnones e todos os axais portences para as
mesmas.
Latas de gaz,
AOS 20:000,000
Casa da fe icidade
N. 22 PRAGA DA INDEPENDENCIA N. 22.
Os abaixo assignados, tendo oblido licen-
ca da presidencia o salisfoito as nutras exi-
gencias da lei, avisa ao respeitavel publico,
que ter sempre venda biHieles das lote-
ras do Rio de Janeiro, cujos premios sero
pagos promptamente a vista das listas, com
o descont smente da lei, pelos grecos
seguintes :
Bilhetes inteiros... 245000
Meios.....12,5000
Quartos... 05O0O
Vetas & Barbedo. .
Aluga-se o sitio n. 16 da estrada dos AUlic-
tos, com urna grande casa assobradada, com mili-
tas arvores de fructo : a tratar na ra da Impera-
triz n. 20, i' andar. ______
Foi adiado na estrada de Santo Anto,
por um moleque de engenho Bulhoes, um
embrulho com diversas cartas, para serem
entregues aqu no Recife a Sr\ D. Caroli-
na F. de G;s Cavalcanti. as qnaes esto
em poder de Antonio Pires FYrreira, na
Boa-Vista, travessa do Trompe n. 5, que
s as entregara a mesma senhora, ou a
pessoa de sua confianza.
OlTerece-se urna pessoa para cobrar
dividas na villa da Pertha 011 qualquer
outro lugar das provincias do Rio-Grande
do Norte e Parahyba, a qual d fiador nesta
praga: procurar na ra larga do Rosa-
rio n. 22 loja, ou na ra do Cabug n. 2,
loja.
Engoinraa-se roupa tanto de homem cmodo
senhora, com pcrfeieao : na ra do Cajdeireiro nu-
mero ttt.
37 Ra do Imperador 37
nico deposito de. loucas do Barhalho e
da villa do Cabo, mudou-se da roa das Cin-
co Ponas n. 12, para a roa-do Imperador
n. 37, com grande sortimento de loucas
para aguas, jarras, qnarlinhas e PMtlifjgW,
cannos vidrados e por vidrar de urna a 10
poleadas, os quaes vende-se por menos
do que om outra qoalquer parte, por ser
o nico recebedor de loucas e cannos, da
fabrica do Barbalho e da villa do Cabo, o
qual brevemente ser novamente annun-
ciado.
'raucisco Garrido temi de retirar-se
para a Europa a onselho dos mdicos
vende o seu bem conhecido e acreditado
Hotel Central sito a ra larga do Rosara i9
andar. Os pretendentes podem dirgir-se
ao mesmo, a qualquer hora do da.
Precisa-se de una ama de leite : a tratar no
pateo do Carmo, esquina da ra de Burlas n. 2.
ATTEN CAO.
Um moro que tem bastaBle pratica de armazeni
de seceos c molhados, c que tem solrivel letra,
por isso hauil para tomar conta de qualquer esta*
belecinenio destee gneros, so olTereee para ca-
xeiro nc?ta praca ou fra delta, para o que dar
dador a sua conducta : quem de seu prestimo se
quizer utilisar, dirija-se |wr carta fechada com as
iniciaes J. J. ra estreita do Rosario n. 12, lypo-
graphia conimorcial.
LAMBA
VMA
Preci-a-e de una ama escrava para o servico
de una familia de tros pessoas : na riu da Crur
n. 66, Io andar.
Finalmente muitos outros artig i osperteacentes laveura e artos, que pela
diversidade seria enfadonho ennumera-los.
CARVO DE BELLOC
PAP'IS
Approvado e recommendado pela Academia iHiperial de medien de Park para a
ffin da gastralgia e em geral de todas as,dencas nervosas do estom-ga e dos intesms.
K igualmente o remedio por excelencia contra a retcncao de ventee Finalmente ra
So de snas pfpriedades absorventes, 6 Jtecommendado como verdadeiro remedio ms
ceros de diarrhea e choterina. <- 4e rllw toma-se na oecasio das comidis
sob a forma de pos ou de pastrihas.
Deponto em-RuvjAHEmo DuponckeUe; CUvolnt. Km Per-aicc Joao Jos de Carvalho Muraos, Luiz Alfredo de
Moraes e Jos Candido de M traes, tendo de mau-
dflr celebrar na igxejado Collepio, sabbado 28 do
corrente, p las 8 horas da inahaa algumas mis
sas p r alma de Antonio lodrijues de S Van
na, honrado coinmerciante que foi na praca do
Ri de Janeiro, antigo amigo e orresp ndeuie dos
annuuciantes e de seu tinado pac, convidam seus
amigos e os do fallecido a assistiren aos ditos
sulTragios com o q:ie alm d obseqaki aos an-
nunciantos praticarao um acto de piedade e pres-
tarao homenagem a memorja o tinado.
. Qbstracco
Do igado e do bti^o
Os preparados de JURBEBA (owfe),
xarope, pituizs, leo, et*pli>stroe tintura)
sao f llicazes centra a obsltxiccao do ligado
dobaco,a i!ericia, ahydropisia, as fohres
intermitientes e durezas, os desarranjos do
estomago, as fahas de saogoe e de mens-
trtiaciio, o eatlittro da bt*xiaa, etc.
nico deposrt), pharmacia de seu autor
de J. d'Almeida Pijito.
Ra do Rosaiio Larga n. 10 junto ao
quartel de polieb.
0 MUSEO DE
OD

i
zn
I
GOMES DE ESATT0S IRMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exma.
Sras. de bom gosto a compareeerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUfl DO CABUGI N. 4
onde encontraro um completo aortimeiito do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, eameraWaa, rubins e tiuio que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERflLDftS E RBWS
de novos gostoa, assim como grantle aridaJe de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento d
objecto de prata para uso das igrejae,

Compram e trocam qualquer joia ou pod preciosa e garanten!
a qualickde dos objectos vendidos.
E' de importancia!!!
0 aviso que faz o Campos da ra do
Imperador n. 28, pois s elle pode forne-
cer aos amadores da boa fumaca os cha-
rutos que lo anciosamonte eram espera-
dos de Costa Irm5os, e s3o elles das se-
guintes marcas : exposicSo Normas impe-
riaes e liavaneiros. A elles antes que se
acabem.
0 Campos
Tambem tem em seu estabelecimento,
alm de muitos outros gneros tanto para
mesa, como para icspensa, o seguintc :
Catnares seceos do Maranho.
O verdadeiro caf de Moka,
Fumo picado do Daniel de S. Joo do
Rio-Novo.
Termos do medidas para seceos, segun-
do o psdio fraiicez, (metrico-decimal).
ASSIJt COMO.
As tabellas que maisaceil,ac3o tem merecido
das casas de commercio em grosso e a re-
lalho, smente pea fcil comprebenso e
commodo proco, s no
Armazem do Campos
Na ra da Palm n. 45 ha quem s<' encarre-
guo de qualquer fervico de cscripluraeo, inclusi-
ve mappas, etc., assim como tambem partidas do-
bradas por preco commodo.
Au{a-c um espa?oso terreno muito fertd
para plan i de cattini eeoru varios arvoredos que
dio frucios : a tratar no Manguinho, casa que. taz
esquiii com as estradas dos AfQietos e a que vai
para a i>.mi; de Cctia.
COMPRAS.
Com jnuito maior vaniajem compram-se
moedas de ouro e prata : na loja de joias do Co-
racaode Ouro n. 2 D, rita do ('.ahupa.
Attencao.
Coraprr-Fe farinha de mandioca da trra : a
tratar na praca do Corpo Santo n. 21, I* andar.
0 muzeo de joias
Na ra de Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e podras preciosa^ por procos mais vuntajeeos do
pin em ontra qnalqBer parte.______ ________
Loja de miudezas de Ferreira da CunhaftSr
Temporal, rtia do Qaeimado n. 3, est
quimando por todo preco :
Jogo de vispara a 400 e 300 rs.
Redes para coques a 240, 400 e 300 rs.
Liaba de 200 jardas (duzia) 1*200.
Caixa muito lina para p de arroz I#500.
Helogio de l ;i 120 rs.
Latas com hanhi a ttO, 200 e :)20rs.
Agua florida verdadeira a l.->:i(Ki.
Agua divina idem 1.5400.
Gravatas pretas para homem a 4 0 rs.
Peritos de travessa para menina a 1120 rs.
Olio [iliilocme verdadeiro I-V200.
Aderecos de plaqu 1)5300, S e 53.
Meias cruas para homem 3$300 e 4> a
duzia.
Hotoes enfeitados para veslido, 1-^200 a
duzia.
Leques do santol r, cada um.
Dittos de madeira 3$ cada om.
Coques de tranca, boa fazenda, 30,
2^500 c 3;J cada um.
.Meias linas para senhora 4 a duzia.
Banha em frascos a 400, 640 e IA200.
Frascos com extracto muito lino 2 2*500.
- Caivetes de duas folhas a 210 rs.
Sabonelcs linos 80,* 100, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza 400, 500, 600 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Carlas francesas a 200 e 240 rs.
Caixa com extracto 2(5500.
Cartas poituguezasa 120e 200rs.
Pentcs brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos pretos 200, 240 e 320 rs.
Gal5o de laa para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa o lavradas, I $500,
H -2>500.
Caixa com obreias de mago 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 1)5.
billas com envelnos 500 rs.
Caixa com agulhas francezas a I(i0 e
240 rs.
La para bordar de todas as cures (libra)
6*800.
Boncts para menino 1$, 25 e 25500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M ias para menina (duzia) 3:> e 3>500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de laa para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 2<5500.
Facas c galfos, cabo de balaneo (du-
zia) 7$.
Chicotes para cavailo 600, 800 e I >50O.
Bengalla de canna 1& !500 e 23.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco, greve (resma) 1*500.
^Temporal pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza, Temporal continua a
vender na Bonanqa, pelo mesmo
prego que vendia em sua loja
com titulo de Temporal.
55Ra do Ondulado5
A VERDADE tendo em deposito grande-
quantidnde de miudezas c perfumarias, e *ff-
:sejando parar dir.heiro e adquirir boa t>--
i guezia est rssolvida a vender nitntissimn
, barato, tanto a relalho, como a masotes
para esses totnarem a revender; por
! razao convida ao respeitavel publico a mi
competentemente munido a sortir-se do
bom e barato. Pois qu.'indo a BRDAl>E
apparece, tudo mais de?appareeo....
Grande sortimento de batteras de cra^
massa as mais lindas pussicis vestidas a Ca-
rcter.
Ricos globos para candieiro do gaz
a 1,5800 e.......240 O
Grande sortimento de Objetos de
louca para brinquedo de menino M)fl
Garrafa com tinta n..... 8Dfi
Dita com agua llorido a. ... 14(1 I
Frasco com oleo de babosa a 500,
600e......... 706
Dito com asua de Colonia a J00,
400 e......W 500
Garrafa com agua divina a. I#500
Frasco com extracto fino pora
lenco a........ I0mi
Latas pequeas com hanli> a .140
Sahonctcs do diversas quali 'adea a
80, ICO, 2H)e...... 4M
Finas escovas para denlos a 161),
320e. ........ 6C0
Coques modernos a..... 24* (XI
320
700
50(i
14(>
Compraan-ae e vendemne diariamente para fra
e dentro da provincia escravos de tudas as idades,
cores e sesos, com tanto que sejam .adis : no
terceiro andar do obrado n. 36, ra das Cruzes,
fri'guezia de Santo Antonio.
COMPRA-SE
moedas de ouro e prata de todos os valo-
res, ouro e prata em obras inutilisadas, e
brilhantes c ais pedras .preciosas: na lo-
ja de ourtves do arco da Cenceico no Re-
cife.-
Ouro e p *at,
Cowrani-*e mosdi* de ouro e prata dfl' tedas
as aiHMHhes, por boffl preco : na na da Cadeia
do Recife n. m, teja.do azulejo.
DE FERRO.
Precisa se comprar um porto de ferro j ser-
vido, .jne teiiha >*a palmo;* e' larg, mais on me-
nos : a riia do Crsspo n. 1*.
Gowprasd una en-nva eagoawnadtira,
a?radand Bi'cife, armazem ir. 8?._____________________
Compra s.3 una casa que teotia sitio, sendo
na'Sol tiandeatViera, oh ootro lopr fue se}* perto1 des-
ta cidade : a-tratar na roa dh Itnperatri i, 3
andar. '
--^
f
V-Mntem-n mi enerabas de rdd n> V) .1
2t annei, ong 11111:jmecozinham nmitdW.i, dons
escravos para ujo servio: nwtiWMa>a>docCarim
numero r.
-"f*VAita^*7*, Aumra u, m m-
eravo par Ignrtr, perfkff olliciai' de aifchfi, cwn prhftlplo
de cocheiro, copni.a>wniiofti.__________
?>^iVin-*e^Tai4inas" da flauta, em^rosso
e a sotalho : no armazem dj ra. d*-; tMyra.tor
I.. .17.
feordeiro previ dente
Ra do (iiciiuado u. I.
lovo e variado sortimento de perfumaras
unas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
toja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
otavel pela variedade de objectos, superiori-
lade, quafidades e commodidades de pre-
fis; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
i espera continuar a merecer a apreciac
lo respeitavel publico em geral e de sua
>oa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
i barateza. Em dita loja encontraro os
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
^za, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia. m
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservac ao do
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cuei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
i outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franceses em frascos simples o enfeitados.
Essenca imperial do fino e agradavel ebei-
0 de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente tinas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
jom escolbidos cbeiros, ejn frascos do dife-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores o menores
oara maos.
Di^os transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito tinos era caixinba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
aas perftimarias, muito proprias para pre-
Ditas de papelo igualmente bonitas, i-am-
Dem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal colorido?, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata inglesa o franeeza para denles.
Pos de caraphora e outras die-rentas
pialidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
AJada atis coqne.9.
Um outro sortimento de coques de no-
os e bonitos moldes cera filis de vidnlbos
a algons d'elles ornados de flores e fitas,
isto todos eKpostos apreciado derquem
) pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNtOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfei$3o.
VtvetU e fita para cintos.
Bello e variado sortim^tto do Ues objec-
tos, fleando a boa escoramab gosto dtwwm-
orador.
Pavios para gaz, tltizia a.
Escovas pai a fado a -'i' 0, 600 c
Ditas para cabello a.....
Pentes para tirar piorno a 1(>0 e.
Brincos de cotes bonitos a ItiO e
Pecas de tranca de la com 8
varas por.......
Franja pela de la peca com
10 varas a.......
Fita prcta para relogio urna por
Oleo para machina de costura,
frasco a........
Penas d'aco finas caixas a 8O e
Dita d'aco Pciy, caixa a. .
Galo de algodo peca ....
Latas com banha a.....
Lindos babadinhos e entremeics
peca de oOO a. ..... .
Boles de inadrcperola, groza a
Ditos de louca muito fino a 100 e
Ditos para calca a H'O e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a. .
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo dourado
Ditas de ditas ditas a. .
Thesoura para costuia a WO,
240 e........
Caixa com linha de mana a .
Linha de cores em novellos (li-
bra) a........
Ditas com 200 jardas em carre-
teis duzia a 70, 120 e. .
Grampos muito finos com pausa-
ros, duzia a......
Cartas poi ttiguc/.as, duzia a .
Ditas francezas a 2 >200 e .
Papel almaco e de peso, resma
a 3,) 400, 34500 e .
.a muito fina para bordar, fibra
Fita de algodo para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de la para debrtHB de ves-
tido, peca a ......
Pentes tinos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 240, 320 e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartoes com colxetes a .
Rosetas pretas, par a .
Pentes de chifre para cc duzia
a 1:>300 e.......
Trancas de 15a lisa caracul, peca
a 40 e.......
Fita para- coz. peca a 480 e .
Alfinetes de lato a.....
Sapatos de laa para meninos a
240, 800 e......
Ligas para seohoras a. .
FrWs de sarja ns. 1 e 2, pc;a a
800e........
Gravatas de seda de cores a .
Rendas das ilhas por baralissimo
preco.
Os apreciadores das calcas apparecain
na loja.daVERDADEpara se municii
de suspensorios com borracha pelo dimi-
nuto preco de 100 rs. o par, e tamhem de
calcadeiras boas a 80 rs.; as pessas que
nao poderem vir a este estabelecimetKo
podem mandar seus portadores que aeran
fielmente aviados ; a Vcidade mostraro q"**c
diz ra do Qaeimado n. ","i.
80
900
ICt'
600
lAOflfi
I440I--
480
UM
MM0O
fiOfi
2f;(:
24(i
TOO
480
.'(i
280
m
so i
296
500
l,J2O0
200
1*400
3000
64901
HW
480
400
500
330
lS
40
tOi>
21000
10 sin
10!
100
00
Veude-si camarbes accitwt do Mamrifto
a 480 rs. okilograma ; no pan o do Ghana
esquina da ra de Horlas u. 2._________
Saceos com farinha de
mandioca.
Maia & Lanitclino wr.deiii wrw com (irii
de mandioca, em porc.o. o por pric commoc
na rna e*treita do Rosario n. <8-
Bartholoraeu & 0.
Vend i niujat4^'4b 2* arnos, ^errta
' nfifmn*era *eetfaJwifa.'. na ra *' fw ni-
mero 9.
OPfiftA rTLAJfA.
Bneostrarfomn cara de Andr Dehrae, abej-
leattitojM-oa do Creopa n. 7,1* andar, ,.w ohrio
wrtimento de tovas do pellica, ajarca araalida.
m Jouvin.
Vi:.:?or PiLutAS, Xaropb e Tntor v
de jcp.ubeba simples k fbhrooinos!
Oleo, Pomaoak Emi>lastko da msswa
planta preparados por
BARTHOLOMEQ & C
PH.VReMARBUTtQOa-DROGUtBT?
PER\1MIII I
\ Jjrabl : esta planta hoje recanLc >
romo o mais poderoso tnico, como o melf-'i
"csob*ntele.ecomo(ak-apphca'la nos p^rcihi
do tijja loe bafo, hepaiiws, daicsas, lumores iol
non t ep>cial(nenl'dB tert, tr/*-upe, ry'-
pe.; la^Rnda o ferro i Mil oh paMid.
corea, :bteroses e falta de men.-truacao, desarrao-
jos o valonMo, etc., e o que diremos tu.
inuumenitma importanles dbudfca e# <
pr-.MM-ie> ja bem o.mhecido e <*>** H n
imtXUtitkoiio ffit erormfi. tai w*-
aw l*ailtt> *atr*iiinoa graos fcmf.-
rarlhor fa*B conher* iarnbeb aeo i
e applicacio.
IffUlH

.1


Diario de Peinambuco Sabbado 28 de Agosto de 1869.
fr


i

y I
GRANDE LIQUIDAC40
3A IiOJ.l
DA
72.
HHHnH
Ra da Imperatriz. -
72.
Alerta fregueses
que Arara vai cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 proprietario deste estabelec'rmento, toado grande porgo de fazendas era
s^ vaiproce.ler urna Mqudnco em lodas as fazendas e roupas feitas existentes no
siRbelecinwnto, agora que occasab de qucm tem pouco dinheiro poder se vestir de
boa fazenda e baratissima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLO BARATO A 33Q0.
Vende-sederas de madapolo enfestado
de 12 jardaPI 3,*500, dito de 24 jardas ou
53 metros 50, 65, 6*300, 7500, 8;?000 e
9,5000.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
BRAMANTE PARA LENCOES A 20.
Vende-sc bramante com" 10 palmos de
largura para lonces, a 2-5, a vara^
PECAS DE ALGODaO A 40. _
ViHidepj-se pecas de algodo muito en-
cornado L>, 5, 0,5800 e 7-5-
dos a 280, 3i0 rs. o covado, ditas escaras
maito finas 360 rs. o covado.
Challa mullo flao ; SOO rs.
Vende-se clialin para vestidos le senhora
300 rs. o covado.
PERCALES A HO ns.0 COVADO.
Vende-se percales muito finos para ves-
tidos de sonhora a 440 rs. o covado.
Brilhantluas i 4 O rs.
Vende-se briihannas ou mursulinas de
cores para vertidos de"se dioras 4i0 rs. o
covado, lSazinhas muito (as para vestidos
de senhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadridhos 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 3G0 RS. 0 COVADO
Vende-sc riscado francez para vestido
da senliora 3G0 rs. o covado.
Lasialias a *4 rs. o covado.
Veudem se ISasinhas para vestido de se-
oiiora a 210, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se efssas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas lnas a 280 e 3O
rs. o covado.
diales de uterino 2.S.
Veode-se .lales de merino estampados
i2Se24(500 cala un, para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS A 2*400
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora. 25400 cada um
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestiu >s
de senbora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de listras 700 e 760 rs. o covado.
Chitas prussiaaas 3GO.
Vende-se chitas prussianas de listrafc de
cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
330 rs. o covado.
Bales de O a reos
1 500.
Vende-se balos de 20 a 30 arcos
\ 5300 cala um, bales modernos brancos
ede cores 55.
Vedem-se chitas francezas para ?esti-;Co!erInhos econmicos a 3O
duzia.
Vende-se colcrinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por lar
grande porgo.
CASEMIRAS DE CORES
Vend i-se cazemiras de cores para calsa
e patl -> %5Q0 a 30 o covado,
Algodo enfestado i.*.
Vende-se algodo enfestado proprio para
lonces c toalhas, 1$, a vara ou 900 rs. o
metro.
MUM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para calcas c palitots de
homem e menino, 400 c 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imitarao de ganga a 3G0
o covado.
Algodo de listras a 300 rs.
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a OO rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de brim castor para
calca de homem, G40 c 800 rs. cada tira.
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 10
cada urna, cobertores de algodo 1)5500
cada um.
Cohertas de chita lSOO
Vende se cobertas de chitas de cores
15800 e 2,5, cada urna.
ALGODAO TRANCADO DE EAS LARGURAS A
U200.
Vende-se algodo transado de duas lar-
gura?, proprin para lences e toalhas para
mesa4 se vende a I 200 o metro.
Mantas para grarata 800 rs.
Vende-so mantas para grvala a 200 rs.
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2,5500.
Vende se atoalhado pardo para toalhas.
de mesa 2,5500 a vara, toalhis escuras
15, cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
CONVITE GERAL.
0 proprietario do annazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriz n. 5G, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna lrqoidacao que fin-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto prego, a saber:
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 3t>0 rs. o covado.
ALGODAO ENFESTADO 1RANCAD0 A
1,5000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lencoes a 1,5000, dito liso enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 260 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 3,5300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, 60, 70, 80, 9,5 e 10*. a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 rs. O COVADO.
2*Vndem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A I 0.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 15 o covado.
PORfO DE RETALHOS.
Vende-se urna porgo de retalhos de cas-
sis, d'! la e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' eiles antes que se acaben).
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
C covado.
CHALES DE CASSA A 15-
Vende-se chales de cassa a 10, e de me-
rino a 25-
CORTES DE LA A 25400 RS.
Vendem-se corles de lia de listra para
vestido* de senhora a 25400 rs. para aca-
ALGODAO A PECA 44000.
Vende-se pecas de algodo a 45, 55, 65
e 75 a peca. E mitas outras posas que
enfadonbo menwAnar.
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500.
Vende-se casemiras de cores a 25500 e
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 3,5000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a 3SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de horaens e meninos a 320 rs. o
covado.
MSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25.
Vende-se lencos brancos a 25 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 1,5000, para aca-
bar.
GRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUAUDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa : por
isso os pretendentes poderao vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbotina preta a 320 rs. o covado, para
BALES DE ARCOS A 15500.
Venden-se bales d 20 e 30 arcos a
15500 cada um, ditos modernos a 45.
BRIM HAMBRGO A 85000 A PECA.
Vendem-se\pecas de brim lizo de Ham-
borgo a 85, vem ajser mais barato do que
algodaosinho.
CORTINADOS A 145000,
Vende-se cortinados para cama a 145
para liquidar. Ditos para janellas a 74.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na ra da Imperatriz n. 56.
X. 45 RA 1K4 CAUKI.1
DE
X. 45
SOB A DIRECQO DO MUITO IIABIL ARTISTA
Launano, alftate.
Os propietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direceo de sua offleina de roupas por medida, um artista perito, tera
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom sortimemto de fazendas proprias para
roupas de homem. como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontraro anda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phantasia, meias para homens, sc-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
balos de diversas cores o modelos, cambraias, malas para viagem, e oulros muitos ar-
ligos que a modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
RIVAL SEM_________
Rita do Quemado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azcvedo Maia, est acabando
com as miudezas de seus cstabe-
lecimentos por tsso queram apre-
ciar o que c bom e barattssimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
15500, 2-5, 35 e..... 4,5000
Catan de linha com 50 novellos 500
Pares de sapatos do tranca fa-
zeivia nova a......25000
Pares de sapatos de tapete^ .."
(s grandes) a......15^00
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........ 35800
Tramoias do Porto fazenda boa
c pelo preco melhor 100 altos a 5200
Livros de misses abreviadas a .,-. 25000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a2-5400 e.....2580
Silabario portuguez com estam-
pas a ........
Gravatas de cores e pretas muito
finas a ........
Cartes com clcheles de lato
fazenda fina a......
Abotuaduras de vidro para coleto
fazenda fina a......
Caixas com penna d'aco mnito
finas a 320, 400, 500 e .
Cartes de linha Alexandre que".
tem 200 jardas a

5320
5500
5O20
5500
15000
5100
5100
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a.....
Caixas com superiores obreias
de massa a...... 5040
Duzias de agulhas para machina -. 25000
Libras de pregos francezes di-
verso tamanho a. 5240
Livros escripturado para rol de
roupa a........ 5120
Talheres para meninos muito
finos a. ,...... '5240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 5700
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a........ 5600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... 532
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 5500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 5320
Varas de franja para toalbas fa-
zenda fina a. 5160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 25500
Grozas de botes de louga muito
finos a........ 160
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fado e serrotes para desca-
roca r algodo.
Bataneas para armazem e balco.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar car'as.
Fogo americano patent
Scbonete de alcatrdo.
DB
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t3o boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cora cei-U
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu C,
34roa lara do Bosario34.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa & Filho, defronte do arpo da Con-
eeicao, em barricas grandes.
Balanzas orizontaes
Pelo aovo systema dle krlo-
graHMi.
Vende-se no armazem de J. A. Horeira Dias,
ra da Cnu n. 86._______________^^
Cal nova de Lisboa.
Vende-se na ra do Apollo Larmazem de Reg
& Irmao n. 18. 1
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Itua do Crespo n. 9
Os proprietarta deste bem conuerid estabele-
cimento, alm do* muitos objectos que tinliam ex-
postos a apreciscio do respeitavel publico, nian-
dararn vir e acabam de receher pelo Dllimo vapor
da Europa um completo e vaciada sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quacs es-
tn revolvidos a vender, como de scu cosfume,
por pregos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas o de mui lindas cores.
Mu boas c bonitas gollinhas e punlios para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeitcs para cabcas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e MU elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlim, samlalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenhos. e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 304000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm deslas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marQm com litidas e encantadoras lisu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhus de cadeia c
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Uoas meias de seda para senhora e para meni-
nas do 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurames sua qualidade c delicadeza.
Lindas e bellas ranillas para noiva.
Superiores agulhas para machina epara crox
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo lim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos raelhores e mais conliecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por pregos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do'Crespo n. 7._____________
Extracta earnis
Este producto alimentacao para doentes, mui
apropriada para ereancas e para as pessdas saas;
indispon-avel a todos, porm, principalmente aos
viajantos, que terao nelle o recurso de poderem
ter alimentacao de carne fresca incerrupttvel, e
que com facilidade se aprompta c se conduz, por-
gue n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretudo chama-se a atten-
CJn dos senhores de engenhos que encontrarlo no
EXTRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao
agradavel, hygienica e barata para seus fmulos e
seus doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino de Rezende A C., ra da
Cada, escriptorio n. 52, primeiro andar, venden-
do-se :
No deposito a ra da Cada n. 32.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra largado Rosa-
rio n. 10.
Antonio Maria Marques Ferreira, prsra da
Boa-Vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto irazem
urna guia para seu uso.
BAZAR DA MODA
Os abaixo assignados, proprietarios deste
estabeleoimento, declaram ao respeitavel
publico e com especlalidade a seus nume-
rosos Ireguezes, que desta data em diante
as mercedorias scrio vendidas a preco fixo,
e mdico. Isto resolveram os mesmos pro-
prietarios em consequencia de reiterados
pedidos de muias pessoas por ser este
systema de vender o que mais garanta e
cbnfianca inspira ao comprador.
As vendas em grosso. ser5o feitas com
os abatimentus na razo seguinle :
Compras de 50< a lOO! descont 5%
de'lOOtf a 500 10/o
de 5005 para cima 457a
Pagamento realiasado no mesmo mez de
compra.
Os proprietarios doBAZAR DA MODA,
observam mais que, recebendo todas as
mercaduras de conta propria, offereceu
a quem comprar todas as vantajosas condi-
$es das casas importadoras.
O estabelecimento conserva-se aberto
todos os dias uteis das 6 horas da manha
s 8 horas da noite.
Becife, l de agosto de 1869.
Jos de Souza Soares CHARUTOS
Os melhores charutos da exposi^ao e varledade
de outras qualidades, finos ; encontra-se no hete)
Central de Francisco Garrido, rna larga do Rosa-
rio n. 37,1 andar, e rna estreita do Rosario n.
i A. Vendem-se a retalho e em grosso.
Grande e completo sortimento de machinas para
descarocar algodo de nova inven^ao cliegadas ul-
limamfcnte en direituia para a loja de Manoel
Bento de Olivcira Braga A C. na ra Direita n.
33. Garntese que c a melhor qualidade que at
o presente tem viudo ao mercado : acham-se em
expsito ios compradores.
Systema decimal.
Grande e completo "sortimcDlo _'de pesos kilo-
granunos de melhor comprehenso dos (ue tem
vindo at o presente, assim como marcos de lati
at meio grammo pelo mesmo systema, balanzas
de latao de forja de 5 a 20 kilogiammos, metros
de madeira e de latao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de miudezas e ferragens de
lodas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direila n. 53, luja de Manoel
Benio deOliveira Braga & C.
A NOVA tSPEMNGA
21-== Ra do Queimado = 2)
Advertencia!
A Nova Esperance, rna do Queimat
n. 21 tendo em deposito grande quantidadt
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balance, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vendor suas mer-
caduras pelo baralissimo. proco, para assim
diminuir a rrande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregae-
zes. e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportuno quando i
NOVAESPEHANCA con\ida-os pecbjncha-
rem, pois que para comprar-se caro, nc
falla aonde e a quem...
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. rna do
commercio n. 32.
BAZAR UNIVERSAL
SORna NovaSO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptailos^a. America e approvadas na ul-
tima exposic5o servidos a electos para almo-
co e jamar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesa.
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, soHeiros e crianza, berros, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r
da comidas, brinquedos para crianzas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soplr, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, bjectos para escriptorio e
mnitos oulros artigos que se encontraro
venda no mesmo estabelecimento e qoe vale
a pena ir examinar.
NOVIDADE
A' LOJA
DO
PASSO
Chapelinas de polha de Italia u'.ina no-
vidade em Paris.
ENFE1TES
ds todas as qualidades e gostos.
Chapeos e gorros
de pallinha. tudo para senhoras e meni-
nas.
Camisinhas
bordadas para senhoras, como tambem ha
especiaes para noivas.
Saias
bordadas brancas e de cores, ultimo gosto.
Vestuarios
de cambraia branca bordados gulha,
gosto inteiramente novo, propriamente para
baptisados. Ditos de fustao e alpaca de
cores, gosto zuavo, para meninos de
todas a idades.
Coeiros
de casemira bordadas seda frouxa.
Espartilhos
de todas as qualidades e ultimo gosto.
Luvas
de pelica do afamado Jouvin, recebem-se
por todos os paquetes.
Colxas
de seda muito ricas, proprias para ca-
samentas, assim como ha para uso ordina-
rio.
Chapeos de sol
bordados e Usos, pretos e de cores.
Bales
de cores e brancos, para senhoras e me-
nas.
Cortinados
bordados para camas e janelas, fazenda de
muito gosto.
Todos estes artigos podem ser procura-
das ra do Crespo n. 7 A,
Nlo mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para fingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposigo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparacoes
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a i)$0O0 cada frasco na
-MA U AMLHL 51
f AVIIAR.
MI-
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento ; na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Jlo
Martins de Barros.
i
Rap Princeza
DA IMPERIAL FABRICA DE VIBTRA GUIMA-
BES & COUTO,
DO RIO DE JANEIRO.
Vende-se este excellente rap no escrip-
torio de Joaquim Gerardo de Bastos, ra
do Vigario o. i6. Io andar.
GAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster A
C, rna do Imperador, um carregamento de ga>
de primeira qualidade; o qnal se vende em partida'
e a retalho por menos prego do que em outra qnal
qner parte.
Cal nova de Lisboa
Vende Joaquim Jos Ramos, rna da Crn n.
8, l' andar.
Veode-se um pardo de idade W annos, bo-
leeiro e enfeude de pintor, tem bonita ligara; orna
preta de idade de 24 annos, corintia, lava, cose e
engomma liso : oa ra larga do Rosario, casa n.
26, 3* andar.
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem
pre primar em nos remetter bjectos de
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j traba,
acaba de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados. *
Papis propros para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de laa, para enfeites de vestidos.
Botos de todas as cores e moldes novoi
para o mesmo fim. ,
Trancas pretas com vidrilhos sendo Con
pengentes e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
lim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, na
Nova Esperanga.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as conwlces das
ereancas.
N3o resta a menor duvida, de que mnito
collares se vendem por ah intitulados oc
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitci
pais de familias nao ereem (compraado-oi)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificafo prracipalmefite ae
que respeta ao bem estar da humaaidade,
fez urna encommenda directa destes collares,
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel ncommodo de
convulgoes, assim pois preciso, qoe ve-
nham a Nova Esperanga a ra do Queimado
u. 21 comprarem o salva vida, pera sem
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal,' quando ento ser di-
llicil alcangar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collaree
de Royer.
Ra do Crespo n. 17.
ESTEIRAS DA INDIA PARA FORRAR
SALAS.
Gorgores de cores para vestidos.
Poupelinas de linho e seda de muitu bom
gosto.
Sedas de cores de lindos desenhos.
Alpacas de listas muito bonitas.
Ditas lisas de lodas as cores.-
Gorgor3o em chitas, fazenda nova.
Brilhantinas de cores.
Casaquinhos pretos de guipure.
Ditos de ca.^emira de todas as cores.
Riquissimos cortes de vestido de blond.
Ditos ditos de cambraia bordados.
Ditos ditos de tarlatana bordados.
Colxas de seda ltimamente chegadas.
Ditas adamascadas brancas e de todas as
cores.
Damascos largos e estreitos proprios para
colxas.
Bal&es de todas as qualidades.
Saias de cores, *
Saias brancas bordadas.
Tapetes de todos os tamanhos e para co-
vados, aveludado. ,
Cambraias de cores e chitas de todas as
qualidades, c outras moitas iazendas que se
vendem por todo preco, somente para acre-
ditar a distincta firma de
AMMIM\MEU(1.
rp
Tinta rxa de Mnteiro
Vende-se tinta rxa de Mnteiro para escrever :
ua loja de calcado do sobrado amarello na rna da
Cruz n. 21.____________
Venda de impostes
Manoel Barbosa da Silva, arrematante dos im-
postos provinciaes das comarcas de Tacarat, Ca-
brob e Boa-Vista, e dos impostos de consumo das
agoardentes do termo de Olinda, avisa aos que
pretonderem comprar ditos impostos, que pode ser
procurado ra do Livramento n. 22, onde por si
ou seu procurador podem entrar desde j em ne-
gocio *s pretendentes.
Grande liquidacao de vinhos por todo preco : no
armazom da Liga ra Nova n. 60.
Vinho verde
A' ra do Livramento n. 6 contina haver para
vender por precos raxoaveis, o melhor vinho verde
at hoje vindo a este mercado. _____________
Vende-se a armacio do armazem da Liga ru:
Nova n. 60 : a tratar no mesmo armazem.______
CJJL DE LISBOA
POTASSADARUSSIA
A mais nova no mercado, a preco razoave!: nc
armazem de Manoel T. Basto, ra do Coromercit
n. 13.
N
,
t\


Diario de Peruambuco Sabbado 28 de Agosto de 1869.
7
I '
rival si wm
Ruado Quetmadon, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Suva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est quelinando tudo quanto tem emseu
estabelecimento para acabar e fazer novo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caixas de linbas do gaz cora
50 novellos a 800
Latas com superior banba a
120, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa mullo
flno a....... 400
Duzias de meias (inglezas )
muito boas a 40OC
Garrafas com agua florida ver- '
dadeira...... I ylQd
Garrafas com agua divina dame-
lborqualidade .... 1#500
Caixas com i 2 frascos de ebeiros
proprio para miraos 2/jlo<0C\
Dita comJO frascos muito Baos &800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ... 0500
Saboaetes de calunga muito bo-
nito ...... #240
_ Caixas de p de arroz muito
superior ..... 600
Pecas de babadinbo com 10
varas ...... 300
Pecas de fita de eos qualquer
largura ..... 50C
Escovas para uuhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para denles fazeuda
mukofloa..... 240
Putaeiras de cootas de cores
para meainos 200
Gaixas de linba branca do gaz
com 30 novellos 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papei pautado muito
fino ...... 4000
Pares fie botoes para punhos
muito bonito 120
Libras de 13a pa- a bordados de
de todas as cores 8000
Pentes com costas de metal
muito fios 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de botoes madreperola
muito fino ..... 500
Sabonete muito finos 60, 1 0,
160, 240 e..... 320
Pocas de fita de 13a todas as
cores ...... 500
Espetos dourados para parede
1(1000 e..... |500
Espoibos de Jacaranda muito
fino ...... 2000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 fo-
Ihas ...... 1500
Frascos de sndalo e pateclioly
muito finos 1200
Grande
loja de tondas e roupas feitas
na da Iniperatriz n. 52,
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
presos cotnmodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cores e branoos de boa qualidade,
encarrega-se qualquer obra por medida e
proco muito commudo.
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da Imperatriz n. 32, porta
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas feitas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
palitots do alpaca preta e de cores a 3.
3S O e 4; ditos de panno preto sacos a
6, 7 e 8; ditos de panno superior a
12, 14(5 e 16; ditos sobrecasacados de
dito dito a 18. 20 e 25; ditos de case-
mira de cor a 5, t5 e 10.3: cairas, colletes
e palitots de caseraira muito fina de cor a
20 e 2fi; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 2 a 6>; ditas de
casemira preta e de cores de 4 at 12;
coHeta* de todas as qualidades; ceroulas de
bramante a 500, 20000 e 2500; camisas
francezas de linbo e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte; colarinhos, gravatas;
bonito sortimento do chapeos de sol de alpa-
ca e do seda; meias inglezas a 6 a duzia;
< pechincha neste estabelecimento pelo
.grande souimento: todos os freguezes se
podero prever dos ps at a jbeca por
proco commodo.
FAZEKOAS
Grande sortimento, orno sejam, chitas
baxatas a 300, 32o e 360 rs. .\ladapol5o
fino a 7, 8 e 10 a pega. AlgodJo (pe-
chiocba) a 5500 a peca e outras qualida
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 3 $500 a
84 a peca. Lanzinhas de bonitas core6, al
pacas bonitas, selecia a peea com 28"metros
a 28000. Esguiao o mais fino possivel a
24^00 e 3 a vara, e outras muitas fazen-
das por proco commodo, que seria enfado-
nbo mencionar, na loja do
LElO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Tres casas em Olinda
V>ndem-so tres ea-a terreas na cidade de Oln-
da.em chaos proprios, na mas do Amparo n. 39
ogo da Bola n. 26. e ladeira da S n. 5 : trata-se
do Varadouro*com o Sr. Joo Piolo da Cunha, ou
no Recife. ra do Codorniz a. 9.___________
Vmde-ee la de eaona a 640 rs, o fcilagtan-
raa no pateo do Carino, esquina da ra de Bor
taso. 2._____________________
Vende-se um mulato de W a ti ancos de
idad, toeciu Orara e ptimo gara criado : a tra-
tar na ni* 4e Aooo'd. 6$.
EM CONTINUACO
A 0INHE1R0 NA LOJA E ARMAZEi*
Q(D=mm a& &5aii>aa/\TO2=Gk DE
FLIX PEREIRA DA SILVA.
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
extiocta loja denominada=JAfl/tf DAS DAMAS=& ra da Imperatriz n. 36, e nao
Ihe tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidacao da grande quantidade de
fazendas que all existiam, pelos poucos dias que leve at entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a raaior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVO
onde o respeitavel puolico encontrar um grande sortimento das melhores fazendas de
linho, 15a, algodo e seda, que se Ihe vender muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, e as pessoas que negociara em pequea
escala, tanto da pra?a como do matto, nesta casa podero fazer seus sortimentos em
pequeas ou grandes porcoes, vendendo-se-lhes pelos precos que se compran), n s
casas inglezas; assim como as excellentissimas familias podero mandar buscar as amos-
tras de todas as fazendas. ou raandar-se-ha levar pelos caixeiros da mesma loja era suas
casas; o estabelecimento se acha constantemente abeclo das 6 horas da manba s 9
da noite.
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-'
pletamente sortido das raelhores roupas,'
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de pauno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se maridar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
tos dez mil covados de cassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e gra-
dos, assentados em todas as odres, estas
cassas sao propiamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrees
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
taha-se a 300 rs. o covado.
Espartilhos a 34000 na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porco de esparti-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3(5 cada um.
BRAMANTE PARA LENCES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1(5800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p^cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco do 16800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, ontras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincba pelo preco.
Corte de vestido do Pavo a
4000.
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tarlatana, ricamente bordados a la, pelo
baratissimo preco de 6#.
Ditos por estarem um pon" machucados
a 43.
Ditos fnissimos cot. a seda a 4$.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com duas saias, sendo fa-
znda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competente figunno,
a 185; fnissimos crt s de cambraia bran-
ca, ricamen'e bordados, que at pode
servir para noiva, a 25)5000,0 outros mut-
toa cortes de diferentes fazendas que se
liquidam baratas na loja do Pavo.
CERA BE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porco de cera de
carnauba em saceos, por preco mais barato"
do que em outra qualquer: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 240
Vende-se cassas com delicados padroes e
cores finas 240 rs. o covado: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaquinhos de seda
pretas ricamente enfeitades, sendo cora os
feios mais novos que tera vindd ao merca-
do e vendem-se muito era coota.
GROZ DE COfi
Chegaram os mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio, cinzento
e branco muito alvo, que se venciera mais
barato do que era outri qualquer parte.
BASQUINAS DE FIL
Vende-Be as mais modernas e mais ricas
hasqninas de fil preto, por preco emeonta.
VESTIDINHOS PARA MENINOS A
20000 E 20500
Vendem-se ve.-tidinboi para meninos c
meninas, pelo barato preco de 2(5000 e
i5500, assim como neos enxovaes para
baptisado.
MADAPOLO FRANCEZ A 70000 A PECA
Vende-se pecas de madapolo francez en-
festado com 20 metros a 7$u00 a peca;
p*chincha
MUSSELINAS DE COR
Vende-ge as mais bonitas masselinas de
cores a 500'rs. o covado.
ALTA NOVIDADE
EM POCPElJnAS OU GORGUItAO DE LINHO
A ** $UMMA**
A AGUIA BR.V.NCA tem conviego do que a abundancia de objectos de novidade-
era seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto deJIes, a superioridas
de de qualidades, e a liraitaijo de seus presos, esto na op nio do respeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular ; mas anda assim ella jolga Je sen
dever scientificar a todos, da recepgo d'aquelles objectos que esto alera do comraum,
como bem sejam
SEDA.
Pelo ultimo vapor chegou para a loja do
Pavo um elegante sortimento das mais
bellas poupelinas ou gorgures de linho o
seda, com os mais delicados padroes qHe
se pode imaginar, assim como urna grande
porco de cortes da mesma fazenda, tendo
de todas as cores e garantindo-se que neste
genero n ha nada mais bonito nem mais
proprio para vestidos, e vende-se por pre-
C,o muito riazoavel na loja de Flix Pereira
da Silva, ra da Imperatriz n. 60.
CELEZIAS
. PANNO DE LINHO
ATOALHADO
Vendem-se as mais finas celezias de linho
com 25 varas cada peca, sendo mais finas
anda que os mais linos esguioes que tm
vindo ao mercado, a 450, 555, 605000 e
7o5000, tambem se vende em varas as
mesmas celezias, sendo preciso; assim co-
mo, pannos de linho do Porto para lences
com perto de 4 palmos de largura a 700,
800 e 15000 a vara, sendo em peca tam-
bem se faz alguma equidade ; bramantes
para lences com 10 palmos de largura a
15800 e 25500 o metro, e de linho muito
superior a 35200 e 35500.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 25400, 35 e 35500 o metro, e
outras muitas fazendas brancas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim nico de apurar
dinhiitro.
CHITAS
MADAPOLO
ALGODOSINHO
Vendem-s superiores chitas escuris e
claras pelo barato prego de 280, 320 e 360
rs. F as percallas a 320 e 360 rs.
Peras de algodusinlio de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolo
dos mais baratos at os mais finos; assim
como, superior algodosinho enfestado para
lences, toalhas, tanto liso como trancado;
todas e^s fazendas se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte, para apu-
rar dinheiro.
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vcnde-se urna grande porgo de esta-
menha teselada, propria para vestidos de
escravas, camisas e calcas para moleques,
sendo urna fazenda escura trancada e muito
cncorpada, pelo barato prego de 200 rs.
o covado, fazenda que sempre se vendeu
por muito mais dinheiro.
VESTIDOS A 800 rs.
Com duas saias
Chegaram para a loja do Pavo os mais
modernos, e mais bonitos cortes de vestidos
de cambaia, e organdys; com mais lindos
padres, e o competente figurino, tendo
cada corte 18 covados, que pode dar corte
para senhora, e menina, e vendem-se pelo
barato preco de 5000, nicamente na loja
e armazem do Pavo i ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
ORGANDY DE COR A 3d0 RS. O COVADO
Vendem-se fnissimos organdys de cores
para vestidos com lindissimos padroes pelo
barato preco de 360 rs. o covado ; assim
como ditos bran:os muKo Gnos cora listas
largas e estreitas, e de quadros a 800 rs. e
15000 a vara, tambem tem tarlatana bran-
ca, e de todas as ,cres a 800 rs. a vara ;
filos de flores a 40 rs. a vara, e ditos lisos
a 800 rs. a vara, e de salpico a 15000;
isto na loja o armazem do Pavo. ra da
Imperatriz o: 60 de Flix Pereira da Silva.
CHALES DE CASEMIRA
Chegaram os mais modernos, e mais
bonitos chales de casemira com dezenhos
inteiraraente aovos, que se vendem a 95,
t65,125 e 145 ; assim como urna grande
porgo de ditos de menina que se vendem
mais baratos do quo em outra qualquer
parte ; na loja armazem do Pavo, roa
da laperatriz n. O, de Flix Pereira da
Silva.
Cortinados
Para amas ejaneHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que so ven-
dem a 125000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na roa da Imperatriz n. 60, e Flix
Pereira da Silva.
BALDES MODERNOS E SAIAS DE LA
Na loja do Pavo vende-se os mais mo
demos bales reguladores tanto de musse-
lina como de la de cor, e as mais moder-
nas saias d-t la eniestada, mais barato do
que em outra qualquer parte.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga o bonita fazenda
com listas de seda e os padroes mais novos
que tem vindo a es'e mercado, vendendo-se
a< 15400 9 covado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da Imperatriz n. 60.
Bonitas caixinhas de madeiras envernisa-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servfndo ellas de carteira
piando bertas.
Outras conforme aquellas, proprias para
senhoras.
Outras machetadas, com thesouras c os
mais necessaries dourados e de madrepe-
rola para costura, obras de apurado gesto
e perfaico, proprias paro um bello pre-
senta, tendo algumas com musha.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, e os mais necessarios para viagens.
ESCOVAS DE MAKFIM
Para unhas. denles, cabello e roupa.
Outras de balea com machetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA
Leques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,
para circular os coques.
Outras igualmente bonitas, e com pin-
gentes para o pescoco.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin dourado.
Botoes com ancora, e P, II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata dourada, para colletes, cada um 55-
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 45 o par.
Camisas de flaneila para homem, a me-
Ihor qualidade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias de la para homens, senhoras e
creancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de incbago as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de lahyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
pennas coloridas, proprios para piannos,
oratorios, frtc.
Bonitos passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas c alfinetes."
Thesouras de duas, tres, quatro e 0DC6
pernas para irisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSILTRA
Tal a qualidade d'essas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Non-plusultra, merece a Aguia Branca as
honras d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das intelligentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agora nada se tinha visto de to bom
era tal genero, e anda assim custa cada
papel apens 200 rs.
Provavelmente d'aqui a pouco abundaro
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuarlo a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
mes e qualidades a inlinidade d'objectos
que constantemente se acham a venda na
loja da Aguia Branca, seria seno mpossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e antiga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reconheccr a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esquecara de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
FUNDICAO DOBOWMAN
Rna do Rmidj a. a2.
PASSANDO O CIIAFAKIZ
Tem sempre deposito de trtdo o rija L
mo emprepado na agricultura da previ:,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodo.
Rodas d'agop.
Motores de diversas espec
Moendas de canoa.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de forro, balido fundido e de
:obre.
Alambiques.
Descargadores d'algodo etc. etc.
Havendn om ludo variedade de ttmanho
Alados e instrumentos d'agricultura.
tesde o menor at o maior que se costa-
na empregar.
Sempre novidades pa-
ra bailes e casa-
mentas
NA LOJA DO PASSf?
Ricos cortes de seda de cores, com ritos
desenhos interamento modernos. Dilos
de diversas fazendas de phantasia, como
sejam, bareje de seda, poupelina, tarlata-
na com llores prateada's, tudo propriamente
para $otres. Ditos de la, gosto escoce*,
novq gosto. Ditos de bkmd de seda pra
casamentos, com os competentes veos e
capellas.
Todos os artigos cima descriptos encon-
tram-se por precos muito mdicos, roa
do Crespo 1. 7 A.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna cfficacia verdaderamente nw-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a paratisia, asthm;v
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recei.-
tes ou antigs, snffocagbes, athaitm.
broncneos, etc.. o en geral contra todV
os soffrimentos das vas respiratorias.
na phtisica pulmonar, sua vir lude contra
o ttano ou espasmos, e convulses in-
contestavel, e ninguem ha que a desconbe-
ca. Ra Larga do Rosario n. 1U, Pernan-
buco.
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
S1MA0 DOS SANTOS ft C.
Os proprietarios deste bem sortido armazem de secco e mnlhados, partecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praga, como do matto o igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que teem um grande e vantajoso sortimento de diversas merca-
duras e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a retalho, por
menos prego do qde em outr. qualquer parle, por ser maior parte destas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quera comprar at a quanlia de 100:), lera cinco
por cento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
Fupio do cngcnlio Todos os Santos da vRtat
de Ipojoea, no riia :t0 d maio, o escravo GonraL,
representa ter 43 annrK de dado, muco mais oa
menos, cor vermelhs, ullo, grosso, olh pequen*,
sem barba, e os pea radiando, foi escravo da Sh.
D. Sonhorinha Mara do Livramcnto. que morou ha
villa de SerinbaetR ; no dia immodiato da fuf,niA
esteve na mesma villa : suppoe-sc estar acoutadi,
o que se proceder com o rigor da le a quenfo
tenha, e pede-e s autoridades polieia's ou capia
lies re campo a captura do inesmo e entregar no
mesmo engenlio ao abaixo asnignado, ou na roa
da Moeda n. 5,2 andar,escriptorio de Maneel Al-
ves Ferreira & C, que ser generosamente recom-
pensado.
Miguel Paulino Tolentino Peres Falrric.
GAZ AMERICANO 95 a lata, a 400 rs.
a garrafa e 60' rs. o litro.
V1NH0 VERDADEIRO F1GEIRA 560 e
640 rs. a garrafa, a 40500 e 41800 a cana-
da, a 7O e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
355(10 a caada, 600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 7?? a caada, e 10340 o litro.
VINHO BRANCO DE LISBOA a 600 rs.
a garrafa, 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 30 rs. a garrafa, 23200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 3 10440 e
10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
gramrno.
DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
grammo. ^
DEM PARA TEMPERO a 640 rs. a li
bra, 10400 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORCODE BALTIMOOR
720 rs. a libra, c 10570 o kilogrammo, em
porgan se far abatimento.
ARROZ DO MARANHAO E DA INDIA
120 e 140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo. e 60 por 14kilogrammos.
:AF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra, 440 e 520 rs. o
kflogrammo.
SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
570 e 440 rs o kilogrammo, em caixa ha melhores que ha no mercado, a
abatimento. *>-0 a ubra. "080 e 6*>5i0
MASSAS PARA SOPA, MACARRO, TA- grammo.
LHMUN E ALETRIA, 800 rs. a libra o DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 20700,
10750 o k logrammo. 2*300, 20200 e 20 a libra, e W4B0 e
SEVADINHA E SAF 3 280 rs. a libra e 40180 o kilogrammo.
Assim como ha outros muitos mais gneros, vinho em ancorlas, azeilOMS,
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, marmelada, con-
servas gela de raarmello, pcego, ervilhas, peise em latas, sardinhas de Nantes,
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoge, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebolla 10500, finalmente muito mais gneros que anftaaonbo
menciona-los.
620 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
timento.
BOLACHINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 c 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PIIOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA. 280, 400 e 560 rs. o masse,
3 0200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHIN'HAS
DE MUITOS TAMANHOS 30500, 50500
e 10 a libra.
GOMMA DE MILHO AMERICANA 400 rs
o masso de urna libra, e em caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM BASS, VERDADEIRA IHLERS6
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 15200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 70 e 60 a frasqueira, c 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30, 20800 e 20400, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOL'CIMIO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e 1 i 500 por
14 kilogrammos.
CHA FINO. GRADO E MIUDINHO os
30 e
kilo-
As autoridades policiaes e &
quem competir.
No dia 29 de maio do correnle arnc !>
gio o escravo Esequiel, ciioulo de 30 32
annos, de idade, estatura regular, reforcado.
cor bem preta, cabera redon'la, trajava ca-
misa azul e calca de casemira cimenta; du-
rante o dia costana andar ganhando as
roa, ou em armazens de assucar ou *
tabernas a conversar e a beber; durane a
noite recolhe-se a telheiros abertos ou pe-
netraveis, a casas em construccao e a o.-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprehender tenha a bonda*
de o conduzir ra da Aurora n. 26, ond^
ser gratificado.
INJECTION BROU
I, MMMCl C Preerll, bMlaUnoilu uuie* >i<: cura ku> iwuiiuiu duuivo. V .1
i bMtaM mmi. (Itifir fcMiim te ). < uiMtseU.) ruto, m m
i iiilwMt M.......na.
Fugiram do engenlio Firmeza
do termo d^ Lscada, na noite de
10 para II do correte, dous es-
cravo? mulatos, os q aes for.tut
comprados ao Ejun. Sr. barao de
Nazareth ba 15 dias penco msis
ou menos, scudo Joao, idade de
-^ "0 a 32 annos, btm barbado, pfi-
tos cabelludos, tem os dedos dos ps, isto is
minimos curtos c quasi que trepam km no outru.
tendo todos os denles de (reate, con regular
leva chapeo do couro de sartanejo, calca azal <*
algodo oue Ihe chamaoi pello d'onca e cobertor
de bata escura o mais jilpuma roupa, fui escravo
do Illm. Sr. tenente coronel Agwtinh Corroa de
Mello, de uricury, o outro do nenie Flix, ca-
bra, alto, bom corpo, idade 2o imnos pouco aaaM
ou menos, levou chapeo de couro de abas largas,
calca aiul de algodo que \\\ ca e cobertor de bata escura, fui escravo do
film Sr. Eduardo Pereira de Souza, da provincia
da Parahyba, que o vendeu por seu procurador o
Sr. Jos. Lopes Alheiro ; quem o apprehender o
levar ao mesmo engenho Firmesa ou no Recifer.o
escriptorio de Domingos Alvcs Matlieus, a ra do
Vigario n. 21, sor generosamente reaompensao
Fugio no dia 9 de crrente mez do
engenho Sant'Anna da comarca do Porto
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
lar, de 22 annos pouco mais ou menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinhados, foi comprado na cidade do Po--
cife, para onde veio da provincia da I'a-
rahyba; e bem assim o escravo Manoel
crioulo, de 22 annos. estatura regulai,
tem um dente quebrado no queixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues Ta-
vares de Mello, no Recife, ou do referido
ensenho aue ser bem recompensado.
Este admiravel
jDcpnralivo nao
|contemeni6iner-
Irurto, iodo OO
(arsnico; wn
___ ______ __Ivi^oroso modifi-
C3d.P*r* **"fe 'tau ""'mente a.< molestias depclie, taes comn a l^pra, as impfejras. os herpes, as i
etpufcu, e os PtSMas, de. Entregado diariamente elle refresca a massa do sangue e consolida o saude. j
1 INirrffl r A H F T Cura em S- dia corri>Deqtof antifos ou weeatw >
9mi, 7, B' Oeuhff
1 f 11
Mi
o* maj rebeldes.
i\o uia 18 do cTcente mez de agosto ut'io
do engenho Taquary, freguezia do Santo An..,
um mulato de nome Daltnazar, escravo do capi-
tao Aristteles Carneiro da Cunha e Albuquerq..-.
Levou caiga de algedaozinlio azul de qnadrti o
camisa de riscado da mesma cor, c conduzio nma
rede. E' sertanejo, alio, espadando, pnuco barba-
do e tem cabellos crespos e tinos ; cm um dos ladus
do rosto tem urna cicatriz c una pequea ruptura
na altura do estomago, provonieote deumafata-
da ; tem falla branda e bonita flgura. Desco'-
tla-se que procurasfe as proximidades do Rio do
Peixe, d'onde natural. Ser bem graBcaeto
quem o levar ao dito engenho, ou cidade do RV
cife, ra larga do Rosario ti. a4.sengudo andar.
Fugio do engenlic Colfegio da Luz a escr. n
preta Martinha, baixa e delgada do corpo, crrrt
marcas de bexigas, muito bebada e demuita labia,
papa-se bem a quem a levar ao dito engenho, hi
aos Srs. Oliveira, Filhos & C, n Reeife
Fugio uo dia 23 do oorrente. do cgenbo
Quileba da freguezia de Serinhaem, o escravo ca-
bra, de. nome Flix, quo representa ter 35 annos,
mais ou menos, alio, gnjsso, cara larga, bem fal-
lante, levi u calca ile brim pardo, camisa de ma-
dapofio, ciiapo de couro ou um .nutro de chile,
novo; cujo escravotalvez lonha lomado o carn-
nho do Pao d'Atho : quera o petrar e levar ao d'w
engenho, oa no Recife a ra do Imperador a- 45,
ser gcucrasaiaentc racoaiunsado.



T


inrio de Pemambco Sabbado
igosto de 1869.
ASAMBLEA SERAL
-H
CAUAB.A DOS SRS. DEPTADOS
SESSO EM bE JIMIO.
PRESIDK.NlilA IMI Sil. NEB1A8.
{Contiuua&M
Aln Ijs emendas my^ se achara colli-
gi.las nesle nnpjMl^RiUras que cons-
fmi oltafisWni ros iId/orwal : J^BnoilM, '|'10 Si! l 110 >)!-
rW de 21, re rouvnisso de fa-
i a suiu ra d i receila geral de
l,2(iW:0 i nesta somma
a illuslre comiiiiso com os arre.i-
iii-iii s dos impostos novamente jroados
durante um auno, uu smente durante eis
man
O Su. Pereika d\ Silva : Seis mezes
smente.
0 S. Pkesidkytf. D Cosseuw : Neste
c iso ser precise ajuntar ao artigo que
manda applicar o ornamento de 1809 i
87D ao exercicio de I87 a 1871 a ava-
kaco di receila correspondedle ao doze
meaes deste ultimo exercicio, isto aju tar
. do primeira quantia de 7,000:000,-) ou
8,O0u:00Uf> conforme o producto dos novos
rtnpostos N|ir avaliado em 11,000:000* ou
XJO:0003000.
uanto aos paragraphos seguintes, csses
i(gMkde redacgio.
artigo addilvo diz: Fica cle-
o imposto de ancoragem a 500 rs.
|iof t'inelidi sobre os navios procedentes
esiraageiros, continuando em
>igor as dispisres da lui o. regulamento
.le 19 de setembro de 18(50; e abolidas
as isenges concedidas a diversas com-
uaolii Hipores.
Era j minha inlencSo ptdir Ilustre
.-ommissM ijuc accrescentassc a este addi-
a clausula que elle acaba de suhmet-
tr i considerarn da cmara.
.Em 1850, o governo do Brasil, autorisado
por le de 13 de setembro do mesmo auno,
edeu inha de vaporas inglezes, entre
euros favorea, a isencao dos direitos de
tvab ittgem ; esta concesso fui feita e aceita
um vii t'tde de notas reversaes: a concesso
doria durar por 10 anuos; mas em 18t51
ajustn novamente que aquella con-
1i co .tinuasse a vigorar, emquanto nao
iuiii asemos com seis mezes de anticipa-
i azo em que ella deveria cessar.
Por isso me parece necessario que se
aceres 'entero o artigo as palavras salvas
quaesquer obrgaces provenientes de ajus-
iriternarionaes.
O artigo seguiste tn.m por fim elevar os
vencimentos dos piizes de direilo, desem-
bargadores e ministros do supremo tribu-
!ial de juslica a mais 80% do que actual-
mente recebeoi.
Ninguem reconliecc mais do que en a
conveniencia, se nao necessidade, que ha
de lomar-se u:na medida a esse respeito.
A magistratura est;i com effeito muito mal
destribuida. (Apoiados).
Mas, senheres, o que hn pouco ponde-
re me leva tambera a considarar inoppor-
tuno o augmento que se pretende.
J em um projecto apivsentado pelo Sr.
ministro da Justina se propoe quanto pos-
sivel fazer-se as actuaes circumstancias.
Nao posso, pois, dar meu voto a essa
Hienda na cmara, onde tenbo assento,
bem que esteja resolvido a approva-la nos
termo- em que a aprsenlos oSr. ministro
Jajustiea Espero que a magistratura se
resignan aos sacrificios que o estado do
paiz exige do todos os cidados.
\< emendas offerecidas pela illuslre com-
misso de jnstica foram feilas de accordo
com meu coilega dessa repartico, e por
conseguate nada teflho a oppr-lbes.
O mesmo acontece s da commisso de
raarinha e guerra.
Seguc-se oulro artigo additivo, que diz ;
i i" art. 17 i lei n. 1,307 de 2 de se-
ibro dd 1807 nao compreliende os edi-
ficios das ; do commercio.
!.. ta eee'n.l.i le t" -'' M ,da principalmen-
te afjj^Bb que tem prestado
e est | Prnclo ;t pi lo commercio da1
lia,
OSa. Ahumo Gks:Apokdo.
0 Sr. C iNSELHo:-*Reco-|
- sao meritorios,
que a praea do commercio da Baha tem
ilireiio i ser aliviada do imposto..'..
0 n. Aiuuo.r.s :--Apoiado.
OSn. Presidbnte do Conselho:-----
m -t! iso devem se-lo lambem todas
outras pracas do commercio.
O rjae no parece, porm 6 que aemen-|
da nao pode ser considerada como inter-
pretativa do 2 4" art. 17 da lc de 20 de'
tembro de 18*
Essa lei snstta decima addicional as
propci el s das companhias e socied
anonymas, e btMtl assim as que perten-i
q a associactes de beneficencia e reli
isas.
Eompanhia a unilo de individuos e ca-
para um determinado m. O que
asociacSo da prac,a do commercio?
Umi oiii) de individuos que tem por (im
Biuteotar ou conservar um edificio em que
se retn-m para tratar de seus negocios;
portanto urna companliia
Nao me parece, porlanto, que esteja esta
Ranciado fora da letra da lei.
E julgo, pois, que seria mais convenien-
ie que a emenda fosse redigida neste sen-
ko: Ficam isontos da decima addicio-
nal iiAelilicins pertencentes as-pracas do
commoreio e do imperio. A redacelo
como est nao pode ser muito justificada
pie a praca do commercio da
Dafia 6 [>ropo nacional. Se o f6ra esta-
ra d certo livre de pagar o irrfposlo ;
mas eu ao nobre deputado....
O Sa. Amacjo Gdrs : -Eu vou mandar
una emenda substitutiva no sentido que
Kxc. indica.
OSr. Pin. do CoNSamo:
o lii-enca izaa-ihe que me parece
ar bem informado a este respeilo.
do commercio da Babia nao edi-
io nacional, pcrteoco associaco.
A emenda ao 20 do art. 2o pretende
\im ito de 10:000$ para o semtna-
ri d do Rio-Grande do Sul.
Pela: ; j expend julgo que
JUr esta nem as outras
lam despeza.
; dar aogoverno auto-
ira- elevar a cathegoria das theseu-
iadefazenda de certas provincias. Com-
uani tenha tido muitas representa(;oes a
e respeilo, e me pageca que o pessoal de
quasi todas as ihesourarias, e tambem
aigomas reparticoes do thesonro ifl
[.ara o servico, todava n"-
rtado adopta a medida q
:om.
qo9, procurando-semais cTB-j- lii-so e apprjva-sc a acta da a l
4 SBcnEi.vKio, d conta do se
abs
ule simplificar o servico dessas re-
s, te posa conseguir que o traba-
ponha em da sem esse augmento-
permanente do passoal. A experiencia nao
me parece aind< bastante para no levar
desde j a ixar o numero de empreados
das thesourarias e augmentar os vencimen-
y que liie esto marcados. E' possivel
que na prxima sess5o eu lenha de apresen-
tar a esta augusta cmara um projecto a res-
peilo desta parte do servico. Por ora,
julgo que nao oportuno tratar de refor-
ma-lo.
Ha outro addilvo qae tem por m sen-
tar urna empieza de cananscao de aga
potavel na cidade de Goyanna, em Pernam-
buco, dos direitos de importa.c5o dos ob-
jectos que forem necessarios para a cons-
truego das obras e servido da mesma em
preza.
Etou persuadido que os impostos que
teria de pagar esta compartida pouco pude-
riam avultar ; mas a piulica seguida al
agora, e a faclidade dexonceder a todas
as companhias que entre nos se organisam
a isenco desses direitos t-m sido e conti-
nuar a ser urna fonle de abusos i e para
evita-los eomm n5o facilitar semelhantes
concesses.
Assim, sendo estal. minha opiuio, e
n3o vendo gran les vantagens para a com
pauliia na seero que se pretende fazei,
visto como as materias que ella tere de
mponar pagam taixas muito moderadas,
n3o julgo conveniente a approvac3o do
addilvo, nao por ella mesmo, torno a d-
zer, na* para que nao se d o exemplo, e
imitaco dello se contine a faclilar estas
concess s
Peco a V. Etc. o favor de me mandar-
as emendas que foram boje apresentadas.
0 Sn. Pkesidentk :Esto ah mesmo
com V. Exc.: s3o as ultimas, as de ns.
33 e 31.
O Su. Presidente do Coxski.ho : A
emenda n. 33 a que diz respeilo ae
imp >sto da ancoragem. Desta j eu tratei.
Pelo que toca de n. 84, parece que,
nao tendo sido anda approvado pelo sena-
do o projecto a que ella se refere, n5o de-
ver essa camara-ad" pta la.
Sao oslas Sr. presidente, as observa-
coes que me cumpre faiwr *cspeito das
emendas e artigos'addtivos em discusso.
Pego novamente a cmara que teuba mui-
to em coiisideraco o estado do lliesouro
publico e as .ficuldades com que o go-
verno lula e tem de lular, anda que as
despezas extraordinarias la guerra tenhaui
de cessar dentro em pouco lempo.
Tenho concluido.
0 Sft. GANDIDO TORRES F1L110 faz lar-
gas consideracoes sobre o projiicto.
OS SRS. ARAJO GSS E JL'NOEIRA
requerem e a cmara consente na retirada
de emendas suas.
Encerrada a dUcussJo, fica
adiada para a sess5o segninte,
ment do Sr. Cruz Macha !o.
Dada a ordem do da, levanta-se a sesso
s 4 horas da tarde.
perdoado em piiz estran-
t pejj o principio
is in dem, dign > de todo acatamente,
N3o i o absiwdo assignalado
listas, alias tSo rKsttntos como
O Sr. Andrvde Ficbira : Por lodos
os pensadores modernos.
O Sa. Correa Vejamos se impWrti
g
que Iraz a impunidade do dilmquenle.
Senhores, a dRfieuidadc da obteni;3o das
provasdo crime node\e Ser motivo para
se rejeilir o projecto.
A marcha da chufearlo favorece a presla-
co dessas provas. A sympathia dos povos
o dos governos nao mais para o olensor,
para o offendidi; nao mais para o algoz,
para a victima. Cafo vez mais vo des-
apparecendo os principios da idade media,
que por toda a pafe estabelecfam asylos da
impunidade.
Tratados celebram-sc entre as nages para
a aeqaisiearxlas pfovas necessarias para a
punico de criminosos. -Neste caso esto o
dome.
ffc
gUHite
EXIME?tTK
i officio do ministerio o impei>, en-
viando oexemplar do decret'^ 4.154 de
13 de abril de 1808, que reorganisou a
respectiva secretaria de estado, bem como
a cDia do de n. 4,378 de l de juiho ul-
tima que derogou art. 35 daquede de-
creto.A oommissSo de co >tiluico e po-
deres.
Oulro do mesmo ministerio, enviando o
11 da presidencia da provincia de S.
Paulo c m actaa da clee3o de um deputa-
do a qtle se procedeu nos collegio* de Pa-
rabytiriga e batuba, do 2' dstricto da
mesma pioviucia, liara preenchhnento da
vaga do fallecido l)r. Anteoio Gouc.dves
Barbosa da Cunha.A 2a commisso de
poderes.
Outro do Io secretario do senado, en-
viando a emenda feita c appi ovada pelo
mesmo senado a proposicao desla cmara
concedendo licenca por um anno, com o-
resjiectivos vencimentos, ao Dr. Lourenco
Trigo de Lonreiro, lente c.atbedralico da
faculdade de direito do Recife. A im-
primir.
Um roquerimento de D. Leopoldina Au-
gusta Carolina Coriny, pedindo o meio sol-
to da patente de sen fallecido pai,A com-
misso de marinlia e guerra.
Iifim-so juJgam-se objectt>s de dehliera- paia comparecerempessualmenlenos tribu-
eo evo a imprimir para entrar na ordem jnaes da Franga, e vice-versa, incorrem em
dos Irabalhos, dou's projectos, um aipi o- pena se deixam de comparecer,
vando penso's, e outrt onnceiendo umj Mas, anda quaniu .dillicil fosse a obten-
aun o de licenca aJos Gustavo de Mello cao de provas, ora por isso deixavam de
Mallos.
- Prnccde-se a volar,o das rodacco>s
dos projectos sobre -ajada de cuito aos bis-
[tos e petioes a diversos, que foram a
imprimir na sesso antecedente, e sao ap-
provados.
Procede-se enfseguida miUicbo do
projecto declarando que as congregarles
das fatuidades e academias do imperio
ficam autorisadas a permittir aos esludan-
tes de preparatorios a que faltar smente
um exanie dos preparatorios exigidos, que
possam frequentar o 1" auno da respectiva
faculdade ou academia, e approvado para
p;issar 2n discusso.
Entra em Ia discusso, e approvado
sem dbale para passar 2n, o projecto
determinando que obtero o grao de ba
cliarel em siencias miliiematicas e phyi-
cus os alumnos di es ola central que ti ve-
re m approva'v'es as douliinas das cadeiras
mer.cionada.s no ai. 181 dn til. 5o cap. Io
do regulamento de 28 de abril de ISbM.
Entra em T1 discusso o projecto au-
torizando o. govenio a conceder um armo
de lie mea com todos os vencimentos ao 1"
tal arapMude, o artigo envolvera urna de-
roffaro do preceito constitucional, de que
a le igual para todos, qoer proleja,
qter castigue. (Apoiados).
O Sr. MagalhAes Taques :N5o tem ap-
plicaco.
0 Su. Correa : Evidentemente tem.
Se se admitte que o governo pode mandar
ou deixar de mandar que se proceda contra
o delnqueme, o preceito da igualdade da
catBR otrtrina do projecto. A impratica- lei nao se executa. Estabelecida a compe-
bilidade resulla da diliculdade das provas, terRia dos tribanaes e a forma do processo,
o magistrado deve obrar por autoridade
propria (apoiados), e nao como agente do
governo. Reconheco entretanto que ba
caso em que o governo pode usar desta fa-
culdade sem ullender as prerogativas da
poder judicial; quando o Crime, praticado
em paiz entrangeiro, est oceulto, e s o
governo del le tem conhecimento por seus
agentes: pode cnlloprejulgar da conveni-
encia do processo.
A substituacio feita pelo senado serve
para esle caso, e para harmonisar o art.
4o com o 8", quando determina que nao
se impnnha pena alguma, e nem mesmo
lenha lugar o processo e julgamento contra
de H de novembro de IH.'i'i. entre a Fran-i individuos que em paiz estrangeiro j ti-
ca e Portugal, e o de 13 do mesmo mez dojverem sido absolvidos, punidos ou per-
anuo segunde, entre a Franca c a Austria, doados pelo mesmo crime.
sendo o mais notavel o de 18 de jullio de
1828 entre a Franca ea Suissa, segundo o
qual, nos Crimea em que concedida a ex-
tradcgo, as testemunhas suissas citadas
Assim entendida a emenda ficam salvos
os principios e pode ella ser aceita.
Sei que na legislaco semelhante de
outros paizes empregam-se as palavras
podero ser; mais analysando-se, por
exemplo, a lei da Blgica de 30 de dezem-
bro de 18^0, v-se que aquellas palavras
vez que proceda quexa ou denuncia nos
termos d .
Desde que est aceito pelo projecto o
principio da n3o extraaicSo do brasileiro,
principio que deve ser sustentado, de ri-
gorosa juslica que P^WHttr punidos no
imperio os brasileiro ommetterem
em paiz 'Biaceiro Hn graves
delictosvl 'la este artigo. O cdigo
do'proco? Bttl da Franca, no art.
:, s puna W' leltidos por
francezes em M contra
franceses ; do sorte imc de homici-
dio perda toda a sna enoTrnidaJe. desde
que era pralicado contra os subditos de
outro estado.
Esta legislado j est abolida na Franca,
e vo-se firmando os principios de que o
crime que ofrende a sociedade em geral
nao deve ficar impune. (Apoiados).
Eis porque no art. 3* com razSo se diz
ou contra estrangeiros.
A doutrina do art. 7o do cdigo do pro-
cesso criminal a que me refer rol combati-
da no conselho de estado da Franca por
Parieu, e de accordo com os principios por
esle sustentados a lei de 1866 aeabou com
a odiosa disimccSo nclle establecida.
Entendo, portanto, que o art. 3* deve ser
approvado.
O art. 4o dspe que nos sobreditos ca-
sos as penas applicaveis sero as das leis
crminaes brasileiras.
Se" a punico funda-se ero noss-a so-
berana, justo que cumpram-se as nossas
leis.
Lcvanta-se, entretanto urna questSo, a
er procedencia as palavras de "Cambacrcs \ disposigoes da le nao sao
no conselho de estado da Franca, onde esta quando o belga j tiver sido
objeceo foi produzida. Pouco importa, ejulgado em paiz estrangeiro.
dizia elle, que as provas sejim lacis ou di-j
(ficis, basta oue o francez
u3o podem ser entendidas senao no sentido saber. se no caso de ser menor
que indique!; diz-sa poder ; porque as comminada nn lei do paiz em que o debe-
a votaefto
requeri-
basla que o francez sai'ia que por
sues orimes fica sujeto saneco da lei de
seupaiz; isto chamar ao cumprmento
do seu dever.
Ser desnecessaria, entre nos, a legisla-
cao que se procura decretar ?
Diz-sc presentemente a nossa lei nao ad-
mlle o principio de que a juslica penal
rigorosamente lerritoria1, c que sao punidos
em nosso paiz crimes pratcadosTOra do ter-
ritorio, como o do pirataria e os de respon-
sabilidade.
Mas o crime de pirataria punido indis-
tinctamente em todos os lugares ; do in-
teresse dos estados limpar os mares" desses
depredadores, que embaracam o commer-
cio licito de todos os povos niaritlmcs.
Os crimes de respo/isabil dos no paiz a que o l'uncciooario pertonce,
por viftudo de outro principio, o da exie;--
riloriafidade. E'esla a doutrina aceita pelas
naees, e consagrada em decises do tribu-
Estimei encontrar na legislaco belga mo-
official da secretara do imperio Joo Bap- | nal de cassafo.
Do facto, porlanto, de se punir em nosso
paiz o crime de pirataria e *s dfi responsa-
bildale na) pode concluir-so lisia GeHogeras.
2$,
SESSfO EM 27 DE JlLIlO.
l'RKSIDEXeiA DO Sil. NEBIAS.
Ao meio dia feita a clamada, verifica-
se haver numero sufficiente. abre-se a
sesso.
!.'-m-se e approvam-se s acias das an-
tecedentes.
O Sr. *1 Secretario d conla do se.-
guinte
EXPEDIENtr. :
lim requirime.ito de Manoel Antonio da
Silva, lente honorario do exercito, pedin-
do o augmento da penso ou o sold de
sua patente.A commisso de pensoes e
ordenados!
Oulro do vigario Jos Mara (lardoso de
Vjsconcellos, pedindo ser aposentado com
todo o ordenado.A mesma commisso.
Outio de Salvador Jos de Amaral, Do-
mingos da Costa l'erreira e Luiz Francisco
de Barros, guardas da escola central, pedin-
do que seus vencimentos sejam igualados
aos dos dentis guardas, na conformidtrde
do art. ;>() do regulamento de 16 de abril
de 180o.A mesma commisso.
,Lm se e vo imprimir para entrar na
ordem dos trabalbos, diversas redaeges
sobre ajuda de custo a s bfsps que forem
a Roma e penses.
Proccde-se a votado da proposta de
orcamento fixando a despeza e oreando a
receila geral do imperio para o excrcicio
de 186!) a 1870, e approvada.
A proposta, sendo adoptada, remotlda
a commisso de redaeco para redigi-la con-
forme o vencido.
Vem a mesa, 6 lido e apoiado o se-
guiote requerimento :
hequeiro que sejam separados do pro-
jecto da lei de orcamento os artigos auditi-
vos para seguirem para o senado em pro-
jectos separados, excepeo feita dos apre-
sentados pelas commissoes e do art. 32 do
projacto com a emenda approvada na J*
discusso.-
Oliveira.
Vem tambem a mesa, sao li los, apoiados
e entram conjAfcfttnente em diseass9o, os
seguittes additamentos:
Salvo os addtivos approvados em 3*
discusso sobre os vencimentos dos ma-
gistrados.Perdigao Malheiro.
Salvo tambem os additivos sobre des-
pesa j decretada por lei. Vieira da
Srfra.
Ninguem pedindo a pala vea, e poodo-se
a votos o requerimento, approvado com
o additamento do Sr. Perdiga Malheiro,<
sendo rejeitado o do Sr. Vieira da Silva.
Vem mesa a seguinte declaraCao de
votos :
i Pego que se declare na acta que vo-
te contra'os impostos lanzados nos bens
das communidades religiosas. Jeroni/m M.
N. Venido.
Entra em Ia discusso o projecto deter-
minando que as congregacoes das faculda-
ales e academias do imperio ficam autori-
sadas a permittir aos estudantes de prepa-
ratorios, a que faltar rnente ura exame dos
preparatorios exigidos, que pos#U freqoen-
tar o 1 anno da respectiva facallade ou
academia.
C-o de que se trata desnecessarkk
Argumenta-se lambem cor) o art. 160 do
cdigo do processo, qmindo declara que o
reo responde pelo crime no lugar em que crimes polticos, accrescentando-se- que se
dasifftatgadjr Antonio de Bar- o commetteu ou naquelle em que residir, o que os houver commettido pralicar algum
Mus, almdeque este artigo trata especial-. daquclles qne autorsam a extradico, nao
mente do caso em qu^ dispensada a ao-lser processado, nem punido pelos ditos
dienca do denunciado para a formuco da crimes polticos, ainda que connexos-com o
culpa, accresce que se delle se pudesae tirar outro.
illaco, seguir-se-lii a lambem
0 Sr. Vif.iu.v da Suva pede, e ac-
mara consenteT que o pidjecto lenha urna
s dtabsslt.
Vem mesa duas emendas concedendo
igual favw*a Antonio 1>. de Pascoal, a J. C
de MendoaaR* a Manoel Damasio de Car-
va I Im e ao
ros e Vasconcelos.
Depois de ligeira? cisidevaroes dosSrs.
Citla Pinto, A'zumUuj;i, Bii! ncourt, Coelho
Rodrigues. Fausto deAguiar e (alvo, o
projecto approvado.
Entra em l1 discusso. e approvado
ate, o projecto .detei minando que
a coccsso de quatroloterias ahnuats con-
cedidas pelo decreto u. 1,000 ce 25 de
setembro de 1858 em prol da Santa Casa
i'm Misericordia da curte, continuar duran-
te dez annos mus, com as mesmas condi-
Ces e favores ixados na referida lei, para
0 tim de se concluireni as (;>ras do respec-
tivo hospital.
O Sn. Hemiji Es pede dispensa de in-
tersticio para que o projecto entre inme-
diatamente em 2a discusso.
Consultada a cmara, rosolve pela aflir-
mativa.
Vem mesa, lula, apoiada, e entra
coijiinctainente em discusso, a seguinte
emenda :
Ficam do nusmo modo concedidas
dez loteras a favor das obras da igreja
matriz da fregueza de Sint'Anna, desta
corte. Henrifjifi.Duq .vt'ira. Jauto Bnrgu Mmtiito. Mello
Atoraos. Ferreira Van*
Ninguem pedindo a palavra, e pondo-se
a votos o projecto, approvado, bem co-
me a emenda, e passa :J-' discusso.
Entram em scasfiSd as emendas do
senado proposito d Da cmara, relativa
ao julgamento de certos crimes que podem
ser coramettidos em paiz estrangeiro' contra
o Brasil e os Brnsileiros.
O SR. CORREA:Sr.presidente, sendo
importante o assumpto do projecto em dis-
cusso, a cmara relevar que delle me oc-
cupe com algum desenvolvimento.
Trata-se. seja-me permiltido diz-lo, de
organisar os cdigos criminal e do prec
relativamente aos dbelos praiicados em
applicaveis l0 se ,]eu> faz ier egja applicada 1
Tal a doutrina do cdigo da Prtwsia,
tambem aceita no das duas Sicilias.
O art. 4 seguio os principios da iegisla-
Co da Austria e da Holhinda ; e j de* a- ra-
do projeclo em' os- z5o (l,jr qt m& pnrtcem aceitaveis esses
principios. Niv teria, portanto, nenhuma
observaco que fazer com refereoia ao
art Io, se porventura nao fosse para notar
a desliarmonia que ba entre elle e a ultimo
parte do art. 8o qnondo, em contrario Bo-
que expresamente- estatu o codjgo de
livo para confirmar a interpretaco que riou
nesta parte ao art. Io
cuss3o.
Pode tambem enlender-se quecontribuio
para o senado votar a emenda a circunvs-
tancia de traUr o artigo principalmente de
crimes polticos pralicados no estrangeiro,
e de liaver conveniencia em nao processa-
los no Brasil. J disse em que occasio
pode o governo prejulgar da conveniencia
dos procesaos; mas neste caso cumpre
attender a que o poder moderador tsm a
faculdade de commutar e per.doar as penas,
e conceder amnista.
Se houver processo e eondemnaco, o
governo nao fica desarmado para diminuir
ou acabar os males resultantes de julga-
mentos polticos.
Passo a analysar as palavrasou por ev-
iradico conseguida para este fim. Noto
primeramente o/te estas palavras n3o tm
applicacSb" aos tres primeiros paragraphos
do artigo que tratam de crimes polticos.
0 direito internacional exelue a extradi-
co nesle caso. E' esta a doutrina geral-
m-nte recebida. E' este o principio aceito ^paiz do
em nossos tratados. No ultimo, que o!^^,.^,
celebrado com a Solivia, estipula-se no art.
que a extradico nao ter lugar por
Wurtembcrg, deterrwna
Cruz Machado.--Augusto d* paiz estrangeiro por brnsileiros ou contra
a pretendida
que todos os crimes previstos no cdigo cri-
minal pralicados em paiz estrangeiro seriara
sujeitos punico qn indo o reo viesse ao
Brasil. K. porm, principio que nao tenho
v.sto contestar, o^uenosujeita a processo
e julgamento crimes policiaes, crimes de
menor alcance commeltido fura do territorio.
0 Sn. Anduade Fiuieira d mn apar!".
OSn. Correa : Posso assegurar ao no-
bre deputado qae tal opiuio foi svistenta la
no senado,
O Sr. Anorade Ficueira ;Foi pelo Sr.
baro de Muritiba, mas sem fundamento.
O Sr. Correa : II i entre nos nolavcis
jurisconsultos que, acompanhando a dou-
trina seguida em paizes de adjuntada civi-
lisaco, cnlendein que o nosso codig) nao
comprebende senio os crimes praticados
dentro do-territorio. Em verdade a regra
que a autoridade do legislador encerra-se
nos limites de seu paiz.
A punico de deudos commctlidos fra
do terribirio excepeo, justificada em
casos graves por motivos imperiosos ; e
deve ser expressamente declarada,
Outras nacoes como a Franca, a Blgica,
a Praasia a Italia, a HoHattda, a Ansiria, a
Baviera, o Wurlemberg, nao julgaram po-
der dispensar leis como a que procuramos
decretar?
Ora, se ha entre nos quem sustente as
opinies a que me tenho referido, bastava
que o projecto tivesse por (ira. acabar com
as duvidas para ser diguo de cositlcraco
por sua necessidade.
Acreditando ter tambem demonstrado
nao ser absurdo o principio em que elle se
funda, nem impralicavel a sua doutrina, en-
trara na aaalvse dos diferentes artigos.
0 art. i" suscita duas ordeus de consi-
Resla o crime de moeda falsa, de q-ie
trata o i."
M ena inlroducco Quanto esta o crime
commeltido no paiz, fica sujeito jnris-
dieco territorial. OTabrico da moeda falsa
pode dar lugar eslradi;3o ; e nesle caso
aproveilam as palavrasou por extndifSo
conscrjitiila para esse fimempregados no
artigo, que podia estar mellior reuigdo,
da modo que l'acililae-so sua verdadeira in-
tellgcncia.
No art. 2' falla-se na entrega por extra-
dico de estrangeiro que perpetra tora do
imperio qualqaer des crimes mencionados
no art. 1.. Ora, nao havendo extradico
do nacional, segue-se que trata-se ds urna
lerceira potencia; mas em geral o direito
internacional estabelece que o governo que
pode pedir a exlradi^o o do paiz em rajo
territorio o crime se des, e este principio
est tambera consagrado em nosso tratado
com a Bolivia.
Nao pode portantoj. aceitos os principios,
haver esta extradico, senao, ainda com re-
ferencia a urna lerceira potencia, em caso
espedalisshnos, como o de allianca, que a
tanto obrigue.
Mas como, na bypoihese mais desavora-
vel, as palavrasou por exiradico conse-
guida para esse (hnapenas iicariam sem
applcaco, nao isso motivo para a rejeieTio
de todo o artigo,.urna vez que ri-i n
licito approva jjm parle smente quidquer
artigo ou iiaragrajjlio de emendas do se-
nado.
Diz o art. 2 :
A despoeico do artigo antecedente
que o crime se
reputar proscripto, nao conforme a lei
brasileira, mas conforme a lei do es-
tado estrangeiro em qne o delicio podia ser
punido, se for mais benigna.
Entretanto, nao sto motivo para a re-
jetco do artigo.
Vamos ao art. 5", con* o qual nao posso
concordar. Diz elle : Os estrangeiros
que em paiz estrangeiro perpelrarem con-
tra brasileos algum dos crimes referidos
no art. 3o o vierem ao imperio, ou sero
entregues por extradico sendo reclamados
ou enpnlsos do territorio brasileiro, ou pu-
nidos conforme as leis brasileiras. Para
06te ultimo caso, porm, -necessario que
preceda queixa ou denuncia, e que as leis
delinquente estabelecam pun-
iso semelhante contra es'range-
ros. :>'
O fundamento com que se p-etende jus-
tificar este artigo que assim como 6e pu-
ne o Dfasileiro que em paiz estrangeiro
pratica delicto contra eslraiigeiro. da mes-
ma forma se de ver punir o estrangeiro que
fra do imperio corametter crime contra
brasileiro c vier para o territorio do Brasil.
Ainda se o artigo cstivesse concebido em
Este crime d-se no fabri- 1(,rmrtS peremptonos, seria mais plansivel
elles a contra o Brasil; o que nao possi-!deracoes : a Ia versa sobre o alcance das
vel fazer sem arredar as complicaijoes quo
podem resultar do direito das gentes, dos
principios aceitos pelas nacoes para regula-
ren! suas relaroes.
Antes de entrar na anal)se do projecto,
tenho de considerar as objeccoes qae se
apresentam contra a propria essencia la nia-
leria com que nos oc upamos.
Diz-se que o principio em que o projecto
se frnda absurdo, qnie sua doutrina im-
pratia^-el, e que, pelo que respaila ao
nosso paiz, a legislaco que se pretende de-
cretar desnecessaria.
Ser absurdo o principio ^te onde pro-
vm esse absurdo ? De qu nao se pode,
pelo mesmo acto estar sujeito a duas leis, a
duasjurisdceoes, do paiz em que prati-
cado o delicto, ou, em outros termos, so-
berana territorial, e do paiz a qae per-
tence o delinquente, ou, como se tem deno
minado, soberana pessoal.
Seguramente, Sr. presidente, haveria o
absurdo apontado, *se potventura mesmo
acto4bsse simultneamente sujeito a duas
leis; mas assim nao .'Emquanto o deRn-
quente permanece no paiz em qne perpetrou
o crime, nao fica sojettoa eutra jorisdic.co
Ninguem pedindo a palavra, e indo pro- s ^Q a territorial, nao responde perante
ceder-se a votaco, reconhece-se nao haver
numero legal; pelo que o Sr. presidente
declara a discusso encerrada, e levanta a
sesso s 4 horas da tarde.
SESSA0*EM 58 DE JULHO
presidencia do sr. nebias.
Ao meio dia, feita a chamada, verili-
fl-se haver numero sufficiente, abre-se a
seao.
outra autoridade seno a desse paiz ; mas
se evadir-se, subtrabindo-se aquella
jurisdieco, e procurar a naco a que per-
tcnce, entSo tem lugar a applicaco da
lei desta naco.
O projecto em discusso, salvando o ia-
dicado absurdo, expressamente declara que
nao s nao ter lugar a iraposieo da peni,
mas nem diezmo se' fer o procasso deter-
minado quando o crimine x- tiver sido puni-
palavras poderao ser processados anda
que ausentes do Imperio, ejulgados quando
presentes, os brasileos que, em paiz es-'
trangeiro, commettercm certos crimes con -
tra a seguranca do estado e seu crdito ;
a 2* sobre o principio de extradico nelle
consagrado para se obter a presera no
Imperio do brasileiro delinquente.
No projecto que esta cmara envin ao
senado em 1851, daia-scserao, era im-
perativa a disposico ; a emenda do senado
dizpoderao ser. Que sgnicaco, que
importancia tem esta substiluico? Por
ventura em cada caso especial dever o
juiz esperar que o governo mande proceder
contra o delinquente .'
E' esse o pensamento das nobres com-
missoes de diplomacia e justica criminal,
que dizem em seu parecer :
As circumstancias em que convenba ou
ao proceder contra os crimes de qne trata
o artigo nao podem ser determinadas na
lei'; ao governo, alientos os interessesMlo
estado, cabe aprecia-las, de accordo com
as suas instruccoes qut devem proceder
os agentes da juslica- contra '0* crimes que
prejudieam a seguraaca do estado ou seo
crdito.
Assim entendida a dispbsiro do artigo,
ella de pequeo alcance e vantagem.
Quando um dos crimes de que se trota fr^
praticado na ronteira do Estado Oriental e
o delnqueme passar para o territorio do
Brasil, se a autoridade judiciaria do Rio-
Grande d"o 9ul esperar que o governo de-
cnia se se deve instaurar o processo a
maior parte dos delictos ficar
Concedendo este arbitrio ao gov
poder ter execuco noque fr applicavel.
em relaco aos estrangeiros que perpetra-
ron) fra do imperio qualquer dos refer-
mas nelle se figurara tres bypolheses, pode
proreder-se de tres modos dilTerentes, ou
illir o delinquente do territorio brasi-
leiro, ou entrega-lo por e.-*lradico, ou
linda processa-lo e puni-lo, aonforme a lei
brasileira.
Pode haver maior arbitrio em materia
criminal ?
O artigo nao diz quera ha de entregar o
criminoso estrangeiro, ou expal-lo do paiz;
mas sen duvida ser o governo. Entre-
tanto nao se dispe que assim nao proce-
iler se a autoridade judiciaria j tiver
t uado conhecimento do delicio.
O S.;, vones :Conforcie as e'trcum-
stai: as.
O Sv. Correa :Mas nada ha no artigo
quo limite a aeco do governo.
E' elle-uueni expeli o eslrangeiro, quem
o entrega por extradico, ainda mesmo por
meio de notas reversaes: e para faze-Io
nao necessario que decretemos essa lei.
(Apoiados).
Vejamos agora a ultima parte do artigo,
que autorfsa a punico doestrangeiro quan-
do ba queixa ou denuncia, e as leis do
paiai do delinquente cstal)elecerri punico
em caso semelhante contra estrangeiro.
Primeirameule deve alten.ler-se serie
de -u -stoes a que este artigo deve dar
lugar. Os nossos juizes nem sempro co-
nhecero bem a Jegisbieo de antros paizes
pana sempro proceder acertadamente.
Mas presentemente nao esta doutrina
aceita seno por poacas nacoes, e nao as
'.ais poderosas; e, pois, a do art. r>, quan-
do seja applicada cora toda a exaclido, s
pode comprehendec- casos raros, para os
dos crimes, quando ventara ao ten itoriol^es nao convem legislar, contrariando os
hrasilAiu, mi nontaneamente. ou or ex- principios geraes, urna vez que a punico
neste caso nao se funda
brasileiro ou espontneamente, ou por ex
tradico obtida para esse lira.
Vou tratar da parte ainda nao analysada,
a que se refere ao processo e julgamento
fle estrangeiro por crime commettido fra
do imperio.
Como os crimes especificados no art. i
entendera com a seguranca e o crdito do
estado, tem-se admittido a doutrina deste
artigo.
O relator da lei franceza de 1866; o Sr.
Nogent St. Laurent, disse : Nao punimos
o estrangeiro pelos crimes ordimrios com-
mettidos fra da Franca ; s punimos por
excepeo o estraogeira que em paiz ostran*
geiro ltenla contra o crdito e a paz pu-
blica da Franra.
Sobre o mesmo ponto diz Fo3lix:
As legislagoes positivas nao admitiera
em regra geral a punico do estrangeiro
por crimes particaaos em outro paiz seno
quando commettidos contra o estado, ou
o das maior gravidade.
Nao esta, pois, no caso de ser cond^m-
nada a desposico do art. 2o, que se refere
a crimes contra o estado, e crines graves,
tass como os apontadas no art. 1.
Peco a attencSo da cmara para os prin-
cipios com qae se justifica o art. 2. E'
necessarios t-Ios presentes no xame do
art. 5..
O irt. 3o dispe :
Serio tambem processados ejulgados
quando ao imperio vierem aspontaaaamen-
te os brasileiros que em paiz estrangeiro
perpetrare contra brasileiro ou estran-
{6OS oscrimes-de ialsidade, perjurio, estel-
- alo, ou qualquer crime inafiancavel urna
nem na soberana
territorial po que o crime nao foi prati-
cado no imperio, nem na soberana pes-
sual, porque o dolrirjof'nte nao brasil
leiro.
Disse que as nacoes mais poderosas nao-
aceitam nesta parte a doutrina do artigo,
Com effeito ella fra consagrada no pnaje
votado na cmara franceza em t8S2, e re*
mettido ao senado; mas, considerada atlen-
tatoria da soberana dos ontros estados,
suscitou taes reclamacies no parlamento
inglez, na sesso de 14 de junho daqu
anno, e foram ellas to procedentes, quo
lord Malmesbury pode declarar na se
de 25 do dito mez que i seria
retirado, como foi; e a twki lei franceza
de 18*66, nao contera tal dlsposi
Ora, se a Inglaterra entendeu dever re-
c'-amar contra semelhante deatrina votada
em urna lei franceza, nlo reclaraama se
fosse da mesma frraa aceita em nosso
paiz?
O StfffANiatADR FictTm-V : Nao pode
reciamar, porque afli nao ba lei destas.
O Sr. Taqcrs :A naco que nao tiver
legislace igual nao pode reclamar.
(lia outros-apartes).
O Sr. Correa :Estou mostrando que
o principio nao se pode applicar seno aos
subditos de poucas nacoes e sem motivo
sufficiente. Enlo para que estabelec-k)
no artigo ? A raies invocadas em sus-
tentacSo do artigo V uio tm aqui cabi-
mento. ,
O Sr. Asmaos- Fgowa da um aparte.
fCtmtittvar-se-hn
TIT. 90 DIAR-tA4lA3 CKZES i
/:
.
i
ii
ILEBHR


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9V5IF35L_9THBPK INGEST_TIME 2013-09-13T22:39:15Z PACKAGE AA00011611_11928
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES