Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11920


This item is only available as the following downloads:


Full Text


*




ANNO XLV. NUMERO 188.
C
PAtA A Cmn E IICAiqs OTBE
Jur tres meies itBaotado-
n wis dHos idem.
w-om anno dem. I *
Ci numero avolso 1 '
W se paca rom.
000
|#3
ojim
UINTa FEIRA 19 DE AGOSTO DE 1869.
PA1A BEITRO I P01A BA raOWMLL
Por tres mezes adiantados.......;
Por axis ditos idem...... ........
Per BOMdho idem......'.'.'........
Por ota anno. ..........
W*0
3MQ0
sojmo
271000
Filhos.
:-----------------

' "---------

-....
___
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Goncalvesd- Pinto,
AO ACENTO*

1 "
^.^n.^^
m?AMM Atawdr de Lima, i,a hnty; Amonio Jos. GaiTu H, dTpoota BeimiSS S,. L"? i* Ti' f =* *w Sil, ik> NmI Joa Jcbo.
PARTE OmCIAL.
Cwre> a provincia.
DESPACHOS m VICE-PRESIBENOIA DO DA 1G
DE AGOSTO M MI
Antonio Franciso. Paos de Mili Brrelo.
Aguarde o pagameat > na Air id do gatete do
in*pector da toesouram provincial.
apila. Antonio Jas do Andrade J fot pr-
vido o lagar que raqner. .'
Antonio Keru,Hi los U Albaqwrqne Cauta a. ^*V*f
Indeferido a rista das a/oroagSs le?a(>0 .do
, 1,^"j)!''" M,,Yr'1 Araujo. -Seja posto oro li- benussira Antonio Pedro da Cuaba,
Por oflicio de i l deste mesmo mez, cora-
iraumceu-me o delegado do termo de Boni-
llo, que o subdelegado daqaella villa Ihe
participara do dia anterior, que pelo erime
de furto de cavallos prendera durante o mez
de junho ultimo, a 37 individuos, entran-
do m>sse numero o de nome Joao Flix
dos Santos, que j eslava processado por
aaVlajsajqeUidu a t*0ju*cio do safcda-
Io dialrcto do dito teme: e
Anto-
Citharin. Lwpoldina de Castre Araujo Barros.
I*. P. aa forma reqoarlda.
festona Pereira do Si Lifio. Indeferida
i-ia da inloriaaeo.
Emilia Joaquina de Mediros Souza Caldas
?vendo a suppUeaatn para a eadrira da
C-mcda-so a (cenoa requerida coni ordenado so
mente.
Francisco Correia da SilvaIndeferido.
llypolito iJassiaiw de Ciqueira Lopes.Seja pos-
'''jX'awSfc a. n veira; a J'M Ignacio e Antonio "de tal
iulu Pfaaslwa da Silva OrpHaa.-Aguarde o torera furtado um cavalio do coreado/
Pigamant) aa torna do parecer do Sr. inspector nmudi r\ Mva* a arcado do
da thesourari, provincial de 10 do crreme aDer)bo ^ceiro, os quaes j se acbam
Juio Po da rWeea.Caucada se na forma da I Prooessados.
mtssa, depois da qual dar liberda* a aigmnas
Cnlvatlf' ua !"'Uni ** Sat0 AoaaiQ.
A libertogo das criangas, nos yar, una
acto de caridade tao relevant jue supre supera
quanta festa-a Sr. Dr. Bernardo pudesse razar para
solemoimr o Saoto Paroeiro i)o sea estabeeci-
ineaio; e, pas porfc* acio lein o niaamo Sr. Dr.
incontestavel ju- ao reconlieciiyealo publico, por
assiin coaeorrer para a rxiinci) dese cancro so-
Ma tein o aiecrando aoma*J'eseravidio.
TEKMO DE BOflim- Na parte da poiieia ;
pataleada no lugar corapeteate, eiicontrarao as
ierres ralaoao minuciosa de fados ecaorridos
ues.se texaip. qj) fflez de jultw uUinio, sdbr& entre els a aotura de 37 ladroes de cavallos.
oqne lorna-a digna deencotrtws.
PEWtMENTO GHATO.-Jos Paula, era ems
do engenho SmtAnna, da reguea de Jaboatao,
(Jcu ama faeada m Jos Ignacio de Meilo. 8
horas da noute de li di? correntc. Gonaiando o
tarto .ao subdelegado .do P,ere-, c que aenhuma
das autoridades policfaes aquella fregneitia linha
providenciado, fez alte' proceder ao competente
exame medico, do (j_oal se vorifiouu spr o ten-
ientemente processado por tur routiado um ,nent0 gravi>-
b;ilut, contendo roupa e 3*20 em di-1, gablvetepohtCezDELEITUIU.-Quin-
nhetro, da casa de M.inoel JIJltquim de Ii- ^mkL ^,le,Te 1ug.ar no*>'S> 80ci'|3
veira *** '____ *
torera
iiio Joaquim Goncalves de Mello, Marcos
Lvanaolisu da Paz e mais tre$ oompanhei-
ros, em cujo poder Corara apprenhendidos,
^endu passado taes individuos a-disposico
ulo Dr. juiz municipal para Ibes instaurar o'
*mS^mn^ttES& IcomP^^ suraraario. S
to& fteno Ttobarto Tauros do Espirito Sauto.-!ra J^s Roque da Paz, que acha-se compe-
ler ^a^Hffi'S; ^^^^ *V? *>*>*> 14.6 Pas-
^Mi tw deaveajlro d-t laesao ji
grCUJa|am o habito da iuqwrial ordem da Raa
pelos scrWcos prestados nos mencioaados comba-
tes. Fot prnmnvrdo a capitn de rommissao a 18
ae mareo de 1867, como foi publicado wn-orem
U ww caminando em chere da mesma data.aob
un ob. Assistio ao combate de 31 dejulhodo
taamo um4m Tuyucu, e aos reconhecimentos
ue i de Rvefeiro c de mnrro.no'Pssn-Pocii p
ao combate da 16 de julho em Hamavl ; seni'lo
elogiado, pelo seu eotnportainento. na liarle da>Li
por este corno. Assiao i entrada de Humavt
no da 2o. Marchou para o Chaco no dia 16 ; as-
ststmdo ao reconhecimento dese dia, e no dia 27,
e ao cmbale de 28, tuda de jullio, do reducto iui-
migodallha. Embarcou para o acamnanento
argentino no 1" de agosto, s ordens do Exn. gc-
nerai ivas ; ;issislmJo ao combate desse da, s
, ufs n'"t', Vel ,ofla '"arda (le Pare-cu
ate Palmas, de 19 de agosto a 9o de setembro. As.
sageiros. 0 wagon-restauraote contm
mesa 48 pessoas. A' coznka que, como
nao poda deixar de ser, muito pequena,
oceupa o centro do wagn, e ca invisivel
aos passageiros, que se acbam commoda-
menle sentados.
Est-se servado neste momento o ian-
tar. Cmquanto eorremos quarenla milbas,
atravez de solidoes alpestres, por urna
estrada isenta de poeira, onde se respira o
ar puro das moutanhas, 4S pessoas estao
collocadas a ama mesa, servida, servida e
posta|com o luxo que s se poder encon-
trar nos botis de primeira classe. Como
o Internacional o primeiro wagon-res-J
taurante que transpoz a crista da Serra No-1
-.., uc i9 ue huosio a j.j ae setembro. As- ,-,^~ ,r -----.------
sistio ao reconhecimento viva forca as fortiUca-! dos ^ convivas quizeram fazer um
por
o Sr.
ach
a
tei. _
Joo de Barro* Kepomoceno. Informe
Hi>ieetor da theiwuraria de fazenda.
los Marti.nar.o de Souza.Provc que se
doente.
Luiza EolOTia Baptista. P. P. removendo
inplicante para a cadeira do Caminho N'ovo.
Mana Rita Gifkdida do Reg.Indeferido vis-
i' das Infonnar/ies. *
Pijdro Civalcant* do Reg Albuquerquo.Volle
a Sr. Insnv.'i da lliesouria provincial.
Thomat d figuoiredn.Inorme o Sr. inspec-
t"i do arsenal do inannha.
Que no mesmo mez proceder a corpo
de delicio na pessoa de Felippe de Abreu
V lioso do Nascimento, por ter soffrido cf-
Tensas physicas eitas por Jo3o Jos da Pai-
xao, que est sendo processado por quei-
xa do respectivo promotor publico.
Que no dia 8 do crreme, no lugar Cur-
raos, om c msequescia de urna questio,
Joa nentofoi ferido com urna facada por
Antonio Bernardo pie eslava sendo proces-
Thamaz d'Aqtino Rosa.luform; o Sr. inspec- 7 ')el crino'; de fenmento grave; assim
tor da thesourari. de fazenda.
como que.no referido dia prendeu a Joa-
.quim de tal, por ci me de furto.
Deus guante a V. ExcUlm. e Exm Sr Dr.
Manoel do Nascimento Machado Porlella, vice-
presidente da provincia. O chefe de polica,
hraucise ti Atsi 01 reir Mariel
^asa
PERNAMBCO.
Rcpartico la polica.
-2o secta..- -Secretaria da polica de Pe-
ii.unbiico, 18 de agoalo de WJG9.
N. I21i. Ilm. eKxm. Sr.Levo ao
c inbecimeolo de V. Exc. que, segundo
consta parbcJtt, suram recolhidos a casa de de-
icncao os segninlcs indivjdnos :
A ordem db subdelegado de S. Jos, EEVISTA DIARIA.
Antonio Jos dos Santos, como indiciado; instituto arhheologico. iioie nnme-se
no Winw previsto D0 att. .301 no cdigo em sesso ordinaria os rnminal. c los Francisco por desordem. NOVO BANCO DE pekxambco.-Essc banco
A' ordsm do da Boa-Vista, Antonio Au- 0I" quidaco paga o son tanto dividendo, na ra-
imslo da Costa (iaimaraes, por embriaguez, *otleA.e i, por cerno aufe.specuv.0 eaiiai.
Joaqum, africano livre, por crime de furto LASTRO.O thesouro provincial da Paralnba
'Joaqoira, escaso do Dr. Germano Gon- !1I,p,ra a ii0M.Pr tonelada toda a podra Me
. i,,.1 i o-i ,";"",ll,' u"" granito, que servir de astro ais navios que alli
calves la Mlv;i. i reqoermentodOSte. forem arregar '
Partcipou^lO o subdelegado do Peres, \ COSCHSf>-Tendo comeeado na segunda fe-
i.Mii OfBMO datado de liontem que, tondo ra termmou liootem o concurso, que na thosnu- fe di oflicio do capitao Florencio Ro.irigiios'de Mi-
SCiencia 4e q IC as 8 bOWS da noute do dia ran'1 Provincial f>' aberlo para provimenlo de randa F. anco, tolitnrosa.iuo digna do aprec do
para tratar-se da ameaco da coinmis-
sao de decoracao ^lo edificio e recepcio na Testa
anaiversaria, sendo para esse tim nomeada urna
commissao, composta dos Srs. : Jos Moroira Lo-
pes, presidente ; Antonio Alves de Carvaltao Ve-
ras, secretario; e Manoel Jos da Costa Pereira:
thesoureiro.
TRILHOS URBANOS DE APIPUCOS. Atten-
deudo a justas reclamacoes, o Sr. gerente acaba
de augmentar o numero dos trens ordinarios com
mais um, que partir diariamente, de Apipucos
para o Recite, s 10 horas da noitc.
TRILHOS URBANOS DE OLINDA.-Na sesso
da assemblea eral dos accionistas desia emprezn,
que lave lugar aiite-houtam, em virlade. da re acao feta por alguns dos accionistas, fwi iroinea.h
Urna commissao, composta dos Srs. Salvador Heh-
nque de Albuquerque. Jos Rodrigaes de Sonzn a
Dr. Luiz Lopes Caitello-Branco e Silva, para exa-
minar o estado dos trabalbos da emjireza, e dar
parecer sobre os actos da director, em-re-lacio
as aecusacoes que Ihe foram feitas. ,'
CIDADE DE OLINDA.-Tnformam-nis que nao
marcham-regularmente duas aulas de nstrurcao
primaria publica dessa cidade, urna das ques
conta apenas oito alumnos de.f/equencia, por causa
do modo de proceder do respectivo profeawr.
(chamando para isso aatlencao do Sr. Dr. director
geral, lembrainos-lhe qu por si mesmo v exami-
nar semelhantes abuso,, e faca para sempre e-
sar o escndalo que se da.
ESTRADA DE OLINDA.O ealado lastimoso
desta estrada, enU-e as pontes da Tacaruna e dos
Arrouiliados, reclama promplas providencias, allin
de que nao seja interrompido o transito de veh-
culos. O Sr. diroclor das obras publicas deve da
por ella um p.sseio, para bem apreciar os atolei-
i'os que exi.stm, e propr presidencia o mel do
remediar esss males.
INSTITUTO HISTRICO E
Haver boje sesso ordinaria
10 horas da manhaa.
FE' DE OFFICIO.-Em seguida
PHILOSOPIHCO.-
desta sociedade, s
publicamos a
engenho
I* do em Ierras do
SanfAnua da fregueria de Jaboatao, Jos
Paula dera w w facad em Jos Ignacio de
Vi >llo, ipi Reo! gravemente ferido, diri-
t-se intir.h rio dia segninte aquello lu-
ir, acompanhado de seu escrivao, por sor
informado -h que os respectivos delegado
e sttbdeleg.ido nSo tinJiam nimia compare-
cid: (provarfllraente por nao terem irdo
li cimento do fado criminoso) e proce-
der logo ao competente acto de delicio,
romo coiivinha, declarando o facultativo,
Dr. CiraeiroMontciro, que o paciente nao
s adiara en peiigo de vida.
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
poa
Paulo Fval
da
parte
nm PATU
I
A Aguia de Heau\ a. 9.
(Contin-iaco do n. 187)
Fcilmente terao lido inlcressantes histo-]
rii e une figuran* d'essas pbrases que
sao ver Jad .uros talismans. Grandes revo-
tucoes se tem feito com o auxilio de corlas
(Kilavnio cabalsticas, que serviam de senlws
or meo das quaes conjurados desconbeci-
'iosse bgovam nns aosoutros. Sao moios
ooioielos, mas os conspiradores da nossa
era n > lem cansado a maginaco a idear
svatemas no vos. No eculo do telegrapbj
eactric, lego que so quer" fazer cousa s-
cela, recorre-se impertmbavelmente-ao
ango senario dos inystcrios dlsis. que
i|iozar dos progressos Jo espirito bumano,
sa emon*ervido oemo o molhor program
ma das noclurnas confrarias.
Fra ama palavra, ou antes qualro pala-
vtaa, o que fizera empalidecer e corar o
Sr. Similor ; o dia ha de romper aviaa/ia.
Entro hs, em tod^s os tempos se conspira
mais ou manos em 1842 conspira va-se
muitu, c o mez de maio pretrito chegra
mesmo a ver trncfceiras levantadas por essas
aas. Estas qualro paiavras. releva qu;
nao o dissimulemos, linbam a requerida
piysio'nomia' e parecam-se bstanle com
e*sas formulas, na apparencia insgaficanies,
rus leniveis no fundo, que em b-ras fu-
nestas soaui mais alto que o rebate de um
amo.
Nio tiabam, uem o Sr. Similor com os
seas farrapos, uem o capito Patu com a
sua farda, ar de homens polticos ; m
parn'ia n rps.no o estyl:
urna vaga de 3." escripturario da respectiva con-
tadorii.
Coneorreram os Srs. J. 'Cosario de Mello, 11
Cavalcanti do Reg Allm pierque, Jos Laonillo da
Costa Alcanfor, Henrique da Costa Torre e leo
(ualbcrto Henrique Pereira.
Coinpozeram a commissao di examo os Si>. :
padre Joao Francisco de Azcvetlo, em arithmetica,
Fehz Paes da Silva Pereira, em grammatica na-
cional, Manoel Fonceca de Medeiros. era cscri|itu-
ragan mercantil, c Dr. Antonio Vriiruvio Pinto
Bandeira o Accioli de Vasconcellos, i-'ii francez
COLLEGIO DES. BE'N.VRDD. O director
d'esse eslabelecimento de instrueco da moeidade,
o Sr. Dr. Bernardo Pereira do Carmo, tendo de
governo impenal, cuja atlenco chamamos "para
AfBcaJ chafo de importantes servicos e So
parcamente remunerado :
Alexandre de Barros o Albuqnerque, tenenie-
nel commandanto do 53 corpo de voluntarios
da patria, etc. etc.Certifico que revendo o regs-
tro doste corpo, nelle om-ontrei os npontamentos
ilo llu'or segninte : Capitn Florencio Rodrigues
do Miranda Franco, por portara da presidencia da
provincia de Pernamboo, de 21 de ootabro de
18iij, foi jumeado lente para este corpo, e achv
ii campanha desde 28 de dezembro do me
anno. Baixou ao hospital na cidade de Gen*.Siles
a 23 de Janeiro, e tove afta a -23 de marco ; lican-
. do em servir o no ba'alho provisorio na mesma
solemnizar o padroeiro do raesmr eslabelecimento i cidade ; recolhendo-sc a este corpo a 2 de iuBho.
nodia Odo corrente, (amanha) manda celebrar Tomn parle nos combales de 16 e
s 9 horas da mnha do referido dia 20 urna
18 de julho. tu
do do anno do 1866, sendo elogiado pelo seuoom-
provava cousa alguma : seis annos mais
tarde, devia o botequim fornecer a tribuna,
onde Iroon a voz de Mirabeau, a elegante
familiaridade das-eas metaphoras.
.Tambem pertence tal foi o primeiro
pensamento dosugnito de chapeo pardo, que
nccrescetou de si para si:
Ora que n2o se pode dar um passo
em Pars sera encontrar com alguem quo
llio pertenca 1
Tal qual o vem, ara o Sr. Similor, an-
ligo mesire de danca da barrera de Italia.
Nunca escolhera oseeus discipulos r.em nos
principes nem nos banqueirns : aclientelia
delle perteneia aos regimentos e ofltcinas:
iquecera. Dota lo de alma ambiciosa.
imita Similor tost de lado a sua arte, para
tentar n^ Fra at boje mpossivel
saber ao certo o que Similor entenda por
negocios ; eerto, porm, que encarava a
vida em grande e visava um crdito illi-
mitado na casa de pasto do Grao Venr-'tlor,
com um quarto d trezentos francos algores,
e dinheiro pira se ostentar* na galera prin-
cipal do theatro Montparnase. Podem t5o
laucas aspiracOes levar longo, e
pondmos por Similor.
Descenda elle lalvez de alguma fatn9*
Ikabistorica pelas mulkeres ; ornis abso-
luto mysterio Ibe envolva o nascimento. O
nome delieaasemelbava-se um appeUido ;
alMneola,va em segredo a esperanza de tor-
na-lo celeore. De que mudo? s njeino-
riaa do lempo sao mudas este respeto.
Apenas se pode dzer qae penencia pelos
seus lalentos essa escola realista, fao al
ta nente collocada na arte, mas que fra da
arle, vai vendendo bonradamente as suaj
sennas, e atuixa oomplocente, por faculta-
tivo e modesto salario, o estribo das carrua
gens. Vadio nao era elle, porque ora des-
tribuia prospectos de casas de pasto s es-
quinas das ras, ora arrancava pela alta
noute os cartazos dos theatros. Savia
t nbem quem o tives&e ,vi*to s vezes ra ir-
caudo lugares na chusma que se aglomerava
porta dos tbeatriis, ou espreita dos io^J
giezes bo pateo las 4Hf enees -f ara Ibes
ensnar o' caminho' de lqgares mais que mui-
suspeitosos. 'fl&fa-*e, ptrm, retiran-
e ppuco desta -"existencia la-
,eravn a envolve-lo o ravs-
terio. Traballiava anda ; mis em que
(Jotro segredo.
Segredo profundo, mesmo para Echalot !
Tal era o nome do amigo fiel c dedicado
que presentemente o asylava, porque Si-
milor vender a cama para figurar. Os
seos costumes nao eram puros; prodiga-
lisava loucamente o.< recursos de que dis-
puaha. ^
Echalol, o seu Pylades, natureza mn\<
slida, ostentava ao menos urna posrc5o
social; linha urna agencia geral no seu
sexto andar do largo de S. Martinho, e fa-
zia, mas debalde, quanto podia para ser
honrado.
Uavia alguns dias que Echalot nutria sns-
peilas contra Si.nilr. Este fazia prolon-
gadaa ausencias o deixava Saladin entregae
i )s cuidados d) seu amigo. Ulteriormente
saberemos o que era Saladim. Quando
uitetrogavara Similor, as suas respostas,
babTmente evasivas, dexavam percelaer
c5es de Angosturas no 1" de oulu'bro. Marchou
para o (.haco a 15 ; do Chaco poa Lomas Valen-
tinas a 2i ; assistiudo ao n-conhecimenlo de 2o, ao
combate de 27 e capilulacao de Angusturas; e
Uco mi!:'*hou P*ra Vdl.-ta, tudo de dezemhro de
i0. Marchou para Santo Antonio a 3, para S.
Loureneo a \ e para Asumpcao a 5, tudo de Ja-
neiro. Tomou parte no elogio feito por S. M. o
Imperador s forras brasileiras. em aviso do mi-
nistro da guerra, de 8 de Janeiro, publicado em
ordem do dia do commando em chefe, sob o n.
/* t, mesmo me7- Marchou para Luque
a 10 ; de Loque para Assumpcao a 30, tudo de
marco. Expediccionou para o alto Paraguay a 7,
acampando no Rosario a !>, tudo de abril. En'ibar-
cou para S. Pedro a 22, deseinbarcoa a 2i. Mar-
chou para .Sargento Lomas, onde chegou a 29.
Marchou para junto do Passo Tupipitan, assistindo
ao combate de 30 de maio sando elogiado nelo
seu i'omuorlamento no referido cmbale. Embar-
cou para Assiunpciio, onde chegou a 13 de junho.
tudo do conviiteanno. fiada mais consta, etc.
etc.
OCTAVE FEUILLET. Este romancista
foi para o 6cu retiro de Palier, perlo de
Saird-L. contando all terminar qm impor-
tante romance que ha muito comecot, bem
como entregarse compnsiro de um li-
bretto de opera cmica.
E" curioso ver o autor de Dalila e de
Julia entrar tambem n'uma especinlidaiie
Ilustrada porScrbe.
ENCONTBO ADMlRWKL. f.-se em'
om jornal belga-' que o capitn de um na-
vio americano qae nnvegava de Nova-York
para Matjchester, encontrara, a 180 milhas
aofllargo", urna embarcacao vella; que Ihe
pareoeu estar sem equirjagem. Depois de
a haver abordado, encontrou sobre a (oda
o corpo a um homem de uns trinta amos
ileidade; a saa cabeca descansava sobre
um cofre, que contnha o valor de 800:000
francos. Nenbum pape!, ofl qualquer ou-
tro signal, fez reconhecer a identiuade do
i-adaver.
OS WAGKS AMERICANOS.O pro-
gresso caminha a passos gigantescos, nns
estados da grande repblica. O novo
mundo marcha na vanguarda da civilisa-
oio.
Eis o que se le no rb fe S. Fran-
cisco, de l*i de junlio :
0 esplendido wdgon-restaurante, que
tem por nome o IiU'-ri/avional, passa, ne momento, pelas alturas doSttmmit. a oito
mil fluientes e emepepta e oito ps cima
do nivel do mar ; seguido por dous wa-
gons-palacios, servin-lo de qoartos para
dormir, e fazendo parte do trem vindo de
New-York, e indo para Sacramento. Pode
toast companha do Pacific-Rail-ruad que
offerece aos'viajantes o bem estar e con-
forto quo nao se encontram em outro ca-
minho de ferr da America ou da Eu-
ropa.
t Cumpre aqu notar que o caminho de
ferro do Pacifico urna das emprezas mais
audazes que Ilustrara o genio empreheude-
dor do homem.
A' mesma folha, escrevem depois as se-
guintes particularidades a respeito dos wa-
gons palacios :
Antes de hontem chegou a Sacramento
o esplendido wagon-modelo (palace-caiy. i
Pode accommoddf ,8 pessoas, e conlm !,-.,um!:.m ^ secretano do tribunal docommercio
tres saletas dp lorpnco nm? trps no I ^ e' datado dl>.2 do crreme, enviando a re-
tSn Md. m. IOCeWao1 Pdra lres PCS" i Wo dos commerciantes malriculades no mez de
; o resto do wagqn pode a julho. Accuse-se e archive-se.
Onicio do presidente e secretan da junta dos
correctores, firmado de do corrente, apresen-
lando o boletim cominercial da semana prxima
linda.Ao archivo
queq2 retere. ^^ mgeBC* Bfonn*d* s^e
amimT^rJ?r?8<,en,e do tribunal apresenton
IZ u. mnl^'! nvi*". a qual a q^se
a ,' Ja '?"? t Bm Sr-As si! was e eia
" na, a \ta* entre8uer do Ocio de V. Exc. com
- data de boje em que Y. Exc. exige com urgen-
ca que en informe sobre o que refere o eensul
de Franca nesta cidade, no offldo que devolvo.
Em respo,u lenno ter que na segimdaHei-
ra do crreme o agente de leudes Francisco
Ignacio Pinto requeren o tribunal do conimer-
wo licenca para ir fazer na provincia do Wo-
Grande do Norte o teilo que alinde o IndVa-
do cnsul.
,: .,)ePiIs de Prolongada discussao no tribunal
loi adiado o despacho do reqaeriment para a
sesso de hontem, naqunl tei elte indeterido por
que o agente, de que se faz rnencao, deve exer-
cer as Tunccdes de seu olHcie to somente nes-
ta praca, para a qual tei nomeado; sendo que
" ^j*"0 d0 mini8,en' d' jastica, do anno de
185b, declara que dos lugares onde nao ha agen-
tes de leiloes a estes procedam os porteiros dos
auditorios.
A esta hora e estando feixada a secretaria do
tribunal nao posso dar nlbrmacao mais cir-
tamstanclada, occorrendome dizer que o con-
su! nao devia ter mandado fazer os annuneio\
de que falla antes de saber se poderia o agente
Pinto ir fazer na provincia do Rio-Grande do
Norie a venda dos objectos que designa em sen
oflicio. Entretanto V. Exc. quem recorre o
mesmo cnsul, esta mais do que ninguem habi-
litado para apreciar o que elte expendo e co-
nhecer a solucao, que convem dar a sua rccla-
macao.Aproveito a opporlanidade para relte-
rar a expressao de minha consideraeo c esli-
ma. Deus guarde a V. Exc. etc.
Officio do secretario do tribunal
vontade ser transformado n'uma s sala
com poltronas o mesas para uso dos via-
jantes durante o dia, ou entao dividir-sc
em secces inteiramente separadas. i Aos Sw. deputadas foram distribuidos os hvros
A' noite abrem-se as poltronas e ficam ty c. copiador de Oito Bphres, diario de D. P.
transfurmailas em camas, as quaes se col-
locam colxoes, lences, cobertores, colchas,
travesseiros, etc., que durante o dia estao
lechados dentro dos ornatos do tocto que
sao de madira, artsticamente trabajados.
0 wagou est tambem prvido com o com-
petente gabinete para totiett, e com outros
accessonns luxuosamente preparados para
todas as commodidades dos viajantes de
arabos os sexos. Aos lados, e de espaco
em espaco, cslSo collocados candieiros de
oleo de carvao que servem durante a noite,
tendo em frente de cada caudieiro um es- \
pelho de reflexo para multiplicar a luz.
Todo o interior do vagon-palaco est co-
berto com ricas tapetaras, apresentando o
mais sumptuoso aspecto.
LOTERA.A que se acha a venda a li-7*
a beneficio da Ordem 'JTerceira do Carino para
fundado do liospitat, que corre no dia 26.
Wild e copiador de Pinto da Silva A Cardse.
Aehou-se regularmente feta a cscrinturacao do
hvro na correspondencia oflirial.
despachos.
Francisco Ferreira de Moraes, replicando do
despacho proferido em stssao d 9 uo reauen-
mento de Alves & C., dizendo que a folha 40 do
livro terceiro ilo respi-ctivo registro deve constar a
mscriprn. sob n. 208S de urna prucurac3o dos
suplicados dando-lhe todos os poderes.Informe
a secretaria.
Antonio Ignacio Hedor e Antonio Joaquim Mo-
reir de Sampayo, pedindo que se Ihes registre o
contrato que jumara.Vista aoSr. de-embargador
Dscal.
Thomaz Jos de Sena, sendo assignada a sua pe-
ligao pelo advogado Alfonso de Albuquerque Mello
que junta procuraco que para tal o aulorisra.
Ficrm adiado.
ADIADOS DA SKSSAO TASSADA.
Viviano da Silva Caldas, opposico ao registro
do contrato apresentado por Thomaz Jos de Se-
na.Diga o supplicado Tiiomaz Jos de Sena so-
lo o que requer o supplicante, (cando assim
cumprido o parecer do Sr. desembargador lis-
Jpao lo- Leite Guimares, pedindo rehabih-
tacao commercial. Contina o adiamento at
que compareca o Sr. depuUido suppleate S Loi-
f HRONICA JVDMIAItM,
IUIIM \\i. DO C OIJIlaU 1<
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 10 DE i'"' '
AGO>TO DE 1860. Francisco Ignacio Pinto replicando ao despacho
prbsidencia do km. su. PESBOTABOADOR A>SELMu de LI do crrenle que denegou-lhe a licenca que
imperara para ir ao Rio-Ci unie do Norte* effec-
tuar um leilo.-=Nao tem lugar, porque a vista do
aviso n. 83 de li de teveiviro ib- I8'il-. onde nao
ha agentes de eiloes, estos de.veai proceder os
secretarios do juio; e se os leiloes dos salvados
deven) ^ev teitos por empregados da alfanduga, no
Rio-Grande do Norte existe alfaivlega cujo portei-
ra ou continuo poder proceder no loico deque
>e lala. As-ignaram-se vencidos os Srs. Rosa e
Miranda Leal.
que immensos mteresses dependala da^pa
disurico. r"'
Pertenco c- certa coosa t-deta com
o res- eraphase, que redobrava a febricitante curio-
sidade de Echalot.
E quando o apertavam oawito, accresceu-
tava mysteriosamente :
Jurei deixar antes que me cortem a
lingua 1
No meio de um grupo de passageiros.
commerciautes de reiaJUo em Mea.ux o la-
vradores das aldeias iaaadas pelo caminho.
um personagem muito bem vestido manti-
nha o fio da conversarlo, cujo thema era
justamente o castello de Boisrenaud, im-
prvidamente citado. Baixo, mas dotado
de semblante magestoso anda embebe-ado
por oculos de ouro, este personagem fal-
lava com a riqueza deestylo que se adquire
nos tribunaes, assumia pobres attkudes e
movia-se em sapatos rangedores, que
cida passo gemiam como ons caeibin'.os d.-
capellistas.
Vou justamenle jantar ao caetello,
dizia. O baro e eu somos amigos velnos,
eas.noutes dos domingos dou-lh'as todas.
Nem sempre nadeu era ouro, aquelle rapaz.
D zem que pescou os pt-smairos cem
mu francos am aguas tur vas interrompeu
um nativo de Vaajotirs, um tempo ciu-
aze-
metito dos.milhes do baro e da facundia
do passageiro bem vestido.
Diz se tal e tal, replicn
Tal e tal, que ? pergiiutou com
mime o nativo.
- Tal tal, senhor, digo bem. Ha
nisto um laclo curioso e que admira o vul-
(f* A' hata no, que Uve a hooi de p r-
tencer assemblas deliberalivas. Com
mil francos, percebe ? com mil pcelas de
vate soldbs, ganhou o Sr. Srhwartz, em
Pars, e cm quinze mezes quatrocentos mil
francos.
E absurdo disse francamente o n
digena. m
Ouatra onvir... Se conbecc a arte
de agrupar parcellas...
Conbcce o commercio licito.
Queira oovir. fulla com um antrgo
deputado.'.. Cheiao-tue Conteotin de La
Lourdeville. -. e falla fe um capitalista
que possue hoje mais de vinte milhes li-
quid is. .
E slidos ? peiguntou insolentemente
o nati'
Oixoo as torres de Nossa Senhora de
aris. Q|ier que Ihe explique como ?...
0-|fho de qualrocenlos [or um em
quinze mezes ? De corto, quero.
E dat-o como agua. D-se apenas
ao trabalba-de ouvir.
O Sr. Cotentin de La Lourdeville den um
passo e os ipatos sullaram um vagido. A
galenja oeron-o atienta.
Para enriquecer em Paris o mister
tal, tal e tal. Em ISo, letnbro-me da data,
por qu i advoguei entao no pro ;esso de May-
uotte, e teria ganbo a causa, se uiio. fra o
reo, que era parvo chapado ; em 18a,
ebegou oSr. Schwatt/. Pari- com mil
francos na algibeira. Conhecem o* mr-
calos populares ?... Crco bem.que os
conhecem :i*lo purameuteuma forma ora-
lora. 0 Sr. Scliwartz l buha a sua idea.
Alugou um quarto na ra da Ferrara por
oiteuta fraflos por anno, tomem sentido,
lavia nr'igrrido um Schwat-tz, c o nosso
tomou cefaesodos de lices.
Que esgaculaco, seubores, se a coohe-
cessem heai t purera, mister segurar
com ancia q fio e no desviar os olhos da
smente. Ginco francos emprestados na
'segunda feira, seis francos rivcbidos uo!
FRANCISCO PRRETTI.
A's 10 horas da manhaa, reunidos os Sis. dipu-
tados Rosa, Basto Miranda Leal e bario de Cruan-
gy, S. Exc. o Sr. presidente deelarou abena a
sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso de 12.
EXPEDIENTE.
Officio do Exm. Sr. rice-presidente da piovin-
vincia de 13 do corrente, acompanhado de tima
representacao cm original do cnsul francez. afim
domingo. Ah teem o elemento. bello.
Quando o Sr. Scliwartz sahio das mfios do
ata oltimo. Schwarlz velho, abri escriptorio na agua-
funada. Aqui, chamamos o calculo em nasso Similor seguir vidamente
auxilio. Os mil francos, emprestados al tao exactos
prefazer a somma, certo objecto que n5o
and iva perdido...
Emquant o auditorio ra ou se admirava
estes clculos,
quo vantajosos. lluvia muito
ao ultimo sold, produzram, pela laxa le-; (,uc elle pi ocui ava um meo de nadar em
gal dos empreatimos semana, mil e du : oara. la pulidamente acercar-se do Sr.
zentos francos, conta redonda, no primeiro!Contcntin de La Lourdeville, para Ihe per-
domingo ; no segundo domingo, os mil e guntaronde se iam buscar os primeiros mil
duzentos francos produzram-lhe mil qua-1 francos, quando singular equipagem, que ia
trcenlos e qnarenta francos : no terceiro, sallitando pelas margens da valla, attrahio
e orto fran- repentinamente a aUenco dos passageiros.
Era urna especie de cabaz, poslo em duas
eos; no quarto dous mil setenta c tres jran-
cos e cincoenta centesimos. .Admittem'isto?
Admitiera. Contra nmeros nao ha argu-
mentos. Ponhamos de parte, se assim que-
rem, os setenta e tres francos e cincoenta
centesimos para gastos, dividas mal para-
das, etc. O principal ica, que vem a ser :
capital dobrado em viute oito dias. Pois
bem, demos o mez completo, para desar-
mar todas as objecces... Antes quero
conceder tal-e tal de que ser laxado de
exagerarlo. Percebem ? Quatro mil fran-
cos no segundo mez, nao ? Oito mil fran-
cos no terceiro, dezeses mil francos no
quarto, trinta e dous mil francos no quinto,
sess na e quatro mil francos no sexto,
cento e vinte oito mil francos no selimo,
duzentos e cincoenta e seis mil francos no
oitavo, setecentos e doze mil francos no
nono... Observo-Ihes queja ullrapassa-
mos ao nosso limite
0 nativo quiz protestar.
Queira ouvir! clamou Contcntin de
La Lourdeville. No dec mo quinto mez,
segurado esta progresso geomtrica, oble-
mos trintae dousmilhes setecentos sessec-
ta e oito mil bancos, o que resultado
agradavel. Prevejo-lhes as objecces, faro
mais, approvo-as. Ha as quebras... Tal e
tal... Alera de que, ebegando certas
verbas, dificilraente se encootra no circui-
to do mercado, dous ou tres milhes de
vendedeiras que pecara emprestados cinco
francos por semana. Ah que est o
busillis. Assim, passadus quinze mezes, o
Jchwartz, quando casou, nao liaba
s de quatro ceios rail francos,
octogsima segunda parte do que
ter; segurado o principio em todo
E anda assim. nao faltaram oes-
o a,ccusseja de ter acbado, ara |
rodas de carreta, e arrastado por um cao
de gado, grande ej velho.
Era o automedonte deste carro um ho-
mem ile barba selvtica, e cujo trage se
pareca com o dos mocos de frates.
N'um momento, lodos os passageiros
correram varanda a olbar para elle, e re-
petiudq :
o Tres Patas... Oihem o Tres Pa-
tas e o seu carrnho I
Tres Patas, o alejado do Prato de
Estando !
E domingo : vai jantar com o seu
banqueiro.
E domingo: vai ceiar com os seus
amores.
O barao Schwartz...
A copdessa Corona...
Adeus Tres Patas f
Eh! mendigo !
Assim se exprimara s commerciantes de
legumes de Sevran, e a rapaziada fina de
Pantin. S Similor, curapre que em seu
louvor o digamos, tirou o velho chapeo
pardo e sse cortozmentc :
Bous dias, Sr. Malbeus.
O Sr. Matheus ou Tres Patas, como Ihe
quuercm chamar, nem se qu r voltou a
cabera.
Apenas quinde-o barco, Ibe passou adian-
te, nioit pdo tomhadilho urna olbadella
zombeteira. A vista da formosa menina,
que tristemente ia seismando, suavsou-lhe
a expressao das feicoes e falo sorrir.


(Quitinmr-t^a.)





Jos Joaquim Goncalves Bastos, cidadae P]*"
guez. do W anuos de dado, ouiiciHtrifo t esteoe-
locido nosu dado com loj4e aiendas om. ros-
so e a retalh, pcdindo a 3. Esc. o Sr. preside*
do triuwu que o admita a tricula, visto feacr
uso liaWmJ do noinm.r.'i(). Junta em al>iu> ae.
na priaueo nm at testad dos commerciaates
inWmelro da Crui,'Keller t C. e Uei-
Joaquim
ro Nogueira, quo declara ter e suplicante
bastante crdito ncsta, prs$a.Vala afr-fir. cwsem-
bargiulor feral.
Lopes A Oliveira, prdina> fue o Hit*-erli*que
so por parte do garren a k iatlR'iis. om. pro-
curadores de Mure Radia kC. e Idarc aJfii e J.
Koller, de l'aris, fot reg rafe a escriptara d.
oessao de lodo o activo doa iiulicantae favor
daquelies seus unce* credo**, dando atoe plena
e geral <|uilarao aos supiiUeaatea.Cono rque-
FranciscoWbeiroKntoIkimaeSoa, p*odo qu
se faca registrar a nomacau, que junta, de seu
caixeiro Felippe Nery Goncalves FerreirafCosta.
RcRistre-se.
Jos Francisco de Figueiredo, pedmAi uc seja
registrad* a nomeacao, que para esse tioj apr-
senla, de seu caixeiro brasUeifi Antonio do Alle-
mao Cvsaeiro Jnnior.Registre-se.
Custodio Antunes Guimaraes, pedmdo o regis-
tro do documento que junta, (nomeacao de seus
eaixeiros Castao Xavier da Silva e Pedro Aon-
so de HoJUnda Cliacon, amaos brailoiro*.Ke-
glLuiz Clementino Carneiro de Lira, patiado car-
tidao do theor do registro da nomeacae de seu
caixeiro Manoel Dias de Macedo. Cerlillque-se.
Auspicio Antonio de Abreu Guimaraes, pedindo
que sil lite declare por certido se foi oh nao re-
gistrada era dezembro de 1838 a nomeacao de seu
caixeiro Jos Joaquim de Siqueira.D-se.
Joai|iu Pacheco da Silva, pedindo que se Jhe
d por conidio ae a nomeacao de seu caixeiro
brasUeiro Antonio Pacheco da silva, se acba ou
nao reguttada neste tribunal.Cerufiquo-se.
Antonio Agostinbo Seixas da Foncoca, pedindo
matricular o seu caixeiro Jos Anuncio Bruno,
cidadio brasileiro, cuja nomeacao junta.Regis-
tre-ae.
Joao WaKredo de Modeiros, pedindo que se Jhe
certifique so as noineacdes por elle dadas a seus
ea.xeiros Albino Miguel da Costa e Saltutiaao Lo-
pe* do Reg Barros acham se regis radas neste
tribunal.Cerlilique-se.
Jos Guilherme A C, pedindo que se aeam as
competentes notas no registro das nomeacoes de
Francisco Marinho de Barros e Francisco Flix
de Mello, que deixaram de ser caixoiros de sua
casa comraerei.il, Besada assim de nenlium elTeito
esaas noiocacoes.- Como roquerem.
Os husuius, pedindo eerdao de estarem on nao
registradas a* nomeacoes dos seus calxeiros Mi-
gue! Lopes Guimaraes', Joao Ramos e Paulo Pe-
reira Sinioes.D-se.
Adriano Castro A C, pedindo que se I he d por
eerdao se a nomcaeio de seu caixeiro Elias Au-
gusto de Almeida est registrada neste tribunal
Dse.
Jos Guilherme A C, pedindo que se mande re-
gistrar a noiuoaco, que inclue, de seu caixeiro
Rayinuodo do Valle Goncalves Guimaraes. Re-
gistre-se.
Valtrudes & Burburena, pedindo quo seja ins-
ripio o seu caixeiro brasileiro Clarindo Antonio
de Al neida Velarim, cuja nomeacao juntara.Re-
gistre-se.
Saunders Brothers A C, pedindo que sejam re-
gntradaj as du;is procuracoes que ajunlam.Re-
gistren!-se.
Joaquim da Co6ta Pinto, pedindo cerlidiio de
estar ou nSo registrada a nomeacao do seu cai-
xeiro Manoel BaptisU dos Santos Lobo.Certili-
quo-se.
Com iuforinarao fiscal.
Veras & Barbido, contrato de sociedade. Re-
gistre-so.
Joao Bernardo do Reg e Francisco Antonio de
Carvalho, dislrato socialRegistre-se.
Landelli A Cimaragibe, contrato de sociedade.
Satisfacam o parecer fiscal.
Antonio Henrique de Araujo e Vhente Pereira
Tavares, coatrato tambera de sociedade. Regis-
tre-se,
Baro do Livramento, Antonio Luiz dos Santos
e Jos Bernardo GaJvao Alcoforado, directores da
companhia Anonyro.i que se denominou Brasi-
lian Street R ilway Company Limited. Voltem
depois de satisfeito o parecer fiscal.
Nada inais havendo a despachar, o Exm. Sr.
presidento encerrou a sessao s 11 horas e meia
do dia.
cansa o dt apis Srs., abre-se s sessio, e
lida e -approvada a acta da antecedente.
Le- o segu Me
EXPEDIENTE:
CJsa offioio do Exm.- viee-pre9ide*o da
[trovi/cia de 13 de-corrate, rosposdendo
ao Cacamata de 23 de junho ultimo sob n.
41, m iju petk pnovid^ncia* iceici di!
grwrfequatidadft'd-agaa, quo por oca
siiodas chuv.is, se ajuota no
iraca da Bdi-VwU,tem a diierijue de ve a
uwiaa amara proceder de conformidade
um* iuformacio junta por copia, luiais-
trada pela reparticao das obras poblicajt-
lieinda.
.0trudoiesmo,.de 14 do cor/ente coa
Outro do mosmo, inrurraanda sobre o
que pede Antuuie.^sacio Branda j, paracon-
eertar a verga e rebocar o portee do sua
casa, que u para a liavessada (juibo m
roa do Aragu; declara quo aada lea a
oppor. Cnucedtu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o passass
requWlmu(o dt Joaqnim Lopes Macbado. tas
locatario da casa de dous andares silaba i tomar
centro da: travoisa do Corpti Banto ti. 2.', para fazerpara a
mudar idguma icrflfc e caibos podres, tein Ou
a dizer que nada se Ihc ofleieee a oppft\ : po
CondMeu-se.
Oatr do mesmo, informando o reque-
timenlo de Antonio Jos de (lliycira, que
pode pfa ediflkar urna casa terrea com ti
Matta,
estabel
SESSIO JICIARIA EM 16 DE AGOSTO DE
1869.
PRESIDENCIA DO EX.V. SR. DESEMBAUGABOR A. F. PB-
RETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meio dia deelarou-se aberta a sessao estan-
do reunidos o Srs. desembargadores Reis e Sil-
va, Accioli, deputados Rosa, Basto, Miranda Leal
e baro de Cruangy.
Lida, foi approvada a acia da sessao anterior.
O Sr. desembargador Silva Guimaraes, partici-
pnu que nao compareca a presente sessao por in-
commodo grave de pessoa de sua familia.
Foi lido o offlcio de 7 do corrente mez do Exm.
Sr. conselheiro presidente do tribunal do commer-
ci da corte, communicando a remessa do feito en-
tre partes, recrreme o administrador da raassa
fallida de Pedro da Silva Reg, recorrido, Thomaz
Jefferies. E sendo apresentados ditos autos de re-
vista decidida por aquelle tribunal a favor do re-
crreme condemnando-o a admittir o autor re-
corrido como credor chirographario, o Exm. Sr.
presidente mandou que fossem remettidos para o
cartorio competente.
O eserivao Albuquerque registrou o ultimo pro-
testo dedelra a ti do corrente mez sob o n. 1789;
e o escrio Alves de Brito a 10 do dito mez sob o
n. 17*4.
ACC0RDA0S ASSINADOS.
Appellante, Jos Francisco Ribeiro Machado;
appellado, Amaro Jos dos IVazeres: embargante,
Augusto Golho Leite ; embargado, Benjamn
Tuekens : embargante, Francisco do Lago ; em-
bargados, os administradores da massa fallida de
Joaquim Jos Goms de Souza.
JULGAMKNTOS.
Retirando-se da sala das conferencias o Sr. ba
rao de Cruangy, entrou o julgamento da appella-
yao interpona do juizo especial do commercio, en-
tre partes, appaltantes, autores Oliveira Filtras &
C.; appellados, reos Eduardo Burle A C.: juizes
o Srs. Reis e Silva, Accioli, Rosa e Bastosrefor-
moii ?e a sentenija eppellada.
Juizo especial do commercio : appellante, An-
tonio Joaquim Salgado ; appellado, Antonio Gon-
calves Ferreira. O Sr. Rosa declaren que por mo-
tivos supervenientes jnrava suspeicao e sendo sor-
teado o Sr barao de Cruangy, adiou-se o julga-
mento a seu pedido! A vista do que o Exm. Sr.
presidenle profetio o seguate despacho em urna
j.etieSo do appellante, a qnal foi lida na occasio
em que ia ser proposlo o indicado feito :*Proee-
deu-se a sorteio de novo juiz por jurar o Sr. de
pulido Rosa suspeicao por motivos supervenien-
tes e nao pelos motivos a que o suplicante al-
i lude, mas nao declarou.
Appellante, Manoel Thomaz de Albuquerque Ma-
ranhao; appellado, o Dr. Symphronio Cesar Couti-
nho : feito o sorteio legal em subsutaicao aos Srs.
S I.eitio e barao de Nazareth adiou-se o julga-
mento a pedido de nm dos Si a deputados.
DESIGNACAO DO DIA.
Appellante, Antonio" Francisco da Silvetra ; ap-
ellados, J. I'. Graf & C. Primeir- dia.
PASSAGEMS.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Accra-li: appellante, Joa Anlonis Mo-
reira Dias ; appellado, Jos Lopes de Oliveira.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res e Silva : appellante, Jos Rodrigues de
Araujo Porto ; appellados, Izidoro Bastos A C.
Nada mais houve, e oi encerrada a aessao
urna liora da larde.
ERRATA.
N acta da sessao administrativa do tribunal do
eoraraercio de 18 do corrente, onde se l Martins
A trmao, pedindo registro da aumeacao de seas
caixeiros Gustavo da Silva Antunes e Jos Victo-
rino de Paiva Jonior, leia-se, Martins A Irmo,
pedindo o registro da nomeaeao de seus calxeiros
brasileiros Manoel Martins do Rio o Antonio Mar-
tins do Rio, dando-se a omissao de alo ser men-
cionado o despacho que mandou admittir a regis-
tro a nomeacao daquelies caixeiro*, paasada por
Carvalbo A Moura.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 21 DE
JULHO DE 18i.9.
PBESIIMfiNCA DO SB. R. MVZK LEO E CONTI-
NUADA PELO SR. DR. BARROS B.VRRETO
Presentes os Srs. Dr. Moscoso, Dr. Seve,
Souza Maijallies e Gameiro, faltando com
cedendo a autorisac5o que pede a cmara palmos do frente na ra do LameirSo, fre-
ein^eu officio de 8 do corrente, sob *.$?*{ ue|ia do Poco, declara que nada .ten
para despender mais no exercicureDOrrente a
quantia de 1:2005000 pela verba designa-
da uo 4 do art, 2o da lei do orcamento
municipal vigente.Jnteirada, facara as com-
inuuicaroes necessarias.
Outro do mesmo de 10 do corrente, de-
clarando, em vista do que ponderou a c-
mara municipal em seus ollicios do Io de
dezembro ultimo e 2 do presente mez, sob
ns. 77 e 53, e das informaces ministradas
pelas .repartieres das Obras publicas ethe-
sourana provincial em 17 do citado inez
dedjzembro e 7 de Janeiro do corrente
anno, que concede a autorisaejo que pede
a mesma cmara para alterar a planta do
bairro da Bda-Vista, dando a travessa entre
a ra da Ventura e a das Pernambucanas,
no lugar da Capunga, a nova Hrecco que
prope, como meuos despendiosa.Iutei-
rada, communique-se ao engenheiro cur-
deador.
Outro do Dr. chefe de polica de 20 do
corrente, rogando a cmara que expeca suas
ordens para que se mande publicar pela
imprensa quaes os lu.ares desigiados para
despejos, alim de evitar a cohtinacao das
repetidas infra coos que a este respeito se
tem dado, bem como intimar os agentes de
polica para fazerem cumprir, sein abuso,
as ordens que receberem a tal respeito.A'
commisso de polica.
Outro do presidente do Instituto Filial
da Ordem dos Advogados Brasileiros, Dr.
Jos Bernardo Galvo Alcoforado, pedindo
a cmara que se digne dar suas ordens,
para que oportunamente seja aberta e
franqueada ao mesmo Instituto a sala do
jury, onde elle costuma reunir-se.Assim
se resolveu.
Outro do procurador, informando sobre
os requerimenlos que devolve, do ex-pro-
curador Francisco de Paula e Silva, e de
seu ador Jesuino Ferreira da Silva, cum-
pre-llie dizer que dirigiudo-se a ribeira da
freguezia de S. Jos, casa n 3, pergun
toa a pessoa que na mesma habita, quem
era o arrematante ou quem pagava ella o
aluguel da casa, respondendo-lbe que paga-
va a Francisco de Paula e Silva, apresentau-
do-lhe o recibo que eslava pelo mesmo
assignado como procurador, e tendo re-
corrida ao livro de termos para saber quem
era o arrematante dessa casa, reconheceu
ser Libanio Candido Ribeiro, nao s desta
como de outras, e bem assim de talhos de
acougue, com (anca de Bento dos Santos
Ramos; veritcando-se os alugueres da casa
em questo estavam inclu dos as letras
assgnadas por Libanio, reconheceu que n5o,
em vista disto, dirigto-se ao arrematante
para effeetuar o recebimento dos que esti-
vessem vencidos, nesta occasio Ibe foi
por elle dito, era presenta do liador, que
arrematou a casa de que se trata e urna
outra na ra da Florentina a pedido do re-
ferido Paula o Silva, nSo sabendo se a im-
portancia dos alugueres de urna e outra
estavam reunidos as letras que acceitou, en-
tretanto que ia pedir-lhe o dinheiro desses
alugueres, mas nem um e nem outro ainda
rvcolheu a importancia debida Que vol-
lasse ao procurador para dar urna informa-
Cao mais circunstanciada.
Outro do contador, declarando, em vista
do que Ihe foi ordenado, que da verba de
7:000^000, destinada para desappropriacoes
existe anda quanlia de 6:253^334.
Posto em discusso, o Sr. Dr. Moscoso
requereu o addiamento, e foi approvado.
O Sr. Souza Magalhaes, votou contra.
Outro do engenheiro cordeador, dando o
seu parecer, como Ihe foi exigido, acerca
da conveniencia ou inconveniencia dos cot-
cenos de que necessita a ponte denomi-
nada do Lucas.
Posto em discHSsSo deliberou-se man-
dar fazer os ditos concertos, pedindo-se
com antecedencia approvacao do orcamento
ao Exrao. presidente da provincia.
Outro do mesmo, informando o requeri-
mento de Rodrigo Pinto Moreira, em que
pede para construir am muro de quarenta
palmos de frente em um terreno no futido
do pnmoiro becco fronleiro a casa de deten-
c3o, com dez a doze palmos de altura, de-
clara que nao v inconveniente em recon-
ceder o que pede o supplicanle. Conce-
deu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o re-
querimento de Joaquim Martmho da Cruz,
que pede para levantar nm pedaco de muro
em seu sitio na estrada dos Apipucos n. 4,
tem a dizer que nada se Ihe offerece a
oppr, sendo o mu o reconstruido no mesmo
a-nhamento do actual.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requer-
ment em que Rodrigo Pinto Moreira pede
para edificar urna casa em seu terreno da
travessa do Monteiro; cumpre-lhe dizer
que nada tem a oppor, precedendo a cor-
deac3o.Mandou-se cordear.
Outro do mesmo, informando o requeri-
menio de Manoel Alves da Costa, que pede
para fazer de duas janellas portas, em sua
casa n. 35 da ra da Unilo; cumpre-lhe
dizer que nada tem a oppr, devendo o
supplicante collocar as novas soleiras no
nivel da existente.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requeri-
mento de D. Luiza Joaquina Pereira Gusmo
em que pede lieenea para concertar a co-
berta da casa que existe dentro de am sitio
nos Affogados, tem a dizer que achou as
sbr6 ja* feitas, e emquanta o oporUSo que
preterfdd abrir, cabe Ihe dizer que o muro
a encostar ao sobrado da supplicante
obra provmeial, e compete-ihe tirar tambern
licenca das j&ras publicas para esse fim.
feito o que nada tem a appr.Conceden-se
de conformidade com i informacio.
Outro do mesmo informando sobre o
requerimento de Antonio Joaquim Ferreira
Porto, que deseja murar a frtnte do sen
terreno, sito ra do Cea do Capibaribe,
cuja frente tem 19 palmos de largura;
compre Ihe dizer que nao dispon do o sup-
plicante de mais terreno, parecedhe que
se pode concader, cUrndo-sVlne a respectiva
cordeaclo.Mandorj-se cordear.
yuotJa do Poco, declara que u
opp*, donde-se-Ihe cordeaca.
se cordear.
Outro do mesmo, informando o requeri-
mento de 'Bernardn Goncalves dos Santos,
em que pede para fazer alguns reparos ta
casa n. 13 da ra de S. Miguel da fiegue-
m dos Affogados; cumpre-lhe dizer qua
nada tem a oppor. devendo o supplicaBte
collocar como' enterrado na parede, con-
forme exigem as posturas.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o
que pede Lourenco Ribeiro da Cunha Oli-
veira, propietario da casa terrea d. 46 da
rea da Praia, para levantar um sobrado de
dous andares e solea, sendo as portas e
janejlas de meio circulo, tem a dizer que
nada so Ihe oercce a oppor.Addiado
requerimento do Sr. Dr. Moscoso.
Outro do mesmo, informando^ requeri-
mento de Antonio Candido do Oliveira, em
que pede licenca para edillicar urna casa de
taipa no lagar do Peres, a margem da
estrada, cumpre-lhe dizer que nada tem a
oppor, dando-se-lhe a competente cordea-
Co.Mandou-se cordear.
Ouiro do mesmo, informando o requeri-
mento de Joao Antonio Carpintero Mouri.
para concertar a cubera de sua casa n. 5
da ra do Cabug, declara que nada tem
a oppor.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o
que pede Flix Lins Cavalcanti, para con-
certar nove casinhas que possue no lugar
das Aras do Gyqui, tem a dizer que os
concertos que o snpplicaate pretende fazer
nos oitoes e coberlas das mestnas casi-
nhas, e nada se Ihe offerece a oppor.Con-
cedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que
representou o fiscal da freguezia do Puco
da Panella, de achar-se Antonio Pinto de
Barros, para augmentar a baixa existente
em seu sitio no Monteiro, juntaado a mes-
ma baixa a rea que troupe para all a ul-
tima cheia, tem a dizer que nao pode o
referido Pinto continuar a unir a mesma
ara, poique assim vni invadindo o curso
do rio, e augmentando a sua proprieda-
de.Que se communicasse isto ao fiscal.
Outro do mesmo, informando o r-queri-
mento de Jos Ignacio Ribeiro, pedindo
licenca para edifficar urna casa de taipa
em seu terreno no lugar da Torre, fregue-
zia dos Affogados, arredada da estrada
v'mte palmos, cumpre-lhe dizer quo nao ha
inconveniente, devendo 0 supplicante cons-
truir a mesma casa, cincoenta palmos dis-
tante de frente, como exigem as postu-
ras.Concedeu-se no sentido da infor-
macao.
Outro do mesmo, informando o reque-
rimento de G ndido Martins do Arauj",
quo requer para fazer calcada na frente de
duas casinlias, que possue nnologar d
Peres, concertar a frente de oTlfra e fazt:r
um pequ mo muro, tem a dizer ,que nada
se Ihe offerece a oppor, dando-se-lhe cor-
deaco.Mandou-se cordeas.
Outro do mesmo, informando sobre o
que pede Francisco Joao de Barros, para
fazer um canno para esgosto das aguas de
sua casa n. 7 da ra do Vigario, o qual
tem de passar em lugar nao calcado, e ir
desaguar no rio Capibaribe, tem a decla-
rar que o supplicante podo fazer o que
pretende, urna vez que obtenha licenca da
capitana do porto e da reparticao das obras
publicas. Concedeu-so de conformidade
com a informado.
Outro do mesmo, informando o requeri-
mento do bacharel Joo Antonio de Souza
Beltro de Araujo Pereira, que pede para
oncertar a trapeira de seu sobrado n. t da
ra do Aragao; cumpre-lhe dizer que o
supplicante pretende concertar .os oitoes da
cilada trapeira, sem tocar na -fiSftfce e nem
na coberla ; parece-ihe que nao ha inconve-
niente em se conceder a licenca.i)oncedeu-
se, mandando-se recommendar ao fiscal
que observe a execucSo da obra.
Outro do fiscal da freguezia do Raijfe,
communicando j ter feito constar aos mo-
radores e proprietarios dos quartos que do
sabida pelo pequeo bec o que da ra da
Cruz vai ter da Guia e do Apollo, que a
cmara tem resol vido fechar o mesmo beccu
por todos os lados, e marcou aos ditos mo-
radores o prazo de seis mezes para a mu-
dauca.Inteirada.
Outro do mesmo, rerpettendo urna rela-
Co das ras da qnella freguezia, como Ihe
foi exigido.A' commis 3o respectiva.
Outro do mesmo, communicando que nao
Ihe pass u desapeicebido o reboco que
Jos Pinto Ribeiro fez na casa n. 4 da ra
da Madre de Deus sem a respectiva licenca
e por isso fura o mesmo multado de confor-
midade com as posturas, e j recolheu a im-
portancia da multa.Inteirada, e concedeu-
se a licenca,
Outro do mesmo, declarando que a fa-
brica de cerveja que Marques & Ferreira
pretendem estabelecer ra do Brura, para
o que requereram licenca, nao se acha
funecionando, e a casa conserva-si com as
portas fechadas ao publico, talvez no inte-
rior se faca alguma cousa de preparos para
abertura do estabeleciraento, e segnd
est informado, nao se pode considerar fune-
cionando a mesma fabrica. Em vista do
que tica exposto, pede a cmara que resol-
va se deve ou n3o fazer effe tiva a ordem
que recebeu.Que se respondesse ao fiscal
que faea effectiva a multa, porquanlo a fa-
brica achase funecionando.
Outro do mesmo, communicando que di-
versos lagares da freguezia acham-se aglo-
merados de entulho em tao grande quanti-
dade, que preciso, para remove-lo, em-
pregar raaior pessoal na limpeza das ras,
pede providencias a respeito.Que se res-
ponda ao fiscal que designe os lugares mais
entulhados, bem como os que precisan) ser
alterrados, entendendo-se com o engenheiro
para orear a despeza.
Outro do fiscal da Boa-Vista, remittendo
urna rajaco das ras da njesma freguezia,
conforme Ihe fra exigido.A"' fommissa'o
respectiva.
Outro do mesmo, communicando tirer
procedido com o Br. Ignacio Aloil>iadps Vt I-
btf, a diversas corridas sagitarias em .os
fas 6, 7, 8, 9, 47, 18 e 19 do-corrente,
pede a cmara oe se diga* ppwidenciar
para ser pago o mesmo doutor. Que se
ndade dfljjagamgno. e sejigda^
|ue dMuaK a cmara nao
providencia, nio chame medico
idas.
administrador do cemiterio
freguezia de 8. Lowenco da
mullicando a cmara que aquelle
ento necessita de alpins repa-
ros, laot como *er limpa e plana a entra-
da, conslruir-se urna bomba de pedra o
cal na levada da mesma estrada, e urna
pequea casa pata nella ser guardado al-
grJm material, etc., pede providencias. A
commisso do cemiterio publico.
Foi approvad) nm parecer da commis-
s5o de petices, no sentido de ser deferi-
da a pretensa de Jos Pereira.
0 Sr. Dr. Moscoso requereu, e foi ap-
provado, que se admoesle aos giurdas|mu-
nicipaes para que at o Io do mez vmdou-
ro se apresentem com o unifo me que Ihes
foi marcado.
0 mesmo sentior apresentou um projec-
to de posturas, prohibindo que as janellas
das sotas sejam feitas em arcadas.Pos-
to era discusso, foi approvado.
re pe n
forti
'tao*tfiSntlo effe Ihe escreveu,peBUd dinheiro ;
porque, (razio decano de e^quadrai) nunca mais
apparaceu at hoje.
Esta- eoarctada do Sr. Ar.vrjo Barros risivel,
c por isso uj flM^^^^fcla.
O Tacto que qua| Wk Jhe escreveu as ce-
lebres carias havia^BRe u violo e'Ures das
apenas que o feito eslava para4o.
3. Quinetotpalpante roquea
marcaea^na ;, da protyieJ-W
Uso immrt fnicentem. Tanto < 'tava elle
com o juiz!
O Sr.; Araujo Barros qveru rea prflH que
eslava no ioteresse do demarcante egeorregar-
v'^0^3iW ifetas artav.-un "^'
E o Sr. Araujo Barros-provou o contrario?
A elle (fui cdfflpelia fiter esta prova, qne nao
fez, para convencer que cobra va cusas : entra-
tanto que nos allegamos :
J. QTo escrvo, como elle confessou, rece-
bara as as : donde se infere, por prcsumpro.
(fffe elle deveria tambern -ter receido as que Ibe
pertenciam.
2. Que os autos, como elle confessou, j esta-
vam contados : logo elle nao podia ignorar quan-
to Ihe devia a parte.
3." Que o juiz que tem dignidade nao cobra cus-
tas por cartas.
i." Que as cartas nunca elle declinou a pala-
vra cusas.
o." Que ninguem exige o que se Ihe deve com
tamurias.
6. Que elle peda 6751000 ou i50000 i nao la-
zemos <|uestao da cifra.)
1.' Que elle proprio disse que nio pejia cus-
tas cootadas, mas a olho : porque nao usava do
executivo.

O Sr. Souza MagalhSes requereu, e foi
approvado, q >e o contador no prazo de 1.
dias apresentasse que quantia pagou a c-
mara do quatriennio prximo pausado de
custas em que foi a mesma condemnada
nos processos por contravenses rife postu-
ras, e q anto despendeu para andamento
dos mesraos processos; assim como qual
a impojtancia total por ella recebida de
principal dos processos em os quaes os
contraventores foram condemnados, e qaan-
to imporlaram as custas recebidas destes
processos.
Mandou-se remetter commissSo de pe-
tigoes um requerimento do procurador Jos
Simplicio de S Esteves, juntando a espe-
cialisaco de sua flanea.
Devendo estar hoje em praca para serem
arrematados os quatro espacos do acougue
publico do Bibeira de S. Jos, oceupados
com talho* pertencentes a diversos, foi, a
requerimento de um dos pretendentes, es-
padada para o dia 28 do corrente a mesma
praca.
Despacharam-se as peticoes de Bellarmi-
no Alves da Rocha, Bernardino da Costa
Campos, Benedicto Jos de Sant'Anna,
Claudio de Santa Clara Pacheco, Clara Ma-
ra da Conceic2o, Candido Martins d'Araujo,
Donina Luiza das Dores do Panizo. Do-
mingos Ribeiro de Oliveira, Francisco Al-
ves Monteiro Jnior, Francisco Antonio de
Brito e Filhos, Francisco Jos Antonio Bra-
ga, Francisco Gomes Jnior, Francisco de
Barros Correa, Jos Faustino de Lemos,
Jos Alves Barbosa, Jos Olimpio dos San-
tos, Jos Mariano d'Albuquerque, Joaquim
Francisco de Paula Esteves Clemente, Jorge
Victor Ferreira Lpez, Jovino Corneiro
Machado Rios, Jos da Costa Caseiro, Jos
Pacheco da.Fonseca, Jos Alves Mondes,
Jos Pereira, Joao Germano Soares, Jos
Pereira de Miranda Cunha, Jlo Martins de
Souza, Jos Jocome Tasso, Jos Lucio
Luiz, Leoncio Gomes da Fonceca, Manoel
Ribeiro Bastos, Manoel Benedicto dos San-
tos, Manoel Antonio da Silva Rios, Manoel
Gomes da Silva, Manoel Camello Pessoa,
Manoel Luiz Antonio de Miranda, Rodrigo
Pinto Moreira, R migio Kenrmpe, Souza
Moutinho A C, Severino Duarte ; e levan-
tou-se a sessSo.
Eu Francisco Canuto da Boa-Viagem, se
cretario a escrevi.Manoel de Barros Bar-
reno, pro-uresidente.Dr. Pedro d'Athi-
htjde Lobo Moscoso.Jos Mara Freir
Gameiro.fr. Prxedes Gomes de Souza
Pilonga.Flix Francisco de Souza Ma-
galhes.Dr. Joao Mara Seve.
PUBLICACOES A PEDIDO.
O ex-jiilz municipal da segunda
rara Francisco de Araujo Bar-
roa.
O Sr. Araujo Barros sahio-se no Jornal do Re-
cife de sabbado com urna de bernardo.
Oizqneos amigos do Dr. Joao Alfredo dexamos
por lctica de tratar dos negocios eletoraes da
freguezia de Nossa Senliora do O' para accusa-lo,
aflm de desviarmos daquelies negocios a aitencao
publica.
O que elle quera, pois, era que ninguem tocas-
se uo busilis da prevaricac,ao, nem n'aquellas da-
uosas e celebres cartas qne o bao de levar a pos-
tendade como juiz, e fonsemos agora oceupar-nos
da eleic/io de Nossa Senhora do O' : e no jaiie tu
e direi eu deste asaumpto, emquanto o pao a o v-
nha, como vulgarmente se diz, folgava-mlhe as
costas.
Esta era a tctica em que elle quera ver se ca-
hiamos, mas.... enganou-se : e basta urna s consi-
deracao para o demonstrar
Se o Sr Araujo Barros sejulgassa#)rte e capaz
de triumphar da aecusacao que Ihe foi feila, va-
mos e avenhamos, devia antes estimar que nella
insistissemos. Esmagava-nos e ficava em pe" e
sem resposta tudo que elle tivesse dito da eleicao.
Isto so podia ser convinhavel para elle, ao pas-
so que para nos seria da maior desvaatagem. Fi-
cava sonhor do campo e entao que era cantar
completa victoria ao som do tambor-mr.
Mas elle, ao contrario, incommoda-se e nao gos-
ta qua deixemos a margem os taes negocios para
onde quer a forca levac-no?, com muito palavrao
bonitode que a verdado como o sol que pode
ser encoberto por alguma nuvem, mas acaba
sempre por ostentar todo o seu esplendor logo,
dizeinos nos, o Sr. Araujo Barros conliece que nao
tem defesa possivel.
O publico conaiere, e veja so ou n5o arrasoa-
do o nosso argumento.
O Sr. Araujo Barros diz que tctica o afatar-
mo-nos do assumpto eleiloral de Nossa Senliora
do O' para accusa-lo.
Tctica supp8e proveito, melhor partido, vanta-
gem ele, logo e elle mesmo que o diz de sua boc-
ea que nos estamos a cavalleiro quando o aecu-
tamos.
Demais: nao ha hnmem de pundonor que ac-
cusado directamente por um acto torpe e infame
de mistura com outros negocios, em que a sua
responsabilidade collectiva e menor, prolira an-
tes occupar->e desses negocios a acodir com alian
e at com a alma inteira em defesa de sua honra,
mostrando que a aecusaco calumniosa, e roer-
guendo a sua reputacao e o conceito que o publi-
co llie deve continuar; prque a honra quo Ibe
cumpre defender com esforco I
Entretanto, singular Io Sr. Araujo Barros
nao assim.
Accuaado gravemento de prevaricador, porque,
como juiz pedia dinheiros avallados as partes
que perante elle litigavam, desconversa com a
eleicao de Nossa Senhora do O'.
E com o negocio da prevaricacao esprra como
se fosse ortiga que Ihe chegassem ao nariz.
Provado est por conseguinte que o Sr. Araujo
Barros reconhece que Irapossivel dofenderse.
Agoraos seus argumentos :
L* Qu nao prelerio o direito de notfleacao a
ninguem, porque s p'klia mandar notificar para
o acto quem te requeresse.
A isto respondemos, que houve preterico desse
direito. nada importando que ella partiese da omis-
sao do demarcante.
Se este fui que omittio a noficacio dos herios,
retorqunos, porque contava com o juiz.
|. Qae o demarcanle baYia abandonado a ques-
Emfim, deixemos o Sr. Araujo Barros, por ca>
rdade : elle digno de lastima.
Recife, 17 de agosto de 1869.
W.
--------
O Sr. Peraalnio Francisco de
Paula Mesnnlta o Francisco
Manoel de Souza Leo.
0 publico vio o modo desarido, e vio-
lento, por que contra mim se atira as co-
lunas do seu conceituado Diario de 6 do
corrente mez, o Sr. Perminio Francisco de
Paula Mosquita, assacando-me injurias gra^j
ves, pelas quaes perante os Tribunaes ha
de responder em terapo opportuno.
Entretanto por amor da minha reputa-
cao, que muito preso, e em altcnc3o a opi-
nio publica que altamente venero, direi
poucas palavras em resposta a publicarlo
espirituosa e essencialmentc delicada feita
pelo Sr. Perminio.
Deixando de parte a suculenta inteligencia
e illustracSo do Sr. Perminio, que se mos-
tea muito ufan em notar meus erros em
urna carta, que Ihe escrevi. Deixando
mesmo as amabilidades, com que me tratou
para dar-lhe a resposta que a lei autorisa.
Deixando de parte a solemne ameaea, qu;
contra mim ergue, caso a polica de Ipojuca
se mostr impotente em reprimir os meus
crimes os meus crimessmente creados
no espirito altamente graduado do Sr. Per
minio exporei em breves palavras o fado,
que entre nos 9e deu. .
Tendo comprado a metade do engenho
Sacco, do qual era rendeiro o Sr. Perminio'
nelle existiam objectos pertencentes ao Sr.
Perminio, cuja acquisicao me convinba por
se acharem all; e nesse sentida propoz-se-
Ihe compra, pedindq-me o Sr. Perminio
por seus ojectos a quanlia de um cont e
quinhentos'mil ris a praso; eu offereci-lhe
a quanlia de um cont e cem mil ris era
dinheiro.
Essa proposta nao foi aceita; e por isso te-
ve o Sr. Perminio de retirar os seus objectos
movis ao que nao fiz opposicSo; apenas di
zendo aos moradores do engenho Sacco, al-
guns dos quaes liiam conduzir formas para o
Sr. Perminio, que eu tinha servico.e que por
tanto, se elles queriam servir fra do enge-
nho, era melhor, que procurassem morar;
accrescentando, que se deviam a alguem
de fra, eu pagara, com tanto que me des-
sem a preferencia; o mesmo se passou
com o carpina Manoel Theotonio, mas isto
n2o como imposiejo, e pelo contrario, em
termos poldos e altencosos como todo o
homem delicado deve dirigir-se aos outros.
Nunca disse que o Sr. Theotonio da Sil-
va Vieira me havia dado relaco dos uten-
clios do engenho Sacco ; porque se a ti-
vesse recebido, n5o teria entrado em ajus-
te para comprar berafeitoras e utencilios
do engenho, aos quaes com effelo tem o
Sr. Perminio direito, que Ihe nao contesto:
oppondo-rae somento quo o Sr. Perminio
desmanchasse a casa de bagaco, visto que
nao Ihe assite o direito de, por autoridade
propria, demolir bemfeitorias feitas em pre-
dios e terrenos alheios sem o consentimen-
to do proprietario: o "que nao devia igno-
rar o Sr. Perminio, quo se aprega t5o il-
lustrado.
Ipojuca, 18 de agosto de 1869.
Francisco Manoel de Souza Leo.
apreciara, a vida eslejam desejosos de fazer
todo op> seo alcance alim de evi-
tar que a molestia a nao derro.be.
Quem sei-a que espere o ataque
final, quamlo o primeiro assalto pikle ser
repellido com as pjjjas assucaradas de
ol: lBErepaito tto genial ebalsa-
to flBstigadora, e no entanto tao
kan'.j, que ao par que tila rebatea
enfermiilnde, r expulsa a sua cama, ella
estabelece e d robustez i constiluico do
ate.
sua compi)>:c3o compona de ingre-
dientes anti odioso e vegelaos catharticos,
sendo urna se^nro e investigantes, o
nico meio de cura contra os desarranjos
do estomago, do figado e dos intestinos,
as quaes se pode confiar debaixo de todas
as circumstancias, sendo sua acedo inva-
riavul em qualquer clima qae seja.
^ A idea de dores, merecidamente asso-
ciada com esses purgantes ordinarios; po-
rm as pilulas assucaradas de Bristol, n m
siquer produzem o mais leve incommodo
que seja, sendo a sua operac.au branda e
suave.
Porventura ser myster dizer-se que ellas
sao o mlbor catharco e alterativo de fa-
milias at hoje conhecido ?
Ellas se acnam acondicionadas dentro de
vidrinhos e por isso a sua conservado
duradoura em todos os climas.
Em todos os casos provenientes ou aggra-
vados pela impureza do sangue a salsapai -
rilha de Brislol deve ser tomada conjuucta-
menlo com as pilulas.
Acha-se venda as pharmatias de A.
Caors, M. A. Barbosa, J. da Conceieo Bra-
vo C... P. Maurer 4 C. e Bartbolomeo
A C.
Aolllm. Sr. Dr. chefe de
polica
Podera as autoridades policiaes envol-
verse em questoes Je propriedade. onde
nao ha crime, nem cousa que com isso se
pareja ? ,
Pode urna autoridade policial, acompa-
nhada de inspectores de quarleiro e de sol-
dados ir auxiliar um proprietario a fazer um
muro divisorjjti que toma parte do terre-
no alheio, para impedir que o espoliado
use do recurso legal da forca ?
Cromos que as respostas sao negativas
tanto pelo integro doSr Dr. chefe de poli-
ca, como por todo o mundo
N5o o sero, portel, por um certo sub-
delegado de polica desta cidade, que fez
tudo isto e a conseihava, na prc&enra de
mais de 50 pessoas ao espoliador: Po-
nlia 40, (ifl, 100 operarios a fazer o muro,
porque quando chegar o embargo, j a
obra estar acabada, e em logar de urna
aeco de-forca. qae summaria ter V.
de defender-se de urna aeco ordinaria.
Esta especie de advocada que se apoia as
bayonetas de urna lgica irresistivel; mas
quer-nos parecer que nem o Sr. presidenle,
nem o Sr. chefe de polica podem consen-
tir nestes inqualficaves abusos de autori-
dade.
Um observador.
A montanha deu a luz.
L era urna aldeia dos arrabaldes do
Porto, a montanha deu a luz a um porten-
to, que Ihe deram o nome na pa baptis-
mal, segundo dizem, deJoilo V. A., conhe-
ceu-se pela sua esbelta figura e aperfei-
coada cabeca, que se Deus Ihe conservasse
a vida, em o decorrer dos annos, a litlora-
tura, artes e eommerco, tinham nelle a sua
melhor columna, foi logo reconh cido pelos
professores da mesma aldeia a sua embo-
tada intelligencia, por isso entendern: que
nao se devia doixar ficar era bruto, sem
que fosse lapidada, escolheram ento para
esse aperfeicoamento, como mais apropia-
da, a capital da Paraliiba do Norte (no im-
perio do Brasil), ahi o entregaram a ha-
bis professores para ensinar-lhe todas as
materias, isto a vender copos de cacha-
ca e limpar ferros velhos.
Alli se conservou at que... (nao tenho
nada enm sso) transportou-se para a cida-
de de Mamanguape, principiando a mos-
trar o desenvolvimento de sua intelligencia.
Porm, entendendo que os seus grandes
talentos como escr ptor n3o podiam alli
ser apreciados, conforme mereciam, re-
solveu dar um salto (e que salto, maior do
que aquelle "que Sapho deu) e cahio nesta
cidade (sem quebrar o nariz, porque esse
tem ainda muito para que servir) e canto-
nou-sena ra do V...sem dar ha mais tem-
po o prazer do publico conheser o seu ta-
lento, o que fez agora no artigo relativo ao
Hospital Portuguez, inserido as columnas
de am jornal desta cidade de 5 do corren
te, e um outro aranzel que sobre sua firma
publicou no mesmo jornal de 17. Para
seus artigos chamo a atlenco dos senho-
res escriptores, homens de lettras e socie-
dades scientilicas da America o da Europa,
para que aproveitem essa funda capacidado.
Entre a sade e a se-
pultura.
Nao existe mais do que
*eparafo, e de soppr, que todos que
Companhia do Beberibe
Escriptorio da Companhia do Beberibe,
16 de agosto de 1869.
Illmo. Sr.Em additamento ao meu of-
flcio daiado do 18 do novembro de 1868,
em que previni a V. S. -uo a Companhia
do Beberibe estava fazendo urna segunda
linha de encanamento, a qual tinha de
passar pelo sitio da Jaqueira, e tambera a
meo offlcio datado de 8 de junho do cor-
enle anno em qae previni a V. S. que teria
de principiar at o da 1 do corrente mez
as obras no sitio da Jaqueira, communico
a V. S. que mandei dar principio a esses
trabalhos afim de que possa essa erapreza
dar as providencias necessarias cm ordem
a serem cumpridas as condices 3' e 51 do
contrato celebrado pelos empreiteiros dos
trilitos urbanos com esta companhia.
Deus Guarde a V. S.- Illmo. Sr. William
Bawliuson, gerente da empreza dos trilhos
urbanos do Recife a Apipucos.
0 director,
Dr. Simfroni Cezar Goutinho.
Olymplo Cioncalves Rosa ao Hr.
Jos Das da Silva uiinaraes.
Nao posso continuar siledeioso ante a
injusta e pertinaz opposio, que o Sr. Dias
Gui naraes ha o feito a reedifleacao de mcu
predio n. 16 sito no pateo do Livramento,
por islo venho da alto da imprensajinformar o
publico, e mostrar os unios de que se tem
usado contra meu direito.
Conmrei a casa cima para reedifica-la, e
accommodal-a a meu eslabclcsimento com-
mercial.
Conslando, porm, que o Sf. Das Gui-
maraes se teria do oppor, antes do comc-
far a reedificarlo propuz sujeitar-mo a in -
clemnsar, e responder por qualquer prejui-
so, que podesse causar ao mesmo Sr. com a
reedilicac3o de meu predio, para" que nao
embargasse a obra, quo seria feita as
mesmas condicoes e respeitada a.posse an-
t'ga
Mas foram baldadosmjseslorcos amiga-
veis, porque o Sr. Dias '"!u;mar5e, ludo
recusa!
Nestas circumstancias, vi, ..o outro re-
medio n5o tinha, seno dar coraeca a demo-
lC5o do antigo predio para sua reeaificaco.
Defeto demoia frente do edificio e tra-
tei de reedifica-lo.
Mas apenas tinha 'dado comeco a cons-
trueco do alicerce eis quo o Sr. Dias Gui-
maraes, embarga-me a reedieaco.
Em consequencia desse facto fui obriga-
do a parar a reedificaco de meu predio,
e requer logo urna vistoria, que con-
cedida teve lugar, no primeiro dia, mas
n'outro novamente designado, visto como
no primeiro fallara um dos peritos, e de-
pois de se ter concordado na substituico,
foi esse accordo repelido, eregeitaJo pelo
Sr. Gnmaraes.
Feita, porm, a vistoria, requer a pres-
tac3o de cauyao de gperm tkwlitndc, que
foi ma dada ouvir ao a^nanciante, que n5o
disse nalavra sobre a identiade dos fiado-
res; pelo quo o Sr. Dr. jote municipal
mandou-a tomar por termo, o Sr. Guima-
raes appellou desse despacho, "jja appella-
f5o foi indefirida.
Entao interpuz aggravo, qua depis de
ministrado e respondido e'o ilPustrado
juiz o Sr. Dr. Miranda, nao :eve provi-
mento.
Seguo-so o juigarjJsLio poi sentenca da
caacSo, contra essa decisSo, o qao trazi
como consequencia wncessSo da prcisSo o
urna franzna levanmenlo do embargo reqaer Vista pa-
ro embargo de lulicj

i


_
IXbro
de
Pernoi
hoco
-.
Mas o digno juicio', rvconheoendo cine $-e.ii|'de cambie, sdalas do gnvernoa do dteettos. osbjtos abaliodedarados, qne
Quinta; fcira 19 dte- Agosto, de II
..uiraaiaes sene:.
; i" Sr. Ciui iiia^r^H
iropellar,
o#neo do iras.i
Dosiontsrm lotr.is do trra e outros tito-
ifnmerciacs.
Encarregam-se por coala ;;Uie;a das mes-
illas transaccoes, da cobraoca do letra di
ierra e de ouiros titilo comaaereiaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
ALFANDEGA.
Hendioenlo do dia a 17.
(dem do dia t8 .



331:638016
25:51' 4817
377:183*033
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
n Sr. G
o chteana
,'ravon
aggravo lVn',i-||,r \w_ ryirnciite pelo
respeitavel Iribinal, pelo que foi mandada
pa*ir -a provisto, e vantamento do em-
wgi:
0 Sr. Guimarus nao pode snpportar,
que me fose oocedido continuar na edifi-
carn de meo pr dio, por isso empregon
todos es meios, dirigi diversas petices
aoSr. lf\ Miranda, e ponqu esse llutlr*-
do magistrado, concio de sen devcr. no
Hic concodeu, nae Ihe permittio chicanar,
para que cu deixasse de continuar na obra,
nao teve divida, nao esoropubsoil allegar
que o Sr. Dr. Miranda era Mlpaito !
Pois bem Saina o publico, que o Sr.
fuitTi3i>'S, foi quem roquereu perante a
H vara, cnjo prnneiro supplenle o Sr.
tv. Miranda que nunca tivc a honra de
eoobecer o honrado Sr. bv. Miranda, que
pela primeira vez o vi na occasio da vis-
feria. (Jue nunca o vi, ora com elle fal-
loi, e jamis seobe ler tik apparccido em
trente a obra que estou fazendo e de que
i'iiho tratado.
Soube.p orn, que o Sr. liuimarcs. ape-
nas averbon de SOSpaito o Sr. Dr. Miran-
da, requeren logo ao Sr. Dr. Pernambueo
2U supplente, para mandar suspender a re-1bello manifestou:
mlilicarao, o que fura desprendo por esse l caixa violto; a F. F. Sorgos.
digno dontor, porque nao provara-se estar 1 barril dito; a Jos Antonio da Silva Ju-
itapedido o Sr. Dr. 'irand i, o que certa- nior.
tnento fez abortar a chican i do Sr. Guima- 50 ditos dito ; a Henriqqe & Azevedo.;
raes, que realmente se tem mostrado incan- 100 ditos cal; a Manoel de iiveira Fa-
%&wLm
de
v*olumes entrados com fazendas
dem dem com gneros
Volumen abjdoi com fazendas
dem idom com genero
18i
472
-----656
(11
m
-----435
foram- aoprel'
dwT
breng.
Duas-Owfc:sdJ de flanco, no Talo:
3#0((>
m palitts de casemira peso liqu'do
real uro- kog. valor I35750.
Nm s bretudo de pannov pesando li-
quido real dous kilog. valor 27#5O0.
Duas caixas pesando bruto vinte cinco
kos. tira de IO/ liquido legal vinte e
tres kil. de fumo para mascar, valor 280750.
Alfandeg de Pernambueo 18 de agosto
de 1809,
^ O inspector interino,
L. de C, Par de Andrade.
Si'gw^e pelo Sr. Punte, o interessantacntre-
acto
i
Rio raade-al* *mF
por'.u aciiiu *"jtii"
Rciooal Pitad,*, re
II o
vedo i
Jim seguida]
i posea, d
Hollinada
Tf|
Finda a qua
IACOES.
ten Hi.'ii ripela Ponles, recitara
to de gratMtta?.
1 Sra. D. Jesuina e o !
flz defliveira^B
ira
or
$
Dssearregnm hoje 19 de aposto
Barca inglezaNaifmaiiercadorins.
Bacana tuto alLunaoGmetivo taboado.
Urigne portuguw Constante lll varios gneros
Simiaca hespanliolaOhihifarinha do trigo.
Patacho portuguer..1/ifl/diversos genero?.
Ilrigue inglezMelitecarvao.
rigue norueguenseEhccj farinha de trigo.
Iiuporiaco
Patacho pnriuguez mama, rindo de
Lisboa, consignado a Euzebio Radiael lia-
eco.
{0 ditose 4 pipas vinagre; aLuiz Jos
savel! !
E tal tem sido o sea lab'ir que chegou a
oflerecer em juizo dous abaixo assignados da Costa Amorr & C.
pelos Sis. Joao liotelho Nevos, Francisco I S ditas e80 barris vinho, 120 ditos
daCunha Cardoso, Paulo Pinto da Fonseca toucjnho, 208 ditos cal, 50 ditose 10 pipas
Souza, Manoel Jos Monteiro Torres, Mar- vinagre, SOcaxs batatas, 2o ditas ceblas,
cellino (iuimares de Azevedo, Luir Al ves Ji encapa los azeitonas; a Thomaz de Aquino
de RUgalhatt, Joaquim Moraes Ribeiro, T.
Antonio Ferreira da r.unha Lagos, Manoel
Thomaz da Silva, Francisco Ignacio Fer-
reira, Miguel Texeira da Costa, Jos Flix
i da Rosa. Leopoldino Rodrigues da Silva,
Antonio Ferreira Marlis.'no qual se allirma
ter eu trabalhadn a noite com grande baru-
Iho, e feilo grande escavano na parede ilo
predio do Sr. (uimaraes, cuja parede
meeira !
O publico, porm, julgar desse recurso,
e da veracidade dessa attestfl-o feita por
pessoas estranhas ao lugar, caixeiros dos
procuradores do Sr. Guimariies, e seus in-
leressados na causa, a vista do que ora of-
creco assignado por pessoas insuspeitas,
negociantes, polica, offieial da ronda e
cabo, m quaes lazern certo a falta de ver-
dade desse abaixo assignado do Sr. Gui-
niares !
Nao estou resolvido a consentir selen-
<;iosamente, que o Sr. Guimariei me im-
pute factos qua nao pratiquei, e sao con-
trarios a meu carcter, portanto alm da
prova que offereco, pretendo, chamar os
signatarios dos seus abaixo assignados para
jurarem em juizo. o que attestarara, e do
resultado prometi Ineirar este resiwila-
vel publico
E' verdade, que estive alerta nessa noite
e comalguns compatiheiio>: mas porque
entend conveniente para evitar a demolido
da obra feita, o que rec ei.pela tacto e dif-
liculdade que me tem opporte o mesmo Sr.
i. ni maraes, cuja idea felizmente nao se roa-
lisou.
Nao minha inlenco discutir a questia
a que fui levado pelo Sr. Cuimares, muito
menos ingerir-me suspeico offerecida
ao digno juiz da causa, que afudS agora nao
me negou um terceiro ggMW ; mas por
ser chicaneiro e frivolo, mandou-se tomar
em separado, juntand-se aos autos algu-
mas pelicoes, que foram despachadas, bo
que se oppoz o Sr. Guimaraes, e reqneireu
carta teslemunbavel, que certamente n5o
tem razo do Hsri nem motivo que a jus-
tifique I
Mas smente nao parroiito que S. S. me
impute factos nao praticados, que jamis
me passario pela mente. E nesse intuito
posso assegurar a S. S. que jamis recua-
re, e que na posico de aggreddo me
hei do defender de qualquer que seja o nu-
meor dos que contra miin se reunircm,
(>ois que ne os receio; visto como no
foco mais que usar de meus direitos sem
l'azer injustifa a S. S. nem causar-lhe o
menor damuo e prejuizo.
Oliunpio G'iuralci's Rosa
banha de
a Marque,
a J. J. Gon-
CCMMERCIO.
181)0
4C.
8 caixas chourr
porco, 330 meias
Barros & C.
20 pipas e 10 bai
calves BelUo.
10 ditos e 17 pipas dito; a Tassolrmao.
27 ditas e 50 barris dito, 120 ditos tou-
cinho, 17 volumes drogas, 50 caixas ce-
bolas. 1 dita banha de porco, 230 ditas e
116 meias ditas batatas; ao consignatario.
29 volumes pezos deuimaes, 4'i caixas
azulejo*, 1 dita mercurio ; a J. A. Mo-
reira Dias.
1 dita chinellas; a Porto 2 barricas cera, 5 volumes drogas; a
Joan da Silva Faria & Irmo.
2 ditos ditas; a Bariholomeu d C.
200 mlhos ceblas, 1 barril prtroleo ;
a Ordem.
ECEUEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 2 a 17 26:946|287
(dem do dia 18...... 2:141*330
29:087*617
CONSULADO PROVINCIAL
rtendimento do dia 2 a 17.
dem do dia 18.
4i: 448*129
1:4J 1*092
45:879*221
MOVIMENTO DO PUK i U.
Navms entrado no dia 18.
Hainbuigo 30 das, escuna noliandeza Auna
Mara, de 81 toneladas, capitao G. Dnffelsen,
cquipagem 6, carga varios gneros ; a Rabe
Scmetten A C.
Rio de Janeiro 12 dias, patacho norle-alemao
^MiicAcn, de 178 toneladas, cafitao G. Meier,
equipagem 7, em lastro; T. Berstelmann.
Nato sahido no mesmo dia.
Rio da Prata Brigue inglez Alejandra, capilao
Daris, em lastro.
EDITAES.
1'RAgA DO RECU'K 18 DE AGOSTO .DE
AS 1/2 HORAS DA TAIIDP.
Algodio de Pernambuco 1' sorte1*225 e 1198
por kil. (hontem)
MfaSa de Peraamaoeo sem Inspecco 1*157
POC k (hodiemi.
f. i. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da pra?a laxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
priacipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Hua do Coramercio n. 30.
Saques sobre Londres
SOC1EDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn fy C.
SaccSo sobre os Srs. Samuel Montagu &
C, banqueaos era Londres.
V vista quantias o at 100, 3 dias
(I: vista quantias cima de 100 al
a 1,000 30 aj 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Novo Banco de Pernambueo
em liquidacio, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber o
to dividendo de um e meio por cento
do capital: s quarla-feiras e sabbados.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por coRta propria
mitaes, moedas nacionae* a estrangeiras,
O Dr. Manoel Jos da Silva Niva, juiz de
direito da 2* vara do crime, e substitu-
to da do commercio desta cidade do Re-
cite de Pernambueo e seu termo por S
M. I. que Deus guarde etc.
Faco saber pelo presento que o barharel Ama-
ro Joamim da Fonseca Albuquerque, me dirigi
a pelicao sectate :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Di?, o bacha-
rel Amaro Joaquim da Fonseca Albuquerque, que
Ibc sendo ib-vcdor Jos Lmz dcSiqueira Cavalcan-
ti. de urna letra saccada pelo supplicante o por
elle aceita a dous annos, vencida no ultimo de ju-
Ibo de 1864 de 1:432*670, com os juros de dous
por canto ao mez, e porque o supplirado nao Ihe
lenba pago, o supplicante quer protestar para in-
terromper a prrsrripeo, requer por isso a V. S.
digne-se marcar dia e hora para as testemunbas.
Nortes termTspede a V. S. deferimento E U. M.
Advocado, Amaro de Albuquerque.
N. 368, pagou 200 rs Rccebedoria de Pernam-
bueo, 20 de julbo de 1869. Chaves, Kranca.
E tiesta peticao dei o despacho seguinte :
Sim.Designado o dia 23 do corrente para a
inquincao.
Cidade do Recife, 21 de julho de 1869.Neivas.
E sendo feita a distribuirao do escrivo deste
juizo Manoel de Carvallio Paes de Andrade, o res-
lectivo escrivao interino em cuinprimento aomeu
despacho lavrou o termo de protesto seguinte :
Protesto.Aos 23 de julho de 1869, nesta cida-
ue do Recife, em meu carlotio. perante mim e as
lesteiiiunhas infra assignadas compareceu o sup-
plicante bacharel Amaro Joaquim da Fonseca Al-
buquerque, e disse que reduzia a termo todo o
contedo de sua peticao rotro queofferecia como
parte do prsenle, no qual. dopois de lido se as-
signou com a indicadas tostemunlias.
Eu Manoel Silvino de barros Falca, escrivao
interino o escrivi.Amaro Joaquim da Fonseca
Albaquerr|ue.Joaquim da Silva Costa.Antonio
Marlids da Silva Campos.
Em seguido do que no dia designado produiio o
supplicante as suas tesiemunhas, que dcbaixo do
juramento dos santos ovangelhos, que Ihesfoipor
mim deferido, juraram convenient-mente acerca
da anteada do supplicado, em cons que o respectivo escrivao. fazendo tudo antoar,
seiar e preparar me fez os autos conclusos, o nos
quaes dei a sentenca seguinte :
Em vista da letra de lolhas 7 c depoimentos de
oihas 4 a 5, hei por justificado o deduzido na pe-
ticao a folhas 2, em consequencia. mando se pas-
sem editaes de citagao com o prazo d,e trinta dias.
pagas as cusas cx-causa pelo justificante.
Cidade do Recife, 7 de agosto de 1869.Madoel
Jos da Silva Neiva.
E por forca desta sentcnca o mesmo escrivao
interino fez passar o presente edital pelo theor do
qual chamo, cito e hei por citado ao dito suppli-
cado ausente, Jos Luiz de Siqueira Cavalcanli,
para que dentro de trinta dias compreos ante
este juizo por si ou seu procurador, allegando e
provando o que for a bem do seu direito e jnstica,
sob pena de revelia.
E liara que o supplicado nao fiqae indefezo to-
da e qualquer pessoa prente, .'migo ou conheci-
do. poder-lie-ha fazer sciente de todo o expen-
dido.
E para que cheguo ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente edital que ser aflxado
nos lugares do co^tume e publicado pela tan*
prensa,
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambueo, em 13 do agosto d 18C9.
Eu Manoel Silvino de Barros Falcao, escrivao
interino o snbscrevi.
Manoel Jos da Stlva Neita.
Joaqun da SilvaRego.cavallie.ro da ordem
de Cliristo e escrivao do juizo de paz e
da subdelegada da freguezi doSantissi-
mo Sacramento do bairro de Santo Anto-
nio da cidade do Recife, provincia de Per-
nambueo, em virtude da lei, etc.
Certifico que a carta de ditos entre par-
tos autor Jbs Faustino de Lemos, e reo
Francisco Correia de Andrade, do theor
seguinte :
O cdado Antonio Augusto da Fonseca,ca-
valheiro da imperial ordem da Rosa, juiz
de paz do 1.* anuo da fregueaia do Santis-
simt> Sacramento do :airro de Santo Anto-
nio da cidade do Recife, provincia de Fur-
nambuco em virtude da lei, etc.
Faco saber aos que a presente carta de
editos virem, que por parte de Jos Faus-
tino de Lemos, me foi enderessada a peli-
cao que segu :
Illm. Sr. juiz de paz da freguezia de San-
to Antonio.Diz Jos Faustino de Lemos,
que sendo credor de Francisco Correia de
Andrade, ausente em lugar nao sabido, da
quautia de 1:102^520, constante do do-
cumento justo, quer o supplicante chamar
o supplicado a conseliaco para amigavel-
mente pagar-lhe o quedeve eporque est o
supplicado ausente em lugar nao sabido,
requer a V. S. digne-se mandar passar car-
ta de editos para ser citado o supplicado
na forma do estylo, admiitindo em pnmei-
ro lugar o supplicante a justificar a ausen
cia, marcando-se dia e hora em que devem
comparecer as testemunhas do supplicante.
Nestes termos pede a V. S. deferimento.
E. R. M.Ignacio Nery Ferreira da Sil-
va Lo pes.Numero 367.200.Pagou
200 ris.Recebidoria de Pernambueo, 11
de agosto de 1869.Alcntara.Franca.
Na qual peticao dei o despacho que se
segu : Como requer, Freguezia de Santo
Antonio, 11 de agosto de 1869.-Augusto
da Fonseca. Em virtude do qual despacho
se procedeu a inqunelo de testemunhas
que depozeram sob o juramento dos Santos
Evangelhos a respeito da ausencia, incerte-
za do lugar da residencia do justificado,
Francisco Correia de Andrade ; e sendo
ludo aulhoado e preparado.mejvieram os au-
tos conclusos e por mim lidos nelles pro-
fer a sentenca do theor seguinte :
Visto o depoimento das testemunhas de
fl. que o justificado Francisco Correia de
Andrade acha-se ausente, em parte incerta,
julgo justificada a sua ausencia ; o escrivao
passe os editaes do estylo cimo prazo de
30 das e pague o justificante as custas. Fre-
guezia de Santo Antonio da cidade do Re-
cife, 17 de agosto dei 1869.Antonio Au-
gusto da Fonseca. Nada mais se conlinha
em dita sentenca dado nos autos, por bem
da qual se passou ao justificante o presente
edital com o prazo de 30 dias, pelo qual se
chama e cita-se o referidojustificadoFrancisco
Correia de Andrade, para que dentro dos 30
dias comprela por si ou por seu bastante
procurador para se proceder aos termos de
consiliacao na forma da peiicSo e a qual-
quer outra pessoa para que Ihe faca saber
desta nova citacSo, afim de que elle nao fi-
que indefeza.
0 porteiro deste juizo Francisco Manoel
de Almeida publicar este nos lugares mais
pblicos desta freguezia e o affixar pas-
sando certido em forma. Dado e passado
nesta sobre dita freguezia do Santissmo
Sacramento (lo bairra de Santo Antonio da-
cidade do Recife provincia de PernambiKO
aos 18 das do mez de agosto de 1869.
E eu Joaquim da Silva Reg, escrivao
a escrevi.Antonio Augusto da Fonsecav
Ao sello tresentos ris, valha sem sello
ex-causa.Augusto da|Fonseca.E nada mais
se contlnha em dito original a que me- ro -
porto e dou f, era utsupra.
Subiscrevo e assigno em f de verdade.
O escrivao, Joaquim^/ia Silva Reg.
van rantafno Cmuilo anplaudido
;is Brasileiras, rotulado
APmiellado Feiti.co.
Terminando o 'espectculo cam a
preseoiac da graciosa comedia em
la de msica, denominada
Isidoro o Vaqueiro.
Toma parte no di veri i monto toda^a oopaaiiia.
Os billurtes acham-se na estacadTIFlrTlhiMl ur-
banos e no Ihealro petos preeoa establecidos,
As pessoas que eoni|iraioin lnlhetes,! tora
sagem gratis ames e depois do espectculo, pa for-
ma do costme.
3e fdr possivel no trem das 7 horas ir u)na
ANDA MARCIAL
abra de tocar (tirante a viagem escoJhHas pel-asv
diverhmenfc prine.yii.ua .u 7 ::khojs^
A beneficiadanonlia-.na p'rileccaoj do |luarado.
publico desta capital
Attenclo.
ftnvidase ao 9r. J. V. A., autor do dous subli-
me* a: bgw pofelNtaafcs em a ni jornal eta cida-
de, o-priineiro en>i5 do corrente, no qual lembra-
va ao* aJMaaados o #ver da caridae, para qne
nao s> eaqoecessem do Hospital Portagnez, e para
dar aMiorArca M-sea podido declarou que todo
lioasaam aaVm!* qu ti*- nasceuvcm urna ha-
milde mbiijB ; o-segdo em 17, conposto de tal
arann-. j.,Ki,i.(vimf>rehwilcmos o qnfl qncria
oizer, ?knseo . caeao. TMos sens helM escript.is o convidamos
para nae-boms vaga* lomar canta da -redaecio e
ser o priaeipar escriptor do um jornal de asneiras
que vai ser dado > taz.
Asmoden e l.usbei:
__ Josephma Tlweza d Santo*, Mara Landl/'na Santos, Joaquina Pinto
Pocas, Mariana Athamsia Mrtraira, afciraos de Al-
pafliinha para uninos. I oi-.a Ineida L"VA': ^^"IW ni"" Moreira. Manoel Fran-
i. commodas, 1 rico toilet con "*ISI" p.l^M> maiKr, "*>, entibada*, cnnliado e-
cerjsa-
taes.
A SABER :
Ubi 4>uio, tima iu#bli.\ njesa oval, 2 con los com- pedias. cwii'.e-
' fmqm ^t de^raarnicioi 4 jnrr*- *t*. !
Ilguras, 2 canuieiros a gaz, 2 escarradeiras, -la
P#t,-* guarda vestid*, l-caiaa franceza. 3c>
mas d faia com
iiooa, i ;iitu,is
ictes. terao pas-i lattos.' i excetlenie' e-tai
DECLARACOES.
Santa Casa da Misericordia do
llecife.
A Illma. junta administrativa di Santa Casa da
Misericordia do Recife manda faz.i publko que na
sala de sjjasjsessoes, no dia 19< de agosto, pelas
nato bdaK da tardQ, tem ^6 ser arrematadas
quem mais vantagens oflerecer, pelo lempo de um
tres annos, as rendas dos predio esa seguida de-
clarados. :
ESTABELEC1MENTOS BE CARIDADE.
Ra do Encaalaiaento.
Sobrado de dous andares n.. 3. .. COOOOO
Ra do PadreFloriano.
Casa terrea n. 49...... 170SKX)
Ra da Calcadas.
Casa terrea n. 36 ^ 12a0(K)
Ra do, Calabouco.
Casa torrea n. 20 ..... at2000
Ra da Moeda.
Primeiro andar da sobrado n. 37. 763000
Segundo andar dita. ..... %S000
PATRIMONIO DOS 0RPHAA6.
Ra do Amorim.
Sobrado de ds andares n. 21, dem
Pateo do Paraizo.-
Loja da frente do, sobrado n.Sft .
Ra da Gta,
Casa terrea a. 17 \ .
dem n, 15 ....*.
Ra da Cacimba!
dem tdem n. 12 .
_ Roa. "do Pilar.
Casa terrea n. 105
dem n. 98........" _*' "
dem n. 96............' "..... 2O2M00
Sitio n. 5 no Pomo da Ca! ." '.'. .'. 150J000
Os pretendentes deverao apresentr no acto da
arrematcao as suas fianoas, ou comparecern!
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, t3 de agosto de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodvioues de Stmza.
AVISOS MAR1T1MIS.
COMPitNHI* HERNAMBUCANA
DB rr
\avoaacao c-* Porto dGallinlias, Rio Formoso e
Tamaudar.
^jTjv O vapor Parakyba, commandante
-/1/j4 M,^,'0' seK"'r para os porto cima no
^"""faa dia 20 do CArronte a meia noite.
Recebe carga, eneommemlas, passageiros e di-
nheiro a freto, o> escriptorio do Forte do Mallos
-1.12.
COMPAN111A FERNAMRl^NA
Vavcsaio costelra por vapor.
Mtcef em diredura e Penedo.
0 vapor Jngmrbet commandante fiuilherme se-
suira para os portos cima no dia 23 do corrente
as 5 horas-da tarda Recebe car^'a at odia 21
as 3 horas, encommeniLi, passageiros e dinheiro
i frote at as 2b .rada tardo do dia dasahida :
no escriptorio ito FOrte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PEHNAMUUGANA
DR
Viivi'gn^ eosleira por Tafaor.
Parabyba, Natal, Maco, Rlossor, Ara-
caty, Cear, .Mandah, Acarac e
- Gfimja.
O vapor Ipnjuca, commandante
Eustaquio, seguir para os porto
_ cima no dia 31 do corrente as 5 horas
la tarde. Recebe carga ata o dia 30, encom-
iendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
to Forte do Mattosn. 42.
1,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Havegaco eosteira por vapor.
Mafwngnape.
O vapor MonriaM, comman-
dante Peuna, seguir para o por-
to cima no dia 28 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas. passageiros e
frete at as 3 horas da tardo do dia
escriptorio ao Forte do Mallos n. 12.
dinheiro a
da sabida
COllPWUIA BRASILEIIU
DK
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 28 de agosto o vapor
Paran, commandante o capitn
de fragata A. J. de Santa Brbara.
o qual depofe. da demora, i) cos-
ume seguir para os portos do. sul.
Desde h recebem-se |>assageiros e engaja-se a
^arg que o vapor poder conduzir, a qnal devera
*er cmliariada no dia de suaehegada. Encwnmen-
las&dinaeiro a frete at o diada sua sahida as i
liona.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jecto&de pequeo valor eque nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmo cbicos de medicao.
rudo-que passar destes limites deverser embar-
ca lo como carga
Previne-se aos Srs. pasagoiros qne suas passa-
gen s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
t* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C.
CSPAM BRASILEIBA
DE
Paquetes a vapor.
Dos^ porto do sul esperado
at odia 22 ia> corrente o vapor
Tocantins, oommandante Ji M
T. Frarco, o qual deguiripara
pois da demora do costume se-
os portos do norte.
Desde j recebemrse passageiros e engajdrse a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia desuaehegada. Eneonimen-
das e dinheipo a frete al as duas horas do- dia da
sua sahida.
Nao se recebem como eacommendas seno ob-
lectos de pequeo valor a- que nao exoedam a 2
arrobas (te peso ou palmos cbicos ds medicao.
Tudo que passar dest8lMiiites dever, ser embar-
cado como carga.
Previoe-se ao Srs. passageiros qua suas passa-
!ens s so recebem. na. agencia ra da Cruz n. 57,
andar, eseriptori de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
a eespelho. I'niesa de j-j^, l me-a lastfina
'Ji.00 Rriarda lou,':l enviiivaaSoo na renlc nol
lados. 1 exeellente estanto-njra livros, i apudra-
dores, i sof e 12 cadeir#, fapparetio d.'Kvica
para cha, 1 dilo para juntar, copos, clices, fju-
raas, ompotei as, mesa de engofimar, f;tas
garfos e colheres, mesa do trem de feosinha e ou
prDTolJjtos que estarn patentes ao exame do]
xoncorreutes. -
HOSK. t
No sobrado da rita do Ra/iael u.., L
0 agen:e Pinto autorisado polo Sr. Cannllo le
Andrade far leilao dos inaveis e mais objeotos
cima descriptos existentes na casa que servio
Ai sua. residencia ra doRangel u. o*.
Principiar as 10 horas.
D
Fazendas geraes
a 20 do corrente
PerreiroA Matheus coiitinuaro por interven-1
Se do agente Oliveira. o kilo de grande variada-
le de fazendas de diversas nualidades anterior-
mente annunciadas, e deixando de fazer leilao em
segnidn ao ultimo, alim de lazer-se a entrega das
arrematadas em Iti e f7 do corrente.
Sexta-1'eiru,
tO horas da roanhla em p*nto, no mesmo bem
eonbeeido armazem, sito a roa da Cadeia n.,8.
cuncunhides.da'lfago Jis dos Sants, fallecido
no .lia l.> .lo correnic. agradecem cordialmeote o
todas as pa;.r!s (to se dignaram acompanhar o
restos mortsu au eeiiiterio ; e de novo podem aos
prenles e amigos do awsmo tinado o obsequio de
assistirem a minsa-do stimo dia, que por sua al-
ma mandan dizer na ordem terceira du Cirmo, no
da 21 do corrente mez, pelas G li horas da
manlia.
Sao convidada as pessoas com queni so rela-
ciona aesta cidade-o negociante Julio Cesar Pinto,
te Olrreira, para assistireu na igrt>a matriz da
freguezia dr Boa-vista, uaia misa de- rquiem,
que sera calobiada a horas da manlia do' dia
21 do crreme, trigsimo do fallecimento em Lis-
boa de sua presadtesiaia consorte O! Josepha Ma-
ra Pinto de OKveira, a enja alma ser applicada a
referida misat.
De vemizes de diversas qui lidades
Segunda-feira 23 do corrente.
A SABEK:
Vernk de la e botijas para mobilias.
Verniz real em garrafas e Irascos para bijouterias,
qnadros e refrescar pinturas a oln.
Verniz crystal am latas e meias garrafas para
enveroizar papel para forro de salas, tectos,
junto com tinta ou sem ella.
Verniz copal ingletem latas e meias garrafas pa-
ra envernizar caixas de sege ou qualquer
nutro ohjecto posto ao tempo.
Verniz bronze dos ffinileiros para qualquer obra
de folha.
Verniz espique em latas.
Verniz americano, em ditas.
Verniz preto.
Body copal vernlsh.
- Tudo ser vendido em lotes pelo agente Pestaa
no dia cima mencionado, as II horas da manhaa
no largo do Corpo Santo caf commercial.
LEILAO
De urna mobilia dn Jacaranda, am cofre prova
de fogo, um appamdor, um guarda vestido de
amarello, urna commoda de .Jacaranda, um san-
tuario de dito, urna mobilia de amarello. um mar-
quezao, una cama franceza, ama carteira com
duas faces pro ria para um escriptorio, urna dita
menor, duas duzias de cadeira de amarello a
Luiz XV. 4 pares de lanternas^nm candelabro de
vidn, um par de apparadores de amarello, ufl'
berco, diversas marquezas, mesas redondas, um
meio, apparelho de louc* de porcelana para ja li-
tar, nina commoda de am relio, um sof usado,
30 cadeiras de amarello com pouco uso, umja-
vatorio, um porta toalba, urna mesa elstica, um
relogio de parede, um guarda lonca, um par de
cadeiras de balando e diviesos reiogios de ooro
c prata para algibeira.
Terca-feira 4.
O agente Martins competentnmente autorisado
far teilo dos objectos cima descriptos no arma-
zem da ra do Imporaor n. 10, as 11 M ras eai
ponto sem reserva de jirecos.
Joaquim Jiopes Machado convida, aos parentes-e-
amigos de seu amigo Dr. Joaqiiii.i>Jos de Campes
ila Costa aVdaM e Albuquerque -para assislirenv
a algumas bismbi, quo |nr alma da extreims.i.
mi daqin-He senhor, manda resar, as 8 horas da
imnhaa de-28 do correnb, na matriz de Santo An-
,onr.
AVISOS DIVERSOS.
Para
Seguir brevemente o veleiso. patacho portugjaez
Boa F. capitjo Domingos Maub'ns : recehe ajgu-
ma carga a frete razoavel, para o que se trata
com o seo. consignatario Joaquim Gerardo de Das-
os, roa do Vigariirn. 16,1 andar.
Para o Maranko
A comm!>s3o encarregada de dar
cumprimento a,lei provincial, que aatori-
sou a libertacao. de enancas, avisa as pes-
soas que Ihe apresentaram {lEoposta que
se dirijam ra do Imperador n. 7S 1 an-
dar com as criaaeas que pretende alfor-
riar nos dias 3 e 21 do corrente as M
lioras do ;lia.
TRILHOS ll)ANa)S
DO -
Eecife ApipucGS;.
arriso
Da hoj em diante haver at o fini-.:dA
mez un trem que partir de Apipucos .para
o Recife, s 10 horas da noite.
Escriptorio da comrwiihia, 16 de agosto
do. Am.
O gerente,
_____________________RavUnsoH..
ATTlVCAO
Miguel Gomes da Silva, estabeloeido boje napra-
ca da Boa-Vista n. 32, esquina ra do Aragao,
participa a todos os se'jB-devedon que eatregoa
todas us suas dividas i seu proearador Joaquim
Jojge de Mello para cobrar judiawlmentp.
EngoiMnadeira
Ro. eollegio da Conreicao pracisa-se uma en-
gommadeira perfeitavpaga-se bem agradando.
mk DA FRINA
Aos 4:000$
Bilhetes g^antioSv
A roa do Cresfio n.23 e casas la costume.
O abaixo assignado temi vendido,alm de ou-
tra sortes 2 qoartOA n. a:il com ; M da lote-
ra que se acboa de ext/ahir beneteio da Santa
Casa da Miserkordia, canvida aopossnidores a
virem recebes na conieroiidade do costume sem
descont algom.
Acham-se a venda o* bilhete da V parte da
toteria da ordem tercaira- do ('i.uh do Recife,
(117*) que se extraha no dia 17 do corrente
mez.
Procos.
Os do. costuiot.
_________Mftnoeh Mamas Fiuza.
AlpM-M nm sitio owm boa casa de
$*jfrvi vvenla com oommudos para gr.ia-
i,*V3 (le familia,.naiassagem da Magiar
^liijnE n'i, em frent ao siao do Sr. lialtar
" A GHvcira : arralar com Domingos
Alves-Matheus, na to Vinario, n. 21.
INSTITIT1) ABOKEOLOtilCOtE GEMiW
Hajer. SQSsSo ordinalkv q/*nta-fciral9
do corrt!iil*> agosto, polas. II horas da ina-
nhaa.
ordem do. oi.\
Parecefes e mais trabalaos de commis-
soes.
Secretaria do Instituto,. 16 de agosto de
1869a
Josi1 Soum de Azevedo,
Secretario perpetuo.
Precisa-se. de um caix#i|kv de boa conducta,
que-tenha pratita de taberna: na ruado Rang>!
n. t*
% rtia esreJta 4 ftosarlo a, :i A
1; a ludan r.
Fornece-se comedojtias para fia, de ina cssa
particular de familia, preparada com todocas-
seio, promptido e commodn preao : na ra esrei-
ta do Rosario n. 3, 1-dar.
.UI.4
Ti
Precisa-sc de urna ama, preeriiidu-so.. escrava,
o patacho p.irtuguez Mara, eapitao Pedso Martins ^nTi cozinhare compiar, paga-se bem o alianca-
600*000
101*000
1925000
liliOOO
1463000
146*000
203*000
Braneo, recebe carga a freto ; trata-s. com E. R
Rabello, ra dn Commercio n. 44. ^^^^^^
Para Lisboa
o palhobotejportaguez Carolina, eapitao Jnao Paalo
de Oliveira, vai sahir breve por tor grande parte
do carregamenta engajado : para carga e passa-
geiros trata-se com E. A. RabellD, ra do Com-
mercio n. 44.
se bom tratamento: na ra Direita n. .'12.
Para o Porto
Perdeu-se
de Santo AjUonio para a Boa-Vista ups oculos cor
aro de ouro.; quem os tiver adiado c quizer ro>
titnir nesta rypographia se dir quem .
iose, Goncalves da Rocha, curador de Jtoao
Francisco de Oliveira, faz publico para que abe
gue ao- conhecimento do qualquer, a quem possa
intasessar, que o oagenho Botn Destino, silo ua
fregueaia de Agoa-Preta, que foi do finado Juliao
pretende sabir com a possivel brevidade o patacho 1 Peraira Mattosn, e boje da seu. uerdeiros, nao
portuguez Liberal, tenv parte da carga engajada, e pode ser negociado por estar so-jeito ao pagamento
para o. resto que Ihe taita, pode tratar-se com Da
vid Ferreira Rallar, ra do Brum n. 92, ou com
oeapito do referido navio.
PARA'
0 inspector interino da alfandega faz
publico, qne *no dia 21 do corrente dep,ois
do meio dia, e a porta da mesma r^prti-
eSo, sero levados a hasta pti b 1 igj> /" i i vre de
THEATRO
(iymnasio Campestre.
PENLTIMO ESPBCTACl'1,0 KM BENEFICIO DA ACTRIZ
lmllla Bernardina Ponte*
Quinta-feira 19 de agosto de 1869
Pnmeira representacao da espirituosa comedia
t'.n 3 actos, intitulada
Remedio para curar paixoes ro-
mnticas.
O patacho Protector seguir para o referido
porto em poneos dias, por ter a major parte do
seu carregamento prompto : para a jue Ihe falta,
quem quizer carregar a frele commod, pode diri-
gir-ao ao consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltrao, ra do Commercio n, 17.
Para a*villa do Filar
Ptecisa-se de um moco- de lo a 18 annos, pouco
maVoh menos, para caixeiro, e qne tenha alguma
praticade ferragens o mitdezas : quem sejulgar
com estas habilitacfles e se queira empregar no
lugar indicado, dirija-so ra da Cadeia do Reci-
fe n. 56 A, que adiar com quem tratar.
Para Lisboa
O brigue portugnez Constante II segu para
Lisboa com a menor demora possivel, por j ter
parte do sua carga prompta : para o restante e
passrgeiros, trata-se rom os consignatario? Olivei-
ra, Filhos A C, no largo do Corpo Santo,n. 19, ou
com o eapitao v prora do commercio,
das dividas deixadas pelo mesmo Mattoso, entre ae
quaes figura nina de tnajs de-cinco cont do ris,
pertencente a seu referido curatellado, o qua o an-
nunciante vai cobrar pelos meios legaas. Enge-
nten Limoeirinho 8 de julho de 1869.
Os abaixo assignados declaran ao pablico e
especialmente ao corpo do commorcp, que tem
justo e contratado com os Srs. Pimenta Irmos,
a taberna sita na ra do Rangel n. W, livre e de-
sembarazada do qualquer debito : se alguem se
julgar com direito dita taberna, apresente-se na
mesma, no praso de tres dias, a ooiiur desta data.
Recife 18 de gnito de 1869.
Manoel Tavares da Costa Ribeiro.
_______ Antonio Bozerra de Magalhes.______
m Aos passadores do {esta em Olinda offerece-
se uma casa na ra de S. Pedro n. 5 : a tratar na
ra do Queimado n. 41, 21 andar.
1
ALUGl'EC.
No Coracao de. Onro so diz i,'pam ),ecisa de
uma escrava que s&va para coaiprar, eozinhar e
engommar, para, cusa de familia.
-^ Previne-se *jue ninguem ftca negocio com a
coobeira da nua da Sol n. 27, pertencento ao Sr.
Cpsmo Jos> Parto Lopos Nevos, sem primeiro en-
tender-se coians seus credores, sobre pina de ser
responsavol a pagar os dbitos do mesmo senhor.
Recite t&de.agosto de 1869._________________
Aluga-se a casa terrea, da na de HenriquA
Dias % t, vulgarmente cor,hccida por Estancia :
a tratar na ra da Cadeia n, 3X
higa-seo sitio n. 1^ da estrada dos AIBjc-
tos com uma grande easa, assobradada, com mu'i-
ta&orwres de fnicto : a tralar na ra da Impcr.i-
\tm n. 20, 2a andar._______________________
Aos 20:000*5000.
CASA BA K.
Os abaixo assignodos fazem sciente ao rospei-
tavel publico, que teem venda os seos muito fe-
lizes hilhetesdo.Tto, na do Crbug o. 2, toja do
Sr. Ma I hei ro, pagando -se a vi.ta das listas tmenle
coin o descont da lei.*
PRECOS.
Intciros 24JOO
Meios 12OO
Ouartos 65OOO
De |60 para cima a 224000o bilhete.
_________________Vieira & Rodrigues.
luga-se em Olinda na roa de S Bento.uma
casa mnito propria para quem deseja passar a
feela, com commodos sulBoiente para familia: na
ra do Imperador n. P, encontrarlo com qnom
tratar.
Precisa-se de urna ama para comprar eo-
zinhar para tres pessoas: na ra das Trineheiras
n. 24.
ATTEN QftO.
Vende-se uma poreao de gradiamento de ferro,
qne foi do passadico do Recife a Santo Antonio, e
igualmente se vende uma machina de forca de 3 a
4 cavallos. em perfelto estado, e caldeira nova : a
tratar na Torre com Andr de A breo Porto.
Precisa-se do uma ama que saiba somonte
eozinhar bem : no pateo da Ribeira n. 13,
Ama

1 1
s
ir
Precisa-so de uma ama para casa de pequea
familia ; na ra das Cruzes n. 4.____________
Aluga-se
o sitio da viura de Diogo Jos da Costa, na estrada
da Torre, com grande casa de vivencia assobra-
dada, cochnras para carro e cavallos, c quartos
para pretos. bata para capini c ai-yoredos de
fructo : a tratar na sua Nova i), i*, 'l>Ja'


/
*
Diario de Pernambuco Quinta eira 19 de Agosto de 1869.
-----r-
-
'; .-.i a'HI
GRANDE HOTEL
Ra larga do Rosario n. 44.
EspoeUidade na preparadlo dos {raneros ali
menucio*, prowpudo e asseio as enconimendas
e boa organisacao no estabelerinwnto. Reeeboni-
se assignaluras para o eslabelccimento e .1 domiri-
1, faoilUa se a leitura de jomaos Racionara o m-
trangeiro*. opacos sala para o elegante jugo d<
bilbar. 0 I1.1 decente e cimuiioda hospcdagem.
Na praca da Independencia n. :W, se da di-
nheiro son pnbores de oure, prata e pt-dras pre-
ciosa., c ?eja qual fr a quantia : na luteina casa
se compra e Mude objectos de furo o prata, e
igualmente so taz toda e qualquer obra de oheom-
mcnda c todo o qualqaer concert tcndi-nte l
niesina arte.,
Na ra do Ran
soa que queira ;ipren
gando-se-lhe,
re n. 9 admilte-sc una pus
ier o trabalho de padaria, pa
Alunm-sc at G cscravos para o servieo de
campo, sdianta-se at seis meza do alnguoi para
cada um : qnem tiver deixe sua morada na eo-
cheira do Sr. Tliomaz para ser procurado, na rti;:
de Santo Amaro, ou na ra do Imperador n. 45,
cocheira de Manocl Mara.
-1
m
v r paliii
N'ESTA ANTIGA E C1KD1TATA
FABRICA
>
Precisa-se de um cozinheiro
pasto : na ra da Lapa n. 11.
Cozinheiro
pratico de casa de
Escravos para alugar.
Na padaria di rita Direita 11. 84 precisa-se alu-
gar escravos, o pafa-se bem._____________
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leitc sem lilho : a
travooM de Varas t, i" andar. Nao sa alba
a preco.___________________
NCNTiA 11 ciiiTimiiiri mi ciinnt iiuiiirii >i
CIAMtl #
W todu u qualidade !
De todoi os feitios I
De todas oe preces I
RA DO CRESPO N' 4
ios ?o:oool4>oo
CASA DA FORTUNA
itun Jo Crt|> u. 98.
0 abaixo assignado tendo obtido licenca da pre-
sidencia e satisfeiio as outras exigencias da lei,
avisa o respeitavel publico que ter sempre
venda no seu estabelecimento bilheles das lote-
ras do Rio de Janeiro, cujos protaio* *erio pagos
promptameoe vislY das listas com o deseos
smeme da leu
Precos :Inteiros.. iijOOO
Motos... 124000
Quartos. 6*000
E em quantidade maipr de I00000 na rsiao
de 22*000 por bilhete.
Manoel Martins Piuia.
AUGUSTO PORTO & C.
11--RUA DO QUEIM DO--11
Tendo chegado ltimamente ao seu e-tabeleeimento grande variedade de fa-
lendas de gosto as jeiu ;i disposicao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
precos possiveissendo:
Bournous de cashemira braneos e de cotes, o que ha de mais elegante para
hombros de senhora.
Novo gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sireni
orientales de renda preta de soalines, o que lia de mais elegante.para utna moca
Basquines de guipure preto, novo g)sto.enfritados desetim de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capelfa para noivas. Froahas e loalhas de cambraia de linho
bordadas. Cortinados bordados para camas e para jantHas de diversas qualidades:
colxas de seda e de 15a o de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorgui ao de la e seda de cores, milito elegante fazenda para
altillo vapor da Europa, saludas de bailtel? lindo "j*- Sedas (,t c6res e *#* H?** ,le. wdabranco e decores com
e bronus do ultimo goS; ra do Imperador | llslaf asseUna, panes, esMiras e mu.tas outras fazendas cojos pcos sao em geral
n. 23 i" andar, e que vende por barato: mu.lle mo(1,M- Grande sortimento de camisas para hornera, tanto lisas como bordadas
nreco i6 ue cores.
Continan, sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama e
para pianno, porcio de tapetes em pacas para alcatifar sales, e grande quantidade de
olas das eaixas liaes do banco do Brasil,
trocam-se com mdico desconlo, na toja de Manoel
Soares Pinheiro, praca da Independencia n. 22.
Madama Adour tem a honra de par-
ticipar ao respeitavel publico, amante dos
bossos theatros lyriros, que recebeu pelo
sahidas de baille
Precisa-se de lima anta de mw iiad* e'
boa conducta para andar com aienmos e engom-
mar para pouca familia : na ra da Cadeia n. 10,
ou na Cafuinga porto do Jacobina n. 48._____
Quem quizer aiNcar o |p aadar do sobrado n. 40
da ra d:i Cadeiade Bccifc, o^ial se acha pre-
sentomenti^ pintado, e esteirado t 1'orraJu a papel,
tndn em peneho estado : pode dirigir-se ao es-
eriptono da companhia Pernambucana, iw caesdi
Assemblau. 12. que alii achara com quem tratar
O t)r. Antonio da Cimba Figaeiredo, ex-vi-
gario geral da diocese de Pernambuco, e antifo ad-
vogado nos auditorios do Hecife, havendo chegado
da Europa rostahalecido de seus i icominodos, tem
de novo aberto seu e ra do Imperador .'7, rirtratla pele caes 22 de
Hovembro. A prop^c exereer o ainjiterio da sua
proHssodu adi(jad no froarefcsiaslico, no i-
vet, no couunereial. e no administrativo, paran
que ser encontrada das 10 hora* da manliaa as 3
da tarde, em toiles os das uteis no dito escripto-
rin, e Un dessas doras na Ponte de l'ciV>a, resi-
dencia ile seu mano o conselhoiro Jos liento da
Cunlia Kigueiradu.
Esteiras da India para forrar salas.
S llr. Manool Enedu RiigoVatenca, me-
^i (ico, ra da Camlia do Carme n l.
Attenco
AJuga-se urna preta quitandeira : a tratar
ra do Pilar n. 47.______________
Attenco
Urna pessti-a com as habililaces precisas para
qualqii'-r casa domniercio, dueeja ser emurega-
da, tanto nesta eidadu como fra della : a tratar
na nu Urlla n. 21 ______________________
' Vicente Alves Moreira, agenciador de ven-
das de esetavos, mtidou sua residencia da ra de
Hartan ii. 94 para a ra da Paz n. .4, onde seus
freguezes o poJero procurar para a tuesina oceu-
paco. rtceebe escravos cm eoinaiissao, e promet.-
pronqita venda.
Jos Joaqnim de Abreti Cardse, retira-se
para o centro da provincia a tratar de sua sade,
e julga nada dever nesta praca, se algnem se
juigar seu credor apresente-se' no p'azo de tres '
dias para ser pago.
lOSMiOOpOT
Qisa da e icidade
N. 2P1ACA MrfHMUrWDENCIAN. 2.
Os abuixo assignadus," tendo obtklo licen-
ca da presidencia e satisfeito as outras exi-
gencias da lei, avisa ao respeitavel publico.
que ter sempre venda bilbeU'S das lote-
ras do Rio de Janeiro, cajos premins serao
pagos promptamente a vista das lalas, com
o descont smente da lei, pelos precos
seguintes :
Bilheles inteiros... 2-i,500u
Meios.-... i2^000
Quartos... 60 Veras dr Uarbedo.
AGENCIA
l'KITORAL DE GBREJA
cura phtisica c Uidas as motostias do pU>.
SALSA PARRir.HA
cura ulceras e chagas antisraa, tmpigens e darlos.'
TIJNICt)
conserva e limpa os calielloc.
PIMil.AS CATHAIITICA8
purameute vegtaes e sem mercurio, cura sesees, i
purgam e piuilieain todo o sysema bumano : ven :
dc-seiinicanifiiie em casa d Samuel P. JobostoO | 'hejfd
& C, ra da Seozala-nova n. 42
JO0CBD_3B
,9 iiB autiiiii,
COSTIjREIRA E MODISTA )
MADAMA LECOMTE
Com loja na ra da Imperatriz n- 7.
Tem a honra de partecipar ao respeitavel publico e em particular seus fregue-
ees, que, pelas reiaces que acaba de encetar com algumascosttireirase modistas das mais
afamadas de Paris, que todos os mezes lite mandam (gurinos, de vestidos, man-
teletes e chapeos que esto no maior gosto e mais modeiiios, se acha habilita-
da para fazer vestidos para passeo e visitas, bailes c asaraentos. As senboras que
a honrarem com a suafreguezia, nao deixaro de ser satisfeita*. tanto pelo bom gosto, como
pea barateza dos precos e pimpliiio na entrega das eneommendas ; tambem. tem bo-
nitos enfeites muito modernos e de todasas cores. Fazem-se chapeos de todas as qualidades
tanio de fil como de palba.
directora sao convidados todos os socios
par* comparece] em em assembla geral. sexto-
eira, SOdo crrente, as G 1|2 horas da larde, oa
sala de wat se-
Secreuria rta soeiedade Kniio Benellceiite Ma-
rtima 17 de agosto de 18f>9.
O t- secretario,
_______*_______Jet Praactsco Narciso.
Precisa-se de emSrT) de 12 a 14 annos
de idade : na ra do Imperador n. 32.
i; instando ao al do. fllho e her-
deiro do liuado ten< rancisco Santia-
go Runos, que alguas herdeiros tratain de proce-
der novas partilhas di b iaja e assu-
car, dex.ido- |Mlo i i fallecido pai, sem
citaca.i e conhei-im>'iito do abaixo assignado
nao leve participaba, nem publica, nem particu-
lar ; vem pela iuiprensa pr uitia ditas
partilins, ca Becite. 17 de agosto de 1869.
Sebastiao AccioU Santiago Ramos.
GRANDE WIDADE
ii e Lista* par* a _.Uvau*.i Francesa a >l>ra 4o viscende
P01S0H D TERRAIL
(Traducido de Alfredo Sarment.)
OS DRAMAS OE PARS
AOS 20:000^000
CASA FELIZ, ARCO DA CONCEJCAO !t S.
Os abaixo assignados lendose habilitado na for-
ma daa leis tem exposio venda os seas felizes
bilheles das loteras do luo de Janeiro, na casa
cima aonde.se jiagaiao w sortes que sahrem
nos mesmos bilhetes com o descont da le s-
mente.
Bilhetes inteiros. 34 JOCO
Meios......i2*O00
Quartos.....6000
E de 1004 para cima a iii o bilhete.
Figueiredodt Leite.
COMPANHIA PERRAMBCAHA
COSTREmA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
caza, por preco coramodo, na ra Augusta
n .H2, e d-se flanea sobre as mesmas..
O advogad
Affonso de Alhuquerqne Mello mudon o seu es-
criptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
Miguel Goncalves Hodrigues Franca, lilho de
Manoel Goncalves Rodrigues, vende a heranca que
em urna quinta Ihe deixou na ilha de S. Miguel
sea av paterno Joso Goncalves Rodrigues : a tra-
tar na ra do Crespo n. ti, Io andar.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna efJcacia verdadeiraraente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e ^applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, sulocacoes, catharros,
broncliicos. etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na plitisica pulmonar, sua virlude contra
o ttano ou espasmos, e convulsies e in-
contestavel, e ninguem ha que a desconlte-
ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
MUDANZA DO
IKSJIIEEi
Albino Baptista da Rocha participa
a todos os seis freguezes que mudou-
se com a sua officina da praca da
Independencia n. ti para a roa das
Crnzes r,. 3 : previne, portanto, a
todos os amigos e fregueses que se
ichar em casa a qualquer hora
do (lia, para exscutar todo e qualquer concert
que de sua arte- exigir possam, tendente a sna
pVdfesiB
tratar.
a em sna falla aebarao com quem
ObstrucQo
Do ligado e do baco
Os preparados, de. JURUBEBA (vinitu,
xarope, unas, oleo, emplastro e tintura)
sao elcazes contra a obstruccao do figado
a do baco, a ictes'icia, a liydropisia, as febres
intermitteQies e durezas, os desarranjos do
estomago, as faltas de sangue e de mens-
truacau, o cathnrro da bexiga, etc.
Lineo deposito,.pharmacia de seu autor
de J. d'Almeiila Pialo.
Ra do Rosario Larga n. 10 junto no
quaitel de polica ___________]
C Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmaos,
Luiz Antonio de Siqueira.
CEKE*Ti:
0 SR. F. F. BOiiGES.
Restando anda emitlir algumas accoes desta companhia, da quanlia nominal de
OOdOOO cada urna,'das quaes s seaceitam em virlude da lei, 20 /> ^OOOO por
cada acele; coavida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos frs.
capitalistas e interessados no commercio, que queirara dar empreo seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que Ihes appromer.
Algumas destas accoes j tem sido tomadas por pessoas que conbecem a vantagem,
de na presente occastao (conhecidamente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como.vapores, predios etc., que Ihes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue boje tO vapores, G interamente no vos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 40 % ao ann0 n3 ltimos 4 annos.
As acc5es qne se emittirem gosam dos mesmos direitos, e perceberSo o beneficio
dos mesmos dividendos que os amigos em proporcSo da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no ^envedificio ao caes da
Assembla n. 12.
DENTISTA DE FAXIS
19Eua Nova19
FREDERICO *\iriEll
:iruFgi3o-dentista, muito conhecidoha dez annos nesta cidade, pela pereico dos seus
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feilo nvjiu mo-
Ihoraroentos na sua casa, pode d'bora avante receberas senhoras no seu : rete onde
icharo os commodos precisos para familia.
Acba-se tambem na sua Gasa e na sua companhia, o seu sobrinl. e discpulo
I. I.EItOl X
oqual acaba de voltarde urna longa viagem a Europa, dorante a qual pi licoo com
feliz suecesso as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenho para tudo o que for relativo a profissSo ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso on3o encontraren no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianca com que o tem honrado
a dez anuos.
Dentaduras por todos ossystemas: a pressfodo are com molas de ouro, platina
vulcanita e um interamente novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Cbumbagens (obturacoes) com ouro e com massas diversas, segundo os cases.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos dentrificios fabricados pelo proprio annunciante, o que Ihe permitte aas-
car sua boa qunlidade.
Bscovas para denles, etc.
Perfeico de trabalho e presos moderados
Viagens para fra mediante ajusto previo.
0 gabnele acha-se aberto das 8 horas da mauba ateas 4 da tarde de todos ds
JmMi _. .... .
AMA
Precisa-se de mna ama boa cozlnlieira, e outra
que engomme bem, forra ou escrava, e que tenha
boa conducta : na ra do Pires, sobrado n. 27
Attenqo
-
11-Rua estreita do Eosaris-11
Este novo e modesto estabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
gante e bem fornecido hotel que situado n'uma pnsiejo interamente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephjros da larde, torna-se preferivel qual-
quer outro Teste genero, as tres consas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distracao da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito prolusa, da primeira ordera; no
priraeiro andar, sala da frente, um excellente billiar de mogoo, para divertimento. Sala
I de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
landarprepa-|rias'.110,;olica(l0 ^odo;do pessoal do estabelecimeato, promptid^ e commouidade, s
ram-se ricas bandeja* de botos para casamento?, bai- j OS tllustres concoirentes e dado fazer justic a.
leaelatltisados, por preco maUocominodo, comblos Fomece comidas para fra, tanto por mez como avulsa. Todos os das, nole.
dedifferentes qualidades, boquels de flores artillciaes
c naturacs proprios para enfeites de bolos e para
casamentes e para qualquer offerta com fitas bor-
dadas a ouro e lelreiro agosto dos dono; as en-
connnendas devota ser fettas doas diaa antes,
enfeitara-se velas ricas por muito barato preco
para baptisados e enfeites de altares; faz-se ca-
pellas e cenos para as lojas o flores para enfeites
de igrejas : prepara-so qualquer eneommenda,
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capeHas, festes e roseiras para enfeites de igreja
mais barato do que em outra qualquer parte c
com toda presteza ; faz-se pao-de-l, ptidins e do-
ce, UmIo onfeiliilo paca preseutes.
ncontrar-se excellento soneto, refrescos, caf, cha, bous vinbos Figueira, Porto, Bor-
1. ieaux, tendo bons commodos para hospedagera, salao e quarto mobihado no segn
do andar.
A mcieira b> ca.-al de JooHenrique da Sil-
va, pede ao seunores que tem predios edificados
em terrenos do extincto vinculo da Coneeicao dos
Coqueiroe, quer ao buirro da Da-YisUt. quar no
de Santo Antonio, a Ijondade de os mandar salis-
fazer a seu Dlho Jos Rennqnes, (ue se acha por
ella encarregado de os recefter, na ra estreita do
Rosario n. 2 primeim andar, das 10 horas as 3 da
tarde. E comespecialidade pede aos Sntprorura-
dores das irmandades da Conceicfm dc^BebiTibe,
Sant'.^nna, Rosarlo e S. Goncalo da Boa-Visto, a
ipiein j se tem dirigido cartas por intermedio dos
inquiliuos que oceupam os predios das referidas
irniandades. Rem como a quem tem direilo as ca-
sas deixadas pelo fallecido Fr. Parao, do convento
do Carmo, vir pagar igualmente os foros que e*-
tes predios estao devendo ; e se alguma duvida os
mesmos senhores tiverem em seus predios seren
ou nao foreiros, poderao ir tira-la a vista dos do-
cumentos e eseriptaras, pois, j se tem dado por
veses se vend'irem predio- rom chao proprio c
elles seren foreiros;
Tobias Pierri agradece cordialmente a todas
pessoas de sua amizadea maneira por que sempre
o trataram durante sua estada" na Ruropa. Outro
sim declara que contina a dar lices de piano e
canto, tanto em casas particulares como em sua
residencia, para o que espera a protercao de todos
os pais de tamilias que queiram se utilisar de seu
prestimo, ra do Imperador n. 19, 2" andar
STovidade
P
BU
&3
FLOR OA BOA-VISTA
MM.t
DE

rrPALO FERKANDES DEMEILO GIMARES ^
SOB A D1RECCA0 DO MUITO HBIL ARTISTA
ALFAIATE PEDRO
50
Primeira par!" d fetaoso romance
ROCAMBOLE
l'rmioira ser' A lier.inca mysleriosa. ,
^c?undn O clnh-dos vleles de copas.
fwceira As proezas de Rocamlinle.
Qnarta A rtpswrra de Baccara.
Oninla Os cavallioros do loar.
Sexta O testamento de g.'o de sal.
Estas sois series de bn.
O- HIT A DO REPO-
A botica de C. Cato A C., ra da Imperatriz
n. 77. acaba do receber um completo sortimento
de sementes de horlaHce, todas muito novas c per
commodo preeo.
Afijase
urna casa cora bastantes commodos, na cidade nova
de Santo Amunt : Mr eom Antonio Jos 5o-
ines Jnior, BijSintf Amaro.
Nesta oflicna encontrarSo os respetaveis freguezes um dos pnmeuos artistas
em alfaiate para bem poder satisfazer toda e qualquer obra, tanto no bom corto, como
no aperleicoamento das mesmas. .. .
Torna-se desnecessario rocommendar este artista, pois que a sua thesoura y> e
bem conhecida, (e com grande especialidade em faidas) por multas pessoas distingas
desta cidade ... ,
Achar-se-ho figuriuos de todos os mezes, peto que o artista executa debauo de
todos os preeeitos d'arte qualquer urna obra em face dos mesmos.
O mesmo estabelecimento se acha munido de um completo sortimento de. fa-
zeodas como sejam: casemiras de e-ir, ditas pretas, pannos pretos, ditos azues, bius
do cor, ditos brancos, seda para cohetes, merinos, ele. e mais fazcBdas propnas a
0 grande sortimento de roupas bitas que tem vende por menos 20 0/0 do
que em outra qualquer parte._______________ -_-- ..-_
RA DA IMPERATRIZ N. 48,
junto padaria ranceza.
AluK'a-so utn.i. exeelleute ca*a terrea com
soto, e commodos para' grande familia, sita a ra
da Aurora, junto aaonte do Siarr ; tratase na ra
da Fundicao n. -10.__________________
EuKouuna-se roxiua tanto de
de senhora, com perfeico : na ra do
te.
COIITARIA DOS AYliVAZES
16-RUA DA CRUZ16
eni como
aldeireiro
iAfJL
Prociyt-sa da m^a-awa que campee
para doas pessoas, pagase beta :
Cruz n. 10, andar.
:rm
Aluga-se urna |>reta escrava que sabe lavar,
comprar, cozinliar e engommar : na ri'a Nova
n. 43.
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha. fiambre, pastis U iSutpk-
tes qualidades, vwhas de superior qualidade, cha Hissao preto, e miudo, o raetbor ^t
se pode encontrar no mercado, amendoas confeitad*i, xaropos refrigerantes, A)cs e
caida, etc.
liiumbe-se de encommendas para grande* anlarcs, baes bapt^ad.os t ia-
samentos, a saber:
Pecas de nougat. Paes-do^lot pnfeitado;.
)tas de pao-de-!ot. Bollos dem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas tornadas de erme e carie.
Bandeja com arinaco de assucar. mpadas.


i
Diario dte Pernambuco Quinta feira 19 de Agosto de 1860.

ESMERALDA
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug, n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prataje pe-
dras preciosas
\ s na do am i. \ s
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodo, do
muito coauecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Cottoa Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roiler Gius, de cujo trabalbo faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de focap do fabricante Platt R. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as meHiores que tm
viado ao mercado ; e para a sua apreciaco convidam-se os senhores agricultores "
viren a expolio d.is mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Rastos, onde
encontraro mais o seguinte :
Irmandade do Snior Bom
Jess das Dores em 8.
Oonifllo.
De ordem da au regadora convido aos nossos
irmaos para qao coija recato, no nasso consistorio
domingo it do corwnte, pelas 9 l|f horas da ma-
diaa, afim de reunidos em mesa peral, elegermos
jS nossos funceionarios que leem de de servir nos
oos annos de 1669 a 1870.
Consistorio da irmandade do Senltor Bom Jess
das Djrcs em S. oncalo 17 do agona de lS*j;>.
Ilaphacl Aivliaaje da, Rosa Lima,
l'Nrrivao.
Ao commercio.
O: ab.iixo assisnados, estalielecidos pt villa de
Cimbres, levain ao conliecinieiito do publico c em
particular ao commercio. que deixaratn de (er
transaetjes com a casa do Sr. Antonio A Ivs lie-
bre, o quenada Uto detent, tendo durante o lempo
do guas transa*efies oumprido fielmente coua seus
tratos.
Recife lu de agosto de 1869.
Liberato Lopes Frazlo Irmao.
No hospicio deNossa Senhora da Penha, as 7
horas da Mtil do dia 23 do convine, manda
Agostinho Albino Bezerra resar urna missa por
alma de seu finado amigo Tiago Jos dos Santos,
o para esse acto convida os prenles e amigos do
referida inado,_________________________
PreAa-98 de ama ama para ediinhar e comprai
f^Ju** *Bpouea telilla : na ru* da*rw*
pap-s*
Imperial Instituto de N. S. do Rom Conse-
ilio, roa do Hospicio n. 36.
Xeste estabelecimento precisa-se de ama pessoa
haaliinda que qneira dedicar-se exclusivamente ao
irab.illio de censor, para o que paea-se bem.
rumio
->a i ua estrella do Rosario o. 3"), primeiro an-
dar pTtctea-sc alugar um criado de ti a 3 an-
uos, livrc ou escravo para o servieo oxterno do
urna casa.
Till'IIO LRICO
Aepols d espectculo
CEJASSOUPRS
no saKLo do
RESTAURA.NT FUAXQAIS,
ra do Imperador n. 32. p andar.
IM MI1MDE
A sociedade benelirute Coneiliaju, convida a
lodos os nos socios para assistirem urna missa
que manda celebrar pela alma de seu preslimoso
socio padre Augusto Miria RjweiraBotellio, cmo
larobeni convida a todos os ltigos e p ireotes du
ilito tundo. Quinta.-feira 19 do ntrente as 8 ho-
ras da mambla na ordem tereeira de .Wsa Senho-
ra do Carino.
O secretario-interino.
_______Antonio da Cosa Riyu Lima.
Precisase de urna aun para servir a. urna
p'ssoa : na na de Hortas n, 70.
Precisa-so de ama ama para, casa de duas'pes-
soas : qa ra da Uniao u. 53.
Prccisa-se alugar am escravo : no pateo do
Terco n. (i3, padaria.
Precisa se alugar um pxeto para o se/vico
interno de urna casa: quem o tiver dirija-se a ra
do Itosario larga n. 10, junto ao quartel de poli-
ca.
,mJ&
Manoel Jos Montoiro Tortas, convida a seus
prenles e amigos, para nssisiir a urna missa da
retitiein. que por alma de seu presado lio, ineudador Reruardo Jo.- M iileiro Turres falleci-
do en Portugal, man Ja celebrar na igreja do Es-
pirito Santo, quintafi'ira 19 do coireut, pelas 7
horas .calida 1 a todos aqullos que se djjuaiein coul-
p.-ii'ecer a, tan pi y cliaiosc acto.
Na matriz da Boa-Vista, as 7 horas da mandila
do dia 20 do correlo, manda Hawai da Silva Ja-
carne Pessoa, resar urna missa por alma do *eu -
nado padrinio emeslre o reverendo padre Mauoel
Tliomaz da Silva; e para esse acto convida os p-
renlos e amigos do referido tinado.
Ama
l'rocisa-se do. urna ama para
da luiperatriz n. 46 reflnaao.
coziuhar : na ra
Aluga-se
Debulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhps de lyo.
Machinas para cortar japim.
Camos de chumbo.
Rombas de Japy.
Ditas americanas.
Tenas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e latao.
Ferro de todas as quididades.
Arcos de ferro.
Folha de Flaudres.
.Machados americanos.
Faces di los.
Ralaios e cestas de verguiuha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
diversidade seria enfadonho enntuuera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Raides de madeira ditos.
Temos de bandejas linas.
Trens completos para cozinba.
Peneiras para padarias.
Raides galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guama comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinaeoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de tudas as quididades.
Sertas avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura c artes, que pela
o sobrado n. 1, na ra da mangabeira em linda,
com muito boa a?ua para beb r, que se vende
mensalinente cerca de trinta mil rea era lempo
de vero, tendo tres salas de frente, seto quartes,
e um para banbo, sala de jantar, coziaha fura,
com mu rico pomar detractas, sapotis, pinhoiras,
coijueiros, mangueiras de esperiaes (|ualidaJos,
comojasinim e oulras: a tratar no Recife arma
7.em n. 3 A, defronte da escadink, das 9 horas da
manhaa as 3 da larde.
Muita attenQo.
Fugio no dia 29 de jiinho o escravo Manoel, do
narao Angola, idade 50 anuos pouco mais ou me-
nos, com o^ signaos segointes : falla de den tes na
frente, andar vagaroso, nemas tinas, marcas de
uexigas, levou calca e eamia de riso dinlio, cha-
peo de palha novo : roga-se aos Srs. capitics de
cajnpo de o aprehenderem que o levem a rna Di-
reita n. 16, que ser gencrosamenle gratificado ;
desconfia-se que anda petos nigerinos do Cabo.
lllll.
\ao o largaremos at qiic..........
E*,na ra Direita n. 53, loja de ferragens, que
se desoja fallar ao S#. Antonio Francisco Duarte
enseu irmao ex-depuiado provincial r, Masi-
miao Francisco Duarte : dove salwr quem ___
COMPRAS.
0 lozeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 eompra-se ouro, prata
e pedras preciosaspor precios mais vanlajoaos do
que em outraquaqucr parte.
II
1
tlvL
Compram-se e vendein se diariamente para lora
e dentro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar d-) sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
IEMPRESTIMO SOBRE!
(SEM LIMITE.)
Ka Iravpssa da ra
Cruies n, 2, pri-
meiro andar, da-se qiial-
quer quanlia sobre onro,
prala e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentement autoiisado pelo
governo, est as condices de ga-
rantir a trarrsacco que se flzer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas que se
dignarem do honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa corapra-se ouro,
prata e brilbantes.
CARVO DE BELLOC
pars
Approvado e recommendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
K egualmente o remedio por excellen.-ia contra a retencao de tentre Finamente em
r;'.zao de suas propnedades ahsorventes, recomme*idado como verdadt-o remedio nos
cazos de diarrliea e cholerina. e*r.& de avilo- toma-be na occasiao das comidas
sob a fonoa de p ou de pastiHias.
Depouio em Rio-Jaseiro, Duponchelle; Ckevolot. Km Pbtxavbico, ilaurer i O.

O anaixo assicnado tendo in'uiloDreve de fa
zer urna viagein a Euro|>a, a tratar de siia sade,
deixa por seus bastantes jo ocupadores, em -pri-
meiro lugar ao Sr. Antonio Marlins u\ Couto
Vian.n.i, em segundo ao Sr. Jos do Reg Borges,
e em terein ao Sr. Emilio V Souza Costa.
Iguarassii, 16 de agosto de 1809.
Joo Soterio d'Almeidu.
Custodio Jos do oiiviira, parliciaa ao res-
pciiavel corpa do cominercw, ojio retira-se pai a
o centro da provincia e deixa por sous procura-
dores, em Brimeiro lugar ao Sr. Joao Manins do
ftirros o em segundo ao Sr. Francisco Gonealves
Forroira.
1
EO de joa;
GOMES DE MAHOS IRM&OS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o m da
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde eiicnntrarao um completo sortimento do que ha, de mais elegante,
bello e precioso em brilhautes, esmeraldas, rubins e ludo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHINTES, ESMERALDAS E RUBIHS
4e novos gostos, assim como grande- variedade de sahas e palfieiros de
prata contrastada e de gosto anda no visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam quajquer joia ou pedra j>reeio3a e garantem
a qualidade dos objecto Tendidos.
zn
rfr
COMPRA-SE
nioedas de ouro e prata de todos os valo-
res, ouro e prata em obras inutilisadas, e
brilbantes e mais "pedras preciosas : na lo-
ja e ourives du arco da Conceiijo no Re-
cife.
^Compra se chumbo volho : no armazem da I'*
aitiarella, no oitao da secretaria de polica.
*j Ouroepi'at
^Compram-se moedas de ouro e prata de todas
as qualiilades, por bom preco ; na ra da Cado.ia
do lecife n. 58, loja do azulejo.
ir
\No armazem da ra das Cruzes n.83, compram-
se e vendein-se trastes novos e usados.
Compra-se
com mais v.intagem calcado nacional, assim como
tambem se vendem preparas para o mesmo cales-
do. ato mais barato do que em outra parle na
ra da Cadcia u. o. loja de miudea-.
Attenpo.
Comprase farinlia de mandioca da
tratar na praca do Corpo Santo n. 21, Io
trra : a
andar.gi
Loja de miudezas de Ferreira daCunliaA
Temporal, ra do Queimado n. 3, est
qvimando por todo prefo :
Jogo de rispan a 100 e WO rs.
Redes para copies a 240, 400 e 500rs.
Linha de 200 jardas ttlnzia) I 200.
Caixa milito fina para p de arroz 16500.
Relogio de sol ,1 120 rs.
Latas com b.mha 460, 200 e 320rs.
Atfua florida verdadeira a I 300.
Agua divina idem i^iOO.
Grvalas pretas para bomem 4 0 rs.
Pentes de iravessa para menina a 320 rs.
Oteo ptitiocome vertladeiro a 1 ^200.
Adere?os de plaqu a 4a(Wt, 2^ e 5.
Mtias cruas i^ara bomem 3500 e 'i-'> a
rtizv.
Uotoes enfeilados para vestido, l.yOO a
duzia.
Leques do santol 5, cada um.
Ditlos de mailira 3 cada um.
Oxjues du trantja, boa fazenda, 24.
2^500 e 3J cada um.
Meias linas para senhora i a duzia.
Banda em fiascos a 400, GOe M209.
Frascos com extracto muito lino a 2 a e
Caivetes de duas folhas a 210 rs.
Satneles linos 80, 160.-200, 240 e
320 rs.
Olio babou i iOO, 500, 000 e 800 rs.
Agua de colonia 400, 500 e 800 rs.
Cartas francezis 200 e 240 rs.
Caixa com exttaclo 2500.
Cartas bdtUagtMm* 120 e 200 rs.
Pentes brancos com costa de metal
320 rs.
Dittos jreys a 200, 240 e 320 rs.
Galio de 13a para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavratlas, l->500,
2i e 2^500.
Caixa com obrejas de maco 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditto e dourado a 10.
Di ta* com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhas francezas 160 e,
^^0 rs ; Clao de algodo peca
" Ua para bordar de todas as cores (libra) j3,a.s com banh* a-
6$800.
Honels pora menino 16, 2 e 2^500,
Linha de marca (caixa) 240 rs.
M ias para menina (duzia)' 3?) e 3^500.
Pefas de Irania liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos do la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 24500.
Faea$ i gallos, cabo de balanco (du-
zia) 7;).
Chicotes para cavallo 600, 800 e 14500.
Bengalla de carina 14, 14500 e 24.
Vorlas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel aluiaco. greve (resma) 14500.
Teni poral pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
contina
09
140l*
55Ba do Queimado55
A VERDADE tendo em deposito graade
qnaniidade de lindezas e perfumaas, rtle-
stjaml apurar dir.heiiD e adquirir b&a fr-
gtiezia esta rssjlvida a vender muitissitaw
barato, lauto a retalbo, como a mucates
para esses loi narem a revender; por esa
razao convida ao rospcitavcl publico a ir
oiiiptioiitemonie munidn a soitir- 4
bum e barato, l'ois q:andu a \FRDAtlK
apparece, linio mais dcsappare.ee___
Grande soi'timento de bonecas de cra
massa as mais lindas pussi veis vestidas a ca-
rcter.
Kicos globos paia candi jiro do gaz
a!4W0e.......
Grande sortimento de objetos de
louca para brinquedo de menino
Garrafa com tinta a.....
Dita com agua florida a. .
Frasco com oleo de babosa a 500,
600e.........
Dito com agua de CoJouia a 500,
400 e.........
Garrafa com agua diyQa a. .
Frasco com nlraeto fino para
lenfo a.........
Lat-s pequeas tora banh" a .
Satoaetes de diversas atiali lados a
80, 160, 2i()o. .....
Finas escuvas para denles a 160,
320 e. ....... .
Coques modernos a. .
Pavios para gaz, duzia a. .
Escovas para fado a 5 0, 000 e
Ditas para cabello a.....
.i Pentes para tirar piolho a 160 e.
I Brincos de cores bonitos a ICO e
Pefas de tranca de 13a com 8
varas por.......
Franja preta do 13a peca com
10 varas a,......
Fila preta para relogio urna pol-
oleo para machina de costura,
frasco a........
Penas d'aco finas caixas a 800 e
! Dita d'aco Pe y, caixa a. .
500
14500
I40OO
140
400
000
1A5W
32(1
70*
500
-VH
200
m
90
160
500
14000
14400
430
200
nanca, Temporal contina a
veuder na Bouanqa, pelo mesnio
preqo que venda em sua loja
com titulo de Temporal.
Grande
loja de fuzendas e roupas feilas
ra da Imperalriz n. 52,
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
procos commodos, tem sempre um bonito
soi'timento de easemiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qualidades, brim dt-
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
encarrega-se qualquer obra por medida e
Coni|)r.i-su n aluga-se urna easa cora sitio preco muilo commodo.
para peijuooa familia, om qual<|iier arrabalde ner-
iii da i'Uailo, preferindo-?e lugares por ondepa>si'
os trilhos urbanos : a tratar na ra da Concordia
u. lio
Com milito maior vanlagem compram-se
moedas de ouro e prata : na toja da joias do Co-
ra cao lie Ouro n. 2 D. na d > Canii.
porta
VrKDAS.
de costura, palapk*,
do sea valor : na
VeaoV-se urna machina
aiuda na) servida, |wr menos
rus du Rant;i'l n. 9.________________________
Farfulla de mandioca da trra muito, boa,
tem para vender Maia 4 Landelino, na travessa do
Qnerniadn n. 18 B.
Tinta rxa de Monteiro
Vende-se tinta rxa de Monteiro para escrever :
ua luja de calcado do 9obrado amarello na ra da
Cruz h. 81.____________
lom*.-: <|a ltussia
a mais nova no mercado, a preco razoavel : na
ra do Commercio n. 13, annazem de Manoel Tei-
xeira Basto.
Rus do Crespo n. 17.
ESTEIRAS DA INDIA PARA FORRA
SALAS.
Gorgoroes de cores paca vestido.
Poupeoas de linbo e seda de muito bom
gosto.
Sedas de-c6res de iindo&desenbos.
Alpacas de listas muito bonitas.
Dilas lisas de todas as cores.
Gorgoreo em chitas, fazenda nova.
Brilbaotinas de cores.
Casaqninbos pretos de guipure.
Ditos do casemira de todas as cores.
Riqusimos corte de vestido de blond.
Diios ditos de cambraia bordados.
Ditos ditos de tarlatana bordados.
Colxas di srtda ulliisaioenl obegadas.
Ditas adamascadas bi ancat up todas as
cores.
Damascos largos e estrertos proprios pa.ra
coim
Baloes de todas as qualidades.
Sitias de coi.
Saias brancas bordadas.
Tapetes do todos os tamanhos e para co-
vados, aveiuilalo.
Cambrais de cores e chitas de todas as
qualidades, e outras muitas iazendas que se
.venden pur todo preco, somente para acre-
ditar a diitiocta firma de
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da Imperatriz n. 52,
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de ronpas feilas de diversas
qualidades e procos commodos, como sejam
palitots de alpaca preta e de cores a 3$,
:t$5 0 e 45; ditos de panno preto sacos a
ti, 73 e 8*; ditos de panno superior a
!& 145 e I6.-S; ditos sobrecasacados de
dito dilo a 18). -20S e 2H; ditos de case-
mira de cor a 3J, t# e I0#: caifas, cohetes
e palitots de casemira muito Qna de cor a
20 e 25$; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 2> a 6$; ditas de
casemira preta o de cores de 40 at 12$;
cohetes de todas as qualidades; ceroutas de
bramante a HtiOO. 20000 e 20300; camisas
francezas de linho c de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte; colarinbos, gravatas;
bonito sorlimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 00 a duzia;
pechincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: todos os freguezes se
poden pro ver dos ps at a cabeca por
preco commodo..
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madaporao
fino a 70-, 8d e 100 a pega. Algod3o (pe-
cbncha) a 50300 a peca e outras qualida
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 3:5500 a
85 a. peca. Lau/Jnhas de bonitas cores, al
paca* bonitas, solela a peca com 28 metros
a 280000. Esgniao o mais fino possivel a
20OO e 35 a vara, e outras muitas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja da
LEO DA PORTA LARGA
Paredes Parto.
v- fl(w dJ.^.ie'i ma lo luja, n. 4.4, vende-sc ba-
lBe> > mnsselina a 8 e rtitu de panno a 1|.
Venderse. urna Ubmna e|P multo bom lu-
gar : a tratar na ra Nora n. 4*. _
- Vend.-s( tinboi de carroca UTta vtca de
leite com bazerro ero : no pateo do Paraizo, casa
que toi cociioira de carros mnebie% se din. qajcm
veud-________________________
Y^nde-w ou bypAtue9a-.se un?a casa en
Afolado?, temi coniniodo para pouca famili
tralar na ra da Viracao d. 17.
--------------- fj^!--------i i:----________ ______
Vinho wrde
A' ra do Livramento o. 6 contina haver para
iv*ndr por puecos raiavein, o mdhr vinho verde
at hoje tooo a esle mercado.
babadinhos e entremeios
peca de 500 a......
Botes de madreperoia, groo a
Ditos de louca muito fino a 100 e
Ditos para calca a IbO e. .
Caixa com papel amizade a. .
Ditas com envelopes a.....
Ditas com obreias a.....
Caixa com agulhas fundo domado
Ditas de dilas ditas a. .
Thesoura para costura a IOO,.
240 e........
Caixa com linha de marca a
Lipha de cores em novellos (li-
bra) a........
Dilas com 200 jardas em carre-
teis duzia a 70, 120 c. .
Grampos muito linos com pass-
ros, duzia a......
Cartas portuguesas, duzia a .
Ditas francezas a A200 e .
Papel almaco e de (Jcso, resma
a 3OO, 30500 e *. .
.a muilo lina para bordar, libra
Fita do algod5o para debrum de
sapatos, peca a.....
Ditas de 15a para debrum do ves-
tido, pega a ......
Pentes finos para segurar ca-
bello a.......
Ditos ditos de bfalo para alisar
a 210, 320 e......
Caivetes grandes com molla a .
Ditos para aparar penna a .
Cartees com colxetes a .
Rosetas pretas, par a .
Pentes de chifre para coco duzia
a 10500 e.......200'
Trancas de la lisa caracol, peca
a 40 e.......
Fita para coz. peca a 480 e .
Allinetes de latao a.....
Sapatos de I .la para meninos a
240, 800 e ......
Ligas para senboras a. .
Fitas de sarja ns. I e 2, peca a
800e........
Gravatas de seda de cores a .
Renda-; das ilhas por baratissimo
preco.
Os apreciadores das calcas appare$ain
na loja daVERDADE -para se nm.iirem
de suspensorios com borracha pelo dimi-
nuto preco de 100 rs. o par, e tainheni do
calcadeiras boas a 80 rs.; as pessoas que
uSo poderem vir a este estabeloeimcnio
podem mandar sens portadores que serao
fielmente aviados; a Verdade mostrar o q'-t:
diz ra do Q teimado n. 35. ^
IvrMfmwce
9.=Rua Binculos demarfim e de tartaruga para
thentro
Vende-se urna inorada de casa, de
pedra cal, com 2 palmos de frente e 48
de fundo, as frenas dobradas e os uifQcs
singellos, em muito bom estado, 3 portas
de fente a moderna, sallas e 2.qpartos,
cosinha, fogSo, forao e cacimba, um s-
lio com 230 palmos de freule e 300 df.
fiind, na face da estrada da cidade S
Victoria, aflorado aOOrs. o palmo: vet--
de se. um terreno milito bom de plantar o
criar, na freguezia do Cralo do Bom-Jaf-
dim, no lugar Olhos d'Agua, com 3'tO lua
cas de trente o com dobrado de fuadjo,
pouco mais ou menps, por preco commo-
do : quem o quizer dirija-se a Thomaz de
Aqnino Cezar, na freguezia dos Aflbgadus.
no lugar Areias.
Vendem-s d|u esptava boas eocinbeiras
i'iig'iQnuadi'iras, e urna mulata coziheira sorn/e-
le, todas de boa conducta : no 3o andar do sobrarte
n. 36, a ra das Cruzes.
i->3O
600
200
241)
700
480
kfi
280
100
500
280
50C
; 5200
200
I40i
3^000
405OU
070C
ICO
480
4UO
500
320
100
40
100
100
BU
100
I c$00
166
10OOf)
200
a 8*000
Vend-m-se saceos con fuijaortraiico e frant*
tamaubo- regular : no traplHi
no Forte do Maito?.
aSfiosaoro de
Bario do Livramento
Nap niaig cabellos br;tnco&
A tintura japoneza, para Ungir os cabfck
:los di ea,be^e da bayba, foi atuca admi-
tida Rxposicao Universal, por ter sido
condecida, superior todas as prepar. \
ate hoje existentes, sem alterar a xiqL
Vende-se a, ^0OQO cada fraseo na

V


6
Ifeo 4fe Fe-imdw* Quinta feira 19 Ja Agosto de lliGVi
GRANDE LlQTO/tfu
na.
LOJA
DA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz.-
72.
Alerta freguezes
que Arara vai cantar,
Para vender suas fazendns (baratas)
que muito ha de agradar.
0 propietario dcstc estabcleciiaento, leudo grande porclo de fazendas em
s, vai proceder nma liqnidaro em todas as fazendas e roupas feitas existentes no
ftSlabelecimento. agora que oeeasio de quem tem poneo dinheiro poder se vestir de
boa fazenda e baratissima como se poder ver no annnniio abaixo mencionada.
MADAPOLAO BARATO A 3 >00..
Vetjdo-se pecas de madapoln enfesta.lo
de 2 jardas 30300, dito de M jardas ou
22 metros :>>, U, 60500, 70800, 80000 e
timo.
CHITAS FRANCESAS A 280 re.
Vettdem-se chitas franr.ezas para estt-
dos a 80, 320 rs. o covado,- ditas oscuras
muito finas .160 rs. o covado.
Cbalin inulto flnn & SAO rs.
Vende-se cliaiin para vestidos Je senhora
i 800 rs. o covado.
PERCALES A 116 RS.0 COVADO.
Yeode-se percales muito fiaos para ves-
tidos de senhora a 4 40 r?. o covado.
I?. iliauCiu;--. i 449 rs.
Vende-se briihantinas ou inursulinas de
cores para vestidos de se horas U rs. o
covado, lazinhas muito finas para vestidos
de senhora iOO rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadiinhos 240.rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 300 RS. 0 COVADO
Vende-se riscado francez para vestido
de senhora 300 rs. o covado.
lasiahas a S4LO rs. o corado.
Vendan-se laasnhas para vestido de se-
niora a 2i0, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 re. o
(ovado, chitas francezas finas a 280 e 320
re. o covado.
Chales de nerin .
Vende-se chales de merino estampados
i 2-? e 20500 cada m, para acabar.
CORTES DE LAAS ARERTOS A $00
Vende-se cortes de lita para vestidos de
senhora, 20MO cada um
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestiu ^s
ce senhora, 720 c 800 rs. o covado, di-
ias de listras i 700 e 760 rs. o covado.
Chitas prnssianas 3BO.
Vende-se chitas prussiaoas de listras de
ircs milito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA CORERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
i 320 rs. o covado.
Baloes de to a SO reos
Vende-se baloes "de 20 a 30 arcos
-'iOO cada um, baloes modernos brancos
:.de cores i >5.
largura
BRAMANTE PARA LENCOC8 A 20,
Vende-se bramante rom 10 palmos de
para lences, a 2#; a vara.
PECAS DE ALGOD.HA '>.
Vendem-se peca.-; daf algodo muito en-
cornado 10, S0, WBOOorj.
Coleriuhos econmicos a 390
diizia.
Vende-se colerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande porcao.
CASEMIRAS DE CORES
Vend-i-se cazemiras de cores para calsa
e palitot i 20 20500 e U o covado,
tlgoilio enfestado I.
Vende-se algodo erifeslado proprio para
lences c toalhas, 10, a vara ou 900 rs. o
metro. ,,
BRIM PARA CALCAD A 400*RS. 0
COVADO.
Vende-so brim para calcas e palitots de
homem e menino, 400 e 410 rs. o co-
vado, dito lizo a imitacao de ganga a 300
o covado.
Algodo de listras a SO rs.
o ovado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 610 RS.
Veiide-se cortes de brim castor para
calca de homem, 610 e 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteras para viagem 10
cada urna, cobertores de algodo 10500
cada um.
Cobertas de chita 100
Vende se concitas de chitas de cores
13800 e 20. cada. urna.
ALGODO TIUNT.ADO DE EUAS LARGURAS A
u:
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lenrYes e toalhas para
mesa, se vende a 10200 o metro.
Mantas para grvala OO rs.
Vonde-se mantas para grvala a 200 rs.
cada urna, lencos de' seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDQ A 20500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa ;i 20500 a vara. i--.alb.js escuras
15. cada urna. Rin da imperatriz loja
da Arara n. 72.
M. 45 RA DA < \l)lll M. 43
DE
BIK, HUI41
,S0B A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA
Launano, alfaiate. '
O* propritarios1 (leste novo estabe.'eeimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direccao de sua officina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos do Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do fregnez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom sortimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como eejam: casimira de ct, indos padres, completo sortimento de
pannos fino?, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de b'rins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collele,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo anda nm variado sortimento de roupa feita, camisas
ingfezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de pbantasia, meias para bomens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de soda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
baloes de diversas cores e modelos, eambraias, malas para viagem, e outros mnitos ar-
tigos (fie a modieidade de seus pretos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
MAL M IffiBO
Ruado Qnenado na. 49 e 57
IiOJA
DO
1

rM* %
CONVITE GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi. nr da Impe-
ratriz n. 50, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, c desejando diminuir este grande deposito por mcio de urna liquidaran que fin-
dar no dia i5 ou 20 do crreme, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO EN F ESTADO IRANGADO A
40000.
Vende-se algodo entestado trancado para
lences a 10000, dito liso enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZASA 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30300.
Vendem-se pepas de madapolao enfes-
tado a 30300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 50, 60, 70, 80, 90 e 100, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5-0rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 10.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 10 o covado.
PORfO DE BETALH0S.
Vende-se orna porcao de retamos de cas-
sas, de 13a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' elles antes que se acabem.
CIIALY- DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10.
Vende-se chales de cassa a 10, e de me-
rino a 20.
CORTES DE LAA A 20400 RS.
Vendem-se cortes de 15a delistrapara
vestidos do senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecas da algodo a 40, 50, 60
e 70 a peca. E maltas outras cousas que
cria enfadonbo mencionar.
fojas de miudezaz de Jos de GALLO VIGILANTE
Azevedo Mata, est acabando
com as mi'adezas de seus estabe-
40000
500
20000
10500
leciiaenlos por isso qwram apre-
ciar o que e bom e baratiwmo.
Pecas de tiras bordadas coaS
metro, fazenda superior, a
10500,20, 30 e. .....
Caixas oV buha coanSO'novefk
Pares de sapatos de tranca' fe~
zendanova a......
Pares de- sapatos de tapwte
(s& grande) a......
Dw.ias aV meras ero-para-h*-
mem a........ 30800
Tramoia do- Pbrto ssenda- boa
e pe!' preso melbor 100 attos a 0200
Livros de miasoes abracadas a .. 20000
:Duzia de btralhos fParweaes muito*
finos a204OOc..... '208OC
-Silabario portngoez' cam estam-
pas ^........
Gi-avatas d&cdrese preas muito-
finas a.........
Cartoes co> calchettes- de lati
fazenda fina-a-......
Afcotuaduj-aa-dfcvidro paw colete
feiend Ceaa: .
iixas com. penna d*a?e> mnlto
finas a 32frt 400; 500 e .
Cartoes de bnha klesaare que-
tem 200-jpnbs a .
Carreteis t bnha AMsudre de
70 at 200 a......
dxas cora' snperoe obreias
de masss a......
iDnzias de agalhas- p(#a machina
Libras de pi*egos fraaeeaes an-
verso LitTinho a.....
Livros eseripturado {(ara. rol di
roupa a ...... ^
Taiheres para meninos muito
finos a. ...... .
Caixas eos papel amkad muito
fino a........
Caixas cini 100 eavetopes muito
finos a........
Pentes volteados-para meninas-
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costanas a ....
Tinteiros com tinta preta auito
boa aW) file .
Varas de franja- para toallas, fa-
zenda fina a> .
Pecas de fea branca elstica
muito fiaa a. ....
NoveHos de boba com 400 jardas
Resmas de papel de pezo asui
muito fieaa......
Grozas de botoes de ouca HMto
finos a........
320
0500
0020
0500
10000
100
0100
0040
%JOO0
4240J
012
[5240
#00
600
4320
4500
0320
0160
200
60
20500
160
CHITAS PARA COBERTAS A 280,
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 30 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 20500.
Vende-se casemtras de cores a 20300 c
30000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vcndem-se chapos de sol de alpaca pre-
ta a 30000, ditos de seda a 100 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de comes para ca'cas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calf a a 30 rs.
Vendem-se gangas de efires para calca e
palitots de homons e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se mussena branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos do senhora
a 4YO o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para aca-
bar.
JGRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QAUDAPES.
Vende-se a roopa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes poderlo Tir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
sriltir
BALOES LE ARCOS A 10500.
Venden -se baldes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, ditos modernos a (40.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
borgo a 80, vem a ser mais barato do qae
algod5osnho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se cortinados para cama a 140
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Todas estas fazendas se vendem muito
barato na ra da Imperatriz n. 56.
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fac5o e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balanpas para armazem e balc3o.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar cartas.
Fog3o americano patente.
Scbonete de alcatrdo.
N
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t2o boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cert
das impigens, sarnas, caspas e todas at
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu 4 C,
34ra larga do Rosario34.
CEMENTO
Rna d Crespo a, 9
Os propietarios **e >em conhecido estabelt"-
eimento, ah^m dos amitos afectos <|ut- tintan) ex-
postos aprceiacao *>, respeitavel piAiiru, man-
(taram vfr e arafcam *? rerber pelo uHirn vapor
da Enrnp.i um eomp*to e Taado sortimento de
finas e mm deneadas espeeiahdades. as ipiiies es-
tac resohrida vender, coreo de so eostuuie,
por precos raoito baratinnos e commodos para to-
dos, cot) tarto que o Gallo...
Mijito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas e de mn> Hnas cores.
Moi boas e bonitas goUinha e punhos para se-
nhora, neste fenevo o qve ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissiiDos enfeites pura cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta laaenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos tapies de madreperola,
marfim, sndalo e 'osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenos, a estes pretos.
Muito superiores meias fo de Escossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alcin destas, temos tamben) grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
Anas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantador.!* figu-
ras do mesmo, nesie genero 6 o que de mellior se
pode desojar ; altan destas temos tambeni gramJe
3uantida.de de oatras qualidades, como sejam, ma-
eira. baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cliicoulios de cadeia o,
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navaihas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barita ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas peto fabricante, e nos por nossa vez tam-
hem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas c bellas capellas para noiva.
Superiores agu has para machina e para cruxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
tbyrinfco.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das roelhores per-
fumaras e dos melhores e mais couhecilos i>er-
famistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdc, e
facilitam a deuticao das innocentes crianras. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisarcm, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes venia-
deiros cofiares, e os quaes atlendendo-se ao Ihn
para que sao applicados, se vendero com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dasebjectos que deixamos
declarados, aos nossos fregaezes e amigos a viren
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grande e completo sortimento de machinas para
desearocar algodo de nova inven cao chegafa l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
liento de Oliveira Braga i C, na ra Diietian.
63. Gjranie-se que a melhor i|ualidadc que al
o presente km viudo ao mercado : acham-se em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
grammos Jo melhor comprebasio dos oue tem
rinoVvil o presente, assim coma marros da latac
at meio grammo pelo mesmo sy>lema, balaneas
di lato de forja do ira 20 kilogrammos, metros
de niadeira e de lati para medir fazendas, alera
de grande surtimento de mude/.as e ferragens de
todas as qualidades, tado por preces qae s a vista
faz crdito : na rna Dtreita n. 53, loja de Manoel
Benlo de Oliveira Braga & C.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredHa-
a fabrica de Bisqoit Dwbouch 4 C, em
cognac urna das que mate agurdente de
cognac, fornecem para o cotisumrao do
Reino la Inglaterra.
Vende-se em casa de 7h. Jast, ra do
commercio n. :I2.
Tabellas vermicidas
BE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo etficaz, e preferivel a todos os
conhecido, j nela certeza de seo resulta-
do, ej pela fcil applicafo ae eTeancas.
quasi sempre mais atacadas de tSo terrvel
emuitas veies fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e fregarla.
M
Barthomeu & C.
34Roa l^arga 4o RosarleS4
Primeiro e segundo
LIVROS DE LEITUBA
P'LO
Dr. Abiho C. Borges
SEGUNDA EDICCAO MUITO MELHOR ADA E
AUGMENTADA.
Estes livros, os primeiros que com taes
ttulos appareceram no paiz, sao compos-
tos segn lo nm systema natural, philoso-
phico e ameno, que facilita aos meninos o
conhecimento da leitnra, tornando-lhes me-
nos penosos os primeiros passos na vida
Iliteraria,
Becommenda-os o fado de haverem sido
adoptados em quasi todas as provincias do
imperio, e com tal acceitacSo, que/em dous
ennos, se achou esgotada a i^cdic3e de....
10,000 exemplares.
PRECO
Io livro de leitnra---------- 500 rs.
2o dito de djto.......... #000.
Vende-se na livraria franceza.
9-Hua do Crespo9
BAZAR UNIVERSAL
O Riia MovatO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se uni completo
sortimento de todos os artgos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os ystemas, mais modernas
adoptados na America e apprnvadas na ul-
tima expsito servidos a electos para almo-
Co e jautar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca. berros, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galoupeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo 34------Ra larga do Rosario------34.
HPASTILIIAS ASSUCARADAS
DO
DR. PATERSON
De bismnth e magnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
* Rap Princeza
DA LMPERIAL FABRICA DE VIEIRA GL'IMA-
RES A COUTO,
DO RIO DE JANEIRO.
Vende-se este excellente rap no escrip-
torio de Joaquim Gerardo de Bastos, ra
do Vigario n. 16. i" andar.
BAZAR DA MODA
Os abaixo assignados, proprietarios deste
estabelecimento, declaram ao respeitavel
publico e com especialidade a seus nume-
rosos treguezes, que desta data em diante
as mercedorias sero vendidas a preco ixo,
e mdico. Isto resolveram os mesraos pro-
prietarios em consequencia de reiterados
pedidos" de muitas pessoas por ser este
systema de vender o que mais garanta e
conianca inspira ao comprador.
As vendas era grnsso. sei So feitas
os ahatmento Da razio seguinte :
Compras de 10.) a 100,? descont
de 1005 a 500
de 5001 para cima
Pagrnoslo realiasado no meoioo mea de
compra.
Os proprietarios doBAZAR DA MODA,
observam mais que, recebendo todas as
PORTLAND. i raercadorias de conta propria, offerecera
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer- a Quem comprar todas as vantajosas condi-
c5es das casas importadoras.
0 estabelecimento conserva-se aberto
todos os das uteis das 6 horas da manhia
s 8 horas da noite.
Recffe, 1 de agosto de 1869.
Jos & Soma Soares fe C.
com
107,
137
reir da Cosa & Filho, defronte do arco da Co-
ceicao, em barricas grandes.
CIMENTO PORTLaW
vindo no ultimo navio de Londres : em
casa de H. Oetti i C, ra do Commercio
n. 3.
Farinha de mandioca
da trra muito boa, tem para vender Maia A Lan-
delino, na travessa do Qoeimado n. 18 B.
Vantagem
Vende-se urna parte do sitio denominado Bar-
ballio, a raargem do Capibaribe, propria par#
planta de capim: quem pretender pode tratar
com Joao Paulo de Souza, ra Direiia n. 2i>.
FUNDICAO 00 BOWMAN
Ra do Itriiiu n. &.
PASSANDO 0 CIIAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o machinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
ilgodlo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de oanna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Arados e instrumentos d'agricultura.
Descarocadores d'algodSo etc. etc.
Havendo em tudo variedad de tamanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
AZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster &
C., rna do Imperador, nm carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende ero partida*
e a retalho por menos preco do que em outra qual
ijuer parte.
Vinho degestivo de
chassaing"
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
las digestoes difficeis ecompletas, acalmar
is dores gastralgicas, e reparar as forjas
produzinde urna assimulaco completa dos
dimentos; sendo mais um excellente tnico.
NA
PHARMACIA E DROGARA
DI
Bartholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
21
NOVA ESPERNQA
Kna do Queimad0-=2)
Advertencia!
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. ti tendo em deposito grande quantidada
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em qne tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer^
cadorias pelo baratissimo preto, para assim
diminuir a grande quanttdade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo t5o opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprr-se caro, n5o
falta aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre aseim.
Elle (correspondente de Pars) quer se-
pre primar em nos remetter objectos d
gosto e perfeifao, e ella (loja da Nova Es-
perance) quer sempre dividir com seus fre-
gueses o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) a
Nova Esperanza ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j traba,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, puleeiras e brincos da
madreperoht.
Pape) e euvdopes bordados e mati-
sados.
Papis proprio para eafetar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com doirados (xMm*
moda).
Fitas largas para cinto.
. Modernos gafloes, franjas e trancas fo
seda.e de la, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes nove
para o mesmo fim.
Trancas pretas comvidrilhos sendo com
peugentes e sem elles.
Botoes pretos- com vidrilbos com pingen-
tese sem elles.
Luvas de pellica, canurca e excossia.
Finas meias da seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leue de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Eapartdho sipls e bordado.
Bengalas de baleia.
Fmalmente, un coiapltto swlimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, na
Nova Esperanza.
Collares anodmos elleeiro-magnett
eos contra es convtdco'es das
creancas.
NSo resta a menor duvida, de que muito
cellares se vende por abi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitc*
pais de famias nao creem (comprando-os)
no efieito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperance, porn
que detesta a falsificarlo principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares;
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
?as tem salvado do terrvel incommodo d*
couvulcSes, assim pois preciso, que ve
nham a Nova Esperanca a ra do Queimadt
n. 21 comprarem o salva vida, para ser
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entao ser di-
fficil alcancar-se o efieito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collaret
de Boyer.
^A.OERM/Uity
Ategrai-vos myopes, e presbytas, j pe-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
n?o ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor umj-ico e variado sottimtBto- d#
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio enieiehior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marnha, da ulti-
ma invencao ; duquezas, vienezas, de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRA
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA *
DE
Bartholomeu d C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposicao e variedad*
do outras qualidades, finos ; encontrase no hotel
Central de Francisco Garrido, rna larga do Rosa-
rio n. 37, Io andar, e ra estreita do Rotario n.
4 A. Vendem-se a rolalho e em grosso.
I'IMIIIIUSIIIU
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se
superior madeira de pinho da Suecia, com
3 polegadas de grossura, 9 de largara, e
14 ps de comprimento a Ji.->(XX) cada urna*,
taboas de forro a 80, 95 e 106000 a duzia
pnho americano de resina 200 rs. c p
Vende-se breu barato : no armazem da bola
amarella, no oilao da secretaria fle polica.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento ; na ra da
Madre de Dos n. 22, armazem de Joao
Martins de Barros.
Vende-te ou d-se sociedade em um estabe-
lecimento de molhados na melhor ra dosta cida-
de; a tratar na travessa da Madre de Deas n. 16.


Diario

r
x
9
';
i
I
I
Ccordeiro previdente
Ra do Ineiwado u. 1.
Novo e variado sortimento do perfumaras
finas, e outron objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que elfectivaraente est provida a
loja do Cordciro Providente, ella acaba de
receber um outro sortimento que su toma
ootavel pela variedado de objectos, superiori-
dade, qualtdadcs e commodidades de pro-
cos; assira.pois,oCordeiroProvidente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeHavel puWico em gcral e de sua
boa freguezia eru particular, nSo so afas-
tando olle de sua bem conhecida mansido
o barateca. Em dita loja encontraras os
apreciadores do bem:
Agua divina de G. Coudray.
Dita vordadeira de Murray Lamman.
Dita de Coleg*, e ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de^iarangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para toilet.
Elixir odontalgico para conservagao do
ossei da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e che-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, ooi
pomada fina para oabefle.
Frascos com dita japoaeea, transparente
o outras qualidades.
Finos extractos iaglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitades.
Esseacia imperial do fino e agradvdt ro de violeta.
Outras concentradas -e-de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oteo pliilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qontidade,
com escolbidos cheiros, em frascos de diffe-
rentestamanhos.
Sabonetes em barras, majores e-menores
para atos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caiiinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas, ptrfumarias, muito qroprias para pre-
sentes.
Ditac de papeleo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumarias fines.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes no vos o legantes, com p de arroz
o boneca.
Espeeial p de arroz sem comp&sicSo do
cheiro, e por isso -o mais propriopara crian-
gas.
^ Opiata ingleza franeexa para denles.
Pos de camphora e ostras diferentes
qualidades tmbeos para dentes.
Tnico oriental de Kema.
Aluda aval* ques.
Um outro sortimento de coques de ne-
vos e booiios moldee com fttets de vidrilhos
o alguns d'otles ornados de flores e fitas,
esao todos-expostos apreaiacSo de quem
es pretenda comprar-
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfoico.
FI vcllao e Illas para cintos.
BeUo e variado sortimento de taes objec-
tos, fieando a boa escoma ao goto do com-
prador.
LI
DE
EM CONTINUAC VO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
IX)
dm& 5)sv usapnaainaa-Ha. w
DR
** QtltA^
Cal nova de Lisboa
V.-ndo J->.Tjiiirn los Ramos, ra .la Cnir n.
H, i-'..
_ !
Iicm montada eoin Carros c cavalioa, e he o .ifra-
gneuda : qu n pretender comprar, dirija-te
mesma a tratar mino dono.______________
Veado-so mu mulato ollicial de pedreiro, le
idido de 22 annw, bonita Agora, sem vicios nena
senaqnes, o i m perfon saude : quem o pretender
dirija-se ra do Bum Jess das Crioulas n. t>,
dir quem seu scuhor.
ESCRAVOS FGIDOS.
Bonitas caixinhas de madeiras envenda-
das, contendo navalhas e os mais necessarios
para viagem, servindo ellas de caiteira
piando abertas.
Outras conforme aquellas, propfias para
senhoras.
Omras roachetadas, com thesouras e os
FLIX PfiRfilRA DA SILVA.
O proprietario deste grande estabelecimento tendo sido o arrematante da
eitiadU loja denommada=/A*>/ t DAS DMASO ra da Imperatriz n. 36, e nio
me tendo sido possivel, na mesma loja, concluir a liquidarlo da grande quantidade de
fazendas que alH existiam, pelos poucos dias qne leve at entregar as chaves, vio-se
obrigado a passar a maior parte dessas fazendas para o seu estabelecimento, o=PAVO
onde o respeton*! publico encontrarii um grande sortimento das melhores fazendas de mais necessarios domados e demadrepe-
linhe, laa, algodao e seda, que se lhe vender muito mais barato 4o que em outra
qualquer parte, com o lim de apurar dinheiro, e as pessoas que negecwm em pequea
escala, tanto da praca cmo do matto, nestacasa podero fazer seas sortimeatos em
pequeas ou grandes porces, vendendo-se-lhes pelos precos que so compram, n-s
casas inglezas; assim como as excellcntissinaas, familias podero mandar buscar as amos-
tras de tedas as fazendas, ou mandar-se-ha levar pelos caiseiros da mesma leja em saas
casas; o estd>elecimei*o se acba constantemente aborto das 6 horas da mauhaa s 9
da noite.
A AGU1A BRANCA tem conviccao de que a abundancia de objectos de novidade-
em seu constante e completo sortimento, a boa escolha no gosto delles, a superioridas
de de qualidades, e a limitaco de seu3 precos, esto na op ni5o do i espeitavel publico
em geral, e na de sua boa freguezia em particular; mas anda assinv ella julga de seu
dever scientificar a todos, da recepeo d'aquelles objectos que estSo alm do commum,
como bem sejam:
Expleftlido sortimento de
roupas feitas
NA-LOJA DO PIVAO A*UA DA
IMPERATRIZ N. 00
ALTA N0V1DABE
EM POUimUNAS OU fcOBGCBO DE L1NH0 E
SEDA.
Pelo Ultimo vapor chegou para a loja do
Pavo um elegante sortimento das mais
Acha-se ste grande estabelecimento com-' bellas poupelinas ou gorgnroes -de 'linho a
rpletameoie sonido as melhores rousts,; seda, com os mais deliados padroes que
-sendo caicas palitos e coletes de casemira, se pode imaginar, assim como urna grande
de panno,-e bnm, -e alpaca, e de todas porcao-de cortes da mesma fazenda, tendo
as mais faaendas qe os compradores pos- de todas as edres e garantindo-se que neste
m desejar, assim como na mesma toja generoso ha nada mais bonito -nem mais
lera um bello sortimento de,pannos casemi- proprie para vestidos, e veode-se pofpre-
ras, bros, etc. elevara sejaiandar fazer co muito razoavel na luja 4e FlixPereira
IIVAL SI B\N
Ra do Quet'mado n, 49 e 57 loja
de miudezas de Jas de Azeve-
do Mata e Stloa, conhecido por
Jos Bigodinho.
Est qtieimando tudo quanto tem emseu
estabelecimento para acabar e fazer novo
sotimento, por isso queiram vir ou mandar
vero que borne barato.
Caixas de linhas do gaz com
SOnovellos a 300
Latas com superior banha a
lO, 200 c..... 400
Frascos de oleo babosa muito
fino a....... 400
Duzias de meias (inglezas )
muito boas a .... 400C
Garrafas com agua florida vor-
dadeira ...... HOt
Garrafas com agua'divina dame-
lborqualidade .... 1/jBOO
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2 Dita com|6 frascos muito finos 800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... 500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... 240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... 600
Pecas de babadinho com 10
varas ...... 500
Pecas de fita de cus qualquer
largura ..... 50C
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para dentes fazenda
muito fina ..... 240
Pulceiras de contas de cores
para meninos .... 200
(aixas de linha branca do gaz
com 30 novellos 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4000
Pares de botoes para punhos
muito bonito .... 120
Libras de laa pa
de todas as cores 8000
Pontos com costas de metal
muito finos 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de botoes madreperola
muito fino ..... 500
S abnete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 320
Pecas de fita de la todas as
cores ...... 500
Espelhos dourados para parede
16000 e i500
Espelhos de Jacaranda muito
fino ...... 2000
Pecas de trancas brancas e de
eores de caracol i 060
Pares de meias cruas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 fo-
ihas ...... 1500
Frascos de sndalo e patecholy
wito finos i ... i200
qualquer poca de obra, com a maior promp-
tido voatade do freguez, e nlo sendo
obrigadosaacceita-las, quando nao stojam
cempletaoMate ao seu contento, assim como
'este vacw estabeiecimento encontrar o
respeitavel publico am bello -sortimento de
camisas fraacezas e nglezas, ceroula6 de
linbo e algodao e outros mu i los artigos
proprios para bomens e senhoras promet-
tendo-se-lhe ender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ruada Impera-
triza. 60, loja e armasem de .Flix Perei-
ra da Silva.
Aos dez mH aovados 4e casa
iraacetas
Covado a 3fl0 Covado a 300
CovadoaSOO
Covado .a 300 Covado a 309
Covado a 30 rs.
Venderse na loja do Pato ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil ovados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes lidos-e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao.propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto orpo
quasi como a, chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos Jixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
ialha-se a HOO rs. o covado.
I s|arthos a 3.*00 na toja do
Pavo
Yetde-se ama grande porco de esparti-
TIkw modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamaitos, e
vendem-se a 3 cada um.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pilcas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 1800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
Corteo de vestido do Pavo a
4-SH4M
Vendem-se bonitos cortes de cambraia e
tarlatana, ricamente bordados a 13a, pelo
baratissimo preco de (>.->.
Ditos por estarem um pouc-o machucados
a4.
Ditos finissimos con. seda a 4.
Assim como os mais m nos cortes de
poil de chvre, com duas saias, sendo fa-
zenda chegada pelo ultimo vapor, cada um
em sua caixinha com o competento figurino,
a 18; finissimos crt s de cambraia bran-
ca, ricamente bordados, que at podem
servir para noiva, a 250000, e outros mui-
tos cortes de differentes fazendas que se
liquidam baratas na loja do Pav5o.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se urna grande porcao de cera de
carnauba em saceos, por preco mais barato
do que era outra qualquer: na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 50. De Flix
Pereira da Silva.
CASSAS A 240
Vende-se cassas com delicados padroes e
cores fixas 240 rs. o covado: na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
AS BASQUINAS DO PAVO
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas basquinas de casaqainhos de seda
prelas ricamente enfeitados sendo com os
feitios mais novos que tem vindo ao merca-
do e vendem-se muito em coca.
GROZ DE COR
Chegaram 06 mais bonitos grosdenapeles
de cores, sendo verde, azul, lyrio, cinzento
e branco muito alvo, que se wndem mais
barato doqueem outn qualquer parte.
BASQUINAS 1>,, Fil.
Vende-se as mais modc;,as c mais ricas
basquinas de filpreto, por prego emeonta.
VESTIDINIIOS PARA MENINOS A
2000 E2500
Vendem-se veslidinhos para meninos e
meninas, pelo barato preco de 2-5000 e
2500, assim como ricos enxovaes para
baptisado.
MADAPOLO FRANCEZ A 7000 A PECA
Vende-se pecas de madapolo francez en-
festado com 20 metros a 7U0O a pega;
pechincha
MUSSELINAS DE COR
Vende-se as mais bonitas musselinas de
edres a 500 rs. o covado.
da Silva, ra da Imperatriz n. 60.
CEfcEZIAS
PANNO DE LWHO
ATOALHADO
Vendem-se as mais finas com 25 varas cada peca, sendo mais finas
ainda que os mais linos esguiuus que Um
vindo ao merrado, a 4, 555, GOOOO e
7u000, tambem 6e vende em varas as
mesmas celezias, -s*ndo preciso; assim co-
mo, pannos de-linbo do Porto para lences
com perto de 4 palmos de largura a 700,
800 e 14000 a vara, sendo em peca tam-
bem se faz alguma equidade ; bramantes
para lences com 10 palmos de largura a
lf5800 e 2500 o metro, e de linbo muito
superior a 3200 e 3500.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 2,f400, U e 3500 o metro, e
outras muitas fazenda6 brancas que se ven-
dem muito mais barato do que em outra
qualquer parte, com o fim nico de apurar
dinheiro.
CHITAS
MADAPOLO
ALG0D8SINH0
Vendem-se saperiores chitas escuras e
claras pelo barato preco de 280, 324>eO .
rs. F as percallas a 320 e 360 rs.
Pegas de algodaosinho de todas as lar-
guras e qualidades. Pecas de madapolo
dos mais baratos at os mais finos; assim
como, superior algodaosinho efestado para
lences, toalhas, tanto liso como trancado:
todas e.^tas fazendas se vendem mais barato
do que em outra qualquer parte, para apu-
rar dinheiro.
PECHINCHA DO PAVO PARA ESCRAVOS
A 200 RS.
Vende-se urna grande porco de esta-
menha mesclada, propria para vestidos de
escravas, camisas o calcas para moleques,
sendo orna fazenda escura trancada e muito
encorpada, pelo barato preco de 200- rs.
o covado, fazenda que sempre se vendeu
por muito mais dinheiro.
ROUPA
EM LIQUIDACO NA LOJA DO PAVO
Vende-se urna grande porco de roupas
para bomens, sendo grande quantidade de
calcas de brim, castor, casemira e meia
casemira, de todos os precos e cores. Pa-
litots de alpaca, brim, casemira, meia ca-
semira e panno fino. Golletes de todas as
qualidades. Camisas de linh e algodo.
Ceroulas e outros muitos artigos, por preco
muito em conta.
Aos quinheutos palitots
a 18$ e201000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
fiO, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasaeados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 18<5, sendo forrados de alpaca, e de
20 forrados de seda ; esta fazenda a nao
se ter feito urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquda-se
esta pechincha pelos precos cima.
Cortinados
Para camas e jauelias.
Vende-se um grande sortimento oos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12000rs. cada par at 25O00 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
BALDES MODERNOS E SAIAS DE.LA
Na loja do Pavo vende-se os mais" mo-
dernos baloes reguladores tanto de musse-
lina como de laa de cor, e as mais moder-
nas saias d-3 la enfestada, mais barato do
que em outra qualquer parle.
SULTANAS
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento das mais lindas sultanas, para
vestidos, sendo muito larga e bonita fazenda
com listas de seda e os padroes mais novos
que tem vindo a es'e mercado, vendendo-se
a 15400 covado, na loja de Flix Pereira
da Silva ra da Imperatiiz n. 60.
roa para costura, obras de apurado gosto
e perfeiclo, proprias paro um bello pre-
sente, tendo algumas com musi ,a.
Estojos ou carteiras de ecuro com nava-
lhas, eos mais necessarios paraviagens.
ESCOVAS DE MARF1M
Para unhas, dentes, cabello e roupa.
Outras de balea com maehetados de ma-
dreperola para os mesmos fins.
OBRAS DE MADREPEROLA |
Loques, escovas para dentes, caetas,
didaes, brincos, alfinetes etc. etc.
Ricas capellas com veos para noivas.
Cintos de brim, com elstico para se-
nhoras.
Voltas de grossos aljofaes de cores,'
para circular os coques. i
Outras igualmente bonitas, e com pin -
gentes para o pescoro.
Outras com aljofares coloridos, e tran-
selin doorado.
Botoes com ancora, e P. II. para fardas
e colletes.
Abotoaduras d'aventurine com o p de
prata doarada, para colletes, cada um 5.
Botoes de cristal, encastoados em prata,
para punhos, 4 o par.
Camisas de flaneila para hornera, a me-
*or quabdade que tem vindo a este mer-
cado,
Meias crcancas.
Ditas de dita, tecido de borracha, para
quem soffre de inchaco as pernas.
Pannos de crochet para cadeiras.
Novo sortimento de toalhas de labyrin-
tho, para baptizados.
Renda e bico de guipur, branco e
preto.
Fil preto, de seda, com salpicos.
Pequeos e delicados espanadores de
peonas coloridas, proprios para pianitos,
oratorios, ttc.
Bonitos "passarinhos de metal prateados,
para segurar costuras, tendo almofadinhas,
de velludo para agulhas e alfinetes.
Thesouras de dnas, tres, quatro e cinco
pernas para frisar babadinhos.
AGULHAS NON-PLUSULTRA
Tal a qualidade d'cssas agulhas, que
mereceu ao fabricante o pomposo titulo de
Son-plusuUra, merece a Aguia Branca as
bomas d'um annuncio, e sem duvida me-
recer das inteHigentes senhoras, a devida
estima por sua apreciavel qualidade.
At agwra nada se tinha visto de to bom
em tal genero, e ainda assim custa cada
f apel apens 200 rs.
Provavelraente d'aqui a pouco abundarn
as falsificadas para serem vendidas barata-
mente, porm as verdadeiras continuaro a
vir especialmente para a loja da Aguia
Branca.
Descrever minuciosamente por seus no-
wes e qualidades a ininidade d'objectos
que constantemente se acham i venda na
loja da Aguia Branca, seria seno impossi-
vel ao menos infadonho por isso ella con-
fia na constancia de sua boa e anliga fre-
quezia, e pede aos que de novo queiram
reeonbecer a commodidade de seus precos
e a cinceridade de seu agrado, que nao se
esque<;am de comparecer loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
r
\
Fupio no dia li Jo correte o pardo Hahiabo.
o-iaiuraalia, scevo do coipo, caOeAos taraptabm,
nariz p bocea regula rfs, olhos proios e pos gran-
rt-'s. lom nina cicatriz ao oomprido na lefia, e sig-
nae (te qu'imailuras lanibem ao coinpriilo, ao la-
do do ou ido espenlo, 6ni eonsequencia do tra-
tarucntoqtid sofrca por feeoranodo no Kferidt
ouvido. tnt !)igoitc c pora, porm nio mato br-
nidos. falla desmaneado e natural do Maranh ,
onde fui comprado .i eerca de nove meces : que
n apprchendt-r leveo a> largo do Corjw Sanio n.
19, t andar, qu; y>n l>CW gratiticijo,
Fag do ongeiilio Todos os Santos da vii
de tpojuca, no dia 30 de maio, o cscravo Gonolt,,
representa ter 45 annos de idade, pouco mais cu
menos, cor vermelha, alio, groso, ollios pequeos,
sem barba, e os ps r ichaudio, foi escraro da Srx
D. StQhorinba Mario do LivrameMo, que niorou na
villa de Serintiaen: ; no dia immediato da tupida
asteve na tnmmk villa: supiKkvse estar acolitado,
o qne so preeoert en o n*r da lei a quem o
lenha, o pede--o s aaloridaH policiaes ou cap
lar.s do campo a captura do mesmo e entregar no
mesmo cngenlio no inalxo islfado, ou ta ra
da Mneda n. o, 2 andar.esi-riptorio d Manoel Al-
vos Ferreira & C, que sera geuei-osaiuenle recom-
pensado.
Miguel Paulino Toleulino Peres Falcan.
AVISO
As autoridad**
CIIH1TATITI
N. 23Largo do Terpo.N. 23.
SIMAO MIS SANTOS ft C.
Os proprietanos deste bem sortido armazem de seceo e molhados, parlecipam
aos seus numerosos freguezes, tanto desta praca, como do matto e igualmente aos ami-
gos do bom e barato, que leem um grande e vantajoso sortimento efe diversas merca-
dorias e as mais novas do mercado, as quaes vendem em grosso e a relalho, por
menos preco do que em oulr > qualquer parte, por ser maior parte destas mercadorias
compradas por conta propria, por isso quem comprar al a quantia de 100-5, ter cinco
por eento pelo seu prompto pagamento garantindo-se qualquer genero sabido deste
armazem.
0PER4 ITALIANA
Enconlra-sa em casa do
Andhk DELSUC Cabelleireiro, para thea-
tro, soire, etc., etc. >
Um bonito sortimento de luvas de pellica
marca garantida de iouyrN.
7 ABA DO CRESPO-7 A, Io ANDAR
GAZ AMERICANO 9 a lata, a 400 rs.
a garrafa e 60 rs. o litro.
VINIIO VERDADEIRO FIGUEIRA oGO e
G40 rs. a garrafa, a 45500 o 4800 a cana-
da, a 720 e 940 rs. o litro.
DEM DE LISBOA das melhores marcas,
400, 440 e 500 rs. a garrafa, a 30 e
30500 a caada,'600 e 640 rs. o litro.
AZEITE DOCE DE LISBOA 900 rs. a
garrafa, e a 70 a caada, e 10340 o litro-
VINIIO BRANCO DE LISBOA 600 rs.
a garrafa. 40500 a caada e 900 rs. o litro.
VINAGRE VERDADEIRO DE LISBOA
200, 240 e 30 rs. a garrafa, 2:3200,
10800 e 10400 a caada, 360 e 480 rs.
o litro.
MANTEIGA INGLEZA FLOR 10440 e
10280 a libra, 30140 e 20800 o kilo-
grammo.
. DEM FRANCEZA 960 900 e 850 rs.
a libra, e 20100, 10980 e 10870 o kilo-
grammo.
DEM PARA TEMPERO 640 rs. a li
bra, 10400 o kilogrammo, em porco se
far abatimento.
BANHA DE PORGO DE BALTIMOOR
720 rs. a libra, t 10570 o kilogrammo, era
porco se far abatimento.
ARROZ DO MARANHO E DA INDIA
120e140 rs. a libra, 260 e 300 rs. o ki-
logrammo e 30800 a arroba.
ALPISTA 240 rs. a libra e 520 rs. o
kilogrammo. e 60 por 14 kilogrammos.
CAF EM GRAO 60 e 60500 a arroba,
200 e 240 rs. a libra. 440 e 520 rs. o
kilogrammo.
j SABO MASSA 260 e 200 rs. a libra,
810 e 440 rs o kilogrammo, em caixa ha melhores
abatimento.
MASSAS PARA SOPA, MACARRAO, TA-
LHARIN E ALETRIA, 800 rs. a libra e
10750 o k logrammo.
SEVADINHA E SAF 280 rs. a libra c
Assim como ha outros muitos mais
620 rs. o kilogrammo, em porco ha aba-
timento.
BOLACIINHAS EM LATAS DE DIVER-
SAS QUALIDADES, a 10 e 10400 a lata.
VELLAS DE ESPARMACETE 720 rs. o
masso. em caixa ha abatimento.
PHOSPHOROS DO GAZ E DE SEGU-
RANCA, 280, 400 e 560 rs. o masso,
30200 e 60500 a groza.
AMEIXAS EM LATAS E CACHIMIAS
DE MUITOS TAMANHOS 3$i>00, 50500
e 10 a libra.
GOMMA DE MILI 10 AMERICANA 400 rs
0 masso de urna libra, c cid caixa ha aba-
timento.
BATATAS NOVAS DE LISBOA 100 rs.
a libra, em caixa faz-se abatimento.
SERVEJA INGLEZA MARCA II 50500
a duzia e 500 rs. a garrafa.
DEM bass, verdadeira ihlersa
BELL, 800 rs. a garrafa e 90 a duzia.
VINHO DO PORTO ENGARRAFADO DE
DIVERSAS MARCAS 10500, 10200, 10 e
800 rs. a garrafa.
GENEBRA DE HOLANDA E AMBUR-
GUEZA 7? e 60a frasqueiia, e 500 rs. o
DEM DE LARANJA DOCE AROMTICA,
110 a frasqueira e 10 o frasco.
QUEIJOS DE DIVERSOS VAPORES,
30, 20800 e 2-H00, em caixa faz-se gran-
de abatimento.
TOUCIMIO DE LISBOA 400 rs. a li-
bra, e 880 rs. o kilogrammo, e H05OO por
14 kilogrammos.
CHA FINO, GRALDO E MIUDIMIO os
vi-*
^ i/'t)iiciaes* e \
quem competir.
No dia 29 .le maio do correnc ai no fa-
gio o eseravo Esequiel, crioulo de 30 32
armos de idade, estattiu regular, recreado,
cor bem preta, cabe?.) redon la. trajata ca-
misa azul e calca de casemira cimenta; du-
rante o dia costana andar Mimando as
ma?, ou em armaiens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; dmatoie a
noite recolhe-se a teiheiros abertos o pe-
netraveis, a casas em conslruccao e a ou-
tros quaesqner lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprehender tenha a bondada
do o condu/.ir ra da Aurota n. 26, onde
ser gratificado.
Pngio o dia i' de juli prximo nassado
acrajo Antn:-, erioulo, ida* de 8 anuos, c.r
fula, estatura regular, Beeeo do c.rpo econi as na-
dogas um pouco grandes, |am > ps chcios n
crayos e biclios, levon chapeo de Lata de cor i
usado, camisa de inadapolo c eal.-a de brim bra-
eo, teni-w por noticia que andn pelo Pelxinho, na
cidade de Ohnda, e que segoira para I'suli4a :
aueni pega-lo ter a bondade de leva-lo no bren
'''''"Z0_njJA' '>ue Stfl gratilicado.
Fugirain do engcnbo VrmeTa
o'.i termo Ja Eseada, na nuito t!
10 para II do coi rente, Sons es-
ravos mualo?, os q..2es fura: i
'impradosaoExm. Sr. baro de
>-azan'tl ha 15 dias punco mais
ou menos, sendo JoSo, fofo e
uey^r^c^t^- ^0 a 32 minos, bem barbado, pt:-
tos cabelludos, tem os dedos dos pos, istu '"3
mnimos enrtus e quasi que Irepam um no outro,
tendo lodos os denlos de fenle, colpo regular o
leva chapeo de moto de rartaneto, calca atol o
algodao que lhe ohamam pellc d'onea e cubrrtor
de tocia escara e mais alguma roupa, (oi esnravo
do Illm. Sr. leneale coroDol Agostinho Correa de
Mello, d Oorcury, o outro de nome 'elix. ea-
lira. alio, bom eorpo, idade 25 annos pouco m.r
ou menos, levon enapn de eouro de abaa largas,
caira azul de algodao que liie ehamam |>elle d'on-
ca e cobertor de na&a escura, fui escraro do
Illm Sr. Eduardo Pereira de Souza, da prbrincia
da Parahyba, que o venden por sao procurado: o
Sr. Jos Lepes Alheiro ; quem o apprehender 1:
levar ao nesino cngcnlio Firmesa ou no RecifeLu
escriptorio de Domingos Alves abtheus, a ra do
\"igario n. 21, sor generosamouie recompensado
Eugio no dia 9 do corren te mi%o
molalo Aquilino de 18 a 20 annos de ido-
do, estatura regular, magro, ainda sem
barba, cabellos crescidn e muito crespo?,
beiros grossos, falto de um dente ineisho
da mandbula superior (dente da frente),
tendo no braco esquerdo junto ao puls,
nina cicatriz muito recente e circular de
queimadura, bracos e pernas cumplidas, o
quando anda a tira com estas para os lados,
e faz muitos movimentos com aquelles
falla um tanto rouco. Costa da andnr
acompanhado de camaradas, contador do
historias: foi at fevereiro do corren te anno
cscravo do Sr. Jo5o de Castro Guimaraes.
sahio de casa com camisa de madapolo e
calca de casemira acinzentada com listr, s
prelas dos lados externos das pernas, e
tem sido visto as ruaS das Cruies, Quei-
mado, Rosario, largo do Carmo e na roa
da Aurora que elle freqnenta.
Quem pega-lo ter a bondade de leva-lo
ra Nova n. 39.
Recfie 12 de agosto de 18(59.
que ha
libra, '
no mercado,
080 e 65540
i

3d e
kilo-
35200 a
grammo.
DEM PROPRIO PARA NEGOCIO 25700,
25500, 25200 e U a libra, e 55A50 c
i 5180 o kilograoMio.
{eneros, vinlio em ancoretas, azeilonas.
passas, figos novos, charutos de diversas marcas, linguicas de Lisboa, raarmelada. con-
servas gela de marmello, pcego, ervilhas, peixe em latas, sardinhas de Nantes.
vinho verde engarrafado, pomada canella, cravo, ervadoe.;, cominho, pimenta, grandes
molhos de sebplla 15500, finalmente muito mais gneros que eufaudoi^i
menciona-los.
INJECTION BRO
e ilbio com pouo uso : a tra-
n arria raa imperial n. 168.
rdcalea, tafaiuvcl e avatcrvail**, ibNluUnwMu une* que cura *un nenii um ddmvo. V,.(
* |i*i*jm hatteai aiuaa. (Biigir OnraiiM a aw). (10ibbw e latiit aanii. >ith auau. na. ^H
BBaaWBsal
Ette admiravd
IH^punlifo nao
ronlemcmslincr-
icurio, iodo ou
arsnico 1 un
>(orofo utodifa-
etdnr para o >mgue e cura radicalmente'as molestias depeiie, Ues como a lepra, as impigro, as herpes, s I
etpinbaa, < os Panno, eleEmpreado diariamrntc elle refres.* a ma$s do unguc e consolida o wuac. j
i TNirrriO r 1 hrT ^ura ca> 3 tl'al w ccniRT'^ amigos ou receaicsl
Eugio no dia 9 do crreme mez to
engenho Sant'Anna da comarca do Porlo
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura rega-
lar, de 22 annos pouco mais ou menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinhados, foi comprado na cidade do RC'
cife, para onde veto da provincia da Pa-
rahyba ; e bem assim o escravo Mane.i
crioulo, ce 22 annos, estatura regular,
tem um dente quebrado no queixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues la-
vares de Mello, no Recife, ou no referido
engenho une ser bem recompensado.
Escrva fgida
Aeiia-se fgida a enerara Anna, tendo sabido A;
casa com um vestido de laa quasi branco com en-
fcites azues, chales de merino azul com barra es-
tampada do cores, 9 mis brincos de pedras bra:'
eas ; alta, de idade, pouco mais ou mems,
rnnos, acha-se nutrida e (em os bracos muito pil-
lados de mareas de bexigas : quem a pegar lev a
na Direila, casa n. 2, uue sera gratificado,
ff 1 f
INJECAO CADET
'amis, 7, B' Dinain,
es mais rebelde.
no dia 16 do crreme mez de agosto a escrava de
nome Mara Joaquina, de idade 28 annos, p
mais ou meuos, cor mulata aeabociada, eaneM s
compridos e annelados. leni pannos no rosto, altu-
ra regular, obeia do eorpo, falla alto, filha de
; sertao de Maco do Assii, levan s.iia de chin
1 listras encarnadas, alguma eousa de-lmtado, 1
! casaqtiinho branco, vinha sempre da Cawutg l
\ orlahees e fructa-po em um toboieirn drt raa
I grande, e pa-sava sempre 110 Caniinlio-n'vo; *>
desdo ja prot<>sta-sc contra quem a livor acr,.
; e pede-so a autoridades polieiaes o capit.'
campo a captura dola, que serao hem recnmpf.
1 sados, levando-a na Gapooga ao sitio de Jjo J0'*
da Cunta Lopes, ou na ra do Rosario, tabe:--^
:n. 33.
avr-
%
1




Diario de Petnambuco Quinta feira 19 de Agosto de 1869.
GER4L
w menos friese censtgnTdo o pnneipto ge-1
CMARA DOS SSS. DEPTAOS
SBSS.VO EM 19 DE JULHO
PREsmE-vciA no sn. weaws.
ftmctHdo)
Os sirtoios futuros nao recahem, nem
pwitftn recalar sonSo .obre a lasse ultima-
aaimte alistada, a jtu ka tic cornpr-s-j dos
uilvihis que tiverem 18 anuos do i lade
a^rfeHcs <\\u> !indo lia 1H a 30 annos e
tvtrj favoreliiln por ISenc5s lefios.
Ibratn omitldos o nlislamento. N> 3.
an da lei nao poiicmscr aitivs compre-
sVcfctidos.
Ryh parece ser a idea da commissao.
Achei conveniente declara-la positivamente
i casa para qtio na 3." discusso Arpie ex-
asvsso no competente arti,'o.
O SR. ANDR\I)K FIGUE1HV : -Measse-
stores, a historia das occurrencias desta
dfecusso deve ter convenci"'! de qne a
materia nao est sdlTicienlemente estudada.
Clpnie'-to presentado pela honrada com-
fofssaa tem sido por ella propria emendado
amidascapitaes proporcao qne os respcti-
a arttj{(;s sao sujeitos ao debate.
.'viuda agora o art. 3. oferece um exem-
pio por argumento dostc asserlo ; pois que.
sentlo o seu assumplo o sorteio, a honrada
coianaissito nao flcfhio a mancira por que
*Ue ^e tita. Se nao fra urna emenda quo
Iwa tmnra de mandar raesa.supprjmin-
4o o sorteio sup|tlementar, incomprehensi-
tel no systema, nao haveria occasio de no-
li- -a; a Cdta lo scnsivel do processo do
sorteio a soguir-se.
Entretanto. este o ponto canleal do novo
^Xiteuia. eo assumpto privativo do arti-
go cm discusso. O projecto nos diz sim-
plesmeai que no da -marcado as junta-
gurodaes procedeiio a um sorteio por
nameros, etc., mas nao nos diz como ha de
ser ft-ito este sorteio.
O Sr. PF.nrmA da Silva :E" materia re-
gulaiwmtar.
O Sn. Anduadf: Fkiit.iiu : PerdSo ;
tsajto pota ser regulamentar, porque
este o ponto cardeal do systema (apoia-
dos); c tanto nao poje ser regulamentar
mi o nobre deputado ainda ha pouco sug-
gerio-nos aqu um processo d sorteio que,
adoptado em rcgulamento, seria prejudicial.
O oobre deputado nos disse, levantando o
voque encobre as palavras do artigo em
discuss,), que o sorteio devia comprehen-
der os primeiros nomes que sahissem da
una por nmeros. Entretanto nao esta a
esseneia da conscripcao pelo sorteio.
A honrada commissao leve um elemento
hislv ico nos trahalhos que examinou, re-
tro tac ao projecto elahorado pela commis-
sao do exame da legislarlo do exercito, alii
se adopta muito claramente o systema do
sorteio como praticado as naces euro-
peas q-e o tem adoptado. Diz o projecto
i'hidido o numero que cada alistado ou
quem o representar, e na falla desle o pro-
pro presidenta do conselho tirar da urna,
fin qijn existiro tantas cdulas de nume-
ex*> seguida quantos forem os incripios.
arcar a ordem em qne estes sero collo-
rades para a designaco dos que devem
comprir o contingente.
Isto muito diverso do que nos revelou
it* pouco o nohre relator da commissao,
forqne dissj que se tiravam os primeiros
atoen que sahissem da urna para conv
|4etar os contingentes.
O Sr. Perkira da Silva dum aparte.
O Sa. Atronara Pii.iia : Mas preciso qiu'
eos entendamos : n honrado ministro da guerra
v rtwlurou que nao acceilava a explicacao do
amarado relator na commissao, que achava inais
iteats de aboioste id.-a conforme se pratica na-
rscocs europeas e conforme o esboce que arabei
te ler Cora effcito, a dispnsielo do projecto, a
y.ii, neabario rom o sysiema, porque daria lu-
fw a ilmsos i'\ir,i(iiilin,irios. solrrtndo nSu vindo
ilepr*sado9 tirar l:i urna iS nnmeros
lumapwBdoates.
B* de t'.d-; n ,ii!iv"n:i'nci.-i que a honrada eom-
taissio esnl r-MM, por palwras mais precisas, os
leaos p..: D'i faz consistir o preeesso do eor-
Mfck
OSn Prh
i']a (' artigo.
OSn -E
iJa ij:: ] v,a esMr cuniida do artigo em lBeas-
.-o, mas qoe ;i.( v. vi iicll^s : diz apenaspro-1
itttte sorteio Duda sor fei-
I da diversos nodos, pode ser pelos primeiros nu-
aero,; que saturan, como quer o honrado relator
Ah est toda a garanta do systema, garant.i
ioe nao pode ser omiltida no artigo que rat.i do
vteio.
itaseo honrado relator que pode ficar pan o
regolamento ; mas se pode licar para o regula-
raento urna idea tao capital, conviria ealao, em
w* de estarmos aqui a di-cutir, que dissossemns
o governo lica autorisado a aceeiUir a cooscrip-
foein mr reg.'ilamento que snhmetter ;i appro-
pw do arpo leglatiiTO. Utna vez que estamos
daeatind.) artigo por artigo, nao de\einoj pastar
S Mea capital do systema, que o processo do
surleio. (Apoia '
Se a tonrada commissao nao apresentar cmen-
ta.a respeito ou > apresentarei, porquo o artigo
con est defectivo.
< Su. Pebi:ih\ da SU'A ;Xo est explica-
*Vpensamonto da nBasmiiian
_0 Sa. Anor.\i>k Ptaocnu :Perdi, a explica-
ta da commissao nao e$t no rligo ; Coi u meu
pMili de reparo : diz apenas o artigoprocoder
a boj sorteio por nuinr-ros--, mas ha muitas ma-
ueiras de pr.>ceder-so a um sorteio por nume-
Mfc
Uu xz :' melhor apresentar emenda.
OS. A.ndrarf F.i. vnnv:A|iresntaroi ernen-
ata. A eaplicacfio qne den o nobre relator ser-
vio minio sena) passaria desapercibidamente.
Xuo outra lar.una. O art. Ia define as aptidocs
4os cidadaos alistados e as respectivas iseneces -
frito e p. oilgaio o alistainento, natur
ral pie os cidados que nao teniam isencCes, por
ceasiio iloalistnniento, .as venliam a adquirir por
Measio do sorteio ; asaim, um eidado que por
iicrasio do ahslamento nao tinlia defeito pliysico
inhabilitaeo, ple naoceosiaa do sorteio ter
fsaadefeifoou essa inhabitaeao para o servtoo,
foe Ihti sobrevi.'ssi' itepois. 'l'.umpre regular ;
prevenir afo s para quo nao haja du-
rida quanlo ana cidada >s em taes c*ndicSe3, como
para o eomplamento do eoniinwma.
OSn. Ptrriha da Silva : Expquei bem isso
jrKH>do irafei do seiteia sujipleuienlar.
O Sn. A.\DaA>K FtausiBA :Nao me record.
OS'.;. hCftgHU da Sij.va :Qtinndo por qual-
sjner eirnmistaneia o cidadao alistado nao pudur
aerri/, d-se como nao exi>tenle.
O Sr. A.tDRAnB Pioieira : Quando por qual-
ejoer rirtuinsian-ia o cidadao alistado nao puder
rrir,d-se como Ao evi-ieot e procede-se a
oro sort.no o q* nu esta, e contra o que
""oa i" sorteio supplementar
rm vein destruir o syaloma.
t'jt i'ire, como dis aaypleBynli.r at intil, porque os soiteivs an-
anas tero pm- fim prconrher as vagas verificadas
t anw). A adoptar-so o sorteio supplcmentar:
aremos o seguinte resultadoque to haver va-
fat oo esercito a preenchor. visto que f.ram pre-
ssttalas su|plem(fltarmonte ; isto evidente.
aaso mtu fim nao era este, e sim perguntar se
por Hiiura os cidados alistados quo depols se
araassriii inhaUltados pera o mmm por oeea-
st> do sortero, deviam ou nio ser dispoosados, *
desjuemorio substituidos ?
OSst Mismo da Gi mua :Igso' quo ma-
ariat > rerruiamento
da Guerra Est consignad
O Sr. MiMsnto
na lei.
O Sr. Andrade Fiooeiiu:Esto as
quanlo ao austemonto ; mas nao est.iv
sobrevnolas no alistanwnto.
O Su. Ministr') da GuKiinv :Depots.
O Sa, 'Andrade Fioobia :Coartria -pct
j ; no primeiro caso ehama-se exoersclo:
aquello que nao tem capacidide para o
militar ; mas depots de pastado em julgado o ats-
tamento, todo o iudi
fra-
, t utvini tini
' .111 mit tiv pi #*,_.!
----

m Su va : E' exacitameote a
exactamente a
e-tar sujeito ao >ervlco.
sico adquirido depofs do
e,o propriamente dita, u
e precise na lar o molo n#r qu.
deve ser prfteswtiido'ese caso.
Taes eram as iJae prueipao*,- quauto a n
que convinha, ao menos v
art. a. \
r'arei um terceiro reparo a respeito do artig i
em discusso : a legslacao franceza, assim eosBw
todas as legislacSos europeas que iratain 4esu
pstena, deline cora m&ila cautela e precisao o
fado do domicilio, quer pira o alistimente, quer
para o sorteio; e nao isto indifferento para tur-
nar-se sincera a execucao do systema e para ev-
tarem-se os abusos ijue se bao de dar rom iqu-
dancas de residencia.
A honrada commissao, em vez de usar da liu-
guage.n jurdica conhecida, roart. I, qne nfehf-
mente j est approvada, us.iu da pejaaaa ruUmi
dajerao alistados aquelles pie residir* em
qualquer ponto do imperio, etc.ora a residencia
exprime um mero ftrto, o faci de morar em um
lugar determinado, d'onde se segu que tod
aqueiles que tiverem domicilio no Itrasil, mas na
occasio do alistaaiento estiverem de viagem ou
fra do imperio, esses nao devem ser alistados.
E urna duvida que pode surgir,
O Sr. Pkrkira da Silva : Nessa parte, j dis-
se em particular ao liebre depolado. quo acliava
que devia haver urna emenda.
O Sr. FiGEtnA :Bem ; o nobre relator, par-
ticularmente, me disse que approvava a emenda ;
ma, como a nao apresenta-^e. agora qae no art.
3 dase a aecessidade de definir melhor a noci,
occorreu-me recorda-la. Mas, como a honrada
couunisaao declara que accila a emenda, deixarei
de a mandar, confiando que a aprsente na 3* dis-
cusso.
O Sa. Perera da SavA d um aparte.
O Sr. Andrade Pigueira : Desde que um
individuo est na Europa ou fra do pai po-
do julgsr que aao deve ser. alistado nem sor-
teado.
O Sr. Presioenth d um apart.'.
O Sr. Andrade Figubira a re^dencia um
fado material.
Convem nao perder de vista esta distnrea > .--
sencial, mesmo para o flm de nao empregar-se
rigor contra aqueiles que na poca do sorteio es-
Uuam viajando ou tratando de seus negucos, pois
pode acontecer que desde a poca do alistanienlo
se ausentassem em boa f, cm o fim deevadrem-
se obrigacao militar.
Vou redigir a emenda, defiaindo o melhor me-
thodo do sorteio.
O SR PEREIRA DA SILVA :Devo algumas
explicacoes ao nobre deputado que acaba de fal-
lar, nao que elle aventasse idea nova a que chis'
prisse rosponder, mas sobre incidentes que neces-
sitam que eu os aprecie.
A cmara nuvio-me perfeitnnenie quando lhc
expuz a divergencia que apparoeia entre o meio
do sorteio lembrado pelo projecto c o da commis-
sao militar, que o Sr. ministro da guerra declarou
adoptar de p eferencia.
Expliqun bem que o meio lembrado pela com-
missao da cmara era o sorteio para designar os
cidados chamados ao servieo militar, o porqoe
podiam ainda apparecer raga"*, propunh a a com-
missao outro su ppl eme otar.
O sorteio, como prefere o nobre ministro da
guerra, o dfrclassilicaQao por nmeros dos qae
devem ser chamados antes e durante as necessi-
dades do servico do exereoit.
Adoptado o meio da commissao. nao aceitavel
emenda do nobre deputado polo lo de Jaueiro.
Admitti.lo o do Sr. ministro da guerra, a emenda
do nobre deputado incompleta e insulflciriite.
Carece ser desenvolvida e e-pecilicada.
Um Sr. Deputado :Pois mande emenda n va
0 Sr. Pereiha da Silva :Eu pn-liro o meio da
commissao, como hei de mandar emenda? Quem
prefere o methodo do Sr. ministra da gu -\ ra .
os arligos e paragraphosa respeto, que vera con-
signados no projecto,da cominis>ao militar, que
quem primeara lembrcu este meio, lirado dUeijis-
IuqSo frnnceza.
Para mira diffe.rente |ue a cmara abrace um
mi outro meio. Qualquer dellos se adapta ao pro-
jeeto, e o nao altera e nem ni idifiea em ponto ne-
uhum. E' quesio perfeitamente soeundaria, a
que nao ligo a impoi tanciu qoo o nobro deputado
Ihe quiz prestar.
BMlarocMoa assim este? iaeidenles, desejosdi-
zer ao nobre deputado. que repare eu que, aecu-
saiulo o traliallio da comin:s>ao do ine iinplelo e
mal e-tudado, pode a accttsacao reverter contra p
noore deputado, que apezar de todb o estud e
preparo para discutir este projecto, redigo igual-
mente una emenda iaoemplela. manca, o qae nem
esclarece e nem resolve a quesio, controvertida.
.Nao culpa Jo nobie deputapre aera da com-
missao essa falta notada : pr iVem da materia que
e gravo, oinbara.y.sa. eompHcada. e por isso n
todos que queremos acertar, que fallamos com
cons.-ii'iicia....
1 m Sn. DEPUTADO: Todos aqui fallam com
eosrien
Su. PitigitA da Silva : Que duvida Nin-
guem ousar dizer o contrario. Fallamos segundo
nossas conviccoes. Contino dizen lo quo a ma-
teria e causa de que, desojando nos todos acertar,
adamas nos niutuamente esetareeenflo c conven-
condo, e por isso a BOminisso tem molilieado por
vetes su as ideas, r anda ha de modificar ao dB
s.nvolviinento dos pontos secundarios, porque so
quer o melhor que fdr possivel. o mais prafi'co, o o
oais bem aceito pela inaioria.
s prinepo;i cardeas do projecto reformador do
recruiamento esto ja salvos pela votaco da c-
mara; o que resta o desenvulvimonto Jasase, prin-
eipios. Ahi llevemos todos Ibaer conees^Oes, e nio
ter amor proprio o nem caprichos; venha d'onde
vior a idea, sendo til e proficua.' cumpro anro-
veta-la.
Tanto isto verdade que a commissao aceita
urna das emendas do nobre deputado sobre-enga-
jados estrangeiros a sub-emend.i que promeit-w
enviar mesa o nobre deputado pelo Paran.
Lembre-se_ ainda o honrado nieml.ro que Ihe aeliei
toda a razao quando lenibrou-me particularmente
a lacuna de nao incluir-se u is aiistanenlos os bra
sileirosjius.-!ites, e premetti-me considerada em 3'
discusso. Ha au la outra- ideas a ui lembradas
por (Nitros nobres depntados de que tomei nota
para aproveita las na 9* discusso igualmente
Adhro portant a tudo o .que fr proficuo e ra-
soavel.
Oquedesejo que o projecto passe em 2' dis-
cusso, melhorado por emendas e pela discusso.
Gamo tem de vir a atesme commissio .pie ela-
borou para redigir segundo o vei>cido, ella se
apressar cntao em formular novos additam.iito-
e amelhoracoes para a 3a discusso, porque por
ora o que a commissao leve a honra do propr
cmara foi nina base para abrir o debate, ouvir
sobro elle as diversas opnioes, altendor as contra-
rias, adoptar as razoaveis, e depois reorgani.-ai
para a 3* e ultima discusso um projecto substi-
tutivo bem pensado, harmnico e desenvolv
quei fosse digno da approvaeo final da cmara
(lia varios apartes).
Tenham paciencia os honrados membros vio
discutindo, esclarecendo, expendendo ideas; mas
poopera a pebre commissao, e particularmente o
seu relator, quando nao seja par outra razao, ao
menos pelo fundamento de lima promessa que'faz
de ojie no intervallo da 2a 3 discusso. far um
exain completo de todas as opinioc?, adoptando
as razoes, trar ludo ao connecimento com um
trabalho mais regular e mais ennseatanee cora as
tendencias claras e manifeslas da inaioria, que de-
seja urna reforma, adoptando a iiistnuicoda c
eripcao bascada no principio da rpmtlda
por meios o-alstaniento e sorteio par.
com a violencia e o arbitrio, mas quer
principio soja a instituicao nova implantada n > pato
com todo o geito o moderacn. attendendo a ami-
tos interes-os creados, e am eus-rmnes e indo!
poyo brasileiro.
Ninguem mais podinda a palavra, e jod-aepro-
ceder votaco do art. 3, reconhece-so nio barrer
numero legal; pelo que o Sr. pre clara
encerrada a discusso.
Entra em diseussc o art.
O SR. CORREA : Sr. pr. a emonda
agora apresentada pela nobre caja
leitura acabamos de onrir, nma completa mno-
vacao do systema adoptado pela raesma commissao
no art i do projecto que sentimos.
Segando este artigo o exercito deveria ser tam-
o. AvotiAor I' -Mis ora preciso| bem wmposto de urna forca de reserva, formada
e por indos os ridadl.- alistados .p- i
(|uaes a ella perleuceriaiu de dlrei-
| da reserva dorara quatro annes.
que naireierva tivessem servido
ido o dan yaajpx para urna segonda
aa*x *a**jWw^a* l'ial pewna-
te seis adkn. ITanto a reserva
ita, coma a snMdjaria, llcavam
jitss'B xerctelaa revistas, a pnmera ipelo
menos seis veeoseo-aano, a outra duas rezos uni
ote.
Eu teria .le|dHH&|ta systema por coosde-
Idicial ao paiz. Com re-
servas Vo'Us a exercicios pela fr-
ma afda^^^^BiWcaria mitarisado contra
nhap^b do nribrd%Litor da commissao
iia^a? tal nao era su rlMij e contra o ponsa-
io-d,i <-MU*n maaVw.r4o as votaeoes. Pe-
e-rdp oaj^taaaa e?ta abandonado pela propria
WrawhVo; nao tenho aecessidade de ombai-lo
Applaudo h louvo. nesta parte, o procedimento da
nobre commissao.
atas, so o art. 4" do, projecto "creavanim teavico
de reserva ntuilo oneroso para o paiz, a emenda
hoje nnVrecIda considera menos essn serrino do
que as dferencas que tteam estaneteeMa' entre
wilBittarios, soiiesulos qae espontneamente se
apreseiitain ao servil) e sorteados refrauiaries.
E' assim que o voluntario nao presta servico al-
guna de e-serva, ao paso que o smirado qne es-
'paaaaaaami'ntp. se aprsenla presta rws servio,
comooinrasiUrio, durante quatro aanos A dif-
rei e.ica emre aquetle e oste e que o prime.ro si <
obrigado a servico aetivo por cio aano* e o se-
gundo durante nove.
I'-m 8n._ErrADo: Mas ainda Ha reservas.
O Sn. Correa : -De rerto, porque n) ha pro-
babihdade de ser o exercito cranoslo ioteiraaen-
te de voluntarios e engajados.
Eu pretenda acceitar do art. i a idi de for-
inar-se a reserva nicamente com as pnreas que
coiirluissoio seu tonapo de servieo aetivo. Ades-
tradas no servico militar, nio tham necessidiule
de exercicios qn, feitos confirme o art. i", pjdi-
am ser hites aes principios rnt liher.h.l
A commissao, [eissaodo de ntn para imlro s-
lenla, tornnu ineerto onninero de praeas com .pie
se pode contar para o servieo da reserva ;
que prestou maior cuidado .fot ,distiucco que
jurga conveninnte e-tabelecer entre tres clisses de
praeas do ne se tm de comnflr o exercito.
O engajado, o viduntario nao lio sujeito a ser-
vico algmu e reserva ; concluid.) o seu tempore-
tira-se por urna vez da* Unirs, quer baja ou nao
pnerra.'mrsnTO externa .'Hrst > ponto notav.'l a
diltereaea entro os prine.ipiosaceeitos na -emenda e
os consagrados no art. 4o.
Ora, eu nao (tosejo que os engajados e voluntario
nao gozem de certas garantas e favores ; porm
nao levo o-meu respeito para a vocacilo ini.....
chama ao serrico militar a ponto de entender que
nao devem prestar servico algnm nos aanos mais
prximos aquelle em que deixam o exercito, ainda
que se d o caso extraordinario de guerra com
outra' potencia.
Separeee-ne excessivo favor nao-sercm obriga-
dos os voluntarios ao servieo de reserva em lempo
de guerra intestina, que Deus queira nunea exis-
ta (anotados), considero-o injustitlcavel no caso de
gnerra cstrangeira.
Nao deve em lat caso ser desprenda a vocacao
dos voluntarios para o servico das arma?.
Para se obter voluntarios, para facilitar o sen
ahstamento, nao convm levar o favor ao pantoque
a commissao desoja.
Naocombalo n idea da nobre commissao. quin-
de stijeila os sorteados que rnmprem sen deverao
servieo extraordinario, da reserva, nem quando se
raostra rigorosa com os refractarios. Giti/malo-a.
porm, quando isenta o voluntario desee servico!
Com quanto um nobre deputado peto munieipio
neutro dissesse na disenssao do art. t* qne o pro-
cedimento do refractario pode ser effeito de urna
caua natural, o nao um fado pnaivel, todava en-
tendo que devo haver para com o refraetaro a
precisa severidad!^ Os que rnmprem a obrigacSo
mi pos la pela lei nao pMem ser igualados aosqno
buscan) escapar ao pagamento do que se lem de-
noniuiado imposto de saugue. Mas nao admiti,
que ao voluntario se concedam todas na vaaangens,
quando coaipirativamente se trata r.oin sove-
ridade osorteatlo que expontaneainente se pre-
senta.
O Sn. Perrira da Silva :Tao ponca sevenda-
de, que at se Ihe d ompremio quando cumprc
o seu dever.
O Sn. Coiihka :Nao sei so c-se premio ser
igual ao eoiieediilo ao voluntario : o projecto nao
o diz. Ainda quando seja, nao ha to.grande diffe-
rwi^a noproredimento de um o de outro que jtos-
.-a iiistiflear a designaidade com que o tratados
pelo que respeita ao servico da reserva. O qnHem
rigor a justca poderia exigir que o voluntario
fosse. sujeito a esse servieo por menos lempa que
o sorteado que no prazo marcado vai oceupar
o lugar que a sorte Ihe destnou as lileiras do
exereilo.
^ Assnn nao haveria tamanha incerteza no numero
de soldados da reserva, com i a que ha de produ-
zir o systema adoptado na emenda.
O nobre ministro da guerra assegurou-oos em
um de seus discursos qne, em casos extraordina-
rios, poderiaiuos logo contar com W.dO fiomens
promptos a marchar ; eassim suceederia se l'os-
sem conservados na re-erva pelo tempn necessario
todos os que compleUssem os cinco annos de
eo activo.
I'assando a emonda nao se peder saber se o nu-
mero de praeas da reserva ser sudieieiite para
occorrer as ncce.-sidai.1es publicas ora casos extra-
ordinarios.
Sr. presidente, V. Rxc. ha de desculpar qual-
quer desairado que note as observacSes que estou
fazendo prpvra da sorpreza que me causou a
emenda agora apresentada, de cpie eu nao tiuha
nem poda ter eonhecimento. A' vista da inraor-
tancia do seu objecto. entend qne a discusso nao
so deveria encerrar sefli algumas eonsid'Tacoe>.
oai S. Dki-i.tado :Temosa 3* discusso.
O SR.Coaa.tA :Eu tambom appollo para a 3"
discusso ; mas nao me julgo por isso dispensado
de ir desde ja procurando ixar as ideas em as-
sumpto de lama importancia. Nao foi em vao que
se determiimu que os projectos da lei passem por
tres discussSes. Nennuma dellas intil em ma-
terias graves. E no caso presente oumpro Rtten-
der a que o systema acceito para o servico de re-
serva no art. 4o do projecto difiere em pontos ca-
pitaes do quo a nobre commissao propoe na
emenda. r v
O Sn. Fi:nitEin.\ Vianna : Mas
serva t
O Sn. Coiiiia :Ainda ha reserva, mas or^ani-
sada de modo ddTeronte ; a emenda cnida ospecial-
merite de estabelecer distinecoes entre voluntarios,
sorteados que exponianeamenle so apresentam e
refractarios.
O Sn. Pkrhbira Viaxa :-Em quo consistem ?
u^r. (.jiiutA :Os voluntarios nao.fgtmn parto
da reserva. '
O Su. Fbrreira Vian.na :E os sorteados que se
apresentarem em lempo f
O Sa. Couh; v :Ksses, como os refractarios
servem quatro anuos na reserva. Para noern lia
nesta parte benigndadeexcessva e escusada para
os voluntarios, rpie sao os que manifestara) vocacao
para o servico militar.
O Sn. Perera da Silva :Mas, assim como se
engajam em servieo aetivo, podera-so engaiar uaru
a reserva. ^ r
O Su. Correa : E" idea inteiramente nova essa
que o nobre deputado presenta agora nao est
no prejecto, nem as emendas.
O Sn. Perera da Silva- :Tem direito de re-
engajar-se.
O Sr. Canata : -Para o servieo activo e esta-
mos trata mi > da reserva. Se ha lacuna,' o nobre
k r d,(-"'"ll'"^ao deve faz-la desappareeer.
SiSssSr' -serviQo de rjierva
O Sn. Correa :Sem duvida ; a reserva nao
tem, segundo a emenda, outra obrigar-o sena o a
de acudir ao servico no caso Be guerra externa ou
interna. E inesm-) por estar limitado o servieo a
das de tanto apuro quo nao vejo razio para
ser o voluntario completamente excluido da re-
serva. .
' fTrocam-?c apart-
Nao vou, Sr. presidWe,-mandar suh.enada3
caos jllnatrada apretiaco
i da nnbrc commi-sao e de S Exc. o Sr ministro da
S benir' a"ni,1 qn me C"mpre h-
.0.&R. IISTRO A GUERRA :-Sr. presiden
te, eu adopto a emenda apresentada pila nobre
commissao ; ji minha humilde eniniao em fafor
da idea consignada nessa emenda.
TVnho o maior pezar de nao poder concordar
ni oillustre deputido que acabon de fallar
O Sr. Corba : Sinto muito.
OSr. Ministro da Glerra :-Mas paroeajlle
qne, sendo o iesulcratum da formacao do exerclo
quo se cnmponha elle de voluntarios, preciao
erapregar todos os eios qainoijreni parecer ne-
cessariosjparaatrahiroairohliiltiiioa. (Apoiados)
>e a reserva, composta de iadividnoa qne^ivr
-no exercito. comprehendes-* necesssria-
volnntari .s, como quer o nolire deputado
Ha Provincia do Paran, diiculiar-se ha a apio-
sentacao de vostatarios, isto praticar-se-hia um
acto inteinaeme centrarlo ao flm queaedeseja
obter, he^dttkleratuimie.ma blle!.
Emhoi^earrmsa wooesso fe'a aes velaatarios
a reaeryMtalhM m peuco meaer, isao prefe-
nvel a diaaeaiado aw Baria*** de so apsesenu-
rem voluntarios coma condtcSo de estarem ainda
depois 4p .irabarem* o seu lenipo de ser
serera ebamados para o sen ico de gterra,
stitnirem urna parle da reserva creada
la da illusfre com*m'ssao.
Esta razo jmr man lio ppderosa nueoapre-
nro ter nma resrvamenos nam-u-na do que nao
ter absolutamente wduntarios. nn j.|os em to
pequeo numero que nao dispeuseHi nma boa par-
te dos eontingentes annuaes que se exigein da po-
p) I acao para firra.iremi exflff lo.
"arei-eiiwno ouvir ao nonr*lo depnlado quo era
*aa*e>4raahar a Terenva que se fana entre o
volnntario e aquello que tem sido sorteado para
servir nu exercito ada o honrado inembro que
este ultimo est as mesmas catMalslancias que o
voluntario, ou tem muito petrema dilTcresaa-di)
voluntario...
O SrjCbbmja Ap-iado.
O Sn.^trNisTRo da Guf.uSa : ... sendo a apre- sileiros.
para a orfranktraode rrm exercito ordinario
permanente.
A constituieo ao ser promulgada contadHB
com o exercito, que ento exista: no sen art tifi
a elle se referi, e oxoasarwa al que fosse vota-
da ostra forca pelo eorpo legislativo. A coastRni-
cao.^iortaato, poda aafarir-sga essa mr?a miNiar
ja creada; no seujrt 145 refena-se e nao pedia
deixarja nferir-se a iatanea extraordinarios.
Assim, senhores, em raen conceito, qualquer
systema de recrutaraento que devenios adoptar
nada tem qee ver oom a constituieo, porque
una questio de lei organiea e nao propriamente
(onsnieeional. A honrada commissSo. querendo,
a ostros prestigios qne acRava para preconisar a
coasceipflo, accreseenur mais um, l foi buscar
o artigo allndido da conattnco, o que autori-
sou-me a reoordar-llie qne, se porventura o re-
crutamento contraro a constituieo do nosso
exereilo ineonstitucionalmenlo pelrj nos esteros
so Paraguay.
Ora, se porventura o exereilo pede ser organi-
*ado por urna lei ordinaria, convm que aprovei-
teraos a opportunidade dessa le para regulamen-
tarrass.'darinos eorpo, vida e realidade pratica
essa abrigae'io, qno est escripia na constitucio,
o qtn-nas etreurastanetas extraordinarias o patrio-
tismo saber avivar no coracao de todos os Bra-
sentacao expontanea, sem ser necessario que a an
toridade publica use de qualquer meio coercitivo
se aprsenle ao eicrsjlo. Eirsaa snppo-
nho qoe a differenca entre um e outro seja to oi-
minuia cumw u honrado inoiiibro suppoe, jwr.ce-
rae antes muito distincta : cio, v hinrarismenfe verdade, porm compre
nma nbrigaca ; o outro nao tem obrig*co ne-
nhnraa a cnuprir, apresenta-se voluntaria monte ;
a dilerenga uotavel. (ApoiadoM.
O Sn. Currv :Por isso disse que servicia um
anno menos.
O Sn. Ministro n\ Guerra :-l'ortanto se o vo-
luntario tem a vantagem de licar livre do onus da
cahio a re-
relato
com
reserva, nia deve ic nitecer o inesm > pielle que
cumpre urna obrgneao rigorosa, sol p-.na de
ficarmos sem mais e^-se contingente na reserva
.1 s in liv.tnos que sao ohrig.id); a fazer parte do
.ixere.it ? e m# de|K>is do servir .: por eert.i lem-
po sao licenriados, co n obrigayes de. se apresen-
tarem em lempo d; guerra ou em circunislaucias
i xtraordinaras.
Agora, noto mes no que una b'.a parte dos vo-
luntarios ser d.) h reos q le j i teiinam satisleit >
a sua obrigacao de s.-i vireo no oxercUo, o per-
ianto serve n ainda pelo le upo a quo se pres-
tara ; assim nao me pareca rasoavel que se Ibes
mipazesBe a contlico de liearera porunrs quatro
ou cinco aseos sujeitos a asea obi igaco.
Qunto ios refractarios, o nobre d.-.puta.lo nada
disse. Xa verdade, parece que nenhuiiia conside-
ra cao merecen) aqueiles que recalcitran! e.nc.um
prir nma obrigacao to sagrada como esta 3e
servirem ao seu paiz, aqnelees que querem lan-
?ar sobre os seus co!icidadus o servico a que
eram obrigados.
O nohre deputado pela provincia de Pernambn-
eo apresentou o segrale addltivo ao artigo: i Se-
r contado pela motade n lempo que tiverom ser-
vjdo nos eorpee peRetaes das respeeiivas provin-
cias, os alistados para a reserva quando tiverem
de ser chamados ao servico activo.. lita e:nen-
da prosuppdo que fosse approvado o artigo como
se aoha, mas, como a nobre commissao tem envia-
do mesa urna emenda era sentido diverso, pare-
ce-me -que ella j sem ubjecto, que nao pode
portante ser appriivada.
OSR. AWDRADE FIGUEMA : -Sr. presidente,
se eu nao receasse offender os ouvi los atlienien-
ses do meu ittastr* arilega, relator da commissao,
dira que a emenda que acaba de ser aprescutada
urna coiiflrraacao da propoeicao por mim ha
pouco omiltida, co'm que S. Exc. tafite agastou-se,
a saber, quo os estudos sobre o assumpto nao es-
tao araadurecdos, que infelizmente nao se lera
dado ao assuniptn un cuida-lo corre qioudente a
sua ImpuTlaneia. Pelo menos os estudos uo es-
lavara to ainadurecios que pu lesnera facilitar
cmara uina discusso com) cumpna, c como
pede a excluir In citica q ie Ido eab: a tal
respeito.
Senhores, apre:entou--e-.)os, p ir parte da hon-
rada aimmissa ., um projecto consignando a crea-
ya de nao menos de duas reservas para o exerei-
lo : era idea asseatada formar para o exercito, na .
j urna, porm duas reservas: urna principal, ou-
tra subsidian a. Pois bem, comer a discusso e
a honrada commissao com urna'simples emenda,
que envin ao art. 1", fez saltar pelos ares a sua
reserva subsidiaria, porque era composta daquel-
les que, completado o lempo de servir i na reserva
principal como lieenciadt.s, que cra'por i annos,
deviam passar para urna segunda e ahi permane-
cer p ir mais ti anuos, at completar os 30 annos
desemejo anular; mas, desde que por una emen-
da o sorteio ao poda ter lugar sobre ama classe,
a de 18 annos, a honrada commissao acabara cun
todo esse perodo rom que devia preencher a sua
reserva subsidiaria.
Restava todava a reserva principal. E^tavamos
no presupposto de qne essa seria inaulida; eis
seno quando, entretanto em discusso o art. 4, a
honrada commissao aiirou-a anda pelos ares,
sulislituiilo-a por urna outra muito mais acanha-
da e, o que mais sem carcter alu'uoi de reser-
va, porque os adivi luos eila perteiicentes nao
Beam sujeitos a obrigacaoalguma, neo resideu-
cia em lugar determinado pelo governo, salvo nos
casos de guerra, cm que ser) chamados como
todos os cidados, como sao chamados os guardas
nacionaes.
O Su. Correa d um aparte.
O Sn. AftmUDg FiiiUKiiiA :filies nao ficam su-
jeitos a obrigacao iieiiliuma, seguem seus destinos
varios em desvairadas localidades. Ora, era ne-
cessario alguma prerauco para que o governo
pude.se contar eo:n esse contingente.
Mas, senhores, em meu conceito, abandonou-sc
um punco leviauainente o grande recurso da re-
serva, que constiiue boje as organisacoes milita-
res niodernas un viveiro para os exareuea activos
e um moiq^de supprir a insnjflclenca das tropas
activas; em todos os paizes da Europa procurase
boje augmentar as reservas para diminuir os exer-
citos activos: e um paiz com i o Brasil, quo se
acha em condicoes muito eepoeiaes, sob as quaes
nao pode cootar com grande exercito activo, devia
nao esquecer fcilmente to precioso recurso.
O Sn. Araud Lima : A guarda nacional a
reserva natural.
O Sr. Andrade Ficcioiiia :Eu toca re ao depois
na guarda nacional como reserva.do exercito.
Nao so por falla de p .pulae> que nao pode-
mos ter ejercito activo numeroso, nio e s pela
.-vaco d a salarlos patos na industria privada
que esta pottea populaco pradal e que arreda o
pesaoal que poda servir no exercito ; lambem o
rao estado das linancas do Ihesouro u) perinit-
lem pago-lo.
Acallada a guerra, cu acredito que o efectivo
Jo vnte mil horneas que o honrado ministro pe-
dio-nos ha pouco o a cmara votou ser reputado
Um p neo exagerado para circunstancias ordina-
rias ; teremoj de rcstringi-lo a menos, a quioze
mil Inineos. ou tatvez menos. O quesera para
de ficarmos reduzhlos seja ellectiva nos nossos qua-
dros, lenlia insTruccao e disciplina, o nao osleja
smente escripia nos prets, como infelizmente tem
acontecido at aqui.
Casia que ao inciar-se a presonte guerra con-
tara-e no Rio-Grande do Sul 6,000 ou 8,000 ho-
meus, e eratretanlo no da critico em que fui pre-
ciso pUr em aurona essa torea para o Estado
Oriental, aeudratn sement 2,000. A despeza fa-
zia-se, os crditos eram votados, a forja nuda era
dada como urna realidade, e no omtanto no da om
queJoi preciso acudir voz do patriotismo, re-
correr as armos, o exercito brasil iro estova redu-
zido apenas a um torco dessa forca, que devia
ser effectiva I
Se, depois da terminada a guerra, fr conserva-
do arregimentado o effectivo do nosso exercito
sempre complete, em um ou outro ponto, sobretu-
do das rronteiras do imperio, com disciplina e cora
a iiistruccao que nuuea deve abandonar a forca
militar, e sobretudo se renuncianuos ao pernicioso
costume de emprega-la at em destacamentos l-
caos, em qoostdesi eleitorae-, eu acredito qne urna
forca menos de 20,000 homens sari snlllciente
para as nossas necessidades ordinarias.
O Sn. Cardos) Fqntks : Apoiado.
OBn. andrade Fioleira r-^llas exactamente
porque ascireumstancias peculiares do Brasil nao
Ihe permitiera ter um grande exercito, assim como
tambera nfio lhc perniiltem as suas linancas pa-
ga-do, convida aprovoitaamos a experiencia que
adquirirnos com esla guerra de sorpreza a que
fomosjarrastados, para formarmos as nossas reser-
vas semelhanca das nar,oes europeas.
Ora,Htas reservas, senhores, podiam eral um
meio de regulamentar, de organizar pratieamente
ceito constitucional que obriga a todo o cida-
dao tiraslleiro a pegar em armas nos casos ex-
traordinarios de guerra externa ou interna. Esta
obrigacn quanto a mim respeita somonte aos
tempos extraordinario?, pretende a honrada commissao, de fundamente
B, senhores, temos porventura at hoje tratado
Ide orjanisar a reserva como meio pcatico de rea-
iaar ceta obrigacao, que a eenstitnieao impoe ao
cidadao brasileiro? A experiencia da guerra
actual veio nos doraoustrar que infelizmente a
reserva conhevida no paiz, em que se depositavam
a esperanca e a conflanca nacionaes, nao poda
sasfazor, nao eslava'em cendieoes, de satlsfazer
a suaimporunia mistao: rellrcwme guarda na-
cional.
E antes de proseguir, Sr. presidente, eu rogarci
a V. Exc. que se s>rva de por na ordem de lia a
proposta do poder executivo. j existe na mesa toa
das eom parecer do commissao, a respeito da
guarda naeional. Nos uo podemos discutir pro-
llenamente esta le do recrulaniento sem sabermos
o destino que deve ter a guarda nacional.
Muitos des mens honrados ce llegas pretenden)
manler a guarda nacional como a reserva natural
do exereilo (apoiados); e desde que nesta lei de
reerulamenio trata-so do objecto, precisamos sa-
ber so a guarda nacional ser inanlda o em que
termos, ou se oos cumpre instituir una reserva
militar.
Eu vou comee ir a crer que a respeiio de re-
serva tiraremos muito mal. Ao iiiciarem-se estes
trahalhos duas reservas se creavara para n exer-
cito, urna para a guarda nacional activa, alm dos
eorpoj polciaes das praviueias ; de sorte que a
organisaco da nossa (arpa publica, bem longo de
siinphcar-se, como devia e pede a natureza de>ta
instituicao, mais do que todas as demais institu-
co>s sociaes complicar-se-ha singularmente.
Fiearemos com um exercito que l est no Pa-
raguay, formado de recrulas, com um novo exer-
cito composto de conscriptos, com duas reservas
que eram aqu creadas com a guarda nacional
activa para as pocas extraordinarias, coma nova
milicia, com os corpos policiaes das provincias e
com os municipaes ou pedestres que as assera-
blas provinciaes costumam croar para as dlTe-
rentes localidades.
(Trocam-so alguns apartes).
Confe'so, Sr. presidente, quo inclinado crearlo
de urna resoiva em termos habis, uopossodei-
xar de assustar-mo eaffligir-me eum o receio de
ver estragar-sc urna boa idea por effeito do ex-
cesso. Apparece a idea simples da reserva, que
eu adopto at como meio de substituir a guarda
nacional; mas procurou-e enxertar logo muitas
reservas do sorte que aos poucos vo estas desap-
parecendo e o exercito ficar reduzido na forca
activa.
Uma Voz :E' o que basta.
OSr. Andrade Figleira :Discord profunda-
mente do honrado eollega C mo organisar-se en-
tre nos, dar desenvolvimeato pratico a este pre-
ceiti constitucional que obriga o cidadao brasloi-
ro a pegar em armas as rireitmstancias difficeis
do paiz ?
Tratou-se de crear a guarda nacional, institu-
cao esta que tem entre nos, como em todos os
paizes onde foi adoptada e naquelle onde foi in
ventada, passado por Iransformaeoes as mais di-
versas.
Pela lei ultima de 19 de seterabro de 1830 foi
reorganisada as vistas de servir de reserva an
exercito por meio de seus corpos destacados, alm
do ostrumento de forca, paramanter a ordem pu-
blica no interior ; penteu esse carcter revolu-
cionario que Ihe deram na origen), e que entre
m'.s Uvera primitivamente..
Mas, porventura a guarda nacional oa parte era
que a considerarei como reserva do exercito, sa-
tisfaz as verdadeiras e grandes necessidades pa-
ra que foi desliuada no exercito ? Nao, de certo.
.Nem essa organisaco de corpos que devem
marchar, mas que nao podem marchar porque
entre elles ha praeas eom isenees diversas ; nem
essa organisaco um pouco por demais civil i^ira
o lim de concorrer como reserva do axaraK
aera sobretodo essa falta absolula de disciplina,
de instruceo e da exercicios emhora raros, po-
dem dar guarda nactoaar o carcter de re-
serva que os nobres deputados querem empres-
tar-I he.
E se nao vede : oo dia em que o paiz precisou
de uma reserva para a guerra actual, porventura
a guarda nacional prestou-se coma institaicSo ?
Acudi aos reclamos, marcliou em batarhdes, em
corpos destacados, por todo esto vasto imperio
desde o Para at o Rio Grande .' Mosirai-ine quaes
os batalhes que marcliaram ai regimentados.....
Vozes :Marcharam alguns.
0 Sn. AaroRADB PtoOWRA : Marcliaram indivi-
duos da guarda nacional, lalvez coinpanhias.
Outua Voz : Da Babia veio um balalho in-
teiro.
O Sr. .4.vdradi; Ficeira : Nao vinham bata-
lhes iuteres (oontostaresi ; so alguns guardas
tiiiliara entliusiasmoe raareliavan, muitos" osaros
tnliam isenees e as allegavam para n) marcha-'
rera. Tanto reconlieceu-se o defeitQ da organisa-
co, que o governo imperial por um dos decretos
do 5 de agosto de 186o tratou de dar uma nova
organisaco extraordinaria, dispeiisou a orga-
nLsaco legal, e nem com Lsso as consas meho-
rarara.
Um r. Depltado : Marcliaram, mas era mais
propriamente como voluntarios.
O Sn. Fkrbeiua Vian.na : Mas note V. Exc. 1
que desviaran) a guarda 11 aconal dq seu deslino ;
ella nao poda marchar para fra do imperio.
Ha outros apartes)
OSn. Andradb Fiuikiiiv :!;' mais uma razo
para que eu nao conie com a guarda nacional co-
mo reserva do exercito.
E' uma resiu-va (|ne s pode defender o paiz
dentro do proprio paiz. Eu quero reserva que pos-
sa marchar para onde as necessidades do paiz re-
elamarem ; que ri para o 'aragnav quando fr
preciso ir ao Paraguay ; mas reserva que s .le-
renda o interior do paiz nao precisa, porque pa-
ra isso temos o exercito activo e os corpos poli-
ciaes das provincias.
sorteados leram de servir no
aqueHN |uo 0 fti(iJ"oss/iuJi|rjB)|
ictivo ;
aeaarra.
'briwiba Via.vma :Lneera aruitae.iui-
talivo.
OSr. Anobade Fim eir Isto era muito mais
equitativo do que njeitar ao servico da reserva
os cidadao sorteados, quii ao completaren) O seu
tosipo us servico activo deviam antes coatar eom
o favor da lei para descansarom. das suas fadigas
epaareni da sua industria.
Esta era a idea natural da reserva : adoptada
um paizes,onde ha conscripeao, g. ramente segui-
da logo om principio, compunJiaiii-na os cidados
alistados que nao iam servir ao exercito activo.
0 Sr. Ministro da Guerra : Nio ha de ser
exequivl aqui.
OSa. Andrade Fioukira :Porque T
O Si. Ministro da Guerra d um aparte que
nao ou vimos.
O Sr. A.NDRADE Fic.i eir :Eu duvido um pou-
co da exeijurbilidade do systema (apoiados) ; mas
do que menos duvido que, se oarigaodo certas
clasitw ao servico em lempo do guerra, nao seja
possivel ir busca-las.
Toda a quesio darem desenvolrimante pra-
tico aquelle preeeite constitucional que tibriga a
servirno exercito aos cidados brasileiros. V V.
Exc. que a guarda nacional nao auxilia o exercito
como instituicao, nao ; os guardas que se acham
no Paraguay foram agarrados pela polica. (Nao
apoiados ; ha alguns apartes.)
Naturalmente naviam de ir muitos guardas na-
couaes para o Paraguay, comovolunlarios, desde
quo todos os cidados sao qualilieados, mas fo-
ram cm batalhrjes, em corpos destacados, corro
pedia a lei da instituicao, em batalhes eom%uas
compashies. N.o ; nao foram, foi a poliria que
us agarrou pelos cabellos e os alirou no Para-
guay.
(Ha alguns a parles.)
Aqui na corle enaseapitaes existo essa quali-
loac,ao ; mas as provincias nao ha qualincaco
da guarda nacional, a lei to contraria aos nos-
sos cuslumes, lio pouco adaptada s crcumsian-
cias pecufiares que, era regra geni, nao existe
qualitlcaco da guarda nacional em parte alguma.
Na propria provincia do Kio uV Janeiro nao ha
qualilicaco regular ; provincias ha onde os res-
pectivos commandos nao aira um livro se quer,
nao passam de umestado-ioaiorde offlciaes.
Se me fosse licito aconselhria ao nobre mi-
nistro da guerra que nao rende na guarda na-
cional.
E necessario que a proposta do governo entre
era discusso para ficarmos saliendo o destilo que
cr. Desde j,me comprometli a temar parte no
debate e a prop.ir a sui>pres*o dessa insti-
tuicao.
Mas, bcnlwres, desengenlo-nos, nod possivel
formar exercito regular sen dai-Ihe tuna, certa
especialdade,.quo constlue a carreira das, armas
ara (odas as graRdes naces militares. Por outra,
nao possivel formar exercito sem uma reserva
que para elle prepare o cidadao.
E' preciso aproveitar uma classe de cidados
em idade coaveniente, que ainda nao tenham to-
mado na sociedade hbitos que diliciiltam a vida
militar.
Nao sou dos que receiam que se eslabeleca o
dominio militar entre nos ; nao, o nosso exercito
recebe anoualmentc infuso de sangue novo, por-
que annuslmente se remita na na cao ; e assim
jaman tentar entra as libertades' publicas. E"
um receio exageradoe infundado; deixemo-lo pa-
ra a Europa, onde o exercito tem interesse o um
destino parte.
No Brasil o exercito nao ser infiel causa na-
cional, nem perigoso s liberdades publicas, por-
que o exercito coiiipe-so de Braslcros, vivando
diariamente em ine.io da sociedade, deila sahindo
e para ella rollando, recebendo os seus costumes,
o seu espirite, as suas ideas, retemperando-se em
suas forcas.
Sr. presideole, a emenda da honrada com;ms-
so consagra o pensamento de urna reserva ; to-
dava tao acanita lo qui eu 11a 3. discuss 1 terei
do aprsenlar outra emenda desenvolvendo-o, isto
, restablecendo o alisiameoto dos individuos de
18. a 21 annos de idade, alim de core ellos com-
pr a reserva do exercito.
Ninguem nwis pedmd>a palavra, lica encerra-
da a discusso.
Entra em discusso o arr. 8." do mesmo pro-
jecio.
A di-cusso Boa adiada pela hora.
Dada a ordum do da, levanta-se a sesso s
quatro horas da tardo.
SBaSO EM 30 DE JULHO.
rasaiBETOia do sr. nrsub.
Ao meio dia, feita a chamada, venliea-se haver
numero sufflciente, brese a ses
L se e approva se a acta da antecedente.
O Sn. ,3. Sroretvrio, seando de 1., d conta
do segrate
Expedient;:
Um officio do ministerio di imperio, enviando
as autlienticas da cleico a que ltimamente se
procedeu nos collegoi d Taubat, Thatuba, Gua-
ratmgiiea, Jararehy, Pin lamanhangeba. Ardas,
n ,11 anal e (Ju.luz, do 2." disiricto eleilorel da pro-
vmna de S. Paulo.A' 2.' commissao de poderes.
Outro do me-nio ministerio, enviando o ofueio
com que a presidencia da provincia de S Paulo
transmiti as actas da eleicao primaria a qna se
procedeu as parochas de l'irassuounga, Piedade.
S. Vieenje, Natvidado o Bairro-Alto.A' mesma
commissao.
Outro do ministerio da ngriculiura, remeltenio
o requerimento em que Nicolao Jos Lopes, aju-
dante contador da adiuinistraco do correio da
provincia do Paran, pede a assembla geral a
iraca de augmentar os respectivos vencnientos.
A commissao de pen-<>s o ordei ados. : '
Outro do I.- secretario do senado, comrauni-
cando que fra approvado pelo niesiuo senado e
vai ser dirigido sanecao imperial, o decreto da
assonila geral que approva varios decretos do
poder executivo que transportan) de urnas fiara
nutras verbas diversas quantias do orea mente de
loo/ a 1868, e abre do is dediles supplemcntares
o exlraordmaiios a diversos ministerios.Intei-
rada.
^ Um reqiierment) da ir mandada do SontfRaftno
Sacranienio da freguezia do Nossa Senhora d Ro-
sario do Cllelo, da provincia 1
Osn. Furreiba Vian.na :Aguarda nacional
o feita para defender as iusliiuices do paiz ; re-
serva do exercito nao a.
O Su. Andrad:: FipuRiRA :E' mais a meu fa-
vor, a guarda nacional nao propriamente reser-
va do exercito...
O.Sn. Fkiiurhu Vk.sn : Nao o seu papel.
O Sr. Andrade Figueiua : Assim como i.o
pode preencher e nao preenche o outro seno
cora grande vexarae da populaco.
Sniores, eu sioto divergir profundamente dos
collegas que rae tra honrado oom seus apartes ;
tenho a respeito da instituido da guarda nacio-
nal outras ideas, terei occasio de manifestar
quando entrar em discusso a proposta do gover-
no, quo j pedi a V. Exc. houvesse de dar para a
ordem do da.
0 Sn. Fkrreibo Viaska :Agora era a occa-
sio propria.
O Sr. Andrade Fioieiua : Os meus cullegas
concordara que a guarda nacional nao pode ser
reserva do exercito ; entretente o exereilo preci-
sa de reserva, nao dirci complicada, confusa, co-
rro essas principal e subsidiaria, que nos haviam
sido propostas; mas de urna reserva era cortos
limites, isto comprehendendo um numero de-
terminado de classes de cidados alistados, se
de primeira nacessidade. (Apoiodos.)
Gomo ftcar reduzido a um exercito pouco nu-
meroso, como ha de ser o nosso exercito, porqne
nao temos populaco para*alimenta-lo, nem dinhei-
10 Dura pagarln.
m Sr. Deputado : Nem devenios mosmo
te-to.
OSr. Andrade Fioleira :......sem reser-
va ? Meftior nao t-lo, e soutente simples corpos
policiaes.
A emenda que eu ti ve a honra de enviar me-
sa e que cahio na votaco do art. t, continha o
germen da reserva que era necessario manter sem
maior vexaae'para a populaco.
S:ijeitava ella tres -clames, desde os 18 at aos
21 annos,ao sbrvieo raitar : aquellesque fossem
de Sergipe, uedindo
para possiurbeas de raz at a quaulia de......
10:00()00i).A" ernnmi^sao de fazends.
Outro de Jos Marques Carepa, nedindo ser na-
tiiraiisado cidadao brasileiro.A' eouiinissao de
con>tituicao e poderes.
Outro de D. Francisca Tliedolinda de Vascou-
cetlos Ooncalves, pedindo que se faca effectivo o
aposto na resmVo da assembla geral de 6 de
niaio do 18i, que coiicedeu-lhe o meio sold de
seu finado marido, o lenente-geaeral Lzaro Jos
G mealves, a cujo pagamento foram oppostas as
duvidas de que trata o officio do ministerio da
tonda de 18 de agosto d'aquollc anno.A' oom-
missao de marinha e guerra.
Outro do aiferes Pedro Theodoro Pereira de
Mello, pedindb que se Ihe manue suspender a sua
reformaA' mesma commissao.
L-se, o vai commissao de juslira civil e
criminal, o projecto sobre reforma judiciria, que
ja publicamos.
L-se, o 'vai as commissoes de justca civil e
criminal e de pensSes e ordenados, o projecto so-
bre vencimentos de magistrados, que j publica-
L-se, e vai a imprimir para ser aubreetlido
a votaco cinco dias depois na forma do regimen-
t, o parecer que se acha publicado sobre a? elci-
coes de varias-parechias na provincia do nie" de
Janeiro.
L-se, e tica adiado por ter peaUdo a palavra o
Sr. Vieira da Silva; o parecer que se acha publi-
cado sobre o estabelecimente de uma tiuha tele-
graphica entre capital do imperio e a prevlntia
de Pernamhnoo.
Lm-se e vo a imprimir |ara entrar na or-
dem dos trahalhos ai redacgdes sobre a xaco
da forca naval, matrierfla do Dr. Rozondo Moniz
Barrete e penses a diversos.
Proccde-se votaco do art. 8. do projecto
sobre a reforma do actual recrutaraento, e em-
provardo, com 'as fenendas'dacoinmiss'i, doSr.
Correa e as do Sr. Andrade Pgnelra; sendo re-
jeitada a do Sr. Bawos Brrelo.
Procede-se em seguida votaco do art. 4. do
referido projecto, e tamh#m approvado, een> a
emenda da commissao, sondo iciubseate reieiu-
da a do Sr. Barros Barrete. .
Entra em .3."'discuss i a proposla do orcamea-
to RXando a despea o oreando a retta'-neral do
impeno para o exercico de .1869 a 870.
O SU. CANDUJO MENDES faz ajfsraaa cessi-
deracoes.
A m'scusso (lea adiada pela hora.
Dada a- ordem-do dia,tovanta-e a sessio s
qsatn e raeia horas da tarde.
TJP. t>0 DIARIO-RA 1)48 l|E8l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQET1I1KA_EQCMGG INGEST_TIME 2013-09-14T01:47:38Z PACKAGE AA00011611_11920
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES