Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11910


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MMHHMni
a
I
ANNO XLV. NUMERO 178.
i
\

I
i
I
PAR A CAPITAL E iGAKS OIDE IAO SE PAfii POBTL
f\tnaMamadtaaado3..................
Por seis ditos idera..................
Por um anno dem................
Cada uxmmo avulao...................
SU
24000
320
/I
SUBIDO 7 OE IGOSTO DE 1869.
PAJA BMPPB0 E WRA BA PROVWCIA.
Por trac mezes adiantados..............
Por vte ditos idcm................
Par non 'ditos idear............t .
Por Din uno.^............... .
27JM0

Piopriedade de Mnoel Figueiroa de Para & F&ob.

agexte:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Goncalves A Pinto, no Maramab; Joaquim Jos do Oliveira, no Ceari; Antonio de Leraos Braga, no Aracarr; Jao Mara Julio Chaves, no Assu; Antonio Marques 4a Silva, no Nata} Jos Just
Pereira d'Almeida, em Mamanguape;' Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos BulcS, pm Santo AatJo; Domngos Jos da Cesta Braga,
em Nazareth; Franeino Tavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martins AJkes, na Babia; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Rio de Janeir.
_______________________________________,____________________________________________________,---------------.---------------------------------------------------,------------------------------------------------------------:------------------------------------------------------,----------------------------------------------------- '". ,lv :-' .'-:

ar
PAETE 0FHCIAL
provincia tendo era vista o que requeren Ttaom
Joaquira do Reg Barros, fiel do tbesoureiro da
thesouraria provincial o bein assjm o que informa
0 respectivo inspector em omcio'de 19 do corren-
ie, sob o. 178, resolv conceder ao mencionado
Reg Barros, tres mezas de licenca com todo* o*
ve rimen tos aa forma solicitada para tratar de
sua aadu.
4'aeeco.
N. 711.Oflicio ao Extn. Sr. presidente da I'a-
rabyba.Levo ao conhecimento de V. Exc, que
necia date conimuniquei ao baenarel Henriqno Pe-
reira de Lucena, hav-Io o noverno imperial Ho-
rneado para o cargo do juiz de direito da comarca
de Teixeira nesta provincia, uiarcaadvlhe o prazo
de tros ames para prestar juramento e assumir o
exercicio do dito cargo.
X. 72.Cortara ao director feral do correio.
Nesla data o de conformidade com o ari. 6* do
reglamento approvado peto decreto n. 4356 de i
de abril prximo (indo, traosmilli tbesouraria
de fazeada as portaras, que para terem csse des-
tino acompanbaiii aoofcio de V. S. de 10 do cor-
rente.
X. 7.Dita cmara municipal de Ipojuea.
Declaro amara municipal de Ipojuea, em soiu-
co consulta fuila cm seu oraeo de 8 de abril
prximo linilo, que bein procede qoando entende
que s deve pagar metade das custas dos proees-
sos mines, en*que forein condamnados reos ao-
1 es nos termos do art. 99 da lei de i de dezenr
bro de 1841 e do art. 409 do reculamente n. i40
de 31 de Janeiro de 1812, e que os avisos invoca-
dos pelo escrivao do jury s teem applicacao nos
processos em que, sendo partes as cmaras mu-
ci|)aes, decahem estas da respectiva acca.
N. 724.Dila ao superintendente da estrada de
ferro.De conformidad* com o avi*o do ministe-
rio da agricultura, rommercio e obras publicas,
do dO'Corrente, sob n. 13, declaro ao Sr. supe-
rintendente da ostrada de forro do Keeie a S.
Francisco, que se o engenheiro Hennque Spenser.
pelo seu contrato, tem direito ao pagamento dos
seus salarios em libras esterlinas, nao adimAi-
vel pagamiento de outra maneira, e nesla hypothe-
se tica reselvidaa questao do eambio.
N. lio.Dita ao administrador do correio.
Tendo nesta data e nos termos do art. 6o do regu-
lamenlo approvado pelo decreto n. 4336 de 24 de
abril prximo lindo, transmitido tbesouraria de
fazenda duas portaras que me foram remetalas
pulo director geral dos correios com ofncio de 10
do crreme, noiueand j Francisco Esteves da Cruz
Peixoto e Gabriel Mara Velloso da Silva, o priroeiro
para ajudanie do correio' da villa do Bom Gonse
la prorlacia.
EWaemNTB AaSMNADO KLO EXM. SR. DR. MANOEL
aommametiro machado ponretXA, vice-^rbst-
wmim movmctA, M 2 df. maio de 1869.
^eaeeao.
N. 706. Da* ao eooirnaadanle superior da
ga*rda nroual do Paaa.Em reosla ao offlfio
de V. S. de .10 de abril findo, tenho a dr-elaraT-lhe
que o delegado do termo do Cabo, manden entre-
gar o cabo Germano Jos Vieira ao eapitao que o
bavia mandado |iroiilar,.nor tef sido dito cabe re-
rolhido a eadeia samdlsso ter .ciencia.-o mtsmo
delegado, ctiinprindo, par evitar a reproduc de
ttes factos, que neuhuiu guarda seja a referida ea-
deia recolhido sem preru conhecanento daquoHa
autoridade policial,
X. 707.Dita ao Dr. Henriquc Pereira de Lu-
celia.Sua Mi gallada o luipcrador heuve por bem
nbmear a V. S. por decreto do 10 do correte pa-
ra o cargo de juiz de direito da comarca de Tei'
xeira, na provincia da Parahyba, o co para sou conaeciment, e para que solicite o
respectivo titulo que se acha na secretaria do g'
vf mo desia provincia, nondo-lhe assignado o pra-
7.0 de fes meies a contar d.?a data para prestar
jaramento e assumir o exercicio do referido cargo.
X. 708. Dita oo commandante do corpo provi-
son de polica. Podo Vine, engajar no corae
sob seu romniando, o pai-ano Joaquim Jos de
Oliveira, de que trata o seu oflkio n. 219, de hoje
datado, tend) elle a necessaria moralidade.
X. 709.Dita ao juiz de paz presidente da junta
de qualica?ao da freguezia da Una.Recommen-
do a Vine que envi ao conselho de qualiflcacu
da guarda nacional dessa parochia, que se ada
t'necionando como consla do oftlcio de 16 do cor-
i-ente, a relacao de que trata o art. IOS 2* do de-
creto n. 1,130 de iSMie marco de 1853.
9 M'ccao.
N. 7 iO.Portara ao inspector da thesonraria
ile fazenda. lie.eotnmendo a V. S. a expedido
il s conveniente! onlens, afim de que por essa re-
uarticio se ajuste cuntas e de-se guia de soccor-
i-imentu ao eapitao do corpo n. SI de voluntarios
da patria, Antonio Jos de-' AndraJe. que, tem de
sag* para a corte do vapor Tocantins que se
espera do norte.
X. 711. Dita ao, inesmo.Expesa V. S. a suas
ordeas, alim de que. por essa tbesouraria se ajuste
cantas e passe gua de seceoiThnento ao altere?
do 4" batalho de iufctnUria do exercito Ailtonio
Maria Pereira do Lag>, (|ue tem de seguir para a no, e'o segundo para igual eniprego no da viHa,
corte no vapor Tocautim que se espera do norte, i eS. Rente ; assimo conmino ico Vine, parasen/
X. 712.Dita ao inesmo.Communico a V. S. I conliccimento.
para seu conbeeimen'o que, segundo consta de | X. 726.Dita ao engenbuiro llscal da e-trada de
aviso d> ministerio dn imperio do 14 do corren1, ferro.De cunformidado eom o aviso da tepaiHi-
nb.i. a quantia de 130*237 rs., constante de sea
citado (Hlcie.
N. 733.Dito ao commandante superior aa
guarda naoioual do Rio Formaso.S. Exc o Sr.
vice-presidBte da provincia, manda declarar i
V. S. em resposu ao sea oflkio de 31 de marco
ultimo, que a tbesouraria provincial leaordein
para pagar os vencimentas constantes do citado
olHcio.
N. 734.Dito ao lente coronel Manoel Tei
xeira da MoUa, couimandante supe-;or interino da
giiardAAaeionl doRio Fotoso.O Emn. Sr. i-
ce-presiiJeaJe da ajnvioeU manda declarar a V.
S., que licou inteirado pelo seu ofllcio de 14 da
orreute.de ter nessa daU assainido interina-
rente o eomnanda. superior da guarda nacional
desee municipio.
Dito ae presidente o niais membros do
liconea requerida para o supplicaule fazer b
dada polo temm de seis tnez s, dentro dos quaes
de vera tirar toda a in uleira (|ue pretende.
. 4
Antni4 Vicente doXaseimento Feitosa.Ao Sr.
lasptMtor da ineseararia de lamenta para mandar
pagar w supplicnnie o que llm for devido.
Aatrmio de- Sonza Res.Informe o Sr. tenente
eoreaaacouiiaauJanle do crpo prwisorio de po-
lio.
Antonio Cirios t Alaieida.Infurmao Sr. ins-
pector dithRsonraria d fazenda prorneiali
Adolpho Gavjfcaate de Dliv.ira Maeiel e Jean
Charles Nuury.iodeferid.
Bario do Liv/aaeoto.Iifonne o inspector da
tbesouraria provincial.
Bentu Jos da Coela Ribeiro.D-se.
Hioharel Ghvssolilo .Ferreira de" Castro ('naves.
N. 733.
ronseKio de qualjftcacaj da guarda nacional do | Ao Sr. inspector da tbesouraria de faronda para
parachia do Rio Farinoso.0 Kxm. Sr. viee-pre-1 mandar, pagar ao snpplicante o Une tbe f devido.
sidoole da provincia manda declarar a V. S. em
resposu ao seu offlco de 16 do correle, qiw nes-
ta dala se expe.dio ordein para serem remettidos
a esas conselliu as relaooes de que tratam os j
e 4 do art. 10 do decreto n. 1130 de 12 de mar-
co de lim.
jm^h 3.#aecae.
N. 73J2PK0 ao inspector da tbesouraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provm-
mittir a V. S. as cinco inclusas
sob ns.
datadas
1 iram approvaJus pela respectiva verba do extr
cicio de 1868 a 1869 as ajtid.i.- de costo, pagas sob
a resp uisabilidade. desta presidencia para indeui-
nisacao dos gaMoe de wegem ide ida e voa, na
io do crente anno, nao sq aos de.pulaJos
i leitos por esta provincia Tlieodoro Machado Fre
ro Pereira da Silva, Manoel Ctementino Carneiro
da Cunlia, Augusto Fredcrco de Oliveira, monse-
nhor Joaquim l'mto de Campos e major Francisco
Raphael de Mello Reg, como pela provincia da
Parahvba desembargador Francisco de Assis Pe-
r lira Hecha, na razio de OO cada utn.
\ 713.Dita ao niesnio Em vista da. folha c
pret juntos, tirando vencimeutos na importancia
da 1305237, para ama eseolti de guardas nacio-
naes queconduzio do U-rirn de Limoero para es-
ta capital oito reclutas e utn desertor que fot un
i lawllidos ao c iminandantdas armas para terem
O/joafoniente destino e quairo sentenciados de
jasticaii miarte V. S. pagar a Jos Maria Ferreira
d Caoba, conforme solicito;! o chefe de polica cm
olHcie d 22 do corrale, sob n. 739, soinente a
q i.mtia de 904171 ou o que justamente se dever,
caraaspaadante aos mencionados recrulas e deser-
tor, sendo o restante salisfeio pela tbesouraria
provincial, fazend i V. S. tirar nessa rcparti?ao co-
pia desses documento-, afim de servirem de du-
plcala.
X. 714.Dita ao me-tno.De conformidade com
o atl 6' do regulamento approvado pelo decreto
n. i,3"56 de 2i de abril prximo findo, transmuto
a V. S. as inclusas portaras que parWerem esse
destino me foram raaettMas pelo director geral
dos correios em otficio de 10 do crrenle, Hornean-
do Francisc i B*teves da Cruz Peixoto, para o lu-
gar de ageate'do correio da villa do Bom Conse
lito, e Gabriel Maria Vellezo da Silva Azevedo, pa-
ra igual empresa do da villa de S. Bento.
X. 713.Dila ao inspector da tbesouraria pro-
vincial.Em vista da folha e pret juntos, tirando
vencinientos na importancia de 130*237, para
urna e-colta de guarda nacionaes que conduziodo
lerm do Limoeirapara esta capital oito recrutas,
\ o desertar e quatro aeoieneiades de justici,
mande V. S. pagar JosMariaFerreira daCunha,
( mforms solicitou o chefe de polica em offlcio de
2 do crreme, sobn. 759, somente a quantia de
40076,ou a que justamente se dever, correspon-
dente aos referido* sentenciados, sendo, o restan-
te satisfeilo pela tbesouraria de fazenda.
y 716.Dita ao mesmo.Em vista da folha e
pret junto em duplcata, que ir remetteu o com-
mandante aupartpr do municipio do Rio Formozo
coi-ofllcio de 31 do uurc/3 ultimo, mande V. S.
liquidare pagaros vencime utos relativos ao mez
de feverero deste anno, do olBcial e pravas da
r,la nacional destacados naquella cidade.
X. 717. Delioeraeio vice-presidanl-' da
cao da agricultura, coaMnercio e obras publicas,
e 10 do corrent?, sub n. 13, declaro Vtnc, W
resposla ao seu oflicio di 31 de marco ultimo,
que, se o PBgenheiro HeBrique Spenser, pelo seu-
contrato, tem direito ao pagamento dos seu sala-
rios em libras esterlina, nao admissvel o pa-
gamento do outra maneira, e nesta hypothose fica
resolvda a queslid de cambio. .
N. 727.DitaOs Srs. gentes da companhia
Brasilera de paquetes mandem dar transporte
para a corte, por conta do ministerio da guerra,
no vapor Toeantins, que se espera do norte, ao
eapitao do corpo n. 51 de voluutorios da patria,
Antonio Jos de Andrade.
X. 728.Dita.Os Srs. agentes da companhia
Brasilera de paquetes mandem dar transporte
para a corte, por conta do ministerio da guerra,
no vapor Tocantim que se espera do norte, ao
alferes do quarlo batalhao de infamara do exer-
cito, AntonfS Maria Pereira do Lago.
N. 729.Dita.Pode Vine, fazer seguir para os
porto* de sen destino os vapores Ipojuea e Jaguti-
ribe, no da 31 do crrante, hora indicada em seu
oflicio desta data.
aX.PEDIF.NTE ASSlfiNADO PELO SR. DR. JOAQL'IM COR
REA M ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 21
DE MAIO DE 1869.
1* seccao.
X. 730._Officio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.Ficam expedidas as convenien-
te s ordens nao s aos agentes da companhia Bra-
silera de paquetes para darcm transporte para a
corte no vapor Toeantins, que se espera do nortj,
ao eapitao do corpo n. 51 de voluntarios da patria
Antonio Jote de Andrade, e ao alferes do quarto
batalhao de infamara do exercito, Antonio Mara
Pereira do Lago, mas tambein thesouraria de fa-
zenda, para ajustar-lhes contase passar guia de
soccornmento ; o que declaro a V. Esc. de or-
dein de S. Exc. o Sr. vico-presidente da provincia,
em resposta aos seus officios de 18 e 21 do cor-
rente, sob ns. 290 e 303.
2* seccao.
N. 731.Offlcio ao Dr. chefe de polica interino.
0 Exm. Sr. vce-presdeoie da provincia manda
declarar V. S., que nesta data so ofllciou ao
commandante superior do municipio do Cabo, re-
commendando-lhe que nao fosse recolhido guarda
nacional algum eadeia por falta de servico, sem
previamente se dar conhecimento disso ao respec-
tivo delegado, fieando a aim respondido o seu ofli-
cio n. 111 do 11 do correnle.
X. 732.Dlo ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar V. S.,
em resposta ao seu oflicio do 22 do corrente, sob
n. 759, que as ihesouraras geral e provincial teem
ordem para pagar a Jos Maria Ferreira da Cu-
ria, manda transi
ordens, sendo tres do thesouro nac nial
61 e 63, e duas do ministerio da guerra
de 8 e 13 db corrente mez.
N. 737.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-
presidente manda transmittir a V. S. competente-
mente despachados, os dous inclusos requerimen-
los de JosSoares Monteiro e herdeiros do Talleci-
do Francisco Jos da Costa Campello, que se
referem as suas informales de 7 e 18 do cor-
rente sob ns. 291 c 31.
JV. 738.Dito ao mesmo.De ordom do Exm.
Sr. vice-presidente da provincia communico a V. S.
para seu conhecimento que segundo consta de of-
licio do engenheiro cncarregado das obras genes
nesta provincia Dr. Antonio Vicente do Xascimen-
to Feitosa, de 22 do correiite.renuneion elle nessa
data o restn da licenca de 3 mezes que Ihe foi
concedido por deliberado de 15 de abril ultimo
para tratar de sua saae.
4* 'seccao.
X. 73.Offlco ao Dr. Armiuio Coriolano la-
vares dos Sajitos, l" secretario da assenibla legis-
lativa provincial.X. 93. De ordem de S. Exc.
o Sr. vicepresidente da provincia, transmuto pjr
copia a V. S., para ser prevente a assembla le-
gislativa provincial, o Incluso acto, pulo qual o
mesmo Exm. Sr. resolveu do conformidad c
lei n. 498 de 29 de maio de 1861 e o 3 f da de n.
276 de 7 de abril de 1831, aposentar o amanu-
ense da cmara municipal do Recife, Candido de
Souza Miranda Cont, com o ordenado por intei-
ro, visto ha ver provado ter exercido o seu empre-
go por mais de 30 annos, afim do a tiiesma assem-
bla providenciar sob o pagamento do rererido
ordenado.
X. 710Dito ao mesmo.X.9iDe ordem do
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia trans-
muto a V. S., em resposta ao seu offlcio de 18 d*
corrente sob n. 61, para ser presente a assem-
blca legislativa provincial a inclusa cop^a do or-
camento dos reparos do que necessitam o conven-
io da Sotedade, em Goyanna.
X. 741.Dito ao mesmo.-X. 95.De ordem
de S. Exc. o Sr. vice-presidcnle da provincia
vansmitto por copia a V. S:, para ser presente a
assemblea legislativa provincial a inclusa infor-
madlo ministrada pela thesouraria provincial, em
22 do corrente, acerca da petijao de Bernardo
Carneiro Monteiro da Silva Santos, que acompa-
nhou o ofileio de V. S. de 14 deste mez sob 58, que
flea assim respondido.
X. 711Dita ao engenheiro cncarregado das
obras geraes nesta provincia.S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.
-! em resposta ao seu offlcio de 22 do corrente, que
4 flea interado de haver V S. naqueila dala renun-
ciado o resto da liconga que por portara de lo de
abril Ihe foi concedida para tratar de sua saude.
D miicio Rodriguea di Silva.Informo o Sr. co-
ronel commandante superior di guarJa nacional
dos municipios do (Minia e Iguarass.
Praneelino Ferreira Cie-i'o.Informe o Sr. ns-
nctar da tbeiuiuraria provincial.
Francisco Ferreira Borges. !-*e,
ParfeFrancisco Seabrade Andrulobinu.Con-
cede a leenc,i requerid com ordenad > miwte.
Flix Franocreo da Coaita.Em vista das iufbr-
uiic'ies, uio tem lugar o que requer.
Flix Miguel. Informe oSr. in|iector da toe
seurarfa de. fazenda.
Genuino Francisco Pedro da Silva.Informe o
Sr. CiTronel comminda rre superior da guarda na-
cional dos nmnicipos de Olinda c Ignarassu.
la iWino da TrindaiL', Rasada. Informe o Sr. co
ronel eeminandaMc superior da guarda nacional
dos municipios de Olinda e Iguarass.
Hyp 'lito Cassiano de Siqueira Lopes.Informe
o Sr. Dr. chefe de |i ilicia interino.
Joaquim Pereira Pint, Livre-se deliberado
aggregando o supplicante ao ataha i n. 31 de n-
f i nana da guarda nacional do municipio do Ta-
carat.
Padre U Porfirio Gimes.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Joio Franciseo Bibeiro.Informe o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional 003
municipios de Olinla e Iguarass.
J. Vi l'io da Fon-eca.Indefcrido.
Joao Francisco da Crtu.Informe o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional dos
municipios de Olinda e Iguaras'. ....
Jo=Tiaqttim ol Silva Barrete. Indefendo a
vista das infonnaeSe.
JoaoGeronrii de f.arvalho.-Entregae-so p.is-
sando recibo.
JosHereulano Thom.w de Aqaino. Informe
o Sr. anjieetor da thesourarhi de fazenda, ouvind
6 da atlaudega. ,
I-eoOor Mara do Cotilo Belmonte. Inlorme o
Sr. inspector do arsenal dmarinlia.
Liberato Proseo RibeTrn.lnfcir>na o t>r. coronel
ommandanfe superior dr gnardi nacional dos
municipios de Olinda e Iguarass. .
Luiz Francisco Vieira de Luna. Ao sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda para pagar ao
supplicante o que fr devida,
Manoel de Castro Leao^Pagando o suiplicante
o que for devido em virtude da pJmna desta
presidencia de 2 de Janeiro do corrente anno, e
marcando a diroctoria do thcatro o da cm que
deve ter ler lugar o espectculo, como requer.
Manoel Lourenco Iistiniano de Almenta.Infor-
mo o Sr. coronel commaada* superior da guar-
da nacional Tos municipios do Olinda e Igua-
rass.
Manoel do Sacramento e Silva.lotame o Sr.
coronel commandante superior da guarda nacio-
nal dos municipios do (Miada e lguarasi
te* por maior espaco, qne o de urna tegislafirn ;
todas as anteriores flzeram o mesmo, inctaeive a
libernl de 1816. .
A reselsSo, de coja indemnisafao se tra*a, sa-
bido, nao assentou em base de interesas- pobKco,
foi acto poltico e de arranjo de amigos.
Entretanto, anda Itva o Liberal a quwaao da
ndemnisacito a sos origem, esse acto (pe s
servio para augmentar o'onus dos cofres provin-
ciaes, nao tendo em vista senio ver e consogne,
fonja de repetir, fazer da inexaetidao urna verda-
de e tornar mais escuro e earregado o quadro de
sua censura!
Isto excwso de m f : mas excesso que esta
muHo ao sabor da gente do Liberal.
Vejamos agora se o acto de S. Exc. merew
censara.
A lei n.- 731 de 4 de julho de 1867 no art. 4*
que conceda diversas autorisacCes presidencia,
no 19 assim dispoe :
" t A mandar pagar aos herdeiros de Manoel Fi-
gueiroa (te Faria, a quantia qne se liquidar como
ndemnisa^ao pela rescisi*) contrato de apanina
mente e ptibfieaeao dos Bates detta assemblea.
podendo para osle flm abrir o necessario crdito
iupptementar.
A lof n.^de otetunbode t888noart. HV
tnsndiviffnirar essa dlsfmslCao.
A lei n. 891 de K de juniho do corrente anno,
art. 49 anda dispoe M o 19 daquella lei conti-
nu em vigor.
Ora, estando assim anlorisado o pagamento da
indemnisacao, nao s por urna lei, mas por tre-,
era licito adminstracao soplsmar essas leis,
atropettando o direito das partes Y
A liquidaco, que era a eondleao exigida para o
pagamento, eslava lena ; em que se fundara a
presidencia para nao orttena-lo?
O Rxm. Sr. Dr. Manoel Portella, portanlo, nao
(ai mais do que obedecer lei, respeitando di-
reito por ella fiMWdo. Foi isto canamente do
desagrado do Liberata mas nao de S. Exc. qne
so deve queixar ; qaexe-3e dos seus amigos, que
nao flzeram as letra eu contento.
Para tornar a censara de mais effeito. allega o
Liberal circunstancias que nao se deram. Xem
a thesouraria provincial se oppoz ao pagamento
em questao, nem S. Exc. o ordenou pela caixa de
deposito*; de accordo com a lei, abri o necesa-
rio crdito supplemontar, do que nao resulta oj-
fensa aos direitos de outros credores da fazenda
provincial.
O Liberal confunde as administraedes : os_ pa-
gamentos feitos pela cama de deposito* nao sao do
tempo da administracao do Exm. Sr. Dr. Portella ;
dr-ram-seem omros tempos de saudosa monona,
nao na Importancia de MM9J, mas em importan-
cia de mais de 100:000* em proveilo de eertos ar-
rematantes de obra* publicas.
Como o nosso flm nao esmorilhar os escnda-
los do passado. 1 i mi tamo-nos a offerecer ao publi-
co as informacoes da thesouraria e actos da presi-
dencia, para trae fofa* patente que nao so foram
tudas as infonnacoes no sentido do pagamente indemnisacao, como que assentou elle em lei ex-
pressa. ,
Assim ficar conhecida a leviandade com qne
procedeu o litoral em seu insano desejo de tortu-
rar a verdade dos factos.
Basta-no* isto.
Eis os documentos:
FOLrOM *
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
DESPACHOS DA VICK-PRKSIDF.NCIA DO DA 3
DE AGOSTO DR 1869
Alexandrino Ferreira de Alcntara de Miranda.
Concedo a licenca requerida.
Baldune Dionisio Gomes do Bogo e Jacintho
Dionisio Gomes di Beg -.Informe o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional dos
municipios do Olinda e Iguarass.
Belarmino da Cunha Cortes. ijatisiaca a exi-
gencia da contadoria da thesouraria de fazenda.
Coronel Joaaum Cavalcante de Albnquerqae.
Informe o Sr. inspector dathesouraria provincial.
Jos Victoriano Delgado e Mello,Informe o Sr.
coronel commandante superior da guarda nacional
dos municipios de Olinda e Iguarass.
Jos Augusto de Araujo.Cestique-so o que
constar. .
Joao Jos Nepomucena.Indefendo a vista das
inormaeoes.
Joaquim Lucio de Albuquerque Mello.Infor-
me a directora de theatro de Santa Isabel.
Maria Jos da Concecao.Seja relevada da mul-
ta em vista das infonnacoes.
Manoel Jes de FigueirdoInforme o Sr. com-
mandante do presidio de Fernando.
Pedro Alexandrino Machado. Informa o Sr.
inspector da thes jurara provincial.
Seraftm Alvea da Bocha Bastos.Coneeda-se a
DIARIO DE PEBNAMBUCO
nFXIFl, 7 DF. AGOSTO DF. 1869.
O Diario de Pcraambuco. o
Ai. *r. presideae da provin-
cia e o Liberal.
Nao andou acertado o Liberal n. 87, na censura
que fez a administracao provincial, por haver man-
dado pagar a> proprielarios deste Diario a quan-
tia de l:3H-jl)O, proveniente da indemnisacao
qne Ihus era divida pela rescisao do contrato de
apanli:unenio .e publicaca i do3 debata) da asaem*
ble provincial.
O FAm. Sr. Dr. Mainel Portella uesse ^eu aclo,.
nao ceileu. como em todos os outros, a considera-
?6esosiranhas ao dever ; cumpri i u na disposicao
de le. ,-,.-
Admifo. pois, que o Liberal ande, tao alheio ao
que se passa qae at ignoro os actos praticados
nelos seus proprios amigos! i .....
Os proprielarios deste Mario nao exigiriam ja-
mis o (pie ufe fosse conforme com a le, nem S.
Kxc.cujo carcter honesto nao solro duvida, se
pre-tarta a pratiea de actos de lavor. A sua l-
lustrada administracao, na qual v-se o cunho da
jutioa c da moralidade, defende-o de sobajo de
arguicoes infundadas e filhas nicamente da ver-
tig'em'pelitica.
Por mais de moa ve/, lem sido demonstrado ale
evidencia que nao foi a assemblea de 1803 a
nica que contratou a publicac.ao dos seu* deba-
N. 342.Hlm. e Exm. Sr.Dando cumprimento
ao despacho de V. Exc, lancado no requenmenlo
que incluso devolvo, dos herdeiros de Manoel Vi-
gueiroa do Faria, tenho a dizer a V. Exc,, que os
supplicantes devem ser pagos de confortnidade
com a inclusa informacio da contadoria de 7 do
corrente, da indemnisacao proveniente dos prcjlit-
ios que ihe rcsultarain da rescisao do contrato
que celebraram com a assemblea provincial, para
pnblicacao de seus trahalhos por quatro annos ;
bem como dos custas em que toi condemnada a
raaenda. f. .
Para se fazer, porem, este pagimento, taz se
preciso um crdito supplementar ao do art. 42 da
lei do orcamento vigente; visto estar em vigor
pelo art. 41 desta lei, a aulorisaeao concedida p 'lo
S 19 do art. 47 da lei do orcamento do exercicio
prximo indo.-Deus guarde a V. Exc-Thesou-
raria provincial de Peruambuco, U de juiho de
1S69.Illm.e Exm. Sr Dr. Manoel do Xascimsn o
Machado Portella, dignissimo vice-presidente desta
provincia.O inspector, Jos Pedro da Silva.
Concordo com a informacao da seccao, accres-
centando somente que o 19 do art. 47 da le n.
731 de i de julho do 18G7, que se refere o arl.
41 da do orcamento vigente, autonsa ao fcxm. sr.
presidente da pravjucia a mandar pagar aos sup-
plicante*, e abrir para este lim o necessario ero-
dito supplementar. Contadoria provincial, 9 de
junho de 1869.O contador, Antonio Cardoso He
Queiroz Fonseca.
" Havendo j sido descrimnadas pelo Dr. procu-
rador fiscal as cusas que perlencem a lazenda
provincial, importa a indemnisacao a razarle ao*
herdeiros de Manool Figueiroa de Faria na quan-
tia de 9:311*060, para enjo pagamento faz-se mis-
ter que seja aberto um crdito supplemenUr desta
importancia verba eventuaes, por onde correa
POR
Paulo Fval
Priineira parte
4>U1IV \l. L.1VIUDO
XV
I.na Parla.
(Continuacao do n. i 76)
Manda- a lgubre facecia do proverbio
uue se n5o falle em canda, em casa de en-
rcado. Quandn o dent da desgraca se
cravou profuodamente no hornera, ha um
semitmero de palavras, de allianoas de
termtWv nomes, datw, verba, qwsaj para
elle o que a corda para a fflMwa tfo'eii-
fjrcadodh preverbio. j
WHttlara St*^tB8, epde vinte vwj
pjr hora figurar na c#veraa$fio de dous
anreotarios a verba- de quatrowntos mi
fraleos TOAroa, Anr eatpn. ornar
para os sugeilos que haviara soltado aqwi*
1 pttivras, avam-lhe elhs duplo ref
aUribulado : a ?ert)* faMNlw
reunidos, supprimindo Paris e os dias de-
horridos, reconduzam-o Caen e recome-
^avam-lhe o martyrio.
Ambos os individuos, taoto o qu^fallara
da direitt com oda esquerda, mo eram
completamente desconhectdo3. Eslava ain,
da todo trmulo, quando terceiro assislente
disse detraz :
O da Alsacia estava bem pegado I Se
a linda Giovanna o. repellisse, era capaz de
dar um tiro em si 1
A visU de Andie aonuviou-se.
Tambem Julia s chanaava, Giovanna. Al-
gpem dissera pouco antes : um nonrre aca-
bado em a e em i. 0 verdadeiro nome de
Julia, de sua mulber, o que ella por seu
proprio conselho devia ter tomado; era Gio-
vanna Maria Reni.
Quem poder dizer se era susto o que o
conturbava, seisujMta ? Que apparencias
havia ? JMfWr como creanca
qtienajflH I urna historia merivet.
tM BPrceou os olhos para a nave,
pela.fi Ira vez dusejoso de ver o que se
pnatava. Entre elle e o altar cujas pea
^snowoaajoolbabam, irrterpunva-so largo
Scbwarlz quatrocentos mil franco* I.
a sonam exacta que o oo/ra do Baneele
eontinha ____
Oncam I sania da chusma, oucam !
renascer horas' de angustia r
hatera as lages com a liaste da pacifica ala-
barda. O sacerdote pronunciara a usual al-
locutfo.
Schwartz! Haviam ditoSchwartz I
Tambem o individuo a quem em Jersey
encarregra de entregar as .suas cartas se
chamava Scbvaru.
J se eBreviatn, quaado elle foi Jer-
sey, continoou o ultimo interlocutor.
Andr olhou para elle com ar bolonio.
Oucam nao ouvem ? disseraia d'eo-
tre a mullido, que assistia ao espectculo ;
dett o sim.
O sim do noivo n3o o percebeu Andr ;
era compensago, porm, outN, voz, e to-
dava to fraca que uio a ouviram os que
ficaram pronimoa, Ihe ferio com violencia.os
ouvidos. Deseahio-lhe a cabeca, como se
horrivel peso a bou vera repentinamente aba-
tido. Gircuravagou a ata espavorida, e
n'um arrebatamento furioso arremessou-se
para a frente para alcanear a tola que cor-
ra entre dous pilares.
D'alli poda elle ver tudo.
Acotovelanda era todas as direcQbe ho-
rnense mulberes, qqantos Ihe impedan a
passagern, Andr, com os olhos lojfctados
e os beioos lvidos, dizia em vozes afo-
garas :
' Mente, menteos 1 nao ella !
Tem Paris o maior medo do ataques, opi-
le ticos ; agfupa-se todava a observa-los
gostosa. Serapre tem aeu tanto mi qnwto
iiresente despea, visto dspor o art. 44 da le do
orcamento vigente que continu em vigor o 8 19
do art. M da lei n. 75'*, que determina que se pa-
Kue dentro do exercicio o que se tiver liquidado
dessa indemnisa?a i. Terceira acao da wntado-
ria provincial de Pernambuco, 7 dejunho de ISuD.
0 1 escripturaro, Manoel Pereira da Cunlta.
ambas. Suffocou-se-lhe na garganta um ai
Andr aperlado circulo composto de urna
s lila de corpos, por cim dos quaes se
debrucava quadrupla corfta de caberas.
Veriflcaram que espumava. Adiantou-se
o suisso com passo de procissiSo para raan-
ter a ordem.
A senhora Gontant disse ao Sr. Joas :
Assim que no anno passado, no
baile do Tivol, um inglez damnado mordeu
tres senhoras.
Muito antes, porra, do suisso conseguir
romper por entre a multidio, j Andr al-
cntara a teia. As maos contraidas aferra-
ram-se-lhe as grades, e dirigi a vtsta pe-
netrante, angustiada e esperanzosa para a
balaustrada, dianle da qual ajoelhavam (
recem-casados.
S6 vio o hornera, que era effectivaraente
J. B. Schwarta.. Soltou-se-lhe do peito um
arranco. Entre elle e a mulher interpu-
oba>se dap o sacerdote.
Anda repet o urna vez:
NSo ella 1 x
Foi um instante. Tendo mudadade
de enocbrr a
4" serbio.Palacio do governo de Pernambuco,
o:n 9 de julho de 1869 (Tem- o crdito aberto peta
dHiberneS de boje, Jont.i por copia, Tica V. 8.ha-
bilitado mandar oflectuar cpngamento da quan-
tia de 9:3ttl060, que se est a- dever aos lierdei-
rus de Manot*I Figueiroa de Firla, em virtude de
sentenca nue* obtiveram contra essa thesouraria.
pela reeeis.io- do contrato que celebraram eom a
assemblea legislativa provincial, para a pnblicacao
dos respectivo trahalhos, como se v do requeri-
inento documeqlado, que incluso devolvo. Deus
guarde a V. S.dr. Manoel do NascimentQ Jfa-
rhait PoiMln.Sr.inspector da thesouraria pro-
vincial.
.'!' swc.ii.Patneio do governo de Pernambaco,
em 9 de julh) de KH59.O vice-presideme da pro-
vincia resolve, de confbrmidade eom a informacao
do inspector da tbe?ouraria provincial de i%> de
junho ultimo, abrir um ndito supptemetiUr.M
importancia de 9:3ir*0S0, verba do art. i2 da
lei do orcaraemo do exercicio cm liquidaco de-'
1868 a 1&69, para pagamente de iguaP quantia^
di-vida aos herdeiros de Manoel Figueiroa de Fa-
ria, em virtude de sentenca que obtiveram contra
a ulosina thesouraria, e preveniento dos prejucnt>
que resullaram da, rescisao do contrato que celo-
braram cora a ssvmnl.V IPg^hntca rirovinrfal pera
a pobticacio iwr qnntro annos, di raspeemos
trabelhos, e de custas em quu foi eondemnada
aqm-lla repartcao. -Dr. Manoel do Nrucimeitlo
Machado Portella.
I&posiro indnalrlal dos ope-
rario.
A velha Europa, nao itescanca, e a indus"
trios Inglaterra marca cada da um novo
passo no caminho do progresso. Um novo
Certamen do mundo itulustrial acha-se pro-
jectad para o prximo vindouro anuo.
Os operarios inglezes promovem a reali-
saco-dessa idea grandiosa, que, cada vea
que se manifesta, como v.-nlartfiin) pheno-
meno social e econmico que deis tra-
eos inapagaveis de luz noseio da sociedade,
rasgando novos horisonles a lodas as fontc
de cngwndecimente das na?oes, e malean-
do nova poca no progresa.
Essas lulas pacilicas, cujas victorias in-
cruentas engran.lecem senipre o mundo,
tpier moral, quer pbysico ; esses lagos* que
anda um dia apertarSo todas as nacoes
n'um csineitu abraco tde amisade, derra-
mando o inundo as escancias de urna paz
geral ; esses torneios das industrias c das
artes, onddt-a intelligencia, e smente ella,
le maos dadas ao traballi), tem o direito
de disputar o respeito e a admiracao d 4
povos; essas festas universaes, onde se
congrassam todos os elementos da vitla, dos
cosltirces c do desenvolvimento e progres-
so dos povos ; devem adiar urna plena exe-
cucao no prximo vindouro auno, sendo
promovida urna expsito internacional, em
Londres, por simples operarios, que arder
no desejo de por em concurrencia os seus
com os productos de seus irmaos de todas
as partes do mundo.
A' testa e como presid-nte da enram-
so, que deve realisar 13o magnnima idea,
acha-se um nome que urna garanta do
que ha de ser essa expostro. W. E Gla-
dstone symholisa um principio e encerra um
futuro de promessas.
A exposico, segund > u:na noticia que
temos vista, ha de verilicar-se nos esta-
belecimentos da companhia proprietaria do
Agriatltnral Hall hlinijlon, onde peden
ser conlidos 30,000 visitantes.
Alm dos (iris e resultados obtidos por
todas as exposieyes, pronem-si os autores
ou iniciadores d'esta, propdreionar-lhe os
meios para loma-la urna escola de instruc-
c5j technica, e por essa for na conconei
p.ua o aperfeicoamento dos operarios, quer
pelo estado comparativo dos objectos fa-
bricados, quer pela analyse minuciosa do
trabalho em suas diversas phases, quer li-
nalmente pelo exatnwe seguimento das ope-
rares de transformarlo tas materias pri-
mas, Ilustrando assim o operario, c des-
envolvido urna cmulacao, proveitosa en-
tre elles.
Seo guardadas as segintes regras es-
pecaes : '.
A. tTodo objecto exposto devera ter ins-
cripto o naiBMlo operario que o tiver foito.-
t Cremos, diz a commisso, que este
svstema animar os operarios a trabalhar
XVI
A me ulna Faaehetie.
A'quelle grito, Julia Maynotte, Giovanna
Maria Reni, ou a Sra. Schwartz. que tal
era agora o nome que Ihe pertencia, levan-
tou a cabeca e olhou para o lugar d%ide
o rumor partir. *.
Profunda, anda qne serena tnsteza se
pintava no admiravel langor daquelles olhos
rasgados. Era como d'antes formosa. Mais
formosa que d'antes.
J. B. Schwartz, o noivo, porque era jus-
tamente o nosso pobre alsaciano das primet-
ras paginas d'esta histaHa que tiaha qua
troceotos tniU franco a que tomava por
mu mor aquella mar vilboea creatura ; J. B.
Schwartz, esse volveu duas visUt'olhos :
urna rpida e ciosa, que encohrqp1* noiva ;
a outra, inquieta, Ujue 'hd coraeu para a
grade.
Ponto moiira J. B. Schwartz. A |
cries conserva vara O nfuftfa pooco JH^
,desenho. lortni-e-ta, poraa.aH^
la >a
A' uro w^larparam as griKlw^WloaiSM**^"*'* *"l**"^^! (wrwr^-
e novo dobrou a noiva-o eolio gentil, t
ueixou cahir as vistas no livro que segurava
eJ. B. Scliartz, acreditando era accidente
vulgar, reassumio a attitude digna que a cir-
cumstancia requera.
Eram nupcias ricas. Cousa alguma e
quanto a magnificencia ceremonial pode for-
necer alli faltava. Estavam accesGS todos
os cyrios, o clero exhiba os mais sumptuo-
sos paramentos, .soprvaam o orgao nos ca
nudos mais ruidosos. E todava nao aiu-
lioha a nave influencia numerosa; a naolti-
do estava sobretudo por traz da teia, re-
fugio dos curiosos. Accrescia a inda que as
pessoas que guarneciam a nave naotinham
ar de familia.
Nao raro se podem ver caaamenlos com
menos fausto a meihor circamdados.
A' Scbwarte que sa transforme era se-
nhor de quatrocentos mil francos nuuca
faltam prenlos nem amigos ; esses ptr-
rentes e essas amigos, porai, sao de
pocie particular.
Eutquanto noLva, essa. nao se apresen*
alguma. O
,Si uuiiuva a
para
o uma
Pedia
negociantes
pal menos-
lava aompaobada dMessoa
d Giuwaia Reui
tScii
-:
e*>ji



HS) 3 0T203I 30 V 0GA8Sc Diario de Pernambuco Sobado 7 de Agosto de 1869.

Ai


_Bmm qu
slho.
ssivel, fart revrwfc Gahda JWClOKAfc^aMfir /nwsftrido su
^ao tinham antigamente [ _!^n.cia. j*.5"]a ft ^ray*"V f' i^JJjJ*^
sofll, infelizmente de-
a moderno da diviso
esperamos tambem que
ero levados, lano
pondicoes aciuaes da
nos seus establ-
enlo da habili-
reina
u'ell
preci
do trabalL
os che fes de
quanto pos
industria, a in
amentos este
dade individual.
B. < Nos goneil ibico onde
a diviso do trabalho, os operarios
convidados amostras do ramo u*o
trabalho que cotdnfbe sua >especialidade.
Por exempio, expondo umrelogio ou um
pianno, poder-se-hia mostrar n'uma serie
completa as partes destnelas aTectas cada
operario, e as transformares successivas
que experimenta o objecto antes de chegar
ao seu estado de completo acabamento.
Por essa forma cada operario ter assim
- occasiaV) de mostrar sua habilidade pessoal
e de attrahir a attenco sobre qualquer me-
Iboramento por elle realisado; eo publico
melbor comprehender os differentes pro-
cesaos de construccio pelos qoaes o objec-
to ti ver passado.
C Alm d'eslas amostras da diviso do
trabalho, os operarios sero convidados
se reunirem para fabricarem juntos o raes-
mo objecto. Toda a amostra, acabada ou
ido, lera a inscripcao do nome do opera-
rio que a tiver construido.
D. t Nos esperamos, anda a comrnis-
slo quem falla, poder eipdr os diversos
processos de fabrico de modo a ser fcil
ooraparaeo entre os productos inglezes e
estrangeiros. Para fazer sobresaliir as van-
tagens de cada processo, dar-se-ha prelec-
ces sobre elles, e nos tratamos de, desde
j, reunir a somma destinada a provr as
necessidades desses cursos.
E. i Do mesmo modo, e sempre com o
fim de facilitar as comparares, quando o
processo de fabrico nao fr de natareza a
poder ser apresentado em operacao, nos
trataremos por meio de desenhos e model-
los de mostrar, urnas ao lado das outras, as
differencas mais notaveis entre os methodos
seguidos nos diversos paizes. >
Os louros offerecidos aos cavalheiros vic-
toriosos d'esta nova crusada do progresso
consistiro em certificados de mritos, me-
dalhas, e, em casos especiaes, em premios
de dinheiro.
O conselho diretor convida todos os pai-
zes do mundo se fazerem representar
n'essa exposico, e promelte facilitar a ven-
da dos objectos expostos,. nao consentindo
para isso que elles sejam retirados antes
de terminar o praso da exposico.
Anda recommenda esse conselho a for-
maco de commissoes locaes, em immediata
comunicado com elle, para a realisago
da grande idea, aps'pequeas exposcoes
parciaes e locaes, onde se far escolha dos
objectos que devem ser remettidos para
Londres.
O fim d'esta luta amigavel incitar os
operarios de todo o mundo a tentare m
novos esforcos para o aperfeicoamento dos
diversos ramos da industria e do trabalho,
concorrendo assim para o bem estar de
todos, pelo desenvolvimento das forcas
productivas de cada naco, e pela aproxi-
mado mais frequento e mais intima dos
homens dos diversos paizes, como muito
bem diz o referido conselho director.
Tratanlo aqui d'este assuauptofciportante,
que nos suggerio o Sr. Richard C. Corfield,
digno vice-consul de S. M. Britannica nesta
provincia, em a carta que abaixo transcreve-
mos, temos por fim recommendar attenco
dos interessados, e principalmente do Go-
verno Imperial, quem cumpre zelar pelos
interesses dos Brasileiros, promovendo todas
as facilidades de desenvolvimento s indus-
trias do paiz, essa exposico, que, por assim
dizer, abre um mais vasto campo aos cer-
tamens da industria universal, de onde ha
de resultar, sem duvida, urna aproxmaco
amistosa das naces, e o engrandecimento
da humanidade.
Consulado Britannico. Pernambuco, 3
de agosto de 1869.Illms. Srs. redactores
e proprietarios do Diario de Pernambuco.
Tenho a honra de Ibes entregar urna copia
de urna carta escripia pela commiso da ex-
posico internacional de artistas industriaes
ao secretario do estado de S. M. Britannica,
o conde de Glarendon, tambem urna copia
do projecto para ter lugar a dita exposico
em Londres no anno prximo.
Da supr.idila carta parece que consi
derado sobre modo vantajoso para tor-
narse a exposico verdaderamente inter-
nacional, e para chamar toda a attenco do
publico, que se estabeleca em cidades oH
outras localidades de paizes estrangeiros,
commissoes com o fim de convidar contri-
buintes exposico, e, se assim fr pos-,
sivel, de ajudarem a pagar as despezas nc-
cessariasde transporte dos objectos Ingla-
terra.
Do documento que vai incluso, Vv. Ss. sem
duvida percebero que a commisso central
est anciosa para receber sugstes res-
peito das pessas que no estrangeiro se
prestem por si ou por organisacao de so-
ciedades locaes. Recebi instruecoes do
conde de Clarendon para chamar a attenco
publica para este projecto de exposico in-
ternacional, com o fim de coadjuvarem os
desejos da commisso central; e, em obe
diencia. pens nao poder proceder melhor
do que pedir a Vv. Ss. o favor de prestar o
sea valioso poder em trazer esta materia
?isla e conhecimento dos habitantes de Per-
nambuco por meio de seu muito digno e
bem conceituado Diario.
Sei quanto Vv. Ss. esjo sempre promptos
a prodigalisarem os interesses e reputaco
de sea paiz, e estou certo que o seu pa-
triotismo perceber que agora apresenta-se
urna bella occasio dos habitantes, nao s
de Pemaiajjuco mas de todo o Brasil,
mostraren o seu progresso as artes in-
dustriaes, e a sua boa marcha no caminho
da civilisaco.
Terei muito praier em levar ao conheci-
iiaisso central, toda e qual-
quer comuniescaor elativa aos fins aqui es-
clarecidos, que Vv. Ss. ou outra qualquer
pessa se dignar confiar-me ou deposi-
tar as minhas mos.
Sou com toda a estima e alta consideracJo
DeVv. Ss.
Attento, criado e obrigado,
Richard C. Corfield.
servir como aggregado nobatalhu 34 de infan-
tera, o alteres porta-estandarte ao hatolho n, it
da villa da Malta Grande, na provincia de'Ataffdas,
ioaquini Pereira Pinto.
conado artigo iddtivo, o supprimio posterior
mente ; talve receiando que servisse elle de
baracoa saaetao daqotlle Ilustrado vi
denla ao dito ornamento, ou porque esta.,
guido o fim que leve em vista a maioria di
bla, nao sendo outro seno o de molestar-me, e
Hvm
gna
ASSOClAf-AO (iOMMERCIAL BENEFICEtfTR "faer acreditar ao publico que cu proced illegal-
mento, dispondo dos dinheiros da provincia"am
jtfoveito de afllhados.
Assim, nao lando mais neeessidade de jiisfid
ear-me neste ponto (apoiMos), peco lieenca
mar para rettr o 4, 5* e 9* paragraphaM
mcu requer monto.
Consultada a cmara, permita ella a retra-
te dos parajraphos 4, 5 e 6", e em seguida ap-
provB o reuaarimentii do Sr: eonda da Baapendy,
quanto ao I, I* e3 paragraphos.
Pr.ejMe em seguida votado do requeri-
mento do SnCasado, onorotido na ses&ao de 3 do
corrente, e apprafMa. '
IRREVERENCIA.-Hontem pela manbaa se-
goia pala ra- do Caanig o Santissimo Viatico,
quando por all recolhia se a quartel uni.t guarda,
que fora rendida ; a qnal contmuou seu caminho
sem outra continencia e prova de respeito, que per
filiar as armas I
Parecendo-nos qu essa forca proceder com
escandalosa irreverencia, e em contraria as orde-
nancas miliures, aqui consignamos o freto, afun
Reuniram-se hontem ao meio dia sob a presi-
dencia do Sr. baro da Soledade no^edito da
assocttejto comnaercial, quasi todos os eintirosf
asaociaaia, servindo do secretarioSr. Danie*
Ramos.
Desos de feita a chamada, procedea-e lei-J
tura dj reqneriHieoto que assiguado por Xi
Srs. socios li.wia dado lugar ao invita que a di-
rectora havia feito para a reuna o da assembla
geral ; o qual se divida em duas partes, sendo a
primeva a nullidade da eieiro ha vida lo dia 1,
por se dar a bita essaacial do orna clrcnmsttn-
cia exigida pelos estattilns, a reeleicao ao menos
de dous amigos directores ; e a segunda um voto!
de gradeciment de qne os signatarios julgavan
credora a directora pela maneira distincu ecbeia
de digmdade, com que a mesma direcoria havia
conduzido a associa^o ni so poupando a tra-
Ialhos improbos para mclhorar a sorte do cun-
mercio da rPovincia, promovendo por todos os
meios a seu alcance o seu desenvolvimento e en-
grandecimento, em seguida o antes do posto em
discussao o Sr. Daniel Cesar Ramo?, secretario,
expoz as causas que havijm dado lugar apre-
sentsco do requer ment.
Obleve depois a palavra o Sr. Pedro Gafcaa, o
qual lando feito leitura dosarts. 22 e 24 dos esta-
tutos interpretava este ultimo de maneira a con-
siderar valida a eteicao menos na parte relativa a'
falta dos dous directores reeleito que elle reco-
nhecia, mas propunha que dando por eleitosos pri-
meiros sale mais votados fonsem excluidos os dnu/
ltimos menos votados e em seu lugar rculeitos
dous dos Srs. directores.
Seguio-se-lne o Sr. Eusebo Rabello, quo racio-
cnou em sentido opposto, depois do que fez bre-
ves coBsideracdes o Sr. Lima Bairao.
rar.un os Srs. Jos de Vasconcellos, e Manuel
Guimara s.
Fallou anda o Sr. Loyo que descutio mu bem
e largamente as duas parles do.reqnerimento, moti-
vando dessa sortc o voto com que o apoiava.
Depois o Sr. Rabello nao salisfeito com elucidar
a questao trouxe ainda em sue abono* o parecer
de tres advocados era auxilio da sua opnio, os
qu es perfeitamente se casavara com o. requer-
menta, concluio votando nao s pela prraera
parte de renuerimento, como ampliando ainda a
segunda pedindo que as palavras voto de agrade-
cimento, se accresceotassem as de plena confian-
5a etc. na directora etc.
Obleve depois a pala va o Sr. Mello Guimaraes,
que tambem apresentou corroborando a sua op-
nio o parecer de dous advogados, ambos os quaes
concordavara em que tnha haviuo vicio na elei-
tao, por nao haverem sido reeleitos os dous direc-
tores como poslivamente o delerminam os estatu-
tos, entendiam porm que s se devia proceder a
eleicao desses.
Fallaram ainda os Srs. Loyo, Cascao o Belarmi-
no do Reg, e em seguida o Sr. Joaquim Getaldo
de Bastos, o qual collocando mu judiciosamente a
questao no seu verdadeiro terreno, opinou que
nao ha vendo duvida acerca do de ver de se reele-
gerem dous directores, e nao tendo isso tido lugar
nem a directora poda ficar composta de 11 mem-
i r i, nem se sabia quaes os dous que deviam de-
xar e lugar para entraran aqueliese pergun-
tou : com que direto, senhores, excluiremos es-
tes 011 aquelies ?
E dado o caso que se opinasse pela saluda dos
menos votados, (juem podera dizer, qual seria a
ordem de votacao, ou quaes os de menos votos,
se a lista livesse comprehendido os nomes dos
dous directores ao menos reeleitos, como devia e
os estatutos prescrevem ?
Evidente era pois a nulldade da eleicao, pelo
que votava pelo requerimenlo, que tambem havia
asslgnadosenlando-se no meio di geral applau-
so, e quasi unnime, comprmento de todos os
seue collegas.
Fallaram anda os Srs. Loyo. e Jos de Vaseon-
coneellos, o qual concluio apresentando um reque-
rimenlo em que pedia que o Sr. presidente con-
sultaste a casa se achava a materia suflldcnte-
mente discutida, e no caso afirmativo, que se pro-
cedesse a votacao do rer|uenmento e assim se
venceu, votando a assembla composta de mais
de 200 pesso?s que a materia se achava por de-
mais discutida, e em seguida a nullidade da elei-
cao, e um voto de agredecimento e plena conlian-
ca na direc^ao, cujo mandato expirava.
O Sr. Manoel Guimaraes oHereceu um protesto
que pedio fosse inscripto na acta e insistindo
nisso, consultada a assembla geral venceu-se
contra o votos apenas, quo nao se tomassse co-
nhecimentodepois de luminosas observacoes do
Sr. Araujo que opinou que achando-se reunida a
assembla geral, que era soberana nao havia pe-
ranto quem nem contra quem protestar.
Ha para notar, que em todas estas votaedes s
5 votos se manifestaram em opinao contrara.
Depois de que se procedeu a nova eleic,o,tendo
adi rectora chamado para a mesa dous Srs. socios
para^escruladores, cujo resultado como segu :
de que lite applique a competente autotidade a de-
vida correccao.
PROCURADORA FISCAL.-O Sr. Dr. Cypriano
Fenelon Guedes Alcoforado remette-nos o segra-
te, pedindo sua publicacao :
0 Jornal do Recife de hontem em sua gazetilha e
sob a epigraphe Novo Importo, publica urna censu-
ra, que, embora dirigida aos escrives da fazenda
provincial, emende eom o procuracor fiscal da
mesma fazenda. Consiste a censura em que, nao
obstante o art. O da iei do orea ment vigente,
continuem os escrivacs a perceber 7*500 por ca-
da guia.
A disposicao citada mpoeao procurador fisca-
a obrigado de fazer publicar o nome dos devedoe
res contemplados na relacao dos contrbuinle?, qus
Ihe forem remeldas, dando o pra para que possam pagar seus dbil s com goial
pela qual pagaro 200 res ; e, s depois aislo,
poder-se-hax eecuta-los judicialmente.
Nao ha fundamento nacensura, porqac come-
eando a vigorar a lei do 1 de julho do corrente
anno, s pode essa disposicao obrigar a assim pro-
ceder relativamente a relacao de contribuales,
que forem enviadas ao procurador fiscal no cor-
rente exercicio. E assim foi resolvido, em junta,
no comeco do anno Qnanceiro.
Das retacees anteriormente recebidas, relati-
vas ao exercicio de 1867 a 1868, j se havia ex-
trahido comas na seceo do contencioso, confor-
me o di posto na lei n. 708, e estavam unas j
requeridas, despachadas e destribuidas; outras
sujeitas a despacho, e outras no sello, consumn-
do-se nesse trabalho muito tempo, porque sao em
numero de quasi 2,000 os uevedores contempla-
dos nessas relaces, sendo preciso urna conta, um
lancamento e um requerimenlo para cada deve-
dor, sello, despacho, e desiribuicao para cada re-
querimento, razao porque esse trabalho entrou
pelo corrente exercicio;
Depois que a lei comcou a ter execucao,
anda nao recebeu o procurador fiscal relacao al-
guma de contribuimos. Recite, 6 de agosto de
1869.Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado, pro-
curador fiscal dessa thesouraria.
CLUB RADICAL.Amanha, s 11 horas, no
salo do Club Pernambucano, haver conferencia
publica sobre a seguinte these :
O partido radical no Brasil, sendo orador o Dr.
Symphronio- Coutinho.
Entrada franca para todos que quzerem ouvir
o orador.
NCLEO PHILOSOPHICO LITTERARIO.Re-
ne- se amanha em sesso ordinaria esta socie-
dade.
Entra em discussao a segrate theso do Sr.
Custodio dos Santos Jnior :
c Sera licita a pena de morte ?
IRMANDADE ACADMICA DE N. S. DO BOM
CONSELHO. Reune-sc amanh no convenio de
Santo Antonio para, depoisjja missa de sua Divina.
Padroeira, preceder a eleicao da meza administra-
tiva do anno de 1869 a 1870.
DESIGNADOS PARA A GUERRA. As diver-
sas provincias do Imperio concorreram para a
guerra, segundo o relatorio deste anno do Exm.
ministro da justca, cora o seguin;e numero de
pracas da guarda nacional:
Corte
Baro da Soledade 135 votos"
Jos Jacorae Tasso 13 y ,
Antonio Gomes de M. Leal 133
Daniel C sar Ramos 132
J. Wegelin 130
Pedro M. Maury 130 >
Jos de S Leito Jnior 129
William Otto 128
E. W. Laudan 124
CADVER.De junto a ponte Sete de Setem-
bro, foi hontem pela manha tirada do rio Capiba-
nbe,-o cadver de um homem, de cor preta, com
o rosto comido pelos peixes em sua maior parte,
razao porque ne,pde se proceder identidade de
Pasma. Segundo declaracao do Sr. Dr. Ermiro Con-
tinho, que procedeu vestoria, a morte foi pro-
duzda por asphyx'ia por submerso.
ALFORRIA DE ESCRAVOS.Foi-nos remettido
o seguinte pela commisso nomeada por S. Exc. o
Sr. presidente da provincia para tratar da execu-
cao da lei provincial n. 885 do corrente anno :
A commisso nomeada pelo Exm. Sr. presi-
dente da provincia, para se encarregar da alforria
das enancas do sexo femenino, que tiverera de 2
5 annos de 1 Jade, pelo favor concedido pela as-
sembla provincial era a lei n. 885 de 23 de junho
do trrenle anno, recebe, desde j, as propostas
para este fim, devendo es proponentes aprsente-
rem-se qualquer dos membros da commisso,
munidos dos segrales documentos : titulo de do-
minio, ou autorisaclo do senhor, certido de bap-
tismo, attestado medico acerca do bom estado de
sade da beneficiada, declaracao do preco da al-
forria, bem como de quererem ou nao os senhores
conservar as crias em seu poder at urna determi-
nada idade, e, no caso afirmativo, o lugar de sua
residencia, para que os tutores passam ler sobre
estas a conveniente vigilancia.
Devendo as carias do alforria seren entre-
gues aos tutores no dia 7 de selembro prximo,
por disposicao da supracitada lei, a commisso
pede que nao haja demora na apreciaalo das pro-
postas que devero ser entregues at o dia 30 do
corrente, para poder habilitar-se a tempo de as
mandar passar.
Recife, 6 de agosto de 1869.Ignacio Joa-
qun de Souza Leao, na do Imperador : Antonio
Joaqum de Moraes e Siloa, ra do Crespo : Dr.
Joao da Silva Ramos, roa do Imperador ; Joo
Jgnaao de Medeirot Reg, ra do Comtuercio ;
Antonio Gomes de Miranda Leal, ra da Cadeia.
CMARA DOS DEPTADOS.Sendo publicado
todo o discurso pronunciado pelo Exm. Sr. conde
de Baependy, apressamo-nos a dar em seguida ura
outrojle reclificaijo algumas proposicOes que
aoBu n,
1:831
309
787
4:248
3:096
285
424
1:787
1:768
sobre o pantos 4, 5o
sesso de 22 do pas-
PERNAMMTfMi
KEV1STA DIARIA.
AUTORroADE POLICIAL.-Por dejibencao
S do correnle, f -i nomeado 5.' supplente do de
gado do 1.a termo do Recife, o Sr. Dr. JoJfo
ijuiaj Fon.ceca de Albuqaerque,
aviuBD naqnelle discurso
e 6 ao seu requerimenlo.
Eis o que se passou na
sado:
Vai se proceder votacao do requerimenlo
do Sr. conde de Baependy, fundamentado na ses-
so de 8 do corrente.
OSr. Conde de Baependy (pela ordem):No
requerimenlo que vai ser votado pela cmara,
peco, entre outras nformaces, algumas relativas
s desperas pagas pela polica de Pernambuco e
aos cafres provinciae, com o jardm do palacio
sa provincia e com gralificacoes, que se satis-
faziam pela verbaBvenlua.es.
Tinha eu por fim nessa justificar o acto que
pratiquei, mandando pela verbaEventuaesdo
orcamento provincial a gratifioeao quearbitrei
ao oficial de gabinete que eomigo servio, acto
que (oca reprovado pela assembla provincial nos
termos acrimonioses, de que dei conhecimento
Bo tire a honra de oceupar^H
a das sessoes anteriores.
Itimo vapor proeadeate
a de que tal di
idade, nao foi i
orcamento or
Amazonas
Alagoas
Baha
Cear
Espirito Santo
maz
Maranho
Minas-Geraes
Matto-Grosso
Para 1:440
Pernambuco 1:234
Paran 1:996
Parahyba 599
Piauhy 1:127
Bio Grande do Norte 348
Rio Grande do Sul
Ro de Janeiro 2:315
Santa CMharina 264
S.Paulo 1:125
Sergipe 724
PIRAPAMA. Procedente da Granja e portos
intermedios chegou hontem este vapor da compa-
nhia Pernambucana, trazendo jornaes do Cear
at 31 do passado, do Ro Grande al 4 e da Pa-
rahyba at 5 do corrente.
No dia 26 do passado assumio as redeas da
administraeao o Exm. Sr. desembargador Freitas
Henriques.
Igualmente tomou posse nesso dia, do cargo de
chefe de polica, o Sr. Dr. Lucena.
Em consequencia de ter sido nomeado juiz mu-
nicipal o proajotor do Saboeiro, foi removido para
este cargo o Dr. Joo de Hollanda Cavaleante, pro-
motor de Inhamuns, sendo nomeado para este
termo o Dr. Francisco Cordciro da Rocha Cara-
pello.
Achando-se a thesoftraria de fazenda em apu-
ros de dinheiros, pela substituicao das notas de
5*000 e 10,5000, e falla de remessas da corto, a
presidencia da provincia acceitou a quantia de
2O:O0O que lhe foi oflerecida sem premio, pelos
negociantes Mendes & Irmo.
Lemos no Cearense :
Consta-nos que domingo a tarde (25) alguns
marujos inglezes, em sua raaor parte tripulantes
do patacho Mabel, bastante ebrios commelte-
ram desordens, querendo invadir varias rasas
d'onde forara cxpellidos pela poiica que felizmente
interveio.
Os marinheros resistirn) % forca publica e
ao povo que reuniu-se, sendo afinal presos e re-
comidos ao calabou^o, nao se tendo a lamentar
desgraca alguma, o que era muito de prever, a
vista da imprudencia dos desordeiros. >
Foi nomeado para cargo de bebliothecario
publico deste provincia, o Sr. Joo Severano lli-
beiro, ex-iuspector da thesouraria de fazenda deste
provincia, em substituicao ao nosso amigo o
Sr. Jos de Barcellos, que foi exonerado a seu
pedido, o
' Para servirem de arbitros da alfandega des-
te capita, na semestre de julho a dezembro vn-
douro, foramnoraeados os cidados abaixo decla-
rados :
Victoriano Augusto Borges, Joaquim Estanis-
lau da Silva Cusmo, Rosalvo Medeiros da Rocha
Litis, Joaquim Francisco dos Santos, Antonio Gon-
calves da Juste, Severiano Ribeiro da Cunha, Jos
da Silva Albano, Jos Luz de Souza, Luiz Ri'beiro
da Cunha, Jos da Fonceca Barbosa, Joo da Ro-
cha Moreira, Jos Flamino Benevides, Silvno, da
Silva, Ricardo Hughes, Henrique Brochlehurst
Henriques Felippe Luduic Kalkmajjn, e Luiz
Sands.
S. Exm. Rvm.o Sr. bspo D. Luiz Antonio
dos Santos drgiu aos Rvds. parochos de sua dio-
cese a seguinte circular :
Palacio episcopal do Cear 19 de julho de
1869.Ulna, e Rvm. Sr.Tendo nos observado
que em algumas mssoes que sacerdotes zelosos
do bem das almas tem feito nosle nosso bispado
illa com alguns bons resultados, tem ap-
parecido nao poucos inconvenientes, tcom detri-
mento da disciplina ecclesiastica, e d'aquella paz
e harmona que deve reinar entre o proprio pas-
tor e o rebanho ; conhecendo nos, que, em gran-
de parte, isto devido nao cnhecerera os Rvds
parocho ai aculdades, de que se acham munidos
os Rvds. ssionaros durante o tempo da msso
e desejantt "obviar esses inconvenientes, manda-
mos que V. Rvm. nao permita, nem consinla que
mwsknario algura, .nalquer Ululo e ordem
que a sua uarochia, sem licen
ripto, na qual com a necessaria |
autapl^^^BKteraremot as faculdades de que
o misrmiuno poder osar Bie bispado o que V.
Rvm. curaprira a Ara camprir para naior servico
de Deus e bem dos fiis.Deus Guarde a V.
f Luiz, bspo do Cear.
No Ro Grande do Norte foi
I4e selembro prosim
de um senador pola pro\
Sos no Liberal:
Ha das ao engenho Pripiry, d?strioto de Jan-
dialiy, Alexandre e Januario, escravos de Jos
Tlieodozio, assaiinaram Laibaramente eoeha-
dadaso pardo Luiz Barbosa, sendo a caus appa-
reatade lo brbaro crirae urna ligeira eontesta-
rao entre a victima e os aggressoresos quaa
eommatlidoodelicto, vieraui eavegar-se a pri-
so. > mrM
Da capta) da Parahyba nos escreve em 7, o
nosso cnrrcqpndenlc :
< CouiiniuMios a gosar de pax e tranquildade,
nada me cansando igualmente, que affecte a se-
giiranca individual e do |#^iiJadu.
A nossa salubridade prosegue duvidosa, com
quanto se empreguem alguns esforcos para me-
lliora-la, > quaes at agora neuhura re|tad%s*;
tisfaetorio tora produzido.
A commisso nomeada pela presidencia, para
dar seu parecer respeito, ainda nao apresentou
seu trabalho, o qual 6 esperado pelo publico com
mximo inleresse.
f Conna-me, entretanto, que ella attrbue este
mu estado de cousas situaco do cemiterio pu-
blico, o que, para mim, nao dcixa de ter muita
procedeucia.
Veremos, pois o que surde.
Seguio no ultimo costeiro para o Rio Grande
do Norte, o ur. Serapiao, chefe de polica da pro
vraca, com urna lieenga da presidencia, afim de
tratar de negocios domsticos.
Devia substitui-lo o juiz de direto deste capi-
tel Dr. Costa Ferreira ; S. S., porem, declinou o
encargo, quo foi recahir no juiz municipal Dr.
Jeronymo Chaves, o qual passou o exercicio de
sna vara ao sapotale Dr. Joo Olhon do Amaral
Henriques.
C mecamm sabbado passado, as novenas da
nossa padroeira, a Virgom Senhora das Neves,
com muito brilhantismo e concurrencia.
A festividade est effectuando-se na igreja do
Collegio, qne ora serve de matriz desta capitel.
A commisso encarregada da veiificacao dos
salvados do patacho inglez Eliza Jane concluio
seus trabalhos, concontrando somente oitente e
tantos voluntes de gneros a variados, que foram
arrematados no da 31 do passado, com as devidas
formalidades, pelo agente Atliayde.
O leilo pouco renden, segundo me consta,
por causa do man estado dos gneros,
Creio que as mercadorias julgadas limpas se-
guirn) para este porto, por conta do Seguro,
tendo hontem j conduzido o vapor Parahyba, 60
volumes com 1560 lates de plvora com esse des-
tino.
O nosso mercado de gneros fica parausado,
em vrtude do tempo do festa em que nos acha-
mos permanecendo sem alteraco as minhas an-
teriores eotaces.
Desejo-lhe saude e prosperidades.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.O vapor Ja-
guaribt deste companhia seguir para Macei e
Penedo no da 9 do corrente sendo boje o ultimo
rna em que recebe carga conforme o annuncio da
diesma companhia.
LOTERA.A que se acha a venda a 116.a, a
beneficio da Santa Casa de Misericordia que cor-
re no dia 17.
PASSAGEIROS. O vapor nacional Pirapama,
vmdo do Granja e portos intermedios trouxe a
seu bordo os seguntes :
Dr. Jeronymo Americo Raposo da Cmara, pa-
dre Dr. Luiz Ferreira Nobre Pelinca, tenente-co-
ronel Thomaz Jos de Senna, cipilo Antonio Fl-
gueiras Secundino e 1 lilho, D. Maria Leonor
Raposo da Cmara, Movss Nonato de Freitas
Costa, Rayrnuudo Nonato de Freitas Coste, Joo
Antonio Gomes dos Santos e urna filha, Joo Ju-
venal Barbosa Tinoco, Francisco de Salles da
Coste Martins, Joo Torquato Caminba Raposo da
Cmara, Nicolao Joaquim da Silva, Manoel Paulo
dos Reis, Joao Vicente da Fonceca, Man .td Cae-
tano Ribeiro, Joaquim Ferreira da Silva Antunes,
Antonio Leandro Bezerra, Manoel Baplista do as-
cimento, Firmino Bevilaqua Fontenelles, Andrt
Fetaming, Augusto Victoriano Borges, Joo Lopes
de Abreu Lages, sua senhora, 3 filhos menores e
1 criada. Horacio Braga de Souza Leao e 3 cria-
dos, Maria Ferreira Pinto e urna filha menor,
Agostinh Laurentmo Goncalves da Silva, Francisco
Pereira Messias, Manoel d'Oliveira Casto, Jos Ray-
raundo Borges da Cosa, Antonio Borges da Costa,
naymundo, (menor). Getulio Correia P. de Mello,
1 criado e 2 escravos, Jos Pedro Carneiro da
Cunha, Francisco Alfonso do Reg Mello, Angela
Maria Theresa de Jess, Manoel Martins Ferreira
Rosas, Joaquim Ignacio Pereira Jnior, Fernando
Cerqueira Carvalho, Abdias e Ignacia, (menores),
Jos Antonio Correia, Joo Antonio Correia, Jos
Paulino de Castro Medeiros, Ado Guilherme,
Pompeu Esequiel de Souza Santiago e urna escra-
va, Rodolpho Ferreira Nobre Pelinca, Joo Anto-
nio Rodrigues da Costa, Jos Fernandes Ribeiro
Jnior, Antonio Felippe, Manoel Marques Barra-
dlo, II nufragos subditos francezes, 1 desertor'
e 2 pracas que o escoltem, 8 escravos a entregar.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do da 4 do
agosto de 1869.
Joo, Pernambuco, 6 annos, Boa Vista; gastro
intente.
Exposto de cujo nome iguoram, Pernambuco, S.
Antonio; espasmo.
Manoel, Pernambuco, 18 raezes, S. Jos ; va-
rilas.
Hilario Alexandre Nunes, Pernambuco, 35 annos,
viuvo, Boa Viste; tubrculos pulmonares.
Delfina Maria do Rosario, frica, 40 aunos, sol-
leira, Boa Viste; apoplexa.
Joaquim Garca dos Santos, Pernambuco, 60
annos, csalo, Boa Vista; heryspela.
Jos, Pernambuco, 16 mezes S. Jos ; espasmo.
Manoel Ignacio Bezerra de Mello, Pernambuco,
27 annos, casado. Boa Viste; anazarca.
Jesuino, Pernambuco. 11 raezes, Boa Vista; con-
vulses.
Jos Maria de Albuquerque Maranho, Per-
nambuco 5(5 annos, Santo Antonio, hydropezia.
Henrique, frica, 80 annos, S. Jos: lezo trau-
mtica.
S
Manoel, Pernambuco, 8 das, Santo Antonio, es-
pasmo.
Balbina, Pernambuco, 26 annos, Boa Vista ab-
cesso no ligado.
Mariano Barbosa de Alencar, Pernambuco, 18
annos, casado, Santo Antonio; sarampo.
Ignez Francisca Ferreira, Pernambuco, 21 an-
nos, solteira, Santo Antonio; pneumona aguda.
Eugenio, Pernambuco, 40 annos, Boa Viste;
hydropezia.
Florinda Maria de Jess, Pernambuco, 40 annos,
casada, S. Jos; apoolexia.
Colamico Florian do Nascimento, Pernambuco,
21 annos, S. Jos; febre perniciosa.
Hilario, Pernambuco, 6 mezei, Santo Antonio ;
convulces.
Angelo, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos; con-
vulces. .
^BMuer que nadir tern oppor.-Conce-
Outro do mwmn, informando sobre o requer-
le Antonio Cardoso de Oliveira, orpriete-
&">-a da Sama Cruz, para re-
lato e cornija da mesma casa, tem a
a frente de pande singella, s tem 14
palmos de Hura o est muito arruinada, precisa
*er reedihcaq>Ti*i as atondes mareada* oas
posturas; eumpre-lhe j^ que para Mto, o sup-
phcanto lera de servir-se do oito da nbaira da
Boa-Vista, e parece que para isso ten de indem-
nizar a caBaea.Indeferio-se.
Outro de llkal da freguezia dos Affagados, re-
metiendo dous termos de nfracco as posturas,
oontia Jos da Silva Guimaraes e o niesire pe-
dreiro Rayraundo Peana-Forte, na importancia de
trinta mil reis cada nm, em consequencia de ha-
ver o referido- Guimaraes mandado proceder aos
concertos de sua casa a ra de Motocolomb sem
que obtivesso licenca.Que se remetlesse ao pra-
T

ei-endy, que nao reservado, mandan-
"*" ao sdMiosirador da casa de
,
i-
ovados os seguintes requerimentos :
do Sr. Dr. Moscoso, para que so mude o
uniforme dos guardas municipacs, raandando-sc
3ue elles7zem de blusa do panno azul eom golla
e panno verde, tendo de cada lado as letras C
M. em metal amarello e bonets a cavaignac com
as mesmas letras na frente.Os boloes da bluza
serao araareHns lizos.
2. do Sr. Dr. Piunga para que a commsso de
polica aprsenle a formula porque a cmara ha
de ter presente o numero das multas existentes, e
a razao porque nao tem sido .cobradas.
3. do_Sr. Souza Magalhes" para que na primei-
ra sesso o solicitador presente uina relacao de
todos os processos por contravences de posturas,
em que estado so acham, e quando forara elles
pmpostos em juizo.
Foram igualmente approvadas duas propostas,
a 1.* do Sr. Dr. Snnza Leo para quo fosse no-
meada urna commisso de tres membros para re-
ver as pasturas municipacs.Em seguida nomeou
a mesma commisso, que fieeu composta dos Srs.
Dr. Manoel de Barros, Dr. Pitanga e Dr. Moscoso.
A 2.* do Sr. Souza Magalhes, para qne se re-
gularise o altanamente do lado 00 norte da ra
do Destino da freguezia da Boa-Vista, autorisan-
do-se ao procurador para se entender com o pro-
pneteno da casa terrea n. 30 da ra do Hospicio
acerca da desaproprico amigavel da mesma ca-
sa, que se acha fora do alinhamento e quasi aira-
vessada pelo fundo na entrada d'aquella ra do
Destino, aflm de ser demolida, e nao chegando a
ura accordo eom o proprieterio quanto so preco,
se trate de. promover a desaproprico judicial.
Em viste deste proposta, ordemnou-se que o con-
tador informe quanto resta da verba para desa-
proprico.
A commisso do matadouro publico deu o se-
guinte parecer que foi approvado : A eommis-
so do matadouro quem foi presente o oficio
do director das obras publicas sob n. 554, de
parecer que se recommende ao administrador
do matadouro e aos fiscaes das freguezias por
onde passa o gado, que advirte aos eondutores
qne o gado s deve passar as pontes de va-
gar, e em pequea quantidade de cada vez,
muito principalmente na ponte dos Affogados
que se acha arruinada. Quanto a escolha da
ilha de Suassuna, lembrada para logradonro
pelo direct r das obras publicas, emende que
esta cmara nao pode obrigar os donos de boia-
das a escnlher logradonros particulares. Pa^o
da cmara municipal do Recife, em 1 de julho
do 1869.Dr. Lobo Moscoso, Manoel de Barros.
Foi approvado um parecer da commisso de
polica nos termos que se seguem : A comms-
- sio de polica, tendo examinado a petco de
Jos Alves da Silva Guimaraes pedindo indem-
nisaco do valor de parte de seu terreno, sito
na estrada nova de Olnda, e designado na
planta da cidade para logradonro publico, de
t parecer que nao havendo consignaco no orea-
.ment municipal para este despeza, nao pode
ella ser effectuada actualmente, devendo por
tanto ser satisfeita em tempo opporluno. Paco
da cmara municipal, 6 de julho de 1869.M.
de Barros, Jos Mana Freir Gameiro.
- Despacharam-se as pelices de Albino da Silva
Leal, Antonio Jos Dias, Andr de Abreu Porto,
Afltmfe Cardoso de Olveira, Andr Delsue, Bel-
lo-Almindo Florismundo de Andrade Pestaa,
Candido Lourenco de Luna, monsenhor Francisco
Mnniz Tavares, Francisco Jos Martins da Coste,
Gomes & Silva. Dr. Gregorio Lipparoni, Jos
Mendes da Silva, Jos Alves da Silva Guimaraes,
Jos da Silva Barros, brigadeiro Joaquim Bernar-
do de Figuerdo. Jos Emiliano Moreira, Jos da 1
Costa Caseiro, Jos Ferreira, Jos da Silva Bar-!
ros, Joaquim Ferreira Coutinho, Julio Rodrigues
da Silva, Lourenco Rodrigues da Silva, Luiz de
Albuquerque Maranho, Luiza Joaquina Per ira,
Manoel Pereira Guimaraes, Maria Joaquina da
Paz, Matheus Austim dpC, Manoel Bapste de
Mello, Panphilo Jos da Coste, Silvana Moreira
Dias, Xavier Bao, e levantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto da Ba-Viagem, secretario
a escrevi.Ignacio Joaquim de Souza Leao, pro-
presidente.Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso.
Jos Maria Freir Gameiro.Manoel de Barros
Brrelo.Flix Francisco de Souza Magalhes.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
conde 1
do. tu roecer
delenco.
lempos0 daS a'gemaS *ioh0^ < ^os os
O que nfto de hoje, e 1M ds sitoacao passada.
do tempo dos Srs. Silvera Lobo, Villa-Belae ot>
iros, recrutas vafuntarioi. ejukarem amarrido
nesta cidade.
1 mais que fosse isto ensinuado pela opposi-
cajaaspcciaeulo selvagern repiaduzia-se todos
os dias, torno armo de terror e ameara.
O que nao de hoje, e foi do lempo passado,
o franco que os Srs. Abilio e Silvera de Souza
iiiandarain fornecer aos seus delegados.
O tronco de sicupira mandado fornecer ao dele-
gado do Ex, nao ser jamis esqueeido!
Se, |>os, o uso da corda e do (rtnco era ento
permitiido pela lei, era at um testemunho de li-
beralismo, e as algemas nao, oem vai o Liberal
Nao sendo assim, quem teve o chefe de polica
do tronco, nao faz questao de algemas.
Estas niiliarias do Liberal leem sem duvida um
grande alcance para nos, prova evidente do
que o discurso do Sr. conde do Baependy, expli-
cando a sua administraeao, nao deixou lado fraco,
a que se opponha replica.
Ainda bem !
X
Certifico em virlude do despacho supra, quo
ancerrando-se es trabalhos da assembla legislati-
va provincial no dia 30 de abril do anno passado,
o peticionario (Dr. Joaquim Portllaj reassumio o
exercicio das funecoes de director geral da ins-
trueco publica, no dia primeiro de roaio; quo
assignou oficios at 8, despachos o vistos al 6, e
presidio o coocurso s cadeiras de Petrolna e Ou-
ricury, que teve lugar nos dias I, 3 e 4, por ser
3 domingo ; e que ludo consta do livro quarte
de registros da correspondencia oficial, e dos des-
pachos, vistos e termos da repartico; nao cons-
tando per tanto o seu comparecimento nos das
11, 12 e 13, sendo que forara domingos 3 e 10 e
santilicado o dia 14 do referido maio. Secretaria
da instrueco publica de Pernambuco, 31 de mar-
co de 18640 secretario, Salvador Henrique de
Albuquerque.
Himno u .um iubel
FOGO AO SUL, FUMO AO NORTE
Acba-se anaunciado, para boje, a exhibi-
do da linda comedia do Sr. V. F. Chaves
Jnior, Fogo ao sul, fumo ao norte.
Nos, que ti vemos occasiJo de l-la, pode-
moa asseverar, que urna espirituosa com-
posico, realcada por innmeros ditos ebris-
tosos ; scenas de immensa variedade e gra-
ca ; e bem assim de typos de verdadeira
originalidade; sobresaindo entre estes,
dous caixeiros, os quaes empregam em si-
tuacoes, todas as mais, importantes, phra-
sellogia puramente commercial, involvendo
em grande parte as casas de commercio do
Pernambuco, sem todava offender o cr-
dito de nenhuma.
Os conceituados negociantes, longe de
molestar-se, ao ouvir um ou outro persona-
gem, fazer christosas allusoes aos seus es-
tabelecimentos, ho de forcosamente rir-sc;
porque o Chaves, teve a habilidade de com-
binar tudo,' de maneira tal, que irapossi-
vel haver quem fique descontente.
Folgamos summamente, por assistirmos
representacao da comediaFogo ao sul e
fumo ao nortedo nosso distincto collega ;
muito especialmente por elle proporcionar-
nos occasiao de apreciar em alto relevo, o
que se passa na classe calxerral.
A feliz lembranca, que teve o Sr. Chaves
Jnior de offerecer o fructo de suas lucu-
bracSes ao primeiro compositor. brasileiro,
o eximio e sempre inspirado maestro o Sr.
Colas Filho, digno de sincero louvor.
O Sr. De-Giovanni, director da compa-
nhia dramtica, lavando scena o trabalho
litterario do nosso coflega,- constituio-se cre-
dor de novas sympatbias do commercio.
Anciosos aguardamos a noite de hoje,
para gozarmas algnmos horas do extraor-
dinaria prazer, applaudindo o interessante
espectculo annunciado para o tbealro do
Santa Isabel,o qual nodeixar de attrahir a
attenco de um povo, amante das lettras
dos verdadeiros artistas, como o desta ca-
pital.
W.
CMARA MUNICIPAL.
5 SESSO ORDINARIA AOS 7 DE JULHO
DE 1869.
PRESIDENCIA DO SB. DR. BARROS BAR RETO, CONTINUA
DA PELO SR. DR. SOUZA LEAO.
Presentes os Srs. Dr. Seve, Dr. Moscoso, Ga-
nwiro, Souza Magalhes e Dr. Pitanga. faltando
com causa os mais senhores, abrio-ae a sesso e
foi lida e approvada a acta da antecedente '
L-se o seguinte
EXPEDIENTE
Um oficio do Exm. presidente da provincia de
5 do correnle, declarando, em vista do que pon-
dera a cmara em sen oficie de 30 de junho pro
xi mo findo, sob n. 45, que autorisa a mesma c-
mara a despender pela verbaordenados nao s
os venclmeotos que competen) ao amanuense apo-
sentado Candido de Souza Miranda Coulo desde
So de maio ultimo at 30 d'aquelle mez, como os
de mais que fr vencendo ate o fim do exercicio
crreme.Inleirada, facam-se as demais commu-
nica (des.
Oatro do Dr. Francisco Odilon Tavares de Li-
ma, de 6 do correte, communicando que se
acha no exercicio de subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, para e qual foi nomeado no dia 1
deste dito mez pelo Exm. Sr. Dr. vice-presdente
da provincia.Inteirada.
Outro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o requerimenlo de D. Maria do Loreto Barros
Campello, senhora do urna casa na travessa dos
Remedios, freguezia dos Affogados, no qual pede
para demoiir o oito da dita casa, que foi arrui-
nada pelas endientes desse anno, assim como pa-
ra levanta-fo de novo com as mesmas diraensdes ;
cumpre-He dizer que nada se lhe offerece a op-
pr.^-Conoeden-se.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
no requerimrnto junto Amonio Fernandes Vello-
so, para substituir por Mira a comieira da casa
n. 19 da ra Imperial que. est arruinada, cum-
PUBLICACOES A PEDIDO.
Como se escreve a historia
Antes tarde do que nunca.
Quando nao se contova mais que o Liberal, que
esteve om silencio sobre a demisso do Sr. Dr.
Mergulho por quasi dous mezes; se oceupasse
desse acto; apparece elle, em seu n. 87, cora um
magro e fri artigo de fundo, que parece mais
urna justilicaco a actos velhos do Sr. Silvera de
Souza, do que palavras de anima^o e apreco ao
seu correligionario.
Eradecrrque o Sr. Dr. Mergulho mereces-
se mais a estima dos seus amigos, aos quaes, em
prova de dedicaco, acompanhou nos desacertos
que pratcaram na assembla provincial, sacrifi-
cando at o seu emprego.
Mas nao nos importe isto. questao l com o Sr.
Mergulhoe os sous.
O que nao podemos deixar sem reparo que o
Liberal continu na sua terefa se adulterar os ac-
tos, e se entretenha a contar historias mal conta-
das.
Quande o Sr. Silveira de Souza, com o cynismo
que lhe proprio, deu, na cmara dos depulados,
como motivo da demisso do digno Sr. Dr. Joa-
quim Portella, acircumstenciade haver elle aban-
donado sem ticenca o exercicio do emprego de di-
rector geral da instrueco publica, para tratar de
sua eleicao de deputado geral, aquelle doutor deu-
se pre>sa era mostrar a falsidade do allegado, pu-
blicando a certido que abaixo transcrevemos.
Nem pelo regulamento de instrueco publica o enviamos-lhe o nosso modesto
director geral, que tem jursdiego em toda a pro- ment senn rhpin iIp pnmminc
vieta, era obrigado a lirar licena para sahir da b
capital; nem o Sr. Dr. Portella de'u mais que tres
faltes durante o lempo da eleeo, o que nao con;-
tituia abandono do emprego, muito menos caso
de demisso.
O Liberal hoje renova esse motivo, que o Sr.
Silveira de Souza nao se atreveu mais a allegar,
sera que possainos attinar com o nroveito que cal-
cula ; poBjue nem serve de justilicaco ao acto do
mesmo Sr^ilveira de Souza, nem de preiuizo ao
do Sr. Dr. Manoel Portella, em relacao ao Sr. Mer-
gulho.
Tod o proveito que se pode tirar de tal argu-
mento em desproveo do Sr. Silveira de Souza,
que nao tendo motivo real para destituir um func-
cionario, soccorreu-se a fatuidades..
Quanto ao Si. Dr. Manoel Portella, demilto o
Sr. Dr. Mergulho por haver, sendo funecionario
de confianca, votado na assembla provincial fe-
licitaodes ao gabinete decahido, o que envolva
sensura indirecta a corda, e tambem urna mocan
de rasuras directas ao gabinele actual.
Nao contestamos qne o Sr. Dr. Mergulho, as-
sim procedendo, nao usasse de direto pleno, e da
sua hberdade de cidado; mas o acto de sna de-
misso foi tambera direito pleno da administraeao
foi dever de sua forca moral, que nao poda mais
confiar n'ura funecionario que fazia ostentac de
Iwstiiidade ao governo.
Entre o Sr. Dr. Machado Portella e o Sr. Silvei-
ra de Souza ha urna grande differeoca. OSr. Sil-
veira de Souza, sem motivo confessavel, e 'Vf'i de
justificar o seu acto, attribuio-lhe urna cousa fal-
sa ; o Sr. Dr. Manoel Portella, ao contrario exhi
be o motivo real do seu procedimenlo, sea de
modo nenhum encrepar o funecionario destituido.
Isto prova a leaidade do carcter de um, e e cy-
nismo e aleivosa do outro, e torna patente urna
verdade no tempo do progresso, os proscriptos
nem direito tinham a solicitar os votos dos seus
concidados I
O Liberal nestes recursos de guerra, que vai
adoptando, s mostr urna cousa que anda ba-
tendo em vento.
Se isto nao fora, nao se daria ao trabalho de pu-
blicar, como ura grande achado, ura oficio do Sr.
Acha-se entre nos o Sr.- Dr. Americo
Alves Guimaraes, o merecido crdito de
que j goza, os louros que tem colbido nos
prelios scientifleos, e sua constancia no es-
tudo sao justos ttulos que o tornam re-
commendayel por mais de tima considera-
cao ; todava nao sao somente estas as qua-
lidades que o fazem digno do conceito que
tem, sua amabilidade e Ihanez sao real-
mente captivadras; nos que tivemos a fe-
licidado de o eommunicar, mais ainda de
recolher-mos o beneficio de seus trabalhos
pela cura de urna pessoa de nossa casa
que, ha quatro annos, padecendo de ner-
voso esfrico e receitada por alguns mdi-
cos s veio achar lenitivo aos seus soflri-
mentos no apurado estudo de S. S., falta-
riamos a esse dever bem santo, se nao lhe
patenteasse-mos nossa gratido; mas ac-
cresce que o publico o deve j conhecer;
por tanto estas palavras sao nada mais do
que urna nota qne se juntar a voz unni-
me dos homens serios e honestos que amara
a vrtude e admira m a sciencia
Fique, poie, o Sr. Dr. Guimaraes no
pacifico remasso de sua gloria, nos que o
vimos, que recebemos seus favores, que nos
felicitamos pela acquisicoes que fez esta
provincia, recebendo-o to lisongeiramenl,
agradeci-
0 elogios,
repassado com tudo de sinceridade.
Desejamos-lhe que nao pare na senda
cheia de flores que vai seguindo to prs-
peramente, para bem nao s da humani-
dade, como para gloria de seus amigos e
patricios, que intimamente se regosijam
pelos flores que ornam a sua fronte, o
que altestam a forca da arte e a spontanei-
dade do genio.
Acceite pois o Sr. Or. Guimaraes essas
breves palavras como demonslraco de
profunda estima, como signal de eterna gra-
tido, como penhor de verdadeiro reconhe-
ci ment.
Recife 4 de agosto de 1869.
Manuel Dias de Carvalho.
Protectora das fa-
milias
Em cumprimento do prevenido no art.
29 do regulamento, se convida a todos os
senhores contribuimos essa associacao,
croo ainda nao liverem aprestado as certi-
d5es de idade dos segurados, para que fa-
cam entrega d'ellas, na ra do Livrameotp
n. i9, Io andar, afim de ser expedidas
mais breve possivel para inspectora ge-
ral do Rio de Janeiro.
As certides devem ser selladas e reco-
nhecdas por tabelliio.
Recife, 5 de agosto de 1869.
Narciso de Vidal
^

Ti


Diario de Pernambuco Sabbado 7 de Agoslo de 1869.


\\

i*..

i

; i".f
m tr:'u
=t
COMMERCIO.
l'RACA DO HKCIPK 6 DE S 1869
AS 3 1/1 HOKXS D.V TArtOS.
Algouj Alo >kaei 3673 por 15 kil. p<
bordo.
CMbio ofere Londre 9# d/v. 18 *8 A por
ioo TI I
Mo*M-e ars-9l|T. 510rs. por I**.
r". J. Silveira
Presdanlo.
LoalSovo
Secretario.
sala do roircetho rom as respectiva amostras,
11 horas no dia me.
S:.la
guerra c
cinhoras do arsenal
da agosta de 1869.
,J* viiinn Tus Coi
Coronel director interii
J j*> apua de Castro Suva, .
Secretario.
as
de
THEiaP
ftendimento do
dem do da 6
ALFAitOEGA.
da a S .
11G66U7U
M;40^76
j:9:086M67
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volnmes cutrados com fazendas 8o
dem idem coin genero
Volumes sabidos com fazendas
dem dem cora gneros
-----579
80
310
-----420
Descarregam hoje 7 de agosto
Barca inglczaImperadormoreadorias.
Uriguo ingleMetite inereadorlas.
Barca ingle'.aMiomamereadoras.
Barca franeezaFgaro dem.
Patacho nglezVeoleteidem.
lliate inglez= Tigreidem.
Escuna norle-allemoCalharina idem.
Brigue suecoAnnataboado.
Escuna norte-alleiuoGenticotaboado.
Barca inglczaIVfltW/rfarinka de trigo,
llrgue nacionalAtmeida //charque.
11ECEBEDORIA DE RENDAS 1NTEHNAS E-
RAES DE -PERNAMBUCO.
Rendimento do da a 5 7:630715
jdem do dia 6...... 1:690*099
\Jtviso aos navegantes
O IUin. Sr. eaptSb de mar e guerra, eapitao do
porto, manda faier publico para conheeimento dos
avegWts, que o pharolete do Biocuripe, na pro-
vincia dci Gear, doixou de fonecionar, em conse-
cuencia de se ler incendiado na madrugada do a
Si do corrente.
Capitana (Jo Porto de Pernambuco 29 de julho
de 1869.
O secretario,
I '! 1 Doc'0 de Aquino Fonseca.
Consulado de Frariqa em P
nambaco.
A venda do navio Alphosme, encaibado no ban-
co, denominado das Gneis, ter lugar no da que
f r indicado, di pois da clu-gada a este porto, vindo
do norte, do vapor nacional Cruzeiro do Sul, urna
parte considerare! do oarregamonto, consistindo
em ferro, chumbo emarmores que se acha a bor-
do, ser compi chendido no piesmo lote._______
O llhn. Sr. inspector da thesouraria fa-e d
zenda desla provincia manda fazer publico que
existe em poder do porteiro desta thesouraria para
seren rendidos exemplares da colleecao das lea e
decisdes do governn relativamente aos annos de
1866,1867 e 1868, pelo preco, os primeiros de
7 600, os segundos e terceiros de 6*000 cada um
exemplar. ...
Secretaria da thesouraria de fazenda do Per-
nambuco 2 de agrsto de 1869.
Servindo de official-maor,
iVanool Jos Pinto.
9:240*814
MOVMETO DO PORTO.
Navios entrados no din 6.
Rio de Janeirolo ilias, polaca hespaohola
Modesta, de 276 toneladas, eapitao Agos-
tin Manstany, equipagem \i, carga va-
rios gneros; Eduardo Burle (t C.
Santa Catliariua20 dias, sumaca hespa-
niola Marta huiza, de 138 toneladas ea-
pitao Luiz Maristany, equipagem 10, em
lastro; ordem.
Sergipe por Macei2 dias, vapor brasi-
leiro Cururipe, de 222 toneladas, com-
mandante P. N. da Marta, equipahem 12;
companhia Pernambucana.
I'arahyba10 horas, vapor brasileiro Pa-
rahi/bn, de 10* tonoladas, commandanle
Mello, equipagem 15, carga 1,500 barris
e 60 caixas com plvora; companhia
Pernambucana.
Granja e portos intermedios10 dias, e 14
horas, vapor brasileiro Pirapama, de
312 oneladas commandante Torres, equi-
pagem 32, carga dilTerentes gneros ;
companhia Pernambucana.
Observacao.
N5o houve sahidas.
EDITAES.
A cmara municipal desta cidade faz pu-
blico para conheeimento de seus munici-
pes o artigo de posturas abaixo trans-
criptos, queoram approvados provisoria-
mente pelo Exm. vice-presideule da 'pro-
vincia, em 30 de julho ultimo.
Paco da cmara municipal do Recite, 4
de agosto de 186!).
Ignacio Joaquim de Souza Leo,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Bda-Viagem.
O secretario.
4.a seceo.Palacio do governo de Per-
nambuco 30 de julho de 1869. O vice-
presidente da provincia tendo em vista o que
ponderou a cmara municipal da cidade do
Recite em officio de 21 do corrente, sob
n. 63, resolve approvar provisoriamente
nos termos do art. 2o do decreto de 25 de
outubrode 1831, os artigos de posturas
addicionaes abaixo transcriptos.
Art. 1. Fica prohibido construir ja-
nellas com arcadas as sotas, ainda que
os andares da casa as tenham, subsistindo
om ludo a altura de treze palmos, mar-
cada do assoalho ao frechal, para as mesmas
sotas; os infractores sero multados, o
proprietario em 30#, c o mestre da obra
em 20, sendo obrigado a desfaze-la e cons-
truida de occordo com o exposto.
Art. 2. Fica revogada a ultima parte do
art. 7o das posturas de 2 de maio de 1868,
que promette as referidas arcadas das ja-
nellas das sotas. Dr. Mnoel do Nasci-
mento Machado Portella. Conforme Anto-
nio Annes Jacome Pires.
THEATRO
S. ISABEL.
Companhia dramtica sob a di*
receo do artista
DE GIOYANNI.
Sabbado 7 de agosto.
Priraeira representaco da excellente comeda-
drama em dous actos intitulada :
PEDRO 0 TEGELO
O
A honra do operario.
Toma parte toda a companhia
No intervallo do primeiro e segundo acto, a or-
cJiestra execiitar, a pedido de distinctos cava-
Iheiros, o importante
MISERERE
da opera Trovador, instrumentado pelo maestro
Colas Fillio.
Terminar o espectculo com a primeira re-
presentacao da espirituosa comedia commercial,
composta c offerecda ao Sr. Colas Flho, pelo Sr.
V. F. Chaves Jnior, denominada :
Fogo ao sul, Tomo ao norle
Tomam parte as Sras. D. Jesuina, D. Olympia,
D. Bernardina, e os Srs. Brochado, Pedro Augusto
e D-l'iiovaniii.
A msica desta comedia foi escripia expressa-
mente pelo maestro Colas Filho, achando-se abri-
llantada com bellsimas O pas, Lundus, Fados e
o muito popular
dymnasio Campestre.
TKAORDlNARIA NOVIDADE !
Domingo 8 de agosto de 1869
Grande solre campestre
A'S 6 HORAS DA TARDE.
Pelo celebre prestidigitad,>r
EDUARDO CLINTON
O qual codeado a pedido, com o concurso dos
muitos aplaudidos artistas
*. Jesuina e o Sr. De-Giovannl
Hesolveu-se a dar este nico espectculo, (a-
zendo altas e difllceis experiencias de phisica e
magia, sen o menor auxilio do aparelhos.
RraEIRA PARTE.
Brilhante symphonia pela orchostra.
SEGUNDA PARTE^
Linda comedia
Do variado repertorio da Sra. D. Jesuina e do
Sr. De-Giavanm.
TERCEIRA PARTE.
!.O florete de Luiz XIV.
2.A athmosphcra do Danubio.
3.Troca por troca (experiencia scientifica).
4."Urna fabrica de cartas.
5.*Os frascos milagrosos.
QUARTA PARTE.
Graciosa comedia
Pela Sra. D. Jesuina e o Sr. De-Giovann.
QUINTA PAUTE.
I.* -O copo rabe.
2.O roubo indiano.
3.*A metamorphose (invencao Clinton).
4 oThe wood (neiv'englisk trck)!
5.-Maravilhosa escamotagem do sorprendente
illusao! 1.
N. B. O divertirnento comecara as 6 hora.*,
aflm de terminar as 9 e 1/2 em ponto.
As pessoas que comprarem bilhetes tero pas-
sagem gratis em qualquer trem e a qualquer
hora, antes do espectculo; assim como depois do
mesmo tero igualmente conduccao em trem es-
pecial.
Os bilhetes acham-se na estacao do Recife e no
theatro, pelos precos estabelecidos pola sociedade
do Gymnasio Campestre.
(MPAfflIA MASIUS1KA
'DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 8 de agosto o vapor
Cruzeiro dp SuL commandante
J. P. G. Ataooracfc, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven
jer embarcada no da desuachegada. Eneommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia di
juasahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedara a i
arrobas de peso ou 8 palmos milicos de medievo.
Tudo que pausar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Pre>ine-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
1 andar, escriptorio4e Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C. _______________________
COMPANHI.V PERNAMBUCAIi\
DE
Vavcgaco costelra por vapor.
Maiiiiinguape.
O vapor Mondaba, comman-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 12 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frele al as 3 horas da tarde do dia
da sabida : escriptorio no Forte do Maltos n. 12.
~ PARA O PORTO.
Scgae com a passivol hrevidade o brigue por-
tuguez L'niao (]ue j conta grande parte da carga
engajada : quem no mesmo quizer carregar on ir
de passagem trate com os consignatarios Thomaz
de Aquino Fonseca & ri, ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
pria* do mercado, assim como de algumas ava-
rihdas por-ctrnta e risco do quem pertenrer.
aV 10 horas da manhaa, em sea armazeni i na
(2adeta
ife.
kfik
Preeisa-se de mero 44.
-se.
De 30 gigolcom cerveja fraiicea,. Jfte- ,', .rops
, cimos delfinho'verd, & qwfcHte de dito- HHor saer*te ff
cherez, llcaixas de dito do Porto.
Tercajpelra O de agosto
ao meio dia.
Por intervenclo do agente Pinto e por occasio
do leilo de movis uo annazeui da ra do Impe-.
rador^p.
tm^
IUU
pe-
TANGO
do general Prim
De um cabriolot dn 4 rodas americano, 1
caixa com arreios de casquinha de supe-
rior ijuatidade & 5 pavoea. novos e bo-
nitos.
Terca-fcir O de agosto
a 1 hora da tarde.
Por interveScao do agente Pinto, em frente ao
armazem da fea do Imperador n. 57, ondehaYera
anteriormente leilo ae movis. ..
ma, se sirva de
Os rdrainistradon
precisam de cont.atar
missa no? domingos e dias
na capola.
3C nalquer m-
ta capela-
a do respectivo
i-a tratar defse
hk---------------
Verso
Se ocapfti coftund'
Nao Ibe falta ligeam.*
A prova ti ou patente.
No annuucio espertza.
O carra dos mirlos.
3L
GKAMDE
IITI1&11
Saldo do Gaes do Eamos.
Em consequencia do mau tempo que
athemosphera apresentou domingo passa-
do, deixou de haver o divertirnento que vai
agora annunciado.
SABBADO 7 DE AGOSTO DE 1869.
Depois de urna escolhida e brilhante
onvertura, romper o esplendido baile
popular.
Grade suecesso
O insigne artista hespanhol Julio Doria,
executar nos intervalls do baile os seus
admiraveis trabalhos gymnasticos, divididos
em tres partes.
1* parte.
Admirareis equilibrios no trapezio.
2 parte.
Difficeis trabalhos sobre a corda bamba.
3a parte.
Difficultosissimos. equilibrios com diver-
sos objectos e posicoes.
Findos os trabalhos gymnasticos, conti-
nuar o grande baile popular, que finah-
sar s i horas com o galope infernal.
Previne-se aos Ilustres frequentadores
A' wprwwcS'da comed" preceder a bri- que ser em tudo observado o regulamen-
lhante
Symphonia caracterstica
extrahida de quasi toda a musiea da mesma, com-
posla pelo Sr. Colas Filho.
No intervallo do primeiro e segundo acto, a or-
chostra tocar a linda polka
Minerva
offerecda e dedicada ao distncto
CORPO ACADMICO
pelo maestro Colas Filho.
Os bilhetes achara-so venda desde j no es-
criptorio do theatro. ^
Principiar i 8 horas.
COMPANHIA PEHNA.MIJCANA.
DE
Navegaco eosteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Ptrupama, commandante
Torres, seguir para os portos
cima no da 14 do corrente as 5 hora.'
da tarde. Recebe carga at o dia 13., encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at at
S horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
io Forte do Mattosn. 12.___________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Navegaco eosteira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jagnaribe commandante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 9 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 7
as 3 horas, encommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 hiras da tard do da da sabida :
no escriptorio do Forte do Mattos n. 12._______'
Silo Grande do Sul
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
tacho nacional Brincpe, recebe alguma carga a
frete, e trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C. ra da Cruz n. 57.
LEIIiAO
Be movis, louca. vidros obras
----do prata.
A SABEH :
Um piano hamburguez e forte, 1 mobdia de
Jacaranda, 1 jardineira, 1 rico espelho dourado e
grande, 1 candelabro e 2 serpentinas de crysial,
casticaes a mangas, quadros, 1 relogio americano,
1 pete de sof, 1 cama franeen de Jacaranda,
1 toilet, 1 gnarda vestido, 1 guarda roupa, 1 com-
moda, 2 cabides, 2 cadeiras de viagem, 1 cama
de ferro, 1 dita para monino, 2 ctlagers, 1 mesa
elatca, 2 apparadores, 1 guarda louca, 1 excel-
lente caixa de costura, 1 sof, 2 consolos e l ca-
deiras de amarello, copos, clices, garrafas c
compoteiras.
Urna mobilia de amarello, 1 piano francs, 1
cadeira com correias (palanqim). 1 bartela (jo-
go) 1 carteira, 1 estante, 1 oculo, 1 mesa redonda
de Jacaranda, 1 cama de faia para 2 pessoas, 2
cadeiras de balanco, 1 deposito grande para agua,
1 quartinheira, 1 espingarda de 2 cano?, 1 rewol-
ver de 6 tiros.
Urna excellene e nKgniftca estante de ferro pa-
ra msica com 4 faces c preparada a capricho na
fabrica Fennix de Lisboa.
Terca-felra O de agosto
Na rita do Imperador armazem n. 57.
O agente Pito enearregado por urna familia
que mudou de resifencia. far leilo dos movis
e mais objectos cima descriptos existentes no
armazem da ra do Imperador n. 57, onde po-
dero ser examinados ditos objectos na vespera e
da do leilo.
Principiar as 10 horas em ponto em virtude de
serem muitos os lotes.
O Sr. Melquades que oarives e
moja na toja do sobrado i ra da Sen/.alla
Nova n. lo, queira vir a esta typographia
a n-gofio.________________________
Aluga-e o segundo andar, sito ra estrel-
la do Rosario n. 31, com bastantes commodos para
familia : a tratar no armazem do 0esmo.
LEILO
to do Sr. Dr. chefe de polica.
E' este o divertirnento que o emprezano
dos grandes salSes do Caes do Ramos esco-
Iheu para offerecer aos illustres frequenta-
dores que o protegem, e para o qne n5o se
tem poupado despezas, aOm de qne seja
em tudo urna verdadeira noute de delicias.
Principiar as 8 horas.
O patacho Protector seguir para o referido por-
to em poucos dias, por ter a maor parte de seu
carregamenlo prorapto : para o que Ihe falta,
quem quizer carregar a frete commodo, pode di-
rigirse ao consignatario Joaqnim Jos Goncalves
Beltro, ra deCommercio n. 17.___________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Navegacao costelra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima no
dia 10 do corrente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, no escriptorio do Forte do Mattos
a. 12.
de mohilias, pianos, dilTerentes movis, louca, vi-
dros, cerveja, vinhos, obras de prate e um ca-
briolot
Terqa-feira 10 de agosto
Por intervengo do agente Pinto.
no armazem da ra do Imperador n. 57, (oulr'ora
armazem da Allianca).
Precisa-se de urna ama forra ou escravn pa-
ra todo o servico d urna casa de pequea fan-
(ia : a tratar na rwa Vwllw n. &._____________
^ozinlieiro
Deseja-se um bom cotinlieiro : na ra larga do
Rosario n. 44.______________________
Vicente Alves Moreira, agenciador de vendas
de cscravos, mudou sua residencia da ra de Hor-
tas n. t\ para a ra da Paz n 3i, onde seus fre-
mtmi o podero procurar para a mesma oceupa-
cao. Recebe escravos em commisso, c prometti*
prompt venda.
MUGA-SI
o segundo audar e soto da casa n. I da ra de
Vigario : a iratar na mesma casa, das 9 horas da
manliia as i da tarde._______________
Ama e escrava
Ha rna da Cadeia do Recfe n. 4, 4* andar, por
cima do armazem do Sr. Barroca, precisa-se *
una ama que saiba cozinhar : na mesma casa
tamhcm se compra urna escrava ijue seja robusta
e bonita figura, muito embora nao tenha habili-
dades__________________________________
No dia 31 de julho, s l horas da manhaa.
no sobrado n. 20 da ra da Matriz segundo andar,
em occasio que a familia estava almoeando rou-
baram um relogi de euro e machina de prata.
patente suisso, de martello. sobre a eoberta dama-
china tem os segrales nomes da parto de cima o
numero 9783, tem tambera sobre esta eoberta.
abaixo do numero o uome chronometro, MNBO
tem cscripto 23 purres, da manera segnnte: ^
purres. Tem os ponteiros de ouro, e sobre cada
um delles tem urna pedra pequea branca, e e
coberto : quem delle der noticia ou apprehend-k
se gratllcar.
AVISOS DIVERSOS.
Arcadia Pernambu-
cana
Os acadmicos e as pessoas que desejarem fal-
lar na sessao magna do dia II de agosto, poderao
inscrever-so na secretaria da Arcadia, ra es-
treita do Rosario n. 31,3o andar.
Recife 6 de agosto de 1869.
Joo de S c Albuquerque,
Secretario.
Aluga-se
o segundo e terceiro andar da ra do Trapiche n.
46 : a tratar na mesma casa das 9 as 4 horas da
tarde.______________________________
t'ozlnhelra
Precisa-se de una ama para cozinhar : a tratar
na ra do Mmdego n. 24._______(___________
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para urna pessoa : na ra do Calabouco-ve-
llio n. 9.__________________.____________
Joaquim Pereira Arantes faz scieote ao pu-
blico e aos sens devedores qiu o Sr. Antonio Ja-
nuario Cabral, a quem linha ncarregado a co-
branca antiga de sua casa, veio prestar contas e
satisfactoriamente, portanlo hajam de suspender
qualquer jnizo dasfavoravel ao mesmo Sr._______
LEILOES.
AVISOS MARTIMOS.
DECLARACOES.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para provimento dos armazens
do almoxarifado o seguinte :
Para o deposito especial de instrucc^io, ordem ds
presidencia de o de raaie.
1 camisa de meia.
58 lencos.
38 pares de luvas.
58 ditos de meia.
156,20 metros de algodozmho.
Para a fortaleza do Brum, ordem de 3 do corrente.
40 arrobas de plvora,
rara enfermara militar, ordem de 3 do corrente.
1,000 mappas para dietas de doentes.
100 ditos conforme o modello n. 9. .
As pessoas que quizerera vender os objectos
ticima declarados, apresentem suas proposlas na
Recita extraordinaria em beneficio dos ar-
tistas Gil Braz de Senna Santiago e
Siqueira Braga.
DOMINGO, 8 DE AGOSTO DE 1869.
Depois de urna brilhante ouvertura pela orches-
tra, subir scena o magnifico drama em 2 actos
do Sr. C. Castello-Branco
A JOTA
no qual lomam parte os Srs. Braga, Gil Braz, Frei-
tas, Silva. Jorge, Hennque, e as Sras. D. Olympia,
D. Carolina e D. Joaquina.
Em seguida representar-se-ha a chistosa come-
dia em 2 actos do Exm. Sr. Mendes Leal
AAFILHADADOBARhO
Tomam parte nesta comedia os Srs. Broohado,
Gil Braz, Pedro Augusto, Santa Rosa, e as Sras. D.
Carolina e D. Olympia.
Terminar o espectculo com a muito applaudi-
da comedia em um acto do Sr. Carlos dos Santos
LEILtO
de
COMPANHIA BRAS1LE1RA
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 de agosto o vapor
Paran, commandante o eapitao
de fragata A. J. de Santa Barbara, i
o qual depois da demora do eos-1
turne seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua saluda as 1
horas. .
Nao se recebem como encommendas senao on-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas.
Tudo que passar destes limites dever ser embar
ca lo como carga.
i'revine-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Lruz n. 57:
I" andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C. .
De 38 saceos com farlnha
mandioca avarlada.
HOJE.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer de 38 saceos com farinha de
mandioca avahada, no da cima as .11 horas da
manhaa no trapiche baro do Livramcnto.
LEUAO
de
De dividas na imporiancir
i.ose?30.
O agente Martins tara leilo a requerimento do
invenuriante dos beis do fallecido subdito por-
tuguez Jos Gomes do* Santos Correa e por auto-
risaco do Illm. Sr. Dr. Claudno de Araujo Gui-
mares cnsul de Portugal, das dividas activas do
mesmo espolio na importancia de 1:026*730.
Segunda-feira 9 do corrente.
No armazem da ra do Imperador n. 16, as 11
horas do dia. ______._____,______
Para o Porto
pretende sahircom apossivel brevidade o patacho
portuguez Liberal, tem parte da carga engajada, e
para o resto que Ihe falta, pode tratar-se cora Da-
vid Ferreira Baltar, ra do Brum n. 92, ou com
o eapitao do referido navio.__________________
Para
lina mulher por duas horas
a qual ser exhibida pelos Srs. Gil Braz, Brochado,
Braga, Jorge, Honrique, e as Sras. D. Olympia, D.
Carolina e D. Joaquina.
Os beneficiados agradecem cordialmente ao dig-
no director do theatro Gymnasio Campestre a ma-
nera graciosa pela qual consenlio que alguns de
seus companheiros se prestassem a trabalhar nes- com o seu consignatario Joaquim erarao ae u*
te espectculo ; assim como ao muito digno maes- os, ra do Vigario n. 16,1" andar._______
tro Colas Filho, a maneira pela qual se presin a
Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
Boa F. capito Domingos Martins : recebe algu-
ma carga a frete razoavel, para o que
LEILO .
De dividas na Importancia de
10:ttN4Utl50.
O agente Martins levar novamente a leilo por
autorisaco do lllm. Sr. Dr. Claudino de Araujo
Guimaraes cnsul de Portugal, das dividas acti-
vas Uo espolio de Jos Manoel Pereira de Menda-
nha na importancia de 10:884*150.
Segunda-feira 9 do corrente.
No armazem da ra do Irapecador n. 16, as 11
horas do da.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A9 OIIWDA.
Por ordem da directora :e requeri-
mento do numero de accionistas que esta-
belece o art. 16 dos estatutos, sao convi-
dados todos os Srs. accionistas para reu-
nirem-se em assembla geral no dia 17 do
corrento, s 10 horas do da no salao do
Club Pernambucano, afim de se tratar de
completar o numero de membros da di-
rectora e de oulros pontos relativos as
encommendas do material que tem de yir
da Europa, segundo reza o requerimento.
Escriptorio da companhiafo de agosto
de 1869.
Io secretario,
Iheo. Just.
Comida.
Caf com leite.
Mao de vacca.
Na casa de pasto da ra da Lapa n. 11 se pre-
para com todo esmero e asseio, e se fornece unto
para fra a accionistas, como as mesas em casa,
e do sabbado para o domingo a bella mao de vacca
Irmandade do SS. Sacramento
da fregnezia de Santo
Antonio.
Pelo presente sao convidados todos os domos
irmos comparecerem domingo 8 do corrente,
pelas 10 horas da manhaa. no npsso consistorio,
alini de em mesa geral se eleger um procurador >
dous definidores para o anno compromissal de
1869 a 1870. _.______
Conistoro da veneravel irmandade do sa-
cramento da freguezia de Santo Antonio 6 de agos-
to de 1869.
O escrivao,
ModestodoKegoBaptsta.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez ter lugar na
noite do dia 14. .______
trabalhar neste divertirnento.
Os bilhetes podem desde j ser procurados no
escriptorio do theatro.
Principiar s 8 e meia horas.
Para Hignel e Tercelra
O patacho portuguez Mara, esperado de Lisboa,
sahir para as duas ilhas cima, poucos das de-1
pois de sua chegada a esta, desde j se engaja
carga e passageiros : trata-se com E. R. Rabello, |
ra do Commercio n. 44.
LEILO
De fazendas geraes.
A 9 do corrente.
Magalhes Irmos faro leilo por intervencao
do atente Oliveira, de grande vanedade de fazen-
das de seda, la, linho e de algodo as mais pro-
Calxelro.
Precisa-se de um caixeiro para o restanrante
da ra do Imperador n. 32. ____________
Aluga-se a padaria do Chora-meninos com
seus pertences para trabalhar assim como urna
boa casa no principio da estrada dos Afflictos_corr
bons commodos para familia, perto da estagao do
Machambomba : a tratar do Chora-raenmos com
Jos Antonio Marques.____________
A viuva e irmos do finado Jos Mara de Aibu-
auerque Maranho agradecem a todas as pessoas
que acompanharam os resto mortaes do mesmo
ao cemiterio publico desla cidade, e de novo ro-
cam s mesmas pessoas, aos seus amigos e paren-
tes, que se dignem de assistir a missa do setuim
da que ter lugar na matriz de Santo Antonio,
segunda-feira 9 do corrente, as 7 horas da ma-
nhaa.
Na ra das Aguas Verdes n. 100, segundo
andar, se dir quem d urna pequea quantia a
juros._____________________________
AMA
Precisa-se de urna ama boa cozinheira, e outra
que engomme bem, forra ou escrava, e que ten lia
boa conducta : na ra do Pires, sobrado n. 27.
'RA
DO
CABrJG
esquina
j_*_L__
Ida ra larga do
15E5E5E5H 5E5H 5S5lSi5ilSiiS-saeaM
NNEL DE OURO
Casa no campo,
Aluga-se ma casa na Passagem da Magdalena
n.3, antes da ponte pequea, com bastantes com-
modos, dons quartos fra e um quintal murado .
quem pretender aluga-la pode entender-sei com,
Baro do Campo-Verde, em seu armazem a ru..
de Apollo n. 38.______________---------------.
" Notas das caixas filaes do banco do Brasil
trocam-se com mdico descont, na loja de Manoe
Soares Pinbeiro, praca da Independencia n. iz.
9
IRUJl
EO
CABUGA S
esquina
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortnnento sem igual,
e vende por precos qne nenhuma outra casa pode vender. __--_- Aa verAe K8, raa larg:a dol
A vta da quadade e do preco das joias cada nm P^er-se-ha convencer da verdade.l |
Eosario. Garante-se ser tudo de le Compra-se onro, prata e peoras finas por preces muito ele Eosano. j
vados
A loja esta aberte at as 9 horas da nonte.
.

.i


Diario de PcriianAuco Sabanlo 7 4 Agosto de 1860.
i
i riLiii
TESTA ANTIG1 E CIRDITATA
FABRICA
IICIITli II CvlITlITIIINTI 101 CIIPUTI IIITIIIIT* II
lAPltl BB 0lit
D todas as qualidadea I
De todos os feilios I
De todu os preeos I
RA DO CRESPO
W 4 1
Precisa-se de unm crava, qu cozinho cun pertuicio o diaria de urna
caso, e que soja do boa conduela : a tratar na
roa do Vfgarjo n. 3, temiro andar.
MI DA m) V~O
1EMISBKM
Albino Bsptista da Horhs participa
a todos osseus freguezes qoemudon-
88 com a sua oficina da praca da
Independencia n. 12 para a na das
Cruzes n. 23; previne, prtanlo, a
todos os amigas e tregeles que -e
achara em casa a qiinlquer hora
do da, para cxecnt.tr todo e qualquer concert
iiue de sua arte exigir posgam, tendente a sua
proflssSo; e cm sua falla achanto com aein
tratar.
=
Precisase de urna ama de leite eom
ca : na na do Amorini n. 35, 2" and ir.
urgen-
AGUIA DOURO
Custodio c Bento, t-ndo de novo sortido oseu bem conhecido estabeleciraento
de miudezas, denominado AGUIA D'OUBO, parteipam a todos seus freguezes e ao pu-
blico em geral, que tem constantemente um completo sortimento de miudezas linas, e
objectos de alta novidade; vendendo tudo 10 % menos do qae.em outra qualquer parte,
para o que recebem directamenle de sua conta.
Promptilkam-se a mandar em qualquer casa, urna pessoa com o mais diminuto
objecto que Ibes soja pedido, esperando assiso a proteo$3e "de ama freguezes, e garan-
tindo-lhcs o Custodio A Bento, firmesa ern seus datos, o pontualidade em seus deveres.
Ra do Cabug n. 1 --A.
aos 90:0003000
CASA DA fORTUNA
Ruad* Crespo a. 9S.
i tend ) ob'ide licenoa da pre-
swenrta e stisfclto as outras exigencias fe M.
avisa ao respeitavel puhlieo que ter sempre a
venda no sen ttahelecfmento bufidos Tras lote-
ras do Rio de Janeiro, eujos premios serio pagos
proinptamente vista das lisias com o descont
sement da lei.
Preeos :Inleiros.. 1*000
Meios... 1*1600
Qaartos. 6J0Q0
E eirjimianlidade matar de tOOjOOO n.t raro
de SaOTJi por HBiefe.
Manoel Martins Finia.


AUGUSTO PORTO & C.
11-RUA DO QUEIM DO-11
Tendo chegado ltimamente ao seu estabelecimento grande variedade de fa-
tendas de gosto as pein. disposico de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
procos possivejs, sendo:
Bournous de cachemira brancos e de cores, o que ha de mais elegante para
hombros de senbora.
Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silplrides, sirennes,
orientales de renda preta de soalines, o que lia de mais elegante para urna moca.
Basquines de guipure preto, novo gjsto.enfcitados defletjm de cores. Vesti-
dos ti-1 blond com manta e capella pira noivas. Fronbas e toalhas de cambraia de linbo
bordadas. Cortinados bordados para camas o para janllas de diversas qualidades:
colxas de seda e de la e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorgnrSo de la e seda de cores, 6 muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorgurao de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, easemiras e militas outras fazondas cujos preeos sao em geral
rauite mdicos. Grande sortimento de camisas para homem, tanto lisas como bordadas
e de cores.
Continuam sempre a ter grande variedade te tapetes para sof, para cama e
para pianno, porrao de tapetes em pecas para alcatifar saloes, e grande quaudade de
Esteiras da India para forrar salas.
AO PUBLICO
O abaixo assignado, nventariaote dos bens iki-
Xads por seos tinados avs Diogo Antonio Rodri-
gues e D. Mara Paulina dos Santos, se prevalece
do prsenle para prevenir que pessoa alguma faca
negocio ou traneaeco com O Jo;<>pha Mara da
Paixao relativo ,-iosVscrivos Jotopba e seus filhos
Juventina. Clemencia, Severin.i, Custodio, outro
Severino, e nina pagua, porque estes escraros nao
Ihe pertenceni, e sim ao monto dos bens daqnelles
finados, a cujo inventario e partitha se procede
pelo juizo de or|*5os deste termo, concorrendo a
heranca dos musmos bens herdeires orphaos netos
daquelles Tinados,. e desde j protesta nnllificar
qualquer transaccSo a respeto) de Lies esenyos,
pelas razfics oppostas. Engenho Bocea da Malta
do termo de Santo Auliin.'l de julho de 1869.
_______ Antonio Marques de Almcida.
AttencfM).
Pergunta-sc c mpanhia Indemnisadora que
incompatibilidade. pode haver de nao querer Segu-
rar um cstabeleeiinentoem virtude de estar segura
a propriedade, qual soja ella se ignara, porque es-
lando seguro um navio, tamben) se sogura a carga
do inesmo, logo naj pode haver a fallada incompa-
tibilidade, mostiaiido-se desia forma parchlidnde
de alguem, ou precisar-se de padrinlio ou de pa-
tronato, para se poder segurar slguro estabelec'.
ment, ou cousa que valha.Me quer saber
O sino do Livramento.
Ao corpo commercial.
Um rapaz natural desta provincia, com inimen-
sas habilitaces, offerece-se para lomar conta de
qualquer casa commercial, entenJendo o inesmo
de escriptip acao mercantil, tndo magnifica letra
e muito expedienie. Encumbe-se de effeetuar
qualquer transaccao fra desta praca, visto j ter
estado em quasi todas as provincias do imperio e
repblicas do snl : qnem de seu presiimo preci-
sar, dirija-se ao Exm. Barao do Livramento para
"informacoes.
Obstruccao
Do figado o do ba Os preparados de JURBEBA {viitho,
xarope, ptalas, oleo, emplastro e tintura)
sao eflicazes contra a obsirtucrio do ligado
e do baco, a ictericia, a hydropisia, as febres
intermitte.iies e durezas, os desarranjos do
estomago, as fallas de sanguc e de mens-
truacao, o calharro da bexiga, etc.
Umco deposito, pharmacia de seu autor
do J. d'Almeida Pinto.
Ra do Rosario Larga n. 10 janto ao
quartel de polica
I 3 |11
3s
o
o- 2 3 Sg


3 t =?
2 2 -a
09
r-^s-
3 M r o-
.2 55'
0> rji O
W T ""' "' O
fi) >D T fO ^
zr t: D-"
^Q O 85
< s g a
G o 3 c
CD ffi ID u
,' 3 u>
* OT3 "
2
C5
O
&
O
ce
o
Irmandade acadmica de Nossa
Senlfora do Bom-Cotiselho.
A mesa administrativa da irmandade acadmica
de Xossa Senbora do Houi-Conselhj convoca pelo
presente a mesa geral para no da 8 do correnta,
drpois da missa da Divina Padroeira. proceder a
eleieao da mesa administrativa para o anno de
18&I 1870, eul virtude do ai t. 29 do compro-
miso.
Secretaria da irmandade, em 2 de agosto de
1869.
/ose Fwlaiio 4e Mfnmra.
Viciorio do Naseiuii'uto Accioli Lius, senhor
do engenho Venus, fregueiia"*le Agua-Preta, ten-
do-se ponlcsempcnhado de quaesquer dividas,
nao s vencidas, como a vencer se, pede a quem
quer que se julgar seu eredor, queira apresentar,
seus ttulos, atinr de sor indemnisado.
G
"i
O

o
0
O

A pessoa que por engao Bvou um chapeo
de sol de cor do caf escuro, eom o eabo concer-
tado de amarell'i, ((uerendo restitui-lo, tenha a
bondade de trazer na ra da Aurora n, 16, ou en-
tregar na estaejo do Monteiro ao viga: que ser
recompensado.
casa da mnnu
Aos 4:OOOS
Buhe tes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costume
O abaixo assijinado lendo vendido alm de ou-
tras sones 2 quarto n. 774 eom 4:0004 da lote-
ra que se acabou de extrahir benelicio da Santa
Casa da Misericordia, convida aos pos9Udores a
vreos receber na conformidadu do costume-sem
descont algum.
Acham-se a venda os bilheles da 27' parte da
Santa Casa (116') que se extrahir no dia 17 do
correte mez.
Preeos.
Os do costume.
Maaoel Martins Fiuxa.
AOS 20:000^000
CASA FELIZ, ARCO DA CONCEICO N. 2.
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na for-
ma das leis tem exposto venda os seus felizes
bilhetes das loteras do Ro de Janeiro, na casa
cima aonde se pagarlo as sortes que sahrem
nos mesmos bilhetes com o descont da lei s-
mente.
'Presos.
Bilhetes nteiros. 2440(0
Meios......124000
Qaartos.....64000
E de 1004 para cima a 2245o bilhete.
Figueiredo & Leite.
COIPAHHIA PERHAMBOCAHA
DE
KM) IITUI NI 1IFDR
ro^s^i.iio IIE HIRKC^AO
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso limaos,
Luiz Antonio de Siqueira.
0 8R. F. F. B0HGE8.
Restando atada eminir algumas acces desta companhia, da qoanlia nominal de
OO^OOO cada urna, das quaes s se nateitam em virtude da lei, 20 "/,, ou 40000 por
cada accao; coBvida-so pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar empreo seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aceces que Ihes approuver.
Algumas destas ac?oes j tem sido tomadas por pessoas que conbecem a vantagem,
de na presente occasiSo (conhecidamente a melbor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, comojvapores, predios etc., qua lhes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue boje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a ebegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edilicando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % a<> anno nos ltimos 4 nHOS.
As accoes que se emittirem gosam dos mesmos direitos, e percebero o beneficio
dos mesmos dividendos que osantigos em proporcio da entrada.
Recebem se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. i2.
O ntlvogado
AITonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
criptorio para a rua das Cruzes n. 37. defronte da
typograpbia do Diario.
liOllliO
PARA USO
DE TODAS
COMMERCIAL DOS SKiNAES
DOS NAVIOS MERCANTES
AS NAQOES.
TRADDC9I0
Conforme a ultima edicao original
POR
Joqwm Pedro Prente
Vndese na Iivraria ecouomica junto ao
de Santo Antonio n. 2.
ingleza
arco
CSTUREIRA. .
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
caza, por preco commodo, na rua Augusta
n .112, e d-se flanea sobre as mesmas.
Prccisa-se de urna ama que saiba coziuliar para
cas de rapaz soltelro : na rua da Cadela do Re-
cite n. 59.
Aluga-se
na Passagem da Magdalena (entre as duas pontes)
una casa terrea com bastantes commodos, quin-
tal murado, eqcbeira, estribara etc.: quem pre-
tender dirija-se Escadinha da Alfandega n. o.
Miguel Gongalves Ilodigires Franca, fimo de
Manoel Goncalves Rodrigues, rende a heranca que
em urna quinta Ihe dcixou na ittta de S. Miguel
seu avo paterno Jo.'io (ioncalves Rodrigues : a tra-
tar na rua do Crespo n. 12, 1" andar.
Xarope de fedegoso
de Pinto
E' de urna eflicacia verdadeiramente ma-
ravilhosa como calmante do systema nervoso
e applicado contra a pararfsia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos;e recen-
tes ou antigs, suffocacfjes, catharros,
bronchicos, etc., e em geral contra todos
os soffrimentos das vias respiratorias, e
na pbtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulsoes in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
Ca. Rua Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
DENTISTA i PAIIS
" 19Ena Nova19
FUED12RICO (-I1TIEK
:irurgo-dentisla, muito conhecido ha dez annos 'esta cidade, pela perfeicSo dos ser
trababos, tem a lionra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
Ihoraraeotos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
icharao os commodos precisos para familia.
Acba-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho o discipofo
jr. fiFJtor\
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou com
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenbo para tudo o que for relativo a profiss5o ; por isso o
annunciante pede aos seus, amigos e clientes que por acaso o no encontrarem no sea
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a presso do ar c com molas de ouro, platina
vulcanite e um inteiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Churabagens (obturarles) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos dentrilicios fabricados pelo proprio annunciante, o que Ihe permute afian-
zar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeico de trabalho e prepos moderados.
Viagens para fra mediante ajusto previo.
0 gabinete acba-se aberto das 8 horas da manh5a at as 4 da tarde de todos di
lias uteis.
CD
I
SOFFRISflENTOSD'ESTOWIAGO, CONSTIPACAO
Cura cui poucos das pelo CARVO de belloo em po ou cm pastilhas.
__ 9mmmUt
EMtAQUECAS; NEVRALGIAS. Essm atiec6es s0 d1&-
sipanlt rpidamente pelas PEROLAS D'ETNER di D' UUT1I.
ANEItlIA, A PALLIDEZ e os fli-imentosque necenitimdo
emprego dos ferruginosos sao sempre combatidos com o melhor nsuluMo
pelas PiLUiAS OE VALLET. Cada Pilula ton incravado o nonie TUL-.I.
PO DE ROG. Bast dissolver um frasco d'estepem meio
garrafa d'agua para se obtfr umi limonada igradavel ^ue purj sem ti-
la clicas.
ViNHO DE QUINIUM de Ijibarrtquc. tsttvi*o, nra dos
poucos cuja composiclo garantida constaste, urna das aflhores pre-
parai.oos de quinino, seis accJo notavel sobre os convalescentes, dando-
ltws torcas e apressand volta a saude. Cura as febles antigs que re-
stSo ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estai moles-
I^^^^HHHf685' l<"nbap( canos, e todas-as dore} neiTosas em
geral to curadas pelas perol as de esftiTCU oe TKEHklEimti* do
Dr. Clcrtan. 0 proftssor Trousscau em seo Troludo de Herapemica acon-
selba aa-para serem tomada* na occasii do jantar, na doce de 4 12.
OLEO DE HlADO DE BACALHAO OE SRTH.-
Garantido pui-o e de primen a cruaillade, TJm ttes'piucos aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos
este* medicamentos firam aprovados pela Academia
imperial de medicina de Pars.
Rio-Janeire
Babia..
Em Paria,
Di
DEPOSITO
t. I-REBE,
HiniAxa 1
lt, ra J,
Pcrnmnbvco.
ca-
Elle um preventivo seguro e certo contra
a 'calvice,
Elle d e restaura for^a e sanidade a pelle
da cabega,
Elle de proinpto fazcessara queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'ran estado" formoso, liso e macio,
Ele faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva- a pelle e o casco da cabera
limpo e Uvre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de .se tornaren)
brancos,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fso.i
cura refrigerante e agrada ve I,
Elle nao demaziadamente oleoso, gordu-
renlo ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle o melbor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservaco e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas)'dos senho-
res,
Nenhum toucador de senbora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformdsea
Acha-se a venda nos estabelecimentosde
A. Caors, I. da C. Bravo C. P. Maurer
& C, M. Barbosa-, Bartholomeu A C, c era
todas as principaes tojas de perfiniarias
e boticas,
Atteii?\o
Dcsappareccu no domingo 1. do corrente da
passagem da Magdalena urna cachorro galgo,
branco com urnas manchas cinzentas e tendo no
olho esquerdo nma belide, quem o achar e queira
restituir ao seu dono, dirija-fe a loja do arco da
Conceicao n. 4 on na enlrada do Hospital Portu-
guez que ser generosamente gratificado. Recife,
i de agosto de 1869.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
fante e bem fornecido hotel que situado n'uma posicao inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros da urde, torna-se preferivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais neceasarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distraco da alma, o socego de espirito.
No Hijrimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, um excellente bilbar de mogno, para divertimento. Sala
de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento, promptidao e commodidade, so
aos Ilustres concorrenles dado fazer justica.
Fornece comidas para fra, tanto por mez como avulsa. Todos os dias, noitc,
incontrar-se excellente sorvete, refrescos, cal, cb, bons vinhos Figueira, Porto, Bor-
leaux, tendo bons commodos para hospedagera, salao o quarto mobiliado no segn
do andar.
iban et C\
Ceare caaa t O.
A
Os itwitxo assignados sientiliMWi a resue-
tavel corpo comnlercial derta pnr^a, que watt
data dissolverarn amigavelmentc a'soeiedade que
tinham sob a raiao de Vasconcellos & Hstta, reti-
rando-seo speio Malla pago de seu capital, e livre
de quaiijaer nvponsabiHdade da etHincla Orina ;
cuja liqnMaci-nea asTROdo sorfo'fasaoiimHos,
a-uenj excliisivsmente flea pertencendo a pro-
prfedaie efestabcfemento dehmiodoSabuaria
e Serrara do RecifeMto as ras do Briwn eGa-
rarapes, e armazem de madeira roa do Caes 22
de Noveiubro desta cidade. Recife 31 de julho d
Antotairf JoSqairn fe V.*coneflos.
Manoel Victor de Jess da Matta.
Sociedade Recreativa
Juventude.
Pur ordem da presidencia convMos os Srs. so-
cios a reunirem-se em assembla geral no dia 8
do crreme as 10 da inanhaa, no saino do editl-
eioda mesma sociedade, afim de ouvirem a leitu-
ra do relatorio e proceder-se a elsifio a nova
direcrao.
Secretaria da sociedade Recreativa Juveniude, 4
de agosto de 18C9.
Jos Bento.1 secretario.
Ouro e puta
Comprani-se moedas de ouro e \ rala de todas
as qualidades, por bom preco : na na 4a Cadeia
do Recife n. 38, loja do azulejo.
O Sr Jos Antonio dos Santos, que trouxe
urna encommenda do Rio de Janeiro para entregar
a Joaquim Lopes Machado, tenha a bondade de
manda-la entregar rua da Cruz n. 50, ou Direita
n. 8i, visto nao se saber a sua morada para ser
procralo.
tsperteza.
Pergunla-se a certo negociante de ferros da rua
qne nao torta, se lieito comprar as mercado;
ras e ter a firma da casa nome de outro, para sa-
car letras os freguezes e pasear recibo-: em sen
nome. Responda-me se pode.
____________Oboteeiro dos carros fnebres.
Ainda:nao vtoram, no entretanto o negocio
de inleresse, o precisa-se fallar rua do Crespo
n. 17 com os Srs. Paulino Ferreira da SHva, ex-
procaradur da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.
AkUB-se
a casa terrea, sita na itB da Concordia, n. 107.
com commodos para familia: a tratar na rua de
Apollo a. 51, armaiMU.
JABOATAO
Oonfritria do Bantissimo Sa-
cramento.
O abao-assgna lo, e9Ct*vi5o da conl'ra-
ria do SS. Sacramento e Santo Amaro, erec-
to na fregneria de Jaboato, eom-autorisa-
cao de S. Exc Bvm. oSr. bispo diocesa-
no, con\ida a todos os-irmos siojiatarios da
acta de instaltecao, 'e a qnantos tenntfm
sldd convidad pela commisso direWorfa,
a reunirem-se bo-domingo prximo, % do
corrente, no consistorio da igreja matriz,
depois da missa conventual, para ouvirem
ter e votar o cotrtpromiaso apresentado pela
respectiva commisso.
Jrooatao, -5 do agosto d4668.
Jto Francisco do Reg Borros.
FLOR DA BOA-VISTA i
MI JA. h-3
HE M
^PALOFERNANDESBEMELLOGIMARiES!
-*fj SOB A DIBECCAO DO MUITO HBIL ARTISTA

ALFAIATE PEDRO
Precisa-se de um caixeiro (tara taberna : na
nu da Cadaia-aova a. 7.
Nesta oflicina encontrarlo os respeitaveis freguezes um dos primeiros artistas
em alfaiate para bem poder salisfazer toda e qualquer obra, tanto no bom corte, como
no aperfeicoamento das mesmas.
f orna-se desnecessario recommendar este artista, pois que a sua tbesoura j <
bem conhecida, (e com grande especialidade em fardas) por muitas pessoas distinctas
desta cidade
Achar-se-bo figulinos de todos os mezes, pelo que o artista executa debaixo de
todos.os preeeitos darte qualquer urna obra em face dos mesmos.
O mesmo estabelecimento se acha munido de um completo sortimento de h-
zendas, como sejam: easemiras de cor, ditas pretas, pannos pretos, ditos azues, brins
de edr, di^s brancos, seda para collates, merinos, etc. e mais fazendas proprlas \
oflicina.
O grande sortimento de roupas feitas que tem vende por menos 20 0/0 d
que em outra qualquer parte.
RUA DA IMPERATRIZ N. 48,
junto padaria franceza.
miara dos ananazeT
16 RUA DA CRUZ 16
Ha diariamente srtimen*o de bollinhos para cha, fiambre, pastis de dftMn-
les qnaliiades, violtos de superior qualidade, he pode neoWrar no mercado, amndoas coni'eitadas, xai-opes refrigerantes, doees do
calda, etc.
Incumbe-se de encommenda$?'#aira jp-andes jantares, bailes, baptisadoe ba-
samentos, a saber:
Pecas de nougal. P5es-de-lot eofeitados.
Ditas dft pio-de-lot. Bollos dem.
Dita de tmara de ovos. Pratos de doce de oves.
DHas de caramilo. Tenis folbadas de erme e carne.
Bandeja com araaco de assucar. Empadas.
aaaVBSSBBa
t-.-iSEIi


Diario dlr Pernwtebiieo Safefeado 7 V
\
I
A ESMERALDA
-4w
Industria
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sen estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
JUULDO CABIT.A N. 5
ALGODAO
LOJA DAS MACHINAS
BASTO
O abaixo assignado pr
beiaciaaatw ai anrar-se par
Li#a*lratai diminuir o
curso de suas operaba, expondo a venda o engc-
nho Mcrlucu (funccionando actualmente com 50
a 60 escravos) datante legua e meia de Bel en l com
a qaal correspondo por ierra e por agua.
A fabricado do acucar ahi se fax pelo novo
i systema do vaccuo e do vapor.
A agurdente por dous alambique, sendo um
do antigo systema e outro do coitinuo
O material Intciramenle novo d'este'cUlicloci-
mento, sahido da casa bem coflhecida_le Henrv
Uaiton & C. de Londres, e do pnmeffa ordem
sua fnstallacio frita com tuda a forca e perfoicAo
que se pode desojar. '
O material o os apparelhos coinpdeavse do se-
guinle:
De uioa caldeira de covallos de forja, com
z fornallias interiores, dando consecutivamente
vapor de 4 a 5 atbemospheras de precc&o : esta
caldeira est munida de iodos sena aparellios de
seguranca, indicadores e assecorios.
D urna machina a vapor oriental de alta prec-
edo, d> forja de li eavallo.% dando a sua tran.s-
imssao a um jopo de moendas da maior forca co-
nhecida nos cstabeleeiniento* (tata provincia.
De dois ili'ssccadores a dobre fundo em com-
munieaciio com os fcltros, systema Taylord.
De urna caldeira a cocer no vacuo com lodos
ns seus aparelhos, e corrcspondomlo com a bomba
do ar, mandada pela dila machina de vapor.
De 4 bombas para o movimeuto das diversas
operaces, commimicando com diversos depo.-itos
d'agua fria, agua quento,mel para acucar, niel de
torbina c espumas etc.
Do urna torbina a vapor gorrespondeijuo com
girador da inacbina.
De uns turbina ingleza, de um diamelro maior
movida por baixo pela transmissao-mandada pela
machina a vapor.
Estas obras furau montadas e instaladas pelo
primeiro anisla sciciififico e pratico conhecido
j u esta provincia, que tem funecioaado com todos
estes apar.lbos; dando productos de um qualida-
de superior a lodos que tem aparecido at boje
| n'esta provincia.
Este estabelecimento pode fabricar regularmen-
te, de 400 a 300 arrobas de assucar, e 2 pipas de
casaca diariamente.
l'ertence a este cngenlio um lago, cujas aguas
servem para moer actualmente urna pequea ser-
rara de madeira.
A casa de moradia espacia e de boa construc-
co : em fim, ueste lugar elia-sc urna bonita
campia cercada Je matas virgens onde se en-
contram com ioA abundoneia madeiras tanto
para centruccoes naves c^mo terrestre?.
Para. 39dejunho(!c 18(59.
Jos Antonio Ama 3.1
Preais-c de ama ama (ra cozinhar e crfmprai
PWMast te imum familia : na iiua lis Cru*e>
n. m, andar ; prefera-se escrava e paea-se
AMA
Precisa-se na ra da Palma n. 50, de urna ama
para enearregar-se do servico de urna casa, com-
prar, conhar, engomiuar e tratar de urna se-
nhora e urna menina.
PERDEU-SE
***000 legraUflcacao.
I ni eordao de ouro para peseoco, ao sabir da
Cruz de Almas |tela estrada de Joao de Barros at
o eemiteno brasileiro* quom o achar pdc diri-
gir-so a ra do Corainercio n. 8, que recober' a
gratificarlo cima.
Compra se chnmbo velho : no armazem da bola
amarella, no oilao da secretaria de polica.
Lompia-se urna wcray que saiba cozinlur
e engommare tenba pratin* de aervico de ra : a
tratar na ra da Concordia n. 115.
A lOU
Compram-se duas carteiras proprias para
esenptono : na ra do Queimado n. 13, primeiro
andar.
ALGUEL
XO Coracao de Ouro se diz quem precisa de urna
escrava que sirva para comprar, cozinhar e un-
goinmar para casa dn familia.
..i
VENDAS.
CIMENTO
Vende-se verdadeiro cimento ; na ra da
Madre de-Deos n. 22, armazem de Jo5o
Martins de Barros.
Vinho Sherry
mclhor que lia no mercado ; no armazem de 1.
O. C. Do\b;. ra do Commereio n. 48.
Criado.
Precisa-se alugar um criado livre ou escravo
para compras o aarvico interno de urna casa de
'!! i?'"""tle l0 u ,2 annos : a tratar na rua
Relia n. ti.
Iemprestiivio" SOBREl
Precisase de um feitor portuguez para o cn-
genbo Matto-Grojso, comarca do Rio-Eormoso : a
tratar com Leal & Innao, rua da Cadeia n. 56.
O Dr. Ermiro Coutinho'" reside
i ma da Cadeia h. 6i, onde tem
aberto o seu consultorio medico, e
pode ser procurado a quaiquer ho-
ra para o exercicio de sua profis-
sio.
I.
Vende-se bieu barato : no armazem da bola
amarella, no oitao da secretaria de polica.
Potassa da Russiar
muito superior, ebegada ltimamente pela escuna
alenla Cutharint: vndese no armazem de as-
sucar de Jos da Silva Loyo, Filho & C, no Forte
do Mallos.
Vende-se a taberna do Poco da Panclla. de-
fronte da matriz, bem afreguezada, e est bem
sortida : ti ala-so na niesnia, ou em Santo Amaro,
na taberna junto da fuodicao n. 31. Garanle-sc o
arrendamento.
"[Precisa se alugar urna escrava para cozi-
nhar : a tratar na rua da Cadeia do Recife, sobra-
do n. 3i, 2 anlar.
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodSo, do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
- godao do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodao.
MACHINAS da facao .lo fabricante Platt B. & C, Obdlian PatentLiverpool.
Todas estas macliinas sito de superior qualidade e as melhores que tem
vindo ao mercado ; e para a .ua apreciaco convidam-se os senhores agricultores "
virem a expusicao das mesmas na rua da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontraro mais o seguiute :
Debulhadores para milito.
Cylindros para padatias.
Arados americanos.
Carrinhos de mo.
Machinas para cortar japini.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas 'de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e lato.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Fiandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de verguiuha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
diversidade seria enfadonho ennamera-los.
Folha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas linas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinagoes.
Azeitc de espermacete, proprio P^a machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertcnees para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
M&
CARVO DE BELLOC
PARS
Approvado e recomraendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura ua gastralgia e em geral de todas s doencas nervosas do estomago e dos inlestinos
b. eguaimente o remedio por eiceUencia contra a relencio de ventre Finamente era
razao de suas propnedades absorventes, recommendado oomo Verdadeiro renado nos
cazos de diarrhea e cholenna. O .* *. Mfc tcna-se na occasiao das comidas
sob a forma de pos ou de pastillas.
Depotito em Rio-Jabeiro, DupoucluUe; Ckevolot. Km Pnaancco, Manrer i C*.
(SEM LIMITE.)
Na travessa da rua
das tees n. 2, pri-
meiro andar, da-se qnai-
qiiT quantia sobre ouro.
prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condices de ga-
rantir a transacc3o que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideracao s pessoas que se
dignarem de honra-Io em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
PILULAS
ANTI BOBATICAS
Cura radicalmente as koubas.
nico deposito.Pharmacia de Joaquim
de Almida Pinto, rua larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao quartel de polica.
\AROPE
DE
VILVV FARR1LHA DO PAK
ou
Depurativo do sangue
Usado as motoslias de pello, impigens,
dures rheumaticas e ulceras venreas,
UMCO DEPOSITO
Una larga do Rosarlo n. O.
Jt NTO VO QUARTEI. DF. POLICA
Peruambuco.
TeitolT"
Precisa se de nma pessoa uara feitorisar ara en-
genho, e queentenda iwm do servido de campo,
prelcrindo-se i|ucj*eja solleiro : a tratar no Alio
gado, primeiro sobrado ao p da ponte.
Precisa-s de duas amas je saibam eozi-
nhar o engommar, prefere-se escravas : ua rua
das Cruzcs n. -21, 2 andar.
Quem quizer vender a prazoe somentecom
a garanta de lellras assignadas; engenhos,
casas, sitios na praia, navios, chcaras, f;i-
zendas no serto, joias de todas as qualida-
des, metaos preciosos, movis de todos os
gostos, f.izendas em grosso, loucas assorti-
das, cscravos, bois, cavallos, burros, car-
neiros, porcos, cabras, gallinhas, homens
livres por escravos, etc. etc., drija-se ao
termo de Serinhaem ;i entender-se com o
capitalista Pragas Caval anti que nao deixa-
i de comprar por mais alto que seja o
preco.
As lettras d'esse senhor sao descontaveis
em quaiquer parte do mundo, e para maior
conhecimento indicaremos as pragas e lu-
gares que mais promptamente faro o devi-
do descont : thesouro nacional, banco do
Brasil, praca do Bio de Janeiro, do Becife,
da Bahia, do Cear.'em todas as pracas da
Europa, e especialmente na de Londres,
Paais, Francfort, Hamburgo, S. Petesburgo,
Bruxellas, Ma rd, Turin, Lisboa, Porto,
New-York, e com mais presteza anda na
imperial cidade de j>laia, onde este senhor
muito conhecido.
Caixeiro
Precisa-sede um caixeiro de 18 a 14 annos, que
tenba boa conducta : na travessa do Queimado n.
5, loja de charutos.
Dcvofo de IV. *. da Kaude em
H. Fraaeiseo
O abaixo assignado. tendo lido um aununcio no
Diario de Pevnambuco em que so aclia assignado
o Rvm. Sr. Fr. Joao Baptista do Espirito Santo, o
qnal faz meneo de tiramentode esmola em seu no-
me, pede o abaixo assignado ao mesmo Uvm. senhor,
qae declare por este Diario si; tambem emnde-
se com a devoyo cima dita.
Alexandrino Pinto Chaves.
Desde domingo, t do crtente agobio, est
fgido o escravo Alexandre. crioulo, estatura bai-
xa, representa 30 armos, pouco mais ou menos,
tem urna bclkle em um olbo, e (piando falta mais
aprensado gagueja, foi visto ganhando na ma e i
lifrltrn ir.il niiri ftini-ln haiiIrh i n ...^ .1* ^-^ J _
provavel que anda continu^ ou tal ves vadiaudo
nos soburbios desta cidade, nos lugares Ponte de
Uehoa, Poco ou Passagera : quem o pegar leve-o
rua de Apollo, quosegratilicar.
0 MUSEO DE JOIAi
GOMES DE MAnOS IRMUOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propor ao publico em gerl e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoafanente
das 6 horas da manha s 9 da noute ser
RA DO CABUGA N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,!
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e ludo que em obras'
de ouro, tprata e platina se pode desejar. ;'
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RtiBtftS
de novos gostos, asshn como grande variedade de sakas e puliteiros de
prata contrastada e de gosto anda mo visto, e completo sortimento de
objectos de prata pdra uso das igrejas,
Gompram e trocam quaiquer joia ou pedra pfeciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
c y^
CARAUNA
Voou do terceiro andar da rua do Livramento
n. (, no dia G do corren te, d; s .'! para i horas da
larde, umacarauoa (passaro) tendo todas aspernas
pretas: quem a tiver pegado, querendo ter a bon-
dade de entrega-la, pode leva-la ao referido ter-
ceiro andar, ou loja n. i da rua do Livramento,
que ser recompensado.
Cozinhelro
Precisa-se de nm corinfleiro (ou mesmo ajudan-
te) queja tenha pratica de casa de pasto : n> lar-
go da Kibeira n. .
Precisa-se de una ama que saiba bem cozi-
nhar : no pateo da Qibeiran. 13.
l'ara o armazem do Campos, na rua du
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acha so constantemente um variado sorti-
mento de gneros finos para meza e
cosinha e entre estes oomea-se aper/as as
especialidades seguintes:
Queijos do sertao sendo de manteiga e
coalha.
Camaroes seceos do Maranho.
0 verdadeiro caf de Moka,
0 superior e bem conhecido peixe miraguaia
que se vende a 160 a libra e 40500 a
arroba.
TABELLAS
de reduccSo as mais facis e mais com-
prehensiva, tudo no
Armazem do Campos
LMO
Grande
loja de fazendas c roupas fritas
<1 rua da Imperariz n. 52,
porta larga,
DE
PAREDES POKTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
precos commodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
encarrega-se quaiquer obra por medida e
preco muito commodo.
ROUPAS FEITAS
na loja da rua da Imperatriz n. 52, porta
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas feitas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
palitots de alpaca preta e de cores a 3,
3jS5. 0 e 4^; ditos de panno preto sacos a
6-5, 15 e 8S ; ditos de panno superior a
120, 140 e 160; ditos sabrecasacados de
dito dito a 180, 200 e 230; ditos de case-
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar para una pessoa : na rua das Trincbeiras
mJV____________________________
Precisase de um moco trabalhador para a
fabrica de ceneja-da rua da Florentina n. 20.
Aluga-se um sitio com boa casa de vivenda,
com commodos jjaia grande familia, na Passagem
da Magdalena, em frente ao sitio dos Srs. Bailar &
Oliveira : a tratar com Domingos Alves Matheus,
;i rua do Vigario n. 21.
COMPRAS.
0 muzeo cte joias
Na rua do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
i pedras praniem por preces mais vantajosos do
que em outra-nualqu'T parte.
mira de cor a 50, 0 e 100; calcas, rolletes
e palitots de casemira muito fina de cor a
20 e 250;. calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 20 a 60; ditas de
casemira preta e de cores de 40 at 120;
colletes de todas as qualidades; ceroulas de
bramante a 10500,20000 e 20500; camisas
francezas de linho e de algodao de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra quaiquer parte ; colarinhos, gravatas;
bonito sortimeuto de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 60 a duzia;
pechincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento : todos os freguezes se
podero prover dos ps at a cabega por
preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madapolo
fino a 70,80 e 100 a peca. Algodao (pe-
chincha) a 50500 a peca e mitras qualida-
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 30500 a
80 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a peta com 28 metros
a 280000. Esgui5o o mais fino possivel a
20500 e 30 a vara, e outras militas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
Loja de miudezas do Ferreira da CunliaA
Temporal, rua do Queimado n. 63, est
quintando por todo preco :
Jogo.le vfcpara a 400 e 500 rs.
Redes para coijues a 240, 400 e 500 rs.
Lmlia da 200 jwdas (dozia) 10200.
Caixa muito fina para pode arroz 10500.
Ilelogio ile sol 4" 120
Latas com banda 100, 200 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 10300.
Agua divina idem 10400.
Grbalas pretas para homem 4 0 rs.
Pentes de travessa para menina 320 rs.
Olio pliilocome veicwtaeiro I-V200.
.Yderocos de plaqu ;i t-V><>0, -_> e 50.
Muas croas para borneo) 3"> ,00 e 40 a
duzia.
Hotoes enfeilados para vestido, 16200 a
duzia.
Loques do santol 51 cada um.
ittos de madeira 30 cada um.
Coques de tranca, loa f.izenda, 20,
20500 e U cada um.
Meias linas para senliora 'i a doxia.
Banha em frascos a OO,640e I 200.
Frascos-eom extracto muito lino 20 e
20500.
Caivetes de duas blba a 2'i0 rs.
Saboneles linos 80, 160, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza ;i 400, 500. 600 e 800 rs.
Agua de colonia ;'i 'iOO, 500 e 800 rs.
Carlas france/.as 200 a 2iO ts.
Caixa com extiaclo 20500.
Carlas portuguezas a 120 e 200 rs.
Penlos brancos com cosa de metal i
320 rs.
Dittos pretos 200. 240 e 320 rs.
Galo de la para vestido (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradasj 10500,
20 e 20500.
Caixa com obreias do mago 40 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Di lio e dourado a 10.
Di tas com envelopes a 500 rs.
Caixa com agulhas francezas i 160 e
240 rs.
La para bordar de todas as cores libro)
60800.
Bonets para menino 10, 20 e 20500,
Linha^u marca (caixa) 'io rs.
M-iaa5ara menina (duzia) 30 c 30500.
Pecas de tranca liza e de corocol a 40 rs.
Sapatos de la para menino a 320 e 800,
Capellas francezas a 26500.
Facas e galfos, cabo de balanco (du-
zia) 70.
Chicotes para cavallo (00, 800 e 10800.
Bengalla de canna 10, 16500 e 20.
Vortas para luto 500 rs. (cada urna).
Papel almaco. greve (resma) 10500.
Temporal .pode ser procu-
rado em seu estabelecimento bo-
nanza, Temporal contina a
vender na Bonanca, pelo mesmo
prego que venda em sua loja
com titulo de Temporal.
MJTillfi
Na pratja da Independencia n. 33, loja do ou-
uves, compra-se ouro, prata, e pedras preciosas,e
tambem se fax quaiquer obra de ene omnenla, e,
todo e quaiquer concert.
GNimVNE
ompram-se e vendora se diariamente para tra
e dentro da provincia escravos da todas as tdadea,
cores a sexos, com tanto que sejam sadios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, rua das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se
larinha de mandioca da trra
ineroioii, 17.
ua rna do'Gom-
Sellas de IS e 2S
Compra-se-na casa de Theodoro Simn
c C, largo do Pelourinho.
MPM-SE
moedas de uro e prata de todos os valo-
res, oaro errata em obras inutibsadas, e
brilhantes e raats pedra preciosas: na to-
ja e>ogrivw-do arco da Coficei^o do'Re-
cife.
Potassa da Hussa
a mais nova no mercado, a preco razoavel : na
rua do Commereio n. 13, armazem- de Manoel Tei-
xeira Basto.
Ycndein-si!dous moleimes, nm de 7 a 8 ai-
llo*, o outro de 10 a 11 anuos
mado n. 2.
na rua do Onei
COLA
Vende-se superior cola da Babia : no escriplorio
do AMonio Laiz de Oliveira Azevedo k C., roa da
Cruz n. *7.
PiVeutte-ee ia sua Nova n. 32 urna grande car-
teira de ama face para escriptorio, a qnal nova
e bem acabada, e por preco commojlo.
Yemle-sc. urna mulera do 15 annos, bonita
peca, ama mulata de 30 eom'habilidades : na rua
do Fogop, 9.
Vende-se tima escrava brioala ie 18 asnos
do Kfctdo, sabe cozinhar, engommar e coser : na
rn& do Vigario n. 5.
Carro
Veade-^e urna victoria con arrekts pora dous
wrauos : na rua do Imperador n. 19.
iVorie-M-Ama armaM4e taberna, tea fiara
quaiquer aagocio : na ruada Matriz da Boa-Vista
n. oz.
Rua do Queimado n, 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est qneirnando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caixas de linlias do gaz com
50novellos a 500
Latas com superior banlia a
120, 200 e..... iOO
Frascos de oleo babosa muito
fino a....... 400
i-Ouzias de meias (inglezas )
muito boas a 4000
GarraCas com .agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua'divina dame-
Ihor qualidade ....
Caixas com l frascos de cheiros
proprio para mimos 2;>500
Dita com|t frascos muito finos 800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... 500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... 240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... 600
Pe^as de babadinho com 10
varas ...... 500
Pecas de fita de cs quaiquer
largura ..... 500
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para denles fazenda
muito fina ...'.. 40
Pulceiras de contas de cores
para meninos .... 00
6aixas de linha branca do gaz
com SO novellos 800
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
fino ...... 4000
Pares de botes para punhos
muito bonito 120
Libras de 15a para bordados de
de todas 18 cores 8000
Pentes com costas de metal
muilo finos 320
Novellos de linha muito grande
para croxs 326
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de bet5es raadreperola
muito uno ..... 500
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 320
Pecas de fila 4e Ka todas as
cores :. 500
Espelhos dourados para,,parede
*" i0OOO,..... IJ500
Espelhos ^e jacano oito
ft) ...... 2000
Peas de trancas brancas e de
cores de/caracol i OW
Parea.de neias crua^paca Me-
ninos ...... 320
Caniveiemtofirjo com -4 V
lha8 i500
Fra6cos do sndalo e.patecbolv
muito finos '. l200
uejjoe.
:;
Veadam-se .aaes .fiaMi a x000 o mj-
iramma, em porcao se far abatimento : na 1
WreiUD. 16, ViatW^rtrflee.



DUri!de P*kambuco Sabanlo 1 e &&&v\dQ, 186$.
GRANE LIQU1UAC0
IVA i-oji
DA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz.-
72.
Alerta freguezes
que Arara vai cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
O proprietario deste estahelecimento, toado grande porco de fazendas
tfir, vai proceder urna liquidaco em todas as fazendas e roupas (eitas existentes
stabeiec'tmento, agora que 6 oceasio de quem tem pouco dinheiro poder se vestir de
oa fazenda e baratissima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLAO BARATO "A 3,f300. i BRAMANTE PARA LENOfeS A 2ijl.
Vende-se pecas de madapolao enfestado | Vende-se bramante com 10 palmos de
em
no
e 12 jardas 3#500, dito de 24 jardas ou
23 metros U, M, 05300, 70500, 8000 c
95000.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas para vest-(
dos a 280, 320 rs. o covado, ditas escuras
maito finas a 3C0 rs. o covadu.
Challa mullo Uno :'i SOO rs.
Vende-se chalin para vestidos ie senhora
* 800 rs. o covado.
PERCALES A 4*0 RS.O COVADO.
Vende-se percales muito finos para ves-
tidos do senhora a 4i0 rs. o covado.
Brilhantinas J40 rs.
Vende-se briihantinas ou mursulinas de
eores para vestidos de seahoras 440 rs. o
covado, laazinhas muito finas para vestidos
de senhora 400 rs. e ?!00 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
WSCADO FRANCEZ A 3G0 RS. 0 COVADO
Vende-se riscado francez para vestido
de senhora 360 rs. o covado.
Laslnhas a 840 rs. o corado.
Vendem se ISasinhas para vestido de se-
hora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 20 e 3
18. o covado.
Chales le merino
Vende-se chales de merino estampados
i2^ e.25300*cada um, para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS A 25400
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora, 25400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestais
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
las de listras 700 c 760 rs. o covado.
Chitas prusslanas 36.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
i 320 rs. o covado.
Baldes de SO a SO reos
16500.
Vende-se balees de 20 a 30 arcos
15500 cada um, bales modernos brancos
ede cores 50.
largura para lences, a 25, a vara.
PECAS DE ALGOOaOA 45-
Vondem-se pecas de algodo muito en-
corpado 45, 55, 65800 o 7 \
Colerinhos econmicos a 8SO *
duzia.
Vende-se colerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande' porfao.
CASEMIRAS DE CORES
Vende-se cazemiras do cores para calsa
e p.ilitt 20 2.500 e 35 o covado,
Algodo enfestado 1.*.
Vende-se algodo enfeslado proprio para
lences c toalhas, a 15, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
horneo e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a mtac3o de ganga a 360
o covado.
Algodo de listras a SOO rs.
o. covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de [ brim castor para
calca de hornera, ;1640 800 rs. cada um.
CARTEIUA PARA VIAGEM A 1.
Vende-se carburas para viagem 15
cada urna, cobertores de algodo 1(5500
cada um.
Cobertas de chita i&MOO
Vende se cobertas de chitas de cores
15800 o 25,cada urna.
ALGODO TRANCADO DE BOAS LARGURAS A
13200.
Vende-se algodo transado do duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
Mantas para gravata SOO rs.
Vende-se mantas para gravata a 200 rs,
cada urna, lencos do seda de llores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO* 25500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 25500 a vara, toalhas escuras
10, cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
H4 45 RUA DA CADEIA HT. 45
DE
IIIS, FALCAO & t
SOB A DIRECCO DO MUITO HABILARTISTA
Lauriano, alfaiate.
Os propritarios deste novo estahelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direcelo de sua officina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jo3 de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estahelecimento um bom swtimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira.di cor, indos padres, completo sorthnento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sorthnento de.brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorgoro para rollete,
gorguro Pekin, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo anda um variado sortimento de roppa feita, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretal e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
hales de diversas cores e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros ramios ar-
tigos que a modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
_
CONVITE GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
Tatriz n. 56. declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidaco que An-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
16000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lences a l^OOft, dito liso enfestado a 900
metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
lado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a 55, 65, 76, 85, 95 e 106, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5oO rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 16-
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 16 o covado.
PORQO DE RETALHOS.
Vende-se urna porco de retalhos de cas-
sas, do la e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' elles antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 16. ^B*
Vende-se chales de cassa a 16, e de me-
rino a 26.
CORTES DE LA A 26460 RS.
Vendem-se cortes de lia de listra para
vestidos de senhora a 26400 rs. para ac-
bar.
ALGOBO A PECA 46000.
Vende-se peen de algodo a 46, 56, 66
5 a peca. E muitas outras cousas que
enfadonbo mencionar.
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 30 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 26500.
Vende-se caserairas de cores a 25500 e
36000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 36000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 36000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a 3 SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales tinas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 25.
. Vende-se lencos brancos a 26 a duzia.
Golliuhas e manguitos para senhora a
500 rs-,
Ditas de linbo.flno a 15000, para aca-
bar.
GRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS AS QUAUDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa: por
isso os pretendentes poderovir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
3C3il3r
BALES DE ARCOS A 16500.
Venden-se bales de 20 e 30 arcos a
16500 cada um, ditos-modernos a 46.
BRIM HAMBURGO A 860O0 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 86, vem a ser mais barato do que
algodaosinho.
CORTINADOS A 146000,
Vende-se cortinados para cama a 146
para liquidar. Ditos para janellas a 76.
estas fazendas se vendem muito
Iba roa da Imperatriz n. 56.
Ra do Queimado ns. 49 e 57
lojas de miudczaz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimentospor isso queram apre-
ciar o que 6 bom e barah'ssimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
15300,25, 35 e..... 45900
Caixas de linda com 50 novellos 500
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......26000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......16500
Duzias do meias cruas para ho-
mem a........35800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a 5200
Livros de misses abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a25400e.....'580C
Silabario portuguez com estam-
pas a .. ..... 6320
Gravatas de crese pretas muito
finas a........ 6500
Cartes com eolebetes de lato
fazenda fina a...... 5020
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a. .... 6500
Caixas com penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e 16000
Cartes de linda Alexandre que
tem 200 jardas a 6100
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a...... 6100
Caixas com superiores obreias
de massa a...... 5O40
Duzias de agalhas para machina 25000
Libras de pregos francezes di-
verso tamaito a. 6240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 6120
Talheres para meninos muito
finos a.......'. '240
Caixas com papel amizade muito
fino a <...... 6700
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a. '....... 6600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... 5320
Thezourae muito finas para
unhas e costuras a. 6500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 6320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a...... 6160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 26500
Grozas de botes de louca muito
finos a........ 160
Machinas vaporde
forca de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 eavallos.
Arados americanos.
Machinas de faci e serrotes para desea-
rogar algodSo.
Bataneas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
ficld.
Prencas para copiar cartas.
Fogo americano patente.
m ^
a
Cal nova de Lisboa
Vende Joaqnim Jos Ramos, ra da Cruz n.
8, Io andar.
Aproveitar em quan-
to duram.
Balites de musselina com pequeo toque de mo-
fo a 3 e a 3J500, fazenda superior.
Espartilhos"a 5*300 e 3#, cousa nunca vista, s
no triumpho t Outras muitas fazendas que se tor-
ram por todo o preco, ra do Queimado n. 7
Scbmete de alcatrdo.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que Ufo boa
acceitaejo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas a
molestias de pelle.
Deposito orneo,
Pharmacia de Barthoiomeo & C,
34roa larga do Rosario34.
IjOJA
DO
GALLO VIGILANTE
llua do Crespo n. 9
Os propritarios Ueste bem cunhecido estabele-
cimento, alm dos muilos objectos que tinham ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daram vir e acaoam de receber pete ultimo vapor
Ja Europa um completo e variado sortimento de
finas e mni delicadas especialidades, as gases es-
to resolvaos a vender, con de s*u costume,
por precos muito baratinfcos e coimnodos para to-
dos, coi tanto que o Gaklo....M
Muito superiores luvas de penica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas gollmhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para roques.
Lindos e riqnissimos enfeites para eabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores eom vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode ha-ver
de melhor emais bonito.
Superiores e bonitos lefles de ma#eperola,
m.irfim, sndalo e osso, sendo aquelle brancos
com lindos iesenbos, e estes preto.
Muito superiores meias fi de- Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern por JOOOO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20J,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
Unas.
Boas bengalas de superior eanna da India e
castao de marlim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Snanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbieolialios de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senlwra e para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vec tam-
bem assegurames sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina c para croj.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos nielhores e mais conbeeidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuls5es, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
orno j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre eneontrarao destes verda-
deros cellares, e os qnaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se renderao com um mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosebjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Grande e eomBteto sortimento de machinas para
descarocar algodo de nova invenrao chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
Beato de liveira Braga & C, na ra Direita n.
33. Garante-se que a melhor qualidade que at"
o presente tem viudo ao mercado : acham-se en
exposico aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos lo-
gramntos de melhor comprehensao dos que" tem
vndo at o presente, "assim come marco de lafao
at meto grammo peto mesmo systema, balanzas
de latao de for$ de 5 a 26 kilogrammoe, metros
de madeira e de latao para medir fazenda, alm
de grande sortimento de miudezas c ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direita n. 'i, loja de Manoel
Bento deOliveira Braga & C._______________
Extractan, eurnis.
Este proiiete alimentapo para doeotes,jnuf
apropriada para crianzas, e paca as jiessoas saa* ;
indispensarel a todos, porm principalmente aos
viajantes, que terao nelle c recurso de poder
ter alimentaetn de carne frese incorruptrvcl, e
que com facilidade scaprompla e se eonduz, por-
que ii'um pequeo volme carrega-sealimcntacao
para mnito lempo. Sobretudo chama-se a alin-
elo dos- Srs. de jengenho que eneontrarao no EX-
TKACTUM CAHNS o recurso de aMmentacao agra-
davel, trygienica ebarata para seus fmulos e seus
doentes.
Elsle producto- fabricado peU proce9so do dis-
tincto meWco Dr. Ubatuba, no Kio-fifande do Sul,
que acaba de crear imi deposito nesta cidade em
casa de Jos Victorino dk Rbbim &., ruada
Cada, escriptorio n. 32, Io andar, vendendo-sc :
No deposita- ru db> Cada n. 32.
as pharnncias dos Srs.
Manoel Al ves Barbosa, mesma ruarn. 61.
Jbaquim de Almeida Wnto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Mnrquos Ferrcira, praca da
Boa-vista n. 91.
N. BAs lalas que contem o extrmlo trazem
urna gata para seu uso.
COGNAC.
De superior qualidade da mui aecredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch cognac urna da que mais agurdente de
cognac, fornece para o cohsummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.__________________
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo eflicaz, e preferiver a todos os
conbecidos, j pela certeza de sea- resulta-
do, ej pela fac) applicacao as creancas,
quasi sempre mais atacadas de t3o terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
KA
Pharmacia e drogara.
Di
Barthomeu A C.
34--11 ua Larga do Karlo4
A NOVA ESPERABA
21Ra do Queimado 2)
| Advertencia!
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
o, 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o lem-
po em que tem de ser dado o balanco, t
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suasmer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a fraude quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo t3o opportuno quando i
NOVA ESPEBANCA convida-os peebincha-
rem, pois que para comprar-se caro, n5o
falla aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre priawr em nos remetter objectos de
gosto e perfeicio, e ella (loja da Nova Es-
peranga) quer sempre dividir com seu fre-
guezes o que de bom constantemente reee-
be, e por este lidar continuo (d'ambos). i
Nova Esperance ra do Queimado n. Vi,
alm do grande sortimento que j tirdn,
acaba deTeceber mais o segninte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos d
madre pe rola.
Papel e envelopes borerados e mati-
sados.
Papis proprioe para afeitar bollos
bandeifas.
Brincos pelos com (tomados (ultima
moda-).
Fita largas para cinto.
Modernos galles, franjas e- trancas de
seda e de 13a, para enjertes de vestidos.
Botes- de todas as cores e meWes novoi
para o mesmo fim.
Trancas pretas com-vidrilhos sendo com
pengentes esem elles.
Botes ptetos com vrilhos ce pingen-
tes e sem eRes.
Luvas de pellica, camurca e eseossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de raadrepernla, mar
fim, osso e faa.
Espartilho' simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sort'waento de
miudezas ra do Queimado n. 21, 'na
Nova Esperanca.
Coltares anodinos ellettro-magneU
ce* contra es convutyes das
Boa ra^a.
Vende-se um casal de burros de rafa Andaluz,
excellente para produccao : quem pretender e
quizer ve-Ios, queira dirigir-se coeheira con-
fronte a torro do arsenal de marinha, o para tra-
tar no largo do Corno Santo n. 6,2o andar.
Burras.
Vendem-se duas faceiras e ensinadas burras
para carro : atraiar na ra do Vigaron. 31.
Agulh
as
para machinas de costura deGrover & Baker ;
vendem-se na ra da Cadeia do Heeife n. 51, i'
andar, a 2 a duzia.
Vendem-se seis casinhas mei-agoas de nera
e cal, era chao proprio, na travessa de Joao de
Barros n?. 1,3, 5, 7, 9 e 11 : a tratar na ra do
Cotovello n. 17.
NASSA e- XAROPE
DECODEINADEBERTHI
Prcconisailos por todos os mdicos conlra os I
DEl-XXOS, CAT1IARROS, E TODAS AS|
IRflITAQOES DO PE1TO.
N. B. O Xarope di Coddna que mertco a I
honra, alia bem rara entre o* Medicammio$\
notot, de ser registrado como um dos medica- I
mentos oficiacs do Imperio Francs dispeusa]
qua'.qucr elogio.
AVISO. Por causa da reprehensltrl ful.-i-jj
Gcacio que tem suscitado o fclii resultado do I
Xarope e massa de Bcrlh soniu toreados a I
lenibrar quceslciniedicamentos tao justamente|
coiiceiluados so se
Tendcni em caiiln-
a assignatura em f*_ *j-^ ^V?^-2.
frcule.
G. Ru des colcs, t aa Pharmacia Ctnlrall
de Franca. 7, luie de Jouy, c*i l'as, : eui |
tiidasl'lia:iiia< as priuci|iacs lo Iinn:l.
PILULESSS CAUVIN
ruimutm. >, nr* ftMWaol. Mita, .
EsM arecioM lrQilo vegeui Uo commodo
coma tcradavel o remedio mais nfallirel par des-
truir u cMattoaec^ as BerratgUa, as naU re-
Bde, asinTEmoiMlii a .tKMUian
Elle afleax nts aatrlila, oliarnete emxa-
IMcm, aaikaaaa, asrea, eaMrrkoa, eafUei.
1 aierecimeiUo das MMlaa raavla pode ma-
nir-te aettis palarras meauneleeer ou eaT
vate* a laido.
Bllaa alo aaaai neai najaarda w* eomida aaa
^oMlaaamttetefaM'aBiivaaialjamr
eUitMi refeeoe: e dose pwMM da aotu aa
farahifuMat >s
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
ie medicina de Parit
Um frasco do P 4e Uog, dissorrido
em ama garrafa d'agua, di urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irritacao com acontece com a maior
,parte do* ootros purgantes. t>e 94m ato
Mff, sJo inalteraveis por isso empre-
gam-se fcilmente em viagem.
. ( emBia-Jistiao,0a|taAe't;C k""B* em Paaiuiacco, Jlirf C.
BAZAR UNIVERSAL
ORa Nova8
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por presos commodos como sejam: Um
completo sortimento do machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptaddafha America e approvadas na ul-
tima exposicSo servicos a electos para almo-
C0 e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de sopb, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos 'que se encontrarlo
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
creancas.
Nao-resta a menor duvidayderpe mnito.
cellares se vendem por aht intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porque mnito*
pais de familias nao creem (comprando-o)
no effeiio promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porn
que detesta a falsificado principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade(
fez urna er.commenda directa destes collares;
e garante aos pais de familias, que sao O
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terriver incommodo d
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanza a ra do Queimado
n. 21 comprarem" o salva vida, para seo
filhinhos, antes que estes sejam acommetti*
dos do terrivel mal, quand* entao ser di*
flicil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros coliare*
de Royer._________
^.\.0ERir%^
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello do Vicente Fer-
reira da CosU & Filho, defronte do arco da Con-
ceirao," em barricas grandes.
FASTILHAS ASSICARAIIAS
DO
DR. PATERSON
De hlsinulh c magnezla.
Remedio por excellencia para combate^
a magreza, facilitar a digest3o, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
Alegiai-vosmyopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver deperto.
nao ha mais vistas curtas, neu caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortim* nto de
oculos, lunetas, pince-nez> face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marlim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melebior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencao ; duqueas, vienezas de 6,8 e
12 videos, tudo dos melhores fabricantes da
Europa. ____
PARA t APELLA
DE ENGENHO
ou
ORATORIO PARTIGDR
VENDEM-SE OS SECUINTES ORNAMENTOS:
Um excellente e bem construido altar
dourado e o respectivo estrado.
Qoatro casticaes e quatro palmas doura-
ds para os mesmos.
Urna pedra d'Ara.
Um turibulo e naveta, prateados, tudo de
novo.'
Urc bonito calis de prata.
Dous ornamentos, sendo um delles rica-
mente dourado a ouro ino.
Duas ricas alvas com todos os perten-
ces.
Um missal.
Um banquinha dourada:
Seis bonitos quadros com finas ima-
gens.
Tudo por muito barato preco, a tratar
na loja da roa Nova n. H. ^^^^
capsulas moles
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEMDE-SE
KA
PHARMACIA E DROGARA
DK
Bartholomeu d- C.
34RUA LARGA DO ROSARIO34
Vendo-se a casa terrea da ra do Senlwr
Bom Jess das Crioulas n. 29, com 2 qnartos, 2
salas e cosiuha; a tratar na ra 4o Paysand n
6, (Chora Menino.)
No armazem de David Ferreira Rallar, ra do
Brum n. 92, ha venda os seguimos gneros por
presos razoaveis :
Bolinetes de balanco
proprios para barcaeas e hyates, muito superiores.
violto do Porto
em caixas de duzia de garrafas, e em barris de
dcimo, do Porto, muito lino.
Farinha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lonza
muito proprias para lavagem de louca em co-
linhas.
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposicao e variedade
de outras qualidades, Anos ; encontra-se no hotel
Central de Francisco Garrido, Tua larga do Rosa-
rio n. 37, i* andar, e ra estreita do Rosario n.
4 A. Vendem-se a retalho e em grosao.
PNODASVECIA
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 e Novembron. 30, vende-se
superior madeira de pinho da Suecia, com
3 polegadas de grossura, 9 de largura, e
14 oes de comprimento a 3000 cada urna*
taboas de forro a 80, 9# e 104000 a duzia
pinho americano de re&ina, 200 rs. o pi_
*
S .
r



I
Diario de Pernambuco Sabbado 7 d% Agosto de 1869.

f

C cordeiro previdente
Ra do Qnelmado u. i o.
novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo soYtiraento de perfu-
maras, de que elfectivaraente est provida a
toja do Cordeiro Prndente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, suneriori-
dade, quatidades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nSo se afas-
tando elle de sua em conhecida mansido
e barateza. Em dita lja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrficia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidJHe e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentestamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos era caisinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de raadetra invernisada corriendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicao de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
zas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difierentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estao todos expostos aprecalo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador.
QUE SE LIQIDAM
A 0INHE1R0 NA LOJA E ARMAZEM
DE
FEMX PEREIRA DA SIL-VA.
O proprietano d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a yir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como ie
lei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
possoas que negocian em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcSes, venden lo-se-lhes
pelos procos que se comprara as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
ias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
levar em suas casas pelos cakeiros d'este estabelecimento, que se acha aborto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
Explendido sortimento de
Alpacas tarradas de cres a s
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavlo ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas (avradas
com as mais modernas e bonitas cores,
..tljMM**i*..|

tt
=5S*' 4*
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestoes difficeis e completas, a calmar
as dores gastralgias, e reparar as forjas
produzindo urna assmulacao completa dos
alimentos; sendo mais um excellente bonico.
VE*E-SE
PHARMACIA ": DROGARA
DS
Bartholomen dk C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO DO BOWMAN
Ra do IIi-um n. .V<.
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provncia.J
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodao.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Arados e instrumentos d'agricultura.
Descarocadores d'algodao etc. etc.
Havendo era ludo variedade de Umanho
desde o menor at o maior que se costu-
ras empregar.
m m (.\z
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster A
C, roa do Imperador, um carregamento de sai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.'
e a re taino por menos prego do que em outra qual
qner parte.__________
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Ra larga do Rosario-----34.
1
DE
para horneas, senhoras, meninas
loja da Exposicao, ra Nova n. 8. Venderse por
na
e eriancas
Vende-s
preco mais commodo qae em outra qnalquer parte.
NHo mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposico Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparacoes
ate hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1)5000 cada frasco na
l M-Ml Di CUHHL 5!
1* ANDiR*
RAPE
PAULO CORDEIRO
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, viajado, meio
rosso e vinagrinho : no deposite cargo de Joao
rancisco da Silva Soares, roa do Vigario n. 11.
Faz-se vantagens a quera comprar porco, e tro-
c-se o rap qae nao sahir do agrado dos consu-
midores;
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna so
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha,
ios dez mil covados de cassas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
- Yende-se na loja do PavSo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas franczas
para vestidos, tendo padrees miudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente franczas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrSes
serem muito bonitos, sao todos ixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
EspartUhos a 3*000 na loja do
Pavao
Vende-se urna grande porcSo de esparti-
Ihos modernos com o competente cordao,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3<5 cada um.
MADAPOLO ENFESTADO A 30600, S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolao enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 35600 res, assim como
pecas de algodaosinho com 16 jardas
4^500 e 55000 ris.'
GRANDE PECMNCIIA
EM
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavlo ra da Imperatriz n
60, vende-se urna grande porc5 de per-
callas franczas proprias para vewldos, sen
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 15800
Casemras da moda
NA
KOJTA DO PAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
cas, paletots e coletes, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os procos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a aj* e 20S000.
Na toja do pRo ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots subrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muito fiera acabada pelos baratos precos
de 185, sendo forrados de alpaca, e de
205 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito raais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha petos precos cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja do Pavlo, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou lazinbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padraos com listrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereka da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 55000 at 105000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes,.por ser muito
transparente a 15000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinado
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA -
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brira, de alpaca, e de todas
as raais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim .como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tiatura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem cnceituada agua-florida deGuis-
lain que enta era desconhecida em Per-
oambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Owslain composta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverera bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sha como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, n3o instantneo, como muitas pes-
oas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fira desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'entio por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
eiito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
fao de sua boa freguezia, tambem capricha
em nSo lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a hooram, e em prova ao que Gca dito, d
como exemplo ko explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
i oracSo, obras de apurado gosto e perfei-
?5o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfira igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros im
tando cbaro machetado.
Ditos com ditas de marroqum com cruz
e guarnc5o, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
toaos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito linas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de 13a para homens, muflieres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Os abaixo assignados, proprictarios destt
estabelecimento, declarara ao respeiiavcl
publico e com especialidade a seus numer -
sos freguizes, que desta data em diante as
mercaduras seo vendidas a preco fixo,
mdico. Islo r sulveram os mesmos pro-
prietarios era ronsequencia de reiterados
pedidos de umitas pessoas por ser este ijs-
lema de vender o que mais garanta e con-
ianca inspira ao comprador.
As .vendas em grosso, sero feitas com
osfabatimentos na razo seguinte :
Compras de 505 a 100^ descont J>7
delOOa 5005 10/*
de5(105 pira cimr 75/*
Pagamento realizado no mesuio mez a
con)|)ra.
Os pioprietarios do BAZAR DA MODA,
observara mais que. recebendo todas as
mercadorias de conta propria, offereccm a
quem comprar todas as vantajosas condicoes
das casas importadoras.
O estabeldcimaato conserva-se aberli
todos os dias uleis das t horas da manh
s 8 horas da noite.
Recife, 1 de Agosto de 18159.
Jos Soares de Souza & C.
Vende-se um excellente esenvu de 14 anaus
de idade, pardo, olcial de alfaiale, retocado,
ptimo para pageni ; ua ra da Florenna n. SK
FOLHA"DE
FLANORES
da fabrica Detwent a 23JOOO I C ou 24oOO h r-
tida : na ra da Cadeia n. V.
Vende-.se urna serrana circulare com sel*
sorras de diversos taannos, movida por manejo -
vende-se junto ou separada : no largo do Pararo
n. 10
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfetar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitaslargas.com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e (mili
Rap Princeza
DA IMPERIAL FABRICA DE VIBRA GlMA-
RES d- COUTO,
DO KI) DE JANEIRO.
Vende-se fste excellente rap no escrip-
torio de Joaquim Gerardo de Bastos, roa
do Vigario n. 16. i* andar.
RAVCS FGIDOS.
Chegou para a loja do PavSo, ra da obligados a acceita-las, quando nSo stejara
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 1,5800 ris cada metro,
tendo esta larga' fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA O INVERN
DE 30000 6,5000
Chegou para a loja do PavSo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
15 de carneiro, .sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 60000 cada ujn, em relaclo s difie-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQIDAM
NA" LOJA DO PAVAO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 30000.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 30 e 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar coritas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitado
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, seno
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com dnas salas a *
Chegaram para a loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas satas para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 200000 na loja de
Feb'x Pereira da Silva.
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas franczas e inglesas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior' atoalhado de algodSo
x>m 8 palmos de largura, adamascado a
02OO a vara; dito de linho fazenda muito
raperior a 30200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 40500 a duzia e muito
anos a 80000, e ditos econmicos a 30500
t duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 10000
Na loja do Pavo, vonde-se superior alpa-
co ou gurguro para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 10000 o
covado.
Novldade Novldade
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D<5 JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, um bnlhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se gue na actualidade
nb ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que estanqese vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
B&badinhos baratos na loja
do Pavfto.
Vende-se urna grande porco de baba-
dinhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiro, por urna terca parte
de preco que se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende urna
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na loja e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
CHEGUEM
IMAMS DO BAR4T0
que est finalisando a liquidapao da ra do
Crespo n. 17 de Antunes Guimares & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos de labyrinto, fronhas, bicos e rendas da
trra, cortes de tarlatana bordados para casamentos, cortes de vestidos de cambraias
bordados, alpacas de cores lisas e de listras. precalas ainda de bonitos gostos, casaqui-
nhosde casemna para senhoras, saias bordadas e bales de todas as qualidades etc.
frada liquidadlo
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos pelo ultimo vapor.
Pompolinas de gostos espeeaes, que muito agradam.
Gorgorees lisos de cores para vestidos, fazenda ltimamente chegada. '
Colxas de seda de todas as cores.
Chitas afostuadas fazenda nova no mercado. -
Ricos chapeos de palla para senhoras e cliapellinas de novo gosto.
Esteiras da India proprias para, forrar salas e quartos.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos. '
Tapetes avelludados para covados: e outros muitas fazendas que s vista se
e a realidade do barateiro.
Escravo fgido
Fugio em 23 de Janeiro 1869, o escra-
vo Matheus, de meia idade, cor preta, fcjlli
grossa, btxigoso, tem pelas costas cicatri-
zes de bacalho, tera urna verruga no canto
do nariz, os ps foveii-js, corpo regular ti-
nha sido do ll!m. Sr. Agnstinho Leocadio
Vieira, era Pauellas de Miranda, que ha
poucos mezes de l veio fgido ; pede-so
s autoridades e capites de campo de o
pegar e trazerem a seu senhor Jos Car-
duzo de S. na ra da Lingota no Recito
n. 2; e o raesrao protesta contra qualquer
pessoa que o tenba acoutado e gratifica-so
com 100f5000 a quem o pegar. Consta
andar pelas maltas de Olinda.
AVISA
a
BAGUE
LECTRIQUE
ROYER
1- -\$-
* :c2"2y
VERITABLES
rtti,.. v<\
, '"e s Martin 'v^ rt
*/? VoESfBVATlF..* A>L
ANNEAU
LECTRIQUE
ROYER
Of verdadeiros OOUABZS BOTEB, os nicos opprovados pe
Academia de Medicina, tem assim como os meos outros producto*
attrabido a capidex dos lalsifieadoret, que para facilitar sua criminla
industria nao sepejao, nem receiai annunciar vender falsos CoiXAmxa
o oaiB. En previno ai familias paia interesse de seus fiihos
para evitar falsificacos, deven exigir, que meus Collae Ibes
aejao vendidos em calas de tambas de encaixe e corredias cobertas
por i ettiquetas com a miaba marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalba com olettreiro.
COLLAR ROYER, Rae St-Iartii, 225. Pars.
INJECTION BROU
*laW.^wl:Sla1k^
immni
MENCO DE HONRA
Vende-ae em frascos
l DE FIGALS FRESCOS DE BACALHO ameofr.Scostri.ngu-
Urea, pharmacia Roce,
S, ra de Castigme,
emlHrta.
As eirafceeoe, os oleoa ftiirdo*. d'um clieii-o fono, e maii composifBen fcltag tm cieos
de pci\es comniuns, taes como o etyuti a arrala, o phoca, a Una, os oltot aos armadores pescadores,
e lueoiiio o% leos rtgelaes, lornu imaginados para substituir os verdacleiroa oJros de Ugadoai
frraeoa de Baeolho de Terni-\'au Estes oleo comniuns ou seos aecedaneoa sao
olitidos na iiidjutria por procos mui baitos, e :i quinto que os verdadeiros leos de ligado de bacalho
frasco s5o relativamente muito caro, \isto que par obtel-os frescos o sem mistura, cumprc excrcer
grande vigilancia e ter os maiores cuidados nos proprios lugares das pesca, assim como manda fa*er
M. Ilogg desde o anuo de IBaO. Estes aleo puros de BaealhAo de TrrnAna de Bes.
grangearam para este precioso medicamento urna fama universal as molestias 4o pello, as affeicdes
escrofulosas e tymphalkas, a magieta dos me tunos, etc., e por sso, deram lugar a nocivaa e desleat
niitacoe*.
Nula. O oteo de Uoga mui fcil de digerir, distinguere entre ea outros leos pela ana
cor de pnllia, o seo cheiro suave e delicado, o seo gosto de sardinha fresca.
O RELATORIO favoravtl do chefe dos trabadlos chjrnko da FACCLDADE DE MEDICTN.
PARS concine cerno segu i 0 oleo cr da polka t I. Uogg conten urna terca parte de an-
ciploa Mw mala do que os leos parios t nio aprsenla algum ios inconvenientes 01
1 repara n'ules, auanto ao cheiro e sabor. *w
^Tesada jae ca Mas as pkanssetaa ia Fraaea e doa palies eatrauaelra.
As autoridades policiaes e
quem competir.
No dia 29 de maio do corrente ar.no fu-
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 :J
annos de idade, estatura regular, reforcado,
cor bem preta, cabeca redonda, traja va ca-
misa azul e calca de casemira cinzenta; du-
rante o da costuma andar ganhando as
ras, ou em armazens de assucar- ou na?
tabernas a conversar e a beber durante a
noite recolhe-se a telheiros abertos ou pe-
netraveis, a casas em construccSo e a ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprehender tenha a bondado
de o conduzir ra da Aurora n. 26, onde
ser gratificado.
Fugio no dia 18 de julho, o escravo Eu-
genio, preto crioulo, de idade do 50 annos
pouco mais ou menos, usa de bigode tor-
cido e barba cerrada, j mesclada, um tanto
calvo, altura regular, magro, peinas finas,
suppe-se andar pelas bandas do Affogado
at os Prazeres; quem o pegar lcve-oanu
do Trapiche no Hotel do Universo n. 2 que
ser generosamente g' atificado.
Fugio no dia 9 do corrente mez do
engenbo Sant'Anna da comarca do Porto
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
lar, de 22 annos pouco mais ou meno?,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinbados, foi comprado na cidade do Re-
cife, para onde veio da provincia da Pa-
rahyba; e bem assim o escravo ManoeJ
crioulo, de 22 annos. estatura regular,
tem um dente quebrado no queixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues la-
vares de Mello, no Recife, ou no referido
eneenho oue ser bem recompensado.
Fugio do engenho Todos os Santos da villa
de Ipojuca o escravo Goucalo, representa ter 45
annos de idade, pouco inais ou menos, cor ver-
merna, alto, grosso, olhos pequeos, sem barba,
os ps radiando, foi escravo da Sra. D. Senhornba
Mara do Livramento da villa de Serinhaetr., sup-
ie-so estar acoutado, pois no outro dia da compra
ugio o estove na villa de Serinhaem, o que desda
j protesta o abaixo assignado, e pede-o s auto-
ridades policiaes ou capitao de campo a captura
do mesmo e entregar no mesmo engenbe ao abai-
xo assignado, ou na ra da Moeda n. 3, 3* andar,
escripMrio de Manoel Alves Ferreira & C, qno
ser generosamente recompensado.
Miguel Paulino Tolentino Peres galcao.
do engenho Ilha, no dia 25 de julho prximo pas-
jui
sado, o escravo Antonio, crioufo, idade 28 annos,
cor fula, estatura regular, secco do corpo e com a
nadegas um poico grandes, tem os ps cheios (m
cravos e bichos, levou chapeo de bata de ctlr j
usado, camisa do madapolao e calca de brim brac-
eo ; tem-se por noticia que andou por Santo Amr.-
ro das Salinas. Peixinho e na cidade de Olinda,
que seguir para Paulisla : qaem o pegar leve-
ao largo do Paraizo n. 14, que ser recom[tensado.
Fugio no dia 3 de agosto, o escravo
de nome Constancio, cabra alto, pouca
barba, olhos grandes, com urna belide no
olho esquerdo, cara bexigosa, ps torio
roga-se a quem o capturar que leve-fl
ra Nova loja do Amida Irmao, que
gratificado.
se i



""i"""
Diario de Pernajnboco Sabbado 7 de Agosto de 1869.
I
ASSEMBI& GEB4L
CMARA DOS m. DEPUTADOS
SESSAO BM 9 DE JUL1IO.
PHKSIBMOA DO 8*. NEMAS,
(Continmco)
M sObstitnigoes pessoaes, Sr. presidente,
i o principa I correctivo nos rigores da
te. Vedar, impedir por motivos Je
igualdad! qoc o individio que lenha um
substituto deixe de da-lo, quandW, por ex-
emplo. tenha tido urna educar i industrial
que o torne improprio para o servieo das ar-
mas, alm de prejudicial ao Estado, seria
urna iniquidade; mas desde que oatabelecem
as isenges que ajustas prescrevee a equi-
dade e a humanidade aconselliam ; desde
(pe facilitam-se e todos os alistados, e por
consegrante aos prop.ios que com impru-
dencia se houverem casado dorante a sua
minoridade, o meio da sulistitui(;o pessoal:
creio que se tem Hendido as necesidades
civis, s conveniencias das industrias, e
seguridade das familias; porque, em sum-
ma, aquelle que Wf alistado oslar no caso
de dizereu nllo posso servir, mas aqui
esta um hornera por mm.
Se, porm, nSo obstante os correctivos
das isenges e substituibles, a casa ainda
sent repugnancia pelo projecto, note bem
que o numero dos homens que icam suje-
tos ao recrutamento, a saber, nao aquelle
recrutamento brutal de que usamos, mas
comedido pelo alistamento e sorteio, s-
mente dos mancebos de 18 a 21 annos,
como eu desejo, e nao a raetade da populacho
varonil do paiz, como actualmente ; uma
piande vantagem, grande compensago a
qualquer severidaie da sorle-o licarem os
cidadaos livres do onus do servigo activo
do exercito, apenas cneguem a idade de 21
3RD0S.
Os nobres deputados, habituados, como
todos nos estamos, no rgimen de innme-
ras isenges, ampliadas pelo favoritismo,
que s faz pesar o recrutamento sobre os
miseraveis, nao attendem que isto emi-
nentemente inconstitucional. A constitu-
Cao prescreve que todo cidado obrigado
a servir no exercito a seu paiz ; mas como
tem si do enmprido esse dever ? Quanta
dosigualdade!. ..
Nao vejo motivo para que safe>illa o
projecto como consa ineonveniente^ouando
pelo contrario se demonstra que elle encer-
ra os correteos precisos a qualquer seve-
ridade individual que resulte dasorte, como
j expuz.
Cora mais pausa tratarei das isences
n'outra occasio, pois vejo que a discusso
demorar-se-ha.
Por ora o que julgo conveniente dizer,
quer em resposta ao Ilustre deputado
que me precedeu, quer para provocar da
parto da Ilustre commisso esclarecimen-
tos relativos s ideas capitaes do projecto
em discusso. (Muito bem, muito bem.)
O SS. PEKEIRA D.V SILVA: Ouvi com
toda a attencio, como era men-dever, tanto
o discurso do nobre deputado pela provin-
cia de Minas-Geraes que encetou o debate,
como o do honrado representante de Per-
nimbuco, qua o aubstuio na tribuna. O
primeiro foi contrario aos principios car-
deaes, i base priacipal do projecto que nos
oecupa; nao adnitte a reforma lembrada,
e raostra-se opposto innovarles, que jul-
ga inconvenientes e inapropriadas ao paiz.
O segundo membro que fallou adopta a
idea de conscripgo c sorteio, mas diverge
da commisso nos desenvolvimentos appli-
cados nos principios por ella aceitos.
Ninguera mais querendo usar da palavra,
tomei a resoluglo de pedi-la, para nao dei-
xar que fosse a discusso encerrada, posto
desejasse ouvir maior numero de discursos
contrarios ao trabalho da commisso, e res-
ponder conjyne-tainenh a todos de urna s
vez, poupando o lempo e a attengao da c-
mara.
O*digno deputado por Minas manifestou
um talento robusto, urna brilhanie imagna-
ro, o formulas Iliterarias e lo selecta dic-
go, que muito just ament impressionou a
cmara. (Apoiados). O honrado repre-
sentante pela pruviucia de Pernambuco dei-
xou-se menos arrastar pelos vos do espiri-
to, e foi mais positivo na sua argumenta-
Cao, posto ornasse igualmente o seu dis-
curso com phrases -elegantes. (Apoiados).
Tendo de responder aos raciocinios de
um e de outro, ajusta-los-hei ao passo que
versaran sobre a mesma ordem de ideas,
combinando-os, comparando-os e impug-
nando-os. Nao segm'rei ordem na defeza
do projecto, porque, confiando na miuha
memoria, tratarei dos varios pontos da dis-
cusso, conforme ella m'os for suscitando
e lerabrando, sem empregar notas ou
apontamentos, que nao apanhei de modo a
servir-me melhor no orrer do debate.
O Ilustrado representante por Minas pre-
fere o actual systema do recrutamento ba-
lo as nstrueges de 4822 a qualquer
innovaco lembrada. Assusta-se com a
idea da conseripcao e sorteio opposta da
leva (oreada. Considera a reforma como
instrumento de maior violencia e persegui-
Co. Sustenta que cila contraria aos h-
bitos, ndole e costuraos do povo brasile ro.
Declara-S impugnador de m das estrangei-
ras que se pretende introduzir no imperio
americano.
No desenvolvimento que deu sua opinio,
sent profundamente que empregasse um
phraseado que despede desar e odi contra
a commisso, que elaborou o projecto, de
cujo assumpto se oecupa a cmara. Pin
lando com cores salientes o horror, o alar-
ma, a consternago que em seu pensar cau-
sara na sociedade brasileira a adopgo do
systema da conseripcao e do sorteio, attri-
Imio commisso especial de 1869, e par-
ticularmente, quasi exclusivamente a raim,
como seu relator, quando nao fui mais do
que um obreiro das ideas geraes dos meus
ogas, e delles sem duvida o menos ha-
bilitado (rauitos nao apoiados), a autora
principal das doutrinas perniciosas e funes-
tas que divisou no projecto. Expoz-me
assim, contra suas intiges, porque o te-
nho como dotado de tantos talentos, quanto
boa f; expoz-me assim de-aigoraa sori3
aaimadversao publica, e por esse motivo
comegarei aqui a minba resposta.
A lei vigente acocea do recrutamento
data de 1822. Ectaboiece a leva forgada,
crea classes previiegiadas, e iseutas de pa-
gar o tributo de saague, acabrunhasomenle
com o seu peso alfanas classes e carnadas
dar populagao braatieira desfavorecidas da
fortuna o despidas 'da importancia social,
contraria ao principio liberal de iguallade
proclamado pala rewlacab franeeza de 1789,
adoptado boje por quasi todas as nacea- do
mundo, aceito pela civtttsagao moderna, a
Isa Jo at na uossa constiluigab poltica na
expresso enrgica de que perante a le s2o
iguaes todos os cidadaos brasileiros. (Apoia-
dos).
Desde que comecou em 1825 a fanccio*
nar a constitaeSo poltica do imperio, mui-
j tos espiritos avisados do nosso paiz, e esta-
distaj providentes e afilados, pensaram que
essas instrueges de 1822, anteriores ao
pacto social, contrariavam o seu espiril
convinhara ser modificadas de modo a mar-
charem de harmona com os principios de
liherdade o igualdade por elle determina-
dos.
Era, porm, um problema difficulloJO a
resolver o modo de se concilarem os prin-
cipios com a necessidade de possuir urna
forca militar permanente, como o exigiam
os interesses d honra e digpidade nacional,
do servieo publico, da raauutenco da or-
dem interna, e de garanta do paiz em casos
de guerra estrangeira.
Iniciou-se, todava, logo em 1828, um
projecto para conseguir esse desidertum.
Foi seu autor um deputado. ja fallecido, o
marechal de campo Raymundo Jos da Cu-
nha Mallos. A idea lombrada para substi-
tuir o recrutamento toreado baseou-se uo
systema da conscripgo e do sorteio.
Em 18 2, e nos annos scgqintes, outros
projectos importantes e estudados se apre-
senlaram na cmara dos deputados. Sobe
o seu numero a dez ou doze. Todos os
iniciadores da reforma, cora excepeo de
dous, adoptarara o mesmo principio da con-
seripcao e do sorteio. Dos dous divergen-
tes um contenlavase para ter exercito com
engajamentos voluntarios, repllindo como
todos os mais o recrutamento toreado. Um
s, um nicamente, sustentou a necessidade
de continuar no systema das instruccoes de
1822, tornando-as mais rigorosas ainda,
alim de se prover a torca publica com
numero indispensavel para as necessidades
do paiz.
Em 1865 nomeou o governo urna com
missao de professionaes para, sob a presi-
dencia de S.- A. o Sr. conde d'Eu, organi-
sar a reforma do recrutamento, reforma
que reclamava o paiz todo, a cojo conheei-
mento a tribuna, a imprensa de todos os
partidos, as queixas e clamores da popula-
cao, os espectculos tristes a que ella as-
sstia, levavam a convicciio de que era in-
dispensavel e urgente urna mudanca de sys-
tema.
Foram membros dessa commisso os Srs.
Manoel Felisardo de Souza e .Mello, estadis-
ta e administrador da prmeira plana, e de
saudosissima memoria (muitos apoiados),
Jos Maria da Silva Paranhos, verdadeira
notabilidade poltica do paiz (apoiados), ba-
rio de Surahy, notavel peta sciencia militar,
general Polydoro da Fonseca Qunlanilha
Jord5o, que nos campos do Paraguay sus-
tenta to briosamente hnje a dignidade do
Brasil (apoiados), e' o general Jos Mara
da Silva Bittncourt, to conhecido entre
nos.
Concordaram todos no principio da con-
seripcao e do sorteio.
Na legislatura anterior i no*ssa, um novo
projecto foi elaborado por urna commisso
especial, esse de 1868, o ahi gualmeate
se adopta o systema da conseripcao e sor-
teio. E' aquelle que a cmara acaba de
preferir para a discusso o trabalho que eu
como relator offereci sua considerar').
Nao pois, novo o principio ; pelo con-
trario, o que todos se tem ocenpado do
assumpto admittem e sustentara; o orejee
to actual em discusso adoptou o dos ante-
riores. (Apoiados.) S ha estigma a lanc-ir
sobre elle, nao recaa s sobre a commis-
so de 1869, reverta contra todos que es-
tularam o assumpto. Se ha erro, declaro
por minba parle, nao me poza errar em tan
boa companhia, com estadistas to provec-
tos, to experimentados, to patriotas, como
foram os.autores das propostas anteriores.
(Muitos apoiados)
Vejamos pornf, agora se ha razo em
censuras e na impugnaejo. Aos vos elo-
cuentes do Ilustre deputado por Minas, s
suas parases impressioaadoras, s suas
deas phlosophicas, opponhamos urna ar-
gumeotacSO em forma de conversa e nao de
discurso oratorio, respondamos com o ra-
ciocinio e convengamos com as luzes do es-
pirito antes, que com o emprego das pai-
xes.
Primeira questao avent. Precisamos ou
nao de ma torga armada e disciplinada, e
que forme urna classe particular; necessi-
tamos ou ni>o do um exercito ?
Ninguem o contestar. A propria conti-
tuico nos recommenda a fixago annua das
torgas publicas. Nao pode suscilar-se du-
vida a resp ito. Todas-as naces caree m
de um exercito. A quostSo nicamente
sobre o numero; se excessivo s necessi-
dades do paiz, ca este mililarisado, se con-
forme com ellas, ca garantida a dignidadj
nacional. (Apoiados.)
Por mnha parte nao quero mais milita-
risago do paiz. Entendo que em tem
normaes basta-nos um exercito de 20,000
c cxnttars assim o exe
de polica ? Nao sabis anda que a pjr-
seguigo do-partidos polticos, o arbitrio
das autoridades, tem .enormemente abusado
dessa lei, de modo que est de lodo des-
morataia ? Ni) e um instrainento.de
viapaca, de persefuigao. de violencia con-
tra os h'wnens dos partidos cahidos, contra
a opposigo, que nca seai direil >s e sem
meios de aeco, para plaiteiirem, como tem
indisputavel dweito. a sua causa e o trium-
pho de suas ideas ?
Ouj ni as eleicoas, nao e o ro-
rutainento Atorad) urna, arma poderosa
para a auU^rdade o parido dominante ato-
K"etareBi4>s mi*to\trarios, ou obriga-lo
a rutar contra sua consciencia, mentindo
assim opino ?
Nesta.parte o illustr-o deputado pola pro-
vincia de Pernaaiboco abundou m conside-
racCesjadieiosssimas, e combaten- com in-
coatesUvel vantagem o systema das iaslruc
gSesde !82. Poupa-me o tranallio, re-
porto-me seu discurso.
para mim urna ndeclinavel necessida-
ie, e necessidade urgente do pare-, a refor-
ma da lei do recrutamento toreado. Todos
os partidos, todos os homns polticos, lados,
os professionaes, o lem de urna vez co:i-
demnado. Nao o sent qnem sj aeha no
poder, porque serve-lhe de arma deguerra;
sente-lhe, porm. todas a calamidades e
horrores a popular^ inteira de paiz f
necessario satisfazer"s clamorosas Becessi-
dades de reforma. Nos todos, liberses, coo-
servadores, progressistas, concoTemos c) n
nossas opni5es publicas, e nossas repetiila^
queixas, para desmoral'sar algumas partes
da lei de 3 de dezembro de 18V1, da lei
da guarda nacional, da lei de eleiebes, da
lei do recrutamento ; nos todos coacorro-
mos para formar urna opinio publica uniso-
na no piizpara exigir estas reforaias. Sil-
bamos, piis, no poder dar-He as precisas
satisfceles. (Apoiados.) S.-remos s assim
liome-.-s de principios e de conviec a
Compre, pirm, substituir o recrutant.'n-
rt artistas de edificios o monumento?. Achais
i pau quan-
do pelo que existe, a|<5Seotai-nos niaa
idea ora, diferente, positiva, pratica,
justa, eijuitativa. Dai-aos a lus que prc
cisamos mBr"
A commisso nS) tem caprichos, off*re-
ceu o seu .projeeto com > base da iacoaslo,
ella propria, ao ouvir os nobres deputados
em particular o em publico, ao meditar
melhor'sobre sua propria obra; vai emen-
daodo-a, c irngind i-a, modilicando-a, como
o tendes visto no correr do flebSte, esta
prompta a aceitar todos os alvilres boas e
aproveitaveis dai-nos o vosso auxilio, illus-
Icai-nos com a voss sciencia, adoptaremo*
sem a meaor hesilago, logo que nos co vencerdfS. (Apoiados.) Mas nao ataquis
somonte, nao cs*ire smenle, sena nada
lembmrque s^a til, e possa substituir o
que apresenlamas. (Muitos apoadosj
O Ilustre representante por Minas deso-
ja, e eu o acompanho neste proposito, de-
soja nobilitar e especialisar a carreira mi-
IKar. One meio lembra, porm, a nao
qnerer a conscripclr, que a igualdade
perante a lei, que nao diz smente ao reo
d polieia: vos qutf podis ser soldado;
e enche a fileira do exercito dos reos de
polica (apoiados)j que n diz smente ao
pobre e ao lesgragado; ide assuntar praga
quando ao rico", ao que dispe de protec-
goes, (lefnliieacia d de empenhos, isenta
do agar o tributo de saogue ? (Apoia-
dos.)
Qwerdis nobilitar o exercito, organisai-o
cona elementos sadios tirados da popnlacjo
e nao como actualmente com as missas in-
timas e viciosas da sociedade. Queris
tornar especial a cirreira das armas, disci-
plinai-a, dai-llie vantagons, honra e dini-
d ule. Bate lira consegu melhor o syste-
ma di iMmsnripo do que o arbitrio das
in-tmcgoc de \ii.
Disse, a Conscryago o principio da
igualdade e possivel a jmjaldade absolu-
ta? Nao contrira a natureza humana,
lo torea lo, que edm justos fundamentos ap- que divorsilioou os onlos creados quer no
pelliduu um estadista nosso cagada de lw-
mens, estigma que Ihe fico gravado as
entranhas, c de que nao pode mais escapar-
se Ha conhecidos s tres meios.- Nin-
guem at hnje, em paiz nenhuin, lembrou
oulros. Saoou o engajamento rolunt trio,
manera de Inglaterra ; ou a abrigacSe de
todos os cidadaos de servir na tropa de li-
nUa como soldados para poderem exerer
cargos pblicos na sociedade, e gosar de
di re l os polticos como na Piussia e quasi
toda a Allemaiiha ad instar dessa pa'encia ;
ou omfin o systema da conseripcao a do
sorteio, que funeciona cin Franga desde a
revolugo de 1789, e qae se tem aclimata-
do na Blgica, na Suissa, em Portugal, na
propria Austria e na Italia.
S paites atrazados em vivilisaco como
a Russia, a Turqua e llespanlia conservain
ainda o'systema do recrutamento torgado
para organsarem seus oxercitos. E syjte-
ma dos povos barbaros da idade media, e
depois dos lempos do absolutismo, era que
as oacoes nada erara, c os soberanos ludo.
eio-que as nacaa eram feitas para os res,
o nao os reis para as nagoes. Levantava-se
o iimii :ro que o governo pretenda da gen-
te para assentar prara. obrigando-a pela
torga e pela violencia, systema arbitrario e
s proprio dos governos absolutos.
Queris adoptar o -ystema inglez de en-
gajamentos voluntarios ? Mas a Inglaterra,
pela sua posieao insular, que'a llvra do con-
tacto do mondo, precisa apenas de mari-
nha, c possue exercito maito diminuto.
Tem dinheiro bastante, e engaja naconaes
e estrangeiros sufficienles para preencher
os quadros da sua pequea torga-publica de
trra. Mesmo assim houve lempo, na ce-
lebre tentativa de Napoleo I do invadir a
Inglaterra, formando um acampamento mi-
litar em Bolonha, em que ella se vio obri-
gada a empregar a leva forgada para conse-!
guir um exercito do resistencia o defeza
nacional. Accresco ainda que, por isso
mesmo, e o servieo dos engajados pesadis-
simo. Ao principio durava toda a vida,
ltimamente acha-se reduzido o prazo de
servieo militar a 18 annos ; ainda assim
quasi a vida de um horacm. Ainda assim
ha l urna cpia extraordinaria de lmeos
pauprrimos, dizraados pela penuria epela
miseria mais hedionda, que nao tendo ou-
tro modo de vida, aceitara o de ser sol-
dado.
moral quer no puysieo.
Nunca, senhores, se deve entender em
poltica, as scieucias sociaes, ^ue sao de
pratica e experiencias, as scicncias positi-
vas, nunca se deve entender a lgica lio
rigorosamente levada a seos ullimoa*Hitre-
mos. Os inglezes, povo por excellencia de
bom senso, nao admitte a applicaco rigo
rosa da lgica senlo s sciencias mathema-
ticas ; praticam a lgica al onde pd i chc-
gar sem inconvenientes. Assim o princi-
pio di igualdade deve ir al onde deve pa-
rar. D ihi nasce a idea das excepc.'s que
adoptara as regras geraes.
O que as luzes modernas exigem, o que
a rivilisaco actual proclama, o que a lilwr-
dade que boje governa o mundo e ha de
govnim i-lo, porque nao mais possivel re-
trogradar ao systema absoluto ou despoti-
Pde o Brasil adopla-lo? Nao em ge-
ral sua populaeo mantda at pela riqueza
do solo, e pela propria natureza, que offe-
rece infinitos meios de vida, mesmo wi
seio da inaego ? N5o temos adoptado j
o engajamento voluntario ? Nao Ihe tmete
comedida premio* e inciintivos ? E qul
o resultado? Nao basta ; nao preenche as
necessidades da forca pfblica, nao fornece
homens para o exercito. impossivel,
est j.i pro vado, m possivel entre nos
possuir urna torca publica de 20y*K) ho-
mens s com engajamentos voluntarios.
(Muitos. apoiados.)
Eu preferira por mnha parto a todos os
pracas. Desejom, porm, formando pela systemas o do engajamento voluntario, cora-
sua instrueco. pela sua disciplina, pola
sua especialidade, um todo, um complexo
de torga publica regular. Nao admiti mais
como amigamente, espalhado por coepos,
por batalhoes, e at por companhias, por
essas varias localidades das provincias, pois
perder assim lodas as suas cualidades a
virtudes de torca organisada o regular. Opi-
no que se concentro para guardar o seu ca-
rcter especial.
Ninguem me contesta ainda que um ex-
ercito de trra de 20,000 pragas srja su
perior as torgas e s necessidades do impe-
rio. (Apoiados.) Pois bem, aceito este
facto; pergunto agora, como t-Io sempre
complet e regular, visto que ha baixas,
mortes e molesiias que actualmente Ihe di-
minuem o numero ?
Queris a actual legslago de recrutamen-
to torgado ? Nao vos basta a experiencia
fatal dos soffrimeatos pblicos que tem
causado 1 Nao vos punge a desigualdade
perante a lei, condemnando smente as ca-
rnadas pobres e misrrimas da sociedade a1
dar contingentes para o exercito, creando
privilegios e isenges aristocrticas para as
classes nao s superiores, mas at medias
do povo ?
NSo consideris quanto duro ehorrivel
essa captura pelas cidades, pelas villas, pe-
las povoagoes, pelas moaUuuas, pelas bre
nhas, de desgrasados que se sobtrahem a
ser agarrados, algemados c obrigados a
assentar praga e j urar baodeiras ? Nao vos
diz a coasciencia que se reputa policial o
meio actual da recruraento para se limpar
a populacSo dos homens viciosos e cobertos
tanto que elle tornecasso ao exercito o nu-
mero de pragas que necessitass^ Mas nao
possivel consegur-se, nunca o foi, apezar
de-todos- os premios e antageus concedi-
dos pelo corpo legislativo em varias leis,
pelo governo na execugo dallas e dentro
da espnara do suas fuucgoes. Arredemos,
portanto, as vistas deste meio, que pode e
deve ser auxiliar, como no correr do meu
discurso farei notar a cmara que a com-
misso o adoptou igualmente no intuito de
diminuir o contgente annuo que- serie o
governo obrigado a pedir ao paiz.
Passemos ao systema proseo a allemao.
Queris militarisar o paiz constrangendo
todos os cidadaos, sem attengo a aptdoef
o vocagoes moraes, nem aos interesses da
familia, nem aos obstculos physices ? Que-
ris obrigar mesmo em terapo de paz a
qu-j todos assentent praga, pata ter abun-
dancia de tropa organisada ? Isso s e
foi proprio da Prussia, creada pomfreden-
co II, e cujas tradieges e espirito guerrei-
ro passaram a seus successorer, elevando I-
pelas armas urna nagao pequea em popu-
lago ao grao de urna das cinco maiores
potencias da Europa. (Apoiados.) Nao
possivel o systema prussiano seno na Prus-
sia e na Allemanha, nSo se pode realizado
no Brasil, e nem concordara em admitti-
io quando mesmo fosse possivel. (Apoia-
dos.)
O que resta pois ? 0 da censcripg5o e
sorteio, n3o ha outro. Nem esse querem
alguna Ilustres deputados adoptar. Mas.
senhores, elle ma, lembra-nos algnm
outro systema. N80 queirais ser smente
de crimos ? Comomoraiiaaia ennobrdcei co, quaesqner que sejam as roupagens com
que se pretenda occulta-lo, qu todos os
cidadaos sejam iguies dante do imposto
pecuniario e di imposto do sangne, que
coast-'tuem preif>gatvas de discusso. para
os manditarios immediatos do povo.
A conseripcao, como adoptoj a commis-
so, estal>elece nina regra mi princpii>,
obrigago de todos, dentro de certa idade,
serem alistados e sorteados para a organi-
sago da torga publica. Mas com o prin-
cipio de igualdade nao pode ser tomado
em absoluto, porque seria o nvellamento.
que urna verdadeira iniquidade, admittio
a commisso isenges para o alistamento,
urnas naturaes, como sao os defeitos ph-ysi-
cos, outras de rigorosa justica. aconseja-
das pelas conveniencias das familias, dos
orphos, ou sociaes, porque urna n3go,
como um individuo, nao vive de iateresses
materaes smente, mas igualmente de in
fresses moraes. (Apoiados.) A propria
torga organisada reclama estas exccpgoes
para se tornar regular e cxcellente.
Es ahi a razo porque a commisso dis-
pensou do alistamento varias classes da so-
ciedade em paragraphos separados. Foi
mais longe a commisso no intuito de ado-
gar os rigores do servigo militar. Deu aos
sorteados o direito anda de p ir dous meios,
pecuniario, ou substitugo pessoal, eximir-
se do servigo militar. Foi mais longe ain-
da, para que menor contingente fosse o go-
verno coastrangido pedir ao paiz animal-
mente, determnou que por meio de pre-
mios e vantagens engajasso nacionaes o es-
trangeiros. que voluntariamente se prestas-
som carreira militar; o numero dos vo .
luntarios diminuira o numero dos contin-
gentes annos, com que o paiz deve concor-
rer para preencher os quadros do exer-
cito.
Gritou-se muito contra a conscripgo,
hLstoriando-se as diffioulda les, estorvos c
clamores que levantou em Franga desde
que foi estabelecida. Ninguem desconhece
que urna innovaco qualquer para se amol-
dar aos costumes de um povo, e amoldar
igualmente estes ella, carece de tempo :
a aclimatago nao immediata. Suscita
sempre opposigoes, s vezes mesmo justas
e fundadas. A' pouco e pouco, e raar-
chando-se paulatina e moderadamente se
consegue que todos a abracem, e aceitera
como melhoramento.
Disse-se, mas o sorteio o acaso, a
negagao de todo o principio. Dizei-me,
porm, qual preferivel, que a sorto desig-
ne entre os incluidos na massa recrutavel,
a que deve ser soldado, on que o governo,
as autoridades por arbitrio escolherem ?
(Apoiados.) Esta que a qnesto verda-
deira e seria. A sorte pode enganar-se ;
mas o governo, com to largo arbitrio, cau-
sa males muito mais lamentaveis. (Apoia-
dos.)
Foi o projecto em discusso aecusado de
ser mais cruel, mais perseguidor, mais ty-
rannico do qae o da legislatura passada.
Confrontemos as disposicSes com pausa e
singue fri, as disposigoes que si) diver-
sas, porque, na mxima" parte, sao accor-
des os dous projectos.
O projecto actual admilte as raesmas
isenges do alistamiento. Mas no 1.a anno
estende-as ainda para todos as da lei actu-
almente em vigor de 182* J portento
aqui o projecto actual mais moderado e
suave, era relagao s isenges do 1." anno.
Quanto ao 2. anno e aos segnintes, o pro-
vecto actual s obliga ao sorteio os jovens
de 18 annos, dispensando todas as outras
idades,. aaivo os omissos no alistamento
anterior ximo pma. 0 projecto do anno
paseado fixa serapae a regra de sujeigo ao
serteio para todos quantos se acharem en-
tre 18 e 21 annos de idade, ambara ti ves-
sena eseapado ao sorteio do auno anterior.
Deixa assim a espada de amadas suspen-
sa sobre a cabeca de todas os menores de
21 annos, em quanto qu? o projecto actual
acaba eo*i sustos lie todos quastoe, sof-
fraodp um sorteio, foram pela sorte favo-
recidas.
Apresen'oainda urna outra comparaco ou
paraffelo entre os dous projectos; o do
anno passada s exime o sorteado de as-
sentar praga. dando homeai por si; o ac-
tual adopta ainda um outro alvitr, dispon-
do que ser isento do servir o sorteado que
pagar urna somma pecuniaria finada pela
lei annua de torgas.
Cuno no reconhecer, pois, que miis
suave o projecto actual ?
Disse-se, mas o projecto actual parte da
idde de 18 annos at 30 ; respondo, ver-
dade, raass para o alistamento do prime-
ro anno, aceitando comludo todas as isen-
ges das oslruoges de 1822, porque no
primeiro anno precisamos de maior contin-
gente, e queremos maior copia de alistados
para dentre eWes tirar o sorteio. Quem,
porm, escapou do sorteio ficou desembara-
gado. No alistamento e sorteio dos annos
seguintes entra gente nova, nova gerago,
Falloo-se na necessidade de estatistca
para bem regular a base dos coatigentes.
Sou o primeiro a reconhecer que nao as
possuimos, que apenas podemos argumen-
tar com dados hypotheticos e de probabili-
dades. Mas adoptando os factos verificados
em Franca a rospeito da relagio dos indi-
viduos de urna idade, entre 18 e 20, para
a populago total, acharaos qne ha um de
cada idade para cem. Se o mesmo facto se
verifica no Brasil, sendo calculada a popu-
lago livre em 5 milhes de habitantes, te-
remos annualmente 50 mil jovens de 18
annos para dentro elles pedir ao sorteio
tres rail ou quatro, conforme as exigencias
dos contingntese o numero dos engajados
nacionaes ou estrangeiros.
Os que nlo sao sorteados, entregam-se
vida civil, carreira liberal, ao que querem
emfim; julgamos assim em lempos normaes
com o alistamento e sorte conseguir o nu-
mero preciso de contingentes para preencher
os quadros do exercito.
IVonunciou-se o nobre deputado por Mi-
nas contra a importagao de ideas estran*
geiras, e portante contra a conscripgo.
Pela mnha parte nao admiti no meu paiz
seno os progressos que entendo realisaveis
nelle, e nao o que proprio de outros.po-
vos e nao do brasileiro. Mas sempre que
as ideas uleis,. as instituiges proveosas
puderem aclimar-se no meu paiz, adopto as
de corago, pugno por ellas. (Apoiados.)
A' respeito da conscripgo, que nm me-
lhoramento (apoiados), e grande melhora-
mento na mnha opinio, e na opinio, de
estadistas e prolissionaes brasileiros de to-
dos os partidos polticos...
0 Se. Chbz Machado : Respeitamos
muito esses brasileiros distinctos, mas ar-
gumente com a autoridade da razo, e nao
com a razo da autoridade.
O Su. Pereira da Silva : Parece-me
que comprehendo o trocadillio de palavras.
Quer argumentos de razo e nao opinies de
pessoas. (Apoiados.) Julgo. porm, que ao
passo que estou apresentando razoes e ar-
gumentos, mais me robustego chamando em
meu apoio os pareceres dos doutos e par-
ticularmente dos prolissionaes.
O Sn. Cruz Machado : Isto orna le
administrativa, nao militar; nao temos de
aceitar opinies de generaes.
O Sn. Pereira da Silva :As luzes dos
prolissionaes, Sr. deputado, s3o grandes
auxilios as quesloes administrativas, em
que se resolvem materias scientifi as e parti-
culares. (Apoiados.)Serapre que se trata'* de
urna le que se retira sanidade ou hyge-
ne publica quero ouvir a opinio de mdi-
cos ; quando fr questo de obras publicas
me mu (^necessario o parecer do enge-
nheiro ; se affecta legislago, desejo at-
tender aos magistrados e advogados ; so or-
ganisagao de facilidades, necessito do pensar
dos lentes (apoiados); se diz respeito a
inaterasem queseenvolveo ecclesiastico.no
posso prescindir do soccorro dos theologos.
Assim, no assumpto de recrutamento e or~
ganisago do exercito carego de ter consi-
deracab pelas opinies dos generaes e pro-
lissionaes militares...
(lia varios apartes.)
A opinio do nobre deputado me parece
at contra a sagrada escriptura. (Risadas.)
Lembro-rae que umdossermes do ce-
lebre jesuta, o padre Antonio Viera, que
Oeos querendo punir o rei Acab, charaou
a conselho o diabo (risadas), e o que
mais para admirar. Dos seguio a opinio
do diabo porque se tratava de fazer o mal.
illilaridade.)
0 Sh. Aual'jo Ges :Quera era o ad-
vogado do diabo ? (Risadas.)
O Si. Pebeira da Silva: Nao sei, eu
nao era de;sa poca, e nos livros nao aclioi.
(Hilaridade prolongada.)
Sn.. Bittncourt :Mas oSr. Lamego
nao assgnou o projecto.
O Sr. Pereira da Silva :Eslava doente
na occasio em que o projecto foi assigna-
do e apresen lado mesa. Concordou,
porm, em ludo comnosco.
Uma Voz:Mas a commisso tem man-
dado emendas, e mudado de parecer.
O Sr. Pereira da Silva?Nao se ad-
mire disso o Ilustre deputado. A' pro-
porgq que por si mesmo, ou pela discus-
so e impugnago do projecto a commisso
entender que deve modificar alguma des-
posean, fa-lo-ha de bom grado, porque
prefiere emendar um erro, a persistir no
erro por capricho (muito bem). J no art.
Io envi ella mesa emendas; j sobre a
mesa foi depositada uma outra a respeito do
artigo 2o.
O Sn. Pinto Moreira:Como haviamos
de conhecer uma emenda que nao foi pu-
blicada,?
0 Sr. Pereira da Silva :Quando se
tratar do 2o artigo, ser publicada, segunda
o regiment; foi todava apresentada antes
de comegar a discusso para a dirigir e fa-
cilitar ao iniciar o debate sobre cada um
artigo.
Meus senhores; esta materia das mais
graves e melindrosas. Mesmo em Franga,
am 1867, quando se discutio a proposta
do governo, militarizando um poucc mais o
paiz com augmento da torga publica activa
e da reserva, e dos annos de servieo mili-
tar, e com a creagao da guarda movel,
mais de um raez'gastou o corpo legislativo
franeez na discusso; uma centena de
emendas, e multas da propria commiss5o,
m.Ua. do- proprio governo, para alterar
desposiges que se foram com- o debate
reconhecendomwacer de modifleacoes, nao
menos de atfwznt voltou o projecto1 com
midas cwnmissSo para depois interpor
sea parwer; que pola, para adttrar qwe
a actual coran*s8e da anwra dds Srs. di-
putados, animada pelo s desejo de fazer
urna retorraaderocniaajeato a memor pos-
sivel, esteja pedindo a opiniSo de todos, o
auxilio dos profissionaes, as luzes dos mes-
tres ? ^Apoiados.)
0 Sr. Ju.fQUF.iAA: E" preciso sabir do
estado actual em que nos ardamos com o
recrutamento, ora que urnas provincias car-
regam com todo o onus o outras nao.
(Apoiados.)
0 Sn. Duque-Estrada Teixeira:K*
preciso igualdade nao s dos cidadaos como
das provincias.
(Ha oulros apartes.)
O Sr. Pereira da Silva :Repito, Sr.
presidente, que todos nos os membros da
commisso nao temos o menor capricho aas
deas apresentadas; desejariamos realmente
melhorar o projecto ; aceitamos todas as
observagoes dos Ilustres deputados, a
proporco que marchar o debate, aperfei-
coaremos a obra. (Apoiados.)
Para nos a conscripgo a melhor solu-
glo co nc principio cantea!, porque se o
nobre depulado por Minas estremece, ao
lembrar-se do alarma causado as familias
quando aunualmooie tirar em poca fixa o
governo por meio do sorteio tres ou qualro
mil pessoas para o contingente militar,
mais devemos lamentar que todos os annos,
todos os mezes, todos os dias esteja como
agora aberto o recrutamento torgado as
cidades, villas e povoagoes de todo o Impe-
rio, e pelos bosques se ande cagando e
apanhando gente para recrutar; com isto
que muito mais devem consternar-se as fa-
milias, e levantar bardos desesperados ao
co. (Apoiados.)
Pelo menos ha de ha ver mais jusliga,
porque nao ha condemnados na sociedade
para serem recrulados, e privilegiados para
se eximirem do servieo. (Apoiados.) Se
u beneficio, toque a todos; se onus,
nao hajam privilegiados, porque somos
lodos brasil iros, ricos .e pobres, e todos
iguaes perante a lei. (Apoiados.)
Ha do apparecer noeess3ruineiite quei-
xas, clamores, contra a innovago; sero
menores, do que os da actualidade contra o
recrutamento torgado. Vamos experimen-
tar uraa innovago, que nos parece dever
melhorar a posigo dos brasileires, admita-
mos um progresso que logo que se aclima-
tar no paiz nos parecer trazer vantageus
ao povo, ao exercito, e aos principios libe-
raos de igualdade.
Quem quizer eximir-se do servieo, pa-
gue uraa somma com que o governo^ en-
gaje um voluntario em seu lugar on d por
si um substituto idneo. Ganlia o exerci-
to, lucra o Estado em que o joven que nao
tenha vocago para a vida militar ou se
queira appcar s letras, carreira civil,
s artes liberaes, ao commcrco e indus-
tria, se desembarace para lodo sempre, no
caso de Ihe tocar a sorte, dando por si
homem capaz do servieo, ou pagando a
somma que tiara um.bom voluntario.
O principio de igualdade realza-s < em
que todos pagam o imposto, ou com sua
pessua ou por oulros meios. (Apoia-v
dos.)
Note a cmara ainda que to moderado e
suave o projecto, que em Franga nao se
permitle seno a subsltuigo pessoal e
nao a de dinheiro; que na ltelgica e na
Suissa o mesmo principio se adoptou;
que na Austria-admitle-se a sengo por di-
nheiro mas nao substitugo pessoal; que,
emfim, na Italia nem uma nem outra isen-
co se aceita; o sorteado ha de assentar
praga. Sao os paizes da conscripgo!
E nos admittimos ambos os meios para
mais moderada e paulatinamente irmos acli-
matando a conscripgo.
A respeito agora das isences para o
alistamento, parece-me que a 6ommisso
adoptou as que eram necessarias: no 1*
anno todas da lei actual; nos seguintes cha-
mndose s sorbios jovens que com-
plelam 18 annos de idade : ja se v que o
principio de igualmente melhor assenta com
menor numero de isenges. Os projectos
anteriores nao contem maior numero de
senses do que o que se acha em dis-
cusso.
Exclamou o nobre deputado pela pro-
vincia de Minas que o projecio collocava o
Brasil na posigo do Paraguay e da Hussia.
Se nao conhecesse eu a fortaleza e robus-
tez do talento do meu Ilustre collega, en-
tendera que, baldo de razo, se langava no
campo ingrato das phrases declamatorias,
porque realmente nao passa esta id i de
verdadeira declamago. Mas affeito a divi-
sar-lhe sempre txeellenwPltilenses e boa
f, pens que eseapou-lWe a expresso do
calor efogo patritico em que arda, e-sem
Ihe dar o peso ou valor que poderia im-
portar. Deixo-a, portanto, de parte, e
passo adiante.
Dissose, ao menos pareceu-me t-lo ou-
vido, que ou se conseguria militarizar n paiz
com esta lei, ou dadas as isenges e oxe-
ctitada com as prudentes cautelas e precisa
noderaglo, nao daria os contingentes ne-
cessarios para preenchimentos da torga pu-
blica.
J mostrei quf a.brangendo o alistamento
e sorteio do primeiro ^anno da execugo
desta lei todos quantos cidadaos as nstruc-
ges de 1822 condemnam ao recrutamento
torgado, e o proprio nobre deputado por
Minas o demonstrau, exagerando o numero
mais de trezenlos rail, acharaos uraa larga
quanta, aonde podemos encontrar mais
de vinte rail.pragas boas, sadias e robustas
e com isto nada innovamos porque aceita-
mos a legislago vigente com todas as suas
isenses. Os que a sustentara, nao podem
combater o projeeto sob este ponto de
vista.
Eis, pois, o exercito orginsado no pri-
meiro anno, nao cacada de Itomens, a arbi-
trio do governo e das autoridades, victimas
da vindicta particular, ou dos partidos po-
lticos dominantes, como se pratica entre
nos, fallemos com franqueza e Iealdade
(apoiados;, mas por meio da um sorteio,
que pode ser acaso, negagao de todos os
principios, como quizerem chamar, mas qne
nao resultado de pereeguiges, odios ou
vigangas Individuaes ou polticas, n5o serve-
d-- instrumente de paixes, nem de armas
de partidos ou grupos. Que importa aqm
as idades- entre 18 e 30 annos, as isences
mais ou menos alargadas ? Vigora a res-
peito da massa recrutavel a tai actual ; a
sorte decide quem deve assentar pracas eu
dar horaom por si? ou qnantia com que se
engaje quem o sufestilua.

n:*tr jtjj
rtfoitf/RiMr-.wAff.)
TYP. llMAAM-RMBA8(UZK81k *
i\
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXD3RPA4F_UQ8XW0 INGEST_TIME 2013-09-14T00:35:30Z PACKAGE AA00011611_11910
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES