Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11909


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-

ANNO XLV. NUMERO 177.
A -' i i> U
PARA A CAPITA1 E LUGARES OIDE IA8 SE PAGA PANE.
Jor tres rneze adiantados.................. 41000
w se ditos idem.................... 12*000
Portnn annoidem.................... 'tUfCO
................ frao
' SEXTA FEIRA 6 OE AGOSTO DE 1869.
PARA RITI E TttU DA PB07BKIA.
rMrtru mezes adnfedos.............
TBnWortOs dem................
Por bom ditos idem .............
Por uno............
J7B0
am
ME
:--------------------------1--------------------------i_______
Propriedalp de Manoel Hgneifla de Faria & FTk.
'y *

-
SAO A4W.V 1*01
-----
--------
.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves
itono Alves A Fflhos, noPar; XJoncalvesA Pinto, no MaranhSo; Joaqun, Jos de Oltveira, do Cauri; AjjtorjrVie Lenws Braga, no Aray; Jbo ivia Jnfio Chaves, doAss; Antonio Marones da Sira no r*
Perena d Almcida, em Marnaagoape;'Antomo AJexandrino de Lima, BaPaobyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Puna; Belarmfao dos Santos BulcSo, em &mto Atao; Doraagos Jos da Costa BraVa
em JNazaratli; Franoino Tarares da Costa|*m Alagoas; Dr. Jos Martins Alws, na Bata; e Jos ibeiro Gasparinho, no Rio do Janeiro.
_____________________ #*
NUal; Pite Justino

PARTE OmCIAl.
mrermm da provnola.
LEI .N. 904.
O Dr. Manoel do Naseimeulo Machado Portella, vioe-pr.sidei
da iwovinri.i de Pernam-uco : Fago sabor a todos os seus hab
lales que a assembla legislativa provincial decreten eu sene
cionet a resolucao segunlo :
Art. 1. O ougeoho Punan da renuena do Grvala, com terreno a elle pertencente, lica pertcncendo fregarais de Be-
-*-*-
dimana pela lagoa do Gaetano, d'ai a lagoa do Gado, d'oode ir Palacio do gevfao de> Pernambuco,
aos Tanquinhos at a Serrinha, dnste lugar seguir em linha recia quadragesimo oitavo da independencia e-
ata a caa do Anr da Honra inclusive.d'ahi a de Joo Alves de Fre-, Manoel do N'/acnenlo.Machado Portellu.
So de junte de 1869,
do Hnpt^^^^K.Dr.
Us; o seguindu o rumo que divide as propiedades Serra Granda
e Cocal at 03 limites da provincia das Alagoas.
Art. Io Fcra revocadas todas as disposic3es em contrario.
Ufando, portanto, a todas as autoridades) a quem o conheci-
uieato e oxocugo da presenta resolucao perteneer, quo ,1 cumpram
e facam cumprir tao inteiraiiiente como nena se conten.
O-oeerotacio do governo desta provincia a faja imprimir, publi-
car e correr.
Palacio do governo do Pernambuco, 25 de Jnnho de 1869,
quadragesimo oitavo da independencia c do imperio.L. 8.Dr.
Manoel do Sascimentn Machado Portella.
SHaa e publicada a presento resolucao nesta secretaria do
governo de Pernambuco, 23 de janbo de 1869.O secretario, Dr.
Joaquim Corra de Araujo.
Hegistrada a fl. do livro de leis provinciacs. Secretaria do go-
verno de Pernambuco, 28 de junho de 1869.O chele da 4." seceo,
Francisco de hemos Dttarte
LE tt, 906.
Art 2.. Fkam revogadas as disposNjoes em contraro.
. Mando, jrorteato, a tona? as ;iutordades. a quem o oonheci-
tnamn 3 exacuco da presente resol ug< portenoer, que a cumpram
f*$am euntprr lio tutei ramete come 11'ella se conten.
O secretario do governo desta provincia a laca imprimir, publi-
car e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 23 de junho de 1869,
tdrtgcsimo oitavo da independencia e do imperio.-I.. S.Dr.
tlmunel io Na*cm>nto Machado Por/ella.
Sellada e publicada a presente resoluo nsta secretaria do Dr Manoel do Nascimenlo Machado Portelia, vicepresidente
gvflrni o Pemaiobuco, 2o de junho do 1869.O secretario. Dr. da provincia de Pernambuco : Faco *aber a lodos os seHS hab-
Oinn Correa le Arunjo. tantes que a assembla legislativa provincial decretou e eu sanc-
tlegistraila a fl. do livro de leis provinciacs. Secretar do |K>- ciunwi a resolucao seguinte :
vnrno'de P.-rnamhuco. 25 de jnnho de r8tt?).O ohefo da ." secco, A1"'- l'"nUo. Ft o presdante da provincia autorisado a conce-
t'rmtciteo ifhtmn umte. der a Antonio Msnjues d,i Silva, o abite da ijuinta parte do
__, u l por qte fra arrennUado o imposto de 100 reis sobre
Lt.1 y 90o. de farinha.
O Dr. Manwl -do Xascimento Machado Portella, viee-presidente Revogadas as disposi^es em contrario.
da praTin.-ui.deiPerodinbuco : Eaco satoer todos os seus habi- Mando, portanto, a todas as autoridadtj, a quem o- eonheci-
tantes que a assembla legislativa provincial decrelou e eu sane- meato eemovcao da preaente resolucao ttertoncer, quo a cumpram
conei a resolucao segiimte : e facam cumprir tao inleiramente como nolla se oonim.
Sellada e publicad a presento resoluc"in nesta sere goverao de Purnauocr), 25 de junho de"i8 Joaquim Corra de .tMiq'o.
Hefhtrada a fl. do livro de leis provinciaes. Saa| H do go
vernode PeniarnliBea, Vi d junho dw 1IWP.
gao, Francitco de Lentos Du-ait?.
!
LE N. 907.
Art. !. Os liaiitesdo termo do Bom Consclho ficam alterados
pela maneira seghrte : romecando da demarcaco seguir 1 linha
O Dr. Manoel do Mciinento Marhad* PorleHt, rietitreHdcnte
da provincia de Peraai^J>uco : Faeo saber a todos OB'ftt*>MhUM-
tes que a assembleaiWtUlativa provincial decretoo e eu nnceionei
a resolucao segninte:
Art. !. Fica credo mais un lugar de escriban na relacao de
Pernambuco. ,
Art. 2. Prvido que seja o lugar, sent distribuidos o feitos
pendentes nos dou actuaos cartoriw, na devida proporrao para qne
os tres liqnera igualmente aquinluiados.
Art. :t. Fieam rehogada* as dispnsices em contrario.
Mando, portanip, 4od.is as natnridades, a iniem o conheei-
cimenloe wcecucao da'presente resolueai pertcnceil qne a cumprauL
e faeam cumprir tao inteiranienie eono nella se uontm.
Oserretar do governo desta provincia a faca mprhnir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 23 de junho de 1869, qna-
cada carga | dragesime oitavo da-independencia c do imperio.L. S.Dr. Ma-
noel do Nasciinpnio Uachndo Portella.
Sellada c publicada a presente resolucao nesta secretaria do go-
verno oe Peniarabueo, 23 de junho de 1869.O secretario, l>r.
loanvuH Corra de rnvji
fl.o
preco
cenca eom ordenado, at tre Mezes, aos empTe-
gados que perante ellesenirem, informar sobre
seu priR-edimento, prop'r suaexoneracRy.'nomear
que ni sirva interinrseme nos Imoedimcnlo, e-i-
diear ao governo pes.-oas aptas pura o promento
definitivo ;
.1 Inspeccionar as repartiedes que Ihe forem
siijailM, pnpniu au gow ae pwwdeneias eon-
venientes para melnor andamento do servico
4. Dar coohecUnaalo ao joverno de todos os
actos da admimstracao a' sen cargo e daqoeMos
ultimo, qne o awfcflsa 11 bspender 10:000*000
rom a hherdatte de nunf Mtim tmaMI s
creancas do sexo renieniuv/AwhiA por delibera
1*0 de 4 correnif, nemear im conrnisle com-
posta dos Sis. Drs. Ignacio Joaqund Stj^tkheio,
Anenio Joaquim de MWaes e SHva, Jnab da Silva
Ramos, e negociantes Solo limacie' de Hedelros
llego e Antonio Gomes de Miranda Leal; para dar
execueio a essa lei, k> aecordo com as emintes
inotracc.des :
e os quaes ao mismo governo Incumbe" pro- t^^^b!S^fftm ^SSSVS
Su^asKassBar^
iJtofTmZ^^&r*e*Maem *"'\ BM*m ** ompuniadn. de certidinde bap-
bra1 no-munte,** da crte, U*ho, no caso de mem baptisudas as creauc^.
Hcjiistr.ida a
0 secretario do governo desta provincia a faga imprimir, puuli- vernode Pernambueo, 23 de junho d
car e correr. 1 Francisco de LemofMujr'''.
-------------------------1----------------------------------------,_____________1 ______
livro de leis provinciaes. Secretaria do go-
1869.Ocheada 4a seccao,
_______J____._
GXPKDiCKTK ASSr.X\U0 PELO V.\U. (T\. DB. MANOF.I
DO l|AS'.;i.MKNTO MACHADO PORTELLA, VICK-PMSI-
ORNTK Di l>OVIX.:i\, EM 22 DE MAIO DE 1869.
1* seccao.
N. 8J6.Portara ao general commandantedas
armas.Para p'Jer dar cuinprinioate ao que me
foi delcrmtnado polo conselho supremo militar,
remella-me V". Ese. com urgencia a l' de oflicios
do alteres reluinado Quiuliliauo Henriqiie da Sil-
va Primavera,
N. 677. -Dita ao capito do porto.Ao offieio
de V. S. fasta dta sob n. 63, respondo dizendo-
Ihe qu! nao havendi requisicao das autoridades,
sein duvida por >erem sunlcienles es escaleres
0 jangadas existentes us poutus om que a otieia
tr-m chegadn, nao posso autorisar a remsjsa da
mais jangadas, o ipie se far logo que haja reqni-
sico olliciai.
N. 678. Dita ao vice-eonsul da ilespanha.
Acenso a recepcao do ollicio u. 31 e dalado de 13
brrente que" me dirlgin o Sr. D. Juan Buscn
vico-consul d i Ilespanha nesta provincia, e em
rosposta teuh a di/.T-llie que providencio para
que se Mo d pasaporte ou portara de saluda a
subditos hespauhoes, aom que previamonte soja
niMpdo ao mesmo Sr. vicecnsul Reqovj a.iSr.
vee-rnBsul o< protestos de minha perfetia estima
i; dislinca cniisiJcraeo.
2' seceo.
N. 090.Portara ao ehefo de
t i petos offl "ios dos subdelegados da Magdalena e
Varzea, qtl aeompannariim o de V. S. desia data,
e devilvo imiusi-s, do esta!) da beta naquidlas
lacoldadafl, looho a dizor-bc cin rosposta,. que
approvo a daliboracao quo tmiou a seguuda d'a-
quelias autoridades de prestar soeoorros as pe>
quo por sa:i t'iihreza delle pfecisavam.
N. 681 Dita ao juiz de diroito da comarta de
Flores.- Int -irado pelo e.otUoio do i co eorren-
lo, de c-mstai-lhe acuar-se-Elt^bo Jos Alvos d i
Brito fronte d o crinimosos, no lugar Frade
do te mu di I'.anco na provincia da Parahyb.i,
dispost i a assaliar a villa de Floros e saquea-la,
do soltar.) criminoso Joo Manoel Prazai que alii
so acha, c cur.hado do mesiuo Unto, tenio a
dizcr-lhe que em vista do que participa approvo
a providoiiia por V. S. tomada do augmentar o
dosjMJunento oeosa villa oom mais 20 praras da
guarda nacional e um ollicial de conlianca do do-
no, forra essa que requisitou ao respectivo coui-
.inandantc superior.
.\ 88i. Dita ao juiz de diroito da comarca de
l/iruar.D.-volvendo os oflicios e documentos
que vieram aunexoa ao que V. S iua dirigi em
2"! de abril iiltim i, relativamente us despesas fei-
tas com o ijlamonto das in lip ates atacados de
cunaras de sangue e varila nesta comarca por
coula di- 10, que por esse lim Iba foram
abonadas pe. Ihesouraria uo fazooda, tenli i a di-
z v om io-p ista ao seu citado o&lsi, q'\e proce-
da a es-e respeito de conformidade com o parecer
junto por opia, do contador daquolla thesoura-
ria, a qu;: so refero a informago do respectivo
inspector datado de 20. do corrale sob n. 318.
3' secgao.
H.-6R1.Portara ao inspector da thesouraria
de fazanda.itemstto por copia a V. S. para seu
eonliecinaulo e execneao na parte que Ihe tocar,
u inclu-> avjjj eircular, expedido pola repartco
la agricultura, commercio e obras publicas m
2V de abril u!:i.o j, acercados relatnos dos en-
nl^eiros en irrogado da medigao e descrimina-
ilutas, c de ouu-os trabalhos
as persas provincias do imperio, prevouindo-o
I: qfc ten'ia r...; 1> o di i 3 .]>; mezes do ja-
nciro/abril. j iliio e outubro para apresentacao
mesmos relatnos.
K. i.Dito ao inesnu.C^nsUndo de aviso
ministerio da repartigo da agricultura, cora-
morco oabras publica^ do 12 do corrente sob
^^^Hn<;> dala dirigido aviso ao da lazen-
leu com o seu
103.
ofllcio de 14 do corrente sol) n.
de pagos os respectivos direitos urna portara pda
qual S. M. o Imperador houve por benvprorogar
N. 691.Dita ao dosembargador provedor da por tres mez.'s a licenga de igual lempo que, com
Santa Casa de Misericordia.Aehaudo-se alienado o respectivo veneiiuento, que Ihe concedido pr-la
o soldado do corpa previsorio de polica Jos Joa- presidencia desta provincia.
qnira da Veiga Figucircdo, c solicitando o respec- --------.
tivo commandante em offieio n. 216 de 21 do cor-, dspagiios da vtnE-pnBsiBBjrcu do da 2
roete que seja elle recomido ao respectivo hospital, de agosto db 1869
queira-V. Esc. expedir as suas ordena neste sen-, Antonio Francisco Cavalcanle Informo
lido.
Antonio Francisco Givalcanle Informe e Sr.
director interino do arsenal de guerra.
Uemvento Cavalcante liuarque de Albnque-
que.Gertiliqui'-se o que constar.
Dr. Joaquim Franeisoo de Faria.Dirija-so ao
Sr. inspector da llieaouraria de fizenda.
Juvenal Xaviar Torres.Nao tem lugar o que
requer em vista das informacoes.
Mara do Hosario hnheiro.lufonne o Sr. Dr.
N. 692.I)ita ao engenhoiro Dr. Antonio Vicen-
te do Nascimento Feitosa.Enviando a Vine, o in-
cluso programla para de conformidade com elle
seren organisados os rotatorios trimensaes dos
tralMlh'is i sen cargo, previno-o de que em obser-
vancia do aviso d>> ministerio da agricultura, com-
mercio e obras publicas de 2i- de abril prximo
lindo, que mandou por em exeeuco o referido director ceral da instruciio publica,
programina, tenho marcado o dia 3 dos mezes de Manoel Loarenco. nPmot o mi allega.
Janeiro, abril, julho e outubro para apresentagao Maria Vatoridade Paula Barros.Informe o Sr.
das sobreditos colatorios sol pena de pona da gra- inspector da thesouraria de fazenda.
titieaco oonesnondenio aos dias do demora. | Abaixo assignado.Informe aidirectoria do thea-
X. ti'Jl^IihI ao enguaheiro Baphael Archanjo tro de Santa Isabel.
Galvo Filhp.- | Fieldeii Hroihors.-Driia-s.> ao Sr. ln9i>eetor da
N. 6'J1.DHo a i director geral interino da ins- thesouraria provincial,
truegao publica.Informe V. S. acerca do qne e<- Fclippe McnOa Gallado da loaseca.A faltas
poe uo oflieio incluso por copia datado do 3 do de que o soppliciiite traa j foram abonadas. :d. os vencioieiilos des 'eipreiados immirqiacs,
correuto e engealieiro Luiz Jos da Silva, com re- Gongalves dii Silva.Informo o Sr. coronel com- mprcsciniv.-is oii resultantes do con-
aoathdaaldoia doDiacbo do Mallo. mandante superior interino da guarda nacional (ral le cpnservaco o reparos dos beos o
TT. 9o._^)tw w-ajw) -onutonhia brasi- esta municipio. traJtjp'iounielpoe; a ontnr variare!, comprehen-
leira de paquetes a vapor.Podem Vmes. fazer se- Nicolao Vioira da Silva.Indeferidn vto da denTo os ere ditos destinados novas obras, er-
guir para os porlos do norte o vapor Cruzeiro do n
Sal aniaubia a hora indicada em sor ullleio dosla
13. Prover aos-meios de snpprir o dtficit do or-
gamopto das fabricas das matrizes ;
14.- Fiscalisar o emprego dos dinhoiros munici-
paeso tomar aimuahnenle as rentas ao prefeito;
I3..1)rr'anisar seu regiment interno, respailadas
a. segniul.'h-tootts :
l.yonliiun projecto de estatuto ou rosolurao
municipal entrar em diseusso, som que d'eHe se
tenlia^ido conbeeimento a cada vepoador, por co-
pia oc impresso, e sido designado para ordem do
dia, |elo monos, 24 huras antes ;
%i Os projectos tea-fio tres diacussoesem das di-
verso.;
''.' Heferiudo-se aos assumptes de que tratam
os ns. 1", 3, 6,'7 e 9', t se considerar)appro-
vados sepilo votados por maioria absoluta dos vo-
reaitore.- da cmara ;
AiVtfS, Nio pollera ramacajftManicipal crear
rochias ni cidn te dottio de Janeiro, sem
ctitffenhr.m rinis de IN.W almas, pouam
en 11 o appropriailo par mafi/., e possa
clculos seguros cqtMar eoin renda para a.
anca inferior a 3:000.
W. tj titulo de despeZa no orgamento mu-
il da forte ser dividido eni duas partes :
Ilxa e obrigatoria, na qual serao eomprehen-
iformaoo.
data.
N. 6%.Dita ao fiscal dos trilhos urbanos do
Recife a Apipncos.Apeur de sna inforniagao de
11 de marco prximo lindo sobre a propota do ge-
rente da empreza dos trilhos urbanos do Recife a
Apeos para a desapropriaoao das casas sitas
na Casa Forte e Camai-ao, tenho a dizer-lho que
embora o $ 19 do art. 13 da leTjt 852, houvesse
consignado a quantia de 4:OOOj5000parao dito fin
tenlu nesta data declarado a mesma empreza nao
acceitar a referida proposta, nao s porque pelo-
art. 2- 2 do contrato e altenicao primeiro do
additamento nao se obrigou o governo a outras
desapropriagoes e smentc as necessarias para a
abertura da continuaran ta ra Formosa at a
a ra da -Etperanm, como porque tendo aquellas
desapropriagoes por objecto como Vme. informa
facilitar a empreza a modilicagao as curvas dos
trilhos que nos referidos pftilos tem muilo peque-
o raio e de interes-e ininediato para a empreza
que essa modilkacao scja-fefto quinto antes, cum-
l>rc a empreza pelo me ios ao seu alcance satisfa-,
zor eva necessidade para o regular servigo, o que
Vme. far que tetina lugar qnanto antes.
N. 607.Dita ao gerente da compannia d trilhos
urbanos do Recife a Apipncos -Nao podendu aeei-
lar a proposta apresentada por Vme. em ofllcio de
11 de margo ultimo para a desapropriagio das ca-1
sas sitas na Casa-Forle e Cainaro, j porque pelo
art. 2 | 2 do respectivo contrato e alteragao prj-
meira do additamento ao mesmo o governo nao
se obrigou a taes desapropriagoes esomente a> ne-
cessarias para a abertura da continnagao da rua
Formla at a da Boa-Esperanga e j perqu ten-
do as desapropriagoes propostas por objecto facili-
tar a empreza a modiucagao das curvas dos tri-
lhos, que nos referidos 'potitos fem muilo pequeo
raio, e do intoiosso inmediato da empreza reali-
sa-la quanto antes, assim Ih'o declaro afim de quo
a mesma empreza satisfaga essa necessidade com
a brevidade qu convoi.
vicos o nielhorataeotoi.
As despivas variaveis sari i
separadamente, c contiituirao
liscutidas e votadas
resoluges dislinc-
Hcj:rt-s da polica.
scelo. .Secretaria da polica de Pcrnam- tas. sendo cada urna relativa urna s obr,rvi-
go ou meilioramento.
Art, 90. Nao serao exectitaos Orcameoto mu-
nicipal, e us estatutos e resqltlgoes da cmara mu-
nicipal. ser:i que sjam approvdos eeio goterilo.
- siguiles in- Negando o gterno approvario, o acto expedi.r-se
I ha por decreto, quo ser precedido de relalono,
buco, 5 de agosto de 1869.
N. 1130.Illm. e sm.-Sr. Levo ao conbeei-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parti-
cipag&es receidas n'estoffwarti^fto foram hon
tem recolhidos a casa de
di vid lies :
A' minha ordem, Jos Thomaz-, como suspeito de presentado ao imperador peh) ministerio. (-.pon-
ser escravo e andar fgido. os Imidamentos da recusa.
A' ordem *o subdelegado do Recife, Rosa Maria Art. 91. A cmara municipal da corte celebra-
Joaquina da Conceico, por disturbios. '", mnnaflrteflte duns reunios de um mez crida
A'ordem do da Boa-Vista, Jos Antonio Pires, vmia, conieeando a primeirn no-dia 2 do janniro,
como suspeito de ser criminoso.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Machado Portella vice-pro-
sidonte da provincia. O chefe de polica interino.
Francisco d'Assis Oliveira Maciel.
i i i ii i
INTERIOR.
w
dA sobre o augmente do 74993 uo crdito conce-
dido a esla provincia para as de^-pezas com a verba resposta ao seu offieio de
telegrapuos, pertencentes ao actual exercicio ; as-
sim o eomitwnico a V. S. para seu conbeeimento.
. 685.Dita ao inspector da tliesonraria pro-
^^^^Docoil .nnidadccom o parecer da con-
I MTJt'essa th?souraria, a que sj refere a sua
informar.!) de 20 do corrente sob u. 283, acerca
ibrequeriinento que incluso devolvo. autoriso V.
RIO DE 4 t \i:iItO.
Projecto de reforma ninuletpal
aprescnta4lo cmara dos de-
butados em sso de IB de jn-
llio ultimo, pelo sr. ministro
do Imperio.
(Cmtclusao).
PARTE 11
CAPITULO NICO.
Da adminilrago do municipio dd corte.
Art. 86. A cmara municipal da cftric se com-
por de 18 vereadoVes ele*os por tollns as po-
cUas do municipio neutro, e de mais um verea-
dor eleito especialmente pelos votantes de cada pa-
rochia na forma do art. 22 n. I.
Art. 87. Alm das attribuigoes reconhecidas s
cmaras muniipaes das provincias, especificadas
nos arts. 3i u 36, exceptuados os ns. 3, 6, l;e
14 do art. Si, e ns. 3, 4, -S-, 7", 8", 13, 22, 27
e 28 do art. 36, compete cmara municipal da
ccirte :
1." Flxar as despozas municpaes e decretar os
impostes para ellas necesarios, nao podcBdo, pc-
KXPKOIENTH ASSIfiNADO PEI.O SR. DR. I0AQIHM COR-
REA l)K ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM'22
DE MAIO BE 1869.
1* oeco.
N. 698.Offieio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordem de S. Bxc. o Sr. vi-
co-ire*idente da provincia, declaro V. Exc, em
20 do corrente, sob n.
299, que nesta data se mandn satisfazer o pedido rt, impor sobre' objecto j tributado para os co-
do atades que so fazem necessari .s a enfermara fres graes ;
militar e que veio annexo ao seu citado of- 2.- Determinar o modo 9e arrecadaco e lisa-
licio. i lisogo de suas rendas
2* secgSo. 3." Decretar as medidas de economa e polica
N. 699.Offieio ao juiz de direito da comarca municipal do municipio neutr^; ,
de Palmares.O Exm. Sr. vice-presidente da pro- 4.* Crear e supprioiir o empregos inunicipao?.
a Alexandrina Barbosa da vinca, manda declarar a V. S., qne nesta data se estabeltcendo as condlgtes de sen provimento,
.Sirva, cm vina do attestado annexo ao menciona- ordenou ao promotor publico dessa comarca me aposentadona e demissao dos empMgados que ter-
do requer ment, o quo se eslrvor i dever aseo incontinenti siga para ah a reassumir as;funcges virem ; :.
irmio Polycarpo Barbosa da Siva provenientes da desea cargo e igualmente que ao conhecimento Bogularisar a distribuioao doensmo pnoia-
sratfficacao que no termes da lei n. 611, venceu do governo imperial foi levado o que V. S. com- rio c secundario nos estabelecimentos que mndar
ny corren' exercicio como cabo do corpo effeeti- tnnnicou em offieio de 12 do crrente qnanto al'e mantiver cnsta de seus cofres, sem pretenco
vo de polica era servico na guerra contra o gover- seeoio judiciaria do jury de Agua-Preta. aos preeeitos das leis e reglamentos respectivos
no do Paraguay, devedo a snpplicame reqnerer i. 700.Sito ao tenente-coronel Joao de Sa e do governo ;
x awmbta legislativa provincial o pagamento da All*querque.Declarando o governo imperial por 6." Deliberar sobre a, ereaeao .de novas paro-
parto dessa gratiliracao oorre-pondonte ao exerci- aviso- do ministerio da justica do 3 de margo ulti- chas e sua divisao em (Lstnctos, dadas as condi-
ciaj encerrado de 18 J7 a 1868. I mo ao conhecimento do qual toi levada a queixa g5es exigidas no art. 88, fixando os limites nas
N. M.Dita ao mesmo.Declaro a V. S. para por V S. dada eontra o delegado do tormo de Ipo- mosmas^aroehias e dlsfrietos, de modo qftdeieas
sea conhecimento e devi los effoitos, que deeodfor- juca Manoel Jos da Costa, que sendo jadoiarte. a o eutra* ja existenteBOooservom 06 requisitos*xi-
uidade com a sua informagao de 8 do eorronte questao, aos iribunacs compete decidir se o pro- gidos para a creacao de bovob ;
sob n. 277, tenho resodo relevar Silvestre No- cedimento daquella autoridado policial foi attenta- 7. Autorisar emprestnos municipaes, especiii-
meriMo Lopes Frazao da- melta de 80*080 qne unu os ^iu^os jjue rcgulatu o araatem a cando as condlcSes de seu levamamefrto, o'tempo,
Ihe foi imposta pelo direeter geral da instruegao oraem psUica e soguraeg* individual, astkrho modo e*iek)s de seu pagamento ;
nubheaem 1863 nao terna qoaHdade de profos- maala-o_Bxm. Sr. vic resideite da provincia 8. Estabeleeer as tondigaes de dmioistragao
s^r de nriinoiras ettra da vita de Cimbres re- coramum'c-ar-lhe para seOjConhecunento. I das casas de soccorros pblicos que fundarveomo
inetiido nos devidos tempos aquella dirertoria os I I.'sec asylos de mendicidada, casas de expostos, officinas
maooas do moviment" de sua aula. I N. 701Offieio ao Mspeetor' da thesouraria de para 'edneagSo da Infancia desvalida, hospltaes
N 697 -^Dittt ao ehefo da reparticao das bras faeadaO Exm Sr viee-pTMWente ta provteia para trataniento de eftfcrinidsttos eoniogiooo e
ubiie.ecommeado: *Vae. toda a bro ^T j,....... liiuiuia'iit i flii 1lTnri-:l' e-fiM convenientes gtle sqmndo Ihe'darticlpoa o trabaHw e memorameno moral dasotessesd* pe-
da diMu ennianut desta provincia, oe Hfoi i juiz d; direito de Flores, em offlHo de 4 o oor- pulaicq desfavorecida da fortuna.
rTwr nronartaria doteBresidencia a 28 de se-' rente e em vlrlrnte-e'rdVfts **rrfores a elle di- Wgalar a adminlstragao dos bens'do patri-
JSflkiio em virtoeBe aviso do ministerio 'rtg?*s foi iwgmenudo**esteamenm da vHtft*) moWowmniclpal o deliberar sobre a alienue*) de (eleito depntado pelei mnmciF
j-, i^.iJl dtafi de traxnda mo Droxiino pas- i mesmo nome'-eew hlicim offielal e prae^da seu dominio, qur til, qur directo. Hct pela provltcfa do Ro d;
MjusueMovae *! f v (^tfdj mmob| s*w- 4'oeccae 4:'*eeeto. cipio;
*. ^i>ortariaaoEsm e^vdm hispo dtocc-' N. 7f. OHIei *> r. JeSe Perreira da Bilva. II. Deere'ar as Obras pnbltras do'nmtrielpio
Url Jfci or encamibHda ab Bovemo Imperial Pela secretaria de-governo se ee*Wui*ao pagas a cusa oe seus cofres ;
^^Mdrt-jSSSwEdf Silva Villarim, i MMir,Br. **> **%* SiKa,-qttevta^e 12. Estabeleeer jardms pblicos e lugares Ofr
MTter ossedesto'V.lK.Rvm.me rtat- la mesma secretariapara-Hteeer tt%iedepoi8 recrelo para a popiuagao;
e a segunda no dia 1 de jumo.
Em cada urna d'ellas apresenlar o prefeito
da borle um retatorio circnmst .in-iudo das oceur-
roiii-ias o estado da admimstrarao municipal, e
propor as providencias quo Ihe parecerem con-
venientes a bem do. servico e meilioramento do
municipio.
1. Logo nos primeiros Iros dias da segunda
rciiniao. apresentaY o prefeito as contas do exer-
cicio anterior e a proposta do orcainento munici-
pal para o anno futuro, que nolla ser votado.
2. As reunios poderao ser prorogadas, quon-
do e pelo tempo que fr preciso, pelo miuistro do
imperto.
Art. 92. Quando, por qtnpguer cirouinstancia,
deixar a cmara de votar o orcameoto municipal,
es nao r este approvado pelo gevTno, vigorara
o do anpo anterior.
Ar-t. 9:t. l,.>go que entrar em execneao a pre-
sente lei. a cmara examinar seu cdigo de postu-
ras o as resolugoes em vigoreorganisar os novos
estatutos de economa e polica nnuiicipal da curte,
IIcando, depois de a|iprovados estes, revogadas to-
das ns dispixices anteriores. Durar esta sessao
extlraerdinarin o tcni|>o necessario para ultimar-
se o trabaM da codificacao e reforma, cujo eslu-
do e redaceao devero ser distribuidla o1" r"m'
missoes noineadas pelas cmaras, as quaes pode-
derao ouvir a opinio dos empregados pblicos
o mais pessoas qne julgarem competentes.
Arl.-84. Ao presidente da cmara niiiBKpal da
curte compoto :
1 Dirigir os trabalhos das s*ssoes ;
2.' Convocar reunies extraordinarias da en-
rnar* quando jolgar conveniente, requerendo-lbo
cincovereadores ou exigir o governo, declaranao-
Ibe o motivo.
.Nesta rAunirjns extraordinarias nao tratar a c-
mara senao do objecto especial declarado no acta
da convocaran;
'^'Juramentar e empossar os vereadoies, }ui-
s de pas e empregados sujeitos directamente
tomara :
ti.' Convocar, juramentar o einpossar os snp-
plentes de vrreadoros, -quando algnm ou algiins
dos do numero faUecor, obtiver escusa, osver
eonv liceneo ou faltar.'por cfoalqoer motivo, justifi-
cado on naoy tt* seBsSes da cmara ;
5. Tomar juramento aos estratigeiros naturali-
sados
6.* (terrasponder-se com quaesqnor autoridades
sbre evnmptes da competencia da c miara ;
7 Fallar em neme da cmara as solemnidades
a que ella assslir em corporagao on Se flzer re-
presentar ;
t- PropOf a cmara anomeagao dos emprega-
dos de-sua secretaria.
Art. 93. O prefeito da corte, alem das fujic-
ces concernen te? ao servico eral, cnearregado
da admitiislraco municipal acra no municipio
neutro.
Tcri o vendmento de 100003, do qual me-
tade ser paga peto cafre geral e a outra rtietde
pelo cofre mujvierpal.
Sera nomeado pelo Imperador, que designar-
lhe-haseis substitutos, e conservado emquanto
convier ao servico publico ; prestar juramento
as mSos drt presidente da enmara mumcipal. Nao
ipdoe, emqnaSto servir, e seis mezes depois, ser
pferto depntado pelo municipio neutro, nem sena-
s do Janeiro.
trte, como emprogado
geuJ, compete
"I." B^tecirtar o *tter eteCuter as leis, decretos e
prdens do governo, relativas aos,serviros, cuja di-
rewolhefr wicarregatta;
' "?>ReceHer jHi-ametfo darpbsseeeoneed?; tr-
Art. 97 No exereieie da adminlstragao
mnoieijKil da (Virte rmpete ao prefeito :
1.a -NHH)ear, demittir e promover a responsabi
lidad) dos empreados nMinicipaes (art. V 8;)
2. Executar e fazer exeeular os estlitutes e re-
lolugoes da cmara ;
3.- Ordeoor as minados pela cmara e autorisar seu pagamento
pela Uiesouraria nranipal ;
i.* CttneeOer lieooea com ordenado ate tres me-
zes aos empreados municipaes, excepto os da se-
crolaria d cmara, e suspenderlos administrativa-
mente ate quinze dias por falla Jo exaerio no
cumprmieiiio de gens deveres ;
o." Organisar a proposta de orgamento munici-
pal para o segninte exercicio e o balanco e cos-
tas do anterior ;
6. Bueer a neeessaria Inspeccao sobro as re-
partiedes o empregados municpaes, dando-llie- as
instruccoes e ordeas precisas para o bom anda-
mento e regularidade da servico.
Art. 98. O governo OFganisar com o menor
augmento de dexpeza e qnanto fr possivel com
empregados. das repartieres existentes a secretaria
da perfeitura, e com os da cmara municipal as
reparlicoes municiones sujeilas ao prefeito, c des-
tinadas a auxiha-lono desempenhodo servico mu-
nicipal.
Art. 99. As infracgdes dos estatutos mimicipaes
conlinuain no municipio da cortea ser julgadas
na forma do art. 128 do regulamento n. 120 de
31 de Janeiro de 1812.
As mulla poderao ser elevadas ao dobro das
estabelecidas no art. 18.
Administrncdo parochiat.
Art. 100. Em cada tunadas parochias do mu-
nicipio neutro haver um ronselho do fabrica da
respectiva matriz composto do vereador especial
la paroelna )Ldo juiz de paz mais votado (do Io
disirieto, quando a paroehia tiver mais de um
districto) ; do parocho, dos dous prepostos mais
graduados e cada urna das irniandados e confra-
rias residentes n? matriz, os quaes todos sero
permanentes em razSo de seus cargos; de seis
proprietarios da paroehia designados na primeira
orgamsaea), tres pelo prefeito o tres pelo hispo
diocesano, o na poca de sua sobotituigo pelos
memros do conselho, inclusive os qiR sao subs-
tiuiidos.
S ultima dominga do primeiro auno serao subs-
tituidos osoons consellieiros da fabrica que a sor-
te, designar ; uo mesmo dia do segundo anno pela
mesma turnia outros dous; de ento em diantc
fr-'se-ha animalmente a suostitnieao por antin-
guidade.
No caso do marte, ausencia ou impedimento de
qnalquer dos conselheiros, o conselho eleger
quem o substilaa pelo tempo qui fallar.
Art. 101. O conselho da fabrica nomear dous
do seus memhros, um para thesoureiro e outro
liara iiiordoino da igreja. B8tes e o parocho eons-
tituirao a commisso administrativa da Cabrita.
Art. iOi. O conseltio da fabrica reunir-se-ba
ordinariamente na primeira dominga de cada mez
depois da missa conventual no consistorio d ma-
1111?, presidido pelo vereador especial da paroehia,
lomando assento sua direita o parocho, esquer-
da o primeiro juiz de paz, e indistinctamente os
outras conselheiros. Um dos memhros, eleito na
primeira rennio de cada anno, servir de secre-
tario.
Em casos extraordinarios pode o conselho ser
convocado por seu presidente, avisados por es-
cripto os outros memhros ou mediante annuncio
no diario de motor rirculaco.
ArL 103. Ao conselho da fabrica incumbe :
1. Regular a aduiinisirago dos bons da fa-
brica ;
2.* Volar o orgamento de sua receita e d-'S-
peza ;
3. Tomar contas annualmente ao tbesourer ;
4." Ordenar as dispezas siqieriores a 50.
5. Determinar o deslino do saldo do anno an-
terior, quando haja, o qual ser empregadocm
aplleos da divida publica para patrimonio da ma-
triz, se as obras de conservago, reparos. rGCons-
truego ou augmente da. igreja nao exigirem que
seja depositado at reunir-se a somma precisa pa-
ra esse lim ;
6 Itesulver sobre fundaeoes pas e aceltagao
de doagoes, legados eoblac&es de valor superior a
O,com uu sem condicoes ;
7." Deliberar, ouvindo'pessoaprofissional, sobre
a conveniencia da propositura e defeza dos ao-
ces, em que a fabrica tiver de ser autora, fcf r
u tiver de figurar orno, assistente ou oppoente ,
8. Representar a cmara raunipipal sobre os
mcios de supprir o dficit do orgamento da fabrica.
3uando a receita nao fr sufficiente para cobrir'as
espezas obrigatorlas ;
Art. 104. A'commisoo administrativa da fabri-
ca providenciar sol) re todos os assumptes eon-
cernentes parte temporal do culto :
1a Organisando a proposta de orgamento que
deve ser presente ao conselho ;
8." Preparando oom as preeisas informagoes e
esrlarocimeiMos os negocios que teiu de ser alte-
los ao mesiuo conselho ;
'3. Executando suas deliberagoes ;
l> Fazendo Cumprir fielmente as fundagfies pas,
segundo a ib tengan dos instituidores ;
& Forflecendoos gaisamenlos e todo o neces-
sario para os oflicios divinos, comprando e fazen-
do remirar as alfaias e paramentos.
1> O thesoureiro atrecadari e ctinservara as
rendas da fabrica eiuum cofre mrte de tres cha-
ves, das quaes. gaarJar tima, ticand as cutres
em poder do parocho e do mordomo. _
2" O mordomo representar a fabrica em lo-
to os contratos, compras, negocios administrati-
vos e judiciaes.
| 3." Contina a oargo do parocho tqdo o qua
diz respeto ao a^oio, deceneia, ordem e disposi-
gocs iteriore.s do templo.
' tspongo transitoria.
Art; lOK. No-oltinio anno do actaa! quatrienwo
municipal rooeder-se-ha rteioao na conformi-
dade da presenta lei, i^ijas disposies cutrarao
em plena execugao no comego do nno segulnte.
Sala das sessdes 0a cmara dos deputadas, em
19 de juaho do 499. Paulino Jos Sotott de

PEB3IAMBC0.
I e de. aKeitado medico, que pmve o bom estado
| de srtde, nao Obstante o qual poder a com-
! misSo mandar apresenia-las a medios de sua
couflanea, ailm de seren examinadas.
Xa referidas propostas declararao os se-
nhore o menor jirego porque dao liberdade, bem
como se estn disposios a conservar as crean-
gas alforriadas om seu poder, o sustenta-le a
~ua rusta, mencionando o lugar oin que rVMdom.
No dia ultimo do agosto a commisso retoeio- -
nar todas as propostas, e peranto o presidente
da provinria se resolver quaes as creancas, qoe
tem de ser libertadas pr-wodenaVvse a sortoio caso
a importancia dos preros. relacionados- soja su-
perior a quantia destinada para Lil lim. Logo
une se determinar quaes as creancas, que devem
ser alforriadas, a eommissao far passar asearas
de liberdade pelo tabellio l.uiz da Cosa POrto-
Carreiro, que para isso so oltereceii indepente do
|wga, ou por qnalquer omito que gralnilamente
queira prestar esse servico, e entregar ao'res-
peciivo proponente urna declaragao por ella-assig-
nada, e reconhecWas as firmas pido laboUtao que
passar a carta, afim de ser paga pela thesou-
raria a quantia porque fr alforriada a creanga
quantia que duver ser escripia por extenso.
Passadas as cartas do liberdade a commis-
so iiodir ao juiz de orphos que immeie tu-
tor a cada ui>a dan ormngas que forem alfor-
riadas. .
- No din 7 de setiSRiijro no palacio da presiden-
cia sero entregues nos r" cartas do liberdade.
Palacio do governo de l'n iiainbnco om 4 de
agsslode 1869.Ja;. Mamel do Nasamcnh Mu-
ekitlo Portella.
INSTITUTO' ARCHEOLOGICO.-ltenniose hon-
tem o instituto arcbeologco sob a presidencia do
Exm. conselherroMunizjpvares ecom a dos Srs. Drs. Soaros d'Arevedo, Cmara Tamaru>
do, AiTuno de Albuquerque e os Srs. padre Lino
do Monte Carmelo, coronej Leal e majof Salvador
Henrique.
E' lida e approvada a ada da antecedente.
O Sr. secretario perpetuo d conla do segninte
expediente:
Um offieio do Sr. Lufa Forreira Bandcira de
Melle, offertando o instituto diversos doeuniontos
de importancia histrica, oiilr'ora pertencentes a
seu finado lio o major Salvador Coeho de Ii um-
mond e Albuquerque.Inteirado, sendo recebida
esta offerta com especial aerado.
O mesmo Sr. secretario [iorpetoo menciona as
seguintes oflVrtas :
Varios nmeros do Diario de Pernambuco, pelo
consocio Dr. Figueira.
Um numero da OpiniRo Nneionil pela respetiva. **c
redaceao.
Um exeni|ilar da traduceo do tratado sobre o
culto da Sanlissima Virgem do padre Ventura de
Ranlica, oflertado pelo traductor A. M. deC.
O'niro. contendo o novo systema de posos o
medidas explicado ao pftvo, polo Dr. Cicero Pere-
grino.
Todas eslas offertas sao recebidas com agrajja o
mandam-so nrcirivar.
E' lido o vai a imprimir para entrar r-ni diseus-
so na prxima sesso o segninte parecer da com-
misso ospi'cial de estatuas:
A commis.iao especial de estatuas a quem foi
submettida a prnposla apresentada na sosso pas-
s.el.K para que com a brevidade possivel ordene
este instituid a inanguracjfo Se urna columna de
I inannore coinmciuoratori dos qnatros principaes
hroes d.i restauraeao de Pernambuco do poder
hollandez, aproveita'ndo-se n terreno qne pela c-
mara municipal desta cfdade Ihe lora concedido
na praca da Boa Vista;' depois do considerar ma-
duramente sobre o assunipto, tem a honra dr aprc-
sentar o segninte resultad o.
Qtiaesqiier que sejam ns circumstaiicias que
possam occorrer, a commisso contina firme as
ideas emettidas no seu parecer do 23 de novembro
de 1865, approvado por este Instituto cm sessao
daquelle din.
Entretanto, verificada como se acha a impossi-
bilidade qnasi absoluta de se levar a effeito aquel-
lo projecto sobre as estatuas, accrcscendo atom
de mais o facto ltimamente de nos ser tomado o
terreno ao lado da fortaleza das Cinco-Ponas ;
o qne pode verificar-se acerca dos fttfos qne fo-
ram concedidos, e considerando a eommissao que
o instituto com quasi oito anos de existencia, pa-
rece que deve aprsenla!' .nesta ci lade um monu-
mento qualquer, que atiesto, a nossa gratidao por
aqoelles hroes, o qne com menos despeza se po-
deria conseguir sob o plano supposto, mais ou
mohos modificado : d>- parecer qne a proposta,
de que se trata seja approvada, e d->e-rhe com a
maxitna brevidade o andamento conveniente pro-
eedendo os riscos e orcainentos para a definitiva
approvacb por este instltnto.
Sala das sessSes do insUluto i de agosto de
1869. Saltador Uennque de Albuquerque.
Padre Lino do Monte Carmelo Luna.
E* lido e approvado um parecer da eommissao
de admisao de socios appiovando o Exm. Sr.con-
selheiro Joao Silveira de Souia para socio eflec-
tivo.
Corre o escrutinio e eleito o mesmo senhor.
Levanta-se a sesso.
ACCIDENTE.Quando voltaya de Olinda hon-
tem pelas 9 1/2 horas do dia, o mnibus que serve-
aquel! localidade, np lugar Santo Amaro parti-
rn) so os tirantes dos auno; es da frente, seguta-
do ellos de-filada, do entrada abaixo peta rua do
Hospicio, ah, defronte do quartel desse neme,
abalroaram um individuo, doitaram-o por trra e
o maltrataran) no rosto, que tleom bem contun-
dido.
ESTRADA DA TORRE.Chamamos a attengao
da Illma. cmara municipal para o doploravel esta-
do a que est reduzida essa estrada da munieipa-
lidade.
Ha dias dola aqui tratamos, pedindo prociden-
cias ao Exm. presidente ; sendo ella, porm, oba .
municipal, aquella corporanao compete cuidar nos
seus indispensaveis reparos.
DIA ONZE DE AGOSTO.- Informam-nds qne os
alumnos do"Io anno da Faenldade de Direito, pr-
tendem eorrunemorar no dia 11 do corrente anno o
anniwrsario da creagao das academias de direito
no Drasfl, alforrinndo tres rriangas do sexo fetoe-
nino. com o producto da subscripgSo ^eciao

BV1STADIABIA.
ALFeftflMrlfc KRAVOaS. Eic. o Sr. vi-
[OOrprgfiidpBlo mreiftocia, dando ciunjarimeato
4s4KX-io^ daff*(yer'no'3l n. 888 de 13 de juabo
emsrusoio, enne otrtr'ota era mpregadbem
rimara .
foguetes o
Essa mondado espera
por mais esa prova do ac
srmpfe so abtTgOu nos pe
deMhrcrva.
isa digna 8e lonvor
,..lado patrietWno.qne
osdbsvedaaeiro*bos-



.6381 30
8 fif i 4TX32 diario de Fermmbuco Sexta feira 6 de Agosto de 1869.
m
3MU
SOLEMNIDADE RELIGIOSA WdttMrtf*
pan domingo a solemnidade da ti irtajpirtHV do
Senhor, q;u: se cosluiua celebrar na eathedral 4e
Olrada.
S. Stt.*na. presid o acto, -e oecupar a
adeira sagrada o padre Jos. E.-teves Vianna.
JURY JWMaViMICO. Esta soeiedade, reunida,
deliber u transferir-sc para ra do Imperador n.
29 primeiro andar, por ser demasiado pequeo a
casa em que funccielG^W
Tendo que loman ee^K molidas nece^sarias
para seu tiielhorameatu, tsmpa oais asado deixar
o julgamenlo do procerr pfta quinu-eira proxi
mo vindouro.
IlECTIFICAftlO CONVENIENTE.-Na uWica-
cao, que flzemovMB nosso numero di qnarta-feia
da eleico das pseoas que devem festejar Nossa
Senhora da42 : lade se W I). Amalia, filUa do
Sr. M. Marques deMveira, Na-ajLD. Auna ; ende
se l D. Candida, espo*a do Sr. Manoel Muuiz *4*
Amorim, lease Manoel Marlins de Amorim ; e
entre as escrivaas por uevocao acha-sc por engao
o nome da Exma. Sra. D. Mara da Gloria espora
do Sr. Antonio da Cruz Ribeiro.
CLUB RADICAL.Domingo 8 do correal* as 11
horas, baver conferencia publica no Club Pr-
nambucano, pelo Dr. Sympronio sobre a tbese
0 partido radical no Brasil.Entrada para todos.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE-Movi-
mt-nto do hospicio de alienados na Misericordia de
Olinda, do Io ao ultimo de julho de 1869.
Existala 27 horneas e 40 mulhercs, entraram
2 homens e 1 mulher, sahio 1 hornera, jnorreu
1 borne, existem 28 homens e 46 mulheres.To-
tal 74.
Existem 11 eiOBregados neste estaheleciiBf.ito, 7
boiaens e 4 mulheres, sendo: 1 regente, 1 medico,
i capcllao, porteiro e sachristao 1; 2 enfermaros,
1 tarbeiro, t enfermeiras, 1 rodeira e 1 coei-
nheira.
Foi visitado o raesino estabelecmento polos Srs.
mdicos Drs. Firmo e Seve, este em lugar d'a-
quelle nos das 1, i, 8, 12, lo, 19, 22, 26 e 29 s
11,11 1/2 e 12 da raanhaa, e a urna e duas horas
da tarde.
Entraram 2 homens, 1 no da 10 de nome Luii
Francisco Roberto, pardo e outro no dia 21 de no-
uw Jos Mauricio de Almeida Bastos, branco, e
urna niulher no dia 17 de Borne Ibria Joaquina,
par-Ja.
Sania curada no dia 7 a parda Anna Mana, en-
trada a 21 de abril do crreme anno, e morreu
no dia 10, um homem de norac Florencio Alves
dos Santos, pardo, de epilepsia, entrado a 19 de
maio deste anno.
. O mordomo de mez,
A. J. Gomes do Crrelo.
O regente,
Luiz do liego Barros.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.Mov-
ment do hospital de Nossa Senhora da Conceicao
dos Lazaros, do 1 a 31 de julho de 1868.
Existiam lo homens e 15- mulheres, entrou 1,
mulher, morreu 1 dita, existem 16 homens e 14
mulheres.Total 30.
Observacao.
Isabel Mara dos Prazcres, parda, viuva, idade
33 annos, recolheu-se a 22 de tlezembro de 1867 c
aleceu 5 deste prximo passado.
Existem empregados neste esestabelecimento 8,
saber: capello 1, medico 1, regente l,dita 1, bar-
beiro 1, cozinheiro 1, serventes 2.
Foi visitado o estabelecnento pelos Srs. Drs.
Firmo e Seve, nos dias 1,4,8, 12, lo, 18, 22, 26
e31.
O mordomo dernez,
A. J. Gomes do Coireio.
O regente,
Diniz Ignacio P. dos Santos.
LOTERA.A qne se acha a venda a 116.", a
beneficio da tonta Casa de Misericordia qne cor-
re no dia 17.
Manoel
o
Sr.-tiembarta<
ft'*fgrap*4o> juizo.Re-
__ Jtor Soxa Lelo, sorteados
os Srs. desembargadores itirana e Jtegueira Cos-
tadNao Runaram conhecimento. Agarabante,
Jacob Joaqaim da Silva; aggravado, o j
Re-
lator o Sr. desembargador Almeida Albuqoerque, o bochare! Beato Jos da Costa; appellada, ar-
sorteados os Srs. qesemba/gadores Lourenco. S
tiago eMoita.Nao deram proviroento. I
Cartatestkmu.nh.vvkl^ppellante, Jos da Sil-
va ArcVtnjo; a|fwrada, Patihu* PNaoH
fexaggraro. R i
Haka ohpi-8.e os GWtn AVand-rley.
eoncideram paraodla 7. J ^H
Aih.i.ac5ks camas. Appellante, Joaoda Silva
L.- afpellada, a juaca Confirmaran) quanto a
l>rinieira parte o ftftfmaram quanto a segunda
iwule. Appellanfc, ojuizo; apeeHado, AlexanaYe,
O. da Si va.A' novo jury. Appellante, oj
appotodo, Manoel da Silva Saalgo.*T
jury. ApnoUante, Balieio Marque daVftUfll
pellada, a justira.Nuilo o processo. Appellante,'
o juiz de direito; appellados, Pedro viejra da
Fonctca e outrosImprocedente a ajpelk^Io.
passagens. wl
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desomliar
gador Guerra.AppelUc/Jes cives: appellante,
Gabriel G. de A. Montarrovos ; appcllado, Estevao
Jos Paes Brrelo. Appellante, Antonio da Cunha
Leio; appellada, A. Mara da Conceicao.
DoSr. desembargador Gitirana aoSr.desembar-
gador Lourenro Santiago.Appellacfies crimes:
appeWante, o juizo; appellados, Joo Jos de So li-
za e ostros Appellante, o promotor; appcllado,
Espirioiio Barbosa da Silva.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque.Appella-
co crime : appellante, o promotor; appcllado,
Seraphira Gongalves Pinheiro.
1 o Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Dominjsues da Silva.AppellacJo* e:
appellante, Valentu a Silva Barroca;
tt picsidenlc da dirrrtoi ia da caixa lilial do banco
do Brasil.. Appollanito, Hilario Thonu de OKwsi-
ra i appellada, D. Maria de Sao Jos. Apjl
de Sant"Atina. Apoelacao crime : ap-
o juizo de direito; poellado, Jos,
_ m M SRtt ao
>-Apellac/i
^ie*daNogueira ;
ra.
o
la-
pellante,
eseravo.
DJTSr.
Sr. dqsem
veis: api
appelkid'i
[ Ao S_
rivel: appellante, Au _
lo, Bellarmino (Jomes de
A-signot-se dia para jui^aaMiito 4ot segnintes
fitos:
Appw^qao avKirfAppeftutb, Yalentiin Jos
1 FrflMK ; appailado, Manort AWonw Torres.
Apfellacoks limes.Appellante, o juiz de
direito; apnelladajpaquim Flix Marques de Oli-
Appdlaleoji*); appeid^JeiiaBdf
oM* *-* .'. ,4
veia.
Jo#T>aiifigc
Deligkncias.Foram com vista ao desembarga-
dor promotor da jsliea: appellante, o juizo; ap-
pellado, Ignacio Jos da Silveira. Appeante, An-
tonio Bispo do Carino : appellada, a jn^y. Ap-
pellante, ojuizo; appellado, Antonio Quinteiro de
Azovedo. Appellante o juizo ; appellado, Jos
Marcelino Marques. Appellante, o juizo,' appella-
do, Jos de Barros e Souza. Appellante, o juiz de
direito; appelladoi AlexandrcFerreira de Sou-
za. Appellante. o juizo; appellado, Jacob, escra-
vo. Appellante, o promotor; appellado, Jns Be;
zerra da Silva. .Appellante, Jos Lins de Olivetra
appellada, a justica.
A' 1/2 hora eneerrou-se a sessao.
TABELLADO RENDDJENTOJ>A ALFANDEGA DE PERNAMBU(X) DO MEZ DE JULHO DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPA1LUX) COM O DE IGUAES MEZES DOS DOUS
ANNOS LTIMOS.
Importarao
Direitos de consumo................
Ditos addcionaes de 5 %...........
Ditos addicionaes de 2 %...........
Ditos de baldeaban e reexportar...
Ditos de dita e reexportacao para a
d'frica........................
Expediente dos gneros estrangeiros navega-
dos por cabotagein
Ditos de 1
Cosa
>'.
dos gneros do paiz.
I.IR0MCA Jl DICIARIA.
TRIBUNAL DA lli:i.A1.AO.
SESSAO EM 31 DE JULHO DE 1869.
PKESIDHNCIA DO EXM. SR. CO.NSBLHEIBO CAETANO
SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Motta,
Domingues da Silva, Souza Leao c Regueira Costa,
abrio-se a sessao.
Passados os fcitos, deram-se os seguintes julga-
montos:
Babeas Corpus.De Manoel Joaquim do Nasci-
cimento, negaram a soltura. De Joaquim Fran-
cisco de Albuquerque Santiago, negaram a soltu-
ra. De Manoel Thcotonio da Silva, negaram a
soltura. Do Heitor Bastos da Silva, negaram a
soltura.
Agoravos.Aggravante, Jos Francisco de An-
dra le; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desembar
gador Domingues da Silva, sorteados os Srs. desem-
oargadores Regueira Costa e Souza Leio.Nega-
ra* proviiriento. Aggravantes, Felisbino de Car-
valho Raposo e outro; aggravado, o juizo.Re-
lator o Sr. desembargador Guerra, sorteados os
Srs. desembargadores Souza Leo e Lourenco
Santiago. Deram provimento a um e ao outro
nao.
Phorogacao De inventario de Antonio da Motta
da Silveira Cavalcanle. Concederam a proro-
gacao.
PASSAGESS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desem-
bargador Guerra. Appellac5es civeis : appellante,
Jos Rodrigues P.; appellada, D. rsula Maria do
Carino. Appellante, D. Isabel Joaquina de Sou-
za ; appellado, Antonio Jos da Costa Imbura-
na. Appellante, Antonio Pereira Monteiro; appel-
lado, Manoel Damio da Costa.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pellacao crime : Appellante, o promotor; appella-
do, Seraphico Goncalves Peixoto.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pellagoes civeis: appellante, D. Juanita Maria das
Dores; appellado, o escravo Antonio. Appellante,
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello; appellado,
Dr. Bernardo Autonio de Miranda Castello Bran-
co. Appellante, a junta da Santa Casa da Miseri-
cordia ; appellado, o visconde de Suassuna. Ap-
pellanto, Joao Francisco Alvos Chaves; appellado,
o padre Antonio Jos Pinto.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.Appellacoes civeis: ap-
pellante, Josepha Maria de Sant'Atina; appellado,
o tenente-coronel Jos Cabra! de Oliveira. Appel-
lante, Hilario Thom. de Oliveira; appellado, D.
Maria de Jos. Appellante, o bacharel Bento
Jos da Costa ; appellada, a irmandade da Senhora
Sant'Anna.
Do Sr. desembargador Molla ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva.AppellacSes civeis: ap-
pellantes, Jos Pinto Teixeira e outros; appella-
dos, Jeronymo Pereira Guerra e outros. Appel-
lante, Antonio Alves Jnior; appellado, Jos Dias
da Silva. Appellante, Vicente Jos de Freitas; ap-
pellado, Manoel Antonio Torres.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr
desembargador Souza Leao. Appellacao civel:
appellante, o juizo; appcllado, Alexaudre Jos da
Silva Santiago.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Gitirana.Appellacoes civeis : appel
lantc, Alexaudre Rodrigues da Silva; appellado,
Jos Joaquim da Silveira. Appellaute, a teneo-
te-coronel Gabriel Gennano de Agtiar Montar-
rovos ; appcllado, EstevSo Jos Paes Brrelo.
Asaignou-se dia para julgamento dos segnintes
isi tos:
Appbii.acob civeis.Appellante, Manoel Jos
Carneiro; appellado, Jos Athanasio Botelho. Ap-
pellante, Polycarpo Jos de Souza; appellado, Tlieo-
doro Christinsen.
Ditos de 3% dos gneros livres
Armazenagem...........................
Premios dos assignados...................
Despacho martimo
Ancoragcm............................
Ezportiiruu
Dircitos de lo'% do pao brasil.............
Ditos de 9 % de exportaco.............
Ditos de i /o dem.......................
Ditos de 1 % do ouro em barra...........
Ditos de >/ /o dos diamantes..............
Expediente das capatazias................
Interior
Renda da typographia nacional............
Sello do papel fixo.......................
Dito do papel proporcional................
Emolumentos...........................
Imposto dos despachantes.................
Dito de 5 e 15 % de transussao de proprie-
dade................................i
Extraordinaria
Receila eventual (multas).................
Dizimo da provincia das Alagas..........
Dito da provincia da Parahyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Contribuido de caridade..................
1868 1869
558:719*o96
73:950|808
194J807
468*794
822883
2:153*531
343*814
3:1501545
2:559*000
191:6935082
1:102*820
40*000
875*680
303*960
142*9:30
590*000
1:185*759
837:2983009
3:5733*27
8:108*841
385*135
849:365*412
1867 1868
475:074*580
65:811*868
173*717
652*537
774*978
2:648*219
5*880
857*376
2:176*680
Ho:483l46
1:064*980
691*580
200*620
69*200
25*000
588*000
1:759*697
668:0583028
420*481
1:479*805
1:900*286
523*745
672:3823345
1866 1867
Em maio de 1861, disse elle, Francisco de Pan-
la Wanderlcy Lins Cavalcanti, albgando ser se-
iiuor e possuidor da prop iedade Camtas, reque>
rwnie para demarca-la.
Sr. Araujo Barros nao oruitle circumstancia
odiosa por mais eetranha que ieja ao caso pars
o enredar, como a 4o parentesco de Lins, o seu
processo etc., tctica para distraliir a attencao.)
Desienado^lia para^dyaaivadp, sem uiu(ussnJ
MtfrTJto, o scflaDaB^Bse a tile juiz,
fez-I lie I laue Lins tinha deixado de pagar au
HyivaCMidJBo a imponancia de urna certido
que Ih^^Ba pedido, pelo que e porque era pra
xe geral ent-iulia convenjtpte, i|ue o mesmo Lias
caniiniwjpo juizo.
A pez*, boi-w, dcsias cbserracoas, o Sr. Arau-
jo Barros odeaou ijue se presciadisse disso, e as-
siin so eooprio.
Mas, ehegado o dia da demarcacao, espirnu que
o proeufassem, t cooi niffgnem Ihe apparecesse,
afim de nao perder o Irem, mandou vir um carro
e dirigi se para a-estac^o das Cinco. Ponas.
*egKlH noot'""'.i o procurador da causa,
mas niMJHent'nagnsse a vlagem. Tomou elle pro-
priobilhctes de passagem para si, para o esenvo
Protectora das familias
Associaao-brasileira de seguro mutuo sobrts a
vida, approvada por jdocrelo do governo impenal,
de 13 de jnnho do 1864, e gerida pelo Baaeo Bu-
ral e nypotbecario do Rio de Janeiro.
' Cbmmissao lisal. a'
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva c,Sobriho.
i>>mmcndad*r~tnronyButkm do MMmiMar
Commendfdor Boaventlra Gon^aMRMae.
CorameudUor Guilberme Pinto de Magalhaes.
Estado dessa associacao em 30 de abril de 1869
contratos 5,801
Capital subscriptas. 8,710:470*580, aspessoal1
que quizerem iuscrever-se 'poderfc dirjgir-se na
roa do Limmeuto n. 19,primiiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, ejicarregado peto
Banco Rural c Hypothecario do Bio de Janeiro,"
para promover assiguaturas para a mesma asso-
T
S.
rr
uer.dS 'lei' '';"'8a 1SSUrar' ""' e 0Ulr05 e
RpdpPditS^ *"**<> rttie"' api1*0
r. K. da CosU, carga assucar.
inicipal do Recifc,
CtoSando-rae que alguerti. servindu-se
6o met nome, tem distribuido cartas, para
e offlcial de Justina, e lambem para o procurador "festividades 6 tirado esmolas; tomando
45*883*551
59:W5*553
178*386
,088*253
322*065
1:491 *0'i6
121*020
10:911*549
1:749*840
70:150*787
67*340
476*500
139*600
70*000
*250
12*750
1:369*127
60J 53*627
102*067
2:105*039
27*950
797*165
605:085*848
Alfandega de Pernambuco, 4 do agosto de 1869.
Servindo de chele da 2* seccao,
Anselmo Jos Pinto de Souza.
PUBLICACOES A PEDIDO.
) lame r
o fend
e o cynismo d'este miseravel tartufo sobe
ponto, quando se souber que elle nada t m
que ver com os moradores do engento) Sac-
Srs. redactores.Vejo-me obrigado a ser- co, que estao sob|o dominio do Sr. Francisco
ir-me da imprensa, para patentearaopubli-, Alves de Miranda Varej3o, rendeiro do dito
co a maneira selvagem com que oSr. Fran- engenho.
cisco Manoel de Souza Le5o, consenhor do O Sr- Francisco Manoel se persuade, que
engenha Sacco, do qual acabei de ser ren-, estamos ainda no tempo de amorosa, em
deiro, tem-so opposto que eu retire os que mandou espancar un) pobre hnem
utensilios e mais objectos, que tenho em
dito engenho, e bem assim que eu dispo-
nha de algumas bemfeitorias, que estou
provando serem de minha propriedade.
Na distancia de duas leguas, porque mu-
dei-me o anno passado para este engenho,
ficando cora saffra em ambos, o Sr. Fran-
cisco Manoel tem-se aproveitado d'esta cir-
cumstancia para commetter estupida e vio-
lentamente os maiores desatinos e picardas!
Logo que comprou metade do dito en-
genho, o seu primeiro cuidado foi dirigir-
me urna carta no idioma guaran/, na qual
dizia, que fazia aposifo (coitado t nem sa-
be escrever oppposico !) que eu retiras-
se do dito engenho o que nao fosse met I e
este homem tinha boas relaces com raigo,
foi meu visinho mui prximo mais de seis
annos, e deve ter consciencia de que sou
incapaz de commetter urna vileza! Vamos
aos factos.
0 Sr. Francisco Manoel prohiba, que o
carpina Manoel Theotonio dos Santos, mora-
dor no engenho Sacco, viesse tiabalhar
aqui, deixando este pobre homem de ga-
nhar este dinheiro com que manteria sua
familia decentemente I fez ainda mais en-!
amtrando com alguns moradores do dito
engenho com os cavados carregados de fr-1
mas para este engenho, f-los vollar, depois'
de t-Ios maltrado com palavras injuriosas!!
arrependido de ter commettido urna aeco!
tao criminosa e to insoles te principiou a
propalar, que tinha procedido deste modo,
por |ue constou-lhe, que eu disse, que, se
estes individuos nao se prestassem ao meu
servico, que eu mandara botar-lhes as
casas abaixo I eu que fui rendeiro d'esse
por causa de urna ovellia e nao Tnd
sido inteiramente punido por tSo atroz cri-
m? vive provocando conflictos e desordens,
que podem acarretar consequencias fu-
nestas I
Se a polica d'esta freguezia se tem mos-
trado impotente para conter e punir este
tao prestimoso conservador, este protervo,
pode ficar certo desde j, que qualquer cri-
me que commetter, por mais insignicante
que seja, ser punido com toda a energa,
porque quando os cidadSos nao encontram
as autoridades a justa represso e puoico
dos delnquentes, far5o justica pelas suas
proprias mos : d'isto lique certo o Sr.
Francisco Manoel.
Aqui terminare, evoltarei a imprensa
sempre que fr preciso.
Quemim inserir estas linhas, Srs. redac-
da causa, com destino pstaejo dos Prazcres, ondel
jararaxn e acharam conduccao.
^Mmrcacao eomecou no dia 5 e correu sem
incidente at o dia 13 de julho, e acabou no dia
18tresedia.
No dia 13, Borm, e segnintes, apparecera'm re-
clainasoes de tercuiros, fue protestarara, e am
dclles, allegando ser senhor e possuidor da pro-
priedade, pedio vista dos autos, e foi Ihe dada.
Agora as conclusoes do Sr. Araujo Barrps.
J." Que os protestantes, nao tendo sido citados,
nao tinham interesses de que elle podesse conhe-
cer, senao depois do compareclmento em juizo.
2.* Que tendo elles comparecido nao se Ibes ne-
gou despacho : e portanto se se referi era suas
cartas a servicos prestados Lins, para homens
imparciaes, instruidos era direito, juizes o nao ca-
lumniadores, nao falla va senao de servaos licites,
confessaveis, exigiveis.
Nao ha maior cynismo Os protestantes, que
eram bereos conJbiantes, e por conseguale partes,
nao foram citados, logo, nao tinham interesses 1 E
porcrue nao foram citados, se eram heros ?
Nao se Ihes negou o despacho para a admissao
do protesto, valba a verdade; mas so Ihes negou
o direito de notiflcacSo, que coma mais grave.
Atienda-se agora para esta coarctada, que im-
portante.
Diz o Sr. Araujo Barros que depois de seu ulti-
mo despacho na causa, proferido a 5 de agosto de
1861, a parte, isto o Sr. Lins, abandonou a ques-
tao, deixou-a parada. Mas, advirta-se, nao houve
senao suspensao e silencio da causa : a parte nao
desisti.
Ora, sendo assim, diz elle mui ancho, a conse-
quencia que a 28 desetembro, data da minha
primeira, carta (haviam apenas decorridos um
riiez e vinte e tres dias de paralisacao do feito)
eu nao pedia dinheiro a parte que litiga va perante
mim.
De modo que com a pequea inlerrupcao de um
mez e vinte e tres dias da continuidade da ques-
tao, sem haver desistencia da parte, no entender
do Sr. Araujo Barros, nao havia mais causa.
Esta que, para homens imparciaes e instrui-
dos em direito, juizes e nao prevaricadores, per-
mitta dizer, cynismo, senao desvergonha.
Oucamo-lo a respeito das cartas. Aqui elle ex-
clama ;
Pedia eu dinheiro emprestado (sim, era em-
prestado?) ou exiga o pagamento de cusas, que
me eram de vidas?
Na primeira, escripta a 28 de setembro, pedia o
Sr. Araujo Barros ao Sr. Lins a quantia de 450*
e mais 225* para pagar urna letra de seu irmo
e um quartel da casa em que morava. Somma
isto a quantia de 675*.
Pergunla-se, ha custas que se elevem a esta
somma em urna demarcacao que durou apenas 13
dias, de 5 18 de julho?
O regiment marca para o juiz 8* de estada por
dia, caminho a razao de 1* por legua tanto na
ida como na votta, fra a conducao.
Sendo d'aqui s Candas menos de quatro le-
Suas damos todava 8* de caminho, 104* de esta-
a e a conduccao do trem que nao poda montar a
mais de 16* (calculo exagerado) para elle e os
mais que o acorapanharam : temos por consegua-
te 128*, mais ou menos.
Ora, o Sr. Araujo Barros pedia nada menos que
675* ; logo pedia 571* parte, que nao Ihe eram
devidos.
Mas, diz elle, as suas custas foram contadas ;
andaram em 196*800, valha a verdade.
Logo, ainda assim, o Sr. Araujo Barros pedia de-
ntis a quantia de 478*400.
Isto, bem entendido, na hypothese figurada por
elle de que cobrava cusas a que tinha direito.
Tal nao havia, as custas j estavam pagas e re-
pagas, segundo nos consta. O que o,Sr. Araujo
Barros pedia era gorgta.
W.
lores em seu conceituado Diario em obse-
quio ao seu assgnante.
Bemftca, em Ipomea, 4 de agosto de
1859.
Permiti Francisco de Paula Mesquita.
0 juiz municipal da segunda
vara Francisco de Araujo
Barros.
Antes que o Sr. Araujo Barros viesse dar conta
: de si ao publico, constou-nos que elle dizia, que ti-
: nha fortes documentos para pulverisar a aecu-
sacio.
) Dava que pensar que casta de documentos se-
i riam essos em eonlraposieao s suas cartas.
Por outro lado os seus ofljciosos amigos porfia-
vam em adianlar as mais encontradas e cerebrinas
defezas.
Na corte o Sr. Souza Carvalho, que j sabia das
enhoi oito ann dura este longojS^T^^L^o^^ot.
tempo elles encontraram sempre em mim [ Araujo Barros refere que o avisara de que ellas
toda proteco3o garanta! preciso n3o a,m*vam sendo mostradas, appareceu no Jornal
Diligencias.Appellante, o juiz de direito; ap-
pelUda, ioaquina Maria da Conceicao. Appellan-
te, o promotor; appellado, Benedieto, escravo de
Jos Cavalcanle de Mello.
As 2 horas da tarde encerrou-se a sessao.
SESSAO EM 3 DE AGOSTO DE 1809.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. CONSELHEIR0 CAETANO
SANTIAGO.
As 10 horas da raanhaa, presentes os Srs. des-
mbaegadores Gitirana, Lourenco Santiago, Al-
meida Albuquerque, Motta, Domingues da Sil-
va, Regueira Costa e Souza Leao, abri se a
nessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes julga-
BMntos:
Accra vos.Aggravante, Jos Bartholomea; ag-
Kavado, o juizo.Relator o Sr. desembargador
iQrenco Santiago, sorteados os Srs. desembarga-
dores Domingues da Silva e Motta.Deram provi-
mento. Aggravante, Cesar Evangelista S. de Bri-
za ; (gravado, o juizo.Relator o Sr. deeembar-
gador Gitirana, sorteados os Srs. desembargadores
Almeida Albuquerque e Regueira Costa.Negaram
.provimento. Aggravante, Jos Carneiro da Cu-
aba ; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desem-
banador Regueira Costa, sorteado os Srs. des-
embargadores Lourenco Santiago e Almeida Albu-
qoergue. Negaran) provimento. Aggravante,
ter-se bro e nem digniade para mentir-se
com tanto escanda-lo. Tem-me julgado por
si, cada um d o que tem, et nao sou o ex-
rendeiro do angenho Amazonas, que no
phrenesi de commetter infamias, vio-se a
bracos com a justica, que chamou-o a C'li-
tas, e te-lo-hta arrastado ao banco de reo,
que deveria oceupar a b5o ser certos eclip-
ses, que a obscurecen quando tem de cum-
prir com os seu* deveres : ea nao sou este
homem sem educacio, que so sabe praticar
accaes vi& e miseraveis.
Provoco solemnemente ao Sr. Francisco
Manoel para que pela imprensa declare quan-
do j me apossei do que nio era meu, e
se ?o o fizer ser tido pelo mais infame
calumniador.
O Sr. Francisco Manoel tem propalado
que tem orna relaco, que ha pouco Ihe
dra 0 Sr. major Thetonio da Silva Vieira,
na qual vera mencionados utensilios, que
encontrei no engenho Sacco, quando o ar-
rendei I appareca esta tao apregoada re-
laco.
Em poder do Sr. Dr. Francisco Brandao
Cavalcanti de Albuquerque existe a verda-
deira pela propra lettra do dito major, de-
clarando o que me vender por 8:000#,
que os recenta em dia, mais urna men-
tira das mnitas com que este paparotas lera
abusado ,da credulidade dos H#es mora-
dores do engenho Sacco e dar outros enge-,
nhos, com os quaes est H sempre em
contacto, oazoflando de rico, de poderoso l
do Convurcio, explicando o pedido de dinheiro ao
Sr. Lins como paga de servicos de advogado que
a este prestara o Sr. Araujo Barro?, antes de ser
juiz,talvez no processo que Ihe fora instaurado
por crime de introdcelo do Africanos.
Sahio aos embargos o Dr. Joao Alfredo, dizendo
que nesse tempo o Sr. Araujo Barros estava no
Cear, onde exercia o lugar de secretario da pre-
sidencia, jauto do conselheiro Paes Brrelo, que
en tao acha V. -se all come presidente.
Veio depois um anonymo, e disse, que se nao
tra naquelle processo que o Sr. Araujo Barro
prestara ditos servicos, fra era outra causa.
Ora, d aqu se v que nao houve na corte quem
julgasse aceitavel e decente urna explicaco em
artigo custas, que o juiz cobrasso- de urna parte
na importancia de 675*, em termos os mais hu-
mildes.
Se houvefse nisso ao menos piausbilidade e
tintura de senso, o Sr. Souza Carvalho e os outros
amigos do Sr. Araujo Barres
do que eram servicos de advogado que elle co-
brava do Sr. Lias, quando Ihe mandava aquellas
rendidas e pedinenonas cartas.
Logo, o que eHes.aueriam, era arradar o juiz do
negoeio, considerando mpossivel a sua defeza
veio depois o Liberal: e, sem prodigalisar elo-
gios de juiz probidoso e de honra itli adaao
seu amigo, aecusado alias de crime tao feio, o que
seria natural e consentaneo defeza que j era
por sua natureza de costa arriba ; disse que o
Sr. Araujo Barros, juiz,na causa de demarcacao
Sr. Linsadiantra de sua algjbeira todas a
custas do acto judicial da deraareaeio.como
amigo que era daquelle,que o dispensen at de
segurar o juizo.
Per baeco I dissemos nos.
Juiz adiantando custas urna parte ? Que h.
loria esta?! w
| Eis seno quando appareceu no Jornal do Be-
cife o Sr. Araujo Barros, que se dafendeu d'este
i modo.
(Continuar-se-ha).
0 Sr, Araujo Barros
Disse um celebre escrptor, que entre
juizes ignorantes, ou perversos elle prefera
os ltimos. Nos, poiem, dizemos que
entre uns e outros o deino que escolta ;
porque, se ha n3 sociedade um cargo que
exija honra e saber, por certo o de juiz
que 6 o homem chamado pela lei para
decidir sobre os direitos mais caros dos
cidadospropriedade, honra e vida. Isto
posto dizemos nos que, se evidente a
necessidade de cercar os juizes de garantas,
que os ponham ao abrigo das suggestes
dos particulares, e invases do poder; nao
menos necessario dar ao povo garantas
contra a prepotencia e corrupto delles.
Ora, a questo, que foi agitada na c-
mara dos d putados e na imprensa, evi-
dentemente de intersse publico ; desde que
affecta a um representante da naco, e a um
juiz de direito aecusado por aquelle de
venalidade e corrupeo.
Prop-Ia dizer implcitamente sua im-
portancia : ou o deputado Joo Alfredo
um calumniador (pelo menos aecusador li-
viano.) ou o juiz de direito Araujo Barros
prevaricador.
0 publico perante quem se agita esta
questo, considere nestas poucas palavras:
o juiz decide da propriedade, honra e vida
dos cidados Logo, dizemos nos, o juiz
deve ser honrado, intelligente e instruido.
Ora, estar nestas condicBes o Sr. Araujo
Barros ? Ter elle os predicados que fazem
o bom juiz ? Por certo que n3o, desde
que foram lidas na cmara dos deputados
cartas deste Sr., em que pede seiscentos e
setenta e cien mil ris, urna parte que
litigava perante elle. O Sr. Araujo Barros,
nao negou as cartas, ao contrario confessou
serem de seu proprio punho ; quiz, porem,
explica-las do modo mais improcedente e
inadmissivel: nao o conseguio.
Chamamos a attencao do respeitavel pu-
blico para as perguntas abaixo formuladas
e appellamos para seu bom senso nunca
desmentido.
4.a Um juiz pede era termos baixos e
submissos o pagamento de custas devidas,
tendo o recurso legal do executivo ? Nao.
dinheiro emprestado, e at pedindo missas
para eu celebrar, declaro, que tudo falso,
porquanto quando careco do coadjuvago
dos fiis, voa mesmo pessoalmente ao do-
micilio de cada um, onde sou generosamen-
te favorecido. Querendo evitar qualquer
eventualidade, que apparecer possa, faco
esta advertencia*ao respeitavel publico pare
seu conhecimento. Declaro que, se nao
entende com a devo?5o de Sanl'Anna.
Convento de Santo Antonio do Recife, 5
de agosto de 1869.
Fre Joao Baplista do Espirito-Santo.
COMMERCIO.
PRAgA
DO RECIFE 5 DE AGOSTO DE 1869
AS 3 1/J HOBAS DA TARDE.
Assucar mascavado purgado 3*800 por 15 kil.
(hontem).
Assucar americano purgado 3*io0 por 15 kil.
(hontem).
Algodao de Pernambuco sem mspeccao l*lii
por kil. (hontem).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Saques sobre Londres
SOCIEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn $ C.
Saccao sobre os Srs. Samuel Montagu A-
C, banqueiros era Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
de vista quantias cima de 100 at
a 1,000 30 aje 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
Caixa Filial do Banco
do Brazil.
A caixa filial do Banco do Brazil em Per-
nambuco em liquidarlo paga o 31a dividendo
das acc5es do iBanco do Brazil inscriptas
nesta caixa, a razao de 9 por aeco.
Recife, 15 de julho de 1869.
Sociedade bancara
em commandita
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por cont propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sejjai de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por cont alheia das mes-
mas transaeces, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em cont corrente, e a prazo fixo.
Largo rio Pelourinho n. 7.
Novo Banco de Pernambuco
em liquidado, 3 de agos-
tle 1869.
Os Srs, accionistas podem receber o
sexto dividendo de um e meio por cento
do capital: s quart-feiras e sabbados.
A ornara municipal desta cidade faz pu-
blico pira conhecimento e seus munici-
pes o artigo- de posturas abaixo trans-
criptos, que foraai approiados provisoria-
mente pelo Exm-fice-preddente da pro-
vincia, era 30 de Mito ultimo.
Vaco da cmara municipal t
de agosto de*469.
Ignacio Joaquim de Souza Leo,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Bm-Viagem.
_________________O secretario.
4.* seccao.Palacio do governo de Per-
nambuco 30 de julho de 1869. O vice-
presidente da provincia tendo em vista o que
ponderou a cmara municipal da cidade do
Recife em cilicio de 21 do corrente, sol
n. 63, resolve approvar provisoriamente
nos termos do art. i' do decreto de 2o de
outubro de 1831, os artigos de. posturts
addicionaes abaixo transcriptos. '
Art. I. Fica prohibido construir ja-
nellas com arcadas as sotas, ainda que
os andares da casa as tenham, subsistindo
com ludo a altura de treze palmos, mar-
cada do assoalho ao frechal, part asmesmas
sotas; os infractores sero multados, o
proprietario em :-04, e o mestre da obra
em 20$, sendo obrigado a desfaze-la e cons-
truida de occordo com o exposto.
Art. 2.* Fica revogada a ultima parte do
art. 7o das posturas de 2 de maio de 1868,
que promette as referidas arcadas das ja-
nellas das sotas. Dr. Manoel do Nasci-
mento Machado Portella.Conforme Anto-
nio Annes Jacome Pires.
Kendimento do
dem do dia 5
ALFANDEGA.
dia 2 a 4 .
8o:749o39
30:912*202
116:661*741
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem cora gneros
291
363
------8oi
124
202
326
n...i6uuu o. miiujunarnis por certo nao iis-i a r nipAni ni iniB nrlin wiv^ntos
tlriam em referir a questo a outra origem, dizen- *' U qUe.e am J'V $ae P seiscen.,os
e setenta e cinco mil ris a parte que liti-
gava perante elle; quando s Ihe eram de-
vidos 194$ de cusas ? Prevaricador t 1
3.a Quem cobra strictmento o que Ihe
devido, applla para os sentimentos de
honra e generosidade de seu devedor, e
pergunta no Gm de urna epstola de chora-
migas quanto tica devendo ? Nio.
4.' O publico f'que nio idiota) ni* v
que nisto ha urna inversSo irrisoria das re-
laces naturaes entre credor devedor ?
Sim.
Au revoir.
Recife 5 de agosto de 4859.
Ornar,
Descarregam hoje 6 de aposto
Barca inglezaImperadormercaduras.
Barca francezaFigarodem.
Patacho ingleVeoleteidem.
Hiato inglez=Tj/eidem.
Escuna norte-alleinioCarAaWrta idem.
Brigue suecoAnnatabeado.
Brigue inglezMinoracarvo.
Brigue nacional Almeida //charque.
Brigue inglozMelitemercaderas.
Barca ingleza 2Va/terfarioha de trido.
Escuna norte-alletnaoGenticotatuado.
Barea inglezaNaonnmercaduras.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendmento do dia 2 a 4 o:5o6*o3
dem do dia S...... 2:09i*22
Perante a cmara municipal desta ci-
dade, estar em praca em oe dias II, 14 e
18 do crente, para ser arrematada por
quem menor prec*o offerecer, a obra dos
concertos de qtn necessita a ponte do Luca
sita a estrada do mesmo nome, oreada na
quantia de 8800000 ; aquelles que preten-
derem arrematar, habilitem-se na forma
da lei, e comparecam nopago municipal era-
os dias mencisnados.
O orcamento da dita obja, acba-se na se-
cretaria da mesma cmara, onde ser anre-
sentado as pessoas que o quiserem exa-
minar.
Pago da cmara munic pal do Recife,
de agosto de 18fi9.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Pro-presidente,
Francisco Canuto da Hoa-Viagem.
________________' Secretario.
O inspector interino da jdfandega faz
publico, que existindo no armazem n. 11
os volumes abaixo declarados, no caso de
serem arrematados para consumo nos ter-
mos do capitulo 6 titulo 3o do regulamento
de 19 de setembro de 1860, os seus donos
ou consignatarios dever o despachados no
prazo de 30 dias, sob pena de findo elle,
serem vendidos por sua conta, sem que
Ihes fique competido allegar contra os effei-
tos desta venda.
R A C.Huma caixa n. 1 com amostras
de raanteiga, vinda de Southamptou no va-
por inglez Oneida, entrado neste porto em
27 de novembro de 1808, consignal a
Keller xt C.
M I.Vinte ditas ns. 1 20 com cognac
vindas de Bordeaux no vapor francez Ex-
tremadure, em 13 de dezembro do mesmo
anno, consignadas ordem.
Dito.Huma dita n. 1 com tecidos de
phantazia, idem no vapor francez Naoarre,
em 13 de Janeiro do corrente anno, idem.
L O.Huma dita, idem idem.
N N Duas ditas ns. 200 e 201, com
madeira em obras, vindas de Liverpool no
brigue inglez Eleonor, em 5 idem, a Nico-
demos Nutias.
J. Wild & C, Peruano cnsul do Para.
Huma dita sem n. cora fazendas vinda de
Southamptou no vapor inglez La Piala, em
26 idem, ordem.
Alfandega de Pernambnco 5 de agosto de
1869.
0 inspector interino,
__^^^^^ L. C. Paes de Andrade.
Pela secretaria da cmara municipal
desta cidade se Eaz publico que nao tendo
sido arrematados nesta dala, como estavam
annunciados, o imposto de 300 rs. por ca-
bega de gado morto para consumo as
freguezias fra da mesma cidade, e nem a
obra da ponte que conduz ao cemiterio pu-
blico, continuarSo em praga no dia 11 do
corrente. aquelle imposto c a dita obra.
Secretara da cmara municipal do lle-
cife, 4 de agosto de 1869.
O secretario,
Francisco Canuto da liria- Viagem.
A cmara municipal desta cidade,
contrata com quem por menos fizer a re-
mocaci\le todo o entulho e lixo existente
nos caes que circulam as freguezias da
mesma cidade, depositando o mesmr/entu-
Iho e lixo na praga ao sul da casa de de-
teng5o; aquelles que pretenderem contra-
tar, apresentem suas propostas era carta
fechada, era o dia 11 do torrente, as
quaes desgnarao o prego por que se encar-
regam daquelle serviro.
Pago da cmara municipal do Recife
de agosto de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Pro-presidente,
ZFranctsco Canuto da Ba-Viagem,
Secretario
7:650*715
CONSULADO PROVINCIAL
Readimenlododia2 a 4 10:357*656
(denidodja 5....... 1:746*579
12:103*235
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia S.
Para50 dias, patacho brasileiro Protector, de 225
toneladas, capillo Jos Gonoalves Res, equipa-
gem H, carga alguns gneros e lastro; a Joa-
quim Jos Goncalvea Beltrao.
Aotiioi sahidos no mesmo dta.
Barcelona Sumaca hespanhola Amable Dolores,
capilao Pablo Codina, carga algodao.
Rio de Janeiro -Brigue norte-allemSo Gazelle, ca-
capitao H. Kruger, carga vinho.
Rio da Prata-Patacho norte-allemSo Alberto, ca-
pitao Blohm, carga assucar.
Valparaizo Brigue inglez Rio-Grande, eapitao
Zebbe, carga assucar.
Lisboaparca portugueza Constante III, capito
Consdho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de gera
precisa comprar para provimento dos armazens
do almoxarifado o segrate :
Para o deposito especial de rastruccao, ordem da
presidencia de 5 de maie.
1 camisa de meia.
58 lencos.
38 pares de luvas.
58 ditos de meia.
156,20 metros de algodozinho.
Para a fortaleza do Brum, ordem de 3 do corrente.
40 arrobas de plvora.
Para enfermara militar, ordem de 3 do corrate.
1,000 mappas para dietas de doentes.
100 ditos conforme o modello n. 9.
As pessoas que quizerem vender os objectos
cima declarados, apresentem suas propostas na
sala do conselho com as respectivas amostras, as
11 horas no dia 9 do correte.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco 5 de agosto de 1869.
Hygino Jos Coelno.
Coronel director interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
laspeccio do arsenal le
oaarlnha.
Faz-se publico que a commissao de perito*
examinando na forma determinada no regulamento
i.



!<
1
Diario de Pernambuco Sexta feira 6 de
.\ m >-lo
i
de
IJBii
fovereiro de
annexo ao decreto b. Mil le g de
ISji, os Casco, iimdiiflj; -Jld-Mr!__
mastre.li'
poros Giaai e i ij
bucana d
iijderem os vup.ires na-
trienal de marinea de Pernambu-
w d 1869.
O nipeetor,
H. A. Brbosa de Almeida.
No inlervallo do priineiro o segunda acto, a or-
' 'Car.aJn Hoje Dr. juix de orpha*, t.'ai de Ir praca mi bot
coin seos pertences, avahado cin 004,' cujs
vai praca a re do tutor dos me
irnos de Mande! "Francisco de Jess Prima : os
licitantes podem comparecer na sala das audien-
cias, as U horas.
offereciJa e dedicada ao distinetn
- COHPO ACAEJIJCO
pelo raaostro Colas Filho.
Os bifimm acham-so venda desde j no es-
criptorio do theatro.
Pcinciplar s 8 heras.
AH BRASILEIRA
3
DE
THETRO
Arrematado
Hoje 6 do corrente, na sala ds audiencias, Un -
da do Illia Sr. Dr. juiz d'prphos, se ha do ar-
rematar a eserava Ucuedicta, poriencente ao espo-
lio da finada Clandina Gardner; vai a praca a re-
qnerimento do herdeiro inventarime, ( a ultima
P">P>)________________________________
Aciso aos navegantes
0 Im. Sr. capitio de mar e guerra, capitao do
porto, manda fazer publico para conheciinento dos
navegantes, vincia (I i Geara, dcixou de funcionar, era conse-
qaeacia do se ter iuoeudiado ua madrugada do dia
22 do corrente.
Capitana do Porto de Pernambuco 29 de julho
de 186.
O secretario,
Pecio de Aquino Fonseca.
Consulado de Franqa em Per
nambueo.
A venia o navio lphosine, enralhado no fran-
co, denominado das (nicas, tora lugar no dia que
r indicado, depois da ebegada a este pollo, vindo
do norte, do vapor nacional Cruzeiro do Sul. urna
parte consideraol do carregamento, eonsistindo
ora ferro, chumbo c marmons que se acha a bor-
do, ser comp. eliendido no mesmo jle.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria fa-e d
zenda desta provincia manda fazor publieo que
existe em poder do porteiro desta thesouraria para
serem rendidos exeinplares da collecrao dasleise
deeisdes do governo relativamente aos annos de
1866, 1867 e 18t>8, pelo preco, os priineiros de
7*600, os segundo* e lerceiros do 6*000 cada um
cxemplar.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 3 de agrsto de 1869.
Servindo de olcial-maior,
A/anool Jos Pinto.
Bt
do
THEATRO
DE
S. ISABEL
BFFOS PAMSIEBSES
Espectculo dado peles Srs. Noury e J Coelho
Barbosa, sexta-feini, 6 de agosto de 1869.
Estrs de madame Marie Drn-
fresny.
Primeira representacrio do
BON SOIR VOISIN
opera cmica em um acto, msica de Ferdinand
l'oise, escripta por Mr. Trl'en.
FKHSONAOENS
Ixiuielte... M.* Marie Dufresnv.
CharIM.... Mr. ffoury.
Findo o primeiro inlervallo, ter lugar o concer-
t pela ordem seguinte:
I." Ana final do lbum harmnico, msica do
Sr. J. Coelho Barbosa, exeeulada no pistn oelo
Sr. Bento.
2. Grande phanliisin, oxecutada na flauta pelo
Sr. Sainstiano.
3.* Celia i a Parigi (symphonia) del maestro La.
noJtossi, exeeulada por toda a orehestra.
Terminar o espectculo pela opereta-bufia, em
um acto, entremeada de pantomima :
Le maride au Fantme
msica de Gustavo N'adaud, escripta c ensalada
por Mr. Noury.
PERSONAGFN*
Colombine M."" Marie Dufresnv. .
Cassandre___ Mr. Noury.
Gille........ dem.
Plerrot......Alexandre.
Comecar as 8 horas da noite em ponto.
Companhla dramtica sob a di*
receo do artista
DEGIOVANNI.
Sabbado 7 de agosto.
Primeira representacao da excedente comedia-
drama em dous actos intitulada:
PEDRO-0 TECELO
ou
A honra do operario.
Toma parte toda a compnnhia
Ko inlervallo do primara e segundo acto, a or-
ehestra executar, a pedido de distinctos cava-
lieiros. o importante
MISERERE
da opera Trovador, instrumentado pelo maestro
Cils Filho.
Terminar o espectculo com a primeira re-
presentacao da espirituosa comedia commercial,
'omposta e offerecida ao Sr. Colas Filho, pelo Sr.
V. F. Chaves Jnior, denominada :
Fogo no sul, fiiuio 9no norte
Tomara parte as Sras. D. Jesu'ma, D. Olympia,
I). Bernardina, e os Srs. Brochado, Pedro Augusto
a Di-Giovanni.
A msica desta comedia foi escripta expressa-
iiientofelo maestro Colas Filho, achandp-se abri-
llantada com bellissimas Coplas, Luium, Fados e
o mullo popular
s bote
5-2.uto 6ymnasi Campestre.
EXTRAORDlNABIA NOVIDADE I
Domingo 8 de agosto de 1869
Grande solre campestre
AS 0 HORAS DA TARDE.
Pelo celebre prestidigitador
EDUARDO CLINTON
O qual eedondo a pedido, com o concurso dos
muilos applaudidos artistas
* fcMiiua e Hr. De-Glovanol
Besolveu-se a dar este nico espectculo, fa-
zendo altas e diliceis experiencias de phisica e
magia, sem o menor auxilio de aparclhos.
PRIMERA PAUTE.
Brilhanie svmphonia pela orcheslra.
# SEGL.NDA PARTE.
Linda comedia
Do variado repertorio da Sra. D. Jesuina e
Sr. DeGiavanni.
TEUCEIRA PARTE.
1.'0 florete de Luiz XIV.
2.*A athmosphera do Danubio.
3.Troca por troea (experiencia scientifica).
4.l'ma fabrica de cartas.
5.*Os frascos milagrosos.
QUARTA PARTE.
Graciosa comedia
Pela Sra. D. Jesuina e o Sr. De-Giovauni.
QUINTA PARTE.
1. -0 copo arae.
2."O roubo indiano.
3.A metamorphose (inveneao Clinton)..
4 The \vod,(neiv englisk trick)!
.*Maravilhosa escamotagem de sorprendente
illas!
N. B. O divertimento comecar s 6 horas,
afim de terminar as 9 e 1/2 emento.
As pessoas que comprarem bilhetes terao pas-
sagem gratis em qualquer trora e a qualquer
liora, anles do espectculo; assira como depois do
mesmo terao igualmente conduccao em trem es-
pecial.
Os bilhetes arham-se na estacao do Recife e no
theatro, pelos precos establecidos pola sociedade
do Gymnasio Campestre.
Paquetes a vapor.
Dos porlos do norte espera-
do at o dia 8 de agosto o vapor
C'uzrho do Sul, comraandante
J,.P. G. Alcoforado, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se a
carga que o yapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dmheiro afrete al as duas horas do dia da
suasahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
rudo quo passar desteslilailas devera ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros trae snas passa-
gens so se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio LuU de Oliveira
Azeredo 9c C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavcgaeo eostelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mondah, comraan-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 12 do corrente
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a frete at as 3 horas da tarde do dia
da sabida : escriptorio no Forte do Maltes n. 12.
miudeaas e outras merradoria-, por kitorveneSo I
ta .Tr.Hvi*. n .,;,
do agente Oiireira.
Sta-f.-ira
a> 1U Iwras da manliaa, no bi-in conhecido anna-
z''in a rna da Cadcia n. 8.
con
I
LEILAO
de
De 38 saceos com farinha
mandioca avariada.
Sabbado 7 do corrente.
O agente Pestaa far 1,-iIao por conta e risco
de quem perteqoer de 38 saceos com ferraba de
mandioca avariada, no di cima as H horas da
nianbaa no trapiche barao do Livramcnto.
rano m wtmmi
ni iepeii-.io para os alumnos
iic trwm de fazer euneta
uorombrodl IVil i
|oyfl^iESS^.Azevedo, professor de
TRfMPtlO xMEDfCA I>.\ SOENOI
ling
provincial d<
casa, roa Be
llm curso
ional no gyrnnasto
Recjfe, lem aperto em sus
> n. Xlt lJ J.
le
PARA 0 PORTO.
Segu com a pssshrel brevidade o brigue por-
tuguez Uniao que j conta grande parte da carga
engajada : quem no mesmo quizer carregar on ir
de passagem trate com os consignatarios Thomaz
de Aqtiino Fonseca & C, ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
LEILAO
de mobilias, pianos, dferenles movis, louca, vi-
aros cerveja, vinhos, obras de pratc e um ca-
bnolet
Terga-feira 10 de agosto
Por intervenfao do agente Pinto.
no armazem da ra do Imperador n. 57, (outr'ora
armazera da Alliau^a).
AVISOS DIVERSOS.
TANGO
do general Prim
A' represonlaco da comedia, preceder a bri-
dante
Symphonia caracterstica
extrahida de quasi toda a msica da mesma, com-
posta pelo Sr. Colas Filho.
CiRAIDE
IITIIilI
Saino do Caes do Eamos.
Era conseqnencia do man tempo que
atliemosphera apreientou Jdomingo passa-
do, deixou de haver o divertimento que vai
agora annunciado.
SABBADO 7 DE AGOSTO DE 1809.
Depois de urna escolhida e brilhante
onverlnra, romper o explendido baile
popular.
Cirade siiccesso
O insigne artista liespanhol Julio Doria,
executar nos intervallos do baile os seus
admiraveis trabalhos gymnasticos, divididos
em tres partes.
i' parte.
Admiraveis equilibrios no tnpezio.
2a parle.
Dilceis trabalhos sobre a corda bamba.
3a parte.
DifJficultosissimos equilibrios com diver-
sos objectos e posicoes.
Findos os trabalhos gymnasticos, conti-
nuar o grande baile popular, que lnali-
sar s 2 horas com o galope infernal.
Previne-se aos illustres frequentadores
que ser em tudo observado o regulamen-
to do Sr. Dr. chefe de polica.
E' este o divertimento que o emprezario
dos grandes sales do Caes do Ramos esco-
Iheu para offerecer aos illustres frequenta-
dores que o protegem, e para o qne nao se
tem poupado despezas, afim de que seja
em tudo urna verdadeira noute de delicias.
Principiar as 8 horas.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DR
tfavegaeo eosteir por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama, commandantt
Torres, seguir para os portos
_ cima no dia 14 do corrente as S horas
la tarde. Hecebe carga at o dia 13, encom-
mendas, passageiros e dinheiro- a frete at as
i horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
l)K
.VavcraeSo costelra por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe commandante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 9 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 7
as 3 horas, encommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 h.ras da tard do dia da sahida :
no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
O patacho Protector, esperado do referido porto,
sahir para o mesmo, poucos dias depois de sua
ebegada, por V'.r a maior parte de seu carrega-
mento prompto : para o que lhe falta, quem qui-
zer carregar a frete commodo, pode dirigir-se ao
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra de Commercio n. 17.
AVISOS MARTIMOS.
AH BRAS1LEIB.1
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 de agosto o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata A. J. de Santa Barbara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conducir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens so se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
I* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo t C
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
JVavegaco costelra por vapor.
Goianna.
O vapor Parahyba, comraandante
Mello, seguir para o porto cima no
dia 6 do corrente as 9 horas da noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, no escriptorio do Forte do Matto
D. 12.
Rio Grande do Mn|-
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
tacho nacional Principe, recebe alguma carga a
frete, e trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo t C.. ra da Cruz n. 57.
Para o Porto
pretende sabir com a possivel brevidade o patacho
portuguez Liberal, lera parte da carga engajada, e
para o resto que lhe falta, pode tratar-se cora Da-
vid Perreira Hallar, ra do Brum n. 1)2, ou com
o eapitao do referido navio.
Para
Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
Boa F. capitao Domingos Marlins : recebe algu-
ma carga a frete razoavel, para o que se trata
com o seu consignatario Joaquim Gerardo de Bas
os, ra do Vigario n. 16, l- andar.
Para S. nignel e Tercelra
O patacho portuguez Mara, esperado de Lisboa,
sahir para as duas ilbas cima, poneos dias de-
pois de sua chegada a esta, desde j se engaja
carga e passageiros : trata-se com E. R. Rabello,
ra do Commercio n. 44.
Acha-se entre ns o Sr. Dr. Araerico
Alves Guimares, o meri-cido crdito de
que j goza, os louros que tem colhido nos
prelios scientilicos, e sua constancia no es-
tudo sao justos ttulos que o toraam re-
commendavel por inais de tima considera-
co; todava n5o sao somente esta* as qua-
ldadesque o fazem digno do conecito que
tem,.M amabilidade e Ihaneza s2o real-
mente cautivadoras; nos que tivemos a fe-
lieidade de o communicar, mais anda de
recolB|pr-mos (/beneficio de seus trabalhos
pela cara de urna pessoa de nossa casa
que, ha quatro annos, padecendo de ner-
voso sterico e receitada por alguns mdi-
cos s veio achar lenitivo aos seus solTri-
mentos no apurado estudo de S. S., falta-
ramos a esse de ver bem santo, se nao lhe
patenleasse-mos nossa gratido; mas ac-
cresce que o publico o dove j coniecer;
por tanto estas palavras s5o nada mais do
que nma nota que se juntar a voz unni-
me dos homens serios e honestos que amam
a virtudi e admiram a sciencia
Fique, poie, o Sr. Dr. Guimares no
pacifico remasso de sua gloria, nos que o
vimos, que recebemos seus favores, que nos
felicitamos pela acquisices que fez esta
provincia, recebendo-o to lisongeiramente,
eiivatios-lho u nosso modesto agradeci-
tnentfl, senao cheio de encomios e elogios,
repagado com tudo de siticeridade.
Dtejamos-llio que nao pare na senda
chekde flores que vai segundo to prs-
peramente, para bem nao s da humani-
dadef como para gloria de seus amigos e
patricios, que ltimamente se regosijam
pelos flores que ornara a sua fronte, e
que ittestam a torga da arte e a spontanei-
dade'do genio.
Aeceite pois o Sr. Dr. Guimares essas
breves palavras como demonstrado de
profunda estima, como signal de eterna gra-
tido, como penhor de verdadeiro reconhe-
ciTnento.
Recife 4 de agosto de 1869.
-______Manoel Dias de Cnrvalho.
Fugio nolia 3 de agosto, o escravo
de nome Constancio, cabra alto, pouca
barba, olhos grandes, com urna belide no
olho esquerdo, cara bexigosa, ps tortos;
roga-se a quem o capturar que leve-o a
Yusiva loja de Arruda Irmo, que ser
gratificado.
LINGUA FRANCEZAjf^ 3 1
PHILOSOPIIIA ;
GEOGRAPHIA E HISTORIA;
RJlTUORICA R W>ETJCA.
es rjue pretideri.-in fazen
e\-am^amV>vembro era qualquer desta?
eslbdantc
materias, podem dirigir-se inJicada re-
sidencia, tar*; das t horas em diante
Os rdniuusirajores da propriedibj Apipuco5
precisan) d*ent.atar um capellfi ^ara celebrar
mista nos domingos o dias santificados na capella
da mesma propriedade, e convida ni a qnalqiier se-
nhor saecrate a quem possa convir dita capella-
na, se sirva de Comparecer em casa do respectivo
administrador ni mesmo lugar, para tratar dese
objecto.
---------1
JVm 0183R O
) capitao e corcundo. ,,,
Se capi
Nao4he falta ligereza.
A prova fi -ou patente.
No annuucio esperteza.
0 carra dos morios.
0 Sr. Melquades qne ourives e
mora na loja do sobrado ra da Senzalla
Nova n. 15, queira vir a esta lypographia
a negocio.
Aluga-se
a casa terrea, sita na ra da Concordia, n. 107,
com commodos para familia: a tratar na ra de
Apollo n. 51, armazem.
Aluga-.-e o segundo andar, sito ra estrel-
la do Rosario n. 31, com bastantes commodos para
familia : a tratar no armazem do mesmo.
LEILOES.
fazendas limpas e avariadas
HOJE.
Sexta-feira 6 de agosto, s 11 'horas em
ponto.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
quem pertencer, de dillerentes madapoloes com
avaria d'agua salgada, assiin como dillerentes fa-
zendas limpas, que serao vendidas para fechamen-
to da contas ; o lcilao ser enectuado s 11 horas
do dia cima dito, no escriptorio do referido agen-
te, ra da Cruz n. 38,
LEILAO
Da casa terrea da ra das Creoulas n. 43, edifica-
da em chSos proprios, ua Capunga, com grande
quintal a qual rendo 103000 mensaes.
HOJE.
as 10 horas.
Por interven^* do agente Pinto, a na da Cruz
n. 38.
~1EILA0
de miu.dezas e mercadorias em
continuaqao.
HOJE 6 DO CORRENTE.
Perreira & Matheus continuaro o seu leilao de
i alxelro.
Precisa-se de um caixeiro para o restaurante
da ra do I m [Mirador n. 31
JABOATAO
Contraria do Sautissimo Sa-
cramento.
O abaixo assigqado, escrivo da confra-
ria do SS. Sacramento e Santo Amaro, erec-
to na freguezia de Jaboato, com autorisa-
co de S. Exc. Rvm. o Sr. bispo diocesa-
no, convida a todos os irmos signatarios da
acta de installaQo, e a quantos tenbam
sido convidados pela commisso directora,
a runirem-se no domingo proxin#, 8 do
corrente, no consistorio da igreja matriz,
depois da mssa conventual, para ouvjrem
ler e votar o compromsso apresentado pela
respectiva commisso.
Jaboato, 5 de agosto de 868.
Jos Francisco do Reg Barros.
Os abaixo assignados scientilicara ao respei-
tavel corpo commercial dota pra$a, que nesta
data dissolveram amigavelmentc a sociedade que
tinham sob a razao de Vasconcellos & Malta, reti-
ranflo-se o socio Matta pago de seu capital, e livre
de qualquer responsabiiidade da exlincta Arma ;
cuja liquidacao Tica a cargo do socio Vasconcellos,
a quem exeluscamente tica pertencendo a pro-
priedade e estabelecimento denominadoSaboaria
e Serrara do Recife>ito s mas do Brum e Gua-
rarapes, e armazem de madeira ra do Caes 22
de Novomhro desta cidade. Recife 31 de juluo de
186'J.
Antonio Joaquim de Vasconcellos.
Manoel Vctor de Jess da Matta.
do engenho Ilhr, no dia 25 de julho prximo pas-
aste, o escravo Antonio, crioulo, idade 28 annos,
cor fula, estatura regular, secco do corpo e com as
nadegas um poueo grandes, tem os p^s eheios de
cravos e bicho, levou chapeo de bata de cor j
usado, camisa de madapolo e calca debrim bran-
co ; tem-se por noticia que andn' por Santo Ama-
ro das Salinas. Peixinho o na cidade de Olinda, e
que seguir para Caulista : quem o perar leve-o
ao largo do Paraizo n. 14, que ser recompensado.
Precisa-se de urna ama forra ou eserava pa-
ra lodo o servico de urna casa de pequea fami-
lia : a tratar na ra Velha n. 59.
Precisa-se de um caixeiro para taberna : na
ra da Cadeia-nova n. 7.
Vicente Alves Moreira, igenciador de vendas
de escravos, mudou sua residencia da ra de Hor-
tas n. 04 para a ra da Paz n. 84, onde seus re-
guezes o podero procurar para a mesma oceupa-
cao. Recebe escravos em commisso, e promette
prompta venda.
ALLGA-SE
o segundo audar e sotao da casa n. 16 da ra do
Vigario : a iratar na mesma casa, das 9 horas da
manhaa s 4 da tarde.
Ama e eserava
Na roa da Cadeia do Recife n. 4, 4" andar, por
cima do armazem do Sr. Barroca, precisa-se de
urna ama que saina cozinhar : na mesma casa
tambem sq compra urna eserava que seja robusta
e bonita figura, muito erabora nao tenha habili-
dades, g
No dia 31 de julho, as 9 horas da luaulia,
no sobrado n. 26 da ra da Matriz seguado andar,
em occasio que a familia eslava almoc.ando rou-
barara um relogie de ouro e machina de prata,
patente suisso, de martello. sobre a coberla da ma-
china tem os seguintes noraes da parte de cima o
numero 9783, tem tambera sobre e.'ta coberta,
abaixo do numero o nome chronomelro, embaixo
tem escripto 23 purres, da maneira seguinte : *
purres. Tem os ponteiros de ouro, e sobre cada
um delles tem urna pedra pequea branca, e
coberto : quera delle der noticia ou apprehend-lo
se gratificar.
Aluga-se
o segundo e terceiro andar da rna do Trapiche n.
46 : a tratar na mesma casa das 9 as 4 boras da
larde._____________ .
Coziuheira
Precisa-se de una ama para eoainhar : a tratar
na roa do Mondego n. 24.
Ama.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para urna pessoa : na ra do Calabouco-ve-
Iho n. 9.
Km tempos modernos neniar
ment operou maior revoluto no modo
curar anteriormente em vopa do.que o
reiTMU m: AwcAiiurt
TANTO NO TRATAMIENTO DA
TOSSf., CTIOfO.
" ASTIlUA, THISICA, '*
WWQ*JroAO, RESKRIAMENTOS.
BRONCHITES,
O.SSK CO.NVUl^SA,
onES-DEHro,
EXPCTIRACO DE SA.Mil'E.
Como em foda a grande serie de onfernri-
dades da saoama, do peito e dos o*gaos
da RKSPiiuco, que tanto atormentam e fa-
zem soffrera humanidade. A maneira an-
'ga de curar consista geialinente na appli-
cafao de vesicatorios, sangris,sarjar ou ap-
plicar exteriormentc, ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alem
de produzir empolhas; cujos differentesmo-
dos de curar, n3o fazam sen3o enfraque-
cer e diminuir as forras do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
IrafcSq nevitavel do sua vctima Quem dif-
ferentc pois o effeito admiravel do
PEITORAL DE ANAGaHUTTA !
EM VF.7. DE IRRITAR, MORTIFICAR E CALZAR
INAUDITOS .SOmiIMKXTOS AO DOENTK,
CALMA, MODIFICA E SIAVl/.A ADOR.
ALLIVIA A IRRITACO
DESEMVOLVE O ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlim)
testificam serem exactas e verdadeiras estas
rolacoes analgicas, ou alm dissoa experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
suflicientes para sustentaren! a opinio do
PEITORAL DE ANACAHIXA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes to
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composirao de Anacaliuita Peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafad
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colber pequea: basta ge-
ralmente a applicacao d'um ou dous frascos
para a effectuaco de qualquer cura.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo A C, P. Maurer
4 C, M. A, Barbosa. Bartholomeu 4 C, e
em todas as principaes boticas e lojas det
dragas.
Coziheiro
Deseja-se um bom coziheiro: na ra larga do,
Eosario n. 44.____________________________
Aluga-se a padaria do Chora-meninos com
seus perlences para.trabalnar, assim como urna
boa casa no principio da estrada dos Afflictos, eon:
bons edmmodos para familia, perto da estacio do
Macharabomba : a tratar do Chora-meninos com
Jos Antonio Marques.
Precisa-se de urna preta velha para ajodar a
tratar de um doente : na ra larga do Rosario I
SEGUROS
MARTIMOS
COMTRAFOGO.
A Gompanhia Indemnisadora, estabelecida
esta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificio?, mercadorias e mobilias: a
ra do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, 4. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o-Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os segua-
les logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenga.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde. '
Arcos de Val do Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalic3o.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandclla.
Beja.
Barcellos.
Ll
Resta venda um oscolhido sortimento de ob-
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand, mogno e amarello, obra nacional e estran-
jeira, de apurado gosto e por pr<|;<)< raroaveis :
la ra estreita do Rosario n. 3. Nesta mesma
casa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos de
palbinha, coma sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sopns.
Os apreciadores de manjares delicados encontrad
rao todos os dias no hotel central de Francisco
Garrido a verdadeira sopa de raviole, ao verda-
deiro gosto italiano, assira como outras encllente!
iguarias, gue seria enfadonho mencionar. Alli se
encontraran a rajaos mais asseiados aposentos para
hospedes, e banhos, buhares e pianos para re-
creio dos visitantes : na ra larga do Rosario n.
37, 1" andar.
Em casa de THEODORO CHRJSTI
ANSEN, ra da Cruz n. 1, eacontram-se
eflectivamente todas as quaUdades de viahe
Bordeaux, Bourgogne e do Rbeno.
iRUA !
DO
CABUG
esquina
da rna larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
hija
EO
CABUG
esquina
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-s-ha convencer da verdade.lda rua lar?a do
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas poi presos muito ele- Rosario
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.

m


^H^IHUMIJ
'...... m

__------------------ i
*.
.i '
MMT

Diario d Peruambuco Sexta fefcra 6 de
F
Agosto
de 1869.
.......
H.

I
........' "
i" T FAL8II
H'ESTA ANTIGA E CREDITATA *
i FABRICA
iicimi ii ctmimiiHTi ni ctirttTi loirium ii
CHAPIS DE SOL:
D todas as qualidades I
De todos os cios I
Do todos os presos I
RA DO CRESPO N* 4
Trocam-ee
u notas do basco do Brasil
:om descont milito razoavel:
tendencia, ti. 22.
edas cairas filiaes
na pracadalnde-
lYeeisa-sc de una ania M*ro ou mesmo es-
orava, que eozinko esm perleico o diario de ama
cas, e que soja de boa conduela : a tratar na
ra do Vjgario n. S, lerceiro andar.
Jezuinu Frreira da Silva nao sabendo a
quem pagar os tth-a que deve dos terrenos em
que se acham edificadas as suas proprk-d.idcs enl-
locadas boira do no n. 31 e ra da Poeira ns. 6 e
8 na povoaeau do Poco da Panella, os (|uaes terre-
nos outr'ora perteneeram a Francisco do l'aula Lo-
pes liis e t. Mariana Frreira Duarto Reis, pre-
vine a queni totcsiar posta, qae se adiando ti-
tulado legalmetiie, aprsenle, ao abaixo assignado
seus ttulos paraler o dlicito de recebar os refe-
ridos foros no praso de 30 dias, a contar tiesta
data, o contrario recoHier a quantia que suppoem
dever ao deposito publico para evitar futuras eon-
leslacoes.
Jezuino Ferroira da-Silva.
Precisa-se de um criado
ra das Cooihos n. 28.
para comprar : na
Ollereco-se nma senhora seria para lavar e
engomaur, sendo s roupa para houuuu a tratar
na ra do Aeouguiabosu. S
Custodio A Beato, tendo de novo sortido o seu bem conhecido estabelecimento
de miudezas, denominado AtllA 'OURO, partecipam a todos seus freguezes e ao pu-
blico em geral, que tem constantemente um completo sortimente de miudezas finas, e
objectos de alta novidade; vendendo tudo i 0-% menos do que em outra qualquer parte,
para o que recebem directamente de sua cunta.
Promptilicam-se a mandarcin qualquer casa, urna pessoa com o mais diminuto
objecto que Ibes teja podido, esperando assim a proteccao de seus freguezes, e garan-
tindo-lbes o Custodio ti liento, lirmesa oh sen* tratos, e porrtualidade em seus deveres.
Ra do Cabug n* 1--A.
PreeMfta de una ama secca para tratar de
urna menina em casa de Immem solteiro: na ra
de Santo Amaro, coma quem vai para Onda, n.
6 : a tratar na mtsnia casa, das 6 da manhaa as
S Ir- o de (arde as i l|t horas.
UIDANCA DO
aos ?o:oooSooo
CASA DA FORTUNA
Ra lo Crespo u. 38.
O abaixo assignado tendo obttda licenoa da pre-
sidencia c satisfeiio as ontras exigencias da lei,
avisa ao respeitavel pnblico que lera sempre a
venda no seu cstabelecimento buhles das lote-
ras do Rio de Janeiro, cujos premio* serlo pagos
promptamentc vista das listas com o descont
smente da lei.
Precos :Inteiros.. 24*000
Meios... 12*000
Quarios. 6J000
E em quanlidade maior do lOOsOOO na razio
do 220O0 por bilhotc.
Manoel Martins Fitiza.
CASA DA FORTIM
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A rna do Crespo n.3 e tasas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido alm de ou-
tras sorles 2 quarto.-* n. 774 com 4:000* da lote-
ra que seacabon de extrahir beneficio da Santa
Casa da Misericordia, convida tos possuidores a
virem receber na conformidade do costume sem
descont algnm.
Acham-se a venda os bilbeles da 27" parte da
Santa Casa (116') qne so extrahir no da 17 do
correnle met
Precos.
Os do costume.
Manoel Martms Finia.
COMPARHIA PEMAMBGAM
AUGUSTO? PORTO & C.
ll-RUA DO QUEIM D0--11
Tendo chegado ltimamente ao seu cstabelecimento grande variedade de fa-
zendas d*e gosto as peui disposicao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
precos possiveis, sendo:
Rournous de cachemira brancos e de cores, o que lia de mais elegante para
hombros de senhora.
No vos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta de soaliiies, o que lia de mais elegante para urna moca.
Basquines de guipare pr.-to, novo g^sto, enditados desetin de cores. Vesti-
dos dft blond com manta e capella para noivas. Fronhas e toalhas de cambraia de linho
bordadas. Coi tinados bordados para camas o para janellas de diversas qualidades :
colxas de seda e de 13a e do seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorgurao de laa e soda de cores, milito elegante fazenda para
ra lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorgurao de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e umitas outras fazendas enjos precos sao em geral
muile mdicos. Grande sortimento de camisas para liomem, tanto lisas como bordadas
e de cores.
4 Continuam sempre a ter grande variedade e tapetes para sof, para cama e
para pianno, porcao de tapetes em pecas para alcatifar sales. e grande qnantidade de
Esteiras da India para forrar salas.

mwm


SOFFRIMENTOS D'ESTOM AGO, CONSTtPACAO.
Cara em pou'cw dias pelo CMtvko DE belloo em p ou em pSstillias.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. essmaifecoscssiedi.
upadas r.pidaaiente pelas kaolasb*ether *il'CUITl>.
ANEMIA, A PALLIDEZ c os ofri*uentos qua ecesiitomdo
emprego dos ferruginosos sao sempre comba! idos com o methur resulUito
pelas PILULAS DE VALLET. Cada l'ilula tcm incrarado 6 nane lliUT.
P CE ROG. Basta diiaolTtr um frasco d'este p em mcio
garrafa d'agua para se obti-r una limonada agradare! quu purga sem fa-
xer clicas.
VINHO DE QUINIUM de Labvraqru. EsU rinho, um dos
pouoos cua comporiicSo garantida constante, ama dos mcllioret pre-
paac^es t quinino, em accao notarel sobre os cormBeentes, dando-
lbes forcas e apresando wilta a saude. Cura as febres antigs que re-
sisti ao sulfilo de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIQA. A maior parte d'estas motes-
tas, como as sejalicas, lombagos, catarros, e todas as dores nervosas era
geral s*o curadas petas perolas de essemcm de TMCMBCtmiM do
Dr. Clertan. 0 profewr Trousscau cm seu Tratid de Hiertrpeulica con-
selha as para seren tomadas na occasiio do jantar, na dse de 4 l.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Gorajitido puro c de prm'ira qnalidade, um dos poneos aprovados pela
Academia de medici.
AVISO. oiB otes medicamento fram aprnaios pela Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
Cm Parli, L. rntl^,""iS, r Jacok
Ai-s>_lSjSfl[^LskBUJi; Hfi.ih>^ 1 Pemamtuo-. VUaaa el O.
_ K
', i
Albino Baptista da Itoclia participa
a todos osse'isfri^ui!zesi|ueinudou-
so rom a sua ollicina ila praca da
Independencia n. 12 para a rna das
Crines n. 23; previne, portante, a
fcidos os amigas e treguezes que se
'achara om casa a pialquer hora
do dia, para execut.ir todo e qualquer concert
que de sua arte exigir possam, tendente a sua
prossao; e em sua falta acharao con quem
tratar.
Precisa-sede urna ama deleite com urgen-
cia : na ra do Antorim n. 3o, 2 andar.
Preci*a-se do urna nma de leite para criar
una menina de quatro RMtes : a tratar raa da
Senzaila-Nfiva p. 26.
"AO PBGO"
O abaixo aesignad, invootariante dos bens dei-
xados por seus linadus ava Diogo Antonio Itpdri-
ruos e Mara Paulina dos Santos, se prevalece
do presente para prevenir que pessoa algunas fae.-i
negocia ou transaecao com D Josepha Mara da
Paixairrelativo- aos escravos Joseplia e seus lilaos
Juventina, Clemeneia, Severino, Custodio, caitru
Severino, e una pagaa, poripio estes eseravos nao
Ihe pertencein, e sim ao monte dos bens daijuelles
tinados, a cujo inventario o partilha se, procede
pelo jiiizo de orpuos deste termo, concorrendo a
heranca dos inesnios bens berdeiros orplioos netos
daquelles tinados, e desde j protesta inilliflcar
qitrqnflr transacrao a respeito de t.res escramis.
pelas razos ojipwta. Engetiho llueca da Malta
do termo de Santo Antao3l de jullio de ISo'J.
Antonio Marques de Aliueida,
Atten^ao.
Pergunta-se c mpnnhia Indemnisadora que
incompatibilidiide pi'ide haver de nao querer segu-
rar um estabt'leciineiitoem virtude de estar segura
a proprieda Je, qual seja ella se ignura, porque es-
tando seguro um navio, tanibein se IfMa i'arga
do mesmo, logo nao pie haver a lanada incompa-
tilrilidadn, mostrando-so desia forma paioislidade
de alguem, ou precisar-so de padrinho ou de pa-
tronato, para se poder segurar algum etalwlec
ment, ou cousa que valha.Isto quer saber
O sino do Livrnmento.
Ao corpo commercial.
Um ripaa natural desta provincia, com immen-
sas habilitantes, qffuasaa gu para tomar conta de
3ualquer casa cnnvnercia), enteudendo o uiesmo
e escrptmacao nieivantil, fendp maginliea letra
e muito expediente. Bncumbe'sc de etrectuar
qualquer transaerao fra d*M praea. visto jster
astado em qoasl odas as provincias do imperio e
repblicas "do sul : qnem de seu prestimo preci-
sar, dirija-so ao Exm. Btrao do Livramento para
informacoes.
riin
Pede-se encarecidamente a pessoa que
liver adiado um livro de netas com algum
dinheiro, e algumas cartas, o especial fa-
vor de lova-lo ra da Solidade n. si.
Obstruccao
Do figado o do buco
Os preparados de JURBEBA (chillo,
xarope,^ititlas, oleo, emplastro e tintura)
sao eflimes contra a obstruccao do ligado
e do baco.a ictericia, a hydropisia, as febres
intermitientes e durezas, os desarranjos do
estomago, as faltas de sangue e de mens-
truaco, o catliano da bexiga, etc.
nico deposito, pharmacia de seu autor
do J. d'Almeida Pinto.
Ra to Rosario Larga n. 10 junto ao
ipiartel de polica.
AOS 20:000^000
CASA FELIZ, ARCO DA CONCEICO N. 2.
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na for-
ma das leis tem exposto venda os seus felizes
bilbeles das loteras do Rio de Janeiro, na casa
cima aonde se pagaran as sortea quo sahirem
nos mesmos bilhetes com o descont da lei so-
menle.
[Presos.
Bilhetes inteiros. 2*50(0
Meios......12*000
Quartos.....6*000
E de 100*> para cima a ijo bilbete.
Figueiredo & Leite.
O
advogado
Alfonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
eriptorio para a rna das Cruzcs n. 37. defronte da
typographia do Diario._____________________
Ama tle leite
Precisa se de urna ama de leite sem ilho, pre-
feriiido-s branca ou mulata bem clara ; a tratar
na travpssa do Veras n. lo, Io andar.
t'recisa-se de um eozinheiro que seja asseia-
do as suas obrigacoes : toda aquella pessoa que
estiver nestas circmstancias, queira dirigir-se
ra do Crespo n. 6 para se tratar.
CDIGO
CWKEIIIO DE ]IKfl.C{ lO
Os Srs. Saunders Brothers & C Tasso Irmos,
Luiz Antonio de Siqueira.
CiVHlEMTsE
0 SE. Y. F. BOKGES.
Restando anda emittir algumas accoes tiesta comjwnbia, da quantia nominal d
00)5000 cadanma. das quaes s se aceitam em virtude da lei, iO %. ou 40/UX por
cada ac?So; coavida-se pflo presente ao publico em geral e especialmente aos Sfrs.
capitalistas o interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seos
capitaes, disponiveis, a snbscrever o numero de accoes que Ibes appcouver.
Algumas destas accoes j tem sido tomadas por pessoa^s que cor.hecem a vantagem,
de na presente occasi8o (conliecidamente a melhor), empregarem o dinheiro de que
podercm dispr em objectos de valor real, como.vapores, predios etc., que Ibes garan-
ta m seus capitaes. .
A companhia possoe boje 10 vapores, 6 inteiramentc novos, o destes o ultimo est
a ehegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso esta edificando vastos armazeris.no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds \0 /0 ao anno nos nllimos 4 annos.
As accoes que se emittirem gosam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporro da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptbrio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. i 2.
COMMERCIAL DOS SRiNAES PARA USO
DOS NAVIOS MERCANTES DE TODAS
AS NAQUES.
TRADDCClo
Conforme a ultima edico original inglesa
ron
J'&oquim Pedro Prente
Vende-se na livraria econmica junto ao arco
de Santo Antonio n. 2.
Precisa-se do urna ama que saiba eozinhar para
casa de rapaz solteiro : na ra da Cadgja do Re
cife n. 59.
Ha para alagar um mpleque crloulo de 15
annos, muito diligente e proprio para qualquer
seTvico domostico ou mesmo externo, compativel
osa as suas forras : na ra a Aurora n. 20.
Alma
a-se
na l'assagem da Magdalena (entre as dnas pontes)
urna casa terrea com aslaOJes conunodos, quin-
tal morado, cjcheira, estribara etc.: quem pre-
tender dirija-se Eseadinha da Alfandega n. 5.
Jos Rodrigues da Silva Rocho, tendo de man-
dar celebrar nma missa pelo descanso eterno de
seu presado pai, no dia 7 da correnle, s 7 e mei*
horas da manhaa, na igreja do Divino Espirito-
Santo de S. Francisco, pede aos seus parentes e
amigos o obsequio de assistirem a ella, pelo que
desde j Ibes devota o mais sinceroreconhecimen-
lo e gratidao._______________________i
Irmandade acadmica de Nossa
Seniora do Bom*Cot)selho.
A mesa administrativa da irmandade acadmica
de Nossa Seoliora do Bom-Conselho convoca pelo
presente a mesa geral para no dia 8 do correnle,
depois da missa da Divina Padroeira. proceder a
eleicao da mesa administrativa para o anno de
1869 1870, em virtude do art. 29 do corapro-
misso.
Secretaria da irmandade, em 2 de agosto de
1869.
Jote Furtado de Metulonea.
Precisa-so de urna ama
2, taberna.
na ra da Paz n.
Precisa-so de urna ama que saiba cozinhar
e fazer compras : a tratar na ra da Cadeia ds
Recite, armasen! n. I.
TZ3C
D-se sociedade a urna pessoa em um dosprin-
cipiaes armazens.de uiolhadus, entrando a mesma
pessoa com o capital que se conveacionar : a tra-
tar no pateo da Psnha n. 10.
Viciorio do lascimento Accioli Lins, senbor
AVBffiW.-V'liisv/regueiia de Agua-i'reta, leu-
dle ^xir deseuipenhado. de quaesquer dividas,
nao s vencidas, como a vencer se, pede a quem
quer que so julgar seu credor, queira aprfseatsr
seus ttulos, afim de ser indemnisado.
A pessoa quo por eu^wK levou um chapes
de sol de cor de caf sscur, om o cabo concer-
tado de aujaix'llo, querendo restitui-lo, tenha a
bondase de irazer na ruajajAurora n, 16, ou en-
tregar na estarci do Monlsip ao vigia: quesera
recompensado.
lerendo n
do, antigo
Ceara..
aui et C*.

U abaixo assignado, atigo comprador e ven
dedor de barr e pipaVcon-ideran4oe aada do-
ver a pessoa alguma e s'omente favores,; e pela
circunstancias de molestia recome-so ao
Hospital Portugez onde son socio, afim de tratar
de rainha saiiae, onde posso ser visitado pejos
meu* amigos.
Antonio de Almeida Brando t Souza,
Miguel loiiealves llodriyues Franca, lilho de
Manoel Guncalves Rodrigues, vende a lieranca que
em urna quinta Ihe deixou na ilha de S. Miguel
sea av paterno Joao Goncatves Rodrigues : a tra-
tar na rna to Crespo n. 12, Io andar.
Xarope de fedegoso
de Pinto
' E' de urna eHieacia vertladwiramente ma-
ravilhosa comocalmantedo systema nervoso
e applicado contra -a paraHsia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tos e recen-
tes ou antigs, suffocatfes, catharros,
broncneos, etc., e em geral eontra todos
os soffrimentos das vas respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra
o ttano ou espasmos, e convulsoes 6 in-
contestavel, e ninguem ha que a desconhe-
Ca. Ra Larga do Rosario n. 10, Pernam-
buco.
Associaqao Commercial Ueiiefi-
cente.
Pelo presente sao convidados lodos os enhores
socios da Associacao Commercial Bcneliconte se
reunirem em assembla geral. no nia 6 do corre-
te mez, ao meio dia, no edificio da mesma Associr-
cao, afim de tuina re m conhecimento de um reque-
rimento assignado por mais de lo socio, pedindo
que se proceda, a nova eleicao para a directora
que tem de funecionar no correnle anno social,
visto nao se ter preenchklo na eleicao que leve lu-
gar em 2 do correnle o disposto no art. 22 dos es:
Ututos.
Associacao Commercial Reneficonte 4 de agosto
de 1869.
Daniel Ramos,
Secretario.
Atteiicio
Desappareceu no domingo !. do Torrente da
passagem da Magdalena urna cachorro galgo,
branco com urnas manchas cimentas e tendo no
olho esquerdo urna belide, quem o athar c queira
restituir ao seu dono,. dirya-se a luja do arco da
Conceicao n. 4 ou na entrada do Hospital Porlu-
euez que ser generosamenle gratitlcado. Recife,
i de agosto de 1869.
Sociedade Recreativa
Juventude.
Por ordrm da presidencia convidos os- Srs. so-
cios a rciinirem-se cm assembla geral no dia 8
do correnle s 10 da manlia, no sallo do edifi-
cio da mesma sociedade, afim de ouvirem a leitu-
ra do relatorio e proceder-se a eleicao a nova
direecSo.
Secretaria da sociedade Recreativa Juventude, 4
de agosto de 1869.
Jos Rerlo.! secretario.
DE PARS
19-Rna Nova-19
Fiti:iEitno ^AITIKR
Mrurgiio-dentista, muito conhecido ha dez annos n'esta cidade, pela perfeicao dos seos
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
icharao os commodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho o discpulo
J. IiEROUX
o qual acaba de voltnr de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou cofc
feliz succosso nas primeiras casas de Pariz ede Londres, olerecendo assim as melhores
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profissao ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e cuentes que por acaso o nao enconlrarem no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianza cora que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por tolos os systemas: a pressSo do ar o com molas de ouro, platina
vulcanite e um inteiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturaces) com ouro c com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos deutrficios fabricados pelo proprio annunciante, o que Ihe permute afian-
far sua boa qnalidade.
Escovas -para dentes. etc.
Perfeicao de trabalho e precos moderados.
P iagens para fra mediante ajusto previo.
0 gabinete acha-se aberto das 8 horas da manhaa ateas i da tarde de todos ds
lias uteis.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Este-novo e modesto cstabelecimento, tend aberto ao respeitavel pnblico este ele-
gante e bem fornecido hotel que situado n'uma posiro inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se prcferivcl qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distraco da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muilo profusa, da primeira ordom; no
primeiro andar, sala da frente, um excellente bilhar de iuogno, para divertimento. Sala
de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento. promptidao e commodidade, s
aos Ilustres concorrentes dado fazer justica.
Fornece comida^ para fra, tantopor mez como avolsa. Todos os dias, noite,
?ncontrar-se excellente sorvete, refrescos, caf, cha, hons vinhos Figneira, Porto, Bor-
leaux, tendo bons commodos para hospedagero, salao e quarto mobiliado nosagnn
do andar.

FLOR BA BOHISTA I
^3

Ouro e prat
Compram-se moedas de our e i rata de todas
as qualidades, por bom preco : na raa da Cadeia
do Iterife n. S8, ioja do azwejo.
O Sr. Jos Antonio dos Santos, qu* troaxe
umaencominenda do Rio de Janeiro para entregar
Joaquina Lopes Machado, tenha a bondade de
mswda-la sntragar rua/da Crut-u. 0, ou DiroRa
n. 8i, visto nao se saber a sna morada para ser
procurado. ______________
-----
Lsperteza,
Pergonta-se a certo negociante de ferros da ra
que nao torta, se licito comprar as mercado-
rias e ter a firma da casa nome de outro, para sa-
car letras aos freguezes e passar recibo* em seu
uoaie. Rosponda-me se pode.
O boleeiro dos carros fnebres.
MM.l
DE
^PALOFERMMS DEMELLO GUIMAMES^
-^ SOB A DIRECCO DO MUITO HNBll. ARTISTA ^^
| AHUATE TEMO 1
NftN ollicina eucontraro os respeitaveis freguezes um dos primeiros artistas
em alfaiatc para hem poder satisfazer toda e qualquer obra, tanto no bom corte, como
no aperfeicoamento das mesmas.
Torna-se desnecessario reeommendar este artista, pois que a suathesoura j
bem conhecida, (e comgrande espeeialidade em fnlasi por muitas pe'ssoas distinctas
dcsta cidade
Achar-se-ho figulinos de todos os mezes, pelo que o artista executa debaixo de
todos os preseitos d'arte qualquer urna obra em face dos mesmos.
O mesmo cstabelecimento se aeha munido de um completo sortimento de fa-
zendas, como sejam: casemiras de cor, ditas pretas, pannos pretos, ditos azues, brins
de cor, ditos brancos, seda para colletes, merinos, etc. e mais fazendas proprias
ollicina.
O grande sortimento de roupas feitas que tem vende por menos 20 0/0* do
que em outra qualquer parte.
UA DA IMPERATRIZ N. 48,
junto padaria franceza.
Ainda nao vieram, no entretanto o negocio
de inleressc, e precisa-se fallar na do-Crespo
n. 17 com os Srs. Poiino Frreira da Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.
(MOTARA DOS AMAAZES
16 RA DA CRUZ 16
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, fiambre, pastis do diferen-
tes qualidades, vinhos de superior qualidade, cha Hisson preto, e miudo, o melhor qte
se pode eicontrai* no mercado, amendoas confeitadas, xarope* refrigerantes, doces de-
cada, etc.
Incumbe-se de encommendas para grandes jantares, baHes, baptisados e en-
sarnemos, a saber:
Pecas de nougat. P5e$-de-lot enfeitados.
Ditas de p5o-de-lot. Bollos idem.
Ditas de tmara de ovos. Pratos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de erme e carne.
Bandeja com armado de assucar. Empadas.


\
%
I
1
Diario de Femambuco Sexta feira 6 de Agosto de 1869.
5
RALDA
Industria agrcola.
0 abaixo assignado proprietnrio Jo varios e#ta-
Leiecimeito ahricolos, tca.lo d* rawnr-te I"
Lisboa; a tratar de sua stuje, decja diminuir o
curso de suas operaeae?, expando a venda o enge-
iho Mcrtuc (funerionsndo aelualmcute com 50
a 60 escravos) distante legua c meia, da Retesa, coui
a qual corresponde x>r torra c por agua.
A fabricacao do assurar ahi so faz pelo novo
syslema do vaccuo e do vapor.
A agurdente por dous afcnnbiqt.es, sendo un
do antigo systotna c oulro do Continuo.
material inteirnmente bovo d'este estaheloei-
mento, sabido da rasa bem conhecida de Ifenrv
Claiton & C. do Londres, e do primtira orden a
sua nstallacao frita com toda a forca e perfeirao
que se podedesejar.
O material o os apparelhos eouipocm-se do se-
guinte:
De ama caldeara de 20 cavallos de forra, com
2 fontal lias interiores, dando consecutivamente
vapor do 4 a 5 athcmospheras de precrao : esta
, cadeira est munida de todos sens aparclhos de
seguranza, indicadores e assecorios.
, Do ama machina a vapor oriental do alu prec-
i i,(vo, d forc,a de ti cavallos, Jando a sua trans-
' missao a um jogo de moendas da maior toro, po-
'nheeida nos est'abclecimeutos d'osta provinffe.
De dois dessecadores a dobre fundo em com-
I tuunicaeao coin os feltros, systcma Taylord.
Mor or a Duartc & C. tendo feito una L soasaremos cor^^
_ I do ar, mandada pela dita macliina de vapor.
completa reforma no seu esiabetaeimei^
deloias da ra do Cabug n. 5, (junto wEE?5gS^~
-| -, m i ^" U,na tol-ill.'l a
loja de cera) acabam de reabn-lo ao res-[fSiSSSi^ *>*< ai*
peitavel publico, a quem oflferecem um mrJsaxZS*' f?^mxT^
*_ y j_j Estas obras foram montadas o installadas pelo
plendido sortimento de joias as mais m^-^^^^gg^!^
dems e primorosas que teem vindo a esta KJSK^
* a n'csta provincia.
pra vel. Tambem compram ouro. prata e pe- "SSwelfSSBgenho um hgo, cujas aguas
_ servem para moer actualmente urna pequea ser-
flPflCl TiT'APlfiQQC raria de madeira.
\*4 (O M. OWUiJao A casa lle niorada expaeosa o de boa constrnc-
mT tt wiwt i rtit iit M4Tn it ti &> em f"n> ncsle lll*ar' ^-^ unla bonita
\ Pv III i I lili I I III II I W Pv campia cercada de matas virgens onde se cn-
1 ,| El I B III lilil l I I Ll contratn em muita abundoncia madeiras tanto
i V HUil. IfV \JmlFtJVBil 1 1 U para centrucroes naves romo terrestres.
Para. 39 de junbo de 1800.
Jos Antonio Jo Miranda.
Ama
Preaisa-se do urna ama para entintar e comprai
para cas Je puuca familia : na: ra das Cime>
fl- 1? andar ; prefere-so eserava e paga-s
vapor gorresptiiMlendo com
LOJA
ALGODAO
DAS MACHIMAS
AMA
Prccisa-se na ra da Palma n. 50, de urna ama
pira encarregar-se do servico de urna casa, com-
prar, cosiithar, engommar i tratar de urna se-
nhora e urna menina.
una
PERDEU-SE
*5000 de gratlHeaco.
I iu corflao de ouro para Descoco, ao saliir da
Cruz de Almas pela estrada de Joo de Darros at
o ceniilerio brasileiro : ouem o achar pode diri-
girse raa do Commercio n. 8, qne recebera a
gratificara cima.
ALUGEL
Xo Coracao de Ouro se diz quem precisa de nina
eserava que sirva para comprar, coiinhar e en-
gommar para rasado familia.
Criado.
Precisa-sc alagar urn criado livre ou escravo
para coiii|iras e servien interno do urna casa de
familia, menor de 10 a ii annos : a tratar na ra
Helia n. 21
AMA
l'recisa-se de urna amn forra ou captiva para
todo servic.) do urna casa do pouca familia: ha
rna de S. Francisco n.'Sl.
Precisa-so de um feitor portuguez para o cn-
genho Matto-Grosso, comarca do Kio-Formoso : a
tratar com Leal & Irma, nn da Cadeia n. 56.
Preciea-se de uma ama para cozinliar em
casa de familia : na na Direila n. 26, 1" andar.
Francisco Ferreira da Rocha Lial, por grave
ir.commodo desaislo e atropello do sua viageni
liara Europa, nao podo d^pedir-se das pessoas
(me o honran com a sua amizade, as qtiaes, pe-
Jindo desculpa, olTerece em Portugal o seu dimi-
nuto presumo.
iEMPRESTIMO sobre
c-I
BASTOS
M.-VCUINAS ameticanas do serrote do todos os tamanhos para descarocar algodSo, do
muito couhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
.MACUIN.VS ditas, tambem de serrotes o de todos os tamanhos para dcscaroQar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamaitos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas tic Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de facao do fabricante.PlattB. & C, Obdlian PatentLiverpool.
Todas esUis machinas sao-de suputior qualidade e as melhores que tm
vindo ao mercado ; e para a sua apreciado convidam-se os senhores agricultores "
virem a exposico das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontraro mais o semiinte:
Debulhadores para milito.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhns de mo.
Machinas para cortar apim.
Catinos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e WtSrj.
Ferro de. todas as i|ualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de verguinha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamauhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muito* outros artig
diversrdade seria enl'adonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira dRos.
Ternos de bandejas finas.
Trens completos para eozinha.
Peneirag para padanas.-
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvcrs.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refina^oes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Sorras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertcncentcs lavonra e artes, que pela
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvado e reconunendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
egualmente o remedio por excellencia contra a retencao de ventre Fina-!mente em
razao de suas propriededes absorventes, recommendado como verdadeiro remdio nos
cazos de diarrliea e cliolerina. O earvfto Ae DcOoe toma-se na occasiao das comidas
sob a forma de pos ou de pastilhas.
Depotito em Rio-Janeiro, Duponchelle; Chevolot. Em PEr.NAUBCCo, Maurer i Ck.

O Dr. Enniro foutinho reside
ra da Cadeia h. C, onde tem
aberto o seu consultorio meilico. e
pode ser procurado a qualquer h*--
ra para o exercicio dt; sna prols-
so.
(SEM LIMITE.)
j\a (ravessa da na
das Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, tia-se qual-
quer qiianlia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelccimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condi?5es de ga-
t antir a transacc5o que so fizer em
sua casa, prometiendo todo o zelo
e considerara*) s pessoas que se
dignarem de honra-lo emseu esta-
belccimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
PILULAS
ANTI BUBATICAS
Cora radicalmente as houbas.

Procisa-se do um caixoiro qa< teabA boa
conducta e pratica de taberna: na ra doP>angol
numero 8: _______ '_______________
Precisa-se alugar urna eserava para cozi-
nliar : a tratar na ra da Cadeia do ltecife, sobra-
do n. 31, 2 andar.
i
ifl
Quem quizer vender a -prazo e somente com
a gacatia de lettrs assignadas; engenhos,
casas, sitios na praia, navios, chcaras, fa-
zendas no scrtSo, joias de todas as qualida-
des, metaes preciosos, movis de todos os
gestos, fazendas em grosso, loteas assorti-
das, escravos, bois, cavallos, burros, car-
neiros, porcos, cabras, gallinhas, homens
livres por escravos, etc. etc., dirija-se ao
tormo de SerinhSem entender-so com o
capitalista Pragas Caval anti que n5o deixa-
r de comprar por mais alto que seja o
preco.
As lettras d'esse genitor sp descontaveis
em qualquer parte do mando, e p*a maior
conhecimei-ito indicaremos as pravas e lu-
gares que mais promptamente faro o devi-
do descont rthesonto nacional, banco do
Ll
Para o armazem do Campos, na ra do
Imperador n. 28.
Nestc muito acreditado estabe!ecni<,uto
acha se constantemute uta variado s< t-
menlo de gneros finos para meza e
cosinha e entre estes noraea-se aperras as
especialidades seguinles:
Queijos do serto sendo de manteiga e
coalha.
Camarcs seceos do MaranhJo.
0 verdadeiro caf de Moka,
0 superior e bemeonhecidopeixemiraguaia
que se vende a 160 a libra e 43500 a
arroba.
TABELLAS
de reduccao as mais facis e mais com-
prehensivas, ludo no
Armazem do Campos
oa.ssa da HiiKsin
a mais nova no mercado, a preco 'razoavel : na
ra do Commercio n. 13, armazem de Manuel Tei-
xeira Rasto.
Nervinos parames
Excellentes tonlbas de linho adamascadas para
mesa e guardanapos correspnmlontes, vendem-se
por commodo proco : na ra do Qneimado n. 31,
loja de A. M. Rnlim A C.______________________
Rap Princeza
DA IMPERIAL FABRICA DE VIBIRA GLTMA-
IIAI-S & COUTO,
BO RIO DE JANEIRO.
Vende-so este excellente rap no escri-
torio de Joaquim Gerardo do Bastos, ra
do Viga rio n. 16 \ andar.
Vende-se uma serrana circulares com sete
serras de diversos tamandoa, movida por manejo :
vende-se junto ou separada : no largo do Parai/.o
n. 10.
Vendem-se seis casinhas mei-agoas de nedra
e cal, em chan proprio, na Iravessa de Jio de
narros ns. 1,3, 5, 7, 9 e tt : a tratar na ra do
Golnvello n. 17.
Vende-se um excellente escravo de li annos
de idaue, pardo, ofScial de atraale, reforcado, e
ptimo para pattein : na ra da Florentina n. 28.
Vende-so uma eserava mo^a de bonita Hgura,
que sab* n veknente o fazer labyrintbo, rendas e bicos : a
tratar na rna da Santa Cruz, casa n. 16. fl
Vende-se um mulatnbo de l annos, bonita
figura, pi-ca c proprio para um pagem ou eopei-
io, vindo do mato : na na do l-'ojio n. 9.
FOLHA DE
FLANDRES
la fabrica Deiwvnt a 293300 I C ou 225*>00'sor-
tida : na rna da Cadeia n. 4.
Vende-se-urna machina e um ravallo, tudo
em muito bom estado, pertencente a sua padaria :
na roa da Senzala-nova n. 30.
Vendem-se dous inoleques, um de 7 a 8 an-
nos, e nutro de 10 a 11 annos : na rna do Quei-
mado n. 2.
COLA
Vende-sc superior cola da Babia : no escriplorio
de Antonio l.uiz de Olireira Azevcdo & C, na da
Crot n. 57.________________________________
vmrmM .
Vende-se na sua Nova n. 22 urna prande rar-
teira de uma faco para ccriptoro, a qual 6 nova
e bem acabada, o por preco commodo._______
Vende-se uma muleca do lo annos. bonita
peca, urna mulata de 30 com habilidades : na ra
do Fogo n. 9.____________^^
Loja de miudezas de Pereira da Cunha &
Temporal, ra do Queimado n. ;!, est
quimaiulo |)or todo preco :
Jugo de vispai a a 400 e 500 rs.
Redes para cotpNs a 40, 400 e 500 rs.
Lint)* de 200 jai-das (duzia) UO.
Caixa muito lina para p de arroz lfK00.
Relociv de sf 120 rs.
Latas com bahha 160, 00 e 320 rs.
Agua florida verdadeira a 1:100.
Agua divina idem a IfJiOO.
Grvalas prelas pat a hoawm i 0 rs.
Pentes de iravessa para menina 30 rs.
Olio pliilocmc verdadeiro 1-5200.
Artercos de plaque I #500. 2> e 5>.
Meias crtias para botnein :$:> '.00 e i;> a
dnzia.
Botes enfeitados para vestido, ISiOO a
duzia.
Loques do santol i 55. cada um.
Ditios de madefra 55 cada um.
Coques de tranca, boa fazenda, 2j,
2i5500 e 3(? cada um.
Meias- linas para senhora h$ a duzia.
Banha em frascos a 100, (i 10 e l->-200.
Frascos com extracto muito Fino 2:5 ;
2;5oOO.
(aniveles de duas folhas a 2't0 rs.
Sabonetas linos 80, ICO, 200, 240 e
320 rs.
Olio baboza I 100, 500, 600 o 800 rs.
Agua de colonia a 400, 500 e 800 rs.
Cartas francesas 200'c 240 rs.
Caixa com extracto ;i 2^500.
Cartas portnguezasa 120 e 200 rs.
Pentes orticos com costa de metal i
320 rs.
Ditlos pretos 200, 240 e 320 rs.
Calo de ia para vestido, (pessa) 400 rs.
Fita de sarja lisa e lavradas, 16500,
2,5 e 2i5BOO.
Caixa com obreias de maco 40 rs.
Caixa com pape' amizade a 700 rs.
Dltto e dotirado a 15-
Ditlas com envelopes 500 rs.
Caixa com agulhs francezas ICO e
240 rs.
Laa para bordar de todas as cores (libra)
64800:
Ronets para menino 14, 2( e 2,-5500,
Linha de marca (caixa) 240 r.
M-ias para menina (duzia) 3,5 o 3.-5500.
Pecas de tranca liza e de eorocol a 40 r.^.
Sapatos de laa para menino a 320 e 803,
Capellas francezas a 2;S500.
Facas e galfos, cabo de bataneo (du-
zia) 7:1
Chicotes paraftavallo G00, 800 o 10800.
Rengada de canna a 1-3, 1:5500 e 2#.
Vortas para luto 500 rs. (cada uma).
Papel almaco, greve (resma) I#300.
Temporal pode ser procura-
do era seu estabelecimento bc-
NAN^, Temporal contina a
vender na Bonanza, pelo mesnio
prego que vendia em sua loja
com 1 i tu lo de Temporal.
nico depos.to.-Pharmacra d^oMhn B .&Q Rb de Janeir0. do R(JCfe>
de Almtda Pinto, ra larga do Rosario nu-1 (J ^ d() Cea(.. em Mis ag. as da
mero 10, junto ao quartel de pohcia. especialmente na de Londres,
XAROPE
DE
SALSA PARftlLH\ IM PABA
01!
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pello, impigens,
dores rheumaticas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
Rna larga do Rosarlo n. I O.
JUNTO AO QUAl\Ti:i. DK POLICA
Pemambuco.
Fetor
Precisa se de uma pessoa para fehorisar um en-
genlio, e (|ue entemla Mfti servido de campo,
preferindo-se nue seja rolteiro : a tratar no AiTj-
gado, pritnetro sob/ado ao p da ponte._________
saibain c-"zi-
ua ra
1'roci.sa-s de duas unas (|ue
nhar e engommar, prefere-so escravas
das Cruies n. ti, 2o andar.
ropa, e especialmente
Paais, Francfort, Hambnrgo, S. Peteshurgo,
Oruxellas, .\I;rid, Turin, Lisboa, Porto,
N(!\v-York, e com mais presteza anda na
imperial cidade de Lolala, onde este senhor
mnito conlierido. _________
Caixeiro
Prcc?a-sede um caixeiro de 12 a 14 annos, qu
tcnliar boa conducta : na Iravessa do Quemiado n.
o, loja de charutos.________________,__________
Precisa se de uma ama que sa
e cozinhar : na ra larga do Rosarib
Vende-sc nina eserava eriotila do 15 annos
de idade, sali cuzinhar, engommar c coser : na
ra do Vigario n. 5.
lifcComprnr
nWf
t\.
COMPRAS.
0 mnzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se onro, prata
pedras preciosas por preco* mais vahtajosus do
qae em outra qualquer parte. __________
/ Na praca da Independencia n. 33, loja deou-
ij\'es, compra-se ouro,prata, e pedras preciosas,e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
jodo e qualquer concert.
0 MUSEO DE

zrz
GOMES DE MATTOS RBflAOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noutet* ffi^
RA DO CABUGft N. k
onde encontraro um completo sortmento do que ha d mais elegaute,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas,rubins e tuHc que e**obfa|
de onro, prata'e platina se pode desejaf.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E- RUBINS
de novos gostos, assim come -grnele variedade de salvas e palitiros de
prata contrastada e de gosto aind nao visto, e completo sortimehto de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanten!
a qualidade dos ob]cto -vendido*:
fcPS.'
6ompram-se e vendem-se diariamente para fura
e dentro da provincia escravos du todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios: no
torceiro andar do sobrado n. 36, ra das Gruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se
farinha de mam!Her ta trra
inercia n, 17.
na rna do
Cc-
OS abaixo assignados, proprietarios deste
estabelecimento, declaran ao respeiiavel
publico e com especialidade a seus numero-
sos freguezos, que desla data era diante as
mercaduras sero vendidas a preco fixo, e
mdico. Isto r. solveram os mesmos pro-
prietarios em consequencia de reiterados
pedidos de muitas pessoas por ser este sys-
toma de vender o que mais garanta e con-
fianca inspira .io comprador.
As vendas em grosso, sei ao feitas com
os abatimentos na razio seguate :
Compras de 50,5.1 l04 descont o"/*
de 1005 a 50W 10 /
* de.1iK) para cimr 7&T
Pagamento realisado no mesmo raez da
compra.
Os proprietarios do BAZMl DA MODA,
observam mais que. recebendo todas as
mcrcadorias de conta proprin, offerecen_ a
quem comprar todas as vantajosas condicoes
das casas importadoras.
O estabeldcimento consotva-se aberto
todos os das uteis das 0 tioras da manila
s 8 horas da noite.
Recife, ^ de Agosto de I861
Jos Soares de Soaza & C.
Carro
Vende-c uma victoria com arteros para dous
cavallos : na ra do Jmpcrador n. 19.
Sefttas de 0 c 2S
Compra-se n casa de Theodoro Simn
& C, largo de l'clourinho.___________
COWPM-SE
moedas de ouro e pate de todos os valo-
res, ouro e prata em obras inutilisadas, e
brilhantes e mais pedras preciosas: na lo-
ja de ourives do arco da Conceico no Re-
cife.
Comprare urna eserava que saiba cozinhar
je engommar e tenha prt9 de servico de ra : a
Itratar na rna d.t Concordia n. 115.
*
VrNDAS.
'
mm
Vende-se verdadeiro cimento ; na ra da
Madre de D?os n. li, armazem de Jeo
Martis de Tjarrs. _________ ,
Viuho Sherry
o melhor qne ha no mercado ; no armazem de I,
O. C Do^te, ruado Conwaercto n. 48.________
?ao deifcerna, boa'piFn
. da Matriz-da Boa-Vista
Vndese um
qualquer negocio
n. 51. ., .
m
Potassa da Rssia
mWlosoperlori'cneiradaultimme'nte pela escuna
allemaa Catharin*: vende se no armazem dea-
snCaY fle Jos da StVa Loyo/ Fnt & a, no Forte
do Mallos.
AVISO
aw xonvalescenle* e s pessoas
fraeas e debHadtn
V
.
O QUINIUM UBARRAQUC approvado
ela Academia imperial de medicina de
arirStonie por iceltencia.
*rm\
o, DitponcktUe; Cktvollt.
emTuL'tffeoco, latrer l C.
Ra do Queimado n, 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conhcci'do por
Jos Bigodinho.
Est queirnando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazer novo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caxas de linhas do gaz com
50novellos a 500
Latas com superior banha a
120, 200 c..... 400
Frascos de oleo babosa muito
fino a....... 400
Duzias de meias ( nglezas )
muito boas a 40000
Garrafas com .agua florida ver-
dadeira .... 15200
Garrafas com agua;divina da me-
lhor qualidade .... 1&S00
Caixascom 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2#o00
Dita comJG frascos muito linos 800
Oleo baboza muito fino que s
aviste .. #506
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... 0240
Ca xas de p de arroz muito
superior 600 '
Pega de babadinho com 10
varas ...... 0500
Pecas de fita de cs qaalqner
largura ..... 0300
Escovas para uniros muito fi-
nas ...... 0500
Escovas para den tes fazenda
milito fina ..... i5240
Pulceires de contas de cores
para meninos .... 0200
fiaisas de linha branca do gaz
com 30 novellos 0600^
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 0040
Resmas de papel paulado muito
fino ...... 40606
Pares d^botoe para punhs
muito bonito 01S0
Libra de 13a para bordados de
de todas; s cores 80000
Pentes com costas de metal
muito finos 0320-
Novellos de linha muito grande
para croxs 0320
flnzia de linha froxa para bor-
dado ...... 0480-
Grosas de botOes madreperola
muito Ono ..... 0300
Sabonete muito finos 60v 120,
. 160, 240 e...... 0320
Pe? de fita de lea todas as
eflres- ...... 0500
Espelhos domados para parede
10000 e..... 10300
Espelhos de Jacaranda muito
fino'- ..... 20000
Pecas de trancas branGas e de
cores de caracol a 0060
Paras de meias creas ptfa me-
ninos ...... 1339
Caivete muito fino com''4 fo-
iim ...... i-sm
Frascos de sndalo e patecholjr
muito finos 10200
-----:-----ni" ''li! '-------'-----
Qaem
Vendem-w queijpB d*rW a MeO^ KRi-
Br&mtna, em porco so faia aiNrtuaaal t na ra
reilan. 16, ViadoBr'an

U



6
Diarifo-de Peuaambuco Sexta Cetra 6 Je AgaAo He 1869.
GUANDE LIQUIDADO
W LOJ1
DA
ARARA
72. Eua da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
que Arara va i cantar,
Para vender suasfazeuc las (baratas)
que rauito ha de agradar.
0 proprietario deste estabelecimento, tendo grande porfo de fazendas era
gr, vai proceder urna liquidario em todas as firtohds e roupas feitas existentes no
estabelecimento, agora que occasiao de quem tem pouco dinheiro poder se vestir de
boa fazenda e baratissiraa como se poder ver no annuncio abaixu mencionado.
. MADAPOLAO BARATO A 3500. MAMANTE PARA LENCES A 2.
Vende-se pecas de madapolo enfestado Vende-se bramante com 10 palmos de
de 12 jardas 35500, dito de 2ijardas ou largura para lences, a 2->, a vara.
8 metros U, 6$, 6,5300, 7*500, 8,5000 e
9^000.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
PECAS DE AI.GO.vO A i-5.
Vendem-se pecas de algndao rauito en-
corpado ;i V>, 5.-),' (>800 e 75.
Vendem-se chitas francezas para vesti- C'oleriaio.s econmicos a*3SO k
dos a 280, 320 rs. o covado, ditas escuras dnzia.
muito fin.^.s 360 rs. o covado.
Chali a multo flno HOO rs.
Vende-se chaln para vestidos ie senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A 440 RS. O COVADO.
Vende-se percales muito ino3 para vts-
tidos de senhora a 440 rs. o covado.
Brllhantlnas lito rs.
Vende-se briihantinas ou mursulinas de
cores para vestidos de senhoras 440 rs. o
covado, lazinhas muito finas para vestidos
de eHhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 3G0 RS. O COVADO
Vende-se riscado fraacez para vestido
de senhora 360 rs. o covado.
Lasinhas a 9 lo rs. o corado.
Vendem se ISasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas Qnas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de Merino *.
Vende-se chales de merino estampados
i$ e 25500 cada um, para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS A 25400
Vende-se cortes de 13a para vestidos de
senhora, i 25400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestais
de senhora, 720 e 800 rs.. o covado, di-
tas de listras 700 e 760 rs. o covado.
Chitas prnsslanas 300.
Vende-se chilas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Baldes de SO a SO arcos
1A500
Vende-se bales de 20 a 30 arcos
15500 cada um, bales modernos brancos
ede cores 55.
Vende-se colorinos econmicos a 320
a dnzia, s se vende assim barato por ter
grande porco. I
CASEMIRAS DE CORES
Vende-se cazemiras de cores para calsa
e palitt 25 2300 o 35 o covado,
Algodo enfestado i.
Vende-se algodio enfestado proprio para
lences e toalhas, 15, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para caigas o palitos de
hornera e menino, 400 e 40 rs. o co-
vado, dito lizo a imitagao de ganga a 360
o covado.
Algodo de listras a SOO rs.
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de [ brim castor para
calca de homem, ; 640 800 rs. cada un*.
CARTEIRA PARA VI.VGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 15
cada urna, cobertores de algodo 1(5500
cada um.
Cobertasdc chita l$80O
Vende se cohertas de chitas de cores
15800 a 25. cada urna.
ALGODO TRANCADO DE EUAS LARGURAS A
15200.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences o toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
llantas para grvala a SOO rs.
Vende-se mantas para gravata a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALIIADO PARDO A 20500.
Vende-se atoalhado pardo para toaHws
de mesa 25500 a vara, taalhas escoras
15, cada urna. Ra da Imperatriz foja
da Arara n. 72.
CONVITE GERAL.
O proprietario do armazem de fazendas denominado Garibaldi, na ra da Impe-
ratriE n. 56, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desejando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidado que fin-
dar no da 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir surtir-
se de boas fazendas, e por diminuto preco, a saber
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
15000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
lences a 15000, dito liso enfestado a 900
o metro.
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30300.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35300, dito inglez de 24 jardas ou
Jti metros a 54, U, U, 85, 95 e 100, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanzinhas para vestidos de se-
nhora a 200, 240, 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5u0 rs. 0 COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido cW
senhora.
SEDAS DE CORES A \&.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 1$ o covado.
PORCAO DE RKTALHOS.
Vende-se urna porcio de retalhos de cas-
sas, de 13a e sedas e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' ell^s aufes que se acabem.
CHALY DE CORES A 800 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado.
CHALES DE CASSA A 10. *Wm
Vende-se chales de cassa a Ifi, e de me-
rino a 20. -
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes de la-delistra para
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecas de algodo a 40, 50, 60
e 70 a peca. E mu tas outras cousas que
seria enfadnos mencionar.
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada 320 rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 20500.
Vende-se casemiras de cores a 20500 e
35000 o covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gangas para calca a 3SO rs.
Vendem-se gangas de c6res para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSELINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
f Gollinbas e manguitos para senhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 15000, para aca-
bar.
[GRANDE SORTIMENTO
PE HOL'I'A FEITA DE TODAS AS QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em outra casa : por
isso os pretendentes poderSo vir examinar
para ver a realidade do annuncio.
Velbutina preta a 320 rs. o covado, para
acabar.
BALES DE ARCOS A 10500.
Venden-se bales de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, ditos" modernos a 40.
BRIM HAMBRGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo a 80, vem a se o do que
algodSosinho.
CORTINADOS AjiMOOO,
Vende-se cortinados pita cama a 140
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Todas estas fazendas se vendem maito
to na ra da Imperatriz o. 56.
J. 45 RA DA CADEIA S. 45
DE
IlIUMfiOR
SOR A DIRECCO DO MUITO HABILARTISTA
Laurtano, alfaiate.
Os proprietario? deste novo estabelecimento, tendo experimentado a nficessidade
urgente de ter na directo de sua officina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
cora todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento nm bom sortimemto de fjzendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, rodos padrees, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins broncos e de
cores, merinos de diversas qualidade, bombazina, lindos cortes de gorgurao para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontraro arada om variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, coltorinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phautasra, meias para homens, se-
nhoras,'menim e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas rres e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modiridade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
RIVAL Si SEfilM
Rita do Queimado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est aeabando
com as miudexa de scu* estabe-
lecimenfos por t*so qveram apre-
ciar a que bom e barattsstmo.
Pecas de liras bordadas com 12
melros-, f.izenda superior, a
15500,2.-), 35 o...... 40000
Caixas de linha com oOnovellos 300
Pares de sopatos de tranca fa-
zenda nova a.......20000
Pares do- sapatos de tapete
(s grandes) a...... 10500
Dn/.ias i\e meias cruas pera ho-
mem a .*...... 35800
Traraoias ds- Porto fazestla boa
e pelo pee?o melhor 100- altos a 0200
Li-vros de nusses abreviadas- a 20000
Duzia de baralhos francezs-muito
finos a25400 e..... *208OC
Silabario portnguez com estam-
pas a :..... #320
Gravatas decrese pretae-muito
finas a....... 500
Cartes coi rolchetes delatao
fazenda Ana a...... ^020
Abotuadarte, de vidro para: colete
fazenda fina a. .... 0500
Caixas com penna d'aco- muito
finas a 320, 400, 500 e 40000
Carines d linha Alexandre que
tem 200-jardas a 0100
Carreteis do linha Alexandre de
70 at 200 a. ..... 0100
Caixas com superiores- obreias
de massa a...... 5040
Duzias de agulhas para machina 20000
Libras do pregos irancezes di-
verso tamanho a. 0240.
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 0120
Talheres para menaos muito
finos a. ,...... '0240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 0700a
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a........ 0600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... (320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 0500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 0320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a...... 0160
Pecas de fita branca elstica
rauito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas djyapel de pezo azul
muito fino a...... 20500
Grozas de botSes de louca muito
finos a........ t60
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4 ca-
vallos.
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
Machinas de fac3o e serrotes para desca-
rocar algodo.
Balancas para armazem e balc3o.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas.para copiar cartas.
Fogao americano patente.
Cal nova de Lisboa
Vende Joaquim Jos Ramos, ra da Cruz n.
8, 1 andar.
-----a_____.______________________________________
Aproveitar em quan-
to duram.
Balitas de musselina com pequeo toque de mo-
fo a 3 o a 3500, fazenda superior.
Espartiihos a 2S00 o 3, oousa nunca vista, s
no triurhpho Outras muitas fazendas qu se tor-
ran) por todo o preco. ra do Queiraado n. 7
DO
GALLO VIGILANTE
Kara do resp u. 9
O proprietarios deste beni conhecido estabele-
eimeste, alero dos muitos onjectos- que torfiam ex-
postos a aprerrao do respeil;>vcl publifo, man-
daran vir e acanam de receher pelb ultimo vapor
da Earopa um completo c variado sortimento de
finas t mu deeadas especialidades, as qanes es-
tao nutridos a vender, como de scu costume,
por preces muito baratamos e commodos para to-
dos, coa) Unto que o Gallo....
Muito superiores fu vas de peWiea, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mu boas e bonitas goHinhas e puntios para se-
nhora, ueste genero o que ha do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos eafeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem eHes; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais Ixmito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqulles brancos
com lidos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm tiestas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marlim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero c o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
3uanlido.de He oatras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cliconhos do cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a It annos de idade.
Navalhas cabo de marfim o tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
orno os tcntos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes mancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, alim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se Tenderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos-
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis lja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Boa ra#i.
Vende-se um casal de burros de raca Andaluz,
encllente para prodcelo : quem pretender e
?oizer ve-Ios, queira dirigir-se coeheira con-
ronle a torre do arsenal de marinha, e para tra-
tar no largo do Corpo Santo n. 6,2* andar.

Burras.
Vendem-se duas faceiras e ensinadas burras
para carro : a tratar -na ra do Vigario n. 31.
Agulhas
para machinas de costara de Grover & Baker :
vendem-se na ra da Cadeia do Recife n. 51, !
agdar, a i a duzia.
Scbonete de alcatrdo.
DB
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t3o boa
acceitac5o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas, e todas as
molestias de pelle.
Deposito tudi,
Pharmacia de Barthotemeu & C,
34rna larga do Rosario34.
Veude-se um bonito mulato proprio para
boliejro, criado ou outra qualquer cousa por ser
de excellente conducta : no 3o andar do sobrado
n. 3frda ra das Cruzes. *
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHl
Preconhados par todos os mdicos contra oj I
DEKLUXOS, CATHARBOS, E TODAS AS|
1RBITACOES DO PE1T0.
N. B. O Xarirpc de Codcna ave mereco a I
konra, alla$ bem rara entre oimtilicamentoiX
novo, de ter registrado como un do medica-1
mr/itos oflicii es do Imperio Franca dispensa]
fua'qmr elogio.
AVISO. Por cansa da repreliensitcl falsi-l
Iteacn qiti'tem suscitado o feliz resultado do!
Xaropc e massa de Berlh somos forcados i!
Ifmbrar que es'os medicanieutos laftjuslament j
couceiluailos ti se
Tti.i.'nii em caiiln-
liasefrisri'ilerando ^_^sSSJ^f jfi* '
1 asignatura itr "~~~
fenle.
46, /iu ie KcoUt, t na Pharmncia Onlrall
de fr'ranra. 7, Une de Jonv, em Varis1 e em i
todas asPbarn:.i<'."as |iriuci|rs do i'
P1LULESS8SSS5S? GAUV iN
r>iririr B, bwltrw4 MWitopoL tute.
Este precioso mroallro vef elal to commodo I
como aindavel t o remedio oais irtrallivel ptra des-1
trair u cwmhwOH, as nerralgla, u mais re-1
keldes, assim como a billa e a vtaeosldMlea
Elle e rieai ou gaMrilla, o*imcee* caa-1
jMeaa, astkiaaa, orea, eatarrnoe, emslaca, I
atoa e rtwaatatlaBMS.
O awiaciaietito das Hllulaa caavln pode resa-
iMe aestu paUrru : aMatakelccer ou eiMtr
nri ude.
Ellas alo peden nem resfsardo u comida aenl
bebida; aaidoselazaaUealcawraUva, oaue Matarl
ellas as refeeoes: em dose aaraaUva de doiU to I
deftir-ie.
Ptmanuei i HM Ter et C
POS DE ROG
Approvadot pela Academia imperial
de medicina de Parix
Um frasco do 96* ale Bog, dissolvido
era urna garrafa d'aga, di urna limonada
agradare!, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irritacao como acontece com a maior
parte dos outros purgantes. Oa Pa de
Bog, sao inalterareis por isso erapre-
gam-se fcilmente em viagem.
| -^. j emnioJmno,I>j>ae*etf;Caf#J#l.
ataam j tm eBSmc0i HnreT kC, j
Grande c completo sortimento de machinas para
descarocar algodo de nova invenco dictadas l-
timamente em direitura para a laja de Manoel
liento de Oliveira Braga & C, na roa Direita n.
53. Garntese que 6 a melhor qualidade que at
o presente tem viudo ao mercado : acham-se em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos lilo-
prarumos de melhor comprehenso dos que tem
virti at o presente, assim como marcos de lato
at mel grammo pelo mesmo systema, balancas
de latao de forra de S a 20 kilogramuos, metros
de madeirn e de latao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de mudezas e ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra' Direita n. 53, loja de ManwL
Bento do Oliveira Braga A C
Extracliini carnis.
Este producto alimentaean para doentes, mui
apropriada para criancas. e para as pessoas saa<;
indispensavel a todos, |iorn principalmente aos
viajantes, qe terao nelle o- recurso de poder
ter alimenta cao de carne fresca incorrupiivel, e
que com facilidade seaprompta e se conduz, por-
que n'um pequeo volume carrega se alimentaran
para muito lempo. SobFeludo ebania-se a attn-
5o dos Srs. de engwho que encontraro no BK-
ItACTLH CARNIS o recurso de an'meiitacao agra-
davel, hygicnica abarata para seos fmulos e seus
doentes.
Este producto fabricado pelo processo dodis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Hit-Grande do Sul,
que acabale crear um deposito nesta cidade cm
rasa de Jos'k VieTonwo de Kezenue & C, ra da
Cada, escriptorio n. 82, i" andar, vendendo-se:
No deposito ;t ra ila Cada n. 52.
as |>harinacias dos Srs.:
Manoel Alvos Barbosa, nicsma ra n. Gl.
Joaquim de Atneidl Pinto, roa larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, prara da
Boa-vista n. 91.
N. h.As latas que contem o extracto trazem
nma guia para seu uso.
COGNAC.
De Superior qualk ade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Duboucb cv C, em
cognac urna das que mais agurdenle de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicac5o as creancas,
quasi sempre mais atacadas de tao terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu Sr C.
34Rna Larga do Rosario34
BAZAR UNIVERSAL
SORa \ota 'O
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicSo servicos a electos para almo-
?o e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, bercos, cadei
ras tongas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para crianzas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de sopb, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraran
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Fer-
reira da Costa A Filho, defronte do arco da Con-
ceicao, em barricas grandes.
FASTIDIAS ASSUCARADAS
o
DR. PATERSON
De bismnth e uiagnezia.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu A C.
34------Ra larga do Rosario------34.
DE ENGENHO
ou
ORATORIO PARTIGUAR
vENDHSf-S OS SECUINTES ORNAMENTOS :
Um excellente e bem Construido altar
dourado e o respectivo estrado.
Qaatro caslicaes e quatro palmas doura-
das para os mesmos.
Urna pedra d'Ara.
Um turibulo e naveta, prateados, tdo de
novo.
Um bonito calit de prata.
Dous ornamentos, sendo um delles rica-
mente dourado a ouro fino.
Duas ricas alvas com todos os perten-
ces.
Um missal.
Um banquinha dourada:
Seis bonitos quadros com finas rna-
gens.
Tudo por muito barato preco, a tratar
na loja da ra Nova n. H.
A NOW ESPEMNCA
21Ra do Quemado^2)
Advertencia!
A Nova Esper?nc, ra do Qneimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de mudezas, e como se approxima o lem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resohida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nlo forem venham seiVregue-
zes, em lempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nlo
falla aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em%os remetler objectos de
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) (juer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo ('ambos) i
Nova Esperanza ra do Qeiroado n. 2!,
alm do grande sortimento que j tinaa,
acaba de receber mais o segumte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para eneitar boos
bandeijas.
Brincos pretos com acurados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallees, franjas e trancas de
seda e de 13a, para enfeites de vestidos,
Botoes de todas as cores e moldes nevoa
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilbos sendo com
pengenles e sem eHes.
Botoes pretos cora vidrilbos com pingea-
tese sem el les.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 2i, na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
N5o resta a menor duvida, de que muito.
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitct
pais de familias nao creem (comprando-os)
no efeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, por
que detesta a falsificado principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collarea3
e garante aos pais de familias, que so o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean*
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulgoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 2i'comprarem o salva vida, para sena
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entSo ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collarea
de Royer.
t.\.&ERMft|ty
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio emelchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencSo ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
i 2 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa. .
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Vendo-se a casa terrea da ra do Senhor
I Bom Jess das Crioulas n. 29, com 2 quartos, 2
palas e cosinha; a tratar na ra do Paysand n
6, (Chora Menino.)
ATTECAO
No armazem de David Ferreira Balar, ra do
Brum n. 92, ha venda os seguintes gneros por
precos razoaveis :
Rolinetcs de balanco
proprios para barracas e hyates, muito superiores
viuho do Porto
em caixas de duzia de prrafos, e em barris de
dcimo, do Porto, muito tino.
Farinha de mandioca
ha cm saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lonza
muito proprias para lavagem de louca em eo-
linhas. *
CHARUTOS
Os melhons charutos da exposicao e variedade
de outras qualidades, finos ; encontrase no hetel
Lentral de Francisco Garrido, ma larga do Rosa-
rio n. 37, andar, e ra estreita do Rosario n.
4 A. Vendem-se a retalho e era grosso.
Moda su
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se
superior madeira de pinho da Suecia, com
3 polegadas de grossura, 0 de largura, e
14 ps de comprimento a 3)5000 cada urna:
taboas de forro a 80, 9$ e 10,5000 a duzia,
pinho americano de resina 200 rs. o p.
-
-


I
Diario de Hernambuco Sexta feira 6 de Agosto de 1869.


I
Ccordeiro providente
Ra d Qnelmado a. 1.
Novo e Variado sortimento de pcr/umarias
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de qne effectivamente est prvida a
loja do Cordejro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, supciinri-
dade, quahdades e commodidades de pre-
cos; assim.pois, o Cordeiro Providente pode
e espera continuar a merecer a aprcciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem condecida mansidao
e baratera. Em dita loja encontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Goudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Gologne ingiera, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e maisacreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentriflcia.
Dita de flor de larangeir*.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet,
Elixir odontalgico para conservacSo do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com drta japoneza, transparente
e outras qaalidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes era frascos simples e enfeftados.
Esseacia imperial do fino eagradavet chei-
ro de violeta.
Oatras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qtalidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentestamanhos.
Sabonetas em barras, maiores o menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos-e em figa-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira irvernisada contendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e moldes novos e elegantes, com p de arroz
o boneca.
Especial p de arroz sem cemposic5o de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qaalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
o alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estSo todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicio.
Fivellas e Atas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
AMIBAVEIS PECHIIHAS
QUE SE LIQUIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
aoiaoa & niai?3iaa?iaiia-a. s
______ DE
FEMX ?REIR1 DA SILVA.
O propnetano d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
tHtal a yir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
le., assim como de um grande sortimento de roupas para boraens e meninos, e as
peasoa que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mal, aesta casa
poderao fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venen lo-se-lhes
petos precos que se comprara as casas inglezas; assiracomo as excellentissimas fami-
lias, poder mandar buscar as amostras de todas as faeendas, ou se Ibe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 oras da manha s 9 da ooote.
Explendido sortimento de
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestSes difficeis e completas, a calmar
as dores gastralgicas, e reparar as for?as
produzindo urna assimulac5o completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
VKJTDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholomeu .& c.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Alpacas tarradas de cores a 580
Alpacas a 360 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavlo ra da iraperatrix n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais Imdas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ollas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em wna s
cor; para se peder retallar esta fazenda
pelo barato preoo de 360 rs. o covado, foi;
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual e grande pechincha.
Aos dez mil covados de eassas
francesas
Gsvado a 300 Covado a 300
Covado a 400
Covado a 300 Cowdo a 300
Covado a 300 rs.
Vonde-se na loja do Pavlo iua da im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melbores casas francesas
para vestidos, tendo padroes miudos e grfi-
dos, assentados em todas as cores, estas
eassas sao prepriamente franoenas, teado
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
seren muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para amito mais dinheiro, mas re-
talha-oe a 300 rs. o covado.
Espartilhos a 3.SOOO na loja do
Pava*
Veade-se urna grande porco de esparti-
lhos Modernos com o competente cordao,
tendo sortimento de todos os tamanbos, e
vendem-se a 34 cada um.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3,5600, S
NO PAVO
Vendem-se pecas de madapollo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3^600 ris, assim eomo
pecas de algodosiuho com 16 jardas
4300 e 5,$000 ris.
CAME PECHINCHA
EM
FUNOICAO 00B0WMAN
Ra do iiruin n. .".
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o machiriis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodao.
Rodas d'agoa.
-Motores de diversas especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Arados e instrumentos d'agricultura.
Descarocadores d'algodo etc. etc.
Havendo em ludo variedade de tamanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
G1Z Z G4Z
Chegoa ao antigo deposito de Henry Forster A
C, roa do Imperador, am carregameoto de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.'
e a retal ao por meaos preco do que em outra qaaJ
quer parte.
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galn-pean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo 34------Ra larga do Rosario------34.
I
DE
lilil QUALIDADE
[tara horneas, senhoras, meninas o enancas ; na
oja da Ex posicio, ra Nova n. 8. Vende-se por
preco mais commodo que em outra qnalqner parte.
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposifo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as prepararles
at boje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a i 0000 cada frasco na
151-MIA DA ttNHL 51
1* A Vil 4 R.
RVP.fi
PAULO < OICIH IICO
Vende-ae rap Paulo Cordeiro fino, viajado, meio
rosso e vmagrinho : no deposite cargo de Joao
rancisco da Silva Soares, roa doVigario n. ti.
Faz-se vautagens a quem comprar porcao, e tro-
e-eeo rap que nao sahfr do agrado1 qo consti-
radore; ^
PERCALLAS
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do PavSo ra da Imperatriz o
60, vende-se urna grande porc5o de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, uma grande porc5o de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e uma quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 10800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacBes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA O INVERN
DE 30000160000
Chegou para a loja do Pav3o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
l de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 60000 cada um, em relac3o s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 30000. F
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 30 e 40000.
Cassa toda preta para vestido^ a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitacao
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter receido om direitura uma grande par-
tida superior a dez mil covados, senao
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e annazem do PavSo, ra da Imperatriz
n. 60 Ae Feliz Pereira da Silva.
Vestidos con duas sala* a **
Chegaram para a loja do Pavao a ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Cbvre com doas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melbor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 200000 pa loja de
Flix Pereira da Silva.
feemiras da moda
NA
I-OJA DO PAViO
Chegou pelo ultimo vapor francee, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e ais finas casemiras para cal-
cas, paletots e coletea, tendo lisas, oom lis-
tras e com fetra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-sc venderem-se muito
taais barato do que em outra qutquer par-
le, assim como das laesmas se manda fa-|
*er qualqa-r peca de obra, a ventado do
reguez, para o que *em um bom alfaiate.
Aos quinientos patttots
a 18 20000.
Na loja do Pavo i ra da imperatriz o.
60, vendem-se uma grande porcao de pa-
litots seirecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 180, sendo forrados de alpaca, e de
200 forrados de soda; esta azenda a aao
se ter comprado urna grande -compra, seria
para mw'to mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos precos aoiraa.
POUPELINAS A-500 RS. 0 COVADO.
Na loja do Pavao, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais liadas poupeaas ou ISaunbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roapas
de epeaacas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padrles com listrinbas jniudi-
nhas, fue se vendem pelo barato prego .de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na nua da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAiAS DO PAVAO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 100000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se vau-
dem a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de'casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualqucr peca de obra, coma maior promp-
tidao vontade do freguez, e nao sendo
obngados a acceita-las, quando n5o stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e annazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo.
Vende-6e superior atoalhado de algodSo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
02OO a vara; dito de linho fazenda muito
superior a 30200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 40500 a duzia e muito
anos a 80000, e ditos econmicos a 30500
i duzia.
A ** $UMAB6
JffiS SORTIMENTO
lain
Tintura indeievel para Ungir os cabellos,
em manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida deGuis-
lam que entao era descontiecida em Per-
nambuoo, j hoje estimada e procurada
por sea efficaz resultado, e ainda mais se-
r, qando a noticia de seu bomeiTeito e a
experiencia tomar de todos conhecida.
A agua-florida de Gaislain composta uni-
damente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
oattiva aos cabellos, quando estiverera bran-
cos, e lhes restituir o brimo perdido, c as-
sim como freservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algom.
E' porm necessario fazer conhecor, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, n5o instantneo, como muitas pes-
sqas tal vez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemanhos de pessoas msuspei-j
tas, e -d'entao *or diante, basta osa-la duasi
vezes por mez, contando sempre oom o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acba-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca i
ruado Queimadon.,
A Aguia Branca, costando eom a proteo-
cao 4e sua boa freguezia, tambem capricha
em ao lh*a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
i hoaram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo ,o explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e mejhor se pode desejar nos gneros que
sSo de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e orac3o, obras de apurado gosto e perfei-
fo, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos cora ditas de velludo, outros m
tando charlo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnilo, dourada ou prateada.
Cerdas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
toaos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia ete, etc. tendo nos de sndalo alguns
cora 4 vistas, e outros japoaezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de oerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodSo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio dEscocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de lia para homens, muflieres e
meninos.
Gollisuas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
.
Grande
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setira para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinbas devidro enfeitadas
com podras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonita
CHEGEM
AMES DO BARATO
que est finalisando a liquidacao da ra do
Crespo n. 17 de Antunes Guimares & C.
ten-, rS^b^SdaS?ara.Sfh0raS' ,engos de !abynnto, fronhas. bicos e rendas da
horddn, 1 fnJa a3 brdadS, PV cnsamentos, cortes de vestidos de cambraias
nho?dP r'i?, 6 cdresh1,MS e de i8*. Pcalas ainda de bonitos gostos, casaqui-
nhosde casemna para senhoras, sa.as bordadas e bales de todas as qualidades etc.
fra da liquidadlo
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos pelo ultimo vapor.
Pompolinas de gostos especiaes, que muito agradara.
Gorgorees lisos de cores para vestidos, fazenda ltimamente cliegada.
Colxas de seda de todas as cores.
Chitas afostuadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras e chapellinas de novo "osto
Esleirs da India proprias para forrar salas e quartos.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos.
a n iWef avelludados Para covados: e outros muitas fazendas que s vista se
e a reahdade do barateiro.
loja de fazendas e roupas feilas
ra da Imperatriz n. 32,
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
precos commodos, tem sempre um bonito
sortimento de casemiras de coros e pretas,
panno fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
encairega-se qualquer obra por medida e
precontrato commodo.
ROUPAS FEITAS -
na loja da ra da Imperatriz n. i, poiia
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de ruupas feilas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
pahtots de alpaca preta e de cores a 3,
2 e ^[ d'los de Panno preto sacos a
Go, 7 e 8>; ditos de panno superior a
Izo, m e 165; ditos sobreasacados de
dito dito a I8A iOS e 255 f ditos de case-
mira de cor a 5J, Cd e 103; calcas, colletts
o palitts de casemira muito lina de c6r a
20 e 25)>; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 2 a g; ditas de
casemira preta c de cores de 43 at 12/?;
colletes de todas as qualidades; cerouias de
bramante a I500; 2*000 e 2500; camisas
francezas de linho e de algodao de todas .s
qualidades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte; colarinhos, grvalas;
bonito sortimento de chapos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 6$ a duzia;
pechincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: todos os freguezes se
podero prover dos ps at a cabeca por
preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a .'(00, 320 e 30 rs. Madapolio
fino a 7#, 8$ e 04 a pera. Algodao (pe-
chincha) a 5#500 a peca e outras qualida-
des. Cambraia bronca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 3->500 a
8 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacasi oonilas, selecia a pera enm 28 metros
a 28;)000. Esguio o mais lino possivcl a
2500 e 3> a vara, e outras muitas fazen-
das por preco commodo, que seiia enfado-
nho mencionar, na loja do
LESO DA PORTA LARGA
n
Paredes Porto.
ESCBAVOS FGIDOS.
EsGravo fgido
Fugio em 23 de Janeiro 1809, o escra-
vo Matheus, de meia idade, cor preta, folla
grossa, bexigoso, tem pelas cosas cicatri-
zes. de bacalbo, tem uma verruga no canlo
do nariz, os ps foveiros, corpo regular ti-
nha sido do Il!m. Sr. Agostinho Leocadio
Vieira, em Panellas de Miranda, que ha
poucos meces de la veio fngido ; pede-so
as autoridades o capiles de campo (fe o
pegar e trazerem a seu senhor Jos Car-
duzo de S, na ra da Lingota no Recifo
n. 2 ; e o mesmo proteste conlra qualquer
pessoa que o tenha acoulado e gratifica-se
com 10()?5000 a quem o pegar. Consta
andar pelas m.ittas de linda.
AVISO
BAGUE
IECTRIQUE
'ROYER '
VRITABLES
^tt
ANNEAU
lLECTRIQ'UE
t Martin
*R VSERVATIF.. B^
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 1,$000
Na loja do Pav5o, vonde-se superior alpa-
co ou gurgur5opara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 1(5000 o
covado.
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ DE JUMO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loj*do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, um brillante sortimento dos mais
modernbse mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
graudos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidade
nao ha uma fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta.que se vendepor
preco muito rasoave!, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
Bbadinhos baratos na loja
do Pavao.
Vende-se ama grande porcSo de baba-
dinhos de todas as largaras, sendo com os
babados verdadeiros, por uma terca parte
de prego que se vendem em outra qualquer
loja, s com o fim de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende uma
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na loja e ar-
mazn do Pav3o, ra da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
O verdadeiro OOXXABXS ROTES, M unlcos approrados pela
Academia de Medicina, tem assim como os meos outros productoi
atlrahldo a cupido* dos falsificadores, que para facilita, sua criminla
industria nao sepja, nem receiaA annunciar Tender falsos CoiXAmxi
co uv KOMI. En prefino as familias pata interesse de seus lilbot
que, para evitar falsificacoes, detem exigir, que meus Couaus Ibes
aejao Tendidos em calas de tambas de encaixe e corredias coberta
por a ettiquetas com a minba marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por uma medalla com o letlreiro.
COLLAB BOYEH. Roe St-Iulin, 225. Pars.
As autoridades policiaes e a
quem competir.
No dia ) de maio do corrente anno fu-
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 W
annos de idade, estatura regular, reforcado,
cor bem preta, cabera redonda, trajava ca-
misa azul e calca de casemira cinzenta; du-
rante o dia costuma andar ganbando as
ras, ou em armazens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; durante a
noite recolhe-se a telheiros abertos ou pe-
netraveis, a casas em consIruccTu) e a ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem o appreheuder tenha a bondade
de o conduzir na da Aurora n. 2G, onde
ser gratificado.
INJECTION BROU
' !>. kMbrart mimu.U^^ ''{mmm *> fMdaO Pan.; cm M
liMIB^
MENCAO DE HONRA
DE FIGADS FRESCOS M BACAIHO tri.ngu-
lares, pharmacia Hoce,
2, ra de Castiglione,
em Pars.
Fugio no dia 18 de julho, o escravo Eu-
genio, preto crioulo, de idade do 50 annos
pouco mais ou menos, usa de bigode tor-
cido e barba cerrada, j mesclada, um lano
calvo, altura regular, magro, pernas finas.
supp3e-se andar pelas bandas do Affogacio
at os Prazeres; quem o pegar leve-o a ra
do Trapiche no Hotel do Universo n. t que
ser generosamente g-arincado.
Vende-se em frascos
.AJ!.iv*"'*,"C**f"' ,eo" Pa,rdo,i' d''n' c!;iro '<"'-, e mais comuosicoes felfas com leos
j pcises coimnuns, tac* como o aguato, a arratu, o phoca, a liza, o$ oltxt do.
amo ii altos Vtaetucs. orara imairmado nara uihsiituir n. >er4a de pcixes coinnmm, tac* como o aqua'.u. a arraU, o ihoat, a liza, os o/e,. dos ,
e mcsino o leos vegetua, foiam imaginado para subslituir os enUdcaroa oleoa d -Mi, '
frcco de Bacolhao d Terra \oxa. Estes ol.-on communs ou seos neec4a*ea
ObUdos na uiduwna por probos mui baixos, ein quanto que os Terdadeires leos de fijado de bacill.n
fresco sao relativamente muuo caro, visto que para ohtel-oa frescos o um mistura, eumnre nn,
grande vigilancia e ter os maiores cuidados nos proprios lugares das pesca, assim cerno manda Ar
M. Ilofg desde o anno de 1849. Este. oleo, st.ro. de Bae.lhM,** TerravKoiaTdei H-
granrparam para este jirecioso medicamento urna fama universal as muttstUt do weito as a/Tt^i
"C1'il'i"Ue VmPkaMa,< a "1im* m leo pela ,ua
mlilfretl.
Walo. O oteo V Hogaj mui fcil d airsrir, dlstingue-se entro os oni
cor de palha, o seo cl>eiro suave delicado, e seo mo ale aardinba fresoaj ,
. O BELAT0RI0 faeoravel do ebefe dos trabalhoi ehymko da FACEL0DE DE MFntrrv nD
PABIS eonclue como ac-gne O Meo cor rf paui dt'l. Hoga corJem umaufti varU d,?aDB
>Im son* mal io que m leos parios t ni aprsenla algum dos -SMMnini S-*"
t repara n'estet, quanto ao cheiro t sabor. ***nmitx qut st
^^ade-^ewn toda. .. pk.rrl, das Tw*m?m e do. p.Ueo eaWrsm-elro..

Fugio no dia 9 do corrente mez do
engenho Sant'Anna da comarca do Porto
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
lar, de 22 annos pouco mais ou menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinhados, foi comprado na cidade do Re -
cife, para onde veio da provincia da Pa-
rahyba; e bejn assim o escravo Manoel
crioulo, de 22 annos. estatura regular,
tem um dente quebrado no qoeixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues la-
vares de .Mello, no Recite, ou no referido
engenho que ser bem recompensaun.
- Fttgiu do engenho Todos os Santos da viiia
de ipojaca o escravo Goncalo, representa ter 45
annos de idade, pouco raais ou menos, oox ver-
melha, ,ilto, grosso, olhos pequeos, sen. barba, e
f pes rachando, foi escravo da Sra. D. S.nho#inba
Mana do Livramento da villa de Senhaerc, sup-
poe-se estar acoulado, pois no outro dia da compra
lugio e estove na villa de Serinhaem, o que dele
ja proiesta o abaixo assignado, e pede-e iauto-
ndades policiaes ou cafljiaos de campo a captura
domesmoe entregar no jnesmo engeulto ao abai-
xo assignado, ou'na ra da Moeda n. S, 2 andar,
escnplorio de Manoel AI ves Pcrreira & C, qne
sera generosamente recompensa
._______ Miguel Paulino Tolentino Peros FalcZa.
. ^o do dia de agesto, 4o erttenho Peaedo
5a'x\fre8.u de g. Lourenco da MaUa, a
pwda.abel, idado 3o anno, pouiro mais em me-
iix8. cheia do corpo, caltelios aaoeiiados, e
muito fallante : roga-se a qualquer pessoa qu'1 a
apprehenda. de entregar no mesmo engenho,
ser bem recomponsado.





I .....
Pario fie PernamfruQO Sexta feira

ASSEBIBL4 GERAL
CMARA fi0S SAS. DEPTADOS
SESSO KM ) DE JULjIO.
PHESIBE-NCI* o sn. NtBIAS.
(Conlin,iacao)
O Su. Unto Voa*A :-Sai I urea, j diM*
aue o mal d i sy^tefo.t dual pruvcm principal
aduila que se assigna ao
SOhJaifo; a n.ituieza.humana repugna o aviltt-
ment, ea otte nao M tabtnelie scno coajpM
forja (apoiad'i ; muito liem) ; d'nhi resulta
que o ra mais ou meauf violentoyi>n-
formo mais -ail"
I. Se este roiitim > Ma
ii a Ywteiii-
MOprejjo de for^a no rocMiw gr*, aggr.(V:i..o->c
* resucito de lodos aqtttilcs que por motivo de
interese publico i< am al* apopa scb^om, |rqoe taes moti-
vos augmeiiiaiu o grvame u recruUBiento ror-
m lo. K recratamento forjado, sentares, apelar
do que lia dia* disso o illnstrado relator da com-
inissao, tanto o do syslem alual como o do
systema que se propon (apoiaios)..
Um Sr. Deputado : Hosolve-sc no mesmo sys-
tema
O S. Pinto Moiuaiu : A diaren? que o
segundo a Ik.mii da igualdade a#lende mais a rede,
abro muito oais campo aos exeossos da forja, e
pelo pomposo apparelho de conscllios, roeursos e
sorteio assocaflie lfias as tracas, ardis e embos-
cadss da fraude. (Muito bm ; apenados ; nao
apoiados)
A experiencia j o loui provado em outros pai-
zs e no nosso mesmo, posto que_nao tivessemos
at agora o syslema de c suimos diversos procossos muito semelhantes, co-
mo s.>ja a qualicaco d- votantes, de jurados e
de guardas nacionaos, e a designaco desle para
o servico de, guerra, ha hem pouca lempo experi-
mentada. F.xisteni os mesmns graos de recurso
para a ronseriprao. Qtmes sao os resultados co-
nlR'ciilos J M arniadillias da frau'lo, os abusos
do arbitrio e as estoixies da forc.i sao tantos a
taes que exeedeo a toda a tentativa de enumra-
lo* p de qualilica-los.) A d'-nignaci de guardas
nacionaes, apenar dos principios litares da le,
deixararo a p nler de visla osalmsos do reernta-
niento (apuiaila-) ; irt at preciso substituir-loe o
arbitrio.
E que provas ten dad de si a conMHppro na
Franca ?
As reformas alli feHas desde 1789 at o anno
tasado, as quaes so filiam as ideas capitaes do
projecto em di>ouao, nao abjnain por certo o sys-
teina era relario lberdade e igualdade.
Saliese qn fnistrado o recurso aoengajamento
valunt-iri >. que M en eum>tancias do primeiro pe-
riodo revolucionario nao comporlavam, e condem-
nada a famosa requisicao que tanto havia estenli
do sua arcan opprcssiva solire a massa das cida-
des, surgi no anno 8" o systema da eonscripcao
trazend i todo o prestigio da idea do igualdade, em
cijo uome apparecia, e romo sua cousagracao,
porque era o nivelameuto de todas as couilices
scriaes, c poruwUo a niais fiel expreasiio do prin-
cipio absoluto (Ha un aparte)... E' justamente a
base, do sy-tema qu queremos inaugurar, e appa-
rece debaixo aVs mesnios auspicios.
Mas que consequeacia produzio na Franca ?
[aiosttcas, abuso?, violencias e cxlorsoss, dixem
todos os eseriptores ; c nma do no-sas maiores
illustracoes as resume nesla phraso : A cons-
cripcao devurou urna boa parte da Franoa.
prmeiro imperador, ntaadendq que a cons-
piraejo era inlispensnvel lia Franca, reconhecia,
entreanto, qw ella era honrosa. (Apoiados.) O ge
eral Pi-ral dl da conscripeo fui abolido, nao porque se prestasse
mal manu'leacio de un bom ixcrcito, mas por-
que as ntencois oom quo fin praticado fizoram
'i.'lle uina itisupnortnvel l^rannia.
Eis ah, senhores, o eme- foi a ronscripcao para
a Franca al a ourtvde 1814, que proumicioii a
sua abulicao em uome dos inesmos principios, a
lberdade o a igualdade, que prepairam a sua
inauguracao. Os fados provaram que em relacao
ao tributo de sangue, como em qualquer nutra re-
lacao, a igualilado que se traduz pelo niveiarnento
de todas as cundieres iui pratica tuna iniquidade
como em Iheoria 6 un absurdo
A proporcionaHdade, quo o principio regula-
dor do imposto liuancero,como rondicao de igual-
dade, no imposto de saogue deve se traduzir pelo
respeito diveraklade das eoadijues, eonstitaudo
graos e cla-silicacoes, que a justica prescreve e o
mteresse social reclama. (Muito lem apoiados
o^ apoiados.)
Um Sr. Di:euTAD0 ; tihiptl
O Su. l'iiK.siuF.NTi: :AUcnco !
O Su. Pinto Moheih.v|: A autoridade da historia,
como a da sciencia, condemna a doutrina do ni-
velamento de todas as condiedes como consagra-
eao do principio de igualdade. Perante os bons
principios consiste a igualdade em tratar diver-
somente a crmdi$fies diversas; o a eonscripcao
era sua mais QafiMte viol.icao no processo dore-
i Tutaniento.
Estes -fu os principios de nossa conslituiclo,
desenvolvidos as Iris las i siflpa a guafda nacional, quaodo chamada a ser-
rico de destaeantentft. (Apoiados; reclamai
Kor -i eu nao aceito o systema di
conscnp:;"i. e os rxampfr di Franca me fazem
receiir muito do sua aivl.-aeai no Brasil.
Entre nos se. produr.irain, e faivez ein niaior
i!a, os il.-sastrados rusultatlos que determina-
rain a abolifo de remullientes ayateoa om I81i.
E' crto que pouco depois elle resurgi, em 1818,
revendo de novas formas. Vinlia entao acom-
panbado de ora processo de sorteio, que se apre
tentava corno segura garanta contra a reproduc-
qao dos males experimentados. Como a oonseripca i
era o meio pralico di firmar a igualdade, a aorta
apparecia como representante do principio de ui-
parcialidadc na desigaaoin dos conscriptos.
E' exactamente a, doutrina do nosso projecto.
Royer-Goliard, baMssimo na arte do vestir o
pensaoiento eom aa mais sedueloras formas, p^re-
couisou a reuqio dos dous nrtncipios na segra-
te phrase :
Tolo os cidadaos francezrs serao iguaes pe-
rante a le, e a sorle, ministro imparcial da igual-
dade, presidir o recrntaufHlo. ^ Oulro escriptor
notavel dizia : nao c onis permittido questlo-
nar sobre as vantagens df censcripcao quando
todos os homsns cofnpclens a acceitam e todos
os pov.is civilisad is a pra'icam.
O peso da auloiidide me op|irmc ; o exemplo
dos povos civilisados me confundo Mas anda
nesta"situara > o mea espirito repugna aeccitar a
sorte como ministro a nparcialidade, garanta da
Justina, do uiesiiio modo por que repugna acceitar
o niveiarnento, a enoseripcao, como eipressio do
principio de igualdade (Muito bemj.
O que a sorte, senhores ? o rtrtuao ao jutzo
do acaso; e o quo o acaso 1 No mundo regido
pelas li'is neceasariM nao existe o acaso : a folha
que cabe da arvore obedece a um principio que
explica o phenomerto.
Porque existe o acaso no mundo moral e a seu
juizo se recorre? O acaso 6 a uegacao de todo o
lirincipio ; sinnilic.a es^e vasio que o desouvolvi-
netito do principio de jusiica, do aentimento do
terer da acolo da easpoaswbdidadetende a en
er Q;ii-aso portanti, a expressao do nada
moral recorrer ade paia decidir das questoes
humanas e socacs declinar do imperio das lois
morae-, dos grandes principios de justica e de res-
oDnialnIilaoe que prejidem. oruem moral para
uoe sujeiurmoaa um aeoMeoto da natureza pby-
sica que nao pode exprimir mais do que a accao
da le necessaria qae o produzio.
E" o inesmo- principio que preside o jogo as
relacfiw individuaes, dicMindo da fortuna dos ho-
rneo*. E nos, que condenmamos ftjojc) applicado
a dilribuic".o da riqueza cnire es particulares, o
traneportjn is para o alto da sodedade, fazemos
delle urna instuicao, un tribunal, nao par.i deci-
dir dos hyerendo cidada-, mas de sua propria
pesso^Wwstado dts familias eda sorte das pro-
lisso oler applifada ao destino dos ho-
mens, sobre os quaes correr annualmeute a roda
da fortuna.
wocar a interrencao da sorte como juiz entre
icnjens um attentado aosdireitos da natureza
htMih' oa prof>na{Jo da ordem moral.
Ha; muito bem).
^^nu consiste a imparcialidade da sorte ?
ra absoluta t Mas a sorle nao tem
Mlrf wffre ledo-e ri^nr d*iw de imputa 1, a nnguem, na. ha um rc-ponsayel, j^j,,., nQ ar, {0 ^fc-OW M#^> POO fluM*-l, iUftt.veu-igUw D40 k'ia WefCtl.
as scena 1 4a conscripc-io oa Kurepae O Sr. pEnuA DA Silva :-A wa for?a
w lamente na Franca, coni o m de armada a mariuha.
umacondcao, ama garantia"da orde.m mowl.Jf* s panto i" nO. la&OJ1 odioso sobre as id [Ua ontro$, (xirtet.)
Quando os'tr|bnnaesigawisadosnaoereiBflc-
tiva a respowaMHdade legal, restado sempre
responsab^ldade social, que tem por tribunal a
opiniao publica, c a responsahiliJade moral, que
tem seu tribunal na consciencia, tendo ambas por
ultima instancia o supremo tribunal dimo (Jim-
io bem).
Entregar os nieus eoncidadaos as eventualiaacs
do acaso, nao o faro en. Esta re nu Im-
porta ; nao votarei |)or senielliante lei.
Os snecrtsso? do eQgeo!ioso systema nao corres-
pinilerain na i'ranca s esperanca* nellu poslas.
09 1818 a 18:i umitas tentativas se fteraui para
suavisar a oppressio do reeratamito, mas ofa
conlinuavasempre. Em 18Ji reumrtV-s*-wdAa. Mad.i.
Stu^iMo Momuu : Como nao
teruli; pois a isposicJo do artigo 1
transitoria ?
O Sr. PuiBiBA da Suva : Qtianto a
idade ; a emenda ao art. 21 esclarece a'
qiicssi).
Ssu. Pinto Moreira : J5 disse que
nao leuho noticia semell^ante emenda.-
Um S. Dkpi'tadli : ~ .Anda nao foi
lida. ^ is
!^ Sn. l'ufEHiA i>\ Silva : J.i foi apne-
le : os principios cardiaes sao os mesmos ; mas
um systema de isencoes bem definidas, regras de
processo para a ronscripcao, sorteio, elummenlo
e sutislituicoes dio nova structura o. pliysionomia
instituban. Mas cessarlam os vexames 7 Sao,
enflores, nao cessaram. Peridicamente as qnei-
xas e os clamores da nacao repercuuam nss c-
maras legislativas, e remedioi enrgicos so propu-
zeram em I8i3e I8i"i.
Finalmente em 185o brese uma_ vlvula aos
opprimidos, permittndo-se aconverso do imposto
de sangue em imposto inani-eiro. Esta disposicao
tambera foi acolbida pela nobre commsso, e faz
parle do projecto eui discussao. Opportunamente
rae entender! com os nobres membros da comrais-
sao sobre os termos desta equacao, sobre a tnorali-
dade da transacQao e sobre a emeacia desto meio
pratico de nobilitar o exercito e do firmar a igual-
dfidc do recrutamento.
Este romeJio na Franca so aprovcftpu, como era
natural, a una parte da poputaeo, f classe abas-
tada ; para os pobres a oppressao continuon no
mesnio grao.
Quando o anno passado se tratava da reforma
da le do rocrutamento, com o flm de satisfazer as
vistas de Mapolean III, que exiga os meios de man-
ter um grande exercito, o senador Dumas. relator
>ta ooimnissao do senado, nai dissimiloii a profun-
da agtacao que.cxstia no esfirito publico, j fio
oscayueotado dos vexames do recru'amento. Dis-
se elle que cada vez que se lata nma reforma
dosle genero :MXI mil familias pelo menos se inter-,
rogavam ninas s outras |wr longo tonipu quarel
as males que a nova lei havia causadaeut seush- esta na UiSCiiSt-ao.
Ibas o accrescenuva a seguinle observaran do
O S. Pinto Moiif.ira : Como poile-
ria eu adevinliar a existencia de urna enwn-
da.que amia nao l'oi lilla
O Sn. FKreiba da Silva : Est sobro
a mesa.
O S. Qtivi !*wmbo : O art-tl^ O
criado que apania pof conta dofidal^o quo
est em casa esodando a lic3o.(Hilardado.)
O Sr. I'kbeiba oa Silva : Aemenilt 6
oierecida ao art. que atada nao est em
disr.ussao.
O Sr. Pinto Morewa : Buift : se.o no-
bre relator da cominisso apresentou urna
emenda restringinde a idade marcada no
art. 1 est claro que eu entend sua dispo-
.siao, e ti ve razopara combate-la por exa-
gerada.
O aparte do uobre relator da eotNkissao
obsta a que eu continu no exame do ar-
tigo i*...
O Sn Pkbkir.v ua Silva : Eu nao qttiz
interromper o seu discurso.
O Sr. Pinto Msekira : Nao por n-
lerrnpcSo ; mas porque a emenda altera
profundamente os termos da conscripc >,
e fui tfnrtet ao art. 2 quo anda nao
tam capr
lo mais j
conscriptos fu
iniquidad
ao juizo
.lente er ^^^^P7ffren~
io a inju< |MilfBd(Ua-la, e apoataado
parao.-ilgAzuvoel^^^^Bvina eoMr>l*efnm
da opflo publica, qne mal
fario eetiva a saaren;
Visto masn ha am d*abafo, um aWtj^H
paciente da iojastfja: o prmeiro caso, pore;
da nova loi.
At aqu a genealoga das deas cardiaes do pro-
jerto-em sua estirpe franceza provaiulo seroprc
que a conscrpcao s um systema vantajoso para
os governos que querem levantar grandes exen-i-
loscom faoilidade ; para o etdftdlo sempre mn
vexame, o para a vida intima da naco um gran-
de mal. (Apoiados).
Vou en'ar agora no examo directo da dispo.-i-
{31, art. Io... Nao, antes disso farci urna pergun-
ta Ilustre commsso:
At quando, senhores, importareis lois da Fran-
ca ? E' um faci notavel que entre nos se citem
com grande respeito os exemplos da Inglaterra e
se copin) os modelos francezes.
Com tal systema nunca imitaremos aquelles edi-
ficantes exemplos, porque profundo o bj sino
qmfcsopara as duas organisaco.-s; ouem se apro-
xima de una, affasta-se necessaria mente de
outra.
O Sn. Pereiba DA Silva :Se imilarmos a In-
glaterra em materia de recrutamento, Uniremos
sera exercito.
O Sn. Pinto Moreira : Entretanto alli existe o
verdadeiro typo do recrotamento, (|ae o engaja-
raento voluntario. Sei que actualmente, o era
quanto nao reformarmos a organisacio do exerci-
to, nao nos podaremos aproxinnir dollt ; mas
cario que s serio uteis e proxeitosos o; esatcas
que nesse sentido fizermos. (Apoiadiis).
Imitar a Inglaterra quer dizer umpre derivar as
inslitiiicocs dos hbitos e das circumstancias es-
peciaes do paiz. (Apoiados).
Este o imico melbodo de formas que cu ad-
miti ; principalmente no Brasil, quft o paiz i is
abusos, e onde, por isso, alais preciso reformar
os costumes do que as leis.
Em materia de recrutamento, cora espcejalidade,
c iniste.r que so torne o paiz til qual elle com
os seus hallos, rom as suas Ira -lices, Cpin os seus
prejuho*. com os seus vicios e suas virtudes; a
topographia inesmo urna circumstancid de gran-
de importancia ; lembro-me de 1er. em mais de
um escriptor, que a orjranisacao militar da Prtwr-
sia em grande parte devida a suas condicoes to-
pographicas. (Apoiados). Duranu reputa irapossi-
vel que em duas nacoes o recrutamento possa as-
senlar sobre os mesmos principios, sobre as mes-
illas baase.
De.ve-se, portante, recciar muito da ajtplii-
do systema francez ao nosso paiz, cujas eondjroes
sao tao diversas..
Entrare! agora no exame mais minucioso do
art. Io, pelo q-.ial s crea a massa vrruiave!, que
eu j disse nao ler exemplo senao ua H;i>sia ou no
Paraguay.
Salvas poucas excepcoes, sao recrutaveis todos
os cidadaos brasileiros "entre as dadas e 14 a J
minos !
Eslao ahi romprehendidas todas as elasses, o ni-
vel corre solire toda a socedade : casados com li-
liiosouseui elles, viuvos, inagstrados, mdicos,
fazerideiros, negociantes, padres...
O Sn. C;uv. Machado : Al o presi-
dentes de previa.
Um Stt. Deputado:A consciipco abran-
ge e iguala lodos 03 cidad ms.
O Sn. Gama CfcRQUOftA : o leito de
Procusto.
O Sn. Pinto Moiieuia : Exactamente,
o leito de Procusto ; poucos Ihe escapSp:
O Sn. Periira da Silva : J es&c
urna emenda mandando vigorar do primeiro
anuo as iseycoes actualmente em rigor.
O Sn. Pinto Moreira : Bem : mas
d'> segundo anno oa diante teremosessa
massa disforme sujeita ao sorteio. (Nao
apoiados.)
Tratemos pntneiramenle (h \iAle.: Na
Franca s recabe o sorteio sobre os mocos
de 20 a 21 annos, e exietom maisinaenyoes
do que as esiabelecidas no pcsjeotoi Te-oi-
se verificado que os alistados deas a idade
esto para o total da popnlaco na reia^o
de um para cem ; relacao que dosde M*n;
tesquieu se tom*tomado oomo regia in-
prescendhvel ; porque o atit?menlo do pri-
meiro termo importara necoss aria ment:
grvame ao paiz.
Apliquemos o calculo. A commiss5o
nao nos-de Jarea quaes os dados cstolisti-
cos em que as-.eatou seus cnlculo. o iiem
a relacao em que tica a massa rccrutael
para a populaeSo livre do paiz.
A cimmisso militar aceitou o filio
de Montesqtfieu.
O Sr. Pereira da Silva : Aceitamos
os dados dessa commsso. _,
O Sa. Petro Moreira : Tomando &
milhoAcomo mnimo da popu'aco livre
de ftAero, e fazendo recabir a conscrip
c5osoore os mocos de urna s itlnrle, de
17 a 18 anuos, a commsso militar estabe-
lece os mesmos termos da proporc^o vei i-
licada na Franca, e portento tetemos an-
imalmente segundo o seu projecto o nume-
ro de O rail alistados.
Ora, estendendo .4 commsso actual a
idade recrutavel do 18 a 30 annos, teremos
d multiplicar aquelle algansmo por um
numero iciul ao dos annos comprebendidos
nessa idail t portanto, subir a conscrip-
c^L^jOflftp homens Nao isto, se-
o pas todo nu interesse
z no mund^ue aaei-
titna conscripto estes t
Nessa -liscussao eu voltarei trltona, e
do aliit-i-
abuadanlc
|oe mu
(lisetirso teoba trazido a nma questao de
lana importancia. (Nao apoiados.)
Ai.nr.Ns Srs. kpuxados : Failou mui-
to bem.
O Sr. Pinto Moheiha i Agrade{o a
benevolencia com que a cmara se dignou
de onvir-me. (Muito bem ; muito bem.)
(TSR. THEODOfV) DA SILVA : Sr.
presidente, reconheco as condicoes desfavo-
raveis em que me cabe a oalav ra, depos do
interessante discurso proferido pelo Ilustre
depnlado pela provincia de Minas. S.Exc
j;i as consideracoes gerae's com as quaes
precedeu o exame propriamente do pro-
jecto, j nesse examo em que desenvolveu
qtfafidades superiores como argumentador
e orador distincto, o que apraz-me reconhe-
cer ciim sntisfacao, oceupou conj tanta fe
licidade a altenc5o da casa, que por isso,
entrando no debate, sinto-me mais e-treme-
ciflo do que alias ja devera estar pola ra~
vidade da materia.
Nao obstante, porm, o mnu aprco ao
sen discurso, ou nao posso deixar de mani-
festar casa -iMpress) que medeixatam
aquellas coositleracjes geraes feitas 0111
liat.iiliilade p 'lo honrado membro a quem
n lero. Ellas na minlia humilde opi-
nie,. resentetB;sa dalaHn ou de.feito dos
julgamentoi exclusivos e absoluto em pro
blema complexo, como o do recrutamento;
e com efeito cssa expressao de exclusivis-
mo o que caractesa a* oensidwaees
geraos de S. Ev.c. -
Eu lambeim Sr. presidente, e pudesse
crear ama socedade em que odireito fosse
sempre respeitado, em que nenbuma neces-
sdade liouveSso do emprego da for^a para
a sua man tencao, eu expendera as mes-
mas considerarles animadas e no mesmo
esiylo enthusiastico com .que as fez o Ilus-
tre deputado, das ijuaes se devera concluir
lgicamente e sem besitaeSo que de alta
conveniencia a exiinreo completa e absolu-
la do exercito. (Apoiados.)
O Sn. Di:Qt'K-EsTR\DA Tkixeira : Ou
a conservado do systema actual que elle
acha celhor.
O Sn. Gama Cerqueiiia : EHe nao des-
conhece que o direito precisa da (brea para
garanta.
O Su. Tiieodoro da Silva : Porqu3 o
servido "das armas vexatorio e restringe a
lidenlade individual, dever-se-ha prescindir
do ex- rcito ? Porque o recrutamento pivs-
tarse-ha sempre a abusos e trata perlnrba-
coes, convir que nao saiamos do actual
rgimen, embora pessimo? Sloasduas
coactados que em rigor deduzem-se do dis-
curso do nobre deputado, em razo do mo-
do absoluto e exclusivo porque S. Exc. en-
carou a questo.
verdade que ao mesmo lempo Wule-
clara que o nobre deputado quer a- orca
para garanta do direito ; mas nisto ha me-
nos coherencia, porque aquellas concrKes
prtsoppoem qne o paiz est em condicoes
t3o augeli;as conio neniotn paiz do mondo,
que nelfe nao baver nocessdade de exer-
cito, e o direito se ar respeitar secirjfe s mesmo, sem dependencia do auxilio da
forga ; e mais preatippSe qne n hoart na-
cional .pelaqual de presente tomo* feito
tantos sacrificios para castigar aousadiade
raintmigo yiqni to ehgrato, jamis es-
fiara'sojlta ser desrVpeitada.
O Su. Gama Gkh*kwa: Ao contrario,
elle reconhece a neeewdade da exrsiencia
de oto exercHoeffectrro.
O Su. Theodoro da Sjlva : Se-o no-
putado so veaaa-toltecado em um terreno
enos abaeiuto, meaos erelusfvo #0 que
aquello em que He aprot)ve aesentar as
consideracBes geraes que fez, i^ora iio se-
riam repeludas as conclusoes que eslou ti-
rando deltas. Para qae procorouS. desacreditar aneeessidade da focca pubtiea,
chamando at fle ignominiosa a.profissaodas
armas; para que tentou dfcfccreditar, e
este foi o fin principal do sen discurso, o
emprego de medidas tendentes adarmt-
Ihor organisacSo ao exercito? Sua argu-
mentecao prevaUceria se prevalecesse a snp-
posico de que a paz publica pde-se man-
ter sem o concurso da torca publica. S
assim.
I cap
Eu peco licenra a 8. Et
letar o qwdro escrevendo as scenas
do recrutamento no Brajil. (Apoiados.)
re franco, Sr. presidente ; e espero que
a cainita nao me considere leviana por aN
gutnas palavraa une eu diga a rospeito de
iceflis tao d.isoladoras, como as que todas
nos temos visto, como as de qne cu tenho
tido noticia no exerccio de cargos pobl-
eos. O recrutamento urna arma terribi-
lissima, sendo feito como entre nos so faz.
Perseguir com prepotencia, prender por
mero arbitrio, sem regra nem recurso, fa-
zer caininuareui as pobres victimas s vezes
centenas e centetias do leguas para iren
encoBlrar urna reparaca) tardia em distan-
tes capitaes, quando o soiriment j se tem
consnmraado, aggravar o -cansaco, a pouca
abundancia de alimentos e nutras privacS'S
com o uso de algemas, eis um quadro triste
de certo, mas com o qual posso fazer a de-
vida coitraposico, e creio que com vanla-
geoi aquetle que o Ilustre deputado encar-
regou-se de descrever. (Muitos apoia-
dos.)
Sr. pcasideote, eu, quaj dirig um voto
de reparo ao tralialho da Ilustre eommisso
e que outros terei de fazer, porque nao
estou de aecordo com o modo pralico por
que ella desenvolvou as ideas capitaes do
seu projecto ; com ludo n> posso deixar
de render-llie elogios pela promptido com
que se bouvo no exame e estado da mate-
ria de que tratamos. Ha urgencia,. Sr. pre-
sidente, de que sa amos de urna certa es-
terilulade ; ella e o nosso peior inimigo
actualmente. (Apoiados.)
Eu nao posso deixar de louvata Ilustro
rnMlinil, porque, tendu OUB) prornptido
preparado o seu trabalho, assim permiitio-
' nos que estojamos discutiado a reforma das
itossas leis e usos conceroentes ao recrula-
menlo, de que ha urgencia.
O Sh. Silva NutOU : Tambera 0 lem-
po decorrido tem sido muito pouco.
O Sn. Theodoro da Silva : Ha urgen-
cia de sernelliante reforma. Os soflriinen-
tos resultantes do recrutamento demandara,
eom viva instancia que delle se cure quanto
antes. Todos nos sabemos, Sr. presidente,
a influencia que o recrutamento tem tido
nos nossos costumes e em nossa historia
poltica, e sobretodo na nossa historia elei-
toral. Guanta parseguico resumem aquel-
las scenas desoladoras do recrutamento a
que j alludi I
cerlo que pela lei eleitoral elle deve
licar suspenso antes da eleico ; mas, se-
nheres, quem se Ilude?..- As promes-
sas... e isto vai dito sem relacao a poca
determinada ; eo comprehendo nestas pou-
cas palavraa todas as pocas, t idas as si-
tuacoes, todos os partidos... as promessas,
repito, cumprem-se com rigorosa pontua-
lidade Abra-se o recrutamento...
O nobre deputado referi-so s 3,000
mais de familia que llciriam commovilas s
com a idea da conscri^o e do sorteio.
Peigunto eu : quando se abre e recrota-
mento qual o estadoaque licam reduzilis.
nao aquellas l,000 m5is de familia, porem
muito maior numero dolas ? Os maridos
fogem, os lllhos oceultam-se, as industrias
ficam abandonadas, tudas as reclamaco ^s da
familia pertorbam-se. urna calamidade. .
O Sn. Asdrapk FiurKiitA M utn aparte.
O Sn. Theodoro da Silva : Nao esque-
jamos scenas tao consternadoras como fu-
nestas s relames civis e ao aparfeicoimenlo
do rgimen eleitoral. Pelo contrario, tc-
nbamo-las bem presentes, j que dellas o
nobre deputado se esqueeeu para s lem-
brar-se daquellas que em pai/.es estrangei-
ros levautou o systema da conscripco em
sua infancia, c emquanto nao era sunisado
polo sorteio, suppondo, mas sem fundamen-
to, que apezar deste temperamento ellas re-
produzir-se-bo no nosso paiz. As arbi-
trarias cacadas humanas que ha entre nos
eu prenro as regras do alistemenlo para os
mancebos, com a igualdade da sorte, que,
se s veras offende. nao por arbitrio, nem
por favoritismo? como actualmente acon-
tece.
Sr. presidente, exacto que o systema
da causaipyo, i'uncconando- com grande
elasteiio desde o anno 6o do consulado,
tornou-se odioso em Franca por causa dos
holocaustos humanos no tempo de Napolen.
Elle, com suas guerras sem tn, devurou
nao centenares, nao milhares de homens,
mas nao menos de dous milhes de Fran-
cezes. De 1798 a 181 't, diz um historiador
de nc la, que n3o menos de 2,500,000 bo-
mens foram chamados ao servico das armas
e em 18lo restavam apenas reliquias de
t3o grandes exercitos Os aprisionamentos
as enfermidades e' a morte por ferro e fogo
tiuham produzido suas consequenrias.
Viuda exacto que tao desacreditado ficou
o systema da conscripeo (pie, na restaura-
cao, Liriz XVIII viii-se na necessidade de
prometter que o abolira; mas, urgido
pelas necessida les do servico, illudindo a
promessa com artttii'iosa redaeco, man-
teve-o com temperamentos de que at ento
n3o se usara.
do a idade do 2'
H. PfcllKWA DA
m-nda ao art. 2o ,1|
en diante.
uro Morea : Li no. Jormt
- Existe urna i para a sua manutenco, e nenhum paiz
meadas da oobre cou> dila.
Em summa, se eu pudesse constituir urna
repblica de PlatSo, tambera dispensara a
permanencia de exercitos regulares; mas
infelizemte as circumstancias em que est
o paiz, e em que est, como estar sempre
o mundo, por mais ureos que sejam os
sonhos dos propugnadores da paz univer-
sal, o direito hade precisar sempre dafor-
dispensar a formacao e orgaoisacao' de
exercitos regulares. Compre encarar de
frente -sta trJ necessidatlB, e n3o lo
Suavisado o rigor do systema pelo em-
prego do sorteio como era de indeclinavel
necessidade pratica, ficou assim aprovei-
tado, porque n5o havia possibilidade de
meliior substituico ; ejnantemse athoje,
sem qoe levante em Franca os clamores
que diz o nobre deputado. O clamor que
ha provem da elevaco do quadro effectivo
do exercito, por causa da paz^mada na
Europa, mas nao do systema pe forneco
contingentes para o mesmo exere^to.
Falla-se na Inglaterra, que tem o seu sys-
tema ritre de engajaraentos voluntarios.
Pois bem.... contraponho ao exemplo da
Inglaterra o da Blgica, paiz livre, librri-
mo, e que rege-sevpeht lei da conscripc5o
e sorteio, contraponho mais o da Suissa,
paiz tatnbem librrimo, todos o sbem, e
qne rege-sc igualmente pela lei da cons-
cripcSo e sorteio. D'onde vem, pois, o
terror pnico de que nos apoderamos ao
fallar-se em corrscripc5o ? Preferem o
actual systema arbitrario, sora restriccao
nem limites violencia, ao systema de cons-
cripeo, que pide ser bem regulada ?
losiste^se de novo no exemplo da Ingla-
terra: quem que pode actualmente no
Brasil aspirar a adopeo de leis relativas a
orgaaisacao do exercito, quaes as que tem
a Inglaterra ? AUi o elemento da organisa-
cio do oieroito oengajamento de volan-
tarios. Pois bem! pergnto ao oobre de*
pota*), o me tem produzido no paiz o en-
gajamenlo de voluntarios ? E' nullo.
?'-~8; ^tapo:-rtote-so qnaaln- ao piCmm os alistados dar todo o de-
lafuvolvimiiuio u c\|ansao con recete de
que a sorte viesse arruinar os seus capi-
taes flxados em machinas c as suas oflteinas
00 estebelecimentos: e (agora tem cabimento
.) que ha pouco ia dizemlo com relacSo a
populaeSo) o proprio crescimenlo da popu-
lacho retanlai-se-ha, porque os casameatos
tornar-se-hiam mais difceis, visto como
os bo nens de 18 a 30 annos de idade, o,ue
estivessem sujeitos ao servico das armas,
teriam mais repugnancia e encontraran!
mesmo mais difficuldade em realizar enla-
ces matrimom'aes, antes de livrareovse do
servico. (Apoiados.) Como soffreriam com
toda este serie de oppresses os nlere>ses
vivos de tantos concidadJos I (Apoiados.)
Entretanto, Sr. presidente, eu, que pens
que a classe de 18 amos seria bstenle
para alimentar um exerc-to sufficente as
condi0es_ actuaes. do Brasil, prevendo que
a nova lei ser muito mal execulada, tanto
que a reputo como um tentamen, um en-
saio para sahumos do regimem de recruta-
mento forcado, usado smente na infancia
dos povos, eae urna vez por todas repeti-
rei que s como experiencia voto pelo pro-
jecto, sem grande esperanca de immediatos
resultados e/Rcazes; eu por tudo isso pro-
pendo para que, como medida transitoria,
se ampli at a idade de M annos o aliste-
menlo e o sorteio. E' o meio termo entre
a porfeic2o do systema e a cxageracSo da
Ilustre commsso.
As condiccoes topographicas do paiz, sem
densidade de populacho e sem meios facis
de communicaepes ho de obstar a fiel
execucSo da lei, por impossibilidade de fis-
calisaco dos alistamentos, do que resul-
tar qne elles nao exprimiro a verdade.
Alin do que uo estamos habituados ao
regimem da igualdade da eonscripcao, pois
os nossos hbitos sao os xle ampias e nu-
merosas isencoes, como o de favores e
perscguices uo servico do recrutamento;
o que dar lugar a multiplicadas omss5es
e fraudes, e por consegrante mperfeicao
e pequenbez dos alistamentos.
Prevendo tudo isto, o ao inesmo tempo
nao desejando que o goveruo fique despro-
vido de meios quando de sbito occonam
quaesquer circumstancias que o obliguen
a ter um exercito mais numeroso, ou a
prepralo com um carcter mais activo
para manter a paz, no emtento que se dis-
puzer dos homens de urna s classe de
idade, pode naquellas emergencias ver-se
realmente em erabaracos; nao duvido por
tudo propr que as idades alistaveis sejam
os de 18 a 21 anuos.
Eu pretendo, pois, que o viveiro para a
formacao do exercito nao seja dos homens
de 18 a 10 annos, polas raxiks que j dei:
mas por ora provisoriamente nao me oppo-
nho a que elle sa abasteca as elasses de
18 a 21 annos. Assim se faz preciso, si
el in quantum.
E verdade que, fundando-se o rgimen
da conscrpcao na igualdade de todos para
o servico das armas, o que importa res-
triccao as isencoes, s concediveis por
ncapacidade physica ou moral, ou por mo-
tivos de eqnidado e humanidade, nao con-
vert que ellas se entendaos aos homens ca-
sados, o que destruira aquella basi de
igualdade. Bem sei que, educados como
temos sido no systema de ampias isenc5es
entre as quaes conta-sc a do casamento, a
exelusao della impressiona a casa; mas cha-
mo sua attenco para a circumstanria de
que semelhante rfnpecilio ser relativo
populacho de menor idade. At os 21,
segundo pens, deve estender-se proviso-
riamente o servico militar: mas at esse
mximo de idade poucos individuos, por
va de regra, sao casados, nem ha conve-
niencia de fomentar casamentos na minori-
dade ; e se, nao obstante, alguns j os te-
nbam effectuado, a si imputen) a impru-
dencia que commetteram, se nio tiverem
em sen favor arguenas das outras isencoes
que ostabeleioem.
Tambem estou em desacord com a Ilus-
tre eommisso quanto a materia das subs-
tituicoes, porque ella adapta conjuntamen-
te dous meios, quando um s era bstente
e o oulro nem dacoraao ao aoverno, nem
convem aos inleresses da manutenco dos
quadros completos do exercito.
Em 182i, um general francez tratando
do recrutamento chamou-o imposto de
sangue. Desta phraeimngiiosa. mas sem
ju-leza, tora provindo falsas apreciaces,
proctiraiido-se reduzir a imposto material o
dever moral de servir no exercito ; e disso
provm as tendencias que se observam as
leis de outros paizes, o assim em o nosso
para converter-se o recrutamenio era im-
posto daquella natureza, e por conseguinte
pagavel por meio de exonerarles pecu-
niarias.
51as, alm da falta de juateza ou pro-
pi iedade de ideas que ha nesse meio de
subslituicfio, a casa reflicta que as exone-
racesno Brasil nao ten provado bem ; ou
por outra, nao tem dado quasi resultados
satisfactorios, sendo tantas vezes abolidas
quantas tem sido experimentadas. Em
outros paizes as exonerucoes pecuniarias
servem de recurso para o tbesouro : mas
observa-se que muito eoncorrem para a di-
mnoicSo de seus exercitos.
Em Franca, quando a Prnssa na ultima
guerra de 18ot sorpreendeu a Europa
cora os recHisos militares que possuia, \e-
rilicou-se qne no exercito francez tinham
havido depois da lei do 4835 que admittio
as siibslituices pecuniarias, nao menos de
43,000 exoneracoes, e smenle 13,000
iKengajamentos.
O facto era para impressionar, o que deu
lugar a qu! o Monitor lgo exclalasse :
Vira um dia era quo. jtenhanios dilheiro
nos cofres, mas nSo renhames rromens
para o exercito
Se, porm, nao como rocnfio para o
tbesouro que se admitiera exoneracoes pe-
cuniarias, porm para que com o producto
O^t. TitBoono da Silva : E note
tatrliem o obre deputado que, quando al-
gumt guerra obriga a aognlentar os quadros
(lajjueHa possante mariaba, recorre-se com
vigor s levas, torcidas empregando-sc os
precisos meios enrgicos paa consegu-
toase resultados eflicazes.
Sendo estasis considerac~)es em que
esto os paizes raas lvres da Europa, e de
proposito nao fallo da Franca, pergnto ou:
quo terror este de que nos apoderamos
s ao proferir-se a palavra conscrpcao ?
Pergnto mais antes de fechar esta parte de
raeu discurso: os nobres deputedos que se
mostrara tao boslis ao systema cons-
crpcao e sorteio, que outro meio offerecem
para fazer o recrutamento ? Querem que
permaneca o actual regimem ?
Nao sao conheoidas as funestas conse-
quencias delle? Devenios cruzar os bracos,
e resignarmo-nos com impossibilidade que
esterilisa sem melhorar, ou. para melbor
dizer, que cada vez raas corromper os
nossos costumes polticos com a successao
de crescentes abusos? Que meio, que
substitoicao, offerecem os Ilustres depute-
dos, nao cessarei de perguntes-lhes.
Corabatem, censurara, mis nao indicam
idea alguraa como meio de substituico ?
(Apoiados).
as condicoes.em que est o nosso paiz,
Sr. presidente, nao ha outro meio, desen-
gamosnos. Por mais esforcos que na Eu-
ropa lenbam feito os estadistas, anda nao
so pode descobrlr outros modos de corapo-
sico de exercitos, seno ou o engajamento
ile voluntarios, como ua Inglaterra, paiz
insular, e em circumstancias to differenle
das nossas, ou a cirouinscripco e sorteio
mais ou brando, mais ou menos elstico,
na Suissae na Blgica, na Franca e na
Prussia, e era quasi toda a Europa.
Feitas estes considerares, eu acredito
que casa nao deve permanecer com aquel-
la impressSo de quasi repulsa.... inmere-
cida repulsa s ideas principaes do projecto;
impressio que me pareceu resultante da re-
pugnancia que em geral se tem ao servico
das armas, e tambem por effeito.do dis-
curso do nobre deputado.
E' preciso &Io levarmo-aos pela exctec5o
de preconceitos ou de senlimentos, quo im-
pressionam, mas nao convencem: pensemos
e vejamos se ha meios de memorar este
prrjecto de le, que nao intil e pelo con-
trario tem vantagens. (Apoiados). Este
o nosso dever.
Sr. presidente, eu, que nao pude deixar
de fazer as precedentes observacoes resul-
tantes do discorso do nobre deputado por
Minas, estou tambem, como elle, em desac
cordo com a dita eommisso.
A dita eommisso, embora agora pro-
teste que nunca entroVj em sua intencao es-
labelecer permanentemente como elasses
sujeitas ao recrutamento as das dades de
18 a 30 annos, me permitlir que Ihe diga
que o contrario o que clara e manifesta-
mente se le no projecto. Ahi se diz pe-
remptoriamente, sem a menor restriego
nem limite, que a idade recrutavel de 18
a 30 aonos.
Neste particular eu concordo as mesmas
ideas e estou em plena conformidade com
o Ilustre deputado por Minas.
A nobre eommisso anda permita que
Ihe diga que nao soube o que propoz. A
populaco do Imperio, concedendo mesmo
que seja de 8,000:000 smente, e que
como de razo para o culculo, nos a re-
duzissemos a 3,000.000 de homens nacio-
naes e hvres, anda assim o alistamento
das rezo elasses de idades designadas pelo
projecto dara urna tolalidade de'pessoal
f ara o exercito, que espantara a propria
eommisso, como a nos todos e ao me?mo
oaiz. O alistamento nao seria inferior a
300,000 homens para formarem-se..contin-
gentes annttos de 6,000 homens, quando
muito! Haveria luxo de ter gente alistada;
mas que isto, alm de desnecessario, fa-
ria grande presso sobre a populaco.
.\o temos estaseas pelas quaes nos
regulemos; mas recorro da Franca como
convincente que Alli a classe nica dos
mancebos de 20 annos a designada para
o servico das armas; e o alistamento desta
s classe corresponde a 1 "/o da popula-
Cao total.
Pois bem; tomamos a mesma base para
COOhecOr quanto dara a nscripcio da ciarse
nica dos maucebos de 18 annos no Brasil-
ia'm por cento de tres milhes da homen*
Hvres vem a dar em 30,000 homens alis-
tados para o servico do exercito. Dir-mes
ha a Ilustre commsso : mas cumpre no-
tar que entre os validos ha invlidos e isen-
tos, o que reduzir o numero de 30,000
hamens da classe de 18 annos.
E' exacto; para fazer essa dedueco
de novo recorro s estetislicas da Franca.
Alli se verifica que o numero de invlidos
isentos orc-a por cercado matade dos alis-
tamentos. Nestas condicoes, deduzda a
raetade daqualle numero, como correspon-
dente ao de invlidos o isentos, licam lqui-
dos 15,000 homens aptos. S -liam de sobra
para a fonnaco de contingentes annuos de
0,000 homens, como sao precisos no Bra-
sil.
Eis ahi, pois, a razo por que eu asse *
verei que a Ilustre eommisso (de novo
peco licenca para dzer-lhe) ou servio-se
de clculos infundados, ou nao
propoz otpie'no sabia.
O Sr. Soiza Beis : Isso nao
vet,
OSa. Theomho da Silia:Nao precisa-
mos seno de exercito defensivo e sem
carecter aggreasivo. Trezehtos mil homens
alistados permiitiriam que constituisse um
exercito de mais de cem mil homens.
Acredito que, por via de regra, e sendo
bem feitosos aitstamentos*, a classe s-
os fez e
possi-
raenle dos cidadaos de 18 annos dara o re- dellas o governo
sultedo que eu ha pouco refer.
Portento ampliar as elasses de 18 a 30
annos o servico das armas coosa tao no-
civa que para ella nao concorrerei jamis.
Alm da mutilidade que j mostrei, accrece
a pertnrbacSo qne semeHnmte medida trar
s familias, lberdade individual, as in-
dustrias e ao desenvolvimento da popula-
cho.
Se os hosiefis eomprehendidos naqVwlles
ataMlcrraos fie idade IcanoB sojfte ao
alistamento e sorteio, fura de duvida que
todos leara urna espada pendente sobre
oh cabeoaa; as familias emqoanto teas
filhos e prenles nio attingissem a raaiori-
dade dos 30 annos pertenceriam inquietas;
s iodnstrias' e s suas profissoeo babiMHBf
agencie a acquistc-ao
do
substitutos, eu ni qoero v-lo doacer da
posigo decorosa em que deve laaater-se
para tornar-se corretwr de substitutos, Isto
encargo que compete a iniciativa indivi-
dnal, mais interessada as substiluicoos do
que o proprio governo.
Bastam as substitHices pessoaes, nln-
gaem sera obligado a abandonar suas pro-
lissoeS e seus interesses para servir to exer-
cito desde que tetiha a faculdide de fazer-
se substituir ipOrtwtra postoa.
fContittHtir-M-h*.)

TVf. !KHHAB10-ltADt>t*lZliSR. 4
. 1

II [CbVB
lunl 11


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EADXHRDD5_KRYW3R INGEST_TIME 2013-09-13T23:45:05Z PACKAGE AA00011611_11909
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES