Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11907


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 175. "
9b
sl>
PABA A CAPITAL E LWA1KS OIDE IA6 51 PAGA PORTE.
*or tw mases axantado............., WOOO
Por seis ditos dem.................... *0
Por um mido idem.................... 244000
da numero avnlso................... J320
DUInTI FEIRA 4 DE AGOSTO DE 1869.
------------------------------------_---------------_-----------------------------___
PARA BEITRO E TORA DA PROVINCIA.
Por tres motes adiaatado*.................
Por si:is ditos idem. .... ...........
Por don i ditos idem ............
Porra anno. M................... .
s
780
i300
aomo
SUMO
I

'
:
I

1

'


DIARIO
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Flhos.
-


------r

SAO AGESTES:

____
AmiIIMAT
Os Srs Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; GonoaJves- Pinto, no MaraflfiSo; Joaquta Jos de Oiveira, no Cear; Antonio eUmos Braoa, ho Aracaty; Jlo Maria Joo Chafes, no Assn rAntenio ^rqt4Sia. no fla!af;T5sflSsti>o
Pereira d'Almeida, em Mamangnape Antonio Aexandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penna; Betermiao dos Saltos Bnlcao, em SantoAntao; Domingos Jos da Costa Braga, -^|
em Nazaret; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; I)r. Jes Martins #rs, na Baha; e Js-!W>eiro GasparinJio, no Rw de wnetro.
PARTE 0FFH5IAL
aera da provincia.
8TPBDIRWTII ASBIONADO PBLO EXM. SR. IM. M^EL DO
NASCIMKNTO MACIMDO POBTfil.LA, Vlfl-PRESroUNTE
DA PROVINCIA, EM 21 DE MAIO DE 186.
I*seccao.
N. dSl.Dita ao mesmo.Tendo mandado abo-
nar a quantia de 100a para a despeza da viagem
acada um dos membros la eommissao enearre-
gada da ir arrendar o Inventariar os btms la
olonia militar de Pmenleiras e entregar ao mem-
bro Joh.|'iiii Pereira Bastos n quaiitia de 2003 para
as despeai* de transportes dos inesmos bens que
f>>rem sueeeptivms de remojo para esta capital,
assim ocemoionco a V. Exc para sna/intelligen-
cia e aflu de que fai-a constar a mesma cominis-
s, enviando-lhe o incluso passe para a va
ff.rrHi
N. tifia.Dita ao medito.Ao diefo de polica
recomuiende nesta data que maude apresentar a
V. Exc. o desertor desta provincia Juao Tavares da
Gru, qae foi oanturado na da Parahyba e d'alh
veio honiem no vapor Ipojiwtt. como me eonimu-
neou o respectivo presidente, declarando que na
primoira opporlunidade enviar a respectiva guia
de soccorrimento. ,
N. 65:'.Dita ao capltao do porto.Segundo
informaeao verbal que acabj de receber do enge-
niieiro chefe da reparticao das obras publicas a
endiente do rio Capibaribe augmenta cada vez
mais de propotcoes; pelo que convm que V. .
mande com urgencia seguir ja 2 jangadas para
cada urna das localidades: Torre e Manguinho,
dirigidas por pessoas que as pssam manejar, alun
de alli prestaren! os meios de salvacio de que por
ventura possam necessitar os habitantes daquellas
localiilades.
2* seeeao.
N. 656. Poi taria ao chele de polica.Tentao
providenciado para que algumas enibareacoes e
langadas ai.resentem o meios le salvagao de -|i"*
precisaren! os habitantes da T.lrre, Manguind.
Caxang, Poro da Panella e outros pontos que a
endiente do Capibaiibe, qne cada vez toma roaio-
res propon/ms, cutama a invadir, _rccommendo a
V S quo por sua parte providencia tambem em
ordetr a que os referidos habitantes sejaui promp-
lamente soreorridn?, assim como os de qualqner
outros puntos, que reclamaren) iguaes auxilios.
N. 6)7.Dita ao mesmo.Faca V. S. desembar-
vnda manda-acensar o recewmento do oflleio de
15 em "que V. S. commonicou baver terminado a
7 do corrente a licenga de que gasava, e nao poder
>eguir para a sua comarca a reassumir a exerci-
cio do seu cargo, por achar-se actualmente sof-
frendo de reumathismo.
3' secgad.
N 672.Oflleio ao inspector da thesonraria de
fazenda.O Exm. Sr. vice-presideote da provincia
manda declarar a V. S. para o mi onSHiSninto e
nns PotWniwitBs que segando offlcio do jajz de di-
reito da comarca de Palmares baoharel Joo Pran-
ciseoda Silva Braga de-11 do corrente nessa data
asstimio elle w excreicio do respectivo cargo.
N. 673.Dito ao ehefe da reparticao das obras
publicas.-^) Exm. Sr. tice-presidente da provincia
acal de tnandar apresentar a V. S. dturs pracas
do corpo provisorio de polica para o Boa solicita-
do em sea offlcio n. 193, desta data o que le com-
munico de ordem do aiesmo Exm. Sr.
i- soegao.
N. 674.Offlcio ao directora do theatro de San-
ia Isabel.De ordem de S. Exc. o Sr. yice-presi-
deute da provincia communco a dreetoria do thea-
tro de Santa Isabel, qne por despachos desta data
se eoncedeu permissao aos artistas dramticos
Francisco Jos do Couto Rocha, Jos Mario Jor-
dani e Apolonia Pinto JordtDi para darem um es-
pectculo no mesmo theatro pagando previamente
os supplieantes o que fr devido om virtude de
portara da presidencia de 2 de Janeiro do corrente
anne e entendendo-se cora o actual empresario.
ferido com um tiro, dado de ombeseada ; e qtie,
tendo elle procedido ex-offlcio ao competente cor-
po de delicio, fizera recolher eadeia, como in-
diciados no crime a Manoel Gomes da1 Silva, co-
ntiendo por Lola, Manoel Pereira da Silva e Jos
Gomos, e passava a instaurar o processo por
queixa do offendido.
No dia 2, ordem do subdelegado da Boa-vista,
Joo Gomes, por embriaguez ; e Fabiana, escrava
de Ignano Ferreira da Costa, por ser encontrada
depois de 9 horas da noite sem bilhete de seu
senhor.
Oommunicon-me o Dr. juiz municipal e dele-
gado de Cimbros, em offlcio datado de 19 do moz
lindo, que. no dia 7 do mesmo mez, Joo Ferreira
do Areujo foi levemente (ando com um tiro, dado
de emboscada, no lugar Malhada, d'Ara do dis-
tricto de Cupetv d'aquelle termo, por Silvestre, es-
cravo fgido da -casa de seu senhor, morador em
um enfenhu do su! desta provincia, Wjo nome e
ignora ; sendo que conston-lne que o respectito
subdelegado proceden aa compelen orpo de de-
licio, e recommendou logo a captura do delinquen-
te, contra o qual la proceder na forma da lei.
Deus guarde a V. Exc. llim. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Machado Portella vicepre-
sidente da provincia. O ehefe de polica interino,
Francisco d'.istis Olivetra Maciei.
de *er peixe e animaes silvestres em poca nao paro dos productos, acquisirab te novas semen-
30
DESPACHOS DA VICE-PHESIDENCIA DO DIA
DR JLI10 DE 1869.
Major Antonio Feitosa de Mello.D-se.
Abaixo assignados empregados no consulado
provincial.Informe o Sr. inspector da thosourana
provincial.
Amaral 4 Filhos.Esperem os supplieantes que
h aja crdito.
Adriano Jos dos Santos.Informe o Sr. coronel
comniandante superior interino da guarda nacio-
nal desto municipio.
Bernardino da Silva Costa Cimpos.Conceda-se
nos termos do respeetivo regulamento.
Francisco Alves Moreira. Concedo quinte
das.
Francelino de Mello Cabral.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do Bo-
nito c Caruar.
Flix da Cunta Teixeira.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
U.'nrique Vianna.-rinibr.me o Sr. coronel com-
mandante superior interiuo da .guarda nacional
INTEBIOR.
prov
ci do presidente
crreme, foi all capturado.
jv, ($;;*Dita ao cominaudante do corpo provi-
sorio de polica, -ande Vine apresentar ja a
oogenheiro ehefe da repartido das obras publicas
dua* pracas do coipo suft seu commamlo, amn ae
(icarem em s*rVie>j na ponte dos Affogados como
se faz mister.
3' seclo.
N 639.Portara ao inspector da thesouraria
provincial.ecommendo aV. (|ue em vista da
conta e relaro juntas mande liquidar a despeza
feita durante o mez de abril ulliiho, cora o sus-
tento dos presos pobres da cadea do termo ao
Broio e pagar a sua importancia a Jeronyino Pe-
reira Marines ou Evaristo Mondes da Cunlia Aze-
, conforme solieiiou o ehefe de polica interino
em oflleio de l'J do corrente sob n. 710.
N. 660Dita ao mesmoTenho resolvuio ap-
provar em vista de sua intorinacao de 20d* abril
ultimo sob n. 203, a proposta que em offlcio ae
fevereiro deste anno, fez o collector de rendas pro-
vinciaes do municipio de Ignarass de Antonio da
Motla Teixeira Cavalcante para agente da mesma
collectona visto ler-se mudado daquella vina o
respectivo serventuario, Joaquim dos Santos tei-
xeira da Motta Cavalcante ; assim o declaro a V.
S. para sen conhecimento e afrai de que o taca
constar ao mencionado collector.
N. 661.Dita ao ehefe da reparticao das obras
publicasDe conformidade com o qde solintou a
cmara municipal desta cidade no offlcio incluso
por copia de 19 do corrente sob n. 31, providencie
Vmc. no sentido de ser desobstruido o cano de
esgoto que trata o citado offlcio.
4.* seccao.
N. 662.Portara a cmara municipal do Nen-
ie.Declaro a cmara municipal desta eidade,
que nesta data expeco as convenientes ordens ao
ehefe da reparticao das obras publicas para ser
desobstruido o cano geral de esgoio de que traa
o seu offlcio de 19 do corrente sob n. 31.
N 663 Hita ao administrador do coneo.m
resposu ao seu offlcio de i do corrente, lonno a
declarar-lhe que havendo, como diz, taita do esia
totas e.no podendo seguir a correspondencia com
a hrevidade que era para desejar, devena Vmc
Cjinralinicar isto ao ehefe de polica, adra dele
providenciar como fosse pos?ivel, e nao consentir
que ftcassem 3 mezes demorados os offleos no
crrelo com detrimento do servico publico, o que
convm nao se repita.
N 661.Deliberacao O vice-presidente aa
provincia attendendo'ao que reqnereu o professo""
publico da cadeira da povoaco de Haixa-verae.
Jcronvmo Theotonio da Silva Loureiro, resolv-
coaeeder-lhe 3 mezes de icen?a sem vencimen-
ammmm SSSIGXAOO PELO DR. JOAQUIM CORREA^
ARABIO, CRETAaW DO COVBHSO, EM 21 DE MAIO
Di 1869.
2* seccao.
j 665Offlcio ao Dr. ehefe de polica.S. Lxc.
o Sr. vice-presidente da provincia, manda decla-
rar a V. S. em reposta ao seu offlcio de W ao
.orrente sob n. 710, que a thesouraria provincial
tem ordem para, pagar aJeronymo Pereira Marms,
u a Evaristo Mendes da Cunha Azevedo a quan-
liade SBiiOO. constante do citado offlcio.
N 666 -Dito ao mesmo.-O'Exm. Sr. vice-pre-
sideaSB da provincia manda transmittir a y. s. o
offlcio junto iwr copia do administrador do corrtio
desto oidade de i do corrente, relativamente a
offleos expedidos pela EMtf
cargo de V. S., de que trata o de B. W^""1
Exm. Sr. dirigido era 3 do corrente.
N_ (H)7 Dito ao director eral da scM]
estada dos negocia da jusiica.Accuso
.01.-,, IV S. de 7 do corrente acoi
do requerimento de Vicente Ferreira P
lumby para que este satisfaca os airen
pectiva l'olha corrida, o que j se Iho e
a 14 deste mez.
N. 66S. -Dito ao commandante sui
suarda nacional do Cabo.O Exm. Sr.
sidente da provincia manda declarar a
neloseuofficiodo 18 do corrente. fisou ir.te.ri
dnoaver o capito Jos Mara Cysneiro da Costa!
W assuniido a 7 deste mez o coronando do ba-
ulho n 40 de infantaria do nsonieipio de Ipojuea
no impedim-nto do tenente-coronel e do major
rCrt7-Dito ao Dr. Joo Francisco da Silva
Braa.-0 Ex.o. Sr. vice*re*iente da provincia
manda iteeUrardha qae too* toirado por sea
offlcTde 11 do corrente de ter V. S. nessa data
reassmrdo o exercicio do seff rgo
6W.-Bilaiamio.-0 lu. w.Jfcf^iw-
dento d* pn.vlac mnnda. Mkk V-^JJ
loa ioteirado por seu oflkto de 13 do eorronto
datlataiment. havidos e do mais que occorre*
udwlaria db jnry do termo do ftg.ua
Preta ultimamenie tevda. maP,,
N 671.Bito Praotor publico da comarca
de Cabrob0 Bao. ~
Hvppulito Cassiano de Siqueira Lopes.Infor-
ine'o Sr. general commandante das armas.
Juao da Cunha Magalhes.Informe o sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Joo Hermenegildo Xavier de Salles.AoSr.
Dr. director geral da instrueco publica.
Jeronvnio Alves da Cunha Lins.Conceda-se.
Joao Antonio Isidro.Expeeu-se ordem para o
fim requerido.
Maria Amalia de Souza Campos.Requeira ao
governo imperial.
Marcolino da Costa Raposo.Conceda-se com o
respectivo sold, noe termos do art. 16 do regula-
mento de 2 de dezembro de 1853.
Maria Magdalena da Assumpco Informe o sr.
Dr. ehefe de polica.
Maria Ctobulina de Moli Ottoni Informo o sr.
Dr. director garal da instrueco publica.
Tenente Pedro Paulo dos Santos.Dse.
Bachare! Pedro Gaudiano de R tis e Silva Ju-
nor.-Inforrae o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda. ,. nx
Sociedade Gremio Dramtico.Informe direc-
tora do theatro de Santa Isabel.
31
Antonio Pereira da Rocha.Drija-se ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Andr Avelino do Espirito Santo. Dirija-se ao
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio da Silva Araujo.Dirija-se ao Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Padre Gamillo de Mendonea Furtado.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Bacharel Caetano Moreira de Partas Neves.
Indeferido a vista da informacao.
Padre Gamillo de Mendonea Furtado.lnlorme
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Domingos da Cunha Silva. Seja o supplicau-
te rdevado da multa.
Irmandade de Nossa Sonhora do Rosario da
freguezia de Santo Antonio desta eidade.Informe
0 Sr. inspector da thesouraria provincial.
Joaquim Jos de Moura.- J fui interinamente
prvida a cadeira que allude.
Joao Pi da Fonseca.Informe o Sr. Dr. cnete
de polica. ...
Joao Quintilio Pereira.Indeferido a vista das
nformacoes. n ,
Joao de S Ramos.-Dirija-se ao Sr. inspector
da thesouraria provincial.
Jos Herrulano Thomaz de AquinoD-se.
Joaquim Pereira da Silva Maltos. Indeie-
Jos Leao de Mello.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda. .
Manoel do Nascimento Cesar Burlamaque
Volte ao Sr. coronel commandante superior interi-
no da guarda nacional deste municipio para ndi-
i car o batalho a que deve ser aggregado o suppli-
1 cante. ..
Kacharel Pedro Auooso FerreiraDirija-se ao
Sr. inspector da thesouraria provincial.
RIO Di: JANEIRO.
Projeeto de reforma municipal
apresentado & cmara do* de-
putados em sesso de 10 d Jii-
Iho ultimo, pelo Sr. ministro
do imperio.
(ConUnuncao).
CAPITULO II
Ua$ (illribuicofi e wviro municipal.
Art. 31. O governo econmico ou administracao
de cada muuieipio compete respectiva cmara
municipal, sendo as atU-vbuicGes dellierativas
exercidas em curporatao, e as executvas por seu
presidente e petos vereadores especiaos ou rege-
doresde paroeiiia, enearregados de levar a efleito
as deliberaeoes da ca4iiaraem sua respectivas pa-
lorliias. .
Tanto os vereadores eieitos por todo o munici-
pio, como os especiaes de carta paroehia, tero as
j deliberaedes da cmara voto igual, e os mesmos
develes e Itribuicoes. s primeiros formaro tres
comniisses : de fazenda e e-tatislica, de obras
putilicas o de posturas, as quaes podero
ser ouvidas no exercicio de suas atiribuiedes
pelo presidente da cmara e palos regedores das
parochias. ,-
Art. 32. O presidente o orgo e representante
da cmara em todas as relayoes desto com as di-
versas autoridades, e como centro da administra-
cao municipal incnmbe-lhe transmittr aos regedo-
res as deliberaeoes lomadas para Ihe darem estes
a devida execucao na paroehia respectiva.
Os empregados municipaes, excepto os de que | (|ue fizorcm parte
trata o art. 39 n. 12, ihe sao subordinados, ecum-
priro as ordens que d'elle reeeberem no deseni-
penho do servico municipal e dos encargos de n-
teresse geral incumbidos cmara por lei ou re-
gulamento do governo.
Art. 33. A's cmaras municipaes compete deli-
berar, ficando sujeilas taes deliberaeoes appro-
vacao das assemblas provinciaes, as quaes sero
presentes sob a forma de propostas :
!. Sobre o oroamenlo da receila e despea mu-
nicipal ;
2. Sobro os emprenimos que prelendam as c-
maras contrahir para obras municipaes, suas con-
dicies, forma e meios de seu pagamento ;
3.* Sobre o augmento ou diminueo do numero ta JS
do empregos municipaes, cuja nalureza e atlri-
buifoea sao determinadas pela presento lei ;
4. Sobre a polica o economa municipal ;
o'.' Sobre a concessao de moratoria da divida
activa municipal.
As propostas das cmaras sero redigidaa na
riina de projectos de lei, em artigos ecucifos e
numerados, concebidos nns termos proprios das
apropriada
15. Regalar o modo* e lugar do embarque e
desembarque das pessoas c das bagagens e gene-
ros nos municipios atoados beira rfagna, salvo
0 dispoeto nos reguhmentos dos portes o alfan-
degas ;
16. Estabtlecer regras e condicSes para eon-
cessb 6> NcnVs para aberrara de casas de w-
gocio, b ticas, hospedaras, casas de confeic.ao >
bebidas e comestiveis, nrmazens e depsitos do
lenha e outros combostiveis, e para quitandas e
commercio ambulante de mcrcadorias de qualqner
natureza ;
17. Marcar os casos em que os regedores de-
vem exercer as attribnicoes conferidas pelo art.
39 ns. 8, 13, II, lo e W, as multas em que ki-
correm os contraventores e os direitos muid-
p.-ies a qne sao sujeitas as licengas concedidas
pela cmara ;
18. Declarar quaes as armas offensivas, najo
uso vedado peto art. 297 do cdigo criminal, e
quaes os casos em que as autoridades pplicaes
as podero permittir, e tem assim quaes as que
ser licito trazer usar sem licenca em razo da
proflssao.
Art. 3S. Devem as cmaras, quando julgarem
necessario, representar a quem competir sobre
1." O estado das prisoes eivis ou mujtares
sitas no municipio, suas. condices de aceo,'salu-
bridade, sguranca e commodidadt?, e dos es^
lecimentos de caridade, como hosp'taes, casas
exnostos, ay!os de mendcidade e ontros;
2." A conservaco dos proprios nacionaes quan-
do precisem de "reparos ou eslejam se deterio-
1 rando;
3. A necessidade' e meios de prorogagao da
vaccina e tudo quauto interessar ao estado sani-
{tario do municipio ;
i.' O estado das escolas de instrueco primaria
e secundaria do municipio, indicando as providen-
cias tendentes ao seu progresso e iesevolvimonto ;
8.* As medidas necesarias para manutenc,o da
tranquillidade publica e seguranea iiidvidual,
quando nao as tonirui as autoridades policiaes;
6. As neeessidades ila lavoora, industria e co-
lonisa^o do municipio e melhoramentos de que
sao susv-eptiveis :
7.a Os abusos e Ilegalidades praticades por
qualquer autor Made no municipio, apresentaudu
as provis de seas arerlos ;
8. A urgencia de soccorros pblicos frneciuos
pelo estado ;
9 A ereaco de novas parochias, colligindo e
enviando s assembjas pnivindaes os dados ofll-
caes para prova de esiartm preenchidas as con-
dices exigidas no art. 12.
Art. 36. Compete as cmaras municipaes resol-
ver, sobre proposta do presidente ol de qual-
quer dos vereadores. acerca dos seguints as-
sumptos ,
1. Providondas sobre a admtohtracao e con-
servago dos proprios municipaes, e bens de uso
commum dos municipes ;
2. Acquisicao de immoveis para flns de utm-
dade municipal ; .
3." Venda, troca e aforamento dos bens de raz
,,ae fizercm parte de seu patrimonio, nao se la-
vrando os contractos sem approvacao do presiden-
te da provinria ;
'i. As regras e modo de administracao dos es-
tabelecmentos pblicos de inleresse local mantl-
dos pelo cofre municipal, como sejam museus, es-
colas, offleinas publicas, easSs de expostos, asylos
de mendigos, etc.; ...
S. As obras mais necessarias ao municipio, quer
novas, quer de reparaeao e conservaco das exis-
tentes, distiibuindo a respectiva verba do orea-
mento municipal; v
.'' Iteparus ou demolcao dos edjllcios que amea-
carein ruina, sitos no al.'nliamento das ra?, ora-
fas, estradas e caos, imndando-os tazer por '
a dos proprietaros q-iaudo^dopois
tenas e de ananaes que aperfei(xwm as racas de
eraco, mandando-os vir a cmara por sua conta
e desiribuinda-os gratuianiento on mediante em-
bolso de seu curto ;
28. As represer*c,6es aas Bie ftzerem o ehees
de polk-ia e seus dfefegados soaro as medidas cuja
converso em postaras kikuen coaveiitoale na
forma do art. 1 J'5 da lei de 3 de oVzHBCfo de
1841, promovendo soa adopcao com .- akeracOes
<|ue Ihes parecerem, ou dando ae razies porque
as nao aceitara, era respostas s mesmas represen-
lacoes ;
29. Creacao ou suppwsso de qnaes<|uer esta-
belecmems municipaes ;. .
30. Emprezas de sen-icos de natweza moniei-
prl;
31. O orcamento de construeco das obras mo-
nidpaes,
Art. 37. As Cmaras poderlo :
| l. Contratar engenheiros para suas obras e
mdicos de partido, a quem enearrtguem da vac-
emaeSo publica, de tirar os indigentes, e de ludo
o que interessar sadde publica no lugar.
2 estabelecer escolas de instrueco primaria
o secundaria, sujeitas sua autoridade e inspec-
eo.uma vez", que nao vo de encontr s condicoes
exigidas nos regulamentos das provincias e casas
d-eatidade para recolhimento de expostos, edu-
caco de orphaos pobres e tratamento de indtgcn-
dos boas communs e logradouros mu *itrH>ufcao das aguas Municipaes afRacao
dos proprios munieipaes a wrvieo para- qa* fo-
rera destnalos ; as liceocas cuncedicas para tas-
ugn de ammaes, corta de maderos, lenta ou
aprweitainuHlo particular de iiuaesquer oaSTos
o'jjettos existentes ora trrenos de oso eoaaanin
ou perteacente a enmara ; dislribuicao dffaoc-
corros prestaVa cmara ; boa ordem e com-
modidade das feiras e mercados ;
7.* Inspeccionar todos os estnbeleeimentos tuaa-
tidos custa do cofre municipal, e bem assim as
escolas publiras, rasas de caridade e fabricas pro-
tegidas pelo estado, e uaesqner estabeleciraeutoj>
cuja superintendencia Hies foi confiada ou nao
esliver a cargo de otras autoridades
8.* Concedep as liceocas que furem requeridas,
na eonfoniKdade da posturas o deRberacdes mu-
nicipaes, par* edlflcacao mi concert.- no alinha-
mento das roas, pracas, caes ou estradas ; aara
abertura de casas de negocio e exercicio de certas
industrias ; para espectculos e divertimentos p-
blicos e outros objectos da competencia mumei-
pal, podendo-a cassar aos casos previstos as pos-
turas ;
Da negaco ou: catsacao da licenga haver re-
curso para a cmara j
9.' rganisar por si, rom o auxilio dos liscaes,
de peritos ou de pessoas competentes, o orcamen-
to e plano das obras municipaes na paroehia.
tes e pessoas alistadas de molestias contigiosas e quaudo sejam je taes traballios encarregadus pe-
a cmara, oa de exaraes e verificaeoes pa-a qual
mcuravpis.
Art. 38. Compete ao presidente da cmara.:
!. Dirigiros trabamos das sessoes da cmara,
prorngar as reunies ordinarias e convocar as ex-
traordinarias nos casos do art. 48 j 2*
quer fim necessarins,
10. Velar na conservaco das servidoes e cami-
nhos inunicipnes, fazendo-os repr incontinente no
estado anterior ao de qualquer usurpaco, tapa-
2." BccoDbecer os ttulos dos empregados pii-| (11L.nt0 ou mudanca qne ndfes tenliam feto os pro-
co n
de vstoria e
inlimaco dos inesmos proprietaros, que ser por
editai o raso de ausencia, nao fizerem estes no
urazoque Ihes for marcado ; ____,
-7. Appcaao de suas rendas aos varios ramos
de serveo inuucipal coiiteuiplados no respecvo
orcamento;
8 Arrecadac,o e fUcalisaeo de suas rendas e
furnecmento dos objectos de que precisarjiara os
leis, e alm disto acompanhadas de-tmia exposicao S(;I.V(.0S ;l seu carg0
os moiivosem que se fundarem. \ 9.'Consumego e conservaco das estradaamu-
Repartico da polica
2.* seccao. Secretaria da polica de Pernam-
buco, 2 de agosto de 1869. .
N 1131 llim. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parli-
cipac-oes recebidas n'esta repartigo foram hon-
tetn recolhidos a casa de detencao os segrales ra-
No dia 31 do mez prximo lindo, a minha or-
dem, Maria, escrava de Joao Ferreira Vilella, a
T^S^^ubdelogado do Recife, Maria Fe-
liciana das Dores e Jadntha Mana da Conoeicao,
por disturbj. ...
A oriaSfr de Sanio Antonio, Luciana e M.i-
. escravos este de Galdino dos Ssntose
le D. A*andrina da Silva Monteiro
,-ftqaerlmdsto de seus senhores.
lia ir do corrente, a mmha ordem, Antonio
Souza, rindo de S. Bento, como crimi-
na provincia das Alagas.
,, do soMelegado de S^to Aniaiiio,
andrina da Silva Mon-
Ha, Joo de Deus, por
crime' B*
Ponftllr I sarticipou-me o tenente-eo-
ronel comaS n!e do corDjjprovisorio de poli-
ca que, dasltortes recebidass offlciaes de roa-
da, consta qbe hontem, das ti para 12 horas da
noite, algnas larapios tentaran penetrar n'uma
atea da ra do Pilar da fcegueaa de S. Fre Pe-
dro Goncalves, e que o nao conseguirara por ba-
Vrem 'Sido presentidos, quando principiaran! a
destelha-la, pela familia que nella habittta, a
qual, gritando por saccotro, forcou-os a se eva-
dlrem pelos auinlaes adecentes a mesma casa.
Era offlcio datado de 19 do mez Ando commu-
nieo o Dr. iniz municipal e delegado de Cimbres
que m a 8 stmdl metjjf ^te flM^
ara o lugar detotfeado habel Dia*, *>Hosmo
^WTeameotoTr^ISSo, Miguel Ferreira a-Wsa m messeM
1. As medidas concernentes salubndade,
aceio e aformos* amento das povoacoes ;
2. As condi^oes de architectura exterior das
casas de habitaco e de quaesquer outros edificios
particulares ;
3. O alinhamento, nvelamento e calcamento
das pracas, ras, caes e estradas ;
4. A commoddade, franqueza e seguranea da
viaco publica
5." O abastecimento e distribuic.ao de agua po-
tavel as eidade, villas e sedes das parochias ; o
aceio e salubridade do aqueductos,.fonles, pocos,
chafarizes, tanques e depsitos de agua ;
6." A illuminaco publica das eidade e vdlas,
onde este servico nao fr feito custa do cofre
provincial ;
7. A boa ordem o commoddade das feiras,
neniadas e espectculos pblicos que as cmaras
mantero por meio de regulamentos adequa-
dos, desenvolvendo aa regras estabelecidas as
posturas ; ,
8." Providenciar para que nao sejam desauna-
dos os consumidores, vendendo-se-lhes as casas
de negocio as mercaduras por medidas o pesos
falsos, e para que nao sejam expostos yenda
gneros de alimenlacao corrompidos ou nocivos a
sade ;
Nos casos multas e pena de priso que porventura impo-
nbam as posturas, poder a cmara ordenar o fe-
chmenlo da casa de negocio e proferir a inhabi-
litacao do infractor para abrir outra no muni-
cipio ;
9. Promover por meies indirectos o suppn-
mento do mercado dos artigos de alimentacao pu-
bttea, de modo que seja esta sla e abundante,
mantenha-se a concurrencia e se evite o mono-
polio ;
10. Prever sobre os lutrares em que pouse o
gado destinado ao corte, e sobre o eslabelecmente
de matadouros por conta propria ou de partcula
res, com licenca da cmara, sb sua immediata
inspeccao e fiscalisaco ;
t So nos matadouros estabelecidos pelas cma-
ras ou por ellas autorisados e uscalisados por
agentes seus se poderlo as povoae,oes malar e
esquartpjar as rezes, sendo a carne entregue a
seus donos, que nao a podero expr a vender
senao em lugares proprios, sujeitos inspeccao
da cmara e das autoridades a quem competir
velar sobre a eade publica :
Devam as cmaras, por Bieio de providencias
adequadas, embra5ar o atravessamento dos gados
uCqudud,oini>i-v*' "BMnraw^b- oublcas por ua oonta, quanao nao ap
ios arufloios dos especuladores tendentes a evitar P"'1^^ Q% 'hm contractar
> 4"pnn*A nicipaes, determinando sea plano, direccao, exlen-
su, largura, leiloe modo de separa-las dos ter-
renos lateraes; _
10 Designado do lugar 011 lugares onde serao
lancados aeiuw e as iuiuiudicios, e modo de sua
remoeo das mas, pracas o eaes e dus eetaaekvi-
Tl^s^nfo/p^bK;, lugares de recreio
para a populaco ;
12. Denom.naco das pracas, ras e estradas ,
13. Indicacao dos lugares em tuados, sem risco da sade e segu[auea dos nm-
uicines, os estabelecimcntos e offleinas insalubre
ou perigosos, como cortumes, fabricas e deposito
de eslrume, sebo, graxa e fogos_ artificiaes :
14. O peso e qualidade do pao, marcando-o de
cada um, mas sem taxar-lhc prega
i:i. Nomeaco dos empregados municipaes, so-
bre proposta do seus presidentes e dos regedoies.
confor.i.e serviram perante-esies ou aquellos, guar-
dadas as disposicoes das leis provinciaes respec-
tivas ; demisso dos inesmos empregados e pro-
moo de sua rc.-ponsabilidade. _
16. Reclamaco ao presidente da provincia de
terrenos de marinha quJ precisaron! para.logra-
douros pblicos, como determina o art. .t $ n aa
loi do lo de novembro de 1831 ;
17. Pedido de concessao de trras reservadas
de que trata o art. 2* n. 2 da le n. 601 do 18 de
setembro de 1830, nao s para os fins na mesma
lei apontados, mas tambera fura das povoacoes
liara oemiterios, pasto de gado destinado ao corte
e outros misteres de utilidade do municipio ou das
parochias ; ...
18. Aceitadlo de doacoes, legados o herancas
com ou sem condicoes; .
19. Determinaco do premios destinados a fa-
vorecer a extineco de animaes ditraninhos e a
animar a industria e lavoura d municipio ;
20. Uso e gozo pelos municipes dos bens com-
muns o logradouros pblicos ;
21. Locacao. e arrendamento dos proprios mu-
nicipaes e suas condices;
Taes locacoes e arrendamentos nunca serao por
praxo niaior de 3 annos.
22 Organisacao de exposicao de productos agr-
colas eindnstriaes de municipio, premindoos
productores que mais sobresalnrem ;
23 As acroes qne tenha de propor ou susten-
tar a bem de seus direitos, ouvindo ames por es-
cripto pessoa protlsnonal em direitn ;
24. 0 estabelecimento de banhos e lavanderas
quando nao appareoerem
Wfeos qae nao tiverem sirperior no lugar, faze-los
registrar, deferir juramento e dar posse aos mes-
mo* empregados mandando publica-lo por edi-
taos ; ...
3." Juramentar e mpdssar os vereadores, jw-
zes de paz e mais autoridades municipaes e paro-
diiaes;
*. Convocar, juramentar e empossar os sup-
plentes de vereadores quando alguin, ou alguns
dos do numero, estiver de licenca ou faltar, por
qualquer motivo justificado ou nao, as sessoes da
cmara; ...
5. Tomar juramento aos estrangeiros naturaiu-
sados; -
6. Propor a cmara a nomeaco, demicao o
responsabilidade dos empregados municipaes que
que servrem em todo municipio, o Desde que o
presidente tver proposto a demisso de qualquer
empregado, nao sendo approvada pela cmara,
tornam-se responsaveis pelos damnos e projuizos
que das culpas, errse omissoes de taes emprega-
dos resultarem cmara os vereadores que tive-
rem votado pela conservaco ;
7." Corresponderse com quaesquer autorida-
des ou particulares sobre assumptos de sua com-
petencia e por parte da cmara ;
8. Publicar na sede do municipio, por editaet
e pela imprensa, onde a houver, e remetter aos
regedores de paroehia para o mesmo lira, as pos-
turas e resoluces da cmara ;
9." Ordenar o pagamento das despezas determi-
nadas pela cmara e das contas enviadas pelos
recodares, soesverem de aceoidocom o orcamen-
to e deliberaeoes da cmara, e ouvindo a com-
missao de fazenda municipal, quando julgar con-
veniente ;
10. Exercer a necessaria inspeccao sobre as re-
parttooes e empregados municipaes, dando-Ihes as
astrnecoes que julgar precisas para o bom an-
damento e regulardade do servico ;
11 Conceder licenca aos inesmos empregaaos
at tres mezes, e suspende-los administrativamen-
te at quinze das por falta de exaccao no cum-
priinento de seus deveres ;
12. Formular o prujeeto de orcamento da rocei-
ta e despeza do municipio depois de ouvir os rc-
sedores, cada um dos quaes indicar as neoessi-
dadM mais urgentes do servil municipal em sua
paroehia ...
Onvida a commisso de fazenda, a cmara deli-
berar sobre a organisacSo do orcamento, remet-
iendo o presidente da cmara ao da provincia,
para ser presente asseinbla provincial, nao so
a proposta, qual tiver licado afmal organista.
Como u parecer da commssao de fazenda muni-
Utia3.' Apresentar na primeira reuno ordinaria
do cada anuo o balanco e as contas da reeeita
despeza do anno lindo, tjue mandara orgamsar son
suas vistas pelo procurador, remetiendo as cora os
documentos justificativos, e depois de approvadas
pela cmara, ao presidente da provincia para se-
ren levadas ao conhecimento da assemblea pro-
li Representar a cmara em juizonas causas
cveis em que fr autora, r, assistente ou oppoen-
te e na celebracao dos contratos por ella delibe-
rados, fazendo observar as Milenmidades para os
11 esmos eslabelecidas.
15 Activar o procurador da cmara na cobran
ca das multas e dos rendimeatos provenientes dos
beos da cmara ; .
1. Promover o tombaraento dos bens mimo-
veis da cmara e dos do l.gradouro commum dos
municipes, depois de autonsadopela cmara e ha-
bilitado com os meios ncessaros ;
17. Reunir e fazer aparar pelo secretario os
dados estatislicos e recenseamento da populaco
que Ihe forera enviados-pelos regedores de paro-
ehia, dando sobre elle* seu parecer o ouvindo a
cmara antes de os remetter, com os papis que
receber, autoridade encarregada desse servigo
na capital da provincia ; .
18 Dar ao presidente da provincia todas as in-
foruiacoes que exigir sobre negocios que interes-
sem a administracao publica geral e provincial ou
municipal, e exig-las dos regedores de paroehia.
a quem transinittir as ordens superiores ;
19. Praticar todos os actos de administracao no
inleresse geral que lhc forera incumbidos por le
ou regulamento do governo.
O presidente poder delegar, com assentimen-
to da cmara, em algumdos vereadores as atlri-
bucSes constantes dos ns. 2, 3, o, 13, 14, 16 e 1/.
Art. 39. Os vereadores especiaes ou regedores
sao os representantes da cmara as suas respec-
tivas parochias e nellas desempenham
altribuicoes de polica e administracao
'I WeTuuf o faaer e*ecutar as posturas e de-
''^Ffzer'aS'pVlos padrees legaes, que as
cmaras deverao" ter, os pesos e medidas era aso
as casas de negocio e em quaesquer estabeleti-
"TDin^u^catoar por si, pelos llcaes e agen-
tes particulares de sna conlianCa, mas nestecaso
sob sua responsabilidade, a coustruceao de estra-
das e quaesquer outras obras mumcipae na pa-
roehia realizadas por adnunislracao ;
todas as
municipal
a concurredeia nos mercados;
11. Garantir as povoacoes, por meio de mara-
Ibas e outras obras de arte, dos desmorona-
mentes e das inuadacoos que tragam as endientes
dos ros ;
12. O systema de esgoto das aguas servidas e
da chuva as povoacoes;
13 A conservaco das matas e arvoredos, so-
brotudo as immedlacdes das nascentedaagaa
de uso das povoacoes ;
14. Regnlarisar a caca e a pesca as matas e
aguas interiores de dominio pubTco, ficando au-
lorisada a prise Stt fwpant "dos- qe'fbrem-en
coutrados em acto de trtnsgressao da rohibic,ao
25. Fixaco de pedagto ou taxas de transito as
pontes, barcas, estrada* e viaductos, qnando as
taras forera realisadas casta de emprfcstmwsy
deridasnentraiuorisados, e alegue sejam estes p-
. *
t-
4 Inspeccionar com a mator frequencia as que
forera fetas por contrato, representando a cmara
quando os contratantes! affastorem dos planos e
clausulas dos cntralos, o impondo-lnes as multas
as ditas laxas com approvacao nos roesmos coatratos coJWet*Bn.nadas ou estai-
do nresidente da provincia, at a primeira reumao Mecidas na legisl?cao respectiva;
da S Drovincial; 5. Velar na oeiWfVa^to dos bens mun.eipae
aaaswniMia provmcia.,____ na ma eipHktte,.
m. Wjclaiaaflles' sobro anillas impostas pelo
presidente da amara e regedores de paroenia,
V Favores tondento* afamlaar a iotrodueeao
e aceitaco, no municipio, de raacbas "lie*-,
corfflras e appicjrvds s inffllstrlas do Tugar,
dapBSUSSMs par mdHoramento da caltura fre-
s
e proprios da cmara sitos na paroehia e praticar
todos os aeos cnacementee i son administracao
na forma dos regulamentos municipaes e delibe-
raeoes da cmara ;
6." Faner oasamros gulameate* e dehara-
'.edes l\ eamara no que diz respeitorao usa egozo
prietarios dos predios ou terrenos adjacentcs por
meio (\e collocaco de novos muros, cercas, divi-
sas ou obras de qualquer natureza qae prejudi-
q.iera ou difflcultem seu uso e gozo aos munici-
pes ;
Nesles casos, independente ito processo, nanda-
ro remover os obstculos, Picando aos interessa-
dos o direito de usar dos meios qne a lei ihes fa-
cultar ;
11. Providenciar, como estiver a seu alcance,
nos casos imprevistos de -epidemia, seeea, innnda-
CAO, incendio, desmoronamento e outros ana-
wo9 ; .
12. Dar aos liscaes e guardas municipaes as
ordens convenientes pura execucao das posturas e
de lodo o-servigo municipal na paroehia ;
13. Impedir que os moradores de predios puos
no allnharoento das pracas, ras, estradas e caes
tenhain na frente dos mesmos predios objectos
pendentes que incummodem ou punUam em risco
a seguranea dos que nellas transitara ;
l. Mandar eollocar signaes e divisas, que ad-
virtain os transentes, nos precipicios e lugares
perigosos sitos dentro ou as vizinhangas das po-
voaces; .
15. Obrigar os particulares, por meio das mul-
tas eslabelecidas as posturas, a esgotar ou ater-
rar os pantanos dos terrenos que possuirera as
povoacoes ;
16. Fazer remover do centro dos povoados para
os lugares designados pela eamara as offleinas e
estabelecimcntos insalubres ou perigosos ;
17. Impeilr que vaguem as ras pracas, es-
tradas e caes, loucos e embriagados, impondo
multas aos cheles das familias a que aquelles per-
tencerem, e lazeudo por estes em custodia ;
18. Obstar a divagago de animaes sollos, pelos
povoados, e providenciar sobre o destino que bao
de ter os que forera encontrados sera douo ;
19. Nomear o fi>cal ou liscaes e os guardas mu-
nicipaes que deverem sei vir na paroehia, aujei-
tandu taes nuotoagoes approvagSo da cmara.
Quanto demisso applicavel o disposto no art.
38 n. 6;
20. Auxiliar o presidente da eamara no tomba-
raento dos bens muuici|>aes sito na paroehia e na
defesa dos direitos da cmara sujeitos a discussao
judiciaria;
21. Conceder licenga aos Qscaes e guardas mu-
nicipaes, provendo sobre a substituigao ;
22. Impr adin:iiisti'ativu:neiite as multas em
que incorrerem, os infractores das posturas (ait.
18 % 2.), expedindo na mesma data aviso ao pro-
curador da cmara para effceiuar a cobranga;
23. Distribuir os soccorros pblicos dados pelo-
estado ou pela provincia em casos de calamidade
publica e os para esse lira entregues por particu-
lares. Jfo prmeiro caso dar eonUis ao presiden-
te da provincia por intermedio do da cmara mu-
nicipal o no segundo mesma cmara em sessao ;
2i. Reclamar do presidente da eamara o paga-
menio do servico municipal na paroehia, decla-
rando no officio qual a verba do orgameato por
que corre o mesmo servico c qual a deliberacao
da eamara que o autorison ;
2."i. Velar na conservaco dos monumentos ar-
stieos, histricos e arcbeologicus, e impedir pe-
los meios autorisados as posturas que sejam dam-
nificadas as fonles de aguas mineraes e destruidas
outras riquezas e bellezasiflatnrais, situadas a
lugar pertencente ao dominio publico.
Art. 40. Ao secretario da cmara incumbe :
1. Redigir e escrever as actas das sessoes, e
todo o expediente da cmara o. de seu presidento ;
2." Guardar e arrumar em boa ordem os livros,
autos, documentos e mais papis pertencentes ao
archivo ; .. ...i ,_
3." Passar, sem dependencia de despacho, cer-
tidSes de-tudo o que constar do archivo da cma-
ra, recebendo per ellas e pelas buscas os emolu-
mentos a que pelo repimnto dt amsjnM*M
(decreto n. 1,669 de 3 de marco de 1855) tem -
reito os escrives;
4. Lavrar os termos de ftanga do procurador e
os de juramento das autoridades que o prestarem
perante a cmara ou as raaos de seu presidente ;
5. Passar alvar das licengas concedidas ;
6." Dar, precedendo despacho do presidente da
cmara, attestados de exereido aos empregados
municipaes e aos geraes que servem no mnni-
1? Receber as dectaracSes dos estrangeiros que
pretenderera naturalisar-se e registrar as respec-
tivas cartas; .
8." Conferir e concertar as actas dos rotwnos
deitoraes, na forma do art. 79 da Iw n. 387 de
19 do agosto de 1846.
Ao aiadanle do secretario, as cmaras que r
tiverem, incumbe auxiliar o secretario em todo o
servias a seu eargo, fdto, porm, sob as vistas e
responsabilidade deste.
Art. 41 Ao procurador incumbe :
1. Arrecadar os rendimentos da cmara, os
impostos municipaes que nao forem de arreraata-
gao, e aa multas que entrarem na reeeita munici-
pal, promovendo para esse ftm, quando fr preci-
so, o emprego dos meios judiciaes ;
2." Representar a cmara em juizo nos proces-
sos a que se retere o n, 1.", e requerer a rastau-
ragao dos procsaos por nfracgao de posturas, os
quaes todos intentara sem dependencia de ordem
da eamara, sendo responsavel pelos prejuizos quo
provierem de omisso no desempenho deste dever ,
3* Pagar, vista dos attestados de exercicio
ipassados pelo secretario, os vendmenios dos em-
pregados munieiptes, e, por ordem do presdeme,
las despezas, autorisadas no orcamento oujemieis
iespeciaes, determinadas pela eamara. Qw
despezas que pague fra das eondicoes cima,<*-
ubelecidas nao lha sero crediladas as costas
n.aA^aremisesslo.riraensald.ea^
^




.
3c arecaA 3Qvi *am limo*** d<
Pernunbuo*
Quarta Wra 4 d Agosto de l*. jfl [ / JfUJJJ .tfJX
okkj
I um batanete da reedita librada e das des
peas nagas na trimestre anterior;
5> Desempenhar os servicos econmicos
Ibe foHm-eBearrepados pela cmara.
i 1.' O procurador presura llanca correspon-
dente so termo medio da receita da cmara ta
ultima Waaajc. Entrando em erricio, sem ter
prestad ttaa? e por onl*m do presdante ou da
amara, enleaie-se que sai fiadores o presidente
sjlidariameate os ven adores que o determi-
naram ; ,
% % O procurador ixide eoastiUiir busto da
cmara, quando esta determinar, os Mandarrias
judiciaes ou ud negotia que jujgar pneoiw, e lo-
mear as parochias, stia casta, agestes .de ua
confianca que o auxiliem no descmpeako de-seus
deveres, sob, partn, sua responsibtidade ueste
ultimo caso como se os actos fossem por lio pra-
tieados; ^~
3.' A cmara propora em seu ore meato
assembia pwvincial o ordenado ou a poreenta-
Sera das cobranzas que deve receber o proeara-
or como retrrbuiqo de seu trahalho.
rt. 4*0 pjrteiro encarregado de receber e
entregar a correspondencia, da guarda, aeseio e
serviro interno da casa das sess5es.
jj (Continuar te-ha.)
que SBsBo............. 8r8MiOO0
Contaatorrentes comimos. *:54i380
Comas eenrentes simples..... 3:j62608i
fundo deroserva, : ...... 11*743*768
Ttulos m caurao. ....... UfcWOfiMO
JAassas Jallidas cargo do Banco.. 1 filo3907
Dividones........... 800*400
[.Lucras, renlas.......... 230*620
.*,. w
Passiv
D.Mara, esposa do Um. Sr. Autone Bernardo Vas
de Carvalho.
D. Guilhermina, espesado lllm. &. Francisco Pe-
reira da Cunta.
D. Mara, esposa de atlra. Sr. Aattauo
Botelfio.
onza
de
IiKWONSTaACT* DA KMIS8AI)
17 noto do valor de 2f*000
SI ditas
!0 dit*
de
de
imiooo
5tf*00t>
Roif. .
o: 100*000
.2:408*000
1:000*000
8:800*000
PEMAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
AUTORIDADES POLICIAES.Por deflberaeao
da presidencia da provincia, de 31 do passado, fo-
ram nomeados i; f e 3" upplentes do subdelega-
do do t* districto de Santo Amaro de JaboatSo,
AatMkio Carneire Rodrgaos Campello, Felippe Car-
err Rodrigues Campello e Sebastio Manoel do
Rogo Barros.
LONGEVIDADE.Palleceu hontem, com 100
annos de idade, Mara Gomes do Livramento,bran-
c i, natural c moradora na freguezia de Santo An-
tonio.
ANIVERSARIO FNEBRE. Realisaram-se
hontem, na capella do cemiterio publico, as missas
mandadas celebrar pela Exma. Sra. baroneza d
fera-Cruz, e pelo Sr. eommendador Manoel Luiz
VirSes, por ser o da do prmeiro anniversario do
EassamoatO do Ik nenien to pernambucano Exm.
ario de Vera-Cruz, assistndo creseido numero
de amigos.
SANTO AMARO DAS SALINAS. Moradores
desta localidad* se nos qneixam das casas de ven-
der bebidas, vulgarmente chamadas garapoes, que
JP* .-i. e O".- -AMm.
O guarda livros
Francisco Joaquim Pe>tiraPj]ji
LONBON & BRASlaaNK, (MMFfiD)
Capital deJlanco 15,000 accoes
de & 1&................, 13,333:333*330
Accoes etaittidas 13,000...... Il,535:55'*oo0
Capital pago a 45 por accoes, 5,200:8005000
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PBHAMBUCO ES 3 DE
JILHO DB 1869,
AeUvo.
Letras descolladas.......... 1,342:78**110
Crditos di versos, ootros bancos
e caixas ffiaes........... i,20:43$fi80
Cata:
Em moeda corrate......... 234:052*340
ahi existem. edas quaes sahem ebrios completa e
diariamente seu esclavos e fmulos. Sendo esse
negocio prohibido, porque razao nao acaba com
lie or. subdelegado respectivo ?
FERfMENTO.-No dia 7 do passado, Joao Fer-
reira de Araujo tai ferido levemente com um tiro
dado de emboscada, no lugar Malliada de Arfo, do
termo de Cimbres, por Silvestre, escravo fgido de
um engenho ao sul desta provincia. O criminoso
logrou evadr-se.
ASSOCIAgAO COMMERCIAL BENEFICENTE.
Rcunfram-so na segunda-feira 70 socios desta
corporafao, em assentbla geral; e, depos de ou-
rirem a le tura do relatorio dos trabalhos do anno
fmdo, procederam oleico da nova direccao, que
licou composta dos Srs. H. H. Swift, Philippe Nee-
dham, Candido Affonso Moreira, A. J. do Medeiros
Reg, Luiz Jos da Silva Guimaraes, Eduardo A.
Burle, Manoel da Silva Santos, Jos da Silva Loyfr
e Pedro Goncalves Ferreira Cascao.
BAZAR UNIVERSALPara o armazem dessa
deaominacao, a ra Nova n. 22, dos Srs. Carneiro
Vianna & C, acabam de chegar diversas machi-
nas par usos ordinarios da vida, sobresahindo en-
tre ellas as de lavar roupa, por um novo systama.
aifc) aperfeicoado e simples. Alm disso, ba ah
grande variedade de objectos de phantasia, pro-
proprios para presente. Recommendamo-Io ao
publico.
CLUB RADICAL.lloje ba sessao s 6 horas da
tarde no salao do Club Pernambucano.
MIXERACO DE OURO NO BRASIL.Encon-
tramos no Diario Oficial do Ro de Janeiro, os sc-
gnntes dados estatisticos sobre o producto obtidos
pelas companhi.is mglezas de minerac3o, nos me-
zes mfra mencionados do corrente anno :
SI. John d'EI-Ren.Morro-Velho,jan.;iro : se-
gundo o relatorio datado de 17 defevereiro. o pro-
ducto do ouro extrahido elevou-se a 10,417 oita-
vas de 5,126 toneladas de minerio, 2,031 oitavas
por tonelada : despeza 4,520 : prejuio 492.
Gaia. Producto 1,311 oftavas, 1,324 oitavas
por tonelada de minerio : despeza 433 : lucro
128.
Morro-Velho. Fevereiro : producto 9,773 oi-
tavas de 3,271 toneladas de minerio, 1,854 oitavas
por tonelada : despeza 4,5*6 : pre|uizo 747.
Gaia. Producto 813 oitavas de 865 toneladas
de minerio, 949 oitavas por toneladas : despeza
416 : prejnizo 119.
Morro-Velho. Producto em 11 das domez
de marco 3,106 oitavas 1,712 por tonelada.
Gaia. Producto no mesmo periodo 336 oita-
vas 1,021 oitavas por tonelada.
Morro-Velho. Abril. Producto 9,930 oitavas
de 4,745 toneladas de minerio, 2,094 oitavas por
tonelada : despeza 4.358 : prejuizo 313.
Gaia. Producto 1,212 oitavas de 946 toneladas
de minerio, 1.281 oitavas por tonelada : despeza
L 445 : lucro 73".
Morro-Velho. Producto em 11 dias do mez
de maio 3,394 oitavas por tonelada.
Gaia no mesmo periodo : producto 421 oi-
tavas.
Angio Brasiiian.Janeiro. Producto 1,705
oitavas : despeza L 1.451 : prejuizo 684.
. Fevereiro. Producto 1,816 oitavas: despeza
L 1,409 : prejuizo 592, J s., 10 d.
< O producto do mez de abril, segundo o rela-
torio do superintendente foi de 2,441 oitavas des-
peza L 1,598 : prejuizo 498.
Don Pedro Nortk dEl-Reif.Janeiro. Pro-
ducto 19,966 oitavas : lucro L 6,286, 6 s., 3 d.
Fevereiro. Producto 22,726 oitavas : despe-
za L 2,735 : lucro 6,922. 3 s., 4 d.
Marco. Producto pe ado at a data do rela-
torio (que nao vem declarado) 15,381 oitavas.
. ZAbril- Pr,,(,"<'"> 20,218 oitavas : despeza
L 3,994 : lucro 3,298.
Rosta-Grande.Janeiro. Producto 946 oi-
tavas.
Fevteiro. Producto 624 lavas.
Abrlt: Producto 1,505 oitavas. >
LOTERA.A que se acha a yenda a 113.*, a
beneficio da Santa Casa de Misericordia que cor-
re hoje.
PASSAGEIROS.O vapor Parahyba, vindo de
Tamandar, Rio Formoso e Porto de Galinhas,
trouxe os seguintes :
Francisco Goncalves Bastos e S, sua senhora, 5
hlhos e_ 2 escravas, Sebastio Mendos Bandeira
Guimaraes, Francisco Teixeira Lins, Antonio da
Silva Braga Jnior.
Seguem para o Rio Formoso no mesmo
Tapor :
Francisco Antonio de Albuquerque Santos, sua
senhora, 1 criada e 1 escrava, Thomaz Lias Bar- j
ros Wanderley e 1 criado, Jos Evaristo da Costa,
Dr. Sebastio Antonio Accioli Lins e 1 eriado,
Antonio Jos Corroa e 1 Ulna, Dr. Ernesto Feli-
ciano da Silva Tavares e 1 ordenanca, Ladislao
>ery da Silva, Manoel Alves Moroira, Joaquim
Luiz de Abreu, 2 escravos a entregar.
Seguem para a Parahyba no meemo vapor :
Jeronymo Joaquim Fiuza, Manoel Jos Pereira
Caldas, A. Alexandrino Lima, Braz J. Velho Lima,
Francisco Ferreira Lima, Jos Antonio Pereira da
Cunha.
CEMITERIO PUBLICO. -Obituario do dia 2 de
agosto de 1889.
Ignez Herculana das Naves, Pernambuco, 70
annos, solteira, Santo Antonio : desinteria chrc-
nica.
Mara Isabel da Crut, Pernambuco, 43 annos
solteira, Boa-vista ; tubrculos pulmonares.
Alfredo, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio :
convulsoes.
Antonia Francisca da Coneeis5o, Pernambuco,
25 annos, solteira, Boa-vista ; tubrculos pulmo^
nares.
Maria, Pernambuco, 1 dia, Santo Antonio es-
jiasmo.
Rs.
2,799:304*130
Pasrivo.
Capital forneciilo pela caixa
matriz...................
Depsitos:
Em rata cor-
rente...... 685:122*530
Aprasoflxo.. 701:615*780
888:888*890
Crditos sobre diversos outros
bancos e caixas filiacs.....
1,386:738*310
523:676*930
0'' Sr" Mw*el MarBeS
D. Maria Sccundina da -Silva Bastos,
. Nyajpha, eauosa de sKliu. Sr. Jos Ribeiro de
Vasconcellos.
l*a do ikn, Sr. Domingos dos'Passos
Miranda .
D- f*HBycW# Sr^Aatoaio f*n\r&
D. EmUa, esp ,sa do.Ha. Sr. major ,4lUa3pmG.
Rosa. ^r
Vicenal Ferreira daiCoata.
Jehe mrtins de Barros.
Joao Jaciatho de Medeiros Rezende.
Joaquim Moreira da Silva.
Jos.Luir. Ferreira da Costa.
Theotonlo Flix de Mello.
Luiz da Fonceca Macedo.
Manoel Pedro de Norouha.
Adriano Augusto d'Almeida
Francisco Baptsta d'Almeida.
Florencio T. do Reg Cosa.
Casimiro Jos d Silva.
Juicas por devocao.
As Mimas, e Exmas. Sra.:
D. Mara, esposa do lllm. Sr. Samuel Hallidory.
n. Mana Joaquina da Materaidade Costa.
D. Emilia Carolua da Cunha Costa.
D. Alexandriua Luiza Maria da ConceiQao.
D. Joaquina, esposa do lllm. Sr. Manoel Francisco
Pocas.' #
>. Mara Celestina Paes Brrelo.
D. Isabel Maria de Moraes Bastos.
1). Candida Miguelina Barroso.
D. Innocpnci G. da Conceicao Campos.
. Carolina Je Mello Moreira.
D. Mana, esposa do lllm. Sr. Antonio da Gruz Ri-
beiro.
battr da sua familia e amigo* um ite
um amigo to charo!.....
As mas virtudes e o sen carcter eleva-
do, o faziam deslinguir na Mctedade, onde-
era de todos respeitado; setornava an-
da miis estimavel pela amenidade de seu
trato, pela discripeo de suas maneiras.
Era.tiatado de tuua brilbMte intelligea-
urna porfo elevada a sua lustre familia
na soefeJade. Foi un\ parola que se abys-
mou nonada!.......................
Agor perguniain sua familia e amigos,
com os iracoes lacerados pela dr! onde
est o Mho obediente, o irmo estremecdo
e o amigo dedicado'? J nie existe; disse
adeus ao mundo para serapre !!.........
Foram realisados os seus preseutiraen-
tos faiaesl izia elle raoitawaque bre-
ve mrreria, que talvez nem concluisse o
seu 5o auno! 1.......................
Coincidencia fatal Quera o visse, como
nos, do leit-i de crois padecimeutos, com
Saqaes gobre Londree Vll\f^Fici
SOCIEDADE BANCARIAEM COMMAUDITA.
Theodoro Simn f C.
Scelo sobre os-Srs. Samuel Montagtt 4
C banqueiros-em Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
de vista rpuoim cima da- im at
a 1,000 i 30 aje 90 dias de vista cuan-
tas cima de t 1,000 al & t.OOfc
Largo do Peloutinho n. 1.
D. Guilhermina, esposa do lllm. Sr. Joao Martins
da Silva ViJIaca.
Villac
_ Rscrivaes por tleico.
Os Illms. Srs.:
Rs.
2,799:304*130
S. E. e O.
Pernambuco, 3 de agosto de 1869.
T- Wicinson,
Accounaj.ni
Euglsh Bank off Rio de Janeiro
I IrnlKil
Capital do Banco 50.000
accoes de 20 ... 1,000.000
Capital realisado..... 500.000
Fundo de reserva .... 120.505
Balanco da caixa filial em Pernambuco, em
31 de julho de 1869.
Activo.
Letras descontadas. 1,006:609*240
Emprestimos e con tas
caucionadas..... 144:3695330
Letras receber. 7o:6085l70
Garantas e valores de-
positados....... 414:0835980
Mobilia etc. do Banco.. 20:0555010
Diversas contas..... 673:6985040
Caixa.......... 286:6055310
Passive.
Contas correntes sim-
ples 423:0795350
Depsitos praso fixo,
com aviso e por le-
tras 1,508:6594010
2,621:0295080
Letras pagar.....
Titulos em caucao e de-
posito ........
Diversas contas.....
1,931:7385360
5
414:0835980
275:2065740
S. E. 0. 2,621:0295080
Pernambuco, 3 de agosto de 1869.
F. B. Bloxhatn, Manager.
Joseph S. Lambley, Accountant.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Nao quero intervir de modo alguna nessa
polmica desagradavel, que vai correndo
entre o Sr. Dr. Francisco de Araujo Barros
e seusadversarios polticos, mas nao posso
consentir que ahi se faca jogo do nome de
meuirmao, o Dr. Jos Boberto da Cdnha
Sales.
A referencia que faz o autor do commu-
nicado publicado no Diario de Pernambuco
de boje, assignado por W, do que taouve
entre dito meu irmao e o Sr. Dr. Barros,
me parece que nao pode de modo algum
apadrinhar o que o articulista pretende pro-
var contra o referido Dr. Barros.
Do que ent5o disse meu irmao, nao se
pode concluir, que taxasse elle o Sr. Dr,
ltarros de prevaricador, nem to pouco Ibe
dissesse, que o chamasse a responsabili-
dade. Queixou-se de que o Sr. Dr. Barros
naopermittisse que peante elle meuirmao
advogasse.
O procedimento do Sr. Dr. Barros era
sem duvida motivado por excessivo escr-
pulo de sua parte, attento o parentesco que
ainda havia entre ambos e a inteira convi-
vencia e intimidade existente entre elle e
minha familia.
Nada mais do que isto houve, e este mo-
tivo n5o podia levar meu irmao a fazer ao
Sr. Dr. Barros, a grave aecusaco,
articulista Ibe attribue.
Becife 3 de agosto de 1839.
Dr. Francisco de Paula Saks.
Jos Pereira d'Azevedo.
Joaquim Jorge de Souza.
Joaquim Olinto Bastos.
Jos* Joaquim da Costa Maia.
Capitao Sabino Joaquim da Silva Conrado.
Antonio da Silva Ramos.
Agostinho'Forreira da Silva Leal. ,
Joao Pedro ds Mello,
Joaquim Dias da Silva Guimaraes.
Ricardo Jos Gomes da Luz.
Joao Francisco Bastos d'Olveira.
Francisco Manoel da Silva.
Escrivaas por eleicao.
As Illmas. e Exmas. Sras.:
D. Mana, e posa do lllm. Sr. Miguel dos Santos
Costa.
M. Maria Marandolina de Moraes e Silva.
. Joanna Nepomucena Dias de Camino.
D. Isabel, esposa do lllm. Sr. Manoel Jos Carnei-
ro Pnho.
D. Amelia, esposa do lllm. Sr. Dr. Americo Netto
de Mendon?a.
D. Caetana, esposa do lllm. Sr. Antonio da Costa
Reg Lima.
D. Maria, esposa do lllm. Sr. Jos de Mello Trin-
dade.
D. Emilia Prescilia d'Araujo e Mello.
D. Rufina Rozalina Freir.
D. Mariana, esposa do lllm. Sr. Bento da Silva
Rosas.
D. Zefern.i da Silva Pavo.
D. Paulina, esposa do lllm. Sr. Manoel Jovno do
Carmo.
Escrices por decocao.
Os Illms. Srs.:
Commendador Luiz Jos Pereira SimSes.
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Joao Fernandes Lopes.
Manoel Alves Barbosa.
I Antonio Lopes Braga.
Francisco Jos Gomes.
Domingos Francisco Alves Ferreira.
Sebastio Antonio da Silva Baixa.
Antonio Jos dos Reis.
Antonio Valentn da Silva Barroaa.
Miguel dos Santos Costa Jnior.
Antonio Fernandes de Figueiredo Paiva.
Escrivaas per decogar^
As Illmas. e Exmas. Sras.:
D. Caetana, esposa do 14lm. Sr. Jovino Ledio Fer-
reira Fontts.
D. Maria, esposa do lllm. Sr. Jos Joaquim Alves.
D. Silvma Fernandes Abrantes de Souza.
D. Luiza Maria da Conceicao.
D. Constantina, Giba do lllm. Sr. Manoel Lima.
D. Brasilina Perpetua Prudencia.
D. Marianna Ferreira de Souza.
D Maria, esposa do lllm. Sr. Maxmiano Ferreira
de S >uza.
D. Maria da Gloria, esposa do lllm. Sr Antonio da
Cruz Ribeiro.
D. Florinda, esposa do lllm. Sr. Alexandre Jos
Rogerio Fllio. .
D. Maria Secundina da Silva Ralis.
D. Candida, esposa do lllm. Sr. Manoel Muniz de
Amorm.
Mordamos e mordomas.
Todos os moradores da Ra, Pateo eTravessa
da S. Jos.
Recfe, 3 de agosto de 1869.
O vigario, J. J. da Costa Ribeiro.
physonomia risonha, despedir-se de seu
charo irmo, Dr. Barnab Elias da Rosa
Calheiros, de seus amigos e enviou um ul-
j mo^-Adeus a sua quirida niai e irraas,
ficaria, por certo, maravilhado de ver tanta
resignacSo f
Entre o prestito que acorapanhava o seu
enterro, via-se o presidente da provincia,
os lentes da academia, os estudantes, seus
collegas, e outras muitas pessoas gradas
desta cidade.
No cemiterio publico foram pronunciados
sentidos discursos, antes de ser lancado no
seu jazigo aquello corpo. que continha
um'alma to nobre.
Damos nossos profundos pesamos a sua
Exma. familia e derramamos urna lagrima
de saudade sobre o feo tmulo.
Becife 31 de julho de 1869.
que o
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO
ALNCETE DO NOVO BANCO DE PEttNAKBCO EM UQUI-
DACO, EM 31 DE JUtHO, DI 1869.
Activo.
Letras protestadas........193:213*946
Titulos depositados..... 10 5901960
Despezas geraes........'. i9S6iOO
Caixa.Pelos seguales valorea
Em onro amoedado. i:758*100
Em notas do tnesouro
e da Caixa Filial do
. Banco do Brasil
Emprata e cobre.
53:1751000
159JMI
55:093*011
Ms. 9618541017
ELEGI
DOS DEVOTOS QUE TEM DE FESTEJAS A SANTIS-
S1MA VIHGEM SENHORA DA LUZ, ERECTA NA
ICREJA DE S. JOS DE RIBA-MAR DESTA CI-
DADE NO ANNO DE 1868 A 1869.
Juises protectores
Os Illms. e Exms. Srs.:
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella
Barao do Livramento.
Baro da Soledade.
DJuan Busson.
Francisco Jos de Araujo.
Commendador Mathias d'Azevedo Villarouco.
Juizas protectoras.
As III mas. e Exmas. Sras. :
u. Pbilomena Coelho Biedel.
D. Maria dos Santos Mendes.
D. Alexandrina d'Oliveira Chacn de Lorena.
D. Mana do Carmo Maia da Porcuncula.
D. Adelaide Emilia da Silveira Lobo.
Junes por eleicao.
Os Illms. e-JWms. Srs.:
Vigario Joao Jos da Costo Ribeiro.
Frei Antonio de Santa Rita.
Padre Antonio de Mello e Albuquerque.
Frei Joaquim do Espirito-Santo.
Padre Raphael Antonio Coelho.
Os Illms. Srs.:
Capitao Antonio Jos Silva do Brasil.
Dr. Cosme de S Pereira.
Luiz Jos da Costo-Amorim.
Manoel Pereira de Carvalho.
Joaquim Caetano de Carvalho.
Joao de Castro Guimaraes.
Antonio Jos Dantas.
Jmzat p9T eleicao.
As Illmas. e Exmas. Sras.;
D. Maria, esposa do lllm. Sr. Gabriel Antonio Cas-
tro Quiniaes.
D. Maria Silvina Temporal.
bosnia' SH*"* d ,Ura' *"' ,M *)*1aim Bar"
O bacharel Barnab Elias da Rosa Calhei-
ros, repassado da mais intima e profunda
dor pela morle do seu presadsimo irm5o
Jos Elias da Rosa Calheiros e sinceramente
penhorado pelas provas de amisade e inte-
resse, que. durante a longa molestia do
seu caro irm5o, recabeu nao s dos colle-
gas o pjssoas de amisade do seu dito ir-
mao, como dus seus amigos, j procurando
saber do seu estado de molestia, j tomando
parte no seu tratamento, vem cordealmente
agradecer a todos essas pessoas, que toma-
ram por sua sorte; nao podendo deixar de
particularmente manifestar o seu profundo
reconhecimento de gratidao ao seu collega
e amigo Manoel Messias de Gusm5o Lyra,
seu pai e sua digna m3i a Exm. Sra.
D. Maria, que liveram todo o desvello,
e cuidado no seu tratamento, como se fra
um bom irm5o e urna extremosa mi.
Agradeco especialmente aos meas ami-
gos os Srs, Dr. Bernardo Pereira do Carmo
Jnior. Dr. Joaquim Ayres d'Almeida Frei-
tas, Joaquim Bernardo de Mendonca e Fran-
cisco Bezerra de Hollanda Cavalcante, que
mostraram todo o cuidado e interesse em
sua doenca. Faltara ainda a um dever de
gratidao se nao manifestasse o meu sincero
reconhecimento ao meu especial e distincto
amigo Dr. Alexandre de Souza Pereira do
do Carmo, pelos cuidados, que prestou a
meu mano no principio de sua molestia ;
assim como ao Sr. Dr. Manoel Francisco
Teixeira, pelos esforcos que empregou para
salval-o.
Aproveitando-me ainda desta occasiao
agradeco do fundo da minha alma a todos
os meus amigos e mais pessoas, que se dig-
naram assistir ao seu funeral acorapanhando
p os seus restos mortaes at o ultimo
jazigo.
E convido as mesmas pessoas e mais
amigos para assistirem a missa do stimo
da, que se lem de celebrar s 7 horas do
dia 7 do corrente no convento de S. Fran-
cisco pelo seu eterno repouzo.
Recife 2 de agosto de 1869.
O Sr. Araujo Barros.
Agora todo o empenho do Sr. Araujo Barros e
mostrar que, o Dr. Joao Alfredo s basa sua influ-
encia nos elementos que Ihe d a polica do dis-
tricto. toda em mos de prenles ou amigos, e pa-
ra prova-lo surgi com urna longa lista de paren-
tes deste Sr. aproveitados para cargos policiaes
por um chele de polica que Ihe era dedicado I
Est nos parecendo o Sr. Araujo Barros, nesse
seu costume de atirar baldoes aos caracteres mais
dstnctos, com umdessesgarotosatrevidoscreados
as ras e pracas publicas, que se deleitam em
dizer improperios, e laucar podras contra as pes-
soasque passam.
Nao nos caucaremos em demonstrar o que vai
de osinuacao nesla coarctoda, da parte desso par-
ven, que chegou com espanto de todos a ser de-
putado pelo 2 districto da provincia de Pernam-
buco, e manchar urna das cadeiras do parlamen-
to, na parase enrgica o expressiva do Dr. Joao
Alfredo.
Tembem nao nos demoraremos em mostrar a
legitima inlluencia que pode ter o Dr. Joao Alfre-
do no districto porque eleito ; diremos apenas
que a segunda vez que elle recebe esta prova
de apreco dos eleitores do districto, que fizeram
ao Sr. Araujo Burros, e ao Toussaint Lonverture
de Goyannr e desaforo de nao Ihes pedir licenca
para isso.
Com effeito imperdoavel que as influencias
de Goyanna,o Sr. Araujo Barros, seu sagro, e o
sogro de seu sogro, ( um escrivo a respeito de
quem pode dar informacoes o Dr. Lucena) nao
fossem ouvidas nem cheradas na eleicao do Dr.
Joao Alfredo.
E' notavel dizer o Sr. Araujo Barros que, os
prenles daquelle Sr. emprestam-lhe o prestigio
dos cargos policiaes, quando sabe que seu sogro
exerceu durante a dominagao progressistas o car-
go de delegado do termo de Goyanna, salvo ape-
nas o lempo que lovou a exercer (como se disse
pela imprensa) a louvavel industria de dar s.vic-
timas das tropelas policiaes, medante boa paga,
attestados mdicos, que faziam o milagre de l-
vra-las das garra* dos rerutadores; como o sal-
To-oooducto do chefe de quadrilha livra o incauto
viajante das mos homicidas dos seus satollites.
Entretanto que o sogro do Dr. Joao Alfredo, o
distincto commendador Joao Joaquim da Cunha Re-
g Barros, nunca quiz exercer semelhante cargo,
nem fundar sua influencia com o prestgio delles
Parece-nos ver o Sr. Araujo Barros, rindo-se
sardnicamente, assumir a expresso do jaguar
quaudo contrahindo as mandbulas arreganha a
tem vel dentadura, e dizer : se elle nao os quer
exercer porque lem quem faga-o a seu con-
tento Ora bolas, Sr. Araujo Barros (com licenca
de seu collega deputado do progresso). E' claro
que alguem deve exercer estes cargos; equemem
melhores condiedes do que aquellas pessoas, que
por sua fortuna, qualidades e posicao social inspi-
ram a necessaria confianza ?
Ora, neste caso esto as autoridades policiaes
nomeadas pelo muito dignochee de polica,
quem o Sr. Araujo Barros se refere. *
E' urna mimosa fllhinha do pai da mentira dizer
seu bello pai que o Dr. Joao Alfredo abrir od-
elos dirigidos ao chefe de polica pelas autoridades
de Itamli; purque nao est nos hbitos d9ste se-
nnor.que vota aos seus amigos respeito e consi-
deracao, fazer isto com um d'elles que era entao
a segunda autoridade da provincia. O que nos
conste que, o Dr. Joao Alfredo, depois de saber
o que se passava em Itamb, expedir portadores
com instrucgoes pacificas e ordeiras aos seus ami-
gos d'alli a respeito do t negocio Monteiro : isto
honra-o muito.
A proposito de-te negocio ao podemos deixar
passar sem resposta o aleive que o Sr. Araujo Bar-
ros levantou ao digno chee de polica de ento,
(actual presidente do Cear), quaudo disso que.
emquanlo este senhor aguardava informacoes
para proceder contra o subdelegado, pedia sua
condemnacao prso e multa, na forma das ins-
truccSes de 6 de abril de 1841.
Pois nao v o Sr. Araujo Barros que, se aquelle
digno magistrado pedia providencias contra S. S.,
era porque tinha informacoes completas de que
S. S. pretendeu tomar das mos dos agentos da
polica um homem prese para recruta; e que
nessa occaso desceu (um iuiz de dreito I) at o
ponto de dar prora de sua habilidade jogando ca-
poeira com os soldados 711
Talvez acn o Sr. Araujo Barros que, refinado
aleive dizer-se que S. S. jogou capoeira com os
soldado, afim de tomar do poder d'elles um re-
cruta I
Pois nos acharaos que natural ao homem re-
cordarse dos lempos felizes da nfaneia e da ado-
*^nc'a e ** **" assannado talvez se recordasse
6 ?66 boas cabeCadas, armado da, competente na-
vaina, collocada prfidamente na tbella e expressi-
va gafurim.
Isto vai em resposta ultima parte do seu artiro i
de hontem.
Farewell Forget menot.
Recife 3 de agosto de 1869.
O mar.
Caixa Filial do Banco
do Brazil.
A caixa filial do Banco do Brazil em Per-
nambuco em liquidado paga o 31" dividendo
das ac^Ses do [Banco do Brazil inscriptas
nesta caixa, a razao de 90 por accao.
Recife, 15 de julho de 1869.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn'&.G.
Comprara e vendem por cota propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sejjai de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontara, letras da trra e outros titu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros titulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
o presidente da provincia
autonsado a ooutratar com o bario do Li-
nfW,n, oucomtuem melhores garantas
offerecer, a construccao de urna estrada
ferro desta cidade lilla doTmoeiro
os dous ramaes para Nazareth e Vicvu
gassaiirlQ oelus povuad^Caxang, S. Lou-
l*ne_n da Matla, villa de Pu do Albo, po-
voacao le Tracunhaem, sob as condicOes
seguinles f-
de
com
e Victoria,
Novo Banco de Pernambuco
em liquidacHo, 3 de agos-
to de 1869.
Os Srs. accionistas podem receber "o
sexto dividendo de um e meio por cento
do capital: s quarta-eiras e sabbados.
ALFANDEGA. Kendimento do dia 2..... dem do dia 3...... 38: 19*497 29:852*698
68:072*195 MOVIMENTO DA ALFANDEGA~ Volumes entrados com fazendas 281 dem dem com gneros 343 ----- 524 volumes sahidos cora fazendas 192 dem dem com gneros 260
----- 458
Descarregam hoje 4 de agosto
Barca inglezaImperadormercadorias.
Barca francezaFgarodem.
Patacho ingiezVeoletedem.
Hiate inglez= Tigredem.
Escuna norte-allemaoCatharina idem.
Brigue ingiezSunnysuteidera.
Brigue suecoAnuataboado.
Brigue ingiezAfinomcarvao.
Patacho poriuguez=Boa F=lagedo.
Brigue nacionalAlmeida //charque.
Brigue ingiezMelitamercadorias.
RECEBEOHIA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 2..... 2:223*208
dem do dia 3...... 1:588*626
3:811/834
CONSULADO
Kendimento do dia 2 .
dem do dia 3 .
PROVINCIAL
6:168*137
1:571*480
7:739*617
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 3.
Baha7 das, brigue ingiez Edith Han/, de 248
toneladas, capitao Johnson, equipagem 9, em
lastro; a ordem.
Cardiff54 das, brigue ingiez Prima Dona, de 191
toneladas, capitao W. M. Larin, equipagem 8,
carga carvao a Autonio L. de 0. Azeve-
do&C.
Liverpool-4 das, brigue nglez MelUa, de 266
toneladas, capitao Henry Wiikinson, equipagem
9, carga varios gneros a D. C. & C, C. C.
Simpson & C.
New-York6 dias, barca ingleza Traveller.e
304 toneladas, capilao Pentield, equipagem 14,
carga 3,050 barricas e 2 saceos com farinha de
trigo ; a Pipps Brothers 4 C.
New-York34 dias, hiate ingiez Tegris, de 163
toneladas, capilao Norres, equipagem 7, carga
300 barricas com farinha de trigo e outros g-
neros ; a Tasso Irmo.
Navio sahido no mesmo dia.
ParahybaVapor brasileiro Parahyba, comman-
dante Mello.
1. 0 contratante obrigar-se-ba a apre-
sentar panos e estodos da estrada no praso
de 2 annos, a contar da data e assignatura
do contrato.
2. 0 presidente poder fazer nos pla-
nos e estudos as alteraoSes, que julgar coa-
venientes e flxar a bitota e peso dos trilhos,
as dimensoes das obras d'arte e todas as
condices para seguranfa e boa execueco
da estrada e ramaes.
I 3." O presidente poder fiscalisar a
construcro e servico da estrada e ramaes.
4. A estrada e ramaes sei ao conclui-
dos, a primeira no praso de i annos a con-
tar do comeco das obras, as segundas at
3 annos depois de concluida aquella.
As multas por infraeco dessa clausula
e-a prorogacao dos prasos neila estipulados
por casos imprevistos, serSo determinados
pelo presidente da provincia.
Art. 2." Fica o presidente da provincia
igualmente autorisado a auxiliar a construc-
cao da linha e ramaes com urna subveneo
kilomtrica de um quarto do valor das
obras oreadas, ou a conceder a garanta de
juros at quatro por cento do capital em-
pregado.
Art. 3. Ser concedido ao contratante
um previlegio por noventa annos para uso
e goso da estrada e ramaes coulando-se da
concluso das obras, nao podendo pessoa
alguma construir estradas semelhantes nesse
praso para os mesmos pontos, nem na di-
reccao dos ramaes e na zona de leguas para
cada lado das estradas.
Art. 4." A estrada e ramaes e todo o
material empregado ficam isentts dos im-
postos porvinciaes e municipaes.
Art. 5. Ficam revogadas as disposices
em contrario.
Mando portanto a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execucao da pre-
sente resoluto pertencer que a cumpram
e facam cumprir t5o inteiramente como
nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a
faca iroprmir publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 5 de
junho de 1868, 47." da independencia do
imperio.L. S.Baro de Villa Bella.
Sellada e publicada a presente resoluco
nesta secretaria do governo de Pernambu-
aos 5 de junho de 1868.O secretario,
Dr. Francisco de Paula Sales.
Registrada as fls. do ferro de leis pro-
vinciaes. Secretaria do governo de Per-
nambuco, 5 de junho de 1868.O escrip-
turario, Theodoro Jos Tacares.O secre-
tario, Dr. Joaquim Correa de Araujo.
DECLARACOES.
EDITAES.
COMMERCIO.
PRAgA DO RECIFE 3 DE AGOSTO DE 1869
.. A* ? */* H0BAti D* TABDB.
a?2w*bre. LoB .-*>"> 18 3r4 d. por
1*000 (hontera e hoje). *
Cambio pagavel em Londres90 div. 19 d. por 1*
(hontem e hoje).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Faculdade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. director interino o con-
selheiro Dr. Pedro Autran da Malta e Albuquer-
que faQo publico que fica marcado o prazo de seis
mezes contados da data deste, para a inscripeo
dos que pretenderem concorrer ao lugar de lente
substituto da Faculdade de Direito do Recife, vago
pelo accesso do substituto Dr. Joo Capistrano Ban-
deira de Mello Filho, a cadeira de que era pro-
pnetario o fallecido Dr. Jeronymo Vilella de Castro
Tavares
Pelo que todos os pretndeme ao dito lugar se
podero apresentar desde j na secretaria desta
Faculdade para nscrever seus nomes no livro com-
petente : o que lhes pennittido fazer por pro-
curador se estiverem a mais de vinto legoas desta
cidado, ou tiverem justo impedimento.
Sao, porm, obrigados a apresentar documentos
que mostrem sua qualidade de cdadao brasileiro,
e de que esto no goso de seus direitos cvis e po-
lticos, certido de baptismo folha corrida de lu-
gar de seus domicilios e diploma de doutor por
urna das Faculdades de Direito do Imperio, ou
publica forma, justificando a impossibilidade da
apresentaeo do original, e na mesma occasiao
podero entregar quaesquer documentos que jul-
garem convenientes, ou como titulo de habilitacao,
ou como provas de servicos prestados ao Estado, a
humanidade ou a scieneia, dos quaes se lhes pas-
sar recibo: ludo de conformidade com os arts.
36 e 37 do decreto n. 1,286 de 28 de abril de 1854
e 111 e seguintes de n. 1,568 de 24 de fevereiro
de 1855.
E para que chegue ao conhecimento do todos
mandou o mesmo Exm. Sr. director interino, afl-
xar o presento, que ser publicado as folhas
desla cidade e as da corte.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recifo, 2
de julho de 1869.
O secretario,
_____________ Jos Honorio B. de Menezes.
O inspector interino da alfandega faz
publico, que existindo no armazem 6, da
mesma repartico duas caixas da marca
C M ns. 465 466, com machinas, vindas do
Havre na barca franceza Vcridiana, entra-
da em 25 de Janeiro do corrente anno,
consignadas a Len Desprey ; o achando-se
as ditas caixas no caso de serem arrema-
tadas para consumo nos termos do capitulo
6o, titulo 3o do Regulamento de 19 de se-
tembro de 1860, os seus donos ou con-
signatarios devero despacha-las no praso
de 30 dias, sob pena de findo elle, serem
vendidas por sua conta, sem que lhes fique
competindo allegar contra os efeitos desta
venda.
Alfandega de Pernambnco 29 de julho de
1869.
0 inspector interino,
____________L. C. Paes de Andrade.
Aviso aos navegantes
0 lllm. Sr. capilao de mar e guerra, capitao do
porto, manda fazer publico para conhecimento dos
navegantes, que o pliarolele do Mucuripc, na pro-
vincia do Gear, deixou de funecionar, em conse-
quencia de se ter incendiado na madrugada do dia
22 do corrente.
Capitana do Porto de Pernambuco 29 de iulho
do 1869. '
O secretario,
Decio de Aquino Fonseca.
do
600*000
170*000
184*000
Depois de um soffrer continuado de cin-
coenta e cinco dias, proveniente de i
febre maligna, falleceu hontem as 6 /t
horas da raanha o Sr. Jos Elias da Rosa
Calheiros, natural da provincia das Alagas
estudante do 5o anno da faculdade de di-
reito d'esta capital. Contava apenas 20
annos de idade; quando o futuro princi-
piava a sorrir-ihe, qoando eslava a cooeJuir
seus estudos acadmicos, depois de fao
longos sacrificios, veio a morte prematura
arrebatar urna vida tao preciosa; veio arre-
M ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
vencioaar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
^5aca i vista oa i praso sobre as cidades
priacipaes da Europa, tem agencias na Ra-
bia, Ruenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Comme/ciQ 36.
3.' seccSo.Secretaria do governo de
Pernambuco, 16 de julbo de 1869.=Pela
secretaria do governo sao convidadas as
pessoas, que quizerem contratar a cons-
truccao, nos termos da lei provincial n. 856,
de 5 de julho, do anno prximo passado
abaixo transcriptas, de urna estrada de
ferro desta capital villa doLimoeiro, com
dous ramaes para Nazareth e Victoria,
apresentarera suas propostas em cartas
fechadas ao Exm. Sr. vice-presidente da
provmca-no dia 30 de agosto prximo vin-
douro.
LEI N. 856.
0 barao de Villa Bella, presidente da
provincia de Pernambuco: Faco saber a
todos os seus habitantes, que a assembla
legislativa provincial decretou e ao sanecio-
nej a resolucJo seguinte:
Wa.iil a Casa da Misericordia
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessdes, no da 5 de agosto, pela
quatro horas da larde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIME.VTOS DE CARIDADE.
Itua do Encantamento.
Sobrado de dous andares n. 3. .
Itua do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47......
dem n. 49........
Ra das Calcadas.
Casa terrean. 32....... 130*000
Ida m dem n. 36....... 178*000
Ra do Calabouio.
Casa terrea n. 18...... 300*000
dem n. 20........ 2421000
Ra da Moeda.
Prmeiro andar do sobrado n. 37. 76*000
Segundo andar dito..... fiftafloo
PATRIMONIO DOS OfiPHAOS.
Ra do Amorim.
Sobrado de dous andares n. 21, dem
Pateo do Paraizo.
Loja da frente do sobrado n. 29
Ra das Larang iras.
Lasa terrea n. 17 por anno. .
Ra da Guia.
Casa terrea n. 29.....192*000
_ Ra da Guia.
Casa terrea ti. 27.....
Ra da Cacimba!
dem dem n. 12.....
Ra do Vigario.'
andar do sobrado n. 27. .
e i. ^ Madre de Deas-
xrarado de um andar n. 9.
Ra do Pilar. "
K 2S............ ........... 202*000
luiin n. \n........................ 203*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. .. .. ". 150*000
' iretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacio as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do R*
cife, 31dcjulhodel869.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza
i."
000*000
101*000
194*000
114*000
146*000
240*006
360*000
Pela secretaria da cmara municipal
desta cidade se taz publico que contina em
praca em o dia 4 de agosto prximo fu-
turo, para ser arrematada a obra da ponte
do cemiterio publico, visto nao ter sido en
o da 28 do corrente como fra annunciada.
Secretaria da cmara municipal do "Re-
cife 31 de Julho de 1869.
O secretario.
Francisco Canuto da Ba-Viagem,
y



$irio de Pernam^upo Qnartar feira 4 de Atavio de 1869.
MUQ BE CDIPJKA&
O conseibo pronj p.
routi me/, sol) as criHi
vista de Dro[Kta receidas al ;is 11 horas
da ifaobia a coiapra das sdguintes objecios
de material da armada.
PARA provimnto do almowrifado
bulos de ferro estanhado, OO alquei-
res de cal prtta, 20 bracas de crtenle
de ferro de "i pollegada reforcada, 0
arrobas le estopa "algodoes, 8 arrobas
de mialhar bruteo, 10 libras de obrsias
francezas, panellas de ferro para derre
ter breu, 109 raspa* de ferro, i terrinas
de ferro estaahad-i, 20 tira-linhas o 1,000
tiojllas de fego.
Tambemo conselho no mencionado dia 5
do correte nm contrata por igual forma
o foro icimento de cangica ou milho pilado,
o de milho sem ser pillado, para os navios
d'annada e estabeleeimentos de marinli ao
corrate trimestre de julho i setem
bro.
Sala das sesswes do conseibo de com-
pras navaes, 3 de agosto de 18G9.
O secretario.
Alejandre Rodrigues dos Alijos.
'cia secretaria da cmara municipal
desta cidade se faz 'publico que nao leudo
sido arrematado em o dia 2K do corrente
como eslava annunciado, o imposto de 500
rs. por cabera re gado morto jpara consu-
mo as fregueaias dos All'ogados, Poco da
Panel ia, Varzea, Muribeca. Jaboatao e S.
Lourcnco da Malta, contina em praca o
mesmo imposta ao lia 4 de agosto prximo
aindouro. \
Secretaria da cmara-municipal do Re-
cite 31 de Julho de 1869.
O s-cretaiio,
Francisco Canuto da Boa- Viai/cm.
O iiim. Sr. inspector da ibesonraria do fa-
zenda dosta provincia manda fazer publico que
oxiste em poder do porteiro defta iho-ooraria para
serem vendidos exemplares da collcccao das Icis e
decisrjes do governo relativamente os annos de
4866, 1867 e 1868, pelo pifeo, os primeirns de
7J600,os segundos lerceiros da GOOO cada um
exemplar.
Secretaria da thesouraria do fazenda de Por-
nambuco j de agrsto de 186.
Servindo de nfficial-maior,
.Wanonl Jos Piulo.
Depois da audiencia do Sr. l)r. juiz dos feitos
la (alenda, vai a praca, no dia 3 de agosto corren-
te, os serviros da prcla Hara, sem habilidade
alguma e coi um filho com 5 a 6 mezea de idaile,
. avallados em 12*000 por mez. por exeencao da
fazenda contra os herdeiros de Feliciana de Torres
Hibeiro.____________________________________
No dia 4 de agosto, depois da audiencia do
Dr juiz municipal da 2' vara desta cidade, tem de
ir praca o silio denominado Alando, na fregue-
sa d->s Lfofados, com 2,380 palmos de frente e
't.OGO palmos de fundo, a encontrar-so com o rioi
Tygipi, comecando o ine>mo sitio pelo marco da
porteira grande do aogenho Imbura, a lindar-s
no riacho da Estiva com u sitio do nesmo nome.
pTtencente viuva o herdeiros de Jos do .Monte
Lima, tendo bstanles ps de coqueiros e arvore-
dos fructferos, comprehendendo em dito sitio tres
casiulias cuberas com telhas o tapadas com barro,
avahado em 7:000000, mais a mata, cacimba e
descanso lanibein na mesma freguezia, avahada
par S:0000U0, e a mata denominada tumby, tam-
ban na mefma freguezia, avahada por 2:000i000,
cijos bens vao praija por execucao de Antonio
Pcreira de Oliveira Maia contra Hara Francisca
dos Anjos Curado.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
MITOS PARISIENSES
-Espectculo dado peles Srs. Noury e 1 Cocino
Barbosa, hoje terca-feira, 3 de agosto de 1869.
Bistre de madame Marte Dru-
fresny.
Primeira representac,ao do
BON SOIR VOISIN
opera cmica em um acto, msica de Ferdinand
Paisa, escripia por Hr. Trufen.
noooiiAama
Louisette... M.~ Marie Dufresny.
Cltarlot___Mr. Noury.
Findo o primeiro intervallo, ter lugar o concer-
t pela ordem seguinte:
* Aria final do lbum harmnico, msica do
Sr. J. Coelho Barbosa, exeeutada no pistn pelo
Sr. Bento.
2.' Grande plmntasia, exeeutada na flauta pelo
Sr. Salustiano.
3.* Celini a Parigi (symphonia) del maestro La-
mo Uossi, exeeutada por toda a orchestra.
Terminar o espectculo pela opereta-bufa, em
um acto, entremeiada de pantomima :
Le marige au Fantme
monea de Gustavo Nadaud, escripia e ensalada
por Mr. Noury.
PF.RS0NAGF.NS
Colombine.... M.- Marie Dufresny.
Cassandre.... Mr. Noury.
Gille........dem.
Pierrot......Alexandre.
Coraecar as 8 horas da noite.lem .ponto.
Companhia dramtica soh a di*
receo do artista
DE-GIOVANNI.
Quarta feira 4 de agosto.
Segunda representacao do excellente e muito
aplaudido drama em 3 actos, ornado de msica,
intitulado
nadilha hespanhola
:c chado e D-Gio\
Principiar as 8 horas.
FESTA MOCTRU %
A imitaqo da Chateau des
Fleurs de pars
Brilbantementa Iluminada cora cores dineren-
ter (sobre vnro etc.) que ter lugar na fabrica de
cerneja do Sr. H. Lcxden, roa do Sebo n. 33,
quarla-folra 4 de agosto de 1860.
IUVUMDA EM QUATRO PARTES
PIUMEUU
pomeiar pelo grande concerta, sob a direccio
do Sr. J. Coelho Barbosa como se segu :
I.Carateristica napolitana, grande ouvertu-
a 7 por 4 do maestro Mercadante.
2." Aria final do lbum harmnico, obligada a
pistn por J. Coelho Barboz.
'.'CoqHetle, schottich, pelo mesmo.
4."Fmalisar a primeira parte do concert
pela linda ouveitura exeeutada por toda a orches-
tra, denominada :
Os dous sargentos
SEGNA
t."Grand c.vnsc comique, en sac (as possoas
empenhadas na lucia, que oslarao mettidos em
sceos at o pescoeo, deverao percorrer una
extensao determinada e ganharo premio.I
TERCEIRA.
!.Cillini a Parigi, symphonia de Mr. Lauro
Rossi.
2.Plmntasia, exeeutada na flauta polo distincto
artista o Sr. Salustiano.
'.'Stradelta, nuvertura do Mr. Flotow.
i.'Abordagm 4a Pnrnahiba (a pedido), polka
militar,- compnsicao do Sr.'J. Coelho Barbosa,
ornada com pecas arliliciaes, e abrazamento de
chaniinas da bengala.
QUARTA I". ULTIMA PARTE.
Terminar o espectculo, por um lindo figo de
artificio sob a direccao do bem conceituado e dis-
tincto artista peruambucano, o Sr. Jos Al ves.
Preceda entrada 1*000
Em caso de mo tempo o espectculo ser trans-
ferido.
Comecar s 7 horas c 3/1 da noite.
Nao podendo ter lugar o_ espectculo annun-
ciado para honlem, por nao estar conveniente-
mente nnsaiada a linda opereta denominadaLe
mar age au Fantimie lica o mesmo transferido
para sexta-feira 6 do corrente.
AVISOS MARTIMOS.
ms
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 de agosto o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata A. J. de Santa Barbara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
|ectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas.
Tudo que passar destos lifciites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
I* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPAITOTA PEISVAMBGANA-
Varcaua^o coslcira por Tapor.
Parahjw, Natal, Maco, Mossor, ^"8-
caty, Cear, Mandah, Acaraci e
Granja.
O vapor Pira/gama, comraandantt
Torres, seguir para os portos
cima no dia 11 do corrente as 5 horas
Ja tarde. Recebe carga at, dia 13, encora-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Forte do Mallos n. 12.
&:
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
tfavegaco costelra por vapor.
Macei' em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe^ commandante Moura, seeui-
r para os portos cima no dia 9 do correte
as o horas da larde. Baoebe carga at o dia 7
as 3 horas, encommendas, passageiros c dinbeiro
a frete at as 2' h iras da tard do dia da saluda :
no escriptorio do-Forte do Mattos n. 12.
O patacho Protector, esperado do referido porto,
sahir para o mesmo, poucos dias depois de sua
chegada, por ter a maior parte de suu carrega-
mento prompto : para o que Ihe falta, wien qui-
zer carregar a frete commodo, podo dirigir-se ao
consignatario Joaquira Jos Goncalves Beltrao,
ra d Comroereio n. 17.
Bisco marilinio
O brigue inglez Search, capitao D. F. Brockl-
bank precha da quantia de 500 esterlinas (seis
contos de ris), pouco mais ou menos, sobre o cas-
co do dito navio para os reparos o mais despezas
nesto porto, de forma que possa seguir a sua via-
gem para o Reino Unido. Recebem-se propostas
em cartas fechadas no consulado britnico, dirigi-
das ao capitao, as quaes serao abertas na presen-
ca do consol de S. M. B., no dia 3 do prximo mez
de agosto ao meio dia.
Para o Porto
pretende sabir com apossivel brevidade o patacho
portuguez Liberal, lem parte da carga engajada, e
para o resto que Ihe falta, podo tratar-se com Da-
vid Ferreira Hallar, ra do Brum n. 92, ou com
o eapito do referido navio. _________________
PARA LISBOA
segu com toda a brevidade a barca portogueza
Constante III, por j ter parte da carga prompta :
para o qne Ihe falta c passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos & C, largo do Corno
Santo u. 19, ou com o capitao na praca do Com-
mercio.
Para
Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
Boa F: capito Domingos Martins: recebe algu-
ma carga a frete razi>avel, para o que so trata
com o seu consignatario Joaquim Gerardo de Bas-
as, rna do Vigario ti. 16,1" andar. ____
Para S. Miguel e Terceira
O patacho portuguez Mara, esperado de Lisboa,
sahir para as duas ilhas cima, poucos dias de-
pois de sua chegada a esta, desde j se engaja
carga e passageiros : trata-se com E. R. Rabello,
ra do Commercio n. 44.
LEILOES.
LEILAO
o
CPABIA IIASIIM1
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 8 de agosto o vapor
Cruzeiro do Sal, commandante
J. P. G. Alcoforarto, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
3ua sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C.__________________________
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DR
IVavegaeo costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Mondah, comman-
dante Penna, seguir para o por-
to cima no dia 12 do correte
as 6 horas da tarde. Recebe car-
ga, encommendas, passageiros e
dinheiro a freie at as 3 horas da tarde do dia
da sahida : escriptorio no Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaeo costeira por vapor.
Goianna.
O vapor Paraliyba, commandante
Mello, seguir para o porto cima no
dia 6 do corrente as 9 horas da noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, no escriptorio do Forte do Mattos
n.12.
"PARA O PORTO.
Segu com a pessivel brevidade o brigue por-
tuguez Unio que j conta grande parte da carga
engajada : quera no mesmo quizer car regar on ir
de passagem trate com os consignatarios Thomaz
de Aquino Fonseca & C, ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
2L
Da reflnaco do pateo do Terco
n. 1
O agente Martins ar leilao da reflnaco do pa-
teo do Terco n. 61, com todos os utencilios, cai-
xdes de deposito para 3.000 arrobas de assucar,
grande quintal com portao, telheiro para deposito
do carvao, accommodacoes pira empregados inde-
pendente do estabelecimento, penna d'agua, tan-
que e gaz, garante-se a casa ao comprador do es*
tabelecimento (por ser a casa propria) livre de
impostes para o comprador.
HOJE.
as 11 horas do dia no mesmo estabelecimento.
LEILAO
VE -ZZLT2.5.
Hoje 4 de agosto.
A. C. de Abreu concluir o seu leilao de
fazendas ingieras e francezas, por intervencao do
agente Pestaa, hoje 4 de agosto em seu armazem
ra da Cadeia a. 37
AVISOS DIVERSOS.
'
IXSTITLTO AilClfmflfilCO E GEGIttIW)
Haver seseao ordinaria quinta-feira 5
do corrate agosto, pelas 11 horas da ma-
uhaa.
ORDEM DO M A
e mais traba!!ios
de commi*-
Parecews
ses.
Secretaria- do Instituto, 2 de agosto de
18(59.
Jos Soares de Azevefo;
__^_ Secret-rio perpetuo.
Viciorio do Naseimenlo Arcioli Lilis, seabor
do engenho Venus, fregaezia de Agua-Prctaiten-
do-se pur desampenludo de quaesque.r dividas,
nao s vencidas, como a vencer se, pedo a quem
quer que se julgar seu credor, quoira apreseniar
seus ttulos, an de ser Indemntsado.
A pessoa qup por engao levou um chapeo
de sol do corlfc cafe escuro, com o cabo concer-
tado de amarello, querendo restitui-lu, tenba a
bandado de Irazer na ra da Aurora n, 16, ou en-
tregar na estacao do Monteiro ao viga : que ser
recompensado.
Oabaixiassignado, anligo comprador e ven-
dedor de barrs o pipas, confiderando-so nada de-
ver a pessa alguma o soraente favores ; c pelas
ms circumstancias de molestia recolbe-so ao
Hospital Portuguez onde sou socio, aliai de tratar
de minha sade, onde poiSO ser visitado pulos
meus amigos.
'Antonio de Al me id'i BrandUo e Sonzu.
^ociedade ConciBacao
De ordem do Sr. presidente sao convidados os
senpores membros do conselho director, afim de
reunir-se na sala de suas sessos, em do cor-
rente, pelas 6 horas da tarde, para tratar-sc de ne-
gocio urgente.
J. J. Alv. ,.
Secretario interino.
m'DOJLP.8P.if05I0S
com repeticao para os alumno Dase socied;
ue tmdct-jzcr Hm>iHj IfcMesaHazMiab)
r ndVNpbrodi II V J Av^f capBq
Jos Soares deAgpdo, profcssor de
litigua e' litteratwi*fla7i()[ial no gyinnas'
lirjviticial doftecife, ten> aberto em sua
caa, ra Bel
m curso

Os
1
ii.
til
a_uma ,
olhadost
qfic se
un>ctepriB
mesma

'
LINGL'A FRANCEZA A 3 I
P11ILOSOP1UA.;
CKOOBAI'Hli E HISTOIUA;
-^ lUCUiOHlCA E.K0ET1C.V.
estadarfles que \>rotenderem fazer
exama eui auveinbro em quali|tier destat
malerias, podetn dirigir-se indicada re-
sidencia, tanli, das 3 horas, em diante
Os rdinimsl'adorus da prupned..du
uMti
A|ii|ilieo-
predisam do cont.atar um capel'l para celebra'
missa no* domingos e dias santilicados na c.ipella
da mesma propriedadu. e convidaui a ipiaiquer se-
nhor sacerdote a queo.p is-a iMiivir dila cajiella
uia, se sirva de umparecer em casa do resp'.ctWo
administrador n mesmo lugar, para tratar-elipse
objeclo.
Bartholomeu & C,
ALIIGA-SE
o segundo audar e soto da casa n. 16 da ra do
Vigario : a iratar na mesma casa, das 9 huras da
manhaa s 4 da tarde._________________.
Jezuino Ferreira da Silva nao sabendo a
quem pagar os fri'S que deve dos terrenos em
(ue se aeham edilicadas as suas prop edades enl-
locadas baso do rio n. 31 e ra da Praia ns. 6 o
8 na povoaco do Poco da PaneHa, os qunes terre-
nos outr'or pertenceram a Francisco d Paula Lo-
pes Rois e D. Mariana Ferreira Duarte liis, pre-
vine a quem interessar possa, que se achajdo ti-
tulado legalmente, apresen ao abaixo asstfrnado
seus ttulos para ter o direito de receber os refe-
ridos foros no pruiti de 30 dias, a contar desta
data, o contrario recolher a quantia que suppoem
dever ao deposito publico para evitar futuras con-
testa coes.
Jezuino Ferreira da Silva.
pan comprar: na
Precisa-se de um criado
ra dos Coelhos n. 28._________
OITerece-se urna senhora seria para lavar e
en^ommar, sendo s roupa para homem : a tratar
na ra dos Aconguinhos n. 23.
Ama e escrava
Na rna da Cadeia do Recife n. 4, 4 andar, por
cima do armazem do Sr. Barroca, precisa-se de
urna ama que saiba cozinhar : na mesma casa
tambem se compra urna escrava que seja robusta
e bonita gura, muito embora nao tenba habili-
dades._____________________________________
Manoel Luiz dos Santos e Silva deixou de ser
caixeiro dos Srs. Mendonca & C. no dia 24 de fe-
vereiro, e vem por meio deste agradecer o bom
tratamento que dos ditos recebeu durante o tempo
que em sua casa esteve.
Precisa-se de um caixeiro que teuha boa
conduela e pratica de taberna : na ra do Range!
numero 8.
1.
Offerece-se urna senhora portugueza de bons
costiinwM para ama de urna casa de pouca fami-
lia, sendo o seu prestimo engommar, coser e en-
saboar roupas finas : trata-se na ra do Pilar n.
111, em Fra de Portas.______________________
Precisa-se alugar urna escrava para cozi-
nhar : a tratar na ra da Cadeia do Recite, sobra-
do n. 34, 2" andar.
I(ll)llil)
PABA USO
DE TOOAS
ou
os meninos daldeia
comedia
Toma parte toda a companhia.
Segue-se a representacao da graciosa
en 1 acto denominada
UMA MLHER POR DUAS HORAS.
Terminar o espectculo com a aplaudidissima 13 ed august at midoay.
DE
fazendas limpas e avariadas
Sexta-feira 6 de agosto, s 11 horas em
ponto.
O agente Pinto far leilao por conta e risco de
quem pertencer, de differentes raadapolSes com
avaria d'agua salgada, assim como dilerentes fa-
zendas limpas, que serao vendidas para fechamen-
to de contas ; o leilao ser effectuado s 11 horas
do dia cima dito, no escriptorio do referido agen-
te, ra da Cruz n. 38,
LEILAO
Da casa terrea da ra das Creoulas n. 43, edifica-
da em chaos proprios, na Capunga, com grande
quintal a qual rende 10$000 mensaes.
Sexta-feira 6 de agosto
as 10 horas.
Por intervencaa do agente Pinto, a rus da Cruz
n. 38.______________________________________
LEILAO
do mohilias, planos, differentes movis, louca, vi-
dros,"cerveja, vinhos, obras de prate e um ca-
briolet
Terqa-feir 10 de agosto
Por intervencSo do agente Pinto,
the presence of H B M.' cnsul on jussday wat the I no armazem da ra do Imperador n. 37, (outr'or
Bollonrv Bond.
COMMERCIAL DOS SIGNAES
DOS NAVIOS MEBCANTES
AS NAQUES.
TRADUCA O
Conforme a nltima edic5o original ingleza
roa
Joquim Pedro Prenle
Vende-se na livraria econmica junto ao arco
de Santo Antonio n. 2.
MUDANQA DO
KEKJtlEKt
Albino Baptista da Rocha participa
a todos os seus freguezesquemudou-
se com a sua ofneina da praca da
Independencia n. 12 para a ra das
Cruzes n. 23; previne, portante, a
todos os amigds e tieguezes que se
'achara em casa a qualqner hora
do dia, para execnter todo e qualquer concert
que de sua arte exigir possam, tendente a sua
profissao; e em sua falla achante com quem
tratar. ______________________
Precisa-se de urna ama de leite com urgen-
cia : na ra do Amorim n. 35, 2o andar.
PARA UZO INTERNO
wffi>os snm.Es
Xnropfi (1* nriilirki, ViiiIi iIr jurnbeba. Plalas de
jnruheha. Tiiiiurr de jurubeba, Enrielo hjdrslcoolico
de jurubeba.
rmti>Dos cosrosTos
Vinho de jnrnbrba r ftrrtiginoso, fillas de jiimbeba ferruginoso.
riai l'ZO tMKRNO
Ole* ne miubelia, l'umada de jurubeba, Emplastro da
jnruucuu. ,
4 JIRIIBEBA. c
Esta plaa i hoje reiouhecida como o mais poderoso
tnico, como um excellente desobilrueate, a como tal
applicada nos engorgilamenlos do ligado e baco, na-
hcpililes proprisneste ditas, on anda complicadas
enm anazarchas. oas infljmmaces subsequentas as
ebre; inteimilintes ou doiezas, nos abeessos internos,
nos tumores especialmeMe do otero e abdomen, nos
tumores glandnlosos, na anazareba, as hydropezias,
ertfipellas; e a.-?ociad as proparaces ferruginosas,
anda de grande vanlagem as anemias, chloroses,
faltas de menstruacao, leucorrbeias.desarranjos atni-
cos do estomago, debilidade orgnicas, e pobreta de
aangue, ele.
0 que dizemos afSrmao mais dislinclos medios
desta citade, entre os quaes podem os citar os Illlms.
Srs. Drs. Silra Ramos, Aquino Fonseca, Sarment,
Ser, Pereirs do Csrmo, Firmo Xavier, Silva, etc. Todos
ellcs reconnecem a excellencia d'este poderoso medica-
mento sobre os demais at boje conhecidos para todos
os casos citados, tanto qne todos os diis fazem d'ell*
applicacao.
Apresentendo aos mdicas a ao publico tm geral di-
Tarsos preparados da jurubeba, tiremos por fim gene-
raiisar mais o usa d'este regetal, fazendo desapparecer
a repugnancia qna at boje santiam os doentes de usar
dos preparados empricos d'elle. o mais das retes repu-
gnantes a Iragarem-sa, e qna tinbam ainda a desvania-
gem de nao ser calculada a dose conveniente a sppli-
car-se, o qna loma muitas retes Improflcno nm medi-
camento, que poderia produzir ptimos resultados.
% Os nossos prepados s foram apresentados depois da
barermos canrenientamente estodado'a jurubeba, fa-
ando as experiencias precisas para bem conhecer as
propriedades medicamentosas d'esta planta em suas
raizes, folbas fructas on bagas, a a dose convenientea
applicaeao, lando alem d'isto procurado levar os nossos
preparados ao maior grao da parfeicio possirel, para o
qna nao poupamos esforcos, nao aos importando o
ponto Inero qna possamas tirar.
Por Unto os que se dignarem recorrer aos nossos
preparados podem ter a carleta da que ellas offerecem
a garanta, de que se poda encontrar a prompta a infal-
ltrel cura da qnalque dos soffrimeMos, que deiamos
innumerados, se foram em tempo applicados tendo
alem d'isso, medico o* doante a vanlagem de escolher
as nossas variadas preparaces, aquella qoa mal bar
rae pode conrir, ja pela fcil applicaeao, a j pela com-
plicacao das molestias, dada, sexo, ou ainda naturas
de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas siofetas deforma
qna se lornam completamente soluveis nos soceos
gstricos, porque procuramos os composloa da farra
que como taes eslo boje reconhecidos.
Para aqnelles que maia minuciosamente qneiram
conbecer as propriedades da jurubeba, esaberein a ap-
plicaeao da nossos preparados, distribuimos gratuita-
mente em nosso deposito nm folhelo, onde traamos
mais extensamente d'esta planta a dos mesmos prepa-
rados.
Diporilo geral it tafo o preparada! Bolica e Draaam
34, rna larga do Aoiario, 34.
frnWKiade acadmica de Nossa
Senhora do Bom-Coiiselho.
A aiesaadministrativa di-m irmandada manda
Mwnr s 7 c mein htiras d.i nufma do "da 5 d>
corrate, na i^reja da irmandade, urna missa de 7*"
dia pe* descanso eteenn do rmSo Jos Elias d*
Ilusa Calliniros, estudantr du 5" .mna.da Faculda-t
da da) Oipait desta cidade, failcciUo "o da 30 d,>
nicz lindo, e para assisti-la envida a lodosos ir-
naas. :___
Sccrtaria da iiinanuaate, etu 2 de afecto d
1810.
. _,, Jos Furtado de Utndonca.

Jos llodiifiios da Silva Rocho, tendo de man-
dar celebrar uina missa pelo descanso eterno de
seu presad) pai, no dia 7 do corrente, s 7 e meia
horas da manhaa, na groja do Divino Espirite-
Santo de S. Francisco, |>ede aos aeus prente e
amigo* o obsequio de assjstirem a ella, pelo que
desdo j Ihes devota o inais'sihcoio reconhecimen-
1) e gratulan. ___
Irmandade acadmica de Nossa
Senhora do Bom-Conselho.
A mesa administrativa da irmandade acadmica
de .Nossa Senhora do Itoin-Conselbo convoca pek>
presente a mesa geral para nu dia 8 do corrente.
depois da mjsaa da Divina Padroeira, proredera
eleicao da mesa administrativa para o anno de
186'j 1870, e:u virtude do art. ft do compro-
misso.
Srcietaria da irmandade, em 3 do agosto *i>
18G9.
Jos Furtado i'e Mendin*.
Precisase de urna tina
, taberna.
na i ua da l'az n.
Aluga-se
na Passagem da Magdalena ("itre as duas pontos)
urna casa terrea com bastantes cbrnmodos, quin-
tal murado, coebeira, estribara etc.: quem pre-
tender dirija-se Escadinha da Alfandega n. 5.
Precisa-se de um caixeiro que lenha pralka.
de taberna para a ra da Aurora n. 80.
Precisa-se de nm lialialliador de masseira,
se for portuguez ser melhor, na pdaria da Fk-
resta, em Olinda : a tratar na mesma.__________
Precisa-sede urna ama para o seavijtfUe
casa e engommar para dous mocos eslrangoiros :
a tratar na ra do Commercio n. i, i* andar.
Precisa-se de urna ama que saiba c>uubar
h fazer compras : a tratar na ra da Cadeia do
tecife, armaren! n. 1. ______ _
Resta venda um escomido sortiiaeoH de ob-
ectes de marcineria, cuino sejam, mooilias de ja.-
arand. uoguouatu.irello, obra nacional o-eatran-
(eira, de apurado gote e por pr^o razoa-veis :
a ra estreita do Rosario n. te. Nesta mesma.
asa fazem-se com porfeirao lodos os trabamos *
jalhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
jara camas, cadeiras e soplis.
Os apreciadores de manjares delicados enconlra-
rao lodos os dias no hotel central de Francisco
Garrido a verdadeira sopa de raviole, ao verda-
deiro goste italiano, assim como outras excellentes
iguarias, que seria enfadonho mencionar. All se
encontr.iro ain ja os mais asseiados aposentos para
hospedes, e banhos, bilbares e pianos para re-
creio dos visitantes: na ra iarga do Rosario n.
37, andar. ________
Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17., i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobn > Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seuuio-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vex.
Vianna do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalic3o.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Parts, 36,RnaVivienne, D'
CHABL MEDECIN
Wanted on the A. Brit Brig Soarch capt D. F.
Brocklebank aboul 500 more or less for repairs
and other charges at this port. lo enable said vessel
i to proceed on ber voyage to umted kengdom di-
rect. Sealed tenders to be addressed lo the cape
tain at the British Consulate ando to be oponed en
Attenpao
armazem da Allianca).
Ausentou-se de meu poder o crioulinbo forro de
nome Laurentino, filho de um meu escravo eonhe-
cido por Bit ; estava aprendendo o ofllcio de sa-
pateiro, tem idade de 10 annos, beigos grandes e
cahidos, ps grandes e apalhetados, vestido de cal-
ca e paletot novo do azulo ; toivez o pai o tenha
mesmo conduzido para servir em alguma casa de
familia, e protesto proceder conlra quem o tiver
asylado : quem o apprehender leve-o a ra do
Mondego, olaria n, 13.
______ Marcelino Jos Lopes.
Precisa-se de urna ama de leite para criar 1
urna menina do quatro mezes : a tratar ra da
Senzalla-Nova n. 20.
Aluga-se
o segundo e terceiro andar da ra do Trapiche n.
46 : a tratar na mesma casa das 9 as i horas da
tarde.______________________________________
Em casa de THEODORO CHRIST1.
ANSEN, ra da Crux n. 18, encontram-se
effectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Boumogne e do Rheno.
Feitor
Precisa se de urna pessoa para feitorisar um en-
genho, e que entenJa bem do servico de campo,
preferindo-se quo seja olleiro : a tratar no Affo
gado, primeiro sobrado an n da ponte.
Prccisa-s de duas amas que sainara cozi-
nhar e engommar, prefere-se escravas: ua ra
das Cruzes n. 22, 2o andar.
AS EHTERMIDADAS DES SBXUAXS, AS i
COES CUTNEAS, E ALTEBACOKSPOnillOTl
DOOOcurutuawptnjaa*
tomixoe4,aortmMa&
Uereoe$, viciotai ato aaaa-
_________________gru; rirua, < eltara|a
do rungue. (Xaropa VSgeUl HB tTMTtoj.IMgiiia
teaMO-ae dous por saatana. saguindo tracuaawa
napurottvo: amnrejado au aasmu taoliaittea,
Este Xaropa Citraete *k
farra da CHABLE. emr
bBBaUMBUaialfM
_ rzaa^r
mdu oa fivxot a /tersa branca das wkaam-
tote lrieo fcwdgM prafs-M
Citraeto i Ferro. ___
rrM. Poaaada qna as cora aaa traa isa.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra, iu afucoa^jutanta eomi$mm
PILULAS VEGETAE3 DEPVWATtVAa
atda frasee vai aawfia> O
m
DEPUrUTIF
.iu SANG
PLUS DE
COPAHU
ANNEL DE
ttCA
so
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por pretjos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pjier-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finasfpor prepos muito ele-
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.
CABG
esquina
da ra larga do]
Rosario.
*


i
de Pfttfcmfeueo QuarU feira 4 de Agosto de 1869.
-rriLiti
11'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
UCiITIi II CMITilTIlIRTI IS1 CI1FLITI IIITIIIITI II
CIAPItl DE !;
De todas as qualidade
De todos os feitios I
De todas os presos I
RA DO CRESPO
N'4 J
DIVIDAS
O "oaixo assignado, boje possuider das dividas
Q? casal du fallecido Jos Raptistt da Fonseca Ju-
Oior, arrematadas em leilio publico, pede aos de-
vedores do mesrao casal se dignem satisfazer scuf
dbitos no praso dd 30 das, a contar da data des-
te ; Qndo o qual proceder judicialmente a dita
jufl
Pon
cobranca : na ra das Cmro Ponas n. 82.
ltecife 13 de jullio de 1&>9.
Joao de AzcvedoPcnira.
m
O advocado Dr. Antonio de Vas-
concellos Meuezes de Drummond,
mudou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua profissao em todos os dias
uteis das 10 horas da manhaa at
s 4 horas da tarde. Fra dessas a
horas, e para qaalquer occorrencia *
urgente, ser encontrado no seu
domicilio, ra da Aurora n. 26.
AGUIA D OURO
Custodio A Bento, tnido de novo sonido o seu bem conhecido eslabelecimento
de miudezas, denominado AGUIA D'Ol'RO, partecipam a todos seus freguvzes e ao pu-
blico em gral, que tem constantemente um completo sorlimento de miudezas finas, e
objectos de alta uovidade; vendendo tudo 10 % menos do que em outra qualquer parte,
para o que recebem directamente de sua cunta.
Prompticam-se a mandar em qualquer casa, urna pessoa como mais diminuto
objecto qee Ihes seja pedido, esperando assim a protecc3o de seus freguezes, e gaian-
tindo-lbes o Custodio & Bento, lirmesa em seos tratos, e pontualidade em seus deveres.
Ra do Cabug n. 1--A.
AUGUSTO PORTO & C.
11--RUA DO QUEM DO--11
Tendo chegado ltimamente ao seu c-tabelecimento grande variedade de fa-
teudas de gosto as poom a disposigao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
precos possiveis, sendo:
Bournous de achemra brancos e decores; o que ha de mais elegante para
bombeos de senhora.
Novos gostos de manteletes justos ao'br^o denominado silphides, sirennes,
orientales de renda pela de soalmeSj o que ha de mais olante para orna mo?a.
Basquines.de goipure preto, novo g ,.sto, enditados desetim de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capeHa pira noivas,. .groanas e toalhas de cambraia delinho
bordadas. Cortinados bordados para camas '-para jancias de diversas qualidades:!
colxas de seda a de 15a e de seda para camas o? noivos.
Epiofl, lindo gorgorito de 3a e seda de cores, muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, grgurao do eda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas ctijos precos sao em geral
rauite mdicos. Grande sorlimento de camisas para honiem, tanto Usas como bordadas
e de cores.
Continua sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama e
para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifar saloes, e grande quantidade de
Esteiras da India para forrar salas.
Trocam-se
is notas do banco do Brasil e das caixas flliaes
m descont muito razoavel : na praca da Lode
>endencia n. 2.
Anda nao vieram, no entretanto o negocio
de interesse, e precisa-so fallar ra do Crespo
n. 17 com os Sis. Paulino Ferrera da Silva, ex-
procurador 9a cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.
Precisa-se de urna ama livre mi mesmo es-
crava, que rozinhe com perleieao o diario de urna
casa, e que seja de boa conducta
ra do Vicario n. S, tereero andar.
a tratar na,
Nutrimento"
MEDICINA!
SOFTOlMiTOSO'ESTOMAGO. CONSTIPACO-
Cura em poneos das pelo CMtVAO de BELLOC ca p ou em paslas.
ENXAQUECAS; NBVRALGiAS. EssasaiTec6essiods-
sipa.Jas raimlainenle pelas PENLAS D'ETHER fe B' CLEMifl.
ANEMIA, A PALLIDEZ e es oflHmentos que necessiUmdo
eniprcgo dos ferruginosos sao sempre comUil.'os co;n o mellior residido
pelas pilulAS de vallet. Cada Piiula tem incravado o noine VALUT.
PO DE ROG. Basta dissolftr um frasco d este po ciu meio
garrafa d'agua para se obtr urna limonada agradavel que purga sera Ca-
ler clicas.
VINHO DE QUINIUM de Abarraque. Este vinl.o, um dos
!*"<' arautida constante, una das memores pe-
oes de (luinliio, g.;n> accSo notavl sobre convalescentee, dando-
Ibes forcaa c apressa|rio a wlta a laude. Cura as ebres antigs que re-
sisti ao sulfato de qxinino.
MOLESTIAS DA 8EXIGA. A maior parte d'esU moles-
"*.' lombagos, catarros, e todas as dures nerroeas em
geral sto curadHOAs pebola oe esseuoa de therebHtiiu de
Dr. Clcitan. 0 profcMn- Trousseau em seu TraUdo e titeropeutlca acon-
seUia as pag sercm tomadas ua occasiio do jantar, na dse de 4 a 12.
OLEO DE FIOADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Corantds.puro e de primeara qualidade, nm dos pouco aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes medicamentos fsram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Pars.
PREPARADO POR
Lanman & Kemp
PABA
Tisica e toda a
qualidade de do-
encas quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhido
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrafie o
Oleo, no banco
da Terra Nova
purificado chi-
micalmente, e
suas valuaveis
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido stibmettido
a um exaine
mto severo, pelo chimico de mais talen-
to, do governo liespanliol em Cuba, e foi
por elle a conter,
MAIOR PORCO DTODINA
do que outm qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E' UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho,
enaquelle no qual contm a maior porco
d'esta invaluavel propriedade o nico
mero para curar todas Ai (locuras de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FlGADO,
Tisica, broncbtes, asma, catarrho, tosse,
resfiamentos, etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Neiihum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto,
nutrimento ao systema e encommodaiido
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisago tem sido
destruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RIIEUMATISMO
e todas aquellas cuja digesto se acha com-
pletamente desarrancada, devem tomar
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
F^anman t Kemp.
Se que desejam ver-s livres eisentas
de enfermidades.
Acha-se venda nos estabelecimentos
A. CaofR, J. da Conceicao Bravo & C.
M. A. Barbosa, P. M.mrer C. e Bartholo-
meu C.
as princfpaes lojas de derfu-
marias e boticas.
AOS o:oooooo
aSA DA FORTUNA
Itua do Cre|K u. t3.
0 abanto assignado lendo oWde ifccnc da pre-
sidencia e satisf'.ito as onlras exigeucig da lei;
avisa ao rcspoitavel publico qne tora senpre
venda no sen cstabelecimento bimcteS das lote-
ras do Rio de Janeiro, cuj"s premios serio pagos
pnmiptamente vista das listas cora o descont
smeute da le.
Prccns :fttteiros.. H5000
Meios... 12*000
Qnartos. 6O00
E em quantidade maior de lOOjlOOO na ruSc
de 2000 por bilhele.
Manoel Martins Finia.
---------
COMPAIfHIA PERHAMBCAHa
jEMPRESTIMO SOBRE
(SEM LIMITE.)
Na iravessa da na
das Gnes n, 2, pri-
meiro andar, da-so qual-
quer quantia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabeleclmento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transaccSo que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerarlo s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se onro,
prata e brilliantes.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000^1
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido alm de ou-
tras sortes o meio bilhet n. 29o com 4:000^ da
lotera que se acabou extrahir beneficio da San-
ta Casa da Misericordia, convida ao possuidor a
vir receber na conformidad^ do costume sem
descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes da 2CJ parte da
Sania Casa (1151) que se extrahr no da i de
agosto.
Precos.
0* do costume.
Manoel Martins Fiuza.
E em todas
ATTEN CO.
O candpsoque tirou um chapeo de manilhaque
eslava em cima de urna earteira, na loja do Trium-
pho, na do Uneimado n. 7, tenha a bondade de o
entregar a seu dono, na incsma luja, on atraz da
matriz de Santo Antonio n. 18, quandj nao ser
pulilicado osen nome ueste Diari >.
i Sublime publicarlo luterana sob o
titulo de Memoria do Bom Jess
do\Monte, em Braga.
Acha-se venda na loja da roa
: (lo'Crespo n. 25 A, esquina da do
1 Queimado, a Primorosa Memoria
do Bom Jess do Monte em Braga,
ornada de gravuras finas, segunda
edigo, obra da pema de ouro do
mui Ilustrado lenW da nnrvcrsida-
de Clmbra, q Exm. Sr. conselliei-
r.. Dr. Diogo Pereira Forjas de
Sampaio Pimental: quein ti ver no-
ticia da extfWdiaria devoco que
existe em Portugal para cOm aquel-
la milagrosisssima imagem.affluindo
sempre para o seu magestoso tem-
plo em romana numeroso povo
de todas as partes desse reino;
quem souber avaliar as brilhantes
descripges, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio literato portuguez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-se de um exeraplar da dita me-
moria, pelo dimnuto preco de 3,
na loja cima indicada, onde j lia
pequeo numero dellas.
AOS 20:000^000
CASA FELIZ, ARCO DA COXCEICO N. 2.
Os abaixo assignadte lendo-se liabilifado na for-
ma das les tem exposto venda os seus felizes
bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casa
cima adnde se pagario te sortes que sahirem
nos mesmos bilhetes com o descont da le s-
meatM
[Presos.
Bilhetes mteiros. 2jOfO
Meios. ..... 12000
Ouartos.....6*000
E de 100a para cima a 22|o bllhete.
Figueiredo & Leite.
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmaos,
Luiz Antonio de Siquera.
c.i:rf\tf
0 SR. F. F. B0RGE8.
Restando ainda emittir algumas aeces desta companhia, da quantia nominal de
2 cada acrao; convida-se [>elo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aeces que Ihes approuver.
Algumas destas accoes j tem sido tomadas por pessoas que cor.hecem a vantagem,
de na presente occasio (conhecidamente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr era objectos de valor real, como;vapores. predios etc., que Ihes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % ao anno nos ltimos 4 annos.
As accSes que se emitlirem gosam dos mesmos direitos, e percebero o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em propongo da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12.
DENTISTA DE PARS
19-Rua Nova-19
FKERI0 JLUTIER
:irurgio-dentista, muito conhecido ha dez annos n'esta cidade, pela perfefo dos seus
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
acharSo os commodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
Mk IiEROUX
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou com
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o n5o encontrarem no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a press5o do ar e com molas de ouro, platina
vulcanite e um inteiramente novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturacoes) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos dentriflcios fabricados pelo proprio annunciante, oquelhe permiUe afian-
$ar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipo de trabalho e precos moderados.
Vingers para fra mediante ajusto p-evio.
0 gabinete acha-se aberto das 8 horas da manha ateas 4 da tarde de todos ds
lias u'.eis.
O advogado
Alfonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
criptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
Francisco Perreira da Rocha Lial, por grave
incommodo de saade e atropello de sua viagem
para Europa, nao pode despedir-se das pessoas
que o honram com a sua amizade, s quaes. pe
dmdo desculpa, olTerece em Portugal o seu dimi-
nuto prestimo.
Una mulher que tem bastante leite, offere-
ce-se para amamenir urna crlanca : a tratar na
na da Gloria n. 18.
Precisa-se de urna ama que compre"
>he para um a casa de pouca familia :
kova de Santa Rita u. 41.
e coz-
na ra
Va i finalmente a praca, a casa sitio de-
fronte do Peres, peranle o Sr. Dr. miz municipal
da segunda vara, s 11 horas do da quarta-feira
i do eorrenle.
No dia 31 de jnlho, as 9 horas da manhaa,
no sobrado n. 26 da ra da Matriz segundo andar,
em occasio que a familia eslava almocaudo rou-
baram um relogi de ouro e machina de prata,
patente suisso, de martello. sobre a coberta da ma-
china tem os seguintes mimes da parte de cima o
numero 9783, tem tambem sobre esta coberta,
abaixo do numero o nome chronometro, embaix
lem escriplo 23 purres, da maneira seguinte :
purres. Tem os poiMeirns de ouro, c sobre cada
um dellas tem urna pedra pequen a branca, e
coberto : quem delle der noticia on apprehendlo
se gratilicari
AVISO
Rls-Jtneirt.
Baha..
( Parla, s.
Dimnaiui
TitDOitri.
letO.
DEPOSITO
FUERE, la, ,at Jacab
Pemamouct. Mmhu et O.
Cetra.....liora et O.
i
Jos Pinto de Magalhaes e Germano Pinto e
Magalhft odMMraxn a 19 do mez Iludo, a
cheira de cafefoe ffe passeio da rita das Flores n
35, alii. pois, eneonlrario os amigos e freguezefc
bous carros de alugne, d'entre eMes duas calewj
proprias UQ MHMptos. visitas, ete.; a firma
^M&alhes & G ge-
rente dew, ffl KaMlMln de Magalhaes.
ATTENCU
Quem quirervender a prazo e somentecom
a garanta de lettras assignadas; engenhos,
casas, sitios napraia, navios, Hacaras, fa-
zendas no serto, joias de todas as qualida-
de^,. metaes preciosos, movis d todos os
goetos, fazendas em grosso, loucas assorti-
das, cscravos, bote, cavados, bulrosrv cfc-
teicos, porcos, cabras, galfinhasi -boflps
livres por escravos, etc. etc., Tl'ia termo de Serinhaem entender-se fBr>
capitalista Pragas Cavalanti que naoaeij-
r de comprar jjpr mais alto que. -seja b
preco.
As lettras d'esse senhor s5o descontavieis (
em qualquer parte do mundo, q pai aimaor
conhecimento inicaremos as pracas o, lu- *
gwes que mais promptamente faro o devi-
ilo descont : Utesouro nacional, banco do
Brasil, praca do Rio de Janeiro, do Recife,
da Baha, do Cear, em todas as pravas da
Europa, e especUlpente na de Londres,
Paais, Francfort, Hamburgo, S. Petesl.urgo,
Bruxellas, Ma-riH Turin, Lisb.?, Porto.
New-Ybrk, e com mais presteza ainda na
imperial cidade de Lolaia, onde este senhor
muito conhecido.
11 Sua estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
jante e bem fornecido hotel que situado n'uma posico inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zepltyros da tarde, torna-se preferivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, dislracl da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, um excelente buhar de mogno, para divertimento. Sala
de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
rias, o delicado modo do pessoal do eslabelecimento, promptidao e commodidade, s
aos Ilustres concorrentes dado fazer justica.
Fornece comidas para fra, tanto por mez cerno avulsa. Todos os dias, noite,
iucontrar-se excellente sorvete, refrescos, ca. cha, bons vinhos Figueira, Poito, Bor-
deaux, tendo bons commodos para hospedagem, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
NA

FLOR BA BOA-VISTA
M1J.1
DE
cr-*
^PAULOFERANDESDEMELLOGIMARAES-
-*fj SOB A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA t*3
ALFAI4TE FEDKO i
a
Nesta officna encontrarlo os respeitaveis freguezes um dos primeiros artistas
tem alfaiate para hem poder satiafazer toda e qaalquer obra, tanto no bom corte, como
To aperfeicoainento das mesmas.
*. Tarna-se desnecessar recommendar este artista, pois que a suathesoura ja
*om conhecida, (e com grande especialidade em fardas) por muitas- pessoas distinctas
desta cidade
a Achar-se-ho figulinos de todos os mezes, pelo qu o artista executa debaixo de
'.". Mmf o"s preceitos d'arte qualquer urna obra em face dos mesmos.
O mesmo estabeleciinento se acha munido de um completo sortimento de fa-
rerdas, como sjtim : casemiras de cor, ditas pretas, pannos p'retos, ditos aaues, brins
de cor, ditos brancos, seda para colletes, merinos, etc. e mais fazendas proprias
ofTicina.
O grande sortimento de roupas feitas que tem vende por menos 20 0/0 do
que em outra qualquer parte.
Ama ele kite
Precisarse de urna ama de leite sem filho, *pre-
rerjndo-se branca ou mulata bem clara : a trataf
na travesa do Veras n. lo, 1 andar.
se de um hotoeu
idade 40 annos, mais ou
livre o
nos. para servico
Preci-a-se de urna ama secca para tratar de
una menina em casa de-humera soltuiro : na ra
de Santo Amaro, cuino quem vai para Onda, n.
6 : a tratar na mesma casa, das C da manhaa s
9 t]i, e tto'tarte as 4 1 \i horas. ________^^
Precisare de m cozinheiro que seja assea-
do R3S snas obrigaeoes : toda aquella pessoa ave
estf^er nestss circinetMicias, quert dirlgir-se-
ra do Cryjt_n. 6 para se tratir
RA DA IMPERATRIZ H. 48,
junto padaria franceza.
M*
^io o largare at
E" na roa Di
se deseja raHar
lli
que.
casa e que tambem enleria de' blaritecSli*para J Na ra
tratar de um peqoeno sitio : a fallar
Pire n.9i, i-andar.
na
' na ra UireiU a. 3. loja de terraf ens, que
Sr. Antonio ftemeisCO Duarte
ouseu irraao ex-deguiado provincial Dr, Maxi-
mnmo Vnnctffnfl se: dgro wber-qiiem-....
casa n. 1, deseja-se
Luiz Cesar Pinto de
CONFEITARIA DOS AMVIZES
1
Sil
46 RIM DA CRUZ 16
*eo OWW: de
o Q6k
Ha diariamente partimento de boilinhos para cha, fiambre, pastis de dffleren-
|>tes qualidadas, vinhos de superior qualidade, cIjHisson preto, e miudo, o melhor qoe
se pode ecntrar n mercado, amendoas coftfeifedas, xaropes refrigerantes, doces de
calda, etc.
cumbe-se de encommendas para grandes janlares. baHe, baptisades e
samentos, a saber:
Pecas de nougat. Pes-de-Iot enfeilados.
s de po-de-lot. Bollos dem.
mk de ovos. Pritos de doce de ovos.
ra dos I fallar com urgencia ao Sr.
I Parias.
Otos.
Ditas de caramilo.
Bandeja com armado de assucar.
i. -i
,

t
:
i
Tortas folhada> de arme e carne.
Empadas.


' I l'"-1'
^i


I
>-
[

Diarlo de Pernambuoo Quarta eira 4 de Agosto de 1869.
"""*fT..
ESMERALDA
r^z:
"*&*.
PILULAS
ANTI m f
Cura radicalmente as bonitas.
nico deposito.4'hannacia **! Joaqaioi
de Alraida Pinto, ra larga do Rosario hu-
mero 10, junto ao quartel de poKcia.
\lROPE
DE
S SALSA P.lllMLII.1 DO PARA
ou
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pelle, impigens,
dores rheumaticas e ulceras cinreas,
NICO DEPOSITO
Ra larga do Rosarlo n. O.
IUNT0 AO QUABTt RF. POLICA
Pernambuco.
S iUVJLff
ii .^P^P0 ****>
Uiaeonlao di uurtf pal pRseqBo. lisaMr da
Cruz de Almas pfa citftdf deJoo de ftii
o cemilerio brasileiro : quera o .
jiro
adiar pode diri-
recuber a
4- Prev*'-:} ao respeilavel publico que
as mac!" iUas que existe naserraria
e M' tolate, sita ra do Mon-
'. cm virtude do arrendamento
wV servem de garanta nao s aos
-orno ao complemento du'mesmo
ci .o, protestando os propietarios da
c!.. Jala propuedade fazerem valer o seu di-
reilo; e para que ningem possa chamar-se
;i ignorancia se faz o presente annuncio.
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem viudo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe
dras preciosas
HL 5 BA DO CABUflA \ 5
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinbar e comprai
para casa de pouca "familia : na ra das Cruze*
n. 28, i* andar ; prefere-se escrava e paga-
bem agradando.
Attemjo
do
a!-
MAC1IINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descaroQar algodo.
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar,
godao do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roiler Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de fucilo do fabricante Platt B. d- C, Obdlian PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior quaiidade e as melhores que tm
vmdo ao mercado ; e para a sua apreciacao convidam-se os senhores agricultores ]
virem a exposico das mesmas na ra da Cada do Recife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontrarao mais o seguinte :
Debulhadores para mlio.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhos de mao.
Machinas para cortar apira.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Oitas americanas.
Telhas de ferio galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e lafik).
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de vergoinlia.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para feneiros.
Finalmente muitos outros-artig
diversidade seria enl'adoiiho ennuraera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Ternes de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Penciras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rcwolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engoramar.
Moiuhos para refinaces.
Azerte de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Senas ayulsas para machinas.
Mancaos e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
osperlencentes lavoura e artes, que pela
Na ra Estreita do Rosario n. 3"> 1" andar prepa
ram-sc ricas bandejas de bolos par;i ea.imentos, tai-
leso ba plisados, por preco muilo coniinodo, com bolos
dedillerentes qua ii e naturaes proprio* para enfeiles de bulos e para
calamentos e para qualquer offorta com litas bor-
dadas a ouro e lelieiro agosto dos doiios ; as eo-
comineadas devem ser feitas dona dias antes,
eiifeitam-se velas ricas por omito barato irefo
para baptizados e enfeiles de aliares; faz-se ca-
pelln e renos para as lojas e Dores para eafeHes
de igrejae ; preparn-se qualquer encotnmenda,
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capellas. festes e roseiras para enfeiles de igreja
| mais barato do que em oulra qualquer parte e
com tuda presteza ; l'az-se pao-de-l, pudins e do-
ce, ludo enfeitado para presentes.
O r. Eiuiiio Coutinho reside 8
na da Cadeia h. 64, onde tem g
aberto o seu consultorio medico, e s
pode ser procurado a qualquer ho-
ra para o exercicio de sua profis-
sao.
"Tvso
ao commercio.
Manoel Jos de Bastos Mello tem justo e contra-
tado a compra da loja de miudezas sita ra do
Queimado n. ao, com o Sr. Alonso Moreira Tem-
poral, livre e desembarazada de qualquer onus : .
Juem se jnlgar prejudieado queira apresenlar-se
entro de tres dias desta data. Recife 31 de ju
ho de 1869.
lili 11
FIO DEVxli
Barbante
Em casa" de Rabe Schmetau A C. Corpo
Santo n. lo.
SHERRY OLOROZO.
Gelo seal.
COCiNAC 11KNNESS V.
Em casa de Rabe Schmettau C. Corpo Caixas
Santo n. 15.
CHAMPANHA
SUPERIOR.
Roussillon, curte hlanche.
Em casa de Rahc Wchmetaii t
CJ. < oi|o sw\t ii la.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
B CHATEAU RAIZAN
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpo
Santo n. 15.
ALUGEL
No Coraeao de Ouro se diz quem precisa de nina
esclava que sirva para comprar, cozinhar e en-
gouunar para casa de familia.
AMA
Precisa-se na ra da Palma n. 50, de urna ama
para enrarregar-se do servido de urna casa, com-
prar, eosinhar, engommar e tratar de tima se-
nhora c urna menina.
Criado.
Precisa-se altigar uru criado livr% ou escravo
para compras c servieo interno de urna casa de
familia, menor de 10 a 12 airaos : a tratar na ra
Bella n. .
Na ra de Agoas-Verdes n. 96 lava-se e n<
omina-se com perfeiro.
CARVAO DE BELLOC
PARS
Ayprovado e reeoimnendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
curs da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos inlestinos
E eyualmente o remedio por excellencia contra a reteneae de ventre. Rnaimente em
razae de suas propriedades absorventes, reoommendado cerno verda-lciro remedio nos
cazos de diarrbea e cholerina. nao de Bello* toma-be na occasii <1m comidas
sob a forma de pos ou de pastiBias.
Deposito em R Preciosa publ&a-
co jurdica.
Oommentari do cdigo commercitil
porluguez e brasileiro
Vende-se na leja do Sr. Heraclio
de Paula Monteiro, na da Impe-
rador n. 71, a importante e moder-
na obra sob o titulo de Annataclies
ao Cdigo do Commercio Porluguez
em 6 volumes pelo Exm. Sr. con-
selheiro Dr. Diogo Pereira Forjaz
de Sampaio Pimentel, lente cathe-
dratico na tiniversidade de Coim-
bra. Os subidos crditos de que
goza muito merecidamente aqoelle
eximio commercialista por si s
bastariam para recommendar lo
importante Obra, guando nao con-
: corresse mais para isso a grande
vantagem de sor um ptimo com-
mentario ao cdigo commercial bra-
sileiro (na falta absoluta que ha de
qualquer outro) pela mxima he-
mogeneidade entre militas das suas
disposicoes, e as do mencionado
cdigo portuguez, que lhe servio
de texto. Correi pressurosos, dis-
tincta mocidade da Faculdaile de
Direo desta cidade, e mais nota-
veis jurisconsultos, prover-vos
desse poderoso auxiliar para vossos
ttabalos da sciencia, e pelo preco
com modo de 0(5 toda a obra emO
voluntes.
Luiz Manoel Piigueira, eommercianto na
villa de Ifcssnr, scientiflea ao respeilavel corpo do
eoiniuercio desta e mais pracas. aonde lem tran-
saecoes, que por falleeimenlo do seu socio Tbom
Leile de Olivuira em 'Jt de junhu prxima pa.-sado,
contina suas ncsntiaoki em sea proprio nome
dessa data em diante, responsaliiii-,imio-se pela
liquidaran de Uu\<* os encargos da extincla firma
de Luiz Manoel Kllgueira & ('. Recife 2 de ai/osto
de 1869. d
Gaixeiro
Na/ua Dirla n. 3i precisa-se do um caixeiro
com pralica de rnolhados.
Precisase na na da i'jrut n. 33 de uTcaT-
xeiro que tenha pralica de vinhos.
COMPRAS.
C^
GOMES DE JBAnOS IRWOS .
, tendo feito completa mudanza em se antigo e
I acreditado estabelecimento de joias; bm o flm de
dar-lbe maiores proporpoes e elegami, convidan?
ao publico em geral e com especiadade as Exms
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmen
das 6 horas da manhaa s 9 da nonte na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubias e tudo qae em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBIAS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata qojntrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejag,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra prediosa e gafantem
a quaiidade dos objectos vendidos.
02
MAS
O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e peoras preciosas por preces mais vanUjosos do
que em oulra qualquer parte.
Na praca da Independencia n. 33, loja de pu-
uves, compra-se ouro, prata, e pedras preciosas.e
lambem se faz qualquer obra de encoininenda, e
iodo e qualquer concert.
-I l w
iISl
Compram-se e vendem se diariamente para fra
e dentro da provincia escravos da todas ns idades,
cores e sexos, com Unto que sejam sadios : no
terceiro andar do sobrado n. 36, ra das Uruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se
farinha de mandioca da trra : na ma do Com-
mercion, 17.
Sdalas de {$ e 2$
Compra-se na casa de Theodoro Simn
r C, largo do Pelourinho.
SEDULAS GERAES.
Compram se com premio sedtilas geraes do 20
para baixo, sendo quautia superior de 1:000#000 :
na ra do Vigario n. 3, escriptorio de Jahnston
Pater & C.
COMPRA-SE
moedas de ouro e prata de todos os valo-
res, ouro e prata .em obras inutilisadas, e
brilhaatese mai^edras preciosas: na lo-
ja de orives o arco da Conceigao no Re-
cife. I^K^-
VjnlJAa.
Qiieijos.
Vendem-se qneijos do Serid
gramma, em poreo se far abatimento :
Direita n. 16, Vado Branco.
a 25000 o kilo-
rua
na
Miguel GoTcalves Rodrigues Franca, fllho de
Manoel Gonraives Rodrigues, vende a beranca que
cm urna quinta lhe deixou na ilha de S. Miguel
seu avo faterDo Joo Goncalves Rodrigues : a Ira-
lar na ra do Crespo n. 12, 1- andar.
Vende-se urna eserava moca de bonita figura
flne sabe engommar e coser bem, cozinhar sofTri
%-elmente e fazer labvrintho. rendas e bicos
CEMENTO
PORTLAND.
Vende-se no armazem amarello de Vicente Ker-
reira da osla & Filbo, defronle do arco daCou-
^ceicao, ta barricaa grandei.
Vende-e
- um bonito mulato proprio psra
bolieiro. criado ou outra qualquer cousaporser
deexeelknte conducta: no 3andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruzas.
JfcVBde-se um mnlatinho de 12 amias, benita
figura, peca e proprio para um pagem on opei-
ro, vindo do mato : aa ra do f ogo i
POLHA DE
FLORES
da labriea Derwent a 9* I C ou SOfrgor-
tida : na ra da Cadam w. 4.______
Vende-se urna machina e um cavallo, tudo
em muito bom estado, pertencente a sua padaria :
na r-va da Semala-nova n. 30.
I uBtm
Ra do Queimado nt 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
d Jos Bigodinho.
Est queimando tudo quauto ten em seu
estabelecimento para acabar e fazer novo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Caitas de linhas' do gaz com
SOnovellos a 500
Latas com superior banha a
20, 200 e..... 400
Frascos de oleo babosa muilo
, fino a....... 400
Duzas de raeias ( inglezas )
inuitu boas a 4,$000
Garrafas com agua florida ver-
dadera ...... IfJIOG
Garrafas com aguajdivina damc-
Ihor quaiidade .... 1^500
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2#500
Dita com|G frascos muito finos 800
Oleo baboza muito lino que s
a vista ...... 500
Sabonetcs de catanga muilo bo-
nito i...... 240
de p de arroz muito
superior ..... coo
Pecas de babadinho com 10
varas ...... 500
Pecas de fita de cs qualquer
largura ..... 500
Escovas para unhas muito fi-
nas ...... 500
Escovas para dentes fazenda
muilo fina ..... 240
Pulceiras de conlas de cores
^ para meninos- .... 200
Gaixas de linha branca do gaz
com :I0 novel los 600
Pecas de tranca lisa de todas
as cores ..... 040
Resmas de papel pautado muito
Gno ...... 4;50O0
Pares de botos para punhos
muito bonito 120
Libras de la pa>a bordados de
de todas ?s cores 8#000
Pentes com costas de metal
muito finos 320
NoveHos de linha muito grande
para croxs 320
Duzia de linha froxa para bor-
dado ...... 480
Grosas de botos madreperola
muito fino .....
Sabonete muito linos 00, 120,
100, 240 e.....
Pecas do fita de 13a todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
1(5000 e.....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito lino com 4 fo-
lhas ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
500
320
500
10500
2000
060
320
1500
1200
A loja de louca, vidros, porcelana e
christaes, da ra do Imperador n. 46,
alem do explendido sortimento que tem
destes artigos, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
prios para podins e pastelons, cafteiras
etc., etc., tudo por procos mais cmodos
do que em outra qualquer parte. Tambem
figuras, vazos, pinhas, lioes, globos, e bolas
panorama, tudo proprio parajardins, e cn-
feites de cazas; ra do Imperador, n. 46.
MJEAO
Grande
loja de fazciidas e mapas feitas
ra da Iluperalriz 11. 32,
porla larga,
DE
PAREDES PORTO
Neste estabelecimento encontrar o res-
peilavel publico um bonito sortimento de
roupas e fwendas de todas as qualidades, e
preces commodos, tem seapre um bonho
sortimento de CMflmiras de cures e pretas,
panno Gnu de diversas quahdades, brim de
bonitas cores e blancos de boa quaiidade,
encarrega-se qualquer obra por medida e
preco muito commodo.
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da imperatriz n. 52, porta
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento nm bonito
sortimenlo do rettjMS feitas de diversas
qualidades e preros commodos, eomo sejam
palltols de alpaca preta c decores a 3.
35 0 e i4> ditos de panno preto sacos a
6, 7 e 80; ditos de panno superior a
12, 14e 16; ditos sobrecasacados de
dito dilo a 18:>, 20> e 253 ; ditos de case-
mira de cor a 5,j, 6* e ld-v cifras, colletes
e palitots de casemira muito lina de cor a
20 c ?5>; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de *"> a 6#; ditas de
casemira preta c de tures de 4 at 12;
collctes de todas as qualidades: ceroulas de
bramante a i 500,2000 o 200; camisas
francezas de linbo e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte; colarinhos, grvalas;
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 6 a duzia;
pecbincha neste estabeleciment pele
grande sortimenlo : todos os freguezes se
poderao prover dos ps at a cabeca por
preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madapolo
fino a 7, 8 e 10 a peca. Algodo (pe-
chincha) a 5500 a pera e outras qualida-
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 34500 a
8 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metros
a 285000. Esguio o mais fino possivel a
2,->o00 e 3 a vara, e outras muitas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEfiO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porlo.
MUITO BARATO SE VEMEI
NO
Vend
a-taberna da ra de
de do seu dono retirar-se
na misma.
r-SG
Ikrtas n. 43,
para
em
fra : a
virtu-
tratar
PAUIiO CORIIKiRO
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, viajado, meio
(rosso c vinagrinho : no deposi(e a cargo de Joan
Francisco da Silva Soares, ra do Vigario n. 11.
Fai-se vantagens aquein comprar pureao, e 1ro-
c-8eo rape que nao shir do agrado dos consu-
midores.
Rap Frinceza
DA IMPERIAL FABRICA DE VIFdRA GIMA-
RAES & COTO.
DO 10 DE JANEIRO.
Vende-se este excellente rap no escrip-
torio de loaquim Gerardo de Bastos, ra
do Vigario n. 16. Io andar.
Na ra Direita,
vende iniiho e
taino.
Attenqao.
taberna do Viado Branco, os
novo em porcao e a re-
%ei\ icos paramesa
ExcellenteB toalhas de linho adamascadas para
mesa e guardanapos correspondentes, vendem-se
por commodo preco : na ra do Queimado n. 31,
loja de A. M. Rolim A C.
RU
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os proprietarios Jos de Souza Soares &
C, alm dos baratissimos procos por que
esto vendendo a grande variedade de arti-
gos de moda e novidades de bom gosto
tanto para homens como para senhoras c
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
branco para homens, fazenda lina, a 10!
(o preco 14 000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a 4500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda imitaco de cabellos
a 3 e 3,)500.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares "800 (o preco de 9
a 10000).
LEQUES de madeira sera difierenca de
ndalo a 2000 e 2500, (grande peohin-
cha!)
DITOS com lentijoulas a S e 4-J000.
BARALHOS de cartas francezas boa fa
zenda, a OO rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, om pacofe por
1000.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade m Paris) a
2,?500 e -i^OCO.
DELICADOS corpinhos de cambraia he!-
lamente enfeitados a 65O0 rs. (admira o
preco t)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
\o Bazar da Moda.
N
Para o armazem do Campos, na ra do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acha se constantemente um variado sorti-
mento de gneros finos para meza e
cosinha e entre estes nomea-se aperas as
especialidades seguintes:
Queijos do'serto sendo de manteiga e
coalha.
Camares seceos do Maranho.
O verddeiro caf de Moka,
0 superior e bem coobecido pexe miraguaia
que se vende a 160 a libra e 4500 a
arroba.
TABELLAS
de redueco as mais facis e mais com-
prehensivci}, tudo no
Armaafttt do Campos
Scbemte ate alcatro.
Mt
Antonio Nones de Castro.
Este acreditado preparado, que to be;
acceitacjo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda paii a cura cert
das impigens, sarnas, caspas e todas a?
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A-C,
34ra Itrga doitoaario34.
Vendem Angosto F. d Oveira C. i
oM>ieoio,B.4?.
B
Veade-ee urna escrava cridUla de 4 anuos
de idade, sabe eozinhar, oanommar e coser
ruado Vigario n. .'
it*


Diario tle Pe iiaubuco Quarta eifa 4 de jtgosto de 18G9^.'(1


GRANDE L1UIDACA0
UTA I.OJA
ARARA
72. Ra da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
qu e A ra ra v a i cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
qde muito ha de agradar.
0 proprietario dcste estabelecimento, Icndo grande prco de fazendas em
tfr, vai proceder urna liquidacao em todas as fazendas e roupas feitas existentes no
ertabeleciinento, agora que occasio do quein tem pouco dinieir poder se vestir de
. b">a fazenda e baratsima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
ADAPOLAO BARATO A 3500. j BRAMANTE PARA LENCOE9 A 20.
Veude-sc pecas de madapolo enfestado | Vende-se bramante com 10 palmos de
. o; 12 jardas 35500, dito de 21 jardas ou!largura para lenco;', a 2$, a vara.
22 metros 50, Gl.MoOO, 7o00, 83000 e
8.5000,
CUITAS FRANCESAS A 280 rs.
PECAS DE ALGOaO A 40.
Veodm-se pecas de algodo muito en-
cornadu 10, 50, 60800 e ,>.
Vendem-se cbitas francezas para vesti-Culcriishos ct-uuoiuleos a 3*0
dos a 280, 320 rs. ocovado, ditas escuras duzia.
milito finas 360 rs. o covado.
Challa multo ttai 800 rs.
Vcnde-se clialin para vestidos ie senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A iift US. O COVADO.
Vende-se percales muito linos para vs-
talos desenhora a 440 rs. ocovado.
ItrHhaaiij.is 440 rs.
Vende-se brilbantinas ou mursulinas de
cores para vestidos de seahoras 440 rs. o
covado, lazinhas muito finas para vestidos
de seuhera 400 rs. e .'>00 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
BISCADO FRANCEZ A 300 RS. 0 COVADO
Vende-se piscado francez para vestido
de senhora 360 rs. o covado.
I/iaslahas a 4 rs. o ovado.
Vendcm se lasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, cuitas francezas tinas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de inerla .
Vende-se diales de merino estampados
2#e2;5300 cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS AREUTOS A 20400
Vende-se cortes de laa para vestidos de
senhora, 2J400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestios
de senhora, 720 e 800 fs. o covado, di-
tas de listras 700 e 70 rs. o cavado.
Chitas prussianas 360.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CUITAS PARA COHERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Bal oes de tO a SO arcos a
14&oo.
Vende-se baloes de 20 a 30 arcos
10300 cada um, baloes modernos brancos
ede cores 50.
Vende-se colerinhos econmicos a 320
a duzia. s se vende assim barato por ter
grande porcao. ...
CASEMIRAS DE CORES
Vende-se cazemiras de coros para calsa
o palitt > 20500 e30 o covado,
Algodo cufestado a tS.
Vende-se algodo enfestado proprio pwa
lemjes e toalhas, i>, a vara ou 900 r&o
metro.
JJIUM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-so brim para cairas e palitots de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imitaco de ganga a 360
o covado.
Algodo de listras a 30 rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de [ brim castor para
cale-a de homem, 610 800 rs. cada ura.
CARTE1RA PARA VIAGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem
cada una, cobertores
cada um.
Cobertas de chita issuo
Vende se cobertas ile chitas de cores
15800 e 20, cada urna.
ALGOAO TRANCADO DE EAS LARGURAS A
1*200.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 4&2O0 o metro.
Mantas para grarata 900 rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 20500.
Vende-se atoalnado pardo para toalhas
de mesa 25300" a vara, toalhas escuras
i0, cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
SOB A
RA DA CADEIA
DE
I1IS, UU & c,
DIRECQO DO MUITO HABILARTISTA
Lauriano, al [date. t
CONVITE GERAL.
O nronrictario do armazem de fazendas denominado Ganbaldi, na ra da Impe-
ratriz n. 5t>, declara ao respeitavel publico que tendo grande deposito de fazendas em
ser, e desojando diminuir este grande deposito por meio de urna liquidacao que lin-
dar no dia 15 ou 20 do corrente, por isso convida ao respeitavel publico a vir sorttr-
se de boas fazendas, e por diminuto preco. a saber
Azeuedv Mata, esi acabando
com as mttfdczas desetts estahe-
lecimento9por isso qrteram apre-
ciar o que bom e betraissiim.
Peras d? tiras borifadas com f&
metro, fazenda' superior, v
i Vii;0, U, $e. -
Ciws de finlia comSO novellos
Parts de sapa tos de tranca fa
zuda nova a .-.....
Pare de sapa tos de- tapete-
(s>grnete) a. ......
Duzia de meia* croas-para lio-
mera a .. .
Tramokw do Porto- faBasda boa?
e peib-prego neUior IGO-atts-a;
l Livros de missss- abreviadas a',
de algodlo 10500 Duzia de- ftaralhcs francez9raniilo>
linos aftiOO e .
Silabario* portugtm com osWtm-
pas a .....
Sravatas e crese pretas-nKiito
linas a-........
Cartees cj clcheles de-teta
fazenda tina a......
Abotuaduros- de viuVo para aaiete
fozeida iaa a. .
Caicas com/ penna Paco imito
finas a 32, 408; SOO'e .-
Carlees de Snha A&xandre- "jue
tara 200 jardas a .
Carretei de-tmha Aexandra-de
70at200^......
Cai:jas com superica^s obrsias
de mssa a.......
Duzias de agaJhas pasa machina'
Libras de presos fraoeezes i-
verso tamaatio a., ,. .
Livros escripteradopara rcli'de;
roupa a. ...... .
Talheres paran menM8- nwko
finos a. ,......
Caicas com p*pel amiadenuNto
fino a....... ^ ..
Caixas com iOienvelopes Rtto
finos a........
Pentes volteados parmeni as e
senhoras a.......
Thezouras muito finas- para
unhas e costaras a. .
Tinteiros coas tinta poeta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja par.3: loatas fa-
zenda fina, a. ^ .
Pecas de fita branca, elstica-.
muito fina a. .... .
Novellos de-linhacom- 400 jardas.
Resmas de papel da pezo azut
muito fino a......
Crozas de botoes- de louca muito
finos a........
Os propietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter nadirecrao de saa oficina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lanriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do fregaez.
Tem o rnesmo estabelecimento onrbom sortmemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como aejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimento de
pannos finos, pralo e de c6r, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekin, superior qoalidade.
Os freguezes encontrarao ainda um variado sortimento de roopa feita, camisas
inglezas, coffarinhos, ceroulas, grvalas prelas e de phantasa, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeo de*eda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
baloes de di versad cores e modelos, cambraias, malas- para viagem, e oatros muilos ar-
tigos que a motficidade de seus presos- incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
INALHUGLIN I ^^A
Ruado Quetmado ns. 49 e 5?Ip A T T A l/TPTT 4AITT7
lojas de miudezttt de Jos deljALlJ V JulLAnlli
Knai <* Crespo n. 7
Os )roprictare deste bem eoiilincidf) slabelc-
criw*>, alni doiMUBitos jflrtot que tinfcam ex-
iwstos aprecia*?- resjH-ilavel publin, man-
iliirim-vjr e acabain de receber pelo ullin vapor
daEafftp; un cwnpilo e variado surtiinento'de
linas e mn delicadtte espeeialidai*s, as qisaes e*-
lai;' resol'ridoi a vender, como de scu awtame,
Sor presos mtto barafnho e commodos pan to-
OSk, co taoto que (iallo....
Muito superiores tovaa de pellica pretas, bran-
cas c de mu Rudas euros.
Mu boas e bonitas gollinhas e jwnhos para se-
nbora, neste genero o-qae lia do uwis moderno.
Superiores vestes V tartaruga para coque.
Lindos riqiissiiiKM eiifeites para cabeea das
Exmas. senhora.
Superiores trancas peetas e de cores com ridri-
Iliue e sem elles; esta taenda o ue pode baver
de melhor e mais bonit*
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e ossov sendo aqoelles bi-aneos
com lindos desenhos, e esles pretos.
Muito superiores meias fit> de Eseossia pora se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3t00O
a duzia, entretanto que dos as vendemos por 20a,
alm estas, temos tamben grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas imito
(mas. ,
Boas bengalas de superior canoa da India e
castao de marlim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
nuanlidade de oatras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. ele.
Finos, bonitos e airosos clcotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
pura segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a l annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
-barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tain-
'bem asseguramos sua qual idade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os teios para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
faoilitam a denticao das innocentes criancas. So
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles preeisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos c-bjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas largas a 280,
320 e 360 rs. o covado.
ALGODO ENFESTADO TRANCADO A
10000.
Vende-se algodo enfestado trancado para
CHITAS PARA COBERTAS A 280.
Vende-se chitas francezas para cobertas
a 280 o covado, dita encarnada a 320* rs. o
covado.
CASEMIRAS DE CORES A 25500-
Vende-se casemiras de cores a 2f?500 e
OUUO'aD UlgUUOU v*iV*J**vy nuuyuy |/i -
tatoes a UNO. di.. Uso encado a wlWgWjg*^ DE ALPACA A 3A000.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 3)5000, ditos de seda a 105 cada um.
BRIM DE CORES A 400 RS.
o metro. i
CASSAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 240 e 280 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 35300.
Vendem-se pecas de madapolao enfes-
tado a 3^300, dito inglez de 24 jardas ou
22 metros a U, U, 1, 80, 90 e 100, a
peca.
LANZINHAS PARA VESTIDOS A
200 RS.
Vende-se lanziohas para vestidos de se-
nhora a 200, 240. 320, 400 e 500 rs. o
covado.
BAREGE PARA VESTIDO A 500 RS.
Vende-se barege de listas para vestidos
a 500 e 640 o covado.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5o0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas de cores a 500, 640
e 720 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
SEDAS DE CORES A 10.
Vende-se sedas de cores para vestidos de
senhora a 10 o covado.
PORCAO DE KTALHOS.
Vende-se urna porcSo de retalhos de cas-
sas, de la e seda e de outras fazendas
por muito barato preco.
A' elles antes que se acabem.
CHALY DE CORES A 8O0 RS.
Vende-se chaly de listas de seda a 800 rs.
o covado. ...
CHALES DE CASSA A 10.
40O0>
;oo
2;)000
10500
30800
0200
20000
2tf80C
0320
0500
0020
500
10000
01OO
#00
0040
20000
A24U
4120
J024O
#700
#600
#320
0500
0320
0160
200
60
2*00
46C
Grande e completo sortimento de machina para
descarocar algodao de nova inven rao chegadaa l-
timamente em direitura para a loja de Maneel
Bento de Oliveira braga & C, na ra Direita n.
63. Garante-se que a melhor qualidade que at
o presente lem viudo ae mercado : acham-se em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilt-
grammos de melhor comprehenso dos que tem
\ indo al o presente, assim eomo marcos de lato
at meio gratmno pelo mesmo systema, balanras
de latao de forca do 5 a 20 klugnimos, metros
de madeira e de Jalao para medir Careadas, alm
de grande sortimento de miudezas c ferragens de
uxlasas qualidades, lodo por precns qne s a vista
fa crdito : na na Direita n. o'J, luja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C.
NQVIDADES
Blusiea
Vende-se brim de cores para calcas de
homem e meninos a 400 rs. o covado.
Gandas para cal^a a 380 rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado.
MUSSEUNA BRANCA A 580 RS.
Vende-se musselina branca a 500 rs. o
covado, dita de cores a 440 o covado.
Percales finas para vestidos de senhora
a 440 o covado.
TARLATANA VERDE A 320 RS.
I" Vende-se tarlatana verde e de cores a
320 o metro.
Lencos brancos a 20.
Vende-se lencos brancos a 20 a duzia.
Gollinhas e manguitos para seDhora a
500 rs.
Ditas de linho fino a 10000, para aca-
bar.
(GRANDE SORTIMENTO
DE ROUPA FEITA DE TODAS A8 QUALIDADES.
Vende-se a roupa feita por menos 26 ou
30 por cento do que em ontra casa: por
isso os pretendentes poderao vir examinar
para ver a realidade do aununcio.
Velbotina preta a 320 rs. o covado, para
BALOES DE ARCOS A 10500.
Vendem-se baloes de 20 e 30 arcos a
Machinas a vapor de
forca de 3 e 4 ca-
varlos.
Motores para 2 cavalos.
Arados americanos.
Machinas de facSo e serrotes para desca-
ro<;ar algodao.
Bataneas para armazem e balcao.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar cartas.
Fogo americano patente.
Vende-se chales de cassa a 10, e de me- 10500 cada um, ditos moderaos a 40
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Han>-
rin a 20.
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes de lia de listra paia
vestidos de senhora a 204O rs. para aca-
bar.
ALGODO A PECA 40000.
Vende-se pecaa de algodao a 40, 50, 60
e 7 a pe?a. E muitas oatras cousas que
seria enfadonho mencionar.
burgo a 80, vem a ser mais barato do que
algodiosinho.
CORTINADOS A 140000,
Vende-se tortinados para cama a 144
para liquidar. Ditos para janellas a 70.
Tolas "estas fazendas se vendem mnito
1 barato na ra da Imperatriz n. 56.
Boa rac>a.
Vende-se um casal do borros de raca Andaluz,
excellente para produceao: quem pretender e
quizer ve-Ios, queira dirigir-se cocheira con-
fronte a torre do arsenal de marinha, e para tra-
tar no largo do Corpo Santo n. 6,2o aadar.
Burras.
Vendem-se duas faceiras e ensinadas burras
para carro : a tratar na ra do Vigarion. 31.
Agulhas
para machinas de costura de Grover & Baker :
vendem-se na ra da Cadeia do Recite n. 51, !
andar, a 2 a duzia.
Liquidacao
Vende-se a serrara a vapor e fabrica de choco-
late ra do Mondego n. 99, urna machma a va-
por de forca de oito cavallos, urna serra para ser-
rar pranchao, podendo serrar com 12 serras da
urna vez, urna machina de fazer taboas de assoa-
Iho, limpando e fazendo macho e femea de urna
s vez. tambem para obra de carapina e marcinei-
ro, duas serras circulares, urna serra de volta e
outra de corlar desenho na madeira, urna machina
de engradar e ostra de fazer moldura, tornos de
tornear madeira, e todas as machinas necessarias
para fazer de 150 a 200 libras de chocolate diaria-
mente, tudo prompto a trabalhar, tendo tambem
diversas ferramenias para fazer os concertos de
que possara precisar as machinas. Tudo pode ser
examinado na mesma fabrica, das 8 horas da ma-
nhaa ao meio dia.
Cal nova de Lisboa
Vende Joaqulm Jos Ramos, ra da Cruz n.
8, i" andar.
Aproveitar em quan-
to duram.
Baloes de musselina com pequeo toque de mo-
fo a 3| e a 3*500, fazenda superior.
Espartilhos a 2*500 e 3i, cous nunca vista, s
no triurapho Outras muitas fazendas que se tor-
ram por todo o preco, ra do Queimado a. 7
HASSA e XAROPE
DE CODEINA DE BERTHEI
Prcconisado por todos os mdicos contra o* I
DEFI.UX0S, CATHABROS, E TODAS AS|
IRR1TACOES DO PE1T0.
N. B. O Xarope de Codclna tut mereco I
honra, atlai bem rara entre os Meticamenioii
noi'us, de ter registrado eomo m dot medi:a- \
memos 0caes do Imperio Francs dispmiMi f
quulquer elogio.
AVISO. Por cansa da reprcbensivcl fol*-|
ficaco que lem suscitado o felix resultado do1!
Xsropc e massa v Gurihc somos toreados i %
lembrar que ios medicamentos laojusiamciiii-j
concPiluodos t*> se ^->.
verdein em rj;xin- ^mS*^ J
haSk-Tr-iscoslevando '\_^sSLZ)&'}/*-^-t
frer i. ^^ "^
46, l'.uc des Eculcs, e na Purniacia CcutTal I
del'iaiH.. 7, "m "<- J'"-, ''a, u mu
Utfas ai Pharmtidtu ; iocipaes ii iii a/.ii.
ILULESSSSSgCAUVIN
nvMKicm, SS, boaleri SAtttopoL Pirto.
Este precioso P*rgall*o vegetal Uo commodo
eomo agradavel o remedio mais infallivel par des-
irair is eiilee, as acTralglas, as mais re-
beldes, assim como a all e a viscosidades
Elle efleai as aastrltls, oaalmcf oes enxa-
ajaweaa, as tama ores, calar-rao*, ematgeas,
goua e rkensnatlsmoa.
erecimentb das Plalas Canvla pode resi-
mir-se neslas palavras : neslaaelecer ou cor
rar a ude.
Ellas uo pedem nen resgoardo na comida tem
kebida; tm dose lasaate e arauratlTa, osase tomar
ellu aas refeecocs: em dose orgailTa de ooite ao
deiur-te
Perntmhm, HX. aarer et C*.
MI
r "w3 ajirsa; 'oaaiimivaj in
oiojhio Uiyuodnq 'oamirf^iu uia
uiaieu uia aiuamipzj 9s-ure8
-ajdma ossi aod siaAtuatieui ogs '^Sojj
a-p aj| ao -s9|UB8jnd sojino sop aued
JOIBU1 C OOS B3?)U00 OUIOD OfDC1UJ1
oouatu e Mi mas 'oijo opoui um
ap 9 giuauepidej eSjnd anb '|8akpbo8b
peuouiii BUin cp 'cn8e,p bjbjjbS rain u
0pU[0Ssp P Val Op OOSJJ Ulfl
tijvj sp mmpatu p
irnutthu viuispvoy v\t& topviuuddy
akajBBaamaajii,.ilBsoBa^^
Grande liqoidaoiio de instrumentos para
raosicas militares, 20 e '0 por cento menos
que em qiwrlquer outra parte, se vende no
BAZAR DA MODA,RA NOVA N. 50,
ESQUINA DA DE SAMO AMARO.
Baixos, clavieornesr trompas, trombones,
trfimpets, cornetinos, pratos finos e ordi-
t|nrios, tringulos, flanfins, diapazaos, lim-
bos, bocaes fie marlim, cliristal e metal cla-
rinetes, msicas para pianos, avethodos etc.
Tudo em perfeilo estado, garante-se, e
do primeiro aolor Gaiitrot Aine, do Pafis.
S he pecbinclia! L
ExlraelHii caniis.
Este producto 6 alimentario para duentes, nrot
apropriada para criancas, e par.i as pessoas saas;
indispensavel a todos, aorns- principalmente aos
viajantes, qne terao neile o rer-mso de i)der
ter alimentacjio de cara fresca incui raplivel, e
ijne com facilidade se aprompta e se conduz, por-
que n'um pequeo voluae earregasealsmeniacio
para muito lempo. Sobretudo chamase a alten-
o dos Srs. de engenho que encontrario no KX
TRACTlM CABMIS o recurso de alimentara! agra-
davcl, hygienica c barata para seus fmulos e seus
doentes.
Este produelo fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta eidade em
casa de Jos Victoiuno de Reibnde & C, ra da
Cadea, escriptorio n. S, 1 andar, vendendose :
No deposito ra da Cada n. 52.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma ra n. Gl.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferrcira, prara da
Boa-vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto trazem
urna guia para seu uso. ______
COGNAC.
De superior qualidade da mu accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. na do
commercio n. 32.
NOVA ESPERANQA
21Ra do Queimado 2]
Advertencia!
A Nova Esperanca, ra do Qneimtd
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de Miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o bataneo, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo ba^atissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nu forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportano quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falla aonde e a quem...
Elle quere ella quer
K sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) qner sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constanteente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) a
Nova Esperanza ra do Queimado b. 21,
alnr da grande soitimesto que j tinba,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos brodies, pulceiras e brinco d
raadreptrola.
Papef e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeKar bobo
bandeijas,
Brincos pretos com dowados (ultim
moda)".
Fitas largas para cinto.
Modernos- galfoesr franjas e trancas der
seda e de laa, para afeites de vestidos.
Botoes d todas as eores e moldes novo
para o mesmo fim
Trancas pretas comvidrilhos-sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes- pretos com vidrilhos com pingen-
tes e 9em elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delatados leque de madreperulaj mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados-.
Bengalas de buleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miutleKie ra do Queimado n. 21, 'na
Nova Esperanca.
Collares anodinos elleetro-tmgneti
coa contra as conwfyes das
creancas.
Nao resta a menor du-vida, de que muito.
cellares se vendem por ah intitulados o*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitci
pais de familias nao creem (cemprando-oa)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanza, porn
que detesta a falsificacao principalmente so
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collare;
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulc5es, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entao ser di-
fficil alcanf/ar-se o effeito desejado, embor
sejam eni pregados os verdadeiros coliare
de Royer.________
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicaco as creancas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
UNCO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu & C.
34Rna Largado Rosarlo34
BAZAR UNIVERSAL
O-lliia MoraSO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para eos-
tura de todos os sysientas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicao servicos a electos para alrao-
Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimadernesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianf-a, berros, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelbos de todos os taraaohos, molduras
para quadros, gaz, baldes americanos, gur-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento do cestinhas, oleados
para sala e aesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pens ir examinar.
No mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeea e da barba, foi a nica admit-
tida Exposigo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as prepararles
at boje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a IfJOOO cada frasco na
151RA DA UWJHL l
1* AIDAR.
Vende-se urna preta crioula, moca, cozinha,
cose e eugomma por preco commouo : na ra
larga do Rosario n. 42,1 ondar.
PASTURAS AZUCARADAS
DR. PATERSON
De "osmuth e magnezta.
Remedio por excellencia para combate'
a m,,.greza, facilitar a digesto, fortificar
B'otomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
PhafVhacia deBartholomeod: C.
34------Ra larga do Rosario34.
J-<*
t.\.GERM/%
Alegrai-vos myopes, e presbylas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pato ulti-
mo vapor um rico e variado sortim> ato de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim.
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior ;
assim como binculos de urna a tres mudan-
ras para theatro, campo e mar-nha, da ulti-
ma invencao ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da.
Europa.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, brouebites,
catarrbos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito,
VEMDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
ATTENCAO
No armazem de David Ferreira Bailar, ra do
Brum n. 92, ha venda os seguintes gneros por
precos razoaveis :
Bolineies de balando
proprios para bareaoas e hvates, muito superiores.
viaho do Porto
em caixas de duzia de garrafas, e em barris de
dcimo, do Porto, muito fino.
Farinha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pcdras de louza
muito proprias para lavagem de louga em co-
litihas.
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposicao e variedade
de outras qualidades, tinos ; encontra-se no hetel
Central de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
rio n. 37,1 andar, e ra estreita do Rosario n.
i A. Vendem-se a retalho e em grosso._______
PIMO DA SUCIA
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se "
superior madeira de pinho da Suecia, com
3 polegadas de grossura, 9 de largura, e
14 ps de comprimento a 3$000 cada urna*,
taboas de forro a 80, 9 e 100000 a duzia,
pinho americano de resina a 200 rs. o pV


I 9
liarlo de ^ernambuco
-
Ccordeiro previdente
Ra do Unelmido a. i.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivaraente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualdades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o CordeiroPre vidente pede
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando eile de sua bem conhecidamansidao
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, raaiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
outras qualdades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franceses em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do finoeagradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro. #
Extracto d'oleo de superio'r qualidade,
cora escolhidos cheiros, em frascos de diffe-
rentestamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos* em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos abneles imitando
frac tas.
Ditas de madeira inveraisada contendo fi-
nas .perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, taa-
bem de perfumaras finas.
Benitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e-elegantes, com pode arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem compesicao de
cheiro, e por isso o mais propino para crian-
cas.
Opiata ingleza franceza para denles.
Pos de campbora e outras diferentes,
qualdades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada ui:tis coques.
Ura Outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com flets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
stao todos expostos apreciacJo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flvellas e fita para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.

QUE SE LIQIJIMM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura oerta
das digestes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as torcas
produznda urna assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais um excedente tnico.
VE\DE-SE
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholonaen <& C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO 00B0WMAN
Hua do Bruaa u. 59.
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem serapre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de oanna.
Rodas dentadas, para animaos, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Arados e instrumentos d'agricultura.
Bescarocadores d'algodo etc. etc.
Havendo em ludo variedade de tamanho
desde o menor at o maior que se costu-
tna em pregar.

uivu ii udi
Vende-se terrenos de prodcelo e com
arvores fructferas e prximo a esta-
flo dos trilhos urbanos do Recife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirigir-se nos domin-
gos, ao sitio d, 6 na estrada de JoSo de
Barros, e nos demais dias, ra da Impe-
ratriz n. 68,
m m m
Chegon ao antigo deposito de Heary Forster &
C, rna do Imperador, um carregamenlo de gas
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em outra qual
quer parte.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada gal onpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Ra larga do Rosario-----34.
60a DE
FLIX PEREIIM DA SILVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida o respeitavel publico desta ca-
jital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
lei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negoclam em pequea escala, tanto da praca como do mato, tiesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venen io-se-lhes
pelos presos que se comprara as casas ingieras ; assim como as excellenssimas fami-
lias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aborto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
LOJA DO PAVAO
Ofiegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para tal-
cas, paletots e colotes, tendo lisas, com lis-
tras e com tistra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do qe em oirtra qualquer par-
le, assim como das mesmas se manda l-
ser qualquer peca de obra, a ventado do
reguez, pana o que tem n bom alfaiate.
Aos quitthentos pali'tots
a 18$ e 20*000.
Na loja do Paulo ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porglo de pa-
litots sebrecasacados, e propriamonte so-
brecasaoos de panno pr-etu, sedo obra
muito bem acabada peles barates precos
de 185, sendo forrados de alpaca, e de
20$ forrados de-seda; esta fazenda a nao
se-ter comprado-tama grande compra, seria
para mato mais inheiro, porm.Kquida-se
esta pealiincha pelos preces cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COLADO.
Na loja do PavSo, na ra da Imperatniz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupeiinas ou laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de CFeancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padrsos com kstrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, e pechincha que *e acha
nicamente na loja de Flix Pereira 4a Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
' Vendem-se finissisaas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 8(5000 at OtJOOO a peca, assim
como finissifios organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a IfJOOO, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz o. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente 6ortido das melhores roupas,
sendo calcas plitts e coletes dercasemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brkis, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavao,
Vende-se superior atoalhado de algodlo
ni 8 palmos de largura, adamascado a
520O a vara; dito de linho fazenda muito
juperior a 35200 a vara ; guardanapos de
mho adamascados a 45500 a duzia e muito
Inos a 85000, e ditos econmicos a 35500
i duzia.
Explendido sortimento de
Alpacas tarradas de cores a S4M
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na leja do PavSo a ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, rosto, cor
de raima, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhes assentades em urna s
cor; pera se peder retalbar esta fazenda
pelo barato preoo de 560 rs. o covado, foi
preoise fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande peohincha.
.les dez mil corados de assas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 306
Covado a 308 rs.
Vende-se na loja do Pavo roa da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padrees miudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrees
seren muito benitos, sao iodos fines e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-,
talha-se a 300 es. o covado.
Uspartilhos a 304M> na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porc5o de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sur tmente de todos os tamaohos, e
vendem-se a 35 cada um.
MADAPOLO INFESTADO A 35600, SQ
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato pre?o de 35600 ris, assim como
pecas de algodaosinho com 16 jardas
45500 e 55000 neis.
GRANE PECHMA
' EM
Vcnde-se um sitio nos Remedios, ou permu-
u-se por urna casa nesia pra;a : os pretendentes
dirijam-se ra do Caldeireiro n. 41
DG
siinii wmn
fiara horneas, senhoras, meninas e crianzas; na
oja da Exposicao, ra Nova n. 8. Vende-se por
preco mais commodo queem outra qnalquer parle.
Armaqao
Vende-e urna armacSo de amarello invemisa-
da e envidracada, por commodo preco : a tratar
na praca da Independencia ns. 34 e 3oi
PERCAIifiAS
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVAOOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do PavSo ra da Imperatriz n
60, vende-se urna grande porcSo de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos yuito encordados e
com oa desanos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENQOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do Pav3o, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porc3o de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o impr-
menlo de um lenco!, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de l ($800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras rauitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA O INVERN
DE 30000 6^000
Chegou para a loja do Pav5o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
l de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 65000 cada um, em relacSo s dille-
rentes qualdades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENQO
S PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAN
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 33000.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia cora barras bordadas
e muito finas a 30 e 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
avara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pav5o um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais benitos lavradinhos a imitaco
(de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, senao
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com duas salas a *
Chegaram para a loja do Pavao ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Cbvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais aovo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 200000 na loja de
Flix Pereira da Silva.
0jJ**Mj^mi
h
* 60 $ttMAfcS

NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Ouis
lain
Tintura indelevel para ungir os cabellos,
sem manchar a pello.
A bem conceiuiada agua-florida dcGuis-
laia que entio era desconhecida em Pcr-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu eflcaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bomeffeilo e a
experiencia tornar de todos ceahecida.
A agua-florida de uislain composta uni-
damente de vegetaes inoffeneivos, tem -a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, qoando esverem brac-
eos, e Ibes restituir e brimo perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo a^gum.
E' prm necessarto fazer conheoer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponbam, mais sim ser pre-
ciso taeer uso d'ella, trez on quatro vezes,
a logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunbos de pessoas insuspei-
tas, e d'ontlo por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer copsa.
Assim poisesta agua-florida acha-se i ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, CSo de sua bea freguezia, tambem capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a hooram, e em prova ao qae fica dito, d
como exemplo o explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao deeua competencia.
Haja vista aos necessarios loros de missa
e oracao, obras de apurado gosto e perfei-
53o, sendo: com capas de madreperola e
tacantes quadros em alto relevo.
Ditos oom ditas de marfim igualmente
MitOS.
Ditos com ditas de velludo, outros im
tando charlo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guamicSo, dourada ou prateada.
Cordas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
toaos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia ote, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e eutros japonezes enfeitados
de Seros.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Vettas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Bitas muta finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias-de 4a para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
maito gosta.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
pera enfiar -uta.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e ollares Royer para creancas.
Bonitos abases ou bolsinhas de pelica
e .setim. para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas de vdro enfeitadas
cempedras, aljofares, etc.
Ditas de -tartaruga para joias.
Bonitos aibuns com musa.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
"Novos e delicados ramos de flores com
marrafes paca enfeitar coques.
ello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Ontos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e atfinetes de madreperola.
DKos esmaltados, obras novas e bonita
DE ENGENHO
ORATORIOPARTICLAR
\KNni-.M-si: os sk;i intks OMUHENfOS:
Um excellente e bem construido altar
dourado c o respectivo estrado,
Quatro casticaes c quatro palmas doura-
das para os mesnios.
Urna podra d'Ara.
L m turibulo e naveta, prateados, tudo de
novo.
l'm bonito calix de prata.
Dous ornamentos, sendo um d lies rica-
mente dourado ouro lino.
Duas ricas alvas cora todos os perten-
ces.
l'm missal.
Um banquinlia dourada:
Seis bonitos quadros com finas ima-
gens.
Tudo por muito barato preco, a tratar
na loja da roa Nova n. H.
Garante-se a casa.
Livre e desenibaracada de imposto*
Vende-se urna armario invernisada c parle en-
vidraqada. existente nu'pavimeji' terreo ao sobra-
do n. 1, sito ra do Cotovello, que faz quina
para a ra de S, Gonzalo, bem como as de mais
bemfeitorias, candieiro de gaz, eanteiros, eu-., lu-
gar apropriado para qnalquer estabelecimento,
mormente taberna, e tem aecoumuMbiroes nos fun-
dos para familia : a tratar nao s sobre o seu alu-
(inel com Manuel Ri' eiro do Carvalh'o, ra do
Queimado, loja de fazendas, que parante a casa a
quem flear com armario e so aehe incumbido Ce
faxer ntpocio sobre a aesma.
XAROPE de H YPPriSPHlTO de SODA \
XAROPEdeHYPOPHOSPHITSde CAt
PILULASderiYPOPHOSPHiTfl de QUIN1N0
XAROPE de H-YPOPHJSPHITO de Fl
PILLASdeHYPOPHOSPHIT0deWAN(JAWESiA"
PASTILHAS PECTORaISj.!>'CHRCHIU
Eligir para os xtrropu o froicu qu.tdrudj e o
Ii.(/oi ut prvducli t asignatura do D" CHCR-
CHILX., c o letreiro com a marca de fabrica da
Phvmaeia SWAJf W,, ruaCosiiglione. PARTS
Vende-se um bonito esrravo de idade de Ifi
annos, bom cozinbein e copeiro : a tratar no caes
de Apollo, prousa de Fraucisco Autonio de Albu-
querque Mello
CHEGUEM
AlllMES DO MITO
que est finalisando a liquidaco da ra do
Crespo n. 17 de Antunes Guimaraes & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos de labyrinto. fronbas, bicos e rendas da
trra,.cortes de tarlatana bordados para easamentos, cortes de vestidos de cambraias
bordados, alpacas de cores lisas e de listras, precalas ainda de bonitos gostos, casaqui-
nhosde casemria para senhoras, saias bordadas e baloes de todas as qualdades etc.
f()ra da liquidadlo
Ricos cortes de vestido de blond, reeebidos pelo ultimo vapor.
Pompolinas de gostos espeeiaes, que muito agradam.
Gorgores lisos de cores para vestidos, fazenda ltimamente chegada.
Colxas de seda de todas as cores.
Chitas afostuadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras e chapellinas de novo gosto.
Esleirs da India proprias para forrar salas e quartos.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos.
Tapetes avelludados para covados : c outros muitas fazendas que s vista se
a realidade do baratero.
, BAGUE -
LECTRIQUE
kJ*
VRITABLES
V0le 5 Marti o >^ to
CHAINE LECT.fHa>JE ..
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 11000
Na loja do Pavao, vonde-se superior alpa-
co ou gurgur5o para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de !#000 o
covado.
IVovidade Xovhl.-ide
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ m JUNHO
Chegon pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinbos e
grados, cora lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bsmark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras,.garantindo-se que na actualidade
nao ha urna fazenda do mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta.que se vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
Bbadinhos baratos na loja
do Pavo.
Vende-se urna grande porcSo de bba-
dinhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por orna terca parte
de preco que se vendem em outra qnalquer
loja, s com o flm de acabar-so com este
artigo, assim como tambem se vende urna
grande parte d'entremeios, polos mais li-
mitados precos para acabr, na loja e ar-
mazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
O verdadeiros COLLARES HOTEB, os nicos approvados pela
a Academia de Medicina, tem assim como os meos outros productos
aUrabido a cupidet dos falsificadores, que para facilitar sua criminla
industria nao se pjao, nem receia annunciar vender falsos Collares)
com mbc hobie. En pretino as familias paia interesse de seus Cilios
que, para evitar falsificaces, deven exigir, que meus Collares Ibes
aejao rendidos em caixas de tambas de encaiie e corredias coberlai
por a elliquetas com a minba marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalba com o letlreiro.
COLLAR ROYER. Roe St-Iartin. 225. Pars.
INJECTION BRO
rOealea, InfaUltel
_J e Preaervaltva, absolutamcnto ui.ica que cura koi iienhum addilivo. V. uile-sl
bm pnacipae* Uttm Buad*. (Eligir a initnefM M nao). (SO unas de exittanca.) Paria: m m
* tovaMN rj. kMlataH Macala. H.
rTFITf
HENCO DB HONRA
Vende-se em frascos
DE FIGADOS FRESCOS DE BACAL2A0 octrimg
lares, pharmacia Hoce,
2, ra de Castiglione,
em Parla.
As conirhfe*ra, os olcon pardos, '\.n> dkio (arte, e mais composirfies feitas com leos
o nx oleo veijelan. foram iina^in^iios ;ara MTJStittJr os verdadeiro* leos de flgadoa
freneoM de Itnralli do Terra-\* .i'tictos .industria p ir precos mui baixos, em quanto que os rerdadeiros leos de ligado de bacalhao
fresco sao lulativaiucnie multo caro, visto que para obtel-os freieot e tem nitlura, cumpre exercer
grande vigilancia e ter os maiores cuidados nos proprios lugares das pesca, aeniin como manda fazer
M. Hogg dostle o anno de 1819. E^te3 leo. puros de Baealhuo de Tcrra-\oa de lioga
:ui para este precioso medicamento una fama universal as molettiat do pello, as a/fercoei
r'.criifi rt>a*c lymphaticas, a maaieta du meninoi,etc.,e por isso,deratn lugar a nodvaa e desleaes
Sol. O oleo de Hegg 6 mui fcil de digerir, distinguere entra ei outros oleoa pela ana
cor de palba, o seo cheiro suave e delicado, e seo gofto de sardinha fresca.
O RKLATOKIO faut'uvel do ebefe dos traballios chyncos da FACULDAOE DE MEDICINA DE
PARS eonrlne emo srgue i 0 oleo car de palha de I. Hogg coidem urna terca parte de prla-
ipiua actioa mal* do que os oleot pari e nio aprsenla tlgum de* inconveniente* que te
repita n'estet, qnanlo ao iJieiro e tabor.
i Tcaiee tusa (odas as pkarmaelaa ata) Fratase* e doa palzca estraagelros. J
Iolassa la llussia
a mais nova no mercado, a prego razoavel : na
ra do Cotiunercio a. 13, armazem de Mauoel Tei-
xeira Baste.
Vend i-se a casa terrea da ra do Senhor
Rom Jess das Crioula-; n. 29, com 2 quaitus, 2
aataa o cosiuha; a tratar na ra do Paysand n
0, (Chora Menino.)
Vende-se uina canoa de lotacao de 2,000 tt-
jolos: quem a pretender dirija-se ra da Cado.a
nova n. lo, que se dir quem vende, a dinheico.
Vndese a taberna da ra do Seno n. Vi,
propria para um principiante por estar em born
local e ter poucos fundos c tem morada para fa-
milia : a tratar na niesm.i.
Vendem-se as duas casas inei-agoas do lar-
go da l'enha ns. 2 e 4 : a tratar ua ra do Hos-
picio n. i'.
ESCRAVOS FGIDOS,
Escravo fgido
Fugio em 2.'t de Janeiro I8G9, o escra-
vo Matheus, de meia idade, cor preta, falla
grossa, bexigoso, tem pelas costas cicatri-
zes de bacalhao, tem urna verruga no canto
do nariz, os pes foveiros, corpo regular ti-
nha sido do Il!m. Sr. Agostinho Leocadio
Vieira, em Panellas de .Miranda, que ha
poucos mezes de l veio ftigido ; pede-so
as autoridades e capitcs de campo de o
pegar e trazerem a seu senhor Jos Cm-
dozo de S, na ra da Lingoeta no Rt-cifo
n. 2 ; e o mesmo proteste contra qualquer
pessoa que o tenha acoutado e graflca-so
com IOOjOOO a quem o pegar. Consta
andar lelas mattas de Olinda.
AVISO
As autoridades policiaes ea
' quem competir.
No dia 29 do maio do corrente auno fu-
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 32
annos de idade, estatua regular, reforjado,
cor bem preta, cabera redonda, trajava ca-
misa azul e calca de casemira cinzenta; du-
rante o dia costuraa andar ganhando as
nas, ou em armazens de assucar ou as
tabernas a Conversar e a beber; durante a
noite recolhe-se a telheiros aberlos ou pc-
nelraveis, a casas era construcciio e a ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprehender tenha a bondade
de o conduzir ra da Aurora n. 26, onde
ser gratificado.
Fugio no dia 18 de julbo, o escravo Eu-
genio, preto crioulo, do idade do 50 anno*
pouco mai? ou menos, usa de bigode tor-
cido e barba cerrada, j mesclada, um tanto
calvo, altura regular, magro, pernas linas,
suppe-se andar pelas bandas do Affogado
at os Prazeres; quem o pegar leve-o a rna
do Trapiche no Hotel do Universo d.s2 que
ser generosamente g' atificado.
Fugio no dia 9 do corrente mt'z do
engenho Sant'Anna da comarca do Porto
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
lar, de 22 annos pouco mais ou menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinhados, foi comprado na cidade do Re -
fe, para onde veio da provincia da Pa-
raliyba; e bem\assinvo escravo Manoel
crioulo, de 22 annos, estatura regular.
tem um dente quebrado no qneixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues la-
vares de Mello, no Recife, ou no referido
engenho aue ser bem recompensado.



:>,;, ''i ..i...


-i..

Diario de Pernambuco Quarta feira 4 de Agosto de 1869.
ASSEHBL GEBiL
k
marquez, qttetrntr V nm despacho tonto mesa e fez-se a derrito. -Depois pretdideu
por mim. Disse S. Exc. : Tendo ojuiz o l. juizde paz fazsr prevalecer umielei-
d-i paz pedido certido do relatorio do juiz,.($p que .flava como feita na casa da cmara,
CAVABA DOS SRS. DEPUTALOS
SESS.U) KM 8 DE JULHO.
PRESIDENCIA DO SI. NF.BIAS.
(Continuara o)
E' verdade que nisto tenho un mestre;
o Sr. marquez de Olinda tambem confessou
que no estavam bem colligidos os seus
apontann-ntos.
O Su. Soc/.a Hkis: E faria k3|B8ac5o.
O Sh. Comiede Bawkjky: OSr. mar
quez de linda faHon as ilwcil de S.
Bent.>. Papacaca e Cimbres. Em S. Benlo
os juizes de paz do districto da matriz nao
qoizeram comparecer a mesma matri e
por isso foi presidida n leico por jniz de
nutro districto. A cmara -nao quiz reunir-
se nunca para faeer a apurarn peral das
acias dessa freguezia e da de Ouipap.
Foi tctica seguida por algumas cmaras,
mas que oppuz o remedio lagai, e conse-
gu deixar em exercicio todas as cmaras
novas, 0 que nao acontecer antes.
Depois de suspensos do exerdioio o pre-
sidente e outrs vareadores, porque nem
ao menos se preslaram a receber as reite-
radas ordens da presidencia, mandou essa
cmara um papel contetido urna apuraclo
geral de votos, comtemplados nella- os de
urna acta de eleico que se figurava feita
na casa da cmara, quando nao consta va que
mitra eleico sefizera naquella freguezia se
nio a que teve logar na matriz. No requc-
rimentoque vnii mandar mesa heide pedir
todasas minhas decisovs eleitoraes. e a c-
mara lera oecasio de verificar que en pro-
ced com todo oesGrupulo. (Apilados). Po-
deria errar, mas dota razan di todos os
meus actos.
O Sk. Fxrsro a* kmttm : Apoiado
Todos os sens actos foram pcrfeitamente
fundados,
O Sh. Conde ik Baependy : Durante a
rainlia administraeao notive quexa alguma
do delegado de polica de S. Benfe, o Sr.
Antonio Booto de Oliveira. Se a tivesse
recebklo e I he aettasee fundamento, nao
hesitara em deraitti-lo : porque eu- nao
i- inservava funccionarins que abusaasem do
sen empn-go. Vi ltimamente na publi-
cac3o ofliciai urna ordem ao Sr. vice-pre-
sidente de Pernambuco para mandar pro-
eder contra essa autoridade.
Durante a minha administraeao nao me
constaran, fados que contrariassem o bom
jaizo que formo a sen respeito; mas,
como prese que all se abrir hita ltima-
mente entre as autoridades e o tenente-co-
ronel Luiz Paulino, 6 possivel que dahi pro-
viessem fados que o governo julgue con-
veliente melhor apreciar e jnlgir, proce-
dendo do modo por que ordenou. Isto.
porem. nao prova nada, contra seus actos
durante minha administrarlo; e apenas
roostra o empenho que tem o governo em
fazer restabelecer o imperio da lei.
Popacaca ri Brnn-Consellin.Contra a
eleico desta fregnezia nao hnnve reclama-
cao, nem foi a ella assistir o juiz munici-
pal de Oaraubuns, ordem que expedi, por
me constar que all se achavam agitados os
animo*. Essa providencia era toda em sen-
tido favoravel opposieiey pois que o juiz
municipal era liberal. A opposico tirn
dahi partido para dizer qne en procura va
por essa forma arreda-lo de Garanhuns du-
rante a luta eleitoral.
Oaranhuns e Papacaca sao tormos reun
dos dbaixo da jurisdieco desso juiz mu-j
cipa!. Eu, portanto, poda manda-lo para
este ou para aquelle lugar. Accresce que
elle nao sahio de Garanhuns, por falta de
ammaes e por outras razos que deu, com-
municimln-mj e.itreiarilo, que os seus
amigos tinham cliegado a um accordo, e que
nao liave.ria desorden!.
QWe valor pode ter, portanto, a censura
sobre a eleicao de Papacara ?
Cimbres. O juiz de. paz sem motivo
justo, sem ir a reja adiou a eleicao. Era
acto que nao poda sor reconhecido. Com-
parecen u inmediato, o fez a eleico com
toda a tranqiiilidide. Onde est a infamia,
como o Sr. marque/, qualificou?... Mas nao
. possivel que S. so. dissesse sto: nunca
expresso tal pronunciara elle; como o
faria lioje, apreciando um fado, que a ser
jnlga lo comjustica ou sem paixo, repelle
to triste qualilicaco ? I
Limoeiro e Nazareth. Houve ah du-
plicatas.
K necessaria declarar que de algomas
daplicatag foram eseriptas as actas muitos
das depois. Eu tire informaces, quer
do promotir publico do limoeiro, quer do
juiz de direito de, Nazareth, declarando que
se tinham consertado sempre fechadas as
capellas de engenhos eu tazendas, em que
se dizia terem-se reunido os votantes e pro-
cedido a eleicao. Ainda assim fui rigo-
roso as provas, e so julgni falsas as du-
plcalas depois de convencido da legatida-
de dos actos praticados as raatriaes :
aquellas duplcalas foram feitas pela oppo-
sico.
S. Lourenco da Malta. inexacto o
qu! (9B6 o Sr. marquez de Olinda sobre
a eleicao desta freguezia. S. Exc. nao foi
bem informado, victima de amigos que
qaerem especular sua dista. (Apoiados.)
Eu formo alta idea da justica do Sr. mar-
que/, para comigo, at porque S. Exc.
em anno nao muito remoto lembrou-se de
confiarme a admintstraccio dessa mesma
provincia.
OSr. Alemcar Araripk :Nesse tempo
nao era ligueiro.
O Si. Conde dBaf.pkndy :Nao accei-
tei porque, coinqu-anlo- eu oceupasse a ca-
deira que V. Exc. agora tao dignamente
aecupa (apoiados), nunca deixei de commun-
garcom os meus amigos polticos que forma-
vam a menora desta casa. Como presi-
dente, eu nao pertencia a nenhum Jos
lados: mas, como deputado, sempre que
Uve de exprimir o meu voto na urna, dei-o
aos meus amigos polticos sem rebuco
algum. Era 1 secretario o Sr. Paes Bar-
reto, e eu llie mostrava as minh'as listas.
Estava ento no governo do paz o ministe-
rio de \ de Maio.
Posteriormente fui convidado para outra
administraeao. Comquante ah tivesse
alguns amigos polticos, tenia de contrariar
a outros, e nao aceitei.
Assim, Sr. presidente, tenho mais esta
razo para convencer-me de .que o Sr. mar-
quez de Olinda o3o me quer mal (risadas);
Smrque n5o quereria de certo em 1858 que
nsse eu praticar essas arbitrariedades que
o envergonhara parante o estrangeiro, em
sua trra nata!,
Permita agora, Sr. presidente, que eu
teia e responda a par-e do discurso do Sr.
de direito para poder reclamar -ontra a elei-
CSo, foi-lhe negada por tras wzes com lar-
go espaco de ama a outra, e so a
ram paswr depois de ter sido approva4a '
eleico'e quando j no havia tempo de re-i
clamar peante o governo geral, sendo o
despacho do mesmo presidente do modo
seguinte : Estando decidida por esta pre-
sidencia a eleigfo da freguezia de que trata
o supplcantc, dse a certido que requer.
Despacho irrisorio e pouco digno da dig-
nidade de um presidente de provincia.
Eu nao admiti, Sr. piesidonte, qiif w
diga que este despacho irrisorio e^Mtae*
digno da dignidade de nm presidente de
provincia. Narrarei o fado em poucs pa-
lavras.
Luiz Francisco de Barros Reg, na ves-
pera da eleico, expondo-me o receio que
tnha de comparecer a ella, principalmente
por causa de seu irmio, com quwn se de-
saven, e de quem tema um destorco,
pedio-me que mandasse urna autoridade de
minha conanca para ser testemonha dos
fados. Eu disse que o /aria, mas nao de-
clare! quem havia de mandar.
Ao Sr. juiz de direito da capital, Dr.
Neiva, magistrado muito digno e respeitavel
(apoiados), encarreguei d assistir elei
Cao. Quando voltou apresentou-me um
relatorio.
O mesmo Luiz Francisco fez uin reque-
riraento, allegando fados a respeito dessa
eleico, sobre a qual de novo ouvi o Sr.
Neiva. Estavam esses papis em meu po-
der para serem julgados. quando a parle
pedio certido delles. Entend que nryde-
va da-la emqnanto nao proferisse deciso,
que seria provisoria e teria de ser submet-
tida ao governo imperial. Dentis, se a
certido era para so fazer uso pera rite mira,
clara a sua inutiiidadu; seeutinha osorigi-
naes, para que a certido ? se para faz-la
eliegar ao governo imperial nao era ainda
tempo.
Proferida a minlw desico, e antes de
remetter osjpapes ao ministerio do imperio,
mandei passar a certido.
O despacho negativo da certido com e
fundamento que expuz o que o Sr. mar-
quez acha irrisorio e pouco digno da digni-
dade de um presidente de provincia!
Vozes :Procedeu muito regularmente.
O Sn. Conde de Baepenpy : Freguezia
da Escoda.X melhor resposta a estd res-
peito est na minha deciso. qne paco li-
cenca para publicar. A cmara se ha de
convencer de que inexacto o aligado.
Um ou dous eleitores^*. ou supplentes1,
que se dizem destacados, nao o foram.
Eram officiaes da,guarda nacional, foramen-
carregados deum diligencia, que devti {i--
minar na vespera da eleico. Nao cimpa-
receram porque nao quizeram.
O juiz de paz suspendes os trabalhos elei-
toraes sem ter organisailo a mesa. Reuni-
dos os eleitores e supplentes, e lidos os
artigos da lei para ter lugar a eleico da
mesa, ojuiz de paz deu a palavra a umelei-
tor; este apresentou um protesto e sus-
peadeu-se o acto eleitoral, reiirao.do-se o
juiz de paz, alguns eleitores c supplentes,
mas fieando outros. Eu nao podia rec >-
uhecer esse acto do juiz, p"rqin* era con-
trario lei. (Apoiados.)-Os oleilores e sup
penles que (icaram, nao estando poraquil-
o, convidaram o juiz de paz competente e
cnntinuaraiii no proce39o eleKoM e peen
tend que tinham procedido regularmente.
(Apoiados.)
Eis a minha deciso :
Palacio do governo de Pernambuc).
em 7 de selembro de 18l8.Foi-me pre-
sente o oflkio de boje, em que Vm. expe
que, tendo-se dirigido ao pago da cmara
municipal dessa villa, s 9 horas da ma-
nila), alim de proceder organisaco da
mesa da assembla parochial para a eleico
de vereadores e juizes de paz, no afcto de
encetar os respectivos trabalhos, um eieitor,
por si e em nome de outros eleitores e sup-
plentes, leu um protesto, em que os mesmos
allegavamcoacca"o para proseguir nos refe
ridos trabalhos, sob pretexto de que a po-
lica ameacava os votantes, recruava-Os e
punha cerco ao edificio da cmara, com o
proposito de entimidar os eleitores sup
plentes, havendo sido no da antecedente
destacados para servico da guarda nadonal
tres eleitores, que sao officiaes da mesma
guarda, e que por esses motivos deixavam
de concorrer para aquella organisaco, e
pedam a inserco do dito protesto na acta,
ao que Vm. deferi, tomando a deliberaco
de suspender os trabalhos para consultar a
esta presidencia.
feudo chegado tambem ao meu conhe-
cimento a noticia dessa suspenso, por
officio da mesa da assembla parochial,
que outros eleitores e supplentes, que se
achavam presentes, e cojo contra-protest o
Vm. nao quiz admittir, orgnnisanm sob a
presidencia do juiz de paz do 2.? districto,
que o mais vzinho, por se aaver escusa-
do o do I.* districto, inmediato a Vm. em
votaco, nesta data declarei dita mesa que
ficava inteirado de sua participaco, e que
aguardava as copias de todo o processo da
eleicao que se eat fazendo, para enlo po-
der julgar da regularidade do acto ; mas
que, seVm., ou seu legitimo substituto, se
apresentasse para assumir a presidencia da
mesa, cumpri que lbe fosse cedida pelo
que actualmente a oceupa, como est deci-
dido no decreto de 20 defevareiro d (847
n. 503 e as instruccoes de 8 de junho
de 1819, art. 5..
O que commonico a Vm. em resposta
ao seu officio, prevenindo-o de que o seu
procedimento foi muito irregular e contrario
ao disposto no art. 27 das citadas instruc-
coes di 28 de jonho de 1819, pois nao
devia tomar oalvitre, que tomou, de sus-
pender os trabalhos da eleico, mas prose-
guir nelles, recebendo e fazendo inserir na
acta os protestos e contra-protestos que
fossem apresentados, para ser tudo poste-
riormente submettido ao governo, alim de
decidir tal respeito, como fosse de di-
reito.
Entretanto, como Vm. e os eleitores e.
supplentes no protesto aceito tratam do vio-
lencias e arbitrariedades commettidas pelas
autoridades policiaes e commandanle doba-
talho da guarda nacional dessa freguezia,
delles exijo as necessarias informaces acer-
ca desta materia, para dar as providencias
que forem convenientes.
Dens gvarde a Vm.Conde Baependij.
Sr. juiz de. paz maia votado do 1.a dis-
tricto da freguezia da Escada, Jos Candi-
do Das.
Agm Piwt:f) 1. jz de paz nao com-
ando genlmeq|f era altestado que tal
iclo-nMtouve, o^qWK Qenhum motivo
gara nD v|w MAttrmou com Sua informaro
digno jure de dlnilo, a quem mandei ou-
vir sobre os fados, que deviam ser conhe-
eidos del m-se dado, pois que elle
acimu-se tfP^^^P*''-'30-
Sr. marquez a eleico
ah adiada porten^ni sido npedidos os elei-
tores aapplentfs da Mtrar na matriz.
Nao exadu. i Ly-^
^^Bi oUMlMebido j o resultado daolei-
cHoyrjuando me foi entregue um officio do
1* juiz de paz communicando-me quatadiova
a eleico. Resppodi-lbfl que, d/sdfl que
liouve urna eleici elle nio poda proceder
a outw ; que agaardbsse ;t dcko do go-
verno, vista do d. cumotw que lae ha-
Mam sido present. *
bonito.Nafclgtrie rechmaco alguma,
nem consta tewlup*arecdo a opposio.
O Su. Smfcv-R*!s : Apoiado.
O Sh. Conde m Baupendy : Misto
Senhora th O".Sr. presidente, depois do
(joe chsse o. honrado deputado, me muito
distincto amigo, eleito polo 20,d*tricao de
Pernambuco, em respes!* accisaco que
Ihe fez o Sr. marquez de Olinda, eu nao
devo accrescentar cousa alguma; os fanda-
mentos do meu acto, reconhecendo como
legitima a eleiclo de Nossa Senbora do O',
esto consignados na minha deliberaco ;
della ver a cmara qne proced wgular-
veniente a creaco (leste commado supe-
rior, para o qual se tizara essa, primeara
nonaeici, e 0 nomeado nao tinta tambem
preittdo juaananto ; e per issolornou de
diva seta consta terem do convi- neuhan eiTeito o decreto de sea creago.
ra assumir a presidencia (la mesa Deixando de existir "o commando su erior,
nio pedia mais prestir itamento o nomea-
do ; fkou, porna, tile atmservado
Tnesma acta se acha de ter sido feita a re-
fetidaRsiifc^ittHco 4s vmflmi'p**/*"" o
art. 17 do ttecrjlo n. I,8r2 de 23 de
fosk de 18; considai-anio mais qu
da respectiva
dados pa
na ausencia-de juiz de pal, qno a abando-
nara, os qi*. na Torma da lei, deviam pre-
ferir aquelle 'que efectivamente toanou a
dita presidencial alem de que, sendo i
o tpie irilo se achaVa p*nesenle> compe
lia-lhe presidir o acto eleitoral, conforme a
doutrina do aviso ao ministerio do impJISo
de 16 de noveiBbr*do corrente aneo, c
siderando, inalnwnp, que procederi^y
representaco da-aliara municipal, iMa
da eleicao da pareehin de S. Lourenco de
Tejucupapo, quanto differenca que vm-
ficou ha ver entre numero de votos apu-
rados e o de cdulas recebidas para jutees
de paz, n3o assim, porem, quanto ao nume-
ro de votos apurados e ao de cdalas rece-
bidas para vereadores. porquanto aque la
influe no resultado da eleico, e esta nao,
podendo at ser explicada satisfactoriamente
pela cirenmstancia de nao conterem al-
gum is cdalas o numero completo de mimes;
reso+re, nsimdo da attrHiuico que ihe con-
fera o art. 118 da lei n. 387 de 19 de
agosto de I81G, aunullar, como elTectiva-
meiHe annulle, a eleico de juizes de paz.
a que se procedeu a 7 de setembro do cor-
rete auno, na matriz de S. Lourenco de
Tejucupapo, e ordena cmara municipat
respectiva que, expedindo diplomas aos
nevos cidados, que reuniram a maioria de
votos para vereadores as tres parochias
mente, e que o honrado depotado nSo roe-Mo municipio, bem como aos juizes de paz
recia as censuras qae Ihe foram feitas na dos distridos das parochias do Nossa Senlw-
outra cmara^ | ra do Rosario e de Nossa Senhora do O',
Eis a deliberao : ; ()s convide a prestar juramento no dia 7 de
4 seceo.Palacio do governo de Per-1 Janeiro do prximo vwdouro. alim de que
nambuco. em II de dezembro de 18ti8. entrona no exercicio dos respectivos cargos.
O presidente da provincia, a quem foram Eela deliberaco lica dependente da apppro
presentes as copias aulhenticas da acia da vaci>n d overno imperial, a Ctijo conheci-
apnracb geral para vereadores da nova ment sera submettida.-^rtd/cBflc^/K///.
cmara municipal di cidade. de Gojanna.l Buiquee Aguas-Bellas.Foi annullada a
feita a S de outubro do correnle aiao, e "
"as parciaes Jas.'uesas das parochias de
Nossa Senhora do Rosario, de Nossa Senho-.
ra do O' e S. Lourerifb do Tijucupapo, que
compem o municipio da referida cjdade,
as elei'c5es de juizes de paz e vereadores,
eectuidas a 7 de setembro do mesmo
anno, odicio da respectiva cmara, o repre-
sentaco do tenente^coroucl Feliciano fiaval-
cantB da Cnnha Reg, verilicou: l", que
nao posta em duvida a regularidade da
eleico da parookia- de Nossa Senhora do
Rosario; 3, que nao acontece o mesmo
quanto eleicao da parochia de Nossa
Senhora do O"; porquanto contra ella re-
presiti o tenente-ceronel Feliciano Caval-
cante, da Cuuha Hugo* allegando o seguinte:
que houve violencia 4a parte da autoridade
policial, antes da eleico, o presenta de
torca armada na matriz; que a parcialidade
poltica dominante Hz com a oppeaiclo,
por disjir esta do lodos os elementos, um
accordo, em virtude do qual combinon-se
as pessoas que do vori a m ser votadas para
juiz-'S de pa/. dos diversos districtos, pelo
que consu'tuio-s a mesa sem para isso
proceder-s necjjesaria eleico ; que as-
sim constituida a lesa e lavradi a res-
pectiva acUt, u quai^do se procedeu ter-
' | ccira chamada appaiecra o Dr. Joo Alfredo
i; urea de Oliveira t;m companhia do dele,'
gado de policia, Anlupi Guedes Gondin-
e de ontrasjpessas armadas, o qil, decla-
rando nao aceitar o accordo feito entre os
seus amigos e UjOoposico, intimou a reti-
rada dos mesarios desta; que o mesariq
Silvano de Araujo Barros e Albuguerque,
embora governista, assignando o que Ihe
foi pedido pelo Dr. Joo Alfredo Correa de
Oliveira, reiirou-se da igreja indignado e
revoltado contra taes actos de podero ; que
nao exacto haverem os dous membros da
mesa, que permaneceram, convidado aos
outros jmzes de paz, que deviam substi-
tuir o primeiro, e terem, em vrliiile de re-
cusa daquelles, chamado o do districto
mais vzinho (Lapa), Jos Maga Peixoto de
i.Vndrad.'. orno se diz na acta; porquanto,
antes delle e em districtos mais prximos,
outros liaviam que nao foram chamados,
urna vez que, a ter isto so dado, suas re-
cusas deveriam constar da acta; e, final-
mente, que na reooaajosico da mesa- foi
violado o art. 17 do lcreto n. 1,8*1* de
' de agosto de !8.*>6, visto como, tende-sc
retirado della dous membros, depois de
assignada a acta, a sua subsiitui-' > nao foi
fiita por nomeacao, e siin por eleic5o, o
que tambem allega a cmara municipal ;
3", que a respeito da -eleico da parochia
de S. ..ourenco de Tejucupapo, representa
a cmara municipal ter encontrado na somma
dos votos para vereadores, combinada tem
o numero de cdulas recebidas. a ffe
renca de tres votos para menos, bem como
na somma dos votos para juizes de paz,
combinada tambem com o umero de ce-
dulas recebidas, alilereaca de *0t) vatos-
para mais qnanto ao Io districto, de 72
votos tambem para mais quanto ao 2, e de
101 para menos quanto ao 3". Assim :
considerando que, alem de serem mverosi-
meis as allegacoes contra a eleico da pa-
rochia de Nossa Senhora doO", nao seacham
ellas provadas, e ao cdBrario pelo que
diz respetW organisa^Pda mesa.-tio se
pode duvidar da illegalidade com ^qa ella
so lizera, em vista da respectiva aca^ que
se ada assignada pelo juiz de paz e mesa-
rios da parcialidahe da opposico, os quaes
ao retirarem-se, durante a chamada nenhum
protesto offereceram, sendo certo que se
is?o nao fizeram, nao foi em razo de recusa
da nova meea, por ieeo que na represen-
taco do tenente-coronel Feliciano Caval-
canto da Cuuha Reg nada se allega $ste
sentido: considerando que a justificacn
mesmo tenente-coronel iiicorre na suspeita
de ter sido dada com o proposito de dedu-
zir os fados, perante nm juiz em quem se
nao devia presumir o conhecimento delles,
com citaco de um promotor as raesmaa
circumstancias, e na ausencia e ignorancia
das pessoas interessadas no pleito eleitoral,
a que ella S9 referia, e que nellaeram aecu-
sadas, visto como foi a mesma justieagae
produzida no termo e comarca de Itamb,
pertencendo entretanto a freguezia de Nossa
Senhora do O' ao termo e comarca de
Goyanna ; considerando que as actas con-
traran! completamente essas allegac5e< ;
considerando ainda que a substituto dos
dous membros da mesa, que se-lMfcaram
durante a chamada dos votafl^H i fei a
legalmente, nao importando mk na
respectiva acta, que se fizan aUpico
delles, porque a palavra eleicJo lli em-
pregada da mesma forma que na iegislacoJ
Oh senhores Em Aguas Bellas nao hou-
veeleirlo S. Exc. quiz talvez dizer
Ouiquee PedraEm ambas houve duplcala
e eu annnllei tanto a eleico liberal como a
conservadora ; nao me decid por espirito
de partido.
Na nova eleico a que se procedeu nsti
parochia, asskn como em Aguas-Bellas, tudo
correo regularmente.
Jpojuea. O Sr. senador diz sobre esta
parochia o seguinte :
Para caracterisar as autoridadades po-
liciaes de Ipojaca basta referir os fados se-
guimos : O subdelegados desta freguezia
mandi-u recrutar Antonio Custodio de Arau-!
jo pelos seus proprios escravos, e, como o
hom ;m corresse, mandou que espancas-
sem, e assim se fez. Um delegado mandou
cercar um engeribo para tirar um estrave,
ordenando no mandado que se arrombas-
sem portas, armarios o gavetas.
Ignoro inteiramente o primeiro fado;
nao acredito que elle se dsse.
O Sn. Sem Res : Nem era possivel.
O Su. Coxal de flAK.PKNnY : Dous
subdelegados fn naquella l'regirezia ; se-
gundo as informaces que tenho, qualquer
delles era incapaz'd'proceder pela forma
narrada.
Vozes d.v pep-taco pkii.na.mbl-ca^4 :
Este fado nao pode ser verdadeiro : nunca
so fallou nelle na provincia.
O Sn.' Comde oe Bakplndy : A se-
gunda aecusaco refere-se ao delegado,' Sr.
coronel Manuel Jos da Costa, ciddo mui-
t' honesto e moderado... (Apoiados da
deputaco pernambucana) incapaz de man-
dar fazer violencia a quem quer que seja.
(Apoiados da deputaeju pernambucana.)
O Su. TueonoRO da Su.va : um c-
dado muito digno. (Apoiados.)
O Si. Conde be Bakpe.ndy : O fado
le que se tratou uo senado est desvirtuado
na exposico sobre elle feita. Em virtude
de requerimento de parle qne se julgou
olTendida em seus direitos. o delegado de
Ipojuea concedeu um mandado de busca e
apprehenso de um escravo. O ciilado
contra quem foi executado o mandado quei-
xou-se do delegado, e ouvido este, defon-
duu-se; e a deciso do governo imperial,
a quem foi avbmeltida a queixa, em nada
desabona o delegado. Esta queslo foi dis-
cutida nos jornaes. ^
O Sr. marquez de Olinda fez urna grave
injustica ao delegado. (Apoiados.)
Floresta. Nao se prova que honvesse
cerco da matriz ; houve aj duplicata na
propria malri.
O Sh. Soijza Res : Justamente.
O Su. Conde de Baependy : Quando
assim, ambas as parcialidades installam no
mesmo edificio mesas distinctas, e estas
funecionam, como dizer-se que esse edificio
foi posto debaixo de cerco ? Mas por esta
e outras raz5es foram annulladas ambas as
eleicoes. (Muito bem.)
O Sn. Ale.xcar Ahaaipe : Referia-se
talvez a o povo que cerca va as mesas.
O Sr. Conde de Baependy : "Na nova
eleico nao appareceu a opposico, e at
aconteceu que o tenente-coronel Antonio
Serafim de.Souz ferraz, chefe da opposi-
Co, muito concorreu para ser derrotado o
commandanle superior, que havia sido elei-
to juiz de paz o presidente da cmara na
eleico anterior ; de maneira que foi ajudar
a outra parcialidade que all se levantou,
tambem conservadora, porm contra o co-
ronel Barros. V. Exc. nao ignora o que
sao chumes de localidades.
Em Granito foi annullada a eleico feita
na casa da cmara, e approvada a da ma-
triz. Foi esta a regra que eu segui quan-
do havia duplicata ; urna vez que a da ma-
triz tivesse sido feita regularmente, como
foi essa que eu approvei.
Em Sant'Anna do Sacco hoffve tambem
duplicata, ambas as eleicoes eram conser-
vadoras e irregularmente feitas : annul-
lei-as.
Fallou o Sr. marquez em destituiflo dos
commandantes superiores de Tacarat e
Buique. Ora, Sr. presidente, o comman-
danle superior de Tacarat estava apenas
nomeado, nao tinha prestado juramento, e
nao mereca a conanca do governo.
VoaEs : Apelado.
O Sr. Conde de *B>*:i>kni>y : Assim,
nio se podendo ditei^Be foi destiluigo o
que houve relativamente a esse offlcial,
porque elle nao tinha pesiado juramento
anda, como ]dhe, o governo oque fez
foi aanullar o decreto de sua nomeacao, e
por isso se lbe rocusou a posse. (Multo
bem.)
Quanto ao de Buique, o governo enten
_ no seo
pisto de tenente-coronel, embora depois,
por fados que praticou em Buique, fosse
suspenso.
Quanto a patales, encontrei diversas na
secretaria, nao me const u que estivessem
presea; procurei examinar quem eram os
individtios quem oerlenciam, e mandei
entregar muitas deltas; a respeito de
tres ou quatro liz jalfnmas o bser-
vacoes ao Sr. ministro da justica para que
S. Exc. resolvesse se eram convenientes
essas nomeacoes; at diaria urna que era
de um corpo que ainda nio estava croado.
Vozes : Oh I
O Sn. Conde de Baependy : Veja V.
Exc. Sr. presidente, se poderia haver in-
tenco da minha parte, ou calcuio poltico
na nao entrega de urna dessas patentes :
O individuo nomeado tenente-coronel j era
major de seceo de batalhSo, passava a
commandatrte de batalho ; assim, tanto mal
podia elle fazer sendo major commandante
de seceo, como sendo tenente-coronel
commradante do batalho. (Apoiados.)
Sr. presidente, o Sr. marques de Olinda
nada disse sobre as eleicoes que eu declarei
nullas, pertencenles ao lado conservador.
Declaro, pois, que annnllei as eleicoes do
Rio Formse, Una, Gloria dGoil, S- Lou-
renco de Tejucupapo e Ouricury, onde os
conservadoras triumpharam, e onde nao
houve duplicata. Fui muito escrupuloso.
(Apoiados da deputaco pernambucana.)
O Sr. Alencah Araripe : Apoiado.
O S. Conde de Baependy : O Ilus-
tre deputado pela provincia do Cear,
actualmente senta-sa junto 'de mim, sabe i
como se passou a eleico no^o For-
noeo.oi i
O Sr. AftMNbM Araripe : Apoiado ;
assisli a eHa, e vi que se procedeu com toda
a regularidade.
OSr. Conde de Baepexdy : O .acto
foi regular, e m entend que, ainda assim,
devia annulla-lo, e don a razo : a eleico
fez-se alli por urna quatificaco que nao era
a mais recente. Verdade que foi isto
devido aos meios que empregon o baro de
Una, mesmo como presidente da cmara e
juiz de paz ; e por esse motivo eu o suspen-
d, bem como por falsificarn que verifiquei
achar-se autorisada com sua assignatura no
livro da qualihcac'o e at na communicaco
dos nomes dos vereadores que estavam
funcionando, qne nao eram osverdadeiros.
Suspendi-o, "pois, do exercicio de presi-
dente da cmara e de juiz de paz; decla-
rando, todava, que a minha suspenso nao
o embaracava de presidir a nova eleico no
da marcado, porque a lei eleitoral assim
dispe. Nao foi, portanto, para arreda-lo
de presidir a eleico.
E inexacto, o qoa disse o Sr. marquez de
Olinda, quanto a ter sido suspenso o com-
mandarrte superior do Rio Formoso ; e elle
o mesmo baro de Una, Sr. presidente ; p tanto, S. Exc. confundi a suspenso de
presidente da cmara e de jniz de paz com
a de commaodante superior.
Quanto annullaco da eleico de Una,
foi ella porque verilicou-se que havia urna
qualificacoj reconhecida por esta casa, e
que nao era possivel preterir para fazer-
so a eleico por outra mais remota como
se havia feito. E agora devo confessar que
tinha conviccSo de que aquella qualifieaco
mais recente e reconhecida por esta casa,
nunca existi ; mas eu era mero exocutor
da lei: esla qualilicaco tinha sido approvada
pela presidencia, embora.. annullada por
outra anterior, e^jnha sido ambem approva-
da pelo governo imperial ; eu devia pois
ebaixar a cabefa e cumprir.
O Sr. Sot/.A Ubis : Esta a pura ver-
dade.
O Sr. Conde de Baependy : Decidi
que o juiz de paz de Barreiros, que era
coadjudor dessa parochia, na forma da
lei. nao podi presidir a eleico. Pderia
dizer-se que esta deciso fra em consequen-
cia de ser liberal o jt-iiz do paz de Barreiros
Pois bem ; o mesmo fado se den no Rio-
Forraoso, e foi um dos fundamentos com
que annullei a eleico, porque o juiz de paz
qo a presidio estava em idntico caso, era
coadjudor e servia de vigario interino de
Una.
Sr. presidente, citou S. Exc. tambem um
fado acontecido, segundo elle disse, com o
juiz municipal de Serinhem, que o ba-
charel Joo Henriques Mafra.
Este juiz municipal apparecen-me, ver-
dade, queixando-se de que, sajiindo da villa
encontrara em caminho, c em lugar ermo.
dous ou tres individuos, e que estes o in-
limaram para que se retirasse do termo,
nao sei se dentro deoito ou cinco dias, e
pedio-me providencias. Eu disse-lhe que
as daria. mas que me apresentasse queixa
per escripto.
Apresentou a, e eu mandei informar ao
juiz do direito da comarca e as autorida-
des policiaes.
O Sn. Souza Res : Que nao eram
suspeitas.
a cmara com a leiitira-de lodos, farei ape-
aas de parte de um.
A assembla provincial, no desejo de mo-
lestar-me enteodeu que devia. por umacto
seu, dssapprovar urna gratilkacao que man-
dei dar ao meu ofliciai do gabinete. V. Eic.
comprebende oe embaracos de um presi-
dente de provincia para vencer os traba-
dlos da administraeao, dede que nao-tem
junto de si um Iiomem habilitado que possa
fazer a toda a bota, a todo o momento,
qualquer trabalbo.
O Sr. Casado : E principalmente de
urna provincia to importante como Per-
nambuco.
Sn. Conde de BpdtPQtnv : O pre-
sidente nio pode dispeasar de ter como
official de gabinete um nomem habilitado,
todo s u dedioado. (Apoiados.)
O Sn. Theoooko da Silva : Maior da
toda aexcepcao,
O Sr. Conde de Baependy : Quando
eu fui nomeado presidente da provincia de
Pernambuco, julguei nao devor acompa-
nhar-me de secretario, de ajudantea d'or-
dens, etc. ; entend antes que devia ir pro-
cura-Ios na propria provincia, mas eu neces-
stava ter junto de mim um bomem Je mi-
nha inteira confianca, a quem eu nao tives-
se acanhamento de oceupar em qualquer
dia e a qualquer hora com trabalhos do
expediente da administraeao- (Apoiados.)
Escolhi, pois, e levei na minha* compa-
nhia um official de gabinete...
O Sr. Soi;za Res :Muito digno.
O Sr. Conde de Baependy:.. e o no-
bre deputado pe Para que conhece o Sr.
Joaqum Francisco Leal, ofliciai maiur apon-
sentado da secretaria da presidencia da
provincia do Rio de Janeiro, que tem servi-
do nos gabinetes dos nossos primoiros es-
tadistas e que ainda, .me parece, acha-se
prestaudo os seus servaos ao honrado mi-
11 nistro do imperio, est habilitado a julgar
so era ou nao capaz para essa commisso.
O Sr. Faisto d guiar :Muito capaz,
muito intelligentc edigno da maiur confian-
Ca. (Apoiados.)
O Sa. Conde de Baependy :O Sr. Leal
tinha um coaiprouiisso conimigo: devo
contar esta historia que Ihe honroe. Eu
nem tinha esperanza de levar commigo o
Sr. Leal.
Exercendo eu a administraeao da provin-
cia do Rio de Janeiro, a assembla, alten-
dendo aos bons servaos do Sr. Iieal, anto-
risou a presidencia para apo6enta-lo. Eu
sanecionei a lei,mas hesitei em dar-lhe a
aposentadoria, e disse ihe que vacilava por
que me va privado de seus servid
Disse-me ento o Sr. Leal: *Nso", sem-
pre que tiver necessidade de meus servi-
CosnaVl os recusarei.
Enconb"ei o Sr. Leal na ra do Ouvidor
tres dias depois da minha nomeacao, e con-
videi-o para servir no gabinete da presi-
dencia de Pernambuco, durante minha ad-
ministraeao.
Confesso, Sr. presidente, que eu nao ti-
nha esperanca que elle se prestasse a ir
para Pernambuco, porque a promessa de-
via entender-se para aqu, onde o Sr. Leal tem
a sua familia, e nao para una provincia to
longiqua. Elle, jioria, accedou ao Con-
vite.
O Sr. Leal acompanbou-me para Pernam-
buco : nao marquei-lbe gratificacao at o
momento em que ia concluir a commisso:
eu devia marca-la,.porque nao pedja-Consi-
derar os seoaservicos como um fcnr-pes-
soal: era servico publico. (Apoiados.)
O Sn. Theddoro da Sulva.: Servico pro-
vincial.
eleitoral, como synonimo de nomeacao, ef deu, e at havia.neste sentido representaos
pareceu na matriz, o 2. organisou alli ai que bem se verifica pela desarranque, u|jde Sr. barle de VJlla^BeBa, qne fra incon-
0 Sr. Conde de Baependy : O novo
delegado teve at a cautela de pedir infor
maces aquelle que tinha deixado de ser
delegado, e era do lado opposicionista.
Todos elles disseram que se admiravam
de que o bacharel Mafra declarasse qne se-
melhante fado hovesse tido lugar no dia
que elle referia, porque nesse dia, e pouco
depois da hora qne indicava, apptrrecera
elle n'uma reuniSo em que aquelles s.i acha-
vam; conversara com todos e nao dissera
urna palavra a tal respeito.
A' vista disto, o que havia eu de fazer,
quando ninguem sabia do fado ? Disse ao
juiz municipal Jque continuasse no exercicio
de suas fnnecoes, e ordenoi ao chefe de po-
licia que tomasse suas medidas de preven-
Co, porque at ah podia eu ir. O juiz
nao foi para o seo termo, pirque enten-
deu que era melhor ficar no Recife.
Sr. presidente, tenho respondido s
aecusacoes do Sr. marquez de Olinda...
O Sa. Alencar Araripe : Cabalmente.
Votes : Apoiado.
O Sr. Conde de Baependy: ... to-
dava nao devo sentar-me sem declarar
cmara jue a opinieo do Sr. marquez de
Olinda ri5o partHhada pormuitos de seus
amigos : eu j etet nm delles, o Sr. Bnar-
quede Macedo, de qrrem Uve testemuntos
de consideracao. Alm disto, tenho aqu
alguns discoreos da assembla provin-
cial, que isto provam f no Incommodarrei
O Sr. Conde de Baependy :Nao encon-
trando na lei verba para isso, servi-me da
verbadespezas evenluaes: era por on-
de se faziam despezas de igual natureza.
O Sn. Fausto ddgi'iar:Essa estava
muito legitimada.
O Su. Conde de Baependy En poderia.
Sr. presidente, ter mandado pagar pela fo-
lln da policia, eu poderia ter mandado pa-
gar p r urna celebre folha de jardim de pa-
lacio (numerosos apoiados....)
Um Su. Depi:tao .Donde sahiam as
secretas ajudas de cusi para cerlos depu-
tados fem odlro tempo.
O Sn. Conde de Baependy :Isto eu
nao sei. Eu poderia fazer isto, mas nao
entend digno de mim nem da pessoa que
me acompanhava. (Muitos apoiados.)
Nestes termos coinmuniquei assembla
a minha resoluco.
Agora devo declarar a V. Exc. qne no
meu relatorio nada havia que offender po-
desse a susceptibilidade dos membros da
assembla provincial: nao ha ahi urna ex-
prsalo que nao seja de muita consideracao
para com os seus membros; nao tratei de
poltica, porque entendo que as assemblcs
provinciaes nao sao corporacoes polticas.
(Apoiados.)
Tratando eu da secretaria do governo e
propondo algumas providencias, disse no
meu relatorio :
t Urna das faltas mais sensivets admi-
nistraeao a ausencia de um ofliciai de ga-
binete, que'auxili no Jpesado expediente
que est a seu cargo, e no andamento dos
differentes e multiplicados negodos que sao
snjoitos ao seu exame e despacho.
Ninguem, que conboca o movmento
incessante de importantes e variados as-
sumptos que so prendem administraeao
de urna provincia, desconhecer a lacuna
de que acabo de fallar-vos.
Cabe-me aqui informar-vos de que,
sntindo a necessidade desse auxiliar, to-
mfii a dehrJPraco de para isso convidar ao
official-maior aposentado da secretaria do go-
verno da provincia do Rio de Janeiro, Joa-
qum Francisco Leal, cujos conhecimentos
praticos, intelligenca e aclividade de muito
proveito foram a minha administraeao.
t Marquei a esse ofeial urna gratifica-
cao de 200;$ raen9aes, mandando-a pagar
pela verba Eventuaes, visto n3o haver para
isso verba especial na lei do orcamento
Ora, Sr. presidente, se a assembla dis-
se9se: Fica desapprovado o acto do pre-
sidente da provincia que marcou orna grati-
ficacao ao official de gabinete, eu nio fa-
ria qneeto, mandara indemnisar immedia-
lamente o cofre da provincia desta despeza,
que importou em um cont quinhentos e
tantos rail reis...
Um Sa. Deputado :Que miseiia t
,
(Confn uar-sc'ha).
TYP. M-miUMMfi DA8CRWE8H. 4
i I1EGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELHL0D59O_25Z3FX INGEST_TIME 2013-09-14T02:36:44Z PACKAGE AA00011611_11907
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES