Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11906


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.'



MNO XLV. NUMERO 174.
\eaaj
9b
fttt A CtflTtL E tUCAKS IDI TO SE PACA QHIE.
Por um anno dem.................... *
Ctda nonwro avobo........... 320
*bmFf > o a TERCA FERA 3 DE AGOSTO 0E 1869.
" !---------------------------- i ..Mi i,....._ ,
PARA UITIO I ROA BA PBOVTJOA,
Por tres mcm adtaataos.................
Per stn ditos dem.......... ...
Por jwi ditos idem.........'.',.."......
Por um aono...................
6*750
ia#wo
20MJ0
R .1

de Maaoel Figueirta de Faria Ffflios.
-T

' i i i
.......

4 AGESTE:
JPARTEMmAt
?erne da provincia.
XPHDIENTI: AHSIi.MADe FBI.0 KXM. S*. DI1. XIANOBI,
DO NVSClMRNTO MACHADO POBTEU.A, VICE-PHKSI-
OKVTE DA MWV1MIA, EM 20 DE MAIO DE 1869.
1* scelo.
N. 612.Portara ao director do-arsenal de
Suerra,Tendo por despacho desta data proroga-
o por 15 das o prazo de 2 mezes que por porta-
ra de 19 de marco ultimo foi concedido a Joao de
Souza Uangel Fillio, para liraro titulo deajudante
do porteiro desse arsenal, para o qual fra nomea-
d > pelo meu antecessor ; assim o commanico a V.
S. para -i".i conheeimento c fins convenientes.
N. t 1.1.Dita ao inspector do arsenal de mar
nliaA vista do que expoo V. S. em seu ofllcio
de 15 do correte, sol n. 1,713. autoriso-o a-man-
dar comprar na Europa, por intermedio de algu-
ma casa commercial desta cidade, de melhor con-
ceito, como permitte o aviso da reparticao da uw-
rinha de 2i de abril ultimo, um mostrador de vi-
dro para n relogio do torread de-se arsenal em
substituirn do que all existia e fui uiulusado
pelas chvas.
X. CU.Dita ao capkaodo^rlo.Em vista do
que V. S. mo partlcrpou em ofllcio de hontem, te-
nbo resolvid i que os eslragis feitos por urna ca-
noa do portuguez Antonio jaeialho Borges na por-
ta d'agua existente debaixo da ponte do Yaradou-
ro de Olinda, sejam reparados pela reparticao das
obras publicas, Sendo a despeza paga pelo mencio-
nado Borges, o neste sentido acabo de dirigirme
ao chefe daqnelta reparticao. O que Ihe declaro
para seu conheeimento e dareecao.
N. 6l*iDita ao commandante de Fernando.
Ao oflicio de V. S. de 3 dieorrente. sob n. 19, res-
pondo dizendo-lhe que Dea approvada a tabella que
o acompanuou dos veneimentos para os sentencia-
lase presidio eaorettados em dilTerentes ser-
.icos, de que trata o art. 36 do reculamente de 11
de fevereiro de i8tjpM]enos, porm, na parte re-
lativa ao amanuense da secretaria desse comman-
do, lugar est que deve ser exercido por cadete,
inferior, cabo ou mesmo soldado, sem vencimento
algum especial, como estatu o citado regula-
monto.
2" seccao.
X. 611).Portarla ao obefe de polica.Toman-
d i ein Bonsideracao o que V. S. expCo no seu
ofTicio de h je da'ttdo determinei ao roinmandante
do corpo provisorio de pniea, que mandarse
apresentar a V. S. cinco praeas, alim Ue seguirn
para a l'regueza da Varzea.
N. t!7.Dita ao commandante superior interino
4a guarda racimal Ante inunicipin.-^ExpecaY.
S. sua- .rdai. a'im de que urna guarda do honra
da guara naoional sobsau cumraaudo superior
asslsta festa e T'-Deuin, que se tem de celebrar
no dia 27 dir correte, na igreja matriz da fregu-
zia de Santo Antonio desta cidade, bem como para
-que a foiaa da inosma mana nacional que bou
dameuto do 2 termo da estrada da Victoria, e
tendo decorrido o praso de responsabilidad* dessa
obra, mandara lavrar o respectivo termo de en-
trega definitiva e passar o competente ceriiiicado,
alira de poder o arrematante, Ignacio Francisco
Pereirada Silva receber a importancia da uluna
prestacao do seu contrato.
X. 629.Dita ao mesmi/. De conformidade
com a sua informacao de 18 do corrente sob
n. 276, autoriso V. S. a mandar pagar ao Dr. Joo
da Silva Ramos, que assim o aolicitou no incluso
requerimento a quantia que nos termos do pare-
cer da contadura dessa ihesouraria se estiver a
dever.a praca do corpo elfoctivo de polica, Sebas-
tio de Souza Ribeiro, que se acha em servigo na
Suerra contra o foverno do Paraguay, proveniente
a gratifleacaode que trata a le n. 611 venada no
corrente exercicio, tazendo processar o que per
tencer ao exercicio j encerrado de 1867 a 1868,
para ser salisfeto quaiidj a assembla legislativa
provincial rotar a necessaria quota.
N. 630.Dita ao chefe da reparlio das obras
publicas.Participando-me o capitao do porto em
data de bontem havec intimado por diverias vezes
ao porttiguez Antonio Jaciolho Borges para repa-
rar os estragos que urna sua canoa fez na porta
d'agua exigiente debaixo da ponte do Varadouru
------
-'' 'm
-

niear a V. Exc em resanstaiao seu offlefo de l3|ronitramcom diretos, ntenases e obriaarfies
do corrente seb n. p -Usiinrla'; pode porm constar de -tmasftpt -
15.Dito ao director do arsenal de guerra, roebia. *^
A M'de-d tnnnicipr a povoacao ndte'eterada
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia man-
da declarar a V. S. em TespoSla o sen offleio de
48 da corrente, sob n. 11, que tmwawttio a tthe-
sourarja de fazenda, para os fi,Mientes, as
contas que vieram annexas ao dtuRcio.
2.* seccau
X. 646.Offleio ao commandante superior da
guarda nacional de Palmares.O Exm. Sr. te-
presidBute da provincia respondendo o effloio de
V. S. datado de 13 do corrente, manda declarar
qne a thesouraria provincial tem ordem para pa-
gar ao capitao Mauricio Jos Torres Temporal os
veneimentos constantes do citado oficio.
4, 4." seccao.
X. 047.Offleio ao Dr. Arminio Coriolano lava-
res do? Santos. 1 secretario da assembl legisla-
tiva provinrial.-N. 908. Exc. o Sr. vlce-presi-
deate da [iroviucia maada iransmittir por copia a
V. S. para ser presente a assembl legislativa
provincial, a inclusa Informacao que mnistrou o
chefe da reparticao das obras publicas em 18 do
eorrentp,ob n. 190. acercados tres periodos men-
cionados no ofllcio oue V. S. me dirigi em 11 do
correle, soliin. t>2.
eathegttrta ,)r- cidade ou Villa "a sede da paro-
chia rural a poveacio onde estirer situada a igre-
ja matrit
Art. 3 Todas as paroebias. como partes inte-
grantes drum municipio, sao sujeta a ntesma
admimstrtjSo municipal : cada parochia tem, no
que se refere ao serrico de natnreza
i nao pode ser
na cidade Olinda, declaro a Smc. em adultamente I J. 6i8. Dito ao mesmo \ Ql D, ordem de
tSPlSt^t^T% r *?* EXC- S" vic^pSdTntc'da'proWncia San
forme mdicai no lea datado de 13 do corrale c^tto por copia V. S. para serei/pmentes a fe.
SL?J catar esse trabalho pe a scmbla legislativa provincial, as inclusas informa-
reparticao a seU cargo, sendo a despeza paga pelo enes solidadas em seu omei de 17 de abril ulti-
n',.ad0',lures- .. -! mo, sob n. 13, relativamente au capital obtido para
a ao mesmo.-lnteirado deiquaafo I a creado do asylo de inendicidade, e a mtanto
monta o que se tem arrecadado per conta ao im-
refet-e ao serrico de
organisato e admiuistraedes proprias.
i a patrimonio das parochiasna
incjirporao nos hens municipaes.
I 2. O maniripio c a parochia ferio receita e
despeza distioctas.
-J 3.* A* pnrocliias e os municipios sao pessoas
jurdicas para todos os efeitos que as teis deter-
minaren!.
Art. *. As attribn'rcoes munieipaes serao exer-
citadas :
No que se refere dultberacao pela mnwra mu-
nicipal ;
No qne se refere acrao pelo presidente da c-
mara, como centro e orgiin da administracao mu-
ver dispo- ipanhe a proeissao de Corpus
esn
le dia as"3 linrastla tarde.
Ghciel
-na Igreja tem de -aliir naquel-
N. 61'. Dita ao mesmo.Reconhec*ndo-se
pela mspeccao de sadde a que foi submettj no
presidio de Fernando o guarda nacional do 3" ba-
tallio alli d ravncfo Oemes Sartiva,
achar-se ello Smpossibilitado do servco como se
t do d icumento incluso, recommendo a V. S. a
oxpedici i de. suas ordens para que seja, elle subs-
tituido por mtro, que dfver estar prompto a
seguir p ira i o nm > presidio no primeifo vapor,
que para all se de.-iinar.
N. 619 Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Olinda.Expeca V. S. suas
ordons, afin de que ri batalblo 9o de infamarla da
guarda nacional sob sen eommamio acompanhe a
pro*is-ao de Corpus Gliristi, que tem de sabir da
Vmc. me participou em ofllcio de hontem sob
o. 191 acerca do recebimento definitivo dos repa-
ros do cmpredamenlo do f termo da estrada da
Victoria, dos quaes arrematante Ignacio Francis-
co Pereira da Silva, tenlio a dzer ein resposia que
ijei scencia do contedo do citado offleio thesou-
raria provincial para os fins convenientes.
4.* seccao.
N. 632.Portara ao Exm. Rvm. bispo diocosa-
n,).\e-ia dala expaco as convenientes ordens
afim de que o batalhao 9 de iufantaria da guarda
nacional de Olinda acompanhe a procissao de Cor-
pus Qristi, que tem de sabir da cathedral da
mesma cidade no dia e hora indieada no offleio
queV. Exc. Hvma. se servio dirigir-me em 17 do
corrente sob n. 10o.
X. 633.Dita ao mesmo.Agradecendo o con
vite que V. Exc. Rvma. se diguou fazer-mq em 17
docorrenteparaacompanhar a procissao de Cor-
pus Chrsti, que deve ler lugar em Olinda np dia
27 deste inez, cabo-me dizer a V. Exc. Ruma, que,
teria maior .salfiCacao de acompauhar a este aelo,
se nao houver inconveniente.
X. 63.-Dita acompauhia dos trilbos urba-
nos.Eni vista do % 1> do. art. o do contracto ce-
li-urado por esta presidencia caai a companhla de
trUlios urbanos do lecife a A|iipccs cumpre que
a cmara municipal da cidade do Heclb projionha
as posturas neeessarias para regular o transito
das ras o dos lugares por onde passain as loco-
motivas.
N. 6j.Dita a cmara municipal do ReaAgn
Comiunique para seu conliemenlo que rom vi.ta
posto addiccional de 3 % creado pela le n. 777 de
11 de junho de 1862.
X. 649.Dito ao mesmo.X. 92.De ordem de
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, trans-
miti a V. S. acompanhado do parecer por copia
do procurador Banal da thesouraria provincial para
ser presente a assembl legislativa provincial alim
de tomar em consideraco o incluso projecto dq
pos'.uras que confeccionou e renretten a cmara
municipal da villa de Serinhaem, em offleio de 15
de (bvereiro ultimo. o
DESPACHO
DA VICR-rREIDE,NCIA DO Dl.y
i:e ivLim de 1869.
29
Antonio Jf>s da Suva Informe o 8r. tene'nte-
coronel comman lante docorpo provisorio de-.po-
lica.
Auna, Anglica Cecilia.D-se a prova.
Alexandr da Silva Lima.Requeira ao gover-
no impfial.
Vigario Auguslo FrankHn. Moreira da Silva,
Em viRla do art. 7 do regul.imento da lliesoura-
ria provincial, nao tem lugar o que roquer.
Antonio de Freitas liezerra.De-se a prora.
Anaelek) Publio de Moraes Carvamo.Piasse
portara aa forma" requerida.
Candida liosa Fernandes Peres. Indeferido
vista da.s informal
Caetano Pinto de Veras. Certifique-se o qn
constar.
Camilla do Carmo Torres.Nao tora lugar o
que requeran vista da uimaJUci'.
_ c.iiiliemenlo que c un
de suafonuaci. de 18 de margo proximrj'ftndo Franjea das^hag.-TiForme*"o Si"' inspector
e da thesouraria provincial de 4 de Janeiro e 22 de' da thesouraria provincial
abril ultimo resolv por delibera**) desta datae de I Francisco dd Souza Pootes.-Ao Sr. inspector do
a le n. 498 de 29 do maio de \ arsena| de marnha, para fazer inspeccionar o me-
catliedral de Olinda no dia 27 do corrente as 4
horas da tarde. \
. piO.Da a> commandante superior da
guarda nacional de Palmares.Em resposta ao
otflcio de V. S. de 11 do corrente, tonho a di-
zer-ibe que a 19 de junho de 1867, se inandou
ai a tbesouraia de fazenda' para o furneci-
mento de lvros, que para o batalhao n. 53 foram
por cs*c conimindo superior pedidos em offirio
de 6 do dito mil e anno. convjndo que V. S. infor-
me se foram elles ou nao recebidos.
X. 621.Dita ao jiii/. umnicipal ila !' vara inte-
rino desta ridaJe. Transmit! a Vine, o oflicio
junto por copia do commandante do presidio de
Fernando de 23 de outnbro do anno proxim i lindo
o jootamenle ITO guias de sentenciados constantes
da relaco por copia aanexa, alli existentes para
que sejam refirmada* no sentido que representa
aquelle c nte em ditc ollicio,, convind i
que cam a maior urgenea sojaai ellas devol-
vidas.
X. 622.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Mande Vmc. apresentar sem
perla do tempo, ai Dr. chele.di polica cinco pra-
cas e um cabo, que deverao seguir para a fre-
uczia da Var
3 scelo.
X. 623 Portara ao inpeetor da thesouraria
d fazendaDe conformidade com a sua intor-
ao do 1" do sob n. 273. appvovej
ta data a tabella indosa por copla, dos salarios
para os senteT'isdos que forem empregados em
cerloa seniciis. no presidio dBi0ernando nos ter-
mos do respectivo regulamerm menos na parte
relativa ao amanuense da secretaria, que deve ser
rodo por qual juer pracade pret sem venc-
mente algum especial, como prescreve o citado
regulamonui.
N. 6.Dita ao mesmo.Tendo por. despacho
desta data prorogado por quatro das o praso de
djo te por portara de 19 de marco ulti-
me, foi eouredido a Joao de Souza Itangel Fillio
para tirar,, o titulo de ajudante do porteiro do ar-
seeal de guerra, para o qual fora nomeado pelo
meu ant' lim o commun^o a V. S. para
seu conliecimento o direceo.
N. 625.Dita ao mesmo.Tendo o tener.:
uad doexemto Francisco de Paula SPeixu
lo requerido a suspensao do disconto de 10 por
cont do seu sold, que hava offerecido para as
despezas da guerra contra, o governo da repblica
do Paraguay, assim o coramunico a V. S. para
seu conliecimento e afim de que d as convenien-
tes ordens para que cesse esse descont do cor-
rente mezem dianle.
X. 26. Dita ao mesmo.Annuiudo ao que so-
llctou o director do arsenal de guerra em offleio
de 18 di corrente sob n. 99, recouiraendo a
V. 8. que mande liquidar e pagar, em vista das
contas junfas em duplioata a despeza teta com a
illunnacao gaz do quartel da eompanhia de
apre- iquelle arsenal a contar
de nove'mbro do anno proxme passado a marco
ultimo.
627Dita ao inspector da thesonrari* pro-
viacial.Providencie V. S. para que, dapois de
liquidados, em vista do pret junto om duplcala,
veneimentos relativos ao mez de abril ultimo,
4ofuards nacionaes destacados na villa d'Af oa
Preta, eja pana a sua importancia ao capitao Ma-
riano los de Torres Temporal, conforme solieiteu
* commandante superior da comarca de-Palmares
m offleio de 1$ do corrente.
N. m.-J^M ao meamo.-toeclare a V..8. para
MO< conheeimmrte e diraeejLo, que o chefe da re -
.partico i publicas participou em offleio
de hontem sob n. 119, que, acbando-se em per- _
tikto estado de coaiervacao os reparos do empre-, juvenmo Oomee. Saraivs,
Os instrumentos de que
1851,e 2o do art. 1" da lei n. 276 d? 7 de abril de
1831 conceder aaposentadria que solcteui ama-
nuense dessa cmara Candido de Souza de Mi-
randa Couto, com u.ordenado por inteiro, visto
haver provado ter exercido o seu emprego, por
niais de 30 annos.
N. 636.Dita a cantara municipal de Seri-
nhaem^Declaro a cmara municipal da villa de
Serinhaem qne nesta data vai ser tihuttid) 'a
assembl legislativa provincial para tomar em
consideraco o projecto de pistura que Iteompa-
nhou o offleio que a mesma cmara dirigi a esta
presidencia em 13 de fevereiro ultimo.
X. 637.Dito a cmara de Flores.Acensando
a receptan do oflicio de 26 de abril ullimo em que
a cmara HMMMpal da villa de Flores communi-
ca a esta presidencia os solrimentos em que se
achara os habitantes do seu municipio pela falta c
caresta de gneros, alm de alguns casos de febre
que iam apparerando, leflbo a dizer a mesma c-
mara que en 13 daquelle mez, j proridencici no
sentido de serem para ahi enviados gneros ali-
menticios e medicamentos para serem applicados
ao curativo e soccorros. de que precisam os des-
validos que estao sendo accommetiidos pela lno
e febre.
X. 638.Dito ao engenbeiro Luiz Jos.da Silva.
Respondendo ao ofllcio de Vmc, de 9 do corren-
te, tenho a dizor-lhe que nesta data providencio
no sentido de serem transportados da esta $ i do
l'na adasCim-o-Pont.il
trata o sou citado offleio.
X. 639.Dito ao superintendente da estrada de
Ierro.O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Reeife a S. Francisco, de conformidade com *
13* condicao annexa ao decreto n. 1.030 de 7 de
agosto *i>tft2 mande dar transporte da estacan
de Una a das Cinco-Pomas, aos instrumentos que
pertencerem a conunissao d medtcao e demarca-
cao das trras publicas ; desta prniplBcia. devendo
correr por conta do ministerio da reparticao da
agricultura o peso que exceder de dea arro-
bas.
N. 640.Dito ao engenheiro fiscal da illumma-
9*0 a paz.Em vista do qno me.requereram di-
verso proprietarios da travessa do Cordeiro da
passafem da Magdalena, recommendo a Vmc. que
faca transferir para alli os seis lampeos a gaz que
se aeham collocados na ponie provisoria que se
est demol ndo.
X.-'641.Deliberaoao. O vice-presidente da
provincia attendendo ao que requereu Cooma El-
vira de Araujo, professora publica da cadeira de
instruccad. primaria da cidade da Victoria e
tendo em vista a informaoap do director geraI inte-
rino da instruccao publica de 12 do corrente, snb
n. i:io, resol ve conceder-lhe tres es. de iieenca
com ordenado gmente e a contar de 11 deste mez
para tratar de sua sade.
N. 64^.DitaO vice-presidente da provincia
attendendo ao que requereu Candido de Souza Mi-
randa Couto, amanuense da cmara municipal do
ttecife, e tendo em vista as informaedes da mesma
cmara de 18 de marco prximo tlndo,sobn. 1 da
theaonraria provincial de 4 de Janeiro o t2 de
abril ltimos, resolve de conformidade coma lei
n. 4418 de SO de mato do 1861 e S do art. 1 da
de n. 276 de 7 de abril da 1831, apesenta-lo com
o ordenado por tnteirov visto haver provado ttrl
exercido o seu emprego por mais de trlnta an-
nos.
HSKDIBNTK ASSICNADO HU S. WR. JOAQKIM CORABA
DE ARAUJO, 8KORETARI0 DO (10VERKO. IM 20 DE
MAIO DB 1869.
1.* seccao.
N. 643.Offleio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.De ordem de S. Bxc. o Sr. vice-
nmaionto da provincia, declaro a'V. Exo. em res-
posta ao seu ofllcti de 24 de abril ultimo, sob n.
246, qiie (Ira expedida i a convemente ordem a re-
particao de fazenda para azer cessar o desoontu
de 10 / que de seu .sido offereeeu o teoente-Te-
ormtdo do exercito Francisto de Paula Si Penc-
te para as despeza*- da guerra contra o governo do
Paraguay.
N. 64*.Dito ao meeraoS. Exc. o Sr. vlce-
preiidnote-da provincia tendo- prondeaetad para
or de que so trata.
Francisco Ferreira Borges.Informe o Sr. Ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Feliciano Jos Gomes.D se.
Izldoro de Oliveira (/impeli.Dirija-se ao Sr.
inspector da. thesouraria de fazenda.
IrmaiidaJe do glorioso inartyr S. Sebastlao, em
sna igreja na cidade de Nazarerh. Em vista do
art. 7" do regulamento da thesouraria provincial,
nao podo a supphcante ser attendlda em sua pre-
teocap,
Joaqnini Francisco da Silva.Informe o Sr. tc-
nente-coronel commandante do corpo de po-
lica.
Joao fieroncio do Carvalho Satisfar a exigen-
cia da thesouraria provincial, apre.-eniando o at-
testado que junta, eeonhecido por tabelli'n.
I iseplia M.u ia do Espirito Santo. De-se a
prova.
Joao Carlos Ane.Juntos a este os anteriores
requeriuiisntos dos supplcantes em que foram lau-
cados os-despachos de 20 de oultbro de 1868 o 2
de junho prximo lindo. Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda
Jean Cari Noary Bos Coelho Barbosa. l'a-
Sando os supplicantes o que fr devido em virtudo
a portara detta presidencia de 2 de Janeiro do
corrente anno, c marcando a directora do thea-
tru, los, como requerem
Joo Egydio Caswo de Jess.Entrcgue-se, pas-
saudo o supplicanterecibo.
Joaqnim Antonio Pereira. Dirija-sc ao cheTe
interino da reparticao das obras publica.
Jos Mara Ferreira da Cimba.-*-Coneeda-se,
nos termos do respectivo reglame mu.
Joo Paulo Virgno. Iudeferido em lsta das
ordens em vigor.
iQlu Gomes da Rocha. Indeferido vista das
informacorfs.
hcinrho Hell'odoro Alvos Cavalcanti. Requeira
por intermedio doDr. director geral da instruccao
pqblca.
Joaqnim Rodrigues Maia de Oliveira. Indefe-
rido.
ronel Joaquirn Cavalcanti de Alhuquerque.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Martinho Jos Je Sant'Anna.Como pede.
Mano'el Jos do Mello. Informe o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional de
OUndai'
.Man.,.! Jos do Espirito Santo Mande-se dar
a guia de mudanza requerida.
Manoet de Giovanni.Como
as neeessarias cotninunicacoes.
Vicente Bernardo Pereira.-
das nforma(oes.
nicip.il, pelos vereadores esperiaes (regedores) das
parochias.
Art. 5." As attribulees parochiaes serio ejer-
citadas : i _.
No qire-f refere deliberacSo pela junta ad-
ministrativa da parochia ;
No qne se refere atfco pelo regedor da pa-
rochia.
Art. 6.' A assembl municipal renne attribui-
edes denatnreza municipal e relativas adminls-
tracaoinarochial.
A amcmhla municipal se reunir na forma
e paraje* fins indicados no titulo 3*.
Art.'7.* As cmaras municipaes, seus presiden-
tes, as juntas administrativa se regedores de paro-
chia, considerados estes como agentes qner mtini-
cipaes quer parochiaes, alm das atlribuicoes pro-
prias municipaes e parochiaes, tem o dever de
levar a effeito no municipio e na parochia todos os
actos de administracao geral de que forem en-
carregados pelis leis e regulamentos do governo,
e ?> obrigados a prestar as informacoes e escla-
recimenlos que peias autoridades superiores Ihes
forempedidos a bem do servieo publico.
1." No exercicio das attribuicoes de natnreza
municipal e parochia], as autoridades, a que sao
ellas c.mmettidas, salvos os recursos e csc^coOs
expressas, procedem independentementc da ad'mi-
nistiacao geral.
_ 2." No exercicio das attrlliuicoes delegadas
sao subordinadas ao presidente da provincia, e
tem de ciimprir as ordens legis que receberem,
sob pena co rspousabiMade.
Art 8* Nos municipios que constarem de urna
s parochia, o presidente da cmara accnmulara
a:- attribncjtes de regedor, procedendo-se elsf-
co municipal pela forma at hoje observada. Xes-
tes mdnicipios nao ha ver junta administrativa
de parochia, sendo suas attribnicoes exercidas
pela-cmara : haver porm eommbsodc fabri-
ca da rratriz.
Aruf.*Dos .artos nao antoris-fes das enmaras,
de seus presidentes, das-Junta* administrativas e
regedores de parochia, que importaren! violaeo
dos diretos de qnalquer bidadSo, rid este peSr
reparacao ao poder judicial por mio da aceao ci-
vil ou ciiininal que Ihe competir contra nquelles
que os tiverem resolvid) e levado a effeito.
Reputam-se nao autorisados fts setos exorbitan-
tes das attribnicoes conferidas por lei.
Ar!. 10. Os cidnlos que se sentirera aggrnva-
dos em seus diretos por qnalquer acte atmmiis-
trativo da cntara, de seu presidente mi das juntas
e regedores de parochia no exercicio das attribui-
cdds !iiiiiii'i]iae- o.i parochiaes, podMrio recorrer
para o presidente di provincia no prazo de vinte
das, contadoWla pnblicacito d > ineefflo HflCo fln
de sua notiflcaco quando se referir a individuo
determinado.
O roctr.-o ser infctppsto pecante o secretario
da cmara, que o tomata por termo, independen-
te de despaenOj davendo as flegneo^s da parto
ser apresentadas dentro dos quinze dias iminedia-
tos, assgnadn em seguida por nfimacao judicial
igual pia7.(> p ir.i dizer o presidente da cmara ou
0 regedor, depois do qu fu o mesmo secretario
reines.-a de indo ao presidente da provincia.
Ser punida a demora do pre Id itc da cmara
ou do regedor na iuormacao, c do secretario na
remessacres pipis, cm as penas do art. 154 do
cdigo criminal, alm de oniras em que possa ter
ineorrjdo.
Arl. 11. O presidente da cmara, quando enten-
der que algmna deliberaco desta exorbitante
de suas atiribuicocs, offeisiva da presente lei, de
suas posloras o do orcamento municipal, consl-
tala p. presidente da provincia, o qual, se julgar
do mesmo modo, ordenar que nao se execute- ca-
bendo cmara recurso para o governo as dnas
primearas hypoiheses,' c sendo o caso snjeitohas
duas ultimas resoluco da assembl legislativa
provincial em sua primera reunio.
Art. li. Nao se consideram creados ivos.mu-
nicipios e parochias para os cffeitos estiifteleddos
as leis geraes que reunam as condicoos seguin-
les :
Os municipios :
i.' Poptilacaff livro nunca inferior a se< mil al-
mas;
J. Renda municipal, calculada pela que at en-
lo pagavam os. moradores da parte desmembrada,
superior a 5:0004.
3.* Existen na projcctida sd do novo mu-
nicipio de edificios publico- para casa de cmara
e sessoe:
porm revocad c art. 7 da lei 1,507 de l& de
setembro de 18W.
Art. M. Sao mmfeipaes as estradas que com-
innnieam a sede do-monh-ipio comas das paro-
chias do mesmo municipio, e as que communtcam
a sede do municipio Wm as estradas geraes ou
provinciaes.
Art. 15. Sao estradas parochiaes as* que rom-
mnnrram diversos disfrietos da paroch entre si,
oa coma sede da paredhia, e desta se dlrigirem
paroeinal, as estradas peraes, prtrmeises ou mnninpaes.
Art. 16. Sao parochiaes as obras da igreja ma-
triz, as de reconstruccao da casa do parecho, as
do cemiterio, todas aquellas cojo uso e gozo ordi-
nario especial aos moradores da parochia, e que
nao attiverem a cargo dos cofres geraes, provin-
ciaes ou municipaes.
Art. 17. Pdente dons oa mais municipios ou
parochias visinhas associarem-se, por accordo de I terdcto"
suas respectivas cmaras or jamas administrati-
vas, para cwslrucr,io e eonservacao, a expensas
communs, de estradas que os romnuniquem entre
si com qualqner estrada geral on provincia, e
para creacao e manutenco dos estabetecimerHos
de benetlpjcia ou de instruccao publica que jol-
vernadores dos bkpados, provisores, vkack ge-
raes e da vara, ennenos etactv(is paiocSpa :
Os presidentes de provincia, o.> chelee de polica
seus srcretarios;
Os mmares~de mar e Ierra nao reformados, e
os cidados alistados ou empregados,. orpos
de polica ;
Os directeres geraes e olleiaes. maiore* e inais
empregados das secreearias de estado o Os.empregados fiscaes Se qnalquer cathegovia ;
Os magistrados, promotores pblicos, ubeiuaes,
escrivaes e todos os que tereerera officios de ins-
lioa>
O proessores publico de
maria
instruccao pri-
Os empregados da cama* municipal ;
' fallidos nao rehabilitados e os civilmente in-
reqaer. Fafam-se
Indeferido vista
garem d'ntilidado para eos habitantes.
O modo de cnstruceSo e conservaoao das es-
tradas, fuadicau o adkniristracan de tan estabele-
cimentos ser regulado em commum pelas refe-
ridas amaras ou juntas reunida*, respeaoa le-
pislacao respectiva geraJ-ou provincial. No termo
que assigruireiB se marear a quota oom que en-
tra cada municipio ou parochia, e o mais que dis-
ser respeito ao desenvolvimiento e realisacio do
plano aecordado.
Art/18. Xas posturas municipaes se ostabele-
eer a sauccio de sua infraci;o por eomminaoao
de penas de prisao at 15das e de multa 50* ; *s
quaes poderauser elevadas ao dobro nos casos da
reincidencia.
$ 1." A pena de prisao poder ser commulada
na de mulla, sempre que o infractor assim o re-
querer. Par ler lugar a commuiaco, calc.ular-se-
ha o valor de cada dia de prisao, nividindo-se por
15 o mximo da,j>enn pecuniaria lixada neste ar-
tigo.
2." As mullas por infraeco de posturas serao
impostas administrativamente por despacho do re-
gedor da parochia, proferido vista do auto de
infraeco e ou vidas de planoas testemunhas do
mesmo auto, o.infractor, quando comparecer, e
suas testemunhas," quando as quizer dar. O auto
de inquirico e o resumo da defeza;ser lavrados
pelo fiscal.
Da hnposico de mulla superior a I0 lero as
partes,recurso para a cmara municipal, que re-
solver, dizeinlu o regedor.
5 3.* O prode'sfo por infraeco de posturas, de
que trate o arl. .148 do regulamento n. 12 de 31
de Janeiro de 18?. s ter lugar quando a con-
travenijao livor de ser punida com pena de prisao.
>.rt. 19. O servieo as cmaras innnleipaes e
nas juntas- parochiaes gratuito e obrigatorin, sal-
vo havendo legitima causa de escusa.
Art. 20. Os servicos dos presidentes das cama-
ras e dos regedores de parochia prestados com
r.'lo, assiduidade e distineco.em todo o periodo
de seu mandado, siio considerados ["elevantes.
TITULO I
Da aibivntktraro municipal nas'provincias.
CA*ITUJ,0 I
Da orjaisnrriQ municipal.
Arl. 21. llavera em cada municipio urna cma-
ra que se copmor, ulm de nove vareadores na?
cidades e deati-na9 villas, dos quaes o mais vo-
lado sera o presidente, eleitos pelos cidados acti-
vos do todo o municipio, na forma das disposicSes
vigentes, de mais tantos vereadores especiaos
qnanlas as parochias que o constituirem.
Art. 22. A teicie dos ven-adores ser feita em
todo o imperio de quatre em quatro anuos! na
segunda dominga do mez de setembro, qdalquer
que tenha sido o temp'b' de sua anterior leitjo,
pida forma disposta no titulo 4." di lei n. 387 do
19 de agosto de 181C, com as alleracoes sc-
uuintes :
i. Cada votante, alin da cdula para julzes de
paz de seu districto. entregar mais duas, das
quaes urna contera os nomos para vereadores de
pessbasresidentes em qualqner lugar do munici-
pio, e a outra nnicimente o nomeuo vereador es-
pecial da parochia, n'glla residente. Aquella ter o
rotuloVereadores do municipio, e estaVe-
readores da parochia de...
' 2. Pdem ser eloU 3 ver >adore3 (salvas as ex-
eepgoes do art. 93) todos os que tiverem as ron-
dig5cs requeridas para eleitor, urna vez que sen
noine csteja incluido na ultima qalidca^ao de vo-
tantes.
3." Dentro de 48 horas, contadas da terminaran
dos trabalhos da eleieao em cada parochia, deve,
ser remedido o livro das actas ao secretario da
cmara municipal, o qttaj (aviar go em seguida
termo de recebimento com designado do dia, ho-
ra e modo por que SC cffectuou a entrega, levando
0 mesmo secretario inmediatamente o dito livro
ao tabelliaodo lugar,qu transrrcver no livro de
notas a acta da apuraban, certilkando qual o dia
a lira em que Ihe foi presente. .
A' mesa paroehial, que nao cumprir esta dispo-
sicao, sera imposta a multa de que trata o art.
1 Jii 8 5." da lei n. .187 de 19 de agosto de 1846 ; vln,f,ira(1
ao secretario da cmara e ao tabelliao a do mes-
Art. 24. Nao excrcerao o cargo de vereadores :
Os credores quo nao foiem de eraprestimos au-
torisados e os dlivedbres da cmara ;
Q. delegados e subdelegados do polica e seus
suppleole?, quatdoem exercicio ;
Os snpplentes em exercicio do juizes municipaes
e de orphaos;
Os engenfteiros incumbidos de servieo geral,
provincial ou municipal;
Conjunciamentc os a^cendenlna e descendente?,
o sogro e genro, os irm.ms e cimbados, deveido
servir o mais votado, e havendo o mesmo numero
de votos, o mais velho.
Arl. 23. Podem escusar-sc do servieo da c-
mara :
Os maiores de 60 annos;
O- que sofTrerem enfennidade ehroniea de que
resulte impossibilidade nn grande kuldadeMe
concerrerem s sessles ;
O que liver servido no quatriennio anterior ;
O que transferir seu domicilio para outro mu-
nicipio.
Art. 26. Aprescntadti a e della tomar conliecimento a cmara na primera
sesso. e, julgada procedente, expedir diplomado
immedialu em votos no ultimo vereador.
0 vereador assim chamado em substitaicao do
escusado poder representar cmara contra a
procedencia dos fundamentos da escusa, cabendo
da declso da cmara recurso- para o presidente
da provincia.
Pela falta le cumprim'iito da primera parte
deste artigo incorreio os veriiadonsa, qu para
laso contribuirom, na muha de lOO cada um, im-
posta |>elo presidente da provincia.
Ait. 27. Os vereadores que nao acceilarem o*
sem motivo renunefarem o cargo, e deve-se enten-
der qne nao acceitam ou rennnciam os que sem
censa justificada deixarem de comparecer segui-
damente a duas reunioes ordinarias da cmara,
pagarn a multa de 100 a 4(X) arbitrada pela
cmara.
Art. 18. Quando forem annulladas, ou emquan-
to se nlo flzerem as efeiciVs de jtthes de paz e de
vereadores, Mntmunran em ejercicio os existen-
tes, embora se aehe lindo seu quatriennio, at que
os novos eleitos tonn-m posse.
Art. 29. As cmaras municipaes podem ter os
empregados segnintes :
Seretario e ajudante do secretario ;
Procurador ;
J'orteiro ;
Fiscaes;
Guardas municipaes.
_ 1." Os empregados municipaes sao de nomea-
cao o demissao da cmara, sem dependencia de
'Miiinnaco e sem recurso, no can do demissao,
para autordade alguma.
S 2." No impedimento do secretario, procurador
e porteiro, o presidente da cmara turnear queui
os substitna interinamente. O regedor nomar
qnem substitua os li .caes e os guardas raimioi-
paes.
1 :'>." o numero de empregados municipaes, ne-
cessarios para o servieo de cada cmara, ser fi-
xailo pela assembl da respectiva provincia, e-
seus veneimentos votados animalmente no orca-
iii'iito municipal.
Art. 30. Todas as vezes que n presidente se au-
sentar do municipio ou tiver algum impedimento,
p.i-ara por otiicio a iii-id'iiria a seu inmediato
na Ordem da rolarn.
fl'.nntiHUur-se-ho).
H
REVISTA DIARIA.
INSTRI/CCAO PUBLICA.Por deliberar} da
presidencia, de 2 do corrente, em vista do resul-
tado do concurso que se proceden no dia 17 de
junho ultimo, foram nomeadas professoras pu-
blicas :
Da villa da Boa-vista, l.uixa Endoeia Baptista ;
Da villa do Ourirury, Amia Monteiro de Luna
Reg Valonea;
Da villa de'S. Rento, Je urna Alejandrina de
Carvalho Peflroso';
Da-villa do Rom Coiiseu: MarB' Adelina da
Silva';
Da villa do Salguoiro, Malina Escolstica Gue-
nio artigo e paragfagho n. 4.
li* Quanto ao ireador especial da parderna,
icrniiiiada a api mesa paroehial Ihe en-
viar copia authentiea da respectiva acta para
servr-lhe de tituto.,
5. Nao protwpndo qualqner membro da as-
embica paroehial 'durante o processo da eleieao
INTERIOR.
jury, e'paracad'eia, coin.-a capaeua- *emj^ paroehial
doo condicois requeridas para os tina a que sao : toBfitma rtgular.dade, deixara de haver dired
de.tinadus- | de reclamar e considerar-se-ha valida a mesma
'Destinarlo de 40,000 bracas padradas de: elelrSo. Nao nrtertlettjo protesto, se nos 9das
subsistientes nao f6l^jUregue no correio, dirigida
ao presd|pte da provincia reclanttfjln fundamen-
tada con a* convenientes allegac^e e documen-
tos comprobatorios, quando nao se referir s pro-
prias actas.
A presentada arectama'Qao na agencia do correio
dentro do prazo indicado, mi na secretaria da pre-
que seja substituido por outro na
Peonando o guard do 3!
utro nadMtteacMnio.de
l* trataUhioda rnfMBhria
iiioi>i:^A\i:iRe.
Bro>ect de reforana mmalelp!
apresentado cmara Aon he-
pulados em sesslo de flO de Ju-
lh ultimo, pele Sr. mlatatro
do Imperio.
PARTE I.
DA ADMINISTRAgO flBKAt DAS PROVINCIAS.
Dispotices geiaes.
Art.*t.vA parochia a base #a organisa,cao ad-
mimslrativa do ifujicrin.
1 A poMchia, unidad* administrativa,*
eircumsenpeao territorial adoptada nas leis nara
o aeten eMfines e "eedesiasticos.
I 2 As parochias sao urbanas os ruraes : nr-
aen as que comprehendem pela maior parte
de sua populacao dentro dos limites das cidades ou
villas : ruraestodas as cutres.
Smeate s parochias ruraes sao apprlcavers as
dtoMetates de tHnio > de prseme le.
As parochias urbanas s5o applicaveis a1*po-
sjcoes dos arts. 100 ewgnintes da parte seeund
tUutt.MHee.
Art. I* O
Mefhi
eoaMrtue-se pe4a.tnniio
ntmaHpeip ad-
terreno para" logradmiro commum dos muni-
Pcipeg.
As paroclMH '
1.' Populaoo livre nunca inferior a 2,(XK) al-
mas ;
2.' Contribnicao para a receita municipal com
renda superior a lillOO* ; i
3.' Exiteucia de edilieio publeo apropriado pa-
ra matriz, convenientemente construido, de casa
para residencia do parodio e de terreno murado
para cemiteife'nas immediacoes da sede da paro-
chia ;
4." Destnacio de 10,000 bracas quadradas de
terrena para logradouro commum dos moradores
da parochia.
1." Feiios ou adquiridos a cusa do cofre ge-
ral ou provincial, dos pevos o'i do particulares,
por meio de loteras, subseripoes, doajes, dei-
xas ou legados, ou OOT oaira qnalquer forma Uci-
ui, o edificio da eadeia proprio provincial ; a
casa da cmara,propri) municipal; a matriz, a
casa do parocho e o cemiterio sao proprios paro-
kes.
R 1 Os terrenos de logradouro commum per-
tepero aos inunripios ou s parochias, conforme
sao destinados ao uso e gozo dos moradores das
villa'cidades-ou das parohias.
S I Quaesquer accrescimos, bemfeitorfas ou
eesMrKM, tetoscusm dequem forem, segniro,
qMtatO'B priqiriedade, a sorte dos referidos odilit-
fCios, comiterios e terrenos.
Art. 13. Se despeas municipaes nicamente
as destinadas a Berrros da administracio do mu-
WOk), equedevam ser mitas cora, objectos de
ntlidade, uso e goao nidue*. ConlinuaB
rUudo ajpnr espezae
ftae. cado
Da villa de Ingazeira, Mariana Lins d Alba
quetque ;
Da villa do Granito, Maria Leopoldina ;
Da villa do Hinque, RkMdirgkS Paulina Afr
De Villa Bella, Lislxlla de AlUiquerquo Mel
SOCIEDADE MARANIICN^K.-Para presidenb
da spciedade 3$ de jutho, instituida nesta cidada
foi nomeado presidonte o Sr. Joo Pereira Reg
por deliberaco da presidencia1 da provincia, de
31 do pssado.
Al'TRIDADE VOLICIAL.Por deliberaco da
presidencia, de 31 do passado, foi nomeado pri-
meiro sti|iplente do subdelegado do primeiro os-
tricto do Barreires, Antonio d i Santiago RamoS,
TENTATIVA DE UOUBO.-Alguns larapios lea-
taram penetrar, na noite de sabbado, numa casa
g J{ft f Sffi %l 2 Jruif 5aSd? SE
^^S^sss^si!z hr R"I)lu's r"""";i'
adduzidas, marcando um prazo '
gritando por socewro, -los fugir.
FER1MENTO GHAVK.Na dia 8 do corrente,
na estrada que vai da villa de Cimbres para o
lugar Isabel Das, Miguel Ferreira da Silva foi fe-
e dos~memb,ros da"m'a"paroehial," rido gravemonte mu um tuo, dado de embos-
cada. A polica local prendeu a Manoel Gomes da
macao e provas
razuavel, conforme as distancias, mas nunca maior
de 30 das, para os interessados contcstarem are-
clamaco. O presidente pode exigir, das autorida-
des Jgcaes e dos membres da mesa
informaedes que jnlgar convenientes.
S em casos de feca maior poder o presiden-
te, *a requerimento da parte, nrorogar por mais
oitn das o prazo matflldo, flno o qual, proferir
a decisao a que se refere o art. 118 da lei n. 387
de 19 de agosto de 1846.
Das decisoes do presidente poderao as partes re-
correr, no prazo de 10 dias, para o ministro do
impjrio, que resolver afinal, depois de mirir a
respectiva seerio do conselho de estado. O reeur-'
so nao tem effito suspensivo.
Nao havendo recurso, e definitiva a dedsio do
presidente da provincia.
6." Contra as eleices snppostas poder qiral-
quer cldadao qualilrcado na parochia reclamei,
independente de protesto, nos trinta dias qae'se
sefmrnm apurarlo das actas pela cmara muni-
cipal.
Os vereadores assim eleitos tomarso posse no
dia 7 deJaneiro seguinte eleieao.
Art. J9 N5o podem ser eleitos vereadores
ministros e ceWslbeiros da estado ;
r^Wrcbispos, bispds, ^ahli eajjinmrtis, jc-i
Silva, condecido por Lola, Manoel Pereira da Silva,
e los Gomes, como indiciados no feriuieato.
UHY ACAEMIGO.-Sub esta tenominacao foi
fundada urna socedade, tendente instruccao o
pratica doproeesso criminal.
No di>39 do mez passado tere lugar a sua pri-
mera seeso, na ra do Corredor do Bispo : sen-
do submettido julgamento um proceaso de feri-
mentos leves, no .qual liguraram, como autorida-
des, os seguintes acadmicos : na formaco da
TulpaM. Freir delegado, Napoiea eserivo, e
P. Ros, juiz municipal; e no julgamento pelo
juryI'. Ros, que presidio a sessao em falta do
respectivo juii de direilo, S. Sarment, promotor,
e R. Vieira advagado. O reo foi coodemnado no
mnimo do art. 201 do cdigo criminal, visto o
adverado produzir duas aitenuantee bem conve-
'HATRR DE SANTO ANTCMftA matr.sda
freguesia de Santo Antonio foi prineipla ao-
ficar no rfflnn de i, ooncluindose Wo
do frniefspleio, eoberta, torres, eoitwores -
i. ...

I


10 016



'?035 30 6 kflllft fcJHBT Diario e IVrnambuco ,**<* fe& 3 de Agslo de 1869. *- GrtSfiCl .VJX C
este ten1|ito' magnifico eimpo-
r.
cia, autorisados
6J3*331 rs.
igreja cerca de
christiasno anno de 1C", impord* ludo,
elusivo eatnlh.1, pintura, douianieato o sinos, At o
anuofee"&90. em eme eorreu por tonta e,adini-
niili tr.ftfcli.......Ul do Sacramento deS. Fre
Pedr^^Kes, em 3.69U81\ tk
nenie.
Durante o anuo que decorreu do l de agosto.]
de 1868 a 31 de jnlhujjliimo, a jnoyLqgedoxajd-
iitittio em seu seto o aviado fameB.de 11) ir-
niaos, pessoas tojas L-saflhiirta** idCias, o que
trooxe para os cairos da jfroanfade o rendinenlu
diversos artos'Se fcetiefleeii-
rompromisso, un sMiiiKt de
imflen em diversa otras da
l"O:()0O|, satisfet encargos da
mesa anterior ua importancia tu ":">i#M40 res
c gastn naaaieinni*ima festa de-seu orago Cor-
pa de Dem^ 67i70, sendo s em msica
6904 e em fflfhetes 171# ; o que detieria acabar,
|)referindo-se applicar a economa de>sas verbas
em actos de beneficencia, como pagar a um medi-
co para tratar dos pobres da frepuzta, como de-
termina expresaamente o respectivo compromisso,
ou alias para outro qualquer a^to caridoso, por-
luanto a pompa congenia cotu a vaidade huma-
na, e esta incnnciliavcl com o culto religioso.
patrimonio desta irmandade consiste cln ti io-
ta predios em bom estado, que deram o rendi-
meiito annuale 15:078*10*.
Toda a rceetta do anno rotnpromissal de 1868
IHWimportou em 34:988*g, elevando-se e
a despeza a 34:680*194.
A ista do-tes esclarecimentos, que nos foram
obsoifuiosamente offereeidos por um amigo, do es-
tada de inteira regulardade, c grande asseie e
cuidado nos negocios e objectos desta irmandade,
alcm de estar em da e com todo o disvello a es-
crlptarecao defla, sem a menor dovida fcil ser
avahar os servaos prestados por csso mesa rege-
dora.
Essamesma mesa sempre funceionou commaior
pontoalidady possivel c a mais plena harmania
ntre os seu memhros.
Domingo, pelas 6 1/1 horas da tarde, den ella
jiosse i nova mesa, lendo o juiz que findiu um
minucioso e bem elaburado relatoriosobreo esta-
do da irmandade, e apresentando as con tas, livros
e documentos.
Cmrliiio-se o acto com urna exeellente allocn-
o qoe reeitou o novo juiz, agradecendo a sua
eleieao para esse cargo, assugurando todos os seus
serneos para bem desempenha-lo, e animando o
[flnria W^f*oi^rfei9or#{iA(*gos exclusi-
vos permanentes a ama linha por via do Para,
Judias Oretdenlaes c Florida para a Eurfl**i, por-
que, finalmente, seria isto um roco, des viatyid
commnca'cao lelegfaphiea com a Europa, uuan-
do ha a'perspectiva, posto'que* prserttenreirre nao
limito inmediato, de urna communicacao-mais di-
recta e menos dispendiosa. A experiencia moslra
ouyp ha projjahilijadedeque asjmhas circur
mambientes de tolejraphci' sejam jermanentea,
Mtto que frequ entornen tes oom previ to ellas se-
jaaias linha* intermedias, e, iwis, maaifeMaiido a
,_nea de qut ttgoverno brasileiru far, e>
a pessivd brcxiiladn, as convenientes disp
pan nina linha otateira at o Para, e apro
qualquer linha oro ligacao com a assentada d
a Cuba, onsainos mcommandar-lhe fue nao se
comproroetta ioteiramente* ou por longo tcraSa
este rumo para a Rampa, visto como outro i
directo est dentro dos limites' de expectativa ra-
zoavel.
Em vista do commelrio enorme, que o Bra-
sil faz com os Estados-Unidos e a Europa, ha
ampios elementos de snecesso para ambas as 1-
nhas, porque a estatistica lelegraphica prova que
juntamente em proporcio do commercio que as
linhas telegraphicas sao rendosas. O commercio
de importacao e exportaeao do Brasil com todas
os oulros palies era 1867 (ultimo auno de que te-
mos estatistica; e europre observar que ella col-
loca o valor do commercio com este paiz em al-
garismos inferiores'aos rendimentos do nosso pro-
prio commercio), imporiou em cerca de ......
34,000,800, mas deste total apenas 3,991,463
perteneem ao seu commercio com os Estados-Uni-
dos, e o commercio brasileiro com os Estados-Uni-
dos tero a particularidade de consistir a sua maior
parle em exportaeao para os mesmos Estados : os
algarismos eui 1867 saoexportaeao do Brasil pa-
ra os Estados-Coidos 3,507,812 contra a impor-
tara destes para aquello no valor de 483,812.
Mais do 3/1 em valor do commercio do imperio
sao- feitos com a Europa, e se incluinaos em seu
couimcrcio com a Inglaterra, embarques ordem
para o Canal, melado do commercio eslrangeiro
do imperio fuito com este paiz, ou por meio del-
le. Portugal e-aTFranc* oceupam o lugar imme-
diato ao dos Estados-Unidos. Em vista destes al-
garismos obvio que.o Brasil mais profunda-
mente interessado ero ter communicacao directa
com a Europa, do que as Indias Occidenlaes e os
Estados-Unidos. E' ndubitovel que o principal
objecto do Brasil 6 ter communicacao lelegraphica
lo e fervor religioso dos Miembros da nova mesa com a Europa por qualquer rumo, e provayel
zel
para cabal preenchimento dos sens deveres.
A mesa que deixou o exercicio compunha-se
dos Srs. : Joaquim Olyntlio Bastos, juiz ; Miguel
Archanio Mindello, escrivao; Francisco de Souza
Reg Monteiro, tbesoureiro ; Tiburcio Valeriano
B?ptista, procurador; Mauricio Jos de Torres
Temporal, Manocl Januario de Arruda, Jos Luiz
de Mello, e Modesto do Reg Baptista, procurado-
res ; Luiz Cosario do Reg, Alfonso Moreira Tem-
Soral, Francisco de Paula Mindello, Matioel Jos
os Santos, Dr. Antonio de Vasconcellos Menezes
de Driimmonrl, Dr. Angelo Henriqnes da Silva,
Jbaqom Tertuliano de Medeiros, Augusto do Pau-
la C-'lomliier, Joaquim Leocadio Viegas, Antonio
Alves da Fonsera, Miguel Gonralvesda Luz, e An-
tonio Jos de Abreu Ilibeiro.
SUFFRAGIOJIoje celebra-se no cemiterio pu-
blico, pelas 9 horas do dia, a mandado do Si', com-
mendador Manoel Luiz Vires, uira missa e me-
mento ero comineinorarao do primeiro anniversa-
rio da sentida morte do distincto pernambucano
o Exm. baro da Vera-Cruz.
RBCLAMACAO.Moradores da ra da Solcda-
de pedem, que se nao descure da entrada da mes-
nta ra, rujo alagamenlo priva o transito em prin-
cipio, e torna ao depois aquelle ponto um verda- Antonio, Pernambuco, 2 meses, Santo Antonio
5 raezes, Santo Antonio;
que urna linha pelo Para e Cuba, seja a primeira
que se estabeleca ; mas resta anda o maior as-
sumpto de urna linha de mar de Pernambuco p> -
lo Cabo Verde a Lisboa, que nao se deve perder
de vista. >
LOTERA.A que se acha a venda a US.', a
beneficio da Santa Casa de Misericordia que cor-
re no dia 4.
CEMITERIO PUBLICO.^Obituario do dia 30 de
julho de 1869.
Mara Lourenca da Conceicao, Pernambuco, 60
annos, viuva, Santo Antonio ; pastro interite.
Faustino, Pernambuco, 5 mezes, Boa-vista ; idem.
Maria, Pernambuco, 7 mezes,' Boa-vista ; gastro
hepatite.
Isabel Lins Cavalranti, Pernambuco, 73 annos,
viuva, Santo Antonio ; congestao\ercbral.
Jos Jerenamo Goncalves Fontes, Pernambuco, 36
annos, viuvo, Santo Antonio ; nflainmaco.
Jos Elias da Rosa Calheiro, Alaga, 20 annos,
solteiro, Boa-vista ; febre adenamica.
Manoel, Pernambuco, 12 mzes, Santo Antonio ;
espasmo.
Damiao, Pernambuco, 16 mezes, Recife ; con-
vulsDes.
deiro foca de infecrao, que ao ir seccando as aguas
alli accumuladas pelos effeilos lentos dos raios so-
lares, vai convertendo-se em um lamaral, cujas
cxtialacoes ptridas sao iosupportaveis.
Como aquelle ponto c baixo, e acha-se inferior
ao nivelamento da ra em que desemboca, vedan-
do asslm a vasao das aguas pluviaes, poder-se-nia
muito bem permittir que alli se deitassem entulhos
de calica.
MARI TIMA.Deixou de funscionar na provin-
cia do Gear o phar lele que existia no Mu uripe,
visto ter-se incendiado na madrugada de 22 de ju-
lho lindo.
ENTRADA DA RA DO HOSPICIO.-Acha-se
em estado deploravel essa entrada. O lamaral
immenso, e as excavacoes e altos e baixos'que
ahi avultam nao sao em menor escala, sendo o la-
macal um marlyrio infligido aos moradores pro
ximos, cuja saiide nao pode deixar de soffrer, e as
xcavaqoes um constante atropello aos carros que
por all iransitam todos os diasnecessamente, e
cujos donos nao devem solfreifrom roncertos.
Felizmente j S. Exc. o Sr. vice-presidente, em
altenrao a semelhante estado sern duvida, ordenou,
que mase aquella ra calcada .; e effectivamente
bem merece a sua providencia, cuja execucao nao
se deve porlanto retardar.
CONCERTMr. Noury e o Sr. Jos Colho
Barbosa dao hi je um concert musical, no theatro
de Santa Isabel, levando a scena a opera cmica
Bon So'r Voisin, diversos pedacos rausicaes, e a
pantomima U mariage au fautine.
TRANSFERENCIA.Em consequencia da chu-
va, foi de novo transferido o concert do Sr. Jos
Colho, annunciado para quarta-feira 4 do cor-
rente.
TELEGRAPHOS ELECTRICOS.-Sob o titulo de
Telegraphos do Rio da Prata e Brasil para os Es-
tados-Unidos e Europa, encontramos no Moneij
Market Revieu- o seguinte artigo, que muilo deve
interessar aos nossos leilores :
O paquete franeez trouxe do Rio da Prata
noticia de um rontrato para a construccao de li-
nhas telegraphicas do Rosario, j ligado com Bue-
nos-Ayres por telegrapho, Corrientes, atiaves-
sando o rio Paran, e do Paran Federaco, as
quaes, depois de promptas, collocarao a capitel
da confederacao Argentina em communicacao com
os seus estados mais distantes, e na direcrao dos
Andes. Anda mais : a empreza assim inaugura-
da abre muito maior campo de operacoes telegra-
phicas, ero que a Europa e os Estados-Unidos sao
auasi to interessados como, as porcoes orentaes
a Amrica do Sul. Passamos a fazer urna rese-
nta a esto respeito.
Urna companhia americana subraergio urna
linha de cabo telegraphioo da Florida Cuba, a
qual se acha funecionando, ha algum tompo, com
tanto successo que j d um lucro de 12 /. ao
anno sobre o seu custo, e liga a colonia hespa-
nhola, pelos EaUdos-Unidos, com a Europa.
Urna associar i ingleza de capitalistas sub-
mergio pela mesma forma urna linha de cabo de
Buenos Ayres a Montevideo, que, segundo se diz,
funcciona" ha 2 annos apenas, e d uro lucro nao
menor de 14 / ao anno sobre o seu custo de
50,000. Distando muito eslas linhas entre si, ba
razdes para supporse que mais cedo ou mais lar-
de ellas se ligarao no que nao ha nem grande dif-
fieuhlade e ero muito dispendio. O governo do
Rrasil j tero urna linha do Rio de Janeiro capi-
tal da sua provincia mais meridional, o Rio-Gran-
de do Sul, que nao dista muito de Montevideo ; e
posto que esa linha anda nao funeciona com bom
xito, suppoe-se todava que em breve assim suc-
reda e com lucro. O espaco entre o Rio-Grande
do Sul e Montevideo pode ser supprido com facili-
dade.
espasmo.
Marcelina, Pernambuco,
idem.
Jos, Pernambuco, 20 annos, Boa-visa ; hepatite
chronica.
Justiniano Jos Alves, Portugal, 30 annos, Boa-
vista ; hepatite.
Anna Maria da Conceicao, Pernambuco, 36 annos,
solteira, Boa-vista.
- 31 -
Luiz, Pernambuco, 1 anno, Recife ; hepatite.
Joo Joaquim da Costa, Portugal, 44 annos, sol-
teiro. Boa-vista ; dyarrhea. ,
Santa Rosa, Pernambuco, 70 anos, solteiro, Boa-
vista ; apoplexia.
Jos, Pernambuco, 4 annos, Santo Antonio ; con-
gestoes pulmonares.
Manoel (recemnascdo), Pernambuco, S." Jos ; es-
pasmo.
- Io de agosto.
Francisco de Assis Pinto, Pernambuco, 68 annos,
casado, S. Jos ; hypetrophia.
Eliodoro, Pernambuco, Recife ; convulsoes.
Brasilina, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
desynteria.
Caeana Maria da Hora, Pernambuco, 55 annos,
solteira, Santo Antonio aneurisma.
CAARA MUNICIPAL.
SESSAO
Os promotores do telegrapho Florida-Cubano
acharase em ajustes com os governos das ilhas da
India occidental para o assentamento do cabo do
Cuba Trindade e a Guyana brtannlca. Confor-
me o perroittirem estes ajustes, os mesmos espe-
culadores ou outros procuraro prolongar esa
linha at o Para, e ne>sta perspectiva, a quesiao
de urna linha pela coste do Brasil desde o Rio de
Janeiro at o Para entra no dominio de negocio
pratico; porque o Brasil dentro de poneos annos
ter, por meio desta linha, meios fac-is de com-
municacao nao s entre os sens grandes e flores-
cenes portos do Atlntico, e de promover a uni-
. dade e ligacao do imperio, mas ambem com os
Estados-Unidos e Europa. Nao sao estas as ni-
cas vantegens de urna linha costeira. Este^ meios
de communicacao com a Europa serio de certo
muito mclhores do que nenhuns, e mereceui ani-
macao em seu proprio mrito; mas, quer cons-
trua urna linha costeira por sua conta, quer faca
conressao a nma companbia para constru-la, o
-governo do Brasil obrar com prudencia em ter
em visa que a linha anta directo de communica-
cao com a Europa per via do Cabo Verde e Lis-
oda, e qne logo que tivermos nma linha submersa
at-Lisboa oa Gibraltar, como provavelmente tere-
moa, seguir immediatomento nma linha transa-
tlntica d'illi a Pernambuco. Compre, portento,
que o Brasil, em sua poltica telegraphica, faca
ampias e cuidadosas disposieoe para, conservar-
se em posirlo de poder aproveitar-se deste rumo.
< O primeiro asso do grande systema de ligar
-o Brasil oom a Europa sern duvida a construi-
do urna linha costeira O govorno brasileiro
.brar acertadamente em promover a sua cons-
^H(ao per todos os meios a sea alcance, mas er-
ORDINARIA AOS 5 DE JULHO
DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. DR. BARROS BAR1IET0.
Presentes os Srs. Dr. Seve, Dr. Moscoso, Ga-
rmiro, e Souza Magalhes, fal-tando cora causa
os mais senhores, abrio-se a sessao, e foi lida
e approvada a acta da antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Uro ofrlcio do Exm. vice-prcsidenle da provincie
Ae' do correte,approvandoaarreniatacoda obra
do concert de que necessia o matadouro publi-
co da cabanga pela quanlia de 1:6005000, (cando
assim respondido o da cmara municipal de 30 de
junho ultimo sob n. 43.Inteirada, faca-se o ter-
mo de contracto.
Outro do mesmo. de igual daa, declarando a
cmara, em resposta ao seu olHcio de 30 de junho
ultimo sob n. 42, que approva a arremaUco da
obra dos coucertos da estrada, que conduz a ca-
banga, na importancia de 2:1835000.Inteirada,
faca-se o termo de contracto.
Outro do procurador, informando o requeriman-
to de Joao Antunos Guimares, que se queixa de
haver o mesmo procurador ficado com os conbeci-
iilentos dos foros que pagou do becco das Miudi-
nhas, os quaes se achavam juntos a sua petico
lem a dizer que exacto o que allega o supplican-
te, nao eutregou os ditos conheciroentos por se
acharein annexos a referida petico.Que entre-
gasse, passando o peticionario recibo.
Outro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o requerimeto de Joaquim Maria de Carva-
llo, que pede para tapar um pequeo rombo que
existe no oitao da sua casa terrea travessa do
Peixoto ; cumpre-lhe dzer que nada tom que op-
por a pretencSo do supplicaule:Concedeu-se-
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
meto de Vicente Jos de Britcre outros proprie-
arios, moradores da ra da Caixa d'Agua, que re-
presentam a necessidade e utilidado da abertura
da mesraa ra ; cumpre-lhe dizer que para ser
abena a ciada ra, so fala dertproprlar um ter-
reno que tem 48 palmos de frente e 405 de fundo,
e uro muro de 48 palmos de largura.Que em
lempo opportuno sero deliridas.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando sobre o que raquer Julio Rodrigues
da Silva, pediudo para estebelecer, na jjasa n. 22
do caes de 22 de Novembro, urna teuuTde ferra-
dor, collocando urna pequea forja, necessaria a
offleina, declara que nao acha inconveniente em
conceder-se, visto que na mesma casa j existe
urna igual oHkina.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimeto de
Urbano Vieente Ferreira, tem a dizer que existin-
do um caixao de casa na praca do Capim n. 6,
nelle encontrou reedificando-se um grande te-
liieiro, seguro por thesouras, e cora toda a per-
feicao, oferecendo assim duracao por muitos an-
nos, e perguntando ao peticionario pela licenca
para aquella obra, respondera-Iho que, scqdo a
obra feita entro as quatro paredes do mesmt cai-
xao, desnecessario era a licenca, em vista do que
o considerou incurso no art. 3 da postura de 2
de maio do anno passado.-^Concedeu-sc a licenca,
sendo previamente paga a multa.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, infor-
mando a peticao de Manoel Jos Barbosa, ero que
se queixa de urna, fabrica de sabio existente na
casa n. 207 a ra imperial, cumpre-lhe declarar
que dirigindo-se a referida casa,a qual est situada
a i sul da antiga fabrica de sabio, observou que
em um tclneiro no quintal da mesma casa existe
um assentamento e mais utensilios de urna peque-
a fabrica de sabio, a mais de um anno alli estabe-
lecida por Antonio Alves de Miranda Branco, e ven-
didos em 26 de abril do corrate anno a Joao Go-
mes da Costa & Irroao. os quaes ainJa nao fabri-
cara aquelle genero ; o que tem a informar.A
visto da aforraacio, nao tem lugar o que requer
o suppli jante.
Outro do fiscal da freguezia da Boa Vista, de-
clarando que tendo-sc lindado a prorogacao con-
cedida para a substituicio dos pozos e medidas
pezos para o repezo do acougne, e dua eollec-
ede de medidas, sendo urna para a ribeirac en-
tra para o mercado da Capunga. Inteirada por
iierja wu* satisfeito este pedido.
Outro do fiscal da fregaezia dos Affogados, re-
metiendo o oIBcio do thesoureiro da Sana Ca-
a dfcMbercordia, aecn-ando o recobimenlo da
quantia do 324000 que Ihe remetteu, importancia
que liqnidou a..arrematoco da do sulno, entre zrandee e noquen,i, que appre-
hendeu em ana fiegiena.Inteirada.
Outro do mesmo, d! > pagamento da quan-
tia do>35fl00 que de%ea rom o enfcrrmento
de un cavallo que encontrn, j em estado de pu
refaci-lugar do Betir >. da dita fneguezia.-
Que s pagassr.
ICntra em discnssaa a* ofiMKdo fiscal da fre
goezia^KS. Jos, andado em uadas scsses
aiueridjp no qal inforn.ando a peticao de
oramos da Silva; que'pede pagamento da quaCF
lia do 18*000 de aluguel de meade da casa n. 5
da ribeira qne fra oceupada pelo fiscal seu ante-
cefOT, ^ com ferramena^ie serve na limpeza
das ras, tem a "dizer* que nao sendo'isto er" sea
lempo, indagou do fiscal supplente que cutio se
acbava em exercicio, e sonbe uaver o suppc une
tomado posse da dte casa em 2 de Janeiro doste
anno, e por isso exacto o que allegaNao ten-
do o fiscal oceupado a casa com autorisacao da
cmara, nao pode o suppcanie ser atteodido.
Foi approvado um requerimeto do Sr. Dr. Ma-
noel de Barros, para que fosse noraeada urna com-
missao qoe nao s denorainas'se algumas ras e
travessas que existem nesto cdade, como revesse
o nome das antigs.Foi nomeado o Sr. Dr. Bos-
coso.
Nesta occtisiioo mesmo Sr. requereu, que os lis-
caes lhe fornecessein urna relacao nao soroente~J
das ras desuas freguezias, que j tivessem no-
mos como daquella* que se aciassem sem ellos.
Foi approvado o requer meaja.
O mesmo Sr. fez o seguinHrequerimento, que
foi approvado.
Sendo de graves consecuencias a conlinuacao
da escrpturacao das actas desta cmara era follas
a sollos de papel,anda que sejam irancriptas e au-
thenticadas pelo secretario, propoobo que as actas
sejam esbocadas em papel separado, e rubricadas
quando no mesmo dia uio possain ser lancadas
i< no livro, depois de lancadas assignadas pelos
vereadores que assistein a sua approvaca.i.
Paco da cmara municipal do Recife em 1 do
iulho de 1869.Dr. Lobo Moscoso.
Foram approvados dous pareceres da cominis-
sio de edilicacao, o 1 permiuindo a concessao s-
mente de dous mezes improrogaves a Jos Jaco i.e
Tasso, para deroolir um muro que fez com licen-
ca da cmara com o fim de tapar o becco que
existia em frente ao caes do Apollo ; 2 dizendo
que em vista das postaras em vigor e do terreno
de vestoria, feita na casa de Manoel Cavalcante
Colho, quo este construindo no porto do Jacobi-
na, nao tem lugar o que requer.
A mesma commissao deu o seu seguinte pare-
cer respeito do requerimeto do Sr. Dr. Bento
Jos da Costa Jnior.
A commissao de edificacao, reconhecendo a
< utilidade do tapamento do beco existente entre a
< ra da Cruz e a do Apollo, proposta pelo Sr.
veador Dr. Bento da Cosa, tem de observar, que
a ultima parte daquellc becco, a parte, compre-
hendida entre a ra da Guia e a do Ajwllo, d
< sahida a dous o'i tres quartos existentes as tojas
< dd lado do fundo de dous sobrados, sites a mea-
< na ra, cujos quartos payam decimas. Por con-
seguinte emende a commissao que esa ultima
parte do becco s deve ser edectuada depois de
se marcar um prazo de seis mezes, podeiido to-
davia ser fechada maudiatamente a frente d)
u lado da ra do Apollo. Paco da cmara niuni-
cipal 9 de junho de 1869M. de Barros, Dr.
Lobo Moscoso.Posto em discusso foi appro-
vado.
Foi approvado um parecer da commissao de pe-
tiedes, relativamente a pretencio do procurador
Jos Simplicio de S Esleves, deliberaudo-se que
fosse informada a presidencia de conforinidwie
com o ciado parecer.
O Sr. Dr. Moscoso apresena o seu parecer em
separado ao que ambem apresentou o Sr. Dr.
Barros Brrelo, relativamente ao ofilcio do direc-
tor da repariicao das obras publicas, em que de-
clara a presidencia haver-lhc o engenheiro das
obras da empreza do asseo e limpeza da cidade
pedido autorisacao para fechar o espaco que lhe
foi marcado na praca do chafariz, ra do Bruro,
onde tem de colloear o edificio para bombas e
outras obras ; e sendo esse parecer posto em dis-
cusso, foi approvada, deliberando-se que no sen-
tido delle se informasse a presidencia. Mandou
se reraetter a commissao je edilicacao o ofllcio do
Exm. priisidente da provincia do 2 de junho, addia
do em sessao de 9 do mesmo. *
A requerimeto do Sr. Souza Magalhes, man-
dou-se que o fi-cal da freguezia de S. Jos, infor-
masse sobre a noticia que d hoje o Diario de
Pernambuco relativamente aos vendedores de g-
neros na ribeira da freguezia de sua jurisdceao.
Despacharam-se as pelices de Antonio Cardo-
so de Oliveira, Antonio Ferreira, D. Barbosa Fran-
cisca do Reg, Claudio Debeux, Florencio de_ Sou-
za Martins, Joi) Capistrano de AlmeiJa.Joao Au-
tunes Guimares, Dr. Joao Silvera de Souza, Jos
Maria de Freitas, Luiz Moreira, Alexandre Jos,
Francisco Pereira de Assis, Jos Ramos da Silva,
Joao Pedro da Rocha Pereira, Luiz de Albuquer-
que Maranbao, Vicente Jos de Brilo e outros, c
levantou-se a sessao.
Eu Francisco Canuto da Ba-Viagera, secretario
a escrevi.Manoel de llanos Bnrreto, pro-presi-
dente.Dr. Pedro de Athayde Lobo Hoscoso.lose
Maria Freir Gumeiro. Ht.Prxedes Gomes d
Sauza PitaiiQa.Flix Francisco de Souza Maga-
lhes.Dr. Joo Maria Sete.
l I k i >> ---------------'-----' > y M-----., ; i..T T-----J-
tmpudeocia recuaria diaiite do parlefro *Umlros, tendo por progenitores o Dr.Tr'aicisJo
entre as pessoas que iutanut ou appafe- .as,Pereira e D- Anna Elias da Rosa Calheirps.
fl^'m um nma o mil iiMfaMan mas v!" 5!' terc6iro dos fimos, sendo d mis v'elho o
S?-! *S?n^ J?ffiVr.3fi Dr^B^bBlias-da-RosaCalherrosdc-queneTa
naaa e impossivel ao pat da. mentira (perji- ,verdadir*menxo amigo. ......
mos licenca a Aben-Amet.) Na idado porein.do sute mezes .leve a infeticida-
Dado mesmo o caso que o tenenle-coroncl o a.e Pcrdcr i ai victima das feres amarellas
Wano^rW tivesse_mllado espade aK m-'vTe.rpde
guem (o que s acJImulpor lij*othese),
por certo que elle nfo mnmm sobre qnem
pese a grtvisima iniputacSodeutn assassina-
to horrivert, perpetrado luz do sol com
todo o apjrato de forja e cortejo de atro-
cidades. Olhe o Sr. Araujo Barros que nao
estamos fazendo paralell nenliura ; dize-
mos apenas que o twente coronel Wander-
ley n5o tem todo esspreslimo...
E' verdade que o negociante Albuquer-
qn teve un confticlo oom o Portuguez Ma
TirJel ttc Almidn por offensas que este lrre
fizera ao desfazer um negocio que linha fei-
to. Veja o Sr. Araujo Barros que qaem tem
telliado de vidro no atira|pedra no do visi-
niioT-^mhem nlo teve conflicto as ras
desta cidade ? Q processo cahio por desis-
tencia da parto, e nao por influencia da nova
situagao, que nao tem pe >s amigos do pai-
to os disvellos do progresso. E' ainda ver-
dade que o capitlo Balduino nao nm rica-
co, portn tem meios de sobra para garan-
tir sua independencia ; um homem hones-
to e bom cidadad.
Nao qreremos estabelecer um paralello,
que sempre odioso, entre os justificantes
e as pessoas que depuzeram em urna e ou-
tra justifleac_5o ; entretanto diremos sempre
que, na justicaco produzida pelo Sr. Fe-
liciano depoz um .-obrinho deste ; depuze-
ram pessoas dependentes deste Sr. e em
tudp inferiores s que figuram na justica-
i;o dada pelo Dr. Jo5o Alfredo.
Nao justo que diga o Sr. Araujo Bar-
ros, depois de descrever a seu talante as
scenas da eeicadde 1867, que, fra o co-
ronel Bento Rabello, homem tmido e anal-
ohaoeto o anjo da paz e da concordia ;
isto no exacto, nao.
A providencia daquelle dia(aDaixo dessa
providencia que talvez o Sr. Araujo Barros
nio reconheca) foi a prudencia das pessoas
que dirigiam o povo e o Sr. Dr. Lucena,
a quem o Sr. Araujo Barros vota odio ego
e entranhavel como a todos os bons ma-
gistrados.
Tambem nao exacto que o conflicto na
vespera da eleujao fosse provocado pela
gente que acompanhava os Drs. Joo Al-
fredo e Joaquim Tavares ; eis o que acon-
tece u.
I'assava inoffensivamente o povo, dando
vivas ao toque de msica marcial, sem
estar armado, quando da casa do tubde-
legado sita n ra Direita empurraram
para fra da calcada que bastante larg,
a um homem que fazia parte do ajunta-
O autor de sua exisnaeta sendq^io W*f*rre-
batado ao mundo por Deas, e ^Kesmo Seulior
lhe periantio quo elle tivesse por aegundo pai um
homem eojo carcter generoso e prob> prover-
bial era sua provincia; casou-se pois *ua me em
agosto do dito anno cora o brigadeiro Jos Rodri-
gues Leite Pitanga.
guando a sua razio parecendo surgir de um ca-
itos, quando comeeando a coaaecer os objectof
que os cereavam, quando com olhares procura va
.-eu pai, eneontrou um padrasto. A tal reapaito
se exprimi elle em marco de 1868.....t Entre-
tanto nao tive a felicidade de conhecor meu pai, o
priuieirbjblliar que para elle dirig foi sepultar-se
ua eseuridiio das trevas, e nao cheguei a dizer : t
5 meu pai I
"-
PU8LICAC0ES A PEDIDO.
Sr. Araujo Barro
Voltou carga o Sr. Araujo Barros fa-
zendo a exposicao dos fados de Nossa Se-
nhora do O de um modo que quadra com
seus sentimentos e averso de;idida que
tem a verdade.
Em primeiro lugar exprobrmos ao Sr.
Araujo Barrosa coarctada contra oactual pre-
sidente do Cear inserida em seu segundo
artigo, como a que fez em sua cerebrina
defeza contra o Sr. desembargador Alvaro
Barbalho, a quem em sua consciencia (se
que a tem) ha de reconhecer como horneas
honrados e bellos ornamentos da magistra-
tura do paiz, da qual S. S. urna nodoa!
Dir-se-hia que o Sr. Araujo Barros fez
timbre em lancar em seu estirado artigo
baldoes a todos, como o c5o atacado de
hydrophobia vai mordendo a.direita e a es-
querda, a tort e a traoers. Sabem todos
que corriam boatos aterradores a respeito
do estado da comarca de Goyanna as pro-
ximidades das eleicoes do anno passado, e
especialmente a respeito de Nossa Senhora
do O', onde tem assento a taba do presti-
moso amigo do Sr. Araujo Barros. Ora o
caso era seVio, e porlanto, ou de proposito,
em razo da gravidade das noticias, ou de
passagem para sua casa, que e situada na
mesma ra em que morava o Dr. Joo Al-
fredo, entrou em casa deste q digno chefe
de polica de ent5o o Sr. desembargador
Freitas Henriques, e pedio-lhe informac5es
a respeito do estado daquella comarca.
A resposta dada'pelo Dr. Jo5o Alfredo pro-
va a toda luz da-evidencia que este confiava
nos elementos de forca'e legitima influencia
quo-lne dio em Goyqnna seus paren tes e
amigos, e portanto nao precisava do patroci-
nio das altas autoridades da provincia; e
nem o actual presid-nte doCeaf capaz de
deseer da altura de sua posicjto fazer of-
ficiosos oflerecittentos. Bespeitador das
leis de seu paiz quera apenas providenciar a
respeito da desordem onde quer que Wla
existisse.
Ainda o Sr. Araujo Barros nao se dfen-
deu das gravissiraas imputares, que pesam
sobre sua bonra^ e j appareceu com um
acervo de doestos e falsidades contra as
pessoas que juraram na juslificacao produ-
cida peioDr.JoSo Alfredo.
ment popular. O povo, que tem as
vazes consciencia le sua forca nao quiz
soffrer a affronta do capanga da polu-ia;
arremeteu contra a casa do tal subdelegado,
que ad cautelam fechou as portas, quebrou-
Ihe as rotulas, travando-se nessa occasiao
um conflicto serio entre os capangas elei-
toraes vindos de encommenda de um cele-
bre engenho e escondidos em casa do
subdelegado, e o povo que viuha de fora
para as eleicoes.
Quando isto se passava, sabio da quartel
prompto e de armas embaladas, o destaca-
mento de polica, composto de gente de
confianca e decijida a fazer cm pedamos
quem nao fosse da grey do Toussaint. que
entao governava a comarca de Goyanna.
Ora, quem estivesse a frente do povo,
vendo a attitude hostil da polica, o que
devia fazer seno mostrar energa capaz de
conter essses vndalos ?
Foi o que lizoram as influencias dos dous
partidos ent5o comgracados para debellarem
esse partido official que cahio sem deixar
saudades a ninguem, salvo aos que desfruc-
tavam pingues empregos e boas posicoes
em desproveito do povo a quem opprimiam.
Dsse o Sr. Araujo Barros que os factos
de N. S. do O' sao reprodcelo dos que Si
deram ero. Goyanna em 1867: ainda urna
insincaco.
Pois nao v que ha rauita differenca ?
Em Goyanna quera o povo acercar seu di-
reito de voto, e para consegui-lo fo-lhe ne-
cessaro mostfar-se enrgico; em N. S. do
O' cessando a presso do governo do pro-
gresso nao quizeram os conservadores que
tem a maioria da freguezia transigir com
seus verdugos.
Diga o Sr. Araujo Barros o que quizer;
vomite logo do urna vez sua asquerosa
baba, mas nao esteja disfamado com urna
mansuetude, que n3o lhe natural, a fingir-
se victima de injustas perseguices e odios
implacaveis. .
fez mssa ou nunc *emar a-res-
oneabUafc a anham a.-cusadores
ijue.alias lhe peam qoe o'Araste com toda a ids-
Uiiria.
Ehi segundo lugar a aecusacao do Dr. Joao AI-
freito, cerno- so sabe, baseoa-se em prova plena.
Elle apresentou trez cartas em que o Sr. Arauj
Barros, jniuadia ao Sr. Lias, parte, nada menos
qoe seis CEirrea e setenta e asco mil res paj
pagar urna letra de seu irmad e trez inezos de
aluguel de casa : nao se lirmoo, somenle na irres-
ponsabilidadlBessoal do denotado
Com eta prova tinha elle ontrailsencao na lei,
Jue a que nos assiste, para imprimir na fronte'
o Sr. Araujo Barros o mesmo stgrna que lhe
lancou da tribuna como membro da representaco
nacional.
Cod. crim. art. 239 As imputaces feitas a
< qualquer corporajao depositara ou agente de
antondade publica, contende factos ou omis-
soes contra os deveres dos seus empregos, n-
sujeilam a pena alguna provando-se a verdade
d"ellas.
le mim quando ja podia J^Stie^^^ri^l^S
o que sa passava em torno de mira, vi Jad 0 qup JJ grembar 0 p^^. "
Varaos agora entrar na anaiyse de sua msera-
vel defeza, verdadeiro corpo de delicio que elle
deu de sua propria culpa; documonlode ignominia
e opprobrio que o nutilis a]completamente no con-
ceito dos homens de brio, que repeliera o contacto
da immoralidade em um juiz que desee c se de-
grada at a mais vil abjeccao.
E como pretendemos ir longe, e n5o queremos
fatigaros leitorescom um artigo extenso, fazemos
ponto aqu para continuar a nossa trela- em ou-
tro nom*rr>. *
Recie, 2 de agosto de 1869.
. W.
t
Justus.
perceber
um padrasto i... Oh I mas, nao, elle nao era um
padrasto, era um pai, foi elle pois que receben do
mim o nome de meu pai, de quem me ufano de
ter lilho. No entretanto sendo a principal razan
da ainisade, dedicacao e amor, que lhe consagro,
nao a nica, cu sou grato. Meu pai nada tem
poupado para nos dar urna boa educacao, a mim
e a meu irmao lulando murtas vezes con adversi-
dades da surte. A maneira delicada e sempre at-
tenciosa de nos tratar, a igualdade para todos, sa-
bendo assim incutir no nosso espirito o mais su-
blime e intenso amor fraternal, fazem augmentar
o amor e respeito que llie tributamos...
Em 1856 seus paes vidos por lhe darem urna
boa educacao, procurarain em Macei o collegio de
S. Bernardo, e entregaram-n'o aos desvellos do
Dr. Bernardo Pereira do Carmo Jnior e de sua
excellentissima senhora, que lhe serviram de
paes.
Um voto de gratidio ao Dr. Bernardo, que du-
rante o periodo da molestia a que suecumbio o
nosso amigo, nao se esqueca de dispensar urnas
duas horas diariamente para vir assislir com o
seu ex-collegial, ex-dscipulo e seu amigo.
Foi ahi onde nos tambem collegial, cooheeemos
em Jos Elias da Rosa Calheiros um desses cora-
cocs puros e sensiveis, que constitua urna desuas
mais bellas qualidades. D'ahi pois coraecaram as
nossasrelacdes.quecom grande pezar recebemos o
golpe da separacao, veudo-o no leito da agona dar
o ultimo suspiro.
Como collegial sempre flel ao cumprimento de
suas obrigaedes, seus mestres lizeram justica a
sua nlelligeucia, a sua applicafo c excmpjar con-
ducta. as cadernetas do collegio, se ainda exis-
tem podio ao ver os lugares de distiuccao que sem-
pre oceupava as aulas.
Em marro de 1865, matriculou-se no primeiro
anno do curso de sciencias jurdicas e socae
desta cdade, depois de obter approvacoes plenas
nos cursos preparatorios.
Dopois de atravessar quatro annos sempre ra-
dame de gloria, se preparava para d'aqui ha tres
mezes receber o grao de bacbarel, premio das fa-
digas escolsticas, quando n quadra da vida em
i|tie tudo lhe sotria, apagou-se o pharol de sua ex-
istencia.
A 5 de junho do corrente anno adoeceu, e os
seus soffrimentos nao apresentavam urna marcha
assustadora, obtendo elle una melliora, um resta-
belecimento, mais de apparente, que de real; prin-
cipal periodo este da molestia, nao em si, nem
quanlo as suas consequencias, mas pelas conjec-
luras atiradas sobre nos.
Depois agravou-se o mal, que de dia para dia
se augmenlava consideravelmente, nao obstante os
desvelos do Dr. Teixeira.
Acompanhamos em toda a molestia, e notava-
mos que em seu semblante onde reina va alegra
se tornava sombro, nem por isso dexava de di-
rigir a seus collegas, que constantemente vinham
v-lo e assistir a sua cabeceira, phrases de gra-
cejo.
No dia 26 de julho conheceu que iam se lindar
os das de sua existencia, entao chamando a seu
irmo abracou e disse : dai um abraco em minha
querida mae, em meu pae e miabas irniaas I Em
seguida abracou seus amigos e collegas.
Muitos pressenlimentos teve elle em estado de
vigorosa sade, a>,s quaes os companheiros res-
pondalo com gargalhadas. Realisaram-se infeliz-
mente.
Nos, que estivemos constantemente ao p do
nosso amigo, vimos coarque saudade elle se lem-
brava de uiua mulher, d'oraa imagem que lhe oc-
eupava incessantemente o coracao, e por quem nos
'valamos as dores qne elle soffreu ao partir deste
mundo.
No dia 30 as 6 e 20 minutes, fechou os olhos
para sempre, e sua alma voando a morada do jus-
to, foi ijozar da eterna bemaventuranca.
Damos os nossos psames a sua excellenlissiraa
familia.
Scgunda-feira, 2 de agosto de 1869.
Manuel Messias de Gusmao Lira.
O Dr. Joo Jos Pinto Jnior, tendo de
seguir para a Europa no primeiro paquete
e n3o podendo despedir-se pcssolamente de
todas as pessoas que o honram com as suas
relacfrR, o faz pelo presente, offerecendo-
Ihes alli os seus diminutos prestimos.
Protectora das familias
Associacao brasileira de seguro mutuo sobre a
vida, approvada por decreto do governo imperial,
de 111 de junho de 186i, e gerida pelo Baneo Ru-
ral e Hypotnecario do Rio de Janeiro.
Commissao fisal. 3
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva cSobriho.
Comraendador Jeronymo Jos de Mesqita.
Commendador Boaventura Goncalves Roque.
Commendador Guilherme Pinto de Magaliaes.
Estado dessa associacao em 30 de abril de 1869
contratos 5,802.
Capital subscripto rs. 8,716:470580, as pessoas
que quizerem inscrever-s poderao dirigir-se na
ra do Livramento n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, encarregado pelo
Banco Rural e Hynothecario do Rio de Janeiro,
para promover assignaturas para a mesma asso-
Laof
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 2 DE AGOSTO
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Cambio sobre Londres 90 d/v. 18 7i8
U000.
F. I. Silvcira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
DE 186!'
d. por
Somos forpados a dizer ao Sr. Araujo
9QPTptiwh iphll, lulicita um torno de | Barros qoe, um bornea) que. nao tivesse sua
A memoria de meu amigo e eol-
lega Jos lillas da Rosa Ca-
lheiros.
Jos Elias da Rosa Calheiros, j nao existe. A
morte, este negro phantasma, esta parca iinpjaca-
vel, veio cortar o fio de sua existencia, aos vinte
annos, na flor da idade, quando era risonho o qua-
dro de sua vida; quando por entre os densos ne-
voeiros do tempo principiava a despontar-so nm
futuro do esperancas, quando Minerva se prepara-
va para cingir-lhe a fronte com o mais rico dos
diademas, o dasciencia, tao somente devido
aos esforcos de sua intelligencia, a sua applica-
cao; quando seus extremosos pas, cheios de todo
o contenlamento anciosos osperavam o dia, em que
devia ebegar o fllho querido, triuraphante irazen-
zendo na fronte a corda de louros, recompensa de
dez annos de trabalho, para de bracos abertos
recebe-lo, e em choro elevarem hymnos de gra-
ga a Providencia,por verem curvados seus dese-
josI
De repente, porm, o lvido aopro da morte, apa-
go u tantos raios de esperanca I O que resta ? a
tristeza, a dor, o desespero.
Hojo (2 de agosto) quando todos seus prenles e
amigos reunidos deviam festejar o dia aniversa-
rio de seu natalicio, repassados do mais profundo
sentimento, derraraam lagrimas de dor, para as
quaes nao ha consolacao possivel.
E' lamoolavel, irreparavel tao fatal perda I
Mas o que a morte ? a morte antes um ef-
eto da misericordia divina, do que urna colera
ou vingaica.
A nossa vida um vento, dizia o Santo Job. Es-
te mundo nao a nessa patria, mas sra ura des-
terro qoe ha de acabar, nao um ponto de quie-
tacao e segaranca, mas um perigoso e agitado mar,
onde todos navegamos.
Deus condemnou o homem a morrer, para que
pela dissolocao da carne, morrendo o homem pa-
ra o peccado, comecasse a vver para Deus.
Ura homem de juizo e com a sepultura vista,
tao- superior a tudo o que nesle mundo faz triste
aos outros, que para vencer as amargaras da vida
nem necessita dos allivios da trra, nem das visoes
do co.
Sua morte pois nao foi morte, foi um triumpho,
era que coroaram suas virtudes.
Sua vida exemplar, seu coracao sempre bem
fazejo, fazem-nos pamente crer que sua alma
est gozando do descanso eterno na manso dos
justos.
Appresentaremos agora em poucas palavraa um
espaco hiograpbico do nosso amigo.
Na cidade de Macei, as 9 horas da noite do da
de agosto de 1819, nasceu Jos Elias da Rosa
0 ex-juiz municipal da se-
gunda vara Francisco de
Araujo Barros.
O Sr. Araujo Barros pensa que o publico des-
memoriado ou idiota : mais que o camponez que
foi logrado pelos estimantes de Salamanca e que
iierdeu o seu burro cuidando que elle era, como
lhe diziam os estudantes, encantado.
A ane locta por demais sabida :diz que o
camponez vendo depois o burro exposlo a venda
na feira,chegou-so a ello e levantando-llie a cah-
da orelha, disse-lhe devagarinho,quem nao te
conhecer que te compre.
O Sr. Araujo Barros, dizemos, considera mais
Ses e nescio o respetavel publico do que era
idiota ; suppondo que elleo publiconao
possa dizer a mesraa cousa a seu respeito por urna
dedueco do passado.
S. S. disse que o Dr. Joao Alfredo o aecusara
na cmara de .prevaricador, prevalecendo-se da
immunidade de deputado. Mas o finado Jos da
Cunha Teixeira e o irmo do Sr. Sales, o Sr, Jos
Roberto, lizeram-lhe na imprensa a mesraa aecu-
sacao, em termos asss directos e positivos, e nao
foram chamados a responsabilidade. Loge, o
que disseinos, o Sr. Araujo Barros suppoe o pu-
blico mais idiota que o tal matulo de Salamanca.
J nao fallamos do uue disse a seu respeito o
Dr. Jeronymo Vilella de Castro Tavares e um tal
Sr, do Canto em urna publicacao neste Diario,
nem das allusdes que lhe foram atiradas na as-
sembla provincial com referencia a questo do
vinculo de Tapcuar.
Se fossemos revolver papis velhos, podamos
citar as datas, as palavras e os nomes de todos
que atiraram ao Sr. Araujo Barros sem o menor
rebuco a pecha de prevaricador; provocando-o a
que os chamasse a responsabilidade :mas elle
raoilainsensivel como um penedo, nunca aceitou
o repto.
Encarnicou-se contra o Dr, Joo Alfredos a
quem n'ou'tro tempo dedicara versos do genero
em que os fazia melhores Juslttw fagote,trovista
que aqui houve de testas de bodas c jantares, nao
houve mais calumnia que lhe nao assacasse e s
pessoas que lhe erara mms caras.
Em urna reprosentaco ao governo, acervo de
mentiras as mais impudentes, dsse que o Dr.
Joo Alfredo, aquelle carcter nobre e eminente-
mente pacifico, fra a frente de capangas armados
Nossa Senhora do O' perturbar a eleico e falsi-
ficar as actas.
Dahi que veio o Sr. Mrquez de Olinda repe-
tir no senado a mesma calumnia, o mesmo tecido
de aleives. Foram inforraacoes do Sr. Araujo
Barros.
Cumpria ento ao Dr. Joo Alfredo repellr a ca-
lumnia Era urna notabilidade do paiz que lhe
dava echa : e elle tinha-se munido de pravas ro-
bustas para pulverisa-Ia e confundir o vil calum-
niador, de quem podia diz^r e provar, que era
um homem que como juiz nao presava a sua hon-
ra, e eserevia s partes que perante elle 'itiga-
vam, cartas era termos os mais b..ixos e humil-
des, pedindo-lhes dinheiro para as suas despezas.
E exibio eBetivamentc qnatro do proprio panno
do Sr. Araujo Barros, dirigidas ao Sr. Francisco
de Paula Wanderley Lins, e urna certido de qoe
este trazia quando elle Ih'as eserevia causa de de-
marcaco pendente era seu juizo.
Ora, se o Sr. Arauio tivesse pudor era para ves-
tir-se de saceo e cobrir-se de einza. Porem veio a
imprensa cora a sua costumaJa protervia investir
sob o latego para morder a mi que lhe aplicou
o castigo. Nao a alcanca.
O escarceo que S. S. faz da irresponsabilidade
do Dr. Joo Alfredo o que ha de mais ridiculo;
por duas razdes.
Primsiramente este nao disse novidade. O Sr.
Araujo Barros foi chamado prevaricador nos jor-
naes desta cidade diversas vezas, nunca isso lhe
Saques sobre Londres
SOCIEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn Sf C.
Saccao sobre os Srs. Samuel Montagu &
C, banqueiros em Londres.
A' vista ijnantas 5 at 100, 3 das
de vista quanas cima de 100 at
a 1,000 30 aje 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da pra?a taxa a cod-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
priacipaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Avies, Montevideo, New-York
e New-Oilcans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 30.
Caixa Filial do Banco
do Brazil.
A caixa filial do Banco do Brazil em Per-
nambuco em liquidacio paga o 31" dividendo
das ac?6es do [Banco do Brazil inscriptas
nesta caixa, a razo de >S por acc2o.
Becife, 15 de julho de 1869.
Sociedade bancara
em commandita
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
metaes, ihoedas nacionaes e estrangeiras,
sbjjoi de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros titr>
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transac^es, da cobranza de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebera quaesquer quanias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
ALFANDEGA.
Kendimenio do dia 2..... 38:191iS7
MOV1MENTO DA ALFANDEGA~
Voluraes entrados com fazendas 1%
dem idem com gneros 764
Volumes sahidos com fazendas 147
dem idem cora gneros 90
96
532
Dssearregarn hoje 3 de agosto
Barca inglezaImperadormercadorias.
Brigue inglezJunnysedeidem.
Escuna norte-allemao Catharina idem.
Barca francezaFgarodem.
Patacho inglezVeolettidem.
Brigue suecoAnnatabeado,
Brigue inglezjfi'norocarvao.
Patacho inglezAlbertinaidem.
Brigue norte-allemaoMaryidem.
Brigue nacionalAlmeida //charque.
Barca nacionalSania Mana Boa Sorte'
Patacho inglezSalsipuedescharque e cebo.
Barca inglazaFlechocharque.
Vapor inglnJaguaribegneros nacionaes.
Vapor inglezGiqui idem.
TABELLA dos prkcos dos genero*' sujeitos ,. eki
REITO DE EXPORTAEAO. SKXA1U DE t A 7 DO
MESMO MEZ DR 1869.
Mercadorias: rnidades. Valore*.
Abanos......... duzia 300
Algodao em caroco ..... kilog. 238
Idem em rama ou em la. > 11100
Carneiros vivos....... um 4*000
Porcos idem........ 2^000
Arroz com casca kilog. C8
dem descascado ou pilado 177
Assucar branco...... > 32
Idem mascavado...... 220
dem refinado. ..... i 436
GaHinhas ........ urna IJOOO,
Pa|agaios....... BaOOO
Azeite de amendoira ou 1
dobim......... litro 937
dem de coco..... 07.
i
r(

le

".V;
i
N.:




'


Diario <}e Pernamfcoco Ter de
1869.
nin.Hl
Identite mamona.
'ilalas alimci;
Hauiilha
Bebidas espiriti
agurdente cachara.
&*'f**itf:

m o
pertenccs
re
dem vinlio de cajo.....
Bolacha lina.'wmnrohendido os
biscoit a......... kilos.
Idea. ordinaria, propria para
''Mrifearqne........
Caf bonj .......
dem eseollia ou restoUw ...
dem torrado ou nioidc. ...**
Cal branca........
dem preta.........
Carne seeoa ( xarque ).....
Carv. vegetal........
Cera amaivlla.......
tdem de carnauba em bruto.
dem idrm em velas, ....
Cha..........
Cocos s -reos....... cento
Colla.......... kilog.
Conroa de boi, seceos salgados;
dem dem espichados.....
dem idem verdes .....
dem de cabras cortidos um
dem de onca.......
Bocea em calda...... kilog.
dem era gema ou massa.
dem seceos.......
Espanadores de peonas grades dozia.
Idem poqnenoe.......
(em de palha.......
Ksteiras de carnauba .... cenio
dem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional...... kilog.
Farinha de aramia.....
Idi'in de mandioca.....
Feijau ili'.|!iali|ui:r i|ualidade.
Fumo charutos...... centro
dem cigarros.....'- >
dem em fitilia bom..... kil< g,
dem em folha, ordinario o res-
tolho ........ >
dem em rolo e cn> latas bom
dem, ordinarioourcslullio.
Rap .........
Gomina di' mandioca, (polvilho). t
Ipecacuanha ( raiz ) .
Angico (toros).....
Caibros i .1
Eoxams.......
'reehaes.......
Jacaranda (coucoeiras) duzia
Lenha em achas...... cento
dem em toros......
Liabas e esteios...... um
.'tur s (praochocs).
Pao Brasil ....
carro (le
n. lO.'i,
e em
(Jilo,
duzia
um
i
kilog.
um
duzia
dem de jangada......
Quiris.........
Vmhatico costadiuho de o a 30
milliuii'iros de grossura. .
dem pranchoes de dous costa-
dos at 50 millimetros de gros-
sura .........
dem laboado de menos de 25
millimetros de grossura .
Taboado divarso......
Tatajuha........
Travs .-.....
Varas para pescar.....
dem para aguilbadas ....
Mein para canoas.....
Cavernas de sucupira(om obra)
Eixos de sucupir para carro
idem..........
Mel netaeo........
dem de abelha......
Milho..........
Ossos..........
Palha de carnauba
Pechury. .
Pedras de amolar
dem de filtrar
dem de rebollo .
Pennas de cma .
Piassava.........molhos
Ponas ou chifres de novillio ou
vaeca......... cento
Sabio-' ......... kilog.
Sal. -,'.........
Salsaparrillia
476
2*54
476
442
939
3*
27
358
108
442
436
763
1*360
i000
14138
560
631
370
350
10000
1JKI33
781
25180
8000
24*000
125000
16*000
125000
136
681
92
272
3000
320
1J090
f.i:
684
315
21180
170
1*703
60 000
360
1J500
5*000
y.jooo
35000
125000
tiOO
105000
102
5.5000
65000
mau estado, avaiiao>ur IDO, out
dito, cora o n. 10$*, 6 pertanees, era meJIor estado, avaliatip
por 600. Os quaes vao a praca por exe-
cuco de Jos Pereira da Cunha & Filhos,
contra Elptdio Feliciano Pereira de Lira.
E na falta de lanzador qae cabra o preco
di avaJiacSo, ser a arrematacao feita pelo
preco deadjudicacao -cora o abatimeoto da
ei.
E para (pie rhegue ao conhecimento de
lodos jiaiulei fazer o presente edital que
ser afnxado nos lugares do costuine e pu-
blicado peta inipreiisa.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernanibtii'o, aos 17 dcjulho de 1809.
En, Manoel Silvino de Barros Falcao'
escrivo interino, o subscrevi.
Munoel Jos da Silva Neivas.
Attencao.
0 presente edita! que devia ser hontem
publicado, nao foi por esquecimento typo-
graphico, {pando prevenida esta falta com
sua pubiieago era lugar competente.
um 105000
205000
:
dazia 1115000
965000
kilog. 33
urna 65000
du?ia 25100
c 03000
urna 15000
35500
par kilog. 165000
50
I 320
kilog. 68
> 16
noUios 15000
kilog. 817
31
18
31
* 4*796
molhos 160

par
kilog.
>
>
cento
duzia
t
25800
348
10
25013
800
340
176
15333
204
380
768
15200
960
Sapatos de couro braned
Sebo ou graxa ein rama
dem em velas. .
Sola e vaqueta .
Tapioca......
I tahas do boi. .
Vassouras de carnauba
dem de piassava .
dem de timb .
Alfandega de Pornainbuco, de II iulho de 1869.
0 1.* eonferente, Manoel Caldas Brrelo.
O i.\i\i\o.Joaqun Ignacio C. MenJonca.
ApprovoAlfandega de Pernambuco, 3'l deju-
Iho de 1869.Pues de Andrade.
Conforme.Joaqun Tertuliano de Medeiros
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendirnento do dia 2..... 2:223*208
CONSULADO
Rendimenio do dia 2 .
PROVINCIAL
6:0775982
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 2.
Rio Formoso c portos intermedios6 horas, va-
jwr brasileiro Paraltyba, de 101 toneladas, com-
mandante Mello, equipagem 15 ; a compannia
Pernambucana.
Navio sahido no mesmo dia.
ValparaizoBriguo hollandez Jorge Ewerl, captio
M. L. Sparrius, carga assucar.
EDITAES.
Faculdade de Direito.
De ordem do Exin. Sr. director interino o eon-
sclbeiro Dr. Pedro Autran da Matta e Albuquer-
que fa;o publico que tica marcado o prazo de seis
metes contados da data deste, para a Inscrip^ao
dos que pretenderem concorrir ao lugar do lente
substituto da Faculdade de Direito do Recife, vago
pelo accesso do substituto Dr. Joao CanisIranoBan-
deira de Mello Filho, a cadeira de que era pr.i-
prietario o fallecido Dr. Jeronymo Vilela de Castro
lavares
Pelo que todos os pretndeme ao dito lugar se
poderao apresentar desde j na secretaria desla
Faculdade para inscrever seus nomos no livro com-
petente : o que Ihes permittido fazer por pro-
curador se cstiverem a mais de vinte legoas desta
cidade, ou tiverem justo impedimento.
Sao, pnrm, obrigados a apresentar documentos
que mostrem sua qualidade de cidado brasileiro,
e de que estao no goso de seus direitos civis e i-
lilicos, certido de baptismo, folha corrida de lu-
gar de seus domicilios e diploma de doutor por
urna das Faculdades de Direito do Imperio, ou
publica forma, justificando a impossibilidade da
apresentaco do original, e ua mesma occasiao
poderao entregar quaesquer documentos que jul-
garsm con ve ni entes, ou como titulo de habililaeao,
ou como provai de servieos prestados ao Estado, a
liumanidade ou a sciencia, dos quaes se lhes pas-
nar recibo: tudo de eonformidade com os arte.
S6 e 37 do decreto n. 1,986 de 28 de abril do 1854
e 111 e seguintes de n. 1,568 de 21 de fevereiro
de 1853.
E para que chegue ao conhecimento de todos
3.J si!C\ao.Secretaria do governo de
Pernambuco, 1G de jullio de I869.=Pela
secretaria do governo sao convidadas as
pessoas, que quizerem contratar a cons-
truccao. nos termos da lei provincial n. 856,
deSdejullio, do anuo prximo passado
abaixo transcriptas, do una estrada de
ferio desta capital villa doLimeito, com
dous ramae para Nazareth "e Victoria,
a apresentarem suas proposta m cartas
fechadas ao Exm.-.Sr. vice-presidente da
pro^nca no da 30 de agosto prximo vin-
douro.
l.KI ?. 850.
O baro dtf Villa Bella, presidente da
provincia de Pernambuco : Faco saber a
'odos os seus habitantes, que a assembla
legislativa provincial decretou e ni sanecio-
nei a resoluflo segninte :
Arl. i. Fica o presidente da provincia
antorisado a contratar com o barao do Li-
vramento oucomquem melliores garantas
offerecer. a construeco de urna estrada de
ferro desta cidade villa do Limoeiro com
os dous ramaes para Nazareth e Victoria,
passanflo pelos povoados, Casanga, S. Lou-
renco da Matta, villa de Pu do Alho, po-
voacao de Tracunhaem, sob as condices
seguintes :
1. 0 coatratante obrigar-se-ha a apre-
sentar p'anos e esPidos da estrada no praso
de 2 annos, a contar da data c assignatura
do contrato.
2." 0 presidente poder fazer nos pla-
nos e estudos as alteraces, que julgar con-
venientes e fixar a bitola e peso dos trilhos,
as dimenses das obras d'arte e todas as
condices para seguranza e-boa execucco
da estrada e ramaes.
| 3." O presidente poder fiscalisar a
construeco e servico da estrada e ramaes.
A estrada e ramaes sero contra-
dos, a primeira no praso de 4 annos a con-
tar do comero das obras, as segundas at
3 annes depois de concluida aquella.
As multas por infraeco deesa clausula
e a prorogacSo dos prasos nella estipulados
por casos imprevistos, sero determinados
pelo presidente da provincia.
Art. Fica o presidente da provipcia
igualmente autorisado a auxiliar a construe-
co da linha e ramaes com urna stibvenco
kilomtrica de um quarto do valor das
obras oreadas, ou a conceder a garanta de
juros at quatio por cento do capital em-
pregado.
Art. 3. Ser concedido ao contratante
um previlegio por noventa annos para uso
e goso da estrada e ramaes coutando-se da
concluso das obras, n3o podendo pessoa
alguma construir estradas semelhantes nesse
praso para os mesmos pontos, nem na di-
recclo dos ramaes e na zona de leguas para
cada lado das estradas.
Art. 4. A estrada e ramaes e todo o
material empregado fleam isenfa s dos im-
postas porvinciaes e municpaes.
Art. 5. Ficam revogadas as disposicoes
em contrario.
Mando portanto a todas as autoridades a
quera o conhecimento e execuco da pre-
sente resoluco pertencer que a cumpram
e facam cumprlr to inteiramente como
nella se contm.
0 secretario do governo desta provincia a
faca imprimir publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 5 de
junho de 1868, 47. da independencia do
imperio.L. S.Barao de Villa Bella.
Sellada e publicada a presente resoluco
nesta secretaria do governo de Pernambu-
aos 5 de junho de 1868.O secretario,
Dr. Francisco de Paula Sales.
Registrada as fls. do livro de leis pro-
vinciats. Secretaria do governo dePer-
nambnco, 5 de junho de 1868.Oescrip-
turario, Theodoro Jos Tavaies.O secre-
tario, Dr. Joaquim Correa de Araujo.
DECLARACOES.
Arrematado
Hoje 3 do corrento, na sala das audiencias
finda a do Illm. Sr. Dr. juiz d'orphos, se hade ar-
rematar a esrrava Benedicta, pertencente ao espo-
lio da finada Claudina Gardner, vai praca a re-
querimento do nerdeiro inventariante, a ultima
praca.
O inspector interino da alfandega faz
publico, que existindo no armazem 6, da
mesma repartico duas caixas da marca
C M ns. 465 466, com machinas, vindas do
Havre na barca franceza tVeridiana, entra-
da em 25 de Janeiro do corrente anno,
consignadas a Len Desprey ; e achando-se
as ditas caixas no caso de serem arrema-
tadas para consumo nos termos do capitulo
6o, titulo 3 do Regulamento de 19 de se-
tembro de 1860, os seus donos ou con-
signatarios deverSo despacha-las no praso
de 30 dias, sob pena de findo elle,
. serem
^^ISS^^Jk S'S"J vendidas por sua eonia, sera que lhes fique
ompetindo allegar contra os effeitos desta
xar o presente, que sera publicado as folhas
desla cidade e as da corte.
SecrelarkiaFaculdade de Direito do Recife, 2
de iulho de 1869.
O secretario,
Jote Honorio B. de Memezu.
O Dr. Manoel Jowla Silva Neiva, jwzd e
direito da 2a vara criminal e substituto da
do cpmmereio m exercicio nesta cidade
do IVecife de Pernambuco porS. H. o Im-
perador, etc,
Faf sabar pelo presente, que no dia 2
do mez de agosto do corrente anno, se ha
de arrematar por venda a qoem mais der
em praca publica oeste juizo, depois da
audiencia respectiva, ps bens seguintes :
Dous cavallos para o servido de carros, es-
casa da Misericordia do
A fflmv jirat.atifM&tfitf a Santo Cas da
Misericordia do Hcrifumanda faa>.publico quena
sala dn anas sossocs, no dia p d.' ;i^oslo, pelas
quairo horas da tarae, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de mn
tres annos, as reudas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEN'TOS DE CARrDADE.
Ra do Encantamento.
Sobrado de'dous andares n. 3'. 600J000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47...... 170*000
dem n. 49.......181*900
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 3i....... 130J000
Idam idem n. 36....... 178*000
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18 300*000
dem n. 20.......242*000
lina da Moeda.
Primeiro andar ilo sobrado'n. 37. 76*000
Segundo andar dito...... 96*000
PATRIMONIO DOS ORPIIAOS.
Ra do Amorim.
Sobrado de dou,s andares n. 21, dem 600*000
Paleo do Paraizo.
Loja da frente do sobrado n. 29 101*000
Raa das Larang iras.
Casa terrea n.-|?por anuo; 195000
liua da Guia!
Casa terrea n. 29...... 192000
ItuaJdaGuia.
Casa terrea n. 27...... 1115000
Ra da Caeiraba.
dem idem n. 12...... 116*000-
R'ua do Vigario.
1. andar do sobrado n. 27. 240*098
Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 10o ................ 1465000
dem n. 98........................ 203*000
Idem n. 96.. ,...................., 2O2000
Idem n. 91........................ 203*000
Sitio n. 5 no Koruo da Cal............ 150*000
Os pretendentes dveriio apreseatar no acto da
arremalacao as suas Saogas, ou comparecerem
acom|ianhadns dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 3t dejulliodel869.
O escrivo.
Pedro Rodrigue de Souza
Pela secretaria da cmara municipal
desta cidafle se faz publico que nao tendo
sido arrematado em o dia 28 do corrente
como eslava annunciado, o imposto de 300
rs. por cabera de ado morto jpara consu-
mo as freguezias dos Affogados, Poro da
Pancha, Varzea, Muribeca. JatOatao e S.
Lourenco da Matta, contina em praca o
mesmo imposto ao dia 4 de agosto prximo
Aindouro.
Secretaria da cmara municipal do R"-
cife 31 deJulbo de 1869.
O S'cretario,
Francisco Canuto da Boa- Viaijem.
i
DIVIDIDA Ei OtUTIO PAUTES
l'HlilEUtA
recca
ouvertu-
Comecar pdf
do Sr. J. Colhi
i.'CartUei
a 7 por i do inas
2.* Aria final do lbum harmnico', obrigada a
pistn por. J. Colho Barhuza.
3.'CoqVte, schottich, jielo mesmo.
4-*F.nalisar a primeira parle do concert
pela linda ouvertura execotatra por toda a orches-
tra, denominada :
Os dous sargentos
SEGUNDA
1.Grmd atarse comique, eii sac (as pessoas
empenuadas na lucta, que estatao mettidos em
saceos ato o pescoco, deverao percorrer urna
extensilo determinada o canbaro premio.)
TERCE1BA.
i.'CMni a Parig, svmphonia de Mr. Lauro
Rossi.
.*Phatnsia, execnl.ida na flauta pelo distinclo
artista n Sr. Salustiano.
Z.'Strudella, ouvortura do Mr. Flotow.
't.'Abordagein da Pnrii'tlilb'i (a pedido), polka
militar, composigao do Sr.'J. Coelho Barbosa,
oni3da com pegas artificiaes, e abrazamento de
chammas da bencrala.
QAUTA B ULTIMA PARTE.
Terminar o espectculo, poi um lindo figo de
artificio snb direeeao do bein coneeituado e dis-
tinclo artista pernambucauo, o Sr. Jos Alvcs.
Preco da entrada 1 Oill)
Em caso do mo tempo o espectculo aera trans-
ferido.
Comecar as 7 horas e 3/1 da noile.
.Hlo rantte dn SfwJ, f
Para o porto arima segu com bn a-'
taciw iiactifim prini
fre e, e trata-s^ com
Lu z de Ol
mm m mmmm
tm trtimm9|
|^ae em
LK0tS.
Jos"oaresHre /
cart-i
fazer e
em
Ali
li^a e lilteratura
provincial do Recife, teei a
t'JUlSl
'ASELAS.
Ilojc 3 de axiMto.
A. C. de Abrfii fOBtiini;>rS o son lefia) de*
um e^laadiA soniicnto '
Os
istoria ;
rethohica k potica.
osteulnites., iric, pixtaiiuV'tV' /azei
Bienio de hiendas ingl.-w-e ,'v"''' '" ^a*>ro efli .i
Irafceezas, pm- nirrvencriu do agenle lVstana. Ijmj,- matt-nls, iWlt'IU dn iu-ir-Sr
3 de agosto as 11 horas damanhaa em seu ai'inu-
7.cn ra da Caeta
AVISOS MARTIMOS.
- Pela secretaria da cmara municipal
desta cidade se faz publico que contina em
praca em o dia 4 de agosto prximo fu-
turo, para ser arrematada a obra da ponte
do cemiterio publico, visto nao ter sido em
o dia 28 do corrente como lora annunciada.
Secretaria da cmara municipal do Re-
cife 31 de Jullio de 1869.
G secretario.
Francisco Canuto da Ba-Viagem.
Depois da audiencia do Sr. Dr. juiz dos feitos
da fazenda, vai a praca, no dia 5 de agosto corren-
te, os servieos da preta Mara, sem habilidade
alguma e com um filho com 5 a 6 mezes de idade,
avahados em 12*000 por mez, por execucae da
It.lll.tlK
a/e ii da
Ribeiro.
contra os herderos de Feliciana de Torres
No dia 1 de agosto, depois da audiencia do
Dr juiz municipal da 8* vara desta cidade, tem de
ir pr.-ica o sitio denominado Alemao, na fregue-
zia dos Afogados, com 2,380 palmos de frente e
4,000 palmos de fundo, a encontrar-se com o rio
Tygipi, comecando o mesmo sitio pelo marco da
porteira grande do engenho Imbura, a findar-se
no riacho da Estiva com o sitio do mesmo nome.
pertencente viuva o berdeiros de Jos do Monte
Lima, tendo bastantes ps de coqueiros e arvofe-
dos fructferos, comprehendendo em dito sitio tres
casihas cobenas com telhas e tapadas com barro,
avahado em 7:000*000, mais a mata, cacimba e
descanso tambem na mesma freguezia, avahada
por 2:000*000, e a mata denominada Guraby, tam-
bem na mesma freguezia, avahada or 2:000*000,
cujos bens vao praca por execuco de Antonio
Pereira de Oliveira Maia contra Mara Francisca
dos Anjos Curado.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
Burros pawsieuses
Espectculo dado peles Srs. Noury e J Coelho
Barbosa, hoje terca-feira, 3 de agosto de 1869.
Kstra de miname Marte Drii-
fresny.
Primeira representaejio do
BON SOIR VOISIN
de Ferdinand
opera cmica em um acto, msica
Pose, escripta por Mr. Trefen.
PERSONAOEXS
oiw... M." .Mario Dufrusny.
Charlo!.... Mr. Noury.
Findo o primeiro intervallo, ter lugar o concer-
t pela ordem seguinte : -
1." Aria final do lbum harmnico, msica do
Sr. J. Coelho Barbosa, executada no pistn pelo
Sr. Benl*.
2." Grande phantasia, executada na flauta pelo
Sr. Salustiano.
3." Celini a Parg (symphonia) del maestro La-
mo Bossi, executada ^or toda a orchestra.
Terminar o espectculo pela opereta-buffa, em
um acto, entremeiada de pantomima :
Le marige au Fantme
msica de Gustavo Nadaud, escripta e ensaiada
por Mr. Noury.
PERSONAOFNS
Colombine M." Marie Dufresny.
Cassandre___ Mr. Noury.
Gille........dem.
Pierrot......Alejandre.
Comecar as 8 horas da noite,lem ponto.
vera a.
A fandega de Pernambnco 29 de julho de
1869.
O inspector interino,
L. C. Paes de Andrade.
Aviso aos navegantes,
O Illm. Sr. capillo de mar e guerra, capifio do
porto, manda fazer publico para conhecimento dos
navegantes, que o pharolete do Mucuripe, na pro-
vincia do Gear, deixou de funecionar, em conse-
quencia de se ter incendiado na madrugada do dia
22 do corrente.
Capitana do Porto de Perwwnboco 29 de julho
de 1869.
O secretario,
Deeio de Aquiao Fonseca.
Compauhla dramtica sob a di*
receo do artista
DE-GIOVANNI.
Quarta feira 4 de agosto.
Segunda representacao do exeellento e muto
applaudido drama em 3 actos, ornado de msica,
intitulado
OP
OS HERIROS D ALDEIA
Toma parte toda a companhia.
Segue-se a representaejio da graciosa comedia
em 1 acto denominada
UMA MULHER POR DUAS HORAS.
Terminar o espectculo com a aplaudidissma
Tonadilha hespanhola
ExeouUdapelaSra. D. Jesuina eos Srs. Bro-
chado e De-Giovani.
Principiar as 8 horas.
AMA BRAS1LE1IU
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 do agosto o vapor
Paran, comniaiio.inte o capilo
de fragata A. J. de Santa Barbara,
o qual depois da demora do cos-
tume seguir para o? portos do norte.
Desde j'rcebem-se passageiros e engaja-se 3
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no diado suafllegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as i
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
fectos de pequeo valor e que nao i'xcedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica.
Tudo que passar desfcs limites dever ser embar-
ca lo como carga.
Previne-se aos Srs, passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
l" andar, escriptono de Antonio Luiz de Oliveira
Azcvcdo & C.
liiiAXilU BRVSILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 8 de agosto o vapor
Cruzeiro do Sul, cominandante
J. P. G. Alcoforado, o anal de-
pois da demora do costuine se-
guir para os portos do snl.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do da da
sna'sahldV
Nao se recebem como encommendas seniio ob-
lectos de pequeo valor e que lo excedam a 2
arrobas de poso ou 8 palmos cbicos de niedicSo.
Tudo que passar uestes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
I* andar, eseriptorio de Antouiu Luz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPAiNHIA PERNAMBUCA.NA.
DE
tfaregafo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandalui, Acarac e
Granja.
O vapor Pnapama, commandantf
Torres, seguir para os portos
cima no dia 14 do corrente as 5 hora.'
da tarde. Recebe carga at o dia 13, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
horas da tarde do dia da saluda no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
1>K
Havcsaoao costeira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe, commandante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 9 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 7
as 3 horas, encommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 h'iras da tard* do dia da sahida :
no eseriptorio do Forte do Mattos n. 12.
2L
De urna bonita casa de pedra e cal consr
truila a pouco com salas, G quartos
psinlia, puedes dobladas e chaos pro-
nos tendo o sitio 100 palmos de frente
420 de Tonde. .\ u o a "3
ridjE. osea
O agente Martins Jara eijao Je una elegante
casa, acabada de cojistruir a pouco, na estrada de
Joao de Barro?, por"onde tem de passar mullo bre-
ve os trilhos urbanos os pretendentes querendo
ver a dita casa pjxlcm dirigir-se ao sitio da Bom-
ba n. 10 na mesma estrada, que ah encontrarlo
quem Ibes d qualquar inforuiaco.
Oteilo ter lugar noria da casa que foi a
associacao cominen-ial defronte da igreja do Cor-
|io Santo. M 11 horas do dia cima.
[Al
i canil re
sifUincja, larde, das '> luirs un diante,
Os rdmmislradores da propriedf de Apipuco*
mwisajnr dOticqftf.-^tar um ca|H'!lai> p*a celebrar
missa nos domingos c dias sajnados da mesma iirofriedade. e '-^Hmi a tiualqu se-
'nnor sacerantra quem p ^JUpF dita capella-
na, -e siria administrador po mesmo lugar, para tratar dessf
ol)H,-[0. &J_____________________.__________
3aj:tholomeu fe C,
s
LEILAO
DE
Miudezas e ferrageus
3 do corrente.
Ferreira & Matheus farab teilao por intervcn?ao
do agente Oliveira, do mais completo sortiuienio
de miadezas em ferfeito e papel, perfiimarias, caTiuiras, ferragets linas c
ircgiw, as mais pprias d9 mercado, e reconte-
mente'-importadas.'
HOJJD.
s 10 horas da manjjaa, no armazem raa da
Cadeia n. 8, bem ponbecirto de seus freiniezc?.
LEILAO
na reDna^o do pateo lo Terco
u. 1.
O agente Martins far leilao da refinacao do pa-
teo do Terco n. Gl, com todos os ntenilios, cai-
xes de deposito para 3.000 arrobas de assucar,
grande quintal eom porlao, telhero para deposito
de carvo, accomnioilacoes para empregados indo-
pendente doestabelcimentn, penna d'agua, tan-
que e gaz, garante-se a casa ao comprador do es-
tabelecimento (por ser a casa propria) livre de
impostos para o comprador.
Qnarta-feira \ de agosto
as 11 horas do dia no mesmo estabelecimento.
AVISOS DIVERSOS.
O patacho Protector, esperado do referido porto,
saldr para o mesmo, poucos das depois de sua
chegada, por ter a maior parte de seu carrega-
mento prompto : para o que Ihe falta, quem qui-
zer carregar a frete commodo, pode dirigir-se ao
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltro,
ra do Commercio ii. 17.
INSTITLTO ARCUULOGP E GEOfilAPHM)
PERNAMGAm.
Haver sesslo ordinaria quinta-feira 5
do corrente agosto, pelas 11 horas da ma-
oMa.
nnnr.M DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de commis-
soes.
Secretaria do Instituto, 2 de agosto de
1860.
Jos Soares de Azevedo,
______________Secretario jperpetuo.
O Sr. Justas e a mentira.
Com espanto li no Diario de boje um communi-
cado do Sr. Justus contra o Dr. Araujo Barros,
dizendo que este senhor doutor meu pai. E, poe
honra de minha familia nlirajada, declaro alto r
bom soui, que tal nao ha. Meu pai nao doutor,
agricultor, nao juiz, senhor de engenho, nio
mora no Pilar, mora bem perto d'aquiem Ipoju-
ca. nao moco como o Dr. Harros, j usado,
nao baixo, pernilongo eom tanto nafego (aqu
devdo aos niuitos escorregdt que tem dado);
uao chama-se Francisco, sen nome Joo, e eu
tambem tenho um to bar.
Nao se engae mais, Sr- Justas: perdoo-lhe a
injuria com esta condicao.
Recife, 30 de julho de 1869.
A mentira.
No dia 31 de julho, s 9 horas da manha,
no sobrado n. 26 da ra da Matriz segundo andar,
em occasiao que a familia cstava ahnocando rou-
baram um ifelogi de ouro e machina de praia,
patente sulsso, de martello. sobre a coborta da ma-
china tem os seguintes nomos da pane de cima o
numero 9783, tem tambem sobre esta coberia,
abaixo do numero o nome chronomelro, embaixo
tem escripto 23 purres, da maneira seguinte : M
purres. Tem os ponteiros de ouro, e sobre cada
um dalles lem urna pedra pequea branca, e
coberto: quem delle 4cr noticia ou apprehend-Io
se gratificar._______________
,** V#
PARA 0 PORTO.
Segne com a pessivel brevidade o brigne por-
tuguez Unio que j conta grande parte da carga
engajada : quem no mesmo quizer cairegar ob ir
de passagem trate com os consignatarios Thomaz
de Aquino Fonseca & C, ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
Bollourv HoiiI.

Wanted on the A. Brit Brig Search capt. D. F.
Brocklebank'about 500 more or less for repairs
and olher charges at Ihis port. to enable said vessel
to proceed on her voyage to umled kengdoni d-
rect. Sealed tenders to be addressed to the cape
tain at the Brtish Consulate ande to be opened en
the presence of H B M.* cnsul on jussday wat the
3 ed angust at niidday.
Risco martimo
O brigue inglez Search, capitao D. F. Broclile-
bank precisa da quantia de 500 esterlinas (seis
contos de ris), pouco mais ou menos, sobre o. cas-
co do dito navio para os reparos e mais despezas
neste porto, de forma que possa seguir a sua va-
gem para o Reino' Unido. Reiobem-se propostas
em cartas fechadas no consulado britnico, dirigi-
das ao capitao, as quaes serao abortas na presen-
ca do cnsul de S. M. B., no dia 3 do prximo mez
de agosto ao meio dia.
Para o Porto
pretende sabir com a possivel brevidade o patacho
portuguez Liberal, lem parte da carga engajada, e
para o resto que Ihe falla, pode iraiar-se com Da-
vid Ferreira Bailar, ra do Brum n. 9t, ou com
oeaplao do referido navio.
FESTA XOC.TUK*.t
A imitaqao da Chuteau des
Fleurs de paris
Brilbantemento Iluminada com cores difieren-
tes (sobre vidr .etc.) que ter lugar na fabrica de
cerveja do Sr. H. Leyden, ra do Sebo n. 38,
quarta-feira i, de agosto de 1869.
PARA LISBOA
segu com toda a brevidade a barca portugueza
Constante III, por j ter parte da carga prompta :
para o que Ihe falta e passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos 4 C, largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o capitao na praca do Com-
mercio.
_______________________i_____________________________________
Viciorio do Nascimento Accioli Lins, senhor
do engenho Venus, freguezia de Agua-Preta, ten-
do-se por desempenhado de quaesquer dividas,
nao s vencidas, como a vencer se, pede a quem
quer que se julgar seu credor, queira apresentar
seu9 ttulos, alim de ser indemnisado.
A pessoa qu* por encano levou um chapeo
de sol de cor de caf escuro, com o cabo concer-
tado- de amarello, querendo restituido, tenba a
bondade de trazer na ra da Aurora n, 16, ou en-
tregar na estacao do Monteiro ao viga: que ser
recompensado.
PARA UZO INTERNO
rKMlUDO? SIXPLti
Xaropc ilc unibeba, Vinhd de jurubeba, Plalas da
jnrulirba. Tintura de jurubeba, Extriclo hydralcoolic
da jurubeba.
ratmtDAS coMroSToa
Vinho de jurubeba terriiginoio, Xarope de jorubeb*
ferrugiooto, rilulas de jurubeba ferrufiuoao.
ril.i UZO EXTEDKO
Olee a* lurubeba. Hornada de jurubeba, Emplaalro d
A Jl Rl BEBA. e
F.ta planta hoje recoubecida como o mais poderos*
lonieo. como uiu excelleule desob.lruele, e como tal
pplicada nos engorgilamenlos do Ogado e baco, na-
hepaliles propriamente ditas, on aind complicadas
cem nnarchns. as inflamraaees subse^nentes as
tebres inlerniitrntes od mezas, nos abeesfos internos,
du tumores especialmente do ulero e abdomen, nos
tomares glanduosos, na anazarch, aa8 bjidropetiif,
erysipellas; e asociad* as proparaces ferruginosas,
anda de grande Tantagem as anemia*, cbloroses,
faltas de menslmaco. lencorrbeias, desarranjos atni-
cos do estomago, debilitada orgnicas, pobreza da
sangue, etc.
O qne diiemos afflrmaft oa mais distinctos mdicos
desta cilade, entre os quaes podem oa citar os llllms.
Srs. Ilrs. Silva Ramos, Aquino Fonseca. Sarment.
Se, Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva, etc. Todos
elles raeonhecesa a e.\cellencia d'este poderoso medica-
mento sobre os demais al hoje eonhecidos para todos
os casos citados, tanto que todos os dias fazem d'ella
applicaco.
Apresentendo aos mdicos a ao publico m geral e5i-
versos preparados da jurubeba, tivemos por firo gena-
ralisar mais o usa d'este vegetal, fazendo desapparecar
a repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar
dos preparados empirleoa d'elle, o mais das vezas repu-
gnantes a lragaem-sa, s que liuhara inda a desvanta-
gem de nio ser calcnlssla a dose convenieale a appli-
car-se, o qne torna noitas vezes improllcoo um medi-
camento, que poderla produzir ptimos rebultados. a>
% Os nossos prepados s foram apresentados depois da
bavermos canvenientsmenle estudadoa jurubeba, fa-
zeado as experiencias precisas para bem conbecer as
propriedades medicamentosas d'esta planta em suas
raizas, folhas fructas oa bagas, e a dote convsTJiealea
applicaco, tendo alem d'islo procurado levar oa nossos
preparados ao maior grao de perfeicio possivel, para
que nao poupamos esforcon, nao nos imyorundo
pouco lacro qne possames tirar.
Por tanto os que se dignaren recorrer aos nossos
preparados podem ter a certeza de qne elles offerecent
a garanta, de que se pode encontrar a prompta s infal-
livel cora de qualqss dos sofTrimenlos, qae deixamos
innnmerados, se forem em tempo appbcadoa tendo
alem d'isso, medico ou doente a vanlagem de escolhar
nas nossas variadas preparafdes, aquella que melhor.
Ihe pode convir, ji pela fcil applcacio, e jpela com
plicacio das molestias, idade, seio, oa anda nalureza
de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma
que se toniam completamente olnveis nos sueco*)
gstricos, porque procuramos os compostos da ferro
qne como tses eslo hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuoiosameate queirara
- conbecer spropried*des da jurubeba, e saberem p-
plicacao de nossos preparados, deslribuimos gratuita-
mate em nosso deposito um folheto, onde tratamos
mais eslensamente d'esta planta e dos mesmos prepa-
rados. ^
De>otilo otro I de tmfoj ai preparados aotimi *V*f*nl
34, ru larga do /osario, 34.
Os apreciadores de manjares delicados encontra-
rao toaos os das no hotel central de Francisco
Garrido a verdadeira sopa de niviole, ao verJa-
deiro gosto italiano, assim como nutras rxeollentes
iguarias, que seria eafadonho mencionar. All se
encontrarao anda os mais asseiados aposentos para
hospedes, e banhos, buhares o pianos para re-
creo dos visitantes : na ra lar^a do Rosario n.
37, Io andar.
Aluga-sc
o segundo e terceiro andar da ra do Trapiche n.
46 : a tratar na mesma casa das 9 as i horas da
tarde.
O abaixo assignado, antigo comprador e ven-
dedor de barris e pipas, considerando-se nada de-
ver a pessoa alguma e somenle favores ; e pelas
ms crcumstancias de molestia recolhe-se ao
Hospital Portuguez onde sou socio, aim de tratar
de minha satide, onde posso ser visitado pelos
meus amigos.
Antonio de Almeida Brandao e Souza,
AVISO
Jos Pinto de Magalhes e Germano Pinto de
Magalhes compraram a 19 do mez fiodo, a co-
cheira de carros de passeio da ra das Flores n.
35, ah. poie, encontrarao os amigos e freguezes,
bons carros de aluguel, d'entre elles duas calecas
proprias para casamentos, visitas, etc.; a firma
social nestv eecheira Pinto Magalhes & C^, ge-
rente della, o socio Germano Pinto de Magalhes.
Precisa-se de um homem
,. *
livre ou
Para
Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
Boa F. capilo Domingos Martins : recebo algu-
ma carga a frete raioavel, para o que se trata
com o seu consignatario Joaquim Gerardo de lias
o, ra do Vigario n. 16,1 andar.___________
Para m. Miguel e Tercelra
O patacho portuguez Mara, esperado de Lisboa,
sahir para as das ilhas cima, pouco dias de-
pois de sua chegada a esta,, desde j se ongaja
carga e passageiros : trata-se com E- R- Rabello,
ra do Commercio n. 4V
idade 40 annos, mais ou^menos, para servico
casa o que tanibm cntenda
tratar de um pequeo sitio :
Pires n. 94,1' andar.
escravo, de
de
de plantagoss para
a fallar na ra dos
Era casa de TIIKODORO CHR1STI-
ANSEN, raa fia Cruz n. ttt, encontram-se
efiectivamente to'las as qualidades de vinho
Bordeaux, Bouroogna o do Rheno.
Anemataco
HOJE.
Depois da au liencia do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phos, tem de ir praca um bote com son per-
tences, avahado em 603000, o qual vai praca
a reqnerimento do tutor dos menores filhos a
Manoel Franciscp de Jesm Prima : os licitantes
poderao comparecer boje na sala das audiencias,
as 11 horas do dia.
Caixeiro
Sociedade Coneiliaoo
De ordem do Sr. presidente s3o convidados os
senhores membros do conselho director, afim de
reunir-se na sala de suas sessoes, em i do cor-
rente, pela;6 horas da tarde, para Iraftar-s de ne-
gocio urgeaie.
J. J. Alves,
_________________Secretario interino.
Atten$lo
Pede-se to Sr. subdelegado do Recife que a bem
da moral;dade publica e descanso da visinhanca,
ponha cobro a certos bailes barbeiros (imtacao
Neves) aoqde se pratcam as maiors immoralid-
des com palaYras indecorosas e algazarra infer-
nal, isto ateas 4 e 5 horas da manh'aa,
Na ra DirKta n. 34 precisa-se de um caixeiro
com pratica do moldados.
Precisase oa ra da Cruz n. 33 de um cai-
xeiro que tenba pratica de vinlios.____________
Precisa-se de um iaairo que tenba pratica
de taberna para a ra da Aurora n. 80.
Precisa-se de um trabalhador de masseira
se for portuguez sera meluor,.na padaria da Flo-
resU, em Olinda : a tratar na mesma.
Precisa-se de uuia ama para o servico de
casa c engommar para dous ino^os eslrangeiros :
a tratar na ruado Comn etcio n. 3, Io andar.
Precisa-se de urna ama quo saina cozinhar
e fazer compras : a tratar na ra da Cadeia do
Recife, armazem n. 1.
Precisa-s de duas amas que saibam cozi-
nhar e engommar, prefere-se escravas : ua ra
das Cruzes n. 2, 2o andar.
z.. .i.----------------,--------------------------
Resta venda um esculbido sortimento de olj-
(ectos de luarcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand. mogno e amarello, obra nacional e estran-
{eira, de apurado gosto e por pnfco.* razoai
a ra estreita do Rosario n. 32. Nest
asa feem-se com pcrfoirao todos i\s
aalhinha, como sejam, empalhamontoa
I bar camas, cadeiras c sophs.
... t >




o

ii>r %t ihuii
DUrio de Prnambuco ^er^ eira 3 de Agosto d
*
- r mu
N'ESTA ARTIGA E CREftlTATA
FABRICA
nCHTIl || CI1ST1ITIIIITI 101 COlrLlII II1T11IR1I II
Qd>a
'S
B SOL:
De todas as qualidades I
De todos os felios I
De todas es presos!
DO CRESPO N* 4
.. MVTMS
O abaixo assignado, hojo possuidor das dividas
do risatdo fallecido Jos Baptista da Koiiseca J-
nior, arrematadas em Ieilao publico, pede aos de-
vedores do uaesuio casal se dignem satisfacer jeu>
debit no prasp do 30 das, a contar da dala des
le ; Qudo o qual proceder judicialmente a dita
cobranca : na. ra das Cinco Ponas n. 82.
Recife 13 de julho de 1869.
Joao de Aievedo Pereira.
'O^advoSadu Dr. Antonio de Vas- Jgj
concellos Mcnezes de Druinmond,
raudou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua profisso em todos os das
uteis das 10 horas da manhaa at
s 4 horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser encontrado no seu
domicilio, ra da Aurora n. 20'.
3E
l i' "
AGIA D'ODBO
Custodio A Bento, b-ndo de novo soru'do o seu bem conhecido eslabelecimento
blico eui jera!, que tem constantemente un completo sprmpnlo de miudezas finas, e
objectos de alta novidado ; vendendo tudo 10 7 niotios do que em-mitra qualquer parte,
para o que recebem directamente do sua cotila.
Prompttlicam-se a mandar em qualquer asa, urna pessoa como mais diminuto
objecto qe Ihes seja pedido, esperando assim a protecco de seus freguezes, e garan-
tindo-lbes o Custodio & liento, ffrmesa em seus tratos, e pontualidade em seus deveres.
Ra do Cabug n. 1--A.
AO SOlOOOOOO
CASA DA KORTUNA
Boa do Crespo a. 23.
O abaixoassignado tondo olilidA (cenca da pre-
sidencia e satiscito as outras exigencias da le;,;
avisa ao respeitavel publico que ter seropre
venda uo sen aiabatactoMAto killtctos das lote-
ras do Rio de Janeiro, cujos premio sero pagos
promptamente vista das listas com o descont
somonte da lei.
Precos :Inlerros.. 24*000
Metos... 12J00O
Quartos. 6*000
E em quanlidade rtiaior de 100^000 na razio
de 2i000 por bilhete.
Mainel Martins Finza.
Troeam-se
u notas do banco do Brasil
*om descont muito razoavel
tendencia n. ti.
e das caixas filiaos
na praga da Inde
gEMPRESTIMO SOBRE
Aintfa niio vioram,"no entretanto o negocio
do interosse, e precisa-so Tallar rna do.-Crespo
n. 17 cornos Sis. Paulino Ferreira a Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.

AUGUSTO PORTO & C.
11--EUA DO QUEIM D0--11
Jando chegado utmamente ao seu e-tabeleeimento grande variedade de fa-
zendas degosto as poera disposicao deseas numerosos--freguezes pelos mais mdicos
preoos possiveis, sendo:
fBournous hombros < de seniora.
Noyos costos de manteletes justos uo corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta Casquines de gaipure preto, novo g>sto,enfeitados doselim de cores. Vesti-
dos d* bkmd com manta e capeta para noivas. Frondas c toalhas de cambraia de linho
Dordada*. Cortinados bordados para camas o para janc'llas de diversas qualidades:
colxas de seda e de la e de seda para camas de noivos.
Epigl, lindo gorguro de ,laa e seda de cores, muito elegante fazenda para
um kndo vestido. Sudas de aires e prc-las, gorgurao de seda branco e de cores com
listas assetinadas, panos, casemiras e mailas outras azendas cujos precos sao em geral
muite niotbcus. Grande sorliinealo de camisas para liumem, tanto lisas como bordadas
e de enees.
COutiuuam sempre a ter grande variedad* tapetes para sof, para cama e
para Marino, porcao de tapetes em-pecas para alcatifar saloes, e-grande quanlidade de
Esteiras da India para forrar salas.
(mu de cornil.
.Vio o largaremos at que..........
E' na ra Dimta n. 53, loja de lerragens, que
se deseja fallar ao Sr. Antonio Francisca,Duarte
ou seu innao ex-deputado provincial Dr, Maxi-
mian Francisco Duarte : deve saber quem ___
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Cadcia do Recite n. 49, proprio para pequea
familia oq soltciro : a tratar na loja.
Pi ecisa-se de una ama livre ou mesmo es-
crava, que cuziohe com perleifao o diario de urna
casa, e que seja de boa conducta : a tratar na
ruado Vigario n. 5, terceiro andar.
-------------------1_
Precisase de una ama ecrava ou forra, e que
saiba engommar bem, para urna casa de pouca fa-
milia : a tratar na ra Nova n, Si
PERFUME CSEXTINGtIVEL.
Paiu o Lkn<:o, Tolcapor, r*anho.
SOFFRIfflENTOSDESTOMAGO, CONSTIPACAO.-
Uua em poucos das pelo CARVO OE BCLLOO em p ou em patiUias.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Bnasaflcgseasiodb.
visadas ijpidaueute pelas ptrolas d'ether 4' OttfUi
ANEIKIA, A PALLIDEZ e os solTHmeiitos que neoettiUnno
emprego dos ferruginosos sao seiupre combatidos com o mclhor result;-d
pelas pillas OE VAILET. Cad Plala tem iiicravudo o norae ViUET.
t r
PO DE ROSE. Basta dissolver um fiasco d'estp eni mei* '
di dagua para se obtr urna limonada agradavel que purga sea fa-
zcr clicas.
VINHO DE QUINIUM de Labarraqui. Este Wnl, u. do,
loueos cuja composisao garanda consume, una das melhores pi
pamdM de quinino, sem scqo notarel sobre os coovalescente, dando-
Ihes forcag e apn-ssando voHa a saude. Cwa as febres ititigas que n.
fistao ao sulfato i'.t quinino. ^
MOLESTIAS DA BEXIGA. A ,, ,,or parte d'csta moles-
lias, como as sciaticas, Jombagos, cataxr)M, e todas as dOKs oarvosas anj
geral sio curadas pola KR4M.A8 Ofi ESSENClA M THERISENTIM de
Or. Cleitan. 0 proli s*or Trousscau em seu Tratado tU Ihcropetuica acoo-
seBui as paj-a serem tjnadas na occasilo do jautar, na dse Se 4 i 12.
OLEO CfE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.
Garantido puro e de primera qualidade, um dos poucos aprovados pela
Acadruiia de medicina.
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
DE .
MI IftltAl A. LAMAN.
He o mais dejado etriimosofao mes-
rrio lempo omais estavel de todos os per-
fassMis. t; MspM em s no seu maior auge
de exoetoneia, o proprio wtmn das verda-
deiras floros, guando airula na sua flores-
eecia e fragancia natural. Como um raeo
seguro e rapWo allivio conlni as defres de
cubeta, nerwsidade, debilidade, desmaios.
flatos, ssim como contra Indas as formas
ordinarias do accidentes iyst'?ii'ns; de
summa cfficacia e n3o( tert outro qae o
iyuale. ^igualmente, (piando destempQr^da
i-oa agua, torna-se um dentifricio o riiais
agradaviti e exeeilente, dando aos dentes.
aquella alvurae aperolada pparencia tao
altamente apreciada e desejda pelas 9e-
nboras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depbis de diluida em agua,
siHiiiiianii'nie excedente, iaz reinovet t: neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentcs e das gengivas,
tornando-as ihiras, sadts e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
perman encia do seu i'agrante aroma, ella
por certo nao tem igual; e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meiomuf xoelleate, para fazer
remover di: sobre a.peile do rosto, toda a
qualidade de brotles, ehalicoes, sardas,
pannos, manetos, irapigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destesilisligiiramenUis, e que tanto desfei-
am aammlas leires do bello sexo; devera-
se usal-a nutn estado de dilluico, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; perora no
tratamento de qualquer espinba, nsai^se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como uui admiravel meio de com-
munir.ar as fenpes trigueiras e paiiidas.
urna pclle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lbe urna linda cor de rosa :
para um tal flm, ella leva a palma a todos
os perfumes qae se teoui uiventado al bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tud isto se refere nica-
mente a Agca de Flobiiu de Munn.vr &
La.vman.
As imitacoes <|ue seteraeito na Frasca,
Allemanha, assim como em outras parles ;
so inteiramcnti: motis e kivaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham twda a precauco
e cuidado, dfe quando compraran, estejam
certas que compram.
A (EMIVV
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LANMAS,
A .qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios,
1ANMAN & KEMP, DE NOVA YORK
Adia-se a venda nos estabelecuBeatos de
.A. Caors, J. da C. Bravo, c. P. Mau-
rer & A. A. Barboza Bartbolomeu, c
(SEW LIMITE.)
Na ravossa da ra
das (j'iizes n, % pri-
niciro andar, da-so qual-
quer qiianlia sobre ouro,
prala e pedras preciosas.
0 donb.deste eslabelecimento,
competentemente autorsado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transacc5o que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas que se
dlgnarem de bonra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e b'rilhaotes.

CASA DA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo asignado tendo vendido alin de on-
tras sortes o meio bilhete n. 293i com 4:000* lotera que se acabos extrahir beneficio da San-
ta Casa da Misericordia, convida ao possuidor a
vir receber na confortnidado do costume sem
descont algum.
Acham-se a vtnda os bilhetes (la 26' parte da
Santa Casa (tio) que se extrahir no dia 4 de
agosto.
Preco?.
O* docosiume.
Manoel Martins Fiuu.
Sublime piiblicaro lternria sob o
| titulo de Memoria de Bom Jess
i do\Honte, em Braga.
Acha-se venda na loja da ra
i doJCrespo n. 25 A, esquina da do
Qoeimado, a Prnonosa Memoria
I do Bom Jestis do Monte em Braga,
I ornada de gravuras finas, segunda
| edicao, obra.Ai penna de ouro do
| mui Ilustrado lente da universida-
I de Coimbra, o Exm. Sr. conselhei-
! r' Dr. Diogo Pereira Forjaz de
1 Sampaio Pimentel: quem liver no-
I ticia da extraordinaria devogao que
exisle em Portugal para com aquel-
la milagrosisssima imagem.affluindo
sempre para o seu magestso tem-
plo em romaria numeroso povo
j_.de todas as partes desse reino;
|;qaem souber avadar as brilhantes
| descripcoes,, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio literato portoguez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-se de um exemplar da dita me-
moria, pelo dimnuto prero de 35,
na loja cima idicada, onde j ha
pequeo numero dellas.
AOS 20:000^000
CASA .FKLIZ, ARCO DA CO.XCEICO N. 2.
Os ataixo assipiados lendo-se habilitado na for-
ma das leis ton exposto venda os seus felize
hilhotes das loteras du Rio de Janeiro, na casa
cima aonde se pagaio as sortes que sahircm
no? mesmos lulbeWs com. o descont da lei s-
rnenl
[Presos.
Rillietes intoiros. 2430CO
SIos......ISOOO
Ouartos.....6i000
E de i00 para cima a 22|o bilhete.
_________________Figueiredo A Lei te.
advocado
Alfonso de Albuquerqne Mello muduu o seu es-
criptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typograpbia do Diario.
PERWAMBUCAHJL
1 POR 1
CO^MEIilIO DE DIREC^AO
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmos,
Luiz Antonio de Siqueira.
RENTE
0 SR F. F. B06E8.
Restando anda emittir alguma3 acooes desta companhia, da quantia nominal de
2004000 cada urna, das quaes s se aceilam em virtode da lei, 20 % ou 40f>000 poi-
cada aeco; oonvda-se pelo prsenle ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e mteressados no commercio, que qtieiram dar emprego seguro aos seus
captlaes, dtsponivers, a subscrever o numero de nenies que Ibes approuver.
Algumas destas accoes j tem sido tomada* por pessoas que conhecem a vanlagem,
do na presente occasiSo (conliecidamente a melhor), empregarem o dinbeiro do qxie
poderem dispr cm objectos de valor real, como'vapores, predios etc., que Ihes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possoe hoje O vapores, G inieiramcntc novos, o destes o ultimo est
a ehegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds iO % ao anno nos ltimos 4 annds.
As accSes que se emittirem gosam dos mesmos direitos, e percebero o beneflcio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporco da entrada.
Recebem se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12.
DENTISTA DE PAS
19-Rua Nova-19
FREDRI0 I- Al TI lili
cirui-giao-dentista, muito conheGido ha dez annos n'esta cidade, pela, pereico dos seos
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito mnitos me-
'horamentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
icharao os coramodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
J. IjEROUX
o qual acaba de voltarde urna louga viagem a Europa, durante a qual praticou com
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, ofierecendo assim as memores
garantas do bom deserapenho para tudo o que for relativo a profiss5o ; por isse o
annunciante pede aos seus amigos c clientes que por acaso o np encontrarem no seH
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confianca com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a pressao do ar e com molas de ouro, platina
vulcanite e um intiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturagoes) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos dentrificios fabricados pelo proprio annunciante, oquelhe permitte afian-
;ar sua boa qualidade. .
Escovas'para dentes. etc.
Perfeipao de trabalho e prepos moderados.
/' i'agem para fra medanle ajvsto previo.
O gabitHjie a-ba-se aberto das 8 horas da manhaa ateas 4 da tarde de todos ds
lias uteis.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
gante e^bem fomecido hotel que situado n'uma posico inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros ta larde, torna-se preferivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, di8tracO da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; n*
primeiro andar, sala da frente, um exeeilente billrar de mogno, para divertimento. Sala
da traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento, promptidao e commodidade, s
aos Ilustres concurrentes dado fazer justica.
Fornece comidas para fra, tanto por mez como avulsa. Todos os dias, noite,
contrar-se exeeilente sorvete, refrescos, caf, cli, bous vinhos Fguera, Porto, Bor-
deaux, tendo boas commodos para hospedagem, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
AVISA.
Julios
Mes niktmtntat f$ram aprovados pe* Academia
imperM te medicim de Pin
ATTEN CO.
O catidosoque tirou um chapeo de uaaua que
eslava em ein de urna parteir, a U>ja ^o Triuni-
pho, ra db^ssisasdo a. 7, tesdia a brindado de o
entregar a -sen dono, na aesma teja, 0a atrai da
matriz de Saiito Antonio n. 18, quando nao era
pnhlcado o seii nome nesie Diario.
Francisco Perreira da Bocha Luil, por grave
incotnmodf) do saude e a-ojello de sua viaeein
para Europa, do pode despedr-se das pedas
que o honraui coui a sua amuade, as quaes ne
dido desculpa, offerace em brtugal o seu dimi-
no prestalo.
Quem quizer vender a prazo e somentecom
a garanta de lellras assignadas; engenbos,
casas, sitios napiaia, navios, chcaras, fa-J
zendas no serto, joias de todas as qualida-
des, metaes preciosos, movis de todos os
gost'o's, fazendas era grosso, loucas assorti-
das, escravos, bois, cavallos, burros, cr-
neros, porcos, cabras, gallinhas, homens
livres por escravos, etc. etc., dirija-se ao
termo de Serinhem entender-se com o
capitalista Pragas Caval anti que nao deixa-
r de comprar por mais alto que seja o
preco.
As lellras d'esse senhor silo desconlavis
em qualquer parte do mundo, e para maior
eoBbscinsento indicaremos as pragas e lu-
gares que mais promptamente farao o devi-
do descont: thesouro nacional, banco do
Brasil, pra?a do Rio de Janeiro, do Recife,
da Baha, doCeai, em todas as pragas da
Europa, e especiaImente na de Londres,
Paais, Francfort, Hamburgo, S. Petesburgo,
Brsxeas, Mawid, Turin, Lisbis, Porto,
NeVYork, e com mais presteza anda na
imperial cidade de Ulaia, ondeesle seulioi
muite conhecido.
K3
3
FLOfi DA BOA-VISTA
^
?
IiOJ.1
DE
>#a \
-- PAULO FERTf ANDES DE MELLO GUIMARES ^
^T* SO A D1RECCAO DO .MUITO HBIL ARTISTA t^3
ft 1 1 1 I i m\ II InssIllklAJk ^aaai^.'
h-3
SOB A DIRECCAO DO MUITO HBIL ARTISTA
AHUATE I'EIIRO
1=3
P3
Ama de leite
Precisa-se d'ma ama de leite sem ilho, pre-
fenndo-sfl branca ou mulau bem clara : a tratar
na travessa db Veras n. Jo, h andar.
Ncsla oflkina encontrarao os respeitaveis freguezes um dos primeiros artistas
em alfaiale para bem -poder satisfazer toda e qualquer obra, tanto no bom corte, como
no aperfeicoamento das mesmas.
Torna-se desnecessario recommendar este artista, pois que a sna thesoura j
bem conhecida, (e com grande especialidade em fardas) por mudas pessoas distinctas
desta cidade
Achar-se-ho igurinos de todos os mezes, pelo que o artista executa debaixo de
todos os preceitos d'arte qiyilquer urna obra em face dos mesmos.
O mesmo estabelecimento se acha munido de um completo sorttraento de far-
zendas, como sejam: casemiras de cor, ditas pretas, pannos pretos, ditos azues, brins
de cor, ditos brancos, seda para colletes, merinos, etc. e mais fazeqda9 proprias
officina.
O grande sortimento de roupas feitas que tem vende por menos 20 0/0 do
que em outra qualquer parte.
RA DA IMPERATRIZ N. 48,
junto padaria franceza.

.-
Jiio-Janeifo.
DlPOSItO
e* >!, s.. rii, ia, raa j.c.
/iui; JIuwuin i Periiambue*. Utma et C.
tmpw.
fl.ii et Cta.
Ciara.....tfiuua et O.
Uaaa mulhe#jue tem bastaata leite, oflere-
ee-s para amamesitar orna eriasea : a tratar a
la Gloria n. ia___________m
!f ra do 0>ipado, casa a. i, deseja se
fallar com urgencia ao Sr. Laiz Cesar PSnfci de
Paras.
Prscisses)eiDa ama qaeeom7a
as pona sw acasa ds powa sssia
era de Sana Rita n. 41.
e coei-
aa roa
Var finalmente a prsca, a ,,e.
fronte do Peres, peraute 0 Sr. Dr. Iait mnmcinal
da segunda vara, s 11 horas do dia quarta-feira
* do Torrente.
I ruci a se de urna ama secos, para tratar e
mes meaina em cas de liomort sosiro: na raa
de Santo Amaro, como quem val para Olinda, n.
6 : s tratar na mesma asa. das 6 da mantisa s
9 1|8, e de tarde as i 1|i horas._____________
Precisase de nm coiinharo que seja asseia-
do uas suas obrigaetles : toda aquella pessoa qge
estiver nestag circumataucias, queira dirigir-se
ra do Cruspo n. 6 para se tratar
T0MHET~
Precisa-se de urna cotinheira de boa conducta
a tratar na ra Nova u. 28.
!0ill
O bachare Benedicto Raynmndoda 8va
aio teadw tmpo de se- despedir pessoalmente 4e
seus amigos pela prestes* esta Wagart ao Hte
de Janeiro, faz por meio deste offerecendo aos
mesmos o seu limitado presumo n'aqueile lugar.
16RA DA CRUZ16
Ha diariamente sartinunto de bolinhos para cha, fiambre, paste de diflTereu-
tes qoalidades, vmlios de superior qualidade, cha FJIssou preto, c miudo, o mdfeor que
se pode eacontrar no mercado, ameadoas confeifadas, xaropes refrigerantes, rfoces de
caMa, ete.
incumbe-se de encommendas para grandes iantares, bailes, baptisado^ ba-
samentos, a saber:
Pe^as de rasgal P3e>tle-rot enfertados.
Ditas de pao-de-lot. "Bollos fdem.
Ditas de tmara de ovos. Prfos de doce de ovos.
Ditas de caramilo. Tortas folhadas de crme carne.
Bandeja com armacao de assucar. Empadas.
-t
r

m


... -;,;
1
1
I


dVttktihuco Trqa fetra de Agost'^
ie 18*.
\<]
A
PILULflS
I BO
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug, n. 5, (junto a
ioja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
/*n b -no i 171 no/iL
Cura radicalmente as bonbas.
UnTco deposita.Paj#mac de Joaqulm
de Alraida Pinto, ra larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao quartel de polica.
VtltOPE
SALSA tmm M PARA
O.
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pelle, impigens,
dores rheumatcas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
II na larga do losarlo u I O.
JUNTO .VO QUAtlTEI. DE POLICA
Prnamliuco.

PERDEU-SE
&*** degratMae*
DnicordXo do ouro parapesoeo, to saliir da
l-inz de Almas pela estrada de Joao de Barros ate
l,^**10 b"?MJSro : "uem 3iChir He diri-
Srim&?a l) Gommercil> 8- me receben a
graiincacao acimn.
ao respeitavel publico que
mais que existe na serrana
volate, sita roa do Mon-
' ei rirtude do arrendamento
servem de garanta nao s aos
mo ao complemento do mesmo
, s protestando os propietarios da
> tafropriedade fazerem valer o sen di-
i eilo; e para que ninguem possa chamar-se
a ignorancia se faz o presente annnnciu.
Previir-
as machi
efal
de;:
t
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar e comprai
para casa do pouca familia : na na das Cruzes
u. 28, 1 andar ; preferc-se cscrava e paga-
hem agradando.
Predsa-se de um menino para raixeiro de
berna, com pralica ou sem ella : na ra do Fogo
n 20.
ATTNCAO
fio iii; vi;m
Barbante
Em casa de Rabo Schmetau A- C. Corpo
Santo n. 4o.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
praca, e por precos o mais resumido possi-!L
__^1 fi. i w-*m**vv j/vmu pendencia ser diripid* ao pnmeiro, com esenpto
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
MRJiJ|OiM(iM_
ALGODO
HAS ACHINAS
O Dr. Joo Jos finio Jinior, tendo de ausen-
ar-se por algum lempo desta cidade, deixa en-
i,irn-gano:floscusnegneio forenses os Srs. Dr.-.
Oivni|ilo arques d;> Silva, Fradcbco de Faula
Saltes f Francisco de Paula Penna, aos ques se
I podem dirigir al MM clientes, devendo a corres-
jriti ra do Imperadora 43. Io andar.
|DOffJAC III WISSY.
tau A- C. Corpo Caixas de p de arroz muiio
Ra do Quem
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queituando tudo quanto tem emseu
estabelecimento para acabar e fozernovo
sortimento, por isso queiramvirou mandar
vero que 6borne barato.
Caixas de fnnas do gaz com
oOnovellos a .
Latas com superior banlia a
120, 200 c.....
Frascos de oleo babosa muiio
fino a.......
Duzias de meias (nglezas )
milito boas a .
Garrafas com ;agua florida ver-
dadera ......
Garrafas cora aguajdivina dame-
lhor qualidade .
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio para mimos .
Dita com|C frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
Sabonetcs de calunga muito bo-
nito
500
400
400
46000
1(5500
20500
800
Santo
------_
LOJA
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar alsodao, do
muito coabecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar al-
r godo do autor New York Cotton Gin.
2vri a^ *? t0n 0S^nanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MAUHNAS ditas de. Rollcr Gms, de cujo traballio faz obter mais 2.000 em arroba
de algqdao.
MACHINAS de faco do fabricante PUitt B. C, Obdlian Patenta-Liverpool.
& eslas madlllias s d superior qualidade .e as melhores roe tem
viaao ao mercado ; e para a sa apreciaco con^idam-se os senhores agricultores -
virem a expsito das mesmas na cu* da Cada do Recite n. 56 A, Ioja do Bastos, onde
eocootrarao mais o seguintc ">* UUu.
A viuva e flihos do Uado Dr. Joo Fer-
reira da Silva tm a honra-de convidar a to-
dos parentes e amigos delle para assistirein
a algumas missas que, na igreja de Nossa
Senbora da Penha, devero ser celebradas
(no dia 3 de agosto do correte anuo s 8
I horas da manha por alma do dito seu
| sempru chorado cisoi te e pai, fineza esta
que sobremaneira Ihes agradecero.
Manoel Luiz Viraes mandacelebraruma
missa e memento na capella do cemiterio
publico, na U;r horas da manha, pnmeiro auniveisario do
fallecimento do barao da Vera-Cruz, pelo
repouso-eterno desuaalma.
UPK10K.
Koussillon, carte blancho.
Km casa de Rab Schmetfan A
CJ. Coi-po S:\nt 1INHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
, CSIATEAU Rll/U
Lm casa de Rabe Schmettaa & C. Corpo
Santo n. 15.
W1T flfe'fc*se para caixeiro um rapax com lia-
mlltayes de armazem de molhados, padaria e la-
m na, para <|ual asar procure na ra do Rosario da Boa-Visto nu-
mere od.
Olere.v-se una multaer porlugueza para
casa dffpouca familia, engomraa rom perfeieao e
sidiecosturar : i|nein pretender pi'xle .lirigir-se ao
sobrado!. 2, no pateo, de. S..Pedro, portao largo, r a .* .' .'
onde mora um sajalttiro,.iiue la achara com (luem Grosas (le botos madreperola
tratar. r...;i%^ .;.....
superior
Pecas de babadinho com i
varas ......
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escovas para unhas muito fi-
nas ......
Escovas para denles fazenda
muito fina .....
Pulceiras de contas de cores
para meninos .
Gaixas de linha branca do gaz
com :I0 novollos .
Pe?as de tranca lisa de todas
as c&rcs .
Resmas de papel pautado muito
fino ..... .
Pares de botos para punhos
muito bonito .
Libras de laa para bordados de
de todas is cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
NoreHos de linha muito grande
para croxs .
Dzia de linha froxa para bor-
dado
COMIDA
Attenpo
'6'.

Debilitadores pata miilio.
Cyljadros para padaras.
Arados americanos.
Carriulit-is de me.
Machinas para corlar api.
Camos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanizadas.
Folhas de zineo fiaas. >
Ditas de cobre e laio. '
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de verguiulu.
Vassouras americanas
Folies de todes os tamanhos.
Tornos e safras para ferraros.
Finalmente inuitos outros artig
diversidade seria enfadonlro ennumera-los.
y
Folha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro dUjs. ; kti'i
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Tirens comselos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para alraanjarua.
Espingardas e revolvis.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para, engommar.
Moinhos para refinacoes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de lodas as qualidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mestnas.
Lalas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
Na ra Ktreitodo Rosar n. 3o I" andar prepa-
ram-se ricas bandejas de bolos para casamenlos,bai-
tesd haplisados, jwr |reco uniilo eoinmudo, c ,n bolos
dedilTerentes t|ualidades,boquelsde lloresarlilciaes
ewtaraes-proprtos paj-a enejtes de bolos e yara
casamentos e para (|ualquer ijITeru, eom fitas bor-
dadas a ouro a leireifO:agosio dus.donos ; as e-
cominendas devem ser feilas dous das anls,
eneitanvsa velas rioaspor muiio barato preco
para baplisados e eiifilts tic Haces fairse ca-
pellas e earnos para alojas e llores para enfeiles
de isrejas : prepara-se qualquer ciuMimiiienua,
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capellas. fostffes e ro^eiras para enfeiles de igreja
mais-baiato do que em outra qualquer partee
eom toda presteza ; f;,z-so po-de-l, (ulins e do-
ce, lodo enfoitedo par* presentes.
Na ruada Lapa n. II, fornece-se comida
mesmo por assignatura lano para as mesas em
casa como para lora
J;\L(WL
No Coracao de (turo se diz qnem precisa de urna
escrava que -ir** par compar, cozinbar e en-
gommr para casa de ramilla.
... HHM
O Dr. Ermiro Coutinbo reside
ra da Cadeia n. C4, onde tem
aberto o seu consullorio medico, e
pode ser procurado a qualquer ho-
ra para o exrefeio de sua profis-
so

CARVO DE BELLOC
PARS
da gaslralgu e em gerafde todas as doencas nervosas do toma, e dos inicos
rr2Uaune',V ren1d!,5 ^ e'la contra ree^So da vente Finamente enl
l^Z sJ"fJ'^r,e^d(es absorvenles, recomendado como verdadeiro remedio nos
^ n e ChCnM;.,? "*** rf,oc , 00 i forma de pos ou de pastilhas.
Plxmto em RionlAaoM, DuponcheUe; CAevelot. Em ftinimn, Maurer k O.
AVISO
ao commerciOa
Manoel Jos de Barios Mello lera justo o contra-
tado a compra da Ioja de utittdens sita ra do
poral, livre e desembarazada de qnakfaer onus :
quem se julgar prejudicado queira apresentar-se
dentro de Ires dfes desta dala. Becife 31 de ju-
lio de 1860. '
Criarlo.
Prensase alngar nm criado livre Ou escravo
pani'r.Mnpras i servicQ iuterno de urna cas^de
famdia : .. irator na i ua IMU'Q, f .
.' Na ra do Aoas-Verdes n. 96 lavase e*o-
gomma-se com ueffyicau.
Luir Manoel Pilgueira, commereiate fia
villa Ar Mossorp, scicnUlifa ao respeitavel corpo do
tommercio desta e mais pr.icas. aande tem tr.m-
accft, que por faHecHiierrto do seu ocio Thom
Leite de Olivaira em :i) d jnnlio prximo passado,
COBtiiia sqas neirociaeoi-s em sen proprio uome
dessa dala em diaiiie, respoiisabando-se pela
liquidaran de todos os encartros da ertinrta firma
de Lniz Manoel Fllgiieira it'C. Recite 2 de acost
de 1860.
_________ i
muito fino .
Sabonete muito linos 60, 120,
ICO, 240 e.....
Pecas de fila de 15a todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
1000 e .
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
lYvas de trancas brancas e de
cores de caracul .
Pares de meias cruas para me-
n.'D0S .....
Caivete mqitp fino com 4 fo-
Ihas .' 1,5500
Frascos de sndalo e patecholy
moito finos 4,5200
Grande
Ioja de fazendas c roupas fiilas
Ma da taiperafriz 11. 52,
porta larga,
DE
PAREDES PORTA
Neste cstabelecimeulo encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roopas- e fazendas de todas as qualidades e
prcos commodos, lea sempre um bonito
sortimento de casimiras de cores e pretas,
panno fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cores e brancos de boa qualidade,
enearrega-se qualquer obra por medida e
10ZLH, preco muiio commodo.
ROUPAS FE1AS
na Ioja da ra da Impend 1/ D. 52, porta
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de rctapas Intas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
palitots de alpaca preta e de cores a 9,
:!-.') 0 e >: ditos de panno prelo sacos a
65, 7,$ e b>; ditos de panno superior a
12j5, 145 e 1(5; ditos obrecasacados de
ditodiloa 185,205 c iM ditos de case-
mira de crtr a 55, 65 4Q#J calcas, colletfs
e palitots de casemlra muito lina de cor a
20 e 255; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de i a C-S; ditas e
casemira preta c de cores de 45 al 125;
Golletes de todas as quaiidades: ceroulas de
bramante a .J5300,25000 e 2;>500; camisas
franoezas. de linho e de algodo de todas as
qualida.iles e preco mais barato 'do' que em
outra qualquer parte ; colarinhos. grvalas :
bonito sortimento de chapos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas n (j> a duzin;
9; pechincha neste estabelecimento pelo
grinde sortimento : todos os freguezes se
poderao prover dos pt-s al a cabeca per
preco commodo.
FAMKWm
Grande sortiment*, como sfljam. rhius
baratas a 300, :i2(i e :J0 rs? .Madapnfio
fino a 75, 85 e W a peta. AlgodSo (p-
clnncha) a 55500 a pera e outi as qualida-
des. Cambr-aia branca de todas as quali-
dades transparente c Victoria de .15500 a
a peca. Lanzinhas de bonitas cures, ai-
pacas bonitas, selecia a peo cem 28 metros
a 280000. Esgnio o mais fino possivel a
25500 e 3 a vara, e outras muitas taxi
das por preco commodo, que seria enl>do-
nho mencionar, na Ioja do
LESO OA PORTA LARGA
DE
5500
5240
5600
5500
5500
i55O0
5210
5200
5600
504 45000
5120
85000
320
5320
5480
VOO
5320
5500
15500
25000
5060
5320
Ahiga-se urna casa em Olinda, no Jogo da
Bolla, com commodos para familia : a tratar na
jua do Ampan n. 10.
AMA
Pnjesarse na roa da Palma n. {O, de urna ama
para encarregar-sc do servico de urna casa, com-
prar, eosinkar, en^oinnur e tratar de uiua sc-
aroune urna menina.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na ra do Gabug n. 4 conmra-se ouro, prala
e podras preciosas por procos mais vantajosos de
que em outra qualquer parle.
A Ioja de louca, vidros, porcelana e
christaes, da ra do Imperador n. 46,
alqm do explendido sortimento que tem
destes artigos, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregdeiras, cacaroias, pratos pro-
prios para podins e pastelons, cafteiras
etc., etc., todo por precos mais cmodos
do que em outra qualquer parle. Tambem
figuras, vazos, pinhas, lioes, globos, e bolas
panorama, todo proprio para jardins, e en-
feites de cazas; ru? do Imperador, n. 46.
Vendr -se
a-taberna da ra de Borlas n. 43, em virtn-
de de seu dono retirar-se para fra : a tratar
na misma.
--------*-*
Paredes Ferio.
UTO BARATO M \EM
-NO
KU
i\a praca, da Independencia n. 33, ioja de ou-
jves, conipra-senro,prata, e pedras preciosas.e
tambem se faz qualquer obra de ecommenda, e
jodo e qualquer concert.
[-11. 1
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE UnOS IRMOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propor^oes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde enoontraro um completo sortimento do que ha de mais elegstte,
"bello e precioso em brilhanies, esmeralda^ rubina e todo que em ofcraa
de ouro, prata e platina ge pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBWS
de novos gogtoa, assim como grande variedade de sal^ae paliteiros de
prata eoatraatada e d gosto ainda nao visto, e comreto sortimT>lb de
objeetos de pr^ta^para uso das igrjas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra pifecioSa e; imrantem
a quadade dos opjectos veiujldos. lmla
' ESCKAYOS
Compram-se e vendem se dhiriamemepara fra
e denlro da provincia escravos de todas as idades,
cores e sexos, com lanto que sej&ui sadios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, ra das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se
(arinba de mandioca da Ierra : na
mercio n, 17.
rna
do Com-
Sedlas de IS e 2$
Compra-se na casa de Theodoro Simn
A C, largo do Pelournbo.
SEDULAS GBHABS. .
Compram se coa premio sedulas geraes de 20J
para baixo, sendo quautia superior de t:O0O#Q00 :
na ra do Tigarfo n. 3, eseftotorio de Jahnston
Paler & C.
COMPRA-
moefc& de ouro e prata de todos os valo-
res, aro e prata em-obras inotilisadas, e
brilhantes e mais pedras preciosas: na Io-
ja de ourives do arco da Conceiro no Re-
cife.
Compra se urna escrava de meia irJaiie com
algumas habilidades : a fular aa ra do Vigario
n 3S, taboriuj
Attenco.
0 MUSEO DI JO
Comprase farinfta de mandioca da trra .
tratar na praca do Corpo Santo n. 21, I andar.
ViNBAS:
PAUIiO CORDKIRO
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, viajado, meio
grosso e vinainho : no deposito cargo de loan
Francisco da Silva Soares, ra do Vigario n. II.
Faz-se vantagens a queiu comprar porcao, e tro-
C-se o rap que nao sahir do agrado dos consu-
midores.
Rap Frinceza
DA IMPERIAL FABRICA l)K VIBJRA GIMA-
M\F.S COt'TO. -
IX) RIO DE JANEIRO.
Vende-se este excellente rap no escrip-
torio de Joaquim Gerardo de Bastos, ra
do Vigario n. Mi 1 andar.

Attenpao.
Na ra ireita, taberna do Viado Branco, 06
vende miiho e feijao hoto em porcio a re-
talho._______________________
Servidos paramesa
- Rxcellentes toalhas do linho adamascadas para
mesa a guardanapos correspondentes, vendem-se
por commodo prego : na ra do Queimado n. 31,
Ioja de A. M. Rolim & C.
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os propietarios Jos de Souza Soares A
., alm dos baratissimos precos por que
Ofq vendendo a grande vai iedade de arti-
gos de moda e novidades de bom gosto
tanto para homens como para senhoras e
meninos,, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor -
branco para homens, fazenda lina, a 10,$ I
(o prego 146000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a 4#00.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda imitaco de cabelles
a 30 e 3J500.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 7*800 (o preco de 9#
a 10->0P0).
LEyWES de madeira sem differenca de
ndalo a 2#000 e 26300, (grande peehin-
cha!)
DITOS com lentijnlas a 3 e 4;5000.
RARALIIOS de cartas francezas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pacote por
16000.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (glande novidade em Paiis) a
2A500 e :idOf O.
DELICADOS corpnbos de cambraia liel-
lamente enfeitados a 66500 rs. (admira o
preco I)
UMA grande variedado de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos d novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
No Bazar da Moda.
j
..
Qtieijos.
Vendem-se queiios do Serid a
arnma, em porcao se fr abatime
ireita n. 16, Viado Branco.

i o Mo-
na roa
PWtaaaa da Rmsla
armis nova no mercado, a pre$tt numvel t na
ra do Copimercto n. 13,armazem'da|Tanoel Tei-
xeira Bastb.
VeMe-e nm boflft escraVtt- A idade de 16
annos, bom eozinheiro ejjopeiro : a tratar m caes
de Aponojpresa deFrancrseo Anin de Albu-
-r VenDo-se a casa terjrea da rija do SCtihor
Bom Jess da Grioulai n. 9, MB quartos, 2 i
salas o cosiuba; a tratar na ra do Paysand n
o. (etotajcmap.)_______ .
- Ven, ernadar-do Sebo n. fl,
propria para um principiante por estar em bom
local e ter poneos fundos e lea morada para fa-
milia : a tratar to nesrria. *
Para o- armazem do Campos, na ra do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado, estabelecimento
acha se constantemente um variado sorti-
mento de genero9 finos para meza e
cosiriha e entre esles nomea-ee apenas as
especialidades seguintes:
Queijos do sello sendo de manteiga e
coalha.
CamarrJes seceos do MaranhSov
O verdadeiro caf de Moka,
O superior e bem Mohecido peixe ni iraguaia
que se vende a 160 a libra e 46500 a
arroba.
TABELLAS
de tedueco as mais facis e mais com-
prehensrvc., tudo no
Armazem do Campos
Stemete de elcatro. ~
va
Antonio Nunes de Castro.
Mq acreditado preparado, que to boa
accftco t,efti merecido n'esta provinm.
muito se recummenda p?ra a cqra certa
SSWffiSRjr'caSps c ,odas a>
r^armaciTlte Brrbolomeu AC,
31ruatrfca 6 Rosario34.
.un' ;-------------.
'
\m
F. de Oliveira AC.n'
go da Penha n?.
pieio n. 14.
duas casas raei-agoas do lar-
e 4 : a irair na ra do

<


J^
G
Di^pl^W^mbuflp l>;a fjra 3 de ^h1869:^
."i k. ,
/
y
WA r OJA
l.v
72.
ARJtRA
Ra da Imperatriz.-
72.
Alerta freguezes
que Arara vai can lar.
Para vender suas fazendas (baratas)
que multo ha de agradar.
0 propratario dcstc estabelecimento, tendo grande porro
HBIL ARTISTA
de faiendas em
_ poder
*a \ OAPOLO B.VUATO A 3#500. BR.\MANT PARA LENQES A U>
~T o pecas de madapoln enfestado' Vende-so bramanie com l palmos de
-Wle-t ,( 35500 dlu de 21 ardas ou largura para lences, a 2>. a vara.
Mr** o,*, 6>m. -:>m, s.*ooo e! pecas de auuiuo a U.
| Jfieudcm-se pecas de algodSo
1NCESAS A 80 rs. I corpadu 1$, 30, U,>8(K e 7,
francezas para .csti- Coleriiaho* ecftnoiiicos aSO
duzia.
Yende-sc colerinlios econmicos
a dtizia, s se vende assim barato
grande poroto.
metros S#,
CUTAS FRh
l2'fl$JWtt' covado, ditas escuras
dos'a 280, mrs. t C(/vado-
muito finas a JbOrs. o h.lllll MTiM flffk tdS J sc,lhor;l
Vende-se cliaiin para ves
800 rs. o covado. ^.^
PERCALES A m RS. 0 00 '' n&_
Yende-sa percales muilo linos \Q
lidos de seiihora a 4*0 rs. o cov.u,
Hr i. llantina* 4W rs. ,s de
Vende-so nriiliantinas ou raurs1in. ', Q
ores para vestidos de siv.horas 440 rs s
covado, laizinhas muito finas pira vestido.
>ra 400 re. c 590 rs. o covado,
ditas de quadrinbos 240 re. o covado.
RISCADO FRANCBZ A 300 RS. O COVADO
Vende-se riscado fraucez para vestido,
de senliora 360 rs. o covado.
Lafcsinhas a 84 o corado.
Vend<:m se laasinhas p*a vestido do se-
Lhora a 2i, 2&Q, SiO rs. o covado.
Cassss francezas a 280 Ys. o corado.
Vende-se cassas francesas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
re. o covarto.
C balea de merino 83.
' Vende-se diales de merino estampados
24 e 24800 cada um, para acabar.
ARTES DE LAS ABEttTOS A 20100
Vende-se cortes de lia para vestidos de
senhora, 25400 cada um.
ALPACAS BE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vesG ^s
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de listras 700 e 700 rs. o covado.
Chitas prussianas 300.
Vende-se cbitas prussianas de listras de
cores muilo bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS rAI\\-C01M!VTAA32e
Vende-se cartas incorpadas para coberta
320 rs. e covado.
Baldes de 80 a 30 arcosa
Vende-se baldes de 20 a 30 arcos
lioOO c;ida um, baloes modernos brancos
ede cores - muito en-
a 3-20
por ter
N?S RA DA tiDlIl
DE
___________mi,n, lilil
SOB A DIRECQO DO MUITO
Lauriano, alfaiate. ^ .
Os propietarios d,est novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter nadireecao de sua ofQciQ} de roopas por medida, um artista perito, tem
contralado o Se Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vonUde do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom sortimemto de fazendas proprias para
roupasde/horaem,orno sejam: casimira de cor, indos padrees, completo sortimento de
pannos finos, pelo e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qnalidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekin, superior qualidade.
Os freguezes encontraro anda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, collartnhos, ceroulas, gravatasgretas e de phantasia, meias para horacns, sc-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e oulros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 4p ,rprj, .
CASEM1R vS DE CORES
Vcndi-se cazemiras de cores para calsa
e palilt 2;> 2-)500 o 35 o covado,
Aigodo eufestado A 14.
Vende-se algodio cifestado proprio para
lennes e toallias, 15, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
hou.iem e menino, ;i 400 c 440 rs. o co-
vado, ('it0 ''z0 a imitaco de ganga a 360
o covao.
o.
r.
Algoi'" ,e listras a 800
o corado
Vende-se ai^foclo de listras para roupa
de escrtvos a ^00 rs, 0 covado.
CORTES DE BlUtf CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de '. brim castor para
calca de bomem, 640 00 rs. caria um.
' CARTEIRA PARA VI4H A f#.
Vende-se carteinis para viagem l&
cada urna, cobertores de algodp ffj^OO
cada um.
Coher as de chita a 1^00
Vende se cobertas de chitas de cores
15800 e 25. cada urna.
ALGODO TRANCADO DE EUAS LARGURAS A
15200. .
Vende-se algodao transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
llantas para gravata 800 rs.
Vende-se mantas para gravata a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALIADO PARDO A 25500.
Vende-se atoalbado pardo para toalhas
de mesa 26300 a vara, toalhas escuras
15, cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72. ',
4*000
300
55O0
35800
5200
25000
I : i
0 Garibaldi princi0a
Curtamente ha de agradar,
Que peio preco qne vai vender
Ninguem o pode igunlar.
O proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declaraJ "*P >la
vel publico e seus freguezes, qu, tem receb.do grande <^e^ f^afc^
constantemente recebendo por todos as vapores que ch gam da 1Europa, novo wtimen
te de fazendas da moda, e que vender por preco ma.s barato de que em outra quai
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatnz n. 56, de Lourenco
Pereira Mendes Ouimarles.
CHITAS LARGAS A 280 re.
Vendem-se chitas francezas de cores fl-
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas
RIVAL SEi SKHM '
Rifado Quetihodo ns. 49 e 57
loj? dc'miudczaz de Jos de
^Azcvcdo Haia, est acabando
com as nwidezas de seus esabe-
ecimciitospor isso queram apre-
ciar o que -c bom e bataUsstmo.
Pecas de liras bordadas om 12
metros, fczenda superior, a
15300,25. 3 m.....
Caix?s de Iluta com 50 aovelloa
Pares lie mpaDf da tranga fa-
zeoia nova a......25000
Parus de sapatos do tapete
(s grandes) a. ,. v
Duzias de meias crua* para bo-
mem a ,......
Tramoias do Porto fazewda boa
epelo prec>melhor 10O attos a
Livros de misses abreviabas a .
Duziade baraJJios francezemuito
finosa25400e.....580C
Silabario portugus com estam-
pas a ........
Gravatas ie core e pretas mwlo
finas a i. .
CartOes con eolebetes de lati ,
fazena feos a. .-
Abotuaduras- de vidro para coleter '
rrmla ca a. .
Caixas com penna d'a^o muito
finas a 3, 40Q, 508 e .
Cartes de- bafeu Alexaodre- que
tem 200jarbe a .
Carreteis de Ibiha Alexandre de
70 ate 200 a .
Caixas com superiores ebreias
de massa a ..... .
Duzias de agulbao para machina
Libras de prego trance di .
verso tamanho ...,.
Livros escriptorado para rol d
roupa a. ...... .
Talleres para meninos Bonito
finos a. ......
Caixas com pape) amizade muito
fino a........
Caixas con #0 ei>vetopes aanito
finos a........
Pentes volteados para menmas e
senhoras a-......
Thezouras muito finas para
mnhas e costuras a. .
Tinteiros com tinto preta maito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda Iiki a. ,. .
Peeas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linbacom 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de louca muito
finos a........
Grande e completo arttmento de_machinas para
uovirocar algodao de nova inveiiro chegaas ul-
liraaaimte em dircilura para a loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C, na ra Direltn.
53. Garante-se que a mellior <|ualidade que ate
o prsenle lem vn*ao mercado : aeham-se em
expwi^ao aos coin|pi|res.
Systema decimal.
Gmnde e cmplelo sortimentode pesos kflff-
grammos de mellior comprehensao dos que lem
vind at o prsenle, asim como marcos de lalao
at meio grammo pelo mesmo syslema, bataneas
de lalao de forca de 5 a 20 kilograramos, metros
de madeira e d lalao para medir faaendas, alm
de grande sortimento de miudezas e ferragens de
indis as qualidade, tudo por procos que s a tita
faz crdito : na ra Direa n. 53, loja de Manoel
Bentn de Oliveira Braga tpC.
NOVIDADES
5320
5500
5020
5500
45000
5ioo
5100
50AO
25000
5240
5120
15240
5700
600,
320
500
5320
5160
200
60
25500
160
IOJ v
DO
GAJ.L0 VIGILANTE
lina do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conlieeido estabele-
cimento, alin dos muitos olijectos que tinham e\-
poslos a apreciaco do respeitavel publico, man-
daram vir o acaham de" receber pelo nllimo Tapor
da Europa um completo e variado sortimenlo de
linas c mni delicadas especialidades, as qnaes es-
lao resolvidos a vender, como de sen cusame,
por precos muito baratinhos e coramodos para lo-
dos, com lauto que o Gallo...
Muijo superiores luvas de pellica,, pretas, bran-
cas o de mui lindas cores.
Mol boas e bonitas gollinhas e punfcos para se-
nhora, neste genero o qne ha do mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coque.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Ex mas. senhorasi
Superiores trancas pretas e de copes em vidri-
Ihos e sem elles; esta faienda o que pode haver
de melhor c mais bonito.
Snperiores e bonitos leques de madreperola,
marftm, samlato e osso, sendo aqneltes krancos
com liBdos desenhi, e esles prettw.
Muilo superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por {05000
a duzia, entretanto que nos as Tendemos por 204,
alm destas, temos tambem grade sorthnento de
outras qoalidades, entre as fuaes algumas maito
finas. ...
Boas bengalas de supenor canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras Ricu-
ras de mesmo, neste Huero o que de melhor se
pode desejar ; alru^lestas temos nibem grande
quantidade de o afra qbalidttfjes, coio sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. Finos, bonitos e airse* ebitotinbos de cadeia e
de outras qualidades. ... u
Lindas e snperiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a It annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e no por nossa vea tam-
bem asseguramos sna qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agnlhas para machina e para croxe.
Liona muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para Toltaret, assim
como os tontos para o mesmo Dm.
Grande e vanado sortimento das memores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas. _
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as conrulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedures destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
fomo j tem acontecido, assim pois podero aquel-
los que dellos precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se Tenderao com um mui
minuto lucro. ,
Rogamos, pois, avista ios cbjectos que deixamos
declarados, aes nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preco3 muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Msica
Grande liquidacSo de instrumentos para
msicas militares, 20,e 30 por cenlo menos
qtte em qnalquerootra parte, se vende no
BA/AR DA MODA,RA' NOVA N. 50,
ESQUINA DA DE SANTO AMARO.
Baixos, clavicornes, trompas, trombones,
trompis, cornelitios, pratos finos e ordi-
narios, tringulos, flaotias, diapaz5os, tim-
bos, bocaes de marfim, cbristal e metal cla-
rioetos, msicas para pianos, methodos etc.
Tudo' em perfeito estad*, garante-$e, e
do primeiro autor Gautrot Aine, de Pmtk.
S lie pechinclia!!..
.A.MOtESPERANgft
21 j o Queinwdoi2)
Advertencia!
A Nova Esperanca, roa do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantida*
de miudezas, e como se approxima o tem-
pe em que tem de ser dado o balanco, po
isso desde i previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender snas mer*
cadoTias pelo ba atissimo prero, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que no forem venham ser fregue-
zes, em lempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechmcha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre aBsim.
EHe (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos rcmetter objectos de
gosto e perfeigo, e ella (loja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra doQueimado n. 21,
alm do "grande sortimento que j tinka,
acaba de receber mais o scgtfmte :
bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e math
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com domados (ultima
noda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de 13a, para enfeites de vestido*.
Rotees de todas as cores e moldes nove*
para o mesmo fin.
Trancas pretas com vidrirhos sendo coa
pengeates e sem elles.
Boes pretos eem vidrilhos- eom pungen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e cossia.
Fioa meias de seda para senhora e me-
Extratin caruis.
Este producto > nimeRlaoin paw doentes, Mi
apropriada para eviancaa, t para as pessous saas;
mdispensavel a lodo, porm principalmente aos
viajantes, que terao nelle o remiso de poder
ter ami'ntacao de carne frese incorruptivel, e
que eom facilidade se aprompti e se conduz, por-
que n'um pequeo volme carrega-se alimentacj
para multo lempo. Sooretudo chima-se a alten-
o dos Srs. de engenho que enci>ntraro no EX-
HAtmiM (TARNIS o recurso de afimeiitacao agr-
davel, hygienica e barata para eus fmulos e seus
doentes.
Este produelo 6 fabricado pelo pmcesso do dte-
tincto medico Br. Lbaluba, no Rio-Grande- do Snl,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victoiuso de Rezende & C, ra da
Cada, escriptorio n. 52, Io andar, vendendo-se :
No deposito ra da Cada n. 51
as pharmacias dos Srs. t
Manoel Alves Barbosa, me'sma ra n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Maria Marines Ferreira, praca da
Boa-vista n. 91.
N. B.As latas que contem o extracto trazem
nma guia para seu uso. ......_________
escuras a 360 rs. o covado.
M\DAPOLO ENFESTADO A 3*500.
Vendem-se peoas de madapol5o enfes-
lado a 3-)300, dito inglez de 2i jardas a
U, 6^, 05500,7,5000.85, e 105 a peca.
ALGODO TRANGADO A 1*200 0
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lences e toalhas por ser muito
largo, a 1*200 rs. o metro.
RfSCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado. v-_
BRAMANTES PARA LENCES A U A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 2* a vara.
Chitas anzonas a 360 r
Vendem-se ricas cbitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos d se-
nbora a 360 rs. o covado, deste preco e
auadade s na loja do Garibaldi.
'vAOS SENHORES DONOS DE GOXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpaxlas proprias para
lorrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 'HtDO o covado.
ALGODO ENFESTADO A 1* A VARA.
Vende-si algodao enfestado muito largo
proprio para lences a 1* a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5u0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado proprjfl, rjaja vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 3*500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 3*500 cada um.
. BRIM HAMilinUt
Vendem-se pee W
burgo com 20 varis a
Cortinados pM'JMl1ai M;
Vendem-se cortinados para janellas a 7*
o par, ditos par* camas rhncezas a U* o
cortinado.
angas para cal^a aBMrt.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado. .
Laslnhas de qnadrlnhos a
SU rs.
Vendem-se lasinbas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em la de bstra
para vestidos de senhora a 640 e800rs.
o covado.
CORTES DE LA A 2*460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senhora a 2*400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se 15a cbineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Gasemlras para alfas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 */* covados d urna calca para ho-
mem palo pre$o -de-2*500 o covado.
Alpaca lizas para restpdos
800 rs. o coTado.
Vendem-se arpac/s lizas e dobradas para
vestidos lde senhora 700 6 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 1*500.
Vendeo-se baloes de 20 e 30 arcos a
1*500 cada um, por esta preco s na loja
BRIM TRANCMX) PARDO A 800 R$. 0
-JKEIRO.
Vende-se bnwfirto trancado a 800 rs.
o Metro, dito muito fino a 1*200 o moro.
BALOES MODERNOS A 5*000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a B* cada nm.
- CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendehe cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covido.
[ CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10#. I
Vendem-se chapeos de sol de seta a
10 e 12*. na ra da Imperafriz, loj| do
6- JSMfc
Machinas vapor de
forca de 3 e 4 c-
vanos.
Motores para 2 cavaltos.
Arados americanos.
Machinas de fac5o e serrotes para desca-
rocar algodo.
Palancas para armazem e balcSo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar cartas.
Fogao americano patente.
Boa.raca.
Vende-se um casal de borros de raga Andaluz,
excellente para prodcelo : quera pretender e
quizer ve-Ios,- jqueira dirigir-se coeheira con-
fronte a torre do arsenal de marinha, e para tra-
tar no largo do Corpo Santo n. 6,2 andar.
Burras.
Vendem-se duas faceiras e ensinadas burras
para carro : a tratar na riia do Vigario n. 31.
Agwlhas
para machinas de costura de fioover & Baker
vendem-se na ra da Cadeia
andar, a){i duzia.
do Recife n, 51, 1'
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Risquit Dubouch &C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. roa do
commercio n. 32.__________________
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e prefer vel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicacao as creancas.
quasi sempre mais atacadas de t5o terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DB
Barthomeu & C.
34lina Larga do Rosarlo34
nios.
'Delicados leque *e madrepemia, mar-
fim, osso- e faia.
Espartho simples bordado.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um corcpleto sortmieato de
miudezas S ra do Quimado n. 21,'na
Nova Esperanca.
Collares anodinos etteetro-rrmgHeti
eos contra as cotwulces das
creancas.
N2o resta a-menor duvida.'de quenao.
cellares se vandem por abi intitulado M
verdadeiros (fe Royer, e eis porqae muitci
pais de famrKas n5o creem (comprasdo-oi)
no effeito pronaettido, o qne s pdem dar,
o verdadeires; a Nova Esperanca, porai
que detesta a falsificacSo principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez- urna encommenda directa destes coUares-
e garante aos pais de familias, que se ot
verdadeiros de- Royer, que a- tantas crean*
cas tem salvado do terrivel incommodo dt
convulcSes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a roa do Quemado
n. 21 comprarem o salva vida, para seul
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entao ser di*
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collares
de Royer. ____________
MASSA c XAROPE
DE CODEINA DE BERTHEI
Preeonisados por lodo os mdicos contra os I
OEKLUXOS, CATHARROS, E TODAS ASI
1RR1TACOES DO PE1TO.
W. B. O Xaropt dt ('odrina a mertco al
konra, alia bem rara entre ot Medicamento!]
notos, it ter registrado como tun dot medica-1
metilos o]iciaet do Imperio Francs dispensa i
quutqucr elogio.
AVISO. Por cansa d reprchensivel falsi-l
Gcai;ao que lem tuscilado o feliz resultado u<>
Xarope e massa de Dcrlb sumos Toreados ai
lembrar que esles mcdreuieutos tai justamente. I
cnice'.ltados so se
veiidcm cm ral:
Laserr.isri>ilc\ai
a istigualuru
fraile.
A6, liui d's colet, e na Plijrmaeia (iculral
de Fraiica, ", l todas a* Pbi niatius |nine'|ne do llia/il.
i sd se ^*-
ciando -^>J?J&4f*-
Liquidado
Vende-se a serrara a vapor e fabrica de choe
late ra do Mondego n. 09, uro machina a va- f
por de forca de oito cavallo?, urna serra para ser- i
rar pranchao, podendo serrar com 12 serras de
urna vez, nina machina de fazer taboas de assoa-
lh, limpando e azendo macho e femea de nma
s vez, tmbem para obra de carapina e marcinei-
ro, duas serras circulares, urna serra de volta e
ouira de cortar desenho na madeira, urna machina
de engradar e outra de fazer moldara, tornos de
tornear madeira, e todas as machinas neeessarias
para fazer de 150 a 200 libras de chocolate diaria-
raenre, tudo prompto a trabalhar, tendo tambem
diversas ferramentas para fazer os coneertos de
que possam precisar as machinas. Tudo pode ser
examinada na-masua fabrica, das 8 horas da na-
nhaa ao meio dia.
PlLULESSSSCAVIN
Cal nova de Lisboa
Vende Joaquim Jos Ramos, ra da Cruz n.
8, Io andar.
Aproveitar em quan-
to duram.
Baldes de musselina com pequeo toque de mo-
fo a 31 o a 3|500, fazenda superior.
Espartilhos a "2*500 e 32, cousa nunca vista, s
no triumpho I Outras muitas fazendas que se tor-
ram por todo o preco, ra do Queimado p. 7
nmudH, 55, koul,r4 SAuloyoL Nrl*.
Este precioso Partitivo vefetal uo comnodo
1 como Mrnulivel o remedio mais infallirel para des-
I txnir u Mttftoei, as Bcmlgla*, as mais re-
Ikaldes, assim como a kllla e a vtteealdaat
Blle fleai as aaslrltU, obMraeeoea caxa-
eca*, lun, 44r**, catarrho, emplgeiu,
I e rkcnautluBMa.
I Mncimeato das Malas Faatla pode resu-
I Dr-s* aestu palitru i meaubclecer ou coaser-
|var a saMa.
Rilas alo paleta nem resguardo na comida nem
I bebida; tm dota laxante t afeparatrra, asase tomar
I ellas aat reteecoes: em doae avraadva de aoite ao
| deitar-se.
Arstaatacor MM. asaarar al y.
M**Q
IT, *n3 ajasif 'osaanrmij o
motH3 '. mtriitudna 'oainTf-oiy ow
nracu w aiaauipe; os-un8
-aadura osst aod S!3*ej9ii6ui oes '*>
aoj ao -sD)UB8and sojjno sop aind
JOieni I U103 80910031.00103 OfSEJUJI
jouaui t Jtsino uws *o)jm opoui um
ap s aiuaucpidu t8jnd enb 'pkVfuSt
tpuotui| euin p '(n3c,p jexis8 euin un
opu[oss;p r Val op oojj uifl
tUBj ap vutnpiw a)>
390H 30 SOd
aaVasasts.aaaaaaaaaaaaMaaaaaaMaasaaaMI
^
BAZAR UNIVERSAL
ORlia !?O ty^
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposiejk) servidos a electos para almo-
50 e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, i n dispensa veis para
senhoras, candieirps para sala cimademesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
paraquadros.gaz, baldes americanos, guar-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e mesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarlo
venda no mjsmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar. ____________^^
X
^.GffiMtyJif
M?
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
n5o ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimmto de
ocdlos, lunetas, pince-nea, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio emelchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencao ; duquezas, vieneaas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa. ^^^
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excelencia para cura, lapi-
da e completa das coqueluches, bronebites,
catarrhos, tosses convuislvas, escarros sanr
guinos, e outras molestias do peito.
YKXDE-SE
NA
PliARMACIA E DROGARA
Bartholomeu 4 C
34RA LARGA DO ROSARIO34
Nao mais cabjllos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da babeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposi^o Universal, por ter sido
conbecida superior to<}as as preparares
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a UOOQ cada frasco na
N. 51BIJA DA CADEIAJ, &4
f* A\DAR. ____
^^vTsimia^etacriooia^uocaT^oo^
cose e eugomma por preco commouo : na ra
larga do Rogarlo n. 48, i ondar. ___________
PASTIUJAS ASS5JC8ADS
DO
DR. PATEP^ON
De blsntntb e niagnezla.
Remedio por ej.oellencia para combatty
a magreza, rafear a digestSo, fortificar
estomago eVc.ri
DEMSPrOESPEaAL.
Phtrmaaia d Bartholomeu A C.
34rRua larga do Rosario-------34.

J

i

ATTENCAO
No armaiem de David erreira Dallar, ra do
Brura d. 92, ha vonda os seguintes gneros por
preoos rassaveis:
Bollivetes de balanco
proprios para b'arcajas a hyates, muito superiores..
Viuho do Porto
em caixas de duzia de garrafas, e era barris de
dcimo, do Porto, muito tino.
Parlaba de mandioca
ha em sacos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de louza
muito proprias para lavagem de louja em co-
llnhas.
CHARUTOS
Os rmelh'jres charutos da expocao e variedade
de outr,3 qualidades, fines; encontra-se no hotel
Cen'-Vl de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
p.,o n. 37, i andar, e ra estreita do Rosario n.
4 A. Vendem-se a retalho e cm grosso.
lHMSlC
To armazm pintado de verde^ito a ra
o Caes 22 de Novembro n. 30^-ende-se
superior madeira de pinho da Saecia, com
3 polegad* de grossura, 9 de largura, e
14 ps de compriraento a 3(5006 cada omr.
taboas de forro a H, 95 e 10*000 a duzia,
pinbo americano de resina a 200 rs, o pi.
1


\
V

:7--------r,
C cordeiro previdente
Ana do tiiclmada o. 1G.
Novo e variado sortimento de perfumara
finas, e outros objectos.
Alm de completo soriiuicitto de perfu-
maras, de que efleclivaraente est prvida a
loja do Cordeiro Pre\idente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pelavariedade deobjectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
N do respeitavel publico era geral e de su
boa freguezia era particular, nao so afas-
tando elle de sua bem conhecidamansido
6 baratees. Em dita toja cnoootrorio os
apreciadores do bom:
Agua divina de G. Coudray.
Dita verdadeira de Muxray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
oeza, todas dos raelhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita do flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para toilet.
Elixir odoatalgico para conservadlo do
asseie da bocea.
Cosmetiques de suprior qualidade echej
ros agradaveis.
Cops e latas, maiores e menores, c
pomada fina para cabello.
Frascos coi dita japoneza, transpar
jutras qualidades-
Finos extractos ingJezes, americana
(rancezes em frascos simples* enfeita '
Essenoia imperial do fino eagradav
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo pnilocome verdadeiro.
Estrado d'oleo de superior qwalidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dille-
rentes tamanhos.
Sabonetas ai barras, maiores e menores
para raaos.
Ditos transparentes, redondos-e em figu-
res de meninos.
Ditos milito finos -em caixinha.para barba.
Caixinbas com bonitos sabonetas tmitande
tructas.
Ditas demadeira invernisada centendo fi-
nas perfumaras, ntuito proprias para pre-
sentes.
Ditas-de papela igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes no vos e elegantes, com p de arroz
e boneci.
Especial p de arroz sem oomposico de,
cheiro, o por isso o mais preprio paraorian-
C>as.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de campsora e outras differentes
qualidades tambem para deutes.
Tnico oriental de Kemp,
Anda mais coques.
Um outro sortimento de coques 'de no-
vos e bonitos moldes com fflets de vidrilhos
e aJgucs d'elles ornados de flores estao todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLUNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivcllas e fitas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador. .
Vinho degestive de
ckassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellentia para cara certa
das digestoes diffkes ecompletas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
produzindo urna assimulacio completa dos,
.limentos; sendo mais um excellente tnico.
NA
PHARAIACrA E DROGARA
DE
Bartholomen k C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNOICAO DOBOWMAN
lina do Brunt n. .
PASSANDO O CHAMARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assuear e para
algodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de oanaa.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques-
Arados e instrumentos d'agricultura.
Bescarocadores d'algodo *etc. etc.
Havendo om tudo variedade de tamanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
m=mm o& mmmmw^ m
/PJEIIX PEREIRA DA SII/VJL
.' proprietario d'este estabeiecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
ai yir surtir-se do grande sortimento que tem defazendas, tanto da moda como de
V-assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pe^soas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mats, aorta casa
Pfldero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porooes, venen.lo-se*lhes
"elos presos que se compram as casas ingiezas; assim como as excellenfcsimas fami-
ias, poderlo mandar buscar as amostras do todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabeiecimento, que se acia aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
Casimiras da moda
NA
IiOJA llO PAVlO
Lnegou pelo ultimo Vapor francez, um
grande e verdadeirp sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com Hs-
tras e com hstra ao lado, tewlo para todos
os procos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do que era otrtra qualquer par-
le, assim como das mesaas se manda fa-
zer qualquer poca de obra, a vontade do
rregaez, para o que tem-um bom alfaiate.;
Aos-qwinhentos palitots
a!8S e)SOOO,
Na loja do Pavo ra da Imperatriz*.
6ft, vndera-se orna grande poreo de ;pa-
htots sobrecasacados, e propiamente so-
brecasacos de panno prtftu, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos prec>*
de I8, -sendo fowados de-alpaca, e de
20$ forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado tuna grande -compra, seria
para multo mais nheiro, perm liquida-se
esta pechincha peles precos-ecima.
POPELINAS A 500 RS. O GOVAW).
la laja do Pavo, na rea da Imperatriz
n. 60, vende-se um -grande sortimento das
mas Iradas poupelinas ou 48azmhas trans-
parentes, proprias para vestidos e foupas
de creancas, com as maisaiodernas e bo-
nitas cores ; padrSos com 4istrinhas miudi-
phas, que se vendem pelo barato preco de
300 rs. o covado, pechmcha que ee acha
nicamente naloja de'Fetin Pereira da Sil-
va, na ra da imperatriz n. 60.
AS CAHBRA1AS W PAVO
Vendem-se fiaissimas^pecas de caantraias
lizas ^transparentes tanto ingiezas comosuis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
presos de $mO at 40))ie00 a peca, assim
come finissimos oegandys branco liso que
serve para veedos de bailes, por ser muito
transparente a ttfOOO, a vara, na toja do
Pava ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira Cortinados
Para camas e janeHas.
Veade-se um grande sortimento eos me-
Ihoree e maiores cortinados bondades pro-
prios^ara cama6 e para janellas, quee ven-
derla 12^000 rs. cada par at 23*01)0 rs,
isto na ra da imperatriz n. 00, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
M LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Achs-se este grande estabeiecimento om-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de"casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desojar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer.peca de obra, coma maior promp-
tidao voatade do freguez, e n5o sendo
obngados a acceita-las, quando a3o stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabeleeiraento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e ingiezas, ceroulas de
lmho e algodao e outros muitos artigos
proprios para bomens e senhoras promet-
b* $UIMAt>
>'
Explendido sortimento de
Alpacas tarradas de cores a &GO
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pav5o a ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro ce. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o oovado, foi
preciso fa*er-se urna grande compra deste
i'tigo, o qal grande pechmcha.
.tos dea mil covados de casaas
/ francezas
Covafto a 300 Covado a 300
Covsdo a 300
Covado Ovado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da im-
peratrfe n. 60 urna grande quantiade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padres raiudes e grfi-
dos, assentados em todes as ci3S, estas
cassas sao propriarnente franceaas, tende
transparentes e tapadas, com tent corpe
quasi como a chita, e alm dos padrees
seran muito bonitos,s3todosfixose seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
Wlia-se a 306 rs. o colado.
fifepartiHras a 3#0OO a loja dio
Pavo
Vende-se urna gramie porfi do espai t-
Wws moderaos com o competente confco,
t^ido sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3jt cada um.
8LVDAPOLAO ENFfiSTADO A 34600, S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
pom 12 janlas, sendo muito incorpado pelo
barato preeo de 3(j(6O0 ris, assim emo
pegas de algodaosinho com 16 jardas
.KiOO e S^OOO rie.
^RAIB PECIIICHA
A pataoa o covado
PERCALLAS A 20 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PEX.CALLAS A 320 ftg.
Na loja -do Pavo ra do Imperatriz o
GO, vende-se urna grande porco deper-
Cdlas francezas proprias para vestidos, en
d de cores ixas e mais larga que as chi-
com os desenhos -mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padr5es miudo? e
g-ados e-*ende-se pelo baratissimo proco
de 30 rs. -o covado, garantido-se estar esta
fazenda era perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 40
PALMOS DE LARGURA A 10800
Chegou para a loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pseas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o curapri-
mento de umtencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio: e vende-se pelo
_ NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis
lain
Tintura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida deGuis-
lam que ento era desaonhecid* em Per*
aambuco, j boje estimada e procurada
por seu effica resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeilo e a
experiencia tornar de lodos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem braa-
cos, e lhes restituir o brho perdido, e as-
sim como preservar de erabranquecer, sea
ser prejudicial de modo algom.
E' porm Becessario fzer conhecer, que]
O bom resoltado prodmido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham,. mais sim ser pre-
ciso far aso d'ella, trtjz ou quatro vezes,
e logo se obter o m desejado, como bem
provamlestemunhos tas, e d'ento perdante, basta usa-la duas
vezes ipor mez.eootaodo sempre com o bom
exiks.podendo a-eipeonoia ser feite em
outra sualquer ousa^^^^ i^
Asam pois esta egua-florldTcta*fr4 ven-
da na bem eonheoida loja d'Aguia Branca a
roa >do Queinwdo n. 8,
A Agnia Bransa, contando com a proteo-
cao -de sua boafregueaia, tambem apricha
emnolh'a detmerecer, precuraado sem-
pre corresponder a idea lavoravel com qee
a'honram, e em prova ao que Sea dito, d
como exemplo jo esplendido sortimento
que acaba de receber, ainda esmo achan-
emelhor se pode desojar nos eneros que
bo de sua competencia.
Haja vista aos necessarios iwos de missa
e oracao, obras de apurado g3to e peifei-
o, seno: com capas de madreperota e
tocantes quadros emaito releve.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros i
tando charlo mac'netado.
iuu cnarao mar,netauo. \jm mssal.
Ditos cora (utas de marroquim com cruz um banquiiiha dourada:
VK.NUEU-SK 0SSEO11MKS ORNAirF.NTOS :
Um cxcellenle e bem construido alfar
dourado e o respectivo estrado.
Quatro caslicaes e quatro palmas donra-
das para os mesmos.
Una pedra d'Aia.
L'm turibulo e naveta, prateados, tudo de
novo.
L'n: bonito calix de prata.
Dous omameutos, sendo um d los rica-
mente domado a ouro fino.
Duas ricas alvas com todos os perten-r
ees.
e guarnicao, ourada ou praleada.
Coroas e tercos de cornalina.
Assim como.

Grande e bello sortimento de leques
toaos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, oaso osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros iaponezes enfeitados
de flores.
Bonitas voftas graivdes de aljofares azues.
Voltas de ceirenia de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de To de Escocia abertas, tambem
para rnenhias e sentwras.
Ditos muito 6w d'algodo, alvas, e
croas para myninas e senhoras.
Luvas de lio d'Escocia, torcal, e seda
paja meninas e senhoras.
Meias de lia f ana bomens, mulheres e
memnos.
GolKnhas e pwmos bordados obra de
incito gosto.
Entre-meios ines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
ipara enfiarta.
'K OS PRODIGIOSOS .
Amis-e collares Royer para creancasr
Bonitos cabales ou bolskibas de pelica
e setim para m< juinas ou senhoras.
Linda&e'estinlias bordadas a freoo, e lisas.
Delicadas caexinhas devidio enfeitadas
com podras, abofares, etc.
Ditas-de tartaruga para joias.
Bonitos alb*ns com msica.
Piaseis ou bunecas para pon de arrea.
Noves e delicados ramos i Je flores com
marrafes para enfeitar coques^
Bello sorti'arwnto de trancas depalhe.
FM*s-largis. pata-cintos.
Gatos de litas lacgas com Iwnitas rama-
gens.
Brineos & alfinetes- do madreperela.
Ditos es'twdtados, obras novas e bonita
una-
Seis bouilos quadros com finas
gens.
Tudo por muito barato proco, a tratar
na loja da ra Nova n. 11.
Garante-se a casa.
Livre e desembaracada de impostos
VcncL-se una armado invernisada o pafte
vidriada, existente no pavimeno terreo do sobra-
d n. 1, sito ra do Cntuveilo, que faz quina
para a ra de S, Goncalu, )>em romo as de mais
heml'eilorias, eSadieiro de w, eauleiiM-, etc., lu-
gar apiopii;;do para ijualijuer Mtabeeehneni.i,
inonnentR taberna, e tem accommodaoes nosfun-
dii? para familia : a tratar nao f sobro oseualu-
M eom Manuel lii' eiro de Carvalho, rua do
Queimado, loja de. fazendas, <|ue garante a casa a
quem flear com arma fazer nejneio cobre a m^ma.
Paris, 36,RuaVivlenne, LV
CHABLEmedecin
A8ENTERM1DADAS DESSEXUXES, AS TRO
CQES CUTNEAS, E ALTPUCQES DO SANOUX.
~"~"3000 euras duimpingti*
jnutuUt. henil, mtm
uerfo*, viciotot do ______]gu4; ru, alUrafoti
do langue. (Xro^e wgelul sem mercariol.*-
rUTM ce4e barbo* hirerak*
tomo-se dous por hmiii, i(ntndo tneuente
bemrativo : en pregado bu aesmas olesliu.
i EsU Xtrope CilracW i
Un* dt CHABLB. car
imediiUmenteqlqBW
ente os fluxoi $ flortt branca* aas mufcerea.-
Rit injoccao benijn empregt-M eom o Xsreps i*
Citracto de Perro.
HmmUm. Pomada que ai cara em tres fea*
POMADA ANTIHERPETICA
Contra i au tffecfou cutneo* comucoM*
PILULAS VEGETAES DEPURATIVA
4o v CteMn, taia UrtMO vti MOMaptaad* *
Mifcttete. __________ ^
Vende-se una easua de lolaeo de 2,000 li-
jlos: queui a pretender dirija-se rua da Ca
nova n: 15, que se dir quem vende, a dinbev.
DEPURATIF
io SANG
PLUS DE
COPAHU
oos
oo?
000^5
08
OfS^
oes
090
OO'C
oos
oos
008
? aja[(oo ejBd ooe ap soojog
'**'""* Op^SdA
p mnjqap ejed iy gp s>a
* -soaenbad soijq
epeJnop
wapiom 03 soptHjS soqiodsg
oooad opoj ea33 ^) seoguuy
uapjo.g qauoo meo og}j3
*'wznp s*pjef oes ap qon
" 9ja|(j BJd tuipeojoqv
.....e utz
-np suomoq Lued -eenjo seaar '
i ,......O0W
088 00 * Oirund ied S>2loq 9p sojcj
* '60em tued saaujq se3u9*i
Bqogj cjutt moa SBjeajey
09*
OOWif
O0Q9Y
OS
ose
09
008^.
09
OOT
07CT
006
e.*nof op saoioqop saoao
~ 8UUU> BQ UK BJBJJB9
* o 009- '00 '009 'OOS
8 0*am-3jHU9 o soquipRqen;
* a-OOS OS l '00* '08 ? op
-ep^ni s* sBpoi p ajouoqes
e esoq3q,-ap oejo uioa soaswj
........b sep
"efoo aie c*|iif ap soipao^
* Juqaoq caed sequi] ap SBjqiq
* 0 SJ OQ .B CJUlj U10D S03SBJ j
""'"* B SBU.Q.
a tunaso e.iud siunosoqx
*......B SBU
-juaai ejt'd bsoabjj op sajuoj
B U.liepL'pjaA J9AU
wuo|od ep nSc
barato preco de 10800 ris cada metro, tendo-se-lhe vender mais barato do me em
I
Vende-se terrenos de prodcelo o com
arwres fructferas e prximo a esta-
co dos trilitos urbanos do Recjfe
Olinda e Beboribe, no becco do Espinbeiro,
podeado quem quiser dirigir-se nos domin-
gos, a sitio o. 6 na estrada de Joao de
Barros, e nos deraais dias, rua da Impe-
ratriz n, 68,
IU2 fiAZAZ
Cbegoa so atigo deposito de Henry Forster 4
C, rua do Imperador, um carregaraento de ca
lie primeira qualidade; o qual se vende em partida.*
e a retalho por menos preco do que em outra mu
quer parte.
CUEA DOS CALLOS.
PKIA
Pomada galn-pean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartbolomeo 4 C.1^
34------Rua larga do Rosario------34.
Vcnde-se um sitio nos Remedios, ou permu-
ta-se por nma casa ne#ta praca : os pretendentes
dirjam-se rua do Caldeireiro n. 42.
tendo sta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranj'os de familias, sendo
.grande pechincha pelo preoo.
COBERTORES DE L PARA O INTERNO
DE 3^000 60000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores oabertores, de
15 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 000 cada um, em relaco s diffe-
rente qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTEN10
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem oara
luto a 30000. v
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito Gnas a 34 e 46000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
avara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
Chegaram para a loja do PavSo um Jle-
outraqualqucr parte. Na rua da Impera-
triz n. to, loja e armazemde Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de aJgod5o
;om 8 palmos de largura, adamascado a
W200 a vara; dito de linho fazenda muito
uipenor a 30200 a vara ; gnardanapos de
mho adamascados a 40500 a duzia e muito
3nos a 80000, e ditos econmicos a 30500
t duzia.
U100 S03SBJJ
-Bjaap zreqB so^oafqo so opuOTianb ?ist
ivH0di3x vamoK osmow
ESCRAVOS FGIDOS, _
Eseravtr fugi^^o
Fngio em 23 de jarkeiro I80ry, 0
vo Matbeos, de meia ida,de, csr prUl f'.f
grossa, bexigo.so, teta pela.* cosas ccatr;
zes de bacalho, tem urna TOSPga no canto"
do nariz, os r/s foyeiros, eorpo reffuiar
nba sido do Jim. Sr, Agostinko Eeocad
Vteira, t-m Panellas de Miranda, que hi
poucos nu-zci de Id vcie %ido ; pede-c-
as autoridades a capiraes de campo de^o
pegar c trazt-retn a seu senlior Jos Car-
dozo de S. na na xa ngoia nolieci'a
n. 2 ; e o mesmo proasto contra qualauer
pessoa que o tenha aceotdo e ratifica-^
com 100*000 a quem o WM GonS'a
andar pelas maltas de Olinda.
30
fiV-
^TzaoLiiw ao tj^ot
oo Yim-ss n
As autoridades policiaes'e a
mmsmi
DE
para homens, senhoras, meninas e crianzas ; na
loja daExposicao, rua Nova n. 8. Vende-se por
preco nmi commodo que em outra qnalquer parte.
Arma Vende-se ama armaclo de amarello iavernisa-
da envldracada, por commofln preco : a tratar
na praca da Independencia ns. 34 e 36i
um
rtimento as mais lindas alpacas
ilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitado
de seda, as decadas cores que existem
ueste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de6i0 rs. covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, sen5o
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavo, a rua da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
i estidos eom dnas salas a V04
Chegaram para a loja do Pavo rua da
Imperatriz n. 60,. os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mondo, vendem-se
pelo barato preco de 200000 na loja de
Flix Pereira da Silva.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 10000
Na loja do Pavo, vonde-se superior alpa-
cao ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 10000 o
covado.
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ Dt JUNHO
Luegou pelo vapor de 14 do torrente,
para a loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. ou, um bnlhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes deeda,
para vestidos, tendo padres miudinhos e
graudos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta,que se vende por
preco muito rasoavel, no estabeiecimento
de Flix Pereira da Silva.
Babadinhos baratos na loja
do Pavo.
Vende-se urna grande porco de baba-
dinhos de todas as larguras, sepdo com os
babados verdadeiros, por urna terca oarte
de preco que se vendem em outra qnaquer
loja, s com o flm de acabaivse com este
artigo, assim como taqfcem se vende urna
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na tojj e ar-
mazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60r
de Flix Pereira da Silva.
CHEGEM"
AMANTES DO BARATO
que est flnaUsando a liquidaeo da rua do
Crespo n. 17 de Autunes Guimares & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos de labvrfato. fronhas, bicos c rendas da
trra, cortes de tarlatana bordados para casto**- edrto d ves.idos de Sraia
SJdi,..,paC^ dG I*8. )SaS 6 dC ,Sl,'aS' preCa!aS -?inadc boni,os mosZszqu -
nhos de caseinna para senhoras, saias bardadas e bafes de todas as qualidades etc.
fra da iiqudacio
Ricos cortes (Je vestido de blond, recehidos pelo ultimo vapor. >
Pompolinas de gostos especiaes. jue muito agradan),
Gorgorees lisos de cores para vestidos, fazenda ultiiiamene thegada.
Colxas de seda de todas as cures,
('hitas afostuadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras e cbapelllnas de novo gosto.
Esleirs da India proprias para forrar salas e quarios.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos.
Tapetes avelludados para covados: e outros muitas fazendas qne s vista se
e a reahdado do baraleiro.
quem competir.
. No da 9 de maio do correte amo fu-
gio o escravo Esequicl, crioulo de 30*.32
^nnos de idade, estatura regular, reforcado.
cor bem preta, cabera redSnJa, bajava ca-
misa azul e calca de casemira cinzenla; du-
rante o da costuma andar ganhando as
roa?, ou em armazens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; durante a
noite recolhe-se a telfreiros abortos ou pe-
ndraveis, a casas em construeco e a ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem oapprehender tenha a bondade
de o condttzir rua da Aurora n. 26, onde
ser gratificado.
^Desapparcceram, sabbado a
.noite, 3 do corrente, do enge-
nlio Perercas, freguezia do
Rio Formoso os escravos se-
gumtes: Luiz, alto, preto, cheio
do corpo, pes mal foitos, com falla do
um dedo, idade oo aunos, viudo da Para-
hyba do Norte, e vendido por Damio Pe-
reira dcOliveira; Francisco, idade de 18
anuos, bem preto, mas muito chato, bom
corpo, cria de casa; Izac, que foi preso hon-
lem no Recife disse terem aquellos ficado
na estacao da Escada. Pede-se a apprehen-
so dos mesmo, que devero ser entregues
n aquelle engenho, no de Massauass, fre-
guezia da Escada e no Recife, escriptorio de
Leal Irmao, promettendo-se boa gratn-
flICUE
ROVER '
VERITABLES
unv^\
NNEAU
1 ROYEH '
Jhe S* Martin, p^.
't'? TIF..' BU
V
"" "* vi
Fagio no da 18 de julho, o escravo En-
genio, preto crioulo, do idade do 50 annos
pouco ma.s ou menos, usa de bfoode tnr
calvo, altura regular, magro, pernas finas,
suppoe-se andar pelas bandas do Affogado
ate-os Prazeres ; quem o pegar leve-oam
ao Trapiche no Hotel do Universo n.*2 que
ser generosamente gratificado.
O terdidelro COLLA KM BOTXB, os nicos approvados pela
Acadmi de Medicina, tem assim como os neos ontros prodnctoj
attrthiao i cupidn dos falsificadores, que para facilitar sua criminla
induatria nao se pja, nem receia annunciar Tender falsos CoiXAmna
P* onua. En previno as familias para interctae de sena ilhoa
qne, para erilar fabiBcncoes, deiem ex%h-, que meas Coiuiu Ibes
aejao Tendidos em calas de tambas de encaiie e corredias conertai
por etqueu. com minha marca de fabrica e encerrando na
prospecto circunstanciado, e selladas por nma medalha eom oletireirt.
COUAR ROTEB. Roe St-Irtin, 225. ParU.
Fugio no dia 9 do corrente mez do
engenho Sant'Anna da comarca do Porto
Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
lar, de 2 annos pouco mais ou menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pnhados, foi comprado na cidade do Re -
cife, para onde velo da provincia da Pa-
rahyba; e bem assim o escravo Manoel
crioulo, de 22 annos. estatura regular,
tem um dentt) quebrado no qtjeixo superior,
bem preto; quem os apprelicnrJer leve a
casa do negociante Joaquim Rodrgaes Ta-
vares de Mello, no Re'ife, ou no referido
ewrenho oue ser bem recompensado.
MUTILADO I
*
tUt .. -^,..:i.V


I. ..


Diario, de Pernaipb\ico Terca feira 3 ,de Agosto de I8p9.
11
AS
A GERAL
CMARA DOS SRS. DETf TAOS
SESSO KM S-DEJULHO.
PRESIDENCIA DO SR. MCBUS.
evidente qne rilo era sccitarfel asta
justificar); puque, anda quando fnsse
exacto q lificUI estivera ausente.
ii quo direito assim proceder elle-, sem
nvnandante, na ao menos
sem transmitir o command o ao oflicial sen
inmediato, |ra nao prejudicar o servia e
nio icarem sein respota os officios do
commandante superior ?
J que fdlei em armam uto, permitla-me
V. Exc. que eu diga ligninas palavras a
este respeito.
Quando asyiBii a adminStracSo de Per-
nambuco, os c/rpos da capital quasi esla-
vam desrmalos. No arsenal de guerra
nao ha vi a armas, como eu pessoalmnte
veriliquei. ao nass que constava das car-
gas do almoxanfadu a saliida de grande
quantidade de armamento.
O S. Augusto de Oliveiiw : Por
ordem doSr. Silvehra 4j.ebo.
O Su. Conde de ^AEPEM'V: Nao se
por ordem de quera. J declarei que a
nthgnem acenso, pstoa me defendendo.
Alm do armamento entregue directa-
mente, tarabein sahira para o palacio da
presidencia. Por om exameqoe su fez na
escripluratfo do arsenal, soube-se que o
ajudante de ordens da presidencia rocetaffil
porefio de armamento e munico. Ninguem
dir que um ajudante de ordens se/a pes-
soa competente para receber e distribuir,
WBWBft. pois, o Sr. v*e-f flkidcnte daa
[liuwM que TtwmaiiMfWL>Ho *e acb'va1
ospa&ado pelo interior *r provincia (apgia-
dos.) e temendo abasos, a-iri8ta* das [ten-
dencias de alguns commandante da guar-[.
lia nacional, resol \eu OFHfeJque .esse
armamento r'oss tgcot^o. SMuve urna
grande tata fSaJs consegui-lo i e anda
Ipn nao se pude armadar talvez a sexta
parte do armameb'flWf crtnstwn tersido
distrdHMk). Foi mwter mand-i ofliiciaes
do corp >osiwms, e orde-
na avisados: pan esse wrnro -eletores adrado lie dons d~s
e supplentes. marquez de Olinda linda agora repele isto
a de aue nem ao-menoi <0fe VUPUL
foi
0-4* juiz de par : havia
Como prova de que nem ao- menoi ^SILiH
senti em actos ampadeaWtt parecer aba
nesse sejUido, lfri a ordem que
sobre un que ebego a hume
porque m nao poda sanecionar
es abusos. (Apoiados.)
Mande Vin. pdr era liberdade o apitoU,
da 5.a baialho da guarda nacional desle -
municipio Francelino Francisco Paos 1}
to, preso ordem do commandante inl
no do mesura batalho. Deus guarde a
'gafe de
I resp
u* ai-ci;
e polica ro ouvic
i ondea sattefactor
impanoefjfjs
BEtLi comarca
yak.Conde de itoepe-wbj.Sr. comraaa-
dante do corpo provisorio do polica. >ort<
Este expediente do 'Ha G dosel llHL
vespera da eleico, e devo declarar cama-* jto^^direito de Olinda, pelo qual orda
ouvido a este
iriamenle a
ente-coronel
obtiverara
marca de Olinda
o forara sollos.
odia deixar de fazer,
relacao do dstrielo,
tJ^iPb, que V.
leia:
Acnll&cm relacj^Ac. Que feito ij
artajrio B4>Wj'lo. dao provi-
0Ho interposto ex-ollicio pelo
ra que este capito foi preso por falta que
commetteu no batalho, e foi o comman-
dante guan o mand >u prender; mas diisde
que mp onstou que elle era eloitor ou sap-
pleule. mandei solta-lo; de maneia quy
muito a tempo pode acliar-se no lugar da
sua residencia.
O mesmo liz a respeito de Lourenco
Ignacio da Luz, supplenie de eleitor em
Iguarass. Da prisao desde cidado, e de
mais outr.0, que era eieor na mesina paro-
cliia falla o Sr. marquez de Olinda exprs
smenle, mas fique sabendo a cmara quo
estas prisoes foram 'eilas por um subdele-
gado amediatamente mandou soltar o elei-
tor, e como ignorava a circunstancia de
ser supplenie o outro, remetteu-o para a
capital; porque V. Exc. sabe perfeitament!'
que oao fcil conbecer os supplentes ;
S'ria.preciso ter prsenles as actas para se
4ode saber quam. sao elles; entretanto
nwndei ptO em ttberdade no meauo dia
, G, em que elft all chegou.
irrffin.i'^ftiril iii'igida ao commandante
das arans :
i : n. e Exc. Sr.Jleud; V. Kxc. po-
em Iwrdade o recruta Lourenco Tgri^cid 4
Luz,, preso pel subdelegaiio dtlguarajs.
e remettido por esta presidencia, para o rte-
posit(i.db recrulas.Deus ,'uirde a V. Esc.
-Conde Ba?pemly.Sv. general comm til-
dante das armas.
do-
nar ai auloiadades policiaes que os auxl*
iiissem na srrecadnc
' V, portanio, a cmara qnanto infunda-
da a aecusaco pela dispensa d tenente-
coronel Jo i do S.
Nos ap.wtamonios pivstailps**Sb lloarado
Sr. nuH^uei -scajiau a h)uc5o de mais
i#o.us ct>o>Hiand#tes qn ou di^pensei do
orrieio*. &e.sr.4Btta de. jnlg-ir de meu
procedjmeiito e se accusa-eoAfprcsiiletite
exponbam-se lodos os factos para serem
compreliendidos na sentenca : jio se omit.
laro/alguns para d p>U same fazer nova
carga.
Saiba a cmara quo eu dispensei tambem
nS Srs. l.'nnntps-comneis Jo5o Paulino da
(anta Geuva e Feliciano Cavalcanti da
Cunha fe^, commandantes do 12 e 13a
batallioes da guarda nacional de Goyanna.
Assim despensei do exercicio cinco com-
mandantes da guarda nacional, antes da
eleico de 7 de setembro. Era possivel
que eisas dispensas infiuissem para a der-
rota da opposico no pleito elcitoral de 7
de setembro, quando a mesma opposigo
concorren com todas as furcas, com todo o
vigor ? Crefo que ninhuem o dir.
E urna vez que fallo cm dispensas de
que o Se. marquez doOnda nao tratou,
porque muito desejo qne sejam conliecidos
e aprtriados todos os meus actos como
presidente da Pernambuco, devo dizerque,
alm desses cinco ouciaes dispensados
antes da eleico de 7 de setembro, dispen-
sei ainda cinco, depois dessa eleico, a
saber : coronel Antonio Xavier de Mora es,
nmandante superior de Villa-Bella, coro-
nel Moque Culos de \lcncar Peixolo, com-
mandante superior de Oabrob, tenente-
coronel Antonio Seraphim de Souza Fer-
raz, cbeffl d i estado-maior de Tacarat. te-
nente-coroni'l Salurnino Jos da Silva, com-
mandante do bataJhjfl n. 48, e tenente-co-
rone! Man el Florencio de Alencar, com-
mandante do batalho n. 5. Assim proce-
d n3o sd uaate poryue Uve prova irrecusa-
vel de que esses officiaes[liaviam intervindo
indebitamente na eleico de 7 de setembro
e principalmente o lenente-eoronel Souza
Ferraz, como porque todos elles, longe de
auxiliarein a aeco do governo cm b m da
seguranga publica e manutenfo da tr n-
quilidade araeacada de alterafao no alto
serto, llie causavam difficuldades qae era
preciso remover, sendo o meio mais promp-
to que eu tinha de faze-lo a sua dispensa,
at que p govereo "imperial resolvesse, o
qual approvou o meu acto.
Disse mais S. Exc.: Foi no lempa do
mesmo presidente que se fes urna derrama
de tropa por toda a provincia, ordenaado-se
ao mesmo tempo que fosse a polica quein
designasse os guardas nacionaes para os
destacamentos que se exigiam; e para isso
eram indicados eletores e supplentes li-
beraos.
c Fez-se a derrama de guardas por toda
a provincia, elevando-se os destacamentos
em algumas partes a 400 pravas. J se sabe
quanto devia custar aos cofres pblicos cada
bandeira dessas. O destacamento de Esca-
da era de ti pracas, foi elevado a 20, e
a estas reuniram-se mais 50 que foram re-
quisitadas pelo delegado. Essas requ9i-
coes faziam-se indicando os guardas que
eviam comparecej, ndicavam eletores e
supplentes, desfalcando assim o corpo elei-
toral. No manifest do gremio liberal faz-
se menco danomeacSo de um delegado de
Pao d'Albo e um subdelegado do Poco da
Panel la, que nao deviam tersido nomeados.
Em Papa ^ga reuniram-se mais de 400 pra-
cas para garantir o voto livre. Eu.quizera
saber epmo se fea essa despeza, mas isso
nao para agora.
Para alear a populacao cercaran era
Iguarass, na madrugada de 28 de Agosto,
a casa do oleilor liberal Manoel Ignacio da
Luz, prenderam sem motivo couliecdo a
dous de seus lilhos, sendo um eleitor e ou-
tro supplente,
Da forca aquartella na capital,. Sr. presi-
dente, apenas salnram 146 .pracas para toda
a provincia, como j declarei, e isla em
virtude de requisico que receiai das autor
ridades policiaes, ,o,ue allegftvam aaq pode-
cootar com o auxilio dos commandan-
tes da guarda nacional; o que consta do
Diario de Pernartibuco. que. faaia a publica-
cao dos actos do govecno.
Nao exacto a,ue euordfinaMere aeao
poda fazer, at pelos meus hbitos de mor
deracao, que a polica designasse guardas
nacioaaes para os destacamentos, e que
nou a soltura dos res o tenenie-coronel
A'.exaiidriuo Ferrera de Alcntara Miranda,
iMartiniaiio Fragciseo de Jess, e Francisco
Tlieddoro de Maeedo, IndicMbe am diver-
crimes Bau>iniaVs, pi; m devAra preceder a auarentia-'d* au-
toridade que deoretetfa prisao, e de quei
o recorrente deVira reipaisitar os esclare-
'im'.utosiiecessarios acerca deWa, isto cm
observancia da expressa despositSo do art.
:">i do cdigo do processo, que ^Ue nao
guardn, e que s no caso de iropossibi-
dade dispensa esta diligencia, que urna
garanta de boa decisfio as causas de
habeas-corpits, e qne era tanto mais ne-
cessaria na especie, quando se tratava ide
crimes graves e de importancia.
E nem salva o recorrente de pre:ipi-
taco e llegalidade cim que proceden, o
dizer em seu despadio, que havia dillicul-
lade em obler os esclarc. imentos, pois
nao havia tal, nem impossibilidade deexig-
las, quando mandou no dia 10 de soleinbxo,
que no uia segninte As duas horas da tarde
fossem coiidaxidos e apresentados em )oiz.<
os pacieates, visto que bou ve taflta fcili-
dade para se cmnpnc a -ordem dessa con-
duicaoe aprescRtacao, qiionta para mandar
onvir e obler os esolarecimenlos do dele-
gado <\# Iguarass, onde eslavam e donU
foram conduzidos os dteutws. > E se
tempo era pouco para essaHiligencia, cum-
Disse.B. Exc. que se tinha feito derrama pria ao reeormnte o dever de marcar prazo
de guardas por toda a provincia e elevado [ rajoavel para t>"-.ir ao dolagado.. i cuja
o destacamento em alguns
a 400 pravas
lugares.
Nao dei tal autorisaco ; pelo contrario,
procarei cohibir o arbitrio que tinham as
autoridades policiaes para deprecar forca e
ser-lhes ella concedida.
Eu lere um trecho do meu relatorio
apresentado assembla provincial no
qual trato dcste assumpto :
Quando entre no exercicio da presi-
dencia achei aquartelads na capital .026
pracas de pret e 8o Officiaes da guarda na-
cional, para fazerera apenas o servico da
guarnico, e nos ontros municipios destaci-
mcotosda mesma guarda, mais ou menos
numerosos, conforme as reunisicoes- que as
autoridades-tmham permissSru para dirigir
aos respectivos commandante.
t Considerando na avulrda despeza que
tamanha forca acarretava aoj cofre* pbli-
cos, e.querendo conciliar a necessdal
tinham os municipios, principalmente os dei
interior, de gente que Bzesse a guarda das
pcisoes, provesse a seguranca individual e
nvifiotenraoda ordem publica: por del
beraco de 11 de setembro, red azi a 717
pracas de pret e a :il oiieiaes da guarda
nacional, o numero das que se achataron na
guarnico dest capital, determinando
de dons em dous mezes revi^sassem n
servico os dilecentes batalhoes. que com-
poerfi o commando superior do Recite,.e
por outra deliberac.o, de 5 de novembro,
regularise o servico dos destacamentos li-
iando-os pela forma seguinte :
Deixo de ler, a tabella por ser extensa,
-della se v, porem", que, com excepcS) de
Buiqie e Aguas UeJlas, onde a polica pre-
cisava de maior faajMMMap lili tinham
havido dous asfS tff" rom
metliain a seguranca publica, uenlium des
tacamente era de irais de 20 pracas para
cada municipio, que alias se comnoe de
duas o tres parochias, e um outro tera
urna s.
Disse S. Exc. que havia de procurar
saber quanto tinha custado osla bun-b-ir i...
O Sn. B.vimos Barreto:Custou ni
do que a do Sr. Silveira Lobo.
O Sa. Condk de Bakpendy : como
se fez essa daspeza. Eu tambem tenho
desejo que se saiba quanto se gastn com
a forca publica durante a ininha adminis-
iraco ; mas a cmara ha de permittir-me
que eu igualmente procure obler informa-
f i acerca dajdespeza que meus aniecesso-
res i/.eram com semelliantc ramo de servi-
co, [para qucellaseja tambem ce (\poiados.) Euhei le consignar isto amen
requerimento.
i No da 25 do mesmo mez foram cer-
cados e varejados em Santo Anto, sem
nei huma das formalidades exigidas na lei.
nao havendo
Benlo Velho, do abastado tenente-cone,A
Pedro Pereira e os do delegado najor Joa-
qnint Pe'ssoa, do tenente-coronel Francisco
Jos Alvares, do octogenario Antonio Jos
Alvares e mais as casas do ex-subdehgado
capito Paulo, do juiz de paz Geraldo de
Barros, e outros; e ludo isto com o pre-
texto de apprehender armamento.
Sr. presidente, a respeito dos factos ar-
gidos s autoridades de Santo Anto
nenhuma representaco me foi dirigida.
Leudo, porm, censuras a essas autori-
dades, e nesse sentido, n'um peridico que
se pblica na cidade do Recife duas vezes
por semana, que nao deixava de .procu-
rar invectvar-me constantemente, e at ii-
juriar-me, o que nao era bastante para que
eu deixasse de l-Io, porque podia, apar
desse desregramento, haver alguma coosa
sobre que eu, como autoridade superior,
tLvesse por dever providenciar, exigir h-
formacoesdo chefe de polica: e vista das
nformacoes que me foram dadas, reconli
ou ao menos pareceu-rae, nao ter i.vUo
abuso da parte daquellas autoridades, as
quaes procura varo, arcecadar o armameoto,
que os commandantes da guarda nacional
decaravam que nao exista em seu poder
por ter sido distribuido pata o servioo
polica; eram aecusadw algumas pea-
de terem esae armamento escondido e en-
terrado em seus engenbos, e foi em virtu-
de dessa denuncia que a autoridade man-
dou varejar urna ou outra casa,
eeito apperhendecam-se algumas armas.
Tem-se dito e tem-se fallado mujlo, Si.
co s#MB os preso
e nem podendo liaver inconveniente e antes
toda vantagem, em proferir sua decso al-
gumas horas mais tarde, at a respostaiiie
delegado. E' dever do jote nao julgar pre
ipitaii imente o sem as formalidades legaes.
O nico fundamento da deciso recorrida (o
mais que se narra nao contem materia rele-
vante, estarem os reos presos sem pivj-
cesso por mais tempo do que marca a lei
no art. 118 do citado cdigo.
Mas, alem de nao ser evado que a
prisao tivesse excedido o termo ite onodias,
porque tendo-se ella effectuado no'dia 3, a
saltura verilicou-se no dia 11 ; a le nao
b'qlece, nem podia estabelecer absoluta-
mente o termo d: pito das para{)rmafo
da culpa, antes previo e recflntoSUieein
muitos casos era isto impossivel," ^stbele-
cend > a excepeo da 8ffllnCu de negocios
pblicos, ou qiialquer outra dilliculdade in-
supeiavel; excepeo-que colloca e jui/. m
obrigaco" rigorosa de nao mandar siltirao
aede hernia corpus, antes da audiencia
da autoridade' que mandou prender,
quando o fundamento da ordm de soltura
consista, como ha especie, nicamente no
faeto le estar o reo preso por mais de Oto
Iw, obligaran que o recorrente deixou de
cumprir. Portanlo. dando provimento ao
recurso ex-officio, annuilam e re.vogam o
despacho de' soltura dos referidos reos,
pagas poreHes as custas.
t Recife, 9 de novemoro de 1SG8.-*- San-
tibg, P. P.nomin 4a Albitqitergue.Gflrana.
E o Sr. niarquez de Olinda. fundado no
babeas corpas asstrn nullicado, c sem in-
dajjflr^ prOcedimento que tive sobre este
f.icto, aecusa-me e diz que elle passou sem
reparo meu!
A deciso da relafab foi unnime. Por
eonsequencia, ) v V. Exc. que ueste fado
nao entrou poltica (apoiados), nem foi elle
devido a eleicoes.
Tambem allgoo S. Exc. a prisao do fe-
riente honorario Torres Galindo, em S.
Benlo.
E' exacto que este tennte foi preso em
S. Bento. Estava elle eommandando o des-
tacamento'.nesse lugar ; nao posso aflirmar
mas treio, pela oxposico do Sr. marquez
de Olinda, que ete accumulava todos os
empregos: era commandante do destaca-
mento, era subdelegado, era eleitor, era
voleador, etc.
O Sr. vce-presidente dispensou-o da-
quelle servico, o demittio, e ordenou que
elle, como militar, se apresentasse na ca-
pital ; porem elle o nao fez, entretanto que
procurava fbadjuvar aquellos que se pre
paravam para o disturbio, tendo oceuldado
no quintal de sua casa armamento per*
alguns engenbos; entro elles o engenho de tencente ao destacamento. Em vista disto
conduzido por ma escolta a pe e awmpa
foi preso pela autoridade policial e remet-
tido para o Recife. Ah, porem, foi logo
solt, porque, se havia falta quanto de-
negjco das armas, encontradas escondidas
no quintal de sua casa, devera a autoridade
policial fazer-lhe processo, mas nao pren-
d-lo. Solt esse oflicial, mandei que se
apresentasse ao commandante das armas-
para o empregar no que julgasse conveni-
ente.
Aqui est o granda barulio feito por
causa da prisao do Sr. tenente honorario
Torres Galindo, cidado que nao neg que
seja muilo digno e.que prestasse relevan-
tes servicos no Rio da Prata, mas islo nao
O autorisava a que, quando vollasse para o
Imperio, deixasse de cumprir as urdens le-
gitimas da autoridade.
Disse mais o Sr. marquez : Por todos
os pontos da proyincia_ o recrutamentq foi
urna das armas da polica.
Em todo o tempo da minhaadmnistraco
saiba V. Exc. que foram remetiidos para o
exercito, durante sete mezes e meio, 83
as, e para a armada, ao todo 4T0 ; e
tendo attendido aos qae tinham isenco,
foram mottos os recrutados que mande:
soltar, o que abona os recrutadores. Eis
o grande recrutamento que se fez na pro-
vincia de Peruambueo I .Talvez eu pudease
ser aecusado de nao o ter activado, i
conl'esso ingenuamente a V. Exc. eu rfeco-
nhecia que aquella provincia havia soffrido
muito, nao quera concorTex- para aggravar
mais os seus soffrimenlosv (Apoiados.)
Fallou tambera o Sr. marquez de Otnda
qu
3'
ell
salvo o caso de algorn dnpli'.trta/oqiWnid"
poda ser pievrstn
Sr. presite, confesso al\| Ixc qie
este facto pitrytoJnf proftindiitente
embora o espirito' provocador do proprio
acente tiveste sido acama da sus Wfsf,
Exc. per-que, por i;to, nao parece i viiencia para
algumas pessoas ; nao. porm,' pnraoiiwi-
rado depnta lo que et sen'rlo presente
me de direita 4e V. KxQgHprSr. Correa
le Olivcira), pownfci^ette loga que te\"e co-
nhecimapto de|te facto ip#ovou-o com
toda a energa : eu conservo em m?o po
der uinacartaqueo honrado raembro dkgJ
sobre esta oorrenei~ao chele de plkia
da provincia, que muito o honra. (Apoiados
dadoj)utao4opernamlueana.) O uobre de-
piad) nc. procurava descon'iecer o desvo
loalguns do seus amigos, condemnava o
facto, como eu j disse, e nenhum embara-
C0 proeurava por ao procedimento que a
administracJo devia terem caso tal.
Para desculpar o facto, que eu direi mes-
mo attentado, porque quando eu condemno
nao procuro inquirir de que lado esta a par-
te que absou,dizia-se..qe este juiz de paz
Monteiro, durante o.tempo era que exerceu
a subdelegada em IiambJ, linlia praticado
muitos vexames...
0-Sr. Co.ire.v dk Ouvkirx : Chegou
a prender o prouiotor ubtico da coowrca
em audiencia, som motivo algum.
O Sa. Com)V. dk. Baepe.ndy : '..'. ti-
nha pasto no tronco diversos individuos...
O Sr. Coiuuv dk Oi-ivkira : De fa-
milias distinclas do lugar.
O Sr. Conde de B.u:'i.m>y : ... ti-
nha procedido imito inconvenientemente.
Segundeas informa-fe; rpj) oolh, o fac-
i prove?, Sr. presidente, de n;m alterca-
cao, crea at, qne ni roa, se b mi me re-
cord.
O Sr.. Souza Rk.i^ : Foi slo exacta-
mente.
O Sr. Conde de Bak.i'kndy : Proveio,
(?os, o facto de urna altercac > na ra en-
tre o 2o supplenlre do subdelegado, que
i posto
fue se fizen de um indivrdooimdoricury,
)u4ivi.]uu > *qaa m caso de ser re-
mudo, mas que o fri por eapncho e se
ettera pete Cear, jamediaumente so-
icitei do digoo presidente do Cear as con-
venientes ordens para rjfo Wwrose
ewhbardade.
Tal erf, Sr. presidente, o desejo que en
tinha de que nenhuma violencia se prati-
casse contra o cdad"o, .tal a importancia
que eu dava s reprsect*^es pravadas.
(.^oiados ; muito b'-na ) Fiz mais: ao l)r.
clrfe de polica, officiei par que conliecesse
do faijlg, atim de que se Bzesse effecva a
respcmaabilidade. cmo no caso coubesse.
.Muito bera.)
Fajlou J.ambem o Sr. marquez de Olinda
em actos de^tiblencia, occomdos n Thju.
cupapo, noAllinho e na Varzea, proposito
de eleiedes, IgnutOrO ; nunca OBt fallar
em semelhantes actos, nem aorediP que na
freguezia da Varzea pudesse haver dtsordsm
por occasiao das eleicOes ultimas ("apoiados);
na freguezia da Varzea, para onde V> ne-
cessario levar a desordem e susteota-U com
o apoio da auloridade, para que'.os conser-
vadores nao vencessem a eleicio.em 183;
O Sr. Sorx\ Rkisi Apoiado; adi
hou\*e entSo violencias de toda a ordem.
O Sr. Conde de Baependy : HouxP
e ainda assim julgaran)
nao exduir da lista do,
do Sr. baro de Muribe-
i
presidente, j na imprensa, j na cmara na prisao do ftu. de paz de ltarab Antonio
vitalicia, sobre a prisao do.teueotewjofoel Rufino Monteiro, qoe se tem procurado m
Alexandrino, de Manaatc. Diz-so que 'catear como Io juiz de paz, e por conse-
tinha sido MM vgan?a do delegado-'qM qwenia teedo havioV) manejo pana o arre
polica, que ese *eoeete-eorone4 tmha s -darda presidencia da matrparoehill. Sai-
ca V.Exc. Sr. presidente, qpc Monteiro era
estava em exerdeio e este 4" juiz de paz.
As causas tomaram urna dirocoao desagrada-
vel, e ento a subdelegado prendeu o 4o
juiz de paz : e para que pudesse cohones-
tar a prisn disse que era para recrula.
Isto que a verdade do facto (apoiados da
aleputaclo pernamlin:ana) ; o proprio suli-
delegado nao lev a idea de pendur o Sr.
Antonio liutino Monteiro para recrta. por
pie ate p la so i idade eslava isenlo, quan-
ilo nao estivesse por outros ltalos : real-
inenle inertve qne se prenda para recruta
um liomem que, Uem ou mal, juiz de-paz
e que; porlanto deve ser respeitado.
Becebendo eu a communicico e as que
xas, inmedaia*nenia, "no mdsmo momenh)
em que recebi, mandei soltar o Sr. Antonio
Bulino.
O Sn. Poirra.i.A : Son testcmunha
disto, achara-me ento presente.
O Sr. Com* be Baf.pkndy : Acceito
a declaraco do honrado membro. -Mandei
soltar o Sr. Antonio Rufino, e disse ao
chele da polica que propuzesse a demissao
daquelle supplenie, e que minlasse proce-
der s averiguacoes oecessarias sobre o
mais fados argidos.
Aqu est, Sr. presidente, o meu offioio :
Em resposta ao ollicio de V. S. data I i
de boje, em qne trata da prisao de Antonio
Rufino Monteiro, elfectuada pelo sup-
lilente do subdelegado da villa de Iiamb,
Trajano Evaristo Ferrie Castello Branco,
tendo-se-dado por essa occasiao o cerco da
casa de resideaicia do r. juiz de diretoda
comarca, do que tive igualmente conhec-
mento boje, por qaeixa daquelle cidado, e
por participarn que me fez o mesmo juiz
de direito, declaro a V. S. que, sem pirda
de tempo, deve mandar por em liberdade
o mencionado Antonio Rufino Monteiro, por
ter sido indevidamente recrutado,' sendo
juiz de paz em exercicio, o que torna evi-
dente que o referido suoplente do sub'de-
legado leve procedimento muito repreheu-
sive. E porque a essa autoridade nao pode
deixar de ser dada demissao, como V. S.
tambem entendeu, nao propondo-a logo por
aguardar informacoes mais completas e es-
clarecimentos que espero, remeti aV. S.
as que me foram presentes e provam o obu-
so alluMo no procedimeuto que tjra, io
s para com o recrutado, como para com
O juiz de direito. A'cerca das providencias
que V. S. pede sobre osjaizes de dire.to
das comarcas de Itamb o do Pilar, resol-
verei opportunamente.
O cliefe.de polica expedio sem demora
a ordem de soltar<, e propoz a demissio
do pplente de subdelegado qne foi dada
logo, e do ludo dei conta immediatam
ao Sr. ministro da justica. S. Exc. appro-
vou o mea acto e mandou responsabilisar
o supplente demiltido.
Assim o tinha reolvido eu j, encaregan-,
do do respectivo processo o cliefe de poli-
ca, porque tratava-se de um funecionario
policial, e elle tora competencia para isto...
creio que at a pronuncia ?... Eu nao sou
jurisconsulto, mas me parece que at
pronuncia tem elle competencia, e depois
ao juiz de direito cabe julgar.
O Sr. Ai.ENcvr, Aharipu : a dispo-
sicao da lei.
O Sn. Conde di: BAF.PE.vnv : Assim,
o qne eu havia de fazer mais a respeito
desse fado ? Mandei sollar o hornera;
preciso declarar que. quando chegou a mi-
rilla ordem, j se tinha feito effectiva a sol
tura desse individuo ; demitti o subdelaga*
do que abusou, mandei-o processar ; o que
mais hvia de fazer ? Eu creio qne nao
tinha direito para mais. (Apoiados.)
O Sn. Alencar Araripe : Pralicou o
que pratica todo governo moralisado.
O Sn. Conde de Baerendy : Quanto
ao promotor publrco e ao delegado de polica,
que tambera se desejava que fossera res:
ponsabilisados, nao descobri razo para os
mandar processar; of papis foram todos
preentes ao Sr. ministro da jusca, e S.
Exc. pensou comoeu. I
Dejnais, isso embaracava os ofrendlos
de pro noverem a responsabilidade do pro-
motor publico e do delegado de policial ?
De certo que nao ; podiam promover a res-
ponsabilidade delles, porm, uo o ftzeram,
sem dovida porque reconheceram que, se
parte tiveram no facto, foi com o fim de
acalmar as paixes e para fazer com que
esse acooteciaento nio dsse resultados
mais graves, ou niqajtivesse mais serias con-
sequencias. (Apoiados.)
Devo tambera nesta occasiao dizer que,
repre$entuidt>ae-ae contra o racrotameoto
muita desordem.
que era decente
eletores o nome
ca...
O Su. CoivReA de Oliveiaa : Nao in-
clu rams o nome delle, mas o de cinco ou
seis amigos .'
O Sr. Conde de Baependy : mas
nao consentiram que o Sr.baro contnuasse
a presidir mesa parochial.
O Sr. Soiza Reis : Essa era toda a
ijuesto.
O Sr. Conde de Baependv : N3o me
compele, Sr. presidente, referir os factos
que se deram nessa occasiao. essa tarefa
pertence aos honrados e muito legitimas
representanles da provincia de Pernam-
buco.
O Su. Alencmi Araripe : Legtimos e
bera legtimos.
: O b. Conde de Baypendv : J decla-
rei e repito : nao tome part na luta clei-
toral...
O Su. Souza Rbis : Apoiado.
O Su. Conde de Baepkvoy : ... nao
proteg a eleico de nenhum candidato : en-
tend que a provincia de Peraarabuco- era
assaz Ilustrada para que qualquer de suas
parcialidades escolhesse os seus legtimos
representantes.
O S. Soza Res : Apoiado ; assumio
a verdudeira posico de governo.
O Sr. Conde de Baependy : Minha ta-
refa fo laicamente procurar que o adose
fizesse com regularidade ; nem quera salvr
quaes eram, nem conbecer os eletores: e
leve a tal ponto a mioba abstencoque o
meu ajudante d'ordens.que foi eleitor da-
freguezia da Poco da Panella, nao volon em
um dos honrados representantes do tf-dis-
tricto ; eu sabia qae elle estava empenhado
por outro candidato, mas entend que nao
devia diiigir-lhe urna s palavra a esse res-
peito.
O Sn. Socza Rprs : Fez muito bem ;
foi um procedimento muho digno-de V.
Exc.
O Sis. Conde de Baependy : Disse o
Sr. marquez de Olinda quo eu tinha man
i dado para4aboato urna forca de 50 pracas.
S. Exc* se enganou...
OS. B\rros ftvRRET : Augmentou
urna cifra apenas.
O Sr. Conde de Baependy : Mandei
cinco pracas loin um oflicial, visto queil
eslavam tres em prega das no servico da; po-
ucia, e, assim, com oito pracas, se feria
tnmbera e da guarda da urna, <
Eu aliribuo at a erro de mprensa essa
exageraco de numero de pracas, poique
nao podia S. Exc. dizer isso.
S. Fxc. tambem disse que no acto da
eleico all se apresentou o inajor do corpo
de polica com 60 pracas. Tambera nao
exacto. Direi o que houve a este respeito
eo que liz; direi com toda a franqueza,
porque nao tenho motivo para encobrir cou-
sa alguma de minha administrar o ; ella nao
era de myslerios (apoiados) ;o meu gabi-
nete estava franco atea adversarios polticos
(apoiados), porm, adversarios, que me
apresso em declarar, nunca me dorara lugar
a pensar que nao eram dignos dessa con-
tianca-
Mais adiante, se ti ver tempo e or'possi-
vel, ileclinirei alguns nomos, porque sou
muito agradecido quelles que me do de-
monstracoes de estima : nao podendo dei-
xar d" mencionar desde j o nome do Sr.
r. Manoel Buarque de Maeedo, que sem-
pre rae anxiliou cora toda a lealdade. Nun-
ca o empreguei era servico poltico; mas
uaquillo que nao era poltico nao receiei
nunca recorrer s tases desse Ilustrado
Pernambncano.
O Su. Pereuia da Silva : Isto faz-
iha honra.
O Sr. Souza Beis : E ells correspon-
deu sempre essa prova de confiaba.
O Su. Conde de Baependy : Sr. pre-
sideate, no dia 7 de setembro, depois das
9 horas da raanhaa, chegaram a .palacio
communicaeoes de que sereceiava portar
baco da ordem n freguezia de Jaboato,
que fica a tres leguas da capital : dizia-se
que haviara chegado povoaca grupos ar-
mados, cuja frente estava o mata Cmara
Lima, commandante do esquadrio de ca-
vallaria da guarda nacional, e o tenent-co-
sonel Paes Barreto, que havia sido cuspen
rado do commando do batalho da mesma
freguezia.
Chami a oalacio o major do corpo de po-
lica, -e ordenei-lhe que partisse para Jaboa*
to : que guardasse all completa neutrali-,
lidade no pleito eleitoral, mas tudo envi-
dasse para que nao fosse alterada a or
publica.
Escolhi este oflicial muito d pi
muito calculadamente, porque, V. Exc. na"a
sabe, mas os honrados
tencem depntaco pernambucana, e ou-
tros que tem relacoes mais immediains com
ess proviwta sabem que. o Sr. Feitosa,
major do corpfr de polica, pertnceu sem-
pre ao partido liberal. (Apoiados.)
O Sr. Correa de Oliteira:Liberal de
O Sn. Combe de Baepe?u)y : Mandei o
Sr. Feitosa com30 pracas, recommen-
dando-lbe qae coadjuvasse assim -a autori-
dade. po) eial, se visse que era preciso, co-
mo ao presidente da mesa parochial. se re-
damasse auxilio afim de ser mantida a or-
dem e evitar-se que aquellos grupos con-
tinaassem armados.
Oaando o major Feitosa chegou a Jaboar
tao, j estava formada a n la-
vnda; o juiz de paz spaalftlo os
trabalhos para comeca a chamada no dia
seguinte. No correr da farde houve um
disturbio na povoaco; dizem que, nio
sei sq com verdade ou nao, proveniente de
um dito imprudente do major Cmara Lima
a urt homem que passava, e que he res-
ponder com nm viva ao partido conserva-
dor. Esse homem foi espanc.ido; attri-
hniram logo aoSi*. major Cmara Lima este
attentado. O subdelegado entendeu que o
o devia prender em flagrante, ordem do
chefe de polica, e remetteu-o acompanhado
unrearaento do Sr. major Feitosa.
Eu achava-me no theatro, era no da 7
de setembro, quando tive conhecimento
uesie rao. tncemmoder-me bstanle, por-
que sempre incommoda ados desta ordem;
mas nada tinha que fazer desde qoe o pa-
ciente esava entregue ao chefe de polica.
' cuja ordem fra preso. O digno chefe
de polica, porm, mandou podo em liber-
dade porque nao era o caso de flagrante
delicio. O delegado de polica oSr com-
mendador Antonio de Souza Leo
O Se. Cardoso de Mf.nezes :E' nm dos
cidados mais distincios e respeitaveis do
lugar. (Apoiados da depotacao pernambu-
cana.)
O Sr. Conde de Baependy :Sera du-
vida alguma; um dos mais riooa e dos
ntab importantes cidados,daquelli Iocal-
^ade. (Apoiados.) Nao possivel, pois,
acreditar, que o Sr. Antonio de SonaaLeo
alitorisasse excessos. O juiz de paz, ptesi-
d*ite da mesa, era o Sr. Jos FranaV.o
dejSouza Leo, que dias depois foi a pa-
lacio levar-m a communicaeao dos motivos
porque Osmembros da mesa no dia seguinte
nao tinham comparecido para os trabalhos,
e que agradeceu-me, em prosenca, da cer
tas pessoas, a salutar providencia (foram as
suas expressoes) que tomei de mandar o
major Feitosa com as 30 pracas, porque
eniao cess'am todas as desordens e desap-
pareceu o susto que reinava -na localidade.
(Muito bem.)
1'm Sr. Depitado : Boa resposta ao Sr.
marquez. ;
O Sr. Conde de Baependy :S. Exc.
fallou tambem em fados que elle diz acon-
tecidos em Palmeira e Corrente, da co-
marca de Garauhuns. Ignore-os nteira-
mente, ou ao menos nao ane record de ter
reeebido reclamacao alguma, a respeito da
eleico desta freguezia, e creio que nao
houve, porque sobre as eleicoes de todas
as freguezias, onde houve duvida, eu tive
de fazer exarae e providenciar; e em rela-
cao de Garanhuns nao M necessario to-
mar deliberaco alguma.
Demais, Sr. presidente, quaes foram os
eleitos em Garanhnns? Seria por^entura
ah o triumpho do lado conservador? Nao,
por certo.
' Era Garanhuns venceram, como tem acon-
tecido mudas vezes, os amigos do Sr. Dr.
Urbano Sabino Pessoa de Mello., Anda na
ultima eleiro de senadores o collego elci-
toral de Garanhuns, que deu votaco aos
conservadores, a den tambem, c unnime,
ao Sr. Dr. Urbano.
Estes cidados nunca adherram liga
progressista, e por isso mudo soflreram
della. 1- [lermilla, Sr'. presidente, que eu
refira um fado 'para que melhor secom-
prehenda qual foi a pofitlca segnida na pro-
vincia de Pernambuco na sitico passada.
Na eleico de juizes de paa e de verea-
dores em 186i venceram em Garanhuns os
liberaos, sob a direceo do Sr. Antonio Vic-
|or Correa, que cidado muito respeita-
vel. (Apoiados da deputaco pernambu-
cana.) Entraram em exercicio os eleitos,
tomaram posse dos seus lugares no dia 7
de Janeiro de 180o e serviram os vereado-
res e juizes de paz dessa eleico desde esse
dia 7 at o lira do anuo de lSOti, ou princi-
pio de 1887, quando o presidente da pro-
vincia expedio um cilicio ou portara c-
mara municipal, concebido nestes termos,
pouco mais ou menos.
t lUvenda nullidade na eleico de jui-
zes de paze voleadores a que se proceden
na villa de Garanhuns a 7 de setembro de
1864, ordeno acamara municipal, queimme-
daiaraenle que esle receber deixe funecio-
nar, ass'un orno osjuizas de paz, e que
sejam chamados os do quatriennio anterior,
al que o governo imperial decida definiti-
vamente.
Tiveram, por consegrante- o Sr. Antonio
Vctor l riva e seus amigos de retrar-se da
cmara municipal, e ceder os lugares aos
eleitos em 1800. Deu-se, porm, a cir-
cunstancia de que o Sr. Antonio Vctor
Correa era igualmente presidente da c-
mara para eleico de 1860; leve, portanto,
de licar no exercicio desse cargo. Ento
veio urna nova pertaro suspenden oSr. An-
tonio Vctor Correa e man laado-o respon-
sabilisar I
Vozes :-rOh!...
O Sr, Conde de Baependy : O juiz do
direito da comarca, que o juiz competente
absolveu o Sr. Antonio Vctor Correa ;
porem, em virtude da le, leve de appellar
IBco para a relac3tt O escrivo entn-
que tambem devia exercer o seu acto
de prepotencia, guardou na sua gaveta et
papis, at que beguei provincia de Per-
nambuco.
O Sr. Souza Beis : Era asstal qne se
proceda na minha provincia.
O Sn. Conde de Baependy : A' vista
de um tal pWediraenlo, depoi de ter eu
mandado examinarse tinha-se submettido
aquella deliberaco ao governo imperial, o
se verificando que nao, entend que seme-
Uiante deliberaco nao tinha vigor, e mandei
ifw ontrassem em exercicio os juizes de
paz e vareadores da eleico mais recente.
W Sr. presidente, como se governava
^Bncia de Pernambuco. (Apoiados da
eputaco pernambucana.)
^a Voz: O contraste boje que os
[offendn.
^ Sn. Conde di: Baependy :Sr. presi-
^l, a provincia de Pernambuco mpor-
tantissima, a sua populacao excellente, o
seu povo respaila a autoridade Capolados);
mas necessario que a autoridade tambem
procure nao abusar do direito que a lei
Ihe concede. (Apoiados; muito bem.)
Perdoe-me Y Exc. esta digressao: sou
velho nesta casa,-mas nao sou orador.....
O Sr. Souza Beis :Tem fallado perfei-
tamente. (Apoiados), x
O Sr, Conhe de Baepemdy: ... por
isso este meu discurso sem ordem. A'
medida que me vou lembrando dos fados,
os vou apreciando.
(GoHimuar-se-ha).
TV*. IHUMAKWKU HAS RJ3IHSI, h
X-0
deu
I
*
MUTILADO
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4JEG9QIJ_EWAT36 INGEST_TIME 2013-09-14T01:59:18Z PACKAGE AA00011611_11906
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES