Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11903


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 171. <*' '>-i -
Ofc f.TI'l il


f A|i A OIITAI I UfiilES MU IA0 SE PAG WITE.
for tres moas kattau. ......
Por3<15toia.............. tu
Por om aiModMi.............. ifJ55
ia-Hrmtoo.....-........ ^
weo
wd

SEXTA FEIRI 30 DE JU.UI0 D ISfil
fia nomo imiu movdwia.
Por tres meM
Por fe ditos dem.
For do> i ditos kUm
Por um mido. .
S7#0Qt
_~
Propriedade de Manod Rgueira de Paria & Filhos.


-------r-
---------------------
1--------
" ~
rs. Gerardo Antn Al ves Fimos, no Para; G ''' -. j.-ii' i... ...'. ~- _______________________^___________

^-~-^^^

PA8TE OmCIAL.
ialatcrU CirwpBadw.iYi rfo governo Noi te-Americano om
a kfitrjn imperial do Brasil ern Wa+maion
toto* o inctente occorrido nettn corte com o gt~
Ministerio de estado, Washington, !8 de janho'
SaOhor Viv sabis que o Sr. J. W. Webb,
minero dos Estados-Unidos no Rio de Janeiro,
?giMi conveniente pedir sen passaporte ao gover-
bo (ItBratil.emtynsenneaeiade urna resposta que-i
Ihe parereu desravoravel a urna solieitacjo que
tivera ordem de fazer quellegoverno, no caso do
Cnnad Nao cansa porm que elle tiresse ordem
ou auiorisaco para adoptar aaqnelta hrpothese
wnsHlMte procedirnento, o qual esper-se que
nao sei*a eonsideradn como dispnsioao da 'parte
desse governo para interromper suas amigareis
reta(9es diplomticas como Brasil.
Aproveito-me desta opportunio*de para offere-
er-vos a reiterada seiruranca da ninha alta con-
-ideraco.Hamilton Fish.
Ao Sr. eonseflieiro Domingos Jos (kuealres de
Magamaes, etr, etc.
LegaeSo do Brasil nos Estados Unidos da Ame-
rica.Washington, 19 de junho de 1869 O abai-
xo ssignado, enviado extraordinario c ministro
plenipotenciario de S. M. o Imperador do Brar.il,
tem a honra de acensar a reeepeo da nota que,
em data de hontem, Ihe dirigi o honrado Sr. Ha-
miiton Fish, secretario de estado dos Eitados-Uni-
dos da America, declarando qae o pedido do pas-
saporte feitopelo Sr. J. W. Webb ao governo irn-
perial, en) consoquencia da reclamac.au relativa
baleeira CanaM, nao fui per ordem e autoriscii
desle governo, que nao considera por isso intei-
rompidas as suas reUcoes amigaveis c diplomti-
cas com o governo do Brasil.
O abaixo ssignado agradece a S. Exc. or.
Hamilton Fish esta agradare! cominunicaco. e se
apressar a transmitii-la ao conhecimento do go-
verno imperial, que saber aprecia-la devida-
mente.
O abaixo designado aproveita esta occasiao para
reiterar a S. Exc. o Sr. secretario de estado os
protestos da sua mais alta consideracao.
A S. Exc. i^r. Hamilton Fish, secretario de es-
tado dns EstafR-i Unidos.Domingos Jos Gmcal-
res ie Magalh"1 .
Ministi-rio e estado.Washington, 9t de junho
de 869.Senhor De anu observacao que re-
oentem-nie ine flzestes em conversa, deiluzi que
estaveis persuadido de que. tendo-vos dito o Sr.
Seward, em sua ola da 17 de outubro ultimo,
que o caso do Cumula seria investigado com rea-
c^ao aos papis annexo vossa nota da mesm.-i da-
ta, ficariam suspensas as negociaeTes sobre aquel-
te assumpo no Rio de Janeiro. Nao consta, po-
rm, que tumvesse um aceordo claro sobre esse
ponto.
A promessa do Sr. Seward foi satisfeita, como
se v das instruecoes dadas ao Sr. Webb em 211
de Janeiro ultimo"e commnoicadas por copia ao
tiipso governo. Formulou-se depois a queixa de
ijue, r\|i. n l.i-se aquellas instrncc.oes sem ha-
ver commnicacao comvoseo sobre o ssumpto
dellas, offendera a vossa justa susceptibilidade e
a de vosso governo. Estop, porm, certo que
nao bou ve semelhante intonejo, e que assim se
proceden na crenra de que este goverm tinha o
|)iTi'eito dtrelto de escolher o lugar para o prose-
guintento da uegociacao. E' para sentir-se que
meso governo considerasse este assumpto de um
Miado diferente. O encarregado de negocios dos
Bstados-Utnoos no Rio de Janeiro receber, por-
gante. oNtem para renovar o pedido de indemni-
sacao no mmeonado caso, sobre a base das ins-
truecoes d Sr. Seward ao Sr. Webb, cima refe-
ridas'.
Aprovoito-me desla opportunidade para reite-
rar-vos a -eguranca da minha mui'.o alia conside-
ragac Hamilton Fish.
Ao Sr. D. J. Goncalues de Magalhaes.
Legacio do Bra7.il nos Estados Unidos da Ame-
rica.Washington, 22 de junho de 1869.O ahai-
\o asignado, enviado extraordinario e inioislro
plenipotenciario de S. M. o Imperador do Brasil,
loin ,i UuiiiA de aecusar a reeepeao da ola ihu-
da de hontem em que S. Exc. o honrado Sr. Ha-
milton Fish, secrelario de estado dos Estados Uni-
dos, declara o seguinle:que a promessa feita
pelo Sr. Seward, em sua nota de 17 de outubro
nltiino, em resposta que Ihe dirigi o abaixo as-
signado na raesma data, pedindo que a reclama-
cao obre o naufragio da balieira Canad fosse
aqui submeltida a um novo exame, nio imporla-
va disliiictaniunte a oa suspensao das negocia-
roes sobre o niesino assumpto no Rio de Janeiro,
como o abaixo assgnao entenda :que o dcs-
paclio dirigido pelo memo Sr. Seward, em 23 de
Janeiro deate anuo, era compativel com aquella
promessa :que nao houve o menor pensamento
de oSensa justa uscepiibidade do governo im-
perial e do abaix assiuadp, se a este se nao deu
conliecuneuto d,i expodji) daquclle despacho, o
uonclue prevenindo o abaixo ssignado que o eu-
carregado de negocio dos Estados Unidos no Rio
de Janeiro ser autorisado a renovar a negociacao
sobre as bases do referido despacho do Sr. Seward
datado de 23 de Janeiro.
O abaiso ssignado vai remetter hoje mesmo
ao seu governo, copia da ola a que responde, e
aproveita a occasiao para reiterar a S. Exc. o Sr.
Hamilton Fish os protestos da sua mais alta con
siderifao.
A S. Exc. o honrado Sr. Hamilton Fish, secreta
rio de estado dos Estados Unidos.Domingos Jos
Gonqalces de Magalhae*.
EXTERIOR.
com sua hombridadp de indio, foi apparecer as
linlas avancadas do 2. corpo do exercito o gene-
ral Mac-HIahon, que vinha precedendo a sua enor-
me bagjgere. Reeebido pelos nossoe, fui ler con
o general Polydoro, a quera annunciou ter sido
multo mal acolhido pelos Argentinos, que o ti-
nha ni fito esperar em. demasa antes de Um per-
miUir passageni.
Pedindo em s guida, por telegramma, licen^a a
sfia alteza para vir comprimenta-l em Piray e
tendo-a pbtido, chegou a este acampamento' por
um trem especial, que poucos quartos de hora
depois tornou a lvalo para o Taquacal.
A carta audiencia que llie deu sua alteza oi
publica, de portas escancaradas e to franca,
piando elle vinha cheio de falsidade que pertur-
bou-o e-collocou-o em termos de balbuciar. (>n-
versou-se por algum lempo, mas peuco se dissej
e sem raak-formalidade voltou o general para o
segundo corpo.
Ah j hava chegado em tres grandes carros do
bois a sua monumental bagagem escoliada por
alguns Paraguayos, commandados por um len-
te que, depois de comerem larga e vorazmente,
reiiressaram, no da seguinle para a cordilbeira.
Mac-Mahon mostrou-se, durante o resto da noi-
le e parle da mauhaa, bastante expansivo ao re-
ceber o fino tratameuto que Ihe proporcionaram a
bondade e delicadeza do general Polydoro. De-
claren que s 3 horas da Urde de 30 estivera
V>m Lpez, do quem se mostrou to enmsiasta
Ke caho no ridiculo.
W5o s o chefe quo tanto Ihe agrada; toda
a nagSr), sobretudo as mulheres, que cantan), el-
mam na^oce lingua guarany. A industria para-
guaya pateceu-lhe espantosa. Fazem botinas e
f9^^*'*pava etle. sem tomarem medida no
pe I Vejam f-j, e nostrava as suas bolas.
Mine. Lyneh icm ainda traeos de belleza, mimo o tinham hnre um abysmo de doc^ra |,ara com 0< pri'sioneiros;
a sua;yeniitade, plaeHez, encantan) as agruras
de Pembebuy. A ua pv,genie tambem notabil-
Rosta inmensas (lisposicoe\pra a guerra.
* que vai aqui referido a-reproducoo fiel da
convtfga de Mac-Mahon com Ofleiaes do quartel-
genoraido 2 corpo do exercito.Sincera ou rom-
Deieira, a. expendemos tal qual o-la contaram
pessoas dijtas de todo o crdito.
,n t -'1 dizia elle' Lonez "-ntava com
tona _a lamma. cuando comee>u f*ie tiroteio
Urna bala cabe no r,to do menino que, mostran-
do-a a seu pai, exclama : O Caxias maidou-me
este regalo.
ltimamente faza fro. 0 tal prodigio meixa-
va-se por ter perdido o seu^onchesinho m fna
de Lomas. Jio te dou our0( disse-lhe i nai
(sem duvida attendendo econons.-j da casa), per-
dlo-hias como o primeiro. D-mt, maninSiium
novo, que o conde d'Eu nao m'o ha O general Mac-Mahon homem nos de idade, mais ou menos : traja va ^rda lo
general e teiha ao peiln a cruz da camparla rt4
Estados-Unidos. Logo depois apresenteu-se ao
acampamento do general Polydoro, no TjtHiral,
o x-iuuniMr da repubiioa .\uile-\uericana,
trazendo sua bagagem, entre a quaJ vinitam tete
conJietos com dmheiro, que disse perleneer a sub-
ditos inglezes e norte-americanos, que eslo eom
Lpez, e sendo acompanhado Oe tras criados, dous
oos quaes sao paraguayo.
Depois de ser recebado pete general Polydoro,
dirgio-se Mac-Mahon, por seu propro dsete, ao
acampamento deS. A. o Sr. conde d'Eu, onde tere
urna curta entreviste com o principe, que o.reee-
beu em presenca de outras pess'Nis. Hegcessot
para Taqua ral, onde pernoiteu, senuo, segundo me
asseguram, tratado i^om toda a deferencia pelo
general Polydoro. Parece que notou frieza da
parle do prncipe, o que alias era bem natural.
No da seguiute parti o diplmala ainbu ante
para Assumpeao. Alli chegando, dirigio-se ao
general Saiustano, eMiituaikaaute da pra;a, e pe-
di.i-lhe que mandare eairegar-Je a easa da
legacao norte-americana e Ihe desse urna guarda
para garantir o dinheiro que trazia consigo.
O general concedeu-llio a guarda e mandn
que sobre a casa se entendesse elte con o cnsul
brasilero, que o uresidente da commissao en-
carregada da enlregade propnedades m Assump-
f*o. oso cnsul declarou a Kac-Mahou que
nao ex istia ueste cidade casa e legacao aerte-aue-
ricana. Este swltor dirifie-se elao acasa*m
que habitau Washlwirn. na qual existe hoje un
hoiel, cujo emprezario hespauhol; declarou que
aque|lacasa e perleucia, por ter-ihe sido a|uga-
da pelo respectivo dono, que est.no acampamen-
to de Lpez; prohibi que se recebessem hospe-
des, arvorou a baudeira norte-americana, tomn
os aposentos que Ihe parecern! convenientes, e
ate desmauchou um bilhar para estabelecer a.sua
sala.
0 esUlajadeiro nao ge aniniou a reagir contra
esses desacatos e foi queisar-se ao general Sa-
lu.-o.iauo. allegando os piejuizos quo solfria, quan-
do slugra a sua casa aos proprieteries reconhe-
cidos pela commissao competente. Esta casa per-
tence a quatru irmaos, um dos quaes est om
Lpez, achaudo-se aqu os outros ires. A estes
eutreguam a co oinissio a referida casa. O general
brasileuo ruspundeu ao dito estolajadeiro ^uie
apresenlasse" a nueixa por escripte para toma-la
eiu consideracao. Este, porm, enlemleu que era
prelerivel apresenter antes a Mac-Mahon urna
coate dos prejuizos que Ibe causara. A eonta foi
apresenlada, mas nao paga.
Para alliviar a caiga que trazia, tomn Mac-
Mahon letras dos foi'neccdores Laiins e Molina
sobre Buenos-Ayres, no valor de 20 a 34,000 pa-
(aees, qae pelos clculos era a quamia comida
nos sote conheles.
Ante-hontem o ministro caudatario de Lpez
embaicou-se pela manliaa no vapor americano
Eduardo Eweirlt, com desliuo a Buenos-Ayres,
sem despodir-se do general Salusliano, e sem
dar-lhe aviso algum, neiu ao menos para retirar a
guarda qae tao generosamente Ihe fra conced-
ven-
a
nain Meeio desse incidente, pote nao ge os para-
uajws amnir a ue prnliram e ai Maosdido pe-
wy ornas alBsiw.
Jtarburu est ssignado aas instraodoes que le-
vo a eojninsso. qns os represeutou e naw mais
que un dos ehefes da tegio, nomeado pelo gene-
ral argentino.
taimate tem-so dado desercoes de boniens
eHieres do acampamento de Lpez. Raro o
i ^n.(uc n* x passam alguns desees infelizes.
eltfwado-se s vezes o seu numero a 6 8 por da.
ist indica que o poder do tvranao tai-se desbo-
ro*K|o cada vez raais. Venha, portante, o gover-
no pruvisorioparaguayo desmoralsa-lo e facilitar o
cpvpe degrace que breemente Ihe darao oe al-
0 principe, Justina Me seja feita, nao descansa e
mojtra-se impaciente por uiarclar.
general Portinno deve a esta hora estar j nos
cabeceiras do Tebiquary.
ftotfeas de Matlo-Orosso me uformam de que
juri"* Mel*!a?0 accei'ara a nomeacode pre-
sneme daquella provincia e assumira o respectivo
exercicio.
BaMi ehegou ante-hontem um batalhao eomp s-
lo de cerca de 300 pracas e ja se acham a cami-
n d.e.*'uril,,,0i Paf Asumpcao ontroscarpos.
> total da for,a de Maito-Gross que ven para o
magnay eleva-se a uns 1,280 homens.

Montevideo, i5 de juiho de 1S69.
Quando escrev felo Amo no da 6 do corrate,
puz em qiiarentena a noticia quo circulara com
carcter inrio de eapilnlacao de Carahallo e insinuei que o
presidente Battle, nao obstante a opposieao de seu
principal ministro Busiamante, conlinuava a ne-
SociacSo qua havia encotado com anuolle cau-
Bho.
Mostrei qae a iadaiennm com que esa tratado
na capitel o general Goyo Suarez, depois da parle
imprtenle que este tinha temado no merimento I^opez, que era o'san candidato
a* succodeu no d II. Mo da 13 noute os
taca nw?Q3 erienteas, unidos a outros companhei-
j*os, eiu pumero de sesseata, lardados todos como
guardas aacionaes, e armados de revolrers, entra-
ramrea de Moka, orde se rennem alguns
brasileiros, a priocipiaram a proroca-hw. assim
como aos que passavau pelarua, que a de Vin-
te e Cineo de Maio, a ra do Ouvdor de Monte-
video.
Como em de" eoajectorar, foram-se junlanuo
mais alguns braeileiro.i, e em pouco lempo tmria
no cafe mais de cera, dispostos a aceitar o desafio
daquelles imprudentes.
0 coronel Bueno e o ministro Bustamante, m-
(ormados de que se passava, comparecer m logo,
atsim como o chefe poltico, e obtiveram dos
orieitaes que se retirassem, prendendo aqunJIes
que nao attenderam aos conselhos de mode-
racac.
Com a ehegada do Werneck desembarcaram
mais alguns ofliciaes, e j hontem noute havia
agrupados mais de diizentos brasHeiros, promptos
a dar e tomar, e a rejiellir a qualquer aggressjio
dos orientaos, quando souberam que o Sr. Busta-
mante linha dado as mais severas ordens polica
para onter es provocadores, postando rondas for-
tes nos pontos mais (requemados por elles. E' lou-
yarel a prudencia deste ministro, que conhece per-
felameote a loviandade dos seus compatriotas, e
aprecia a consequencias serias de um eonflcto com
os Brasileiros nestes graves momentos.
_A ex a I lacio, porm, de parte a parte
\M dou ntn /Krav* nwno de Mac ""-.?-
cava a handeji ,lisiario P^E^^ 1 s,,,,li-
occasiao api erfBaT diploill;ll;i iw offleal |,ra-
sile.ro que lora aV(lo, dt.e|an.u que segua
para nenos-Avres a^ ^ de ,emq n5K
dera despedir-se do gLlj commandanto da
prata. Informado disto mKLu.0 USS0 atmrante
o seu secretario dizer a Mac*^,, que detivera
o vapor por saber que elle aa a b\>esiranha-
va o procediinento que Uvera prete^-ndo SJmr
de urna praca de guerra sem pedir^-gn^, ou
pelo menos prevenir as respectivas Sfcndades
militares, e nem ao menos corresponder a^orte-
zia como so havia procedido para com elle!\cj|a
osu dtelaracao, pennittio o almirante que em^.
ret seguisse sua viagem. Mac-Mahon roci'bvxl,,
este sabonett, licou furioso e declarou que tiSila
muilas queixas dos alhados, mas sobretudo i\s
brasileiros.
Cumpre notar que antes queixou->
lie dos argentinos e faza elogios dos brasileiro hnarVe''com"'ppla'so "do
pela maneira porque o trataram. Sei que o ge-VSjr
neral Polydoro concedeu-lhe franca hospital- '
dade.
Os dous paraguayos que vieram com Mae-M.ilion
andaram logo que chegaram propalando noticias
favoraveis
Pray, 7 de juiho de W69.
Eroiim descej de suas montanhas o ministro
Mae-Mahom^Tnha elle cota e ar astuto de quem
sabe tewimite abusado de suas regalas e disso _
nao so arrepeode, mas tambera com certo acanha- 'Ch"lc,,. Cerro-Len, Mbocayal e Mbopicua.
de maneira?, natural na brusca pawagem
a
Estidos-Mnidos. Sa presenca nao desagrada- ]*.. Saliendo o nosso almirante desle bate a
re, nen inconveniente, mas o seu procedlraento ?^>rvorada no inastro grande do dito vapor
em K dos o? momentes o tem sido. nDdl? norte-americana, uiandou deter o vapor
A sua bagagem foi transportada dos carros pa- e
ra os wagoes pela gente paraguaya e por solda-
dos nossos, qne nos 45 volunte*, todos colossaes,
sopesaran 7 ennhetes qne iain rlieios do valores
metallicos, valores no peso e no tirado, 1 caixa do
cognac, 9 garrafdes de bebidas, 11 pacotes de
herva mate, etc.
Em Assumpeao apenas chegou o general, sur-
girn logo queixas e descontianeas. Era o dono
do hotel a quem elle ameacou com extraordinario
arrebalamento ; era a poticia qne flcou logo aler-
ta ao ver os dous Paraguayos, que tinham vindo
com elle, abortamente tramaren conspiraeao, al-
uciando patricios, milites dos quaes foram visitar
o personagem americano.
Repetiam-se por sso os telejrrammas, e sua al-
teza eslava disposlo a usar de energa, quando
receben twticia de que to perigoso senhor retira-
va-e, no vapor Ewerel, amanha, da eidade em
direccio a Buenos-Ayres. A forte correnteza do
Paran e mil ventos de pi'ipa o levem para bem
longe I
V com seus hyperbolcos encomio?, as brochu-
ras impressas em Peribebuy, seu rebenque de
ouro, ultima dadiva de Lpez, seus pacotes de
mate, e sobretudo o dinheiro que leva, v defen-
der a causa do dictador perante a eivilisaco I
Os punhos de Bliss e nastormaa, seus concida-
dos, tal vez ainda sangrem. Aquellas moedas.
entre dedos de 8. Francisco de Salles, verteriam
sangue, sangue do povo paraguayo, qne foi suga-
do at a ultima gota. as nios' de seu delegado
compraram folhetes, snsciteram artigos, mas nem
por isso abalaro consciencas.
O general Mac-Mahon entrou em AssumpQo
as vesperas de nm acontecimento que ahi qua-
si novo : tralialha-se em eleicao para o triumvira-
lo, que tem de preceder ao governo provisorio, o
nnal, emfim, vai ser frmalo depois de tamanhas
ilillicnldades e cujos candidatos, os Srs. Bedoya,
Kgusquiza e Valiente, appellam para a vonta'de
livre de seus patricios
No dia 3 do corrente chegou no Galgo o eonse-
Iheiro Paranhi com o delegado argentino D. Ho-
que Prez, e no dia 4 veio elle ao acampamento
de Piray, jamando com sna alten, e retirndo-
se tarde pelo trem de ferro que o lovou com se-
guranza Assumpeao s 9 horas da noite com
seguranea, dizemos, pois os Paraguayos j ttn
querido impedir o trafego, colloeando nos trilhos
bombas que arrebentam com a passagem dos
earros.
Foram em um desses ltimos das apanhados
cinco projects : constan de urna granada Wiih-
wort de 32, munida d- um tubo de chumbo de
dous palmos de comprido, cheio de plvora e cuja
extreraidade tem um embole que por pressao fere
um fulminato provocando instantneamente a ex-
plosio. A granada entonada vertcalmente c o
embolo fica encostado a um lado do Irilho e sujeito
a qualquer choque que se produza.
Duas dessas inaclnnas arrebentaram sem causar
damno. As outras fi rain reco!ludas intactas.
lmquanto Lpez, ainda sol o influxo america-
no, tenia esses meios, por e cuida-se em conti-
nuos reconhecimentos, indo aos pontos da cordi-
lbeira, onde comecam as estradas e picadas de
Atir, Altos, Pedros, Cabanas, Ascurras, Baluvi,
contra o governo, nao poda explicarse senao pela
fr;queza em qne se senta o mesmo governo.
Agora posso afflrmar qne tudo quaato refer veri-
licou-se no fundo, ha vendo smente modificar-
cao na forma para salvar-se o principio da auto-
ndade.
Est, portento, concluida a revolnco, np falta de forras em seu apoio. pois que o general
Caraballotinna'sob suas ordens. com toda a cer-
teia,mais de i,iM)0 homens, e Mximo Prez, reu-
nido ao chefe Vidal, de Canelones, apenas dspn-
nha de 1^00 hoMnns ; mas conHuio assim porque
dizen qne Carahallo receben do governo 40,0i>0
pesos I
Por mais de urna vez as chei'es que ee-aetiavam
com elle pretenderam atacar as tercas legaes,
mas o oaudilho es|ierto se retirara do'ponto para
onda altes se dirigiam, e bnscav i o Kki Xegro, at
que a forra do commandante Vidal alcancou al-
goma infamara que tlcara aquem dense rio, e
aprisionou-a.
Mensa oeoasian foi conheeiilo o pastel que se
antassava entre BaUle e Carit).\l!'i e ento alguns
eli.'t'.' do diflndade oimo Manoel Carahallo, Re-
gules e outros preferirn einiu'iar para i l'rontei-
ra a snjoitar-ses condices de tuna ungida capitu-
Wlb.
i'.araliallo j est na sua estancia, e dizem que
sera reinte?rado no posto de general.
Todos os seus enmpanheiros foram igualmente
Hndullados. e consta que voltarao livremente ao
exercicio de suas funcooes militares. Em resu-
mo : vencen o principio da auteridade na appa-
rencia ; nutilisou-si; um hom caudilho, porque
Carabal) perdeu toda a eomlane.i dos seus satel-
lites ; mas elevou-se um mo gauclm Mximo P-
rez, que o chefe de proslii-'io da poca, na cam-
panha, e alnio-se caiiiiiiho para algana outra re-
voluco. porque nesta vencido* ven-cdores acha-
ramasua dispn*icao o thesonro nacional, e des-
enhriram os cheles mais un Itieio fcil de enri-
verno de V. Ex,c. ada carrea u* na Main
ponto podesse alterar as amisicaas rtlacini que
islam ; e espato oasrammile que Ka*, corai-
nuem em lodo o lempo sem ncnliuui ruihnf.wr
. Auradeeo mu iavras V. Exc. os juuilos
actos de coriezja e as bondades pansoaas mu re-
cete de V. Exc. durante ininoa resiinneta-aqui,
"*> qae coaaervarai toda a minha vida a mais gra-
i*,.'15dJda.S0- Offcsejo V- Ec. ueus votos pela
tehcjdaae da V. E*c. e Ha da repblica.
** > S.Etc.* Sr. tnarechui Lopes.
r. ministro.Tinha ea alimentado a espe-
as que o digno represenlaate da otaior re-
iea fosse testemunha de todos ates heroicos
sacrirKios do povo peja jma existencia at eoa-
summaeao desla grande obra, qualquer que seja
a sorto final que o Dous das iiacoes Ihe lenha re-
servado.
Lisoageiam-mo, comtudo, os conceitos da justica
com qae V. Exc. recorda o herosmo desle povo
generoso, e emquanlo nossa voz esti ver abalada
para o mundo, sirvan elles para que o universo
sama que aiuda existe a repblica do Paraguay,
pugnando para volter livre cemmunho das na-
?oes, e que urna prolongada Ima'nao tem min-
goado a sua f nem quebrantado o seu herotemo.
Muito sensivel aos prote.-tos que V. Exc. aca-
ba de fazer-meem nome de S.Exc. o presdante
dos Estados-Unidos, meu anhelo ser concorrer
para o desenvolvimento das amistosas reia\-cs dos
dous paize, para que quando o meu se iteseniba-
n iniuiigos nossos para W-iter os bros %*rn?* "'"** (,ue "ft ab-eo|rvn" fn
rans- ^ K entrar no goso dos sens beneficios.
Muito estimo a expresso degratido e os be-
nevolentes votos com que V.Exe. se despede das
curtas mais facis e amigaveis mfaciVs, que V.
Exc. soube manter entre os Estaos-Unidos e <*
Paraguay.
Aceite, Sr. ministro, os mena votos pela pros-
pernlaile da Uniao Americana e a fecidade de
V. Exc. 44 de junho de 1WW. >
Cbegado s linias dos alliadns, Mac Maltn veio
logo pela estrada de ferro para Assumpeao, onde
pedio e obleve nma guarda de honra, segundo pa-
rece mais para a sua bagagem do que para a sua
peasoa. A i deseen no vapor frotedor para Bue-
nos-Ayres, onde chegou a 7.
No Estado Oriental terminoii
desta gente, que diBcil de "conter, quando trans
viada do earuinho da justica e da razao.
Na Confederacao Argentina voton-se as duas
cmaras o projecto transferindo a capital para o
Rosario, nas ainda nao recebeu a sanecio do po-
der exgculivo, que consta nao receber.
Eui Tucuman vnnceu a eleicao de governador
o parldo liberal, elevando ao poder D. Belisario
qnecca.
Em todo o oaso satisfactorio o restaMeainften-
lo da ordem. e tal vez sirva a lii;ao para dar pru-
dencia e para canter os que, por saas prnvoea;es
nsensatas, produ'.iram a stuacao que acaba de
s h onens honestos do
Para recepeo do presidente Battle, qtie 6 e-pe-
"Ho nesta capital no da 18 ou 10, preparam-se
grabes testas Irumpbaes, como aros, fogos, il-
'(iini.icoes. etc. Aperar de nao haver dinheiro
Houve um meeling no dia 12 a favor da insur-
gentes cubanos, no qual se pronunciaran discur-
sos erithusiasias, terminando os oradores por pro-
>or urna mocao para qne o governo cousiderasse
os referidos insurgentes corno belligeraules.
En urna correspondencia de Assompdk) da ul-
tima data, publicada no Siglo, se explica do se-
guinte modo o novo plano de earapanlia que so vai
por em execucao contra Lpez :
Urna esquadnlha subir ao re Paraguav at
a altura da aldea Emboscada ; alli desembrcala
um corpo de exercito das Ires anuas de 5 a 7,000
homens ; estas tropas aro urna marcha rapula
para os pontos do Altos e Allirs, e se apoderaro
das rmmediacies de Caacup, quartel-general do
tyranno l^opez, fundi^o e deposito ge ral de arligos
de guerra, ao mesmo tempo que se. etfectua esta
atrevida marcha, se exeeular outra operacao de
flanco com um corpo de cavallaria do 5,000 ho-
mens, qne se dirigir a Valenzuela, alli a Peri-
behny, oceupando at Caacup todos os pontos
de retirada do immigo, e quando a estrategia liver
dado o resultado esperado pela lgica, eato as
tropas de frente darn o ataque em cnmbuiauao
siniultanea com as que ja tenham lomado posse
dos pontos que o inmigo possae para eseapr-se.
Ha tantos detalhes e to verosimes neste pro-
jecto, que me parece digno de crdito. Deus quei-
ra que a sua realizacao nos traga a conclusao da
guerra.
Na Assumpeao passa-se algnma cousa de ex-
traordinario actualmente. Ha alli vida poltica, a
agitacao que se neta as sociedades lirios quando
tratam de eleger os poderes pblicos.
Os Paraguayos escapados ao poder do tyranno
revelam urna exallaco republicana que nao so
devia esperar depois de una to extensa compres-
so. Elles se reuiiem em meelings, discutem eom
calor, e deliberara sobre seus (nturos destinos co-
mo se praticassem a liherdade de ha tnuitos an-
nos. Enabelecam alli urna academia de dircito, e
a rege .eracdo Paraguay ser completa.
INTERIOR.
- a iwoiucao pefci
submetraento do general Ehrafcap, que, segundo
accirdo feite con o coronel Mximo .Prez, aevia
retirarse sua casa e aguardar as ordaas ulte-
riores do governo. Outra tanto davi-un faier os
ofliciaes qne anda vara com elle. Pacificada assim
a repblica, era o presidente general Hattle espe-
rado em Moiiteviilo. onde Ihe preparavam urna
entrada iriumpba!.
O governo soliciten e obteve antorisaco do cor-
po legislativo para entrar fea ajustes con os go-
vernus brasileiro e argentino-sobre o a.ssentamento
de urna linha telegraphica. qive'partiiulo de Mon-
tevideo faca no Jaguaro jiuiccao ion a que d'alli
deve vrate esta corte, que tirar assim em com-
mnicacao elctrica con ambas as capitaes de
Prata o todos os outros pontos- a qne se ostentan
e vierem a estender-se s linbas que partem de
HMMH-Avre*.
mundo que julgue do carcter de un homem que' E con la, porque j hontem foi npnventad
faz os msiores elogios do monslro que sacrilicoul cmara um projecto pelo governo, para se conce-
ao seu orgullio um povo intelro; que fuzilou mu-l der nma emisso de bilheies banearfos de K, 3, 2,
nares e enancas, que reduzio inlhares destesl i ,. meio peso, para irocos miados, rom curso /r-
enles ao mais hediondo de miseria, como presen- codo por drz awaw !
ciara todos os que por sna desgraca se acham a sei ainda se esta emisso deve ser feita pe-
hoje no slo paraguayo; que enchu cemitenosl|0 proprio governo on por algoni dos bancos ; mas
de cadveres de dosgracados morto% fome, como; o que posso assegurar que o Sr. ministro da fa-
lestemunham o general Menna Barrete oe s que o zehda ora plena sesso da cmara dos represen-
acompanharam, e que, na sua sede de sangue, nao tentes. nos ltimos dias do mez ftetanho, declarou
popiu nem seus proprios imids que a conversa > don hilhetes bancarios, que ficns-
fV '\(\ Clk n.m I xvn n I n d n i-i in.>i*in..iit.i dr>o uvio'ii _----- ___ *_____< -T a____! .1 n n* dn 11 u i' ii\
menU
da vida de focis praxores qne Ihe ministrara L-
pez em suas eombinaces govemamentees, para
oatra completamente nova em que, cara a cara
com a oninio publica, elle tem de ajustar suas
cante.
Nao sao estas leves.
Desde a repentina, elctrica sympathia que,
antes de Lomas Valentinas, identiflcou-o com L-
pez al sua marcha por entre as penedias, amo-
ratadas pela fonvorsa de Mme. Lynch, cuja per-
sonalidad,- elle eleva s nuvens, sua conducta foi
intrincada meada de irregularidades.
A celebre aprasentaco de credenciaes importe-
va o dosrespeito iteatralidade as suas despe-
didas foram nao pecas diplomticas, mas expo-
sdes de enthusiasmo emitmn aos talento milita-
res do dictador, que entretanto muito pouco de-
vem merecer de quem cntenJe de lctica, quando
nio de estrategia, como natural em om general
educado na grande lufa civil dos Esttdos-nidns.
*)' da 35 o paz passado, depois de previo
aMoaete feite bor DarJamentarjo paraguay aro
qaa de nor irav o tenente-wronal Aveiro
Essas subidas sao todas ingremes, escabrosas,
bem guardadas pelos canhSes fundidos em Caacu-
p, na razao, diz Mac-Mahon, de 3 por semana.
Emprehender-se-ha a escalada ? O futuro o
dir. Nada transpira sobre o que se vai praticar,
entretanto a marcha imminente.
Assraipg.vo, 9 DE jilho de 1869.
No dia 3 do corrente chegou a esta eidade o Sr.
oouselheiro Paranhos, em companhia do commis-
saro argentino Dr. Jos Roque Prez e de dous
dos membros da commissao paraguaya Srs. Egus
quiza e Bedpya,
No dia immediato foram os representantes do
Brasil e da repblica Argentina aos acompanha
mentes os generaos cm chele dos respectivos
ejercites combinar com estes as medidas pan 04
desempenuo da tarefa de que estao incumbidas, a
organisafo e astajlacao do governo provisorio
do Paraguay.
A' 30 de mez passado foi entregue aas liabas
ai-aneadas do exercito alliado ara* urda do gane-
ral Mac-Mabn, eu que, meaonste pedia permis
Nao se roalirou ainda o movimento dos exerci
tos alliados, sendo esta demora devida segundo me
consta, a pedido do general Emilio Mitre, a que Sua
Alteza teve de acceder, por nae estar intoiramente
preparado o exercito argentino. Entretanto nao
pode durar tnuitos das esla protellaoo das ope-
racoos.
Ha das um regiment de cavallaria argentina
fez um reconhecimento, e foi at frahla da cor-
dilheirn, onde est Lepez, incendiando parte de
acampamento do inmigo. matando uns 30 para
guayos e trazendo um prisioneiro.
O in migo appreceu com artilharia e fez alguns
tiros de uietrallia, retrando-se os argentinos com
alguns feridos, entre elles 11 m major gravemente
em urna perna.
Achando-so aqui reunida a commissao para-
guaya, pedio u obteve licenya do commandante da
praca para fazer urna reunio em que expressasse
aos paraguayos que a elegeram o resultado de sua
solieitacao aos governos alliados.
Alguns paraguayos, antigos emigrados e prisio-
neros alistados nos exercitos argentinos e oriental
figurando entre os prisloneiros os ehefes das 1^-
gioe, pretenderam oppor-se disposicao do ac-
eordo celebrado pelos alliados para a organisacSo
do gover o provisorio e, por ambicio propria, ou
instigados por especuladores pMiticos e eommer-
ciaes, quizeram atemorsar a commissao que tra-
tou eom os adiados.
vis destes manejos e do facto de se apresen-
lar na reunido m corpo de paraguayos, que est
sob as ordens do general Castro, em forma, com-j
ofliciaes paraguayos e orientaes armados, resolveu
a commissao retirar-se da rennio. Conlinnon es-
ta, porm, sob a presidencia de um dos ehefes das
supradilas legados, coronel Iturburu. Depois de
varios discursos, era que se firllou multo de llber-
dade, unio, guerra ao tyranno, etc., resolven-se
nomear urna commissao de cinco membros para
examinar os rabalhos da qne se entender com
os avernos a fiadas.
No ia m que teve lugar esta reunio, ante-
hontem, tinha o Sr. conseiheiro Paranhos ido de
nova ao acampamento de Sna Alteza. Aochegar
noite, sawido do que oecorrera, foi iramediatB-
luentenfesadar-se oom o commissario angentino,
e, de aceordo cam este tomn as medidas neessn-
rias pava garantir ioteira Wberdade popnlBC50
^paraguaya.
sem en eireulaco depois de expirado o prazo
marcado pelo decreto de 16 de juiho de 1868, nao
teria lugar antes de 5 ou 0 annos. porque seria
impossivel rddtfr moeda nielallica as garantas
qno tal flm possue a commissao fiscal de bancos,
sem diminuir muito o justo valor que ellas tm.
Ora, parachegar aeslaconcluso nao era preci-
so, por cerlo, tanta mekaco, e urna revoluto.
As cmaras devem ser encerradas hoje ; mas
haver ainda sessoes extraordinariis para votsr-se
o oreamento, a lei de alfandega, a le de bancos,
a da emisso de pequeos bilheies, qae ja apontei,
a de patntese rodados, e oulras de menor impor-
tancia.
Corno a rovoluijao j nao alimenta a curiosidade
pablic, e o Siglo nao p le viver sem nma ques-
lo cncandescente, j elle temou para thema de
seus escriplos as reclamiicoes italianas, que esta-
vam sendo attendidas com calma pelo governo,
e vio tarabem ser submetlidas deciso das c-
maras.
O referido peridico, tratando do negocio com
muito (lor e ineilando o espirito publico, torna
difOwl qualquer soluco amigavel e honrosa, e po-
de produir um conflicto internacional serio, ape-
nas extracto o conflicto domestico eme sascitoa.
Ha homens perigoso.. para m paiz pelaexaltecao
de suas ideas, o enire elles classilico os illustra-
dos redactores daquella folha diaria.
Por fallar em conflicto devo re.'err-lhe um fac-
to que se deu ante-hontem noute entre alguns
ofliciaes brasileiros c Jovens orientaes, que pede-
ra ter fulo graves consequeucias, se nao fosse a
prudencia do Sr. Bustamante, e suas acertadas
medidas.
Costtima agora reunir-se na confeitaria oriental
lo de Janeiro.
16 DE jrLno DE 1869.
Polo vapor inglez Ctrpernieu, entrado hontem
do Rii. da Prata recebemos folbas de Moui(.vdo
at 10 do corrente.
alli noticias de i da AssAmpcJio, onde ti-
ado o transporte Galgo com o Sr. conso-
aranhs, o. ministro argentino e a com -
mistan paraguava.
Do exercito nenhum feito imprtente se refere.
Apenas publicara as ful has urna carta do comman-
dante oriental Coronado, quo diz achar-so desig-
nado para ir com 100 homens de cavallaria levar
oflicios do general Osorio ao general Portinlio, em-
presa que elle mesmo reputava arriscada e diflicil,
por ser preciso atravessar grande fiarle do Para-
guay oceupada pelo inimigo.
0" facto mais importante o da retirada do mi-
nistro norte-americano general Mac-Mahon. Acom-
panhado do genoral Caballero e de un iilho do
mesmo |Lopez, e escoltado por cavallaria para-
guaya com bandeira branca, apresenlou-se elle s
Por caria imperial de 14 .le juiho corrente foi
n o cargo de secretario do govorno da provincia do
Piauhy.
Por decretos da mesma data :
Foi exonerado obaeharel Marliniano MendesPe-
reira, do cargo de secrelario do governo da pro-
vincia do Piauhy.
Foi concedido o furo de mocos lldalgos cora
exercicio na casa imperial a Jos Mara Leilao da
Cunha, Ambrosio LeirSo-tta Cimba Filho e Pedro
da Gama Leito da Cunha, lllhos legtimos do ca-
valleiro (dalgo Ambrosio Leito da Cunha.
Foram concedidas as seguintes pensdes, que
licam de|iendentes de a|provac,o da assembla
geraI :
A D. Marn Paragoass de Albuquerque Marr.-
nhao. viuva do major do 17" batalhao de infante-
ra ThemoleSo Peres de Albuquerque Maranhim, a
de 42.5 mensaes, sem prejuizo do meio sold quo
Ihe competir.
A Ursulina Ferrera de Sonza, ma do alferes
em commissao do 8" batalhao de infantera Anto-
nio Martinho dos Sanios, a de 365 mensaes.
Ao capilo do 39 corpo de voluntarios da patria
Jos Cornelio Barbosa, a le 605 mensaes.
Ao alferes do 32" dito Joaqun Antonio Mattoso
Ferro, e do 15 de cavallaria da guarda nacional
do Rio-Grando do Su I Bento Mondes de Moraes, a
de 36 mensaes a cada ura.
Ao padre Euzebio do Cont Barbosa, vigario
collado da freguezia de S. Joo do Morro-Grande,
da diocese de Marianna, a de C00 annuaes, visto
nao poder continuar no exercicio de seu ministe-
rio, pelo seu estado valetudinario e iJade avanza-
da, nao gozando, porm, desta merc sem que re-
nuncie o beneficio em que est colindo.
z niun

Por decretos de 7 do correnle
Foram nomeados :
Q bacharrl Jt-ao Bernardo da Silva, juiz munici-
pal e de orphaos do termo e I'arahyhuna, na pro-
vincia de S. Paulo.
O bacbarel Agostinho Julio do Couto Belmonte,
. juiz municipal e de orphaos do termo de S. Jos
avaocadaj dos alliados, trazendo em tres carreja J^ Caja7pi^ prov'inca ()o MaranIl5n.
a sua bagagem, entro a qwil se aehavam caixoes
to pesado, qne se suppoz, vtrem clioios de onro
e praia. Desta supposic.o nasceu naturalmente
outra, a de que elle se teria prestado a conduzir
para fra do Paraguay, e por a bum recado, os
'thesouros que Lpez mandava adianle de s para
lugar seguro, na ntenoao da ir cm breve reunir-
se elles. Que os dous tinham vivido e separavaiu-
se na melhor harmona, provam claramente os se-
grales discursos publicados pela Estrella, peri-
dico paraguayo, que se imprima em Pirebebuy,
liara onde, perdida Assumpeao, se transferir a
pede do governo :
Aftecucao do Sr. general Mac Mahon S. Exc o
Sr. marechnl Lpez, ao retirarse da repblica
no seu carcter de ministro residente dos Esta-
dos-Vnidos.
t Exm. SrEstando para terminar a minha
residencia junto do govorno do Paraguay, tenho a
honra de entregar as mos de V. Exc. a caria
autcgrapha do presidente dos Estados-Unidos, an-
nuuclando a minha retirada.
t E' com profundo pesar que me despego do
V. Exc. neste momento de provaco na historia da
repblica. 0 herosmo c nobre perseveranca que
lenho presenciado durante minha curta residencia
neste paiz, encherain-me de profundo e duradouro
oteresse pela sorte dcste povo.
Confesso mais, qua con grande senlimento,
que vejo frustrar-se-me a esperanea que havia
alimentado de congratular Y. Exc. pela restaura:
cao da paz. Espero, sinceramente, que ja estara
mu perto o dia era que o ruido das armas bellicas
nm grupo d7mocos do paiz que a todos qne pas- cessara para sempre dentro do hm "es da re|.u-
__* u .. _,_r ...__j._.Ji___,_ :_,..it ihe. i w < n .mo os nenprnso* heroicos sacnflctos do
sam pOi- all dirige um motejo on um insulto. Ps-
savam perto dous ofliciaes brasileiros, quando a
pahtvra mncrieo, prormnciada com escatmeo, veio
chamar-lhes a attenedo para aqUelle rupo. Um
deltes rnlton-se, e deparando com umWeco de 16
a iB annos, dsse-lhe que se tivesse diante de si
nm-hwnem e nao urna eram-a, o ensinaria a ser
fmais poHdo. O frmfHinhe, tsn aqn enamarn
ptes-rapanolas, contestou com paterna- maisjir-
fansWas, e ento o offlcial deu-the um empurrao ;
artfflrram ontroswpanM, taasdehcoaate o aegaatn
atalhau-se, porque algumaa -pnoas de t
Exiatindo, coino existe, o mais perfeite aeQOydo B>'mWngiwa e nbfewaram. qjia osliisWMe.-s
to -para atravessa-las e seguir viagem para os' entre o nedso mimstro e o commissarl-ifOtlift0,**e panassem.
blica, n que os generoso e heroicos sacrificios do
intrpido poro a que V. Exc. preside, aebarQ a
sea justa recompensa na prosperidado e indepen-
dencia perpetua da sua patria.
t Cumpro agora o ultimo dever de que eston
encarregado junto de V. Exc, que assegurar
V. Exc. o siacero deseje que nulre o presidente
dos Eslados-Unidos de robustecer e estreiter"^
rolaooes do amisade que agora felizmentedxistenv
entre adons governos, e garantir ana poros dos
daos paisas a eonnatiaeia das benafloias que re-
iltam denlas reteedes.
t Cumpro *sta msso con o raaior prazer, por
l-fdr que durante a minha residencia junto do go-
0 leentc-coronl Jos Correa de Oliveira An-
drade, chefe do estado-raaior do commando supc*
rior da guarda nacional do municipio de Goyanna,
na provincia de Pcrnainbuc >.
O capilo Jos Pcij de Mello, major ajndante de
ordens do commando superior da guarda nacional
da caplal da provincia do Cear.
Francisco Joaquim da Silvera, tenente-coronel
commandante do batalhao de infantera n. 22 da
guarda nacional da mesma provincia.
Foram reintegrados :
O coronel Paulo de Amorim Salgado, no com-
mando superior da guarda uacional dos munici-
pios de Barreiros e Agua Preta, na provincia do
Pernamhuco, ficando sem effeto o decreto de 21
de dezembro de 1887, que o reformou naquelle
posto.
O tenente-coronel Joo Cavalcanle Mauricio Wan
derlev, no lugar de chefe do estado-maor docoin-
mnndo superior da guarda nacional da referida
provincia, (cando sem effoilo o decreto de 6 de
maio do anno passado, que o reformou naauello
posto.
O tenente-coronel bacbarel Joannim Francisco
Cavalcanle Lns, no commando do batalhao oe in-
famara n. 15 da guarda nacional da raesma pro-
vincia, ficando sen effeito o decreto de 17 de ju-
iho de 1867, que o reformou naquelle posto.
O tenanic-coronaj Jos Luiz Caldas Lias, ao
commando do batalhao de infamara n. 44 da guar-
da nacional da mesma provincia, tirando sem
effeito o decreto de f% de juiho de 1867, que o re-
formou naquelle posto.
O major Lourencp Soares Cordeiro de Mello, no
lugar de ajudanle de ordens do commando supe-
rior da guarda nacional do municipio do Umoeiro,
na dita provincia, ficando sem effeito o decreto de
10 de junho do anno passado, que o reTormou no
mesmo posto.
Copcederau-se :
A Antonio de Oliveira Borges, major ajudanle de
ordens do commando superior da guarda nacional
da capital da provincia doOar, reforma do posto
e tenente-coronel.
Foram dispensados do exercicio aus-respsehvos
oostos, sobre represohlao do presidente da pro-
Tlteia de Peraambueo :
i
S
I MUTILADO I
I Mi


2
gaai 30 QtyJl 30 06 MS\ H32Klrio de Pemamb" *xta feira 30 de Ju,ho de 186- JTI Qfl3UH .VJX OK-Kfc
O tenente-coronel chefe do esudo-maior do com-
mando superior dos municipios do Bwrttp ot^pf-
v, barharel Jos Baplista Gilirana.
O toanMe-coronel commandante do batalhao de
infantaria n. 2.6, Malhias Ferrira de Mello.
Foram exonerados a sea pedido :
O ba**nt*)aqnini Lopes Chaves, do lugar de
jaiz u)nAj(n))t%e de orbaos do termo de Parahy-
buna, na provincia de S. Paulo.
O bacharel Jos de Souza Ribas, dftiagar dSiuii
municipal e de orplyToWermoTe Pjaa-Grossa,
na provincia do Pm. 1
Por decreto de 14 do tfknle oi mprpvatla a
promocao feita pelo conminad -eni ^-Itefe da- for-
is ero opemcoas do Parnfuav. do 1 tenente do
regiment do nrtilharia. a avallo, em eonimis-
sao no posto do eapitao. Urt Pedreira de Mnga-
Ihaes Castro, para oapitaoj* V batera do molino
Tagimeuto, por acto de brirtira, e comando anti-
gaidade de 8 de junk pce\imo passado. ^*.
Por decreto da mesma data foi reformado, na
eonforuiidade das diqtosires do do art. 9 dt
lei n. 6W de 18 de agosto' de 1852, o aiferes do 1
regimiento do cavaflxria ;ligra Joaqun Das de
Toledo, visto soffror molestia incuravel que o -torna
incapaz do serrice do exercito.
Por decretos de 9 do corrcnte foi demlttitio An-
tonio Joaquim do arsenal de nwrinha da provincia de Pernam
11)ueo, e iHxweiS > par o mesmo prego Camillo
<*) Lelis Fonseca.
Ule
A
a (1
i u
lt
o. lainistfHi
o Paraguay,
Coris
fie S.
fymffmti MSfm SgJhfas -itunioes
para deliberarem sobre a ongiaacao do
sea goveroo provisoria, Hayia -entro Mes
alguma divergencia, resultando ias rftea-
i;es de diferentes candidatos.
Em Bumos-Ayres o presidente da repu
diz o tgieunaia^flDpoz
^dec-ipil parae Ro
siil iL>!jovemi) de p
inspira va algtm desass
lagrainma de aenos-Ayres
inauncia que Mqtn-lla oite
geerra Gainza w partir para
afitn de trarer Oaili para o Rosario
expedicionarias contra os taboados
Juan.
A' Montevideo, donde ha noticias at 16,
tarde, ebegra o presideeta gaawat Battle
inesperadamente na vespera abite, inuti-
lisando os festejos que se, prepartvam para
a saa chegada, naos que assina tnesmos se
fanam a i$.
Veio de passagem no Pntete o Sr.
brigadero -Joao-^e Souza da Foaseca Cesta.
UATTO GltOSS*.
Por va do Paraguay saba-sa que o Sr. barao de
Melgado tomn eonU da aministrac.ao da provin-
cia d Matto Grosso, para ue havi sido iioaaa|t*i
rmdemd.-
Por awe datado de 15 do comente fet suppri-
mida a cummissao a cargo do wf nlieir Dr. Joo
Martins da SBva Coutinho, encarregado de traba-
Ihos Ae medicio de torras e oHro, na provincia
do Aomonts.
Por pffrtam da mesma dala k dispensado o en-
geDbeire Octaviano da Rocha, da cominissao 4e
medir trra* e omros no mnnkipio de Iguape, na
provincia de 6. Paul*, e tambe supprimida essa
cotumiMe.
No arsenal denwnnha, emharcni bontem as 8
horas da manhaa, na tran[).trte Hamlio Das com
destiao ao sal,-um contingente para* exercito.
S. M o Imnerai*r, a*xnpaohado-e sens sema-
narios, *ssistio ao-embarque, -e reSrou-se s e
mea boras.
17
Por deereto'detil do corrente, 1 nomeado To-
cias Teii Martins Moscoso, para o logar de stereo-
ineira da alfandega do Maranbo.
Por titulo da -jnesma data foi nomeado Joao Ra-
poso Pinto, para o Ingar de offlcial de descarga da
affaadega do'Penedo, provincia das Alagdas.
Por portara ttacbarel Gabriel 'Emilio da Costa, para o lugar de
agriinensor'da coai nissao a sarge do engenheiro
Francisco da Gunda Gal vito, na provincia da Ba -
fcia, percebendo os vencimentos de conductor e
segunda ciasse oem o trantportcao mnimo.
18
^oram nomeados:
O dsenibargar Joao Baptieta Goncalves Cam-
pos, adjunto do tribunal do enumrelo do Mara-
nbo.
O Qkial da secretara de peHoia da mesma pro-
\ neia, Pedro de ouza Guimacaes, secretario da
referida reparticaic.
Fraecisco de Paula Cavalcanti-de Albuquerque
Jnior, escripturario servindo de-secretario de pe-
licia aa provincia do Amazoaas.
O eapitao Francisco Coelho da l'onceca, tenrn-
te-coronel coinmandauta do primeiro batalho
da reaerva da guarda nacional Ja provincia do
Cear.
O tenente Raymundo Beroardino Pereira. capilao
luartel-mesiru do-coinmando sapror da guarda
nac mal do municipio de S. Bento, da provincia
do Maranhao.
O eapitao Manoel.-Baptista Pereica, coronel com
mandante superior da guarda nacional dos muni-
cipios do Principe e Acary, da provincia do llio-
Foi-concedida:
Ao coronel Antonio Theodorico da Costa, com-
mandante do primeii-o batalhao de reserva da
guarda nacional da provincia da Cear, demis-
sao do exercicio, conservando as nanras d'aquelle
posto.
Foi reintegrado o tenente-coronel Antonio Mar-
tins Porto, no enramando do batalhao n. 29 da
guarda nacional da mesma pmvinem.
Foi declando sem eleito o decreto de 10 de ju-
nbo o anno passado, qae nomcou a Jos Teixeira
de Castro, para o posto de coronel commandante
superior da guarda naciunal do municipio de Ara-
caty, da mestr.a provinm.
Foi exonerado o bacharel Raymundo Augusto de
Por-va de ontevi leo fonaos obsequiados
oomfelhasdoflio-GrandedoSul at 1'4 do
erroste.
Pola presidencia da provincia fura mar-
cad ir>dta-96 de setembro para proceder-
sea eleictSodeuro deputado pelo 2.dis-
trirJto, na-vaga deixada pelo Dr. 'Joao Jacin-
thode .Meudanca, e o dia para a elei<;au
senatorial-em toda a provincia.
23
S. M. o dmperador, acompanhad de sous
eetnanarios, ebegou honteta ao arsenal de
iBtrinha, ode visitou as officinas de roa-
cbinas; embarcou depois na galeota impe-
rial e dirigio-se Arutaco, onde percorreu
o hospital militar; em seguida fet mor-
lona do Mucangu e visitou tamb m o vapor
Mnego, que se acha alta do dique limpando
o fundo.
Por cartas imperiaes de 21 da correute:
Foram concedidas as faenras de conego
da imperial capella aos padres Antonio
Thomaz de Campos e Vicente de Almeida
Pinto-Vieira, ambos da dioeese de Goyaz.
Foi nomeado o bacharel Manoel Jesuiao
Ferrira secretario do governo da provin-
cia da! Baha.
- Por*decretos da mesma data:
Foraui concedidas as honras de conego
da-S'deMariannaao padre Jos Olyntho da
Silva, vigario collado da fregaezia de Nossa
Senhora da Abbadia de Pouso-AIto da dio-
cese de Goyaz, provincia deMinas-Geraes.
-Foi concedida a exoneradla que pedie o
bacharel Joaqun Jos de Franca Jnior
do cargo de secretario do governo da pro-
vincia da Babia.
Foi nomeado cavalleiro da ordem de 6.
Bento de Aviz o capito-tenente da armada
Manoel de Moura Cirne.
S. fixe.ftz seguir algamas forcas parT'S
sunipcio, nade J Inviam chegad'o 300 homeus, e
erara "speratos mais 908.
3IIK&S UBR.IKS.
do
feto I BraBBL_
'-- diz une no dislricto
*njg*fa o ciiadiu Joa-
ra i r>rumineni,eni c
" al i por -loiis fl-- scnsr<-
>sonierininosos, eje-
de orphaos, e promotores de testamento, canjj|f}4re
"M'-luos lur que "os homens se reunam.
i' Nos termos das relaoftw no podem ser-1 _, a asaociacao municipal, dizum eseriptor mo-
r e solicitad >res os bacharets wniados- Sel, '-
ero ser Ilimitado.
|3.Oijuizes muncipaei-*erao nomeados-
pelos presideutos de provincia, fiado o quajriii-^
nio, sobre consulta da relaca o respectiva, serao re
eonduzidos ou prvidos a titulo vitalicio pela -
do laranhao.
Fez-se mero a Antonio Joaquim Gomes, da
serveniia vitalicia do uflicit de deposiurio publico
do termo de 8. Matheus, naprovincia do Espirito-
Santo.
Pir decreto de 15 do corrente:
Fui nomeado o eapitao Juaquim Jos Uves Li-
~nhares, tenente-coronel commandante d batalhao
da reserva n. 5 da guarda nacional da provincia
do Ceara.
Por deereto de 8 do corrate foi exonerado da
commissao de inspector da alfandega de Sergipe o
segundo conferente da do Rio de Janeiro, Jos An-
tonio S .ares de Souzs.
Por decreto n. 4, 88 de 15 do torrente, foi con-
cedida por espaco de dous annos, isencao dos.di-
reitos de consumo as mercaduras que forem im
portales naprovincia deMatto-Grosso e os de ex-
portacao aos gneros de produce^ nacional.
Por decreto n. 4,389 da mesma data, foi ap-
provada a forma feita nos estatutos da eaixa
liypothecaria da cidade da Bahia, ua parte rela-
tiva ao numero e gratificacao dos respectivos di-
rectores.
19
Por decreten. 1,392 e i 5 do correntp
foi elevada eathegoria de balalho a .f sec-
c3o de batalhSo da reserva da guarda nacio-
nal Por decreto n. 4,390 de lo do corrente
foi autorisada a incorporaclo na capital do
Maranhao de urna socidade anonyma banca-
ria sob o titulo de banco CoaamerciaL
Por decreto n. i,391 da mesma data foi
tambem autorisada na provincia do Rio-Gran-
de do Sul urna sociedade anonyma hancaria
sob a denmoinacao d<) banco Cenfianca.
20
Entrou hontem do Rio da Praja o pa-
quete francez Aunis, comollias de Buenos-
Ayres e Montevideo at J*. o .do cor-
rete.
Da AssumpcSo chegam as noticias a 10
do corrente mas nao referea,Tacto algum de
importancia. Os v.ercitos coo&ervavamse
as mesmas posc5es. O goverao proviso-
rio nao cava ainda constituido.
a repblica Argentina tambera nada ha
de importancia. Na Orienta n3o se lin >au
publicado ainda as bases do ajuste feito
com o general Caraballo; presumia-se po-
rm, que alm da conservar dos postos
militares alguma cousa mais se teria conce-
dido aos chefes e ofJQciaes da revoufSo.
Dizem coffltudo que alguns gestes se ti-
nham expatriado, atravessando uns a fron-
teira do Brasil, otitros a de Entre-Rios.
O presidente general Battle era esperado
a 18 m Montevideo, onde se aziarn muitos
preparativos de festas.
22
Por decreto de 1 i do corrente feram
promovidos, sob proposta do commando em
chefe do exercito em operacoes no Paraguay
os coronis da arma de arlilharia, Emilio
Luiz Mallet e da de- infantaria Herculano
Sancho da Silva Pedra ao posto de briga-
deiro, em atlencas aos relevantes servicos
por lies prestados no raesmo exercito em
operaedes.
Por decreto da mesma data concederam-
se as honras de postos militares do exercito
aos individuos abaixo mencionados, em at-
tenejo aos relevantes servicos por elles
prestados na guerra actual contra o governo
do Paraguay :
De tenente-coronel ao major da guarda
nacional e eapitao honorario do exercito
Luiz Amonio Correa de Albuquerque.
De major ao eapitao do corpo militar de
polica da corte, com as honras de major e
a commissao deste posto no exercito, Joa-
quim Antonio Fernandes da AssumpcSo, e
ao eapitao do 5 Io corpo de voluntarios da
patria Luiz Augusto Coelho Cintra.
De eapitao aos capites de estado naaior
da guarda nacional do io-Grande do Sul
Andr Alves de Oliveira Bello, do 25 corpo
de voluntarios da patria Augusto Diuiz
Goncalves, e do 31 corpo da mesma deno-
minado Joaquim Gomes Pessoa.
De tenente ao eapitao 4o 23J corpo de
voluntarios da patria Firmino Jos Correa,
e ao ex-tenente em commissao de volunta-
rios da patria Agostinho Ribeiro da Fon-
toura.
De aiferes a alfares secretario do 4o
corpo de voluntarios da patria Joaquim An-
tonio Ribeiro da Fonseca e ao aiferes do
5,1 corpo dito Joao King.
Por portaras de 21 do corente, foi no-
meado o major reformado do exercito Joa-
quim Jos Moreira para o lugar de ajudante
de ordem da presidencia da provincia de
Minas-Geraes, e exonerado do refeeido lugar
o alfares Eusebio Jos .Gonzaga.
# 24
Por titulo de 22 do corrente foi comea-
do o prateante da recebedoria do Rio de Ja-
neiro Domingos Lobo Salgado para o lugar
de 4* esemnturario do tbesnnrn nacional
Esteva oceupando interinamente o cargo de
procurador fiscal da thesouraria de fazenda o Sr.
Ignacio Antonio da 'Silva, |*r iinpemenu do Dr.
Jos Jn a |inku de "Solfea. Tambem no laga de ins-
pector garal da instruccao psblica, licava o Sr.
Luiz MaVcellino Gamargo, qae interinamente subs-
tituira o conego Joaquim Vicente de Aieveo.
PABANl".
Segundo o Dezenove le Deze*k% na 3 do
corrate, tinham chegado a Paranag .i 83 rales
de lio, soladores e estiendares para a liaba tele-
grapbica deParanagn aCeritiba, e acha va-so-en
carrejado de dirigir os trahalhos da collocacas do
telef rapho o Sr. James S. Cann!.
RtO BE i&NKIHO.
O senado, alm de materias sectwlarias,
como approvacao de lieenea a Yinrcionarins p-
blicos, matriculas de estudantes e pensos, ouvio
diversos de scus uiembros sobre o voto de^fracas,
|oe ainda licon adiado.
Na cmara das epatados foram apresenta-
dns os segnintes projeetus :
A assembla geral resolve".
Art. 1. Connidan se censlrangimcntp para o
ffeito da garanta do tutbeas ctrpus, no caso de
illegalidade:
g !. A detencao preveotidii j edectuava ou
apenas ordenada;
t | }. A reclusioem carcre privado.
I 3.* A obrigacao de prestar onucao (termo
de bem vi ver e -egurancai;
S 4 A denegacao daSanca
g 5.* A conservacao do reo em priso diversa
daquella^a que por lei devu ser recolbido.
6. A remessa do preso para outro termo,
salvo o caso de falta de seguranza da cadeia;
7* A incomnmnjcabilidadc do detento o
preso ;
8." A aggravacjio da pena imposta por sen-
tenca.
9.* A permanencia na priso depoii de ex-
tincta a pena.
Art. 2" Do constrangimente por virtudede sen-
tenca de pronuncia, ou condemnaeao, assim como
da detencao civil, nao lia ver habeos cerput, purm
sim recurso ordinario do processo.
Art. 3.* O juiz para quena se interpuzer ba-
beas corpus, connecendo pelos doenmentos a ille-
galidade do constrangimento, peder ordenar a
inmediata cessaoo, mediante cau$ao, at que re-
solva definitivamente, depois da audiencia do cos-
tume e interrogatorio do roo.
Rio, 16 de julho de 1869.-J. de .Henear.
A assembla gerai resolve:
Artigo !.
< I." O cdigo do processo criminal e a lei de
3 de duzembro sero executados eom as seguintes
alteracoes :
2. O reo ser admittido na fonnacao da culpa
a produzir sua delesa e a prova respectiva no
prazo fatal de 3 lias.
3." A sessao geral do julgamento no jury
comeear, depois de formado o eonselho, pela ex
posi;ao da promotoria, que deve limitar-se a re-
ferir o facto e indicar as provas, sem classiliear o
crime.
3 4." Concluida a exposicao da promotoria,
lera lunar o interrogatorio do reo e depoiinento
das testemunhas da aecusaco, soguindo-se a de-
fesa e o depoimento das respectivas testemunhas.
< 5.a Os quisitos versarao nicamente sobre
as questoes de facto, evitando-se a indicacao do
artigo da lei. O niesmo se observar a respeito
dos motivos justificativos e circumstancias atte-
nuantesou aggravantes, sobre as quaes o juiz for-
mular quisitos especiaos, sem nenbuma elassi-
ficacao legal.
S 6. Dever o juiz porm formular em todos
os procesaos um quisMo geral n'estes termos:
Existem outras circumstancias attenuante* ?
Ao qual o jury responder cpecificadamente, no
caso de affirmativa.
7. Da decisao do jury sobre questo de
facto s haver o recurso de apiwllacao para outro
jury do mesmo termo, ou de termo cabeca de co-
marca.
8. da sentenca do juiz que apnlicar a lei
decisao do jury haver appellacoes para a relaco
do districto.
Artigo 2.
!. A promotoria publica intervir no pro-
cesso por crime particular quando a parte nao
puder proseguir por falta de recursos, e assim o
declare na qneixa.
2." A causa julgada, a incompetencia do
juizo, a prescripeo, a nao identidade de pessoa, a
amnista, constitiiem exceptes de ordem publica
e interrompem o curso do processo crime em
qualquer lempo e instancia.
8 3. O tempo de priso preventiva que exce-
der de 60 das, por facto alheio ao reo, ser co-
udo como pena, fazendo-se a reduccao do art. 49
do cdigo penal.
icio pea go-
I.
Mo de
bla gi
1" Os reitciiiNStOS dos ministros
tribunal, fleseniliargail-ires e juizns di-
augmentados na raza o de cinco por
no, at a importancia de cincoenta
PS A^I&liSr*^ *H J^*^U>, os municipios essa
i, mh compromisso de es-
nal que por
a desempenhar.
derno
; existo em todos os povqs, qnaesquer que
sejam seds cstu'mes'e leis : o homem que fun-
da os imperios e" crea as repblicas ; d munici-
pio parece ter sabida diroelnmente das maosde
Deus.
FallandA^regaj|ii_i^ncipaJ_dii {lcnrion
de Peasejjf i Ibinfe secular icbeulou por
si do sojteue vale denota cobrir com seuj ra-
mis, c foi levado pelo tm de sua conservacao
que o homem ae obiigou oh sua sombra lut"ol-|
aposentados,. sen pedido ou p>
iniciati\flA gfl*ernos miaistris do supremo
trJbunaM^astita, dinfcoergadoiY's e jnizes 4
direiio, cuja impossibilidade physica f,r previa-
mente reconhecida por sentema do respectivo p-i-
lnal.- a]
3. O tompo para aposentadoria eom orde-
nado por irteiro ser de triiita annos. Antes de
dez annos n magistrado aposentado nao teta direi-
to a venomento algum.
% 4.* Alm da renuncia expressa entende-se
que reanmcia ao exercicio de seu cargo :
< 1.* O juiz de direito de primeira ou segunda
entranoia nomeado na removido para qualquer lu-
gar aae uo entrar no exercicio dciilre do prazo
que (yr estabelecido no regulainento, conforme as
distancias.
< i.' t juiz de direito que sem liecnca sabir do
districto de sua jurisdiccao, ou abandonar por
doas mezes o ercicio do cargo sem causa justi
fleada.
B. Os jnizes de direito ozarao do previle-
gie de foro nao s nos criines de responsubilidade,
como nos crimes particulai-es emquanto exerce-
rem os cargos.
6. Deseontar-se-ht da a aatiguidade dos
desembargodores e ministros do snpremo tribunal
o tempo que exceder a seis mezes de liecnca em
tres annos. Esta disposicao nao prejudica a anti-
gmdade vencida.
7." A9 costas dos juizes, cujos vencimentes
beam augmentados, sero recolhidas como rendas
publicas permittido, porm, aos juizes optar
por ellas, renunciando ao augmento.
Art. 2-* Fioara revogadas as disposicSes em
contrario.
Rio de Janeiro, 20 de jullio de 1869. J. de
Alencar.
O Sr. ministro do imperio apre^entou, na
sessao de 19 do correte, ara projecto sobre orga-
nisacao da administraba local, precedendo-o das
seguintes palavras :
< Vou ter a honra de submetler ao illus rado
criterio dessa augusta cmara o projecto que or-
ganisei, no intuito de allender as necessidades re-
conhecidas da adminisKracao local.
Com quanto toda a extenso do Imperio este-
ja compreiiendida na divisad municipal, existem
as localidades servidos que interessam especial-
mente as paroehias, teero natureza diversa das mu-
nicipaesi devora tr organisai;o especial e adecua-
das, e nao pedera deixar de ser considerados por
modo distincto.
A nacao, grande associaeio poltica, decom-
poe-se, fracciona-se, no que se refere a adminis-
tracao, em associaces parciaes, que, abrangidas
naquelle grande todo, teem comtudo vida propria,
formam com aquelle verdadeiros circuios concn-
tricos, cada um, porm, com interesses e necessi-
dades suas peculiares.
E' as-sim que o Imperio se divide em provin-
cias, estas em municipios e os municipios em pa-
roehias.
Na parochia, alm da vida da associacao pa-
rochial, apparecem interesses municipaes, como
parte iiilegrante que ella do municipio, co-exis-
tem interesses proviuciaes e interesses geraes.
Sao interesses distmetos entre si, mas que se liar-
momsam, e a perfeicao da organisa(o adminis-
trativa est era nao se confundirera, era se re-
pellirem, mas auxiliarem se mutuamente o mais
possivel.
A satisfacao d3 todos estes interesses a pros-
peridade geral. (Apoiados.) Cumpre, pois, ao legis-
lador vigilante, manlendo-os as rbitas respecti-
vas, desenvolve-los, a par dos do estado, animar a
vitalidade das provincias, dos municipios, das pa-
roehias.
Estudando a no;sa administracao, reflectindo
sobre os melhoramentos de que precisa e sus
ceptivel, entend dever coinecar pelo que mais de
perto eutende com o Iwin estar dos cidadoa, pela
administrago municipal e parochial. Segu a B
gra de todas as con-truceos, nao se deve
da copulado edificio sem ter-lhc primeiro
lado nos terrenos os alicorees. s*. .
Adopto a parocliia como unidadoV: IDinis"
tracao, como base de organisacao/tnini3lrat,va
do Imperio. /. .
Ef ella a ultima divisad f f ,a?!,ca a bas.e
das operacoes eleitoraes, >iui",a Ja c"mo u"'-
dade administrativa erar03 aclos do ooer
legislativo e do poder raistrativo, ,aes c"mo a
lei da guarda nacionr regulamento do censo de
1851 e otitros. O"1^ la' considerada no projec-
to de reforma d/rcrutainenlo que ora se discute
ne-ta casa. .....
Comqoa,o seJa ja. sob differentes pontos de
vista, de f-"0 e e aireito, a unidado de divi-
sa i terri',r'il P*ra Uns administrativos, no pro-
jecto, oe vou mandar a mesa, lirma-se o princi-
pio, pganisando-se a parochia, dando-selhe enti-
dad distincta. E' este um dos pontos de partida
(jjreforma.
Duas deas capites dominam todo o projecto,
/las quaes deyem ser afer das suas disposiedes :
Abaixo d*as poderes, legialalivov ejecuti-
vo e judiciario, diz anda o Ilustre presidente,
exino um quarlo poder, que ao inesn tempo
publico e privado, rene a autoridade do ma-
gistrado do pal de faan
pal. i
Entre nos o municipio nao existe boje como
associacao local ; nao podemos fallar em poder
municipal : o municipio quasi quo somonte
ama circumcripcao no divino territorial. A muni-
cipalidade nao se move por si, como quiz a cons-
tituigo. _
Para apresentar exempltis, lerei em demons-
trar) deste meu enunciado o seguinle trecho da
introduccao do (jue um meu Ilustrado compro-
vinciano fez preceder urna das ultimas edicoes
avulsas da lei do de outubro de 1828.
ljjuor a cmara municipal construir um ce-
miterio ? Ao presidente da provincia competo
approvar o plano, sem o que nao pode a cmara
construido.
Quer desapropriar um terreno para urna rna,
estrada ou logradouro publico T Ao presidente da
provmela compete declarar so a desapropriaco
de utilidade.
Quer fazer urna obra de evidente utilidade
publica t Nao o pode sem previa licenca do pre-
sidente da provincia, se for de custo excedente a
500*000.
Oa-se um caso extraordinario que interessa a
seguranca ou sade publica, e que pede prompto
remedio, exigindo urna despeza nao prevista no
ornamento municipal, ou determinando a neces-
sidade de exceder nma verba decretada? Nao o
pode fazer a cmara sem previa licenca do presi-
dente da provincia.
t Finalmente, e para nao ir mais longe, nao po-
dem as cmaras nomear um simples guarda de
cemiterio sem sujeitar essa nomeacao approva-
cao do presidente da provincia t
E, como se nao bastassem todas estas depen-
dencias, ainda se pretende que o empregado da
cmara municipal, por ella deinittido, pode ser
reintegrado por nma simples portara do presi-
dente da provincia.
Tal em geral, o estado actual das nossas
municipalidades. Nao preciso commenta-lo, bas-
ta expo-lo.
Ao que imputar, senhores, esta decadencia, a
degradacao do elemento municipal no Brasil 1
Aos costumes t..... Herdamos os da antiga
metropole, e forca confessar que nao eram aven-
aos, antes lavoraveis instituirn municipal, era Portugal, como em toda a parte, nasceu/des-
envolveu-se por impulso popular.
Aflrma o Sr. Alexandre Herculano que em
nenhum paz, como no antigo reino, foi o elem n-
to municipal mais enrgico o vivaz, em nenhum
conlribuio tanto para o progressi ito civilisaco.
Todos sabera com que esfurco a fpulacao de ca-
da localidde defenda os dirp'tos e sencdes de
seus foraes. /
V. Exc. cenhece, Sr./residente, o movimen
lo do espirito publico qu/os historiadores deno-
qual
tadta
ninfo deste projecto "tV convido
(Milita bem, mallo be)
Antes de (Minnac^penobenhnaNl cmara para
ler as seguintes palavras, Ura bellas na forma,
quanto na substancia verdndeiras, que me fizeraru
isia na disrusso-
pnr um publicista.
e illus tracao, nu
iiiiudi-s privadas e
Fallo de A. deToc-
* escrlptores con-
4/> A appellaco no easo de absolvico de- Pr'njf'ra pstjraular a vitalidade local, dar li-
< '-i.....-=- -----*-..... ----- berdade e a accao a
a inunicipalidado no que inte
ressa s ao municipio ; a segunda crear, pela in-
tervenco do cidadao nos negocios da localidde,
elementos de educacao poltica que nao temos, e
sem a qual nao conseguiremos habilitar a nacao
para a verdade e plenilude do systema constitu-
conaL (Muitos apoiados.)
Sao duas ideas fecundas (apoiados), que de-
veni merecer toda a vossa attenyo e que procu-
rei pralicameute desenvolver uas dsposcoes do
projecto.
t Aceitas, como espero que ho de ser, tenho
uuiinaeo a gaz carbnico e para a canalisaaae fundada esperanca de conseguir o meu fira, nao
das aguas e dos esgotos s empresa* que se pro- Pe' pereciinentoe valor de minhasacanhadas con-
puzerein a realisar taes raeihoramentos as cidades cepfoes (muitos nao apoiados), mas porque para
crelada pelo jury np tem effeito suspensivo. Sen^
oo o rrim ita,|uciii, cujo mximo de pena/
morte, gales por mais de 20 annos e priso p
mesmo tempo, a autoridade poder sujeitar o/o
a caucao ou anca.
Artigo 3."
Ficam revogadas as disposiedes em codrario:
Rio, 16 de julho de 1869./ de Aletear.
A assembla geral resolve :
Art. 1." O gover.no conceder a isencao de
uireitos de iniportoeao dos machinisraos, appare-
Ihos, utensis e mais objectos neeessarios para*
DIARIO DE PEBMMBUCfl
flECIFK, 30 DI JULHO DE 1669.
NOTICIAS DO SUL DO IMPERIO.
Chegou hontem dessa procedencia o vapor fran-
cez Navarre, trazendo datas do Rio de Janeiro at
24 e da Baha at 27 do corrente.
Sob as rubricas Parle Oficial, Exterior e In-
terior damos por extenso as noncias mais impor-
tantes, alm das quaes apeuas encontramos mais
as seguintes :
Sahido a,9 da Assumpcao, de onde li-
bamos datas at JO, o trawporte de guer-
ra Presidente, entrado hontem, nao nos traz
noticia nenhuma importante do Paraguay.
Recebemos, porm algunas cahas do* nos-
sos correspondentes, que sero brevenwte
publicadas.
Era voz geral que por lodo o mez dejufrio
os exercitos alijados emprebeoderiam airan
movimento importante, e, emboranSo hoo-
vessem noticias positivas, calculava-se, aa
data das canas, qae o general Portinho de-
via estar com a sua diviso as cabeceiras
.'?.? ^nuary.
OSr'cdrjsa,l.eirD P*wnw tinha ido a
Jiraj conferenciar {oiS 5? o Sr. conde
S. TAVU).
k T ^erraram-se no .lia 7 do corrente os tra-
pamos da assembla provincial; marcando a pre-
sidencia da provincia o dia 13 de ontubro prxi-
mo para a ieicao da nova assembla.
Para deputado assembla geral, pelo 2."
districto, foi ejeito o Dr. P de Paula Toledo.
Achava-se no exercieio de chee de polica
o juiz de direito da capital, Dr. Felicio Ribeiro dos
santos Camargo.
Pela presidencia da provincia foi sanecionada
a le da assembla que reduzio a 3 0/0 o imposto
provincial de 4 0/0 sobre os gneros de sxpor-
taeao, *"
O Correio Paullstaao de 18 noticia o se-
guirte
de S. Paulo e de Santos.
Art. 2." Ficam revogadas as dsposcoes em
contrario.
* P*6 da cmara dos deputados. 17 de julho
de 1869. Joao Meiules. Duarle de Azevcde.
Rodrigo da Silva.Costa Pinto,Godog. <
A assembla geral resolve :
Art. L if Os accordaos serao tomados por
tres deseiabaigadores, cora excepto dos jura-
mentos de responsabldade, revista e habeos-cor-
pns. O relator ter voto nos casos era que ha
lugar o sorteio.
2. Ao desembargador a o,uem for o feito
distribuido, eompele a pronuncia, nao Gcando
inhibido para o julgamento.
3. Ao presidente da relaco, no termo da
mesma, compete julgar a suspeicae posta ao jaiz
de .direito as causas civeie.
Art. 2." !. Os juizes de direito de primeira
instancia exercerao a jurisdico pleoa no civel
e eommercial, cora excepsao das causas do valor
de 1.-080* na corto e apitaes da Bahia e Pernam-
buco,e.300| nos outros termos.
. I Julgaro tambem no eivel e eommer-
cial a suspejeao posta ao juiz de direito da enmar-
ca prxima, exceptuado aquelle onde estiver a re-
laco ou o tribunal do commercio.
i 3. Esses juizes residiro no termo que o
governo designar como cabeca de comarcas.
Art. 3. !.- Os juizes municipaes formarlo
a culpa no enme e servirad de preparadores as
causas cives e commercaes, con excepcao das
causas de valor menor do 1:000*000 na cortee
capites da Babia e Pernambuco, e OOJOOO nos
outros termos, a respeito das quaes Ibes com-
petir julgamento com appellaco para o juiz de
direito.
Art. 4." !. Os jnizes de paz julgarao em
primeira instancia com reeurso para os juizes de
aperfeicoa-las e completa-las venho aqi achai
jm vos o que me falta ; conhecimento profundo
das necessidades do paiz, a luz do suas melhores
intelligeneias.
Nao use da liberdade e latitude quo vulgar-
mente se attribucm aos autores do reformas ; nao
poda, nao qaiz te-las, porque cunipria-me, antes
e tudo, regoJar-ine, liiiitar a espheia da reforma
\ae planejava pelo estado da educacao publica,
pelas condicoes e costumes do paiz, pelas neces-
sidades, cuja satisfacao reclama e podera sor at-
tendidas neste momento. Fiz o quo me parecen
possivel na aelualidade, nao o que em absoluto
julgaria nielhor.
O legislador nao pode abandonar-se aos arro-
jas da doutrina, nao deve r alm de sua poca.
<0* espirito de innovaeao, e desejo de pereieao ab-
soluta, leva-lo-biam a coneep^-Ss idaes, e a lei
eita para o mundo nratico.
Pens que as leis novas devem ser o mais
possivel o aperfeicoamcato da legislacao vigente
(apoiados), fundada na experiencia, dictadas pela
prudencia.
Legisla-se, verdade, para o futuro, mas
nao para futuro remoto : as traoscoes bruscas, a
mudaaca de systema na legislacao, desvirtuariam
o resultado que se quer conseguir, isto o pro-
gresso da eciedade, que s se pode ir gradual-
mente operando.
A perfeieao pratica das rastituicoes nao se rea-
lisa em um dia : a grande obra da legislacao de
um povo s se pode completar com o tempo. At-
tendendo as necessidades do presente, e aplai-
nando o camiuho geracao que vera prxima,
minarara einancipacaqd83 commuuas, no
o povo, revoltando-srcontra o feudalismo, foi e-n
grande parte ajuaro pela realeza, facto este pode ser consiuei"do como pronuncio da mnar-
chia constitucioial-
O muncip", como appareceu na irado me-
dia, leve inotvos de existencia rauto tversos dos
que boje ju'ticara a nec essida de ii< seu desen-
volvuuento
Amelados por alguma nov* oppresso, os ha-
bitantes Jas cidades e villas -euniam-se na praca
public?ou na igreja, e aK tocando as cousas
santaje invocando o te*emunho de Deus jura-
varare mutuo auxilio^ devotaco para escaparem
da servido e dos v*a0*s dos senhores feudaes.
Cofi a mesma es^ntaneidade surgi em Portu-
ga' o municipio
A decatl"Ca da municipalidade nao proveio,
is, dos c-stumes herdados da mi patria, e neui
s propp*>s da ento colonia portugueza. Nao
ara se"vrarein os povos do vexames eextorses,
maa jara curarein dos interesses locaes, se for-
luaraui por acto popular diversas municipalidades
no Brasil, entre as quaes aponlarei duas de minha
provincia, as de Campos e Paraty.
Se os costumes eram nesse sentido, como des-
appareceu essa tendencia tao pronunciada e es-
pontanea pelo muuicipalisrao ?
Nao pode ser imputado legislacao antiga. A
Oro. L. 1" Tu. 66 reconhece a necessidade, e nao
pou o desenvolvmento das instituicoes munici-
paes, e foi para aquelle tempo urna lei liberal e
providente. Nao foram em sentido opposto as leis
que se Ihe seguram.
As municipalidades at independencia nao
erara corporacoes nicamente administrativas ; ti-
ubam attnbuicoes contenciosas e inlervinham nos
negocios geraes. Todos sabem que a legislacao an-
tiga portugueza nao distingua convenientemente
as raas do administrativo edo judiciario.
Com a promulgacao da constituicao, consa-
grada a separago dos poderes, re onhecido o
principio da repi esentacao poltica, firmada a li-
berdade da imprensa e a erta esta tribuna, desap-
Sareceu a inisso poltica das municipalidades
ao podiaii mais ser, nao deviam ser, nem san
per sua natureza teid corporaces administra-
tivas.
Excluindo as cmaras municipaes da arena
poltica que s abri em e vada, a constituicao consigoou a necessidade do
governo local por aquellos que mais directamente
sao uelle interessados. Nem deixaria de faze-lo,
sem que assim faitasso alguma cnusa de esseucial
nesse monumento de sabedoria levanudo pela
inspiraco com que a Providencia aprouve Ilu-
minar o patriotismo daquella geracao gloriosa, a
que devenios a fundaco da nacionalidade brasi-
leira.
* A unidade governamenlal est firmada no art.
los da constituicao, onde diz : Haver em cada
provincia um presidente, nomeado pelo imperador,
que o poder remover quando entender que assim
convm ao bom servico do estado.
A dejcentralisaco administrativa, o elemen-
to local, estad expressamente estabelecidos, em ter-
mos os mais positivos, no art. 167 e sobreludo no
art. "i.
Dizem estes artgos.: 107. Em todas as ci-
dades e villas, ora existentes, c as mais que para
o futuro se crearem, haver cmaras, as quaes
compete governo econmico e municipal das ci-
dades e villas. > 71. A constituicao reconhece e
garante o direito de intervir todo o cidadao nos
negocios da sua provincia e que sao immediata-
mente relativas a seus interesses peculiares, b
A lei orgnica das cmaras municipaes pro-
mulgada em i de outubro de 1828, se coulm de-
feitos e lacuna?, nem por isso dexa de apresen-
tar as feicdes caractersticas da insttuico muni-
cipal.
Attrbue-se ao acto addicional ter aniquilado
o municipio, manietando-o s assemblas proviu-
ciaes, qne a deixaram em abandono, substituido
a iniciativa local pela ausencia da direccao.
Ha razio, mas s apparente, nessa aecusacao.
O systema do acto addicional, seu espirito, suas
tendencias deseentralisadoras, as ntences de seus
autores, nao justificara a intelligencia que, com re-
laco s municipalidades, se Ihe tem dado na pra-
tica. Espero demonstrado nadiscussao deste pro-
jecto.
A m exeeucao do acto addleeional, da qual
nao se pode fazer carga somente a este ou qnelle
partido; a necessidade de attender a interesses po-
rea
anal
nao s nutdflbor^K t
sobreimio estima\-|.pei
pnia iiobreza de seu ca ac
quevilic, um dos mais dis
temporneo
Se a municipalidad'- existe desde que ha ho-
mens, a liberdade mnoicip^Hrousa rara e frgil.
Um povo i-de s.-mpre edalAer grandes assein-
6 o pode* aumef- blas politicn, ponjue acha-se habiiwlmenie em
seu seio certo numero de homens, nos quaes as
luzes supprem at certo ponto a pratica dos nego-
cios. A municipalidade compon-se de elementos
grosseiros, que se recusara s tetes arco do le-
gislador.....................................
Una sociedade muito adjantada em civilisa-
co s tolera com esforz os ensaios da liberdade
municipal; revolta-se' vista de seus desvos e
desespera do xito antes de atlingir o resultado
final da experiencia..........................
Emquanto a liberdade municipal nao entra nos
costumes, fcil destrui-la, mas nao pode entrar
nos costumes seno depois de ter longo tempo sub-
sistido as leis... E' a accao continua das leis e
dos costumes, sao as circumstancias e sobretodo a
tempo que chegam a consolida-la................
< E'no emlanto na municipalidade qne reside a
forca dos povos livres. As instituicoes municipaes
sao para a liberdade o que as escolas sao para a
sciencia : collocam-a ao alcance do povo : fazem-
Ibe experimentar seu uso tranquillo, e habitnam-o
a servir-so della. Sem sliluirdes municipaes
podo una nacao adoptar urna fcrma de governo
livre ; mas nao lera o espirito da liberdade.
A estas palavras arcreseentarei que, se o mu-
nicipio a escola da liberdade, se a mak.r inler-
vencao dos homens bons nos negocios locaes es-
peranza fundada e garanta de prosperidade para
as localidades, as municipalidades nem organisa-
das sero no Brasil, como em outros paizes, novos
elementos de ordem e outros tantos ponto? de apoio
para o governo, que tiver e merecer a conlianca da
nacao. (Apoiados, muito bem, muilo bem).
Prosegua a 3* discussao do projecto do orca-
menlo geral do imperio, com umitas emendas
elle offerecidas.
Eis as noticias commerciaes da ultima dala :
Inrluindo transaeges reculares em cambio
sobre Londres a 18 Vi d. papel bancario, e a 18 3 \
a 18 V, d. papef particular, e peijuonas sobre Fran-
ca de 506a SW rs. por franco, effectuadas hoje,
sommam asoppracdes em cambio para o paquete
francez Npcaire:
< Sob* Londres cerca de 460,000 a 18 A e
18 % -f. para o papel bancario, e a 19,18 V. o 18
Vi d. para o papel particular.
Sobre Franca cerca de frs. 2,380,000 aos ex-
tremos de 500 a 512 rs. por fr.
t Sobre Haraburgo cerca de M. B. 60,000 de 925
a 947 rs. por M. B.
Sobre Portugal vigorou a tabella que demos
na nossa revista de hontem.
Negociaram-se varios lotes de soberanos a
125920 a dinheiro e 12*950 a prazo, pequeas
partidas de apolices geras de 6 /. a 80 e 79 >/?
/. edas doemprestimo nacional de 1868 a 65
de premio e 10 acedes do banco do Brasil a
~litiil.
Sabirain os navios : para os portos do norte
do imperio, a 16, escuna hollandeza Carolina Cor-
nelia, a 17 brigue inulez Suzanah Tkifft ; para
l'ernambuco, a 21, polacas hespanlmlas Modesta e
Virgen del Carmo ; para a Parahyba, a 21, a bar-
ca portugueza Luzitana.
baha.
Achava-se no porto a fragata ngleza vapor
Phebo, que vem reunir-se esquadra ingleza (pie
deve reunir-se nesse porto. Este navio monta 30
canhoes.
Falleceram na Cachoeira : Antonio Pinto
de Almeida, com 90 annos ; o commendador Ma-
noel Jacintho-Navarro Campos, natural do Rjp do
Janeiro, bacharel em direito por Olnd cotn 56
annos : o negociante Jos Germano Mangabeira ;
o capito Felinto Elisio de Carvalho Menezos ; e o
solicitador do fro Luiz Osana Madeira, com 86-
annos de idade.
Lomos no Jornal da Bahia :
No dia 26 do mez pasudo, s 6 para 7 horas
da noile, Jos Apolonio da Costa, morador ua viUa
Nova da ainha, chefe de numerosa familia, toi
mortalmente fendo dentro da casa de sua resi-
dencia, com um tiro, que, desfechado a queima-
roupa, empregou toda a munieo, consunto de 13
carocos de chumbo e urna bala, por baixo do lui-
mopfato direito, e se acha em perigo de vida.
Comparecendo logo o delegado, j encontrou
o Dr. promotor publico, e o subdelegado do dis-
tricto, que procedeu ao competente corpo de de-
licio.
Foram apontados como autores do delicto Ma-
noel de Aquino Leito como mandante, e como
mandatarios um individuo desconbecido, morador
em Monte Santo, e Jos Marques da Cunha, resi-
dente naquella villa, sendo este ultimo preso. >
O cambio regulava : sobre Londres 18 *L a
19 d., sobre Pars 500 a 505 rs., sobre Hamburgo
930 a 950 rs., e sobre Portugal 190 /?
PERNAMBUCO.
A 10 do corrente dea se na Limeira o assas- 5
sinato de um italiano de norae Pedro Pirr segn-1 iroito-
dorefere urna eartt daquella localidde, de onde I A-No crime, as causas policiaes comnre
extraame como segu, a exposicao.do facto : heudendo-se nessa designado todas aquella em"
que o reo se livra solt.
-*^-N eivel. as causas cujo valor nao exce-
der de 1004000 em qualquer termo e 200*000 na
iiAIa Aird IIIIUS,
10 da
A 10 do corrente, s 1 i horas da noite, es-
tando Pedro Pirr, negociante demolhados, a con-
versar com dous freguezes portas /echadas no
interior de seu negocio, e vindo urna escrava de
r nm hotel fronteiro comprar velas, no momento em
qae Pedro Pirr, entreabrindo a porta, entregava
a< velas pedidas, recebeu no peito a carga de um
lira, disparado na escuridd, do meio da ra, ca-
hindo xP^tantaneamento morto.
ProsaO" o lugar, em vista da militas cir-
cnmsunciaa, e o autor do alternado um pardo
do nome EgOio1, camaraia tropeiro do bario de
Porto Feliz, natural da wntaa de Megy-mirim e
que hayia das nao armareca em casa de seu
patrio ^
tenemos feito o nossd dever. As nacoos' conum I iilicos importantes da occasian, o esquecimeto'da
por ylias de vida a das geraces que so ana- administracao em lempos de grandes lulas, foram,
cedera e que sao os ios da grande cada por meio
da qual perdura serapre a nacionalidade, progre-
dindo pelos esforcos de eada geracao.
Comquanto aUenusse.princpalraento a natu-
as
corte c cidade da Bahia e Recife, bem como
*au ifOOO por 0% e eujo tempo nao fr raaior de tres
rmoe..
Arf. S, i L O eonselho para o julgamento
dos crimc3 aatancaveis ara de seto merabros.
| 1" (*aand o reo preso nao fr subraetlido
M julgamento de jury no prazo de 90 djas, reque-
rendo elle se devrft.r ao ,iui de ^re* a com-
petencia para o julgaawnto.
reza das cousas e as circninstancias do nosso paiz,
estudei a doutrina em suas melhores fonles e eom-
puUei as legislucoes dos povos cultos, apontadas
geralmente, como modelos.
Desse estudo resultou-rae o pozar de reconbe-
cer que no Brasil o municipio est omito longe do
verdadeiro typo ; resultou-me dolorosa convieco
de que em nenhum paiz regularmente organisado
o elemento municipal se acha tao acaonado, tao
impotente o oppriraido, como entre nos. (Muitos
apoiados.) Em Franca, na propna Franca, onde a
administracao geral concentra tudo em suas raaos,
tudo dirige, tudo regula, tudo chama consunto
mente a si, ha mais vida local do que no Brasil, o
elemento municipal tem nial* desenvolvmento na
iflgi-tacao e na pratica.
alm de outras, as causas de ler-se quasi de lodo'
annullado a municipalidade em nosso paiz.
No periodo chamado da acQo democrtica,
que comecou em 1831, quando tudo era poltico,
fez-se das cmaras municipaes, bom como dos jui-
zes de paz, agentes e instrumentos polticos ao ser-
vico do espirito de faejo. At 1837, quando des-
pontou a reaccao governamenlal, tiveram ellas im-
portancia politica, mas nao se Ibes deu, era pre-
ocupadas ellas tambem com a poltica, cuidaram
de obter accao e independencia no que mera-
mente administrativo.
< Tirando-lhes os raeios de intervir activamente
na poltica, os sustentadores do elemento governa-
menlal trataran, antes de tudo, de consolidar o
principio abalado da autoridade e de assegorar a
unidade da legislacao politica. Murtas vezes, po-
rm, prometterrun tratar de nma melhor organisa-
co municipal, que ddsse s localidades os meios
de administrar seus negocios peculiares e aprovei-
winL I V ** romolore flercero as h No ^atm,n ne*to ust'tnivao assenu Unto Ur os elera?nlo* cue por^ntni tivessem de mS"
inbmoode ^uiciaes qae competem aos curadores | na naturert *V> associacao municipal; appa- j peridide. H r P^
REVISTA DIARIA.
MINISTERIO IK) IMPEIUO.-Por aviso de 17,
19 e 22 do corrente:
Declarou-se ao presidente de Pernambuco, que
foi approvado o contrato que celebron com Fran-
cisco de Paula Correa de Araujo e o desembarga-
dor Jeronyino Martiniano Figueira de MHIo, pan
locaco do predio sito na cidade do Recife. a ra
do Hospicio n. 14, para a foculdade de direilo, pela
quantia annnal de :i:l.HH).
dem ao mesmo, que foi concedido pela verba^
Dispados e relaco metropolitanado exercicio de
1868-1869, o crdito de 200*, para pagamento da
congrua, na razad de 40O annuaes, qne compete
ao vigario cncommendado da nova freguezia de
Nossa Senhora da Penha, de Gauelleira, padre
Augusto Franklin Moreira da Silva, a contar do
! de Janeiro, em que o Rvd. vigario tomou posse
e entrou em exercicio, at 30 de junho do corren-'
te auno.
dem ao mismo, em resposta ao seu offlcio da
28 de junho ultimo, que nao tt-ndo n bacharel Joo
Henriques Mafra, juiz municipal e de orphaos do
termo de Serinhem, regressado ao cvrrcicio de
suas funecoes, depois de linda nma liecnca qne
Ihe fra concedida, dever ser respon-abilisado
pelo seu irregular procedimento.
MINISTERIO DE ESTRANUEIROS.A' este n>-
nislerio foi dirigida a seguinle coramunicaoao, pelo
Sr. ministro brasileiro em Pars :
. Legacao imperial em Pars, 22 de junho de
1869.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de levar
ao conhecimento de V. Exc. que o Sr. Ferdinand
de Lesseps acaba de participarme que a abertura
do Canal de "Suez tora lugar no dia 17 de noveui-
bro prximo futuro, que os navios de guerra eu
de commercio que so dirigirem ao canal sero
isentos do qualouer direito de pa.sagem ; c que
se devem adiar em Port Said no dia 16 de no-
vembro o mais tai dar.
t Digne-se V. Exc. aceitar os reiterados pro-
testos da minha alto estima e respeitosa considera-
cao.Ao Exm. 8r. bario de Cotegipe, ministro e
secretario do esudo dos negocios estrangeiros.
Baro de Itajub.
CAPTURAS.Pelo subdelegado do primeiro div-
nelo do termo de Santo Anto, foram presos Jos
Feliciano, afamado ladro de cavados, e o cabra
Jos, oscravo de Candido Augusto de Brito, mo-
rador no Pilar da provincia da Parahyba, d.- tejo
poder fra furtado por um individuo iia mesma lo-
calidde, o de combinacao com dito oseravo, alim
de ser entre ambos repartido o producto de sua
renda, segundo elle proprio confessou.
Anda por essa autorida-lo foi preso, no di.i
24 do corrente, o pardo Manoel Ravmundo, de #J<
annos do idade, que se ausentara da casa do Sr.
Dr. Raposo de Almeida, no Peres, levando-lhe 38$
em dinheiro e doas lettras no valor de 3001, sendo
apprehendido era sen poder as duas lettras e 12a
em dinheiro.
Pelo subdelegado de S. Jos, do termo do
Ingazeira. foi preso Theedoro da Cosa Machado,
por se adiar pronunciado no art 20o o cojijo
criminal.
VISCONDE DE INHAMA.-Vieram bonluu
pelo vapor francoz, alguns exemplares, era for-
mato grande, do retrato do valen to marinliciro ^
conde de Inhama, no qual elle represenud
siao de combate. Vndese a 21 o oxemplar.
SEDULAS NOVAS HE 5*000.-Acabara do che-
gar para a thesouraria de fazenda algumas notw
t
J]


MUTILADO
J ucfm


.

Jfyf>e >$mavbm ti^v^Wo ^dfcW> \m
gil >S
no rapio
l.tvra-#i
tint
s elypls, >
brando/apc-
MISSAS Ff p&.T% ser domino o dia II Cao do
-to, terMr^anaJverSaMT Jw^dKmiento &' ^,0,^30
inroeadajlor Mno''l K'gn airea de Faria, celo -. f '
mas m;io
tttainscul
, lOllli
ola
> esi
cem
rio do Bratl-~9 dcada lado o algarismo5.
MISS
de
ea___
iite, fli
versas ,.",.. da- 6 s 9 horas, no'
convento de S. Francisca, desta cidade, por alma do
mesmo commendador.
CAL(:AMENTO DA CIDADE.-RcmeUem-nesq
-seguinte :
Os moradores das ras da Roda c S. Francisco,
\em p lo' prcsenje.airadecer ao Sr. empreileiro do
rlcaminio da cidade, t>s bwlieios de quo ja es-
li losando, en ter-sc reb.Hxado e calcado essas
rua*
c Kara complemento desse liem, podonilhe que
mande (! s"i;!uliiar o boceo sem nome, quo d sa-
bida aos uuiniaes* dessas casas; 110 qnal existe
grande q-iaatiilade do entnlli >. privando i que des-
aguan) <*s quintaos, e p)dendo servir para a con-
iluiiacw do al erro do largo do Paraiz-j. E'tal
esse favor, que os morrloros presiam-se a coad-
juvar essa remocao, facultando as su.is casas para
osse li.n.
TRANJPOHTE DE 6GERRA PORTUGUBZ.
Pedern-ia* .ugainle publio
u Ao chogar a arte pono o iransporte de guer-
ra portttfnof Hrtfnko de Mello, um joven, digno
de.lodos os respeitos, senta sen corarao abrasado
de fogo'dr patriotismo ; e, nao podendo llenar de
M>andir o-eu "ntliusiasmo, c.mvidot ollieiali-
dade daexpedieo a um profundo jauur, pondo,
assim, en relevo os patriticos soplonearos de que
dolado.
Este joven, quem nos referimos, o Sr. Joo
do Hego Luna Jnior, lilho do Sr. commendador
Joao 'o Roen Lima.
O va*tn s.-ilo artsticamente decorado, e o
pavilhau d 1- unas rouxameitle tremuiaiiJa n >s
ngulo iniernui da casa, tornavam noure e au-
gusto aquello paradeiro do entliusiasnio patritico.
A profusao das'iguarias escolhidas, e a boa or leui
que sempre reinou, lizeram o festini tao magos-
toso, como fui feliz a idea que o presidio.
t Os convivas se retiraran) wKufeitos do cava-
Iheirisino o tr.it 1 ameno do joven compatriota.
FABRICA DE CERVEJA.Por portara de 21
do corrento. J> ministerio do imperio, foi permll-
tido qu a fabrica de ceneja d'is Srs. Heniy L-
d -n 6: C, bila a ra do Sebo, se ntilule Imperial
Fahrtc* de cerna.
DINHEIRO. O vapor francez S'aoarre trouxe as
seguntes quantias para :
Thesouraria de azenda 500:0003000
Poreira Cirneiro 4 C. 30:0004000
Chinan frre- 18:560*000
Para a Europa levou esse vapor, de nossa
praca, 26,000 francos em ouro e prata.
O vapor Tocanlins levou as seguiutes quan-
tas :
Para Macci 40:000*000
Para a Babia 5:0005000
Para o Rio de Janeiro 421:8*t; 5000
sendo desta uliima parcelia 109:0304000 para o
tho-our.) nacional.
PARA A EUROPA.A bordo do vapor francez
Navarre seguiram 179 passageiros, dos quaes 21
recehidos no nosso porto.
C9MPANHA PERNAMBUCANA.Hoje o ul-
timo-dia emquerecebem carga os vapon-s Ipojuea
e Poltngi, para os portos do norte e sul, conforme
o annuncio da mesma companlia.
PASSAGEIROS.O vapor francez Navarre, sa-
iido para a Europa, conduzio os soguintes :
Mario Grosse. padre Manuel Jos dos Santos,
Francisco Ferrera da Rocha Leal o sua senhora,
Manocl Jos Monleiro, Joao Morder, 3 filhos e 1
criada, Vignes kan, Vignos Nicols, Baigares,
Drs. inkn Jos Pintee Joao Jos Pinto Jnior, Adle
Pingaan, Joaquim Das Fernandes, O. Opigez, Ber-
nardo Oerqueira Castro Monteiro, Antonio M. Vaz
da Molla, Mar-icano Genavro, Carmina Marsiglia,
Filme-) Marsiglia, Manoel Gomes Fluctuoso*
Vicram dos portas do sul, no mesmo vaptr :
Antonio da Cruz "Cardoso, Francisco da Silva
Ferrara, Virtuosa Mara da Costa e I lilbo, Idalino
Isidoro, 1 dito c 1 criado, Dr. Paulino F. Chaves e
sua senbora, Uonrique Barrosoe Leonardo B.
LOTERAA que se acha a venda a 113.', n
beneficio da Santa Casa de Misericordia que corre
no dia 1.
CEMITERIO Pl'BLICO.-Obituario do dia 26 de
julho de 1869.
Manocl Francisco Dur>es, Pernambuco, 65 an-
uos, casado, S. Jos ; cancro.
Zefenno, Pernambuco, 14 mezes, Boa Vista; me-
uingite.
Sara, Pernambuco, 15 das, S. Jos : convulsoes.
Antonio Jacome da Silva, Pernambneo, 52 au-
nes, solleira, Poco: pneumona.
Adelo, Pernambuco, 2 mezes, S. Anlouio;
o* pasma.
losepna Mara de Jess, Pernambuco. 70 annos,
viuva, S. Jos ; bydropesia.
- 27
Benedicta, Pornambuco, 36 annos, solteira. Boa
Vista, pbtysica pulmonar.
Antonio Jos Goncalves Peixe, Pernambuco, 3i
annos, casado, S. Jos ; bepatite.
Joanna, Pernambuco, 5 mezes, Recife; convul-
soes.
Miguel Ignacio da Costa, frica, 70 annos, ca-
sado ; apoplexa.
Manoel Ferrera do Barros, Pernambuco, 20 an-
nos, selleiro, Boa Vssla, .-.'.erite chronica.
Mara, Pernambuco, 6 mezos, S. Jos ; convul-
soes.
1 ataqi imtia ijue lev,1,011 rle-
dqftJBPfia litar* a tuultir e descom-
I 11 torpemente; como o tigre feilo pela
letra do ca/J^ a^-e|arrita-^ rJaite*
~f s^argi| ft \|(ar sen ultimo
irp Mffa-
amamasnios a attencao publica sobre
urna coincidencia notavl, que a publi-
-urao do Dr. Joao Alfredo no
mesmo lempo em que appareceu
a deftia do Sj. Aiaujo Barros no Jornal
do fetifn.
AJii esta^atiradas a puflicidade as asser-
C5es de um ontro contentor. Os curiosos
podern ve-las, os interessados estnda-las,
os indilTerentes rirem: ha pasto para todos.
E depos d cotejadas urnas e outras o pu-
blico que decida e pronuncie o verdi -t con-
demnatorio do homemque mactilou a honra
dejuiz, aceeitando vilmente dinheiro de
urna parle.
K' ama injustiea negra ravoltante direr
o Sr. Araujo Harros que o Dr. JoSo Al-
fredo fura atirado contra elle pelos homensy
que se arrogam etn sua, em nossa trra,
o previlegio de nobreza; (qoa cm^a sedica)
e que ceg e d;siii:vido aceitara o degra-
dante papel.
E' smpre assim !t
Esse Innvm n 1 detia de morder com
o dente de calcavel que tein, falsear as
ideas, levantar calumnias; merece em
sutnma a qualiricaco de pai da mentira.
J dissemos em ontro artigo que nao
queremos entreter polmico com algnem,
u tanto assim que deixamos passar a de-
feza do Sr. Araujo Barros, como isla airau-
jada, e s respondemos as calumnias vo-
mitadas no correr deila contra o Dr, Joo
Alfredo.
Nao temos idea de ter visto uo discurso
do deputado Joo Alfredo, fallar-si da ne-
grura da pelle do Sr. Araujo Barros; por-
tanto a coarctada deste Sr. parece-nos to
redicula como odioza..
Diga o Sr. Araujo Barros, que sua pelle
perfeitamente igual a do Dr. Joai Alfre-
do,- e vale tanto como deste. ou, servin-
ilo-se de urna luneta de grao e um bom
espclho, diga que sempre lia sua difieren-
ca, o que nao nos importa, e at sebera-
mente despresamos.
Nada importara que o Sr. Araujo Barros
fosse mais tnoreno, com tanto que fosse
mais honrado.
Declaramos ao Sr. Araujo Barros que,
oslamos resolvidos a acompanha-lo em
suas injustas arguices ao Dr. Jo3o Alfredo,
e dar-lhe resposta conveniente.
Veja bem o Sr. Araujo Barros, que j
vai milita generosidade em nao sentir-
nos sua defesa, em nao fazermos reviver a
accusacSo, e at ajuntar-lhe alguma cousa:
seria sua perdcab. Deixamo-la passar
ornada como est, qual moca garrida d '
galas e arrebiques em festa de arraial.
Ah iamos espuecendo dizer ao Sr. Arau-
jo Barros que o Dr. J0S0 Alfredo deu ao
deputado que Ihe fez em 18 il, ou (>i urna
ameaca brutal, resposta muito digna e con-
veniente : por ah nao vai bem.
Justus.
COMMERCIO.
PUBLICACOES A PEDIDO.
PRACA DO RECIFE 29 DE JULHO DE 1869
AS 3 1/2 HOIIAS DA TAKDE.
Assucar mascavado purgado3f500por 15 kl.
Assucar americano purgado 3i0t por 15 kil.
Assucar canal34000 por 15 kil.
Algodao do Pernambuco sem nspeccao 13126
por kil.
Algodao de Mace sorteU260 por kil. (hon-
tem e boje).
Dito ae dito 2' sorte 1J212 por kil. (hontem
e boje).
Cambio sobre Londres90 d/v. 19 d. por IJOOO.
Cambio sobre Pars3 d|v. 513 rs. por franco.
Descont de letras de 3 mezes9 0/0 ao auno.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA.
t'.ondimento do dia 1 a 28. 772:771*95'
dem do dia W..... 16:259*159
789:031*413
MOV1MESTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas =
dem idem com gneros 143
Volumes sahidos com fazendas
dem idem com gneros
-----143
08
90
-----158
No dia l do crrente as 6 horas da manhaa
renden a alma ao Creador e foi sepultada no dia
seguinte na capella do engenuo S. Joo Bautista a
Exm.-Sr.* D. Antonia Joaq lina da Motta Silveira
nulhor do capitao Antonio da Motta Silveira Ca-
val-anli senhor do engenho Jacar da comarca de
Nazareth, quando precisamente mais n.-cessanof
se tornavam o? seus desvelos e bons servici at-
tenta a sua avancada idade. A fallecida era nma
respeitavel senhora, digna por todos os ttulos da
maior censideracito e estima do lodos que tinham
a felicidade de conhece-la : lilba estremecida, pi
eslromosa, esposa dedicada. Anda nao havam
decorrido 3 mezes que ambos tubam passado pelo
desapiedado golpe, destechado pelo cutello da
inexoravei parca sobre o scu filho mais velho o
major Manoel da Motta Silveira Cavalcanti. Foi
mais urna alma justa que voou ao co a gozar do
lugar que na mansito divina Ibe eslava reservado
entre os justos. A seus nconsolaveis esposo e
fifhos damos os nossos sinceros pesamos'. A tr-
ra Ihe saja leve.
HMHmHS
Srt. redactores. Restituida a minha liberdade
granas a ordem de habeas corpus do III m. Sr. Dr.
juiz de direito uterino Armino Coriolano, que
julgou soffrer eu injustica notoria em minha pri-
sao, classicando-a o Sr. subdelegado de Santo
Antonio, Frandsco Odilon Tavares Lima de crirai-
uoso em tentativa de roubo prepetrado no da 18
do correte na casa n. 3 da ra das Aguas-Ver-
des. Nao devo passar desapereebida semel liante
injustica da parle do Sr. subdelegado. Como todo
o mundo sabe, tiaf uem pode ser retido em prisao
para averpuacSes5)oliciae8,isto se v de um aviso
de oul ubro de 186o,do Sr. cons. Nabuco, al man-
dando rasponsahilisar a autoridade que o decre-
tar ; no entretanto, eu o fui, c no fltn de mais de
50 horas se me mandou nota de culpa, sendo que
se fez horas que nao se pode fazer inlimacao al-
tnma, por ser &s 8 lloras innoite. O illm. Sr.
Dr. juiz de direito leu todos os interrogatorios que
precedeu o mesmo subdelegado em agentes poli-
eiaes, e Dio Ihe passou desappercebida a classifl-
cacao do crime que se me inputou, chiqueando
guando muito em entrada em casa alheia sem II-
cenca de seu dono.
Teria muito que dizer, mas dexo de o f&zer
para nioser eoradonho, s desojando ver a minha
reputacao reparada e livre das imputarles faltas.
Recite, S7.deJulho de 1869.
Rrancehno Ferrera da Fonseca.
O Hr. Araujo Barros em scena.
Podamos perguntar como alguem espi-
rituosamente pergantou: Pois atnda no
morreu de vergoa o Sr. Araujo Barros ?
Aind.a quer rrtid5es ? Anda forgica dele-
zas, e carRm'
Nao, o Sr, Arauj n5o sucenm-
Descarregam hoje 30 de julho
Patacho poruguez=flM f>=mercadorias.
Patacho norte-allemao Concordia farnha de
trigo,
rgue inglezJifimj/sedcfarnha de trigo.
Rngue norte-allemaoJan & Anionidem
D ri gue .i n glezMinoracar vao.
Brigue nacional Almeidn /charque.
Sumaca hespanhola Adela vinhos.
KECEBEDOHIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 28. 44:668*397
dem do dia 29...... 886*680
CONSULADO
tlendimento do dia 1 a 28.
dem do dia 29. .
45:555*077
PROVINCIAL
. 133:400*321
. 2:177*564
134:578,5885
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 29.
Rio de Janeiro e Baha5 das, vapor francez Na-
varre, de 127 toneladas, commaiidante Massenet,
equpagem 114, carga dlTerentes gneros; a
Tsjet Frre.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do sulVapor brasileiro Tocanfiti, com-
mandante Jos Mara Ferrera Franco, carga
varios gneros.
CanalLugar Ingloz Murante, capitao Laurenson,
carga assucar.
Maceio e PenedoVapor brasileiro Coruripe, com-
mandante Fhiloxene, carga varios gneros.
Bordeaox e portos intermediosVapor francez
Navaire, eommandanle Massenet.
DECLARACOES.
Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife se faz publico* a pie m in-
teressar, que o Illm. Sr. thesoureiro com-
mendador Jos Pires Ferrera, no salo da
casa dos expostos no dia 2 de agosto pr-
ximo futuro,- pelas 9 horas da manhaa far
pagamento do trimestre de abril junho
ndo as amas, que se apresentarem com as
criancas que Ihes forana confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recife, 26 do jnnho de 1869.
O escrivSo,
Pedro Rodrigues d" $ouza.
lo lia 30 do rorrenle mez, depos da au-
miWm$M^?ttm,
tiO*0OlJ, cnjoAi ,r afeqnerinieiito do*
tutor do"nitnoas IUk<...4.-'.Mw*VI afiWi'^0 e
Jojus Prima : tJiciluuitis pierio conipaieccriia
sala das audiepciiw as 12 lloras do da cima.
p GORinuTeERiL
Pela administraco do correo desta cidade se
far publico a quem interessar possa^ que nao se
demorando os vapores do. companftia Messageries
Imperiales neste porto em seu reptresso- du Rio de
Janeiro, o lempo preciso para se fazer a expedicao
das malas para Europa, tem resotriit que as
malas se fechein as 6 horas da tarde do dia ante- j
rior ao da chegada dos meamos vapore.
Correo de Pernambuco 20 de julho dte 1809.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Correo geral.
Relacao das carias registradas vindas \i norte
pelo vapor Tocant/ns para os scahores abaixo
declarados:
Arestides Cosar de Almeida, Antonio Mafloel de
Sottta Oveira, Antonio Perera Leito. Antonio de
Sonza e S, Bernardino Pereir'a de Brito, Charles
l-eclero, Domnsfos Teixoira Basto-;. Dr. Felippe
Nory Collado. Frc'derice Maia, D. Prncisco C.ir-
doso A y res, Francisco Joao Sorra Cardoso, Dr.
Francisco de l'aute Soares, J,a(fUim Francisco das
Cliagas Silva, Joaquim GeralUo I!i-to<, Joa<|(dn
Jorge da Fonseca Bastos Joaquim Jos Gonc^lvos
Beltrao, Joao Cocllio M. da Fonseca, Joan' Jos
Marques, Dr. Joao Taom da Silva, Josfl de Azeve-
do Andrade, Jos Domngues Porto Nelto, Jos
Leandro de Almeida, Dr. Leopoldo Cesar de Ber-
rido, Nranoel Torquato Pei-eira Lobo, Pedro Bap-
lista de Santa Rosa, Redactor do Jornal do Recife,
Robert (iovN-Jin (3), Somiao F. de Meadonca, Tas-
ciaao Gomos da Silveira, Joao Ramos.

COIIPAHHU
nvs
Mcssageries imprtales.
Ale o da 30 Jo crente me/ espera- se do por-
tos do sulp Tajn>r (ranee* Navarrr, commambnte
Massenet, o qnal depos da demora do-epstume se-
>??|ra para JJordos tocando em Da*i#(6ore) i
Para condicoes, freles e passagei trata-so m
ra do Lommercr n. 9.
Para o Porto
pretende sabir com a possirel brevidadeo patacho
portugaez Uberal, lea |re da carga era-ajada e
para resto que Ihe falta, pode tratar-se com Da-
vid Ferreira Baljtar, ra do Brum n. 92, ou com
oeapilao do referido navio.
Maranfilo
Para o Maranlio pretende seguir com
brevidade o ltale nacional Roza, para n
resto da carga que lite falta, trata-se com
Marques, Barros & C, no largo do Corpo
Santo n. 6, segjuido andar.
AS

ten alo fazc
-Jos Soares de AVIIHMM|ptHa ie
I Iingua e lrtteratura nacionalno gymnasio
nsfa^yfaTjfarta^t^icado|^roviaqil.^ tiin aljbrto em srj
iiidno d /ramo Guimahaes, Son-
das dividas activas do_esuoj
iz Jos Manoel Pereira
do 10:88V#150.
-fera 2 de agosto.
lo armazem da ra do Imperador n. 16 as H
horas .1 dyay ~a v o
rjrn
jL Oj 6s estodan
m lamn em no
lt%\J malerias, pod
>.iteo do Terco sldencia, ,1 tar
cljf, ra Relfa, n. 37:'
Un owso de
IJt 1
Aviso aos nnvtgautes
O Illm. Sr. capillo de mar e guerra, capitao do
porto, ni inda fazer publico para conhecmento dos
navegantes, que o pharoleto do Mucuripe, na pro-
vincia do Gear, deixon de funeelonar, em consc-
quencia do se ter incendiado na madrugada do dia
22 do corrente.
Capitana do Porto de Pernambuco 29 de julho
de 1869.
. O secretario,
Deciode Aquno Fonseca.
0 inspector interino il i alfandega taz
publico, que existindo no armazem 6, da
mesmi repartco duas caixas da marca
C M ns. 463 4ii6, com machinas, vindas do
Havre na barca franceza Veridiana, entra-
da em 25 de Janeiro do corrente anno,
consignadas a Len Desprey ; e achando-se
as ditas caixas no caso "de serem arrema-
tadas para consumo nos termos do capitulo
6o, titulo 3o do Regulamento de 49 de se-
tembro de 1860, os seus donos ou con-
signatarios devero despacha-las no praso
de 30 das, sob pena de lindo elle, serem
vendidas por sua conta, sem que lhes fique
competindo allegar contra os elleitos desta
venda.
Alfandega de Pernambneo 29 de julho de
1869.
O inspector interino,
L. C. Paes de Andrade.
RIO DE JANEIRO
Para o Rio de Janeiro pretende sabir com
a maior bievidade possivel o brigue nacio-
nal Trotador, reoebe carga e escravos a
frete : tratar com as consignatarios Mar-
que? Barros A C, no largo do Corpo Santo,
n. 6, segundo an lar.
PARA LISBOA
segu com toda a brevidade a barca portugueza
Constante II, por ja ter parto da carga prompta :
para o que Ihe falta e passageiros, trata-se com os
consignatarios Ottveira, Pilbos 4 C., largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o capitao na praca do Coin-
morco. *
Arrematado
Hoje 30, na sala das audiencias Anda a do Illm.
Sr. Dr. juiz d'orpbaos, se hade arrematar a escra-
a Benedicta, perlenconlo ao espolio da finada
Claudina Ganiner, vai praca a reqnermento do
herdeiro invenlariante, a ultima praca.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANUIA BRASILEIRA
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 de agosto o vapor
Paran, eommandante o capitao^
de fragata A. J. de Santa Barbara,
o cual depos da demora do eos-
tumo seguir para os portos do norte.
Desdo j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete al o dia da sua sabida as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas senSo ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duat
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica.
Tudo que passar dostes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gen s se recebem na agencia roa da Cruz n. 37.
1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oveira
Azevedo & C.
GOMPAXHIA PERNAMBUCANA
Festiviciade de Nossa Senhora
das Neves na Parahyba
No da 3 de agosto prximo s 3 horas da tar-
de, seguir no vapor Parahi/ba, afim de conduzir
as. possoas que desejarcm assistr a pomposa festi-
vidade de Nossa Senhora das Neves, que deve ter
lugar no da 8 do correle mez.
O referido vapor tornar a seguir para a Para-
hyba/iodia 8, alim de trazer os senliores passa-
geiros, sendo a volta para aqu no dia 9, s 3 ho-
ras da tarde.
Passagem do ida e volla 303000.
Escriptorio no Forte do Mallos n. 12.
Companhia americana e brasile-
ra de paqnetes a vapor.
At o dia de agosto esperado dos portos do
sul o vapor americano Nortn America, o qual de-
pos da demora do costume seguir para New-
York tocando no Para e S. Thomaz, para freles e
passagens tratase com os agentes Henry Forster
& C, ra do Trapiehe n. 8.
CilFAIlA BRASILBULi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte espera-
do al o da 8 de agosto o vapor
Cruzeiro do Sul, eommandante
I. P. G. Alcoforado, o qnal de-
pos da demora do costume se-
guir para os portos do snl.
Desde j recebem-se passageiros engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qnal deveri
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua saluda.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao oxcedam a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar desles limite* dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
fsns s se recebem na agencia roa da Cruz n. 37,
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveir
Azevedo & C.
C0MPAN1UA PERNAMBUCANA
Navegacdo cnsteim por vapor.
Porto de Galnlias, Bio Formoso e
Taiuaular.
O vapor l'iirtilnihii, eommandante
Mello, cgnir para os pollos cima
_ no dia 31 do corrente a moia noite
Recebe carga, encommendas, passageiros o di-
nheiro a frete, n. escriptorio do Furle do ilattos
n. 12.
Da relnaco do pateo do T<
n. et. : i
0 agente Martins far leilao da refinacao do pa-
leo do Terco n. 61, com todos os uleneillos, eai-
xoos de deposito para 3.000 arrobas do assucar,
grande quintal eom portao, lelbeiro para deposito
do rarvao, aecommodacoes pira empregadon iude-
penente do estbelccmento, peona d'agua; tan-
que e gaz, garntese a casa ao comprador Uo es-
tabelecimento (aor ser a casa propna) livre de
impostos para o compriulor.
Quata-feira 4 de agosto-
as 11 horas do dia no mesmo eslabelecimento.
LI.NT.I-A KHA^ZA ;
M11I.OSOPHIA ;
OGRAPHIA E HISTORIA;
KTllOnttA X POTICA,
udantes tjue ^(cinjerom fezer
i novemoro erii ijifalijuer inest
podem dirigir-so. i in cada r4-
sdencia, tarde, das :1 horas em dianta.
f
DIVERSOS.
Trilhos para Olinda
Por esse prefo vende-se cinco acews da
companhia dos triHios de ferro par Olinda.
para informafcies.
Ulnheio a juros
Dase l:300000a juro sob hvpotheca m pre-
dio : a tratar na ra da Palma n. 63.
M
Precisa-sede urna ama para cozinhar em a-s
de urna pequea familia : a tratar no Muzeu de
Joias.
AIii-sp
o segundo e terceiro andar da roa do Trapiche n.
16 : a traiar na mesma casa das 9 as 4 horas da
tarde.
I'IIIY
Para o referido pono seinie com mnita brevida-
de o palhabote portiiguoz .Yoro Protegido, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o resto
que Ihe falta trata-se com o eon Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio
n. 17.
Rio Grande do Sul
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
tacho nacional Principe, recebe alguma carga a
frete, e trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oveira Azevedo A: C. roa da Cruz n. 57,
Para
Seguir brevemente o voloiro patacho porluguez
Boa F. capiliio Domingos Martins : recehe algu-
ma carga a frete razoavel, para oque se trata
com o seu consignatario Joaquim Gerardo de Das
os, ra do Vigaro n. 16,1" andar.
Rotlowry IBond
Wanted on ihe A. Brit Brig Search Capt. D. F.
Brocklobank about 7o0 moro or less for ropairs
and othercharges al Ibes Por!, toenablo said vessol
lo procoed on her vuvage tounted Kcngdom direct.
Sealed tendera to be addressed to ttie captain at
Ihe British Consulate, and to be oponed en the
presence of HBMS cnsul on wednesday the 28-d
enst oh medday. Recife 21 july 1869._________
Riseo iii.irilimo
O brigne inglez Search, capitao D. F. Brockle-
bank, precisa da quantia de 7o0 esterlinas
():000000) pouco m3is ou m nos, sobre o casco
do dito navio para os reparos e mais do*pezas
neste porto, de forma que poss". seguir a sua via-
gem para o Reino Unido. Recebem-se propostas
em cartas fechadas no consulado britnico, diri-
gidas ao capitao, as quaes BOrio abortas Da pre-
senca do cnsul de S. M. B., no da 28 do corrente
mez ao meio dia.
Para %. Hlgnel e Tercelra
O patacho portuguoz Maa, esperado de Lisboa,
satura para as duas ilhas cima, poneos das de-
pos de sua eh-gada a esta, desde j se engaja
carga e passageiros : trata-se com E. R. Rabello,
ra do Commercio n. 44.
Precisa se de urna ama que compre e cozi-
nhe : na rua Direita n. 79, 2 andar.
Precisa-se fallar com urgencia ao Srs.
Joo Apolonio Cavalcanti e Antonio Fernn-
des de Almeida ; na rua da Cadeia do Re-
cife n. 53, armazem de molhados.
Aluga-se o armazem do sobrado n. 49 na
rua de Apollo : a tratar na luja da rua da Cadeia
n. 41.______________________
Traspassa-se urna escriptura de hvpotheca
de urna casa em Bebcribe, junto ao port da Ma-
deira, com commodos para moa taberna e mora-
da, cuja hvpotheca por tres anuos : a tratar na
rua da Viracao n. 17, freguezia de Santo Antonio.
Urna senhora habilitada ensinar particu
lar com delicadesa e carinho, pode se enearregar
do ensino das duas meninas ue 5 a 6 annos, an-
nuncado neste Diario : a tratar nesta typogra
phia.
FIO IIK v i:\lv
Barbante;
Em casa de.Rabc. Sclimelauci Cuerpo
Santn. li>.
SHERRY 0L0R0ZO
Gelo seal.
COGNAC IEWK^Y*
Em casa de Rafee Schmcitaa d C. Corpo
Sanio n. 15,
CHAMPANHA
SUPERIOR
Roussillon, carie Manche.
Em casa de Rabc WchmctCau A
i. CorpoNant n. 1.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
4 1111111 RAITZAM
casa de Rabe Sclimettau C. Corp*
Santo n. 15.
Em
Precisa-se de urna ama de boa conduela que
eja capaz de tomar conta de una casa de hornera
olteiro, que saba lavar, cozinhar, engommar com
serfeicao : na rua da Lapa, no Recite,tn. 5, se
pira quem precisa.
Precisa-se de urna ama para o servico inter-
no e externo de urna casa de familia, sendo li.-l e
livre de pensos de familia, para que possa dor-
mir em casa de quem precisa de seus servicos
na rua larga do Rosario n. 16, Io andar por cima
da padaria do Sr. Manoel Antonio de Jess.
Attentjo
OHerece-se um rapaz para caixeiro de co-
branea ou de armazem, com boa letra dando
(ador a sua conducta: quemjprecsar annun-
cie por este Diario.
LEILOES.
LEILAO
De um soerado de um andar e
soto sito a ru i Imperial nu-
mero 90.
O agente Pontual competentemente autorisalo
vender em loilao o sobrado cima, em chaos pro-
prios.
Sexta-feira 30 do torrente.
No 1 andar do sobrado n. 62, rua da Cruz as
11 horas. Os Srs. preten denles poderlo examinar
o dito sobrado.
LEILAO
Da casa terrea da rua das Crloulas n. J43 na Ca-
punga, edificada em citaos uroprios e com
grande quintal, a qual rende 10 mensaes.
Sabbado 31 de julho as II horas em ponto.
Por interveneo do agente Pinto, em seu escrip-
torio rua da Cruz n. 38.
LEILAO
DE
Tres terrenos na traressa do
Trlndade-
0 agente Martins far leilao por autorisaco do
Illm Sr. Dr. Claudino de Araujo Guimaries, cn-
sul de Portugal, de um terreno silo na iravessa do
Trindade com 32 palmos do frente e cerca de
180 de fundo, um dito com 28 palmos de frente
e o mesmo de fundo, um dito junto ao rio com 60
palmos de frente e o mesmo tundo, todos perten-
cenes ao espolio de Joaquim Jos dos Santos An-.
drade, bem como os terrenos onde estao edifleadas
na rua Imperial, as casas ns. 142 e 152.
Segunda-feira 2 de agosto.
As 11 horas do dia no armazem da rua da im-
perador n. 16,
LEILAO
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
M
NavegacSo costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
aATthr O vapor Ipojuea, coramandanu
^jyj4 Eustaquio, seguir para os portos
aMHaaB cima no dia 31 do corrente as S hora;
da tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
l horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mallos n. 12.
De urna bonita casa de pedra e cal cons-
truida a pouco com ~ salas, 6 quartos
cosiaha, paredes dobradas e chaos pro
pros tendo o sitio 100 palmos de frente
e 420 de funde.
Terca-fclra 3 de agosto..
O agente Martins lar leilao de urna elegante
casa, acabada de construir a pouco, na espada de
Joao de Barros, por onde tem de passar muito bre-
ve os trilhos urbanos; os pretendemos querendo
ver a dita easa podem dirigir-se ao sitio da Bom-
ba n. 10 na mesma eslrada, que ah encontraro
quem lhes d qualquar infurmaoao.
O leilao tora lugar porta da casa que toi a
assocaco commereial dwronie da igreja,lp Cor-
po Samo, ** U horas d/> dia. cima.
Quem quizer vender a prazoesomentecom
a garanta de leltras'assignadas; engenhos,
casas, sitios na praia, navios, chcaras, fa-
zendas no sertao, joias de Indas as qualida-
des, metnes preciosos, movis de todos os
gostos, fazendas em grosso, loteas assorti-
das, escravos, bois, cavallos, burros, car-
neiros, porcos, cabras, gallnhas, homen*
livres por escravos, etc. etc., dirija-se ao
termo de Serinhem entender-se com o
capitalista Pragas Cava! ;anti que nao deixa-
r de comprar por mais alto que seja o
preco.
As leltras d'esse senhor s3o descontaveis
em qualijuir parte do mundo, c para maior
conhecimento indicaremos as pragas e lu-
gares que mais promptamente farao o devi-
do descorito : thesouro nacional, banco do
Brasil, praca do Rio de Janeiro, do Recife,
da Bahia, do Cear, em todas as pracas da
Europa, e especialmente na de Londres,
Paais, Francfort, Haroburgo, S. Petesburgo,
Bruxellas, MaJrd, Turn, Lisboa, Porto,
New-York, e com mais presteza ainda na
imperial cidade de Lolaia, onde este senhor
muito conhecido.
Esofava Honoria
Saino a pretexto de procurar senhor, em 20 do
corrente, e como ainda nao voltou, julga-se estar
fgida, a qual tem a idade de 35 annos, est grvi-
da, cor prota, foi escrava de Guilberme Sette, e
ltimamente comprada a Francisco Alves Montei-
ro Jnior, suppo-so estar acoutada, pelo que pro-
testo criminalmente contra quem a liver acoutada ;
e roga s autoridades policiaes e capitaes de cam-
po a captura da referida escrava, e a quem sou-
ber dar infonnaedes na rua nova de Santa Rita n.
63, ou rua da Praia n. 78, se gratificara.
Na manhaa do dia 28 do correuto ausenta-
ram-se de casa do abaixo assgnado, em a rua da
Senzala-vellia n. 106, onde aprendiam o ofilco de
sapateiro, doas meninos irmaos, um de aome Emi-
lio, pardo, idade de 13 annos, levou vestido camisa
de madapoln.branro e caifa de brhr de listras;
o outro de nome Luiz, pardo, idade 1 i annos, le-
vou vestido roupa igual ; lambem levaram a rou-
pa que '.inham ; elles sao naturaes de Mace,
donde vieran em companhia do mesmo abaixo
assgnado : raga-se, pois, s autoridades policiaes
e s pessoas quo delles soubcrom, o obsequio de
prende-los e lvalos casa cima, que lloara bas-
tante agradecido.
Manoel Vicente Ferrera do Espirito Santo.
Precisa-se de urna ama secca para tratar de
urna menina em casa de homem soiteiro: na rua
de Santo Amaro, como quem vai para Olinda, n.
6 : a tratar na mesma casa, das 6 da manhaa s
9 1|2, e de tarde as \ 1|2 horas.
Precisa-se de urna mulher livre ou escrava
para ensaboar roupa : na rua do Hospicio n. 28
(h apreciadores de manjares delicados eneontra
rao todos os dias no hotel central de Francisca
Garrido a verdadeira sopa do raviole, ao verda-
dero gosto italiano, assim como outras excellentes.
iguarias, que seria enfadonho mencionar. All se
encontraro ainJa os mais asseiados aposentos para
hospedes, e banhos, buharos e pianos para re-
creio dos visitantes : na rua larga do Rosario n.
37, 1 andar.
Louca do Barbalko do Cabo.
O nico deposito de louca da fabrica do Barba-
Iho do Cabo, mudou-se do pateo do Terco u, II
para a rua do Imperador n. 37, com grande sorti-
raento de loucas e canos, da mesma forma que
eslava no pateo do Terco n. 12, aonde e*pera a
concurrencia de seus numerosos freguezes.
Desoncaminhou-se da casa do abaixo assig-
dado um boi, com os sigaaes seguintes : preto la-
vrado. urna estrella na testa, barrigudo; levon
um podaco de corda de linho na caneca, tem urna
falta no olho, muito m.niso e de crroca ; tem
oschfres forados e i castrado : quem o apprc-
nender, love-o travassa do Lima n. 56, defronte
do hospital de sade, que ser bem recompen-
sado.
__________ Amaro Antonio de Miranda.
O abaixo a~sign,ido tendo perdido nma tetra
de seu saque, aceita pelo Sr. Manoel do Ifaacimen-
to Wanderley, sacada em 26 de majo do corrente-
anno, ha quatro mezes, da quanlia de 2844790,
previne pelo presente ao m.smo aoeiame para
nao pagar dita letra a pessoa a'guma que nao soja
o annuncianle ; e caso dita lera nao venha m i<
apparecer em virlude de nao ter traspas^e algum
ao saccador, c por isso mpossibil.tado qnalquer
outro de a receber, passar no devido- vcnc.ment,
e qnando recebar dita quaniia nm recibo com as
precisas declarares, inutlisando dita letra em
qnalquer tempo que appare .. Gamekira 2o de
julho de 1869.
Francisco Tuto Xavi.-r de Lima.
D-se 1:600*000 a juios de 1 1/2 O/O un
garanta : os pretendentes drijam-:e em caria fe-
chada com as iniciaes J. A. a esta typog aphi:i.
Os abaixo assignados, irmo e sobrinh i do
fallecido subdito francez, Joo Vignes, tend d i r
tirarem-se no vapor francez que se espera hoje do
sul om seguimento para Europa, gratos s m asi-
na por que form obsequiados pelos Srs. Gaspar
Antonio Vieira Guimares, Antonio Luiz dos San-
tos, Jos Mara Rhgas e Augusto Caors, lhes pro-
testam publicamente sua eterna graiido ; poden-
do os mesmos senhotes contar com os prestimos
dos abaixo assignados em Franca ou onde quer
que se eneontrcm. Goncluem, fazendo seiente a i
publico, que o primeiro dos mencionados, na qua-
li lado do tostamentoiro de seu fallec do irmo,
cumpro seu mandado de maneira a deixarem nos
salisfetissinios.
Mchol Vignes.
N. Baignoros.
Nicols Vignes.
8. Ghrispim e S. Chrispi-
iiaiio.
De ordem da mesa rngedora desta mandada
sao convidados lodos os irmaos que estiverem no
gozo de seus diretos, a comparecerem era mesa
eral em nosso consistorio no dia Io de agosto vi
Ouro, as 9 lloras da manhaa, am de ser disculi-
do o novo compromiso.
Convento do Carmo do Recife 28 de julho de
1869.
O secretario,
_______________M. N. R. Franga.
Precisa-se de duas amas para cozinhar e en-
gommar, prefere-se escravas : na rua eslreita do
Ho-ario b. '.'.i, 2a andar.
D-se 8004 a premio com hvpotheca em
orna casa : aesia typographia se dir quem da.
Precisa.se de um cozinheiro que seja asseia-
do as suas obrigacoes : toda aquella pessoa que
estiver nesta circumslancias, queira dirigir-se
rua do Crespo n. 6 para se tratar.
Precisa-se de urna ama escrava ou forra, e que
Precs-se alugar um criado ou urna criada
forra ou captiva para cozinhar e lavar : na rua da.
Saudade n. 35.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao
RUA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, esobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Va lene*.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Ve*. '
Vktnna do Castello.
Pote do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de]Famalicao.
Lamogo.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Em casa de THE0D0R0 CHRISTI-
aNSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidades de vinho
\
.--*
saiba engommar bom, para urna casa do pou/a fa- euecuvamente toaas as quaiiaaaes
milia : a tratar na rua Sova n, 3, \ Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.






t i 'I-i*'
Diaro de Pernambuco Sexta feira 30 de Julho de 1869.
i ii i .i
A
I fPESTA
IICIIT11 SI CMSTIITHUTI 161 CIIPLIII BOITIIHTI II
CHAFE SE SOL:
NTICA e creditata I
FABRICA J
/ J RU
9 todas as qualidadei I
De todos os feitios I
Be todas os precM t
RA DO CRESPO N* 4
DIVIDAS
AGUIA DOURO
Custodio dr Bento, t*ndo de novo sortido oseubem conbecido estabelecimento
O abnixo aaaignado. boje possuidor das dividas
do cajal do tallecido Jos Daptista da Fonseca J-
nior, itrremafefcs cm leio paMico, pede os de-
vedores do mestni casal se dgnem satisfacer seus
dbitos no praso de 90 dias, u contar da (La des-
te ; Ando o qoat proceder jodiaataen* a dita
cobranca : na mi d*s Cinco Ponas n. 85.
Recife 13 (te jolho de IWW.
JoSo de Azevedo Pereira.
mwNmmmmm&mw
fi 0 advocado Dr. Antonio de Tas- g
c0DCell0sMcne7.cs tic Drummond, oh
mudou o Sea escriptorio para a ra SE
do Imperador n. O, onde pode
ser procurado para o exercicio de ffl
sua prolisso em todos os dias 8
ules das 10 horas da manha at m
s 4 horas da tarde. Fra dessas !
horas, t; para qualquer occorrencia j
urgente, ser encontrado no seu I
domicilio, na da Aurora n. 26.
wmmmumwm
Na. roa da Aurora n. 3i, 2 andar, precisa-
se de urna boa ama de leile.
Trocam-se
is notas do banco do Brasil e das caixas flliae
;om descont mntto razoavcl : na praca da lude
'deneta n. 22.
Ainda nao vieram, no entretanto o negocio
de interesse, e precisa-sc fallar ra do Crespo
n. 17 coin os Srs. Panlino Ferreira da Silva, ex-
soa.
le miodezas, deuormnado AGUIA D'OURO, partecipam a todos seus freguezes e ao pu- procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes
blieo en geral, que tem constantemente un completo soriimento de miudezas linas, e
objectes de alta aovidade; vendendo ludo 10 % menos do que em outra qualquer parte,
para o que reeebeu directamente de sua conta.
Promptificam-se a mandar cm qualquer .asa, urna pessoa com o mais diminuto
objecto que Ihes seja pedido, esperando assim a proteero de seus freguezes, e garan-
tindo-lbes o Custodio A Bento, firmesa em seus tratos, e ponlualidade em seus devere?.
Ra do Cabug n. 1--A.
AUGUSTO PORTO & C.
11--KUA DO QUEIM DO--11
Tendo ebegado ltimamente ao seu estabelecimento grande variedade de fa-
zendas de jjosto as poem disposicao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
presos possiveis, sendo:
Bournous de cachemira blancos e de cores, o que ha de mais elegante para
hombros de senhora.
Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
rieatales de renda preta de salines, o que ha de mais elegante para urna mo?a.
Basquines de guipuie preto, novo g)sto, enfeitados desetim de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capea pa noivus. Frenbas o toalhas de eambraia de linho
bordadas. Cortinados bordados para camas e para janellas de diversas qoalidades:
colxas de seda e de la e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorguro de laa e seda de cores, muito elegante fazenda para
um lindo vestido. Sedas de cores pretas, gorguro de seda branco e de cores com
listes assetinadas, panos, casemiras e muitas outras fazendas cujos presos sao em geral
muite mdicos. Grande sortiraento de camisas para homem, tatito lisas como bordadas
e de cores.
CoDtinuam sempre a ter grande variedade de tapetes para sof, para cama e
para pianno, porca de tapetes em pecas para alcatifar salees, e grande quantidade de
Esteiras da India para forrar salas.
i.i.u
Vhi o largaremos al que..........
E* na na Direita n. 33, loj; de lerrafens, que
se desoja feriar ao Sr. Antonio Prartetsee Duarte
ou sen irmao ex-depntado provincial Dr, Maxi-
mwao Franeiaco Uarte : deve saber quem ___
Precisa-sc alagar urna prela captiva que
saiba engommar bem ronpa de liomem e de se-
nhora, (Me seja de boa conducta : na ra da Au-
rora n. iO.
Joaqtrim Pereira Arantes faz sciente aos
seus devedores que dcixon de ser seu cobrador
o Sr. Antonio Jautiario Cahral desde o da 30 de
marco prximo passado e por isso avisa que nao
paguem mais ao referido Cabial assim como se
pede ao mesmo senhor para que venia ajustar
contas, visto nao ter apiiarecido e se ignorar sua
morada.

I!
i 8"
s 2 g.
ISl
o n
2 = 5
o

CONIPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
no
RECIFE V OIIMDA.
Por ordena da directora sao convidados
os Srs. accionistas ellectuaicm no praso
de l dias (a contar do dia lo do corrente)
a terceira prestado de suas acc es na ra-
zodelO'/o- Para esse Bm ser encon-
I trado o Sr. thesourciro todos os dias uteis
desde as 11 horas da manha ate s 1 da
tarde no seu escriptorio, ra Nova n. 35.
O accionista qm nao realimr a impor-
tancia da prertaco no praso determinado,
perder em favor da compatihia as presta-
roes anteri&rmente realizados. (Art. 8.
dos estatutos).
Recife, tudejuoo de 1869.
Io secretario,
Vteo. Just.
aos *o:ooo#ooo
CASA DA FORTUNA
Ra (! Cre|o n. 93.
O abaixo asfijnadotend) obtid liccnca da pre-
sidencia e satisfoito as outras exigencias da le,
avisa ao ncspcavel publico que lera sempre a
venda no S90 estibetcimento bilhetes das lote-
ras do Ihe de Haiwiro, cajo premios serio pagos
promptamente vista ds listas ,eom o descont
tmente da lei.
Procos :nteiro.. KOOO
Meios... f 23OOO
Qnarto?. 68000
E em quantidade maior 4e 1004000 na razo
de tifiWO [kt bilhete.
Manocl Martina Finia.
IEWPRESTIIWO SOBRE
(SE^ LIMITE.)
Na Iravessa da na
das Crnzcs n, 2, pri-
meii'o andar, da-se qual-
quer quanlia sobre OHro,
prata c podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transacc5o que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas qne 9e
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
3 -, a>

3 ~ o'
O O S.ie
u -i
g-gS- 3
S 3 ft-
O a
9 ^ w
1, 3 w
a f ai
S 3 3
f lo
o o.
8-
n
^2.
O"
cu a a>i w o
B-o o -if
^
i
*
B
ct>
5

i
r

Precisa- engommadol: a tratar na roa Nova n. 21.
Attenco
o
g
cr*-

S
9
Na ra Estrella do Rosario n. 3S Io andar prepa-
i am-se riea : les e baptisados, por preco muito cominodo, eom bolos
I dedli'ientes qualidads.boquetsdeiloresarliciaes
e naturaes proprios para enfehes de bolos e para
| caeamentos e para qualquer offierta com titas bor-
dadas a ouro e letreiro agosto dos dono ; as en-
cotntnendas devom ser feitas dous dias antes,
enfeifam-sc velas ticas por mfcito barato pre^o
para baptisados e enfeitcs de altares; faz-se ca-
pellas c cenos para as lojas e llores para enfeites
de igrejas; prepara-se qualqtvr cjicommenda,
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capellas, festoes e roseiras para enfeites de igreja
mais barato do que em outra qualquer parte e
com toda presteza ; faa-so pao-del, pudins e do-
ce, tudo enditado para presentes.
O Dr. Ermir Cotitinho reside
ra da Cadeia n. 64, onde tem
aberto o seu coBsolterio medico, e
pode ser procurado a qualquer ho-
ra para o exercicio de sua profs
sao.
SOFFWMENTOSD ESTOMAGO, C0HS71FACA0.-
Cur wn poneos das pelo CunvAo oc belloc cm po o en pstate.
ENXAQUECAS; NEVAALGIAS. EMa.ffcfle**d..t-
-,pn(tas rflpWaiiieme pi'lss MWM.AS PETHER fcI'CURTA!
ANEMIA, A PALLIDEZ c os rffrinwntes que n csiiprcgo dos ferruginosos sao sempre COmhrtttW com o meHiur nsiillod*
petes fiLULAS OE VAtlET. Ce PO DE ROG. Casi dijwlvc- um fraco eteste p cm moio
grrula d'agua para se obtr urna limwiada sgrJavd que purga sem t.-
kt clicas.
VINHO OE QUIN1M ie btborraeue Kste vinho, um dos
poneos cuja composjgo : garantida constante, urna das milhores pre-
paracots de quiiino, sem cSo notaTet sobre os conTalescentcs, dando-
Uies forcaa e aprestando volta a saude. Cura as febres antigs que re-
sisti ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIOA. mm pane (Testas molec
tas, auno as soMticat, lombagoK, ctanos, e toda* os-auras nerr^jas ein
geral sSo curadas pelas jjbolas de ESStMiA BE THEMKNTHM do
Dr. CIcitan. 0 professor Trusscau em seu trattdo ie tiierapeuiica aeon-
>.:i).i as para screm tomadal 'a oecasiso do jamar, n* de de 4 12.
OLEO OE FIGADO OE BACALHAO DE BEBTH-
tiaraiiltdo puro c do prinieira qualidade, um das panes* apwvados peta
Academia de mcilicina
Fugio no dia 9 do corrente mez. do
engenho Saat'Anna da comarca do Porto
Catvo, o cabra Wenceslau. estatura .rtegu-
kvf, de 22 annos pouco mais on menos,
sem barba, cabellos preto, e bem cara-
pinhados, foi comprado na cidade do Re
cite, para onde veto da provincia da Pa-
ahyba; e bem assim o eseravo Manoel
crioulo, de 2 annos, estatura regular,
em um dente quebrado no queixo superior,
bem preto; quem os apprehender leve a
casa do negociante Joaquim Rodrigues Ta-
vares de Mello, no Recife, ou no referido
engenho oue ser bem recompensado.
= Luiz Jafinario da Goma o Horado Antonio
Mangabeira, leelaram que (ssolverana amigavel-
mente a sociedade que tinhatu na fabrica do ci-^J
garros c charutos, sito na travessa do (i.ieimado
n. '>, qne pyrava sobre a firma de fiama Se C.
ficando todo o activo a caigo de Horacio Antonio
-Hangabeir3, e o passivo at esta data a cargo do
eX'oco ftama.
Recife, ti de julho de *89.
----------,---------u----------j_u'
CASA DA rORTl\A
Aos 4:00
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme,
O alviixo assiftnado tendo vendido alm de ou-
tras sortcs o meio bilbete n. 2082 com 4:000 da
lotera qrre se acabou extrahh* beneficio da San-
ta Casa da Misericordia', convida ao possuidor a
Vtf receber na conformidade do costume sem
descont atgura.
Acham-se a venda os bilhetes da 26* parte da
Santa Casa (115') que se extrahir no dia 4 de
agosto.
Precos.
Os do costume.
Manoel Marnns Fiuia.
Sublime publicar') Iliteraria sob o
titulo de Memoria do Bom Jesu
do\Monte, em Braga.
Acha-se venda na roja da ra
do'Crespo n. 28 A, esquina da do
Queimado, a Primorosa Memoria
do Bom .ksits do JHotrte em Braga,
ornada de gravoras finas, segunda
edicto, obra da penna de ouro do
mui Ilustrado lente da uuiversida-
de Coimbra, o Exm. Sr. conselhei-
r' Dr. Diogo Pereira Forjaz de
Sampaio Pimentel: qu. ni ti ver no-
ticia da extraordinaria devo^Se que
existe em Portugal para com aquel-
la milagrosisssima imagem.afflwndo
sempFe para o seu magesioso tem-
plo cm romar'ra numeroso povo
de todas as partes desse reino;
uem soubcr avahar as brilhantes
descFipcSes, e o bello estylo da-
qnelle consumada juciscoasulto e
eximio literato portnguez, n5o dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-s de um exemplar da dita me-
moria, pelo dimnuto preco de 3^,
na luja cima indicada, onde j ha
pequeo numero dellas.
Assoeia^oCommerciaf Benefi-
cente A dire6c3o da AssocicSo Commercial
Beneficente, de conformidade com o dis-
posto no art. 20 dos estatutos, convida aos
Srs. associados a se reunirem em assem-
bia geral no dia 2 de agosto ao meio dia
no salo do edificio da mesma Associaco,
ilim de proceder-se a leitura de relatorio
annuo, eeleicaode nova direcco.
Associaco Cormnorciat BeneficeHte, 28
de Julho de 18o9.
B. C. Batnos.
Secretario.
Ama
PrecTsase do nona escrava pata cozintiar e ott-
prar : na ra de 3. Franci-co n. 54.
Ama de Jeite
Precisase de umarn* do hite sem fimo, pYe-
ferindo-se branca ou mulata bem clara : a tratar
na travessa do Veras n. f.'. I" afidaf.
_______ '
Mofiia.
Pede-se ao Sr. F. F. V., fluante
meiro anno, que tenha a bondade de vir
do Monteir >, a negocio que ao Ignota.
do pri-
ao hotel
Precisa-se de urna ama livre ou mesmo es,
cltrva, qo cozlnhe com perteo o diario de urna
can, e qne soja de boa conducta a tratar na
ra do Vfcario n. ,1, terceo andar.
AVISO. rodos
e*tf* medicamentos foram aprevadoe pela AeaAetttia
imperial de. mediana de Pars.
k
Ito-Janeire.
-iliia..
DEPOSITO
Km Pars, L MEBI, 1*. ra Jtcok
DcposcMcriE; Hrjivi 1 Pernambuco. Hicsn et O.
TUDORMI.
Has et C-.
Cear.....rfumn et Cfc.
COSTREIBA.
Cose-Se eeoturas de aktaut. moda fran-
ceza, por prc?o commodo, na roa Aupsta
ii. 112, e da-se flanea sobre as mesmas.
AOS 20:0004000
CASA FELIZ, ARCO DA CONCETCAO X. i.
Os abaixo assignados tendo-se habilitado na fur-
nia das leis tem oxpoeto venda os seus feliaes
bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na caea
cima aonde se pagarao as sortes que sabirem
nos mesmos bilhetes com o descont da lei s-
tiente.
Bilhetes interos. 24-4000
Meios......fftWOO
Oaartos.....6*XK)
B de IMi para cima a iU bilUote.
FieneiredoctleiM.
Fufio n phim, de idade mais de 30 annos, crioulo, 7 pal-
mos de altura, espadando, sem barba, j foi visto
nesta cidade : qoem o apprehender levar rtia
da Aurora n. 24. 2o andar. <
O adrogado
Alfonso de Albuquerqne Mello mudou o sen es-
crioterio para a i a das Cruaes n. 37, defroote da
Cypographia 4o Diario:
wb sk sti sw BOS M8fliSSIo^fi83Si9S
Ptertsa-sc ala
do Queimado n.
Attenpao.
g*r nm pr^fo por mez
J9, foja-
I-----i-----LU___ !......_______
*a ra
Precisa-so- de urna ami : na fjta do Imperador
r- 14, armazcTP de moado.
i .-
O l>r. Alvares- Guimaraes, cuja prnica
daa clnicas data j de nao putieos a-
noto, fez publico que se propfie aqu a
exercer a medicina en todos m seus ra-
mos, tendo por especialialiddc nem s
as bydi-ope-ias, as molestias n4erasv
da* viae urinarias, da liexi^a e febri. |
como ainda as ampaaces, fraurts. hy- 9
droceles e oncra^oee obstetriraR concer- 1
nentes aos partos); para o que tem atoer- fl
to seu consultorio, a na do Imperador i
n. 47, 1* andar, onde Aar eoBPolta dai U
* as 10 horas da naattaa e *s 5 as 7 Mi
4a tarde.
Declara outrosim, que usar as mo- W
ieetias ^.philitirtn do trataaiento WM<
belecido pelo celebre sypliilograpbo Hi- S
eard, qaw na operaeo do ectropwn em- flB
pregar o rpido e proficuo proedSs do flft
jroessor Vidal, de Cassis, para o que ^
tea pToprtados ftstrumentos, e que Wl
as domis operacoe e molestias, pora gg
em pratiaa o inetbodo ou procesta, qu
formis con-'entane stiencia, e tjue ]
mai* vantagens po inferir aos (toen- f
te.
Prometb!, fittkBttite, entregar ao li-
vre e generoso alveario de seria clientes
^ a estimativa e pagamento de senr hono-
I rario, e corar gratottanxmte os pobret _
olereeeiido-lhe, aJm disso, alguna me- M
- dican-entqs proprio conjurar seus S
COMPAHHIA PERRAIBCABA
-
< o\*i:rno DE IMREC^AO
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmos.
Luiz Antonio de Siqueira.
GERENTE
0 SR. F. F. BOEGES.
Restando ainda emiltir algnmas accoes dc-^ta corqpanhia, da quantia nominal de
200>000 cada urna, das quaes s se aceitan em virtude da lei, 20 %. ou 40(9000 per
cada aecb; cosvida-se pelo presente ao publico era geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiranr dar emprego seguro aos seos
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que Ihes appnouver.
Algumas destas accoes j tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vanlagem,
de na presente oceasiao (conhecidamente a melhor), empregarem o dinbeiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como.vapores, predios .etc., que Ihes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, G in'ciramente novos, o destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso esl edificando vastos armazens, no terreno pue possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos te,m sido ds 10 % ao anno nos ltimos 4 anuos.
As aecoes que se emiltirem gosam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos queosantigos em proporciro da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no sen edificio ao caes da
Assembla n. 12.
CHEGUEM
.HUMES DO IIHUTII
que est, finalisando a liquidaco da ra do
Crespo n. 17 de Autunes Guimares & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos de labyrinto, fronhas. bicas e rendas da
trra, cortes de tarlatana bordados para casamentos, cortes de vestidos de cambraas
bordados, alpacas de cores lisas e de listras. precalas ainda de bonitos gostos, casaqoi-
nhos de casemria para senhoras, saias bordadas e baldes de todas as qualdades etc.
fra da tiquidacio
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos pelo ultimo vapor.
Pompolinas de gostos especiaes, quo muito agradam.
6-orgoroes usos de cores para vestidos, azenda ltimamente chegada.
Colxas de seda de todas as cores.
Chitas afostoadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras e diapellinas de norogoslo.
Esteiras da India proprias para forrar salas e quartos. ,
Bons e bonitos tapetes de todos os lmannos.
Tapetes avellmiados para covados: e ootros muitas fazendas qne s i MM se
a realidade do barateiro.
TISTA OE FARIS
19-Rua Nova19
FREDERICO faliriKK
^rurgio-dentista, muito conbecido ha de/, annos n'esta cidade, pela perfeicjlo dos setrs
trabalhos, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos nie-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
acharo os commodos precisos para familia.
Acha-se tambera na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
.1. liKItOl \
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou com
feliz strecesso as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nlo encontrarem no seu
gabinete, depositen! no dito seu sobrinho a mesma confianza com que o tem honrado
i dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a presso do ar e com molas de ouro, platina
vulcanite e um intpiramcnle novo n'esta cidade.
Cora radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturacoes) com ouro c com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos dentrilicios fabricados pelo proprio annunciante, o que Ihe permitte afian-
zar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeico de trabalho e precos moderados.
Viagens para fra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manha at as 4 da tarde de todos ds
lias uteis.
wsm mu nos ammzes
16 RA DA CRUZ 16
S. AWTONIO, H. JOAO K 19. PEDRO.
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, podins, p5es de l, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de differentes qualidads. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas confesadas e confeitos. Vinhos fros engrrate-
los,' superior cha Bfsson, preto e miucfmho, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
isadas, assocar candi, xaropes refrigerantes.
Recebe-se" encoramendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armacoes de assucar, sendo estas preferiveis as de papel5o: bollos etc., pies
q lo enfeitados, qualquer encommenda para lora ser bem aeoadkioaada.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Esta novo e modesto estabelecimento, tendo aberto ao respeitavel pablico- este e!e-
/aato e bem forneeid betel que srtnado numa posicSo inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente senffcreado pelos doces zephyros da tarde, lorna-se prefcrivel qmkl-
paer outro" d'eslte genero, as tres cousas mais necessarias ao genero raciona* au-
mento do co*po, distracSo da alma, e socego de espirito.
Ho pviuiento terreo Mu isa Je pasto muito profasa, da primefra ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, um excellente bdliav de mogno, para divertiiaeiito. Sfa-
le tral un restaura 11 le da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfei loria dascomedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento, promptdSo e cnnwnodidade, s-
ios Ilustres concorrnles dado fazer justica.
Fornec comidas para fra, (anto por mez como avulsa. Todos os das, aoite,
wconlrar-se excelehW sorvete, refrescos, caf, cb, bons vinbes Figneir, Port, Bev-
deaux, tendo bons commodos para bospedagem, salao e quarto mobiliado no sew
do andar.
INJECTION BROU
It e *rt*rimUi*, aawliilauMW uaiet *e cun mb wIim M:u<.\.u^0
kotemt bowI*. (aiglt a iaMneaM 4 Mtadpi
4* tnmst IBV. bMatnri |Uctau, tu.



Diario de Penuumbneo Ste*ta fokta 30 de Juifco de 1869.
A ESMERALDA
**-
PILULAS
ANTI BMAJICAS
Cura radicalmente as boubas.
nico deposito.Platinada de Joiqui
de Almida Pinto, ra larga do Rosario no-
mero 10, junto ao quartel de polica.
XtKOPE
DE
im riuiuu do m
ou
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-o ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
N. 5 RUI DO CABl'GA Y S
Depurativo do sangue
Usado as molestias de petle, irnpigens,
(lores rheumaticas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
Rna larga doRosarAe n. lo.
JUNTO AO QCARTEL DE POLICA
Pemambuco,______
Cosinheira
ft-eciaa-se du urna boa coeinheira para casa de
hornero soltciro : m rua do Queimadj) n. 41. loja
Ama
Prerisa-se de nma ama para eorinliar e comprar
para casa de pouca familia : na ra das Cruz
n. 28, Io andar ; prefere-sa cscrava e paga-se
bem agradando.________^____________
Msica
LOJA
ALGODAO
DAS MACHINAS
TOS
O professor Ha muaiea Candido Quintino Redri-
giles Lima, dispondo-de aJgutnas horas que podem
er aproveitawis por alguent, vcm por meio do
I prcsfiitrt oflerccer seus prestimos ao publico deata
cidade, tanto no <[ti diz respeto a wlvejo como a
i flauta : dirigir-ce na rua AtgusU n. 29.
SEGUROS
MARTIMOS
COXTRAFOGO. tj
A Companhia Indemnisadora.estabelecida
esta praca, toma seguros maritinaos sobre
navios e scus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: a
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Pogio no diHi'de jtittro, o escravo Eu-
genio, preto crioulo, de idade do 50 ann os
pouco mais ou menos, usa cio e barba cerrada, j mesclada, um tanto
calvo, altara regular, magro, pernas finas,
suppSe-se andar petef-bandas do- Affogado
at os Prazeres ; quem o pegar leve-o a rua
do Trapiche no Hotel do Universo n.' 2 que
ser generosamente g alineado.
Criada. -
Precisa-se de urna criada, para andar cora crian-
jas e fazer mais ajgtun pervivo : na rua do Qnei-
inado n. 30, entrada pelo largo de Pedro II, se-
gundo andar.
Aluga-se, na Estrada-nova, um sitio cercado,
eom arvoredos, carimba, casa de pedra 6 cal, com
quatio quarto a fallar no mesnio lugar, no si-
tio da viuva Villaspr.i.
PREPARATORIOS
Francisco de Borja lecciona na rua dos Praze-
res n. 13, rhetwiea, fraucez e grammatica latina.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na rua do Catmg iv. i-eompra-se ouro, prata
e pedraa preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualqner parte.
RIVAL H KM
Rua do Quemado n, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azcve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar c fazer novo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bota e barato.
Caixas de linlias do gaz com
iOnovellos a 500
Latas com superior banlia a
120, 200 e..... 400
Fiascos de oIpo babosa muito
fino a....... 400
Du/ins de meias ( inglezas )
nimio boas a .... 44000
Garrafas com .agua florida ver-
dadera ...... 102OG
Garrafas comagua[divina dame-
lliorqualidade .... 10500
Caixas com 12 frascos de ebeiros
proprio para mimos 20500
Dita com'G frascos muito finos 800
Oleo babo/.a muito fino que so
a vista ...... #500
Sabunetes de catanga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
do
al-
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para desearocar algodo,
muito conhecido fabricante Eagle Colln Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descaroear,
godSo do autor New York Cotton Gin.
.MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS dHas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de facao do fabricante Platt B. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melbores que lm
vindo ao mercado ; c para a sua apreciago conridam-se os senbores agricultores "
virem a exposiejo das mesmas na rua da Cada do Recife n. 36 A, loja do Bastos, onde
encontraro mais o segulnte :
Folha de ferro.
Balancas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Debulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhos de mo.
Machinas para cortar ypim.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Tellias de ferro galvanizadas.
Folhas de zinco linas.
Ditas de robre e lato.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Fatoes ditos.
Balaios e cestas de verguinba.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente rnurtos outros artig 1 ospertencentcs
diversidade seria enfadonho ennumera-los.
Baldes demadeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.-
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refinacoes.
Azeite de espenmacee, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Sen-as avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
lavoura e artes, que pela
CARVAO DE BELLOC
PARS
Apprevado e reoemmendade pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cura da gas algia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
E egualmenle o remedio por excelencia contra a releiicae de ventre Finalmente era
razio de suas propriedades absorventes, recommendado como verdadeiro remedio nos
cazos de diarrbea e cholerna. O cania de Belloe tonu-se na ocoasia das comidas
sob a forma de pos oa de postulas.
Deposito em Rio-Janeiro, Duponchelle; Chevoiot. Em Pmnimuco, Vturer i C'\
O abaixo assignado lendo o Diario de hem-
tem, deparen com um annnncio, que a reqneri-
mento do tutor dos menores fllhns do fallecido
Manoel Francisco de Jesns Prima, vai praca i
dia 30 do crreme,-um'bote e seus pertences.
avaliado em GOOOO, e como snbredito bote tinha
o lyesino abaixo assignado direito a exntelo nfir
diJPi provada, por isto previne ao senhor tuior,
que em tempo e contra quem o arrematar tem o
tuesmo abaixo assignado direito legitimo.
Reci fe, 27 de jiilho de i 9.
Jo.i Hicaido de Jess Pruna.
Aluga-se o i- andar e sotao do sobrado da
rua da Guia n. 31, frosoo e con muito bonita vis-
la : M pretender entenda so com Jos Antn-
nes GuimarSes : para ver a chave, na rua da
Senzala-velh n. W, no deposito do Sr. Cascao.
superior A.....
I Pe^as de babadinho com 10
>'a prac* da Independencia n. 33, loja deon- varas '\
uves,compra-Wouro, prata, e pedras preciosas.e Pecas dc' ^ de c*s quaquer
lai'friua .....
ll
tambem se faz -quaquer obra de encommenda, e
jodo e quaquer concert.
Estovas para
as .
Escovas para
muito fina .
, Pulceiras de contas
i Aimpram-se e veudem se diariamente para lora n,.. n,onnno x
e dentro da provincia escravos de t coras c sexos, eom tan! i mn sejam sadios : no *aixas de lilaila branca do gaje
unhas muito fi-
dentes fazenda
de cores
lerceiro andar d) sobrado n. 36, rua das Cruzes,
freguezia de Santo Antonio.
Compra-se
farinha de mandioca da trra
nenio n, 17.
na rna do G
'.om-
Suliilas de ,S e 2S
Comprase na casa de Theodoro Simn
C, largo do Pelouiinho.
Carpinteiro, Pilho Sobrinh'. rita Beal do
Manguinlio n. 65, sacam sobre Hespanha para os
portos sejruintes :
Ponte Vedra.
Santiago.
Vigo.
Puente Arofcr.
Redondella.
Caiza.
Celanova.
Orense.
Tuy._________________^_____________
VENERA VEL ORDEM TERCEIRA DE".
S. DO CARMO D* REDIFE.
Em uome da mesa regedora convido a todos os
nossos charissimos rmaos a eompareferen em
nossa igreja paramentados com setts ltal)8, mis
das 31 do correte e lu de agosto prximo, para
assislirem a* vesperas, festa e Tc-Deum da Glori..--
sa Senhor Sant'Anna, padroeira do iwvietttdo,
calos actos serie celebrados as horas do costuaae.
Secretaria 28dejuihode 186.
O secretario,
Joaduim Xiavier- Vieira Uno.
Doria Carolina da Costa Pfexe. JoSo Jos <>"*-
Calves Plexe, Mria Carolina Plexe, Joao di Silva
Salgado, Maria Rita da Costa, Antonio Jos Porei-
ra da Cunha, Joaquina Plriana da Costa e Cunta,
esposa, fllhos, sogro, sogra e cunbados do fallecido
Antonio Jos Goncaives Plexe, rordialmente agro-
decem a todas as pessoas que os obsequiaran em
aeompanhar o mesmo ftoado ao cemiterio publico,
e de novo convidara assi6rem a inissa do eti-
mb dia, que laaudan cetebrar na igreja matriz de
S. Jos, s.'gtmda-ftr* de agosto, pelas S t|! ho-
ras da man hita, pelo que desde j se confessam
eternamente agradecido por o-to aclo dc cari-
dade.
Os abaixo assignado?, irmao e sobVirmo do
fallecido subdito franeee loo Vigoes, rviirantlo-se1
boje no vapor francez para Franca, declarara qtie
deixam por 'eu procurador ao Sr. Gaspar Antonio
Vieira Guimare: com penos poderes para em
seu nome recebe,- amigare! ou judicialmente a di-
vila activa do casal de sen finaon irmao o tio.
Michcl Vifaes.
N. Beipneeei.
Nicols Vfpnes.
H IJUi 1'
Compra-se- f3rinlta de mandioca da trra : a
tratar na praca do Corpo SaDU) n. 21. segundo
andar.
SEDULAS GEUAKS.
Compram se eom premio sedulas geraes de 20
para baixo, sendo qnantia superior de 1:000*000 :
n rua do VipaTio 3, escriplorio de J^hnston
l'ater & C
COMPRA-SE
moedas de our e prata de lodos os valo-
res, ouro e prata em obras inutilisadas, e
brilharUes c mais pedras preciosas na lo-
ja< de ourives do arco da ConceicSo no Re-
cife.
VrNDAS.
Vende-se urna velha, muito gorda e
mansa, e nova, pois que teve apenas um
parto; dirija-se rua das Cruzes n. 20 se-
Attenqo.
Na rua Direita, taberna do Viado Branca, as
vende miiho e feijo hev erii porcao e a re-
tadlo.
com ;I0 novel los a .
Pe^as de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
tino ......
Panes de botoes para punhos
muito bonito .
Libras de 15a pa:a bordados de
de todas s cores .
Pontos com costas de metal
muito linos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa paYa bor-
dado i......
Grosas de botos madreperola
muito fino .....
Sabonete muito finos 60, 120,
100, 240 e.....
Pecas de fita de 15a todas as
cores ... .
Espelhos dourados para parede
LJO00 e.....
Espelhos-de Jacaranda muito
lino a......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino cora 4 fo-
lhas ......
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
.5240
$600
500
500
,5500
-240
dOO
.600
040
4000
120
8,5000
320
320
480
500
320
500
1500
20000
060
320
I500
15200
A loja de louca, vidros, porcelana e
christaes, da rua do Imperador n. 46,
alem do explendido sortimento que tem
destes artigas, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
prios para podins e pastelons, cafteiras
etc., etc., tudo por precos mais cmodos
do tpie em outra quaquer parte. Tambem
figuras, vazos, pinhas," lies, globos, e bolas
panorama, tudo proprio parajardins, e en-
feites de cazas; nu do Imperador, n. 46.
Vcndr-se
Precisa-s de una ama para comprar e co-
zinhar : na ra do Queimada n. t
0 MUSEO DE JOIAS
zn
ce
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores propor ao publico em geral e com especialidade as Ezms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente J C^
I das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABU6A N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ba de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande varedade de salvas e paliteiros de]
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam quaquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
0 MUSEO DE JOIAS
artaberua da rua de Hortas n. 43, em virtu-
de de seu dono retirar-se para fora : a tratar
na m.'sma.
LiQuida^t
Veude-se a serrara a vapor e fabrica de choco-
late a rua do Mondego n. 99, urna maehma a va-
por do forra de oito avalkis, una sorra para ser-
rar pranchao, podendo serrar com ff serras de
urna vez, nma machina de fazer tabeas de assoa-
Iho, litupand'.i e fazendo macho e femea de iibu
90 vez. tambem para obra de rampina e marcim-i-
ro, duas serras circulares, urna serra de volta e
ouira de corlar desenho na inadira, urna machina
de1 engradar e outra dfffazer moMura, tornos de
lomear madeira, e todas as machinas neeessarias
para fazer de ia 200 libras de chocolate diaria-
mente, tudo promplo a trabaluar, tendo tambera
diversas ferraments para fazer os eoneerto* de
qiwpocsM) precisaras machinas. Todo pode ser
examinado na inesma fabrica, das 8 horas da ma-
nja ao meio dia.
Calcado para homem,
rua da Cadeia tio Recife
n. 45.
Meades, FakSo & c, vendem' em seu esubele-, Nova loja de calqado estrangeiro
cimento calcado inglez, fresco ebem feito, de dil>
rentes, qualidade*, pelos presos cima estipulados.
A quem comprar nm sortimento de 50 pares, se
Cal nova de Lisboa
Vende Joaquim Jos Ramos, rua da Croa n.
8, I"andar.______________________^
proveitar em quan-
to duram.
Balos de niusselina com pequeo toque de rao-
fo a 3J e a 35500, fazenda su[terlor.
Espartilhos a 21500 e 34, cousa nunca vista, s
no triumpho Outras muitas fazendas que se lor-
ram por lodo o proco, rua do Queiraado n. 7
AEXPOSICO "
dar um abatimento razoavel, que muito convir
para negocio
A RUA DA CADEIA DO RECIFE .1 45.
Veude-se uins taberna sita na rua dos Pires
n. 46 : quem pretender, dirija-se a mesma, que
achara cera quem tratar.
Folha de l'lainlre*
de superiur maseaDcrwenta 23*000 a eaixa :
rua da Cadeia n. 4.
Garale-se a easa.
Vemft-se un armacao invernnada e parte cn-
Tidra^ado, ristetJftB no pavimein-lerrM'do sobra-
don. I, sito nm- lio Otnvelto, qjio &z quina
para a ana de S, Gaocaio, bem- aom bemfeitam^ esn*Mtiw degai, caiKeirw, ele.,li-
I gar apwpmdo para qnalquer eslabelocimento,
mormente taberna; tem accomraodacoes nos fun-
das para familia : i tratar nao s. sobre o seu alu-
gicl com Manoel Ri iro de Carvalho, ru do
I Queimado, loja it fcnendas, que garante a casa a
I qaem Bear com arma^rto e se acn incumbido de
fazer negocTO' sc-bre a mesma.________________
Cabras com hite.
Esto a venda tre* eabWB e o*s com crias,
sindo multo mansas c proprias para criarem
quaquer criaaca : quem a* pretender pode, qaa-
rendo aprecia-la, exammar tanto leite como-a
(|aaiKidde, dirifir-ae11 ra do laperadeT B. 8,
defronte do Sr/PTaneie).
Milito novo
Vendem se saccas eom ho wm a M, a di-
nbeiro a, ristt : no arroaaem da CoijBa fer-
nambticaoa.
Vndese um terreno de marinha na rita
Imperial n. 6 com 7C bracas de tente e US de
fundo : quem pretender dirija-se roa 4o Com-
mereio' n. 9,1 andar
Novidade
Mtguei Gomes da Srtra, cstabeteeldo na rna da
Imperatriz n. tt Com armaiem de momados deno-
minada o Bo ononid participa a todos os
setts fregoetes qme madon-e para a praea da
Boa-Vista n 31, esqofna da rua do Aragao, onde
tam um completo sortimento, con seja r batatas
em gigo a 14 o laSOO, nunteiga iogleza a 1*001)
superior, pteawnt portagnei a W00 rs
Vende-so linfa mulata robusta, nropna para
senlco de casa, d'MM rfcgrWTi de o anuos : na
rua do Imperador n. 77, Io radar.
para homens, senhoras e
meninas.
NA RUA NOVA N. 8
cni frente a cainba do C'arnio.
Lyra dc Vianna, tendo pela experiencia
adquirido a certeza de que o publico desta
capital, era mal servido, pela falta de esta-
beleciaientos, sortidos de bons calcados,
situaram a sua nov loja, na rua Nova n. 8.
Lyra' Vianna, convidara por isso ao
publico, e com especialidade ao bello sexo,
para visitar seu novo extabelecimento de
calcados finos, manufacturados pelos mais
habis fabricantes da Europa ; ali encon-
trarlo empre, todas as qualidades de cal-
cados, solidos pela boa raanufacturacSo,
frescos, por serem muito novos, e vendidos
por preco commodo, para mcrecercm a
confianca de seus dtslincto! freguezes.
Comprometem-se a mandar vir encom-
mendas de calcados especiaes, e a exhibir
as obras de phantasia e de mais aprimo-
rido gosto, afm de que suas distinctas fre-
guezas calvero e mostrem sempre o chique
da botina franceza. Isto s na rua No\a
n. 8, loja da exposicao de calcados de
Lyra A Vianna._____________________
Aos senhores de engeiiho
Vende-se-nm escravo robusto, de idade de 30
annos, acostoaiado em engenho : a tratar no pa-
teo do Terco n. 63.
Craiide
luja de fazendas c roupas felfas
mi da Inperariz n. 82,
perla larga,
DE
PAREDES NITI
Neste eslabelcBieeto encontrar o res-
pcitavel pubco um bonito sortimento de
roupas e fazendas de todas as qualidades e
pteos w ni modos, t-m sempre um bonfto
sortimento d&caseiniras de cus e pretas,
paneo fino de diversas qualidades, brim de
bonitas cures e biaiu,os de boa qualidade.
encarrega-se quaquer obra por medida e
preco muito coniuiodo.
ROUPAS PBTEAI
na loja da rua da Imperatriz ji. ,52, porta
larga, de Paredes Porto!
Tem neste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas fcilas. de diversas
quaHdades e precos commodos, como sejam
palitots de alpaca preta c de cores a 30,
']:}'> Oc >; ditos de panno preto sacos a
6>, 75 e h,-5; diios de panno superior a
12$, 14(5 e 105; ditos sobrecasacados de
dito dito a 185, 05 e 55"; ditos de case-
mira de cor a S,5, 5 c f/jf; cairas, colletes
e palitots de casemira muito lina de c6r a
20 e 2">5; calcas de brim branoo de ct de
todas as qualidades de 25 a 05; ditas de
casemira preta e de cores de 40 al 120;
colletes de todas as qualidades: ceroulas de
bramante a ItfHt, 2^000 e2d500 ; camisas
francezas de linho e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra quaquer parte ; colarinbos, grvalas;
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 00 a duzia:
pechincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento : todos os freguezes se
podero prover dos ps at a cibeca por
preco commodo.
FAZENDAS -
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 300 rs. Madapofeo
fino a 70, 80 e 100 a peca. Algodo (pe-
chincha) a 50500 a peca e outras qualida-
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente c Victoria de 30500 a
80 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metros
a 285000. EsguiSo o mais fino possivei -a
25500 e 30 a vara, e outras muitas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEJO DA PORTA LARGA
i
i'i:
Paredes Porto.
LITO IARAT0 SE VE\HE!!
m
RU NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os propiietarios Jos de Souza Soares tV
C, alm dos baratissimos precos por que
esto vendendo a grande variedade de arli
gos de moda e novidades de bom gosto,
tanto para homens como para senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de caste:
branco para homens, fazenda fina, a 100 i
(o preco 140000).
COQUES enlejiados para noivas, grande
novidade a 40500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda mitafo dc cabellos
a 30 e 30500.
MEIAS superiores inglezas para homens.
a duzia de pares 70800 (o preco c de 9#
a 100000).
LEQUS de madeira sem diTerenca de
ndalo a 20000 e 20500, (grande peohn-
cha 1)
DITOS com lenlijoulas a 35 e 40000.
BARALHOS de cartas francezas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queno e fazenda superior, um pacote por
10000.
LINDOS cintos de palha enfeitados pata
senhoras (grande novidade em Paris) a
20500 e .*I0OPO.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente enfeitados a 60500 rs. (admira o
preco!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
No Bazar da Moda.
Acha-se venda na typographia do Sr. Fran-
cisco Goajlio do Lenvts & C., as Delicias da Pieda-
de, trataao sobre o coito da SS. Virgem, obra do
mortal padre Ventura, traduztda pelo vigario A.
mortal pa
M. dtC.
Em casa de Adamson lio wlc
ta
cerveja de nperior
C'onp.inhla
;as de
vendem-se 100 barricas
qualidadeMarca Tonnont.
Vende-sa urna eserava moga,
ra. q:ie sebe engommar e coser
de bonita ficu-
tiem, cozinha r
soffrivelmeotf. e aeer labyrintho, rendas e bioos :
a tratar oa roa da Sania Cruz, casa n. 16.
Burras.
Veudem-se duas faceiras e cnainadas burras
para carro : a tratar na rua do Vigario a. 31,
Para o armazcm do Campos, na rua do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acha se constantemente om variado sorti-
mento de gneros finos para meta e
cosinba e entre estes oomea-se apenas as
especialidades seguinles: -
Queijos do serto sendo de manteiga e
coalba.
CamarSes seceos do MaranhSo.
O verdadeiro caf de Moka,
O superior e bem conhecidopeixe miraguai
que se vende a 160 a libra e 40500 a
arroba.
TABELLAS
de reduefo as mais tacis e mais com-
prehensivas, tudo no
Armazem do Campos
Scbonete de alcatro.
m
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao toa
acceitac3o temiaarecida n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das. irnpigens, sarnas, caspas e todas a
molestias de pelle.
Deposito anteo,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ma larga do Rosario34.
LIBRAS ESTERLINAS
Vendem Augusto de OUvejra C i '
Coinmernio, n. 4J.
Vande-sauma ppeta crwala, moca, wtfmL
cose e enjtomma, por proco commoflo : aa f'W
larga do Rosario a. 12, i" andar.
#


0
Da&;tUfelPa>4ufcbuCd Sexta feira 30
ARARA
72.----Eua da Imperatriz.----72.
Alerta frguezes
que Arara va i cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
O propietario deste estabelecimento, UUta grande porgan de fazendas era
*er vai proceder urna liquidaco em todas as fazendas e ronpa's feitas existentes no
estaueiecimento, agora que occasiao de quem tim poucodioheirD poder se vestir de
a e baratsima como se poder ver no atinando abaixo mencionado.
MADAPOLO DARATO A 33500.
Vende-se pecas de raadapolDo enfestado I
BRAMANTE PARA LEN0OE8 A 20".
Vende-se bramaute coro 10 palmos de
do l jardas U53DO| dito de 24 jardas ou largura pan lerfces, a 2*.
2122F?8 W' S5000.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendem-se
ALGODaOA 40.
Ytadem-so pepas de .algodio muito en-
conudofi 'j.>, rj.v, 8$8iw->.
chitas fraacezas para vest- olerlisho ccmioinico a
aos.a 2d, 320 rs. o cavado, ditas escuras
muito finas 360 rs. o covado.
Chala miilo a SOO rs.
Vende-so chalin para vestidos ie seuhora
800 rs. o covado".
. PECAIES A IM RO COVADO.
Vende-so percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. ocovado.
lirilhantinas JIO rs.
Vende-se briiliantinas ou mursulinas de
cores para vestidos de seohoras 440 rs. o
covado, laziohas muito finas para vestidos
de seuhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadiinfios 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCBZ A 300 RS. O COVADO
Vende-se riscado francez para vestido
ae._senb.ora 300 rs. o covadd.
Laaslnhas a lo rs. o < ovado.
Yendiwn se laasinhas para vestido de se-
nhora g 240, 280-, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas' francezas unas a 280 e 320
rs. o covado.
- hViCS de merfud 9.
. y^d'V-sc eualcs de.merino estampados
" *j?'', 23300 cada -.um, para acabar.
' OOKTBS DE U\S ARERTOS A 2;>400
Vende-se cortes de 15a para vestidos de
senhora, 23400 cada um.
ALPACAS- DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se aipacas de cores para vestid >s
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de iistras xi 700 e 700 rs. o covado.
Chitas prnsslanas 3GO.
Vende-se chitas prussianas de Iistras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CUITAS PARA GBERTA A 30
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Balites de '9 a SO reos
16&00.
Vende-se bales de 20 a 30 arcos
13500 cada um, balos modernos brancos
e de 320
por ter
rictzla.
Vende-se colerinbos- economice
a duzia, s se vende as^stm barato-
grande porcJSo.
C\SEMIRAS DECORES
Vend,i-se cazmiras de edres para' calsa
e palt 23 2:5300 e 3$ e eovado,
Algodo eufestadfe 13.
Vende-se algodo enfesiarlo* proprio para
lences e toalhas, 13, a vararon 900 rs>o
metro.
BHW PARA CALCAS A 40 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de-
hornera e menino, 400 e 440 rs-. o co-
vado, dito lizo a imllacjo de ganga a 360
o covado.
Algodo de Iistras a '99 rs.
o corado
Vende-se algodo de Iistras para troupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes de brim castor para
calca de homem, 640 800 rs. cada ora.
GARTEIRA PARA YIAGE11 A i&.
Vende-se carteiras para viagem h i#
cada urna, cobertores de algodo i&ftO
cada um.
Cohcrtas de chita l&SOO
Vende se coburias de chitas de cores-
13800 o 20, cada orna.
ALGODO TRANCADO! I>E EAS LARGURAS Jfcl
HOOO.
Vende-se algodio transado de duas lar]
guras, proprios para lences e toalhas par*
mesa, se vende a 13200 o metro.
nautas para gravata OO rs*.
Vende-se mantas para gravata a 200 rs
cada urna, lencos do seda de flores, a OW
cada um.
ATOALHADO PARDO A 23500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa ,1 20500 a vara, tialhas escoras
15, cada urna,
da Arara n. 72.
15
Rli DA (4DKI1 W. 45
DE

SOR

OHii!
DIRECCO DO MUITO HABILARTISTA
Laurtano, alfarule.
'> OY
. Os proprietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessdade
urgente de ter na directo de sua offleina de roupas por medida, um artista perilo, tem
contralado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez. jo t
Tem o mesmo estabelecimento otn bom sortimemto de fazendas proprias para
roupas de hornera, como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sorlimento de
pannos finos, prefo e de cor, casimira preta, grande sorlimento de brlns braficos o de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos corles, de gorguro para cllete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os frguezes eneontraro aida um variado sorlimento de roupa feita, camisas
inglezas, collarinhos.ceroulas, gravatas pretas e de phantijia, roeias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
batees de diversascres e modeJos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade do seus precos- ratita a comprar.
A na da Cadeia n. 45
, Grande e completo sorlimento de machinas para
descarucar algodio de nova invencao rhepadas l-
timamente em dircitnra para a loja di' Manoel
Rento de Olivclra Draga & C, na ra Direila n.
j'3. Garante-je que a melhor (jiiaidadc que al
o uwsente tem viudo ao mercado : acham-se em
expojicao aw coin|)adores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimeofo de pesos kfc'
Rrammos de mehor comprehenjao dos que tem
vindo al o presente, asstm como mareos de lalo
at meio grammo pelo mesmo syrfema, balangas
de laiao de forc3 *ft i> a 20 kUogranmos, metros
de niauVira e de lati para medir fawndas, alm
de graHde sortiineno de mnulezas c ferragens de
todas a* qualidades, todo por precos que s a vista
l'az crertfto : na roa ireita n. 53, loja e STanoel
Rento de Oleira Draga & C.
^ M
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas de cores 0-
xas a 280, 30 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 34SOO.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
5ado a 3,-?a00, dito inglez de 2i jardas a
55, 65, 0*300,75500,85, e 10& a peca.
ALGODO TRANCADO A 10200 O
METRO.
' Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lenco ?s e toalhas por ser muito
largo, a 15200 rs. o metro.
RBCACO FRANCEZ a 300 rs. .
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARALENQOES A 20 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 20 a vara.
Chitas aaazonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de Iistras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja do Garibsldi.
;aos senhores donos de coxeiras.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de Ustras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, prego a 20500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 10 A VARA.
Vende-se algodio enfestado muito largo
proprio para lences a 10 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTDOS A
5j0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada um.
RRIM HAMRRGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Hara-
burgo com 20 varas a 80, 00 e 100 a peca.
CortlaadM para janellas a 941.
Vendem-se cortinados para janellas a 70
o par, ditos par? camas francezas a 140 o
cortinado.
Ra do Queimado ns. 49 e 57-
tojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mam, est acabando
com as mudezas de sus esfebe-
lecimento por rsoo qtteram apre^
ciar o que bom e baratissm,
ipecas Ts tiras bordadas e&m 12
metros1, fazenda superior, a
f->500,20, 30 r. .-. 4000
Caixas de Jinlia coa SOnovellos- 500
Panes de sapa tos s tranca ftV-
aenla ora- a....... 20000
Pares de sapatos de- tape%
(s granosa....... 10500
Duzrs de metas croas para ho-~
mem a......... 30800
Tramwas-do Fbrto faaenda hoar
e peh) prec^-melhor tOO att&s- a 0200
Livros de misses-abreviadas a .. 20000
Duzia d bapalfcfl franceies muito1
inosa2ri00'e......'208OC
Silabario portugtiez coca-estam--
pas a -. 320
Gravata de owse pret muito-
finas a........ #500-
Cartes com- cotehetes e Jalao-
fzend* fina-a...... -0020
Abotuadaras de vsdro par^colte
' fa/enda fina a. ../.'. B00
Caixas coa penoa d'aco multo
finas a 320, 408? 500 e ... 000
Cartoes de linha Aiexand>e que
tem 200 Jardas- a 100
Carreteis de linha Alexane -de-
70 at 200 a........ ,5100
'
NOVIDADES
0 Garibaldi principia
Cortamente na de agradar,
Que pelo pre^o que vi vender
Ninguem o pode igualar.
O proprietario deste estabelecimenlo denominado Garibaldi, declara ao resp Ha
vel publico e seus frguezes, qm tem recebido grande sorlimento de fazendas, e est
constantemente recebendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
te de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-1
quer parte, garantino se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 56, de Lourency'
Poreira Mendes Guimar5es.
(angas para cal^a a 3 SO rs.
Vendem-se gangas de cores para caifa e
palitots de homeus e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado.
Lasiuhas le quadi-inhos a
2X9 rs.
Vendem-se lasinlias de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em 13a de listra
para vestidos de seuhora a 640 e 800 rs.
o covado.
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes, de la de listra arpa
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se 15a chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para raleas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com Iistras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 s/* covados d urna calca para ho-
mem pelo pr*co de 20500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
SO rs. o eovado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
RALOES DE ARCOS A 10500.
Vendeni-se baloes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
RRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. O
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 10200 o metro.
DALOES MODERNOS A 50000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 50 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
. CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
100 e 120, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
Caixas com superiores otees
Ra da Imperatriz leja furias de agulhaaara machina
Libras de prego* francezes- di-
verso tamaito a .
liivros cscripturadb para rol de
roupa a. ...... .
Talheres para meninos muito
finos a. -kr'- .
Gamas com> papel* amizads-muito
fino a....... .
Caixas com 100-envelopes- multo-
finos a........
Pentes volteados para meninas 6'
senhora* a.......
Thezouras muito finas- para,
unhas e- costuras a. .
Tinteiros com tinta pela muito.
boa a 80 120 e .
Varas do franja para toalhas fa^
zendama a. .
Pecas de fita braaca elastifia
muito fina a......
Novellos de linhacom 400 ja*das
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Grozas de botoes de kmea muito
finos a........
40 40
20000
4240
012
[4240
700
0600
0320
0500
0320
0160
200
60
20500
16
Machinas k vapor de
forca de 3 e 4ca-
yallosU
Motores para 2 cavallos.
Arados americanos.
, Machinas de facao e serrotes para desca-
rocar algodo.
Palancas para armazem e balcSo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro de Milnez e de Uhit-
field.
Prencas para copiar cartas.
Fogao americano patente.
Ao povo, s mais de familia e ao
commercio
O boto systema
DE
PESOS E MEDIDAS EXPLICADO AO POVO.
Facilita a qualquer pes9oa o conheciraento do
systema mtrico em relacao ao aosso amigo sys-
tema ; ensina o modo de se conheeer os pesos e
medidas; indica os meios de iazer as reducoes ;
o mostra a differenca dos procos, o que abso-
lutamente necessario a qnem nao qmzer ser Ilu-
dido em clculos d'essa ordem. E' um folheto de
12 paginas pelo diminuto preco de 400 rs., aflm
de estar inteiramente ao alcance de qualquer pes-
soa.
A eoda na ra do Imperador livraria Acad-
mica o encadernacao Parisiense, na ra Nova ns.
9 e 39 lojas ; ra do C espo loja do Gallo Vigi-
lante ; ra do Queimado Aguia Branca ; ra da
Imperatriz n. 13, Basar Acadmico; ra da Matriz
da Boa-Vista n. 28.
IiOJTA
DO
GALLO VIGILANTE
II a do Crespo a. 7
Os propietarios deste beni condecido estabele-
i"uet poeto> a apreci;c5ii do respuitavet puico, man-
daram-vir e araftam de reeeter peto'Ultimo vapor
da Europa um eompleto e variado sortmeao de
finas e mui delicadas especialidado, a quae es-
So resolVidos a vender, eomo d- mu cotwiie,
por prsros muito banitinhtw e commodos para to-
dos, rom tanto que-o GaJIou..
Mu* superiores- lava pellica, pretas, bran-
eas e de mai lindas cores.
Mui boas e bonitas- golfeabas e punios para se-
nhora, leste genero o que ha de mais moderno;
Superiores pentes- de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos eafeites para cabecas dos
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de core eom vidri-
thos e sem elles; esta fazenda o que pode hawr
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos kqnes de roadreperota,
marilm, sndalo e osso, sendo aqnettes braneos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
horas, as quaes sempre s venderam por 300jtt]
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20JP
alm destas, temos tambem grande sortimento de
ootras qualidades, eutre as quaes algumas muito
ftns.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alera destas temos tambera grande
Iuantidade de outras qualidades, cuino sejam, ina-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para cncher
Rbyrintho.
Itons baralhos de cartas para voltrete, assiin
como os tontos para o mesmo lim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conliecidos per-
fumistas.
COLABES DE ROEB.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por toaos os
vapores, afini de que nunca fallera no mercado,
conio j tem acontecido, assim pois podero aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde seittpre eneontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao appikados, se Tenderlo com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista a ebjectos que deixamos
declarados, aos nossos frguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis toja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
FASTIUI4S ASSICAKADAS
o
DR. PATERSON
De l>isuiHth e uiagaezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECLVL.
Pharmacia de Barthoomeu d G.
34------Ra larga do Rosario------34.
Msica
Grande liqnidaco de instrumentos para
mrreicas militares, 20 e 30 por ceno menos
que em qualquer oirtra parte, se vende no
BAZAR DA MODARA NOVA N. 50,
ESQUINA DA DE SANTO AMARO.
Raixos, clawoornes,. trompas, tronabones,
trompets, cornetinos, pratos finos e ordi-
i^rios, tringulos, flautins, diapazSos, tim-
bos, bocees de marfim, christal e metal cla-
rinelos, msicas para pianos, methodos etc.
Todo em perfeito estado, garante-se, e
do primeiro autor Gantrot Aine, do Paris.
S he pechincha! !..
Qneimad
BORDEAUX
Napraca do Corno Santo n. 17, eseriptorio de
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, veede-se o
exeellente viudoMdoc Vienx Extra o inelnor
que vem a este mercado. No mesmo eseriptorio
ha para vender chapeos de chile muito finos.
FOFTJ1AP.
DA
' FABRICA NACIONAL. DA BAUIA
DE
TEIXEIRA FREDER1CO & C.
Acaba de ehegara este mercado umapor^a des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E* fabricado com superior fumo e pelo melhor
systbema conhecido, tendo tambem a vaatagein de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolhido, e provavelraente aqui tambem o ser,
logo que sejajeondecido e apreciado. Acda-se
veuda por preco commodo, e para quem comprar
de 80 libras para cima, far-se-da um descont de
5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
eseriptorio de Joaqun) Jos Goncalves Beltrao,
ra do Commercio n. 17.
Extraelmu earns.
Este producto alimentacao para doentes, mui
apropriada para criancas. e para as pessoas saas;
indispensavel a todos, porm principalmente os
viajantes, que terao nelle o recurso de poder
ter alimentacao de carne fresca incorruplivel, c
que com faclidade se aprompla e se conduz, por-
que n'um pequeo volume carregase alimentacao
para muito lempo. Sobretudo chamase a alten-
cao dos Si s. de engenho que eacontraro no EX-
TRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao agra-
davel, hygienica e barata para seus fmulos e seus
doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tracto medico Dr. Ubatuba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidade em
casa de Jos Victobixo de Rezende c C, a ra da
Cada, eseriptorio n. 52, t* andar, vendendo-se :
Nb deposito ra da Cada n. 52.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, raesnia ra n. 61.
Joaquim de Alracida Pinto, a ra larga do Bosa-
rio n. 10.
Antonio Maria Marques Ferreira, praca da
Boa-vista n. 91.
N. B.As latas que conlem o extracto trazem
urna guia para seu uso.
COGNAC.
* NOVA ESPE
21 =Rua do Quei
Adverten
A Nova Esper?nca, rna
n. ti tendo em deposito grande quantidad
de miudezas, e como se apprxima o tem-
po em que tem de ser dado o balance, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, qoe esta resohida a tender soasmer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons frgue-
zes, e os qoe nao forem venham ser frgue-
zes, em tempo t3o opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, n3o
falta aonde e a quem... *
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de l*aris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos d
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir lom seos fr-
guezes o que de bom constantemente rece-
be e por este lidar covtinuo (d'ambos) i
Nova Esperanza ra do Queimado n. 21,
aleta du grande sortimento que j tinha,
acaba de receber mais o seguihte:
Bonitos broches, pulceiras e brinco de
madreperola.
Papel e envelefes bordados e mati-
sados.
Papis- proprios para entelar bolle
handeijas.
Brincee pretos eom dnnrados- (ultimt
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallos, ranjas e trancas de
seda e de Ida, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes" pretos- com vidrilhos com pingan-
tes e sem elle.
Luvas de pellica, camotea e excossia.
Finas meias- de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leqne de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilfco simples e bordados.
Bengalas de baleia.
finalmente, um completo sortimento de
miudeaas ra do Queimado n. 21, a
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que moho
cellares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoi
pas de familias n3o creem (cemprando-os)
no efleito promettido, o que s podem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, por
que detesta a falsificacJo principalmente no-
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa deetes collarea;
e garante aos pais de familias, que s3o o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo da
convulcSes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu
filhinhos, antes que estes sejam acommet
dos do terrivel mal, quando entJo ser di-
flicil alcancar-se o efleito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros coliare
de Royer.
D
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch A C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Beino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do-, ej pela fecil applicac5o as creancas.
quasi sempre mais atacadas de tab terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
M
Barthomeu C.
84Ra E.arga do HosarloS4
Na ra Nova n. 00, armazera da Liga, vendem-
se ementes novas de hortalices e flores.
Agulhas
para machinas de costura de Grover 4 Baker :
vendem-se na ra da Cadeia do Becife n. SI, 1
andar, a 2 a duzia.
Ser ricos par ana esa
Excellentcs toalhas de linho adamascadas para
mesa e guardanapos correspondentes, vendem-se
por commoda preco : na ra do Queimado n. 31,
loja de A. M. Roliai & C.
-------------------------------------------
Vende-se o sitio dos quatro lees, na ra de
Joo Fernandes Vieira, com excellente casa de
vivenda : a tratar na loja o. 18, ra do Quei-
mado.
MASSA e X4R0PE
DECODEINADEBERTHl
PibwiiImiIii por toaos os mdicos contra os I
DEKLXOS, CATHARROS, E TODAS AS|
1RBITAQ0ES DO PEITO.
Jf. B. O Xaroft de Codcina que menea a I
kenrt, allat tem rr* entre o* MeUctanentot I
nova, de ter reghtrado como un do medica-1
m ni o oficita do Imperio Francti dispensa |
qualquer elogio.
AVISO. Por eans di reprehensicl falsi-l
fieacao que tem snacitado o felii resultado do I
Xarope e massa de Berlk somos forcados al
Icuibrar qucesussoedieamentos UOjuslanieleJ
conceituados s te
tendern em ca xili-
nas e frasco* levando
assiguatura em
ftcnle.
46, Ru Mi Ecolet, e na Pbarmaaa Central I
de Kranca, 7, le de Jouy, em Paris, e em|
[ ledas as t'liarniacias princiuaes doBrazil.
BAZAR UNIVERSAL
ORa IVovaSO -.,...
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por presos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os-ystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima pxposic5o servicos a electos para almo-
co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieires para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tobos e globos de
vidro, machinas para faaer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, bercos, cdei
ras longas para viagem, ditas de balance,
espelhos de todos os tamaitos, molduras
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e a esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para eseriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarlo
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
Nlo mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabera e da barba, foi a nica admit-
tida iExpofSo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparares
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a i000 cada frasco na
151RA DA CADEIAN. 51
1* ANDAR.
t.\.GHU%#
Algrateos niyopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
n5o ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico c variado sortim- nto de
oculos, lunetas, pince-nez, fac -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaroga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invenro ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, ludo dos melhores fabricantes da
Europa.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, broachites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
Y*;\I)I>SE
PHARMACIA E DROGARA
DI
Barthoomeu & C. ^^
34RA LARGA DO ROSARIO34
ATTENCAO
Baltar, raa do
seguinte9 gneros por
No armazem de David Ferreira
Brum n. 92, ba venda es
precos razoaveis:
Bolinetea de halando
proprios para barateas e hystes, muito superiores.
vimho do Porto
em caixas de duaia de carrafas, e em barris de
dcimo, do Porto, muito fino.
Farinha de uiandloea
na em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lotiza
lavagem de kmea ejn co-
muito proprias para
liabas.
Potassa da Russla
a mais nova no mercado, a preico raioavel : na
ra do Conunercio 13, armazem de Manoel Tek
xetra Ba?to,
CHARUTOS
Os menores charutos da exposicao e variedade
de outras onalidadcs, finos ; encontrase no hotel
Central de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
rioin. 37, andar, e na estretta do Rosario n
4 A. venoera-se a retalho e cm grosso.
HliOMSIlClS
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se
superior madeira de pinho da Saecia, com
3 polegadas de grossura, 9 de largura, e
14 ps de comprimento a 30000 cada nma-
taboas de forro a 80, 90 e 100000 a duzia
pinho americano de resina a 200 rs, 9 pV



Diario
\

de Pernambuco .Sexta feira 30 de Julho de I8G
9.

Ccordeiro providente
**n. novo e variado sortimento de perfumaras
... finas, e outros objectos.
Aiem do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superioi i-
dade, qualdades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciagao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
Undo elle de sua bem conhecida mansida
e barateza. Em dita loja encontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman..
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos memores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia para conservacao do
assei da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada na para cabello.
Frascos cora dita japoneza, transparente
e outras quatidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente Anas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Etracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos che ros, em frascos de diffe-
rentestamanbos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
7
*-
-,-----
QUE SE LIQIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FEL.IX PfiREIRl DA S1XVA.
O proprietano d'este estabelecimento convida ao respeitavel pubco desU ca-
Jiui a vu- surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
n como de um grande sortimento de roupas para homens
p'jicm/. BR
E3CBAV0S F6I00.
AclyH fuititla !m oit<> WM ;i preta es-
iravn i. de nmireTRuw/wWll annos de
idade, boixj e cor fula, confia que- diz ser forra,*
anda vendcmlo na freguezia da Boa-Vista, coa
urna bandeja pintada de encarnado, com que
fugio : gratillra-se lioni a quem a apprehender e
leva-la a run Importa! n. 103.
e as
^ e meninos,
< mala, oesta c
poderlo fazer os seus sorttmentos em pequeas ou grandes porcoes, venen io-se-lhes
peos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellenssmas fami-
tas, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manhla s 9 da noute.
6* ^tiMAD
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Explendido sortimento de
Alpacas lavradas de cores a 50
Alpacas a 560 Alpacas a 360
Alpacas de cores
Na loja do Pavio ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mif covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canoa, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixiabas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
na perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papello igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicao de
ebeiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas. _
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Ainda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de llores e fitas,
esto todos expostos apreciadlo de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNIIOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
Fi^ellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestoes difliceis ecompletas, acalmar
as dores, gastralgias, ereparar as torcas
^roduzindo urna assimulaco completa dos
dimentos; sondo mais um excellente tnico.
VE\III>SE
PHARMACIA NE DROGARA
DI
Bartholomeu & c.
34RA LARGA DO ROSARIO34
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
Aos dez mil corados de cassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavlo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes mudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas slo propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padres
serem muito bonitos, slo todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Espartilhos a 3SOOO na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porclo de esparti-
Ihos modernos com o competente cordlo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 34 cada um.
MADAPOLO ENFESTADO A 36O0, S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com il jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3*600 ris, assim como
pecas de algodlosinho com 16 ardas
ioOO e 54000 ris.
GRANDE PECM1UA
EM
FUNOICAO DOBOWMAN
Una do Brnm n. 59.
PASSANOO 0 CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
slgodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de caona.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
:: bre.
Alambiques.
Atados e instrumentos d'agricultura.
escarceadores d'algodo etc. etc.
Havendo era tudo variedade de tamauho
desde o menor at o maior que se ostu-
ma empregar. '
XAROPE PE1T0RAL
DE
RABO DE MI
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recoramendado as
affecces do peito, bronchte chronica, he-
moptse, e tosse chronica.
PREPAHADO POR
JOAQIM DE ALMEIDA PINTO
PHA RMACEUTICO
Pernambuco rua larga do Rosario n. 10.
I
Vende-se terrenos de producclo e com
arvores fructferas e prximo a est-
calo dos trimos urbanos do Recfe
linda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirgr-se nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Jlo de
Barros, e nos demais dias, rua da Impe-
ratriz n. 68*._____________________
caz mm
Chegon ao amigo deposito de Henry Forster A
C., rna do Imperador, um carregamento de gai
de priroeira qualidade; o qual se vende era partida
e a retalho por menos preco do que em outra qual
qner parta
CORA DOS GALLOS.
Pomada galonpeau.
Deposit especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
loa larga do Rosario34.
PHRCAft.Ii.tK
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
m PEIICALLAS A 320 RS.
Na loja do Paviu rua da Imperatriz n
60. vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen
do de cores fixas e mais larga que as chi
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
viudo ao mercado, tendo padroes mudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENgOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 13800
Chegou para a loja do Pavlo, rua da
Imperatriz n. 60, urna grande porclo de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo est3 larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechncba pelo preco.
COBERTORES DE L PARA 0 INVERN
DE 3 Chegou para a loja do Pavlo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
II de carnero, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem"4e 3 at 64000 cada um, era relaco s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabera.
. ATTENCO
AS PECHINCFUS QUE SE LIQUIDVM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy lstrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem oara
luto a 3#)00. F
Lanznhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia cora barras bordadas
e muito finas a 35 e 4#000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar contas.
Albacas brilhantes
a 640 rs.
Chegarara para a loja do Pavlo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
bnlnantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradnhos a imitacao
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortiraeiito encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebdo em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, senlo
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavlo, rua da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com dnas salas a OA
Chegaram para a loja do Pavlo rua da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais oovo no mundo, e vendem-se
Casemiras da moda
NA
IiOJA DO IMVAO
Uiegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
Cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderera-se muito
mais barato do qvie.em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 181 e 201000.
Na loja do Pavlo rua da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porclo de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 8S, sendo forrados de alpaca, e de
20f? forrados de seda; esta fazenda a nlo
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos precos cima.
POUPELINAS A 300 RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, na rua da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
maif lindas poupelinas ou llazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de cranlas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padrlos com listrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na rua da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de tfOOO at 10,8000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavlo rua da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grando sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
j pnos para camas e para janellas, que so ven-
jdera a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
i isto na rua da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Tintura indelevel para ungir os cabellos,
*em manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida de Guis-
lara que entio era desconhecida em Per-
nambuco, j hoje estimada e procurada
por seu eflicaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta uni-
damente de vegetaes inoffensivos, tem a
propnedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
co, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de enfranquecer, seni
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nlo instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'entlo por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
roa do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
cao de sua boa freguezia, tambem capricha
em nio Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo ko explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
slo de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e oracao, obras depurado gosto e perfei-
clo, sendo: cora capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
tratos.
Ditos com ditas de velludo, outros i
tando charlo machetado.
Ditos com ditas de marroquira com cruz
e guarniclo, dourada ou prateada.
Gordas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
toaos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de lio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de lia para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para cufiar fita.
4VWA
s autoridades policiaes, aos
capitaos de campo, e a
quem mais competir.
No da W de maio do crrente anne,
fiiglu o escravo Exequial, crinlo, de 30 a
32 annos de pristo, estatura regular, refor-
Cado, cor bem preta, cabeca redonda, tra-
javai carniza azul e calca de casemira cin-
zenta : durante o da costuma andar ga-
nnanrlo as ras, ou armasen de assucar
ou as tabernas a conversar e a beber du-
rante a i oite recolhe-se a teiheiros, a'ber^
ios ou pe-netraveis, c^sas em construrrSo e
outros quaesquer lugares, onde se possa
abrigar : quem o apprehender tenha a bon-
dade de o conduzir rua da Aurora n 26
onde ser gratificado. Segundo s infor-
macoes, parece estar em Serinhaem,
engt-nhos prximos respectiva villa.
nos
E OS PRODIGIOSOS
No da 15 dejunho passado, fUgio
da padaria allema (segundo avisou o res-
pectivo dono), onde eslava alugado, um
mulatmho escuro, de nome Justino, do
13 para 14 annos, baixo, refoicado, gago,
orelhas grandes e um pouco viradas, traja-
va camisa de algodlozinho e calca de brim
grosso cor de rap: costuma quand foge
inculcr-se como forre- ou orphlo Consta
que tf-m andado por Olinda, Arraial, Poco
da pynella, Monlero, Apipucos e Caxang,
ao servico de alguem, contra o qual sa
protesta fazer efffclvas as penas da lei.
Entretanto, quem o apprehender nucir
leva-Io rua da Aurora n. 26, onde ser
recompensado. Boga se s autoridades po-
liciaes qne hajam de diligenciar a apprc-
lienso delle.
Anneis e collares Boyer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonita
003
oootfg
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RUA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletos de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que w compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tidlo vontade do freguez, e nao sendo
obngados a acceita-las, quando nlo stejam
completamente ao seu contento, assim como
n este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
Imho e algorilo e outros mutos argos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na rua da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
0 atoalhado do Pavlo,
Vende-se superior atoalhado de algodlo
vom 8 palmos de largura, adamascado a
200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperior a 3,5200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 45O0 a duzia e muito
anos a 8,5000, e ditos econmicos a 34500
duzia.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDOS
A lOOO
Na loja do Pavlo, vonde-se superior alpa-
cao ou gurgurlcpara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de lOOO o
covado.
Novldade .Vovidade
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D5 JNHO
1?e/l" Pf1Vapor de U do corrente,
n fin Sf -,fav5o> r,,a da Imperatriz
n. 60, um bnlhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de seda.
para vestidos, tendo oadroes mi.,Hnu
yJO^Pl ? 8ianoo Bjed o5e ap saoioa
00S .......0pi)S9A
ep mnjqap ejed bjij ap seSaj
' souanbad sojia
* Bpejnop
Bjnpiora raoo S9puej3 soqsdsa
o5a-d opoj 'bjoo ep seoemijf
SUapJO g S9}9XJ00 UIOO 0B1JB3
e Biznp sepjBf oo?; ep Bquii
* b eiaj|03 BJEd SBjnpBojoqy
........B BIZ
np suguioq gjed scoia se8[\[ '
'J,/ ^O'Jl?!
008 OO soaigqa raoo soosbjj
OOS e oqund BJBd S90ioq 9p sojbj
005 sogra BJBd souBjq so3u9i
BqOQJ BJU|J UlO SBJBJJB9
08
OOS"!
008
OOOS"?
OOZS'e
091 b BJnoj gp sgoioq 9p BZOJQ
OOr BUCAip BnJB m03 CjBJJBO
000? a 008 '001 '009 '00
b S0I9UI-9J1U9 9 soquipeqBg
OS 9 00?; 051 '001 '08fS9p
-BpqBnb se sepoj ap aiauoqns
058 *e esoqeq p 09|0 moa soosbjj
W B SBp
-JBfoot moo Bquqap so||a.\o\[
008?^ JBq.ioq ejed scqui| 9p sejqiq
09 9 SJ 001 B BJUIJ U03 S0.1SBJJ
OOv :..: B m^
9 BjnjsoD e.iud SBJnosaijx
0?8 ....... B SBU
-mam ejBd bss9abjj op sa^u^
006 .....b BJiapcpjaA jg.M^
biuoo3 op en#B uoo sodsbjj
EsGravo fgido
Fugio em 23 de Janeiro 18G9, o escra-
vo Matheus, de meia idade, cor preta. falla
grossa, bexigoso, tem pelas costas cicatri-
ces de bacalh.1o, tem urna verruga no canto
do nariz, os ps fovetros, corpo regular ti-
nha sido do ll!m. Sr. Agoslinho Leo,;adi
Vieira, em Panellas de Miranda, que ha
poucos mezes de la vcio fgido ; pede-se
as autoridades e oapitles de campo de e
pegar e tmzerem a seu senhor Jos Car-
duzo de S, na rua da Lingota -.oBfecif
n. i ; e o mesmo proteste contra qualqutr
pessoa que o tenlia acontado e gralifira-se
com 1005000 a quem o pegar. Consta
andar pelas mattas de Olinda.
AVISO
rsajuitiSas sooajd sojed sopBJ
-Bpap oxiBqB mpBtqp so opnBinionb ?ist
wmmi mmm osvow
n vxai1111! aa vpot
55 v-oavii3io oa viih? v
As autoridades policiaes e a
quem competir.
No dia 29 de maio do corrente mo fu-
gio o escravo Esequiel, crioulo de 30 32
annos de idade, estatura regular, refoicado
cor bem preta, cabeca redonda, trajava ca-
misa azul e cal;a de casemira cinzenti; du-
rante o dia costuma andar ganbando as
rua, ou em arrnazens de assucar ou as
tabernas a conversar e a beber; duran e a
noite rccolhe-se a teiheiros abertos ou pe-
netraveis, a casas em conslruccao e ou-
tros quaesquer lugares onde se possa abri-
gar: quem o apprehender tenha a boudade
de o conduzir rua da Aurora n. 26, onde
sera gratificado.
IVHOdMI
iMigm du engenho Sania Cri do lenno do
Igaaraw, no da t6 de maio do corrente anno
lima negra fula de nome Cbifetna, MKMnta ler
JO anuos, c.m ntna lilhinha de uome Anreliana
de um auno, tendo aquella os signacs s.guinies
estatura regular, eheia do corpo, ps e raaos pe^
quenos, Lrae.is grossos, falla deshancada e um lan-
to grossa, tem trdos os denles c um lalho maito
>aliente era una das maeaes do rosto, pelo qne se
orna mu conhecida : a peana quo as capturar
, teve-aa ao predico engenho, ou no tereeiro andar
do sobrado n. .16 da rua das Crujes, que ser cra-
tifieada protestndose desdo j u-ar de todo o
rigor da le contra a pessoa qne as tiver ocniltas.
:.- '- H ',
Do xsrope Vestal Americano especialidade de Bartholomeo^
34,RUA LARCA 00 R0SARIO.34.
do corpo,
Hoi coiiumimo. proenw ttettaJos par acredilir
!Shl!^tL(' e1del"^,0l, 1" rplictio e 01
rMolUdoi oblldos pelas peasoasqu. se dignaran acceita-
umX ,^.n '08'.: Porqut Mo sempre os
?T.JE? 'le"C"> r,,D"' *'l que l.nea
MMqMespouUneameDt. nosoffereceram.os qne abaijo
?E32' 0Slf,,*n",8 Pablicar f'ado-lhes
m_ TTOTA0t.
!m,.!?. ,q.* dlir? Mr ,,rP airieo de ima
BtoXiZni rni i? d, pder miT oii
Jjjww mesmo de medicamentos que tomara, elle
V^. -. gr"? '?'* H<1 manifest ,
I;^.M0Lr?co?beci,nent0- D V. S*. asi.
! re-
nnior.
tuZZrTJr''1 de h"" corrido".- 'Zl
o"T ul, '*rei qne ou!ros onao eu recorran,
Sfiidal i! rr d* Vt-* ,l"mo- 'ador e
de w ~ Oen,0Da- ~ Recih miembro
222? a^JS fJ!LSZ
Desappareceram, sabbado a
noite, 3 iio corrente, do enge-
nho Perercas, freguezia do
Rio Formoso os escravos se-
guintes : Luiz, alto, prelo. clieio
pes mal leitos, com falta da
um dedo, idade 3 annos, vindo da Pata-
nyba do Norte, e vendido por DamiSo Pe-
reira deOhveira; Francisco, idade de 18
annos, bem preto, mas muito chalo, bom
corpo, cria de casa; Izac, que foi preso hon-
tem no Recfe disse terem aquellos ficado
na estacao da Escada. Ped-se a apprehen-
sao dos mesmo, que deverao ser entregues
o aquello engenho, no de Massaoass fte-
jruezia da Escada e no Recife, escriplorio de
Leal Irmo, promettendo-se boa gratifi-
caco.
nrt*)r obrig^o. Manel Antonio Viegas
merilorio sarw-n nn. at '" "-""'eanienloao
i aconselhar o dso do larope
para vestaos, tendo padroes" miudinlws e
graudos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as tras, garantindo-se que na actualidade
nao ha uma fazendjr de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta,que se vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
ou permu-
ta-ae ptfnueiN nesta pra?a : os prndenles flo barato prefo te 20^000 na loja de
dirijam-w na do Caldoireiro n. 42. J Flix Pereira da Silva,
Bbadiuhos baratos na loja
do Pavaa
Vende-se urna grande parejo de baba-
dinhosdetodasas larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por uma terca parte
de preco que se vendem em outra qualquer
loja, so cora o flra de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende uma
grande parte d'entremeios, peJos mais li-
mitados precos para acabar, na loja e
mazem do Pav3o, rua da Imperatriz n.
de Flix Pereira da Silva.
ramB
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALHAO
A*
de pi'i-
MENCO DE HONRA
Veiide-se em frascos
e meio frascos ulangu-
lares, pharniacia Uoce,
2, rn de Castiguone,
em Par.
-Aoscapites de campo
Fiigio no dia 17 ., corrale do cnienho Imte-
pendenterrogoeziadaEseada, o escravo crioulo
de nome Jos, com os signaes seguintes: 2S an-
nos muco mais ou menos.. 7 palmos de altura
Mr fula, rosto redondo, denles perfeitos o os da
frente largo, nariz chato, cun pouca barba, mo's
pequena, as pernas um tanto cambetas andar
banzeiro, pes pequeos e rolic,^ com algumas las-
eadara* de cravos e solTre as solas dos p4s do
uos frunchos, que as vezes Ihe apparecr, os dedm
mnimos dos pea nao tem uuhas, tamben, lea fal-
Ui de cabellos na croa da cabeca proreniente de
pesos que carregava natural do Breju da Ma-
Jr?nS qml f0> comP""o ao Sr. Antonio
iereira Barruxo; qaem o pegar levo-o ao dit,
engenho ou na rua do Crespo n. 95 A, qu<- ieri
generusamenie rec !r*r'T*"' M 0,*" ,p*,<' ''"o ciieiro fono, e ., composicoes Ddtaa rr, i
oniuiun, laes como o eiqua'o, o <; ruia, o pkoea a liza m <,n,jt s om 0,l't,s
e sm v,,ros ,.,,,-.,. Itnm Zn^aS para "utoiVr ^eXXlZl^ZV"u'""':tt-
h**o. de BMolhAo de TcrrnAo^Estes .leo comm ou, ST ^.^ "*n,,*
o .do. na i..d.isa.iapur preto, mu baiios.em quanto .,u os verdadeiro ti*TZLT"^. ***
5 ** !*?*"* m',i, w, "* le para oh tel-oa frJ^JZmTittJ^! Uetlhto
rmmle vi.lanria o ter o maiores cuidados nos proprios lu-ares das t / 'Dpre ,Iercer
M. Ilasg d.^e o a.,,,0 de J84. E,lPS oleo, par, de K%^Z SES min* r*
SSmZLZ P:to.',rccioso "^camonto uSa fama universa. mouI^ZtToW??**
mphanra,, a affrcM do, memnos,**., por isso, deram lugar a nodv'af
iiiutav" s-
ci>e
csleaes
ar-
80
mine i fi1"*1 d0 ciiefa os irabaHioa chynu
BUS uindue como scgnc : 0 oleo cor de palha d* U.
raptos o* mah lio que os leos pardos e nio aorta
{rt*n n-esles, quanto ao ckiro e sabor. prutnlo algum dos tneoutenUnlu
-e^enaiodM pharmaelaa irabaHios chynucos da rACULDAOE DE MtDirm* np
de palha dt U. Hoya rontrm urna tert* parle dTJ?
pardos e nio aprsenla elaum An, i..Z?'?? rta-
Fugio no dia i do correte a eserava Luiza*
emula idade 40 annos, ,em falta de den iu
Trlr^S h"? e'nPaP"?aJ'8 etem un.a mar-
ea preta no roste do lati esquerdo. levoa Venido
lo di>bolado : quem a pegar leu-a
beceo dos Ferreiros n. 3.
Boa-Vista,
Que u
do pairea
eMrawgelroa.
A
Fugiram do engeDho Araripe de cima, no termo'
de Igoarass ao amaohecer do dia 36 do correte,
os escravos seguintes : Domingos, mulato, alio,
secco do corpo, cara curta o pouca barba, pernas
Unas, pes estragados de cravos, idade, pouco mais
ou meaos, 35 a 38 annos; o sua mulhrr, Alejan-
drina, cabra, secca do corpo, cabeca pequea,
muito ladina, idade 3 a 3o auno>, e usa fllha,
Guilhermina, conhecida pelo Dome de Pclnnlia,
cabra escura, rosto curto, alta, secca d,. corpo,
ps muito estragados de cravo, e esta presMite-
n ente sofTrendo de f.ialdade, de idade 18 a lil
annos Foram encontrados n3 estrada que va
para essa cidade, aonde naturalmente quereri..
passar por Kvres. Levam roupas Aftas .
com facihdade podero Iludir : roga--c a .'.uton-
dadeg policiaes a apprelieusao dos referidos escra-
vos, bem como a qualquer pessoa que delle- te-
nhara noticia, de os con Juzirem ao njesmo enge-
nho, pelo que serio generosamente recompoii-
\':
*


8
Diario de Pernambuco
Sexta feira 30 de Julho de 1869.
ASSEMBLA GERAL
1

l
ir
auu.
.:\ scgu^dT
raio deJflbn-
CaMARA DOS SBS. DEPUTADOS
SESSAO KM 3 DE JULHO.
PRESIDENCIA 8. NEMAS.
i Perguuto anda Y. S. se ou n5o
xerdade que o mesno 8r. Feliciano, seus
amigos o juiz do paz Mello Asedo, e m ;sa-
rios Bento Bez iva e Maaoet de Freitas re-
tiraram-se voluntariamente, e sem que sof-
fressem iusultqs ou palavras menos respe-
tosas, quando se convencern! de que nao
so esoreveria a acta da -.ipuraco como cites
desej^vam. sendo a retirada do* mosmos
por ocasiao de j estar quasi em roew a
acta do recebimento d>s v.tos e coutagem
das cdulas, segunda da eleico
Cont que V. S. se dignar de respon-
der-me oom verdade, e com a impareiali-
dade de que tena dado provas, perirottindo-
me fazer de sua resposia o uso que julgac
conveniente minba defesa.
Lim. Sr. r. Juao Alfredo Correa de
Olivira.Respootkndoao precioso favor
de V. S. supra, em que digna-se invocar o
mp.i testemunha para defender-so daaecu-
saco que o tenente-coronel Feliciano Ca-
valcanti daCunba Reg lhe fez na represen-
tarso, que dirigi ao Exm, presidente d
provincia sobre irregularidades que diz te
rem-se dado na eleico de seterabro nesta"
frguezia, digo que verdade que V. S.
se apresentou uesta frguezia; mas nao ar-*|
mado de capangas o eoagindo a vonlade
d(Js votantes ; sim nos termos que allega no
mesmo seu favor supra, o que por amon
da verdade atiesto sob minba palavra pa-
rocbial; podendo Y. S. usar desta minba
re-posta como lhe aprouver.
* Sou, com 'multa tstima e considerado,
atiendo venerador e capellnYigario Lau-
renpo de Albaquerquo Logla.
O Sr.Coriikade 'Ouveira: Alm disto,
Sr. presidente, procurei produzir urna jus-
tifleacao com citaco dos interessados, isto
, do Sr. Feliciano Cavalcanti e dos seus
ami?os que faziam narte da mesa parochial
de ossa Senhora do O". Essa justilicaco,
aqui a teiffio : est devidamente julgada.
Nell depuzeram homens inaiores de toda a
excepcao, caracteres respeitaveis e indo-
pendentes, contra os quaes nada se pode
allegar: sao os Srs. capillo BaldoinodaSil-
veira Villa-Secca, que (pego a attenco
do nobre Sr. 1." secretario) membro de
urna familia importante da Parahyba e pes-
soa muito estimavel e honrada. Procurei
de proposito o- seu testemunho, porque,
tendo presenciado os fados, o pessoa
de quem se possa dizer que depz mal por
i iateresse poltico : nao est envolvido as
iotas da G>yanna.
O Sr. Dior.o Velho Apoiado.
Sr. Correa de Ouveira :-'
testemunha 6 o Sr. Jos Antonio
querque, negociante abastado e pro6o, pes-
soa fidedigna. A terceira o Sr. tenente-
coronel Bento Jos das Neves Wanderley,
rico propiietario, carcter, honestsimo.
Creio que os meus honrados collegas de-
butados por Pernambuco conhecera-no bem.
(Apoiados.)
O Sa. Pinto de Campos e outros Srs.
Deputados :Carcter milito distincto.
O Sr. Corsea de Ouv*a :Nessa jus-
tificaro os factos sao fielmente expostos
com todas as cirourastancias e minuciosi-
dades ; ahi est toda a verdade, que me
. honra. Entretanto, elles sao invertidos e
adulterados, e um respeitayel ancio, se-
nador do imperio, quem assim os repete
de modo a figurar eu como homem violen-
to, que foi com sequaze armados pertur-
bar e falsificar a cleigo de Nossa Senhora
do O', que corra pacificamente!
Sr. presidente, tanto mais me de que
esta calumnia seja levantada contra raim,
quanto, certo, e ninguem desconhece esta
verdade na provincia de Pernambuco, ver-
dade que ea posso provar com documentos
que aqui tenho. que a frguezia de Nossa
Seatara do O' se acha constituida de modo
a nao ser possive! que os meus amigos
percam as elciresjque all se fazcm, porque
compondo-se ella de 88 engenhos de fa-
bricar assucar, smenle de seis os meus
adversarios slo propnetarios ou ren lefios;
assim como das cinco pjvoaces que a mes-
ma frguezia comprehende, sobrante em
ama, a da Lapa, exercem elles alguma in-
fluencia, que, todava, nao superior que
all tem amigos e prenles meus. (Apoiados.)
Em Nossa Senhora do O', portante, nao
era preciso empregar-se violencia para que
os conservadores vencessem a cleigo de 7
de setembro do anno passado. Elles s
poderlo ser derrotados naquella frguezia
quando se renovarem os escndalos de
1863 at 1863, isto 6, quando forem outra
vez dados ao individuo de que faUei o
cargo de subdelegado e as armas e os sol-
dados, com que elle na situaco pissada
npedia o t-ansito dos vota-tos pelas es-
tradas, e a entrada dos eleilores na matriz.
Eu exponho um faci notorio. Sabe-se ge-
ralmente que o Sr. Feliciano nao constn-
tio. entrar na matriz em agosto de 1863
ner seu tio e cunbado, quj era eleitor, o
propriotario Felippe Francisco Cavalcante,
um dos hom ns mais respeitaveis da fr-
guezia de Nossa Senhora do O', carcter
moderado, liberal de todas as pocas.
O Sr. Pinto de Campos k outros Senho-
res :Apoiado.
O S. Correa de Ouveira Eis aqui
como os mantenedores dessa situacSo, de
que n3o nos podemos recordar seno com
brror (muitos apoiados), fazem
adversarios aecusacoes que
eltes competiriara.
Eu disse, Sr. presidente, que o Sr. mar-
quez de Olinda tnha repetido urna
lumnia, t3o negra como a fonte de que
parti ; e nao sou homem de a vanear pro-
posigoes desta ordem sem ter as provas
Como j disse, attribuo esta calumnia,
de que fallo, a um inimigo desleal, a um
inimigo outr'ora meu amigo dedicado, como
je dizia elle, que sem elemento algum no
2o disjricto da provincia de Pernambuco.
na situaco passada, foi mantido alli pelos
governos de ent3o (apoiados), como o ho-
mem principal que elles nhham naquella
provincia, e que de facto governou-a.
Sinto a necessidade de citar seu nome
para que seja conhechla a fonte da calum-
nia, de que me defendo : 6 Sj1. bacharel
Francisco de Arau>o Barros,mi de direito
da comarca do Pilar. Foi elle quem pro-
moveu contra mim ha rH de tamb a
justiflcacSo a que allui. Pdis pem, aaibam
a cmara e o paiz que obre &*s jui
pegara gravissimas irapotJC* do immorab-
ade, e f b aqui tenbo documentos (mo-
trttmb) de sen proprro -ptmh*, pelo qaao'
se piuva que um juiz sem .honra..
Usa Voz :E' muito conhecido.
O Sr. Correa nt^uwiia! ... c
prodwdo applicado ri
fhy jmz
a seus
sement a
de pedir as partes que perante elle
dinheiro pira u suas desp*6as '
sacio o iludas).
O Sr. Benjamn :(com roma) :f mf
progressista distincto.
O Sr. Pinto de Campos : E o ministro
que o nomeou sabia de ludo isto !
O Sr. Ciuz Macu.uk): Urna aceusacio
t5o grave devj; ser feifa com documentos.
O Su. Con.RED|iOt.u'KiR\:Aqui esto a#
cartas (examiiwniu); tenho tambem w*w
certidao pela qual se prava (|u? o indiviiHirt"
a quem o Sr. Francisco de rafijo BiiiWpRSS justo que eu,
escrevia as cartas, que vou 1er, tinha urna
queslSo perante elle, quando juiz municipal
da 2* vara na capjtal de Peroamuco...
Voxbb:L6a^ Ida.
Q Sa. Correa de Oliybiiu : O escrivo
Pedro Tertuliano da Cunha certifica tque
revendo os autos de demarcaco de Fran-
cisco de Paula Cavalcanti NVanderley Lins
e sua mulher qpntra o I)r. Francisco i
Reg Barros de Lacerda e sua mulher,
delles consta ter sido prop sta a acclo e
audiencia de 11 de mais de 1861 pelo juizo
da 2* vara municipal; que o juiz que func-
conou em diti causa at o ponto em. que se
acha foi o Dr. Francisco de Araujo Barros,
tendo com elle principiado a aeco; que
ajem destejuiz nenhum outro fupcciona
na causa; que o ultimo despacho dado era
urna petico de Joo Cesar de Ambule
Mello em data de 27 de julho de 1801 fot
dado pelo referido juiz municipal Arauj)
Barros, sendo que a dita causa se acha pa-
rada desde 15 de agosto de 1861, fallando
concluir-se a demarcacSo
Esta certidao tem a data de 9 de maio de
18458.
Pois bem! Ao Sr. Francisco de Paula
Cavalcanti Wanderlev Lins escrevia o Sr.
Araujo Barros, juiz de urna causa pendente,
as seguintes cartas :
l. Recife, 28 de setembro de 1361.
c A.minba necessidade me obriga a diri-
gir-lhe estas buhas para o lim de lhe fazer.ver
que, descansando em sua palavra, deslinei o
dinheiro queVmc.prometteudar-me no prin-
cipio de outubro para o pagamento de urna di-
vida de honra,consistente noemprestimo de
4500, que fez-mu nm amigo, .qiundo, de-
pois de haver acabado o seu servido (sen-
sa?i5o, rumor), tive necessidade de pagar
urna letra que tinha assignado por meu
mano, e tambem de pagar o quartel da
casa em que moro, que de 2254 de tres
em tres mezes.
< Estou atrasado tambem nesse ponto,
e a nnba vida acha-si tito embarazada que
eu nao tenho remedio seno acolher-me
sua sombra, onde espero achar todo o
abrigo.
Escrevo-lhe como amigo, e Vmc. ha
de conhecer que o tralei sempre como a
um cavalheiro, pelo que tenho a mais viva
esperanca de que Vmc. corresponder ao
iisongeiro conceito que de Vine, sempre liz
e contino a fazer".
Maode-me diaer pelo portador tlesia
em que dia posso contar com toda a certe-
za com o diolieiro que Vmc. promelteu dar-
me no coineco de outubro. Meu amig*.
por. tudo lhe peco que seja pontual a esse
respeito. Espero que me mande quaito
eu possa saldar aquella divida, devendo di-
zer-me quanto lhe licarei restando, para
meu governo. Prezo-me ser com a mais
perfeita estima o dislincla consideraco seu
amigo affectuoso e criado obligado.Fran-
cisco de Araujo Barros.
2.a Recife, 8 de outubro de 1861.
i Recebhi sua carta, e coraquanto a sua
leitura me causasse urna late mpresso
por contar eu muto com o dinheiro agora,
todava com ella fui ao meu credor,. e dei-
Ihe certeza de que inevitavelmcnte elle cria
pago na poca por Vmc. fixada. Por issrvj
rogo-lhe, em nome da alectuosa estima que
lhe consagro, em nome mesmo da sua hon-
ra, reconhecjda generosidade e cavalhei-
rismo, que nao jme deixe cahir em nova
falla. T
i Voce nao faz idea do tempo como cor-
re, mas acredite que s elle me obligara a
repelir-lhe tanto que de sua bondad espe-
ro que estarei habilitado para a 15 de no-
vembro, quando muito, pagar a quem de-
vo, remindo assim as minlias mais urgen-
tes necessidades.
Agora e sempre seu amigo affectuoso
e obligado. Framcsco de Araujo Bar-
ros.
3.a Recife, 29 de Janeiro de 18fi.
Por urna carta de meu mano, datada
de 25. do corrente, vi que V. S. tinha (icado
de mandar-me algum acucar. >
O Sr. Cruz Machado :Nao tem rno
gslo; gosta de assucar.
o Sn. Corsea de Oliveira (continuando
a 1er):
Contando com isso, desde j me con-
fesso muito agradecido pelo favor que. fez
em attender ao objecto de minlia ultima car-
ta, e se por qualquer fatalidade nao. tiver
V. S. anda reinettido o assucar que promet-
teu entio peyo-lhe que o entregue ao meu
mano ahi mesmo no seu engenlw, diaendo
a elle o.da em que o deve mandar buscar,
que elle far isso, alim de lvia-lo do in-
commodo de mandadlo para o porto, eije
avisa-lo em S. Lourenco,
(Profunda sensaco, rumor prolongado).
, O S. ^ruz Machado:Quem mandod o
assucar Wpna perante esse juiz? (Hita-
riffad^. r j^
Sa. CosnA TW^WlR-V:Sim, ate-
\liiat. M refori-me cenRm^que o prota;
aqui <&L v
O S. Cncz Mach.uk>:E foi o Herodes
dos noofWnttfS do 3* districto da provincia
de Minas.
O S. Febueira m Veiua :Apoiado*
O Sr. Correa de Ouvejra:Sr. prosi-
dente, nao sem granl&onstrangimento
que eu aprsenlo ete*- muito tempo *rmh-m em minba gaveta;
dizendo-me a cen-
sciencia que anda nao manchei-me com
acto algum indigno... (Numerosos apoia-
dos).
O Sr. Vik*r* #SiEVAMBnimca espe-
d km com sttu pejivio.
O Si. CoKrea titVtif&ti.K?--..' dizn-
do-me a consciene- que sou um homem ite
bem e de honra (muitos apoiados', estela
roiwtaitenJete sendo vFetbrra ifcf'caWmnia-
de um inimigo desta ordem'; m'Q que mais
, c|4ie 0 (esgoso daht rwuftaWe rt sj
aggravado peld Sr. marqu* 'de Qfmd, que
no senado fez-se echo do Sr. Ara^*-Barros
para irrojpir-me grave offensa, sem que eu
nunca houvesse offendidb S. Ew. di qudl-
quer modo: pelo contrario, sempre o tratei
eom o respeito devido sua ididte, posicRo-
o servicos.
Eu, conseguiitemente'. fui nwjafltt (e
disto tenho grande perar) a fallar, oom
rigor, do mo jiz ([ne- ha dr-aimos of-
feude-me incessantemente om minha pes-
soa e nasipessoas que me sao miis caras.
O Sn. Cnt'z Machado : Qaado o
porcevejo inorde, o remedio miti-lo, em--
bora. s soffr- o mo oilor.
O S. CoftRBA Mt Ouvfaptv : Eu, Sr.
presicate, appello ainda para o testeoiu-
nho do nobre presideirte de raioh* provin-
cia, o lisougm-me a certeaa.deque S. Exc,
recetmece que eu nao pratiquei na fregu-,
z a de Nossa Senhora do acto algum de
viulencia...
0 Su. Conde de Baepkndv,: Apoiado,
O Sh. ConiiE.v de Oliveira-: -~ pelo
contrario, interprete dos sentiraeoios de
moderaco e de justioa,.de qtie-8- Exc.
deu provas (apoiados), coQpGrei quanto
pude para que em alguos lugares, ameaca-
dos do perturbado ou de maior agitaco,
os negocios eleloraes marehassem do me-
Ihor modo, pacifica e regularmente, como
S. Exc. desejava, e como''"convinha ao gO:J
verno e ao partido a que pertenco. e por
Cujos bons crditos tenho sempre a maior
solicitarle e o mais vivo interesse.
0 Sr. Conde de Baependy : Apoiado-
O Su. Correa de Ouveira, : Limit-
me, Sr. presideat-, a estas consideraces,
que iz em minha defeia. Em outra occa-
sii), como j disse, hei de discutir os ne-
gocios de Pernambuco, e ento fallarej mais
largamente aquella provincia, em resposta
ao discurso do nobre Sr. marquez de Olin-
da e a outras a-xusacoes, que pof ahi so
levaulam.
Vou mandar mesa um requerimento.
i Muito bem, muito bem. O orador cum-
plimentado por muitos Srs. deputados.)
Vem mesa, [ido, apoiado e approva-
do sem debate o seguinte roquerimento :
Requeiro que se peca ao governo qual-
quer i nformacSo" que existaa respeito da
eleicao qu3 leve lugar em x de 1868 na frguezia de Nossa Senhora do
O' de Goyanna.
t Sala das sessoes, 3 de julho de 1869.
-Correa de Oliveira.
O Sil. CASADO justifica e manda mesa
o BOtruinte requerimento, que fica adiado
por falta de numero legal para ser votado :
Vem mesa, lido, e apoiado o seguin-
te requerimento:
O Requeiro que se pega ao governo in-
forraacoes sobre o numero de recrutas,
voluntarios da patria e designados da guar-
da n-cional, remettidos da provincia das.
Alagoas para esta corte dtirante a adminis-
trado doex-prosideote Jos Martins Pereira
de Alencastra.
Sala das sesses, 3 de julho de UJ69.
Casado.
O SIL COELHO RODRIGUES tambem
just tica e manda mesa o seguinte reque-
rimento, que tambem fica adiado por falta
de numero legal para ser votado :
Requeiro que se pega informacoes ao
governo sobre os seguintes factos:
Io Desde quando se consideren aquar-
telado em Santa Philomcna o contingente
de 230 voluntarios da patria que foram
aposentados pelo teoentercoronel Jos Lus-
tosa da Cunha presidencia do Piaqbj eoi
julho de 1865 ?
i 2o Qanlo se lhe pagou na.thesouraria
de fazenda do Piauhy, de 27 do referido
mez al 9 de agosto seguinte ?
3* Quanto recebeu, alm disso, na ci-
dadeda farnahyba, na de S, Luiz do ALiru-
nhao, na do Recife, e,l finalmente, aqui ?
4 Se j presin eontas, e, np pa
firmativo, se esto ellas regulasen, e se
fe/.-se carga ao thesouro dos vencjmo;it-)
recibidos pela saxgeata',,Jov.a ,Alves Fei-
tosa'?
5" Quantos avisos do ministerio da
guerra for^ evadidos a pr^ppsiie dusea
preataoio -de conias.'
6C Quan.to custaram ao tb4pspucQ,qMa-
Estimo quetivesse passado boas festas [ojie balsas de talos de burity, em que veio
o mesmo tenente-coronel cora os voluu'
que trou.ve, e que destino Uyeram ellas 1
Sala dassessci, 3 de julho d 18ofJ.
A Coelho Rodrigues. 1
liada a ordem do dia, levanta-se a sessao
s dez horas e meia da noule.
^trtro do mesmo ministerio, enviando oslbidos arramamentos de tropas e qnatqner
~ ; fofj* QNWap,no di i da
* ._ transmiite copias des actos nelos
la-teg* sIMcao, m io*os fe irn
titiJcifMliid*, a atgtns prejeetns da
^mbTa tegSImPN:^- A' Com--
mssao de aMbbttas praVinciaes.
Seis do I sectetafio do sMdo, parti-
cipando que' o imsme 6o|ado adoptou, e
na Pria em que esteve, e que s ache no
gozo de1 perfeita sade. Sou, como sem-
pre, amigo muito attencioso e obrigqdo .cria-
do. Francisco de Araujo Barros.
4. Recife, 15 de fe.\ereiro de 1862.
o Receh'a importancia do assucar que
V. S. me mandou por intermedio de meu
irmao, o muito obligado lhe fieo por ter
attendido ao meu pedido. Chegou essa
quantia quando eu delta mais prerisava, e
por isso avalie da sua oportuqidade.
Se ella me tivesse sido dada logo que
acabei o seu servico (risadas, sensacao), de
cerlo qoe os meus arranjos nao se teram
embaracado tanto; mas emfim repito-lhe
que sincero o meu agradeciraento.
Prevaleco-me da pportunidade para
lhe assegurar os protestos de fina estima e
da distincta consideraco com que me con-
fesso seu amigo obrigado e affectuoso.
Francisco de Araujo Barros.
as costas desta carta ha a seguinte nota:
Carta do Dr. Araujo Barros, aecusa 1er
recebido 18 saccas com assucar, as quaes
me foram emprestadas por Henrique.
O Sr. Cruz Machado: E' muito assu-
car EHe no o poda comer todo, de cer-
io vendu-o. (Hlaridade).
O Sr. Coorra de Ouveira : Da carta
se v que o assncar foi vendido, e o seu
SESSAO EM 5 DE JLHO
PRESIDENCIA DO SR. NEBES.
Ao meio dia, feita a chamada, verifi-
ca-se haver numero sufficiente, abre-se a
sesso.
L-se e approva-se a acta da aitece-
dente.
O Sr. Io Secretario dconta do seguinte
EXPEDIENTE
Um officio do ministerio do imperio, ac
cusando o recebimento do desta cmara,
em que solicita copia de todas as actas das
sesses diarias da assembla legislativa da
provincia do Piauhy durante o anno de
1868, inclusive as das sessoes preparatorias
bem como informacoes sobre os motivos
que levaram a dita assembla a reconbecer
como legitimo o diploma do bacharel Jos
Lustosa de Souza, e declarando que se ex-
pedir aviso presidencia da referida pro-
vincia afim de que as requisic5es desta c-
mara sejam satisfeitas com toda a brevidade.
A' quem fez a requisicao.
vai dirigir sanecao imperial as resolucSes
da dStembMa gferat que -aapnmm varis
peisttes.*Inleirada.
Outro do mesmo secretario, participan lo
igualmente que o senado adoptou o vai di-
rigir sanecao imperial o decreto da assem-
bla geral que Wtorisa o ministro da justi-
ca a transportar do 5 Oir o S- ii do art
3" da le n. tul de 16 de setembro de
1867, 40:000?) para oecorrer, no aetual
exerekio, despezad cohI o cor[W mlHtaf
de polica. Irrtelfada.
m req*rerimWto de Joan Jos Pereira
de Agolar, stibdfto portdguez, retident ra
cidade dePafanagu, pedirido ser naturali-
sado eidadifo trt-asileiro. i.' commissSo de
confrfOffao e poderes.
fe Bdas c mandados' imprimir drvers'os
parflbrfes oim pi-ejectiH approvando pen-
s5es e mandando matricular exudantes.
Sao tambem li los e -approvades os se-
guintes pareceres e mdicacao :
i Jos Elias dfe Moura, pharmaceutico
pela' facuftlifc de nedicnf do Rio: de Ja-
neiro, requer aulorisnc > para matricular-
se no 3o anno do curso medico da dita
l'aeuldade, depois de approvado nos exames
de latime inglez, nicos preparatorios que
llie faltam, e de anatoma e physiologia,
materi s que completara com as do curso
de ptiarmaca, os dou primeiros anuos do
curso de medicina.
AcoianUso- de iustiucc publica
de parecer que sobre esta prelenco seja
ouvida a faculdade de mediciua da corte.
Sala das commissDes.' 5 do julho de
1869./toarle, ie Azevedo.Baftia.
Proponho que as sessoes nocturnas,
deliberadas para os sabbadas, tenham lugar
as quintas feiras ; e que tanto nestas como
as das sextas feiras, se trate exclusivamen-
te da 3a disousso do ornamento.
Sala das sessoes, 8 de julho de 1869.
Pereira da Silva.
ORDEM DO DA.
Contina a 3* discusso do projeoto vinde
do senado, sobre a venda de osera vos de-
baixo de prego e em exposigo publica.
Vem mesa, sao lidas, apoiadas e n-
tram coojunciamente em discassiq. as se-
guintes omandas .
Supprima-se o art. Io.
Substiloa-se o art. i" que* passa a Io
pelo seguinte :
AfL Io Em todos os contratos e actos
jurdicos de alheaco de escravos, ou se-
jam. particulares ou judiciaes, prohibido
separar o marido da mulher, os lilhos le-
gitimas dos pais ou os iliegitimos das mis,
salvo sendo raaores de 15 annos.
% Io as parlilnas entre socios ou her
deii'os ter lugar a disposico da Ord. hv.
4 til. 96 b" quanto aos casaes de escravos
e seus lilhos menores de 15 annos.
t I* As pracas judiciaes de escravos,
em virtude de exeeuco por divida ou de
pagamento por inventario, fica extensiva a
disposico dos | 2 i e 25 da lei de 20 de
junho de 1774, para o lim de arrematar ou
adjudicar-se osservkjos, sempre que o valor
dos escravos exceder o dobro da divida.
No art. 3o que passa a 2o supprimain-
se as palavras e fica re m salvos por outros
bens os direitos dos credores.
Pa?o.da cmara, 2 de julho de-18691.
.1. Figueira.
Ao ari. 1' Os periodos que comecam
As pracas judiciaes, etc.oFindo aquello
praso, etc. sejam substituidos pelo se-
guinte :.
As pragas judiciaes ficam substituidas
por propostas escripias que os juizes rece-
bera dos arrematantes nos prazos fixados
pelas les em vigQ& annunciaudo-se por
editaes que contenham os nomes, idades,
pross5es, avaliagSes e mais caractersticos
dos escravos. Os credores com licenga d i
juiz, eos nteressados podem concorrer nos
termos do direito vigente. Na audiencia
respectiva sero ellas aberlas publicamente
resol vida a arrematado ou a adjudica-
gao.
Accrescetle-sc ^ A arrematagao dos
servicos seguir as raesmas regras.
* I Io A disposgo desle artigo con>
prehende o caso da le de 30 de agosto de
18)3 para serem englobados as propostas
as trras e demais bens do eslabelecimento
de que fizerem parte integrante os escra-
vos.
2o as aljenages forgadas, o escravo
que exhibir a importancia de sua avaliaco
tem direito sua manumisso. O juiz lhe
passar o titulo, livre de quaesmer impos-
tos e emolumentos.
Ao art. 3o Subsiitua-se pelo seguinte :
Nos inventarios em que nao houver in
teressados, como herdeiros descendentes
ou ascendentes, o juiz dar aos escravos
inventariados, que exbibirem vista o proco
de suas avaliagojs cartas de liberdJade isen-
las de quaesquer direitos e emolumen-
tos.
Pago da cmara, de julho de 1869.
A. M. Perdiyao Malheiros.
Vera mesa, lido, apoiado, e approva-
do sem debate, o seguinte requerimento :
Requeiro que a discusso do projecto
com as emendas fique adiada para ama-
nha, sendo impressas as mesmas emendas
no Jornal do Commercio T. de Alencar
Arar pe.
Entra em Ia discusso o projecto que
autorisa o governo para mandar matricular
no Io anno da faculdade de direito do S.
Paulo o estudante Cleraentino Jos Lis-
boa.
0 Sa. Fausto de Aguiar pede, e a c-
mara consenle, que o projecto tenha urna
s discusso.
Yema mesa, sao lidas, apoiadas, entram
conjuncUmenle em diversas emendas, con-
ceden*) igual favor outros estudantes.
Ninguem pedindo a palavra, e pondo-se
a votos o projecto, approvado com todas
as emendas, e remettido commisso de
redaccio.
Entra era 3* discusso 9 projecto sus-
pendendo o recrutamcoto todas as vezes
que se houver do fazer qualquer eleieo de
eleitores, juizes de paz ou vereadores..
0 5R. BENJAMIM: Este projecto
amplia a Ia parte do art. IOS da lei de 19
ago.sto de 1846, que diz assim:
c $u3pender-se-ha o recrutamento em
todo, o Imp.er|o por tres mezes, a saber:
nos 60 dias anteriores e nos 30 pojderioras
a"'dia da eleico primaria.' Ficam pxobi-
atago
rimara, a ama distancia menor d
igua do lugar da ele ci.
O projecto vihdo do aeaado. istende
girimfa "cdttda M I* parte o"o artigo s
elfftfes de vereador e juk de paz. Valere
a pena esta reforma ? wjamos os resal-
tados iraticos, qoe sao multo para seguir-se
quando se trata de legislar se.
Pan as eleicBes primarias ja existe a ga-
ranta, o recrutamento prohibido dous
irifefceS antes e um mez depois das leig3es
primarias. E o que se observa no paiz 1
Em minha provincia, as eleiges primarias
do Sdefevereiro de 1867, aquella prs-
cripcio foi manifestamente violada, o pre-
sidente da provincia nao s mandou fopca
armada para diversas parochias (corajosa-
mente o confessou em seu relatorio) como
desighoa em unta porttria, com pretericoJ,
ifw decretos, que postergavam os direitos
garantidos na lei da guarda nacional, e
mandn em outra prender os ditos guardas
mesmo no dia A eleico. Aqu esfSo esas
duars famosas portaras.
O S*. JuNqceira :Ouem ssignou-as ?
O S. Benja*in :O Sr. conselheiro Joa-
quih SaWanha Marinho. (L as portaras.)
Pego licenga cmara para abrir um paren-
the.nS. E sao os homens que designaram
por este modo- to escandaloso deputados,
que boje gritam no senado e na imprensa,
que nos, que fomos eleitos sem a presenca'
da forca armada e dos agentes do recruta-
mento, visto que este fra suspenso no
praso legal e bem assim a designaeSo oito
d1s antes, que fmos designados pelos de-
legados do actual gabinete. (Muitos apoia-
dos.) Approveito a occasio para atirar um
solemne desafio aos nossos adversarios.
Provem-se sao capazes as accusac5es comi-
das no seu celebrrimo manifest.
Nao com vergonhosos inventos que
se destroe urna situago. Fagam como
nos, que pro vamos as nossas arguiges, e
janda estamos promptos a sustntalas com
documentos irrecusaveis. Feitas estas ob-
servagdes, volto materia em discusso.
De nada vale a le, quando nao encon-
tra executores. Com isto quero dizer,
que o mal que sotfre sosso paiz outro, e
muito diverso. A lei existe para as elei-
ges primarias, e no enlamo se tem recru-
tado bocea da urna. Eu j vi este triste
espectculo, na minha provincia, em 1867.
O que convm, pois, fazer ? Deixar o paiz
correr para a desmoralisago completa de
suas mais caras instituiges ?
Senhores, em 1850, o Sr. conselheiro
Euzebio, de saudosa memoria, melho-
rou profundamente as nossas instituiges.
Conseguio que as cmaras votassem
reformas, nao radicaos, porem
das.
O dominio progressista estragou-as, como
estragou o que hava de melhor neste paiz
a independencia dos magistrados. Te-
mos leis garantidoras da liberdade indivi-
dual e do vol, da inpedendencia dos ma-
gistrados, etc. E no entanto o paiz tem
fome de reformas I
lia, pois, um mal, mal profundo e grave,
que precisa ser devidamente tratado.
Talvez se diga que sou pessimista (nao
apoiados), que sou utopista (nao apoiados),
e no emtanto que estudo, ha 8 annos, os
homens e as cousas do meu paiz. AqueNa
apreciaofo o resultado dos meus fracos
estudos.' Qual a fonte de todos os nossos
males ?
Eu assgnalo como a principal fonte a
nao responsabilidade dos funecionarios p-
blicos.
Pune-se, em nosso paiz, o autor da sim-
ples iofracgo policial, e no entanto dei-
xa-se impune aquelle a quem a sociedade,
connou parte do poder publico, anda que
viole s escancaras a lei que tinha por dever
sagrado respeitar e fazer respetar. Sem
a responsabilidade nao ha reformas que
sirvam. As leis gastam-se pelo abuso da
autoridade.
OSn. Arvujo Ges : Legn habemus.
0 Sr. Benjamin : Sim, existe a lei,
mas nao executada. Um ou outro es-
crivo tem sido condemnado por crirae
de responsabilidade; mas qual o alto func-
ionario que neste paiz j foi punido por
prevancaco, concusso e outros crimes?
Tem-se arraigado nos hbitos da popula-
go urna dissougo de costumes tal, que os
funecionarios, nao satisfeitos de violar as
leis, ostentara garbosamente era pecas ofi-
ciaes os crime que commetteram em prql
do seu partido. 0 governo de seu parti-
do o protege, o que succede, por fraque-
za ou por mal enxrididas conveniencias, os
deixa tranquillos.
E o paiz chega a um estado deplora-
vel.
Em Franga dous ministros de estado
foram responsabilisados. Na Inglaterra o
castigo segu a culpa do funcionario que
abusa da confianra publica nelle depositada.
No Brasil, nao.
Temos leis de responsabilidade, o qoe
ainda peior, e ellas nao sao ^executadas.
Que os altos poderes do Estao nao pode no
arcar com os criminosos de alta posigo ?
Seria ento para desanimar. Sem urna boa
lei de responsabilidade, e sem a sua com-
pleta execugo, de nada valera as melho-
res leis.
Se estacamara deseja prestar servigos
reaes e duradouros ao paiz, deve, antes
de tratar dos pequeos projectos, dotar o
paiz de urna lei'que torne a responsabili-
.dade dos executores das leis urna realdade.
E' o nico meio que vejo para se regene-
rar os costumes.
O Su. Aiuuo Ges.:.Yon inopes, sine
legtbus.
OSr. Mello Moraes: A principal rege-
nerago dos costumes est na publicidade.
O Sr. Benjamn :A ampia conlianga
que o paiz deposita nesta cmara d-lhe a
forca necessaria para realizar as reformas
que a opiuio nacional aponta. O gabinete
encontra a adheso de toda a cmara para
emprehender essa tarefa to gloriosa.
Porque bavemos de perder o tempo to
precioso com discusses de projecto do ex-
cepcao, e de interesse individual ? Venham
as reformas. Estou prompto, e crio que
toda a cmara para disculi-las o vota-las;
4 necessario tirar o paiz da situago affhcti-
va em se acha.
Nao ha garanta para o dia da amanha.
Todas as leis que o partido progressista
converleuem arena de oppresso ahi eslo
no collecco, causando terrores populacoes.
Depois d urna boa lei da responsabilidade.
iidispeosavel revogar urnas e alterar
outras.
Eupefio encarocidamesto aos Srs. minis-
tros para apresentarem- quanto antes os
seus projeetos. 0 tempo va. o dia 12
fazem dous meaos qoe abrio-M 9 '|arla-
raento. 0 qae tomos feitot Muito pDoco.
Comprehendo que as refortnas deven.ser
maflaramente pesadas. Mas lgums esto
estudadas ha muitos annos, tendo a seu fa-
vor o assentimento de toda a naffe. Come-
cemos por ellas.
SenliOres, sou conservador de todas as
pocas. Nos dias da adversidade defend
de espingarda ao hombro a bandelra de
nosso partido. O actual gabinete sahio do
seio do partido conservador. Tenho-lhe
prestado o meu fraco apoio.
Mas, se infelizmente elte nao attender
aos brados do p iz, eu, com doloroso pezar
o digo, nao terei remedio seno tomar nesta
cmara a attitude que me impe compro-
miso de honra que contrahi perante o cor-
po eletoral de meu districto.
N3o me ha de faltar a. coragem precisa
para comprr o dever imperioso de pugnar
pelas necessidades pattitantes d minha pro-
vincia e do Imperio, ha tantos annos recla-
madas, e ha tantos annos tiesattndidas.
Estas minhas palavras nao sighificam des-
confianga. Estou prorapto a a :ompanhar o
gabinete, desd que ene puzer em pratica
as reformas que promelleu em s'u pro-
gramma.
Veto pelo projecto era discusso. Se elle
nao completo, comludo d urna garanta,
que, se fr acompanhada de urna lei de
respbnsabi dade, ser um grande passo
para a pureza do systema representativo.
0 SR. VIEIRA DA SILVA :-Sr. presi-
dente, tenho urna objecgo a respeito do
projecto que se discute, e parecanme conve-
niente um adiamenlo afim de que a com-
misso de consttuigo dsse sobr elle pa-
recer.
O projecto envolve materia constitucional.
A constituicao creou qulro poderes dis-
tinctos entre si : o poder legislativo, o po-
der moderador, o poder judiciario e o po-
der executivo; marcara as attribniges de
todos estes poderes; declarou quaes eram
os assumptos de que a assemnta geral de-
via oceupar-se, e entre as attribuices da
cmara dos deputados declarou que a in-
iciativa em materia d recrutamento per-
tence-lhe.
0 Sr. Penido: -Apoiado; moito bem.
O Sr. Vieira da Silva :Portanto *o se-
nado nao podia, em minha opinio, indicar
cousa alguma em relago a recrutamento.
Nao consintamos nesta invasa. As snas
attribuices esto discriminadas, as nossas
o csto tambem, assim como as da assem-
bla geral.
E' esta a objecgo qu tenho contra o
projecto que se discute.
Talvez que se possa considera-lo como
profun- interprelago do art. 108 da lei n. 387 de
19 de agosto de 1846. Se o aceitarmos
como interpretago, ento cabe a assembla
geral legislar a respeito, nao lhe contesto o
direito; mas se devemos considera-lo como
iniciativa, o qne se induz de sua redaeco
fra de dovida que esta compete-nos ni-
camente.
Eu, portanto, vou remetter a V. Exc.
um requerimento, pedindo que o projecto
v a commisso de constituicao, afim de que
sobre elle d par cer.
Vem a mesa, lido, apoiado e entra era
discusso o seguinte requerimento:
Requeiro que v commisso de con-
sttuigo.- Vieira da Silva.
Ninguem mais pedindo a palavra, e pon-
do-se a votos o projecto, reconhece-se nao
haver numero legal; pelo que o Sr. pre-
sidente declara encerrada a discusso.
Entra em 2a discusso o projecto con-"
cedendo aos bispos que forem Roma alim
de assistirem ao concilio ecumnico, que
deve reunir-se brevemente, urna ojuda (ie
custo prra as despezas da vagem e trata-
mento condigno a sua elevada posigao.
Ninguem pedindo a palavra, fica encer-
rada a discusso, nao se votando por falta
de numero legal.
Entra em Ia discusso o projecto pro-
hibindo ter abertos as cidades e villas do
imperio os estabeleciraentos de commercio
em grosso ou a retalho, nos domingos e
das santificados e de festa nacional.
Depois de ligeiras considerages dos Srs.
Coelho Rodrigues e Casado fica adiada a
discusso do seguinte requerimento :
Requeiro que v commisso de legis-
lado o projecto que se discute cora o que
foi offerecido pelo Ilustre deputado Mello
Moraes, afim de que sejam ambos refundi-
dos cm um s.Casado.
Pedindo o Coelho Rodrigues a palavra,
fica a discusso adiada pela hora.
Dada a ordem do dia, levanta-se a sesso
s quatro hofas da tarde.
SESSO EM 0 DE JULHO
presidencia do nebias.
Ao meio dia feita a chamada, veriflea-se
haver numero sufficiente, abre-se a sesso.
L-se e approva-se a acta da antecedente.
O Sr. Io Secretario, dconta do seguinte
expediente :
Um officio do Io secretario do senado,
communicando que constara ao mesmo se-
nado por officio do ministerio da guerra,
que S. M. o imperador consenle no decreto
da assembla geral que fixa asJorgas de
trra para o anno financeiro de 1869
1870.Inteirada.
Outro do mesmo secretario communican-
do que constara ao senado, por officio do
mesmo ministerio, da fazenda, que S. M. o
imperador consente no decreto da assem-
bla geral que manda continuar em vigor,
durante o semestre do anno financeiro
de 1861870, a lei n. 1,507 de 26 de
setembro de 1867, e abre crditos aos mi-
nisterio da guerra e marinha. Imeirada.
Lm-see vio a imprimir, para serem
submettidos votago, cinco dias depois,
na forma do regiment, os pareceres de
commisso sobre eleiges primarias de Piaa
hy e Rio Grande do Norte.
Sao lidos e approvados di.crsQS pare-
receres de commisso : autors3odo a con-
cesso de licenga a J. B. Callogeros e a A.
D. de Pascual; concedendo privilegio a An-
tonio Augusto Coelho.
Sao lidos, julgados objectos de deli-
berago e mandados imprimir um projecto
autorisando a naturalisaco do padre Egy-
dio de Paterno, e mais o seguinte:
A assembla geral resolve:
< Art. 1. Os individuos formados as
academias estrangeiras em medicina, cirur-
fia, partos, em direitos ou em outras
quaesquer facilidades, nao as podero exer-
Cer no Brasil sem fazerem exaraes vagos
em todas as materias de que se compuzerem
os mencionados cursas as academias ou
aselas do Brasil. (Ctmtiumr-se-ha.j
UP. POl>IARIO-Rl4t>AH(*CW^ 4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOO3A4D3R_P9CTMN INGEST_TIME 2013-09-13T23:40:59Z PACKAGE AA00011611_11903
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES