Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11900


This item is only available as the following downloads:


Full Text


MWMN.
NO Itf. NUMERO 168.

I 3b
Al l LOGABtt OXM MU SI FACA POETE.
.
avulso
f



8*000
120000
24,5000
320
ttRCA FEIM 27 DE JLHO D 1869.
m* mm i mx u pboyucia.
Ptwtr^inezesadiantados.........
Por seis ditos idem.........' '
Por don' ditos dem.......... .....
Por nm anno........ ......
DIARIO DE PERMMBUCO
W70
13W0O
20*260
27KJ00
Propriedade de IKanoel Rgneira de Paria & JfflbM.
ao AdRirnit

em.fWrtb; Francia lavada Costa, m Aht*5; Dr. Jos Martlns Aives, T, ^;'e7o7mmTG^Z^
no Rio de Janeiro.
OUR10 DE PERMMBUCO
m
KEfJFB, 27 DK JL'MJu QJ MS%.
NOTICIAS M tlUQt'A.
4MM
^r inglez Itonr, precadm* ta Souihamplou por
Usboa, trasendo datos r flamlmrft, Pars 7, Leo
oras c Lisboa i;j do corente.
-----
: mmilUos da azenia, obra* publicas e ustica
BetomjiOii^'io sob a pretUencUt-k.^Fim), Jlmi-
fi&tb de D. Carlos. Tentativas cuiietas. 0 nerat Caballera de Radat tama a capiUmiu gemir
rtjeBnviHa. Estado da provincia. Qgortr-*\
no ot Litado* Unida proceile contra os )b**-
tein,fc?'!cf tcniloria americano organimim
expeii^-s a Cuba.
'"^iu-'''"''"'" da /**'(*"' djfum-to df
vu. Verifiaiyjide pHdcr^fMerveHftl*
m -^-fK-,"~los e a poltica governamentmA
.'".W*' *" imanmua. Desorden* entre os
'mutua* SaintEirenm.
vm&cid.ntimfia ,<...iwi. a mmtSf efliii a Frim--\
** "Vrhe tntnifteriitl ni-mamcnloi
'-"W.JWMH'-Emenda ao bil in'Mnndu na ca-
nitwnto! lord*. Desorden* em Belfast.
'i> '*iRlb<)frepivsentaiiie* das potencias nao seriio
yntidudbs. Iteclamarao da musa sobre supre-
mnrif! e.tjuritual.Mirada das convenroes fi-
WMU-iU no parlamento italiano. Comporta
me* rfg gorerm. Receiam-se os trabamos de
' es tle iluzzini. Tentativa de assas
.i'tMrt do drpntadn Lobbia.
tK-MAmu conde de Bitmark rettra-se de todot
Utffoci" ntra tratar de $ua sade, por alguna
me bititulda por Delbruck. A Turqua
reeUrsim enntra os actos do vice-rei do Egijpto
ijmfipiernevtrrtlirar o canal de Suez.
.uasiXPfrsegviro aos bispos polacos.
mtttBif^Approvarao di miinrisacopara o em-
pmtim". ntv projecta de desamortitacilo. Tu-
mMltet no. iljia de S. Miguel. Diversa*.
HFSPA.VIIV.
Ksi a Hespanha cm plena crise ministerial;
manifetia-5c o de>;iccordo unir o presidente do
coospfto de ministros, general Priin, c c ministro
ta. fajl oiisbC'fnr nao foi aceita ; olsentia-je na se??So
defB (Je iunlin una proposta de lei ottre tarifv?
di ailande'ga c o dcpatMO o Sr. Madoz, appre-
sentou um addJlamen^> a esse projeelo; o presi-
dente dVi abloete di;-ijiic desejava que esse addi-
tamo.! approvadn; o ministro da justiea o
Sr. Ktffliernl.i. OOl sojjuida indlem naa tltieo/ava
que ac apjjoia-si' o prajeeto lal qual eslava,ese,
rejeUatte O additament, e que oft eu desejo era
f-awado pelo elfeitu que uetle pruduzia uiu tele -
.'rramtDa me hara sido enviado de BarceTln ao
ond'e Reus ^Pritn) por urna pesfta, cuja alma
vil mereca o odio de todo o modo.
O tdegramnia i|ue o Sr. Figuerola leu, referia
se a rogar a Prim qae inBnisaa para que >e ^iloji-
tasse o aeMitameuto salvador, eainda que julga-se
que o conde de Reta olharla pela Catalunha receava
qu se deixa=se engaar por Figuerola, pois este'e
a eommissan do orcatoento quoriam entregar o
paj alado do pos o mam quelles que Ihes tinliam
comprado. 0 Sr. Figuerola disse que islo era in-
digno, e s:> proprio de um homem mo e misera-
vd que devia ser entregue as tribnnaes, e cou-
eluio tkendo qne se niotinha admittidoo addito-
mento, para nao parecer <|ue se adroiltio debaixo
de pre
U presidente do conselho de ministros, depois de
lamentar o eaminhn que a questa) hara tomado,
estranhou que na Sr. Figuerola I he tiresse produ-
zid ) lio rno effeito a carta telegramma que linha
lido, assignada por um homem honrado e de ba
f. Explicando e >uccesso disse que urna com-
. missao recorrer a elle para Ble pedir que intro-
duzisse no pcojecto o additamento, que o nao alte-
rava, pois se reduzia a pedir que depois de passa-
dos acia s* toase modificando gradualmente.
No dia seguinte reunio-se a maioria dos repre
paswque organisaas torcas militares para urna
catnpanha emwfieaewitra os insurgentes.
Kotretanto corr*Tumor de que a ilha de Ca-.
" laraa ni estado de sitio ; mas parece
lides UfQUts n*o havia noticia olgu-
Wese assompto.
que os ?Ihiniarios catalaes ha vendo re-
JeWiitfpdem de guardar orna linha de eaolinhos
le"ft#W, o amoinaram pedimlo que fossom em-
IWB^disem activo servico.
frtw! dos voluntarios fez patente* este dese-
to-a general Lethne, que se negon a acceder a
elle, mandando prender o coronel. Os voluntarios
ptinitotn para Puerto-Principe, e Hbertaram o co-
Wf preso e prenderam o general Lelone. Dizia-
se^aeos voluntarios tratavam de o fuzillar.
A Ageitcia Hars di noticia de haverem sido
dermradas as tropas hespanholas em alguns re-
contros, mas as noticia* ofliciaes moslram que
lioure alguma exagerarlo, pois, dizem que os en-
comros que lem havido cm Puerto-Principe fo-
ram iasigiUcantcs.
^jfttm WrfHados nove incendiarios convictos de
jk*tfs vrvnPBar
Boiteira'qfleestavaasahirpara a ilha de Cuba
pita se unir com os unnrecctonados. Tem-se
lerto mafs p-isoes dos membros da junta dos in-
surreemBados de Cuba.
instituir/Oes sineeramente libe-
caro Sr. Scimeider, na miaba sin-
0 govertid dos Eslados-nidos envin a Cuba
um- agente especial para examinar as torcas da
nstirreicao e o caminhu quo toman.
Diz que eseaparam vigilancia da auloridade
oitocentos homens que partiram sob as rdens do
coronel Ryan para Cuba ; entretanto o governo
aowncmw.fliw*sirtita tiesta noticia.
O ministro ln psmhoi em Washington inlbrmou
u ministro dos uegocios estraageiros. que pedir
os seu* ua**aporle, se U'tr eoneedia urna enlre-
visi ofilcial quaesquer enviados dos cubanos
revoltosos.
FnAKQA
Abriram-se no dia 29 do passado as cmaras
tranoezas, iironnnciauo o minislro Houher o se-
guinte discurso :
Srs. depatados.Nos ermos da cunsiiUiii-o
deya o eorpo legislativo ser convocado no prazo de
seis mozos, contado, do decreto de dissolueio. O
ultimo dia do prazo para a vessa rennio era 2tt
de outubro ; sena, porm, impossivel uessa data
apresentarmos o- projectos de lei de duenda e os
relativos aos outros negocios do estado. Tornava-
se, pois, ijecessaria urna sesso extraordinaria do
eorpo legislativo.
Neitas circumsiaiicias, o gorerno do impera-
dor pensou que era prudente o poltico proceder
ntHooilitiUiinanto vpaWraean ilnc vodns oodenc,
e faier cessar assim qn.ihiner neerle sobre a
validado das opera^des eleitoraes em cada cir-
culo.
Segundo o pensamento do governo nao tem
outro fim a actual sanio.
A renovacao do corpo legislativo pelo suffra-
gio universal i occaaiao natural para a oaejio ma-
nifestar as soas ideas, as suas aspiragoes e as
suasnecessidades.
i Mas o esludo dos resultados polticos desta ma-
nifestagao nao pode precipitar-se.
t Na sesso ordinaria o gowrno submelter
alta apreciaeao dos poderes pblicos as resolu-
foes e os projectos, que Ihc liverem parecido mais
proprio para realisar o desejos do paiz.
Em notne do imperador declaro aborta a ses-
so extraordinaria do corpo legislativo.
Eis como /k France aprecia o discurso gover-
namental :
As palavras de Mr. Rouher, sao um enmpro-
misso por parte do imperador, de estudar de um
modo to profundo como leal a manifestacao da
opiniao publica da qual se produzo o actual cor-
po legislativo.
Se para nao precipitar em cousa alguma, um
esludo e urna questao to grave, adla o governo
para a prxima legislatura ordinaria a apresenta-
cao dos projectos de lei proprias para correspon-
der aos desejos da cmara e do paiz, nao menos
certo que tome em consideradlo desde logo, o que
poder forle com
raes.
< Cooio com a vossa dedieaco qne me ha de
auxiliar no cumplimento desta misso.
Crde meu
cera amisadu,
< Chalos, 24 Vjunho de 1869.
> jVipofew*
Para se conhecer uaes as inslituicoes sincera-
mente lbenos da Franca, basta esdartcer a li-
berdade quo alii se gosa*. Rochetort o oasado re-
dactor da Lanternr foi eonemnado a res
annos de prisao e dez mil francos de mulla, e
perda dos sous direitos cvicos e do elegibilidade;
o Siede, L'pinw* natirma, L'tleetewr hhe, leftap-
pe, le Hre, jornaes de Pars, e mais desuito que
se publieain em varios pontos do importo estao -
treges a accao dos Irboaaes.
0 governo do imperaJor reclamou enrgica-
mente a expulso de Uochefort do territoro bel-
ga.; o governo belga accedeu, convidando o ilus-
tre emigrado a sabir d'alli; o quo este fez diri-
gindosu paralpi '
8cfcs.
Ha nmilas eloicocs sobre que ha protest* m-
Ihiitantes, por arbitrariedades pralicadas pelas-
auloridades para fazerem vencer candidatos offl-
ciaes.
Os depuwdos Ollivier, Legris, o Buftot, apnesen-
taram urna irterpeUaoo concebida oestes termos-:
Pedimos para intoriiellar o governo 9ob a
iiocessidade de attender aos sontiinentos do paiz
dedicaudo-se mais officazmenle direccao des
seus negocios. A nota de inlerpellacao j conta-
ra 110 jssignaturas dedeputados do terceiro par-
tido e da maiora.
Diz-se que o governo francez resolver combat-
ter a inlerpellacao do terceiro partido (tnperialis-
relaces con o Vatteano, inssHndo comlode em
(jae o collegio eatboMco que tem a sua sede em
h- Petersburgo, seja reconlieeido por autondade
soareom da igreja c;huii na Kussie, e e que
nao soja permittido a. clero eslar em retacees di-
rectas ewn o Sraeto Veidre; mas a corle de Hetna
nao qaiz facer a-menor cooce*sao, apoiaedo-se dos
direttes nialienaveis da santa s.
0 Sitete reprodnz una noUda dada pelo Tagblat
de Vienaa, que affirnu ler sido concluido um tra-
tado eafm-NapoleD e Viefer Eimnanuel, e que
implica o abandono formal de ttota Italia. A
Patrie declara, porra, quo tal' HtHicia falsa e
naofassa de pura invengan.
-A Gazna Officiut, de Florones, fallando da
i "a convences linaneeiras, diz que o
plano-fliianceiro do go?erno no softV*n altera-
cao. Aquellas eonvenooes davanv 40 milhoes ao
orcan*nio, que eram destinados a fazer face aos
primeiros defcit* e a dimtuuir a divi.la do estado
para eoui o bauao, conduzinoo assim-a suupresso
* car*) ''"'cad Este* resoltados nao seo, po-
,K?J._ conyir/iinfaidos pela retirada das onven-
i ffWki^'8* serao modificadM de modo Constilniu-seuo di'> toao a5rlasfe5!',^.^p. ^oi^naio uu tu u^ com-
rtssao, e rewiam-mfllof ilirnieW tli'.'.llMluV.i e
serao app!sealadas outra vez na prxima legis-
latura.
O ,^m do governo, accresecnla a Gazeta, a
snj/jreSsao do curso forjado, e o equilibrio do
orcaoianto; e, penetrado do desejo de conseguir
este li n jjfc parar- diante de obstculo al-
pinii. Seguro do apoto do paiz e da mitovia do
parlamento impedir, que se opponham aos seus
lins por -nietos violentos ou facciosos.
T"rm'laram em Flon-nca os trabalhos da com-
mk-o de inquerito parlamentar aeerca da culpa-
bilidad de alguns depu.tados, na luestao dos
tabacos. Segundo as mformaeoes os deputndos
acensados nocommetteiam actoalgum reprelien-
nm alb moilas famibas, tanto de WsbCa, como do
Heno e drrersas povoacoes marginaos do c.iminho
de ferro. Fde-se diiar que a funecab e festejos
a !>9ata Isabel, torain mais brilhantes que os do
ana passadfc Aiiezar do exraordinar concur-
so dtr pessas, a Iranqiiillidade nao foi alteraV.
As hospedaras-estavam mais betn servida.
Heuve o dboioramento doSr. Lopes Praga,
que se fez com iei a solemnidad acadeimea.
boim donm>go(IOl a distrlfcnicao- dos pre-
mios conferidos- pelo jury da rea* assooiar&v de
agncultuia portugoeza, aos exposmres de flejes e
mstrumen de jardwiegamento iiaaprasivel raaf
W do palacio'Cava val ao pedo Recio (em'Lis-
boa.)
* Ojtirj' cwnpunha-se de senhoras- e eawalhei-
ros.
Seguia-se- um jamar em que h?sve mnitos
bnn<*es.
tas libera es) declarando-a inconstitucional ;por^ srvel.
senlaates, a concordou dar um voto do confianza a ha de legitimo nessas aspiracoes, e promette dar a
ellas urna satisfacao.
De modo que o governo quer realmente mar-
char de accordo com o sentimento do corpo legis-
lativo, que desta vez, o orgao do sentimento pu-
blico.
Nao portante possivel, duvidar do pensa-
mento liberal que inspirou as ultimas eleicoes.
De>de este momento, as decuuacies 'do tui-
Priui '; i podero reconstruir o ministe-
rio como j miento. Sahe tamhem do
gabinete < ministro da justioi o Sr. Herrera por
I ficsto de proniocoes.na car-
i'ia pul' esto ministro s
Cortos.
A recon^osicin ministerial foi addiada para de-
pois da votacao dos ornamentos.
As ultimas noticias avam a irise como resol-
vida entrando para a pasta da fazonda o Sr. Arda-
naz, para a das owas pabK.'as o Sr. Bchogaray,
para a do ultramar o Sr. Becerra e para a jtslica
o Sr X.oriHa.
Houve nina rennio dos membros da unio li-
beral, c dos demcratas, Ocaodo todos reconciliados.
FaUa-ee que o general Prim, conhecedor das fu-
nestas tendencias da umao liberal, e dos democra-
u\% propoier* aos republicanos rever-se o art. 33
da constituirlo (jilo ostabelore a monarchia, e for-
mar un directorio, dar cabida ao gabinete ao ele-
mento repubcan >, apiiellar depois para um so-
lemne plo'iiscito pelo snlTragio unive/sal, afirn de
que a naeaT por si, decida qual a forma de governo
que se dve adoptar definitivamente, explicando o
candidato que deve occapar o solio no caso de ser
a monarchia a legitima aspiracao do paiz.
Dizem os jomaos francezes que o general Prim
era esperado em Vichy no meado de julho.
Contina a disnisso do orcamento, a gaseta
publicon, i, a lei do orcamentovda recoila, e a lei
auiorisando o cxereieio provisorio da dospeza. As
'rloe eacerrnr-se-Mao no meado de jullio.
I). Carlos publicon um nriitKcsto em forma
de carta a seu iruso: a pretendepte passa em
outro lado diz-se que o Sr. Rouher ti vera nina
conferencia sobre este assumpto com o Sr. Miral,
eque dissera quo o imperador eslava disposto a
tomar em considerac as manifeslacocs da maio-
ria.
A Patrie que se diz i em informada, affianca
que o imperador em urna reunio intima a q.iir
assistiram alguns offleiaes da sua casa, dissera
qtfeoranoccssarto que o governo caminliasse sem
hesilaeao |e.!o cauoho liberal, tpie as ultimas elei-
coes indicaran! ser o voto do paiz.
Affirma-se que sao prematuras as noticias de
modificieao ministerial. Nos circuios offleiaes dos-
mente-se a noticia dada petos jornacs, de que o
imperad r resol rala appellar noVaiagnte para o
-ulTragio nmvorsalj peduido-lhe por moto de ple-
bkoo a approvacao das reformas para resolver
as questoes conslilucionaes pendentes.
E absolutamente falsa a noticia da morlo do
6r. J^Im Fav-ra ---------;-------------_^m
Reinain grande excila^o o descoutemament
Saint Etienne, contra o regimenlo do liaba que
all est do guarnicao por ler leito fogo contra
mulheies e creaneas durante os ullimos tumultos.
O conselho municipal de Saint Etienne fui dis-
solvido por pedir i transferencia d'aquelle regi-
ment para outropooto ; dizem po'm ileS. Kieu-
ne que se considerava provavel um accordo en-
tre os directores das miuas e os operarios, c as
mais recentes noticns d'aquelle .punto davam co- nao lavar'parla alguma nos tra
Em Italia scha-se rest;>-belecda a ordem. Mui-
tos jiaes aUribuem a Mazzini os tumultos que
iKHive em .Milo, aples e erg.ino; esto celebre
caudilho saio do Zurieh, e vai lixar sua resideaeia
pnemanente em Londres.
O) governo tema as medidas neeessarius- para
opedia qualquer passo de (iiribaldi.
Na noute de lo para 10 de-junbo foi apunhaja-
do as ras de Florenoa o deputado Lobbia ; licnu
bastanlomonie ferido, mas os ferimentos naV foram
A exposico realmente esleve lindfesima, c
mais a realcavn a frescor de arvored secular
dessa oeqoena fl*reste qne- serve de ornamento ao
pajaeio era que a associacae-si eslabteceb.
. Falfeeeram: e cond de Murca; o general
viseonde-toTaviravo ttvwh rapvtiao do rea paco
da emesia; o rico proprtetarto de Cuilnane,
Uiristova* Colombo Generoso; a Sra. D. Theroza
do Brito e limha, vmva de mnrtyr da liberdade
Antonio Beraardo de Brilo o Cunba.
Falla- de urna iieva tornada tle 20 pares
do reino.
Reunram-se no dia lOloeorrente os acern-
mstas da coinpaahia do r-Pana e Maranhifo, e
resolveram ctapots de larga discueso em que to-
rnaram parte oo Srs. marques de- Vallada, con*
de (.asno, Feraeira Lobo, marqneie Souza, Ma-
nanto e outros; se noroesse mr commisso fis-
cal, que ficou cowposla dos 6rs. naf|oez de Souza*
marquez de V;vUada, Marianno. e Ferreira Lobo
suoplente.
Diz-se que sao esperadas no -'ljo, por toda a
semana que ven*doas escuadras, wno americana
e outra ingleza.
Foi nomeado reitor da unversidode .le Coim-
bra o visconde de- Villa Maior (Julio Mximo de
Ohveira Pimenlel)| lente jlabilado do- ebinica da
escola polylechmica, socio da academia, de scicn-
cias, amigo deputado s corles, e general de bri-
gada reformado.Parece que lomara posse de-
pois das ferias.
Deu entrada no* bospilal dos alheados (Ri-
apoiada pelo ministerio, votou unnimemente urna
orden*do dia naia testemimliar a sua viva syupa-
thias pela victima, para exprimir todooscu liwrror
pelas iwssoas que armaram o braco dos assassii
nos, econvidou o governo a temar todas as pnovi-
dendas nioossarias para de>oobiiros assassom- e
enlre|^-lus justiea. Contina com grande eti-
vidade o processo relativo a osla tentativa.
'HJBRMA'MI *
Eneorron-s ni erii!Man
aditaneiro e a do Helosteg, o re dirigi um ex-
tenso dis 'uso aos momhros desta ultima cmara,
m que se felicita pelos resollados oalido, a pro-
grossiva prosperidad* os iinposi m aq,)Kirdasl
a marinlia pruMiam quasi a siirair e a cresoer, e
o syinpathico auxilio de lodos os astados da confe-
dera cao.
Parece que o conde de Bismark-est resolvido a
Jilo pi-ovavcl o accordo entre os directores do mi-
nas ; e os operarios : as ultimas noticias do, Bes-
seges davam all terminada a grve.
No dia 6 de julho tinhao Great Eusle.m porcorri-
1524 milhase collocado 1700 milhas do cabo lole-
graphica>anbmarino franeo-amencajio, as commu-
uicaci'ies com o navio cr.tm boas.
di:luica.
A commisso franco-belga j lem tidu algumaa
-es-oes, e nada se tem resolvido. O ministerio
belga, nao faz estorcos para terminar aquella,
questao, e havendo desaccorda*oni a cora e com
a maioria das casas parlamentares provavel que
o ministerio Frere d'Orbans soja demiltido.
O visconde do I^agoerronire, ministro da Fran-
ca em Bruxellas rhegou a Palia para dar explica-
5oes sobre a crise ministerial, e pedir instruccoes
especiaos. Contina a assegurar-se que o gover-
no inglez dirigir urna nota ao seu ministro em
Bruxellas, para este aconsellar o governo belga
a aeceitar as propostas com a Franca alhn de se
poder regular a questao pendente
Omiuislerio parece disposto nestes ltimos dias
a adherir aos pedidos do governo francez. Frere
Orban renunciou a idea de pedir a sua demissao,
e por emquanio nao dissolver o senado ; propor-
de gravklade. A cmara saliendo do alternado e Ihafoles) em Lisboa o celebre assassino de Braga :
Antonio Lopes.
O aconlecimentomais notavel da-Njuinzena,
sem duvida o da revolta popular da Uibeira-
Crande, ilha de S. Miguel:
Queimarain na vesperj de S. Joao o pacos do
conselho, papis das reparticoes Hcaos etc. e dis-
punham-se, reforcados- por outros iosurgentes das
povoaeoes visianas a marebar sobre a cidade de
Pona Delgada, levando-diente de si a daMruicno,
lo p:ii-l:unew> ml riHibo, % inloi nupyio das lraaaacte, em
tiin, o susto e sobresali goral e jastfieadissiino
que siiuilbantes disturbios produzem no comuier-
cio, na propriedade e no. animo dos cidados paci-
licos.
Houve gritos j^e vivaa- causa legitimista a D.
MigueJ (mas qual?) repblica e restabeleci-
mentos dos diziuios; diz-se que o motive- da tor-
muiacao foi a noticia de que a conlribuicao pre-
dial ora angmontada coiaOpor cotilo, segundo as
propostas linanceiras do actual ministerio
Tamliem se insurgimau contra o systema de-
cimal de pesos e medidas.
A prorogaeao do praso para as novas medidas
afcfjfltos da lulura
e nrat quem af-
sessao das cmaras prusiana-,
irme que a pvunelra iatencao do ministro foi pe-
a demissao, mas nao foi aceita'
du
O Monitor pnussiano publicou urna portara dis
pensando o ronde de Bismark durante alguns rn<;-1 chegou all ja tarde,
zos, at o seu pnwnpto reslabeleoiinenle, do presi-
dir ao ministerio de estado, e tomar parte em suas
dclilieracoos. Dcllnuok o enaafreaado da aasisUr
a lodas as dehlieaooes do ministerio que tenbam
pelaoao com os interseos foderat.
O gover o autiiaco receben urna nota do
ministerio dos negoalan eataangeiros daTanpiia,
Ailrilmem outros a rebellio e disturbios ao
parodio da Ribeira Queote, e oulros, que foram
continuando e aneando as indisposn-'>s aje
n'aqueilas Ierras licaraiu depois da estada de una
misionarios jesutas que all andarn) por algum
lempo. Nao est averiguado, c os tribtuiaes o
dira depois das competentes devassas. O certo
maniie-iando-liie qne o vioe-re, do Egwjte, na soa -' 'lue n;i cidade foruiou-se logo um corpo provi-
qualidado de subdito du sollo, nao tiiilia diroto a sor'0 de voluntarios; da ilha terceira foi arma-
nagociar com as potencias a neutralisarao do ca- I n,ento corrame e irunicoes de guerra; o desta-
lla I de Snez. I famento Fayal recolheu aS. Miguel para se reunir
O conde de Beust responden quo obrara de ac-, M <0 pracas que apenas all eslavam e que nao
onlo com %i potencias nosia uiiestao, o cedera a iaflueneia alguma de go&ento algum.
nisiro do estado sao urna garanta da perseveran- (he-ha outra questao de confianoa, e se eanliauar
a a opposioao desta assembla, pedir ao rei que a
dissolva. Espera ler maioria nestas .novas elef-
governo na poltica liberal, que elle proprio
inaugurou.
A' cmara pertonce agora facilitar ao gover-
no o estudo imparcial, que declara querer fazer,
nao deixando a menor duvida manto a pensa-
mento e as tendencias de que expressao.
Logo depois do Sr. Jerome David, vice-presiden-
tc do corpo legislativo, ser nomeado grande olfi-
cial da Lcgio de Honra, o Sr. Schneider presi-
dente do mesmo corpo, pedio a sua demissao que
retirou em cotisequenda de urna carta que o m-
peradorjhe escreveu repeindo a idea de que a
nomeaeao de David tenha siguitlcacao reaccio-
naria.
OSr Jerome David tambem apresentou a sua
demissao que lhe nao foi acceita pelo imperador.
Sao importantes estes docuineutos ; a carta de
Schneider e a resposta do imperador :
< SenfeW-Para
ca
nem aos mens interesses; comprehender po-
?de\ se nessa occasio nao tiverem desappare-
i-idois illiculdados com a Franca.
A atasa* legislativa de 186818G9, foi encerrada
^*a 27 de julho.
as obras de defeza do E ser rcedilieadas. A commisso para esse fim reu-
nida resolveu reconstruir as fortalezas de R'rle e
de S. Philippe, para nrolegerem a posico de Calloo,
e a forteleza de Sntc-Marie, reconstruida em
i8')o. vai ser modilicada, segundo o systema das
fortilii-aeoes cotiracadas de Inglaterra, America o
Hastia. Os trabalhos comeearao em julho.
Verilicou-so o baptismo do fllho do conde
de Flaudres, com o nome > Balduino Leopoldo.
INOI.ATKHHA.
A cmara dos lords tem approvado os diversas
serva- vossa magestade nun- j artigos do bi|, ratol < de lrlandt fazen.
pes-soaes, I dU) purm, em ;i|guns ^ nnnM i;T,1)0rian-
. tes ; una deslas consiste em que a igreja da \t-
rm, 0 imperador, esjmro-o^qu^ me dem maior landa smenlo deixar de existir em 187*. Esta
cuidado os senlimeatea de diguidade, e que con-
sidero am dever nao deixar enflaquecer as mi-
olas mans a au'toFidade moral tao nocessaria ao
revlate qplfios polticas, religiosas, so- [)residcilte dt! um,a|ta corporacao. _

ciae unicas resolvendo-as todas sobo
=eu pnnto de vista ; D. Carlos nao er que tenha
ireeiso de toda a gente para subir ao throno (Ms
seos aatepassados; mas proclama que eaganam o
uovo os que lhe dizem que elle soberano ; afflr-
an o direito divino : cm materia do liberdade de
conseienvia lombra que ha concordatas que de-
vosa, ara nnatendamanM ros|ieitadas e religiosa-
mente eseeutadas ; em eeonomia polllicacondem-
na a liberdade do cumiuercio como erro funestis-
.sirao.
Appareceram partidas republicanas na Andalu-
zia e carlita no Cbagao ; as republicanas sao de
pouca importancia, e desconheciitas lelos proprios
republicanos, parece, porm, que o movimento
carlista cunta com bastantes torcas, e bem iri-
gido.
0 assassinato do coronel Durana, alcaide de
umaeddli'de Javarra, foi protocado pelos car-
lisaw ,
O gwrerBo telegraphou aos alcaides para reun-
ii.ni HinJaT, e paia impedirom que se reatisem as
sualitWra>i. O governo concentren torcas em
Battttooa.
A-ir-meral HsBinor mtregou o commondo geral
de Cuba ao general Caballero de Rodas s onze
horas da imtnhaa. O novo capitn general, segn--
do participara ao governo foi aeelsmaio com o
mafor enthusirramn pelas tropas voluntarias e no-
vo O-fCMcrat Caballero de Rodas publicou um
bando dkeodo que a sua poltica se pude definir
em tt*s~itaiavrasilespanha, iustita e ntopalida-
le. Deu agraderimentos aos voluntarios, ao exer-
mimffl Nova-York que Caballero mandara
por em Ulierdade alguns presor politices, conti-
nuando a empregar urna notica conciliad
ao
No actual momento a nomeaco do Sr. ha-
rn Jerome David para o grao de grande oficial da
Lcgio do Honra parece-me ter esse ofeilQ ; tem
nlm d'isso as circumstancas actuaos anm sig-
aificacio que me obriga a pedir ao imperador
qne acceite a minha demissao do alto cargo^pre-
sidente do corpo legislativo) para que lhe approu-
ve nomear-me.
l'.ecilu 21 de juaho de 1869.
Son elo.
Schneider. -
Meu caro Sr. Schneider.fio posso aeceitar
a demissao que me offerece na sua carta, de 21 que
so hontem rucebi.
Quando vos dava urna nova demonstraco da
minha confianca e da minba estima pelos emi-
nentes .servidos que tendes prestado ao paiz c
ao meu governo, nao podia eu ler em mente
praticar um acto que ferisse a vossa diguida-
de ou enfraquecesse a auteriddade moral que
vos necessaria como presidente do corpo4egis-
lalivo.
A proiaojiodo ir. haio Jerome Da vid ao grao
de grande oaaeai-da Legio de Honra nao tem
de foito nenliom dos caracteres que lhe attri-
buis ; a^^^Hafompen-a d'uma vida honrosa-
mente preenehida e a realisacao de urna promessa
feita o anno passado, e de que creio linheis conhe-
flimento.
c Nao possq tambem admittir que esta nomea-
qao tenha na opioiao publica a signifleacao que
parecis recelar
< A poltica dd mea governo manlfesta-se
lio claramente que nao pode admittir duvidas.
Depoii, como antes das eleicoes, continuar a
onra qit? emprehendi ; a conelliBao do um
encolado o conflicto entre acamara alta e a dos
communs, veremos como se resolve.
Houve grandes inmultos em Belfart promovidos
pelos orangistat, protestantes partidarios da domi-
iiagan britannwc. U.. arangistas costumaui, nos
anniversarios das victorias alcanzadas pelos seus
arilepassados' sobre os Irlandezes, vaguear polas
ras de Belfart e Dabliu para celebrar essas vic-
torias. Este anno, comprehendondo os homens
sensatos do partido ormgi.s!as, que anda nao es-
lavam extinctos os ullimos fachos do renianismo, e
que a abolicao provavel da igreja eslabolecida ha
Irlanda pouca satisfacao produziaria all, e que a
menor faisca poderia novaraenfeiuflammar o verde
Erin, tinham resolvido fazer todos os espreos
para impedir quaesquer manifestaciie da parte
dos protestantes do noate da Irlanda. Infelizmen-
te a falta de prudencia origino ti sanguinolentos
tumultos.
0 principe e princeza de Galles partiram
para Steckolmo para assislircm ao casamento da
princeza Luiza. Illha nica do rei da Snecla, com o
principe herdeiro da Diaamai r
0 governo dinamarqoez cada vez se eccupa
mais com o augmento da sua marinaa de guer-
ra. Com a conslrucoao de man^^^H^itas
eouracadas, lloara possuindo oito navios de vapor
ordinario?, em cojo numero entram quatro fraga-
tas o um vaso de primeira ordom- 0 governo vai
a|ipresentar os cmara* um projecto de lei para
reorganizar o pessoalda armada.
ITAMA E ROMA.
Dizem de Roma que os embaixadores das diver-
sa potencias no serao convidados para o pnjxi-
mo concilio.
Dlz-se que os governos allcmaes resolveram
unnimemente tomar attltnde contrara ao conci-
lio; tencioaam.fazor constar iste,mesmo acorte
deiRoma..
-bajete russo qniz cestabetocet as m.eaore|'
MJBSTA.
8 imperador promove una congregncao geral
dos bis|ios da roligio grega, denoqunaoa orthodo-
xi, aun*do tratar dos meio- de se oppor reunio
do concilio ecumnico.
Dizia-se haver grande aiiitaco naSrvia por
causa do prejeoto da ligae/ta dos caminboB de tor-
ro aostriaeos com a I nha' de G mstaiMJjwpla. Os
servios,receiam que este projecto comprometa o
trauco comniorcial pelo Danubio.
Por una correspondencia da Polonia para
una gazeta allema, saee-se paos sin os meios
violentos que o govemo nrsso est empregando
para a rutficacSo da Polonia. Agua o alvo das
suas iras s< os bispos catholicos polacos, aquelles
mesmo que at aqat mereciam a conlianca de S.
Petersburgo. Muitos dosios prolados tem sido exi-
lado?, loada ltimamente suecumbidu um destes
no eaminho do exilio. Mas o mais notavel desta
correspondencia dizor o autor della (pie tem co-
nhociniento de Bis colatorio foito ollicialmente ao
governo li: i o resultad o dai medidas em-
pregadas para u.'.i/'Odr a Polonia, e tp.ie n'este
relalorio s,' nssevera que estas medidas tem sido
contra arodaoontea, qao cada vez as classes illus-
trddas, apezar das vesacoes a que lera sido sub-
mettida?, t-'iu maior influencia no esnjmlttapovo,
e que o grande numero do emprefH^Hpsos,
eme ha quatro anno* inntiiiam o paiz, nfiotem foi-
to mais do qne aoirrar os odios contra o governo
pela sua neapacidade e avidez.
r-MTIT, M..
Era excessivo o calor em Lisboa, sendo que nos
ltimos das olevra-se ao tropical, oque fazia
i lar a populaoo abastada para Cintra, Cola-
res, Lumiar. Bemtica e outros arrabaldcs.
Sua magestade a rainhi j tinha comecado a
lomar banbps eiu Bailen, nao tendo anda obtido
melhoras.
Depois de muitos debates foi aflnal approva-
da, r:i cmara dos deputados a aotoilsacao para o
empreslimo, apenas com a maioria de quatro vo-
tos.
Snfro da fazenda apresentou s cortes
urna proposta Se W para a desarmotisa^ao dos
bens immoliliarios, que constituem os passaes-dos-
[laro^^^BBos estabeleclmentos de instrucejio,
i'TrenclB baldos dos municipios e parochias,
atit irisando o governo a despender at vjnte eoli-
tos de ris com os inventarios dos bens desa-
mo rl i;
Jia 12 reuniram-so, na secretaria da fa-
rros de fazenda e obras publieas,
PUilo (presldeute da carava dasdeputa-
dos) conde d'Avila, Carlos Bento e Braancamp,
para acordarem sobre o meJhor modo de levar a
efft'ilo o empresmo as condicSes mais vaalajo>as
para o paiz.
Espera va-so a todo o momento modiflcaQao
ministerial.
O cardeal patri.ircba de Lisbia uohava-se
inelhor de seus padccuentos, e Uvre de perigo de
vida.
Nosso correspoirtonte de LisbSa cscrove-nos
o seguiite:
Perto de qoMRO mil possOas visluram C-in-
bra, ] ib das festas da rainha Santa, nos
priinairos dU deste mez. A exposicu distrital
luarteau muitos etogiDi o W tffijrcto de estudo pa-
^ba gente, c'-omb-)! a pwco redtldo leva-
amda nw Ira nolicias).Em Tele, exbausto o co-
fre, havw fome e miseria. Em 8ofala, soffria a
guarnicao muitos priva(oes. Em Lourenco Mar-
ques, em 7 de novembro estar planeada urna
revolia; mas- o governadbr castigon os cabecas
(le molim depo de-ler pago tropa os prets de
jnlho e agoste de 1868. ^
\*J>o. dislricto- de InhamSivne as rmflCI s sao.
irniito importantes, porque servempara demons-
irrtr a exaggerocSo eom que se faltou do* iargo
aurferos d'aquelle dbtrielo.
* Jhrcharam pwra Lisboa nualro comprnihia
do reimento n. H (fc infamara- pora substituir
batetto de cacadere n. 2, que foi para* Mi-
UCk
Prete qne o Sr.. coronel Macado, de cacud-
1? 3 ^a enparrt-3adi> da subriWL de Pont Delgada.
N remara de S. Ubrrpato, qiieeosturoa'h*--
ver animalmente as i^lixiaidades-d-Guimarai;.
deram-se fre amentareis- ifesgracas, que conster-
na rain fedb o arraial : un ulher coaduaia pelo-
orno de um desliladoiro'dujs creaneas, urna ao
c-dto- a MM. pela me v. e.,^-rrtrm ^ajo luunto
aimixo. a? mwther quereud- salvar, depoi a
creauca qae- trazia nos braoos, o corren sobre a
outra- con' o mn do a segnrarna carreira; po-
rem toi tal a preeipitacao en qne o fez, que
concorreu, sem' o querer, unra a morte da des-
venturada creajvsa, porque or.lhado lainbem.- ea-
magou'a com- o peso do cwpo. A segunda iiue
navia deposto db eolio, teve igualmente a nfehri-
dade de perder o equilibrio t araesma surte que
a primen a, tendb' por causa db-sim morte as oaav
lusoes, que lhe resuHaram da -queda A mulber
ada se em pengn de vida no bospilal de Guima-
raes, havendo reeebido no proprio local Jo siuis-
iro os soccorros cspirituae.
J eslii-annnneiaifo para seguir de Lisboa no
da 1/ on 18 do cor rento para o-Par, MaranbSo
e Loar, o vapor-Jluranhense. que o segundo
pertencente A -compmwia Red Cr,m Une o Stea-
**, de IJverpoeb
Dizem-nos- sor um excellente barco como o
Paracnse, que- foi o inaugmador do nova linha.
0> terceiro diamar-sona Cenrense.
Foram ltimamente agraciada* as seguintes
liessas, resktontes no Brasil : Joaojiim Monleiro
da Cruz, habito de ChrNto : Franeisco Ferreira
Baltar, cominendador da Cooc idw : Pereira Ma-
rmho, baro desse non; I).vid Ferreira Bailar,
Francisco Anfoni. da-Silva liuimaries, Francisco
Collio Bastos. Jbw l^reira da Silva, Henrtqne
Bernardes de Oliveira, Manuel Cardoso de Almei-
da e Silva, commenda de Cliristo ; DP. J. Alaliba
de Gimensoro, habito (te Samiago.
AU.
capito coinmandanle da Iropa, ou porque nao se
lhe tivessem dado ordens positivas para descarre-
gar sobre os tres mil, e depois mais da dez mil
amotinados que de todos os lados os eercavam.
Estas noticias causaran! aqu profunda im-
presso. As interpellaces dos do|iulados pelos
Acores rospondeu o governo com o que ollicial-
mente saina de l, e prouietteu mandar forca
para fazer respeilar a autoridade e proteger a vida
e fazenda dos habitantes. Esperou-se ai ma ttns
diiu que. viesse a crvela Estephania quo tinha
ido a Brdeos conduzir S. M. a rainha a sua an-
imal digresso e logo que chegou meUeu maiili-
inentos para dous mazos, e a 7 do frrente ein-
barcaram porto deoOO pragas, que lauta a torga
do balalho de eacadoros n. 2, que foi o designado
pela sorte para a expedicao. Foram tambem 4U0
armas e niunicoes para os voluctarios existentes,
e para os que se bao de organisar. Ainda nao
vieram
reliro.
< Ha poucos dias chegou no porto de Lisboa o
uavio de guerra inglez Helicn, e logo se espalhou
pe a ilha daMadeira tambem se revolucionara,
e ipie o archypelago dos Acores eslava todo amo-
tinado.
- 0 governo nao recebeu odicios, nem ba car-
tas da Madeira por onde se verifique a noticia, a
que davam. j, por aqu as porporgoes de se lerein
os Acores declarados independenles como pro\ to-
cia dos Estados Unidos (amiga e bem nntrida ain-
bigo de muitssimos insulanos e cada vez mata
propagada pela imprensa local), o que a toa da
Madea seria entregue Inglaterra por unnime
accordo e manifest pronunciamento dos habitan-
tes, sendo estes successos nasedos de um pacto
ato ontre a Gr-Bretaaha e a Unio-Ame-
rieana III
Tudo isto e muito mais se espalhou em Lisboa
o mandou publicar as tolhas das provincias, em
quanto se nao averiguou que o aviso Helicn
acompanhara adoca lluetuanle que de um porto
inglez saliiu para Madeira com destino s Bermu-
das. A doca ou arsenal lluetuanle de taes di-
muusoes que foi rebocada por quatro .possantea
crvelas a vapor, e foi aviso do aliniranladu para
todos os portos martimos, para eonhecimenio da
navegagao, aviso osle que oficialmente se publl-
cava aqui no mea passado, logo qne ossa moos-
trosidade tlucuiante oomecou a viajar. Cbegada
a doca a Madeia, expedirn! o He)km paro de
Lisboa mandar para Inglaterra um despacho te-
legraphico, noticiando a cuegada, sem incidente, e
a eunlinuago da viagem da doca.
t Todo Lslo que 6 simples e natural, ainda que
extraordinario porque tem relacu com urna das
mais grandiosas conquistas da industria moderna,
dea pretexto aos noveueiros para espalharem, o
que nao passa provavelmente do echo, j adulte-
rado, da revorucao dos eonselhos do norte da ilha
de S. Miguel, que os lualezes ouviram sem duvi
da contar na ilha da Madeira.
E?peram-se pois cen certo interesse os cor-
teios das ifhas para adiantarera noticias que dissi-
poai a m improssao causada n5o s petos boatos,
mas ainda mais pelo que ha de itiste reajidade
com rebicao ao distrielo de Pona Delgada.
Houve noticias de Mocambiqua. 0 offipio do
gofrnadnr- geral de zS de. abril nftlmo.Em
toda a fombezta, havia soceep. nao send
jantes, enmmmoiadns peto Bopga 'Da
REVISTA DIARIA.
GABDA .\ACB)XAL.-Por delberwao da pre-
sidencia, de 2-'l do correte, foi transferido, a sett
pedido para a reserva, b-ando addido a socc.ao n.
15, o eapit da 21 companliia do balalho n. 4
do municipio de Serinhiiom, Joao SUrera Carnei-
ro da Cunha.
AUTORIDADES PLICIAES-Por Jeliboracio
da presidencia, de 23: do corronte, foi nomeado !
supplenle do subdelegado do Brejo, Leonillo de
Oliveira Mello.
GYM>rASIO PROVIMCIAL.-Por deliberaco da
mesilla data, foi nomeado repetidor d36te e'stabe-
leciinento, o Sr. Dr. Jos Elisio de Camino
Cont.
JAHOATAO.IMr autorisagao do S. E*e. Rvm.
o Sr. bispo diocesano, o sob a presidencia do res-
pectivo parodio, RmnataUada na fieguezia de Ja-
boalao urna contraria, para o flu de prestar culto
ao Santissimo Sacramento c ao padroeiro da ma-
triz.
Forauveleitos : juiz. o Sr. Candido Alfonso Mo-
roira, esorwio, o Sr. Jos Francisco do Reg Bar-
ros, thesonreiro, o Sr. Zoforino Ferreira Velloso,
procurador, o Sr. Luiz Pereira de Mello, o zelador
o Sr. Jos Fernandos Monleiro.
ESTARADA DA TORRE.-E de toda a juslica
e consentaneo eom a boa lgica que aquelles so-
bre quom pesam os impostoa, sejam aqninhoados
as vantagens ()ne devem offorecer aos habitantes
de uin paiz, acpielles (|ue curam de seus inleres-
si^s o piomovcm seus meHieramealM.
Noque diz respetan certo? gozos os morado-
ies da Torre e^tfvo actualmente n'ma excepgo
cruel em referencia ao que cima dizemos, visto
como, pagando os tmpostOs, acham-se como que
esqnecidos e ovilados n'um reeaoto de tena.
intimamente ama ponte ligara a Torre Ponte
de Udia as encas do Capibaribe levaran -
meio de comuiumcaco. e ficou substitnindo-o nm
os! h ler, que .presta malo servieo do transporte,
mxime nos dias chuvosos, pelas ffificuldades do
embarqu; e desembarque.
noticias que adiautem aquellas que lhe .va} la.d? ^ PassaReiq da Megdatooa a commu-
nicacao e dilildl e perjgo.-a, atiento o doploravel
estado era queso acha o rama! de estrada ipie alie
d accesso.
Pergu litaremos: ser esse oslado compalivel
com os direitos que nascem dos dveros, lielmenta
cnnipridos dos habitantes da .Torre? Cromos que
ningnem responder pela auVmativa ; c pois, re-
corremos em nome d'aquclles moradores ao E
presidente da provincia, ani llioranienlo se faga, quer da estrada que da Torre
vai Passagem, quer na cooimumfesco com a
Ponte do Ifehda. E" a justiea da causa quem re-
clama o beneficio pedido.
FERIMENTOS GRAVES.Na freguwia da Roa-
Vista, s 7 horas da note do 23 do corronte, Ce-
la no Thomaz de Aquino ferio gravemente, com
urna facada, a Romoo Manoel Alves, logrando era-
dir-se.
ROl^BO. Um fadrao que se suppoe ter-se in-
troduzido depois de dez horas da note por urna,
jaaella que licou.altrta no dia i.do corronte, na
casa de residencia do Sr. f)r. Luiz Lopes Casi
Branco, sita Capunga, conseguk) fugir i la ma-
drugada levando porrio de reupa, 8ia2W) rs em
sedlas e algumas pequeas moedas, urna volt.i
de cordo e um alftnete doneiio, tudodeonro,
nbjectos qne> se achav.rm centro de tuii I ah;
folha de Flandres. A polica local procurava pren-.
der o ladran.
BEPARTICAO DA POtIClA.-Sogundo as par-
tecipaeoes reeebi.tas iioc esta repartigao, no dia
foram recolhidos casa de detengo :
No dia 34, ordom du subdelegado do Recite,
Leopoldina Maria d Nasciumlto, por distur-
bios.
A' ordem do de Santo Antonio, Cosme, eseravu.
de Luiz Ferreira de Ajiuoida, a requeiiuicuto
deste.
A' ordom do de S. Jos, Isabel Maria do Espiri-.
lo Santo, por insultos ; o Floriauo Sebastiao, por
disturbios.
A' ordem do dos Alegados, Firmno Symplicio
dos Anjos, como indiciado etu crime de "furto de
cavallos.
No dia as, no hpuve prisao alguma.
TIULM0& Ul( ig APiPL'COS.-U n nos-
so asslgn.ante, que morece-dos considoragao, es-
crove-nos o seguate :
Pres sabbado 94 do corren le, nm
rete, na estaco dejta emproza, que revollou-nos
[o espiriir vado o conhoci-
\
t-w
MUTILADO



,

I
2
Jtt iQ OHJL Ifi i MI
Diario de Pemambuco Ter<;a feira 27 de Julho de
"'lo pagamento, disemlo
^pes alga;
'' pagas! I la
ira si.
na hscus
rdinario e eensu-
iruns; q
usa.
ment do sonhor gerente, aflm de que nao se re-y
produsa.
No trem das 6 horas da tardo, una pessoa,
qnereudo atravessar da raa da Aurora para SJHo
Antonio, embarcou no wago que se apmimava,
o primeiro junto-a machina.
O ca o passageiro nao teve,
portante, l!l$vHftu!f asentarse:
O empregado do wagio podio Ihe a pa>sagom,
c elle espomleu que p a furia na estacio.
Alii chegaJo, aprcscnton ao conductor urna
notado mil res p.ira pagamento, pedndo o troeo:
aqui'lle reeusou reeobi-r, solicitando deaeulpa da
exigencia que tinlia feilo.
wpassageiro asisti
que nao quera Ja empr
se havia di reno, co^^^
passagem, nao quera
c.jnduelef ai rula
Ate aqu aada ha e
ravel, menos que nanse julgue como tal, a re-
cusa do couductor mobranca da passagem de-
vida. *
t O senhor gerente quo.ajuste cssas conlas.
O passageiro, iMitretjpito, que queria pagar,
vechado com a recusa em ouestao, cntrou no es-
eriptorio da estaca), que tinhrt a portn aberta, e
depositou ora cima do balco a nota sobredita, pe-
dindo o descont da passagem e o restante.
< Sabe-lho de banda, mu tal Sr. Felippe, que,
pelo cognome nao >erea, todo aeeso ein ira, repre-
prehende-o speramente, e poe-no fra da porta,
apezar das oliservacoes que he faa a pessoa, di
zendo quo ignora va essa interdiccao para os pro-
fanos dos escriplorios das estacos, pois nenhum
aviso ou letreiro lera a porta, privando do ingres-
so a quoin quer que fosse para negocio da empre-
za. e que, portanto o deseulpas Nada disto llio valeu, euntra o mo genio do
tal senhor, que continuou a vociferar, todo ama-
relio c suJToeado ; a pessoa prudentemente ret-
rou-se para evitar maior conflicto, recebendo do
conductor, que, afinal, se resolveu a receber a
passagem, o troco que Iho perteneia.
Confiamos, pois. que o senhor gerente, que
nos paeece um cavallieiro perfeito e educado, to-
mara na attencao precisa essas nossas ohserva-
coes que julgamos dignas de surnma considera
Cao, por qualquer lado que as encaremos. >
EM TRANSITO.Ou oe reeebidos era nosso
porto evou o ouro para os portes do sul do mi-
no 109 passageiros.
GNEROS DE ESTIVA.O vapor inglez Douro
trouxe 321 caixas com queijos, sendo : 40 a
Thomaz dv. Aflamo F. 4 C, 15 a ('. Alberto So-
dr da Motta, 48 a Carvalho Zenha 4 C, 58 a F.
A. Ilonteiro Jut |t8a J. I. Gonealves Beltrao,
s, 4 a J. M. Palmeira. 14 a J. M.
da Rosa 4 Filhoj 9. Gerardo de Bastos, 10 a
Barbosa 4 C, (II a"uilva 4 Joaquiui Folippe c 13
a Joao Martina de arros.
DINHEIRO O vapor Douro tMuxe para os
Srs. Augusto F.de Oliveira 4 C 1,000 em ouro.
NAVIOS A CARGA. Ficavam : cm Lisboa
Oralidao e Bell" Figueirense para Pernambuco,
Vanda para o Cear, Ugeira para o Para ; no
Parto Laura, Sapkyra e S. Joao pana Pemambu-
co, Maria Carolina para o Maranhao, Amazon-i
e Flor de Vez para o l'ar.
NAVIOS SAH1D0S.De Lisboa Constante 11
para Pernambuco a H ; do Porto Uniao e Ade-
laide para o l'ar a 28 e 30.
NAVIOS NUGADOS A' Lisboaa 1 Ligeira
do Para, a 12 Lisboa e Pereira Borges de Pernam-
buco ; ao Portoa i Clawlina de Pernambuco, e
a 6 tortuosa do Maranhao.
OLINDA.Temos queixas contra o methodo de
ensino d cert i professor publico da comarca, de
Olinda, e mais ainda a folg.ioca que concede aos
alumnos, pois que ha semanas em que s da um
e dous dias aula, oecupando-so nos oatrosem di-
versos servicos. O nosso informante accrescenta
que a aula frequentada apenas por dez ou doze
alumnos, os quaes nenhum aproveitamento tem,
devido falta de liedes. Chamamos para isso a
attencao do Sr. Dr. director gerai da instruccao
puMii-a.
CONCILIO ECUMNICO. Aproximando-se a
poca da reuniaodo concilio ecumnico, julgamos
opportuno indicar o numero de representantes da
reja catholica que formarao aquella grande as-
serabla.
As cadeiras episcopaos e abbaciaes que podem
estar representadas no concilio sao em numero de
850. O direito dos biscos ni partibus inpdeium
ainda nao est estabelecido definitivamente. Ac-
crMeeme-se aquella numero curan memliros la
assembla .'i7 cardeaes, faltando ainda por no-
mear 15.
Estes 922 membros provareis do concilio divi-
dem-sc em 40 eardeaes italianos, 294 bispos da
mesma nacao, 66 hespanhes, 22 porttiguezes e 90
fraucezes; total 512 diguitarios de raja latina.
Seguem-se depois 77 bispos brasileiros, mexica-
nos ou da America do Sul, o quo faz subir a 600
o numero de bispados do ra^a latina.
l'erto de 60 dessas cadeiras episcopios estao va-
gas ua Italia e provaveimente deixarao de ir a Ro-
ma os titulares de nutras 160.
Por conseguale s assistirao ao concilio uns
VW bispos latinos.
Por outro lado espera-se que eoacorram ao eon-
losEs-
HHl ICAGfIFS A PCIIinn 'jseofres pblicos tantos empregados que, ha bem
I UUklVflWtO n CUIUU. i poucos dias, com verdadeiro Jisnlante. sa anresen-
0 correspondente Ugiutro-liberat desta provin-
cia para o Jornal io Commercio, entendeu que.sob
a forma de carta particular, publicada no Junnl
do Io do corrente, poda (Jarexpansao de seu o

  • pessoal ao Exm. Sr. vce-president desta provin
    eia. (|ualiilcaodo a sna administracao dearbitra-
    ria viMenta, e o sea earaeter de per/Uo e des-
    leal 1
    Assira proceden lo, falsetu a missio de orgia]
    da opposirao, o faltou verdade geralmcnle cu-1
    nlieeida na provincia.
    O que todos sbeme que S. Exc. tara dirigido a
    administracao com justica e moderacao, tornndo-
    se cada vez mais digno do alto conaaito de que
    goza por seu nobre carcter.
    Na assemMa provincial ni? se erfteu contra
    S. Exe. outra voz, que nao a do deputado Amaral
    e Mello ; mas essa mesma nao foi apoiada, e antes
    contestada por vozes insuspeitas.
    O Liberal, orgo do tgueirismo liberal, e os de-
    mais peridicos da opposico, excepto o Tribuno,,
    tem respeitado a administracao, e acatado o ca-
    rcter d i digno administrador.
    Onde, pois, foi o correspondente beber inspira-
    coes para as. censuras que fez, a nao ser em sen
    gratuito odio T
    Bem se v que nao escreveu elle para esta pro-
    vincia, onde sio bem conhecidos o devidamente
    apreciados es actos da administracao. Entretanto
    notavel que, quando elle se expressa por sema-
    Inania forma, o Sr. marqnez de Olinda, no enad,
    assegura que o comportamento do Exm. Sr. Dr.
    Portella tem desagradado aos conservadores, e que
    por este motivo S, Exc. ser substituido breve-
    mente I
    Como se explicam taes contradiccoes ?...
    Feitos estes ligeiroi reparos, apreciaremos os
    poneos das, com verdaleiro Jisplante, se apresen-
    i taram no Cl.ib Peruambucano para a rcum
    na missiva, a que nos temos
    rus-
    cilio 38 bispos de Inglaterra e Irlanda, 32 dos
    tados-Unidos, 20 da Grecia e Turqua, 12 da P
    lia, 8 da Batiera, 43 da Austria, 6 da Blgica, lo
    Ja Ilollanda e 16 do Canad.
    Os dispos da Polonia, Russia e Oceania nao as-
    ailtrao provaveimente. Os armenios, os gregos
    nidos que ha na Austria, na Russia e na Bulga-
    ria, os syrios, os eluldeos e os maruiiitas concorre
    rao em pequeo numero
    FUNDOS BRASILEIROS.Eram assim cotados
    ua praca de Londres, ultima data :
    8 "'o de 1859 85 a 90 nom.
    5 oyO de 1863 83 1/3 a 84.
    I l/iQ.'o de 1832-58-60 72 a 76.
    ' 4 1/2 0,o de 1863 69 a 71.
    NOTICIAS COMMEBCIAE8.-E8 as ultimas das
    nrincipaes praeas de Londres, trazidas pelo vapor |
    mgle Domo :
    l/mdm, 12 de julho.
    O algodo subi 3 8 e conserva-se firme aos
    iirecos de: 12 13 12 o de Pernambuco, 11 3/4
    a I i 1/4 oda Parahyba, 12 3/4 o de Macei, 12
    a 13 i/i o do Maranhao, 12 a 13 1/4 o do Rio
    Grande, e 12 3/4, o do Coai.
    ' O aasuear teve urna baixa de 6 d. em 112 li-
    bras, ficando o branco do Brasil do 26/ a 28/, e o
    mascavado de Hl, a 2i .
    O caf baixou tainbem 2d. em 112 libras. Ven-
    e de 38 a 73 d., segundo a qualidade.
    O caeo do Para vende-se de 45 a 53 d.
    Havre, 12 de julho.
    O algodao (lea animado c firme, sendo o de Per-
    nambuco ordinario vendido a frs. 154.
    O eaf est calmo aos precos de frs. 34 a frs 38.
    O caeo do Para muito firme.
    MMUNDICIA Chamamos a attencao do res-
    pectivo Sr. fiscal, para o largo do arsenal de ma-
    rinha e Forte do Mattos, onde a immundicia
    grande.
    PROTESTO DE LETTRA. O escrivao dos
    protestos Jos Marianno, est de semana, ra de
    Santo Amaro n. 20.
    LOTERA.A que se aeha a venda a 113.*, a
    -beneficio da Santa Casa de Misericordia que corre
    no dia 4.
    PASSAGEIROS.No hiate Graciosa saludos pa-
    ra o Aracaty: Custodio Ribeiro Guimaraas e An-
    tonio.
    No vapor laglez Douro sabidos para os por-
    tas da sul : John G. Wlios, Eliza Brignez e i'rank
    DeiuuV-.
    CEMTERIO PUBLICO.-Obituario do dia 23 da
    julho de 1869.
    Maria Leutheria de Jess, Pernambueo, 27 an-
    aos, solteira, S. Jos; parto.
    Amelia Carolina do Reg, Pernambuco, id ao-
    solteira, Santo Antonio; tubrculos pulmo
    nares.
    Jos Vieenta Soares Madeiro, Pernambuco, SO
    autos, casado, Becife ; phiysica pulmonar.
    Js, Pernambuco, 20 mezes, Boa-Vista ; oon-
    A'ulc^e*.
    Rufloa Maria da Conceico, frica, 75 annos,
    casada, Rcifo; herysipcla.
    Atibar, Pernambuco, 1 anuo, S. Jos; con-
    -vulcSes.
    Florencia Maria da Conceieao, Pernambuco, 45
    annos, solteira, S. Jos; bepalite ehronica.
    nerosa Maria do Rosario, Pernambuco, 22
    annos, solteira, S. Jas; inflammacao.
    Flix de Velos Caldas, Pernambuco, 32 annos,
    oltro, S. Jos : innammaeao de entestino.
    -25-
    Paala Hara da O ncei.^#, Pernambuco, 60 an-
    nos, solteira, S mo Antonio; ebre typbode.
    Jos Podro da Silva, Pernanbuco, 50 aano3,
    viuvo, Doa>Vista; pleumonia.
    Balbina, Pernambuco, 2 aonc, solt*'"3. Boa-
    Visu; tubrculos pulmonar
    Ubaldina Xavier d Pcraa"
    factos mencionados
    referido.
    O primeiro facto argido exposto nos segua-
    los termos :
    Tendo a assembla usado da attribuieo que
    privativamente lite confere o acto addeional no
    art. 8o, de designar o dia de sua abertura, resol-
    veu que esla tivesse lugar no dia Io de setembro, e
    remetteu asna resnlueao ao presidente da provin-
    cia, para faze-la publicar.
    O Sr. Dr. Manoel Portella, vice-presdente, po-
    rm, entendendo absurdamente que essa resolu-
    cao da assembla dependa de sua saiiccao, dei
    xou de mandar publica la, violando assim expres-
    samonle o acto addeional, de cujos arts. 8, 10.
    11 e 13 evidencia-se que a attribuieo de desig-
    nar o dia e lugar para a reunio das assemblas
    provinciaes, da competencia exclusiva d'ellas, c
    independente da sancejio dos presidentes de pro-
    vincias. Ignoramos qual o pretexto que autonsou
    esse procedimenlo illegal e absurdo do vice-pres-
    dente, que nao so aparta das normas do goverho
    violento e arbitrario que opprime o paiz.
    Nesta aecusacao vai manifesla ignorancia da
    parte do correspondente, que se v nao entendeu
    as disposicoes citadas do acto addicional.
    O proiecto que S. Exe. reeusou sanecao,
    concebido nos seguintes termos :
    Art. 1. A abertura da assembla legislativa
    provincial de Pernambuco, do anno de 1870 em
    diante, ter lugar no Io de dezembro de 1870.
    * Art. 2. O orcamento de 1869 a 1870 conti-
    nuar em vigor a't o flm de dezembro de 1870,
    eoniec.ando o novo anno financeiro no dia pri-
    iiieiro de Janeiro at o ultimo de dezembro de
    1871.
    Dos termos deste projecto evideneia-sc nao ter
    elle apeuas por fin designar dia para a abertura
    da assembla provincial, como inculca o miss'vis-
    la, mas tambem alterar o anno financeiro, o pro-
    rogar o orcamento.
    Ainda quando o seu nico fim losse a designa-
    gao de dia para a abertura da assembla, nem por
    isso deixana de estar sugeilo sanecao.
    A designacao de dia e lugar para a reunio das
    as.-emblas provinciaes da compeU-ncia dellas,
    mas nao privativamente, como pretendo o corres-
    pondente ; depende da sanejo presidencial.
    Os actos inherentes s attribuieoes das assem-
    blas provinciaes, que nao dependem do sanecao,
    estao especificados no art. 13 do acto addicional, e
    nelles nao est comprehendida a designacao de lu-
    gar e dia para a reunio. Os axU. 8" e 8 do ac-
    to addicional, dando s assembla provinciaes a
    attribuieo de designar o lugar e marcar dia para
    as suas reunioes, na i excluem a'sancco ; essas
    attribuieoes sao exeredas por actos legislativos,
    que coni'i lacs licam i-omprebendidos na regra da
    intervemjab presidencial, para que pela sanecao
    tenliain lorca de le. Nunca foi isto posto em du-
    vida, e nesta provincia foram sempre ugeitos
    sanecao os projectos relativos designacao de dia.
    A primeira vez (jue a assembla desta provincia
    designou da para a sua reunio foi em l-37.; o
    projecto foi submettido sanecao, e sanecionado
    pelo entao presidente Vicente Thomaz Pires de Fi-
    gueirodo Camargo, constituindo a lei n. 47 de 15
    de junho do referido anno.
    A segunda foi cm 1843 em que adoplou o pro-
    jacto, mudando do primeiro de marco, designado
    por aquella le, para o primeiro de julho : foi an-
    da o projecto submettido sanecao, e effectiva-
    mento sanecionado pelo entao presidente conse-
    Iheiro Thomaz Xavier Garca d'Almeida : a lei
    u. 137 de 8 de abril do mesmo anno.
    A terceira fui em 1846, revogando a lei n. 137
    de 8 de abril de 1843, restabeleeendo o dia de-
    signado na de n. 47 de 15 de junho de 18 7; foi o
    projecto submettido sanecao, e sanecionado pelo
    entao presidente conselheiro Antonio Pinto Ch-
    chorro da Gama; a lei n. 154 de 31 de mareo
    d'aquello anno.
    Quando, pois, tres presidentes cntendram, em
    cada urna das tres uaicas vezes que a assembla
    designou dia para a sua reunio, quo deviam in-
    lervir com a sna sanecao, para estranhar que
    smenlo a respeito do Exm. Sr. Dr. Portella haja
    quem entenda nao ter elle o mcsino poder.
    Assim como aquelles administradores tiveram
    poder para intervir sanecionando, S. Exc. deve
    ter poder para intervir recusando a saneca, a
    menos que haja quem absurdamente entenda que
    o poder do sanecionar nao envolve o de recusar a
    sanecao.
    A competencia ou poder para intervir, dando ou
    recusando a sanecao, nao pode ser contostado ; a
    le constitucional e a sua execncao o mostram com
    evidencia, como temos exposto.
    Recusando sanecao qnelle projecto S. Exc. nao
    teve procedimenlo illegal e absurdo : sua reco-
    nhecida intelligoncia e illustracao nao Ihe permt-
    tem a pratiea de um acto, que como tal possa ser
    qualificado.
    Para recusar a sanecao, S. Exe. nao procurou
    pretextos; attendeu iiicontestavelmente ao inte-
    resse publico e iettra da lei constitucional.
    Pelas Icis provinciaes citadas mostra-se que tem
    sido sempre mantida a designacao do dia primeiro
    de marco pira a reuuiao da assembla, soroente
    em 1845 foi mudado, mas logo reslabelecido em
    1846: tem, pois, em sea favor a opiniio dos legis-
    ladores da provincia, durante o nao pejueno
    periodo de mais de trinta annos, e para al-
    tera-la como fez o projecto, seria preeiso haver ra-
    zo de conveniencia publica, que nao foi manifes-
    tada na discussao e e descunheeida.
    Accresee que o projecto nao sanecionado con-
    ten roais duas disposicoes, urna inconveniente, e
    outra inconstitucional, que S. Exc. nao poda
    deixar de attender.
    Inconveniente, a que altera o anno financeiro,
    fazendo-o correr de Janeiro a dezembro, quando
    tem sido sempre, exemplo do geral, regulado de
    jumo junho, sern que nenhuma razio justifique
    tal alteraco, que, a prevalecer, nao podia deixar
    de alterar a escripturacao da thesouraria e per-
    turbar as actuaes arrematacoes da impostos.
    Inconstitucional, a que determina que o orea-
    monto de 1869 a 1870 (de julho a junho) continu
    | at dezembro. A fixaco da receita e despeza (art.
    10, 5" e &> do acto addicional) attribuieo da
    assembla provincial, dependente de orcamento
    do presiaente da provincia : o orcamento propos-
    to pelo presidente da provcia, foi para o anno fi-
    nanceiro de julho de 1869 a juniio de 1870: a
    prorogacao da lei do orcamento por mais seis me-
    zes (juho a dezembro de 1870), impertaria le-
    gislar a assembla sobre receita e despeza provin-
    cial sem a base proposta do presidenteexigida
    felo acto addicional. Somonte para o anno de ju-
    no a iunho para que uouve proposta, podia a as-
    sembla decretar a roceita e despeza, mas ato
    para seis mezes mais, para os qnao3 nao houvc a
    neeessaria proposta. Fazendo-o, exhorbitou del
    suas attribuieoes, e ferio a expressa disposicao do
    acto addicional.
    O segundo facto a machina da derrabada, que
    diz o correspondente haver estado suspensa du-
    rante a sessao da assembla, o logo desfechada
    apenas encerrada a sessao.
    _ E' preciso muito desembarazo para assim faltar
    verdade.
    0 Exm. Sr. Dr. Portella nem antes e nem de-
    pois do encerrada a assembla procedeu a derra-
    bada.
    Sepelio tivesse em viste lazar derrabadas, n|o
    punido progresista liberal. Para isto nao atienda
    n conliecid > horrasp nidente, e:n cujo espirito
    s impera a paixib poltica e o odio pessoal.
    iiues foram os empregados demitlidos? Ape-
    nas refere dons : o Dr. Mergulhao, qne pelo seu
    comportamento na assembla provincial bem mos-
    ou c| io n podia continuar a servir o lugar; a
    um empringada da secretaria 'lifoverno, caja in-
    eapac*lade oara o Ingar que oceupava por to-
    dos reconbe
    0 Sr. Dr. Antonio Domingos Pinto foi nouieado,
    sivisi, pirque S. Exc obrigou-sa
    pelos servicos prestados s d;i freguaria
    de Santo Antonio a abrir !> na vida pu-
    blica.
    O Sr. Dr. Pinto bem conhecido nesta .i lade,
    migo iniolligeute ,;honeste, contra elle o missiris-
    ta n) capa de argir uin s facto, de apresen-
    lar um s acto que o possa desconceitaar.
    As elciees da freguezia decanto Antonio nao
    foram o fructo da violencia ou da oorrupeo.
    muito bem podem informar ao correspondente
    os liberaes e progresistas, que testemunharam os
    brilhantes triiunphos'do partido conservador, qur
    em junlio, qur em setembro do anuo ftndo.
    A nomeaco do Sr. Braga para o cargo de sub-
    delegado de Baixa Verde nao escapea ao missivis-
    la que, procurando a todo Irause aecusar o Exm.
    Sr. Dr. Portella, lembrou-se de direr que Braga
    tem dous lilhys criminosos, esquecendo-se de que,
    ha bem poiica tempn, foi elle elogiado pelo Jor;ia/
    do Itecfe por ter entregado polica um filho cri-
    minoso '
    PerguMfe o correspondente como tem procedido
    Braga, e todos os habitantes de Baixa Verde Ihe
    di rao qneelle tem com energa perseguido e pren-
    dido os criminosos, que tem-se afugentado d'iquol-
    la I icalidade, dcixando tranquillos os sous habi-
    tantes.
    E' a nomeaco de um homem como oste qne o
    correspondente aproveita para insultar a S. Exc.
    suppondo talvez que hoje, como outr'ora, a polica
    pactua com os criminosos.
    Est, pois, bem demonstrado que nao tem ha vida
    derrabada, o que nao desejamos; mas com sinee-
    ridade lamentamos que.a espada da justica nao
    tenha ainda sido desembainbada para fazer de
    apparecer das repartices publicas tantas harpas;
    e acredite-nos o missivista que somonte pode-se
    justificar S. Exc por attenderse a que elle vice-
    presidente da prov ncia, e que tem querido pre-
    ceder deaccordo com o governo imperial, flue, se-
    gundo d[sse o digno ministro da niarinha, ae pro-
    posilo nao tem querido dispensar os empregados
    subvencionados pelos cofres pblicos.

    -.*-";"Hdo CGSscrvader.
    J que se aeha no poder o patrioticr'partidn
    conservador, que tem sido o autor das grandes
    reformas praticas, que hoje gozamos, que na
    presente legislatura ter de roalsar oulras que o
    paiz reclama como indispensaveis, para que possa
    gozar de urna mais robusta o livre existencia, a
    elle me dirijo, pedindo-lhe que por um momento
    preste attencao a rude mas verd dera exposcao
    que Ihe passa a fazor um seu correligionario sobre
    o cancro que est acallando com a morbidt exis-
    tencia da agricultura brasileira, e sobre i igno-
    rancia da nossa populaco.
    Em quanto ao meu fraco pensar, nao tanto a
    falta de bracos que concorre para acabrunhar a
    nossa agricultura, e sim attribuo a tres causas
    principaes e romediaveis, que sao : 1*, a moro*-
    dade na conducao dos genero*; 2a, a caresta dos
    frats de>tos na conducao para o centro do mer-
    cado ; 3, e principal, a usura dos agiotas e cor-
    respondentes.
    Em quanto as duas primeras, pens que s as
    vas fe reas no* traro rapidez de conducao, e ba-
    ratear o frete, pois que acabariam com a condu-
    elo dos gneros agrcolas em costas de animaes,
    que alm da morosidade, nos traz o extravo, o de-
    terioramento dos mesmos gneros, por serem con-
    duzdos expostos s intemperies do tempo, e o pe-
    sado onns de 500 a 1*000 em arroba sobre o pre-
    co corrente do mercado, o que reduz o agricultor
    a pouco ou qua-i nada lucrar, alm do costeio de
    suas fazendas, tendo ainda os do norte do imperio
    de Hitar com as seccas ou irregularidades das es-
    lacoes, que as vezes os reduzem em alguns annos
    de pequea prodcese a nao tere n lucros sufll-
    cientes para oworrerom a m ir,.-* m^mnun
    sMaw nucessidados, o s v.*jnv'por isso forcados a
    recorrerein aos usurarios e eorrespondentes, ver-
    dadeiros zangos da agricultura bra-ileira..
    Em quanto a terceira causa, pens que o meio
    nnico do remediar e sanar, o estabelecimento
    qaanto antes de um banco rural hypotneeario es-
    tabelecido na capital do imperio com liliaes em to-
    das as suas provincias agrcolas, para que estes
    fornecain somameoo agricultor dinheiro pelo me-
    nos a C por cenia ao auno, e a prazos annuaes e
    longos, mediantA hypotheea em sua propriedade
    agrcola, dando-se-lhes somonte at dous tercos do
    seu valor real, cuja avalaco se poderia conse-
    guir pelos meios judiciaes, pagas as despezas pelo
    pretndeme.
    O governo dever ser o principal ou quasi o
    exclusivo accionista do banco, ainda que, para slo
    tenha de contrahir um emprestimo dentro ou fra
    do paiz, e fazer alguma cniisso, porque sendii a
    agricultura principal fontc da riqueza do estado.
    ou a principal arterea que o vivifica, fl irecendo
    ella ter este de ver os seus cofres abundantes de
    ouro, que servir nao somente para amortisar a
    enorme divida publica, como para ser empregado
    cm outros niftllioramentos moraes e materiaes, que
    sao por elle lo redamados.
    Poder fiorescer a agricultura de algum paiz
    quando dous tercos de seus agricultores (digo isto
    em vrtude do que ocularmente observo nesta co-
    marca e em toda a provincia de Pernambuco.
    d'onde bou filho e onde moro) alm da falta d
    bracos e de machinas que a estes suppram, e vi-
    vendo uns j affogados, e outros prestes a aflbga-
    rem-so no pelago da usura, se vem ainda (orea-
    dos em annos menos productivos a recorrerem aos
    agiotas e correspondente* para estes lhes form-ce-
    rem dinheiro a 2,:), V, 5, e at 10 por cento ao
    mez (como observo continuadamente) e a paga-
    mento de 6, 8 e 10 mezes, para supprirem >uas
    necessidades, por taram as vezes entregado a
    aquplles o pooeo que lucraram, e que reverte no-
    vamente j sem poder medanle nova usura ? E
    com Lies meios, e reduzidos a tal estado, podem os
    seus agricultores melhorarem os utencilos da la-
    voura, supprirem os bracos por meio da introduc-
    Cao das machinas apermesadas, e lavrarem a tr-
    ra cm maior escala Nao, por certo; um tal paiz
    vera, quo no correr de annes, a pobreza o inva-
    dira, e qne seus agricultores ficanam reduzidos
    miseria com suas familias (como tem acontecido
    com centenares da agricultores) por se verem des-
    pojados dos bracos que possuiam, e de sua pro-
    priedade, que ou ir (car inculta e em abandono
    em poder dos usurarios, ou passar para o poder
    de alguem, que mais tarde tem de ser victima
    (lestes, e assim iadcfniitivamente, o que por erto
    nao succeeria se elies achassem, medante hypo-
    theea em sua propriedade, dinheiro a 6 por cento
    ao anno.no s para os soccorrer na escasez da
    produccao, como para melhorareiu os seus uten-
    cilios, o lavrarem a trra em maior escala.
    Nao tem 0 governo gasto centenares de contos
    de res com a colonisacao ? O que tem conseguido?
    frai riamos com a creacao deste, e sem o es-
    tabelacimenlo daquellas, porque do que nos ser-
    vira a rpida conducao e a b^raleza de fretes, se
    M rnnliados com a usura nao podem os agri-
    cultores adquirir novas machinas, nem augmontar
    e duplicar as suas plantacoes? Um tr>te exemplo
    desta verdade nos offerece a va farrea do Recife-
    ao S. Francisco, estabelceida ao sul desta provin-
    cia, ondeajwigria .los agricultores tem, ver-
    dado, rpita de conduca e bartela de frete, po-
    riri nlo podando pelas' razocs expostas dnplicar
    as suas planta$oes,para assiqi usubuirem maiores
    'ueros, se acham hoje tanto ou mais sobrecarrega-
    dosi dividas, do quo antes da in-tallaco da-
    quelw-astrada, motivo porque eila ao tem tirado
    lucro sulllciente para que o governo deixasse da
    pagar-lhe as 7 por cent > que Ihe garanti, o que
    por certo nao leria surredido se anteriormente ti-
    vesse sido ereadoo banco alludido.
    Tambem A efeaco do banco do Brasil cm vez de
    proporcionar algum beneficio a agricultura, tem
    concurrido.para o seujuaioratrazo, porque apenas
    prinoipiou elle a funccionar que a seus cofres ro-
    carreram-os agiotas e quasi a totalidade dos cor-
    respondentes, e Ihe tomaram dinheiro a 8 e 10 por
    cont ao anno, para o darem aos agricultores, os
    agiotas, a 24 e 30 por cento, e os correspondentes
    a 30, 35, 40;e 50 por cento, como tenho verificado
    entre roaos prenles e amigos, cujos juros parto
    incluido na letra que assigna o agricultor, e parle
    Ihe extorqndo pelos ltimos na compra que fa-
    zem dos utencilos da lavoura, das fazendas e dos
    gneros que rcmeltem para o costeio das fazendas,
    alm dos 3 por cento que lram do que compran)
    e vendem, 80 rs. que igualmente tiram de correta-
    gem de cada sacco de assuear ou caf, e mais 100
    rs. que alguns subtraliem no valor por que ven-
    dido o genero no mercado, o que por certo nao
    sucedera se estabelecido o banco os agricultores
    a elle podesse recorrer, e adquirido o dinheiro com
    elle pagassem vista tudo quanto comprassem.
    Nao tendo o banco do Brasil prestado utilidade
    alguma a lavoura, e ante pelos motivos oppostos
    leudo c ncorrido para sua decadencia, visto que
    os agricnltores nao podem satsfazer compromisso
    de dinheiro tomado por 4 e 6 mezes, nao prestou
    utilidade alguma ao commercio, porque nao flore-
    cendo aquella nao pd* florecar este, e por isso
    intil parece ter sido a sua creacao.
    Amda na cmara dos nobres diputados, na
    sessao de 4 de junho do corrente anno dis^e o
    nobre presidente do conselhoque nao no< fiemos
    smente na uberdade do nosso slo, a fertilidade
    de nossas trras, nossos rios caudalosos, e as nossas
    maltas de nada sarveriam se o trabalbo do homem
    nao visse fecunda-las, porm, como poderemos
    aproveitar a uberdado de nosso slo se quem o
    podia cultivar se v impossibilitado de o fazer por
    *?c a?r .e8ma,do com o peso da usura, e sem
    Entendj que s os meu s cima apontados po-
    tlcro conenrror par quo oo ngricultores, e por
    Pouco ou quasi nada; portanto, organise j e j
    um banco rural hypothecario e de emissSo. tendo
    em vistas as razucs expostas, e ver que os agri-
    cultores braseiros o bemdizem por os ter arran-
    cado das garras dos usurarios abutris, e lhes pro-
    porcionado meios para pagarera suas dividas com-
    modamente, e grangearem assim fortuna para le-
    garan a seus deseendentee, ao passo que o paiz
    cora as plantacoes em maior escala, e cora, maior
    quantidade de brasossuppridos pelo ein.trego das
    modernas machinas, nao somente recuperar o
    prejufao causado pela empate dos capitaes contra-
    lidos, como ver entrar logo no anno vmdouro e
    nos seguintes para seus cofres milhares de contos
    de ris, mais do que aetuajmente.
    Com a satlsfacao desta* duas importantes e in-
    dispensaveis necessidades, principalmente a da ul-
    tima, poder o governo desde logo marcar um
    prazo, nao muito longo, findo o qual ficar para
    sempre extracta no imperio a oscravatura brasi-
    leira, aatithoso verdadeira de nossa civilisacao e
    |liberdade.
    Tendo os agricultores dinheiro a juros mdicos,
    como o de 6 por cento ao anno, anda que sobr
    hypotheea em sua pro iriedade, nao somente se
    ammar5o a adquirir a ntroduzir em suas planta-
    coes os melboramentos modernos que Ihe tragam
    augmento de prodcelo com eroprego de menas
    bracos, corto nao Ihe faltariam bracos Ti vres naeio-
    naes para duplica-los, a assim usufruirem maieres
    lucros, dVixando que a colonisacao no- chegue ei-
    pontanea como nos Estados-Unidos, e nao a podar
    do ouro, amo tero querido alguns de nosjos eita-
    distas.
    Pouca vantagem tiraramos do estabelecimento
    adas, n|o das vias frreas, sera i creacao do banco rural B
    iiaqi por certo ainda boje roebeado ordenado I pothecarij o i enbs5> aa passo qae muiros l
    conseguine o estado tire proveilo da fertilidade de
    nossas ierras, de nossos rios caudalosos e de nossas
    mattas; portanto, boje mais que nunca convm,
    que os altos, Ilustrado* e patrioiicos representan-
    tes do paiz cuidem da agricultura para* que ella
    se torne a alavanca, que o tem de erguer do aba-
    timento m que se aeha, devido a patritica, mais
    disastrosa guerra do Paraguay, cujo estado ainda
    mais se agravar com a creacao do imposto de 40
    por cento sobre os gneeros do consumo.
    Sobre a ignorancia em que jazmais dedous tercos
    de nossa populacao, emendo que dous sao os meios,
    quo muito coucorreriam para que ella desappare-
    cesse em grande parte, ou de todo,primeiro,
    cranlo o governo escolas publicas em lodos os
    lugares onde podessem haver mais de 10 criancas
    aplas para adquirirem a instruccao primaria ; se-
    gundo, reformando os altos poderes do estado a
    actual lei eltitoral, e subslitundo-a por outra, cuja
    base principal fosse que licaria privado do direito
    de votar todo o cidadao brasileiro que nao son-
    besse lr e escrever, ainda que milhonario fosse,
    porque este seria o maior incentivo para que os
    pas m.uidassera os seus filhos s escolas, atim de
    que estes para o futuro podessem concorrer com
    os seus votos para a escolha dos altos representan-
    tes de seu paiz, do que se achavam elles agora pri-
    vados por nao terem seus antepassados os man-
    dadas ensinar, e para melhor njicar o meu pen-
    samento aprsenlo aqui a reforma da maneira,
    quo eu entendo que deve ella ser feita:
    Art. l. Fica abolido o actual systema de eiei
    cao, que ser substituido, pelo comido nos para-
    graphos segrales:
    Al-t. *.- N-t ,H ttmn.i'kr {rol* MWIM ac 10 llO-
    ras da manha se reunir na greja matrix de
    cada reguezia o povo quo voluntariamente auizer
    concorrer para a cloicao, que se deve proceder, e
    posta no corno da dita igreja urna mesa cm
    assentos lateraes, o Ia juiz de paz do 1" dstricto da
    matriz tomar assento era sen topo, e convidar
    os seus dous immediatos na ordera da votaco para
    juizes de paz, os quae> j deverao ter sido convo
    cados pelo primeiro 30 dias antes, o com estes
    compor a mesa da assembla parochial que tem
    de receber, e apurar as cdulas doscidados, que
    qnizerein e puderem votar.
    Art. 3 Votaro directamente para senadores,
    deputados geraas o provinciaes, juizes de paz e
    vereadores todos os cidados brasileiros, que tendo
    um meio de vida honesto e publico, estiverem sen-
    Ios de c.imes passado cm julgado, se apresenta-
    rem com um vestuario lirapo e decente, e soube-
    reui ler o escrever.
    Art. 4.' Para que a assembla parochial possa
    verificar, que o cdado, que se aprsenla para
    votar sabe ler e escrew.e nao somente sabe dese-
    rubar a sua assgnatura, nao sendo elle conhecido
    ao menos por dois membros da mesma assembla
    que sabe ler e escrever, o presidente Ihe dar a
    ler alguns dos artigos da presente lei.e verificado
    que elle o sabe fazer, ainda que nao muito cor-
    rente, receber de sua mo urna chapa contando
    o nome ou nomes das pessoas que elle aeha dignas
    de raerecerem os seus sufragios na elecao, que
    se est procedendo, cuja chapa sera immediata e
    publicamente apurada, sendo lida pelo presidente,
    e escripto o nome ou nomes dos votados pelos
    outrus dos mesarios, cada um em seu livro para
    que no fim se verque se houve algum engao na
    cscriptnracao.
    Ari. o. livro em que tem de assignar o vo-
    tante ser alieno e rubricado pelo secretario do
    presidente da provincia em despacho d'este dada
    no proprio livro, asssim como os dois de que trata
    o artigo antecedente sero rubricados pelo jpiz
    de direilo da comarca, e lodos tres remetidos fim
    antecedencia do da da eleico aa i. juiz d
    do 1. dstricto da matriz.
    Art. C.0 A e eco se effectuar em nunca me-
    nos do 5 dias, principiando os trabamos as 10 ho-
    ras da niunha, c terminando as 4 horas da tarde
    de cada dia.
    Art. 7." Nao poder a assembla parochial so-
    bre pretexto algum recusar receber a chapa do
    cidadao que s apreseular, e que tenha os quisi-
    tos exigidos no art. 3' da presente lei, sob pena de
    poder o volante intentar com ella una queixa pe-
    rante o juj de direito da comarca que Ihe sendo
    isto provado elle a condemnar no artido do nosso
    cdigo criminal que pune a coaccao.
    Art. 8. Passadas duas horas, que uo compare-
    ga mais nenhum votante ao depois de incetados os
    rrabalhos do quinto dia ou no que elles seguirem,
    o presidente da assembla parochial dar por fin-
    do o recebimento das cdulas e publicar era altas
    vozes o nome ou nomes dos cidadao*, que obtive-
    ram votos e o numero de votos que cada um ob-
    teve, do que seescrever um edial, que assignado
    pelos 3 membros, ser mediatamente aflixado na
    porta da matriz, e era seguida mandar o presi-
    dente eonvidar a um dos tabelies do foro, ou es-
    crivao do juizo de paz, quo ser obrigado a com-
    parecer mediatamente sob pena de desobediencia,
    para este tomar etn seu livro do notas o resultado
    de toda votacao, o devendo este dar della certido
    a quem o exigir mediante a paga de 2000.
    Art. 9. Do resultado de toda a eleicao, e antes
    de se dar ella por concluida se trarao duas co-
    pias, que asomadas pelos 3 membros da assem-
    bla parochil sero remettidas, urna ao presiden-
    te da provincia, e a outra ao ministro do imperio
    por intermedio deste.
    Art. 10. Os tres livros que teem de servir na
    eleico sero guardados durante o seu tn.balho e
    lindo os de cada dia em um cofre bem construido
    a arqueados com barras de ferro para que fique a
    salvo dos golpes dos immigos da liberdade e da
    ordera.
    Arl. 11. Findo todo o trabalbo eleitoral, serip os
    livros de que trata o art. 5 recolhdos inmediata-
    mente ao archivo df cmara municipal do ter-
    mo.
    Art. 12. Sessenta dias ao depois da installacae
    das assemblas parochiaes da provincia o presi-
    dente desta remetter a cmara municipal da ca-
    Sital todas as authenticas receb'das sobre a eleicao
    e senadores a deputados geraes e provinciaes
    Sara ^ae ella faca a apnracao no oitavo dia ao
    epois do rececimento dellas, annunciando pela
    imprensa, o da e hora em que ella ter lu-
    gar.
    Art. 13. Na elejcao para juizes de paz a copia
    da acta da apuracao lhes servir do diploma, as
    quaa serio extrahidas polqs dous secretarios da
    [ assembla paroehial a romettklas a aqaeM
    les em offlcio com seguranca.
    Art 14. Na eloicao para vereadores a cmara-
    niu cipal respectiva far a apurarlo, da votacao
    das difierentcs freguezias 30 dias ao depois de re-,
    coinidos os livros a seu archivo e por estes e a'
    copia desta apuracao servir de diploma ao -ve-
    reador, Ihe sendo nmiettida pela mesma ca-
    juara.
    Art. 15. Xa cleigao para senadores a cama
    municipal da capital remellar por intermedio do
    presidente da provincic urna copia da apuraaao
    assignada por todos os seus membros presentes ao
    senado, e outra ao ministro da justica para esta a
    apresentar a S. M. o Imperador para elle eseolher
    d entre os tres mais votados um que preencha a
    vaga havida ou entre os seis se dous forem os se-
    nadores e assim por diante.
    Art. 16. A verificacao dos poderes dos senado-
    res e deputados geraes e provinciaes continua a
    ser feit#como actualmente.
    Art. 17. O governo expedir regulamastO para
    boa oxecueao da presente le. Revogadas todas as
    disposicoes em contrario.
    E' esta a lei que no meu entender muilo con-
    correria nao somente para a instruccao do filho do
    povo. como para as nossas eleicoes exprimirn sim
    phcidade, liberdade e conhecincnlo do que vai o
    povo fazer, e nao a confuso, a ignorancia e a
    compressao como actualmente e que nao obstante
    isto nao foi reformada pelos falsos apostlos da li-
    berdade, estando 6 annos no poder.
    O que observamos por oecasiao de urna eleicao,
    quo feita fora da capital da provincia ? Vemos
    que os mandoes das aldeas reunem com promes-
    sas e ameacasa todos quantos se susjeitam a es-
    tas duas condicocs, e com elles marchara para a
    eleicao, nao sabendo esta pobre, o ignorante gente
    o que vai faier, e all chegada lecebe do mando
    um papel lateralmente jechado, o qual Ihe diz :
    esta a chapa que voc deve entregar na mesa
    quando fr chamado o seu nome, ou o de onlro
    que nao comprela ; e as vezes Ihe entrega qua-
    tro e mais chapas para elle as entregar pelos no-
    mes dos que forem fallando, e elle assim o faz ou
    com speranta da recompensa ou teniendo a amea-
    ca, c urna tal eleicao pode nunca exprimir liber-
    dade, c conheciinento do que va o volante fazer Y
    Nao por certo, por isso entendo que tambem deve
    merecer multa attencao dos altos representantes
    do paiz a instruc;ao do filho do povo, e a falla de
    liberdade bem entendida que este tem per oeca-
    siao de se proceder as nossas acluaes elei-
    coes.
    Quem assim vos falla nao um especulador e
    sm um agricultor que possuindo um bom enge-
    nho, soffrivelmente montado vapor e com 35 es-
    cravos em numero, tom todava sido victimada
    urna, quo deve ser punida entre nos como o na
    FrauL,. Jjercp da civilisacao moderna, onde em
    1866 foi levado a'barra uo tribunal correccional o
    conego Beanjean pelo crime de usura, e que nao
    obstante nao ter intelligencia e instruccao, tem
    todava a pratiea do que v e observa, pedindo-vos
    que supprais estas faltas, e Ihe perdoeis a affonte-
    za que teve em escrever estas t seas linhas, e a
    vos dirigir.
    Comarca de Nazareth da Matta da provincia de
    Pernambuco, 20 de julho de 1869.
    O agricultor nazareno
    S.A.
    127:607*700
    Navios vntraios no dia te
    Soulhampiou e portos intermedios17 dias, vapor
    inglez l)ouro,de 1.875 toneladas, commandanto
    R. W oolward, eqinpagapi UB,arga varios g-
    neros ; a Adamsmi Howie A C.
    Rio de Janeiro12 dias, brigue inglez Garibmldi
    de 146 toneladas, caiHlao D. Morlblk, equipagein
    10, em lastro ; a ordera. Seguio para Wesl-
    Indies.
    Aseension-8dias, patacho inglez Sarah Briigrt,
    de 126 toneladas, capito John Evans, equipa-
    geni 6, era lastro ; a ordem.
    New-York49 dias, brigue inglez Suniv/side, de
    288 toneladas, capito Teviotdale, equipageu
    10, carga 2,400 barricas com farnha dj trigoe
    outros gneros ; a Thood. Just.
    Phladelphia- 48 das, barca ingleza Imperador, do
    281 toneladas, capito W. Heard, equipagem 10,
    carga 2.500 barricas com farinha de trigo a ou-
    tros gneros ; a Matheus Austin & C.
    Navios sabidos no mesmo dia.
    GoyannaVapor brasileiro Parahyba, comman-
    dante Mello.
    Portos do sulVapor inglez Douro, commandante
    W. Woolward.
    AracatyHiate brasileiro Graciosa, capillo Joa-
    quim Antonio de Figuciredo, carga differentes
    genero*.
    Rio da PrataBrigue norte-allemao Lino, capito
    W. Wett, carga assuear.
    EDITAES.
    COMMERCIO.
    PRACA DO REC1FE 26 DE JULHO DE 1869
    as 3 1/2 horas; da tarde.
    Assuear mascavado purgado regular31400 por
    15 kil. (sabbado).
    Assuear americano purgado 3*300 por 15 kil.
    (sabbado),
    Assuear canal-2950 por 15 kil. (sabbado).
    Algodo de Macei 1* sorteU248 por kil., posto
    a bordo, frete de 1|2 d. e 5 0|0
    Algodo da Parahyba 1* sorte 11212 por kil-
    posto a bordo, frete de 1/2 d. e 5 0|0 (sabbado).
    Dito de dito 2* sorteU143 por kil. posto a bordo
    freto de 1/2 d. e 5 0$ (sabbado).
    Dito de dita 3' sorte1*075 por kil. posto a bor-
    do a frete de 1)2 d. e 5 0|0 (sabbado).
    Cambio sobre Londres 90 d/v. 19 d. por lOOO
    (sabbatkj).
    Dltn solu-ft dilo 00 d,'v. i lit o 18 7|R DOT
    15000 moje).
    F. J. Silveira
    Presidente.
    Leal Seve
    Sacrotario.
    Saques sobre Londres
    SOCIEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
    Theodoro Simn f C.
    Scelo sobre os Srs. Samuel Montagu &
    C banqueiros em Londres.
    A' vista quaniias 5 at 100, 3 das
    de vista quantias cima de 100 at
    1,000 a 30 ajt 90 dias de vista quan-
    tias cima de 1,000 at 10,000.
    Largo do Pelourinho n. 7.
    ENGLISH BANK
    O Rio de Janeiro Limited
    Desconta. ettras da praca taxa a con-
    vencionar.
    Recebe dinheiro em conta corrente e a
    prazo fixo.
    Saca vista ou praso sobre as cidades
    principaes da Europa, tem agencias na Ba-
    bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
    e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
    para os mesmos lugares.
    Ra do Commercio n. 36.
    Sociedade bancaria
    em commandita
    Teodoro Simn & C.
    ptOjf Compram e vendem por conta propria
    melaes, moedas nacionaes e estrangeiras.
    u\9] de cambio, sedulas do governo e do
    qanoo do Brasil.
    Descontam letras da trra e outros ttu-
    los commerciaes.
    Encarregam-se por conta alheia das mes-
    mas transaeces, da cobranca de letras da
    trra c de outros ttulos commerciaes.
    Recebem quaesquer quantias em deposi-
    to, em corita corrente, e a prazo fixo.
    Largo do Pelourinho n. 7.
    Caixa Filial do Banco
    do Brazil.
    O Illra. Sr. inspector da thesouraria de fa-
    zenda desta provincia, em viriude de ordem da
    presidencia, manda fazer publico (pie ne dia 28 do
    corrente, as 2 horas da Urde, ir i praca para se-
    rem arrematados por quem por menos fizer, os re-
    paros de que carece a escada de desembarque do
    caes Pedro II. O orcamento e clausulas especiaes
    para o contrato serao franqueados na mesma the-
    souraria aos pretendenles. As pessoas a quera
    convier a arremata cao, deverao comparecer no re
    fondo dia e hora indicados. Secretara da thesou-
    raria de fazenda de Pernambuco. 21 de julho de
    1869.
    0 official-raaior,
    ,____________Manoel Mamede da Silva Costa.
    Perante a cmara municipal desta Mad
    continuar em praja em os dias 23, 26 e 28 do
    corrente para serem iuipreteriyelmente arremata-
    dos, por quem maior preco offerecer, os alugueis
    de qtiatro espacos no acouguc publico da fregne-
    zla de S. Jes, todos oceupados cora talbos : a ar-
    rematado a fazer durar pelo tempo que durar
    a dos do mais talbos. Os arrematantes, alera das
    condices do estylo, serao obrigados ainda s se-
    guintes :
    l' A collocar em cada espaco urna mesa de
    marmore branco azulado, con o imprmenlo
    largura neressarios, sobre ps de ferro fundido.
    2* A collocar cm redor ou atraz da mesa de
    marmore urna armacao de amarello pohdo, era que
    serSo suspensos ganchos de. ferro tambem polidos,
    para se mostrar as carnes.
    3' A conservar todo o asseio e hmpeza no talho,
    ohrigando ao cortador a apresrntar-ec deceate-
    mento vestido.
    4* As obras feits, findo o praso da arremata-
    cao, passarao ao dominio municipal no oslado em
    que se acharen), sem indemnisacao alguma.
    Aquellas pessoas que pretendrem arrematar os
    mencionados espacos, apresentem-se habilitad.-.
    na forma da lei, sem o que nao serao adraittidas
    licitar.
    Paco da cmara municipal do Ieeife 21 de ju-
    lho d 1869.
    Manoel de [Hrros Barrete,
    Pro-brcsidenle.
    Francisco Canuto da Bwviagem,
    Serretnrio.
    Perante a cmara municipal desta ci-
    dade, estar em praca nos dias 14, 21 e28
    do corrente, para ser arrematado por quem
    maior ureco offerecer o imposto de iOO rs.
    por cabeca de gado vaceum, morto para
    consumo as freguezias do Poco de Panella,
    Varzea, Affogados, Muribeca, Jabuato o
    S. Lourenco da Matta; as pessoas que qui-
    serom arrematar dilo imposto, liabilitem-so
    na forma da lei e comparecam no paco
    municipal em os dias referidos.
    Paco da cmara municipal do Recife S
    de julho de 1809.
    Ignacio Joaquim de Soitza bilo.
    Pro-presidente.
    ^Francisco Canuto da Ba-Viagcm,
    Secretario.
    Perante a cmara municipal desta cdade, esta-
    r em praca nos dias 21, 24 e 28 do crreme, pa-
    ra ser arrematada por quem menor preco offero-
    cer, a obra da ponte da estrada que conduz ao ec-
    miterio publico, oreada na quantia de 8:f40O0O:
    as pessoas que pretendrem arromatar habilitein-
    se na forma da lei, e comparecam nos ro-ridos
    dias no pago municipal.
    O orcamento respectivo acba-se na secretaria da
    mesma cmara, onde ser apresentado aos que
    quizerem examinar.
    Paco da cmara municipal do Recife, 14 de id-
    ilio de 1869.
    Ignacio Joaquim de Souza Leiio,
    Prc-presidente.
    Francisco Canuto da Boa-via;m,
    Secretario.
    ~ DECUBACOES.
    Inspe?co do arsenal de
    niarinha.
    Faz-se publico que a eonimssao de peritos
    examinando ua forma determinada no regulamcnto
    annoxo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
    1854, os cascos, machina*, caldoiras, apparelli.
    mastreacoes, velames, amarras e ancoras dos va-
    pores Camaragibe da companhia vigilante, e Mv-
    leque, propriedade do Baro do Livramento, achou
    todos esses objectos em estado de iwderem o ih-
    laque navegar, e o Camaragibe continuar no sci -
    jico de reboque em que se emprega.
    Inspeccao do arsenal de niarinha de PeraamLu-
    eo 24 de julho do 1869.
    O inspector,
    H. A. Barbosa de Almeida.
    Santa Casa de Miseri-
    cordia do Becife
    A caixa filial do Banco do Brazil em Per-
    nambuco em liquidacao paga o 31 dividendo
    das acces do Banco do Brazil inscriptas
    nesta caixa, a razao de 9& por aefao.
    Recife, 13 de julho de 1869.
    ALFANDEGA.
    Kendimento do dia i l 14. 693:8631868
    'dem do dia 2b..... 28:872*595
    722:7361463
    U0VD4ENT0 DA ALFANDEGA
    Volumes entrados cora fazendaf 563
    dem dem cora gneros 482
    -----1045
    Descarre^am hoje 27 de julho
    Vapor InglezGiadiaor=raercadoria8.
    Brigue noru eguense7ora=mercadorias.
    Patacho norte-allemao Concordia farinha de
    trigo.
    Bngue norte-allenjSoJan 4 Anttondem
    Barca ragleza=Jfarottre/ Ridelbacalho.
    Brigue portuguezDmaovarios gneros.
    Barca inglezaJmperador=idem.
    Patacho poriuguez=Bea F=idcra.
    Brigue inglezMinoraferro-e carvo.
    Brigue nacicnalAlmeida A-charque.
    HECEBEDOrilA DE RENDAS INTERNAS GE-
    RAES DE PERN.iMBUCO.
    Rendiuento3(>4ialia2i. 34:8311966
    dem, do HiV^-f..... 687fJ93
    41:4241359
    Pela secretaria da Santa Casa de Miseri-
    cordia do Recife se faz puMwo, a-jue n in-
    teressar, que o Illm. Sr. thesoureiro coni-
    mendador Jos Pires Ferreira, no salao da
    casa dos expostos no dia 2 de agosto pr-
    ximo futuro, pelas 9 horas da manbia far
    pagamento do trimestre de abril junho
    findo as amas, que se apresen tarera com as
    criancas que lhes forana confiadas -
    Secretaria da Santa Casa de Misericordia
    do Recife, 26 de junho de 1869.
    O escrivao,
    Pi'rfro Rodrigues de Souza.
    Polo juizo munieipal da 2J vara so ha de ar-
    rematar em praca publica, depois da audiencia do
    da 28, dous caixoes de casas ra dos (fetos u--
    30 c 32, avahados por 2:000*000, para eninpn-
    mento de legados o despezas do aventario do flna-
    do Sebastio Jos Gomes Penna, a requerimento
    do inventariante e testamenteiro Joao Bapti>U Go-
    mes Penna.
    Arsenal de guerra.
    Em consequencia de nao se ter podido reunir a
    fnaioria dos senhores vogaes do conselho de com-
    pras, resolveu o Sr. coronel director transferir pa-
    ra terca-feira 27, ao meio da, a sessao do canse-
    Iho annunciada para boje.
    Arsenal de guerra de Pernanbuco em 8i de ta-
    lho de 1869. J
    O secretario do eonseltw,
    Castro Silva.
    i
    MUTILADO


    PJario. de Pernambuco Tercja feira 27 de JulJio de 18C0.
    >
    anta Casa la Misericordia lfi
    Recite.
    A llltn. junta adi; ,sa dn
    Misericordia J fine na
    sala di; > i* >*^ i de jullio, pe
    .naU i- ai-roiualada
    ouem mais vaatagens offierecer, pelo teinpo de uno
    tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
    iradua : T 4
    l'ABELECIMBKTOS DE CAIUDADE.
    l'uia d;is Calcada*.
    Ra das Cinco l'ont.is.
    Casa terrea n. 30 por anu. 212*000
    Tpav l'elro.
    .ado de dous andares n. 2, dem. 5iO000
    Ra do Em-antaheiito.
    Sobrado de dous andar* u. 3. tiOOiOO
    Htia da Gloria.
    Casa terrea n. 63...... l\SmO
    Casa terrea n. 32........ 13('000
    Ra do Padre Floriano.
    a terrea n. i7...... 1703000
    dem n. 47. 49....... 70O
    Ra da* Calcadas.
    Idam dem u.36. '..... 1783000
    Ra do Calaboueo.
    Casa larrea n. 18 3005000
    dem n. 20 "........ 212 3000
    Hua da Miieda.
    Pruneiro andar do sobrado n. 37. 703000
    Segundo andarilim...... % 5000
    Areal dol"orte.
    Casa terreo n. 1....... 1003000
    PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
    Ra da Guia.
    Casa terrea n. 27...... 1H3000
    Ra da Gftejmba.
    dem idem n. 12...... I1G3000
    Ra do Vigario.
    1. andar do sobrado n. 27. 2030O6
    Madre de Deus.
    Sobrado de um andar n.!.... 360*000
    Ra do Pilar.
    Casa terrea n. IOS ................ llOOOO
    dem idem n. 103.................. 2023000
    dem n. 98........................ 2033000
    tdem n. %......................., 2023000
    dem n. 94........................ 2033000
    Sitie n. S no Forno da Cal........... 1S03000
    Os pretndeme* dSrefio apresenlar no acto da
    arrematatao as suas fianras, ou comparecern)
    acompanhados dos respectivos fiadores.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
    cife, 17 de julho de 1869.
    O escrivao.
    Pedro Rodrigues ile- Souza
    COMI CEBAL
    Pela administra?So do correio desta cidade se
    'faz pubioo a quem interessar possa, que uao se
    demorando os vapores da companhia Messatreries
    Imperiales ueste porto em seu re^resso do Rio de
    Janeiro, o tempo preciso para se fazer a expedicao
    das malas para Boropa, lem resolvido pie*as
    1 iiala5 se fe.beio as 6 horas da tarde do dia ante-
    rior ao da rhegada dos inesnios vaporos.
    Correio de Pernambuco 20 de julho de 1869.
    O administrado!',
    ____________Domingos dos Passos Miranda.
    A administragao do correio desta ci-
    dade, precisa engajar pessoas habilitadas
    para o servir..) de caminlieiro ; quem esti-
    ver nestas coiidicoes e se quizer engajar
    petente attestado que prove a sua conducta.
    1
    COMPANFHA PERNAMBLCANA
    Vavegaco eustclra por vapor.
    Mamangttapc.
    rapor Coruripe, ommandantn Penna. segui-
    r para o porto acuna no di; 28 do enrente as 6
    horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
    passagem e dinheiro alfrete at as 3 horas da
    tarde no escripiorio do Forte do Mattos n. 11
    COMPANHIA PERNAMBUCANA.
    htU
    Jfarejjacio costelra por vapor.
    Parafeyba, NattJ, Maeo, Mossor, Ara-
    caty, Cear, Acarac e Granja.
    O vapor Ipnjncd, commandantt
    Eustaquio, seguir para os portos
    cima no dia 31 do corrente as 5 horas
    la tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
    mendas, passageiros e dinheiro a frete at a;
    horas da tarde do dia da sahida no escriptorir
    do Forte do Mallos o. 12.
    2L
    O agem> Pestaa fura leiln por conla e risco
    de quem pertenrer dos eneros cima mencionk-
    * os ipii dos cm 2 lotes ua t<
    feira 27 d pelas (1 horas da r.anhaa
    no traujebe do Cimpa no Forte doMaios. ____
    No da 30 do corrente mez, depois da au-
    diencia do lllm. Sr. l)r. juiz de orphao*, tem de ir
    praca um bote e seos pertenees, avaliado em
    60*000, cujo bote vai praca a reoueritnento do
    tulur das menores filhos de Manoel Francisco de
    Jess Prima : os licitantes podero comparecer na
    sala das audiencias as 12 horas do dia acuna.
    RIO DE JAMBO
    Para o Rio de Janeiro pretende saliir con
    a maior brevidade possivel o brigue naci-
    nal Trovador, recebe carga e escravos a
    frete : tratar com as consignatarios Mar-
    ques Barros & C, no largo do Corpo Santo,
    n. 0,-*egnndo andar.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Vivejjaoo coste!ra por vapor.
    Maoei, escalas e Penedo.
    ^Jv O vapsr Potengi, commandante
    s?lA\ .Pereira, seguir para os portos cima
    Bnfei no dia :!l do frrenle as 5 horas da
    tarde. Recebe carga at o dia 30, encommendas,
    passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
    da tardo do dia da sahida no escripiorio do Far-
    le do Mattos n. 12.
    PARA LISBOA
    segu com toda a brevidade a barca portugueza
    Constante III, por j ter parle da carga prompta :
    para o que Ihe falta e passageiros, Irata-sc com os
    consignatarios Oliveira, Filhos a C, largo do Corno
    Sanio n. 19, ou com o capitao na praca do Com-
    mercio.
    PARA
    Para o referido porto segu com muita brevida-
    de o palhabete portuguez oco Protegido, por ter
    a maior parte da carga tratada ; e para o resto
    que Ihe falta trata-se com o consignatario Joaquim
    Jos Goncalves Bellrao, a ra do Commercio
    n. 17.
    THEATRO
    DE
    S. ISABEL.
    Coaipauhla dramtica sob a di*
    receo do artista
    DE-GIOVANNI.
    Quinta-feira 29 de julho.
    jttCT \r.l LO Eli ORANDE CAL\
    parasolemnisar o faustoso anm versarlo natalicio
    da serensima princeza imperial
    A SR. D ISABEL
    honrado com a respeitavel presenca do
    KX.M. SR. PRESIDENTE DA PROVINCIA.
    O programma do divertimento ser annunciado
    amanhaa nos jornaes.
    N. B. Desde j recebem-30 encommendas de bi-
    Jhete* no escripiorio do theatro.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Navegagdo costea por vapor.
    Porto de Gallinbas, Rio Formoso e
    Tamandar.
    0 vapor Purahyba, commandante
    Mello, seguir para os portos cima
    no dia 31 do corrente a meia noite.
    Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
    nheiro a frete, n > escriptorio do Forte do Mattos
    n. 12._________ __________
    Maranho
    Para o Maranlio pretende seguir com
    brevidade o hiate nacional Roza, para <
    resto da carga que Ihe falta, trata-se com
    Marques, Barros & C, no largo do Corpo
    Santo n. 6, segundo andar.
    LEILAO
    DE
    Urna armacao nova pintada com balcao de volla e
    gradara, lustres para gaz.uma'pipa com agur-
    dente de cana, las pipas para depsitos com
    torneirns. um alambique de folna, una balanga
    para balcao, divarsas gneros, ulencilio* exis-
    tentes no deposito da ra do Lima n. 30, em
    Santo Amaro, sendo tudo vendido em nm s
    lole pois garaulu-sc a casa ao comprador do es-
    tabelecimento.
    Quarta-feira 28 do corrente.
    O agente Martina farlcflioda armacio gneros
    e mais uteneilios do deposito da ra "do Ltm n.
    30 em Santo Amaro as 11 horas do dia.
    oosmmRx
    Cosc-se costuras de Mih\i a moda fran-
    ceza, por pnro cuinmodiT, m na Auguais
    11 112, c da-se llanca sohre as mesmas.
    AVISOS DIVERSOS.
    O abaixo assiguado, encarregado pelo S.
    loao Francisco Hemelerio Portella de receber urna
    letra aceita pelo Sr Daniel Antonio dos Reis, e
    endossada pulo Sr. Balthazar Pinto de Gouveia, ern
    23 da nuiodo currante, s praso de dous mezes,
    aconteccu que ella se descneaminliasse boje, c
    como tenlia sido ella paga pelo aceitante, do que se
    passou recibo, no entanto pede o abaixo assignado
    y pessoa que achou, o obsequio de a levar a ra
    Direita, loja de cateado n. 32 A, ou na casa de de-
    tencao, ao abaixo assiunado. Recite 24 de julho
    de 1869. t
    Jos Ellas de Oliveira.
    Joaquim Dia* Fernandos vai a Europa e dei-
    xa por seus procuradores nesta praca aos Srs.
    Joao Teixeira da Rocha, Antonio Alves Lebre, Jo-
    s Joaquim Dias Fernandos e Joaquim Ferreira
    da Silva; julga nada dever, tanto ne.-ta praca co-
    mo em qualquer outra deste imperio, porui jul-
    gando-se alguem seu credor, <|ucira no prazo de
    tres dias apresenlar sua conta para ser paga.
    Aproveita esta occasiao para despedir-se de todos
    os seus amigos, visto o pouco tempo de que pode
    dispor para faze-te pessonlmonto. ,
    Aluga-se una casa com UdSMiues cunmiuuos
    para urna grande familia, na Una do Retiro a
    tratar na ra da Cruz n. 55.
    Aoscapitaes de campo
    Fugio no dia 17 do crreme do engenho Inde-
    pendente freguezia da Escuda, o escravo crioulo
    de nomo Jos, com os signaes seguintes : 23 an-
    nos pouco mas ou menos. 7 palmos de altura,
    cor fula, rosto redondo.^lentes perfeitos e os da
    frente largo, nariz chato, com pouca barba, maos
    pequeas, a* pernas um tanto cambetas, andar
    banzeiro, ps pequeos e rolico com algumas las-
    caduras de cravos e soffre as solas dos ps de
    unS frunchos, que as vezes Ihe apparece, os dedos
    mnimos dos ps nao tem unhas, tambem lem fal-
    ta de cabellos na croa da cabega proveniente de
    pesos que carregava, natural do Brejo da Ma-
    dre de Dos o qual foi comprado ao Sr. Antonio
    Pereira Barrozo; quem o pegar leve-o ao dito
    engenho ou na ras do Crespo h. 23 A, que ser
    generosamente reeempensado.
    Prccisise comprar un escravo idoso que
    sirva para tntar de cavallos na estribara, ou pas-
    tar gado : quem tiver e quizer vender, nao tendo
    vicios, appareca na ra d Queiioado n ;i, 1* an-
    dar. No mesan lucrar se iin.cisa de um bom ca-
    noeiro parase encarregar du tomar conta do una
    canoa e trazer rapim para esta cidade, paga-se
    bem, sendo pessoa que d conhecimento de sua
    conducta. 1
    mmummmm
    com repc<]fo para os alnutoos
    Criada.
    1, para andar com crian-
    n... UMdon.30, entrada pelo largo do Pedro II, s.-
    OVflSHHSrO. gundo andar.
    Jos Soares de Azevedo, professor de m ST'-rH?; \ua rtmKTt
    |Da e litteratura nacional no gymnas]oTNSE5m ^^ "
    provincial do Recife, tem aborto emsoa' '
    Bartholomeu & C,
    casa, ra Bella, 11. 37:
    Um curso de
    . LWCLA Fn.-VNCEKA ;
    P1111.0SOP111A:
    GBsOBArau e historia;
    HETHOIUCA K POKTICA.
    Os estudantes que pretenderen fazei
    ame em novembro em qualquer destas j
    materias, podom dirigir-se inljcada re-!
    sidencia, tarde, das 3 horas em diante, i
    PERFUMlNEXTINGUIVEL.
    Para o Uwco, Tolcador, e Bamio.
    Para
    Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
    Boa Fe, capitao Domingos Martin: recebe algu
    ma carga a frete razoavel, para o que se trata
    com o seu consignatario Joaquim Gerardo de Ras
    os, ra do Vigario n. 16, lu andar.
    AVISOS MARTIMOS.
    Paq
    All BRASILEIRA
    uetes a vapor.
    Dos portos do sul esperado
    at o dia 8 de agosto o vapor
    Paran, commandante o capitao
    le fragata A. J. de Santa Barbara,
    o qual depois da demora do cos-
    tume seguir p3ra os portos do norte.
    Desde j recebem-se passageiros e engaja-se
    carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
    ser embarcada no da de sua chegada. Encommen-
    das e diuheiro a frete at o dia da sua sahida as 2
    horas.
    Nao se recebem como encommendas seno .ob-
    Jectos de pequeo valor e que nao excedam a duat
    arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medice.
    Tudo que passar destes limites dever ser embar-
    cado como carga.
    Prerine-se aos Srs. passageiro* que Sitas passa-
    ?ens s se recebem na agencia ra da Crue n. 57,
    andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
    Azevedo & C.
    LEILOES.
    Companhia americana e brastlei-
    ra de paquetes a vapor.
    At o dia Io de agosto esperado dos portos do
    ul o vapor americano North Amerita, o qual de-
    pois da demora do co*tume seguir para New-
    York toaado no Para e S. Thomaz, para fretes e
    passageas tratase com os agentes Honry Forstcr
    A C, ra do Trapiehe n. 8.
    movis, lout*a, crystaes, obras de
    prata, vinho e cerveja
    A SABER :
    um piano forte c novo do bem conhecd) fabri-
    cante Pleer, urna mobilia de Jacaranda com 1 sof,
    4 consolos com pedra, 2 cadeiras de balance, 2 de
    braco c 18 de guarnicao, urna mobla de faia com
    1 sof, 4 cadeiras de braco, 12 de guarnicao e 2
    consolos com pedra, 1 espelho rico, grande e oval.
    4 serpentinas de crystal, jarros linos, candieiros
    gaz, 1 cama franceza do Jacaranda, 1 toilette, i
    guarda-roupa, 1 guarda-vestido, 1 cama de ama-
    relio, 1 berco, 3 camas de ferro, 1 estante para li-
    vros, 1 machina de co:ura, 1 mesa elstica, 1 rico
    aparador com tampo de pedra, 2 etlagers, 2 apa-
    radores de ps torneados, 1 quartinbeira, 1 sof,
    12 cadeiras, 2 cabides, 1 filtrador, louca para al-
    moco e jantar, garrafas, compoteiras, copos e c-
    lices, e trem de cozinha, o caixas com vinho do
    Porto em garrafas, cerca de lo dnzias de garrafas
    com cerveja franceza, e 2 barris de 5o com vinho
    Cherez.
    NMB.
    no primeiro andar do sobrado da ra da Aurora
    n. 12.
    O agente Pinto far leilo por conta e ordem de
    dma familia que retroti-se desta provincia, dos
    movis e mais objecto* cima mencionados, exis-
    tentes no primeiro andar do sobrado da ra da
    Aurora n. 12, onde se effecluar o leilao no da
    terca-feira 27 do corrente. Principiar s 10 ho-
    ras em ponto.
    AOS 20:000^000
    CASA FELIZ, ARCO DA CONCEICO N. 2.
    Os abaixo assignados tendo-se habilitado na for-
    ma das leis tem exposto venda os seus felizes
    bilhetes das loteras do Rio de Janeiro, na casa
    cima aonde se pagaro as sortes que sahirem
    nos mesmos bilhetes cora o descont da le se-
    ment.
    Presos.
    Bilhetes inteires. 2000
    Meios......12*000
    Guarios.....6*000
    E de 1004 para cima a 22 o blhete.
    ___________________Figueiredo A Leite.
    Sociedade de Soccor-
    ros Mutuos
    Vinte e oito de julho
    S3o convidados os Srs. socios da socie-
    dade maranhanse vinte e oito de jullio,
    comparecerem em o dia 28 do corrente felas
    7 horas da noute na casa da socie.lade re-
    creativa Juventude, ao pateo de S. Pedro,
    para a sesso era que deven ter lugar a
    eleico para todos os cargos e I >i ti vos da so-
    cidade, o exame e approvar,ao das coalas
    da directora da sociedade e o sorteio para
    o seguro de vida, qtte deixou de fazer-se
    em Janeiro. Recife 26 de de julho de 1-69.
    Dr. Jos Joaquim Tacares Belfort.
    ^.0 secretarle.
    PARA ZO INTERNO
    l'lll r.ouuo- SIMPLE*
    Xarope i\r. inrulicl.a, Vinho ile inrubeba. Pillas de
    jnrnlwlhi. Tiulura de j'iinbcLj, Extracto byJralcoolico
    de jurnlieba.
    rarpiBJDns cnarosTns
    Vinho .le jurabrlhi ferrugiiioo, Xarope de jarubeba
    ferugniuso, 1'iluii.s ile jurubeba fernignuiso.
    fAU IO KXTCRNO
    Ule ne laiubeba. I'nmada de jurubeba, Emplastro da
    A JURUBEBA. c
    Eta planta r. hcij mouliecids como o mais poderoso
    tnico, como um < -c.-lli-nle dcsobstriifate, e como Ul
    applicada nos engnrgilamenlos do figado e baco, na-
    bepatites prnpriamente ditas, ou anda complicadas
    com anuzarclias. as inflamma^ds subsecuentes as
    Mires intenriiti ntcs ou durezas, nos abeessos internos,
    oca tumores especialmente do ulero o abdomen, nos
    tumores glandulpsos, na anazareba, as hydropezias,
    eryipcllas; e associada as proparaenrs ferruginosas,
    aiR'la de grande vantagem as aiiemias, cbloroses,
    faltas de mciirlruaro, leucorrheias, desarranjos atni-
    cos do estomago, dubilidade orgnicas, e pobreza de
    sanguc, ele.
    0 que ilizcmos nflrmad os mais disltnctos mdicos
    desta citade, entre os quaes poden) os citar os Illlms.
    Srs, rs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment,
    Ser, Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva, etc. Todos
    ellcs reconbecem a excelleocia d'esle poderoso medica-
    mento sobre os demais at boje conbecidos para todos
    os casos citados, tanto que todos os dias fazcm d'ella
    applicacio.
    Apresentendo aos mdicos e ao publico *m geral di-
    versos preparados da jurubeba, tivemos por lim gene-
    ralisar mais o use d'este vegetal, fazendo desaparecer
    a repugnancia que at hoje sentiam os doentes de ufar
    A Mil AFAMADA
    AGA DE FLORIDA,
    M
    111 mi 11 & Li\niv.
    He o mais delicado e mimoso e ao mes-
    mo tempo o mais estavel de todos os per-
    fumes, e encerra em s, no seu maior auge
    de excellencia, o proprio aroma das verda-
    deras flores, quaudo anda na sua flores-
    cencia e fragancia natural. Como um meio
    seguro e rpido allivio contra as dores de
    eabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
    flatos, assim como contra todas as formas
    ordinarias de accidentes ltystcricos; de
    summa efDcacia e nao tem outro que o
    iguale. Igualmente, quando destemperada
    com agua, torna-se mu dentifricio o mais
    agradavel e excellente, dando aos (lentes,
    aquella alvurac aperolada apparencia t5o
    altamente apreciada e desejada pelas Se-
    nhoras.
    Como um remedio contra o mau hlito
    da boca, depois de diluida en agua,
    suimnaniente excellente, faz remover neu-
    tralizar todas as materias impuras que se
    crian roda dos (lentes e das gengivas,
    tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
    encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
    perman cncia do seu fragrant aroma, ella
    por certo nao tem igual; e a sua supe-
    rioridade sen rival. Ella igualmente tor-
    na-se um meio mui exilente,, para fazer
    remover de*sobre a pelle do rosto, toda a
    ra da Cruz n. 18, encontram-sa
    elTectivanfente todas as qatiklades de vinho
    j Uordgau^jtiuirgogrje e > Kbeno. ____
    PrtflUfc-se de um botnem para trttkalbar *t.i
    1 "" silio, uortuauez : ua roa da Ca-
    deia do RechV 11. i.;i.
    Joaquim Jos Gon-
    palves Seltro
    DO TR4S>ICHE N. 17, 1. ANDARl
    ice a por todo oa paquetes sobre o Baiv
    o do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
    tes logares em Portugal :
    Lisboa.
    Porto.
    Vaieoca.
    Guimaracs.
    Coimbra.
    Chaves.
    Viseo.
    Villa do Conde.
    Arcos de Val do Vez.
    Vianna do Caslello.
    Ponte do Lima.
    Villa Real.
    Villa-Nova deTFamalic3o.
    Lamcgo.
    Lagos.
    CovilhSa.
    Vassal (Valpassos).
    Mirandella.
    Beja.
    Barcellos.
    1
    LEILAO
    De movis e fazends de lia e
    linho.
    HOJE.
    Mr. Mercier tendo de relirar-se para a Europa
    far leilo por intervencao do agente Pestaa de
    diverjas fazends como sejatn casemiras para cal-
    ca de delicados padriies, brios na mesma confor-
    i'nidade, panno pra casacas e paletots e algumas
    obras fettas, e de algnns movis como sejam ca-
    deiras, mesas, espelhos, camas, marquezas, guar-
    da roupa. relogo de parede, 1 rewolver de 6 tiros
    com 200 cartuxos, t taboleta e 3 venezianas e
    mutos objectos proprios para alfaate e 1 jas de
    mtudezas que so acharao patentes na terca-feira
    27 do corrente pelas 11 horas da manbaa na ra
    do Commercio n. 7, primeiro andar.
    COMPANHIA
    DAS
    lessageries imperiales.
    A o dia 30 dn crente mez espera- se dos por-
    tos do sul o vapor francez Nvarre, commandante
    Maaseiiot, o qual depois da demora do costume se-
    uir para Brdeos tocando em Daar (Gore)
    isbda.
    Para condicoes, fretes e paasagens trata-se na
    cua do Commercio n. 9.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Wavega?5o costelra por vapor.
    Goyanna
    O vapor Parahyba, com-
    mandante Mello, seguir para
    o ptfrto cima no dia 26 do cor-
    rente as 9 horas da noite. He cebe
    ______w carga, encommendap, passageiros
    i frote no escriptorio du Furte do Mat-
    tos n. 11_______________________
    Rio rande do ul
    Para o porto cima ?eguo com brevidade o pa-
    rere.he a
    LEILAO
    De una casa terrea com soto,
    O agente Pontual competentemente autorisado
    vender em leilao urna casa terrea com sotao sita
    niada Guia n. 4, em solo proprio, tendo a casa
    2 salas, grandes quartos, cosinha fora e ca-
    cimba.
    HOjE.
    No primeiro andar do sobrado n. 62, ra da
    Cruz, as 11 horas.
    Fugio no dia 9 do crrente mez do
    engenho Sant'Anna da comarca do Porto
    Calvo, o cabra Wenceslau, eslatura regu-
    lar, de 2 anuos pouco mais ou menos,
    sem barba, cabellos preto, e bem cara-
    pinhados, foi comprado na cidade do Re
    cife, para onde veio da provincia da Pa-
    rahyba ; e bem assim o escravo .Manoel
    crioulo, de 2 annos. estatura regular,
    tem um dente quebrado no queixo superior,
    bem preto; quem os apprehender leve a
    casa do negociante Joaquim Rodrigues la-
    vares de Mello, no Recife, ou no referido
    enaenho aue ser bem recompensado.
    gem de nao ser calculada a dose conveniente a appli
    car-se, o que torna militas vezes improticuo um medi-
    camento, que poderia produzir ptimos resultados.
    % Os nossct prepados s foram apresentados depois da
    bavermos convenientemente eslodado'a jurubeba, a-
    indo as experiencias precisas para bem coubecer as
    propriedades medicamentosas d'csla planta em snas
    raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose conveniente*
    appli.cacao, leudo alem d'islo procurado levar os noasos
    preparados ao maior grao de perfeico possivel, para o
    que nao ponpamos esfon;os, nao nos importando o
    pouco Ikto qne possames tirar.
    Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos
    preparados podem ter a cei ez.i de que elles oflerecem
    a garanta, de qne se pode encontrar a prompta e intat-
    livel cara de qualque dos solTriment, qne deiamos
    innnmerados, se Corem em lempo applicadoa lendo
    iln d'isso, medico on doente a vaniagem de escolber
    as oossas variadas preparaces, aquella que melbor
    Ibe pode convir, j pela fcil applicacio, e j;i pela com-
    Slicacao das molestias, idade, seio, ou anda natureza
    a cada individuo.
    anossas preparares ferruginosas ofeitas deforme
    qne m tornas completamenle aoluveis nos suecos
    gstricos, porque procuramos os compostos de ferro
    que como taes estao hoje reconhecidos.
    ' t*ira aquellos que mais minnciosamente qneiram
    cenhecer as propriedades da jurubeba, esaherein a ap-
    plic.ic.io de nossos preparados, deslribuimos gramil*
    mente em nosso deposito um folbeto, onde tratamos
    mais extensamente d'esta planta e dos mesmos prepa-
    rados. <> O
    Ikpotilo geral le lotoi os preparados tiolua e Droatrit
    34, me larga do Rosario, 34.
    . -,, ,, 1 iwiivvi v*v 4uui ^ ijvi^. v. 1 v/ob-
    dos preparados empricos d elle, o mais das vezes repu- i- 1 1 1 >_ ii--
    gnantea a tragarem-se. e que tioham anda a desvaina- qualldade de brotoejas, ebuIlCoeS, Sardas,
    pannos, manchas, impigens e espinhas.
    Quando se queira servir della como reme-
    di para fazer desaparecer qualquer um
    destestlisliguramentos, e que tanto desfei-
    amaarlndas feices do bello sexo; devera-
    VM
    Precisa-se de urna ama para cozinhar em casa
    de una pequea familia : a tratar no Muzeu de
    Joias.
    O administrador do cemiterio publico
    manda celebrar na capella do mesmo cemi-
    terio, no dia -29 do corrente, trigsimo dia
    do fallecimento da Exma. Sra. D. Mariana
    de Assis Rocha, urna missa e memento,
    pelo eterno repouso da sua alma.
    Madame Marie Grossl, natural da
    Austria retra-se para Europa, no prximo
    vpor francez.
    Sociedade Liberal tlniao Be-
    nefleente.
    Por ordem do Sr. presidente sao convi-
    dados todos os socios, a reunir-se em as-
    sembia geral no dia 28 do corrente mez,
    as 6 horas da tarda, aim de tratar-se de
    negocios de interesse mesma sociedade.
    Secretaria da sociedade Liberal Unio
    BeneGcente, 26 de junho de 1869.
    1 secretario,
    Theophilo Pedro do Rosario.
    Urna senhora habilitada ensinar particu-
    lar com delicadesa e carnho, pode se encarregar
    do ensino das duas meninas de 5 a 6 annos, an-
    nunciado neste Diario : a tratar nesta typoara-
    pbia.
    Precisa-se alugar urna preta para vender na
    ra : quem tiver dirija-se a rita da Santa Cruz n.
    40, que achara com quem tratar.
    HOJE LEILAO HOJE
    De urna mobilia de mogno eom 1 sof, 2 conso-
    las, 'i.cadetras de bracos e 12 de guarnicao, 1
    piano, i voluntes obras de Hagarthe, 1 guarda
    fouia, 2 conimoda e mutos outros objectos.
    Por intervencao do agente Pinto, por occasiao
    do leilio de movis, louca, crvstaes e vinhos no
    1* andar do sobrado da ra da Aurora n. 12.
    Principiar as 10 boras.
    Precisa-se do i ser vicos de
    horas, sendo das 6 da manbaa ia
    Rangel n. 9. ____________
    lo por tres
    na ra do
    Precisa-se de urna ama para ensaboado e
    engommado : a tratar na roa Nova n. 21.
    O desembargado!- Fnmciseo de Assis Pereira
    Rocha e seus filhos, convidan a todos os seus p-
    rente e amigos para assislirem a urna missa de
    rquiem, que se tem de celebrar na igreja do Pa-
    nizo, as 8 horas da manbaa do da 29 do corren-
    te. trigsimo do f.illecim^nto da sua sempre cho-
    rada consorte ; e desde j agradeeem cardinlmen-
    to a todos quantos se dignarem comparecer a esse
    ollieio de earidade
    Alvaro Pereira de S, Candida de S Avr> *, Vi-
    cente Cardoso Ayres e Ideolina Candida de S, sob
    a pressao da mais viva dr, convidara seus pren-
    les e amigos e aos de *eu prezado cunhado, capi-
    lao-tenente Lucio Joaquim do Oliveira, fallecido
    em Assumpcao em 20 de junho prximo passado,
    victimado urna febro typhoide, assistir algumas
    missa, que pelo mesmo tinado, mandam rasar na
    greja matriz da Boa-Vista, na quinta-l'eira 29 do
    corrente, pelas 7 horas da tnanha, protestando
    eterno reeonhee.iment".
    Aluga-sc
    o sftundo e terceiro andar da ra do Trapiehe n.
    46 : a tratar na mesma casa das 9 as 4 horas da
    larde.
    Precisa-se de una ama que cumpre e cozi-
    nbe : na ra Direita n. 79, 2" andar. .
    aviso w M&m
    9RA DO CRESPO9
    Primeiro e segundo
    ILIVROS DE LE1TURA
    PELO
    se usal-a n"um estado de dilluico, destem-
    perahdo-a n'uma pouca d'agna ; porm no
    tratatnento de qualquer espinha, usar-se-ha
    della pura em toda a sua forca. Final-
    mente como un admiravel meio de com-
    HUinicar as fei\*oes trigueiras e paludas,
    urna pelle macia e d'uma transparente al-
    vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
    liara uuLtal m, ella leva a palma a todos
    os perfumes que se teem inventado at ho-
    je, e existe em plena soberana sem rival.
    Rem entendido tudo isto se refere nica-
    mente a Agua de Florida de Murkat A
    Lamun.
    As imitacoes que se ton feito na Franca,
    Allemanlia, assim como em. outras partes;
    san inleiramente inuteis e invaliosas ; por-
    tanto recommenda-se mui especialmente
    ;is senhoras, que tenham toda a precaugao
    e cuidado, de quando compraren, estejam
    certas que compran.
    A Gi:m t.vv
    AGUA DE FLORIDA
    de
    MURRAY A IANMAN,
    A qual preparada smente pelos nicos
    Proprietarios,
    1.ANMAN & KEMP, DE NOVA YORK-
    Acha-se a venda nos estabelecimentos de
    A. Caors, J. da C. Bravo, A- C. P. Mau-
    rer A C. A. A. Barbuza Bartholomeu, A C-
    Ao publico
    Alexandrno Osar de Melle, alfaiale batineiro,
    tend.) mudado o seu cslabeleeitnento do berco Lar-
    go para n becco do Capni n. 2, faz publico aos
    seus fret-'uezes e mais algumas pessoas que qui-
    zerem mandar fazer algumas obras dependentes
    do sen nllicio, que apparecam mi mesmo lugar.
    .1KL
    Offerccese urna portugueza para casa d pe-
    quena familia, para fazer o servico interno : a tra-
    tar em Pora de Portas, ra do Pilar n. 111.
    Cozinkeiro
    Aluga-se um escravo moito lid e excellente eo
    z'mbeiro : na ra Direita n. 21, 1 a dar.
    MMM.
    Precisa-se de urna ama : na ra do Imperador
    n. 14, armazem de molhao1.
    Lotiza do Barbalho da Cabo.
    O umeo deposito de lenca da fabrica do Barba -
    Iho du Cabo, mudou-se do pattto do Terco u, 12
    para arma do Imperador n. 37, com grande sorti-
    mento de lou^as e canos, da mesma forma que
    estava- no pateo do Tere* n. 12, aonde espera a
    concurrencia do seus numerosos freguezes.
    ret, e trata-se co
    Luiz de Otlvolra Azevedo .
    Antonio
    uz n. 57.
    LEILAO
    De 82 saceos com arroz do Maranho. 203
    ditas com farinba algumas com toque de,
    avaria.
    Quarta-feira 28 do corrate.
    Os abaixo assignados scientificam ao publico
    e com especialidade ao respeitavel corpo do com- [
    merco desta praca e das provincias visinhas, com
    quem teem transacc/3es, que em data de 30 do
    passado dissolveram amigavelmente e de commum
    accordo, a sociedade que gfrava nesta praca sob
    a firma de Jos Joaqum da Silva Gomes & C., em
    liquidacao, Ocando a cargo do socio Jos Joaquim
    da Silva Gomes todo o activo e passivo da mesma
    extincta sociedade, e retirando-&e o socio Jerony-
    mo Joaquim Fiuza de Oliveira completamente deso-
    nerado e quite com a mesma, para todos- os effei-
    tos da final liquidacao. Recife 26 de julho de 1869.
    Jos Joaquim da Silva Gomes.
    ________" Jeronymo Joaquim Fiuza de Oliveira.
    Precisa-se de dous amassador s, sendo un
    para mestre de ma?seira : ni ra da Sonzala-nova
    n. 30.
    Dr. Abilio 0. Borges
    SEGUNDA EDIGO MUITO MELHORAOA
    E AUGMENTADA.
    Estes livros, os primeiros que com taes
    ttulos appareceram no paiz, so compos-
    tos segundo um sytcma natural, philosophi-
    co e ameno, qne facilita aos meninos o co-
    nhecimento daleitura, tora ando-I hes menos
    penoso os primeiros passos na vida Ilite-
    raria.
    Recommenda-os ao fado de haverem sido
    adoptados em quasi todas as provincias do
    imperio, e com tal acceitac3o, que em dous
    annos, se achou esgotada a I* edicSo de
    10,000 exemplaros.
    PREGO
    1 .* livro de loitura..... 500
    2. dito de dita........ 2<*000
    Vende-se na livraria franceza, ra do
    Crespo n. 9. ^^^
    _Os apreciadores de manjares delicados encontra
    rao todos os das no hotel central de Francisco
    Garrido a verdadeira sopa de ravkde, ao verda-
    dero gosto italiano, assim romo outras excellentes
    iguarias, que sera enfadonho mencionar. Alli se
    encontraro ainaaos mais asseiados aposentos para
    hospedes, e banhos, buhares e pianos oara re-
    preio dos visitantes : na ra larga do hosaro n.
    37, 1" andar.
    Suga-se
    a cocheira 'do largo do Parazo n. 12 : a tratar
    parede-meia n. 14.
    Atten$to
    Jos Bartholomeu, subdito italiano, tendo de se
    retirar desta provincia, roga-se a tO'los os seus
    devedores vennam pagar as suas contas no praso
    de 15 das, e o que uo pagar nate] praso, ver
    seu nome por inteiro no jornal: na rita da Espe-
    ranza, Caminbn Novo n. 3,
    Ll
    Resta venda um escolhido sortimento de ob-
    jectos de mareineria, como sejam, mobas de ja-
    araud. mogno e ama relio, obra nacional e estran-
    {eira, d apurado gosto e por pr$o* raaoaveis :
    ia ra estreita ab Rosario n. 32. Kesta mesma
    jasa fazem-se com pcrfejcao todos o trabamos de
    palhinha, como sejam, empalhamentos de lastro^
    para camas, cadeiras e sophs.
    ATTEN CIO.
    Pede-se ao Sr. Jos Vieira do OHvetra Maeiel o
    favor de .11 :i n."46, lojt. a ne
    gocio que na? Ignora. |
    CADET
    CURA
    CERTA eINFALLIVEL
    em TRES DIAS
    Ph^B?Denain7
    pars
    WLESTMdoPEITO
    HYPPHOSPHITOS
    d'DfGHyBGHILL
    XAROPE de H YPQPHQSPHITQ de SODA
    XAHOPEdeHYPOPHOSPHITOde CAL
    PILULASdeHYPOPHOSPHITO de QUININO
    CHLOROSr ANEMIA
    CORES.PAUDAS
    XAROPE deHYPOPHOSPHITO de FERRQ
    PILULASdeHYPOPHOSPHlTOdeMANBANESIA
    TOSSE BRONCHITIS
    DEFtOXOS ASTH'MA
    PASTILHAS PECTORAESi^CHRCHlU
    Eligir pura os xaropes o fruteo quadrado e-m
    tadi 0$ produclot a assignaturu Jo D~ CHTJR-
    CHXIX, e o letreiro com a marca de bbrica da
    Pliarmacia SWABN, 12, ra CaHigliotir. P A RIS
    PILULESSKICAUVIN
    rb,rmclea. B, kouletarJ Selmlopol. Paria.
    Esl* precioso Pargallvo vrgclal tSo commodol
    eomo agradivel i o raaeJio mais inlallivei vari des-1
    trair as touulptetr, as nevratgtan, as mas re-1
    ksldes, assim como a blll e a vlscimldadea
    Elle i eficaz as ganirlti*, ollruto enxa-l
    ccaw, asinina, dore*, calai-rk foua e rbeawatlaroov f
    O merecimeuto das Hlala* auvlo ]iode rcsii-1
    mr-e nestas palavras : Hsiafctleter ou eonser-l
    var a sade- .. 1
    Ellas nlo pedem nem reguardo na comida neml
    bebida; em dose laxante e depurativa, usase tomar I
    ellas as refcecOes: em dose purgativa de noite io|
    deitar-se.
    PirKambuco i JIM. Haurcr et C.
    Pars, 36, Ra Vividme, D"
    CHABLEMoecN
    DEPURATIF
    in SANG
    PLUS DE
    COPAHU
    ASENTERMIDADAS dessexuaes, as
    QOES CUTNEAS,E ALTKBJLQOESPO!
    10 000 curas das iokpingtmt
    tlulat. lunM, aarna
    comixoea,erKmi^vl.
    iterfoet, ioiOMU do
    ___Igue; timi, UilWHSl
    do tangue. (Xarope vegetal sem ercork>).aiyi
    rativm. vresetatea aUJIHdM MllllWa
    tomao-se dous por semana, segaindo o tractaauat
    Dtmrativo :__tmnrfado as mesmas moleatsaa.
    i Este Xarope Citradi 4
    ferr de CHABU8, emrm
    immediatameateqaalema
    purgacao, ivmmm.
    debilidtuU, Isaal-
    enle os fluxoi e flores brancas das mnftewa.
    Bata injeccao benigna emprsga-M coa e Xartft 4
    CUraeto as Ferro.
    iiaM. Pomada qa as eara esa tsw dtaev
    POMADA ANTIHERPETICA
    Contra i aai affeceou cutneas cmmmi>
    PILULAS VE6ETAES DEPURATIVA
    te V ChaW, cada (rase* vti i
    xm folheto.
    POS DE ROG
    Approvadot pela Academia imperial
    de medicina de Pariz
    Dm frasco do Pda de Roc, dissolvido
    em urna garrafa d'agua, d urna limonada
    agradavel, que purga rpidamente e dt
    um modo certo, sem causar a menor
    irrtacao como acontece com a maior
    parte dos outros purgantes, o* Psdha
    Rog<. sao in:iltcraveis por isso enipn
    gam-te facilmenli: em viagem.
    . i i -'*>n'i*'***''t;CI
    PrMgw tmVawkico, ilatrer t C*.
    =A
    PIIaUIiES
    DE VALLET
    >lt\U-/-
    As Pilutaia dnTalaot. approvadas pela
    Ac-ideinia im|terial de medicina de Paro,
    sa8 empregaiias com o maior ^gj^
    xito ^rteMt-ar a chlorosis,
    e fortificar as conslituicocs
    iracas. Kunca este ferrugi-
    noso ennegrece os denles. "^f
    Para a garanta da sua autlienlicidade,
    o nome vio inventor vai gravado em cadQ
    pula como a roirgem.
    H^^ j I *sU* Ckeolot.


    *
    *

    Diario de Pernambuco fiqk eir 27 de Julho de 1869.
    ECONOMA
    PARA AS FAMILIAS
    1BI,.h Tr^m-se
    X" gtf*Meavel: na pracadalnde
    -C=
    ,jn focare una iimum do Senhor Crucillca-
    ., 4e WKipftm, obra fcita na India, propria para
    (i'peMa a engenho por ser era panto arando, com
    -competan te cruz de pao santo, era rus, rospian-
    ***" prata, olira do muito gosto : na ra da
    Gtt'.v, taberna n. 7.
    E
    DIVIDAS
    _\_SE13MlJa-%S*
    PARA
    entregar as chaves ao proprietario do pre-
    dio.
    O arrematante do estabelecimento de fazendas da ra da Imperatrj/. n. 36, T
    intitulado JARDIM DAS DAMAS, tem resolvido ltinidar todas as fazendas que nelle exis-!
    tem, afim de em poneos das poder entregar as chaves ao proprietario do predio, por-
    tanto convida ao respeitavel publico a vir aorlire "lo grande sormento de fazendas i
    que existem no mesmo; podendo comprar por menos 50 o/0 do que em outra qualquer j
    parte, e algumas tal vez por menos ainda.
    Enlrc o grande sorlimento de fazendas que existe nesla loja tem o segrate:
    O abaixo asstgnado, bota possuidor das dividas
    do casal do fallecido Jo*- lluptisla da Fouseca J-
    nior, arrematadas em Icilo publico, pede aos de-
    vedores do mesmo casal >e dignem salislazer seas
    dbitos no praso de SO dias, a contar da data dos-
    te ; findo o quai pioceder judicialmente a dita
    cobranca : na ra das Cinco Ponas n. 82.
    Recite 13 de joJho de 1869.
    Joo de AzovedoPereira.
    ao *o:ooo$ooo
    CASA DA KORTUNA
    Hita do Crep n. *#.
    O abis aasigaado tendo oblido llceiica la pre-
    sidencia e sasfailu as cufias exigencias da les,
    avisa ao respeitavel publico que lera sempre a
    venda no sen esiabelecimerfto bHhWes das lote-
    ras do Rio de Janeiro; tajos premios aero pagos
    proniptamente vista das listas com o descont
    rnenle da le.
    Precos :Inleh-o.. 4*080
    Meio?... MU
    Quartos. 6*000
    E em qnantldade maior de lOOjWOO na razao
    de 22000-pur hilhele.
    Manoel Martins Pioza.
    cobpato PERitunrauii
    mm nsTiii por f mi
    fEMPRESTIMO
    O advocado Dr. Antonio de Vas-
    concellos Menezcs de Drumniond,
    mudou o seu escriptorlo para a ra
    do Imperador n. -20, onde pode
    l ser procurado para o exercicio de
    \ sua prolisso ein lodos os das
    3 uteis das 10 horas da manha at
    s 4 lioras da tarde. Kra dessas
    horas, e para qualquer occorrencia
    urgente, ser encontrado no seu
    domicilio. ra da Aurora n. 26.
    s
    Finas percalas de cores fixas.
    Chitas linas claras e escuras, cures flxas. \
    Cassas francesas mu lo finas.
    Finissimos bareges com listas de seda.
    DKas transparentes com listas.
    Latinabas muito linas com listas e llores.
    Alpacas Iwradas com ores.
    Cortes de cambraia de cor com barbas
    bordadas.
    Ditos de duas saias, com ligurinos.
    Ditos de cambraia branca, bordados.
    Ditos de velludo para colletes.
    Ditos de gorgur5o de seda.
    Sajas bordadas, cora quatro pannos.
    Ditas cem barias de cores.
    Ditas de lan, bordadas.
    Puahos com gollinbas de cambraia.
    Alpacas lisas com listas.
    Xa ra da Aurora n. 3i,
    . se de urna boa ama de leile.
    2o andar, precisa-
    Bitas lavradas de urna s cor.
    Brins de linho miudinhos para meninos.
    dem idem com padroes mais grados.
    Cros-de-napoles pretos e de cores.
    Pannos finos pretos c azues, do mais bai-[- .. _. ,, ,"
    >a estrada de Joao de ISarrns, por onde tem de
    xo ao superior. pa^^ar os trilhos de ferro para Reberibe, se est
    Casemiras decores para calcas, UC todas'1 rtalhando um exccllente terreno com grandes
    as qualidades. fundos e diversas fructuiras. na denominada roa
    Finissimos manguitos com gollinbas de i^ ,Hril: a**" ra a, s, ou na ra
    ... da Imperan rz n. /4.
    cambraia transparente. ------~-^---------------------------~
    Manguitos com pannos.
    Punbos com golliiihas.
    Ainda uo vieraiu,
    de iuteresse. e ptflcisa-se fallar ra do Crespo
    n. 17 cooi os Sis. Paulino refreir da Silva, ox-
    Pelerilias pretas, de fil e croch, borda- procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
    das.
    Finissimas tiras bordadas para ntre-
    melos.
    Ditas para babadinho, tendo de todas as
    quaMdndes e larguras.
    como
    Assim
    um grande sormento de roupa para homens, tendo paletots, calcas e coletos de todas
    as faaendas e qualidades; e outros muitos artjgos que seria impossivel nomea los todos.
    O que o arrematante deste eslabeleeimento pode garantir ao respeitavel publico que
    ser be.m servido e por precos muito comraodos, por ter grande urgencia de es'vazear
    sos.
    FE
    (SEM LIMITE.)
    Na Iravessa da
    Cruces ii, 2,
    meiro andar, da-sc qual-
    quer quantia sobre ouro,
    prata e pedras preciosas.
    0 dono deste cstabelecimento,
    competentemente autorisado pelo
    governo, esta as condices de ga-
    rantir a transaccao que se izer em
    sua casa, promettendo todo e zelo
    e considerarlo s pessoas que se
    dignarem de honra-lo em seu esta-
    belecimento.
    Na mesma casa compra-se ouro,
    \ prata e brilhantes.
    cOXMLIIO DE IIIhvvvo
    Os Srs; Saunders Brothers & C. Tasso Irmao.
    Luiz Antonio de Siqneira.
    (KRGH'Ti:
    0 SE. F. F. BORCrES.
    Restando anda emiltir algumas accoos tiesta companhia, daqtranlia nomioaloV
    OOjlOO cada urna, das quaes s se afeitan) em virtude da lei, 20 % ou 40^000 por
    cada aco; coBvftla-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
    capitalistas e nleressadcs no commereio, que queiram dar empreo seguro aos seos
    capitaes, disponiveis, a subscrever o numero deac;es que Ibes appreu\er.
    Algumas destas aeces j tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vanlagern.
    de na presente occasio (conbecidamente a melbor), empregarem o dinbeiro de que
    podercm lispor em objectos de valor real, como/apores, predios etc., que Ibes garan-
    tan! seus capitaes.
    A companhia possue boje 10 vapores, G inteii ament novos, e deste? o ultimo est
    a ebegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
    Altn disso esl edificando vastos armazens, no terreno pue possue ao largo d'As-
    sembla.
    Seus dividendos tem sido ds 10 % ao anno nos ltimos 4 annos.
    As accoes que se emittirem gosam dos mesmos direitos, e percebero o beneficio
    dos mesmos dividendos que osantigos em proporco da entrada.
    Recebemse assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
    Assembla n. i.
    *". liricr.
    Mnda-se para o largo do Pa raizo n. 10, onde
    pode ser procurado por seus amigos e freguezes,
    e ahi acluirao sempre para.9 servir. Tem^empre
    stores c gelosias e coiTentes de todas as largu-
    ras para ,|as mesillas, tudo secundo o novosys-
    tema usado ltimamente em Paiis, talado* os
    o cstabelecimento, pela razao que j deu do ter de entregar as chaves em poucos dias j;oneertos eom a maior brevidade e preco com-
    isto na loja da ra da liaperatriz n. :}G. que tem um retabulo coin o nome de modo-________,________________
    'VI
    AUGUSTO PORTO & C.
    11--RUA DO QUEIM DO-11
    \ farsa rento* ale que..........
    E' na roa Direitn n. 88; loja de l'wrnirens, que
    | sedeseja (hilar ao Sf. Antonio Franeiseo Duarte
    j ou son irmao es-'d^pntaEi provincial Pr, Maxt-
    , miauo Franciseo Duard.-: devo sjilmr ipiuiq-----
    Ama de leite
    de Me Hm lillio
    Tendo chegado ltimamente ao seu e tabeleciniento grande variedad de fa-| Precisa-se de mu ama
    . endas de gesto as pem disposic3o de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos jrna da o-n.-eirao n. i'i.
    presos possiveis, sendo: -Preci&v-se lugar um;
    Bournous de cachemira branoos e de cores, o que ha de mais elegante
    hombros de senliora.
    Novos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
    iontales de renda pela de soalines, o que ha do mais elegmte para urna moa.
    Basquines de guipare preto, novo gosto, enl'citados desetim de cores.
    ilos d^ blond com manta e .-apella para noivas. Fronhas e toalhas de cambraia de linho
    bordadas. Cortinados brdalos para camas e para ja:iellas de diversas qualidades:
    colxas de seda e de la-e de seda para camas de noivos.
    na
    preta oaptiva ijue
    para s8'8 engommar beni roupa de boinmii e o se-
    nhor, (pie ttj de ooa conducta : na rna da Au-
    roran. 40.
    Joa-miiu Pereira tenles taz scionle ao>
    . seos dov>id"ii:s que di'ixnu de sor sru cobrador
    Vest- o Sr. Antonio Jauuario Cabi^J doet" o dia 30 de
    mareo prximo passadoc por isso avisa que ao
    pauueui mais r.o referida '".alira! a< pede ao mesmo sonhor para iiue venba justar
    iaanlisj visto .nao teraui i to ignorar sa
    Epuigle, lindo gorguro de la e seda de cores, e muito elegante fazenda para i morada. ______
    um lindo vestida. Sedas de cores e Brotas, gorguro de seda branco e de cores com
    istas assetinadas, panos, casemiras e umitas outras fazendas cujos precos sao em geral (
    muite mdicos. Grande sortimenlo de camisas para homem, tanto lisas como bordadas
    & de cores.
    Continuara sempre a fer grande variedade ue tapetes para sof, para cama e
    para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifar salos, e grande quantidade de ;
    Esteiras da India para forrar salas.
    i
    s
    O
    'I
    ** _
    ^<=
    _^-
    ^- =_
    -i
    _ -

    flT
    i
    ^=j
    es rfi \ -
    8!
    m
    t
    _5 t
    >
    s
    1
    o* t

    ?ERDADEIRAS
    PILULAS DE BLANCARD
    coa loawirro eo na iiialyeimvil
    AFPROTADAS PELA ACADEMIA DI MEDICINA DI PARS. ETC.
    ressuindo ai proprfedades de toda et o Um. wnran pectatnrepteitM Aimxoa
    SCH0FUL0SAS, a Tsica no priw.ipio, fraqwtai* ttntperammto tambera nos casos d
    f alta DI con, AMKNOHRTiEA.em |ue precisaf.eagir t _ a tua riqueza e abundeneia normses, ou para provanar* regular o sen runo peridico.
    A'. 0. O iodnrtio i tem impoco o atorado i am _sdit*Ma infltl,
    _ritar. Como prora de porexa d tathtnddad* u
    _! ** mmntmrd, derO-M exifir nono MU* i
    homo nrma, 7111 niirodnxida, qn arh na pam ntonoc
    riui* jure. Dvtt-M detesmltr du lalsificacot.
    COMPANHIA
    DOS
    TRILHOS URBANOS
    DO
    RECIFE Y' Olil\IIA.
    Por oidem da directora sao convidados
    os Srs. accionistas a" effectuarem no praso
    de Jodias (a contar dodia ludo crtente)
    a tercena prestaeao de suas ac; es na ra-
    zao de 10/o- .Paia esse fim ser encon-
    trado o fir. thes'-.ureiro lodos os dias uteis
    desde as 11 horas da manilla at s 2 da
    tarde no seu escriptorio, ra Nova n. 35.
    O accionista que rulo realisar a impor-
    tancia da preslacao no praso determinado,
    perder em ftuw da companhia. as presta-
    roes anteriormente realisadas. (Art. f8.
    dos estatutos).
    Recife, lJdejunho de 18ti9.
    1 secretario,
    Hipo. Jitt.
    O advocado
    Affoaso de Albuquerqne Mello mudmi o seu es-
    criptorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
    typograpbia do Diario.
    Araga-se tima esrrava boa cozinheira een-
    gommadeira : quem precisar apparara ua ra da
    Aurora"n. 50, 21 andar. ^
    ^9%aM9SwaHMi ivsvaa aHnmCDsaoVXK
    _S O Dr. Joao Ferreira da Silva, de voli.i,
    SgS da viagem quo Itera a Pari.*, contina
    S como d'antes no exercicio de sua proiis-
    ffijt sao medica: em sua residencia ra lar-
    gQ ga do Rosario n. 20.
    ^__n__8_i m ______ii
    Attencao
    Na ra Estrelta do Rosario n. 33 1o andar preps*
    ram-se ricasbaiulejasde b.ilos para casamento*,bai-
    lesebaptixados, por pre'-o muitocomiiiodo,com bolos
    dedirferentes qualinades^oqueisdefloresartiliciaes
    e naturae? propros para eneitos de lilos e para
    easamentos o para qualquer offeata com lilas bor-
    dadas aourd e Ielreir agosto dosdju>s; en-
    comtnendas devem sor fetos dous dias antes,
    enfeitam-s.'. velas ricas por invito barato proco
    para baptizados e onfeit^s de altares; faz-se ca-
    pelias e cenos para as lajea e flores para enfeitt-s
    de igi prepara-so qnalquer encommenda,
    para fom em toda presteza, de rosas, palmas,
    capellas. fest'Jes e rose ras para enfeites de igreja
    mais barato do que em outra qualquer parte e
    nom toda presteza : faz-so pan-de-lo, pudias e do-
    ce, tudo enfeitad i para presentes
    CASA DA FORTUNA
    Aos 4:000$
    Billietes garantidos.
    A ra do Crespo n.23 e casas do costume.
    O abaixo assifmado tendo vendido alin de ou-
    tras sortes o meio bilbete n. 2952 com 4:600* da
    lotera que s acabou extrahir beneficio da San-
    la Gasa da Misericordia, convida ao possuidor a
    vir reeeber na cdtiformidade do costme sem
    descont algum.
    Acham-sc a venda os bilhetes da 26* parte da
    Santa Casa (Uo1) que se extrahir no dia 4 de
    agosto.
    Precos.
    Os do costume.
    Manoel Martins Finia.
    _| Sublime pirblitaco Htterarin sob o
    S titulo de Memoria do Bom Je sus
    do\Munie, em Braga.
    Aclia-se venda na loja da ra
    ge doXrosiKi n. 25 A, esquina da do,
    s (juuimado, a Prinurrosa Memoria
    SB tk> Bom Jess do Monte em Braga,'
    H ornada de gravaras linas, segunda
    jjjjj edico, obra da penna de ouro do
    BH mui Ilustrado lente da univeisida-
    ma de Coimbra, o Exm. Sr. conseitiei-
    f" r Dr. Diogo Pereira Forjaz do
    Sampaiu PBentel: q__a ti ver o-*
    ticia da extraordinaria devocSo que
    | existo em Portugal para com aquel-
    81a milagrosisssima imagem.affluiudu
    sempre para o seu ma^sloso tem-
    pi em romana numeroso povo
    | de todas as partes desse reino;
    H <|uem souber avallar as brilhantes
    | descriiicos, e o bello estylo da-
    Sijuelle consumado jurisconsulto e
    eximio literato portuguez, nao dei-
    xar (Je procurar quanto antes pro-
    * ver-se de um exemplar da dita me-
    I mora, pelo dimnuto preco de :!">,
    f$ na loja cima indicada, onde j ha
    i pequeo numero deas.
    AO PUBLICO
    Um terrvel furaco impellido pela inveja, con-
    seguio abalar por algntn lempo o cstabelecimento
    de modas francezas na ra da Imperatriz Di .*i,
    denominada a Esmeralda. Mas o anjo da guarda,
    que vela sobre a innocencia opprimida, fez cal-
    car aos p.s da justica o genio do nial, que desen-
    caJeira essa lempestade. Brevemente se achara
    o mesmo 'eslabeleeimento em maior grao de es-
    plendor, sonido de todas as fazendas do mais
    apurado bom gosto, e as mais appropriadas, se-
    gundo as igorosas leis da moda, parasatisfazerem
    as mais exquisitas pbantasias do bello, e amavoi
    sxo. Presentemente esl enearregada dos prepa-
    ros de costuras, modas e enfeites na mesma loja,
    urna exccllente e perita modista, que sabe execu-
    lar com perfeicao tudo que o sexo encantador tem
    inventado para seu adorno e elegancia, e offerece
    seus ser.vicos quem d'elles precisar.
    O Dr. Ermiro routinho re
    ra da Cadea n. 64, onde tem
    aberto o sen consultorio medico e
    ;"pde ser piooorado a qualquer ho-
    ra [tara o exercicio de aoa profis-
    o.
    Os aLaixp assjfnados, com estabele/inv^ato
    demolhados rna larga do-Rosario n. i), deejf-
    ram ab publico prifl'lpalpeiite ao oerpo do com-
    mereio, que tem pago todo o debito peitanoaate
    firma do Joaquim PaesPoreira da SHfa, e quem se
    jtilgur erertor da dita firma do Joaquim Paes Pe-
    reira da Silva, pestencente ao diu estal>Heeimen-
    to, aprsente a sua serta no praso de mjs
    para ?r paga. Recife. 26 de jnlho do 1869.
    Ferraz & Honriques.
    Industria agrcola.
    O abaixo assignado proprietario de varios esta-
    belecimentos aliricolos, tendo de relirar-se para
    Lisboa a tratar de sua saude, deseja diminuir o
    curso de suas operacaes, expondo a venda o enge-
    nbo Hrrtue (funecionaudo actualmente com SO
    a 60 estraves) distante legua e moia de'lleleni, com
    a qual corresuonde por trra e por agua.
    A fabrcacao do assucar ahi se faz pelo novo
    systema do vaccuo e do vapor.
    A agurdente por dous alambiques, sendo um
    do anligo systema e outro do continuo.
    O material inleiraniente novo d'este eslabeleei-
    mento, sahido da casa bem cenheeida de Henry
    Claiton & C. de Londres, e de pnmeira ordem a
    sua nstallacao feita com toda a torca e perfeicao
    que se pode desejar.
    O material o os apparelhos compoem-se do se-
    gu nte:
    Do una caldeira de 20 cavallos de forra, com
    2 fornalhas interiores, dando consecutivamente
    vapor (te 4 a ,'i athemospheras de iireccao : esta
    caldeira esl manida de todos sens aparelhos de
    seguranca, indicadores e assecorioa.
    Uo urna iiiauliiua a vapor oriental de alta prec-
    vao, d torca de li cavallos, dando a sua tran--
    misso a um jogo de moendas da maior torca co-
    nhecida nos esiabeleciiuentos d'esta provincia.
    De deis desecadores a debre fondo em com-
    munieaciio i-om os fehros, -sstema Taylord.
    De urna caldeira a cozer.no vacuo com lodos
    os seus aparelhos, e correspondendo com a bomba
    do ar, mandada pela dita machina de vapor.
    De l bombas para o niovimeuto das diversas
    operaijoes, aoinmuuicando com diversos depo>itos
    d agua fiia,4fua queaie.mel para assucar, mel de
    tortna e eqMas etc.
    De urna tornna a vapor gorrespondendo com
    girador da inaTiina. ,
    De urna turbina ugleza, de um dimetro maior
    tnovida por baixo pela transmissao mandada pcl
    machina a vapor.
    listas obras foram montadas e installadas pelo
    primeiro artista scientilico e pralico conhecido
    u'esta provincia, ano tem funecionado com todos
    estes aparelhos ; dando productos de um qualida-
    de supeiior a todo? que tem aparecido at hoje
    n'esta provincia.
    Este cstabelecimento pode fabricar regularmen-
    te de 200 a 300 arrobas de assucar, u pipa? de
    caxata diariamente.
    PeTtence a este engenho um lago, cujas agnas
    servem para moer actualmente urna pequea ser-
    rara 9o madeira.
    A casa de moradia nspacosa e de boa constriuv
    cao : em lim, ucsto logar arhase unua bonita
    ampina cercada de malas virgeus ade se cii-
    coatram com muita abundoticia madeira* tanto
    para rentruecoes naves como terrestres.
    Pana, 39 de junho de 1869.
    Jos Antonio de Miranda.
    GHEGUEM
    A1TES DO IIAR4T0
    que est finalisando a liquidaco da rna do
    Crespo n. 17 de Antunes Guimares & C.
    Camisas bordadas para sonhoras, lencos de labyriuto, fronhas, bicos e rendas da
    trra, cortes de tarlatana bordados para easamentos, corles de vestidos de cambraias
    bordados, alpacas de cores lisas e de (istias, precalas ainda de bonitos postos, casaqui-
    nhosde casennia para senhoras, saias bordadas e bales de todas as qualidades ele.
    fra da iiquidacTu>
    Kicos corts de vestido de blond, recebidos pelo altimo vapor.
    Pompolinas de gostos especiaes, que mnito agradam.
    Gorgores lisos de cores para vestidos, fazenda ltimamente chegada.
    Colxas de sida de todas as cores.
    * Litas albstuadas fazenda nova no mercado.
    Hicos chapeos de palla para senhoras e chapellinas de novo gosto.
    Esleirs da India proprias para forrar salas e quartos.
    Bons e bonitos tapetes de todos os tamaitos.
    Tpeles avelludados para covados : e outros muitas fazendas que s vista se
    a realidade do barateiro.
    TISTA H PAIS
    19Ra Nova19
    Eti:i*i;iei< o wiitiek
    jirm-giao-Jeritista, murto conhecido ha dez annos u'esta cidade, pela perfeicao eos sii3
    Irabalhos, tem a boma de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
    Uioramentos na sua casa, pode d'hora avante reeeber as senhoras no seu gabinete odo
    icharo os conamodos precisos para familia.
    Acha-se tambera na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
    J. LfiROUX
    o qual acaba ile -ollar de urna longa viagem a Europa, durante a qual pratieoo com
    feliz successo as primeiras casas de Paria o de Londres, offerecendo assim as neaorts
    garantas do i)om desempenho para tudo o que for relativo a proisso ; por isso o
    innunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao enoontrarom ao seo
    gabinete, depositen* no dito seu sobrinho a mesma conrianca cora que o tem honrado
    i dez annos.
    Dentaduras por todos os systeraas: a prcssab do ar e com molas de ouro, platins
    vulcanile e um inteiramente novo n'esta cidade.
    Cura radica! dos denles cariados.
    Chumbagens (obturaces) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
    Remedio para acalmar as dores de denles.
    Agua e pus denlrilicios fabricados pelo proprio annunciante, o rjue_te peettitta aian-
    car sua boa qualidade.
    Escovas para dentes. etc.
    Perfeipo de trabalho e pretjos moderados.
    Viogens para fra medmntc ajusto previo.
    O gabinete ad;a-se aberto das 8 Loras da manha at as i da tarde de todos ds
    lias uteis.
    COIWtMA DOS AVAMZES
    16 RUADA CRUZ 16
    S. A^TO\IO, JOAO *. Pl_URO.
    Ha diariamente si^rtimento de bolnlios para cha, podras, pues de l, bollo inglez.
    presuntos, ditos emfeambre, pastis de dilfereates qualidades. Papis-para sortes.
    bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas c confeitos. Vinhos finos engarraa-
    dos, superiv cha Bisson, pretoe raiudinho, fructa em xardpes, ditas seccas e cfarsta-
    kisadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
    Recebe-se enconimendas de bandeijas para casaaaento, bailes e baptizados, eom
    bonitas armacoes de assucar, sendo estas preferiveis as de papelab: bollos etc., pjfes
    e l enfeitador, qoalqur encommenda pata fra ser bem acondicionada.
    11 Ra estreita do Rosaris-11
    Este novo e modesto eslabeleeimento, tendo abcrlo ao respeitavel publico e.stc i
    gante e bem fomecido hotel que situado ruma posicao inti'iramente satidavel, e sen-
    do constantemente sombreado pelos doces zepbyros da tarde, tona%e preferivel ijoai-
    mer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero rackm?rali-
    mento do corpo, distra.o da alma, e speego de espirito.
    No pavimMto terro urna casa de pasto muilo profusa, ila primara ordeta; no
    primeiro onda^ ule., um exoeRente buhar de mogno, para .liverHmenlo. Saa
    de traz um restau,_.:^ la primeira ordem. Quanto ao asseio e bt-ml'eitoria dascomed^
    rias, o delicado modo do pessoal do cstabelecimento, promptidao e commodidade, s6
    ios Ilustres concurrentes dado'fazer justica.
    Fornece comidas p;'ra fra, tanto por mez como axulsa. Todos os dias, noite.
    ocontrar-se exa -orvete, refrescos, caf, cIk, bons vinhos Figaeira, Poito> Bor
    deaux, tendo bor.s :ommodos para hospedgem, &alao e quarto moiiliado. no seano
    do andar.
    INJECTION BROU
    Bies iafalllvcl r frf*rr\nv, ,
    MipMi bMicu i* Bo_. (Bliftr _
    ) IMMH >a naiuMixnirii
    i*M*).(M_Mta
    -r.r;__
    IllGtVEl



    -
    Diario de Pernambuco Ter^a feira 27 de Julho de 1869.
    A ESMERALDA
    PILULAS
    ANT BOUBATICAS
    Cura railiealmeiife as boiihas.
    nico depoiUo.Pftarmacia de Joaquina
    de Almida Piulo, ra larga do Rosario nu-
    mero 10, junto ao quartel de polica.
    XRPE
    QE
    De m
    Depurativo do sangue
    Usado as molestias do pee, impigens,
    dores rheumaticas e ulceras venreas,
    IIGO DEPOSITO
    Ra larga do Rosarlo n. O.
    Jixro ao ucartel de polica
    Peniiir.ibuoo.
    Moreira Duarte & C. tendo feito urna
    completa reforma no sen estabelecimento
    de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a p*
    loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-:
    peitavel publico, a quem offerecem um es-
    plendido sortimento de joias as mais mo-l^
    dernas e primorosas que teem vindo a esta -
    prapa, e por prepos o mais resumido possi-
    vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
    dras preciosas
    N. 5 Rlli DO AUDGA N. 5
    Cosinheira
    Precisase de urna boa eozinlieira para casa'de
    hornera solteiro : na na do Queimadon. 41. Inja
    Ama
    Precisa-se do nina ama para cozinhar e compra'
    a de. pouca familia : na ra das Crines
    andar ; prefere-se escrava e paga---'
    bem agradando. ______
    = Luir Jaaaarjo da Gama e Horacio Antonio
    Mangabeira, declarara que dissolveiam amigavel-
    mette a sociedade que tiiiham na fabrica de ci-
    garros o charutos, ito ntvira nado
    n. 5,-que gyrava sobre a linna de GaHia & C.
    Ufando lodo o activo a caigo de Horacio Aatonio
    Mangabeira, e o passivo al esta dala a cargo do
    ex socio Gama,
    Hacife, |7 do jalao do 1869.
    .UM
    Preciw-se de uina ama para casa do hornera
    solteiro : na roa de Aguas-Verdes n. 86, segundo
    andar.
    A Lraria Franceza.
    Acaba .le receber. de Pars pulo ultimo
    vapor um lindo e variado sortimento de ar-
    tigos de fantasa proprios para presentes,
    assim como guarpa joias, porta boquets,
    caixas com pertences para ostura, tintei-
    ros, albuns para retratos e para desenhos,
    papelarias do loso, etc. ate"
    9-RA DO CRESPO- 9
    MU M1MN
    Ra do Queimadon, 49 e 57 loja
    dt nu'udezas de Jos de zeve-
    do Mata e Suva conhecido por
    Jos Bigodi'nho.
    Est qneirnando tudo quanto tem em seu
    estabelecimento para acabar e fazernovo
    sortimento, por isso queiram vir ou mandar
    ver o que bom c barato.
    Caixas de lindas do gaz com
    50 novellos a
    bar ha a
    :oo
    Ama
    Precisa se de nma escrava para cozinhar e com-
    prar : na ra de S. Francisco n. oi.
    Caixeiro
    Precisa-so Je un oaixeiro i|ue tenha pralica de
    M'na: na na do Galdeirriro n. GO.
    Pracisa-r-o de una ama
    da r.vleianiSe.
    para coziuhar : na
    Msica
    COMPRAS.
    0 muzeo de joias
    Na ra do Cabug n. 4 compra-s ouro, prata'
    i pedras preciosas por precos mais vantajoses de
    que em outra qualquer parte.
    Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
    yves, compra-seouro, prata, e pedras preeiosas.e
    tamben se fai qualquer obra de encommenda, e
    iodo e qualquer concert.
    '00
    400
    1,5201
    I 500
    2iJB00
    800
    O professor i*.o msica Candido Quintino Redri-
    gues Lima, dispondo de algumas horas que podem
    ser aprovoilaves por alguctn, vom por meio do
    presente offerecer seus prestimos ao publico desta
    eidade, lauto no que diz repeito a sol vejo como a
    llauU : diiigir-se na roa Augusta n. 3U.
    Compra-se
    LOJA
    ALGODO
    DAS MACHI.VIS
    do
    al-
    MACIUNAS americanas de serrote de todos os tamanhos para desoaroear algodo,
    multo condecido fabricante Eagle Cotton Gin.
    MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos para desoarocar,
    godao do autor New York Cotton Gin.
    UV.CHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
    MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
    de algodo. .
    MACHINAS de faco do fabricante Plalt B. & C, Obdlian PatentLiverpool.
    Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melliores que tm
    vindo ao mercado ; e para a sua apreciado convidante os senhores agricultores "
    virem a esposjgSo das sesmas na ra da Cada do Iteoife n. :J6 A. loja do Bastos, onde
    encontrarlo mais o seguinte :
    Oebulhadores para miho.
    Cylindros para padarias.
    Arados americanos.
    Carrinhos de nio.
    Machinas para cortar japim.
    Caouos de chumbo.
    Bombas lia I&py.
    Ditas americanas.
    Tenas de ierro gtlvapioedta.
    Folhas de zinco linas.
    Ditas de cobre e latao.
    Ferro de todas as qualidades.
    Arcos de ferro.
    Fulha de Flandres.
    Machados americanos.
    Faenes ditos.
    Balaios e cestas de vergainha.
    Yassouras americanas.
    Folies de todos os tamanhos.
    Tornos e safras para ferreiros.
    Finalmente muitos ootros artig
    diversidade seria enadoaho ennumea-los.
    Folha de ferro.
    Balancas americanas.
    Tinas de madeira americanas.
    Ps de ferro ditas.
    Baldes de madeira ditos.
    Temos de bandejas tinas.
    Trcns completos, para cozinha.
    Peneiras para padarias.
    Baldes galvanizados.
    Hrrenles de ferro para almanjarras.
    Espingardas e rewolvers.
    Guarda comidas.
    Ferros a vapor para engommar.
    Muanos para relinaces.
    Azeite de esperma.N'te, proprio para machi-
    nas de todas as qualidades. m
    Senas avulsas para machinas.
    Mancaes e todos os mais perten-es para as
    mesmas.
    Latas de gaz,
    ospertencentes lavoura e artes, que pela
    Utiixeiro,
    Precisa-e de um con pralica de taberna
    ra da Lapa n. 9.
    na
    MARTIMOS
    E
    farinha de mandioca da tena : na rna do Com-
    meraio n, t7.
    Compra-se urna preta que saiba cozinhar,
    e tambem compra-se um negrotle meia idada : na
    Praca da Independencia n. 39.
    Sdalas de \% e 2$
    Compra-se na casa de Theodoro Simn
    de C, largo do Pelourinho.
    " AfTECA()
    de mandioca
    Compra-s fsrlnha
    tratar na praca do Corpo- Santo
    andar.
    da. Ierra : aj
    n. 21. segundo
    HE E 1
    ESCRAOg
    CONTRA FOCiO.
    A Companhia Indemnisadora estabelecida c m_ e ^^ 90 (larinmon!c a r6w
    esta praca, toma seguros martimos sobre; e (|enlriJ da protacU eserayos de toda as idades,
    navios e sens carregamentos e contra fogo, cores e sexos, eow tanto que sejam sadios: m
    em edificios, mercadorias e mobilias: a terceim andar do sobrado n. 36, roa dasTJroies;
    ra do Yigario n. 4, pavimento terreo. frwz'*,Ie Sant0 Anton,,r-
    Ao commercio
    O Dr. Antonio Jos de Alcovias achando-se pre-
    sentemente na eidadode Maeeio, offencesens ser-
    vicos nessa eidade e seus arredores aos negocian-
    les desta praca, :mearregamio-so da cobranca de
    qualquer divida ; e quanto garanta dos capi-
    taes, que possa arrecadar, o interesado dirija-so
    ra da Cadeia do Heoife n. 18, Io andar, que
    achara quem o abone satisfactoriamente.
    Comprm-se du is venezianas
    Padre Flonatio n. ?{, 2o andar.
    na ra do
    VrNDS.

    CARVAO DE BELLOC
    PARS
    Approvado e recommeadado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
    cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
    E egualmeate o remedio por excelleneia contra a relenco do v*ntre Finalmente era
    rato de mus propriedades absorveoles, recommendado como veda*k-iro remedio nos
    cazos de diarrhea e cholerina. O earao de Beltec toma-sa na occaiao das eomidis
    sob a forma de pos ou de paslilhas.
    Oepoto em Ri^vJanf.ho, DuponchelU; Clavolot. Eni PtumutBoo, Maurcr k C'.
    Preciosa publica- f
    pao jurdica.
    Coinmentario do cdigo com me rea l
    Kntuyuz braileiro
    Vende-se na luja do Sr. Heraclio
    de Paula Monteiro. .i rna da Impe-
    rador n. 71, a importante e moder-
    na obra sob o titulo de Amiotarcs
    ao Cdigo do Conmero fforfttyMH
    em (i voluntes pelo Exm. Sr. con
    selheiro Dr. Diego Pereira Fnrjaz
    de Samnaio Pimentel, lente cate-
    drtico na umversi'lade de *:oim-
    bra. Os satildOS crditos de que
    gU mulo merecidamente aqui'v
    eximio commercialista por si su
    bastariam para recommendar IQ i
    importante obra, quado nao con-
    corresse mais para isa* a grande
    vantagem de ser um ptimo roin-
    iBentanio ao cdigo -ommei-'-ia! !)ia-
    sileiro (na falta absoluta que ha le
    qualquer oulro) pela mxima he-
    mogeneidade entre rauitas das suas
    disposiees, e as do menoionnih
    cdigo portuguez, que lite servio
    de texto. Correi pressurosos, dis-
    tiucta mocidade da Faculdade de
    Difeito desta eidade, e mais nota-
    veis juriscinsultos, prover-vos
    desse poderoso auxiliar para vossos
    trabalhos da scJencia, e pelo pi
    commodo do ^Oo toda a obra em (
    viilumes.

    Vende-se urna ovelbi, muito gorda e
    mansa, e nova, pois que teve apenas um
    parto: drija-se a ra das Gruzes n. 20 se-
    gundo andar.
    Libras e e uro nacional, moedas
    tle 5 francos.
    edoende-sc no arco- da Coneeicao na loja
    Vurives, nnRecife.
    Escrava venda
    Na ra do Hospicio, porlo da ferro, n. 84, ven-
    dase um i mulata mw-a que engomla, lava o co-
    t n ha.
    Latas com superior
    ^ 120, 200 e.....
    Frascos de oleo babosa ra,uto
    fino a.......
    Duzas de meias ( inglezas )
    muito boas a 4;K)O0
    Garrafas com .agua florida ver-
    dadeira ......
    Garrafas com agua.'divina dame-
    lhor qualidade .
    Caixas com 12 frascos de cheiros
    proprio para mimos .
    Dita comfO frascos muito finos
    Oleo baboza muito fino que s
    a vista ......
    Sabonctes de calunga muito bo-
    nito ......
    Caixas de p de arroz muito
    superior .....
    Pecas de babadinho com 10
    varas ......
    Pegas de lila de cs qualquer
    largura .....
    Escovas para unhas muito fi-
    nas ......
    Escovas para dentes fazenda
    muito lina .....
    Pulceiras de contas de cores
    para meninos .
    Gaixas de nha branca do gaz
    com .'O novellos .
    Pecas de tranca lisa de todas
    as cores .....
    Resmas de papel pautado muito
    fino ......
    Pares de botos para punhos
    muito bonito .
    Libras de la paa bordados de
    de todas -s cores .
    Pentes com costas de metal
    muito finos .
    Novellos de nha muito grande
    para croxs .
    Duzia de nha froxa para bor-
    dado ......
    Gi osas de botes madreperola
    muito fino .....
    Sabonete muito finos 60, 120,
    IGO, 240 e .....
    Peas de fita de la todas as
    cores ......
    Espelhos dourados para parede
    15000 e .....
    Espelhos de Jacaranda muilo
    fino ......
    Pecas de trancas brancas e de
    cores de caracol .
    Pares de meias cruas para me-
    ninos ......
    Caivete muito fino com 4 fo-
    lhas ......
    Frascos de sndalo e patecholy
    muito finos .
    mJEAO
    Grande
    toja de fazendas e roupas feilas
    rtta da luipcralriz n. 52,
    porta larga,
    PAREDES PORTO
    5500
    M*
    5600
    5500
    5500
    5500
    5240
    5200
    5600
    5040
    45000
    5120
    85000
    5320
    5320
    5480
    5500
    5320
    5500
    15500
    25000
    \060
    5320
    15500
    15200
    DE

    Nesle estabelecimento enconlrar o res-
    poiUver publico um bonito sortimento do
    roapas o fazendas de todas as qualidades t
    precos commodo, Um sempro um bonito
    sorlifiaento de casimiras de cores e pretas,
    panno fino de diversas qual.dad.s. briro ida
    bonitas cores e blancos de boa qualidade.
    encarrega-se qualquer obra por medida e
    prero rauito commodo.
    ROUPAS FEITAS
    na loja da ra da Iinperalri/. n. oi, porta
    larga, de Paredes Porlo.
    Tem neste estabelecimento um bonilo
    sorlimenio de mapas feitas de diversas
    qualidades e precos commodos, como sejam
    palitots de alpaca preta 355 0 e 5.S: ditos de panno preto saco:; a
    6(5, 7Aph>; ditos de panno superior a
    1^5, 145 c 165; ditos pobrecnsaeadofl de
    dito dilo a 185, 205 e 2S5; ditos de case-
    mira de c6r a 55, 05 e 105: cairas, colletes
    e palilols de casemira muito fina de er a
    20 e 255; caigas de brftn branco de cor de
    todas as qualidades de 25 a (5; ditas te
    casemira preta e de cores de 45 at 42$;
    coetei de todas as qualidades: ceroulas t
    bramante a 15500, 25000 e 25500 ; camisas
    francezas de lnho e de algodo de todas as
    qualidades e preco mais barato do que em
    (.utra qualquer parle; colarinhos, gravatas;
    bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
    ca e de seda; meias inglezas a 65 a duzia;
    pechinclia neste estabelecimento pelo
    grande sortimento: todos os fregueses se
    podero provor dos ps at a cabeca por
    preco commodo.
    FAZENDAS
    Grande sortimento, c baratas a 300, 320 o 360 rs. Madapoln
    fino a 75,85 e 105 a peca. Algodo. (pe-
    chincha) a 55500 a pega e outras qualida-
    des. Cambraia branca de todas as quali-
    dades transparente e Victoria de 5500 a
    85 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
    pacas bonitas, selecia a peca com 28 metras
    a 285000. Esguo o mais fin" possivel a
    25500 e 35 a vara, e outras muitas faaen-
    das por preco commodo, que seria enfado-
    uho mencionar, na loja to
    LEO DA PORTA LARGA
    DE
    Paredes Porlo.
    Ml'ITO BARATO SE VENDE!!
    NO
    RU
    Acaba de chegar
    grande sortimento va-
    riado de lonra da villa do Cabo, neste novo
    deposito ;i ra das CruZ 11. 2. Os fre-
    guezes que se queiram provr, compare-
    oain que serlo saiisfabjiiamente servidos.
    O motivo de fallas de alguns ohjectos, V t'llr -SG
    por motivos liavidos e razoaveis as circums- a-taberna da ra de Hartas n. 43. em
    fra : a tratar
    A loja de louca, vidros, porcelana ei
    christaes, da ra do Imperador n. 46,
    alem do explendido sortimento que tem
    destes artgos, tem porcelana propria de ir
    ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
    prios para podins e pastelons, cafteiras
    etc., etc., ludo por precos mais cmodos
    do que em outra qualquer parte. Tambem
    figuras, vasos, pinhas, lies, globos., e bolas
    panorama, ludo proprio parajardins, e cn-
    feites d; cazas; nu do Imperador, n. 'i<">.
    Libras sterllaaa
    Ha para vender em casa de Amorlm Irmaos &
    d, ra da Cruz n. 3.
    ;lancias occorridas no fabuco.
    A declarado superflua, com a vista
    serao satisfeitos do que lia.
    Loja do Triumpho,
    Attenco.
    Na na Direta, taberna do Viado Dranco, se
    ! vende miiho> e feiiao novo em norclo e a re-
    ! ulli.>.
    do de seu duno
    na ni.'sma.
    rerar-se para
    Cal nova de Lisboa
    Vende Joaquim Jos Ramos, ra da Cruz 11.
    8, 1" andar.
    NOVAN. 50 ESQUINA DA DE SAN-
    TO AMA 110
    Os propietarios Jos de Souza Soares
    C, alm dos baratissimos precos por que
    eslo vendendo a grande variedado de art-
    gos de moda e novidades de bom {Oto.
    tanto para homens como para senhoras e
    meninos, vendem:
    CHAPEOS moda imperial, de castor
    branco para homens, fazenda lina, a 105!
    (o pre?o 145000).
    COQUES enfeitados para nonas, grande
    uovidade a 45500.
    DITOS sera enfeite e de delicados mol-
    des, sendo de seda imitaco de cabelle:
    a 35 e 35SOO.
    MEIAS superiores inglezas para horneas
    a duzia de pares 75800 (o piteo de 98
    tu- a I050OO).
    LEQUES de madeira sem difieienca 'de
    andalb a 25000 e 25500, (grande pecaia-
    cha!)
    Vndese um ptimo terreno no lugar
    denominado Cinza, jetante da eslaro de
    Una 2 e meia leguas, com 750 bracas de! {,500o.
    DITOS com lentijoulas a 35 e ,5000.
    BAHALHOS de eartas francezas boa a
    zenda, a 200 rs.
    PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
    queo e fazenda superior, um pacote-por
    0 MUSEO DE JOIAS


    GOMES DE MATTOS IRMAOS
    tendo feito completa mudanza em seu antigo e
    acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
    dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
    ao publico em geral e com especialidade as Exms.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
    RA DO CABUGA N. i
    omle eucoittrar&o um completo sortimento do que ha,de mais elegante,
    beflo e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubios e tiklo que em ofcrarf
    de ouro, prata e "platina se pode desejar.
    ADEREQOS DE BRILHANTES. ESMERALDAS E RUSINS
    de novos gostos, assim como grande varedade de salvas e paliteiros de
    prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
    objectos de prata para uso das igrejas,
    Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanten*
    a qualidade dos abjectin vendidos.
    0 MUSEO DE JOIAS
    fcervlc* para mesa
    Kxeellenles toa I lia de linho adamascadas, para
    mesa o uiiardanapos eorrespondeBtes, teadem-se
    IMRrnemmndo preeo : na ra do Qnaimado n. 31, madeiras
    loja de A. M. Holim t C.
    Milho novo
    Venden se saceas cora miho novo a 7s, a di-
    nfaeiro vista : no armazein da Companhia Per-
    nambncana.
    Vende se um terreno de marinha na rna
    Imperial n. HG com 7ii bracas de frente e 113 de
    fundo : jiieiii pMWWtoe dirija-se -i rna do Com-
    merejo n. 9, i- andar.
    Vende-se o sitio dos q*! leoes, na raa de
    Joao^Feruandes Vieira, com excellente casa de
    vivenda : a tratar na loja n. 18, ra do Qoei-
    mndo.__________
    Vende-se nina anacSo propria jiara taber-
    na, a qual se selia coloada em unu e.isa propria
    d nppoeio e rom commodo para lamilla a-
    lar na rna DireiL'i (lus Al'ntiuliis n. M.
    Veodem-se dnas escrafas aotgu, roburtas e
    sajas, .em deleito aJgum : a iraiar na raa do
    Brumn. 8i. 3o andar.
    Liquida^ad
    Vende-se a serrara a VapuT e febriea de choco-
    lrte a rniv do Mondejo n. W, urna mebma a va-
    por de Corea de oito cavallos, una serra:pflra ser-
    rar pranelio, podendo serrai' citm 13 serrasde
    urna vez, urna machina de f:\zer laboas de assoa-
    Iho, limpando e fazend macti e feniea ele urna
    s vez. tambem para obra de earapina e Meiiiei-
    ro, duas serras circulare, uina serra devottae
    outra de curial desenho na madeira, urna inacliina
    de engradar o outra de faier moldura, tornos de
    tornear madeira. e todas as machinas neressarfa*
    nara fazer de 150 a 200 libras de ehocofata diaria-
    mente, tudo prumpto a tratialhar, tendo tambem
    diversas ferrainentas jwra fazor o* conceeto-i de
    que possam precisar as mdiiias. Tudo pode ser
    examinado na mesma fatir!v: das 8 horas da ma-
    nhaa ao meio dia.
    l:m casa de Adamson Rotvle
    Coiupauhla
    Trente e 800 de fundo, demarcando com os
    engenhos Estrella d'Alva e Estrella do Nor-
    te, todo em matta rirgem, com excellentes
    tratar na ra daPraia n. 14.
    \o Bazar da Moda.
    LINDOS cintos de palha enfeitados paw
    senhoras (grande novidade em Pars) a
    ?#>00 e .t^)('0.
    DELICADOS corpinhos de cambraia bo-
    lamente enfeitados a 6#50O rs..(admira o
    preco 1)
    UMA grande variedade de lindes e-
    jectos para mimos, assim como muitos ar-
    tgos de novidade c de apurado gosto qce
    Cortes de meia cassemira de cor e preta, se vende por precos baratissimos
    cousa boa, por 2#000 o corte: na ra do
    Commercio n. 7, primeiro andar. elles
    aites de terca-reira, 7 do corrente.
    Aproveitar em quan-
    to duram.
    BalOes do musseiina com pequeo toque de mo-
    fo a o a '-:'-or), faz"enda snpertor.
    Espartilhos a 2300 e 'i$, cousa nunca vista, s
    no triwpho Outras muitas fazendas que se lor-
    ram por todo o proco, ra do Queimado n. 7
    "TEAPOsig^
    Nova loja de calcado estrangeiro
    para homens, senhoras e
    meninas;
    NA RA NOVA N. 8
    etil frente a cambda do Carino.
    Lyra Vianna, tendo pela experiencia
    i^ra c venina, leiu.-i pea eauenwic a prebeiM\*( tu* no
    niquind a t'erieza de que o pnblieo desta a
    Para o armazem do
    Imperador n. 2S.
    Neste muito acreditado esfabcledmeDto
    acha se constantemente um variado s'or-
    raeato de gneros finos para mfezae
    cosinha e entre estes nomea-se apenas ^
    espeeiaUdades seguintes:
    Que jos do scrt5o sendo de mateiga e
    coalha.
    Camaroes seceos do Maranbo.
    0 verdadeiro caf de Moka,
    O superior e bem conhecido peixe mi; agua a
    que se vende a 160 a fibra e 4fj500 a
    arroba.
    TABELLAS
    de rolucc5o a mais faneis e mais cchn-
    capital, era mal servido, pela falta de est*
    belecimentoc, sonidos de bons calcados,
    situaram a sua nov loja, na ra Novan. 8."
    Lyra d Vianna, convidan por isso ao
    publico, e coin esp'' ialidade ao bello sexo.
    para'Visitar-seu nova extbelerimento dej
    Armazem do Campos
    SttJhnttt dt eitcatrdo.
    m?
    Ajffbriio Nuhes de Castro,
    ceneja de superior! ,^0 eT\tot 33 qualidades 'to'SAf**.
    idos, solidos pela' b6a- manfriactur
    .da* impigens, saraas, iutspas e todas m
    Aos senioes de eugettte ^S.^Terem^uHonb^"^^
    Veoae-seumeCraTO robuato. de .dd* drflOiP01" PTC^' OOmiBOflO, para meWCerem r PhinMfiadBR3rthnlnmf.il x.
    annos, acostumado e;n engeiiho : a tratar no pa-: eontianca de seus Astmetos /reguezea. %T i^a o
    Compronieteirfse a. mandar A\r erreom-
    mendas de aleados speclaeaf e a exhibir
    as obras Je pnaotasia e J/nnis aprimo-1
    rado gosto, ufia' de que su9 smelas-W't *J*-HUH9 JkJ 1 WIUjI
    guezas caivem e mostreny^empre__o cbiaue."' V8Ba* An{msto R de awfr.i a c.
    a olma na ma NQ*a1rr'^i
    ico do T.i'c.) n.3.
    Folha de Ha adres
    de superir marcaDen 3000 a cixa :
    na rtia da Cadeia n. 'i. '_______
    Sia do Sr. f"raii-
    Aeha-
    'CWeo-Celhoiflel^Wims A c '
    de, tratado sn*r.
    morl padre VaWMi iradwida
    M. de C.
    lifl d Pieda-
    Vprn, hua-db
    jjofft vigariaA.

    _.
    n. 8, loja ^3
    Lyra d'v
    na ra Nova
    1P d cateador de1
    Veaderse nma prensa de algedao : i tratar na h?a Aupi?Hi n '
    ! mero 70.
    I MVTILADO I


    6
    Disiid de Felumbuco Vtwp feira 27 < Julht l!
    GRANDE LIIMC40
    UTA LOJA
    DA
    ARARA
    72. Rua da Imperatriz. 72.
    Alerta l'reguezes
    que Arara vai cantar.
    Para vender suas fazendas (baratas)
    p/oprietario deste estabelecimento, tettdo grande porc3o- de fazendas em
    |Cr vai proceder urna liquifla.jao em lote as fazendas e roupas feitas existentes no
    stabelccimento, agora que oceasio de quem tem pnaco dinhciro poder se vestir de
    b^a fazenda e baratissima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado. -
    MADAPOLO BAltATO A 3500. BRAMANTE PARA LENCES A U.
    Vende-se pecas de madapolo cnfestado Xeade-so hramanie com 10 palmos de
    : jardas 3#300, dito d 21 jardas ou largura para teaedes, a i>, a vara.
    W metros o>, 65, G;)jO-.>, 7$00, 8;>0O0 e PECAS DE ALGODaO A 4 j.
    9,VX>0. Vcndem-se pacas de algodo muito en-
    CHITAS FRANCESAS A 280 rs. eorpado i H, >800 o 7
    Veudem-se chitas fruiioezas para vest- Colcriuhos econmicos a 30
    &H a 280, 320 rs. o covado, ditas escuras! duzia.
    muito finas 360 rs. o covado.
    Chali multo fiuo a 8O0 r.
    le-se clialin para vestidos Je senhora
    80 rs. o covado.
    BUCALES A 0 US. 0 COVADO.
    Vende-se percales muito linos para ves-
    tios de senhora a 4i0 rs. o covado.
    Brllhantluas 44 rs.
    Vende-se liriiliantinas ou mursulinas de
    ores para vestidos do seohoras 440 rs. o
    covado, lazinhas muito finas para vestidos
    de senhora OO rs. e 500 rs. o covado,
    ditas de quadrinhos ;i 2i() rs. o covado.
    RISCADO FRANCEZ A 360 RS. O COVADO
    Vende-se riscado francez para vestido
    di) senhora 360 rs. o covado.
    Laslnhas a 4 rs. o covado.
    endem se lasinhas para vestido de se-
    nhora a 2i0, 280, 320 rs. o covado.
    Cassas francezas a 80 rs. o covado.
    Vende-se cassas francezas 280 rs. o
    covado, chitas franeezas finas a 280 e 320
    rs. o covado.
    Chales de merino a **.
    Vend-sq chales de merino estampados
    2 > e 2#500 cada um, para acabar.
    CORTES DE I.AAS ARERTOS A 20OO
    ; Vende-se cortes de 13a para vestidos de
    senhora, 2-5100 cada m.
    ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
    Vende-se alpacas de cores para vestiu Ns
    de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
    tas do listras 700 e 760 rs. o covado.
    Chitas prussnnas 3<>.
    Vende-se chitas prussianas de listras de
    eres muito bonitas a 360 rs. o covado.
    (JUTAS PAHA COBE'tTA A 320
    Vende-se chitas iacorpadas para coberta
    320 rs. o covado.
    Baldes de SO a SO arcos
    l#SOO.
    Vende-se baldes de 20 a 30 arcos
    10890 cada um, baloes modernos brancos
    ede cores 5A.
    Vende-se colcrinhos econmicos a 320
    a da/.ia, s se vende assim barato por ter
    grande porfo.
    CASEMllAS DE CORES
    Vende-se cazemiras de cores para calsa
    e palitot U 2iW00 e U o covado,
    Algodo cnfestado iS.
    Vende-se algodo entestado proprio para
    lences c toalhas, 15, a vara cu 900 rs. o
    metro.
    BIUM PARA CALCAS A 400 RS. O
    COVADO.
    Vende-so brim para calcas e palitotsde
    homem e menino, 400 e 4*0 rs. o co-
    vado, dito lizo a imitajSo de ganga a 360
    o covado.
    Algodo de lustras a SOO rs.
    o corado
    Vende-se algodo de listras para roupa
    do escravos a 200 rs. o covado.
    CORTES DE BRIM CASTOR A 610 RS.
    Vende-se cortes de brim castor para
    calca de homem, 610 e 800 rs. cada um.
    CARTEIRA PARA VIAGEM A 1#.
    Vende-se carteiras para viagem l>
    cada urna, cobertores de algodlo 1(5500
    cada um.
    Cobertas de chita I *s OO
    Vende se cobertas de chitas de cores
    1*800 e 2-S. rada nma.
    ALGODAO TRANCADO l EUAS LARGURAS A
    l 200.
    Vende-se algodo transado de duas lar-
    guras, proprios para lences e toalhas para
    mesa, se vende a 1#200 o metro.
    Hantas para gravata 300 rs.
    Vende-se mantas para gravata a 200 rs,
    cada una, lencos de seda de flores, a 640-
    cada um.
    ATOALIIADO PARDO A 2#>00.
    Vende-se atoalhado pardo para toalhas-
    de mesa 2*1500 a vara, toalhas escuras-
    15, cada urna. Rua da Imperatriz leja-
    da Arara n. 72.
    0 Garibaldi principia
    Curtamente na de agradar,
    Que pelo pre^o qne vai vender
    Ninguem o pode igualar.
    O propietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita
    \ol publico'e seus freguezes, que tem recebido grande sortimento de fazendas, e est
    constantemente recebendo por todos as vapores que chegam da Europa dovo sortimen-
    to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
    'juer parte, garantindo se a qualidade e cores, na rua da Imperatriz n. 56, de Looreneo
    Pereira Meudes Guimares.
    CHITAS LARGAS A 280 rs.
    Vendem-se chitas francezas de c&res fi-
    las a 280, 320 o covado, ditas matizadas
    escuras a 360 rs. o covado.
    MADAPOLO ENFESTADO A 35500.
    Vendem-se petas de madapolao enfes-
    ado a 3>'(X), dito inglez de 24 jardas a
    53, 65, 6>500,7/1500,8, e 105 a peca.
    ALGODO TRANCADO A 15200 0
    METRO.
    Vendem-se clgodSo de duas larguras pro-
    prio para l6n?i e toalhas por ser muito
    ' largo, a H200 rs. o metro.
    RJSCACO FRANCEZ a 360 rs.
    Vende-se finissimos riscados francezes
    proprio para vestido de senhora e roupa
    para meninos por ser de bonitas cores a
    360 rs. o covado.
    MAMANTES PARA LENCES A 25 A
    VARA.
    Vende-se bramante de dez palmos de
    'Itrgura proprio para lences a 25 a vara.
    Chitas amzonas a 360 rs.
    Vendem-se ricas chitas de listras deum
    de nome amzonas, para vestidos de se-
    nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
    qualidade s na loja do Garibaldi.
    ;aos senhores donos de coxeras.
    Na loja do Garibaldi, ba ornas casemiras
    de listras muito encornadas proprias para
    forrar carros, e se vende moho barato por
    ser muito largas, preco a 2<$$00 o covado.
    ALGODO ENFESTADO A 14 AVARA.
    Vende-se algodao entestado mujto largo
    proprio para lences a 15 a vara.
    ALPACAS DE CORES PARA VESTID
    5o0 rs. O COVADO.
    Vendem-se alpacas eslampadas de core
    500 rs. o covado propria para vestido de
    enhora.
    CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35500.
    Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
    ta a 35500 cada um.
    BRIM HAMBURGO A 85000 A PECA.
    Vendem-se pecas de brim zo de Ham-
    burgo com 20 varas a 85. 95 e 105 a peca.
    Cortinados para janellas a 1&.
    Vendem-se cortinados para janellas a 75
    o par, ditos par? camas francezas a 145 o i
    cortinado.
    Ciangas para calca a 3SO rs.
    Vendem-se gangas de ores para alca e
    palitots de homens e meninos a 3*0 rs. o
    covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
    covado.
    Lasinhas de quadrinhos a
    2 40 rs.
    Vendem-se lSasinhas de quadrinhos para
    vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
    ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
    POPELINAS EM LA A 640 RS.
    Vendem-se popelinas em 13a de listra
    para vestidos de senhora a 640 e 800 rs.
    o covado.
    CORTES DE LA A 25400 RS.
    Vendem-se cortes de 18a de listra arpa
    vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
    bar.
    LA CIIINEZA A 500 RS O COVADO
    Venderse la chineza para vestido de se-
    nhora a 500 rs. o covado.
    Casemiras para calcas.
    Vendem-se casemiras cor de caf, preta
    6 azul escuro com listras, para calcas e pa-
    litots, fazenda muito encorpada, propria
    para o invern, sendo de duas larguras
    que 1 3/* covados d urna calca para ho-
    mem pelo prf co de 25500 o covado.
    Alpacas lizas para vestidos a
    900 rs. o covado.
    Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
    vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
    BALfJES DE ARCOS A 15500.
    Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
    15500 cada um, por este preco s na loja
    do Garibaldi,
    BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
    METRO.
    ende-se brim pardo trancado a 800 rs.
    "~o, dito muito fino'a 15200 o metro.
    LOES MODERNOS A 55000.
    Ven*l$m-se bales modernos ede cores
    5f> cada\ura.
    CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
    Vendem-so cassas francezas para vesti-
    dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
    CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
    Vendem-se chapeos de sol de seda a
    105 e 123, na rua da Imperatriz, loja do
    Garibaldi n. 56.
    W. 45 RIJA
    DA CADEIA
    DE
    IV. *&
    ftUHU,
    SOB A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA.
    Launano, alfaiate.
    Os proprietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
    urgente do ter na direccSo de sua oHicina de roupas por medida, um artista perito, tem
    contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
    com toOo o capricho a vonlade do freguez.
    Tem o mesmo estabelecimento um bom sortrmemto de fazendas proprias para
    roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimento de
    pannos finos, prelo e de cV, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
    cores, merinos de diversas qoahdades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
    gorgurao Pekin, superior quafklade.
    Os freguezes encontrar anda om variado sortimento de roupa feita, camisas
    inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de pfrantasia, meias para homens, se>
    nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
    baloes de divermcores modelos, cambraias, malas para viagem, e ootros moitos ar-
    ligos que a modieidade de seus presos- incita a comprar.
    A rua da Cadeia n, 45
    2)
    Grande e completo sortimento de machinas para
    descarocar atgodaode nova iiivencocuegadas l-
    timamente em direitura para a loja de Manoel
    Bento de OHveira Braga t C, na rua trireila n.
    33. Garante-^ que a iuelhor qualidade que at
    o presente tem vindo ao mereado : acliam-se em
    exposi^io aos compradores.
    Systema decimal.
    brande e completo sortimento de pesos Mo-
    grammos de melhor eomprebenso dos que* tem
    Ymdo ate o presente, assim eonw marcos de lalao
    at nieto granina) pelo mesmo sysienia, Lalancas
    de latao de fore^i etu o a 10 kilogramuios, metras
    de madeira e de latao para medir fazendas, alm
    de grande sortimento de miudezas e ferragens de
    todas as ojnadades, tudo por preeos que s a vista
    faz crdito : na rna Direila n. 5*, luja de Manoel
    Bento de Olkeira Braga A C.
    mili m
    Ruado Queimado ns. 49 c 57
    fojas de miudtzaz de Jos de
    Azzvedo Maia, cata acabando
    com as miudezas de seus estabe-
    lccimcntos.por rso queram apre-
    ciar o que c bom e banrttssimo.
    Pecas de tiras bordada com 12
    metros, fazenda superior, a
    1:5300, 2, 35 e. .... 4-5000
    Caixas de ludia cora SOnovellos 500
    Pares de suatos de tranca fa-
    zenda nov a.....". 2*5000
    Pares de aapotos de- tapete
    (s grnete) a. ..... 1500
    Duzias de metas cruas para ho-
    mern a ....... 3.^800
    Tiamoias do- Porto fazead boau
    epelo preco melhor lOOattos a 5200
    Livros de ms6oes abreviadas a 2)5000
    Duzia de baralhos france2s-muito-
    finosa2(5M)Oe...... '280C
    Silabario portuguea corm estam-
    pas a ........ ,5320
    Gravatas de eree prelas muito
    finas a........ ,5500
    Carioes coiu. clcheles de lato-
    fazenda fiea a '..... ,5020
    Abottiaduras-de vidro pasra coleto
    fazenda Haa a. ^500
    Caixas com penna d'ac> maito
    finas a 329* 408, 50O e 1(5000
    Cartees de buha Alexaadre que
    tem 200pidas a #100
    Carreteis de-linha Alexjudre de
    70 at 20 a...... 1100
    Caixas com- superiores^ obreias
    de massaa...... 040
    Duzias de agulhas para* machina ^fJOO
    Libras de pregos iranceaes di-
    verso tamaito a..... -5240
    Livros escripturado para rol des
    roupa a. ...... ,512
    Talheres para meninge muito
    finos a. ,...... ,52M)
    Caixas com- papel amkade muito
    fino a ........ 5700
    Caixas c#m 1O0 env)opes muito
    finos av ?5600
    Puntes volteados para meninas o
    senhoras a....... 1320
    Thezouras muito- finas para
    unhas e costuras a. ,5500
    Tinteiros com ti ola preta muito
    boa a 80 12& e 320
    Varas de franja para toalhas fa-
    zenda fina a.-. 160
    Pecas de fita branca elstica
    muito fina a. .... 200
    Novellos de bnha com 400 jardas 60
    Resmas de papel de peeo azul
    muito fino a...... 24500
    Grozas de botoes de tontea muito
    finos a........ 166
    IjO JA
    DO
    GALLO VIGILANTE
    Rna do Crespe a. 9
    Os poprietarios deste bem conhecio estabete-
    ciiiite-, atm dos motos objectos- (|.ue inliain ex-
    postos > apreciacao do resiieitavel puWiro, man-
    dara.n e acabam de receber pelo ulftmo vapr
    da Europa um completo e variado sortimento linas e rau delicadas especialidad, as quaes es-
    to resohidtts a vender, como de- se costante,
    por preces muito baralinhes e eomniodos- para to-
    dos, eom Canto que o Gaflo....
    Muito superiores luvas de pellea, pretas, bran-
    cas e de ib Hndas cores.
    Mu boaa e bonitas goHinhas e pnnhos para se-
    hora, nese genero o que ha do uiais moderno.
    Superiores pentes de tartarnga para coques.
    Undoje riquissimos enfeiles pwa cabecas das
    Exraas. senhoras.
    Superiores trancas pretas e de cores cora vidri-
    lhos e sem eltesi esta fazenda o que pode haver
    de melhor e mais bonito.
    Superiores c bonitos leques de madreperola,
    marflm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
    com lindos desenhos, e estes pretos.
    Muito superiores meias fio de Escossia para se-
    nhoras, as quaes sempre se venderam por 305000
    a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
    alm destas, temos tambem grande sortimento de
    outras qualidades, entre as quaes aljamias muito
    finas.
    Boas bengalas de superior canna da India e
    castao de marflm com lindas, e encantadoras figu-
    ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
    pode desejar ; alm destas temos tambem grande
    uuantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
    deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
    Finos, bonitos e airosos chicotiuhos de cadeia e
    de outras qualidades.
    Lindas e superiores ligas de seda e borracha
    para segurar as meias.
    Boas meias de seda para senhora e para meni-
    nas de 1 a 12 annos de idde.
    Na\ alnas cabo de marfim e tartaruga para fazer
    barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
    rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
    bem assegnramos sua qualidade e delicadeza.
    Lindas e bellas capellas para noiva.
    Superiores agulhas para machina e para crox.
    Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
    labyrintho.
    Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
    como os teios para o mesmo lim.
    Grande e variado sortimento das roelhores per-
    fumarias e dos melhores e mais conhecidos rjer-
    fumistas.
    COLARES DE ROER.
    Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
    facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
    mos desde muito recebedores destes prodigiosos
    collares, e continuamos a recebe-los por todos os
    vapores, afim de que nunca faltan no mercado,
    como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
    les que delles precisaran, vir ao deposito do gallo
    vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
    deros collares, e os qnaes attendendo-se ao fin
    para que sao applicados, se venderlo com um mui
    diminuto luero.
    Rogamos, pois, arista dos cbjectos que deixamos
    NOVIDADES
    Msica
    Grande liqoklacSo de instrumentos para
    msicas militares, 20 e 30 por cenlo menos
    cjue em quakmer outra parte, se vende no
    BAZAR DA MODA,RUA NOVA N. 50,
    ESQUINA DA DE SANTO AMARO.
    ' Baixos, ektvicoraes, trompas, trombones,
    trompets, cornetinos, palos finos e onli-
    ifirios, tringulos, flautins, iliapazos, tim-
    bos, bocaes de marfim, chrtstal e metal cla-
    rinetes, msicas para pianos, melhodos etc.
    Tudo em pe feito estado, garante-se, e
    do primeiro autor Gaulrot Ame, de Paris.
    S lie pechincha!!..
    BORDEAUX
    Na praca do Corpo Sanio n. 17, escriplorio de
    Joaquim Rodrigues lavares de Mullo, vende-se o
    excedente vinhoMdoe Vimix Extra o melhor
    que vem a este mercado. No mesmo escriplorio
    ha para vender chapeos de chile muito finos.
    ExtracliiiH canis.
    Este producto e alimentaco para doentes, mui
    apropriada para criancas, e para as pessoas saas ;
    indispensavel a todos, porin principalmente aos
    viajantes, que terao nelle o recurso de poder
    ter alimenta cao de carne fresca incorruptivcl, e
    que com facilidade seaprompta e se conduz, por-
    que n'um pequeo voluniecarregasealiinentacao]
    para muito lempo. Sobretudo chama-se a alten-
    cao dos Srs. de engenho que encontrarao no EX-
    TRACTUM CAHNIS o recurso de alimentado agra-
    davel, hygienica e barata para seus fmulos e seus
    doentes.
    Este producto fabricado pelo processo do dis-
    tincto medico Dr. Ubaluba, no Rio-Grande do Sul,
    que acaba de crear um deposito nesta cidade em
    casa de Josk Victorino de Rezendk & C., rua da
    Cada, escriptorio n. 52, 1 andar, vendendo-se :
    No deposito a rua da Cada n. 5.
    as pharmacias dos Srs.:
    Manuel AlveS Barbosa, mesma rua n. 61.
    Joaquim de Almeida Pinto, rua larga do Rosa-
    rio n. 10.
    Antonio Mara. Marques Ferreira, pra?a da
    Boa-vista n. 91".
    N. B.As-latas que contem o extracto trazem
    urna guia para seu uso.
    k NOVA ESPERANQA
    21Rua. do Queimado.
    Advertencia!
    A Nova Esperanca, rua do Queimad
    n. 21 tendo em deposito grande quantidade
    de miudezas, e como se approxima o tem-
    po em que tem de ser dado o balancp, por
    isso desde j previne ao respcitavel publi-
    co, que est resolvida a vender suas mer-
    cadorias pelo baratsimo preco, para assim
    diminuir a grande quantidade das que
    tem: assim pois, venham os bons fregue-
    zes, e os que nao forem venham ser fregue-
    zes, em tempo t3o opportano quando i
    NOVA ESPEttANCA convida-os pecbincha-
    rem, pois que para comprar-se caro, nSo
    falta aonde e a quera...
    Elle quer e ellaquer
    E' sempre assim.
    Elle (correspondente de Paris) quer se-
    pre primar em nos remetter objetos
    gosto e perfeico, e ella (loja da Nova- Es-
    peranca) quer sempre dividir com seus fre-
    gueses o que de bvm constantemente rece-
    be, e por este lidar continuo (d'ambes) i
    Nova Espera nca rna do Oueimado n. 2!,
    alm do-grande sor taen to que j turna,
    acaba de receber mais o segrate:
    Bonitos broches, pukeiras e brincos d
    madreperola.
    Papel e envelopes bordados e mati-
    sados.
    Papis proprios para enfeitar bollos
    bandeijas.
    Brincos pretos com dowados (ultima
    moda).
    Fitas largas para cinto.
    Modeim.es galloes, franjas e trancas de
    seda e de laa, para enfeites de vestidos.
    Botoes de todas as cores e moldes novo
    para o mesmo fim.
    Trancas pretas comvidrilhos sendo com
    pengentes esem elles.
    Botoes prelos com vidrilhos co pingen-
    tes e sem elles.
    Luvas de pellica, camurca e excossia.
    Finas meias de seda pffa senhora e me-
    ninos, w
    Delicados feque de madreperola, mar-
    fim, osso efaia.
    Espartilbo simples e bordados.
    Bengalas de baleia.
    Finalmente, um completo sortimento da
    miudezas rua do Queimado n. 21, 'na
    Nova Esperanza.
    Collares anodinos ellectro-magnett
    eos contra as convulcties das
    creancas.
    N3o resta a menor duvida, de que muito
    cellares se vendem por ahi intitulados o
    verdadeitos de Royer, e eis porqae muitoi
    pais de familias nao creem (comprando-oij
    no effeito promettido, o que s pdem dar;
    os verdadeiros; a Nova Esperanza, porm
    que detesta a falsifica^o principalmente no
    que respeita ao bem estar da humanidade,
    fez urna encommenda directa destes collare;
    e garante aos pais de familias, que s3o o
    verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
    Cas tem salvado do terrivel incommodo df
    convulcSes, assim pois preciso, que ve-
    nham a Nova Esperanca a rua do Queimado
    n. 21 comprarem o salva vida, para seui
    filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
    dos do terrivel mal, quando ent5o ser di-
    fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
    sejam empregados os verdadeiros collare
    de Rover.
    COGNAC.
    declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem Reino da Inglaterra.
    De superior qualidade da mui accredita-
    da fabrica de Risquit Dubouche & C, em
    cognac urna das que mais agurdente de
    cognac, fornecem para o consummo do
    comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
    vigilante, rua do Crespo n. 7.
    AMIA AIRO
    E' por certa para admirar que existihdo
    em urna rua de progressos,uma loja com
    um completo sortimento de miudezas finas,
    e nao tenha ainda por este Diario pa-
    tenteado a todos seus freguezes, o seu
    agrado e sinceridade, a sua vigilancia, e os
    modas do seu basar.
    Esta rua a prodigiosa rua do Gabug,
    e esta loja a antiga loja daaguia d'ouro
    urna das mais sortidas neste genero, e que
    desde seus principies usa deste mtiesto
    titulo; modesto porque nunca foi estampado
    neste jornal, e modesto porque muitos o
    olvidaro, por haver igual em urna casa de
    pasto, no entretanto como temos direito
    de antiguidade, vamos destinguir o nosso
    com alguns annuncios, para o publico saber,
    que a verdadoira aguia d'ouro
    urna loja de miudezas a rua do Cabug n.
    1 A, onde se encontrar um completo sor-
    timento de miudezas finas, e por menos
    1 0|o do que em outra qualquer parte, como
    sejam :
    Guipeur com urna e duas largaras preto e
    branco, fitas largas de todas as cores e
    com vistas.
    Um completo sortimento de enfeites para
    vestido.
    Fronhas com diversas inscrpc3es.
    Enfeites para cabeca.
    Caixinhas de Jacaranda forradas com seda
    e com espeibo na lampa, com a compe-
    tente chave, proprias para guardar
    joias.
    Entremeios transparentes muito finos e de
    todas as larguras.
    Albuns finos para 50, 100 e 200 retratos.
    Binoclos de chagrem e marfim cousa muito
    superior.
    Espelhos dourados proprios para sala.
    Um completo sortimento de leques de todas
    as qualidades.
    Um completo sortimento de perfumara
    de todos os autores.
    Luvas de Jouvin cons tan temen e fcescas.
    E outros mais objectos tendentes ao mesmo
    genero que tudo se vender da forma per-
    mitida, na rua do Gabug n. 1 A, aguia
    d'ouro, de Custodio A Bento,
    rASTILUAS ASSl'l'AHADAS
    DO
    DR. PATERSON
    De bisBiuth e magnezia.
    Remedio por excedencia para combate1"
    a magreza, facitar a digesto, fortificar
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Pharmacia de Bartholomeu & C.
    34------Rua larga do Rosario------34.
    Vende-se em casa deTh. Just, -rua
    commercio n. 32.
    do
    FABRICA
    DA
    NACIONAL DA BAHA
    DE
    TEIXEIRA FREDERICO & C.
    Acaba de chegsraeste mercado amapola* des-
    te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
    princeza de Lisboa por ser de agradavel perfumo.
    E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
    systhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
    ser viajado, o que para este artigo urna espe-
    ciaiidade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
    outras do imperio tem o rap Popular sido asss
    accolhido, e provavelraente aqui tambem o ser,
    logo que sejafeonhecido e apreeiado. cha-se
    veuda por preco coramodo, e para quem comprar
    de SO libras para cima, far-se-ha um descont de
    5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
    escriptorio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
    rua do Commercio n. 17.
    Tabellas vermicidas
    DE
    Antonio Nunes de Castro.
    Vermfugo cicaz, e preferivel a todos os
    conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
    do, ej pela fcil applicacao as creancas.
    quasi sempre mais atacadas de to terrivel
    e mui tas vezes fatal soffrimento.
    NICO DEPOSITO
    NA
    Pharmacia e drogara.
    DR
    Barthomeu & G.
    84Rna Larga do Rosarlo34
    Na na Nova n. 60, armazem da Liga, vendera-
    se sementes novas de horlalices e flores.
    Agulhas
    para machinas de costura de Grover & Baker :
    vendem-se na rua da Cadeia do Recite n. 51, i'
    andar, a 2 a duzia. ,
    1ASSA e XAROPE
    DE CODEINA DE BERTHl
    Preconisados por todos os mdicos contra os I
    DEFLHXOS, CATHARROS, E TODAS AS|
    1RRITAC0ES DO PEITO.
    K.M. O Xarupt dt C'odna que mereci ai
    konra, atiai bem rara entre ot Uedicamentoil
    nocot, de $er registrado como um doe medica-1
    mtntoe o/iciee$ to Imperio Francei iitpental
    qualquer elogio.
    AVISO. Por causa da reprehensire! fal.i-|
    ficacio que tem suscitada o felii resultado do I
    Xaiope e massa de Berlb somos forjados al
    lembrar queesiet medicamentos tao justamente]
    conceiluodos ti> se
    veudem em caixin-
    iias e frseos levando
    assignatura em
    trente.
    46, Aue des eolee, e na Pharmacia Central I
    de tranca, 7, Ru de Jouy, em Paris, e ea\
    todas as Puarmocias priOcipaes ilo Braiil.
    BAZAR UNIVERSAL
    ORua XovaO
    Caraeiro Vianna
    Neste BAZAR encontra-se um completo
    sortimento de todos os artigos que se ven-
    dem por precos commodos como sejam: Um
    completo sortimento demachinas para cos-
    tura de todos os systemas, mais modernas
    adoptados na America e approvadas na ul-
    tima exposc3o servicos a electos para almo-
    Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
    sas e malas para viagem, indispensaveis para
    senhoras, candieiros para sala ecimademesa,
    parede e portal, mangas, tubos e globos de
    vidro, machinas para fazer caf, ditas para
    batervos, ditas para amassar farinha, ditas
    para fazer manteiga, camas de ferro para
    casados, solteiros e enanca, bercos, cadei
    ras longas para viagem, ditas de balanco,
    espelhos de todos os tamanbos, molduras
    para qudros, gaz, baldes americanos, gu r-
    da comidas, brinquedos para criancas, um
    completo sortimento de cestinhas, oleados
    para sala e rxesa, tapetes para sala, quarto,
    frente de soph, janella e porta, capachos de
    Sparto e coco, objectos para escriptorio e
    muitos outros artigos que se encontrarao
    venda no mesmo estabelecimento e que vale
    a pena ir examinar.
    ^.VGERMdAty
    ><
    JsraitVtutig Se
    Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
    dis ver de longe, j podis ver deperto,
    nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
    F. J. Germann acaba d receber pelo ulti-
    mo vapor umrico e variado sortinvnto de
    ocolos, lunetas, pince-nez, face -man, lor-
    gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
    ac, bfalo, ncar, unicornio emelchior;
    assim como binculos de urna a tres mudan-
    cas para thcatro, campo e marrana, da ulti-
    ma invencao ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
    12vidros, tudo dos melhores fabricantes da
    Europa.
    CAPSULAS MOLES
    DE
    ALCATRAD
    Remedio por excedencia para cura rpi-
    da e completa das coqueluches, bronchites,
    catarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
    guinos, e outras molestias do peito.
    VENDE-SE
    NA
    PHARMACIA E DROGARA
    ok'
    Bartholomeu 4 C.
    34RUA LARGA DO ROSARIO34
    Nao mais cabellos brancos
    A tintura japoneza, para Ungir os cabel-
    los da cabeca e da barbo, foi a nica admit-
    tida Exposifo Universal, por ter sido
    conbecida superior todas as preparac5es
    at hoje existentes, sem alterar a saude.
    Vende-se a 1(5000 cada frasco na
    151RUA
    1* MBAR.
    Potassa da Rsala
    a mais nova no mercado, a prego razoa.vel: na
    rua do Commercio n. i3, aruiazera de Kanoel Tei-
    xeira Basto.
    Di MBHL 51
    ATTENCAO
    No armazem de David Ferreira Bailar, rua do
    Brum b. 92, ha venda os seguales gneros por
    precos razoaveis;
    Bollnetes de balando
    proprios par bareacas e hyates, muito superiores
    vinho do Porto
    em caixas de duzia de garrafa, e em barris da
    dcimo, do Porto, muito flno.
    Farinha de mandioca
    ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
    Pedras dte lotiza
    muito proprias para laflfem de louca em co-
    llnnas.
    CHARUTOS
    Os melhores charutos da exposicao e wiedade
    de ouu-as qualidades, unes ; encontra-se no betel
    Central de Francisco Garrido, rua larga do Rosa-
    rio n. 37, andar, e rua eslreita do Rosario n.
    4 A. Vendem-se a relalho e em grosto.
    PIHODASiCR
    No armazem pintado de verde, sito a rua
    do Caes 22 de Novembron. 30, vende-se
    superior madeira de pinho da Saecia, com
    3 polegadas de grossura, 9 de largura, e
    14 ps de comprimenlo a 34000 cada urna-
    taboas de forro a 8(5, 9^ e 104000 a duzia
    pinho ajrgno de resina g200 rs. o p.
    \


    i:t
    Diario de Per/nambuco Tercja feira 27 de Julho de 18G9.
    7
    i
    Ccordeiro previdente
    Una do inclinado n. t.
    Novo e variado, sortiiffento do perfumaras
    finas, e outros objecjps.
    Alm do completo sortimeto do perfu-
    maras, de que efectivamente est provida a
    loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
    receber om outro sortimento que se torna
    notavel pela variedade de objectos, superiori-
    dade, quafidades e commodidades de pre-
    cos; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
    e espera continuar a merecer a apreciacao
    respeitavel publico em geral e de sua
    boa freguezia eOi particular, nao se afas-
    tando elle do sua bem conbecida mansidao
    e barateza. Em dita loja encontraran os
    apreciadores do bom:
    Agua divina de E. Codray.
    Dita verdadeira de Murray dt Laminan.
    Dita de Cologne ngleza, americana, fran-
    ceta, todas dos mclhorcs e mais acreditados
    fabricantes.
    Dita balsmica dentrficia.
    Dita de flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete pira toilet
    Eu'iir odontalgico para conservaclo do
    ssei da bocea.
    Gosmetiquesde superior qualidade o chei-
    tos agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores, com
    pomada fina -para oabeH*.
    Frascos cot dita japoaeza, transparente
    outras quaHdades.
    finos extractos ingieres, americanos o
    francezes era frascos simples e enfeitados.
    Essencia imperial do 1sno e agradavel chei-j
    to de violeta,
    Outras concentradas e de cheiros igualJ
    mente finas e agradaveis.
    Oleo philocome verdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qualidade,
    com escolhidos che ros, em frascos dediffe-
    rentestamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores o menores
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos-e em ffga-
    Tas de meninos.
    Ditos rauito finos em caixinha.para barba.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    fructas.
    Ditas de madeira invernsada.oontendo fi-
    nas perfumadas, muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de papelo igualmente bou tas, tam-
    bem de perfumaras finas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e de
    moldes novos e elegantes, com pe de arroz
    e boneca.
    Especial p cheiro, e por ieso o mais proprio pira crian-
    fas.
    Opiata ingleza e franceza para denles.
    Pos de camphora e tras diferentes
    jualidades tambem para dentes.
    Tnico oriental de Kemp.
    Alada niais cernes.
    Um oatro sortimento de eoques de no-
    vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
    e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
    es43o todos expostos apreoiacaO de quem
    os pretenda comprar.
    GOLLDHAS E PUNHOS BORDADOS.
    Obras de muito gosto e perfeicao.
    Firelias e Otas para eiotos.
    Bello e variado sortimento de taes objec-
    tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
    prador.
    QUE SE LIQUIDAM
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    m& m waipaQa?ia(iana. w
    DE
    FKIIX PEREIRA DA SI17VA.
    O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
    pital i yir sartir-se do grande sortimento que tem de farendas, tanto da moda como ie
    lei, assim oomo de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
    pessoas qro negodam em pequea escala, tanto da praca oomo do mato, tiesta casa
    podero fazer os seus sortnentos era pequeas ou grandes porcoes, venden lo-se-lbes
    pelos precos que se comprara as casas inglezas ; assim como as exceHentissimas fami-
    lias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
    levar em suas casas pelos caixeiros d'oste estabelecimento, que se acha aberto con-
    stantemente desde s 6 horas da mantia s 9 da noute.
    Esplendido sortimento de
    Alpacas forradas de cores a O
    Alpacas a 560 Alpacas a 560
    Alpacas de cores
    Na loja do Pavao ra da Imperatriz o.
    4tO, vende-se uns poucos do mil oovados
    aasmais*ndas e modernas aipacas lavradas
    com as vnais modernas e bonitas cores,
    z=z
    Vinho degestivo de
    chassaing
    com
    PEPSINA E DIASTAEX.
    Remedio por excellencia para cura certa
    as digest5es difficeis ecompletas, acalmar
    asdores gastralgicas, e reparar as forcas
    produzindo urna assimulaco completa dos
    alimentos; sendo mais um excellente tnico.
    VE"VDE-SE
    PHARMACIA *E DROGARA
    M
    Barfholomeu A C.
    34RA LARGA DO ROSARIO3 i
    FUNOICAO DOBOWMAN
    Roa do Bruna a. ..
    PASSANDO O CHAFARIZ
    Tem sempre deposito de todo o ma shinis-
    mo empregado na agricultura da provincia,
    entre o qual:
    Machinas de vapor, para assucar e para
    c'godo.
    Rodas d'agoa.
    Motores de diversas especies.
    Moandas de eanna.
    Rodas dentadas, para anmaos, agoa e
    vapor.
    Taixas de ferro, batida fundido e de
    cobre.
    Alambiques.
    Atados e instrumentos d'agricultura.
    escarceadores d'algodo etc. etc.
    ^ Havendo em tudo variedade de timanho
    lesde o menor at o maior que se costu-
    ma empregar.
    proprias para vestios e roupas para meni-
    nos, tendo entre Has azul, lyrio, rexo, cor
    de canna, verde claro etc. e os lavrores
    muito miudinhos assentades em urna s
    cor; pora se pofier retalbar esta fazenda
    pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
    preciso -fazer-se urna grande compra deste
    artigo, o qual grande peobincha.
    los 4ez mil ovadas de asgas
    ira acezas
    Covado a 30 -Covado a 300
    Covado a 309
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 308 rs.
    Vende-se na loja do Pavio ra da Im-
    peratriz n. 60 urna grande quantidade de
    mil covados das melhores casas francezas
    para vestidos, tendo padroes miudos e grfi-
    dos, assentados em todas as coros, estas
    cassas sao propriamente francezaa, tendo
    transparentes e lapadas, com tanto corpo
    quasi oomo a chita, e alm dos padrSes
    serem muito bonos, sao todos fixose seria
    fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
    alha-se a 300 rs. o covado.
    Espardilhos a 3.000 na loja do
    l*avo
    Vende-se ama grande porco de esparti-
    Ihos modernos cora o competente cordlo,
    tendo sortimento de todos os lamanhos, e
    vendem-se a 35 cada um.
    MADAPOLAO ENTESTADO A 35600. fi
    NO PAVAO
    Vendera-se pecas de madapol3o enfestado
    com l jardas, sendo muito incorpado pelo
    barato preco de 3o60 ris, assim como
    pecas de algodosinho com 16 Jardas
    :).j00 e 5dO00 ris.
    fiRAM PECHIUIA
    EM
    PERCA I* IrlS
    A pataca o covado
    PERCALLAS A 320 RS.
    AOS DEZ MIL COVADOS
    PERCALLAS A 320 RS.
    Xa loja do Pavo ra da Imperatriz o
    60, vende-se. urna grande porco de per-
    callas francezas proprias para vestidos, sen
    do de cores fixas e mais larga que as chi
    tas, tendo os pannos muito encorpados e
    com os deserihos mais bonitos que tem
    vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
    grfidos e vende-se pelo baratissimo preco
    de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta'
    fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
    por este baratissimo pre$o para apurar di-
    nheiro.
    BRAMANTE PARA LENgOES COM 10
    PALMOS DE LARGURA A 10800
    Chegou para a loja do Pavo, ra
    Imperatriz n. 60, urna grande porcao
    ,A *>* $MA*
    NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
    Agua-florida de Guis-
    j A o po'o. s mais <1p familia e no
    oonimercio
    9 noro systcma
    di;
    PESOS E WKhiRAS EXPLICADO AO PO
    racilitoa pp>soa o conluvinicnto ()o
    systeiii.i ; uiigosjs-
    twn.i; ciisina o mrwli, A so i-niihecer os pesos o
    Medidas ; indica os meiosde fw-ras reduBoi :
    tra adiObrenoa dos preco?, o que>4 abs.i-
    luinniente uccessario a quera too quiier ser Ilu-
    dido era ralcnlos d'e.*sa ordem. E' mu ollietu rtfi
    12 paginas pelo diminuto preco 6e 400 rs., aim
    de estar inteirnmcnte ao alcance de qualquer rw-
    soa.
    A renda na ru.i do Imperador viaria Aca'k-
    niica e encadernacSi) Parisiense, na ra Nova ns.
    ) e .19 lojas; rna do C e?po loh do Gallo Vici-
    ante ; roa do Quemado Apuia Branca : roa U
    lmperatri?. n. i, llazar Acadmico: ra da Matri
    da lioa-Visla n. 28.
    X.\R0PE PEITORAL
    DE
    HADO DE Tlfl
    PLANTA DO BRASIL
    E expectorante e recommendado as
    ffecces do peito, bronebite chronica, he-
    moptise, e losse chronica.
    PREPARADO POR
    JOAQIM DE ALMEfDAPINTO
    PKABHACBDTICO
    Pernambuco ra larga do Rosario n. 10.
    {
    i .
    Vende-se terrenos de produccSo e com
    arvores fructferas e prximo a esta-
    tu dos trilhns urbanos do Recife
    Olinda e Beberibe, djpecco do Espinheiro,
    -podendo quem quiser diri(fr-se nos domin-
    gos, ao sitio n. 6 na estrada de Joo de
    Barros, e nos demais dias, ra da Impe-
    ratriz n. 68,________________
    OZ AZlAZ
    Chegoa ao antigo deposito de Henry Forster A
    C., rna, do Imperador, ora earregamento de sai
    de priraeira qualidade; o qual se vende em partid
    e a retatho por menos preco do que em outra qual
    gnwjwte.
    CUSA DOS CALLOS.
    PELA
    Pomada galoupeau*
    Deposito especial
    Pbarmacia de Bartbolomeo C.
    34------Ra larffa do Rosario------34.
    Vcnde-se um sitio nos Rem
    la-ie por nraa caa nesta praca a
    dirijtm-'? ra do CaWeffeiro n.
    perm-
    tente
    p cas de bramante com 10 palmos de lar-
    gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
    mento de um len$ol, o qua! se faz com um
    metro e urna quarta, e para cama de casal,
    com am metro e raeio; e vende-se pelo
    barato preco de 15800 ris cada metro,
    tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
    plicacoes para arranjos de familias, sendo
    grande pechincba pelo preco.
    COBERTORES DE LA PARA O INVERN
    DE 3^000 6,$000
    Chegou para a loja do PavSo, um gran-
    de sortimento dos melhores cobertores, de
    l de carneiro, sendo muito grandes e
    muito encorpados, que se venden de 3$
    at 6>0d0 cada um, em relajo s diffe-
    rentes qualidades, pechincha: a ees an-
    tes que se acabem.
    ATTENCAO
    AS PECHINCHAS QUE SE LIOUIDAM
    NA LOJA DO PAVAO
    Cortos de organdy listrados com 10 va-
    ras cada um e que tambem servera para
    luto a zgooo.
    Lanzinhas de edres para vestidos a 200
    rs. o covado.
    Cortes de cambraia com barras bordadas
    e muito finas a 3 e 45000.
    Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
    avara.
    E* pechincba para fechar contas.
    Alpacas brilhantes
    a 640 rs.
    Chegaram para a loja do Pavo um ele-
    gante sortimento das mais lindas alpacas
    brilhantes com as mais delicadas cores, e
    com os mais bonitos lavradinhos a ImitacSo
    de seda, as delicadas cores que esistem
    neste bello sortimento encontra-se o bonito
    Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
    assim como, perola, roxo, canna, azul caf.
    etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
    ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
    ter rebebido em direitura urna grande par-
    tida superior a dez mil covados, senao
    seria para muito mais dinheiro, isto na loja
    e armazem do Pavo, na da Imperatriz
    n. 60 do Feliz Pereira da Silva.
    Vestidos com dnas salas a 30
    Chegaram pata a loja do Pavo ra da
    Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
    de poil de Chvre comduassaias para ves-
    tidos, sendo n'este genero o que ha de
    melhor e mais novo no mundo, e vendem-se
    pelo barato preco de 20*000 na loja de
    Fex Pereira da Silva.
    Casimiras da moda
    NA
    IOJA DO PAVlO
    Chegou pelo ultimo vapor francez, um
    grande e verdadeiro sortimento das mais
    modernas e mais fints casemiras para cal-
    cas, palctots e coletes, tendo lisas, com lis-
    tras e com listra ao lado, tendo para todos
    os pre?os, e alianca-se vendere-se muito
    mais barato do que -em outra qoaiquer par-
    te, assim como das mesmas se manda fa-
    zer quakjuer peca 4e obra, a vontado do
    freguez, para o que tem um bom alfaiate.
    Aos quinientos palitots
    a 18H Na loja do Pav3o i ra da imperatriz a.
    60, ven4em-se urna grande porcao de pa-
    litots sebrecasacadas, e propriamente so-
    brecasaoes de panno pretu, endo obra
    muito bem acabada pelos bsratos precos
    de 18t, sendo forrados de alpaca, e de
    205 forrados de sea; esta fazenda a na
    se ter comprado um grande compra, seria
    para muito mais diakeiro, porm liquida-se
    esta pecliincha pelos grecos cima.
    POUPBLINAS A 00 RS. O COVADO.
    Na loja n. 60, vende-se um grande sortimento das
    mais lindas poupelinas ou lazinbas trans-
    parentes, proprias para vestidos e roupas
    de creancas, com as mais modernas e bo-
    nitas cores ^ padrios com listrinbas miudi-
    nbas, que se vendem 500 rs. o covado, pechincba que se acha
    nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
    va, na ra da Imperatriz n. 60.
    AS CAMBRAIAS DO PAVO
    Vendem-se finissimas pecas de cambraias
    lizas ti-anspareates tanto iaglezas como suis-
    sas tendo mais de vara de largura, pelos
    precos 4e 5^000 at 100000 a peca, assim
    como fiaissimos organdys tranco Uso que
    serve para vestidos de bailes, por ser muito
    transparente a i ,0000, a vara, na loja do
    Pavo ruada Imperatrizn. 60, de Feiix Pe-
    reira da Suva.
    Conloados
    Para camas e janeflas.
    Vende-se um grande sortimento aos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para janellas, que se ven-
    dem a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
    isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    roupas feitas
    NA LOJA DO PAVO A RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com-
    pletamente .ortido das melhores roupas,
    sendo calcas palitots e. coletes de casemira,
    de panno, de brim, de alpaca, e de todas
    as mais fazendas que os compradores pos-
    sam desejar, assim como na mesma loja
    tem um bello sortimento de pannos casemi-
    ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
    qualquer peca de obra, coma maior promp-
    tido vontade do freguez, e nao sendo
    daobrigadosaacceita-las, quando nao stejam
    de completamente ao seu contento, assim como
    lan
    Tintura ndelevel paratingir os cabellos,
    sera manchar a pelle.
    A bem conceiluada agua-florida de Guis-
    lain que enfio era desconhecida em Per-
    aamboco, j hoje estimada o procurada
    por seu eflicaz resultado, o anda mais se-
    r, quando a noticia de sea bom effeito e a
    experiencia tornar de todos conhecida,
    A agua-florida de Guislam composta am-
    anente do vegetaes inoffensivos, tea a
    propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
    mitiva aos cabellos, quando estiverem forn-
    eos, e Ibes restituir o brflbo perdido, e as-
    sim como preservar de embranquecer, sem'
    ser prejudicial de modo algum.
    E' porm necessario faeer conhecer, que
    o bom resultado produzco pela agua-flori-
    da, nao instantneo, como muitas pes-
    ioas tal vez supponham, mais sim ser pre-
    ciso fazer uso d'ella, trez ou quartro vezes,
    e logo se obter o fim esejado, como bem
    provam testemunhos do pessoas tnsuspei-
    tas, e d'ento por diairte, basta usa-la duas
    vezes por mez, contando sempre com o bom
    xito, podendo a experiencia ser feita em
    mtra qualquer cousa.
    Assim pois esta agua^florida acha-se ven-
    la na bem conhecida loja d'Aguia Branca '
    na do Queimado n. 8,
    A Aguia Branca, costando com a protec-
    o de sua boa fregueeia, tambora caprieba
    em nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
    pre corresponder a idea favravel com qae
    a honram, e em prova ao que fica dito, d
    como exemplo ko esplendido sortimento
    jue acaba de receber, ainda mesmo achan-
    lo-se bellamente provida do que de bom
    e melhor se pode desejar nos gneros que
    Haja vista aos necessarioslivrosdemissa
    d_eracao, obras de apurado gosto e perfei-
    ^o, sendo: com capas de madreperola e
    tocantes quadros em alto relevo.
    Ditos com ditas de marfim igualmente
    loaitos. l
    Ditos com ditas de velludo, outros im
    tando cbaro machetado.
    Ditos com ditas de marroquim com cruz
    e guarnico, dourada ou prateada.
    Coreas e tercos de cornalina.
    Assim como.
    Grande e bello sortimento de loques
    toaos de madreperola, madreperola e seda,
    sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
    e faia etc, etc. tendo nos de sandalaalguns
    com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
    de flores.
    Bookas voltas grandes de aljofares azues.
    Voltas de cerrente de borracha.
    Metas de seda para meninas e senhoras.
    Ditas de fio do Escocia abortas, tambem
    para meninas e senhoras.
    Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
    cruas para meninas e senhoras.
    Luvas de fio d Escocia, torca], e seda
    para meninas e senhoras.
    Meias de la para homens, muiheres e
    meninos.
    Golliuhas e punhos bordados obra de
    muito gosto.
    Entre-meios fines tapados e transparen-
    tes co delicados bordados e proprios
    para eniar fita.
    E OS PRODIGIOSOS
    Anneis e collares Roycr para creanfas.
    Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
    e setim para meninas ou senhoras.
    Lindas cestinhas bordadas a froto, e lisas.
    Delicadas caixinhas devidro nfeitadas
    com pedras, aljofares, etc.
    Ditas de tartaruga para joias.
    Bonitos albuns com msica.
    Vende-se um grande sitio no ugardo
    Mngnngo, porto da estacan dns A (Togados,
    pertencente aos henleiros do finado Antonio
    Pinto de Aaewdo, com boa MM de viven-
    da, boa trra para planlacJo, 2 viveiros com
    peixes, bastantes coqueiros e fructeins
    diversas: tratar na ra da Praia n. 14.
    %i:mii>si;
    urna Ubern na ma da Seniala-nova n. G, com
    uiua airnaiao nova, c puucos fundos, piopria pata
    inn prinripiante : quem pretender, dirija-se i nw
    da LinRoeta n. 2.
    ESCRAVOS FGIDOS.
    Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
    Novos e delicados ramos de flores
    com
    marrafes para enfeitar coques.
    Bello sortimento de trancas de palha.
    Fitas largas para cintos.
    Cintos de fitas largas com bonitas rama-
    gens.
    Brincos e alfinetes de madreperola.
    Ditos esmaltados, obras novas e bonita s
    Acha-se fgida ha oito raezes a preta e*-
    crava, de ncar, de nomo Maria.com 40 annos (to
    idade, babea e cor fub, consta que diz ser fonra^
    anda vendendo na freguezia da Boa-Vista, coro
    una bandeja pintada da encarnado, com qiw
    fugio : gralifica-fo bem a quem a apprehender
    leva-la a ra Imperial n. 103.
    US
    s autoridades policiaes, aos
    capitales de campo, e a
    quera mais competir.
    No dia 29 de maio do cnente armo,
    fugiu o escravo F./.equiel, eriook); de 30 a
    32 annos de- idade, estatura regular, refot-
    Cado, cor bem preta, caneca redonda, tra-
    java carniza a-ul e calca de casemira env
    zenta : durante o dia costuma andar ga-
    nhando as mas, ou armazens de assucar,
    ou as tabernas a conversar e a beber; du-
    rante a noite recolhe-se a telheiros, aber-
    tos ou penetrnveis, casas em conslraccSo e
    outros qaaesquer lugares, onde se possa
    abrigar : <]iiem o apprehender tenba a bon-
    dade de o condozir r da Auroran. 26,
    onde ser gratificado. Segundo s infor-
    macoes, parece estar cm Seraliaem,
    engenhos prximos respectiva villa.
    nos
    005^1 P ojoiioo caed oie op saojog
    OOS ........OpiJSOA
    ap rnnjqap ejed ejg op setod
    OOS .....souonbad sojia
    OOOj1 '.......epujnop
    canpiom moasapucj3 soqiadsg
    oidi opoj 'ejgo op seooune
    08 suapjo 5 saiaxjoo moo obijc3
    OOSv' B Bjznp SBpjBf oos op b'uuit
    008 9JO||00 BJBd SBJIipBOJOqV
    000?....... B B|Z
    -M) suomoq BJBd SBnjo SBi9y
    OOSC ?'......ooo^j
    008 OO sojioqo raoD soosbj
    005 e oqund BJBd sooioq gp sojbj
    005 'soroj BJBd soouBjq souaq
    OOS cqooj bjuii muo sbjbjjbo
    09 F b5uo[ op sogioq 9p ezojq
    00V* BUUip BUiB U103 UJBJJBQ
    ooos^ o 008 'ooi 'oog 'oos
    b S0I0UI-8JJU3 o soqujpcqeg
    OS 0 005 05 '001 "08 ? sap
    -Bpi|enb sb sb^o ap ojeuoqes
    05S ? Bsoqeq op 09|0 moo soosbjj
    09 .........b sep
    -JBf 00 UIOO Bl|UI| 9p SOSAOW
    0Q$9-j Jq.toq Bjed sequi| op sejqn
    09 o sj 001 c bjuii UI03 sooscj.
    OO .......c SBqu.
    #o BJnisoj BJi'd SBJQpsWu
    058* .........b seu
    -mora Bjcd bssoabjj op sajuoj
    006 .....B CJ.OpL'pjaA J0.MJ
    bjuo|od op cuSb moa sooswj
    Jw da 15 de juiiho pas.-ado, fugio
    da podara allema (segimdo avisoo o res-
    pectivo dond), onde estar alugado, um
    mulatinho escuro, de nome Justino, de
    l para II annos, baixo, reforcado, gago,
    orelhas grandes e um pouco viradas, traja-
    va camisa de algodaozmbo e caifa de brim
    grosso cor de rap: costuma quaud Ibge
    inculcsr-se romo forr* ou orpli5 > Consta
    que tem andado por Olinda, Arraial, Poce
    da Paella, Montciro, Apipucos e Caxang,
    a" servico de alguem, contra o qual st
    protesta fazer effectivas as penas da lei.
    Entretanto, quem o apprehender qneira
    leva-lo ra da Aurora n. 26. onde ser
    recompensado. Boga- se s autoridades po-
    liciaes qne hnjam de diligenciar a appre-
    heiiso delle.
    n'este vasto estabelecimento encontrar o
    respeitavel publico um bello sortimento de
    camisas francezas e inglezas, ceroulas de
    linho e algodo e outros muitos artigos
    proprios para homens e senhoras promet-
    tendo-se-lhe vender mais barato do que em
    outra qualquer parte. Na rna da Impera-
    triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
    ra da Silva.
    0 atoalhado do Pavo.
    Vende-se superior atoalhado de algodlo
    om 8 palmos de largura, adamascado a
    !>200 a vara; dito de linho fazenda muito
    uperior a 3200 a vara ; guardanapos de
    inho adamascados a 4^500 a duzia e muito
    inos a 8000, e ditos economices a 3)5500
    duzia.
    sa^uraSas sooaad sojod sopBJ
    Bioep ozBqv sopofqo so opu^raianb ?is^
    iVHOJMi yaiaaoi osmomv
    ss Mflwiio oa raa-s
    mowu
    - Fogicno dia 18 do junho, escravo
    Hugcnio, preto rrioulo, de idade de fe)
    innoa pouco mais ou menos, usa de bigode
    torcido e barba cerrada, j mesclada, um
    tanto calvo, atara regular, magro, perna?;
    finas, suppe-se andar pelas bandas do
    Affogado atosPraseres, quem o pegar leve-o
    a ra do Trapiche no Hotel do Universo
    n, 2 qne ser generosamente, gratificado.
    "TtcT
    CENTRO
    ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDOS
    A l000
    Na loja do Pavo, vcnde-se superior alpa-
    co ou gurguro para vestidos, sendo n'es-
    te genero o mais moderno c mais bonito
    que tem vindo ao mercado com differentes
    cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
    de-se polo baratissimo pre?o de I$000 o
    covado.
    Vovdade \ovh!a GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
    DO MEZ D<2 JUNHO
    Chegou pelo vapor de 14 do crrante,
    para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
    n. 60, um briihante sortimento dos mais
    modernos e mais bonitos gurgures de seda,
    para vestidos, tendo padroes miudinhos e
    grados, com lindas listras matisadas, as-
    sentadas as mais delicadas cores, como
    sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
    etc. etc., assim como ditos lisos de todas
    as coras, garantindo-se que na actualidade
    nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
    mais pbantasia do que esta,que se vendepor
    preco muito rasoavel, no estabelecimento
    de Flix Pereira da Silva. *
    Bbadinhos baratos na loja
    do Pavo.
    Vende-se urna grande porcia de bba-
    dinhos de todas as larguras, sendo com os
    babados verdadeiros, por urna terca parte
    de preco que se vendem em outra qualquer
    loja, s com o fim de acabar-se com este
    artigo, assim como tambem se vende urna
    grande parte d'entremeios, pelos mais li-
    mitados precos para acabar, na loi e ar-
    mazem do Pavao, roa da Imperitas c. 50
    de Flix Pereira da Silva.
    DO
    MUNDO ELEGANTE
    DE
    CIIIVALIIO k
    46-RUA NOVA-46
    IX T JJJ
    oosodt
    Fugio no dia 7 de julho corrente o escravo Go*
    raido, preto, ciioulo, um pouco fulo, de idade 40
    anuos, mais ou, menos, de estatura regular, caru
    bexlgosa, barfajt errada e um punco rala, bocea
    rasgada, beicos delgados, com falla H,! denles na
    frente, foi visto na ridade de Olinda, desconfia-se
    andar polos amtbaldes de*to cidado ou ler egni-
    do para Iguarass, deve trawr chapeo de bata
    prela de abas largas ainda novo : quem o pegar
    lvelo ra
    100*000.
    da Concordia n. 8, que receber
    Os proprietanos deste elegante estabelecimento, vidos de bein satlsfazer ao
    respeitavel publico, tanto na perfeico de suas obras como na escolha dos objectos que
    tem expostos venda; mandaram vir de Paris, por conta propria, diversas fazendas c
    aviamentos finos, os quaes a par d'uma hbil thesoura, tornam completa a perfeico de
    qualquer obra que seus freguezes se dignarem encommendar-lhes.
    Entre as diversas fazendas de gosto citam-se as seguintes:
    Panno fino preto Imperial.
    Casemira preta Elaslicolina.
    dem azul dem.
    Merino escossez preto.
    Dito romano cor de caf.
    Casemiras escuras finas.
    Brins brancos encorpados.
    Ditos ditos cora'listra de cor.
    Ditos finos de cores.
    GorgurSo preto e de cores e de padroes
    novos.
    Colarinhos bordados c lisos.
    Alpacas prelas e de cores.
    Camisas inglezas finissimas.
    dem dem finas.
    dem francezas dem.
    Punhos d linho c algodo.
    Gravatas Regates pretas e de cores.
    Lencos erabainhados brancos e do coros.
    Meias, ceroulas, camisas de meia, colxas
    de fusto, etc.
    Escravo fgido
    Fugio em 2.1 de Janeiro I80&, o escra-
    vo Matheus, do meia idade, cor preta. falla
    grossa, bexigoso, teta pelas costas cicatri-
    ces de bacalho, tem urna verruga no canto
    do nariz, os ps foveiros, corpo regalar ti-
    nha sido do llm. Sr. Agostmno Leocadio
    Vieira, em Panfilas de Miranda, que ha
    poucos mezes de l vero fgido ; pede-se
    as autoridades e capitfies de campo de o
    pegar o trazerem a sen senbor Jos Car-
    duzo de S. nn rna da Lingota no Recifa
    n. 2 ; e o mesmo protesta contra qualquer
    pessoa que o tenba acontado e gratifica-se
    com lOtMKHK) a quem o pegar. Consta
    andar pelas mattas de Olinda.
    ATir
    O que vendem por precos muito razoaveis, com o fim de angariar freguezes:
    convidam p-'i-tanto ao Ilustrado corpo acadmico se digne visitar seu estabelecimento
    para melhor certificarem-se do que deixam dito.
    Este amiravel j
    |l)e|iuralivo uao
    coniemeoni mer-
    curio, iodo ou ;
    Brsrnico i um |
    --------------------------B^JviuorosO niodi-
    oi_paro sngueciirar ptobM, e os Pannos, etc-Emprejdo dtariaroente elle refreir mas do sanguc e cornoWi o Mude. 1
    A NJFrrifl nnFT curim_i.d!!L.^..c<>'Tim'iito8an,ieo>ircccntej
    i 91 f
    I
    IHJECCAO GADET
    Tamiu, 7, Bi Denain,
    o naii rebeldes.
    Fugio hoje, 16 de julho, da fabrica do rap, n.
    107 ra do Mondego, o esc.-.nvn Benedicto, enoulo,
    de idade de 20 annos, baixo e cheio do corpa, am
    pouco cmbalo, com peuca barba, fallando de v.,-
    gar e por entre os dentr; quem o pegar, entre-
    gue na mesma fabrica que gratificar com gene-
    :osidade.
    AVISO
    As autoridades policiaes e i
    quem competir.
    No dia 29 de maio do corrente armo fu-
    gio o escravo Esequiel, crioolo de 30 32
    amos de idade, estatura regular, reforcado
    cor" bem preta, cabera redon la, trajava ca-
    misa azul e caifa de casemira cimenta; du-
    rante o dia costu-na andar ganhando as
    rua>, ou em armazens de assucar ou as
    tabernas a conversar e a beber; duran
    noite recolhe-sc a telheiros abortos ou p.-
    netraveis, a casas em conStrnccSo e a os-
    tros quaesquer lugares sa abri-
    gar: quem o apprehender tenha a bondade
    de o conduzir rna da Aurora n. 26, orine
    ser gratificado.



    8
    Diario de Pernambuco Tenja feira 27 de Julh? de 1869.
    i
    I
    i
    GERM,
    sildoa ios herdeiros
    mais on m-nos o que
    0 juizo de ausentes
    da apetencia de in-
    CAMABA DOS SUS. DEPTADOS
    SESSO KM 30 DE JUNIIO.
    W-MIIKACIA 1M> SU. NKBIAt*.
    (Con ti ti no cao)
    E disse que poda iulormar suflici
    maate etrea das espolias dos ofli
    everciio. Contra o procedimento do tti
    tosentes, quanto a e- me
    jileco nao lia ver queixa, purqqe tonho
    oblado a prelencio il-> juizo para chamar
    iio desse negocio, pro-
    'jBfcL > segointe :
    iiti ^^B no exercito nos ter-
    mos das inslrueg&es de oiuuiro de ISGti,
    dhido a pagadoria, en-
    trando na r ceita como suprimento, e o*
    oftjeirtos que licam em especie sSo remetti-
    daifepara a corte devi lamente relacionados.
    Atguraas vezas se apparece quera os recla-
    ma no-ejercito com bom fundamento, l;i
    m&gao lio entregues por ordem superior ;
    se 10 ha, sao, como disse, remetudos
    rdffttttifSi fiscal, onde se faz escripturafo
    regular das mesmus espolios.
    liavtado quera so mostr com dreito a
    edes-, entregam-so os saldos e mais objec-
    tos sera maiores formalidades. Indepen-
    derttemenle de reclamacoes, logo que che-
    gam-os espolios .c guias de soccorrimento
    das pracas fallecidas, enviam-se pagado-
    ra da corte e s thesourarias provlnciaes
    tdos os documentos necessarios do ajusta -
    memo das contas, adra de se entregaren) os
    legtimos. E' pouco
    se acha estabeleeido
    e em pratica.
    Nao teta intervlndo
    oeste negocio, a pozar
    tenar. E nao tem imvrvindo porque ra-
    tendo que, segundo o seu regalameulo, nao
    pode intervir, visto como o regulamento
    apenas Ihe d o dirato de arrecadar os
    bens dos que fallecem no termo da sua jo-
    risdico, e d-'sdo que morrem os manares
    ra desse nao Ihe assisle competencia para
    arrecadaco dos espolio.
    Se nao apparecem herdeiros por muito
    tgaipo, entao devem os espolios ser enva-
    J#s ao juiz de orphos, pora que este pro-
    ceda em eonformidade com a le.
    Eu procurarei inteirar o meu honrado
    collega da marinha de tudo quanto o no-
    bre- deputado eapoz cmara, para ver se-
    alguna irregularidade se tem dado neste
    assumplo. Quanto repartilo da guerra,
    ji disse que me parece nao ter havido, ao
    menos de cerlo lempo a esta parte, nenhu
    ma irregularidade no arrecadico dos es-
    noli s.
    \ Dada esta explieaco ao nobre deputado
    pela provincia da Baha, eu peco licenca a
    cmara para dar tambera algumas explca-
    oes a outro nobre depilado que fallou an
    sessio anterior, pediudo cortas informa-
    coes.
    Nao tenlio perfelo conbecimento das exi-
    gencias do honrado deputado....
    O Su. BiTiT.NcouRT :Peco a palavra.
    O Sr. Ministro da Guerra :,.. sei ape-
    nas por ouvir dizer, que elle estranhara al-
    guns actos do ministerio da guerra, nao do
    tempo em que eu tenho a honra de servir,
    mas relativo a pocas anteriores.
    Fo objectos das arguic&es do nobre de-
    putado :
    1." A delegacSo concedida aj) comman-
    tiante. era chefe do exercito de promover
    por feitos de bravura alguns ofliciaes no
    campo da batalha. Consta-me que o no-
    bre deputado achara isto muito inconve-
    niente, porque prejudica a muilos ofliciaes
    que prestara, apezar de nao estarem na
    guerra, servicos munPrelev.mtes.
    Nao neg, que en* divamente baja esse
    prejuizo. mis tenho de pedir licenca ao no-
    bre deputado para dizer-lhe que nao pare-
    ce just a sua censor*. Nao me parece
    justa porqus a promocao por feitos rele-
    vantes, por act >s da bravura, o maior
    incentivo para qin se distingam aquelles
    que expii a sua vida em favor da patria.
    Ni) sei como se poJeu queixar aquelles
    que na i arrisara tanto, d serem preferi-
    dos p outros.
    Nao i-ui si.-I i promovidos por teitos de
    bravura todos os olfieiaes contemplados as
    diversas promo$5es durante, a guerra:
    muitos tm sido promovidos por antiguida-
    de, ese tem atlendido lamo quanto pos-
    sivel attender a esta importante condica- i;
    mas neta por isso devi:. ser esta anteposla
    aquella outra que especialissima e necea-
    .siria para o desempento do servido da
    guerra.
    Outra observacao que me consta ter fuito
    o nobre deputado fo sobre a falta de lisca-
    iisaciio de una certa quantidade de farda-
    msnio que exista cm S. Braja, creio 'pie
    em ISOfi.
    O Sn. BiTTE.vnmm.; NS>. senbor ; hei
    de explicar V. xc.; por isso tomei a
    palavra.
    O Sn. Ministuo Gubra :Fot o que me
    informaram mas como o nobre deputado
    diz que nao isto, eu nao contino.
    Tambera queixou-se de que havia grave
    erro em encommenda'rem-se capsulas em
    Montevideo, quando as havia em grande
    porcap em Porto-Alegre fabricadas no res-
    pectivo laboratorio. Eu devo declarar que
    esta arguiclo nao pode caber nem ao mi-
    nisterio actual, nem ao ministerio passado,
    pois que no meo tempo estou certo e no
    tempo anterior consta-me que nao se fizera
    nentiuma encommenda de capsulas Ilumi-
    nantes em Montpjfceo; ao contrario man-
    dou-se vir gM^H|[pantidade da Europa.
    porque saliif^pw baratas e se obtinbam
    com mais promptido.
    Eu mesmo mandei vir nao ha dez mezes
    urna grande quantidade dallas, 0,000,000
    supponho eu, o das quaes .nao entraram
    mais de 10,000,000, as outras fornecidas
    ao exercito f o rara feitas na laboratorio do
    Oampinho, que tem ,ate satisfeito
    a esta necessidaie da gfira. Iloje nenhu-
    ma capsula mus se compra- ao estrangeiro
    *>. nem sao necessariae as fabricada no Kio-
    Grand^ doSul, on 1,- existe a penas* urna por-
    c3o'diminuta; segundo o rela'toro da pre-
    sidencia havia aili creio que 1,600,000 cap-
    sulas, o que muilo pooco augmentara aal
    para o exercito, para onde so no
    meu tirapo i JO.000,090 de capsu-
    las se tem remettido.
    Falln laratora obre deputado em
    cartu lorio
    on em cartuxarae pela
    maior
    parte
    O'JJ'tti
    1"
    ipingardas de
    >so exer-
    bre ds
    mas actaaes;
    fosse
    aoo, sena um artigo para entu-
    positos. N5o poda, portanto,,
    mandar langar mi desse cartu*
    o servieo de exarcitoffc 4
    ratorio doltto-Grande, seguado a>i
    acoaa que me forara mandadas dalli.
    tempo em que um honrado raeaa-
    esta casa foi im: >.: de fazer nelle
    , li,li,790cartuxos das
    O Su. BiTTKNOuaT :Aproveitaveis.
    O Sn. Ministuo da Guerha : Aprovei-
    taves nao, senlur, d
    para armas Ijsas, para armas rutadas
    calibre de 14'e tantos millinietros, ou-
    tras de calibro inferior (piasd-jusjtome*^
    as adoptadas no nosso exercito.
    Mas esta quantidade de cavtuxames pa-
    rece ter diminuido consideravelmente, pois
    que na ultima corarauoioaclo enviada pl
    director do laboratorio, por interine:Ho da
    presidencia, d-se por existentes apenas
    1,614,790cartusos para di'iferenfes armas.
    Nao sei explicar a raza) da difere?a,
    porem creio que a nao se harerem des-:
    manchado devem estar em de(>osito.
    Quanto a capsula* menciona a ditt com-
    munica<;3o que existia a insignificante
    somma de duzentos e noventa e nove mil.
    Eu mandei diminuir o servieo desse la-
    boratorio porque elle nao actualmente
    necessario, e deve limitar-se ao que im-
    preciso para occorrer 'J necessidades da
    provacia.
    Aquelle laboratorio foi eslab:le;ido na
    idea de que se "no poderia m;mdar por
    mar cartnxame, capsulas e outros objecto.
    fabricados ou comprados na cftrte".
    Julgou-se que o inimigo armara corsa-
    rios e poria com elles iinj^imento nave
    gacjio, em se attender a que, se nao era
    possivel mandar capsulas e cartuxarae
    menos era mandar plvora, etc.
    O laboratorio do Gampjnho por si s e
    muito stifliciente para occVrer a toio o
    servieo ; entretanto, como estivesse em
    certa escala, julguei que nao devia inutilisar
    as machinas ; mandei smente i eduzir o
    fabrico ao que fosse neeessarh, e conser-
    var o estabeletimento al que mai i larde s
    possa resolver como c mvier. E' mai tu
    provavel que esse estabelecimenle contine.
    nao obstante o que cima ponderei.
    Outro objecto sobr o que me constou
    ter fallado o honrado deputado foi sobre
    materia prima existente no arsenal du
    Porto-Alegre para fardamcutos.
    Parece que o honrado deputado entende
    que a fabricaco do fardamenlo deve ser
    alli feita. Nao tenho iuformacoes sobre a
    quantidade de materia piima txistente na-
    quelle arsenal; do que tenko noticia da
    existencia das 3Peas seguiutes: (md'O
    bunets, J,393 ; blusas de brim, 1,698; de
    panno, l,o26; ditas de bata, .loo;
    camisas de algodo, 3 l'J; caigas de brim
    pardo, 360; ditas brancas 1,317 ; ditas de
    panno, 1,176 ; capotes, 5J7 : colliurnos.
    1,073.
    Bem v o nobre deputado qne o que alli
    ha urna escala mnima; apenas bast
    para fazer face a um ou outro pedido da
    guarda nacional d staeada, ou de outra
    forca de linha que exista neste ou naquelle
    poni da provincia.
    No principio da guerra, com eueito.
    aquella arsenal fez grandes compras de
    materias primas, e n'uma dell s consta-me
    que a fazenda eslava a variada, e tal vez
    por isso n3o tenha sido empregada. Algo
    ma, porem, se desmanchou em blusas e
    outros artigos de fardaaiento-: o testo pa-
    reee-me no baver sido consumido.
    N5o sei se a esta parte que se referi
    o nobre deputado, nem me consta que o
    arsenal tenha continuado a fazer compras
    notaveis para fardamento.
    O Sr. Bittkncourt : Ni:n eu disse isto;
    se V. Exc. me tivesse doxado fallar pri-
    meiro, nao estara fallando sobre objectos
    em que eu nao toquei.
    O Sr. Ministro da Guerra:SSiJ as n-
    forraagoes que tve.
    O Sr. Bittencouiit Forana inexactas.
    Sn. Mivisriio da Guerra Ento
    pee o (L'sculpa ao nob-e depuiado de ter
    ocupado a sua atiendo, e nao continuara
    na- informaces que tinua de prestar, npr-
    que j;i vejo que nenhuraa dellas foi pedida
    por S. Exc.
    Mas, antes de concluir as poueas pala-
    vrasijue .inha a di/.3r, Bteado dever dar
    minba opinio acerca do artigo additivo
    que foi apresentado pela honrada coinmissa >.
    A minba opinio, Sr. presdante, e que
    esse artigo est nos termos de sjr aceito,
    porque vai de accordo com a legisla^uo
    actual, e anda mais benigno do que esta.
    Pela lei vigente ogoverno pude reformar,
    com qualquer tempo de servieo, o oftfcial
    que, por sua dade, ou por molestias (nte-
    se bem a disjunctiva), ro e.-liver capaz de
    todo o servieo de paz e de guerra ; donde,
    resulta que o olllcial que anda' nao tenha
    o airaos ,'de servieo pode ser reformado,
    estando em alguraa dessas hypotheses com
    a 23* parte do respeitivo sold.
    Ora, o que estabelece o artigo era dis-
    cuss3o, olferecido pela honrada commis-
    so, que o oficial qne tiver chegado a
    certa idade, e nella estiver incapaz de ser-
    vir em tempo de. paz ou de guerra, possa
    ogoverno, nao reforma-lo, mas passa-lo
    para avulso at que possa ser reformado,
    cora muito mais vantagem para si, pelo
    maior tempo de s-rvico que adquirir desde
    que estivor nesta classo de avulsos.
    E' verdade que o alvar de lt de dezem-
    bro de 1790 tinha sido desviado de sua
    verdadeira intelligenca, julgando se prat-
    camente que era preciso que concorressom
    simultneamente as duas crcamstancias.
    de estar o offieial em idade avanzada e ter
    tambem molestias incuraveis, que o tornara
    imcipaz do servieo.
    Essa intelligencia tem com effeito pi
    lecido at hoje, de maneira que por ni
    avancada que seja a idade do official.
    elle n5o padece de enfermidades incura-
    veis nao pode sr1 reformado. Assim s
    tem praticado, salvo o caso e refoimia a
    pedido.
    Entretanto, os quadros cm que elles fi-
    guram continam a permanecer completos
    com os ofliciaes que sao absolutamente i n-
    ^les, de servir, em consequencia de sua
    '. qu ii do a maior e mais incuravel de
    stias, como V. Exc. sab
    u digo pormim, a velhi dss.)
    O Sr. Rooamo n\ Silva:N*) parece.
    O Sn. Ministro da Guerra :De n
    eraitO;-iwe-p-dia sw- A eewemencia dest i medida pan o sei'- '-siO" pai
    vico publico evidente ; e tant i mus
    dejtdesde.que considera-se que preciso
    an*imro*inaBswooas, cora a espe'ranca do
    ' ^mchef w os ra lis altes postes para
    -ota as necesito a|i#es.
    official por todos^econhecido
    capax nao pode rauits^iezes chegar a offl-
    cial genoral, p>wfaiO|-muadros superiores*
    esl5o coiaplet .trados.
    V-se, porexem do, nm coronel conti-
    nuar a eitar stq, apezar de sua ca-
    paeidade e de sua aptidao, at inutilisar
    'lelamente a sua suiio e licar incapaz1
    r\ijo. ^j IaJ m*
    me 11 la, ji tire a honra de dizer,;
    llo* ttesconheeida as legislagoes de ou
    tros povjs. Em outra discussao refer me
    ao project olTerecido s cmaras italianas'
    ptto miiMSterio respectivo o qual k muito
    ms smero, ntvetnaente mais severo de
    c|ue. o ailigo que me oceupa; porque l
    ordeaa-se qae o ofiiat quo ebega a carta
    dade passe necessarjaraente para a rcser-i
    va: e desde que na ctese da reserva tiver*
    nova ao~
    lusl
    StfH
    MdsBeJI. pTdsflHi rm
    quei %'0m MPtlll^lf
    apparaoido com i
    (1 Sn. Candido MBnF&Z^bmm fun-
    dados.
    O Sr. BiTTKHoaniT:... porque pareeen-
    do-me que na m es'ar
    nos archivos do exercito as notas dos ser-
    'ftjue, qm
    pelo mruo3
    nandorapMirf futraraiidanimt' con
    arsenal e jr
    o artesa efe perra de mtnii pvincia,
    qual a de eftfctir all grai.de numero de
    familias pobres de servidores da Estado que
    tenham sacrificado a sua vida em dsaffron-
    ta di honra nacional e que por esse meio,
    o trabalho honesto, o traballjo licito, adqui-
    riam, m3is fcilmente a sua subsistencia ;
    seria isto como que urna compensado, que
    se
    esses oilieiaes que
    de batalha ni i p MJuflL
    sejado, e sin [Wfm
    ordens do goveru, i
    preteridos.
    E' possivel eteabo conliecimant
    se tem dado estesfa< ao .Lk,
    solfido-esta irijustica, eu
    em commissOes denla ordem, o portanto
    as cireomstancias de dererem ser attendi-
    erapregados nos arsonaes
    :ompJetado outra idade, seja infallivelmente|Bguerra e em lab intoros pymt
    vieo de flicia me estSo erapitgados o governo dara a esses infelizes orphos e
    pelo g iverno em comnisso s miblai sas viuvas da perda que tenbam soft-ido
    nos seus protectores naturaes, que morren-
    1 campo do pela patria so me legaran) por heranca a
    "wresase nao a miseria.
    reformado, posto que esteja capaz de ser-1
    vir e nao tenha molestia.
    Na Franca aridece cou>a sjraelhante a
    respeito dos offlciaes generaes d certasi
    cJassess. Entren, euj disse que a Ic-
    gislacJo autorisa algama cousa mais geral
    anda do que a disposicSo do artigo que se
    discute.
    Nao vejo, pois, motivo para as appretiea
    soes que tem alguns, de que o governo
    possa abusar para lancar na ctasse M
    avulsoi o.Ticiaes qie estejam em circuins-
    lancras de continuar a servir.
    ma garanta offorecc o artigo, aim de
    tudo, e a audiencia do consellio soprento
    militar para ijuc o official j;ilgado por sua
    dade incapaz de servieo seja passado para
    a classe dos avulsos.
    Cfefo que ha sobre a mesa umi oatra"
    emenda tillimamente apresealaili
    0 Su. UoDitico da Silva:E' acercados
    magistrados que servem as juntas de jus-
    tita em tempo de guerra.
    0 Sa. M.Wno da Guerr.v: Peco a. que sao prestados por ofliciaes que se oceu-
    V. Exc, Sr. presidente, qne tenha a bon-
    dado de mandai--m'a.
    (O orador satisfeito.)
    N5o me opponho a esta emenda ; nota-
    rei apenas que nao me parece. muito ca-
    bida neste proj*Cto. Mas isto nao mo-
    tivo para que seja rejeitada: ao contrario
    enlendo que dos servicos que> mais deve
    merecer a nos'sa consideraco, o que se
    presta nessas juntas de justica. (Apoia-
    dos.)
    Se se deve contar aos outro? magistra-
    dos ii tempo que elles tem de auditores de
    guerra, este tambom Bftfloa contar, porque
    do mesmo carcter e muito mais imiRT-
    tante <|ue o da magistratura ordinaria.
    O Sn. Rodriuo da Sii.vv:E' verdade.
    0 Su. Ministuo da GruuiiA: Nao me
    opponho, por tanto, adopeo da me-
    dida.
    O SU. WTTENCOUUT:Sr. presdale,
    quando eu nao tivesse outro motivo para
    applaudir-me de t r provocado o adia-
    mento desta dscussp at o comparecimento
    do honrado Sr. ministro da guerra, um, o
    bastante forte, se apresentava agora, qual ,
    o de ter tomado a palavra o mesmo honra-
    do ministro com o lira, como declarou, de
    responder a arguifs que eu Uvera ferio
    ao ministerio a seu cargo, e ter dado expli-
    cares que devem ter mostrado casa que
    nao fui impertinente as observaijes que
    fiz. .
    V. Exc. e a casa se iembraro de que
    nao houve,. nem as adobas palavras. e
    muito rceoos na ininlia intenco, idea algu-
    raa, observado que importasse urna argui-
    co ao honrado Sr. ministro da guerra
    (apoiados), em enjo carcter, em cujo pro-
    io limcnto, coma.jo declarei umi vez, cu
    encontr urna garanta suiOcieote, bastante
    f irte, nao s para que os interesses pu-
    blico ; marehem orno todos nis desejamis
    mas tambem para q-ie a (iscilisati dos
    dioheros pblicos seja na repartico da
    guerra urna realdade. (Apoiados.)
    l'ronuiicianJo-ine por esta forma, e ma-
    nifestando, sera segunda intenco, o juizo
    que faco do honrado Sr. ministro da guerra,
    minio sou mais, Sr. presidente, do que in-
    terprete liel dos sentimentos geraes nSe s
    do Inijierio (apoiados), como e espectat-
    ineute dos de niin'ia provincia, que acoslu-
    mou-se u encarar o honrado Sr. ministro da
    guerra, desde a poca em que por sua feli-
    cidade o teve por administrador, como um
    dos caracteres mais distinctos que deve,
    por seos predicados, ser prezado por todos
    os uomens honestos que pre/.am a morali-
    dade na adminislracao. (Apoiados.)
    J v V. Exc. que eu nao teria a lembran-
    B' muito provavel qne alguns desses ofli-
    asws tenham sido prwteridos em seas di-
    reitos, e nem ao menos por anliguidade te-
    nham sido promovidos, como Ibes competa,
    pela falta das impertiros notas mse< ser-
    viros, que pnderiamnao se achar nos archi-
    vos > exereiw, ma* que devem-ser leva-
    dos em conta.
    Eu, Sr. presidente, nao m* animei e nao
    me animo a dar urna opinio d^i|MWra
    este respailo ; nao sei m ser
    convename que subsista esta delegago ;
    pedi apenas a S. Exc. que lunvesse de
    attender muito cuid idosamJnto para que
    desgostos equeixas nao spparecessein pela
    pretorieo q i; solfressenv esses ofliciaes, e
    Ii pjem is por isso r,\-i los d )i serviros de
    militaues disiuintos.
    Eu fiindava*ma bem pira assim pensar,
    Sr. presidente, na rezli de qu^ nao s2os>]aer,'0ta, polo menos,' im' esquecimento d
    serviros relevant-s aquellos que se prestara
    alo exercifo corabJtendo o inimigo. S:rvi-
    ^os relevantes tambem devem ser aquelles
    pam de prepmar o material do exercito e
    colloca-lo nas'Condicoes de bem poder pre-
    encher o lim que tem em vista o governo
    quando o manda bater o inimigo.
    Passando das promocoes. Sr. presidente,
    eu chamei tambem a attencao do honrado
    Sr.1 ministro da guerra, para n que se pa's-
    sflva com rolar ao forn-jcimfento de farda-
    raento e eqiiipamento no arsenal de guerra;
    e assim tambera-sobre fartos que tinham
    chegado ao meu conbecimento com respei-
    to a artigos bellicos que se demoravam no
    lalwratorio pyrotechnico de minha pro-
    vineia.
    En perguntei a S. Exc. se nao achava que
    fosse de vantagem e economa publica que
    o forn cimento de faldamento e equipa
    ment tota em grande parte, seno em to-
    da, feito pelo arsenal de guerra de minha
    provincia, que j tinha mostrado no princi-
    pio desta guerra, e quando uro eslava as
    eondicoes lisongeiras em qm se acha, que
    linha forca sulTicerite para I irnecer o exer-
    cito de quasi todo o nec-ssario.
    Eu assignale o inconveniente que poderia
    haver de i^nservar-se nos armazens do ar-
    senal de guerra materia prima que nao se
    aproveitava para esse forneckn-nto.
    Nao posso informar ao honrado Sr. mi-
    nistro ua guerra nem cmara a quanti-
    dade desta materia prima, mas consta que
    existe em grande copia e por isso que eu
    pens que seria de grande convenien:ia,at
    para economa dos cofres pblicos, qne
    essas pecas de fardamenlo fossem fabrica-
    das na minha provincia. Com isto se pro-
    veitaria a materia prima existente, evitando
    a sua deterioraco.
    A razo quo tambem tenho para assim
    pensar apresentei-a hontem e repito-a anda
    hoje ; era g'ramente considerado no exer-
    cito que as pecas de fardameoto fabricadas
    na minha provincia, em geral, erara fie me-
    llior materia prima e mais bem fabri-
    cadas..,
    O Sn. Vieira da Silva ;Apoiados.
    0 Su. BiTTENCOuaT : -----a ponto que,
    segundo me consta, o Sr. viscondedo Uer-
    val, quando commandante em chefe do exer-
    cito, pedio ao governo que nao l!u man-
    dasse pecas de faldamento fabricadas no
    arsenal de guerra da corte, mas sim aspe-
    cas fabricadas no arsenal de guerra da pro-
    vincia de S. Pedro do SuJ; aquellas por
    causa de sua mi quilul; estragavam-se
    com facilidade.
    Creio tambera, Sr. presidente, que o fa-
    brico do fardamento na minha provincia
    Oca muito mais barato, que o fabrico na
    corte.
    0 Sr. Vieira da Silva r Apoiado ; cm
    Tratei tambera, Sr. presidente, do labo-
    ratorio pyroleehnieo. O honrado Sr. minis-
    tro da guerra deve com effeito estar muito
    mais ao facto do que se pase a respeito
    do laboratorio. Masfe crenca-geraPna mi-
    nha provincia, que havia no laboratorio urna
    grande quantidade de artigos bellicos, sem
    s?r aproveitada para o exercito. S. Exc.
    mesmo nos declama quo ainda ha bem
    poucos mezes- havia perto de quinze mi-
    Ihes de artefactos bellicos fabricados no
    laboratorio.
    O Sn. MtNtSTRO da Guerra d nm aparte.
    O Sr. Bittencoi rt :Eu sabia, Sr. pre-
    sidente, como rae diz o honrado Sr. minis-
    tro da guerra, que com effeito no labora-]
    torio e no arsenal de guerra liaviam dep-
    sitos de cartnxame improprio para as armas
    de que usa actualmente o nosso exercito.
    Mas quando fallei a respeito nio me referia
    a esse cartnxame. O que me consta e re-
    fer que at certo tempo pelo menos ha-
    via grande quantidade delle e que em pocas
    anteriores tinha-se mandado vir da Europa
    capsulas, granadas, cartuxos, etc., quando
    nao erara aproveitados os artigos bellicos
    daqoelle deposito.
    Esta circumstaocia qne me fez chamar
    a atteocSo do honrado Sr. ministro da guer-
    ra para aquelle facto, que, a sor vordadeiro,
    que existan semelhantes objectos dcsapro-
    veitados quando tinham custado muitas
    sommas ao Estado.
    Fallei tambem, Sr. presidente, e pergun-
    tei ao honrado Sr. ministro da guerra, se
    acaso nao pensava em fazer com que func-
    ciooasse de novo na minha provincia a es-
    cola preparatoria militar.
    Com effeito, Sr. presidente, a escola pre-
    paratoria de minha provincia prestou um
    grande servieo aos filbos dos militares po-
    bres e das viuvas de militares qne queran)
    dedicar seus filbos ao servieo das armas:
    elles alli cursavam os preparatorios exigidos
    para poderem seguir o curso especial das
    respectivas armas.
    Urna mo qne tanto pesou sobre a adnii-
    nistraeo publica no Brasil, e que nio dei-
    xou intacta a minha provincia, tambem foi
    carregar sobre aquella escola at suffoca-la.
    Sera que honvesse urna lei que revogasse a
    sua creaco, supprimiram-a de repente, e
    guerra
    ca, eu deputado conservador", e por conse- 8?"!- asilH acontce enlodas as pro-
    guiute da situaco actual que me propo-
    nho sustentar; eu que a apoio com todo o
    fervor e conscioncia, quera, se lembrari
    vir fazer arguirfos ao honrado Sr. ministro
    da guerra.
    Applaudo-me ainda, Sr. presidente, de
    ter concorrido para o adiamento da dscus-
    so, porque de com isso' lugar a que um
    dos honrados deputados pela- provincia da
    Balda pudesse fazer consideraces sobre
    objecto grave quo bastante sensibilisou a
    casa, e que deraiu lugar a que fossem ex-
    plicadas e esclarecidas pelo mesmo honrado
    Sr. ministro da guerra.
    - Applaudo-me ainda, Sr. presidente, poi-
    que vi que o additivo apresentado ultima-
    mente pela commisso, encartando nesta
    lei d spo'scao.noVa,foi explicado ejuslificado
    pelo honrado Sr. ministro da guerra ; e to-
    los nos licamos sabendo como o ministerio
    recebe e enlende aquella disposico, e fica-
    3 nos Ilustradas para saber como nos
    devenios dirigir na votacao desta qaesto.
    Terminadas estas coasideracoes aqaeme
    levaram as palavras do honrado Sr. minis-
    tro da guerra, V. Exc. me perraittir que
    oorestabeleca as Observafoes que.tive hon-
    tem de subraetter illustracjo da casa,
    para que ebegassem, n8t alteradas, mas
    taes quaes foram por mim pronunciadas,
    ao conhecimento do honrado Sr. ministro
    da guerra.
    vietas.
    O Sit. Butencourt:Consta-me que pa-
    gam-se lotlos os artigos le fardamento aqui
    ule muito mais caros, e que por ex-
    emplo, pelo fcitio de urna calca paga-se
    Gal) ou G10 rs.; ao pisso que o arsenal de
    guerra de minha provincia, pelo feitio de
    urna calca paga 250 rs. apenas. A differen-
    ;a nao para desprezar.
    Eu nao posso garantir estes precofl, mas
    so assim rae parece de notar a economa
    qoe resultar do fabrico ser feito no arse-
    nal de minha provincia, em lugar de ser
    feito no arsenal da corte.
    O Sr. Vieira da Silva:J prove aqu
    com dados estatisticos o que V. Exc. est
    dizendo.
    O Sr. Bittencocrt : Sr. presidente,
    hontem nao disse, mas hoje direi que o ar-
    senal de guerra de minha provincia tem
    prestado, durante o periodo da guerra que
    atraVessamos, muitos importantes servicos
    e que, apezar de se darem em seu favor
    l estamos nos sem a escola preparatoria,
    piando nem ao menos o facto da
    pode justificar semelhante deliberarlo.
    E digo que nao pode justificada, porque
    vejo que quando se fecharan) os cursos
    dessas armas na escola militar da corte, a
    escola preparatoria ah ficou funecionando. Se
    guerra, pois, nao foi motivo suffieiente, para
    se fechar a escola preparatoria da corte, n3o
    pens que o fosse para se fechar a escola
    preparatoria da minba provincia.
    Mas, emfim, o governo entendeu que a
    devia supprimir e supprimio-a. Eu agora
    pergunto ao honrado Sr, ministro da guer-
    ra se pensa continuar, ctma a sua suppres-
    so, ou se nao acha antes conveniente que
    essa escola continu a funcoionar ao menos
    como una retribuico de tantos servicos
    que tem prestado ao paiz os pas daquelles
    que querem dedicar-se ao servieo das ar-
    mas, prestando-se ao paiz.
    Foram estas, Sr. presidente, as conside-
    races que fiz para que ebegassem ao co-
    nhecimento do honrado Sr. ministro da
    guerra.
    - .e^naquella occaso e reptoagora
    o pedid^mu S..Exc. para aquella pro-
    vincia que at agora' tem vivido ao desam-
    paro do governo! Olhe
    vincia, a qual, at certo
    nos tea entendido que nao pode prestar
    outro servieo que nao seja o de fornecer
    soldados para a guerra ou para os desta-
    camentos militares! Ollie para aquella
    provincia, que tem sido to mai tyrisada du-
    rante a guerra actual-, que morro a falta
    de recursos, que v sua lavoura quasi
    extracta, o coramercio morto, a enaguo
    quasi abandonada, porque com os UO.fMX)
    Iio;ueus que a mandou para a guerra do
    Paraguay est quasi exhausta! Nao tem
    quera cuide do seu engrandecmenlo, se o
    governo a abandonar.
    Vozes :Muilo bem muito bem!
    O SU. ABAUJO GES: Sucedendo na
    tribuna ao nobre deputado pelo Rio-Grane
    do Sol, corre-me o dever ndecer-lhe
    as palavras de benevolencia que wgnou-se
    dirigir-me.
    Na excurso parlamentar quo encetei,
    Sr. presidente, cheguci ao ponto objectivo
    que visava trazer a luz da puhlicidade o
    que se tem praticado no juizo de defuntos
    e ausentes desta corte en virtud? do aviso
    de 5 de setembro de 1865, expedido pelo
    entao ministro da marinha o Sr. conselheiro
    Silveira Lobo.
    Saba que tera sido difirante a marcha
    cm rclaco aos espolios dos ofliciaes e pra-
    i;as de trra, e S. Exc. o Sr. ministro da
    guerra acaba de diz-lo, satisfazendoa infor-
    maces que Ihe pedi, o que muito Ihe agra-
    decer e confio extremamenie que, depois
    de occorrido neste debate, conseguir! o
    meu ilesidtratuiii.
    d muito
    O Sa. Ak.u jo (jui
    laedo bella-
    e mesmo, Sr.
    presidente, para naV>4emorar-me muito n
    tritrana, lendo-a ocupado jil boje por outras
    vezes, o que me faz recordar o dito chisto-
    so de um antigo parlamentar, que, tendo
    fallado muitas vezes em un o, disse
    que eslava nodia de seu beneficio. Eutam-
    bem estou no meu da. (Ililai idade.)
    Um Su. Uepctauo.E ha de ser bene-
    ficiado...
    O Su. Araujo Ges :Obcileco s raspi-
    racoes de minha consciencia, e creio fir-
    memente que por esla forma sou interprete
    fiel das familias desses vaentes marinliei-
    ros, as quaes deploraran serapre o inqualifi-
    cavef modo de proceder-se com objectos
    de t3o subido quilate, rodeados de honrosas
    e gloriosas recordacoes (apoiados.) Qual Bao
    seria o apreco dado pela desditosa m3 do
    valente martyr, o bravo teneale Fiusa,
    insignia da ordm do Cruzeiro, que orna-
    va um peito nobre e generoso ? E onde
    est ella?
    S. Exc. o Sr. ministio da guerra acaba de
    reconhecer, de alguraa forma, a incompe-
    tencia do juizo de ausentes da- corte para a
    arrecadaco dos espolios pertencentes a
    individuos com residencia conhescida. Eu
    confio que este principio, d'ora em (liante,
    ser respailado, e revogado o aviso de se-
    tembro de 1805, que tem dado lugar aos
    fados occorridos no jozo de ausentes da
    corte, fazendo coratudo justica ao nobre ma-
    gistrado, que actualmente exerce o efliprego.
    O Sr. Tusodoro da Silva : muito
    digno.
    O Sr. Araujo Ges :Fui o primeiro a
    reconhecer e fazer-lbe justica. Tambem
    fui juiz singular, e boje faco parto de um
    tribunal; por experiencia piopria conbeco
    que muitas vezes, apezar da honradez dos
    juizes, apezar mesmo de toda a vigilancia,
    elles sao compromettidos pelos subaltornos.
    No caso de que trato eu conheci pelo pro-
    ceaao, que e.xamioei, o quer que fosse
    de menos regular da parte de pessoas subor-
    dinadas ao digue juiz, que provavelmeete
    dever agora liscalisa-los com algnma seve-
    ridade.
    A grande causa de tudo quanto hei refe-
    rido est no'aviso de 5 de setembro do
    186*5, que passo a ler, (L.)
    At a dala do aviso o dinheiro era raco-
    lliido ao thesouro. E qual o lugar- mai9
    seguro do que o thesouro, que hoje o
    in iiiieiro tomador de dinheiro na pra^a ?
    Depois do aviso tudo pasou para o juizo
    de defuntos e ausentes.
    J fiz ver casa, que em alguns rspolios
    figuravam moedas de ouro. assim como
    que. sendo todos elles estimados em 354i9.
    foram arrematados por 381 isto 27'>
    cima da avaliaco, no dia 2!) de abril deste
    anuo, tres dias depois do despacho que
    ordenou a arrematar'". Quanto acoda-
    mento em reduzir a dinheiro objectos de
    fcil conservaco por mais terapol E nte-
    se que a dtllerenca ib; 7fJ cima da ava-
    darn nao corresponde, talvez ao agio da
    moeda metali a que havia nos espolies, con-
    forme j dexei ponderado
    Home, Sr. presidente, urna pressa ex-
    traordinaria, e tanta que preleriram-se, no
    meu fraco entender, frmulas essenciaes
    proscriptas pelas disposin'es que regulam a
    arrecadaco e liquidacdde bens de defun-
    tos e ausentes.
    Um Sa, Deputado :O juiz. liavB de
    observar as frmulas legaes : elle muito
    iutelligente e honesto.
    O Sr. Araijo Ges : Asseguro a V. Exc.
    que nao duvido da intelligencia e honesti-
    dadedojuiz, nem ousa allirmar que opro-
    cesso que vi, suminario de mais; mes-
    mo um tanto irregular. Se o nobre depu-
    tado que den o aparte o quer ver, pode
    dirigir-se ao escrivao respectivo JooBraulio
    Muniz, residente ra da Allandega n. 208,
    o pial teve a bondade de consentir que o
    examinaste por alguns dias, c delle extrahi
    varias notas, fazendo urna especie de rela-
    torio que aqu t nho iniostra), para guiar-
    me nesta materia.
    Em poucos dias restitu o processo, mas
    para aquella pro-, |l0je an-ependo-me de o ter feito com tanta
    lempo, os gover- Drevda.le, Eu moito estira
    estimara t-lo agora
    di'baixo das vistas, e submettlo ao exame
    de qujm quizesse. Asseguro a casa (com
    energa), que suppuz-me no lugar de. juiz,
    que tinha de julgar, e fui o mais liel possi-
    vel no extracto que liz do referido pro-
    cesso.
    O Sr. Tueodoro da Silva :V. Exc. faz
    favor dizer a data em que foi organisado o
    processo ?
    O Sn. Araijo Ges :Em abril deste
    armo, e aqui tenho nina nota de tudo (mos-
    trando), nobre deputado pode v-la, se
    quizer.
    O Sr. Tueodoro da Silva :=Nao, senhor,
    nao careco.
    O Sn. Aracjo Ges :Entao como nao
    quer ver tenha paciencia de ouvir a leitura,
    e passo a ler as notas do rotatorio que
    fiz. fL),
    ! grande o artigo em diseosso nlo imperativo,
    apaas permissivo, no sentido de poder o
    ffrno, dado o caso de achar-s; algara
    Foi o primeiro ponto com que me oceu-
    pei, com effeito, Sr. presidente, a ques
    sobreadelegaco ao general em chefe
    cito imperial no Paraguay para promo-
    ver o? ofliciaes.
    Eunor Sr. presidente, que
    i lmente erro do ministerio dar se-
    mejante delegarlo. Linvtei-me a pergun-
    tar m honrado Sr. ministro 4a guerra se
    nio pensava que pudesse ser menos
    official Minuto da idsde mircada e dto-po- sebDrenfente semefhjnte detecarSo; e faen
    del preste Wiis ao servieo de guerra, do-lhe esla }ej^f.acoa|nfc4e-
    Mrai-lo da classe activa do exercito. guintes consideraces, qi aprovdto a occa-
    de mencionar, ainda assim os seus empre-
    gados sao muito mal retribuidos : n5o est
    era relaco a retribuico que elles tm nem
    com a que tm os empragados do anenal
    de guerra da corte, nem to pouco com os
    servicosique elles prestan) o cora os quaes
    tanto eoncorreram para o foruecimeato belli-.|
    co inmediato do exercito e de todos os ob-
    jectos de fardamento .de que elle tinha ne-
    ceasidade.
    O arsnat de gniiTa de minha provincia,
    com o director actual que possue, tem-se
    collocado em posi'co de, se nao bastar pa-
    ra todas as necessidades do exercito abso-
    lutamente, ao menos poder stippri-lo bem
    e cora promptido quanto possivel espe-
    rar-se de um arsenal de guerra com as pro-
    porces em que se acha montado, da maior
    parte do malerial que for necessario.
    na outra coQSid'-'racao actuou em meu
    Nodeixare de insistir sobre
    a maneira
    estlscircmslancias "qaTiia pouco""acabei P"* T'e ** procede no juizo de ausentes?
    o, Sr. presdento,
    r ao honrado Sr. mmi'tro da guerra
    evar-me a
    fazendo-se arrematar incontinenti objectos de
    fcil conservacSo, afastando-se assim do
    que dispe o regulamento de 1859. As
    propinas moedas de ouro, o dinheiro nao
    tem escapado de ir ao leilo.
    VczEs: Dinheiro ? I
    O Sr. Araijo Ges : urna verdade o
    que digo, e est consignado nos autos que
    exmioei: aqui tenbo os convenientes apon-
    tamenlos que lerei. (Lendo.) No espolio
    de Jos Roque da Silva baviam tres libras
    esterlinas e duas moedas brasileiras de pe-
    queos valores. No de Joaquim Pereira
    tres moedas de ouro de 18>, doze ditas bo-
    livianas, 24 em moeda papel deste Impe-
    rio enl e tanto em cobre. Nada disto
    escapo de arremataco.
    Prescindo de ler a relacao minuciosa
    detaJhada de ludo quanto oonstituia os espo
    los desses bravos ofliciaes, para no fati-
    gar a cmara...
    O S. Candido Mtrta ;Lea (jue Sr. presidente, da leitnra qne acabo do
    fazer j v a canufa a eonformidade do que
    tenho dito com essas notas, ou extracto
    que fiz do processo de arrer;.daeSo,onde
    nao pde deixar de notar um termo, que se
    diz lavrado na ilha das Cobras, sob a deno-
    minacao deTermo de arrecadaco de
    objectos, qoe alias estavam arrecadados e
    discriminados pela intendencia da marinha,
    que os tinha remettido ao juizo, acorapa-
    nhados de urna relaf3o detalhada de todos
    esses obj- larando a qaefn perten-
    ciam. Nao bastara juntar aos autos a re-
    lacao da intendencia. I'orm, Sr. presi-
    dente, o chamado termo de arrecadafo,
    termo que se diz n lavrado na ilha
    das Cobras, tinha o mrito das cusas para
    quemo lavrou e para quem o requeren;
    custas e estada do PMMt que figuro*, e
    nistoqueesi.i >^f a razao de ser
    daquelle termo tncmtim
    O examo que fiz deixou-me convencido de
    urna veedde, a saber, qne o regulamento
    de junho de 1859 nao foi observado. Axre-
    mataram se com muita pressa bens que
    podiam ser conservados por mais tempo
    sem difficnldade ; preterio-se a citacSo edita!
    e por precaloiias a avaliaco por louvados,
    engindo-se o curador em arbitrador de to-
    dos os espolios, calculando logo que cada
    um estara abaixo de 2000, afim de acaa-
    tella^seno artigo do regulamento que d
    lugar a este arbitrio, disposico de que se
    tem abusado.
    TtT. W>
    (Cbnffwmr-e-fto).
    ItlADASCttESK.
    w


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E7NVR5ETT_DNU6CV INGEST_TIME 2013-09-14T00:33:11Z PACKAGE AA00011611_11900
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES