Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11898


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
' AINO XL. NUMERO 166.
ft
*


'i

PARA A CAPITAL WGABS ONDE MA0 SE PA6A POBTE.
Pw tres meses amantados. .
Por seis ditos idcm...... ............ 6;J000
Por um anno idera ........... 25000
Cada numero vals ...*!.',*'.........* 2W000
* (320
SABBADO 24 DE JULHO DE (8G9.
PASA DENTRO E mi DA PROVINCIA.
Por tres mezcs dimiaint......
Por sos ditos idcm.......".........
Pomos-! ditos dem .^^^^^^^^H
Por am anno.
6750
maoo
20*250
naoco
Propriedade de Manoel Egneira de Faria & Filhos.
sao A<.i:vrfc*
-------------------------a b; ft. Tarares da Coste, m Alaga.,; Dr. W ,*, Ales, ^'.?S^^5a^J'A*Ki* Doms ga,
PARTE OFFICIAL.
Mulsterfo da guerra.
I.uTIUAS DA CUSMA.
fConUnuuraoJ.
Inlinerario da marcha da expedirlo
Villa Rica, em 31 de raaio do 1869.
A orea expedicionaria, composta da I .* j
divisio de cavallaria e de urna batera de
arttiiaria de 4 bocas de fogo la Hitte cali-
bre i, sob c cornmando do Exm. Sr. briga-
deire; Joo Manuel Mena Barreto, acampou
na iiie de O' de maio em frente a Cerro
Leao, carea meia legua de Pitay.
AHi rae reani a ela na qualdade de en-
geaheiro, e de sua marcha vendo boje dar
conta.
31 do maio. A expedico poz-se em
marcha s 6-horas e 45 minutos da manha
e seguio caminho de Paraguary pela estra-
da que, acoiapaobaiido a via frrea pelo
seu lado lite, caateia osserros fronteiros
cordilheira de lbitirap.
A's JO doras e 13 minutos fez alto, para
dar descauga tos cavallos, um pouco alm
do pai^illrquelle nome, margem esquer-
da do arrogo .luqnery, que parece levar
suas aguas ao Canav, lendo percorrido at
alli 14,Oib' metros (6.375 bracas) ou 2,52
leguas de 20 ao grao, pouco mais de duas
leguas brasileiras, distancia calculada se-
gundo a velocidade media do passo de ca-
vallo.
A marcha foi morosa pelo mo estado da
estrada que atravessa na estaco presente
terrenos enmarcados, tm consequencia da-
proximidade do serr cujas aguas recebe.
Proseguindo a marcha | urna don da
tarde, encmlrou logo depois o aterro des-
tinado conlinuaco da via frrea (que s
tem Iridios rusentados at um pouco ad.an-
teda estatu de Paraguary); seguio por e le
na extenso de 3 kilmetros e abandonan-
do-o por nao darem transito artdharia os
ponlhdSS anda nao nivelados coui o aterro
tomn estrada que costeia a cordilheira
palo lado esquerdo da linha frrea, e as 4
horas a 51 minutos, com as necessarias
precaucoes, arompon em Abobicu, pouco
adiante do ponto em que cruza a estrada
urna outra que vem de Valenzuela, tendo
percorrido 11 767 metros (5.349 bracas)
ou 2,12 leguas de 20 ao grao prximamen-
te 1 3/4 leguas brasileiras.
A marcha I.-tal do dia, portante foi de
23.792 metras i,11.721 bracas) ou 4,6i le-
guas de 20 ao grao 3 3/4 leguas brasi-
leiras.
t. de junho. A's 6 horas c 16 minutos
continuju a expedico sua marcha pela
mesmi estrada, e s 7 horas e 7 minutos
penetrou na picada de Sapncahy, aberta
em um contra-forte da cordilheira de Ihiti-
rap e destinada ao prosegumento da liaba
frrea, cujo aterro ah termina. A picada,
de 2,559 metros de extensao, era cortada
ao mcio e alm da largura, por urna trin-
cheira de fosso de 10 palmos de largura
sobra 8 de profuodidade, precedida por
urna nba de abatizes, e que 30 homens
sob o cornmando de um tenente gnar
neciam.
ceu-se o obstculo, abrio-se pas-
os abatizes a machado, avancaram
ibrTeros a p e, depois de curta resis-
tencia, foi desalojado o inimigo, que cpnse-
guio evadir-se pelo mato, dexando morios
seu comtnandanle o, duas pracas, e aban-
donando algumas' peras de armamento,
que foram nulisadas.
Passado o desfiladero, com tanta lelic-
dade quairta presteza, seguio a expedico
por algum tempo pela estrada de Villa Ri-
ca, a rumo de E. (rumo que Umbem se-
gu com pouca ililerenca a via frrea des-
oa Pargaary) abandonando-a para tomara
de Ibitimi, poique segundo informaram os
vaquanos offerecia aquella mais obstculos
FOLHETIM
S GASAGAS PBETAS
ROMANCE
ro
Paulo Fval
Primeira parte
> 1ft \c,IAL lavardv
ootnuaco do n. 162)
xrv
Em Franca.
lira fa segunda metde de mez de se-
tembw. Alvorecia na praca das Acacias,
cajas tilias amarellecidas exhiban j o seu
trajo oui Hricva am leve nevoeird
junte trra, e estendia-se como urna garca
dofronte das vistas ; mas o co azul, cor-
tade da bavens purpurinas, promettia um
dia liado.
Todas as casas so conserravam fechadas
entrada da praca solitaria. Por entre o
dowdMO crepsculo, ia o lio Bertraad apa-
gando os lampeo,
Esuva um bomem sentado no ultimo
" banco da praca das Acacias 4 alguna pas-
80(ia ahimo candieiro aoeso. Oecultva-
s-Ae eabeca sob vasto chapee de palha,
e tiaiuao lado um fardo de butarnheiro.
ti I ah amigo, disse o tio Bertraad,
marcha, e desde logo comecamos a en-
contrar familias paraguayas que, porordem
de seu governo, tinham abandonado os la-
res e se recolhiam a Ibitimi e Villa Rica.
No extremo estado de miseria, o aspecto
dessa gente era o mais contristador que se
pode imaginar: mulheres, enancas e alguns
velaos de maito avancadaidade'achavam-se
accumula los junto aos bosq-es em mal
abrigados ranchos de palba, ou em carre-
t3S' e,nJuasi completa nudez, mostrando
nos semblantes signaes evidentes da fome,
do fri e do desanimo. Espalhados por
toda a parte foram-se reunindo nos, que
consideravam como seas salvadores.
Tendo marchado 11.860 metros (5.391
bracas) ou 2,15 leguas de 20 de grao,, ama
e tres quartos brasileiras, descangou s 40
horas e meia da manh5a em um polreiro,
na Costa Puc, onde se achavam umitas
dessas miseras familias.
Movendo-se de novo s 12 horas e tres
quartos, passou a expedico ainda por 9!-
^guns desliladeiros, em um dos quaes em
que a picada, felizmente de curta extensao,
era corta ia por difficeis atoleros, procurou
o inimigo impedir o passo vanguarda;
bastou, porm, alguns calvineiros, apeiao-
do-se, carregassem sobre elles, para p-los
em fuga, fazendo-lhes 28 nrisioneiros.
Bastante trabalhosa foi a passagem da
artilharia e bagagem por essa picada, ape-
zar dos desvos e reparos que na occasio
se podo fazer. A's 5 horas e 11 minuto
acampou a expedico no lugar denominado
Pirayur, com todas as medidas de
prudencia, tendo percorrido durante a tar-
<|e 8.765 metros (3,984 bracas), 1,58 le-
gua de 20 ao grao ou urna legua e um ter-
co brasileira.
Mareta do dia, 20,625 metros (9,375 ou
3,71 leguas de 20 grao ou pouco mais de
3 leguas brasileiras).
2 .de junho.Levantand) acampamento
s 6 horas e tres quartos da manha, mar-
chou a expediclo sem novidade at o povo
Ibilimi, onde, chegando s 10 horas e um
quarto, parou para descansar.
Ibitimi, que urna villa r-gular, pouco
mus ou menos como Piray, com capella
espinosa e de soffrivel constroeco, estafa
abandonada; haviam retirado os habitantes
por ordem de Lpez, para Villa Rica on
para os bosques prximos, nos quaes grao-
de numero de familias se apinhavam e don-
de, nossa chegada, b-m depressa corre-
ram a pedir-nos abrigo e proteceo.
A marcha foi de 6,660 metros.)
A' 1 hora e 36 minutos da tarde conti-
nuou a marcha em direccSo Villa Rica e
acampou-se, depois das 5 horas, em moo
de urna grande vargem, tomadas as precau
coes do eostume.
A vanguarda, porm, sob o cornmando
do Sr. coronel Bueno, chegou at a margem
do Tebicuari-mi, distante dalli cerca de 2
leguas donde participou achar-sj o passo
invadeavel e defendido na margem oppos-
ta por urna trncheira guarnecida por inta-
taria inimiga.
Caminhou-se 14,320 metros.
A marcha do da foi, portanto, de 20,980
metros (9,536 bragas ou 3,77 leguas de 20
ao grao ou 3 e um quarto de leguas brasi-
leiras).
Reconheci, por postes encontrados junto
estrada, haver pouco mais de dez e meia
leguas paraguayas (de 4,300 metros de
Vdla Rica a Ibitimi.
3 de junho.A' vista da informaco o
Sr. coronel Bueno, ao amanhecer regressou
a expedico a Ibitimi, onde tinha ficado
urna brigada sob o cornmando do Sr. coro-
nel Bento Martins, a qnal ah devia perma-
necef de observarlo at ter passado o gros-
so da expediclo a Tebieuari-mi, medida que
a prudencia aconselhava para o case de
urna retirada, que fogosamente se faria
por Ibicuy, cuja estrada separa-se da de
Villa Rica, pouco adiante de Ibitimi.
isto aqui sempre custa mais barato qwa e^
talagem :;...
ConsecwMj-so o sugeito silencioso.
Tal vez que quando o senhor chegou,
eontinuou Bertrand, fallador como todos os
solitarios, eslivessem fechadas as estlagens?
Isso tambem nao cousa que fique mal,
amigo. Daqui a urna hora abrem os bo-
tequins.
E ao dizer isto, levou o apagador tor-
cida docandieiro. Ficou a praca allumiada
por ara clarSo pardaceto e uniforme. O
nevoeiro engrossava e crescia.
Encostou-se Bertrand vara do apaga-
dor.
Cada vez que aqui venho accender ou
apagar os candieiros, proseguio. sinto c
um nao sei qu. Ainda que fosso d'^qui
cem annos, se Dens quizesse que en l dei-
tasse, havia de me lembrar do que neste
banco vi.
Por muits vezas j havia o tio Bertrand
soltado esta especie de prefacio, que leva
va de ordinario abrig doria perguuta.
EntJo que vio neste banco, t'.o Ber-
trand ?
Nao era, parm, curioso, segando a* ap-
parencias, o'bufarinheiro, porque n3o diri-
gi ao boro do velhote perguuta alguma.
Foi por talo o to Bertraad abrigado a
exclamar.
Ah I ah Est rebentando por saber
oque eu vi, heim? A causa tambem nao
segredo. Posso dizer Ih'a, ainda que o
nao ooafaeao nem daagua nem do sal. Eatre-
i, assim-estevam assantadds na notrto
ib roubo o assaasino iaynoue e a mulfter;
Nesla noute despachou o Exm. Sr. com-
mandante da expediclo communicacoes a
sua alteza por nm vaqueano, qoe encon-
trando em urna picada praticada em um
contraforte de Sapucahy trncheira abando
nada, receloso de alguma emboscada, re
gressou ao acampamento.
4 de junho.Com o mesroo fim da ves-
pora foi ao amanhecer, despachado um ajo-
dante do ordens, convenieniemente escol-
tado, ao qual se ordenou seguir pela es-
trada de Ibicuy.
5 de jftnho.'A's 10 horas da noute vol-
tou o ajudante de ordens com as decises
de sua alteza.
Neste dia e no antecedente continuaran
as familias a reunir-se a nos, calculando-se
.en-mais de dez mil pessoas Sfni numero
te eniao.
6 de junho.A's 7 horas e mei da roa-
nhaa, eio c[imprmenlo s ordens recebidas,
a xpedico levantou acampamento de Ibi-
timi para operar sua retirada por Ibicuy,
tendo antes destruido cerca de "2,000 pecas
de ferramenta de sapa em grande parte
novas, encabadas e depositadas pelo inimi-
go em urna das casas da povoac3>.
A fim de escoltar e proteger a grande
quantdade de familias que em geral mar-
cha vam a p, seguindo porm muitas em
carretas, loi deixado o 17.a corpo que se-
ria mais tarde reforcado pelo 1., o qual
devia antes, arrebanhar algum gado para
sustento das mesmas familias, sendo en-
carregado dessa dilllcil misso o bu nano
e bravo coronel Rento Martins.
Marchando pela estrada de Villa Rica at
4.200 metros de Ibitimi, abanonou esta
Dar tomar a de Ibicuy pela qual seguio at
9 horas e m-ea da tarde, fazendo-se uesse
nter vallo de lempo urna curta pausa para
descansar; e acampou depois e lar atra-
vessado alguns desliladeiros, em un gran-
de potreiru, que segundo as in&ruacoes
dos vaquanos olerecia todas as condicoes
de seguranca, tendo andado 26,200 metros
(i 1.454 bracas ou 4,71 leguas de 20 ao
grao ou 3 3/4 leguas brasileiras).
Pela morosidade de sua marcha uio pode
a farpa da retaguarda chegar neste dia at
este ponto.
7 de Junho.Continou a expedico sua
marcha s 6 horas e 6 minutos da rauhaa
por entre desliladeiros o pequeos po-
treiros que se alterrlavam, at s 8 horas
e 50 minutos, sahindo ento na vasta plani-
cie que desse ponto se estende al Para-
guay.
A's 10 horas e 37 minutos acampou junto
s vertentes de Ibicuy, a urna legua do
passo do mesmo nome, afim de esperar
a retaguarda, que ainda neite dia nao
pode vencer os desliladeiros, ficando acam-
pada no mesmo Potrero, em que na ves-
pera pernoitara o grosso da expedico.
A marcha deste dia foi de 16,320 me-
tros (7,418 bracas ou 3 leguas de 20 ao
grao, prximamente 2,47 leguas brasilei-
ras.)
Ao meio da chegou ao acampamento o
comboio de vveres, que de Piray foi re-
mettido expedico.
Dia 8.Tendo de marchar para a fun-
dico de ferro de Ibrcuy o 16u corpo de
cavallaria, recebi ordem para acompanhal-o,
e s 2 horas da madrugada seguimos
essa expedico. Porm depois de termos
ndalo mais de meia legua reconheceu o
vaqueano ter errado o caminho, tomando-o
em sentido opposto ao que devia marchar,
e como ao cliegar ao acampamento decla-
rasse que cm consequencia da espessa ne-
voa que cahia nao poda acertar com a es-
irada, foi determinado que a expediaore-
duzda a 50 pracas sob o cornmando do
caplo fiscal do mesmo corpo Mauricio
Julio da Costa, partisse ao amanhecer, o
que realmente leve lugar acompanhando-
nos tambem o Sr. Dr. Jos Dias de Al-
meida Pires, medico da diviso.
Depois do pouco mais de t hora de mar-
coa tocamos no povo de Ibicuy,- que paro-
eeu-HW superior ao de Ibitimi, sendo mui-
tas as suas casas cobei tas de teltees e pos-
suindo urna capella de regular construe-
Co. Acha-se situada margem dipeit do
rio do mesmo nome.
Proseguindo, s 12 horas e 3 quartos
chegomos fundifo de ferro, que dista
daqueile povo pouco mais de 6 leguas- pa-
ragoayas (de 4,300 metros) achando-o aban-
donado -havend-se retirado nessa manda a
pequma guarda de 30 homens, que ahi
exista, conforme informaco de dous velbos
que cora algumas mulheres se encontra-
ran aas casas.
_Pasto a dar do estab lecmento urna des-
ciipca to crcumstauciada quanto mo ha-
bilita fazer o rpido exame a que pro-
ce-aaxurto>.e8paco de tejopo de 2 horas
que alli nos demoramos.
E' elle assentado no'estr ito valle rodea-
do mteiramente de serros e de maqs, oile-1 sua retirada.
e como gHorassemos o rumo que havia
ella levado, resolvemos esperar, nesse pon-
i, que a la do dia viesse imtiraf-nos a
direceo marcada por suas pegadas e que
deviamog seguir.
Dia 9 de junl: Logo que, ao clarear
do da, pudemos reconhecer a direcro da
marcha seguida pela diviso, nos pozemos
a caminho peh estrada de Ibitimi at a- en-
trada dos desliladeiros de Sapucahy, omfe a
abandonamos par seguir esquerda em
rumo de Paraguary, acompanhando sempre
as pegadas deixadas pela expedieao em sua
passagem.
Neste ultimo ponte' comecames a^ sus-
peitar que algum combate se houvera dada
all ou as proximidades, pelos vestigios
qe sempre deixam apw si taes acontec-
mentos, vaaicando comeffeto logo depois
que assin ,|era, informando-nos de
algumas relffas que *nfo tinham podido
acompanhar a archa de nossa forra em
recend* urna nica abertura para o lado
do campo. O edificio principal conlnha os
apparelhos destinados ao fabrico do ferro e
fundtcao das pecas a que se applica esse
metal.. Nelle exista um alto Torno bem
construido e dous outros de fundico com
os seus annexos; urna sala cheia d mol-
des de madeira de todas as ospecies Iba
era contigua, e nella encontrei diversos de-
soaboa em vegetal e mais alguns documen-
tos relativos ao estabelecmento, os quaes
lodos a este relatorio acompanham. Como
motores existiam no mesmo edilicio urna
grande roda hydraulica de cubos e urna pe-
quena machina a vapor estando aquella bem.
como os apparelhos de transiuisso de mo-
vimenlo em peifeito estado e esta nica-
mente com algumas pecas pequeas que-
liradas. No meio do salo muitos moldes
de halas de artilharia de diversos calibres
pareoiam torsidu empregados de pouco
tempfw Paraee-me entretanto que dalli
tein sido retirados alguns apparelhos de
mais fcil transporte, que ahi deveriam exis-
tir e que nao encontrei.
Em fente ao edificio de fundico existia
um vaato edilicio coutendo no mesmo salo
uflBs de carpintaria lorneria, ferrara e
armera, grande quantdade da instrumen-_
tos dessas prolissoes, alguns modelos de
madeira de boceas d logo de dfferentes
calibres, diversas pecas de armamento,
As II horas, depcWde termos caminhado
18,370 meiros desde1 o acampamento ou
11,330 metros desde a entrada dos des-
liladeiros, iizemos juneco com a diviso
que ji havia deixado por detrs de si o rio
Canav a 3,840 metros.
S-entao tivemos conhecimento dos de-
talhes da operag-5o da vespera\ operi'.o em
que as forcas expedicionarias se cobriram de
glorias pelo modo arrojado com que se ati-
raram ao inimigo superior em numero, ex-
pellndo-o com enormes perdas de sua pri-
meira posico fortilicada, posico formda-
vel se se attender topographia de terreno,
onde, pela estreiteza, nao poda manobrar
a cavallaria.
Nao tendo presenciado esse acontecmeu-
to, nao posso delle dar urna descrpeo,
lacuna que preenchero sem duvida as par-
tes officiaes dos respectivos chefes c do
Exm. Sr. g neral coramandante da expedi-
rn ; na planta geral, porm, qjie a este
acorapanha, vo indicados os lugares em
que se deu, tendo-as eu levantado em minha
passagem na vespera.
Naqnelle mesmo ponto tambem se reuni
expedir" o bravo major fiscal de 17 cor-
po com cerca de 40 pracas do mesmo, as
quaes formando vanguarda das forcas ao
miuito-docrjrner-tefrto -Martins. consegui-
rn romper a linha inimiga" qOrTerc^u
aqnelle coronel no Potrero onde se achava
fu, pistola* erros de lauca, etc. Outros acampado, e penetrar no mato, onde
edificios ao lado deste eram destinados
moradia e dep sitos, h'uiu delles enconlra-
ram-se muitos surroes cerniendo milho e
arroz. Um vasto telbeiro perto da fuul!-
i;o cont'mha grande iiuantidad-j de carvo
d madeira e montes de minera, de que
colhi algunas amostras para seren aualy-
sadas.
ramde abrir extensa picada, s mpre perse-
guidos pelo inimigo at sabir no campo.
A' expedico acompanhava ainda grande
mnltido de familias paraguayas em numero
de tres a quatm mil almas, que a ella j se
hav.am reunido na occasio do cerco pelo
inimigo a que agradecan aos cos por
te-las hvrado das mos do sen deshumano
era justamente no lugar em qm o senhor
est. Eram guapos, l a verdad* deve-se
dizer: o marido arava para os vate ciuco,
a muiher era ainda nova e fazia andar a
eabeca roda a quaotos doudivanas Sater-
a havia. Portanto, como o oulro que diz
fui-me chegando, julgando que era algum
namorico, por que nessa caso sempre o
figuro arreia, para que nao cante... Mis
qual ?... Esta que vot nao era capiz
de adevinhar: era de dinheira, o nao de
amor que etle3 se oceupavam I... Esta-
vam a contar notas, e tantas que podiam
fazer um livro. e a descarada nao se punha
com ceremonias para dizer : Sao os qua-
trocentos mil francos do cofre do Bancelle.
Interrompea-se para julgar do effeito
que a historia produzira. O bufarinhero
conservava-se immovel como urna pedra.
Com que ento voc nao c dos si-
tios ? tornou o tio Bertrand, pois tanto se
Ihe d como se Ihe deu I Pois olhe que o
.cofra valia bem bora dinheiro ; tinha viudo
'de Pars. Tinha urna eogenhoca para agar-
rar os ladr5es, e foi justamente na enge se-me ingles
nhoca que se eacoatrou obracaldo May
iiotte... One Ihe parece ? Elle traha-me
obsequiado com ama pingla, mas com
isso nSo me tapou a busca... J v que
oueu o motor da justica ter vingado a so-
ciedada I
E ao dizer isto o tio Bertraad, sempre
rao orgulho.
Ob I horaem! tem se v que ai*
Todos csses edificios foram entregues as governo.
chammas, depois de examinados, quebran- Tendo a expedico proseguido na marcha
do-se piimeuamente amachado tud%oque as 3 horas e 3 quartos da tarde, s c 1
por taimis podia sor destruido. Reti-1 quarto acampou de novo, depois de ter
radas as pessoas ahi encontradas, as quaes | andado 6,160 metros.
quzeram acompanhar-iios. l'echou-se a com-
porta do conducto da agua do estabeleci-
mento afia de o inundar.
A' una hura em qiu partimos, tres da
tarde, um vasto incendio consuma todo o
estabelecimentu que algumas horas depois
devera Bear tambem completamente inun-
dado. ,
A (istaneia do acampamento funcRcio
foi cajcuiada prximamente em 35,700
metro-" (16.227 bracas ou 6,43 leguas de
20 ao grao ou 5,41 leguas brasileiras). A
contra-marcha at o acampamento fez-se
sem occorrer novidade, apezar da faclidade
que encontrara o inimigo para no!-a obs-
tar, por alravessar a estrada algumas ex-
tensas picadas, pontes e outros d 'sfila
ros de dfficil passage/n.
As 10 horas da noute ao chegar ao ponto
de partida j nao encontramos ahi a diviso
A distancia desde a entrada dos desfila-
deros at este ponto de 17,510 metrds
(7,959 brabas ou 3,1 leguas de 20 ao grao
ou 2,65 leguas brasil* iras.)
Dia 10 As 6 horas e meia da manha
levantou-se acampamento e continuou-s8 a
marchar para Paraguary. As 8 horas c 26
minutos parofrj^para descancar, e con-
tinuando de nvo"a marcha, acampou-so s
2 horas e 45 minutos, margem do Juquery
em frente ao povo do Paraguary, para junto
do qual, ao cahir da noute, "mudou-sc o
acampamento.
A mar ha neste da foi de 14,980 meiros
(6,807 bracas, 2,69 leguas de 20 ao grao
ou 2,27 leguas brasileiras.)
Dia HPela manha comecaranjt as fa-
milias a marchar para Piray, e s 8"horas
e meia se reuni expedico urna diviso
de infantara como urna batera de artilha-
Pois olhe que sou condecido como o cao
ruivo, desde o importante papel que repre-
senlei no tal negocio. Vate annos de tra-
badlos publieos. nem mais nm menos : foi
a senteca que Heram aos Maynottes, cuja
muiher tinha ido... J me nao lembro
bem para oade tinha do... Ms o dinhei-
ro tambes* marchou para a tal trra I Por
tanto, licaram limpos os Bancelles r... Ah!
mas d'antes moiivam alil n'um pabeio, ti-
nham urna-grande quinta e anda vam a sal-
picar a gente por essas ras... Nao foi
mal feito, pica Ihes quebrar a proa... Ago-
ra, se quizerera comer, bao de f;aaha-!o..
Euio que leva ahi, amigo ?
Ao nome de Bancelle, tumbara para o
seio a cabera do tendeiro. Respondeu as-
sim ultima pergunta do tio Bertrand :
/ dirn't speacJi french, s-ir. (Nao fallo
francez, senhor.)
Fecbou o bom do velhote dons marres e
entumeceram-se-lbe as faces.
Inglez I exclamou. Maldita A^ss !
deixou-me contar tudo at ao fim, e sabe
encostado vara, endireltou-se com tegitfi1 gente na bn de Caen, que, ao s^
E afastou-se desesperado.
10 forasleiro ficou s na [iraca, seaapre
immovel e com a eabeca cabida.
A luz do dia, que ia a pouco o pouco
aclarando, penetrou por debaixo das vastas
abas do chapeo, e illuminou um rdstopal-
li lo e tristemente fatigado. Nao faltara
(pecio daqu-'lla- feifjoes, porguntasse a si :
t OihK vi euj este bomem? Raeat,
ca da Ierra, tywblu&r oirtre jA"mi> tinhajpaita. po*l^a*fa8fHder, ponfue ada
para ahi dito r ojHlo voc o tfo Bertrattd.q^al se porVia 5 intprrotrar hn?iaqs
remiuicencias, desprezando as memorias de
bontem, onde justamente resida a explicar
gao do enygma.
de uso medir o tempo pelas transfor-
marles que opera ; sao ellas um instrumen-
to fiel, que raro engaa. Qaando a trans-
formacao se tem operado rpida, em con-
trario da commum experiencia, todos so
admirara e ninguem acerta.
Alm de que. Andr Maynotte morrera
afogado : encontrra-se-lhe o corpo nos
areaesda Divette.
Tinha o individuo os joelhos estreitados
as duas mos juntas, e olliava paia defraote
da si cm liaba recta.
As ultimas tilias da praca sumam-se-lhe
no nevoeiro, que velava quasi completamen-
te as casas. E comlodo era naquollas ca-
sas qu.) pareciara cravar-se as vistas do fo-
rasteiro, n'uma defias, pelo meaos ; dir-se-
ha que elle va-a alravez da carraco.
Eslava entregue profunda meditaco,
e nao raro se Ihe agUavam vagarosamente
os beicos lvidos, soltando palavras que
nao perlenciam 4 lingua ingleza.
Dizia elle:
Era alli 1 meu Daos I ara alli 1
Pelas sais horas, comecaram alguns raras
viandantes a alravessar a praca Idas Aca-
cias. Um raio do sol nad rompeu o ne-
voeiro, e desenou a humilde fachada da
casa.
E um sorriso melanclico
labios do forasleiro.
O dono da eochaira de aiuguel foi o pri
meironu abri a porU ; depois as anal-
las do primak-o anda/^atqrauvcoua, esifOdo
ria, soh o commawro do Sr. coronel Pedra,
a qual marchara em proteceo fori-
pedicionaria, por ter constado na vespera
que-urna* forte columna paraguaya marchava
contra ella-. Momeitc depois tambera oi
a expedico honrada com a presene de
Sua Alteza o Sr. principe marecbal e com-
mandante em chefe.
As 10 bora toda a fc-^a movea-se par
Piray, onde nessa taro* reoecupou' seu
amigo acampamento.
Acampamento em P ray,. 15 de junho d e
1869. Jernimo RO'tr/tus de Ubvaes-
Jardim, caplo tic engenheiros.
-overno da provincia.
DRSPACIIOS DA VlCB-PllESIDKNXlA DO DIA
DK JU3 DE 1869,
Alexandre da Sita Luna.Morme o Sr.
inspector da thesourara de foseada.
Candido Emygdio Pereira Lobo.Ao Sr.
chefe interino da reparlico das obras pu-
blicas para informar.
Bacharel Caetano Maria de Farias-Neves.
Epca-se ordem para ser entregue o-
menor de que trata o supplcante depois
que este bouver indemnisado a fazenda das
des|ezas feitas desde o alistamento do mes-
mo menor.
Bacharel Jos da Costa Carvalho Gu'rma-
res-.Nesta data provdenciou se para ser
entregue o documento a quo alinde.
Jbo Carlos de Soasa Santiago.A' vis-
ta das inforraaces nao tem lugar o que
requer.
Jbs Ignacio Avila.Sim, pagando os-di-
reitos narionaes.
Justino Jos de Souza Campos.Informe
o Sr. inspector interino da repartffSo das
obras publicas.
Jiiveniano Gomes Saraiva.informa oSr.
coronel commandante superior interino da
guarda nacional deste municipio.
Josu Vicira do Nascimento. -laforme-o
Sr. inspector da tbesouraria de fazenda.
Bacharel Joao Carlos Augusto Cavalcante
Vellez.Informe o Sr. inspector da thesou-
ra de fazenda.
ton Monteiro de Mello.Entregue-se
medante recibo.
Matheus Austin A- CInforme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Salvador da Cruz.D-se-lhe.
Manoel Vital dos Passos. Informe o
Dr. juiz municipal da 1* vara.
I.liioel Braz Morico Pestaa.Sellado o
requerihTaitd voUe qu rendo.
Silvestre Alves dV~y1'i,',!''--Inf(irme o
Sr. tenente-coVoncl commandante ~u*-6tP>*
provisorio de polica.
Simplicio da Cruz Ribero e outros.In-
formo o Si-. Dr. director geral da instruccO'
publica.
21
PadreJAntono Genei oso Baudeira.Infor-
me jg Si', inspector da Ihesouraria provin-
cial. .
Amelia de Mello Pires Galvo.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Companhia de trilhos urbanos do Recife
Oluda.A' cmara municipal desta cidade
com a copia do aviso do ministerio da agri-
cultura, commercio e obras publicas de C
de marco ultimo para informar.
Francisco Alfonso Ferreira.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
fgnaco Francisco dos Santos.Informe
o Sr. director do arsenal de guerra.
Jos C.ivalcante de Albuquerque.Prove
o supplicaute o que allega.
Joaqun Jos de Senofa.Entregue-se
passaudo recibo.
Lourenco Guedes Alcoforado. Requeira
por intermedio do Dr. director geral da as-
trueco publica.
Manoel Jos de Fi-ueiredo.Informe
Sr. Dr. juiz municipal di Iavara.
Miguel Gomes Pereira de Lyra.Dlrija-se
cmara municipal da villa do Bonito, a

assoutou aos
e a Sra. Schwarlz, com a sua touca mata
tina, encostou-se sacada com liacin.
EspeiHW o orasteiro at s s'ete horas,
mas a outra loja, por cima de cuja porta so
poda ler anda a tablela de Maynotte, nio
se abri.
o
As sele horas e meia, poz o tendeiro
fardo s costas e aasiuu-se na direceo da
cidade baixa. Nao tratou de vender pelo
caminho a fazenda que sopeava, e usou co-
mo se apenas vjera Caen nicamente pata
se assentar no banco da praca das Acacias,
e contemplar dB longe aquella loja de tai-
paes fechados, que tinha na taboleta o nome
de Maynotte.
Parou com tudo urna vez entre o bairro
de S. Maninho e a ponte de Vaucelles. Foi
as imraediacoes da perfeitura, defronle de
urna casa solada qoe deitava para um jar-
da. Brincavam alegres duas creancas no
chao relvoso, detraz dos IHazes. Acercou-
se 0 forasleiro da modesta grade eolhou para
dentro. Emquaolo as creancas brincaTam,
eslava o pti assentado n'oma cadeira rus-
tica, folheando papis judiciarios, e a m3i,
ainda moca, bordava tomando sentido oes
meninas. Em casa do cossaibeiro Roland
toda a gente madrugava.
Grato sorriso se desenhou no paludo ros-
to "do viandante. Maolnnalmente se Ihe
elevou a mo n'um gesto qoe se assasiaUwva
ama benoa.
E passoa.
(CoHfinmrst-4a).
t




-U4-

Diario de Pernambueo Salabado 24 -de Jolho de 1869.

quera nesta data se expodo ordem a .-res-1
peito.
Manoel Leitao Figueira.Espe^a-se er-
dem para o supplicante entrar ctn eieruicio,
fieando-llie marcado o pfazo de 30 >das
para terminarn dos termos da respectiva
flanea.
Sabino Antones de Oliveira.Informe o
Sr. inspector da tliesouraria provincial.
Vicente Bernardo Percha. Informe o
Sr. general rmmandante das armas.
Repartido da polica.
2.* seccao. Secretoria da polica de Pernam-
buco, 2.1 do jultao de 1869.
N. 1089.Ill:n. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Ese. que, segundo consta Ais part -
cipacoes reo bulas hoje n'esta renaitlco foram
hontem recolhido.s a casa de detoncao os segaintes
individuos:
A' minha ordem, Lniz de Franca da Silva, a dis-
poseao do subdelegado da Boa-Vista, para ser
processadu por uso de armas prohibidas, e Fran-
cisco Nasario, cono indiciado en: crime de morle.
A' ordem d subdelegado de S Jos, Herculano
Manoel dos Santos, por crime de furto, e Jos
Goncalves do Hego Barros, como indiciado no mes-
rao crime.
A' ordem do da Boa-Vista, Jacintho da Costa,
por suspeito de ser escravo e andar fgido.
A' ordem do da Varzea, Jos Antonio Manoel do
Monte, por crime de estupro.
Por ffieio datado de 2 desie niez, rommunicou-
me o Dr juiz municipal e delegado de Cimbres,
que nutrindo suspeitas de ter sido Hygino, osera-
yodos herdeiros do finado Francisca Luiz, ura dos
autores do nniimimln do africano liberto de no-
me Paulo, de que tiz menean em minha parle dia-
ria de 8 do corronte, uaquella mesma data foi-lbe
< dito escravo entregue por seus similores, tor-
nando-sc assim desneeessarias as diligencias que
estova fazeudo para a sua captura.
O mesmo Dr. juiz municipal e delegado, em of-
ficio de 10 do citado mez, commnnicou-ino mais
que ficava rccolhido a rad;ia daquella villa, sua
dispoicao, Fernando, escravo de D. llosa da Pe-
nha Tbenorio, a qnal mandou entregar-Ibe o mes
mo escravo, por liaver confesado ter sido o autor
do crime de morte, perpetrado em das do mez
passado. na pessi do referido africano Paulo.
Em oficio de 9 deste mez, communicou-me o
delegado do termo de Limoeiro. que no dia 3, em
urna lucta qne travou-se entre Manoel Vicente de
Lima, Manoel Vicente da Rocha, Francisco Soares
Ordonbo e Francisco Bertioo da Costa Medeiros,
no lugar Poco de Pao, do primeiro dislrieto da-
quelle termo, o primeiro dos mesmos individuos
ferira gravemente ao ultimo, em quem todavia nao
acertaran! djus tiros, que pelo segundo llio foram
dailos.
Os offensores lograran! evadir-se logo depois da
perpetrarlo do delicio, mas o referido delegado
havia dado as necessarias providencias para se-
rem ellos capturados.
Deus guarde a V. Exe. Illm. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Naseimento Machado Portella vice-pre-
sidente da provincia. O chefe de polica nterino.
Francesco d'Assis Oliveira Maciel.
PEMAMBCO.
REVISTA DIARIA.
RELAg.lO DE DEVEDORES DA FAZEXDA.
Esli distribuidas ao eserivio Miranda as retocos
dos contribuimos do imposto da dcima das fre-
guezias de S. Fr. Pedro Goncalves e Sauto Anto-
nio, relativas ao anno de 1867-68 ; o ao eserivo
Bandeira as da mesmo imposto da fregnezia do
Poco, e do imposto de 5 por cunto sdbre bens de
corporaces de mo raorla, perteneentcs tambem
aquello anno linauceiro.
Os respectivos devedores tom o prazo do 30 das
para cffectuarem o pagamento sem cusas de
mandado e cilacao, conforme declarado pelo so-
licitador da fazenda provincial.
AFERICO.No dia 15 de agosto prximo, An-
da o termo da revisao das afericoes.
CLUB PERNAMBUCANO hojo a partida
mensal desta sociedade recrelativa.
ANNIVERSARIO. Foi hontem o da maio-
ridadedo S. M. o Imperador. Por este motivo esti
veram oinijandeirados o brigue-barca de guerra
ttmartte, e as estacos publicas ; dando as sal-
vas do estylo a fortaleza to Brum, e o bn'gaebar-
ca ltam>irar<.
DINHEIRO.O vapor Cruzeiro 4o Sul levou de
nossa praea :
Para a Babia 18:000*000 ,
Para o Rio Grande 20:000*000
Para o Cear **,:31|000
Para o Para 21:000*000
SEMINARIO DE OLINDA. O Rvm. Sr. reilor
acaba de receber dous bolos para as obras do
estabelecimento, um de 25* de um sa crdote ami-
go do seminario (V. C), e 50? de um bemfeilor
(B. R. F.)
FRONTESPICIO DO CARMO.Em consequencia
de se nao ter anda recebido quantia suficiente
para todas as despezas, foi transferida, para 22 de
agosto prximo, a fesla e Nossa Senhora do Car-
ino, quo se venera no froutespicio do convenio do
Recife. __
PR1SES.Nutrindo o Dr. juiz municipal e de-
legado do termo de Cimbres suspeitas de ter sido
Hygino, escravo dos herdeiros do tinado Francisco
Luiz, um dos assas-inos do africano liberto Paulo,
foi-lhe este entregue por seo seuhor, alim de ser
competentemente processado.
= Igualmente foi entregue essa autoi'idade,
por sua senhora D. llosa da Penha Thenorio, o
escr;.vo Fernando, que confessou ter sido um dos
autores desse assassinato.
FEIMENTOS GRAVES No dia 3 do corrente,
no lUL-ac Poco do Pao, do l3 dislrieto do termo
do Lin.oeiro, travando-se lula entre Manoel Vi-
cente de Lima, Manoel Vicente da Rocha, Fran-
cisco Soares Ordonbo e Francisco Bertino da Cos-
ta, o primeiro ferio gravemente ao ultimo, eonse-
guindo este evitar dous tiros que aquelle contra
elle disparara. Os criminosos conseguiram eva-
dir-se.
INSTITUTO HISTRICO E PHILOSOPHICO.-
Reuni se qninta-feira esto sociedade em sessao
ordinaria, sob a presidencia do Sr. Guimaraes.
Depois de approvadas varias propostos, foi consi
dorada de nenhum effeito a climinacao do Sr. Jos
de HoUanda Cavalcanti. Em seguida tomn posse
a nova admmistracao, o encerrou-se a sessao.
AGRADECIMENTO E RECTIFILACAO.O Sr.
Barroca euna-nos o seguinte :
Multofrato aos Sis. subdelegarlo Jos Pedro
das Neves e inspecteres de polica do Recife, pelas
providencias e cuidado que ti veram, ao seren in
formados que a porto de meu armazem estova
aberta, como foi hontem publicado neSle Diario
tenho apenas a fazer urna pequea rcciificacao,
eque a porta que o caixeiro se descuidara de
fechar e trancar, a do telheiro que deito para a
ra da Senzala, onde cesiumo recolher ferragens
e mercadorias de pequeo valor.Antonio Valen-
tim da Silva Barroca.
LOTERAA que se acha a venda a 115 .
beneficio da Sania Casa da Misericordia que corre
no dia 4.
PASSAGEIROS.-O vapor Cruzeiro do Su, sa-
bido para 03 portos do norte, conduzio os se-
guintes :
Exm. presidente do Cear, desembargado!' Joo
A. de A. Freito3 He.iriquos, 2 escravos e 1 cria-
do, Dr. Htmrique Pereira de Lucena, sua senhora,
i entibada e 3 escravos, Guilherme Pelegry, Ma-
oel Jos Moreira, Luzier Charles e sua senhora,
Antonio F. G. de Brito Inglez, Francisco Xavier
Soares sua senhora, Jos Joaquim Colbo de
Freitos, Manoel Joaquim de Amorim Garca, Fran-
cisco de Paula Albuquerque, Domingos Serio,
Gustavo L. F. de Mendonca, P. Weiken, 1 preso e
2 pracas.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia II de
jumo de 1869.
Jos de Carvalho Fonceca, Pernambuco, S8 an-
uos, casado, Boa-Visto; apoplexia fulminante.
Dorotbea, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Visto;
convulsSes.
JoSo Pacheco de Lyra, Pernambuco, 70 annos,
casado, Boa-Vista ; ebre cerebral.
babel, Pernambuco, 8 das, Santo Antonio ; tu-
mor.
Maria, Pernambuco, 2 annos, Boa-Visto; hy-
dropesia.
Joaquim Pereira de Freitos, Pernambuco, 8o an-
nos, catado, S. Jos; hydropesia.
Felicia da Aprescntocao Franca, Pernambuco,
48 annos, solteira, Santo Antonio; tubrculos.
-82-
Cocilia Silvia da Costa, Pernambuco, 40 vmos,
asada, S. Jos; tyslca pulmonares.
Manoel, Pernambuco,8 dias. Soa-Vista.; ttano.
Dorio Manoel de Medeires-Furtado, Pernambuco,
7 annos, Boa-Vista ; ttano.
Antonio Jos da Silva Gousaga, Pernanibnco, 30
annos, viuvo ; inflamnu^o no ligada
Francisco, Pernambuco & annos, S. Jos ; va-
rilas.
Mana, Pernambuco, l ftoras, Santo Antonio ;
convulsiJes.
Carolina Francisca Los, Pernambuca, 70 annos,
viuva ; febro typhoide.
Maria, Pernambuco, 0 mezes, S. Jos ; con-
vulsoes.
Recem-nascido Manoel, Pernambuco, Boa Vis-
ta ; ttano.
Firoina Gomes da Chaga, Pernambuco, 28 an-
uos, casada, Boa-Visto ; tysica pulmonares.
Lucio, Pernambuco, Ib mezes, S. Jos ; febre
belioza.
CMARA NUNICIP1L
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS id DE jUNHO
DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. DR. 80UZA LB.VO.
Presentes oy Srs. Dr. Seve, Dr. Moscoso,
Gameiro e o supp'enie convocado Flix
Francisco de Souza Magalhaes, faltando com
causa os mais senhores, o senhor presidente
toma o juramento ao Sr. Magallies, e em
seguida lida e approvaJa a acta da ante-
cedente.
Compasee o Sr. Dr Prxedes Gomes de
Souza Pitanga, que fra igualmente convo-
cado, presta o juramento do estylo, e toma
assento.
Le-se o seguinte
EXPF.DIE.NTE.
Um officio do Exm. vice-presidente da
provincia de 11 do corrente, concedendo a
autorisago que pedio acamara emoutrode
9 do mesmo, sob n. 37, para despender a
quantia de 1205000 em que foram oreados
os concertos, de que necessita o carino que
d esgoto as aguas, que, no tempo inverno-
so, se accumulam nos quinaes e sitios da
Casa Forte.Que se pozesse em praca.
Outro do mfsmo, dizeodo que constando
do aviso da repartico do Imperio de 31 de
maio prximo lindo ter a Divina Providencia
felicitado este imperio com o naseimento de
um principe, que sua alteza serenissima a
Sra. D. Leopoldina deu luz no dia 21
daquele mez, s 6 horas e 50 minutos da
manl; assim o commuoica cmara para
seu conhecimento.Inteirada.
Outro do mesmo, de 17 do corrente, de-
clarando haver levado o capilo do porto
ao seu conhecimento, em officio de 16, sob
n. 71, que os propietarios de varios trapi-
ches situados no Forte do Mattos, se quei-
xam ile que o respectivo fiscal manda lan-
zar all ao rio entulbos. o que muito pre-
judica ao porto principalmente aquelle lugar
que ha pouco tempo lora aprofundado a ex-
pensas dos ditos propietarios, recommenda
a cmara a expedico de suas ordens para
que cesse semelhante abuso tao nocivo ao
porto, marcando ura lugar para nelle se
lancar o lixo.Que o fiscal informe.
Outro do mesmo, de igual data, recorn-
mendando cmara, que providencie em
ordem a nao continuar o servico de lavagem
de roupa no espaco murado junto ao gym-
nasio provincial.Que se recommende ao
liscal respectivo.
Outro do engenheiro ajudante da repar-
tido das obras publicas, com despacho da
presidencia, mandando informar, e no qual
o engenheiro reclama providencias acerca
da grande quantidade de gado, que todos
os dias vai ao pastoradouro dos Remedios
passando pela ponte de Afogados, procure
outro pastoradouro, nao s para evitar qual-
quer desastre que posa acontecer ^a dita
ponte, como os estragos que causa na es-
trada dos Remedios,A' comraies^o do
maiadaqro.
Outro do inspector da alandega, de 17
do corrente, rogando cmara que nos ter-
mos do art. 203 do regulamento de 19 de
setembro de 1860, expega as suas ordens
para que antes de terminar o mez presente,
o aferidor compareea naquella repartico
para aferir os pesos e medjdas pelos res-
pectivos padroes.Que o secretario d
sciencia ao aferidor.
Outro do juiz de orphaos, Dr. Francisco
de Carvalho Soares Brand5o, communicando
que tendo-se encerrado os trabalhos da
assembla provincial onde se achava com
assenlo, assumira no dia 17 do corrente o
exercicio de seu cargo.Inteirada.
Outro do advogado, dizendo que para
dar o seu parecer no requeritnento de Ma-
noel Jos Dantas, indispensavel que o pe-
ticionario junte o titulo de aforamento, visto
que o termo que juntou nao contm as con-
dicoes com que foi concedido o aforamento.
Que juntasse o titulo.
Outro do mesmo, declarando que o art.
3 do Tit. 8' das posturas de 30 de junho
de 1849 prohibe fazer escavagoes as ras,
ou em paredes de edificios pblicos, sem
liceo?* da cmara, quando fr para festejos,
c abrir vallas as ras para esgoto das
aguas, etc. ; seu parecer que taes dispo-
sicoes nlio comprehenda as obras feitas por
contracto com o governo, e que dizem res-
peito a interesse publico, nao cabendo mais
do qufl fazer communicacao a cmara, e to-
mar a obrigaC/o de repr as cousas no an-
tigo estado etc.A' commisso de edifica-
c3o.
Outro de Hcnry Law, communicando que
pelo decreto imperial n. 4370 de 16 de
maio deste anno, a companhia ingleza deno-
minada Recife Drairaag e Company Limited,
foi autorisadi para funecionar na capital
desta provincia, afim de incumbir-se do
aceio e limpeza da cidade na forma do con-
trato celebrado com a presidencia da pro-
vincia em 25 de setembro de 1858, e in-
novado em 18 de dezembro de 1865. bem
como que a dita companhia concedeu-lhe
ampios poderes para representado no Bra-
sil, como seu agente c representante.In-
teirada.
Outro do empresario da arborisaclo
desta cidade, Manoel Alves Guerra repre-
sentando sobre os obstculos que encontra
do boro desempenho dos seus compromi-
sos, e ao resultado, que teve em vista obter
a cmara com as despezas que j tem feito
pede urna providencia no sentido de obreiar
os estragos que de toda a especie se re-
produsem todos os dias, pois que a popu-
laeao menos reflectida tem constantemente
damnificado a plantaco, abalando as arvo-
res, arrancando-as, quebrando-as, e at
mesmo tirando as proprias grades, que as
guardara.Posto em discuss5o,.o Sr. pre-
sidente lembra a cmara ser conveniente-
mente nomear-se urna commisso especial
para providenciar a respeito.
Acceile a idea, o mesmo Sr. nomeou aos
Srs Dr. Pitanga e Flix Magalhaes.
Outro do fiscal da freguezia do Recife,
informando o requerimento de Marques &
Ferreira, que pedem licenca para estable-
cer urna fabrica de cerveja, ra do Brum
n. 76, d z que nada se Ibe offerecee a
oppr.A commisso de sade.
futro do fiscal da freguezia da-Bda-Vista,}
communicando* quentuitos italianos oceu-
pados em mas^atear pelas ras -desta cida-
de, nao tem a necessarta licenca, e n2o po
dendo elle impr-lhes a pea 4o art. 2 da
lei provincial de 9 de maio de 1851, por
nao terem os mesmos residencia certa, con-
sulta se os deve obrigar a tirar a dita li-
cenca, logo que os en otrtrar sem ella.
Que se respondesse ao fiscal, procedesse
de accordo com as posturas, multando aos
que a infringisse.
Outro do mesmo, conawanicando que as
aguas pluviaes que se accumulam no cen-
tro da praca da Boa-Vista, em consequen-
cia da calgada que a rodea, nao tem esgoto
o que prejudica a salubridade publica, pede
a cmara que se digne providenciar, orde-
nando que seja atterrado com aria a mes-
ma praca.Que se representasse a presi-
dencia.
0 Sr. Dr. Moscoso pede a palavra, e
aprsenla o seguinte projecto de postura.
Ninguem poder crear porcos nos quin-
taes, nem conserva-Ios era casarlentro do
municipio por mais de oito dias, nem dei-
xa-los vagar pelas ras, assim como ani-
maes do genero cabrum ou ovelbum, sob
pena de Ihes serena tomados e vendidos
em leilao publico, e o producto entregue
aos estabelecimentos de caridade, depois
de dedusidas as despezas feitas com a ap
prchenso e arrematacao,- sendo vrdade
o caso de qualquer meio ou instrumento
que moleste ou maltrate os animes, de-
vendo ser pegados a laco ou a mao, em-
bora corratn para a casa de seus donos,
que sero obrigados neste caso a entrega-
Ios ou a pagar a multa do 20#000.
Pa;o da cmara municipal do Recife em
23 de junho de 1869.Dr. Lobo Moscoso.
Posto em discussao, foi approvad.
Mandou-se remetter ao engenheiro cor-
deador para informar, duas petices, urna
de Antonio Joaquim de Vasconcellos, e outra
de Jos Jacorne Tasso, ambas sobre afora-
mento de terrenos de marinha.
Mandou-se para a commisso de petices,
um requerimento de Luiz Gomes Bezerra,
'arrematante do imposto de afericoes dos
pezos e medidas, pedindo um praso para
fazer a revs3o.
Estando em praca as obras dos concertos
da estrada que conduz a Cabanga, e dos
concertos do matadouro publico, compare-
cen smente um concorrente, em etnse-
quencia do que foi espacado a praca para
o dia 30 do corrente, determinando-se que
se fizessem novos annuncios.
Foi marcada a segunda sessao ordinaria
deste anno para o dia 30 do presente m z.
Despacharam-se as petices de Antonio
Bernai-do Quinteiro, Antonio dos Santos Vi-
eira, Agostinho Vieira de Lima, Antonio
Fernandes Vellozo, Antonio Duarte Carnei-
ro Vianna, Antonio Henrique d Araujo,
Boaventura da Silva Braga, Baziliano Cam-
pe lio, Gabriel Campello da Costa, Clara
Maria da Conceigao, David William Bow-
man, Domingos Soriano Cordeiro Simes,
Emilia Carolina Madurcira, Francisca Flix
Goncalves, Francisco Jos Alberto Braga,
Francisco Joo de Barros, Francisco G Tri-
do, Flix Lins Cavalcante, Heilor Sampain,
Jos Francisco de Souza Lima, Jos da
Silva Lnyo, Joo Goncalves Ferreira e Silva,
Joo Francisco Marlins, Jos Maria de
Freitas, Julio Rodrigues da Silva, Joaquina
Apngio de Lima, Keller Lourenco Jos d* Moraes Carvalho, Mflhnei
Ribeiro Bastos, Manoel Antonio Vieira, Ma-
noel Jos Rodrigues, Matlieus Austin & C ,
Marcolino Jos Lopes Ribeiro, Manoel Jos
da Costa Cabral, Mariana dos Passos Fer-
reira, Marques & Ferreira Manoel Fran-
cisco Duarte, Manoel Antonio Teixeira, Ma-
noel Azevedo d'\ndrade, Manoel Joaquim
da Costa Ferreira, Manoel do Carmo Ri-
beiro, Manoel Jos Dmtas, D. Maria do
Lorcto de Barros Campello, Mariana Au
gusta da Rocha Bastos. Silvana Moreira
Lima, Severiana Francisco, Satyro Sera-
fim da Silva, Severiana Francisca da Costa,
Tiburck) Valeriano Baptista, Theodoro
Christianse (2;, e levantou-se a sessao
deixando de ser assignado a presente acta
por falta de numero para approva-la. Eu
Francisco Canuto da Boaviagem, secretario
a escrevi.
Ignacio Joaquim de Souza Leo, pro-presi-
dente. Dr. Joao Maria Scce.Flix Fran-
cioco de Souza Magalhaes. Dr. Prxedes
Gomes de Souza Pitanga.Jos Maria Frei-
r Gameiro.Dr. Pedro de Allahyde tobo
Moscoso.
PUBLICACOES A P
EDIDO.
Confrontado expiatoria,
ui
;tio chegado ao termo do meu martyrio; est
saliieito o humilde crdente desejo, que me ator-
^H>ya ; cessou o suplicio |>ori|UQ4fctav,i passan-
;. iuei-rao da mancha cora que mo quiz
ir o omem cruel o fementido, que em vez
de adossar os meus males pessoae?, veio magoar
as ."cridas que uto tinha feito I
Eftabeleci a'qualidade social de que me quiz
despojar.
Possuindo 28 escravos, destes estiverain 3 ao
servido do men lio sem salario por muito mais
lempo do que demoreime em sua casa, e se a
minba correspondencia nao era de inleresse, em
nada prejtidicava a marcha regular dos seas ne-
gocios.
Prove que nao tinha desconhecido os servicos
verdadeiros, que recebi, nao s com as eoni>soes
incompletas do meu autagolista, eoino, cora docu-
mentos em que" se demonstra claramente ter-me
excedido no sen ti ment de era ido, pereorrendo
urna tonga escala de sacrilicios. Vollei-me em
corpo e alma. A mais nao podia chegar a dedi-
cacao de um homem.
Eslo enmpridos meus votos quanto ao primeiro
e segundo ponto, em que se resume a defeza.
Se aquelle, que eu combat, nao se submeite
aos designios da providencia com o revez que aca-
ba de soffrer, eu me curvo reverente, sendo obri-
gado a vence-lo: o fazendo um grande esforco
sobre mim, vou entrar na terceira parte da defeza.
Quem dira que aquello mesmo com quem eu
viva tao estrcitaineulo ligado, e cujos interesses
deveriani ser perpetuamente nseparaveis, veria a
ser o mais forte cooperador, e a causa principal
do inaior dezar porque tenho passado em miaba
vida?)
Quem dira que elle se havia de conformar a
vergonha de so associar aos designios de Antonio
Alves de Souza Garvalho, o homem m3is assigna
lado deste paiz pela baixeza de seu carcter 7...
Quem nao o pode acreditar, lembr-se de o ver
a seu lado em urna provincia estranha.prestando-
Ihe o maiur auxilio que podia dar-lhe o de minha
desmeralisacao, impondo de palacio o pagamento
de urna divida, quando eu me achava em circuns-
tancias tao criticas, que cumpria-ihe naquella oc-
casiao fazer um sacrificio para preslar-mo um
socorro I
Quem o pode lavar do opprobrio de tao negra
accao ?M
Tal liii o fraco annutscio das normis machina-
c6es que se preparavam contra miiii II..
Cortei o murrao da primeira machina in.ernal,
o dei ao mea especial avingo Sr. Dr. Bento
Jos da Costa, e-se nome que era si resume o que
ha aesta ierra de mais digno, i.iais nobre, e mai
elevado, a conrlusao d'essa obra.
mo dicta a
devia ao Dr. Beato, au a seu caabado, como,
oceultava-me isso caidadosameuto porque elle sa-
bia, que atientas as uossas relacoes o Sr. Dr. Denlo
nao consentida que cu passasse pelos desgostos
que soffri nnquelle lempo, e quando elle veio a
saber por eu communicar-llie (j nesta pronuncia)
os embarace; com que lutava, mostrou-se sentido
por nao ter-lhe dito a mais tempo;; leudo elle em
suas mios um meio tao fcil de fazer cessar a
preccao, qne eslava soffrendo.
No mesrao momento poz era minbas mos as
letras que dpvia o Dr. 1. I", dizendo: loma, faze
d'ellas o que qnieres.
Se o Sr. Br. J. F. jiioria que eu o desobrigasse
dessas leiras, seiki preciso para isso dar urna via-
gem as Alagoas, i^jolloear-se em palacio, chamar
advogados I Infeliz, sempre infeliz em sua nave-
gacio a erdaile.
Lease a documente sob n. 6, e lembrem-se os
leitores la grande queslao flnanceira, que elle fez
sobro o valor destas lettras: o quo importava
saber se eram 4, 6. ou 8:000000, o que impor-
tava sabor era que por aquelle meio de devedor
que fui, lornei eredor do Dr. J. F. e que sendo
seu eredor, senti-me logo desarmado; mostrei-lhe
as letras asseguraudo-lhe que jamis o enconi-
modaria com ellas. Era taj natural que ea ti-
vesse aouelle dosabafo; sendo incapaz de imitar
o Sr. J. F. como creder, que o espirito mais pre-
venido em sea favor nao o pode duv'idar.
Assia tambem elle quiz Iludir ao publico,
quando fez jogo do trecho de nina carta minha
para fazer crer que eu tinha percebido lucros na
iiquidacao que liz de sua legitima em Marrecas.
Basta sement essa parle para comprehenderem
os leitores as mesiiflcaeoes de sua refutacao a mi-
nha defeza. Attenda-se.
Depois de bita a cobranca da qual nenhum pa-
gamento exig, tratava-se e ver quem deveria ir
de rendeiro para o engeiiho Marrecas; lendo-se
as duas carias que vo :o o n. 7 se comprehea-
de perd-itamente, que quando elle se resolveu a
nao fr para Marrecas, deveria eu ir, e entao enla-
bolou se a forma do negocio, pelo qual eu devia
licar-uie com aquelle arrendaiueulo.
Elle quera capilalisar o arrendamente para en-
trar com esse capital ni banco, como se v de
urna das citadas cartas, e para isso eu devia pa-
gar-lhe os arrendamenlos em dinheiro e letras de
curtos prasos, que represeutassem no presente
tempo do contrato o captol que representavam as
rendas do engenho, sendo rebatidas, o entao o di-
nheiro que eu Ihe dava adiantado ganhava di-
nheiro ; e foi quando convencionavamos esse ne-
gocio que eu le disse quedoia-me a conscien-
cia de ganbar com elle mais de 4:000 ; quem
tr com attenro os citados documentos sob n. 7,
coiiiprehende isso fcilmente. Eairetanto. veja-se
que jogo elle fez para negar, que Ihe llzum favor
arrecadando a sua heranca, sem perceber o me-
nor lucro desse trabalho.
Penetre o leitor anda mais no espirito desse ho-
mem, e a propongo quo for disdobraado os seus
refolhos se convencer do que nelle tudo diss-
mulacaq, llngimento e artilicio
Combiuando-se esses arliQcios coma circuns-
tancia delle ter ido as Alagas auxiliar ao Souza
Carvalho na porsiguicao que mova contra mim,
attendendo-se para a bumilliacao porque passou,
vendo burlada aquella priineira tentativa ; tornan-
do-me eu seu eredor, e mostrando a minha supe-
rioridade sobre elle, comprehenda-se que uso de-
veria fazer da precatoria contra mim expedida
aquelle que entrando nos designios de Souza Car-
valho, acceitava os papis que elle distribua erm
o ardil que todos Ihe conhecem.
O seu primeiro cuidado foi assegurar-me sobre
os seus eleitos, depois collocou-a em mos de um
agento de sua particular confiauca, e esse agente
era um primo o intimo amigo de Souza Carva-
lho. ..
Quem foi, pois, quem deleniou o plano ?
Ja o disse, nao posso asseverar o quo apenas
coacebe ineu espirito com assombro I
Nao ouso pronunciar o nome, que
razao I...
Meu coracao nao quer acreditar I
Foi Souza Carvalho, o nico homem, que jul-
go capaz de conceber e executar accoes tao ne-
gras !...
Mas o Sr. J. F defende-o, o attribue o acto ao
proposito deliberado do seu procurador, homem,
que anda hoje eu nao conuco de vista, e que
como elle mesmo confessou tem entrada em saa
casa I...
A quem servio este homem de instrumento ? Ao
Souza Carvalho.
S o/pde duvidar, quem por urna revelacao
occH.r tem conheciaiento do contrario.
Por mais que se esconda a mao apparecem as
indicac/it's.
Em ludo isso ha um fado, que o Sr. J. F. nio
pode oceultar de aiHguem. E' que o seu nome li-
cou manchado ; e em voz di procarar lavar essa
mancha, ailiou-se aos autores daquelle alternado,
o vive na maior intimidade com aquello mesmo
que lancou sobre a memoria de seu pai um escar-
ro ensanguentado.
E sabis com que me respondeu aos argumen-
tos com que prove a sua qu-parlicipacao ao ac-
to de minha priso ; foi fazendo ainda urna que<-
tu financeira da sorama que me eiiipre>tou o Sr.
Villas-Boas para concluir-se o pagamento da llan-
ca que eu tinha prestado a seu pai, o nessa mes-
ma ridicula qaosio, licoa ainda mais mal do qne
eslava nao s porque, quanto menor fosse a quan-
tia mais elle se devia envergonhar, como porque
deu-uie lugar a vir sobre esse ponto fazer una
outra oxposicao nao menos vergonhusa.
Feito por mim o pagamento do que Ihe faltava
para completar o principal da divida, apparecea
.ainda ama cunta de juros, reservada, para chegar
em Macei urna outra precatoria com ordem de
priso contra mim !...
Beata vez, comprio-sc o preccito legal, fui inti-
mado para recolher o dinheiro em vinie/ e quatro
horas.
O Sr. Aristides Lobo, procurador fiscal, nao era
instrumento do Sr. Sous.i Carvalho, c apezar do
presidente ter disposto os meios para quo cu sof-
fresse nova priso eu fui avisado pelo Dr. Aristi-
des, que me seria no dia immediato intimada a
precatoria, e pude prevenir-me de dinheiro ; seu-
d que habita boje nesta capital o negociante qne
me emprestou, o Sr. Flix.............tudo cor-
rea sem perigo ; assim como nao correram o me-
nor risco os meus argumentos de boje, que deixo-
os intactos o meu antagonista.
Sem combaler nenhum dellos, firma-se na fe de
ilin homem, cojo nome s por si bastava para con-
vencer de faisidade tudo quanto allegasse.
E como seestivesse fallando a urna colonia de
idiotas, diz se anida hoje mesmo me dssem protas
eu me separaoa delle.
O quo devo eu mais acrescentar, so para justi-
ticar-se, elle invoca a innocencia desse homom,
que d eAno provada pela deposioao do mesmo
homem ? A sua innocencia, pois, est pruvada pe-
la alega$au da innocencia do outro ; e nesse caso
nenhum* culpado. O. nico culpado sou eu por
nao ter condecido a mais tempo o Sr. J. F.
Nao ha um s facto em todo o seu procediraen-
lo, quer seja tomado em si particularmente, quer
em relacao aos outros com que se ligue, que nao
deponha altamente em favor da vordade que sus-
tento, e que o nao convenga de faisidade em seus
enunciados.
Quem examinar com ltenlo para a sua ida as
Alagas, hospedando-se em palacio ; quem com-
binar tudo o seu procediinento at n ponto de en-
tregar a precatoria ao seu homem de confianza;
quem attender para os meios artificiosos de que
tem uzado em sua refutacao a minha defeza
quem attender para todos os manejos de carias,
trechos de cartas, e abrir os olhos a luz da vrda-
de ; reeonhecer necessariamente que S S. nao
precisa de ir procurap longe de si as pro vas, que
finge exigir.
Essa prava est no espirito publico, est no ani-
mo daquelles que mais prevenidos a seu favor jul-
itavam-no innocente, est em sua propna con-
sciencia, e se denuncia em cada urna de suas pa-
lavras.
Est concluida a minha defeza : nunca fui in-
grato aquelle que desconhecendo os beneficios qae
Iho z, alliou-se ao mais baixo dos meus ini-
migos.
Em sea desenvolvimento fui obrigado a fallar
de meus males, elles fazem parte dos meus direi-
lose de rainh sprovas ; exhibindo-as, fizum qua-
dro incompleto e imperfeito das infelicidades por
entre as quaes tenho arrastado urna vida toda
cheia de contrariedades, dissaboros e profundos
desgostos. Ainda nao obtive um s triumpho ; nao
satisfiz nenhuma sodas minbas nobres aspiracoes.
Condemnado a mais completa obscuridade, vivo
retirado, esquecido, mas nanea sacrifiquei minba
dignidade s minhas ambe5es---- E no meio des-
ses embates violentos por qae tenho passado, de-
claro sem vaida.ie, nanea rae abat perante os h-
meos quo podiam elevar-me___
O sentimento que mais predomina em meu es-
pirito o amor da verdade; o que tenho nos la-
bios, est no coracao ; o no altar sacrosanto de-
sa diviodade, a que rendo cultos, depouha a mi-
nha exposicao. Oh vos t que podis discernir
se, liomons juslos e honestos, confronlai-nos, jul-
hai una causa, que tanto minha, como vos, deucia
O mais que cu nao disse, diga o moa sileneio. e
Voto sea nome ao esqueojmento, seu coracao a dr
do urrepcndiineulo.
Lourenco Bezerra Carneiro ta Cunha.
IV
Confrontado poltica.
Chamado ao campo poltico pelo nvu adversa-
rio, que considerou-iae o menos proprio para sen-
sara-lo de verstil, vou retraca os nossos dilfe-
rentes caracteres, pVa termos iulgados. Para esse
campo tim, foi que o provoque, e delle nunca de-
via ter sabido.
Sou o menos proprio para seasura-lo, Por-
qu ?
Tenliopreenchido com ardor os meus deveres.
Firmeza, constancia, desinteresse, independencia,
sao os ttulos que mo honram. Sem ontras soli-
citaces que os sorvicos de todos os lempos, sem
nenhum apoio e sem a menor remuneraran, te-
Hh'i-me prestado at hoje, sem nunca perju-
rar.
Toda a minha vila tem sido urna prova conti-
nua de Hdelidadc ; votado aos interesses do meu
partido, e a ira dos contrarios,tenho marchado sem
a menor deffeccao.
Por qualquer lado qae se me queira encarar,
seja qual fr o tempo em que mo queiram observar,
me vero com o mesmo aspecto.
Quer o meu adversario ferir-me Entezo o ar-
co, empregue todas as suas forras, dispare suas
settas ; ellas virio cali r meus ps, sumir-se na
ierra.
De longe me ver em 43 eombatendo em Pao
d'Alho as veleidades de Loareneo de Petrib, e de
perto nenhuma sombra vira manar o brilho do
escudo que tomei.
Em Pao d'Alho accoitei a coadjuvacao de todos
uanto se revoltavam contra aquella' estulta in-
aencia, e ninguem sabe melhor do que o meu
antagonista, que naquella lata havia mais desci-
dencia pessoal do que poltica; e se por isso me
ehamaram praeiro, bem provavel, que ea afir-
maste ao meu tio, aesse caso, eu terei praeiro at
morrer.
Sabem todos que um trocho destacado do con-
juuctvo lora um sentido inteirameute diverso da-
quelle com quo se falla. E quem nos diz que esse
trecho nao foi destacado com o mesmo artificio
com que aquelle de que se servio o Sr. J. F. ni
questao de Marrecas; querendo provar que en ti-
nhapercebido i:O0i)jio0de lucro naquella liqui
daca; ardil qae ficou completamente disfeito com
o documento*supra citado sob a. 7
Guarde, nortanto, o velha arpao com que qniz
ferir-me. Se eu acliei-me logo em 46 com os con-
servadores, e com elles tenho militado at hoje,
como declara o Sr. J. F. se fui naquella poca cn-
carregado de dirigir a poltica local de combina-
cao com o coronel lleg de Bel lo-Monte, sendo eu
o presidente do circulo all installado ; 6 claro que
mesmo naquella poca nao houve a menor de-
fcelo poltica de minha parte. E quando mesmo
tivesse havido : 23 annos de consume dedicac
era mais que sufflciente para purgar tao leve
culpa.
Percorramos agora o espaco de 23 annos que
viagel com passo firme sempre na mesma estrada.
Nessa longa perigrinacao sem saboriar nenhum
dos fructos do iwder, eolhi militas vezes as palmas
do martyrio, nunca reneguai minha f.
E sempre pense como pens boje : Nao co-
nluvo nenhum interesse que aconsellte os Pernam-
baca nos serem sub-vassalos do nobre Visconde.'
Esle pensamento est no animo de todos os con-
servadores, que como eu nao adoptam urna polti-
ca pessoal; e o nobre visconde coinprehende per-
feitamente qae nao lh# aproveita a subserviencia
de nenhum des seus amigos polticos. Sabe que
eu nao sirvo pessoas. Nao ouvio nada do novo.
Nunca me considerou seu amigo pessoal, nem eu
a elle, mas nunca deixou de encontrar me firme
e decidido as occasides mais dificeis e ombaraca-
das. Nunca Ihe fiz valer servicos, que nao eram
feitos a elle, e nem por assidukJado importunas o
enfadei.
Tao affastado tenho vivido al boje, quanto me
sinto .pouco attr.ihido. Creio haver muita ignal-
dade em nossos sentimentos, nem elle exige sub-
missao, nem eu Ihe sacrifico a minha indepen-
dencia.
Se por pensar assim, cntende o Sr. J. F. que
eu tive tendencias a poltica decahida, tem razao ;
apregoava-se tanta independencia, o pensamento
era tao elevado, que para nao se abracar, seria
preciso nao er nenhum dos sentimentos que eno-
brecem o espirito e o coracao ; mas nao obstante
as minhas tendencias, ou antes viva adheso, co-
mo tenho a franqueza de o declarar, v ja o Sr. J
F. qual foi o meu procedimento n'aqnelles tem-
pos ; e se canvenca de que ainda mesmo estando
muito dse .ltente' e inclinado ao pensamento op-
posto, muilo difflc 1 bandear-me em poltica.
Quando eslava o Exm. Paes Brrelo organisan-
do nesta provincia aquelle partido, pedio-mc por
intermedio do um amigo urna entrevista em sua
casa, e como ca me negasse, proporeionou-lhe o
Sr. Dr. Antonio Herculano de Souza Bandeira esse
encontr.
Claro esl qual era o fim ; logo que entramos
em conversacao, e cruzaram-se as nossas ideas,
elle vio que eu cutrava em seu pensamento, e
acreditan que o quizesse acompanhar, ficaodo
mrprehendido quando Ihe declarei, que embra
nos approximassemos tanto pelo modo de sentir e
pensar, eu j'mis chejara ao o< uto cm que elle
so achava. Recuzei-me as suas iu^lancias.
Pedi-lhe que mo deixasse com aquellos que por
tantos annos me tirjham visto a seu lado ; obser-
vou-me que entre elles eu seria con-iderado co-
mo um invalido, o que era tempo de marchar ;
respondi-lhe quero antes marcar o passo ; regei-
te a protecQo efiicaz que me offereeeu, foram
inuteis suas instantes soheitaeoes; nao me Batel-
nn o brilho das posicSes. Ello foi sempre o ho-
mem de minhas sympathias, era o poltico em que
deposita va inaior confianca, e s com elle foi que
eu me achei em urna das minhas grandes difflcul-
dades; tudo portante me arrastava para elle ;
mas resist. Quando se retirou pediu-me que eu
retletisse por mais algoins dias, o respondesse de-
pois. l'onderou-me, que eu nao devia sacrificar
os meus interesses urna vez quo se conciliavam
perfelamente com as minhas ideas e sympathias
pessnaes.
Comprehendia perleramente a posico em que
licava ; sabia que nao havia espago para mim,
mas fiquei cm meus quarteis marchando sobre as
moletas do invalido.
Passados tres dias escrevi ao Dr. Herculano,
pedindo-lhe qae apprmOPlasse minha caria ao
Paes Brrelo. Foi concebida usatas termosera
o menultimatum ; tenho a sua copia.
Nao sou fantico em poltica. Nao entendo
que se deve sacrificar tudo a um principio ; de-
vemos modificar nossas ideas segundo as circums-
tanciat de tempos, lugares, e pessoas; e vendo o
paiz dividido em dous partidos, e o patanal de am-
bos os Jados lodo mutilado, sem que nenhum dos
dous tenham conseguido a fim i qne te propSe,
que a realisaco do nosso systhema, compre-
henda a necessidade de haver rr.odificacao de ideas
o approximacao dos adversarios para que se pos-
sa erguer um novo edifiio com os de.-pojos das
duas policas; mas tendo con.:orrdo com a mi-
nha pedra para a edifieaco desse em que se
guardam as nossas veneras :;.n!igas, nao me pres-
to a sua deinolicao : E por tanto nao sou ligueiro.
Urna vez demolido, quero ver meadas as primei-
ras linhas da nova edifieaco ; quero examinar se
principia com regularidaae ; e depois de sentada
a pedra angular, quero ver ainda se os maleriaes
escollados offerecein "Solidez e durar : Quero
ver, se o mbito tem a vastido necessaria gara
abranger todos os operarios de nossa civiiisar;ao e
progresso : sendo regular o principio, a propor-
gao que so forera erguendo as paredes necessa-
riamente se deve rasgar o largo e elevado prtico
principal por onde devem franquear os liboraes e
conservadores, que, como en, nao querem urna
potinca pessoal. At ver nao sou ligneiro.
Fico s, sem laco nenhnm, que mo prenda ao
pessoal dos partidos, tem mudar as minbas insig-
nias, fico com os meus amigos para servi-los par-
ticularme.ite, fico summaraonte lisongeado pelas
manifestacoes de estima e apreco com que sou
considerado pelo meu muito estmalo e respeita-
vel collega.
J se v pois que tive tendencias a modifteacao
de ideas, qne n'aquella poca abracavam inultos
conservadores; nao o neg ; entao como hoje nao
me repugnam as ideas de tolerawia ; e so nao
conhecia como nao conheco ainda o menor inte-
rese em serem os Pernambncanos snbvassalos do
nobre visconde; repngnava-me outro qualquer
subsidiario do poder I... Nao obstante as sol cila-
goes de que fui rodeado, nao rae abalaran) nem o
brilho das posicSes com que me assenaram, nem
fui vencido pelo despito. Offereceram-me occa-
sio opportuna de manifestar-me francamonte ao
nobre viscondela mesmo em seu estadio. Recu-
sei-me com a dignidade do hornera qne te sent
offendido em sua hone-tidade : Os Srs. Drs. Her-
culano. e Manoel Clomentino ouviram-me nesta
Ja v pois o mea antagon^ta, que com toda ten-
;ucia a urna modiUcacao, lacerado de desgostos;
opprnniJo pela necessidade em que me achava,
[wis que falla vara at os meios de satisfazer as
pnuieiras nccessldades da vida, ea tive a orca de
resistir sem perjurar.
Com a saa interpellacao offereeeu o Sr. J. F.
una bella occasfaa nao s de manifestarme cla-
ramente, como do provar, que nao perienco a sua
c|asse, a rlasso daquelles, que pela menor decep-
ch> quebram o encanto de suas illosoVs, desvane-
cenJo o zlo ardente de que se mottram postuidos
por una causa, com a qnal se ideniilicam, nao
pela razao c polo sentimento, mas pelo interesse
que os liga a essa causa...
Nao Qquei com o nobre visconde cora quem
nunca me lguei pessoal mente ; mas nesse mesmo
lempo em que se me offereceram dous campos a
escolher, um em Pao d'Alho, ferindo o visconde no
coracao, o outro cm Ipojuca combatteudo o fovers
u.i alli representado pelos panana mais chegado-
doDr. Paes Brrelo, cscolhi o ultimo, dando assim
dina prova de minha inabalavel constancia.
Se csses actos nao sao devidamente apreciados,
porque eu nao faco delles a menor ostentacao, e
passam como qae desapercebidos,
Fiquei s, como tenho estado sempre, com os
meus desgostos, com a minha brea de espirito,
com a minha resignaeao. Vejo o embate das ara-
bicoes, a lata das capacidades que se apregoam.
Vejo elevarse ludo quanto pode subir aos ares ;
e com o riso nos labios sigo a marcha que me
tracei, e sem desvar-me chegarei ao tmulo, onde
tudo se vai acabar; e ho de lindar tambem as in-
ju.-tie.is e a fatuidadedo meu antagonista.
Lourenco Bezerra Carneiro da Cunha.
N. 6.
Conservando V. S. cymmigo sobre os desgostos
porque o fez paasar seu pruno J. F. indo as Ala-
gas cobrar de S. S., offereci-lhe espontneamente
sem que me pedisse, ou me ofcrcccaso o menor
negocio s letras acceitas pelo mesmo J. F. em fa-
vor de meu candado B.....pondo-as inteiramen-
(ii 'lile a saa disposicao.
Pode fazer uso de minha resposla.
Bento Jos da Costa Jnior.
N. 7.
Lola.Depois de ouvir o parecer de difiranles
pessoas, e de meditar mais um pouco, tomei sem-
pre a resolucao de ir para Marreca degradar-me
por seis annos.
Falta-mc ainda ouvir a esse respeito a opinio
de mea pai; mas devo suppor que elle nao se op-
por aos mos interesses, e caso se opponba nao
sei iiic rar essa nova mina. O que nos resta pois, yer-
mos porque modo concluimos o nosso negocio,
acerca do que ainda nada posso dizer-te por ago-
ra, porquo spbre isso nao posso prescindir por mo-
do algum do parecer de mea pai. Porlanio, o que
ha de liquido que ea terei o rendeiro ds Marre-
ca ; qranlo a maneira brevemente te direi.
Se te demorares mais alguns dias, eu far-te-liia
companhia na tua prxima viagem, pois detejava
ver a propriedade antes de ir para ella.
Teu primo, amigo e obrigado.
Olinda, 30 de juho de 1855.
Joapnim Francisco.
N. 7.
Lola.Tive boje portador de Abreus, e pelas
grandes instancias de meu pai. e de minha-mi,
jnntamento com as do miaba lia, me vejo toreado
a desistir de minha prcleneao de ir ser senhor de
engenho, pelo que deixote* o campo livre.
Fca peis subsistindo o nosso primeiro negocio
com as seguimos modilicaces que nao te dever
oppdr: Ia necossario que d'aqai at novembro,
alni dos 2:000000 com que principiantes o teu
pagamento, me deis mais outros 2.000j pelo me-
nos para poder entrar com algum capital no ban-
co ; 2, de ves convir que nesse negocio oJURO
de 4:000000, para ti muito suficiente, pelo que
quizera que tudo quanto excedesso dos.-a quantia
me fosse restituido por ti, nao s para licar (ma-
quilla la conscieacia, um pooeo doida como di-
ana, como para que maior vanlagcm resulte para
mim dos teus esforcos. Desculpa-me esta exigen-
cia um pouco justificada pelas.minhas pouco sa-
tisfactorias circumstancias.
Responde-me sem demora, e manda-mo dizer se
amanhaa posso en receber de Joo Victorino o...
1:01)05000, que se me acha a dever.
' Adens.
Teu primo, amigo e obrigado
Joaquim Francisco Jnior.
Olinda, 1 de agosto de 1855.
COmMERCIO.
PRACA DO RECIFE 23 DE JI'I.HO DE 1609
AS 3 1/2 HORASJ DA TARDE.
Algodao de Macei l* sorte1-4225 por kil., posto
a bordo, frete de l|2 d. sem capa (hontem)
Cambio sobre Londres 'JO d.'v 18 3|4, e 18 7|8
d. por JSOOO.
Cambio sobre Paris90 dv. 508 e 510 rs., c a vis-
ta 515 rs. por franco (hontem o hoje).
Cambio sobre o Rio de Janeiro=8 d/v. 1/4 0|0 de
descont.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA.
Ilendiiup.nto do dia 1 a 22. 642:638*90.!
dem do dia 23.....- 23:576*72o
6G6:215*58'.l
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volamos entrados com fazeadas
dem idem cora gneros
Volames sabidos com fazendas
dem idera com gneros
415
1343
-----1758
63
430
Descarregara boje 2 i dejulho
49:;
Vapor InglezG/i(iia/=iiiercadoiias.
Rriguo norueguenseFfoi'!=mercadorias.
Patacho norte-allemo Concordia farinha e
trigo.
Bngue norle-allemaoJan & Antionidem
Brigue nacionalAlmeida 11 charque.
Brigue inglezMinoraferro o carvo.
Brigue inglezRio Grandeidem.
Barca ingleza Fte/er/'n;/bacalho.
Brigue porluguez/ntovarios gneros.
Patacho ioriuguez=Beo J'" RECEBEDOR1A QE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia I ja 2?. 32:377*39'.!
dem do dia 23 ..... 1.002*91'.
33:981*30*
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 a 22. 106:7'6818K
dem do dia 23....... 13:720*76^
120.436*957
O 8r. Dr. J. F. nio s, nunca deOlarou-rac que I com esse sentimento, e que me ouvis com inters- J oecasiao, c o ultimo aisentio a minha resposta.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 28.
Rio Orando do Sal lo dias, barca brasilea.
Flecha, do 295 toneladas, capilo J. A. de P.
Victoria, equipagem 11, carga 14,000 arrobas
arrobar do carne; a Marques Barros A C
Rio de Janeiro17 dias, sumaca liespanhola Ama-
ble Dolors, 4t i20 toneladas, capillo Rabio Co-
dina, equipagem 10, em lastro; a Amorim Ir-
mos.
Rio de Janeiro19 dias, lugar inglez Velocit, do
182 toneladas, capillo W. Bnndon, equipagem
7, em lastro; a Mills Latnam & C Seguid par
Macei.
Rio de Janeiro8 dias. lu^ar inglez Veh, de 199
toneladas capito I. \V. Boi'dely, equipagem 7,
em lastro, a ordem.
Baha4 diaSj barca ingleza Annie, de 345 tone-
ladas, capitao Taylor equipagem 12, em lastro;
a Johnston Pater A C.
Buenos Ayres17 dias. barca inglesa Heb, do 32
toneladas, capilo Thompson, equipagem 17, cr-i
lastro; a Sawnders Brotbers & C. Seguio para
Barbades.
Terra Nova 40 dias, brigue inglez Margare
Redly, de 178 tonelaias, capitao Georse Hartey.
equipagem 9,carga 1,870 baricas com bacalho ;
a Sawnders Brothers A C.
R e de Janeiro 10 dias lugar inglez Elysa, do
217 toneladas, capitao Goorge l'.oss, equipagem
9, em lastro, a ordem.
Navios sakidos no mesm dia.
S. Thomaz Patacho inglez Ospray, capitao W.
Taytor, em lastro.
Rio Orando do SulPatacho brasileiro Bom Jetus,
capitao Joao Cardozo de Meirelles, carga sal e
outros gneros.
HavreBarca franceza Santo Andr, capitao Nc-
delec, carga couros e algodao.
i
'.-
I
MUTILADO


*trr
Diario de Perraambuc
______________________:_____
Sabbado 24 Je Julho (te- 1869,
3

1
*
u i
Rw de JaneiroBrigue brasileiro lhim-Oo, eapi-
Ua tfauoel Jos Preslello, carga a*ucar e ou-
tros gene
EBITAES.
O inspector interino da alfandega faz publi-
co, que exislludo no armazcm alfandegado tamas,
126 eanasiras eoin allios sem marca, e 40 da Diar-
ia O, viudas do Porto no brigue portuguez Trium-
$ho, ein 26 de agosto do anno prximo passado,
pertenceutes a Manoel Duarte Rodrigues ; e adan-
do-seas ditas canastras no caso de seren arre-
batad u para consumo, uos termos do capitulo 6
tRulo miento de 19 de setembro de
1860, os reas donos ou consignatarios dovero
despacha-las n > prato de 10 dias, sob pena de,
lindo e!le, aeren*, vendidas por sna eonla, sem que
Ibes Oque co.npetindo allegar contra t>s elleitos
ilesla venda.
Alfandega Se Pernambuco, l de jullio de lSd%
0 inspector interno, /.. de C. Pats de Amlrude.
O lllm. Sr. inspector da thesoonefia de fa-
zenda des! t provincia, ein virtude de ordem da
procidencia, maudt fazer publico que no da 28 do
crtente, as i horas da urde, ir a praca pai
reta arrematados por quem por menos fi.wr, os re-
paros de que carece a eseada de desembarque do
caes Pedro II. O orcaineato c clausulas especiaos
para o contrato serio Franqueados na mesina tho-
souraria aos pretndeme*. As posmas a quero
r.onvier a ai i eoiataeio, devora-i comparecer no re
frridu da e hora indicados. Secretaria da lliesou-
raria de tazenda de Pcrnambuco, 21 de julho de
18ti).
O otuVial-malor,
Manoel Mamede da Silva Cotte.
DECLARACOES.
Cons::Jho de compras do arsenal
de guerra.
O eoDselho de compras do arsenal de guerra,
precisa comprar para proviineuto dos armazens
do almoxarifado o seguite :
Lencos de algodi 126
Meias de algndo, pares ii<>
Algodaozinho americano.metros 510
Panellas de ferro para 20 praras 2
Garfo grande de ierro i
Faca de cozinha 1
Conxa de ferro para tirar caldo 1
Pennas calygrapnicas, caritas 40
Papel pautado, resmas 20
Canelas finas, dnzias 40
Lapis liaos, duzias 30
Obreas em paes, macos SO
Papel malta-borrad (cartas) Mitas 50
Gomma arbica, frascos 3
Tinta encamada, frascos 6
Limas chatas de 16 polegadas, duzias C
Ditas ditas de 14 ditas, duzas 6
Ditas ditis de 12 ditas, duzias 6
Ditas ditas de 8 ditas, duzias ^ 4
Ditas ditas de 6 ditas, duzias 3
Ditas meias canas de 8 polegadas, duzias 4
Ditas ditas de 6 ditas, duzias 4
Ditas chatas uiursas de 8 polegadas, duzias 3
Ditas ditas ditas de 6 ditas, duzias 3
LiinatO.'s de 8 polegadas, duzias 2
Ditas de 6 ditas, duzias 2
Limas chatas rauz de 4 polegadas, duzia 1/2
Limas meias canas de 4 polegadas, duzia i/2
As pessoas que quizerem vender os ubjectos
cima declarados, comparceam nesta repartirn
no dia 24 do crrenle, pelas 11 lloras da manha
com suas propostas.
Sala do conselho de compras do arsenal de.
tuerra de Pcrnambuco 19 de julho de 1869.
llygino Jos Coelho.
Coronel director interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
malas se fochcm as (T horas da tarde do da ante-
rior ao da chegada dos uMsmos vapores.
Correio de nio de 1869.
O administrador,
^^ Ooming -Miranda.
Correio geraL
RelacSo das cartas registradas existentes na
administraco do correio desta'cidade,
para os seguintes enliores:
Alvaro Paulo Noblato, Dr. Antonio Bor-
ges da Fonscca, Antonio Joaquim de Mo-
raes, Amonio Jos de Andrade. (Cabo)
Custodio Joaqnim Lopes de Sotiza Jnior,
Carlos Martins, de Almeida, Erasmo Jos
de Mello, Enthismo Pereira de Albuquer-
que, Francisco da Costa Maia, tenenteFran-
cisco Joao da Silva, HcrmnmiBlum A L.
Wille. Ismael Cesar Duarte lliheiro, Joa-
quina Mura do Sacramento, Dr. Joaquim
Jos de Campos Cosa Medeiro Albuquer-
'|iu\ D. Juanita Florinda G. Lobo, Joao
Francisco da Silva, (Fernando) Dr. Jos
Antonio de Figueiredo, Jos Antonio Pi-
res, Jos Candido de Mocaos, Joo Ignacio
da Silva, Jo3o .Moieira da Silva, J. Thomaz
d'Aguiar, Dr. M. Lopes da Costa Maciel,
PompeoE. da Piedade, Dr. Sivino Cavnl-
cante de Alboqnerqae, S LeitSfo IrmSos
(i), Targino Silvcrio de Souza Marques,,
THEATRO
DE
S. ISABEL.
Coinpauhia dramtica sob a di*
receo do artista
DE-GIOVANNI.
Sabbado 24 de julho.
Segunda representaco [do i xccllente e muito
applaudido drama em G qnadros, ornado de m-
sica e dansa intitulflfc
ESMERALDA
O interessante papel de Esmeralda ser descra-
penhado pela Sra. Jesuina.
Segue-se o gracioso duelo
A panella do feitiep.
Cantado pela Sra. D. Jesuina c o Sr. De Gio-
vani.
Terminar o espectculo com o jocoso a pro-
posito em 1 acto, ornado de msica e dansa de-
nominado
O* ZCAVOS.
Os bilhetes acliam-se no cscriptorio do thcatro.
Principi r as 8 horas.
Domingo 25 de julho de 1869.
EXTRAOIiDINAWA 11EPRESENTACAO
pon
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
-de fazenda desta provincia, em virtude de
rdem da presidencia, manda fazer publico
tjue no dia 28 do correte mez, as duas
horas da tarde, perante a junta, da mesma
thesouraria, ir a praca para ser cedido
aquem nuior lanco olerecer, o dominio
til de terreno de marinha que fica entre
roa da Saudade, e a que segu do becco
dos ferreiros, do bairro da Boa-Vista desta
cidado. As pessoas aquem interessar de -
vero comparecer nesta thesouraria no re-
ferido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco, 20 de julho de 1809.
O oflicial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
A administraco do correio desta ci-
dade, precisa engajar pessoas habilitadas
para o servico *de caminheiro ; quem esti-
ver nestas condi<;es e se quizer engajar
dirjase a mesma administrado com o com-
petente attestado que prove asua conducta.
= Vai praea sabbado Jas 11 horas do dia, a
casa terrea e sitio defronte do engenho Peres, por
muitas vozes annunciado : quem na mesma qni-
zer lanvar, comprela que vai com o abate
da lei._________________________________^__
O IHm. 8r. inspector da thesouraria de fazen-
da desta provincia em virtude de ordem da presi-
dencia da provincia, manda l'azer publico que ne
dia 2i do corrente as 2 horas da tarde, perante
a junta da mesma thesouraria, ir novamente a
praca para ser arrematado por quem maior lanco
ouerecer. o arrendamento animal por tres annos,
do proprio nacional n. sito no Forte do Mattos
no bairro de Recife desta cidado. Secretarla da
thesouraria de fazenda de Pernambuco 19 de
julho de 1869.
O ofuVial maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
Manta Casa da Misericordia do
Recife.
A Ulna, junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 29 de julho, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres aunos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEXTOS DE CARIDADE.
Ra das Calcadas.
<;asa lerrea n. 32........130000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47 ...... JJWOOO
dem n. 47. 49....... 170*900
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30...... 177000
fdam idem n. 36........ 178*000
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18...... 300*000
Idein n. 20.......242*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 765000
Segundo andar dito...... 96*000
Areal do Forle.
Casa terrean. 1....... 100^000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27...... 1443000
Ra da Cacimba.
dem idem n. 12...... 116*000
Ra do Vigario.
i. andar do sobrado n. 27. 240*000
Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 146*000
dem idem n. 103.................. 202*000
dem n. 98........................ 203*000
dem n. 96......................., 202*000
dem n. 9*........................ 203*95S
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 150*000
Idem da Mimara u 4..... 106*000
Os pretcndenles deverao apresenlar no acto da
arreraatacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de junho de 1869.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza
Pela administraco do correio desta cidade se
faz publico a quem interessar possa, que nao se
demorando os vapores da companliia Messagenes
Imperiales neste porto em seu regroseo do Rio de
Janeiro,. para se fuer a ex;
das malas para Europa, tem resolvflo que as
IR. PEYBES DE LAJOIRMD
EM BENEFICIO DK SLA FII.IIA FIUNCOISE
O Sr. Peyros tem a honra de apresenlar-se pela
primeira vez nesta cidade, a executar os seus tra
balhos de scamotagem em costume cgypcio,
bracos ns.
Alta novidade!! Primeira vez!
A grande experiencia magntica denominada
0 SOMRO AERIO
executado pela beneficiada a menina Peyres.
O resto do programma se dar nos jornaes d
da vespera do espectculo.
Recebemse encommendas de localidades no hoo
el do Oriente ra larga do Rosario.
THEATRO
Gymnasio Campo si re.
Domingo 95 de Julho de 18B9.
Beneficio da actriz
JESUINA MONTAN! DE GIOVANNI
Drama
ESMERALDA
Comedia
\
COMPANHLV PERN4MBUCANA
Vavesaciio costefra por vapor.
0 vapor Parahyba, com-
mahdante Mello, seguir para
o porto acta no dia 26 do cor-
rente as 9 horM da noite. Recebe
carga, encoaraenda, passageirea
e dinheiro a ret no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12.
Tetm-Mf, 27 do crreme
I no primeiro andar do sobrado da ra da Aurora
i .i. 12.
O agente Pinto faca bulad por conta c oBten de
(Irua faniilia qu ratirott-se desta provinwa, los
movis e maia objectos acirna mencionados, exis-
tentes no primeiro andar do sobrado da ra da
Aurora n. 12, onde se effectuar o leilao no dia
lef{-feira 27 do compite. Principiar s BP ho-
ras em ponto.
RIO DE JOTRO
Pata o Rio de Janeiro pretende sabir com
a maior brevidade possivpl o brigue nacio-
nal Trotador, recebe daga e esclavos a
frete: tratar com asrbnsifrnatarios' Mar-
ques Barros <&C, no largo do Corpo Santo,
n. 0, segundo andar.
COMPANIILV l'UUNAMDUCANA
DI
Saregaco costeira por vapor.
Macei, escalas e Penedo.
O vapsr Potengi, conimndante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia III do corrente as 5 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 30, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
da tardo do dia da sabida no escriptorio do Fer-
ie do Mattos n. 12.
DE
urna grande casa de campo*
O agento Pontual, competentemente autorizado,
vender em leilao o S'Srado de um andar e so-
tao, o qual pertenceu no fallecido Jofio Pires Fr-
reira, silo ao largo do P iZiej ; tendo o sobradoi salas, fi quartos, sendo
doM com janellas. codnha, grande solao, quintal o
urna grande coclicira com dous quarlns. O sobra-
do da nielhor COjnstnKcio pussivel, muitissimo
fresco, c sitalo em urna das mejhores localidaJes
den* arrabalde, muito parto do rio e dos triHios
urbanos. Os Sr*. prelendentes poderao examin:u-lo
e cancorrerem ao leilao
Ter^a-feira 27 to corrento
no primeiro andar
Cruz, s 11 horas.
COMPANIILV PEILNAMBUCA.NA
DE
Xavegaco costeira por vapor.
Mamangnape.
O vapor Corwipe, commandanle Penna. segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da arde. Recebe carga, encommendas,
passagens cdinheiro afrete at as 3 horas da
tarde no esciiptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANIIIA PERNAMBUCANA.
DK
Wavcsaco costeira por vapor.
Parabyba, Natal,'Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja. *
O vapor Ipojuca, commandant
Eustaquio, seguir para os portos
cima no dia 31 do corrente as 5 horas
la tarde. Recebo carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frote at as
J horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
Jo Forte do Mattos n. 12.
asi Grande do Sul
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
tacho nacional Principe, recebe alguma carga a
frete, c trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo c C. ra da Cruz n. 57.
PARA LISBOA
segu, com toda a brevidade a barca portugueza
Constante 111, por j ter parte da carga prompta :
para o que Iho falta c passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo
Santn. 19, ou com o capillo na praca do Com
mercio.
PARA
Para o referido porto segu com muita brevida-
de o palhaboto pnrtugucz Novo Protegido, por ter
a maior parle da carga tratada ; e para o resto
que Ihe falta trata-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio
n. 17.
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
0 vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os poitos cima
no dia 31 do corrente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n i escriptorio do Forte do Mattos
n. 12.
Os bilhetcs acham-sc na cstacao dos trilhos ur-
banos e no theatro.
N. B.llavera conducao gratis, antes e depois
do espectculo. :
No trem das 7 horas r urna
Banda marcial
que tocar durante a viagem cholludas pecas.
O espectculo principiar s 8horas.
Fabrica de ceneja
Henrique Leide i & C.
Grande festival na tarde de
domingo
25 de julho
das 4 s 7 horas
DEDICADA A CLASSE DO COMMERCIO
Cada pessa tem dirato a urna garrafa de cer-
veja gratis
(NOTA)O numero dos professores que tem de
compor a orchestra ser igual a do primeiro fes-
tival.
PROtlRAMH.4.
1: Ouverlure de Semiramide. (Rossini.)
2." A aguia Brasileira........
polka caracterstica compos-
ta e ofereeida ao Sr. J. Pop-
pe, pelo sympalhico profos-
sor...................... M. Cleto R. Lima.
3. Caprice pour flote, execu-
tado pelo professor........Salustiano.
i. Imartyrii grande walse (or-
chestra)..................S. Magner.
5." Aos hroes do Brasil, gran-
de quadrilha imitativa, com-
posta pelo insigne maestro.. Colas.
6. Ouverlure de Nabucodouo-
sor...................... Verdi.
7." O festival terminar pela
celebre qnadrilha popular
intitulada um iVoi'fe de
Carnaval t del maestro.... F. L. Cola^.
Entrada IfJOOO rs.
Maranho
Para o Maranbao pretende seguir com
brevidade o hiate nacional Roza, para <>
resto da carga que Ihe falta, trata-se comj
Marques, Barros A C, no largo do Corpo
Santo n. G, segundo andar.
LEILAO
do sobrado n. 42, ra da
- LEILAO
De movis e fazendas de la e
Hateo.
ferea-teira 27 do corrente.
Mr. Mercier tendo de retirar-so para a Europa
far leilao por intervengo do agente Pestaa de
diversas fazendas como sejam casemiras para cal-
cas de delicados padroes, brins na mesma confor-
midade, panno para casacas e paletoU e algumas
obras talas, e de algnns movis como sejam ca-
deiras, mesas, espedios, ramas, marquezas, guar-
da roupa, relogio de pafede, 1 rewolver de 6 tiros
conSOO eartuxos, 1 taboleta e 3 venezianas e
muitos objectos proprios para alfaiate o 1 jas de
miudezasque se acharao patentes na terija-feira
27 do corrente pelas 11 horas da manhaoa ra
do Commercio n. 7, primeiro andar.
OOSTUEEIIU.
Cose-se costura db alfaiat a mada fi an-
. \)v.p prego commodo, na ruaAuguats
.n iii, a-dU-se (lauca sobre as mesmas.
Precisase comprar um e.scravo idoso que
sirva para tratar de cavados na estribara, ou pas-
tar gado : quenutivr o enier vender, nao tendo
vicios, apparee-ana roa de-Ojueimado n 39, an-
dar. No maslo lugar' s precisa de ura bora ca-
noeiro pnraao encarregi do tomar eonla do urna
canoa e trazer capim para esta cidade, paga-Si.-
bem, sendo pesso que d> conhecimento de sua
conducta. ~
Festival.
i. GitoUu)Rarl>o-a declara a todas as pessoas que
foi^mao (estival de Mr. l'oppe, quarta-feira 21 da
pie n polka que o m.-mo senhor fez
eaecntar pela orcheslra em ultimo lugar no fo
aquella a sita composirao que eslava annuuciada
no prcgramuia rom o titulo de abordagem Par-
nahyba.
AMA
r, sendo engommado, lavar, cozinhar, c p.
i preeisfio de urna casa : quem precisar, wr
Mldicdes, a procure na roa cima. 1
Na ra de Sonta Therem n. 14, existe urna ge-
ahora yiuva ipie-se prop8e a ser ama em ca-
trangeira ou de homem soneiro, faz todo o servico
do interior,
tratar com
em laes condic/ies. a proc
Precisa-se alugar una prcta engommadeira :
na ra do Imperador n. 51, ou do Crespo n. 8,
laja de quatro portas.
Aluga-se urna escrava que lava, cosinha e.
engomma com perfeieo : a tratar na ra da
Mangueira n. 6. '
Escriptii,
Um moco que tem seis preparatorios, boa letra
e excellenle orlhogr.iphia, olfeiece-se para escre-
ver em aiguiu escriptorio : quem pretender diri-
(a-se ra do Livramento n. 7, loja. que achara
eom quem tratar.
Antonio Jos de Oliveira Castro, negociante
estabelocido com casa de commercio do mercadn-
rias na cidade do leo, provincia do Cear, faz sci-
entc ao respeitavel corpo do commercio desta pro-
vincia e da praca de Pernambuco, que no 1 de
julho do corrente associou ao seu estabelecimento
convnercial a seus filhos Manoel de Oliveira Cas-
tro, Joo de Oliveira Castro, Antonio de Oliveira
Castro, pausando a usar daquella data em diante
da lirnia commerral de Castro & Filhos, e da qual
s o annunriant far uso. Cidade do Ico i de
julho de 1869.
LEILAO
De urna casa terrea coui soto,
O agente Pontual competentemente autorisado
vender em lei la urna casa terrea com soto sita
rna da Guia n. 4, em solo proprio, tendo a casa
2 salas, 2 grandes quartos, cosinha fora e ca-
cimba.
Terca-feira 27 do corrente.
No primeiro andar do sobrado n. 62, ra da
Cruz, as 11 horas. >
LEILAO
De 82 saceos com arroz do Maranho. 203
ditas com farinba algumas com toque de
avaria.
Quarta-feira 28 do corrente.
O agente Pestaa far leilao por conta c risco
dequem pertoncer dos genefos cima menciona-
dos os quaes sero vendidos em 2 lotes ua tenja-
fira 27 do corrente pelas H horas da manlia
no trapiche do Cunha no Forte do Maios.
AVISOS DIVERSOS.
Quem qu'uer comprar cinco apolices da
estrada de ferro de Olinda, pon OOoOOO,
tendo j feito seu dono as duas primeiras
entradas, annnncie.
Ilfllowi-Y lio mi
Wanted on tho A. Rrit Brig Scarch Capt. D. F.
Brocklebank about 750 more or less for repairs
and other chargesat thes Port. to cnable said yessel
to proceed on ner voyage tounited Kengdom direet.
Sealed tenders to be' addressed to the caplain at
the Brlsh Consulatc, and lo be opened en the
presence of HBMS Cnsul on vvednesday the 28-d.
cnst ah niedday. Recife 21 july 18G9,_________
Risco martimo.
O brigue inglez Search, capitao D. F. Brockle-
bank, precisa da quantia do 750 esterlinas
(9:0005000), pouco maisou menos, sobre o casco
do dito navio, para o reparo e mais despezas neste
porto, de forma que possa seguir a sua viagem
para o Reino Unido. Recebem-se propostas em
cartas fechadas no consulado britannico, dirigidas
ao capilo, as quaes serao a bertas na presenca do
comudeS. M B. no dia 28 do coarente mez ao
meio dia.
Do illustre publico.
Hoje i do corrente, dama Mara do
Espirito Santo, d um grande e pomposo
fraile* no grande e reconbecido salo db
Caes do Hamos, o qual tem feit > dilTerentes
convites e com especialidade a illustre so-
ciedade que tem constantemente frcqnenta-
do, honrando e acreditando o dito salo, e
a beneficiada espera a concorrencia em o
seu baile, visto se achar o salo ricamente
ornado e a msica redobrada. Nao poden-
do entrar pessoa alguma sem que venba
decentimente vestido, e cumpre rigorosa-
mente o regulamento do illustre Sr. Dr.
chele de polica.
Alt
Precisa-sede urna ama para cozinhar em rasa
de urna pequea familia : a tratar 110 Muzeu de
Joias.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado tendo vendido alm de ou-
tras sortes o meio bilhete n. 2932 eom 4:000# da
lotera que se acabou extrahir beneficio da San-
ta Casa da Misericordia, convida ao possuidor a
vir recebar na confurmidade do costume sem
descont algum.
Acbam-se a venda os bilhetes da 26' parte da
Santa Casa (115*) que se extrahir no dia 4 de
agosto.
Precos.
Os do costume.
* Manoel Martins Finza.
Para
Seguir brevemente o veleiro patacho portuguez
Boa F, capilo Domingos Martins : recebo algu-
ma carga a frele razoavel, para oque se trata
com o seu consignatario Joaquim Gerardo de lias
tos. ra do Vigario n. 10.1" andar. _______
LEILOES.
Continuaqao do leilao
DE
Ceblas mareas novas na porta
do Annes.
O agente Pestaa.contina hoje o leilao de ce-
bolas outras marcas perfeiti simas e sero vendi-
das em lotes a tiro de martello as 11 horas da
manha. Na mesma occasio venden* 3 b-rris
com presuntos em calda.
LEILAO
da armaco, gaz, generse mais utensilios
existentes na taberna sita ra de Hor-
tas n. J9.
Segunda-feira 26 do corrente.
Lauriano Pinheiro'do Couto, antorisado por seus
credores e para pagameuto dos mesmos far lei-
lao por mtervenco do agente Postana, da arma-
cao, gneros gaz c mais utensilios existentes na
taberna cita ra de Hortas n. 39, em um ou
mais lotes, a vontade : no dia cima mencionado,
segunda-feira 26 do corrente, pelas 11 horas da
manha na mesma taberna.
AVISOS MARTIMOS.
AMIA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at v da 26 de julho o vapor
Tocantins, commandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros o engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
suasaida.
Narm recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar desteslimites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
fBns s se recebem na agencia ra da Cruz n. 37.
andar, escriptorio de Antonio Luii da Oliveira
Azevedo & C.
aneo da cabera
'speeie de caspa,
de se tornarem
twTi preventivo seguro e certo contra
t'o-lviri'.
Eedi e restaura forra c sanidade a pelle
?la caliera,
EJlu de promplo faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos*.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
l'ualquer forma e posifJo que se deseje
u'um estado formoso, liso e niacio,
Ele fazerescer os cabellos bastse com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o
limpo e livre de loila a
Elle previne os cabellos
brancos,
Elle conserva a cabera n'um estado de fso.i
aira refrigerante e agredavel,
Elle nao demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor ebeiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasvel artigo
para a boa consenaco e atranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teailo dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Neiihum toucador de scnliora se pode con-
siderar como completo sem o
O CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortilica e aformosea
Acha-se a venda nos cstabelecimentos de
V. Gaors, I. da C. Bravo & C. P. Maurer
dc-C, M. Barbosa, Baitholoineu & C, e em
todas as principos lojas de perfumaras
e boticas,
..* IV.
A irmandade do SS. Sacramento da matriz da
Boa-Vista, convida pelo presente aos parentes e
amigos do finado Manoel Joao de Amorim, para,
no da 27 do corrente, pelas 7 horas da manha,
assistirem a urna missa e memento, que a mesma
irmandade manda celebrar em lencao do dito fi-
nado. Vy-
0 cscrivao,
- Simplicio da Cruz Ribeiro.
<)
'i^^.
movis, louga, crystaes, obras de
prata, vinho e cerveja
A SABER :
um piano forle e novo do bem conhecidj fabri-
cante Pleer, urna mobilia de Jacaranda com 1 sof,
4 consolos eom pedra, 2 cadeiras de balando, 2 de
brago o 18 de guarnicao, urna mobilia de faia com
1 sof, 4 cadeiras de braco, 12 de guarnicao e 2
consolos com pedra, 1 espelho rico, grande e oval,
4 serpentinas de crystal, jarros Unos, candieiros
gaz, 1 cama franceza do Jacaranda, 1 toilette, 1
guarda-roupa, 1 guarda-vestido, 1 cama de ama-
relio, 1 berco. 3 camas de ferro, 1 estante para li-
vros, 1 machina de costura, 1 mesa elstica, 1 rico
aparador com tampo de pedra, 2 ettagers, i apa-
radores de ps torneados, 1 qnartinheira, 1 sof,
12 cadeiras, 2 cabides, 1 filtrador, louca para al-
mo{o ejantar, garrafas, compoteras, copos e c-
lices, e trem do cozinha, 5 caixas com vinho do
Porto em garrafas, cerca de 18 duzias de garrafas
com cerveja franceza, e 2 barris de S com vinbo
Cherez.
Antc'ro Manoel de Medeiros Fuado sua mu-
Iher D. Joanna Guimares Medeiros, cordialinente
agradecem a todas as pessoas que se dignaram
cardosamsnte acompanliar at arT cemiterio, ao
seu-sempre chorado filno Daro Manoel de Medei-
ros Furtado, e Ihe* protestan) a sua eterna gi a-
tido. ________________^^_
ffB^ajBaVHHaVHaVHHHHHHBHB
Escravo fgido
Fugio e 23 de Janeiro 18^), o escra-
vo Matheus, de meia idade, cor preta, falla
grossa, bexgoso, tem pelas costas cicatri-
zes de bacalho, tem urna verruga no canto
do nariz, os pte foveiros, corpo regular ti-
nba sido do IHm. Sr. Agostinho Leocadio
Vieira, em Panellas de Miranda, que ha
poucos mezes de la veio fgido ; pede-se
as autoridades e capitaes de campo de o
pegar e trazerem a seu senhor Jos Car-
dozo de" S, na ra da Lingota no Recife
n. i; eo mesmo protesta contra qualquer
pessoa que 9 tenha acoutado e gratifica-se
com iOOdOOO a quem o pegar. Consta
andar pelas mattas de Olinda.
"Frontispicio do Curmo
Nao se tendo adquirido at o presente,
qoantia suficiente para se poder fazer a
festa do Frontispicio no dia 25 do corrente,
tica transferida para o dia 22 de agosto pro-
limo.
Roga-se aos Srs. procuradores, que acti-
vem a cobranza das esmolas, que to ge-
nerosamente prestam todos os annos os
devotos da nossa adorada M5i de Dus do
Carmo.
Illustraco Acadmica
Contina venda e assignatnras do n. 2 deslc
jornal Ilustrado, no Gabinete Portuguez e livrarias
acadmica e econmica. _________
Industria agrcola.
O abaixo assignado proprielaro de varios esta-
belecimentos ahricolos, tendo do relirar-se para
Lisboa a tratar de sua saude, deseja diminuir o
curso de suas operadles, expondo a venda o euge-
ntio Mirrluc (funecionando actualmente com 50
a 60 escravos) distante legua e meia de Belem, com
a qual corresponde por trra e por agua.
A fabricacao do assucar ah se faz pelo novo
syslema do vaccuo e do vapor.
A agurdente por dous alambiques, sendo um
do antigo systcma e outro do continuo.
O material internmente novo d'este estabeleci-
mento, sahido da casa bem conhecida de Henry
Claiton & C. de Londres, e de primeira ordem a
sua installacao feita com toda a forra e perfeieao
que se pode desojar.
O material o os apparelhos compoem-se do se-
guinle:
De urna caldeira de 20 cavados de fonja, com
2 fornalhas interiores, dando consecutivamente
vapor de 4 a o athemospheras de preccao : esta
caldeira est munida de todos sens aparelhos de
seguranea, indicadores e assecorios.
De urna machina a vapor oriental de alta prec-
iad, d forca do 14 cavallos, dando a sua trans-
missao a um jogo de moendas da maior forca co-
nhecida nos estabelecimentos d'esta provincia.
De dois dessecadores a dobre fundo em com-
municacao com os feltros, systema Taylord.
De uma'c.ildeira a cozer no vacuo eom todos
os seus aparelhos, e correspondendo com a bomba
do ar, mandada pela dita machina de vapor.
De 4 bombas para o movimento das diversas
operaeoes, communicando com diversos depsitos
d'agu tria, agua quente,mel para assucar, mol de
torbina e espumas etc.
De urna torbina a vapor gorrespoudendo com
girador da machina.
De una torbina ingleza, de um dimetro maior
movida por baixo pela transmisso mandada pela
machina a vapor.
listas obras foram nontadas e install.-rd.is pelo
primeiro artista scientitlco e pratico eonuecido
11'esU provincia, que tem funecionado com todos
estes aparelhos; uandb productos de um qualida-
de superior a lodos que lem aparecido at boje
n'esta provincia.
Este estabelecimento pode fabricar regularmen-
te de 200 a 300 arrobas de assucar, o 2 pipas de
caxaca diariamente.
Pertencc a este engenho um lago, cujas aguas
servem para moer actualmente urna pequea ser-
rara de madeira.
A casa de moradia espacosa e de boa construc-
c5o : em flm, neste lugar acha-se urna bonita
campia cercada do matas virgens onde se en-
contram com muita abundoiicia maderas tanto
para centrucc5es naves como terrestres.
Para. 39 de junho de 1869.
Jos Antonio de Miranda.
Resta venda um escolhido sortimento de ob-
lectos de marcincria, como sejam, mobilia* de ja-
arand.mogno eamare!h>, obra nacional e estran-
jeira, de apurado go>tn e por \frifo* razoaveis :
aa ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
casa fazem-se com perfeieao todo os trabalhos de
palhinha, como sejam, empalhanientes de lastros
jara camas, cadeiras e sophs._________________
Em casa de TllEODORO CI1R1STI-
ANSEN, ra da Cniz n. l8,.enoontram-se
electivamentc todas as qualidade? de .vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Bheno.
Attenpao
Os Srs. Anacleto Jos de Mattos e
Pretextato Francisco da Rocha, tm car-
tas da Villa da Penua, nesta typogra-
phia.
Na ra Estrella do Rosario n. 35 1 andar prepa-
ram-se ricas bandejas de bolos para casamento?, bai-
lesebaptisados, por precomuito commodo, com bolos
dedifierentes qualidads.boquetsdetloresartiliciaes
e naturaes proprios para enfeites de bolos e para
easadlentos e para qualquer ollera com litas bor-
dadas a ouro e lelreiro agosto dos donos ; as en-
commendas devem ser feitas dous dias antes,
enfeitam-sc velas ricas por muito barato preqo
para baptisados c enfeites de altares; faz-se ca-
pellas e cenos para as lojas e flores para enfeites
de igrejas ; prenara-sc qualquer eucommenda,
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capetas, festoes e roseiras para enfeites de igreja
mais barato do que em outra qualquer parto e
com toda presteza; faz-so po-de-16, pudins c do-
ce, tudo enlejiado para presentes. ____
SVAVd'nouthitojvtu *Z| 'untas penuH,|
t|> csuqej ap tailN 1 uioa u.ti.upi o 'XIIH3
'VAH3 'O P *"jn|i:iiSissit r. ni)inp uu ? npojpunb BwyjJ o kmojbx so cjimI jmII^
TlfflOHHa "^SlYHOIOad SYHTIlSTd
SU]HDN0H8f^:3SS01
VIS3MV9NVWapoilHd5:OHdOrfAHapsVimid
0WH3J 3P 01IHdSOHdOdArl^P3rJOHVX

KIlrJinQap OIlrldSGHdQdAHsp SVimid
1VQ 3P QlIHdSOHdOd AH 3? 3d0 UVX
VQOS 3P OllHdSGHdOdAH 3P ]dO'dVX
Precisa-se de urna ama
Rosario n. 30, 2o andar.
na ra estreila do
Aluga-sc
o segundo e terceiro andar da ra do Trapiche n.
46 : a tratar na mesma casa das 9 as 4 horas da
tarde.
Precisa-so de urna ama que compre e coz-
nhe : na ra Dreia n. 79, 2 andar.____________
-r Furtaraui do sitio do Pedro Allain, no Ar-
raal, um cavallo castanho, pequeo, tres pos eal-
tjados, urna silva entre as ventis, com o ferro y de
pouco tempo, de quarta para" quintafeira 23 de
julho.
"Mr. Michel Vigne*, subdito francez, preten-
dendo retirar-se para a Francia no vapor do 30 do
co. rente, roga a quem quer que, se julgue seu
credor, a apre>ntar-lhe, ou ao Sr. Gaspar Anto-
nio Vieira Guimares, a competente conta para
ser de prompto satisfeita.
D-se i :000400o a juros sob hypotheca
rna do Queimado n. 24 se dir quem d.
na
Aluga-se
a cocheira 'Ao largo do Paraizo
parede-meia n. 14.
n. 12 ; a tartar
. J3 wnm IUH . *>*M**IM
01 jmu P *"* "OP "" : *"MJW nu "II8
jbiioi otin miinjnd.ip tunxwaop n :P!q
ui,iu loimoj n (Huvuissi uiau mnoai of ^113
apnc i JU
-jasaos no j.i3J'jqlsi sum'.nil stjion ns-Ji
-n3j jpu. raimirf sP oiiminiJSJJHi O .
oiu>.\luinM|j UM
Sn.i(l|<1111.1 'oqi J*l3 *i**JP 'BU1III* "
-uj i.KijiiJiqo hhikob -,:u "Jiu33ira
apn|i|st'js|A i- a |UM c 0|,"'-> "P1" 'awH
-w titu si iUijoo n 'iiioJBduiiuoa te jojj
^op tjed |j.uil';iii M'in oipouinj o o |3>rptJH orno
opouimoo on |*|OJA OAiislUna osoujuI isa
*"
siAiivound
rfriiiiii-iii'fi

Paris, 36,RuaVivienne, VT
CHABLE MEDECIN
ASDtFERMIDADAS DESSKXUJlES, AS AJFWV
COIS CUTNEAS, E ALTERAGOESDQ SAItOCT*.
'OtmearudutaipwfWM
, tMtuio*. kerp*$, Mm*
comixou.oorimomi*^ m
merfoes, vicios* do i**-
age; virus, s iUrapo
do sangue. (Xarope vegetal em mercurio).jm
rallTM reiMuw BA-IIIO* MtBf itM
tomtc-se dos por lernui. tefaiad* o Irtxuatnl
Depurativo .- emnragadonai hbu moImIu.
EeU Xarope CJlrtcto 4a
ferro da f.HABl.K. cara
immediaustJileqitlqmet
nlawacmot
DEPURATIF
SAIVG
PLUS DE
COPAHU
mv\* o*/luxoi i flores bronc+s da Aereo
lata iajeccao bonigaa nprega-oe coa o Iaren >
Citraelod* Ferro.
on !<. Pomada qie u eira troa Ua.
POMADA ANTIHERPETK5A
Contra i au mfftcfou cutnea* e comisos*-
PILULA3 VEGETAE8 DEPURATIVAJ
a av Chakio, eada fraaot val aaaaeafaha*
ua fottMo.
uads,
tm
''


X
- i.
Diario d ^ernambuco SabWo 24 de Julho de 1869.
--i
ECONOMA
PARA AS FAMILIAS
PAStA
entregar as chaves ao proprietrio do pre-
dio,
O "^matante do MtabeteeaeBto de Aneadas da ra da Imperatrk n. 30.
intitulado JARDfi DAS DAMAS, ton resohido qidar todas as l'a/.endas quenellc cxis-
ora, altm de em poucos das poder entregar as diaves ao proprietrio do predio, por-
tanto convida ao respeitavel publico a vir sortir-se do grande sortimento que existem no mesmo; podendo comprar por menos oU o/0 do que eni outra qualquer
parte, e afumas talvez por menos ainda.
Entre o grande sortimento de fazendas que existe nesta toja tem o seguinte:
Finas percalas de cores lixas. Ditas lavradas de urna s cr.
Untas Unas claras e escuras, cores (has. \ Brins de linho mmdinhos para meainos.
ancezas muilo linas. dem dem com padtes mais raudos.
Finissimos bareges com listas de seda.
Ditas transparentes com listas.
(Iros-de-napoles pretos e de cores.
Pannos &i prdus e azues, do mais bai-
Lanziubas muito linas com listas c llores, xo ao superior.
Alpacas Javradas com flores. Casemiras de cor para calcas, de todas
Lories de cambraia de cor com barias as qualidades.
bordadas.
Ditos de duas saias, com figurinos.
Ditos de cambraia branca, bordados.
Ditos de velludo para colletes.
Ditos de gorgujo de seda.
Saias bordadas, com qualro pannos.
Ditas com barras de cores.
Ditas de lan, bordadas.
Punhos com gollinhas de cambraia.
Alpacas lisas com listas.
Finissimos manguitos com gollinhas de
cambraia transparente.
Manguitos com punhos.
Punhos com gollrobas.
u Pelerinas pretas, Je lil e croch, borda-
das.
Finissimas liras bordadas para ntre-
menos.
Ditas para bab;;dmho, tendo de todas as
qualidades e larguras.
Trocam-se
is notas do banco do Brasil e das Caixas fllaes
jom descont muito razoavel: na Lraca da Inde
jeDdencia n. 22.
lioease una iiBapem do Senhw Crucifica-
do, ile inarflm, obra feU na India, propria para
eapella de engenlio por ser em ponto grande, rom
a competente cruz de pao santo, eravos, resplan-
dor de prata, obra, de muito goslo : na ra da
Guia, taberna n. 7.
O abaixo assignado, lude possuidor das dividas
do casal do fallecido Jos aplisia da Fonseca Ju-
nior, uireuiatailas em Iciluo publico, pede aos de-
vedores do mesino casal so dignem satisfazer rus
dbitos no praso de 30 dias, a contar da dala des-
te ; dudo o qoal proceder judicialmente a dita
cola-anca : na mi das Cinco Ponas n. 8
Recite 13 de julho de 1869.
_______________Jq'io de Azevedo l'erara.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez lera lugar na
na noile do dia 21.
H
O idfojrtdo
ir. Antonio de Y.
concltts leoezes de Drummonff,
m muilou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. onde pode
ser procurado para o exercicio de
jg} sua prolisso Offl todos os dias
3p .nteis das 10 horas da manhaa ate
c as 4 horas da tarde. Pora dessas
H. horas, e para ijualquer occorrencia
8B urgente, ser encontrado no seu
g| domicilio, ra da Aurora n. G.
w&mammsm mm
Na ra da Aurora n. 3i, 2o andar, precisa
sede urna boa ama de leite.
AOS SOlOOOOOO
CASA DA PORTNA
Etua do Crcs|o u. S.
o abaixo as-i^nadu ton 1 > oblido I cenca da pre-
sidencia e satisli'ilo as oulras exigencias da lei,
avisa ao resp iiavel publico que tora sempre
ronda no seu eslabeleeimeiUo bilhetes das lote-
ras do Itio de Janeiro, cujos premio* serio pagos
|ii\iiiiplamente vista das listas cun o descont
suicute da lei.
s :Inleiros.. 2i*000
Muios... liKH
Quartos. 6*000
E em qunntidadc maior de 100^000 na raxio
de 000 por bilelc.
Manocl Martins Fiuza.
EfflPRESTIMO
Ama de leite
Precisase de una ama de lene sem filho : na
travessa do Veras n. lo, 1" andar. Nao se ollia a
preco.
Assim como
um grande sortimento le rotipa para horneas, toado paletots, calcas e coletos de todas
as tazendas e qualidades e outros muilos argos que seria impossivel nomea ios todos.
<) que o arrematante deste eslabelecimenlo pode garantir ao respeilavel publico que
sera bem servido e por precos muilo ommodos, por ter grande urgencia de esvazear
o estabelecimento, pela razio que j deu de ter de entregar as chaves em poucos dias
isto na loja da ra da haperatriz n. ;io\ que tem um retabillo com o nome de
___ SmWU 3)AS .ASAS.______
AUGUSTO PORTO & C.
11-RXJA DO QUEIM DO-11
feudo chegado nltimamente ao seu e-labelecimento grande variedade de fa-
x.endas de gosto as poem dispostcao de seus numerosos freguesas pelos mais mdicos
precos poaaiveis, sendo:
Bournous de cachemira brancos e de coces, o que lia de mais elegante para
hombros de senhora. '
Nqvos gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta de soalines, o.que ha de mais elegante para urna moca.
a,b i. K. HSqumes ^ wpere preto, novo g)sto,enlejiados deselim de cores.' Vesli-1\,%fe 'Z^Z
dos de blond com manta e eapella p tra noivas. Fronhas e loalbas .le cambraia de lindo:
Dortiadas. Lortmados bordados para camas a para ianellas de diversas qualidades:
colxas de seda e de 13a e de seda para camas de noivos.
Epipgl, hndo gorguro de laa e seda de cores, muito elegante fazeuda para
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorguro de seda braneo e de cues com
listar, assetmadas, panos, casemiras e umitas ootras lazendas cojos precos sao em geral
muite mdicos. Grande sortimento de camisas para homem, tanto lisas como bordadas
e de cores.
> P*0*011^ ***F* a ter grande variedade ue tapetes para sola, para cama e
para pianno, porcao de tapetes em pecas para alcatifar salos, e grande quantidade de
Esteiras da India para forrar salas.
Na estrada do Joo do Barros, por onde tem de
pasar os trilitos de ferro para Bcberibo, so est
retalhando um excellente terreno com grandes
fundos e diversas fracteiras, na denominada ra
da I10u : a tratar na interna ra n. 3, ou na ra
da Impera i ri/. n. 74
(SEM LIMITE.)
M travessa da ra
das utos n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
quer quantia sobre uro.
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a transaccao que se i/.er em
sua casa, prometiendo todo e zelo
I e GODSideracao s pessoas que se
J dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Fagio boje, 16 de julho, da fabrica de rap, n.
107 ra do Mondejo, o escravo Benedicto, crioulo,
deidade de 20 anuos, baixo e ebeio do corpo, um
ouco cambaio, com poned barba, fallando de va-
gar e por gnlre os denles : qneni o pegar, entre-
gue na mesma fabrica que gratificar com gene-
rogidade.
COMPARHIA PEMAMBCMA
II
OHLHO DIKEqAO
Os Srs. Saunders Brothers & C, Tasso Irmaos,
Luiz Antonio de Siqueira.
C2EREMTE
0 SE f. F. B0I1GES.
Restando ainda emitlir algumas accoes desta companhia, da quantia nominal de
-200$000_cada urna, das quaes s se aceitn em virtude da lei, 20 /- ou 40dO0O por
cada accao; ci)ii\ila-se (telo presente ao publico em geral e especialmeote aos Srs.
capitalistas e iatressados no commercio, que queiram dar empreao seguro aos seos
capilaes, disponiveis, a subscrevar o numero de accoes que Ibes approuver.
Algumas destas accijes j tem sido tomadas por pessoas" que conhecem a vanlagem,
de na presente occasiao (conhecidamente a melhor), empregarem o dinbeiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como.vapores, predios ele, que Ibes garan-
tan! seus capilaes.
A companhia possue boje 10 vapores, 6 inleiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens.no terreno puo possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % ao anuo nos ltimos i annos.
As accoes queso emittirem gosam dos mesmos direitus, e percebero o benefido
dos mesmos dividendos que os amigos em proporcao da entrada.
Recebem se assignaturas no escriptorio da companhia do sea edificio aoeaes da
Assemblea n. 12.
t'm prente c amigo do fallecido Heni ique Al-
fredo Toser, manda no sabbado do curente
pelas 8 horas da mandan, anniversario do seu
pasamento, d|r tata inissa pola sua alma na
eapella do cemiterio publico, convidando aos p-
renles e amigos do (filo tinado a assistirem a to
; pi e carolos-1 a co.
ingommadeira
Para casa de familia pjiecisa-se d'uma
mulher forra ou escrava, que engommc e
ensabe, e |iaga-se bem : tratar na ra
ra da Cadeia do R.-cife, n. 18, segundo
andar.
Na ra da Imperatrii, loja do niarcinera n.
21, tem para vender tornos completos,de ainarello,
da nova medida, a l o temo, ineios ditos a 7,
tornos de lomo, compluios, a li. ineios ditos a
00. O fabiitraiite dessas medidas >e responsa-
Ainda nao vrerain, no anirolanto o negocio
e de interesal, e precis-se fallar ama do Crespo
n. 17 eoniM Srs. Paulino Ferreira d:t Silva, ex-
procurador da cinara, Dr. Francisca Piulo Pes-
soa.
V. Poirler.
Muda-se para o largo do Panizo n. 10, onde
pode ser procurado por seus amigos e freguows,
e ahi achanto sempre para a servir. Tem sempre
stores c gelosias e correntes de todas as largu-
ras para |as inesmas, tudo segundo o novo svs-
tema usado ltimamente em Paiis. fai todos"os
coneertos com a maior brevidade e preco com-
modo.
E DE tiOVAWA.
Xo o largaremos at que..........
E' m rna Direita n. .:i3, loja de lerragens, que
se desoja tallar ao Sr. Antonio Francisco Duarte
ouseu irmao ex-deputado provincial Dr, Maxi-
miano Francisco Duarte : deve- saber quem ___
Ama de leite
Precisa-so de urna ama de leite sem lilho
roa da Conceico n. 11.
na
Precisa-so alugar urna preta captiva que
saiba engommar bem ron|>a de bomem e de se-
nhora, que sejade oa conducta : na ra da Au-
rora n. lo.
mm
O Dr. Joo Ferreira da Silva, de volta, ffi
da viagem que flzera a Paris, contina g
como d'antes no exercicio de sua prolis- 3
sao medica: em sua residencia ra lar- 1|
ga do Rosario n. 20.
50.Ra (TAssembla.50
Os abaixo assignados tem a honra de
participar ao respeitavel corpo commercial
desta praca, que abriram seu estabeleci-
mento de fumos e casa de commissoes,
nesta cidade, ra da Assemblea n. 50,
tendo sempre completo sortimento de fumo
em folha, das melhores e mais acreditadas
marcas de Nazareth e Cachoeira (Baha) fa-
zendo negocios de sua e albeia conta, re-
cebem escravos, navios e qualquer outros
gneros consignacao, promeltendo res-
trieco e pontualidade no comprimeuto de
qualquer mandato de todas aquellas pessoas
que se dignarem obsequia-los.
Rio de Janeiro 8 de julho de 1869.
Yasctmcellos & Malta.
Sublime mtilivaru Uttvraria sub o
titulo rfe Memoria dr. Hora Jess
do\Mu/ite, em Braga.
Acha-se venda na loja da ra
I do'Crespo n. 2o A, esquina da do
Oueimado, a Primorosa Memoria
do om Jess do Monte em ttraga,
ornada de gravuras finas-aegunda
edico, obra da penna de ouro do
mui Ilustrado lente da universida-
de Coimbra, o Exra. Sr. conselhei-
r> Dr. Diogo Perelra Forjaz de
Sampaio Pimentel: quem tiver no-
ticia da extraordinaria devocao que
existe em Portugal para com aquel-
milagrosisssima imagem, affluindo
sempre para o seu magestoso tem-
plo em tomara, o numeroso povo
de lodas as partes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes
descripces, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio lftterato porttiguez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-se de um exemplar da dita me-
moria, pelo dimnuto preco de 3<,
na loja cima indicada, oude j,i ha
pequeo numero dellas.
CHEGUEM
..TES DO BARATO
que est finalisando a liquidapao da ra do
Crespo n. 17 de Antunes Guimares & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos do labyrinto, fronhas, bicos e rendas da
ierra, cortes de tarlatana bordados para casamentos, corles de vestidos de cambraias
Dorclados, alpacas de cores isas e de listras, precalas ainda de bonitos gostos, casaqui-
nliosiie casemna para senhoras, saias bordadas e balos de todas as qualidades etc.
torada iiqiidacao
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos' pelo ultimo vapor.
Pompohnas de gostos especiaes, que muilo agtadani.
Gorgorees lisos de cines para vestidos, fazenda ltimamentecheeada.
Chitas afostuadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras o thapellinas de novo goslo.
Esleirs da India proprias para forrar salas e quartos.
Bons e bonitos tap*etes do todos os tamaiihos.
Tpeles avelludados para covados : e outros militas fazendas que s i vista se
e a reabdade do barateiro.
Joaquini I .reir Arante* faz sciente ao
seus devedores que deixou de ser seu cobrador
o Sr. Antonio Jauuario Cabra] dede o dia 30 de
marco prximo passado e por isso avien qde nSo
papuem mais ao referido Cabial assim cdhio se
pede ao mesmo senhor para que venba ajustar
contas, vito nao ter apparecid" e se morar eua
morada.
lous les jours a
mero 32.
Glaces ala crme
staminet ra do Imperador mi-
19Ra Nova-19
FREldRICO O JlITTIER
irurgio-denlisla, muito conheoido ha dez annos n'esta cidade, pela perfeicao dos seus
jbamos, lem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receberas senhoras no seu gabinete onde
icharo os commodos precisos para familia.
Acha-se tarabem na sua casa o na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
J. liEKOL V
oqual acaba de voltar de urna lunga viagem a Europa, duraute a qual pratiaou com
feliz successo as pnmetras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melborts
garantas do bom desempenho para tudo oque for relativo a profissito ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontraran no sea
gabinete, deposttem no dito seu sobrinho a mesma conlianca com que o tem honrado
i dez annos.
Dentaduras por todos os systemas: a presso do ar e com molas de oaro, platina
vuleamie e um inleiramenle novo nesta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturarles) com ouro c com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua o pos dentrilicios fabricados pelo proprio annunciante, u que le permitte aau-
;ar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeicao de trabalho e prepos moderados.
Viagms para foro mediante ajusto previo.
0 gabinete acha-se aberto das 8 horas da manhaa at as i da tarde de todos ds
ias uteis.
t-4^3^
n3
COMPANHIA
nos
TR1LH0S URBANOS
foi
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANCARD
COB IOOUMTO 10 FIMO IMALTCRAVCL
1PPROVADAS PEU ACADEMIA DI MEDICINA DI PARS, E1C/
fo.iilndo m propiedades d l*d al do frr, tonvem specialment ou Ancccoa
r--r.onlosAS, i Ttsica no prfaripio.a fraques*d$ twipwmw umlxwaao caso s*
rij-TA P'cflB,, AMENOKaiiKA,em que precisa aAOin sorai o tmnav* seja par restituir
i riqueza t lormae, ou par provocar regalar o eu urso period>
'.. O todnre'.o d *-
oa tittraSe ara medicamento infiel, _fS
hita* *t mimrtnr, i ir nM arlla prata reactiva *i^rl&?lfg2/$~)
tirma, 44 arii par uiwioi da un try^ZxT^-^.
ralula tarda. Deve-M corjfiat dM (fJifleapof. ^7~^~~~~
ehaaa-aaea laa aa aaareareiaa. Pk*rm*et*Hc; Ha Iwtaaarrt, 40, Pfi
A
no
RECIFE A9 OIJIMDA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas effectuaran no praso
de a das (a contar do dia ladi corrente)
a terceira prestaco de suns sec/es na ra-
zaode!0 70. Para esse im ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias nteis
desde as H horas da manhaa at s 1 da
tarde no seu escriptorio, roa Nova n. 35.
O actonisto que nao realisar a impor-
tancia da prestaeo no praso determinado,
perder em faror da companhia as presta-
fdes anteriormente realisadas. (Art. 8.
dos estatutos).
Recite, irdejunho de I8G).
Io secretario,
7A">. Jast.
Francisco do Oliveira Franco roga encarecida-
mente as pessoas do sua amizade que compare-
cam para assistironi s missas e memento que
nianda fazor na groja de Mossa Senhora do Car-
ino, pelas 8 hora da manhaa do dia 24 do cor-
rente, pelo annirersario do passamento da sua
consorte, porquaato se confessa desde j sumisa-
mente grato.
AO PUBLICO
l ni lerrive Iterado impellido pela nveja, con-
seguio abalar por algum teinpo o estabeleriinento
n modas francezas na- ra da Impcratriz n. 5,
denominada a Esmeralda. Mas o anjo da anarda.
car aos pos da Justina o genio do mal, juo (tesen-
caleira essa teinuc-lade. Brevemente se achara
o mesmo estabefetimento em maior grao de es-
plendor, sortido de todas as f.izendas do mais
apurado bom goslo, e as mais apprupriadas, se-
gundo as rigorosas lc. da moda, para satisfazerem
EITAMA OS ANANAZBS
16-RUA DA CRUZ16
8. AtfTOJfIO, 8. JOAO E 8. PEDRO.
a,?nafmente f"'timento ,Ic "olliuhos para cha, podins, pes de l, bollo inclez
p/esuntos, ditos em feambre, pastis de difiranles qualidades. Papis para Se'
bollos simples e en eitados, amendoas confeiladas e confeitos. Vinhos finos LaSa:
dos superior cha IIisson, pretoe miudH.bo, fineta em xaropes, ditas seccas fhrS-
jsadas, assucar candi, xaropes refrigerantes. uinsu
Recebe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados com
totas armares de assucar, sendo estas preferiris asdepapehlo: bollo?etc!'PS
de lo enfe.lados, qualquer encommenda para Aira ser bem acondicionada
as mais exquisitas phantasias do bello, e amavel
stxo. Presentomcnle est encarregada dos prepa-
res de costuras, modas e enites na mesma loja,
urna cxcelliite^ e perita modista, que sabe execu-
tar com peifekjo tudo|ue o sexo encantador tem
inventado para seu adorno e elegancia, e otferecc
seus servicos 'jiiem debes precisar.__________
IL
.fericaO
O arre-natanio das aferiedes deste mnnieipio
scientilica a quem ioteressar, qae o praso marcado
para as revisos das nwsnias aferies, rlnda-sc
em IS do agosto vindituro assim couw chama a
attengao dos etai>elecimeDtos que ate' esta data
alada nao aferiram.
O advacat
MkR,i de Alhuquerme Meflo mudou o sen es-
criptorio para a ra das Cruees n. 37, defroate da
typographia do 1j:
Alnga-se una escrava boa cozinheira oep-
gommadeira ; quem- precisar apparoca na rna da
Aurralo. 30,2o andar.
Devocao da Excelsa Senliora
Sant'Anua uo convento
de 8. Francisco.
De ordem do nosso irmao juiz convido a
todos os nossos carissimos irmaos para .
comparecei'em em nosso consistorio domin-
go i'.i do corrente pelas !) horas da inanhii.i,
alim de asetirmoa missa votiva e em me-
sa geral procedennos ;i leieSo dos novos
funecionarios que lem de dirigir esta Devo-
g5o no anno de 1809870.
Consistorio, 28 de julho de 1869.
0 secrtame,
Manotl da SvQ.FtaHio.
ll-Rua estreita do Rosts-11
Este novo e medesto eslal>e!ecimento, tendo aberto ao respeitavel publico e=te *!
ante e bem romeado hotel que situado n-oma posico inleiramente E
, v* ...... ,,ui"" foiv" iiJiuu.iuitfiuti saunave p con-
do cons antemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se nreferiv "
^uer ogro d'este genero, as tres cousas mais necessaiias ao ^eTSimil qL
mulo do corpo, distraco da alma, e socego de espirito. fe rRWM,~'^
_ No pavimento terreo urna casa de pasto muilo profusa, da primeira ordom ^
primeiro andar sala Je traz um restamante da prnneira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitorS %l"med
nas o delicado modo dopetsdal do estabelecimento, promptidao e c^^didad? C.
aos diestras concorrentes dado fazer justiVa. t^unearaaae, m
Fornece comidas para fra, tanto por mez como adsa. Todos os diasw i i
nooulrar-se excellenle sorvete, refrescos, caf, cha, bons vinhos F^e ra lU^
INJECTION BROU


f^^^fm
*mmmmm*


Diario de Pernambaco Sabbado 24 de Julho de
1869.
PiLULAS
ANT BOUBATICAS
Cura radicalmente as boiiks.
nico deposito.Pharmacia de Ju;rjiiim
de Alinida Pinto, ra larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao XAROPE
5 SALSA NMIIIM I) PARA
0
Depurativo do sangue
Usado as molestias do pello, impigens,
dores rheuinaticas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
Ktua larga do Rosarlo ti. 1.
Jl'XR) A0 Periuimbueo.
[ => Lni Jannario da Gama o Horacio Antonio I
Mangabeira, deelaram qu raa. araigave-
mente a soeiedade que linham na fbrica da ci-
garros o eliarutos, rito na travessa do Qa.'imado
n. 5, que gyrava sobro a liniia de Gama & C,
cando todo o activo a cargo de Horacio Antonio
.tiangaiicira, e o passivo at esta data a careo do
ex iocio Gama.
*otJlf4_i7je jolho de 1869.
A
Prccisa-se de urna ama para casa do hornera
andar : "* rUa de A****Verde n. 80, segundo
Aluga-se o grande armazem n. 9 da ra da
Jioeua, proprm para recolhiinento do genero*, por
ser tenu no desembarque : a tratar na ra do
(Jiieimadon. i;j, primeiro andar.
- unos pftwwr
#9-RUA DO CRESPO-9
Primeiro e segundo
LIVROS DE LEITTKA
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug, n. (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
veL Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\ 5 HIA l>0 CAMJfd N. S
________
ALGODO
LOJA DAS MACHIMAS
BASTOS
MACHINAS americanas do serrote de todos os tamanhos para descarocar algodao do
muito conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
'dACIIIN'AS ditas, tambem de serrotes c de todos os tamanhos para descarocar, al-
godao do autor New York Cotton Gin.
M^m'H? ,ltas d? HJo oannos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodao.
MACHINAS de facao do fabricante Platt B. C, Obdlian PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao do superior qualidade e as melhores que tm
\uido ao mercado ; e para a sua apretnelo convidam-sc os senhores agricultores "
virana expsito das mesmas na ra da Cada do Recife n. 50 A, loja do Bastos, onde
encoutrarao mais o seguate:
Criado
Precisa-so de um riado lid e activo, para casa
de pouea familia : na ra do Imperador a, 73, 2"
andar.

Cosiuheira
i m.
i 500
200
PELO
i. ciaa-se de uaia boa cozinlicira para casa -.-
i'in soltetro : na ra do Qneimado n. II
Preea-se de
77.
urna anta : ua na Augusta
Caixeiro
in rapaz pnrtujtaoz de 13 anuos so offerece
para caixeiro de taberna, por j ter pratica : a
tratar na iua Augusta n. 31.
l'iveis-i-s.: lallarcom o Sr. Mahoel Jooquun
Lopes do Carvatho, a negocio quo niio ignora:
na ra da Oid.'ia n. f>?.
AMA
Precisa-so de nina tm para o soi -. i. nloino
de una casa de familia : na ra Augu>t n. 29.
Ama
Precisa-so do urna ama para cozinhar e ^pmpra'
para caea de pouca familia : na na das Graae
i). 28, Io andar : prfifere-se escrava e paga-sf
bem agradando.
Msica
O prolessor de msica Candido Quintino Itedii-
gues Lima, dispondo de algumas horas que podem
ser aprovcitavcis par alguem, vem por meio do
presente olW'ver seos prestimos ao publico desia
cidade, tanto no que diz respeito a sol vejo como a
llanta : a diripir-se na ra Augusta n. 29.
Dr. Abilio C. Borges
SEUIHDA EDICAO MUITO MELIlOiUDA
E AUGMENTADA.
iEsles livros, os pii ttulos appareceram no pan, sao compos-
tos segundo uig sytema natural, philosophi-
co e ameno, que facilita aos meninos o co-1Gaixas redondas emitando
tihcrimcnto da leiluia, Uornando-lhes menos
penoso os pritneiros passos na vida litte-
rana.
Reconnneiida-os ao laclo de havereni sido
adaptados em qpBsi odas as provincias do
imperio, e e*n tal acceitaco, que emdous
annos, so acliou esgolada a U edicto de
10,000 exomplares.
PRECO
l. livro de leitura..... 500
2." dito de dita........ 20000
Vende-se na livraria frauceza, ra do
Crespo n. i).
A Lio-arta Fianceza.
Acaba r?e recebar, de Pars pelo ultimo
vapor um lindo e variado sortimento dear-
tigos de fantasa proprios para presentes,
assim como guarpa joias, porta boquets,
caixas com perlences para costura, tinlei-
ros, albuns para retratos e para descuhjs,
papelarias de lax, etc. etc-
9-ra do ai::spo- 9
2-villO
;>;uo
,5240
fJGOO
,Ji500
1^500
^500
,$500
Hesa da seuhara Suil %uu t
Por ordem da mesa regedora da senhora
S. Anua, erecta na igreja da Madre tle
Deus, convido a todos os nossos irmos
para se reunircni no'domingo 25" do cor-
rente as 10 horas da manhiano consistorio;
da dita igreja am de alegar a nova mesa
regedora. Recife 21 de julho de 1800.
0 escrivo
tanoel de zeoeo Ponics.
< abaixo asignado, coosenhor do sobrado u
Poco da Pauella, vendo con) srpr'eza que se man-
dou aununciar para ir a Icilao no dia 27 do enr-
rente o dito sobrald', declara pelo presente annun-
co (pie n'i autorisou aos olros dous herdoiros
a darsemclbante passo, nao s[i>n|ue tendo per-
tencido o snpradito sobrado a seus inui prendos
pas de saudosa moninria, nao poda o abaixo as-
signado consentir (po o me.-nio fosse vendido em
iraca publica, como tamben) nao vende a ;iua
parte, nem deu procuraeao a pnsaoa algu.i a para
vende-la. Alm do que vai j requerer no jiilz de
orphao<, mostraudo a inconvoniencia da venda da
parte dos orpbfo. Recife 23 de julho de 1869.
_____ Gervasio Pires Ferreira.
Debulhadores para milho.
Cylindros para podaras.
Arados americanos.
Carriuhos de mao.
Machinas para cortar apim.
Camios de chumbo.
Bombas de*Japjr.
Ditas americanas.
Tedias de Ierro galvanizadas.
Folhas de Kpeo tinas.
Ditas de cobre e lato.
Ferr de todas as qualiddes.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Ralaios e cestas le verguinha.
Vassotiras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente mudos potros artig
dversidade seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de maduira ditos.
Temos de bandejas linas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para pada as.
Baldes galvanisados.
porrntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinlios para iclinaces.
Azetede espermaecte, proprio pata machi-
nas de todas as qualiddes.
Sorras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertenas para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes i lavoura e artes, que pela
Ama
Crd.
Precisa-i-e de urna criada, para andar com crian-
cas e lazer mais aleara servico : na ra do Quei-
mado n. 3"), entrada pelo la'rgo do Pedro II, se-
gundn'andar.
Caixeiro,
Preeisa-sc do um com pratica de taberna : na
na da Lapa n.!.
Precisase de nma escrava para cozinhur e com-
prar : ua na de S. l'rancisco n. 5'.
Attenpo.
/! CARVO DE BELLOC
Pretisa-sc fallar com oSr. Jezuino Machado Ma-
Iheiros Braga., no largo do Corno Santo n. ti. se-
gundo andar.
Aluga-so uii.1 casa e basiaatis eommodo
para urna grande laojilia, na Illia do Retiro : a
tratar na ra da Oof n. o.'i.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. i compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por pi ecos mais vantajosos do
que em outra qualque' parte.
PARS
,!fP.?T t ? .'enmendado pela Academia imperial de medicina de Pariz para a
cui < da gaatralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos
h <-gualn^nt o remedio por excellencia cofttra a relenco de venlre. Finamente pm
rf;. t SrS j"Pn<-Jladies.^rvenles, i recommendado como verdadero remedio nos
ful L a 6 ch0I,en"a- "'* "eI- toma- na occasiSo das comidas
sot) a orma de pos ou de past.-Hjas.
Jtepoiito em Rio-JiSEino, DupoiuhclU; Chevqlcl. Em Perswecco, tainrr k C.
MARTIMOS
CONTRA FOCiO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
aesta prava, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Ao commercr
O Dr. Antonio Jos de Aleovias MMndA sentemente ua 'ciJade de Macei, offerece sapa ser-
vicos nessa cidade e seus arredores aos negocian-
tes desta praca, sncarregando-so da cobranea de'
qnalqucr divida ; e qnanto garanta dos "eapi-
l.ics. ow pocsa arrocadar, o interessado dirija-se
rna da Cadeia do Reeife n. 18, 1 andar, que
achara quera o-abone siliMactonamenle.
i'rec isa-so de dous Atosador s, sendo um
para ni'-slr- de rnasseira : nt ra da Seiuala-nova
n. 30.
iNa pra?a da Independencia n. 33, loja de ou-
uves, compra-se ouro, prata, o pedras preciosas, e
lambem se faz quatquer obra de oneominenda, e
todoe qualquer concert.
- COMPRFSE"-
moedas de ouro e prata de todos os valo-
res, ouro e prata em obras inotilisadas, e
brilhantes e mais pedras preciosas: na lo-
ja de ourives do arco da Conceico no Re-
cife.
Comprarse
ferraba de mandioca da trra : na rna do Com-
mereio n, 17.
Compra-se urna prota que saiba coainh&r,
e tambem compra-se um negro do moia idada : aa
Praca da Independencia n. 39.
Ra do Q> ,n, 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Maia e Silva conhecido por
Jos Bigodinlio.
Est queiinando tudo quanlo lem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Gnalas coro agua florida ver-
dadeira ......
Garrafas comagoa'dtvina da me-
Htor qualidade .
Latas com superior banhafran-
ceza a"......
Caixascom l frascos de cheiros
prnptio para mimos .
DilacomjO frascos mudo finos
Oleo baboza milito no que s
a vista ......
Jabonetes de catanga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pecas da babadinho com 10
varas .....
tar-
taruga
Pecas de fita de eos qualquer
largura i ..';.' .
Bscdvs para unhas muito fi-
nas '.....
Escovas para dentes fazenda
muito m>a .....
Pulceiras de cuntas de cores
para meninos .
Caixas de lirilia branca do gaz
com 50 novellos a .
Gaixas de liaba branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas fino ;i......
Pares de boldes para punhos
muito bonito .
Libras de la pa- a bordados de
de todas ; s cures .
Pentes com costas de metal
muito linos .
Novellos de liaba muito grande
para croxs .
Dnzia ile liohl froxa para bor-
dado ......
Grosas muito lino .....
SbohaU muito finos 60, 120,
DiO, 240 e.....
Pecas de fita de laa todas as
cores ......
Espelhos dotirados pata parede
1:5000 e.....
Espelhos de Jacaranda muito
fino a......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com i fo-
lhas ......
Cartilhas da doutrina as mais
modernas .
Frascos de sndalo e patecholy
IJELIO
Grane
lja de .(tondas e roopas feites
ra da Impmfnz n. '2,
porta larga,
muito finos
200
800
600
5040
4000
di 20
8000
320
320
i 80
500
320
500
1500
2000
060
320
I 500
400
15200
Sdalas de \$ e 2S
Compra-se na casa de Theodoro Simn
- C, largo do Pelourinbo.
GOMES DE MTTOS IRMOS
tendo^ feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e qom especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RUA DO CABUGA N. 4
omle eucoiitrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo eme em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
ohjectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia o pedra preciosa e garantem
.a qualidade dos objectos vendidos.
AiTOCAO
Comprase fariha de mandioca da trra : a
tratar na praea do Corpo Santo n. 2!, segundo
andar.
VENDAS.
A loja de louca, vidros, porcelana e
christaes, da rna do Imperador n. 46,
alem do esplendido sortimento que tem
destes artigos, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
prios para podins e pastelons, cafteiras
etc., etc., tudo por precos mais cmodos
do que em outra qualquer parte. Tambem
figuras, vazis, pinhas, lioes, globos, e bolas
panorama, tudo proprio parajardins, e cn-
faites da cazas; roa do Imperador, n. 46.
Neste i'>ial)clccimento encontrar o res-
peilavei publico um bouilo sortimeoto de
roupas e fazendas de todas as qualiddes e
precos commodos, I. ni samprc mu bonito
soriimento de oaseni'as de cores e [retas,
patee Sao do diversas tptal.dadi s, briol da
bonitas cores e brancos de boa qnalidade,
encarrega-se qualquer obra por medida c
prefo muito commodo.
ROPAS FETAS
na loja da ra ila onpenitrj n. .";_>, perla
larga.de Paredes Poilo.
Tem neste e&Ubetecnento um bonito
sorhmento de roupas (titas do dvej
qualiddes c precos connnodos, como seiaa
palitots da alpaca prela a de corea a 3,
!>5 0 e 4; ditos de panno preto sacos a
''. "i v ':,: 'Idus de panno superior a
12, I4 c 16; ditos soljiecasacados de
dito dito a 18-. 20 e lo* ; ditos de* case-
mira de cor a .V,. 6;$ e 10: cairas, colletas
e palitots de casemira muito lina de cor a
20 e 2."?; calcas de brim branca de cor de
(odas as qualiddes de -.'> a C; ditas de
casemira prcta c de cores de l al m;
colletes de (odas as qualiddes; ceronlas de
bramante a I 1906, 2000 e 2500 ; camisas
francezas de linho e de algodo de todas as
qualiddes e preco mais barato do que em
outra qualquer parte; colariuhos, gravatas;
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a (!) a doria;
e pechincha neste estabelecimenlo pelo
grande sortimento: lodos os fregtiezea so
poderao prover dos ps al a oabaca p preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como seiam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madspoao
fino a 7, 8 e (0 a peca. Algodao (pe-
chincha) a BC00 a peca e cubas qualid-
des. Cambraia branca de todas as quali-
ddes transparente e Vktoria de 3K( 0 a
8 a peca. Lanzinhas de bonitas rres, al-
pacas bonitas, seleca a peca cem 8 metras
a -'SS000. Ksguio o mais fino possivcl a
a00 e 3 a vara, e oulras militas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LESO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.
UTO BARATO SE VE.VDE 11
NO
Libras sterliuas
Ha para vender em casa de Amorlm Irmos A
d. rna da Cruz n..'}.
Vend' -se
a-taberna da ra de Hortas n. 4.3, em virta-
de de seu dono rctirar-se para fra : a tratar
na nvsma.
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa muito nova : na ra do
Cabng'n. 18, armazem Flor do Progresso.
Milho novo
Vendem so saceas eoin milho novo a 7,
nheiro visU : no armazem da Companhia
ninoueana.
a di-
Per-
OIMIA.
Vende-se urna ovelha, muito gorda e
mansa, e nova, pois que teve apenas um
parto; dirija-se ra das Cruzes n. 20 se
cundo andar.
Librase ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceico na loja
Vurves, no Recife.
Aproveitar em qnan-
to duram._____
Balfas de mnsselina rom peorreno tofpie demo- da Haa-Vistn ji.'ss.
fu a 3 e a DoOO, fazenda superior.
Espartilfcos 2( o 31, consa nunca visU, s
no triumpho Oulras inuita-; fazendas |iie se iur-
ram per todo o preco, ma do Qaeiinado n. 7
Escrava venda
Xa na do Ho*picio, portao de frro, n. 64, ven-
de-se urna mulata moca qae epgomma, lava e co-
zmha.
nma taberna na ra da Senzala-nova n. 6, com
urna armagao nova, o poueo* fundo*, propria para
nm principiante : quem pretender, dirija-se roa
da Lingoeta n. 2.
SANTO ANTONIO
A,caba de chegar grande sortimento va-
riado de louca da villa do Cabo, neste novo
deposito ra das Cruzes n. 2; Os fre-
guezes que ce queiram prover, compare-
cam que sero satsfatoramente servidos.
0 motivo de faltas de algus objecoa/
por motivos bavidos e razoaveis as circuins-
tancias occorridas no fabrico.
A declaracJo superflua, com a vista
sero satisfeitos do que fia.
-----------------------------------------------------------------------------------^j_
Bilhar
Vende-se um bilhar moderno com seus perten-
ces : na ra do Hospicio n. 38.
Ao povo, s mais de familia e ao
commercio
O novo systcni.i
PEIOS B MKDIDAS EXPLICADO AO POVO.
Facilita a qualqoer pe^soa o conhecimeulo do
systema mtrico em relacao ao nosso antigo sy's-
tema ; usina o modo de se conhecer os pesos e
DWafdas : indica os meios de fazer as reducoes ;
e mostra a diirerenca dos precos, o que "abso-
luiamente necessarlo a quem nao qnizer ser Ilu-
dido em clculos d'essa ordem. E' um folheto de
l paginas pelo diminuto preco de 400 rs., aflm
de estar inteiramente ao alcance de qualquer pes-
soa. "
A renda na rna do Imperador livraria Acad-
mica e cn^aderaacao Parisiense, na ni a Nova ns.
9 e 39 lojas; roa do G espo toja do Gallo Vigi-
lante ; rita da Qneimado Agnia Branca ; rna da
Imperatriz n. 13, azar Acadmico; ra da Matriz
NOVA N. SO ESQUINA DA DC SAN-
TO AMARO
Os propretaros Jos de Sou/a Soares A
C, alm dos baralissmos precos por que
eslo vendendo a grande variedade de ai ii-
gos de moda e novidades de bom go.Mo,
tanto para homens como para senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
branco para homens, fazenda lina, a 10(91
(o preco 14:5000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novdade a 45'00. -_..
DITOS sem enfete c de delicados mol-
des, sendo de seda imitaco de cabeD03
a 3 e Wm.
MEIAS superiores inglezas para homenf.
a duzia de pares 7.-5800 (o preco c de 99
a 10,5000). F
LEQUKS de madeira sem diferenca do
ndalo a 2?5000 e 2J800, (grande pechin-
clia I)-
DITOS com lentijoulas a 30 e 450OO.
BARALHOS de cartas francesas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pcete ot-r
1,5000. ^
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade em Pars) a
2500 e aloro.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente enfeitados a 6^500 rs. (admira t>
preco!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como mudos ar-
tigos de novdade e de apurado gosto que
se vende por precos baratsimos
\o Bazar da Moda.
Vendem-se 3 escravas de idade de 18 a 28
atino?, teem habilidade, mas querem ir para enge-
nho, i .lita de idade 18 annos, cose, eogomma e faz
Jabyrintuo, 1 dita perita engommadeira e cozfneei-
ra : na travesea do Carmo n. 1.
Vende-se um moinho.'nma banca de picar
fumo, papel do seda, tudo em bom estado : na rna
do Raiigel.armazom denominado a Independencia,
numero 3.
---------------____________......
VEJNDE-SE
urna cama de Jacaranda com srmaeo, muito bem
feia, por eaiomodo pre^o : na na da Impratiiz
n. J8, loja.
Loga do Triumpho,
Attenpao.
Na ra ireita, taberna do
vende miiho o feijo u.jvo ni
talO.
no, re
Vcnde-e am,. sitio nos Remedios, ou permu-
ta-se por una casa pesia praca : os pretendentes
dirijam-so ra do'Caldeireiro n. 42.
Vende seum ptimo terreno no lugar
denominado Cinza, distante da cstaco de
Una 2 o mea leguas, com 75o bracas de
frente e 800 de fundo, demarcando com os
engnhos Estrella d'AIva e Estrella do Nor-
te, lodo em malta virgem, com oxcelentes
madairaa-: tratar na ra da Praia n. 14.
A\lvl l.
Para o armazem do Campos, na roa do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimenlo -
acba se constantemente um variado srtv-
ment de gneros linos para meza o
cosnha e entre estes nomoansc apenas as
espeCiabdadoS segun'es:
Queijos do sert3o sendo de manteiga o
coalba.
Camarai seceos do Maranhio.
O verdadeiro caf de Moka,
0 superior e bem eonheeidopeixe m!t aguato
que se vendo a 160 a libra e 4*500 *-
arroba. <,
TABELLAS
de reduces as mais facis o mais coia-
prehensivo., tudo no
Armazem do Campos
Scbmete, de ftltardoT
DB
Antonio Nunes le Castro.
Esta acreditado preparado, i me t3o br-a
acceitaco tem mereeWo n'esta provincia,
nstnto se recommenda para a cura crta
daa imprgens, sarnas, caspas e todas A
molestias de'pella.
Deposito ani.'o.
PharnMcia de Barthotomm 4 C,
34ra larga do osario34.

tes de mea cassemira de cor e preta
cousa boa, #* a^ooo o cortu: na ra do
Commercio n. 7, primeiro andar A ejlaa-
ntes de (crra.;era, 27 "do corrente!
Vendem Arjgiisto F. d
Oimmereio. h. 4f.
Tfnacm'so
ra : na tnvassa do Qitcfma'b n. |S
Maia & Landelino,
m


6
Diario de Pei-nambuco Sabbado 24 Je Julho de 1869.


I

I1


GRANDE LIQU1DAC0
HA
LOJA
DA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz.-
72.
Alerta freguezes
que Arara vai cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 proprictario deste estabelecimento, teado grande potvo de fazendas em
*t, vai proceder urna (iquidaco em todas as Aneadas o roupas feitas existentes no
wstabelccimento, agora que occasio de qucm tem pouco dmheiiv) poder se vestir ae
boa fazenda e baritissiraa como se poder ver no aturando abaixo mencionado.
MADAPOLO BAHATO A 3)500. BRAMANTE PARA LENCES A 2.
Vende-se pecas de madapolio enfestado Vonde-se bramante com 10 palmos de
d.> 12 iardis 3,-5300. dito de 2'* jardas ou largura para fences,
tu metros 3-3, 6$, 60500, 70300, 8>l)00 e
sooo.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francesas para -esti-
*}>>s a 239, 320 rs. o covado, ditas escaras
niito finas 3GD rs. o covado.
C'halin milito Ouo 8D rs.
Vende-se chaira para vestidos io senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A lGRS.O COVADO.
Vende-se percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado.
Brllhautinas a -i a rs.
Vende-se briihantiaas ou inursulinas de
cores para vestidos de souhoras 440 rs. o
covado, lazinhas muito linas pira vestidos
do senhora i 400 rs. e 500 rs. o covado,
litas de quadiinhos 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 3(50 RS. 0 COVADO
Vende-se riscado fraucez para vestido
de senhora 300 rs. o covado.
Liasinhas adlO rs. o covado.
Vendi-m se laasinhas para vestido de se-
, ahora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas i 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de merino *.
Vende-se chales de merino eslampados
20 e26300 cada um, pira acabar.
CORTES DE LAS ARERTOS A 0400
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora, 25400 cada nm.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestios
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de listras 700 e 7G0 rs. o covado.
Chitas prussianas 3ttO.
Vende-se chitas prussianas do listras de
ores muito bonitas a 3G0 rs. o covado.
CHITAS PAUA GOBEHTA A 320
Vende-se chitas iucorpadas para coberta
i 320 rs. o covado.
Balos de a 30 arcos
1500.
Vende-se balees de 20 a 30 arcos
1)5500 cada um, bales modernos brancos
jBde corea 55.
a 20, a vara.
PEGAS DE ALGODaO A 40.
Vendem-se pecas de algotKo muito en-
cornado i 3, 50, 658000 7-5.
Ctsiei'iiih* econmicos a 32
diizia-
Veode-se colerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande porfo.
CASIMIRAS DE CORES .
Vende-se cazemiras de cores para ftalsa
e palitt &-5 2-yw e 30 o covado,
Algodo enfestado 1 <.
Vende-se algodo enfeslado proprio para
lences c toalhas, 15, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
homem e menino, i 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imitaco de ganga a 3G0
o covado.
Algodo de listras a 300 rs.
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A G40 RS.
Vecde-sc cortes de J brim castor para
calca de hornea), 040 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA V1AGEM A 10.
Vende-se carteiras para viagem 10
cada urna, cobertores de algodo 15500
cada um.
Cobertas de chita lSOO
Vende so cobertas de chitas de cores
10800 e 23, cada urna.
ALGODAO TRANCADO BK El'AS LARGURAS A
15201).
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
Mantas para grvala rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 25500.
Vende-se atoalliado pardo para toalhas
de mesa 25500 a vara, toalhas escuras
15. cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
J*. 45 RA DA CADEIA M. 45
DE
ms, ftio & &
SOB A DIRECCO DO MIT O HBIL ARTISTA
Launano, alfaiate.
Os propritarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter nadireceo do sua ofcina de roupas por medida, um artista perito, tem
contralado o Sr. Ludano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem.o mesmo estabelecimento um bom sr>rtmemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de er, indos padres, completo sortimento de
pannos finos, preto e do cor, casimira preta, grande sortimento de brms brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorgurao para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo andfrum variado sortimento de roupa feta, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nlioras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalnado,
bales de diversas cores o modelos, cambraias, malas para viagem, e outros mudos ar-
tigos que a modictkde de seus precos incita a comprar. ^
A ra da Cadeia n. 45
Grande o completo sortimento de machinas para
descarorar algodo de nova inven cao chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
Dent de Oliveira Braga & C, na ra Dircitan.
53. Garante-sc que a mellior (|nahdade que at
o presente tem viudo ao mercado : aeuam-sc em
exposiiao aoscompradores.
* Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
grammos de melliur coniprehensao dos qoo fem
vindo at o presento, assim como marcos de lalo
ate meio grammo pelo mesmo interna, balanras
de lato do torea de 5 a 20 kilogrammos, metros
do madeira e de laiaoj>ara medir fazendas, alm
de grande sortimento de miudezas c fcrragens de
todas as qualidades, ludo por precos qne s a vista
faz crdito : na roa Direila n. 53, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga JtC. ______ j
45000
500
RIVAL M m
Ruado Quemado ns. 49 e 57
tojas de miudeMaz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de scus esabe-
lecimcnfospor isso queram apre-
ciar o que e bom e baratissimo.
Peras de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
I #500, 2:5, 3;? e.....
Carcaj de linlia com 50 novellos
Pares do sapats de tranca fa-
z$> la nova a......20000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a. .. 15500
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........35800
Tramlas do Porto fazenda boa
e pelo prego melhor 100 attos a 5200
Livros de misses abreviadas a 25000
Dir/.ia de baralhos francezes muito
finos a.25400 e.....'580C
Silabario portuguez com estam-
pas a ......' .
Gravatas de cores e pretes muito
finas a ........
Cartoes com clcheles de lato
fazenda fina a......
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a...... 1
Caixas com penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e .
Cartoes de liaba Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linba Alexandre de
70at200a......
Caixas com superiores obres
de massa a......
Duzias de agulhas pora machina
Libras de pregos franceaes d-.'
verso tamanho a. .
Livros escripturado para rol de
ronpa a. ..,.".. .
Talheres para meninos muito
finos a. .
Caixas com papel amade muito
fino a.......I
Caixas com lOOenvetopes muito
tinosa........
Pentes volteados para meninas e
NOVIDADES
0320
5500
5020
5500
5000
5100
5ioo
5O40
a^ooo
5240
0120
'#2*0
0700
0600
LOJA
DO
GALLO VIGILANTE
lina lo Crespo n. 9
Os propritarios deste bem conliecido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinbam cx-
poslos a aprccjaeao do respej/avel publico, man-
daram vir e acatara de reeebcr pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
tinas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
li resolvidos a vender, como de seu coslume,
por precos mnito bar'atinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muitrf vperiores luvas de pellica, protas, brao-
cas e de mu lindas cores.
Mu boas e bonitas gollinlias e punhos para se-
nhora, neste genero o que lia de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras. .
Superiores trancas pretas e de eores com yidn-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes protos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderara por 30000
a duzia, entretanto qne nos as vendemos por 20,
alm destas temos tambem grande sortimento de
ootras qualidades, entre as quaes algunas muito
finas. T ..
Boas bengalas do superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o quo de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbjeotrahos de cadeia e
de outras qualidades. __ : *
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga pararazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vei tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintbo.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das memores per-
fumarias e dos memores e mais confiedlos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulso^ e
facilitam a denticao das nnocaptes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
Msica
Grande liquidado de instromentos para
msicas militares, 20 e 30 por cenlo menos
que em qualquer outra parte, se vende no
BAZAR DA MODA,RA NOVA N. 50,
ESQUINA DA DE SANTO AMARO.
Baixos, clavicornes, trompas,trombones,
trompis, cornelinos, pratos finos e ordi-
ufiiios, tringulos, flaulins, diapazios, tim-
bos, boc?es de marfim, cltristal e metal cla-
rinetos, msicas para pianos, methodos etc.
Tudo em perfeito estauo, garanle-se, e
do primeiro autor Gantrot Aine, de Pars.
S he pechincha l!..
BORDEAX
Na praca do Corno Santo n. 17, escriptorio de
Joaquim Rodrigues Tavares de Meti, vende-se o
excellente vinhoMdoc Vieox Extra o melhor
qne vem a este mercado. o mesmo escriptorlo
ha para vender chapeos de chile muito finos.
Exlraclum caruis.
Este producto alimentacao para doentes, mni
apropriada para crianzas, e para as pessoas saa<;
indispensavel a todos, porm principalmente aos
viajantes, que terao nelle o recurso de poder
ter alimentacao de carne fresca incorruptivel, e
que com facilidade se aprompla e se conduz, por-
que n'um pequeo volume carrega-se alimentacao
para muito lempo. Sobretudo cliama-sc aatten-
i;ao dos Srs. de engenho que eacontrarao no EX-
TRACTUM CARNIS o recurso de altmcntaeao agra-
davel, hygienica e barata para seus fmulos e seus
doentes.
Este producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. Ubaluba, no Rio-Grande do Sul,
que acaba de crear um deposito nesta cidado em
casa de Jos Victorino de Rkzknde A C, ra da
Cada, eseriptorio n. 52, 1 andar, vendendo-se :
No deposito ra da Cada n. 52.
as pharmacias dos Srs. :
Manoel Alves Barbosa, mesma rea n. 61.
Joaquim de Almeida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, a praca da
Boa-vista n. 32.
N. B.As latas que contm o extracto trazem
urna guia para seu uso. _______^^^______
opnhnr-K a 0320 Ie3 que delles precisarcm, vir ao deposito do gallo
sentioras a. #>= viente anitile semnre encontrarao destes verda-
0 Garibaldi principia
Certamente ha de agradar,
Que pelo prego que vai vender
Ninguem o pode igualar,
O proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vel pub ico e seus freguezes, que tem recebido grande sortimento de to**JJ
constantemente rec-bendo por todos as vapores que chegamdi.Europa' vo wrtimen-
te de fazendas da moda, e que vender por preco ma.s barato de que era ou ra^ qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 56, de Louienco
Pereira JJendes Guimar3es.
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas de cores fi-
xas a 280, 30 o covado, ditas matizadas
escaras a 360 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 3#500.
Vendem-se pecas de raadapolao enfes-
ado a 35500, dito inglez de 24 jardas a
55, 05, 0:5300,75500,85, e 105 a peca.
ALGODO TRANCADO A 15200 0
METRO.
Vendem-se algodao de duas larguras pro-
prio para lences e toalhas por ser muito
largo, a 15200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARALENC0E4A 25 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 24* vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de noroe amzonas, para vestidos tie se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja do Garibaldi.
'AOSSENHORES DONOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha amas casemiras
de listras muito eocorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ter muito largas, preco a 25500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 15 A VARA.
Vende-sa algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 15 a vara.
.ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 re. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
50O rs. o covado propria para vestido de
enhora.
HAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35500.
Vendem-se. chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 35500 cada um.
BRIM HAMBRGO A 85000 A PEQA.
Vendem-se pecas de brim Uzo de Ham-
borgo com 20 varas a 85, 95 e 105 a peca.
Cortinados para janellas a*.
Vendem-se cortinados para janellas a 75
o par, ditos par? camas francezas a i 45 o
cortinado.
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 5500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 5320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 5160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a....... 25500
Grozas de botoes do lonca muito
finos a........ *60
fiaugas para eal^a a S* rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado. L
I.aslnhas de quadrinhos a
IO rs.
Vendem-se lasinhas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em 15a de bstra
para vestidos de senhora a 640 e800rs.
o covado. ^
CORTES DE LAA A 25460 RS.
Vendem-se cortes de la de hstra arpa
vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se 15a chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
C asentirs para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escaro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3/i covados d urna calca para ho-
mem pelo pr>co de 25500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
SOO rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 15500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
15500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 15200 o metro.
BALES MODERNOS A 55000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 55 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A.10#.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
105 e 125, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
vigilante, aottde sempre encontrarao dest
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se vndenlo com um mu
diminuto lucro. .
Rogamos, pois. avista do3 cbjeetos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7._______________
A NOVA ESPERANZA
21-= Ra do Queimado = 2J
Advertencia!
A Nova Espercnca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, c como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est i esolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, c os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo t5o opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nio
falta aonde e a quem...
Elle quere ella qner
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perleico, e ella (loja da Nova Es-
perance) quer sempre dividir com seos fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alem do grande sortimento que j tinba,
acab dereceber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos d*
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Pspeis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo eom
pengerites e sem elles.
Botfies pretos com vidriBtos com pingen-
tese sem elles.
Luvas de pellica, eamurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperola, mar-
fim, osso e faia.
EspartHho simples e bordado.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, 'na
Nova Esperanca.
Collares anodino cileciro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor dnvtda, de qne moho.
cellares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-oi)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanc, porm
que detesta a flsificac3o principalmente no
que respeita ao bem estar da homanidade,
fez urna encommenda directa deste collares
e garante aos pas de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean*
Cas tem salvado do trrivel incommodo dt
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu*
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entlo ser ei-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accrernta-
da fabrica de Bisquit Dubouch de C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consuramo do
AGOTA DQUBO
E' por certo para admirar que existipdo
em urna ra de progressos, urna loja com
um completo sortimento de miudeas finas,
e nao tenha anda por este Diario pa-
tenteado a todos seus freguezes, o seu
agrado e smceridade, a sua vigilancia, e os
modas do seu basar.
Esta ra a prodigiosa ra do Cabug,
e esta loja a antiga loja daaguia d'ouro
urna das mais sortidas neste gener, e que
desde seus principios osa deste modesto
titulo; modesto porque nunca foi estampado
neste jornal, e modesto porque muitos o
olvidarao, por haver igual em urna casa de
pasto, no entretanto como temos direito
de antiguidade, vamos destinguir o nosso
com algans annuncioa, para o publico saber,
que a verdadoira aguia d'ouro
urna loja de miudezas a ra do Cabug n.
1 A, onde se encontrar um completo sor-
timento de miudezas finas, e por menos
1 0|o do que em outra qualquer parte, como
sejam:
Guipeur com urna e duas larguras preto e
branco, fitas largas de todas as cores e
com vistas.
Um completo sortimento de enfeites para
vestido.
Fronhas com diversas nscripces.
Enfeites para cabeca.
Caixinhas de Jacaranda forradas com seda
e com espelho na lampa, com a compe-
tente chave, proprias para guardar
joias-
Entremeios transparentes muito finos e de
todas as larguras.
Albuns finos para 50, 100 e 200 retratos.
Binoclos de chagrem e marfim cousa muito
superior.
Espelhos dourados proprios para sala.
Um completo sortimento de leques de todas
as qualidades.
Um completo sortimento de perfumara
de todos os autores.
Luvas de Jouvin constantemen e frescas.
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
genero que tudo se vender da forma per-
mittda, na ra do Cabug n. 1 A, aguia
d'ouro, de Custodio Bento,
PASTIL1L4S ASSICAKADAS
no
DR. PATERSON
De blttiuuth e magnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a cgesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO' ESPECIAL.
Pharmacia deBartholomeu C.
34-----Ra larga do Rosario^-34.
RF POPULA
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado urna porgas des-
to ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
priaceza de Lisboa por ser de agradare! perfume.
E' fabricado com superior, fumo e pelo melhor
systhcma conhecido, tendo tambem a vanta'gem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidades as pravas da Bahia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolhido, e provavelmente aqui tambem o ser,
logo que sejajeonhecido e apreciado. Acha-se
veuda por preijo commodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
eseriptorio de Joaquim Jos Goncalves Beltrio,
ra do Commercio n. 17.
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa
commercio n. 32.
de Th. Just, ra do
Na ra Nova n. G0, armazem da Liga, vendem-
se gementes novas de hortalice? e flores.______
Agulhas
para machinas de costura de Grover & Baker :
vendem-se na rua'da Cadeia do Recife n. 51, i
andar, a ti a duzia.
MASSA c XAROPE
DECODEINADEBERTHl
PrtconisadOB por todos os mdicos contra os I
OEKLXOS, CATHARROS, TODAS AS|
1RR1TAC0ES DO PEITO.
N. B. O Xarope de Codna q* mtrecio a I
honru, alia bem rara entre ot Medieamentotl
novos, de ter regittrado como um doe medica-1
mentofficiaa do Imperio Franeet disftnial
qualquer elogio.
AVISO. Por causa da reprehenslvd falsi-l
Acacio que lem suscitado o felii resultado do I
Xarope e massa de Bcrth somos Toreados a I
lembrar que estes medicamentos tad just amen tc|
conceituados sd se
Tendera em caixin-
has e frascos levando
a assignatura em
frente
i6, fue de coles, e na Pharmacia Central I
de franca, 7, 7lne de Joug, em Pars, e em|
todas as l'lmrniacias principies do Dratil.
Taheas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicac5o as creancas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu & C.
341Ra Larga do Rosario3-1
BAZAR UNIVERSAL
ORa NovaSO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicSo servidos a electos para almo-
50 o jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batervos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balando,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros, gaz, baldes americanos, guar-
da comidas, brinquedos para crianzas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para eseriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
t.\.0ERM^
AtKiivV/cuu St. \'
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
deis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de recffber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior ;
assim como binculos de urna a tres mudan-
zas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invenco ; duquezas, vienezas de ft, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa. g
Nfto mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposifo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparaces
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1(5000 cada frasco na
IHMi MMIH. 51
1* AMPAR
Potassa da Russia
a mais nova no mercado, a preco raznavel : na
ra do Commercio n. 13, armazem de Manoel Tei-
xelra Basto,
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DI
Barlholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
ATTENCAO
No armazem de David Ferreira Baltar, roa do
Brum b. 92, ha venda os seguintes gneros por
precos razoaveis :
Bolinetcs debtanlo
proprios para barcadas c hyates, muito superiores.
Vinho do Porto
em caixas 'de duzia de carrafas, e em Darris de
dcimo, do Porto, muito tino.
Farinha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Podras de lonza
muito proprias para lavagem do louca em co-
linhas. ______^^^^
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposicSo e variedade
de outras qualidades, finos ; encontra-se no hotel
Central de Francisco Garrido, rna larga do Rosa-
rio n. 37, i' andar, e ra estreita do Rosario n.
4 A. Vendem-se a retalho e em grosso.
FIMO) Di SUCIA
No armazem pintado de verde, sito a ra
^Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se
Inferior madeira de piho 'da Suecia, com
3 polegadas de grossura, 9 de largura, e
14 pos de comprimento a 3)5000 cada ama:
tahuas de forro a 80, 90 e 10^000 a duzia,
pinho americano de resina a 200 rs. o pe.


Diario de Peruambuco Sabbado 24 de Julho de 1869.
:*


C cordeiro previdente
Ra do Qneluiarto n. 10.
Novo o variado sortimeuto de perfumarlas
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimeuto de perfu-
maras, de que cilectivamentc est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortinicnto que se toma
ootavel pela variedade de objectos, supe
dade, quididades ecommodidales de pie-
Cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular," nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
a barateza. Em dita ioja encontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray i Lamman.
AMIMVffl PECHMHAS
QUE SE LIQIJIMM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
Q(d==-u3 m nisai?ai2awaii8o, m
DE
FLIX ^EREIKV DA NIIAt.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
DiU de Cologne ingleza, americana, fran-1 pital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como ie
cza, todas dos melhores e maisacreditados 'ei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
issei da bocea.
Cosmetiques de superior qualrdade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos oom dita japenea, transparente
outras qaalidades.
Finos extractos ingleses, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavei chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Ertracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dille-
rentes lmannos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos -transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Cixinhas com bonitos sabonetes mitrado
tructas.
Ditas de madeira invernisada conteni fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
entes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos do metal coloridos,* e de
moldes novos elegantes, cem p de rroz
e boneca.
Especial p de arroz sena composico de
cheiro, e por iese o mais proprio para crian-
zas.
Opiata ingle-za e franceza para dentes..
P6s de campbora e outras differentes
qaalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada uiais coques.
Um ouiro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com fitets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de llores e tas,
estao todos espostos apreciado de quem
os preteada comprar.
GOLUNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fiveltas e Utas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador. ^
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
poderao faier os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venden lo-se-lhes
pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as cxcellentissimas fami-
ias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
evar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto conr-
stantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
Explendido sortimento de
Alpacas lavradas de cores a ASO
Alpacas a 360 Alpacas a 360
Alpacas de cores
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miiilinhos absentados em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 360 rs. o covado, foi
preciso fazer-se ama grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
ios cz mil ovados do assas
francesas
Cavado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covad a 300 Cesado a 390
Cavado a 300 rs.
Vende-se-na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das mejores casas francezas
para vestidos, tendo padroes muidos e gra-
dos, assentados em odas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
faaenda para muito mais dinheiro, mas re-
ta lfea-se a 300 rs. o covado.
Espartlffeos a 3.SOOO na lofa do
Pavo
Vende-se urna grande porco de esparti-
Ihos modernos com o competente oordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3f5 cada um.
MADAPOLO ENFESTAD A 36QO, S
NO PAVO
Casemiras da moda
NA
LOJA DO PAV.lO
Chegou pelo ultimo vapor francez, am
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, cora lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderem-se muito
-mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesroas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate,
Aos quinhentos palitots
a lUemmOQ.
Na teja do Pavo i roa da Imperatriz o.
60, vendem-se urna grande porc?o de pa-
litots sobrecasacados, e propiamente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos presos
de #80, sendo forrados de alpaca, e de
20)5 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liqeida-se
esta pechincha peles precos cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja n. 60, vtade-se um grande sortimento das
mais lindas poupehnas ou lazinbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais nodernas e bo-
nitas cores ; padraos com listrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
SOO rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de tmbraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
Vendem-se pecas de madapolo entestado |>recos de 50000 at 100000 a peca, assim
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo omo finsimos ongandys .feranco liso que
barato preco de 30609 ris, assim como er-ve para vestidos de bailes, por ser muito
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestes difficeis e completas, a calmar
as dores gastralgicas, e reparar asforcas
prodozindo una assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais um escolente tnico.
VEVDE-SG
HA
PlAllMACIA E DROGARA
DE
Bartholoiaeii k C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra do IIma a. .
PASSANDO 0 CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma ihinis-
mo empregado na agricultuia da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para asuucar e para
godao.
Roflas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de oanna.
Rodas dentadas, para ananaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Atados e instrumentos d'agricultura.
Descarocadores d'algodo etc. etc.
Havendo em tu Jo variedade de t^manho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
XAROPE PE1T0RAL
DE
RABO DE Tin
PLANTA DO BRASIL
E expectorante o recommendado as
affeccoes do perto, bronchite elironica, hc-
mopiise, e tosse chronica.
PREPARADO POR
JOAQLTM DE ALMEIDA PLNTTO
PMARUACEUTICO
Pernambuco na larga do Rosarlo n. 10.
pe?as de algodosinho com 16 jardas
4^500 e 5->00 ris.
GRA1E PECUIIIIA
PJEKCAIIjJLS
A pataca o covado
PERC\LLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n
60; vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, ser,
do de cores fixas e mais larga que as chi
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os deseuhos mais bonitos que tem
viodo ao mercado, tendo padroes miudos e.
grfidos o vende-se pelo baratissimo prego
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo prego para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1)800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
pegas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
icento de um lengol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato prego de 15800 ris cada metro,
transparente a 1*3000, a vara, m loja do
Pavo ruada Imperatrizn. 60, de FefiPe-
reira da Suva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-so um grande sortimento eos St-
Ihores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, qoe se ven-
dem a 12S000rs. cada par at 25*000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA -
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente gortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualqucr peca de obra, coma maior promp-
tidao vontade do freguez, e nao sendo
obligados a aeceita-Ias, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'ese vasto estabelecimento oncontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em

-
A fe0 $UIMAt>6
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
laiu
Tintara indelevel para Ungir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida deGuis-
lain que ento era desconhecida em Per-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficaz resultado e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-Horida de Guislain composta uni-
amente de vagetaes inoflensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e lhes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranqueccr, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer conhecer, que
a bom resoltado produzido pela agua-flori-
da, nao instantaneo, como muitas pes-
soas tarvez sjipponham, raiis sim ser pre-
ciso faaer uso (Pella, trez ou quatro vezes,
d logo se obter o m desejado, como bem
provam testenwnhos de pessoas msuspei-
tas, e d'enro por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
>utra qualqoer cousa.
Assim pois esta agua^florida ach-se ven-
da na bem conhecida toja d'Aguia Branca
raa do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
v5o de sua boa freguezia, tamban capricha
em nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
honram, e em prova ao que ica dito, d
como exemplo to explendido sortimento
jue acaba de receber, ainda mesmo achan-
io-se bellamente provida do fue de bom
e melhor ee pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios Mwos de missa
e orago, obras de apurado gesto e perfei-
;o, sendo: coni capas de madreperola e
tocantes ^jadros em alto relevo.
Ditos eom ditas de marfira igualmente
lonitos.
Ditos com ditas de velludo, outro3 ira
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim cora cruz
e guarnigo, dourada ou prateada.
Coras e tergos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
toos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambero
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E 03 PRODIGIOSOS
Aunis e collares Royer para creangas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e sem para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froeo, o lisas.
Delicadas cixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trangas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonita s
008?
OOS
002
00095
08
00^1
008
OOOf
00e!?8
005
OOS
008
* ? eianea e-ied oJe ap saojog i qoj
* '...... OP!IS9A,OO?|
op ranjqap cjed ejg op sboj
.....souenbod sopa
* ....... epeanop
ejnpiom inoo sapuejS soqiadsg
o-3e.:d opoj 'cjao op seoeung
saepjo 5 sajaxjoo uio ogiaeo
e eiznp sepjef oo? ep equii
* e 9]d\\m ticd scjnpeoioqv
'........e i'|z
-np suoaroq B.ied senjo scwiy
.......9 00001
'008 'OO sojioqa raoo soosjj
e oqund ejed saojoq ap saaej
* "sosm cjed soouBjq so5uori
BqoQj bjuii moo sbjbjjgo
O00*l
OS
05C
09
0080*
09
00?
0?CT
006
r b jnoj sp s90]oq op bzojq
BUIAip BnJB UJ03 BJBJJB9
9 008 *00 '009 'OOS
b soiam-ajiuo o soquipBqBg
0005 0SI '001 '08 ?sap
-Epijcnh sb SBpoj op oiouoqcs
? Bsoqeq ap oa]0 uiOo soosbjj
.........b sep
-jefoo*/ raoo Bquqop so]|o.\om
Jcq.ioq BJBd SBquq ep SBjqn
a sj 005 c cjuij iuod soosbjj
........B.scqu,
9 Bjnisoa BJBd sBjnosoqi
.....B SBU
-mera BJed BSSOAflij op sapioj
.....B BJIOpBpjOA .I9A1.J
Q
ciaojOD op cnSB uioo soogejj
:s9;uinS3s soajd sopa sopuj
-Bpap oxiBq^ sojoofqo so opuBinionb ^sg[
mmm osmomv
A EXP0S1CI0
Nova loja de calcado csrangeiro
para hoto cus, senhoras e
meninas.
NA HLA NOVA N. 8
ciu frente a camha !o f'armo.
Lyra & Vianna, tendo pola experiencia
adquirido a certeza de que o publico desU
capital, era mal servido, pela (alta de esta-'
belecimonlos, surtidos de hons calcados,
situaram a sua noy loja, na ra Nova n. 8.
Lyra A Vianna, convidam por isso ao
publico, e com especialidade ao bello sexo,
para visitar seu novo oxtabeleoimento de
calcados finos, manufacturados pelos mais
habis fabricantes da Europa ; ali encon-
trarn sempre, todas as qualidades de cal-
cados, solidos pela boa manufacturr.cao,
frescos, por serem muito novos, e vendaos
por prego rommodo, para merecerem a
eonfianea de seus distioctos freguezes.
Coraprometem-se a mandar vir encom-
mendas de calcados especiaos, e a exhibir
as Obras de phantasia e de mais aprmo-
rado goslo, afim de que suas distinctas fre-
guezas calvem c mostrem sempre o chique
da bolina franceza. Isto s na ra No\a
n. 8, loja da exposicao de calcados de
Lyra d- Vianna.
Vende-se um grande sitio no ugar do
Mogongo, perto da estaco dos AlTogados,
pertencentc aos herdeiros do finado Antonio
Pinto de A/.evedo, com boa casa de viven-
da, boa trra para plautaco, viveiroscom
peixes, bastantes coqueiros e fucteira:?
diversas : tratar na ra da Praia n. 14.
Vendti-si; um ierren" no lugar de Bebert>',
o qual tica an lado do rio : os pretendenles din-
jam-c ao trapiche <\o Dantas.que saberaa quem >i
vende.
ESCRAVOS FGIDOS.
Acha-se fiigida lia oito mezes a preCa es-
clava, de nacjio, de nonio Maria.com 40 anuos
idade, baixa cor fula, consta que diz ?er forra,)
andavendendo na fregueria da Boa-Vista, com
una bandeja pintada de encarnado, com qiie
fugio : gralilica-se bem a quem a apprehender e
leva-la a ra Imperial n. 103.
WISO
s autoridades policiaes, aos
capitftes de campo, e a
quem mais competir.
No dia 29 de maio do correne anno,
fugiu o t-scravo Ezequiel, crioulo. de 30 a
3 annos de dade, estatura regular, refor-
Cado, cor bem preta, cabera redonda, ta-
java carniza azul e caira de casemira cin-
zenta: durante o dia costurna andar ga-
nhando as mas, ou armazens de assncar,
ou as tabernas a ronversar e a beber: du-
rante a i oite recolhe-se a telheirns, abor-
tos ou penetraveis, casas em eonstrnccjt e
outros quaesquer lugares, onde se possa
abrigar : quem o apprehender tenlia a bon-
dade de o conduzir ra da Auroran. 26,
onde serpralificado. Segundo s iifor-
macoes, parece estar em Sen'nbem, nos
enpenhos prximos respectiva villa.
m
V
\
Vende-se terrenos de prodnccSo e com
arvores fructferas e prximo a esta-
Co dos trhos urbanos do Rccife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinbeiro,
podendo quem quiser dirigir-se nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Mo de
Barros, e nos demais dias, ra da Impe-
ratriz n. 68^
GAZ GAZ GAZ
Checon ao antipo deposito de Henry Forster 6
C, na do Imperador, um carregamento de aai
de primraqnalidade;oqual se vende em p.-jtida--
e a retalho por menos preco do que em ontra qiui
Taer.parto^li ______________
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada alonpean.
>espacial
Pba i-tholomeo A C.
do Rowrio------31
arate da ruaestreir P"0 barato prer/nJe SO^WO pa
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-i outra qualquer parte. Na rna da Impera-
plicaces para arranjos de familias, sendo '
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA O INVERN
DE 30O06dOOO
Chegou para a loja do Pav3o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
l de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem do 3$
at 6;)0t'0 cada um, cm relaco as dTe-
rentes qualidades, pechincha: a eiles an-
tes que se acabem. x
ATTENCAO
AS PECHINTHAS QUE SE I.IOUIDAM
NA LOJA DO PAVO '
Cortes de rgandy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambera servem para
luto a 3,-000.
Lanzinbas Je cores para vestHos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia cSm barras bordadas
o muito finas a 3$ e i;?000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
avara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicada;, cures, a
com os mais bonitos lavradinhos a iniitac5o
de seda, as delicadas cores que existem
ueste bello sortimento encontra-se o bonito
Bishiak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grando par-
tida superior a dez mil covados, senSo
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do" Pav3o, a raa da Imperatriz
n 60 do Feliz Pereira da Silva.
Vestidos eom duas salas a
garam para a loja do Pavao a ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil do Chvre com duas saias para ves
ti dos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mondo, e rendem-se
dri
Fe'ix Pereira da Silva,
tnz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O aloalhado do Pavao.
Vende-so superior atoalhado de algod5o
-om 8 palmos de largura, adamascado a
25200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperior a 35200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 4cla00 a duzia e muito
inos a SjiOOO, e ditos econmicos a 30500
i duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A #000
Na loja do Pavo, vonde-se superior alpa-
:3o ou gurgurSo para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno o mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 15000 o
covado.
XovIdade \~ovtdadc
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ m JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 *do corrente,
para a loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos o mais bonitos gurgures de seda,
para vestido*, temi padrees miudinhos e
grados, com lindas iistras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejamAerde, bisraark, lyrio, azul, perola.
etc etc., assim como ditos usos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta,qae se vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Peroira da Silva.
Bbadinhos baratos na loja]
do Pavao.
Vende-se urna grande porco de bba-
dinhos de todas as largaras, sendo com os
babados verdadeiros, por ama terca parte
de preco que se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm do acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende ama
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na loj < e ar-
mazem do PavSo, ra da Imperatriz n. 6011
de Flix Pereira da Silva.
S

kvasaoiim ca vro'i
-wuiiO oa ma-ss n
motmi

CENTRO
DO
MUNDO ELEGANTE
DE
RVALHO & ,
46-MJA N'OVA-
Os proprietarios deste elegante estabelecimento, vidos de bem satisfazer ao
respeitavel publico, tanto na perfeieao de suas obras como na escolha dos objectos que
tm expostos venda; mandaram vir de Paris, por conta propria, diversas fazendas e
aviameutos finos, os quaes a par d'uma hbil thesoura, tornam completa a perfeieao de
qualquer obra que seus freguezes se dignarem encommendar-lhos.
Entre as diversas fazendas de gosto citam-sc as seguintes:
Panno fino preto Imperial.
Casemira preta Elasticolina.
dem azul dem.
Merino escossez preto.
Dito romano cor de caf.
Casemiras escaras linas.
Brins brancos encorpados.
Ditos ditos com listra de cor.
Ditos finos de cores.
Gorguraoapret e de c&res e de padroes
novos.
No dia 15'dejauho passado, fugiu
da padaiia allema (segando avisos o res-
pectivo dono), onde eslava alagado, um
mulatinlio escuro, de nomo Justino, de
13 para 14 annos, baixo, remirado, gago,
ortlhas grandes e um pouco viradas, traja-
va camisa de algodaozinho e calca de brim
grosso cor de rap: costnma quand fogo
inculcjr-sc como forr. ouorpbaj Consta
que tem andado por Olinda. Arraial, Poco
da Pimella, Monleiro, pipucos e Caxanga,
ao sen-ico de algnem, contra o ouai m
protesta fazer effectivaa as penas da Ici.
Entretanto, quem o apprehender qaeira
leva-lo .1 ra xla Aurora n. 26. onde ser
recompensado. Boga se s autoridades po-
liciaes qno bajara de diligenciar a aran
henso delle.
Fugio
no dia 12 do corrente omulalinho de nome
Secundino, com i 2 anuos de idade, com
urna fislula no rosto, levando calca de brim
pardo, camisa de algodao de lista azul, o
gorro de panno azul; quem o pegar queira
levar a ra do Rosario da B&a-Vista D. 6,
que ser bem r- compensado.
- Fugicno dia 8 dcjunho, o escrava
Eugenio, preto crioulo, de idade de ii)
armo.- pouco mais ou menos, usa de bigode
torcido o barba cerrada, ja mesclada, utn
tanto calvo, altura regular, magro, peni;.-,
linas, suppoc-se andar pelas bandas do
Affogado atoaPraseres, quem o pegar leve-j
a ra do Tiapicho no Holel do Universo
n, 2 que ser generosamente p ratifica do.
AVISO
Colarinhos bordados o lisos.
Alpacas pretas o do .:
Camisas inglezas oissimas.
dem idem finas,
dem francezas idem.
Punhos de linho e algodao.
Grvalas Regates pretas e de cores.
Lencos embainhados brancos e de cores.
Meias, ceroulas, camisas de meia, coisas
de fusto, etc.
O que vendem por precos muito razoaveis, com o fim de angariar freguezes:
convidam p rtanto ao Ilustrado corpo acadmico se digno visitar seu Citabclecimento
para melhor certificarem-se do que deixam dito.
Este idicirarel
llcjiuralivo nao
ontemriBtinMr-
urio, iodo ou
nrnicoi uro
horoo modifi-
cador pao sanne erara radicalmente as molmius depH'e, taes como a Irpra, asimpigpns, as herpes, as
espiabas, eosPaaaos, etc.Emprejado dlarinnunle elle refresca 3 massa do tanque ccon^otla osuude.
i IR JECC A O CADET Cura *de4be.deS:orrinK,,,0 "** *
'Amia, 7, 6' Oenaio,
1 f f f 1II i i
cscravn (,',-
e i ilndc O
lOO^OOO
Fugio no dia 7 de juthu crranle c
raido, preto, crioulo, um pouco talo,
annos, mais oa menos, de estatura refutar,
hoxigosa, barba serrada c um p.>wo rala. I
rsgala, beicos del^ndu, son falta de dent.
(renta; foi visto na eida le de Olinda, desronfia-io
andar pelos arrabaldes desta cidade ou ler -cgui-
do para IgtiarasMi, deve tiazer chapeo de bau
preta de abas largas ainda novo : quem o ppgar
!evo-o ra da Cono
1004000.
BordJa n. 8, (jue receber*
Fugi.) docugenho U:ieiinadas. de llamaraca,
no dia 12 do corrente, o eseravo Vicente, erionlo,
de 20annos poi\'o mais ou menos, sem barba,'
wrao do corpo, pernas :,lguma ceusa gambetas, *
e ai'ito. Hontcm vindo en para esta praca cn-
eontrei cm enminho o Sr. Antonio l'inlo, filii
Sr. Kuzebio Pinto, o esse mojo disse ao meu por-
tador (com quem conversn), que tinha donada di-
to escravo em casa de seu pai, no eitio Mulatas, en
Itapissuma, no dia i5 do corrente. Rogo s auto-
ridades o capillo* de campo a captura do dito e?-
cravo, que ser generosamente gratificad e pro-
testo contra qualquer pessoa que dr passagem dt
qualquer forma a atM escravQ. Recife, 17 de ju-
lho de I8C9.
Luis Cordro Cavalcante de Albuquerquc
De domiugo para sejroada-fi'ira da pn sent
semana ausentou-so do engenho Fragoso, em Olin
da, o mulatintio e^cravo do nome Cypriano, qu^
tem 11 annos de idade, rabi'llo um poucu verme-
Iho olhos castanhos, bem feilo de corpo. ?
to ladino, levando vestido cal? e camisa novas d
algodao trancado do listra, chapeo pequeo j osa-
do do casemira do quadrinho pr--
hender, levando ao pi
engenho, ou rna Angosta n. 2t. ro-
mente recompensado. Protestan'?-! ja.^
abaixoassignaido, aaocedei- cnmii.afcwat co:
qaemoten',i acoutado.
Antonia GoncaWes da Silva,


RMHBBI
/'
r
*
8
Diario de Pernambuco -*- Sabbado 24 de Julho de 1869.

LEA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS
SESSAO EM 28 t*E Jl'NIIO.
raesfORNCift io sn. ninas.
(Cmtnitago)
O Sh. Fkimkiha Yi.vx.v : As cmaras lo
un ,:iii-,;rr,hl i-uuiliad ilcsaslfo. (Apon
dos c, f:~ ni i-, t i1 miia.s-
sc o-i subo luna ii livsssfi iinispscnipqii) euiassumir tao po
rigjja as ca unas, A iliscus i seria minorando
garanta; Cotou certu, e creio ijuc a cmara
ti i i davalar, que as providencias lomadas
pela asamblea geral teriam sido oulras. Eu-
Irelanto o governo por stia propria autori-
ade
Nos do invenanos c outra I d* tomarem oosse jwlieMl a ee
consagradas pela lei e p-lu cxpcrieiuin. dos para provenir maioi
A conlianca, Sr. presidente, abalada pela | m"
cessacao de pagamento da primeira ca
bancaria desta cidade, desapparoceu in
ramente logo que os credores viram qii
nassas fallidas continnavam na posse e di*-
posiclo de seus devedws. (Apoiaflos.
Sr. presidente, as medulas relativas ao
banco do Brasil n5o foram mais felizes, an-
tes suas consequencias funestas, maise*
tensas, anda duram (\poi
goem ignora os desgranan:
acarrla o curso toread i dos l
banco, j sobre o cambio, j sobre a eiivta.
laciin, j emlim sobre i valores.
las massas!
i bem!
alibaral.
w? Cami V historia
|^Bfe" milito aupplicio V.
lo-os histricamente:
L ao mesmo lempo,
O curso Coreado e urna siluaro anmala Vpoiados).
o lamentavel, na qual nao se pode entrar
seno impellido por circumstancias. invenci-
veis e de qae ainda se de ve salwr, anda
suspendeue piorogou os vencimentos com enormes sacrificios, o mais depressa
dos litlos coiniiierciaes. suspenden a legis
lacio < amrnerciaj aa paite relativas fallen-
(ias o concoi'datas, croando uin novo, pro-
cesso com lulas as facilidades para os de-
vedores de m f e sem garantas para os
credores.
Em verdade, Sr. presidente, os decretos
excepcionaes de 17 e 20 de setembro de
i8Cl o as disposieoes complementares de
ti de oulubro nao podem ser sanecionados
iiuiii em consideraran aos interesses priva-
dos, nem aos interesses pblicos. 6s in-
Iftiesses privados lioaram intirametite a
descoberto desde o dia da crise, tu de se-
tembro, alea exe-uia) do decreto de 22
deoulcbi-o. A primeira, amiseflicaz das
Ijarantias para os credores, a apposico
dos sellos nos escriptorios e casas commer-
ciaes fallidas, de forma a inanter-se intacto
o acervo; prevenir os descaminho e obs-
tar as manobras da fraude. Esfl^provi-
denca est consagrada do cdigo coinmcr-
cial e seus jegiilameutos, c em sua ausen-
cia todas as oulras sao Ilusorias ; entretan-
to,. Sr. presidente, esta medida de essencial
prevengo nao fo consagrada as excepcio-
nes que tomou o governo.
Sr. presidente, V. Exc. nao eslava nesta
cida Je naquelles dias de perturbaeao e vio-
lencia. Eupeeo a V. Exc. licenca para Ihe
iceiii com > lesleraunlia e victima o que
presencie!, clieio da maior indgnaeo. As
casas nanearas, leudo suspendido de fado
os seos pagamento, fecha rain seus escripto-
rios e nunca mais os abriram at qc as com-
missoes admiiislradorastomaram contados
i'ispeclivos acervos.
Os fallidos icaram na posse mansa e
pacilica de todos os papis, livros, effeitos
possvel. O curso forrado seria justifica
val somente no caso de ser imposaivel ao
banco satisfazer as exigencias do troco, nao
obstante o emprego das providencias, aoon-
selhadas e experimentadas com feliz xito,
de restrccao nos descastes pela elevarn
progressiva da lasa. Conformo os'scla-
recimentos que live de passoas competen-
tes, julgo me fundado para affirmar que o
banco do Brasil eslava em posico de cor-
responder a essas exigencias, vencer a cor-
rida e restabeiecer o crdito.
O governo n3o teve a necessaria firmeza
para recorrer aos < xpedietites acooselliados
e manter os principios; lirn atonluailo
pelo ruido do sinistro c contaminado pelo
pnico. Se o curso forrado era indispensa-
vel, pelo menos, Sr. presidente, deste meio
nao se devia usar seno na extrema urgen-
cia. (Apoiados.)
O governo, em vez dos meios prudentes-,
adoptou os temerarios. O crdito, Sr. pre-
sidente, vem da confianca. Nos dias de
crise a confianca d-sapparece; todas as
bolsas se fechara, e todos se recusara a tran-
saccoes de crdito sem solidas garantas e
grande inleresse.
Nestes dias os capitalistas e os banquei-
ros tomam as mesraas providencias que os
amestrados pilotos no meio das tempesta-
des : ferram os pannos e esperan o fura-
co.
Pois bem, Sr. presidente, quando a crin
se manifeslava em toda a sua intensidad-,
e os fados provavam que nao seria passa-
geira, pois nao era devida a circumstancias
extraordinarias, imprevistas: quando a nao
lutava contra ondas encapelladas, sacudida
por urna tormenta furiosa, o governo, em
-0 que deplo-
a posico
ocr.upojj a magistratura
En s a ^esculpo, s Ihe
tkiha sido victima
di) l remen do alte rilado das aposentarnos for-
aorainavam as honra* irikntn da v.ii-lit-
roiiiunenv.iin conjuntamente
Mfepioe* da patria por actos do gloriosa bravu-
ra na campe do batalba, o o* vaidosos desdores
de dmUeiro o libertos Tudo se confundi 1 (Mui-
iji ii ida)
O So. Goauo Koduiuks V, chamaram tam-
ben) a cmara de-se lempa contraria dos pe-
ilinUjs.
O Sn. FKnnMBA Vianxa :Essc; que gritan) ho-
ji contra a degenerara*) do ivstema representativo
abriram as portas das penitenciarias aos malfHlo-
i s, e. olTi-ndendo as leia divinas e linmanas, a dig-
nidado dd noe$n bxoreibi. a saulidade o Justina de
nu-sa causa, aslarxn esses defgracados da i Iba
de Fernando de finHiHa e de- oulras pristes as
glorilas BleirM Ao* iitrepidos o iladieadM defen-
da bonra e integriiWt do iiiiiiio. (tfuiloi alia-
dos.) Sacrilicoii-se un grande prinei, io por nada.
O Sn. Evanokustv Lobato:Houveram
nagiflrados que nao se prestaram execu-
co desses decretos.
O Sii.Ahai'-jo Ges :Hruvo ftibunl no
paiz que nao reconbceu a forea dos decre-
tos de etembro, fui o tribnnaPjrjo cramer-
co da Babia.
(lia outros apartes;.
O Sn FMsniATi&NXA : -O governo enienden-
h: pariiruhmenle com os juia commercia.'s. O*
banqoeiros (echaran) as portes, cessar.im os paga-
mentos, nao obsta uto ser publico o notoria, da
mais j)lena publiciilade e nnioriedade, a justica
iwn?c inoreo 1 Os fallidos nao so a presentaran)
ao jub. dentm dos ttPS dias, nem o jtiizo pro-
cedeu ftx-oHJcis, como era de sen Uover, para
aeautelar as massas fallidas I (Apoiados.)
I'ma Voz :A ravalkiiia defenda a portados
bsiujupiros !
Oma Voz :R prohiba a outRoda dos ma-jis-
irados I
u mi. Fuiubira Via>-.na :O i]t i cerlo rpie
a jnstira flcou immoTl (Apoiadoe.)
O Si:. Pinto de Campos : -Com pfftitn, un
^nadro modnnho I
IM Su. Uki'utaini :lias a exjircssao da ver-
regiment da rasa sem ser pelos meios
marcados.
O rogiiuoutj dMimiua. no ait. iO, o;ue as cora-
missoes se componlMMii de tres at etnco niem-
bros: assira, par pie a commissii, cuja nomea
cao propoa o nnhro diputado pelo Rio de Janeiro,
ola de vie au menibros, necetaario alte-
rar-se esse artigo do regiment, e porlanto indis-
pensavel se torna parecer da mesa sobre o qual
resolver a cmara,
Ora, o esparo de boje at prxima sesso tao
pequeo, que nao prejudeao flm do reqnerimen-
lo (apoiado.-); portant-i nesta parte o requerimento
deve ser remeltido musa, a qual sem duvida,
a|iresenlar logo o scu parecer.
Km 1863 tambem se pretenden alterar nume-
ro dos membros de urna deputacao qae I i ola de
dirigir-se ao impera*)!-. A cmara, porm, nio
o fez sem que previamente uuvisse a misa, qae
neUe
adoeom a emendas e remet-
0 Sn. Pinto d Cami-js :K no fti.i de tudo que- imuiediatainente dea parecer no sentido desejado,
aliar com o poder modelador. e por esta forma fui modilicado o regimenlo, adop-
e valores. Os credores poslos de observa-i vez de mandar ferrar Os pann 's. os abre a
i;an na ra admiravara a conlianea que os lodos os ventos e se arrisca a todas asfor-
Milidos mcrecam dos juizes, e principal-j tunas do mar. (Muito bem.)
mente do goveruo, que naquella occasiao Quando a desconfianea era geral e todos
assumira poderw dictatoraes, o que assim;os homens esclarecidos e providentes ten-
como se julgava autorisado a suspender.atavam proteger suas fortunas, o governo
aeco salular das leis coiumerciaes, o troco
em ouro dos blheles do banco e inconver-
i veis imn-los como moeda legal, nao de-
via juigar-se ii.'tabilitado para fazer cum-
P: a lei na parle em que ordena que se
tire a posse dos bens ao fallido.
Nao iccjrrando a meios extraordinarios
para gahaaisar a vida cornmercial de" casas
que nao linham mus elementos para n
tir e se acliavam fechadas, mas forlilicando
mostra-se inspirado de nm confianca sem
fundamento e ao decreto do curso toreado
dos blhetes do banco junta o da emisso
at o triplo, factildade d que prudentemen-
te esta va privado desde IKrW! Atu iram-se
as torneiras do papel-moeda, foi aniquilado
o pensamento da lei de 1833, e o banco
do Brasil, depois de urna grande ernssao,
forcado a alargar os descontos, baldeando
para sua caitera papis sem as necessarias
a parte sa do commerco, o que se conse- garantas. Ne.-ta occasiao fez o banco em-
grw reanimar as transae^es, manter os!prestimos a descoberto, dando a urna s
flireitos adquiridos e restabeiecer n confian-'lirma :t, (X):O0OrMXK).
dado.
_ Sn. Ff.rrkib.v Viakka : Senhore?, a resigna-
ra.) dos credores cneen ultima oxire* I
rocuou diante das cutilaitas da caaraHaria. da pn<-
sc iaddtita e assustauora das iiiassan pelos fallidos,
e, o qae mais uiaravilboso, do deciKto que no-
meou, se:n ro;)-en;i:iu':iij e rtWn audiencia
administradores desses btns,
bnns do evento ou de ausentes.
bem.)
Insupporlavel tutela Esscs ad*noelra nomeacao do governo nao eram fcrdores dessas
massa. pelo contrario, onvi dizer que nlganseram
devedores.
1 Sn. Eva.vgki.ista Lobato :Graule iiuniora-
litbidu.
(Ha varios apartes.)
( Sn. FnniiFiiiA Vianna :Kf nifoverno libe-
ral, o propngnador da liberdarie individual, da
iniciativa do cidadao e o inimigo implaca\el das
tutelas I (Muitos apoiados.)
Ri'pre&wilaulo, boma que niuilo prne, do ge-
neroso, Ilustrado o paciQcii pevq do municipio
neutro, e:i nao poiia guardar silencio sobre os
vex a mes que Ihe foram impesto? e nem escure-
cera imponente atlinU que tomou nos nefastos
das do setembro d .fii, dando rr re-
signacao e de coragem, ou para supportar por
amnr da ordem o atropello de seu diieitos, nu
para assislir imimssivel au incendio de lorigas e la-
sas economas. Este erando pdvo nao des-
animiui ; em ver de se entregar a"s virios do
desespero, yoltou se ao tcabalho cjjtn o proposito
de renovar esforz. Alguns infelizes. ou pela
dad- ou polas enermidades, nao dispunliaiu das
necessarias eneMia. e caliiram na mis-ria e tal- .
O Sn. 1'nmtniiA Vianna :A oppesicao que se
intitula democrtica ameaca o poder com a
anairl nstitnicoes coin-a refurma. Para ella
uaila lix > e nada dovo darar. Batimiento a op-
posieio, enfraquecida por seus erros, gastas por
escandalosas alliaeeas, incapaz i'.c arropeiidimenlo
ou da emenda, e impotente pelas discordias que
Jlvidem as fraccoes que a cojii[ioeni, nem podera
tentar contra asinslituicoes, nem perturbar a or-
dein publica. Entretanto cumpre que a oppoeicao
saiba ipie o poder est disposto a camprir o seu
dever na manuteneao das instiluieoes juradas.
(Muilos apoiados.)
En vejo, Sr. pre-idunte, dilirentes grupos nes-
sa simulada unidad)', que se proclamao partido
demcrata:o progressista oulr'ora dominad) pelo
ex presidente do donselbu de miniaterio de 3 de
agosto. Ksse partido de-apar.....mi, volaliiisju-se
ao contacto da allian^a celebrada com os liljei.ies,
iucamieados imniigo da vesjieKi; pordeii a sua
bamleira, e. buniillialo, pedio e aceitou abrigo do
hberosiui,. (Muilos apoiados.t
O gruiMi liberal bi-iorico teui conlra si a sua
pcopiia bistoi:.- ; ou o poder pela revo! K;ao, eu
pel apo-ia^ia. Para enes a ida Instrumento
de pasageiras ambiedos. Era IHii a rcrolucao
armada costra leis rleeroiadM O irfia n3o execu-
luikis. (Muilos apaiados.) Em 1848 ou a consti-
tando-se entao'a moeaopioposla.
Assim, requeiro a V. Exc. que sobre esta parte
do requerimento seja ouvida a mosa. (Muilos
apoiador).
O Sb. Prksidbnte :Accedondo s observajues
do nobre deputado, e ao mesmo tempo attundendo
i letra o regiment, vou propr em primeira
lugar cmara se enleude que esla queslao devo
ser submettida commissao de pobcia para dar
seu parecer nesta parle.
Consultada a casa, decide atTIrmativamente.
Vai, porlanto, i commissao du polica o requu-
rimento, na liarte que diz respeito ao numero de
membro de que a commissao se ha de enmpor.
QSn. 1 SBcnETAnio, obtendo a palavra pela
^ordena, procede Icitura do projeclo de respesta a
falla do tbrono, que vai a imprimir e se acha
publicado.
Dada a ordeui uo dia, levanla-se a sessao s
quatro horas da tarde.
o tari
lisia da aspada de
<;a. J ve V. Ese. que as medidas excep-
conaes nem defenderam o interesse priva-
do. nm o interesse publico, sacrificaram
ambos.
Assim, Sr. presidente, aquelles que li-
nhatn suspndalos seus pagamentos conli-
ve/. iiieadi-neiii o pao Terrivel re- lad
EsloUj Sr. presidente, niaito f;aigado, c por n i
abusar da alteneao da cannra...
\ ES .' Continu, vai inuito bom.
O Sn. Fi.uuaiiA Vianna .>.. e a samara sabe
uiais dos lacios que tenho referido e vou i -rir, do
i proprio.
( ^\i. Pinto dk ('ampos :Mas.. conirudo
unta hi ojia iadispeusavel.
U Sr. I'"kkri:iia Vunna : Se a hora uao es-
tivesse adianlada, entrara agora no examo dps
violentos aludos pfatfcados no fatal periodo le
180 a 1808.
luale ou a vjuUmcia m.ilerial. Em 1801a pros-
itqico di viulenciainateiial o respeito constitu-
;o: era a vespera do poder! Bm dHiS reformas
ou ivvoliiee I Su poder, intoli'r.itit's oftuservado-
te-, na upHOsicio, ruorinadores uusaJoa (Muilos
apoiados.)
Midam de liandeira o de pmgrannia conforme
como se fossem as eoiivenienciasdi occanV), apenar do nao terem
(A|iojados. Muit realisado nenbuma de suas ideas e designios I
Na ail'.vr.-idade u partido liberal deixa 9e se diri-
gir ..lo;prtigi1;ss;stas, em cuja sagacidade milito
cunta. F. em verdade, Sr. presidente, os progres-
las lm.a vii tude de ver lonje, sio grandes des-
cohridores dos borisontcs. (lldaridade geral.)
Sa. Pinto dk Camiiis :C,on>erve Sr. Uicby-
graphoesta expresaao descubridores dos horison-
les. (Contina a hilaridade.)
O Sn. FntRKMA VrxssA :Ainda descubro, se-
nhores, u partido radical. At corto ponto des-
membrado da liga por sua boa fe, este parlido
a consagrarlo de todas as chimeras e do mmode-
radn deseju de se avancar pelo futuro. Para elle o
p-'ssado e o presento sao iniposicoos da rutina, e
nada do qneou foi deve continuar a ser. Sonlios
de nioeidade, eu j os live. A experiencia, Sr. pre-
sidente, modificara osses lab-ntos, i% en espero que
ellos aiiidn Tenlian a ser estrellas do partido con-
servador. (Apoiados.) -
O Sn. Pinto de Campos :Ao menas os radi-
caos dizeui o que querem : sao mais sinceros, po-
i m Deus ni) permita que realizem o que pre-
iii.
O Sb. Coeuio Hmora rs :Nem permittir.
O Sr. Fehheiha Vianna :A extinceao do po-
der moderador, que o partid.) democrtico procla-
ma como dogma de sua poltica nao urna re-
Estas providencias, Sr. prosidenle, nao
produzirai nenhum dos oit.ii.os (pie o go-
verno ttnha em pensamento ; os moribun-
dos expirram, os saos adoeceram, o ban-
co do Hrasl, a quem o governo irapunha
a dura misso de salvar a praca, tornouse
tuaram ta posse e disposicao do activo,; victima dos devedores insolvaveis, c o nos-
lerradeira peohor de seas credores. s. m >' mein circulante ah licou depreciado, d-
audienciae conlra a vontade destes. Essas [ minuindo confiideravelmente afortuna pri-
provde::cias d occasa, em vez de dimi- >ada e onerando a publica e linalmente
nuirem os embaraces do commorcio, os atugentando do paiz todos os capitaes!
aggravaranr; n3o eram uteis e menos ne-!(Maito bem)..
iras, e s p idiam trazer consequen-
c.ias fuuestas, como electiva nenie succe-
dea.
O governo dexoa-se assoberbar pelas
i-, nio as soube dominar c
s dirigir: ouviu o acredito!] na tpla
Ainda nao cessaram os eleitos pernicio-
sos destas medidas, e para sahirmos do es-
tado anmalo em que ficmos os sacrificios
talvez nao sejam menores.
Adiou-se a diliculdade, mas nao foi re-
solvida; applicaram-se panaceas, que, alli-
A cleico de 18ti;i nao tein jgiiiil na historia po-
ltica do paiz. A opiniao canservadora foi cruel-
linea o paiz. A opini.io o
i'epellida pela forca e perseguida pelo mai
desatinado arbitrio.
O Si. Hkniamin :Eu me achei frente de
vinte homens .armados.
O Sn. Coelho Hodbigu;;s
O Sn. Pinto n,; Campos :E' un grito anar-
chii'o.
O S. FenREin.v Vianna :Se nao muda a dv-
nastia imperaiii', al'era profundamente a forma
de goveruo, {Apoiad
A dissulueao di cunara dos deputados ser mo-
tivo que justifique a extinceao do poder mode-
rador ? !
A coroa u paiz, e a njcao cculirinou a sua sabia previsao.
I Mu i tos apoiados. i
U Sr. Benjamn :Quando se dissnkcii a c-
mara eou ervadora nao appellaiau, e
forma.
i menos.
altondive e que sd viando, nao curaram. A demora augmenta
crise para tspecular. ||'S prejuzos. Se, em 1864, em vez das
de intei esscs m nos
mascara vam com a
K improvidencia arrastoa o governo' de-illnsoes para manter situarles impossiveis.
eretacio desses ftetos derogatorios de ora f se forrjssem as liquidacocs inevjlaveis, o
ayatema de legisbejta consagrado pela ex-1 estado presente toril outra consistencia, e
ponencia, pira acudir precipitadamente a{*> assisiriamos ao baque destes sinistros
emwenienrias passageiras e nem todas le-! individuaes, que comecaram naquella poca
gitimas. (.Muilos apoiados) !' que aiuda continuam, espalhando o alar-
Eu comprebendo, em casos milito raros, | ma. (Apoiados).
a dictadura para salvar sopremos intarej
oes da sociedade, e, se el'eclivamente ess -
interesses fossem sahus, a cscusaria de-
plorando sempre a necessidade que autori-
sasse semelhanlo arbitrio.
Mas, Sr. presidente, a dictadura que em,
nos de prevenir o mal o aggrava, c em vez 'aria! Nem assim se restabeieceu
de defender os legtimos interesses osa-flanea I (Muilos apoiados).
O bom senso do povo, que muitas vezes
vale mais que a llustraco dos governos,
deu logo de s sgual. s portadores de
biHieles correram para a caixa metallica e
exigiram o troco. O povo dsconfiava. Res-
pondeu-se ao povo com as cargas de cavai-
a con-
crifica. eu nao a comprehendo e difflcil-
mente a escosarei anda convencido da boa
tk daquclles que a assumiram. A impro-
videncia no governo raramente se pode
justificar.
Dorante este periodo fatal de desasocego.
inquietaco e angustia da viuva, do artista,
dos administradores, dos tutores e curado-
res, at do proprio escravo que reuna pe-
culio para sua manumissao, o cmlim de
lodos os homens do trabalho e d< econo-
ma, credores dos fallidos que continuavam
na posse das massas; _fizeram-se, Sr. presi-
dente, muitas transacoes clandestinas, mui-
tas compensacoes, saldaram-se opilas
contas e muitos credores receberam inte-
gralmente suas dividas activas.
lisies tactos, Sr. presidente, estao na
eonsciencia publica, e elles nao se teriam
verificado e seria impossivel completados
se, em vez das medidas excepcionaes, o
cdigo do commerciqtivesse sido oxeculado
e fossem logo selladas as casas fallidas e
postal sob a guarda da justica.
Sr. presidente, nem o governo provisorio
da Franca em 1848 se juigou habilitado,
pesar da crise, a decretar a suspensao da
ieffislacio cornmercial, o que s foi delibe-
rado pela assembla nacional, depois de
onga dscusso da lei transitoria de 22 de
agosto de 1848, que estaholeceu as concor-
dias amigareis.
O governo liberal do nosso paiz depen-
dente do corpo legislativo, que bem pode-
ra convocar, e que entretanto encerrara,
quando mais delle precisava, decretou a
suspensao de pagamentos, equiparou nego-
ciantes matriculados aos no matriculados
em relacao a moratorias e concordatas, e
dignou-se de chamar amignveis as concor-
datas impostas pelos credores que repre
aentassem dous tercos do valor de todos os
rditos, na ausencia das garantas, da op-
Nao podendo inspirar confianca, mpu-
zeram-na Eis o decreto do curso forca-
do; e, como se pretendesse tornar essa
imposco mais vejatoria, habitou-so o
banco a elevar a sua emissao ao triplo ,1
(.Muilos apoiados).
Estas providencias excepcionaes, toma-
das sob a pressao de simulados recelos e
calculados pretextos de salvaro, immola-
ram os interesses reaes do paiz e malbara-
taram as economas de numerosas tamil as,
boje rduzidas ;i miseria. (Apoiados).'
O governo foi victima de illusoes; ten-
tou salvar .a praca, mas deve estar boje
persuadido que, contra as suas previsoes,
foi muito infeliz; apenas coaseguio a dissapa-
Co das massas fallidas em proveito dos de-,
vedores. Desgracadamente osle infausto
resultado mal sem remedio! A' sombra
do desastre da primeira casa bancaria, que
effectivamente suecumbio, e das medi-
das extraordinarias e dictatoraes, outras
suavemente se liquidaram, (Muitos apoia-
dos).
Isso A o
D Sn. Fkrrkiha Viahka :Aorowitando-se da
raspara a qual o partido conservador ron-
corrra por impulso de patriotismo com Importan
les donativos e numerosos voluntario?, os n
adversarios commetteram os mais revollantes cn-
cessos. Quantos guardas-naeionaes indevidamenfie
designados para o servco da guerra, quantos ci 11-
presos de sorpresa, arrancados do seia de
suas familias c distrabidos de seus oifecios. alte-
rnados e sob o pretexto de recrutamenlo rcmetti-
dos eunegredo para o Paraguay ?l A eleicao de
lUo foi o espectculo hediondo do consorcio dn
forca eom a fraude. Nao l.astuvam as vergonbosas
duplcalas, foram ao requinte das triplcalas !
(Apoiados)
O Sn. Pinto di Cvmpos :^E sao as .tropela que
luje laneam nossa conta, quando narran) a sua
historia.
O Su. Di yi i.-Ksiu.va Teixiba :.A cjulciio d
186o foi feita sob a pressao de ota designa ca
atroz na provincia e cidade do Itio de Janeiro.
O Sr,. Feiibeiii\ Vianna :Senbores. se os pn -
gressistas ou os liberaes exigissem as provas, eu
toniaria o trabalho de 1er contra os liberaes os
discursos dos progresistas e contra estes us d'a-
(nelles.
A conleslagao seria o repudio dessa allian^a
celebrada no dia 17 de julho do auno passado.
(Muilos apoiados.) Ou seja dospeilo, ou ano
incontinente, ou ranear proprio das causas perdi-
das e das situajpes desesperadas, a opnjKic
cusa, l.jjitimida*) esta cmara. Nao sei por.
>ortambem viemos das nrnas, e das nfflaa
manchadas com o sangue, nem avahadas pela
fraude. (Mudos apoiados,)
Como nao somos legtimos representantes do
povo, ;-e a opposicao, convencida de suatmpopula-
ridade, se a liste ve da lula para oceultar sua fra-
queza ?! Diga a opposjcao o que Ihe aprouver
para desconeeituar-nos.; porm noousai, scn
incoi i til- na indignaran publica, allegar contra a
legilunidade da eleicao do 19 a fofn e a frau-
de. Para vencer o parlido que se
taria o couipareciniento da opiniao
Os que se nao hatein nao podem t
poiados.)
O Sb. Benjamn :Em sctcniliro dispularain e
perderam redondamente.
Q 9l Coeliio Rodbjoues :E s resolverm
abstencao depois que viram que nadaf tazam.
O 9r.0f.njami.ij :Sem duvida.
O Sb. Febp.eiba Vianna :Em outra parte or.vi
exclamar : Dai-me ampia liberdade. que vos
daivi boas fallancas. Sempro as mesinus pro
e as nesmas decopeoos I O parlido que se
proclama liberal, depois de governar o paiz
seis anuos, entrega a seas adversarios o thesotifo
exhausto, empentando e em tao estreitas coHdirr^
furnia, precisamente a revolucao. (Muilos apoia- >' M. o Imperador cousente.A' archivar, otlician
SESSO KM 30 DE JUNHO
rilKSlDKVCIA DO SR. NEMAS.
Ao meio-dia, feita a chamada, verilica-se ha ver
numero sullicienle, arre-se a sessao.
Achando-se na sala inmediata o Sr. Joaqun)
Fl iriano de Gadoy, deputado elcih pelo 2o dislric-
to da provincia de S. Paulo, inlroduzido com ao
formalidades do estylo, pre.-ta juramento e tom
assento.
O Sn. t Si:cbetabio da conta d* seguate
KXPKIUK.NTK.
lm oflico do ministerio do imperio, enviando a
luthen'ica da apurado geral doscollegios eleito-
raes da provincia de Matto-Grosso.A' 3* eom-
inissao de poderes.
Outro do mesmo ministerio, enviando o olTIc.o
com que a presidencia da provincia de Minas-Ge?
raes transmute as acta< da eleicao primaria a que
se procedeu na parochia deGuaicuhy, do collegio")
de Montes-Claros, perlencente ao 7o disuado da
dita provincia.A' mesma commissao.
Outro do mesmo ministerio, enviando o offlcio
com que a presidencia da provincia do Para trans
mitte as actas da eleicao primaria a que se proce-
deu na parochia de Porto de Mar.A' i" com-
missao de poderes.
Outro do mesmo ministerio, transmittindo a co-
pia do projecto de lei da assembla legislativa da
provincia do Para, oreando a receila e lixando a
despeza da provincia para o anno de 1867, e um
exemplar da colleccao das bis da provincia do
Pernambuco, promulgadas no dilo anno.-A' quem
fez a rcquisic,ao.
Oulro do ministerio da marinha, enviando uin
dos aulograpb.oj.da resoluco da assembla geral
legislativa, que concede aos actuaos ofllciaes do
extinclo capo de animara de marinha, que du-
rante a luta da independencia serviram, quer como
oiliciaes quer como simples pracas da armada .ou
do exercito, urna diaria de 1, coi respndeme
etapa concedida aos olciacs do exercito pelo de-
creto n. 1,-oi de 8 de julho de \Hb>; n qua
* Ur coiupanliia'Pau-
- idiaby a Camnina
os mesmos favun- cwieedidos cnmpanWa !n"le-
za da esxnta a Jundiahy com
excepcao da garanta de ju
Vem a mesa, lula, apoiada e entra conjuncU-
ment em discussai a seguinle emenda :
Igual favor a conipanhia que or- misir-e pa-
ra consiruii una tslrada de |, rro da cidade de
Campias a do Hio-Ciaro, provineia deS. Paulo.
Rodrigo Un Si lea.Antonio do Pnidu.
guem pedindo a najtvra, e pondo-se a votos
Joclo, e approvado, bem como a emenda, o
fttSSfl lereeira il
O Sb. Rodiuuo da Silva reqner dispensa de in-
tersticio para que o projecto cutre iininediaUui-n-
U em terceii a di-cnssao.
Consnllada a canora resohe pela aftirmaiiva.
Minguen) pedindo a palavra, e pondj-se a votos
o projeclo, approvado; e sendo adoptado vi
comuiiso de rodaece.
OBDEM DO DIA.
Entra em terceira discussao a proposta do go-
verno lixando as loicas de Ierra para a anno 11-
naneciro de 18/0 a 1871, com o addilivo da com-
missao.
Vem ti mesa, 6 lido e apoiado o seguinte ad-
dilivo :
Ser contado para a antignidade do magistra-
do u tempo do sei vico que prestar durante a
guerra em juntas do justica militar.Rodrigo da
Silva.J. t'edrmeira
O SK. BiTTENCOUUT justifica o segoinle re-
querimento, que c approvado :
Requeiro que seja adiada a discussao deste
projecto ate que, a convite da cmara, esteja pr-
senle o Sr. ministro da guerra.Bitteneourt. >
Entra em discussao o proj neo os or-
denados dos oonlinuos c ofllciaes do justica das
relajos do imperio.
Ningueni pedindo a palavra, e pondo-se a votes
o projecto, recoihece-se nao haver numero legal ;
pelo que o Sr. presidente declara a discussao en-
cerrada.
Entra em discussao, que igualmente lica encer-
rada por falta de numero legal, o projecto viudo
do senado, prohibindo a venda de esclavos debai-
xo de pregao o em exposiofm publica.
Esgotada a ordem do da, e dada a do dia se-
iiuinte, levanta-se a sessao s duas huras emeiada
larde.
Pas-
adora,
apilar. (A-
N5o era debalde que os escriptorios dos
bancos particulares, j fallidos, trabalhavam
a todas as horas. Nesses dias cada qual
fazia a sua conjunctura, nenhuma tao des-
granada como a realidade que alinai se ma
ifestou. Sr. presidente, os credores que
tnham interesses legtimos e respeitaveis
nessas masssas faziam guarda voluntara de
dia e de noite s portas dos escriptorios
fechados. Os homens do trabalho e da
economa n3o podiam ver os livros, os effei-
tos e os valores dessas massas, nica ga-
ranta do soor e da fortuna de tantas fami-
lias, sob a posse e guarda dos proprios
fallidos I (Muitos apoiados). Inqualitcavel
descuido I (Muitos apoiados).
O Sb. Coelho Rodrigues
den prius dementa!.
O Sb. Fehhkira Vianna :A emancipar)) do
elemento servil nao una idea de partido." e sm
urna exigencia do espirito chrislao. Eu creio
que a cmara dos Srs. deputados faz em sen co-
ra ao sincero voto pela cmancipacao ; a dilicul-
dade est no meio pi tico. (Apoiados.)
O Sb. Pinto d:. Cai-OS :Elles nao abem
anda o que devem querer ; bao de qnercr a tal
respeito o contrario do que quizer o ministerio.
O Su. Febbbib.v Vianna :O partido conserva-
dor tein dado provas completas do sua tendencia
para consagradlo ortica deste voto da huinani-*
dade. O tratico, t iterado em larga escala no do-
minio liberal de 18U a 18'i8 cessou intiramente
sob a resolneao enrgica do ministerio de 29 de
abro de'1848 c inl'atgavel aevidade do il-
ustre estadista conselueiro Euzebio da Quoiroc,
de saudo.-a recordara i. (Muitos apoiados.)
N parlido conservador est disposto, como sem-
pre este ve,a promover e realisar as reformas re-
clamadas polo espirito publico e aconselbadas pe-
la experiencia (Apoiados.) Xo sua intengo con-
tentar o exagerado desejodos demoldores. Se re-
correrem aos meloa nateriaes serao repellidos
pelo-joni senso da nacau e pela energa do go-
veruo, que saber manter o diieito contra ^ for-
ca e a ordem legal contra a anarohia. ( .
O partido conservador, acensado no senado, as
reunioes. na praca publica, na impronsa...
O Sk. Benjamn :At na Plienx Dramtica.
(Hilarida;e.)
O Sb. Fkkueira Vianna :..,de violencias con-
tra a liberdade individual, de dictadura contra as
liberdades publicas, de arbitrio- e vexames conlra
os direitos c seguranca do eidado, ton o dever de
se defender Asaccusacoes levantadas pelos liberaes
conlra os progressistas e dos prognssistas contra
os liberaos merecen) tambem o exame dessa c-
mara. Aqu os mais conspicuos liberaes denun-
cian m a existencia da dictadura durante a s-
tuacao progressista, assim como se'qoeixaram
de inonstrnosas violencias no proeesso eleitral,
na desi^nacao da guarda nacional, no recrutamen-
t>, e at denunciaram prc.varcadcs no dispendio
dos diiiberos pblicos para o fornecimento do
exercito e da armada e outros servicos motivado
pefa guerra.
Tudo isto dive ser apurado, Sr. presidente, por
urna coinniis-ao dista casa, que, coiligindo todas
as provas, oferecer ao paiz a expo:icao cjrc
lanciada dos fados; feita a luz, a calumnia sa-
ja confundida, os abasas condeninad is e a ver-
dade que iriunipliante. (MuiUi bem.)
(O o ador 6 coiupriinentado por muilos Sis. de-
potados.)
Vem mesa c 6 lido o seguinte requerimento :
Proponho que o presidente da cmara eteja
urna cuiiimissi da 1 membros para examinar se
a conslitiiico tein sido exactamente observada
1862 a' boje, para prover como for
nsto.
do-se ao senado.
Outro do ministerio da agricultura, remetiendo
a ropreseutaca i da commissao incumbida pela
assoclaeao Cornmercial Denelicenle da provincia
de Pernambuco. de promover o e^iabelecuiento do
una linba telegraphica entre a capital do Imperio
c aquella provincia.A' commissao de obras pu-
blicas.
Trezc do 1 secretario do senado, communican-
do ter constado ao uiesino senado, por ocios do
ministerio do imperio, que S. M. o Imperador con-
sento as resolucoes da assembla geral, que ap-
provam diversas pensSes.luteirada.
Seis do mesmo secretario, participando que o
'senado adoptou, e vai dirigir sanceao imperial,
Qaos Deus vhII per -1 as resolucoos da assembla geral, que approvam
varias penaONsInleirada.
Outro do mesmo secretario, |iarlcipando que o
senado adoptou, e vai dirigir a sanceao imperial, a
resolueaV) da assembla peral declarando a isenco
da direitos de importaco concedida companbia
Hydraulica Porto-Alegivnse.Inteirada.
Um requerimeato de Io5o Jos Fagundes de
Rezcnde Silva, pedindo um privilegio de 90 amaos
para incorporar urna companbia do oiineracao do
Gayap.A' eommissao de commerco, indoslria e
cries.
Outro de Frcdei ico Augusto dos Santos Xavier,
pedindo para ser matriculado no Io anno medico
da faruldado desta corte, obrigando-se a fazer
exame de historia antes do acto do referido au-
no.A" commissao de nslruecao publica.
Outro do alleres Domingos Jos Yaz, advogado
provisionado do tribunal da retacan da corte, pe-
dindo para exercer a sua pronssSi em todo o dis-
tricto da moma relacao, sera dependencia de nova
firovisu.A' commissao de justica civil.
Oulro de Antonio Diadoro de Pascual, pedindo
um anno de licenca com todos os seus vencimentos
para tratar de siia sade.A' commissao de peu-
sos e ordenados.
L-sc, e approvado sem debate, o seguinte
parecer:
< A* commissao de eomstitnlcao e poderes foi
presente o offleio em que o Sr. deputado Francisco
de Assis l'eieira Rocha pede licenca esta augus-
ta cmara para ir s provincia do Guar.
SESSAO EM 1 DE JULHO.
PBKSlDCNi IA IX) RB.K8MK.
Ao meio dia, feita a chamada, vcrillcando-se lia-
ver numero legal, abre-se a sessao.
L-se e approva-se a acta da antecedente-.
O Sk. 1 SKCiiETAnio d conta do seguinte
EXPEOIENTB
Dous oflicios (lo minisieiio do imperio, enviando
as copias dos decretos pelos quaes foram concedi-
das pensos a D. Faustina Amalia Ha-.aleante
Ucba e outros.A' commissao de pensOese or-
enados.
Outro do mesmo ministerio, enviando O'oiicio
da presidencia da provincia do S..Paulo, em que
coinmunica que expedio as convenientes ordens
alim de serem lielaientr cumpridas as dectsQes
ilesta cmara acerca das eleicoes a que se pro-
cedeu na dita provincia.A' quem fez a requi-
sico.
Tres do secretario do senado, Darticipando
que o mesmo senado approvnu, e val dirigir
sanceao imperial, os decretos da assembla geral
lixando as torcas naval e de ierra para o anno l-
nauceiro de 1869 a 1870 ; e mandando que a lei
n. 1,307 de 20 de setembro de 1867, decretada
para o exerccio de iflfiS a 1869, Continu em vi-
gor durante o primeir semestre do anno linan-
ceiro de 18G> a 1870, e a brindo crditos aos mi-
nisterios da guerra e da marinha, Inleirada.
Oulro do mesmo secretario, conimunicando que
c.inslon ao senado que S. M. o Imperador ronsenle
09 resolneao da assembla geraBflutorisa o
governo par-i mandar pagar ao briTpBoiro Jos da
Victoria Soares de \ a quanlia
de 26:32't000, valor arbitrado a trras pertencen-
tes ao tinado bario de Ca i Pernambuco.
Inteirada.
Urna representarn do Io juiz de paz da fregue-
m de Santo Antonio do Urub, da provincia da
Baha, entra a duplcala feita pelo 2" juiz de paz,
que Mlegatmente presidio eleicao. -A'I* com-
missao de poderes.
Lecm-se, e sao appjavados sem debate, osse-
gumtcs parecer
Cincoenta e seis Srs. deputados indican) que
desta augusta cmara as sexlas-fciras
e sabbaiUs sejam celebradas a noite.
A commlss i de'iiolieta, examinando essa in-
dicarn, nota que a idea de funedonar a cmara
a noite ja (eem asscnto no regimente interno, quan-
do faculta que no mesmo dia possa haver duas ses-
s5es, comecando a seiranda s (i horas di tarde.
A indicaran, porm, pretende que as sesses
nos dias especilicados sejam transferidas para a
noite.
A commissao de polici inconve-
niente em ailoptar-=e a i)la aventada, que. pelo
numero de cus adlierentes, se la indica-
cao, parece adiar apoi i na maioria da cmara ; e
assim pritpde :
- Que as sesses na- sextasfiras e sabbados de
cada semana principien) as O horas da tarde, ob-
servandu-se nellas todas as disposieoes do regi-
ment interno.
Paco da cmara das deputados, Io do julho de
!6'.'.Jonquim Octavio Sebias, vire-presidente*
Diogn Velha Q. Albuqiierqite, Ia secretaWo.
Joahnim Vire*Harlindn Portella, 2" secretario.
L A. Yieir da Sijta, .') secretario.Cantillo da
Ounka Figueireo, i secretario.
Vem mesa a seguinte declaracao de voto :
Declaramos que votamos contra a resolUC&
de celebrarem-se sessoes a noite.Luis Carlos.
Caedo.J. Penido.
A commissao de polica, a quem foi presente
o requerimento do Sr. deputado Forrara Vianna,
para nomear-se una commissao de 21 membros
de
. cap
industria e ao commercia; nao obstante grita com
todas as suas torcas : t Dainos liberdade, tne
vos daremos boas (naneas. Mas vede que o
vosso governo liberal, ou autes a vossa liberdade
nos deu :duas pestes, a guerra e o^apel-moeda.
a ruina e quasi a bancarola Mas accrescent;is :
O parlido liberal nunca governou o paiz. Eu
lambom creio, porque vos nao sois libones. (Mui-
los apoiados.) Quem, pois, o respoasavel por este
periodo de 1862.a 1868 ?l Misero eadayer, nem fa-
tal sepultura Ihe qnerem dar I Apodreca ao tempo
lodos o renegam I Queris i llura*-lo da his-
toria patria ? Oh I so fosse possiveff,-. (Muitos
apoiados.)
SerSo boas financas no rgimen^ lib: rdol i
entregar a sorte dos erodores ao Itvrt arbitrio a
boa f dos fallidos, e formar orna divida que ab-
sorve e juros inetade da reeelta publica T Este
liberdade a oppressSo peto imposto ca miseria
pelo cshulho. (Muito bem, muilos apoiad
O Sn. Pinto de Campos :Isto nma-irrisao t
O Sb. Febbiiba Viamka :Esse partido s tem
sabido ameacar os governos, agitar o espirito pu-
blico e ensanguenter o paiz com*a goerra civil
Pois, senbores, se at hoje os nossos adversarios
liberaes nao conseg.tiram governar o naiz, nao
que recorre ao fatal papel-moeda, aoempr. siimo |J,l,f0;, .
interno, desappropriando capilaes nacessarioi i Sal das sfcsoos, 28dejunho daWS9.Fer-
i Vianna.
;poso crer que consigara com a propaganda demo-
E o governo liberal, que para prevenir ,**|f*0* anarehica. (Naraerosoa apoiao.)
desorden mandn mover a forfa de caval' ^ avareS** "* G*MW ~Fmm Papel*
taria, nao se lembrou de ordenar aos juizes' o Sn. Fsrrhr\ Viabka :-Ao mesmo tompJ
O Su. Pbksimnte:Pelo arl. 40 do regiment
as couunissoea devem ser de tres ou ciuco mem-
bros ; esta, porm, urna oxcepcao. urna com-
missao magna polo seu assumpto e objecto. Por
..so, snbmettendo consderaco da casa o reque-
riiiieiilo. tenho de fazer una consulta, isto e*a
camera quer que esta commissao seja oOmposta
de 21 membros. Vou propr approvaga o re-
jquerimento, deixando para outra votarn o nume-
ro de membros de que deve ser composl a-eom-
missao a que se refere o requerimento.
Os membros, que approvam o requerimento
qneram levantar-se.
Foi approvado unnimemente.
Agora a questao relativa ao numero, de mem-
bros que devem comppr a commissao. J liz ver
que pelo art. 40 do regiment as commissoes de-
vem sor de Ires at cinco membros; como eta
una commissao extraordinaria e o seu nobre
Jor propiJe quo seja composta de vinte e um mem-
bros,,en vou consultar acamara, porque este tacto
s pede servir, quando muito, de precedente para
Os casas de idntico alcance, pareeendo-me que
alo importa previa alten fio no regiment.
^Br. Cdkdk db Babpehot :Pec a palavra peh
O'.Sn. PiamwrE:Tem a palavra o nobre
deputado.
O SR.CO.VDE DEBAKPENDY:Sr. presidente,
qclio inconveniente, e atf perigo^o, que se altere o
Sendo procedente a razio em que o nobre ,l".11 (,-' ',*a,minar se a conslitoicao tem sido obser-
vada de IM)2 ate hoje, confrontou-o com as dispo-
sieoes ilo regiuienio interno desta augusta caraira,
e notou que o mesmo requerimento encaotni o arl.
10 deste, dispondo que nenhuma rommissiio ser
composta de menos de lies individuos, nem do
mais de cinco.
Emende, porm, a commissao de polica que
lratando-se no caso sujeito do una eommi
extraordinaria para objecb) to momento?o, ne-
nlmm inconveniente resulta de abrir-ee urna ex-
cepgao regra do regiment, sendo, o numero dos
membros da mesma commissao o indicado pelo
autor do requerimento.
Pao ila cmara dos d 'potados, 1 de julho de
18G9.Joaquitn Octavio Nebias, vico-presidente.
Diogo Yelho C. de Albumicrqtte, i secretario.
Joaauim Pires Machado Portella, 2o dito./, ,(.
Vietm da Silva, :)" dito.Gamillo da Cunha r
jueiredo, 4" dito.
Leem-se, julgam-se objecto de deliberacao, e vo
a imprimir para entrar na ordem dos trabal!io?,"os
segnintes projecto? :
A assembla geral resol va ;
* Arl. 1." As congregares das faculdade e
academias do imperio licam autorisadas a permit-
i- aos estndantes de preparatorios a que faltar so-
mente um exame dos preparatorios exigidos, que
possam frecuentar o 1- anno da respectiva facul-
dade ou academia ; nao podendo, porm, fazer
exame das respectivas mabujas sem que mostmn
ler sido approvados no pre|iaralorio que Ihes fal-
lar e de ter pago a devida matricula.
Art. 2. As approvades do exains de pre-
paratorios obtidas em urna academia ou faculdade
do imperio serven) para todas as mais facaldadcse
academias do imperio.
Art. 3." Ficam revogadas as leis e mais di -
posieoes em contrario.
Sala das sessSes, 23 de junho de 1869.-/crt)-
nymo Mximo Nogueira Penido.
t A assembla geral resol ve :
Arl. l." Fica o governo autorisado a conceder
a companbia paulista da estrada de ferro de Jun-
diahy a Campias os mesmos favores concedidos A
rompanhia ingleza da estrada de feUPode Saniosa
Jundiahy. eom.excepcao da garanta de juros.
Art. 2.- Igual favor cencedido companhia
que organisar-se para o prolnugamento da mesnu
estrada de ierro da cidade de Campias do Rio-
Llaro, da provincia de S. Paulo.
Art. ?. Ficam revogadas as disposiofes em.
contrario.
Salad
~1 Ev_
A assembla geral resol ve
Art. l." O governo autorisajii
adrailtir matricula e ex
de pharmacla da heida
O estudanto Candido Aires |
i
dep tado funda o seu pedido, a commissao
parecer quc'se conceda a licenca requerida.
Sala das coniinissoes, em 30 de junho de
18G1. Manoel Francisco Corn'n.J. M. Figueira
le Mello, i
L-se, julga-se objecto de deliberacao, e vai
a imprimir para entrar na ordem das Irabalhos, o
projecto sobre reforma judiciaria, que se acha
publicado.
O SB. COELHO RODRIGUES justifica e manda
a mesa o seguinte requerimento, que appro-
vado :
llequeiro, que par intermedio do governo, e
em nonio desta cmara, se peca assembla legis-
lativa provincial da Piauliy :
1." As copias de. todas as actas dos dias em
que funecionou, durante o anno de 1868, inclusive
as das sessoes preparatorias.
i.' Os fundamentos pelos quaes reconheceu
legitimo o diploma do hachare! Jos Lustusa de
SotR.
Payo da cmara dos deputados, 30 de junho
de 186J.Coelho Rodrigues.
I'roeede-se successivameute votaco das
redaccoes dos projeclas que foram a imprimir na
sessao antecedente sobre pensoes, matrcula de
estndantes e naturalisacoes, e sao approvados.
Procede-se votaclo do projecto determi-
nando que o ministro do imperio na corle e os
presidentes as provincias concederlo ttulos de
naturalisaco a todos os estraOgeiros maiores de
21 annos, que o requererein, una vez que se mos-
treo) hvres de culpa, lenham um anno de residen-
cia no imperio, e declarein que nelle pretenden! li-
xar a sua residencia, e approvado ca prinii-iia
'discussao e passa i segunda.
Procede-se a votaeao do projeclo em tercei-
ra discussao autorisaodo o goveYno a pagar a Ma-
noel Jos Teixeira Barbosa a quanlia de.........
1oOj732M.'O rs., nnporlancia da senlenca qnie ob-
teve conlra a fazeuda publica, e rejeitado.
Entra era primeira discusio o projeclo que
autorisa o.governo a mandar admittir a exame das
materias do primeiro anno do curso medico da fa-
culdade de mediciua da corle, depois de approva-
do em algebra, o alumno do primeiro anno do
curso de pbarraacia Alfredo Carneiro Ribeiro da
Luz.
O Su. Chlz Machaoo pede, e acamara cnsente,
que o projecto tenba urna s discussao.
Vem mesa, sao lidas, apoiadas e entrara con-
junctamente em discussao, diversas emendas con-
cedendo igual favor outros estndantes.
em pedindo a palavra, e pondo se a votos*
0 proi*" o approvado, bem come a emendas, e
reaiettido commissao do redaccao.
A rcquerimenlo do Sr. Cruz Macliado resol ve a
eanrnra qua na-redaecSo seja separado o pmtecfo
primitivo das emendas.
Entra em primeira discuwao projecto que
apnrova pensoes a diversas pessoas.
Tingnem pedindo a palavra, e ponilo-e a votos
-ses, em 1 de julho do 869l
& j)balo.-J. DiljmolU-
tir. wt vim-m DAS ftlJS k
A
-TI

l
m ^w .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW64LLX88_UWQ6SJ INGEST_TIME 2013-09-14T01:21:12Z PACKAGE AA00011611_11898
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES