Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11897


This item is only available as the following downloads:


Full Text
tfc.
AMO XLIf. NUMEAO 165.
ef


PABA A CAPITAL IBiRES ONDE HAO SE PAGA PORTE.
Por Ires mezes attiautados. \ .
Por seis dlios idem..... -II............
Por um anno idem...... ...........
Cada numero avulso .... '.......
SEXTA FEIRA 23 DE_ JULUO D Jl
PARA MlflO E TORA DA PUflWl
Por tres mares adiantados.....
Por s ditos idem................
Por no\-i ditos idem......' .......
Por um anno
ir------1
f
20#0
271000
Propriedad d Manoel Rgnira rifara & Filhos,
SAO AOEMB9:
Os Sr, G^do ^Ah-S^^j^^
LenmBng, iwArantj; Joto Mara alio Chayes, no Ass; Antonio Mimar
!^ltttSt^
PARTE OITICIAL.
Miaisterfada guerra.
noticias da nnirniA.
Quartcl do commando do l.corp i provisorio da
eavallanade guardas nacioriacs, um Pirav. 19 de
johho d m.
Illm. a Exm. Sr.-Tendo recebido no din 6 do
vjgeal ordem de S. Exc o Sr. goner.il comman-
'?' J; *rfa cxpeJwonariapaea, coni dofllciaes
86 pnc.a; do e irpo sob nuju commando, paesar
ain do TVMcuary, alin da reunir familias e le-
vantar os gados que ti nmie M Potreiro Tebieua-
ry-mi, segal para lito lugar, onde cncontrei gran-
de numero de familias i|ue escoltadas por pracas
dBimmigo niarchavamj u tendi) conseguido dis-
f rsn-las apoderadme das diia familias, bem co-
mo de ddti a iOO reos, pondo-mu am seguid m
icerch para fazer juuccao com o msmo -Exm.
senil o r.
WrVtoi dmnls de ter marchado no da' 7 oncon-
rw-me no da 8 com o Sr. coronel Bcnto Mrtir
que, fateiulo l retaguarda dograssoda forca, foi
atacado po| torcas milito superiores do inimigo,
ofcrtganuo-o a retrogradar; e eonbocendo eu. In-in
corito o Sr. coronel, a impossibilidade de fazer
.nne^ti), vista qne o grosso da fnr^a nao linba con-
segoido abrir passo, maniremos retirar e procurar
ontra sabida, o quo cifecuianios depois de ter inau-
ditos IrabaHios, abrindo picadas por lugares quasi
injpetictr.'ivii;
Pan effectuar este innrimento, live de abando-
nar as ItaMMes e gado, e asaba tambem indispen-
savel fu .; extravio de militas armas arreamento
e cvalo-; mas felizmente so tenbo de lamentar a
perda de urna praca morta.
Compro am dever de justica dando setnela V.
S. qoe [auto os ofliciaes como as proras qae me
aeompanhar.iiu neste passo arrisca lo spportaram
Iodos o i neo venientes delle com a maior resgua-
<;o c euragem, pois que sempre os achei promptos
a arrestar todo o qtnlqunr perigo.
E' itunrfto lenho a levar ae conheeimenlo de
V.-8.
Deas guarde a V. S.Illm. Sr. coronel Manoel
de OUveira Bueno, commandanle da l." brigada de
cavallaria.Vaneo Anlomodi Fbntoura Chananeco
Waente-eoronel.
de V. Exc, que se retirava do povo de Ibitimv
para o de Ibicuhy, para fazer a retaguarda do 17.
eorpo provisorio de cavallaria, commandado pelo
tenente-coronet Joan Clemente Godinbo, licando
tambem anearregado de dirigir a marcha do gran-
de niiineiir de familias paraguayas que j com-
nosco se acbavam, e bem assim a* que fossem
encontradas pelo caminho, e aquellas que ainda
se conservassem em suas casas as immediaeoes
da estrada. *^
Depois da ter tomado as providencias neeessa-
nas, puz*me em marcha, dando inteiro cumpri-
niento as onlens de V. Exc. e me grato annun-
oiar que de todas as partes afftuia grande nume-
ro de familias em carretas e a p, a quaes de-
uaixo da nossa bandeira vlnham procurar o ali-
vio para as snas miseria*.
.No da segointe, continuei a marcha, e cres-
cendo oonsideravolmente a atfluencia do povo,
ornou-se ella muito morosa, j pela grande qtian-
iidade de carretas, j pela mullidao de enancas e
vemos, que por falta de meios vinham a p.
Lntieinnti, fm intento de abreviar a marcha,
mandei enllocar no centro da grande caravana
alguna otneiaes e vate e cinco pracas, afim de
remover qualquer obstculo que se appresentasse
no caminho; apezar disso, porm, nao me. foi
possiyel acampar nesse dia alm da serra da Sa-
pucaia, como desejava, pois que s 3 horas da
tarde, tendo parte de que a cauda da minha co-

por sua ateta o 8r. principe, connawdante em
eme.
Durante esta penosa peregrinado, desneeessa-
rio dizer a V. Exc. que passamos to*i a sorte
de mrsenas que se podem imaginar ; sb pnv-
ximioadVs de lbicahy o qoe enconramos atBnw
laranjas, ranas, atwlwras e milho a que se atirou
faininla ,f nossa fjrga, porque t eatao o seu tni-
co alimento era agoa pnramente.
as maUas que borda va m o grande potreiro
de que j faflei, encnnlrou-se una ro^i- de roa-
; neila se lancaram os nnssos soalados mor-
fwto do Warnor, navio ein ludo inferior .Gloire,
posto- que de <*n?et>ses duptas. De cafeto cara c
notareis atieran es s.jllw tlzeram, cona> K*sm a
da djamaic do pparellio e o dasrawartimento
das ctnpa* as axnwtHidada uVj do voaue.
bttrtmto, peto que cnoata ao ron seibo;, parece
que m iiiiperfeieV do Warrior sao inherentes
almeza dueonstru^ao,.porque loage de- se jJae
notar melhorornenlos depow daquellas mnditica-
56w, acontar' qae coiieeotraciu de peeo- das
cimpas, a meto navio, turnara esse ponto Tierte,
em uar grosso, resaltando d* o torcimento
-V. _.Ji9. Dita ao director geral interino da ins-
rrweeao publica.Teodb' designado o professor pu-
Wicu padre Vicente Fcrreira de Siqoeira VarejSo,
pw exainioar era arhmctica e suas applicacoM
da 14 do
w -'i f.,,n v dos
ios a tome, mas agreste comida, longe de Ihes dw extremidades pela aeco-dn vana
Laa.'lentLir0UX("lhCu<) ;nal' ProJ[o^ntorlhes ftnd ha ate Hurto prete nooSra veriHcado pe-
fnlt<-Z*~!Le T*"it:""10 a wto de twa io-|;toaliMBt Warden ; mas-o cooselho naval ckhe
nmZ ?i1IS*9,,eml0 ,,nr?10",f,4o, ^ rt). i "'era nocia pek ex,Wsie>, de qw falla, do atoar-
on) do dezeseis e um clanm do quinto corpo que rante^ertorions
se achara s mtnha* orden.
Todos os nossos compaobeiros, quer os que se
acharara na occasiao do combale, quer os me so-
mente me acompuiliaram nos duros traballios da
luga sao dignos de maiores eisirtes tanto pela bra-
mI'?V T1'.""' conPe!! rwioaeao e nmstanciaI meaca da ing^rV/aav"a^aJa"9mrSBe
que em todas as odhwioes mosiraram ; e confa do naoaitores.
iVo conselho n5o sorprabendpj analyse do
Mormng Post ao rstatorio de Wanam, ponjue, por
:h*mi dizer, aapeNU ise resulta, desde que
lera com vivo Meaasm e ;nmradaiaente os de-
is mais habis prollsaionaes> da Franca e
inaiorsalisfacao que eu rectmtmendo os seus no-
mes, que constara da nota inclusa, consideraran
de V. Exc.
lumna ainda se achava quem do Tebiquary-ini,
vi me obrijjaJo a pernoitar no potreiro d'aquelltf
nome, conforme liz sciente a V. Exc. pelo meu
ajudanle de ordens.
Illm. .ir.Sendo o eorpo de mao commando urna
das partes da Torca expedicionaria ao mando do
Fxm.-Sr .general folio Manoel Menna Darreto e
vendo sido ordenado pelo mesmo ao Illm. Sr. coro-
nal Bento Mariins de Menetes, eommandaatc da
'.'.' brigada de cavallaria, que ooo) o meu corpo
(icasse tazando a retaguarda da dita forca afim de
iirotc.car as familias, e o que rudo se fez conforme
as WO>ns daifa ; e'ti*nitoTiea1a 7 do eornRRe mn
acampado no Potreiro Ibicuhy allm de fazer june-
cao um Bsqoadrio que ba a retaguarda do cor-
po, como r.o dia 8 do corrento determinou V. S.
qo' ae lev intasse campo, (inmediatamente o iz, e
emerehedemos mareha.
ilepois de caminharmos meia legua, mais nn
rneno, e de termos traaspoeto um grande esteiro
inmediato picada que (leviamos seguir, eis quin-
do o obstados por (breas inimigas pela
frente. Petaguardn e llanco direilo: preparamos
para cimba!. oom a pequea torca que tinha em
forma, p r achar-se o eorpo fraccionado no servi-
co cm que estiva a nosso cargo, como Y. S. foi
patenteado.
Dcjmis de preparado, vnltemos retaguarda so-
bre o tnimign em um grande capao ; fazendo a
nossa carga (oraos inmediatamente rechacados,
pela desigualdade de forca e armas que haviara de
nossa parle. Sccundei nova carga, aconteceu o
meemn. K tendo eu ja sido ferido na primeirn,
jolgando ser ira? sivel o desbaratar o inimigo, e
vendo perda de minha gente,,|>rocure retirar-me,
oque Hz.toiiiaiilo para o (lancoesquerdo do inimi-
go que se achava desguarnecido e ah refugiei-me
nas mata*, arompanhodo de 4 olriacs e 64 pra-
cas. Sotranliaoios nas matas, nossa noite urna
legna mais ou metros, ahi pernoitei com todas as
vigilancias.
Na madrugada do dia seguinte emprohendi mar-
cha, abrindo picadas pelserra e a rumo, de que
tiremos resultado feliz nao termos tropeos em 4
leguas que liz nas ditas matas e sobre a's 3 ou 4
lloras da tarde merec aleanrar campo, onde fiz
dar pasto a cavalhada.
epois de urna hora,emprchendi marcha j pelo
campo ; pasesi o arroio Corrientes que deseja da
dita sorra, e encontrei algnmas rezes. Mandei car-
near epoucas quadras adiaute acampei.
Na madrugada seguinte marchei cora direccao
ao l'ovo Ibicuhy sempre com todas as precaucoes,
e indagando por torcas nossas do quo nanea obti-
ve noticia; consegu nesse transito fazer tres prt-
sMWros, os quaes um servio-mo de vaqueano.
Continuei a marcha todo esse dia at 10.para 11
horas da noite, quando acampei quem do PovbJ
Ibicuhy. eome dnas leguas, sempre com asmesmas
reeaucoas.
Hobre t ou 2 horas da madrugada levantei cam-
po o segu minha derrota ; vim dar sobre um ar-
r .o de que nao inj lembra o nome, e distara da-
qui como i leguas; eslava bastante cheio e para
nfto perder lempo, aehando om ama casa alguns
cooros, mandei levantar e emprehendi a passagem
do dito arroio em pelotas,
dJfo.
Acampei, e no immediato dia aaaade explorar
um outro arroio que llcava om minha frente;
aobava-se campo tora ; ahi acampe! e permanec
dous das, alim de obter passo ; mas n& entente
com Mso, mandei proparar botes de coaro e pe
Iotas, para etTectuar a passagem no dia seguinte,
o que iz; porm felizmente, o dito arroio ja da va
pan
Depois de ter passado mandei o sargento quar-
tel-mealre com algnmas pnacas melhor montadas
pedir proteft?3o. Fagindo sempre da costa, afim
de evitar qaalquer encontr oom o inimigo, cru-
zei aseria sempredoixandoopovoParaguary nos-
sa.direita, no que tive bom xito por ter encon-
trado boin-caminho e sem tropeco. Logo que en-
contrei a estrada que vem dar nste acampamento
encontrei a proteccao que ia ao meu encontr, isto
a noite,
X) alimento de nossos soldados j se sabe, laran-
jas, aboneras, mandioca, milho.
Os oda%iMB e pracas que me aeompanhacam
sempre portarara-se cora o caraWer di soldados
brasileii
Ttvc na minha derrota somentc perda de alguns
cavallos caceado?.
E' tudo danto tenho a levar consideracao de
V. S.
Deus guarde V. S.Acampamento em Pirayu,
\0 de jnnho de 1869.Illm. Sr. coronel Bcnto
Mitrtms-de Menezes, dtgafesimo commandanteda
7.' brigada de cavallana.-Jfldo GtmmOt Oodinho,
*eneoe-coronel.
Illm. e Exm. Sr.Levo ao conhecmento de V.
Exc, como me compre, as oceurrencas bavidas
4a madrugada de 6 at 18 do crranle, em que
o servida a Divina Providencia por-mea salvo,
e a loria que me acompanbava, do acal miareis
Durante o meu irajecto do povo de Ibitimv at
este poni fui inutlisando quanto se me apresen-
tava que pudesse servir ao inimigo, tendo sido
qneimadas cento e triota e oito carretas.
Na manhaa do dia 8, emquanto dava tempo a
quo se nos reunisse a retaguarda, mandei dar de
cerner a gente que me acoinpanliava, e pelas II
horas sah do referido potreiro com o fim de trans-
pr a sorra, levando como vanguarda urna torca
de 1-2 homens e cobrindo convenientemente s
flancos.
Ao approxiraar-me da picada da citada serra,
ao mesmo ttano que se ouviam ao longe alguns
tiro?, tive parte da vanguarda que all baria urna
trineheira artdhadn, n tambem tinha sciencia de
que a retaguarda eslava corlada por urna forca
consideravel de infaulana e cavallaria.
Dispondo in conttnenti para o combate a peque-
a torea ipie imha e que nao chegava a 80 ho-
mens, om ella avanoe para a retaguarda a en
contrar-me com o inimigo que reconheci ter-nM
cortado completamente a urnas seis quadras da
frente da columna.
Duas fortes linhas de inf.intaria, apoadas em
eolninnas do reserva que se avislavam a pequea
distancia no seu flanco direito, tinham-nos com-
pletamente envolvido. .___
A' vista de tal emergencia, de tamaita aeri-
gualdade, nao se me antolhon outro meio de sal-,
var a gente senao o de linear a confusao nas fl-
leiras iluminas.
Para tal um, mandei que o bravo e intrpido
majar Manoel Jos Soares fizesse urna carga de
arma branca sobre o centro da linha, o qae toi
promptumente executado ; mas apezar do arrojo
e mi que carregaram os npssos bravos roldados,
que entre si disputa va m em valor e intrepidez,
fui iiiproficuo osse mero, sendo os nossos recha-
cados pela torca desproporciona! com que com-
batinm.
Nesta cireamstanca, entend que nao se de**
gastar tempo em indecisoes ; obliquei esquerda
e gritando ao citado major para que me acompa-
nliasse com a sua gente, atropellei a direita da li-
nha inmiga, qo' consegu romper passando em
um grande e lamacoato esteiro onde se apoiava a
columna de reserva do inimigo.
A ewfaso e algazarra que este fazia impedio,
infelizmente, que o referido major rae uuvisse,
deixando por isso de acompanhar-me.
Livre do maior pergo, e deixando aos cuidados
do tenente-coronel Godinbo e major Soares a gen-
te que com elle se acbavam, atravessei o exteoso
esteiro apenas seguido do meu ostado-maior e de
oito pracas, inclusive o inferior que condnzia o
estandarte do 17. corpo de cavallaria, soffrendo
nessa occasiao vivo togo uraa linha destacada da
columna de reserva, com a qual o inimigo pre-
ten lia anda cortar-nos, o fui tratar de salvar nao
so mais de 100 homens, dos quaes uns faziam a
guarda da retaguarda e outros vinham auxiliando
a marcha das famias, como tambem o 1." corpo
de cavallaria do commando do tenente-coronel
Chananeco, que na vespera eu tinha recebido par-
ticpalo de que eslava para a nossa retaguarda,
indo encontra-lo no potreiro Garay s i huras e
meia pouco mais ou menos.
Alli ouvia-se distinetamente o troar da anima-
rla, e logo oomprehendemos ser o ataque que V.
Exc. levava s trincheiras inimigas para avanear
em nossa proteccao.
A gran le distancia era que j nosachavamos da
torca inimiga, e a certeza que eu tinha de nenhu
mi vantagem que resultarla se eu levassede novo
um ataqaa a dita torca, atienta saperiordarie
em numero e o estado da nossa cavalhada, fez
com que eu nao tenlasse ncorporar-me a V. Exc,
e reunindo a gente que acompanhou do citado
lenente-coronel Chananeco, repassamos immedia-
m lamente o Tebiquary-m ji de bola p ; e Mi-
me foi bem papto donde se dirige a estrada para Villa Ri-
ca, pernoitando poucas quadras alm delle.
Diversos meios se apresentavam para urna fuga,
era porm, preciso procurar um gue mais tacilida
de tifferecesse, aliento nao s o mo estado da aossa
" cavalhada, c mo a seguranca da torca ; resolv,
pois, tomar o caminho das Cordtlheras na direc-
eao do Ibicuhy.
Nesse intuito, na manhaa de 9 do corrate para
alli machamos, e dos dilTdrentes pontos onde des-
cancamos vimos que pequeas partidas do inimi-
go, sabidas de diversas direccies, examinavam o
acampamento onde havamos pernoitado.
As 3 horas e meia da larde achavamas-nos na
frald i dos serros, s 7 horas da noute desean
cavamos, leudo-nos internado urna legua e meia
por ella fez-se prviamenle para esse fim-utna
picada, superando os maiores embaracos.
No dia seguinte continuamos o nosso trabalho
at meio da, em qoe, depois de aborto am cami-
nho de cinco leguas de extensa, pudemos sabir
dos mattos, despontando, aps taraaohos traba-
lho?, exhaustos de'tome e eansaco nesse vasto po-
treiro om que, segando dlzem, ja invernon I^opez
trinta mil vozes.
Tae debates assim eresumem':
ItcuBir em um naviode diHienstles raDttve*sr"ve-
-oeidade, resisleatia, iwpenelraWlidade e espaco
i-mtretanto. porem, alguns houveramiqne se tor-1 sulticiente para araainanM pesado, accomiBod-
muain dignos de particular mencao, e especial- i.-'tes de guarnieoes e munioaes de todo (
mente os recommendo a-V Exc. : o tenente-c.ro- um problema ditllcilim, sena- de- i
la
soto cao,
naval.
sob o punto ds vista da
nel Vasco Antonio da Fontoura Chananeco, i
ellicaz ciadjuvacao qno sempre me presin d
o iiKimcnto em que com elle me encontrei ; o ma-
jor Manoel Jos Soares, pela ellfcaz coadjuvacao
que me prestou durante o combate e pelo arrojo
e intrepidez com que carregmi com tim puntuado
de homens sobre a forte linii* inimiga ;n capitn
Graciano da Costa Pacheco, assister* da repara-
cao do deputidodeajudante-general unto a mim,
pela promptdao com que executava minhas or-
dens antes e durante o combate, eut que se por-
lou com valor o calma, sendo un* dos que corago \ por aviso de -i da outubro de 16"
rompern a linha inmiga ; continuando sempre a ceder or-ganisacao" da torca nava
coadjnvar-mc com interesse e boa vontade em to-
dos os nossos traballios ; o capitn Hern)cnegldo
Laureano da Silva, que commandava onarda da
retaguarda da columna e que tomn o commando
da torca que reun, pela condjuvae.i que me
pre-tou ; o capitao Domingos l'eireiri C iiiealves.
que commaudava a guarda uu di;i H 80 crrenle
a desempenliou Cabalmente as miaons ordens;
tenente Gabriel Kodriges Portugal, ssfetej)to da
ieparIu;ao do quarlel mestre general junto a mim,
pela promptdao cora que executava mi altas or-
dens antes e durante o combate em que 6e por-
tou com valor e calma sendo um dos que comigo
rompern) a linha inimiga ; continuando sempre
a coadjuvar-me com interesse e boa vontade cm
lodos os nossos trabalhos ; o alteres Francisco
Rodrigues Portugal, meu aldante de orden?, pela
promptdao com qoe exucuton eoipre minhas or-
o genero,
n>posivel
areatteelura
No- ptaticavel o conservar nos eneouraeados
essa.elegancia de formas, uueemRewl.d. aos na-
vio o impulso neeessario a rapidez da-aiarclta, sem
o sacriei de algumas de suas mais importantes
qualidftdes.
Assim*qoe, e por vir a ponto, este eonselho pe-
dera licenea a V. Exc. parv dizer de passagem,
que causara la I ou qual duvida uo espirito de
seus ntembrus, o parecer da cinmissao nstuida
ad'wn de pru-
_ al do imperio,
(piando, eno-e oulras conslrmrcdes, propoe a de
urna fragata encouracida de iwmaira cathegoria,
assevoraoUo-nos, desde lugo, que esse navio, su-
perior em brea e eficiencia ludo, quinto exis-
tia, aria invencvol e bstanla para fazer-se res-
peitarpur umaesquadra de qualquer potencia.
l'-r iiuiia eoulianea que meivea ao oonselho
naval o juiza- esclarecido daquella connnisso-no
e laeil >iibsereve-lo sei cuiitiuversia, nesta po-
ca, por as-in> dizer, das novidades sorpredeuts
em a*sumptos de marnlia, e quando vemos que
ag melhores cooslrufees do encmi ranadas acabara
de ser ta desfavoravelmeiite julgads por juizes
ceiupcleiites.
Ji em 18Gtwa experieucia demonstrara que o
mamres c mais podero catite o Dt&utberg c Puyiluii, nao resistan) uu
) TVt daajr|n*ln -\" 1,080 de lUoain, e inui-
no TOnenrso qoe se val procc*r no
corrate no arsenal de Hliirinha' para preenchi
ment-dos lagares vagos-de esemao e seo al-
dante db- respectivo almo-wrifado e de amanuen-
ses da- secretaria; assim e> declaro- a V. S. para
seu coabeeraento, e afim d que o feca constar
ao mendonadt professor, que para issolever en-
tender-sn-cwn< inspector daquelle arsenal.
->. Jod.Ditaao majar Salvndor Henriques Al-
l'uquerqu:-Tenuo designado--Y. S. para exami-
nar em ramatic nacional no- concurse que no
da 14 do crreme se vai proceder no arsesal do
marinha paropreenrhimento des Ingar vagw de
escrivao e seu'ajudtmte do respeervo almoxarifa-
do c de amanuenses da secretaria'; assim 0' decla-
ro a V. S. parjrceu cfmheciroentO' e amr de qoe
se enteoda para isso eran o inspector daquelle ar-
senal, esperando-qae acechar d boa vontade
etsa commissao.
K 351.Dita aedlrettorda coorsmhia deBfe*
benbe.Era vista- d qiwsolcitoa -ramara mu-
nicipal dcstaeidade-em-offick) de 29 dealiril, seb
n. 27- prwidencie V. S:, afim de que ja snspen-
sa a venda d'agua aos-nawios, nobairrs do Beato,
ou empregue outro imalqoer raeo ao seo alcance;
com tanto que faca cessar a penuria d'agua pofa-
vel que se a no referillo btswro.
-Dita ao gerente da eompanhla Pr-
Antonio de Paula da Sitva e
d" minio-Santo.
Bezerra e IVlici
Fcitosa e Barbara
Joa (juina d>
leodora da'
dens antes do combate; o a I fe res do 16" corpo lio menos "hjpipioera veis seriara aos canlifies de
provisorio de cavallaria Francisco de Sonza Leal, Krupp, de qiitveraos nina amostra na ultima ex-
pela coadjuyacao quo prestou na retaguarda em I posicio de Paim.
Vubando esposieoo do Moruitig-Pest, dir an-
da o eonselho que a" lobina rellectida de seme-
I han tu escripto como que gra a opiuiio de que a
uiariiilia britanoioa moderna (relere-ao o eonse-
lho aos navios eneouraeados) nao se acha, como
na
remover os obstculos que se apresentavam na
marcha das familias ; o lu sargento Pedro Hodri-
gues Portugal,.- manilense da reparticao do quar-
lel mestre general junto a, mim, pela promptdao
com que executava minhas ordens antes e du-
rante o combate em que se portou rom valor e
calma, sendo um dos que eamigo romperam a li-
nba inimiga, cdTitinuanl.i sempre a coadjuvar-me
com interesse e boa vontade ; o 1" sargento Aa-J
tonio da Costa Pacheco, amanuense da reparticao'
do doputado do ajudante general, pela pjpxnptidao
cora que executava minhas ordens antes e duran-
te a combate ; o 1" sargento do 17" corpo de ca-
vallaria Manoel PereiraCardoso Filho, pelo valor
e calma com (uo se portou no combate e por nun-
ca t t abandonado o estandarte, de seu corpo que
levava apezar dos perigns que teve a vencer, sen-
do
gas ; o Io sargento' drt f* corpo de cavallaria PoJ
teaciaoo Ferreira, por ser a elle que de-ve a torcJ
lar clicgado a este ponto. tenJo-e offerecido
para encarregarse dt abertura da picada e
ilo rumo d Ibicuhy. a que nos diriga nas
eordilheiras e que exeeutou com zelo e iatiilligen-
cia ; o 2o sargento da 17 corpo de cavallaria Se-
raliin Rodrigues, por ter sido o noticiador da exis-
tencia da trineheira inmiga na picada de Sapu-
caia, sendo um dos exploradores da vanguarda e
fez parte dos que romperam comigo- as linhas
inimiga?.
Acampamento junio ao povo de Pira) i, 20 de
junho de 1869.Ben'o Martins de Menezct, co-
ronel.
ge; alinete se pensa, do caso de ser admirada,
c muito menos consultada, de preferencia fran-
cezae americana, apezar dos recursas do loda a
Mptrie, de que dispoe aquel e iaz e de sua illus-
tr.icao iraminenleiucn -siv.i.
s EsiadosJJnidos, segundo ainda o artigo de
29 de marco do mesmo jornal Mniivj-Post, re-
solvern) dar de mo ao plano de eneouraeados
at hoja cm vaga, Uto a idea de reunir em urna
so eoostrnecau aa qualidades nuticas o militares,
para cump i-em a sua marinha de duas especies
disUnctas de navios, a saber : navios de grande
lialsterio da Marinha.
perigas a oae eativemos rapeatas
em que ctreumstaucias imprevistas da guerra sa-
pararara a pequea colamna qih eu coramandava
do reato das torcas de operaiBes comiMOdadas
por V; Hxc.
Na aandrugada de 6 do corrate raaeoi orden'
Tres dias ahi estiremos sem adiar am meio pa-
ra sabir ; pareca terem-se enoanado todas ae
aberturas com a nossa chegada.
Mandei abrir outra picada na serra em direccao
do ponto a qae nos destmavafnw; fel porm, re-
conhecido imprafleuo esse meio, depois de um
trabalho de Iqgaa e meia, vista da ttoaaensa ro-
cha que se imasentou.
No dia 14, fltzmento descobrio-se a grande es-
trada donde paroo aquella, per onde nos guin a
Providencia Divina no ponto dasefado undcao
do Ibicuhy, onde ebegamos lo dia lo, tendo acam-
pado a meia legua de distancia do povo.
Na madrugada da iS-despoeaei o meu asssten-
deade o dia %hf> capitao Graciano da Casta Paeheeo com orden
Pela importancia da materia, e no interesse da
discussoa que pessa dar lugar, publica-se a se-
grate consulta do eonselho naval:
Conselho naval. Salas das sessoes, em 2 de ju-
Iho de 1869.
Illm. e Exm. Sr.Por aviso de 8 do mez prxi-
mo pretrito, remetteu V. Exc. a este conselho o
otcio da legacao imperial em Londres, n. 8, de 7
de abril, e os documentos a que elle se refere, so-
bre questdes que interessam construeco naval
e ao melhoramento do servico militar da marinha,
afim de que emita a esse respeito o seu parecer.
Os documentos de que faz mencao o aviso de V.
Exc. sao dous artigos do .Wornmo Pos do 29 de
mar^o e de 5 de abril ultimo?, referentes am ao
relalorio (que nao veio dora os domis papis) da
esquadra do Canal pelo almirante Warden, e o
outro s ultimas construcefles dos Estados-Unido?.
No primeiro proeara-s demonstrar qae os es-
toreos o estudos da Inglaterra, no sentido de me-
Ihorar o seu material naval, tem sido baldados.
Em todo caso fornece-uos esse escripto um bello
criterio ou aresto, que devenios ler presente na re-
organisacao da oossa marinha, afim de se poapa-
rem despezas de construcedes Incompletas e de-
otuosas.
Gmi eflito, v-se all que a esquadra do Canal
composta dos eneouraeados Bellerephon, Prtnce
Consort, Rnyal Oak, Defenee, Paas, Menotaur,
Aclulles, Warrior, Agincourt, isto dos navios,
cuja construeco tora o orgulho dos mais habis
engenheiros nglezes, e constitua, na opinio da-
quelles prolissionaes, a parte mais perfeita e pode-
rosa da marinha britannioa: quasi lodos esses va-
sos, declara o autor do artigo ciado, bem longe
esli, j nao se diz, de restituir Inglaterra a su-
premaca e dias de gloria qoe Ihe deram as suas
antigs muralhas de maderra, ao mando de Howe,
S Vicente Collingwood eHeteon, mas nem se quer
de satisfazer expeetteao nacional, em relaeio s
grandes sommas consumidas na acqqisico dejsa
torca. '
Osjriumphos notaveis de Franeis Drake na des-
truic,o da armada hespanhola, contina o mesmo
arligo, foram devidos en) grande parte ao serenf
os navios inglezes vetozes e de manobra fcil;
taes eon di Canal.
0 Warrior mesmo, que, por assim dizer,
nuncio da grande reforma que se devia operar
marinha ingleza, nio se pode dizer que figura
exposicao do almirante Warden coito um
perfeito.
Este vaso, como se sabe, foi laitado ao mar no
correr do anno de 1860, para no dizer dos ingle-'
de sagun- as pegadas de V. Ene. al encontra-lo
e no dia 18 tive a indisivel aanataeia de encon-
trar, j quem do Acai, a torca do coronel Manoel,
Cypriano de Moraos, oue oem os recorsos de que
en necessitava toe tora mandada am proteccao
um dos que coinig romperam as linha inimi- marcha, e navios de grande resistencia. Aquel-
es destinados a pe re irrer em pone i lampo gran-
des distancias, <: eseollier o momento para cuuibar
a esputar b inimigo como fortalezas, por
liaer, iivulneraveis sobre o ocano.
O cneounieil) Wainptuvuuj, receiitemente lan-
zado dos e.-laL-iros de New Yorli, o lypo das
priineras deasa conajruccocs.
N',eusaij a que fora sujeiio eni.condic.oes ds-
(avogaveis, d'-itra esse navi-i -;l inilhas, \Ao ,
t mlllias mais que qualquer outro al hoje co-
ahecido.
Tr;tla-se agora da acquisicao do segundo ly-
po, pelos planos combinados d capillo Uolos c de
miceson.
E' t reproducao da Mouodnock e ilo Mlannet-
monnfem grande escala e consideravelmente me-
Ihorad
To judiciosa e provavel de bom xito parece
este plano, que o conselho naval nao hesita em
gerente da companMa _
nambucaua.3 Sr. gerente da companhia Per- rIS
nambucana mande dar tMnsporte at Miceiem vr^-Li'.
lugares de-r destinados a possageiros do estado
no vapor de 15 de corren ao capitao do porto das
Alagoas, FTaoriseo Jos d OJivera, sua senhora
e a dous llhos? menores.
N. 35:1. Deliberacao. O vce presidente da
provincia ata*ndendo ao (uo requereu Manoel
Francisco do- llego, professor pwblico da cadeira
de Abreu de-Tina,* removido ltimamente para a
de Nossa Senhorn do O' de Ipojuea, resol ve con--
eeder-lhe quiare das de prsao improrogaveis- sem
prejuizo de seas veneinientos para entrar no exer-
cieio de sua neva cadeira.
BXPEOIENTB ASSlCiADO PELO SR. nn. \Ql'IM OORHBA
DE ABAJO, SECKBTAniO DO OOVSKSO, EM II DH
MAI0 DE 1809.
2' seccao.
N. 334. Ofcio- ao cominani'knte superior da
guarda nacional deste maiiicipio.O Bxm. Sr.
viee-presidente d* provincia manda declarar a Y.
.">., era resposta ao-seu oflieio n. 81 de 8 do con-
reine, que nesta dieta se expedic-ordem ao inss
letor do arsenal de marinha, para mandar aos
vapores costeiros sempre que vieren de Fernando
de Noronha emoaroacoes para trn*qn>rtarem para
Ierra os guardas nacionaej que d'all regressa-
N..355. Dito ac juiz municipal supplente en
exercicio da priraeira vara Dr. Joatptim Jos de
Miranda. Exm. Sr. rice-presidente da provin-
cia manda declarara-meque lica inteirado por seu
olfcio desta data do ter hoje V. aVassnmido as
fonecoes de juiz municipal da primeira vara deste
termo, como seu primeiro suppleote no impedi-
mento do effectivo.
N. .156.Dito ao Sr. Augusto Cesar da Cunta.
Pela secretaria do governo se faz constar ao Sr.
Augusto Cosar da Cimba, escrivao interino da re-
iaed i desta provincia, que veio devolvido com olti-
cio do Exm. presidente da Bahia de 4 do eorren-
le, o requenmeiito em que sua mers pedia no-
ineaeito de escrivao de appellagoes da retacad da
Babia, visto ter sido j prvido n'aquelle lugar o
ildadae Leolao Mendes.
3 seccao.
N. ;|j"7.O.llcioao inspector da tliGsouraria de
fazenda.'J instando de o'.Iic.io do 10* do corrente.
do ongenieiro Raphael ArclianjoGalvoo Filho, ha-
ver Besan dan entrado no exercicio dos trabalho
da eommissao de que >or poriaria de- 2;t de mar-
co ultimo, foi encarregado pelo governo imperial
de desempenhar nesta provin ;ia ; assim o coinmu-
nieo a V. S. de ordem de S. Exc. o Sr. vice-pre-
sidenle di provincia para seu eonhaeimento.
N 358.Dito ao mesmo. Coininuaico a V. S.
de
Vnca, que segundo consta de otilen do Cxm.
I'.vm. prelado deqcesano de 8 do correle, sob n.
100, foram concedidos no dia 4 deste mez, tres
mezes de licenea com o vencimento da respectiva
congrua ao Itvd. parodio da fregnezia do S. Jos
de Agna-Preta Fausto Freir de Carvalho.
N. 339.Dito ao iospector da thesouraria pro-
vincial.De ordem de S. Exc. o Sr. vicepresidente
da provincia cominuntco a V. S, para seu conheci-
mento, que segundo consta de officio do Exm
Itvm. prelado deocesano do 1 do corronle, sob n.
98, no dia 17 do abril ultimo, tomou posse e en-
ria Alejandrina
cJ^^.K ^rnamies Nobre e Jcsepu Maris &i
Pi-ancisco C.">n>
Conceifio.
Jos Al ves
Silva.
Jos llitim de Paria e Gertrudes Mara daCon:
*3o Francisco Heds ellara do Rosario.
I**** tonzaga- dos Res- e Hara AlexaudrBa de-
riaMa00el FerrBirt d' ^'^ s Rila Mari;i da Glo-
Manoel -Cocll d Araujo e Marta Francacada
Aununciacao.
Norberlo Jos do Mbofc- c Mara Francisca do
Amor Divino,
Paulo Francisco d Ofivrira e Joaquiua Maria
do A ase enlo.
Antonio 'Feliciano- dos Santts elaria da Con-
ceicao de Jtas.
Manoel rjbrreira do-Iasctiaentb-.e Anna Pereir;
Maria Francisca de Ses e Antonio-francisco de
(ees.
Manoel Gomes dd Silva e Fnneclioa Maria da
uDBeetfo.
Sainel Fraaeisco d;: Costa Lima- eFelisatioa
Marra da Concel^ao.
ancisco Jos* de Mara e Asna. Joaquina da
Maaoel Luiz d Franca (f Joaquina-Marra de Na-
fiWHllHU
Fltppe Marques de Almela
ndft de Hollaoda tintos.
(ialdtoo Ferreira-* AraujoDrreo-o Clara Ma-
na, de-fcus.
e Antonia Marga-
ctiainai- a attenco do governo sobre a onveni- j trou no exercicio do lugar de coadjucior da fre-
encia de eeperar-se o resultado das experiencias gUeza d8 Nossa Senhora da Penda de Garaelleira
que se fazem a tal respeito, antes de se levar a ef-! 0 KVd. Cltrirtovio do Reg Barros.
Repartir a polln
K-1 mdo. Secutara da polica Jo Ptrnara-
Imo, ti de julho de 186.
N.. 108Illm. o ESuu. Sr. Levo ao eonbeci-
iiiento-deY. Exc que,seguudc"cnnsia cipacoes recebidas hoje n'c-t, reparticao foram
hornera reeoUndos a caea de'detoocao usseiniutes
individuo :
Ar minha ordem, loS de-Den da Hrft por
desoedioucta.
A: ordem do subdelegado de Santo Aalonio, ki-
doro, escravo de Antonio Lopes 3raga, cont MM-
peito-de estar fgido.
A' rdein do da Boa Vista, Jaointho, africano,
cuino suspeito de ser esclavo e andar fgido.
.Vestadata participou-iae o subdelegado itodis-
Iricto do-Recfe (ue constando-lhe hontem pelas
i 1 hora* da noilo, que o armaeera de Antonio Va-
lentn :i Silva Barroca^ rim :i n. ri r*Ao->
acnay.i-se era ao-rto do fado (ue deita para-a ra
da-Senaalla, mandara iiiiHitliatamenle enllocar
nesse lagar sentinellas e 4 inspactores de qjuar-
lerao, at que, avisado o mesmo Barroca, ali se
apresenlasse.
Qoe comparttcendo esle as 7 "horas da monha,
declarou depois de tudo eliminar, que nada lhe
faltava eque o facto de sea encontrado -aberra o
armazem* poda ser allribudo a deseuido do
taixeiro visto como as chaves se aehavam nas
respectivas feehaduras, e nao havia indicio algum
de violencia.
>Fe3ta mestita data mando-louvar a eesa auto-
ridade pelas acertadas providencias que tomou a
tal respeitoi
Deus guarde a V. Exc. Illm. e K.xnti Sr.\Dr.
Manoel do Naseimento Machado Portella viep-pre-
sidente da provincia. O chefe do polica uterino,
Fransesoo tfosis Olivcira Muciel. 7
PERNAffiBUCO:
REVISTA DIARIA.
INSTITUTO AKGHEOLOGKX) E GEOGRAPIIl-
Ci;.Ueuuio-senontem esta sociedade, soba pre-
ordein de S. Exc. o Sr. vce-presideate dapro- sidenca do Exm. conselbeiro monsenhar Muniz
Tavares^e com assisiencia des Sis. Dr, Soares de
Azevedo. Aprigio
Aftonso
feito o que pjopuzera a conunisso de reorganisa-
cao da nossa torca naval.
Longa seria a serie de obsemeoes a que se po-
de prestar too importante assumpto ; receando,
porm, o conselho exceder o alcance do que lhe
tora determinado, limita-so a apresentar Ilus-
trada consideracao de V. Exc. as pencan opserva-
ciiis que lhe soggare a leitura dos documentos
m queslo.l)iuue ae Snxe.Diogo In/iacio Ta-
vares.Joa Capistrano Bandeira de Mello Rela-
tor. Pedro teilo da Cnnha.
l^avcrno da provlueia.
BXVBDISNTB ASSIGNADO PELO EXM. Sil. IT.. MANOKI.
W KA8CHIBNTO MACAOO POflTSBLA, V1CB-PRESI-
DEXTE BA rilOVINCIA, EM 11 DE MAIO DE 1869.
4" seccao.
N. 344.Portara ao desembargador provedor
da Santa Casa de MisericordiaRespondend i
olcio de V. Esc. de 7 do corrente, sob.p. 1,898, le-
nlio a dizer que j em 8 deste mez conced a V.
Exc. a cutorsaco que selictou em seu otliett do
me/, de abril ultimo, sob n. 1857 para exceder a
verba de 70 com despezas judiciaes do patrimo-
nio dos orphos no exercicio corrente.
N. 3io.Dita a cmara municipal do Recit.
Declaro a Maura municipal desta cidade, que
nesta data otcio a companhia de Beberibe, alim
de provideuciar no seaMde de cessar a falta
d'agua potavel no bairro do Becife, como solicita
a mesma cmara era seu officio de 29 de abril ul-
timo, sob o. 27.
N. 34,6.Dita a cmara municipal de Floresta.
Declaro a cantar municipal da villa de Flores-
ta em resposta ao sen otlicio de l't de abril ulti-
mo, quo mande por uovamente em praca os dizi-
mos de miuncas e tegumes, e a.'ericao de peso o
medidas do seu municipio, visto nao ter appareci-
do licitante algum na arrematacao a que proce-
deu a mesma cmara.
L_a|k37.Dita a mesma.. Pelo olocio que na
dirifie a cmara municipal da villa da FtoresHieo>
abril ultimo, liquei iitriradedehaveraBees-
Maara naquella data prestado juramento e
^^E-exereicio de suas fnnecoes.
Dita a cmara municipal da villa do
(DBseHio.-Era resposta ao oiHcicdo II de
abril prximo fiado, emqtte a cmara m'tnieifal
da villa do Boa Consemo panieipott estar gras-
saadaMaataras de sangue nesse municipio remet-
as, impedir o passo Oh'ire, construeco tranceza lo-nma eartaira limBovoathicaivwu medicamentos
que tanto os onendera no seu amorpruaria aaai*- spaanriados ao tmaeaento desea, enforrodade, ala
nal e no seu orgulho de wrtnanieaa. Dio firimai- de qe a mesava caotara a eeJjregoe a urna pes-
ro esamecompaenlivo aaM*este awaa. nawioi, o eh entendida oda.oonfiatea qe quoira prestar
almirante Ser lorios, que #oar ira reeoBamenatout seus servic-is a bem da peblrezft appbcando ps mes-
oa neyaw^'lM'terpaii^gwaniaeblM e tef> hae$ medjeameiv.os a quem deltes necepHar
N. 360.Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. vice-presidehte da provin-
cia respondendo o officio do V. S. datado do hon-
tem o sob n. 180, manda declarar que a thesou-
raria de fazenda tem ordem para pagar a quantia
de 203000 constantes do citado ofhYio.
DESPACUOS DA TlCE-PnESIDENClA DO DIA 19
DK JULHO DE 1869.
Bernardo Carneiro Monteiro da Silva Santos.
Informo o Sr. inspector da thesouraria provincial,
ouvindo o Dr. procurador fiscal.
Benjamn Constant da Cunha Sales.Expedfo-
se ordem no sentido que requer.
Companhia do Beberibe.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
It-nrique Vianna. Informe oSr. coronel enm-
mandante superior merino da guarda nacional
desie municipio, ouvindo o coramandante do Lb-bar-
tllelo de infautaria.
Ignacio Francisco Pereira da Silva.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Ibel Maria Brandio.Informe o Sr inspector
da thesouraria provincial.
Joaqun)- Francisco Teixeira. Bequeira ao Sr.
inspector da thesouraria do fazenda.
Joao Carneiro Monteiro da Silva SantosInfor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial, on-
vndo OiDr. procurador fiscal.
Manoel Soares Pinheiro.Apresentando conhe-
cimonto de haver pago o imposto decretado .pelo
art. 48 23 da lei n.. 891 do corrente anno, con-
ceda-so a permissao requerida oos tormos da lei
n. 399 de 4 de abril de 1837.
Manoel Roberto de-Carvalho GuimaraekCon-
ceda-se seis mzanos termos da lei a que alinde
o supplicanle.
Manoel Soares. Pinheiro.Eai vista do dsposlo
no art. 2o da lei n. 369 de 4 de abril no 1857, nao
tem lugar o qoe requer.
Peregrino Amarco Leite.Lavrc-se deliberagao.
mandando dar a guia de mudanza requerida.
Severina Anna Maria da Rocha,Informe o S.
cmmandanle do briguc barca famarac.
Gil Braz de Sena Santiago.Informe a ditveto-
ria do theatro de Sania Isabel.
Goverm te bUpado.
WSPBNSAiS VJNDAS DA INTERMU^PfATURA
MaVarai
Manoel Pereira Dantas-e Maria llosa de Luna,
Adeiiao Cavatcaali da Caoba. .Rege e Toasen
Maria de Jess.
Antonio Beoveouto KttaBez e Francisca FottB-
! uata da *-
Guimares, Tamarindo, Ayres
Gama, ARniso de Albu.juerqoo e Gervasio Cam-
I i'.i. c os Srs. coronel Leal, padre Linee Salvador
de Alhuquorque.
E* lida e approvada a acia da antecedente.
OSr. secretario perpetuo declara nio liaver ex-
pediente ; c era seguida menciona as seguintes
olleras:
Varios ns. do Diario di Ptrnambueo, pelo con-
socio Dr. Figuera ; 2 ns. da Opiuio Nacional,
pela respectiva redaeco.Ambas estafe offertas
saa reoebidas com agrado c raandam.se archivar.
0 Sr. presidente l um trecho de urna carta, qae
da corte lhe dirigir o Sr. Io vico-presidente, Dr.
Joaquira Portella, na qual diz aquelie senhor qne
seu ii imeiro cuidado foi obter a discussao da re-
presenia(;o, que o Instituto dirigir assembla
geral, s .licitando que fosse. declarado de fasta na-
cional para Pernambnco o dia 27 de Janeiro, e (uu
nao iota encontrada na pasta da commissao de
cni-tiiuican e poderes, que so-remetiera para
sobre ella dar parecer.
Em vista disto, o Instituto Joliberou que se en-
ve nva representacao.
Vem a mesa, e reinettida a reseclira com-
mi-sao, urna proposta parasoeio elfectivo.
Entra euMliscusso e aoprovado un parecer
da commissao de admissao de socios.
Corre em seguida o escrajinio e sao eteitos so-
cios correspondentes os Srs. Drs. Joo da SilvaRa-
mos. Jos Nicolao Toleraran de Carvalho e Maooei
Lonrenco de MHts.
Vem a mesa, e remeltida eommissao 3se-
cial de estatuas seguinte pronosta :
Propomos que, o maif breve possivel, prece-
dendo o competente oreamenio e risco da obra,
mande-so levantar, na praca da Boa-vista, uraa
columna de-inarniore, coiiimwnoraliva dos hroes
da restauraeao de Pernambnco do poder, hollan-
dez. aprotfitaado-se- o terreno que pela cmara
municipal desta cidade foi eoiteeddo ao nstiinta.
< Sala das sessdes do Instituto, 22 de julho d<;
1869.Dr. Aprii& Ouinmfs.Salvaor Henr~
que AUhtquerqut:
E' desiribudo pelos socios presentes o n. It da.
Revista Trimensaido htstituto.
Nade mais ttavendo a tratar, levanta-se a sessaq.
ESCRIVAO DA FAZENDA PROYINGIAL.~im
o panto de 6ft dias, aeha-se a l*rto, o concurso para
provimento delinitvo do officio de escrivao da fa-
zenda provincial, vago por roprte do respectivo.
strventoarlo Antonio Jos de Uiiveira Miranda.
DIVIDENDO.Acha-se cm pagamento otrigesi^
mo primeiro dividendo, na razao de 91 por accao.
do Banco do Brasil, relativamente s acedes ins
criptas na caixa desta provincia.
CUNCCRTO.Teve lugar aiUe-houtem o con-
cert annunciado na fahricu de oerveja. Houve
poucos msicos e algumas irregularidades nocum-
primento do irogramnii, cm virtude de torera fal-
tado alguns musios, que se acharan n'outro con-
cert m Sania l*&bel Arando foi a concurrencia
de diletantis.
SEGREDO E AMOR DA ORDEM.-A sossao or-
amaria desla sociedade, que devia ter lugar bon-
tem, foi traosferda para boje.
CASUALMENTESendo hontem pelas H hr-
raada noite descoberteaohar-se aborta a porta do
aifraatom de fazend* do Sr. A. Y. da Silva Barro-




3Q t ftl3>
r
Diario de Pernambuco Sexta eira 23 de Julh<*- ca, que deita par a ra da Smala-Vcllia, o Sr.l Leu-se o scguinto
subdelegado da freguezia fez postar scnmdl^JW y t kj
4 inspectores a quarteiro, ate que campare
o Sr. Barroca ;o qual cliegando as 7 horas da ma-
nhaa do bonitm, passou a examinar o interior do
armazem,e doelarou que nada lhe falta va, "o que
lhe paree tor se dado e*sa oceorreucia por es-
queinwntpdo c.iixiiro.
THEATRO Dli SANTA ISABEL. Roalsa-sc
hoje neste theatro, u espectculo varidmele daasa,
canto, msica, prestidifitaols e representaco dra-
mtica, com o coneurs > ios Sr*. Eduardo Al-
ves, Silva, Gouto Rocha, Kloriado, Mr. e madama
Poppe.
f tpalo constar de urna
^pwallo, um relogio
sobro
j publico,
tudc a
qacm
A ultima parle
tmbola, coiepri
o urna garrafa
A varleade
tmbola, devota..:
multo agradar
CALCMBOURGS.\*o jogo da Bola.Apre
que ladeira massante, este-a com os ps u'uma
sallada ; oh 1 e o Marcelino ja aqu est beui des-
cansado !
Ora, cheguei ha priaf*.
la nao me admira ; se tivesses vlndo como eu
tijt de cun e <**o, en logar de viros p d'are,
nao estarlas tao ftv-
Eu um salvo.Minha senhora, V. Exc ?...
Deolinda para servi-lo.
Ento mmha ooniprovineiana, pois eu tam-
l)em sou dePernambucu.
Mas eu nasci no Rio de Janeiro, senhor ;
nao sau Pernambucana.
Pois V. Exc. nao me acaba de diier que
deOtinda f
TERRIVKL .NOTICIA.L agora mesmo um ca-
pitulo de urna obra do Dr. Bou, austraco,tra
duzida para francez, son o que nao poderia l-lo,
porque eu na son atlemo.
Ora, alen de prodizer que o carvo de |)edra
nao d para mais de 300 annos, o que importa a
volta do barco de vela e do carro de animaes, e
bem assim a restaurarlo da marhadinha de pedra
e da funda, o grave doutor alliruu que is metaes
preciosos vo acabando, e que d'aqui 100 anuos
o ferro ser objecto de laxo.
Santo Deus ser possivel ?
E" possirel e e verdade I
O ferro vai substituir o ouro ; collares pulsei-
ras de ferro sern no secuto quo vein, o objecto
mais precioso de luxo.
Acreditis quefacaba a vaidade ?
Engao ; far-se-ha com o ferro o mesmo que
se faz eom o ouro ; a difieren? nica ser o
metal.
Convm, entretanto, mudar a lngua.
Nenuum jornalista poder dizer que outro se
vendeu ao ouro do poder, mas ao ferro do poder.
S. Joao Cbrysostomo dove perder o nome ; de ve
.'hamar-se S. Joao Bocea de Faro.
Ferro sobre azul ser o proverbio usual,do
memo modo que=mwi todo o que reluz ferro.
E quando ura homem d sser :h'stou com um
ferro ; lrrisea-se a que outro lhe diga : Pois va-
mos jantar.
Alma de ferro, que hoje um insulto, nesse
tempo ser um elogio.
Tal a predicen) do Dr. Bou.
LOTERA.A que se acha a venda a Il.'i", a
beneficio da Santa Casa de Misericordia que corre
DO dia i.
LEILOHoje as 10 horas effeetua o agente
Pinto, em seu cscriptorio a roa da Cruz n. 38, o
leilo de urna caixa com fazenda avariada, de con-
formidade eom o annuncio inserido no lagar com-
petente d*aste Diario.
PASSAGEIROS.Do vapor Parahyba sabido
para o Rio-Formse :
Joaquim Manoel Villela, Manoel Pereira de Car-
valho, Antonio da Silva Ramos, 1 criado e 3 escra-
vos, Dr. Amonio Accioli Lins e I escravo, barao
da Una e 2 escravos, Francisco Goncalves Basto e
Silva.
Viudos do Rio-Formoso c portos intermedios,
no vapor Parahyba :
Gabriel Antonio c um escravo, Joaquim Lulz de
Abren, Thomaz Lins de Barros Wanderley e sua
senhora, D. Maria da Penha Mendes e uin osera-
va, Jos Vicente Ferreira, Manoel Pereira de Car-
vallio, Irias Francisco dos Santos, um recruta e
urna praga.
Saludos para Macei e Penedo, no vapor Gi-
quid :
Antonio Platoni, sua senhora e quatro mocas,
l.i A,ntnnio Xuaoj a l.wi AjlInniO do* 1nl > M-
drafc.
aahido para o Cana! no patacho norh-atle-
inao Maria :
Frei Rartholomcu.
"m offlcio do xm. vicc-presidenW da produ-
ca, da 2 de crtente, dizendo que, em vista das
rasSes esposlas no offlcio incluso por caia do
chfe da reparticao das obras publicas de 22 de
maio ultimo soh n.195, nao posivl attender
ao pedido qc faz a cmara em sen officio de 19
d'aquelle tnez, sob n. 31, para ser leita por aquel-
la reparticao dj.solyj-u j|o do .cano coral de
espito do Pateo do Terco.A eemnnssao de edit-i
cete.
Outro do mesmo, doisual data, eclarando que
com offlcio da presidencia, junto por copia, data-
da de 42 de agoste de 1867, e informarfu das
obras publicas de 39 de maio prximo (linio, sob
n. *>3, resooMo ao^ue lhe dirigi a cmara em1
26 de abril ultimo sos n. 26.Adiado a requeri-
inento do Sr. Dr. Sarros Brrelo.
Outro do mesmo, de igual data, decan
cmara, em resposta ao seu offlcio de 19 de
prximo, sob n. 32, que approva o remenlo na
importancia de 1:958 000, das diversas obras da
que necessita o matadouro publico, #ara a sua
conscrvaeo c asseio, e autorisa a mesma c imara
a despender aquella quantia com as referidas
obras.Que se pozesse ota praca para os dias 11,
14 e 16 do corrente.
Outro do mesmo, do 2 do corrente, declarando
que, em vista do que pondera a cmara em seu
offlcio de 20 de maio prximo odo, seb n. 3i,
approva o novo ore-amento na importancia de
2:791i000. feito para os repart s precisos na es-
trada que da ra Imperial vai ter na Cabanga, e
autorisa a mesma cmara a despender aquella
quantia com taes obras.Que se pozesse em pra-
ca para os dias II, Ji c 16 do corrente.
Outro do contador, informando sobre o reque-
rimento de Veriato Cenjeio Lopes A C, tem a di-
zer que verdade uver comprado elle a Antonio
de Azevedo Neves o estabelecimento n. 50 a ra
do Rosario, mas estando o laucamente da-callela
Feito em nome deste, nao poda tirar o eonheci-
meuto em nome do supplicante embra bouvesse
elle comprado o dito estabelecimento em 18 de
marco ultimo, sem previa autorisacao, c nem fa-
zer, coo pede, a deca racao no verso do mesmo
conhecimento do imposto pago.Que satisfaca o
pedido do supplicante.
_Outro do advogado, declaranJo que a permis-
sao que pede a Santa Casa da Misericordia nao
pode ser concedida sftm que seja alterada a plan-
ta da cidade na parte de que se trata.Se nao
fr esta providencia conveniente ; lhe parece at-
tendivel a ultima jiarte da representaco, porque
entende que se nao pode inhibir a edieaco por
utilidade municipal sem que se pague a respecti-
va ndemnisacao.Qpe se responda a presidencia,
declarando que a cmara vai pedir concessao a
assembla geral, como lembra o procurador da
Santa Casa no final de seu offlcio.
Outro do mesmo, dizendo em resposta ao offlcio
que lhe foi dirigido em 2 do corrente, que ainda
nao tentou a desapropriaeao judicial do terreno
do quintal da ca Bernardino dos Rcis o Silva, c nem podia ter sido
intentada, porque deelarando-lbe o ex-procurador
que nao tmha podido chegar a um accordo ami-
gavel, requisiteu em 16 de novemhro do auno
passado a planta c-informacoes do engenheiro pa-
ra poder iiiteutar aceo, e at hoje iienbuma so-
lucao foi dada a este respeito.O secretario deca-
rou que o offlcio de 16 de novembro a que allude
advogado, nao foi recebido na secretar a, e
lin & C, Pedro Jos de Freitas, padre Agostinho
de Lima Cavafcante de Lacerda, Silva Rocha &
Machado, Souza Andrade A C, Satyro Seraphim
da Silva, Thsmaaae Carvalho Soares Brando,
Viriato Cirateio Lipes A C, e levantou-o a jessrio
dexande-de ser assigaada a presente acta por fal-
ta de numero para approva-la.
En Canato da Ba-Viagem, secretario
a escrevt.Ignacio jbaqaim de Souza Leiio, pro-
pi-esidoate.c.PeJtu'.dcMkumk Lab ifoaeoa.
os Maria -tire Gamin.wr. Prastdct Gomes
e. S:n Pitanfi.W. *w Jfaru Sece.-
Franciseo de Smza MagtMSes.
-Flix
PUBUCACOES A PEDIDO.
CHRONIC.l JIDHIARIA.
TH1UI \ %l. DA Ui:i. t iO.
8E8SAO EM 20 DE JULHO DE 1809.
nEsramn.% do exm. sn. conselhsiro caetaso
SANTIAGO.
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
ABraqnerque, Motta, Domingucs da Silva, e Souza
Leao, abri-se a sessao.
Pass-ido; os feitos, deram-sc os seguintes julga-
mentos:
Accr.'.vos.Aggravante, Maria das Dores do R.
Barros; aggravado, o juizo.- Relator o Sr. desem-
barfador Gitirana, sorteados os Srs. desembarga-
lores Alniaida Aibuquerque e Motta.Foi adia-
do. Aggravante, o cnsul fraqcez; aggravado, o
zo.Reiater o Sr. desemnargador Lourenco
in'.igo, sorteados os Srs. desembargadores Giti-
rana e Domingues da Silva.Negaram provimen-
fo. Aggravantc, Jo3 Baptisla Gomes Pena ; ag-
gravado, o jaizo.Relator o Sr. desembargador
Umeida Aibuquerque, sorteado* os Srs. desembar-
gadores Motta o Souza LeoSegaram provimen-
to. Aggravante, Bernardino da Silva Cuulm Cam-
P*5; aegravado, o juizo.Relator o Sr. elesembar-
gador Motta, sorteados os Sr*. desembargadores
.'limingnos da Silva e Souza Leao.
Hab::as coarrs. De Espiridiao Barbosa da Silva,
iram a ordem de habeas Corpus, e do liberto
Antonio por sen curador, coneederam a ordem
tara o dia 24 do corrente ouvido o Dr. juiz do
comtner
TASSAGENS.
DoSr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago.Appellacao civel: ap-
nollante, Joaquim Antonio da Silveira; appeHados,
Gracia Francisco Reis do P. e outro.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Aibuquerque. Ap-
pellacSo civel: appellantc, Ant nio Jos de Frei-
tas; appellado, Manoel Antonio Torres.
Rkvista rm.-rfu.Reeorrcnte, Jos Lopes Cha-
ves ; recorrida, a justica.
Do mesmo Sr. desembargador Motta.Appella-
cao civel: appellante, Antonio Carneiro de Quei-
roz; appellados, os herdeiros de Francisco B. da
Cunha.
D Sr. desembargador Almeida Albuquerqut ao
Sr. desembargador Motta.Appellacao civel: a|)-
peilanto, D. Isabel Joaquina de Souza; appellado,
Antonio J. da Costa Imbnrana. Appellacao cri-
me : appellante, Antonia Fraocisee Lopes Galvo;
appellado, Manoel Francisco de Mosquita.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingucs da Silva.Appellacfies crimes :
appellante, Joao da Silva Lemos; appellada, a Jus-
tica. Appellante, o juizo ; appellado, Alexandre
Guilhermino da Silva. Appellante, Antonio Perei-
ra Monteiro ; appellado, Manoel Damiao da Costa.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva aoSr
desembargador Souza Leo.Appellacao civel:
appellante, Flix Jos do Reg; appellado, Jos do
Reg Granja
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Freitas Henriqaes.Appellaeao civel:
appellante. o juizo; appellada, Clara Francisca de
Souza Longainho. Appellacao crime : appellante,
o juiz de direito ; appellado, o capito Trajano Go-
_mes de Queiroz.
Do mesmo ao Sr. desembargador Gitirana.Ap-
pellacao civel: appellante, Goncalo Marinho Falcao:
appellados Moreira Primo e outros.
Assignou-se dia para julgamento dos seguales
feita:
ApPELLAgoEscivEis.Appellante, Patricio Jos
da Costa Lima ; appellados, Sebastio Antonio A.
Lins e outros. Appellante, Joaquim Symphronio
Aflbneo de Mello; .ippeilado, bacharel Manoel Fir-
mino de Mello. Appellante, Victoriano Jos de
Mello; appellado, Feliciano Cavalcante da Cunha
Reg.
Dfugencia crime.Conflicto do Dr. juiz muni-
cipal' da cidade da Fortaleza eom o Dr. juiz de
(iireito da mesma cidade.
A* 1/2 hora encerrou-se a sessJo.
o
nom consta do archivo.Que se forneca a planta
e_ mais papis, a se oicie ao advogado dizendo
nao ter sido recebido o seu offlcio.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento de Francisco Jos Arantes, em que
pede para fazer urna cerca de espinheiros, no seu
sitio da Torre, cumpre lhe dizer que nada tem a
oppor, marcandose-lho a competente cordeaco.
Mandou-se cordear.
Outro do inesinn, informando o requerimento
de Manoel Romo Correa de Araujo, arrematante
dos reparos da estrada, que conduz a povoac-o
da Varzea, pedindo para receber a importancia
do seu contrato ; cumpre-lhe dizer que as obra
estao concluidas de conformidade com o oroa-
meuto, e o arrematante, tem direito ao que re-
quer. Mandou se pagar.
Outro do mesmo, informando o requerimento
de Juo Gongalves Ferreira e Silva em que pede
liconca para abrir urna porta cocheira no muro
de seu terreno ra da Palma; cumpre-lhe di-
zer que nada tai a nnur a preteiico do suppli-
cante. Loucedeu-se.
Outro do fiscal da freguezia do Santo Autonio,
informando contra o peJido feito por Jesuina Ro-
drigues de Souz.1 para conservar na varanda do
andar do sobrado n. 46 da ra do Rangel, onde
mora, um anteparo da madeira em quaul) acha-
va outra casa.Indeferio-se.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, infor-
mando sobre o requerimento de Jos Moreira da
Silva, quo se quoixa do urna garapeira estabeieci*
da na ra Imperial por Valdevino Ribeiro da Sil-
va, tem a dizer quo com elfeito Valdevino estabe-
leceu a supradita garapeira cm urna pequea ca-
sa de madeira afastada tres palmos da cordeaco
da uta.Quauto a privacao do transito da calca-
da pelo grand numero de cavallos quo all sein-
pre se acha, em nada ombaraca, por quanto, nao
sendo o passeio seguido, todo o transito feito no
centro da ra ; quanto porm a mundicias cum-
pre-lhe dizer que por diversas vezes tem passado
em frente do estabelocimento referido, e o tem
euoontrado sempre limpo.A commissao de pe-
tictes.
Foram approvados dous pareceres da commis-
sao de edicacao, o primeiro concordando com a
informacao dada pelo engenheiro cordeador na pe-
ticao de Marinho Porfirio de Souza Lima, e o se-
gundo concordando tambem com a informacao
do mesmo engenheiro sebre a peticao de Mathous
Anstin.
O Sr. Dr. Seve fez o seguinte requerimento, que
foi approvado.
Requeiro quo seja ouvido o advogado da ca-
i niara sobre a peticao di: Manoel Jos Dantas,
para quo informe se assiste ou nao direito da
* parte do peticionario, visto como o terreno de
< que trata a mesma peticao, terreno de man-
nha.Paco da cmara municipal em 9 dejunlio
de 1869. O vereador Dr. Seve.
O Sr. Dr. Costa faz o seguinte requerimento :
Requeiro quo se peca ao presidente'da pro-
vincia que, com urgenica seja rametti.la a esta
cmara a planta da freguezia da Boa Vista, que
foi mandada alterar pola reparticao das obras
publicas de accordo com o ongenheiro cordaa-
dor.Paco da cmara municipal 9 de junho
de 1869.Costa Jnior.Posto em discusso,
foi approvado.
O Sr Dr. Sevo fez tambem o seguinte requeri-
mento :
Achando-so vago o lugar de amanuense, que
serve de porteiro desta cmara, proponho que
seja o mesmo prvido.Paco da cmara mu-
cipal 9 de iunho de 1869. O vereador Seve.
Posto em discusso, o Sr. Dr. Barrros Brrelo
reqner o adiamento, o sendo esto posto a votos nao
passou.
Em seguida procede se a votaoao do mesmo re-
querimento, e approvado.
Passando a cmara a fazer a nomeacao, obtevo
o cidadao Gervasio Pires Ferreira, quatro votos, e
o cidadao Jola Ribeiro Pessoa de Lacerda Jnior
um voto.
O Sr. Gameiro faz a seguinte proposta :
Ahando-se vago o lugar de supplente do Gs-
cal da freguezia dos Aogados, proponho para
que se nomeie. Rocifo9de junho de 1869.O
veador Gameiro.Posta em discusso, foi appro-
vada.
Procede-se a votacao, e recahe a nomeaeao no
cidadao Maximiano Antunes Tavarcs, que obleve
cinco votos.
Consulta
Emilia, ao casar-se com Zeferino, recebou de
seus t*aes, Francisca "e Anaf, diversos esrravos,
!quo lie l'oram doados como adbntamento de
tima.
Em vida de Francisco o Anua falleceu sua filha
Emilia, e, logo depois desu fallecen tambem o ni-
co tilho.que ti vera do seu consorcio.
PERGUNTA-SE :
Os escravos doados passaram por morte de Emilia
aoseu fllho.e, depois dcsle,ao seu marido Zlerino,
ou devero vollar aos doadores, urna vez que ha-
vendo os donatarios fallecido, sem deixar descen-
dentes, que sobrevivessem aos doadores nao se
Couslidou o direito legitima f
PARCEit.
l*ara inim evidente, quo os bens dados a Emi-
lia por seus paos, por occasiao do seu casamento
com Zeferino, constituirn! um verdadeiro dote
profeeticio ( ig. liv. 23, tit. 3-, lei 5 | Ia ) para
susienuicao dos ancargo* do mesmo matrimonio
(((/ ouera marimoHii ferendae por adianiamemo
ou alecipaaio da legitima delta, pois assim foi
eapressaniento consagrado no escripto, ou instru-
mento dul.il.
Anda quando os mesmos paes de Emilia nao
liouvessem expressamente declarado no instrumen-
to dota!, que constituan] aquella dote para ella,
por adiantamento de t'a legitima, desse supposto
silencio assim so deveria presumir, ou entender,
pois s se considera por canta da terca dos paes,
ou por mera Idiemlidade delles (como insiuuam
Mello Freir, liv. 2o tit. 9* 5 7, Almeida e Souza
notas a Moli, liv 2* tit. 9 i 22, nota, Dig. Portu-
guez, liv, 2* arl. 88, etc. de accordo com o dispos-
le na Ord. liv. 4 tit. 97 i 3. etc. si elles assim
tambem o houvesse consagrado no mesmo escripto
dotal.
Logo, dissolvido o matrimonio pela morte natu-
ral de Emilia cessaram os respectivos encargos ;
cessou por conseguinte a razo de ser do mesmo
dote profeeticio, que era inherente, ou alias aca-
bou o dominio dotal do marido sobre elle, e por is-
so mesmo o dito marido obrigado a restituir o
mencionado dote aos paes de Emilia, que o consti-
tuirn!, e na sua falta aos seus herdeiros. Dig.
liv. 2i, tit. 2 soluto matrimonio, nov. 91 N; Mello
Freir liv. i tit. 9 22 ; Borges Carneiro tom. 2o
Ii9. etc. Almeida e Souza, Acces summarias
488, Guerreiro, irat. 2o liv. cap. 1" e 4' etc.
Si porventura, Emilia ou o seu lillio tivesss so-
brevivido a seus paes,.devena qualquer delles tra-
zer a collacao aquellos bens constitutivos do dito
dote profeeticio, por torea da Ord. liv. 4o tit 97
4opelo seu valor ao lempo da respectiva cons-
tituicao, ou da morte dos dotadorespara assim
consurvar-se a igualdade de direito entro os her-
deiros, relativamente s suas legitimas ou ao com-
puto da leroa do seus paes (em qualquer das su-
praditas hypothescs)Coelho da Rocha 478 etc.,
por ser essa a occasiao opportuna para verilica-
ciio da importancia de cada umdesses direilos.
Ora, si os ditos paes de Emilia sobreviveram a
ella e a seu ulho, como se diz na consulta supra,
segue-se lgicamente, que nao poderia subsistir
para elles assim predefunctes direito referida
legitima quanto aquellc dote, que lhe era inherente,
sob pena de operar-se o pbenomeao de haver he-
ranea de homem vico.
E esse dote profeeticio poderia ter silo celebra-
do por escripto particular por ser assim admissi-
vel, sendo os pactuantes, pae, filia e genro, nos
termos da Ord. liv. 3o tit. 59 g 11 e 21, indepen-
dento -de insinuacao como tambem autorisado
pela Lei de 25 de Janeiro de 1775, de accordo eom
o A-sonto da 21 de ulho de 177. Ord. liv. 4o tit.
62, e Alvaro do 16 de setembro do 1814, e teorst-.
do constantemente julgado em primeira e segunda
instancia, e no Supremo tribunal de jastica; obser-
vac^o esta,que devo fazer para prevenir a objeccao
possivcl sobre a natnreza do instrumento pelo qual
foi constituido esse dote.
certa que o filho de Emilia sobreviveu a ella,
mas tambem exacto, que elle falleceu antes dos
seus avs, paes da mesma Emilia, segundo a con-
sulla supra; sendo que, por ter a dita Emilia, du-
rante a vida de seus paos apenas meras esperan-
as, direito todo eventual (spes debitum ir i L. 57,
>ig. de certa* obligat), c nao direito effectivo a le-
gitima delles, cuja successSo soniento se deveria
abrir por sua morte, que alias foi ulterior de
mencionada EmiliaAl vara de 9 de novembro de
1754, Assento de 16 de fovereiro de 1786, Coelho
da Rocha 245 e 331, torna- se evidente, que nao
podia operar-se a representaco do referido filho,
(Coelho da Rocha g 236) predefuncto a seus avs,
pela pessoa de sua mae, na respectiva saccosso
abarla posteriormente.e por conseguinte ser devol-
vida ao pae delle. nos termos da Ord. liv. V t.
96 pr.
Nem mesmo os paes de Emilia poderiam impfir
no dito doto profeeticio a condicao de sua ao rs-
tittiicao, porque este era parte, ou antecipacao d
legitima der*eus herdeiros neeessarios, verdadeiro
patrimonio delles, d; que os mesmos paes nao po-'
deriam privar-lhe, salvo por desherdaco solem-
ne, Ord. liv. i tit. 82 pr., e tit. 97 3, como alias
liies seria permittido si aquella dote fosse conso-
la do por conta de sua terca, segundo insina o1
citado Almeida e Souza. notas a Mello Freir, liv.
2o tit. 91 7o. Assim pens e opino, salvo melhor
juizo.
Roeife, H dejulho de 1869. Dr. Anton.it de
Vasconcelos Menezes de Drummond.
COMMEPXIO.
PRACA DO REGIFE 22 DE JULHO DE 1869
AS 3 i/2 H0RASDA TARDE.
Algodao de Macei l* sejrte i 225 e 14238 por
kil., frote de 1|2 d. a 5 OO
Dito de dito 2- sortol!91 por kil., frete de i/2
d. e 5 OjO
Cambio sobro Londres 90 d/v 18 3|i, 48 7|8 e
19 d. per i 1000 (hontem o hoje).
Cambio safcre Pars90 djv. 504 rs. por franco.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Saques sobre Londres
SOCEDADE BANCARIA EM COMMANDITA
Theodoro Simn fy C.
SaccJo sobre os S/s. Samuel Moutagu &
C, banqoeiros era Londres.
A' vista quantias 5 at (00, 3 dias
de vista quantias cima de iOO at
1,000 30 ai 90 dias de vista quan-
tias cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Dewonta lettras da prar;a taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo xo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & C.
Coapram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sbji8| de cambio, sedulas lio governo e do
qanco do Brasil.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transacc5es, da cobranza de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
zla de 6 Jese, todos ocenpados com tallos : a ar-
rematacSo a fazer durar pelo tempo que durar
a dos da mais laidos. Os arrematantes, alm das
condics do cstylo, sero obrigados ainda s se-
guirles :
1* A collecar em cada espaeo ama mesa de
marmore branco azulado,, con o comprimento e
largura neeessarios, sobre ps de ferro fundido.
2* A collocar, em redor ou atraz da masa de
marmore una armaco de amarello poli Jo, em que
serao suspensos ganchos de ferro tambem poHdos.
para se mostrar as carnes.
3' A coMervar todo o asseio e iimpeza no talho,
obligando ae cortador a apresentar-se decente-
mente vestido.
4" As obras feitas, (Indo o praso da arremata-
cao, passarao ao dominio municipal no. estado em
que se acharen), aem indemnisacao alguma.
Aquellas pessoas que pretenderem arrematar os
mencionados espacos, apresentem-se habilitadas
na forma da lei, sem o que nao serao admiltidas
licitar.
Paco da cmara municipal do Recife 21 de ju-
mo da 1869.
Manoel de Barros Barreto,
Pro-orcsidcnte.
Francisco ('anulo da Bo^viagem,
Secretario.

O inspector interino da alfandega faz publi-
co, que existindo no armazem alfandegado tantas,
126 camastras com albos sem marca, e 40 da mar-
ca O, vindas do Porto no brigue portuguez Tiium-
pko, em 26 de agosto do anno prximo passado,
pertcncentes a Manoel Duarte Rodrigues ; e achan-
do-se as ditas canastras no caso de serem arre-
matadas para consumo, nos termos do capitulo 6
titulo 3 do regulamento de 19 de setembro d
1860, os seus donos ou consignatarios devero
despacha-las no prazo de 30 dias, sob pona de,
lindo elle, serem vendidas por sua conta, sem que
Ihes liquo competindo allegar contratos effailos
desta venda.
Alfandega do Pernambuco, 21 de julho de 1869.
O inspector interno, l. de C. Paes de Andrade.
Caixa Filial do Banco
do BraziL
A caixa filial do Banco do Brazl em Per-
nambuco em liquidado paga o 31 dividendo
das aceces do Banco do Brazl inscriptas
nesta caixa, a razao de 9$ por accao.
Recife, 15 dejulho de 1869.
ALFANDEGA.
ttendimento do dia i a 21. 619:237*630
dem do dia 52..... 23;40U333
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, em virtnde de ordem da
presidencia, manda fazer publico que no dia 28 do
corrente, as 2 horas da urde, ir praca para se-
rem arrematados por quem por menos lzer, os re-
paros do que carece a escada de desembarque do
caes Pedro II. O orcamento e clausulas especiaes
para o contrato serao franqueados na mesma the-
souraria aos pretndeme*. As pessoas a quein
convier a arrematacao, devero comparecer no re-
ferido dia e hora indicados. Secretaria da thesou-
raria de fazenda do Pernambuco, 21 de julho de
1869. '
O offleial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
642:638*963
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem dem com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem cora gneros
26i
271
-----S35
....
w
19i
----- 2i9
Descarregam hoje 23 de julho
Vapor InglezG/a Brigue uorueguenseF/rrt=mercadorias.
Brigue portuguezUniaoidem.
Patacho norte-allemo Concordia fariuha de
trigo.
Brigue norte-allemoJa & Antumidem
JBrigue inglezMinoraIerro.
Brigue inglezRio Grandeferro.
Brigue nacionalAlmeida //charque.
Barca inglezaFleeteringbac3 Iho.
HECEBEOORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendmento do dia 1 a 21. 21:237*304
dem do dia 22...... 1:139*888
0 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, juzd e
direito da 2a varacriminal e substituto da
do commercio em exercicio nesta cidade
do Recife de Pernambuco porS. M. o Im-
perador, etc,
Fago saber pelo presente, que no dia 2
do raez de agosto do crtente anno, se ha
de arrematar por venda a luem mais der
em praga publica deste juizo, depois da
audiencia respectiva, os bens seguintes :
Dous cavallos para o servico de carros, es-
tando bastante magros e.em mu estado,
avaliados, por 150000 cada um, 1 carro de
quatro rodas para passeio, com o n. 105,
com todos seus arreios e pertences e cm
mu estado, avaliado por 400, outro dito,
dito, com on. 108, com todos seus arreios
e pertences, em melhor estado, avaliado
por 600. Os qnaes vo a praga por exe-
cuc5o de Jos Pereira da Cunha & Filhos,
contra Elpidio Feliciano Pereira de Lira.
E na falta de lanzador que cubra o preco
da avaliacjo, ser a arrematado feita pelo
prec-o de adjudicado com o abatimento da
lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei fazer o presente edital que
ser affixado nos lugares do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 17 de julho de 1869.
Eu, Manoel Silvino de Barros Falcao'
escrivo interino, o subscrevi.
ManoelJos da Silva Neivas.
32:377*392
CONSULADO PROVINCIAL
Rendmento do dia 1 a 21.
dem do dia 22 : ,
104:234*135
2:462*033
106:7165188
Protectora das familias
. A- -asileira de seguro mutuo sobro a
vida, approvada por decreto do governo imperial,
de 13 de junho do 186i, e gorda pelo Baaeo Ru-
ral e llypjthecario do Riq de Janeiro.
Commissao fiscal.
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva Sobrinh).
Commendador Jeronymo Jos do Mesquila.
Conunendador Boaventura Gonealvcs Roque.
Commendador Guilliarma Pinto de Magalhes.
Estado dessa associacao eui 30 de abril de 1869
contratos 5,802.
Capital subscripto rs. 8,716:470*580, as pessebs
que quizerem inscrever-se poderlo dirigirse la
ra do Livramento n. 19, primeiro andar : a tra*l
tar com o Sr. N. de Vidal, encarregado pelo
Banco Rural e Hypothecario do Rio do Janeiro,
para promover assignaturas para a mesma asso-
Laof
MOVIMENTO DO PORTO.
CMARA MUNICIPAL
SESSO EXTRAORDINARIA AOS 9 DE jUNHO
DE 1869.
PnESrOENCtA DO SR. DR. SOUZA LEO.
Mandou-se remetter a commissao de polica o
offlcio do inspector da thesouraria provincial com
despacho da presidencia, o qual achava-se addiado.
Prestou juramento o supplente de fiscal da fre-
guezia de S. Jos, nomeado em sessao de i i de
maio ultimo, Francisco de Paula Marinho Falcao.
Despacharam-se as petic5es de Antonio Jos
Teixeira, Antonio Joaquim de Vasconcellos, Anto-
nio Bernardo Qointeiro, Antonio Jos Gomes, di-
rectora do ingle* Banck, Antonio Martins Duarte,
Augusto Jos Teixeira, Benedicto Jos de Sant'Au-
na, Domingos Jos Barbosa, Elias Baptisla da Sil-
va, Francisco Jos Arantes, Fructuoso Martins
Gomes, Gustavo Jos do Patrocinio, Jeao Domin-
gues dos Pmsos, Joao Mendes Alves, Jos do Mel-
lo Costa Oliveira, Joao Antunes GulmarSes, Joa-
3nm Bernardo de Castro Rios, Joaquina Aprigia
e Lima, Jesuina Rodrigues de Souza, Jo2o Mari-
nho Falcao, Joao Joaquim dr. Costa Leite, Jos
Franci-co de S Leito, Luiz Paulino de Hollanda
Valenca, Ludgero Aguino Cezar, Manoel Romao
Corroa de Araujo, Manoel Antonio Fructuoso,
Manoel Martins do Amorira, Maximiano Antones'
Tavares, Manoel Pacheco da Silveira, Maria Caro-
lina Perreira de Carvalho, Miguel Mendos da Sil-
Presentes os Srs. Dr. Seve, Dr. Barros Barreto,
Dr. Costa Jnior o Gamtiro, faltando com causa [ va, Manoe) Antonio Toixira,~Marques & Teixei-
oa mais senhores, abre-se sessao, e foi lida e Ira, Machado Irmlo & C, Manoel Cardoso do Sou-
-approvada a acta da antecedente.
]i\ Marinho Porfirio de Souza Lima, Matheus Aus-1
A.0 rjublico, s autoridades desta
provincia, e s da Parahyba.
O abaixo assignado faz saber ao publico, e prin-
cipalmente s autoridades policaes desta e da
provincia da Parahyba, que Eophraso Francisco
de Oliveira, morador no termo do Lmoeiro, cu-
nhado de Francisco de tal, por alcunha Chico Bi-
cudo, tendo recebido por frete do abaixo assigna-
do, na povoacao do Olho d'Agua, em 22 de feve-
rero deste anno, seis cargas de algodao, e mais
tres em 2i do mesmo mez na villa de Pesqueira,
para entrega-las nesta praca aos Srs. Goncalves'
Para A C, em cliegando anu, vendeu as referidas
cargas de algodao, o embolsando o seu valor, des-
appareceu.
Por semelhante facto o dito Euphrasio commet-
teu o crime de esteHionato, em que cabe a prisao
antes da culpa formada, ao que accresce estar
elle pronunciado cm crime de tentativa de morte
no sobredito termo do Lmoeiro.
O-abaixo assignado, dando sciencia disto, roga-
qualquer autoridade que o prender, faca appre-
hensao uos bens, que elle tver, para garanta da
indemnisacao do abaixo awignado, ou de quem de
direito pertencer
O* sigoaes caract.Tisticos do mesmo Euphrasi*
sao os seguintes : estatura regular, ecco do cor-
po, cor rxa, eabellos corrido, voz fanhosa, rosto
comprido com algumas marca de bexigas, narl
grosso e grande, beicos grossos, padnas largas :
represent ter 30 J5 annos, o*4ewou Umbem em
sua companhia um filho do cor mai clara, que
tem 8 annos pouoo mais ou menos.
Recife, ti de julho de 1869
Tertuliano Sectrino Pereira: de Souza.
Navios entrados no dia 22.
Liverpool 49 dias, barca ingleza Kerelaw, de
470 toneladas, capito Charles West, equipagem
11, carga carvao; a Antonio Luiz de O. Azeve-
do A C.
Rio de Janeiro10 dias, brigue inglez Sotuy, de
185 toneladas, capito David Evans, equipagem
X em lastro ; a ordem.
Tamandar, Rio-Formoso e porto de Gallinhas6
horas, vapar brasileiro Parahyba, de 104 tone-
ladas, commambnto Mallo, equipagem 14, em
lastro; a companhia Pernambucana.
Navios sahidos no mesmo di?..
Portos do norto Vapor brasileiro Cruzeiro do
Sui, commandante J. de P. G. Aicoforade, car-
ga dilTercntes gneros.
Macei e PenedoVapor brasileiro Giqui, com-
mandante Azevedo, carga differentes gneros.
Lisboa Brigue portuguez Relmpago, capito
Joao Epiphanio da Silveira, carga assucar e
mel.
Ilhas Manriciaa Lugar sueco Anua, capito A.
Ilolmblad, em lastro.
Canal Patacho norte-alieno Maria, capitau L.
I Booige, carga assucar.
BarcelonaSumaca hespanhola Ignacita, capito
Mathes Franck, carga algodao.
Ro de JaneiroBrigne hespanhol Almirante, ca-
pito Manoel Guanabem, carga a mesma quo
trouxe de Barcelona.
Observacao.
Fundearam no lamaro urna barca e um lunar
A cmara municipal desta cidade faz publi-
co para conhecimento de seus mumeipes a postu-
ra addicional abaixo transcripta que foi proviso-
riamente approvada pelo Exm. vico presidente da
provincia em 7 do corrente.
Paco da cmara municipal do Recife, 14 do ju-
lho de 1869.Ignacio Joaquim de Souza Leo,
pro-presidente.Francisco Canuto daBoaviagem,
secretario.
4." seccao.Palacio do governo de Pernambuco,
7 de junho de 1869-O vine-presidente da pro-
vincia, tendo em vista o que ponderou a cmara
municipal do Recife, em offlcio do 3 do corrente
sob n. 50, reselvo approvar provisoriamente nos
termos do art. 2 do decreto de 25 de oulubro de
1831, s artigos do posturas addiciouaes abaixo
tran-criptos.
Artigo 1. A disposcao do artigo 22 da postu-
ra, approvada peta lei provincial n. 797 de 22 de
maio do anno prximo passado, fiea extensiva s
tregticzas .lo Poco da Pauella c Affogados, nao
oomprehendendo as povoacoes da Casa Forte, Po-
co da Panclla, Caldereiro, Mouteiro, Apipucos e
Aiogados.
Artigo 2. Ficam revogadas as dsposicoes em
contrario.Dr. Manoel do Nascimento Machado
Portella. Conforme. Antonio Armes Jacome
Pires.
Ugiezes, mas nao tiveram commuiycacao com a
EDITAES.
Domingos Alfonso Nery Ferreira, coronee
chele do estado inaior commandante sua
perior interino da guarda nacional do
municipio do Recife, e presidente do
conselho de revista da mesma guarda
por S. M. o Imperador etc., etc.
Fago saber que, na 3a dominga, 18 do
corrente mez, se reunir o conselho de re-
| vista da guarda nacional, como determina
a 2-1 parte do art. 2< do decreto 1,130 de
12 de margo do 1853, na sala das sessoes
da cmara municipal, as 11 horas da manha
na conformidade do art. 4i das intrucees
n. 722 de 23 de outubro de 1850; aflm
de tomar conhecimento dos recursos que
versarem sobre os casos indicados no art.
33, e que forem interpostos pela-mtmeira
determinada no art. 38 das ditas ins-
trueces.
E para constar a quem convier, mandei
publicar pela imprensa. Quartcl do com-
mando superior interino da guarda nacional
do municipio do Recife, 10 de julho de
1869.
Donngos Affonso Nery Ferreira.
mar municipal do Recife, 14 de ju-
Ignacio Joaquim de Souza Leao,
Prc-pre?d( nte.
Francisco Canuto da loa-viagem,
Secre
3. seccio.Secretaria do governo de
Peruambueu, l de julbo de 1869.=Pela
secretaria do governo s3o convidadas as
pessoas, que e^izerem contratar a cons-
truyo, nos termos da lei provincial n. 856,
de 5 dejulho, do anuo prximo passado
abaixo transcriptas, de urna estrada de
ferio desta capital villa do Limoeiio, com
dous ramaes para Nazareth e Victoria,
a a presentaren! suas propostas em cartas
fechadas ao Exm. Sr. vice-presidente da
provinca no dia 30 de agosto prximo vin-
douro.
LEI N. 856.
O bario de Villa Relia, presidente da
provincia de Pernambuco : Faro saber a
todos os seus habitantes, que a assembla
legislativa provincial decreten c eu sanecio-
nei a resoluto seguinte :
Art. 1." Fica o presidente da provincia
autorisado a contratar com o barao do Li-
vramento ou com quem melhores garantas
offerecer, a construccao de urna estrada de
ferro desta cidade A villa do Lmoeiro com
os dous ramaes para Nazareth e Victoria,
passando pelos povoados, Caxang, S. Loa-
rengo da Malta, villa de Pao do Alho, po-
voagao de Tracanhaom, sob as condigoes
seguintes:
| 1. O coatratante obrigar-se ha a apre-
sentar p anos e esftdos da estrada no praso
de 2 annos, a contar da data e assignatura
do cotitrato.
2. O presidente poder fazer nos pla-
nos e estudos as alteragoes, que julgar con-
venientes e flxac a bilola e peso dos trilhos,
as dimensoes das obras d'arle e todas as
condigoes para seguranga e boa execuegao
da estrada e ramaes.
3. O presidente poder iscalisar a
construcg5o e servigo da estrada e ramaes.
4. A estrada e ramaes serie conclui-
dos, a priiaeira no praso de i annos a con-
tar do comego das obras, as segundas at
3 annos depois de concluida aquella.
As multas por infracgo dessa clausuia
e a prorogag5o dos prasos nella estipulados
por casos imprevistos, sero determinados
pelo presidente da provincia.
Art. 2.a Fica o presidente da provincia
igualmente autorisado a auxiliar a construc-
gao da lintia e ramaes com urna subvengao
kilomtrica de um quarto do valor das
obras orgadas, ou a conceder a garanta de
juros at quatro por cento do capitafem-
pregado.
Art. 3. Ser concedido ao contratante
um previlegio por noventa annos para uso
e goso da estrada e ramaes coitando-se da
concluso das obras, nao podendo pessoa
alguma construir estradas semelhantcs nesse
praso para os mesmos pontos, nem na di-
rec?5o dos ramaes e na zona de leguas para
cada lado das estradas.
Art. 4. A estrada e ramaes e todo o
material empregado Picara isenUs dos im-
postos porvinciaes e municipaes.
Art. 5. Ficam revogadas as disposigoes
em contrario.
Mando portanto a todas as autoridade* a
quem o conhecimento e oxecugao da pre-
sente resolugo pertencer que a cumpram
e fagam cumprir 13o inteiramente como
nella se conten. .
O secretario do governo desta provincia a
faga impr mir publicar e correr.
Palacio lo governo de Pernambuco. I de
junho de 1868, 47. da independencia do
imperio.L. S.Barao de Villa Bella.
Sellada e publicada a presente resolugo
nesta secretaria do governo de Pernambu-
aos ti de junho de 1868.O secretario,
Dr. Francisco de Paula Sales.
Registrada as fls. do livro de les pro-
vinciaes. Secretaria do governo de Per-
nambuco, 5 de junho do 1868.O escri-
turario, Theodoro Jos Tavares.0 secre-
tario, Dr. Joaquim Corrt'a de Araujo.
BECLARACOES.
O Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, juiz dos feitos
da fazenda desta provincia, por S. M. o Impera-
dor, que Deus guarde etc.
Faz saber aos que o presente edital virem e
delle tiverem noticia, que se acha em concurso
com o prazo de 60 dia% a con ar da data deste,
para provmento definitivo, um dos oflleios de es-
crivo dos fet09 da fazenda provincial de->ta cida-
de, creado pelo art. 3' da lei n. 335 de 6 de abril
do 1834, o qual ticra vago por lallecimento do
respectivo serventuario vitalicio AntoBio Jos de
Oliveira Miranda.
,0 pretendemos ao mesmo cilicio devem lo re-
ferido prazo apresentar os seus requermentos
competentemente instruidos de conformidade com
art. 14 do decreto n. 817 de 30 do agosto de
151, a com o aviso n. 852 do 30 de dezembre do
B para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital, que ser lido e
afiliado nos lugares do costume e publicado pela
imprensa.
Cidade do Recife, 19 de julho de 1809. Eu
Joao Vicente de Torres Bandeira, escrivo o subs-
crevi.
^__^_______Abito Jos Tavares da Silm.
Parante a cmara municipal desta cidade
continuar em praca em ea dias 23,26 e 28 do
corrente para serem iinprettrivelmente arremata
de, por quem raaior preco offerecer, es alaguis
de qoatro espacos no acoogue pufcuco da regue-
Perante a cmara municipal desta ci-
dade, estar em praga nos dias 14, 21 e28
do corrente, para ser arrematado por quem
maior prego offerecer o imposto de 500 rs.
por cabega de gado vaceum, morto para
consumo as freguezias do Pogo de Panella,
Varzea, Affogados, Muribeca, Jaboato e
S. Lourengo da Matta; as pessoas que qui-
serem arrematar dito imposto, habilitem-se
na forma da lei e comparegam no pago
municipal em os das referidos.
Pago da cmara municipal do Recife 8
de julho de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Pro-presidente,
ZFranctsco Camilo da Bda4Hagem,
Secretario.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para provmento dos armazens
do almoxarifad o seguinte :
Lencos de algodao {26
Meia's de algodao, pares 16
Algodozinho americano, me' rus 510
Panellas de ferro para 20 praeaa t
Garfo grande de ferro i
Faca de coziulia i
Conxa de farro para tirar caldo l
Pennas calygrapniras, caixas 40
Papel pautado, resmas 20
Caetas finas, dnzias 40
Lapis finos, duzias 50
Obreas cm pes, macos so
Papel matta-borro (arta>) fallas 50
Guiinna arbica, frascos 3
Tinta encarnada, frascos f,
Limas chatas de 16 polegadas, duzias 6
Ditas ditas de 14 ditas, duzias ti
Ditas ditas de 12 ditas, duzias 6
Ditas ditas de 8 ditas, duzias \
Ditas ditas de 6 ditas, duzias ;{
Ditas meias canas de 8 polegadas, duzias i
Ditas ditas de 6 ditas, duzias i
Ditas chatas mursas de 8 polegadas, duzias ;t
Ditas ditas ditas de 6 ditas, duzias 3
Limates de 8 polegadas, duzias J
Ditas do 6 ditas, duzias 2
Limas chatas rauz de 4 polegadas, duzia 1 i
Limas meias canas de 4 polegadas, duzia 1/2
As pessoas que quizerem vender os objectos
cima declarados, coniparecam nesta repartir
no dia 24 do corrente, pelas 11 horas da mania
eom suas propostas.
Sala do conselho de compras do arsenal d*
guerra de Pernambuco 19 de julho de 1869.
Hygino Jos Coelho.
Coronel director interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
Perante a cmara municipal desta cidade, esta-
r em praca nos dias 21, 24 o 28 do corrente, pa-
ra ser arrematada por quem menor preco offere-
cer, a obra da ponte da estrada que conduz ao ce-
miterio publico, oreada na quantia de 8:140*000:
a3 pessoas qne pretenderem arrematar habilitem-
sa na forma da lei, e comparecam nos referidos
dias no paco municipal.
O orcamento respectivo acha-se na secretaria da
mesma cmara, onde ser apresentado aos que
quizerem oxamlnar.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia, em virtudc de
ordem da presidencia, manda fazer publico
que no dia 28 do corrente mez, as duas
horas da tarde, perante a junta da mesma
thesouraria, ira a praga para ser cedido
aquem maior lango offerecer, o dominb
til de terreno de marrada que fia entre
a ra da Saudade, e a que segu do becco
dos ferreiros, do bairro da Boa-Vista desta
cidade. As pessoas aqueta interessar de -
vero comparecer nesta thesouraria no re-
ferido dia e hora indicados.
Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco, 20 dejulho de 1869.
0 ollicial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
A adminiatragao do correio desta ci-
dade, precisa engajar pessoas habilitadas
para o servigo de caminheiro ; quem esti-
ver nestas condigoes e se quizer engajar '
dirija-se a mesma administraco com o com-
petente attestado que prove a sua conducta.
- si
f
I
u
r
*2^.




}s


uspecc/io lio HKS
manaba.
1)3 ordena do Nlm. Sr. inspector (rn pu-
blico que esta ios pe novamente era
toasta publica, na porta do almoxan
nos dias 20, 22 e i do corrente mez ao '/
da, 9 arrobas e 9 libras de bolacha em
inoinba.
Inspec^ao do arsenal de mirnha de Pernambn-
co, 17 de jalhodc 1869.
O secretario,
_ Alamndre Rodrigues dos Aujos.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia, em additamen-
to ao annuncio de data de hontem, manda
fazer publico qoe ir tambem a praca no
dia 24 do corrente. peante a junta da mes-
illa lliesolirana, o arrendamunto annual por
tres ai.nos do proprio nacional n, 1, sito
uo Forte do Mattos, do bairro do Recife
Sfi retara da thesouraria de fazenda de
IVmaml'tiro, 2o de jnllio de 1809.
O ollicial-maior,
Mn/Kirl M'imi'tle da Si lea Cusa.
Sania casa da misericordia do
Recife
A lllm. junta administrativa da Santa ('.asa di
Misericordia do Recife na sala das suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia ti do corrente, re-
cebe proposlas para a pnbliracao do sea expedien-
te c annuncios, devendo dilas proposlas seren
presentadas em cartas fechadas rom a dcclara-
oao do proco lixo porque cada individuo se cotn-
promette a fazer semelhante tervco.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 16 de julho de 1809.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Soma.
= Vai i praca sabbadn,|as ti horas do dia, a
casa terrea e sitio (afronto do engenho Peres, por
rnuilas vezes annunciado : que o na mesma qni-
zer Iancar, comprela que vai com o abate
da le. ..
GORREIO GERAL
Pela administrarn do convio desta cidade se
taz publico a quem interessar possa, que niio se
demorando os vapores da companhia Messageries
Imperiales neste porto em sea regresso do Rio de
Janeiro, c tempo preciso para se fazer a expedicao
las malas para Europa, tem resolvido que as
malas se fecliem as 0 horas da tarde do dia ante-
rior ao da chegada dos meamos vapores.
Correio de Pernambuen 20 de julho de 1869.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
O Win. Sr. inspector da thesouraria de fazen"
da desta provincia em virtude de ordem da presi*
dencia da provincia, manda fazer publico que n
dia 2i do corrente as 2 horas da tarde, perani"
a junta da mesma thesouraria, ir novaiuente a
praca para ser arrematado por quem maior lanc0
oflercecr. o arrendamento annual por tres annos,
do proprio nacional n. ."i sito no Forte do Mattos
'jo bairro de Recife desta ciliado. Secretaria da
thesouraria de fazenda de Pernambuco 19 de
julho de 1869.
O ofOcial maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
THEATRO
DE
SANTA ISABEL.
Sexta-feira 23 de julho de 1869.
GRANDE REPRESENTAQAO EXTRAORDINARIA
EM BENEFICIO DO SR.
CUHHA
SOB A DIRECCO DOS SENHORES
J. POPPE E IIADAME POPPE
com o concurso dos Srs. Eduardo A. Clinton, Jos Colho Barbosa, Cont Rocha, Florn
que graciosamente se prestam a tomar parte neste divertimento.
do. Silva,
GRANDE TMBOLA
ttanta Casa da Misericordia do
Recife.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fcizer publico que na
-sala de suas sessoes, no dia 29 de julho, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos. as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTAlELECOiENTOS DE CAR1DADE.
Ra das Calcadas.
Cata terrea n. 32........1305000
Roa do Padre Floranc.
Casa terrea n. 47...... 170*000
Mem u. 47. 49....... 170*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30...... 177*000
fdam idem n. 36....... 178*000
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18...... 300*000
dem n. 20.......2*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 76*000
Segundo andar dito...... 96*000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1....... 100*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27...... 144OM
Ra da Cacimba.
dem idem n. 12...... 146*000
Ra do Vigario.
i." andar do sobrado n. 27. 240*000
Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 10o ................ 146*000
dem idem n. 103.................. 202*000
dem n. 98........................ 203*000
dem n. %........................ 202*000
dem n. 94........................ 203*000
Sitio n. 5 no Fumo da Cal........... 150*000
dem da Mirueira u 4..... 106*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arreraataeao as suas llancas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite, 17dejunhodel869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
Paquetes a vapor.
Dos pof .'os do norte esperado
at o dia i6 de julho o vapor
Tocantivj, commandaute J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da deinoxa do cosluiue seguir
para os purtos d
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ser embarrada no dia desuachogada. Encommen-
das e dmheiro afrete at as duas horas do dia da
suajahida.
Nao se reeebem como encommendas senao ob-
leJ^* e pequeo valore que nao excedan a 2
arronas de peso ou 8 palmos cbicos de medicad.
Tuaoquepassardesteslimitosdever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas pass.v
gens so se reeebem na agencia ra da Cruz n. 57.
Io andar, escriptonj do Antonio Luiz de Oliv
Azevedo & C.
amarello, mrqntaas, ai'.yuezoes, consol
mattos outrosobj'.ntis.. Nestaoerasi5o.se ve
ra duusJHMc's sendo iub americano de 4 ro-
das e um de da tlente arrCO,
1MME.
Pelo agente Martins awuzem da ra do Im-
perador n. 16? 38.11 \ punto.
LEIL10
UMCAVALLO!
CANTO !
DNSA !
PIANO
?
Prestidigitacao!
Recitado!
Scenas cmicas!
UM RELUJO E UMA GARRAFA DE CHAMPAGNE.
Experiencias de magia moderna pelo prestidigitador portuguez o Sr.
EDUARDO A. CLINTON
COMPANIJIA PERNAMBUCO
DE
.Vavegaco costeira por vapor.
Mamanguapc.
O vapor Coruripe, cominandante Penna. segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as
horas da tarde. Recebe carga, encommendas.
passagens edinheiro afrete at as 3 horas da
tarde no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PEUNAMiil'CAiNA.
DE
Xaregaco costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Macao, Mossor, Ara-
caty, Cear;\, Acarac e Granja.
0 vapor Ipojtica, commandantf
Eustaquio, seguir para os poetas
_ cima no dia 31 do corrente as 5 hora.*
da tarde. Recebo carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sahida no escriptoric
&> Forte do Mattos n. 12.
lio Ciraude do ShI
Para o porto cima segu com hrevidade o pa-
tacho nacional Principe, recebe alguma carga a
freto, e Irata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo fr C. ra da Cruz n. .'>7.
PARA LISBOA
segu com toda a hrevidade a barca pnrtugueza
Constante III, por j ter parte da caiga prompta :
para o que lhe falt e pa^saceiros, trata-sc com os
consignatarios Oliveira, Filhos & U, largo do Corpo
Santn. 19, ou com o capitn na praca do Com-
nardo.

da arma<;ao, gaz, genios e uta tensios
exitenh's na taberna sila ;i roa de Hur-
tas n. :t!>.
Segonda-eira 26 do corrente.
Lauriano Pinheiro do Cont, autorisado por tem
e para pagamento dos niesaios far Ici-
V intervenqad V. 8 z e mais ntensilios existentes ua
o.i cita ana de Hurtas n. 3!, em um ou
mais lotes, a vontade : no dia cima mencionado,
fegunda-foira 2(5 do-corrente, pelas 11 horas da
rnanhaa na mesma taberna.
LEILAO
DE
urna grande casa de campo.
0 9genlc Pontual, competentemente autorisado,
vender em leilao o s .brado de um andar c so-
tao. o qual pertenceu ao fallecido JoSo Pires Fer-
reira, sito au largo do Poco da Paneila, depois da
igreja ; tendo o sobrado i salas, (i qliarlos, sendo
dous rom jauellas, cozinlw, grande sotan, quintal e
urna grande cochura com dous quarlos. O sobra-
do da melhor consiruccao possiTet, muitissi.-oo
fresco, e sita Jo em urna das melhores localidades
oeste airaba Ido, mnio periodo rio e urbanos. Os Sis. pretendentes poderao examina-lo
e concfirrercm ao leilao
Ter no primeiro andar do sobrado n. 42. ra da
Cruz, s 11 horas.
AVISOS DIVERSOS.
Pilli
Para o referido porto segu com muita hrevida-
de o palhabote pnrtugncz 'oio Protegido, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o resto
que lhe falta trata-so com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio
O. 17.
Quem quiser comprar cinco apolices da
estrada de ferro de Olinda, por 200,>QOO,
tendo j feito seu dono as duas primeiras
entradas, annuncic.
(JOSTUliElRA.
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
ceza, por preco commodo, na ra Anguats
.n \\% e d-se anra sobre as mesmas.
funja, com
ohv.uneBte
v(jo : esta
iiareltws de
2o
3o
4o
O mysterio da piagia.
O copo mysterioso.
O baralho do diabo.
ma transformac5o.
O segredo Clinton.
saG)& uataifa
i A Baiana, grande composiclo, execntada a piano pelo Sr. Poppe e
acompaohada pela orchestra, dirigida pelo distincto maestro, o Sr.
JOS COELHO BARBOSA.
-.
2' Aria do Trovador cantada pelo Sr. Silva.
3 Pikf PaffI cinsopnetta, cantada pela Sra. Poppe.
4o A Poesa do Sr. Palmeirim, recitada pelo distincto actor Couto Rocha, em
carcter de soldado portuguez, a qual tem por titulo
G0MES FREIR
5n Le caf concert, cansonneta, cantada pela Sra. Poppe.
6o Segunda parte da magia moderna pelo prestidigitador Clinton.
i Una transformarlo chineza.
2o A banqueta puantastica.
3o A new triek.
4o Os frascos milagrosos.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DG
Navegago costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os pwtos cima
_ no dia 31 do crtente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n escriptorio do Forte do Mattos
n. 12.
No dia 45 do corrente furtaram da
ra do Pilar n, 36, um baln'izinlio com di-
versos objectos, entre os qnaes o bilhete n-
teiro n. 2517 da 288 lotera do Rio de Ja-
neiro, cuja lista deve vir pelo vapor Cru-
seiro doSnl ;quem o tiver approhendi-
do, avise na ra da Cada n. 2 armazem de
molhados, que se gratificar.
, Precisase comprar um escravo idoso que
sirva para tratar de cavados na estribara, ou pas-
tar gado : quem tiver e quizer vender, nao tendo
quizer
vicios, appareca na ra d Queimado ri. 39, 1
dar. No mesmo Jugar
an-
se precisa de um bom ca-
noeiro parase encarregar do tomar con la da urna
canoa e trazer capitn para esta cidade, paga-se
bcui, sendo pessoa que d conhecimento de sua
conducta.
Maranho
Para o Maranho pretende seguir com
brevidade o hiato nacional Hoza, para o
resto da carga que lhe falta, trata-se com
Marques, Barros A C, no largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar.
7o
8"
Sei:\.\ Cmica, muito jocosa, pelo Sr. Florindo.
La Madrilea, passo hespanhol dansado pela Sra.
THEATRO
S. ISABEL.
Companhia dramtica sob a di*
reccSo do artista
DE-3KWANNI.
Sabbado 24 de julho.
Secunda representaoao [do excedente e muito
applaudido drama em ti quadros, ornado de mu-
mea odansa intitulado
ESMERALDA
O interessante papel de Esmeralda ser desem-
penhadu pela Sra. D. Jesuina.
Scgue-se o gracioso dueto
A paneila do feiliqo.
Canudo pela Sra. D. Jesuina e o Sr.DeGio-
vani.
Terminar o espectculo com o jocoso a pro-
posito em 1 act, ornado de msica e dansa de-
nominado
OS ZUAVOS.
Os bilhetes acham-se no escriptorio do theatro.
Principi !r as 8 horas.
Domingo 25 de julho de 1869.
EXTRAORDINARIA REPRESENTACO
POR
VI. PEYRES DE LAJGilRMD
til BENEFICIO DE SUA 11I.HA FRANfOISE
O Sr. Peyres tem a honra de apresentar-se pela
primeira vez nesla cidae, a executar os seos tra-
balhos de escamotagem em costurae egypcio, e
bracos ns.
Alta novidade!! Primeira vez!
A grande experiencia magntica denominada
0 SONRO AERIO
executado pela beneficiada a menina Peyres.
0 resto do programma se dar no jornaes do
da v
Recebec .los no no-
cid a ra lar,.

1 ">*
GHANDE TMBOLA!
A lotera constar:
Io De um magnifico cav 2o Um excellente relojo.
3o Urna garrafa de Champagne.
Este innocente divertimento ser feito por dous meninos escolha do res-
peitavel publico.
. k,w9.s bi,hetes Para a lolera sero distribuidos de modo a caber um bilhete
por cada i $000. a excepc3o das varandas, isto :
Camarotes de Io ordem 8 bilhetes da lotera.
dem de 31 ordem 10 ditos.
dem de 3.a ordem 6 ditos. flUB3JI
dem de 4.a ordem 4 ditos.
Cadeiras 2 ditos.
Plateas i dito. k
N. B.
O cavado estar exposto durante o dia do espectculo porta do theatro e
os premiofi restantes no escriptorio do mesmo theatro.
Principiar s 8boras.
Ilollowry Komi
Wanted on lhe A. Brit Brig Search Capt. D. F.
Brocklehank ahout 750 more or Icss or repairs
and olher cliargesat thes Pon. to enante said vessel
to proceed on her voyage to united Kongdom direct.
Sealed tenders to be addressed to the caplain at
lhe Brilish Consulate, and to be opened en the
prewnce of-HBMS Cosul on w^aesday the 28-d.
enst ah medtlay. Recife 21 july iSfiO.
Risco martimo
O brigne inglez Search, capito D. F. Brocklc-
bank, precisa da quantia de 7o0 esterlinas
(9:0006000), pouco maisou menos, sobre o casco
do dito navio, para o reparo e mais despazas neste
porto, de forma que possa seguir a sua viagem
para o Reino Unido. Recebem-se propostas em
cartas fechadas no consulado britannico, dirigidas
ao capitao, as qnaes serao abenas na presen? do
confu de SM B. no dia 28 do coarentc mez ao
meio dia.
LEILOES.
LEILAO
,' i
de quatro dorlars com ps para punhos, qualro
aros da anneis. dous pares de botos para peito
de camisa, um relogio suisso de ouro, urna cor-
rente de ouro, una caixa de tartaruga para ra-
i, um diamante para cortar vidros, um par de
lotinas, duas malas para viagem, dous hahiis
de cooro, um dito de Flandres, una por^ao de
rouna branca, constando de calcas, camisas e
mes, una japona de cassemira nova, diversas
calcas, coletos e palitos de cassemira, um cha-
peo de manilha, dous ditos de sol usados, um
par de fronhas de lahyrintho.
Sexta-feira 23 do corrente
HOJE. **
0 agente Martins far leilao por antorisarao do
lllm. Sr. Dr. Claudino de Araujo Guimaraes, dos
objectos cima pertencentes ao espolio do subdito
portuguez Joao Bento Para.
No armazem da fll do Imperador n. IC, s 11
horas do dia cima, na mesma occasiao se vende-
rao tO caixas de charutos.
Quem precisar de urna criada que cose hem,
veste com perfeicao una senhora, e tratar de urna
casa com esmero, dirija-se ra do Imparador
n. 50, Io andar.
Industria agrcola.
O akaixo assignado propreCario de varios esta-
oelecimentos ahricolos tendo de tirar-se para
l.isiwa a tratar de sua sande, deseja diminuir o
crirso de suas oiieracaes, expondo a venda o en?,
uno H-riiie (funccir.nand i aclualmont com 0%
a 60 ewravos) distante legua e mi.ia de Beta, com
a 1,ial lo por k-rri e pof agua.
rabriCaCao do snw ,, |-al pe|0 ,,
m do racctio e do vapor.
A aguarden!.' por dons alamhiqnes, sendo nm
do antigo syst.nia e outro do continuo
O material inteiramenre novo d'este estabaieci-
meoio, .-alud.) d; n rouliecida de Henry
Llaiton A C. de LoAm, ;,eira ordem a
sua mstallacao feita r rj e perfeicao
podo desejar.
O material o os pparelli.,s'cwiii^em-se do se-
guile:
I>h una caldeira de 20 ca
2 fornallias interior
apor de 'i a S
eatdeira est mm
seguranca, indicaflt
lo urna machina dlaprec-
! foica u*b IV cava sua. tran-
missijo a um jogo de moendas da maior forca eo-
nhecida nos estahcleciincnl .rovinca.
De dois dessecadoivs a dol i om-
municacao com os feUros, id.
I)e una caldeira a coz oro todos
os seus aparelhos, e correg ,mba
do ar, mandada pela dita i,
De i bombas para o ni
opeacoes, communicand rtepwrtos
d agua fria, agua qaente.mel p r, niel di
lorbma e espumas etc.
De una toibina a vapor gorrosiiondendo com
girador da maclm.
De una torliina ingleza, de um dimetro maior
movida por baixo pela transmissao mandada pola
machina a vapor.
Kslisobras foram mntalas o insLiUadaspeb
primeiro anisla scientillco e platico eonhecidr.
o esta provincia, que tem funeciouado com todos
estes a|iarolhos; dando productos de um qualida-
de superior a todos que U'iu aparecido at hoie
nVsta provincia.
Este cstabelecimento pode fabricar regularmen-
te de 200 a 300 arrobas de assucar, e I pipas d
caxara diariamente.
Pjirtence a este engenho um lago, cujas aguas
servem para moer actualmente unta pequea ser-
rara de niadeira.
A casa de moradia espai^osa e de boa constrnc-
cao : em lim, ueste lugar acha-se una bonita
camphu cercada de mata, virgena onde se en-
coiiiram com mnita ahuiidonci adeiras tanto
para centruccoes naves como terrestres
Para. 39 de juuho de 1869.
___________ Jos Antonio de Miranda.
TRIUMPHO MEU1CA A SCBBNCl
AMA
Na ra de Santa Thereza n. 14, existe urna se-
nhora viuva que se propSe a ser ama em casa es-
Irangeira ou de homem solteiro, faz todo o servico
do interior, sendo engommado, lavar, cozinhar, e
tratar com precisao de urna casa : quem precisar,
em taes condicoes, a procuro na ra cima.
Alnga-se urna escrava boa cozinheira e en-
gommadeira : quem precisar apparaca na ra da
Aurora n. 50, 2" andar.
Precisa-se alugar una preta ongonimd*ira":
na ra do Imperador n. 51, ou do Crespo n. 8,
loja de quatro norias.
Aluga-se urna escrava que lava, cosinha c
engomma com perfeicao : a tratar na ra da
Mangnaira n. 6.
Escript,
Um moco que tem seis preparatorios, boa letra
e excellente orlhographia, offerecc-se para escre-
ver em algum escriptorio : quem pretender diri-
ja-se ra do Livramento n. 7, loja. que achara
pom quem tratar.
Glaces ala crrae
tous les jours a l'estaminet ra do Imperador nu-
mero 32.
em
de fazendas avadadas.
HOjE.
Sexta-feira 23 de julho as 10 horas
ponto.
O agente Pinto far leilao requerimento de
Keller & C, por autorisacao do cnsul do Franca
em presenta de seu chaceller e por conla e ris-
co de quem pertencer, de urna caixa marca K C.
n. 496 com 40 pecas de cassa, vinda de Bordeaux
pelo vapor francez Navarre, c cnida ao mar na
occasiao do desembarque, o leilo ser effectuado
as 10 horas do dia cima dito no escriptorio do
referido agente ra da Cruz n. 38.
AO PUBLICO
Un terrivei furacao mpcltido pela inveja, con-
seguio abalar por algum tempo o stabelecimento
de modas francezas na ra da Imporatriz n. ,
denominada a Esmeralda. Mas o ajo da guarda, j
que vela sobre a innocencia opprimida, fez cal-
caraos pus da justica o genio do mal, que desen-
caJeira essa tempestado- Brevemente se achara
o mesmo estabeleumenlo em maior grao de es-
plendor, sorlido de todas as fazendas do mais
apurado bom gosto, e as maia appropriadas, se-
gundo as rigorosas leis da moda, para satisfazerem
as mais exquisitas phanlasias do bello, e amavel
s xo. Presentemente est encarregada dos prepa-
res de costuras, modas e enfeites na mesma loja,
urna excellenfe e perita modista, que sabe execu-
tar com perfeicao ludo que o soao encantador tem
inventado para seu adorno e elegancia, e offerecc
seus sorvteos quem d'eiles precisar.
Antonio Jos de Oliveira Castro, negociante
estabelecido com casa de commercio de mercade-
ras na cidade do Ico, provincia do Ciar, faz sil-
ente ao respeitavel corpo do commercio desta pro-
vincia e da praca de Pernambuco, que no Io de
julho do corrente associou ao seu estabelecimento
commercial a seus limos Manoel de Oliveira Cas-
tro, Joao de Oliveira Castro, Antonio de Oliveira
Castro, passando a usar daqutlla dala em diante
da Arma commercial de Castro & Filhos, e da qual
so o annunciante far uso.- Cidade do leu 4 de
julho de 1869.
DfiVOPfio li FiYftAlw KpTihnra. l)aia aelcctuacadequalijuircura.
i/e V uytiu Ud UAteiSd eill Acha.se a veil(|.BoS estabelecm
bautAnna no convento
de S/Fniiicisco.
THEATRO
tiyinnasio Campestre.
Domtago 5 de julho de f *
Beneficio da actriz
JESUINA MONTANI DE GIOVANNI
Drama
ESMERALDA
Comedia
IT
Os bilhetes acham-se na estacao dos trilho3 ur-
banos e no theatro.
N. B.Haver conducao gratis, antes e depois
do espectculo.
No trem das 7 horas ir urna
Banda marcial
que tocar i
O espec \ acolo preifiar m 8 fcorw. :
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NavegacSo costeira por vapor.
Goyanna,
0 vapor Parahyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 26 do cor-
rente as 9 horas da noite. Itecebe
MV carga, encommendas, passageires
e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12. ^
Continuaqao do Jeilao
DE
CEBLAS.
HOJE.
Sera limites pelo agente Pestaa no largo da es-
cadinha da alfandega boje as 11 horas da rna-
nhaa. Na mesma occasiao far o leilao das pas-
sas ja para hontem aunnpeiadas.
*
LEILAO
RIO II JANEIRO
Para o Rio de Janeiro pretende sahir com
a maior brevidade possvel o brigue aacio-
nal Trovador, recebe carga e escravos a
frete : tratar cora as consigoitarios Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Santo,
n. 6, segundo aaiar J
nm piano de armario, um guarda vestido de
laarello, urna commoda de Jacaranda, nm par de
^paradores de amarello, um dito de mogno, um
nde guarda vestido e puardfl roupa ao mesmo
ipo, de mogno obra de muita gosto, duas bur-
ras de ferro sendo urna ingleza 'e a outra france-
za, duas camas francezas com pouco uso, urna
prenca para copiar carlas%tres camas para meni-
no, dous apparadores de amarello, urna jardinei-
ra, diversas mesa9 redondas, ditas commodas
usadas, tres (andelc apparelho de porcelana Dranco para jantar, um
dito de louca vnaJs ordinaria para uso diario, di-
versos regrr,aoVes, famptoes, castical e muitas
outras qhiis de ralba da Sandros, lavatorios de
De ordem do nosso irmo juiz convido
todos os nos jos carissnros irmos para
comparecerem em nosso consistorio domin-
go 25 do corrente pelas 9 horas da manha,
aim de asstirmos missa votiva o em me-
sa geral procedermos eleic3o dos novos
funecionarios que tm de dirigir esta Devo-
cao no anno do 18691870.
Consistorio, 28 de julho de 1869.
0 secretarrio,
Manoel da Silva Fialho.
Em tempos modernos nenhum descubri-
mento operou maior revoluco no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITOM'L DE AMCAH11T4
TANTO NO TR.VTA.MENTO DA
tosse, cnopo,
ASTHMA, THISICA,
nOUQUIDAO, RESKniAMF.NTOS.
nO.NCIlITES,
TOSSE CONVILSA,
DORES DE PEITO,
EXPI CTCRAfAO DE SANGl'E.
Como em (oda a grande serie de enfermi-
dades da gaioanta, do peito e dos orgaos
da respiraco, que tanto atormentam e fa-
zem soffrer a humanidade. A mancira an-
liga de curar consista geralmcnte na appli-
catnrios, sangrias.sarjar ou ap- .
plicar exteriormnte ungentos nn tissimoo
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empelhas; cujos differentes mo-
dos de curar, n?o faziam seno enfraque-
cer e diminuir as forjas do pobre doente.
contribulado por esta forma d una mancira .
mais fcil e certa para a enfermidade a des-
truico inevitavel de sua victima Quem di-
ferente pois o effeito admiravel do
PEITORVL DE ANACAIIUITA !
EM VEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAtZAR
INAUDITOS SOFFHIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODWICA E SUAVIZA A DOR.
AI.I.IVIA A IRRITACO
DESEMVOLVE O ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uraa mancira prompta e rpida
at o ultino vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Berma)
testiicam serem exactas e verdadeiras eslas
rt'lages analgicas, oualm disso^a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram cjiradas-ee
este maravllvoso remedio, s5o mais q
sullicientes para sustentaran a opimao do
l'EITORAL DE ANACAHUITAI
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos^taato mine-
raes, como vegotaes, emquantoq a^torm.
alguns d'estes ultimo, e parlioalaruienti-
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrociaaico, formara, a base da
maior parte dos Xarop< quaes tao
fcilmente se engaa a credudide do pu-
blico. A Composicao-de Aoacahoila Peito-
ral acha-se linda e oiiiiosaMttengarrafada
em frascos da medida < i cerca de meio
quartilho cada um, e coiae a dose que se to-
ma s d'uma colber pequea: basta ge-
ralmcnte a applicaco d'um ou dous frascos
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos,
A ra do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido alm de ou-
tras sortes o meio bilhete J95* com 4:0(H da
lotera que so acabou extfahir beneeio ta San-
ta Casa da Misericordia, convida ao possuidox a
vir receber na coobrmidade do coslume seni
descont algum.
Acham-se a venda oa bilhetes da 26* parte da
Santa Casa (UB) que se extrahir no da 4 de
agosto.
Preeos.
Os do costume.
Maaoel Martuu Fiuza.
estabelecimentos de
A. Caors, J. da (1 Bravo & C. P. Maurer
C, M. A, Barbis. Bartholomeu A C, e
em todas as priocipaes boticas e lojas dft
dragas.
ttencao
Na ra Estreila do Rosario n. 33 Io andar prepa-
ram-se ricasbandejas de bolos para casamentes, bai-
les e baptiaados.por preco muito commodo, com bolo
de difTerentes (|ualidades, boquets de flores arliticiaes
e naturaes proprlos para enfoites de bolos e para
casamentes o para qnalquer offerta com fitas bor-
dadas a ouro e lelreiro agosto dos donos ; as en-
commendas devem ser feitas dous dias antes,
enfeitam-se velas ricas por muito barato proco
ra baptisados e enfeites do altares; faz-se ca-
pailas e cenos para as lojas e flores para enfeites
de igrejas ; prepara-se qualquer eneommenda.
para fora com toda a presteza, de rosas, palmas,
capellas. festes e roseiras para enfeites de igreja
mais barato do que em outra qualqner parte e
com toda presteza ; faz-se pih-de-l, pudins e do-
ce, tudo on feita do para presentes.
lYecisa-se de urna ama
Rosario n. 36, J andar.
Despedida
na ra estreila do-
____
O desembargador Joao Antonio de Araujo Frei-
tas Henriques tendo de retirar-se para o Cear,
onde vai temporariamente residir, e nao podendo
pe>snalmente despedir-se, pela brevidade de sna
partida, de todas as pessoas que o honram com
sua amizade, pede por slo desculpa todas, e offe-
rece seus diminutos prestmos naquella provincia.


- .
Diario de Pernambuco *- S^fe fer 23 de Julho de 1869.
"-'-



' 4

V'
ECONOMA
PARA AS FAMILIAS
Trocam-se
is notas do banco do Brasil
:om desenlo muito razoave^
tendencia d. 12. '
r na jirafa, da Inde-
E
Troca se um; im^o, ,i Senlwr Cruefflea-
d0' .nia ,"' jr>r* f;,,ta na ,nJia- Propria para
capella ao ee^m^ \>jr ser em poni grande, rom
a comitente. cnw te p* santo, aves,; resplan-
dor '., prata, obra de rnuiw gosto : na na da
9ma, taberna n. 7.
wm
ibaixo assij j posuidor das dividas
4o pan) do fallecido Joa Haptisia da Fonseca J-
nior, arrematadas ein leilao publico, pede aos de-
valores do nesmo casal se dignem satisfazer seus
dbitos no praso de 30 das, a contar da data des-
te ; fiado o qual proceder judicialmente a dita
cobranca: na roa da* Cinco Ponas u. 81
Reeife 13 de julho de 1860.
Joao de AzevedoPer'-ira.
PARA
entregar as chaves ao proprietrio do pre
O arrematante do estabelecimento de (uzeadas da na da Imperatriz n. 3G. i j
intitulado JAR-FMM DAS DAMAS, tem resolvido liquidar todas as fazendas que nelle exis-1 s
tem, afim de eni poucos das poder entregar as chaves ao proprietrio do predio, por- '
tanto convida ao respeitavel publico a vir sortir-se do grande sortimento de fazendas
que existem wo me9mo; podendo comprar por menos 30 o/0 do que em outra qualquer
parte, e algumas talvez por menos anda.
Entre o grande sortimento de fazendas que existe nesta loja tem o segunde :
Ditas lavradas de uroa's cor.
ilrins de liuho miudinhos para neniaos.
dem idem com padrocs mais grados.
Gros-de-napolt* pretos e de cores.
Pannos finos pretos e azues, do mas bai-
xo ao superior.
Casemras de-cores para calcas, de todas
com barras, as qualidades.
Kinssmos manguitos com gollinhas de
cambraia transparente.
Manguitos com puulios.
Punlios com gollinhas.
Pelerinas pretas, de fil e croch, borda-
das.
Finssimas tiras bordadas para ntre-
me os.
Club PernamMicano
A partida do corrento mez ter lugar na
na noile do da 24.
Finas percalas de cores fixas.
Chitas finas claras e escuras, cores fixas.
Caaos francezas muito. finas.
Finissimos bareges com lisias de seda.
Ditas-transparentes cora listas.
Lanzinhas muito linas com listas e flores.
Alpacas lavradas com llores.
Cortes de cambraia de cor
bordadas.
Ditos de duas saias, com fgurinos.
Ditos de cambraia branca, bordados.
Ditos de velludo para cohetes.
Ditos de gorgu/o de seda.
Saias bordadas, com qualro pannos.
Bitas cem barras de cores.
Ditas de lan, bordadas.
Punhos com gollinhas de cambraia.
Alpacas lisas com listas.
O advocado r. Antonio de Vas-
concelos M'nezes de Drummond, jj
mudou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. G, onde pode
ser procurado para o exercicio de m
US sua preflssarj em todos os das jj
* uteis das 10 lloras da manhla att i
j s i horas da tarde. Pora dessas 2
j horas, e para qualquer occorrencia |
Bl urgente, ser encoutrado ao seu I
$S domicilio, ra da Aurora n. 2(5.
mmmmmmmmm mm mm
Na ra da Aurora n. 3i, 2o andar, precisa-
se de una boa ama de Icitr.
Ama de leite
Precisa-so de urna ama de leite sem filio : na
travessa do Veras n. lo, 1" andar. Nao se olha a
preeo.
AOS :MM*#00
CASA DA FORTUNA
Hita lo Crespo n. 3.
O aliaixu-as-iiiiado lendl oblido llcenca pre-
sidencia e salisfeito as oulrai exigencias da lei,
avisa ao respeitavel publico quo ter sempre
venda no sen. .esiabeieciinciUo billetes das lote-
ras do Ri j de Janeiro, cajos prendo- sera o p
promptamenie viila das listos cen o descont
smeate da lei.
Preeoa :Inroh-os.. 2i*000
Helos... i200
Qartos. COOO
V. em qnantidide maior de 1003000 na raiiio
de 23000por bilbelc.
Uanecl Manir. Fiuza.
jEMPRESTIMO SOBRE!
is
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ra
das. Crines n, 2, pri-
uieiro andar, da-se qual-
quer quanla sobre ouro,
prala e pedras preciosas.
O dono deste estabelecmento,
competentemente autorisado pelo
govemo, est as condiooes de ga-
rantir a transaeco que se fuer em
sua casa, promettendo todo c zelo
e considerado s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro.
prata e brillantes.
COMPANHIA PERAMBUCANA
<
Na estrada Je Joao de Barros, por onde tem de
passar os tritlios ile Ierro para Beberibe, se est
realliaudo uiu excedente terreno com grandes
fundos e diversas frueteiras, na denominada ra
Ditas para bahauinho, tendo- de todas as da Hora : a tratar na mesma ra n. 3, ou na ra
qualidades e larguras.
Assim como
un grande sortimento de roupa'para horneas, tendo paletots, cairas e -toletes de todas
as fazendas e qualidades ; e outros muitos artigos que seria impossivel nomea los todos.
O que o arrematante deste estabelecmento pode garantir ao respeitavel publico que
ser bem servido e por precos muto commodos, por ter grande urgencia de esva/.ear
o estabelecimento, pela razao queja deu de ter de entregar as chaves em poucos das.
Isto na loja da ra da Itaperatiz n. 3G. que tem um rclabulo com o nome de
JABD3M 1S DAMAS.
da Imperatriz n. T.
AUGUSTO PORTO & C.
11-BA DO QUEIM DO--11
Dn prenle e amigo do fallecido Henrique Al-
fredo Toser, manda no sabbado 1\ do correule
pelas 8 horas da inanhaa, anniversario do seu
passamento. dizer urna missa lela sna alma na
capella do cemiterio publico, convidando aos p-
renles e amigos do dito linaju a assistirem a to
pi e caridoso acto._______________________
Tendo chegado ltimamente ao seu estabelecmento
zendas de gosto as pem disposicao de seus numerosos freguezes pelos mais mdicos
precos possiveis, sendo:
bournous de cachemira brancos e de cores, o que ha de mas elegante para
hombros de senhora.
Novas gostos de manteletes justos ao corpo denominado silphides, sirennes,
orientales de renda preta de soalines, o que ha de mais elegante para urna' moca.
Basquines de guipure preto, novo gosto,cnl'oitados desMm de cores. Vesti-
dos de blond com manta e capella para noivas. Fronhas e toalhas de cambraia de lnho
bordadas. Cortinados bordados para camas o para janellas de diversas qualidades:
colxas de seda e de !aa e de seda para camas de noivos.
Epingl, lindo gorguro de Lia e seda de cores, muito elegante fazenda para!
um lindo vestido. Sedas de cores e pretas, gorguro de seda branco e de cores com
listas assetinadas, pauos, casemiras o muitas.outra laxeodas cojos presos sao em geral
muitf. modooa. Grande sortlmetUo de camisas para homem, tanto lisas como bordadas
e de cores.
Continuam sempre a ter grande variedade de-tapetes para sof, para cama e
para pianno, porco de tapetes em pecas para alcatifar sales, e grande quanlidade de
Esteiras da India para forrar salas.
Engommadeira
Para casa de familia precisa-se d'uma
mullier forra ou escrava, que engommc e
grande variedade de fa- ensabe, e paga-se bem : tratar na ra
;rna da Cadera do Reeife, n. 18,
andar.
segundo
Na roa da Imperatriz, loja de marcineria n.
i, tem para vender tornos completos, de amareUo,
da nova medida, a lis o terco, meios ditos a 74,
tornos de louro. completos, a 12/. meios ditos a
COOO. O fabri::ntc densas medidas se responsa-
bilisa pela tertoza di-las.
Aioda uo vieram, no i'niretanto O negocio
de inlercxse, e pwto>naB fallar ra do Oespo
n. 17 com os Srs. l'auliiio Ferreira da Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Franrisco Pinto Pes-
soa.
Os Srs. Saunders Brothers & C Tasso limaos,
IiUiz Antonio de Siqueira.
GERENTE
0 SR. F. F. BOBGES.
Restando anda emittir algumas aeces desta companhia, da quaolia nominal de
200,4000 cada urna, das quaes s se aceitara em virtude da le, 20 % ou 10.WOO por
cada aceito; convila-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas c interessados uo commercio, que queiram dar empreo seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aecoes que Ibes approuver.
Algumas tiestas accoes ja tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem.
de na presente occasio (conhecidamente a mellior), empregarem o dinhero de que
poderem dispr em objectos de valor real, como/apores, predios etc., quo Ibes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possoe hoje 10 vapores, G inteiramento novos, e deste? o ultimo est
a ebegar de Inglaterra, onde loi construido expressamente para ella.
Alm dsso esl edificando vastos armazens, no terreno pue possue ao largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % ao anno nos ltimos i annos.
As aeces que se emittirem gpsam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos que os amigos em propon.o da entrada.
Recebem se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12.
VJSC
Fugio hoje, 16 de julho, da fabrica de rap, n.
107 ra do Monde), n ecravo benedicto, ciioulo,
deidade de 20 anuo?, baixo 9 cheio do corpo, um
ouco cambaio, com penca barba, rallando de va-
gar e por entre os (lentes : quem o pegar, entre-
gue na mesma fabrica que gratificar com gene-
rosidade.
^@%^ mm mmmmmm
mm O Dr. Joao Ferreira da Silva, de volta, g
g da viagem que zera a Paris, conlina
~? cuno dantos no exereieio de suaprofis-
)} sao medica: em sua residencia ra lar-
ga o Rosario n. 20.
B"
3
a S
I-
T > (5
ss (A
i
-
3

Si
j, se. sr o.
3 = 333
o|S|S
S'-g'c?
22 ~ a
F. Polrier.
Mudase para o largo do Paraizo n. 10, onde
pode ser procurado por sens amigos e fregnezes,
e ahi achanto sempre para o servir. Tem sempre
stores e gelosias e eorrentes de todas as largu-
ras para {as mesmas, tudo segundo o novo Rys.
tema nsado rjllitiianiente em Paiis, faz todos os
concert* com a maior brevidade e pre;o cotn-
modo.
88 Sg.*
o o
2 a
8"
~*
gatsrgS
O B o
03 tC
a. -.
< o 5 o
5Lc Va
xrS cu q
W 09 O
5 a n-
S 3 2 M
2 5> ce w
o. ^ ~-
fD CO
O t
Se
BL
58
! 55 co
5oS*o
Q.O 09 -
*38o*
O
O
C3
s*
I
o
2
<^ -
*-i o
ps

?o
g

sm
;.> .
\o a lardaremos at que
E' na rna Direita n. oi, loja de ferragens, que
se deseja tallar so Si'. Antonio FYancisco Duarte
ouscu iiTnio cz-deputado provincial Dr, Maxi-
miao Francisco Duarte : deve saber quem ....
Ama de leite
Precisa-se de nma ama de leite sem filho
ra daConceico n. li.
na
O
O
Olereco-se iara feor de engenho urna pes-
soa com as habilitares necessarias : a tratar na
ra do Rangel n. 9.
Preeisn-se alonar urna preta captnv que
saiba engommar bem roupa de homem e de se-
nhora, que seja de boa condacta : na ra da Au-
rora n. iO.
Preoita-se de urna ama para coiinhar para
tres peswas : no pateo do Carmo, ciquina da ra
de lionas n. i.
50.Ra d'Asscmbla.50
Os abaixo assignados tem a honra de
participar ao respeitavel corpo oomtnercial
dcsta praca. que abrrain sen estabeleci-
mento de fumos e casa de commissoes,
nesta cdade, ra da Assembla n. 50,
leudo sempre completo sortimento de fumo
em follia. das melhores e mais acreditadas
marcas de Nazareth e Cachoera 'Rabia) fa-
zendo negocios de sua e alheia cotita, re-
cebem escravos, navios e qualquer outros i
gneros consignarlo, prometiendo res-
iiiciTio e pontualidade no comprimeuto de
qualquer mandato de todas aquellas pessoas
que se dignarem obsequja-los.
Ro de Janeiro 8 de julho de 1869.
Vasconccllos t Malla.
$mwsm mmmm mamm
S Sublime publicafo Urinaria tqb o |
titulo do. Memoria el, iiom Jmts gg
f^ d'j^Motite, em Braga.
rgi Acha-se venda na loja da ra gg
m do^Crespo n. 2,*i A, esquina da do m
SS Quaimado, a Primorosa Memoria S
I do Bom Jess do Monte em Braga, Wk
S ornada de gravuras linas, segunda fSk
%% edico, obra da penna de ouro do jg
| mui Ilustrado lente da unversida- mt
de Coimbra, o Exm. Sr. conselhei- em
m, r < Dr. Oiogo Pereira Forjaz de |
Sampaio l'imentel: quem livar no-
licia da extraordinaria devooo que ]
existe em Portugal para com aquel-
milagrosisssinu imageni, atUuind
sempre para o seu magestoso tem-
plo em romaria, o numeroso povo j
de todas as partes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes
descrpees, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio Iftterato porttiguez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-1
ver-se de um cxemplar da dita me- |
moria, pelo dmuuio preco de i-i, 1
na loja cima indicada, onde ja ha 1
pequeo numero debas.
mmmmmmmmm
CHEGUEM
AMWTIS DO BARATO
que est finalisando a liquidapo da ra do
Crespo n. 17 de Antunes Guimares & C.
Camisas bordadas para senhoras, lencos, de labyrinto, fronhas, bicos e rendas da
trra, cortes de tarlatana bordados para casamentos, cortes de vestidos de cambraias
bordados, alpacas de cores lisas e do listras. precalas anda de bonitos gostos, casaqui-
nlrosde caseinria para senhoras, saias bordadas e balSes de todas as qualidades etc.
ftra da quidacAo
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos pelo ultimo vapor.
Pompolinas de gostos especaos, que muto agradam.
Gorgoroes lisos de coras para vestidos, fazenda diurnamente chegada.
Colxas de seda de todas as cores.
Chitas afostuadas fazenda nova no mercado.
Ricos chapeos de palla para senhoras e chapellinas de novo gosto.
Esteiras da India proprias para forrar salas e quartos.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos.
Tpeles avelludados para covados : e outros muitas fazendas que l yfeta se
a realidade do barateiro.
rasiA de um
19-Rua Nova19
fre:jERIco (.\rniis
oirurgao-dentista, muto conhecido ha dez annos n*estarcidade, pela perfeico dos seus
trabafhos, tem a liorna de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
icharao os commodos precisos para familia.
Acha-se tambem na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
J. ht KOI \
o qual acaba de voltar de urna ionga viagem a Europa, durante a qual praticou com
feliz successo as primeras casas de Pariz o de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por itso o
innonciante pede aos seus amigos e clien'es que por acaso o nao encontrarem no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma oonfiaoca com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos ossystemas: a prsalo do are cora molas de ouro, platina
wlcanile e um inteiramenle novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obturaces) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de dentes.
Agua e pos dentrificios fabricados pelo proprio annunciante, o quelhe permitte alian-
;ar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipo de trabalho e precos moderados
Fiagcns pora fra mechante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manhaa at as 4 da tarde de todos ds
lias uteis.
mmm
Precisa-se de urna ama que saiba oozinharo
lavar e engommar : a tratar na ra Velha n. 74.
Joaquim.l'ci eir AraAs
u ac
s faz sciente aos
seus devedores (ue deixou de ser seu cobrador
o Sr. Antonio Januario Cabra) desde o (lia 30 de
marco prximo passado e por isso avisa que-nao
paguem mais ao referido Cabral assim como se
pede ao mesmo senhor para que venha ajnstar
contas, visto nao ter appirecido e se ignorar sua
morada.

YERDJlDEIRAS
PIULAS de BLANCARD
S^
AMA
Precisa-sede urna ama-para eozinhar ein casa
de nma peqaena familia : a tratar no Muzea de
Joias.
Francisco de Olveira Franco roga encarecida-
mente as pessoas de sua amizade quo compare-
cain para assistirem s missas e memento que
manda fazer na igreja de Nossa Sonhora do Car-
mo, pelas 8 horas da manhaa do da 24 do c )r-
rente, pelo anniversario do passamento da sua
consorte, porquanlo se confessa desde j sumraa-
fnente grato.____________________________
ttm tpwero dp raimo inaltehavel
APPROVADAS PEU ACADEMU DI MHKIK* DI FARIS, 1TC.
rescindo *$ proprledades de loi* I do farra, aravan atpaeiaunente zui AOTceotS
t,-F^nxos*5, a Tsica no orfccipfo.a fraqunait ttmptrmmto $ tamben bc uso* di
Falta db coa, AMEoaRirEA, m que preeisEAGiK sobm e saicus sejr nsn reatUnir
.h a u rkpieu ahunieacia aarmaea. ou para provoear regular o leu curso peridico
" O roonK d* frrro ini'oro tsn tKtrade i anmmwnn inflei,
mHMM. Con pMT* r rmm d# ** liiuImi aa-
lelM mMMl, <**>-$ tirir <" *** roW *&Sta77OL
iv..., ...-, moni rft^iatt. W H pww intofior i* U
ntai* mm. IKv*-m ityxUu it* falifiefO.
, lriti

COMPANHIA
DOS
TRILHOS RBAKOS
DO
RECITE .V OI.l\I>A.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas a effectuarem no praso
de i' das (a contar dodia lo do corrente)
a teroeira prestaco de suas aeces na ra-
zao de 40 /0. Para esse ftm ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteis
desde as 1 i horas da raanha at s 2 da
tarde no sen escriptorio, ra Nova n. 35.
O accionista que nao reamr a impor-
tancia da prxstafo no praso determinado,
perder em favor da companhia as presta-
g$ anteriormente realisadas. (Art. 8,^
dos estatutos).
Reeife, ISdejunho de 1869.
1* secretario,
lAao. Juet.
i
Precisa-se de 800000 sob hypolheea de um
sitio perto desta cidade'- quem qufcer pode diri-
!gir-se ra Nova n. 24, que achara com qncm
tratar.
(lOVFEITAIIIA DOS i\t.V4ZES
16 RA DA CRUZ16
S. AVTOMIO, S. JOO N. PUDRO.
Ha diariamente suatimento de bollinhos paracbi, podins, paes do l, bolloinglez,,
presuntos, ditos em feambre, pastis de differentes qualidades. Papis para sortes.'
bollos simples e enfeitados, amendoas oonfetadas e confeitos. Yinhos finos engarrafa-
dos, superior cha Hisson, preto e miudmho, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
sadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
Recebe-se encommendas do bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
oonitas armacoes de assucar, sendo estas preferiveis asdepapel5o: bollos etc., paes-,
le l enfeitados, qualquer encommenda para fra ser bem acondicionada.
Aluga-se urna escrava perfcila cozinheira :
tratar na praca da independencia n. !>, ou na rna
da Concordia n. 58.___
AttOH#0.
Aclia-se vendido e j uujo o sitio Parnameinm
n. 10 a 14': a pessoa qae se jupar prejudicada
com esta venda, appareca no prazo de tres das
no neto* sitio, que achara com quem trattr a
respeito.
O arramaunte das aferiQoee deste mnnicipio
scientifia a quem interesaar, que o praso marcado
para as revioSes das mesmas aferi^fies, flnda-se
em l de agito wndonro : assim como chama a .Aftowo de Albuq
atteacao dos astabeleeimentos que at
anda nio aferiram.
lai Goncals deHwzalhes e Luu Antonio
Martina de Braga, faiem sciente ao puMeo o com
espetialidade ao corpo do crniercio. que nesta
dau-tom dissolvido aiuigavelmcnte a sociedade que
tinta em fazendas e tnolhados no povoado dos
Moaies, que girara na rano de Magaliiaes A Bra-
ga ficandoxu activo e passivo da mesma firma a
cargo do cx-socio Luir Antonio Mauras do Brap
o Pedro Affonse de Mdeiros os quies tem feito
nofa sotitdkde na mesma casa copa o mesmo ne-
.gofo qne girar a firma de Braga* %Mc4eiros.
.Montes, t; de julho do 18C9. *
Jos Goncnives de Mugan
t/inmo Martins 4e Brigi.
l'eibo Jtfbuso t Medeim.
11-Rua estreita do Rosaris 11
Este novo e modesto estabelecmento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
gante e bem foraeeido hotel que situado n'uma posic-ao inteiraraente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se preferivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais neeessarias ao genero racrona-^ali-
menti do corpo, distracao da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, um excellente bilhar de mogno, paja diveitimento. Sala
de traz um.restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio-e bemfeHorit das oomedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabetecimento, promptidao e commodidtde, s
aos Ilustres concorrentes dado-faer jus?a.
Joraece comidas para fra, tanto por mez como avulsa. Todas) os dias, A noit,
?ncontrar-se excellente sorveta, refrescos, caf, cha, bons vinfaos Figueira, Porto, Bor-
deaux, tendo bons commodos para, hospedagem, salao e quarto mobiliado no-sec;n
io andar.
alvele
Kpe Mello mudmi i seu-es-
egta dataTcripton das Cruaes n. 37. defrunte da
I typographta do Diario.
INJECTION BROU
.(ts-V-ral..
siTtaisr aaac. u^mu iu, na.
ifNtmm DWkMta AdNIv*. Vty*t
atwv a HMnai.) rstta,
P
- P


r

Diario de Periianibuco Sexta feira 23 de Julho de 1869.

y
5
ESMERALDA
PILULAS
NTI B0UBA1TGAS
Cura radealmenlc as boubas.
nico dep i>itD. -rii.irniaci.i de Joaqun
de Almida Pinto, ma larga do Rosario nu-
mero 10, junto uo quartel de polica.
\AROP
E
| SALSA IMBftlUf.V DI) M
ou
Depurativo do sangue
Usado as molestias do pelle, impigens,
dores rheuaaficas e ulceras venreas,
LXICO DEPOSITO
Una larga do Rosario u.lO.
Jl-MO AO QLAUTEL DE POLICA
Pernamlmco.
Caixeiro
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo ^ esta
pra vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
_ i 3 RA DO UIIH.t \ 5
ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamanhos para descarocar algodo, do
muilo conhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas tambem de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhoi, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS dias de Roller Gins, de cujo trabalhe faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de faco do fabricante Plalt B. A C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melhores que tm
vmdo ao mercado ; e para a sua apreciado convidam-se os senliores agricultores "
virem a exposicSo das mesmas na ra da Cada do Hecife n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontrarao mais o seguate:
Criado
Precisa-se de um liado Bel o activo, para casa
de pouca familia : na ra do Imperador n. 73, 2*
andar. ^^^^
osiiiheira
Precisase do urna boa cozinlicira para casa de
homem sohirn : na ru.i do Queimado n. l. loja
Na noite que preeudeu o dia l do corren i
julho, lunaram do lugar Ambole da fregnazta da
vanea, contigua a povqajao do Caefaanp, don-
burros, sendo ara cisianiio o com esto ferro I', n-
teiro e grande, e entre nidada mais pequeo e
voltio, tendo um caroeo. no ttpinhaco de urna
bexijra vellia, e urna berruga no anus, 6 castrado :
quem de-tes uihnac* sotiber, pode vil ao niesino
Ambol dar pltrM lo dono que mora nesla pro-
predad:\o nuai recebendo os gratificar com___
too *ooo ^ _________
Precisase de urna ama : na ra Augusta
n. 77.
Xa ra das Crines n. 11 ha dons moloques
sadios e espertes, um com l.'l anuos e ontro com
16, para seren alugados : quera os quizer, all
se dirija.
lm rapaz porlugui-z du 13 anuos se ofi*
para caixeiro de laboroa, por ja tei ptica : a
tratar ua ra Augusta n. 31.
Precisa-se fallar com o Sr. Manoel Jooquini
Lopes de Caryalbo, a negocio que nao ignora:
na roa da Caduia n. i
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite : a tratar na
r^ajkjmjie^wizjrSa, loj de, m ircineiro.
Kdtvirdrt t'irmino da Silva convida a i
os scus prenles, amigos e conheeidos para assis-
lirera algnma* missas que ruandam resar na ma-
triz da lloa-Vista, polas 7 horas da manhaa do
dia 23 do corrate, stimo dia do fallecimiento de
seu mu preza lo c infeliz fiiho Jos Heliodoro da
Silva.: e anteeipadameute agradece a todas as
peswas que se dignaran prestar-se a este acto de
caridade e benevolencia.
iUVALSHH
= Luiz Jannarin da Gama e Horacio Antonio
Mangabeira, declaran) que dissolverara amigavel-
mente a s iciedado (juc tinlia:ii na fabrica de ci-
garros c charutos, sito ni travos* do Qeimado
a. ">, .|ue prava sobre a Urina de (Jama & C.
tirando todo n activo a-cargo de Horacio Antonio
Mangabeira, e o passivo alo esta data a cargo do
ex-socio Gama.
Hecife, 17 de julho de 1860.
AMA
Precisa-so de urna imanara -a de homem
solteiro : na ra de Aguas-Verdes n. 86, segundo
Iddar.
^.^~ ~ ~
importa ment e com Pecas de fita
Ra do Queimado n, 49 e 57 foja
de miudezas de Jos de Azeve-
d Mata c Sdva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
vero que chume barato.
Garrafas rom .agua lorida ver-
dedeira ......
Garrafas com agua'divina dame-
lhorqtialidade ....
Latas com superior banha fran-
ceza ......
Caixas com 12 frascos de cheiros
proprio pura mimos .
Ditacom|G fiascos inuilo finos
Oleo baboza muito lino quu s
a vista ...... .
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pegas de babadinho com 10
varas ......
Caixas redundas emitando tar-
10201
1500
200
24*on
>8G0
"JE A O
Grande
loja de fazendas e ronpas feites
rita da Inpcratrz n. 52,
porta larga,
DE
Urna pesoa i!,.'
bomtalho de letra, se ofTcreee para escrever era
um cartorie, 6a para tuna boa caixeiragem : a
tratar ra Imperial n. 73, ou aiuiinoie p ir este
jornal para a pessoair tratar.
.\luga--ie o grande armnzetu n. 9 da ra da
Hoeaa, pnraria para reeoilimiento do gneros, por
ser perio do desembarque : a tratar na ra do
Queimado n. 13, priroero andar.
taruga a
largura
Parar
Seguir lire\6iiiente o voleiro patacho poi tuguez
Boa F_ capit.V) Domingos Marlins: recebe algu-
macarga a l'rete rawavel, para oque se trata
com o seu consignatario Joaqun) Gerardo de Has
tos, ra do Vigario n. 16,1" andar.
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico interno
de una casa de familia : na rea Angosta n. 29.
Ama
Precisa-se de urna ama para eozinh* e comprar
para casa de pouca familia : na ra das Cruze>
n. 28, 1" andar ; prefere-se escrava e paga-se
bem agradando.
COMPRAS.
de cs qualquer
unbas muito fl-
dentes fazenda
0 muzeo de joias
Na ra do Catinga n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos inais vactajosos do
queem outra qualque;- parte.
Msica
liebulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados ameri..-anos.
Carrinhos de mo.
Machinas para cortar apim.
Cannos de chumbo.
Bombas de .Tip\"
Ditas americanas.
Telhas de ferro ^aivaiiisadits.
folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e latao.
ferro de todas s qualidades.
Arcos d ferro.
Folha de Flandres.
Machados americiios.
Pacoes dilos.
Balaios e cestas fieverguinlia.
Vassouras americanas.
Folies de todos es tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outros artig
diversidade^seria enfadonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Balanzas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Ba4des de madeira ditos.
Ternos de bandejas linas.
Tnens completos para cozinba.
Peaeiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntcs de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
^Ferros a vapor para engommar.
Jfoinlios para refinaooes.
Azeite de espermaceti, proprio para machi-
nas de todas as qtialidades.
Serras avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais pertenec ]iara as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes a lavoura e artes, que pela
O professor de msica Gandido Quintino Rodri-
gues Lima, dispondo de algumas horas que podem
ser aproveitiveis por alguem, vem por meio do
presente offerecer seda pnWillj ao publico desta
ridade, tanto no que diz respdtfl a solvejo como a
llanta : dirigir-se na rea Augusta n. 29.
esa da seuhora Huit Vaoa
Por ordem da mesa regedora da senhora
S. Anna, erecta na igreja da Madre de
Deus. convido a todos os nossos irmos
para se reunirem no domiugo 3 do cor-
renle as 10 horas da manlwa no consistorio
da dita igrefa atim e eleger a nova mesa
regedora. Recife 21 de julho de 4869.
O escrivo
Maml de Azeoedo Pontes.
Escovas para
as .
Escovas para
muito ina .....
Pulceiras de contas de cores
para meninos .
Caixas de liaba branca do gaz
com 50 noveos .
Caixas de liaba branca do gaz
com 30 novellos .
Pe^as de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para punhos.
muito bonito .
Libras de laa pa* a bordados de
de todas s eres .
Pentes com costas de metal
muito linos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de iiuha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botoes madreperola
muito fino "t^- .
Sabonete muito finos 60, 120,
ICO, 240 e.....
! Pecas de fita de 13a todas as
Conipra-se tuna preta que saiba cozinuar, I cores i......
pffil3BgB *"Mi ,"a,,^: aa Espelhosdourados para parede
a tfiOOO e.....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas c de
cores de caracol .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ......
Cartilbas da doutrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e pateeboly
muito finos .....
i\'a praca da Independencia n. 33, loja deou-
uves, cotnnra-seooro, prata, e pedras preciosas.e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
iodo e qualquer concorto.
GOMPBME
moedas de ouro e prata de iodos os valo-
res, ouro e prata ein obras initilisadas, e
brilhantes e mais pedias preciosas: na lo-
ja de ourives. do arco da Conceico no Re-
rife.
Gompra-se
larinha de mandioca da trra
mercio n, 17.
na roa do Com-
Sdalas de iS e t$
Compra-se na casa de Theodoro Simn
AC, largo do Pelourinlio.
~7\Tr
Comprase fatinha de mandioca da trra : a
tratar na pra^a do Carpo Santo n. 21, segundo
andar.
VrNDAS.
Criada.
Preeisa-se de una criada, para andar com crian-
zas e tazer mais lgum ervieo na ra do Quei-
mado n. 30, entrada pelo largo de l"edro II. se-
gundo'andar.
Oais:eiro.
Precia-so d. um com pralrca de taberna
ra da Lapa n. 9.
na
ttenpao.
Precisarse fallar aun oSr. Jeznino Machado Ma-
Iheiros Braga, no largo do Corpo Santo n. 6, se-
gundo andar.
AldgA-e nina casa com bastantes commodos
pora urna grande familia, na Ilha do *eliro : a
tratar na na Ja Cruz n. 'io.
CABVO DE BELLOC
PARS
SEGUROS
Vende se una ovlha, muito gorda e
mansa, e nova, pois que teve apenas um
parto; dirija-se ra das Cruzes n. 20 se-
gundo andar.
A loja de louca, vidros, porcelana e
cliristaes, da ra do Imperador n. 46,
alem do explendido sortimento que tem
Libras (Miro nacional, moedas destes artigas, tem porcelana propria de ir
de 5 francos. ao fogo, fregdeiras, cacarolas, pratos pro-
edoende-se no arco da Conceico na loja
500
240
,5600
OO
t500
500
500
240
200
800
600
040
4 000
120
8000
320
320
180
500
320
500
1500
2000
060
320
l 500
400
1200
Vaccas de ieite
No sitio da estrada dos AOIictos n. 12 vendem-
se vaccas de leite muito boas : a fallar no mesmo
sitio, de manhaa at as 8 horas, c de tarde das o
em diante.
Nesle estabdecimento enconir.ir o m-
peilavel publico um bonito sortimento de
roupas c fazendas de todas as qualidades e
presos commodos, tem semine um bonito
sortimento de casemiras de cores e pnta,
panno fino de diversas rjti;il '.ules, brim '!e
bonitas cores e brancos de boa qualidadc,
encarrega-se onlaoer obra por medida e
preco muito commodo.
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da Inperatm n. 5'2, porta
larga.de Paredes Piulo.
Tem neste estabclecimmta um bouo
sortimento de roupas feilas de diversas
qualidades eprfos commados, como sejam
palitots dealpaca prela e de (ores a S,
ho 0 e >: ditos de patino preto sacoa a
6, 7 e 8; ditos de panno superror a
12, 14) e l6->; ditos sobm-asacados de
dito dito a 18-5, 20 c -255; ditos de case-
mua de cor a 5, U e I0: cairas, colletes
e palitots de casemira muito lina de cor a
20 c 25; calcas de brim blanco de cor de
todas as qualidades de 2 a b\->; ditas de
casemira preta e de cores de 4 at i2;
colletes de todas as qualidades; ceronlas de
bramante a I 500, 20000 e 2500; camisas
francezas de linho e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
outra qualquer parte ; colarinhos. gravatas-,
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a G a duzia:
pechincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento : todos os freguezes se
poderao prover dos ps at a cabeca por
preco commodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 re. Madapoln
fino a 7, 8| e 10 a peca. Algodo (pe-
chincha) a 5,)50O a peca e outras qualida-
des. Cambraia branca de todas, as quali-
dades transparente c Victoria do 3500 a
8 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metros
a -28)000. Esguio o mais fino possivel a
2|500 e 3 a vara, e outras muitas fazen-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEiO DA PORTA LARGA
BE
Paredes Porto.
MITO BARATO SE EA'HE!
NO
f T
Vurives, no Hecife.
prios para podins c pastelons," cafteiras
etc., etc., todo por precos mais cmodos
_ do que em outra qualquer parte. Tambem
? SS&S "t S*?!!?. v^-os, pinhas, lioes, globos, e bolas
Por
defeito que teiu, harattssimt):
n. 9.
Apprewdo e recommeadado pela Academia imperial de medicina de Tariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e do$ intestinos.
E egualmente o remedio por excetlencia contra a retencao de veirtfe Finalmente em
rato deuas propriedades absorrentes, wcommendado como verdaieo remedio nos
eaws de diaiTlwa e cholerina. nnM ^ie BelUe Umiu-m a occa;.iao das comidas
sob a toraui de pus ou de pastillaa.
Depotito em 1\i.>Jai8bw, Duponchelle; Chevolol. Em Psr,HA)iw;co, llavrer i ff*.
MARTIMOS
Aproveitar em quan-
to duram.
BaliTes de nuisselina com pequeo toque de mo-
fo a .1 c a JoOO, fazenda superior.
Esnariilhos a SOO c 34, oeosa nunra viste, s6
no niumplio Outras umitas fazendas que se tor-
ram por tode o preco, ra do Queimado n. 7
panorama, tudo proprio parajardins, e cn-
feites d-3 cazas; r\\i do laapcrador. n. 46.
(OMTRAFOCO
A. Companbia Indemnisadora, estafeelecida
esta prac-a: toma segaros maritimoe sobre
navios e seas carrogamentos e contra fogo
em edificios, inercadorias e mobHias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Loja do Triump-ho,
Attenqo-
5a rta SirciU, taberna do Viao Braneo, se
vende iiko e feijao novo em poreio e a re-
miti.
0 MUSEO DE JOIAS
ryz
tJ2
i
GOMES DE MATTOS IRMOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a eomparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
oude encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
ovos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prat* contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objoctos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocara qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos obj ectos, veudide.
0 MUSEO DE JOIAS

Z/2
&
Ao povo, s mSis de familia e ao
comniercio
novo systeaua
DE
PESOS B MEDIDAS EXPLICADO A04WVO.
Facilita a qualquer g*essoa o eonhecimento do
systeroa neUwe em rRkeao ao romo amigo sys-
tema ; ensiua o modo de 9e conheoer os pesos e
medidas ; indica os moios de fazer as redoeoes ;
o uioara a diflerenca dos precos, o que abso-
lutamente neceesario a quem nao qnizer ser lu-
dido em clculos ftsaa orden). E' nm follieto de
120 paginas pelo diminuto preco de 400 rs., aiim
de estar inteiraiiente ao alcance de qualquer pes-
soa.
A renda na rna do Imperador ivraria Acadc-
mica e encadernacio Parien?e,' na roa Nova n*.
* e 3ft.ljar; ra do C espo loja do. Hallo Vigi-
lanle ; ra doQaeinjado Aguia'Branea ra da
Iinueratriz u. 1J, Bazar Acadmico, ra da Matriz
da Doa-Vista n. 2a
Vendein-se 3 eteravas de idao da 18 a 28 "^ tu-
aunos, teem habilidade, mas qnerein ir para enge.- J( de ** tono jeitrar-se para fra : a tratar
uno, 1 dita de idade-18 aanos, cose, engomma e faz I "eama.
Ifcbyrintho, 1 dita perita engommadeira e cozineei-
ra : na travessa do Garmo n. 1.
Vende-se um moinbo, um~ banca de picar
fumo, papel de seda, tudo em bom estado ; na ra
do Rangel, armazem denominado a Independencia,
numeuo 3.
MODASUCU
No armazem pintado de verde, sito a ra
do Caes 22 de Novembro n. 30, vende-se
superior madeira de pinho da Saecia, com
3polegadas de grossura, 9 de largura, e
L4 ps de comprtmento a 3#000 cada urna:
taboas de forro a 8l, H e OaOOO a duzia,
pinho americano de resina a 200 rs. o p.
Pechincha
Cclea de casemira para colletes a 1* o corle,
servado tambem para roupas de meninos por tar
mais do que um corte iguaes : na ra Nova nu-
mere 24.
Vende-se diias burras mansas da ierra, para
sella e carga : quem pretender, dirjase ao caes
22 i isorembro n. 3.
Libras sterlluas~
Ha para vender em casa de Amorim Irmos A
O, ra da Cruz n. 3.
Bllkar
Vende-se um bilhar moderno com seos perten-
m : na ra do Hospicio n. 38.
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pmada galoupeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo C.
3A Ra larga do Rosario^-----34.
RU NOVAN. 30 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os proprietarios Jos de Souza Soares &
C, alm dos baratissimos preros por que
estao vendendo a grande variedade de arU-
gos de moda e novidades de bom gosto,
tanto para homens como para senboras e
meninos, vendem:
CHAPEOS ;i moda imperial, de castor
braneo para homens, fazenda lina, a 100!
(o preco 14,5000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a 4^500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda imitado de cabellos
a 3| e 3 #500.
MEIAS superiores mglezas para homens
a duzia de pares 7|I00 (o preco de 9#
a I0060).
LEQUES de madeira sem dHTereaa de
ndalo a 25000 e 23500, (grande pochin-
cha!)
DITOS com lentijoulas a 3i e 4.MXK).
BARALHOS de cartas francezas boa la
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sera pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pacote por
1 HA"-)-
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade era Paris) a
25500 e :fl)oo.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente enfeitados a (i^SOO rs. (admira o
preco J)
UMA grande variedade de lindos oh-
jectos para mimos, assim como muilos ur
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
M Bazar da Moda.
VENDE-SE
urna cama de Jacaranda com arniaco, nsito bem
feita,por cammodo preco : ua ra da imoeratriz
n. 28, loja.
Vcnde-se um sitio nos Remedios, ou peimu-
ta-?e por urna casa nesta praca : os prelendentes
dirijam-se ra do Caldeireiro n. 4f.
Vende-se um ptimo terreno no lugar
denominado Cinza, distante da estafo do,
, Una 2 e meia leguas, com 730 bracas de1
j frente e 800 de fundo, demarcando cora os
ngenhos Estrella d'JMva e Estrella doNer-;
te, todo m matta virgem, com excedentes
madeiras: tratar na ra Ja Praia n. f4.
Vende-se um grande sitio no njgar do
Vendt-se
a- taberna da ra de Hortas n. 43, em virtti-
Milho novo
Vendem se saccas^om milho novo a 7, a di-
nbeiio avista: no armazem da Corapanhia Per-
aambncana.
\
Campo, na ra do
VEliIIE-^K
una Hiobilu.duamarello constando de 12 cadei-
ras pequea', 2 dilas de braco, 2 ditas de batan-
eo, r par de consolos, 1 mesa redonda de meio de
sala, 1 sof, 1 cama franoeza, 1 lavatorio tndo em
bom estadorasshn como 9 espelhos grandes com
moldaras douradas, 7 quadros diversos, 2 pares
de lanternas de crystal, 2 pares de jarros, 2 man-,
gas emanaras, 1 caqdieiro a gaz, 4 tapetes, meio
apeareAo de poreelana para cha com divoranai
vidros, 1 salva de prata ludo por commodo pre-
-;o : quem pretender dirija-se a ra de Aguas-
Verdes n. 70, urimeiro andar, que achara com
qnem tratar
Para o armazem do
Imperadora. 28.
Neste muito acreditte; e^abelecimento
acba se constaatemente ma variado sor-
meuto de genero fipos para meza-e.
cosinha e entre estes uome*-se apenas as
espociadades segaintes:
Queijos do serto sondo de manteig, c
coalha.
Camares seceos do Maranho.
O verdadeiro caf de iMwlu,
O superior e bem (Conhecido peixemiraguaia
que e vende a 160 a libra e 4500 a
arraha.
TABEbUS
de reduccao as mais-facis- e mais cm-
prehensivo.s, tudo no
Armazem
Mogongo, perto 4a estato dos Afog;
pertencenie aoshoedeiros do i -nado Antonio-
Piuto de Azevado, oom boa casa de 'iveii-
da boa terna ppra plantaco, SvjvejroSiCom
peixes, bastantes coqueiros e fjcteiras
diversas: tratar na ra 3a Praia n, 14,
Vende-se nm terreao no lugar de BeberV,
o qaal tica ao lado do rio : os pretendemos diri-
jam-se ao trapiche do Dantas,que saberao quom 0l
raBuQ,
Sabonete dt eUcatido.
DI
Antonio Nunes deCaslro.
Este acreditado preparado, quo tao bo
acceitacao tea meraoid* ueste piwincia.
mito se reoommead i>ara a cura oetu
das impigen*, sarnas, caspas t todas s
molestias de pelle.
fl|Niti> nico,
Pharaacia de athoiomeu d C,
34ma larga do ftesarioS*.
- eneam-se duas vaecan, sendo umatourltia
outra. tambem meslieada, ambas paridas de 15i
das e dando bastante leite : no boceo das Barrei-*
Cal de Lisboa
Vende-se cal do Lisb.^a muito nova ,
Cabuga;n..i8, u-maiem Flor do Progresso.
IJEAS BI1LI1S
vendern Mgnsto F. de Oliveira C. .i v
Com merejo, n. 42.
Veadem-se sceos em farinia ^ wato-
roa do- ea : na travessa do Queimado u. 18 U, Ir.i de
Maja & Landelino,
1 '


6
Diario de Peiuambuco. Sexta feira 23 Je Julho de 18G9.
GRANDE LIQUIUAOO
NA
IiOJA
DA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz.-
72.
Alerta i'reguezes
que Arara vai cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que rauito ha de agradar.
0 proprietario doste estabolecimento, tendo grande porc3o de fazendas em
ser, vai proceder urna liquidadlo em todas as fazendas e rnnpas feitas existentes no
estabelecimento, agora que occasio de quem lem pomo dinheiro poder se vestir de
boa fazenda e baratissima como se podera ver no inundo abaixo mencionado.
MADAPOLO BARATO A 35300. BRAMANTE PARA LENCES A 2*.
Vende-sc pecas de madapolao enfestado Vende-se bramante cora" 10 palmos de
da 12 jardas 3jt00, dito de 24 jardas ou largura para lengoes, a 2J, a vara.
a8 motros 5), Q$, G:>00, T^tSOO, 8000 e PECAS DE ALGOD.iO A 40.
95Q0O.
CUITAS FRANCESAS A 280 rs.
Voudem-30 pecas du algodio muito en-
corpado iv ;>>, G$800o7-\
Vendem-se chitas francezas para vest- CiIer3uhos econmicos a 32 a
di, a 2S0, 320 rs. o covado, ditas escuras duzia.
muito finas 360 rs. o covado.
Challa milito fia SOO rs.
Veode-se clialin para vestidos ie senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A ViO RS.0 COVADO.
Vende-se percales muito tinos para ves-
tidos de senliora a 410 rs. o covado.
Brllhantiaas a 4 lO rs.
Vcade-siJ liriiliautinas^ou mursulinas de
cores para vestidos de seolioras 440 rs. o
covado, liaziobas muito linas para vestidos
de senhora 400 rs. e 800 rs. o covado,
d;tas de quadrinbos i 240 rs. o covado.
UISCADO FRANCEZ A 300 RS. O COVADO
Vende-se riscado (ranees para vestido
de senliora 360 rs. o covado.
Laasiultas a I-J rs. o corado.
Vendern se lasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, ebrias francezas finas a 280 e 320
re. e covado.
Chales de mcriu 94.
Vende-se chales de merino estampados
2* e 2-5300 cada um, para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS A2400
Vende-se cortes de laa para vestidos de
senhora, 2$400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestios
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de fetos 700 e 760 rs. o covado.
Chitas prnssiaaas S0.
Vende-se cintas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Baldes de a SO arcos a
14500.
Vende-se bales de 20 a 30 arcos
1300 cada um. balos modernos brancos
ede cores 5$.
Vdnde-se colerinhos econmicos a 320
a du/.ia. s se vende assim barato por ter
grande porcio.
CASEMIRAS DE CORES
Vende-se cazemiras de cores para calsa
e palill i 25 2"v*00 e 3$ o covado,
AI go ilfi o eafestado Vende-se algodo enfestado proprio para
lences e toalhas, 15, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se briol para calcas e palitots de
hornera c menino, a 400 e 440 rs. o co-
vatlo, dito lizo a imitaco de ganga a 360
o covado..
Algodo de listras a OO rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A G40 RS.
Vende-se cortes de [ brim castor para
caha de hcinem. 640 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A 1<.
Vende-se carteiras para viagem 1,$
cada urna, cobertores de algodo 1(5500
cada um.
Cobcrtas de chita lSOO
Vende se cobertas de chitas de cores
1-5800 e 2:5, cada urna.
ALGODO TRANCADO DE EAS LARGURAS A
IftOO.
Vende-se algodo transado d doas lar-
guras, proprios para lenc/>es e toalhas para
mesa, se vende a l,->200 o metro.
Mantas para grvala *0 rs.
Vende-somantas para grvala a 200rs.
cada urna, lencos de seda de llores, a 640
cada um.
ATOALIIADO PARDO A 25(A\
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 2)300 a vara, toalhas escoras
13. cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
0 Garibaldi principia
Certamente ha de agradar,
Que pelo preco qne vai vender
Ninguem o pode igualar.
X) proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vel publico e seu: freguezes, qm tem recebido grande sortimento de fazendas, e esta
constantemente recbendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de qne em ontra quai-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. ou, de Lourenco
Pereira.Pendes Guimares.
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Yendem-se chitas francezas de cores fi-
las a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 33500.
Vendem-se pecas de madapol5o entes-
ado a 34500, dito inglez de 24 jardas a
55, U, 6350Q, 73500,8J, e 100 a peca.
ALGODO TRANCADO A 13200 O
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lenfl'S e toalhas por ser muito
largo, a 13200 rs. o metro.
R1SCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENCOES A 23 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 23 a vara.
Chitas amzonas a 360 ra.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja doGaribildi.
;aossenhores donos de coxeiras.
Na loja do Garibaldi, ba urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende milito barato por
ser muito largas, preco a 23500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 13 A VARA.
Vende-se algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 13 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5u0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
00 rs. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 33500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 33500 cada um.
BRIM HAMBRGO A B3000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 83. 95 e 103 a peca.
Cortinados para jauellas a #.
Vendem-se cortinados para janellas a 73
o par, ditos par* camas francezas a 143 o
cortinado.
JDA CADEIA
DE
HLCU & &
SOB A DIRECCO DO MUITO IIABIL ARTISTA
Lauriano, alfaiatc.
Os propriftlarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter na direccao de sua olicina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento ombom sirtimemto de fazendas proprias para
roupasde homcm.como sejam: casimira de cor, indos padrees, completo sortimento de
pannos finos, prelo e do cor* casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorgnro para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarao anda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas prelas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
baloes de diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de scus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
Ra do Qucimado ns. 49 57
fojas de miudezz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de sevs estahe-
lectinentos por isso qtteram apre-
ciar o que bom e baraltsst'mo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
13500,23, 3)M.....
Cajxas du lioha coi 50 novellos
Pares de sapatos de tranca fa-
zen la nova a......
Pares de sapatos e tapete
(s grandes) a. 13500
Duzias de meias cruw para ho -
mem a.........
Tramoias do Porto faaeada boa
epeo preco melhor 190-attos a
(jvros de misses abreviadas a.
Duziade baralhos francew muito
finos a23400 e ......
Silabario portuguez com estam-
pas a ........
Gravatas de eres-e preta* milito
finas a ........
Cartes com colchetes d<ao
fazenda fin a. .
Abotuaduras devidro para oolete
fazen/la fina a; .
Caixas com penna d'aco omito
finas a 320, 400-, 500 e ...
Cartoes de linha Alexandr qae
tem 200 jardas a. .
Car retis de linba Aiexandroi-de
7Dat200*........
Caixas com superiores objetas
demassaa ......
Duzias de agulhns- para maebna
Libras de prego francezes di-.'
verso tamaito a. r. .
Livros escripturado pira ro* do
roupa a. ...... .
Talhei.es para meninos amito
finos a. ,......
Caixas com papel amizade Quito
fino a ........
Caixas com lOOenvelopes amito
fiaos a........
Pentes volteado para meniaas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tkiteiros con> fenta preta muito
boa a 80 t20 e .
Varas de franja- para toalhas fa-
zenda fina a......
"Pecas de fita branca elstica
muito fiaa. a.......
Novellos do buha com 40ft'jardas
Resmas de papel de poso azul
muito fino-a......
Grozas de botes de lo*ca muito
finos a........
4:)O0O
500
23000
33800
3200
23000
-J380C
3320
3500
3020
3500
3000
3100
3100
30M
23000
3240
3120
3240
3700
3600
320
3500
3320
3160
200
60
23500
160
Gangas para calca a rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado.
Lasinhas de quadrlnhos a
*40 rs.
Vendem-se lasinhas de quadrinbos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em 13a de listra
para vestidos de senliora a 640 e 800 rs.
o covado.
CORTES DE LA A 23460 RS.
Vendem-se cortes de 13a de listra arpa
vestidos de senhora a 23400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS 0 COVADO
Vende-se 13a cbineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3/i covados d urna calca para ho-
mem pelo preco de 23500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
800 rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALOES DE ARCOS A 13500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
13500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi, mlm fc
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 13200 o metro.
BALES MODERNOS A 53000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 53 cada um.
CASSAS FRANCEZASA 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10#.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
103 e 123, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
AGDIA BIBO
E* por certo para admirar que exslindo
em urna ra de progressos, urna loja com
um completo sortimento do miudezas finas,
e nao tenha anda por este Diario pa-
tenteado a todos seus freguezes, o seu
agrado e sinceridade, a sua vigilancia, e os
modas do seu basar.
Esta ra a prodigioff ra do Cabugi
e esta loja a antiga loja daaguia d'ouro
urna das mais sortidas neste geaero, e_que
desde scus principios Usa deste modesto
titulo; modesto porque nunca foi estampad
neste jornal, e modesto porque muitos o
olvidarSo, por haver igual em urna casa de
pasto, no entretanto como temos direito
de antiguidade, vamos deslinguir o nosso
com algans annunciod, para o publico saber,
que a verdadoira aguia d'ouro
urna leja de miudezas a na do Cabug n.
i A, onde se encontrar um completo sor-
timento de miudezas finas, e por menos
1 Ojo do que em outra qualquer parte, como
sejam :
Guipeur com urna e duas larguras preto e
branco, fitas largas de todas as cores e
com vistas.
Um completo sortimento de enfeites para
vestido.
Fronhas com diversas inscriyees.
Enfeites para cabeca.
Caixinhas de Jacaranda forradas com seda
e com cspelho na tampa, com a compe-
tente chave, proprias para guardar
joias.
Entremeios transparentes muito finos e de
todas as larguras.
Albuns finos para 50, 100 e 200 rebatos.
Binoclos de chagrem e marfim cousa muito
superior.
Espelhos dourados proprios para sala.
Um completo sortimento de leques de todas
as qualidades.
Um completo sortimento de perfumara
de todos os autores.
Luvas de Jouvin constantemente frescas.
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
genero que tudo se vender da forma per-
mittida, na ra do Cabug n. i A, aguia
d'ouro, de Custodio IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
llua do Crespo n. 9
Os proprietaric* deste J*iit conhecielo estabele-
ciment, alin dos muito? >ty'Ctos que tinliam ex-
postos apreeiaea> do respeilavel pubiro, man-
daran vir c aeabam di; rectAer pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
finas c mw delicadas especialidades, as (jnaes es-
tao resolvktes a vender, con de seu rostume,
por precos muito haAtnhos e eommodos jara to-
dos, coiii tanto que o Sallo....
Muito superiores lavas o pellica, pretas> bran-
cas e de mni lindas cures.
Mu boas bonitas gollinhas punlios para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coque*
Lindos e riqwssiraos enfeites para eabeeas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e ate cures com min-
inos e sem elles; esta faaenda & que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos teques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes preto*.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre 9e venderaro por 301000
a dnzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alm destas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes alguraas muito
finas. ....
Boas bengalas do snpenor canna da India e
castao de marfim cora lindas e encantadoras figu
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejax ; alm destas temos t3mbem grande
(tuanlidade de outras qualidades, como sejam, raa-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinuos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben) asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores igulhas para machina c para croxe
Linoa muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das raelhores per
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitara a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
torno j tem acontecido, assim pois noderao aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que sao applicados, se venderao com um mu
iminuto lucro.
Rogamos, pois. avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
Msica
Grande IrqndacSo de ins-trnmentos para
musicas militares, 20 e 30 por cenlo menos
que em qualqner outra parte, se vende no
BAZAR DA MODA,RA NOVA N. 50,
ESQUINA DA S>E SANTO AMARO.
Baixos, claricornes, trompasrtrombones,
trompets, cornetinos, pratos finos e ordi-
ytyrios, tringulos, flautins, diapazos, tim-
bos, bocaes de marfim, christal e metal cla-
rinetes, musicas para pianos, methodos etc.
Todo em perfeito estado, garante-se, e
do primeiro autor Gaulrot Vine, de Paris.
S lie pechicha l L
PASTILHAS ASSUCARADAS
DO
DR. PATERSON
De fe i sin u th e magaezla.
Remedio por exeeHencia para combate-
a magma, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSCTO ESPECIAL.
Pharmacia de-fiartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
DA
FABRICA NACIONAL A BAMIA
DE
TEIXERA FREDEMCO & C
Acaba de chegara este mercado urna pona des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
rinceza de Lisboa por ser do agradavel perrumi;.
'.' fabricado cora superior mino e peto melhor
systhcma condecido, tendo t;ubem a vaotagera de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pratas da Babia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
aceolhido, e provavelmente aqu tarobem o ser,
logo quo sejaconhecido e apreciado. Acha-se a
venda por preco coramodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
8 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
eseriptorio da Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra ao OoniF.ercio n. 17.
Na ra Nova n. 60, armazom da Liga, vendem-
so sementes novas de hortalices e flores.
Agulhas
para machinas de costura de Grover 4 Baker
vendem-se na ra da Cadeia do Recife n. 51, 1'
andar, a 2 a duza.
IASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Prembulos por todos os mdicos contra os I
DEt'XUXOS, CATHARROS, B TODAS AS|
IRB1TAQOFS DO PE1T0.
K. B. O Xaropc dt Codna qne mereci a I
honra, aliat bem rara entra o iledicamentoA
ocoi, de ter registrado como nm iot medica-1
tnentoi ofliciacs do Imperio Franctf dispensa]
quuiqucr elogio.
AVISO- Por causa da reprebeDsWel falsi-l
caco qne tem suscitado o relie resultado do I
Xaropc e massa de Bcrih sodios forcados a I
lembrar que eslesmedicamentos UjuilaroentcJ
conceiluados s se
vcndeni em caixin-
kase Irascos levando
t assignaiura em
trente.
46, Ru desatla, e na rharmacia Central I
de Franca, ?,- Ru de Jotty, ttn Pars, e em|
todas asPharnucias principis do Drazi!.
21
Grande e completo sortimento de macTBHas para
descaro?ar algodo de nova invenco chegadas l-
timamente em direitura para a loja de Manoel
Bento do Olivcira Braga & C, na ra Direitan.
5a. Garante-se <]u<: a melhor qualidade que at
o presente lem vindo ao mercado : adiam-sc em
exposieao aos compradores.
Systenia decimal.
Grande e complete sortiroenlo de pojo? kilo-
grammos de melhor comprehensao dos qne tem
vindo at o presente, asim como marcos de tallo
at meio prammo pelo njfsmo syMema, balanzas
de latao de for^a de 5 a 20 kilograoimos, metros
di; inadeira e de latao para medir fazendas, alen
de grande sortimento de miudezas c fciragens de
'.odas as qualidades, tudo por precos qne s a vista
faz crdito : na reta Dheita n. 53, loja du Manoel
lenlo de Olivcira Braga & C. ^_^____^
NOVIDADES
BORDEAUX
Na praca do Corno Santo n. 17, eseriptorio de
Joaquim Rodrigues Tarares de Mello, vende-se o
excellente vinhoMdoe Vieux Extra o melhor
que vem a esle mercado. No mesmo eseriptorio
ha para vender chapeos de chile muito finos.
Extractum eme.
Este producto alimentacao para doentes, mu
apropriada para criancas. e'para as pessoas saas;
indispensavel a todos, porm principalmente aos
viajantes, que terao nelle o recurso de poder
ter alimentacao de carne fresca incorruptivel, e
que com faclidade seaprompta e se ronduz, por-
que n'um pequeo volunte carregasealinicutacao
para muito lempo. Sobretudo chamarse a atten-
c.5o dos Srs. de engenho que encontrarao no EX-
TRACTUM CARNIS o recurso de alimentacao ara-
davel, hygienica c barata para seus fmulos e seus
doentes.
Kste producto fabricado pelo processo do dis-
tincto medico Dr. L'baluba, no ItioGrande do Sul,
que acaba de crear um deposito ncsia cidade em
casa de Jos Victorino de Hezfjtde & C., ruada
Cada, eseriptorio n. 52, Io andar, vendendo-se :
No deposito ra da Cada n. 52.
as pharmacias dos Srs.:
Manoel Alves Barbosa, mesma ra n. 61.
Joaquim de Almcida Pinto, ra larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mara Marques Ferreira, praca da
Boa-vista n. 32.
N. B.As latas que contm o extracto trazem
urna guia para seu nao.
A NOVA ESPERANQA
Ra do Queimado=2J
Advertencia!
A Nova Esperanza, ra do Qoeimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxiina o tem-
po em que tem de ser dado o balando, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suasmer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venbam ser fregue-
zes, em tempo to opportono quando i
NOVA ESPEIIANCA convida-os pecbincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos do
gosto e perfei^o, e ella (foja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fro-
guezes o que de bom con si antemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) A
Nova speranca ra do Qucimado n. 2i,
alm do grande sortimento que j tinha,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e briocos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bofios
bandeijas.
Brincos preto com dourados (oHina
moda).
Fitas largas par cinto.
Modernos gallees, franjas e trawfas do
soda e de Vaa, para enfeites de vestidos.
Botos de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas comvidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botes pretos com virilhos com piagen-
tese sem elles.
Loras de pellica, camorra e excossia.
Finas meias c seda para senhora e mo-
ninos.
Delicados leque de madreperubj mar-
fm, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento da
miudezas ra do Queimado n. 21, 'm>
Nova Esperanza.
Coliares anodinos ellectro-nagntto
eos contra as eonwlces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de q.ae muito
collares se vendern por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoi
pais de familias nao creem (comprando-oa)
noeffeito promettido,o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova speranca, porm
que detesta a falsificara*) principalmente no
que respeka ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares.
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tanta crean-
ras tem salvado do terrivel incommoo d
convulces, assim pois preciso, qe ?-
nham a Nova Esperanza a roa do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu*
flbinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivelmal, quando entao ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collaref
de Royer.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accr
da fabrica de Bisquit Dubouch A C.f em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tli. Just. ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo elcaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicac5o as cranlas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal sotTrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharnitela e drogara.
DE
Barthomeu A C.
34Roa Larga do Rosario3J
BAZAR UNIVERSAL
3ORa Aova O
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dern por precos eommodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposiclo servicos a electos para almo-
CO e jantar, salvas, bandejas, taboiros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manleiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanbos, molduras
para quadros, gaz, baldes americanos, gur-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinbas, oleados
para sala e a esa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e efico, objectos para eseriptorio e
muros outros artigos que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pen ir examinar.
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabera e da barba, foi a nica admit-
tida Exposifo Universal, por ter sido
conbecida superior todas as preparares
at hoje existentes, sera alterar a saude.
Vende-se a 1(>000 cada frasco na
I ilMA DMMIA-N, *l
1* ANDAR.
Potassa da Rsala
a mais nova no mercado, a preco razoawl : na
ra do Commercio n, 13, armazem de Manoel Tei-
xeira Basto,
^.OERM^
AsItlAUV/IlC 5c. N----'
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver deperto,
nao ha mais vistas curtas, Bem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber peto ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio emelchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
ras para tbeatro, campo e marinha, da ulti-
ma QvencSo; duquezas, vienezas de 6, 8 e
ISvidros, tudo dus melbpres fabricantes da
Europa.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites>
catarrtos, tosses convulsivas, escarros sanr
guiaos, e outras molestias do peito.
VEXDE-SE
SA
PHARMACIA E DROGARA
BE
BartholomoM C.
34RA LARGA DO ROSARIO04
ATTENCAO
No armazem do David Ferreira Bailar, ra do
Brum b. 92, ha venda os seguintes geros por
precos raioaveis:
Rollaetes de balaufo
proprios para barcaeas e hvates, mwto superiores.
Viaho do Porto
em caixas do duzia de garrafas, e em barris d
dcimo, do Porto, muito fino.
Farinha de mandioca
lia em suecos, nova o de superior qnalidadc.
Pedras de louza
muito proprias para lavagem de li ma em co-
linhas.
laa rd Feotn, ra do Commer-
lasa Pal East Judia, em bo-
Dita preta Barclay de Londres a mais afamada do
mundo, em garrafas e botijas.
Oleo de linhaca superior.
Fazenda de algodo adamascada, branca, muito
larga, para toalhas dd mesa.
Guardanapo de algodio adataascado.
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposico e variedade
de outras qualidades, Unos ; encontra-se no hete|
Central de Francisco Garrido, roa larga do Rosa-
rio n. 37,1 andar, e ra estreita do Rosario n.
4 A. Vendem-se a retalho e-em grosso._______
"""Vende-sc a loja de charutos da ra estreit"
do Rosario o, 10,
"1
/ <
t. -

^WWV


Diario Je Pemambuco Sexta felfa 23^de Julho de 18G9.
I
:
ri

Ccordeiro pre vidente
Reta do Qnciui.ido n. 1G.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est prvida a
toja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualdades ccommodidades de pie-
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciat.au
do respeitavel publico em geral e do sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos mcihores e mais acredilados
fabricantes.
Dita balsmica denti ificia.
Dita de flor do larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toileU
Elixir odontalgico para conservagao do
tsseia da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos cora dita japoneza, transparente
e outras qualidafles.
Finos extractos inglezes, americanos e
franceses em frascos simples e enfeitaos.
Essencia imperial do finoe agradavel chei-
ro de violeta.
Oatras concentradas e de cheires
mente finas e agradaveis.
"Oleo philocome verdadeiro.
Eslracto d'oleo de superior qualidade,
com escollados clieros, em fraseos de dille-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos rauito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabenetes imitando
fructas.
Dites de madei; a invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p-de arroz
e boneca.
igual-
I
QUE SE LIQUTOAM
AflINHESRO NA LOJA E ARMAZEM
DE
FLIX ?ERETRV DA SHjXA.
O proprietario d'este estabeleciraento convida ao respeitavel publico desta ca-
ntal a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
tai, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociam em pequea escala,^tanto da praca como do mato, aesta casa
poderao fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venoen io-se-lhes
pelos precos que se compram as casas ingieras ; assim como as excellentissimas fami-
lias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas peios caixeiros d'este estabelecrnieftto, que se acha abexto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
Expleiidido. sortimento de
Alpacas labrados de cores a seo
Alocas a 360 Alpacas a 500
Alpacas de cores
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos do mil covados
dasraais lmdas e modernas alpacas lavradas
cm as mais modernas e bonitas cores,
p-roprias para vestidos e roupas para ment-
isos, tendo entre ellas aznl, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna so
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado-, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pecbmcha.
Aos dez mil cv.i fraacezas
Covado a 300 Covado a 390
Covado a 380
Corado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na leja do Pav5o ra da Im-
peratriz n. 60 ama grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padrees miudos e grvi-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como -a chita, e alm dos padrees
;heiro, e por so o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franoeza para dentes.
Pos de camphora e outras differente
. qaalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Remp.
Aiada mi\b> coqnes.
Um outro sortimento de coques de ne-
vos c bonitos moldes com filis de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
eetSo todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfe*g5o.
Fivella* e Uta para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gesto do com-
prador.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das ctigestoes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as torgas
preduzindo urna assiraulagSo completa dos
alimentos; sendo mais um excellente toniep.
vi:\b>se
PHARMACIA' E DROGARA
N
Barfholemeci & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Especial p de arroz. sem composico de serem muit0 bonitos, sao todos fiaos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
UspartiThos a 3AOOO na loja do
Pavo
Vende-se urna grane porgo >de espar-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3$ cada m.
MADAPOLO ENFESTADO A SfiGOO, S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolao enfestado
com 12 jaidas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3&600 ris, aesim como
pecas de algodosinho com 16 jardas
HoOO ee#000 ris.
BRANDE PECHINCHA
EM
PERCALLAS
A pataca o covado
TERGALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do PavSo ra da Imperatriz n.
60: vende-se urna grande porc5o de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de coros fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encornados e
com os desechos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padrees miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 13800
Chegou para a loja do PavSo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porg3o de
p nsde bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
Wato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA O INVERN
DE 30000 65000
Chegou para a loja do Pav5o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
15 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 3j>
at 6#0U0 cada um, em relac5o s diffe-
rentes qualdades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVAO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 3i>000.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a H o 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
avara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo om ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com asmis delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitacSo
de seda, as delicadas cores que existem
nesto bello sortimento encontra-se o boaito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter reeebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, senao
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com dnas salas a 80
Chegaram para a loja do PavSo a ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves
tidos, sendo n'este genero o que ha de
malbor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 20WQQ na loja de
Flix Perora di sflvt.
FUND1CA0 DOBOWMAN
Ra do IIriiai a. .
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem serapre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
.ilgodao.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especie.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batida fundido e de
cobre.
Alambiques^
Atados e instrumentos d'agricultura.
Destaro;adores d'algodo etc. etc.
Havendo em ludo variedade de tamanho
desde o menor at o maior que se postu-
ma empregar.
XAROPE PEITORAL
DE
RABO DE TATl!
PLANTA DOTRASIL
E expectorante e recommendado as
affee^Ses do peito, bronebite chronica, be-
moptse, e tos?* chronica.
PREPARADO POR
JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
PHARMAGELTICO
Peinambucora larga do Rosarion. JO.

Vende-te terrenos de prodnecao e com
arvores fructilem e prximo a esta-
C3o dos trunos urbanos-;do Recife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirigir-se nos domin-
gos," ao sitio n. 6 na estrada de Joo de
Barros, e no na da Impe-
ratriz n. 68,
no-
Rua do Imperador n. 61, o cae 29 de
ve*?
Neste novo cstabeleeimeoia lia fazendas com
toqao de avaria, qu r preje bara-
tissimo, como soja, algodaorioho, aiadapolao e chi-
ta, nrapa propria para cscravos, a niaitos outros
objectos.
CAZ GAUAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Fnrster 6
C, na do Imperador, um earregamento de gju
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.'
e a retalno cor mee.; ? preco do que em ostra qual
quer parte.
Casemiras da moda
NA
loji no pivio
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots e coletes, tendo lisas, cora lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderem-se mui^o
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a m$ e 2 Na loja do Pav5o ra da Imperatriz n.
0, vendem-se urna grande porcio de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
maito bem acabada pelos baratos precos
de 18^, sendo forrados de alpaca, e de
OJ forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquida-se
es'ta pechincha pelos precos cima.
POUPELINAS A SOO RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
o. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelias. ou lazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creangafs, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padros com listrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato prego de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRALVS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 al 100000 a peca, a6sim
como finissimos organdys branco liso que
serve pjffa vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1(5000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Febx Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12^000 rs. oada par at 25)5000 rs,
i6to na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
. NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo caigas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer pega de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-Ias, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais bafato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
iom 8 palmos de largura, adamascado a
02OO a vara; dito de linho fazenda muito
mperior a 30200 a vara ; guardanapos de^
inho adamascados a 40500 a duzia e muito
inos a 80000, e ditos econmicos a 30500
t duzia.
ALPACCTDE CORDO PARA VESTIDOS
A 10000
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e ibais bonito
que tem viada ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
-de-se pelo Laratissimo prego de 10000 o
covado.
\vldale \ovtd:Ie
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ m JUNHO
Chegou pelo vapor de 1 i do corrente,
para a loja do PavSo, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padros miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta,que se vende por
prego muito rasoavel, no estabelecimento
d Flix Pereira da Silva.
*a $UElMA*0
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
ouos m
Tintura indelevel para Ungir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida de Guis-
lain que ento era desconhecida em Per-
nambuco, j hoje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente, de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e lhes restituir o brilho perdido, e as-
sim Qomo preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas tal vez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o flm desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
co de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo ko explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do quo de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
$3o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livrosdemissa
9 orago, obras de apurado gosto e perfei-
co, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo,
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnigo, doarada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. terfGo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torga], e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para cranlas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras; aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com musiea."
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trangas de paiha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
' Ditos esmaltados, obras novas e bonila s
A EXPSITO
Nova loja de calqado eslriui^'iro
para homens, seiilioras
meninas.
NA IU A NOVA N. 8
em frente a entub;: do Carato.
Lyra -i Yan;i, tendo pela experieneia
adquirido a ccrieza de que o publico dt-M.i
capital, era mal servido, pela falla de estn-
belecimei)l>s. soi tidos de bons calgados,
situaran) a sua nov loja, na ra Nova n. 8.
Lyra 4 Vianna, convidara por isso ao
publico, e com especialidude ao bello scv>.
para visitar seu novo extabelecimento de
calgados finos, manufacturados pelos mais
habis fabricantes da Europa ; ali encoii-
trarao sempre, todas as qualdades de cal-
cados, solidos pela boa manufacturagao,
frescos, por screm muito novos, e vendidos
por prego cominodo, para merecerem a
conlianga de sens distinctos freguezes.
Comprometem-se a mandar vir encon-
mendas de calgados especiues, e a exhibir
as obras de pbantasia e de mais apar-
rado gosto, afim deque suas distinctas fi--
guezas cahem e moslrem sempre o chique
da botina franceza. Isto so na ra No\a
n. 8, loja da exposico de calcados de
Lyra & Vianna.
ESCRAVOS FGIDOS.
Acha-se tupida ha oito mezes a preta e-
cravn, do n.icn. (\c nniic Miria.com 40 annos da
idade, baixa rnr fula, eon>ta que diz spr forra,'
anda vendendo na froguezia da Boa-Vista, cmn
ama bandeja pintada do encarnado, com que
ugio : graliVa-e bou a quem a apprcbender
leva-la a ra Imperial n. lri.
nos
oom
oos
005
oootfs
09
oom
008
ooovv
oo&e
oos
oos
008
? 8l9j03 tued oc op soojog
........OpjlSOA
ap umjqop eaed eitj 9p seod
.....souanbod soi a
........epunop
cjnpioiu uioo sepueaS soqjodsg
oOajd opoj 'bjoj ap seaaung
suapao 5 sajaxjoo moa ogiaeo
e eiznp sepjef oos op equj
b 019H03 eied sejnpeoioqv
.........e erz
-np suoraoq caed senaa sei9|y
......9 00-^1
008 'OOv so.if9qa uioa soasiM j
e oqund eaed sa<2ioq ap saaej
sorra BJed soaueaq soiuai
cqaoa bju moa sejejJBO
091
OOfVl
000? I
O%
o?s
09
008
TO1
OO
o?c'
006
%$*
' b oanoj op sagioq ap czojq
euiAip Bn8e uioa cjcjjcq
' o 008 '00 '009 'OOS
b soiora-a-tiua a soqojpcqea
' o oos 0Z\ 'OOS '08 ? sap
-Bpi|tmb si* sspoi ap ajouoqcs
b Bsoqcq ap ooio raoo sooseaj
........ b sep
-JBfoO moa squijap $oj9\om
Jcqaoq BJed sequt| ap scjqn
9 sj 001 B b?0 tnoo sooscjj
........B SElJU
a Bjnisoa bjb-I sc.mosaqx
.........c seu
-raara Bjcd cssa.vcjj ap saiuaj
.....b BJiapcp.io\~ja.\i<}
BIU010D 9p UllSe UICO OJSCJj
VVISO
ts autoridades policiae
capitaos de campo, \e a
(luem mais competir/ ,
No dia 29 de maio do corrente anrm,
fugiu o escravo Ezequiel, crioulo. de 30 a
3 annos de dado, estatura regular, refoi-(
Cado, cor bem preta, caboca redonda, tra-
java carniza azul o calca de casemira cin-
zenta: duraste o dia costuma andar ga-
nhando as runs.ouannazens de assucar.
ou as tabernas a conversar e a beber; du-
rante a i oite rocolhc-se a telheiros, aber-
tos ou penetraveis, casas em construeco o
outros quaesquer lugares, onde so possa
abrigar : quem o apprehcnder tenha a bor-
dado de o conduzir ra da Aurora n. 28,
onde sera gratificado. Segundo s inror-
magoes, parece estar em Serblem, nos
enjrenhos prximos respectiva villa.
No dia 15 de juidio pasado, fugio
da padaria allemiia (segundo avisou o ra-
pectivo dono), onde estava alugado, ujn
mulatinho escuro, de nomo Justino, le
13 para 14 annos, baixo, reforrado, gago,
orelhas grandes e um pouco viradas, traja-
va camisa de algodozinho e calca de brim
grosso cor de rap: costuma quand foge
neulcr-se como forro ou orpho Consta
que "tem andado por Olinda, Arraial, Pogo
da Psnella, Montciro, Apipucos e Caxang,
ao servigo de alguem, contra o qual se
protesta fazer effectivas as penas da le.
Entretanto, quem o apprehender queira
leva-lo ra da Aurora n. 26. onde ser
recompensado. Rogase s autoridades po-
liciaes qno hajam de diligenciar a appre-
henso delle.
-B[9dp oxreqB sojoafqo so opu^imanb B^sg
TVHOdMX YHI3H0I OSMOMV
Fugio
no dia 12 do corrente o mulatinho de norne
Sccundfno, com 12 annos de idade, com
urna fstula no rosto, levando caiga de brim
pardo, camisa de algodo de lista azul, e
! gorro de panno azul; quem o pegar queira
l^var a ra do Rosario da Ba-Vista n. '',
ijue ser bem n compensado.
aa
ss ^-oavunio oa i \
1VH0JMJ,
CENTRO
DO
Bbadinhos baratos na loja
do Pavfto.
Vende-se urna grande porg5o de bba-
dinhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por urna terga parte
de prego quo se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vend nB
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados pregos para acabar, na.loj e ar-
mazem do Pav3o, ra da Imperatriz n. 80
de Flix Pereira da Silva.
MUNDO elegant:
Fugio nodia 18 dejuuho, o escravo
Eugenio, preto crioulo, de idade de 'O
annos pouco mais ou menos, usa de bigode.
torcido e barba cerrada, j mesclada, um
tanto calvo, altura regular, magro, pecnas
linas, suppe-so andar pelas bandas do
AITogado atosPraseres, quem o pegar leve-o
a ra do Tiapicbe no Holcl do Universo
n, 2 que ser generosamente gratificado.
J
DE
CARVALIIO &
46-BlIA NOVA-46
Os proprietarios deste elegante estabefecimento, vidos de bem salisfazer ao
respeitavel publico, tanto na perfeigao de suas obras como na escolha dos objectos que
tm expostos venda; mandaram vir de Paris, por conta propria, diversas fazendas e
aviamentos finos, os quaes a par d'uma hbil tbesoura, tornam completa a perfeigao de
qualquer obra que seus freguezes se dignarem encomraendar-lhes.
Entre as diversas fazendas de gosto citam-se as
Panno fino preto Imperial.
Casemira preta Elastioolina.
dem azul idem.
seguintes
Merino escossez preto.
Dito romano cor de cat.
Casemiras escuras linas.
Brins brancos encorpados.
Ditos ditos com listra de cor.
Ditos finos de cores.
Gorguro preto e de cores e de padroes
novos.
Colarinhos bordados e lisos.
Alpacas pretas o de cores.
Camisas inglezas finissimas.
dem idem finas,
dem francezas idem.
Punhos de linho e algodo.
Grvalas Regates pretas e de
Lengos embainhados brancos
Meias, ceroulas, camisas de meia, colxas
de fusto, ote.
1
oo.yooo
Fugio no dia 7 de julho corrente o escravo {},-
raido, preto. crioulo. om pouco fulo, Ac idade 0
anuos, mais ou monos, de estatura repnlar, cara
bexigosa, barba serrada e um pouco rala, boo-a
rasgada, boicos del-radn?, eoin falla de dentes na
frente, foi visto na cidade de Olinda, dcscoeSa-se
andar pelos arrahaldes desta cidade ou ter segui-
do para koarassti, deve traier chapeo de bafita
preta de abas largas ainda novo : quem o pegar
iove-o ra da Oneordi n. 8, que receber
1(H)<000._____________________________^
Fugio do engenho Qiieiinadas, de Itamarac,
no dia Iz do corrente. o escravo Vicente, crioub,
de 20 annos pouco mais ou menos, sera barba,
secco do corpo, pernas alguma cousa gambetas, e
canhto. Ilontom vindo en para esta praca cn-
contrei em enminho o Sf. Antonio Pinto, liho do
Sr. Euzebio Pinto, e esse mogo disso ao nu n per
lador (com guem conversou), que tinha deixado di-
ta escravo em casa do seu pai, no sitio Mulatas, em
Itapissuma, nodia 15 do corrente. Rogo as auto-
ridades e eapiliies de campo a captura do ditoes-
cravo^que ser generosatnente gratificad e pro-
testo contra qualquer nessoa i)ue dr num^oia ite
qualquer lorma a esse escravo. Iteeife, 17 do ju-
lho de 1869.
Luis Corriro Cnvlcante de Albuquer^ut.
cores,
c de cores.
O que vendem por precos muito razoaveis, com o fim de angariar freguezes:
convidara portanto ao Ilustrado corpo acadmico se digne visitar seu estabelecimento
.para melbor certificarem-se do que deixam dito.
Eate adtnirave) |
|l)e|iuralivo nao
conten emslmer- I
curio, iodo l
arsnico | uro |
__riicuroso roodiC-
eed>rparaofneeftra i piaiaf, e osPiirnos, ele. Empregado digrianenle vlle refresu a nassa do sangue e consolida o saudo, j
Cura rm 3 dia* os corrimentos amigos ou recentes (
OS oais rebeldes.
i t
1INJECCA0 CAOET
VAKia, 7, B* Deaaia,
Tcudo sido remettido de Goyanna, pelo fir.
Jos Joaqun) da Rocha Faria, o escravo por non e
Jos,-acontece que no dia lodo corrente auseotou-
se da casa do Machado, Innao & C, da ra lio
Crespo n. 11, quem foi remettido.. O dito escra-
vo tem os seguintes signaos: corpo baixo e refor-
jado, bastante barba, urna cicatriz em pona pe-
queo em urna perna : levou vestido calca de
brim pardo lizo e camisa de riscadinho, represen-
ta ter quarenta o tantos annos : recommendaraoi,
portanto, s autoriJades policiaes e capitaes de
campo, e a qualquer pessoa que o pegar, leva-lo
a Goyanna, ou ra do Crespo n. H, qua seo
recompensados.
Do domingo para segunda-feira da presen !t
semana ausentou-se do engenho Fragoso, em Olin
da, o mulalinbo escravo de nomo Cypriano, qne
tem 11 annos de idade, cabello um pouco vermo-
Iho, olhos castanhos, bem feito de corpo. e omi-
to ladino, levando vestido calca e camisa novas de
algodo trancado de listra, chapeo pequeo j rifa-
do de casemira de quadrinbos : quem o ai
hender, levando ao proprietario do cima re
engenho, on ra Ancusra n. Si,
niente recompensado. Protesund "
abaxo assignado, proceder criminalmciu
quem o tenha acontado.
Antqpjo Goncalves da Suva,
A


HHHHH


8
Diario de Pernambueo
_______
Sexta feira 23 de Julho fie 18G9.
hs
S5EIISIA GERAL.
CMARA DOS SRS. DZPUrADOS
SESSAO KM iS DE JNHO.
PRESIDENCIA I>0 Si!. XEBIAS.
[ContinnacAo)
SR. J. DE ALENCAR(ministro dijus-
i'. Sr. presidente, subm
11 cantara dos Srs impu-
tados imi projecto sobra reforma de alguns
pontos la nosso legista?
O cdigo do processo, a lei de 3 de d-
7i}jnbroe sen regulamento de 31 de Janeiro,
aprehenden) tres ordens de ideas. L'ma
n/tre diz respeito organisacifo jodiciaria,
aterceira. finalmente, ano versa sobre a
o rafsa^aoe fmiecoes pottciaes.
E' a respeito rtesta terceira ordem de
a Morir de apresentar considcraclio da
cunara dos Srs. deputados. pedindo que
seja elle remedido ou respectiva com-
s3o permanente da casa, ou a urna coni-
misso especial que para esse fim seja no-
mead;).
O projedo absenta sobre a idea capital
.!? soparais das funccOes jadiciarias e das
funecoes poticiaes. Essa idea foi consig-
nada em nossa conslituigao.
Km verdade, senhores. qnando a lei fun
dimental estabelaeeu o principio da diviso
e independencia dos poderes, implcitamente
separou a polica, que urna funeco me-
ramete administrativa, da Justina. Entrc-
i.uito, logo depois de. promulgada a cons-
tituico houvc a aben-aco desle principio
s ilutar. A primeira lei de organisai;3o ju-
drciarii, a lei de 15 deoutubro de 1827
creando juizes de piz, confundi estas
duas especies to distinctas de attribui-
ettes.
O cdigo do processo criminal ampliou
. cssa confusa >: e a lei de 3 de dezembro,
t>em como sen regulamento, cedendo forca
imperiosa da necessidade, ainda mais des-
jiou nossa legislaco da idea primitiva es-
i.thcleeida pela constituico.
Felizmente, senhores, hoje parece que a
Mea da separaejo completa das funecoes
judiciarias e das funecoes policiacs aceita
por todos m partidos. Nao ha, se me nao
engao, a decrepancia a respeito da dou-
trina; entretanto, a rcahzaco do principio
no deixa de encontrar na pratica atritas e
graves difliculdades.
No natatorio que tive a honra de 1er
ooste recinto acerca dos negocios que cor-
: m pelo ministerio da juslica expend o
met humilde parecer relativamente ao mo-
do Ortico de realizar a idea da separaeo
entre a polica e a judicatura.
Esta questo vasta, ella exige um cstu-
do profundo; ter, naturalmente de levan-
uv nesla casa um debate luminoso, e por
essa occasio inaufestarei a mnha opinio
de una maneira mais desenvolvida do que
o fiz no relatorio.
Sr. presidente., apruveitarei este ensejo
para formar em considerado algumas pa-
iavras que foram pronunciadas no parla-
mento a respeito desta reforma por um
nobre senador, que eu estou acostumdo a
respailar cea um dos nossos eminentes
jurisconsultos.
Esse nobre senador, pela prevnca da
Bahia, proferindo no senado por occasio
de diseusso do voto de graca, o discurso
a lamo lempo esperado, discurso em que
se reproduziram mu i l as das aecusacoes do
manitest liberal, redgdo pelo nobre sena-
dor, fez a respeito da reforma policial, cojo
projeclo vou submetter a considerarlo da
casa, dous reparos.
Pego permissao a V. Exc. para ter. seno
as proprias patavras do nobre senador, por
que o sen discurso ainda nao foi impresso
no menos o resumo, que poderei dzer an-
mentico, destas patarras, feilo pelo orgo
doseu partido.
Disse S. Exc, dirigiido-se ao.governo:
* Tendes cmara un.mime, senado, conse-
Iho de oslad;i. sois os nicos predestinados
para governar este paiz, como declarou em
sen rotatorioo presidente da Bahia; fazei,
pois, as reformas, mas reformas liberaes,
e n3o,essas cm que nos ameaca o ministro
da justicia.
Apenas de passagem [tocar n'uma
dessjs reformas projectadas, a policial.
Pretende-so crear urna classe de sus-
peitos, obligados a prestar cauco. A auto-
ridade pode mandar chamar qualquer ci-
dado qnc fr mal procedido, ou vagabun-
do ou suspeito de tentar algum crime, para
assignar cauco, depositando urna certa
qnantia. E' o suprasummum do arbi-
trio !
E cabe notar que. essa reforma com-
i'io as patasca ler. em um
dos seus meiuorts momentos. Talvez que
alguma nuvem obscurecesse a lucidez habi-
tual do espirito do nobre senador.
O Sr. Duqii>EsTn\dr Teixrma :Era a
paixo poltica.
O Sr. Ministro da Justica. : Se a ex
plicacao no a que acaba de dar o meu
nobre amigo e collegar a prevencSo polti-
caeu creio aclia-la no proprio discurso
do nobre senador, quando disse que se
achava enfermo e fatigado. Sem dovida,
senhores, s urna causa pliysica poda to-
Iher assim o espirito d i nobre senador e
offuscar os sen jurdicos.
Entendeu o nobre senador que a cau
importa necessariamenta deposito de uiaa
quanta. E' essi urna noco completamen-
te falsa.
Cauco toda a seguranca que d um
individuo da sua oMrifagao. Qualquer ju-
rista recordase, quando se trata desla ma-
teria, das palavras de Poalhier as Pandec-
tas, definndo a cauco :
Cautio,qii(e pro quavis secar Me (capilar
prebende tambera uina certa classe de cida-
dos mais elevada, porque em um artigo
refere-se pessoas qualilicadas que podem
depor em suas casas.
Sr. presidente, devo antes de analisar as
palavras do nobre senador, desvanecer um
equivoco cm que elles e aquellos que o
apc:aram se acham.
No projecto, ou antes, no esboco a que
nobre senaiw se referia nao se trata de
cauclo a respeito de pessoa qnalkicada
que tenha o diieito de d^pr em sua casa.
Eu vou dcmonstra-lo a evidencia lendo o
trocho a que se referi o nobre senador.
Diz o artigo :
A autoridade policial pode chamar pe-
i ante ella os suspeilos ou as pessoas que
im do crime e suas cirenmstancias por
tras meios :
i Officio reservado.
2. Notilicacao aborta.
* '3." Mandado de conduc,-o.
Trata-se aqu, nao s de suspeito, como
de pessoas que saibam do crime; e a estas
ultimas se refere o artigo a que o nobre
senador alludio. o qual exprime-se nests
'/irnos:
As pessoas a quem permettido de-
prem sua casa a autoridade policial diri-
gir um officio, previnindo-a da hora em;
que se transportar ao seu domicilio para
eber anas d^claracoes.
l'arece-me bem claro que o artigo versa
re a deposigo a respeito de qualquer
crime e nao aYespeite de caugo. Creio
que por mais considerada e qualificada que
seja urna pessoa, ella nao est isempta or
l'rasil, como em qualquer ontro paiz livre
de auxiliar a autoridade para investigaco
do crime o sua punc5o.
O Sr. Abmuo Goss:Apoiados.
O Sb. Ministro da Jstica :Senhores,
o nobre senador pela provincia da Bahia, a
quem rendo h >menagem como una dos
consultos, me parece
qe nao esta casi3o em qneprofe-
Ha,-Sr. presidente, em direto tres espe-
cies de caai;o : a canro juratoria. a cau-
c3o fide permissoria e a cauco pignora-
ticia. O esboco a que se refera o nobre
senador repousa sobre essas dislinceo <.
porque exige para os termos de cauco.
ou o deposito de urna o.uantia ou a commi-
naco de urna pena, em nutros termos
exige ou a cauco pignoraticia ou a cauco
juratoria.
Mas o que, sobretudo, sorprehende
que o nobiM senador se pronunciasse de
urna maneira to contraria a respeito de
urna medida que j existe na nossa legisla-
cao. A cauco nao outra cousa seno o
termo de seguranca e o termo de bem vi-
ver, estabelecido pelo cdigo do processo,
e posteriormente pelo regulamento n. t0
de 31 de Janeiro de &&2.
Como, pois, descobrir urna ameaca nossa
providencia que os legisladores liberaes de
183 nao duvidaram admitlir para garantir
a seguranca publica ?
Serao acaso o nobre senador pelo Rio de
Janeiro e o outro nobre senador por Minas,
os quaes exclamaram desla occasio : Que
polica Que liberalismo sero esses no-
bres senadores mais liberaes do que a ge-
raco de 1832 ? Duvido.
Senhores, se o nobre senador quizesse
consoltar a legislaco de um dos paites
onde a liberdade individual mais respe-
tada, a legislaco inglesa, nao bivia de sor-
prender-so de umarerorrra 'dj legislara"
policial do Brasil, que m.mtem'o qiiej'os
legisladores tinham adoptado, embora so-
bre outra designaco.
Existe na Inglaterra daas especies de
cauco, a cauco por con-lemnaco e a cau-
co por comminaco.
D-se a cauco por condemnaco, quando
o juiz, tendo examinado o processo, nao en-
contra prova bastante para infligir urna pena
desde logo, obriga o indiciado a dar urna
seguranca de seu futuro procedimento. Po-
de-se ver na obra de Francheville i res
peito das instituicoes da Inglaterra o uso
que naquelle paiz se faz dessa medida. Ed]
1860 prestaram-se ali IO,7i7 caucos.
A outra especie de cauco, a cauco poi
comminaco, conhecida na legislaco da-
quelle paiz por aul Bem vivern nut pnce
tuenda tratada largamente por Blakstone'
nos seus commentarios; alii eslo indica-
das todas as classes de individuos que sao
obligados a prestar aquella cauco, e que
a autoridade pode chamar perante ella ali*
de darem seguranca de si e de scucompor-
tamento ; estes < individuos sao os mesmos
mencionados em nosso cdigo do nrocesso
art. 12 $S 2e3->.
Em lStO se pretaram 10,697 dessas
caucoes, sendo qua s era Londres subi
o numero a 1,3 I.
Creio, Sr. presidente, ter'arredado do
projecto de reforma que vai ser submettido
coosideracao da cmara o estigma de an-
ti-liberal que sobre elle lancfl o nobre se-
nador pela provincia da Bahia.
Trataroi do segundo ponto. Esta ques-
to rida ; conheco que ella nao agrada
muito aos nobres deputados, mas tenho ne-
cessidade tle nao deixar que meu traballio
entre nesta casa precedido por um juizo
desfavoravel, emittido por pessoa tao com-
petente.
Ha tambem outra reforma, proseguc o
orador, intitulada vigilancia da alta polica.
Os individuos que saliem da prso, depois
de comprida a pena, sao obrigados a depo-
sitar certa quantia ; de sor te que se ajun-
tarem um peculio na casa de corrocgSo,
vao deposita-lo polica !
evidente : os cdados assim espo-
liados sao materia dispostas para novos cri-
raes, para reincidencia. (Apoiados.)
Que nstitico de polic'a! exclama o
Sr. OUoni.
Que liberalismo
viano.
Sr. presidente. V. Exc. que um ma
gislrado distincto que faz honra a sua classei
(muitos apoiados); V. Exc. conhece que
urna das materias mais graves da sciencin
penal a que diz respeito reincidencia :
todas as legislarles curam de acautelar,
pelos meios mais convenientes, esta segun-
da queda, que qusi sempre fatal.
Em Franca, o art. 44 do cdigo penal
dispunba que todo o condemnade, logo que
fosse sollo (/itere) a expresso franceza
(para a qual talvez nao tendamos outro ter-
mo que perfeitamente Ihe corresponda),
Ocava sobre a vigilancia da alta polica e
era obngado a residir em determinados
lugares, s o podendo fazer em outros
quando prestasse caucho.
Em Par?, por exemplo, nenhum con-
demnado pode residir sem essa garanta.
Pela lei de 22 de outubro de 1830, foi
derrogadoo art. 44 do cdigo penal, mas
logo restabelecido por urna outra lei de 28
do abril de 832.
Em Franca, portanto, vigora o principio
muito salutar de que o condemnado, depois
de cumprida a pena, Qca sobre a vigilancia
da polica, afimde evitar-se a reincidencia,
Na Beigica, pela lei da 31 de dezembro
de 1836. vigora igual principio ; o con-
demnado sollo (lea debaixo da vigilancia da
alta polica pelo espaco de cinco at 20'
annos, e se reincide, perpetuamente.
Na Inglaterra Dio ha, cerlo, a cauco,
ms V. Exc: sabe que os philosophos cri-
minalistas daquellB paiz procurara resolver
o problema por meio da departacao : Bo-
tany Bay e Nova Galles sao colonias de con
.demnados.
Parece-me, pois, Sr. presidente, que em
joma reforma policial nao era descabido ad-
raittir esta principio consagrado por naroes
cultas. ifui or f&w d propas
velar pela sorte desses inl
sahndo das prises, onde acabam de cura-
prir a pana, clianj contra si a prevenco
il, que mut'as veiet palo desespero, os
asir novameule carraira Hoa crimes.
que este peniamanto, em vez de
sor ridicularisado pelo lado da compresao
devia ao cuati t elogiado, poique re-
vela urna tendencia humanitaria no espirito
da reforma.
S Sr. presidente, as considera-
que en entend conveniente fazer an-
|iic V. J\r. se ilijueife mandar ler o
projerto que vou ler a Imara de enviar
Entretanto >>>co perraissao para diser
anda poucas palavras.
Algumas mes lam-se fallado nesta caso
a respeito ed minifestado reccios de que o governo.
possa respirar esse ambiente, qne a al-
niospbcra dos agit dures mcorrgiveis.
Tambem se disse que o partido conser-
vador e o partido histrico, o partido da
tradiccao. ^
Eu nao posso, Sr. presidente, concordar
inteiramente cora essa oplniao, se acaso to-
ma r-se a expresso partido histrico em
su a rigorosa accepro.
eclararei ;i cmara com toda a fran-
queza que son conservador no Brasil, e
nicamente em poltica. Se vivesse na In-
glaterra, onde a democracia nao- realizoo
anda as conquistas que tem l'eito no Brasil:
se vivaste na Inglaterra, Sr. presidente, eu
seria antes wigh do que torv ; talvez raesmo
estivesse entre os radicaos': serla He-certo
p tuto antes um soldado de Stnart Mi!!, e
mesmo de Briglit, do que de Disrasli.
Sou conservailor no Brasil, Sr. presi-
dente, porque entendo que no <-> desle
partido que est o verdadeiro, o sao, o
paro liberilismo (ap.iindos, muKo bem) :
sou conservador no Bnsil, porque entendo
que conservar a consiiturio conservar
lo las as Idx-rdades publicas que ella encerra
e nos foram liadas pidos imssos antepas-
sados. (Nomeosos apoiados.)
.Nao posso portanto, Sr. presidente, en-
tender este principio (permitta-se-me a
expresso que nao $ muito portngueza),
este principio de conservantsmo ideas
alheas constitnio. \o contrario : con
vencido de que a nossa constituirto foi
fructo precoce, urna expan o prematura,
embora admravel, da liberdade na infancia
da nossa patria, eu nao posso deixar de re-
conecer quj mulas das nossas mslituicts.
que muitos dos nossos costumes polticos
esto quem dessa lei. Como, pois, he-i
do deixar de empregar os meus esforcos
para elevar o meu paiz alima da mu sa-
bia constituido ? Como nao hei de desetn-
pedir a marcha desse Imperio joven, que
lende a se desenvolver ?
Senhores, a tiadieco urna cousa res-
peitavel ; ella encerra em si objectos que

pidieiaria refere-se lembrados de
iir* .un', parco-4je
tambem-deve ir o projecto a eommissao de
juslica civil.
0 Su. Mimstho d\ Jstuc.v Peco a
palavra. *
O Sn. Fkm'bira DK M+:iao : Eo sot
membro da commisso de juslica civil, e
por este lado estimara muito deixar de
ter parte neste Irabalho, porque sempre
un trabaiho. e na micha idade sempre
pesa.
S" aMwdermos alm sm 03 aatotrttew*
tes desta casa, o projecto deveir a ajnbas
as commisso s.
Assim, o projecto de reforma judiciatta
que foi anresentado aijui pelo Sr. Cansan-
so em \mi, foi se nao me eng;mo, sduas
commissoes; foi tambem s duas commis-
socs de jnsli.a cskaioale civil o pMJecto de
reforma judiciaria apresentadu.pelo Sr. eon-
selheiro Nabuco em 1866.
Portanto, eu nao faco seno [icdr que se
sigamos precedentes da casa. Parecc-rae
que reunidas as duas commissoes, se o pro-
i tambem se refere a materia civil, reu-
iiindo una mnior somata de cooliecimenlos
e especialidades, saisfarao tambera muito
melhor os desejos e a especializa da c-
mara.
Vi, pois, o projeclo a ambas as com-
missoes.
O Sh J. dk Ai.i-noar faz algumas obser
v,i'-oes pela ordein.
O Sn. Presidente:O nobre deputado
nao leve ocsaso.de ouvr aleitura do pro-
jecto, porque nao havia bastante silencio na
casa, Eu estimara muito que o projecto
' tambera rem tlido a commisso de
pie V. Exc. digno membro ; mas elle,
porsoa nalureza, devo ir a commisso que
designei, que -a de ju,tca rrmina!.
O Su. Fimkika de Mr.i.i.o: !s'o in-
slft.
() Su. PlnsmXTE : Se V. Exc. insiste.
'sii no seu direto : eu eonsultarei- a casa
se devo ir a commisso de juslica civil.
Sfc Fu i;iiiA de Mki.i.o:N5o senhor;
insisto.
utas, ten-
tara cohiUu, r o partido
conservador, averbando-o de wimigo irre-
conciliavel das liberdades publicas, de obs-
tinado mantenedor de leis vexatorias, de
adverso a toda e qualquer reforma, de pro-
pagador do regimem odioso das tutellas
contra a iniciativa individual, de oppressor
da opniao publica, que embora Ihe seja
ofensa, por abafada nao pode se fazer
ouvir! 4*
Parece, Sr. presidente, da mas^a con-
veniencia, que tanto as aecusaees levanta-
das peles liberaes contra os progressistas e
vce-verja, como de liberaos e progressistas
contra os conservadores sejara severamente
apreciadas de modo ase julgar rom pleno
conhecimento de causa, o que ha de Vr-rda-
doiro, e o que de falso, quaes os oppresso-
res e os opprimidos, e os remedios para
prevenir os excessos do poder e resjuar-'
dar as liberdades publicas das dictaduras.
Se nao fra o receio de repetir o {que vos
to presente, eu loria cmara, discur-
sos de liberaes, modelos de enrgica indig-
naeo, contra as propotencias e crueis ar-
bitrios do partido progressista.
Conessavam os mais conspicuos liberaes
que o progressimo era urna imposico,
ajuma o Sr. Octa-
merecom o nosso culto e a nossa venen
a ligan dos nossos maiores, o exemplo,
esse arcano da orjgom dos povos o da liu-
manidade; mas fazer da historia, fazer da
Iradicco o elemento nico, a substancia
exclusiva de um partido, de urna escola,
de urna propaganda, me parece qae seria
nualvsar o espirito humano, me parece que
Miria reduzir o progresso a urna rotaco, e
prtanlo suppi mir a perfectibilidades
Senhores, a historia nao doutrina ; a
historia nao um exemplo ; a historia nao
e razo, um argumento apenas. Eu [Jro-
'IIareiem todas as occasoes respeitar as
tradiccoes, esforcar-me-he por nao me
a fas lar del las, por collocar-me sempre
sombra dos nossos maiores; mas submet-
ler-rae invariavel e fatalmente, nao o po-
derei faxer.
Sr. presidente, nao son eu, obscuro con-
servador, primeiro membro desle partido
(pie adopta este modo de pensar. Quando
eu esludei a nossa legislaco com o nimo
de apresentar algumas deas de reforma,
nao iz mais do que obedecer ao movmento
iniciado em 184a por Bernardo Perera de
Vasconcelos, e continuado por vultos to
respeittu'is, por nomes to queridos do I
partido^ conservador, como Paran, Lru-:
i,'uay, Euzebio e o venerando cidado que
dirige o gabinete de 16 de julho.
0 Sn. Duoi-e-Estrada Teixf.iiia : O
partido conservador tem sempre timbrado
em aperfeicoar a legislaco no paiz.
Su. Ministro da Jostica : Senhores,
quando estes respeitaveis cdados reconhe-
corama necessida teta do processo, o cdigo j tinha nove
annos e fra obra dealguns dalles; entre-
tanto que apenas quatro annos depois j se
reconhucia a necessidade de alterar t>lci de
: de dezembro. Quando o Sr. conselheiro
Ensebio reforraou a lei da guarda nacional
ella era urna le antiga, era urna tradiccao.
Entr- tan'o elle nao duvidou por mo nossa
tradiccao para doptar o paiz com disposi-
coea qua satisfizessera melhor
dades publicas.
A vista destes exemp^s, para mim ces-
peitaveis, Sr. presiden" fico mais tran-
quillo, acredito que nao estou contaminado
pa'o vko reformista.
Vou concluir, e concluirei citando um
peoBamento profundo do principe de Mei-
ternch.
nao
O SK.- FEBBEIBA VIANNA :Sr. presi-
dente, tendo uuvdo com toda a attenco o
discurso que .cabou de proferir o nobre
ministro dajustica no sentido de fundamen-
tar o prejoeta de reforma de urna parte
importante do processo criminal, separaco
da polica di juslica, aproveto-me da occa-
sio, que me parece opportnna, para de-
clarar que nem pens e nem presumo que
no paiz baja quem pense que a Iradicco
baste como principio para a organisaco e
deseiivoJvimento do partido conservador.
Como bem disse a nobre ministro, a histo-
ria um exHinplo, e a Iradicco simples
i'-iimenlo. Mas, Sr. presidente, assim
como o amor do passado pode, por exage-
raeo, degenerar em fatal immobilidade. o
inconsiderado desojo de anear polo futu-
ro, pode degenerar na pergosa audacia de
ludo reformar, laucando os espiritos ni in-
certeza e a sociedade as inquietacoes dos
problemas.
No Estado, Sr. presidente, existem duas
especies de leis. urnas momentneas, leis
de polica pie mudam com as oeeasifcs,
oiilias fieos, certas e immulaveis, sol) cuja
autoridade o Estado segoverna, subsiste e sorvador, j antes do inaugu
sederen.le A respeito das primeiras julgo .pollca da concliaco, havi
que o partido conservador nao impugnar moderaco p. in*tea. de nnp.
sistemticamente a reforma aconselbada pela
experiencia o reclamada pelo paiz, antes
tenho razo para declarar que promover e
facilitar. Olanlo, porm. as leis fnnda-
in 'ntaes, a reforma pelo partido conserva-
dor impossvel, Calme embora o espirito
innovador contra a nossa firmesa na manu-
tenco das leis fundamotaes, vaos clamores,
que iro resvalar contra a consciencia publi-
ca que s eslablidade de nossas insiitm-
coos altribbe a grandeza do Imperio. i.Mui-
tos anotados).
Violar abertamente a consffnico, sophis-
mar sen espirito, preterir seus precoitos,
iiitnrpreta-los no sentido das paixes do da
e dos inleresses de partido, e depois ten-
lar a reforma, imputando-lbe abusos que
proceden) da execuco cnvosa. 6 estancar
a lmpida fonte porque mo violenta tur
vou" as aguas cm correnteza. ("Muitos
apoiados.)
_ Entre o supersticioso espirito da tradc-
Co e a tendencia incorrigivel de todo re-
formar, ha meio termo, que a posico do
partido conservador ; desenvolver o "aper-
feicoar as instituicoes com a necessaria
energa para conservare a conveniente duc-
tibilidade para reformar; nem as escuras
penumbras do passado, nem nos nevoeiros
do futuro, porque em ambos os casos lica-
riamos as nuvens. Compre manter o
passado como lico, defender o presente
como garanta, e aspirar o futuro como
progresso. (Muitos apoiados. i o partido
conservador nao pode ser suspeito .ao espi-
liberal do paiz, porquanto toda? as
rito
izia o grande chanceller da Aastria a
respeilo do vocabulo reforma : Ha urna
dilerenca profunda na signifioaco desta
palavra, conforme ella empregada no sin-
gular ou no plural. Quando um individuo
diz :eu sou pela reforma um revolu-
cionario, um ambieioso, que desej'a todas
as rnudancas que podemsatisfazera sua pai-
x35 egostica e sua vaga noc3o das cou-
sas ; o termo refromas, porm, exprime a
correccio dos abusos que tem sido acensa-
dos pela experiencia, depois de profundo
exame.
Estas palavras, Sr. presidente, tem a maior
apphcacao aos nossos partidos. No Brasil
o partido da reforma o partido que tem
appellado para a revoluco, o partido es-
tril e esterlsador r'apoiados); ao contra-
rio, o partido das reformas e o partido con-
servador, o partido fecundo, aquelle que
tem dotado o paiz de todas as instituicoes
uteis que elle possoe. (Apoiados.)
Vem mesa, lido, e vai commissSo
oerosttea criminal, o projecto sobre refor-
ma policial, que se achapuWicadono Jornal
de 29 de junho.
O Su. FIGEIBA DE MELLO(pela ordem) :
Segundo me parece, V. Exc. acaba de
declarar que o projecto apresentado pelo
digno Sr. ministro da jostica vai serrosas!.
l*do commisso de justioa criminal: mas
o projecto intituladode organisaco ju-
diciaria. ,*
Ora. se o projecto tem ama tal denomi-
as necessi- |*leis reformas tem sido obra sua. (Muitos
apoiados.
Esta grita de reformas manobra parti-
daria, nao tem nada de real e de sincera ;
meio de reconquistar o poder to legtima-
mente perdido. Esses que se apVesentam
prophelas da reforma, anda hontem dis-
puuham da forca em toda a sua plenitud.'
e nata lizorara! Essa grita a voz do des-
pedo, que nao pode mover o paiz j to
desengaado de promessas. A autoridade
das boas leis resisto por se s a agitarn
dos innovadores. A manutencao da lei de
3 de dezembro de 1841 o seu respectivo
egulameaA, pro\am a exageraco do
espirito reformador. Esta lei vence'u a re-
voluco, e os anarchstas convencidos pela
experiencia, confessarara seu erro e nao
ousarara reformar nem a lei, bem o regu-
lamento. (Apoiados.)
Assim como as leis meditadas resistero,
as inconsiderdas cahem logo que se poem
em execuco. Entretanto parece que
chegada a occasio de melhorar a le de 3
de dezembro no sentido de maior garanta
liberdade individual.
Feitas "estas cf'nsideracties, provocadas
pelo nobre ministro- da justica, erttre no
assumpto do requariuiento para a discussSo
da qual pedi e tive a satisfacSo de obter
urgencia.
Sr. presidente, um espectculo inquie-
tante a exageraco com que a imprensa e os
som o menor fundamento no paiz real. Fo-
ram]esses oradores repetidos na na impren-
sa liberal, que ergaoram o primeir.. grito
contra o governo pessoal encarnado e repre-
sentado pela poltica progressista, sem ideas
e sem raz3o constitucional de existencia.
Emfim esses mesmos oradores as expan-
soss da sineeridade fazam votos pela queda
do figurado partido progressista ainda que
vesse a ser substituido pelo conservador,
porque este era um partido real, com suas
raizas no passado e reconhecila influen-
cia.
Sobe o partido conservador ao poder,
lbBraes alliados de rovo aos progressistas
clamam contra a dictadura que ameaca tudo,
e o principal ou antes o nico argumento
desta propaganda a queda dos progres-
sistas! Nao se comprehende; estes par-
lides nao querem ser acreditados. (Muilo
bem.)
Embalde a opposro se esforca por fa-
zer o partido conservador incorrer no de-
sagrado do paiz, como intolerante, odente
ou perseguidor: embalde empregam todos
os recursos, inclusive os da calumnia e da
dlfamaco I (Apoiados.)
O passado protesta contra tal aleivosia.
Deu o partido conservador cumprida prova
de moderaco e desinteresso quando, no
exercicio de todo o seu poder e influen-
cia, no zenith de sua gloria, em 1833, avan-
Cou para seus adversarios vencidos e con-
vencidos, com disDOsices reeonciliatorias
e sera conicces, Ibes abri fadl e hon-
roso ingresso aos empregos pblicos, aco-
Ihendo todos os talentos notaveis, dando
satisfaco a todas as aspirares legitimas, e
esquecendo completamente todas as discor-
dias passadas. (Muitos apoiados.)
Parece qne este partido nao se inspira no
desejo de omnipotencia, do tyrannia, de
dictadora.
O Sr. Pinto de Campos:E de odio,
como disse o Sr. Zscarias no senado.
O Sn. Fkrreira Vianna: O partido con-
urar em 1833 a
ia iniciado a de
moderaco e justica, de que foi chefe o no-
bre presidente do conselho do ministerio
actual. (Apoiados).
Aprovetando-se da immensa generos-
dade de um partido vencedor, cujo poder e
influencia nao eram disputados por aquelles
que tinham sido vencidos com as armas na
mo, victimas de suas chimeras e de suas
pretonces dasarrazoadas-----
O Sr. Figuf.ira de Mello :Apoiado.
O Sn. Ferreirv Vianna :.... o partido
liberal foi-se fortalecendo, o afinal consti-
tuio, com urna frac;o do partido conser-
vador, famosa e nqualiicavel liga que tri-
umphou em 1803.
O Sr. Coelho Rodrigues: Triumphou,
nao no terreno da conslituico.
O Sr. Pinto de Campos :0 que ver
dad que subi ao poder.
O Su. Fkrrema Vian.na : Eu me refiro
ao fado ; assumio o poder e desenvolveu
o sabor de seusinteresses.
O Sr. Benjamn : Conquislou o poder.
Q Sr. Darte de Azkvedo : A liga s
existia na cmara dos deputados.
O Sn. Ferreira Vianna: Porem,
senhores, esta liga dirigida polo nobre mar-
quezde Diinda e apoiada por todas as frac-
'i'x^ do partido liberal, fnndou a sua exis-
tencia como governo emum expediente con-
tra o qual se indignao a justica e a moral, e
que o Sr. .Thiers em idnticas circumstan-
cias cliamou machn icio vorgonhosa. A
allanca de opinioes profundamente divididas
em seus principios e sua origem, pondo em
commum seus rancores e seas esforcos,
cimentada pelo odio ; a allianca entre ini-
migos da vespera, e que no dia seguinle se
destruiriam de novo sobre as ruinas do go-
verno, cuja perda o seu alvo, jamis ser
justificavel e menos legitima perante a cons-
ciencia publica. Escandalosa aliianaa I
O Sn. Pinto de Campos :Apoiado ; isto
que a ..verdade.
O Su. jIrreira Vianna :Muitos esta-
distas condemnam estas coalises como fu-
nestas, immoraes e impolticas. A liga de
1803 incorreu as previses desses esta-
distas ; immoral, porque nao teve a nobre
franqueza de se apresentar perante aca-
mara com seu pensamento claro e definido,
antes o disfarcou, simulando intencojs
qne nao tinha, com o reservado proposito
de Maqueara boa fe da opinio conserva-
dora, poderosa nesta casa, obtendo por
meio doste disfarce todos os recursos de
governo, e aceitando-os como prova de con-
fjanea, at que jslgou occasio opportuna,
e desfechou o premeditado golpe da disso-
luc3o, que uns qualificaram de sorpresa,
outros chamaram abuso da boa'f, e eu
pens que nao sena erro accusa-lo como
urna perfidia. (Apoiados).
P Pal .dos orsamootos, asse-
Kurar a paz com as nacues estraolia,
prmcipalmente com os nossos viziobos or
urna poltica do. previdenio neutralidade e
constante lealdade; einfim. desenvolverpro-
gressivamcnte as riquezas moraes e mate-
naes do paiz, tendo como roteiroa cons-
lituico e as leis. Este programma era um
plagio do programma conservador. r-Vooia-
dos). *^
A justica e a moderaco fez-se logo sentir
pela insiawaco de devassas e inqueritos
na alfandega da capital e as provincias. A
ospionagem e todas as ms paUocs foram
postas em contribuico como auxiliares dos
exames. Os adversarios polticos da si-
luaco, fulminados por deraisses impre-
vistas, foram privados do pao, c, o que
ainda mais atroz, expostos maledicencia
publica! O pensamento que aconselhou
essas inquirices era o do fazer crer ao
paiz na desidia da passada administraco,
facillitar a remuneraco de servicos eleito-
raes e accommodar a clientella I (Moitos
apoiados).
Quantas victimas innocentes cahiram na
miseria, sem esperances de rehabilitacao?!
O Sn. Coeliio Rodrigues :E alguns li-
beraes honestos tambem foram victimas ;
baja vista Borges Castcllo Bianco, do Pi-
auhy.
O Su. Ferreira Vianna :A conslituico
reconheceu a diviso e harmona dos po-
deres polticos como o principio conserva-
dor dos direitos dos cdados c o mais se-
guro meio de fazer effectivas as garantas
que ella offerece. O ministerio iniciador
da liga, que se preconisava como o rege-
nerador das leis e o defensor extremo da
constituico, atacou violeiitamenie a inde-
pendencia do poder judicial na pessoa de
alguns de seus ministros, pelos decretos
de :0 de dezembro de 1803, aposentndo-
os forcadamente. Apezar das reclamac&es
do senado, de alguns Ilustres represen-
tantes da cmara temporaria e da imprensa,
o attentado passou a laclo consumado e
anda eslo em vigor todos os seus deplo-
i aves elfetos. pA nobre resistencia do pre-
sidente do supre'mo tribunal de justica foi
comdemnada, e os juze* aposentados per-
deram os seus-lugares, sem audiencia, sem
processo, independente de sentcnca !
(Muitos apoiados).
Sr. presidente, um governo que preten-
derse assumir a dictadura, qual sera o pri-
meiro passo a dar, a primeira violencia a
praticar. o primeiro poder a comprimir ?
Sem duvida o poder judicial, c Mocando os
juzes debaixo de sua autordadepelo temor
de perderem os lugares cora affronta da re-
putaro. Reservo para mais opportuna occa-
sio o exame desle atlentado contra a inde-
pendencia de um poder, tanto mais neces-
saria e respeilavel, quanto de suas decises
depende a honra, a vida o a prosperidado
de todos08 hahilantes desle ipork).
Ilumilhadoo poder judicial pelas aposen-
tares forcadas, julgou-se o governo auto-
iasado a substilui-lo, suspendendo as leis e
dispondo, como se fra tutor, da proprie-
dade privada.
Recordemos, senhores, os triste das de
setembro de 1801. A principal casa nan-
eara desla corte, depois de fazer os mais
supremos esforcos para vencer as diificul-
dades que a opprimiam desde a crise de
1837, rendeu-se discripcSo de seu fatal
destino. Este acontecimento por muitos
previsto como inevtavel consequencia de
errneas doulrinas propagadas pelos adep-
tos da elasticidade inconsiderada do crdito,
derramou o pnico sobre a massa da po-
pulaco.
Aconteceu o que constanlementc succede
nestas occasoes ; o crdito retrahio-se e a
desconfanca quasi absoluta manifestou-se.
Os principios tinham de produzir suas con-
sequencias: a opinio re onheceu, diante
da evidencia, que a crise de 1837. longe
de ter sido resolvida, como apregoava com
corta ufania o ministro das Guaneas naquel-
le tempo, fra apenas adiada para causar
maiores estragos. Encarando o terrivel de-
senlace de sao lisongeiras promessas, o es-
pirito publico verificou as suas illuses.
Era tarde (Muitos apoiados.)
Nao era mais tempo de prevenir a ca-
la strophe, cumpria minora-la, maniendo
com firmeza os principios aconselhados pela
experiencia. Mas, senhores, os remedios
applicados foram mais falaes do que o pro
prio mal. Eu invoco i attenco da cma-
ra, e espero, confiado na sua sabedoria e
justica, que comraigo condemne os erros
pralicados pelo governo naquelfos das de
desolaco e de ruina..
Nao duvido das intences; estudo apenas
sfa.tose vista delles juigo-me autorisa-
a declarar que os verdadeiros e legti-
mos inleresses dos eredores foram precipi-
tadamente sacrificados em vjntagem dos
dovedores. (Apoiados.)
O governo assumio incrivel e injuslifica-
vel dictadura.
As tempestades do mundo financeira tem
alguma semelhanca com as do mundo phv-
sico. Nestas o ar se purifica, todos os ele-
mentos prejudiciaes, miasmticos, sao dis-
solvidos ou sacudida pelo tufo, enaquel-
las igualmente desapparecem engolidospelo
abysmo todos os elementos impuros acol-
millados pelos excessos do crdito c da
especulaco. Os cos se limpam, a luz
apparece de novo briluante, e a conlianca
se restabelece. Eis a nica compensacao
destas tormentas.
E' um erro, um gravissimo erro, forca
de esforcos e sacrificios retardara morte
dos moribundos e manter engaosas appa-
rencias.
0 governo entretanto tentou, por medi-
das improficuas e desesperadas, conjurar a
os
do'
tormenta e impedir que ella produzisse to-
dos os seus inevitaveis elfetos. Sacrificou
aos devedores. (Muitos apoia-
oradores da opposi'co liberal aggridem,
nao tanto o governo como as propna sms-
tituicoes'. Rota a famosa liga, os liberaes
histricos e progressistas reciprocamente
se aecusavam de violacoes da constituico,
lesresp^eito s leis, de atropellos das
garantas individuaes: emfim de excesso e
abusos do poder. Pelo acontecimento po-
ltico de 16 de julho do anno passado os
aimigos da vespera se juntdram com sor-
presa de todo o paiz, e inteiramente des-
0 Sr. Pinto de Campos :Este que
o termo proprio.
O Sr. Ferreira Vianna: IJIudindo o
espirito publico por um tecido de intrigas,
de falsas esperancas o de calnmnias, mo-
veu-se em sentido favoravel s pretencSes
os eredores
dos.)
O primeiro acto do governo foi a eaonces-
so ao banco do Brasil para elevar a sua
emisso ao triplo do fundo disponivel, dis-
pensando o mesmo banco, sem prazo Tixo,
da obrigacao de trocar seus bilbates por
ouro. Estas medidos extraordinarias fo-
ram segoi atacando de
frente a ordem tegal, offeaderam tambem
da liga e delta esperava asmis fecundas I direito de propriedade. O governo nao es-
reformas. A liga tinha promettido abrir
as estancadas fontes da riqueza publica,
aproveitar elementos abandonados, deso-
nerar opovo de tribuios desaecessari&s,
faoililar o vexatorie processo da arrecada-
ejo, sem prejuio para o Estado, rwstabe-
looer a tranquilidade de todos os espiritos,
amigos ou adversarios, por urna distri-
buico imparcial da justica ; consolidar a
ordem, desenvolver largamente a iniciativa
individual, equilibrar a reooita cem a des-
lava autorisado, nem piflKa s-lo, para pra-
ticar todos esses attentados. (Apoiados.)
Uma Vt:J as cmaras estavam fe-
chadas.
(Conlinuar-te-ta.)
TI P. DO DIARIORl A DAS f RUZES fl.

/
\4
*
j


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH859O78E_73DCL1 INGEST_TIME 2013-09-13T22:50:06Z PACKAGE AA00011611_11897
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES