Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11894


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 162.
V
,.
I
V
I
'

PARA A CAPITAL LGABES OMD A6 SE PACA POSTE.
Jor trea meces adiantados............ u,
Portis ditos idem...............* ." fi
Por um armo dem.............. fKJ!
Cada numero avulao ................ 24gg
TERCA FEIRA 20 DE JULHO DE 1869.
PAltA DilTHO E FWA DA PROYUCIA.
Por iras avies adiantados......
Por si i ditos dem........'.'.'.
Por nov ditos dem.......
Por um anno....... .....
DIARIO DE PEMA
G5T50
<3#30O
timo

--

Propredad de Manoel Kgueira de Faria & Fuos.

----------
*
em IWrt,; fl^fa. a,,,,,da co,u, j Ato**; Dr. jOT Mart Ata, M ^'.^7^1!^",^^^^'"; DmgM ** "* ^ *"*>
PARTE OFnCIAL.
Covcrno da provincia.
WtSACH* DA WCK-PBESDENCIA DO DA lo
W Jfl.HO DK 18011.
Abaixo assignado moradoras da povoa-
t'o de Apipucos.Informe o Sr. inspector
da tbesouraiia provincial.
Annuuciada Mara de Almeida Fortuna.
Dirija-se ao Sr. inspector da thesouraria de
lazenda.
Barbara Francisca do Reg.Depois que
j supplicante obtirer o titulo do terreno
iue pretende transferir, ser attmdida.
Bacharel Caetano Mana de Farias No-
ves.Junto este aos anteriores requeri-
inentos dj supplicante a*Biformaes que
houverem a rospeito. volte tudo ao Sr. Dr.
-befe de policia interino [tora informar.
Companhia do Beberibe.Informe o Sr.
director da arsenal de guerra.
Cordulioa Alvo Penetra.Dirija-se ao
sr. latjfcctor da tbesootnria de fazenda.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECITE, 20 DE JULHO DB 1869.
NOTICIAS DA EUROPA.
Osjornaes de Pars, publicara al'gumas
noticias de Cuba, mas outros declarara que
devem ser acolhidos com reserva, por isso
que rauitos d'ellas procedem dos rebeldes
cubanos refugiados nos Estados-Unidos.
Hontem ciiegou o vapor inglez Chrytolii^ As noticias publicadas s3o pouco ovoravais
procedente de Liverpool e Lisboa, trazenfrj Hespanha.
datas desta cidade at i do corrate, dms
das mais do qae no treuxe o Novar re.
Do Jornal do Cnmmercio de Lisboa, que
nos foram obsequiosamente ofertados,
transcrevemos as seguintes noticias:
Em consequencia da nomeaco de Mr.
Jernimo David para grande official da Le-
gio de Honra, dizem os telegrammas da
de Pars que Mr. Schneider, presidente do
cnrpo legislativo, deu a sua demssao ; mas
accrescentam os meamos despachos que. a
retirou depois por ter recebido ama carta
do imperador, com data de 2i do crrente,
na qual rejeita a idea de ter a noraeaco de
Mr. Jernimo David urna stgniticacao reac-
cionara.
< A carta do imperador diz tambera que
o'governo continuar na obra que tem em-
Frimcisca iosephina Grego Guimaiites. prehendido de aanctfiaco n'om poder for-
nirija-ae ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
libe-
te, com iustituicoes veruadeiraavnte
raes.
iw-J.' io.__ r> J Mr. Rocheford fo cedimnado, por oom-
2SSS!^iCSr!S?Br' Plicidade de tar introdutUU em Jranca o
othelff a Lanterna, a tres annos oe prislo.
marcando* directora do theatro o di.
Felippe Mena Callado da Fonceca.-
Informe o Sr. ;. director gcra! da ins-
truceae. puMi
Felk Francisco de Souza Magalhes.
Ao Sr. coronel eommaodante superior in-
terino da guarda nacional deste municipio.
Francisco Uibeiro da Silva. Dirija-sa ao
Sr. inspector da thesouraria da fazenda.
Geaaldiu i Peres Campello Jacome Po.
liirija-se ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
Htfartfuela Amelia de Brito Burlamar-
qua.==Diriji-sea Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda.
Henrique Viauna*--Informe o Sr. capito
do por!*.
CoMBMttailoi Manoel Joaquiin do Reg
Albuquerque r-D-se.
Miguel Francisco Viera.Volte
oiuiH3nuntc uj.-cot 1/C.a4it>"
nacional do Bonito para informar, fzendo
instruir, a pctir.ao nos termos do art. 86 do
Dac. o. lii d de outubro de 1850, c
tehdo em vista o disposto no art. i 1 do
Dec n. 3590 de 8 de julho de 1865.
Mana Francisca dos Sjntos.Informe o
Sr. inspector da tliesourara provincial.
Capitj |JJ cel dos Anjos Silva.Infor-
me oSr. conunandante >uperior da guarda
acioaal do municipio da Limociro.
16
Rarnardino Pereira de Brito.Concurra
opporiunamcn,e a pi-aca em que vai ser
de nevo pofto o armasen de que trata.
Francisco de Paula Ciiagas.Requeira a
Uiesouraria de faseada.
Flix Justino do Espirito Santo.Expe-
dio-se ord.in para o supplicante ser posto
era linerdade, ido do servido da
guaina nacJoaal.
Fraeasco d/Souza Pontes. vista das
infoimaces mu tem lugar o que requer.
Jos Ignacio Avilla.Junto ao anterior
reqiieriiaenio do supplicante, em que foi
aneado o despacho de 31 de maio ultimo,
volte ao Sr. inspector da tboaoiiraria
l'asenda.
John Bwmeir/. D-se.
Jos Henaiaao Cbomas de Aquino.In-
forme a Sr. Inspector da thesouraria de fa-
senda.
Mara Joaquina Borges Silva.Dirija-se
a thesouraria deasenda.
Mara Barbosa de Almeida Noves.Dir-
ja-se ao Sr. apaclor da thesouraria de
laseuda.
Padre Cavalcante do Reg e Albuquer-
que. Infori-; o Ir, HSpeclOf da the.--oura-
ria provHicial.
Tiburcio Hilario da Silva Tavares.Io-
forn g.-ieral comraandante das
armas.
1:000 francos de multa, o-prohibicSo de
direitos civis, de direitos de elegbilidade.
No proceaao do jornal L'Opinin Na-
cional, foi condemnado Mr. Gueroult a um
mez de piSaSo e 500 francos de mulla.
Nao exacto segundo as ultimas no-
ticias de Pars, que t-nha fallecido Mr. Ju-
lio Favre.
As mais recentes informarnos do cabo
transatlntico dizem que as snas eomrauoi-
caces com o Great Eatttru s8o excel-
lent-s.
Segundo os jomaos recebdos, oi ex-
pleudida a recepcio que era Beauvais se fez
ao imperador Napoleao.
t A' sua chegada, assistirara cem mil
estraiigeiros, e dez mil bomberos da guar-
da nacional.
0 imperador, respondendo autorkla
de, agi^fcceu-llie aquella recepcao diaeado
hb **?** que loo fora feita na
vinte annos.
Em seguida minif slon a sua sympa-
tia pela agricultura, mostrando ao mesmo
lempo a esperanza que tinha de a ver des-
envolver ainda mais. Concluio, dizendo :
Tenho confianca.por isso que a tran-
quilidade nao chegar a ser seriamente
perturbada.
O imperador Napoleao alludio ordem
interna, que tem reinado em Yanca, du-
rjnte o imperio actual, e declarou que *ia
i presenciar os progressos devdos a tran-
< quilidade de 17 anuos.
Respondendo ao bispo, disse: que ha
de acolher sempre com deferencia as alocu-
i.es dos bispos, porque usara sempre para
com elle a linguagem da. piedade, e nao ces-
sam de recordar as santas doulrnas : ac-
crescentando que se os seus rogos fossem
escutados, a religio Sdiia acatada, o povo
ditoso, ea Franca grande e prospera.
Abriram-se as cmaras francezas. Im-
menso concurso de povo enchia a praca da
Concordia. Os deputados da opposicao os
Srs. Thiers e Ferry, foram victoriados quan-
do atravessavam a praca.
O discurso d t abertura foi pronunciado
de pelo ministro de estada, Mr. Ronhr.
Declarou o ministro, que a actual le-
gislatura extraordinaria, deve ser consagra-
da a verificacao dos poderes, mas que na
sesso ordinaria, o governo propor s c-
maras, os projectos que parecerem mais
convenientes para realisar os votos do paiz.
t Accrescentou que o governo reconhe
ca que a renovaco da cmara exige o es-
ludo das necessidades, e das aspiraees do
paiz; mas que nao deviara precipitar-se as
solncdes polticas reservadas para a prxi-
ma legislatura, m q*ipt se apresentaram,
diversos projectos de fbi.
Diz rainha Isabel, est,
decididamante resolva a abdicar em favor
de seu fflhe.
Pelas informa?es, que pelo telegra-
pho se rec.-beram no ministerio do interior
era Fiorenca, continua a reinar perfeita
raquilidade em toda a Raba.
O ministro do interior declarou que
as demonstracoes se maltograram diante
da prudencia e firme attitudo das autori-
dades.
t Consta de Washington que mr. Borse.
ministro da marmita, apresentou a sua1 de-
mssao, sendo nemoado para substituir mr.
Robinsou.
t Mr. SickJes, uomeado ministro dos
Estados-Unidos em liespanha, deve sahir
da America para Madrid, a 15 d'estc mea,
As noticias da lavana annunciam que
os voluntarios que se insurgiram aat',Ma-
tanzas fbrara exeemados.
Mr. Robinson, subdito inglez, foi preso
por estar em commiinicacje e |correspon-
deneia cem os insurgentes.
5 Era Cinco Villas teve o lugar um san-
guinolento encontr entro as insurgentes e
as tropas hespanholas. A perda dos insur
gentes foi de F50 horneas, e a dos bespa-
ulioes de 100.
< Iiformamda America, pelo'-abo tele-
grfico, qne a perspectiva que apresenta a
agricultura n'aquolle paiz promete una co-
Iheita como nunca se viu.
O jornal l'Kcho de Bnwlles, folha mi-
nisterial, aconsetba o publico a desconfiar
dos bontos relativos s deliberacOes da
commis.-o mixta franco-belga, na questao
pendente. Accrescenta que as negociareis
continuamem vntido pouco concWa lm .
CC'Z
No enti'ttnnto contina a assegurar se se volar, esse orcamento.
FOLHETIM
dSaSAGASPRETAS
ROMANCE
ton
Paulo Fval
Primetra parte
ltVAI> L4VARD9
XIII
Aadr* a Pulla.
(CoiitiQuacao do n. 160)
Que pensaste, raiulia querida raulher ?
Oh t que mas nao derramaste se
loste qitL- aiii ica parque estou b m
certo que> muiw e queres. E esta canle-
za -o-o en dorradeiro bem. Nm me
mis'das toas despedidas.
Desdo d.imitigo que n) vivo. pre-
ciaoque te falle, preciso que me oucas.
Bem me enviou emflm
um uomcm em quera posso depositar con-
iarii
Chama variz, e este nomo infun-
dio- o, aspr'3r
ecordava a aossa que-
rida casinba da praca das Ac cias. A pri-
mera vez que enirou na olficina do meu
patro (estou por ollcial em casa de um
espiogardeiro), foi para comprar uto par
de pistolas. Tinha um devedr, que elle
veio at aqu perseguir, manifestado ms
intencoes conlra a sua pessoa. Nada disto
me agrada. Eitae incoramodos qu; se
d5o por um poBco do dinhoiro espantam-
me sempre.
Lambraa-te ? Ha va tambera um Schwartz
na almoffla da diligencia na noute em que
de mim te separaste. Era um pobre via-
jante com urna trouxita bem pouco rechea-
da. Veem-se, porm, tantos Schwartz I
E ncm este pode ser o.mesmo, po qu; af-
tirraa nao ter nunca estado em Caen, e
rico.
N5o sei pirque pens no viajante da
trouxita. Fra elle na vespara casa do
nosso visinho cominissario de polica. Por
mais pequeos que sefarn, todos os acon-
tecimentos daqueUe dia me p.irecem enor-
mes. Juntei-os na memoria ; ah os con-
servo eilo, mas he de po-los em ordem ;
ha de chegar urna hora em iroe me be
curvar sobre um rasto para o seguir
dantemente e at ao cabo i, sUo isto,
tiho as veias entamechJas d sangue co
E, affignra-te que rae nouMMa wn
a idea de que aqncllc |
qiw*^ Inglaterra aconselha a-Belica, a aft-
iierir- preteocoes da"Franca.
r Consta de Fiorenca que a couMcisiao
de inquerito sobre os tabacos, examinnos
documentos o* euvin os depotados nleres-
sados, renovando a sua apreciacao para
novas e opporluuas averiguaces,
Escrevem di Roma, que o ponRTc,
no consistorio que celebrou no da 5, pro-
nunciou urna allocucao, preconisando al-
guns bispos.
As fdhas inglezas annunciam que o
celebre Mazani partiu de Zurich no dia 23
dojunho, para ir tixar deiiuitivamonta a
sua residencia em Londres.
Por via drf New-York, sabe-se, alora
da partida dos flibusleiros americanos para
Cuba, o da resoluco era que estava o re-
presentante do llospanlia nes Estados-Uni-
dos, de pedir os seus passaportes. s< fosso
recebido pelo govorno de Washington o
emissario cubano, que os voluntarios ti-,
iiliain espontneamente abandonados a guar-
nigo dos fortes.
< Ainda que se assegurava que estavam
resolvdos a obedecer s ordens do gover-
no, consta que o general Becerra tinha sido
obrigado a refugar-se em Nova Oiieans
para fugir ao odio dos voluntarios.
De Washington, pelo cabo telegra-
phico, sabe-se tambera que o governo dos
Eslados-Un dos mandou para Cuba um agen-
te especial, para examinar as torcas da
insurreicao e a direccao que poda tomar a
rovolta.
Eis os despachos telegrapbicos lti-
mos, da agencia Havas:
Madrid, 28, s i horas e o minutos
da tarde.
A discussao contina as cortes, entre
os lvres cambistas e os proteccionistas;
todas as emendas tendentes a elevar os di-
reitos prohibitivos foram rejeitadas
Fdla-se de moditicaco rainisterial,
depois do encorramenlo das cortes, a 10
ou 17 de julho.
Os jornaes nglezes aiiuunoiam que
Mazzini saio d Zurich, a 2 do correte,
para ir residir permanentemente era Lon-
dres.
Paulo Cassagnac, mandn desafiar mr.
Rocheford,
O general Bucek fugio da Havana para
Nova 0/loans, aura do escapar ao odio dos
voluntarios.
Madrid, 29, s 10 horas e 30 minutos
'la manha.
Paris 28, tarde. Depois da ab corpo legislativo fez Mr. Rouhcr a
t^raco, de que a actual sesso extraor-
dinaria era para a vorilicaco de poderes ;
amque na sesso ordinaria, "o gremio sub-
mewer a cmara os projectos que se pre-
paiam, e que sao proprios para reasar as
aspirarSes do pa^z.
* Bruxellas 28. A Inglaterra aconse-
(ho a Blgica a anuuir as exigencias fran-
*, ^^
1 Madrid, 29, s i horas e 15 minutos
rile.
utina tranquillamente a discussao
amento.
&nifcstou-se urna grave tlosintel igencia
ontro-o general Pi ira e o Sr. Figuerola. O
SrJRgueirola e mijitos dos outros minis-
trm apresentaram a sua dcmiss.5o, mas a
inoflcaco ministerial s tera lugar depois
iiscusso do orcamento.
A raaiqria 'decidi n'uina reunio espe-
cial, apoiar Prim e Topete.
_^A Catafunha est rauito excitada, mas
nao' ha desoldeos.
?Corre o boato em Madrid, de que bou-
ve dsiordens era Paris. em consequencia
da isSo. de Rocliofoid. Pedimos infor-
raaeoesde Paris. Ilojo nao honve bolsa
m Madrid.
Madrid, :0, s 11 horas e 30 minutos
da manhaa.
^s emendas do Sr. Caldern e outros,
ao pjrojecto de I .i que autorisa que se po-
nhaem vigor o orcamento das despezas
desudo 1." de jnfho at31 do dezembro,
exige como condcao expressa (pie as cortos
n3o possam suspender a sessoes antes de
O imperador declarou que nao pensa
era mudar de poltica.
Madrid, 29, s 6 horas e 55 minutos
da tarde.
Verificou-se hoje no senado a reuniao
da maioria, dando um voto de coofiynca a
Prim e a Topete.
O ministerio continuar at votarn
dos orcamentos.
Diz-se qne depois o Sr. Ardanaz subs-
tituir o Sr, Figucrola, o Sr. Martes e o
Sr. Herrera.
No entretanto foi approvado o art. 9
dos orcamentos.
Em Hospanha ha tranqulidade.
PERNAMBUCO.
Pars, 29.Nos departamentos e na
capital, nao'ha novidade alguma.
Madrid, 30, s 8 horas e 15 minutos
dajBnha.
' Reina grande excitado a descontenta-
mento em Sanl Etienne, contra o regula-
monto de linha que all se acha de guarn-
gao, o qual fez fogo contra mulheres e
criangas.
Isto deu causa demssao do conselho
municipal de Saint Etienne ; e o novo
conselho pedio que fosse mudado o dito
regiment, sendo transferido para outro
ponto,
Bruxellas, 29.Verificou-se o baptis-
mo do tlho do conde de Flandres receben-
do o nome deBalduino Leopoldo.
Madrid, 30, s 10 horas c 55 minutos
da manha.
- coramunicagoes telegraphicas com
a Franca estao ms; estamos som noticias
polilifas do Pars desde segunda-feira.
Madrid, 30, s 6 horas da tarde.
As cortes discutem ^projecto de le
para autorsaro exercicioprovisoriodu orca-
n>ent^e despeza at ao. tim de outubro.
'Arrise ministerial est mometaRCa-
mente acalmada.
* Os actuaes ministros ficam.
Madrid, I, s 10 horas o 10 minutos
da manha.
s Os boatos de des rdens em Paris, e
da prisao de Mr. Rocheford, sao desmenti-
dos. Rocheford nao foi a Paris,
Desde hoje, as cortes nao tero mais
sessoes a noute.
Madrid, 1, s i horas o 3fi minutos da
tardo.
as cortes contina a discussao do
piojoclo que autorisa o exercicio proviso-
rio do ofpamenlo das dosprzas: sera inci-
d otes notaveis.
Os da agencia Fabra, sao os se-
guimos :
Madrid, 29, s 4 horas e 10 minutos
da manha.
Poi approvado o artigo 9." do orga-
mento.
Paris 29. Abriram-se as cmaras. \
intlido fez grandes aclamj$ei a Mr.
Thiers o Mr. Ferrj,
Mr. Riuher declarou qye a sesso;ser
nicamente para a verilicago do poderos,
por isso que o governo esludava as neces-
sidades de paiz para que os resultados poli-
tic is se nao precipitassem.
Reinou a mais completa ordem.
Honve um grande concurso do povo e
grande animarn.
Madrid, 29, s 8 horas e 52 minutos
da manha. ^
Nao certo que as tropas hespanholas
tenhain sido derrotadas pelos rebeldes da
(alba. Estas noticias sao espalhadas pelos
Bbusieiros, que procurara activar as com-
rauui ages das coramissoes republicanas.
Paris, 29. O Sr. Olozaga recebeu o
juramento da conslituico pelos emprega-
dos ila embaixada hespanboJa.
< O Sr. Marfori, sabio de Franea para o
estrangeiro.
As partes telogiaphieas estrangeiras sao
retardadas, e nao confirman) as noticias das
desordens de Paris. As cortes approvaram
os ornamentos das receitas.
Madrid, 30, s 4 horas e 45 minutos
da tarde.
As cortes approvaram a proposta pare
que se nao suspendesse a sesslo, aem sa
discutir o orcamento das despezas.
Approvaram o projecto, autorsando o
governo a addiar os orgamentos das des-
pe as.
0 vice-almirante Topete disse que de-
sejaria entregar os arsenaes industria par-
ticular, bavendo para isso propostas.
Madrid, 1, s 8 horas e 30 minutos
da manha.
almofada, aquello Sohwartz poda bem ser
o Casaca Preta.
Taem-ae occorrido urna por urna todas
as deas do mundo. Busco.
Mas ahi vai urna circumstancia que me
re rouciliou com esle bora Sr. Schwartz: se
quer dinheiro, para casar com urna rau-
ler quem muito ama.
Fez conheciinenta. com o patro
go-os conversar. Araa-4|wr lodo o
di torra para a rainliMiPtoa aun
Ainda Ihe no^rrJBei colisa' alguma:
cont, porora, cmale,;
apanha-lopelo seu amoj-. Pai
pela manha : he de f dla^H
Preferir muito enviar
onde se estampa o raou cu,
o raensageiro soubesse o tou
t /do caso-, ha de ignorar o t
une, eainda tenho atea noute
o meu problema. Tu chavai i
car. miuha Julia.
EntretMlp, adefs. A
morada.^Icceita mil e
queres, vera com o menino
aVS ha do faltar.
Mjiretudo responde-me
|i contar as horas.
Sanio Hlier Jcrs >/. -JJ d Janeiro de 1S26.
Miaba querida mu hor. -Coutei os das,
trila e quatro das enormes ; duas vezes.
tros vozoso toniponprecebeos a mnha
carta e ,4o me r.sponderes t Mandei-te
quaoto.4ff escrevera em seis mozos ; quinto
peasira, quanto soifrgra. Eolo nao rece
boste o Pois aquello Shwartz
b;ra ra'o proraeiiou !
iilvcz uiiiiUa a culpa. Ilostei raei
anno ante dirigir urna linha, e quaudo
j ni el resistir anda de
mi i o e dep lis de ti prolongado silencio,
iiiMci at ao fundo do cora;o.
^BL: piba a menor irapi'u-
IfL-a iirlade. E, santo
Oqiuidi' a. libordade, sof-
i usar frauca-
j i . ^Kf s quand
rio irmo
rae tenho por
os obstculos
un eram as car-
) raysleriosa,
[ue acho
da,
que
Pars, 30.Os telegrammas sao atra-
sados, era consequencia do estado das li-
nlias.
0 governo deteve alguns despachos,
que davala conla dos acontecimeQtos da
noile de 29, era que ti vera m lugar as desor-
rftns. Henrique Rocheford achava-se em
Bruxellas e veio a Pars. A policica, ape-
nas o vio prendeu-o, por ter contra si urna
sentenga que o conderana a tres annos de
cadeia. 0 pavo araotnou-se pela prisao de
Rocheford, dando vivas a Rocheford.
A cavaliaria carregou os amotinados,
bavendo algumas desgragas. Reina una
grande irritaco om Pars, contra o governo.
que so torna cada vez mais impopular.
i Madrid, 1, s 5 horas o 2 minutos da
tarde.
A Gazetta publicar manha
monto despeazs.
Levantou-se na provincia
urna partida de 40 carlistas c
pontos ha receos.
Madrid, 1, s 12 horas e
da tarde.
Corre o boato da demssao de Digny.
Os fundos italianos noticiara a 57,05. Ro-
cheford sabio de Bruxellas. Ha criso mi-
nisterial na Blgica.
Floronga, 30.Ha tranqulidade. Ju-
ga-se, porm, que secretamente se ramilicara
os trabalhos para novos tumultos.
A praca do commercio de Lisboa di-
rigi ao ministro do reino urna representa-
cao, contra o uso inveterado de se por do
quarentena os passageiros dos vapores trans-
atlnticos, ainda mesmo quando nenhum
caso de molestia se tenha dado bordo.
A corveta islephauia, que conduzio a
rainha, partir de Brdeos para Lisboa no
dia lu do curente.
o orga-
de Almena
cm outros
REVISTA DIAELL
GYM.XASIO PROVINCIALPor deliberaclo de
17 do corrente. fi exonerado, jen pedido, o re-
petidor interino Jos Gongalvrs da Rocha.
IiNSTRUC^AO PUBLICA.Foi romeada, por
deliberaeaq da prefidenria de 17 do corrente, para
reper interinameoe a cadeira do sexo feuonino da
villa de Ingazeir, a Sra. D. Bcrtholina de Jess
Fiel.
FACA-SK JUSTir.A.Dam em seguida o ofli-
rio que bontem dirigi o Sr. Dr. chele de polici
ao Exm. Sr. presidente da provincia sofcre dous
roubo* que se dizia lerem lido lugar ua uaite de
sabbado :
2." secoao.Secretaria de polica, 19 de jaluo
de J69.Illin. eKxm.ir.Km a 4ilanintoini-
nba parle diaria de hoje, tufe n. I05i, cumitre ue
levar ainda ao conhecimnlo de V. Kxc. i|ue,confor-
me acabara de me informaros subdelegados dos dis-
trictos de Santo Autnnio e Biia-visla, completa-
mcnle falsa e destituida de Inndamen'o a noticia da-
da boje peln/ornu/ do Btcife, de haver sido roufcada
a casa do commendador Netln eiu Santo Amaro, e
bem assim a da reaidenela de urna ninRier na roa
das Aguas Verdes do primeiro dos referidos dis-
iricto, na qual apenas se dea tuna tentativa,
conseguindo o delnqueme por-# en luga, logt>
que presenlio a patrullia miulanlo, que por all se-
gua. Deus gnardn V. ExcO eSefe de palkia,
FdeA.de O. Maciel.
SIJICUMO.-O jireso Joaquim Salvador do Nas-
cimento recolliido a rasa de detencao no dia 6 do
passado, como pronunciado n.> artigo 80."5 do c-
digo criminal, sendo accommelltde de alienadla
mental i hora c 4)2 da madrugada de sabbailo.
ten tou fenr-se com urna faca ?etn punta, de que
serva-fe para janlar. Sendo presentido csse sen
acto, e conliecido seu estado, foi elle transferido
para urna cetulla separada, ai.nde na noile de do-
mingo suicidou-se metiendo a cabeca na corda da
camisa de forca com que Machara,
HOSPITAL PORTUGUEZ.-Mr. dcLaj boje nm espectculo variado ile prestidigitaban c
magia, em beneArio do Hospital Portuguez de Be-
nefirencia. O Hm pi e candoso que se destina
o producto desse espMUCOlo, torna-o |K>r si mes-
mo recommondavel do nosso publico, sempre soli-
cito em acudir aos reclamos dos necessitados, e ao
appello das almas bemfazejas.
GUARDA NACIONAL. Por deliberacao de 14 e
16 do corrente foram mandadas dar guia de pas-
sagem : para o municipio da Encada, ao tenante-
quarlel-mestre do batalban de infautara n. 39 do
Cabo, Vicente de Moura Pessoa Gavaieaiiti; e para
o municipio do Bonito, ao lente da 8.* compa-
ntiia do batallio do infantaria n. 3i de Tacarat,
Joo Firmino de Miranda.
NOVO ATHENEUA sociedade pbilosopbca
aessa denominac^o, fundada em jnnho ultimo, ele-
Seu no dia 11 Jo corrente a directora que tem de
rigir seus trabalhos nos mezes de julho a outu-
bro, fleando ella assim organisada : Antonio Sil-
vio Ferrera de Camino, presidente; Joaquim
Candido Ferreira L ssa ; vice-dilo; Javentino Po-
lycarpo Alvas Lima e Argeiuiro Alves Arouca, se-
cretarios ; Julio Apolonio Vaz Curado, orador ; e
Francisco Isidoro Rodrigues da Costa, tbesonreiro.
F.XTRACTUM CARNIS.-Deste producto de tan-
tas vantagens para a vida ordinaria, tanto dossos
como dos doenles, acaba do chegar porcao e adia-
se venda em casa dos agentes dos fabricantes,
os Srs. Jos Victorino de Rosendo 4 C. Recom-
mendamo-lo e especialmente aos viajantes.
CAES DA COMPANHIA PERNAMBUCANA.
Pedein-uJS que chamemos a attencao de quem
compete para o abusivo costme do se entoldar
este caes, sabr tudo nos das prximos da saltida
de vapores para o sul e norte. Ser o caes desti-
nado a guardar botes, savkos e grandes podras?
Cromos que nao ; e por isso chamamos para ahi a
attengo de quem compele.
TRILHOS URBANOS DE APIPUCOS.Ilonlem
pela naahia o deWio do miebiaisu do trem do
9 1|2 horas da manhaa, em n;io apilar ao appro-
xitnar-s da entrada da roa do Hospicio, quasi
prorluz um desastre ile graves consequencias.
Procurando o mnibus de Oluida atravessar a
linda de carris para a ra do Hospicio, por nao
lr miniitn; ouv'r scu boleeiro a apilar da machina, ia esta
s esmagando-o e todos os passageiro, caso os ca-
vados se nao espantassem e nao tivessem re-
cuido.
Ainda urna vez leinbrarn ao Sr. gerente da
empieza, determine que os iiiaeliiaistas apitem.
sempre qm- tiverem de atravessar qualqucr ra,
aliin de evitar desastres.
FERNANDO DE NORONIIA.-Desta procodeneia
chegou hontom o vapor G/'r//',, trazendo datas ate
16 do corrente. Escrevem-tns o segniute :
Festejou-se o mez mai ano, como Ihe disse
em minba ultima, sempre concorrido, e com
aquello recolliimeiUo e devocao que-sao sempre
devdos Sanlissima Virgem.
Tambem foi muito festejarlo o glorioso Sanio
Antonio, bavendo as ultimas nuiles de troseaas,
balees aereostaJtoos, e ua fesla um fogo de arti-
ficio.
Spguem no presente rapar diversos guardas-
nacon. es, que aqu se insubordinaram declaran-
do assim proceder para poderem voltar para o
Beeife. Segundo o que aqui corre, os mais inso-
lutos sao os do 2. batalhau de infantaria Andr
Mas para que te expuz, meu amor, a
ser presa ? Nao sei so na celia da prisao do
Caen era to desditoso como bojesou.
Devera ter corrido logo Paris. Paris
grande, ahi se esconda qualquor melhor
que em nenhuuia outra parte. Hava de
oncoatrar-te, e jtUi nos juntaramos.
Qu foi feitb' da rainha carta? Soria
aquello Schwartz pessoa de bem? Nao te en-
contrara ello ? Porque nunca, oh I nunca,
as mnhas horas de dse pero e devaneio,
diego a ponto de suspeitar de ti, raulber
querida.
Tenho f em t, 6 o meu derradeiro re
(ugio.
Nena se quer me oecorre a idea de que
recebesie as mnhas carias e foste negli-
gente em responder.
Se tal idea me occorrosse, matava-me.
lli j dous das que nao saio do quarto.
Nao tenho enfermidde declarada, e todava
estou doen|jfSmo. Vai-se apossando do
mira o i eceio de te nao tornar a ver.
0 patro bondoso para corago. So
eu quizease. ira capaz de me emprestar o
dinhero sullicietite para ir Franca.
14 dejuuho de 18t. Nem sombra de
noticias tuas, Julia I Eslive bem prximo
da morte. Acord agora, depois. de um
somuo, que marrlo.durante a febre era que ludo es-
quecia Ati! tornei a ver-te, o suppuz-te
ainda nos meus bracos.
Nada de Franga I Nada I nada E aqu
estou to dbil que nem mesmo posso j
pensar em tentar viagem.
Custa-me a acreditar... foi ha um anno;
estamos no anniversario danossa desdita.
Ura anno I Que azes ? Que succedeu t
's vezes chego a ver-te morta D-nae,
pois, o Senhor forras para partir.
3 de julko. Julia, tornei a adoecer. As
tresou quatro palavras que acabo de escre-
ver esgotaram-me as forca*, \cm, oh !
vem. Amo-te sempre.
9 de sombro. Nada Estou de pe,
Sabi hontem e pude detar praia. Pro-
cuLMva-me a vista a 'cosa de Franca. Te-
nho aqu chegada.s ao eoracao as minhas
cartas todas." Escre'vo -as na nteng^o de fas
remetir ; isso, porm, sera perder-te.
Pouco valem as cartas ; divertem quando
muito a mnha angustia. Hoideir.
1 de miembro. Vaha-mc Deus, Julia;
eu parlo. Dentro de ahjuns diasWias de
lu acJares-le nos meus hacos I
Oh como o mar est formoso e alegre !
Eu parto ; tenho esperanza ; amo-ie!
esla a primira hora om que ha doae me-
zes me stnto \viver I
(Continuar-se-ha)


*
Diario fi Pernambuco Tr
lomes Pereira, do 1* diu Manoei Jos Calistratjo
GiWiuo Rireia de Lslro, o Barbosa ios Santos, e do i- do arilham Antouio
Manoei da Silva.
Ha tempes que houvo a feliz taubranca de
se mandar |ura aqu quantos sentenciados por
c&iselho de guei ra for appaieeeudo. cuja senteuca
depender d lal nao honves.em prisdea na- fortalezas e quar-
leis, para Bellas esperaron a deeiso de suas se*-
teacaa I E o que acaba de acontecer ? Eu Ihe
eouto. ...
No vapor pascado \ierani esp irar eonirnaa-
(jao de sentencas os soldado do 4" batalhao d ar-
tilharia a pe F.ppc lUrbaa*. Luiz Jos Caroli-
na, que, estando aqu ininelter-ain
grandes criines, e i Janeiro, de cor-
rente auno : mandar-se jniianciailos aguarda-
rein decidi de stfltencn no lu;ar eni que coin
inetteram o eriwe, e am que reside os qne os ac-
ensaran], e os que contra elles depuzeram III Sa-
bendo de taf chegada o aemal commandante,
-los transportar de bordo para a lina Bata, sein
duvida com o fin de cortar qualquer encontr
que fosse funesto; mas all, que por mo coui-
uortannilo tambein se aehava depositado o volun-
tario da patna Manoei Joaquim Cavalranti, que
tamben) para aqu vcio aguardar decisao de sen -
tinca, cque tinha sido outr'ora do< seu motores
aecusadores, ditos Pelippe e Caro ino eucontran-
do-o, com He se travaui de razos, o com cceles
o esbordoaram de lal forma, que, se nao arudis-
sein outros sentenciados que naquetla ilha se
aehavaui, por eerto que teriam moflo o referido
Vanoel Joaquim, pelo que veio para o hospital, o
acha-se om perigode vida, pois joi sacramentado.
Sao esta as ronscs.ur.nms infalliveisdas delibera-
eoes irreflxtidas de qui-inpoverna.
RSVISTA IX) INSTITUTO.Com este titulo,
prelendem os Sis. l'razeres, Paristo. V. Siinoes,
Vaz Curado, Adelmo, boyla, Demetrio, Pelinoe
Jos Manuel publicar urna foJba, cm queserao
transcriptos os [rabilhng desta sociedade.
GREMIO DRAMTICO.Teve lugar a primeira
ses-au ordinaria desiasociedade no da Iodo cor-
rente, na ipial foi presentado pola respectiva
commisso o regulamento interno, que foi appro-
vado e entrn em vigor.
Pedem-nos que transerevenvM os artigo dosso
regulamento, que possam inleressar quclles que
queiram solicitar a adjnissau na sociedade.
Ki-lo*:
Art. I. Pan adquirirse a qualidade do so-
cio da Gremio Dramtico, neeessario apreseniar
sociedade urna composicao dramtica original
em mais de um acto. (Coiist. Art.)
| Io E-4.1 composicao ser submettida urna
commisso de lies memores, que, na primeira
lio ordinaria, dar o seu parecer por es-
f,ri]to.
i ." Lido o parecer, ser a composicao snb-
metlida approvaco Je todos os ocios presan-
te*.
.! Este parecer, on soja a composicao ap-
provada ou reprovada, ser publicado pela ini-
preusa.
Art. Io O resultado da votaeao ser commn-
nicadu ao autor da compo-ocao apri-sen'.ada, sem
desigMcao do numero dos votos l'avoraveis edes-
favoravi-is. o caso de approvaco, esta com-
muniejeo acompanhar logo o diploma de socio.
USl. Art.)
Art. 3." A composicao apresentad* e appro-
vada sera I ida pelo seu a.itor na sesso publica
i -o que elle tomar assento.
Ai!. 12. Todas as composieoes lidas ou apre
4*8 sociedade ficaroarchivadas, depois de
rubricadas as suas follias pelo presidente.
FllRACAO. Desenca lenu-se ltimamen-
te sobre a cidade de Odessa, na Russia
europea, urna terrivel tempestarle, que de-
vastnii urna grande parle da pnvnar;Su. Des-
muninarain-sc centellare- de casas; os
canaes licaram desuidus. e o numero <>
afogadM elevava-se a allomas centenas.
6 mesmo jornal tamliem auniincia que
urna jfra idc tempestade, acompanliada de
saraiva. destruio todos os vinliudos e as
cearas dos cantees franceses d S. P^uln.
Laiilrec, Broonssc. S. JuliSo e Maudragon.
HOMICIDIO INVOLUNTARIO.Ospirio-
dicos de Le5o (Hespanha) referem um triste
acouii'cim Ni noule do ultimo sabbado ohegaram
a VaMeseinana tres pessoas com u lim de
assistirem s festas de S nto Antonio.
como amigos que cram do parodio, dii igi-
ram-se a casa d'elle; e bateram porta.
Porm a criada que Ihes responden, t mida
at a exagerarlo, como costumam ser as
al lees daquella provincia, a>suston-se ao
ver tres homens desconfe tidos aquella
hora e toruou-os por ladrees. Os que es-
tavam em casa, assu t- dos com tal noticia
armaram-se como poderam. e sem procu-
rar indagar a verdade o parodio disparou
a sua espingarda, deixando morto um dos
tres reeem-ehegados.
Juiguse qu.il seria a sorpresa doparo-
ch qoando soube que aquello a qnem tinha
feit-i fog era sen intimo amigo I
O USO DO PAPEL. Na America do
Norte, um certo Sr. Szcivluiy, nao so fez
colleirinhos de papel, como tainbem cami-
sas, coiletes, botiels e cliapos, carruagens
para caminlios de ferro, forra navios, lor
nando-os impenetraveis s balas de arlilba-
ria.
R'centementft annuicia a sua ultima
novidade caix5es de papel para defu ito-
recom nendandoos como perfeitam me
prova d'ar, e finalmente a wta nada exter-
no pode sahir, uem mesmo os defuutos.s .
Continuando o emprego do papel em to
proveitosos usos e empregos, muito de
crer que as naces individadas restaura m
as su as financas substituindo os seus exi-r-
cilos de carne eosso por outros de papel.
A liumanidade dar mu grande pulo para
a sua completa civilisac>> e a caval aria,
infantaria, cacadores engenh ira, artilharia
c torio o material de guerra forem de papel
nao incendiario mas s m de mata borrao.
Nos Estados-Unidos j ha caminhos de
papel e pintes de papello. Na Tartaiia
usam-se sinos d papello ha muitos se
culos.
TRANSFERENCIA.-O espectculo do Sr. Pop-
pe, que devia t.r lugar hontem, por motivos alhei>s
sua vontade, foi tradsferido para sexta-feira 13.
L0IT5 II V.A qoe se aeh i a vi-nda a 114.*, a
benelHo da Santa Casa da Misericordia, que cor-
re no da 21.
PROCLAMAS.Foram lidos na matriz da fregu-
7ia de Santo Antonio ao da 18 do crreme inez os
seguintes proclamas :
!. denunciacao.
Jos Goncalve Braga, cu o Emilia Carolina de
Meira Brmn.
Ejpiridiao Sloecvich, cim Helem Prancelinade
Mello Brauger.
Augusto Cesar deOliveira, cora Rosa Luiza Al-
ve< da Silva.
O hachare! Antonio Paulino Cavalcanli de Al-
buquerque, com Olympia Syinphronia do Reg Ca-
alcanti.
Francisco Joaquim de Almeida, eom Maria Julia
Correa.
Andr Moreira Pinheiro, eom Jovina Mara da
Conceiclo.
' 2.a denunciacJo.
Antonio Ferreira da Laz, cim Tertubna Amelia
Ferreira do* Santos.
Joa|uim P:lrico de Almeida, eim Anna B-asi-
Isabel Blpidia
iueisco Bogerio Bas JBaKoia, com Justina Ma-
na dos San'
Antonio AI ves de Castro, ooiu Joaquina Maria
do Espirito Santo.
Rermelino Eliseu da Silva Caneca, con) Mara
Jympia Bacellar.
Joo Januario de Souz Deltrao, com Felismina
Pinto do Almeida.
R*yuiuiido da Silva Maia, cora Anna Amelia Mu
Riz de Almeida.
Angelo Custodio le Albuqucrque, com SaHdB
Maria da Cmceicio.
O Dr. Antonio Domingos Pinto, eom Maria
Queruhina de Lima Nones.
Thoma/. Ferreira de Carjalho, com Mara Julia
Cliristiani.
Francisco Jos Alexandre, com rsula Francis-
ca Maria dosPraz
Manoei Corroa da Silva, eom Joanna Joaquina
Josouha de Souza.
Joao Canelo Correa da Silva, :om Joauaa Monea Mello Fwias.
I.EILAO.Conforme est annunciado, deve ter
lugar amanlia o leilao de movis, loca e clirys-
laes na Passafeta da Magdalena, para onde par-
tir, s 10 e raeia horas de manhaa, o mnibus
com os concurrentes ao mesmo leilao.
PASSAGEIBOS.O vapor Giqui, vindo de Fer-
nando de N'oronha, trouxe os seguintes :
Joao Goucalves Pires Ferreira e sua senhora,
Belarmina B. da Cis, Francisco Hygino Lavra.
Joaquim Rodrignes Maia de Oliveira, Auga>to Ro-
drigues do Nascimento, Manoei Joaquim deOli-
veira, 22 iuiperiaes marinlieiros, 36 guardas-na-
cionaes e 8 sentenciados.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia Iti de
julho de 18.
Jeiiuina Theodora de Almeida Albuquerque,
Pernambueo, 38 anns, casada, S. Jos ; amoleci-
ment cerebral.
Padre Augusto Maria Ferreira Botelho, Portugal,
45 anuos, Recite; heinapettso.
Antonio Gomes da Silva, Portugal, 38 annos,
solteiru, JJbO-VhIi : tubrculos pulmonares.
Golterme Gomes da Silva. Pernambuco, 22 an-
nos, casado, Boa-Visla ; be.\iga~.
Cosm Pernambuco, 1 mez, S. Jos ; hepatitc.
- 17
Joao, Bezerra, frica, 80 anaos. viuvo. Boa-Vis-
ta ; congoslao cerebral.
Joao Pernambuco, 3 mates, S. Jos ; convul-
soes.
Cm-tanca Rosa Alexandrina dos Santos, Per-
nambuco. 69 annos, viuva, Santo Antonio ; arao-
ieeimento do cerebro.
Hendi, Pernambuco, 10 das, Santo Antonio ;
espasmo.
Antonio Jog da Cosa, Pernambuco, 52 aliaos,
casado, S Jos; cougesto cerebral.
Eugenia Mana dos Prazeres, Pernambuco, 22
anaos, solteira, S. Jos ; phthysica.
Joaquim, frica, 70 annos, soltciro, Boa-Vista ;
entente.
Martinha, Pernambuco, 12 mores, Boa-Vista ;
enterocote.
Affonso, Pernambuco, 11 mszes, Santo Anonio;
deuticao.
18
Adolpbo, Pernambuco, 7 dia, Beeife ; espasmo.
Clemente, Pernambuco, 20 annos, Boa-Vista ;
ana.irca.
Couslautino. Pernambuco, 18>nnos, Rceii'e ; te-
taao.
Maria, Peruambuco, 4 mezas, Boa-Vista; con-
vulsSes.
Toereza Maria de Jess, Pernambuco, 90 annos,
vinva, S. Jos ; hepalite chronica.
Maria, Pernambuco, 3 mezes, Recife ; pneumo-
na.
Jos Firmmo Silva, Pernambuco, 12 ano-as, sol-
teiro, B i*-Visla ; ttano.
Joaquim Fortnalo Carioso, frica CO annos,
Recife ; ascte.
>IAI0
oi di A nor Divino.
Leonel Angosto Ferreira, cora
Brito da Foncca. ^
Maxmiaoo Ferreira de Souza, com Maria Amn-
ela C -sar da Rocha.
Othi i Tiburtim Ramos Teixera, com Antonia
Ma iad* Conceiro.
Mar.-..lio o de aouza Pereira de Brito, eom Rosa
Maria de Miranda.
Flix Benvndo de (Niveira, com Maria Jerony
ma drrea.
Ant.mio Francisco de Snou, eom Alexandrina
Isabel Soares.
3.a denunciacao.
Jo fiapti-ita Ferreira Gomes, eom HerminaTa-
araa de Souza.
CMARA MUNICIPAL.
SESSO EXrtlAOilDlNArtlA AO 26 DE
DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. DR. SOUZA LEAO.
Pieseiites os S s. r. Sjvo, D,-. Birros
Brrelo, Dr. Costa Juuior, Dr. Miscoso e
(a.ii'iiro, taita.id i con causa os mus Srs.,
aiirio-se a sessao e foi lida e approvada a
acia da antecedente.
Leu-se o seguinle
EXCEDIENTE:
Um lQcio do Exm. vice-presidente da
provincia de 20 do correte, recuramendan-
do a cmara que, em vista do Io do art.
o do contralto celebrado pela presidencia
com a c iinpanhia de trunos urbanos do
rtecife a Apipucos, proponba as pisturas
necessarias para regular o transito das ras
e dos lugares por onde passam as locomo-
tivas.A' commisslo de polica.
Outro do mesmo, de igual data, commu-
nicando a cmara para seu conhecimento,
que em vista de sua informarlo de 18 d.j
maio prximo lindo, e da tliesouraria pni-
viucial de 4 de Janeiro e 2 de abril ultimo,
resolveo por rieliberaco da tuesma dala e
de conformidade com a lei n. 49 de 2.
de maio de 18l e 2" do art. Io da de
n. 276 de 7 de abril de 4851, con-eder a
aposeutadoria que solicitou o amanuense
da uiesma cmara, Candido de Sonz* Mi-
randa Cuuto, com o ordenado por inteiro,
visto aver provado ter exercido o seu
emprego por mais de trinta annos.In-
teirada, t'acam-e a^ commanicafSes nea*s-
sarias.
utro do mesmo, de 21 da crreme de-
clarando a camira quenaquella data expe-
da as convenientes ordens ao cliefe da
repartico das obras publicas, para ser
desobstruido o cano geral de esgolo, de
que trata o seu offic.io de 19 do dito mez.
sob n. 31. Inieirada.
Ouiro do r. juiz municipal da Ia vara.
Miguel Jos d'Almeida Pernambuco, com-
.uuuicando que ua qualidade de 2' supplenle
achava-se emexercicio de dito cargo.lii-
tecada.
utro do engenheiro ajudante da reparti-
co das obras publicas, Manoei Loureuco
de Mallos, ommunicaudo haver em 25 do
conenle assumido a direc<;o da dita re-
partico por achar-se no goso da licenca
que iiie fra concedida pela presidencia ao
lespoctivo director.loleirada.
Outro do procurador, informando sobre
o requerimento de Joao Antunes Guimai 5 ;s.
que leclama por haver pago em duplcala
i loro do terreno do becco das Miu liona-
em u anno de 1867, cumpredho dizer que
leudo exaiuiuudo os respectivos livros de
receita, nelles encontrou os lan?amentos.
e por isso enlende que pode ter lugar o
que o supplicante pede no final de sua
petico.Mandou^se restituir.
Outi-o do engenheiro iuferraando sobre
o que pede no requerimento junt, B -
dimno Floresmundo d'Andrade Pestaa
para edificar urna casa oa ra Imperid, e
lazer ma telheiro para guardar materiaes.
declara que nada tein a oppdr, dando-se-
llie a Ciupatente cordea.o.Mandou-se
cordear.
O tiro do mesmo, informando sobre o
requer rocoto de Paulo Jos Gomes que
pretende construir no fundo de sua cas.!
n. 13 da ra de Santa Bita, urna frente
com tres poita>, de conformidade .orn a-
posluras. licands para o lado de dentro do
qointal um telheiro. tem a riiz-r que nada
'pp5e a pretencSo do upp'iciitH, danrio-
se-uie previamenle a cordeacao.Mandou -
se ".ord-ar.
Outro do mesmo, informando o reque-
riinentoda ordeno terceira de N.S.dolr
mu. que pede licenca para continuar com
acci eseimo do hospital at o aliuliamento d <
roa dosO'Sos; <:u.npro-Uie declarar q ie
nada tem a oppdr, dando se-lh^ a compe-
teut cjrdwcjj.Mandou-se cordear.
(antro do mesmo, informinds o requer-
meuto de Jos Alves da Silva Ouimares,
que pede para construir qurtro casas no seu
terreno'da ra Fonnosa, smhIj tres cera
tnnta palmos de frente e oa com trinta e
oioc>, com oilo para a ra daJJattdade,
e recitado vote palmo i da diLvrua, con<-
truiude no aliuiamnite da casa, um
muro confunde le ferro e portan aa cen-
tro : eumpre-lhe dizer pie nenhu.n con
veiiieiUe ha na concesso, dando-se, pre\i.i-
rftente acordeagao. Mmdouise core
Outro do mesmi, uloimando o'reqjjori
ment em que Joio'agnafiio de Meiteros
Reg pede pira coacertar a coberta de seu
predio i ra I nperial, antiga fabrica de fun-
dicSo, cumpre-lhe dizer que nada tem a
oppor.Conc deKriS. r
Outro do nicsiui, informando sobre ore-
quermento de D. Arcelina Xavier Carneiro
Rodrigues Campello, pedindo para Vio-
lar sotea sobre as duis casas que est
edificando na ra dos Ferreiros; cumpre-
lhe dizer que nada tem a oppor.Conce-
derse.
Outro' do mesmo, informando sobre |o
requerimento do bario do Livramento, em
que pede para fechar o seu terreno no
ra doBrum junto a ra Dok com paredes
e frentes para casas terreas; tem a lizer
que nada se Ihe o le rece oppr, dando-se
a competente cordeacao. Mundou-se cor-
dear.
Outro do mesmo, informando sobre o
que pede no requerimento junto, J.iaanim
Jorge de Souza. pira edificar sobre a'casi
n. 2 da ra da Soledade um sobrado de
um andar; cumpre-lhe dizer que nada
tem a oppr, precodeudo a competente
cordeacao.Mandou-s cordear.
Outro do mesmo, informando sobre o
requerimento de Joo Manoei de Farias,
em que pede para demolir a sua casa, sita
a ra da Casa Forte n. 31, declara nao
ter nada que oppor. Concedeu-so a li-
cenca.
Outro do mesmo, remetiendo o orea-
mente das obras necessarias a lazer <-8a en-
trada da Cabanga, na importancia de.... -
2:79&0J0. Que se peca a presidencia
autorisarao para despender a dita quaotia.
Foi approvado um parecer da coulmis-
s3o de idiieac), relativa nenie a preten-
cao de Andr de Abreu Porto, que s licita
a approvaco da planta indicando o trago
dos trilhos" urbanos projectados desta cidade
a Olinda, este parecer, contendo em seu
liual tres artgos, foram o 2o e 3" appro-
vados, e o primeiro substituido por outro
que apresentou o Sr. Dr. Moscoso, mem-
bro da mesma commiss5o
Mandou-se remetter a commisso de pe-
tigo um requerimento de Manoei Jos Dan-
las, pedindo indemnisaro da parte de seu
terreno no Forte do Mallos, que tem de s -
oceupado pormma travessa alli projectidr
na planta.
Mandou-se tambera remetter ao fiscal
da fivguezia de Sanio Antonio, para infor-
mar, urna petieo do Sr. Dr. Aquino Fon-
seca, representan lo sobre a existencia de
urna oicina de (erreiro na ra das bFlo-
res.
Despacharam-se as petices de Ajjtonin
Domingos Mirques Rm5i, Aitonio Ma-
noei dos Santos, Beilarmino Florismuid i
de Audrade Pestaa, bario do Livramento
(i). Evaristo Mmdes da Cunha Azevedo J-
nior, Francisco Pereira d'Assis, Goag.dves
& Teixeira, Gabriel Cimpelh da Cotila (2).
Joaquim de S )0/.i 'None.s, Jos Franoiscn
lo Reg, Jos Bezerra Cavalcaute, Joan-
na de Jess Nones Quaresma Duarte, Joa
quim Maria de Carvalho, Jos Alves di
Silva Gu uiar5es. Jo. Francisco de S raza
Lima, Joo Vaz de Oliveira, D. Josepha
M tria da Exallag5o Perette. Joaq tim Jorge
de Souza, Joo Antunes Guirnar5es, Jfesuina
Rodrigues de Souza, Manoei Gomes da
Sdva, ordena terceira do Carino, Paulo Jos
Gomes. Vicente Jos de Oliveira, vigari"
Antonio M moel d'Ass impgao, William Riu-
lysson, e levantou-se a sesso, deixando
de sor approvada a presente acta por falla
de numero.
Et Francisco Canuto da Boa-Viagem, se
cretario a cscrevi.Baro de Muribeca.
presidente.Iqnacio Joaquim de Souza
Leao.Dr. Joo Maria Seee.br. Pedro
d'Atahyde Lobo Mosceso.Jos Maria Freir
Gamc ro.Beiito Jos da Costa Janior.
SESSAO EXTjUOiSQtXARIA AOS 2 DE JUNHO
DE 1809.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. BARO DE MCRIBSCA.
Prsenles os Sr. Dr, Souza Leo, Dr.
Sete, Dr. Moscoso, Dr. Costa e Gameiro,
faltando com causa os mais senhores, bre-
se a sesso, o lida. o approvada a acta do
antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDENTE
Um officiodo provedor da SintaCasa de
Miseiiordia desta cidade, com despacho d;i
presidencia, mandando informar, cm que
dec'ara existir entro os diversos boas da
extracta congregarlo de S. Felippe Nery,
que pela le de 9 de dezembro de 1830 fo-
ram cncoriiorados aos proprios nacionaes. i;
hoje constitoem o patrimon o dos cjuHegios
de orph5os. a cargo da mesma Santa Casa,
um terreno a ra do Vigario. onde outr'ora
so aehava edificado o sobrado n. 26 que
abateu, deseja agora a junta construir nelle
um armazem e foi-lh; denegada a licen a
para esse lim pela cmara em consequencia
te achar-se o referido terreno destinado
para nina iravessa. leva ao conhecimento de
S. Exc. o occorrido para que se digne ou
conceder que seja permittida a edificarlo
do armazem. ou recoramendara eamara qu
no caso contrario trate de solicitar da as-
amblea geral concessSo, indemnisando a
patrimonio dos orphos pelo valor eos que
for dito terreno avahado. Que se ouvisse
ao advogado.
(Jma |>otic5o de diversos commerciantes
desta cidade, ix>m despacho da presiden-
cia, mandando informar, na qu d allegando
elles que nao poderam previnir-se compe-
tentemente dos necessaros pesos e me-
didas para uso do novo sysiema. met ico de-
eimal, por o< n3o haver no mercado, rec-
c rreu a S. Exc. que se diin i providenciar
uin dequeem consequencia de semelhan'
fdta, nao Ihes sejam impostas aspnis da
lei.Posta em discussSo, resolveu-ae in-
formar a presidencia que, tomando a t-
mara em corwider lickinariiis, coiicede-Ihe* o praso Improi o-
gavH|de30 di.s.
Um officio do gerente da empresa do
asseio e limpez i da cidade, Henry Laio;
acensando o offivio que foi deregido ea 19
de niara u'tirao ao B Frederic Brutber-
hood, pede permiss para ponderar que
sendo as, ob as que e tem de fazer as
ras da cidade execuajdas ejp virtud de
um contractocefebrado como goverao; e
segundeas indicagoes do seu fiscal. Bao po-
li em estar sujeitas ou dependentes de licen-
ca qnedevem impetrar os particulares, alera
disso o art. 30 da nnovaeSb de contracto
com o governo celebrado expresso de
isentar a empreza de impostas provinciaes
e monicipaes.Posto em discasso, resol-
veu-sa ouvir o parecer do advogado.
Outro do engenheiro cordea^or, infor-
m indo o requerimento do baro do Livra-
nento, proprietario do armazem n I do
Forte du Mallos, era que pede, para abrir a
ra a que se obrigou, se Ihe de cordeacao,
tem a dizer que certo quanto allega o
supplicante, devendo ser-lhe dada a cor-
deacao como requer.Mandou-se cordear.
Outro do mesmo, informando sobre o
que Ihe foi rdenado relativamente aos con-
certos que necessila o cano que d esgoto
as aguas dos quintaes dos s tios da Casa
Forte; remette o ornamento na importancia
de I2O5OO0.Que se pedisse autorisacoa
presidencia.
Outro do fiscal da freguesia da Boa-Vis-
ta, comraunicando que o desembargador
Alexandre Bernardido dos Reis e Silva, j.
deti principio a construego de urna das sete
casinlias que pretende fazer no quintal do
sobrado n. 39 da ra da Imperatrz, cujo
terreno tem de ser desapropnado para
4 108 toneladas, capillo Freedeaaan, equpa-
go m 8, carga 2,lia barricas com farinha de
tri ; a Uillieus Aulin-t 0.
Triestq87 das. Iirigue liollandex Zantie Antonc,
lo S33 toneladas, rapito 1'. Sherpbier, equipa-
gm !, carga 2,000 barricas cura farinha de Iri-
go ; a urdem.
R'nadc JaneirBngue linllandez Jonge Erert, de
926 tenolaas, cau.iii.4,. Sparaiiw, eiMUMgom
2, em lustro ; a Aiiiori Irmao.
Aracaly e Macao5 das do I- endn 2 do ultimo
porto, flate nacional Detv le Guarde, do tl( lo-
neladaa, capujo Manuel Caetano da Costa, equi-
pagem 8, carga sal e outnis gneros ; a bar-
thulunten L lurenro.
Macoi3dia>, lancha nacinn.il f7or il\ de 43 toneladas, capita i Vieeni.' Ferreira da
Costa, equipagem carga ^al ; ao majau ca-
pitio.
Ilha de Fernando jo horas, vapor brasileiro Gi-
quije 22.1 toneladas, comiiiaiulante Azevedo,
cor, a obra da ponte da estrada que condtu ao ce-
unten.) publico, oreada na quaniia de 8:1404000:
as pe pretenderen! arrematar babililem-
se na forma da la, e comparecam nos referidos
mas no pa^e municipal.
0 orcamento respertivo acha-se na serraaaria d*
mesma eamnia, onde ser aprestttado aos oue
quizerem examinar. M
o ila eamara umulcipal do Recife, 14 de ju-
lo* (I 1869.
Tgn <<: Souza Lew,
l'>'" i-viagem,
_____________________Secrelario.
O inspector interino daalfandega faz
publico que, to dia 2t Inuttj Lora d
larde, a porta da mesma, serib levados a
hasta Dublica livres de direitos ao arre-
matante, ddas barricas de marca R C* n-
meros 802 e 803, viudos do Havre na
S';de459to0!barca franceza VMiimm era i" de feve-
neladas.commadantcRevnolds, equipagem 24J r?iro do enfrente auno, a eoftSagnacJo de
carga mereadorias ; a Thomaz Jelerics A C. j Keller r C, as quaes contm latas COOT
Navtoi saludos no mesmo dia. quejos Suissos, jiesando 290 kikigram-
equfpagem 23 ; a conipanhia Peniamtiurana.
-ivi-rpoot por Lisboa22 das do Io, sendo 16 do ,
ultimo porlo, vapor inglez Gladiator, de 459 lo-!
MaceiVapor nacional Jaguaribe, commandantc
Moura, carga differentes gneros.
CanalPatacho norte-allemao John Cari, capito
A. Bulling, carga assucar.
ECITAES.
Perante a cmara municipal desta cidade
estarao em praca nos das 14, 17 e 21 do corrente
para seren arrematados por quem inaior preco
alargamenlo da travessa qu.) vai ter ao caes i olferecer, os alugueis dos quatro ospcos existen-
do Capiaribe.Que se olliciasse ao advo-1!|>S na acougue publico da ribeira da fregnezia de
gado para activar a desapropriacio. Man- s- Jos'>S!?1110 res -no 'iuarieira.1 do lado do norte
dou-se rerae'.ter a commisso de edica^o
ura requerimento do brigadeiro Joaqoim
Bernardo de Figueirdo, relativamente a
multa que Ihe foi imposta pelo liscal da
fregnezia da Boa-Vista por estar edifican-
do um muro era seu terreno da estrada d
Joo de Barros, sera licenca c neni cor-
deacao.
Despacharam-se as petigoes de Antonio
Domingues Marques Ro.no, D. Arcelina
Maria Carneiro Rodrigues Campelto, Auto-
uioAlves Rodrigues da Costa, Antouio Joa-
jaira Salgado, Andr de Abreu Porto, ba-
ro do Livram-rato, Gandid Allonso Mo-
reira, Cunha 4 C, Custodio Antunes Gui-
raares, Flix Luiz Cavalcanle, Fructuoso
Marlius Gomes, Francisco Marlins Raposo.
Genuino Jos da Rosa, Jos Alves da
SilvaGuiraares, Joaquim Jorge de Suiza
Joao Ignacio de Medeiros Reg. Joo Gon-
cdves Ferreira a Sdva, Jos Francisco de
S Leito, Jos do Souza, Jos Joaquim
dos Santos, Miguel Ribeiro Pavo, 'Miguel
Torcato Teixeira Lima, Manoei Romn Cor-
reia de Araujo, Manuel Francisco Teixeira.
D. Rosa Candida Goncalves Pereira, Rodri-
go Pinto Moreira. D. Thureza Carneiro Lins
de Miranda, e levantou-se a sesso, dei-
xando de ser assigoada a presente acta por
falta de numero para approva-la.
Eu Fraucisco Caedo da Boaviagem,
secretario a cscrevi.
Ignacio Joaquim de Souza Leo, pro
presidente.Jos Maria Freir Gameiro.
Bc.ntoJosda Costa Jnior.M de Barros
Brrelo.Dr. Joo Maria Seve.
COMMERCiO.
PhACA DO KtiGll'h. 17 Ub, JULHO 0E 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TAMUE.
Alg idao de Macuto l4 surte1J205 por kil. (sab-
bailu e hoje).
CainDio soiire Londres 90 d/v 18 7(8 o 19 d.
por 1*000.
b\ 1. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
Saques sobre Londres
SOCIEDVE B\NCARIA EM COMMANDITA
Tkeodoro Simn ^* C.
Sacco sobre os Srs. Samuel Montagu &
C, banqueirosem Londres.
A' vista qnantias 5 at 100. 3 das
de vista quautias cima de 400 al
1,000 30 ate 90 dias de vista quan-
tias cima de i,000 at t0,000.
Largo do Pelourinho n. 7.
' ENGLISH BANK .
' >f Rio tle Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e *
orazo tixo.
Saca vista ou praso sobre as cidade>
orincipaes da Europa, tem agencias na Ka
*)ia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-Ymi
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conti propri
netaes, moedas nacionaes e eslrangeiras.
>eji|. de cambio, sedulas do governo e d>
qan do Brasil.
escoutam letras da trra e outros ttu-
los coramorciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaeces, da cobranza de letras da
wrra e de outrt ttulos commerciaes.
Recebera quaesquer quantias em deposi-
to, era canta crrente, o a prazo fixo.
Largo do Pelourinho n. 7.
e um no do sul, todos oceupados com talhos esla-
jelecidos por diversos; a arremata^ao a fazer ter-
minar quando terminar a dos outros talhos da
mesma ribeira. Aquello* que pretenderem arre-
matar, comparceam no paco munk-ipul em os dias
mencionados, munidos de llancas na forma da le.
Paco da cmara municipal do Hocife 8 de iullio
de 1869.:
tgnaelo Joaquim de Souza Leo,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
___________________Secretario.______________
EDiTAL.
3.a seceo.Secretaria do governo de
Pernambuco, 46 de julho de 1869.=Pela
secretaria do governo sao convidadas as
pessoas, .que quizerem contratar a cons-
trueco, nos termos da lei provincial n. 856,
de 5-de julho, do anno prximo passado
abaixo transcriptas, de urna estrada de
ferio desta capital villa d<^amoeiro, com
dous ramaes para Nazareth c Victoria,
a apiesentarcm suas propostas em cartas
lechadas ao Exm. Sr. vico-presidente da
provinca no dia 30 de agosto prximo vin-
douro.
LE N. 856.
0 baro de Villa Bella, presidente da
provincia de Pernambuco : Faeo saber a
mdos os seus habitantes, que a assembla
legislativa provincial decretou e tu sanecio-
nei a resoluco seguinte :
Art. 1." Fica o presidente da provincia
autorisado a contratar cora o baro do Li-
vramento ou com quem melhores garantas
olferecer, a construeco de urna estrada de
ferro desta cidade villa do Limoeiro com
os dous ramaes para Nazareth e Victoria,
passando pe.los povoados, Catanga, S. Loa-
renco da Matla. vilJa de Pu do Alho, po-
voaijo de Tracunhaem, sob as condicoes
seguintes:
l.Oco (tratante obrigar-se ba a apre-
sentar p anos t- estudos da estrada no praso
de 2 annos, a contar da dala e assignatura
do contrato.
2. O presidente peder fazer nos pla-
nos e estudos as alteracoes, que jijear ron-
ALFANDEGA
llendimento do dia 1 a 17. .
dem do dia 19.....
546:863*407
33.44a" ua;
582:008*i62
ItOVniSNTO DA ALFANDEGA
Voluntes sabidos com fazenas 180
dem idem cora gneros 30
----- 210
Desrarregam hoje 20 de julho
Rrigne norte-allemaoGazellafarinha de trigo.
Bngue iiorle-aineriranoJaut Antion dem,
itrigue inglez if/norae- rveja e ferro.
Urigue norueguenseloro=inercadoras.
Brigue nacional Almeida IrJianpie.
Patacho norte-allemao Concordia farinha de
trigo.
Vap inglezG/adi Bngue inilezRio GrandetriIho-* de ferro.
tiGEBRUOHIA DE RENDAS t.MIB I.NAS E-
MAES DR PERNAMBUCO.
leodimeaui do dia 1 a 17. 26 875*702
(lom do dia 19...... 1951*456
18.827*248
CONSULADO PRtJWLNCIAL
t-adimeoiodo lala 17. 9.1:3804397
deradodi 19...... 6:6l*839
100 027*736
mas, avahados em dnzentos e se.enia mil
oitocenles c sess"iita ris. (2700880).
Alfandega de Pernambuco, 19 de julho
de 1869.
DECLARAGOES.
Conse.lho de compras do arsenal
de guerra.
O conselho do compras do arsenal de guerra
precisa comprar para provimento dos armazens
do almoxarifado o seguinte .
Lencos de algodj 12fr
Meias de algodo, pares 126
Algodaozinlio amerieano, met o 510
Paneflaa do ferro para 20 pravas 2
Garfo grande de ferro i
Faca de cozinha 1
Conxa de ferro para tirar caldo 1
Pennas cilygrapnicas, cacas 40
Papel paulado, resmas 20"
Canelas finas, dnzias 40
Lapis finos, duzias 50
Obreas em paes, macos 50
Papel malta-borrao (carta^) follias 50
Gomma arbica, francos 3
Tinta encarnada, frascos 6
Limas chatas de 16 poleg.ida?, dnzias i".
Ditas dilas de 14 ditas, duzias 0
Ditas ditas de 12 ditas, duzias C
uitas ditas de 8 ditas, duzias V
Ditas ditas de 6 ditas, du:! :t
Dilas meias canas de 6 polegadas, duzias 4
Ditas ditas de 6 ditas, duzias 4
Ditas chatas mursas de 8 polegadas, duzias 3
Ditas ditas ditas de 6 ditas, duzias 3
l.imatoes de 8 polegadas, dezias 2
Dilas de Gditas, duzias 2
Limas chatas rauz de 4 polegadas, duzia 1/2
Limas meias canas de 4 polegadas, duzia 1/2
As pessoas que (iiiizereui vender os objectos
cima declamados, eompareeam n sta repartirn
no dia 24 do corrente, pelas 11 horas da manhaa
coin suas Dropostas.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernaiutiuco 19 de julho de 1869.
Hygino Jos Coelho.
Coronel diroctor interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
juizo oos rmo m E\/.e.mja
Quinla-feira, 22 do corrente. d<-puis da
audiencia respectiva, ir a pra?a por venda
venientes o fixaia Litla e peso dUs trilhoa,i ^guiiile :
Oous terrenos to lu<;ar da
as dimens5es das obras d'arle e todas as
condicoes para seguraba e boa execuccao
da estrada e ramaes.
3. O presidente poder fiscalisar a
construeco c servico da estrada o ramaits.
4. A estrada e ramaes serlo conclui-
dos, a primeira no praso de 4 annos a con-
tar do comeco das obras, as segundas at
3 annes depois de concluida aquella.
As multas por infraccao dessa clausula
e prorogacSo dos prasos nella estipulados
por casos imprevistos, serio determinados
pelo 'prndente da provincia.
Art. 2 o Fica o presidente da provincia
igualmente autorisado a auxiliar a construe-
co da linda c ramaes aun urna subvencao
kilomtrica de um quario do valor das
obras oreadas, ou a conceder a garanta de
juros at quatro por cont do capital em-
preado.
Art. 3." Ser concedido ao contratante
um previlegio por noventa annos para uso
h goso da estrada e ramaes co tando-se da
conclu-io das obras, nao pudendo pessoa
alguma Construir erradas semelhantes nesse
praso p;ira os mesmos pontos, nem na di-
recvo dos ramaes e na zona de leguas para
i>la lado das estradas.
Art. 4. A entrada e ramaes e todo o
material empregado cam isent s dos im-
postes porvinciaes e municipaes.
A t. 5. Ficam revogadas as disposices
em contrario.
Mando portante a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execucSo da pre-
sente resolucSo periencer que a cumpratn
e fagam cuuiprir to inteiiament como
nella se contm.
0 secretario do governo jdesta provincia a
faca impr mir publicar e correr.
Palacio lo govern de Pernambuco. 8 de
junho de 1868, 47." da independencia do
imperio.L. S Baro de Villa Bella.
Sellada e publicida a presente resoluco
nesta secretaria d > governo de Pernambu-
hos 5 de junho He 1W18. O secretario,
Dr. Francisco de Paula Saes.
Registrada as fls. dolivro de leis pro-
vinciaes. Secretaria do govtrno dePer-
imiiibbco. 5 de junho dft 1868 O escrip-
lurario, Theodora Jos Tavares.O secre-
tario, Dr. Joaquim Correa de Araujo.
lnspec<;o do arsenal de
marinha.
Do ordem da Illm. Sr. inspector faco publico
qne esla inspeecao poem novamente em hasta pu-
blica, na porta do almoxarifado, m lias 20, 22 t
24 do correute mez, ao meio dia, 9 arroi as e (
libras de bolacha em moinha.
Inspecca do arsenal de marinha de Pernambu-
co 17 de julho de 1869.
O secretario,
Alexandre Hodngws ros Ain><.
Casia Forte,
junto as casas dos herdeiros de Joaquim
Jos de Sant'Anna, tendo o do lado do
Norte 15 palmos do frente e 66 de fundo
o do lado do Sul 17 palmos de frente, e 66
de fundo, avahados, o l* por 45,5. e o 2'
por Sl, para pigamento do que devem a
fazenda provincial os mesmos herdeiros.
A casa terrea de taipa e terreno di
mesma, na travesssdo largo da Casa Forte.
n. 16, chaos proprios, com 15 palmos de
rente, 22 de fuudo, 2 salinhas. ura quarto.
e cozinha dentro, por 60|, para pagara nto
da execncSo contra Joaqniua Maria da Paz
por Manoei Domingues.
A casa terrea na estrada de Luiz do
Kego n. 13, com 20 palmos de frente, 2o
de fundo. 2 salas pequeas, um quarto.
sem quintal, em completo estado de ruina,
por 100$. para pagamento do que de\j
Sebastio Lisboa da Veiga.
A casa terrea de taipa, que teve o n.
30 na estrada de Sant'Anna, em chao*
foreiros, e em mu estado, com 27 palmos
de frente, 41 de fundo, 2 salas pequeas,
2 quartos, sem cozinha, quintal (in aberto.
avahada por 25f?. para pagam. nto do que
dewm Carlos Jos de Senna e sua mulher.
Recife i7 de julho de 1869.
0 sollicitador da thesourarra provincial,
J F. Corra d? Araujo.
A adminislraco do coireio desta ci-
dade, precisa engajar pessoas habilitadas
para o servico de caminheiro ; |uem esti-
ver tiestas condicoes e se quizor -ngajar
dirja-se a mesma administracSo com o com-
petente attestado qne pntw asna conducta.
O Illm. Sr. inspector da tlit-suurai la u.iazen-
da de Pernambuco manda fazer publico ime cm
virtude da ordem do thcsourn n. 89 de 5 deste
mez, acha-se autorisado para vender apolkvdi
di vi la publica at o prego de 84 %. Aspessoa>
a quem inleressar dcverao dirigir-se a referida
Ihesouraria.
Secretaria da ihesouraria de fazonda de Pn
nambuco, 16 de julho de 1869.
Oofflcial-mainr,
Mancel Mamulle da Silva Costa.
MOtIMENTO DO PORTO.
Nanas entrado* do iia 19.
Trieato79 das, patacho norte-allemao Concordia,
O inspector uterino da alfandega, faz
publico que etsiiudo no armazem alfande-
gado n. 13, da alfandega velha, oito saccas
com algodo da marra I C A C com n pezo
de 444 V kilogramma. viudas db Aracaty,
no Male nacional Novo Invencivel, entrado
ueste porto em 31 de mimbro de 18 ti, e
depositados no dito armazem, por Silva &
Alv s, em 2 de novembro do dito auno:
e achando-s as ditas saccas no caso de
serum arrematadas para consumo, nos lor-
ies d'i cap. 6" Ululo :t do regulamento
de 19 de setembro de 1860, os seusdonos
ou consignatarios d'-ver despacha-las m
prazo de 30 dias sob pena tle lindo este,
serem vendidas por sua conta, sem que
Ihes fique comp-tindo allegar contra os
elfeito desta venda.
Alfandega de Pernambuco 14 de julho
de 1869.
O in L. C Paes dr Andrade.
Peranie a cmara muii.rtpal d-sta rj.| ra em praga km dias 11. 24 28 do crrenie, ca-
ra ser arrwoaiada por quera menor proco ufleie-
COMWiNHIA
BEBERIBE
Os senhores accionistas desta companbia
que quizerem munir-se de falhetos coniend >
os trabalhos da mesma. decorridos no anno
iuanceiro do Io de maio de 1868 30 de
abril do corrente anno, podem dui^ir-se ao
escriptorio da companhia, ra do Cbug
n. 16. que Ihes serio fornecidos.
Escriptt rio da Companbia do Beberibc.
16 de julho de 1809.
0 secietarin,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pilnnga.
Pelo prestlo se faz pub'ir quem mt'Tes-
sar, que as conta dos imputis de O p.ir eento
sobre o consumo de agurdenle, 4 por rento -obre
diversos estab^lerimeuUis se ai*ham em poder do
esorvao Baodeira, em cujo exTiplori rna do
Imperador n. 44, poder4ios routriluiinl> s solicitar
as respectivas jtuia, ndepeiwVnte de ciiafo ,
assim co no as dos imposto de 20 por ivnu obre
diversos estubelecimentos, e 8 p-ir rapto ibre s-
eriptorioa e consultoriof mediros, no e-rriot rio do
escrivlo uterino Miranda, a qm-m foram distn
buidos, e i>ar*.Jal fin so eoiKede o prata de 30
dias, contar de hoje.
Recife, 6 de julho de 1669.
O solicitador da fazenda provraeaJ,
^ /. F. Corra de Araujo.

V
M-
%
V


Dinrio de Pernambeco Ten?, fer 20 de Jplho de \9&.
r
N
THEATBO
DE
SANTA ISABEL.
Sexta-feira 23 de julho de 1869.
SMNDE REPRESENTAgfiO EXTRAORDINARIA
EH BENEFICIO DO SR.
vvxn \
SOB A DIRECCO DOS SNIORES
J. POPPE E HDAME POPPE
cora o concurso dos Srs. Eduardo A. Clinton, Jos Colho Barbosa, Couto Rocha, Florin-
do, Silva, que graciosamente se prestara a tomar parte neste divertimiento.
GRANDE TMBOLA
Santa casa da misericordia do
Recifc
A Illm. junto i da Santa
Misericordia o Becife n
pela? 3 horas da tarde do dia 21 do crrente, re-
cebe propostas para a publicado do seu expedien-
te e antiuncios, devendo ditas propostas seren
apresentada em cartas fechadas coni a declara-
cao do preeo flxo porque cada individuo se com-
promette a fazer seinelhanto ser-viro.
Secretaria da Sania Casi de Misericordia do Re-
ifo 16 de julho de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
msmiu
DE
Paquetes a vapor.
porto? do su I esperado
at o dia i I de julho o vapoi
Crii-riro do Sul, commandanfc
rado, o qual depois da de-
mora do costme seguir para os
r I guarda-vestido com epeli>os, 1 can, (raneen e
1 wrtwranp* dr anwreft>, l luiWetrt tusmn'1'
| n 3 eommodaa, ScspeHios, ff^^HH^^H
o 1 bus* 1 lue.-a el
24 cade_
ra, de porcelana para jantar,
1 riyj "
clices; garra
partenr
copiar carias
II CAVALLO!
CANTO !
DANSA !
PIANO !
Prestidigitado !
Recitado!
Scenas cmicas!
UM RELUJO E UMA GARRAFA DE CHAMPAGNE.
tpiawaaft s>aia?a
fixperjencias de magia moderna pelo prestidigitador portuguez o Sr.
EDUARDO A. CLINTON
\
l" 0 mystrio da magia.
2o O copo mysterioso.
O baralho do diahn.
Urna transforma$3u.
O segredo Clinton.
3
4o
5o
O inspector interino da alfandega faz publico
que bando-so no armazem n. 4 da mcsnia re-
particao chas caixas da marca Eli n. 698 e 388
AF, com fe ragens, viudas de Liverpool no vapor
inglez Olinda, entrado neste porto om 19 de se-
terabro do 1888, a consignaeo de Rabe Sehamet-
iau A C, comprehendidas o caso de serem ar-
rematadas para consumo, nos termos do cap. 6-
tit. 3" do regulamento do 19 Tle setembro de 1S60,
os sens donos ni consignatarios devero despa-
cha-las no praso de 30 dias, sob pena de findo
elle, serem vendidas por sua conla, sem que lhes
lique competindo allegar contra os effeitos dessa
venda.
Alfandega de Pernamhneo li do jnlho de 1869.
_____________L. de C. Paes de Andrade.
O corpo provisorio da polica contrata o for-
necnnenlo de 400 fardamentos de panno azul (bo-
net. lana e catea), 800 ditos de brim (jaqueta e
caiga), 500 pares de sapaioes e 300 pravatas de
sola de lustre. Rerebcm-so proposias na secreta-
ria do corpo at o dia 20 do correte.
O secretario,
_________________Jos Gera Ido de Lima.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
IIO JE
Espectculo extraordlnaalo
ron
VR. PEYRES DE LU0L1V1D
KM IIENKFICIO DO
HOSPITAL PORTUGUEZ
O espectculo dividido em 3 partos, constar
das seguimos sones e presiidisitacao :
P1UMEIHA PAUTE.
A destreza de Blass Diestn.
O oraculj de Delphos.
O flto maravilli iso.
A passagem imprevista.
Las verbos de Gustavo III.
SEGUNDA PARTE. +
Una grande metamorphose.
O segredo da magia.
. _0 acaso imprevisto. .
Tao veloz como o raio.
A mulliphcacao.
TfiKCEillA E ULTIMA PARTE.
A profeca de Ruttsmoanihabe.
Troca por ti ora ( I instar da Boscj
A passagem dos Andes
Ailey (sorte indgena.)
Terminar to variado espectculo cm a expe-
riencia denominada
o iv< o?'tu:3ii;vsi% i i.
Comeear as 8 horas.
portos do norte.
l^esde j reecbem-se passageiros e ngaja-se a
carga que o vapor-poder conduzir, a qual deven
ser embarcada no dia le suachogada. Encoinmen-
das e dwhciro a frete at o dia da sna sabida as 3
horas.
Ni se reeebem como encommendas senao ob
jectos de pequeo valor eque nao excedam a dua*
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica*,
rudo quepassar deslcs limites devora ser embar
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que soas passa
gens so se reeebem na agencia ra da Cruz n. 57.
1 andar, escriptorio de Antonio l.uiz de Oliveira
Azevedo & C.
PNKsa-se
- Cadeia do Becite
l dito de eleclro-plate, COfta* 3
Tporla-licr, 1 bilhar comseus
otaria, 1 estante, 1 niachina.de
litros obji fahrr\de
CosmllOl
e de urna boa r >! ,,. fnra casa
leWM ra do Qii
53, ^^^H
lia i

Precisa-se
. COMPVXHIA BR.IS1LEIR.1
DE
Paquetes a vapor.
Dns portos do norte esperado
at (i dia 26 de julho o vapor
Toranthi*, eommandaiUe J. M
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os partos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deven,
ser embarcada do dia dosuarhegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia ds
sua.sahida.
Nao se reeebem como encommendas senao ob-
* de pequeo valor e que nao excedan a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med rao
rudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros quo suas passa
gens s se reeebem na agencia ra da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz do Oliveira
Azevedo & C.
Na Passagfci da Magdalena casa n. II.
O agente Paito far leilao por auto
urna familia qae rnudou do residem-iaf <
veis e mais obyectos acinM descrilos, existentes
na, rasa da Passagem da Magdalena n. li, sexta
casa esquerda denokda poute grande, s 10 3/4
do dia cima dito, na referida casa.
O mnibus para transporte (gratis) dos concur-
sles ao leilao partir as 10 o nieta horas em
para madeira ue
ONjua na!
iNwm* Abgad
a-sc I
do Amortm n.
rentes ao leilao par
ponto, devendo rollar da Passagem s 2 horas da
larde.
Quarta-fcira, 21 de julho.
Os mnibus para transporte (ralis) dos roi-
correnius ao leilao partirao as lije Vemeta no-
ras da manhaa, o priineiio da ra do Grep
segundo da praca do Orno Sanio, a qual vota-
r.da Passagem s 2 horas da larde.
remotos, ntame, et
tilhas
de serrador^
a traiar na
I
cten-
iiob*r>o o navi"t!-a
l i ni Sanio AtnWf i
OJflMlBUN
para o leilqr da Passagem da Magdalena.
i:i l lo j all o
As 10 horas em ponto do dia 31 do coi reato
partir da ra do Crespo uin mnibus com os con-
correntes ao leilao. As 10 1]2 horas partir da pra-
ea do Corpo Sanio (Recife) nra ontro com o mesmo
fim, devendo voltar as 2 horas da larde.
AttenpQ.
Urna pessoa habilitada se off^-ece para eaixeiro
de escriptorio ou mesmo para aigutn armazem da
negocio : os prtMuuentes diri.im-se a ma da Inv
peraliiz n. 16, ou anniinr Diario.
Perdeu-se. mu pinsm in v4iim
coe.degro U : qiieni o aehou, querendo
restituido, leve-o ra de Santo Amaro, sobrad*
n. 6, 1J an'iar, ou no c
ser gratificado.
consulado provincial, que
GOMPANIHA l'ERNAMBUUANA
Navegacdo costeira por vapor;
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os pollos cima
_ no da 20 do corrente a meia noite.
Ilecebc carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, ii) escriptorio do Fore do Matto-
n. 12.
CONCERT NORY.
O programma do concert ser annunciado no
mesmo dia.
O resto dos bilhclcs acham-se venda no hotel
de France ra do Commercio.
\
? A Baiana, grande composicao, executada a piano pelo Sr. Poppe e
acompanliada pela orchestra, dirigida pelo distincto maestro, o Sr.
J0S jCOELHO.baWosa.
2' niA i>o Trovador cantada pelo Sr. Silva.
3? Piff Paff I cansonnea, cantada pela Sra. Poppe.
V A Poesa do Sr. Palmkhum, recitada pelo distincto actor Couto Rocha, em
-aracter de soldado portuguez, a qual tem por titulo
GOMES FREIR
. Le cap concert, cansonnela, cantada pela Sra. Poppe.
0' Segunda parte da magia moderna pelo prestidigitador Clinton.
i Urna transformaro chineza.
2o A banqueta phantastica. %
3o A new triek.
4o Os frascos milagrosos.
7o Scena Cmica, muito jocosa, peloSr. Florindo.
8a La Madrilea, passo llspanliol dansado pela Sra.
GRANDE TMBOLA!
;.
A lotera constar: ~""
! De ura magnifico cacallo de sella.
2' Um excellente relojo.
o" Urna garrafa de Champagne. -
Este innocente divertimento ser feito por dous meninos escolna do res-
peitavel punlico.
Os bilhetes para a lotera ser5o distribuidos de modo a caber um bilhete
porcada 1W00. a excepcio das varandas, isto :
Camarotes de Io ordem 8 bilhetes da lotera.
dem de 3* ordem 10 ditcs.
dem de 3. ordem 6 ditos.
dem de 4.a ordem 4 ditos.
Cadeiras 2 ditos.
Plateas 1 dito.
N. B.
O cavallo estar- exposto durante o dia do espectculo porta doltheatro e
os premios restantes no escriptorio io mesmo theatro.
,f
{/
'
SEGUNDO FESTIVAL
Quarta-feira 21 de julho de 1869.
NA
TSBJZO. le oeevteja.
Ra do Sebo n. 35.
ESTREA DA COMPANHIA DRAMTICA
DO
v Gyinuasio Campestre.
Sob a direcelo do artista
DE GIOVANXI
honrado com a respeitavel presenca do Ezm. Sr.
presidente da provincia.
liiintn-fch-a 8 de julho.
Primeira representa cao pela companhia drama-
tica doGyinnasio Campestre, do excellente drama
de grande espectculo em o actos e C quadros,
ornado de msica e dansa, intitulado
ESMERALDA
Personagens. Actores.
Phebus de Chateaupers, capia
dos archeros do ro......... Sr. De Giovani.
Claudio Frollo......'......... Brochado.
Quasimodo, sineiro........... Florindo.
Gregorio, esludanle e depois pe-
lotiquciro................... P. Augusto.
Clopin...................... Freitas.
Estachio..................... Braga,
Copenolle................... Emiliano.
Procurador do rei............ > Silva.
Um offlcial.................. Henrique.
Um guarda.................. Marques.
O carrasco.................. N. N.
Esmeralda, bohemia.......... D. Jesuina.
Gudula, louca............... D. Olympia.
Falourdcl, estalajadeira........ D. Joaquina.
Homens e mullieres do povo, soldados etc., etc.
Denominaeao dos actos.
1. Aprocissao dos doidos.
2. A louca.
3." O assassinato.
4. A combinaco terrivel.
o." O refugio de Esmeralda,
0. O cadafalso e o perdi.
A msica do drama coni|>osicao do eximio
maestro portuguez o Sr. Francisco de S s'oro-
nha e ensaiada pelo talentoso e inspiradissimo
maelro brasileiro o Sr. Francisco Libanio Colas
Filho.
Terminar o espectculo com a representacao
da espirituosa comedia em um acto ornada de
msica e dansa denominada
COMPANHIA KBNAHBOCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Penedo em direitura.
O vapor agitarbe, commandante Honra, sesui-
ra para o porto cima no dia 19 do corrente
as 4 horas da tarde. Becebe carga at o d>a 17
as 3 horas, encommendas, passa uiros e dinheiro
a frete al as 2 li .ras da lard do dia da sabida :
no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PEBMlBCAA
DE
VivegavSo costeira por vapor.
Mamanguapc.
O vapor Oonrripe, commandant)! Penna. segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as C
horas da tarde. Recebo carga, encommendas.
pa*sagens e dinheiro a freto al as 3 horas da
tarde no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
; COMPAWrnAPERNAMBCANA.
DI
.Vavegaco costeira por vapor.
Paxahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
LEILAO
De diversos movis, um relogio de ouro
patente, duas correntes de ouro, uin re-
logio de prata, dous anneis de ouro,
um par de bptoes de, punho, roupa bran-
ca, Latinas, breviarios, porcao de ser-
moes em manuscripio e urna porcao de
livros.
O agente Martins far leilao por autorisacao do
Illm. Sr. Dr. Claudmndc Arauji/Guimaraes', cn-
sul de Portugal, dos movis, ohjeclos de ouro,
ronpa o livros perteneeules ao espolio do subdito
portuguez padre Auguslo Mara Ferreira Bote-
Ido.
Quinla-feira, 22 do correnlc
no segundo andar do sobrad >n... da roa da Ca-
deia, entrada pelo beccodo Campello, s 11 horas
do dia.
o a
m
_ Precisa-se do urna ama para cozlnhar e
do urna pequea familia : a tratar no Muzeu de
Joias.
LEILAO
De 1 4 eaixas com passas, id meias ditas
ditas, 51 quartos ditas, (lilas, 2 eaixas
com cha e G eaixas com GO latas com
verniz copal.
Quarta-feira 22 do correte.
O agente Pestaa rara leilao dos gneros cima
mencionados na quarta-feira 22 do crrante pelas
11 horas da manhaa na porta do armazem do
Aunes.
LEILAO
A criada impagavel
A msica desta comedia, excepeo de um nu-
mero, cmposta pela Sra. D. Jesuina e instru-
mentada pelo Sr. Colas Filho.
Tomam parte a Sra. D. Jesuina c os Srs. Pedro
Augusto, Silva e Di-Giovani.
Os bilhetes acham-se desde j no escriptorio do
theatro.
WL
De una vacea com cria.
Quarta-feira 21 do corrente
a 1 hora da tarde na Passagem da Magdalena.
LEILAO"
Ue 2 eaixas com cha da ludia.
Quarta-feira 22 do corrente.
O agenle Pestaa far leilao por conta e risco
de quetn perteneor do marca J M P n. 331 e 332,
-2 eaixas com cha da India vindas do Havre pelo
navio Sint Anaf em t de noveinbro de 1868 e
Eustaquio, seguir para os portos sero vendidas no armazem do Aunes no dia aci-

Lourenoo deMenezesCysneiroBandera de Mello
e sua miilher Anua Francisci do Reg Mello, con-
viilam a todos os seus prenles e amigos para as-
ststirom a urna missa resada, pie mandam cele-
brar por occasiao do priman) anniversario do fal-
leciineiilu ile -na mu prdRa ini e sogra Joanna
de Allemo Cysneiro, mi lospicio de Nossa Senho-
ra da Peana, no dia 21 do corrente s 7 horas da
manhaa ; e desde ja agradecen! qu> Has pessoa-,
que se dignarem de assistir a e-se acto de caridad
o religao.
Alguns amigos do fallecido padre Augusto
Mara Ferreira Botelho, mandam celebiar
urna flfesa o memento por alma do mesmo
fallecO, amanha quarta-feira 2t pelas 71|2
horas da manli \vx igreja matriz deS. Jos,
pelo presente sao convidados os demais
amigos e affeicoados do referido fallecido
para assistirem a este aclo de religiao e
candado.
Paulo Gomes de Almeida tendo de mandar ce-
lebrar u a missa no dia 21 do corrente, na igre-
ja do convento do Carmo, pelas 7 horas da ma-
nlia, por alma do seu prendo amigo, o reveren-
do padre Auguslo Mara Ferreira Botelho : roga
a lodos os seus aintgoa e aos amigos daquelle ti-
nado a assistir a esto acto de religiao.
_ cima no dia 31 do corrente as 3 hora'
Ja tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sabida bo escriptorio
io Forte do Mattos n. 12.
Rio Grande do Snl~
Para o porto cima i-egue com brevidade o pa-
tacho nacional Principe, recebe alguma carga a
frete, e trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 57.
ina mencionado as 11 horas da manhaa.
Maranho
Para o Maranho pretende seguir com
brevidade o hiate nacional Roza, para o
resto da carga que lhe falta, trata-se com
Marques, Barros i- C, no largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar."
PARA LISBOA
segu oin toda a brevidade a barca portugueza
Comanle III, por j ler parte da carga prompta :
para o que lhe falla e passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o capitao na praca do Com-
mercio.
PARA
Para o referido porto segu com muita brevida-
de o palhabote portuguez NovoJtootegido, por ter
a maior parte da carga tratada ;
Jue lije falta trata-se com o consignatario Joaquim
9s Goncalves Bellrao, a ra do Ce
n. 17.
e para o resto
rio Joaquim
Commercio
AVISOS DIVERSOS.
INSTI11T0 ARCIIEOLOGICO E GE0GI.M0
LEILOES.
Leilao
AVISOS MARTIMOS.
de velames, cabos, mcame, ferros, correntes e
tois perlences, 4 barris com breu, 4 ditos com
salitre, 3 eaixas cont"fcaz, 1 dita com phospho-
ros, salvados do hiate nacional Santa Cruz, nau-
fragad em Maracuja
IIOjE.
O agenle Pestaa far leilao p^r conla e risco de
quemoerteficer, com a competente autorisacao da
pjWiiade segurosIndemnisadorade todos
iijtos cima mencionados, lerea-feira 20 do
|correu(e, s 11 horas da manhaa, no armazem do
Sr. Loro, no Forte do Mattos, pelo lado da mar.
llavera sesso ordinaria quinta-feira 22
do corrente julho, pelas 11 horas da ma-
nhaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabamos de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, 19 de julho de
1869.
Jos Soares de Azevedo,
_____________Secretario perpetuo.
IMrKEffiAT
Cose-se costuras de alfaiate a moda fran-
ceza, por prego commodo, na ra Anguats
.n 112. e d-se anga sobre as mesmas.
Precisase de um eaixeiro de idade de 12 a
I i anuos, que tenha pratica de taberna, e d fiador
a sna conducta : a tratar naprara da Santa Cruz
numero i.
Francisco Xavier Soares e sna mulher, ten-
do de ret;ar-se para a provincia do Para, onde
preleudem residir por agum tempo, e nao Ins
sendo possivel despedir-se de todas as pessoas do
cu conhecmento, o fazcm por este jornal, envi-
ando-Ibes as suas saudosas despedidas, e offero-
cendo-lhcs o seu diminuto presumo naquella pro-
vincia ou em qualquer lugar onde o destino os
possam levar.
Na ra da Penha n. 25, Io andar, precisa-sc
de urna ama forra on escrava para ir para urna
casa de pouca familia noMnnteiro, napa-sp hem
Antonio Lopes Braga, Marcelino Jos U>uc--l-
ves da Fonte, Auguslo Cesar de Azevedo Guedes,
Francisco Jos Gomes, mandam celebrar urna
missa no dia 21 do corrente, pelas 7 horas da ma-
nhaa, na matriz do Corpo Santo, por alma do seu
prezado amigo o reverenda padre Augusto Mana
Ferreira Botelho. Rogam, pois, aos seus amigos
e do finado a assistir a esto aclo de caridade e re-
ligiao.
Jos Leopoldo Bourgard (ausente), sua mulher
mi e irmos, vem pelo presente rogar s pessoas
de sua amizade o caridoso obsequio do assistir a
missa, que por alma de seu linado sagro, pai e tio
o capitao-lenente Fra cisco Forrera dos San-
tos, fallecido diurnamente no Bio de Janeiro, tem
de celebrarse na matriz do Corpo San/o bo dia
20 do corrente, pelas 7 1|2 horas da manhaa, por
cujo favor desde ja apresentam seus cordiaes agra-
decimentos.
Eduardo Firmino da Silva, sua mulher e-seu>
fillios, traspassados de dr pelo fatal acontec rae li-
to de ifue fura victima seu innocente e infeliz ti-
Iho Jos Heliodoro da Silva, agradecem do fondo
d'alma a todos os seus parentes, amigos e conhe-
cidos a parte activa qne tomaran) em sens soffri-
inentos, dignando-se por ultimo conduzir seus res-
tos mortaes ao cemteriq publico. Por esta occa-
siao nao podemos tamban deixar de agradecer ao*
Srs. Drs. Prxedes Pitanga, Silvio Villas-boas e
Caelano Xavier Pereira de Brilo, a promplidao
com que acudram ao nosso lho e irmao na oc-
casiao de sua desgracia, e a coiitiiiuajao da seus
valiosos sen-icos. A sociedade beneficente Segre-
do c Amor da Ordem o nosso silencio explicar
melhor o que se passa em nossos coracSes. A*
vos, meiis irmos do Santissiino Sacramento da
freguezia da Boa-vista, um voto de nossa gratido
pelos ltimos obsequios prodigalisados aos manes
de nosso lilho e irmo.
Francisco de Oliveira Franco roga encarecida-
mente as pessoas de sua amizade que compare-
cain para assistirem as missas e memento que
manda fazer na igreja de Nossa Senhnra do Car-
mo, pelas 8 horas'Ja' manhaa do dia 24 do cor-
rente, pelo anniversario do passamento da sua
consorte, porquaulb se confessa desde j summa-
mente grato.____________________________
y>
i.
2.
3."
4."
6.
PROfiRAMMii
Zampa (ouvertura a pedido).............
Coquete (Schottisch)...................
Philemon el Baucis (entr'acte)............
Stradella (ouvertura)...................
Marche noptiale.......................
Abordagem a Parnahyba (Polka imitativa)..
ENTR4DA 1:000
Bemis dans le cas de mauvais temps.
Principiar s 8 horas.
Herold.
J. Coelho Barbosa.
Ch. Gounod.
Flotou.
Ch. Gounod.
J. Coelho.
COMPANHIA PEBNAMBUCANA
DE
.Vavegaco costeira por vapor.
Goyanna-
O vapor Parahyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 26 do cor-
rente as 9 horas da noite. Recebe
. carga, encommendas, passageires
ro a frete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. ti.
COMPAHA PEBNAMBUCANA
dito engarrafado, vi-
nagre, gaz e canteiros da taberna da ra da Ma-
triz n. 82, esquina da ro Velha.
da armaeao, vinho pm pipa
O agente Martins far leilao da armaeao e gene-
ra le
Navegagdo costeira por vapor
Macei em direHura e Penedo.
&
O vapor Gituid, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
_ dia 22 do corrente as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 21, encommendas,
passagens c dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do da da sahida ; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
RIO DE .IWEIBO
Para o Bio de Janeiro pretende sahir com
a maior brevidade possivel o brigue nacio-
nal Trocador, recebe carga e escravos a
frete : tratar com as consignatarios Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Santo,
n. segundo an lar.
Para o Rio Grande
frotarse o paraflho norte
neladas de carga : (i
numero 4,
on Rio da Prata,
Albert de 112 to-
na do Trapiche
ras acuna
as li horas do dia.
HOJE.
LILAO
* Si
DE
Fazeudas em concluso
HOJE.
Magalhes Irmos continuarn, por intervencao
do agonte Oliveira, o seu leila de fazendas, que
constar de chitas, madapolao, algodao, brins, eas-
sas, cambraias, panno, camisas e muitas outras
de difterenles denominarles e proprias do mer-
cado.
Trija-feira 20 do corrate
s 10 horas da manhaa,
da Cadeia do Recife.
em seu armazem a ra
Grande leilao
de ovis, louca, vidros e crystaes.
saber :
1 piano forte do fabricante Erard, i mobilia de
Jacaranda com i sof, 1 mesa, 2 consolos, 2 ca-
deiras do bracos, 2 de balanco o 18 ditas de guar-
nico, 1 lustros de gaz com 4 bicos, 2 ditos de 3
bicos, jarros e *asos paja flores, quadros com nas
gravurw de p> para forro
-carradeiras, 1 cama
fraaceza, 1 mesa e Iffcda-vestidos de Erable.
Na noite que precedeu o dia 16 do corrente
julho, furtaram do lugar Ambole da freguezia da
Vanea, contigua a pnvoacSo do Cachang, don?
burros, sendo um castanho e com este ferro P, ia-J,
teiro e grande, e outro rudado mais pequeo e
ti velho, tendo um caroco no espinliaco de nina
exiga velha, e uraberruga bo anus, castrado :
qnem destes animaos souber, pode vir ao mesmo
Ambol dar parte ao dono que moca nesia pro-
priedade, o qual recebando os gratificar com....
1003000.
Illustraco Acadmica
Sahe hoje o 2o n : a redaccao pede des-
culpa de nao tur podido dar dous nmeros
no niez passatii, como prometteu, em vir-
tud^ inmenso trabalho material cora que
acarreta esta empreza. Mudando de pla-
no, apparece hoje a Illustraco em um for-
mato de 10 paginas. Assigna-se no Bazar
Acadmico, Kvrara Econmicas e Acadmica,
Gabinete Portuguez do Leitura e na typo-
graphia da Opinio.
Jos Antonio de Oliveira tendo termi-
nado o negocio promovido nesta pradal
para a villa do Pilar tia provincia das
Alagas, no qual linlia parte .'ios lucros o
Sr. Jos Maria Garda, como se v do con-
tracto de dissolucao da mesma sociedade,
abaixo publicado. Declaro que se acham
liquidadas todas as transaceoes relativas
a tal negocio, nao s nesta praca, como
fora della. Declaro tambem ter definitiva-
mente mudado sua residencia desta cidade
para aquella Villa do Pilar. Al i tem aberto
seu estabecmento de molhados e carne
secca, na praca da Matriz n. 30, onde
vende em grosso e a retalho.
Becife 19 de julho de 1869.
Jos Antonio de Oliveira.
O padre Thomaz Colho Estima penetrado
da mais profunda magoa pelo infausto e in-
opinado passamento do seu collega e amigo,
o Bvm. Augusto Mara Ferreira Botelho, tem
a honra de convidar a todos os seus amigos
e do fallecido para assistirem a una missa
e memento no stimo dia, que pretende ce-
lebrar pelo descanso eterno de sua alma no
dia 21, pelas 7 '/i horas da manhaa, na ma-
triz de Santo Antonio desta cidade; e es-
pera que se dignar3o acceder ao seu convite
comparrcendo a esse acto todo pi e reli-
gioso por cuja assistencia desde j se con
lessa assaz grato.
Atfude Grande
O abaixo assignado, ni qualidade de adminis-
trador dos bens de sua mulher Jovina Cecilia Gue-
des Alcoforado Lins, que por terem fallecidos sena
tres irmos sem herdeiros, torna-a herdeira nica
do casal de seu pai Jeronymo Saturnino Guedes
Alcoforado, que aiem de alguns escravos e ani-
maes, possuia metade do engenho A*;ude Grande
na comarca de Santo Antao, como consta dos in-
ventarios que exstem no cartorio do escrivao
Francisco das Chagas Cavalcanli Pessoa, na cida-
de de Olinda, vem prevenir ao actual rendeiro da
dito engenho, o Sr. Antonio Francisco, para quo
nao contine a pagar toda renda por inteiro ao
Sr. Luiz Cesar Pinto de Faria, dono da outra nie-
tode, como se tem feito al agora; j fazendo doze
annos que sou casado.
E para que o mesmo senhor rendeiro nao alle-
gue ignorancia neste negocio em tempo- algum,
faz o presente annuncio como protesto de seus di-
reilos. Becife 12 de jnlho de 1869.
Manoel Marques Ferreira Lins.
ATTENCAO
Precisa-se fallar'com o Sr. Francisco Antonio
de Oliveira Sobrinho, em casa de Marques, Bai
& C, no largo do Corpo Sanio n. 6, andar.
,


.. i
4
Diario de Pernanibuco Terqa feira 20 de Julho de 1869.


i-rriLin
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
>
IICIIT11 U GI1ITAITI1IRTI III CI1PL1TI IIITIIERM Bl
CHAPEOS DE lOLl
De todat as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os procos t
RA DO CRESPO N* 4
(ME RE MW'GTAPE
ADVOCACIA.
O hachare! Augusto Carlos Vaz de
Olveira, lein aberto seu scriptorio de
advocacia na cidade de Mamangnape
(provincia da Parahyba) onde pode ser
procurado.
Resta capital podem entender-so oom
seuirmao o Sr. Justino J. de S. Campo-,
ra do Hospicio n. 23.
Ti'ocam-se
.s notas do lonco do Brasil e das caixas filiaes,
:om descont muito razoavel : na praca da Inde-
mdeneia n. 22.
19Rua Nova-19
FRElIfiRICO UJTIJBK
cirurgio-denlista, muito eoiihecidu ha dez amos tiesta cidade, pela perfeieo dos seus
trabados, lera a honra le participar ao respeitavel publica que tendo feto muitos mc-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora .iv:irit<; receberaa seuhoras no seu gabinete onde
ichar2o os commodos precisos para familia.
Acha-se tambera na sua casa e na sua compaubia, o seu sobnnho c discpulo
ATTEN CO.
Multe se precisa fallar con o Sr. Manoel Cval-
es nli de S Albuquerqne, na praca do Corpo Santo
n. 17, a negocio de seu nieresse.
Gratificaqo.
Tendose perdido urna pequea caixa redonda,
da tartaruga feta, aeo aun chapa de aura-sobre
a lampo, conloado a firma J. T. S. A., e a cuja
caixa liga o dono a manir eslima, |h>r ser una me-
moria de un seu mili prezado prente, roga-se a
pessoa (pie a liver aehado, que, por sua hondade
qneira leva-la ao estahelecmcnto de cahelleiretro
do Sr. Jiyme, a ra do Qucimado, sobrado n. 6
1 andar, a qual recbela o valor da mesma caixa,
alm de su lita liear asss agradecido.
scriptorio de advocacia
O Dr. Joao Tliom da Silva transfera
o seu scriptorio de advocacia da ra do
Imperador para a ra do Qucimado n
31, andar, por cima da loia de fazen-
das do Sr. Antonio de. M. Rolim, entrada
pelo pateo de Pedro II, aonde pode ger
procurado das 10 horas da manhaa as
3 da larde.
nwWillMstti W
O advogauo
Alfonso do Albuquerqne Mello mndon o seu es-
ripiorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typograplna do Diario.
RAVIOLI
Os apreciadores de manjares delicados
encontrarn todo* os domingos, no hotel
central, de Francisco Garrido, a verdadeira
sopa de ltaviidi do verdadeiro gosto italiano:
assim como nutras excellentes iguarias que
seria enfadoulio mencionar. Ahi se en-
eontraro qinda os mais asseados aposen-
tos para hospedes, banhos, buhares e piano
par recreio dos habitantes: ra larga do
Rosario n. 37 Io andar.
Troca se urna imagen) do Senbor Cruciiira-
do, de marlim, obra fe i la na India, propria para
rapella de ongenho |>or ser em ponto grande, eem
:\ compelite cruz de pao santo, era-vos, resplan-
dor do rala, obra de mullo posto : na ra da
Guia, taberna n. 7.
de \olturde urna tonga viagem a Europa, durante a qual
o qual acaba de \ollarde urna longa viagem a Europa, durante a quai pralicou com
feliz uccesso as primeiras casas de Pariz ede Londres, ofiterecDodo assim as memores
garantas do bom desempenho para tudo oque for relativo a profisso ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontraren! no seu
gabinete, depositen! no dito seu sobrinbo a inesma confianca coia que o tem honrado
a dez anuos.
Dentaduras por lodos ossystemas: a pressSodo are com mofn de ouro, platina
vulcanite e um inteiramentenovonesta cidade.
Cura radical dos denles cariados.
Chumhagens (obtorardes) com onro e com massas diversa, segando os casos.
Iteniedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos dentnlicios fabricados pelo proitrio a anunciante,
Car sua boa qualidade.
Escovas para denles, etc.
Perfeieo de trabalho e prepos moderados.
priagen para fora mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das rt horas da manlia ateas 4 da larde de todos ds
das uteis.
Arrenla-se ou vende-se o engenho Paiermo,
moente e corrente, com todos os seus utencilios,
situado do Paco de Camnragbe, provincia das Ala-
(goas, e juntamente a parte do terreno denominado
Condado, pertencenfo ao mesmo engenho ; aira-
tato o tar com Antonio Roberto & Filhos. ra Xova n;-
niero i:!.
DIVIDS
16
C01EIT ARI1 DOS >
16 RA DA CRUZ
S. AXTOXIO, S. JOAO E PKMHO.
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, podins, pues de 16, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de dilerentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas confeiladas e cOnfcKbt. Vinhos finos engarrafa-
dos, superior cha llisson, pretoe niiud'mlio, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
;isadas, assucar candi, xaropes- refrigerantes.
Hecebe-se encommendas do bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armaces de assucar, sendo estas prel'eriveis asdepapclo: bollos etc., pes
de lo enfeitados, qualquer encommenda para lora ser bem acondicionada.
11 Ra estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
gante e bem fornecido hotel que situado n'uma posico inteiramente saudavel, e sen-
jo constantemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se preferivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distraeo da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo una casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; no
primefro andar, sala da frente, um excellente buhar de mogno, para diverlimento. Sala
ie traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e beinl'eitoria das comodo-
nas, o delicado modo do pessoal do eslabelecimento, promptidSo e commodidade, s
os illnstres concorrentes dado fazer justica.
Forneee comidas para fora, tanto por mez como avulsa. Todos os das, noite,
^ncontrar-se excellente sorvete, refrescos, caf, eb, bons vinhos Figueira, Porto, Bor-
deaux, tendo bons commodos para hospedagera, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
0 abaixo assignado, hoje possuidor das dividas
do casal do tallecido Jos Haptista da Fonseea Ju-
nior, arrematadas em Icilaa publico, pede nos de-
| vedores do neacoo casal so dignen) salislazer seus
f debiws no praso de 30 dias, a contar da dala dcs-
0 quelhe permiti afian-jte; fiud o (nal proceder judicialmente ;i dita
, cobranza : na rus das Cinco Puntas n. 81
Recite 13 de julho de 1869.
Joao de Azevodo Pereira.
IMaITWhtlSa
Aos 4:000
Billietes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme
U abaixo assignado tendo vendido nos -eVnvoi-
10 felizes bilheles garantidos I inteiro n. S-33 "om
a orto de i:000. 1 mcio n. 813 rom a sorle de
700 e outras limitas sortes .le 1005, iOl b 20*
da lotera que se acabon de exlraliir em bene-
licio do patrimonio dosorpbaos (1I3*J convida aos
possuidores a viren receher seus respectivas
uremios sem os descontos das leis, na casa d,i
\ Porruna ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da i- parte da lotera
| neneflcio da Santa Casado Misericordia (114*)
le se ex trabara quinta-eira 2 do correnf? mez.
Preeos.
Bilhete.....4*000
Meo.....2^000
Quarto.....1000
Einporcae de 100/ pa,ra cima. -
Bilhete.....35S00
Meio......I#7o0
Quarto..... 875
Manoel Hartins Flua.
Muita atteneo.
Fupo no dia 29 do passado mez, as 7 horas da^
mantiaa, o eaeran Manoel, nacao Angola, idade de
"0 aanos, ppueo mais ou menos, com os ?jtnaes
seguintes : falto de denles na frente, andar vaga-
roso, pernas finas e marcas de bexigas, levou ca-
misa e calca de nscadinho e chapeo de palha ainda
novo : roga-sc aos. senhores capitaes de campo,
que se o appreliender leve-o ra. Direita n 16,
que sera > generosamente gratilicadns.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez ter lugar na
na noile do dia 21.
Pihuas de Bravina
Eslas prodigiosas pillas sendo applca-
das as pessoas acommeltidas de febres in-
termitientes, sao incomparaveis em sua elfi-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, achando-se nicamente venda na
botica n. 3 ra Direita desta cidade.
"fTLTaS ~
\m BOUBATICAS
Cura radicalmoiite as bonitas.
nico deposito.Pharmacia de Joaquina
de Almida Pinto, ra larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao quartel de polica.
\AROPE
DE
SUatt PARItlLHV 1)9 M
ou
Depurativo do sangue
U#do as molestias de pelle, impigens,
dores rheumaticas e ulcera1? venreas,
L'MCO DEPOSITO
Rita larga do ltosarlo n. I O.
/ IONTO AO QUARTEI. DE POLICA
Pemambuco.
AON OIOOO^OOII
CASA DA 0I1TI
Risa do Crespo n. 93.
O abaixo assignado tendo obtido lieenea da pre-
sidencia e saiisfeito as outras exigencias da tei,
avisa ao respeitavel publico que ter sempre
venda no ii eteheleeimento Mneles das lote-
ras do Itio de Janeiro, cojos preuiio sero po%os
promptamente i vista das lisias com o descont
smente da le;
l'.r.os : imeiros.. *5fl00
Meos... 120O0
Quartos. GOOO
E em qnantidade maior de 1005000 na razao
de 22-5000 por bilhele.
Manoe! Mirlns Finta.
= A viuva e herdeiros de Julao Pereira Mat-
toso declaranra quem mieiessar possa, que nun-
ca pretenderam vender o seu engenho Bom Desti-
no com o fim de eximirem-se do pagamento dos
dbitos legitimse por ttulos legaes do dito fina-
do, como quer fazer crer o nterpetivo annuncio
que o Sr. Jos Gonealvcs da Pocha fez publicar
no Diario de Pernnmbuco de 10 do corrente mez.
Esta deelaraeao fazein os annunciantes por amor
de seu crediio, que muito zelam ; e convidan! o
mesmo Sr. Rocha a apresentar os ttulos de que
se julga credor por si ou pelo seu cnratelado Joao
Francisco de Olivera.
Ama de leite
Preeisac-ede urna ama de leile, o paga-se bem,
sendo boa: na ra da Praia n. 1. Na mesma
e isa vendem-se cliarutos linos, sendo das marcas
exposico, flor de suspiro, lricos, palmeiras, para-
gua>s, almirantes, brasileiros, lembranca do fa-
bricante.
MEDICINA
O Dr. Alvares Gumares, cuja praiica
das chuicas data ja de nao poneos an-
nos, faz publico que se propoe aqu a
exereer a medicina em tiidos os seus ra-
m s. tendo por espacialialidade nem s
as Inifrepcslas, as molestias uterinas.
las vias miliarias, da bexga o febr*.
como anda as amputacoes, fraturas, hy-
droceles e operaedt obsttricas (concer-
nen tes aos partos); para o que tem aber-
ro sen consultorio, ra du Imperador
n. 17, 1' andar, onde dar consullas das
8 as 10 horas da manhaa e das 5 as 7
da tarde.
Declara ontrosim, que ussr as mo-
lestias -.phillicas do tratamento esia-
belecido pelo celebre sypbilograpbo Ri-
I card, que na operacao do cclropion em-
pregar.i o rpido e proficuo procsso do
profesar Vidal, de Cassis, para o que
tem apropriado* tastrameotot,- o ifne.
as d.iiiais operacoes e molestia-: pora
em pratca o methodo ou procsso, que
or mais son cutneo seienca, c que
mais vantagens possa anfrjr aos doen-
tes.
Promelte, finalmente, entregar ao l-
vre e generoso alvedrio de seus clientes
a estimativa e pagamento de seus hono-
rarios, o curar gratuitamente os pobres
offerecendo-lhes, alm disso, alguns me-
dicairentos propros conjurar seus
males.
No dia lo de junho passado, fugio
da padaria allcma (segundo avisou o res-
pectivo dono), onde esta va alugado, um
mulatinho escuro, de nome Justino, de
13 para H annos, baixo, reforcado, gago,
anuas grande^e um pouco viradas, traja-
va camisa de argodiiozinho e calca de brim
grosso cor de rap: costuma quand foge
incalcar-se como forro ou orphSo. Consta
que tem andado por Olinda, Arraial, Poco
da Panella, Monleiro, Apipucos e Caxang,
ao servido de alguem, contra o qual se
protesta fajer effectivas as penas da> lei.
Entretanto, quem o apprvhender qoeira
leva-lo ra da Aurora n. 26, onde ser
recompensado. Hoga-se s autoridades po-
liciaes qno bajam de diligenciar a appre-
henso delle.
i3alli lisia SaBeoB aB SHB888
O advocado Dr. Antonio de Vas- j
concellos Menezes de Drummond,
mudou o seu scriptorio para a ra
do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio do
sua protissao em todos os dias
uteis das 10 horas da manha al
s i horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser encontrado no seu
domicilio, na da Aurora n. 26.
wmsmwsmsm mm mm
Na ra da Aurora n. Si, 2o andar, precisa-
se de urna boa ama de leite.
Piecisa-sd alugar urna ccrava cozinheita para
servioo de una casa de pequea familia : na ra
larja do Rosario n. 31, botica.
gEMPRESTIMO SOBRE!
nnuB
(SEM LIMITE.) -
Na Iravcssa da ma
das Cruzes n, 2, pri- 1
meiro andar, da-sc qual- g
i quer quantia sobre onro, 3
S prala c pedras preciosas. 1
O dono deste estabelecimento, ^
^ competentemente autorisado pelo }r|j
Wi governo, est as condiebes de ga- B
j[ ranr a transaeco que se lizer em
ffl sua casa, promettendo todt e zelo ^j
| e consideraco s pessoas que se g
dignaran de houra-lo em seu esta* I
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro, si
' prata e brilliantes.
PADAKtA.
Tasso Irmaos precisa contratar para o Rio Gran-
de.do Norte dous trabalhadores de padaria para
fazer o.enren de masseira. cylndro e tendedera :
quem se actiar tiesta* condicoes queira dirigir-se
ra do Amorim n. 39.
' -rreira da Silva, de volts,
H da vtageiu i;:;e lizera a Pars, contina
B como il'aiib's no exei'cicio desuaprofis-
JSf "'a" '''-''...... ua residencia ra lar-
^ ga do P,o--.:-!o i). 20.
EfflDO m PREPAIATOUOS
com repoUc.o para os alanaaoo
que tni de fazer evaue em
novemhro. %
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua o liltoratnra naelonaf no gymnasto
provinciui do Hecife. tem aberto "em sua
casa, roa Bella, ;7:
UM curso de
i.rxr.i'A pranckza ;
i'iiiLosoriiiA:
OEOGRAPIIIA E HISTORIA;
HETIIOIUCA K POTICA.
Os exudantes que pretenderem fazer
exame em novembro em qualquer destas
materias, podem dirigir-se indicada re-
sidencia, tarde, das 3 horas em diante.
Ama de leile.
Prccsa-se de una ama de leite
ra Real (Estancia) n. 8, sitio.
a tratar na
Ama
Precisa-so de una ama para cozinhar e comprar
para casa de pouca familia : na ra das Cruzes
u. 28, lu andar ; prcfere-M oscrava e paga-se
bem agradando.
FIO DEVELA
Barbante
Em casa de Rabo Sehmclau A- C. Corpo
Santo n. lo.
SHERRT 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COCtXAC HF^^KSSV.
Em casa de Rabe Schmetlau A- C. Corpo
Santo n. 15.
SUPERIOR.
Roussillon, carte blanchc.
IJm easa de Rabe Sehmeftau %
iS. Corpo Hant n. 15.
YINHO
DE
BORDEUX SUPERIOR.
CIIATEAU LA ROSE.
CHATEAU RAUKAM
Em casa de Rabe Sclmuitau A- C. Corpt'
_______Santo n. IS.
PERFI \li:"lNi:\TlNCllVElL
Pam o Lenco, Toicadoii, e Banho.

50.Ra d'Assembla.50
Os abaixo assignados tem a honra de
participar ao respeitavel corpo commercial
desta praca, que abriram seu estabeleci-
mento (Je fumos e casa de commjwoes,
nesla cidade, ra da Asembja *T SO.
tendo sempre completo sortimcnlo de fumo
em folha, das melhores e mais acreditadas
marcas de Nazareth e Cachoeira (Baliia) fa-
zendo negocios de sua e allwia conta, rc-
cebem escravos, navios e qualquer outros
gneros consignaco, promettendo res-
triccao e pontu.ilidade no comprimeuto de '
qualquer mandato de todas aquellas pessoas
que se dignaren! obsequiados.
Rio de Janeiro 8 de julho de 18G9.
Yiisconcellos cfc Malta.
Precisase de urna mulher que saiba ler e es-
crever para so oceupar de duas cranca de 5 e C
annos deidade, c Ihes ensinar os prirceiros rudi-
niOBlos da Ungoa porlugueza : quem estiver nestas
condicoes annuncie por esU folha, ou dirija-so
O. V. nesta typographa.
THSO
Fugio boje, 16 de julho, da fabrica de rap, n.
107 ra do'Mondego, o escravo Benedicto, crtonlo,
de idade do 20 annos, baixo e cheio do corpa, um
pouco cambaio, com pouca barba, fallando de va-
gar e por entre os denles quem o pegar, entren
gne na mesma fabrica que gratificar com gene-
rosidade.
i I
Fugio
no dia 1H do corrente o molequc de nome Luiz,
lpt.r apelide Cachimbo), de idade 12 anno, ventas
arregaicadas, pernas tortas, levou calca de ang
aziU e camisabranca : quem o pegar queira levar
fuudicao da ra do Brum n. 101, ou ra de
Paysndd n. 35, que se recompensar!.
e se reottpi
arca^H
Predsa-se de anr catjmro para ajudar ontro:
ua padaria da roa Difeita ios Afogados a. 66 A.
COMPANHIA
DOS
TRLHOS URBANOS
DO
RECIPE A' (HJM)l.
Por ordem da directora silo convidados
os Srs. accionistas effectuarem no praso
de 15 dias (a contar do dia lo do corrente)
a terceira prestarlo de suas acees- na ra-
zio de 10 % Para ess6 fim ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteis'
'desde as 11 horas da manhSa at s 2 da
tarde no seu scriptorio, ra Nova n. 3'J.
O accionista que nao realizar a impor-
tancia da prestaco no praso determinado,
perder em favor da companhia as presta-
foes anteriormente reatisadns. (Art. 8."
dos estatutos).
Reoife, fTde junho de 1869.
r secretario,
Iheo. Just.
Criado
Precsa-se de uro criado fiel e activo, para cxsa
de pouca familia : na ra do Imperador n. 73, 2o
andar. ___________ ________________.
O pasageiro que no trpm do dia 14 pela
manhaa llie cahio o cnapco da cabeca, drija-se
ra Augusta n. 70, que dando os signaes certos
lhn ser entregue, p;gando o mesmo este an-
nuncio.
No dia 8 do corrente, ausentoo-se da casa
de seu seu senhor, a escrava Januaria, com
os esles signaes: alta, mag-a, cor fula, testa
pequea, olhos grandes, beicos grossos.
den{es alvos e perfeitos, ps grandes e cha-
tos, andar vagaroso, falla muito descansado,
levou vestido de chita roxa j usado, casa-
veque de 15a azul j velho, saia de algodo-
sinho branco e camisa de madapolao;
natural do Cear, d'onde velo ha um anno,
e suppoe-se ter seguido para a estrada de
Afogaaos, perianto, pede-se aos caplies de
campo, autoridades policiaes ou mesmo a
qualquer pessoa ooe a capturen! o levem-na
roa Direita n. liNegundo andar que era
generosamente gratftleado. __________
la ra da Saudade n. 2, precisa-se. alugar
uba esclava para servijo de coznha c compras.
Sublime pnblicaro littcraria sob o
titulo de Memoria do Bom Jess
do}MSnte, em Braga.
Acha-se venda na loj da ra
do"Crespo n. 23 A, esquina da do
Queimado, a Primorosa Memoria
do Bom Jess Jo Monte em Braija,
ornada de'gravuras linas, segunda
edicto, obra da penna de ouco do
mui Ilustrado lenie da oaiversida*
de Coimbra, o Exm. Sr. couselhei-
ro Dr. Diogo Pereira Foijaz de
Sampaio Pimentel: qu;in tiver no-
ticia da extraordinaria devoran que
cxisle em Portugal para com aquel-
mi lagrosssiina imagem, atlluindo
sempre para o seu inagestoso tem-
plo em comaria, o numeroso povo
'de todas as partes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes
descrijicoes, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio Iliterato portuguez, nao dei-
xarde proeui'ar quanto antes pro-
ver-sc de um i:\eraplar di dita me-
mora. pelo dimnuto preco de 3,
na loja cima indicada, onde j ha
pequeo numero deltas.
Precisa-se
para acompanhar urna familia que se retira par
o Rio de Janeiro, de duas criadas acostumadas a
viajar e cuidar de criancas : a tratar na ra do
Commcrcio n. 34.
! = Alug-sc a casa n. t da iravessa das Bar-
reiras, a qual lem i salas, 1 gabinete, 13 quartos
espacosos, coiinna fora, quartos para negro-, eo-
cheira, galmheiro, e mais accommoda^oes, com
um grande quintal lodo murado, e plantado de sa-
[>otissHSK>s, larangfiras, romeiras, golabeiras, bana-
neras e mais frucieir:is : quem a quizer -lugar di-
rija-M a estrada de Joan de Barros, silto n.- 84.
J.
Nao pode seguir no primeiro vapor, porque os
reguezes nao vieram ,-ahhr suas comas como foi
annunciado pelo Diario de Pernamlnwo : acs fre-
guezes que se apresentarem pan pa?nr suas con-
las, passando de um auno fac abatiinentn do o
por cento, os que nao se apresefllatem'yerao cha-
mados pelo Diario, como so disse em outro an-
nuncio, visto que ignora-se suas moradas.
Faz llquidacao
H
Fazendas
Cosiume inlems, cortes ile caifa e coHete*, cortes
. de calca e collete M eaemra do cp.
Brim de linhofino da cor.
Cortes de collete deeda preta ecaasemira de cor.
Presos rasoaveis, ra do CommeFcio n.
1, Io andar.
A MUI.APAMADA
O&tiA DE FLORIDA.
DE
MI I til V A LAXH/V.
lie u mais delicado e mimoso e ao mes-
mo lempo o mais estavcl de todos os per-
fumes, e enterra cm s, no seu maior auo,
de excedencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, qoando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como ummeii'
seguro e rpido allivio contra as dores oV*
cabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ii (linarias do accidentes hyslericos; de
sunima efficacia c nao tem outro que >
iguale. Igualmente, miando destemperad.i
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos denles,
aquella alvina e aperolada apparencia to
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como un i.uiedio contra o ma hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamonte excellente, faz remover neu-
tralizar tedas as malerias impuras que se
cria toda dos dentes e das gengivas,
tornjndo-as duras, sadS .: d'uma linda cor
encarnada. Quafito a delicadeza, riqueza
parman encia do seu fragrant aroma, ella
por corto nao tem igul; c a sua supe-
; riori'iade sem rival. Ella igualmente tor-
jna-seuin meio mui excellente, para fazer
reiiinvev de sobre a pello do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulires, sardas.
panno, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della Como reme-
!J dio para fazer desaparecer qualquer um
desle (lisiigiiramenffi-. tfos tanto desfei-
am Whidas feirlies do be.llo sexo; devera-
se usal-a n'um esUulo de diuico. dcstem-
perando-a n'uata pouca d*agua -.jiorm no
iralamento de qualquer espiaba, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravnl meio de com-
municar as feices trigueim e palllds,
urna pelle macia e d'uma .aiisjiarente al-
\ ni i, dahdo-lhe urna linda cor de rosa :
para uin lal (un, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teeni mvntado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Uem entendido ludo islo se refere unida-
mente a Agua de F&m>A jik Mi*rray A-
Lanman.
As imitaces que se lem feito na Franca.
Allemanha, assim como em outias partes ;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tanio recommenda-se mui especialmente
s geahoras, que tenhm toda a precauc&o
e cuidado, de quando comprarem, estejaro
certas que compran.
\ Geoin
AGA DE FLOIUDA
ni:
MliHH \Y A LANMAN,
A qual pre.par.ida sino is uui .-
Pn.prietnri
LANMAN KEMP,DE NOVA \()M
Acha-se a venda nos esbmsiecmientos Ai Ciors. .1. da <;. Bravo. oVC. P. Mau-
rer G. A. A.JWho/. Bartholomeu, & C
Caixeiro
. Precisa-sede um caixeiro que tnha pratca de
taberna: no pateo do Terco n. 32.
rro
No sitio grande do brlgadeiro J>iai)uin Bernar-
do de Pigueiredo, na estra.de ioh* de Bari
existe um bui que foi ap|.reliendido ua. l diusl
destruindo r. hvoura ikIo : quem for seu
ser entregue, mediante; porrin,. o pajatnrnto do
damnocausado, snstent^e de*peza imi'presento
annuncio ; do cnario ser retulhldo no deposi-
to e aJtottiatado em ptaca como bens de evento
pira f pltflmento cima descripto.
Preeisa-se comprar um ecravo tanoeiro
ainda mesmo que nao seja perito nesse ofcio : >
tratar no scriptorio de Jos Victorino de Rezecda
& C. ra da Cadea n. 52,1. andar.
mm


fcSiiVr" '' 1



'' i Hi
1
\
I
'
Diario de Pernambuco Terc,a fetra 20 de Julho de 1869.
ESMERALDA
a
r
Ama
Precl ma an
i do Veras
Na estrada de Joa> do Barros, por onde tem de
pastar os trilhos de ferro para'Reberibe, -se osla ..
retalhaiido uia excelleiile terreno r>m grandes' rJjJLH'onne'v *
9
P
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
Xa o largaremos at que..........
na rua Direita n. 33, toja de que
se deseja fallar ao Sr. Antooio Francisco rj&nrto
ou seu irmao ex-deputado provincial r, Maxi-
iiitano Francisco Duarte : deve saber quem e....
Ama de lete
Preeisa-sc de nina ama de leite sem filho
fundos e diversa* fructeiras, na denominada ra
da Hora : a tratar na mesina ra n. 3, ou na ra
da Imncratriz n. 71.
>> Antonio fia liveira e Jos Mario
tarda, oste natural de Hespanha eaqueHe
ilo Rio de Janeiro, ambos domiciliarios na
YHIa das Alagens, e presentemente n'esta
'.idaile, tem dissolvido araigave. luiente a
F; sociedade que tinliam no armazem de ge-
i). ros de estiva, silo na praca da matriz
r"* da mesma villa, n. 30, sendo que a mesma
sociedad* era era conta de participacao
. | '9W, ~ww' J** sem firma social, assignando c gerindo cada
: V 00 inn con seu mimo individual j bem da
iooiedade, e pelo presente dao a referida
SOOiadaJt per liquidada, licandoo estabele-
cimento com lodo o seo teluro e p.osivo a
completa reforma no seu estabelecimento r:'Td0 ex:S,:i0 J''>vril,,ni0,lc0liv?'a:
wvivvuubuvv,!, miciramenic exonerado o ex-socio Jos
ia Garca, de toda e qualquer respun-
bilidade inherente dila sociedade, re-
celando o mesmo darcia a quantia- de
5I8>000, com a qual se d;i por satisfito
d.i parte que tinha na socledide. desis-
'ndo de qualquer direito que pontntora i
t nha contra o ex'-sicio Oveira ; e desis-
titulo este de qualquer aeco crime contra
RuadoQucimadon, 49 e.57 leja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata c Stlva conhecido por
Jos Bgodinko.
Est quemando tudo quanto tem em seu
OfTereeo.se para fertor de engeuho~uoiapes- Stnlx-L-cimento para acabar e fazer novo
soa com as babiliueoes necesarias : a tratar na J -SOi lmenlo, por isso queiram vir ou mandar
na
ra de Ranjjol n. !).'
__ [,ver o que born e barato.
preta captiva (uie'Garr; : .agua florida ver-
ll,! j daduin: a .
iu" | Garrafas com ag*ba\livna dame-
roorquaUdade ....
Latas cora superior banha fran-
ceza a : .
Caixas com 12 frascos de ebeiros
ptopiio para mimos
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a jjj
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta! i1 ,u,!l5 '",,n;'Hvo "0 p*;';l ,1,
r *"** .i**v www*** w ***u.\s *i wmum |t.z 00 jornal m Commecab da mesma
provincia de Alagis. E por estarem con-
formes mandaram pausar a presente em
duplcala.
Recife 17 de jnlho de 1869.
km Antonio de Oveira.
.!<'< Mara (arrio.
pra vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
Magalliacs fazcm sciente que uenla dala eimipru
rain ao Sr. Francisco Torres da Costa o seu eta-
uclecinientii de carros de passeU), sito ruadas
Florea n. *3B, Ifvi --nbaracado de qnacsqner
odo*. Os aunnmrianU's ewfio tfispottos a bem ser
vir aos freguezes do musan estabclecimenio, ou a
qualquer outro que se digaar proevn-lt, espe-
r.iu lo por isso a inaior concurrencia. Recite 19
dejulho de isr.-i.
_IlRllMCiifiAJ._5_
ALGODAO
L6JA DAS HACIIUAS
- Fugio no da I i do crreme a escrava .le
nnniri Mara, com os -igoaos segninies : cor par-
lla, idsie de '*) C tantos anuos, cabellos cimipridos,
vestido de chita ja usado, rosto desca nado, falla
' muito qnand > toma sen vintcm da patricia : quem
aprchi-nd-la e leva-la roa da Camboa do Quino
in. \i, ser geaemouwntp viatiticado.
Fu|in dowigeiitni OtCfimndas, de llamarae,
i no din t do correte, oescravo Vicente, crioulo.
j de O anuos poueo mais ou menos, s^u barba,
pcco do corpo, pemas nlguma cons.i ganibetas, e
canlioto. Uontem vindo en para esta praca en-
i coatrei era camirtho o Sr. Antonio Pinto, liho do
Sr. I'ucbio Pinto, e esse moi^j disse ao met por-
! lador (com quem conversn), que tiuha (tasado di-
itoescravo em casa de seu pai, no sitio Mulata?, em
Itapissuma, no da t.'i do crrente. Hogo s auto-
j i la los o capitaes de campo a captura do dito es-
cravo, que ser generosamente gratificad e pro-
testo centra qualquer pessoa que dr passagem de
qunlqii ;r furnia a esse escravo. Reeife. 17 de ju-
.MAUiLNA> am.iicanas de serrote de todos os lamanbos para descarocar aigodo, dtojlho de I8fi!>.
mni.o conhecido fabricante Eagle Colln Gin. bgr i'.ord'iro Cm .i^mtede Albiigutrque.
>K\tUINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamaitos para descarocar, Aojja^emna ewrwra peirfca eerinhera : a
godo do autor New York Cotton Gin. : tratar na inaca da Independencia n. 5, ou na ra
M4GHINAS ditas dd lodos os taantes, di carreta de ferro c mais toda a machina. |da ,:ncordia 58-
MACI1I\\> dras de Roller Gins, de cojo trabalho faj obter mais 2.000 em an-oba!
de algodo.
UVCHIXAS de faco do fabricante l'latt :. dbdlian Patent- -Liverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade e as melliores que im
vindo ao mercado ; o para a sua apreciarlo co|vidam>se os senhores agricultores *
Precisa-se de una aun que co/.inh e com-
pre para casi dirpoaca familia : na ra estrella
do Posarlo n. 2i, l" andar,
= fJWmi precisar Je um;,- a-.ia para Cozinhar,
dirija-sao pateo do Terco n. 28.
Olub Peraambucanu
Em consequencia de militas familias se
retira rom para o campo no mez de dezem-
bro, a directora resolvea mudar o h iii.
animal de tude dezembro para odia ti du
setembre prximo futuro.
ATTENCVO
Pfectsa-se alugar um escravo para ser-
vico de urna cisa de familia: tratar
no largo do Corpo Sanio n. G, segundo
andar.
dentcs fazenda
de cores
virein a expsito das mesmas na ra da Cadea do Recite n. 6 A. loja do Bastos, onde i nrin< nn no.lins
m>COlltr;ir5n mais n omiinln prtOS pal 3 pOUUS
encontrarao mais o seguinte :
Uebuliadores para milbo.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinh.is de rno.
Machinas jura cortar sapiai.
Cannos de cfiarnbo.
Bombas d! J ipy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Eolhas de zinco linas.
Ditas de cobre e lato.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados america
Faces ditos.
Balaios e cestas de verguinha.
Vssouras aniericaiM.
Folies de todos os (amanaos.
Tornos e safras fiara ferreiros.
Finalmente muitos
outros arlig
diversidade seria ent'adonho ennutnera-los.
Folha de ferro.
Balanzas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
llaafcs de madeira ditos.
Ternes de bandejas finos.
Tren completos para co/.inha.
Penciras para padarias.
Baldes galvanizados.
Correntes de ferro para almanjatras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engmmar.
Moinhos para refiuaces.
Azeite de espermaceti', profiri pata machi-
nas de toda as qualidades.
Senas avulsas para machinas.
Mancaes e todos os mais perteik'es para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertoncenles lavoura e artes, que pela
A luja de louca, vidros, porcelana e
jehristaes. da ra do Imperador n. 46,
jalera do explendido sortimento que tem
destes artigos, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
" e pastelons, cafteiras
etc., etc., tudo por precos mais cmodos
do que em ootra qualquer parte. Tambem
figuras, vazos, pinhas, lies, globos, e bolas
panorama, tudo proprio parajardins, e cn-
feites d> cazas; ni \ do Imperador, n. 46.
Xa ra da lmperatriz, loja de raarcinci ia o-
ti, tem para vender temos Completos, de amarello,
da nova medida, a i o terna, meios ditos a 7,
tornos de louro, completos, a 12, meios ditos a
ti 6000. O fabrieante dessas medidas se responsa-
bilisa pela eer> 6 Sr. Jos Joaquim das Xeves t na roa do vramento n. :'0.
Precisa-sede urna ama somonte para cozi-
nhar : na ra do Padro Florir.no n. 71. segundo
andar.
CARVAO DE BELLOC
PARS
Approvido e recommeadtde pela ndenla imperial de medicina de Pam para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doencaa nenwas do tomago e dos intestinos.
l?S03itmente o remedio por excelencia contra a relen raao de stias propnedades absonente?, recommeadado como verdadeiro remedio uos
cazos de diarrhea e cholerina. mfto de n,iioe toma-se na occai.i5o das oomida
son a lorraa de pe ou d* paslilhag.
Dcpofito em Rio-Jamuo. DupourhtUe, Chevolnl. Em taununrt, Mttvrcr k C!".
Ainda nao vieram, no entretanto o negmMo
de inleresse. e precisa-se fallar na do Crespo
n. 17 com os Srs. Paulino Ferreira da Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.
Engommadeira
Para casa de familia- precisa-se d'uma
mnlber forra ou escrava, que engomme e
ensabe, e paga-se bem : tratar na ra
roa da Cadeia do Rccf\ n. !8, segundo
andar.
Precisa-se alugar tima
saiba engmmar bem rotipa de humein
nhora, que *eja de noa conducta : na na da
rora u. 40.
aixeiro
Um rapaz p*rtiiiiez, de 20 annos, se oderece
para rnrxemt de qnadroer estalialecimento aqu ou
lora da provincia : na roa Direita n. i<.
- Jos Pinto de Magalhaes e Germano Pinto de Dit'a emfc frascoTinlto'finoS
Oleo baboza muito fino que s
a vista ......
Saboneles de :a!unga muito bo-
nito ......
Cabras de p de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinlio ^om 10
varas ......
Caixas redondas emitando lar-
taroga .. .
Pecas de Tita de cfl qualquc;
largura .....
Escovas pitra uiihas muito fi-
nas ......
Escovas
nniii.i ir.-a .
Pulceiras de contas
par;: meninos .
Caixas de linha branca do gaz
com SO iiovellos .
. Caixas de lioha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
, Besmas de papel pautado muito
lino ......
Pares de botos para punhos
muilo bonito a .
Libras de laa pa a bordados de
de todas ; s cores .
Pentes com costas de metal
muilo linos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Dtizia de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botos madreperola
muito lino .....
i Sbemete muilo finos GO, lO,
ICO, 50 o.....
moedas de ouro e prata de todos os valo- Pecas de fita dela todas as
res, ouro e prata em obras innlilisadas, e | cores ......
hrilitantes e mais pedras preciosas: na lo- Espelhos dourados"para pared
E' or certo para admirar que caistindo
cm u: a ruado progressos, tuna loja i
umjrumpleto tc.il inenlo demunlczas la
e nao tenha ainda por pste Diario pa-
lenteado a lodos seu.- frepnt-zi s, i
agrado e sincerdade, asna vigilancia, c M5
modas do seu basar.
Esta roa a prodigiosa ra do c.th.>;
e esta loja a antlg loja i agukb &
\')iO u!!);t l"ls in'''s soitidas le
-de s.'iis principios usa deste modesto
IfJiOC ,,uIl,r' modesto pirque nunca fui estainpddo
ie jornal, e modesto porque muitos o
200 olvidarao, porliaver igoar em timara:
pasto; no entretanto como temes direito
24300 j Jc antiguidade, vamos destieguir o nosso
.800;com a'gans annunciOs>j)ara o publico sab;,
que a verdadoira agaia d'ortro -,
>500 "ma 'Ja ^ miudezas a ra- do CaBligJ -.
I A, onde se encontrar um comjilctr s
limenti de miudezas fins, e por bMios
l 0|odo queeaa imtra quaiqnei parle; como
210
600
500
500
,5500
240
COMPRAS.
0 mnzeo de j)ias
Na ra do Cabug n. 1 isompra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos de
que em oti-atiualquer parle.
sejam :
(uipeiii com omae doas lardaras preh, a
branco, litas largas de lodas as creb (
I com \ i -1;i -.
llJSOo'^B ewapteto sortimento de enfeit* para
testitto.
Frondas com diver.s.is irttcriproes.
Enfeitcs para cafei
Gajxinlias de |adraiid forradas onai seda
e com espclho na lampa, cem a cttnpe-
letiln chave, proprias para guardar
joias.
jl^OO I Bntremeios transparentes mmTolJQoa e Ce
todas as larguras.
$800AIbuiisfmos para 50, 100 e 2(K) iclr.-r .
Biooclos decnagrem e marflmcousa moti
60ti saperfor.
i Espelhos dourados proprios para sala.
040 Um completo sortimento do loques de todas
as qualidades.
i,j0Oom completo sortimento de pei"fnhraT!a
de todos os autores.
Luvas de Jou\in codstanlemen e ftsts.
K outros mais objecloS tendentes ao BJeMRi
genero que tudo se vender d. forma -per-
millida, na ra do CadJOg t. i A, agita
d'ouro, de Custodio A Berilo.
\a praca da Independencia n. 33, loja deou-
ijves, compra-seonro, prata, e pedras precosas,e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
iodo e qualquer DOBOeii*.
COMPUA-SE
ja d ourives do arco da Conceicao no Bc-
cife.
Precisa-se
Comprar urna escrava moca, prendada, e carinho-
sa para eriancaa : a tratar na ra do Rangel n.
54, sobrado, das 8 as 10 horas da manba, c das
o da tarde em diane.
Compra-se
farinlia de mandioca da torra
mercio n, 17.
na ma do Com-
Compra-se urna preta que saiba eozlnhap
e tambem compra-scum negro de meia idado : na
Praca da Independencia n. 39.
Compra-se urna vacca eu urna garrota tou-
na praca da Boa-Vista n. Sedlas de 4$ e 2$
Compra-se na casa de Tlieodoro Simn
iV C, largo do Pelourinho.
VENDAS.
B0RBEAUX
4a praca do Cerpo Santo a 17, cscriptorio de
infiri Rodripuas Tavires de Mello,
Manuel da Silva Neves nao inbendu a qum
pagar os foros que deve ao terreno ipie llie fura
atorada pelo finado Paulo Lopes Rcis. tenorio que
cst-i situado na povoacao do Puco da Panclla com
frente [>arn o muro que cerca o sitio de Jezuino
Ferrei.a da Silva, e fazendb quina com a ruada
Poeira, previne a quem intensar possa, que no
termo i ) dLas, a cootar detta itati, recolii>r a
rospecii-zn impjnfnncia m defiwi mWtro e os
iu' r-ssad-s nao forem refefcner do abaixo assig-
Manoi'l da Silva Nev?.
excellente vinlioMdoc Vieux
vende-sc- o
Extra o melh:
que vein a este mercado. No mesmo eseri.
ta para vender chapeos de chite muito finos
Sa ma Nova n. 60, arma-zem da- Liga, vendem-
sc sementes novas de hortaee? e flores.
i;>000 e
Espelhos de Jacaranda muito
Gao *......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i .
Pares de tneias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
lbas ......
Cartilhas da doutrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e pateeholy
muito finos .
a
8,3000
mo
um
mo
-3500
->320
5500
1,5500
.->000
,060
$320
1,9500
1*00
1,5200
JLJEL^O
I. ramio
loja de fazendiis e nu\m frites-
ma da Impera!riz w. %
porla larga,
DE
UTO BARATA SE VEKDE!!
NO
~
25
GOMES DE MTTOS IRMAOS I
tendo feito completa mudanza em aeu antigo e
acreditado estabelecimento de joias* com o flm de
dar-lhe maiores propor^oes e elegancia* convidan*
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N.
onde encontrarse um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BMLHMTES. ESMERALDAS E RUBIKS
de novos gostos, asaim como grande variedade de Calvas e paiteiros de
prata contrastada^e d gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trOcam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendutas.
C^i
Vende-se metade de urna casa na Passagem da
agdalena, com accommudaeoes para grande fa-
ia, e ama parte de nutra iia ra des Pescado-
: a tratar na rita Direita n. 3, 3o andar.
Libras sierliaas 0
Ha para vender em casa de Amorim Irmaos &
C ra ta Cruz n. 3.
Iota:i da Ilussia
a mais rurva no mercado, a preco razoavel: na
ra do Commercio n. 13, armazem de Manoel Tei-
xeira Basto.
&e
SEO DE JOAS
.
Exlractnni eariiis.
^Este prodneto alimentacao para doemes, mui
apropriada para enancas, e para as pessoas saa<:
Imlispensavel a lodos, porm principalmente aos
viajantes, que terao nelle o recurso de poder
tef alimenta^3o do carne fresca incorruptiVel, -
i|8e com facilid.ide seaprompta e se condo, por-
qbe n'um peqiwno volnnu! carrega se alfmentaca>
n|ra muito tempo. Sobretodo chama-sea atien-
do dos Sis. de enjenho que encontrarie no EX-
TBACTL'M CABMS o recurso de atimentacao agra-
dav.-l, hygienica e barata para seua famnkis e seus
doentes.
Este productoJ fabricado peto processo do dis-
lincto medico Dr. Ubatuba, uo Rio-Grande do Sul.
qoe acaba de cien um deposito nesta cidade era
casa*de Jos Victo-Ano de Hezendr & C, ruada'
Cada, escriptorio n. 52, Io andar, vendendo-se :
, No deposito ra da Cada n. 52.
.as pbarmaeias dos Si's. :
Manoel Vives Barbosa, a mesma ra n. 61.
Joaqnim de Almeida Pinto, rna larga do Rosa-
rio n. 10.
Antonio Mura MarqiM Ferreira, praca-da
loa-visla n. 32.
N. B As latas que contm o extract trzem
umi> guia para seu uso.
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMAKO
Os proprietarios Jos de Souza Soares A
C, alm dos baratissimos precos por que
esto vendendo a grande variedade de arti-
gos de moda o novidades de Iwm gosto,
taujo para homens como para senlioras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
branco para homens, fazenda lina, a ll)!
(o preco I i 000).
COQUES enl'eitados para noivas, grande
novidade a 4:>500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
*des, sendo de seda imitaco de cabellos
a H e 3^500.
-MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 7*5800 (o preco de 9<
a 10:5000).
LEQUES de madeira sem differenca de
ndalo a 2>000 e 2(9300, (grande pechin-
rtia !)
DITOS com lenlijtulas a 3$ e i,S000.
BARALIIOS de cartas francezas boa la
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pacote por
I000.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senlioras i grande novidade em Paris) a
2o"S00 e :i0T0.
DELICADOS edrpinhos de cambraia bel
lamente enfeitados a C$500 rs. (admira o
preco!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos .
o Bazar da Moda.
II
Vende-se o sitio da Iravessa do Remedin
21, nafrej;uezia>dos Afga*, no estad emqne
bo acha-. quem o pretender eHtenda-se convasen
projiretario na ra de S. Francisco destaeidade
fltmeru 10.
Vende-sc Iota dechatoMis- da ra estrella
do Rosario n. 1C.
Vende-su nma hoa" maia^JAS annos,
habilidosa, uiha-bonita crioula de 24 annos. cozi-
nlia,- eogonnna o meihor que possivel, urna dita
de 14 annos, o oulra do 2, una umleea de 10 au-
"^ : nt> rua ^ ^"W i"- 9-
\ende-se um*'preta que -I.' wtojiima'ei
diarioHle urna casa e vend-w'nib^: af
lo Monteiro n. 6.
25 aanos, pnuco m$H on monos/ conrohi ye^Moo
defeito. no brac iierdo, por precj comando :
aama do QaeaaWn, 13,1 andar,
IMlllH iiii
Para o armazem-do- Campos, na rda d
Imperador n. 2*.
Neste muito acreditado estabelecimento
aeha se coostantemente um variado sorti-
.irienlo d? gneros finos para meza e
cosinha e entre estes nomea-se apenas as
especialidades segurles :
Queijos do sertfc- sendo de mantega e
cottia.
Camaroes seceos do Mararrfiao.
O verdadeiro caf de Moka,
O superior e bem'conhecidopeixe miragua
que se vende a USO a libra o 4#800 a
arroba.
TABELLAS
de reduegao as mais'facis e mais com-
prehensrvb<,'twlt>'no
Armazem do Campos
"~ laiiS------------
\ ende-se um bilhar njoderao com scue pertiin-
narti*,<10Hobfeion:3fl;
PAREDES rom
Neste estabelecimento enc< ;i!r,ir o re,"-
peitavel publico um benito sottimento de
roupas o fazendas de todas as qualidades e
precos commodos, tem mnpre um bonito
sortimento de caseiniras de reres e-pretW,
panno fin. de diversas qualidades, luim do
bonitas cores e bramos de boa quaifadV,
encarrega-se qualquer obra por ui'-dda e
pfeco muilo commodo.
ROUPAS FETTAS
na loja da rua da impertir o. tld, por:a
larga, de Paredes Pwto.
Tem ncsle cstabelecimenle um bonito
sortimento de roupas feilas de diversas
qualidades c precos commodos. como si jai i
palitots de alpaca preta e de cores ; 3&
3^5 0 e 4#; ditos de panno prrio sacos a
C.-5, 7.$ e SA; dilos de paono superior t
12(5, iW o 10;); ditos sobrecasacados de
dito dito a 18, 20.-3 e 2r,S; ditos de (.ase-
mira de cor a 5)9, 0> e 10>: calcas, adietes
e palitots de casemira muilo lina de cor *
20 e 25?>; calcas de lirim branco de i dr-.
todas as qualidades de ib a G; dita i3a
casemira preta e de cores de i ate 12#;
colletes de todas as qualidades: cit nas d
bramante a 1#500,2f$D00 e 2??00 ; can:
francezas de linho e de algodo de lodas as
qualidades e preco mais barato do que em
nutra qualquer parle; qofarinhos,grvala;
bonito sortimento de chapeos deso de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a ti duzia;
pecbincha neste estabelecimento. pe:;
grande, sortimento : todos os livguezes pa
poderao prover dos ps al a cabefia fbt
prefo cc-mmodo.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, em.:.
baratas a.300, 32u o 3C0 rs, MadapoHb
ftho a 7-5. S.-> e 10,6 a peca. Algodo-(pe-
chincha) a 5;)."i00 a peca c oqlras uualid -
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 3j4>00 i
8i5 a pega. Lanzinhas do bonita corea, ai
pacas bonitas, seecia a peca com 28 asetu
a 28j$000. Esguiiio o mais lino possiiid 1
2f5500 e ',' a vara, c outras bmitas faieii-
das por preco commodo, que seria coftm.-
nho mencionar, na loja do
LEtO DA PORTA LARS'
v
Paredes Utk.
A
j__
Taberna
Vende-sc a taberj rna da Concordia n. 94,
4 nuil A.-I k*IM ** '
. a qual est bem afrentada e ton poucae faados
HBa dir-sc-tj
traiar na Po^^L
nhaa c desta bora'
ite cm partcrar': a
. 14 das 6 as 9 da ma-
ulante a'esta typograpia
Nova loja re calijat eslrangeio
para horneris, snhors e
meninas.
NA RUA NOVA N. 8
cm frente a cantea da Carota.
Lyra Vianna, tendo pela oxptrtwtttt'
adquirido a certeza de 'qu 0 publico dtta
capital; era mal servido, pola falta de Me
belecimentos, sortldos lw.s cat&idtjH,
skuaram a wnov tajjtv L^ra' fi Vinta, orm'dam por isso at>
publico, e com esp^ciadad ao bello sexo,
para \1srtar seu novo extshftTrlmNit dt!
caHados fiaos, manufacturados pslns mar.
habis fabricantes da Europa; ali encoi--
trar5b'Sernpre,todrisasqdalidad.. de cal-
cado?, solidos pela IjO mj*ufaeiur.'A-
frescos; por seren maitdmftns. e v.-ndid*
por preco commodo, yari< irerm,
confianga de seus distinetns freu^eh.
Cdmpromelem^e a rinuMr- vir cncoa
mendaa de eattjados espedas, a' psMtifa-
as obras de phantasia c dfc' mais npr Mu-
rado g^sto, afim deipte soas dfefinrtai fi
geras alvemo mostr sempre o eliftfljt*
da bottha fraticeza. Islo s ns ma NOH'-t
n. 8, \ofi di citposiego de calcados1 <
Lyr A Vianna.________________
Vehde-sWijHperiiiut.vse..
gueiia do Po^o da Panclla, em
estado ; quem pretender auauDCic a


r>
Diario d IVmaubuco Teiva ivir 20 de Jullio de 1069.


\
;
i
72, Ra da Imperatriz.
Alerta l'reguezes
que Arara vai cantar,
I 'a ra vender suas faze udas (ba rata s)
que muito lia de agradar.
0 proprietario deste estabelecimento, teado grande porcao de fazendas em
sor, vai proceder urna RqoidacaV) em todas tu fozcndas e roupas feitas existentes no
estabelecimcntr. agoraque occasio de qoein lera poaco dinheir poder se vestir de
boa fazenda e baratsima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADYI'OL.O BARATO A 3^300. .
Vende-se pecas de madapoln enfestado
de 42 jardas ;i 35-500, dito de jardas ou
S metros 5, jf, 6#KK>, 7.950 l, 8-1000 o
9,5000.
RA DA (il)'Il
DE
GUITAS FRANCESAS A 28 rs.
Vendem-SQ chitas franeezas para rosti-
dos a 280, --O rs. o covado, ditas escuras
muito finas i "60 rs. o covado.
ChaSJi mnilo inn a SOO rs.
Vende-s-.- challo para vestidos Je seuliora
800 rs. o .-ovado.
HQjCAUS U44SS.O COVADO.
Ve:i'Je-se percates muito linos para ves-
tidos de scnbora a 440 rs. ocovado.
Rrilhaatiaas a 44 rs.
Vo?lde-se '.riihantinas ou mursulinas de
cores para vestidos de senhoras 140 rs. o
eovado, laziobas muito linas para vestidos
de senhora 100 rs. e 500 rs. o covado,
ditas do quadrinhos a 210 rs. o covado.
IUSCAD0 FftANCEZ A 3G RS. O COVADO
Vende-se riscado francez para vestido
de senliora 300 rs. o covado.
Liasiahas a Sil rs. o eovado.
Vendem se lasinhas para vestido de se-
nhora a 840, 280, 320 rs. o covado.
Cassas franeezas a 80 rs. o covado.
Vende-se cassas franeezas 280 rs. o
covado,. chitas franeezas finas a 280 e 3O
rs. o covado.
Chales de merino .%.
Vende-se diales de merino estampados
2(5 e !5;0 cada um, para acabar.
CORTES DE LAS ABERTOS A 25*00
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora, A 2/liOG cada um.
ALPACAS D CORES" PARA VESTIDOS
Vende-so alpacas de cores para vestios
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
ctas de lislras 700 e 760 rs. o covado.
CJhlias prnssianas 36.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA GORERTA A m
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Baioes de O a 30 arcos
15 Vende-.e balos de 20 a 30 arcos
A50 cada um, balos modernos brancos
*edc coffs ;>$.
BRAMANTE PARA LENCOES A 25.
Vende-so bramante con 10 palmos de
ItrgORI para le 1i >. I vara.
PECAS DE AUKOIMOA \&.
Vendom-se peras de algodo muito en-
enrpaduj l, ;';?, OSOOoTj.
CoJeriahos ecoaoiuScos a 3S
diizi.
Vende-se colorinhos econmicos a 3-20
a dada, so se vende assim barato por lar
grande porcao.
CASEMIRAS DE CORES
Vend-se cazemiras de cores para calsa
e palito!.-i -2> 2|S00 v.'.w o eovado,
tlgoflo entestado 13
Vende-se algodo enfestado proprio para
lenres e toalhas, 1.5, a vara ou 900 rs. o
metro.
lltl.M PARA CALCAS A iOO RS. 0
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
homem e menino, 166 e 440 rs. o co-
vado, dito tizo aiiuitacao do ganga a 300
0 covado.
llgodo de listras a 300 rs.
o eovado
Vende-se algodiio de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o cavado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 6i0 RS.
Vei.de-se cortes de hrim castor para
calca de homem, ;i 610 e 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A i >.
Vende-se carteiras para viagem 15
cada nina,, cobertores de algodo I5'i00
cada um.
Cobert de chita f.SOO
Vende se coberas de chitas de cores
1 5800 o 25. cada urna.
ALGODO TltAXCADO D ElAS LARGURAS A
IjiOO.
Vende-se algodSo transado de duas lar-
guras, proprios para lenccse toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
.Mantas para gratata 30.rs.
Vende-se mantas para grvala a 20 rs,
cada una, lencos de seda de llores, a 6iO
cada um.
ATOALHADO PARDO A 21860,
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 25500 a vara, toalhas escuras
15, cada urna. Ra da Imperatriz ioja
da Arara n. 72.
lianu,
SOB A DIRECgAO DO MUITO IIABIL ARTISTA
Launano, alfaiatc.
Os proprietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a neeessidade
urgente de ter nadireceo de sua ofcina deroupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Latiriano Jos de Barros para tal mistar, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom sirtimemto de fazendas proprias para
roupasde homem, como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorgurao para collete,
gorgurao Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo anda um variado sortimento de roupa feita-, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas c de phantasia, meias para homens, sc-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas cores e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que u modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas franeezas de cores fl-
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vendem-se pecas de madapolao enfes-
tado a 35500, dito inglez de 24 jardas a
5,5, 6,, ,5'O0. 70500,85, e 105 a peca.
ALGODO TRANCADO A 10200 O
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
Etrio para lenco s e toalhas por ser muito
argo, a 10200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se inissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser do bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENCOES A 20 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 20 a vara.
Chitas ainzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nomo amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste prego e
qualidade s- na Ioja do Garibildi.
AOS SENHORES DONOS DE COXEIRAS.
Na ioja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 20500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 10 A VARA.
Vende-se algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 10 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5^0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas eslampadas de cores
500 w. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 80, 95 e 100 a peca.
C'ortiuados para Jaaellas a #.
Veadem-se cortinados para janellas a 70
o par, ditos par? samas rancezas a 140 o
cortinado.
/
i
0 Garibaldi principia ^
Curtamente na de agradar,
Que peio prego que vai vender
Ninguem o pode igunlar.
0 proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vel publico e seus freguezes, qu> tem-reeebido grande sortimento de fazendas, e est
constantemente rec-bendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 50, de Lourenco
Pereira Mondes Guimares.
Gangas para calca a 390 rs.
Vendem^e gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim^de cores a 400 e 440 rs. o
eovaflo.__^/
Lasinhas de quadrinhos a
*! rs.
Vendenvse lasinhas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM L.U A OiORS.
Vendem-se popelinas em 15a de listra
para vestidos de senhora a 040 e 800 rs.
o covado.
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS 0 COVADO
Vende-se 13a chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se Casemiras cor de caf, preta
azul escuro com listras,'para calcase pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3/i covad s d urna calca para ho-
mem pelo pr^co de 20500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
800 rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 10500.
Vendenc-se baloes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, por este preco so na Ioja
do Garibaldi,
BRIM TRANQAD0 PARDO A 800 RS. O
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 10200 o metro.
BALES MODERNOS A 50000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 50 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 28Q RS.
Vendem-se cassas franeezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
100 e 120, na roa da Imperatriz, Ioja do
Garibaldi n. 56.
ItlVAL M SKGI'MHI
Ruado Quemado na. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de-
Azcvcdo Mata, est acabando
com as miudezas de seus esabe-
lecimentos por isso queram apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
I $500, 20, 30 e..... '^OOOJ
Caixas traba com 50 novellos 898
Pares de sapat >s do tranca fa-
/.-n la nova a....... 25000
Pares do sapatos de tapeto
(so grandes) a-.....15500
Dnzias de meias cruas para ho-
mem a........30800
Tramoias do Pono fazenda boa
e pelo preco methor 100 attos a 0200
Livros de missoes abreviadas a, 20000
Duziade baralhos francezes muito
finos a2540O e.....25SOT
Silabario portuguez com estam-
pas a ....... 0320
Gravatas de cores e pretas muito
linas a........ 0500
Redes pretas tizas muito finas a 0320
Cartoes com clcheles de latao
fazenda fina a...... 0020
Abo lijaduras de vidro para colete
fazenda lina a. 0500
Caixas com penna d'aco muito
finas a 3-20. 400, 500 e 15000
Cartoes de liaba Alexaudre quo
tem 200 jardas a ... ^ 0100
Carreteis de linda Aexandre de
70at200a...... 0100
Caixas com superiores obreias
de massa a ....'. 00id
Duzias de agulhas para raaedina 20000
Libras de pregos iraacezes di-.'
verso tamando a. 52 VW
Livros escripturado para rol de
roupa a. ....... 0126
Talhexes para meninos muito
finos a. ,...... 0240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 0700
Caixas com 100 envelopes multo ,
finos a........ 0600
Pcntcs volteados para meninas e
senhoras a....... 0320
Thezouras muito futas para
unhas e costuras a. .' 0500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e 0320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 0160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 200
Novellos de linhacom 400 jardas 60.
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 20500
Grozas de botes de louca muito
finos a........
16C
Scbonete de alcatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
aceeitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cer
das impigens, sarnas, caspas e todas a.<
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra Iar#a do Rosario34.
LO JA
DO
GALLO VIGILANTE
Hua do Crespo n. 9
Os proprietarios tiesto Lem conhectdo estabete-
rinieitto, alm di* naifes ofejinlos que tintara ex-
palos a apreciarlo do respeavol publico, nian-
annun vir e aeuMt de receher pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
linas o mili delicadas especialidades, as ,-piaes es-
to resulvklos a Vender, como de sen costme,
por precos nitrito taralinlms e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Mnito superiores I uvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas eres.
Mu boas e bonitas goltmhas e pnnhos para se-
nhora, neste gnMM o que ha do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e rii|ussiinos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiorge trancas pretas e do cures com vidri-
lhcs e sem Tiles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de niadrc|>erola,
marliin, sndalo e osso, sendo aqnelles blancos
com lindos desenhos, e estes pretof.
Muito superiores IB6M fio de Kscossia para se-
nhoras, as quaes sempre so venderam por SOtOO
s diuia, entretanto que nos as Tendemos por 20,
alm destas, temos tambetn grande sortimento de
ostras qualidades, enu-e as quaes algumas muito
fina9.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de mariim com lindas e encantadoras figu-
ras do nesmo, neste genero o que de melhor so
pode desejar ; alm destas temos tambera grande
Suantidade de outras qualidades, como sejam, na-
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. ele.
Finos, bonitos e airosos chicotrahos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
para segurar as meias.
Upas unas de seda para senliora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo do mariim c tartaruga parafattr
barba ; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, o nos por nossa vez tain-
bem sseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas o bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina c para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eucher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para vollarete, assim
como'os teios para o mesino fim.
Grande e vanado sortimento das melhnres per-
fumaras e dos melborcs e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as eonvulsGes, e
facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltom no mercado,
como j tem acontecido, assim pos poderao aqnel-
les que delles precisaren], vir ao deposito.do gallo
vigilante, aonde sempre cncontrarao destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao lim
para que sao applicados, se Tenderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis Ioja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
Grande o completo iortlmenlo de machinas para
descarocar algodo de nova invencao cbegaflai l-
timamente em dircitura para a Ioja de Manoel
Bento do Oliveira Braga & C, na ra Dircita n.
,'i3. Garantc-iC que a melhor qualidade que ate
o prsente ti-m vindo ao mercado : acham-se em
expoWcao ao? compradores.
Systema decimal.
Grande- e completo sortimento de pesos kilo-
grammos de melhor bonprehensao dos que lem
\indo at o presente, a-sim como mareos de laiao
la ineio grammo pelo mesmo systema, kilaneas
de tatito de forca de o a 20 ^logrramos, metros
de madeira e de latao para medir fazendas, alm
de geande sortimento de miudezas e Ferragens de
todas as qualidades, tmlo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direila n. ol, Ioja do Mauoel
Bento de Oliveira Braga c C.
POS DE ROG
Apnoxailos pela Academia imperial
de medicina de Pars
Vm frasco do r ein urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
un modo certo, sem causar a menor
irritacao como acontece com a maior
parte dos outros purgante. Oa P de
Rog, sao inalleraveis por isso empre-
gam-sc l'acihnente em viagem.
cm io-lASEir.o, Duponche'te; Cketolot.
e:n VtksxvKCO, tiaurer 4 C. A
D.piSl'il
AVISO
aos eontdlescente e s pessoas
{rocas e debilitadas
0 QU1N1UM LAURRAQUE apprevado
pf la Academia imperial de medicina de
Parii o tnico por excellcucia.
21
Depilo
cin Rio-Juario, DiifoteieUt; Ckemltt.
e:n I'ekiiuju jo, ilaurer t C.

I'AS TILMAS ASSUCARADAS
DO
DR. PATERSON
De blsmuth e magnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a igestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu C.
34------Ra larga do Rosario------34.
Libras eouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceif5o na Ioja
Vari ves, no Reeife.
GAZ CAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster d
C., ra do Imperador, um carregamento de sai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida."
o a retaiho por menos preco do que em outra qual
qaer parte.
Batatas baratas
Vende-se a 800 reis
Madre de Deus n. 22,
o gigo, ra
.V exposieo
A Ioja de calcado na ra Nova n. 8 em frenle
cambda do Carmo, tem grande sortimento de boti-
nas para homem, recebido neste ultimo paquete
e vende barato
rap! popular
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado urna porcia des-
te' ptimo rap, nico que pode supprr a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
systbema conhecido, tendo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidaae. Naspracas da Babia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rape Popular sido assas
accolhido, e provavelmente aqu tambem o ser,
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-se a
venda por preco commodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de oOO libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaquira Jos Goncalves Beltrao,
ra do Commercio n. 17._____________________
Rffl II. 7.
Vende-se a verdadeira graxa do bem conhecido
abricante Day & Martin n. 97 : no armazeui de
J. A. MoreiraDias, ra da Cruz n. 26. .______
CURA DOS CALLOS.
PELA
l'oinada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
do
iVaui
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4 C, ein
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vendo-se em casa do Tu. Just, ra
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicarao as cranlas,
quasi sempre mais atacadas de tao terrivel
e muitas vezes fatal soll'rimento.
NICO DEPOSITO
NA
Phsmacia e drogara.
DE
Barlhomeu & C.
84-Rwa Larga do Rosario34
HOW ESPERANQA
Kua do Queimado.2J
Advertencia!
A Nova Esperanza, ra do Queimaa
n. 21 tendo em deposito grande quantidad
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanca, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes. e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo tao opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechmch-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quere ella qaer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos da
gosto e perfeico, e ella (Ioja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinha,
acab de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos, de
madrepcrola. .
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pilos com dourados (ultim
moda).
Fitas hirgas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes novos
para o mesmo fin.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
BotSes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Oelicados leque de madreperula, mar-
iim, osso e faia.
Esparlilhu simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, n
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitol
pais de familias nao creem (comprando-oi)
no effeito promettido, o que so pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porn
que detesta a falsificacSo principalmente nc
que respeita ao bem estar da humaoidade,
fez urna encommenda directa destes collaret-
e garante aos pais de familias, que sSo o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo d
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sem
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entio ser >
fficil alcancar-sc o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collare
de Rover
t.\.GERM%

Aiegt ai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
n3o ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. gennann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortim- nto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
aro, bfalo, ncar, unicornio emelchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
ras para theatro, campo e marinba, da ulti-
ma nvenriio ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
Piano
Nio mais cabellos brancos
A tintura japoneza, nara Ungir os cabel-
los da cabet;a e da barba, foi a nica admit-
tida Exposieo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparacoes
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a {OOO cada frasco na
151RA DA.
1* ANDAR*
Vende-se um bom piano por preco razoavel: na
ra da Imperatriz, armazem do Sr. Br. Vogeley : a
tratar na ra da Cruz n. 9, t andar.
CADEIAS. 51
CHARUTOS
Os melhore* charutos da exposicio e variedade
de ontras qualidade?, finos ; encontrase no hotel
Central de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
rio n. 37, i* andar, e ra estreita do Rosario o.
4 A. Vendem-se a retaiho a em uroaso._______
Vendem-se por comraodos precos urna mesa
nova com 3 palmes de largura e 12 de comprida,
proprio para jantar o engoramado, e um laxo pro-
prio para refinacSo : na travessa oe Pire n. 8.
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHl
PreconUados por todo os mdicos contra os I
DEKLUXOS, CATHARR06, E TODAS AS|
IRRITACOES DO PE1TO.
K. B. O Xarope d Codna fue mtreeo a I
honra, alta ton rraenlrt 01 Medicamento!!
novo!, de ier registrado como u do$ medico-1
mtntoi o/ptiaa do Imperio Francet dispenta I
quulqucr elogio.
AVISO. Por eaun da reprehcosivel falsi-l
ficacio que trm suscitado o feliz resultado doS
Xarope e massa de Bcrih somos Toreados a I
Iciubiar que estes medicamentos lao justamente|
conceiluados s se
feudeni em eaisin-
bas e Irascos lera mo
a asignatura em
freute.
6, Ru de* cotei, e na Pbarnacia Central I
de Franca, ?. Muc de Jowf en Paris, e em|
' (odas as I'tia doBrazii.
BAZAR UNIVERSAL
ORiia \flvi 20
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigs que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas oa ul-
tima exposieo servifos a electos para alrao-
Coe jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer maoteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianza, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de bataneo,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros, gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para mancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos cutros artigosl que se encontrarlo
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhoS; tosses convuislvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEMDE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu i C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
ATTECA0~~
No armazem de David Ferreira Baltar, ra do
Brum ii. 9, lia venda os seguintes gneros por
precos razoaveis:
Bollnetes de batane*
proprios para bareacas e hyates. muito superiores.
Vinho do Porto
em caixas de duzia de garrafas, e em barris de
dcimo, do Porto, muito tino.
Farluha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lotiza
muito proprias para' lavagem de louca em co-
liuhas.
Vendem Augusto F. de Oliveira & C
Commercio, n. 42.
S
Vendase
a-taberna da ra de Hortas n. 43, era Tirtu-
de de seu dono retirar-e para fura : a tratar
naniesma.
= Na casa de Eduard Fenton, rea do Commer-
cio n. 22, vende-se : .
Certfja verdadeira Bass Pal East Judia, em bo-
tijas e garrafas.
Dita preU Barclay te Londres a mais afamada do
mundo, em gsrrafas e botijas.
Oleo de linhae.% superior.
Fazenda de algodo adamascada, branca, muito
larga, para toalhas de mesa.
Guardanapos de algodo adamascada _______
Aproveitar em quanto
duram.
Baldes de murrelina eoni ptqueno toque dejnofo
a 1 e a 'U.'iOO. fazenda superior, ditos de reos a
2*000, espartilhos de iSHOO e 3, cousa nunca
vista,'s no Triumphol Outras muitas fazendas
que ;e torram por todo o preco : na rna do Quei-
oado n. 7, Ioja do Triumpho.


<^


I




Diario Je Peruambuco Terga feira 20 de Julho de 1
869,
7
Ccordeiro previdente
Ra 4o Qiseiuiado n. te.
novo e variado soiti meato de perfumaras
liaa3' e outros objectos.
Alem do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro sortimeuto que se loma
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espora continuar a merecer a apreciarlo
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, n3o se afas-
tando elle de sua bem conhecida raansidao
6 barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e m;es acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentriflcia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para toileL
Elixir odontalgico para conservacSo do
asseiada bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ohei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascas com dita aponeza, transparente
e outras qualidades.
Pinos extractos inglezes, americaucs e
franceses em frascos simples eonfoitados.
Essencia imperial do finoetgradavel chei-
ro de violeta.
Gatras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philoconae verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
son escolhidos che ros, em frascos de diffe-ij
rentes taraanhos,
Sabonetes em barras, arares o menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos milito finos em oaixinha ptra barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
ructas.
Ditas de madeira invernisada eontendo:fi-
aas perfumaras, muo proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bo ;itas, tara-
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroc
e boneca.
Especial po de arroz sem composicao de
:hero, e por isso o naais proprki nara enan-
cas.
Opiata ingleza e franceza para entes.
Pos de camphora e outras dHferentes
qualidades tambem para dates.
Tnico oriental de Kcmp.
Atada mate coquee.
Ura outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estSo todos expostos apreciaeao de quem
os pretenda comprar.
GOLLIVH AS E PJKfS BORDADOS.
Obras de muitogosto e perfeicao.
Fivellas e Atas para ciatos.
Bello t variado sortimento de taes objec-
tos, fieando a boa escoma ao gosto prador.
FLORES FINAS.
O que le BKrihpr se poda encontrar oeste
enero, sohresahlhdo o^ delicados ramos
orva'hado* para coques.
mam
QUE SE LQUIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
"W
8-Haffla aa niai?aaa,2iaa. 3$
DE
FLIX ?REIR1 HA SILVA.
O |)ropnetano d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
al a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
(a, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pesoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mato, esta casa
poderao faaer os seus sortimenlos em pequeas ou grandes porces, venoen to-*e-lhes
pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as axcellentissimas fami-
as, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
evar era suas easas pelos caixeiros d'este estabolecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde fa 6 horas da manha s 9 da nout.
Exptendido sortinieiito de
Alpacas lavradas de cores a 5<*
Alpacas a 50 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Ka loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vende-se -una poueos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas o bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para Meni-
nos, tendo eHh-e ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudmhos assentados em urna s
cor; para se poder retobar esta fazenda
J>olo barato preco de 369 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o quai grande pechincha.
Aos des ail covados d cassas
fraaecas
Covado a 300 Covado a 300
Corado a 300
Covado a 360 Covado
Covado a-300 rs.
Casemiras da moda
NA
OJA DO PAVJO
Chegou pelo ultimo vapor frasees, tim
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cai-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, cora lis-
tras e com fistra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianra-se venderem-s milito
mais barato do que era itra qualquer par-
te, assjm como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de bra, a vontade do
(reguez, para o que tora um bom alfaiate.
Aosquinhoatos palittfts
Na loja do Pavo ra da imperatriz n.
orc5o de pa-
litots .sobrecasacados, e prueriamene so-
brecasacos de panno pret sendo obra
a 300J" fde 18J, sendo forrados de alpaca, e de
A 60 $UMAltf
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
fazenda para muito mais dinlieiro, mas ix>r do cranlas, com as mais modernas e bo-
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
p Bemedio por eicellencia para cura ^erta
das digtstoris difficeis e completas, acabnar
as dores gastralgicas, e reparar as for?fis
produzindo itna assimulacSo completa dos
alimentos; sendo mais um exeellente tnico.
VE\OE-SE
PARMAGA DROGARA
DE
BariholoiKcn de c.
34RIJA LARGA DO H0S\RIO-3i
talha-e a 'MM) rs. o covado.
espartUbos a S6000 ara Soja da
Pavro
Vende-se ma graade porco de espart-
Ihos modernos com o competente cordao,
tendo sortiiaento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3$ cada um.
MADAPOLN ENKESTADO A 3G00. S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo eafestado
com i jardas, sendo muito incorpado pelo
^barato preca de 3600 ris, assim como
pecas de algodaosinbo com 16 ierdas
g50 a Z$m) ris.
mm PECiiiiA
EM
A pataca o covado
PERCALLA6 A 320 Kft.
AOS BEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A :i0 RS.
Na loja do PavSo ra da Imperatriz n.
60 .vende-se urna grande porcao de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as cin-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com o desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padrSes miudo e
gradps e vende-se pelo baratissirno preco
de 30 <-s. o cov*lo, garantidq-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
FUNOICAO DO BOWMAl
lina do Bruin a. 59.
PASSA.NDO O CIIAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma -liinis-
tno emprtjgado na agricultura da provincia,
entre o qoal:
M.iciimas de vapor, para as&oer e para
algodo.
Roblas d'a^oa.
Motores de diversas especies.
Moondas de oaona.
Rorlas dentadas, para animaes, agoa o
vapor.
Taitas de ferro, batidoj fundido e de
cobre.
Alambiques.
Ara los a astruni'wtos d'agricuitnra.
Descarocadores d'algodSo etc. etc.
Ha-vendo em ludo variedade de timanbo
desde o menor ate o maior quo se costu-
aa empregar.
Vendem-ae daas barcadas do 24 raixM ca
un : a traur n ascrirtitrio dn Sr. Jjao P^reira
do." Santos Farofa, \rga d.t Corpa Santo n. 27.
XAtOPK PEITOHAL
DE
RABO DE TAT
PLANTA DO BRASIL
E expectrame e recommendado na>
afinccTies do peito, bronchite hronica, he-
moptisc, e tosse chronira.
PREPARADO POR
JOAQIM DE ALMEIDA PINTO
PH A n M AC E fJ TI CO
Pernambnco ra larga do unitario n 10
l
L
V^de-se terrenos de producto e cum
arvores fructferas e prximo a esta-
can dos trillws urbanos do Recife
Ofinda e Reberibe, no buceo do Espinlieiro!
poilendo quem quiser diri>iir-se noi domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Jugo de
Barros, e nos demais das, ra da Impe-
ratriz n. 68._________*_________________
TELHAS DE ZIfGO
Ver :h< pramiHH rio zioco com a!ftim
oso : na ra da Imperatriz n 69.
perfeito estado, e vendendo-se
por aste baratissimo pre^o para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
P\LMOS DE LAiKHHU A 1^800
begou para a loja do Pavo, raa da
Imperatriz n. 00, urna grande porco de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, pendo a largura da fazenda o cumpli-
mento de um Iwicol. o qual se faz com um
metro e urna quarla, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de I800 ris cada metro,
tendo esta larga banda, outras muitas ap-
plicac/)es para arranjos de familias, sendo
rande. pechim-ba pelr preco.
COBERTORES DE L PARA O INVERN
DE3000a OOO
Chegou p.ira a loja do Pavao, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
15 do carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de U
t 63oi O caria nnr, em relacSo s diffe-
renles qualidades, pechincha: a elles an-
tes que so acabem.
ATTENCO
AS PECHINCIHS QUE SE LQUIDAM
NA LOJA DO PWAO
Cortes de organdy listrados cem 10 va-
ras cada um o que tambem servem nara
Iutoa3$i00.
Lanzinbas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambrnia enm barras bordadas
e moito finas a 3,? e 4,-)000.
Cassa loda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar con tas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Cnegaram para a loja do Pavao um Te-
nante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
cora os mais bonito- lavradinhos a imitacSo
de seda, as ilehcadas cores que existem
ueste bello sortimento encontra-se o bonito
Bimnak. o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, penda, mxo. canna, azul caf,
ntc. Vendase esta b^lla fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o ovado por se
ter reobido em dimitir urna grande par-
tida superior a dea mil covados, senao
seria para mnito mais dinheiro, Uto na loja
e armazem do Pavao. roa da Imperatriz
n 60.de Feliz Pereira da Silva.
Veatldoa con dnas salas a * Cbe^aram pata
nitas cies ; padraes com Ustrinhas miudi-
nhas, queso vendem pelo barato pwjco de
500 rs. o covado, pechincha que^e acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Irapttratriz n. -60.
AS CAMBRAAS DO-PAVO
Vendem-se linissimas pecas de canabraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 100000 a peca,ass*i
como finiseimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, for ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Feb* Pe-
reira da Silva..
Corliamdos
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento aos sa-
ibores e maiores cortiaados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Suva.
roupas feltas
NA LOJA BO PAVO RA DA
EMPERATRIZ N. 60
Acba-se este grande estabelecimento com-
pletamente jwtido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
em um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior pmm|>-
udao vontade do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando n3o stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas. ceroulas de
Imho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendose-Hw vender mais barato do que em
ontra qualquer parte. Na roa da Impera-
triz n." 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
0 atoalhado do Pavao.
Vende-se superior atoalhado de algod5o
om 8 palmos de largura, adamascado a
20200 a vara; dito de linho fazenda muito
superior a 30200 a vara ; guardanapos de
mho adamascados a 40500 a duzia e muito
Inos a 80000, e ditos econmicos a 30500
i duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 10000
Na loja do Pavao, vjnde-se superior alpa-
co ou gurgurSopara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mai> bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 1000o o
aovado.
%'AYldade Wovldade
GURGROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D^ JUNI10
Chegou pelo vapor da 14 do corrento,
para a loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60, um brilliante sortimento dos mai<
modernos e mais bonitos gurgures de seda,
para vestidos, tendo padres miudinhos e
graodos, com lindas listras matisadas. as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, hismark, lyrio, azu, pemla.
etc. etc.. assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que n* actualidade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem oV
mais pbantasia do que esta,que se vende por
preco muito rasoavel. no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
BbadiuJaOs baratos na loja
do PhvAo.
Vendp-se urna grande porcao do baba-
dinhos de todas *< larguras, sendo com os
babados verdadeiros. por urna terc3 parte
lain
Tintara indelevel paratingir os cabellos,
*em manchar a pelle.
A bem conceUuada agoa-florida de Guis-
lain que entao era desjonbecida em Per-
aambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficax resultado, e ainda mais se-
r, qnaodo a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta uni-
damente "de vegetaes inoirensivos, tem a
propriedade extraordinaria do dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estrverem bran-
ms, elbes restitwr o brilho perdido, e as-'
*im como preservar de embranqoecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm neoessario fazer conhecer, que
i bom resultada produzido pela agua-Oori-
da, o5o instantneo, como muitas pes-
soas tal vez supponham, mm sm\ ser|jre-
^so fazer asod'ella, tres ou qoatro vezes,
a logo se obtera o m desejado, como bem
provam testeraunhos de pessoas insespei-
s, e d'enfio por diante, basta usa-la duas
*e*es por mes, contando sempre com o bom
'to, podendo a experiencia ser fea era
tra qualquer cousa.
Assim poisesta agua-florida acha-se ven-
tla na bem conhecida loja d'Aguia Branca a
"a do Queimadon.8,
Ditos com ditas de velludo, outros i m
tando charao macletado.
Ditos com ditas de raarroquim com erm
e guarnicao, dourada ou prateada.
Coras c tercos do cornalina.
kssimftcomo.
Grande
mt se iniAiEi.191.2c
IfroiioiHla. uidadv c moderno
mercado.
CHEGKM A' PEGHi.N
. arcos |>0i|Ucds o gran-
dw, para Mnnra, a l#M0
boaitospadi n
li*ti ido 4j5f0
Ritas fraeci ras
p?, rotado 4J0W
Ditas dita- ir.c dala-, t& 'iiii)
Iwtrasdccda para
Kfflhoraa c proprisa do ra-
ra lo, r?. do
Paletots de alpaea pretoa e d tares ii *> bibt'O
Alpacas lisas di core muito lina; c bou;
gustoa para senliora, covado, rs. 800
Carebraias do cores, variad pedrSC,
corado, rs. 2U)
tJita^ do coi os, mais llnav, oovado, rs. 3CO
Ditas miudas. moJeraa?, liui-ima-, -ova-
B,rs, 40ft
lina- de flores grandes c Istias, ao-
vado, rs.
C"hi inhi s de linho do diverso poW>, rs 400
DitflB de do muito linos, cboado no I-
tiino Metete, rs. 600
Cditas claras, linas UQlas, covado, rs. 280
Ditas escuras, belfos pj vado r?. 400
Ditas ooloridas, linas, proprio para familia
covado, rs. 40<>
Dilas risoadinhos, miados padroes. co
vado, rs.
n Kn .u.!. j i I)itas escuras econmicas, cavado, r.
o bello sortimento do leqnes | i)(:is ,iP |M)a romposipo do tintas, corado
nadreperola, madrepei-ola c seda, I Ditas clarm econmica?, ovado
peratnz
mil covados das melhores casas francezas i P3ra mtfito mais dinheiro, porm 1kjj
para vestidos, tendo padroes miudos e gra- i esta pecbiccha peloe precos cima.
dos, assefttados em todas as cores, estas POUPEUNAS A 500 RS. O COVstDO.
cassas Sao proprtaraente francezas, teade i Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
transparentes e tapadas, com cnto corpe in- 60, vende-se um grande sortimento das
quasi como achila, e alm dos padroesjmais liadas poupenas oulaarinhas trans- .
sera muito bonitos, sito todos feos e serie i prenles, proprias para vertidos e roupas como exornlo !o exol.-nnidn
A Aguia Branca, contando com aprotec-
ao de soa boa fregueoa, tambem capricha
m n5o Ih'a desmerecer, procurando sem-'
[re corresponder a idea ivoravel -com que
* honram, -e em prova ao que tica dito, da
- sortimento
4ue acaba de receber, ainda mesmo achan-
to-se befamente provida dd que de bom
e melbor e pode desejar nos gneros que
-40 de soa competencia.
Haja vista aos necesarios livrosde missa
-ioraco, obras de apurado gosto e perfei-
?ao, Sendo: com capas de *adrepero!a e
tocantes quadros em alie relevo.
Ditos co ditas de marGm igualmente
wnitos.
sndalo, sndalo c seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, c outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas volas gi an Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de lio de Escocia abortas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodao, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Ltrvas de lio d*Escocia, torcal, e seda
para meninas e serihoras.
Meias de lia para homens, mulheres e
meninos.
incito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
MO
360
340
Houpas o mais aiiijios (jnc Ac pedjf|o da res-
pcitavol fresonia, d inu*o-sc ama-tra do lodo:
Vendem -se saceos com l'arinlia d' iiiandio-
ca : na travessa do Qaeimado n. !8 n, loja di
Maia & LaneliiM,
ESGRAVOS FG1E0S.
E OS PRODIGIOSOS
Aunis e -collares Royer para cranos.
Acba-se ftigida ha oito mozos a preta e^
crava, de nao'io, do nomo Maria.cora 40 amos
idade, baixa e cor fula, consta que diz ser luir, o
andavondondo na freguezia da Una-Vista, com
urna bandeja pintada do encarnado, com qu*
fujtio : gralica-so ben) a 'juem a apprehender e
irv.-i-la a ra Imperial n. 100.
Esla logjdo desde o~daT5 de janei-
ro do corrente auno, o escravo Fi'ippe
com os signaos segralos: cabra, dado -i
a 2/ annos mais ou menos, corpo c altura
regular, sobrancelhas prelas < serradas
cabellos enroscados e acabocolaUs,' (itic-
rendo principiar a barbar, as vzes irirhs-
Ihe as peinas, km urna marca de caustico
do lado direito sobre1 o figado,
anda fica doro e com
'o*
passos
quand<
ava^ncadot.
a
Bonitos cabases ou bolsinhas de pr-lica ,cm veil,re om pouco crescido. p
seim para meninas ou senhoras. grosso, muito regosta, c quando foge di
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas. 4ue f'Jr*. c lem por coila me U'ocai
Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas noine- e hoto* a camisa fi a da e
compedras, aljofares, etc. (Esteescravo j fui preso c esleve na V
Ditas de tartaruga para joias. l|,,|:'. por andar'fgido, Icvou no c)o
Bonitos albuns com msica. |IC de briui do qgadeinhos preto eamwi
Pinseis ou bimecas para poz de arroz. ;de mada|M)fao, chapn do iga pK-io redi i l
Novos e delicados ramos de flores rnm natural do lugar Canhotinlio da' .omarc
marrares para enfeitar coques,
ello sortimento de trancas de palha.
Titas largas para cintos.
Cintos de litas largas com bonitas rama
gens.
Brinoos e alfmetes de madieperola.
Ditos esmaltados, obras novas c bonitas
*?! ? ojaiioa eaed oae op eaojng
0**S opijsa.v
en urajqap caed mg op seaj
OftS .... ^ouonbdd sojiq
'JOS........apeinop
BJP|ora moo sopuejS sotfladsa
o5ajd opoi 'Mjua ap Bvaanofl
XJt soapjo z sai*xioo moa oiijbq
OOg^f e eianp SBp.?r oo? ap eiwn
OOC e mo||j eied sBJupBO]oqv
XWff*.........e m
-np 6uomoq ejed sbojd setajv
OOfeV........oooi^i
'008 'OOv sojioqa moa so^sej ^
00S B oyuHd BJi;d saojoq ap sajuj
005. 'sogm ejed soauejq soSu-q
008 Bipoj eiuii meo sbjbjjbo '
091
001 i
00001
OS
OIZ
09
008;^
091
00*
JOC
c e^noj op sooioq op Bzojf)
BUtAip enSe moa i:je.ui;o
* o 008 '00 "OOtf 'OOS
t ,ora-ojjua o soqui|teqi.fl
3 005 08 '001 '08soi.
BPilGiib se supo) op ajaunqRs
? esoqq ap oe|o moo soostuj
* e sep
-Jet 00*; moo Bt|uqop soijoaom
" jeqjoq cjnd sequj| op sujqiq
o sj ooi b eiurj moa soasetj
......B SBt|,
o cjnifoo B.icd siunosoq],
........B SBtl
-iuguj cied bssoabjj ap so)ti\i
B e.lMpB|)J3.\ J#AW
moo soosbjj
de S. liento desta provincia, e foi (;scr,.\ i
do Sr. Eduardo Jos Alv de "vi.:
rador no mesmo logar. Este eacravo i
um visto en Gloria de Goil districi,, ,;
i au d Albo, e em Limoeiro piesumc-s.
que se conserve nestes lugares, 0u lenbi
seguido para o centro ; pede-so as autori-
dades policiaes e aos 'Srs, capujes d-;
campo a captura do mesmo escravo, e trcga-lo ao seu senhor Jos de Miranda
Cimba morador no Recife, caes de Santo
Amaro, sobrado n. 22, do fallecido Matine!
Custodio ouna ra da Cadeia do ifedfe ,
35, que o ruesme gratificar
ra penen ^anicni'
BellnrmiiiO
E^10."59 Jo enjrcnbo Marrecas, na comarca de
PWm .alvo, e no dia 18 do malo do r. i n -
no,,, escravo Belbarmino,cabra escuro, d dad.
cmoioo op cn8c .
:sa;uraJ8as soajd soiad sopBj
-Bioep oxreqB so^oafqo so opireraianb ?is^
ivflOdHHi yaiaaoi OSMOMV
tivzaci/iiir aa
a iHMvnaiM
vrori
viia-ss
X
CENTRO
DO
MUNDO ELEGANTE
DE
CARVALHO &
46-RA NOVA 46
an'wKn,7
lilIcacSo.
-Kugiram no dia 25 do passado m, a
escravos dos engenlws ConceicSo e |iu-
bela do tormo Sehohaem, perU-nceBle um
de nomo Jos, ao majar .Mat.oel Geman -
Bezerra I'.-i eir de Ilastos, e outro dt- 1,0-
mcLiiiz. pertencente ao r. Jo. Eugtnto
da Miva Ramos: o primeiro leu os siahae*
segaiiifes : com ;)0 e tantos annos de dad(
nonio, baixo, ebeio do corpo. cor hila'
resto redolido, tem marcas de chicote na-
oslas e as nadegas, ievou camisa de r
'"linlio verde j velha, caira e jaqueta, e
niipeo de bala ; o segundo crioulo. idtd
SO e tantos annos, estatura rtgular, 1> i.
preto. rosto chelo, beicos pbmwos. cilio
irrandes e abotucados, cachaco ums*n. crt-
marcas de chicote as costa, sobre as cos-
tabas do lado direito, Ievou camisa de ris-
tado de algodan, com grande rWnewlu as
costas, semilla de algodao de sarco, e
mm de chapeo de palha sem abas.
Estes escravos foram comprados ha om
arme pouen mais ou menos, na cidade rio
toare. Quem os pegar queiraaposnta-
los ao Dr. Joao da Silva Ramos, na cida-1
ao Recife, que ser b.m reeompvnsado
um i
ai lamentos linos, os quaes a par d'uma hbil thesoura. tornara completa
qualquer obra que seus freguezes se dignarem encommendar-lhes
Entre as diversas fazendas de gosto citara se as seguintes:
ao
que
ndas e
a perfeicao de
Panno fino preto Imperial.
Casemira preta Elasticona.
dem azul idem.
Merino escossez prelo.
Dilo romano cor. de caf.
Casemiras cs> aras fin*.
Brins brancos encorpados.
Diios ditos com lislra de cor.
Ditos linos decoros.
Gorguro preto e de cores c de padrees
uovus.
Colarinhos'bordados c lisos.
Alpacas pretas e de cores.
Camisas inglezas linissimas.
dem id. m tinas.
dem francezas idem.
Punhos dn linho e algodao.
Grvalas Regates prelas e do cores.
Lencos embainhados brancos o de cores.
Meias, ceroulas, camisas de rneia, co xas
n paja a loja do Pava,, ra da de pr^c que se vendan em mitra iiual.uier
Impvmtrix n. 80. os mais modernos cortes loja, s com o fin de acabar-se com ete
le poil fie Chvre com duas saias para vea- artigo, assim como tambara se vende uina
tirios, semlo n'este genero o que ha de grande part* d'entreraviis. pelos mais li-
melh'H-e mais novo nn mundo, e vendem-se mitad.s prern* |>ara ai-.ibar na loi e r-
pelo barato preco de 2O0OQQ na loja de maz^n do Pavo, nw da Imperalrizn 6
Flix Pereira da Silva. de Flix Pereira da Silva.
de fustao, etc.
0 que vendem por precos nimio razoaveis, com o fim rie angariar freguezes
couvidam p rtauto ao illnstrado corpo acadmico se digne visitar seu estabelecime-ito
para melbor cei tificarem-se do que deixam dito.
File duiirarel
nnltiiu-uisiller.
urin, indo ou
a rumie i un
i,or cdr parso waur eenra .a.licalmnil.-ai. molpMbs piaba*. os Pumos, ele. Empr^a.lo iliarlum. ni.- vil ret,*r, mas
IHJECCAO CADET
', 7. B Orniia,
Cara
o uiif-bc < consolida o sautic |
r a d.aj o> toiriininioj aniigos ou recentia
. o man rtbfWw.
s autoridades policiaes, sos
eapitaes de eamp, ;
quem mais competir.
No dia 29 de maio do crrente aone,
fugiu o escravo Exeqniel, crinlo, de 30 a
.{annos de idade, estatura rcgolar, n fot
cado, cor bem preta, cabera redonda tra-
java carniza azul e calca de casemira rin-
zenta : durante o dia costuma andar ga
libando as mas, ou armazms de assocar,
ou as tabernas a conversar e a beber; i'u
rante a >oite recolhe-se a telheir.s. alar-
tos ou petxtraveis. casas em cmiMiu-. 3o c
"litros quaesguer lugares, onde se
abrigar : quem o apprebend.r lealia a bon-
rtadt de o conduzir ra da Aurora n G
onde ser ratificado. Segor.d.. s ui?or^
macSea, parece estar em Sermli5em, no-
"ngenhos prximos respectiva v-IIh
ViPSmJu !de1Ju,ba1 f;,hra !"> nme F*
iix, conipradi ha das do me, ,^,(, p
Escravo fgido
(lia 2 de julbo. o cabra | r
idu ha das do mci p.
Muardi Per-ira de Souza.dc Am Braoc*. ih
'it I lauco com o< siKnaes MfQiiiKc: .- ,-,|,r,.
csiiiro, i.iadc Jo annos, otatiira rpgilnr, i-h.-io d-i
ftjrpn. cara larga, mal (raraU.., atina riind.w -
(|jandolha d^ revea, Uto f,lta .le d-ie.- DJ
lurno de cima, -em barba, falla dft*aiM vou cbaija dfl car.., calca de brhn parl
de alg.ida^anh.1. duflni qoe vai era ir-rct, a>
serwu Fugio uiait no da 21. o m i;,h<
id.de 40 a.im.s. alto. rabcHu Miniando, b ib
um tamo amarello. anda a titulo d.- i.r cunr se
nhor, r.i comprado ao Sr. Loii Barfialho t: .
cano, morador ik> liifrar P & i nh. a Tm
baul.a ou S. Vicc.ie, dizeni que am
eoii.ir p..r onde Wlc foi escravo. 1
lirim, carni-a d-> chita, cha,
quem apprehender e
casa do aliaixo assignado,ra da lo '. 4j,
f|uo j-ir hem recompensado.
Je s Lopes Alheiro


8
Diario de Pernambuco Tere, feiro 20 de Jullio de 1$69.
CMARA DOS SUS. M5PTADBS.
SESO EM U lili JIMIO.
rSK9IDK.NCt A DO
uin ter-
] por annygniuto incoov. a phar. mw uf**** obrigadas a pr-Uw
llllill.TUlI *
estabetcesse a linha teiegraphica desde essa pro-, o Sn. Milus-rao da M.uumia :Se istqJr preci
vincia al a Baha, uma vez <|iie a asoriafo <^w*JMMM|ptainonta, em tal caso V. Exc. sera cha
inercia! ofTerece sera duvida alguma tudas as y fer,
rantias da melbor realisaco desse projeeto ? ^|^H
E a e-te respeito direi airela ao n
js ofoservages. feitas por esse nobre depu-
ido ; t> por mais tic urna vez Mata casa se
i ;m repetido as reflexcs que elle fez, re-
floxas justas incontestavelmenle, reflexoes
procedarttes, nao no serrtido em (pie as to-
mau o sobre ministro da nnrinlta, quaiido,
(HK cxe;iU;lo, suppoz que o obre porPer-
i.aiubuoo peusava que o gab'uite actual re-
c'tva ante a aiieaea ou quajquer oulra con-
sidecacjto !a parlo da oppusico; neta fui
*sto propriainetUe o que o nobre depulado
disse.
O Sr. Ff reiiu t: Agl'i.vr : Sem du-
id>.
O Sn. Souza Rkis : O que elle disse
>i quj poiLria talvez persuadir-se alguem
qua' o partido conservador subiara por uma
concssSo da opposicai, por una conees-
:1o daquelles que estavao ento no poder;
. djite pensamento para o que fui enun-
ciado pelo nobre ministro da marinlia vai
sem duvida milita diTerenra.
9 Sn. FKftBF.m.v dk Agota*: E' perlei-
tameittc differente.
O Sn. Ministro da Maiumia : Entend
iOl
OSn. Soirzv Rkis:Ped a palavra, Sr.
presidente, na occasio em que o nobre
ministro da marinha fallou das considera-
ries feitas pe nobre deputado pela mitiha
provincia relativamente guarda nvcional.
fl isto porque S. Exc. declarou que o pen-
samento do governo era que as reformas
Jos olBciaes eram iiiegaes.
O Si. Ministro da M.vrimia :Sem ex-
cepc3o.
O Sh. Souza Res :Sem excepto. Era
assim que eu pensava; era assim que o
paif pensava, porque (fallando do pa*z) nes-
te sentido a imprensa levantou questo,
liscutio-a, e.sem duvida, resposta nonhti-
raa seria sn dea.
Mas. Sr. presidente, o nobre ministro da
; inha deciarou nao s que era esta a
rjpiniao do' governo, como qne n5o se ti-
rilla recusado deferimenio a nenbum oili-
;.i!, que liouvesse reclamado sua reinte-
^raco. Peco licenca a S. Exc. para contes-
ta lo neste ponto, pelo menos no que diz
respailo ; minlia provincia.
O Sa. FKRnr.nu de Agi'-ub :Apoiados.
O S Ministro d.v Maiunha: Recu-
so j-se ?
O Su Fmreira di: Ac.iiar:Pelo rne-
nio so satisfez.
O Sr. Mirvisrito da Mauimia :Isto dif-
ieren te.
O Sr Soi7A Rkis: Sem duvida alguma
i-eintegracoes. se Rfeerwn a principio ; muitu
as co.n a presten que era convenievte.
e ponas cora grande ruorosidade; de ma-
/loira que algum is mntegraroes foram fei-
tai chic.) ou seis mazos depois da reclama-
co ; e Rinda esto pendentes reclamacoes
quf. tem mais deste prazo, a respeito das
quaes nenliu'ma solucfio absolutativ nte se
ten dado : sao estas em Damero talvez pr-
ximo Se \i;ile, das qaaes precisarei algu-
mas
O 8*. Mim>iro da Mvrimia:N5o, nao
necessario, ea creio.
O Sr. Soor.v IIf.is :E' sempre hom : sao ellas
as que fieram n conimandante superior de Bar-
reiros e Agua Preta, o cliefe do estado-maior ie
Santo Antaa, u cominaiidante do batalhao de Afo-
gadas, o coniniandantc superior e o chufe do esta-
do-maior de N'azaretli, e afguosofflciaes da comar-
ca do Limnira
Un Sis. {tepOTAOo :-E nte parece que ttmiwin
da de Goyanna.
O Sn. soez v Rkis :Tambero de um dos coifl-
:iiandantes do batalhao de Goysnoa.
Ja v portanto, o nobre ministro da marinha que
nao tero sido p.tr falta de reelamaeao que teni
deixado de ser reintegrados aljjuns offlciaes. E,
iois, eu me aproveito 9a oceasiao, em que S. Exc.
sn. viscomu: de cama-
RA9I
(Omtiiitiarfiin
Uu Su. Diu>L'fADO : Ftain pan
por. (IMaridail, .1
) S. S m za f.is : Kste nobre diputa-
da ni ir. i.-a por cerl ]> ju voaba ex
lf as suas palavras, que eu venta c.\- i d,z?.r flnw* b<*T "rrench
,r o seu pensamentj: mas me pennil
i eUe que, alm do (pie eu disse. aceres-;
vatJ qui o nobre ministro da marinha nlo
idiroa dar s suas palavras o yerdadeiro
sentido.
O>. Ministro da Mvuinii.v : SintO
muitu.
U Su. &0iU v ftatt : '"ino eu ja disse,
;.reioqua o nobre minisliu da marinha deve
tUf onrancido disto, pelas declara(oes
franca- q e fez, respondendo s queixas
.Jas*e.nobre deputado.
Eu. Sr. presidente, assim como muitos
dos obres (lopulados, smto as mesinas
tusas que fizoram toraar-se como queixas
a o n
m marina* que R. Exc. eny.ui.m-se. quand
disse que nao tinha sido nbula .1 aiit tri^sMja
Eadida pela assoclac^o c invn K-cial de IVrnain-
uco.
O Sn. Ministro da Mablnha : Pelo ministerio
actual J
O Sa. Sotiz* nns:Sem das i la algama1 o
negada por ditas rasas.
O Sn. FeiniciRA de Ar.iiiAR :-l''.'i : maso Sr.
ministro da apicultura ha pouco fe/.-iu a lioa*
para contra-
i tar a linha telegrfica, para Ptroatnbuwi.
O Sn. Souz.v ItKrs : -Nu< soui !^-
lar pelo quo sabemos do publico ; n qn*e dstl
olllcialmente foi que nao era possivel attender ao
que propunha a associacao COUinwrffial de l'er
naiiicuco, que alias achou afJDio no digno presi-
dente da provincia ; porque o governo geral se
reservava o direito da estabeleccr por sua cunta
linha tclegr.iph.ica que devia conimunicar as pro-
vincias do imperio com a corte.
Entretanto, Sr. preaUeote, fuhjando mullo de ler
ouvido do nobre ministro da uiaiinlia a declara-
cao de que nao non ve a menor ntenca de negar-
so provincia de Pernamlmeo meltioraiueni 1 la
til, tao proveitoso ; vendo mesmo agora qae o
nobre ministro da agricultura se propde a abrir
espaco aesse melhoramunlo uoe a associacao com-
mercial da provinci^yle Pernambuco ipter levara
cffeito, prestindo-se at a ceder ao governo a em-
preza ou a sua administraean iiHleoiuisandu-a co-
mo Ihe parecer m3is conveniente...
O Sr. Pkrreira m Aouiar .Acabo de ser in-
formado que oSr. ministro da agricultura f-'Z al-
guma cousa nesle sentido.
OSn. Socz.v Heis:Acabo de dizer que, tend.i
ouvido isto que o nobre deputado refere, rada vei
me declaro mais salisfeito eoai as palavras do
nobre ministro da marmita ; c me reservo para
em torapo opportuno dirigir-nie do inesiuo modo
ao uobre ministro da agricultura, visto que S.
Exc. se acha em t3o boas dbposicoes a respeito
deste mellioramento, disposicoes das quaes, (Mae
sempre doclarei a meas collegas, tinha milita con-
liaiiQ.'i, porque nao acreditava que pudesse hayer
o menor desej 1 de fallar, em cousa de tant;; Jitiii-
dade, a urna provincia qae Un stmpue merecido
tanta attencao do goveno.
Dito isto, permitta'a cmara que eu ao concluir
declaro que, bem longe de ter nieu collega, Repu-
tado pela provincia de Pernambuco, feito OH
desservigo ao gabinete, fez-lhe mu relevantsimo
servieo (apoiados)...
O Sr. Ferreiiivdh Aouiah : F.i. sito que fiz as minbas recla:uacoes.
O Sr. Socza Keis : -.. .e a ningueiu deve cau-
sar estranheza seu procedimunto, 1 nao se querer
dar s suas palavras interpretarn ililferentc da
que se Ibes deve dar exactamente ; porque os re-
presentantes da nacao tm o rigoroso devef da
trazer para o parlamento as qiuixa> que nao sao
ouvidas por oulro modo. (Apoiados.)
Era isto, Sr. presidente, o que me propunha di-
zer, pedindo a palavra na presente disciissao do
projeeto de llxaeai? de (orea nava ao qual decla-
ro cmara que presto o mcu voto com tanta
niaior salisfacao quanta tenho de prestar miulia
confianca e apoio ao nobre ministro da marinha
(Milito bem.)
O SR. CANDIDO TORRES FII.IKf: Sr. presi-
dente, ped a palavra para explicar o pensamento
de um aparte que di lia poucu ao nobre Sr. mi-
nistro da marinha, e ao qual S. 'Exceden uma
resposta que Yiao muito cuo-cntanea com o sen-
tido das expressdes que proferi.
O Sa. Ministro da Marinha :Sao osles c
convenientes dos apartes. (BtadafcJ
O Sr. Candido Torres Fiuio .Ja Uve, Sr. pre-
sidente, a franqueza necesaria para declarar a
opiniao que professo em relacao ao ponto capital
boje da nossa poltica externa, a terniinaeao da
guerra exprimi-me aqu com a majqr franque-
za em outra oceasiao : a cmara hoje nao estra
nhe se eu derntemasiado descnvofvlmenlo 4nm
dos pootos dota questao, desenvolvimento tal vez
um pouco inconveniente. (Oh .' Oh I)...
Digo inconveniente pi rque nao fiesejlria eliegar
aa ponto de que vou tratar ; Ibas a demonstrara >
da proposieao que aventurei- lia pouco me leva
talvez a esse extreiyo.
En disse, Sr.' presidenle, qiiando orava o nobre
ministro da marinha, que nao m \> tilia desligar
bfoa do novo paraguayo,* pori|Ue elle o ehefe
recunhceiiio desW'BOVO Adiiiira-me que > possa
ainda boje sustentar opiniao contraria : elle B o
representante legitimo daquelle povo, tao legi-
tini > e \erdadeiro chele como qualquer oulro so-
berano da nacao que govenn. I Muitos nao apoia-
dos.)
Nao quero quo se uproveite este incidente para
interpretar de uin modo odioso a mnha posic/m
uno Tomes Fiuio :E ento nao-se-
ra unwi posicAo meiiad rosa a em queso achara
Mocado o actual governo so tifer de fazer essa
pazf
I' lisiro da raarinlia que estas
mi talv-- :oavej an-
tes di t.t tratado da trplice allane;'.
Ni : ler iiu-luido nelle esta'
eoudico, 1, itoud parte daquelle |Jw
um ardor e enliiusiasm" na sui delesa muito
' ibele.-ido seme-
.-ula. ^^-'
Mi I i (hrlaplice allan-
ra nauc-4rr((04arvcL \v. .' feito pelo- ho-
a experiencia
Utii >W\uwFite ilemonstr.id que esse tratado
na 1 (ii-n .ule esaclanunte ao que se devia de-
sejar.
I.n uro ponto roesipo ja elle.foi alterado e eor-
rigido ; 110 tocante ao eominando em ehe'- do
exercito ; e so foi alterado neste -ponto, pomiie
nao o poder ser nesta clausula principal, quee a
que nos tum mais e/improinettido ?
l'orlanto, Sr. presidente, cala cansideiaeao do
que o traiado da triplico ailianca W IRft de ac-
cordo com oulras potencias, e ipie em taes cir-
eunstaneias nao p-xlerrios ininpe-lo, nao deve ser-
vir de motivo pora que eoutinueuios guerra in-
denidaineiite.
Eu nao digo que faltando lealdade que deve-
nios aos nnssos allados, e s cenveniencias que
-e de ve 111 entre si naeoes eivilis-adas, -Tamos nom-
per o tratado da trplice ailianca e fazer a paz por
uossu cunta, d<-\ando os uossos alliadus sem
campo ; mas, pergnntaivi ao nobre ministro ; ja
se tem prororado remover este obstacul invenci-
vel H paz, osla clausula quo anda persiste mi tra-
tado da trplice allaflea 7
i'em-se procurado chegar a 11:11 aceordo rom o
fin de alterar o ti ata 11 <"ii relaeio a C4ti clausula,
romo se fez a res|*ilo do commandicj em ciiet'e do
eT.ercilof
Creio que nada se tautou amia fosle sentido.
Como pois so voui allrmar que -remos \.\-
zera paz prescndiudo ila clausSa -la expnls.io d
Lam ?
So porventnra o goveran se tivcsso-deliberado a
suupiimir esta cluusub, aeiivlto quq |Kdeiia con- j
lar com o apoto dos nossos :'lliad is.
E cu petti assim porque vejo qHo bmbem all m
O Sn. Candih) Toiiiiks F11.no :Mas lubro de 8."!l, o imperial marinh.-iro tem di-
ainda 110 I rir por SO^nnos. Em. paiz nenlium do miin
declara com t la a franqueza qual o pensamento nos a mi>sao de fazer-lhes um lienellcio queclb-s
do ffoverno .1 este respeito, para pedir que nao se rejeitam ? Devenios impor-lliesun chefe___
irolele por mais tenipo a solucao de semelhantes O Sr. Sch/za Rkis : Mas quem diz 1.-.-0
ratfUnnaBei, porque aqni davtda alguma o servigo O Sr. Candido TonitEs Filho : ... cbmos
publico ten sofirulo am isso. seus votos, contra a sua vontade t:"i" repeUdamon-
V. Exc eomprehendeque se a guarda nacional te manil'estada ?
t,vi acojinada, ao ponto de snppor se que nao Mas, Sr. presidente, eu alTirmo crepito ainda
pido ella prestar os servaos para que 01 creada, que os successos da guerra demonstran] que m-
embora se attribiia este mal lei de sua organsa- pez tero o apoio quasi unnime dnquella narjao.
(5o, qaando certo que elle nao resulta da lei e (Nao apoiados.)
sira de sua enemiga, tao 6 difQcil eoB&ecer-sc Um relo que alj so den nao tem aiktago na
o incoa veniente q;e resulta de so nao attender historia do mundo inteiru : retiro me ao facto da
as re feitas coMm ae reformas Begaes; evacnaclo em massa de todas as cidades, iiu-lusi-
porque aquelles que se acham 11 -s coiuuiandos de ve a ptopria capital do Paragi:a\. de mi lo qti-
bataihio, nos comnundos superiores, nos dileren- quando os alijados passavam por aqi\erles lumires
tea postos superiores da guarda nacional, sao os nao cncontravam o menor vestigio de que tinliam
que lom ui m.'ios de executar bem ou mal a le. elles sido habitados por uma populacho tao con-
D'alii, portante, a neeessidado indeclinavel de se sideravel.
aten lamaeoos queja Esto facto por si s a deroonslrneao mais rio*
I .) queule (ha apartes) de quo o die!,idt>r do fra-
ilro assnmpto. guay fanatieameote sustenta.I,- naquelle paoc,
tratando -1 nobre ministro da marinba da ques- de qne elle cegamentc obdeeido. e de que para
elctricos, tere aiuda airan- executar uma ordem sua sio capazes do sacrlfi-
tjueza de dizer-nos quo fei tambero com o seu voto cios a que nunca se resignou uacao nenluiina do
se na 1 atienden reclatuai;5o feta pela pro- mundo.
v.ncia de Pernamt-iieo... Nao quero indagar as causas dcstes 'actos, sei
O Sr. MMsrao da Marinha :Adion-se. que elle sustentado com a maior' ih-dicacao pela
O Sr. Souz.v Hkis :.. .e snppe S. Exc. que sua gente, e se nao lora o fanatismo rom que elle
o*te proeedimenio [ustiOcado pela eireomsten- > defendido, certamente esta guiTia nao teria sido
fe quo a Ijaba lelegraphje, quo nos denomi- to procrastnada.
namos tambuco, ntemendo com o resto O Sa. Figueira m Mello: Tudo rj.-ella da
biku os p.i/.es transatlnticos, forcae dapressao deLopez.
um Oitud-i especial para que se adopte O Sn. Candido Torres Filho : Cmo uro lio
utnsysteina ad leonanranieaca que deve mem s pode exercer tamanba pressao sobro lau,
uiip-rio, por este malo. tos inilhares de individuos? Se p'i ventura elle ti-
Ma l o nobre ministro da marinlia.que vesse no sen paiz um partido con'ra si, setfs-c
eu nao <' 11 a sua opiniao ; porque ni uma opiniao vaiente quo o COtnbatesse, estarla ha
: su-.-itai-s. duvida sabr a ili- muito tempo derrocado o poder de-bopjz. (Ht
linha telecraiiiiiea, qui-r ella seja intuios apartes.)
itc costa de Pernambuco, Eu, pois, eutendo que nao se pode, na guerra
pese nao se fosse que movemos ao Paraguay, des. da na-
de Pernambuco, ncnhmn duvida have- gao paraguaya. Aeho uma iniqui lado u seto
contra o direito das gentes, contra
.:Para o interior. cedentes, ero r. liante.-', que se exija a ex
i>9b. SoczaR fcil susci- pulso de Lpez para fazerroos a paz. 6 en depto -j
tar-se duvil i: linha tetegra- ro quo se diga pela bocea dos ministros que Bao
I em os faremos nunca a paz com I
lanticos, de i > I queso acredite O Sr. Ministro da Marino \ : fir.-i.
que, a 10 o litoral (Apoiad
rJas p pd.- O Sn. Candido Torres Filho : t, Sr.
apr,n car a pro- presidente, perigosa e inconveniente essa declara-
com o resto do imperio, r-'partida do governo...
no seu profon ; Sn. Mimistro da Marwha : D governo, u,\
cati des-a de mim. .
la costa, sub- O Sr. Candido Torres Filho : ... porgue aj,
'?:!. Donde vemIsperaaeas podem falhar,^r%uerr.i p le tomar tal
mo. iMaborea, que tos que nos adiamos aqu se
tados como representantes da nacao brasileira,
nao o somos mais legtimos do que l.opez o do
povo paraguayo. (Uoclamaeoes e apaites; nao
apoiados.)
A questao de que Lope/, 11111 tyianuo. sangui-
nario e covardu e inteiraineiile estrania nilc-*to
de que uiejocciipo ; ser talvez un mystero iin -
penetravel que s o futuro poder d.-vassar-; po-
rm o que eerlo que o dictador do l'araguav
tem as maiores adheses do seu povo (nao apoia
dos), e os netos successvos que temos presencia-
do durante esta guerra nfio nos demonsiram oulra
cousa senao o vivo, fantico apoio une tem da
parte da nacao que elle governn. (Nao apoia-
dos.)
Nao somos, Sr. presidente, mais legtimos repre-
sentantes, porque Lpez foieloilo lambem em um
congresso pelos representantes do sea povo.
Uma Voz : Que congresso? Ha oulros.
tes.)
O Sr. Candido Torres Filho : O que certo
porro, que elle sustentado con o maior ar-
dor ; ser talvez eonsequeucia da educaco jesu-
tica daquelle povo.
Um Sr. Dfpit.u) i :Logo, nao ha pardade en-
tre 1 elecu delle e a nosssa. (Apoiados.)
O Sn. Candido Torrks Filho : Mas se aquella
povo nao tono a necessaria educaco para conhci-
cer quo Lpez tem sido um tyranno. um inimigo
da sua patria, devenios nos assumir o papel de re-
generadores do povo paraguayo e lomar sobre
ouln-s. apar-
tara, portanto.'ifmaoutra compiraeao. Eu aillr-^#mos all fundar nao livor em seu apoio a.massa
da noptdaco que se possa considerar a maioriada
nacao paraguaya, os Miles estraugoiros eoncer-
daro nisto? Poderemos contar Com o roconhe-
cimento desse governo provisorio por parte das
naeoes estransgoiras .'
Como se sustntala seraelhante governo se nao
fr acceito pelo povo (taraguayo ? S poder elle
nianter-se pela occnpacao permanente e ndetiuida
do iuisso exerciio all, o isto ser a contiuuaco
dos males que nos tem I -vado ao critico estado ti-
nauceiro em i|ue nos aaltanMS.
O nobre ministro da marinha disse a este res-
peito que nao havia receio de que Lpez fosse re-
clelo.
O Sn. Ministro dn Marinha :Eu nao disse re-
eleitp, mais hu eleito.
O Sr. Candido Toasts Fn.no :Lopej foi con-
lirmado pelo eongresso paraguayo, so Iwuve com-
presso all tambero entre nos se diz que ha com-
presso as eleces. Disse o nobre ministro da
marinha : Esta hypothese seria o mesmo que
suppr que s ovelhs cscolnessem o lobo para seu
pastor. Certamente cu nao receio como o no-
bre depulado por Pernambuco, que cssas familias
arrebanhadas pelo nosso exercito, que cssas cen-
tenas de pobres velhos e criancas que se acham
em_A>sumpeao vio retleger Lpez; mas a popu-
la cao do Paraguay, que ainda sustenta Lpez, dif-
fluilmcnto eeAseguiremos arreda-la do seu chefe,
quando al hoje o tem sustentado com tanta dedi-
caco. -
Senhores, o procedmento que estamos tendo em
relaefio ao chefe da naeo paraguaya parece-me o
mais proprio para cada vez tornar fantica essa
dedic.icao com que elle opoiado. Acredito que
es.-e alan com que declaramos todos os dias que
fazemos a guerra nao ao Paraguay, mas sm o L-
pez, apezar da demonstracao que o povo all tem
dado de que est identilicado com seu chele, em
vez do despertar odio contra elle, produzir o effei-
to contrario, pois que elle Picar sendo aos olhos
riii, o qu temos visto a
at fanatismo em defender a Lopes, e se nao fra
essa resistencia heroica que os Paraguayos no
tem offcfeokk, certamente a guerra nao se teria
prolongado tant- ;JHa\ga7YX ~
Por consequencia, Sr. presidente, receio que
ainda na mellur hypothose, inda cwi-eguindo se
todos os fins do tratado da triplico allanea, nao
vamos senao seniear complicarles para o futuro e
at'raliii sobre nos a responsabilhlado deumaini-
quidade, de um grande erro que nos nao coinnie-
teinos.
Vozrs:Muito t*m !
Ningiiem mais pedimle a pilavra, o Sr. znsi-
denl<- declara a diseilsso (Hicel rada.
Dada a ordem do dia, levantaste a sesso as 4
horas da tarde.
SCSSAOKM 17 DK Jl'IJIO.
PRKSpMHCU DO SR. VISCONDK DE CAMARAOlBn.
Ao mco dia, 'eita a chimada, verilicamlo-se
haver numero legal, abre se a cwao.
O Sn. I* Sborktario da conta d segunle
HMMBKTR.
t'in olico do niinsiL-ri do imperio, enviando
as copias dos decretos pelos quaes foram conce-
didas pensos a Francisca Mara do Nascimenlo
e Jos Pazco.-A' commi-sao de pensos e orde-
nados.
Ontro do mesmo ministerio, eommunicando que
S. H. o Imperador licra nteirado das pessoas
que compoem a mesnia enmara, que tem de ser-
vir no segundo mez da presente sesso.Intei-
rada.
Outro do mesmo ministi-rio, declarando que se
expedir avisos s presidencias das provincias da
ahiae S. Paulo, acerca das decscs desta cma-
ra sobre algumas eteicocsparocliines das referidas
pi-,viiici.ns.-Inteirada.
Ontro do Mesmo ministerio, enviando o ofcio
di pri-sideneia o qual transmute ;.s actas da eleico primaria a
que se pr.icc.leu na parot:lii.i do t'.ascj, d.i col-
legio de.Maranna.A' terceira coromssao de po-
d.-le-.
Oulro ib ni'.smo miuislerio,'enviando o ofMcio
da pi\!>:iloncia da provincia de Coyaz, com o qual
ti:m-ml!e varia- artas relativas s ek-ires que
se procedeu na mesma provincia.A' mreau
eoiumssan.
Oulr.i do minst ro da marinlia. aeensimdo o
rcecliioiLiito lio uiiio desta ranura, no qual rum-
haver a mesma cmara deliberado na
sesso de .">, ipic se cou de r.-lieiaco o agr.uleeinhmto s torcas -le trra
o de mar, ao jnehlo duque do Caxias pelos gl >rio-
sos feitos de armas alcacados nos campos do Pa-
raguay, e eommunicando que se transmittira ao
qaarlel-geiieral copia do referido olUeie, alim de
ser piiblrado em ordem do dia para eonheeimen-
to da armada.Inteirada.
Um requerimento do ex-nspector da repartcao
das trras publicas da provincia das Alagas, Joo
da Gama Lobo Beirtes, pedindo restituicao da
quai)tia de 4:Ci8tl9 rs., importancia das diarias
de dons apontadores e os jornae*qfejJ i versos tra-
balliadores, cuja importancia foi gttaada em suas
cuntas por ordem do governo.A' roinissao de
Outro do csjnselheiro Jos Mara de Avoilar
esto erro que nao f.nnos Broten, lente e secretario da facuidade de direito
que nos tero sido tao fu- de S Paulo, p-diodo ser aposentado no lugar de
secretario, sem pn-juizo da jubilaeo do lente, na
forma dos estatuios das faculdades de direito.A'
commissao de pensoes e ordenados.
L-se, e vai a imprimir para entrar na ordem
d. s trabalhos, cinco das depois, na forma do re-
gul;unento, o seguinto parecer :
Foi presente, tercoira iwwinfssao de poderes
a teta daeleieo primaria da freguezia da cidade
de Paraeat, do stimo distrcto da provincia do
Minas Geraes; e tendo corrido nclla com toda a
rejiularidade o processo eleitoral, a commissao
de parecer que seja approvada a referida cleea >.
M Paco da ea mora do< deputados, em tfi.dolu-
Ino de 1869.Souza Reis.Burros Brrelo.La-
Hugo. "Rodrigo Je SomaF. Misario. <
W-se. julga-se olijeeto de delilM-iaeo, e vai a
imprimir para entrar na ordem dos trabalhos, o
projerto seguinte :
A assembla geral resolve :
t Art. i. Fica o governo autorsado a mandar
admttiraavame ila- materias do primeiro aonu
do curso medico da facultlade de medicina d.i cr-
e. depois de approvado uro algebra, o alumno do
primeiro anno do curso de pharmaca Alfredo
Cartciro liberoda Luz.
Art. 2." Revogam-ss as disposioes ero con-
trario.
Sala das commsses, t7 de junbo de 1860.
Diutrte de Azeoedn.Boina Assis Rocha.
Li^em-sc e vo a impimir para entrar na ordem
do- Iranalhos as redacroes dos prnjectos, eonee-
dendo licenca aos rs. Joo Jos Ferrera de A-
guiar o Lourene Trigo de Lourciro ; mandando
transferir para o ipiadro elTeelivo do exercito o
cirargio de brigada Dr. Antonio Jos da Fonsaea
Le-sa, concedo'udo pensao a D. Mara Amalia Fer-
reira.
domina o cansaco. que apezar d tmmensos bene-
ficios que a repblica Argentina tem catliido rtesta
guerra, ja alguus dos niembros cui sc-siio publica cliegarum apropi' o ronipinien-
to do tratado da tnpjjce alhanra;.* pormais.de
nina vez a unprensa all lambem tem discniklo a
quosto d paz como una cousa Urgente, que e
nao iiuve adiar.
Deploro, pois, Sr. presidente, esta persistencia
em uro erro, que lia muito tempo se devia ter sa-
nado, at porque nao partilho a opiniao de que os
go ver nos que se. succedem no poder dovein adop-
tar n ariedado que os escravisa uns aos
nutres.
Hoje domina no paiz uma pohticaofiposta da-
3uella que BWK>u;csta guerra e quo> bao tratado
a trplice ailianca. Une inconvcmenle. portento,
haveria em cocrigir-se
los que pratiruios, e
aeatuT
Finalmente. Sr. presidente, se bem,que as ulti-
ma- noticias da guerra sejam milito satisatoiias
o animadoras, e promettam para alguns prximo
dostoiliodsta lula, eu entendo que na bypotiiese
mais favoravel, aada naqueliaque esperamos como
necessaria para termnaeo da guerra, isto ', a ex
(luisasde Lpez, anda assim nao telemos colaido
seno resultados ephomeros, surgro maiores em-
liaraeus no futuro, pois fiearemos eeBuudw em
ciicum-.laiicas muito iiulinIrosas. O dia ero que
retirarmo- d'alli as nossas tropas ser talvez a
ve.-pera da reentrada de l.opez.
O Sr. Ministro da Marinha :Quando llosas
nao recnlrou ero Buenos-Ayres, muito menos L-
pez. Nao tenho esse mslo. t>
O Sn. Candido Torres Fii.ho .Rosas era odia-
do e execrado no seu paiz. tinha um partido nu-
meroso mitra si; entretanto quo Lpez nao est
nesle caso; pao lm partido algjiii no Paraguay
contra si, nao tem sido abandonado pelo seu povo,
ao coHlrario lem merecido delle o maior apoio.
Ciuquaiito os fados nao mostrares AM lima
grande parte daquelle povo se destaca do -tu c I tefe
para fa7.ere.n1-a conunmn cuinno-co, omquanto
Lpez nao for derribado pelos seus proprios^go-
vornados, nao vejo impossihilidade, ainda i|flmndo
elle seja expulso, do poder do nevo all vettar e
sli oulra vez collocadonacadera presidencial por
aquellos.que j uma vez o elegeram.
Receio, Sr. presidente, que ainda nesta hypo-
these, a mais favoravel, sobrevenlu-m qnesto
melindrosas das ipiaes difllcilmente possaiuos sa-
,lijr. Se jwr ventura o governo provisorio que va-
xige Uo mai iubero uu do soldado tao longo paco do tempo para o servieo. Se um hornera
eaira para a armada com 18, O 00 J4 annos, so
mente quando attmgir aos 38, 40 ou 44 annos po-
dera obter a sua baixa.
Todos os ministros qu8 tecm drigido.a paste da
marinha, todos os altoi fuaectonarios desta corpo-
raoao reeonhecem que nma das causas prinripaes
da escassez de voluRtarios para o corpo de impe-
riaes niarinheiros provm (leste longo lapso de
tempo que se exige para r, servieo. E ainda mais.
Sr. presidente, as desercoes que infelizmente man-
cbam scineibante corporaco, teem a sua orgem,
asna base enrdeal em semelhante faci.
Em Franca nao se exige do individuo que vai
servir nos navios de guerra mais do que ei-
annos, e nos inesmos, pela legislarlo que vigora va
at i8Si, apenas exigamos doze annos. Depois
deste lempo poder o imperial marinlieiro, se qui-
aer wntnnar na armada, reengajar-se, e entao se-
ria justo que tivesse direito algnmas vantagens
mais ; quando elle aungir, por exemplo, aos qua-
torae annos de servieo, ter o meio sold como
vanlagem ; quando chegar aos dezeses annos po-
der reformar-so com esse meio sold ; e quaodo
chegar aos vinto poder ter direito reforma com
o sold por inU'iro. Desta manera so abre me-
lhor horisonte'a estes bomens, dstinclos^ervido-
res da patria.
O paiz nao tem o direito de exigir de seus tubos
toda a s;a vida, toda a sua selva ; mister deiar
aos individuos que se dedicam aos trabalhos do
mar, alguma folga, algum repouso, para que pos-
sam tratar de si e de suas familias.
Eu vejo que at os propros aprendzes mar-
nheiros que enlram para as escolas que se crea-
raro (e que se crearam por bem deste paiz, por-
que, se nao fossem ellas, nos nao teriamos este
nico vvero de marnheiros para a guerra do
Paraguay); destes aprendzes marnheiros, repito,
uns entram para as escolas com 7 c outros com
8, 9 e 10 annos ; permanecen! nellas ate comple-
taren! a idade de 17 annos; d'ah sao levados para
os navios que csto activamente em servieo, sao
levados como agora para a guerra do Paraguay ;
e, entretanto, se exige destes mo os, que j passa-
ram cerca do 10 annos em uma escola de apren-
dizagem, ainda mais 20 annos de servieo I Isto,
ineiis senhores, me parece ^summamente inquo;
e esta a razo porquo ascompanhias de apren-
dzes marnheiros, que pela le da sua organtsaco
dewin contar 2,400 meniuus, apenas esto com
l,i:7.
Eu julgo que nos restringindo o tempo de ser-
vio, havemos de colher nmiediatarnente o resul-
tado.
Sr. presidente, precisamos de attender com al-
gnm cuidado para estas materias, por pie o Brasil
nao pode deixar de aspirar a ser urna potencia
martima ; cerca de 1,000 leguas de tosta desde o
extremo norte do Amazonas at quasi o Prata ex-
gero certamente nina marinha respeitavel ; e se
um exercito so pode improvisar, como ha pouco
praiieamos, se nos foi possivel mandar 100,000 bo-
mens s plagas paraguayas, para defender o r-a-
vilhao ultrajado, nao nos ser fcil elevar de um
dia para outro o pessal da esquadra a um p res-
peitavel.
A Franca posse a inscripcao martima ; essa
inscripcao eleva-se presentemente a cerca de
150,000 homens ; foi ella creada pelo grande mi-
nistro organisador daquelle paiz, Colbert; ero
1683, ereanuo-M essa instituirn, pela qual se ins-
ereveram logo 77,000 homes, providenciou-se
para o estabelecimento do grande vveiro da ma-
rinha franecza.
Mas entre nos nao se d a mesma cousa ; entre
nos esta inscripcao martima que se faz as capita-
nas dos portos rombo insufliciente ; mesmo as
costas, esse servieo nao est bem discriminado :
ha muitos conllictos e confusao coro a guarda na-
cional. (Apoiados).
Os nossos patricios, comquanto lenham aptidao
para a vida do mar, comtudo nao se resol vem f-
cilmente a abandonar as costas das provincias em
que habitam. E', portento, rnister crear-se um
vvero para a marinha imperial, que d a garan-
ta necessaria alim de que o servieo nao se torne
summamente pesado aos que una vez para elle
entraran, e suppra os quadros precisos em caso
de guerra.
Por conseguinie, eu pedira ao nobre ministro
para que S. Exc. prestasse a sua acquieseeneia a
uro additivo reduzindo o tempo de servieo de 20an-
nos a 12, wtabelecendo o direito a reforma quan-
do por ventura o imperial marinbeiro tivesse ser-
vido por mais lempo do que aquello que Ihe exi-
gido para obter a sua baixa, pela forma que a
principio imiiquei.
A insttuco dos aprendzes marnheiros, Sr.
presidenle, lem dado to bellos fructos qu3 nos
podemos ter vangloria de dizer que os Estados-
Imidos da Amrica acabain de copiar o que te-
mos feito, crearam companhias de, aprendzes ma-
rnheiros; e a propria Franca tambero creou
urnas companhias a quem denminou papillas da
Dimiiilta.
V-se, portento, que nos tvemos a iniciativa em
semelhante materia : quando creamos as couqw-
Entram stiecessivauente em discussao. e sao nbias de aprendzes msTinheiros. esses dous pai-
daqnelle povo o m
11 Sn. Mi.sajpjta
zendo eotrs
de uro hom
0 SR. CiA.VDHnri
querer impr a 11
-^alr
\'. nrfit
a causa nacional.
.:V. Exc. e
Pois a causa
ho :E' o cuso de
u ebefe que ella no
aceita, ffo ha exemplo na historia das naces,
como bem ponderou o nobre deputado por Pernam-
buco, de um facto semelhante. Nem msalo na
guerra contra Naptdeo os athados se atreveram .1
exigir a sua expulsa-, sefli quando elle mesmo
se comproinetteu por um tratado solemne a r-
nunciar os seus direitos aotlirono por si e por sua
dyUlhasUa.
O Sn. Fi:hhkira df. Aci iar :Perdao, cu nao
disse que nao havia exemplo na historia de que se
impuzosse urna pessoa para chefe de um Estado,
mas sin do fazer o fim de urna guerra dependente
de urna pessoa. Sao cousas dilferentes.
O Sr. Antonio do Prado :Note que o governo
francez teve o mesmo procedmento no Mxico.
O Su. Candido Torres Filho : -Como ? Naquelle
paiz as cirrumstaim^as eram muito ddTe.rentes.
0 Su. Duque-Estrada Teixeira :Nao justifica
a expedicao.
O Sn. Candido Tobrs Filho :Nao justifico,
mas entendo que as condces em que se aohava
o paiz tornam explicavel o procedmento que leve
o governo francez; as ciwiimsteiicias all eram
muito diversas. O Mxico se achava na maior
anarchia, quasi ero estado de dissolucao, e aparte
mais impedante do paiz, a aristcrata, quer pelo
safigue, quer ptsla fortuna, reclam >n do governo
francez providencias em ordem a fazer cessar se-
mi-limito estado de cousas.
O Sa. Dhow-Estradv TEixanu d um aparte
O Sn. Candido Torrks Filho :O proced;n
-\erno francez foi apoiado por uma grande
l>arie da populaqao do paiz, pela parle mais consi-
derada, pelo clero, pela nobreza e pelos grande-
proprielarios, quo ferain lodos em favor da causa
de Maximiliano. O susienlararn com ardor at u
:cu derndeiro alent.
O Sr. Duque-Estrada Teixeira :O clero lam-
bom.?
0 Sr. Antonio Prado :0 mesmo ee d eom o certo dos mais peo

approvadas som debate, as redaccoes dos projee
tos : sobreIransporlo de Yerbase abertura de cr-
ditos, naturalisaco, matrcula de varios estudali-
tes e pensos militares invalidados.
Entra ero primeira discusso o projeeto que au-
torisa o governo para conceder carta de natura-
lisaco aos subditos portuguezes Hermano Franco
de Mattos, Antonio Gomes da Silva Avintes, Fran-
cisco Antonio de Almeida e los Gaspar.
O Sa. Jansrn do Pai;o pede, e a cmara cn-
sente que o projeeto tenha aoMPed discnsso ; na
qual entra immediataiiieute.
Vem mesa, sao lula.-, apoiadas, e enlram con-
juntamente em diseussao, diversas emendas, con-
cedendo igual favor a outros estndantes.
Ninguem mais pedindo a palavra, e pondo-so
votos o projeeto, approvado com todas as emen-
das e reuiottido commissao de redaccao.
Entra em primeira diseussao o projeeto prohi-
bindo a venda de escravos em leil.i-- e Insta pu-
blica.
O Sr. Correa requer que o projeeto seja re-
nietldo commissao de justica civil.
E' approvado o projeeto em primeira diseussao,
e o requerimeato.
Entra em segunda diseussao o projeeto abonan-
do aos sacerdotes eleitos e confirmados bispos aju-
das de custo, divididas em tn s partes; a Ia para
t contirmaci ; a 2" para transporte, e a 3 para
primeiro estabelecimento, nao excedendo esta a
3:000.
Depois do breves consideraces Jos Srs. Capa-
nema, Itttenconrt e Tbeodoro Silva, c approvado
o projeeto, pascando ^tia a terceira diseussao,
(oro a seguinte eutffj^K
Em vez oe 3:000i- diga-soA importancia
-la congrua usurante QtMmno.F. da Silva.Ca-
nuto.
Achando-se na sala, immodata o Sr. Jos
liento da Cunha Figueirdo, depulado eleito pelo
terceiro distrcto da provincia de Pernambuco,
Introduzdo eom as formalidad-^ do estylo, presta
juramento o toma (Wsenlo.
ORR.M no DtA.
Prorede-se voteeo do art. Io da proposta do
governo que fixaa torea naval para o anno linan-
ceiro de 18701871, o approvad -.
Enlra cm discussiio o art. 2".
O SI!. JUNQliEiRA :Sr. presidente, neste ar-
tigo que este sujeitoaodebato prpcuivua prpota
do governo os malos pelos quaes se ha de compfir
o pessoal das eqotpageas dos nossos navios de
guerra. Esta questo, meas senhores, summa-
mente importante, porqnanlo rom maior ou me-
nor sacrificio do thesoiiro us p demos ter navios
que formero uma esquadra respeitavel ; c os Tac-
tos recentes demonstram que mesmo uma esqua-
dra encouraeada pode ser obtlla no paiz apenas
com o sacrificio das contribices com que o tbe-
so uro tem concorrido para somelbante melliora-
mento ; porm o que summamente dimcil pro-
ver ao pessoal, improvisar marnheiros. Por
consequencia, para mim, i questo mais unpor-
ta-jte o mea de prever do bous marnheiros a ar-
mada nacional.
O nobre ministro da marinha, cuja illustracao
eu son o primeiro a reconhecer, no seu bem ela-
borado relatorio, menciona as diffiruldades com
pie tem lutado o governo imperial para a acquisi-
co de voluntarios que venliam collocar os nossos
navios om nm p respeitavel ; e 44010, Sr. presi-
dente, ou entendo que pela actual leqi-lacao a res-
peito do3 mperiaes roarinlieiros, que fniam, por
assim dizer, a flor da armada nacional, esees ma-
rnheiros que tanto se teem destiqgutdo na guerra
iiue sustentamos com o Par.aguay (apoiados), es-
tilo collocados em una situaran precaria, unir
talvez no mundo, eu me animei a vir oOerecer al-
gumas consideraces a este casa eni'ordem a ver
se poetemos melhorar a sorte desta classe beneme-
rite, e ao mesmo lempa abrrmos aos voluntarios
um horisonte mais esperaneo-o. mais completo,
para que ellos se aprsente! ao servijo, que por
ainda
Sr. presidente, p*la le qr-.e rigora, de 85 de ou-
zes lio adiantedos na marinha, lio fortes,
nao possuiaai semelhante institun .1 >.
Mas all nao se exige o tempo de servieo que
nos exigimos : nos abafamos, asyihyxiamos a ten-
dencia do moco que quer destinar-se vida do
mar; porque ningnem pode fazer renuncia com-
pleta de sua lberdade e por um tao largo lempo,
pois que quando deixa o servieo da annaJa esta
velho e alquebrado.
Nesta casa teem assento pessas que saliem me-
lhor do que cu que a vida do mar, a vida agitada
dos combates, das tempestades, cheia de azaies e
do perigos, leva o hornero a un alqu?branienlo
prematuro. (Apoiados); e por couseguinte esse in-
dividuo quando chegar a idade de 40 annos pre-
cisa que o Estado Ihe garanta o seu futuro e o de
sua familia, una vez que o deteve no servigo mais
lempo do que devia.
Nao temos remedio senao neslas materias pro-
curar exemplos dos patees mais adiantados; en-
tre nos a vida do niarinheiro est dieta de delll-
culdadcs c nenbum favor ou garanta seria se Ihe
concede.
Quando o niarinheiro se retira do porto pata
una expedicao longiqua nao pod deixar- sua fa-
milia o sold 1 que Ihe prteme ; mas em Franca
o individuo cnllocaiio na posieo do niarinheiro,
que se ausente e que vai defender o pavilbo na-
cional, tem a satisfaco de ver o governo tornar-
se tutor de sua familia, cuidar della, garantir-lhe
uma parle do sold.
Por meio dossas garantas obtem-se o pessoal
necessario.
E al algumas vezes grandes questes que po-
dem interessar ao Estado, questes que dizem"res-
peito economa publica, cedem o passo quando
se trata de conservar nina instituicio quo o vi-
v.-iin (-ni l'ranea, nao so da iiiarinlia Ulereante,
porm tambem da marinha de guerra.
Eu me record que ha poucos annos, no parla-
mento francez, havendo nina diseussao a respeito
do lberdade de comnicrco, que diminuira a pes-
ca do arenque, os almirantes, os individuos pro-
lssionaes que teem assenlo naquella assembla,
iodos se levantaram para que nao se puzesse o
menor obstculo a semelhante pesca, porque, ella
era a escola e o nucleu dos niarinheiros do norte
da Franca.
Ora, se aquello paiz procede par esta forma,
apezar de possuir nina b.i e numerosa in-eripeau
martima, que pode alimentar o navios da guer-
ra, e mesmo os navios mercantes, como liavemos
nos, quo devrmos assumir os foros de potencia
martima, tratar com pouco cuidado, ser negligen-
tes e injustos com uma insttuco nica que pode
salvar a marinha imperial do rail da falta com-
pleta de bracos pan ser tripulada ?
Por eonseguinte,todas garantas que nos dermos
a este classe do aprendzes marnheiros, o deeoiS
dos imperiaes niarinheiros, nao seri demasia-
das, mesmo porque presentemente nos nao pode-
mos fazer o quo devmos, vistas a urgencias
do Estado, e quo era elevar o sold que ella
percebe, pois inferior aquello que veuceiu os
niarinheiros das armadas franceza e dos Estados-
Unidos.
Sr. presidente, o corpo de imperiaes marnhei-
ros presentemente tem sido elevado, masaste fac-
to proveniente da guerra em que estamos empe-
ntados ha cinco anno-'-.
Eu sei (ue este e-tado nao o normal, nao o
regular, e qne muitos desses marnheiros que es-
li tripninao os navios da esquadra tero comple-
tado o seu lempo de servieo.
As mlnlias observacoes, pern, nao se referen
para coneederera se, j de chofre, as bata* da-
quelles individuos ipao esli oceupados de uma
missao, de um trabalho importante.
Presentemente a esquadra oompe- numero grande do navio*; temos^oitenta e seis,
vasos de guerra, dos quaes dictaseis enconracalos.
quarenta e oito navios de gurra a vapor, doze
lanchas tambem a vapor,duas bombardeiras e seis
navios a vela.
Ora, esta esquadra, por esta-forma, certamen-
te respeitavel. Quando mesmo era menor nosdeu
a victoria de lliacbuelo.
Mas as exigencias da guerra do Paraguay no
i.-em levado a estes despez* excessiva; diminui-
das ellas reduzda a armada a menor numere de
navios, porm navios realmente combteme*, por-
que mais vale ter um bou navio, uma fragata en-
couraeada de prineira lasse (apoiados), do qae
muitos navios ordinarios, que nao se prestem aos
combates ; mas, reduzda, oigo uu, a armada a
proporees menores, a el; nperiaes niari-
nheiro-'. igualmente lem de ser c-dund,,.
Porm, Sr. presidente, eu receio que nesta OC-
1. leiulo-se concluido a guerra, as batas
que se teem do dar ero grande numero aquelles
(pie j c mpletaram o seu lempo, mesma o vn-
te annos a que acabo de referir-mo, enlloquen*
a CMjuadra nacional ero nma posieo de ibferiori-
dade.
I" para esta emergencia que eu particularmen-
te chamo a attencao do honrado ministro. Neste
oceasiao S- Exc. devia estar armado comuna re-
solnco da assembla geral, determinando que o
lempo de servigo fosse menor do que o que actual-
mente so exige.
Com esta di tunuico e com as vantagens a que
alludi, da reforma, creio que nos poderemos obter
urna grande quanlidado de voluntarios.
E, Sr. presidente, se o recrutemento que temos
nao pode produzir para o exercito senao ruaos e
tristes resultados, eu pens que este meio para a
marinha produzir ainda peiores. Por isso. se eu
nao acredito que o niarinheiro possa s; torear tao
completo, lo dedicado ao servieo sena quand
voluntariamente se aprsente, devenios envidar
lodos os esforeos para que semelhante dasse de
voluntarios seja aquella que realmente venas sup-
pi ir os quadros da armada.
Se eu nio creio, Sr. presidente, que os recrutas
possain servir de bons mai unciros, tambem nio
posso acreditar que aquelle individuo qne nao
tem nina pratica longa do mar, que nao est, por
assim dizer, identificado com o seu navio, que nao
est inlcirameuie dedicado aquelle ramo de servi-
eo, possa prestar-se, como realmente se deve es-
perar de um liomem a quem est confiada a defe-
za da honra nacional.
Se nos nao livermos ium grande vveiro de ma-
rnheiros por meio das companhias de aprendzes,
havemos de. n'unia oceasiao de necossidade?, ten-
ca r a bordo dos navios de guerra roassas de indi-
viduos que ajumas ronhecam qne esto a bordo,
sem (pie porveiiliira cIIms facau urna idea justa
do navio, da manobra e do elemento subre o qual
passam a vivar.
Estas esquadras, assim compostas, de nada
ser vem.
A razao, Sr. presidente, porque .V'elson pode
bater a esquadra franceza em Tralgar fui por-
que os marnheiros nglezes cstevam adestrados
com dous annos de cru'eiro : quando elle, em
fenle da armada inimiga, olhou pare os bracos
vigorosos dos seus marnheiros, declarou aos seus
offlciaes que confian na victoria. E' porque ti-
nliam a pratica e o vigor dos exercieios.
Pelo contrario, a armada hespaubola que n"a-
quella oceasiao combata ao lado da franceza,
commandada por un homem de mar notavet, o
almirante Gravn, nao pode fazer a menor cousa,
porque os seus marnheiros enjoavam ao sabiem
do p-nio de Cadix.
Por conseguinie. para que nos nao sncreda
nunca em qualquer emergencia semelhante de-
sastre, que eu digo que nao temos remedio se-
no appellar para este vvero das companhias de
aprendzes niarinheiros.
Nem todos os paizes, Sr. presidente, se podem
chamar, como Caning chamava a Inglaterra, um
nuci. Aquelle paiz. con a aptidao especial de
seus lilhos para os rosteres navaes pode dispensar
talvez semelhante instimcio ; porque elle tem a
grande e exteraissima navegaco mercante ; mas
nos que nao estenios no mesmo naso, nao pode-
mos deixar de estender e augmentar a insttuco
a qne me refer.
E por isso que pe liria lambeio a S. Exc. pa-
ra que concordasse na creae'm de mais algumas
companhias de aprendzes as provincias do Ama-
zonas, Dio-Granle do Norte, Parahyba e Atagdas.
Esta mesma idea est adoptada no luminoso re-
latorio do Sr. ministro da marinba. Qual, pois,
ser o obstculo ?
E' que S. Exc, talvez conhecendo as difflculda-
des d presente, nao quiz logo traduzir m pro-
posta semelhante idea.
Mas, Sr. presidente, com quanto-*eja. islo uma
despeza meramente de guerra, eu entendo que
ella previdente ; uma despega de futuro, dian-
Ic da qual nao nos licito recuar.
Se crannos mais estes coinpauhiaa de aprend-
zes marnheiros, e se aulorisarmos quo a compa-
nhia existente aqui na corle, onde consta que re-
gorgitem as entradas dos men nos, seja composte
de duplicado numero dajuelle que est marcado,
torera* o prazer de ver o estado completo preen-
chdo quasi que inmediatamente.
E anda nesle ponto me permiltir o Ilustre mi-
nistro que eu Ihe dirija um pedido.
Na provincia da Haba a companhia de aprend-
zes niarinheiros esteva enllocada em.um navio de
guerra desarmado.
Para mim uma condicao cssencial, que o nte-
nno aprendiz de marnheiro viva em um novio,
qne seja educado all, que se identifique com o
mar, que conheca desde logo o elemento sobre o
qual tem de vi ver ; que supporte o temporal, as-
sim como que se alegro com a serenidad-- das
brisas, que brincan as enxarcias.
Mas consta-me que ltimamente foi removida
aquella coinpanli'a para a fortaleza do Mar, da
Babia.
Nesle caso eu julgo que esses alumnos podero
aprender a ser artillieiros, mas nunca serio bons
marnheiros. E so nos precisamos mais de mar-
nheiros, eu pedira a S. Exc, Bahiano dislinel -,
interessado sempre pelo bem estar d'aquella pro-
vincia e do paiz, que nos lzesse a graca de orde-
nar que a companhia de aprendizes marnheiros
do nossa provincia continnasse a permanecer cm
tajan dos navios desarmados, que existen n'a-
quelle porto.
E j, Sr. presidenle, que eslou tratando desta
materia, isto dos elementos para compr-se o
pessoal da marinha imperial, eu nao posso dei-
xar. usando da palavra em semelhante diseussao,
de dirigir um protesto, cm nomc deste cmara e
do paiz, contra as palavras que hontem o honrado
dimutado pela provincia do Rio de Janeiro profe-
rio em relaco guerra de honra que sustenta-
mos no Paraguay. (Apoiados.)
Sr. presidente," todas as opinies tm encontra-
do sustentadores neste mundo, mesmo os maiores
absurdos ten tido defesa ; por isso nao me admi-
ra que o honrado depulado pelo Rio de Janeiro
vitase de alguma maneira fazer aqu a apolheose
do governo de Lpez. (Apoiados.)
Mas se eu nao me admiro por que ero fim po-
de qualquer niellgencia por mais vigorosa que
seja, ter certa nriginalidade em algum ponto, com
ludo em noine desta cmara e do paiz devo pro-
testar contra a proposieao que avancou o honra-
do deputado, de quo com a mesma legalidade
con que se assenta o dictador do Paraguay na
cadeira governamentel d'aquella repblica, esta-
mos nos sentados as cadeiras desta casa. (Muito
lieiii.)
Nio, Sr. presidente, nos aqui somos renresen-
iaiftes de um povo livre, eleitos segundo a lei
(apoiados), e possamos uma constituicao jamis
violada ero pontos capiUes. (Apoiad s.)
Somos regidos por um governo representativo,
e possuimos uin monarcha Ilustrado, jusliceiro e
respciador das formulas e garantas conslitucio-
naes. (Apojadoa.)
Entretanto quo o dictador do Paraguay illagal-
mento seutoa-se na cadeira presidencial d'aquella
repblica por uma verba testamentaria de seupai.
(Apoiados.)
A cmara ha de reeordai-se que quando se li-
nn o vellio presidente Lpez, em uma das verbas
do seu testamento estava esrripto, que o cargu
presidencial da repblica passana a seu filho,
Francisco Solano Lpez, o depois se consultara a
vi utade nacional. Assumindu assim o actual dic-
tador o poder supremo que Ihe era conferido co-
mo uma heranca paterna, foi depois convocado o
appellidad congresso para ser consultado; e
nesse congresso uma voz corajosa se ergneu, ni-
ca, e perguntou so por ventura aquella transrais-
sio pi r urna verba testamentaria era legal; e en-
tretanto essa voz corajosa foi fulminada pelo dic-
tador. Dec arou aquello homem quo fazia esta
pergunta em vrtude de juramento que prestara
constituicao do paiz ; e ero tal crcumstancia um
sacerdote que estava all, o bispe, desiigou-o do
juramento prestado, e a faren consnmmou-se.
Ainda assim esse doputado e sna familia paga-
ran com a vida esse momento do corajosa impru-
dencia.
(ConUtiMV-teihd.)
TYP. IK> DIAIUli \ AS -. -_Jrl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQZF2MXFK_DYN5RU INGEST_TIME 2013-09-14T02:48:50Z PACKAGE AA00011611_11894
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES