Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11893


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLV. NUMERO 161.
i

I
\1
11
PARA A CAPITAL LUGARES 0E IAO SE PAGA PORTE.
a*or tres meies autdos........
<*or seis ditos idem...... ........ ixc
l*or um anuo klem....... AAn
Cada numero rateo............... 320
SEGUHOI FEIM 19 D JLHO DE 1869.
ARA OTITRO E PORA DA PROVIHCIA.
Por tres mezes adiantadoi. ........ tu.mvk
Por svis ditos idem............*....... .Tt2.
Por no>i ditos Mera.......... ...... "JJ??
Pramaono..............;....... ;**
^
Propriedade de Manoel Eg-uefra de Faria & Filhos.
AO AEWEI
Os Srs. Gerardo Antonio Arfes
Pereira d
es & Fjftos, no Para; Gonclves Pinto, no Maranhlo; Joaquim Jos de Oiveira, no Coaf; Antonio de Lemos Brara, no Aracatv- JoSn toar htin ch*** nn 4a- **<&*. m_ j -.
'AlmcKla, em Mamanguape;' Antonio Atauodri* de Lima/na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; BehrZTrios S^^T^J^^i^^S^T^?^' D NaU; ****
em Nazaretb; Francino Tavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martinstps, na Dahia; e Jo^n^^l^ml^dB^^'^^^ ** C8la **"'
PARTE OFHCIAL
?ern 4a provincia.
ExproresTE assionado pelo exsi. sr. dr. ma-
XOKL ') NASClJlgNTO MACHADO PORTBLLA VICE-
PRESIDKMK BA PROVINCIA KM 7 0E MAR) DE 1S68.
i* seteno.
N. 176.Portara ao general eommandante da-
arnias. Manto V. Exc. por etn liberdade o recrus
ta Manoel francisco do Nasrimento visto ter pro-
vado iseneiio legal.
N. 177.Dita ao mesmo.Mande V. Ex. por om
liberdade o reerula Jamiario l.ins da Costa, visto
ter provado irencie legal.
N. 17*.Dita ao mesmo.- Maride V. Exe. por
mi liberdade o reeruta Jos Soares de Souza, vis-
to ter sido jalgado incapaz do servicp do exercito,
como se v do termo de inspeccao qne veio an-
txo ao seu offlcio de 5 do correte, sob n. 274.
N. 17!.--bita ao director interino do reenal
degeri'a.De conformidade eoin o qne soheitoo
o president<* da provincia do Rio Grande do Norte,
etn oficios de 9 de marco, 16 de abril ultimo 3
do corrate, mande V. S. orneeer a fortaleza dos
Santos Res Mago.- d'aijuella papila!, as baudeiras
e gaHiaroNlei ron-tantea da relajo que por copia
irorBpaiilia o- ofHrio tiesta presidencia de 25 do ci-
Mi-mez d" marm, petes procos mencionados na
mata que veio arinexa, no ofttrio dessa directora
de M deseo me/ sob a. tive eontn para ser iiidciunisada a despea qut se
fizer.
N. 180.Dita ao inspector do arsenal de mari-
na;..Autoriso V. S. a comprar no mercado un
oleado para a cmara da corveta a vapor Recife,
nao exredcndo o mu rusto de 160 a 804000 co-
mo propj> coi -011 oilkio de 12 de abril ultimo sob
a. 1719.
N. 181.bu ao Dr. Olimpio Marques da Silva.
Li o rotatorio e mais papis que Vmc. e outros
membros da commissao nomeada por.mea ante-
cessor para examinar o estado do presidio de Fer-
nando de K ironha e syndiear dos factos abusivos
e criminosos, que chegarem ao conhecimento do
governo, apiesentaraui-me em 18 do mez flndo,'e
ronvencido de que a commissao cumpriu bem o
s< dever, aproveiio aoecasiao paraagradecar-llie
os relevantes nicos, que Vine, prestou de$ein-
penhando rom todo zelo a commissao de que foi
incumbido
N. 182 Diias. Iguaes*ao capitao reformado
Jos Igu.uo de M''dein.s Refo Monteiro e ao.. Io
escripurario da liiesouraria de fazenda Joaquim
Pereira Bastos.
N. 83.Dila ao capitao do porto.Constando
de avisodo mirii-tciioda marinba de 28 de abril
ultimujnnto por i\.pia, trera sMo approvada? as
locafidSdes.l'lecife e praia ao norte da forlolezado
Rnim, para alii serera desmanchadas as embrca-
ces, conforme os calados respectivos, mediante
ncenrja,'c StTi n vipilancia dessa capilania assim
o eonunufttco a V. para seu conhedniento.
2" seccSo.
N. 18t.Portara ao chefe de policia.Inteira-
do peto seu offlcio n. ofc de 5 do correnle, de ter
V. S. posto a disposicao do juiz municipal da 1"
vara os 29 sentenciados de justica que vierani da
provincia do Ro Grande do Norte com destino ao
presidio de Fernando, recommendo-lbc que faea
rejressar para alli na pi'unera opportuadade
a forca que acrnpanliou os referidos sentencia-
dos.
N. 186 Hita ao niesme.Resjiondendo ao of-
licio de V. S. d > 1 do con ente sob n. 687, tenho
a dizer-lbe que a 30 de marco ultimo por interme-
dio do premeote do Ceara,'mandn o mea ante-
cessor a quantia de 2:000*000 ao delegado de
Ouricqry para ser empregada em soccorros aos
desvalidos daquelle termo e do de Cabrob, cni
virtde do que particpou o juiz de direitu flesta
comarca c da de B Janeiro e 8 de marco ultimo, o que tudo se com-
municoii aos delegados dos sobreditos termos n'a-
quella nesmn data.
N. 188 Dita ai. commandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.Por delibera-
cao desta data designei o capitao Manoel Gomes
de S ara exorcer as funcerks de major do 6*
batalhao de infantaria da guarda nacional sob o
^eu eodnando superior, de ronformidade com a
propsta de V. S. em offlcio n. 77 de hoje datado,
o que llie participo para seu conhecimento e ins
convenientes.
Y lw, Dita ao commandante superior da
guarda nacional do Rio For noso.Communico a
V. S. para seu conhecimento em resposta ao
seuotDciodc 27 de abril ultimo, qne nesta data
mandei por em liberdade o guarda naeional do 2',
batalhao de artilharia desse municipio Manoel
Francisco do Naseiniento, visto tor provado isen-
co lecM
H. 190Dita ao juiz municipal da l1 vara des-
ta cidadePartlcipaudo-meo Dr. chefe de policia
ter posto a disposiciio desse juizo os vinte e nove
sentenciados de iustica que vieram da provincia do
Rio Grande do Norte com destino ao presidio de
Fernando, ncompanhrdos das respectivas guias,
faca-os V. S. seguir opportunamente para alli.
N. 192.Dita ao mesmo.Inteirado do oflicio
que Vmc. acaba de dirigir-me com data de hoje,
tenho a dizcr-lhe em resposta que nesta data ex-
ped ordejn ao commandante do corpo de polica
para apre^ii u- 1 Vmc. eom urna for^a de ca-
vallaria, afim de garantir a execueo das docisoes
desse jubo Reeommendo a Vmc. que no empre-
go desta forca, que dea sua disposicao, deve ter
a precisa moderaeao e prudencia, e somente ser-
vr-e dea no caso de ser indispen9avel.
N. 19i Delilteracao.O vice-presidente da
provincia, de conformidade com a proposta do
commandante superior interino da guarda nacio-
nal do municipio do llecife, do hoje datado, sob n.
77, resolve designar para exercer as funecoes de
major do ("> batalhao de infantaria da guarda na-
cional do referido municipio ao capitao Manoel
lomes de S.
N. l!)5.--BHa.O vicepresidente da provincia,
em vista do que oxpoe o cuefe de polica em offl-
cio n. 061 de 5 do (forrarte, quanto an engao ha-
vido nos nomes dos enfadaos Horneados para os
lagares de l^ o i" yupplentes do subdelegado do
districto di- Taboca*, 2" do termo de Santo Anto,
que de conformidade cora a proposta foram Anto-
nio de S Cavalcanti Linse Flix Aatonio de Lima,
quando os setts verdadeiros nomes sao o primero
Antonio de S Cavalcanti, e o segundo Flix Anto-
nio de Luna, resolve que, rectificando o engao, so
expecam no vos ttulos aos nomeados.
3 seccao.
t.ria ao inspector da thesouraria
de Tazeada.Inteirado de quant V. S. expoz em
sen offlcio d.' hoje. snb n. 290, tenho a dizer em
^OstR que. independentenwaite da apresentacao
uo pret em du|.licata de que trata o citado offlcio,
mande adiantar, coma pe determinon em 4 deste
mez, 21 m aforra da guarda nacioual
qo veii, eucoltanJo seis recrttas do terino de
lita-Bella pare esta capital, atienta a impossifeili-
dade >' ser ut^te cidade organisido tal pret, e
naodispdr e.-sa forca le meios para a sua subsis-
tencia no sen regressn quelle termo, communi-
eando V S. *> adiantamento ao cnHector, e ro-
oamendarai-lhe -satisi'aca o pagamento dos pret*
qu, devidanieatewrganisados, Ihe forem apresen-
tados. Conven igualmente que do coHaetor exija
V. S. da importancia que hou-
ver ea*uli, t i\t- quanto sfera'pttfoo r^me**'
-lhe ra-'1 Jt |vsgo o dtdtttfnwnto daqtwlU
villa.
N- 197.Bita ao mesmo.Em vista dos docu-
mentos annexos ao incluso requerimento de Fran-
cisco de Sonza Guerra, mande V. S. liquidar e
processar para ser pago quando houver crdito,
vNto pertencer a exereicio ja mcerrado, a quantia
proveniente do aluguel vencido de junho de 1867
a junho do artno prximo passado, da casa qne
servio de qn.irtel o destacamento de guardas
naeionaes de VHIa-flerla.
N. W8.Dita ao mesmo.Ao alferes Bernardi-
no Cesar de Mello mande V. S. pagar, depois de
liquidados, em vista da folha, retacao nominal e
pret junto'; envdupiicafa que me rcmelteu o com-
mandante superior da comarca de Olinda com offl-
cio de 2 do corrente, os vencimentos dos offlciaes
e pracas da guarda nacional destacadas as for-
talezas do Brum e Buraco, sendo os dos offlciaes
relativos ao mez de abril ultimo, e os das pracas
segunda quinzena do mesmo mez.
N. 199.Dita ao mnsmo.Tendo nesta data au-
torisado o inspector do arsenal de marinba com-
prar no mercado um oleado para a cmara da
curveta vapor Recife, nao excedndo o seu cus-
to de 160 a 200$000 ; assim o communico a V.
S. para seu conhecimento.
N. 200.Dita ao mesmo.Doclaro a V. S. para
sen conhecimento e' fins convenientes que atten-
dendo ao qiie sobcitou no requerimento, que in-
cluso devolv, c a que se refere a sua ioformacao
de 29 de abril ultimo, snb n. 266, o bacharel Ti-
burcio Kayrcnrid* da Silva Tavares, resolve con-
siderar abonadas as faltas que por molestia deu o
suplicante na qualdade de promotor publico da
comarca de Cabrob, contar do 1 a 17 de feve-
rero do anno prximo passado, e d 1 a 29 de
Janeiro deste anno.
N. 201Dita ao mesmo.Por conta do crdito
aberto por aviso doTfinisterio do imperio de 31
de marco ultimo, mande V. S. pagar a Jos lves
Tenorio, em vista da ennta junta em- daplleatft, a
quantia de 32000, proveniente de urna pequea
carteira homeopathica que forneceu para o irata-
ment das pessoas desvalidas accommettidas da
varila no municipio de Scrinhaem.
N. 202 Dita 'ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Depois de liquidados, em vista da foha,
relaejio nominal e pret juntos em duplicala, os
vuncimentos do fflcial e pravas destacadas na ci-
dade de Olinda, mande V. S. pagar a importancia
de taes vencimentos, ao alferes Joaquim Rabello
Pessoa de Brito, conforme solicitou o commandan-
te superior daqnella comarca em offlcio de 2 do
corrente, sendo os dos offlciaes relativos ao mez de
abr ultimo, e os das pracas segunda quinzena
do mesmo mez.
N. 203.-/Dita ao mesmo.Annuindo ao que so-
ticiton o rtpfe da reparncao das obras publicas
esn offlcio-de 4 do coi rent, sob n. 174, reeommen-
do a V^S. qtfe mande entregar ao thesoureiro da-
qu^rfa repartieo mais 4:000,8000, para occorrer
la reparticao
estezas com os reparos das pontes e estra-
das orcasionados pela ultima endiente do rio Ca-
plbaribe. visto jase achar despendida a quantia
de T3;0003000, que por diversas vezes tcm sido1
adiahtada para e?e flm.
N. 204.Dita ao inspector da alfandega.Pelo
offlcio que de Vmc. recebi em data de do cor-
rente e sob n. 307, quei inteirado do que occor-
reu com referencia ao desembarazo do navio ame-
ricano John Roso.
N. 205.Dita ao chefe da repartilo das obras
publicas.Accusando a reoepcao do offlcio que
Vmc. me dirigi cm 16 de abril ultimo, sob n.
149, aoompannado dos ornamentos e planta das
obras do 7o e 8 laneo da estrada do Limoeiro, te-
nho a dizer cm resposta que, quando o cofre pro-
vincial poder satisfazer a despeza proveniente de
taes obras, se expedir ordeni thesouraria pro-
vincial para serem ellas postas em basta pu-
blica.
4a seccSo.
N. 206.Offlcio ao Exm. Sr. presidente do Rio
Grande do Norte.Ficam expedidas as ordens pa-
ra serem remettidas para o presidio de Fernando,
os vinte e nove sentenciados de justica menciona-
dos na relacao junta ao offlcio de V. Exc. de 29
do mez Ando e para que regresse a essa provincia
na prmeira opportunidade a forca que os vai es-
coltando.
N. 207.Dito ao Exm. Sr. presidente das Ala-
gas.Pecu a V. Exc que se digne de expedir as
suas ordens, para que deixem de ser recrutados
pelas autoridades policiaes de Piranhas, os habi-
tantes do termo de Tacarat que, segundo informa
o chefe de polica em offlcio de 4 do corrente, sob
n. 659, perseguidos pela fome o epidemia que as-
solam aquella localidade, vo all em busca de
medicamentos e gneros alimeuticios.
N. 208.Portara aos agentes da companhia
Brasileira de paquetes a vapor. Podem Vmcs.
fazer seguir para os portos do norte o vapor To-
cantins, amanha a hora indicada em seu offlcio
desta data.
N, 209.Dita ao gerente da companhia Per-
nambucana. O Sr. gerente da companhia Per-
nambncana faca reeeber a bordo do vapur Gtqui,
por coma do ministerio da guerra quinhentos sac-
eos com farinha de mandioca que foram compra-
dos por conla do estado pelo corretor geral Fran-
cisco de Miranda Leal Seve para o presidio de
Fernando de Noronha.
N. 210.Dita ao engenheiro fiscal dos trtluos
urbanos.Providencie Vmc. para as duas extre-
midades do passadisso dos trilhos urbanes do Re-
cife a Apipucos, que fica entre a estacao central e
da ra da Aurora, sejam postados guardas que
prohibam as passagens de pessoas por dito- passa-
dico de modo a evitar-ee, que como tem succedi-
do, e bem pondera o Dr. chefe de policia em offl-
cio n. 665 de K do corrente, nao se repitaoj os fu-
nestos acontecimentos de perecerem asphixiados
por ubmersiio individuos que por ella passam, ig-
norado o perigo e ser isso prohibido.
F.XPKDIENTE ASSIGNAPO PEtO DB. JOAQUIM CORREa DE
ARAUJO, SBCRETAiflO DO GOVEUNO, EM 7 DE MAIO
DE 1869.
2" seccao.
N. MI.Offlcio ao chefe de policia.0 Exm.
Sr. vice-presidente da provincia manda declarar
a V. 8. qoe ficam expedidas as convenientes or-
dons, para quesejam postadas guardas, as extre-
midades do passadico dos trilhos urbanos entre a
ra da Aurora e estaca central, para impedir
o transito por ella de pedes cora que V. S. pede
em seu offlcio de 5 do corrento, sob n. 665.
N. 212.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
lie inteirado por seu offlcio de 3 do corrente, sob
n. 645, e em vista dos documentos que vieram an-
nexos a dito offlcio de serem infundadas as incre-
pa cSes fetas pelo peridico Liberal n. 53 deste
anno an subdelegado do segundo dislrietO do ter-
mo de guarass.
N. 213.Dito ao mesmo,O Exm. Sr. vce-pre-
sidente da proviacia mantia declarar a V, S. que
nesta data se pedram ao presidente de Alagas
providencias no sentido de nao serera recrutados
no districto de Piranhas, os habitantes de Tacara-
l, que acocados pela fome e pela peste, vao alli
buscar alimentos e remedios, como por V^^|
sulicUado em offlcio de 4 do-corronte, sob n. w9.
iS. 914.Dito ao mosmo.O E.tm. Sr. vee-pre-
sidenle da provincia manda transmiltir a V. S. os
ttulos juntos de nomeaphi de Io e 4o supplentes do
subdelegado do districtu de Tabocas, 2 do termo
de Santo Anto, de conformidade com a propasta
de Y. S. era offieion. 661 detf do corrente.
N. 246^.Dito a eomraarudante superior da guar-
da nacional d^ Olinda.S. Kxc. o 8r.
p'oda
transmittio as tbesourarias geral e provincial, pora
o fun constante do seu offlcio de 2 do corrente, as
folhas, relacdes nominaos e prets, que em dupl-
cala vieram annexos ao citado offlcio, o qual fica
assim respondido.
3' seccao.
N. 217.Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. viee-
piesidente da provincia manda transmiltir a V. S.
a inclusa urdom do dia em duplcala, sob n. 668,
expedida pela reparticao do ajudonte general.
N. 218.pito ao mesmo.O Exm. Sf. 'vjre-pre-
sidente da provincia manda devolver a V. S. com-
petentemente despachado o requerimento de Fran-
cisco Maostrale, a que se refere a sua inforinacao
de 5 do corrente, sob n. 286.
N. 219.Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas. Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. em resposta o seu of-
flcio de 4 do eorrente, sob n. 174, que a thesoura-
ria provincial tem ordem para adiantar ao thesou-
reiro dessa reparticao os 4.00i), constantes do
citado offlejo.
4* seccaa.
N. 220.Offlcio ao Dr. Arminio Coriolano Ta-
vares dos Santos, Io secretario da assembla legis-
lativa provincial.=N. 73.O Exm. Sr. vnic-presi-
dente da provincia manda transmiltir a V. S.
para serera presentes a assembla legislativa Dro-
vincjal as inforniacoes solicitadas em seu offlcio
n. 26 de 24 de abril prximo lindo, e juntas por
copia, as quas consfam de tres requerunentos do
commeudador Antonio Joaquim de Mello, com os
despachos nelles proferidos em 23 de junho e 15
de dezeuibro do passado e 27 de feveriro do auno
crrente, sendo que S. Exc. aguarda inforinacao
da thesouraria sobre o ultimo requerimento apre-
sentado por aquelle commendador em 24 do refe-
rido mez de abril para deliberar sobre o assurapto.
., IT421.Dito ao mesmo.N. 74 De ordem de
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia trans-
miti por copia a V. S. para ser p/esantoa assem-
bla legislativa provincial a inclusa tofurmacao
ministrada pelo Dr. chefe de policia em 5 do cr-
renle, sob n. 688, e solicitada em sen offlcio de 29
I de abril ultimo, sob n. 36, acerca do ssassinato
perpetrado na pessa de Joao Domingnes, no dis^
trelo do Verde da comarca do Bonito.
N. 222^Dito ao mesmo.N. 75.De ordem de
S. Exc. iFSr. vice-presidente da provincia passo
as raaos de V. S. para serem presentes a assem-
bla legislativa provincial, as inclusas copias da
representacao de tres cidadios da parochia de Bar-
reros e das portaras de 3 de setembro do auno
passado, dirigidas ao 1 e 2 juiz do paz daqnella
parochia, bem como a respectiva cmara munici-
pal e ao juiz do direitoda comarca do Palmares, a
que se refere o seu offlcio de 3 do corrente, sob
n. 38.
N. 223.Dito a Jos Alves Tbenorio. S. Exe.
o Sr. vice-presidente da provincia manda de-
claiar a V. S. em resposta o seu oilkio de 5 do
corrente, que a thesouraria de faz rada tem ordem
para pagara quantia de .">2 constante do citado
offlcio.
EXPElK.NTK ASSiKUM PELO RXM. SR. M. MAKOEL
DO NASCIMBKTO MACHADO POHTEI.LA, VICK-PRESI-
DF..NTE DA PROVINCIA EN 8 DE MAIO DE 1869.
I." seccao.
N. 224.Portara ao Exm. general commandan-
te da3 armas.Pode V. Exc. conceder perinissa
ao cabo de esquadra, invalido e reformado Daniel
Leopoldo da Silva Leal, para ira comarca da'Boa-
Vista, afim de tratar de sua saude. Deste mod >
tica deferido o requerimento do mesmo cabo a que
allude o seu offlcio-tfe n. 261 do 1." do corrente.
N. 225.Dita ao inspector do arsenal do mari-
nha Mande V. S. postar no c. s do Forte do Ma-
to na manha do dia 10 do corrente, embarcac^oes
sufficientes para transportarem para borda do va-
por da compauhja Pernambucana, que tem de se-
guir para o presidio de Fernando de Noronha 48
sentenciados e a escolta que os tem de guardar.
N. 226.Dito ao commandante de Fernando.
Transmuto a V. S. as guias dos sentenciados cons-
tantes das listas juntas por copia, sendo a do n. 1
as daquelles que seguem agora para esse presidio
ea de n. 2 de outros que ahija esto, segundo offl-
cio do juiz municipal d'esta data.
N. 227.Dito ao mesmo Transmiti a Vmc. a
relacao junta por copia dos sentenciados que tem
de ir para esse presidio no vapor Giqui da com-
panhia Pernambucana, que tem de para alo seguir
a 10 do corrente.
N. 228.Deliberacao. O vice-presidente da
provincia, attendendo ao que requereu Fj mandes
e lrmao, resolve conceder-lhes licenca para t-
metterem para o presidio de Pernandode Noronha
no vapor Giqui da companhia Pernambucana, os
gneros constantes da relacojunta, assignada pelo
secretario do governo, nao podendo porin desera-
ba rcar os mesmos gneros sem que por parte do
commandante do referido presidio se proceda a
exame, afim de se verificar se ha agurdente ou
outra qualquer bebida espirituosa.
N. 229.O vice-presidente da provincia atten-
dendo ao que requereu o capitao Joaquim Fran-
cisco Lavra, resolve conceder-lite licenca para re-
moller no vapor Giqui para o presidio de Fer-
nando, afim de ser alli entregue ao sen to o ca-
pitao Leopoldo Borges GalvaoUchoa, seu filho me-
nor do nome Francisco Hygino Lavra.
2.a seccao.
N. 230.Portara ao chefe de policia. Autoriso
a elevar a U000 do dia 1." deste mez em diante a
diaria do servente "dessa reparticao, em vista do]
que pondera, em seu offlcio n. 638 de 1 do cor-
rente.
N. 232.-Dita ao Dr. Francisco de Faras Lo-
mos.Recebi o offlcio que V. S. dirglo-me parti-
cipando ter nesta data entrado no goso da licenca,
que Ihe conced para tratar de sua saude e apro-
velto-mc da dcfiasfao para, curaprindo mu dever,
louva-lo pelo zelo, dedicacao e inteligencia, com
rido por Goncalo Varolla de Araujo, rocrutado
pelo primeiro suppienle d delegado do termo da
fcscada. Julgando do moa dever mandar qtte o
Dr. chefe de polica intormasse com urgencia so-
bre o sen oflkiu, rsmetteu-nie elle os offlcios jun-
tos por copia, dos fuaes veri V. S. que infundadas
foram a* Mciua-xfcs fefeu as autoridades policiaes,
e ao car-nireiro da eadeia da Escada, provindo a
demora, as iafoi inacoes por V*. S. pedidas ao pri-
mero suplente do delegado por baver o delega-
do assuiBjdo o exereicio do cargo, e uao'ter rede-
bido iinraodiatanwnto seu offlcio, que fot entre-
gue ao primeiw siipolente. Entrelunto tzendo-
ii)e V. 8. jjaver mandado tirar copia do interroga-
torio do freoreiro e reraeUe-to ao primero subs-
tituto para processar os que furein achados em
culpas, aguardo o resultado desse proeesso para
em face *'elle tomar as providencias qne torera
necessarias.

que tem V. S. desempenhado o cargo de chefe de
policii dsta provincia, prestando relavantes ser-
vicias a bem da ordom e tranijuillidadc publica, es-
pcialuiente as oceurrencias ltimamente havidas
e agradecer-lhe sincera e flleaz coadjuva^ao, que
tem prestado a mmha administru i.
N. 233.Dita ao Dr. Francisco do Assis Oivei-
ra Maciel.Tendo nesta data concedido ao Dr.
Francisco de Farias Lemos, chefe do p ilicia desta
provincia um mez de licenca para tratar de sua
saude, de-ignoi a V. S. nos termos do artig 53 d.
regulamento n. 120 de 31 Je Janeiro de 1842 para
exercer aquelle cargo no impedimento do Dr.
Francisco de Farias Lemos. Espero que V. S. se
dignar atceitar esta commissao, e que no seu de-
sempenho proceder com o zelo e dedicacao que
tanto o distingue.
N. 234.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional do Recife.Expeca V. S.
suas ordens, atim de que um dos batalhoes da
guarda nacional sob seu commando sup ror acora-
panhe a procissao do Divino Espirito Santo, que
tem de sahir da igreja do Gollegio des|a capital na
tarde do dia Ifi do corrente.
N. 233.Dita ao mesmo.Expeca V. S. as con-
venientes ordens para que no dia 10 do eemnte
as 9 horas da manhiu se aprsenlo na casa de de-
tefijae urna forca suficiente da guarda naeional,
sob o seu commando superior para escoltar ara o
presidio de F rnando de Noronha 42 sentenciados,
que tem de ser transportados aquelle presidio no
vapor da companhia Pernambucana, que tem de
sahir nsse dia.
N. 237.I
N. 218.Dita ao jniz muueipal snpnfente de S.
Hento Luu Paulino de HoWanda Vaterica. Rece-
bendo o ofiieiu do 4 d* corrate en que Vmc par-
ticipa a esta presidencia actiar-se i-.om forca ar-
mada para pretender o delegado desse termo tam-
bera cora Jorca deitar abaxo urna eaft de pro-
priedade de Vmc, *> pasO que esse uttimo narra
o facto mnito divartamente, dando a Vine, e sens
irmos como aggressor o a hM de nm grupo
armado que se acampou junto a matriz e antea-
ca as autoridades, cumpre que Vmc. informe com
urgencia sotiro o mo refere o referido delegado
nos melos do 3 deste mez juntos por copia
N. 239.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Em 801 ncSo ao offlcio do conse-
Iho de investigBcao nomnado pira cdnheeer doj
extra rio de dioheiro pnuicado por Frndsoo Xa-
vier llodriguej de Miranda qriando tenenft desse
corpo, veio junto a. de \mr. n. 189 de 2 do
mez findo, lenlio a dizer-lho qne a demisso dada
P*m- esta presdancta ao referido tenente Rodrigues
de Miranda nao mudou a natnreza do delicto nem
pode tirar tu iribunal especial que delle tem de
conhecer a eompetencia a tartsdiesSo qne Ihe d
o regulamento de 2 de dezambro "de 1853 de in-
vestigar e iulgar faltes eommettidas quando e
come oflirial desse corpo. Pelo qne cumpre que
o sobMRto eonselbo d quanto antes comeco a
seos trabalhos.
N. 240. Deliberadla. O vice-presidente da
provincia resolve nomear nos termos do art. 52 do
regulamento n. 120 de 31 de Janeiro de 1842 o
Dr. Francisco de Assis de Otiveira Macil para
exercer o cargo de chefe de policia no impedi-
mento do eflectivo Dr. Francisco de Faria Lemos.
N. 241.Dita.O vice presidonte da provincia
attendendo ao que requereu o Dr. chefe de policia
desta provincia, Francisco de Faria Lemos, resob,
"ve conceder-lhe um mez de licenca com venci-
mentos na forma da le para tratar de sua
onde Ihe convier.
N. 842.Dita O vice-prosid;nteda provincia,
itendendo ao que Ihe reqnereu o tenente quarlel
mostr do .* naulhao du infantaria da guarda
nacional deste municipio Jos da Silva Ley J-
nior, resolve coneeder-lhe 6 mezes de lcenga para
tratar de sua saude fora do imperio.
N. 243.Dita.O vice-presidente da provincia,
de conformidade com a proposta do chefe de po-
lica cm offlcio n. 074 de 7 do correnle, resolv
declarar sem effeito a nomoaeio do bacharel
Francisco Cometi da Fonceca Lima para o cargo
de delegado de policia do termo d'Agua Preta,
visto recusar acceita-lo.
3.' seccao.
N. 245.Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda. Em vista da folha e pret nominal,
juntos era duplicata, mande V. S. liquidar os ven-
cimentos relativos ao mez de abril ultimo, do ffl-
cial e pracas da guard i nacional destacados na
cidade deGoiauna e p.i/ar a sua importancia ao
sargento Antonio Augusto de Souza conforme so-
liettou o commandante superior d'aquella comar
c. em nAcinde 1." do corrente.
N. 246. Dita a i nwamo. Constando do aviso
do miiiisterii) do imperio de 2S de abril ultimo ter
sido tpnrovadij pela verba obras ospeciaes do
mesmo ministerio do exereicio de t3l>8 a 18C9,
o crdito do 1474663, aberto sob respousabilidade
desta presidencia, afim de conclhirm-se as obras
de seguranca do edilicio do pilacii para as quaes
fora concedida a quantida d 2:090*000 por aviso
de 16 de novembro do anuo passalo; assim o
communico a V. S. para seu conhecimento.

res/.** aoseu offlcio de 14 de abril ultimo que ravn
aupi iva a; arremaucoes dos imposto* de queira-
tam os termos de contratos qne por copla cotn-
pauharam o sen citado oflicio.
N. 256. Dita ao gerente da companhia Pbr-
nainbucana. O Sr. gerenta do companhia Per-
nambuca mande reeeber e transportar para o pre-
sidio de Fernando por eonta do ministerio da
guerra no vapor Mandah S00 saceos com 1,000
amare* de farinha de mandioca. 2D0 mei* de
sola, 100 vaquetas, 2 volumos de corda--, nm dito
com miudezas de sapataria enm dito com bandei-
ras objectos estes que foram comprados por conta
do estado peto corrector geral teaenre-coronel
Leal Seve.
N. 257.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companhia Periiainbucana, mande dar nma passa-
gem de estado a proa do vapor JUniutalk at o
prowdio de Femando a Fraocisca Mara da Con-
ceicao mulher do sentenciado Basilio Rodrigues
da Cruz.
N. 238Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companhia Pernambucana, faca reeeber e trans-
portar para o presidio de Fernando o vapor Gi-
oiM'd, por conta do ministerio da guerra os guar-
das naclonaes do 1 batalhao de artilharia deste
municipio Maximiano Jos Doarte, Libano Pedro
de_Alcntara, Juao Evangelista da Silva Jnior,
Joao de Otiveira e Silra, Antonio Luiz Gomes da
S4V3, Luiz Antonio de Franca, Joo Manoel dos
Santos Martvres e Francisco Bernardo de Men-
donca.
8. 259. Dita ao mesmo.O Sr. gerente da eom-
panhia Pernambucana. mande dar transporte para
o presidio de Fernando, por conta do ministerio
da guerra, no vapor Giqwi, aos soldados do 4"
batalhao de arthcria a p Emiliano Gomes, Jos
Rodryoes deluna. Canuto Alves Moreira e FeSp-
pe Barbosa, ao vuluntirio da patria Manoel la-
(juira Bezerra, os guardas iiacinaes do 1. bata-
Inao de ulmntaria Pedro Ivo de Souza e Joao Fran-
cisco de Souza Lyra. Segisnando Lopes da Silva e
Jos Joo da Hore bem assim aos invlidos Jos
Joaquim de Sant'Anna, Manoel Alves de Oiveira e
Francisco de Albuquerque Maranho.
N. 260.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana, mande dar transporte por
conta do ministerio da justica no vapor que tem
de seguir para o presidio de Fernando de Noro-
nha a 10 do corrente, a 48 sentenciados que Ihe
sero para esse tim apresentados e bem assim a
forca da guarda nacional que os vao escol-
tando.
EXCEDIENTE ASSIUNADO PELO SR. DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 8
DE MAR) DE 1869^
1* seccao.
N. 261.Oflicio ao Exm. Sr. general comman-
do Antonio Jos de Azevedo Macha*) r
inerimento de Jse Victoriw ltesendeTc'
A ordem do de S. Jos, Juvetwno Gomes de. Abren'
"'ho, que foi preso em flaponte, r do da Boa-vista, Manoel Francisco dos-
Dio Ja Silva Ribeiro, por sospeitos
01
Santos
sobre enm de roubo.
O delegado do polica de Santo Arto, or ofi-
cio datado de 10 do corente, participou-me que
fora all preso Targino Pereira de Souza, que est
sendo processado pela subdelegacu ou 1 dislric-
to, como indiciado em criine de fnrto de ca-
vallos. r
Deus guarde a V. ExcIUm. e Eira. Sr. ^ce-
presidente da provincia Dr. Maaoe! do Naacnen-
lo Machado Portella. O chefe de polica interino
F. ds Assis OiitfiaHaciel.
ni
'
PERNAHBCO.
REVISTA OTARIA.
da
GUARDA NACIONAL. Por deliberar**
provincia, de 13 e 15 do corrente I
Fbi mandado aggregar ao 3* batalhao de fnfeu-
taria de reserva do municipio do Recife, o smSh-es
portaestandarte do 3" batalbio de reserv** Rio
Grande do Sin Pedro Goncal ves Pedra Casefk
Foram ppivadus dos postos, por t.o tereto lira-
do patentes no prazo legal, os seginntes ofciae-
do batalhao n. 83 do municipio de Limoeiro al-
feres Joo l^odegario da Silva Barros, Joaquim
Alves Correa de Albuquerqui-, Francisco Frreira
(ioncalves (^memu e Pi os Guimares.
Foram nomeados para preencher essas vagas,
em vi*ta do sposto no art. 71 da le h. 602 de
19 de agosto de 1830 e do aviso do ministerio da
justica n. 81 de 15 de feveriro do mesmo anno :
Tenente cirurgo, Manoel Correa de Albu-
querque.
Alferes da 1* companhia, Manoel Elias do Reg
Dantas.
Alferes da 2' dita, Bcrnardno Tavares do Reg
Farias.
Alferes da 3" dita, Joao Frreira da Assumpcao.
Alferes da 6- dita, "Mximo Jos da Silva,
dente da provincia mp.'nda declarar a
Dita ao juiz de direito da comarca de
Santo Antao.--Reeebi o offlcio que V. S, dirigto-
wce-jresi-1 me em 13 de, mez lindo, expondo o que oecorren
v, S. u,e' per oceasi^o de proeesso de habeas-eorpus reque.-
cotmniinico a v. s. para seu conhecimento.
/N, 247.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. TraiiMiiitto por copia a V. S. para seu
conhecimento e lins convenientes, o oflicio dehou-
tem, sob n. 177, cm que o chefe da reparticao das
obras publicas, participou-me hav>r mandado la-
vrar o termo de lecemmento prdVieurto das obra*
da igreja matriz de S. Lonreneo da Hatta, de que
arrematante Francisco Xavier Soares, e passtr
o compeleiite cerlificado para pagamento da 2.-
presta^ao, a que tem direito o mencionado arre-
matante.
N. 248.Dita ao mesmo.Declaro a S. S. para
seu eonliccimento e lins convenientes, que segun-
do conta do oflicio do chote da reparticao das
obras publicas dajado de liontem, e sob n. 176,
o arrematante das obras do 1> lauco da estrada
de Itapessuma a Pasmado, Francisco Xavier Ca-
valcanti Lins acha-se com direito ai recebimnto
da importancia da 4 prestaco ib seu contrajo.
N. 249. Dito ao cliefe da reparticao das obras
puclicas.Pelo offlcio que Vmc. rae dirigi hon-
tem sob n. 17(i, fiquei inteirado de achar-se o ar-
rematante das obras do t." laneo da estrada de
ftapessuma a Pasmado, Francisco Xavier Caval-
canti Lins com direito ao recebimnto da impor-
tancia da 4.a pre-tacao do seu contrat.
N. 250.Dita ao mesmo. Pico inteirado de
quanto Vmc. me particpou em oflicio de horrtem
sob n. 17" relativamente a entrega previsoria das
obras da igreja matriz da freguezia de S. Louren-
co da Malta de que arrematante Francisco Xa-
vier Soares, e em resposta tenho a dizer que dei
sciencia do citado offlcio a thesouraria provincial
para os fins convenientes.
ff. 281.Dito ao mesmo.Approvo a nova di-
visao por Vine, dada aos districto das obras pu-
blicas a cargo dessa rapartieao o qual consta da
nota que veio ann \o ao sen' offlcio de 5 do cor-
rente sob n. 175, a que respondo.
N. 232. Deliberar'). O vic -presidente da
provincia tendo em vista o que rejuereu o guarda
da alfa'ndega desta capital oo (ioncalves Pires
Frreira, e buAssim o que a e-He respeito fn-
formaram a* r%partic6es competentes resolve eon-
cexler-lhe dous mezes de licenca sem vencimentos
na forma da lei para ir ao presidio de Femando.
4* seccao.
N. 2'3.loriara ao desembargados; provedor
da Santa Casa de Misericordia.Concedo a auto-
risaeao qne V. Exc. pede em seu offlcio do mez
de abril ultimo sob b. 1,8j7 para concedo*' a ver-
ba de 720OOOeom dospo/.as juiciacs do patnmi-
nio dos orahaos no correte, ejercicio, visto haver
j despendido a quantia de 3!i7;iO e ter-se do
pagar ainda a do 557525 em iiue imporiam as
cusas da aceao que move a Santa Casa contra os
herdeiros de Agoatinho Eduardo Pina .
, N. 254.Dita a cmara municipio da pplado.da
Victoria.Respondeiulo ao offlcio que,me dirigi
acamara municipal da ciiado da Victoria era 20
dJ abril ultimo tenho a.drzerlho qiie.mude.por
novamente em praea vitto m$ Jr aiwrSffldp lici-
tantes aWum a -arroraatacao do. dia.^daquelle
me* aor, foros do patriraunip de -quj Jrat,: 9,9011,
citado offlcio.
W. 1,-J>i a cmara mnuicipal do. mtiqne.
Dec mar municipal .1. I >iquo o em
saude danle das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia declaro a V. Exc. em
respos A ao seu oficio desta data, sob n. 276, que
tica ex|edida a conveniente ordem ao gerente da
companhia Pernambucana, para fazer recebor e
transportar ao pcesidio de Fernando os guardas
nacionaes qne para alli destacam.
1.'seceso.
N. 262 Offlcio ao Br. chefe de policia.OExm.
Sr. vice-presidente da provincia manda declarar a
V. S. que licam expedidas as convenientes ordens
para o transporte para o presidio de Femando de
Noronha dos sentenciados de que trata o seu offl-
cio n. 632 de hoje datado.
N. 263.Dito ao mesmo.O Exc. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. para
o seu conhecimento e fins convenientes, que por
deliberarao desta data e de conformidade com a
proposta" de V. S. era offlcio n. 674 de 7 do corren-
te, foi considerada sem effeito a noseacio do ba-
charel Francisco Cornelio da Fonseca Lima para
o cargo de delegado do t"rmo d'Agua-Prcta.
N. 264.Dito ao commandante superior da
guarda uacional de Goyanna.Sua Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia manda declarar a V. S.
ein resposta o seu offlcio do 1." do corrente, que a
thesouraria de fazenda tem ordem para pagar ao
sargento Antonio Augusto de Souza os vencimen-
tos constantes do citado offlcio.
3.a seccao.
N. 263.Offlcio ao inspector da thesouraria de
fazenda.Nesta data autoriso o Dr. chefe de poli-
cia a elevar a 1000 a diaria do servente daquel-
la repai ticio, visto o que all havia nao querer
continuar a servir pela de 800 rs. e nao haver
quein por esse preep se quizesse prestar.
4.' seccao.
N. 266. Offlcio ao Dr. Arininio Coriolano Tava-
res dos Santo3.N. 76.De oadem do S. Exc. o
Sr. vice presidente da provincia, transmuto por
copia a.V. S. para ser presente a assembla legis-
lativa provincial a inclusa inforinacao ministrada
pelo director geral interino da insirueco publica
em 4 do correute, sob n. 128, aceerca de tres pe-
riodos mencionados no offlcio que V. S. me dirigi
em 24 de abril ultimo, sob n. 30, que (lea assim
respondido.
N. 267.Dito ao mesmo.X. 77.De ordem de
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, trans-
miti por copia a V. S. em resposta ao seu offlcio
de 29 dg abril ultimo, sob n. 32, para ser presen-
te a assembla legislativa provincial o incluso offl-
cio do inspector da thesouraria provincial, acora-
panhado dos documentos (relacionados) que com-
provara o crdito supplementar ao art. 42 da lei
do ornamento vigente, na importancia de........
2:388js080 que pedio a junta da raesma thesoura-
ria, os quaes documentos o referido inspector pede
que sejam devolvidos logo que ahi nao sejam ne-
cessario, visto que delles dependen) os pagamen-
tos que' se tem de effeetnar niquella reparticao
(piando for concedido o sobredito crdito.
N. 268.Dito ao me-:mo.=N. 78.De ordem de
5. Exc. o Sr. vice-pre>identc da provincia, trans-
miti por copia a V S. para ser presente a assem-
bla legislativa provincial afim de deliberar como
entender conveniente o incluso offlcio datado de
12 de abril ultimo em que a cmara municipal da
villa do Buique representa acerca do pagamento
que pede de seus,ordenados os respectivos advo-
gado, secretario e fiscal da freguezia de Aguas-
alias.
N. 269.Dita ao mesmo.N. 79 De ordem de
S. Kxc. o Sr. vice-presidente da provincia trans-
miti por copia a V. S. em resposta ao seu oflicio
de 29 de abril ultimo, sob 34, para ser presente a
assembla legislativa provincial a inclusa informa-
cao ministrada pelo inspector da thesouraria pro-
vincial em 7 do corrente, sob n. 250, acerca do
offlcio a elle dirigido pelo juiz municipal da cidade
da Victoria em 9 de Janeiro de 1866.
EXPEDIENTE ASSIGN'ADO PKLO EXM. SR. DR. MANOEI.
DO NASCIMENTO MACHADO PORTELLA, VICE-PRESI-
DKNTE DA PROVINCIA, EM 9 DE MAIO DE 1869.
4* seccao.
N. 270 Portara ao superintendente da estrada
do ferro. Sr. superintendente da estrada de
ferro mande transportar da estacao do Cabo para
a da Escada om trem especial por conta do minis-
terio da jtistira ao commandante do corpo proviso-
rio de polica'.
Repartirlo da polica. /
i' secco.Secretaria da policia de P^rnamb
17 dejnlho de 1869.
N. 1048.IUm. e-Exra. Sr.TepJho a honra de
ievar ao conhecimento de V. E<$T que, segundo
onsta das particip&ges r#cejrias iirsta repar-
ticao, firam h ratera recolhidfis a cas, de detencao
os segrales individuos : f
A orden do subdelegad^do IV^ife. Aprigio. cs-
ESPECTACLO.O Sr. Poppe, auxiliado por
outros artistas, d hoje um espectculo variado no
theatro de Santa Isabel, constante de prestidigita-
cao, canto, piano, recitativo, e finalmente de ama
lotera cojos promios sao.- um cavallo, um retogio
e urna garrafa de Champagne. No lugar proprio
vai publicado o respectivo annuncio.
INSTITUTO FILIAL DOS ADVOGADOS. Sao
convidados todo os membros. do Instituto Filial
da Ordem dos Advogados Brasleiro?, para a.sessao
que ter lugar na quarta-feira, 21 do corrente,
hora do costume.
RA DA CONCORDIAPedem nos que lem-
bremos Illraa. Cmara Municipal um terre-
no em aberto, existente nesta ra, com grave in-
fraecao das posturas municipaes, e prejufzo dos
moradores desse lugar. Chamando para fsso a
altenco da Illma. Cmara Municipal, esperamos
que se faca cessar semelliante abuso.
CAPTURA.Pelo delegado do termo de Santo
Antao foi preso Targino Pereira de Souza, iudi-
ciado em crime de furto de cavallos.
AUT01UDADE POLICIAL-Por deliberacao de
14 do corrente, foi exonerado o 4." supplente do
delegado do Itio Forraoso Antonio dos Santos Vi-
tal, e nomeado para o substituir Francisco de
Gouva e Souza.
PRESTIDIGITACO Assisiimos no sabbado ao
beneficio do Sr. Eduardo Alves, prestigitador e
secretario de Mr. de Lajournad, agradando-nos
bastante o seu trab'alho, que exerntado gil,
limpa e simplesmentc, mostrando conhecimentos
da arte que professa, gosto e acurado zelo no que
faz. Felicitaino-lo sobieludo pelas sortes do ovo
e do lenco, do jardim das hisMrides, e por todas
as sortes de cartas, alguma? das quaes sorprende-
ram o publico.
O Sr. Eduardo Alves deve esmerar-se no sen
trahalho. porque um futuro risonho Ihe sorri.
Mr. de Lajournad tambera executou algnmas
bellas sortes de cartas, que foram applaudidas
pelo publico.
ANNIVERSARIOCompleta boje 45 annos S.
A. o Sr. conde de Aquila.
GYMNAZfO CAMPESTRE.Prctendendo a em-
preza dramtica, proprietaria do theatro do Poco,
transferir o edificio para lugar mais cominodo as
familias moradoras lora da localidade em que se
acha elle e>taboleeido, obteve do Exm. Sr. presi-
dente da provincia dar urna serie de espectculos
no theatro de Santa Isabel ; comecando-os na.
quinta-feira, com o drama de grande espectculo
Esmeralda, em o actos e 6 quadros, intermeiado
de dansa e canto, o qual ja foi entre nos repre-
sentado cora muila acceitaco e applausos.
Os esforcos desses artistas e a sua constancia
no trahalho, toruam-os dignos da proteccao do
nosso publico.
LIBERDADE.Os Rvms. padres Lino do Monte
Carmello Luna, Candido o Ernesto Frreira da
Cunha, querendo molhor commemorar a festa da
protectora da ordem que outr'ora pertenceram,
Nbssn Senhora do Carino, de rara carta de liberda-
de aquelle e seus irmaos preta Victorina, de 42.
annos de idade, pelos relevantes serviros presta-
dos, e estes duas crias suas Henrique e Mara,
menores de 4 annos.
LOTERA.A que se acha a venda a 114.*, a
beneficio da Sania Casa da Misericordia, que cor-
re no dia 21.
O VICE-REI E A 1MPRENSA.Parece que o
vice-rei do Egypto tencin convidar toda a im-
prensa europea para assistir as festas da inaugu-
raca- do isthiuo de Suez, sendo toda a despeza
casta de S. A., incluindo os transportes.
Depois das festas devem igualmente, por convi-
te de S. A., fazer urna digresso ao Egypto.
Julga-se que sero duzentos os convidados desta
especie, e que S. A. destina 3W contos para a
despeza.
INNUNDACOES NA MERiCA DO NORTE.
Segundo noiiias de New-Orleans, as innundacoes
succedem-se urnas s outras na America.
O Missssipo simio fra de seu leito c subraergio
completamente a parochia do S. Bernardo, que
ainda ha pouco lempo se conservava deoaixo
CMARA DOS LORDSEM LNlLATJftRA-Se-
gundo o Daily News, o exame dos archivos da
niara dos lords prova que np*U assembla se ta
3 pariato* que datara do. seculo Xl ; 4 que da-
tara do XIV ; 7 do X^ 12 do XVI; 35 do XVII ;
95 do'XVItl e 233: do actual seculo.
Os pares nomeados desde a subida ao poder do
rconde Grey {18304 sao era numero de 163 ; c
deste numero 123 foram creados por administra-
cues liberaes c 40 por gabinetes conservadores.
MANCHAS NO SOL.Annuncia-se que a padre
Sec'chi se propon resumir em urna obra, chamada
desde j a fazer nm grande abalo, as suas ultimas
desoobrtas sobre as manchas do sol.
Vs conclusoes do sabio jesuta sao que aty aqu,
a periodioidadc do mximum de abundania des-
tas manchas A pouco mais ou menos decenf.; que
as manchas sao cavidades oliois de espesaos va-
pores metlicos, formando a atmosphera sotar ,
no a qualidado deslas suhstanctta, todo a
IH^"*
MUTILADO I


ffflfti

5Q 6f MI31 ftQHt^ DkrO de FernambQCO egttwla feira de Julho de 1869.

W .VJX
. ,


4
ma que a 4a massa geral da tmosphcra raais
sublil que se v cima do nivel das oavMade, a
diffcrenca dos aspectos nao proven seno 6a Ji-
versidade da espesauras ; que photosphera a
maia brilhante se compe do urna matera conser-
vada era suspensao na atmosphera sotar gazosa,
no estado de precipitadlo soHda ou tfqnida, como
vemos o vapor da agua flear 6usponso no ar ; que
ougros da inten-ddade luminosa, bservados as
diferente* regies das manchas edasens ncleos,
pode expiicar-sc por mator ou menor numero de
amadas destes vapoi es, que se-ibrepoem atu-
ras diversas.
O PRIMEIRO UVRO.-m ^salterio foi o pri-
nieiro livro que se imprimi, couiccado por Gut-
temberg, e publicado era 1437 pnv Fnst e Scfcoef-
fer, que o annuneiaram nos seguintes tarmns :
O presente livro dos psatmos, ornad i rom
toellas iniciaos, e tornado suficientemente claro
com o auxilio de rubricas,-foi executado sem pen-
**, segundo a nova, krvcncSo de imprimir e de
caractensar.
Guttemberg havia juntamente emprebendido
levar i effeto a impressao de urna aprimorada bi-
tlia in-olio, tendo A:S82 paginas, de duas colum-
nas, quarenta e daas Irnhas cada una. Essa
obra apparocen depois do livro dos psalmos, qu in-
do j a arte mgica, a vrte divina havia sido re-
velada. De I4G6 a 1175, em Strasburgn, Mayen-
^a, Cotona, Augsbnrgo, Nuremberg, I)Je e Lu
beek, forara apparacenda kupreusas rivaes.
Em 1458, Nicolao Jcnson, hbil gravador de
moeda, de Pars, foi, por ordena de Carlos VII
mandado Mayenca para estudar o novo invento;
este gravador estabeleccn-se depois em Veneza.
No* Has do anno de 1465, o reitor da uiversi-
dade, GHilherme Fichet, e o prior de Sorbonna
Joao de la Pierre, (ron Stcin, de Steia na Suissa)
inandaram vir sua casta para Mayenca tres ope-
rarios de Guttemberg: Ulrich Geringe, Miguel
Freyborger e Martinno Knratz, que estabelece-
rain nina offlcina no propri edillcio da Sorbonna,
e qm veio a ser a primeira imprensa tranceza,
dando omeeo pitbHeaeao de urna obra em la-
tim, de Gasparino de Bergamo (GiuparM Brrgu-
intntitanrissmi oratoris Epistolarum liber) tita-
en tan celebre.
Nao tardn que em Franca se estabelecessem
novas imprensas, porque Lniz XI. que amava as
letras, nao flcou indlfferente arte mgica.
Km 1475, tendo sido penhorados os livros ao
representante de Pedro Schoeffer, estabelecido era
Pars, Lniz XI interveio a favor delle, em cen-
sderaeo aos incommodos e ao trabalho que os
dit^g requerentes tiveram pela dita arte e ia-
duqria de impressio. e ao proveito e utilidade
"Vsque/della pode resultar causa publica, tarto
para o augmento da setnela, como etc.
Ninjfliein eoto previa o alcance sem limites da
ova descoberta, cujo primeiro esforco devia ten-
der a substituir pelo reinado da razio, que escla-
rece e liberta, o dominio da espada, que embru-
tece e aviiia ; ninguem tambera adivinbava as
futas que deviam nascer entre os partidarios in-
teressados das trovas, e os conquistadores da luz ;
por i 'otbusiasmo o primei o livro impresso.
fteprodu idas at ao inlinito em todos os paizes
da Europa, as obras da intelligencia encuerara de
regosijo as popula cues maravilhadas c radiantes
de asperanca ; manifestra-se um novo mundo ;
comecava urna nova era ; comtudo, Guttemberg
n orrera ignorado e desconhocido I
PASSAGKIROS.Viudos deGoyannano vapor
Parahyba : Flaviano Cezar Coelho, D. Virginia
Barros, Quirino Francisco de Albuquerque, Anto-
nio de Aquino Eslanislu Ferreira, Jos Poreira
dos Santos.
junta., Cebrado
Vista ;to"Sr. desem-
I BRMA 31OIIARIA.
TKIHI \ t. DO CO.II.I1IJRCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 15 DE
JULHO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DKSEMBABGADOR ANSELMO
FRANCISCO PBIETTI.
As 10 horas da manhaa, unidos os Srs. depu-
Udos Rosa, barao de Cruangy e supplente S Lei-
tao, faltando com cominunieacao o Sr. deputado
Miranda Leal, S. Exc. o Sr. presidente declarou
aberta a sesslt).
Lida, foi approvada a acta da essao de 12 do
eorrente.
EXPEDIENTE.
Okio do secretario do uibuaal do commercio
da edite, reraettendo urna relaeao dos coramer-
eiantes matriculados n'aquelle tribunal no mez de
junno prximo passado.Ao archivo.
Officio do conservador do commercio da pro-
vincia das Alagas, reraettendo informada a peti-
aa do Haqoel de Vaseoncellos membro da Urina
Barbosa & Vaseoncellos, pediinlo matricula nao
no para a tirina de que faz parte, como para si
individualmente. Vista ao Sr. desenibargador
fiscal.
Purara rubrica os seguintes livros .Copia-
dor da companhia dos Irilbos urbanos do Recife
Olmda.dem de Salgado & Ndves.Diario de
Oliveira Filhos & C.
Vieram mesa, e foram mandados conferir
com os antecedentes os resumo do movimen o
dos armazens alfandegados ns. 3. 5 e 7 de Luiz
Jos da Silva Gnimares no edificio alfandega-
velha, ns. 92 e 94 da ra do Bruin de David Fer-
reira Bailar, n. i da ra da Madre de Deus de
Piulo & Costa, n. 20 da roa do Apollo de Beroar-
dino iiraes de Car val ho, n. 6 do largo da alfan-
dcga-velha de Anaeleto Jos de Maltos, e dos tra
piches Dantas, Barao do Livramento n. 17 do lar-
go da Assembla, e Ramos; tendo resolvido o tri-
bunal quanto ao resumo relativo ao armazem da
ra do Apollo b. 20 de Bernardino G mes de Car-
valho que aprsente proenracao Autonio Bajitista
Nogueira, que como procurador do referido Ber
nardim assignou o mencionado resumo.
Vieram tambera mesa seis ns. do jornal offi-
eial.Mandou o tribunal que tbsaea archivados.
O Sr. secretarlo offlciou, de conformidade com
a resntncao tomada na sessao prxima passada, a
todos os agentes de leilOes desta praea.
DESPACHOS.
Requerimento de Francisco Auto de Miranda
Dura >, pedrado o registro da Bomeacao de seu cai-
xeiro Ciadido Francolino de Miranda Forjaz.Se-
ja registrada.
Dito de Joaquim Jos da CosU Pinheiro, idem
de duas procuracoes, que junta.Como requer.
Dito da Francisco Jos C-rra, idem da nomea-
cao de sna uovo caixeiro Francisco Romeiro Ca-
vaicante de Albuquerque, e aonotagdes no cwn-
ptente hvro i*la dispensa do caixeiro Domingos
de Gusmao e Silva Gomes.Como peile.
Dito de Jos Joaquim da Siiva Gomes e Jerony-
mo Joaquim Fiuza de Oliveira, idem de seu distra-
to social.Vista ao Sr. desembargador nVeal.
Bitode Vianna A Guimarei, idem da nomea-
cao de seu caixeiro Jos Ferreira Frazao Re-
gistre-se.
Dito dos mesraos, para certifiear-se-lhes se a
nomeaca. de seu caixeiro Jos Maria Geraldes
achase registrad.!.Certifique se.
Dito de Jos Jdronymo da Silva A C, registro
da noineacao de seu caixeiro Jos Thoraaz de
Araujo.Seja registrada,
Dito de Rosa A Irmao, para se eliminar do re-
gistro competente o nome do seu caixeiro Alfonso
Jorge de Souza Barcellos, e r.-gistrar-se a nomea-
^ao do substituto Benjamn Canuto dos Santos Li-
ma.Na forma requerida.
Dito do Jeronymo Salgado de Castro Gnimaraes,
certidao de se aeuar ou nao registrada a aomea-
<2o de seu caixeiro kmael Antonio de Oliveira.
-Cerlilqiie- Dito de Fernando Jos Correa, idem idem de
aeu caixeiro Jeronymo Jos Correa.Siin.
_Dito de Jos Antonio Pereira, registro da noraea-
cao de am caixeiro Julio Rodrigues do Nascimen-
to.-4Werido.
Dito de Miguel Teixeira da Costa, annoUcoes
pela retirada de seu caixeiro Ponciano Andr Go-
mes, e registro da noraea^o dos que o substitui-
r Fraaeiscu Firmo Xavier e Jovino Firmo Xa-
vierComo pode.
Dito de Joaquim Ferreira da Costa, registro de
nonvnfo de seu caixeiro Antonio Primo de Bar-
rw B*idii'a.Seja registrada.
Dit-4 Manuel io^ Lopes & Irmao, idea da de
sea eaiieko Urifeno Francisco Duraes.Como re-
qnerem.
Dito de Jos JoaqjN'm Soares, certidao de se
aehar ou nao registratt oomeacao de sea cai-
xeiro Jos Manoe Soares. ASeuada a peticao,
passe-se.
Dito de Francisco Ferreira d,* Silva, certidao
doseacbar ou nao registrada a norteno de sefr
caixeiro Alipio Ferreira AntonesCo.'** requer.
Dito de MharheilUn 4 C, registro da n-^meaca.)
2, iTsilva^R? J?Vn d6 S0 flei8 o3 n-
toaa Silva Regstrese.
^S1- &*** Uner,M, idem da de eos cai-
xeiros Joaquim Francisco de Mello ui Jnior e
nitoT"? d09-SaT Lima -3reSada
,&** ^aqO,n0 Antonio de &rvalno. para
^i^'hcse ? "P^ da A"'un Man oel
f^hi r** a,gara caixiro "gistrado neste
:riDunal.Certifique-se.
R do gerente da companhia Vigilaota para
rgistrar-sc II o contrato,
as oarao d Livrainerrto,
bargador fiscal.
Dito de *ttyro Serafim da -Silva, $nx* registro
da noTieacao do caixeiro Jos Maria Rndrigues de
Almeida, e annotagoes no sertlilo de tT-se retira-
do o de nome Camanlleo Firmo do Kaseiinentj
Como pede.
Dito de Antonio MagaRtes da Silva, ertkfo de
so acliar ou nao registred* a uenea^ao d.>eo
caixeiro Manoel JIuncs lires.CertMove-se.
Dito de Saundrs Broibers A C,'Miera de sereen
coraraercianles matriculados, e do theor do repis-
iro da nomeai;fio de seu caixeiro 'lee r.lemenltoo
Henriqcs da Silva.D-se a certidao renae-
rida.
Dito de Joao Martms, de Banitf,igistro deina
proceracao ba-tante.Registre-se. -
Dito de Jos de Miranda Durao, ertidrio'da tio-
meacao de seu caixeiro Francisca Antonio-Carao.
Passe-se.
:,lito de Hennino'Ferreira da Sika, registro da
noaiearaa de seu caixeiro Clemente MartiheFer-
reira da Silva.-M>mo requer.
Dito de Antonio Joaquim Tertuliano, idem da de
seu caixeiro Severino Tavares de ftliveira.
4Mm.
Dito de Miguel-dos Anjos Costa Innior, idem da
de Jos Francia Muniz.Atteadida
Dito de Jos de Mello Trindade, idem da de seu
caixeiro Gercmo Prente ttoOliveira FeriBaFa-
^a-se o rogistro pedido.
Dito de oao Marlins da Silva Villcla, idem da
de seu caixeiro Joao Francisco das Cbagas.Na
rma pedida.
Dito de Antonio Roberto A Filho, para que llque
le nenhum edeite o que apresentaram na sessao
de 12, visto nao terera declarado o lempo em que
foram rtgistradas as nomeac.oes de seus-caixeiros,
oque agora o fazem alioi de se Ihes dar a certi-
dao que requeren.(Jomo pedera.
Dito de Joaquim da Costa Ramos, no mesmo
sentido.Sim.
Dito de Bernardo Jos da Silva Giiiinaraes,
idem.Smi, em termos.
Dito de Mortins A Leopoldo, idem.Sim, em
termos.
Dito de Maaoel de Souza Cordeiro Simoes,
idem. O mesuo despacho.
Dito de Amorioi FiKio, idem.0 reesmo des-
pacho.
Dito de Joao Francisco Borges Ferreita, idem.
dem.
Dito de Eduardo Fenton, idem.dem.
Bito de Antonio Francisco das Neves, idem.
dem.
Dito de Joao Licio A C, idem.dem.
Dito de Henriquo Forstor A C, idem.dem.
Dito de Joaquim Gerardo do Bastos, pedindo
que o tribunal certifique se a tnterpellaeao que
teein as palavrasdescarga por conta da fazenda
nao segundo o estylo desse porto, descarga
da alvarenga para o caes por contada fazenda,
com referencia a navios, qur naeionaes, qtir os-
trangeiros procedentes dos portos do irapt-rio.O
recebedor da raercadoria e sresponsevel pela
despeza da descarga do caes para a trra, quan-
do o conhecimeuiu traz a declarac,ao de descar-
ga por conta da fazenda.
Vistos pelo Sr. desembargador fiscal (adiados
da sessao passada.)
De Oustodio Jos Ai ves Guimares, Antonio Ri-
beiro Pontos e Jos Alves Machado Guimare*
para registro de seu contrato o aociedade.Seja
registrado.
De Manoel Alves Guerra A Filho, tambera para
registro de seu contrato com o seu preposto.Re-
gistre-se.
De Antonio Alves Lebre e Patricio Ignacio da
Silva, para registro do distrato da sociedade que
tiveram sob a firma de Lebre A Silva.Como ro-
qnerem.
Da Associaeio Commercial Benefieento para ser
estabeleeida urna unidade no peso dos principaes
gneros de produecao da paiz, que facilite a com-
pra e venda pelo systema em execueao no i de
juiho correte.Adiado.
Nada uiais ha vendo sido submettido a despa-
cho, o Exm. Sr. presidente encerrou a sessao as
He meia horas do dia.
hawr assiMBidona mesma dau o exercioio do car-
go na qualiftade de primeiro suppleate, visto ter
dado parte 4e doente o efiectivo.Intesrada.
Ontrt> de eiiienheiro cordeador, infirmando ss-
%ro o retfaw'iraiiuo de Jeao Correa Leoreiro, qne
pede para que Ihe seja permitiido dar menos de
22 pahuas oas-
trnecao na povoacao da Varzea ; declara que as
razius appc-eiilailas pdo sup|ilicaate,o seo-nffl-
cientoe para ee aerar as diraeaaaM marcadas
nas postada*.Nao tem lugar.
Outio raento de Jos Fraaettco do Reg, pedindo para
levantar de novo o aturo de aeu terreno nastra-
da da paveacau le Apipucoa, que eaaio cora a
eheia ; ten a dizer tpie nada se llw offem a op-
por, unta va que o dito mure sqja Jwviaatruido
no aliahaweutuiJoqae cabio.Ceaeedeu>se.
' Oulr do mesmo, inforraande *Af o que pede
no lefaerimooto junto Miguel Arcaa%o da Ci uz
Muniz, para edificar na ra da Concordia ama casa
terrea em 30 palmos de frente e 9G.de fundo ;
tem a dizer que nada se oppMi ureieucao do
upplicaate, dando-se-lhe prviameaia ^ordea;5o.
Mandou-se cerdear.
Outre do mesmo, informando o reqaerimento de
Maria Amalia de Albuquerque Mello, .quepede
hcenca para construir na ra do Atocrim uraa
casa cara 22 palmos de frente ; tem a dizer que
pelas postaras raunicipaes em vigor, nito permit-
iido naquellacua casas com a larctira de 2 pal-
mos.luJefirio-se.
Outro do mesmo, informando sobre -o requeri-
mento de Antonio Ferreira da Silva Maia, thesou-
reiro da sociedade Conciliacao, pedindo para fazer
um muro provisorio em seu terreno da ra da
Concordia com rundo para a da Palma- campre-
Ihe dizer que o art 25 da postura em vigor, mar-
ca que os muros que fazem frente para as ras e
traveseas o istentes ou projectadas, tenham a al
tura de frente de casa terrea regulare eom cor-
nija.A" coramissao de edihcacao.
Outro do mesmo, Informando o requerimento
de William Raulisson, para eoneertar a sua casa
da matriz do Poco da Panella ; *umpre-lhe dizer
que nada tena a oppr.Concedeo-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento
em que o vigario Antonio Manoel d'Assumpco,
administrador da capeHa do arco a Conceico,
pede para azer os reparos de quo precisa a mes-
ma capella ; tem a dizer que nenhum inconve-
niente ha em te, devendo, perm, enllocar cano enterrado na pa-
rede para as aguas pluviaes.Concedeu-se.
Ontro do mesmo, dando a informacao que Ihe
tora exigida, relativamente ao contrato feito com
Manoel Alves Guerra sobre a plautacaode arvores
nesta c ida de, e o estado era que as mesraas se
acham.A' commisso de edillcao.
Outro do usno, informando-o requerimento
do Antonio dos Reis, que pede para levantar as
portas de seu eslabele iraento ra do Passeio
Publico n. 12
gando ao mesmo lempo homenagem ao meu reco-
nhecMaento, pruvei, que nunca ue-achei na miso-
rima eeadtcao de ter sido um comensal necessita-
do, que a uiiuna hospedagera liuba Sido largamen-
te compensada; declarando que devia beneficios
de umaordem muito superior.
No 2* taacei a historia verdica, em que i
tam >s vivos signaes do meu reeonhecimento por
sacrific4eede toda a natuieza, e com abnegacao a
propria No 3*demonstrei que o men^ggressor, esque-
cendo tudo quanto devia ao seu nome, e a socie-
dade, seJiavia mancluulo, alando-se ao autor
dessa iiaehina^o tenebrosa de que fui victimo,
como fiador de seu pai; e que eob o veo perigoso
de una prfida mo-leiueo continuoua illudir-me,
eraprogando tudo quanto a deslealdade tem de
raais artiflcioso para me convencer de que elle nao
foi motor, instigador e agente principal daquelle
trama.; equeo seu mais ardente desejo era pu-
nir os autores do attentado.
Estabolecidos esses pontos, eu linha a certeza
de (jue o meu aggressor fazia uiuesforco supremo,
nao para destruir completamente a impressao, que
causou a hi.-toria de minha dedicacao, dos incus
servicos, da niiiilia abnegado, porque elle sabia
que eu tinha as pravas, mas para attenuar ao me-
nos essa impressao, modificando os factos: e
uesse intuito que o vemos debater-se intilmente.
Vergado sb o peso da verdade em vo procura
erguer-*e do abatimento moral, em que jaz pros-
trado. Todos os seus movimentos de raiva, a l-
vida cor de que se cobran suas feices, quaudo
intenta oceultar a verdade, sao indicios vehemen-
tes das torturas porque est paseando.
Tenuo muita calma e torca de espirito para ou-
vi-lo; Bcnhura de seus movimentos perturbara a
minha serenidade.
Ja mais descerei da altura em que me colloquei
na defeza.
Em
contra
<> ara aliestaBo para defender-me eoraplefcraento,
ua lea qualihije |uo rao quiz attribuir o Sr. J.
r.; bastava o seu aitestado paca convencer de fri-
volo o pretesto de quo elle so servio para provocar,
lao enojosa discusso. Convencido como deve es-1
tar o-publico de que nao provouuei tal discusso
vou entrar no primeiro- ponto-de-minha dafeza,
que sera desenvolvida na serie de artigos
vao segmr-se. Com a mesma irreflexao
lorara citados este]
que
cora que
testeraudhos, sao citadas
p pode envergo-
dM^sS, I/1Sj3& i*203, Pr W'-gramma L
oS. i.'T ** lio de2.9orte; o d*
AssuciR.-dlegiou os srgntafcs nrecos : o
essas cartas, cora cuja poblicaoao
J. F. assorabrar-me, o diz que
nhar-ine )...
Quera prohibe essa pnblicaeile?...
A quera deve mais eurergoar?...
A quera condn ura peu-nuento nfimo, ou a-
quee, que, abasando da eouanca nelle deposita-
da poe era jogo essa coofidencia,'provocando com
arrogancia uraa discusslo pessoal, e ameaeando
ao mesmo terapo de publica-la ? A vergoha para quera attaca ura adversario, querendo abatel-
o, porque suppoe que, ello nao pode defenaer-sc
de seus golpes.
Eu me envergonho, sim, mas de lutar cora
um adversario, que sera erguer-se da trra, se
roja a mena ps para ferir-mc, aviltando seu
nome.
Use das nicas armas que sabe manejar, mova
contra mim todas as suas torcas a um tempo ;
procure auxiliares estranhos, ja que nao lera re-
cursos era sua inliligencia, dsponha de seus meios ;
tudo sera muid, suas manobras serio todas des-
tellas por mira; a perda de sua causa afalivel.
Mas ninguem pense que eu me vanglorio. Nao.
Por mais completo que seja o triumpho, em
urna causa destas, ha sempre uraa quebra moral
Lourenco Bezerra Carneiio da Cunka.
ficando um
de
SESSAO JDICIAR1A EM 15 DE JULHO DE
1869.
PRESIDENCIA DI EXM. Sil. DESEMBARGAD.1R
RETTI.
Secretario, Julio Guimares.
..o meio dia, declarai-se aborte a sessao, estan-
do presentes os Srs. desembargadores Silva Gui
maraes, Reis e Silva e Accioli, e deputados Rosa,
barao de Cruangy e deputado supplente S Lei
lio, faltando com participado o Sr. Miranda Leal.
Lida, fii approvada a acta da sessao anterior.
accordaos Asignados.
Appellantes, Rabo Schameltau A G. ; app o curador da heranca jacente de Manoel Buarque
de Macedo Lima: "appellante. Antonio Joaquim
Fernandes; appellada, D.. Alexandrina Maria d*
Santos : appellante, Manoel Ant nio de Albuquer-
que Machado; appellado, Amaro Jos dos Pra-
zeres.
JULtAMEiTOS.
cumpre-lhe dizer que nao ha in-
conveniente em conceder-se a licenca.wConce-
deu-sc.
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Joaquim da Silva Maia, que pede para concertar a
porta da cocheira de sen predio ifua do Impera-
dor, tem a dizer que o supplicaflte pretende con-
certar e altear a frente da dita casa, para dar en-
trada a carros fnebres, bera como abrir na fren-
te que d para o eaee outra porta cocheira, no
que nada se Ihe offerece nppor, devendo elle eollo-
car cano enterrado na parede. como determiua a
postura.Concedeu-se.
Outro do fiscal da Ireguezia de Santa Antonio,
intormando nao baver inconveniente em conce-
der se a Joao Francisco Je Souza Lima, como re-
quer, abrir um talho de a$ougue na casa n. 27
do pateo do Pa raizo, visto pie ah j existem ou-
tros lallios.Concedeu-se.
Guiri' do administrador do i-eraiterio da fregue-
zia da Varzea, peilindo que se Ihe manda fornecer
um carrinho de rao e urna enxada para o serviijO1
do dito esiabelecimento.Que o procurador torne-
ra, se ainda o nao fez.
Outro do administrador do ceraiterio da fregue-
zia de Jaboatao, communicando que o muro do
dito esubtiocimento, do lado do poente, desab.u
pelo grande peso da rauita agua que corra para
o Jado de bauo, isio em consequen -ia da grande
chuva que houve nestes ltimos dias, se conti-
nuar a chuver, parece-lho que cahird tambem
i. f. pe- parte do muro do lado do norte ; pede cmara
que se digne providenciar.Ao eugenheiro para
i! examinare orear.
O Sr. Dr. Souza Leao propoz e foi approvado,
que o ennenheiru coideador examinasse a casa da
ra da Horentina. perteneento cmara, para re-
wniiecer se esl ameaeando ruina, e quaes os con-
eertos de que precisa.
O Sr. Dr. Costa Jnior tambera propoze'toi ap-
provado que se maudasse o engenheiro or$ar com
urgeucia o concert que precisa o cano qne d
passagera as aguas dos quintaes e sitios da Casa-
borle, e que lica na estrada que vai para o Puc..
na altura do sitio que pertence Joao Mataeus.
Mandou-se reinettor coramissao de.ediflcacao
um requerimento do barao do Livramento, decla-
rando ijU' tendo de abrir a ra, a que seobrigou,
no t-urte do Mallos, pede cmara que marque a
vao protesta com arrependiuienio tardo
as suas irritantes provocacoes; estilo na
memoria de todos, que o ouviram chamar-me pa-
ra urna discusso pessoal sob peno de ser conside-
rado um til calumniador I Debalde intenta per-
suadir ao publico, que nao teve a I racura de con-
jurar o raio.que despedido de minha raaos veio ca-
liir sobre a sua cabeca, ferindo-o de morte.
.Nao preciso apiofundar essa questao, ahi estao
os meus escrptos. Deserapenhaudo a commisso
de discutir a poltica local, interpellei-o nos inte-
resses da mesma poltica. Elle nao um desses
dolos da raythologia paga, que tnhara o suppos-
lo poder de fazer perder a falla, e cahir a mao de
uizo municipal e do commercio da villa do P- largura que deve ter essa nova ra,
r. lirOVI Ca ll.lJ AlanAi* _l.'.rO,-,r,,!., .,r.Mnll., Dviun^.M, .-------_..:.-_ J .-.
lar. prov ca das Alagas. -Embargante appella-
do autor, Jos Alves de Aguiar; embargados ap-
pellantes reos, os administradores da massa falli-
da de Antonio Jos de Figueirdo : juizes os Srs.
tteis e Silva, Accioli, Rosa o bario de Cruangy.
Despresados os embargos seodo voto vencido o
Sr. desembargador Reis e Silva.
Appellantes, Henriquo A Azavedo; appellado,
Antonio Gonealves Ferreira Cascan : appellante,
Joao Pinto de Lemos Jnior ; appellado, Manoel
Alve3 Ferreira.Adiados a pedido dos Srs. depu-
tados.
O Sr. barao de Cruangy nao apresentou o feito
adiado a seu pedido na sessao anterior, entre
parles, appellante, Gaspar Cavalcante de Albu-
luerque Ucha ; appellado, Joao de S e Albu-
querque.
Es| era poder do Sr. Miranda Leal o feito adia-
do a 28 do mez passado c a 8 o 12 do presente,
entre partes, appellante, Andr de Abreu Porto ;
appellados, Joaquim Ferreira Valente e ouiro.
PASSAGKHS.
sembargador Accioli : embargante, Augusto Coe-
lho Leite; embargado, Benjamim Tuckens.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Res c Silva : appellante, Francisco do La-
go ; appellados, os administradores da massa fal-
lida do Joaquim Jos Gomes de Souza.
DISTIUBIIICAO.
Ao Sr. desembargador Accioli: appellante, Ale-
xandre do Santos Barros; appellado embargante
3., Manoel Jos do Miranda.
Nada mais houve, e foi encerrada
meia hora da tarde.
a sessao
MAio
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 19 DE
DE 18G9.
PRESIDENCIA DO *B. DR. SOUZA LEAO.
Presentes os Srs. Dr.'Seve, Dr. Costa Jnior,
Dr. Lobo Hoscoso o Gatmiro, faltando com causa
os mais senbores, abre-se a sessao, e lida e
approvada a acta da antecedente.
Lu-se o segrate
EXPEDENTE
Um offlcio do Exm. vce presidente da provin-
cia, de 17 do correte, communicando cmara
para seu conneciraento e fius convenientes que
segundo conste de aviso do ministerio do imperio
de J do mesmo mez, foram approvada* pela c-
mara dos Srs. deputados para*a 14> legislatura as
e eicoes primarias e secundarias Y 1 districto
eleitoral desta provincia, eom excepcio das pri-
marias das parochias da Boa-vista do coilegio des-
ta capital e de Nossa Senhora da Luz de Pao
d Albo, cujas autheneas at aquella dala nao ha-
nara all chegado. Intoirada.
Ontro do primeiro secretorio da assembla pro-
vracial, Dr. Arminio Coriolano Tavares dos Santos
com despacho da presidencia mandando informar'
em o qusl o mesmo secretario, sob deliberacao da
assembla, tomada em sessao de 8 do corrate
pede a cmara as inforraaedes seguintes :
1.a Qnal o motivo por que al a data da 7 do
presente mez nio Ihe remetteu o relatorio, bataneo
e ornamento de sua roceta e despeza, impressos
como de costuine. '
1* Se o ex-procarador Francisco de Paula Sil-
va est quito cora a mesma cmara.Posto em
discusso, mandou-se informar quanto primeira
parte, que o relatorio, balaaco eorcamente acham-
s8_ na impreesao, e quando promptus, terio o des-
una do costme ; e quanto segunda que o ex-
procurador aiuda nao traba tido quiucao.
Outiu. do engenheiro director das obras publi
eae, accuWndo o offlcio da cmara de 13 de abril
u'tao, decflra flear inteirado, e responde ditendo
qae .H^atooori de accdrdonom a opraio da mes-
ma eam*"-" nititida em dito offlcio, cerca do to-
chamente *** dlJi^, "f^riiiraa existentes no muro
do quintal a,* ,,,, do J"nnfo.Intoirada.
Dcsoacharam-se as pelicoes de O. Arcelna Xa-
vier Larneiro Rodrigues Campello, Dr. Aprigio
Jusiiniano da Silva Guimares, Antonio Jos ds
Res, barao do Livramento. Bellarraiao Fior-mun-
uo de Andrade Pestona, Domingos *>s d'Avila,
einpreza do gaz desta cidade, Francisco Jos Aran-
tes, trancisco Guedes de Araujo, Felisberto Soa-
res de Bnto, Francisco Jos Alves Guimares,
Jos Joaquim da Silva Maia, Joao Ignacio de Me-
deiros Reg, Joao Correa Loureiro, Joaquim Jorge
de Souza, Joao Antonio Velloso, Jos Alves da Sil-
va Guimares, D. Maria Ricarda de Souza Reg,
Manoel Jos Guedes Magalhaes, Miguel Archanjo
da Cruz Muniz, Manoel Pereira Lemos, Mathlas de
Azevedo Villarouco, Mano. 1 Joaquim Raptsto, Ma-
ra Amalia de Albuquerque, ordem terceira de
.\ossa Senhora do Carino, Pedro Manoel da Con-
ceico, Paulo Jos Gomes, William Raluisson, e
levaateu so a sessao.
Deixou de ser assignada a presente acta, por
falta de numero para approva-la.
Eu francisco Canuto da Ba-Vagem, secretorio
j. ------..--.w. p ,.< i.-..., i.anwp na ijj v i,it!ii. secreiario
iw hr. Ucsembargador Res e Silva ao Sr. de- -a escrevi.Iguntio Jonquim de So*:-t Leao, nra-
nibariZadar Al-eil.li iih'iRnnln A ,,.,. f.f nrui/lni,!. rt.n. (.. i- .t 1. .. '
presidente.-^Dr.Pftfro de Atk'u/dt IMo Moscoso.-
Joti Maria Freir Gameiro.Bento Jos da Costa
Jnior.Dr. Joao Maria Seve.
PUBLIGAGOES A PEDIDO.
Confrontaqao expiatoria
i
Reparar suas crueis inju*ti;a.s por ura reconhe-
ciraento publico a verdade, parece ter sido o ni-
co um, a que se propoz o Sr. Dr. J. F. em sua
contrariedade a minha defeza; e tofirme se mos-
tra nesse designio, que, expondo a face da trra e
a luz do sol tudo quanto allegue!, lomou ura cui-
uailo particular em dispr os seus aiguraentos de
modo a produzirem os mais favoraveis effeitos a
minha cansaI...
Seu eoracao inse-isivel a pedade netn se doer
concedeu-me a vantagem de o"refutar..
A verdade nasce de suas propinas palavras pela
eonfis-ao dos factos principaes allegados por mim
e pela cor e forma com que intenta disfarca-la, li-
ca gravada a conviccao, como um sentiraento, vin-
do mais a 8xa-la os accidentes inteiraraente estra-
nhos com |ue procura destruir as impresso. fa-
zendo para isso too grande e torco, que daixa a
causa principal completamente abandonada
No embate de suas iuas se figura a guerra do
Dhantasmas de Mylton, assestandp sua artelheria
contra as nuvens. Principia troaodo os ares con-
tra o fabuloso artefacto de minha defeza ; e depois
de considera-lo eorao um drama, em que se di-
tnboera os papis, e se preparabas scenas; quan-
do se espera que, a luz dissipe a&aafnbras, e den-
apparecara os pontos capitoes deesa defeza, esta-
belece elle mesmo as proposiedes que me serv
ram de baso, e confirmadas pelo seu testemonho
autbentico vem offercc-la a consideradlo dos
oossoe juizes; que era tudo isso so ouvcm um bra-
do de sua eonsetencia espavorida, s vem a inten-
ca.) de se confundir a questao, e obscurecer a ver-
Suas conflsoes sao provaa ,irrefragav is, que
me dispencara da extob.cSo ^documentos sna
negaclo s serve para tornar mais viva a luz de
evidencia, alimentada por documentos, que voa
apresentar, e que tora a torca de o esmagar: pa-
ra esses documento reclamo a alinelo dos nossos
jnlgadores.
Se en mesmo quizesen reforcar a minha defeza,
ampliando os argumentos, a revaatindo de forma*
'nais vindicas a historia cot que fe cemprwada,
nao o podena fazer melhor, do que o fez o pode-
roso auxiliar d-?sa voz, que em vio so amona no
espaco que pereorro.
ib^tatnr-"* 'l6""^4?*, e'para ser tora e
Ia; ni.i..____i- *
Santoranfn a, 18 o trrenla comiDunioando Ai.7.j!1i1i ^".P006 canrtai'S: tonto vejara os leitores como se pronuncia. Ne-
bawo Antn, di ^"1p vtwiDunwando I No estabtkc a minha quaJidade social, PaSnP. falln con mais clareza e peeisav; bastava
quem ousasse toca-Ios. Nao tem isencoes polti-
cas, e como poltico era meu dever interpellar e
combatl-lo.e s como politico o interpellei; repito
ahi estao os meus escriptos : aquellas que nega-
rera esta verdade, querem ser cegos, nao discuto
com elles, fiquem era sua cegueira.
Sem medir o alcance de seus inconsiderados pro-
psitos ; sera respmtar nenhuina dessas convenien-
cias sociaes, que devemos todos cuidadosamente
observar, prerompeu desacisadameote era exces-
sos ; collocando-se na atlitude observa era que me
des* flava para discutir sobre as minlus conversa-
ces particulares I...
E como nessas insensatas provocacoes sem com-
prehender o papel que eslava representando, elle
se daya perfeitaraenle a conhecer, eu cora o meu
silencio deixei o publico formar o seu juizo.
E carao que depois de tudo isso atreve se a
dizer que eu que o provoquei a urna discusso
de semelhante natureza ?
0 tacto este : achando-se o Sr. Dr. J. F. em
urna posicao inteiramento falsa para com os libe-
raes, a quera havia trahido, abusando de sua boa
feconrtanca, dee
baver servido do grande numero e torea do quo
dispunham na comarca, e comprehendndo que,
subindo o partido liberal, nao podia ser considera-
do por aquelles que s tinhain servido para ins-
trumento de sua elevacao; pofs que os liberaes
all. tem seus chefes naturaes, homens de verda-
de ra sigaificaco moral e inlelleclual, os quaes
foram exautorados das posicoes que Ihe compe-
tiain e que jamis cederiam os seus diretos ; elle
procurou euto os seus amigos arraiaes. Queria
cahir era seus eixos. Ninguem convir que eslava
nos interesses do partido conservador alimentar
de novo cora a sua seve aquelle mesmo, que abju-
rando a sua f tinha atropellado aquelle piriido
com todo furor de um renegado ; trahindo igual-
mente a seus novos alliados I
Eu estova de guarda e vendo encaminhar-so ura
vulto erabucado, brade-lhe, pedindo o signal do
dia; elle vendse desenberto volta as costas e li-
ca reconecido o inimigo...
Burlado em seus planos, dirige contra iinr bus
ataques. Procurou distrahlr a atiendo publica,
chamando-me a uraa discusso pessoal, conttava
rauito era suas armas oceultes ; desde entao prin-
cipou esse vergonzoso manejo de cartas coqdden-
ciaes com cuja'^mblicacao fui constanteaiente
araeacado I Agora, porm, reconhecendo a inuti-
lidade des fraqueza da crianca que apanhada em maligna
trayessura. Nao fui eu; e cora a rudeza desses es-
piritos incultos que nao se domam as formas so-
ciaes, representa-me como om nomem grossero e
sera educacao, que alimentara sua ociosidade com
a maledicencia.
Sr. J. F. tenha ao menos a cisudez de sustentar
seus actos. Nao procure osconder-se. Eu traba o
direitode o interpellar ; curapria ura dever em
deserapenho da coramissao de qne eslava encar-
regado. Confessc que sentindo-se mal "ollocado na
questao polittto, quiz dstrahir o espirito publico
para urna questao pessoal, e achando-se anda
raais mal collocado na discusso pessoal, quer de-
clinar de si a responsabilidade de ura acto para o
qualeu nao concorri.
Nao s eh nao provoquei urna discusso pessoal,
como procurei evita-la por todas as formas, con-
sentindo at em ficar mal, aumrisando ura amigo
corainura o Sr. Dr. Christovo da Cunba Souto-
Maior a declarar pelos jtirnaes que eu considera-
va a discusso humilhatv para mira ; quem se
resigna a to grande abatimento, nao quer por
certo entrar em discusses pessoaes ; mas S. S.
confiando de raais emsus armas, e s3Dendo que
eu tinha tido a franqueza de declarar a esse ami-
go que eu recua va cura pusilanimidade,julgu-me
alado a um poste publico, e veio cortar-me a face.
Despio-se do seu mais bello dislinctivo, offerecen-
do um titulo do qual nao pusso usar sem grave
uffensa aos seus du>iios. Nao quero usrpalo,
nao, nao sou ingrato, nem nunca estive em cir-
cumsiancas de ter sido um comensal necessitado.
Foi essa nova especie de insulto, que arrastou me
ao campo da defeza. i
Se est arrependido, fuja, que anda tempo ;
mas nao crea que pode abusar assim do bora sen-
so publico.
Nada Ihe aproveita, nem querer fazer persuadir
que umainterpellacao poltica feito pela forma em
que se costuma a elevar o raeu pensameiito, Ihe
dava direito de collocar a questao no terreno pes-
soal ; e menos Ihe aproveita ainda i vir dizer que
se charaou-me a este campo, foi porque eu to-
mava por distraerte o vi ver detrahndo-o era todos
os circuios. Quando mesmo isso fosse exacto, o
Sr. J. F. citando-iiie a publicidade da imprensa,
mostrava-se mais irrefleclido do que eu. Suppen-
do que o seu procedimento mereca por isso al-
guraa desculpa, elle quiz fortalecerme nnsse pon-
to, citando diversos teslemunhos ; e eom o tes-
temunhu das mesmas pessoas citadas pelo Sr. Dr.
J. F. que eu vou provar que, qur nos circuios
particulares, qur na tribuna donde fallo, rae re-
ferrado a elle, ou a outro qualquer, sei respailar-
me. Leiam-se os documentos sob n. 1. Reclamo
toda attenco para as resposlas desles Srs. Nao
sou araig. particular do Sr. Dr. Buarque, honra
quo muito ambiciono ; mas elle amigo poltico
o Sr. Dr. J. F., ouvio-me fallar uraa s vez em
nossa desintelligencia, explicando as razoes por
que sendo to prximos vivamos separados ; o
elle atiesta a decencia e circnmspecco de minha
linguagem, ufferecendo um tcstemunho solemne
c ntra a assergo do Sr. J. F.
O Sr. Braga amigo do Dr. J. F. e enleBdem-se
perfeiteraente ; e eom quanto eu Ihe deva omitas
oficiosidades, nao pretendo merecer-lij as mes-
mas deJicaces j se v, portante, que s *m
honra verdade elle atiesten contra o Sr. Dr.
J. F. Quando elle peJio-me para que en reatasse
as ratonas relacoes eom o raeamo Dr., ouvindo a
minha recusa, ouvio me tambem dizer estas pala-
vras que vou citar para convencer ainda raais o
publico da injtutica com qne o Sr. J F. me cha-
ma detractor. Se eu nao tivesse tonto amisade,
nio me doto por certo de sna indifferenca. As-
sim como o Sr. Domino 8 Braga ouvio-me essas
expressdes, ouvio tambera en o louvar por se
mostrar grato ao meo aggressor.
O Sr. Gomes tamnem citado por elle, me tem
dito diversas vezes que muito affeicoad ao Dr.
J. F., e lastima de todo o eoracao, que pessoas to
estima veis vivara sepsradas ; leia-se a sua res-
posto ; file amigo poltico du Sr. Dr. J. P.
O Sr. Dr. Smiio, otra quanto seja muito prximo
a mira pelos Ihc->s de parentesco e amisade; sa-
ftem todos que o mai> intimo e dedicado araig
do Sr. J. F. na comarca de Nazarelh : e entre
(Continuar-se-ha).
X. 1.Illui. Sr. Dr. Louren?o Bezerra Carnciro
da Cunha.
Respondeudo a carta de V. S. datada de hoje,
tr"ePreme <,,zer,ne Ia0 recordo-me ter ouvido
V. S. fallar acerca do Dr. Joaquim Francisco de
Mello Cavalcant.commemorando os motivosdequei-
xas que tinha delle, mas sem usar de palavras in-
juriosas ; quo o resentimento que V. S. deixava
perceber, quando recordava aquelles motivos, pa-
reca ser, como creio que todo resentimento,
nascido da amisade offendida; e que finalmen-
te naquella occasio V. S. asseverava que anda
miuto provocado nao discutira em publico refe-
ridos motivos. Pode usar desta como Ihe aprou-
ver. Recife, de julho de 1869.
De seu collega affeicoado.
Antonio Joaquim Buarque de Nazareth.
y. 1.Illm. Sr. Dr. Lourenco Bezerrra Carnciro
da cuuha.
Respondendo o scu'favor cumpre-me dizer que,
sempre que ouvi V. S. fallar em rcla^o ao Sr.
Dr. J. F., declarava faze-Io com repugnancia em
vista das relacoes de amisade que tinna existido
entre arabos. E fallando-lhe eu em reatar V.
S. essas relacoes, observou-me que nao podia e
relatou-me os resentiraentos que tinha delle, era
relacao ao dezar porque passou quaudo foi detido
por forga de um mandado da fazenda como fiador
que ora v. S. do pa delle: isso mesmo fazia em
termos mu tos polidos.
Sou, t V. S. amigo obrgadissimo c criado.
Domingos Jos da Costa Braga.
N. 1.Illm. Sr. Dr. Lourenco Bezerra Carneiro
da Cunha.
Satisfazendo o que V. S. de mim exige, cum-
pre-me declarar era homenagem a verdade, que
sempre que ouvi V. S. fallar acerca de sua des-
intelligencia cora o Dr. Joaquim Francisco, man-
festava grande, resentimento, a lnguagom de V.
S. para mim sempre agradavel era a do humera
de uraa educacao apurada.
Se porm o resentimento de V. S. podia ser
traduzido em amisade que ao mesmo Dr. V. S. de-
votara,_ o que nao rae anima afirmar, como tam-
bera nao uosso e era devo duvidar.
Pido V. S. fazer dessa minha resposta o uso
que Ihe appouver.
Sou, com respeto e consideracao.
Dj Y. S., amigo, obrigado e criado.
Sus casa 10 de julho de 18ti9.
Antonio Claudino S. Gomes.
AssucAR.-dUarnlou os srgnmfcs preces :
mascavado americano de 213 t/3. 22vpor kilo-
fS7&& &*%".
-V;t aioknte.Ven.leu-se-* !4500O \ pipa.
Azr:iTK-iK)CE.--yendeu-S9 o de Lisboa a 3J.00,
e o d i Kstreito a 3*200 o galo.
Ammz.O pilado da Iiidia. vendeu-se a 3*300
a arroba.
Bacu.iio.Vendeu-se por atacado a 21*000 a
barrica, e a retalho de 20 a 22
deposito de 4,000 bai i
Batatas.Venderain-se a 2000 o gigo
BoLAciuxHAS.dem a 4,550- a barriquinba
22 libras.
Caf.dem de 5*800 a 5*400 a arroba, se-
gundo a qualidade.
Cii.dem de 2*000 a 2A800 a libra.
Ckrveja.A duza de bol)jas vendeu-se de
6*200 a 8*000.
Couros.Os seceos e salgados venderam-se a
550 rs. o kilogramma.
Louca.A ingleza vendeu-se de'20 a 430 por
cento de premio.
Manteka.A franceza vndense de 740 a 750
rs., e a ingleza de 1.1200 a 15300 a libra
Massas.A caixa vendeu-se a 10*800, ainda a
chegar.
Olbo di i-iNHACA.Vendeu-se a 2* o galio.
Passas dem a 7*200 a caixa.
Presuntos.dem a 20* a arroba.
Qkuos.Os flamengos venderam-se a 2*800
cada um.
Sabo.Vendeu-se o inglez a 170 rs. a libra.
Toca;*!. O de Lisbiia vendeu-se a 10*600
a arrolla.
Vinagre.A pipa do de Ltabte vendeu-se do-
120* a IzofiOOOrs.
Vi.mios. Venderam-so: os de Portugal tinto de
200* a :tO* e o branco de 230 a 250* a pipa ^
os de outros paizes a 205* a pipa do tinto, e du
210 a 220* do br-nco.
Velas.Regularam as de coinposico 650 rs.
por libra.
Descont.Duarante a semana regulou o des-
cont de. 8 a 10 por cento ao anno.
Fhetes.O do algod) d'aqui para Liverpool
regulou i/4 d. por libra o 5 0/0, e o do assuear 15-
d. por tonelada e 5 0/0; o do assuear d"aqui para o
Canal 20 d. por tonelada sem capa ; o do assuear
d'aqui para Valparaizo 30 d. por tonelada e 5 Of%; o
do algodo da Parahyba para Liverpool 1/2 d. por
libra sm capa; o do ajgodo de Macei para Liver-
pool 3/8 d. por libra sem capa e 3/8 d. e 5 0/0, e
o do assuear para o mesmo destino 17/6 por to-
nelada sem capa.
MOVIMENTO DO PORTO.
JVoi'io entrado no dia 17.
Westerwick34 dias, brigue oero Cari, de 16C
toneladas, capitao a A. M. Fast, cquipagem 9,
carga madeira; a Henry Foster & C. Rece-
beu ordens c seguio para Babia.
Navios sakidos no mesmo din.
AracatyCter brasileiro Delpbin, capilo Jos
Antonio Ribciro, carga dilferentes gneros.
AcaracHiate brasileiro Emilia, capillo Joa-
quim Jos Mendos, carga difierenles gneros.
MaceiBrigue inglez Titania, capilo Grev, em
lastro.
Navio entrado nn dia Jf.
Goyanad horas, vapor brasileiro Parahi/ba, do
104 toneladas, commandante Mell, eqipageiiv
14 ; a Companhia Pernambucana
Naeto sahido no mesmo dia.
Macei-Brigue inglez Regulator, capilo R. Ieui-
kens, em lastro.
N. 1.Illm. Sr. Dr. Lourenco Bezerra Carneiro
da Cunha.
E' exacto tsr V S., fallando-me de sua desin-
telligencia cora o Dr. Joaquim Francisco, se expres-
sadoem linguagem vehemente, esforeando-se mes-
mo para couvencer-m de que o re erido Dr. era
por demas ingrato aos seus beneficios; mas
nossa manifeslago de sentimento nao se expres-
sara era linguagem que nao fosse digna de v. S.;
endo certo que ped a V. S., que acabasse com
essa desintellbenca que a meu ver nao passava
de excessivo zlo da amisade que deveria existir
entre V. S. e o referido Dr., ao que V. S. me res-
p mdeu com ponderac5es toes, que bem demons-
irava ter sempre considerado o mesmo Dr. como
sou irmao, e o mais intimo amigo, at que
em consequencia do deploravel dezar a que al-
lude, cntendeu quo devia acabar com as re-
lacoes em quo se achava com o mencionado
Dr.; -endo que e.:i toda sua manifestaco de seu-
tiraento, nunca usou de manifestaco de senti-
mento nunca usou de cxpresses improprias do
hornera bem educado.
Pode V. fazer o uso, que Ihe convier desta mi-
nha resposta.
Sou, cora a roaior consideracao.
Do V. S., prente c amigo muito obligado.
Christovo da Rocha Cu ha Sonto-maior.
EDITAES.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 17 DE JULHO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Algodo de Pernambuco 1 sorte1*164 e !l71
por kil. >,
Couros seceos salgados550 rs. por kil.
Descont de letras8 li3 0/0 de premio.
Frete de assuear daqui para o canal 20/ por to-
nellada sem capa.
f. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
F. Raphael de Mello Reg,
Presidente.
ALFANUEGA.
Rendiraento do dia 1 a 16. 521:161*868
dem do dia 17......25:403*539
Perante a cmara municipal desta cidade
astaroem praca nos dias 14, 17 e21 do crreme
para serem arrematados por quem maior prec>
olfencer, os alugueis dos quatro ospacos existen-
tes no aijougue publico da ribeira da freguezia de
S. Jos, sendo tres no quarteirao do lado do norte
e um no do sul, todos oecupados com talhos esta-
belecidos por diversos; a arrematado a fazer ter-
minar quaudo terminar a dos oulios. taibos da
mesma ribeira. Aquelles que pretenderem arre-
matar, cgmparecam no paco municipal em os dias
meucionados, munidos de bancas na forma da le.
Paco da cmara municipal do Rucife 8 de iullm
do 1869. J
Ignacio Joaquim de Souza Leo,
Pro-presdeme.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretorio.
540.565*407
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Voluraes entrados com fazendas
dem idem com gneros
Voluraes sabidos com fazendas
dem idem com gneros
49
84
129
49
Descaeragara boje 19 de julho
Lugar ingleziaranceearvo e ferro.
Brigue inglezMinoraidem.
Brigue uorte-allerac Gazeliafarinha de
Brigue nacional Almeida //charque.
Brigue inglezRio Grandecanos.
Brigue norueguenseJr/oro=varios gneros.
KECEBEDORiA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
Kendimento do dia i a 16. 25:461*489
idem do dia 17...... 1:414*303
26:875*792
CONSULADO PROVINCIAL
tendimento do dia 1 a 16.
dem do dia 17. .
89:394*441
3:98fi*4Sti
93:380*897
PRA(1A DO RECIFE
EM 17 Dt JULHO DE 1869, AS 3 HORAS DA TARDE.
REVISTA SEMANAL.
Cambios.Sendo a semana que findou a da pas-
sagera dos vapores para a Europa e para o sul d
imperio, bonve animaco na praca neste ramo de
commercio, principalmente devida alija du algo-
do e do cambio. Durante ella regulou o cambio;
sobre Londres a 18 3/4, 18 7/8, 18 15/16 el9 d. por
IrWOO; sobre Pars de 507 a 15 rs por fr; so-
bre Lisboa 1780/0 de premio a 60 d. v.; nao cons-
tando e taces sobra Harabnrgu. Elevarara-se
90.000 os saques sobre a Europa antes da che-
gada do vapor La Plata, e a 5,000 depoi< disso.
Aloodo. As transaeces da semana soffreram
muitas alteraedes, devino isso as noticias indas
pelos vapores quo teearara em nosso porto. O de
Pi-rnambuco escolhid regulou a 1*055 VI
1*089 1/3, 1*090, 1*095 e 1*096 rs. por kilo-
gramma sem inspeceo. a 1*089 1/3, 1*143 3/4,
1 157, 1*164 e 1*171 per kilogramma de 1*
sorte; o de Macei, posto fcordo,1*158,1*104
O r. Abilio Jos Taveres da Silva, juiz d
direito dos feitos da I'azenda da provincia
de Pernambuco, por S. M. Imperial e
Constitucional o Sr. D. Pedro II, que
Deus guarde etc.
Faco saber pelo presento, que Caetano
Pinio de Veras, inventariante dos bens det-
xadospor D. Francisca Romana de Veras,
dirigi a este juizo a peiinao do teor se-
seguinle:
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz dos feitos da
fazenda. Caetano Pinto de Veras inventa-
riante dos bens deixados por sua finada
irraa D. Francisca Romana de Veras pa-
rante esse juizo, escrivao Bandeira, requer
a V. Exc. que seja citado Joaquim Clemente
dos Santos como administrador de sui
mulher D. Emilia Aureliana Flora de Ve-
ras, Tliereza Maria de Jess Veras, Manoel
Flix de Veras, moradores na freguezia dos
Aogados, o Galdino Emiliano de Jess como
administrador de sua mulher D. Josepha
Thomazia da Silva, morador na freguezia
do Recife, todos filbos do finado Francisco
Jos de Veras, mano da finada D. Francis-
ca Romana de Veras, para verem septo-
ceder avaliacao da casinlia terrea, quo
deixou a finada, e quo devo ser dividida
entre seus herdeiros, e para verem se pro-
ceder todas as formas do mesmo inven-
tario at o seu julgamento, sob pena de
revelia. E porque sejam tambem herdeiros
como representantes da finada Anna Ferrei-
ra de Veras, m3na do inventariante, os
dous filhos existentes de seu casal, cujos
i nomes, assim como lugares de sua residen-
cia o supp! cante ignora, requer mais a V.
Exc. sirva-se mandar passar carta de edital
com o praso de 30 dias, eitando os filhos
que existirem da dita D. Auna Ferreira de
Veras e de *eu marido Andr Ferreira de
Sampaio a virem habilitar-se como her-
deiros da inventariada, e assistirem todos
os termos do inventario, pena de revelia.
Assim, pede a V. Exc. deferimento. E
R. M. Recife, 12 de julho de 1869.
Caetano Pinto de Veras.
Nada mais constava de tal peticao aqui
inserta, a qual foi devidamente sellada e
teve o despacho seguinteDeferidoReci-
fe, 12 de julho de 1889 Tavares da Silva
E, sendo feitas as ci'acoes necessarias aos
herdeiros presentes, o escriviu, que este
subscreveu, em virtude do despacho su-
pra, fez passar o presento edital com o
praso de 30 dias para por elle serem cita-
dos os filhos que existirem de D. Aona
Ferreira de Veras e de sen marido Andr
rerreira de Sampaio, para uabilitarem-s
como herdeiros no inventario da fallecida
p. Francisca Romana de Veraa,.e para to-
dos os respectivos termos delle, isto no
indicado praso de 30 dias, sob pena de re-
velia.
E para que a noticia chegae ao conheci-
mento de quera interessar possa, passo-se
o presente, que ser publicado e afixado,
na forma da lei o do estylo; o portanto
qualquer pessoa prente ou amigo de ditos
erdeiros {XHler-lhes ha fazer svieotes de
todo o ex posto.
trigo.
GE-
MUTILADO
f

. f
...
.'



l
*
I
I
Dado e idacle do Recife. \
c ipilal da aos 1
das do maz d
Vicente d
crevi.
________Abilio Jos Tavarct du Silva.
O Dr. M la Silva Neiva, juizd e
dircito da;i vara criminal e substituto da
do commercio em ejercicio nesta cidade
doRijcifedi'lY'iiiainhuco p^rS. M. o Im-
perador, ete,
Faco -sab?r pelo presente, que no dia 2
do mez de agosto do corrate anuo, se ha
le arrematar por venda a quem mais der
em praca publica (leste juizo, depois da
audiencia respectiva, os bens seguidles :
ous ca vatios para o servkjo de carros, es-
tande bastante magros e em mu estado.
avaHado, por 135000 cada um, 1 carro de
luatro rodas para passcio, com o n. 105,
com todos seus arreios e pertences e em
mu estado, avahado por 400, oulro dito,
dito, con on. IOS, com todos seus arreios
e pertences, em melbor estad, avahado
por 600. Os quaes vo a praca por exe-
cucio de J is Pereira da Caoba A- Filhos,
contra Blpidio Feliciano Pereira de Lira.
E na falta de kanpador que cobra o prego
da avahaco, ser a arremalaco feita pelo
preco de adjudicado com o auatimento da
ici.
E para que ciegue ao coahaeimento de
todos mandei fazer q preseato editel que
ser alxado nos lugares do costme e pu-
blicado pela imprensa.
Dado c passado nesta eidade do Recife
de l'ernambuco, aos 17 dejolbo'do 1860.
Eu, M.moel Silvino de Barros Falcao-
escrivao interino, o subscrevi.
ManoelJos da Silva Seivas.
Diaria (te PernjjwAtte Segpafa- feira 19' de Julho de 1*69.

DECLARACOES.
Saques sobre Londres
SQCIEDADE BANCAK1AEM COMMANDITA
Thcodoro Simn f C.
Saccao sobre os Srs. Samuel Montagu &
C, banqueiros em Londres.
A' vista quantias 5 at 100, 3 dias
vista quantias cima de 100 at
pian-
THEATRO
DE
SANTA ISABEL.
Segunda-feira 19 de julho de 1869.
GRANDE REPRESENTAC&O EXTRAORDINARIA
PEIiO.S SKVHORES
J. POPPE, HDAME POPPE
E
CUMHA
com o concurso dos Srs. Eduardo A. Clinton, Jos Coelho Barbosa, Couto Rocha, Ftorin-
do. Silva, que graciosamente se prestam a tomar parte neste divertimento.
GRANDE TMBOLA
UM CAVALLO!
KSTHKA DA COMPANHIA DRAMTICA
1)0
GjiiMhsio (luapesli'e.
Cfeuluta-i'eira de julho.
Primeira representaeao pola compauhia dram-
tica do Gymnasir- Campestre, do-exeellente drama
d& grande espectculo em .* acins e 6 quadros,
ornado de msica e dansa, intitulado
ESMERALDA
Personagcns. Actores.
Phebus de Chateanpers, rpita
dos archeiros do rei......... Sr. De Giovani.
Claudio Rrollo.........f..... Brochadu.
Quasimodo, sineiro........... Florindo.
Gregorio, cstudarile e depois pe-
lotiqueiro.................. P. Augusto.
Clopia...................... Frotes.
Estacla..................... Braga,
(npeaolle................... Emiliano.
Procurador do rei............ Silva.
m ofliciat.................. Henrique.
m guarda.................. Marques.
O carrasco.................. N. N.
Esmeralda, bohemia.......... D. Je^uina.
Gudula, lunca..........'..... D. Olympia.
Falourdel, estatajndeira........ D. Joaquina.
Horoens c raulheres do povo, soldados etc., etc.
Denominaeiio dos actos.
i." Aprocissao dos dtiidos.
2." A louca.
3.* O assassinaio.
4 A emubinarao terrivel.
5.* refugio de Esmeralda,
6* Oeaaraho e o perdi..
A msica do drama, compnsicao di eximio
maestro porlngnez o Sr. Francisco de S Noro-
nha e ensaiada pelo talentoso e inspiradissimo
maestro brasileiro o Sr. Francisco Libanio Colas
Fillio.
Terminar o espectculo com a representaeao
da espirituosa comedia em um acto ornada du
mnsica e dansa denominada
A criada impagavel
A msica desta comedia, cxcepci de um nu-
mero, Bomposta pela Sra. D. Jesuina e instru-
mentada pelo Sr. Colas Filho.
Tomam parte a Sra. D. Jesuina e os Srs. Pedro
Augusto, Silva e Di-Giovani,
Os billietes acham-se desde ja no cscriptorio do
theatro.
Maranlio
Ptira u Marajiao pretend
Ix-evidadt^flpKCf^cional
resto da carga que ll>e falta,
Mari
Simio
Cosinlieira
a e. zinlicira para casa do
a dojjueimjdft n. 41. loja.
,-se alHT um inutMue : na ra da
a doTtocife d!m, loja de d
i no largo do Corpa ,. precisa-so dt um eaiiflP.
andar. na padaria da raa hireita dos Afi
LISBOA
.Na na segu com tuda m lirevidade a barca portogtv
ChnstaiUe III, popi ter parte da carpa pfortpia^
para oque Ihe faMrc passageiros, trata-secom os
consignatarios OJiveira, Filhos & C, largo do Corpo
Sauton. 19, ou com o.capitn na praca do Com-
mercio. .'
urna wcrava para semeo de fozm
inda
fvii
sase alugar
, e compras.
PARA
Para o referido porj sepue com muita brevida-
ile o palliabote portugnez Noro Protegido, por-ter
a maior parte da carga tratada ; o para o resto
qne Itio falta trata-sti com o consignatario Joaquim
los Goncatves Beltce, a ra do Commercio
n. 17.
LEILOES.
de 20
LEILAO
com- mauteiga
barris
ingleza
de
1,000 "30 ate 90 dios de, vista
tas cima de 1,000 at 10,000.
Largo do Pelourinbo n. 7.
_ o corpo provisorio de polica contrata o for-
neennento de 400 lard-iment >s d; panno azul (!>o-
net, farda c calca). 800 ditos de bnm (jaqueta e
calca), 500 pares de sapatoes e 300 gravatas de
sota de lustre. Uecebem-se proposs na secieUi-
ria do corno al o dia 20 do correte.
O secretari", <
Jo.- Geraldo de Lima.
"COlPANHli
IX)
i
Os senhores accionistas desta compauhia
que quizerem munir-se & falhetos conlendo
os trabalhos da mesma, decorridos no anno
inanceiro do Io de maio de 1868 a 30 de
abril do corrente auno, podern dirigir-se ao
escriptorio da compauhia, ra do Cabug
n. 16, que Ibes sero torneados.
Escriptorio ila Corapanbia do Beberibe,
46 de julho de 1869.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de, Sotaa Pitonga.
Santa casa da miswicardia do
Recife
A lliui. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife na sala das suas sessoes
pelas 3 horas dr. tarde do dia 22 do corrente. re-
cebe propostas para a publicacao do seu expedien-
te c annuncios, devendo ditas propostas seren
apresentada em carias fechadas com a declara-
eao do proco tixo porque cada individuo se coin-
promette a fazer semelliante servico.
Secretaria da Santa Caa de Misericordia do Re-
fe 16 de julho de 186!.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O Illm. Sr. inspector da tliesouraria de fazen-
da de l'ernamliuco manda fazer publico que era
virtudo da ordem do thesouro n. 89 de 5 deste
inez, teba-so autorisado para vender apolices da
diTida publica at o preco de 84 ;'a. As pessoas
a quem inter -.-n deverao dirigir-sc a referida
thesouraria
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 16 de jullio de 1869.
O oBicial-maior,
Mancel Mamede da Silva Costa.
O inspector interino da alfandega taz publico
quo adiando-se no arraazem n. 4 da mesma re-
particao dua3 cautas da marca EH n. C98 e 388
AF, com ferragens, vindas do Liverpool no vapor
inglez blinda', entrado neste porto em 19 de se-
tetnbro do 1868, a consignaqo de Rabe Schatnet-
taa & C, comprebendida o caso de seren ar-
rematadas para consumo, nos termos do cap. 6
lit. 3 do regulamcnto de 19 de setembro de 1SW),
os seus donos ou consignatarios deverao despa-
cha-las no praso de 30 dia<, soh pena de findo
elle, serem vendidas por sua conta, sem que lhcs
lique competindo allegar contra os elleitos dessa
venda.
Alfandega de Pernambuco li de julho de 1869.
L. de C. Paes de Andradc.
CANTO !
DANSA !
PIANO !
Prestidigitacao!
Recitado!
Scenas cmicas!
UM RELUJO E UMA GARRAFA DE CHAMPAGNE.
Experiencias de magia moderna pelo prestidigitador portuguez o Sr.
EDUARDO A. CLINTON
Io O mysterio da magia.
f 0 copo mysteriosb.
3" O baralho do diabo.
Urna transformacSo.
0 segredo Clinton.
4*
5*
33$Qft& (palada
a plano
o Sr.
pelo Sr. Poppe e
Io A Baian.v, grande composic5o, executada
acompanhada pela orchestra, dirigida pelo distincto maestro;
JOS COEUIO BARBOSA.
2" Aria do Trovador cantada pelo Sr. Silva.
3" Pikf Paff cansonnetta, cantada pela Sra. Poppe.
4* A Poesa do Sr. Pilmerino, recitada pelo distincto actv Couto Rocha, em
carcter de soldado portuguez, a qual tem por titulo
GOMES FREIR
AVISOS MARTIMOS.
GOMPAMIIA PERNAMBUCANA
DE
Vavega^o eosteira por vapor.
Goyanna
O vapor Paraltyba, com-
mandantc Mello, seguir para
o porto cima no dia 2G do cor-
rente as 9 horas da noite. Itccebc
carga, encnmmcndar-, passageires
inte no escriptorio do Forte do Mat-
tos n.
5o
6o
Le caf concert, cansonneta, cantada pela Sra. Poppe.
Pelo prestidigitador Clinton
SEGUNDA PARTE DE MAGIA MODERNA.
Io
2o
3o
4o
7o
8o
Uaaa transformado chineza.
A banqueta pbanlastica.
A new triek.
Os frascos milagrosos. *
Scesa Cmica, muito jocosa, pelo Sr. Florindo.
La Madrilea, passo hespanhol dansado pela Sra.
COMA BRASILEA
DE
Paquetes a vapor.
Dosportos do snl esperado
at o dia 2i de julho o vapoi
Cruzeiro do Sul, commandante
Aleoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
portosHo norte.
Desde j rec*bem-sc passageiros e engaja-se a
carga trae o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das c dinlieiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas. .^
Nao ge recebem como cncommendas senao ob
|ectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.'
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicap.
Tudo que passar destes limites dwcr ser embar
cado c^Hno carga.
Prerine-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens si se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.___________________________
~^MPAT BU.VS1LE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Do? portos do norte esperado
at o dia 26 de julho o vapor
Tocantins. commandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para O portos do su!.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinbeiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jeetos de pequeo valor e quo nao excedam a_ 2
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
fens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
HO.IE.
Q agente Pestaa far leilo por conta c risco
de quem pertencer. de 20 barris com manteiga in-
gleza, sabidos da alfandega essa semana ; o oirao
ter lugar em 1 oujnais lotes no dia segunda feira
19 do COrrentc as 11 horas da nianhaa no arma-
zem do incsmo.
LEILAO
DE
200 saceos cora milho
HOJE.
O agente Pestaa far leilao por couta e risco
de quem pertencer, de 200 saceos com milho, em
um ou mais lotes, segunda-feira 19 do corrente,
s 11'horas e meia da manhaa, na porta do Atines
deposito da alfandega. __________
defazndas em eontinuatjo
IIOjE. _
Magalhes Irmaos continuarao, por iutervencao
de agente Oliveira, o leil? de grande_ sortimeuto
de l'azendas inglezas, francezas e alleraaas, de algo-
does, linho e seda, sendo parte avariada, por con-
ta e risco de quem pertencer
Segunda-feira 19 do corrente
s 10 horas da manhaa, em seu armazem ra
da Caileia do Itecife.
j; MEHCIER
Nao pode seguir no primeiro \ aoor, porque os
rcgutzfl idpvicram saldar suas cuntas como foi
annunciado pelo Diario de l'a-wmburo ; acslre-
guezes qne se anresentarem pnr prrgrrr paas con-
tas, passando de um anno nz abatiuealo de 50
por ceto, os .que hio s a^UMAHm sero cha-
mados pelo Diario, como se dis-e em outro an-
nuncio, visto.fita ignora-so suas moraiLis.
Faz Ilquidacao'
DE
Fazendas
(', istunie inttrisso, cortea de calca cllete, corte
de calca e collete de cassemira de or.
Brim deTTnbo lino de cor.
Cortea de collete de seda preta cassemira de cor.
Preros rasoaveis, ra do Comnercio n.
7. 1" andar._________ .
Caixeiro
Prccsa-so de um caixeiro que tenba pratca d
taberna : no pateo do Terco n. :ti.
.TS50
Fugio hoje, 16 do julho, da fabrica de rap, n.
107 ra do Mopdago, o escravn Benedicto, erioulo,
de idade de 20 annos, babeo e eheio do corpo, um
pouco cambaio. com pouca barba, fallando de va-
gar e por entre os cientos : quem o pegar, entre-
gue na mesma fabrica que gratificar com gene-
rosidade.
Fugio
no dia 15 do corrente o moleq-ie de nome Luiz,
(perapelido (^chimbo), de idade 12 annos, ventas
arregazadas, pernos tortas, levou calca de ganga
azul e camisa branca : quem o pegar quoira levar
fundicaoda ruado Brum n. lOi, ou ra de
Paysand n. 35, que se recompensara
Attenpao.
Urna nessoa habiliuda se offerece para caixere
de escriptorio ou mesmo para algum armazem de
negocio : os prctendentes _dirijam-se a roa da Im-
peratriz n. 16, ou anuuncie por este Diario.
AVISO
vmm& ?aa?a
,
8auta Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa
Casa da Misericordia do Recife, tem de
mandar edificar no lugar em que existe o
sobrado arruinado n. 33, da ra Direita,
bra armazem com duas frentes, urna para
a mesma ra, e outra para a ra da As-
sumpcao, com tres portas em cada urna
dessas frentes, tendo as portadas de pedras
lavradas, podendo para esse fim aproveita-
rem-se as pedras que all existem; deven-
do serem as frentes construidas desde os
aUcerces. Contrata, pois, com quem por
menor preco fizer similLante obra, e por
isso convida as pessoas que se propoze-
rem a effectua-la que apresentem suas
propostas em cartas fechadas, at as duas
horas da tarde do dia 29 do corrente mez,
podendo os pretendentes para o m de
examinarem as obras a fazer-se, procurar
as chavea daquelle sobrado nesta secre-
taria.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recie, 9 de junho de 1869.
0 escrivao,
Pedro Rodrigue* de Souza.
GRANDE TMBOLA!
A lotera constar:
Io De um magnifico cavallo de sella.
2 Um excellente relojo.
3o Urna garrafa de Champagne.
Este innocente divertimento ser feito por dous meninos escolba do res-
peitavel publico.
Os bilhetes para lotera sero distribuidos da seguinte maneira:
Aos camarotes de Io e 2a ordem 2 bilhetes da lotera.
dem de 31 e 4a ordem 1 dito.
Cadeiras e platea 1 dito.
N. B.
O cavallo estar exposto durante o dia do espectculo porta do theatro e
os premios restantes no escriptorio lo mesmo theatro.
LEILAO
Da armaco c gneros perten-
centes a taberna sita na Di-
reita n. Vi.
0 agente Poifflial vender em leilao publico por
mandado do Illrii. Sr. Dr. juiz do commercio a re-
querimento de Manoel Jos Luiz Ribeiro, A taber-
na cima pertencente a Francisco Jos Luis Ri-
beiro, a qual offerece vantagens a qnalquer que
quizer principiar no mesmo negocio.
Segunda-feira 19 do corrente.
Dever ter lugar na mesma taberna es 11 ho-
ras.__________________________________
Leilo
de velamos, cabos, mcame, ferros, correntes e
mais pertences, 4 barris com breu, 4 ditos com
salitre. 3 caixas com gaz, 1 dita com plwspho-
ros, salvados do biatenacional Santa Citiz, nau-
fragado em Maracuja
Torca-feira 20 do corrente.
O agente Pestaa far leilao p->r conta e risco de
quem oertencer, com a competente autorisaco da
companhia de segurosIndemnisadora-^de todos
os objectos cima mencionados, terca-feira 20 do
corrente, s 11 horas da manhaa. no armazem do
Sr. Iiovo. no Forte do Mattos, pelo lado da maro
No dia 8 do corrente, ausentou-se da casa
de seu seu senhor, a escrava Januaria, com
os estes signaes: alta, magra, cor fula, testa
pequea, olhos grandes, beicos grossos,
dentes alvos e perfeitos, ps grandes e cha-
tos, andar vagaroso, falla muto descansado,
levou vestido de chita roxa j usado, casa-
veque de la azul j velho, saia de algodao-
sinho branco e camisa de madapolo;
natural do Cear*. d'onde veio ha um anno,
e suppe-se ter seguido para a estrada de
Afogados, portante pede-se aos capies de
campo, autoridades policiaes oa mesmo a
qnalquer pessoa que a capturem e levem-na
ra Direita rt.<20 segundo andar que ser,
generosameote gratilicado.______________
Perdeu-se um pinsin de ouro com vidros
brancos e degro li : quem o achou, querenda
restitu-lo, leve-o ra de Santo Amaro, sobrado
n. 6,1" an ser gratificado. _______
Achando-se dissolvida a firma social de
Jos Marcelino da Rosa & Filhos desde 30 do pr-
ximo passado, o abaixo assignado contina a usar
da mesma firma em todas as transaccoes rommer-
ciacs, e nicamente sob sua responsabilidade, o
quo faz publico para conhecimento do respeitavel
corpo eommereial desta praca. Pernambuco Id
de julho de 1869.
Jos Marcelino da Rosa.
All
Precisa-se de una ama para cozinhar era casa
de urna pequea familia : a tratar no Muzeu de
Joias.
da armacao, vinho em pipa, dito engarrafado, vi-
nagre, gaz e canteiros da taberna da ra da Ma-
triz n. 52, esquina da ra Velha.
O agente Marlins far leilao da armacao e gene-
ros cima
Terqa-feira 20 do corrente
as 11 horas do dia. ^____
-r- Pelo presente se faz publico quem interes-
sarv sote o consumo de agurdente, 4 por cento sobre
diversos estabelecitnontos se acbain em poder do
escrivao B ande ira, em cujo escriptorio a ra do
Imperador n. 44, poderao os contribuintes solicitar
as respectivas guias, iudependente de citacio ;
assim cooKt as dos impostas do 20 por cento sobre
diversos csUbeleeimentos, e 8 por cento soba es-
criptorio e consultorios mdicos, no escriptorio do
escrivao taurino Miranda, a qnem forara distri-
buidos, e para tal fim se concede o prazo de 30
Recife, 6 df julho de 1869.
0 solicitador da fazenda provincial,
J. F. Correa de Aravjo.
SEGUNDO FESTIVAL
Terga-feira 20 de julho de 1869.
NA
TEBZG& DE OBRTEJA
Ra do Sebo n. 35.
i.* Zampa (ouvertura a pedid ....... Herold.
2.' Coquete (Schottiscb)................... J. Coelho Barbosa.
3. Phemon et Baucis (entr'acte)............ ^.Ch. Gounod.
4. Stradella (ouvertura)................... Floton.
5. Marche nuptiale.....m.....:......... Ch. Gounod.
6. Abordagera a Parnahyba (Polka imitativa).. J. Coelho.
ENTRADA 1:000
Kemis daos le cas de mauvais temps.
Principiar s 8 horas.
GUMPANHLV. PERNAMBUCANA
DE
Navegacdo eosteira por vapor.
Porto de Gallinhas, Bio Formoso e
Tamandar.
O vapor Paraltyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima
no dia 20 do corrgnte a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, no escriptorio do Fort do Mattos
jLji_________:___.. % ;----------
PROPOSITAS
em carta fechada para os concertos do brigue in-
glez Search actualmente neste porto; pede-se que
sejam entregues no consulado inglez antes do meio
dia de segunda-feira, 19 do corrente, declarando
o custo delles e o tempo em que se pode fazer os
referidos reparos. As particularidades da avaria
pode-se vera bordo do mesmo brigue fundeado
defrontc da Lingoeta,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegado eosteira por vapor.
Penedo em direitura.
6 vapor Jwjuaribe, commandante Moura, segui-
r para o porto cima no dia. 19 do corrente
as 4 horas da tarde. Recebe carga at o dia 17
as 3 horas, encommendas, passageiros. dinheiro
a frete at as 2 horas da tard do dia da sahida :
no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaeo eosteira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Penna, segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 3 horas da
tarde no eseriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
7%'avegaoio eosteira por vapor.
Parahyba, Natal, Macao, Mossor, Ara-
caty, Cear, Aearac e Granja.
O vapor Ipoitica, commandante
Eustaquio, seguir para os portos
_ cima no dia 31 do corrente as 5 hora
da tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
l horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
-----------^^^^m. --------

RIO DE JAUO
Para o Rio de Janeiro pretende sabir com
a maior brevidade possivel o brigue nacio-
nal Trovador, recebe carga e- escravos a
frete : tratar com as consignatarios Mar-
ques Barros A C, no largo do Corpo Santo,
o. 6, segando anlar.
Grande leilao
de movis, louca, vidros e crystaes.
a saber :
1 piano forte do fabricante Erard, 1 mobiha de
Jacaranda com 1 sof, 1 mesa, 2 consolos, 2 ca-
deiras de bracos, 2 de balanco e 18 ditas de guar-
DicSo. 2 lustros do gaz com 4 bicos, 2 ditos de J
bicos^rros e vasos para flores, quadros com finas
4fi|fc de porcelana, tapete*, esleir para forro
deliPrioiie;!- e cortinados, cscarradeiras, I cania
fraojaza, 1 "mesa e 1 guarda-vestidos de-Erable,
1 guarda-vestido com espelhos, 1 cama franceza e
1 cuarda-roupa de amarelle, 1 tolllet, 1 costura-
ra, 3 commodas, 2 espelhos, 2 cabides, 2 camas de
ferro e 1 berco, 1 mesa elstica, 1 guarda-louca,
1 sof, 2 consolos, 24 cadeiras, 1 quortinhei-
ra, 2 apparelhos de porcelana para jantar,
1 dito para cha, 1 dito de electro-plate, copos,
clices, garrafas e 1 porta-licr, 1 bilhar%om seus
pertences, 1 secretaria, 1 estante, 1 machina de
eopiar cartas o muitos outros objectos.
Na Passagem da Magdalena casa n. 1J.
O agente Pinto far leilo por autorisaco de
urna familia que mudou de residencia, dos me-
veis e mais objectos cima descriptos, existentes
na casa da Passagem da Magdalena n. 11, sexta
casa esquerda dejiois da poule grande, s 10 3/4
do dia cima dito, na referida casa.
O mnibus para transporte (gratis) dos concur-
rentes ao leilao partir s 10 c meia horas em
ponto, devendo voltar da Passagem as 2 horas da
Quarta-feira, 21 de julho.
Os mnibus para transporte (gratis) dos con-
correnies ao leilao partirlo as 10 e 10 e meia ho-
ras da manhia, o primeiro da ra do Crespo, o
segundo da praca do Corpo Santo, a qual volta-
r da Passagem's 2 horas da tarde.
* ir. *
. P y
Lourenco deMenezesCysneirofiandeira de Mello
e sua mulhcr Anna Francisca do Reg Mello, con-
vidam a todos os seus prenles e amigos para as-
sistirem a urna inissa resada, que mandara cele-
brar por occasiao do primeiro auniversario do fat-
leeimentn de sua uiui presada mi e sogra Joann*
d.i Allemao Cvsneiro, no bosjiieio de Nos?a Senbo-
ra da Penha, 'no dia 21 do corrente s 7 horas da
manhaa; e desde j agradecem aquellas pessoas,
que se dignaran de assistir a esse acto de candade
e religiao.
Acude Grande
O abaixo assignado, n qualidade de adminis-
trador dos bens de sua mnlher Jovina Cecilia Gue-
des Aleoforado Lins, ^ue por terem fallecidos seos
tres irmaos sem herdeiro?, torna-a herdeira nica
do casal de seu pai Jeronymo Saturnino Gucdes
Aleoforado, que alm de alguns escravos e ani-
maos, possuia metade do engenho Acude Grande
na comarca de Santo Antao, como consta dos in-
ventarios quo existem no cartorio do escrivao
Francisco das Chagas Cavalcanti Pessoa, na cida-
de de Olinda, vem prevenir ao actual rendeiro do
dito ugenho, o Sr. Antonio Francisco, para que
nao contine a pagar toda renda por inteiro ao
Sr. Luiz Cesar Pinto de Faria, dono da outra me-
tade, como se tem feito 3t agora; j fazendo dore
annos que son casado.
E para que o mesmo senhor rendeiro nao alle-
gue ignorancia neste negocio em tempo algum,
faz o presente animado como protesto de seus di-
reitos. Recife 12 de julho de 1869.
Manoel Marques Ferreira Lins.
ohmibits!
para o letlfo da Passasem da Magdalena.
Quarta-feira SI de Julho
As 10 horas em ponto do dia 21 do corrente
partir da ra do Crespo um mnibus com os con-
currentes ao leilao. As 10 1|2 horas partir d pra-
ca do Corpo Santo (Recife) um outro com o mesmo
fim, devendo voltar as 2 horas da tarde.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa se comprar um escravo tanoeiro,
ainda mesmo que nao seja perito nesse officio : e
tratar no escriptorio de Jos Victorino de Rezenda
& C. ra da Cadeia n. 52, i. andar.
~ CSTREIRA.
Cose-se costuras de alfaiat* a moda fran-
ceza, por preco commodo, na ra Auguato
.n 112, e d-se flanea sobre-as mesmas.
Attejicao
Da-se 2:000 ou mais a juros soh hypotheca em
qens de raiz: na ra do Aragao n. 15 Be oir
buem os d.
Paulo Gomes de Almeida tendo de mandar ce-
lebrar u i a missa no dia 2t do corrente, na igre-
ja do convento do Carmo, pelas 7 horas da ma-
nhaa, por alma do seu prezado amigo, o reveren-
do padre Augusto Maria Ferreira Botelho : roga
a todos os seus amigos e aos amigos daquelle ti-
nado a assislir a este acto de religiao.
Jos Leopoldo Roureard (ausente), sua mnlher
mi e irmaos, vem pelo presente rogar s pesioa*
de sua amizade o caridoso obsequio de assistir a
missa, que por alma de seu finado sogro, pai e fi-
lho, o eapitao-tenente Fra cisco Ferreira dos San-
tos, fallecido ltimamente no Rio de Janeiro, tem
de celebrar-se na matriz do Corpo Santo no dia
10 do corrente, pelas 7 1|2 horas da manhaa, por
cujo favor desde ja apresentam seus cordiaes agra-
decimentos. ^^^_^^_
Manoel da Silva Neves nao tabendo a quem
pagar os foros que deve ao terreno qne Ihe fra
aforad pelo finado Panlo Lopes Reis, terreno que
est situado na povoaco do Poco da Panella com
frente para o muro quo cerca o sitio de Jezuino
Ferreit a da Silva, e fazendo quina com a ruada
Poeira, previne a quem interessar possa, que no
termo de 30 dias, a contar desta dat, recolnera a
respectiva importancia ao deposito publico seos
(teressados no o forom receber do abaixo assig-
Manoel da Sirva Neves.
ar:

mm




Diario d Pernambuco Segunda feira 19 de Julh de 1869.
-rriLin
N'ESTA ANTIGA E CREWTATA
FABRICA
IICHTll II CIIITAITIIIITI IDI CIIFLIIO S01T1IIIT II
CI1PHI BE SOI*:
De toda as qualidadet I
De todos os feitios I
De toda* oe prosee I
RA DO CRESPO N* 4
Mmmmmmmmm
D.WE DE MVMANGl.rPE
ADVOCACIA.
O badurel Augusto Curios Vaz de
Oliveira, teui aberto seu eseriptorto de
advocacia na cidade 3e M a manja pe
(provincia da Parahyba) onde pod
procurado.
Nesta capital podem entender-se rom
seuirmo o Sr. Justino J. de S. Campos,
a ra do Hospicio n. 3.
m
Trocam-se
i notas do basco do Brasil e das caixas tilia*,
iom dcseonto muito razoavet : na praca da Inde-
leDdencia n. 82.
asase 3s& mw&ffl
ODr. Ermino Coutmbo,. reside
ruadaCadea n. 64, onde tem
aberto o seu consultorio me Jico, e
pode ser procurado a quaquer lio-
para o exercicio <1 sua prois-
Alaga-se o segando andar o solio da casa
da ra da Senzalla Venia n. 2 : quem pretender
falle com Jos Antonio Guimaraes, eu com Tho-
inaz Fernandas da Cunlia, ra da Cdeia n. 44.
Paraguay.
Xa ra Direita n 53, recebo-se qualquer quan-
lia de diuheiro para entregar no Paraguay sena
iucro algum, daode-se disso garanta.
19Rna Nova19
FREDERICO U Y l T113 K
cirargiao-dentista, muito conhecido ha de/, anuos u'esta cidade, "pola pcrfeico dos seus
irabaflios, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito maitos me-
ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante rceberas senltoras no seu gabinete onde
acharao os commodos precisos pan familia.
Acha-se tambeu na sua casa e na sua companliia, o seu sobrinho e liscipulo i Jo'sr* Jav
ATTEN CO.
Muito se precisa fallar com o Sr. Manoel Caval-
canti de S Albuqucrque, na praca do Corno Santo
n. 17, a negocio de sen infercssef
No da 23 de abril fugio do sitto Mandaca-
r, cidade da Parahyba, o escravo Manoel, cabra,
nariz chato, cabello um tanto carapinbo, e repre-
senta tcr 30 anuos de idade; consta que elle fTa
visto na estrada de Ignarass : quem o apprehcn-
*>r pode leva-lo ao seu senhor 'artliolomeu de
Raiva Machado nn dito sitfn, ou nesta cidade rna
da Imperatriz n. 14, 1 andar, que sera generosa-
mente gratificado.
mmmwt m mmmmm
m Jhiscriptorio de advocada
B O Dr. Joo Thom da Silva transferio
ggj o sen cscripturio di- advocara da ruado
jj Imperador para a ra do Queimado n
gg 31, 1 andar, por cima da loja de faaen-
das do Sr. Antonio de M. Rolim, entrada
pelo pateo de PVdi li, aonde pode ser
I procurado das 10 hora- da manbia as
3 da larde.
aos *o:oxmh>
CASA DA .'ORTL.NA
Ra do Crespo a. .
O abaixo aantenado tendo obtido Brenca da pre-
sidencia e salisMto ax outras exigencias da lei,
avisa ao respeitavel publico que taca sempre
venda no sen liento billietes das lote-
ras do Rio de Janriru, eujos premio* sero pagos
promptameate a vista das listu com o descont
somentoda lei.
Preeos :Inteiros.. 24 3000
Meios... 12*006
Quarlos. 65000
B em qnantidade maior de lOOOOO na razao
d H 5000 .por bilhelc.
Manoel Martins Fiuza.
Feitor
Precisare de um feitor de boa conducta e que
s.-ja rasado : a tratar na ra do Mondeg n. 107,
fabriea de rap.
J. jLEROUX
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual pralicoo com
feliz saccesso as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenho para tudo o que for relativo a prolissao ; por isso o
% annunciante pede aos seas' amigos e clientes quo por acaso o nao encontraran no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinho a mesma confiaoca com que o lera honrado
a dez annos.
Dentaduras por tolos os systemas: a presso do are com molas de ouro, platina
Tulcanite e um nteiramenlc novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Ciiumbagens (obturaces) com ouro e com massas diversas, segando os casos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pos dentrilkios fabricados pelo propino annunciante, o quelhe permitte aian-
car sua boa qualidade.
Escovas para denles, etc.
Perfei^o de trabaHio e pre Fingens para fra mediante ajusfo previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manhaa at as 4 da larde de todos ds
dias uteis.
Gratificapao.
Tendose perdido urna pequea caixa redonda,
de tartaruga prela: com urna chapa de ouro sobre
o lampo, contendo a firma J. T. S. A., e a cuja
caixa liga o dono a maior estima, por ser urna me-
moria de um seu mu i prezado prente, roga-se a
pessoa que a tiver aehado, que, por sua bondade
querr leva-la ao estabelecimento de cabelleirciro
me, a ra do Queimado, sobrado n. 6
1 andar, a qual recebero^alor da mesiia caixa,
alm de se ihe fiear asss agradecido.
Troca se urna imapem do Scnher CrneTflciT
do, de martiin, obra feita na India, propria para
rape'la de en'genho por ser em poni grande, com
aoanpetonte cruz de pao santo, cravos, resplan-
dor de prata, orna de muilogosto : na ra da
Guia.' I.nbi'ii'ii 11. 7.
Arren la-se ou vende-se o 'engnnfto I'alerrao,
moente e enrrente, com todos os seis utnicilios,
situad.) no Paco de Camaragibe, provincia d;is Ala-
i,goas, e untaniente a paite do terrena denominado
Condado, pertencente ao mesmo engeaho : a tra-
i tar com Antonio Roberto i Fillios, ra Nova nu-
mero 13.
WFHTAIIA DOS alttMBS
16 RA DA CRUZ 16
$. AUTOPIO, H. JO\0 E S. PESIKO.
Ha diariamente Si.rtimento de bollinhos para cha, podins, pes de l, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de dilerentes qualidades. Papis para sortes,
bollos siaiples e enfeitados, amendoas confeitadas c confeitos. Vinhos Gnos engarrafa-
das, superior cb Hisson, preto e miudrnho, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
-Hsadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
Rewhe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas arma^oes do assucar, sendo, estas prefer veis asdepapelo: bollos etc., p5es
de l enfeitados, qualquer encommeoda para lora ser bem aconditionada.
O abaleo assignado, boje possuidor das dividas
do casal do fallecido Jos Baptista di Fonseea Ja-
r, arrematadas em leilao publico, pode aos de-
mor
vedores do mesmo casal se dignum satisbzor spus
, ilebitos no praso de :(0 dias, a Cantar da dala dflS-
ite ; lindo o qual prweder judicialmente a dita
cotinnea : na ra das Cinco Ponas n. 82. V
Recife 13 de julho de 18(59. ?
___ Joiio de Azevedo Percira.
PAGA-SE BEM
a urna ama que tenha bom leite e nao lenha filho :
na traves do Monteiro, casa terrea com portan
de ferro ao lado, confronte campia do aaz nu-
mero 18.
Ama
O a:lYogado
Affonso de Alhuquerqne Mello mudoa o sen es-
critorio para a ra das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
RAVILI
Os apreciadores de manjares delicado*
encontraro todos os domingos, no hotel
central, de Francisco Garrido, a verdadeira
spa de Ravioli do verdadeiro gosto italiano:
assim.como oulras excellentes iguarias que
seria enfadonho mencionar. Ahi se en-
contraro ainda os mais asseados aposen-
tos para hospedes, banbos, buhares e piano
pan recreio dos habitantes : ra larga do
Rosario n. 37 Io andar.
Pilulas de Bravina
Estas prodigiosas pilulas sendo applica-
das as pessoas acommettidas de febres in-
termitientes, sao incemparaveis em sua effi-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, achando-se nicamente venda na
botica n. 3 ra Direita desta cidade.
-
do
Ba estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto estabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
anto e bem fornectdo hotel que situado n'uma posicao iuteiramente saudavel, o sen-
constantemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se preferirel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distracao da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, Ai primera ordem ; no
orimeiro andar, sala da frente, um excedente bilbar de mogno, para divertimento. Sala
le traz um restaurante da primeira ordem. Ouanto ao asseio e bemfeitoria das eomedo-
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento, promptido e comraodidade, s
Fornece comidas para fra, tanto por mez como atusa. Todos o dias, noite,
encontrai'-se encllente sorKete, refrescos, cafe, cha^boni vinhos Figueira, Porto, Bor-
ileaux, tendo bons commodos para hospedagem, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
i?.
a a
Si
09
i
V3 *^ **.
I
f
o>
a S o"
p i! S
3 33

sr oa 4. CLfO
o o M
2 3 v -i
P- o. a> o ^
S.-o o 5'
8.2 -S.6"
STMg:
ta
3
r* -^
u rt- us

9
*, oo tn 9f
O O
a 1 -1' 5
2-e a
=r =r a. ^
a O u O
! = o*
2 o o
<= c 3 =*
2S33
|$- Eg
% a a 5
"2"2t5 s1
3ig5"
a e 3 3u,
3 o
v|B
i
3

3
i
o
jo

^
^W^WBpJUa^^^^^a^Ra^w a^paw
CASA da mniiu
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
A ra do Cics|kj n. 23 e casas do costdme.
O abaixo assignado tendo vendido nos seumui-
to felizes bilhetes garantidos 1 inteiro n. 2453 com
a sorte de 4:000, i meio n. 813 com a sorte de
"OO e outras umitas sortee de 400*, 405 e 20#
da lotera que so acabou de extrahir em bene-
ficio do patrimonio dos orphos (113*) convida aos
posuidores a virem receber seus respectivos
premios sein oe descontos das leis, na cata da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 25* parle da lotera
beneficio da Santa Casa de Misericordia (4")
que se extrahir quinta-feira 22 do corrente mez.
Preeos.
Bilhete.....41000
Meto.....24OOO
Quarto.. t 1*000
Em porco de 100J para cima
Hilhete.....3H500
Meio......i 730
Quarto. ..... 873
________________Manoel Martins Fina.
Milita attenpo.
Fugio no dia 29 do passado mez, as 7 horas da
manhaa, u escravo Manoel, naco Angola, idade de
50 annos, pouco mais ou menos, com os <>tnaes
seguintes: falto de denles na frente, andar vaga-
roso, pernas linas e marcas de bexigas ItM ca-
misa o calca de riscadinho e chapeo depalha anda
novo : roga-9e aos senhores capitaes de campo.
que se o apprchendr leve-o ima Direita n
que sera') generosamente gralilicados.
16,
PILULAS
ANTI BOUBATICAS
Cura radicalmente as iioubas.
nico deposito.Pharmacia de Joaqum
de Almida Pinto, ra larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao quartel de polica.
XAROPE
DE
SALSA PARB1LRA DO PAB.V
ou
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pelle, impigens,
dores rheumaticas e ulceras venreas,
I "NICO DEPOSITO
Ra larga do Rosario 11 10.
IDITO AO QU.tRTEL DE POLICIV
Pernambuco.
O Dr. Alvares Guimaraes, cuja praiica
das chuicas data ja do nao poucos an-
nos, faz publico que se propoe aqui a
oxercer a medicina em todos os seas ra-
mos, tendo por espe;ialiaoado nem s
as hydropcsias, as molestias uterinas,
das vas urinaria, da bexiga e febris.
como ainda as amputacoes, fratoras. hy-
droceles e operacOes obsttricas (concer-
nentes aos partos): para o que tem aber-
to seu consultorio, i ra do Imperador
n. 17, Io andar,-onde dar consultas das
I 8 as 10 horas da inaub.i e das 3 as 7 i
> da tarde. ]
[ Declara outrosira, que usar as mo- ;
[ lestias syphiliticas do tratamento esta-
belecido pelo celebre svphilogrspho Ri-
I card, que na operario do ectropion cm- i
pregar o rpido e proficuo processo do I
professor Vidal, de Cassis, para o que
tem apropriados instrumentos, e que
I as domis operai;des e molestia-i pora
! em pratica o methodo ou processo, que
i formis con ventaneo sciencia, e que I
mais vantagens possa auferir aos doen-
tes.
Promettc, finalmente, entregar ao li- ]
vre e generoso alvedrio de seus clientes j
a estimativa e pagamento de seus hono-
rarios, e curar gratuitamente os pobres
o|Terecendo-lhes,.alni diaso, alguns me-
dicarrentos proftiios conjurar seus
males.
Precisa-se alugar urna escrava que saiba cozi-
nhar e comprar : na rna de S. Francisco n. 54.
= A viuva e herdeiros de Jali.no Pereira Mat-
teso deelaraii' aquein interessar possa. que nun-
ca pretenderam vender o seu engenlio Bom Desti-
no com o fim de exiinirem-se do pagamento dos
dbitos legitimse por ttulos legaes do dilo fina-
do, como uuer fazer crer o interpetivo annnncin
que oSr. Jos Gonealves da Rocha fez publicar
*o Diario de Pernmnbuco de 10 do corrente mez.
Ksta declaracao fazein os annuncianles por amor
de seu crdito, que muito zelam ; e convidan! o
mesmo Sr. Rocha a a presentar os ltulos de que
se julga credor por si ou pelo seu euratelado Joao
Francisco de Oliveira.
Ama de leite
Prccisacsc de una ama de leite. e paga-se bem,
sendo boa: na rna da Praia n. 1. S'a mesma
casa vendem-se charutos linos, sendo das marcas
exposiciio, flor de suspiro, lricos, palmeiras, para-
guass, almirantes, brasileiros, lembranca do fa-
bricante.
EMPRESTIMO SOBRE!
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ra
das Cruzes n. 2, pri-
^ meiro andar, da-se qual-
quer quanfia sobre ouro,
1 prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
S competentemente autorsado pelo
governo, est as condicoes de ga-
rantir a tnmsuYH) que se tizer em
sua casa, prometiendo lodo e zelo
e considerado s pessoas que se
dgnarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Ama de leite
Precisa-s i|c lima ama de leite que nao tenha
(llm: m rna la:a lo Rosar.o n. 12,2* andar.
I'ADAHIA.
Tasso.ItoiMf i !. i-1 contratar para o Rio Gran-
de do NiulcMi.n- ii.iialhadores do padaria para
fazer o servico de massiiira, cylindro e tendetleira :
quem se ai-fiar nestas condicoes queira dirigir-se
i ra do Amorim u. 39.
ESTIBO DE PnEPARATOIliftS
con rrpeliro para os alomaos
que novenibro.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteratnra nacional no gymnask)
provincial do Rocife, tem aberto em sua
casa, rna Bella; n. 37:
Um curso do
Ll.NGCA FRANCEZa ;
PHILOSOPIIIA ;
RBOSftAPHM E IIISTOBIA;
IIETIIOBICA E POTICA.
Os estudantes que pretendercm fazer
exame em novembro em qualquer destas
materias, podem dirigir-so indicada re-
sidencia, tarde, das 3 horas cin diante.
Ama de leile.
Prccisa-se de urna ama de leite
ra Real (Estaneia) n. 8, sitio.
a tratar na
Ama
Precisa-se de una ama para cozinhar c comprar
para casa de pouca familia : na ra das Cruzes
n. 28, Io andar : prelcre-. e.-crava t paga-se
bem agradando.
11
fio ni: vi ri
Barbante
Em casa de Rabe Sclunetau d C. Corpo
SHERRY L0R0Z0
Gelo seal.
cmx.ir ii3 >^issi.
Em casa de Rabe Sdimettau A C. Corpo
Santo n. 15.
SUPERIOR.
Roussillon, cade blanche.
b.'iii rasa de Rabe Kchoietlau 4k
G. Corpo an a. I..
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU l,\ ROSE.
en teac khzw
Em casa de Habe Schmetlau A C. Corp*
Preciara de um caixeiro pequeo para
berna: a tratar na ra da Aurora n. 56.
la-
O Dr. Joao Ferreira da Silva, de volta,
da.viagem que fizera a Pava, contina
como d'antes no exercicio de sua prolis-
sao medica: em sna residencia ra lar-
ga do Rosario n. 20.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez ter lugar na
na noite do dia 24.
No dia 15 de junho passado, fugio
da padaria allema (segundo avisou o res-
pectivo dono), onde estava alugado, um
mulatmho escuro, de nome Justino, de
13 para I i annos, baixo, reforcado, gago,
orclhas grandes e um pouco viradas, traja-
va camisa de algod5ozinho e cali;a de brim
grosso cor de rap: costuma quand foge
inculc,r-se como forro ou orpho. Consta
que tem andado por Olindar Arraial Po^o
da Puntilla, Monteiro, Apipucos e Casanga,
ao servio de alguem, contra o qdal v
protesta fazer effecliyas as penas da le.
Entretanto, quem o apprehender queira
leva-lo ra da Aurora n. 26, onde ser
recompensado. Roga-se s autoridades po-
liciaes qne hajam de diligenciar a appre*
lienso delle.
O advogado Dr. Antonio de V
ceneelles Menezes de Drummond,
randou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio de |
sua prolissao era todos os. dias M
uteis das 10 horas da manhaa, at 2
s i horas da tarde. Fra dessas 2
horas, e para qualquer occorrenca 9
urgente, ser encostrado no seu I
domicilio, ra da Aurora n. 26. M
mm
S ra da Aurora n. 3i, 8o andar, precisa-
se de urna boa ama de leite.
50.Ra d'Asseinbl^a.50
Os abaixo assignados tem a honra de
participar ao respeitavel corpo commercal
desta praca, que abrirum seu estabeleci-
mento de fumos e casa de commissoes,
nesta cidade, ra da Assembla n. 50,
tendo sempre completo sortimento de fumo
em folha, das melhores e mais acreditadas
marcas de Nazareth e Cachoeira (Babia) fa-
zendo negocios de sua e alhea conta, re-
cebem escravos, navios e qualquer outros
gneros consignado, prometiendo res-
tricto e pontualidade no comprimeuto do
qualquer mandato dt todas aquellas pessoas
que se dgnarem obsequia-los.
Rio de Janeiro 8 de julho de I8().
Vasconcellos & Malla.
Precisa-se alugar ninacerava Cizinhcira para
servico de urna casa de pequea familia : na ra
larga do Rosario n. 3i, botica,
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
- DO
RECIFE A' OlIMh.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas effectuarem no praso
de 15 dias (a contar do da 15 do corrente)
a terceira prestaco de suas accoes na ra-
33o de 10%- Para esse fim ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteis
desde as H horas da manhaa ate s 2 da
tarde no sen escriptorio, ra Nova n. 35.
0 accionista que nao rtalifvr a impor-
tanda da. prestapo no praso determinado,, io"^fc> me passado .unigavelroento di*lveraiu
perder em favor da companhia as presta- dita sociodade, rerando-se o socio Joao CHrysos-
cues anteriormente redkgdhn. (Arti 8." tomo Goncafves Rosa pago e satisfeito de seu ca-
Vlh< pstatnt(s^ ^to.t e meros, e dosonerado de toda e qualquer
""*.,,"% ohngacao activa e passiva, ficando a liauidaco
Recife, 15 de juollO. de Wfi9. das mesmasa oarft d. mo. mi Marcelino da
Sublime publicarn Utteraria sob o
titulo de Memoria do Bom Jess
do}Monte, cm Braga.
Acha-se venda na loja da rna
I do^Crespo n. 25 A. esquina da do
: Queimado, a Primorosa Memoria
do Bom Jess do Mont em Braga,
ornada de gravuras finas, segunda
edico, rjbqa da, penna de ouro do
mui Ilustrado lente da uuiversida-
de Coimbraj o Bxmv Sr. conselhei-
m Dr.. Diogo Pereira Forjaz de
Sampaio Pimentel: quem tiver no-
ticia da extraordinaria devogo que
existe em Portugal para com aquel-
milagrossssma imagem, aluindn
sempre para o seu magestoso tem-
plo em romaria, o numeroso povo
de todas as partes desse reino;
quem souber avallar as brilhantes
descrjpciies, e o bello estylo da-
quelle consunado jurisconsulto e
eximio Iftterato portugyez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-se de um exemplar da. dita me-
moria, pelo dimnuto prego de 3k
na loja cima indicada, onde j ha
pequeo numero del las.
tas ssaffsiK
Elle um preventivo seguro e coito contra
a cal vico,
Elle d e restaura torca e sanulade a pelle,
da cabera.
Elle de prumpto faz cessar a queda prema-
tura1 dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ra-
bellos,
Elle doma <> Taz preservar os cabellos em
qualquer furnia e posieo que se deseje
n'uin estado tortuoso, liso e maio.
Ele faz cresccr os cabellos bastos e com-
pridos.
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre .le toda a especie de caspa.
Elle previne .s cabellos de se tornarem
brancos,
Elle conse va a cabeca num eslado de Isli
^ cura refrigrante e agradavel,
Elle nao dernaziadamente oleoso, gordu-
renlo ou MgadifOt
Elle nao deaa o menor chein) desagra-
davel,
BUe o iiielbur e o mais aprasivel artigo
para i boa conservaeSo e arranjo dos ca^
bellos das senhuras,
Elle 6 o uniro artigo propria para o pon-
teado dos cabellos e bubas dos senho-
res,
Nenhum tomador de senbora se pode con-
sidei.T como cumoleto sem o
o i:\hei.lo.
Toufeo Oriental
o qual preserva, iiuipa, fortlica e afoiinusa
Acha-se a venda nos estabelecimeutosde
A. Caors, I. da ('.. Bramo & G. V. Maurer
tCj.M. Barbosa, BarUioiumeu & C, c cm
todas as prmeipaes lujas de perfumaras
6 hutic-is.
Precisa se do una ama para casa de rapa/,
solleiro : na rna de Agas Veriles n. 86, segund*
andar.
T
Os abaixo assignados, nicos representantes
da firma social de Jos Marcelino da Rosa 4 Pi-
lilos, faxem sciente ao respeitavel publico e parti-
cularmente ao corpo c-ominiTcial, que em data Y

Criado
Precisa-se de um criado fiel e activo, para casa
de pouca familia : na ra do Impetulof a. 73, 2~j*
Indar.
Preiieeite urna ratiiher qne saibater as-
creverfara-ae-oecoiar de dnas criancas de 3+
annos da idade, e Ibes ensinar os printeinoa rdi-
.maata da ungoa portugneza : quem cakver nestae
WMiedes annuncie por .ta totba, o 0. Y. cesta typograpbja. .
r sesreiariu,
Vieo. Just.
------,---------
Roea.
Recte 16 dejulnode 1869!
Jos Marcelino da Rosa.
Joao Chrysostomo Gonealves Rosa
>o sitio grande do brigadero Aiaquim Beruar-
do de Pigiieircdi.. na estrada de Joao de Barro,
existe nm boi que foi appiehemlido ha 10 dias
destruindo a lavoura e o anmvea : fuem for seu
dr.no apparu-y, que liando os sigsaas certos, Ihe
sera entregue. mcdiaiiU-, purem, n pagamento do
dnmno cansado, sustento 1? despeza do presente
annunrii) : do cuiirario ser recolhido ao depesi
|a e an^ematado .mi prac.i comobcus de evomo
para o pagamento cima d.-scriptu.
Precisa-se
Na fabrica de sanan nos Afogados do serraduiw
para madeira de nmlio. pava-so bom : a tratar na.
mesma onrna na^ d,i Amorim n V!.
Presuntos, salame, ercUhus c ten-
ti/has
chegado agora de Hamburgn no navio Plora a
venda, na padaria_allemaa em Santo Vmnrn.
Paris, 36,RnaVivInne, Sr
CHABLCmcoicin
Frecisa-se
A sociedade Itenalioeote Guucitiacaa convida
a todos os seos mamaros para assistirem urna
missa que manda celebrar na igreja matriz de S.
Antonio no dia ff do corrate pelas 9' horas da
manhaa pela alma do sea ilustre soeJo- Armonio
Jas de Oliveira Miranda; Recife. l de julho
de 1869.
O secretario interino.
_______Antonio da Cosa Reg Liina
O passageiro que no tren-do dia ft pela
manhaa Ihe cabio o chapeo da abeca, dirija-so
ra Augusta n. 70, que-dando o sifjaaes certos
Ibe aera entrefae, pagando o mejoro este aa-
mato.
para aeompanhar urna familia que se retira para
o Rio de Janeiro, de duas criadas acosrumadas
viajar e cuidar de enancas : a tratar na- ra dn
Commercio n. 34.
Aluga-se a casa. n. i db traveesa das Bar-
reiras, a qual tem 4 salas, 1 gabinete 13 quartos
espacogos, cozinha fra, quartos para negros, co-
cheira, gahnheiro, e- mai aecommodacoes, com
un grande, quintal todo murado, e plantado de sa-
poiniros, larangeiras, romeiras, goiabeiras, bana-
neiva%* man fructeiras : quem a quizer alugar di-
afla-aB a eatrada de Joao da Barros^ sia n. M.
SAITEKKOIII,
na fabriea de cerveja, ra do Sebo n. 35.
ASaoMuniaaiA umstuiuaiia. i_
o^ cxrrawEAs. e AtTKaaconatto i_ _
fio OOOcurudo impmftnt
ftmeoM.mtHmmiu^m.
|"-foe, motoMU do M
DEPURATIF
SANG
d *uu/ fl""r|m.-
aaa mnm matmttmM
m aarop* CUnk7d
____________________ rr d* CHABL*. ,
g.'t'f1 >!> ir^^ m bMta
PLUS 1
COPAHU
CUr*4kZ Fmni.
wwirilln, T*mUt qM u can MM
POMADA ANTIHRPKTCA
CaMmi ata tftomm n Un 111
PIHAAi VKOSTAE DEPURATIVA
^^|
*m
"*;




Diario de Pernanibuco Segunda fera 19 de Julho de 1869.

.
[
^v

I
\
k ESMERALDA
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
pilado amu \. 5
ALGODO
JA DAS liCINAS
BASTOS
MACHINAS americanas de serrote de todos os tamaitos para, descarocar algodo, do
inuito oonhecido fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes o de todos os tamanhos para descarocar, al-
godo do aator New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas do todos os tamaitos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS dias de Uoller Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
da algodo.
MACHINAS de aco do fabricante Platt B. dt G, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas so de superior qualidade e as memores que tem
vindo ao mercado ; e para a sua apreciaco conyidam-se os senhores agricultores *
virem a exposicao dasmesmas na ra daCada do Recife tu -50 A, loja do Bastos, onde
encontrarao mais o seguinte:
| Preciosa publica-
do jurdica.
Commentario do cdigo ccmmercial
porhiguez e bra&ileiro
Vende-se na loja do Sr. Heraclio
de Paula Monteiro, ra da Impe-
rador n. 71, a importante e moder-
na obra sob o titulo de Aiiiiotacoes
ao Cdigo do Commercio Porlwjucz
cm 6 volumes pelo Exm. Sr. con-
selheiro Dr. Diogo Pereira Forjaz
de Sampaio Pimentel, lente cathe-
dratico na umversidade.de Coim-
bra. Os subidos crditos de que
goza muilo merecidamente aquelle
eximio commercialisla por si s
bastariam para recommendar lito
importante obra, quando uao con-
corresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo cont-
inental io ao cdigoeommereiai bra-
sileiro (na falta absoluta que ha de
qualquer outro) pela mxima he-
mogeneidade entre militas das suas
disposices, e as do mencionado
cdigo porluguez, que Ihe servio
de texto. Correi pressurosos, dis-
tincta mocidade da-Faculdadc de
Direito desta cidado, e.mais nola-
veis jurisconsultos, prover-vos
desse poderoso auxiliar para vossos
trabalhos da sciencia, e pelo preco
commodo de 204 toda a obra em*-
I VoluUJeS.
Ti
MEDICO
O Dr. L. J. Correia da Sa osa de su
profissao ; para o que pode ser procura-
do a qualquer hora do cha em casa de sua
revideacia, ra das Njmplias n. 17. Da
consultas gratis aos pobres todo os dias,
* 8 as 10 horas
Club Pemambucano
Em consequencia de militas familias se
retirarem para o campo no mcz de dezem-
bro, a directora resolveu mudar o bail
annual de Io de dezerabro para o dia 0 de
setembro prximo futuro.
MARTIMOS
COSTRA FOGO.
A Compartida Indemnisadora, estabelecida
esta praca', toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias o mobilias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
"lTNCAO"
Precisa-se alugar um escravo para ser-
vico de urna casa de familia: tratar
no largo do Corpo Santo n. 6, segundo
andar.
= Quem precisar de urna criada para eMT,
vestir urna fcnhora, arrumar bem urna casa, diri-
ja- ra dn Imperador n. 90, 3o andar.
Hebuadoivs para milUo.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carri altos de md.
Machinas para cortar wpin.
Cannos de chumbo.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e latao.
Ferro de todas as quatidades.
Arcos de ferro.
Folha de Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas deverguiaha.
Vassouras americanas.
Folies de lodosas tamanbas.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos ouuo artig
diversidade seria enladonho ennumera-los.
Folha de ferro.
Bataneas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Pas dq.ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Ternos-de bandejas linas.
Trens completos para coziuua.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
(torrentes de ferro para almanjarras.
Espingardas e resolvis.
Guarda comidas.
Ferros a vapor, para engommar.
Moinbos para refinaces.
Azeite de espermaceti proprio para oaehi-
nas de todas as qualidades.
Serias avulsas para machinas.
Mancaes e todos os raais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes iavoura e artes, que pela
/?-
CARVAO DE BELLOC
PARS
ApproTada e recommeiiado pela Aca cura da gastralgia e era geral de todas as doen^is nervosas du estomago e dos intestiMs.
E igualmente o remedio por excelencia contra a retencao de entre Finalmente em
razao de suas propriedades absorbentes, reoemmendado como verdadeiro remedio nos
cazos do diarrhea e cholerina. nao de BcUoe toma-se na occa^iao das comidas
sol a forma de pos ou de pastilhas.
DepMito cm Rio-Janeiro, Dupontkelle: Cheteiot- Sm fcnsAipcco, Mw*er t f.1'.
Arges amigos do fallecido padre Augusto
Mara Ferreira Botelho, pretenden mandar
celebrar urna niissa c memento por alma
do inesino fallecido, quarta-feira i do
corrente pelas 7 horas da manha na igreja
matriz de S. Jos, pelo que, pelo presente
sao convidados os demas amigos para
assistirem a este acto do religiao e cari-
dade,________________________________
A loja de louca, vidros, porcelana e
clirstaes. da ra do imperador n. 40,
alem do explendido sortimento que tem
destes arligos, tem porcelana propria de ir
ao fogo, fregideiras, cacarolas, pratos pro-
prios para podins e pastelons, cafteiras
etc., etc., tudo por precos mais cmodos
do que em outra qualquer parte. Tambem
figuras, vaz'-s, pinhas, lios, globos, e bolas
panorama, tudo proprio para jardins, eeu-
feites de cazas; rtu dojmperador. n. 46.
a ra da Impe utriz, loja de maixiueria n.
2i, Un para vender (eraos completos, de amarello,
da aova medida, a 14S o torno, matos ditos a 7',,
tersos de louro, completos, a 12 J, meios ditos a
6000. O tabrinante dessas medidas se responsa-
bilisa pela certeza deHas.________________
0 Sr. Jos Joaquim dasXeves tem urna, carta
na ra do Livramento n. '0. ________
Prccisa-se de una ama somente para cozi-
nhar : na ra do Padre Floriano n. 71. segundo
andar.
Alarse um excellenie cozinheiro : na ra
Direita u. 21, 1 andac __________________
Joaquim Jos Gon-
paives Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i.0 ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o'Ban-
co do Mniho, em Braga, e sobre os segua-
les logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
CuiraarSe;-.
Coimbra,
Qtaves.
Viseo.
VHIa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.'
Pont do Lima.
Vida Real.
ViavNova de Fama!c5c.
Lamego.
Lagos.'
CovilhSa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.________________>,
Anda nao vieram, no entretanto o negocio
de interesse, e preoisa-st fallar a ra do Crespo
n. 17 com os Srs. Paulino Ferreira, da Kika, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa. _____
Em casa" de THODORO" CHRSfl-
ANSEIf, roa da Cruz o. i9, encontram-se
efiectvamente todas as qualidades de vinho
Bordeux, Bourgegne e do Rheno.
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MinttS MMftOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o funde
dar-lhe maiores proporcoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e Com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarlo um completo sortimento do qiie bq de mais ela^ate,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQ0S DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novoa gostes, assiim como grande ?ariedade d!e salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam ojualquer jpia om pedia' preciosa e garantem
a qualidade/ dos objectos vendidos.
0
A pessm ijiie perdeu na igreja de N. S. do
Carmo una chave de ouro para relogio, dando os
sitioaes e salgando o annuncio, se Ihe restituir :
na praca da Independencia, loja de chapeos fle
Sr. oh'. Pequea
Precisa-so de urna preta escrava que sirva
para comprar, lavar e vender : qnem tiver dirija-
-c M pateo de Pedro II n. 2, loja de bas.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer paite.
Na praca da Independencia n. 33, loja deou-
(jves, compr-seouro, prata, e podras preciosas,e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
" COMPM-SE "
moedas de ouro e prata de todos os valo-
res, ouro e prata em obras inulilisadas, e
brilhantes e mais pedras preciosas na lo-
ja de ourives do arco da ConceicSo no Re-
cife.
Precisa-se
Comprar urna eserava moca, prendada, c oarinho-
M para criaucas : a tratar na ra do Rangel n.
54. sobrado, das 8 s 10 Loras da manha, e das
3 da tarde em diahte.
Compra-se
farinha de mandioea da trra
mercio n, VI.
na rna doCom-
Compra-se urna preta que saiba eozinhap
e tambem compra-se um negro de meia idada : na
Praca da Independencia n. 39.______________
'Cooipra-e urna vacca ou urna garrota tou-
rm* : na praca d* Bsa-Vista n. 6.
SAlas de \% 2S
Compra-se na casa de Theodoro Simn
& C, largo doPelourinlio.
VrN0AS.
MIDEAIJX
Na praca do Corpo Santo n. 17, ecr i pierio de
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, vemle-ie o
excedente vinhaMdnc Vieux Extra o mettor
quo vem a este mercado. No- mesmo escriptorto
ha para vender chapeo de chile muito finos.
Aproveitar em quanto
duram.
Baloes .1.- mu reclina com pequeo toque de'moto
3 ea 3500, fazenda superior, ditos de arcosa
000, esparliUk de 2a00 e 3. cousa nunca
vista, s no Tj-iumpho! Outras muitas fazenda-
que : e torram por todo o piejo : na ra do Quei-
mao n. 7, loja do Triumpho.
Na ra Nova n. 60, armazem da Liga, vendenv
se lementcs novas de hortaliOs e flores.
Loja da Arantes
Botillas de vaqueta para hornera
Botins de dita para menino
Ditos de bezerro pira menino
Bolinas gaspiadas pretas para sonhora
Pocos para menino, de cour
Ditos para dito, ordinarios
Botinas amazonas para menina
Ditas inglezas de pellica para senhora
Hilas ditas de dita francezas
Botinas de cor para menina
Zapatos de brim c<>m salto para senhora
Ditos de tranca (de Lisboa)
Botinas di l**zerro de Nahtes para horaem
8(KH)
4 000
2*500
300O
24000
4*000
3*600-
6*000
7d'K0
3*000
3*100
2*000
81000
= Na asa de Eduard Feotn, r. a do Cummer-
cioi n. 22, vende-se:
Ceneja verdadeia Bass Pal East Jndta, cm bo-
tijas e garrafa.
Dita preta Barclay de Londres a mais aanad3 de
mundo, em garrafas e botijas.
Ott de Unhaca superior.
Fatb*la de algnda adamascada, branca, muido
larga, para losillas Ai uiesa.
Guariamipus de algodo adamascado.
I
Veade-se um gamo com podras demarflm : na
ru da Impenrtm n. 69. ______
Veiide-sa nwude de-una casa na Passagoni da
M^gdatena om acnMoaodafdet para.graude fa-
milia, e urna paiqsde oulr. na ra da Pescado-
res; a tratar na na Dlreita n. 3, 3o andar.
Piano
i
Vende-se un bom. piano por preco razoavel,: na
ra da Imperatri, armazem' do Sr. H; VOgeley : a
tratar na ra d Cruz n. 9,4 andar.
Vende-as ou permuta-se a.casa terra-nafr,-
fuezia do Poca, da, Paoella, em boa locaiidade e
_ Veadem-s* por coramodo preso ua mesa
nova com 5 palmos de largura e U de comprida,
propno para jantar o engommado, e um tajo pro-
prio para renajo ; na travessa aos Pires n. 9.
Ra do Quu'mado n, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
dv Mata e Silva conliecido por
Jos Bigodinho.
Est qneimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bora e barato.
Garrafas com .agua florida ver*
dadeira...... ifr-lOL
Gair?fas com agua divina "dame-
Ihor qualidade .... 1^500
Latas com superior banha fran-
ceza ...... .5200
Caisascom 12 frascos de cheiros
proprio para mimos 2300
Dita com|6 frascos muito finos a" ;>800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... 5500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... ;)240
Caixas de p de arroz muito
superior ..... "jOOO
Pecas de babadinbo com 1U
varas i....... 5500
Caixas redondas emitando tar-
taruga ...... I ViOO
Pecas de fita de cs qualquer
largura ..... >5O0
Esco\as para unhas moito ti-
nas ...... -3500
Escovas para denles fazenda
milito M ..... 5240
Pnlceiras de contas de cores
para meninos a 5200
Caixas de iinlia branca do gaz
com 50 nove los 5800
Caixas de linha branca do gaz
com HO novellos a 5600
Pecas de tranca lisa do todas
as cores ..... 5040
Resmas de papel pautado muito
fino ;i...... 45000
Pares de botes para punhos
muito bonito 5120
Libras fle la pa'a bordados de
de todas s 'cores 85000
Pentes com costas de metal
muilo finos 5320
Novellos de liuba muito grande
para croles 5320
Dona de linha froxa para bor-
dado ...... 5480
G rosas de botoes madreperola
muito lino ...'.. 5500
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e..... 5320
Pecas de fita de la todas as
cores ...... 5500
Espelhos dourados para parede
15000 e 15500
Espelhos de Jacaranda muito
lino ...... 25000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i 5060
Pares de meias croas para me-
ninos ...... 5320
Caniyete muito fino com' 4 Ib-
Ibis ...... 15500
Cartilhas da doutrina as mais
modernas ..... 5400
Frascos de sndalo e patecboly
muito finos 45200
tlTO BARATO SB VENDE i
NO
I
RU NOVAN. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os proprietarios Jos de Souza Soares d
C. alm dos baratissimos precos por que
esto vendendo a grande variedade de arti-
gos de moda e novidades de bom gosto,
tanto para homens como para senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda, imperial, de castor
branco para homens, fazenda fina, a 105!
(o preco H5000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a 45500.
DITOS sem enfeite e tic delicados mol-
des, sendo de seda imitacSo de cabellos
a 35 e 35500.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 75800 (b preco de 95
a 105000).
LEQUES de madeira sem diflerenca de
ndalo a 2*000 e 25500, (grande pechm-
chal)
DITOS com lentijoukis a 35 e 45000.
RARALHOS de cartas francezas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pacote por
15000.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade em Paris) a
25500 e 35000.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente enfeitados a 65500 rs. (admira o
preco 0
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigas de novidade e de- apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
\o Bazar da Moda.
Para o armazem de Campos, na ra do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acba se constantemonte um variado sorti-
meolo de gneros finos para meza e
cosinha e. entre estes oomea-se apena as
especialidades seguales^
Queijos do sertfio saado de manteiga e
cofliha.
Cmaras seceos doAtoraobo.
O verdadeiro caf de< Moka,
0 superior e bem conhecido peise miraguaia
que se vende a 16Q? libra o 45500 a
arroba.
de reduccao as mais /&* e mais com-
prehen/Mvfc., tudo ua .
Armazem do Campos
Hilhar
Vende-se nm bilhar moderno com seos parten-
ees: na ruado Hospiwoa. 38.
Taberna
Vende-s a taberna aa-xn da Gopcordia n. 94,
a trial est bem afregneada a tem poueos fundos
proprra p*ra algnm pvtedpknte; o motivo da
venda.dto-ae-Ua. ao pretadafite, em.partieular.: a
tratar na Ponte-Velba a 44 das $ m 9, da na-
nhaa e desta hora em diaato n'sla typographia
E' [ ir certo para admirar que ruis lindo
em ui .a ra de progrrssos, urna loja coto
mu completo sortunenlo de miudezas linas,
e nao tenh anda por este ftmW- pa-
tenteado a todos seus freguezes, o sen
agrado o smceridade, a sua vigilancia, e ?.*
modas do seu basar.
Esta ruaj} a prodigiosa ra do Gabug,
e e*la loja* a antiga lujadaaguia d'ou*.
urna das mais sortulas ueste genero, e qua
lesde seus principas usa este modesta
titulo; modesto porquu nunca foi estampado
neste jornal, e modesto pwque muis
olvidaro,_ por bavtr if_;ual uu una rasa da
pailo, no entretanto como temos direit
d antigoidade, vamos destwgoir o noss*
com algnns annuncios, para o publico sabor,
que a verdadoira aguin d'ouro o
urna loja de miudezas a na do Cabug n.
I*A', onde se ericonti.n um completo sor-
timenln le miudezas linas, e por menos
I Ojodu qnei'in outra qua.qiit'i'pWle, COUio
sejarn :
Guipeur com urna a dOM luguias preto
branco, fitas largas de lodas as cores c
com \islas.
Um rompido sortimento de enfeites para
vestido.
Fronhas comdivertas isciipi.oes.
Enft'iU> (lai-a c;ibeca.
Caixinis de Jacaranda forradas com seda
ccom cspellio na lampa, com a cempe-
tenie chave, pronrias {ora guardar
joias.
Entremeios transparentes muito finos e (Te
todas as larguras.
Atoaros linos para 50, 100 e 200 retrata.
Binoclos de chagrera e marfitn cousa niuitu
superior.
Espelhos dourados proprios para sala.
Um completo sortimento de leques de toda*
as (juadades.
Um completo sortimento de per fumaria
de todos os autores.
Luvas de Jouvin conslanlenien e fres a-
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
genero que tudo se Tender da forma per-
mitida, na ra do Cabug n. 1 A, agttia
d'OUro, de Custodio di Rento,
Grande
loja ile fa/endas e roupas frit
na da Imperalriz n. $%
porta larga,
DE
HIEDES P0IT6
Nese estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento fle
roupas e fazetidas de todas as qualidades
preCos commodos. tim sempre um boniio
sortimento de casemiras de cores e preta*:,
panno fino de diversas qualdades. brim de
bonitas cores c brancos de boa qualidade,
encarrega-se qualquer obra por medid c
preco muito commodo.
ROUPAS FUTAS
na loja da ra da Imperad iz 11. 58, por
larga, de Paredes Porto.
Tem ueste estabelecimento um bonito
sortimento de roupas feitas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejara
palitots de alpaca preta c de cores a 3$,
356 0 e 45; ditos de panno preto sacos a
65, 75 e 85; ditos de panno superior a
125, 145 e 165; ditos sobrecasacados de
dito dito a 185, 05 e 255; ditos de case-
mira de cor a 55, 65 e 105: calcas, coUetes
e palitots de casemira muito lina de cor a
20 e 255; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 25 a 65; ditas o
casemira preta e de cores de 45 at \t$;
cohetes de todas as qualidades; ceiotilas de
bramante a 15500,25000 o 85500 ; camisas
francezas de linho e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que en
outra qualquer parle ; colarjnhos, grvalas;
bonito sortimento de chapes de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a C5 a dugu;
pechincha neste estabelecimento pero
grande sortimento : todos os l'regwzes se
podero prover dos ps at a cabera por
preco commodo.
1AZENDAS
Grande sortimento, como sejam, clriUc
baratas a 300, 320 e.360rs. MadapoH5#-
fino a 75,85 o 105-a pe?a. Algodo (pe-
chincha) a 55300 a pe?a e oniras qualida-
des. Cambraia branca de todas as quaW-
dades transparente e Victoria de 35500 %
85 a peca. Lanzinhas de bonitas rres. al-,
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metra*.
a 285000. Esguio o mais fino possivel a
2550O e 35 a vara, e outras muiuts fazeit-
das por preco commodo, que seria enfadi*
uho mencionar, na loja do
LEftO DA PORTALARGI;
Paredes Porto.
i-i
A
Nova loja de calqado esrangeiro-
para homeiis, senhoras e
meninas.
NA RA NOVA N. 8
em freole a canabda do Carme.
Lvra d: Manna, tendo pela experiencia
adquirido a certeza de que o publico desh'
capital, eja mal servido, pa.falta de este-
beleam^ntos, sonidos de bons cal.cadn%.
situaram a, sua nov loja. na ra Nova n, & .
L,yra Vianna, convidam, por isso ao
tublico, e com especialidade ao'bello sexoi
ara, visitar seu novo extapelecime#to. d
calcado* finps, manufacturados pelos ma
habis fabricantes da Europa ; ali em
trarQ.sempre, tojas as quajidades de caj,-,"
cados, solidos pela b> manifaciuracSo,
frfscos,,pfjr serem muito poyos, e vendido*
por preco commodo. para, mtrecerera \
cojifianca d seus distincto? freguze*.
CoiBw^metm-SA a mandar, vir cuco;
inendas.de calcados especiaes, e a exjiil
aa obras de phantasia de mais apr.nr
rado gosto, aiini deque suas. distinctas
guezas calvara eimosliim sempre o cbiqao
da bQUa* r^BQea. stp s^n ra No
n. 8, toja q>: Qxposii alados 'le
Lyra & Vianna.
i
no)?.vacca toarina, froy
rir, com v
'numero 9,
\




Mi

Diario $
(HUME LIQ1IAC0
A
IiOJl
DA
72.
HKHnfl
Ba da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
que Arara v ai cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
QDE muito ha de agradar.
O proprietario deste estabelecimento, tendo grande porgo de fazendas em
ter, Vdi proceder ama liquidado em todas as fazendas e roupas feitas existentes no
estabelecimento, agora que occasio de quem tem pouco dinlieiro poder se vestir de
boa fazenda ebaratissima comosepoder ver no annuncio abaixo mencionado.
M\DYPOLO BARATO A 3000. BRAMANTE PARA LENCOES A U-
Vende-se pecas demadnpolao enfestado' Vende-so bramante com* 10 palmos de
d 12 jardas 3|S00, dito de 25 jardas ou largura para lences, a -2S. a vara.
22; metros SI, 0,1, 6$300, 70300, 8/5000 e I'ECAS DE ALGODaO A 40.
Venden,' pefas de algodao muito eri-
corpado -. ->, 60800 !&.
\. 15 RIJA
9,5000.
CUITAS FRANCESAS A 2S0 rs.
Vendem-se chitas fiancez-is para 'esti- Colerlnhos econmicos a 3*0
das a 280, 320 rs. o covado, ditas escoras\ lnzia.
muito finas 360 rs. o covado. ( Vende-so colerinhos econmicos
(Dhalia multo Uno ; Stt rs. a dtizin. s se vende assim barato
Vende-se clialin para vestidos ie seuhora | grande porcao.
CSEMIRAS DE CORES
I 320
por ter
800 rs. o covado".
PERGALES A 44A US. O COVADO.
Veade-se percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 440 rs. o covado.
atril ha utinas 44 rs.
Veade-se briihantinas ou mursulinas de
coros para vestidos de seohoras 440 rs. o
covado, iazinhas muito finas para vestidos
de senhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
UISCADO FRANCEZ A 300 RS. O COVADO
Vende-se riscado franco/ para vestido
de senhora SGO rs. o covado.
H/asiuhas a *4 rs. o covado.
Vendem se lasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de merino **.
Vende-se chales de merino estampados
/l e 25500 cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS AfiERTOS A 2 jVOO
Vende-se corfes de la para vestidos de
senhora, 25400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de coros para vestiu ^s
de senhora, 720 e 800 fs. o covado, di-
tas de listaos 700 e 700 rs. o covado.
Chitas priisslanasseo.
Vende-se chitas prussianas de -listras de
cores- muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PAHA COBBRTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
i 320 rs. o covado.
Halos de O .a 3 arcos
1*300.
Vende-se baioes de 20 a 30 arcos
Vende-se eazemiras de cores para catea
e palito! 2 S&OO e 34 o covado,
Algodao enfestado 1 .*.
Vende-se algodao enfeslado proprio para
lences e toaihas, 1;>, a vara ou 900 rs. o*
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vende-so brim para calcas e palrtot,s de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imitacao de ganga a 360
o covado.
Algotlo de llstras a O rs.
o corado ,
Vende-se algodao de listras para roupa
de esclavos a 200 rs. o covado.
CORTES DE ORIM CASTOR A 640 RS.
Veiide-se cortes de [ brim castor para
calca de homem, 640 800 rs. cada um.
CARTERA PARA VIAGEM A f&
Vende-se carteiras para viagem 1$
cada una, cebertores- de algodao 1$>00
cada um.
Cobertas de chita ISMM)
Vende se coberta de chita* de cores
15800 e 2\ cada urna.
ALGODAO TRANT.ADO DK EUAS LARGURAS-A
3200.
ende-se algodao- transado de duas lar-
guras, proprios para' lences e toamos para
mesa, se vende a i;*200 o metro.
Mantas para gravata *< rs.
Venderse mantas para gravata a 200 rs,
cada um, lencos de seda do flores, a-640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2550K
Vende-se atoalliadb pardo para toaihas
de mesa 2:>500 a> vara, toaihas escuras
Di CADEIA \. 45
DE
_______ Alfil &
SOB A DIRECgAO DO MUITO HBIL ARTISTA
* Laurtano, alftale.
Os propietarios deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
argente de ter na di recri de sua offieina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lanriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento nm bom sortimemto de fazendas proprias para
roupas de honro, como sejam.' casimira de c6r, indos padroes, completo sortimento de
pannos finos, prsio e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para cohete,
gorgurao Pekin, superior qualidade.
Os freguezes eneontrarSo ainda om variado sortimento de roupa feta, camisas
inglezas, collarinhos, enrolas, gravatas preta e de phantasia, meias para homens, sc-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
baioes de diversas cores e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigo* que a modicidade de seos presos incita a comprar.
A roa da Cadeia n. 45
I 10500 cada um, baioes modernos.,brancosU 4^, cada urna. Ua da Imperah-ra. loja
edo cores i M
ida Arara n. 72.
0 Garibaldi principia
Oertamente ha de agradar,
ue peio prec/) que vai vender
Ningnem o pode igualar.
O nroDi'ietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao respnta-
ve\ nubroeseus freguezes, qas tem recebido grande sortimento de fazendas e est
5iSement recbendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sommen-
S df SSm da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
qaer part! g^antindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatnz a. 56, doLourenco
Pcreira Mendes Guimares.
RIVAL SEM
Rita do Quemado ns. 4$ c 57
lojas de mmdezaz de Jfw de
Azel'vdo Mcrkt, est avahando
com a* miidezas de scu&estabe-
lecimentos pnrtsif& queram trpre-
eiar o q&e bottf e baratwsimo.
Pecas de tiras bordadas-cora 12
metros, fazenda s^eor-,- a
HifSOO, 2:v :',* e.....- 45000
Caixas- de. linter com-5(*nowHos 00
Paras de sapa&>s- do tiao?' fa-
zenda-nova a....... 35000
Pares de sapatos- dr tftpete
(s'grandes) a. .... 4 #500
DuKias de meias cruas psro'bo
mem a......- 30800
Tranoias- do R>k fozendi' boa
e pelo preco meiior 100 attos- a 200
vros de missSo-abreviadas-a .- 2#000
Duzade baralliesrancezoBHBto
inosa2$400e-..... SSO(
SilaliBrioportuguez- oom astast^
pasa........ mo
Gravatas de co*3s pretas*mtb
finos-a.......... *5O0
Redes pretas lisas-moito fisae-a (5320
Cartees com iooetes- d&'-lasao
fandaliaa ou..... #020
Abortaras do vidro> para- oolte
farendafina a. .- #500
Caixs com peana: d'aco> aasito
fi's a 326, 400;: 500-e ... #000
Carlles de linha /klex-andteqae
tc2O0jardb-a .... #100
Carreteis de linba Alex-andte de
7^at200a...... #100
Caixas com sagerMres sbreias-
demassaa. ^...... #04Q
Duzias de aguiha para Enchina "2#000
Libras-de pregos, rrjiceaes- di-*
verso tamanu au #240
Livros escripwado para, rol de
roupa a. ...... $120
Talheres- para^ auinos muito
Onosa. ,...... f#240
Caixas com pipel amizale muito
fino a....... .. #700
Caixas com 100iivelooes muito-
finos a. ........ #600
Poetes vol toados- para aieninas e
senhorasa....... #320
-Thezouras muito anas- para
unhas o ostorasa. #500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e #320
Varas de franja para toaihas- fa-
zenda fina a. y #160
Pecas de fita tranca elstica
muito fina a. ..... 200
Novelles de 1 inha-cora- 400 jardas 60
Resmas de papal de. pezo> azul
muito fioo a...... 2#500
G rocas de botes de lou^a muito
finos a........
CHITAS LARGAS A280rs.
Veadem-se chitas fraacezas de cores fl-
us a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLQ ENFESTADO A 3#500.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 35500, dito inglez de 24 jardas a
U, 6#, 6:)500, 7#300,85, e 10# a peca.
ALGODAO TRANCADO A 1#200 O
METRO.
DO
GALLO VIGILANTE
Koa do Crespo n. 9
(h nroprietorios rfesle bem conhecido eta*etc-
cinien, alni dos ahios >lij<.'Ctos que tinbaun-x-
postos a apreciarao do respcitavcJ publico, man-
daran) vir e acabam de reeeber peki ultimo vapor
da Enrepa un roinptelo e variado sortmenh> de
finas e mui delieadas especialidades, as (paes es-
tn resollidos a vender, eomo de seu cusame,
por preros nuiito bartinhos e commodos para to-
dos, cora tanto qne o Galio....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas c de mni lindas eores.
Mui boas e boni&s goHinhas e poRhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeites para cabeeas das
Exmas. seimoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqueUes braucos
com lindos desenhos, e estos pretos.
Muito superiores matas fio de Escossia para se-
nhnras, as quaes sempre se venderam por 30^000
a duzla, entretanto que nos as vendemos por 20,
altn destas, temos tambem grande sortimento de
oulras qualidades, en-e as quaes algunias muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marlim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pede desejar ; atm destas temos tambem grande
Suanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotiuhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
pira segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas do l a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
Wrt)a; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade o delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eneber
labvrintho.
Bons baraluos de cartas para voltarete, assim
como os tcntos para o mesmo flm.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnutieos conlra as cqnvulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes crianzas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todas os
vapores, afim de que nunca fahem no mercado,
como ji tem acontecido, assim pois podero aqnel-
fes que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros coliares, e os quaes attendendo-se ao fim
Saia que sao applicados, se renderao com um mui
minul lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preros muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
46C
Seboneteeh alcatrd.
M
Vendem-se algodao de duas larguras pro-
prio para lenco s e toaihas por ser mmto
largo, a 1#200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
300 rs. o covado. .
BRAMANTES PARA LENCOES A 2# A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
larirara proprio para lences a 2# a vara.
Chitas sazonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome arazonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
ouahdade s na loja do Garibaldi.
4 AOS SENHORSS DO.NOS DE COXEIRAS..
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de Ustras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ger muito largas, preco a 2#500 o covado.
ALGODAO ENFESTADO A 1# AVARA.
Vende-se algodao enfestado muito largo
nroprio para lences a 1# a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
500 rs. 0 COVADO.
Yendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propria para vestido de
MeOS DE SOL DE ALPACA A3#500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 3#500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 8#000 A PEQA.
Vendem-se pegas do brim lizo de Hara-
burgo com 20 varas a 8#, 9# e 10# a peca.
Cortinados para Janellas a *#.
Vendem-se cortinados para janellas a 70
e par, ditos para camas .francezas a 14# o
cortinado.
Cangas para calca a a.<* rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cOres a 400 e 440 ss. o
covado.
Laslnhas de quaorlnlios a
40 rs<
Vendem-se 13asinhas. de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280. e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em la da listra
para vestidos de senhora a 640 e 800 rs.
o covado.
CORTES DE LA A 2#480RS.
Vendem-se cortes de 15a de listra arpa
vestidos de senhora a 2#400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se 13a chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemlras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
6 azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 */* covados d urna calca para ho-
mem pelo preco de 2#500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
SOO rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 1#500.
Vendem-se baioes de 20 e 30 arcos a
1#500 cada um, por este preco so na loja
do Garibaldi, n
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 1#200 o metro.
BALES MODERNOS A 50000.
Vendem-se baioes modernos e de cores
a 5# cada nm.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
I0# e 12#, na ra da Imperatfi*, loja do
Garibaldi n. 56.
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitacSo tem merecido n'ssta provincia,
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e tedas as
molestias de pelle.
Deposito ufiico,
Pharmacia de Bartholomeu 4 C,
34na lanra do Rosario34.
Libras e ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da ConceicSo na loja
Vurives, no Recife.

GAZ CAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de ca
de primeira qualidade; o qual se vende em partida?
e a retalho per meno preco do que em outra qual
quer parte._________________.^_____
Batatas baratas
Vende-se a 800 reis o gigo, ra
Madre de Deus n. 22,
A' exposlc&o
A loja de calcado na ra Nova n. 8 em frenle
cambda do Carmo, tem grande sortimento de boti-
nas para homem, recebido neste ultimo paquete
e vende barato___________________________
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida Exposifo Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparares
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1#000 cada frasco na
PASTILHAS ASSUCARADAS
DO
DR. PATERSON
De blsiuutk e magnezia.
Remedio por excellencia para combate^
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
POFTJLAP.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de ebegara este mercadurna pos^ des-
te ptimo rap, nico que pde'Supprir a falta do
princesa de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E' fabricado om superior ftimo e peto melhor
systhema conbecido, tendo tambem, a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
ciahdade. as pracas da Babia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o *p Popular sido asss
accolhido, e provavelmene aqui tambera o ser,
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-se
veuda por preco commodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
B 0/, e de SOO libras para cima o de 8 0/0 : no
scriptori de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra ao Conanrcio n. 17.
(ii.m 197.
Vende-se a verdadeira graxa do bem conbecido
abricanto Dav & Martin n. 97 : no armaiem de
i. A. MoreiraDias, ra da Cruz n. 26.
manteiga ingleza a 800 rs. : na ra da Maugueira
numero i:
IH-MA BA
i
-l Si
ANDAR.
CHARUTOS
Os melhores charutos da exposico e variedade
de outras qualidades, finos ; encoatfa-se no hotel
Central de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
rio n. 37, '! andar, e ma eatroita do Rosario d.
4 A. Vendem-se a retalho e em grosso.
Vende-se um excelleale sitio na estrada do
Rosarinho n. com boas baixas para t: m, $
com bastantes fructeiras e boa ow> de mor ; %
tratar no mosrao,
1ASSA e XAIOPE
DECODEINADEBERTHI
Preconitados por todot os mdicos contra os I
DEKLUXOS, CATHARROS, E TODAS AS|
IRBITAgOES DO PEITO.
V. B. O Xarope de Codtina que mereco a I
honra, alta bem rara entre HOtot, de ter registrado eomo um dot medica-1
menloi offieiaet do Imperio Francet ditpema^
qualquer elogio.
AVISO. Por caos da reprebenslrel fali-|
Occao que tem tuiciudo o felii resultado do!
Xarope e masa de Berlh aomos fojeado al
lembrar queesiesmedicanieutos taojuslaiucnlej
coocciiuodos so se
Tecdcm em caixin-
bas c fnscos levamlo
asigualura em
frente.
>46, Rut det colet, e Da Pharmacia Central I
4t Franca, 7, Kue de Jouy, em Pai, e em|
toda as Etiaruiaciai principos doBraiil.
Grande c completo sortimento de machinas pira
desearocar algodao de nova inven cao chegadas l-
timamente em direitura para a loja d-' Manoel
Bento de Oliveira Braga & C, na ra ireilan.
53. Garante-se que 6 a melhor qualidade que at
o presente lem vindo ao mercado : acham-se em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento^de pesos kilo-
grammos de melhor eomprehensao dos que tem
vincate o presente, assim como marcos de lalao
ate ineio grammo pelo mesmo systema, bataneas
de lato de forca de 5 a 20 kijogrammos, metros
de madeira e de latao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de miodezas e ferragens de
todas as qualidades, ludo por preros que s a vista
faz crdito : na ra Direila n. 33, loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga 4 C.
POS DE ROG
Approvatlot pela Academia imperial
de medicina de Para
Um frasco do a*4a de Rog, dissolvtdo
em urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo cerlo, sem causar a menor
irritacao como acontece com a maior
parte dos outros purgantes. Os Pa de
og, sao inalteraveis' por isso empre-
gum-se fcilmente em viagem.
Druiilt cm '',o-'',,";",0. Duponchclle; Chcielot.
|v I en Fkiwavicco, ilaurer C.
AVISO
aos cmvalescentes e s pesstas
fracas e debilitadas
0()Uinium umrmquc spprovado
pela Academia imperial de medicina de
Paria o tnico por exceUeneia.
. .. I em Rio-Jmano, Dupvclellt; Chcvdrt-
*w j om ItaxiMBeo, Uiurer i C".
KOVA ESPERANC
21-= Ra do Queimado 2)
Advertencia!
A Nova Esper?nc,a, ra do Queimad
n. ti tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-'
co, que est resolvida a vender suas mer-
cdorias pelobaratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das qne
tem: assim pois, venl.nra os bons fregue-
zes, e os que nao foreni vcnliam ser fregue-
zes, em tempo tao opportuno quando i
NOVA ESPERANZA convida-os pecbincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
peraaca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Espera nra roa do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j linha,
acaba de reeeber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para eneitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultim
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de
seda e de laa, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes nevos
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem cites.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camorra e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madrcperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas roa do Queimado n. 2f, n>
Nova Esperaoca.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convul^es das
creancas.
Nao resta a menor dwvida, de qne mmto
collares se vendem por abi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae moito*
pais de familias nao creem (comprando-oa)
noeffeito promettido.o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperance porm
que detesta a falsificaco principahnente no
que respeRa ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collarea.
e garante aos pais de familias, que sao o-
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
?as tem salvado do terrivel incommodo di
convulcoes, assim pois preeise, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
i. 21 comprarem o salva vida, para sen*
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entSo ser d-
fficil alcancar-se o effeito desojado, embora
sejam empregados os verdadeiros collare
de Rover
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galoupean.
Deposito especial
Pharmacia de Barthoomeo & C.
34-----Ra larga do Rosario-----34.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra. ^^
Vende-se m casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicaco as creancas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e omitas vezes fatal soffrmento. *
NICO DEPOSITO
NA
Pharauacia e drogara.
DE
Bartbomeu & C..
SARna Larga do RosarioSi
BAZAR UNIVERSAL
O Ra Xova 'O
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por preces commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicao servicos a electos para almo-
co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e 'malas para viagem, iudispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima deroesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para faier caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, berros, cadei
ras loogas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gua-
cia comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
iara sala e a esa, tapetes para sala, quarto,
rente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que.se eneontrarSo
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a peni ir examinar.
Vendem Aug
Commercio, n. i
sto F. de Oliveira & G. i i>
Vendr-se
^.VGIRMftty, j
Aieg ai-vos myopes, e presbytas, ). po-
dis ver de longe, ja" podis ver de parto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de reeeber pelo-Biti-
mo vapor um rico e variado sortim- ate de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, tor-
goons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
aro, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invenga*: duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, ludo dus melhores fabricantes da
Europa.
a-taberna da ra de Hortas n. 43, em virtu-
de de seu dono retirarse para fra : a tratar
ua;mwpa,
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchiSes
catarrhos, tosses convuisrvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
Y>:\5>E-SE
PrLUlMACLv' E DROGARA
DE
Barthoiomeu de C.
34RA LARGA DO ROSARIO-34
ATTECAF^
No armazem de .David Ferreira Bailar, rna do
Brum n. 92, tu venda os sesuiBtes gneros por
presos razoaveis :
Bollnetes debtalo
proprios para barcacas e hyates, muito superiores.
Vlnho do Porto
em caixas de dazia do garrafas, e em barra de
dcimo, do Porto, muito fino.
Farinha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lonxa
muito proprias para lavasen de louca em ce-
linhas.
Libras sterlinas
Ha para vender eiu casa de Aroorim Irmos A
C, ru da Grux n. :t.
PEDRAi
Nuinim
Vendem-se pedras marmore, redondas, proprias
para mesas de h otis e casas de pasto : na ra da
impcratrii n. 69.
Potassa da Rsala
amis nova no mercado, a preco raznavel: na
ra do Commercio n. 13, armazem de Manoel Tei-
xeira Basto.
uma porcSo de metal velho, proprio para fnndicao:
na ra de Aragie n. 17,


Diario de Pernambuco Segunda feiru 19 de Jullio de
1869.

\\
F
M
i?


CQordeiro providente
Rna do Qndmado n. l.
*Novo e variado softiniento de perfumarias
finas, e utros objectos.
Alera do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida i
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dafle, qualidades e commodidades de pre-
5os; assim.pois, o Cordeiro Prerdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray 4 Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos memores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conserva^ do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidad o chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e meneres, coa
pomada fina para cabello.
Frascos cera dita japoneza, transparente
e oulras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
(rancezes era frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel c*e-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igtial-
nente inas e agradaveis.
(Meo philocome verdadeiro.
Etracto d'olea de superior qualidade,
com escolhidos che ros, em frascos dediffe-
rentes tama n los.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para toaos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras fe meninos.
Ditos muito finos em eaixinha para barba.
Caixinhas cora bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de msdeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito -proprias fiara pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfuman as finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novoe eelegantes, com pode arroz
e noneca.
Especial p de arroz sem coraposirao de
ebeiro, e por-isso o mais propriopara crian-
zas.
Opiata ingieza e franceza para entes.
Pos de oaraphora e outras dilferentee
qualidades tambem pata dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mato coquee.
't outro sortimento de coques de no-
ves e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estae todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOLUNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fivellas c utas para ciatos.
BeMo e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que d melbor se pode encontrar neste
.genero, sohresalimlo os delicados ramos
-orvathados para coques.
QUE SE LIQIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
aoaioa m niai?aiaaTO(iao. $
DE
F.R1 O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
ntal a vir surtir-se do grande sortimento que lera de fazendas, tanto da moda como le
fet, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociara era pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
podero fazer os seus sorttmentos em pequeas ou grandes poredes, venden lo-se-lhes
pelos presos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
ias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as faxendas, ou se lhe as mandam
evar em sitas casas peles caixeiros d'este estabelecimento, que se acba aberto con-
stantemente 'desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
*6 ^ltlMA**
Vinho degestivo de
chassaingf
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
emedio por excelleacia para cura certa
das digestes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as forjas
produzindo urna assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais um exceHente tnico.
VEVDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholomcu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNOICAO DOBOWMAN
Hita do Brttu a. 9.
PASSANOO O CHAFARIZ
Tera sempre deposito de todo o ma Cinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de aanna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Taixas de ferro, batidor fundido e de
cobre.
Alambiques.
Ara'los e instrumentos.d'agricultura.
Desearocadores d'algodo etc. etc.
Jlavendo em tudo variedade de Umanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
Explendido sortimento de
Alpacas lavradaa de cores a .
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na leja do Pavae ra da taperatriz a.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavraas
com -as mais medernas e bonitas canes,
proprias para vestidos e roujws para meni-
nos, tendo entre ellas azul, 4yrio, rdxo, cor
de oanna, verde claro etc. e os'lavrores
muito miudinhos assentades em urna so
cor; para se poder retallar esta faaenda
pelo barato proco de 560 rs. o covade, foi
preciso faeer-se urna grande compra -deste
artigo, o qual grande pechincha.
los des ral covades ie cassas
franceses
Covado a 300 Covado a 330
Covado a 800
Covado a 300 Covado -a 300
Covado a 300 rs.
Vende-sena loja do Pavo raa -da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidede de
mil covados para vestidos, tendo padrees miudos e gra-
dos, assentanos em todas as cores, estas
cassas sao propriaraente francezas, tendo
Vende*-se duas barracas de 24 caixaa cada
urna : a tratar uo escriptoria do Sr. feao Pereira
dos Sentos Farofo. largo do Corpo Santo n. 27.
XAROPE PEITORAL
DE
RABO DE TATU'
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e reconwnendado as
afleecoes do peito, bronchite enronica, he-
moptise, e tosse chronica.
PREPARADO POR
JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
PHARMACEUTICe
Pernambuco ra larga do Rosario n. 10.
Vende-se terrenos de prodnceao e com
arvores fructferas e prximo a esta-
rlo dos trilitos urbanos do Recife
Olmda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirigir-se nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Joao de
Barros, e nos demais dias, ra da Impe-
ratriz n. 68.______________________
TEtHAS DE ZfflGO.
Vaadm-se telbas frandes de taco coja 'gum
uto : na ra da Imperatriz a 69.
qua.si romo a cbita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Uspartfilhos a 3SAO na loja do
Pavo
Vende-se am grande porco de esparti-
Ihos modernos com o competente tordo,
tendo sortimento de todos os tamaabes, e
vendem-se a 3 cada um.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3*600, SO
NO PAVAO
Vetuk'm-.st.pecas "de madapolo eofeetado
com l jardas, sendo muito incorpado.pelo
barato prei;o de 3^600 ris, assim como
pecas de algodaosinho cora 16 jardas
4:>00 e 5,5000 ris.
mm pecihim
EM
PERCILL1N
A pateca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vende-se urna ^-ande por^So de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padrSee miudos e
gradt-s e vende-se pelo baratisskno preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar est.->
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo prego para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1 Chcgou para a loja do PavSo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p (as de bramante com 10 palmos de lar-
gura, 6endo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-ge pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazemia, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA 0 INVERN
DE 30O0 OdOOO
Chegou para a loja do Pav5o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
l de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 3 at f>',orO cada um, em rela^o s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCAO
AS PECHINCRAS QUE SE UQUIDAM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 3000.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 34 e 4000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitacSo
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, caima, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo pre?o de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, senao
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavo. ra da Imperatriz
n 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestido* con dnas salas a *04

ATlO
l-OJl DO
Chegou pelo ultimo vapor francez, umJ
grande e verdadeiro sorwmento das mais
modernas e mais finas casemiras para al-
cas, -paletots eoletes, teado lisas, cora lis-
tras e cora listra ao lado, tendo para todos
os .precos, e alianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra quaiquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer quaiquer peca de ebra, a ventado do
freguez, para o que tera um bom alfaiate.
Aosijumhentos paltots -
a 18^ e20S000.
Na loja de Pav5o ra da Imperatriz o.
68, vendera-se urna grande porc3o de pa-
ltots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, eendo obra
rauito bem acabada pelos baratos precos
de 18-5, ^endo forrados de alpaca, e de
*W forrados de seda ; esta fazenda a nio
se ter comprado urna grande compra, seria
para muido mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos .precos cima.
POUPEUNAS A 800 RS. O COVADO.
Na loja'do Pavao, na ra da Imperatriz
Tintura indelevel para Ungir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem eoaceituada agua-florida dettuts-
tain qoe eotSo era deswnhecida em Per-
aaailwico, } boje estimada e proaurada
^por sen eficaz resultado, e aiada mais se-
r, quando a noticia de seu fecm etfeite e a
experiencia tornar de todos conheerta.
A agua-florida de Guislain composta uni-
damente de vegetaes inofeosivos, iem a
propriedade extraordinaria 4e dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quaade esliverem bi an-
cos, e lhes restituir o brifco penlido, e as-
iim como preservar de eaBbranqueoer, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm aecessario fezer conbeeer, que
o bom resaltado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, eemo mutas pes-
soas tal tez sopponham, >mais sim -ser pre-,
eise fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o flm desejado, eomo bem
prevam testemunhos de pessoas isuspei-i
transparentes e tapadas, com tanto corpo *- W, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelic-is ou laazinbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
e creanoas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padro6 com listrinhas miudi-
ahas, que-se vendem pelo barato preco de
OO rs. o covado, pechincha -que se acaa
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
litas transparentes tacto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largara, pelos
precos do 50000 at WIOOO a peca, assim
cono finissimos organdys branca liso qae
serve para vestidos de-bailes, por ser muito
transparente a 15000, a vara, na loja do
PavSo ra da Imperatriz n. 60, de Feh Pe-
reira da Silva.
Cortiaados
Para camas e janeilas.
Vende-se um grande eortimento -eos me-
lhores e maiores cortinados borda63s pro-
prios para camas e para jaaellas, que se ven-
dem a 42000 ra. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira 4a Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N-. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente fortido das me)hores roupas,
sendo calcas paltots e eoletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na resma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
quaiquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e no sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algod5o e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-He vender mais barato do que em
oura quaiquer parte. Na ma da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
0 atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
-om 8 palmos de largura, adamascado a
25200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperiora 35200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 45500 a duzia e muito
Inos a 85000, e ditos econmicos a 35500
i duzia.
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-1
lain
tas, e d'enfiw por diaate, basta asa-la duas uito costo,
vezes por aez, contando sempre ora o bom
xito, po-deado a experiencia ser feita em
mtr qualqner cousa.
Assim peis esta agua^lorida acae-se ven-
da na bei conhecida loja d'Asuia Branca
Ditos com ditas de velludo, outros i m
tasdo charae maofietado.
Ditos coai ditas de maiToquim com cruz
e guaraicae, dourada ou prateada.
Coreas -e tercos de cornalina.
Assim como.
Gfjffide e bello sortimento de leques
todos de madreper*ta, madreperola e seda,
samtelo, sndalo eda, osso, esso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
cora 4 vistas, e-eatros japonezes enfeitados
decores.
Sonitas voltas grandes de aljofares azues.
\oltas de ceiirente de borracha^
Meias de seda para nwoinas e senhoras.
Ditas de fie de Escocia abertas, tambem
para meninas e -senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, airas, e
oruas para moniaas e senhoras.
Lavas de o d'Escocia, tarcal, e seda
{para meninas -e -senhoras.
Meias de laa para beraens, mulheres e
meninos.
Gollinbas egjunhos bordados obra de
m'WlIffiJKW'lM
Kconomfn. ntfdndc c moderno
mercado.
fJIEGl'ESI A' PECHUCHA.
Btes francozei, iros nequeni* e |raa*
-, para aenbora, a .i#^*^
Casemiras ingleiu, (Quitos padrScs, tota
listrat largan, rviiJo i^.'CO
Ditas fninc,'.':.<. kkm idem, cora U-tru
largas, covado :ne
Ditas ditas i.o-c!adas cw 8KW
Baronczas largas cora listras & ?eda para
scnliorai e proprias de raoututa, *o-
va.1n.rs. 909
Paletots (!o alpncn pelos c de cores 43o V^.^.O
Alpacas lisas de cores mt'ilo finas e bons
gustos para senhora, covado, i>-
Caiiiliraias de cores, VMtaic padrS^
covado. r.
Ditas de cores, mais dnas, covado. r*.
Ditas miadas, meaprnas, IhristUnas, cotaj
do, rs.
Ditas de lrres grandes c l'.tias, '0-
vado. rs.
Colarinhos de linho de diversos gosT
Ditos de dito mtifto Ihw, eUffdos no p-
timo paquete, rs.
Chitas eka, batata)tas, tacadn rs.
Ditas escuras, liellos padres, covado
Ditas coloridas, liuas, proprio para familia
covado, rs.
Ditas riscadinhos, variados padroes, co-
vado, rs.
Ditas escaras econmicas, covado, rs.
Ditas de boa compotiejh) de tintas, covado
Ditas claras econmica*, covado
Roupas c mais artigos que Be* a pedido da res-
peitavel freyueaa, dando-se am&-tr^ di' tudo.
Veaflem-M saceos cota tariate de mandi)-
ca : aa travessa do Queitnado n. 18 B, loja de
Haia Je Landino,
ESCRAVOS FUGJiOS
SCO
M
0
400>
i-OO-
UO
i*0
KQQ
460
300
360
310
340
A Agola ^Branca, cantando coma proteo;
c5o de sua boa fregaesia, tamben capricha
em n5o Ih'a desmereeer, proconaado sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honrara, e em prova ao que fiea dito, d
como exeraplo o esplendido sertimento
que acaba de receber, ainda roesiao achan-
do-se belfamente prvida do que de bom
e melbor se pode desejar nos gneros que
o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios lvrosde missa
e orace, obras de apurado gosto e perfei-
{5o, sendo: com capes de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos cora ditas de marfim igualmente
"onitos.
Entre-raeios fines tapados e* transparen-
tes com detcados bordados e proprios
yara enfiar fitc.
i
E OS PROBftaOSOS
Anneis e cenares Boyer parc -o.reanfas.
Bonitos oabases ou bolsn'as de pelica
o setim para, meninas ou senhoras.
Lindas cestinbas bordadas ajjpoco, e lisas.
Delicadas carxinhas devidro enfeitadas
tam pedras, afipfares, etc
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuas com msica.
Pinseis ou binecas para poz Novos e deben dos rajaos de llores com
[tmarrafes para-enfeitar coqaes.
Bello sortimento de traatas de palha.
Fitas largas;iara cintos.
Cintos de fitae largas com bou .tes rama-
gaos.
firinicas e alfinetes de ndreperala.
f)itos esmaltados, obras novas e bonitas
v*i
00801
008
OOS
goo?5
08
oom
ALPAClO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 1^000
Na loja do Pavo, vonde-se saperior alpa-
co ou gurgurSopara vestidos, sendo n'es-f
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo prego de !<000 o
covado.
MoTldade IVorfdade
GLRGROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ OT JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do PavSo, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurgures de seda,
para vestidos, tendo padroes miudjpbos e
grfidos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam,erde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem V
mais pbantasia do que estanqese vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
Jkbadinhos baratos na loja
o Pavao.
Vefle-se urna grande porco de baba-
linlioi de todas as largaras, sendo com os
baados verdadeiros, por urna terca parte
Chegaram paia a loja do Pavo roa da de preco que se vendem em outra quaiquer
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes loja, so com o flm de acabar-se com este
de poil de Chevre com duas saias para ves- artigo, assim como tambem se vende urna
tidos, sendo n'este genero o que na de grande part^ d'entremeios. pelos mais li-
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se mitades precos para acabar, na loj4 e r-
pelo barato preco de $0 Flix Pereira da Silva. do Flix Pereira daJilva.
0080*
OO^
00?
OOS
008
? otajioa eaed odb ap saojog
........PIJS8A
ap ranjqop me ciu ap s ' souanbad sotia
........ epeunop
ejnpoui raoD sspuBjg Soujadb-a
ojaid opoj 'Boao op seaauug
suaj)Jo g sajaxjoo moa ogtKQ
e eiznp SBpjcf o? ap buuii
b ajanoo e'jed SBJnpBoioqy
.........e era
-np euauoq BJBd setu3 sei^iy
........0#1
'008 '80f sojiaqo raoo soosbjj
b oquod ejed soojoq op sdJCj
"sobu! ejBd soauBjq sou^
eqooa i'juij moa sbjbjjbq
()9t
OOW
0000*
OS
o?c
00
OO80t*
091
00
o?ef
006
e B3no| .ap soojpq >p ezojg
auiAip enapaioo ejaurco
'' "o 008 'WL *009 'OOS
c soiau-a.iiua o soqcipcqeg
" 9-005 OS 'Otl "08 f S9P
-epuanb ae sepoj ap ajauoqBS
b esoqeq ap oa',o rao> soosbjj
.........B SBp
-,iBf rjov moa B'|ai] ap aoa.\o_sj
Jeqjoq BJBd staiuq ap euqn
' a sj oo e *jn>, moo seasejj
* t seqo.
o BJOisoo eaed scjnosMU
.........B SBU
-IGeUI BJBd e6*a\e.iTop ajeoj
B CJ|apBpJaA Jfl.\!,J
Acta-e fgida ha oito %ezes a preta *+
crava, de nacao, ae nomo Mafta,com 40 annos do
idade, baixa e cor fula, cdns*u que diz ser forra, a
anda*enden(!o na freguevla, da Roa-Vista, eoift
ama bandeja pinuda ta encarnado, cora qu
fugjo : grali&ea-se ti-tu -uein a apprehend'
lex-a^a a ru;i Imperial a. '103. _^____
Est lugidovdosd o dia 15 ejanei-
ro do corrente injM, o tsi^avo Filippc,
mra os signaes segu otes: cabra, dada ''
a27annosmaisurnenoi, vorpo e altara
wegular, sobrancclhs pelas c serradas,
cabellos enroscados, o aoabocolados, que-
rendo grjpcipiar a barbar, ;i> vc?es inclia-
Ihe as pernas. ton? urna marca de caustico
do lado dH-Oto sobre o figado, qu.nndo
anda lica duro e com passas ava rados
lera o ventre um pouco cescido. pescoc
grosso e muito resista, q (JUando iom du-
que e torro, e tem por cusa me
o nomo, eb. -lar a camisa fura da
Ese-escravo ja foi preso o esleve ,
dflia, por andar fngi.Jo, levoo no corno
cala de bnm de quadriooos preto, camisa
de madapolo,chapeo desapret rcdomlo.
e natural do logar Canbotinho da < omarca
de S. genio tiesta provincia, a foi ewravo
do br. Eduardo fose Al ves de Mello, mo-
rador no momo lugar. EMe
foi visto em ('.loria do Coila
Pau d'Alho. e en Limoeiro
que, se conserve uestes
seguido para o cendro ;
dades. pliriaes e
trocir
calca,
na ca-
i escravo j
districio do
presume-sa
lagares, ou teuha
pede-se as autori-
aos Sis, canilles do
campo a captura do mosmo escravo, p cu-
trega-lo ao seu senhor Jos de Miranda
Cunha morador no Recife, caes de Santo
Amaro, sobrado n. 2, do fallecido Maro-i
Custodio ou na ra da Cadeia do Recire n.
^jpj! o mesmo gratificara gaoerosamentc.
BmcfD ap bti8b moo soosbjj
sa^umSas sooajd sopd sopm
-spap oxiBqB sooafqo so opireuitanb B^sg
IVaOdMX VH13H0M
od viia-ss \
Nvxatiiiii
ss '.v-oflVKiano
IVtfOdML
CENTRO
DO
MUNDO ELEGANTE
DE
(MUJO k
46-RUA NOVA-46
Bellurmino
^Sl^Sn ,il;' ,8 de n'ai(> d0 wrreD,e an-
no,oescra\oR;-!larniim)>eahra escuro, de Idada
n '.l. "'," S ? se,,(0 d0 eor'i0' s0'11 barba, pf
giaudo tem oslado nestt cidade, e o seu rraier
elle m Aumnhc para a fregdczia da K^cadi
onde foi elle erir.io. ,. .onhecidc quem o pe^
gar o levar no referido engenho. ou Berta nrac
tilicaSo CrM n""'l' a"dar' "** bS"
Os proprietarios deste elegante estabelecimento, vidos de bem sahsfazer ao
respeitavel publieo, tanto na perfeico de suas obras como na escolha dos objectos que
tm expostos venda; mandaram vir de Paris, por conta propria, diversas fazendas
aviamentos finos, os quaes a par d'uma hbil thesoura, tornara completa a perfeigo de
quaiquer obra que seus freguezes se dignarem encommendar-lhs.
Entre as diversas fjzendas de gosto citam-se as seguintes:
Panno fino preto Imperial.
Casemira preta Elasticoliua.
dem azul dem.
Merino escossez preto.
Dito romano cor de cal.
Casemiras escaras finas.
Brins brancos encorpados.
Ditos ditos com listra de cor.
Ditos finos da cores.
Gorgurao preto e de cores o de padrs
novos.
Colarinhos bordados e lisos.
Alpacas pretas e de cores.
Camisas inglezas finissimas.
dem idem finas,
dem francezas idem.
Punhs de linho e algodo.
Gravatas Regates pretas o de c6is.
Lencos embainhados brancos o de cores.
Meias, ceroulas, camisas do meia, coixas
de'fustao, etc.
0 que vendem por precos muito razoaveis, com o fim de angariar freguezes:
convidam p rtantajtao Ilustrado corpo acadmico se digne visitar seu estabelecimento
para melhor certificarem-se do que ddxam dito.
Este adniravel
|llppuraliio nato
contera emmer*
rurio, iodo OH !
arsPilico; um
___Ifijiuroso modifi-
Jm s angu e eura rinHcalmenlp as aaolnlins le p. l\, (aes como a Ipprn, as mpiee ns, as herpes, as L
epi*| 9tm#, ele. -Empreado diarh-nir rile refreir a musa do Mugue e consolida o sattde. ]
RJEGCAO CAOET Ctt,a^A^0"1^10' "*"ou meD,n'
i t f
vam, 7, h*
rugiram no dia 25 tlopassado mez, i
escravos dos rngenhos Conceicao e Piu-
bela do termo Serinhaem, pertmeente um
de nomo Jos, ao majar Manoel Germano
Bezerra Pereiaa re Bastos, e outro de no-
m Luiz, perlenccnte ao Dr. Jo.- Eugniio
da Silva Ramos; o primeiro tera os sicnaes
segrales; cora ;t0 e tantos anr.os de irfudo,
cnoulo, hai.xo, cheio do corpo,'cor fula,
rosto redondo, tem marcas dt chicote as
costas o na? ndegas, luvou camisa de ris-
cad.nho verde j vea, calca c jaqueta, e
chapeo de bata : o segundo crioulo, idarla
20 e tantos annos, estatura regular, b^n
preto. rosto cheio, beicos git>s.sos. olbos
grandes c abotinados, cachaco grosso, cora
marcas tadas do lado direito, levou camina de ris-
cado de algodiio. com grande remend as
costas, scroula de algodo de sacco, e urna
copa de chapeo de palha sem abas.
Estes escravos foram comprados h ara
anuo ponro mais ou menos, na cidade do
Recife. Qocm os pegar queira api exnta-
los ao Dr. Joo da Silva Ramos, na cidade
do Recife, que ser bem recompensado.
" AVISO
s autoridades policiaes, ao.i
capitaes de campo, e a
quem mais competir.
No dia 29 de maio do corrente anne,
fugiu o escravo Ezequiel, crioulo. de CO a
32 annos de idade, estatura regular, refor-
cado, cor bem preta, cabera redonda, tra-
java carniza azul e calca de casemira cin-
zenta: durante o dia costuma andar ga-
nhando as mas, ou armazens de assucar,
ou as tabernas a conversar e a beber; du-
rante a roitc recolhe-se a telheiros, aber-
ras ou penetrareis, casas em construrrao e
outros quaesqcer lugares, onde se p.ssa
abrigar : quem o apprebender tenha a bon-
dade do o conduzir ra da Auroran. 2ff,
onde ser gratificado. Segundo s infor-
macSVs, parece estar em Serinhaem, nos
engenhos prximos respectiva villa.
Escravo fgido
1 agio no din 2 de julho, o eabra por nome F-
nx, comprado ha dias do mez pausado ao Sr.
Eduardo Penira de Souza.de Agua Branca, tercio
de Flaneo, com o< signaes seguintes: cor eabra
escuro, ida* 85 annos, estatura recular, cheio do
corpo. cara larga, mal encarado, olho.i fundos e
quando olha de revea, tem falla de denle no
queixo de dina, sem barba, falla do-rincada, le-
vou chapeo (le conro, cala de brim par*, camisa
de. algoda-izinho, dizem <|ue val em fferAi ao
f!rl,aoVnFugio n,ais no dia 2i- m,ll;i'" M;.rnho,
idjde 40 annos, alto, caLvllo piulando, barbado,
um Unto amarello, anda a titulo do urxeurar le-
nhor, fui comprado ao Sr. Luiz Bnruatho Cval-
c:mii, morador no lugar P Serra, prximo Tin-
balia ou S. Vicente, dizem que anda procurando
senhor por onde elle foi a dt
brim, cami-a de ehiti, chaao de rhile velho:
quem apprehender ( iw-os ero
casa do abaixo asslgnado, roa da Imperatriz n.
que ser hem recompensado.
Jos Lopes Albciro.


8
Diario de Pernambuco Segunda feira 19 de Jalho de 1869.
!$
GERAL
**.
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
SESSO KM 16 DE JIMIO. "~
HiLiUKSCl\ DO SR. VISCONDi: 1)1< CAKA-
(' IMW.
0
(Ciiiiliiiii.u-o)
0 Sa. Ferhbika de Ag iar E sanos
rfts que temos de eleger o presidente Jo
Paraguay? Nao, oste tem de ser eleito
pelos fiinos tlaquclle paiz e nao por nos.
'Apoiados.)
Se os Paraguayos tem re eleger um go-
vsroo, se dr ve-se Tazer a eleiro desse go-
varao de conformidade coin o direito das
gentes, e, sera presso dos vencedores, nao
tiprovavd, mas nao impusMvel a elti^ao
de Lpez ; o se isto acontecer leremos nova
guerra ?
O Sa. .ularibe: E' iiiadmissive! a hy-
pothese. (fia outros apartes.)
O S. Ferreira Auuar Tudo o que
se est fazenoo apenas concorre para se
dar a Lpez urna importancia que elle nao
tem ; dir-se-hia que se trata de Napoleo I,
o grande capitn do sceulo, e que a Euro-
jw colligada nao admitte paz, com elle no
tlirono da Franca.
O Sh. Duque-Estrada Teixeira d um
aparte que nao ouvimos.
O Sr. Ferreira de Aguar :Nao posso
ir t to longe eslou cansado.
O Sr. Dique-Estrada Teixeih.;:0 no-
E cssa recusa, M'ulwrcs, se deu justa-'
mente quaudo a provincia de Pernanibuoo
acaba va de fornecer'aos cofres do Estado
ama renda liquida de 1 ,000:000^000.
O Sr. Jac aribe : EntSo as cireums4
tancias do tliesouro eram muito me hores.
O Sr. Ferreira de Aguiar :Eu reiro-
me actualidade, quando a provincia de
Pernambuco dava aos cofres geraes esse
avultado rendimenlo, o governo se recusa
va de acadi-la tra ama necessidade urgen-
tissima.
Felizmente, senhores, nesta trsl; emer-
gencia Pernambuco nao foi de todo esque-
cido ; S. M. o Imperador dignou-se de abrir
ainda urna vez a sua.rao benafaieja e dar
urna prova de sua nunca desmentida cari-
dade, enviando recursos pecuniarios aos
pobres que foram victimas da clieia.
Sr. presidente, extou (aligado, e a cma-
ra o deve estar muito mais do que eu (nao
apoiados,); vou, portanto, concluir. Sel
que as minhas observares e opinies nao
agradei talvez a muitos (nao apoiados), tr-
ullo, porm, a certeza de que agradei
miaba consciencia e quelles a cujo voto
e confianca devo a cadeira que oceupo nesla
augusta cmara. Contento-me com islo.
(Muito bem, muito bem.).
O SR. BARAO DE COTEGIPE, (ministro
da marraba) :Sr. presidente, o honrado
deputado que acaba de sentar-se, protes-
tando a sua adheso a poltica, que hoje
governa. todava no correr do sen discur-
so articulou taes queixas e reslrieees que
masixlvuraei a convencer-me do quoo hon-
l^^PS1^.!??. r^l^i0 f0ltg"- ido membro apoiaudoa si.nac.5o, nao apoia-
e alm disto acaba de ir Fran<;a.
O Sr. Ferreira dk Agotar :E' justa-
mente por isso, cansei com essa viagem.
Sr, presidente, moito mais poderia es-
ieader-mc sobre esle assumpto, .lia sobre
. etie muito que docer ; vejo, porm, a op-
:lo da cmara tao contraria ao meu pen-
samenlo, e por mais que eu me explique,
opatriotisnjo das-nobres deputatos es leva
empie a me comprehenderem to mal,
qne nao quero incorrer na aceusaco de
paraguayo. Alm disto seria perdida a
rninba argumentado, porque a minha fraca
vo* seria impotente para desviar o paiz e
o governo do proposito que tem sobre a
guerra. Entretanto direh resumindo, que
se as esperanzas qne os ltimos aconteci-
meotos fizeram nascer houverera de mur-
char, preciso dar fin a essa guerra, qne
.sorve nossas riquezas e nosso sangue. O
fia onico, o grande fim da guerra, o des-
aggravo da naejo, j est conseguido.
Nao somos conquistadores, preciso pa-
rar. Nao pode a paz deshonrar ao impe-
rio que conquistou nessa guerra una glo-
riosa reputaco; a paz nao deshonra
o pair. de onde sao filtras os hroes do
Paysand, Riachuelo, Eslabelecimento. pon-
te de Itoror, Lombas Valentinas e ou-
tros lugares lio celebres nesta guerra.
A paz hoje um grande dever de huma-
nidade; o nosso Iftn nao fazer no Para-
guay a hecatombe de um povo. ^
Vou concluir, Sr. presidente; o3o tenho
o habito da tribuna (nao apoiados), estou
fatigado apezar do grande folegoque ae
emprestou o r obre deputado pelo munici-
pio neutro.
Mas antes de faze-lo nao posso esquecer
a* minha provincia natal, nao posso deixar
de fazer me eco de algumas queixas que
ella poderia ter de S. Exc. o Sr. ministro
da agricultura, se nao fosse a certeza que
r.utro de que S. Exc. nenbum motivo tem
para nao attende-la.
V. Exc. sabe, Sr. presidente, que se di-
rigi a Per lambuco um convite que se re-
fera constraccio de urna linha telegraphi-
ca daquella provincia para esta corte ; V.
Exc. sabe perfeitamente que eslabeleceu-se
a este resp ito urna correspondencia entre a
Ass:ciac5o Commercial de Pernambuco e
a directora dos toloffphoa desta c)rte.
Pois bem, Sr. presidente, estabelecida
esta correspondencia, a Associagao Com-
mercial de Pernambuco fez urna proposta,
offereivii-s? para fazer a construccSo dessa
iinba tclegraphica, e a directora dos tele-
graplios da corle respondeu que nao era
aceitavel semelhante prnposta, que so ella
poderia dispr de crtos elementos que nao
estavam ao alcance da Associaco Commer-
cial de Pernambuco.
Essa associac5o fez nova proposta ; obri-
gou-se a fazer a construc?o da linha tele-
graphiea de Pernambuco a esta corte a sua
custa, compromeltendo-se a conseguir das
assemblas prov nciaes quotas que, se nao
me engao, foram at votadas; compro-
metteu-se a solicitar dos proprietarios, cu-
los terrenos fossem atravessados pela li-
^ filia, a coadjuvacao no fornecimento das ma-
deiras necossarijs; aceita va do governo
um Gscal que vigiasse e iscalisasse as
obras ; obrigou-se, depois de construir a
linha. a entrega-la ao governo, pagando
este as dospezas, excepcio feita, sem du
vida, das quotas das assemblas provinciaes,
oomo e quando o mesmo g. verno quzesse,
realisando-se o pagamento em dinheiro ou
em apolces, e fazendo-se at um abate:
esta proposta nao foi ainda aceita.
Mas senhores, o governo geral nao se
rfignou de ouvir tao justo reclamo, como
forarn outr'ora ouvidos, pois que se me
nSo engao o governo de 185i, em idnti-
cas cirenmslancias, nao negou o auxilio pe-
dido. (Apoiados).
FOLHETIffl
dS CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
? Paulo Fval
Primeara parte
0tAiL LiviKoa
(Continuacao do n. i 60)
xm
Andr a Julia.
Jgr.iti?/, 8. lilier, 2o de etntro de 1825-
Boas festas, Julia Eii-nos nu Natal. O
jo filliinho poz os sapaios m ebamin
kontem non te ? E qwe bonitos llio deu
lestis ?
A' mim n5o mo fallou consoada, mnba
filha ; deu-me o Natal a qoeeu de ha mui-
to procnra'va : irn mensageiro spgnro para
te-entregr o volnmoso masso das minhas
artas. Foi-me preciso moito.. anim
doiiar a Franca, ira agosto ultimo, para
aio confiar o meu jornal de prisioneiro ao
ucellente caraponez -jfic rao forneceua ca-
valgadura. Mas ftz hr-m de resistir len-
taao. Quer de >erin qa$r de longe. per-
va do mesmo modo a quem a diriga.
O Sr. Ferheiha de Aoiiart-J*NSo, se-
nhor; V. Exc. nlio traduz bem o meirpen-
samento.
O Sr. Ministro daMaiiixiia :Senliores,
o honrado deputado, cu/o apoio as uito
prezoe agradeeo....
O Sr. Ferreira de Aguar:E com o
qual pode contar.
O Sr. Ministro da Maisiniia :.... at
como ama transmisso paterna, deve con-
cordar em que pela primeira vez que. se
dirigi a cmara e ao ministerio, em algwis
pontos ferio a este, o que na realidade
snto.
O Sr. Ferreira de Aguiah : IVrdSo,
nao houve ferida. Acbo que demasiada
susceptibilidade do nobre ministro.
O Sr. Ministro da Marimia : V. Exc.
atienda e posteriormente vera se tenho ou
n3o razo.
Disse o honrado membro que a situacao
presente pareca a situacao passada, que
tudo subsista na mesma posi'co que pa< c-
cia que o governo era fraeo ou receiava-se
de tomar certas providencias perante os
contrarios.
O que quer dizer isto, seuhores ? O que
signiicam estas expresses?
Que nao temos sidd'feis ao pensamento
que nos levou ao poder, que nao com ire-
hendemos os verdadeiros interesses pabli-
cos, pois que somos fracos e nos receiamos
perante os'contrarios de adoptar as medi-
das que aquellos interesses reelamam.
Es porque eu digo que o honrado mem-
bro acha-se [uestes a retirar o seu apoio
ao ministerio, visto que se existe un go\er-
no que fraco, perante o contrario, que
abandona os interesses pblicos do modo
por que o honrado membro cnunciou, esse
governo'no pode, nao dewe merecer o apoio
de urna cmara conservadora.
Que o governo comprehenrleu a sitnacao
prova-o o honrado membro. e o que eta-!
mos vendo presentemente. Que o governo
a comprehendeu bem e levou o sacrificio a
uro ponto que talvez no futuro seja melhor
apreciado, prova o opinio de niuitos dos
nossos amigos quando dcelamvam que nao
deviamos subir ao poder porque eramos
fracos pnra elle. *
E foi este governo. que o honrado mem-
bro aecus ude fraco, que nao recuol dianie
de urna guerra externa, em que se achava
empenhado o paiz, era do triste estado das
inancas publicas. Portanto, este governo
nao fraco (apoiados); pode ser aooiraado
de qualquer outro defeito, mas lao do de
Iraqueza. (Apoiados).
Uma Voz : Tem bem merecido da
naco.
O Sr. Ministro da Maiiimia :-Senliores,
ha circumstancias, que s podem ser bem
apreciadas por quem se acha. as posces
O paiz eslava.... Eu son ob/igado a diz-
lo, posto que me peze, sendo ministro, ter
de dtrigir censuras a outros ministros e
oulras polticas. O paiz achava-so cm
uma condieco que condecida de todos
os nobres deputados. Eu ao menos, e*tava
convencido de que a continuar por mais
algum lempo a polilcaque ento existia,
triste do Brasil. (Aoiados).
Era esta a minha convefo.
Esta vamos a bracos com una guerra, cu-
jos resultados n9o>cram ainda previstos, e
que incutia recelos no animo de mulos. A
desmoralis-ii lo tinha lavrado tanto, que nao
ser fcil conseguir que em poneos araos
desapparera. (Muito bem).
O numero dos que seguiam os nossos
principios, o honrado membro o disse j, ia
decrescendo, porque a molestia era conta-
giosa e os meios empregados por essa poli-
tica tendiam, nao s a desmoralizar a admi-
nistrado, como tambera aos proprios par-
tidos. (Muito bem.)
Nos sofremos -s -eonsequenmg deste
fatt. O nosso partido nao lieoii inclume
n3o fiepu isento; e, pois, ha nelle diversas
diversos modos de ver e de
aaesii
atranbo que o-honrado nwrnbr. a entenda
por forma dtfcrente de que o governo a
compreliende ; mas isto, senliores, nao
motivo para que baja entre nos uma scisao,
e uem mesmo para uma censura. (Muito
bein.1
Nao s i tem l'eito roparaces, verdade:
e a razo porque o mal mais fcil de
faze.r-se do que (U repawr-se. Destruir
fcil, clificar cuilteso ;.e por isso mesmo
que seguimos oswossos principios derefle-
xoe de exame, que recuamos diante de
certas repararles porventura precipitadas.
E se issa um defeito, defeito inherente
ao sangae do partido conservador, que
antes quer peccar por moderado do que
por excessvo.
Mis asreparac&es vio sefazemlo, trato
quanto possivel ; e eu tenho mwta espe-
ranra u3o s em Deus, como nos esfoivos,
de que vjviraraos bastante tempo para p-
dennos reparar todas as injustiras.
Nao haja, pois, tanto agodamento ; nao
se pode djsfazer era um da o que se prati-
cou em oilo annos,
Estamos em uma situacao anormal, o esse
acodamento nos traria talvez difficuldides
ainda maiores do que aquellas com que
luamos.
E notai, senhores, como se encontrara as
conlradcoes Alguns dos nossos te n-no?
por fracos; os-nossos adversarios qutili-
cam-nos de opp"essnres, de lynnnos.
O que verdade porm, que estenos
muito distantes quer de um, quer de outro
extremo. (Apoiados.) Vamos pelo justo
meo. Reconhecemos muitos dos iaconve-
jaieotes- e males que o honrado membro
aprwWHoM: nao supponba que estnroof e-
gos, e acredih que se nao coramos ainda
taes males e poique i.sio ainda n5o foi pos-
sivel.
A missao do governo actual no mas
pedera ser a de repr as cousas no; seu
estado perfeilo, porque tora isto um tanta-
men siiprior s suas forfas; 'taremos o
que fr possivel. Ao honrado membro, e
aos que nos forem succedendo devo flcar
nec-ssariamentc algum trabalbo. (Hilari-
dade.)
Glai-am-se Cactos,, e esses rorem:
guarda nacional, os vices-presidefttes e i
telgraplws eletrkos.
O honrado membro nao tem razo un
nenhuma das seas censuras, ou das suas
queixas de amigo, nao direi censuras.
Senliores, em que estado achavfr-se
guarda nacional, e em que estado se acha
actualmente ?
A guarda oacional que alias prostou os
melhores serviros na lula', que sustentamos
com o estrangeiro, foi pretexto para orna
exploraco poltica. A titulo de conlingeo-
tes de guerra eram laucadas lora das filei-
ras os ofliciaes cob"ros dos maiores serv
Cos. os homens mais prestrnosos as pro-
rnu.
O Sr. Ferw^ra de Aguiah :J v. pois,
V. Exc. que as minhas observaces liveram
litiaa. Eu nao admiro nem esta vanlagera, o paiz Oca sabendo qual o
viudas (apoiados), que acabavam
condecorados, pela mesma razo porque
eram depois expellidos!
Queixei-me, quando em opposiifo, de
taes factos, ceoMirei-os aci'omenle; e dirSo
VV. Excs., agora que estis no poder,
|)orqu nao reparis taes' njustifas ? Dei-
xii a rlsposta aos honrados deputados. J
disse alguma consa quando a principio enun-
ciei aproposir5o deque mais fcil des-
truir do que edificar.
Ha ainda outra razao sobre este ponto; as
dispensas equivalentes as demissoes que se
davam as commandantes e ofliciaes da guar-
da nacional, nao eram, como disse o hon-
rado deputado. illegaes : se o fossem, o
governo j feria reconduzido a todos aquel-
es que soffreram ssa illegalidade.
Taes dispensas fundavam-se em disposi-
?es legaes; e, pois, para que o governo
possa reparar as njsucas mister jue se
aprsente alguma base que moslre, nao a
illegalidade do acto, porque foi legal, mas
a conveniencia da recondurcSo nos postos
de que foram dispensados.
O Sr. Dior.o Velho :E as reformas ?
O Su. Ministro da Marimia: As refor-
mas ? diz o honrado Sr. t secretario. As
reformas s5o illegaes, e o governo seguio
o principio de que todos quanto foram re-
formados sem sua aequiessencia fossera res-
tituidos a seus postos.
(Ha varios apartes.)
ei quel era o principio g<*nd seguido "Se companhias; e eu sou o contrario, quero
que o governo faca o ra<-nos qae seja pos-
sivel neste caso, porque tem dado muito
m prova qaando se envolve em seme-
lhante negocio (rauitos apoiados); se foisem
companhias particnlares que houvessem
contratado os telegraahos entre nos, j os
trabamos at ao Bio la Trata e at ao Pa-
raguay. (Apoiados.)
E j que se fallou neste ponto, terei de
annunciar aos honrados deputados que
espero em breve confirmada a noticia de
se haverem trocado as ratificacSes dascon-
vencoes internacional para o estabeleci-
mearto lo telegrrpho transatlntico para a
Brasil. P,las ultimas commuicacoes j se
sabia accetar algumas modificacoes de condic5es
proposlas pelo governo imperial em maoj
beneoio do Brasil.
Portanto, em cinco annos poderemos ter
commnnica(.u)es directas com a Europa e
com os Estados-t'nidos.
Vozbs:Muito bem.
O Sr. Ministro da Marinha :Chego
ao ponto principal do discurso do honra-
do deputado pela provincia de Pernam-
buco. Digo, ponto principal porque versa
sobre materia capital: refiro-me a sua ob-
servafao a rospeito da guerra.
Senhores, se eu fosse envido, ou ti-
vesse importancia para influir sobre as ne-
gociacoes no principio da guerra, eu diria
como o nobre deputado que nao vendes-
semos vpellc do lobo antes de t-lo morto
(apoiados); que nao estabelecessemos con-
ditoes que as circumstancias e os asares
da guerra podiam tornar irrealizaveis (apoia
dos); que lugissemos de estabelecer con-
dicoes que impellissera o immigo a fazer
una resistencia mais tenaz do que aquella
que na realidade teria apresentado. (Muito
bem.)
Mas nem eu fui ouvido e muito menos
tinlia influencia sobre qualquer negocia-
cao. O certo que fez-se um tratado,
pensamento do governo.
O Sr. Ministro da Marimia .A respailo
daquelles que no esto nestas circumstan-
cias, iremos apreciando poueo a pooco e com
as informarles dos presidentes'doprovincia
formando tambum o nosso juizo, de que
nao podemos prescindir. (Apoiados.)
A outra queixa do honrado deputado
consiste cm conservarem-se na lista de vice-
presidentes nomes.de pessoas que sao ad-
versarias da poltica actual.
Pdser que o honrado diputado tenha
alguma razo neste ponto, en tflo lli'a con-
testo ; mas pergnnto qual o inconvenien-
te qne dahi tem viudo ?
Vobes : Pode haver mnitos inconvenien-
tes.
O Ha. Ministro ba Marinha :Nao lem
havido por ora iieohnra. porque o governo
temcollocado nos primeiros tugaras da lis-
ta os seus amigos, quelles cuja poliliea
a sua, de moflo que possam oxercer a pre-
sidencia, no caso que ella venha a vagar
por qualquer circunstancia; ora, se esses
amigos na occasio opportuna, nao assumii
a presidencia, a culpa ser delles. Com-
ludo, no duvido declarar ao nobre depu-
tado que welhor ao conservar na lista
quelles a que alludio (liilaridade), porque
nos o queremos que elles tomen conla
da administraeTio, esta que a verdade.
"(Risadas.)
Vozks : -Muito bem.
O Sr. Soiza Res : Esta franqueza
que nos queremos.
O Sr. Fkiirehva de Aguiah : J eu con-
segu um gramle iiu,
O Sh. Ministro da 'Marino\ : Temos
mais a queixa dos telegraplios: tambera
nma das minhas queixas. )Hilaridade pro-
longada.) Tambera eu mequeixo deque
pensavel ile que nao prescinde qualquer
pequeo estado, esteja ainda tao atrasado
entre nos. (Apoiados.)
V. Exc. leu talvez o trecho de urna cor-
respondencia, ou nao sei de que documen-
to, no qual se lancou ao governo a culpa de
ainda nao estarci feitas certas linhas.
O qae se passou em tempo anterior nao
sei dizer a V. hxc.; o qae sei que a te-
legrapha tem sido uma dictadora entre
nos, e ouso suppr que quem menos lem
intervindo nella o governo. (Apoiados.)
E' o proprio director geral quera tem feito
tudo, e entretanto quem hoje se queixa
do governo.
O Sr. Ferreira deAoiivr:Eu aprovei-
veitei a opportunidade somente'para pergun-
tar quem era o culpado.
O-Su. Ministro da Marinha :E eu no
sei quem o culpado,. Sei que ha uma
especie de dictadura, porque compram-se
vapores, compram-se tos, fazem-se contra-
tos, e tem-se feito uma despeza extraor-
dinaria. Agora de quem % a capa, nao
de serfcei. Ms mister que o meu honrado col-
ora melhoramento to importante e indis- cujas disposices, embora ainda secretas.
que
tenciafelle uma confraria de que as mi"
nhas cartas por bastantes vezes te fallara.
Estava alli por ordem do individuo que
foi o causador da nossa peda, e que as-
sim me salvou sem o aber.
Havia uma semana que eu procurava
com mais ardor ainda que de ordinario o
mensageiro que deve derramar um bflla-
rao as chagas do tou alanoeado coraco.
No domingo passado chegou-me offectiva-
mente s mos um jornal fraocez du m -z
de setembro. Leio com avidez o que vem
de Franca ; quanto d'ali chega rae alla
de ti.
Julga, entretanto, o que expurim.n'.ei ao
ler o meu norae, o nome de nos ambos,
impresso naquella folha, que se pirblici em
Pai is. Fiquei como fascinado. Sao louc ti
os infelizes: nunca Ibes fallece a esperan-
Ca ; acreditei em algum milagre, n'uma re
velacao, n'uma rehabilitado. Uma vez
Se alguns ofliciaes reformados por esse
modo nao tem sido restituidos a seus pos-
tos, porque ainda nao o requereram,
Derqui todos quanlos tem requerido tem
sido deferidos; principio inconcusso es-
tabeleeido e invariavelmente seguido pelo
governo.
(Ha outros apartes.)
Tndagaem os nobres deputados donde
vem a causa, mas nao me contestem o qae
acabo de dizer.
' O 9n. FmuEiRA de Mello : O comraan-
dante s perior de 5?obral j requeren a stto
reintegraeo.
O Sh. Ministro pa Marimia :E' facto
particular, V. Exc. que deputado peto
provincia do Cear, de onde tambera de-
putado oSr. ministro da jusiica, pode pel|-
guntar isso a S. Exc. (Hilardade prolon-
gada.) A mira nao o pergunte, porque j
poda
inferno I Que festa mais formosa s
offerecer christandadi
Querida e desditosa eepdsi, no foi a
nossa rehabilitaco que 'li; e digo nossa
porque eras como eu ccusda, e cono a
mira te sentenciaran). Era simplesmente o
Lannuncio da minha morte.
Uma noticia diversa, coma l Ihe cha-
mam.
E pensei inmediatamente que bem poda
ser que soubesses daqmslla dtverst*, que
naturalmente a leras na occasio em que o
lornal sabio, isto em setembro, oque
lia mais de tres meses rae eres talvez
morto.
Se eu soubesse... Mas talvez qU,
outros jornaes nao reproduzissem
significante noticia. -Pode ser que a div
na bondade te conservsse
lega da agricultura tome um pnnro de ten-
t com este nepocio da telegraphia. (Risa-
das geraes.) JE ba de tomar, acreditem.
Vozes :Acreditamos.
Oitras Vosea:Confiemos em S. Exr.
O Sr. Ministro da Marinha :Nao se
admiltio, por exemplo a linha de Pernam-
buco e admittio-se a de Minas-G^ras. Eu
tambem voti por isso....
Vozes :Ah f
O Sr. Ministro da Marinha:...e sou
cmplice. Agora oucam a razo. para de-
pois poderem proferir a sua sentenca.
A linha de Pernambuco nao de Pernam-
buco.
O Sr. Solza Res:Nao, por certo.
O Su. Ministro da Mahiniia :... uma
linha de commun cacao geral do imperio,
de Sergipc, da Baha, do Ro de Janeiro,
"do Para etc. (Apoiados.) Por consequen-
cia, para a concessSo desta linha neces-
saria maor garanta, melhor estado e con-
siderar que tambem diz respeilo linha
transatlntica, o que nao acontece com a
linha de Minas.' (Apoiados.)
Se VV. Excs. quzerem hoje uma com-
panhia que se encarregue de fazer o servi-
do telegraphico para o centro de Pernam-
buco, com toda a facilidade se conceder
autorisaco.
Mas a linha que tem de ligar todo o Bra-
sil, c que tem de liga lo tambem Europa
em poca mais ou menos prxima, exige
mais estudo. c estudo muito serio; nao se
podia aprovara proposta da associac5o
commercial sem profundo exame : entre-
tanto nao est rejeitada, est junta com ou-
lras para ser tomada era consideraco quan-
do se tratar dessa materia.
Vozes:Muito bem.
OSr. Ministro da Mahi.mu :O meu
honrado collega concedeu a linha de Minas,
porque nao tem a mesma importancia. Se
ella tem todos esses defeitos notados, eu
nao sai, nao entendo da materia, n?io posso
emltir juizo sobre se o lio tem ou nao as
dimenses precisas. O meu nobre colle-
ga ha de explicar isto satisfactoriamente.
reio que essas censuras, que Ihe fez
o empregado dos- telegraphos, sao muito
injustas (apoiados), porque o que noto no
empregado dos telegraphos que elle quer
que o governo faca tudo, inimicssima
todava esto no conhecimento de todos.
(Risadas geraes.) Nao podemos, pois, de-
clinar do dever de cumprir as disposices
de ajustes internacionaes solemnes a
nos obrigamos. (Muitos apoiados.)
O Sr. Souza Res :Garregueraos com
o legado que nos deixram.
O Sr. Ministro da Marinha :Embora
o honrado deputado dissesse que era con-
tra o direiio das gentes uma condicao se-
melhante e que nos podamos romper esse
pacto ; todava, nao s tinhamos exem-
plo de condicao anloga na historia, como
tambem era preciso considerar qaaes as
consequencias de um tal rompimento (apoia-
dos), e se para evitar a continaco de
uma guerra, nos deviamos aventurar a
provocar outra por ventura muito mais
pergosa.
Era todo o caso,
como os individuos.
poltica da lealdade
(Maja apoiados.)
te conserfaase a pouca tran -
!.. .D* quilldadc do ten-pobre animo.
que fallavam de nos, era sem dunda para.-ljPde s.'r. Entretanto, eslava em-^aj
iur que a venda calora d Hf>s djSM'se nao tivesse achado o
nossos juizes. que precava, creio q
Nao teria a Franca,' a Europi. o mundo Pars, em risco de
intoiro nleresse em ouvir o brado oic pro-
clamasse a innocencia'do reprobo? Se-
melhante fado, corihcido e largamente pu-!
blica.Io, n5o devia sobresaltar o eorac
humaaidade inteira^
Un* alma
guindada, das profundezas do
Porque ha recei
e que mal te tenhi
Lambert, o desgraca
po foi meu'companl;
uma rirAfasfancia bem
verdugo efn
pequenino adormecido ; acha va-te for-
mosa...
Mas deixa-me dizer-te, porque me nao
quero demorar n'ura pensaineno quo me
enlouquece ; dei\a-:no dzer-to o quevinlia
no jornal francez do inez de setembro.
Aqaelle demonio conheco-o eu, Julia, t
o que... .Vas conhece-o-bias tu, quelle
insultador nocturno ?... Polia em Pars
acercarse de ti sam ||ctar descoafianga.
Paira desgraca sobre-nj. Ti ve um so-
nbo horrivel. >
Alil bem o adiviiilnninos! E longa a
distancia de Caen a arten, mas o infor-
tunio tem azas.
E aqu estou eu outra vez fallando no
quizera callar Do joraal que se
trata.
Conta o peridico a dupla tentativa do
evasSo,. cujos verdadeiros pormenores has
as minhas cartas. Refero os
i moda, segunda a facerlo, re-
as naroes procedem
A boa poltica a
e da f dos contratos.
Estavamos ligados a
um contrato, deviamos cumpri-lo. Pode-
ria acontecer que, o decurso das opera-
ces militares, houvesse occasio para ac-
cordocommum entre os proprios alliados,
para concluir uma guerra que, se tem sido
fatal a nos, tem sido fatalissima ao inimigo.
Nao se deu, porm, tal occasio, conti-
nuaran! as operacoes; o inimigo oppz
sempre nma resistencia tenacissima, e
commutteu actos de tal barbaridade qoe,
anda mesma, que hoje fosse possivel
tratar-se com elle afianco ao nobre depu-
tado que nao sena eu que o fizesse, co-
berto, como elle se cTia, do sangue dos
Brasileros.
Vozes :Muito bem I
O Sr. Ferreira de Aguar :Nem foi
isso o que eu disse.
O Sr. Ministro da Marinha :Hornera
furioso, raas inimigo da sua patria que de
nos proprios, eu considerara uma deshon-
ra para mim se prestasse o meu nome a
semelhante tratado de paz.
Vozes:Muito bem. -
O Si. Mimstro da Marimia :Paz com o
Paraguay, sim, mas paz com Lpez, de
maueira alguma. (Muitosapoiados.)
O Sr. Ferreira de Aguiar :Nem eu
disse semelhante cousa.
O Sr. Ministro da marinha :Prgun-
tou-se: Mas, se a naco paraguaya ele-
ger Lpez, como n3o se far a paz com
elle? Eu nao digo, senhores, que nao a
fare, faca-a quem quzer, eu nao. (Mnito
bem.)
Mai uma hypothese irre,alzavel do
nobre deputado: a mesma hypothese
que a de esperar-se que as ovellias ele
gessem o lobo para seu pastor. (Hilar-
dade; muito bm) Acredita o nobre de,
putado que seja possivel que os paraguayos-
uma vez livres do jugo do seu lyranno, vo-
luntariamente queiram p lo de novo
testa do seu governo ? V-se o contraro-
senhores ; todos aqnelles que se vera livres
das garras do sanhudo iniraigo do Para-
guay, tornam-sc immediatamente seus ad'
versos-----
t Sr. Caadlo ,fo||Bs Filmo :Nao
tanto assi'm.
Q Sr. Ministro da Makimia :.... e
ha algum exomplo (visto que o. nobre de-
putado diz que nao tanto assinVi em con-
trario, naturalmente porqne se refere a
Hn fle dizer que
I aereo dia segun
^icenta :
laceado.
m exei
iro
xecu-
f ira-te se
apparencias, haviam-se os
^^Kodido entender aira
qoe Ihes se para va as raas-
o sen (Ufpl. -Eo-
afr iberti de'rom-
de fornecOr a
corda ; o ladro Maynotte-fimra os varos
da janella que dava para o segundo pateo.
Causa estranheza qne fees f ctos se
produzissem sob as vistas dos guardas.
Abrio-se uma devassa administrativa, e ha
de se fazer severa justiea. Um dos em-
pregados da cadeia, chamado Luiz e guarda
de Andr Maynotto, foi preso no dia imme-
diato ao da fuga.
o Segundo toda a apparencia, Andr May-
notte, mais moco e desombaracado, fufo
primeiro que dse u. Chegou sem dffi
uldade ao pateo e podo sallar os dous
muros; Lambert, consideravelmente mais
pesado, foi o segundo a p.endurar-se na
corda j caneada ; .0 peso do corpo fe-la
partir junto janella, c o desgracio des
penhou-se de uma altura de cerlq'enorme,
porqne no dia sgunte foi achado o cqrpo
lateralmente esraagado.
Quanto Maynotte, fpram baldadas por
muitos das, as pesquizas da.polica ; pare-
ca a evasijo ura facto consiiirimado, quando
um ollicio da autorldacre local ele Diva
feecbido em Caen ftb %abbado
veio mais um i vez provar ccl~ai'recta
da Providencia.
Havia motivos para acreditar que May-
notte se eocaralnhra para o mar, afim de
tentar passagem para Inglaterra. Haviam
se destaosMo* T^as de gendarmera pora
alguns presinenos que. existem por aqui
ainda fanticos pelo pudor do seu supremo.
O Sr. Candido Torbbs Filho 'a um
aparte.
OSr. Ministro da Marimia': Na6* sei
qual o aparte que o nobre deputado acaba
de dar.
OSr. Candido Tokiils :'.ium repre-
sentante legtimo.
O Su. Ministro da Marinha : Actual-
mente ? Se foi repiesentante do Paraguay
voluntaria ou nao voluntariamente, ques-
lo esta em que nao entro, porque foi um
representante hereditario, que assranio o
poder par droit de tiaissance, nao houve
uma eleico: nao entremos nisso; mas que
actualmente seja o-que o nobre deputado
diz, eu contesto.
O Sr. Candido Torres Filho: E eu
sustento com os melhores fun Jamemos.
O Sr. Ministro da Marinha: Nos nao
temos neste paiz poder nenhum qne nao
seja delegaco da nac3o voluntaria e livre-
mente feita ; nao temos, e Deus no3 livre
que tenhamos o de Lpez, nem.... (Hilari-
dade).
O Sr. Candido Torres Filho : Para
que o nobre mimstro est levantando esta
questo ? Eu nao fiz parallelo algom, disse
penas que um representante muito legi-
timo do seu paiz.
O Sr. Ministro da Marinha : Eu digo
que nao .
O Sr. Duote-Estrada Teixeira : Cite o
artigo da constituico paraguaya em que se
funda esse poder.
O Sr. Ministro da Marimia: Emflm,
uma opno como as nutras, e que mostra
que o nobre deputado podia tratar com
elle ; eu nao, que nao sigo a mesma opi-
nio.
Devo tambem dizer ao n&re diputado
por Pernambuco que, em vez de termos
apprehenses sobre a feliz concluso do
pleito em que nos vemos empenados ha
tantos annos, pelo contrario, o nobre de-
putado e todos nos de vemos raanler as
mais firmes esperaneas de que em breve
so conclue, c se conclue com honra e dig-
ndade para nos. (Apoiados,).
O Su. Ferreira de Aguiar: Isto sem
duvida alguma.
O Sr. Ministro da Marihha : Os factos
ltimamente occorridos, as noticias vndas
pelos ltimos vapores, a circumstancia real
de que os alliados tem chegado a um ac-
cordo para reconhecerem o governo pro-
visorio que se estabelecer naquella repblica
as annunciam que as cousas entrarn em
seus verdadeiros caminhos. Al baje nao
tinhamos com quem fazer a paz; desde
que, porem, houver um governo, um go-
verno legal, reconhecido...
O Sr. Candido Torres Filho: Pepo a
palavra..
OSr. Ministro dv Marinha:... que
possa nao s ajudar-nos na pacificaejio da
repblica, como tambem tratar comnosco,
poderemos fazer a paz; e crea o nobre
deputado que este o nosso maior anhelo,
porque a paz a nossa primeira necessi-
dade (apoiados,), mas paz com honra, paz
com dignidade.
O Sr. Ferreira de Aguiar : Eu tam-
bem a quero assim.
O Sr. Ministro da Marinha : Sem isto
nao, nao nao. (Muitos apoiados; muito
bem).
O SR. SOUZA RES : Sr. presidente,
ha das, fallando nesia casa, eu comecet de-
clarando que julgava bem dflicil a minha
posico, por ter de dirigir-me a esta, au-
gusta cmara depois qae fallara o nobre
ministro do imperio. Hoje eu digo: julgo
a minha posico a mais fcil, em vista do
modo porque se dirigi a esta, augusta c-
mara o nobre ministro da marioha, que
me preceden na tribuna.
E assim o digo, Sr. presidente, porque a
cmara vio a fraqueza, clareza e presico
com que o nobre ministro da marinha se
expressou, nao s com relago s conside-
rares que fez sobre o discurso do meu
nobre amigo, deputado por minha pro-
vincia, mas tambera a respeto do que elle
chamou queixas feitas por aquelle nobre
deputado, explicando-nos os factos com
toda a lealdade, com toda a franqueza-,
com toda a sinceridade; de modo que,
parecendo que o nobre ministro da marinha
enxergara as palavras do meu collega,
qae primeiro fallou, censuras que tendio a
negar ao gabineto actual a sua confianza, o
seu apoio, eu ti ve a satsfaco de crer,
pelo modo por que se expressou o nobre
ministro da marinha, que elle deve estar
convencido de que nao houve da parte do
nobre deputado por Pernambuco o menor
desejo de aguardar-se para uma opposiQo
futura ao ministerio. (Apoiados.
I'm Sr. Deputado : Sem duvida por
que o Sr. ministro nao te ve noticia delta.
O Sr. Ferreira de Aguiar : Esta'pro-
posta, chea de vantagens para o governo,
foi repellida, nao sei porque, declarando-se
que a construeco da obra devia ser feita
pelo governo.
Um Sr. Deputado : O relator nao
diz nada. t.
(Continuarse-ha).
as barras do Orne e da Dive, e todos os
dias eram cuidadosamente batidas as imrae-
diai;es da costa. Foi assim que se Chegou
ao conhecimento de que tim hornera ca-
vallo partir de Caen na manha da fuga e
que a cavalgadura tinlia sido entregue na
coeheira de Guilherme Men, lavradorna
akleia de Dfves.
* O sngeito leva va calcas de panno es-
coro, blusa cinzenta e barrete de algodo
brando.
Ora, nos areiaes da Divette apptfeeeu
no sabbado pela manha um cadver, com
o %isto carcomido, verdade, e^ corpo
terrivelmetot mutilado, o qae no admira
porque abondam este anno os golphinhos
por toda a costa, mas envolto n'uns farra-
pos que eram as reliquias de urnas caleas
escuras e de uma bluza cinzenta ; acbano-
se tambem perto d'ali os restos da um
barrete de algodao branco.
TudVleva a crer que Andr Maynotte,
o audaz malfetor, se apoderara de algo
es. 1 barco naquellas immediaces e encontrara
jioatHv 5 tnorto q/rando procarava transportar-se
para Inglaterra.
Pode isto ser om bem, Jnlia, porqne n3b
perseguem aos mortos.
(Contimutr-ae-to
TVr. JN) MARIORUA DAS R9Z8fI. <



-
y
^i
bbM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJK7GA7QL_VKFN8U INGEST_TIME 2013-09-14T00:00:47Z PACKAGE AA00011611_11893
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES