Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11892


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AtiNO XLV. NUMERO 160.

i
FARA A CAPITAL LUGARES OHDE NAO SE FAGA FORTE.
Joru-ejmezwadiaaados.................. 61060
-Por seis ditos idem....... iuooo
ror um auno dem................. 24O0Q
Cada numero avulso ". .............. #320
DIARIO DE
M
SABBADO 17 DE J1H0 DE 1869. ''
o
PASA DENTRO E FOKA IA PROYBCIA
Por tres mezes a Por svw ditoa dem................
Por no\T ditos dem................
Por um anno.......1...........
.- --.-.-
Propriedade de Btefioel Rgneira de Faria & Filhos.
SAO AGESTEN

Os Srs. Gerardo Antonio AJves
Pereira d
PARTE OFFICIAL.


CtoTerno da provincia.
KXmWHWTg ASSIRNADO Mlo exm. sr. or. maxobl i>e
JMSCiMarT i MVU1AOO IOHTKI.I.V, VI.K.-Pn: SIUENTE
rtx pmv.:;ca, km i de mam ue 1869.
I*0C
N.-86.Portara ao direetordoarsen.il de guerra.
Por nao tor o .ilmoxarife dease arseual, Joai|oiiu
Jea du Paria Neves, querida /lar nova banca
por talleciuiento do respectivo lianVr. cum-i deda-
rou-me o antecessor de V. EXC. eru offlflin de 30
de abril altinm, sob n. Si, e bo poder continuar
e,m exercicio sem esra coiidi<:ao,eMeei nesUi dala
i liel da nie>oio, Heraldo Falco de Souza, pare
eiereer uterinamente aquello cargo ; o que
V.S. cMMMMirn para m Imw conveniente-.
t>j 88.- Dita ;io capitn do pono.Itespondendo
ootyjio. que- V. S. me dirigi en 3 do convine,
sob u. .'i.';, tcnlio a deca ra-Ihe que mande por cui
bwdnd o roer-uta Jos Francisco Xavier, que fui
julgado Incapaz da servico da armada, como consta
dotermo wmi.ii ao eea>offieia de Sdoabril Ulti-
mo, S(d) 11. '!<
rt. M* i)U ao ceaunamlaol -do ptesidio de
Pardo -Tenhu frsenlo a oflriodeaS* de mar
cv ultimo, sob i). 98, ein que Vine d conta do
estada cm cinc ichoa tasa presidio, e das medidas
qne lem tomado para melliorar o estado do tues-
ta*. K cu respeta, imito a diser-IUe que approva
todas a.s providencias por Vine, tomadas para
esse til, coartado, qne jltjpue a promover ludo
qtunlo p.-i'v,',i ao'-sek afcBBice olor neeessaiiopara
a han ordem e discMiua daase estabclerimento.
N.fA Dita ao wee-casnl do Estados luidos.
tnluroaado agora por oifl-i' que recib do inspec-
tor interine da alfandega e que a esle junio por
copia, de que a demora no processo paia desem-
barace do navio anielieano John lioso novelo,
nuda falta de scicneia oficial de aobar-se o 9r.
Willam Henrv Slc. Grath no exercicio das fuHp-
i de vice-ojisul dos lisiados-Unidos, mas oe
niosl3r concluida a conferencia do manifest do
mesuio navio assim o deelaro ao Sr. vice-cnsul,
em aditamento so mcu oilicio de bonlem datado.
Konovo ao mcsrnn Sr. ftee-cawl a segtiraBea de
aunlia siacera esioa e dliacl cmsiduracao.
N. 91.l*liberarao.O vire-presidente da pro-
vincia, ail. udruilM a que per fallccioicuto do fiador
do almoxan' a arseaal de guerra Jaaquim Jos
de Icaria NeAes nao quiz este, conforme consta de
oliew do rcspeeirro direcioi n. 82 de O de abril
prximo lindo, prestar nova llanca, sein a qual
naople continuara exarcer o referido cargo, re-
solve nomear o fiel do mcsino almoxarife lernar-
do Paita fle Sonza, para servir inlcrinanienle
^..iimelle einp:
^1 2a set-cio.
N. 91.Portara ao chefe de polica.Providen-
cie V. fi. om ordeni a KM saiisti-ita a requisicao
que faz. a ciua:iii>sao de syndicaucia do arsenal
de guerra, no olioio de 26 do mez lindo, junto por
eopta.
f. 9li.bil ao mesmo.TraflsmiUo a V.-8.
era resposta ao seu oftieia de 2' do mez lindo sob
n. 601. a inijrmaaio que acerca das iaterruproes
havidas na entre;.'.! das malas do termo de Bu-
que, do que se queixa o respeetino delegado, do
administrador do correio em olficio de 3 desle
mez junio por copia.
K. 9o, -Dita ao ernimadMIo superior da guar-
' la ueioaaUle Pao d'Allio.-Expeca V.S. suas or-
dons, alini de que nou guarda de honra da guar-
da nacunal sob sen (-ominando superior, acompa-
nhe a procisaao. que tem de sahr no da 31 do
crranle di Igreja de Nossa Senliora do Rosario
dessa villa
N. 97. Dita ao rommanJante superier da guar-
da ntcioual de racarat.luleirado de quaulo V.
S. expo em seu ntido de 4 du oaez lindo, eonea-
do-lhe a peraislo que pede para, deix indo por
dous mezes o exercicio do caminando superior da
guara nacional desse muuicipu, \k a esta capi-
tal a si rvico da mesma guarda.
N. !js.iua ao juiz de dreito uterino da co-
marca do Gibo.=Transmitto a V. S. o aviso do
ministerio da'justica de 12 da mez lindo, o qual
declara que em face da imperial resolucao de con-
sulta de 5 de dezernbro lindo, o tabollio designa-
do obligado a servil no lugar de ofticial do re-
gistro da? Iiypothecas, licando assim resolvida a
consulta por esse juizo em oflBco de 1 de outubro
prximo fiada
N. 99.Hita ao commandantc do corpo proviso-
rio de polica. -Poda Vine, addir ao eorJMBOb seu
commandoo ali'eres do corpo de polica Joao Fran-
cisco Pac Brrelo que assim o requer, tendo vol-
tado do Sal. onde foi juagado incapaz para conti-
nuar no ser vico da guerra.
N. 100. be-lib raa i. O vico-presidente da
provincia attendeudo ao que requereu o bacharcl
Antonio Fernandes Trigo de Lourero juiz muni-
cipal c de orphaos do termo do Buinue, resolve
conceder-llie raais um mez de licenca com orde-
nado na forma da le. para tratar de sua sade.
3' ecrao.
N Idt. Portara ao presdeme da Associacao
Gommcrcia! Bem cente.Para satisfazer urna re-
quiaicao .h aasembla legislativa provincial, rogo
a V. Exc. i|ii m digne informar com a brevidade
que llie for passivel qual o capital olitido para
a er le mendicidade por occa-
siao da visita do S. M. o Imperador a esta provin-
cia, no o que iimis llie constar a senie-
U Oila a. inspector da tliesouraria de fa-
'.Diela.Annuindi) ao que solcitou o cliefedapo-
hoia de hontem sob n. 6-10, recomraen-
expediciio de suas ordens para que a
inlas naconaes composta deum sar-
genlo. um cab.....inze praeas. que veio de Villa-
Helia-eahduziid.i os seis recrutas, de que traa o
o tu ujam abonados viole das
afiui de q.ie petsa ragressar logo a seu
deat' doociando ao momio lempo para que
a collcl()ria de Flores seja habilitada coma quan
tia Meea^taria para pagamento das praeas desta-
cadas na ido termo de Villa-Bella, visto
nio bavcralli qnem queira ncumblr-se do forne-
segonde declara o respec-
i mesmo.AUondemlo ao que
i re uerimento, quo se refere
I de 24 de abril ultimo sob a. 140.
da comarca da l!oa Vista, ba-
ancisco de Arruda, reooaiBBBndo
HHIhaude pagar o ordenado do suppli-
nte o ti iue esleve no grso de
Najan que obleve por deliberado da
ssor de 18 da dezernbro do anuo prxi-
mo aassado. qaando exercia igual lugar em (jara-
ulmns, na i obstante ler esse bacnarel principiado
a'fruir es-a licenca dous mezi da dala de
sua r >|i'e aoha-se elle na mesmo ca-
i de 30 de abril do auao prximo
de l'eveieiro desle anno.
N. 104,Dita ao nesiTmDe aviso do minsle-
no da imperio de 24 de abril ultimo, consta ler si-
do, aparo vado pelo crdito de Soccorros Pblicos
de 1868 a 1869, o de 5:090*000 aber-
vo sob responsabilidade desta presidencia para soc-
corrr'a3 idas que tem soffridoeom
a secca no interior desta provincuC as que nos
municipios de Snlgueiro c Onricnry esli soffreo-
do de fbres de mao carcter, bem como zr qne
-nest* capital, eni Pao d'Alho e Limoeiro fiearam
reduzidas a miseria, em consequencia da ultima
eucnenle dorio Capibaribe, o que a V. S. caminu-
nJwpara seu conhecimeoto e tins fAnventr.nrcs.
N. 105.Dita ao mesmo.Por nao ter o almo-
xarife do arsenal de guerra Joaquim Jos de Faria
Neves querido prestar nova flanea |K>r fallecimen-
lo do respectivo dador e nao poder continuar em
exercicio sem essa condiceao legal, nomeei nesta
data o fiel do mesmo Bernardo Falcan de Souza
para exercer interinamente aquelle cargo, o que
coinmunco a V. 8. fara os fiiu coaveaionles.
X. 106.Dita ao mwmo.Reconuaendo a V.
S. que, ein vista das contas juntas em duplicata,
que me remejleu bngadeiro commandante das
armas com oflkio do hontem sob n. 263, mande
pagar a quantia de 13>00, despendida com a
compra d'agna necessaria para o consumo dos cm-
pregados c praeas dastacadas na fortaleza do Brum,
durante os mezes de Janeiro, marco e abril oeste
anuo em que o respectiva cliafariz nao deu agua
alguma para tal consumo.
N. 107.Dita ao mesmo.5m vista dos prets
juntos em duplicata, mande V. S. depois de liqui-
dada despea feita com as dianas-abonadas a con-
tar de levereiro at 6 do crrenle mez, a sai re-
crutas que vieram do termo de Villa Helia, e fo-
ratn remattidos ao general coinmandanle das ar-
mas, pagara sua importancia a Vicenta Ferreira
da Porciuncula, conforme solicitan o chefe de po-
lica em olBcio.de hontem sob a. 646.
N. W8.Dila ao inspector da Ihesouraria pro-
vincial.Inteirado do ontedo de sua Informa-
rlo de 30 de abril ultimo, sob n. 2t9: recoinmen-
do a V. S. que providencie no sentido de ser a
emprez da lluminaco publica desta cidade, pa-
ga do que se deve proveniente da gaz consumido
com essa lliimiiacao durante os mezes de no-
vembro do anno prximo passado a levereiro des-
te anno.
N. 109.Dita ao mesmo.A Alfredo e Cimba,
mande .V. S. pagar depois de liquidados, em vista
do pretjjinl em duplicata. que me remellen o
conmiaudante superior da comarca de Palmares
com o ltelo de 10 de abril ultimo, os vencmentos
relalivoi ao mez de marco prximo lindo, dos guar-
das uaaiouaes destacados na villa de Barreiros.
N*. HO.Dita ao mesmoInteirado de quanlo
V. S. Gxpoz em sua informaran do 1" do crlenla,
sob n. 233, tenho a dizer qiie mande nao s pa-
gar os vencimontos relativos aos mezes de leve-
reiro a abril leste anno, do rapto do corpo pro-
visorio de polica, Joaquim Fernandos de Azeve-
do e de quihze praeas que com elle aciam-se
destacadas n> villa d Floresta, visto que a quan-
tia adantada para esse fin fui extraviada pelo ex-
tenente do mesmo corpo, Francisco Xavier Ro-
drigues de Miranda, mas tambem adi: otar os de
maio ejnnho desle anno, cumprndo qua o pro-
curador fiscal dessa ihesouraria. promova. in-
denmi-aQao da qnautia de ijue cima se trata.
.\. 111.Dila ao meMiio.Deconforinidadccom
o qun solcitou o chefe de polica em* olflcio de 5
de abril ultimo, sob n. 477, reeominendo a
V. B, que mande pagar a Caelauo Delfiao Monlei-
ro de Carvlho a quanlia de 40*, proveniente d>
aluguel de quatro mezps vencidos a 15 de Janeiro
Pmo lindo, e na razio de 10 measaes da casa
serve oe
N. 12.Dito ao mesmo. Exia Sr. vic-pre-
-ideiue da provincia manda declarar a V. S. que
nesta data expedio-se ordein ao director o\> arse-
nal de guerra para entregar a peesa que por V.
S. for aulorisada para recebe-la trala granadeiras
com o corltaiiie e municao correspondente c a
corela, de que ma o seu uflleio de 3 do corren-
te, sob o. 644, e que foram pedidas pelo delegado
do termo de Villa-Bella para o destacamento da-
quella localidad,1.
N. 126.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
uesla data foi mandad- dar passagem de estado a
proa do vapor Mnmlah, que lem de seguir para
o presidio de Fernando de Noranha, a Senborinha
Mara de Oliveira. inulher do sentenciado Silvino
Gonyalves de Oliveira, de que irata o seu ollico
de 3 do contente, sob n. 647.
N. 12?.-itno mesmoNesta data autorisoo-
se a thesoaram de fazenda a p?s*a/ a Vicente
Ferreira da Porciuncula. a quantia ifif MW4020 rs.
constante do oOlcio de V. S., datado de lionlein e
sob a. 646, o qual lica assim rospuodtdo, de or-
dem do Exm. Sr. vce-presidenle da provincia.
X. 128.Dito ao mesmoSu Exe. o Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
em res|msta ao seu officio de hootcm, sob n. 650,
que acaba de recommendar a thesournria de fa-
zenda que providencie no sentido de ser abonado
0 sold de 20 (lias a escolia de que trata o citado
officio e estar a collectoria de Flores habilitada rom
a quantia necessaria para pagamento das praeas
da guarda nacional destacadas no termo de Villa-
Bella.
N. 129.Dito'ao commandante superior da guar-
da nacional de Palmares.O Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia, manda declarar a V. S., em
resposia ao seu officio de 10 de abril ultimo, que
Ihesouraria provincial tem ordem para pagar a
Alfredo e Caoba, os vencmentos constantes do ci-
tado oflino.
N. 130 Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Sua Exc. o Sr. viee-presidenle
da provincia, manda declarar a V. S, em resposta
aos seus ofllcos de 24 de marco e 10 de abril ul-
timo, sob ns. 135 e 159, que a" thesonraria provin-
cial tem ordem para papar os vencmentos relati-
vos aos meas de feveiviro a abril (leste anno, do
capitn desse corpo Joaquim Fernandos do Azeve- j
do c de 15 praeas, que om elle se acham desta- j
cadas na villa de Floresta, e adiontar os de maio
corrente e jtinlio prximo vindouro, nao proce-
deno assifn a respeito dos de jumo por pertencer
essa desjteza ao futuro exercicio de 1869 a 1870,
3.' seccao.
N. 131.Officio ao inspector da thesonraria pro-
vincial.De ordem deS Exc. o Sjv. vice-presiden-
te da provincia transmiti a \.. dous exompU-
res do regulamento dos Irens de passageiros e de
carga dos trillos urjjaaos do llecfi
expedido ein 1. de abril prximo
chefe da reparticao das obras publicas*.
4' seccao.
Coriolano T.i-
^lla de Agua Treta.
N. 112.Dita ao mesmo. Nesta data mando
addir ao corpo provisorio de polica o alferes lote
Francisco Paes Brrelo, que assim o roquereu,
tendo voltado do sul, onde foi jnlgdo incapaz pa-
ra continuar no servido da guerra, o que Ihe com-
munico para o sen conhecimento o fins conve-
nientes.
4" seccao.
N. 113.Officio ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia do Cear.Constando a esta presidencia,
que se acha na comarca do Jardim dessa provin-
cia o bacharel Joo Clemente Pessoa de Mello,
juiz de diroito nomoado para a de Tacarat nesta,
por decreto de 12 de abril ultimo, publicado no
Diario Oficial, rogo a V. Exc. que se sirva.de
nos termos da legiMacao em vigor marcar-lhe pra-
zo para entrar em exercicio.
N. 115.Dita ao Dr. Pedro de Athayde Lobo
Moscoso.Tondo por deliberacao desta data no-
meado a V. S, para com os Drs Joao da Silva Ra-
mos e Alcxandre de Souza Pereira do Carmo, ve-
rificar o eslado de ncapacidade pliysira que alle-
ga o professor publico da eadeira da villa de Ta-
carat, Antonio Estanislao de Carvlho, para po-
dercontiniur no exercicio do seu magisterio, es-
pero quo V. S. acceitando a nomeacao e de ac-
cordo com os referidos doutores proceda ao exa-
me necessario na pessado mesmo professor, afim
de raeonheeer o seu estado de sade, remetindo-
me o resultado do exame para minha deliberacao.
N. 116Iguaes aos Drs. Joao da Silva Ramos e
Alcxandre Pereira do Carino, inutatis mutandts.
N. 117.Dita ao engenbcirn fical da empreza
de esgoto e asseio desta eidade.Com a informa-
cao junta por copia, ministrada pela cmara mu-
nicipal desta capital, respondo o officio de 13 de
abril ultimo, sob n. 145, em que Vrac. consulta
so a bomba B que essa empreza tem de construir
no bairro da Ba Vista, deve ser feita em frente
da ra da Ponte Velha no espaco triangular entre
esta e o caes do Capibaribe.
N. 118.Dita ao Dr. Sabino Olegario Ludgero
Pinito.Romelta-me V. S. urna pequea carteira
conlendo medicamentos ein tintura c frascos de
duas oitavas, apropriados ao tratamento de cama
ras de sangue, aftn de ser enviada para o termo
do Bom Conselho, onde gcassa essa enfermidad^
apresentando a conta de sua importancia para ser'
salisfeita.
N. 119.Dita ao gerente da companhia Pernam-
burana.Approvo a deliberacao que Vmc. tomou,
segundo m declara cm seu officio de 3 do cor-
rente, de fazer seguir para o presidio de Fernan-
do no dia 10 desle mee vapor Mandah em lu-
gar fio Giqui
N. 120.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana mande dar urna passagem
de estado a proa do vapor Mandah, que deve se-
guir para o prosidio de Fernando em 10 do cor-
rente, a Sonhorinha Mara de Oliveira, mnlher do
sentenciado Silvino oncalves de Oliveira.
N. 121. Deliberacao. O vire-presidente da
provincia resolve nomear os Drs. Pedro de Athay-
de Lobo Moscoso, Joo aa Silva Ramos e Alexan-
dre da Sauza Pereira do Carmo. para verificaren)
o eslado de incapacidado physica que allega o pro-
fessor poblico da eadeira da villa de Tacarat
Antonio Estanislao fle Carvlho, para poder con-
tinuar no exercicio de seu magisterio.
EXPEDIRNTK ASSIGKADO PKtO SR. DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARADJO, SECRETARIO DO GOVBRNO, BU 4 DK
MAIO DE 1869.
1* 90ecjio.
N. 122.Officio ao Exm. Sr. general comman-
daato das. armas.De ordem de S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidenta da provincia declaro a V. Exc. em
re;posta aos seu* ofllcos de 3 do corrente, sob
ns. 264 e 265,.que nesta data se mandn satisfa-
zer os dmis pedidos que vieram annexos aos cita-
dos ofucios de V. Ex*.
N. 123.Dito ao mesmo.O Exm. S* vice-pre-
sidente da provincia manda declarar a V.
em resposla a seu oficio de hontem, sob n.
que a thesonraria de fazenda tom ordem para pa-
Sr a quantia de 13*300, constante do citado of-
V seccao.
N. 124.Oficio ao Dr. anafe de polica.Nesta
data aulurisou-so a thejouraria provincial a pagar
a Caetano Delflno Ifcnteiro de Carralho, a quan-
tia de 4fl, constante do officio de V. S. datado de
&'de abril oltirao, sab n. 477, o qnal fiea assim
respondido de onlem do Rxm. Sr. vice-presidente
da provincia.
de dreito da 1* vara, em ofBeio de hontem, foi
pronunciado naquella dala no art. 129 5 6 do c-
digo penal, o secretario do tribunal da relaco
desta provincia, Domingos Alfonso Ferreira.
4* seccao.
N. 167.Officio aoDr. rmmio Coriolano Tava-
re* dos Santos, 1 secretario da asseaiMa legisla-
tiva provincial.X. 70.De ordem de S. Exc. o
Sr. vicc-presidaole da provincia, passo s maos de
V. S., em resposta ao sed officio de 24 de afiril
ultimo, sob n. 25^ara ser presente a assembfca
lewinUlivA provinTOl. a inclusa infurmaeao iiiiaar
trada pelo Dr. chefe de polica em 10 do corrente,
-oh n. 649. sobre o requerimento que devolvo de
Job IViente Bastos.
N. 168.Dito ao mesmo.N. 71.S. Exc. n Sr.
viee-prosidetile da provincia, a quem foi presante
o officio que V. S. me dirigi em 4 do crranle,
sob n. 41, manda deelarar-lheafim de o fazer cons-
olar a asgembla legislativa provincial, que hoje a
nina hora da larde receber no palacio do gorer-
no a commiwSoque tem de apresentar algunnnc-
tos legislativos sancrao de S. Exc. .
N. 169.Dito ao mesmo.X. 72Solicitanda o
regedor do Gimnasio, com urgencia, por interme-
dio .da directora geral da instruccao publica, as
movis constantes da relajad junta ao seu officio
n. 26, de 16 de evereiro ultimo, na importancia de
952JO0O, e nao havendo ereilito para essa deaneza,
como tudo se v das copias juntas, manda oftxm.
Sr. vico-presidente da provincia remetter tudo a
V.S. para ser presente, a a ssembla legislativa
que o mesmo crdito nao provincial, e esta deliberar como entender conve-
niente
X. 170.Dito ao director geral interino da ins-
truccao publica.S. Exc. o Sr. vice-p'residente da
provincia manda coimmimcar a V. S: para seu
coidieciinento, que nesta data foram subin*ttidus
por copia a assembla legislativa provincial, para
deliberar como entender conveniente, o otilde do
regador do Gymnaslo, que veio annexo ao seu de
3 de abril ultimo, sob n. 86, com a'relaonn movis de que necessita aquelle estabeleci-
mentn.
i:\l'EHI!.STi: ASSION.UIO PEI.O EXV. Slt. IR. MAHOEI.
DO NA9CIMRNTO MACHADO PORTELLA, VICE-niESI-
HENTK DA PROVINCIA, EM 6 DR WAtO I)B 1869.
4.' seccao.
N. 175.Portara w superintendente da eanrada
de ferit do Rucife ao S. Francisco.O Sr. pe
rntendente da entrada de ferro mande dar trans-
porte por conta do ministerio da justica.da estarn
das C'tco-Pontas a da Escada a forca de cavalla-
ria que com osle so apresentar.
passageiros e ue
scife a /^ipucos,
Indo.Igual ao
N. 133.Olficio ao Dr. Ariniuio ------------
rOe?iaranR-Dru awinic na -yares oui sainos, pnmeiio M-irmrio- legislativa provincial. N. 68. Do ordem de S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, devJvo a
V. S. com a iuformaoao juulu ppr copia ininstra-
da pelo juiz de dreito da comarca de Xaiareih,
em 28 de abril ultimo, para ser presente a assem-
bla legislativa provincial, o requerimento dj; Igna-
cio Vieira de.Mello, que acompanuou o oficio que
Vr. S me dirigi, em 14 daquelle mez, sob n. 6
N. 13.Dito ao mesmo.X. 69.De ordem de
S. Exc. o Sr. vce-presdente da provincia, -passo
s maos de V. S., em resposta aoseu officio de 2
de abril ultimo, son n: 19 para ser presente a as-
sembla legislativa provincial a inclusa pelico dr
Manoel Peres Campello do Almeida, acompanhado
da informagao junta por copia, innisirada pelo
chefe da reparticao das obras publicas, om 3 do |
corrente.
N. 135Dito a W. Rcharde. gerente da em-
preza da illuminacao a gaz nesta capital.S. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia rospondendo ao
oficio de V. S. datado de 20 de abril nltune, man-
da declarar que expedio-so ordem a Ihesouraria
provincial para pagar a quantia que se estivar a
dever a essa empreza proveniente do gaz consu-
mido com a illuminacao publica desta capital du-
rante os mezes de novembro do anno prximo pas-
sado a evereiro deste anno, nico pagamento que
sendo requerido eslao por effectuar-se.
EXPEBIENTB ASSIGNADO PEI.O EXM. SH. DR. MAN ol.
DO NASCIUEKTO MACHADO P0RTBLXA, VICE-PHESl-
DENTE DA PROVIMilA, BM DE 5 MAIO DE 1869.
1" seccao.
N. 138.Portara ao Exn. general commandan-
te- das armas.Mande Y. Exc. por em lberdade o
recrula Joao Francisco Barbosa visto ter provado
sftcio legal.
X. 139Dita ao director do arsenal de guerra.
De conformidade com o que me solcitou o pre-
sidente do Ro Grande do Norte, em oficio de 30
d abril ultimo, promova V. S. a compra de 2 cor-
netas (instrumento), que se destinam ao destaca-
mento da guarda nacional daquella capital, do-
vendo vir acompanhadas da respectiva conta;
aflm de seren enviadas paja aquella provincia na
primeira opportunidade.
N. 140.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Respondendo ao officio, que V. S. me diri-
gi em 29 de abril ultimo sob n. 1730, o aitoriso
a mandar retirar da Ihesouraria de fazenda, para
o que firam expedidas as conveniente orden< a
quantia de 1123073 em que importa o peculio
pertencente ao aprendiz avulso da companhia de
artfices desse arsenal Antonio Rufino de Darros
que desaquartelou, da dita companhia.
N. 141. Deliberacao. O vlee-presulente da
provincia attondendo ao que requereu Joao Fran-
cisco de Souza, resolve conceder-lhe licenca para
poder embarcar para o presidio de Fernando no
vapor Giqui da companhia Pernambucana seren
all entregues a Henrique Josa Vieira da Silva os
gneros constantes da relacae junta, assignada
pelo secretaria do governo, nao podendo porm
cffecluar o desembarque dos referidos gneros
sem que por parte do commandante do mesmo pre-
sidio se proceda a exame afim de se verificar sa
agurdenle ou outra qualquer bebida espirituosa.
2* teccao.
N. 144Portara ao Exm. presidente da rela-
55o.Para satisrazer a deliberado da assembla
legislativa provincial comida em officio do respec-
tivo 1. secretario de 4 do corrente sob n. 40, sir-
va-se V. Exc. de dar o seu parecer acerca do pro-
jecto n. 28 deste anno incluso por. copia.
N. 145.Dita ao Dr. chefe de polica. Para
poder ser paga a qnantia de 2144800, em que.
segundo aa contus que vieram annexas ao oficio
de V. S datado de 17. de marco ultimo, sob n. 402,
Importaram as despezas fetas com o sustento dos
presos pobres da cadeia do termo do Bonito, do-
rante os nii^es de novembro do anno prximo
asando a evereiro desta anno, faz-se preciso que
ictivo delegado ministre a relaco de laes
conforme solicita o inspector da ihesouraria
ovincial em oficio de tienten) n. 240.
N. 146.Dita ao mesmo. Recommende V. S.
aos subdelegados dos diversos districtos policiaes
desta provincia que eaviem aos conselhos do revi-
sao da guarda nacional das diversos municipios
il 15 deste mez a relacao de que trata o art. 10
| 4." do decreto n. 1130 de 12 de margo de 1853.
N. 147Dita ao mesmo.Transmiti a V. 8. a
cerlidio junto, paseada a requerimento da r Rosa
Mara da Coneeican, a que anude o sou officio de
16 do mez Ando, sob n. 3093, e que me foi reraet-
Udo pelo presidente do tribunal da relacao em
oficio de 3 do corrente.
X. U8.. Circular a todos osjuizes de paz do
municipio do Rece. Recomtnendo a Vaie. que
enve ao conseHio da reunan de qualiflcaeao da
guara nacional deste municipio al o dia 15
desto wez a relacao de quo lala o art. 10 s 2 do
decreta n. 1 tao de l de narco de 1853.
X. 149. Deliberacao. 0 vce-presidente da
provincia conformando se com a proposla do Dr.
chefe de polica em oficio n. 629 de 29 de abrH
flndo resolve conceder ao bacharel Antonio Pedro
Ferreira lima a exoueragao por fio pedida do
cargo de delegado do lemm do Cabe.
3* eccao.
X. ISO.Portara ao inspector da ihesouraria
de lawud.i.Tomando em consideraeao o que V.
S. expaz era seu olficio de bonlem, sob n. 283, le-
nlio a'flizer em res|tosta que o autorlso a mandar
despender sob minha responsablIhlauV, nos termos
do decreto n. 2,884 do 1 de evereiro. de 1862,
at a quanlia du :6iX}00*>, com a coiilmnavao
dus pagamentos das despezas por conta da verba
evantuaesdo ministerio da guerra no corren-
te exercicio, at que o governo imperial resolva a
este respeiio o que entender mais conveniente.
X. Jal.Dila ao mesmo.Constando de aviso
da reparticao da guerra de 23 de abril ultimo ter
sido angmeulado coin a quantia de 10:0903000 o
rirdwconcedido a essa tnesouraria un ejercicio
corrente por conta lo 6"arsenaes do guerra;
assim o coiumiinico a V. S. para seu devdo co-
iilii.'ciuiciilo, convindo
seja excedido.
N, 152.Dita ao mesmo.En vista do prel
junto m duplcala, que me remellen o CiHiuiian-
dante superior desle municipio con oficio de 3
do correnie, sob n. 73, mande V. S. pagar os ven-
cinientos relativos ao mez de abril ultimo do guar-
da do 3* hatalhao de intaniaiia Jos Lourenco de
Va-concellos, que se aclia d'ienle iu eufermaria
militar.
X. 133.Dita ao mesmo.Faca V. S. entregar
ao commandante da companhia de aprendzes ar-
tilicesdo arsenal de marinha a quanlia de 1125073
em que importa o peculio perleuoenie ao avulso
Antonio Rufino de Barros, visto ter completado a
idade de 21 annos marcada para Ihe ser entregue
aquelle peculio.
X. 154.Dila ao mesmo.A' Aicebiades Au-
gusto dos Santos mande V. S. pagar, depois de li-
quidada, em vista da conta junta em duplicata
que me remetteu o chele- de polica com officio de
14 dt abril ultimo, sob n. 536, a importancia da
despeza feita com o forneeimento de luz e ajina
para o queriel do destacamento do termo de Cim-
bres, dorante o mez de marco de-ie anuo.
X. 155Dita ao inspector da ihesouraria pro-
vincial.Annuindo ao que soKcttou 0 teiieute-co-
roner coininandante do corpo provisorio de polica
em officio de hontem, sob i. 195. recouiinendo a
V. S. que ir ande nao s amantar dons mezes de
venrimentos ao atieres daquelle corpo, Antonio
Ifenriqne de Miranda, que segu em delgencia
4tMmA.rw.nii, tnp-initnmu Fl re;'a e Granito.
mas tambem abonar-lhe a quantia de 1903, TOmo To
ajuda de cusi de ida o volta.
X. 156.Dita ao mesmo. Do'lai'o a V. S. para
seu conhecimento o fins convelanles, que, de
conformidade com a sna informaran de hontem,
sob n. 211. resolv relevar o bacharel Antonio Ala-
din de Aranjo da mulla oni que incoirou, por nao
liaver apivsenlado dentro do prazo da le no con-
sulado provincial, para serem all averbmlo*. os
ttulos de compra da parte do sobrado n. 89 da
ra da Gloria e de ouiro na da Guia n 44.
N. 157.Dita ao mesmo.Autoriso V. S., nos
termos de sua informaran de t do corrente, sob n.
237, a mandar pagar a Antonio Luiz Ferreira da
Cunta a importancia da prescao definitiva,
que tem dreito como arrematante das obras de
um peqoono lauco de esirada. coniprelienddo en-
tre os de ns. 18 e 19 da estrada- de Nazarctb, se-
gundo se evidencia do certificado annexo ao rc-
queriinento que incluso devolvo.
4"seccao.
X. 158.Portara ao administrador do correio.
Tendo recebido boje um offica dirigida a esta
presidencia pelo Exm. Sr. ministro dos negocios
estrangeiros, oficio que sem duvida veio pelo va-
por americano ane chegou a esle porto no Io do
corrente mez. ciiinprc que Vine, informe qual a |
razao por que somenle boje me foi elle remedido, i
cumprindo-me observar-lhe que a bem do servico
deve Vmc. providenciar para que seja logo enva-
do a c-ta presidencia- todo e qualquer oficio que
Ihe for dirigido.
EXPEDIENTE ASSION'ADO PELO Sil. L'. IQAQUtM COR-
BEA DE AI1ACJO. SECP.ETAIUO DO O..VI UNO, EM 5
DE MAIO DE 1868.
Ia aocaje.
X. 159.Oficio ao Exm. genera; oummandante
das armas.De orden de S. Esc. o Sr. vice-pre-
sidente da provincia, declaro a V Exa em respos-
ta ao seu oficio desia data, sob n. 269, que nesla
dala se providencia no sentido, de seren pagos es
prisioneros paraguayos dossqpi respectivos Ten-
cimentos.
X. 160.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. vee-presdeate danrovineia, declaro a V.
Exc. que nesta data se n#dou satisfazer o pedido
do commandante do deposito especial de i
cao, que veio annexo ao seu
rente, sob n. 268.
2* secoaij.
turado criminoso, que se liavia evadido toio de-
pon de perpetrado o delicio.
Deus guardo a V. Excfilm, e Exm. Sr. rice-
presidente la provincia Dr. Manoel do Naaeknen-
to Machado Porlella. O ebefe de polica iutaon
f- te Assii Oliveira Maciel.
DESPACHOS DA VICE-PRESIDENCIA DO DIA *4
DE 1I.IIO DE 1869.
Padre Antonio I)omligues-de Vasconcellos Ara-
gao. Informe o 8r. informo o Sr. inspector da
Ihesouraria provincial.
Antonio Ferreira dos Santos Jnior. Informe
o Sr. inspector da Ihesouraria de faaenda.
Antonio Pinto de Leo. Drija-se ao Sr. com-
mandante do corpo provisorio de polica.
' Jfla de Siuia_Djriia.se nn la injnjiriaa
nal ffC marinha. "
Fre Erco de Sant'Anna Rlqne. Indeferido, a
guarda nacional tem servico certo e determinado
na lea de sua creagao, e nao pode prestar-so ao
de que trata o suplicante, como j foi declarado
pelo ministro da justica acerca da guarda nacio-
nal da corte.
Florencio Francisco Cavalcant. Informe o Sr.
Dr. chefe de ]volicia.
Flix Francisco da Cunha. Informe o Sr. co-
ronel commandante superior da guarda nacional
deste municipio, ouvindo o commandante do 1.
hatalhao de infamara.
Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drummond.
Drija-se ao Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Genuino Jos Tavares.Informe o Sr. inspector
la thesi/iirara de fazenda.
Ignacio Francisco Cavalcanli. Informe o Sr.
IIvd. vicario da freguezia d'Agua Prela.
Manoel Joaquim do Sant'Anna. Conceda-se o
praso de 8 das.
Mara Magdalena Carnero Ros Villela.Enca-
minhe-se.
Pedro Goncalves Pereira Cascao.Lavre-se dc-
lili racao aggregando o supplicante ao 3. hata-
lhao de reserva da guarda nacional deste muni-
cipio.
Pedro Francisco Mariano.Concedo o praso de
8 das.
Tranquilino Pedro de Alcntara.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Repartido la polica.
2" seccao.Secretaria da polica do Pernambuco,
16 dejnlho de 1869.
N. 1039. Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
sonsta das partieipacSes recebidas nesta repar-
ticao, foram hontem recolhidos casa dedetencao
os segrales individuos :
minha ordem, o africano livre Joao 5, por n-
frarro de posturas municipaes; e Ensebio, es-
cravo do desembargador Jos Nicolao Rigucira
Costa, a requerimento d^te.
A ordem do subdelegado do Recife, John Marc,
L"M't.l.lt W*v ilion iiv*~ % t
o de 4 do cor- P-J ^2 Je S. Jos, Jos, escravo de Manoel
X. 161.Oficio ao Dr. chefe de policaO
Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. que por deliberacao desta data fa
conceda ao bacharerTAntono I' i Ico Ferreira Li-
ma a exoneradlo por elle pedida do cargo de,sub-
delegado de polica do termo do Cabo, de confor-
midade com a proposta de V. S. em officio n. 629
de 29 do mez flndo.
X. 162.-Dilo ao mesmo0 Exm. Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar a V. S.
jTWfflAttBCO.
-------------------------------------------------
REVISTA DIARIA.
LBERDADE.A Sra. D." Ignez Therea , Jess, moradora no engenho Matarizinho, da co-
marca de Nazarelb, acaba de dar lberdade dez
escravos seus, sendo seis do sexo leiueuno e qua-
tro do masculino. Accoes dess nao admitiera
c miiuenUrios, e deven ser narradas apenas
porque o ^cu elogio est em s mesmo.
ANIVERSARIO Amant o dia do ani-
versario da sagraco e coroacao de S. M. o impe-
rador
FEltlMENTOS GRAVESNo dia 20 do crren-
le, na povoaeao de Queimadas, do termo de S.
Bento, Jos Alcxandre, Manoel Alcxaadre-, Fran-
cisco Alcxandre e Isidoro de Hnilanda tiveran
urna renbida lula, da qnal sabio o ultimo ferido
gravemente com urna facada. Dos tres crimino-
sos, apenas foi preso Manoel Alexandre.
Xo dia 5 do mesmo mez, voltondo Jos Va-
lerio, morador no dstncto da Palmeira, do termo
de Garanhuns, para sua casa, foi em eaminho fe-
rido gravemente com tres facadas. por tres indivi-
duos desconhecidos, que pozeram-se em fuga.
CAPTURAS. Pelo delegado do termo de S.
Bento, requisicao do subdelegado da Alaga de
Bailo, foi preso Joao Francisco dos Santos, ah
processado por criuie de lermentos.
Pelo delegado do termo de. Ruque foi preso
Joo Rodrigues, indiglado como anlor do assassi-
nato, perpetrado em julhodo anuo passado no dis-
Uiclo de Ramelleira, do uicsino termo, na pessoa
de Joao FYancisco.
ASSASSIXATO.--Na serra da Russi, do termo
de Santo Anio, foi assaiuado no dia 4 do cor-
rente, por Joo Franfisco da Silva conhecido por
Joo Veneno, um individuo que em sua compa-
nhia viajava, depois de prolongada lueta, provoca-
da apos a bebida de um copo de agurdenle. O
assassino evadio-se.
Martina Nogueira, por ser encontrado depois de 9
Horas da noite, sem bilhete de seu senhor.
ordem do da Boa-Visla, o africano livre Pe-
dro, por briga.
Por oficios datados de 28 do mez passado, par- Macedo, Thomaz Espiuea. Amelia de
lcipou-mc o delegado de S. Bento, <|uo o snhde- Jos Cuimaraes, Erasmo Josue Mello,
legado do Ganoeiinho, em ignal data.lne commu-
Hicra que no da 20 do mesmo mez, na povoaco
de Qneimadas d'aquelle teimo, deu um disturbio
entre Jos Alexandre, Manoel Alexandre, Francis-
co Alcxandre, Isidoro de Hollanda n Silva Caval-
cant, no qual foi este gravemente (ando com una
que flcam expedidas as convenientes ordens para facada por Francisco Alexandre, qne logrou ova-
seren enviadas ao conselho de revisao da guarda dir-se com os demais, menos Manoel Alexandre,
nacional deste municipio, as retacos de que trata
o art. 1- H f e 6o do decreto t. 1,130 do 12 de
marco de 185;).
N. 163.Dito ao juiz de dreito da Ia vara desla
cidade.O Exm. Sr. vicepresidente da provincia
manda declarar a V. S. que fica inteirado por seu
oficio de hontem datado, de ter sido pronunciado
n art. 129 | 6o do cdigo penal, o secretario da
relacao desta provincia, Domingos Alfonso Fer-
reira.
X. 164.Dito ao commandante do corno pro-
visorio de polica.-0 Exm. Sr. vice-presidente da
Srovineia. ficando nteirado do contedo do oficio
e V. 8. datado de hontem o sob n. 193, manda
declarar em resposta que a thesouraria provincial
lem ordem para adiardar dous mozos d venc-
mentos ao alferes desse corpo Antonio Manrique
de Miranda, e abonar-lhe a quantia de 190S, como
ajuda de custo.
,3a seccao. ,
X. 165.Oficio ao inspector da thesouraria de
fazendaS. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
cia, tendo por deliberaran do 21 de abril prximo
flndo, resolvdo nomear o engenheiro Joaquim Go-
mes delivera e Silva para dirigir interinamenie
e sem veocimenfo algnm as obras gfraes nesta
trovinria, durante o impedimento do bacharel Au-
mio Vicente do NascimentO Fetosa; assim o
manda enmmunlcar a V. S. para seu conheci-
mento.
N. m Dito ao mesmo,O Exm. Sr. vfce-pre-
sident da provincia manda declarar a Vi $: para
o? flrts convenientes que, w^todo partmipoc o juiz
que foi logo preso.
Participou me mais o mesmo delegado que no
dia o do dito mez, regressando Jos Valerio, para
sua casa sita no uistrcto de Palmeira, do tormo
de Garanhuns, fra aecommettido em eaminho e
ferido com tres facadas por dous individuos des-
conhecidos, que conseguirn) evadir-se, o subde-
legado cava na diligencia de captralo?, para
puni-los nos temos da le.
O referido delegado communcou-nic anda em
data de 3 do corrente, que prendera a requisicao
do subdelegado do disiricto de Alagoa da Baixo do
lermo de Cimbres, a Joo Francisoo dos Sanios,
all processado por crin de ferimeutos.
Ein oficio de 21 do mez prximo lindo, partici-
8nu-me o delegado de Buique, que firava recolhi-
o a eadeia J(o Rodrigues, indiglado autor do
assasainato perpetrado em julho do mesmo anno,
no districto de Gamelleira do mesmo termo, na
pessoa de Joao Francisco, o qual fura preso a or-
dem do subdelegado respectivo.
Por officio de 10 do communicou-me o dejegado
de Santo Antao. que na noite do 3 para~~4, deste
mesmo mez, Jos Francisco da Silva, conhecido
por Joo Veneno, foi a-sasslnado com urna facada
om individuo do igual nome, no lugar denomina-
do Serra da Russia, quando seguiam juntos para
suas casas e depois de tomarem urna grande por-
tad de aguardante, que os levou t travarera entre
si urna retiida contunda.
Aecrescenta o mesmo delegado quo o subdele-
gado do primeiro districto proceden ao competen-
te eorpo de dclicto, e ftcava nn diligencia da cap-
W
PATEO DO PARAIZO. -Anda nao se den per-
leilo escoamento as aguas pluviaes que se ajun-
tam nesse largo, A valla aborta para i.-so en-
tulhada conslantcraenle, e o bem que cija podia
produzir racessantement nullificado. Convai
que se d alguma outra providencia.
THEATRO DE SAXTA ISALELr-Faz twjo be-
neficia ueste ihealro o Sr. Eduardo AJves, distine-
to prestidigiudor poflnguez, secretario de Mr. de
Lajournad. Talento vigoroso, maneiras cavalhei-
rosas, agilidade e destreza nos ejercicios queexo
AkW os dolos que o vcoiumendam ao nosso
publico, que j o aprecien no intervallo d'uui es-
pectculo dramtico.
0 progranuna de seu beneficio toma-se recom-
mendavel pela variedade das sorte;, algumas das
quaes sao novas para o nosso publico.
Artista novo, o Sr. Eduardo Alves envida todos
os esforcos para merecer Itom aeolhimento, do
que digno.
Apresentando-, ao nosso publico, dasejamos-
Ihe prospere resultado.
BRIGUE MARINIIOIII.Esle navio, que cheimu
hontem ao nosso porto, procedente do da Baha,
ao entrar da barra balen as pedras da barrete
sacudindo o lento Ibra, arrebentando caxa do
Irme e parte do sobr ssame. Aehava-se bordo
do navio um pratiranio da barra, |>ara fazer sua
pilotagem, por ter declarado o commandante vir
o navio em dez |>s d'agna. calado este qne s
toca essa citase de empregados da barra.
CLUB RADICAL.Hoja pelas 6 horas da larde
ha sassao extraordinaria para tratar-se de objecjto
importante.
COMPANHIA PERNAMHCCAXA.O vapor Ja-
ffuanbt desta companhia seguir para l'enedo ein
direilura no dia 19 as 4 horas da tarde, sendo
hoja o ullimo da c;n que recebe carga, eohfbnne
o annuncio da mesma companhia.
NCLEO PHILOSOPHICO LITTERARIO.-Ama-
nhaa (18) reune-se em sesso ordinaria essa so-
ciedade, entrando em discussao a segrate these
do Sr. Demetrio de d'Abuqnerque.As causas
oriainaes da revolueao de 1824 em Pernambuco.
INSTITUTO HISTRICO E PHILOSOPHICO.
Hoje as 3 horas e maja da tarde reune-se esta so-
cedade em sessao extraordinaria.
LOTERA.A que se acha a venda a 114.*, a
beneficio da Sania Hasa da Misericordia, que cor-
re no dia 21 do corrente mrz.
PASSAGEIROSSaluram no vapor braslero
Guar para os portes do sul do imperio no dia 14
do corrente :
Guilherme Collngncs Juler, Fortunato Marques
de Azambuja, tencnle-coronel Alexandre Augusto
de Fras Villar e 1 criado, Antonio Francisco da
Rocha, Wenceslao Gabral, Jos de Araujo Pinto,
alferes Chrispiniano Buarque de Macedo Jos
Maria da Trindade Jnior, John Johnson, Eugenio
Luiz Jos da Silva, Antonio da Costa e S. Jos
Lew e I criado, Michele Vita, William Offe, Mar-
celino Jos da Cosa Valenle, Andr Augusto do
Andrade,
J. Ribeiro
Gucdes, A. Michele Proto, Pedro Angelo Montani
a 3 filhos, Jos Das Brando, Paulo Jos da Costa
Araujo, Joaquim Narciso de S, Jos Victorino de
Azevedo, sua senhora e 1 criada, Antonio Rarbo-
sa de Moraos Gabral, Balbino Joaquim do Gusmo,
Joao Rodrigues Barbosa, padre Joo Manoel de
Carvlho, Antonio Joaqnim do C. Vizeo, 2 recru-
tas, 1 voluntario, 2 soldados c 1 desertor, 2 es-
cravos a entregar.
O hate Maria Amelia, sabido para o Araca-
ty, levou a seu bordos segninie;
' Bonifacio Francisco da Bocha, Antonio T. Peque-
no e Joaquim A. Valenle.
CEM1TERIO PUBLICO.Obtuario do da 14 de
julho de 1869.
Mara Celestina do Xascimento, Pernambuco,
24 annos, sotteira, Boa-Vista ; apoplexia.
Manoel de Barros Pessoa. Pernambuco, 85 an-
uos, solteiro, S. Jos ; hepalile.
Joo Cypriano Raugel, Portugal, 84 annos viu-
vo. Santo Antonio ; diarrhea.
Candida, Pernambuco, 4 mezes, Boa Vista ;
convulces.
-15-
Felippe Nery de Barros Wanderley, Pernambu-
co, 42 annos, casado, Recife enterite.
Ignacia, Pernambuco.. 39 annos, S. Jos; va-
rilas.
Efrozna, Pernambuco, 13 das, S. Jos; es-
pa-mo.
Joaquina Rmyinunda da Purificacao, Pernam-
buco, 69 annos, viuva, S. Jos ; dezinteria.
Tito, frica, 50 annos, solteiro, Boa-Visla;
tubrculos pulmonares.
Can lid: Maria da Conceirao, Pernsmbuco, 25
annos. casada, Boa-Vista ; tubrculos puhnonares.
Maria d Pernambuco. 35 aunos,
solteira. I! ei-Vi-ta ; tubrculos pulmonares.
Amia Joaquina de Oliveira, Pnal^*V
aioios. casada, Boa-Vista ; tubrculos punwarw.
/


.6381 30 CHil 0QH88A2 Diario de Pernambuco Sabbado 17 de Julho de 1869.
aa .mjx
PUBLICACOES A PEMD8.
Vm novo prestidigitador.
Recomawda' un talento esplendido no respei-
tavel publico, o que nos oliriga a pegar da pen-
na para trabar i seguintes Imitas :
Dar-nos-hemos por feliz de o consegnrmos en
DOMO tOSCO OStvIO. -^
O Sr. Eduardo Alv^Jii^,pi-eipgi|ador por-
tuguez, ha das, no Jjeociina 4 ( 3c Thotnaz Ft-
piuca, divcrlio o publico c n faiteessaiitea trabji-
Ihos de mgica.
A agihdade conj que oxeealou todas, as sortes i
annunciadas no progrunma aquella fesiasrtsti-1
tica, conquistou Ihe aa svnipaltuai a.'toda urna
platea, que justa o tren-i'-amen t>; victoriou-o por
lo dilliceis traba
O Sr. Eduard ,.v pe mestria eoiii
que executa toWs as sfcto, j p.Jas rmweias eoiri
que trata a todos os que cultivam as suas rela-
ces.
Quando obrigado a dialogar com o respeilavel
publico borda com urna rara felleidade a sua
versacao de aproveitaveis rascas de espirito; ex-
primiadfl-se sempre beui.
Algutnas flores, pois, no caminho em que appa-
receu o Sr. Eduardo, que segundo consta dar ou-
tros espectculos. Este senhor, em algnns de scus
lindissunos jogos, trabalhou naquella noite, com
tanta pericia como o Sr. Hermann, por excedencia
'i pesca das moedas, na espada de Guilherme Tell.
etc.
O que deixamos dito sincera e desinteressada-
mentt bastante para espressar ao Ilustrado pu-
blico (que certo fia de proteger a tao distincto ar-
tista) a nossa humilde apreciaciio a respeito do Sr.
Eduardo.
D.
grjMrtfrall -*/tefar'mlia -.1
fe nacionalUmci'la IIcharque.
I1EDORIA DE RENDAS lNTaHLNAS
HAES DE PERNAMBUCO.
Bendlmonto do dia t a 13. 2t:100j.l8
Idea do -da 16...... i :tt>l*47l
trigo.
E

20:461*489
II
i de
CO.XSUL
todo dial
da 16
13.
PROVINCIAL

do decreto "de 2S de outubro do
de p3sturi3 addieieaae* abaixo
87:037481
fc3Sft4Sfl

89::i:i'i5iM
Srs. redactoresXao pretendoenvolver-me as
questeede Arataugil, que tanto tem preoecupado
a atlencio publica. -
Viudo a imprenta, o meu ftm laa-saniente de-
fender o digno ju7. municipal supplefltHas een-
saroes, qoe injustamente Me tenUto feilas pelos
Aben-Hamct, Argos de Ipojuca, e outros, sob a des-
presivel capa do anonynio.
O que tein commeHido esto juiz de arbitrario e
violento para se levantar contra elle umanha ce-
leuma ?
Por ter raquisitado a forra publica para manler
a ordem quando foi alterada com a invaso da ca-
sa do tenentc-coronel Joo de S 1
Por ter legalmente expedido mandado de despe-
jo contra essns invasores ?
Nao ha razio para se levantar contra elle tama-
nha celeuma.
Se elle se tivesse dado de suspeito, como se pre-
tendeu, seria entilo merecedor dos encomios dos
defensores do tenente-coronel Gaspar, mas como
nao o fez, porque linha consciencia de cumprir
com os seus deveres, tuanequim, maniceUa, as
iuos do tenente-coronel Joo de S I
Discutan) a questao do modo e da maneira que
quizerem, mas com dignidade, com decencia, nao
queirain procurar manchar a reputacao de um
juiz, que tem cmo primeiro dever conserva-la il-
iesa, iilibada.
O capitao Lourenno Bezerra Alves da Silva, in-
teirameate incapaz de se por as ordens do tenente-
coronel Joo de S, com sacrificio dos seus deve-
res e de sua dignidade : de um carcter probo c
ni dependente, elle nao est ua posico de servir de
instrumento do tenente-coronel Julo de S e ncm
de umguem : disto podem ficar dertos os seus gra-
tuitos e detractores.
Sirvam estas poucas linhas de un solemne pro-
testo contra o que se tem eseripto em desabono do
carcter de to distincto cidadao.
Bemlca, 14 do jnlho de 1869.
Fumino Fraitsiso) de Paula ilesq-iita.
MOVIMENTO DO PORTO.
fiados entrados no da 16.
Babia8 dias, brigue nacional Marinho, de3i0
toneladas, capitn Manoei Antonio do Souza Del-
irio, equipagem 12, carga pipas vaslas ; a Ma-
noei Tefteira Basto.
Babia6 dias, brigue portuguez Adclino, de 196
toneladas, capital Mainel Joaquim da Silva,
equipagem 11, carga 1,172 arrobas de carnee
330 saceos com farmha de mandioca ; a David
Ferreira Bailar.
Bahia7 dias, brigue hespanhol Das Hermanos,
de 161 toneladas, capltao Fernando Torres,
equipagem II, em lastro ; a Rabo Scbmettau
fcC.
Nucios sonidos no me uno dta.
Rio da Pratalitigue brasikiro Almeida, capilao
Joaquim Pedro Cardozo, carga assucar e agur-
dente.
Rio-Grande do SulPatacho nacional Francoln,
capilao Joaquim Monteiro Meirelles, carga assu-
car e outros gneros.
AracatyHiatc brasileiro Hara Amelia, capio
Francisco T. de Assis, carga difidentes g-
neros.
LisboaVapor inglez Olinda, commandante Geor-
ge lang, em lastro.
EDITAES.
Ao respeitavel publico
Em consequeocia de ter de mudar-se breve-
mente o Gymuasio Campestre para outro sitio, que
offereca mais commodidade ao respeitavel publico
e maiores vantagens asseciacao artstica, que
funeciona n'aquelle estabelecimento, sob minha
direccao ; requer ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, o thcalro de Santa Isabel, allm de dar al
gumas recitas, cmquanto se effectua nada mudanca ; e como S. Exc, de acedrdo com
o_parecer das dstinctas directora e admnislra-
cao do referido tbeatro, se dignasse attender s
justas razoes exaradas na p-ticao que tire a hon-
ra de dirigir-lhe, provando com isso o alto cava-
0 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, juiz de
direilo da segunda vara criminal e subs-
tituto da do especial do commercio em
eieixici nesta cidade do Recife de Per-
nambuco por S. M. I. e constitucional o
Sr. D. Pedro II a quem Deus guarde.
Faco saber pelo presente que Joaquim
Manoel Ferreira de Souza me fez a petico
seguinte:
Illustrissimo senhor doutor juiz de direilo
do commercio.Diz Joaquim Manoel Fer-
reira de Suuza que, Ihe sendo devedor Jos
Francisco da Rocha Falco, por urna letra
meroanlil saccarla em 9 de junho de 1864,
a 30 dias precisos da quantia de 8O,-$70,
que corre o premio de 2 0/0 ao mez depois
de seu vencimento, que nos termos do art.
io3 do cdigo commercial interrompeu a
prescripro por meio de protesto judicial.
Assim, portanto, requer a V. S se digne
de mandar tomar por termo, e que seja
este intimado por editos, visto como se acha
o supplicado em lugar incerto e nao sabido,
admiltindo V. S. que o supplicante justifi-
que o que vem d allegar. Nestes termos
pede a V. S. deferimento.E R. M.Joa-
quim 'Manoel Ferreira de Souza.Sello nu-
mero hO200 rs.Pagou 200 rs.~Rjce-
bedoria de Pernambuco 8 de julho de 1809.
Alcntara.Franca.
E esta petigao dei o seguinte despacho:
Tome-se, sendo designado o dia de ama-
nhaa s 11 horas para a ioqiiirico. Cidade
do Recife 8 de julho de I89.Neiva.
E sendo feila a destribuicSo ao cscrho
deste jaizo Manoel de Oarvalho Paes de An-
drade, o respectivo escrivao interino lavrou
termos do art. 2
1831, os artigos
tKansoript
Artigo i A disposiQao do artigo 12 da n
ra, approvada p da le provincial n. 797 do U de
maio do anno prximo passadn, Nca extensiva s
Jegnejuas do Poqo da Pauella e Atogados, nao
comprehendeiido as povoacd.;s da Casa Forte, Po-
di Pauella, Cajderairo, Mjuteiro, Apipocos e
Artigo 2. Fleam revagadas as disposiieg em
contrario.Dr. Manoel i Xaicimeitto Mn-haio
Periella. Cenforme. Anlenio Aunes Jurme
Piys. f ^B^
PeraMe a camarlriuiiicipal desia' cidade
estaroam praca nos dias li, 17 e2l do corfaote
para serem arrematadas por quem niaor preco
olTerecer, os alugueis dos quatro ospaco* existen-
tes no aepague publico da ribeira da freguezia de
S. Jos, sendo tres no quarteirao do lado do norte
e um no do sul, todos oceupados com talbos csta-
belecidos por diversos; a arrematabaa fazer ter-
minac quando terminar a dos outros talbos da
inesma ribeira. Aquelies que pretenderen! arre-
matar, comparecam no paco municipal em os dias
mencionados, munidos de llancas na forma da le.
Paco da cmara municipal do Rocife 8 de julho
de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Lea o,
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
sola de lustre. Recebem-se propostas na secreta-
ria do corpo at o dia 20 do correte.
0 secretario,
____________Jos Geraldo etUima.
COMPANfflA
DO
nv
Domingos Alfonso Nery Ferreira, corone
chefe do estado maior commandante su"
perior interno da guarda nacional do
municipio do Recife, e presidente do
conselho de revista da mesma guarda
por S. M. o Imperador etc., etc.
Fago saber que, na 31 dominga, 18 do
comente mez, se reunir o conselho de re-
vista da guarda nacional, como determina
a 2* parte do art. 2J do decreto 1,130 de
li de marco do 1853, na sala das s^ssoes
da cmara municipal, as H horas^Ia manh5a
na conformidade do art. 4i das lntrucces
pn. 722 de 2o de outubro de 1830; afim
de tomar conhecimento dos recursor que
versaren) sobre os casos indicados no. art.
33, e que forem interpostos pela nnlneira
determinada no art. 38 das ditas ins-
trueces.
E para constar a quem convier, mandei
putlicar pela imprensa. -Qnartel do com-
mando superior interino da guarda nacional
do municipio do Recife, 10 de julho de
1869.
Domingos Affomo Senj Fcrrtirq.
Perante a cmara municipal desta c-
dade, estar em praca nos dias 14, 21 e28
do comente, para ser arrematado por quem
maior tireco olerecer o imposto de 500 rs.
por cabeca
Os sniores accionistas desta companhia
que quizerem munir-se de falhetos contendo
os trabalhos da mesma, decorridos no anno
linanceiro do Io de maio de 1868 30 de
abril do comente anno, podem dirigir-se ao
escriptorio da companhia, ra do Cabug
n. 16, que lhes sero fornecidos.
Bscriptorio da Companhia do Beberibe,
16 dejuio de 1869. ^w wTwl
O secretario,
* Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
Santa casa da misericordia do
Recife
A Illui. junta administrativa daSanta Casa da
Misericordia do Recife na sala das suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia 22 do corrente,'re-
cebe propostas para a pubbcacao do seu expedien-
te e annuncios, devendo ditas propostas seren
apresentadas em cartas fechadas com a declara-
cao do preco flxo porque cada individuo se com-
prometi a fazer semelhante servico.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Ro-
ife 16 de julho do 1869.
O cscrivfio,"
_______ Pedro Rodrigues de Souza.
O Illin. Sr. inspector da thesuuraria de fazen-
da de Pernambuco manda fazer publico que em
virtude da qrdem do thssouro n. 89 de 5 deste
mez, acba-se autorisado para vender apolices da
divida publica at o prego de 81 /. Aspessoas
a quem interessar deverao dirigir-se a referida
thesouraria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 18 dejulho de 1869.
O oflicial-maior,
________ Mancel Mam tile da Silva Costa.
Correio geral.
Relaco das cartas registradas existentes na
admfnrstraco do correio desta cidade,
para os seguintes senhores :
Alvaro Paulo Nublat, Alfredo Saldanha, Antonio
Moreira Porto, Barao de Villa-Bella, Christovo
Gomas Pereira, Custodio Joaquim Lopes de Souza
Jnior, Carvalho & Nogueira, desembargador Cae-
Uno Jos da Silva Santiago, Catulino GoBcalves
Lessa, Demetrio Hermllo Cavalcant, Fonseca &
Santos, Firmino Theotomo da Cmara Santiago,
Francisco de Assis Pereira Rocha, dos mbargador
Francisco Baptista Gitirana Costa, tenente-coronel
de gado vaceum, morto-^rjara Francisco Camello Pasma de Laceraa. monsenhor
consumo as freguezias do POCO de Paliella, Francia Muniz Tavares,FranciscoMoicorvo Lima,
1 Francisco Xavier Pereira de Brito, Getulio Augus-
to de Carvalho Serrano, Guiseppe Bartholomeu,
Galdioo Ferreira da Silva, Hermn Blem & S.
Wild, tenente Henrique Sarava de Araujo Mello,
Ismael Cesar Duarte Rihciro,Dr. Inocencio Serfico
CARTA ELSTICA
O Sr, E. A. Qiton ensiar ao respeita-
vel pubJieQ de quem espera .a sua valiosa
coadjuvacp urna de. suas experiencias que
rene
0IHL E 0 ti
Os bilbetes podem ser procurados no
hotel Oriente, e no dia do espectculo no
theatro.
Principiar s 8 horas,
Domingo 18 de julho de 1869.
BE.1BFICIO DA CTIUZ
FRANCISCA B. DA ttlLVA
Grande e variado espectculo em que toma par-
le por especial favor o prestidigitador portuguez
- 0 SR. EDUARDO ALVES CLINTON.
Represeutar-se-ha a comedia em 3 actos
MELLA EM ACCO
Tomam parte os Srs. BrochaJo, Florindo, San-
ta Rosa, Couto Rocha, D. Carolina e a beneficiada.
Segue-se pelo Sr. Clinton
5 diferentes sortes de prestidi-
gitago.
O actor Couto Rocha recitar a poesa do Sr.
Pinheiro Caldas
, 0 OPULENTO
Terminar com a comedia em i actos
0 CONDE DE PARAGAR
o
5 milhoes no dinheiro de c.
^ Actores Brochado, Florindo, Santa Rosa, Gil e
Couto Rocha, adrizas D. Carolina e a beneficiada.
A beneficiada espera toda a proteccao do res-
peitavei publico, assim como agradece desde j
ao Sr. Clinton e a seus collegas que tomam parte
neste espectculo.
PrimSpiar as 8 horas.
COMPANiHA PRAMBOAA--------
' w.
^avesavao costelra pr vapor.
Penedo em direitura.
.0 vapor JafMartbr. commandatite Moura, SMroi-
r Dar o porto cima no dia 19 do corrento
as t horas .la Urde. Recebe carga at o dia 17
as 3 horas, cneommandas, passageiros o dinheiro
a Irate ate as 2 h-.ras da tird do dia da sabida ;
noescriptorio do Forte do Motos n. 12.
CiIMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avesao costefra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Comripe, connnandante Penna, segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da larde. Recebo carga, encomuiendas,
passagens c dinheiro a frote at as 3 horas da
tarde no escriptorio do Forte do Mallo? n. 11
COMPANHIA PERNAMIfUCANA.
DE /
VaVes;a?;1o costeara por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, coimnandant*
Eustaquio, seguir para os portos
_ cima no dia 31 do corrente as 5 horas
la tarde. Recebe carga at o dia 30, encom-
tnendas, passageiros a dinheiro a froto' at as
z horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
2L
Varzea, ACfogados, Muribeca, Jaboato e
S. Loureneo da Malta as pessoas que qui-
serem arrematar dito imposto, habilitetn-se
na forma da lei e comparecam no "paco
municipal em os dias referidos.
Paco da cmara municipal do Recife 8
de julho de 18G9.
Ignacio Joaq'tim de Souza Leo.
Pro-presidente,
Francisco Canuto da Ba-Viagem,
Secretario.
DECLARACOES.
i .i o un igii -un-, (jiuYaiiuu cun i>mj r lu uarrt- {
llieirism.. que o caracterisa. cumbre-mc tributar- 0 termo de protesto segomte:
Protesto.Aos 8 de julho de 1869, nesta
cidtldc lo Drcifr;, env m<' cuetorio, porantu
iiiini e as testemunhas infra assignadas com-
pareceu o supplicante por seu procurador
pirnanibucano, ompartiihando os nobres sent- Antonio Carlos de Burgos Ponce de Len, e
Ihe os meus eordeaes agradecimenlos.
A assweiacao do Gyainado Canipe^lrn. tendo lu-
tada aten tudas as eontrariwlaA poaitais, para
dignamente sustentar a ardua tarefa pie sobre si
tomou ; espera, que o benigno e Ilustrado povo
inentos do Exm. Sr. presidente da provincia, n*
dexe de coadjuvala nos poucos espectacul s que
vai exhibir no theatro de Santa Isabel, nnico meto
do salva-la de comproius-os, que, infelizmente,
/orara occasionados pola fatalidade.
O annuncio da primera representaco. acba-se
no lugar competente.
De Giocanni.
Protectora das familias
Associaeao brasilera de seguro mutuo sobre a
da, approvada por decreto do governo imperial,
de 13 dejuuho de 1864, e gerda pelo Baneo Ru-
ral o Hypothecario do Rio de Janeiro.
Commssao fiscal.
Veaor Jos Joaquim de Lima e Silva Sobrinho.
Cjtnmondador Jeronymo Jos de Mosquita.
Commeodador Boaventura Gon^alves Roque.
Commendador Guilherme Pinto do Magalhes.
Esudo dessa associacao em 30 de abril de 1869
contratos 3,802.
Capital subscripto rs. 8,716: i70i580, as pessoas
que quizerem inscrever-se podero dirigirse na
ra do Livramonto n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, oncarregado pelo
Banco Rural e Hypothecario do Rio de Janeiro,
para promover assignataras para a mesma asso-
Laof
COMMERCIO.
EHGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou prgso sobre as cidadet
prtBcipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-Yort
e New-Orleans, e-imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 36,..
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & C.
Comprara e vendem por conta propiis
raetaes, moedas nacionaes e estrangeiras.
sejj8| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commcrciaes.
ncarregam-se por conta alheia das mes-
uias transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos cotnraercies.
Receben quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Pelourinbo n. 7.
por este foi dito que reduzia a termo o
contedo da petico retro que offerecia co-
mo parte do presente, em que d pois de
lido se assignou com as indicadas testemu-
nhas.
Eu Manoel Silvino de Barros Falc5o, es-
crivao interino, o escrevi.Antonio Carlos
Pereira de Burgos Ponce de Len.Luiz
Francisco de Mello Tavares.Bellarmino
Antonio dos Santos.
Depois do que o supplicante produzio
suas testemunhas no dia designado as quaes
sob juramento dos Santos Evangelhos de-
pozeram convenientemente acerca da au-
sencia do supplicado, e o respectivo escri-
vao interino fazeudo tudo sellar, autoar e
preparar, me fez os autos conclusos e nos
quaes dei a senienca seguinte:
Em vista dos depoiraentos das testemu-
nhas de fls. 6 a lis. 8, hei por justificado o
deduzido na petiejk) fls. i e em conse-
quencia mando se passem editaes de citacao
com o prazo de 30 dias, pagas as cusas ex-
causa pelo justificante. Cidade do Recife
10 de julho de 1869.Manoel Jos da Silva
Neiva.
Em observancia desta sentenca o respec-
tivo escrivao interino fez passar o presente
edital com o prazo de 30 dias, pelo qual
e seu theor chamo, cito e hei por citado ao
referido supplicado ausente, para dentro do
dito praza comparecer ante este juizo por si
ou seu procurador allegando e provando
o que fr a bem de seu direito e justica sob
pena de revelia.
E para que o supplicado nao fique inde-
fezo toda e qualquer pessoa, prente e ami
go ou condecido Ihe poder fazer sciente de
todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e afixado nos luga-
res do cosiume.
Dado c pwsado neste cidade do Recife de
Pernambuc, aos 14 de julho de 1869.
Eu, Manoel Silvino de Barros FalcSo, es-
crivao interino, o escrevi.
Manoel Jos da Silva Neiva.
Pelo presente se faz publico quem interes-
sar, que as contas dos impostos de 20 por cunto
sobre o consumo de agurdente, 4 por cento sobre
diversos estabelecimentos se achain em poder do
escrivao Baudera, em eujo escriptorio ra do
Imperador n. poderao os contribuimos solicitar
as respectivas guias, independente de citacao ;
assim cono as dos impostos de 20 por cento sobre
diversos estabelecimentos, o 8 por centosobrc cs-
criptorios e consultorios mdicos, no ^cmUrlo do
-orivr. > inicint. Mnima, a ijuem TOrSTtfTftsirt-
buidos, o para tal fim se conceda o prazo de 30
das, a contar de boje.
Recife, 6 da julho de 1809.
O solicitador da fazenda provincial,
_________________J. F. Correa de Araujo.
De ordem do illm. Sr. inspector da
thesouraria de fazenda desta provincia se
faz publico que, se nao tendo arrematado
no dia 7 do corrente a metade da casa
terrea adjudicada fazenda, sita ladoira
da Misericordia na cidade de Olinda, ser
de novo posta era arrematacao perante a
thesouraria no dia 24 deste mesmo mez,
ac itando-se propostas em cartas fechadas
at as duas horas da tarde desse d:a, sendo
que as pessoas de Olinda que pretenderem
a dita casa poro entregar ao respectivo
collector at o dia 23 as suas propostas
que serlo por elle encaminhadas esla
thesouraria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco, 9 de julho de 18C9
O official-maior,
Manoel Mamede da Silva Cosa.
Jos Antonio Al ves de Britoj Dr. Jos Antonio "de
Figueiredo, Jos Antonio Pires, Jos Fernandes dos
Santos Bastos, Jos Ignacio da Silva, Jos Moreira
da Silva, Jos T. de Aguiar, Luiz Goncalves da
Silva & C., Maturino B. de Mello, Miguel Ferreira
Dias dos Santos, Dr. Manoel Ambrosio da Silveira
Torres Portugal, Manoel Coelho Cintra, Manoel
Gomes Viegas, Fr. Nicolao do Bomflro, Prente
Vianna & Pedro Tavares da Costa, Dr. Silvino
Cavalcant de Albuquerqne, Venancio Augusto de
Magalhes Neiva, capilao Vicente Antonio do Es-
pirito Santo.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
Sabbado 17 de julho de 1869.
EXTRVORDLNARIO ESPECTCULO
GRANDE DIVERT1MENTO
ULTIMA REPBESENTACAO
DE
MAGIA MODERNA
fSem auxilio de aparelhos)
Pelo prestidigitador portuguez o Sr.
Eduardo Al ves Clinton
ESTRA DA COMPANHIA DRAMTICA
DO
(iymnasio Campestre.
tulnta-feira a de julho.
Primeira representaco pela companhia drama-
tica doGymnasio Campestre, do excellente drama
de grande espectculo em i actos e 6 quadros,
ornado de msica e dansa, intitulado
ESMERALDA
Personagens. Actores.
Phebus de Chateaupers, capilao
dos archeiros do rei......... Sr. De Giovanl.
Claudio Frollo................Brochado.
Quasimodo, sineiro........... Florindo.
Gregorio, esludaute e depois pe-
lotiqueiro.................,. P. Augusto.
Clopin.............:....... i Fretas.
Estachio...................'.. Braga,
Cnpcnolle................... Emiliano.
Procurador do rei............ Silva.
Um offlcial.................. Henrique.
Um guarda.................. Marques.
O carrasco...................N. .
Esmeralda, bohemia.......... D. Jesuina.
Gndula, louca............... D. Olympia.
Falourdel, eslalajadeira........ D. Joaquina.
llomens e muheres do povo, soldados etc., etc.
Dnominarao dos actos.
1." A procissao dos dodos.
i." A louca.
3. O assassinato.
i A combinado terrivel.
3." O refugio de Esmeralda,
6. Ocadafalso e o perdo.
A msica do drama c composicao do eximio
maestro portuguez o Sr. Francisco de S Noro-
nha e ensaiada pelo talentoso e inspiradissiino
maettro brasileiro o. Sr. Francisco Libanio Colas
Filbo.
Terminar o espectculo com a representaco
da espirituosa comedia em um acto ornada de
mnsica e dansa denominada
A criada impag-avel
A msica desta comeda, excepcao de um nu-
mero, composta pela Sra. D. Jesuina e instru-
mentada pelo Sr. Colas Filho.
Tomam parte a Sra. D. Jesuina e os Srs. Pedro
Auguro, Silva e Di-Giov ni.
Os bilbetes acham-se desda j no escriptorio do
theatro.
RIO DE JA1IM
Para o Rio de Janeiro pretende sabir com
a maior brevidade possivel o brigue nacio-
nal Trovador, recebe carga e escravos a
frete : tratar com as consignatarios Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Santo,
i). G, segundo an lar.
Maranho
Para o Maranho pretende seguir com
brevidade o hiate nacional Roza, para o
resto da carga que Ihe falta, Irata-se com
Marques, Barros A C, no largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar.
~TAEA LISBOA^
j segne rom toda a brevidade a barca portugmza
Constante III, por j ter parte da carga prompta :
para o que Ihe falta e passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos 4 C, largo do Corpc.
Santo n. 19, ou com o capitao na praca do Com-
mercio.
l'tlU
Para o referido porto segu com muita brevida-
de o palhabote portngnei .Voto Protegido, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o resto
que Ihe falta tratase com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio'
n. 17.
ALFANDEGA.
llendimento do dia 1 a 15. 494:1291390
dem do dia I......27:03*478
521:161*868
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Voluntes sabidos com fazendas 193
dem dem com gneros 146
339
Descarregam bojie 17 de julno
Barca inflaxa Witch ofthe Waveierro c carvao.
Bogue nglftzRio Grand*canos.
Brigue ngiezlfVMoraferro.
Lagar inglezMitrancccwlo o farro.
Perante a cmara municipal dtta cidade, esta-
r em praca nos dias 21, 24 e 28 do corrente, pa-
ra ser arrematada por qnem menor preco olTere-
cer, a obra da ponte da estrada que conduz ao re-
miterio publico, oreada na quantia de 8:140000:
as pessoas que pretenderem arrematar habilitem-
se na forma da lei, e comparecam nos refridos
dias no paco mnnicipal.
O orcamvnto respectivo acha-se na secretaria da
mesma cmara, onde ser apresentado aos que
quizerem examinar.
Paco da cmara municipal do Recife, 14 de iu-
lbo de 1869. J
Ignacio Joaquim de Souza Leao,
Pn presidente.
Francisco Canuto da Boa-viagem,
__________________Secretario.
A cmara municipal desta cidade faz publi-
co para conhecimento de seus muniipes a postu-
ra addicional abaixo transcripta que foi proviso-
riamente approvada pelo Exm. vico presidente da
provincia em 7 do correte.
Pafi frmari municipal do Recife, 14 de ju
l no de 1809.anaci Joaquim de Souza Ltao
pro-presidente.Francisco Canuto da Deaviaoem
secretario. ^^
*' eccao.-Palaco do governo do Pernambuco,
7 do junho de 1869.O vicepresidente da pro
vincia, tendo em vista o que pooderou a cmara
municipal do Re*ife, em offlcio de 3 do correle
son n. w), moto injrovar pro'iwriaoienie nos
Santa- Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa
Casa da Misericordia do Recife, tem.de
mandar edificar no lugar em que existe o
sobrado arruinado n. 33, da ra Direita,
um armazem com duas frentes, urna para
a mesma ra, e outra para a ra da As-
iumpco, com tres porlas em cada urna
dessas frentes, tendo as portadas de pedras
lavradas, podendo para esse fim aproveia-
rein,-se as pedras qu#alli existen; deven-
do serem as frentes construidas desde os
alicerces. Contrata, pois, com quem por
menor preco lizer similhante obra, e por
isso convida as pessoas que se propoze-
rem a effoctua-la que apresentem suas
propostas em cartas fechadas, ate as duas
horas da tarde do dia 29 do corrente mez,
podendo os pretendentes para a fim de
examinarem as ohras a fazer-se, procurar
as chaves daquelle sobrado nesta secre-
tara.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 9 de junho de 1869.
O escrlvSo,
Pedro Rodrigues de Souza.
diS
O inspector interino da alfaudega, faz
publico que existindo no armazem alfande-
gado n. 13, da alfandega velha, oito saccas
com algod5o da marca I C & C com o pezo
de 444 '/a kilogramma, viudas do Aracaty,
no hiate nacional Novo Invencivel, entrado
neste porto em 31 de outubro de 18 5, e
depositados no dito armazem, por Silva &
Alves, em 2 de novembro do dito anno:
e acbando-s as ditas saccas no caso de
serem arrematadas para consumo, nos ter-
mos do cap. p" titulo 3o do regulamento
de 19 de setembro de 18U0, os seusdonos
ou consignatarios defer > despachadas no
prazo de 30 dias sob pena de lindo este,
serem vendidas por sua conta, sera que
lhes fique competindo allegar contra os
effeitos desta venda.
Alfandega de Pernambuco 14 de iulbo
de 1869. l
O inspector interino,
______ L. C Pace de Andrade. \
O corpo provisorio de pohcia contrata o for-
neamento de 400 fardamentos de panno azul (bo
net, farda a ealca), 800 ditos de brim (jaqnota e
cai^a), B00 pares de sapatCei e 300 grmtfts de
EM SED BENEFICIO
Com o concurso de Mr. de Lajournad e
do Sr. Couto Rocha, artista dramtico, que
obsequiosamente se prestam cm attencao
ao beneficiado.
O Sr. E. A. Clinton espera do Ilustrado
publico Pernambucano a valiosa coadju-
vac, que sempre costuma dispensar aos
artistas que a elle recorrem.
O ptogramma, completamente variado,
foi organisado pelo Sr. Clinton, d sejando
assim olTerecer to Ilustrado publico
nestasduas horas de illuso
Umn noite agradavel
Intervallos det 15 minutos
nos quaes urna escolhida orcheslra desem-
penhar varas pecas no salo do theatro
PRIMEIRA PARTE
Logo que a orchestra, dirigida pelo in-
signe professor nacional o Sr. J. Coelho,
tenha executado a grande polka imitativa
Abordageui do Parnahvba
composicao do mesmo artista, seguir-se-ha
pelo prestidigitadorEduardo Alves
O jardim das Hesperides
(invenco do celebre Humo no palacio
Necessidadas)
A destreza de Claverman
nexplicavelum problema de physica
Urna surte indiana
( l'inslar de Davemport)
terminando a primeira parte com o
ESPELHO DE ARCHIMEDES
OU UW TIRO DE PISTOLA
Intermito de 15 minutos.
Escolbida pecas de msica tocar-se-hao
no salo do theatro.
SEGUNDA PARTE
Variadas sortes de magia egypciaca pelo
Sr. Lajournad, que voluntariamente se
presta a tomar parte neste dtvertimento,
escoluendo para Uto as mais applaudidas
e mais-sorprendentes sortes de seu grande
repertorio.
IntervaUo de 10 minutos.
TERCEIRA PARTE
0 Sr. Couto Rocha presta-se graciosa-
mente a r presentar urna de suas scenas
dramticas.
IntervaUo de 15 minutos
OUARTA E ULTIMA PARTE
Experiencias de physica j
seria.
pelo prestidigitador Sr. Eduardo Alves.
Urna lico de magia aos espectadores
O n gordio de Hermann. Um bolso
impagavel ou o diabo no jogo.
Urna sorte dosebiasna noite dofestim
Terminar este lio variado divertimento
com a sorprendente experiencia denomi-
nada ;
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vavogaeio cos el ra por vapor.
Goyanna
O vapor Parahyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 20 do cor-
rente as 9 horas da noite. itecebe
carga, encommeudas,|iassageires
e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 13.__________
"companhia brasilera
DE
Paquetes a vapor.
LEILQES.
LEILAO
de fazendas em contiuuacjk)
- HOjE.
Magalliies Irmaos eontimuirao, por intervengan
do agente Oliveira, o Ican de grande sortimeuto
de fazendas inglezas, francezas e allemaas, de algo-
dSes, linho c seda, sendo jarte avariada, por con^g
ta e risco de (|uem pertencer
Sabbado 17 to corrente
s 10 huras da manhaa, cm seu armazem ra
da Cadei du Recife.
Deportes do sul C3perad<
at o dia 21 de julho o vapoi
Cruzeiro do Sul, conimandank ; de vela mes, cabos,
LEILAO
de 20 barris cora manteiga
ingleza
Segunda -feira 19 do corrrenle.
Q agente Pestaa far lelo por conta c risco
de quem pertencer, de 20 barris com manteiga in-
gleza, sabidos ila alfandega eisa semana ; o leilao
ten lugar em 1 ou mais lotes no dia segunda feira
19 do corrente as 11 horas da manhaa no arma-
zem do mesmo.
LEILAO ~
DE
200 saceos com niilho
Segunda-feira 19 do corrente
O agente Pestaa far leilao por conta e riscj
do quem pertencer, de 200 saceos com milho, em
um ou mais lotes, segunda-feira 19 do crrente,
s 11 horas c unia da manhaa, na porta do Anncs
deposito da alfandega.
Leilao
Alcoforado, o qual depois da de
mora do costume seguir para 05
portos Jo norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
arga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
dase dinheiro a frote at o dia da sua saluda as?
horas.
Nao se recebem como oncommendas senao ob
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua.
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medican.
Tudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros^iue suas passa-
ens s se recehem na agencia ra da Cruz n. 6'7.
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
mcame, ferros, correntes e
mmm ummu
mais pertences, 4 barris com bren, 4 ditog com
salitre. 3 caixas com gaz, 1 dita com pho^pho-
ros, salvados do hiatc nacional Santa Cruz, nau-
fragado em Maracuja
Terca-feira 20 do corrente.
O agento Pestaa far leilao p r conta e risco de
quem pertencer, com a competente auloisaco da
companhia de segurosludemnisadura-de tods
os ohjectos cima mencionados, terga-feira 20 do
corrento, s 11 horas da manhaa, no armazem d"
Sr. Loyo, no Forte do Mallos, pelo lado da mar.
Grande leilao
DE
Paquetes a vapor.
Dos pollos do norte esperado
at o dia 26 de julho o vapor
Tocantins, commandante i. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do sul.'*
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
Nao se receben como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a i
arrobas de peso ou 8 palrao^ubicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser embar
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebera na agencia ra da Cruz n. 57
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C.
COMPANHIA PERNAMRCANA
OB
Navcgacdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formo e
Tamandar.
0 vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os poitos cima
_ no dia K do corrente a meia noite
l.ecebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, a. escriptoriti do Forte do Hatto
n. 12.
de movis, louca, vidros e crj&Ues.
a saber :
1 piano forto do fabricante Erard, 1 mebilia d<:
Jacaranda rom 1 sof, 1 moa, i consoles, 2 ca-
deiras do bracos, 2 de balanco e 18 dita* de guar-
mcao, 2 lustros de gaz com i bicos, 2 (bt-s de ::
luco-, jarn.s o vasos para llores, quadros oom finas
gravitras de pora-lana, tapetes, esleir para forro
de salas, loucas e cortinados, escarradeiras, 1 cama
franeexa, 1 mesa e 1 guarda-vestidos de Erable,
1 guarda-vestido com espedios, 1 cama fraooeza o
1 guarda-roupa de ainarelle, 1 tolllet, 1 HP
ra, 3 coinmodas, Sespelhos, i cabdes, i cama* de
ferio e 1 berco, 1 mesa clstica, 1 guarda louca
1 .sof, 2 consolos, 2i cadenas, 1 quortnhei-
ra, 2 apparelbus de porcelana para jantai
I dito para cha, 1 dito de electro-plate, copos
clices, garrafas e 1 porta-licr, 1 bilhar rom sen*
pertences, 1 secretaria, I estante, 1 machina de
copiar cartas e mutos outros objecin.
Na Passagem da Magdalena casa n. I i.
O agento Pinto far ieilo por autorisatv
urna lamiha que mudou de residencia, dos mo-
vis e mais ohjectos cima descriptor, existente-
na casa da Passagem da Magdalena n. 11, sexta
casa a esquerda depois da poute grande, s 10 3/i
do da cima dito, na referida casa.
O mnibus para transporte (gratis) dos concur-
rentes ao leilao partir s 10 e meia horas era
ponto, de vendo voltar da Passagem s S horas da
2L
PROPOSTAS
em carta fechada para os cogccrlos do brigue in-
glez Search actualmente nestn porto; pede-se que
*ejam entregues no eonsulado inglez antes do mein
da de segunda-feira, 19 do eorrente, declarando
o custo delles e o tempo em que se pode fazer os
LEILAO
Da ai'nafo e gneros perie-
eeule a (aberaa sita ra Di-
reita n. 9t,
O agente Porttual vender cm leilao publico por
mandado do IUm. Sr. Dr. juiz do commer -io a re-
querimento de Manoel Jos Luiz Kibeiro, taber-
na cima pertencente a Francisco JosA Luiz Ri-
beiro, a qual offerece vantagens a qualquer qu<-
quizer principiar no mesmo negocio.
Segunda-feira 19 do crrente.
Dever ter lugar na mesma taberna as 11
ras.
~
v^




N


I
>
/
Diario AVISOS DIVERSOS.1
iterinti ita alfnndOao faz |iublco
ta MhlMiUk' ian n. n nt*i
particiio duas ea ua iiureu 11 n. o
AF,Cura ferragens, vindas de Liverpool no v;i|Mr
iugle Olintlu. enirado ueste porto em 19 de se-
hro de I8G8, a consignarao de Rabe Schamet-
au'A C, comprelienriid'i o raso Je seren ar-
rematadas para constuno, nos termos Jo cap. 6
til. 3" do regulamento de 19 de seteuibro de ISb,
os seuj dunus ou consignatarios deverao despa-
uha-las no praso de 30 das, sol) pena de finjo
He, seren vendidas por sua con la, sem que lites
lique eoaipetindo allegar contra os effcito-j dessa
venda.
Alfandega de Pernambuco ii de julbo de 1809.
L. de C. Paes de Andrade.
Precisa se compra ravo tanoeir,
anda niesmn tratar no escriplnrlo do l Victorino do He/ende
A C. ra d i C.adeia n. Si. i. andar._________
na fabrica de ceneja, rna do Sebo n. .>&_______
Atten Da-so 2:000* ou ni lis a juros sob liypothera era
bens de raz : na ra do Aragao n. lo se aira
lucra osd.
D. H.'iiiieliiila de Curvallio Moura, viuva do
capilo Mauoel Erasino de Carvalho Moura, convi-
marido para assistirem a algumas ipsso uno man-
da celebrar sabbado, 17 do corrauU', as ', horas
da manha, na matriz da Boa-V'wta, Io aimivcrsa-
rio de sen pass;inienii>, o desde j se confessa eter-
namente rata aquellos i|ue rompa recercui neste
acto solemne.
Cosinheira
Precisa se de urna boa cozhmeira para casa de
hornera solteirn : na rna do Queinindo n. 41. luja-
= Preeisa-se alugar mn moleuuo : na i na da
Cartela di> Recife n. 53, loja do chapeos.
O pas>ageir) que no trem do dia I'i pela
tnanbaa llic cabio o cliapco da cabeca, diiija-se i
ra Augusta n. 70, que dando os signaos certos
ihe ser entregue, pagando o incsrao este an-
nuncio._______________________
.Na ra da Saudade n. 1 precisa $e alagar
urna cscrava para servteo de rozmha c compras.
T.MECE1
Nao pude seguir no primeiro vapor, poique os
freguezes nao vieram saldar suas eontas cotua foi
nnnunciado pelo Diaria de Peniamluico ; aos lie-
guezes que se aftreaentareai par i pagar suas eon-
tas, passando ile un anuo faz ahatimento de 30
por cento. os que nao se apresenlarem serao cha-
mados peto Mario, romo se disse em ontro an-
luincio, *isto que Ignora-se suas murada'.*.
Faz llquidaqao
m
Fazendas
.Costunu ioterisso, eortea de ralea c eullete, cortes
de calca e collete de casseinira de cor.
Brim do linlio lino de flor.
Orles de collete de seda preta e cassemira de ccr.
Presos rasoaveis, rita do Cotnineivio n.
7, 4o andar.

No da 8 do correle, ausentou-so da c$sa
de seu seu senlior, a escravn Januaria, com
os esles signaes: alta, magra, cor fula, testa
pequea, olhos grandes, beicos grossos,
dentes alvos e perfeitos, ps grandes e da-
los, andar vagaroso, falla muito descansado,
levou vestido de chita roxa j usado, casa-
veque de la azul j;l velbo, saia de algodo-
sinho branco e camisa de madapolao;
natural do Cear, d'oiule veio lia um anno,
e suppoe-se ter seguido para a estrada de
Afogados, portanlo, pede-se aos capaes de
campo, autoridades policiaes ou mesmo a
qnakjuer pessoa que a capturem e levem-na
ruaDireita n.* I O segundo andar quesera
geperosamento gratificado.
Prensase de urna pela escrava que sirva
para comprar, lavar e vender : quera tiver dirja-
se ao pateo de Pedro II n. 2, loja de bas.
Achando-so dissolvida lirma social de
Jos Marcelino da Rosa de Filhos desde .10 do pr-
ximo passado, o ai da mesma urina em todas as irausaeoSes comincr-
ciaes, s e (ricamente sob sua responsabilidad!1, o
que faz publico para conheeiiiiento do respeitavel
corp<) commercial di'tta praca. Peruainliuco 16
de julho de 1869.
Jos Marcelino da Rosa.
M
Precisa-fe de urna ama para cozinhar em casa
de una pequea familia : a tratar no Mttzeu do
Jolas.
m
*' *
Lonrenco de Mehezes Cysniro Bandeira de Mello
e sua muiher Anna PnOCisca do llego Mello, con-
vidan! a lodos os seus prenles e amigos para as-
sislirem a urna missa rosada, que mandan) cele-
brar por occasiao do priini ico aimiversai io do f;d-
lecimento de sua mui presada ni e sogra Joanna
de Allemao (Jysneirn, no hospicio de Nos-a Senho-
ra da Penha, no dia 21 do rorrente as 7 horas da
inanbaa ; e drsde j BgradeCBn qnrllas pessoas,
que se dignarem de assistir a esseacto de caridade
e religiao.
NAO CO.NTEM NF.M CALOMELANOS NE1I NENHUS1
Ol'TRO UINEIIAL.
A grande necessidade c falta de um ca-
tbartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confianza eseguridade.recommendar
as /ululas vegetaes assucaradas de Bristol,
como urna excellente medicina purgativa, a
-opjkjo," ocuinba fra, ijuart* par negros, co- qual ancfira ^isusi todas as Dartes e mats
cheira, galinlieiro e ma.s aecomraodacoes com ingredientes SWnciaes, toinando-se em um
Precisa-sc de una muiher que saiba le* e es-
rever para se oceupar de duas crianeas de 5 e 6
annos de ulade, e llies ensinar os priir.eiros rudi-
mentos da lingoa portugueza : quera esliver nestas
condicScs annuncic por esta follia, ou dinja-se
O. V. nesta typographia.
= Aluga-se a rasa n. da travessa das Har-
reira?, a qual tem \ salas, 1 gallineto, 13 quartos
um grande quintal todo murado, e plantado de aa-
potizeiros, larangnras, romeiras, goiabeiras, bana-
neiras e mais fracteiras : quema guizeralagar di-
rija-se a estrada de Joao de Ranos, sitio n. i\.
Ireci>a-se de um c.iixeiro para ajudar outro:
a padaria da ra bireita dos Afogados n. 66 A.
Caixeiro
Precisase de um caixeiro que tenha pratiea de
taberna n" pateo do Terco n. 'M.____________
l-'ugio boje, 1G de julho, da falirica de rap, n.
107 ra do Mondego, o escravo Rcnedicto, crioulo,
deidade de 20 annos, bailo e cheio do corpo, um
pouco cambaio. com pouea barba, fallando de va-
gar c por entre os dentes : quem o pegar, enlre-
.gue na mesma fabrica que gratificar com geno-
rosidade.
Fugio
no dia 15 do rorrente o moleque de nome .uiz,
(per apllelo-Cachimbo), de idade 12 annos, ventas
arregazadas, tiernas tortas, levou calca de ganga
azul e camisa branca : quem o pegar queira levar
fundicao da ra do Brum u. 10, ou ra de
Paysand n. 3."i, que se recompensar!.
Attenpo.
Urna-pessoa habilitada se olTerecc para caixeiro
de escriptorio ou mesmo para alguna armazem de
negocio : os pretendentes dirijam-se a ra da Fm-
peratriz n. 16, ou annuncie por este Diario.
Sublime jmblicaro luterana sob o
titulo de Mehwria do Bom Jess
do\Monte, en Braga.
Acha-se venda ua loja da ra
do]Crespo n. 25 A, esquina da do
Queimado, a Primorosa Memoria
do Bom Jess do Monte em Braga,
ornada de gravuras finas, segunda
odicao, obra da penna de ouro do
mui Ilustrado lente da universida-
de f.oimbra, o Exm. Sr. conselbei-
ro Dr. Diogo Pereira Forjaz de
Sampaio Pimentel: quem tiver no-
ticia da extraordinaria devoco que
existe em Portugal para com aquel-|
tnilagrosisssima imagen), aflluindo
sempre para o seu magestoso tem-
plo em romaria, o numeroso povo
de todas as partes desse reino;
quem souber avaliar as brilbantes
descripcoes, e o bello estylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio lftterato portuguez, n5o dei-
xar de procurar quanto antes pro-
[ ver-se de um exemplar da dita me-
moria, pelo diranuto prego de
na loja cima indicada, onde i
peqaeno numero delta
riliiliis assucaradas de Brislol.
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por abi se
vendem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
aquellas porfSes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maravilhoso possivel sobre as regioes do
figado, assim como sobre todas as secre-
roes biliosas. Isto de combinacao com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fura apresentado ao
publico. As plalas vegetaes assucaradas
de Bristol, acliar-se-ho sempre um reme-
dio prompto, seguro e ominentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguir/tes.
Dyspepsia, ou iodi-
gesto,
Adstrinjencia, ou..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flalulenda,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
COMPAWHIA PERHMBGAHA
CO\NEMIO DE WIREt AO
Os Srs. Saunders.Brothers & C, Tasso Irmaos,
Luiz Antonio de Siqueira.
GEREMTE
0 SR. F. P. B011GES.
Restando anda emittir algumas aeces desta companhia, da quantia nominal de
200:)000 cada urna, das quacs s se aceitam em virtude da lei, 20 % ou 40;>000 por
cada accao; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commerci, que queiram dar empreao seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que lites approuver.
Algumas destas aeces j tem sido tomadas por pessoas que cochecem a vantagem,
de na presente occasiao (conhecjdamente a melbor), empregarem o inheiro de que
poderem dpr em objectos de valor real, como.vapores, predios etc., que Ibes garan-
tan) seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a diegar de Inglaterra, onde foi construido expresamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno ptie possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido ds 10 % ao anno nos ltimos 4 annos.
As accoes que se emittirem gosam dos mesmos direilos, e percebero o beneficio
dos mesmos dividendos que osantigos em proporcao da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio dacompanbia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12.
ECONOMA
PARA AS FAMILIAS
E
F.IXEMUAS
PARA
entregar as chaves ao proprietario do pre-
dio.
O arrematante do estabelecimento de fazendas da ra da Imperatriz n. 36,
intitulado JARDIM DAS DAMAS, tem resolvido liquidar todas as fazendas que nellc exis-
ten), afim de em poucos das poder entregar as chaves no proprietario do predio, por-
tanlo convida ao respeitavel publico a vir sortir-se do grande sortimento de fazendas
que existem no mesmo; podendo comprar por menos 50 o/0 do que em outra qualquer
parte, e algumas talvez por menos anda.
Entre o grande sortimento de fazendas que existe nesta loja tem o segunle:
Finas percalas de cores fixs. Ditas lavradas de urna s cor.
Chitas finas claras e escuras, cores fixas. Brns de lnho mtudnhos para meamos.
Cassas francezas muito finas. dem dem com padres mais grados.
Finissimos bareges com listas de seda. Gros-de-napoles pretos e de cores.
Ditas transparentes com listas. Pannos finos pretos e azues, do mais bai-
Lanznhas muito finas com listas e flores, xo ao superior.
Alpacas lavradas com flores. Casemiras de cores pata calcas, de todas
Cortes de cambraia de cor com barras as. qualidades.
nmiMias do. juunr
que est finalisando a liquidaco darua do
Crkpo n. 17 de Anttms Guimaraes & C.
Camisas bordadas para senderas, lencos de labyrinto, fronbas, bicos e rendas da
Ierra, crjs de'tarlatana bordados par pasamentos, "cortes de vestidty de oaiubraias
bordados, alpacas de cores lisas e de listras. precalas aindade Ijonkos gostosjcfsaqui-
nfcosdc casemri para sehoras, safas boWadas e liafOes de todas as ii'ta'idadlJRtc.
fra da -iuidacalo
Ricos cortes de vestido de blond, recebidos pelo u.llimo vapor.
Pompolinas de gustos especiaes, que muito agradam.
Gorgor^HBftde cores para vestidos, fazenda ultimamenUcliegada. >
Colxffj de$etto de todas as cores. _-^rfflWit
(;iiit^S afostuadas fazenda nova- no mercado.
Rico^chapos de palla para seuluuas e diapelliuas de novo gosto. [
Esleirs da India proprias parj torrar salas e quartos.
Bons e bonitos tapetes de todos os tamanhos.
Tpeles avecindados para covados: e ouiros muitas. fazendas ijue s vstase
v a realidad do barateiro.
bordadao.
Ditos de duas saias, com ngurinos.
Ditos de cambraia branca, bordados.
Ditos de velludo para colletes.
Ditos do gorgurao de seda.
Saias bordadas, com qqatro pannos.
Ditas com barras de cores.
Ditas de lan, bordadas.
Punhos com gollinhas de cambraia.
Alpacas lisas com listas.
.Kifakeinu}'- manguita!*' com SOlltlliaS de
cambraia transparente.
Manguitos com punhos.
Punhos com gollinhas.
Pelerinas pretas, de fil e croch, borda-
das.
Finissimas tiras bordadas para ntre-
melos.
Ditas para babadinho, tendo de todas as
qualidades e larguras.
Assim como
um grande sortimento de roupa para homens, tendo paletots, calcas e coletes de todas
as fazendas e qualidades; e outros muitos artigos que seria impossivel nomoa los todos.
O que arrematante deste estabelecimento pode garantir ao respeitavel publico que
sera bem servido e por procos muito comtnodos, por ter grande urgencia de esvazear
O estabelecimento, pela razo que j deu de ter de entregar as chaves em poucos dias
Isto na loja da ra da Imperatriz n. 36, que tem um relabulo com o nome de
CENTRO
DO.
MUNDO ELEGANTE
Os abaixo assignados, nicos representantes
da lirma social de Jos Marcelino da Rosa & Fi-
lhos, faiena sciente ao respeitavel publico e parti-
cularmente ao corpo commercial, que em data de
30 do mez passado amigavelnieate dissolveram
dita sociodade, retirando-so o socio Joao.Chrysos-
tomo (ionafves Rosa paso e satisfeito de seu ca-
pital e lucros, e iosonerado de toda e qualquer
obrigacao activa o passiva, ticando a liquidacao
das me'sraas a cargo do socio Jos Marcelino da
Rosa. Recife 16 de julho de 1869.
ellno da Rosa.
Joao Cbryso6tomo Goacalves Rosa
Precisa-se
unia que se retira para
acostumada3 a
a tratar na ra do
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Aft'ecces do figado,
Ictericia,
llemorrodias.
Man balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam t
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo?
os purificadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois que estas
duas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
afliancar n5o s um grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.___________________________
Para S. Exc. o Sr. pre-
Bidente-da provincia
ver.
Ha entre nos um professor de instrueco
publica, que ao mesmo tempo serve de
coadjutor da freguezia onde mora e lec-
ciona; e p rcebe da thesouraria provincial
ambos os ordenados. Haver lei que isso
permitta ? Chamamos, por tanto, a aj^ft
Cao do Exm. Sr. presidente da provincia
para semelhante abuso, que ha muito
tempo tolerad^.
O viga do cofre.
esta venda um escolhido sortimento de ob-
lectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
jarand. mogno e amarello, obra nacional e estran-
jeira, de apurado go^to e por prcjjo.' razoaveis :
a ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
sasa fazem-se cora pcrreico todos os trabalhos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
DE
CARVALHO & MOURA
46-RllA NOVA-49
Os proprietarios deste elegante estabelecimento, vidos de bem satisfazer ao
respeilavel pablico, tanto na perfeico de suas obras como na escolha dos objectos que
tem expostos venda; mandaram vir de Paris, por conta propria, diversas fazendas e
aviamenlos finos-, os quaes a par d'uma hbil thesoura, tornam completa a perfeico de
qualquer obra que seus freguezes se dignarem encommendar-lhes.
Entre as diversas fazendas de gosto ctam-se as seguintes :
Panno fino preto Imperial.
Casemira preta Elasticolina.
dem azul dem.
Merino escossez preto.
Dito romapo cor de caf.
Casemiras escuras finas.
Rrins brancos eheorpados.
Ditos ditos com listra de cor.
Ditos finos de edres.
Gorgurao preto e de cores e de padres'
novos.
Colarinhos bordados e lisos.
Alpacas pretas e de cores.
Camisas inglezas finissimas.
dem idem finas,
dem francezas idem.
Punhos de lnho e algodo.
Grvalas Regates pretas e de cores.
Lencos embanhados brancos e de cores.
Meias, ceroulas, camisas de meia, colxas
. de fusto, etc.
Oque vendem por precos muito razoaveis, com o fim de angariar freguezes:
convidan) portanto' ao Ilustrado corpo acadmico se digne visitar seu estabelecimento
para melhor certificarem-se do que dexam dito.
VERDADEIRAS
PILULaS dE BLANC
COM tODURETO 00 PEDRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DB MEDICINA DI PARS, ETC.
Fossuindo as propriedades do ledo el do farro, convem especialmente ns affkcco
escrofulosas, a Tsica no orincipto.a fraqwxa a* temperamento tam)>eni nos caso?; *
Falta dk cor, AMENORRHEA.em que precisa reag sobre o sangub sej pare restituir
Ibe t eua riqueza e aliundencia normaes, ou para provocar e regular o eu.curso penodico.
N. B. O ioAanle A fwrn imf-ure oo Iterad* *m mediciniento infiel, >fV^ /"V
Irritinle. Cor.io troT df purexa de tulheneidade d ?er*J-lr- -M- jfJfaMri-Jtfl
tol* de Blancar.|, deve-se exi-rir note* ** pnrt re**lv *>trca7r^f^Ji
no^iio Brtmm, eini reprodmiit, que m ch pr* interior de Ha* j******f--f~.
rtul* tctOp. Ceve-ae tebam-*e i-nr Inda* ihirtlnlK Phatnuuutitv, TMU a*e*^g^*^^*
SOFFRIWENT03 DESTOMAGO, CONSTIPAQAO.-
Cura cm i)\ho di:is pelo CARVO DE BELLOC em p ou ciii putitlias.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Besas**- ood-
^IiIjs veimiaiucule polas PEROL AS D'ETHER i I' CLLliTAJ.
ANEIllA, A FALLICEZ c os soflHnientosque necessitamdo
cmpiepo dos ferruginosos sao ecmprc combclMoi com o melbor resultado
pelas PILUtAS DE VALLET. Cada I'ula I.mii incravado o nomo V1LLET.
PO DE ROG. Hasta di.-bolver um frasco deste p em meio
garrafa d'ago* pai*a se obtfir una limonada agradavel que pinga sem fa-
ler clicas.
ViNHO DE QUINIUM de barraque. Este vinlio, um dos
poucos cuja composicao garantida constante, urna das mi lliores pre-
prateos de quiiino, soin acQ*io notavol sobre os couvalescentes, dando-
lhes forcas e aprossando volta a saude. Cura as febres antigs que re-
sisti ao sulfato de quinino.
MOLESTiAS DA BEXIGA. A maior parte .l'estas moles-
tias, coir.o as salticas, lombagos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral S50 curadas peliis PEROL AS DE ESSENCIA DE THEREBINTINA do
Dr. Clertan. O piotisso- Trousscau cm seu Tratado de (.teraputica acon-
selba as para scrcn tomadas na occasiao do jantar, na di se de i i 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.
Garantido puro c de priineira qualidade, um dos poucos aprovados pela
Acaiiemia de medicina.
AVISO. Todus estes medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Paiis.
DEPOSITO
En Paria, L. FnERE, 18, rna Jacob
DtToscuEi.t-E ; Heiium 4 Pernambuco. Uadaeb ct Ck.
Ccara.....SIacher et Cu.
Ii.ini'.i'i
Imh et C'\
OPPRESSO SOFFOCgO
A* Peroina dv.-iipr no notiTor. Cti rtan approvadas pela Acadomia imperial
: medicina de Par/ acal mam quasi sempre iiulantaneamenle os ataques d'asma,
ii|ifivssan, somuneau, :issllli coiim*-as iliires de cabera e .nxaijuecas. sufB-
cieute na occasiao em que opparecer o mal, o engolir-sc unta uu una pe-olas
com urna poma d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este genero de doencas.
\n Pernio de trrrlienthinn DO DOuTOR Cl.ERTAN SO illl>l'e'_''td'lS diariamente
i com grande exilo para a cura das nevralgi.ts, rheuinatisnM, sciatico e catarrlios
da bexiga, lisias pcrolas foram sempre recommendadas por um grande numero
de mdicos c especialmente pelo lloutor Trousseau, que indica este medica-
mento oomo o mais elTicaz. conveniente tomar de 4 at 8 na occasiao das
comidas.
A approvacao da Academia imperial de medicina sem duvida a melhor
garanta da boa preparacao d'stes medicamentos e de sua efficacia.
Depotito em Itiu-J.wtmo, hiponchelle; Chetoht. Em Pkrnakiiico. ilaurer k C".
QUINIUM (.ABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA CE MEDICINA DE PARI2
e febrfugo
(
deve ser
O Quinium Labarraque, eminentemente tnico
preferido todas as outras preparagOes de quina.
Os vinbos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razao de seu modo de preparacao, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporcOes sempre variaveis.
0 Quinium Labarraque, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composicao determinada, rica em
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Quinium Labarraque prescripto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles_
tias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; s mullir-res depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doenea.
No cazo de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com as pilulas de
Yajllet, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida accao.
Deposito em Paris, L. FRERE, 19, ru Jacob
Rio-Janeiro, DPONCHELLE; CHEVOLOT. Pernambuco, MAURER et O
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Peir*a a Superioridade d'a
PERFUMERA oriza
liTeBtada por LE GR AND, Perfumista do Imperador dos Frueezes,
PARS. O?, Rna Saint-Honor, O?. PARS.
O-t^ME ortizA.
DE N1MON DB LENCL06
Para dar (rucara 4 pttle, dnruir ai rujo rfa cara
coniertar eternamente a belleza dajutenlude.
ORIZA LACT
LEITE ANTErilELteO
Para refreicar, tranquear e adocer pelle, faund
deeapparecer ai nodoai M lardai.
SABAO ORIZA....... D'uma mata excesivamente suave e d'um perfume dos mais delicades.
ORIZA-C.iEAM Moussuse. Massa cs|iccij)uiente preparada para os banlios e a barba.
ORIZA-FLUID...... Pomada fortilicantee nutritiva para conservaroscabelloseempedilosdequebrarem.
ORIZA PHILOCOMS.. Teluno de bui e oleo de tela com base de quina para os cabellos.
ORIZA-OII........... Oli'ofinissimo perfumado para lustrar os cabellos e empeililos de quebraren!.
ORIZA-BRILLANTINE. Cristallisado eiun violla, para dar brillio aos cabellos e a barba.
ORIZA-r'LOWKRS.... Agua incomparavrl de um perfume saave e delicado, para forlificardo ll pelle.
OHI/.A-AC.IDULIN... Vinagro do loucador, aroma e anlephilico.
ESSKNCE-ORIZA..... Perfumo concentrado para os lencos prodtictn muito delicado.
ORIZA I.YS..........' Perfume do bom tom c da alta sock-dade para os lencos.
ORIZA-VOWDERS.... Flor de arroz da Carolina para a cara e a belleza da pelle.
OR1ZA-DENTIKRIOP... Para alvejar os denles c conservar as (engivas. .
OR1ZA-DENTA1RE.... Nora massa para alvejar os dentes sen destruir o efmalle.
AiUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DE TANNINO
Fin Imftu t ulikridai ti ust-i, tirlikiiidi m ubi las, n apediad* it cabir n Iwtii criu rilitiawl*.
DEPOSITO GERAL na Caza de
E em Caza de todos Perfumistas do Brazil.



I
K
i
Di*
!
rio de Pernambuco Sabbado 17 de Jullio de 1869.
r
H1 PALOB
ITA Antiga e creditata
FABRICA
>l
IICIITII II ClIirilTIlMTI HU CI1PLII0 1IIT1IIRTI II
CHAPE* DE SOL;
De toda u qualidades I
D todos os feitios !
De todas os precoa I
RA DO CRESPO N' 4
\m DE MMAMIPE
ADVdCACI
O badurel Augusto Cmkfs Vaz de
Oliveira, tem aberto. sea escriptorio 4c
advo.-aeia na cidade *!<; Mam.-ingmpp,
(provincia da Parahybuj idc pode ser
procurado.
Nesta_ captol podern ntender-se
awirniao o Sr. Justina J. de S. Cappas,
4 ra do Hospicio n. ti.
DENTISTA BE PARS
19-Ra Nova19
FREDERICO GAIJTIEt
Trocam-se
i notas do banco do Brasil c das eaixas Alia,
m descont mnito razoavcl : na praga da Inde-
pendencia n. 22.
' Aluga-se o segundo ailar o. soto da easa
da na da Sentada Velha n. 22 : quem pretender
talle, cun Jos Amonio Guiniares, en cora Tho-
nuz Fernandos da Ounba, ra da Cidria n. \\.
Paraguay,
Na ra Direila r. 5*3, recebe-se qualquer quan-
ta de dinheiro para entregar no Paraguay seo
lucro algum, dande-se disso garautia.
TfEClO^
M'iito se precisa fallar com o Sr. Manoel Caval-
canti de S Albuqucrque, na praeado Corpo Santo
n. 17. a negocio de seu ajera
T

Feitor
Precisase de nui feitor d boa conducta e que
seja casado a tratar na ra do Mondego n. 107,
fabrica de ppe.
Oratificaqo.
Tendo-se perdido urna pequea caixa redonda,
irurgiao-dentista, muito conhecido ha dez annos n'csla cidade, pela perfeico dos seus ^ff "rniffi^TmTI CTP1 aJ'T.'S
trabaNios, tem a honra de participar ao respeitavel publico que tendo feito muitos me-! caixa liga o dono a mato estknaipor ser ma me-
Ihoramentos na sua casa,, pode d'bora avante receberas senhoras no seu gabinete onde moria de um seu muiprezado prenle, roga-sea
achario os commodos precisos para familia.
Acha-se tambeui na sua casa e na sua companbia, o seu sobrinlio e discpulo
pessoa que a hver adiado, que, por sua bondade
aoeira leva-la ao estabelecimento de cabelleireiro
do Sr. Jayme, a ra do Queimado, sobrado n. 6
1" andar, a qoal recebar o valor da mesma caixa,
alm de se llie licar asss agradecido.
Dr. Ermirib 'Continuo, jtude
ra da Cadtia n. 61, onde tem
lo o seu consultorio me lico, e
pode ser procurado a quaiquer ho-
ra pera o eiercicio de sua profis-
so.
No da 2:i de abril fugio do sitio Mandaca-
ni, cidade da Parahyba, o escravo Manoel, caira,
nariz chato, palillo um tanto carapiaho, e repre-
senta ter :10 anuos de dada; consta- que elle fora
vist i na estrada de Ignarassu : quem o apprehen-
iler pode leva-lo ao >eu ehor Bartholomeu de
Paiva Machado no dito sitio, ou nesla cidade ra
da Imperatriz,n. 14, 1 andar, que ser generosa-
mente gratificado.
Escriptorio de advocada
O Dr. Joao Tlnarh da Silva transferio
o srn escriptorio de advocada da ra do
Imperador para a ra do Queimado n
31, Io andar, por cima da loja de fazen-
das do Sr. Aulonio de IL Bolm, entrada
pelo pateo de Pedro II, aonde uode ser
procurado das 10 horas da iiWnliaa as
3 da larde.
O advogad
AfTonso de Albuquerqne Mello mudou o seu es-
criptorio para a ra das Cruzcs n. 37, derronte da
typographia do Diario.
MVIOLI
ra
com
I. LEROUX
o qual acalia de voliar de urna longa viagem a Europa, durante a qual piaticou com | Trocase urna imagem do Senber Crucifica-
feliz successo as priraeiras casas de Pa
garantas do bem desempenho para tud
anuunciante pede jos scus amigos e clidutes quu uur awso u iuu oitcuuuaieiu uu seuiaor ae prata, oora de i uitogost
gabinete, depostela no dito seu sobrinho a mesma confian?a com que o tem honrado Gnia. taberna b. 7.
a dez annos.
Dentaduras por lodos os systemas: a pressao do r e com molas de ouro, platina
vulcanita e um intimamente novo n'esta cidade.
Cura radical dos denles cariados.
Clmmbagens (obturaces) com ouro e com massas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as-dores de denles.
Agua e pos dentricios fabricados pelo proprio anuunciante, o quelhe permita altan-
car sua boa qualidadu.
Escovas para denles, etc.
\ Arrea l.i-.-e on vende-se o engenho Palermo,
; moente e corrente, com todos os seus utencilios.
situado uo Paco de Carnaragihe, provincia das Ala-
igoas, o juntamente a parte do Ierre.....lenominado
i Condado, pertenconto
Perfeipo de trabalho e precos nwiiradpifc;^^
Viagtns para fra mediante ajusto precio.
O gabinete aclia-se aberto das 8 horas da mania at as 4 da tarde de todos ds
dias olis.
(MEITUIl DOS AWWZES
16 RA DA CRUZ 16
S. AUTOPIO, N. JOAO K H. PDRO.
Ha diariamente suitimento de bollinhos para cha, podins, pes do l, bollo inglez,
presuntos, ditos em feanibre, pastis de dilerentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas e confeitos. Vnhos finos engarrafa-
dos, superior cha Hisson. preto e mi.u>lnUo, ru.-.ta m. xarnoes. ditas sc.iv.as ebrista-
iisadfee, aesucar cand, xaropca refrigerantes.
hecebe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armacoes de assucar, sendo estas preferiris as de papelo: bollos etc., pes
de l enfeitados, qualquer encommenda para fra ser bem acondieionada.
VIVIDAS
O abaixo asaj^oado, aoje possuidor das dividas
do casal do fallecido Jos Baptsla da Fonseca Ju-
;nior, a rematadas em leilao publico, pede a os de
I vedore.s do mesinn casal se diifiiem satislazer seu>
dbitos no praso de .0 dias, a contar da dala des-
te ; lindo o qual proceder udkialmeote a dita
cobran \i : na rus das Cinco Punas n. 8?
Beeife 13 de julho do I8ti9.
________________Joao de Atacado Pereira.
PAtA-SE BKM
a una ama que tcnlia boni leile e nao tenlia filho :
na travossa do Mnleiro, casa terrea com
Os apreciadores de manjares delicados
encontraro todos os domingos, no hotel
central.de Francisco Garrido, a verdadeira
sopa de Ravioli do verdadeiro gosto italiano :
assira como oulras excelentes iguarias que
seria enfadonho mencionar. Ahi se en-
contraro ainda os mais asseados aposen-
tos para hospedes, banhos, buhares e piano
par;a recreio dos habitantes: ra larga do
Rosario n. 37 l" andar.
Pilulas de Bravina
Estas prodigiosas pilulas sendo applica-
das as pessoas acommellidas de febres in-
termitientes, sao incomparaveis em sua effi-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, achando-se nicamente venda na
botica n. 3 i ra Direita desta cidade.
di l-ri-o ao lado, confronte campia do
mero 18.
porlao
gaz nu-
rW
11-Rua estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto estabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este ele-
gante e bem fornecido hotel que situado n'uma posi<;o inteiramente saudavel, e sen-
lo constantemente sombreado plos doces zephyros da tarde, torna-se prefer vela qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racional ali-
mento do corpo, distraco da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; *o
primeiro andar, sala da frente, um excellenle buhar de mogno, para divertimento. Sala
ae traz uin restaurante da primeira ordem. Quanto a asseio e bemfeiloria das comodo-
nas, o delicado- modo do pessoal do estabelecimento, promptido c oommodidade, so
aos illnstres concorrentes dado fazer justica.
Bornece comidas .para fra, tanto por raez como avulso. Todos os dias, a no&e,
oncontor-se tjxcellente sorvete, refrescos, caf, cha, bons vinhos Eigueira, Porlo, Bor-
deaux, tendo bons commodos para hospedagem, salao e quarto mobHiado no spsran
do anda. s
C4S41)4 FORTUNA
Aoo -4:OO0#
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abai.xn nssipnado tendo vendido nos seus mui-
to ielizes bilhetes garantidos I inleiro n. 2453 com
a sorte de 4:000$, i nielo n. 813' com a sorte de
7003 e outras muitas sortes de 100, 40$ e 20
da lotera que se acabou de extrahir em bene-
licio do patrimonio dos orpbos (113') convida aos,
possuidores a virem recebar seus respectivos
t premios sem os descont? das leis, na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Achanvse a venda os da 2o" parte da lotera
beneficio da Sania Casa de Misericordia (114*)
qne se extrahir quima-eira 22 do corrente mez.
Precos.
Bilhete.....i 000
Meio. .... 2*000
Quarto.....1000
Em porce de 100* para cima.
Bilhete.....3*500
Meio......i 750
Quarto...... 875
________________Manoel Martins Fiaza.
Muita attenco.
Fugio nc dia 2!rdo passado mez, as 7 bocas da
manhria, o escravo Manoel, nacao Angola, Idade de
50 annos, pouco mais ou mena, com os signaes
seguintes : falto de denles na frente, andar vaga-
roso, pomas liuas e. niaicas oe bexigas, levou ca-
ma e alca de ctacadinbo e chapeo de pallia ainda
novo : roga-se aos senliores capilaes de cani|io.
que se o apprehender leve-o ra Direita n 16,
t|ue .era i generosamente gratificados.
O professor de latiin da freguezia do S. Jos
desta cidade, abaixo assignado, declara ao pubco
que contina a estar aJjerta a matricula de sua
aula : quem se (piizer matricular na mesaia, di-
rija-se ao sobrado n. 5, no largo da ribeira da re-
ferida freguezia.
_____________Manoel Francisco Coelho.
Club PernSmbucano
A partida do corrente mez ter lugar na
na norte do dia 2i.
PILULAS
VNTI BOUBATICAS
(lira radicalmente as bosbas.
nico deposito.Pharmacia de Joaquim
de Almida Pinto, ra larga do Rosario nu-
mero 10, junto ao quartel de polica.
\AROPE
DE
SU riftltlLHl DO PARA
ou
Depurativo.do sangue
Usado as molestias de pelle, impigens,
dores rheumaticas e ulceras venreas,
NICO DEPOSITO
lina larga do Rosario u I O.
Jl.VTO AO QUARTEI. DE POt.lOIA
Peruambuco.
AOS ?0:0#0$000
CASA !A t OIlTLNA
twa do OrcasH o. *'..
O abaixo assignado tond.. olitido licenca da pre-
sidencia e satkfeito as outras xigcaciM da lei,
avisa ao respeitavel publico que ter sawpro a
venda no seu i ,,ento bilhetes das lote-
ras do Hio de Janeiro, eujos premios serio pagos
promptaniente a vista das listas com o descont
somonte da lei.
Pi s :lnteiros.. 24*000
Meios... li jtm
Quartos. 000
E em qtiantldade maior de 100 5000 na razio
de '22-jOOOpor bilhete
_____________ Manacl Martin Fiuza.
Preeisa-se de urna ama para coziabir o en-
gommar para duas (wssoas, que seja eserava :
quem liver pode dirigir-se a ra do Hospicio nu-
mero 2o.
Ama1
Precisa-se alagar una eserava que saiba cozi-
nliar e comprar : na ra de S. Francisco n. 54.
= A viuva e herdeiros de Juliao Pereira Mat-
toso declaram a quem interessar possa, que nun-
ca pretenderam vender o seu engenho Bom Desti-
no com o llm de exnnrem-se do pagamento dof
dbitos legtimos e por ttulos legaeu do dito lina-
do, como quer fazer crer o nterpetivo annuncio
que o 6r. Jos Gonealvn da Bocha fez publicar
no Diario de Peruambuco <\f tO do corrente mez.
Esta declaraeao fazem os annunciantes por amor
de seu crdito, que muito zelam ; e convidam o
mesmo Sr. Bocha a apresenlar os ttulos de qne
se jolga credor por si ou pelo seu curatelado Joao
Francisco de Oliveira.
Irniandadc das almas na matriz
do Corpo Santo.
Be ordem da mesa regedora convido a todos os
irmos desta irmandade para- mes?, geral no da
18 do presente mez, as 10 horas da manbaa, adin
de tratar-se de negocios de interesse mesma ir-
mandade.
J. J. Lima Barao,
____________________Escrivao._______
Pedro Pinto da 8ilva
Precisa-se saber noticia certa, e para seu inte-
resse, do Pedro Pinto da Silva, filho de Joao Pinto
da Silva, natural do villa de Mesaefrio, reino de
IVrtugal. viudo para esta provincia ha trinta e
tantos annos. Sabe-se que fui eaixeiro em una
loja na ra do Crespo, e depos consta que fui'para
o centro da provincia. Pede-sc ainda a qualquer
pessoa que o eonhecosse, ou dellc possa dar noii-
cia ou inormacao, de dirigir-se Luiz Leopoldo
dos Guimaraes Peixoto, ra larga do Bosario, bo-
tica de Bartholomeu & C, n. 34.
Ama de leite
Prcciaco de urna ama de lete. e paga-se bem,
sendo boa: na ra da Praia n. 1. Na mesma
casa vendem-se charutos linos, sendo das mareas
exposicao, flor de suspiro, lricos, palmeiras, para-
guass, almirantes, brasileiros, lembranca do fa-
bricante.
AMA
1
\jPrecisa-se de urna ama para andar com urna
chanca : na ra do Cabug n. 2, 2o andar.
ESTIBO DE PnfcPAMTIIOS
com repetieo para os alunaos
que ts* de fazer e\an*e eaa
noveiubro.
Jos Soares tic Azevedo, professor de
lingua o liUeratura nacional no gymasaio
proviuiial do Recife, tem aberto em sua
cssa, roa Bella, n. 37:
Um curso Ae
LINO! V KhANCEZA ;
I'IIII.OSOI'IIIA ;
OEOURAPHIA E histouia;
ItETHOflICA E POTICA.
Os estudanles que pretenderem' fazer
exarae em novembro em qualquer destas
materias, pudeui dirigir-se inliawla ie-
sidencia, tarde, das 3 horas em iliaute.
- Ama de leile.
Precisa-so de nina ama de leite
ra Bea! (Estancia) n. 8, sitio.
a tratar aa
j4ma
Precisa-sc de urna ama para eozinliar e comprar
para casa de pouca familia : na na das Croas
n. 28, 1" andar ; piefero-su eserava t> paga-se
bem agradando.
vio s>i: vi:i.a
Barbante
Em caa de Rabe Sclimelao C. Corpo
Santo n. 15.
SHERRT 0L0R0Z0.
Gelo seal.
Em casa de Rabe SchmetUtu A C. Corpo
Santo n. 19.
Roussillon, carte blaiicho.
i;m easa de Rabe Kehiuedaiidk
U. Corpo Kant ^ ii. 15.
VINHO
ni-:
BORDEAUX SUPERIOR.
CilATUAl LA OSE.
CHATEAU KAUZAM
Em casa de Rabe Scbmeilau A- C. Corp
Santo n. I-i.
EMPRESTIMO S0BRE
i o m. Alvares iiiiunaraes, cuja prauca
\ das clnicas data j de nao poucos an-
I nos, faz publico que se yjapOc aqu a
f excreer a medicina em todos os seus ra-
mos, tendo por espeeiaaldade nem s
I as hidropesas, as molestias uterinas,
das vas urinarias, da liexiga e feliris,
I como ainda as amputacoes, (ntnraa. h\-
drocele* e operacoes obsttricas (concer-
nentcs aos pintos); para o que lena aber-
to seu consultorio, ra do Imperadur
n. 17, I-andar, onde dar consultas das
H as 10 horas da manha e das 6' as 7
da tarde.
Declara outrosim, que uaar as mo-
lestias sypliilirieas do tratamento esta-'I
belecido pelo celebre svphilographo Bi-'H
card, que na operaeo do eetropon em- i
pregar o rpido e proficuo prooesso do
prowssor Vidal, de (iassis, para o que
tem apropriados instrumeulos, c que.
as domis operacoes e molestia-1, pora
S em pratca o metliodo ou processo, que
Ki fr mais con cutneo sciencia, e que
f mais vantageus possa auferir aos doen-
S tes.
Promelte, finalmente,- entregar ao li-
Kg vre e.gesiroso alvedro de seus clientes
* a eatiatalh'a e iiagamento de seus hono-
rarios, e curar gratuitamente os pobres
olTererendo-lhes, alm disso, alguns nie-
dicarrentos proprios' conjurar seus
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ra
das faiizes n, 2, pri-
meiro andar, la-se yiwl.
quer quantia sobre ouro, i
prata c pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorsado pelo
governo, est as oondi{Dos de ga-
rantir a transaeco que se fuer em
sua casa, prometiendo todti e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu eta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brhantes.
AMA
alugar urna eacrava
cozinheia para
na ra
No dia i 5 de juubo passado, fugio
da padaria allenia (segundo avisou o rts-
pectivo dono), onde esteva alugado, um
mulatinho escuro, de nome Justino, de
13 para 14 annos, baixo, reforcado^, gago,
orelbas g andes e um pone* viradas, traja-
va camisa de a^otfio/.inho e calca de brim
grosso cor.de?rap: costuma quand foge
in'tilccr-se como forro ou orphao. Gansta
que tem andado por Olinda, Airajal, Pocp
da Psnella, Monteiro, Apipucos B Caxang.1,
ao servco de alguem, contra o qoal se
protesta fazer effeclivas as penas da lei.
Entretanto, quem o apprehender qaeira
leva-!o ra da Aurora n. 26, onde .ser
recompensado. Rogase as autoridades po-
ciaes qne hajam de diligenciar a appi-
lienso deile.
Precisa-
servica de uva casa de peajana familia
larga do Bosario n. 34, botica,
ps tioncalves Prrea Costa nao tendo
tempo de despedir-se de todos os seus amigos e
eonhaeidos, na prasente viagem que vai fazer
Lisboa tratarde sua saude, o faz por este Dia-
rio, em cajo lugar olferece o sen fraco preslimo
sfirl
p?TV^Ti
= Precisa-se de duas amas para casa de fami-
lia, unid que eozinhe o diario da casa e nutra que
engomme : na ra mcorda n. 10, uriawrol
r. '
Ama de leite j
Precisa-se de m.ia ..;:a deleite que au leona
IIki: na ra larga do Bosario n. 12, 2 andar.
Preaawb de urna ama para engominar '
eozinliar: na ra estrena do Bosario n. 21.
1AHIA.
'f^so Irmaos precisa contratar para oBio Gran-
do faier o sei vico de rnasseira, cvlindro e tendedera :
quem se achar neslas condic^Ses qaeira dirigir-se
ra do Vmorim n. 39.
Precisa-se de um eacero pequeo para ta-
I erna: a tratar na ra ta Anrora n. S.
Preciaa-pe de upja ama que seja boa coziuheira:
na roa do Queimado n. 46, loja.
Elle um preventivo s.guro e certo contra
a calvice,
Elle d e restaura foiva e sanulade a pello
da cabera,
Ello de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle il:i finuido juju.':..< bellos,
Elle doma o faz preservar os cabellos em
qualquer furnia e posico que se desej
n'um estado funnoso, bso e macio,
Ele azerescer os cabellos Itastns 'rom-
pridus,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre ae luda i especie de caspa.
Elle juevine os cabellos de se torraren!
blancos.
Elle conserva a fefeefn n'um estado de fsai
cura rcfrigerirte e afjradavel,
Elle n3o demnziadami.'nte oleoso, jorilii-
reiiln ou peculio,
Elie nao (l>i\a o menor cliewo desagra-
davfd,
Elle o melhor e o mais aprasivel artifo
para a boa conservaco c arianjo dosca-
i nhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teailu dos cabellos e barbas dos senbo-
re,
Nenhum toocador de senhora se |ode cim-
-idi-rar cnino com[ileto sem o
0 CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e afoxmosea
Acba-se a venda nos eslalndecimentosde
A. Caors, |. Qa C. Bravo A- C. P. Manrer
& C, M. Ilarbiisa. BarlliolomMi d C, c em
todas as principis lujas de j)erfumarjas
e bobeas,
O advogado Dr. Antonio de
concells Menezes de Drummond,
mudou o seu escriptorio para a ra
do Imperador n. 20, onde pode
ser procurado para o exercicio de
sua prolissao en todos os dias
uteis das 10 horas da manha at
s 4 horas da tarde. Fra dessas
horas, e para qualquer occorrencia
urgente, ser, encontrado no seu
domicilio, ra da Aurora n. 26.
C0MPANH1A
tJj^. 1 DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECTFE A Ol l\|>A.
Por ordem da ditectoria sao convidados
os Srs. acoioqistas effectuarem no praso
de-15 dias (a contar do dia 15 do corrente)
a terceira prestarlo de suas aceres na ra-
zao de 10 %. ^Para esse fim ser encon-
trado o Sr. thesoureiro todos os dias uteig
desde as 11 horas da manha at s 2 da
no seu-escriptorio, ra Nova o. 35.
O accionista que nao realisar a intpor-
taucia da praUaco no praso determinado,
perder em facor da companhia as presta-
edes anteriormente realisadas. (Art. 8."
dos estatutos).
Recife, lodejiinho de 1869.
1* secretario, i
Escravo fgido
Fogio no dia 2 do njlh \ i cabra por nome F-
lix, comprado lia das do mez passado ao Sr.
Eduardo Pereira de Souza.de Agua Branca, termo
de Pianc, com o signaes seguintes: cor cabra
escuro, dado 23 annos, estatura regular, cheio do
corpo, cara larga, mal encarado, olhos fundos e
quando olha da revez, am falta de dentes no
queixo de cima, sem barbo, falla doscaneada, le-
vuu chapeo de ouro, caica de. brim pardo', camisa
de algodoznho, dizera utre vai em direceo ao
sertao. Fugio mais no da 24, o mulato Martinho,
idadaiO anoos, alto, cabello .pintando, barbado.
um tanto amarello, anda a titulo de procurar se-
uhor, fui comprado 30 Sr. Luiz llarbaliio Caval-
eanti, morador no lugar P Seeca,.prximo T111-
halia ou S. Tcente, dizein que anua procurando
sonhor por onde elle foi escravo, levou calca de
brun, caaM de chit, chapeo de chile velho :
qoem apprehoader estes. dois escravos, love-os em
casa do abaixs asignado, ra da Imperatriz n. 42,
que ser bem recompensado.
Jot Lopes Alhciro
Precisa .-1' il
solteiro : na roa
andar.
de una ama para casa de rapa/.
1a de Agnas Verdes n. 86, segando
/
Xo Sillo grande do hrigadeiro Joaquim Bernar-
do de Figtieiredo, na estrada de Joao de Barn*
existe um boi que fni appreliendido ha 10 dias,
desirundo a la\oura e o arvoredo : quan ftr
dono appareca, que dando os signaes cellos me
sera eni^auc. mediante, nttggjk damno cantado, sustento *Wpc7.a do ureaeme
annuncio ; do contrario era repolludo ao deposi-
to o trreraatado em para como bans de evenir
para o pagamantn aahna desenpio.
Feitor
Xo engenho Sanios Mendos, comarca fle Xuza-
reth da Malla, precsa-o de nm letor nne tenia
pratiea de sorrico do campo, pagase 4crn : 3Ra
se julgar .habilitad.', dirjjse-ao refcriih onseob
a tratar co.u o seu propriiario.
O Dr. Joao Feraira da Silva, de voJia,
da viagem qne ftzera a Pars, eontma
como d'antes no exercicio de suaprofis-
| ao medica: em sua residencia ra lar-
' ga do Bosario 11. 20.
C isiro participam ao publico, c
respeitavel corpo do commercio que destaqata
em diante toem fuado sua residencia em a tra-
vesa da roa da Florentina n 1, onde todas as
pessoas com quem teem transaecces podem dlri-
gir-89. Beeife, 9 de julho de 869.
Na roa da Anrora n. 34, 2 andar, precisa-
se de urna boa ama de leite.
Criada
Precisa-se de um criado fiel e activo, para casa
de pouca familia : na ra do laperador n. 73, 2"
andar.
A sociedade Benecente Conciliacao convida
a todos os seus membros para assistireiu urna
aa que manda celebrar na igreja matriz de S.
Antonio na dia 19 do corrente pelas 8 horas da
manha pela alma do seu Ilustre socio Antonio
Jos de Oliveira c Miranda. Beeife, 15 dejullio
derW.
O secretario interino.
Antonio da Cosa Reg Lima.
50 Ra d'Asseinbla.50
Os abaixo assipados tem a honra de
participar ao respeitavel corpo commercial
desta praca, que abriram seu estabeleci-
.mento de fumos e casa de commissoes,
sta cidade, na da AssembJa n. 0,
tendo semprecorapJeto sortimento de fumo
em folha, dasmelhores.e mais acreditadas
marcas de Nazareth e Cfchoeira (Baha) fa-
zendo negocios de sua e allieia conta, re-
eebem escravos, navios e qualquer outros
gneros con*gna?ao, prometlido res-
triccao e pontuah'dade no comprimeuto de
qualquer mandato de todas aquellas pessoas
que se dignarem obsauia-los.
Rio de Janeiro 8 de julho de 4869.
Vascoiicellos <& Mam,
Precisa-se
Xa fabrica do aibao nos Afog.ulos de sarradoies
para raadetra de pmho, par,, se bem : a tratar n t
im-^t.a on na ra d^ Amoiv" n VI.
Pars, 36, RuaVivieane, D"
CHABi MEDCCIN
AS 1NFEBJUDADAS DBSSEXUAltS, UifnO'
iramas. e alterados do miiewr
tMOamiuaajMf
' *. arMa, ana
|/n-(OM, viciotst da a-
LUP'JrUTIF
SANG
dOHmgue. (itrop VecetU
temosa doayor tana, apiada l
Dr^"*tivo : morinjoin i
PLU
COPAHU
#(lora*r
I bU lAr*M OlfMUa
ton 4*CBAJBLB. aa
haiUtajMamnulaa)
praea o l*np* a
1 a inJMO *cm mu
wiwwHh, Pod qw m cira twt aa
POMADA ANTIHIRPETK5A
Catni aa tfrcfoajiaaa aaima*
PILULAS VEOBTAE8 DEPRATIWaa
a v cabi, ,10 tnm ni iiiibh>H a
ajan



hl
k


I
y
Diario de Pfcrnanibuco Sabbado 17 de Julho de 1869.
5
ESMERALDA

Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-o ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi!
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\ 5 RIJA DO MINA V 5
Preciosa publica-j
Commentario do cdigo commenial
jwHuguez e brosUehro
Vende-se na loja do Sr. Heraclio
de Paula Monteiro, ra da Impe-
rador n. 71, a importante e moder-
na obra sob o Ululo de Amrntocik j
ao Cdigo do (lommeirio Portugus
cm G volumes pelo E\m. Sr. con-
sellieiro Dr. Diogo Pererra Forjaz
de Sampaio Pimcntel, lente cutlie-
dratico na nniversidade de Coim- !
bra. Os subidos crdito de que
goza muilo merecidamente aquelle
eximio commercialisla por si so !
bastariam para reoommendar 13o j
importante obra, quando nao con- i
corresse mais para isso a grande
vantagem de ser um ptimo com-
menlai m ao cdigo commemal bra- '
sileiro (na falta absoluta que ha de j
qualquer outro) pela mxima he-
mogeneidade entre militas das suas j
disposires, e as do mencionado j
cdigo portuguez, que Ihe servio ]
de texto. Correi pressurosos, dis- '
tincta mocidade. da Faculdade de j
Direito desta cidade, c mais nota- I
veis jurisconsultos, psover-vos j
desse poderoso auxiliar para vossos l
traballics da seieucia, e pelo proco j
commodu de 200 toda a obra cm > I
vdlumi s.
MEDICO
O Dr. I,. J. Crrela de S usa de na
proflssSo; para o que pode ser procura-
do a qualquer liora do da era easa de*ua
| residencia, ra das Nimphas n. 17. D
consultas ralis aos pobres todos os das,
das 8 as 10 hora*.
Club Pernambueano
Em consequencia de mudas familias se
retirarem para o campo no mez de dezem-
bro, a directora resolveu mudar o h.iil
aijnual de i" de dezembro para o dia G de
setembro prximo futuro.
lime ti gota irniifin
RwdoQwimudon, 49 e 57 foja tlUUll 13 UUIlU
NOVIOADES
MARTIMOS
E
CONTRA FOCO.
A Companhia Indemnisadora, establecida
esta piafa, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, raercadorias e raobilias: a
ruadoVigarion. 4, pavimento terreo. ^
IVH
1
Precisa-so alugar
vico de urna data
no largo do Corp
andar.
NCAO
um escravo para ser-
de familia: tratar
Santo n. G, segundo
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata c Silva conhectdo por
Jos Bigodinho.
Est qutimando tudo quanto tem cm seu
estabelecimento para acabar o fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
vero que borne barato.
Garrafas" com ,agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua divina da me-
Ihorqunlidade ....
Latas com superior banba fran-
ecza a......
Caixaseom 12 frascos de cheiros
proprio para mimos .
Dita coraju" Irascos muito finos
Oleo babaza muito fino que s
a vista .
I02OG
5200
20500
3800
po
.
babadinlio
com 10
COMPRAS.
ALGODO
LOJA IUS
BA
para descarocar algodo, do
para descarocar, al-
AACIHNAS americanas de serrote de todos os tamanhos
muito conhecido fabricante Eagle Colln Gin.
MACHINAS ditas, tambem de serrotes e de todos os tamanhos
godo do autor New York Cotton Gin.
MACHINAS ditas de todos os tamanhos, de carreta de ferro e mais toda a machina.
MACHINAS ditas de Holler Gins, de cujo trabalho faz obter mais 2.000 em arroba
de algodo.
MACHINAS de faci do fabricante Platt D. & C, Obdhan PatentLiverpool.
Todas estas machinas sao de superior qualidade o as melhores que t<"m
vindo ao mercado ; o para a sua apreciacao convidam-se os senhores agricultores "
\ireui a exposi. fu das roesmas na ra da Cadea do Recite n. 56 A, loja do Bastos, onde
encontraro mais o seguinte:
Debulliadores para milho.
fundios para padarias.
Arados americanos.
Carrinh'js de mo.
MachriMd para oortnr j'ipun.
Cannos de chumbo.
Bombas d>; Japy.
Ditas americanas.
TeMtas de ferro galvantMdas.
Fomas de zinco finas.
Ditas de cobre e latSo.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Eolha de Flandres.
Machados americanos.
Faces ditos.
Ualaios e cestas de verguinha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos outeos artig
dfrersidade seria enfadonho ennumera-los.
Fo'lha de ferro.
Ba laucas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
llxW. Temos de bandejas finas.
Treas completos para cozinlia.
Peaeiras para padarias. '
Baldes galvanisados.
Correfltes de ferro para ahnanjairas.
Espingardas e revolver?.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinlios para icllnacoes.
Azeite de ospermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Berras avulsas para machinas.
Mancaes e lodos os mais pertences para as
mesmas.
Latas de gaz,
osperteno^ntes lavoura e artes, que pela
I
Com esn([Odo!o|J.iaajBo as ni,1s da ci-
dade tu'los os dias uteis das !) horas da
j manhaa as o da tarde, urna caixa contendo
artigo das ultimas modas de Parspara
SF.NHORAS
Como sejam:
Ricas c bellas chapelinas.
Lindos e elegantes chapesirihos.
Casaquidios de guipurc.
Fichs de renda pretos. ;
Oolicado sortimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Rormis de lan e seda, claros.
Coques enfeitados e lisos, etc. etc.
E muitos artigos de novidade tanto para
senhoras 'orno tara homens e criancas.
As pessoas que pretenderem alguns des-
tes objectos, queiram ter a bondade de
mandar dizer suas moradas noBAZAR
D-V MODA.RA NOVA N. 50aGm de
sercm procuradas.
Os proprietarios do-^nAz\n da MonA,=
certos na optimescolhaa destes artigos,
por seu mui hbil correspondente em Pars,
julgam-se no direito de afliancar que ven-
den) suas mercaderas' por preces as me-
lhores condcoes a dinheiro.
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Gaixas de p de arroz muito
. superior
Pecas de
varas ......
Caas redondas emitando tar-
taruga ... .
1 Pecas de fita de eos qualquer
largura .....
B0CQ*as para unhas muilo fi-
nas ......
Escovas para denles fazenda
muito fioaj.....
Pulceiras de eontas de cores
para meninos .
Caixas de linlia branca do gaz
com 50 novellos .
Caixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa do todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botes para punhos
muito bonito .
Libras de laa pa-a bordados de
CARVO DE BELLOC
IS
Approvado e recommeudado pela Academia imperial de meditan de Pariz para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doenjas Bermas 4o ^oroago e dos ialasljim.
h egualmente o remedio por cxcellenua contra a reiencSo de Tcntr.;. Finalmente em
rnzo de sitas propriedades ateorventes, recommendado como Terdadeiro remedio nos
cazos de diarrhea e cholerina. r.ao i* Belloc toma-s* na occatiao A comidas
eob a forma de pos ou de pastilias.
Deposito cm Rio-Janeiro, Duponchelle; Chevolcl. Em Pfruabiiuo, Maurer k O'.
Joaquim Jos Gon-
paives Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
BlCCa por lodos os paquetes sobre o Bura-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
teslogares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova, de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covha.
Vassal i\'::lpassos).
Miraudeila.
Beja.
Rarcellos.
O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
3 pedras preciosas por presos mais vantajosos do
']uo_em outra|iialquer parte.
.a pra^a da Independencia n. 33, loja deou-
u ves, compra-so ouro, prata, e pedras preciosa3,e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
loao e qualquer concert.
moedas de ouro c prata de todos os valo- Pentes com costas de metal
res, ouro-e prata em obras inutilisadas, ej muito finos .
brilhantes e mais pedras preciosas: na lo- Novellos de linha muito grande
ja de ourives to arco da Conccicao no Re-, para croxs .
ffify_______________________ : Duzia de linha froxa para bor-
Precisa-se dado ;l......
Comprar urna escrava moca, prendada, e carinho- Gr0Sas, (le. bfeS madreperla
-a para criancas : a tratar na ra do Rangcl n. mnito uno a.....
:il. sohrado, daifas 1 3 la larde em ofante. 100 2i0 e
Pecas de fita de 13a todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
L-)000 e.....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com i fa-
llas ......
Cartilhas da doutrina as mais
modernas a.....
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
E' por certo para admirar que exislindo
em urna ra de progressos, urna loja cem
um completo sentaeuto de miudezas lina;..
e nao tenha anda por este Diario pa-
tntetelo a todos seus fro^'iiezes, o
agrado e sinceridad*, a sua vigilancia, e os
modas do seu basar.
Esta ra a prodigiosa ra do Cabug,
e esta loja a antiga loja daaguia d'outo
urna das mais sortidas neste genero, e qoe
lesde sens principios usa deste modesto
l->.*KX titulo; modesto porque nunca fui estampado
neste jornal, e modesto porque muitos o
olvidaro, por ha ver ipual tin urna tasa*
pasto, no entretanto como temos djreila
de antiguidade, vamos deslinguir o nosso
com alguns armando.*, para o publico saber',
que a verdadoira aguia d'ouro -
urna loja de miudezas a ra do Cabug .
I A, onde se encontrar um completo sor-
timente de niiud.-zas linas, e por menos
I 0|odo queemoutra qualquer parle, como
sejam :
Guipenr rom urna e duas larguras pretij i
branco. lilas largas de todas as cores >
com vistas.
I ni completo sorlimonto de enfeites para
veslidc
Fronhas com diversa;" inscripces.
linfcik'S para cabera.
Catiinkas de Jacaranda forradas com wda
com espelho na lampa, com a compt-
tenhj chave, propria para guardar
joias.
Fntremeios transparentes muito finos e de
lodas as larguras.
Albuns finos para iO, 100 e 200 retrate:.
Binoclos dechagrem e marfim cousa muito
superior.
Espelhos dourados proprios, parKSjjhv
Um completo sortimento de leques de todas
as qualidades.
Um completo sortimento de perfumara
de todos os autores.
Luvas.de Jouvin constantemen e frescas.
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
8^000 i genero que tudo se vender da forma pet-
mittida, na ra do Cabug n. i A, aguia
d'ouro, de Custodio & Bento,
,5300
40
?>60
seo
11500
500
$500
40
fiOO
0800
->60 040
idOOO
r5I20
Compra-se
ila trra : na rna do Cqm-
farinha de mandioca
tnervio n, 17.
Compra-se tima preta que saiba cozinhap
e tamhom compra-se nm negro de mcia idado : na
l'raca da Independencia n. 39.
Compra-se nina vacra. ou urna garrota tau-
rina : na praea da Boa-Vista n. 6.
#320
$320
$480
5500
$320
$500
I $500
2$000
Vr;NDAS.
AUX
Ni*pi'e do Coift<> nttto -n. 17, escriptorio de
Joa(|Uim Rodrigues lavares de Mello, vende-se o
excellente vinhoMdoc Vieux Extra o melhor
tpie vem a este mercado. No mesmo escriptorio
ha para vender chapeos de chile muito linos.
Aproveitar em quanto
duram.
Balfies de murcelina eom pequeo toque de'mofo
a 33 e a 3 500, fazenda superior, ditos de arcos a
2-i.), cspartllhos defuflO e 3a, cousa nunca
vista, s no Triumpho! Outras militas faienda-
que e torran) por lodo o preeo : na ru do Quei-
raado n. 7, loja do Triumpuo.
$060
$320
l$5O0
MtlTft BARATO SE YESDII
NO
' I
RU
Nfl na .Wiya n. GO, armazem da Liga, vendem-
se sementcs novas de Jioria!ic*s>j llores.
Ainda iio vieran, no nireaatuo-ne^
do nteresse, opieeisa-se fallar rna do Crsp*o
n. 17 coa os Srs. Paulino Ferreira da Silva, ex-
proenrador da cmara, Dr. Praoeiseo PSnto Pcs-
_ EuTcasa dfi TOfiODORO GHBJSTI-
AN8EN, ra da Cruz n. I, encontrara-se4
elfectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Boorgogire e do Rheno.
arato.
0 MUSEO DE JOIAS
QO

zn
GOMES D WATTOS IBMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antgo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fin de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecer em pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4 :
onde encontrarlo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que" em obras
de ouro, prata e platina se pode desejaf.
ADERECOS DE BRILHANTES. ESMERALDAS E RUBINS
de novo* gostos, assim como grande Tariedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
i brapram e trocam qualquer joia ou pedr preciosa e garanten!
a qualidade dos objectos vendidos.

6 MUSEO m MaS
nova de pedra e cal, bem
chito proprio, com grande terreno,
namejito, e lica junto a estacao doParna-
meirim : a tratar no mamo lugar, na taberna do
Sr. Siniiao, ou Forte do Matto?, becco da Boia nu-
mero 10.
Piano.
Vcnde-se um piano em bom estado : na ra da
tmperatriz, sohrado n. 15, 2" andar.
Vende-se um excellente sitio na estrada do
Ro?arittho n. 2, cttn boas baixas para capta), e
com bastantes frucleiras e boa casa demoradla: a
tratar no mesmo.
Loja do Arantes
Botinas de vaqueta para fcomem
Bolina4 dita para menino
Ditos de bezerro para menino
Bolinas gaspiaas pretas para'senhora
Feos para maaino, de oouro
Ditos para dito, "ordinarios
Botinas amazonas para menina
Bitas mglezas do petaca para sennora
Ditas ditas de dita francezas
Botinas de cor para menina
S.patfn de brim rom slto para senhora
Hilos de trans (deXisnoa)
A; Nanies para bwwi
Botinas de beerroi
8000
000
J1500
Vooo
i 000
31000
djOOO
74000
3J00O
2000
urna por ci de tnstal velho, proprio para fundieao:
na ra do Ara gao n. 17.
= ^fenrte-si '4 escrava recolhida, perfelta en-
gominadeira, cezinha e cose mato bem, ^ dtta p-
tima coimheira, 2 ditas proprias .para enjento ptn*
serem muito ronnstas, e a esse swvi?o acostuma-
das, inuleea? de idade 17 a 18 aonos, J, -wrava
parda para todo o serviro por 4:000<; t na tra-
'lo Carme- n. 1.
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMA HO
Os proprietarios Jos de Souza Soares &
C, alm dos baratissimos precos por que
eslo vendendo a grande variedade de arti-
gos de moda e novirlades de bom gosto,
tanto para homens como para senhoras e
meninos, vondem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
branco para homens, fazenda fina, a 10?? I
(o prego 14#000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a 4500.
DITOS sem enfeile e de delicados mol-
des, sendo de seda imitacao de cabellos
a ;i-> e 35500.
MEIAS saperiores nuezas para homens,
a dazia de pares 7(9800 (o preco de 9#
a 10-5000).
LEQUES de madeira sem dilferenga de
ndalo a 2-3000 e 24500, (grande pecliin-
cba!)
DITOS com lentijoulas a U e 4?008.
BAUALIIOS de cartas francezas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queo c fazenda superior, um pacote por
lWXr.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade em Paris) a
2#i0O e :i,50ro.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente 'enfeitados a "60500 rs. (admira o
preto!)
UMA grande variedade de lindos ob-
yectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de'apurado gosto que
se Vende por precos baratissimos
.\o Bazar da Ma.
_:----.-------^-c
CHARUTOS
Oawetaores baratos da- exposicao o variedade
de outras qualidades, finos ; encentra-se no htel
Central de Francisco Garrido, ra larga do Rosa-
rio a. 37, i andar,'e rna etrclta do Rosario n.
t A. Yeadem-sa a retaflw a em |w.
= Naasn de Bdoard FetHon, roa tlu;CHinier-
eio n. 32, vende-:
Cemqa verdadeka Baeg Hale Batt udia< m-Jio-
4js a gwmhm.
Dttuipreti. Barclay de Londres a mais afainad do
mundo, cm garrafas e bt/as.
dito d lmha Fazenda de aftpaio aamacala, bran-a, muito
larga, para toalbas 4 nesa.
tiuaidatiapat-d aJgadao adam*scado.
Venetn-s sces con ariMia dt mamlss-
c : na tnvessa do Qoainado a. 18 B, loja.de
tak-A LandeUnis
Pmstmtos,, galana, erttilha e len-
titims
chegado agora de Hmburgo no navio fl
venda na padaria allemaa em Santo Amaro.'
tta>a*
t.
Orando
loja de raznelas e ronpas (pilas
rna da (mperalriz n. Si
porta larga,
DE
PAREDES I'IIRTI
Noste estabelecimento enconirari o res-
poilavel publico um bonito sortimcnio e
roupas e fazendas de -todas as (nulidades p
precos commndos, tem sempre um bonitf
sortimento de casimiras de civs e pMfcs,
panno lino de diversas qualidad:. brim de
w*00 bonitas cures c blancos de boa qiialid&tfc.
encarrega-se qualquer obra por medida e
^zOO i preco muilo commodo.
ROUPAS FEITAS
na loja da ra da Imperatriz u. "-i, ponu
larga, de Paredes Porto.
Tem neste estabelecimento un bonito
sortimento de roupas feitas de diversas
qualidades e precos commodos, como sejam
pautte de alpaca preta e de cores a 3$,
3#5 Oei; ditos de panno pato sacos a
6f5, 7<5 e 8?); ditos de panno superior a
12/?, iW c 16->; ditos sobrecasacados de
dito dito a 110, 206 e .*>:5; ditos de rase-
mira de cor a 50, U e 10.-5; cairas c< Heles
e palilots de casemira muito tina de cor a
20 e 25-5; calcas de brim branco de cor de
todas as qualidades de 20 a (>>; ditas de
casemira preta- e de cores de 4A at 12<,
colietes do todas as qualidades: rerouls uV.
bramante a 10500,20000 e 20500 ; Ci.misar
francezas de linho e de algodo de todas ai*
ijualidades e preco mais barato do que e
outra qualquer parte; colarinhos, gravatas;
bonito sortimento de chapeos de sol de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 00 a duzia;
pecbincha neste estabelecimento pern
grande sortimento : todos os freguezes se
poderao prover das ps at a cabera per
preco commodo'.
FAZENDAS
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madapoln
lino a 70, 80 e 100 a peca. Algodo (pe-
chincha) a 50500 a.pe?a e outras quai>l.>
des. Cambraia branca de, todas as quali-
dades transparente e Victoria de 30500 a1 -
80 a peca. Lanzinbas de bonitas cores, ai-
pacas bonitas, selecta a peca com 28 metro;-
a 280000. Esguiao o mais lino possivel a
20500 e 30 a vara, e outras muita.s fazer-
das por preco commodo, que seria enfadt-
nbo mencionar, na toja do
LESO DA PORTA LARGA
BE
iTIMO
un
Para o armazem o Campos, na ra- do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acba so constantemente um variado sorti-
mento de- gneros finos para meza e
cosinba e entre estes oomea-so apenas as
especialidades seguales:
Queijos do serlo sendo de manteiga e
eoalha.
Camares seceos do Marauho.
O verdadeiro caf de Moka,
O superior e-be conhecido peixe miraguaia
que se vende a 160 a libra e 40500 a
arroba.
TABELLAS
de reduccao as maisteets e mais com-
p-eliensivc, tudo iw
Armazem do Campos
Vende-se um bilhar mederno con seus pertn-
na. ra do XoepMoD. M.
ees:
Taberna
YCae-se a taberna roa da Concordia n. 94.
a quat est bem aTregmzada e tem pouces fundos
prapH pira atgnm prMiMMe; o hmUto da
Td*dir-s*t MinrMteMa m (tfrtMotar : a
tratar na Ponte-Vlha n. 14 das 6 as -f-da-ma-
nhaa e desta hora em-diante n'esta typographia
Paredes Porlo.
A EXPSITO
Nova loja de calcado eslrangeiw
para homens, senhoras e
meninas.
NA RA NOVA N. 8
cm frente a camba dio Carme
Lyra A Vianna, tendo pela experiencia,
adquirido a certeza de que o publico dest-1
capital, era mal servido, pela falta fa e.f.>
beiecimentos, sortidos de bons calcado?'
situaram a sua nov loja, na ra Nova n. b.
Lyra Vianna, eonidam por isso ao
publico, e com especialidade ao bello sexo,
para visitar gen novo extahelecimento dt
calcados fiaos, manufacturados pelos mar
habis fabricantes da Europa ; ali cuco.-
trarao sempre, todas as qualidadis de cal-
cados, solidos pela boa manufactuncai.,
frescos, por serem muito novos, e vendidos
por preco commodo, para merecerem a
confianca de seus distinctos fregu'ices-
Comprometem-se a mandar dr enenip-
mendas de calcados ospeciaes, p a exhiba
as Obras de phantasia e de mis ipt mty
rado gosto, afim de que suas distinelas fro-
guezas calvem o moetrem sempre o chiqu.
da bolina uanceza. Isto se aa ra Now
iu 8, loja da oxposi&ao de calcados ik
Lyra < Vianna.





Vendi80 ora vaw ton ria, proxim.vp*
rir, eom utn famoso garroK* n.i ra Bonav-i
numero 9,


Dmrio de Peuimbuco Stbhado 17, Ja Julho de 1869.
-------
IAYHE liqiiivcao
NA
DA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz.
72.
Alerta freguezes
que Arara va i cantar,
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 proprietario (leste estabelecimento, tcmlo grande porco de fazendas em
ser, va proceder urna llquidacJo em todas as fazendas e ronpas feitas existentes no
estabelecimento, agora que oeeasio de quem. tem ponen dinheiro poder se vestir de
boa fazenda e baratsima como se poder ver im annontio abaixo mencionado.
MADAPOLAO BARATO A 3*>00. BRAMANTE PARA LENCES A 2.
Vende-se pecas de madapolo entestado Vonde-se bramamo com 10 palmos de
de jardas 3$00, lito de 1\ jardas ou largura para leitecj, n 2#, a vara.
& metros o >, 6-v 8,5300, 7 v'JOO, 8*000 e PECAS DE ALGODO A \&.
9*000.
CUITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vondem-SB puc;|s da algodo muilo en-
corpadn -s. 5), 6->sO0e7-v
Vendein-se chitas francezas para esti- Colcrluhos ecoaossiicos a 3*0
dos a 280, 320 rs. o covado, litas escuras
muito tinas i 300 rs. o covado.
Chali milito lia A 8O0 rs.
Vende-se clialin parcrvestidos Je senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A IM RS.0 COVADO."
'Vade-s percales muito linos para ves-
tidos do senhora a 140 rs. o covado.
Ilrllhantluas 44 rs.
Vende-se brhantinas. ou mursulinas de
eorespara vestidos de senhoras 440 rs. o
covado, ltzinhas muito linas para vestidos
de senhora 100 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de qaadrinhos ;i 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 300 RS. O COVADO
Vende-se riscado francez para vestido
de_senliora 300 rs. o covado.
Lasiuhas a 4 rs. o covado.
Vendem se laasinlias para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
r*. o covado.
Chales le merino a 8.$.
( Vende-se chales de merino estampados
i .') 1; 2>)i)0 cada mu, para acabar.
CORTES DE L US AIJERTOS A 2$400
Vende-se cortes de ia para vestidos de
senhora, 254O0 cada un.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vesta ^s
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
ts de listras a 700 9 700 rs. o covado.
Chitas priissianas 3ttO.
Vende-se chitas priissianas do listras de
cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 320
Vonde-se chitas incorpadas para coberta
30 rs. o covado.
Baldes le a SO arcos
1500.
Vende-se baldes -.lo 20 a 30 arcos
I.S500 cada um, balees modernos brancos
o de cores 5$. '
dnzia.
Veade-se colcrinlios econmicos a 320
a dnzia, s se vende assim barato por ter
grande porcio.
C VSEilIRAS DE CORES
Vend>se caze.niras-dc cures para calsa
e palitl 24 24500 c 3-> o covado,
Algoflii entestado a 1$,
Vonde-se algod'o enfeslado proprio para
lencs c toalhas, 10, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Ven-le-se briol para calcas e palitots de
homem e menino, a" '400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imilaco de ganga a 360
o covado.
Algodso de listras a rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vende-se cortes do [ brira castor para
calca de homem. i 640 800 rs. cada um.
CARTE1RA PARA VIAGEM A 6.
Vende-se caileiras para viagem i#
cada urna, cobertores de algodo J#00
cada um.
Cobcrtas de chita 1 SOO
Vende se concitas de chitas de cores
14801) o 2-S. cada urna.
ALGODO TRANCADO-DE EUAS LARGURAS A
i ofOO.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 1-5200' o metro.
Mantas para grvala & rs.
Vende-se mantas pan grvala a 200 rs,
cada una, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2;>5)0.
Vndese atoalhado pardo para toalhas
de mesa ;i 23500 a vara, toalhas escuras
1*5. cada urna. Ra da Imperte loja
da Arara n. 72.
tf. 45 BA
DA CADEIA
DE
!. 4*
SOR A DIRECCO'DO MUITO HBIL ARTISTA
Lauriano, alfaate.
Os proprelarios dostenovo estabelecimento, tendoexperimentado a ncessidade
urgente de ter nadireccao de sua oflicina de roupas por medida, um artista perito, tcm
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
cora todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom v rtimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padrees, completo sortimento de
pannos fino?, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos do di versas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro^tara collete,
gorgurao Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo ainda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglczas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas efires o modelos, cambraias, malas para viagem, e oulros mflitos ar-
tigos que a modicidade de seus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45

0 Garibaldi principia
Curtamente na de agradar,
Que pelo preco qne vai vender
Ninguem o pode igualar.
O proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
\el publico e seus freguezes, ipaa tem recebido grande sortimento de fazendas, e est
constantemente reerbendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garntanlo se a qualidado e cores, na ra da Imperatriz n. 50, de Lourenco
Poreira Mendos Guimares.
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-sc'chitas francezas de cores fi-
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLAO ENTESTADO A 30500.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 36500, dito inglez de 24 jardas a
U, U, 6;>500,75500.83, e I0# a peca.
ALGODO TRANCADO A I3200 O
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lences e toalhas por se.r muito
largo, a I 200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAM-VNTES PARA LENCOES A 20 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lencoes a 20 a vara.
Chitas anuonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja do Garibaldi.
AOS SENHOnES DONOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito enoorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muilo barato por
ser muito largas, preco a 20500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 10 A VARA.
Vende-se algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 10 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5,0rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Hara-
burgo com 20 varas a 8 Cortinados para janellas a *.
Vendera-se cortinados para janeHas a 7 o par, ditos para camas francezas a 144 o I
Ciaagas para calca a 3SOrs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado.
LasSnhas de qiindrinhos a
*40 rs.
Vendem-se lasinhas de quadiinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em 13a de listra
para vestidos de senhora a 640 e800rs.
o covado.
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senhora a l#0O rs. para aca-
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se 15a chineza para vetido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3/* covadns d urna calca para ho-
mem pelo preco de 20500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
00 rs. o corado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 10500.
Vendem-se baloes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, tuto muito fino a 10200 o metro.
BALOES MODERNOS A 50000.
Vendem-se baloes modernos e de cores
a 50 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10/.
Vendem-se chapeas de sol de seda a
1001 e 120, na ra da Imperatriz, loja do
RIVAL SM SECIADO
Ra do Quemado ns. 49 c 57
lojas de miudezaz. de Jos de
Azcvedo Mai'a, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
leciincntos por isso queram apre-
ciar o que bom e baratsimo.
Pcas de tiras bordadas com 12
metros, frzenda superior, a
MMtySI, ;;) i', .... Mtipo
Caixas de linha com 50 novellos 500
Pires de sapatos de tranca fa-
zenla nova a......20000
Pares de sa patos de tapete
(s grande) a......10500
Du/.ias de meias cruas para ho-
mem a........30800
Tramoas do Pono fazenda boa
e pelo preco mettror 100 altos a 0200
Livros de misses abreviadas a 20000
Duziade baralhos francezes nroito
finos a204OO e.....208OC
Silabario portuguez eom estam-
pas a........ 0320
Gravatas de cores e pretas muito
linas a........ 0500
Redes preta lizas muii finas a 0320
Cartoes com- clcheles de lato
fazenda fin a....., 0020
Abotuadur de vidro par colete
fazenda fina* a. 0500
Caixas com penna d'aco muito
finas a 320 400, 500 e 10000
Caribes de linho Alexandrs- qae
lem 200 jardas a .... .0100
Carreteis de linha Alexandw de
70at 200 a...... 100
Caixas com superiores obeias
de massaa...... 1*040
Dnzia* de agulha* para machina 20000
Libras de prego* irancezes tr' ,, .
verso tamanho a: 0240
Livros escripturatto- para rol de
roupa- a. ...... 0120
Talheres para meninos mlo
finos a. ,...... ;02tO
Caixas com papel amizade mwto
fino a........ 0700
Caixas com lOOewelopes nsito
finos a........ 0600
Pentes volteados para meninae e
senheras a....... 0320
Thezouras muito finas pera.
unhas e costuras a. 0500
Tinteirosconi tinta preta nwito
boa a 80 120 e 0320
Varas de- franja pa*a toalhas fa-
zenda ina a. 0160
Pecas de fita branca elstica
muito fina a. .... 200
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pea azul
muito fino a -^B|H 20500
Grozas de botbes de louca muito
finos a........ IfiC
Scbonete de alcatrdo.
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitaclo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomen 4 C,
34na larga do Rosario34.
Libras eouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da ConceicSo na loja
Vurives, no Recife.
GAZ GAZGAZ
Chegoa ao antigo deposito de Henry-Forster A
C., roa do Imperador, um carregamqjito de gaj
de primeira qualidade; o qual se vende em paraa?
e a retalho por menos pre?o do que em outra qnal
quer parte. ______________________
Batatas baratas
Vende-se a 800 res o gigo, ra
Madre de Dens n. 22,
A' exposleao
A loja de calcado na roa Nova n. 8 em flrenle
camb doCarmo, tem grande sortimento de .boti-
na* para homem, recebido nesto ultimo paquete
e vende barato

DO
GALLO VIGILANTE
Ilua do Crespo u. 9
Os proprietarios dcste bm conhecido estabele-
ciniento, alm dos nmitos objectos que tinliam ex-
postos t ajveeiaeao do respeitavei publico, man-
laram vir e acaliain du receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
linas c mui delicadas especialidades, as qoaet ea-
tao resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo.... "
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinbas e punhos para 96-
nli/ira, nesto genero o que lia de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri
lhos e em ellw; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques do niadreperoln,
martim, sndalo e osso, sendo aquoiles brancos
com lindos desenluis, e estes pretos.
Muito superiores meias no de Escossia para se-
nheras, as quaes sempre se venderam por 3O0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,-S,
alm destas, temos tambera grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boae bengalas de superior canna da India e
castao de martim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desojar ; alm destas temos tambera grande
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbicouios de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a 12 asnos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas, c de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vea tam-
bera asseguranios sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eucher
labyrmtho.
Bou baralboi da artos-por soltaruta, aoiiiiti
como os tontos para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais condecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cqnvulsSes, e
facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por toaos os
vapores, afira do que nunca fallera no mercado,
como j tem acontecido, assim pois podero aqnel-
les que delles precisaran, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deirs collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7._________________
PASTILHAS ASSMARADAS
DO
DR. PATERSON
De bisuinth e niagnezla.
Remedio por excellencia para combate*
a magreza, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu A C.
34------Ra larga do Rosario------34.
RAFE POPTJLA.
DA .
FABRICA NACIONAL DA BAHA
TEIXEIRA FREDEBCO & C.
Acaba de chegar a este mercado urna porcia des-
te ptimo rap, uico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfuma
E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
systhema conhecido, tendo tambera a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rapo Popular sido asss
acculhido, e provavelmente aqui tambem o serj
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-se a
venda por preco coramodo, e para quem comprar
de 80 libras para cima, far-se-ha um descont de
o 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriOtoto de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra m Commercio a. 17.
Grande e completo sortimento de machinas para
descarocar algodfio de nova iuvenco chegadas nl-
imamente em direitura para a loja de Manoel
Rento de Oliveira Braga & C, na ra Direila n.
53. Garantc-sc que a melhor qualidade^que at
o presente tem vindo ao mercado : acbam-se em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento^ de pesos kilo
grammos de mellor comprehensao dus que tcm
vindo at o presente, assim como marcos de lalao
at mel grammo pelo mesmo systema, bataneas
de latao de forca do o a 30 kilogranmios, metros
de madeira e de lalao para medir fazenda, alm
de grande sortimento de miudezas c ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Direila n. 53, loja de Manoel
Bcnto de Oliveira Braga & C.
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Variz
Um frasco do P., de Rog, dissolvido
em urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irrilacao como acontece cora a maior
parle dos outros purgantes. <* Pon de
Bogo, sao inalteraveis por i.-.-o empre-
gam-se fcilmente em jagen.
DfMiU '",,''"'",11*l!",0D"/"",c','<'c*''<,'*'.
k | em PtaunweA, Mn*rer i C.
AVISO
Os convalescentes e x pessoas
fracas e debilitadas
O QUINIUM LABARRAQUC spprovado
ela Academia imperial de medicina de
arii o tnico por excdleuoia.
D.'p lio
em nio-Jiseiuo, Duponchellc; Chctolol.
cui Pih.i'didoco, itaurer i C".
CURA DOS CALLOS.
TELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Rartholomeo & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
COGNAC-
Vende-se a verdadeira graxa do bem conhecido
abricante Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. Moreira Dias, ra da Cruz n. 26.
De superior qualk ade da mui acredita-
da fabrica de Disquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Yende-80 em casa deTh. Just. ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicaco as creancas..
qnasi sempre mais atacadas de tao terrive)
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DR
Barthomeu A C.
84Ra Larga do Rosarlo34
manteiga ingloza a 800 rs. : na ra da Haugueira
numero .
cortinado.
I Garibaldi n. W5.
Mo mfiis cabellos brancos
A tintura japoneza, para fingir os cabel-
los da cabera e da barba, foi a nica admit-
tida Exposigao Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparares
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1,5000 cada frasco na
151-111 DA CIHIJHL i
1* AMDAR.
LECONTE
VENDE oleo brilhantina perfumado, baiunilla para
amaciar os cabellos e barba, a l a onca -. na ra
da Imperatri' n, 7,
1ASSA c XAROPE
DECODEINADEBERTHI
Preconisados por todos o mdicos contra os I
DErLUXOS, CATHARHOS, K TODAS AS|
1RRITAQOES DO PE1T0.
X.B. O Xarope de Codeipa que mereci al
honra, altai bem rara entre ot Medicamentos I
novos, de ser registrado como um dos medica-
mentas o/Jieioei do Imperio Francet dispeusal
qualtjuer elogio.
AVISO. Por causa da reprehenslvel fulsi-l
ficacao que tem suscitado o feliz resultado do I
Xarope e masa* de Berlb somos Toreados al
lcnibinr que estes medicamentos tao jusiamcntcj
coaceiloados id se
vendem em cabio-
has e frascot levando
a assignatura em
frente.
. 46, Rut des eolcs, e na Pharmacia Central I
de Franca, 7, Hue de Jouy, em Pars, e emj
todas as Pliai ntacias principaes do Brazil.
BAZAR UNIVERSAL
a ORa XovaO
Carneiro Vinna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os ystemss, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima expsito servicos a electos para almo-
co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas-para viagem, indispensaveis para
senhoras, eadieiros para sala e cima demesa,
paredee "portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinba, ditas
para fazer raanteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianes, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para'quadros, gaz, baldes americanos, gu-.r-
da comidas, brinquedos para crianeas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e mesa, tapetes para sala, qnarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrado
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a peni ir examinar.
A NOVA ESPERANZA
21Ra do Quetmado 2)
Advertencia!
A Nova Espcr?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidada
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavei publi-
co, que est i esolvida a vender suasmer-
cadorias pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tcm: assim pois, venham os bons fregue-
zes.. e os que nao forera venham ser fregue-
zes, cm tempo lao opportuno quando i
NOVA ESPERANZA convida-os pecbincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeifo, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir coro seus fre*
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Espera tifa ra do Queimado n. 2,
alm do grande sortimento qne j traba,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel o envelopes bordados e mati-
sados. I
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda). *
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de laa, para enfeites de vestidos.
Botos de todas as cores c moldes novos
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
BolSes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Lavas de pellica, camurca e excossia.
linas meias de seda para*senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um comple'to sortimento de
miudezas ra do Quoimado n. 21,'na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de que multo
collares se vendem por ah intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitcs
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s podem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, pora
que detesta a falsificacao principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collaresj
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Boyer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo da
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seus
filhinhos, antes que estes sejara acommetti-
dos do tcrrrrel ma^, quando entao ''ser ffl-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collares
de Bover.
^\.GERM/%
fUnv-Dltsm ;t.
Aiegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas cuitas, nemcaneadas.
F. J. Germano acaba de receber pelo ulti-
mo vapor unifico i: variado sortinvnto de
oculos, lunetas, pince-n'z, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencSo ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
.NA
PHARMACL^E DROGARA
'de
Bartholomeu 34RA LARGA DO ROSARIO34
Vendem Augusto F. de Oliveira & C. B?
Commercio, n. 41.

Yeiidr-se
a-Tabernt da ra de Ilcrtas n. 43, cm
de de je* dono reflrlr-#e para fra : a
narntsma.
virta-
tratar
ATTENCAO
No armazem de David Forreira Bailar, rna do
Brum d. 92, ha venda os seguintea gneros por
precos razoaveis :
Bollnetes de balanco
proprios para barraras c hyatcs. muito suptriores.
VIabo do Porto
em caixas de duzia do ftarrafas, e em bariis de
dcimo, do Porto, muito lino.
Fai'iohii de niaudloca
ha em sacco?, nova e de superior qnalidade.
Podras de lonza
muito proprias para lavagem de louca em co-
llonas.
Libras sterllaas
Ha para vcnder.em casa de Amorhn inafos &
C, ra da Cruz n..'!.
= Vende-so urna boa escrava de todo o servi-
co, robusta, sadia e "em deeito algum : a tratar
na rda do Brum n. 84. 3 andar.
PEORAS
NUH1H
Vendem-se pedras marmore, redondas, proprias
para mesas de notis e casas de pasto : na ra da
Imperatriz n. 1W.
Potassa da Russla
a mais navt no mercado, a preco razoavel: na
ra do Commercio n. i3, armazem de Manoel Tei-
xeira Basto,



I

Diario de Pemanibuco Sabbado 17 de Jullo de 1869.
C cordeiro previdente
Ra do Qncinaado a. 10.
Novo e variado sortimento do perfumaras
finas, e ouiros objectos.
Alm do completo sortimcnto de perfu-
maras, de que elTectivameute esta prvida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
ootavel pela variedadc de objectos, superori-
dade, qualdades e commodidades ile pro-
cos; assira, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a apreciacto
do respeitave publico em geral e de sua
boa reguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina do E. Coudray.
Dita verdadeira do Murray < Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e maisacredilados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir, odontalgico para conservacSo do
assei* da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade tbei-
ros agradaveis.
Copos e latas, raaiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e ontras qualrdades.
Pinos extractos inglere-s, americanos e
frascezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial da fino eagrsdavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igaal-
:mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo e superior qualidade,
com escullidos cheiros, em frascos de diffe-
rentes taraanhos.
Sabonetes em barras, mak>res e menores
para mies.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos era caiwnlia para barba.
Caixinhas cora bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
cas perfumaras, nuito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papeleo igualmente bonita*, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos'de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, >com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
chairo,
fas.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos de camphora e eutras differentes
?ualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda tuals coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com flets de vidrilbos
alguns d'elles ornados de flores e fitas,
est3o todos expostos apreciado de quem
og pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNIIOS BORDADOS.
* Obras do muito gosto e perfeic5o.
Fvellas e Utas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
Jos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
QUE SE LIQUILAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
-----------
qq-tasa a niaiaiaaiaiia! m
DE
FLIX PEREIR1 DA SIIVA.
O proprietario il'este estabelecimento convida ao respeitave publico desta ca-
ital a yir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
iei, assini como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pussoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mata, aesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venoen lo-se-lhes
pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
levar em stias casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acba aberto con-
stantemente desde f s 6 horas da manha s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
YjO.I.% DO PAVAO
Chegou polo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots e coletes, tendo lisas, com lis-
tras e cora listra ao lado, tendo para todos
os precos, e alianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
cor; para se poder retalhar esta fazenda freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Expandido sortimento de
Alpacas labradas de cores a SGO
Alpacas a 300 Alpacas a 360
Alpacas decores
Na loja do Payijo rea da Imperatriz n.
60, vende-se trn* poneos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas tarradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos o roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canoa, verde fclars etc. e os lavrores
moko miudinhos assentados em urna s
11--RUA DO QUEINAD0--11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de bloud com manh e cnpe-lla para neivas, que
vendem-se por presos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
BASQUINESde renda preta, e de gorguro preto, o que ha de mais
elegante.
* CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALOESbrancos e de cares para senhoras e meninas, espaitillios, saias bor-
dadas, e saias de 13a com barras de cor.
GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
pelo barato proco de 360 rs. o covado, foi
preciso -fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
As dez til covados de cassas
franeezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 31 Cavado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja de Pavo ra da Jm-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das meteoros casas franeezas
para vestidos, tendo padroes miados e grvi-
dos, assentados em todas as cores, tetas
cascas sao propriamente francozas, teado
transparentes e tapadas, com tanto corno
cpMM como a chita, o alm dos padroes
serem muito bonitos, 3o todos fkos e seria
e por )sso o mais propno para crian- fazenda para ^^ mas ^^ ffias ^
talha-ee a 300 rs. o covado.
0 que de.melhor se pode encontrar neste
genero, sonresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Vinho degestivo de
chassaing
COJI
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excedencia para cura certa
das digestes diffieeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as forjas
produzindo urna assimulacjo completa dos
Alimentos; sendo mais um excellente tnico.
VEVDE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomcn <& C.
34-lUA LARGA DO ROSARIO34
FUNDSCAO DOBOWHIAN
Rila do Rrifin a. 53.
PASSANDO O CIIAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assuear e para
:godo.
Rodas d'agoa.""^|
Motores de diversas especies.
Moendas de caima.
Rodas dentadas, para animaes, 3goa e
vapor.
Tai xas de ferro, batida fundido e de
cobre.
Alambiques.
Atados e instrumentos d'agricUura.
Desea ro ador es d'algodo etc. etc.
Havendo em tudo variedade de Umanbo
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
o
Veudem-se duas barloas de 25- cajxai ead*
urna : a tratar no esfripturfo do Sr. Joao Pereira
dos Santos Farofa, largo do Corpo Santo n. 27.
XAROPE PEITORAL
DE
RABO DE TAT'
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recommendado as
afeeces do peito, bronchite chronica, he-
moptise, e losse chronica.
PREPARADO POR
JOAQUN DE ALMEIDA PINTO
PI1AP.UACEUTIC0
Pernambuco ra larga do Rosario 10.

Jl
Vende-se terrenos de prodcelo e com
arvores fructferas o prximo a esta-
fo dos trilhos urbanos do Recife
Olinda e Bebehbe, no becco d* Espinheiro,
podeodo quem quisef dirigir-se nos domin-
gos, ao sitk) n. 6 na estrada de Joao de
Barros, e nos demais dias, ra da Impe-
ratriz n. 68.______
TELHAOrzrco:
Vendem-st tenas grandes }te anco COM alram
uso : na roa da Imperatriz o 69.
a
EspartUhe a 3000 na loja do
l'aviW
Vende-se urna grande por?o i esparti-
Ihos modernos ^om o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3-j( cada um.
MADAPOLAO EKFESTABO A 3m0, S
NO PAVAO
Vendera-se peea6 de raadapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3#H)0 ris, assm como
pecas de algodosinho com 16 jardas
4*500 e 5#J0Q ris.
GRANDE PECHINCHA
EM
PKKC Ali f \S
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pav3o ra da Imperatriz n.
60. vende-se urna grande porcao de per-
callas franeezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encornados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miados e
grados e vende-se pelo baratissimo prego
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar d-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A i#800
Chegou para a loja do PavSo, ra
Imperatriz n. 60, urna grande porcao de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lcncol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacGes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo pre?o.
COBERTORES DE LA PARA O INVERN
DE 3#000 60000
Chegou para a loja do Pav3o, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
15 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 60000 cada um, era relacSo ds diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acibera.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAN
NA LOJA DO PAVAO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem
luto a 30000.
Lanzinhas de cures para vestidos a^OO
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito Anas a 30 e 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Cheg3ram para a loja do Pav5o um ele-
gante sertimirato das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonito* lavradinhos a imitaco
de seda, as delicadas cres que existem
ueste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, seno
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do PavSo. ra da Imperatriz
n 60 do Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com daas salas a SO&
Chegaram pata a loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Cbvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 200000 na loja de
Flix Pereira da Silva.
Aos quinhentos palitots
a 18$ e 20J00&
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vende-se urna grande porcao de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, seBdo obra
muito bem acabada pelos baratos preoos
de 180, sendo forrados de-alpaca, e de
200 forrados de seda; esta facenda a sao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos precos cima.
POUPELLNAS A 300 RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, aa ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um .grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancafi, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padros com listriahas miudi-
nhac, que se vendem ,pelo barato preco de
500rs. o covado, pechincha que se ada
nicamente na loja de Flix Pe*eira da-Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMRRAIAS DO PAVO
Vendem-se nissima* pecas de ambraias
lizas transparentes tanto inglezas -como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50080 at 100000 a peca, assim
como fiuissimos organdy* branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1*0000, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Suva.
Cortinadas
Para camas e jasellas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
Ifiiii-i a maiores cortinados bordadopro-
priospara camas e para janellas, que se ven-
dem a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se ete grande estabelecimento com-
pletamente fwtido das memores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam deseiar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
i tidao vontade do freguez, e n5o sendo
da obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitave publico um bello sortimento de
camisas franeezas c inglezas, ceroulas de
linho o algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
lendo-se-He vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodao
;oni 8 palmos de largura, adamascado a
W200 a vara; dito de hnbo fazenda muito
raperior a 30200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 40500 a duzia e muito
inos a 80000, e ditos econmicos a 30500
t duzia.
ft$ $UMA*3
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura ndelevel para tingir os cabellos,,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida de Gnis-
lain que ento era desjonhecida em Per-
aambuco, j boje estimaba e procurada
por seu efQcaz resultado, e ainda mais se-
r, quaado a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta uai-
amente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservarle embranquecer, sem
ser prejudicial do modo algum.
E' porm necesario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponbam, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter ofim desejado, como bem
provam testemunhos de pessuas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
rezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
ratra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
ia na bem conhecida loja d'Aguia Branca
na do t)ueimado n. 8,
Ditos com ditas de velludo, outros i m
tando cbarao machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnido, dourada ou plateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
r 11 i \\mm \
Ecouoeila. utilldade e moderno
mercado.
CIIKf.rKM X l'EVAUSCHA.
lialtf francczrs. arwa papaw c mi-
_ ilc1. para scnlx ra, a
iras inglezas, lionito- padrSes, rom
)i-' ido 44#00
Oilas francws. iilcm iUem, com lilras
largas, covadq 4tmt
Dilas ditas* me-cladas, cov; Hj?(0
lironme largas An li*iwwtl eda pnra
seraoraa e prnprias de noutaria, co-
vado, i .
Palctota de alpaca prctos e ie t trpa \$ e 4SC0
Alpacas lisas de Ci ros muito lina? c bons .
gwtos para enhora,cundo, i-. BOO
l'ainhraias de c< res, vjriad'is padrGe=,
covado, rs. 250
Hitas de core?, mais fina-, covad?. rs. 3150
Ditas miiidas, inojcrna?, nnssuoas, cova-
do, W. 400
Dias de flores grandes e lustras, co-
vado, rs. 500
Colaripios de linlio de divorsos gpstos, n. 400
Ditos de dito muito finos, cliegados no ul-
timo paquete, r?. 6iO
Chitas cl.-iras, boas tinlas, covado, rs. 2W)
Ditas escuras, belioj padroes, ovado rs. 400
Dilas coloridas, linas, propriopara familia (
covado, rs. 4*0
Dilas riseadinho?, variados padroes, co-
vado, rs. 300
Ditas escuras econonicas, covado, r?. 300
Dilas de boaconipi-aad de tintas, covado 3iO
Ditas claras econmicas, covado 340
Roupas c mais artigna que tica a prdido da les-
peitavel frogue7.ia, dndose amorra de tudo.
Vende se um gamiio com
ra da Impertir n. 00.
dras do marfim-: na.
ESCRAVOS FGIDOS.
Acha-se fgida ha oito mezes a preta e*-
crava, de nacao, de noine Maria.rom 40 annos rte
idade, baixa c cor fula, consta que diz ser forra, e
anda vendendo na freguozia da Roa-Vista, com
urna bandeja pintada de enconado, com qnt
fugio : gratificare bom a quem a appretiener
leva-la a ra Imperial n. 103.
Grande e bello sortimento de Jeques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso," osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerreute de borracha.
Est lngido de*d< o da 15 de Janei-
ro do correle anuo, o escravo Filippe,
com os signaes seguate*: cabra, idade 2f
;i 27 annos mais ou menos, corpo e altura
regular, sobrancelhas pretas c serrada-,
cabellos enroscados e acahocolados,. que-
rendo principiar a barbar, as vezes indio-
lhe as pernas, tem urna marra de caustico
do lado direito sobre
inda Sea duro e
lera o venlre um
0 ligado, quando
cora passos avanzado:?.
pouco crescido. pescoco
grosso, muito regrista, e quando foge dii
que forro, e tem por custu me trocar
o nome, e botar a camisa fra da calca.
Este escravo j foi preso e esteve na ca-
deia, por andar fgido, levou no corpo
Meias de seda para meninas e senhoras. caira de brim de qnarinlios pref camisa
Ditas de fio de Escocia abortas, tambem de madapollo, chapen de 19a preto redondo'
natural do lugar Canhotmbo da
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de lio d'Escocia, torca!, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gotlinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
A.Aguia Branca, contando com a protec-
tfo de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
t honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo to explendido sortimento
rae acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
So de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
i oraco, obras de apurado gosto e perfei-
;5o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
uonitos.
Anneis e collares Royer para creanras.
Bonitos caases ou boisinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinlias devidro
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga parajoias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
i omarn
fie b. liento desla provincia, e foi escravo
do Sr. Eduardo faj Alves de Mello, mo-
rador no mesmo lugar. Este escravo j;i
toi visto em (ilorin do GoiU difirilo rio
Pao d'Albo, e em l.imoeiro presume-s^
que se conserve nesles lugares, ou tenha
seguido para o centro ; pede-se as autori-
dades policiaes e aos Sis, capitaes t-,
campo a captura do memo escravo, e to-
iivga-lo ao seu senhor Jos de Miranda
Cimba morador no Recife, caes de Santo
Amaro, sobrado n. 22, do fallecido Mano> 1
Custodio ou na ra da Cadeia do Recife n.
jl^que o mesmo gratificar generosamente.
Bellarniiiio
Evadio-?e do engenho Marrecas, na comarca te
l orlo (.alvo, e no dia 18 de maio do corronte an-
enfeitadaSi"n'0op;:,'lav""ellaiiiiino,cabra escuro, de idadf.
I ae 2 annos, alio e secco do corpo. som baiba, ph
grandes, tem oslado nesta cidade, e o seo main
passeio u polo bairro da Coa-Vista, iide ser ciua
elle se eucamli.be para a freguozia da Escadx
onde Ou elle criado, o 6 eoftheeido : quem o pe
gar e levar ao referido sngenbo, ou nesta prar
na ra da Cruz n. 51, andar, receber boa era'
tiUcacao. B.
00?S*f
oos
005
OOfo
08
OOl/
008
fJOOVt
oog^c
oos
oos
008
&}d\\oo i\ied oje gp saojog 109|
opnsGA OO^I
OOO^
op unuqap ejed ejij ap seOoj
.....souenbad sopa
........cpeatiop
cjnpjora raoo sapuciS soqiadsg
oo^d opoj -ejaj op sBJOung
saopjo 5 S3j8xjoo moa ovwj
g ctznp sepjef oo?; op qun
' B 0]0[|03 BJBd SBJlipBOJOqy
.....r B BjZ
-r.p suoraoq BJBd scruo 5519^
; t......aO'tfl
008 00 sojiaqo uiod soosbjj
c oqund Bjed saojoq op sojb,j
'sorra BJBd soouejq soSu^i
BqO^J BJUjJ muD SBJBJJB9
05
0S8
09
OO&'rf
091
00V
0?C'
006
c ejnoj ep saojoq op ezoj$
Burvip cnSe uioo BjtJjo
' o 008 *00 '009 'OOS
b soidiu-ojjuo o soiitnucqBg
" 0 005 0S1 "001 *Cf8 P sop
-epilBnb sb sVpoj op 0]9uoqes
r; csoqeq op oo|o moo sodsbjj
....... b sep
"JBfoOV UT0D"BqUIJ9p S0H9A0M
JBqjoq BJKd sgi|ui| op sejqn
0 SJ 001 C BJUI) UI03 SOOSBJJ
.....B SBqUi
o BJinsoo cji:d SBjnosaqi
.........E SCU
HUGUI BJBd BSS9.VBJJ 9p S0JU9J
.....B BJIOpBpJOA JOAW
biuoioo op mde
para
VESTIDOS
ALPACAO DE CORDO PARA
A 10000
Na loja do Pavao, vonde-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo prero de l00 o
covado.
JVoTldade Novldade
GIRGUROES DE SEDA PARA AS F0STAS
DO MEZ D<5 JUNHO
Chegou pelo vapor de li do corrente,
para a loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, um bnlhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padr5es miudinhos e
grados, com lindas ristras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garanlindo-se que na actualidad^
nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que estaqese vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva. '
Bbadinhos baratos na loja
do Pav&o.
Vende-se urna grande porcao de baba-
dinhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por urna terca parte
do preco que se vendem em outra qualquer
toja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende ama
grande part< d'cntremeios, pelos mais li-
mitados procos para acabar, na ioj e ar-
mazem do Pavo, ra da Jmperatriz n. 8
de Felrs Pereira da Silva.
raoo soosbjj
Bpep oxrequ so^oafqo so opireraianb ^sj
1VH0JM3X VftiaaOM OSMY
*vz:ih 1111 acr vrori
9 THflBitt 00 VilH-S!
IVHOdIHJL
Fugiram no dia ao do'passado mez, 2
esclavos dos engeiihos ConceiCio e Pin-
bela do termo Serinhaem, pertencente ura
de, nome Jos, ao rnajor Manoel Germano
Bezerra Pereira de Bastos, e outro de ne-
me Luto, pertencente ao Dr. Jo.- Eugenio
da Silva Ramos ; o primeiro tem os signags
seguintes ; com .10 e tantos annos de idade,
cnoulo, baixo, cheio do corpo, cor fula,
resto redondo, tem marcas de chicote as
costas e as nadegas, levou camisa de ris-
eadinho verde ja velha, caiga e jaqueta, e
chapeo de bata ; o segundo crioulo, idade
20 e tantos annos, estatura regular, bt-m
preto. rosto cheio, belfos giraos, olhos
grandes e abotucados, cachaco grosso, com
marcas de chicote as costa, sobre as cas-
tallas do lado direito, levou camisa de ris-
cado de algodao, com grande remend as
costas, seroula de algodao de sarco, e urna
opa de chaceo de palha sem abas.
Estes eseravos foram comprados ha ura
inno pouco mais ou menos, na cidade do
Recife. Quem os pegar queira api esenta-
los ao Dr. Joo da Silva Ramos, na cidade
do Recife, que ser bem recompensado.
rrn
V
ranra
UEN'CXO OE HONRA
Vcnde-se ora frocos
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALAO **w
lares, pharmaci Hoco,
3, rut de Castiglioce,
em Pars.
As eontraruc^es. Os oleoa pnrun. d'ura clu-iro ion-, >: mak ce penosommunj, lacs como o esqut'f, a artait, o phoca, a lira, osoltt riot aiuailorts pricadortt
C racino o oleas vegetan, foram imaginados para substituir os verdadeiros oleo to fiaados
frescos de BacmlhAo de 1 rrru \oa. Estes oleas communs ou seos saeerdaoeos so
obiidos na industria p. >r precos raui baiios, em quanio que os verdadrfi'os leos de figado de bacalluu
fresco sio n-Jativaiuento multo caro, visto que para ohtel-os fretiwt o tem malura, eurapre eiarwr l
grande viRilaricia e ter os maiores cuidados nos proprios lugares das pesca, assim como manda fk.o.
M. Ilogg desde o anuo de J8. Estes Ico- purs* do bacalho de Terra-Nova d* I'
emiigi'aram para este Drecioso modicamento una fama universal as molestias do peito a afff,r&?
escrofulosase lymphatlcas, a magteta 4m ixcnnj,eic.,e por isso.deram lugar a nocivas e dLieo'
imitatCes. omHttrn I
ola. O oleo de Boga mu fcil de digerir, distingue-so entre os outroe oleo* Ma ,.
cOr de palha, o ~eo cheiro suavo e delii-ado, e seo gosto de sardinlia fresca ^^ ^^
O RELATOBIO favoravel do chefe dos traballios cbymicot da F*OTJ)ADE M? yfrortm -
PARS conrlue como segu O <*o car de palha de M. Ilogg oontem urna terca varlYdT E
clplos e vos mais do que os oleo* pardos e nio apresenta algum dos ronucfoif
rei-arn n'estes, ouanto a* tkeiro e sabor. ""
^Vtme-mo a (odas as pbarmaelaa sis) Fraaea e Sos pases
l
Fugiiam liontem. 7 do jullo, do filio das P;.l-
raeiras, na Torre, os seguiutes escravos : Geralda,
preui cnoulo, nm ponco l'olo, dade 38 anuos, mni*
ou menos, eara bechigoaa, barba serrada, masam
pouco rala, com falla de dentes na frente, sUtur.t
e corpo regulares, levou vestido camisa de algodao
branco e ralfa de brim pardo j usada. Antoni-j.
preto crioulo, idade oO aunos, mais ou me no*, con
falta de denles, estatura e corpo regulares, pi nn
puueu apalbetados, anda um pouco corcovado par
diante, levou vestido camisa de um riseadinho
azul com bstras da nesea cor e calcj de brim
pardo com algum uso ; esto escravo veio do Rio
Formoso e era all do Sr. Jos Gomes Ferreira : le-
vanto tambem urna trouxa contendo dous cober-
tores de la escures e mais roupa, e ontras ooosK
quem os pegar leve os i roa da Concordia quo ^e
gratificara com generosidade.
AVM
as autoridades policiaes, a
capiteles de campo, e a
quem mais competir.
No dia 29 de maio do corrente anrw,
fugiu o escravo Ezequiel, crioulo. de 30 a
32 annos de idade, estatura regular, refor-
cado, cor bem preta, cabeca redonda, tra-
java carniza azul c calca de casemira cr-
zenta : durante o dia costuma andar ga-
nhando as mas, ou arniazens d assuear,
ou as tabernas a conversar e a beber; du-
rante a i oite recollio-se a leJnein*, aber-
tos ou penetra veis, casas em construccao e
outros quaesejuer lugares, onde se piasa
abrigar : quem o apprehender lenha a bo-
dade de o conduzir ra da Aurora a. 2(i,
onde ser gratificado. Segundo s intor-
macoes, parece cstatjm Serinhaem, n
engwnh'^ prximos respectiva villa.
5
V .-..- "'.".-..-t^V^-T-T~~:~r
sfasl
si
SasBBBBl


Diario de PernamJbuco Saklmdo 17 de Julho de 1869.
ASSEMBLlA fiERAL
CMARA DOS SUS. DISPUTADOS.
SESSO EM 10 DE JI.NI10.
PflSSWINCIA DO SR. VISCO.NK DE CAM.Y-
HAfilHE.
(Continmco)
O Sr. Fkrreira de Ai.iiah:Sr. presi-
dite, em poltica, como em tudo, eu pre-
r,o a franqueza : em polilica, mais que em
ludo, eu aprecio as postos definida*; e
por. isto que longe d sta casa, sempre an-
plaudi o cosame nella seguido de se expli-
caren! em face dos principios polticos do
paiz o de seus respectivos movernos os no-
mes novos que nao tm anda atraz de si
tima historia, nem um passado.
Seja. pois, permittdo que mais um nome
novo se explique.
Em face dos principios polticos que se
debatem no paiz, se verdade que ha entre
aos conscienciosa divergencia de principios,
a minha posico nlo diflcil de ser defini-
da, urna vez que faco parte da cmara ac-
tual.
Os nossos adversarios, por um calculo
cojos resultados j faltarn talvez, ou nun-
ca chegarao, ou porque Ibes bradava muito
aito a consciencia de su a impopularidade,
quer no poder, quer ao descer os degros
delle, absiver,im-so da hita eleitor.il, aban-
donaram as ninas, abrindo-nos espado e
l indo-nos assim opportuni dada para prc-
entearmos ao paiz com as reformas e me-
. amentos de q.io elle tanlo carece, em
nomo de um s penaamenlfi poltico, aquel-
le por amor do qual todos nos aqu vie-
ntos.
Son. Sr. presidente, a enmara actual
unnimemente conservadora, nao porque o
goveruo que boje dirige os destinos do im-
perio tivesse aproveitado o exemplo de re-
cente dula.d;' fazer presso sobre o paiz,
liara ter ama representado sua, mas por-
que, como j disse, os nossos adversarios
nos deixarim sos em campo, por conselho
de seus velhos chefes, conselho que foi
bem depressa esquecido, para levantarem-se
aecnsaeoe* cintra mis por esta unanimi-
dade, que nao obra nossa.
Alera disto, se eu nao tenho urna tasa
vida poltica, um nome conhecdo em todo
o imperio, permitam V. Bie. e a cmara
que eu me desvanec de nao ser completa-
menle-desconliecido na provincia que hon-
rou-me com a sua contornea (apoiado), de
ser condecido alli como um soldado desse
grande partido, em nome do qual hoje
governado o paiz, em nome do qual ha de
ser elle erguido a toda a altura a que deve
iUingir um immenso imperio que tern Bran-
dal destinas a cumprir no futuro....
Uma Voz:l.'m alliado com muito bons
nulos.
O Sr. Ferreira de Auuiar :----- um
soldado que, embora raso, embora dos l-
timos, todava dos mata dedicados, 'so-
Iwando-lhe em desejos o muito qae lhe
falla em aptidao. (Nao apoiados).
Finalmente, Sr. presidente, eu vim a es-
ta casa com as minhas crencas. escrever
meu nome onde oulr'ora, .com s mesmas
crencas, se escreveu um nome igual, nome
que, orgultio-me de acreditar, nao passou
por-aqu desconhecido. (Apoiados).
Nestas condigoes, e fazendo parte da c-
mara actual, tal qual se acha ella constituida,
:n tenho necessidade de fazer urna profis-
>m de f poltica, seria quasi pleonasmo
dzer-me conservador. Sim, Sr. piesidente
nao tenho necessidade de declarar a minha
adhes5o ao partido da lei e da ordem, ao
partido dos progreeaos rellectidos e das re-
onnas pausadas, nicos progressos e re-
formas capazos de fazer a felicidade do paiz;
tenho necessidade de. declarar minha
adbeso ao nico partido do Bra/.il que
pode apontar no sen vasto territorio, as
suas innmeras, lea, as suas diversas ins-
tituicoes, nos seos immeiisos melhoramen-
tos, honrosos vestigios de sua passagem
pelo poder.
.Vio (eolio neeessidafle, finalmente, do
declarar que nao creio nesse programma
que se mortificara 8 se altoram todos os rtias;
que obedecen!, nessas alteracoes, ante s
conveniencias de partido do que aos mte-
resses do paiz: nesses programmas em
que se enxertam todos os dias novas ideas,
mais para fazerem effeito sobre as massas.
do que para Ities darem beneficios; nesses
programmas, emfim, de que tenho tanto
medo como dessas panaceas americanas,
que annnncam-se em grandes cartazos, e
que sao capazes de curar todas as moles-
tias ao mesmo lempo. (Hilaridades
Em face do gabinete actual nao tambera
diflicii de deffinir a minha posico. desde
que me tenho explicado em frente dos prin-
cipios polticos do paiz ri-'-a-vh dos seus
partidos.
Vejo no ministerio fiel e felizmente re-
presentada a idea conservadora ; nao vejo
uelle difieren ;a de crencas, nem desigual-
dade de core?.
E ai denos, senhores, quando essa df-
ferenca, essa desgualdade subrem anda
urna vez os degros do poder eempunha-
FOLHETIW
dS CASACAS PRSTAS
BOMAHCE
POP.
Paulo Fval
Pri metra parte
OltllACAI. L4VARDO
XII
Romper o dia amanha!
(Continuaco do n. i 85)
Alli eslava com eiTeito Lambert, repre-
sentando figitivim vi'.; a postara de um
homem aeoGorado ; cabir-llie. a cabeca so-
bre o peil), e de tal mxloqoea nucafor-
raava o cum?. do corpo. As dins ralos
ateeadas agarravam a corda. Enterra-
va-se unk p profundamente no chao, em
qufal ro, que encontrara na qu Ja
a Inrda da calcada, estava ltteralmenle es-
. migalhado.
Era evidente que Lambert se nao mover
depois da queda. De certo a morte fra
instantnea.
Procurou-lhe Andr o pulso ; e achou
asmaos enregeladai. Paz-Ihe a mo no
t'oraco ; j nao bata.
Quando lhe procurava o coraaio, encon-
trn um p.q -assaporte. Apo-
deroa se del
rem as redeas do governo. J provmos
de sobra os inicios amargos dessa lais.ura,
desse erro poltico.
Vejo frente do gabinete um vulto res-
peitavel do*paiz, urna d suas glorias, mn
dos seas ornamentos; vajea frente do ga-
binete a nossa maior aptido (inanceira, a
mais propria a mai* bem talhada para a
situaco diflicii que as nos-asfioanras atra-
vessam.
Vejo em torno desse vulto nonas da
longa data conhecidos ilo pjiz e por elle
respeitados.
Vejo lutadores valentjs, qa3 ah' lian-
lera", nos dias de ostracsm >. sottberam le-
vantar era favor dos proscritos saas vozes
eloquentes na outra casa do parlamento.
Vejo, alem disto, um nome respeitavel
principalmente para Pernambuco. que ha
de escrev-lo na pagina de sua historia
que referir a luta ensanguentada que all
foi provocada em 1848 e 1819 pelo desva-
rio partidario.
Vejo, Analmente, a mocdade brlhante e
ventajosamente representada n'CJSC minis-
terio.
0 que, pois, Sr. presidente, poderia eu
desejar mais ? O que poderia mais jar qualquer partidario, qual'juer poltico,
qualquer representante d um paiz, por
mais^exgente, por mais dillicil de conten-
ta r-se ?
J v, portanto, V. Exc que presto ao
aclual gabinete adheso frauca e leal, qtiv
sou ministeralisla ; miis, do mesmo roinlo
que cntendo que os principios polticos nao
devem ser inscriptos na bandeira de um
partido para nunca, mais atroa rscados,
ilo mesmo modo que antenda que o pro-
gramma poltico de um partido no deve
ser lo estacionario, nem sempre o mesm >,
do maneira que nao possa ser ra/.oavel-
meute modilicado, ampli;indo-se ou rc--
tringindo-se, conforme os progressos da
civilisaejo e do paiz, conforma mesmo H
justas exigencias d povo, asiim tambera
o m?u ministerialismo f.u um "ponto llnal
desde que, em minha opiniao, o gabinete
se desviar do verdadeiro caminbo.
Sou mnisterialista, repito: raas o meu
ministerialismo nao vai at o por> o de pear-
me a liberdade de censurar, de coarctar-me
o dreilo de fazer reparos ao procedimento
do ministerio. #
Um governista que est sempre prompto
a dizer amen quando ojjovemo falla,
quando o governo obra, em minlw o>-
mo, to perigoso como o partidario ceg,
que nao allende senao ao espirito de par-
tido, que n5o movido senao por e\W.
Um governo raoralisado e forte nao tfeve
querer outro procedimento da parte de seus
amigos, nem os representantes de um piiz
devem, em puro prejuzo delle, j>i'oceikM-
do modo differente. E nem o actual ga-
binete o quer, eu o sei e sabe-o o p-iia,
porque o nobre Sr. presidente do conselbo
e o honrado Sr. ministro da justifa j ti
veram occasio de declarar nesla casa que
aeeitavam e mesmo pediam a dscussao e r>
examedeseus actos, que acceitavam e pe-
diam os reparos e as observares. (Apoia-
dos.)
Des;nlpe-me a cmara se roubei-lhe al-
gum lempo, oceupando-me de minha pesoa
eu tinha necessidade de. explicar-me, lano
mais quanto nao desejo ser mal c raiprelien-
dido e interpretado era algutnas observa-
coes que me proponho a fazer.
Sr. presidente, desde que tenho explica-
do os meus sentiraentos a respeito do ga-
binete, nao deve ser duvidoso o meu voto
relativamente ao pr-ojecto em dscussao ;
voto com prazer por elle', tanto mais quan-
to assim apoiando os meus nobres collegas,
muito dignos membros da commisso, tenlw
occasio de dar urna prova de adbesao ao-
Ilustre e honrado Sr. ministro da ma-
rraba.
E' possiveljque oulros que tenhara estados
serios sobre o assumpto, o que, confesso,
me falta, encontrem defetos e lacanas no
projecto ; a mira, porm, parece que n-JIe
foram attendidas todas as exigencias e res-
peladas todas as necessidades.
Seja agora permittido, urna vez qae os
estylos admitiera ampia liberdade as dis-
cussoes dos projectos de fixaeo de forgas,
que eu toque em certos assumptos, dus
quaes, como j disse era principio, me
oceuparei ligeiramente visto que oradores
mais habiltalos nao o lizeram, e que falle
com a franqueza com que soi sempre fallar,
franqueza que nao ser, sem duvida, levada
a mal e que, pelo contrario, ser, applau-
dida pelo gabinete, que soube apresentar-se
ao paiz e s cmaras com toda a lealdade
e desassombro, nao evitando e, ao contra-
ro, pedindo a discusso de seus actos.
Aioda honlem, Sr. presidente, eramos
opposi^o, e, com os adversarios que tive-
mos, eramos um partido opprimido. (A-
poiados.) 0 partido conservador, porm,
conscio de seu prestigio no imperio, de sua
forca e de sua popularidade, nao desanima
nos* dias de martyrio, como sabe ser forte
e generoso nos dasdetriumpho (apoiados);
lulou, lutou com resignado; lulou som-
bra da lei e dentro dos limites.della, e
venceu.
Havia urna arvore cujos ramos toesvam
no muro. Urna vez nodo dUso i Andr :
nao couhecia bem a agilidade ne:n a forca
de que era dotado. Alguns minutos de-
pois, caminhava pacifba e sosegadamente
pelas ras de Caan. Saltara dous muros I
Entretanto, encha-sa priso de tumul-
to. Havia muito que as d.uas horas da
noute tinham soado, e os actores do drama
fnebre haviam finalmente dado entrada na
c:lla do condemnado penna ultima. Esla-
va descoberta a evaso.
Apezar das horas matutinas, j as mas
crculavam transentes, na maior parte
vindos do campo. Nao se tinham deitado,
para alcancar bons logares cm roda da
guilhotina. Os que j havkm tido a ven-
tura de ver o terrivel machinismo, descre-
viam-no aos companheiros mais mocos. Ha
viam carretasv indas de bemlonge.sendiros
coxeando de cansado e pedestres' sincera-
mente estafados. A esperanca de ver a
guilhotina mantinba vividas ludas as cora-
gens. Nao sentem fadiga os verdadeiros
Mussulmanos em ouanto dura a peregrina-
cao de Meca.
Andr s ouvio por todo o cainraho
guilhotina e'mais guilhotina.
possivel pensar sem desgosto na decep"
ave esperava tao virtuosos campo-
nios ? Havia tal que na sua boadade pa-
terna trooxera os fllhos por seis leguas de
eaiawhos ; e certo *Iavrador moco e
apaixonado aoarretu com a sua larradira,
cumprindo assim sagrada promesaa feita
era dia diaaunto,
Nessa lula retemperaram-se os aniinos:
apuiarara-se as i!:.is, de-
xarain passar a onda dos arbitrios, o cor-
tejo das perseguieoes, mes em
postos, salvas a- iodos
Ooiroeeem, motivadas sal)' Ifca porque
seutiinenlos, yae foram como que o resul-
tado de um procso da (k'purjcrio, e que
Jtiverara o grjude mrito de tornar mais sali-
ente cupivciavel a firmeza dos que icaram
(apoiados); o pjvo e o paiz virara os des-
varios o os abusos dos- qae govtrnavam, e
ouvrara e v'rr.ui as queixas sem huiilha-
co e a ndigiiacaj sn.:n excesso dos que
solfriam ; o povo e o paiz virara que o par-
t li mais abundante do promessasemoppo-
sie), era justamente o mais estril no po-
der (apoiados); o povo e o paiz virara murtas
oiitras cousas, qtie nao tohho necessidade
de referir, e a opiniao publica, que por um
momento se havia desvarado com a pri-
meira impresso do revramento poltico de
I83S, cedo deixou os oppressores, para
tomar o partido dos opprimidos.
Todos se ho de lembrar. que, cora a po-
ltica de i8!>3, levanlou-se uraa cruzada ter-
rivel, iniciou-se urna guerra sem tregua*
contra todos os que se diziam conservado-
res, n>) se. respeitou o merecimento, es>
queornm-se os bons e longos servidos, im-
pz-se s consciencias e caaigoo-se os ou-
sados que ivneUlram a imposirUof Nada foi
respeitado, nem o vuHo venerando do ma-
gistrado encanecido no servigo, nem os pas
sobrecarregadiw de pesada f.nnlia, nm o
empregado hBorado, 'nnguer Todos
solreram (apoi*ios), e soffreram resigna-
dos, esperandi t> flia da juatr:;:i e di repa
cacao. "Esse dia ctiegoj, finalmente, e so*
bre e le j sa toi anaamoailo rauitos e Ion*
[gos dias; e aJirsUt;*-? c a reparaco?
l":ii uiinist.M io. BeaboFas, nao perlence a
si maaaaa, periquee ao paiz (apoiados), que
por isso mesmo tenr > direito d-i pedH--Hie
cartas do seu [>roc '.nieito ; prtenos ao
partido que araoutoo oaderaentos de sua
ascensp. No comprtHiendo em paiz '
nlunn. omle baja daas irtfensera lntardnsj
pirUdos em campo, um governo sem liga-1
goes, sem trad'.oes, e Bem compromissos
wm essas idns-e comesses partidos.
O gaWnete actual cjtiserv idor, sabio
das ileiras do partido' que assim se den )-
mina, os seus d'rrersos membros lera nesse
partido sua historia, suas tradicoes e seus
cnmpronwssos ; & preciso que- essa historia
nao seja desmentida, que u30 se- quebrem
essas tradicoes e ijue nao se ft'dte a esses
corapfoSnssos. Orando as>im> f-dlo, nao
quHi'o que so estabelera entr o-gr>verno e
os partidos esse jogo inmoral, essa troca
indecente d favores e d grabas ; nao,
quero apenas que o joverno, sein desvos.
sem erros. sem tortuosidades, d Barca aos
seus amigos, porque assim que elle ha
de ser forte, (Apoiadoa.)
Sr. presidenta, nao quero que se me
aecuse de deelamaco, vou dcscer a-alguns
fados, embora trate delles ligeiramente ; e,
absten lo-me denomes proprios, fallare em
geral.
O primeiro assumptoque me occerre a
guarda nacional ; juntarei, tratando' delle,
alguraas consideraces s-quejsa tira fei-
to nesla casa.
#Sr. presidente, a guarda nacional do im-
pelo foi o alvo das mniores arbitrarieda-
des (apoiados); as reformas forjadas e il!e-
gaes foram urna arma terrivel e devastado-
ra (pie deixou profundos- vestigios as fi-
leiras de nossos iraigos. (Apoiados.)
O Sn. AiuwhGEs:Mil e quatroeentas
e tantas demisses, desSluices e reSormas
se deram.
0 S. FntBKitiv de Auiar: (irttou-se
contra as injusticias, conlra as Ilegalidades,
prometleu-se mesmo repara-las; ina-, Sr.
presidente, as reparaeoes, nermitfc8e-me
i|ua eu diga, lm sido tao incompletas, lo
tardas, que parecera antes favores e con-
cessoes do que reparacOes. Dir-se-la que
o governo transacto nao olfondeu nem de
leve a lei da guarda racional e que uiegali-
dade seria reparar aquil o que por esse go-
verno foi feito! #
Sr. presidente, urna de duas, ou essas
reformas toreadas....
O S. Barros BeuuuoTO Perseguicoes.
O S. Fehiikira de AuriAic...ou essas
pei-segui(;oes foram illegaes ou nao ; no pri-
meiro caso, as reparaees deviara ser um
dos primeiros cuidados do gabinete actual;
no segundo, tudo de'via car crao o gover-
no passado deixou, e alguraas reparaces
que lm sido feitas nao teriam a menor ex-
plicac-30.
Attender-se a urnas provincias e a outras
nao, na mesma provincia attender-se a uns
municipios e nao a oulros, nao me parece
justo nem explicavel.
Pernambuco, por exmpo, foi urna das
provincias que mais soffreram; entretanto
nao do numero daquellas que mais repa-
rarn tem tido.
(Trocatfh-se apartes).
O Ilustre e honrado Sr. ministro da jus-
tica, tendo occasio de explicar-se a este
respeito, fallou de sua raoderaco, que foi
applandida pela cmara. Tambem ea a
appladb, tambem quero a moderado do
Ilustre Sr. ministro da jusliea; o que cn-
tendo, porein, quo nao juaio que a mo-
derado v ate o ponto da trazar prejaizo
para os noss s (apoiados^; oque
entendo que nao justo qoe a modera-
os ) faca cora que permaneci amigos de-
dicados, liodeos qoe toni serviros rele-
vantes ao paiz, sob a presso de actos
illegaes e injastos, os quaes, por amor da
moralidade e do cumplimento da lei, j
deviara ter desapparecklo. (Apeados).
O Ilustre Sr. ministro da Justina teve
tambera occasio de dizer que era preciso
manler urna certa solidariedade entre os
governas passados e os futuros. Sim, Sr.
presidente, eu comprehendo que essa soli-
dariedada deve existir, milito principal-
mente quando se trata de governos que
tem o raeamo pensamento poltico e a
mesma cor; quando, porem, se trata de
govei-nos que representara e symbolsam
ideas deferentes. n3o compr.hendo que
esta solidariedad; exisla sem mnita limi-
taco. Alem disto, tratando-se de netos
violentos, como aquelles a que me lenho
referido, a solidariedade seria reprehen-
svel, porque seria a solidariedade d^ um
erro, de una mlVarco de lei.
Vozis: E" verdade.
O Sh. Fiiuieiha dk AotiAnNa 6, Sr.
presidente, menos digna de reparo a or-
ganitapo de filgumas listas de vice-presi-
dinte'de provinj. Nessas listas se v a
mistura das cores polticas, se kr;n os no-
mos dos adversarios l par dos (los amigos:
ao passo quj foram nomeados novos,
exsteui arada mtiitos dos que 9 niram
stoai-ao pBMriot E porque isto acontece?
Balar pon-entura o partido conservador
to pobre nos- prorittcias que nao teotia
dmnaa para ;mpletarer essas lista?
Ua Su. DrcrA*o: E' porque n\> lera
sife necess;uiOi.
CSn. Ehheja CkAwar :Ono ter
sido B>cesiaiD tsio justiliwa essa falta, pir-
que o governo deve ver (jiro nao im pos-
sivel tfefr-se o caso de ealr o primen'
empi-fi^v das provincias irs m#s de 01
adversario.
somos acensados como reactores. Reac-
um ciiavi > vellio cora que os nossos
adversarios sempre nos invectivam.
Sr. presidente, eu nao sou reactor, estou
muito unge disso : nunca quiz, como nao
quero, que se tire o po a quera tem ne-
cessidade d-lle e delle se mostra digno.
N5o ao v dizer que om deputado convi-
dou da tribuna ao governo para fazer a
derrubada dos adversarios ; nao, senhores,
nao este o mea pensamento. O qoe cu
quero que o governo nao seja indife-
rente aquelles cuja firmeza capaz de re-
sistir at s injsuticas, o que eu n quero
que se cont tanto com a constancia dos
amigos a ponto de deixa-los esquecidos, o
que cu nao quero anda (e se isto me pode
valer a aecusaco de reactor nao importa),
o que eu nao quero que o governo se
mostr fraco diante dos adversarios, dianie
dos seus agentes mesmo que o guerreiam
abertamenle, que o guerreiam na praca pu-
blica (apoiados), concorrendo assim para
enfraquecer o governo, para desraorali-
sa-lo, muito principalmente quando se v
que esta guerra nlo movida pela razio
nem pela justica, e que devida somente
ao fnmesi partidario.
UmSh. Dkpltado:-i-E' urna guerra sis-
temtica.
O Sr. Feuhkira de Aiuivr:Ha dias,
Sr. presidente, nesla casa, una palavra
que prendeu a attenco de todos nos, urna
palavra cheia de eloqwenca, quasi que en-
cheu-se de susto dianie da idea de refor-
mas ; venc, porm, o respeito que sei tri-
butar sempre aos grandes talentos e aos
grandes oradores e Uve torcas para con-
servar inobalavel a mnho opiniao sobre
tal assumpto.
Sr. presklenle, eu nao tento medo da*
roforraas; o que me faz raed a preoi-
pitaco quawio se trata de reformar. Se
me t'osse perifiitlirio.de militar obscuridad?,
de c de bmo onde me aclio collocado.
erguer um brado aquelles que' sabem e
[>ensam melbor do que tu, eu lites dira :
reformemos;: reformemos com' pausa e
raoderaco; reformemos, creandb novas
l"\i Ste Depitv':Como j tem acn-; leis e novas nstituicoes se estas torem pre-
teeirio. i cisas, se a sua utilidaee estiver provada ;
O Sn. Fp:;eiiia k \.vu\k: E o qne reformemos, modificando e alterando o que
responder o governo, quando-seus amigos,' existe. Dira mesmo:reformemos- antes
Elseia frustrar o mimo nupcial. E
l iam aquellas creangas desfazer-se em
pronto era face da inmerecida lograco !
Insulsa sorte I Quede camiaho perdido!
E sabe Dees quando se vera agora florir
a guilhotina !
A' medida que se afastava das proximi-
dades da priso, eslugava Andr o passo.
Senta o animo completamente turbado.
Nao dispuzora as cousaa ; faltava-lbe plano ;
procurava por em ordem as ideas, e nao
podia.
A principio dirgira-se insensivelmenle
para a cidade baixa e cncaminhra-so para
a ponte de Vaucelles; era por alli qae de
ordinario sabia de Caen quando levava Ju-
lia passeio para a outra banda do Orne,
as campias de Louvgny; tembrou-se,
porm, vagamente do itinerario tracado
pelo vendeiro : a estrada de Pont-l'vque.
Mudou instinclivamente de caminlio,
tendo o maior cuidado em circumvagar
largamente a cadeia, e gauhou as proxirai-
s da igreja de S. Pedro. Aproveitava
as icjs de Lambert ; sentia-o de mo
do confuso, mas persistente. A proteceo
oceulta pie rodeava o assassino filiado em
mysteriosas confrarias pertencia-lhe ao
menos por urna noute.
Dizem que certos objectos saltam aos
olhos ; ha cousas que saltara meraori .
Ao voltar da ra Fria, occorreram repen-
tinarasnto memoria de Andr essas pata-
rras baaos, que tinham a importancia de i
urna formula cabalstica '
> Nmtper o dia amanh
se queixassem de que esta vana- sendo victi-
mes da presso de um adversario ? Nao
v* o governo que, s esperar primeiro que
estes males se dm, qv este inconveniente
tenba lugar, ter muito mais irabalho e
ins-ito mais JiHicuidads ? Nao-v o go-
verno que, se espirar primeirainpnte por
um desses caaos, ter de- remediar um mal
antigo, aggravado por males no*os, que
ser) laucados sua corita e pelos quaes
poder ser accesado ?
Nao-comprebendo, Sr. presidesle, nao
admilito mesmo que em uraa lista=de vice-
presidentes de provincia figure o nome de
um adversario poltico; isto ale pessimo
elT>'ilo>, isto colloea o governo no ris-o
de ver um dia, de repente,- seus pensi-
mentos-contrariados em um canto do Im-
perio. Nao vejo convenienoias qw pos*
san so aconselhar.
Tenho verdadeiro pezar, senhores, em
fazer estes reparos, embora reparos amis-
Km 8, como os que podem ser fritos por
um amigo e por um-correligionario; mas
faco-os por amor do partido a.que acostu-
raei-rae a servir com>dedicacO; faco-opor
amor de urna situaco que eu- vi levantad-
ser crtcr etc prestigTOj cheia cle-forc*. c q'ic
receio ver enfraquecida: faco-os- ,mesmo,
por amor do gabinete, que desejo ver
atravessar urna longa vida. No dia em
que um* risco qualqaer ameacur esta s-
tuaco, este, partido,, este gabinete mesmo,
a riedcacao do partidario e a lealdade
do amigo nao ho de vacillr.r, o ultimo
soldado- saber offerecer o seu esforco,
como saber suceumbir no di da queda.
Mas, senhores, preciso animar esse
partido-heroico que soube ser resignado
nos dias do ostracismo, preciso evitar
quu a descienda lavre as lucirs desse
partido.
Estamos no poder, e entretanto, excep-
00 feila dos cargos polici es, dos cargos
de agentes iinmediatos do governo, quasi
que se pode dizer que a situacao passada
ainda subsiste. Muitos dos nossos amigos
cbocam ainda o pao perdido^ o pao arran-
cado^ pela intolerancia polilica (apoiados^
em vinganga mais louvavel firmeza. Os
que nos reformen^.
Por que razo, senhores, nao se ba de
reformar a guarda nacional ? Dir-se-ha:
1 Existe j um projecto. E' verdade :
mas, comokesteja elle en poder de urna
commisso, sirva o- que veo dizer panuque
nao Uve facam dormir un Songo soinno- as
pastas. Ou aeete-se a> li de 1850. mo-
dificada e corrigidavou* faca*se nova lei, ou
acabe-se com a guarda nacional. O qpe
actoutaaente existe no pode- ticar: s ceite
classe da sociedad soffre o peso da guarda
nacional (apoiados); a par de muita indis-
ciplin*, de muita anarchia (jue nella existo,
ha o- mesmo atropello- da- forc de linha ; a
guarda nacional ustt< complelamente su*-
jeta pressao e influencia dos governos.
U>Sit. Depi tauouE' do raandds de
aldea.
' O Sl PenRER v ncAti'un:Hoje foge-so
da guarda nacional como outr'ora para ella
se corrir: o estimulo'd entbeonvertea-se
em i'fceidida repugnancia. Tenho at ver-
dadeiraa apprebenses^ de qpe a guarda
nacienal, entre nos, vai acatar composta
nicamente de officaes ; ha tautos, tantos
querem. s-lo, e tal a repugnancia pela
grarvadoioa c poJo patrn*, quo-iweio ver .i
guanla nacional ficar sem soldados.
O Sr. Souz.v Res :Ficaremos reduzi-
dos a* espadas.
O S. Fkrreira ue Aguiaik Ver-
dade.
Porque nao se ha de, afina!, realizar a
reforma da magistratura ? Ser porventu-
ra causa que precise anda ric ser prova-
da? A utilidade dssta refonma cousa
a respeito da qual baja anda a menor du-
vidat? Se o estado financeiro do paiz nao
perraiUe a reforma relativamente aos orde-
nados, porque nao se reforma prescindin-
do-se destes? Porventura a reforma da
magistratura consiste somente no mellnra-
meuto do ordenado ?
V rque nao se reformara asnossas munici-
palidades ? Porque nao se Ibes d mais vida
mais forca, mais meios ? Porque nao se
presen tea a estas corporaces Ilustres com
um pouco mais de independencia? Porque
nao se ha d afasia-las mais das assemblas
adversarios campeara pela maior parte das- prornciaes, approximando-as de si mesmas
posicoes officaes, apezar da immoderaco
partidaria de alguns o da, incapacida ie do
muitos.
E' doloroso, senhores, que o soffrimento
que coinefou no dia do triumpho dos ad
versarios contine e se estenda pelo do-
minio dos amigos. Dir>se-hia que subi-
mos por urna concesso dos nossos adver-
sarios, e qoe por isso nao queremos desa-
grada-los. Parece que se recua dianie da
aecusacao de reaeco; mas, senhores,
reagir reparar injuslicas? reagir prepa-
rar os elementos de torca do governo,
fazendo fortes os seus amigos, fazendo
forte o partido que o sustenta ? Rem pouco
se tem feito, e entretanto todos os das
Promettera-lhe Lambert a historia do
Romper o dia uinanhia ? historia que
elle, Andr, podia j prendar mais impor-
tante-aventura da sua mocidado, ao fado
que mais vivas reminiscencias lhe dexra.
Nao Uvera, porm, o vendeiro tempo de
Ih'a aontar.
Muitas outras cousas lhe prometiera o
assassino.
Np posso dizer como Andr lastmava
a falla de Lambert.
Porque desde aquello primeiro quarto de
hora de liberdade, redevivia com violencia a
sua idea lixa ; adevinhava que tinha ella de
ser a paixo de toda a sua vida, ao ver
como se ligava estreilamenle ao nico sen-
timen to que lhe fazia pulsar o coraco : o
seu amor por Julia.
Encarregra-se Lambert de fazer a luz
naquella senda, ao cabo da qual esidia o
seu demonio, o ente que cousa nenhuma
deixava aps, o homem que passava sem-
pre impune, atirndq urna pra justica, o
inachiavelico inventor de um seguro contra
os perigoj do roubo e do homicidio, o
selvagem hbil era esesnder o rosto como
ora indio das florestas virgens, no raeio da
nessaeivilisaclo, o Casaca Pret2, Tolo-
nez Amigado.
Ubi appemdo pertencente muitos ; no-
me falso pertencenie ao que tinha duzias
de noraesI
Nada, n'oraa palavra, 00 quasi nada !
E moriera verdadeiro Lambert levando'
cerasigo ot4mportante segredo !
Paroo Aadr defronte da igreja de S.
(permitta-se-me a expressV))? As muni-
cipalidades, como ellas sao actualmente,
esto muito longo do que devera ser.
Porque ha de ficar eternamente entre
nos a carreira- administrativa sem urna orga-
nisaco? as presidencias das provincias
nao ha a menor estabilidade, nao ha uni-
formidade de pensamentos, n3o ha tradic-
r;5es, nao ha nada; os administraores
snecedem-se de seis em seis mezes, e
sao 'as provincias as nicas prejudi-
cadas.
Porque nao se faaem estas e outras tan-
tas reformas? Podem ellas assnstar a
alguena.? Trata-se, porventura, da nao
vitalieiedade do senado, da extmecao do
L
Pedro. Aqu, urna ra conduzia, estrada
de Paria, outpa estrada de Pom-TEvque.
Podia tomar direita ou esquerda.
A direita, ficava Julia e ura jierigo quasi
inevitavel.
A' esquerda, ficava o exilio, o incgnito, e
nao sei que possibilidade de vingaiica.
Andr tomn para a esquerda e largou
a correr.
(Juaado passou as ultimas rasas de Caen,
desenhava a al va urna-estrella ciuta 110 ho-
risnte.
Debaixo da primeira arvore da estrada,
eslava um homem parado com um cavado.
Vio aproximar-se Andr, e nao se moveu.
Ola, rapaz f grilou-lhe resoluto o la-
vrante, sabes se romper o dia amanha ?
Vamos, Bi.ou ; disse o rustico des'
prendeodo o cavado,
Depois respondeu :
Amanha de certo, meu amo, e tam-
bem hoje... Vmc. que o Sr. An-
tonio ?
Pois que 11 havia de sei-? replicou
Andr.
Toucava-se o campopao com um barre-
te de algodao braaco, 'carregado para os
olhos.
Sempre bom saber, retrocou sose-
gadamente. Perguntar n3o offende.
Tirou o barrete, o qae nao o descarapu-
cou, porque tinha outro por baixo ; despio
a blusa, o que no fez apparecer a camisa,
porque a blusa era em duplicado como o
barreta. Entrtgon ambas as eousas An-,
poder moderador, da polica electiva, dos'
presidentes de provincia por eleic3o, de
todos esses arrojos liberaos do moderno
liberalismo ? Nao. senhores, estas e outras
reformas sao justas, e podem ser feitas
sera risco. Eu, portanto, convido ao go-
verno para que se apresseemencarainhar e
fazer taes reformas, afin de que no atra-
vessemos urna sessao cheia de esterildade,
quando o paiz est com olnos cravados em
nos a espera de muitas cousas.
Sr. presidente, a guerra tem sido um
dos assumptos obrigados de muitos discur-
sos : seja-me permittido tambem dizer duas
palavras sobre eJJa.
Comero por declarar, Sr. presidente, que
sinlo to vivo no corceo o patriotismo,
es-e sentimenlo que lodos experimentara
e alardeam, e que ergueu este Imperio at
a altura do ura gigante guerreiro e cheio
de herosmo, que n3o cedo a precedencia
aos mais patriotas. Todos podem fazer
mais do que eu, movidos por tai sentimen-
lo, porm ninguem o experimenta mais viva
e mais sinceramente.
Dir-se-ha que esse 'sentimenlo patritico
entre nos ehegou at tal altura, attingiotaes
proporces. qie cahio em excelso ; hoje.
quando se falla nessa guerra, em que est
empenbado o rrosso paiz no Paragsay, mo-
da ser-se guerreiro, e querer-se a guerra,
sem pausa, sem termo... a guerra sempre !
Sr. presidente, repito com orgolho, nin-
guem mais brasileo nem 111a patriota
do que en, porm nao pens do mesmo
modo.
Anda hontem corriam nesta casa, e&mo
corriam na eidade toda, boletins ew que
se annunciaram novas victorias, nevos
triumphos, novos louros alcancados pelos
nossos heroicos1 soldados: nao ha amitos
titas S. Exc. o Sr. ministro da guerra deiN
as aqu muito boas esperanfas.
Pois bem, Sr. presidente, se essas espe-
raneas se nao reamarenem breve, se essas
esperanfas mentrem, preciso fazer-se
a paz.
Sr. Cakdido Torh>:s Fjlho:Apoiado.
0* Sn. Ministro da Marisma : Com'
quera ?
O* Si. Fkrreira de AevA:Com um
governo que se baja de orgaoisar no Pa-
raguay.
O 9r. Mimstro da Mrinwa :Isso sim.
O 9iv FRHfciitA 1* Achia:Est der-
ramda no paiz urna idea pertgosa, que eo
repilloque nao deve sepaliraentada; essa
idea -qjie se nao deta fazer a paz em-
quanto Lpez permanecer no Paraguay.
O S; JifiOARiE : K perigosa, mas
a idea do tralado da trplice allianca.
O S. Fijueira dr A'uriAR :Mas por
que raanse ha derespeitor essetralado, se
elle wn erro, ura mal, sma ruina
para o paia?
Umv Vor: um legado- do pro-
gresso f
O Sr. Kkrreira de Awiar : Por que
razo se la de hoje respailar, om1 Umto
escnipulo,.o direito das gentes,qaando este
direito nunca foi coiihecidO,.ao (pe parece,
do nosso inimigo ? E ser, porventura,
conforme ao- direito das ;ente a> condieco
de expluso do chefo de um Estado qual-
quer? NS conbeco, ser' talve isso devi-
do mnbaignornacia, ni)apoiados), um
fado histrico em taes condice-oes. (Inter-
fiipcjes.) Phr que razodiavemos de ter
urna solidariedade criminosa com ess8 tra-
tado ?
Um Sn.. BtePtTADo:rfimbem e dillicil
mostrar que baja um inimigo na& condic&es
do chafe tie< Paraguay.
O Sr. Frrbeira de Auiab-.:Nem mes-
mo isto jasiilica, nao haiemos- de fa :er de-
pendente o fim da guerra da captura ou
expufso de Lpez; e se-Lopea permane-
cer no Paraguay por cineo, dez ou mais
annos ?
O Sr. Cuidoso de Mncms : N5o
possivel.
O Sr.. Ferreira de Acuiar:Nao pos-
sivel ?
O Su. 6a>dido Toimrs-Fiti:N5o ha.
nada mais possivel.
O Sr_ Feureira de Ajiuaji :Nos temos.
exemplos- de que isso mais que possivel;:
na. revohwao do Rio-Grande doSul, o go-
verno teve necessidade de contemporisar
com o* rebeldes, o de faaer-lhes largas,
concessoes para por tormo a guerra.
O Sa. Cardoso de MIcjiezes :Nao com-
pare.
O Sa. Ferreira de Amu iar : Vicente de
Paula, as Alagas, quanto tempo zomboi
da auioridade?
(Ha um aparte.)
Iraagine-se, como me lembra o mea no-
bre amigo e collega, de deputacao e de dis-
tricto, que, organisado o governo, oleito
Lpez ? Ser porventura isto impossivel ?
O Sr. Ministro, da Marinha ri-se.
O Sn. Ferreira de Aoiiar:Porqno nao?
V. Exc. ri-se ?
Um Sr. Debitado:Pois hacemos de
eleger Lpez ?
(Contimiarse-ha.)
dr e mais amas calcas escuras, que trazia
enroladas debaixo do braco.
N'um abrir de olhos, despo Andr a
fado de prsiooeiro e veslio o outro.
O camponio qudra-sc a olhar para elle
bo.ejando.
Queira entregar o cavallo em Dives,
a Gulherme Men, disse ello ao p&r as
redeas na mo de Andr, qne saltoa para
o sellim. A mar s nove horas; a bar-
ca l est na foz. Ha alguma cousa para a
pinga ?
Atirou-lho Andr urna moeda oe piala, o
o camponio tirou o segundo barrete, di-
zendo :
Boa viagem, meu amo 1
Naquella manha galoparam os gendar-
mes por todas as estradas dos arredores
de Caen. S encontraram os povos, que
voltavam chorosos para -as snas trras sem
ter vbto a guilhotina.
Era Byou urna facca de truz. s nove
horas comia a'raco mangedora de Gui-
llarme Men, em Dives. Continuava a
soprar o vento do levaote. Corra jao
largo um barco de pesca para alera dos
areaes, e governava de modo uno devia do-
brar as rodias do Calvados. la Andr as-
sentado popa ; estava como em sua casa,
porque ao ebegar ptaa pergnntra ao
mestre da barca :
Romper o dia amanha"
I
- *
TTP. O PliilOll A bAS tRfZBI I. m,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5D62SIPQ_P3Z90V INGEST_TIME 2013-09-13T22:11:41Z PACKAGE AA00011611_11892
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES