Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11885


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLV. NUMERO 153.
\
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE IAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adianUdo............ haojyi
Por seis ditos idem.................... ,EE
Por um auno dem........-...... ..... jZ
Cadadumeroavulso........... '...... 1320
DIARIO DE
SEXTA FEIRA 9 DE JULHO DE 1869.
<---------------------------------------------.-------------------_______________________________________
PASA DEITRQ E FGRA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantadji. ...;..
Potril m*...... .....
'

6~
13^500
nomo
.7,1000
- ~-f
Propredade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
AO ACEITEN
Os Srs. Oerardo ^5^^^ E2* *&**,** ft? ** *
_________ *em NMare1' *'teo Tavares da Csala, em AJagdas ,-^r. Jas Martins Afves, na Ba^Bl^^^J^^'t^J^^"0' DoniDM Jos da <*- Braga,
__
os do* offldaes rcratiros ao mez de abril ultimo, e
os das pravas segunda quinzena do mesmo
mez.
_* 17Dita ao mesmo.Ao capitao Joaquina
StlTcno de Soma mande V. S. pagar, depois de li-
quidados, em vista da toma, relaeo nominal e prot
junios em duplcala, que me remellen o ce-man-
dante superior da comarc;i de Garanhun< cora
oSeio de 15 de abrir ultimo, sob n. 31, os venci
mentos relativos ao mez de mareo prximo (Indo,
do offlcial e Bracas da guarda nacional destacados
na villa do Buique.
N- 18.Dita, ao rnesmo.Com oorcamentojunto
por copia, que me remettou o chcEo "da repartirlo
das obras publicas com offlcio de hontem, sob' a
171, sat'islaco a requisiro de V. S. constante de
setis offlcios de 9 e 14'de abril ultimo, ns. 204 e
218, a que respondo.
N. 19.Dita ao mesmo Communico a V. S.
que, segundo consla de aviso do ministerio do im-
perio de 23 de abril ultimo, fot approvada pela
respectiva verba do exercicio de 1868 69-a des-
peza eflecluada, sob responsablidade desta presi-
dencia, na importancia de 4:200*000, como Paga-
mento das ajuda* de costo para indemnisacao dos
gastos de viagem de ida e volta na sesso do cr-
reme anno, aos deputarios viscoode de Caimragi-
be, de-embargador Alvaro Barbalho (Jcba Caval-
canli, Drs. Joaquim de Souza Res, Francisca do
Mego Barros Brrelo, Imo Alfredo Correa de Oli-
veira, Joaquim Pires Machado Pertella Joo Ju-
venci Ferreira de Aguiar, a razio de 6001 cada
um.
N. 20.Dila ao inspector da thesouraria provin-
cial.Pode V. S., de cnnformidade cem o parecer
da contadura desea thesouraria, que se refere a
sua informado de 30 de abril ulUmn, sob n. 228,
e en vista dos papis, que incluso devolvo, man-
dar pacar a empreza da illuminacao publica desta
capilal a quantia. d 16:907#027, proveniente do
gaz consumido com a mesma illuminacao durante
os mezes de Janeiro .e fevereiro deste auno.
N. 21.Dita ao mesmo.De vol vendo a V. S. o
requerimento que veio annexo a sua informacao
de 27 de abril prximo rindo, sob n. 222, o auto-
riso a mandar pagar a Jos Augusto de Araujo,
arrematante das obra do ultimo laneo da estrada
de To d'Alho Nazarem (empreza Mamede), nao
a quantia de 3:335*618, constante do Mitificado
annexo ao mencionado requerimento, e sim a de
3:387*518, em que, segnndo o parecer da conta-
dora dessa thesouraria, importa a prestacao defi-
nitiva a que tem direito o referido arrema-
tante.
N. 22.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seu eonheeiiuanto que attendendo ao que rc-
quereu Andr de Abreu Porto, concessionario da
buha de trilhos urbanos do Recife Olinda, e ao
que informou essr thesouraria e a reparticao das
obras publicas, res Ivi por deliberacao desta data
prorogar por seis mezes c prazo designado mvart.
! da lei n. 801 de 2 de maio do anno passado, para
o eomeco das respectivas obras.
X. 23.Dita ao chefo da reparticao das obras
b publicas.Communico a Vine, para seu eonhec?-
I ment que, atlendendo ao que reqnereu Andr de
-- '-' 'de trilhos ur-
que informou essa
reparticao e a thesouraria provincial, resolv por
deliberacao desta dala prorogar por sois mezes o
prazo designado no art. 1* da le n. 801 de 2 de
maio do anno passado, para o eomeco das respec-
tivas obras
N- 21.Dita ao professor Salvador Henrique de
Alhuquerque.Tendo designado Vmc. para exa-
minar em leilura e analyse grammatical no con-
curso a que no dia 4 do crrente se val proceder
na thesouraria de fazenda para preenchi ment
das vagas de praticantes existentes n'aquella re-
parn'co na alfandega o na recebedoria de rendas,
assim Ih'o declaro para seu conheciraonto, espe-
rando que de boa vontade acceitar essa cornmis-
so, entendendo-se para esse tlm com o inspector
da mencionada thesouraria.
N. 26.Portara a cmara municipal do Recife.
Remello a cmara municipal d > Recife em res-
posta ao seu offlcio de 26 de abril ultimo sob a.
23 as inclusas aetas dos collegios eleitoraes para
senador, das villas de Rernhaem, Cimbres, Flores,
villa Bella, Agua Preta e "abo, devendo a mesm
cmara devolvenn'as impreterivelmonte at e dia
8 do crreme.
N. 27.Dita a mesma.Communico a cmara
municipal desta cidade para seu conhecimenlo
PARTE OmCIAL
-rroo d> proviurla.
GVCEDIRNTE ASSIGMADO PULO EXM. SH. DR. MANOKL
DO NASCWRMO MACHADO POKTELLA, VICE-PRESI-
DINTK DA PROVINCIA. KM 1* i>E MAIO DE 1869.
1* seccao.
N. 1. Portara ao general commandante das
armas.^Remetto a V. Exc. pan seu conuecimen-
lo copia do aviso do ministerio da guerra, datado
de 20 do abril ultimo, no qual se declara ter-se
solicitad ao da fazenda a expedico das conve-
nientes orden, para ser augmentado com a quan-
lia de 853* WO rs., o crdito por conta da rubrica
do | 14obras militares, atim de ser despendi-
da coin os diversos carnenos o reparos menciona-
dos no rajando aviso.
N. iDita ao mesmo. Transmiti a V. Exc.
para o seu conhecimenlo a execuco copia do avi-
so da reparticao da guerra, do 15 de abril prxi-
mo lindo, acerca da iiomeaeio do ajudante do for-
f. 3.Dito ao iiiosmo.informe V. Exc. acer-
ca do que pedo no incluso requerimento Pastora
Mari* da Sutodade, riirra do atferes quartel-mes-
tre do seguudd_>atalhao de infamara do exercito,
Joaquim Evaristo dos Santos.
X. 4. Dita ao mesui. llespendo ao oflk-io
que V. Exc. dirigi ao meu antecessor, em 28 de
Janeiro ultimo sob n. 58, declarando-Ibe que o de-
sertor da stima compaobia do batalho n. 8 de
infamara do exercito, Cle_ente Rodrigues da Sil-
va, lora preso no dia 22 de noveiubro do anuo
passado, como acaba de communicar-nie o Di:
'.befe de polica em ofcio de 28 de abril deste an-
uo sob n. 621.
N. 5.Dita ao mesmo. Mande V. Exc. apr-
senla/ ao Dr. cliefo de polica, -lint de Ihes dar o
destino convenieuto, os recrujas de nouies Manoel
Luiz do Sonza. Miguel Francisco de Oliveira, Ro-
berto Jos (ioncalvos, (ionealo Valerio de Araujo,
Agostiulw BpUsta da Silva, Joaquim Jos Mari-
nho e Antonfi Francisco de Barros, visto terem
sido juit: id is ineapar.es, para o servico do exerci-
to, mandando V. Exc. por era liberdade os de li-
me Laumibno Marques de Jess, Pedro Monteiro
de Azevedo e Joao Antonio de Oliveira, que tam-
bera foran julgados lucapazes para o mesmo sei -
vico, como ludo se v dos termos de inspeecao an-
uexos ao sen cilicio de 30 de abril ultimo sob n.
283.
N. 6.Dita ao mesmo. Paco apresenlar a V.
Exc, aliui de ser usue'orado o individuo de no-
me Jo**, que se offerece voluntariamente para ser-
vir no exercito, aseei lando-llie pra^a se for julga-
do apto.
N. 7.Dita ao capitao do porto. Attendendo
^jo que representuu a esta presidencia o capito
Antonio Augusto Maciel, seidKT e possuidor das
propriedades Abreu e Grvala, sitas no termo de
Barreiws da comarca do Palmares, recoinmendo
i Vrae. a cxi'eUi .ao de ordens, para que o capataz
da estacio de Lna, sot> pretexto que all existe
terreno de marMia, nao continu a estorvar a i .
posse que o mesmo Maciel. por mi instillcacao e- Abrea Pu"o, t-onccssionanodalinha detn
documentes que exhibem mostrou ter em dilas l ">>* .Boeife a Ohnda, eaoqueinfom
propriedades.
i. 8.Dita ao eugenheiro militar. Rcmetto a
Vine, para seu nmiiecimento copia do aviso do
miuisterio da puerra, datado de 20 de abril ulti-
mo, no qual se declara ter-se solicitado ao da fa-
zenda a expedidlo das convenientes ordens, para
ser augmentado com a quantia de 853*410 rs., o
crdito por tonta da rubrica do j 14obras mili-
tares, (flu de ser despendida com os diversos
eoncertos e reparos mencionados no referido
aviso.
2.a seccao.
N. 9.Portara ao Dr. cliefe de polica. Por
parte do brigadeiro commandante das armas a V.
s. serio api amados, aliui de Ibes dar o deslino
convenanle, visto terem sido julgadrs incaMzes,
lano para o servico da armada, como do exercito,
os Bcle reclutas de noine, Mauoel Luiz de Souza,
Miguel Francisco de Oliveira, loberto Jos Gou-
ealves, Ooncalo Valerio de Arante, Agostmho Hap-
iista aa Silva, Joaquim Jos Mariubo e Antonio
Francisco de Barrea, que furam ior essa reparti-
cao remettidos ao capitao do pono para o servico
aa armada nacional.
N. 10.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de poliria.TraiHiiitto a Vine, para sua in-
tolligencia.e devida extrucio, as senlencas da jun-
ta que oa ultima in>laueiu julgou o cabo do cor-
po sob o sen cumulando, Paulino Maguo da Silva
o soldad o Antonio Gines de S Leiiao, era vista
dos oouselhos de julgamento que devolvo.
8* seccao.
N. 11.Portara ao inspector da thesouraria de
lazenda. Ana.indo ao qu&V. S. sulicilou cm
eu ollieio de 22 de abril uliimo sob n. 231, acabo
de designar os professore Salvador Henrique de
Aibuqueii|(ie. Antonio Rulino de Andrado Luna e
Dr. Felippo Nery Gollaco, para exaiaiaarem no
concurso a que se vai proceder no dia 4 do cor-
rente, para preenchimenlo das vagas de praticau-
euatentas nessa roparlico, na alfandega e na
recebedoria de rendas, send" o primero em leilu-
ra c analyse graminalical; o segundo em ortho-
iaphia, e e lerceiro em aiillunet.ca e niais ap-
plicajuea a commercio, com especialidade a re-
luccaj de meadas, pesos- e medidas, clculos de
outos, juros simples e compostos, etheoria A*
cinbrs o toas applicaoes. i) que declaro a V.
S. para seu .onlieciinelio e cm resposla ao citado
oSkia.
N. 12.Dita ao mesmo. Expeca V. S. suas or>
dens, para que em vista das folhas e pfets nomi-
naas, juntos em duplirata, que me remeiteu o
eoranfan lantc superior interino da comarca do
Brejo, com offlcio do 24 de abril ultimo, sejam li-
quidados e pagos ao capitao commandan e iateri-
no do batalho n. 37 de infamara, Francisco Lo-
pes Frazao. mi ao seu prugurado os vencimenlos
i ilativos aos mezes de Janeiro a marco deste anno,
do ollieial e pracas desUcados na villa de Cimbre
amigamente com a denomina(;o de Pesqueira.
N. 13.Dila ao mcamo.eiuelte a V. S. pora
rT. 34a>-Dto ao raesBio.^-Saa Exc. o 8r. rice-
preside_e da provincia manda transmittir a V. S.
as duas inclusas ordens do ministerio da guerra
datadas de 22 e de 23 de abr! ullirao.
4" seccao.
N. 35.Offlcio ao Dr. Antonio de Vascontfflf
Menezes de Drumraond.De ordeni de Sua IB. lencia.'fc^.
o Sr. vice-j)residento da provincia participo a v". 1*0 exa
S. para seu conhecimenlo qus existe nesta secre- J
tana para ihe ser entregue depois de pagos os di-
reitos devdos urna portara de 2f de abril ultimo,
pela qual Ihe foram concedidos o mezes de licen-
? '~Cos e vestigios do Jacto para termacj
delicio. %
delicio necettario,
do corno de
| Para o corpo de
sempre que for possivel.
1." 0 exairie no corpo da viclima, quando a
nouver, ou nos objectos que tcntum soflrido vio-
xame do lugar onde o crime tenba si-
ao encelado e consummado, assim como em suas
vizmhancas.
' a A guarda dos instrumentos do crime, eop-
servan* dos vestigios permanentes, descripcao
ca com o respectivo ordenado para tratar de sua dos que terem ephemeros e de quaesquer crcums-
saude onde Ihe convier. tancias importantes.
4/ Deelaracoes verbacs e summariasdas pes-
soas presentes, assim como" auaiquer Darticulari-
dade aellas oiwervada. ^
Deelaracoes da victima ou do offendido,
oem como do amor d crime esens cmplices.
Artigo .;.
Da prisao preventiva.
* S 1-* So permiitida a nrisao
DESPACHOS DA VICR-FBEStDStlCU DO DIA ."i
DE JUUW DK 1869
Antonio Jos Duarte- _uiittbta. Informe
oSr. inspector da tliesottraria provincial.
Antonjo Augusto I'ereira da Silva. A
vista da informar.o nao tem lugar o que
requr.
Antonio de Deus Texeira Rosa.Infor-
me o Sr. desembargad*!- provedor da Santa
Casa de Misericordia.
Antonio Pinto de Leo.Informe o Sr.
tenente-coronel commandante do corpo pro-
visorio de polica.
Bonifacia Maria d'Assumpcao.Asuppli-
cante ser attendida, se indemmsar a fazen-
da da despeza l'eita com a educaco do me-
nor, desde a sua entrada para o arsenal.
Companhia de trilhos urbanos do Recife
Olinda.Informe o Sr. cliefe interino da
repartirao das obras publicas.
Erminado Couto Brum.Junto ao ante-
rior requerimento da supplicanto, volte ao
Sr. Dr. director geral daiBstruco publica
para Informar, ouvindo o regador do gim-
nasio.
Francisco Pacifico do Amaral. Informe
o Sr. inspector da iesouraria provincial.
Francisco de Pauta Chagas.Informe o
Sr. commandante superior interino da guar-
da nacional daste municipio.
Dr, Francisco de Paula Sales. Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Francisca Maria dos Praseres. Informe
o Sr. Dr. chele de polica.
Felippe Mena Callado da Fonceca.In-
forme u Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Galdino Miguel Francisco.Informe o
Sr. desembargador provedor -da Santa Casa
de Misericordia.
Ignacio Vfeira ta Mello Filho.Informe
o Sr. commandante superior da guarda na-
cional de Najtreib..
Josepha da Invencao da Santa Cruz.In-
forme o Sr. Dr. chefe de polica.
Jos Macario Pereira.A vista da infor-
maco, n5o tem lugar o que requer.
Joaquina Jos de Faria Neves.Informe
o Sr. inspector da thesourarie de fa-
zenda.
John Dennolly.Informe o Sr. tnspector
da thesouraria de fazenda.
Jos Marcelino Alves da Fonceca.In-
pcrmiltida a prisao preventiva por
veiwimnta presumpcao de crime inaflancavel
quando essa presumpcao f.ir estabelecida pela de-
clara^ de dnas testemmibas que jnrem de scen^
ca propria, ou pete auto de corpo de delicio, e
quamte toacorrercm a duas cirenmsteacis :
1.* Be ser o indiciado pessoa nao abonada.
seu residencia permanente no lugar.
< i* De nao haver decorrido o prazo de tres
aanos dpois da perpetracao do crime pelo qual
ror?easBe_e indiciado.
-8 z. Podi'r, lodavia, a auteridade, quando
se tttle-de um crime muito grave, exigir do indi-
caiie preste caucao ou lianea, no caso de exis-
''r 9*!r* *"* a presHiniicao vehemente.
8 1* A prisao d'is reos pronunciados ou cen-
demnadjps em termo diverso, que eslejam evadi-
^"rwjfccluar em vi rinde de mandado com o
rumpNte da respectiva auteridade. Na falta des-
te soter tugar quando duas tesltmunbas depu-
zerem de sciencia propria a respeito da existencia
do julgade e da identidade da pema.
4. A priao salvo o caso de flagrante de-
licto, dew-seeffecliiar, ou itor ordem verbal da
auteridade prsenle, que a tara logo reduzira ter-
mo, oufor mandado revestido das formalidades
legaes:
$.' O-mandado de prisao ser lavrado em
dupt_*. o executor entregar ao presn.no mo-
mento* effecliiar a pri.-o, urna das copias com
dec4arac> da hora e lugar em que elfeetuou a
sa, o, iei$ mezes ddftei* da sualiuWicaco, estabe-
cerao regra de direito lero torca obrigatora,
em quante nao forem derogados ou alterados por
deeisai do poder legislativo.
8 3." as causas crimei haver revista de to-
das.* sentenoas dellnitivas proferidas em ultima
instancia petet- jues e ta____i, sempre que as
partee qni"taa__> dwm recurso.
t Sao exceptoadas as sen tencas proferidas no
foro militar.
S 4." O ministro que presidir interinamente o
tribunal nao dea inhibido de julgar o feito que an-
teriormente tiver visto.
Art. Os ministro do supremo tribunal de
justiea vencerao o ordenado de 8:0004 e a irali-
llcacao de 1:600*000.
CAMTALO II.
Das relarof*.
Art. 3." Para a decisao de todas as causas
crimes ou civeis. haer, na onlormidade do-dis-
poste no art. 153 da consiitaicao do imperio, un)
tribunal de segunda instancia em cada provincia.
Art. 4." 0 desinflo da cada relela ter o
mesmos limites da respectiva provincia.
Exceptua-je a da rea can da corte, que, alm do
mamcipealro. abranger a provincia do Rio de
Janeiro,
Art. $. Este Iriliuiues sarao divididos, pelo
que toca nmneario e veacimentes dos desembar-
gadores, em prim'eira e segunda entrancia.
S I." Sero da prhneira entrancia as relacoes
creadas em virtude da presente lei.
8 i-9 Seria de segunda entrae!
actualmente existentes.
Arl. 6. A relacao da corte ter 17 desembar-
adnree. as da Baha o Pernambnco 14 e a do Mi-
ran bao 11.
At. 7.' As relacoes novamente creadas terao
seis desembargadores.
< Kxceptuam-seas de AiiMxonas, Piaubv. Rio-
Grande do Norte, Espirito-Santo, Sanra Catharina,
Paran, Goyaz e Matto Grosso, que tero quatro.
Art. 8. Os desembargadores nomeados para
as novas relacoes, serao tirados indistinctamente
dentro os actaes juizes de direito, que nesse lu-
gar tiverem pelo menos quatro annos de effectivo
exercicio.
Arl. !'.
entrancia as relacoe?
Depois de preenchidos os novos luga-
res, ebservar-se-lu na nomeacao dos desembarga-
dores o disposto na lei n. 537 de 6 de junbo de
1850, e niais disposices om vigor.
, t Arl. Itt O aecesso das relaces de 1* eslran-
pr^ao, e exigir que declare na outra bave-la re- i cja para as da 5- ser regulado pelo principio da
cebido. recu assignado por duas testeimuihus. Nessa imsma I Art U
co^ia o carcereire passar recibo da entrega do J> entrancia
u cmibcciuieoto, tipia do aviso.da ministecio
da guerra datado de 20 de abril uliimo, no qoal
se declara terse solicitado ao da fazenda a expe-
liijo das conveu|tes ordens para ser augmen-
tado com a quantia de 85310 o crdito por con-
ta da rubrica 14 obras militares ,alim de
ser despeHfda com os diversos cenceos e repa-
lencionadus no referido aviso.
N. 14Dita ao mesmo.Transmiti a V. 8.
{raos fins convenientes a inclusa guia n. 332,
nsssada pera contadoria de marinha, para o abono
los vencmentos nesta praviana do tenente
francisco Xavier llodrigues Pinheiro, qne se aeha
eendo o lugar do ajudante da capitana do
peno de>ta cidade.
N. 15 Dita ao mesmo Depois de liquidados,
n vwta da folha o pret junto em duplcala, que
me remetteu o commandante das armas com oS-
! boje, e sob u. 256, mande V. S. pinar os
lmenlos do offlcial empreado no deposita dos
nineiros de guerra paraguayos, e de taes pri-
Moneiros, sendo os daquelle relativos ao mez de
abril ultimo, o? desios seguida quinzena do
ino mez.
N. iCDita ao mesmo.Recommendo a V. S.
que denpl da liquidados, em vista da folha a pret
.tontos em dnplinata, a qne se refere o offlcio do
i-iiinJtmaii__ armas datado.da hoja, n sob n.
253, mando pagar os voicimeite* dos offleiaes a
pracas empreados no deposito 0 recrutas, sendo
que, attendendo ao que requeren Andr de Abreu
Porto, concesionario da linha de trilhos urbanos
do Recife a Olinda e ao que informou a repart-
cao das obras publicas a thesouraria provincial.
resolv por deliberacao desla data prorogar por (i
mezes o praso designado ri rt. 1." da le n. 801
de 4 de maio do anno passado, para o eomeco
das respectivas obras.
N- 28. Dita ao director geral interino da in<-
lruc?o publica.Tendo nesU data designado os
professores Antonio Rufino de Andrade Luna c
Dr. Felip^ Nerv Collaeo para examinarcm no
concurso que. se vai proceder no dia 4 do cor-
rente na thesouraria de fazenda para preenchi-
ment das vagas de praticantes existentes n'aquel-
la reparticao, na alfandega o na recebedoria de
rendas, sendo o !." em nrthographia e o 2." em
arethemetica e suas applieacoes ao commercio,
com especialidade a reduccao do moedas, pesos e
medidas, clculos de dustolos, juros simples e
compostos_ e theoria de cambios e suas appliea-
coes : assim o declaro a Y. S. para seu conheci-
menlo e afim de que o faca constar aos mencio-
nados professores que para s>o deverao enlon-
der-se com o inspector da mencionada thesou-
raria. ,
N. 29.Dila ao commlssario vaccnador.Re-
meta Vmc com urgencia ao Exm. Sr. brigadeiro
commandante das armas, como solicitou em offl-
cio desta data sob n. 260 alguns tubos de puz
vaccinieo que se fazem necessarios ao deposito de
recrutas.
N. 30. Deliberacao. O vice-presidente da
provincia, attendendo ao que requereu Andr de
Abreu Porto, concessionario da linha de trilhos
urbanos do Recife a Olinda e tendo em vista as
informacoes do inspector da thesouraria provn-
ola} e do chefe da reparticao das obras publicas
de 27 de Janeiro e 4 de marco ltimos, resolve
prorogar po- 6 mezes o praso designado no art.
l. da le n. 801 de 2 de maio do *nn passado
para o eomeco das respectivas obras.
EXPKDIKNTE ASSIGNADO PELO SB. DR. JOAQUIM CORREA
DE ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, EM 1 DE
MAIO DE 1869.
seccao.
N. 31.Offlcio ao commandante superior da
guarda nacional do Brejo.Sua Ec. o Sr. vice-
qresideute da provincia, manda declarar a V. S.
em pesposu ao seu offlcio de 24 de abriUiltimo,
que transmiltlo a thesourarie de fazenda, para os
fins convenientes as folhas e prets que em dupl-
cala vieram annexos ao citado officio.
N. 32.Dito ao eommandante superior da guar-
da nacioual de Garanhuns.-^8ua Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, manda decla/ar a V. S.
em resposla ao seu offlcio de 15 de abril ultimo,
sob o. 31, que a thesouraria da fazenda tem or
dem para pagar ao capitao Joaquim Silverio do
Souza oe venc mentes constantes uo citado officio.
If. 33.Offlcio ao inspector da Ihesonraria de
fazeqda.Sua Exc. o Sr. vico-presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S. as dez inclusas
ordens-, sendo 3 do thesouxo nacional sob nme-
ros 48 119 e 5 do ministerio da guerra,
dtalas, dnas de 14 e tres de 19 de abril ultimo.
Sr. coronel commandante superior
da guarda nacional desle muni-
forme o
interino
cipio.
Julia Carlota de Azevdo.-Informe a
direcloriado thealro d-; Sania babel.
I>r. Joaquim Jos de Campos da Costa
de Medeiros e Albuquerque.Certifique.
Jos Domingues Codeceira.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Luiz Cyriaco da Silva Rigueira, por inter-
medio do Dr. director eral da instnicfao
publica.
Luiz Antonio Cordeiro.O officio do 2o
tabelliao do termo do Dom Conselho, esi
prnviilo.
Manoel lunario d'Avila.Informe o Sr.
chefe interino da reparticao das obras pu-
blicas.
.Monoel Antonio de Alcntara.Informe4
o Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.
Quintilhiano Henrique da Silva Primave-
ras.Informe o Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Sonhorinha Joaquina dos Santos.Infor-
me o Sr. desembarga lor provedor da Santa
Cesa de Misericordia.
Yice-ncia Alves de Carvalho Dacia.In-
forme o Sr. general commandante das
armas.
INTERIOR.
lUo de Janeiro
20ps JUHHODK 1869.
Na cmara dos deputados. hontom, logo depois
iia leilura do expediente, o Sr. mini.-tro da justiea
rurulamentou o seguinte proiecte, quo fpi enviado
a conmiisao de justiea criminal :
Artigo 1."
Das autoridades pnlicaes.
i j !. 0 chefes de polie.ia serao nomeados pe-
lo Impetador, d entre os bacbareis formados em
direito.
Os presideutes de provincia poderao suspnde-
los motivadamente por" conveniencia publica, sub-
iettendo logo o seu acto approvacao do gever-
no imperial.
a | 2. Os delegados o subdelegados, serao no-
meados directamente palo chefe de polica.
| 3. Alm destes empregados averi
a. Agentes de polica ostensivos, ou secretos,
como convier.
preso, eom declaracao do dia e hora.
$ 6.* Quando a prisao se efiVctuar sem man-
dado, nos casos em que a lei o permit*, o exe-
culor dar ao preso tuna copia do.nulo do llagran-
te delicio,- reservando a outra para o recibe do
eareerejro o conhecimenlo da autoridad.
7. A copia do mandado oh do
Mteuou de culpa, na forma d.> art. 171* 5 10 da
reoi|Ktnefto do imperio. Incerrem na muH de 10
a i'il)^ o exeeiitor ipie a nao entregar ao preso e o
carecreiro que rec-lher o reo priso tem passar
recibo do mesmo na nutra copia.
< 8." A anloridade policial poder ordenar a
incommunicabilidade do individuo dolido previa-
mente por crime inalianeavel. Essa intrrdiccao
nao exceder de dez das.'
9. A ordem de incommunicabilidade, se
nao lor incluida no mandado de prisao. ser ex-
pedido por mandado especial ao earrereiro e re-
gistrado no livro proprio
10. A mterdicco lera lrig.tr igualmente
quando for requisilada'pelo juiz on Iribunal for-
mador da culpa : e nesse raso poder prologar-
se al vinle das.
Atlitto 4."
Da li a n e a.
1." Sao alianeaveisos Crimea em que o reo
nao selivrasolta.com excepcao iinicaineuleda-
quelle cujo mximo de peni alm da mulla for :
Io, moiie ; 2. gal ; :i\ oilo anuos de prisao com
iraballio ; 'i, doze anuos de prisao simples ; 5o,
vinte annos de degredo.
2." Na# sera concedida a lianea, einbora
seja o crime afiancavel :
1." Se o reo a huuver urna vez quebrado.
2. Se o reo fr acensado de dous crimes
afianeaveis. cujas penas aONadas exeederem
de um terco aomaxiino do anterior.
3. A lianea ser prestada previamente ou
depois de effectuada a prisao, como ao reo con-
vier. Pode con-i-r em depsito de dinbeiro ou
em hypothera de hens de raiz, icgtilando-se quan-
to aos elleitos pelo direito civil.
4.* O valorda Itanca ser arbitrado em 24
horas pela anloridade qneboaver ordenado a pri-
sao, tendo ella em eoMMterarao, ipier a gravidnde
da pena. i|iier a condieo da forlnna do delin-
quente. O lepulameiiiu" estabeteeern a larefa da
llanca em relacao pena.
5 No momento de ser _preso pode o ro
obler a soltura prestando a caucao de dous cida-
dos abonados, que se obriguem em auto lavrado
pelo execulor a lazer effectira a lianea no prazo de
vinle e quatro horas.
8 6. A llanca urna vez prestada naopode ser
retirada pelo liad'or, assim como nao pode a aute-
ridade que arbiinm, a preiexfo de insuillciencia,
exigir seu reforco.
Artiga 5."
Disposices gantes.
5 1. Nos termos de bem-viver e segurauca,
sob titulo de caucao do? -uspeitos, a auloridade
policial dever exigir o deposite da multa, e em
falta desla cominar a pene de prisao correccio-
nal. A multa sera regulada por nina tabella, c nao
exceder a 200.
j 2. \auioridado policial pode chamar pe-
ranle ella os suspeitos ou as peoas quo saibam
do crime e suas riirniMlinnii ir ires modos :
!, offlcio reservado ; i-, notiftic_i abena ; 3,
mandado de condue:
i 3. Fica em vigor a lei de 3 de dezembro de
b. A guarda policial instituida para exocular
as ordens da autoridado.
' o. Garceroiros incumbido da guarda das ca-
deias.
4." As funecoes policiae sao incompaUveis
com as funccOis judiciariaa.
" Artigo 2."
Do corpo de delieto.
S 1." A formacao da culpa &ri de compe-
tencia da autoridade judiciaria, competindo au-
t'Tidade policial apenas colliflr ummameate em
corpo de delicto as pro vas do cnioe.
- g 2." A auteridade policial ou seu agente,
comp&recendo no lugar onde se acabe de perpe-
trar algum crime, pode prohibir entrada e s*h-
da de qaalqaer pessoa, at que m t_uba_i comido
1841 e regulainenlo n. 120 de 31 de Janeiro de
1842 na parte en que nao fr contraria presen-
te lei : o governo mandar coigir em separado
todas as disposices legislativas e regulamenlares
relativa polica ; discriminando-as completa-
mente das que so referem orginisacojudi iaria-
Rio Janeiro, 2S.dejnnho de 889.
Io de julbo.
Na sessao de hontem foi a imprimir, na cv
[mar dos doputados o seguinte projecto :
nironMA JliOi_UA.
\ assemblea geral resolve :
TITULO I.
OPITCLO I.
Do supremo tribunal de jtul
Art. L* O supremo tribunal de justiea ca re-
duzido a 13 ministros.
Beta disposeo nao prejudica o direito dos ac-
taes ministros que exc.cdenm a este numero ;
mas os lugares que vagarera nao serao preen-
chidos.
i i.- 0 julgamonte sdf por lodos os minis-
tros presentes a plural idade de votes, no dia de-
signado pelo presidente.
Ser, porm, adiado para a conferencia se-
guinte, se algum dV ministros que nao tiver visto
os autos os q_iaer examinar.
~ 1" Fica aumpetiudo ao-supremo tribunal de
justiea tomar aentos que um_rmisem no Imperio
t jurisprudencia relativamnnte a questoes que se-
jam 4a restricta competencia do poder judietal.
Esi ajseatos *erao pt-_d<>? pLi iirpren-
Os desembargadores das relacoes de
vencerao o ordenado de 5:090* o a
gratificaca de 1:0004000.
Art. 12. Os desembargadores das relacoes de
1* entrancia lere o ordenado de 2:800 e a gra-
lificaco de l:200fi000.
Arl. 13. O desembargador que, denlre os ae-
tuaes, for designado para servir em urna relacao
5K?ll'u'4*lf nlrancia, nao perdeos vencmentos a que
esta lei Ihe d direito, iiem lica prejudicado uo
fi-iwn -que Ihe Competir por antiguidad.
t Art. 14. Para as despezas de viagem o desem-
bargador nomeado ter direito ajuda de cusi,
que lite ser paga segundo o que so acha disposto
para os juizes de direito no arl. 3 da lei n. 5V9 de
28 de juubo de 1850 o art. 8* do decreto n. 687
de 2 de julho do mesmo anno.
o Arl. 13. Os desembargadores das relacoes de
1' entrancia, que completaren! 23 annos de effec-
tivo servico na magistratura, tero os mesmos ven-
cimentos que parcebem os da 2' enlraueia ; nao
gozaran, porm, desla vantagem os nomeados, se-
nao depois de tres annos de exercicio no lugar
de desembargada, anda tendo mais de 2o annos
de servico.
Art. 1C. Os desembargadores das retacies do
2' entrancia que tiverem 30 annos de elfeclivo
servico na magl^raiura, pecceberi na mesmos
venrimentos de uiinistro do supremo tiibunal de
justifa.
Arl. 17. Os desemltargadorc> que tiverem ae-
cesso das relacoes de 1* entrancia para as da 24,
terao direito tuibem ajuda de custo marcada
no art. 14 desta lei.
t Art. 18. Os presidentes nomeados para as no-
vas relacoes serao Ufados denlre os aetuaes de-
j-embargadores, que aeceilarem, e na talla destes,
ou se assim convier ao servico publico, poder
recahir a nomeacao em um dos novos desembar-
gadores, urna razque reeonhecida aptido rona
lO annos pelo meuosde servieo no logar de juiz do
iliieito.
t >tft. 19. Os presidentes das relacoes de l*en-
tranciaj nomeados depois da installco dostes tri-
hunae?. o serao de rouformidade com a legisla-
cao em vigor, urna, vez que lenham dous annos,
pelo menos, do posse e elfeclivo exercicio.
Terao lamben) direito carta do conselho.
Ai t. O. as relacoes da 1* entrancia haver
um secretario, nomeado por decreto imperial, um
eserivo de appeilacdes nomeado segundo a legis-
lado em vigor, um porteiro e um ofticial do jus-
(ica, ambos de nomeacao do presidente do tribunal.
1.* O porteiro da relacao seta tambem o da
chancellara, e servir de eserivo o secretario do
tribunal.
i 2." Na falta ou impedimento do secretario
o do eserivo de appellacoes.observar-se-lia o que
se acha disposto em lei.
c Art. 21. As retacos compete julgar os juizes
de direito nos crimes individuaos pela mesma for-
ma e processo por quo sao clles julgados nos cri-
mes de responsabilidade.
CAPITII.O ni
Dos juizes de direito.
Art. 22. llavera no municipio neutro, alm
dos juizes privativos dos feitos da fazenda, com-
mercio, auditoria de marinha o de guerra, cinco
juizes de direito, un com jursdico orpnanologi-
ca, oulro com a de capellas e residuos, e tres com
exercicio eiimulativo de jursdico civel e crime.
Art. 23. as capitaes da Rabia, Pernambuco,
Maranho o Rio Grande do Sul, haver tres juizes
de direito que exercero cumulativamente a ju-
risdieco civel e criminal e privativamente oceu-
par o da 1" vara a dos feitos da fazenda, o da
secunda a do commercio e o da tereeira a de or-
ptiaos, capellas e residuo?.
Art. 24. as capitaes das nutras provincias,
exceptuadas as do Amazonas, Piauliy, Hio Grande
do Norte. Espirito Santo, Santa Catharina, Paran,
Goyaz e Matto-Gros.-to, haver dous juizes de di-
reito, que exerecrao cumulativamente a jurisdic-
co civel o criminal e privativamente oceupar o
da primeira vara a dos feitos da fazenda e o da
segunda vara a de orphos, capellas e residuos.
O presidente da relaeo designar denlre
elles o que dever servir de juiz do commerca.
c Arl. 23. Aos juizes de direito que exercerem
a vara commercial. incumbe as altribuicTes que
pertencem aos tribunaes do commercio na parte,
administrativa, dando-se das suas decisoes recur-
sos para a relaeo do dstricto.
Art. 26. Compete aos juizes de direito e ex-
clusivamente em primeira instancia, no civel .
crime, o preparo e juicaente dos feitos prepara-
dos pelos administradores municipaesc juizes de
paz nos outros termos.
Art. 17. Formar culpa curaulalivamente com
as outras autoridades nos crimes commeltidos no
termo de sna residencia.
e Art. 28. Formar culpa privativameote nos
crimes de quo trate a le n. 562 de 2 de julho de
1850, commetlidos no termo de sua residencia:.
t Art. 29. Proceasar e julgar as mfraecoes de
posturas, os crimes de contrabando coonitidos
no seu Termo, .assim como as proeessadus pelos
administradores municipae* o iuizos de paz m<
outros termos.
Arl. 3. A execucao dse promover-se no
juizo em que se tiver proferida seutenm na pri-
meira instancia.
Arl. 31. Podero ser nomeados juizos de di-
"uo para preenchimenlo dar vayas que ioreni
pela nomeacodos novos desembargadores :
1." Os bacbereis formados em dieeite upo co-
mo jiinr municipal ou do orphos, ou promotor
publico, tiverem completado oquatriemsm.
2." Os adrngados reeonhecidaraeote u_eis
e que tiverem iparo annos pelo menos de ortica
no loro, nao interrumpida.
_ 3. Os secretarios de provincia e o das rela-
coes, formados em direito, o que tiverem de cffc*-
tivo servico seis armos jete menos, urna vez men
sen numero e o dos advogados nomeados nao ex-
ceda sexta parte das vaga.
Ait. 32. ara o pseeuchimente ilas vagas qne
se dorem por occasio da execucao da prosele
le, as comarcas de tereeira entrancia e de segun-
da entraueia sero preenchidas, tendo-se em a-
lenciio o que se acha disposto para as remuodts
dos juizes de direito de una para outra comarca',
segundo a ordem estabelecida pela lei das en-
trelas.
Art. 33. Feitas as nomeacOes dos novos joes
de direito, observar-se-lia as disposoes da le
n. 559 de 28 de junho de 1850.
Arl. 3i. Depois da execueo da presente lei
para os lugares de juizes de direito podero ser
despachados :
1." Os juizes municipaes ou de orphos, e da
promofr res pblicos matrielailos.
2. Os promotores da jusea.
4 3." Os promotores publieos.
4." Os chefes de polica.
5' Os administradores inunictoaes.
'Art- 35. Os funecionarios de ipie tralam ffs
55 2, 3, 4 e 5* do artiga antecedente, s pode-
rao sor despachados juizes de direito depois de
matriculados na conformidad das disposices vi-
gentes.
, *.A.r, M- *** juizesde direito terao o ordenado
de 2:800* e a gratificacao de 8OOJ00O.
Art. 37. Os juizes de direito o/ie nao forem
nomeados de>embargadores em virtude *i pre-
sente lei e nao tiverem Completado seis annos do
exercicio- uo lugar de juiz de direito, assim como
os novamente nomeados emijuanto nao completa-
ren) este lempo, descontadas as Demwas e inter-
rupces, segundo o disposto no arl. 41 desta lei,
terao direito to simiente ao ordenado de 1:6004
e gratificacao de 800*.
Art. 38. Os juizes de direito dc-pois de 25 an-
nos de effeetivo exercicio, terao os vencmentos
que competem aos desembargadores das relaces
de segunda entrancia.
< Art. 39. 0 favor concedido pelo art. .'I da lei
n. 559 de 28 de julho de 1850, s se deve enten-
der em relacao ao< juizes de direito que, nos ter-
mo? do art. 1. da cada lei, forem removidos de
urna qara outra comarca nos casos marcados pelo
art. 5." do decreto n. 687 de de. julho de 1830.
e aos que pela primeira v.z fu rom nomeados.
' Art. 40. Alm da eXpressa recusa, emnde-
se que renuncia o exercicio do cargo :
1.' O juiz de direito quo nao cnmpir o pre-
ceiio dos aris. 2, :t, \' eS* do decreto n. .'60 de
28 de junho de IS.'io, nao s nos casos especifica-
dos nesse decrete, como tambem quando nomea-
dos para o lugar de desembargador.
2." O juiz de direito que sem licenca sabir
do dstricto de sua jiirisdieeao, ou abandonar por
dous mezes o exercicio do cargo sem causa jusli-
lieada, alm das penas em que incorrer.
, Arl. 41. Qbnter-se-ka anliguidade dos jui-
zes de direito do acto da posse real, deducido
qoalqucr lempo da nterrupcau maior de 60 em cada anuo.
o\riTii.o it
D0.1 cJiefe* de policiu.
Art. 42. Os chefes de polica poderao ser no-
meados d'enlre os juizes de direito o hachareis
formados em direito.
Arl. 13. Km seus impedimento?, o governo na
corle e os presidentes as provincia", nomearo
qui'in os substirua, guardadas as disposices do
artigo, anleccdentt.
Art. 41. Aos chefes de polica compote :
g l.' As attribiiicoes que Ibes eonfere a lei
de :i da dezembro do 1841 e reculamente n. in>
de 31 de Janeiro de 1842, menos as especificadas
no 6. do art. 58 do mesmo reculamente.
' i 2.. As attribuicOes que pelo art. 303 do
cdigo criminal foram confiadas s cmaras imi-
nicipaes.
Arl. 45. Os chefes Je polica lero os mesmos
vencimento* que actualmente percebem, guarda-
das as disposicues em vigor.
CPITCLO V.
Du ndministradur mmieipal.
Art. 45. Em cada municipio haver um ad-
ministrador municipal, que lera nomeado pelo Im-
perador d'enlre os hachareis formados em diroito.
Art. Os municipios que nao tiverem 3,000 fo-
gos ou cm que se nao apara rom, pelo menos 50
jurados, reunir-se-hoao municipio ou municipios
mais visinhos da mesma comarca."
_ Art. 48. Os administradores municipacs ser-
viro pelo lempo de quatro anuos, lindos os quaes
podero ser reeonduzidos ou nomeados para ou-
tros lugares por nutro lano lempo, com lauto quo
tonham bem servido.
i ArL 49. Para o lugar de administrador muni-
cipal, sero despachados de preferencia os aetuaes
juizes muniepaes que nao tiverem concluido seu
quatriennio.
Art. 50. Ao administrador municipal com-
pete :
i. As atribuicocs con (cridas aos delega-
dos de polieia eplosjarts. 2, 3o e 65 do regulamen-
lo n. 120 de 31 de Janeiro de 1842, excepto as do
5 7o do art. 12 do cdigo do processo criminal de
que reza ni os j$ 2 do art. 2o e 4o do art. 3' do
mesmo regulainente n. 120.
J 2." As aitrbuicoes que pelo art. 303 do
cdigo criminal cumpelem as cmaras munie-
paes.
S 3." As insnuacoes das cscripturas de doa-
co nos municipios do interior e as cipilans do
Aiuasouns, l'iauhy, Rio-Grande do Aorta, Espi-
rito-Sanlo, Sania Catharina, Paran, Goyaz e Ma-
to-Gn?sso, salvo o recurso para o juiz do direito.
4." Tomar conta do cumplimento dos lega-
dos pios aos testementeiros.
i 3.* Tomar coma as irmandades, confraria?,
hospilac?. misericordias e a quaesquer outros es-
labeJecinieutos de piedade e benecencia, onde ni
nouver juize- privativos.
() As contas sero tomadas na primeira
quinzena do mez de julho de cada anno.
(6) A? cmtas sero enviadas com os respecti-
vos documonto e informacao sua ao jniz de di-
reito da comarca para serein approvadas definiti-
vamente.
_ i 6." O processo de legitimaco ou perlilha-
eao dos bastardos e da condieo de ingenuo, na
cnnformidade do regulamenlo me o governo nou-
ver 4e expedir.
S 7." Promover a d-x-tribuco de soccotros no
oaso de calamidad^ publica.
| 8. As atlribuicoes confiadas aos delegados
e subdelegados de polica petas leis e regula-en-
tes da fazenda.
8 9. O registro dos testamentas e das hvpo-
thecas nos municipios cuja populaco nio exceder
de 20,000 almas e as capitaes das proriacias do




?r

.\
J(rfl* M
$- AH3cD"** de PeTnsKlbuco Sexta feira 9*e Julh* de l69.
Old
r
Amv.on.i5, Piauhy, Rio-Granda <1> N irte, Espirilo-
Santo, Santa Camarina, Paran, Gia*',o Matta-
Grosso.
10. Ai funccoes do deloga lo do mspecl ir
da sat'li'.
H. Velar so os Jutz'es de paz compren os
seos rejTimofltos o desempctiliah os seus deferes
no que importa a< sua altrbuicdes pelieincs.'
i Art. 51. 0 administrador municipal, al:n dos
oscriyaes que a<-tiiahiiBiile sorvetu p^t^ito osale
ninse por olTno-
gados do polica, terf unBaman
ni.-ado e [iago pela re-pofifca eirnararWBUUcIpal,
ou pelas cmaras qne foraftarem o lena*, e o dito
amanuense ha ver os ein. lumen os que Ihc forem
marcados em tabella especial orgauisada pelo go-
verno.
t Art. 51 O admlnistraoruiunicipalda cortee
das capitaes das provincias, al-m dos emolumen-
tos que Ihe coinpetirem, vencer o ordenad o.....
2:000000 e mais urna fratifieacio, paga pelos
cofres da innnicipalMade, approvada, na corte,
pelo ministro do imperio e as provincias pela as-
sembla provincial, sob proposta das cantaras.
Art. 53. Nos outros termos c as capitaes do
Amazonas, Piauhy, Rio-Grande do Norte, Espirito-
Santo, Paran, Santa Caharina, Goyaz e Jlatto-
Grosso, o ordenado ser do l:200d;)7 alm dos
emolumentos a que tiverem dircito e da gratica-
cao de que trata o anigo antecedente.
Art. 54. Nos termos que se compuzerem do
dous ou mais municipios esla gratileaeao ser pa-
ga repartidamenle, segundo os rendimentos das
cmaras.
Art. 53. Urna vez marcada a gratificado do
administrador municipal e approvada, na forma
do art. 51, nao poder ser alterada senao depois
de i.uatro anuos.
Art 56. O administrador municipal seca o
substituto do juiz de dircito na respectiva comar-
ca, e havendo mais de um, o pro idojite da provi.i
cia marear a ordeni da Sfcbstiluieaa.
Art. 57. Na falta do administrador municipal,
o juiz de direiio da comarca.ser substituido pelo
juiz de direiio da Srftnarea mais prxima.
Art. 58. O administrador municipal teta un
substituto, que ser horneado segundo o disposto
nos arts. 33 e 34 do cdigo, do projesso, c servir
por qua tro annos.
"Art. 59. Ficam extlnctos os juizos nianieipaes
c delegados de polica da lei de 3 de dezembro de
1841, e revogado o art. 19 da mesma le.
CAPITULO VI.
Dos Juizes de p i:.
Art 60. A os juizes de paz eloitos para o qua-
trieemio cmnpetem to somonte as attrbuices
civeis establecidas por lei, incluidos os actos elci-
toraes.
Art. 61. O governo na corte e os presidentes
as provincia?, sob proposta do ehefe de polica,
designar d'entre os oito cidados mais votados
para juiz de paz, um que ser incumbido no res-
pectivo districto da polica administrativa o judi-
ciaria, e ter as altribuicdes dos g| !, 7o, 8' e
10 do art. 50 da presente lei, combinados com os
arta. 63 e65 do regulamento n. 120 de 31 de Ja-
neiro de 1812.
Art. 62. A nomeacio de que trata o artigo
antecedente nao obrgatoria, e no caso de recu-
sa por parte destos cidados, o governo na corle c
os presidentes as provincias, sob proposta do che-
fe de polica, nomqar para o districto pessoa
que sirva o lugar na qualidade de delegado de
polica. -
Art. 63. O juiz do paz incumbido das attri-
buicoei policiacs nao peder exercer acto algum
clei toral a menos que dous mezes antes nao tonua
oblido a sua exoneracao, c urna vez demelti lo
nao poder outra voz ser nomeado durante o qua-
triennlo.
Art. 64. O juiz de p.iz que Cor nomeado para
exercer as altribuicdes polieiaes do districto, ser-
vir por um anno, podendo ser conservado du-
rante o quatrieunio se assim convier ao snico
publico.
a ^rt. 63. Ficam extinctos os subdelegados de
poliela creado pela lei de 3 de dezembro do 18il.
CAP1TI LO VII.
Dos iii tpe tora de qaar'.e'.rao.
Art, 66. Aos inspectores de quarteiro com-
peten) as mesmas attribuicoes que lhe foram de-
fer las no art. 66 do regulamento n. 120 de 31 Ja-
neiro de 1812.
Art 67. Serio nomeodos pelo administrador
municipal, sob proposta do juiz de paz nomeado I
de conformidad^ do art. 62 dcsta lei.
TITULO I.
C \ P 1 T U L O I.
Dos pitmytores dijusika promotora pnbliios.
Art. 6S. II iver na corte c em cada provincia
um prooioior da justica. Serio chafes do mi-
nisterio publico no crime c civcl peraute cada re-
lajo.
Art. 69. Perante o supremo tribunal de jus-
tiea funceionar o promotor da justica da corte,
como promotor geral e ehefe do ministerio pu-
blico.
t Art. 70. 0promotor da.jusca, tanto oda cor-
te como das provincias, ser nomeado d'entre ha-
chareis formados em direito.
Art 71. Ein cada comarca naver um subs-
tituto do promotor da justica, que conservar a
dcnoininaco do promotor publico, o qual ser
nortea lo na cine pelo governo, o as provincias
pelo presidente, sob proposta do promotor da jus-
tica, referindo-se serapre que for pos-ivel os ha-
chareis formados em do o;o.
Art 72. Ao promotor da justica na corte com-
potera os vencimentos marcados para os dosem-
bargadores das relacocs de primeira entrancia, e
as provincias o ordenado de 1:600^ e gratificaco
de 800.
Art. 73. Os promotores pblicos terao os mes-
mos vendmentos quo actualmente percebem.
Art. 7i. as comarcas d ) interior e na das
capitaes do Amazonas, Piauhy, llio Grande do Nor-
te, E-pirito Santo, Paran, Santa Catliarina, Goyaz
' Uatto-Grosso servir o promotor publico de cu-
rador geral dos orphos, e pessoas semelhantes ou
miseraveis.
ttulo h.
CAPITULO .MCO.
Disposiroes gentes.
i Art. 75. So permittida a prisao preventiva
por vehemente presumpeo decrime inafflancavel,
quando essa presumpcao for eslabelecida pela de-
claracao do duas testemunhas que jurein de scien-
cia propria, ou pelo auto de corp i de delicio,
quando concorrerem as duas circumstancias:
i.*, de ser o indiciado pessoa nao abonada,
sem residencia permanente no lugar;
2.*, de nao ha ver decorrido o prazo de tres
annos depois da jierpetracao do crime pelo qaal
for suspeito o indiciado. .
i." Poder, todava, a autoridade, quando
se trate de um crime muito grave, exigir do indi-
ciado que. preste eancao ou fianea, no caso da
existir c mira ello a presumpcao vehemente.
2." A prisao dos reos pronunciados ou con-
demjados em termo diverso, que estejam evadidos
se ceetuur em virtude de mandado com o cum-
pra-se da respectiva autoridade. Na falta deste so
ter lugar qnand > duas testemunhas depuzerem do
scieo.'ii pmpria a respcito da existencia do julgado
e da identidade da pessoa.
3." A prisao, salvo o caso de flagrante de-
licio, devo effectuar-se, ou por ordem verbal da
aut.Tidade presente, que a far loco rcduzir a ter-
mo, ou por mandado revestido das formalidades
lgaos.
c i O mandado do prisao ser lavrado em
duplicata. O executor entregar ao preso, no mo-
mento de cffectuar a prisao, urna das copias com
declaracao da hora e Ingar em que cffecluou a
prisa'), e exigir que declare na outra have-la rer
cebido : recusando-se o preso, I vrar-se-ha termo
assignado por duas testemunhas. Ncssa mesma
copia 0 careerelro passar recibo da entrega do
preso, com declararlo do dia e hora.
5. Quando a prisao se effectuar sem man-
dado, nos casos em que a lei o permitte, o execu-
tor dar ao preso urna copia do auto de flagrante
delicio, reservando a outra para o recibo do car-
cereiro e couliecimento da autoridade.
6.* A copia do mandado ou do auto servir
de nota de culpa na forma do art 179 g 10 da
constitnieo do imperio. Incorrem na malta de
10jl a 50H o executor que a nao entregar ao preso
e o carcereiro que recolher o reo prisao sem pas-
sar recibo do raesmo na outra copia.
| 7. A autoridade policial poder ordenar a
incommuuicabilidade do individuo dolido previa-
mente por crimo inafflancavel. Essa interdiccao
nio exceder de dez das.
% 8." A ordemdeincommunicabilidade.seio
fr incluida no mandado de prisao, ser expedida
por mandado especial ao carcereiro e rogistrada
no livro proprio.
Art. 76. Sao aflaaeaveis os rimes em que o
reo nao se liyra solt, com excepeo nicamente
daquelles cujo mximo da pena, alm da multa,
fr : 1.", morte; 2., gales; 3.", oito annos de pri-
sao com traballto ; 4, doze annos de prisao sim-
ples ; Si.', vinte annos de degredo.
g 1. Nao ser concedida a cenca, cnjbora
o erimo aflancavel :
.' Se o reo a houver urna vez quebrado.
ex-
.2." A Hinca ser presta
'Vi depjis de e!T'ctu;(l.i-a prisa-).
ijer.....
g 3. O valor da flpnca scr-'
horas pela autoridade qiie houvi
tendb ella l';u (fbnsiderac,
da pena, q;er.a ondicJo do fortuna
to. ivgiilaiiwnt. rinniflcari a urA'da
11 ; t a pi
S *" ?> unmct.) de s:;r |ires,' pode o
iLiier a soltura prestando eanea<> de 4mis ciMadoc
abonados que s.; obrizo ai, em auto livra >o^H
'xaciijoi- a fazer eflecliva a fiaec* no prazo de 2
lloras. |
| 3. A Oi:i!'.i, urna vez prestad, ni > pode ser
relirada pelo lia I >r, assim como 2a pode a auto-
ridade que aarhitCDu, a prelexl!) e insufii -.enca,
exigir seo relurco.
\ i ()." O iador, da lo ot:m) previsto pelo art
U ila lei de 3 de etembra de 18il, nEe lica res-
ponsavel iudemnisaco da parle c rusta*.
Art. 77. As revistas concedidas S*Q JuT-
gadaa pelas relaeSes de 2." entrela o per um
numero de dese.nbargidores pelo mena* i^ual ao
dos juiws que tomaram parte no jtilgado de que se
recorreu.
Art. 78. as rclaees de primeira entrnncia
o socre;ario vencer ordnalo de 1:OOOJOO e
a gralilicacao de 40J^Q3. O porteiro ter o or-
denado de508000 e o oficial le justica o de...
300 000.
Art. 79. Fica o governo autorado a conce-
der ao secretario d supremo tribunal de justica
o ao das retaco* actuaos juna gratifloacao que
nao seja maior Je 2;O0Jii)S, uein menor de...
SOOjOJO. *
Art. 8:). A mesma auliirisacao so lhe conce-
de cm i'el.icao aos porteiros, continuos e olTim -
de justica dis inesnios tribuuaes, nao pedeado esta
graliflcai-ao exceder do 80000U, uem ser inferior
a loOJJ.
i Ait. 8i. as rebcOes de segunda entrancia
poder haver um s escriv do appeUa<;oes, so
assim convier, ficando ueste ca;o extincto o lugar
que primeiro vagar.
Art. 8 Aos escrives das relacoes de segun-
da enrancia o g>verno arbitrara ujia grati-
to nunca maior de 1:100*000 nem menor de
8<;ooo.
Art 83. O governo expedir os rcgalaman-
tos precisos para B execuco da presento lei, e
mandar reunir emums cdigo as dsposiceseni
vigor.
\ Art. 8i. Ficam rovogadas as disposicoos ein
contrario.
Pacj da cmara dos deputaos, 30 de juliio de
I8C9.L A. Yie'ua da Silva.
tada a so
Consultafla a sorte I ii esc dbMo para apresentaf 1 w 30 que pede nada lem quo opor.AddiaJo
a primeira titosc o8r. Jos Symplirio Narciso de renacimiento do Sr. Souza Lio.
Urvallio, i|ue aprestniou a scguinlo : Qual foi a Outro do inesmo, inrormanda re-iuerimooto
.predomina -fe do srculo XVIII, e*m d^Trancisce da Cunha Machada Itoltiu, que pede
* f.Jmna di dls -WH/or^dCanaL Ifcenc.i para fezer no seu predio 11. 13 fla ruaMa
awa a sessao soguintj a elelcaT Concordia um concert geral, como seja, di' elle,
these do Carra- Ihnpar a frente e a coborta; cumpre-lhe declarar
que a casa um sobrado de um andar* trapeira,
REVISTA DIARIA.
AUTORIDADES POLICIA.ES.Por deliberacao
de ti do correte, foram Horneados 3." e 4." sup-
penles do delegado do 1. districto do Dan eiros
Antonio de Santiago Ramos e Joaquitu dos Santos
Diniz. _
APOSENTADORIA.-Por deliberacao da 7, f i
aposentado, sen pedido, o esciivao da collectoria
de. rendas provinciues do municipio de Santo An-
to, Jos Thomaz Goncalvesdo Rosario.
DELEGADO LITTERARIO. Pela presidencia
da provincia, em 7, foi nomeado, para exercer esto
cargo, o Sr. Dr. Livino Lopes da Silva Barros.
INSTRUCCO PUBLICA.Bj nomeado, por de-
liberacao do*7, para reger interinamente, mediante
a gra'.i'li.-aca.i anmtal de 603^000, a cadeira de
instruccao primaria do povoado do Bello Monte,
Vicente Nunes de Magalhaos.
POSTURA MUNICIPAL.A presidencia da pro-
vincia, em 7, approvou provisoriamente, a seguin-
te postura municipal do Recife :
Art. I."A* disposco do art 22 da postura
approvada pela lei provincial n. 797 de 22 Je maio
do anno passado, fica extensiva as rreguezias do
P.ico da Panella e Afogados, nao compreuendendo
as povoacoes da Casa Porte, Poco da Panella, Cal-
deireiro, Monteiro, Appucos e Afogados.
CMARA MUNICIPAL.A commissa) encarre-
cada pelo Exm. Sr. presidente da provincia, para
fazer a destribnico dos seis contos de reis, com
que sua nnge-tade o Imperador houve por bem
mandar soeeorrer os pobres que mais sofreram
por ocesio da cheia de fevereiro; acaba de co-
Ihcr as infonnaijdes precisas, e comeen, do quarta
feira li do corrente cm dfantfl na enmara munici-
pal, das 10 horas ao meio dia. a fazer a destribni-
co con as pessoas do Poco, Capunga o Magdalena,
que foram contemplados, seguiudo-se em todas as
qnartas-feiras.
Para o Pao d'Alho a commisso remetteu um
(mto cento e setenta mil reis, e para Limoeiro sete
centos mil reis.
DINHEIRO.O vapor Tomim levou hontera
de uosaa praca :
Para "a Parahyba ... 3:0005000
Para o Cear...... 92:'i27000
Para o Maranhao... 8:770OJO
Paran I'ar........ l:2o\lj000
INSTITUTO ARCIIEOLOGICO E GEOGRAPHI-
CO.Reuuio-se hontem esta sociedado, sob a pre-
sidencia do Exm. conselheiro monsenhor Muniz
Tavares, e cora assistenca dos Srs. Drs. Soaros de
AzcvoJo, Soares Brandan, e os Srs. coronel Leal,
padre Lino e major Salvador.
H' hda c approvada a acta da antecedente, .
O Sr. secretario perpetuo menciona o seguinte
expediente :
Um offlcio da sociedade patriticaDotts de Ju-
Iko, convidando o Instituto a asistir a festa de seu
anniversario, celebrada na igreja do Espirito San-
to, no dia 2 do corrente. O Sr. secretario perpe-
tuo declara que convidara alguns senhores socios
para cempareccrem a aquella festividade.
Outro.do Sr. tcnente-coronel Alexandre Augusto
de Frias Villar, offerando um chapeo armado, que
foi do uso do dictador do Paraguay Francisco So-
lano Lpez, e urna esuingarda tomada a um de
seus soldados n^ combate de 21 de dezembro ul-
timo, em Lomas Valentinas.Inteirado, sendo re-
cebda esta offerta com especial agrado, o mandan-
do-so pornm oxposicao os objectos.
O mesmo Sr. secretario perpetu d ennta das
segumos offertas : Varios numoros do Diario de
Psrnambueo, pelo consocio Dr. Figueiroa ; um nu-
mero da Opiuaa Na:ioual pela respectiva redac-
cao.
Todas estas offertas sao recebidas com agrado o
raandam-se archivar.
Vena a mesa, o o remettida respectiva commis-
so, urna proposta para socios correspondentes.
Nao havendo mais nada a tratar, levanta-se a
sesso.
CHEIA DO CAPIBAR1BE.O Exm. Sr. ministro
da agri nltura em aviso de 23 do mez passado de-
terminou ao Exm. Sr. vice-presidente desta pro-
vincia que mandasse orear oa trabalhos, que de-
vem ser executados para prompto reparo dos es-
tragos causados pelas innandacSes do rio Capiba-
ribe. e que lhe remettesse aquello orcamento aflu
de ser marcada a somma quo por conla do minis-
terio a seu cargo pode ser despendida no futuro
exercicio com esses reparos; autorisantlo logo a
despender a quantia necessaria com os servcos,
que forem urgentes fazer-se.
Por esta forma oSr. ministro da agricultura raa-
nifesta de modffsignificativo a atteneo que prs-
tou essa necessidade da provincia, e demonstra
que foi sincera a promessa que fez ao Exm. presi-
dente, Conde de Baependy, por occasio da pri-
meira cheia do Capibaribe; promessa em qne acre-
ditamos, e por cuja reaiisacao hoje Colgamos.
GRANDE CONCERTHoje tem lugar na fa-
brica de cervoja da roa do Sebo, um novo, entre
nos, c mui interessante diverliraento promovida e
organisado por Mr. Poppe : consiste elle em um
concert de 80 msicos, seguido de uma queixa
de ogos de bengalla. O divertimento deve inte-~t
ressar ao publico, quando menos, pela novidade, e
ntOH
Arniinfe
reir.
- Sahid
Jci/u 1 a 3
Mam
raajo,
In a venda a 113', a
is orphao, (ce corre a
x pi ii le ho hate
td <)> Itnrej in'u:
jreia 1I.1 Gi-ai.-a, Manoel Jos Canala,
Caudillo i^m-js c ftalostiano los Fer-
2
'IDulf.
. AW'i
para a liba de Fernando, no vapor
quim dflMeira, Mara' Luiza d'A-
_ o A. i'ereira da Silva e Mara Fran-
cisca da CiHiceico. '
Saludos para os portos do sul no vapor /*
Qiutbe: .
lnnoel''Bap1i9ta -os Santos Lobo, Frenis
Goncalres de Anuda, vigario Jos Alexandre Gon-
ealves S., Jnlo'de Deus Guimares, alferes. Tho-
maz A. da Silva Loureiro. Antonio Arthr Ferrei-
ra Magalhaos, Antonio d'Aquino L. B., Antonio
Jos Gomes e Malaquias de Mello.
Vindos de Goyanna no vapor brasileiro Pn-
rahyti* :
Padre Pedro de Sonta Perere, Amerito da Cos-
ta Hieiro, Justino Gomes da Silveira, Francisco
Jos da Costa, Jos Vicente Ferreir. Candido Ma-
ra Fer/eira, Joo de S Cavalcaute de Albuquer-
que Jnior e um criado.
CRHITERIO PUBLICO.Obituario do*ia 6 do
corrente.
Joanna, Pernambuco, 2 annos, S. Jos ; astbma.
lielina Ciyalcati Barba I ho Uchoa, Pernambuco,
35 anuos, viuva, Santo Antonio ; psercosa envete
rado.
Andr Avclinoda Aiinuncia'$n, Pemmbuc .
annos, solteiro, Sonto Antonio gastro enter-eo
Mara Candida 1I.1 GmcoijiTo, IVruambuco, 100
anuos, solteira ; volhice.
Antonio, frica, 43 annos, Boa-Vist; comer-
tura.
Luiz, Pernambuco, 28 annos^Boa-Vista ; besi-
gas.
Maria, Pernambuco, 8 annos, Santo Antonio;
convulsos*. %'
^Antonio JosjWlliveira Miranda, Pernambuco,
3i anuos, casajljf Boa-Vista ; absorcao purulenta.
Miriaaa, l*Bmbuco, G annos, SSnto Antonio ;
nflammacaovntestino.
Mariano, PeTnambuco. 2 mezus, S. Jos ; es-
pasntD.
vete- uno
"te. 'do I
sendo a obra exterior somento limpar a frente e
cobertiiJBJWce-llkj ajJB5~|ta uconveniente em
se co;irfllet'*i licenca, Joven 1 lo o sHpnheante col-
locar caaSBterrado iaTpnrede para a*aguas plu-
viaes.la&ferdo.
O.Uro. do mesmo-, iuforniando ipie O passadico
da ra do Hospicio est bastante arrutBado,neces-
sita il>. algn- reparo*; que OJBJjistom cm substi-
tuir novas, algumas traviava)ue osla podres,
e enlloca no assoaiho taboasifcs lugares das
faltara, as que eslo m rao estado ; precisa
igualmolo oollocar imHw varandas, visto qne o
Jyp passadifo as nao tem, estes reparos importa-
ein IlOOOO pjuey inaisou meaos. *0 le o
al fljoss'io eoiKoho eoffl inspeccaodoenge-
ro. ^^*h*m-
Otro do -mesmo, internando sobre o rjequeri-
meoto de Fructuoso Mameus Gomas, que preiende
.clara casa 11. 49^h na Velba, consistind 1 os
em reoarar a coborta, fazer cornija e
11nmm frente, carnear urna soleira, engrassar
no interior p^rte da parede do oilao etc.;cum-
|)re-[he dizer que nao ha inconveniente 11a coh-
cessao pedida, collocando ello canos enterrados
na parede.Conoedeu-.e.
Oatro i!o msmo, informndolo reepaerimonto
do Josfcucio Lins, pedindo licenca para construir
QJJj^Ha cm frente de seu sitio na ra Difeita
dosaBeados ; tem a dizer que nada. ew'a pre-
tenjao (lo snppl cante, marcando-se-fljpi conloa-
cao.MandoQ-se cordear.
Outro do fiscal da froguezia de Santo Antonio,
Cumpre-nos, porm, nio dexar. paisar urna
eensura desleal e injusta, que o Sr. Joao de S
para produzir elTaito uos fe/..
Diz S. S malvolamente quo amcaramos. na
conclusao do noaso communicado ultimo, nao s o
juiz. como S. Exc. o Sr. presidonle da provincia
Este meio do intrigar muito oaixo e muito
mesquinho para hoinens de bem. O Sr. Joo de
S j procura (fazer para discusso o-nouie de
S. Exc. Nao Iho eabiremos no laog,
A queatio nio com S. Exc., tima quostao
judicial -: S. Exc. nao precisa nem desoja quo o
Sr. Joo da S o traga para a impren-a om ques-
lo quo nio de sua competencia, e qne apenas
accidentalmente lhe pode sor alTectv
No alluindo artigo publicado 110 Jornal do Recifi
de ."i 1I0 elflrente, depois do moslrarmos nossoa
fundados Tercios pelos excessos do juiz, conclu,
mos poyatas palavras :
.^Hsse- juiz empregar a forca contra o Sr.
tencdBoronel Gaspar Cavalcant T
c3L) far. Vor honra sua, por honra do go-
verno, por honra da provincia repetimos, assim o
cremo,
Mas o Sr. Joo de S entendo de si para si que
isto una ameaca, quera o convencer do con-
trario ?
De modo que fazar um appello honra e aos
brios de alguem, urna amoat,a...
Grande cegueira a da paixo, e do interesse I
Man, esta insinuacao, essa intriga, um calculo,
urna cilada ; nao nova, nao aproveitar,
porm.
Aos imparciaes recommendamos a leitura do
communicado, censnrano : alii se mostrara receios
OECURACOES.
jue os precedentes do digno juiz municipal auto
risam intciramenle, mas ahi nao se articula urna
palavrade ameaca.
Talvez que o Sr. Joao de S tenha visto isso em
algum telegramma viudo de Ipojuca. Fclizmento
IPAL.
29 DE ABRIL
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS
DE 1569.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. BARAO DK MBRtBBOA.
Presentes os Srs. Dr. Souza Leao, Dr. Barros
Barreto, Dr. Moscoso e Gameiro, faltando com
eausa 03 mais senhores, abre-se a sesso, e lida
approvada a acta da antecedente com a recla-
marn do Sr. Dr. Souza Leao de haver o ex-pro-
curador Francisco de Paula e Silva entregue na
s'ssao nassada a nantia de olOOOO inportancia
de depsitos em seu- poder, cuja quantia fra re-
colhida ao cofre, 8 escapou de ser mencionada na
acta d'aquella aoosao ora approvada.
L-se o seguinte
K\PSmiENTE.
Um offlcio do Exm. vice-presidente da provincia,
de 26 do correrte, juntando por copia a informa-
cao ministrada pela eatnoanhia de Beberibe, tem
assim respondido ao ofleo que lhe dirigi a c-
mara em 12 deslo mez, sob n. 21, e relativa-
mente a falta d'agia potavel na freguezia de Sao
Frei Pedro GnncaKvs.
Posto em discusso, o Sr. Dr. Barros Barreto fez
a seguinte proposta, que foi approvada, tondo an-
tecedentemente pedido a palavra.
Proponhd quo novamente se represente ao
presidente da provincia, alim de ordenar a compa-
nhia de Beberibe que, suspendendo a venda (Pagas
aos navios no Bairro le Sao Frei Pedro Goneal-
ves, segundo lembra a mesma companhia ou em-
preando outro qualqucr meio a seu alcance, faca
cossar quanto antes a penunad'agua potavel que
se d no mesmo barro. Devendo no caso con-
trario tornar-se elTectivo o art 2. do contrato.
Paco da cmara 29 de abril de 1869. de
Barros.
Outro do mesmo, de 26 do corrente, autorisan-
do a cmara, cm vista do que a mesma infennou
em 23 de dezembro ultimo e 2 do corrente, s n"
81 o 14, a mandar entregar a Joo Mauricio de
Souza os tainos do acouguc da ribeira da frgnzia
de S5o Jos ns. 1 e 2 pela qinntia de l:003000,
e o de numero 6 pela de 600000, arrematados em
26 do setembro do anno prximo passado, visto
nao ter aparecido licitante algum na ultima arre-
tnataca;) a que se proceden com o augmento da
terca parte. nteirada, acara-se os termos de
contrato.
Outro do inspector da saudo publica, communi-
ca.ido que tendo de proceder a visita sanitaria
as boticas desta cidade, roga a cmara que se
digne orcnar aos liscaes alim de o acompanha-
rem na mesma visita. (Jue se expedisse orden*
neste sentido aos liscaes."
Outro do subdelegado da freguezia do Recife,
Jos Pedro das Neves, communicando ter em 27
do corrente entrado no exercicio do mesmo cargo.
nteirada.
Outro do advogado, dizendo que a consulla que
foz o Sr. vereador Moscoso, que devolve com o
fficio do director das obras publicas, que acom-
panhou, responde que o governo da provincia uo
pode dispor das pracas publicas, nem de qnalquer
oulra propriodade d cmara, para da-la a quem
lhe parecer, e que mesmo tratando-se de interes-
ses pblicos, deve ouvir a caipara, e proceder de
accordo com ella, quer alterando a planta da ci-
dade, quer autorisando a desapropnacao nos ter-
mos do4rt 42 e seguinte da lei do i."de outubro
de 1828.
Posto em discusso, o Sr. Dr. Moscoso requereu
que esses papis lhe lossem remettidos.Assim se
resolveu.
Outro do procurador, remetiendo o balanccte
da receita e despeza municipal desde 19 al 31 de
marro nltimo.ft-commtes Outro do mesmo, remetiendo o conhecimento do
imposto de 3.0/0 dos vencimento3 dos empregados
em o mez do marco ultimo, que recolheu a the-
formando o requerimento de Jos Luiz Guaiaco, o Sr. Joo de S quem o diz...
* pede para que soja dispensado de pagar o I Se a causa da justica tem a sua ent
3 se acha a dever a casa n. Ii9 da rna 11 mpronsa tem esclarecido a opnio publica ul>re
' queslo.'c d'ah tem resuliadp
...... i*--*- -- .---. *- ~ 1 niij/ ..--ii->.. tem tai
ttangel, oceupada por urna sua paventa, e onde esta interminavel
a mesma est fazendo o uso de vender pequeas
miudezas, allegando que aquella casa fra oceupa-
da com cstabeleeimento de funileiro; tem a dizer
quo pelo capitulo segundo do art. 23 da lei pro-
vincial n. 28i de 9 de maio de 1851 est a cilada
casa obrigada ao pagamento do imposto.Defiri-
se no sentido reqyaeridc.
Foi approvad um parecer da commisso de po-
lica, sendo de opiflij que fossem entregues a
Manoel Duarte RodUgties, como requereu, as con-
chas de urna balanca, que o liscal Ja freguezia do
Poco apprehenden.
O Sr. Dr. Costa Jnior, fez o seguinte requeri-
mento, qae sendo discutido, resolveu-se que fosse
remetido a commisso de edificaco.
< Havendo na ra da Cruz um estreito becro,
denominado do Campello, jBie
largura, quejvai dar a rSPfla
reccao a ra'do Apollo, outro denominad) traves-
a do Apollo, que nenhuma utilidade trazcni, e s
servem para focos do inunfUldicias, proponho que
sejam tapados.
Paco da cmara municipal, aos 29 de abril de
1869.Cosa Jnior.
O Sr. Dr. Souza Leao fez tambem o seguinte re-
qaerimento, que foi approvad :
Requeiro, que esta cmara represente ao
Exm. Sr. presidente da provincia a necessidade
do mandar desobstruir o cano de esgoto do pateo
da Penha, quanto antes.
* Paco da cmara municipal, 29 do abril de
1869.Soia Leao.
O Sr. Dr. Lobo Moscoso pede a palavra, e sen-
do lhe esta concedida, apresenta, como membro
da commisso do maiadouro publico, um bem ela-
borado projecto, relativamente aos gneros alimen-
ticios, e os prego a porque se vendein nos merca-
dos pblicos, dcsenvolveudo o seu pensamento
com referencia ao objecto, indica as proviaencias
a tomar.Addiado a requerimento do Sr. Dr. Bar-
ros Barreto.
Mandou-se remelter a commisso do ediicaco
dous requerimentos: um de Manoel Jos Dantas,
pedindo indeuraisacao da parte de um terreno ho
Forte do Matto, que tem de ser oceupado por urna
travessa all marcada na planta respectiva; ou-
tfo de Jos Alvos da Silva Guimares, pedindo
que se aulorise a desapropriaco de seu terreno
ua estrada de Olinda, ou se lhe permitta edifi-
cado.
Despaeharam-se as petigoes de Anua Augusta
Hentty Jorge, bacharel Antonia da Assumpco Ca-
bral, Antonio Pinto da Silva, D. Bernardina Fran-
colina de Carvalho, Camillo Lins Chaves, coronel
Coriolano Velloso da Silveira, Francisco Joaquim
Corres Esleves, frei Fidelis Mara, Francesco Igna-
cio da Cruz Mal, Francisco Antonio de Miranda,
Francisco da Cunha Machado Beltro, Joo Perei-
ra Moutioho, Jos ua Silva Loyo o bario do Livra-
mento, Jos Rodrigues de Carvalho, Joaquim Pin-
to Lapa, Jos Luiz Quaiaco, Jos Henriques d'Al
meida, Jos Lucio Lins, Jos Dativo dos Passos
Bastos, junta r.drainistrativa da Santa Casa da Mi-
sericordia do Recife, Jos Demetrio d'Almeida Ca-
valcant, Miguel Archanjo de Figueirdo, D. Ma-
ria Candida da Silva Lima, Mauoel Duarte Rodri-
gues Pinto, Manoel Joio Luiz, Manoel Joaquim
Looes, Paulino Onofre Nunes, e levantou-se a ses
sio, leudo o Exm. Sr. presidente marcado antes
reuniio da cmara, para o dia 4 de maio prximo
vindouro, em que devem ser feita a apurarn ge-
ral para dous senadores por esta provincia.
Deixou de ser assignada a acta presente por
falta de numero para approva la.
Eu, Francisco Canuto da Ba-Viagem, secreta-
rio a cscrevi.Barao de iluribeca, presidente.
Jos Maria Freir Gameiro.M. de Barros Brre-
lo.Bento Jos d Cata Jnior.Dr. Jbio Maria r
Sec-e.guaci Joaquim de Souza Leao.
aigum cousa de desagradavel ao Sr. Joao de Sa,
tenha paciencia, e defend-se, mas nao intrigue.
O argumento dos grandes morticinios o atroci-
dades attribuidas urna familia, outra miseria
indigna de um homem que se prsa. Temos de-
fendido o teiiente-coronel Gasaar, mas anda nao
insultamos nem calumniamos afamilia do Sr. Joio
de S. E nao o fazeinos, porque presamos a dig-
nidade.
Protectora das familias
Associacao brasileira de seguro-mutuo*sobre a
vida, approvada por decreto do governo imperial.
de 13 dejunho de 1861, e gerida pelo Banco Ru-
tem seis palmos de -ra| e Hvpothecario do Rio de Janeiro.
Senzalla e em di- -1 Commisso fiscal.
Manta Casa da Misericordia do
lleclfe.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
saja de w* sessoes, no dia 8,dejulho, pelas
quatro horas da tarde, lera de ser arrematadas
quaoi mais vaa*agen9off.reeer, pelo terapode nm
a tras anuos, as leudas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTAUELECIMENTUS DE CARIDADE.
Ba do Padre FJoriano.
Casa terrea n.*47...... 170*00f
dem dem n. 63...... 1760O0
dem n. 47. 49....... 17000
Ra das Calgadas.
Casa terrea n. 30...... 177*000
dem idem n. 31....... 168*000
Idara dem n. 36....... 178*000
Ra do Calabougo.
Casa terrea n. 18...... 300*000
dem n. 20........ 242*000
Hua da Monta.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 76*000
96*000
100*000
Segundo andar dito.
Casa terrea n. 1.
Arca I do Forte.
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla Vellw.
Casa terrea n. 18...... 206*0fJO
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27 .....*. liiSOOU
Ra da Cacimba.
jjdem idem n. 12...... 146*000
Ra do Vigario.
1." anda* do sobrado n. 27. 240*00(1
Madre de Den?.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ..............* 446*000
Idem idem n. 103.................. 202*000
dem n. 98........................ 203*000
dem n. 96.................... .. ., 202*000
dem n. 94........................ 202*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal...........m 150*000
dem da Mirueira u 4..... 106*000
Os pretendemos devero apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompanliados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 dejunbo de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrioues de Souza
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva Sobrinho.
Commondador Jeronymo Jos do Mosquita.
Commendador Boaventura Goncalves Roqup.
Commendador Guilherme Pinto de Magalhies.
Estado dessa associacio em 30 de abril de 1869,
contratos 5,802.
Capital subscripto rs. 8,716:470*580, as pessoas
que quizerem inscrever-se podero dirigirse na
ra do Livramento n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, encarregado pelo
Banco Rural c Hypothecario do Ro de Janeiro,
para promover assignaturas para a mesma asso-
ago.
t
COMMERCIO.
souraria do fazenda, na importancia de 565203
Ao archivo.
Outro do contador, informando o requerimento
do Camillo Luiz Chaves, no qual pede permisso
para realisar a compra da posse de um terreno
de propriedado niunicipal, com 37 palmos, e sito
a ra de Sao Miguel da freguezia dos Afogado-,
aforado a Antonio Goncalves de Moraes, cm virtu-
de do quo dispoe o art. 26 da lei provincial n. 474
de 5 de maio de 1859, tem a dizer que os foros do
dito terreno se achara pagos at o da 27 do agosto
do corrente anno. Como requer, assignando o
peticionario o respectivo termo de ttaspasso.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento de Franciseo Anto.io do Miraada,
que pedo para construir cem palmos de muro na
frente de seu terreno denomnalo Arraial, cum-
pre-lhe dizer que nada teraaoppor, dando-se-Jhe
previamente a cordeacio.Mandou-sc cordear.
Outro do mesmo, intormando o requerimento de
Joao Jos Rodrigues Lollez, pedindo licenca para
caiar (aker alguns concertos na frente do so-
brado n. 7 da ra da Guia; tem a dizer que inda
tem a oppor a pretengan do supplcante, urna vez
qne colloque canos interrados na parede para as
aguas pluviaes.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento de
Joio Joaquim da Costa Leile, que pede para con-
certar a frente de sua propriedado, sita no largo
da Casa Forte.Cumpre-lhe dizer que nadaoppoe
a preteneo do supplcante.Concdase.
Outro do mesmo, infbnnando sobre o que pede
D- Maria Ri-.ud.i Jo Souza Rogo, para collocar
urna nova comieiiv, o fazer alguns reparos que
focem necessarios na frente de sua casa n. 32 d;
INSTITUTO HISTRICO PHILOSOPHIC PER-
NAMBUCANO.Honve hontem sessio nesta socie-
dado cora assistenca dos Srs. : Ansstacio Guima-
ria, Adelino Plnlo, Feliciano Prazeres, Luiz De-
metrio, Albuquerque Barro, Bellolephentes Cha-
ves, Parisio de Valladares, Caroeiro Leao, Hollan-
da Cavalcanti, Abdon de Loyolla e Muniz Pyrrho,
sobre a presidencia do Sr. Guimares.
Temaram assen'to como socio effeclivo os Srs.:
Jos Bandeira de Mello, Galdino Po dos Santos,
Jos Sympliclo Narciso de Carvalho, Antonio R-
beiro de Albuquerque Maranhio, Jos Manoel Ca-
valcanti o Alborto Olfsses do Rogo Lopes. Para
igual lira foram approvad os Srs.: Vicente Si-
mos Pereira de Lentos, Adalberto Elpidio Gua-
d.
foram disentidos diversos requerimentos, fal-
lando os Srs.: Praieros, Valladares, Lnz Demc-
2." Se o reo fr acensado de dous crtaoa afl-\ttio, Asaitecip, Barros c Migue!.
a oppor, construind'j a f upplicanle cornija o tollo-
cando cano enterrado na parede para as aguas
pluviaes.Concedou-se de conformldadc com a iu-
forr.ii.
Outro do mesmo, informando contra a proteo-
gao da iunta adminiatrativa da Santa Casa de Mi-
sericordia, do edificar no terreno da ra do" Viga-
rio onde existi o sobrado de 3 andares ento n.
26, porteneente a extinta eoagregac,o de Sio Fe-
lippo Nery, por estar este terreno compreheadido
na travessa pie estaboleee a planta respectiva.
Indefcndo.
Outro do mesmo, informando, o requerimento
de Joaquim Francisco das Cbagas e Silva, que
pede licenca para construir urna casa com 33 pal-
mos de frente em seu terreno da ra da Araisade,
e fazer uo fundo tres quartos para-gaanhr m*
teriaos; cumpre-lhe dizer que o supplcante j
coDstruio os 3 quartos que pretende, e consta-lbe
que Ora multado pelo respectivo fiscal. Emqnan- j o mfd deu tasto trabalho
PUBLICACOES A PEDIDO.
Questo Aratangl.
O Sr. Joio de S dignou-se do vr iraprensa.
Antes de ludo saudemos o amigo do silencio: S.
S. nao gosta da discusso, gosta mais de represen-
tacoes, contra o tonente-coronel Gaspar,gosta mais
dos fabulosos telegramraas que lhe maudaot do
Ipojuca; gosta mais do seu juiz municipal. Faz
bem...
Quando vem aos jornaes com um esforco e
urna repugnancia incriveis.
Agora apparece elle a dar o recado de seu ad-
! vogado : o com o meu advogado me diz, me
diz o meu advogado,me dizem meus advogados,
meus advogados me dizem,encho duas co-
lumnas do Diario, e nio se justifica do que contra
elle se tem dito e escripto.
Conteuta-se com dizer que o seu contendor fez
isto, e fez aquillo : que despejou todos os morado-
res do engenho; que oceupou as casas dos des-
pejados ; que queimou palhas o palhocas, que
tem ameacado a trra, o mar e o mundo... Nao
flcou um s morador para sement; todos sem
excepcio tiveram despejo... E' realmente muito
despejo! 11
Felizmente para o tenente-coronel Gaspar Ca-
valcanti S*Sr. Joio de S quem o diz, c basta.
Pode dizer isto e mais ainda... vi dizeudo, que
est no seu direito. E nos nos contentamos com
responder: < foi o Sr. Joao de S quem o disse. >
Isto pode fazer, mas o que nao bonito que-
rer a todo transe desconceituar os magistrados,
dizendo que o tenente-caionel Gaspar Cavalcanti
blete da refaci accordam para ser empossado
em Aratangil, ao mesmo tempo que seus amigos
insultamos dignos membros desse tribunal, cha-
mando-o relaco poderosa e conservadora o
escrevendo para a corte que fcil obter della
accordaos pop meios bem conhecidos etc. como
d'aqui se disse om correspondencia para a *
forma.
Essa insinuado indigna o torpe detastavel e
ingrata...
Permaneca o Sr. Joao de S em Aratangil por
urna eternidade de sculos, mas nio deixe que em
seu nomo e por sua causa se callunie magistrados,
de repntacao firmada.
Ao passa que se tem este procedimento, nio so
d a razio por que o Sr. Joo de S nao quer por
modo algum eniregar o engenho alheio.
No seu communicado de hoje, em vez de se
justificar, vagueia pela historia, e diz que seu ad-
rogado e ntende quo S. S. anda tem direiio a ficar
em Aratangil I
Para isso nao era preciso ter o trabalho de*fa-
zer a publicacio de hoje.
Quanto historia, o Sr. Joao de S s lx pro-
var que nesta materia homem prolissioual -o
alhleta iuvencivol.
Realmente era historia nio ha quera o veaca.
Niogucm mesmo so atreve a ser s eu compe-
tidor.
Quanto ao que S. S. diz sobre o que escreveu
no Jornal do Rteife Abbn Uamct, nio estamos
obrigado a responder por osle ; mas eremos que
o campeio que tanto incorreu as iras do Sr. Joio
de Si, nao se conessar vencido por S. S.. a qaom
BANCO MAUA C.
RA DO COMMERCIO N. 34
Desconta letras commerciaes taxa con-
vencional.
Recebe dinheiro a premio, por letras .e
em conta corrente.
Confere crditos e sacca sobre as princi-
paes piaras do imperio, Rio da Prata e Eu-
ropa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pravas.
Encarrega-se por commisso da compra
e venda" de fundos pblicos e aeces de
companhias, da cobranca de letras e devi-
dendos, ou de seu pagamento, e de qual-
qucr oulra operac3o bartcaria.
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conla propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
SBJiai de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transacc5es, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo Gxo.
Largo do Pelourinho n. 7.
EHGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Pesconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinbeiro em conta corrente e a
prazo fixQ,
Saca vista ou praso sobre as cidades
priacipaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Ra do Commorcio n. 30.
No da 9 do crreme, depois da audiencia do
juizo de orphaos, tem de se arrematar urna escra-
va coznheira e engorainadera, avahada cm 1:200
rs., assim como um ti I lio da mesma, de idade de
5 annos, avahado em 3005, cujos escravos vio
praca a requerimento do curador do desacsado
Antonio Casemiro Gouveia. 9
Pelo presente se faz publico quem interes-
sar, que as comas dos impostos de 20 por cento
sobre o consumo de agurdenle, 4 por cento sobro
diversos estalielecimentos se acham -em poder do
escrivao Randeira, em cujo escriptorio a ra do
Imperador n. 44, poderioos contribuintes solictal-
as respectivas guias, independente de citacao ;
assim como as dos imposlus de 20 por cento sobre
diversos estabelecimenlos, e 8 por cento sobre es-
criplorios e consultorios mdicos, no escriptorio do
escrivao interino Miranda, a quem foram distri-
buidos, e para tal flm se concede o prazo de 30
dias, a contar do hoje.
Recife, 6 de julho de 18G9.
O solicitador da fazenda provincial.
___^______________J- F- Corrfa de Araujo.
{laspe^co do arsenal de
marinha.
Faz-se, publico que a commisso de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fovereiro de
1854, o casco, machina caldeira, apparelho,
mastreaco, veame, amarras e ancoras do va-
por Jaguaribe da companhia Pernambncana de na-
vegaco costeira, achou todos esses objectos em"
estado de poder o vapor navegar.
Inspeccio do arsenal de marinha de Pernambu-
co 8 del julho de 1869.
O inspector,
H. A. Rarbosa de Almeda.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 7 261:998* 131
Idem do dia 8 .y< 46:974*8^0
Corrcio geral.
Relaco das carias registradas viudal du sul pelo
vapor Tocantins para os senhores alaixo de-
clarados :
Anin Rivert (Fernand >), Alvaro Augusto de Al-
meida, Alvaro Paulo Noblat, capitio Antonio Ma-
ra de Castro Delgado, Dr. Antonio Rangcl Torro
Dandeira, ConstAnca Carolina Meira B., Dr. Cosmo
de S Pereira, Dr." Ernesto Feliciano da Silva Ta-
vares, E. J. Carroll, Fonseca & Santos, francisco
Antonio das (Jhagas, Francisco Antonio Vioira da
Silva, padre Francisco Muniz Tavares, G. Tenuhy,
Jos Augusto de Araujo, Jos Antonio Alves de
Brito, Jos Antonio Floresta Bastos, Jos Antonio
Pires/Jos Itabaana de Olivcira, Jos Maria de
Albuquerque Meo, Luiz Ignacio de Moura, Narci-
so Francisco Vidal, tenente Norberio Muniz Tei-
xera Guimares, Ozono Jos dos Santos, Prente
Vianna A C, Ulysses do Reg Rangel.
308:972*981
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes sahidos com fazendas 233
dem idem com gneros 1001
Descarregara hoje 9 de julho
Barca inglezaIFrtcA of lhe Waveferro
BngueiuglezRio Grandecanos.
Lugar inglezMarancecerveja.
Patacho hespanholIgnacitavinho.
Brigue nacional Almeda //charque.
ECEBEDRIA DE "RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento'do dia 1 a 7 12:701*687
Idem do dia 8...... 1:334964
THEATRO
S. ISABEL.
Sabbado, 10 de julho de 1869.
MU. DE LJOURSAD
IMc de prestidigitado.
ULTIMO ESPECTCULO
DERNIERE SEANCE
LAST PERFORMANCE
Grande soirc de despedida.
News tick's
Novas experiencias de physiea e ma'.-ia
Destreza, agilidade, transformagdes e desapparices
Dos reperUirosHoudain, Robin, et Lajournad.
O Sr. Lajournad tem <, honra de offerecer a este
illustrado publico, na sua ultima reoresentaco em
despedidaUMA SERIE DE EXPERIENCIAS
as mais sorprendentes, de maior effeito e as mais
applaudidas do seu repertorio ; desejando a un
deixar urna recordaco ariisiica aos respeilaveis
habitantes desta cidade, a quem repele sua inteira
gratidao.
Os bilheles podem ser procurados no hotel do
Oriente, e no dia do espectculo no theatro.
Entregam-se as encommendas de bilhetes ate s
12 horas do dia cima.
GE-
CONSULADO
lendimento do dia 1 a 7
dem do dia 8 .
, 14:036*651
provincial"
. 46:83.3*037
. 6:070372
52:323*409
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 8.
Goyanna6 horas, vapor nacional Parahyba, de
104 toneladas, commandaate T. da Costa Mello,
equipagem 16, em lastro.
Rio Grande do Sul28 dias, brigue nacional Ame-
lia, de 220 toneladas, capitio Jos Luiz de Mel-
lo, equipagem 10, carga 11,600 arrobas de car-
ne; Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C
(avos sahidos no mesmo dia.
Porlos do norteVapor nacional Tocantins, com-
mandante Jos Maria Ferreira Franco, carga
vanos gneros.
llha do FernandoVapor nacional Giqui, com-
mandante Aievodo, carga varios gneros.
Macei e PenedoVapor nacional Jaguaribe, com-
mandsnte Moura, carga varios gneros.
AracatyHiatc nacional Nossa Senhora dos Na-
vegantes, capitio Francisco Antonio de Souza,
carga varios gneros.
i Era conseqoencia de se achar doente madame
Marie Dufresny, o concert annunciado para hoje
dea-transferido para o dia 14 de julho.
vendredTTjuillet
GRAND FESTIVAL
80 MI S1CIE.\S
Directeur J. Poppe,
DANS LES JARDINS DE LA BRAS8ERIE
LEYDEN & C, RA DO SEBO N. 35.
PROGRAMHE.
Io Ouverture de Giralda (Adam).
2o Entr'acte et dansc, (opera Pilmcn
et Beancis) (Gqunod).
3 Os Leoes do Norte, (polka militaiio
do 1'eminent professeur Colas).
4o Marche Nuptalo (Gounotl).
fi Ouverture de Zampa (Hero).
C. L'abordage de la Parnahyba (grande
dolka imitative de llialiil professeur J.
iZo\ho).
Les jardins brillament Ilumines et orois
de drapeaux de toutes naons, seront abra-
ses subitement a la derHiere composition
que annoncera la fin de la soire.
On commencera a 8 heures.
Oa se procure des billets Meussiers A.
Gassier ra do Imperador n 32, Uerain-
boure, no Recife, ra do Trapiche et lidib-
ne francaise, ma do Crespo n. 9.
Entres ! v.
!-
i
' _


-

I

.


I
ti
/
Diario de Feraam^aco Sexta
feira
9 de Julh> de 1869.
29 fOM A E GLORIA
THEATHO
Tcrp.vfein. t:i dVitirrente.
o Apetite Mariins hri lolo |>r un'ein e conta
ile lm familia qm so Mira pon torn il.i provin-
cia, dos movis cima, o< qoae? & arhnin e:fl nini-
*!!" crtflri i <'ro andar i sobraite n. 9
piara da liua-vi-ia, s 11 doras du da cima.
DE

SANTA ISABEL
ItIMI IC IO
DE
THOKAZ A. ESPICA
E
PEWKO B. E SMTl ROM
Representar-se-ha o grande drama de coslumes militares
AVISOS DIVERSOS.

PERDEU-SE
11 de jun
lefjjkrn
Jo V lo
no domingo, 27 dejunlio, pelo nirio da, umfra.-ro
para cheiro, deVrn vento com doas castoes du
ouro., um tendo Vialtras L B, e o oniro 2:1 oct
1864 eslava em Bina eaixinha redonda de marro-
Jaira pardo escuro, ilsto fraseo fo perdido vindo
a eapella ilos inglezes, pela rita da Aurora, pon-
i da Bos-visin, ra do Sol, nillios urbanos, tjj. sto c, pelo mar, piirqu
de S. Francisco o Imperador, ponte prnvisofli; \ --<
ces do Apollo o roa do Brum : quem o livor
adiado e quizer resluui-k', tUrigindo-se tundirlo
do Bobinan, na roa do Jjbim, sera generosamente
recoSUnsadii.
E GLORIA
Senhores.
Maceilo.
Cputo Rocha.
Victorino.
'Pnomaz.
Santo llosa,
rioriiulo.
Guimaraes.
Emiliano.
Lessa.

Domingo 11 dejulho
l'ersonagens.
29Qaarteteiro .
Capito Jorge. .
Ma-Cara, sargento. .
Placido, sargento. ,
Esjopeta, rancheiro. .
Batatudo, recruta. .
Alteres instructor. .
Ajudante de campo .
Coronel de caladores .
General...........GilBraz.
Mana, filha de 29 .....D. Julia Azevedo.
Anglica, mnlhcr de 29......I). Francisca.
Officiaes, sargentos, cabos, soldados de catadores 5 e regiment I t, recrutas e
vsteos.
Fiado o drama : experiencia de prestidigitarlo pelo prestidigitador Eduardo Alves
Cuutoir (secretario do Sr. Lajoornad) que voluntariamente se presta em altenco aos
beneficiados a desempenhar algumas do suas experiencias sem o menor auxilio de ap-
iprcUiot?I (a saber):
O florte de Guillierme Tell ?
Urna ligio de cartomancie ? ? !
A multiplicaco Clixtox !!
O baralho do celebwe Coate?
Os frascos milagrosos on os objectos fundidos?!?
Terminar o espectculo com urna scena cmica representada pelo Sr.
rummo
Os beneficiados agradecen! ao sen collega Macedo a imneira extrema c delicada
porque preslou-se a recordar o 9 que ha bastantes annos tinha deixado de faze-lo.
Igualmente a oulros collegas se considerara gratos tambem.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagtto costeira *yor vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
taraandar.
O vapor Parakyba, commandaiite
Mello, seguir para os portos cima
_ nodia 10 do corrate a meia noitc.
Recebe carga, encominendas, paasageiros e, di-
nheiro a frete, n > escriptorio do Forte do Mattos
11.12.
itr;
acn
ca.
Advocaia
O bachartd Jrrs Joarjnim de Almeida
Nobrc tein escriptorio ra estreita do
IKisnrio n. 22, primeiro andar, anude
de ser procurado, das II ImVas i
3 da tarde, c reside rui
63.
Atenco.
I
Tendo dasapparccldo do engenho Malakoff,
iniie/.ia aCabo, pwrtencentaoabaixo ass>;
Jo, o menr Jos Fclippe, sed afilnado e pupilo ,
o abnixo asignado gratulen a quem dalla ilr no-
ticia ueste engenlio, ou nessa prara, na ra do
Alecrini ii. !i, assini como declara jue procede
pelos meios legaes conlra qualquer pessoa quo o
tvnba em seu poder.
_______________Ftlix Ribiiro de Carvalho.
Precisa-se de urna ama de leito : a tra'tar na
ou na ra do
n. 3.
Xaroije de Fedegoso, *> Pinto.
E de*bsu i''liatia vi'rdadei ramate ma-
ravi liosa como calmante dosysleina nervo-
so e Implicado contrd a^ap'ilisiai. ;i5
tosse convulsa ou co tes ou antigs. suQoc_d^caLu|
tliio.'s etc. r a final t_t_(otfrV
meutos das vias r
ca pulmonar, sua
ou espasmos, e coiv
e ninguem baque o ri
.\l DESCOBLUENTO ESPANTQS
Illin. Sr. JoaquimltAlmeida Piulo.
Draga, 25 de Janeiro de 1868, Meu
amigo, aqui cheguei com alguna n\elho-
ra; depois de ler lomado yes garrafas
do seu preparadoXa ropa ilmFedegoso
ogo (pie che-
guei em Lisboa, principie! com mais fe
a tomar o dito xarope, por conheccr pelo
mar que elle fazia grande beneficio, pois
vista da grande quantidade de sangue
que-cu botava pela bocea, vi queme ta
laesapparecendo coui rapidez, depois que
continuei a tomar o dito- xarope, e l.i
milagroso foi p;ira minha molestia que
liojeme acho de todo resiabelecido, e at
msalo bastante nutrido, e por issopde
Vmcj fazer scicnte ao publico o milagre
que^seu preparado obroo namifflia en-
fermidade. Sem lempo para mais, sou
De Vm.
Amigo attenlo venerador e muilo obrigado
k Miinod Jos Gonsalrrs Prrcira.
"ETA AMERICANO
tSALIOAE
BATK O LOM E O & C
fui, evi certa ia lonei antigs e reccales, catarraei palmeiiar, \ astbma; tone conruha, eaUrrhei
renthijj, e eni oral eontra tolos os suffrimentos das tas respiritariat.
DEPOSITO ERAL
BOTICA Z>X%OGA.Z 34, RA LA1GA DO ROZAHIO, 34
PERNAMBUCO
A Hiera peu I ico das diitrs is moleslits do
pharyigiie ou mal da garganta al
ra dos Expostos n. 16,
Codorniz n. 12 A, on r
Precisa se de um
toja de calcado : na ra do la
ha praliea do
nto n, 37.
:b^
COMPANHIA
DAS
Messageries iipcriales.
At o dia 44 do eorrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Kavarre, o qual depois da
demora do costume seguir para Babia e Rio de
Janeiro.
Para frete?, condiccoes e passagens trata-se na
agencia ra do Coinuiei ci n. 9.
COMPANHIA BWS11EIR1
DE
Paquetes a vapor.
Dos porlos do norte esperado
ate o dia 12 do eorrente oejapor
Guar, cominandante o primein
tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
suasahida.
Nao se recebemeomo encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrubas de peso ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudo que passardestes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se nos Srs. pnssageiros que suas passa-
gens so se recebem naageum raa da nu a. 57.
I* andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
j Aracaty
! Segu com a possivcl Lrevidade o- palhabote
Emilia, capitn Mendes, anda recebe alg.uma car-
ga a frete : a tratar com S Leitao Irmos, ra
da Madre de Dos n. 1.
irDEJlil
Segnecom brevidade para o porto cima, o br-
gue nacional Damio ; tem parte do seu carrega
ment engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
c im os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C ra da Cruz n. 57.
= Precisase de urna ama forra p.ira coziuliar
em una casa do familia : a tratar na travessa do
Queimado n. 18 II, loj.i d.e Mai.i & Lnndelino.
AtUii^lo
Agr & C. encarregados da li.HjMaco da ex-
mela lirma de Oninteiros A Agr, *n pelo pre-
sente rogar a todoSMfevitlor.'S da inosnin, para
que se dignern saldseus dbitos at o lim do
correte mez, ao caarario terao de recorrer aos
meios legaes afim fl serem indemnisados, visto
tambem terem de pagar o que a exiincta lirma Ti-
co u a de ver.
Ama de leite -eni fiUio
Precisase a tratar no Coracao de Ouro n. 2 D,
ra do Cabug.
A alguma pessoa que tenlia e coiivenba tras-
passar urna lujado calcado, sendo na ra do Li-
vramrento ou Direita, dirija-so ra de Hurtas nu-
mero 110.
LEILOES.
JMJJ .
Da taberna da ruado Rosario n, 43 esqui-
na da ra do Arago, a'qual ser vendi-
da como se acha ou em lotes, girantin-
do-se a casa a quem a comprar ou a
quem s fiear com a armacao.
O agente-Mrtins far leilao "por autorisacao
dos credores, de Manuel Jos Pinto Martins, da
armacao, gneros e pertences da taberna cima
bem como das dividas activas "na importancia de
"433760 rs.
HOJE
as 41 horas do dia.
AVISO
LEILAO
da armacao, gneros, gaz e pertences da
taberna da ra da Matriz numero es-
quina da ra Velha, em um ou mais lo-
tes.
O agente Mariins, far leilao competentemente
autorisado, de armacao e gneros, constando de
porcao de vinhos engarrafados e ontrc gneros ;
em um ou mais lotes a vontade dos comprado-
Sabbado 10 do eorrente.
As 11 horas do dia na mesnu taberna.
COMPANHM PEtlNAMBUCANA
.t'avegaco costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Pcnna, segui-
r para o porto cima no dia 12 do eorrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PEHNAMDUCANA.
DE
Xavegavo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Haco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e Granja.
"STiy O vapor Pirapama commandante
^tdri To1 reSi seguir para os* portos aci-
aBCfaBB ma no dia 15 do eorrente as 3 horas
da tarde. Recebe carga at o dia \\. encom-
meadas, passageiros e dinheiro a frete at a
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
Para Lisboa
egue com toda *- brevidade a barca portugne-
Contante Ul, por ja ter parte da carga
Leilao
l>o 8 carros de pasdefb7 P arreos, 10 ca-
vallos para os mesmos carros e mais perten-
ces da cocheira da ra do Imperador n. 27,
constando do usufructo do tanque para agua'
tinas, gaz e mais objectos pertencentes a mes-
ma cocheira.
Segunda-feira 12 de jullio as 10 horas.
Joao de Dos da Silveira tendo de retirar-sc pa-
ra fora da praea, far leilao por intervenco do
agente Pinto, dos carros, eavalloe, arreios e mais
objectos pertencentes a sua cocheira da ra do
Imperador n. 27, aonde se effectuar o leilao no
da e hora cima mencionados
Fugiram linntem, 7 de jnlho, do sitio das Pal-
meiras, na Torre, os seguintes escravus : Geraldo,
preto crioulo, um rameo fulo, idade 38 annos, mais
ou menos, cara bechigosa, barba serrada, mas um
pouco rala, com fajta de denles na frente, estatura
e corpo regulares, levou vestido camisa de algodo
branco e calca de hrim pardo j usada. Antonio,
preto crioulo, idado 50 annos, mais ou meno-, com
falta de denles, estatura e corpo regulares, pouco apalhetados, anda um pouco corcovado para
diantc, levou vestido camisa de um riseadinho
azul com listras da mesnia cor c calca de brnn
pardo com algnm uso ; este oseravo veio do Rio
Fornioso e era alli do Sr. Jos Gomes Ferreira : le-
varo tambem urna trouxa contendo dous cober-
tores de lia oscuros e mais roana, eouiras cousas,
quem os pegar leve os ra da Concordia ^e *e
gratificar com generosidade. *
Caixeiro
Precisa-sc de um caixeiro de 11 a 16 annos,
com pratica de taberna : na ra larga do Rosario
n. 31 se dir quem precisa.
ESTLDO DE PREPARATORIOS ~
com repetico para os alumnos
que tm de fazer c\ame em
novembro.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteralura nacional no gvmnasio
provincial do Recife, tem aberto "em sua
casa, ra Bella, n. 37:
Um curso do
LI.NGIA FIUNf.EZA ;
P1IILOSOPHIA ;
8B60BAPR1A E HISTORIA;
IBTHORICA E POTICA.
Os estudantes que pretenderem fazer
exame em novembro em qualquer destas
materias, podem dirigir-se indicada re-
sidencia, tarde, das 3 horas em diante
Jato. Sr.Joaqitim "Almeida Pinto.
Ha muito me avia proclamar as excel-
entes propiedades do Xarope de Fcde-
goso contra a tosse e astbma, sollrendo
BU de urna tosse pertinaz, c tendo usado
de toda a sorte de medicamentos, valime
pois do Xarope de hedegpso e urna gar-
rafa smente foi basl"ti para restabe-
Iccer-nie,, e me vejo taMubusto coq.
d'antes; stipcumbiria de^ft-ialHafio ter.
usado do Xarope de l'edemf.
A' vista disio nao tenno cxpresses
com que exprima a V." S. a gratidio de
que lhe 6 devedor o de V. S. ltenlo
venerador e criado'
Joao da Cusa Reg.
lllm. Sr. Jnaijiiim tTAlmeida Pinto.
Tenho a ventara de comniuurcar a V. S.
que gracas ao maravilhoso Xarope de
Fe4f6*a, cstou com o meu escravo Jor-
ge completamente restablecido da mo-
lestia dos pulmes que ha tanto tempo o
persegua.
Acceite V. S. esta minha dedararo
como prova do meu reconhccimcnto pelo
bem quo V. S. acaba de fazer-me c cu-
ja recordaco ficar internada no cora
c3o do
De V. S.
Attenlo venerador e criado
Bentn Joai/nim Gomes.
peito, desde
_ tuberculac;o
pulmonar, passaudo pelas din-rsa.-. kroncliilcs calarrhaes
e o empliyscma acaba de ser enrequeeida com mais
este medicamento, que tomar* a priraeira ordem entre
lodos at hoje condecidos. 0 larope Vegetal Americano,
gamniiHdo paramente rrgelal. nao conlm em sua
compojirio um s alomo de opio, e sira somente soc-
eos de plantas indgenas, cujas propiedades benficas
na cura da molsnas que pcrlencem aos orgos de res-
pirarlo foram por nos observadas por longo tempo,
com ptimos resultados cada Tea mais crescenies ; pelo
qne nos jnlgamo autorisados a compor o xaroM iae
?gora apresentamo*. e a oflerece lo os mdicos e ao
publico. Hroamos com os altestados abaixo o que le-
vamos dito, a contamos qne o conceito de qno ja gosa
o xarope Vegetal Americano cresceri de dia a dia,
donando muito aps de si todos oa pailones em Toga.
Jllm. Sr. Bartbalomeo t C.-0 xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em ana conceiluadissima pbarmacia
* nm til remedio para combater terrirel astbma.
boina en aquella molestia ba qaatro metes, sem anda
ter combalido os ataques menaaes que tinba; este uliimo
que tive foi lortissimo qne me pro-lou por 8 dias, osei,
Sorm o sea milagroso xarope, lomando apenas tres
oses, e al o prsente no fui de no?o atacado. I'iasa
Dana, qna en fique reaubelecido por orna tez. Bendo-
Ibe, poia os meas agrdeameotoi por me ler aliviado d
lo bornvel mal. Com a mais signiOeatira graiido,
suhscrevo-me de Vmcs. alTccluoso e reeonhecido criado. -
- SeaeriM Duane.-Soa Casa 14 de fevereiro de 1860.
Illms Srs Barlholomeo C Depois de qnasi seii
mezes de soflrimenlo com orna toase inceuaute, faslio
exlraoidinario, expectoraco de um calarrno ainarella-
do, e perda total das forcas. que o monor passciu
me lngara compleUmente, cansado de lomar mu ou-
lros remedios sem resultado liveafelicidadedesabcr.iim
Vmcs. prepararan) o xarope Vegetal Americano, e cou
elle, gracas a Dcus. me acbo reslabelecido ba mais de
dois mezes, e robusto como se nada liresse soffrido. A
cralido me Torea a esta declaracao, que poderlo Vmrs
razer o uso qne quiterem.- Sou com estima de Vmcs
mullos resneilador e criado. Antonio Jnoquim 4
Caitro i Stha. Becif 8 de fevettiro de 186'
Atiesto qna osei do xaropa Vegetal Arocrieaoi, composicao doa Srs Barlkolomeo i C para cura de om
forte dcfluxo qne me ironxe ama rouqnidlo. que me nao
fana dlender, iuOammacio a dor na garganta, tosse
grande taita derespiracao. e Uquei compleimenle rea^
labeleeido com um s tidro do mesmo xarope; pr|a
que Ibes protesto eterna gralido. Kecife 10 de i.
nciro de 1868. Joaqui Pertin Anula*Jun*.
tulo recoubecidoa.
>i0 j nawaj.....ojojq
>3 ja uauavn vonqmtuzj uiTimr|
jaaar j '6, 'aaaaia i '!*
onsodaa
IMMOIIS3J,
! aTi:ni3so.i.i(|
a
OMUDf-OIU
siiD,j-9p tmpip.m ,>p pn.udwi
viwapvoy vpd sopvnoMb mvuoj tojuammiprn np scpoi

OSIAV
lllm, Sr. Joai/itim d'Almeida Pinto.
Cumprindo um deter de gratidlo, parti-
c'po a V. S. que pormeio dosel aben-
coadt. Xarope de Fedegoso, t'.' pe.~*teita-
i trente restablecido dos seus longos sef-
frimentos o meu escravo.
Como sabe, este meu escravo tinha
chegado ao estado mais alllictivo da mo-
' lestia de pulmoes ; nao obstante um nao
interrompido uso de remedios, e urna
demorada viagem ao nosso serto.
Pois bem; aenfermidade, que seha-
1 via tornado rebelde a lodos os meios
> cspregados para combate-la, ceden de
i tuna maneira qaasi milagrosa, a quatro
garrafas, apenas, do sen fedegoso.
Boje, gracas a Deas, tenho o meu es-
cravo reslabelecido ; e nao fcil mos-
trar lodo o reconheciniento que sinto pelo
' bem qut V. S. me acaba d fa ier. ->
Son de V. S.
Criada agradecida
Mara Norberla Scheffer.
^upipoui ap rmpcsv
B]3d sopBAO.irfn soanod sop uin 'apBpi|cnb uiaiuijd ap a ojnd opiiiip.reo
'?Hiu3a 3a ovHivova 3a oavou 3a oaio
'Zl V f P oeop eu 'jujuef op onisroao mi sepeiuo) majas eacd s einas
-uo3b B3iiti3tBj3i,i ap opuivj as um iwwsno.ij. josgijaid o 'nia '-'a
op VHIH1-83H3H1 30 VI3N3SS3 30 S10U3d sep-1 SBpcjna oes jr-ja
uiasEsoA.iou so.io|> se scpoi a aoMqia 'soasquiq toarinaa n omo'sii|
-saiom ms> nai joprai v ^31X38 Vtf SV1S310W
ouuimb ap oic>|ris oo oii|sis
-oj anb sbSiiub awqaj sb bjuq -apnes b bijoa b opiicssojdB a gua.ioj "saij|
-opuep 'so|ii9isa|KAiioa so ajqos |3abjoii ocSaa mos ocmimb ap gaoscjcd
-ajd sojoijimi si p non a 'sjubisuoo pi|iiiue3 a oraisodmoa ttno soanod
sop uin 'oiiu.a a,sa mboujoqr, >p IMniinO 30 OHNIA
sraqoa jaz
-nj mas cSjnd anb ]a.\EpB.iSB psuoiui) eran jjjqo os B.icd enc.p B|B.uBa
oiaui uia ihl atje.p oj.jj inri J>AIDU]B Usoj '^nQU qn q j
Utm wo o opB\n.iaiii raaj in|i,i apsD -X3inA 30 Si-imid scad
opniiisoj aoi||aui o uioa soprisquMM ajilma.; ops sosouiSauaj sop otada
oprai.-i!ssjaau anbsoiuauiijjs so a Z30mVd V 'VliAi3Ntf
SHI'ID -O P u3Hi.3,a svnou3d Piad ajuauepidej npadr
-..poessHA^ius^a "SVIOIVIIASN -'SV03nVXN3
fH!iaJHl ma no od uia 30113a 3a ovflavo rqarj serp aaaoat] uia urin
-OyOVdllSKOO '09VW01S3.0 01N3WiajJ0S
U iico deposito, ra larga do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica, Pernambu-
co.
Continuadamente se nos apresenlam no-
vos testemunbos da ellicacia do fedegoso
Pernambuco.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
Aluga-so um bom cosinheiro : na
eita n. 2t, lu andar.
RA DOTR.APICHE N. 17, I. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ran-
co do Miao, em Rraga, e sobre os segnin-
LEILAO
Transferencia do leilao de 1,500 caixas com
charutos da Rabia.
Para segunda-feira 13 do cor-
rete.
Em consequencia da'sahidado vapor para o
norto nao se pode elTectuar o leilao de 1,500 cai-
xas de charutos por issa < agente Pestaa previ-
ne que ftea transferido para o dia segunda-feira
12 do correte pelas 11 horas da manha no ar-
mazem do Sr. Domingos Alves Matheus ra do
Vigario n 21.
Aluga-se o grande irmazem n. 9, da ra da
Moeda, porto Ldeseuibarauo e com boas aecom-
para recolber gneros : a tratar na ra
do Queimado n. 13, primeiro andar.
Sociedade Liberal Unifio Be-
neficente.
Pela presidencia sao convidados todos m nossos
socios para assistirem'a missa do stimo dia, que
se tem de celebrar por alma do nosso presado ir-
mo Joao Francisco de Paula Osorio, na matriz da
Corpo Santo no dia 9 do eorrente, s 6 horas da
manbaa.
Secretoria da Soeiedade Liberal Dniio Denel-
cente 7 de julho de 1869.
1." Secretario.
Theophilo Pedro do Rosario.
praca do coramercio.
capito
COMPANHIA PERNA.MRUCANA
DS
Navegaco costeira por vapor.
- Goyanna
O vapor Parahyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 16 do cor-
rente as 9 horas da noite. He cebe
carga, encommendac, passaf.
e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12.
PARA'
Para o referido porto segu com rauila brevida-
de o palhabote portuguez oco Protegioo, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o resto
que lhe falta trata-se com o consignatario Joaquim de cama,
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio
n. 17.
LEILAO
De 250 cala comsabo masa
Terea-faira 13 do corrento.
O agento Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de 250 caixas com sabo mas-
sa em um ou mais lotes io dia cima terca-feira
13 do correte pelas 11 horas da manha."
LEUAO
DE MC73I5.
Urna mobilia de Jacaranda, contendo 18 cadeiras
do euarnico, 4 ditas de Cragos, 2 ditas de Dala-
50, 2 consolos com pedra, mesa redonda, 1 grande
consolo com espelho, 1 toilette de Jacaranda, 1
candelabro de bronze, 1 costureira de Jacaranda,
1 cama franceza do amarcllo, 1 commoda de dito,
1 lavatorio, 1 columna de mogno, um sof de ama-
relio, 2 consolos, 2 cadeiras de braco, 2 ditas de
balanco, 1 mesa redonda, 2 aparadoras d ama-
relio, langas para cortinados, 1 banquinha para pe
banuuinhas. escarradeiraiL di
Prevenc>io
Previne-se ao Sr. thesoureiro das loteras desta
provincia que nao pague, se sahir algum premio
nos meios bilhetes ns. 2782, 18i e 4120, seno ao
abaixo assignado. |iertencentes lotera que tem
de se extrahir, a 113*
Antonio Campos da Silveira.
ra Di- j es logares em Portugal:
Lisboa.
Porlo.
Valenca.
Guimaraes.
Cnimbra.
Chavos.
Viseo.
Villa do Conde-
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castc'.lo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de"Famalic5o.
Lamegu.
Lagos.
Covillia.
Vassal (V.ilpssos).
Mirandella.
Ri'i.'i.
EMPRESTIMO SOBRE!
diversos
banquinhas, escarradeii
ala, 4 grandes quadros, 1 marque-
1 zo, 1 marqueza, e oulros muttos objectos.
(SEM LIMITE.)
Na travessa da roa
das Cruzs n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
quer quanlia sobre onro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condices- de ga-
rantir a trasaccao que se fizer em
saa casa, promettendo todo e zelo
e considerac5o s pessoas que se
dignarem de honra-Io era seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
*" e brilhantes.
BARRAQUE
DE PARIZ
e febrifuzo deve ser
ARROYADO PELA ACADEMIA E MEDICINA
O Qninium Labarraque, eminentemente tnico
preferido todas as oulras preparagiJcs de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razo de seu modo de preparagao, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporges* sempre variaveis.
O Quininm Labarraque, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composigo determinada, rica em.
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
O Quinium Labarraque prescripto com grande xito s pessoas hacas,
debilitadas, seja por diversas causas d'esgotamcnto, seja por antigs moles
tias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenga, s meninas qui tem diffil
culdade em se formar e desenvolver; s mulhcres depois dos partos; aos velhos
enfraquecidos pela edade ou doega.
No cazo de chlorosis, anemia, c5res plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com as pilulas de
Yallei, produz effeilos maravilhosos, pela sua rpida aegao.
Deposito em Paris, L. FRERE, 19, ru Jacob
Rio-Janeiro, DUPONCUELLE; CHEVOLOT. Pernambuco, MAIRER et C
i?
Em orna casa de familia, a ra estreita
do Rosario n. 35 Io andar, fornece-se come-
dorias para fra, mandando-sc levar as
casas que nao tiverem portador, e garan-
tindo-se oaceio, promptid3o e commodida-
de no preco, portanto convida-se aos Srs.
estudantes e negociantes a honrar-nos com
as suas assignaturas.
Pars, 36,RaViviene, D*
CHABLEMOECIN
AS ENTEBJUDADAS DES SEXUAES, AS URO
COES CUTlWBAS.E AI.TERAC0ESD0 SANOUK.
30 000 cana du impinftni
ouitulat. herpe, larnn
comiso t,acrteu,# J.
Vercou, vicioMU do lam-
no langue. (iaropa vegetal ua erenrio).
irmUrma tett*tm BA1UO MIIfEBABal
to*Mo-M dona por amana, sejuindo o tracianan
I[_: f empreado as mesmaa molestiu.
Os verdadeiros COUARIS ROTEA, os nicos approvados pela
Academia de Medicina, Icm asslm como os meos oulros productos
allraliido a tupidez dos falsificadores, que para facilitar sua criiuiuoia
industria nao sepeja, arta receiad annunciar vender falsosCouahss
COM aun rohb. En previno as familias paia interesse de seus Cilios
que, para evitar falsificaces, devem exigir, que meus Coz.laji.2S ILcj
sejao vendidos em calas de tambas de encalle e corredias cobertaa
por 4 ettiquelas com a minha marca de fabrica, e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por u.na medalha com o lettreiro.
COLLAR ROYER, Ru St-Iirtii. 225. Paris.
/'
LIQUIDACAO
Liquidapao!!! Liquidapo!!!
de precos
reduzidos, na ra do Crespo n. 17
DEPURATIF
SANG
Demrativo ;
PLUS DE
COPAHU
Bata Xarope Citraclo da
farra de HABLE.
_ eura
inmediauaiwuqaalqief
purpmfao, relaxaeo;
i debilidad*, igual-
mente os /lteos floree branca* daa marhere.-.
fata injeccao benigna emprega-ae com o Xarepe de
Cttracto d* Ferro.
1aeneUie, Fotia4a fie u cara a tru aa.
POMADA AISITIHERPETICA
Xontra i as a/feceo** cutnea* $ comiso**-
PILULAS VE6ETAES DEPURATIVAS
fa av ChatM, cada frasea tai aeeeapaliad fa
oaolatto.
IL
Camisas francezas e nglezas de todas as qaalidades.
Ditas hordadas para senhoras.
Saias bordadas para senhoras o baldes de todas as cores (novos).
Ricos cinti tipa com enfeite da mesma cor para cabera (novo gosto).
Maito sortifflento de leos bordados, fronhas, lucos e rendas, tudo da trra,
bom gosto, e ricos cortes de vestidos de tariataoa bordados, fazenda de gosto, proprios
para casameni tuarios de baptisado de muito gosto.,
Alpacas lisas de todas as cores, fazenda nova.
Ricos cortes de vestidos de b'onde para casamento?. I
Pompolinas de linho e seda, gosto inteiramente novo. *sML
Sedas de to '.ros e de lindos padrees.
Setini macan branco e gorgorao preto, grosdenapoles [de todos os precos e-


mmjmm'
Diario de Pernambuco Sexta feira 9 de Julho de 1869.

.
V

I
r
-V FALOII
;ta antiga e creditata
FABRICA
II
IRCI1TI1 ti COJSTMTIIISTI IE1 C9IFLIT0 SOITHIHTI II
CHAPEOS DE SOI:
De todas as qualidadet I
De todos os feitios 1
De todas os presos I
DO CRESPO
santo mm
Cruzas 2, travessa de S.
p-s<(Nerto novo deposito pa-
k~jt;illio de louca fabricada na
^^Lvermelha, bordada
c esfriar agua:
maiores e meno-
jartinhas, garrafas.
Fnas para mwtinos, mormgus com
a/a em cima
se precisar,
Baha.
e outros objectos mais que
assim ^Rimo qartinhas da
ttffiML
gg ODr. Ermirio Coutinho, reside
ra da Cadeia n. 64, onde tem
aberto o seu consultorio me Jico, e
pude ser procurado ;i quaiquer llu-
ra para o exercicio de sua profis-
so.
mmjt
m
Precisa-se de urna ama para^comprar, co-
zinbar e engominar para easJpde pouca fa.
milia :a tratar na ra do Lrvramento n-
24, loja.
Ana de feile.
19Una Eova19
FRElftEKICO GJlUTIEU
cirurgiao-dentista, muito conhecido lia dez annos n'esla cidade, pela perfeico dos seus
trabalhos, tem a honra de participar ao rspefcivel publico que tendo feto muitos me-
lhoramentos na sua casa, pode d'hora avante receberas senhorasnoseu gabinete onde
acharo os commodos precisos para familia. .
Acba-se tamban na sua casa c na sua companbia, o seu sobrmho e discpulo
J. IEUOUX
oqual acaba de voltarda urna tonga viagem a Europa, durante a qual pratico com
feliz successo as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenho para ludo o que for relativo a proissao ; por isso o
annunciante pede aos seus amigos c clientes que por acaso o nao encontrarem no seu
gabinete, dopositem no dito seu sobrinho a mesma confianca com que o tem honrado
a dez annos. ,.
Dentaduras por todos os systemas :a pressao do ar e com molas de ouro, platina
vulcanite e um nteiramente novo n'esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Cbumbigens (obturacBes) com ouro e com masas diversas, segundo os casos.
Remedio para acalmar as dores de-dentes.
Agua c pos dentriQcioa fabricados pelo propno annunciante, o quelhe permiti aan-
car sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeico de trabalho e precos moderados.
Viagem para fm mediante ajusto previo.
O gabinete acha-sc aberto das 8 horas da nianha at as 4 da tarde de todos ds
das uteis.
Ra do Imperador
n. 26
lia diariamente neste novo estabel-ioa
ment completo sortimento de doces para
cha, pastis de varias quididades, ejnpadas,
podras, pfio-de-l, bollos inglczes, pre-
suntos ditos em hambre, superior cha hys-
son e fliiudinho, chocolate fino bespajihol,
xaropes, conservas de superior qualidade.
fructas de Lisboa e francezas, lombo de
poico assado, marmelada muito fina, vi-
nlms finos do Porto, Xerry, Madeira, Bor-
deaux, Moscatel c da Figucira. Cognac
linos, verdadeira genebra d llollanda, li
cores finos e marasquinho, ceneja Bass
verdadeira, branca e preta* Bouquels arti-
ficiaes de muito gosto.
Reccbe-se encommendas para casamento,
bailes e baptisados, ludo com muito asseio
e promptidin.
i
Eseripiorio de advocada
O Dr. Julio Thuiu lia Silva transferio
n sen esrriptorin de advocada da na do
Imperador para a rift ilu Queimado n
31, 1" andar, porcia! da loja do ratea-
das do Sr. Antonio t M. Rolim. entrada
pelo pateo de PedroHl, aonde pode ser
procurado das 10 horas da manha as
3 da larde.
JOSINHE
Precisase de um cosinheiro flu cosid^eira que
soja perfeiu para este lint, nacional ou estrangei-
ro : a tratar na roa Nova n. 21
O drogado
'^^hso de Albuquerqne Mello inudou
Ao e s. pe amo.
Ha diariamente s rtimento de bcllinlios 'para cha, podins, pues do l, bollo ingle/,
presuntos, ditos em eambre, pastis de dilerentes qualidades. Papis para sortes,
bollas simples e enfeitados, amendoas concitadas e confeitos. Vinhos finos engarrafa-
dos, s i| r cha iii.-soii. prcloe miudwho, fracta em xaropes, ditas seccas e christa-
lisadas, SSsucar ;:!ni';, xaropes refrigerantes.
de
barideijas para casamento, bailes o baptizados, com
bonitas armaras de nssucar, sendo estas prefenveis asdepapelo: bollos-etc., pues
de rb enfeilados. qualquer encommonda para fura ser bem acondicionada.
Reoebe-se ciicommendas
Na ra do Torre? n.lG, -2 andar, precisa-se de
una ana que compre,' cozinhe e engominc para
urna pe-soa.
CARROS FEFRES"
Mudan qa.
Agr & C. fazem sciente ao publico .quo se
acham na ruado Imperador n. 9, armazem, con-
fronte ao convento de S. Francisco, onde os en-
contrnrao a qualqnr hora do dia mi da imito,
para cumprir as suas obrigaees; encarrogando-
se do ludo quanto neeessariu a qualquer acto
fnebre, par o que tem o pessoal preciso.
Mr. Mercier.
Alfaiate francez tendo de retirar-seno
primeiro vapor para a Europa, julga nada
dever nesla praga, porm se alguem se jul-
gar seucredor pude apresenlar sua confa al
o dia 10 do corrente.
Igualmente pede aos seus devedores se
sirvan) vir saldar suas coritas e nao fa-
zendo-lhe tepelira este pedido nominal-
mente pelos jornaes, porque ignora suas
moradas.
Oulro sim aquclles que teem obras e en-
commendas venham busca-las seiio sabe os
seus nomes pelos jornaes.
Vendem-sc corles de casimiras e cos-
tumes inteiros finos, pref-o razoavel; brins
de linho linos de todas as quaiidad?s; cortes
gurguro de seda para colhetes, cortes de
colheles de Iaa finus. dito de sar/ilim fran-
cez linos, botos, para ciiado, de coras,
de bares, lisos e de vriolla finas e botoa-
d'ma de colhetes linas: na ra do Cominee
ci n. 7 \." andar. ,
Mm llil LIIIM^
I mm de
5 ADVOCACIA.
91
11-Rua estrita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao rcspeitavcl publico este ele-
gante c bem fornecido hotel que situado n'uma posico nteiramente saudayel, e .sen-
do constantemente sombreado pelos doces zepbyros da tarde, torna-se preferiyel qual-
quer ouio d'este genero, as tres cousas mais necessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distrac5o da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo urna casa de pasto muito profusa, da piimeira ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, um'exceliente bilhar de mogno, para divertimento. Sala
de'traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e Kemfeitori das comedo
rias, o delicado modo do pessoal do estabelecimento, promptidb e commodidade, s
aos Ilustres concorrentes dado fazer juslic^i-
Fornece comidas para fura, tanto por mez como avulsa. Todos os dias, noite,
sncontrar-se excellente sorvete, refrescos, caf, cha, bons vinhos Figueira. Porto, Bor-
deaux, tendo bons commodos para bospedagem, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
O baebarel Augusto Carlos Val de
Oliveira. tn aberto sea escriplniio de
advocacia na cidade de Mawanguape
(provincia da Parahyba) onde pode ser
procurado.
Nesta capital podem cntender-sc com
sen ionio o Sr. Justino Jt de S. Campos,
ras do Hospicio n. 23.
o seu es-
torio para a ra das Cruzes u. 37, gehonte da
typograpbia do Diario.
Ao commercio
Vende-se ou permuta-se urna propriedade
no bairro do Itecife, com duas e breve tres
frentes, em urna das melhores localidades
para o commercio, por se prestar a um
extenso arma^^ara tresentos e tantos
palmos de fq| ser prximo ao embar-
que do caes^kTApollo e a alfandega : a
tratar na ra da Imperatnz n. 45, loja de
miudezas.
COMPANHIA
DOS
TRLHOS URBANOS
DO
RECIPE A9 OliIMBA.
Precisa-s comprar para as obras dos
trilitos urbanos para Olinda e eberibe 7
ou .8 mJlipas. Qnem pretender csse
fornecihWto pode apresenlar, at o dia 15
de julho, sua proposta orn carta techada
ra do Commercio n. .'J 2o andar, es-
criptorioda companhia, declarando os pre-
sos. As sulipas deven ser de 2.2i ni. de
omprimento, 20 a 25 centmetros de largu-
ra e 10 a 12 de grossura, a das seguites
madeiras : sicupira, embiriba, mariapreta,
harab, arueira. oilicica, babatimo, pao
ferro, jatob, coraro de negro, sapucaia,
ou pinho creosotado. Todas estas madeiras
devero ser do mioio.edirigidas ao.
Superintendente,
Andr Pono.
Prccisa-se de urna am d,' leite : a tratar n
ra Real (Instancia) n. 8, sitio.
cozn
UU.
Precisa-se alngar urna escrava que
compre : 41a na de S. Francisco n. 54.
Aluga-se
lina casa com bstanles commodos na
CidadcNova d Santo Amaro, a tratar eom
Antonio Jos Goin.-alves Jnior en Sauto
Amnro. .___________
Paraguay.
Na ra Direita n 53. recebe-se quab|uer quan-
tia de dinheiro para entregar m Paraguay sem
iucro altrum, dande-se disso garanta.
AMA
Precisa-se de una ama livre ou escrava de boa
conduela, que conzinlie com perfeico o diario de
urna casa : a natar na ra do Vigario n. 5, 3*
andar.
: aojila
COMPANHIA
de Seguros mmitimos e terrestre Fidcli-
dade, estabelecida no Rio de Janeiro, ca-
pital 3,200:000-5000.
Antonio Luiz de Oliveira 'Azevedo C.
agentes desta companhia, tomara seguros
cuntra fogo e a risco martimo. Itua da
Cruz n. 57 primeiro andar.
NOVEDADES
AMA
Precisase de urna ama paja cozinhar para urna
pessoa : na nu da Roda 11. id, 1 andar._______
Grande officina de
alfaiate
LIMA. 1ESSA A COMPANHIA
Ra Nova n. 14
Teiulu ebegado, ltimamente contratado para
nossa officina, um dos mais peritos alfaiates de
Lisboa, o Sr. Manoel Mariinbo Alves Gar ia, a
quem confiamos a direccao da masina ; portanto
cnnvencidus como estamos de sua importante te-
soura, vemos prevenir o respeitavel publico, que
nao liaver quem possa executar q alquer obra
cou iujiereiciQ e por mais caprichoso que seja
o freguez, como o dito Sr. Marlinno Alvos Garca ;
assim como temws grande sortimento de case-
miras, pannos finos, brins do toda camisas o ceroulas francezas, chapeos do sol de
seda, gravatas e colarinbos, e completo sortimento
de fazendas linas.
Trocain-se
is notas do banco do Brasil e das caixas filiaes,
:om descont muito razoavel : na praca da Inde-
)endencia n. 11.
wmmmmmmmmmmmmm
, CASA DA FORTIKA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costujtb
O aljaixo assi gnado tendo vendido nos seas oiui
to felizes bilhetes garantidos 2 qnartos 11. 7Sfi com
a sorte de 'i:00 e outras tuuius sortes de i00,
40 c 20* da lotera que so acabou de extrahir
em beneficio da Santa Casa de Misericordia
(112a) convida aos possnidoras a virem re-
ceber satis respectivos premios sem os des-
contos dj^ lets, na casa da Fortuna ra do
Crespo ii.'23.
Acharu-se a venda os da 9' parte da lotera
beneficio do patrimonio dos orphaos (113*) qae
se extrahir quarta-feira t4 do corrente mez.
Precos.
BUhete. .... 4*000
Meio.....2*000
Quarto.....tKKJO
Bm porcae de 100* pan cima.
BUhete. .... 3*500
Mete......1*730
(hmrto..... 878
Mainel Hartas Kan.
Ka villa de Pao
'Afro,
uno A'ladava
Acaba, de ab iel, o qaal tem
todas ta Quftucr passageiro,
e igua)mmt()ora famfH, eoi> M se*prada com
io e Jtom traarailiK.' nuito
comttodb. ^
Precta-s Precisa-se alugar u.na cosiiibeira : ra do
Pilar n. 03 1 andar. -^-
RAVIOLI
Os apreciadores de dfcjares delicados
encontraro todos os donlngos, no hotel
central, de Francisco (Jamao, a verdadeira
spi de Havioli do vei dadeiro gosto italiano:
assint como oulras cxcellentes iguarias que
seria enfadonho mencionar. iii se en-
contraro ainda os mais asseados aposen-
tos para hospedes, banhos> buhares e piano
para recreio dos habitantes: ra larga do
Rosario n. 37 Io andar.
Em casa de Rabe Schmetau de C. Corpo
Santo n. 15.
SHERRY 0L0M9.
Gelo seal.
Bm casa d< Rabe Schmettau A- C. Corpo
Santo n. 15.
CBAM
SUPERIOH.
Iloussillon, carte manche.
s:m casa de Itabo Nchiiicttan A
ti CorpoSant n. t&.
AMOR AO PRXIMO '
. De ordem da presidencia da soeiedade
Amor ao Prximo, fui adiada a sesso da
assembla geral para U do corrente, as 7
horas da noute. E assim faz sciente a todos
os socios da supra dita soeiedade, afm de
todos compareecrem na referida secgo,
para que se possa resolver materies qu
versam a favor desta soeiedade
Secretara da soeiedade Amor ao Pr-
ximo, 2 de julho de 1809.
Io secretario.
Antonio Manoel do Sacramento.
Ofierecc-sc um professur para ensinar a fal-
lar, a escrever e traduzir a liugoa frauceza : na
na de Santa Hita n. 1.
Attt?n$lo
Previne-so a quem pretender negociar os ob-
jectos da coebeira do Sr. Joao do Dees, sita ra
du Imperador n. 27, que Rao cffectue negocio sem
primeiro se ajuslar com o abaixo assignado, tanto
a resuelto da casa como arespeito de certas bem-
feitorias que Ihe pertoneent romo o tanque, cala-
mento. Rclfe 3 de julho de 18C9.
M. P. de Moraes Pinlieiro.
Precisa-se de um caixeiro (|ue tenha pratiea
de motilados para lomar couta de urna casa por
bataneo, ou d-se krteresse no eslabelecimento : a
tratar no pateo da Sadta Cruz n. 94, debaixo do
Sr. .Perot.
Com estiaodoio|.uaDniO as rnas da ci-
dade lodos os dias uteis das 9 horas da
manha s 5 da tarde, urna caixa contendo
artigas das ultimas modas de Parspart
senhObas
Como sejam:
Ricas e bellas"chapelinas.
Lindos e elegantes chapennos.
Casaquinhos' de guipurc.
Fichs de jenda pretos.
Delicado sortimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Rorns de lan e seda, claros.
Coques enfeitados o, lisos, etc. etc.
E muitos artigos de novidnde tanto para
senhoras como para homens e enancas.
As pessoas que pretenderen! alguna des-
tes objectos, queiram ter a nondade de
mandar dizer suas moradas noBAZAR
DA MODA.-Itr.V NOVA N. 80aiim de
seren procina; s.
Os prprietnrios do^=B\z.vn da moi>a,=
cerlos na oplim colhaa destes artios,
por se.! mili Itabil correspondente em Pars,
jnlgam-se i. dircilo de atiancar que ven-
den) suas mercadorias por precos as ae-
Ihores coudiges a dinheiro.
Ainda nao vieram, no entretanto o negocio
de Interesse, e preetsa-se fallar a ra do Crespo
n. 17 cornos Sis. Paulino Ferreira da Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa. _^_______^_______________
~ Em casa de THEODORO CHRIST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18,' encontram-se
efiectivamente todas as qualidades de vinhe
I Bordeaux, Boursogne e do Rfcno._______
Pilulas de Bravina
Estas prodigiosas pilulas sendo applica-
das as pessoas acommettidas de febres in-
termitientes, sao incomparaveis em sua efli-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, achando-se nicamente venda na
botica n. 3 i rua Direita desta cidade.
ESCAVA FGIDA
No dia 12 de mareo do corrate auno fugio da
casa do corretor, onde eslava para vender, a es-
crava Gaetana, com os signaos seguites ? cor
preta, alta, com falta de dentes na frente, um pou-
co pancuda, olhos grandes e um tanto apitomba-
dos, nariz quebrado e nm tanto largo, casada
com um preto de nome Joaquim, foi escrava de D.
Cesara B. Carneiro Leao,scnhora do engenho Con-
tra-Acude : quem a" pegar e levar a seu senhor,
na rua estreila do Rosario n. 41 ser bem recom-
pensado.
Feitor
Precisase de um feitor de boa conducta o que
seja casado : a tratar na rua do Mondego n. 107,
fabrica de rap.
m
O escrivao da fazenda provincial Torres
liandeira inudou o seu escriptono do so-
brado n. 32 da rua do Imperador para o
de 'i V da mesma rua, i. andar.
O abaixo assignado, teslamenleiro in-
ventai iante dos bens deixados pelo falleci-
do subdito francez Joao Vigocs, convida aos
credores do mesmo, a apresentarem-lhe as
cootas de seus crditos, para por ellas se-
ren altendidos no inventario que se est
procedendo pelo juiz municipal da 2a vara
desta cidade, e isto uo mais breve termo
possvel, visto estar a concluir-se dito in-
ventario. Recife 21 de junho de 1869.
l;arpar Antonio Vieint Gujinares.
Criada
Precisa-se de urna criada forra ou captiva para
engommar : na rua do Imperador 11. 73, segundo
andar.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : no segundo
andar da casa n.|47 rua do Imperador.
Precisa.se de urna ama forra 01 captiva para o
serviro interno e externo de una casa de pouca
familia : a tratar em frente a rua do Vigario n. 2,
taberna.
temo de urna casa de familia
ift.47..
na rua .Imperial
D se i:300 a premio sob hypotheca de
urna casa : quem pretender dirija-se a rua de
Palma n. 63 que se dir quem empresta._______
Precisa-se de um caixeiro com pratiea de
taberna, de 16 a 18 annos, dando fiador de sua
conducta ; a tratar na rua Imperial n. 199.
Os seabores credores do fallecido Antonio
Ferreira Gomes queiram, dentro do praso de lo
dias, apreseotar as suas contas ao seu testaniun-
teiro Manoel Ferreira Pinto, praca da Indepen-
dencia, para seren verificadas e pagas do que Ibes
tocar em rateio. Hecife 6 do julho de 1869.
l'recisa-se de um criado
da : na ponte do Jacobina 1.
punga.
e urna cna-
27 naCa
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar ecozinhar
para duas pessoas quera pretender dirija-se a roa
da Soledade n. 46, taberna do Sr. Gregorio, que
achara com quem tratar.
Precisa-se
Para acempanhar urna familia que se retira para o
Rio Attencao
Prente Yianna & C. precisam fallar ao Sr. Ma-
noel larbosa da Silva, arrematante do diversos
impostos do !" circulo : annuncie a sua morada,
011 srva-se npparecer na da Cadeia dj Recife
n. 57, l" andar.
risa-sNkKU
Ama
Precisa-s>-4e/uma ama para cozinhar c comprar
para casa de pouca familia : na rua das Cruzes
n. 28, 1 andar ; prefore-se escrava e paga-te
Ikii agradando.
- Ku abaixo assignado taco sciente ao respei-
tavel publico, com esuceialidade ao corpo do com-
mercio, que eomurei a taberna sita ruado Pa>-
sand n. 33, livre e de.-embaracada 'do qualquer
debito ou onus : quem se julga'r credor a mesma.
presentara sua conta no praso de tres dias, (in-
dos os quaes llcar sem respunsabilidado do an-
lumci.inte. Hecife 2 de julho de 1869.
Manoel Lnii Pacheco.
iJTEaO"
o
O abaixo as=ignado previne ao respeitavel pu-
blico e com especiaboade ao corpo do commercio,
que tendo se I be desencaminbailo, boje, urna letra
aceita por Antonio Jos Comes de Souza.em 10 de
junho prximo passado, ha quatro mezes de pra-
so. da diianlia ile 718 5870 ; e para,evitar duvidas
futuras faz o presente animneio para que nmguem
faca negocio com n mesma letra, posto que o dito
aceitante foi j competentemente avisado. Recife
7 de jullio de 1869.
Bento defFrcitas Guimaraes.
2>io da 23 de abril fugio do sitio Mandaca-
r, cidade da Parahyba, o escravo Mancl, cabra,
nariz chalo, cabello um tanto carapinho, o repr-
senla ter 30 annos de dado : consta que elle fora
visto na estrada de Iguarassd : quem o apprehen-
der pode leva-lo ao seu senhor Bartholomeu de
Paiva Machado ne- dito si lio, ou nesla cidade rua
da Impcratriz n. \\, { andar, que ser generosa-
mente gratificado.
1
Prccsa-?e de una ama jiara cozinhar, e paga-
se bem airradando : na rua do Vigario n. 22, se-
gundo andar.
Yend* -se
a-taberna da rua de Hortas n.. 43, em rin-
de de seu dono retirar-se para lora : a tratar
na ui'snia.
MnaH
viajar eruidar de criancas
Commercio n 34.
,01
ada
a trdar na rua do
Aiuga-se ama escrava excellente cozinheira:
a tratar no sobrado n. SO da rua cd Aurora.
Jos Xavier Faustino Ramos, parteci-
pa aos seus amigos, que mudou a sua re-
sidencia, da roa das Cinco Ponas, para a da
Concordia n. 101L_________________
- Precisa-se do urna ama para coxinhar e cem
no paleo do Terco n. C3, e 4ra quem pre-
prar
cisa.
A^ soeiedade Bancatia em cotmnan-
di e de Theodoro Simn C, mudoo seu
escriptoato para o largo do Pelouriabo n. 7,
.Precisarse de urna ama para todo o
ervico de oma.^asa pouca familia.: rua
Direita,o. 88.
Atten?ao
O proprietario do sitio denominado
Aguasinha,cm Beberibe, contina ;i vender
os terrenos de sua respectiva ara, guar-
dadas as prescripcoes de limite estabelecU
das pela planta topograpaica e projecto de
concurrentes segunda a execueo delineada
para o seu retalhamento ou subdiviso.
A certeza da prxima realisagao da viacao
frrea, pela companhia dos carris urbanos
do Recif* ;i Olinda, devendo estabelecer
natural e n cessariamente cstaeo na bifur-
cacSo bu toada pela estrada novamente exe-
cutada ao Porto da Madeira, mrproximida-
dc do qual existe o sitio supra" menciona-
do no sentido transversal a antiga estrada
de Beberibe ; torna de mi i subido valor os
terrenos ora expostos a venda, que fteam ein
pequea distancia da estaco dessa via-fer-
rea, [irestcs ; n'.ilisar se. Esta valiosa
circunstancias, alm de oulras que muito
recommendam e ahonam a superioridade
desses terrenos, basta para litmara convicr
gao de quanto mdico o seu preco, de-
vendo isto muito contribuir para despertar
o interesse dos compradores, que j tem
compras entaboladas, e aos que ainda nao
tem conhecimento fcdesla importante venda
oll'erecida a concuirencia do publico.
O encarregado de taes vendas o dis-
tinto engenheito Antonio F. R Sette, quem
se devera procurar em casa de sua residen-
cia, e as quinta-tetra c Domingos no sitio
de que se tem tratado em Beberibe.
Advoca ch'i
O abaixo a-signado mudou do
1. 32 para o n. 44, primeiro andar,
W& da rita do Imperador (quasi defron-
S le da tvpographia do Jornal do He-
S rife), sen escriptorio de advocacia,
|g onde pode ser procurado das 10
I horas da manha s 3 da tarde.
Alvaro Caminha T. da Silva-
Ama.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : na rua do Sol n. 33, armazem de ma-
deira.
Cozinheira
Precisa-se de urna criada para cozinhar : na
rua do Imperador n. 73, sejrnndo andar.
^ Preeisa-se de urna ama do idade que cozi-
nhe bem, para casa de horneen solteiro : a tratar
na rua Imperial n. 47. ______________ '
Feitor
Pre'ismede ora feitor quo entenda de planta-
Cues e qne tenha boa conducta : na rua do hnpe
rador n. 15, defronl de S. Fraacisco.
Resta venda um escolhido sortimento de ob-
leetos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
iaranda, mogno eamarello, obra nacional e estran-
zeira, de apurado gosto e por prdo< razoaveis :
ia rna ostreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazom-se com perfeico todos os trabalhos de
jaihinlia. como sajara, empalhamentos de lastros
Dar camas, cadeiras e sophs.
Precisa-se de nina ama que siiba engommar:
a rua Nova n. 21.
= Quem precisar de urna pessoa habilitada para
administrar um engenho, dirija-se rua Direita
b. 131.
ATTEN 10.
Muito se precisa rallar com o Sr. Manoel Caval-
canti de. S Allmquerque, na prava do Corpo Santo
n. 17, a negocio de seu interesse.
Na rua da Cruz n. 11, 2* andar, nrecisa-se de
urna ama para o. servicio de cozinhar e ongow-
mar.
N rita da Cadeia do hecife, loja n. 40, pie-
cisa-se de um moleque, oa urna negra qne cosi-
nhe.
Heute Abendhalb
acht Uhr
Ordenlliche (.eufraNersammlun^
des Deutschen Hnlfe
Verein
i Lcale 1er Herrn H. Li-
denC. &


*
T
m^^^^H
I
v
I
\\
1
Diario de Pernambuoo Sexta feira 9" de Julho de 1869.
ESMERALDA
^^x ..
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a *
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-10
peitavel publico, a quem offerecm um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dral preciosas
N. 5 lili M ClBliGl N. 5
i Est fgido desde o da 15 de Janei-
ro do corrcute anno, o escravo Filippe,
com os signaes seguintes: cabra, idade 3
gk 27 aimos mais ou menos, eorpo c altura
^regular, sebnmcelhas pretas e serrada,
cabellos enroscados c acabocolados, que-
rendo principiar a barbar, as vezes incna-
Ihe as pernas, tem urna marca de caustico
do lado direito sobre o ligado, quando
anda fioa duro e com passos ayancados,
icm o venlre um pouco crescido, pescado
grosso, muito rcgrista, e quagdo Ibge diz
(jue c forro, e tem por custu me trocar
o nome, e botar a camisa fura da calca.
liste escravo jt- foi preso e esleve na ca-
deia, por andar fgido, levou no corpo
caifa de brim de qoadrinhos preto, camisa
de madapolo, chapu de ;aa preto redondo,
natural do lugar Canliotinlio da comarca
de S. Bento desta provincia, e foi seme
do Sr. Eduardo Jus Alvos de Mello, mo-
rador no mesmo lugar. Este escravo j
foi visto em Gloria de Coila distrielo do
Pau d'Allio, e cm Limociro presume-sc
que se conserve nestes lugares, ou teiiba
seguido para o centro ; pede-se as autori-
dades policiacs e aos Sis, capites de
pampo a captura do mesmo escravo, e eu-
trega-lo ao seu senhor Jos,de Miranda
Cimba morador no Recife, caes m Santo
Amaro^obrado n. 22, da fallecido Manoel
Compra-se
(ariaba de mandioca da Ierra
iieri* n, 17.
na rna do Com-
VENDAS.
-
rio /)An\ nnoinm A/\ arVim TI** Custodio ou na ra da Cadeia do Recite n.
am de reabri-lO aO reS- :i",, quoo mesmo gratificara generosamente1.
Matriz de S. Jos ,
O escrivao da irmandade do S. S. Sacra-
mento da freguezia de S. Jos do Recita,
convida a todos os charissimos irmos, a
comparorerem domingo 11 do crvente,
pelas 10 horas da manba, no consistorio
da irmandade, dim d congregados em mesa
gcral proccdeiKm eleico de novamesa re-
gcdora, pelo que, espera a maioi concur-
rencia.
Galqado para homem
Mendos Falcao & C. roceberam nm sortimento
de uorzenuins de Selc de ilrorentes quaHjlades,
sendo calcado fresco e beni acabado, vende-sede
a 2 para vender barato, ra da CaiWt do
Iti'cife n. 45.
Taberna
Vende-se a taberna da roa da Concordia n. Oi,
a qual esta bem afreguezada e tem poneos fundos
propria para algum principiante; o motivo da
venda dir-sc-ha ao pretndeme em parlicnlar : a
trat* na Ponte-Vetba n. 14 das 6 as 3 dama-
una e dosta hora om dianle n'esta tvpograpbia
DEPOSITO
de pao e cestas, ra larga do
Rosario.
Chearam novos supprimentos de balaios de
todos os formatos, ututo atis e precisas itaa casas
de familia; tambem recebemos de Lisboa cew
branca em rolo para acrender latea, lado vende-
mos pelo menos |ue possiwl. *
BARATISS1M0
Vendem-se ominado n 17 ;i rna do Pilar, i-.nu
excedentes commodus. sotao grande, quintal c
porlao para a mar: a tratar na mesma roa n.
63, 1 andar.
Rua do Quemado n, 49 c 57 loja
dt mStdezas de Jos de Azcve-
dii Mam e Silva conhect'do por
Jos Bgodtnho.
Esta qneimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e lazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou maqriar
ver o que 6 bom e barato.
Garrafas com ,'agua florida ver-
dadeiro ......
Garrafas com agua divina dame-
llior qualidade .
Lata* com superior banba fran-
cesa ;l......
Caixascom 12 frascos de cheiros
pruprio para mimos .
Dita comjG Irascos muito finos a
Oleo baboza muito fino que s
a vista .
Sabonetas de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior A.....
Pecas de baliadinko com 10
varas ...
bisas redondas emilando tar-
taru-ra ;i......
de cus qualquer
Grande
loja de fazndas e roupas Hitas
na daliHperalriz n/ 52,
porta larga,
DE
PAREDES PORTO
l^OG
200
2d500
800
uta

Com dinheiro nla teade-se >> tillo Limo
na povoac.odos M..ntes. ao p da cstaciio de Una:
n tratar eom Jos 1'aulo do llego liarreto, na villa
ALGODO
ACHICAS
do
al-
Vende-se unta porcao do livros para u curso
un i." anno e tambem alpumas obras de Cliataii-
briand e romanees, U operas italianas, tao em
bom estado, no Corredor do Hispo n. o'; na mesma
casa precisa-sc alugar nina aaia, que tenlia muito
boa conducta, para tratar de dois menino; e v\\-
O Sr. acad.-mic. AnMfeio auslo Ne-UnUnr parapeqnena familia[S n "na ca ves deSfltlZi tem nina carta votumosa ; dir quem compra ott aluga nma casa fi'a da
na ra da Cruz, agencia dos vapores brasi- fj*'*5 "^ arrebride8, Manguind Capnnga, So
leiros.
O Dr. L. J. Correia 'de S usa de sua
iproflssa '; pai o i|ne pdc ser procura-
do a qnalqnerfi'1! do dia -eni casa de sua
residencia, a ra das Nimptas n. 17. D
consultas gralis'nos pobres todos os dias,
das 8 as 10 huras.
fferece-se una nma perietU coiinlotra
para casa de familia : quem pretender dirija-se a
travessa de S. !esi n. 37.
MACHINAS americanas de serrote de todos-os tamaitos para dcscarocar alge&ao,
muito conliecido fabricante Kagle Colon Gin.
MACHINAS ditas, tambera de serrotes e de todos os tamaahos para descargar,
godio do antor New York Cotton Gin. .
MACHINAS ditas de todos os tamanlios, de carreta de ferro e raais toda a machina.
MACHINAS ditas de Koller Gins, de cujo traballio faz obt9r mais 2.000 em arrob3
de algoilao.
MACHINAS de Cacao do fabricante PlattB.-A C, Obdhan PatantLiverpool.
Todas estas Machinas sao de superior qualidade e as melhores que tm
vindo ao mercado ; e para a sua apreciaro convidam-se os senbores agricultores^
virem a expositao das mesmas na ra dadOa do Itecife a.-56 A, loja do liaslos, otxk
encontrarao mais o setutote :
Club Pernambucano
. Em conseqowieia >(te mnitas familias se
retira rem para o campo no mez de dezem-
bro, a directoriaresolveu mudar oltaile
annual de tde dozembro para a dia O de
setembrof roximo futuro.
Debulhadores para milito.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhos do mo.
Machinas para cortar sajihn.
Cannos de chumbo.
Bombas da Japy.
Ditas americanas.
Telkas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e latao.
Ferro de todas as quaiidades.
Arcos de ferro.
Follia de Raadres.
Machados americanos.
Faces ditos.
Balaios e cestas de verf aiulia.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornes e safras para ferreiros.
Folha de ferro.
Balanras americanas.
Tinas de madeirtt americanas.
Pjs de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de baadajaa I'uis.
Trcns comelos para rozinha.
Penaras para padarias^
Baldes galvatttsados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas eevolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para retlnacoes.
Azoite de espermacele, propno pata raadai-
nas de todas-as quaiidades.
Sertas avulsas para machinas.
Mancaes e todos-os mais pertonces para a
mesmas.
Latas de gaz,
Sitio
Alu-ia-sefl sitio da estrada de Jo de Barros
entrada dofoeeco do Espinlieiro n. i, com eom-
modos para paquena familia, com duas salas,
tres quartos, cosinba fura, cacimba com encl-
lente sfeoa de beber tend diversos arvoredos le
fruclo : a tratar na rua da Imperatriz n. 8),4eja:
COMPRAS.
Comprit-se um escravo que
enleudado olicio de lauoero:
a tratar no Psrriptorio (Iti AlllO-
rim Jhrmaos & C, na rua da Cruz
lf. 3. -
Finalmente muitos outros' artig <*spcrtencentes 8 lavoura e ares, que pete
diver-sidade seria entadonbo ennumera-los.
CRVAO DE BELLOC
PARS
Approvado e recommendado pela leaderaia imperial de medicina de Pariz.para a
cura da gastralgia e em geral de todas as doen<;;is nervosas do eslomago e dos iatoslinos.
E egualmente o remedio por excellenda -oatra a retene 4e entre. Finalmente em
rato de suas propriedades absorventes, reoammendado coaao verdadeiro remedio nos
cazos de di/rrliea e cbolerina. O earvfto 4e Belloe tema-.se na ccatio das coudas
ob a forma de pos ou de^astilhas. -------
Deposito em Rie-JinEuio, Duponriielle. Chtvelot. Em Pwkambuoo, Mattrer O muzeo de joias
Naraa e podras preciosas por presos mais vanlajos&s do
que em outra qualqaer parte.
Ouro e prata em obras velhas, asam
como bo'lhantes -sendo de primeira quali-
dade; -ompram-se ppratier i recorte
em outra parte. Ka loja dejoias (isme-
ralda) re i do Cabug n. 5.
Na jnaca da Independencia n. &J, loja deu-
uves, compra-se ouro,.pcata, e |edras prceiosa%e
tamliem eetu quatqner obra de eaiommenda,
iodo e qualmier concert.
A-SE
ledade, Caminhn Xovu; que tenba bo.n sitio.
Vende-se urna mac'nina de costura em |>er-
feito estado : na trevesa do Queimado n. 1, pri-
meiro andar.
- A1TENCA0
No armazem de David Fcrrelra Balt.tr, rua do
Brnm n. 92, lia venda os seguintes ganaros por
preoos razoavsls.*
Rliutcs de balaaeo
proprios para barcadas e liyales. amito superiores.
Yliiko do i*oi'to
em caixas de duzia de carrafas, e em banis de
decido, do Porto, muito lino.
Farfinlsa de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnnlidade.
l'edras de logiza
muito proprias para lavagem do louQa em co-
linhn*.
Vendem-se um morque e urna nogrinha :
tratar a rna do Pilar n. 6;i I- andar.
Vende-se um preto de 18 annos
rata-se na rua
a um nreto^de 1
a da impeatriz n.
de idade
13.
unhas muito C-
dentcs fazenda
de cores
do gaz
Pecas de
largura
Eseovas para
as .
Eseovas para
muito lina .
Polceiras de contas
para menins .
Caixas de linlia branca
com SO novellos .
Caixas de liaba branca do gaz
com 10 novellos a .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
lino ......
Pares de*botoes para punhos
muito bonito .
Libras de la para bordados de
de todas s cores .
Pentes com costas do metal
muito finos .
Novellos de linba muito grande
liara croxs a .
Duzia de lina froxa para bor-
dado ......
Grosas de boles madreperola
muito fino .....
Sabonee muito finos CO, 120,
100, 240 e^.....
Pecas de fita* de la todas as
cores ......
Espelhos lloarados para parede
loOOO e .....
Espelhos de Jacaranda muilo
lino ......
Pecas de trancas brancas e de
= "V ndem-se um bonito moieque de I cores de caracol .
11 anuos, um mol.rtinho da mesma idade, Pares de meias cruas para me-
e diff rentes negrinhas e moleques de -10 j nios ......
annos para baixo : no 3" andar do sobrado Caivete muito fino com 4 fo-
n. :JG roa das Gruzes. Ibas ......
Cartilhas da^outrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e patecholy
muito linos a .
Neste estabfleciiiiento encontrar o res-
peitavel publico um bunga} sottimento de
roupas e fazndas de todas as quaiidades e
precos commodo, Um seuipre um bonito
sorlmieulo de casciinras de tre e preta?,
panno fino de diversas qgal.dades, brim de
bonitas cores e brancas de boa qualidade,
encaric^a-se qualquer obra por medida c
>o00 prego muilo comnu do.
ROUPA9 l'EITAS
(5240 na loja da rna da linperairiz n. '2, porta
larga, de-Paredes Porto.*
tem Basta eatafeefeefeientn um benito
sortimento de raofwa fieitaa de divenu
500 quaiidades epinus commodos, como sejam
paKtots de alpaca ma e da ores a 24,
d 353 0 e M; ditos de panno preto sacos .i
i-. 7-> f fv>: iiips de panno superior a
500 IS& 14)5 e !">>: dit. s subrecasacados i
dito do a IH.s. iO a 2*?; ditos de case-
^500 mira de cor a (i > g lt).;>: ealeas, eoHetes
e palitols de casemira uauitn lina de ct a
fftkO 20 e "''y, calcas de hriin BfafW do cor de
todas as quaiidades de 24 a $4; ditas rtc
^200 casemira preta e de c<; 'b al IS:
COlteles de lodas as quaiidades; Cbroulas de
800 bramante a Iu00, 200O e *i00 ; camisas
. framezas de linlio e de aigadSo de lodas as
600 quaiidades e prego mais barato do que em
outra qualquer parte ; colarinhus, grvalas ;
040! bonito sorlimento de chapeos de sol de alpa-
a p de seda; tocias Bglazas a 0 a dozia;
pcebincha neste estabelecimento pelo
grande sortimento: lodos os fregueiea
poderao provar dos pes al a cabeca por
preco commodo.
FAZENO&S
Grande sortimento, como sejam, chitas
baratas a 300, 320 e 360 rs. Madapoln
lino a 7-% 8 e I0 a pega. Algodo (pe-
Qhincha) a 5$S00 a pega e Otilias quaiida-
des. Cambraia branca de lodas as quaii-
dades transparente c Victoria de 3500 a
8 a pega. Lanzinbas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a pega cem 28 metros
a 28#000. E.'gtiiao o mais fino possvel a
2)9506 e 3:> a vara, e outras muilas fazn-
das por prego commodo, que feria enado-
nho mencionar, na loja do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
}r(o.
ir.
o
Vendem-se 906 ciielcoiieis de lonro de varias
grossuras e eomprimeato, assim como urna barca-
da nova e bem construida, sendo a sua earga de
5,000 arrobas : a tratar eom Loyo Sobrlnho & C..
rua da Cadeia n. Si. ,
Na eoeheira de Thomaz l.ins Caldas, rua de
santo innaru Juinu da r.-ir-rHiidos-tnatu* n.tumis.
vende-*e um grande bol manso e muito novo, eom
urna cawoea e seus pertenres.
TERSOS-
DEJOAQUM OA SILVA HEfiO JCNIOI1.
Um vlume era tres series, eom o retrato do
autor.
Preco 3000.
Livraria Universal de Guimaraes & Oliveira,i-ua
do Imperador n. 5i.
TJISD
No armazem do caes do-Ramos n.fl abrio-se um
deposito.de agurdente. -
4;>000
120
8000
^320
:320
480
,5500
320
500
i500
2r>000
OG
320
l|150l
00
t-200
Paredes
COFRES DE FKHRU de varios umanhos.
MACHINAS para descawcar algodSo.
MACHtNASIa vapor.
MOTORES para duuscavallos.
FERUAGli.N'S em geral : no armazem de Shaw
Hawkes & C. rua da Cruz h 4.
Ill\ DO LIVHAMKMO121
Ecouoniia, ulilEdaeie e moderno
mercado.
- CHEGEM A' PECHINCHA.
sanea rrancezes, arcos pequeos e gran-
des, para senbora, a
Caseuiiras inajezas, bonitos padroes, com
listras largas, corado
Ditas francesas, dem idem, eom listras
largas, eovado
Ditas ditas mo-c-Iadas, eovado
iRaronezas largas com listras de-oda para
Beohoras e proprias da montara, eo-
vado, rs.
Paletots de al|iaca pretos e de cores 45 e
Alpacas lisas de cores muito linas e*L:s
{{ortos para_senhora, envado, rs.
Camtaaias de" cores, variados padrees,
eovado, rs. %
Ditas de cores, mais finas, adrado, rs.
Ditas miudas, modernas, tinis: iina-, eova-
do, rs.
Ditas de llores grandes e listras, co-
oedas deouro e prata de todas os valo- amais J5E*\ "cTr^avel na
res, ouro-fi prata e*B obras inutdisadas. e Uado Conatcmo n. 13, armazem de Manoel Tei-
brilianteSfi mais pedras preciosas : na lo- -seira Rasto.
ja de
rife.
ourives do arco-da Concekao no Ue-
PrecRa-se
Owwprar rtma eerava moft, prendirta, earmho-
sa para crianeas; a tratar .na rua do :'i. sobrado, das 8 s 10 lioras da iiku.. ;i. e.das
3 daiarde cm diuite.
na rua da Maugueiro
manteiga ingieza a 800 rs.
UHiero 2.
0 MUSEO DE JOIAS
C/2
GOMES DE WUinOS IRHIOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande vartedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Comprwn e trocara qualquer jeia ou pedra preciosa e garntela
a qualidade dos objectos vendidos.
T
Fabrica do tallecido subdito francez
Joo Vignes, existe uta bom sortimento
dos muilo aored tados pianos os quaes se
vendem mdicamente para liqudacSo.
Tinta pora imprimir.
Vende-se em Irtas de 25 a 2 libras tinta forte
para imprimir : na rua do Imperador n. 15 de-
fronte de S. Fr.iB<6co.
02

02
0 MUSEO DE JOIAS
Aproveitar em quanto
duram.
Bales dertaurcelina om pequen 4ei}ue de'mofa
a 3 e a .')'iQ0, fazeada superior, ditos de arcos a
2000, espartanos de 2JS00 e 3, eousa nunca
vista, so no Trkimpho! Outras murtas fazenda-
que :e torram por todo opreco : na raa do Quei-
jnado n. 7, loja 4a Tmwpho.
" yfa\t>Mrfm
LECONTE
VKNDK oteo lirih.intioa perfuma^ ktiumlra para
amaciar os cabellos e barba, ala sanca -. na rua
da Imperatriz n. 7.
5000
4o00
4000
352OO
900
4 500
800
210
360
400
AHtt S'O
vado, rs.
Gilariuno
.ri00
400
os de linho de diversos gostos, rs.
Ditos de dito muito linos, ehegados no ul-
timo saquete, rs. 600
Chitas claras, boas tintas, eovado, rs. 280
Ditas aserien, bellos padroes, eovado rs. 400
Ditas coloridas, linas, proprio para familia
eovado, re 400
Utas riseadtnhos, variados padroes, eo-
vado, rs. 360
Ditas escuras econmicas, eovado, rs. 360
Bitas de boa composieao de tintas, eovado 320
Hitas claras econmicas, eovado 340
Roupas e msis artigos que ica a pedido da res-
peitavel frepuezia, dando-se amarra de tudo.
BORIIEAIJX
Na praea do Corpo Sanio n. 17, escriptorio de
Joaqun) RodriRues Tarares de Mello, venda-^e o
excellento vinhoMdoe Vioux Extra o melhor
que om a este mareado. No mesmo escriptorio
ha para vender chapeos de chile muito finos.
AVISO
Vende-se urna escrara moca boa vtmdedeif,
engommadeira e cozinheira : a tratar aa- raa da
Soledade n. 76, das 8 nenas a 1 da. tardo.
Vende-te ima laida cserann crioato 4e;90
annoe, com habilidades, com urna cria de 1 anuo.]
6 com lcite : na rua da Praia, 1" andar, n. 47.
== Vende-se por bsalo preeo Una porao de
gradeament* futo roram do antigo {Muoatfico do
Recite Santo Antonib ; pode ser e*amtaaflo na
ponte de cha,*etrdii para a fruto da Torre:
trata-se no mesmo lugar.
A EXPQSCAO
Nova loja de calqado estrangeiro
para homeus, senhoras e
meninas.
NA RUA NOVA >, S
em frente a cambo 'Ao Carato.
Lyra & Vianna, tendo pela experiencia
adquirido a certeza de que o publico desta
capital, era mal servido, pela falta de esla-
eleciment, sortidos de bous calcados,
Mlnaram a sua nov loja, na rua Nova n. 8.
Lvra d Viautia, convidam por isso ao
puijlico, c com especialidade ao bello sexo.
para visitar seu novo extabelecimento de
alcedos linos, manufacturados pelos mais
habis fabricantes da Europa ; li encon-
lrar5o sempre, lodas as qaalidades de cal-
Gados, solidos pela boa manufacturaeo,
frescos, por serem muito novos, e vendidos
por preco commodo, para merecerem a
confianca de seus distinctos freguezes.
Comprometem-se a mandar vir encom-
mendas de calcados especiaes, a a exhibir
as obras de pliantasia e de mais aprimo-
rado gosto, afim deqoo suas distinctas fre-
guezas carvem e mostrem sempre o chique 1
da botina Jranceza. Isto s na raa Nova
a. 8, loja da expo6ico de calcados de
Lyra A Vianna.
E' por corlo para admirar que existindo
em urna rua de progressos, urna loja com
um completo sortimento do iniudtv.as lina;-,
e nao tenba ainda por este Diario pa-
tentado a lodos seus freguezes, o seu
agrado e smecridade, asna vigilancia, e os
modas do seu basar.,
Esla rua a prodigiosa rua do Cabug,
e esla loja a antiga loja daaguia d'ouro
urna das mais oortidag rte&lo geucro, e que
desde seus principios usa desta modesto
titulo; modesto porque nunca foi estampado
noste jornal, o modesto porque mudos o
ohid-atao, por ha ver igual cm urna casada
pasto, no entretanto como temos direito
de anliguidade, vamos deslinguir o nosso
jcom alguns annuncios, para publico saber,
que a verdadoira aguia d'ouro
urna loja de miudezas a rua do Cabug n.
j A, onde se encontrar um completo sor-
timento de miudezas linas, c por menos
I 0|odo que cm outra qualquer pait,;, como
sejam :
Guipeur com urna e ditas larguras preto o
branco, fitas largas de todas as cores e-
com vistas.
Um completo sorlimento de enfeites paro
vestido.
Fronhas com diversas inscripcoes.
Enfeites para cabeca.
Caxinhas de Jacaranda forradas com seda
e com espelho na lampa, com a compe-
tente chave, proprias para guardar
joias-
Entremeios transparentes muito finos e de
todas as larguras.
Albuns finos para 50, 100 e 200 retratos.
Binoclos de clwgrem e marOm cousa muito
superior.
Espedios dourados proprios para sala.
Um completo sorlimento de loques de todas
as quaiidades.
Um completo sorlimento de perfumara
de todos os autores.
Luvas de Jouvin cohstantemen e fresca:'.
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
genero que tudo se vender da forma per-
mitida, na rua do Cabag a. 1 A, aguia
d'ouro, de Custodio & Bento,
Na rua Nova n. 60, armazem da Liga, vandem-
se semontes novas de hrtalice? e flores.
Vinho.
A" rna do Livramente n. 6, tem para vender cm
barris defjuintn e meia pipa, omellior itabo ver-
lo al boje, vindo a este mercado, e vende-se por
procos ra?oavis... ^
Vofideai-se dura cyla^ros bom eonsfraiitoa,
proprios par.! padana, por mdico preco : p. tra-
tar ao pateo do Terco c. C3,
ittMIJIi Mllii,
Para o armazem do Campos, na rua do-
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acha se constantemente um vanado sorti-
mento de gneros finos para meza e
cosinba e entre estes nomea-se apenas as
especialidades seguintes:
Queijos do serto ^endo de manteiga e
coalha.
Camaroes seceos do Maranho.
O verdadeiro caf de Moka,
O superior e bem conhecido peixe miraguaia
que se vonde a 160 a libra e 500 a
arroba.
TABELLAS
de redueco as mais facis e mais com-
prehensivas, nad no
Armazem do Campos
Ruaftovan.. 14
Acaba de ebegatraara sata loja grande qoan
tidade de ftistoos. senda branco e amarello, nma
como temos rraiide ppchinrha cir. iSazinhas t
paeas-de todaBa^onaldade*, ctiitas, ea^as e ou-
troa Btujtog objento por aneos etmimod*.
VndetB>e iruas eaitaba meia-asoas de pe-
dra e cal em bora esLndp, bna Ipc3lidadp. na ao-
voaclo dos Afolados: a Mar rieta cidade, ua
de armaeao funetre a. 33, roa estreila do Rosario


6
Diario de PemambuO* Sexhl^feira 3 de Julho de 1869.
!?>
Ra da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
mu? Arara vai cantar,
rara vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 propietario deste estabelecimento, Icnd grande pon-So de tondas em
ser, ^Proceder orna liquidacSo em todas as fardase roopas feitas existentes no
cstabelecuncnto, agora que occasio de quem tem ponco dinlieiro poder se vestir de
Doa lazenda ebaralissima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLAO BARATO A #00. BRAMANTE PARA LEtfCOES A 2.
Vende-se pecas de madapolao entestado Vende-so bramanie com 10 palmos de
do 12 jardas 3S0d, dito de 2i jardas ou largura para lences, a 2j>. a vara.
PECAS DE ALGODAO A 45.
lo 12 jardas \ 9|500l dito de "2 jardas ou
9 metros 5*. U, 60300, 7)51500, 8->oik> o
9,5000.
GUITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francesas para vesti-
dos a 280, 320 rs. o covado, ditas escuras
muito finas 300 rs. o covado.
Challa milito Oso SOO rs.
Vende-se cbalin para vestidos ie senliora
a 800 rs. o covado.
PERCALES A 44A US. O COVADO.
Veule-se percales muito finos-para ves-
tidos de senliora a. 410 rs. o covado.
Brilhanilnas a-440 rs.
'* Vende-se briihantinas ou mursnlinas de
cores para vestidos de se horas 440 rs. o
covado, 'lazinhas muito finas para" vestidos
de senhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 840 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 300 RS. O COVADO
Vonde-se riscado trancez para vestido
dejenhora 300 rs. o covado.
UttfahM a *4 rs. o covado.
Vendem se laasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vcndc-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de merino 9.
Vende-se eludes de merino estampados
2e 20500 cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS ABERT03 A 25100
Vende-se cortes de lia para vestidos de
senhora, 2-5400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de Iistras 700 e 760 rs. o covado.
1 hitas priissiauasa 3O.
Vende-se chitas prussianas de Iistras de
cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 3*0
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
aloes de SO a 30 arcos
1$500.
Vende-se bales do 20 a 30 arcos
1)9500 cada um, bales modernos brancos
ede cores 55.
Vendem-se pecas de algodao muito en-
cornado ;i 'i;j, .>>, G->800e7:J>.
Colt''3ahos ccojaoniicos a 32
duzia,
Vende-se colerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande porra,).
CASEMIIiAS DE CORES
Vende-se cazemiras de cores para calsa
e palitt i 20500 e 30 o covado,
4lgodo enfestado 1.$.
Vonde-se algodao enfestado proprio para
lences e toalhas, |& a vara ou 900 rs. o
metro.
BRI.M PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se britn para calcas e palitots de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imitarao de ganga a 360
o covado. *
Algodo He HsTras a O rs.
o covado
Vendc-sc algodao de Iistras para roupa
do escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRI.M CASTOR A 640 RS.
Vet-de-sc corles de [ brim castor para
calca de homcin. i OW 800 rs, cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A J0.
Vende-se cartelras para viagem 10
cada una, cobertores de algodo i5500
cada um.
Caberlas de chita 1 $f*00
Vende se coberlas de chitas de cores
i5800 e 25, cada urna.
ALGODAO TRANCADO DE EUAS LARGURAS A
14900.
Vende-se algodao transado de duas lar-
guras, proprio* para lences e toalhas para
mesa, se vende a 15200 o metro.
llantas para gravata SOO rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 20500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa .4 25500 a vara, toalhas escuras
15, cada urna. Ra da Imperatriz kTja
da Arara, n. 72.
Wa 45 RA Di CADEIA M. 45
DE
.imo &
SOB A DIRECCiO DO MUITO IIABILART1STA
Lauriano, alfaiate.
*Os proprilarios de3te novo estabelecimento, tendo experimentado a nCcessklade
urgente de ter na direceao de sua olficina de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimecto um bom sirtimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padrees, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira preta, graude.sortimento de brins brancos o de
cores, merinos de diversas qualidades, bowbazna, lindos cortes de gorguro paracollete,
gorgurao Pekn, superior q*ualidade.
Os freguezes encontraro ainda um" variado sortimento de roupa feita, camisas
mglezas, collarinhos, cenrolas, gravatas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de sida papa sol, lolciras, bramante, atoalhado,
baloes de diversas cores e modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de scus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
Grande e rompilo sortimento de maehjnas para
descarocar algodao de nova inven can r negadas l-
timamente em direitura para a toja de Manoel
Bento de 'Oliveira Braga & C, na ra Dircha n.
63. Garante-s fpie 'a mcllior t|ualidade que at
o presente tem viudo so mercado : acliam-se em
expo?;ao aos corjipradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimenlu de pesos kto-
gramiDOs de melhor romprehensao dos que tem
vinda al o presente, assim como marcos de lato
al meio graninio pelo mesmo systems, balaafaa
de latao de forca de 5 a 20 kilogrammos, metros
ile madeira e de lalao para medir fazenda/, alen
de grande sortimento de miudezas c ferragens de
lodas as quahdades, ludo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Dirata n. 53, loja de Manoel
Beuto de Oliveira Braga t C.
RIVAL SI
Ra do Qucimado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de scus cstabe-
lecimcntos por isso queram apre-
ciar o que bom e baratissiim.
Pecas de tiras bordadas com 12
metros, fazenda superior, a
15300, U, 35 c. .... 45000
Guias de Haba com OJnovellos 500
Pares de sapatos do tanc fa-
zen Ja nova a......25000
Pares de sapa tos de tapete
(s grande) a...... 1^500
meias cruas para- ho -
JLOJTA
DO
0 Garibaldi principia
Certamente na de agradar,
Que pelo preco que vai vender
Ninguem o pode igualar.
O proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vei publico e seus freguezes, qu- tem recebido grande sortimento de fazendas, e est
constantemente recf bendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que om outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
Pcreira Mondes Guimares.
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas de cores fi-
las a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 300 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3,}500.
Vendem-se peca3 de madapolao enfes-
tado a 35500, dito inglez de 2i jardas a
5,5, 05, 65503,7^500,85, e 105 a peca.
ALGODAO TRANCADO A 15200 O
METRO.
Vendem-se algodao de duas larguras pro-
prio para lenWs e toalhas por ser muito
largo, a 1#200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARALENCOES A U A
VARA.
Venderse bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 25 a vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de Iistras de um
de nome amzons, para vestidos de se-
nhora a 360-rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja do Garibaldi.
AOS SENHORES D0N DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, Ta urnas casemiras
de Iistras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 25500 o covado.
ALGODAO ENFESTADO A l& A VARA.
Vende-se algodao 'enfestado muito largo
proprio para lences a 1(5 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
50 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35500.
,Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 3)5500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 85000 A PECA.
Vendem-se pecas do brim lizo de Hara-
burgo com 20 varas a 85, 95 e 1071 a peca.
Cortinados para Janllas a t.
Vendem-se cortinados para janella* a 74
o par, ditos para camas francezas a 14jj( o
cortinado.
Gandas para calva a 3SO rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado.
Laasinhas de quadrinhos a
84 rs.
Vendem-se laasinhas de quadrinhospara
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A A 040 RS.
Vendem-se popelinas em la da listra
para vestidost de senliora a 610 e800rs.
o covado.
CORTES DE L.U A 25460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senliora a 25400 rs. para aca-
bar.
LAA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se laa cbineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para ealeas.
Veodem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com Iistras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 V* covados d urna calca para ho-
mem pelo preco de 25500 o covado.-
Alpaeas lizas para ves idos a
SOO rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BAL&ES DE ARCOS A 15500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
15500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o melro, dito muito fino a W200 o metro.
BALOES MODERNOS A 55000.
Vendem-se bal5es modernos e de cores
a 55 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SElfA A 10*.
Vendem-se chapea? de sol de seda a
100 e 12($, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
Duzias de
mem a ......... 35800
Tramoias do Pbrto fazenda boa?
e pelo precomemor 109- attos a #200
Livros de mksses abreviadas a 2*jl000
Duzia de baratoos francezes muito
finosa25OOe- ...... Silabario portuguez com estam-
pas a ........ ,532o
Gravatas de tros-e- preta>>muito
finas a......... ^500
Redes pretas lizas- muito Unas a f5320
Castoes- com colchetes d-latan
fazenda ina-a^..... 5020
Abotuaduras de vidro para*eolete
fazenda fina- a...... 1500
Caixas com ptnna d'aro moito
finas a 320,40 500 e .. .. 1,0000
Cartees de liaba Alexand que
tem 200 jardas a 1100
Carreteis de haba Alexandte de
70 at 200 a....... 100
Caixas com superiores obreias
de massa a> ...... 5040
Duzias de agolhas para ratehina 25000
Libras de pregos francezas di-
verso tamanho. a> 240
Livros escripturado para> rol do
roupa a. ...... !120
Taltieres para- menino muito
finos a. ,...... ,5240
Caixas com. papel amizade multo
fino a ....... 700
Caixas coca- lOOeavelopes- muito
finos a,....... 600
Pentes volteados para meninas e
senhoeas a....... 320
Thezouras muito finas para
unhas- e costuras a.. 500
Tinteiroecom tinta paeta muito
boa a 80, 120 o 320
Varas de franja para, toalhas fa~ "
zendafioa a. 160
Pecas de fita busaca elastiaa
muito fina a. .... 200
NoveHos do linliacom 400 jardas 00
Resmas de papel de pezo uul
muito fino a...... 2&360
Grozas de botSes de louca rauito
finos a........ 1-6&
Schonete de akatro.
DE
Antonio Nunes deCasIro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
acceitac3o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerb
das impigens, sarnas, caspas e todas a
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34ra larga do Rosario^34.
.
Libras eouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco daConceico na laja
Vurives, no Recife.
MZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida!
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
quer parte.
YKVHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEA LA ROSE.
CHATEAU KAITZAM
Era casa, de Rabe Scbmettau C. Corpc
Santo n. 15.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez Joo Vignes, existe um bom sortimento
dos muitos acreditados piarjos, os quaes se
vendem mdicamente para liquidado.
A' exposleio
A loja de calcado na na Nova n. 8 em frenle
camba do Carmo, tem grande sortimento de boli-
nas para homem, recebido ueste ultimo paquete
e vende barato
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para tingir os cabel-
los da cabeca e da barba, foi a nica admit-
tida -Exposirao Universal, por ter sido
conhecida superior todas as preparaces
at hoje existentes, sem alterar a saude.
Vende-se a 1000 cada frasco na
l HHft M tWHL 51
V ANHABt
GALLO VIGILANTE
Kna Io Crespo u. 9
Os proprilarios dste bem conheCWo estabele-
cimento, am dos mukos objeclos que tinham ex-
pi*tos a apreciacao do rcspeilavel publico, iikii-
(litrain vir e araliain du receber pelo ultimo vapor
da Europa .imn cmplelo e vnriaido sortimento de
finas e mui delicadas esiiecialidades, as quaes es-
to resolvios a vender, como do seu coslufe,
por precos muito banitiohos c conmodos paja to-
dos, eom tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellicay pretas, bran-
cas c de mui lindas cores.
Mui boas c bonitas goifinhas e punlios para se-
nhou, nesto genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquismmos enfeites para caberas das
Exmas. senboras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lhcs e sem elles; esta fazenda o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores c bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquella brancos
com lindos desenhos, e estes prelos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30*00)
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
mitras qualidades, entre as quaes algumas muito
inas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadora* figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas tenj tambem grande
quanUdade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos clcotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de dade.
NavaJhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, o de mais a inais sao ga-
rantida* pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capcllas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarcte, assim
como os tontos para o mesmo flu.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais couliecidos per-
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos coutra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes crianzas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles preeisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendeodo-se ao flm
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. .7.______________
rASTILHAS ARADAS
DO
DR. PATERSON
De blsarath e nagnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesta, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartbolomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Um frasco do IV de Rog, dissolvido
cm urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
rritacao como acontece com a maior
parte dos outros purgantes. Os fu de
Bogc, sao inaltcraveis por isso empre-
gam-se fcilmente em viagem.
cm llioJEir.o, Duponehe:t; CkeioUl.
em PtBiAiiLuco, Uaurer t C. A
IfHll
AVISO
aos convalescentes e s pessoas
fracas e debilitadas
O quinium labarraque approvailo
pela Academia imperial de medicina de
Pariz o tnico por excellencia.
Djp lia
em Rio-Jaseiiio. Dutoc\cHt; Cheto!'
em 1'EnxABcco, Uanrcr t f.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galoupean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
COGNAC.
o A NOVA ESPERABA
21=Kua do Queiraado=2J
Advertencia!
A Nova Esperpnca, ra do Quemad
n. 44 tendo cm deposito grande quantidad
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender, suas mer-
caduras pelo baratissimo prero, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo 13o opportuno quando i
NOVA ESPERANZA convida-os pechincba-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falla aonde e aquem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sep>
pre primar em nos remelter objectos d
gosto e perfeigao, e ella (loja da Nova Es-
perance) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)
Nova Esperanra ra do Queimado n. 2!,
alm do grande sortimento que j tinba,
acaba de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galloes, franjas e trancas de.
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Bot5es de todas as cores e moldes novoi
para o mesmo fim.
Tranras pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Lavas de pellica, camua e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos. *
Delicados leque de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas i ua do Queimado n. 21, na
Nova Esperanra.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas..
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados os
verdadeiros de Royer." e eis porqae muito*
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido.o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanza, por
que detesta a falsificado principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares;
e garante aos pais de familias, que s5o m
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo d
convulcSes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a roa do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seui
filliinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entao seri i-
ffictl alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collarea
de Royer.
KJUB POPULlB.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & .
Acaba de chegara este mercado urna port lo des-
te ptimo rap, nico que pode suppri a falta do
princeza de Lisioa por ser de agradaveJ perfume.
E' fabricado eom superior fumo e pelo melhor
systhema condecido, teudo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pracarda Babia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolhido, e provavelmente aqu tambem o ser,
logo que sejafeonbeeido e apreciado. Acha-se
venda por prego commodo, e para quem comprar
de 30 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra do Commercio n. 17.
Vonde-se a verdadeira graxa do bem conhecido
abricanle Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. Moreira Dia, ra a Cruz n. 26.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica d Bisquit Dubouch de C, cm
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ra do
commercTo n. 32.
Tabellas vermicidas
H
Antonio Nuues de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a'todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, .ej pela fcil applcacao as creancas.
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muias veaes fatal sofl'rimesto.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DF.
Barthomeu & C.
34Riia Larga do Rosarlo34
Milho
Vendem-se saceos com milho, no trapiche da
Companhia : a tratar no mesmo, e no i* e 2 an
dares da ra da Cadeia velha n. t.
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHI
Preconisados por todo os meilxos conlra os I
DErLCXOS, CATHARROS, E TODAS A&
IBBITACOES DO PE1TO.
K. B. O Xarope 4 Codelna qe mtrttio a I
kosra, alta bem rara entre o Medieauuntos\
novoi, de ter registrado como ton dos meiea-i
metilosoj/icines to Imperto Franca dispensa
ptalquer elogio.
AVISO. Por causa da reprebensltel falsi-l
ficacio que tem oscilado o l'clij resultado do!
Xarope c massa de Berilio tomos Toreados al
Itmbrar queeslesmedicamento ta juslarurntej
(Ciiceiloados so se
Vendem cm carim-
base frascos levando ^~^\~Jt?A
a. assigi.aluiu a
tic nlc.
* 4fi, Ruc des Ecolcs, e na TLarmacia Central I
4* Franva, 7, Kue de Jony, em Pars, e cinj
todas as t'liarniacias p; Incipoa do Bmil.
BAZAR UNIVERSAL
SO IltiaAova O
Garneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos eomo sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas'
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposico servicos a electos para alrao-
Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala* cknademesa,
parede e portal, mangas, tubos o globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas' de ferr para
casados, solteiros e crianza, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e aesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraran
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pen ir examinar. M
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receier pelo ulti-
mo vapor umrico e variado swtiminto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ago, bfalo, ncar, unicornio emelchior-;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invengao ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vtdros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
. O mesmo vapor trour
xe urna excellente ma-
china para graduar e.
observar numero- dos.
v idros qoe se nocessita,
conforme a vta de
qoalquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instruaeB-
tos de mathematica, barmetros, vidro* de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e cora promptidao. j tira
(Tmofo dos vidros e encarrega-se de- toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambera os exeeHentes relogios
do antigo e afamado fabricante Rolert Gerth
&C, os quaes vendem preces commodoa
garantindo a sua superior qualiaade.
Vendem Augusto F. de Oliveira & C. e^
Commercio, n. 42.
tfl
Vendem-se dous bonitos escravos, utn mo-
leque de 16 anno?, bom cozinheiro, e ma cabri-
nha de 10 annos: no terceiro andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruces. "^
CAPSULAS MOLES
DE ^^
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cwa rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarro^ san-
guinos, e outras molestias do peito,
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
BartholomiMi 4 C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Pedras para moinho
Vendem-se 4 pedras para moinho sendo
2 de 3 palmos e 2 de 4 '/* palmos de di-
metro, vende-se as pedras s ou com seus
pertences prompto para Irabalhar, na fa-
brica a vapor de cigarros: ra do Quartel
da polica n. 31. .
1
batatas baratas
Vende-se a 800 reis o gigo, ra da
Madre de Deus u, 22,


Diario de Pernambuco Sexta feira 9 de Julho de 18G9.
7
\l
i
i

.


I


C cordeiro previdentej
Una do (|ucini(Io n. i O.
Novo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
reeeber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dad*, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a aprpciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao so atas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom: *
Agua divina de E. Goudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e maisacreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrifick. -
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglozcs, americanos o
francezes em frascos simples ecnfeilados.
i Essencia imperial do fino e agrada ve 1 ebei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo pbjlocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com eseolhidos che ros, em frascos de dille-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Cai.rinlias com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
ben de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos de camphora e outras dilferentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um oulro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com ilets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados do llores e fitas,
estao todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHJS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvellas c Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS. .
O que de mcllior se pode encontrar neste
genero, sohresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
QUE SE LIQUTOAM
A DINHEIRO NI LOJA E ARMAZEM
aaoa wa aiaipaiaaviaaao. a
DE
FKMX PEREIRl DA Sil* VA.
O.proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
lei, assim como ,de um grande sortimento de raimas para homens e meninos, e as
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mata, tiesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venden io-se-lbes
pelos precos que se comprara as casas nglezas ; assim como as exceUentissimas fami-
ias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se le as mandam
evar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acaa aberto con-
stantemente desde a 0 boras da manuaa s 9 da noute. *
Casemiras da moda
NA
IiOJA DO PAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots e coletes, tendo lisas, com lis-
11--RUA DO QTJEINADO--11 .
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e eapea para noivas, que
vendem-se por presos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
1 te S^UINESdt reaii Preta e de gorgurSo preto, o que ha de mais
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos,aias bor-
dadas, e saias de 13a com barras de cor. .
GORGURAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, prncezas, bombazinas pelas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
MITO B#P 8fi \M!!
"O
Vinho degestivo de
chassaing"
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestes dfliceis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as forcas
produzindo urna assimulacao completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
VEtfDE-SE
PHARMACIA' E DROGARA
DE
Bartholomen 6 C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO DOBOWMAN
lina do Ki'tnu n. SJ.
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
a!god5o.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Tixas de ferro, batido fundido e de
cobre.
Alambiques.
Aiados e instrumentos d'agrcultura.
Descaroadores d'algodo etc. etc.
Havendo em ludo variedade de Umanho
desde o menor at o maior que se cestu-
ma emprear.
!li iiuui./,
Vende-fe wanteiga ingleza raudo boa a 900 rs.,
i J, e IJI20 a libra, multo fina, presunto de La-
mego a 803 rs. a libra, carne do sertao a 360 rs.,
inguica fina em latas a U a libro, farello, arco
de iJ'tOO, e o de Lisboa fino a b'JiOO: no pateo
Paraizo n. 20.
xaropeIIoralT
DE
RABO DE TAT
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recommendado as
affeccoes do peito, bronchite chronica, he-
mopse, e tosse chronica.
PREPARADO POR
JOAQIM DE ALMEIDA PINTO
PII.VRMACEUTICO
Pernambuco rita larga do Rosario n. 10.
Explendido sortimento de
Alpacas labradas de cores a 569
Alpacas a 500 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavo ra da Lnperatriz n.
00, vende-se uns pone is de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de caima, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentdos em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
Aos dez mil covados de eassas
francezas
Cayado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
rail covados das raelhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e gra-
dos, assentdos em todas as cores, estas
eassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Espartilhos a 3*00 na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porc5o de esparti-
Ihos modernos com o competente cordao,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3# cada um.
MADAPOLO ENFESTADO A 3*600, S
NO PAVO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 36O0 res, assim como
pecas de algodosinho com 16 jardas
4*500 e 50000 ris.
GRANDE PECIIIA
EM
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
> Na loja.do Pavo ra da Imperatriz n.
00, -vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores ixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os-pannos muito encorpados. e
com os desenhos mais bonitos que tem
viudo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo prego
de 320 rs. o covado, garantido-se estar.esta
fazepda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENQOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A l800
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e alianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez; para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 18$ e 201000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
! 00, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
300 muito bem acabada pelos baratos precos
j de 8, sendo forrados de alpaca, ede
200 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter'comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquidarse
esta pechincha pelos precos cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja do PavJo, na ra da Imperatriz
n. 00, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou lazinhas trans-*
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padros com listrinhas miud-
nhas, que s vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loj* de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se nissimas pegas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 5)5000 at 100000 a peca, assim
como fnissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1)5000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas o janellas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
' lhores e maiores cortinados bordados pro-
! prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12)5000 rs. cada par at 25,5000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer pega de obra, coma maior promp-
tido .* vontade do freguuz, e nao sendo
[
Vende-se terrenos de prodcelo e com
arvores fructferas e prximo a esta-
c3o dos trilhos orbanos do Recife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirigir-se nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Joo de
Barros, e nos demais das, ra da Impe-
ratriz n. 68,
Vende-se um inolcque de 10 annos, ama mu
lula de 10 annos, urna dita de 14, e urna preta de
S9 annos, iodo viudo do malo : ua ra do Fogo
numero ?.
da abrigados a acceita-Ias, quando nao stejam
de completamente ao seu contento, assim como
lar- n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros amitos artigos
propros para homens e senhoras promet-
tendo-se-llie vender mais barato do que em
nutra qualquer parle. Na ra da Impera-
triz n. GO, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
0 atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
<5200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperior a 30200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 4(5500 a dzia e muito
5nos a 8O0O, e ditos econmicos a 3)5500
i duzia.
ALPACO DE CGRDO PARA VESTIDOS
A 1^000
_Na loja do Pavo, vonde-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com dilferentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 1(9000 o
covado.
Movidade \ovt(a GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D^ JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavo, a ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurgures de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de tq/3as
as coras, garantindo-se que na actualidade
Chegod para a loja do Pavo, ra
Imperatriz n. 60, urna grande porco
p cas dejramante com 10 palmos de
gura, senuo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato prego de 10800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicagoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA 0 INVERN
DE 30000 60000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
l de carnero, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se, vendem de 30
at 60000 cada um, em relago s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 30000..
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes decambraia com barras bordadas
e muito finas a 3,5 e 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
avara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegarara para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitaco
de seda, as delicadas odres que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde n3. ^ uma fazenda de mais gosto nem de
assim como, perola, roxo, canna, azul caf. ma's pbantasia do que esta,que se vende por
etc. Veode-se esta bella fazenda pelo ba- PreC muito rasoavel, no estabelecimento
ratissimo prego de 640 rs. o covado por se'de Feux Pereira da Silva.
ter recebidocmdireitura uma grande par- Bbadllhos harat/K na loia
tida superior a dez mil covados, senao -""UUUUtJ didlOk Jld lOJd
seria para muito mais dinheiro, isto na* loja
e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
Vestidos com dnas salas a
Chegaram paia a loja do Pavo roa da
Imperatriz o. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 20$)00 na loja de
Fei Pereira da Silva.
do Pavita.
Vende-se uma grande porco de baba-
dinhos de todas as larguras, sendo om os
babados verdadeiros, por uma terca parte
do preco que se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim Como tambem se vende uma
grande parte d'entreroeios, pelos mais li-
mitados prego para acabar, na loj r*e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
*a Qimabs
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis
lain
Tintura indelevel para fingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida deGuis-
lain que ento era desconhecda em Per-
oambuco, j hoje estimada e procurada
por seu eflicaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeilo e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta uni-
damente de vegelaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem'
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessaiio fazer conhecer, que
o bom resultado produzdo pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, mis sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o flm desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer .cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimadon. 8,
~X Aguia Branca, contando com a protec-
fo de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo o explendido sortimento
que acaba de reeeber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e oraco, obras de apurado gosto e perfei-
?o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros'em alto relevo.
Ditos com ditas de marflm igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, oulros i m
tando charo machetado.
Ditos cora ditas de marroquim cora cruz
e guarnico, dourada ou plateada.
Coras e tercos de cornalina.
A
ssiin como.
e helio sortimento de leques
js de raadreperola, madreperola e seda; 5^ ^3**&%%
Jalo, sndalo e seda, OSSO, OSSO e seda, una hand.'ja pintada do encarnado, com qi
Grande
todos
sandal
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de ceirente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, c seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto. '
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
e os PRODIGIOSOS
Aunis e collares Royer para cranlas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas ceslinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de tranras de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
Yondc-se estopa para calafeto a 3J200 : na
ra da Senzala Nova n. t.
00^1
008
00*5
OOQlfS
08
00^1
ooe
ooon
006S
005
005
008
b aiapoo cjcd ooc op saojog
........opjisa.v
op umjqap catid cjij op suaoj
.....souanbad sojia
........ epeanop
eampioui uioo sopucjS soipdsa
oaad opoj 'tuao op scaauny
suapjo g sajaxjoD uioo ogueo
c Btznp scp.nrf oos op equiq
* B 0J8|[O0 BJBd SBJtipBOJOqV
.........B B1Z
-np suomoq BJBd ssnja seaw
........80^I
'008 'OO sojtatp tuoo sodsbjj
b oqund BJBd soojoq op sojbj
soboi caed soauBjq so^uaq
eipgj bjuij moa sbjbjjbo
091 B EJnoi cp saojeq op bzojo
00f| cup.ip tiiSe moa bjbjjc'j
O00# 008 'OOi "009 'oos
b soioui-aJi'ia o soqutpuqca
0*;5 oooeObl "001 '08 P sap
-cpi|Bnb se sepo] op ojouoqes
0?c '? esoqeq op oaio moa soosbjj
09 ''........B seP
-jcfoO'; uioo Bijuff op spnavoM
OOS-J Jeqjoq BJEd scquij op sejin
091 o sj ooi c ciuii utbo sooscjj
OO .....'" sequ.
o BJnjsoo BJBd scjnosoqi
0?CT ........* B SBU
-moui bjl'J bsso.\bj? op SOJUOd
006 c cjtopBpjov J0A1J
eiuo|03 op cnSc raoo soosbjj
ESCRAVOS FGIDOS.
?- Acha-se fujrida ha oito mean a preta e*-
crava, de nngo, de nonie Maria.rinn O annos de

com
que
fugio : pratiflra-se bem a quem a appreliender e
leva-la a rna Imperial n. IOS:
FUGIO.
Acha-se fgida desde da 21 de junho
prximo onssado, a escra va Antonia, de idade
de 40 annos crioqla, com os signaessegaic-
les: cor preta, oios pequeos, falta (je
dentes na frente e quando oira de revez,
levou veatdo de cassa branca cum'palmas
rxas e chalo preto de fil: quem appre-
hender leve ra do Cabug n. 6 que ser
generosamente recompensado.
BelLirmino
Fvadio-se do cnpenho Harneas, na comarca de
Porto Calvo, e no dia 18 de maio do corrente an-
no, o cscravo Bellaimino, cabra escuro, de Idade
de 28 aunes, alto e ecco do corpo, sem l>aiLa, ps
grandes, tem estado nesta eidade, e o seu maior
passno pelo bairro da Boa-Visla, pode ser iue
elle se encaminhe para a freguezia da Escada,
onde foi elle criado, e conliecido : quera o pc-
gar a levar ao referido engenho. ou nesta praga,
na ra da Cruz n. 51, Io .indar, recebera boa gra
tificago. .
.segurases sodJd sopd sopBJ
B{09p oxiBqB so^oafqo so opuBUianb ^sj
!rnvH0dim mmm osmomv
3Q
tiK(iiiKi ara Yfi
si Maviaift oa vm-
\wn\m
MEKCO DE B0KB4
Vojitlc-se un fraecos
DE FGADOS FRESCOS DE BACALMQ ^ fr*cM tri.ngu-
lares, phaimaci Hoce,
2, ra de Casglioue,
em Paris.
ki eonlrarae^Aea, os oleo* pardos, d'cni clioii-o 0 loninnsirOT f uas com otos
eixet countiuiu, la<>s como u Ui/ua', a arruia, o iw<-a, a lito, us uiens Jos armadores prscadores.
r nicsmo o oleo* reijetau, diados para .ulwtituir os vcrdadelroa leos de Hgadoa
lr<-Meos de Itaetdito de Tcrra-Xoia. Dslrs leos commuits ou seos socoedancos sio
oblata na iiid'istriu pi.r pitaos mu baisos, ciu quamo ijue oj verdadeiros leos de flgado de bacalliio
frasco so rolaiivamente inuio caro, visto que para obtol-os fresrot e sem mistura, cumpre exercer
i-randevigilanria e ler os maiores cuidados nos proprios tugaros das pesca, assim como manda faier
Mi llogg desdo o annu de 1840. Estes Ico puros de llaoalhno d> fcrra-Kova de Hoga
- mcdicameiuo urna faina universal as molestias do peito, ai afle-edet
iin i^ra este precioso
(irnfufosaselymphaticas, a magieta dos meiiittos,<2tc.,o por isso.deram lugar a nociva
iiiiiiaroes.
'Nota. O oleo de Hogg mu fcil de digerir, disnguo-se entre os oulros leos pe tat
cor de palha, o eo cheiro suave e delicado, e seo gosto de sardinlta fresca.
KELATOrUO fuvoravtl do clH'fc dos trbalas cliymicoa da FACLLDAMkDE MEDICINA DE
1 a BIS conclue como segu: O oteo cr de ueMaVas M. Hogg ootUem uma^frea parle dt arla-
laioe *e os nialt do que os oleo pardo* c nao aprsenla algum dos inconvenientes que m
PA
elalu-
irnora uestes, quanto ao cnetro t sabor.
. \'e>de-ae eaa (odas ata pharaiaclae si ITrajsca dos paizea eatraae!roa.
Fugiram no dia 2i do passado nuz, 2
escravos dos enge^iLos Conceiro c R-
bela do tormo SiTinliaem, pertenceote um
ile (tome .lcs, ao major Manoel Gemiano
Bezerra Pereira de IJastos, o outro de no-
meLaiz, perlenccnte ao Dr. Jo.- Eupotiio
da Silva Ramcs; o primeiro tem os signaos
segointes ; com .'10 e tantos annos de idade,
ciiiiiilo. baixo, cheio do corpo, cor fula,
resto redoudo, tem marcas de eticte as
costas c as nadegas, levou camisa de.ris-
cadinho verde j vellia, c;:lca c jaqueta, c
cnapo de bata ; segundo crioulo, idade
20 e tantos annos, estatura regular, liern
preto. rosto clieio, beicos grossos. olhos
grandes e abolucados,' cachaco grosao, com
marcas de chicote as costa,' sobre as cus-
tellas do lado direito, levou camisa de ris-
cado do algodao, com grande remend as
costas, seroula de algodo de sacco. e uma
copa de chapeo de palha sem abas.
Estes escravos oram comprados b um
auno ponro mais ou menos, na eidade do
Recife. Quem os pegar queira apreseota-
los ao Dr. Joao da Silva Ramos, na eidade
do Recife. que ser bem recompensado.
Do engenho- Linda Flor, fugio no dia
:t0 do junoo, o escravo pardo de nome An-
tonio. Roga-se as autoridades poticiaes, o
capites de eampo, sua appreHcriso. Jul-
ga-seque o dito escravo tomara a direceto
da provincia de Alagoas (Colonia Leopoldi-
na). Qncm o aprehender ou quizer com-
pra-lo ou mesmo interceder para que nao
seja castigado (o q>ie de bom grado se at-
tender) pode manda-lo ao dito, engenho
Rom Destino, junto ao povoado de Troro-
beUs, nesta praca n. 20 ra do Liviamcno
ou no sitio n. 4 de S. Jos do Manguinbo.
Escravo fgido
Fugio no dia 2 do julho o cabra por nome F-
lix, comprado lia dias do n;e/. pausado ao Sr.
Eduardo Pereira de Souza, de Agoa Branca, termo
de I'ianc, cuiii os seguimos signaes : cor catira
escuro, idade 2o annos estatura regular, cheio do
corpo, cara larga, mal encarado, olhos fundos, e
quando olha 6 de revez tem falta de tientes no
'ueixode cima, sem barba, falla descancada. le-
vou chapeo decouro, calca de brim pardo, ranii-.i
de algii(lao7.inho, dizeni ijiie vai^em dircecio ao
sertao. Fugio mais no fia 24, 8 mulato Martinho,
idade 40 annos. sito, cabello pintando, barbado,
um tanto amarello, anda a titulo de procurar *-
nhor, foi comprado ao S? Lniz Barhaltio Caval-
canli, morador no tugar PSecca, prximo Tim-
baba, on S. Viente, dlzem que anda procurando
senhor por onde elle foi escravo. levou cairel de
hrim, camisa de chita, chapeo de "chile velho:
quem appro.hender estes uus escravos, leve-os tu
casa do abaixo assignado. ra da Imperatriz u 42,
que ser bem recompensado.
Jos Lopes Alheiro.
No dia 15 de juubo passado, fugio da
padaria allema (segundo avisou o respec-
tivo dond), onde eslava lugado, um mula-
tinho escuro, de nomo Justino, com 13
para 14 annos, baixo reforcado, gago, i
Ihas grandes c um pouco viradas, trajava
camisa de algodosinho e calca de brim
grosso cor de rap custuma quando foge
nculcar-se como forro ou o phao ; consta
que tem estado em Olinda. a serviep do
alguem, para onde fra eoder pao de
leite em uma cesta pertencente q Ha
daria : qwem o aprehender queira leva-Jo
ruad'Aurora n. onde ser recompensa-
do. Roga-se as autoridades policiaea qua
bajam de diligencia!- a apprebenso delle.
-
NOVA N. 80 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os proprielarios Jos de Souza Soares A
C, alm dos barau'ssimos precos por que
eslao vendendoj grande vari, lado de aiti-
gos de moda c novidades de bom gosto,
tanto para homens como para senhoras
meninos, vendem: f|
CHAPEOS ;i moda ilTnJTenal. de castor
branco para homens, fazenda fina, a iOlf
(o preco li000).
CO0JPE8 enfeitados para noivas, grande
novidade a i->500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo .le seda imitaco de Cbellos
a 35 c 3*500.
MEIAS superiores inglezas para firmen*,
a duzia de pares 7:5SOO (o preco de 90
a 10,5000).
LEQUES de madeira sem differenca de
ndalo a 2-5000 e 35O0, (grande pechin-
cha !)
DITOS rom lentijoulas a 3->'e ;>CC0.
RAItAI.HOS de caitas francezas boa la
zenda. a 200 r*.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
qoene e fazenda superior, um pacotc por
1,^000. l
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade em Paris) a .
i>"i00 e .''OTO.
DELICADOS coi pinlios de cambraia bel-
lamente enfeitados a 0/550* rs. (admira o
preco!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado *jbsto que
se vende por precos baratsimos
No Bazar da Moda.
r\




II.




Diario de Pernambufco Sexta feira 9 de Julho de 1869.
!
ASSEMBLt 6ERAL
CMARA DOS SRS. DEPTADOS
SESSAO EM 9 DE JUNHO
PRESIBUiCIA DO Sil. V. BK ( AMARAGIBK.
(Cmitiumco.)
Su. F. Rki.isaiuo: Trata-se de trans-
formar.
O Sr. Soiz.v Ukis:--E o mesrao.
Se, com efleito, a medida quu se prope
est compreliendida nos caaos estabelecidos
na le; das desapropriaces, para que o arti-
go auditivo '? O governo esl no seo d-
reilo difgiudoata|qualqticr ordott religio-
sa e diieiiilo-lnW J vos no pertencem
taes eaes bns. porque a utilidade publi-
ca, assim o exige ; verificada na forma da
ei, nao precisas por certn o addivo. Mas,
desde que se pede urna medida como esta
que se discute, sem duvidajpie se entende
que o caso nao de desapropriaco.
Assim Sr. presidente, pens ter demons-
trado ; primo, que o additivo ataca odireito
de propriedade das ordens regulares; [se-
cundo, que com elle se fere a canstjtuico
do imperio (apoiados); e por conseguidle
se esta angusla cmara adoptar semelhante
additivo, adopta urna medida inconstitucio-
nal. (Apoiados).
Agora algumas palavras sobre a conve-
niencia da conservado dos bens das ordens
regulares.
Sr. presidente, infelizmente carregam as
ordens religiosas com a impntarao de admi-
nistrarem mal os seus bens e at de os
dissiparem ; mas, pergiuito : isto deve de-
terminar a inconveniencia de continuarein
as ordens regulares os bens que ellas pos-
suem ? Com. tiles mnsmos nao tem elhis
prestado muitos e importantes servicos ao
Estado? Esses grandes beneficios, que
alias foram commemorados p lo nobre mi-
nistro 4o imperio, recordando os nomes
venerandos de Vieira c Anchieta, deixaram
as orden* regulares de prestar por culpa
dellas?
. O Su. Affonso he Carlalho : Quem
at certo ponto o res|>onsavel 1
9 Sk. Suiza Rkis: O governo.
Udaes eram esses beneficios qae presta-
vam as ordens regulares ? Ao culto, por
muitos meios ao seu alcance : civilisaco
no interior do nosso vastissimo paiz, por
mei de missionarios ; .i educucao Iliteraria,
com toda a razao muito preconisadas em
todos os tempos, por meio de collegios
regularmente organisados. Mas, senhores,
para que assim procedessem as ordens re-
gulares, o que era essencialmente necessa-
rio ? Homens educados segundo suas re-
gras, as casas instituidas para este tira e
em numero sufliciente para que pndessem
praticar taes benelicios. (Apoiados.) E
quem tem sido a causa de se ter reduzido
esse numero, at. o ponto quasi de j nao
existrem esses distinctos vares das ordens
regulares ?
O Sn. S. Mendes: Sao os avisos que
prohibem a admisso de novicos, contra a
constituicao.
O Sr. Soiza Res:Sem davida alguma ;
e a prova disto, Sr. presidente, est em
que. lendo havido esses avisos ou ordens
do governo em tempos passados, o que
causou o primeiro abatimuito das ordens
religiosas, nao sci se, por espontanddade,
ou porque nimos bem intencionados e
muito interessados.pelo bem do Estado ti-
vessem despertado ao governo a convenien-
cia de continuaran essas ordens, foram sus-
pensos os avisos prohibitivos por algum
tempo ; e, pelo menos com relacao a mi-
aba provincia, uosso dizer que foi isto de
bom effeito. O convento do Oarmo do Re-
cife, par exerapta, como que de repente
creou novos tatelas da reglio (apoiados ;
muito bem), sob os auspicios, sobre as di-
ligencias ilo virtunsissimo e sempre lembra-
do Sr. D. fre Carlos de S. Jos, (pie de-
pois foi hispo do Maranho.
O Sn. PoaTEi.i.\ .-Apoiado.
O Sr. Soiza Res: A ordem carmeli-
tana do Recite se restabeleeeu, c assim ti-
vemos, como aind tomos hoje, distinctos
religiosos.
Ms logo depois novas ordens em contra-
rio, o ah temos o proprio convento do Car-
ino do Recife reduzido a bem poneos des-
des religiosos que vieran de novo em apoio
da religio e do Estado', porque j a morte
tem roubado os outros.
Na ordem do Carmo da cidade do Reci-
fe (en posso dize-lo sem medb de ser con-
tostado, no duvidando citar nomes, por-
que a justica c a vendado mandam que o
faca) ainda mostram seu zelo pela religio
e ana -dedicagao ao Estado fre Jorge de
Sant'Anna Locio, frei Erico, fre Joaquim,
padre-mes)re Lino; e se recorda o nome
de froi .Moma e de outr s que com razao
fazem desperlar.o desejo de ver continuaren!
as ordens religiosas em todo o seu antigo
espleodor.
O Sn. Porteli.a: Apoiado.
O Sn. Soiza Res:-Nao poderei talvez
apresentar exemplos desta ordem em outras
provincias, mas estou bem convencido que
os ha. e que se esses avisos do governo
tem podido amorte #er as ordens religiosas
em geral, nao tem todava conseguido apa-
gar a memoriadaquelles que as Ilustraran
ioraaudo-as dignas de ser commemoradas.
(Apoiados).
E agora, pergunto: se tantos benelicios
prestavam as ordens religiosas; se este-,
beneficios nao podiara ser prestados sem a
communidade. que nao existe em numero
.-ule'^nte de religiosos, por cansa das or-
dens prohibitivas, pde-se aceitar o aug-
mento que foi laucado nesta casa, de que
as ordens religiosas j n3o prestam os be-
neficios, para que foram instituidas? Mas,
efuvida que nov (Apoiados).
O Sn. S. Men'des:E' impossivel.
O Sr. Alexcar Aiuru'E : as condi-
ces em que ustao nao prestam.
O Sit. Soizv Res : Mas o nobre de-
butado nao me contestou que o estado, a
que se acham reduzidas as ordens religiosas
antes devido ao governo do que a ellas.
(Apoiados). Portanto, meu< senhores, eu
uid as*Oi ijobre depilado .peto 5''
districto do minti provincia, nr pedido
que fez aor governo para que cuide, tanto
quanto fr possivel, d- restauraras ordens
religiosas, para que ellas prestem os ser-
vicos relevantsimos que o paiz inteiro
reconhece que ollas, preataram sempre, em
lodos os tempos. (Apoiados).
Eupoderia, Sr. presidente, com relacao
a servicos das ordeas religiosas, ao espleo-
dor mesmo, que ellas apresenlavam na
pessoade seus mombros, como oradores
sagrados e como masares, apresentar ex-1
mulos i j-, mas para que
ze-lo, se todos nos conhecemps os dis-
tinctos oradores sagrados, sahidos das
ordens religiosas de nosso paiz, em todas
as provincias ? E nao temos visto como
em geral se lamenta hoje, no a falta abso-
luta de oradores sagrados, porque os tem
o paiz, mas que no naja a abundancia que
delles hviaeai outros tempos f Eporque?
Porque elles tinbam as suas casas colle-
gios por tal forma regulados e de tal modo
dirigidos, Aue preparavam efectivamento
esses distinctos oradores; e nao erar sar-
ment es que se dedlcavam vida reli-
giosa que se aproveitavam dos servicos,
que, por esse modo, prestavam essas or-
dens, eram tambem os seculares; cesta
casa mesmo teve oradores muito distinctos
que receberara sua educarlo" lirtcrnria
nesses collegios.
Um Sr. Deputado:At algans tem sido
ministros.
O Sn. Souza Res:E no seria to con-
veniente que pudessem ainda as ordens re-
ligiosas piestar servidos sememante ?
Mas onde vao eas ver religiosos em nu-
mero para restabelecerem os importantes
collegios de instrueco de outr'ora ?
Sr. presidente, sobre a pretendida incoa-
veniencia da continuado da propriedad as ordens regulares fez-se urna consid-
raco que nao poderia ser apresentada sm6
por quem tivesse o desejo de abaie-1.
O que quer dizer, disse o nobre depatado
pelo Paran, os homens que se, dedieam
aos negocios da igreja fazerem o papel de
mercadores ?
E onde vio o nobre depatado que aquet-
les que compoom as ordens religiosa fa?atn
o papel de mercadores ? Por posswrem
casas? Por terem escravos ? Isto, por]
certo, n3o os faz mercadores. (Apoids>
Mercadores! Pois alguem pode confrtir-"
dir um mercador com o possuidor de casas
e escravos ?
Quantas pessoas nao ha, que por suas
profissoes nao podem ser mercadores, mas
possuem casas e escravos ? Quantas n3o
ha cuja poscao social incompativel com a
* Sala das rommisses. 15 du jnnhn d
*8tU. Gamillo Fijiteire.^Joio Menda.
L-w, e va a imprirnir para entrar
em discusslo cinco das depois, ta forma
do regiment, o seguiote parecer :
A %.* OmmissSode poderes e\aminou
as actas da cleico primeirt da" parochia de
(Jnebrangulo, pertencrite ao collegio da
Assembla do I.* dstricto da provincia das
Alagas. Naj encontrando irregularidade
no processo eleitoral, fe pVecer qtfe sej
approvada a dita elcicll).
a Sala da c mmissao. 10 de junlio 4?
-8(9. Conde de Baependy.A. M. Perdi-
gao Mafheiro.CamilloFigneire-lo^Fontet.
Casado.Porlella.
-Procede-se votacao do parecer da i."
contmfesSo de poderes sobr as eleicCes db
varias parochias do l., .-e 3.a districtos
da provincia de S. Paulo.
O'SR. CON>E DE BAEPENDY pede .que
se vote'separadamente a parte dojpareeer em
que se trata da parochia do Jabrticabal,
pOrqs tendoj sido presente cmara as
actas desta parochia,'e havendo a commis-
sodado hontem parecer appr)vando a suaj
eleico, torna-se desneeessario solctar-s
de novo aquellas actas.
O S. PitAsiK.NTK deelara que tomar enk
considerarlo este'pedida.
O-parcccr approvado enjambas as par-
tes, menos no qu diz respeit* parochia
do Jaboticabal.
Procede-se votai;5o do parecer da 2>
cimmissao de 'poderes sobre as eliifoes
primarias d variasp.irorhias do i., i.. :t.
i. e ii/ ilistrrctos da provincia da Babia, c
approvado.
' Bbtra em 2.1 dscusso,'e approvado
sem-debate para passar a 3.\ a proposta
do govemo, coirrerlida em projecto de !ei;
utoriJfandoo ministerio da justica a trans-
portar do .* para 12 do art. 3.# da
4-ti. I.K07 de setemlwo de 18*>7 a quaotia
de 40:0005 para oceorrer no actual exer*-
cicio s despezas com o corpa militar di
policia.
O SR. MOGO VELHO pedo dispensa do
profiss3o de mercador, e possuem- casas e intersticio para que o projecto seja dado para
escravos? ja ordem do dia seguinte.
allir-
O Sr. Bittencourt: O escravo c urna
propriedade legalisada no paiz.
O Sr. Souza Res : Eu quizera poder
ver aceita urna medida que tendesse a re-
guiar em geral a administraco dos bens
das corporacoes de mo-morta, mas nunca
de maneira que fosse ferir o direito de pro-
piedad; alguma cousa se tem feito nesto
sentido, verdade, mais ainda existem em-
baracos, mesmo as nossas leis.-
Ao governo, Sr. presidente, nao faltam
meios para levar ao animo de cada un
desses, que tem a administraco dos ben&
de corporacoes de mSo-morta, conveni-
encia de converter todos os seus bens ou
parte delles em apolices da divida publica.
O Sr. Mello Moraes: E nem elles se
oppem a isso.
O Sn. Souza Res : Assim, em vez d
estarmos aqu, em urna lei de orrameuto
apresentando medidas como estas que se
discuten), de elevacao do imposto e cresci-
mento progressivo al ao ponto de acabar
com a propriedade, ede alienaro dos bens,
para que a conversio em apolices se elfctue
Consultada a-cmara, resolve pela
mativa.
Entra em ^.1 discus.so e approvado
sem debate o projecto autorisando o gover-
no a mandar continuar e concluir as obras
do melhoramento do porto de Pernan-
buco.
O Sn. ArcrsTO df. Omveira pede para
que o projecto entre immediatamente em
2.a discussao ;.e sendo a cmara consulta-
da resolve pela affirmativa.
Vm mesa, sao lidos, apoiados e en-
tran conjuntamente fm dicusso as emen-
das seguinte :
O governo auxiliar com a quautia de
100:0005 as obras do dique mechanico pro-
jectado oo paito da Babia.Araujo Ges.
'Junqueira.Taquesiiahia. Affonso
do Carmllio Mmo .\toraes. Casa 'o.
Cicero Damas.Martim. Pedernetras.
O governo autorisado a despender
at 2 pensaveis do porto do MaranhSo. J-tnsen
d'i Puco. Gom"s (/' Castro.liaro de
Anajatnba.C. Alendes de ilmeida.//.
Vem mesa, lido, apoiado e entra era
discusslo o seguinte requerimento :
< Requeiro que o projecto v commissao
de astatistica. Prannos Jnior.
O SB. CRUZ MACHADO faz algumas ob
sarva'ces.
Vem me*, lido, apoiado entra con-
juntamente eA discsBo o sefttinte addi-
tamento :
Ssra prejuizo da discussao. Cruz
Maetifidn.
A discirsso ftca addiada uela hora.
ORDEM DO DIA.
Contina a discussao dos artigos ad-
d i ti vos olTerecids >ropo>ta do orcameoto
do exercicio de RHW a 1370 na parte re-
lativa rej'-eita geral do Imperio.
O SR. PEREIB V DA SILVA : Peza-me
dize-lo, senhores. mis compro um dever,
e nad posso ftirtir-me ao seu desempeirho.
53o tantos e'to variados os artigos addilivos
propostos pela l*commisS3) duorcament,
raaterias to gravgk ifrlles se r.omprehen-
dem. questTtes da niais elevada ordem e
subida importancia ah se encontram, finan-
cas do paiz. systo-nij de imposir.rn, aug-
mentos e mi lMicn-.-s do tributos, autori-
saf6 para emprostimos c consolidado da
divida ptiblici. e nlr-etaoto nenbum delles
recebeu at aqur as ITonras di dis'iiss3o,
achando-se esta t56 adiantada : e um s, uift
nico artigo alditivo, tem levantado celeu-
ma estrofldos, tem suscitado opposicas
vehementes, tem oceupado a3 aitenijcs
dos oradores!
B qnal esse artigo, senhores ? o de
menor importancia na opinioda commisso
oque traa apenas de urna providencia ad-
ministrativa, o que era um imposto mais
pesado sobre os bens e propriedades das
ordens regulares d9 que os pagos pelos
particulares !
Bastn a idea, a palavra, talvez, or-dens
regulare*. Como a faisca levantou n incen-
dio, e o trabalho da commiss3o foi appeT-
lidado de insidioso, e o artigo elevou-se
altura do ataque religio catholica c
apostlica romana ; da ollensa constitui-
cao poltica do Imperio, de hostilidad aos
mongos recolidos solido dos seus con-
ventos. (Apoiados.)
preciso, pois, que a commisso restabe-
leca o sentido verdadeiro da sua proposta,
restaure o pensamento disvirtuado da pro-
videncia oue lembra, e d interpretacao
autentica ao desgranado artigo, tai injusta-
msnte anattiematisado. Impuz-me esta ta-
refa na qoalidade de seu relator, o espero
reconduzir a discussao toda ao seu terruo
proprio e simples, afastando-a dos desvos
inconvenientes e das eminaranliadas cir-
curastancias em que foi envolvida.
Insidioso o artigo da commisso Eis
a palavra que primeiro me resoa aos ouvi-
dos, e que escapou aos arroubos enthusiis-
ticos e religiosos do digno depulado pela
provincia de Peroambuco, que inieiou a dis-
cussao e levantou a lula contra a providen-
cia pro posta 1
Insidioso o artigo da commisso I Duro
foi de ouvir to cruel acommoiiimento !
dentro de um certo prazo; em vez disto. Grwpav Vieira da SUttt.
seria muito mais conveniente que esta au-
gusta cmara iniciasse um projecto em que
facultasse a venda dos bens de todas as
corpuraces de m3o-morta, para que, as
que quizessem, os vendessem sem depen-
dencia de licenca do governo, urna vez que
fosse applcado.seu producto em apolices
da divida publica ; e clo o governo que
empregasse os meios, que Ihe nao faltam.
para convencer a essas corporacoes que!
devem converler os seus bens em
da divida publica. ('Apoiados).
Eis o que tinha a dizer a este respeito e
peco desculpa cmara por ter-lhe oceu.
liado por tanto tempo a sua atten?3o,
(Muito bem; muito bem. o orador
cumplimentado).
A discussao lica adiada pela hora.
Dada a ordem. do dia, levan a-se a s4b5o
s quatro horas da tardo.
r>r.
SESSAO EM 10 DE JUNHO
presidencia do sn. visoo.nde
CAMAUAOIBE. .
Ao 1/2 da, taita a chamada, vei iica-se
haver numero sufficiente, abre-se a sesso.
L-se, e approva-se a acta da antece-
dente.
O Su. Io Secretario d conta do seguinte
expediente
Um offico do ministerio do imperio, tran-
mttmdo as autlienticas da eleico primaria
a que se procedeu as parochiis,de S. Cuiz
e de S. Borja, pertencentes ao 2." districto
da provincia do Rio-Grande do Sal.A' 3.n
commisso de poderes.
Outro do ministerio da agricultura, com-
mereio c obras publicas, remetiendo o
requerimento em que os Regocian -
Steplien Busck e o engonhiro An-
dr Reboticas pedem aulorisaco para or-
ganisarem tima companhia que tetilla por
lim construir no litoral das euseadas dd
Saude e da Gamboa docas de iinpoi'tara > e
exportaco ligadas directamente por vias
frreas ao caminho de ferro de I). Pedro1
II; e bem assjm um npparelho de popara-
c3o de navios, segundo o systema qV Elwtn
Clark.A' commisso de obras publicis.
Um requerimento de Brnesto Adolpho
de Andrade Braga, pedindo para ser ma-
triculado no l. anno da faculdado de me-
Fica o governo autorisado a despender
pela mesma forma a quantia de U0:O0Ojl,
para melhoramento da barra de Itapemirim
Silva Nunes.Fcm-
Pica o governo autorisado paradesjen-
der at a quantia de 20:000com a deso-
bstruccaodo porto de Paranagu, na pro-
vincia do Paran. -M. F. Correa.Dias da
Rocha.
Fica o governo autorisado a mandar
apolices i desobstruir os rios das Velhas e de S. Fraa-
cisco, c a exeeular as obras darte, neeessa-
rias navegaco dos mesmos, podeado
despeuder at 3,O00:OO0:>, dentro do prazo
de seis aunos. Pinto Moreira.Barros
Cobra. Camillo Figuciredo.Gania Qjr-
qitcira.J. Capam-ma L. Carlos. C.
Murta. Benjamn.
Fica o governo igualmente autorisado a
despender pela mesma forma l,200:00;>,
durante tresannos, como caes da cidade do
Rio-Grande e excavado e melhoramento do
<-anal da Sarangonha.Bittencourt. Fer-
wtudcs Braga.J. EvangelistaN. S. J/iki-
to.A. A. G. de .[zambaja. Ptderneiras.
Silva Nunes.
me/o da lra*hsmis?ao, que se repetira mai
fcilmente cj.ii as luranca, legadjsou coa-
tratos de venda (apoiados), ao passo qae
melhor garantido ficaria com a existencia de
apolices transferiveis em poder dos con-
ventos", qu!r para o caso de se acabar aor-
der e ter de volver aos cofres pblicos o
espolta, qner para deparar mais uno depo-
sitario dos1 fundes puoticos, um crelor que
n3o o iicoimnodaria. (ApoiadosJ
0 iiroprios conventos, ganluriam muito,
nao s porque de certo a renda proveniente'
das apolices, alm de mais ceata e segura,
seria mais subida, muito superior do certo
que actualmente Ihes dao as suas proprie-
dades, co.u) miis fcil dd obrar, exigido
menor trabalbo de administraco, e menor
Irrigo de ser consumida e malbaratada.
(Apoiados.) Acresce ainda que havaria mais
moratidade as aJministrar;?ies. porque com
a renda certa das apolices n3a poderiam
prevaricar, como o fazem com os bens qu
arrendam com contratos leoninos, com re-
servas dceultas, com secretas negciaees
(apoiados,), e, o que mais, deixarlam" os
uiongs de intrometler-se em trabalhos de
administrado e em arranjos mercantes, ade
n3o sao os mais proprios e convenientes
vida religiosa, dedcala" a oecupacSss es-
perituaes, a estudos conTemplatitos," e
venerncHo constante de Deus t
Ha as nossas leis a permssSo, a auto-
risaco para essa permuta ; ha no governo
desejos ardentes de promove-ia ; mas appa-
reee sempia por parte dos mosteiros tima
resistencia tenaz, preferindo sempre a con-
tinujc3o de urna administr?c3o dissipada,
relaxada e tenaz, que tem conservado em
seu poder a propriedade malbaratada.
Que fazer em presenca destes fados ?
Deixa-los praticar-se impunemente, e pro-
gredir o mal, sobr<*carregando-se os con-
ventos com onus de de dividas, a maior par-
te fantsticas, estragando o qae possuem
a titulo de propriedade ou usufructo ?
Obriga-los a vender ? Se a commisso
adoptasse este parecer, razao tinbam do so-
bra os defensores do stato qm para acoi-
ma-la de olfenlero direito depropredade,
garantido pela constituicao poltica do im-
perio. Nao o adoptou a commisso, res-
peitou o direito do proprieta-io, ou o do
usufructario, como queiram chamar o con-
vento. Logo como accusa-la ousam os no- h
bres deputados de atacar a propriedade e
de infringir a constituicao ? (Apoiados.)
Lembrou-se, declaro-o com lisura e leal-
dade, lembrou se a commisso de um meio
indirecto para conseguir o desejo que nu-
tria e atlringir o fim a que se propunlia.
Creando um imposto quer sobre os -bens
urbanos, quer sobre os bens rsticos, quer
sobre os escravos pertencentes s orden* Oriento.
religiosas, e indo anmialmeote crescendo
esse tributo, obter pelo interesse que os
conventos, vendo diminuir os crditos das
sua- propriedades, tratassem de permtalas
por apolices, para fim de se garanlirem artes ?
eom urna renda mais segura e mais pro-
ve tosa.
Eis ahi definido e explicado claramente o
esteja S. Exc. revestido das ordens eccl-
siajticas.
E ser deveras um ataqne religio do
Estado, e urna olTensa 3 igreja catholica.
pretender que approve o corpo legislativo
brasileiro o additivo da co QinissSo. antes
que do Vaticano venha a reforma das or-
dens monsticas, o do futuro concilio'ecu-
menieo desea urna medida que imparta
cobro pessima e estragada administraco
que commettem nos bens e propriedades
dos c inventos, como o deseja o nobre de-
pntado por Pernarabuco?
Fallou-se igualmente em espirito hostil e
perseguidor aos mongos. Ab I meas se-
uhores, sempre que se me abrem as pagi-
nas da historia brasileira, sempre que me
sussurram ao entendimento os feitos passa-
dos uo Brasil, lembro-me, lembro me com
adniiraco, com gratido, dos servicos re-
levantsimos que, em primeiro lugar, os
jesutas, e depois as outras ordens religio-
sas, prestaran] antiga colonia de Portu-
gal. (ApoiadosJ Como brasileiro, como
homen sensivel, n3o deixarei nunca de en-
comiar aquelles que atravessavam desertes,
transpunham rios caudalosos, inlernevam-
se uo interior do paiz, fallando aos gentos,
e trazendo-os para a communh3o civil e
para a relig3o de Christo, expondo-se as
settas dos selvagens, e a fome, e a sede e
aos trabalhos de peregrinacTies dsconheci-
das, e perjgosas (apoiados1); aquelles" que
entendam m3o caridosa a miseria, a po-
bresa e ao desvalido, sustentando em soas
cercas familias numerosas infetizes; aquel-
les que se interpunham entre a autoridade
e os opprimidos, entre os poderosos e os
iracas, para se oppom a vio! ncias, epou-
parem vingancas e perseguicSes; aqaelles
que nos seas claustres fazianl florescera
sciencia. as letras e as artes, repartindo os
seus thesouros por toda a populacho colo-
nial, ensiuando-o corno se edifica vam os
edificios de pedra ede livros, searavamos
campos e os morros, e se adorava o verda-
deiro Deus, cuja santa religio a essencia
sublime do espirito humano (muito bem);
aquelles que, sendo iguaes para o colono,
para o genlio e para o escravo, davam o
eiemplo das virtudes primitivas do chris-
lianismo, civilisando e doutrinando as almas
com a maior abnsgaco, porque professa-
vam a pobreza, vivam de esmolas e nSo
accumulavam propriedades rendosas c nem
se oceupavam as administraco mercantil.
(Apoiados.) Por isso foram sempre res-
petados no seu tempo e s3o elogiados na
historia esses padres venerandos, muitos
dos quaes hombrearan com os antigos sa-
cerdotes da igreja do Occidente e do
Mas como posso responder-lhe sen3orepel-j pensamento. Nao o oceulto, e nao pode
merecer o epitheto de insidioso. (Apoiados.)
E porque nao -tem querido os conventos
at aqui vender seus bens e receber em pa-
gamento apolices da divida publica, que Ibes
dao renda certa e superior que tem ?
Porque desgraciadamente, n3o o esconda-
mos, faltara s administragoes um meio de
enriquecor-se custa dos conventos, mal-
baratando e dissipando 03 bens e proprie-
dades com negociarbes lesivas e prevarica-
Coes escandalosas.
Fica igualmente ogovarnp autorisado a
'1.'.-pender a quantia de 00:0005 *nntiaes
com o melhoramento e excavapSo do por-
to da Puraliyba do Norte.A. S, Carnero
da Cuidia.A. J. Ilenriqae*.Diogo Ye~
Iho.ll. de Mamanguape.Assis Rocha.''
. Fica autorisado o governo a mandar
proceder ao levantamento do Reoife do |>or-
is da capital do Cear, oua qualquer outro
melhoramento que julgar mais conveniente,
podendo gastar annualmente a quantia de
1^0:000^000.
As obras podero ser feitas por con-
trato, ou por qualquer outro modo que o
mesmo governo julgar mais conveniente.
T. Alentar Ararlpe.l). J Nogu&ira Ja-
ymribcJustino Domingos da Sikii.J.
de Aleen-. t. F. de raujo Lilia.K-
gneira de Mello.Dbg Mello. Manuel
Fernandos Vieira. Domingos Josa Pinto
Draga.
O SR. PINTO MOliElRA faz aigunws ab-
servafoes.
Vem mesa, lido, apoiado, $ entra
em Jiscussao o seguiuie requerimento:
Requeiro o adiamento da presente dis-
diana da corte, fazendo antes do acto o ,cusssao at que seja ouvida sobre o.proiec-
exame do preparatorio.que Hie falla.-.V t 0 emenda a opino do ministro da fa-
commissao de instrueco publica. ida P Moreira ,
Outro de Manuel Ignacio de Ccqueira
Leite, pediodo ser admiitido matricula do
I. anno da faculdade de S. Paulo, obri-
gando-se a fazer os preparatorios de arith-
raetrea e geometra qiie Ihe faltam, antes de
fazer o exame daquelle anno.A' mesma
commisso.
Outro de Maree! ino Carlos Pinto, pedin-
do o lugar de guarda das galerias'desta c-
mara.A' commisso^de polica.
L-si'.e api rovado stm debate, o se-
guinte requerimento:
A commisso de assemblas prov'uiciaes
requer que se pecara > ao governo copias
das leis provinciaes d que tratara as con-
sultas das seccoes do imperio do eonselho
de estado de 29 de outubro e 11 de no-
yembro de 4868, a saber: do Piauliy, que
impoe laxa de esportaco.sobre os produc-
tos da provincia do MaranhSo,
o sr. Augusto de oliveira : sr.
presidente, eu n3o terei duvida de votar
pelo requerimento de adiamento seo no-
bre deputado quizer admitir uma emenda
que o projecto entre em discussao logo
qoe se apVesente o Sr. ministro da fa&enda
ua casa.
O Sn. Pinto Moreira : E isto mesm
o que peco.
O Sn. Aeotanro de Oi-iveip,a : O nobre
deputado pede informacoes ao ministerio da
fazenda.
O S. Pinto Moreira : Nao, sflpbor ;
at que seja ouvido o ministro da fazenda.'
O Sn. Augusto de Oliveira: Bem ;
se al que venha o Sr. ministro da fazen-
da, pela minba parte estou promplo a votar
pelo requerimento de adiamento.
Winguem mais^pedindo a palavra, e pon-
lindo com energa o ataque, que ofrende a
inlenco sem o menor fundamento, o attri-
btie ideas inenoa nobres. e que nao pode
adivinhar, porque poriencetn ao intimo da
consciencia humana, se;o explicando o
pensamento verdadeiro e simples qoe diri-
gi a commisso na proposta do artigo ?
Senhores, nao do hoje que nasce a
idea de procurar a autoridade civil conhe-
cer o que se passa na administraco dos
bens e propriedades. das corporacoes reli-
giosas. Desde que se undou o imp;rio
brasileiro se falla, se trata,,se cuida de sa-
melhanie objecto. Diversas leis existem
elaboradas por espirtos avisados, e que
foram sempre respeitados no seu tempo
como sinceramente religiosos, oceupaodo-se
todos em restringir a expans3o e dcsenvol-
vimento das acquisicoes de taes bens, em
estabelecer os meios do usofruclo, c em
crear sobre as propriedades das ordens re-
gulares onus m iores, tributos de dcima
mais pesados, do que sobre os bens parti-
culares.
E porque isto, senhores ? Porque
umversalmente sabido que em geral nem
una administraco publica 011 particular
leva as lampas as duas ordens regulares em
abandono, em deleixo e em relaxaco : o
proprio nobre deputado pela provincia de
Pernambuco, que em primeiro lugar esnsu-
rou a doutrina do artigo da commisso, se
vio constrangidoa confessa-lo : nao ha quem
o ouse contestar, a nao ser algum ceg, e o
.peior ceg o que nao quer ver. (Risa-
das.)
Examinando-se os relatnos do ministro
da justica, quando a esta repartico peotea-
jiam os najocios ecclesiastcos, os do mi-
nisterio do imperio, depois que Ihe passou
a parto relativa s questoes religiosas, quei-
j xas constantes se notam, fados escanda-
losos se noticiara, praticados cora os bens
e proj)"edades das ordens regulares, pro-
videncias severas se reclamara do poder le-
gislativo para por cobro aos abusos e mal-
versacoes corame'ltidos a miado pelos admi-
nistradores dos conventos.
Por vezes se tem levantado vozes no seio
da, representaco nacional, ora exigindo do
governo fiscalisai;o rigorosa, ora propondo
que se obriguera as ordens regulares a per-
mutar suas propriedades por apolices da
divida publica. At boje, porm; nada se
tem infelizmente provjdenciade.
A i* commisso de oramento deliberou-
se emfiia a oiferecer caraira uiaa medida
tendente a melhorar essa malfadada sjtua-
Co. Entendeu-se cava o Sr. ministro do
imperio o concordou com elle na soluco
principal da materia...
0 Sn. .Ministro no Imperio.: K ver-
dade. -
e do orca-
mento do 1807 da provincia do Para. Assim! do-se a votos o requerimento, 6 approvado
tambem a oolleccfio das leis provinciaes de Entra em f* discussao o projecto, es-
Pernambao, prodigadas no auno de 1887 tabelecendo limites entre as provincias de
sobre as quaes versa a consulta da mesma secco de 3 de dezembro de 1868, e que 0 SR. PABAKHOS JNIOR faz algumas
fa- [nao se acaa m archiva esta camitra. observa^ries.
0 Sn. PfiREin.v da Silva : Comprehen-
dia a commisso que o lim que deveria ter
era vista, era o que a utilidade publica e a
propria conveniencia dos conventos recla-
mara. Consista era conseguir que as pro-
priedades das ordens regulares rusticas e
urbanas e seus escravos fossem vendidos e
convertido o producto em apolices da divi-
da publica. Esta providencia trazia as tres
seguales e importantes vanlagens: bens
que pouco ou nada produziara, e at muitos
abandonados sem cultura, esem o mais pe-
queo |aprovetamento, passavam assim a
mos de novos proprielarios, que saberiara
arraaear do su seio e do trabalho efficaz
mais proficuos resultados e mais favoraveis
productos, com o que a prosperidad 1 do
paiz se desenvolvera. (Apoiados.) O Es-
tado, quer sa considerem proprietarias,
Juer apenas administradoras e usufructa-
las as ordens regulares, o Estado alcan-
zara coa a aUeuacSo maiores rendes por
Se portanto. e sraenie um imposto
que a commisso prope sobre os bens das
ordens religiosas, e nao outra medida, para
que se arranca a quosto do seu terreno
proprio, que saber nicamente se u'il
ou injusto o imposto lembrado, so proficua
a providencia ? Sim, senhores, este o
verdadeiro terreno do debate, e nao outro.
Convela ou nao ao Estado, ao paiz e aos
pruprios conventos que se adopte esta idea?
Tem ou nao lera o poder legislative o di-
reito de lancar tributos sobre quaesquer
bens pertencentes a todos quantos porlen-
c3o communho brasileira ? Nao lera
estabelecido impostos pessoaes, imposlos du
profissoes e oflicios. impostos de dcimas
impostos de sello ? Oeu-lhe ou nao con-
fero-lbe a constiluiro esta aj]|buico, e
at como prerogati.va da camarados depu-
tados ? Eis a qoesto tnica para o debate,
toda pratica e positiva !
Por que. poisrf!i;un;ir-se contra o projec-
to a constituicao do Imperio ? Para que
acensar os membros da commisso de of-
fenderem a religio catholica ? Onde trama-
parece na medida proposta o menor lam
pejo de faltar aos dogmas, ddescooheeer a
autoridade da igreja romana, de atacar os
direitosdos ministros da religio !
Considera.a constituicao privilegiados os
monges e os conventos, "para que o poder
civil nao possa tributar as suas propriedades,
quando faz cahir pesados impostos sobre as
de todos os cidados brasileiros ? Nao
liaveria ento a doigaaWade, que con-
traria a todos os principios ? Como se di/,
que espoliaco ? (Apoiados.)
Nao ; s bens dos conventos nao sao
privilegiados ; esto sujeitos, como os de
todos os cidados brasileiros, aeco do
poder legislativo para atraa tributados.
Accresce qae se o Estado nao fizer pesar
sobre elles maiores contribuicoes, perder
muito pela immobildade e perpetuidade da
propriedade, quando os bens das cidadi is
a cada momento rendem suculentos recur
sos ao thesouro cora as transaccoes repe-
tidas de propriedade, c nao ha nesta- pra-
ticainjustica, nao : nenhum paiz heje mais
religioso do que a Franca ; ha l muitos
bispos ultramontanos, e que talentos, que
vultos, e que influencia at na sodedade
civil. Entretanto, os bens todos de corpo-
races de mo-morta pagam om Franca
annualmente de tribntos 02 0/0 s.dire as
suas rendas. E porque augmentamos mais
6, ou. 8 ou 10 0/0 sobre o rendimento das
propriedades dos conventos, aecusa-se-uos
de pretender a espoliaco ? (Apoiados.)
Pinta-se o Estado como ahjoz", o monge
como victima, e entrega-se a causa decla-
raaco poelisada para produzir effeito, em
vez de se descer anaiyse pratica e cri-
tica arrasoada da medida pcoposta !
Atacamos a religio do Estado Grave
aecusaco, que nao foi poupadaaos membros
da, commiss3o, a homens que era toda sua
virla particular e publica se mostraran res-
petadores das autoridades da igreja, forta-
lecidos de f robnsta nos dogmas da reli-
giao cayholioa.' Sob este nonio de vista
parmitta-nos o nobre deputado por Pernam-
buco que Ihe no cedamos a palma., poato
Hoje, porm, observa-se o mesmo agra-
davel espectculo ? S3o os conventos os
santuarios da sciencia, das letras e das
Sao a inorada das virtudes evang-
licas ? Prolessam a pobreza>-e vivera de
esmolas-.' Nao ha ordens que possuem ri-
quezas copiosas ? Hasta abrir o relatorio
do actual Sr. ministro do imperio para se
saber que a ordem dos Carmelitas possue,
s na corte e provincia do Rio de Janeiro,
IG. fazendas, 116 predios, 820 escravos,
e tem urna renda de 84:500. A ordem
Benedictina,.tambera s na corte e provin-
cia do Ro de Janeiro, arrecada uma renda
aoaaal de mais d ()0:O00lO00.
A quanto dever subir esta somma,
quando notorio que as demais provincias
do imperio, na Babia, Pernambuco, S. Paulo
Maranlio, Para, s3o quasi incontaveis as
propriedades e terrenos destas duas ordens
ricas excessivamente, e que com tamanha
renda sustentara apenas mea duzia degra-
des, e que se coovertessem em apolices
essa imuensdade de bens, proporco que
fi'ssem adiando compradores, ao quadru-
plo 011 menos, attingiria a renda que pos-
suem (apoiados), e esses bens* seriam mais
bem aproveitados o lucrativos em maos que
os nao desbaratassem ?
Nao quero, nao, senhores, tirar os olhos
dopassado e dirigi-los para a situacao ac-
tual dos conventos: emquanto elles lpou-
sam smente na historia,"nutro grande sym-
pathia. profunda veneracafc por essas ordens
religiosas, que ojuntavam s Inzes c ao
saber profundas virtudes apostlicas e se-
lectas, e sabiam sacri(icar-se pela pobresa,
pela fraqueza. pela miseria, porque profe's-
savara n3o ideas de posees de riquezas, mas
abnegaco sublime e pura do mondo ma-
terial e dedicaco exaltada para as c rasas
divinas e para o bem da himianidade.
(Muito bem.) Os scalos marchara, mu-
dam, senhores, com as circunstancias, com
os novos interesses, com as ideas mesmo.
O que foi ptimo em urna poca pode nao
aproveitar'a outra era, e nos somos filhos
do sculo em que vivemos.
Diz-sc : mas cumpre antes rehabilitar
as ordens regulares do que lesa-las nos seus
interesses. Eu taco igualmente votos
para a rehabilitacomoral das congregaces
monsticas, mas como alcanca-la dexando-
as gara; mal os seus bensr esbanjar seus
rendimentos, compromeiter suas proprie-
dades, entregues a solido s, sem exigir
qafi easiaeni, que cunipram seus deveres
sagrados, que se espalhem pelo paiz a der-
ramar luzes, que se nao empreguem em
tratos mercantis, e, purada a sua renda erji
apolices, garantida a sua ordem, que ps-
sam dedicar-se a alta e santa misso que
Ihes incumbe f Com maiores rendas que
Ibes daro as apolices pdero praticar
ma'ror copia de obras de caridade, de soc-
corros e de esmolas, que declarou o nobre
deputado por Pernambuco que elles.CQm,-
mettiam incessanteraente, e a pobreza e
a indigencia genharao mais de certo. (Apoia-
dos. )
Nao so tem iutenci.d espoliaros frades
modernos das riquezas que adquiriram,
posto que as primitivas instituices mons-
ticas, os primeiros, sacerdotes christos, re-
c -mmendyam a pobreza como necessaria
a,os servos da Deus, c mais bello e pra-
senteiro espectculo ver passar. o frade
mendicante, vivendo de esm las, misUiran-
do-se cora o povo. pregand-Ihe as doaVinas
da f, robusteceodo-o ua moral o provaa-
do-Ihes sua abnegaco polos bens do nvm-
lo, porque s os do cu pertencem as a|m#s
puras, do que olhar para as pompas e lu-
xuosidades dos commctos ricas, e para
mea duzia de monges rendimentos fabu-
losos !
5
(Coniinuar-ierh),
TF. W> WARia-tl A DAS (RWESI. [4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESCBIZA9Z_C774J2 INGEST_TIME 2013-09-14T01:07:22Z PACKAGE AA00011611_11885
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES