Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11883


This item is only available as the following downloads:


Full Text
t
ANNO XLV. NUMERO 151.

PARA ? CAPITAL E LUGARES 8E IA6 SE PAGA PORTE.
Jar tres mezo abantados.................. g^OOO
w 8 ditos idem..................., J2000
Por um auno idem. -.............. 4 Cada numero avulso.............. (jjq
DIARIO DE
OWRTA FEIRA 7 DE JULHO DE 1869.
<
PARA DEITRO E TORA DA PROVUCIA.
Por tres mezes adiantados...............
Por si s ditos idem.................
Por nmidilos idem................
Porumanno..................
67SO
13.W0O
27*000
r.
Propriedade de Manoel Figueira de Fara & Filhos.

-

i i \ SAO AE1TB:
06 Sr*. Gerardo Antonio Alves d Fnos,nojtr i G*&I ves Pato no Maranto; Joagu.ni Jos de Oh reir, no Cear; Antonio de-Lomos Braga, no Araortr, Jo*> Mara tato Omves, no Ass; Antonio Marones da va no Nato) Jos* Jm**,
Pere.ra dAlmdda, e lineal^> AMorn Andrino de Lina, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Beform.no dos Santos ButcSo, em Santo Arttao; Domingos JortT(2uft tos*Bw
em Naiareth; Franciao Tawes da Costa, em Alageos; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Bio de Janeiro. *
PARTE OFFICIAL.
V
da |m?lMla.
MSPACHOS DA TICW UMIMWWIA DO DIA 3
DT. Jl'LHO DE 186!)
Abano aseig fiado moradores no termo do -Gra-
nitoO Dr. chefo de polica J providencio no
sentido que requer o supplieaote.
Antonio Abrslro Marinho Percira Santos.Nao
t*m lugar o qne requer em vista do que dispoe a
portara-desla presidencia de 2 de Janeiro do cor-
rente -auno.
Abaixo asignados proprietarios e moradores da
freweeia de Mnribera, povoaco do Loreto, Picda-
de,'Venda Grande e CandelasInforme o Sr. ine-
pector da thesouraria provincial.
Pelieiano Jos Gomes. Expera-se ordem no
sentido que requer o supplieaote."
Gaspar de-Menes Yrweoooelkis de Drumniond.
Informe o "Sr. inspector da Ihesouraria pro-
VRift]. ,
Jos Cavalcanlide Albuquerqne.Informe o Sr.
insjwclor da Ihesouraria provincial, ouvindo o do
consulado,
Jos Augusto oe Araujo.Informe o Sr. in?pe(S
torda theionraria provineiai.
Lniz- Francisco Vleira de Luna.Pague-se.
Manuel Soares Pinfceir*.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Manoel Alexandrino de Santa Luzia.Em vista
das informacoe?, nao lem lugar o que requer.
Manoel Jos do Espirito Santo. Informe, o Sr
coronal eoinuiaodante superior da guarda nacional
'le 01 inda.
Trajano Austriclauo da Costa. Informe o S*r.
Dr. juiz de direM-dftcomftrea-~de Caruar, ouvin-
do o juiz municipal respectivo.
PERNAMBCO.
ASSEMBLA. PROVINCIAL.
SESSO RDIXAMOEM II DE JUNHO.
1'RKSlDENi.lA DO Sil. .U,IS*0 LEAO.
Ao meloda, feila a chamada, arham se pre-
sentes os Srs.: Samuel Puntual, Jansen de Cas-
tro, Oi|aU)H da Silva, Avies Gama, Jos Gitira-
111. Hisbello, Andr Cavalcanli, Gaspar Drum-
mond, Arminio Ta*ares, Amynthas, Amara! e
Mello, Emigdio Marques, Lopes Machado, Ermiro
Goutinbo, Tiburtino Nogueira, -Eduardo Pina, Ci-
cero, Miguel Amorim, Augusto Lean, Columbano,
Hacellar, Dar) de Una, Felisbno, Reg Barros e
Soares Rrandao.
Abre-se a sesiao e lida e approvada a acta
da anterior.
O Su. i* Sicarrantd da canta do segunte :
BXFiDllTI.
Um offlcio do secretario do governo, communi-
eando que o Exm. presidente da provincia resol-
vcu prorogar par mais dous das, as sessdes desta
assembla. Inteirada.
O SU. G. DIU!.Vf.MO\'D obtendo a palavra faz a
leitura do segunte parecer :
A commissao. encarre;jada de examinar os
estabelecimentos de cardade, cargo da Santa
Casa da Misericordia, e propor as medidas con-
venientes mclhorar lies estabelecmentos, e bem
assim a reparar o seu estado fmanoeiro, vem offe-
reeer nae-uH ido do sen trabalho.
Hospital-de Pedro II.
. t O arl. 79 do compromisso, entregou este es-
tabelccmento drocelo das irmas de cardade.
Grande numero de mennos all sao rccolliidos, os
quaes encontram recursos para o seu curativo,
alimentarn rejiular de aceordo com as prescrip-
eoe* medicas, o conveniente vestuario, os seus lei-
tos esto preparados com limpeza, c as roupas
por cites iraziJas, c as que sao fornecidas pelo
i ubulecimcnto, aeham-se recelhkJas um quarto
especial, e com as precisas desigoaeoes.
A capelia do hospital est decentemente or-
nada.
A oamsaao examinou todo o edificio, desde
a cosinlia al o ultimo aposento : vio o lugar des-
tinado para deposito dos que falieecm no hospital,
c nesla occasiao al I i se achavam dous cadveres,
dando um testemunho de verdade tem declarar
o seguinle : que os Mdaveres se achavam devi-
daraeole amortalbados, leudo loebas accesas junto
a urna e havoado na salla do deposito a BMtgssn
do senlior crncicado.
t A coi8inis8o.-pw)eureu saber "D destino qne
Htpital dOS (iftMNfM.
< Notou a commisjao a pequea txten^ao desse
estabelecimeoto, e a falta de accommodafas para
os infelizes all recolhidos; entretanto parece-lbe
2o efles b bem tratados pelo acta! regente
niz io Reg Barre*. A capelia o estabeleci-
msnlo esl preparada coso mpeza.
< QMIrg^o dos -orpluios.
t Parece a commissao que a rasa onde funecio-
na o eolleg'o dos orphao?, nio tem as precisas ae-
comoda^oes.
Os orplios nao foram encontrados vestido,
com a mpeza que era para desejar, e, segundo
consl commissao, nem teem adi|uerido o apro-
veitamento preciso nos sstndos primarios e na mu-
sica; no entretanto a nova direeco procura re-
mover estas difnculdades.
CoUegio das orphes.
Encontrou a commissao a melhor regulari-
dade possirelras orpltas empregadas no eudo,
e as costuras, bordados etc. etc., e todas ellas
vestidas eom limpezaro yestuariQ toda guardado
em lugar especial, e com dealanac5es precisas ; a
capelia'preparada com decencia e asseio, emlim,
tudo alli revela ordem, asseio e regnlaridade por
demais invejaveis.
De exposto v-se e coneiue'se o segninte:
1." (jueo hospital entregue direccao e cui-
dado das irmaas de caridade administrado com
o maior zelo possivel, tratados os doenles com o
maior desvelo carinho, raramente imitado; que
alli tudo se eneontra em ordem a minorar os ma-
les, e a mr-lhurar a sorte dos individuos que pe-
dem o auxilio da raridade publica.
f 2. Que os collcgios e casa de expostos, en-
tregues a direccao das irmas de caridade, tor-
na in se nota veis' pela ragsriaridade e orden qne
neltes se eneontra, sendo de mais a mai?, ments
dispepdiosos para a Santa Casa de Misericordia,
que ootros nao dirigidos por essas filhas de S. Vi-
cente de Paulo.
3.' Qne seria para desejar e produriria van-
tajosos resultados, se o hospital dos lazaros fosse
entregue a direccao e cuidados das irmaas de ca-
ridade.
4." Que de extrema necessidade que se or-
ganice um regnlamento para punicao das expostas
e orphaas, ^ne se tornam rebeldes aos reclamos
das superioras, encarregadas de dirigMas.
5." Que se evite a permanencia das expostas
no hospital Pedro II, e que se nao determine para
alli a remoeao das que se chain na. casa do Pa-
nizo. A commissao leve sciencia que a junta
administrativa ordenara a remoeao de urna oxpos-
la deste eslabelecimento, para o cllegio" dos or-
phos, afim de evitar que se desvairasse por
a piel le que, por mei > de cartas e versos procu-
rava conduzi-la a devassidao. Este alvitre jalga a
eommiso acceavel ; e, assjm, cnlende que para
este lugar deveni ser desde i, remettidas as fl-
uas dos doenuu faHeeidos%u hnw^twl Pl ils M)
dispensadas unieamerte as que sao necessarias
para o servico interno deste eslabelecimento.
6." Que os livros da escripturacSod'esses es-
tal>elecmentos sejam rubricados pelo provcdor.ou
elle
alli se arham, bem
multo saber
prender s criminosos qo
coma m\ otros lugares..
()|. Ji^tmwi-.Estimo
disto.
Agora, Sr. presidente, aproreitando-mo da pala-
vra, nao quero fMrder..a opperlatdwde que se me
olfereee para expender o meu mudo de paasar
acerca do estado yolico do paiz. Assiin proce-
dendo, nao tenlio a pretencao de fazer um discur-
so, nao so porqne sonrelhante tarefa esl cima das
forcas do deputado que oceupa a tribuna (nao
apoiados), como.lambem porque paroeeria temci
ridade depots do modo bn liante per que foi aqu
estar o bomem livre, trabalhando por stni proprio
wleresse e vi vendo sombra da liberdade, tiran-
do deste slo ulmrrimo tudo quauU) elle pode dar,
ahi eneooirareis o desgravado captivo, arrastando
as-vezes una eadeia, outras vezes-cavands a Ier-
ra, impedido p,jlo latego do feilor, con as carnes
dilaceradas e amal*coando aquelles, que o fazent
tanto soffrer.
OSn. Amaral e Mello :Tudo isto verda-
de ; mas a que attribue esse estado de eou-
sas?
O S. Lopes Machado :Vamos
conclusio e sobre tudo o remedio.
agora ver a
encetado o dbale pelo nobre deputado pelo i dis-! .0 Sr. E. C-iutikho :Ni) est em minhss focas
triete fr-ainda briihamemenfe continuado pelos ^indicar o remedio. Levanto a pona do veo, que
oradores que o sueceeram.
O Sr. Soares JJhanoao :E bondade do nobre
deputado.
O Sa.E. Guwkho :Ouv, Sr. presidente, eom
profunda attenco o nobre deputado pelo 2" dis-
triclo vi com magoa o quadro por elle ileseulia-
do ; e vi com magoa csse quadro, porque infeliz-
mente licou perfeilamente-. demonstrado o estado
deploravel a oue tem ehegdo os negocios polticos
em nosso piz. Ao orador que eneelou o debate
succedeu o pobre deputado pelo 3' districto, va-
lente campeao e esforcado paladino das ideas con-
servailora-nesU recinto. Desde logo, Sr. presi-
dente, comireltendi que o nobre rollega nao esta-
vacm po^rfio tommoda ; desde logo med todas
as difflculdades eom que tinha de lutar S. Exc.
Mas tudo confiando do vigor de sua inlelligeneia e
energa de sua palavra .sempre eloquente, ancioso
aguardava >a oiu-asiao de ouvi-lo. Chegou essa
occasiao, e, Ciim pesar o declaro, fiquei to-
mado de sorpreza ao ver que e nobre de-
putado fleava qaem daqulo que com justo fun
damento delle se esperava. (Apoiados). O nobre
deputado, a quem me rufiro, nao defendeu o seu
partido, nem podia defende-lo. S. Exc. arrasara
at este tapete todos os ministerios que se sucee-
cobre as chegas, cure-as niem puder. Em visti
pois, desse deploravol estado de cousas, o que res-
ta ao brasiteiro que nao tem fortuna ? Duas con-
tinuo a pensar que no programma filla-se de po-
voacoes e nao d* termos.
(Trocam-se muitos apartes.)
O Sh. E-CmniiHo:A eleicao directa 'MCns-
sariapor toda a parte ; mas justamente no in-
terior do paiz onde- ella se faz mais urgente. Nae
capilaes o cidado ordinariamente mais-conhe-
cedor de seus direitee; as capilaes aacce'com-
pressora da polica nao so faz tanto sentir; as
capilaes a imprensa fsealisa de perto os actos do
governo. No intoror o contrario de tudo isM>-: o
povo, ordinariamente mais ignorante, quasi sem-
pre vil-lima da presso e da fraude. Eis porque
eu acbo incompleta a parle do programma que
me refiro.
Eu quizera ver a eleco directa por toda paste.
Qnzera inesmo que, imitacao de alguns paizes
lvres, s volasse quem soubesse lr ; porque,
-------------------^------ .uu. II ~- "- ....w., rfw ."..l.-.'V 'filil ...>HI". .. I^-l UI'ItlOT,
sas seolwres, o campo de bataluaque faz viuvas e! sennores, o dircito de votar em um cidado anal-
ospnaos ; e as repartieres publicas, que fazem
nitias vezes miseraveisf As reparticoes publicas
que abrem-se aos amigos e feeham-se aos adver-
sario. E o que o empreado publico no Bra-
sil DesgraMjl, delle se tem crticas polticas I
Sobe um partido, liberal ou conservador, particu-
larmente o conservador, que naturalmente o par-
tido das vngancas e que inaugurou ltimamente
o systema das restituieoes.
O Sr. G. DnusiMOND :Nao apoiado : ahi nao
concordo com V. Exc.
D Sr. E. Coutinho :Sobe um partido, dizaeu,
s-u priueiro cuidado procurar a grande li la
dos empregados pblicos, e, sem mais exame,
sem attender-se ao mrito dos individuos, sem qne
se procure saber a que estado lica reduzido aquel-
le a quem se rouba o pao, leva diante de si o
que o machado pode derruba-.
Muito erabora entre a miseria onde reinou a
abastanra, muito embora cn're a vergonha onde
phabeto urna illuslo. homem que nao sabe
lr nao vota, leva para a urna una cousa a que
chamam chapa, sem ter consciencia do que vai
iazer.
O Sr. Abminio Tavares :Vejo que o nobre de-
putado esl muito longe do nobre deputado pelo
tercero districto, (Trocam-se apartes.)
O Sn. E. CouTiiHo :Certaraente estou muito
looge : caminhamos para pontos muito diversos.
O Sr. G. I Irimmo.m) :Todava esta muito mais
perto que o nobre deputado pelo primeiro dis-
Meta.
O Sn. E. Coutinho :Eu sou monarebista sin-
cero e dedicado ; mas, a bem mesm > da monar-
chia, quero as reformas que me parecem a vlvu-
la de salvaeao para olla e para o paiz.
Vou concluir, senhores, fazendo votos para que
o partido liberal, que se acha to solemnemente
comprometido com a opinio publica, nao aceite
poder sem o firme proposito de operar as refi r-
missos, horneas doris, sempre promptos
a cabera ao menor aceno que venba do
deram no dominio progras8ista. O nobre deputa- subir ou descer, qnando llie praz. Embaixo ho-
do exhibi aqui urna colleccao de fados pralirados
pelo partido ileeahido ; cantou hosannas ao gabi-
nete de Di de julho, e d'ah quiz concluir S. Exc.
que a nao do estado navegara em mar de rosas e
que os timonciros eram dignos de louvor.
O Sn. G. Drummond :Creio que disse mais al-
go na cousa.
O Sr. E. Coutinho :Abasos delronte de abu-
sos, erros en face de erros! Infeliz panfilo aqifelle
sempre morou a honra. Por cima de tudo isto, ms urgentemente redamadas pelo paiz.
senhores, o vulto do poder irespousavel, que faz Inaugure o partido liberal urna politiza de priu-
mens su
a eurva
alto.
(Trocam-se muitos apartes.;
O Sr. E. Coitino :Eis, senhores, porque eu
censuro os partidos ; eis porque eu digo que nao
devenios olhar para traz, seno para envergonhar-
nio-nos do passado e condemna lo__ para sem-
pre.
o Sr. Gonqalvks da Silva : Intcndo que o par-
(A-
que estando no podar invoca os erros de l^rntem
para jnstiHcar-so dk> erros delwje ; mfelii paiz tido liberal nao tciu de que seenvergonhar.
onde taes seenas se riipresentam ; porque revelan j poiados.)
o estado de degranacao a que tem cliogado a poli-1 O Sn. E. Coiti.mio :I"so muito bonito, meu
lica. (Apoiados). Agor.% senhores, sefosse possivel rollega ; mas consulta que lhe diga que nao a
collocar na posigo do nobre deputado pelo 3 dis- | a terdade.
trido aquelles que to brilhantemente aecusaram O Sr. Go.veAi.ves da Silva :E' verdade pora.
o partido, que esl na governanca do paiz, talvez (Apoiados i
luia>_seiu eom as mesmas dillleldades c iiaoei. U Su. E. Goutisho :Eu quizara ter Qipwr
seliissenr-innito bem. (ffao apoiados). I res, que em relacao aos partidos polticos no lira
sil, a linguagem de quem aecusa quasi sempre a
lingtiagoiu da verdade.
O nobre deputado pelo 3o districto, Sr. presi-
dente, qnando aecusou, disse verdades que eu ac- j
que ninguem pnder. de boa f, recusar.
eejto e
O Kirtii:
estou em erro. Eu me. dara por sa*istito dmm
desmentido solemne ; mas infelizmente eu digo a
verdade.
Senhores, o partido liberal tem erros em seu
passado ; elle composto de hoiueiis <. vos sa-
bis que o erro urna lei fatal que pesa sobre a
por qualquer outro rhenlbr da junta por
designado, sendo a CscrlptracSo feita com a maior
regul.'iridade possivel. Ofkrlido liberal tem erros graves em seu passado. I bumaiiidade.
7." Quoesta assembla, por lei especial isente. Um Sr. Deputado : -Nao sao seus. O Sh.Goxi;ai.\ ;:< da Siuva :Isto dfferonte
quer as expostas qer as orphaas, que se liabTljpi O Sr. E. Coutinho :Fora mister ser ceg ou mas o partido liberal nao tem de que se envergo-
tarem ao magisterio primario, da' apresentaro de estar dominado pelo espirito vertiginoso das pai- j nhar.
folhas corridas outras atlesiacoes e documentos xoes partidarias para nao cenhece-lo. O Sr. E. Coitxiio :Sr. presidente, quando me
exigido pelo regulamento de H do maio de 1853,
substituindo ests documentos" por dclaracoes da
junta administrliva.
Que diversas obras devem ser j ordena-
das.para niel hofamentos dos estabelecmentos
cargo da Santa' Casa do Misericordia sendo as
mais urgeotes as seguintes:
1." A conclusao do ultimo pavilho do liospi-
lal Pedro II.
2." A compra de leitos, colchSes, travesseiros,
mesas, para os dbentes.
3 A compra de gelozias ou venezianas para
as janellas onde'o sol penetra, alim de resguarda-
rem-se os doentes.
4.a A compra de um banco para operacoes
cirurgicas.
-5." Que se "determine a canal sacao de agua
e gaz para o eollegio dos orpbaos, fazendo-se
desde j cumprir o que a respeito d'agua potavel,
e em relacao ao eollegio das. orphaas determinou
esta assembla em 1860.
6.' Que se mande collocar na casa dos ex-
postos, um cano de esgoto para as aguas servidas
e fluviaes.
7.* Que esla assembla conced.i fundos para
pagamento.dos dehito qne-pesara sobre a Santa
Casa de Misericordia, proveniente de carne e me-
dicamentos.
i 8.a Que se augmente a subvenoao em mais
10:0008000 par., que se elTectnem os concertos e
reparos necessarios aos predios perlencentcs ao
patrimonio da Santa Casa de Misericordia. __
Sao estas as infrmaces que a commissao pode
ministrar-vos a repfeito dos estabelecimentos
cargo da SanU Casa de Mheriordia; igual-
mente as medidas que entende necessarias para e
melhoraraento de tae3 estabelecimentos, e para
que regularmente, prestem os servieos para que
sao destinados. (1. Drummond. Andr Cuvnl-
vanii.Gonfalves da Silvo-
so dava rnupa dos fallecidos no bospial, e en-
controu essa ronpa lavada e prompta a fin de ser
entregue ou familia do morto, ou para ter o
destino que a junta administrativa tivesse deter-
minado.
Junto ao hospital Pedro 11. existe urna casa,
desde muito residencia dos padres laxaristas, e
boje pertencente em rnetade do seu valor, aos es-
tabelecimentos de caridade.
i Esta compra foi feita pela necessidade que ha
deste predio, quando mais larde se tratar do pro-
longamtnlo da al va do norte do hospital, e a San-
ta Casa ilispeiideu a quantia do 6:000, producto
dos beneficio das loteras concedidas a colonisa-
cao polaca, cujo producto lli; foi mandado entre-
gar pelo Gur, baro de Villa-Relia.
Casa dos exposlos.
Por mais de urna vez a commissao foi este
eslabelecimento e nelle encontrou ou notou o
ordem maior e asseio possivel.
Nao havia ostentado no vestuario dos ex-
postos: havia, porm.'limpeza, e asseio : a ali-
mentacao pareccu a commissao insufliciente. A
capelia decentenjcnle preparada, ornada do ne-
cessario, rarelao zelo das encarregadas da admi-
nisteao^o daqaella tasa,
-Soubo.'i cpmmisso que urna das expostas cs-
li.r-ra recolida em um (piarto solitario, por mais
de oito dias, pao e agua, por ordem da supe-
riora. rana de caridade, que dirige#csse estabe-
leiiiaealo.: para deseobrimento da verdade pro-
cedeu asi necessarias averiguacoes, e te ve em re-
sultado o seguinle :
1. Que a exposta Filomena desobedecer
y-ma superiora, .chegaudo o seu desrespeito ar-
rancar-llie atca; que emvirtude-de delibera^o
nao dessa irmia snperiora, mas do mordomo do
mez o Dr. AnUnio Hen-ulano de Souza Bandeira,
lora r&p!1 i quarto contiguo capelia,
que allreliivera por tres ou qtiatro dias, receben-
do a alimenUcao commum a todos as outras ev-
postas, fjBgndo eonfessava a ate a commissao, o que
digno de crfdito, porque-a referida exposta, pela
sua presenca denuneiava que com franqueza e li-
berdade fallava, revelando anda a capacidade
para praticar mais do que disseter feito.
, As esposias vestem-se pelo producto de seu
trabalho. *e emprecam em costuras, bordados,
fabrico de flores artificies e ornament is de igre-
ja, oxistindo aHi algunas que se preparan) em
em aula especial para o magisterio primario.
Hospital dos lazaros.
E' com sentimento que a eommissao v-se
forcada declarar que o estado deste eatabeleci-
mento .digM de toda a ltenlo.
Mil nSha regularidade um asseio, os doen-
tes quasi vi vem ao abandono, nem-ao menos teenv
os ruejawmif ai mino rarent o sea soffrimento; a
sua alimenucao m, insuaicnta
O regente nao se acbava no e;stabeIecmeljL| vefdaaairamente alearais,
pelo que nenhuma informaeao pode- ser obtida peta*] 0 Sr. G. Dounumd ,:V& Exc. tem-pfestado-to
commissao. I da attatefio aos negocios da Viooa* enatwra
O SR. LOPES MACHADO: Peeo a palavra.
O Sn. Presidente : Fica adiado em vista do
requer ment.
Vai a mesa c apoia-sc o seguinte requerlmento :
t Requeiro urgencia. Lopes Machado.
Depois de algumas conridera?6es do Sr. Lopes
Machado em favor do requerimnto e dos Srs. G.
Drumn-ond e E. Coutinho contra, elle approvado.
Entrando em discusso o parecer, o Sr. Lopes
Machado faz largas consideracoe?.
O Sn. Presidente : A discusso fica adiada
pela hora.
0 SR. GASPAR DRUMMOND requer urgencia
para ser lida a redaccao do projecto deorcamento
provincial.
E' approvada a urgencia.
L-se e approvada a redaccao com a seguinte
emenda da commissao :
Exceptuados as alfandegas.
Continua asegunda discusso do projecto de fi-
xaco de forca policial.
Occupam a.tribuna ainda sobre poltica em-ge-
ral os Srs. Gaspar Drummond, Hisbcllo Amaral
e Mello.
0 SR. ERMIRIO COUTINHO :-jSr. presdeme,
deputado pelo 2 districto c fillida comarca de
Nazareth, que por muitos titules me cara, nao
posso ser indffrente ao que acaba de dizer o no-
bre deputado pelo 1 districto com relacao segu-
ranza individual no lugar denominado Vicencia.
Nao estou, Sr. presidente, bem informado do que
ltimamente se tem passado naquella localidade ;
.mas, ligando palavra do meu nobre coliega toda
importancia quo merece, veuho-desta tribuna cha-
mar a atlencao do Exm. vice-presidente da pro-
vincia para aquella infeliz localidade. -
0 Sr. Pina :Acompanho-o neste pedido.
OSn. E. Coutinho :--Estou convencido que S.
Exc. oSr. vicepresidente tomar as providencies
necessarias em ordem a avilar grttadies males e a
trannuillisar ciJadaos pacficos e honestos, que se
Chain sobresaltMioB com actual estado d*
cofa.
u Sr. Detutado : Siatm-. flidadia aobam-se
l"m Sn. Diputado : E' preciso fazer diffe-
rencas.
O'Sr.E. Coutinho :Pos nao ser verdade que
o partido decahido em 186S, que subi ao poder-1
sob os auspicios liberaes, eneelou infelizmente sua
carreira poltica desfechando um golpe na eonsti-
Ultcao do imperio?
cuquizra antes que
O Sn. G. Drummond :Que elogio!
O Sr. E. Coutinho :Esse golpe foi a aposenta-
dora breada dos magistrados, que deviam estar a
abrigo dsses furacSes, que rahem das alturas.
O Sn. Lopes Machado :E fo1 o partido ?
O Sr. E. Coutinho :A cmara concedeu um
6(7/ de indemnidade ao ministro da justiea, que
ento era o Sr. conselfielro Sinimb'.
O Sr. Loras Machado :Mas o partido acceitou
a responsabihdade desse acto ? (Trocam-se muitos
apartes).
O SrI E. Coutinho :-Infelizmente as cmaras
no Uras.il representa i n sejnpre o partido que est
no poder e nunca o paiz ; e desde que no parla-
mento foi absolvido o ministro, segue-se que o seu
acto foi acceito pelo partido.
Um Sr. Deputado :O acto foi praticado muito
regularmente
O Sr. E. Coutinho :Nao foi, nem podia s-la
desde que era inconstitucional.
0 Sn. Aiminio Tavares :A materia nao li-
quida.
O Sn. Amaral e Mkl'.o : Nesse tempo fallou-se
muito na palavrare.
O Sn. E. Coutinho :'Fallou-se ; e infelizmente
sempre assiin. Senhores, eu nao censuro o mi-
nistro que, recouhecendo talvez a necessidade de
umaeto Ilegal, praticou-o corajosamentep veio no
scio do parlamento recebero seu verdicl. Censuro,
pon'm, aquelles depulados, que, levados pelo espi-
rito de partido, julgaram que o acio era legal.
Bis senhores, como comecou esse partido, qne pa-
reca trazer urna nova aurora para o borisonte
poltico do Brasil.
Sr. presidente, at-1810, at essa data memora-
vel tnhamos partidos polticos definidos; mas hoje
o qtae temos?
O Sn. Lopes Machado :V. Exc. nesse lempo
era muito crianca, v at 1818.
O Sn. E. Coutinho :Quo importa que fosse
crianca ? Ento naolenho estudado a historia po-
ltica do paiz f Repito : at ento tinhamos parti-
dos definidos, hoje o que temos?
Um Sn. Dbputado .Temos bem.definidos.
O Sn. Amtnthas ;Nunca tivemos to bem de-
finidos.
O Sr. E. Cuitinjio :Qual tem sido a poltica
seguida de ento para c? Poltica de intrigas,
senhores, poltica mesquinha, poltica tacanlia de
reposteiro.
Um Sr. Dkputabo :Esta apoltica actual.
0 Sn. G. Drlmmomd Nao apoiado.
, (Trocam-se muitos apartes)
<0 Sr. E. CetwwHo :Sou liberal, senhores, mas
entendo que devo dlaer o que snto, porque amo
estroraecidameiite a minia patria e enlendo quo
ao povo dve-se dizer a verdade em toda sua
nudez.
G. Dsommonb :Nao agrada esta Irn-
OSR. RK80 BARROS ebserva qve tenoVsido
regeitado na se*>ao de bono-n. o anigo ao projec-
to que fixava a forra em 5CO pracas, lhe parwe
qne, em vista do arl. 131 *. rgimen*), nao pede-
ser adimttida a-emenda hoje offerecida c que res-
tabeluce esse artigo.
Depois de algunas consderacies do Sr Sob-
res Brandao e Amfnthas a fiaeussao eerrad
e approvado o psojwto com ;v emenda d eom-
iwssao, elevando a (>rca a 500 praeas.
O Sa. PiuisiDMij: designa a oMtm do *a e le*-
vama a sessao.
SESSAO ORDINARIA EM lf> BE JUNHO.
ramoimu c sr. ahusto lko.
Ao meio-dia, feiu a- chamada, acham-se pre-
semes os Srs.: Jansen de Castro, Goncalves da
biPva, Gaspar Drummond, M Amorim, Lopes Ma-
chad*., Ermiro Coutinho, Augusto Leo, Hisbello,
AraynKws, Reg Barros, Samuel Puntual, Colum-
bano, Emygdio Marques,.I)acell.ir, E. Pftia, Armi-
nio Tavares, Soares Brandao, Avres Gama, Frank-
lin Tavora, Silva Ramos e Tiburtino Nogueira.
Abre-se a sesso, lda-e approvada a acta da.-
antecdeme.
C*Sr. I-
diente.
secretario declara nao haver expe-
levante foi eom a inteneo de fallar pouco : nao
quero extender-me muito, porque estou ineommo-
dando alguns de meus honrados collogas. (Nao
apoiados.)
Parece que me tenh i coUoeado em um terreno
pouco conveniente e reeeo assiin abusar da atten-
? E' urna verdade, senhores. e cao da a^emli! i. (Na i ap.ii.ulos.)
leno fosse. ** Senhores, feita a di-seripc/io da terrivel enfermi-
dade, que devora o corp) poltico do paiz, deixode
mencionar as causas, porque vos as conhe-
u Sr. Lopes Machado : Eu nao sei.
0 Sr. E. Coitinho :As causas sao bem patn-
tese o uobro deputado,. que me boma com seu
aparte, dae eonli e-las ntclli >r do que eu, por
que tem maie habililac i -. lem mais tdade e po-
ltico a ma9jpmpo.
O Sh. Lopk Ma a.vm :Pois posso eu saber a
razan porque temos escravos ?
0 Sh. E. Coctiho :Y. Exe. sabe que c;i n>
fallei ameste em escravos ; para que vem com
isto ?
Em quanto, senhoivs, apoltica entre aOdBe
lor o resultado de crencas firmo*, sinceras edes-
interessadas, cmquanto nao tvermos una poltica
d-'li irsenles mais largos, poltica nova, que nao
se prenda ao passado, mal vai o paiz.
(Cruzaoi-c aparte
0 SfcE. Coutinho :E' preciso que o partido
liberal, subindo ao poder, raatise as reformas qne
o paiz reclama ; as reformas, cujo plano j foi to
brilhantemente esbocado pelos n vn Ilustres ci-
dados, que eonslitem o centre liberal na corte
do imperio. i
O Sn. Lo?i:s Mvr.iivin :Ento, para que pro-
fliga o partido liberal ?
O Sr. E. Coutinho :-*No pode profligar o par-
tido liberal, quem ama, como eu, a liberd ton.
Eu censuro os erros do partido liberal, e lamento
iiuo elle os tenha Hdo.
O Sr. Lopes MxeHADO :Sabe desde quando
data o desejo de reformar o paiz ?
O Sr. G. Drummond :Desde que o partido li-
beral cabe do poder, lembra-se e esquece-se des-
de qne sobe.
Um Sr. Deputado :Porque nao pode*
(Trocam-se muitos-apartes.i
O Sn. Prksidentk : Atten^3o Qa^in tem a pa-
lavra o Sr. diputado Brmirio Coutinho.
0 Sr. E. Coltimio :Infelizmente tem assim
acontecido : o partido liberal nao tem p)ddo rea-
lisar as reformas de que carece o paiz, e o tempo
que tem tido de vida gasta-o em lulas esteris,
que o dividem e dilaceram.
(Trocam-se muitos apartes.)
O Sh. E. Coutjnho :De todas as reformas re-
clamadas, a que me parece mais urgente a re
forma eleitoral, que deve ser complexa, que deve
envolver militas outras para que sa torne urna
realidade e mude completamente o actual syste:
ma, fopte de muitos males para o nosso paiz. Ja
que cliego a esse ponto, senhores, pnrniiia-rao a
assembla que, pedindo vena aos nove Ilustres
estadistas que assignaram programma, eu expen-
da miulia humilde opinio a respeito. Bem sei
que maito arrojo de minha parte ; mas como
cidado, me parece que tenbo o dreito de mani-
festar o meu modo de pensar acerca de materias
da ordem das do programma.
cipios. caminhe desassombrado pela estrada do
progresso e da regeneraco, c nao tema do futuro.
Confie no povo, que elle.-conbeceiido a fonle de
seus males, ha de fazer a luz ; nao MM luz fla-
ca, que empallidece c morre ; mas a luz incendia,
a luz raio, como disse alguem, e e-sa luz ser
terrivel, porque lia de destruir tudo que embara-
zar sua passagem.
Teaho concluido.
Encerrada a discusso appr >vado o projecto
substitutivo que reduz a fon;a de polica a 400
pracas. '
Terceira discusso do projecto n. 8i deste anno,
que corrige o equivoeo dado na copia da lei n.
83i deste anno.JS' approvado.
Terceira discusso do projecto n. 85 deste an-
no, que aulorisa o governo a conceder um anno
de licenca ao professor do Gymnasio, Felippe Men-
ta Callado da Fonceca. K appmvsdo.
A requerimnto do Sr. A. Tavares, foi dsppn-
HtA>y -tntepiicio do projecto de tixacao de forca
policial.
Dada a hora, o Sr. presidente designa a ordem
do dia e levanta a sessao.
SESSO ORDINARIA EM 15 DE JUNHO
l'li :sil)E\eiA DO SR. AUGUSTO LEV)
Ao meio-dia, feila a chamada, acham-se presen-
tes os Srs.: Jansen de Castro, S. Puntual, Tibur-
tino Nogueira, Lopes Machado, Arminio Tavares,
Amaral e Mello. Felisbno, Hisbello, Rugo Barros,
ordem do oa.
Terceira discusso do projecto n. 8$ deste an-
no, que autorisa o governo a conceder um-anno
de licenca com veeimentos-ao professor doGym
nasio, Felippe Menna Calado da Fonceca.E" ap-
provado.
Segunda discusso da emenda offerecidaem
terceira ao projeeto de Axaco de forca policial.
Depois de breves consideracr.es de ordem, foi-
las pelo Sr. Gaspar Drummond e Amynthas, en-
iiria-se a discusso e approvada a emenda.
Suspende-se a sesso.
Continuando os trabaluos sao lldas e approvadas
as redaccoes dos projeclos de fixaCo do forca
policial e n. 8o.
L>se e approva-se a acta da presente sessao.
O Sr, Presidente declara encerrados os traba-
lho, da presente legislatura.
OSn.
guagem
O Sr. Soares Bbanoao :Espere pelas coa-
lusoes.
0 Sr. G. DnuMMOHD :J estincoaimouande.
Trocain-se muitos aparten)
1 Sr. E. -CoTrNHO:Senhores, eu fallo de to-
dos os partidos, porque, todos merecer censuras.
Triste e lamentavel por eerte o estado dente
pikl
0 Sr. Amamal e Mello :Bst muito direito
issa.
OSn. E. CouTuawn-vOiqiadro BwdMtn, se-
nderes. Urna guerra, que abaorye e rouba toda
seivado pauj.,as .flaamjas delapidadas, o crdito
.abalado, o commercio sobrecarregado de impostos
onerosos, *qne 'augmentara todos os dias ; a gri-
cuiura desprotegida e atrophiando-se minp*de
bracos; a lberdatedo cidado merc da vn>H
de caprichosa *$ aguazii d4>*jlwa. E nao tu-
do : percurri osas cautpps mal cultivados; vede
Entendo, Sr. presidente qaa o programma na
parte relativa reforma eleitoral (un pouco de-
feituoso, porquanto propoe eleieo directa para os
povoados que tiverem mais d dez mil almas, fl-
cande vigorando o ystema indirecto para os lu-
gano,'*oe nao estivefem nessas cndlnees. E' cla-
ro, sanares, que os benefieios da reforma se li-
mita**r s capilaes, e que o interior ficar so* a
prestito'-do systema-indirecto ; porquanto os po-
voadul6ra da capilaes, nao teem ordinariamente
a a*oan exifida pela reforma.
1m Sn. Drputado :No.*ogima nao se falla
deipaiadbs.esim de termos.
0 Sb. E. Coutinho :Creio >qw falla >dj* po-
voaaiee.
OU' Lopes Machado !~A n ooiarea tero
mais de dez mil alma*.
va Ramos, Ayres Gama, Cice, Amynthas e Jos
Gitirana.
Abre-so a sesso e lida e approvada a acta da
anterior.
O Sr. 1 Secretario declara nao haver expe-
diente :
O SR. AMARAL EMELLO: Sr. presidente,
convencido dos males que ao paiz tem Teito os to-
rneos que o dirigem desde o da 16 de julho de
t88, eu venho como representante do povo desta
provincia, pedir assembla provincial de Per-
nambuco, que resolva contra o gabinete, contra
seus delegados, um voto de censura e reprova^ao
pelo modo porque teem tratado o paiz, pelos ata-
ques leitos aosdirilosdos cidados, pelos aboso*,
pelos criuies, pelos actos de prepotencia, pelos ac-
tos de dictadura, por tudo finalmente que tem con-
vencido aos Urasileiros de que os homens do re-
gresso querem desviar a uossa patria do caminho
que deve seguir para chegar ao ponto de alean-;
car o dreito de ser collocada entre as naedes li-
vree.
O Sr. G. Drummond :Nao apoiado.
o Sn. Lona Mv-.iiAno Apoiado.
O Sn. Pina :Muito bem.
Vai mesa o apoia-se o segunte requerimnto:
Requeiro que, na acta da sesso de hoje se
tran=cieva o seguinle:
A assembla provincial de Pernambuco re-
prova e censura o modo arbitrario e violento por-
que tem dirigido o paiz, o gabinete de 10 de julho
do 188U.Amaral e Mello.
Ora ni sobre a materia us Srs. G. Drummond e
Silva Ramos.
Vai mesa e apoiado o seguinte requeri-
mnto:
t Proponho que esta assembla nomeie urna
commissao de cinco cidados, residentes na corle
do imperio, para comprimeutar o centro liberal,
lelas acertadas medidas, apresentadas iu seu bem
elaborado programma, com o fim de regenerar o
svstema representativo no Brasil.Ennino Conti-
nho.
Posto a votos o requerimenls approvado.
Delegada, por votaco da casa, ao Sr. presiden-
te a nomeacao dos niembros da commissao, sao
designados os Srs. Saraiva, Silveira Lobo, Salda-
nha Mariubo, Pompen e Luiz Felippe.
O SR. GASPAR DRUMMOND justifica o manda
mesa o seguinle requerimnto, que apoiado, en-
tra em discusso.
Requeiro que se remeta ao presidente copia
da acta de i de junho crrente, em que se acha
transcripta a deelaraco dos deputados, Beltro e
Lopes Machado, concedeudo a liberdade aos fruc-
tos de suas eacravas (. Drummond.
Posto a votos o requeriiueiito regeitado.
ordem do da.
Segunda discusso do projecto n. 8o desto an-
no, que autorisa o governo a conceder um anno
de licenca com veaciraontos ao professor do Gym-
nasio Felippe Menua Callado da Fouseca.
Vai mesa e apoia-se a. seguinte emenda:
t Fioa igualmente autorisado a conceder oito
mezes de licenca a Victoriano Paitaros. Cice-
ro. '
O SR. GASPAR DRUMMOND manitesla-se con-
tra a emenda, que foi sustentada pelo Sr. hilva
Ramos.
Becerrada a discusso o projecto approvado
e regeilada a emenda. _
Terceira discusso do projecto de fixacao do tor-
ga policial.
Vo a mesa, sao lulas ,e apoiadas as, seguales
emendas:
t Substitua-se a palavra alteres secretario, por
iwu nte: e mais um tenante quartel-mestre. -*
flejo, Barrea. >
< Cera o corpo policial e despender, U:009#.
Felisbno.
< Em vez de 400 pTioae, diga-se: S0\ ennser-
vando-se a actual organtsacSe.Soares Braadio.
Amaral e Mello.
REVISTA DIARIA..
GUARDA NACIONAL.Por deliberaco da pre-
sidencia, de 5 do correte, foi mandada dar guia
de passagem p-ra o municipio do Itecifc, ao alte-
res secretario do batalhao n. 4i doRio-Formoso,
Frederico Columbano da Silva Guimares.
ACTO DIGNO DE LOUVOR.Segundocommu-
nica-o feita presidencia da provincia, em 3 do
corrate, o Sr. tabellio Luiz da Cosa Portocarreiro
'll' receu-se gratuitamente para tancar, em as no-
tas do seu cartorio, as carias de liberdade passa-
das em virtude da vorba consignada ua lei do o- -
caniimto vigente, ou por qualquer sociedade ho-
maiiitariaique esistir ou se fundar n>sta cidade,
para alfornar esernvas de menor dado.
Assim procedendo, o Sr. Purtodarrain tornou-
se recommendaoo lodos os une, prezando o pro-
gresao do seu paiz, sabem aquilatar devidamenteos
servieos prestados para um tal fim.
IMPOSTOS PROVTNCI AKS.-Iluje que termi-
na o prazo para a recepcao sem multa.
INSTITUTO ARCHKOLOClCO.-Rcune-sc ama-
nliaa em sessao ordinaria.
C0MPANH1A DE BEBERIBE.Tem lugar ama-
nha a arremalaeo dos chafarizes do bairro da
Boa-Yista
TIIEATRO DESXNTA ISABEL. Mr. Peyres
de l.ajotirnad d boje oesle lliealro. seu seguwl i
es|ectactilo de preslidigilaeo e mgica egypcia.
rom um programma variado, e quasi em sua to-
lalidade novo. O bom acolliiinento que obteve do
nosso [wblico, e o mrito real de seus trabalhos
anmam-nos a rec miiioim la lo atada esta vez.'
CLUB RADICAL.-Hoje os horas da tarde ha
sessao ordinaria.
LOTERA.A qne se acha a venda a 113', a
beneficio do patrimonio dos orphos, que corre a.
l'nio correiite.
BfcHETES OPPERECIDOS. Numeraco dos
bilhetes da lotera 111.' effenci los pelo Ihesourei-
ro das loteras, para auxilio das despezas da
guerra.
Bilhetes ns. til a CIO.
RECTIEICACO.No discurso do Dr. Candido
V. S. Freir, publicado houleii:, escaparan!-alguns
erros typographiros, que air.ni >o rectifr-ados:
as-im uever-90-ha ler: frescratados e compreheu-
iiuiot em logar do praserasoAu tmtpriMikMn;
mMi ein Inajar de non ; diluivso em lugar de date-
ro alia i em lugar de a-alma ', im/Hersoe em
lugar de iumuMos; e Irmist o- em lugar de
Iraneiar-sr.
CEMITKRIO PUBLICO.Obituario do dia o do
corrente.
Romana Mara Rabel da Coneeeo, Pernambu-
co, 00 anuos, solteira, Boa Vista; appplcxia.
Severina Maria do Sacramento, Pernambuco,
2(5 annos, solteira, S. Jos; calarro pulmonar.
Jos, Pernambuco, 8 anuos, S. Antonio; va-
rilas.
Maria, Pernambuco, 2 dias. Boa Visla; inviola-,
bilidade.
Francisco de Souza Ferreira, Pernambuco 50
annos, vinvo, Boa Vista ; lulterculos pulmonares.
Joaquina Veneranda Rosalina. PernamDnco, Ti
annos, Boa Vista ; ulceras no reno.
Maria, Pernambuco, 9 mezc, ReCife ; diarrha.
Antonio Ignacio Cavalcami de Albuqnerque,
Pernambuco, 70 annos, casado, Roa Vista ; para-
lezia.
Juo Francisco de Paulo Osorio, Pernambuco,
3o annos solleiro, Boa Vista ; pneumona.
Lucillo, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio;
espasmo.
CuMMUNICADOS.
DI JAS PALAIHAI
O Sr. Dr. Jos Carneiro iln Rocha, ex-aja-
dantedo engenheiro fiscal da estrada d
ferro desta provincia, les hojo pubcar
um artigo no Jornal do Reci/e, proposito
de sua exoneracao, no qual se l as segoin-
tos linhas exonerando, por motivos de
essjas floresta? Th^n* -e-*rin\jar em que devial^*. E. Cootisho :-E' verdade, mas eucon
< economas, o mais anigo dos ajudantes d?.
t estradas de ferro, com os servieos cima
mencionados, para augmentar o ordenada
do mais moderno delle.s, que nao tem os
.meas servieos e (por que nao dizel-o?)
a miia aptido.
Apezar, dopor motivos de economa,
parece que ^mim se involve ahi urna aecu-
sattjo, quando diz o Sr. Dr. Carneiropara
augmentafj ordenado do mais moderno
distes ele. etc., visto como sou eu o mais
moderno desses ajudantes.
Achando natural e al lgico que o Sr.
DT) Carneiro far.a mencSo dos seus servieos
- todava

-Bn-laRU>de40M*OT-6lpMM&~-<<(< eMswAnahr aptido, nao posso
Dmromond.


.easi a chji 30 r mil kiwn&de <** fe 7 de jiho de se?. .ibi oflHMun .vjx owiift
up-Ke
Ml.Sr. D\
COIli )
.va
en!;
a
> a c
tviieragr >
quer-me parecer, S. S
fazer-me.
Nao ^j^ranln S. S. qu desde
fui nomcato d i Sr. Dr. Buai
ongeaheii la ostra.h da torro do S
Francisc |ttipacamfintg
dos meus vencimenlos aos dos outros aju-
danles, todus da mestua catheg
pello masrno para Buarque, que sa'i^pssdEKo I
o. S.
Se houve coi
rao dos meus wti<^H[
de S. S., n3o fui eude crio o rietoi^BoJ.
e provoco S^i, se e4e o .seu pcnsa-
inento a respailo, a apregentar jj^ia prova1
em contrario ero que AlSrtho.
Tratei sempre S. S. eo.n a consideraco
e respaito que costumo dispensar i aquel tes
com quem entretenho quaasquer relacOes,
e presumo nunca ter dado 8. -S. materia
para-formar meu repeito jobos menos
lisongeiros.
Fiquem, pois, S. S. e o publico cortos
de que fui iuteira e absolutamente estraoko
essa exonraco, que lamente! a contino
a lamentar por mais de urna raza; a que,
apezar_disso. nao ficarei querendo mal,
aem mdtfkaret a opinio que senipre tive
do nuTecimento real e das apttdoes teeli-
nicas do Sr. Dr. Carneiro.
Recife de julho de 18U9.
Fcfippe de ftjjueiraFaiia.
teve in' X';
de
d
...p!1 oncl Gasuar enal-
t pira q te este funde a safra que qn7-
Nftste lopico mda-hade Kovifc que j nao tetina
; t i repeticao.enfadouha .do que
o pbl ai i de lor e saber.
" Ea devo entregar o cn^nho depeis'de collier
safra '
tuio 4e\M eutivga-lo h>je, aem quando
an<'
hlw*'i a>
PUBLICACOES A PEDIDO,
Questo Aratangil.
-SeiJiores redactores. epnis da minlia ultima
publieaeuo, Iranserevendo o* pareceres do diver-
sos advogadus sobre a questo Aratangil, varios
artigos lea sabido na iinpieusa dian.i, em respe
ta, e uui censura ao meu proceder e do juiz exe-
cutor dos Jqlgados.
Os leilores imparciacs, o publico sensato, bem
conbeuein que a parte den nudista quo lio tenaz
se mostra em abandonar o foro, em nada requere/-
peanle o juizo av, para eneher as culuuuias dos
jornaes do artigos que repisara os mesmos argu-
mentos, renovara us insultos que me (lingera, e
ao juiz; ouiro din nao tein senao levantar poeira
que cegu os olbos dos borneas, honestos os quo le-
rem, prevenir a opinio publica em seo favor, uiu-
da que por nouco lempo, e sobre ludo provocar
represalias menos dignas, que le deein ganba do
causa. Nao conseguir.
Na imprensa, c nos tribunaes, eu aeorapanharci
ao Sr. Gaspar Cavalcanti, o sustentare! a lucia
sera jactancia, aem hespanholadas, mas coui toda
a lirmeza e erenidade e cireuuispeio. E' un
campo legal, onde por mais cernido que seja, e
qu.ujquer que sejaiu laoibeiu as armas emprega-
das, eu nada teulio a temer. Ilei de aparar-llie
os golpos com saugue fri, c bei de retribu lo*
com vantagem.
So ao acouipanharei ao Sr. Gaspar Cavalcanti,
as provucaedes repetidas que est praticando no
engenbo Aratangil, do qual ello diz que est de
posse pojque esui ie fui dada pelo escrivo.
Eu nao empregarei violencia contra violencia,
nem em relaflo ao meu coatendur, neiii em rea-
cao aos seus amigos (gente armada) que o segu-
rain na invasao de minia casa. O Sr. Gaspar Ca-
valcanti, nao est anda satisfeito com o qi e lem
praticado : diz que voltou a AraUngil para .o oar
rancho, e que o tomuu por si, e com a autor ida-
di do esCrivio, sendo este acto em execucao do ac-
cordo qiu blete da relamo. Mas nao p'arou nos-
te altentado; despedio e "botou para tora todos os
moradores, auicacando-os; despujou das casas,
em que residiam, ntvradom (jue tinliam anda ca-
na para eollier, queiiuaudo-lhe as pthasy e oceu-
pando-thes as casas por gente sua. Ain.acou, on
antes ebegou ordenar aos seus amigos' que )
acompaniiam, que inetiessem os cceles em ara
bumem que teuaouava ir avisar u um lavraqor.
lo que ia ser despajado violeoiamente. Pjtohbiu
quo da otaria se rase una porco de tijoljo pa-
ra cuttemr se um arco do assentameato que sof-
l'rera deterioradlo. Estragn a liorta, aineaeou
ir destelliar a risa de distillao onde existe por-
cao de niel c agurdente, o o que 6 mais, nmea-
eoa tambom de destoJliar a casa do vivenda, e lan-
car todis os trastes fura I
Que nomo possa ter taes actos, e que intcncao
revela quem os pratica,di-lo-ha quem me 1er. Taes
provjcaijoes sao inauditas, o deuwnslram quo meu
c i.itendur nao quer discutoao em juro, mas a lu-
la uiatcrial. o omprego das vias de laclo, onde
conta com vitoria corla, em vista dos amigos que
o acompanharam.
E quem assim procede, o que tanto falla em
dreilo e justica I...
A exposicao dos factos que acabo de enumerar,
servir de tiiermometro para serein bem aprecia-
dos os artigos da iuipronsa a que vou responder,
e o lim com que elles foram escriptos.
Os arligos a que al lulo, foram publicados no
Diario de Pernamb co. e no Jornal do Recife.
Oeixo de responder boje aos que vera impressos
as columnas do Diario, para faze-to ao depois :
agora ocenpar-rae-hei somonte com os que sab-
ram no Jornal do Recife. Sao dous : um vem no
jornal do Io de julho, sob a assignatura Aben lla-
met: outro no jornal de loje 5 uo mesmo mez,
sob a assignaiura
Vamos ao primeiro. Quem Aben HametJ
O nomo o indica. E" um arabo, um nusulmano?
Sem duvida: nao ha christo com scuielhante nomo.
Fallava-me mais cs.ta: vr-me obrigado a discutir
com um infiel.
Diz o meu advogado, que percorrendo a histo-
ria dessa raja, que sob a denominarn de rabes,
constiluio o mais extenso imperio da antiguidade,
desde o Indo at o Pyreneos, nao cnconira que
ella se dlstinguisse na jurisprudencia. Se tiveram
urna philo-optiia emprestada dos gregos, e urna
titteratura especial, so dstinguiram-se na medici-
na, sobresahiram as scieucias exactas, sobretudo
na geograpbia e asU'onomia.
Mas o direito, a jurisprudencia, obra, e cons-
titue a gloria dos Homauos. Aluda boje os seus
cdigos sao a fontc de quasi todas as nossas leis
que compoe o nosso direito civil. E' evidente, por
tautj que a auloridadedcAben Hametnenfiu
ma cm materia jurdica.
A exquisiiisse do pseudnimo nada influe pa-
ra a questaa Todava, observa-mp anda o meu
advogado, nota-se urna coincidencia na lcmbrauca
que adoptou aquello pseudnimo, cea conformi-
dade de nwios violentos e de prepotencia, com que
proceda a mais consideravel dymnastia dos mu-
sulmanes, que absorveu as oulras, os Fatimistas.
PergunUnuo-se ao seu chefe: quem sois? Eis
aqu o$ meus avs, responden elle, mostrando o
seu alfange, e eis aqu meus filtws, accresccntou,
atirando ouro aos seus sol ados.
Para recordar a pone quo d a conquista, e o
direito que nasce da illegitiinidade dos meios, se
procuro u a assignatura de Aben Hamet. So com
o alfange o amigos como os soldados fatimistas,
se pode justificar a posse tabellia do Sr. Gaspar
Cavalcanti. Bis a coincidencia.
Mas, como o publico, que c o juiz competente
das questoes que se discutem pela imprensa, nao
secompoem de trabes, como as nossas leis nao
probibem que algum musulmauo use entre nos
da liberdade de imprensa, eu cumpro um dever
levantando a lava que me abra esse novo pala-
dino, e passo a examinar o que elle disse.
Comeca Aben-Hainet, por urna tirada contra
os juizes que praticam injnsticas, os quaes dc-
vem ser chamados a responsabiiidade, e punidos
severamente. Eis urna banalidade para exordio,
que nada perco em nao contesta-la : punam-se
os juizes prevaricadores, mas aqueltes quo como
taes forem convencidos, e nao os que nicamente
forera apernados pelo Sr. Gaspar Cavalcante,
Abne-Hamet, e outros invasores, e defensores da
uivaso do Aratangil.
Mas, sentbante tirada, nada tcm com o juiz
municipal de Ipojuca, perante o qual o Sr. Gas-
par Cavalcaste nada tem requerido centra a mi-
nka ots'inada recus i em entregar-.h'.o ge iho.
O juia nenbum indeferimento Ibe dou. Istu j se
tem dito maltas vezes : insistir o Sr. valcante, em attribuir ao juiz factos que elle nao
praticou, que obstinaco, c rematada lou-
cura.
Do aejordam de 3 de noverabro e 1868, se
IbMa
este
COIHL
ra e
eorfl
aece
Q Sf. GasparJem y eaiondea fQjjigO,
me i e/ho udioL par tamo- na i tt.
^miAvreu nptiz JgE CunNVueSe.
atglrma. Prefiri por si s tomar rancho, ln^uil
tuariu. e violentamente, sendo accompanhado do
amigos (gente armada). It
0ieiu dir que este o mcio conhecidVipAJakwt
de dar execucao ao accordo superior, e de cous-
Iraager-rae a ilar o rancho em questo 1 Niagnen,
absolutamente ning.tem, que tenha ligeiras noeos
do que seja recudi de sentenca.
A deci-o da rehiri, prosegue Ahen->Ha-
met (nao pode mais ser embargada sob pena de se
dar ao exaclado o diro.lo de illudir a exeouicao e
se p_erne:iar na cousaalhciii) uad.iinais liie cabo
stlnao proccfeT na forma do accoruao.
Eis onde est o buzlis. Qnr por forca o Sr
Gaspar CavatcanU decidir por si, e. pela imprensa,
qafl eu nao |iosso mais apresentar defeza alguma,
porjneio embargos, ou outra forma, na exe.
euc), porque seria illudi-la, e perpotuar-rae na
cousa alheia.
O publico porm, e os liomens iraparciaes, bem
veem, que atada sendo nrdtde e iegul ou jurdico
que n i posso apresentar mais defeza alguma,
nao o Sr. Gaspar Cavalcartti, com oseuescrivfto
da posse burlfse.i, os qu i h> decidir: c e menos
quo a deejsio seja dada pela .imprensa. E' em
juizo que se decidir se tenho ou nao materia re-
l'jvanlu o defeza, que justifique a nao entrega do
ehgtahoy e me autorise a ret-to. E' o juiz exe-
cutor quem tem de decidir, com recurso para o
tribunal superior. Mas isto que de le, de direi-
to, e autorisado por urna pratica constante o nao
iuerrompida, nao couviu ao Sr. Gaspar Caval-
canti.
Elle foge do juizo, e dos juizes, elle prfere in-
lerpor o den valor imliiiduale dos seus amigos,
porque sent era sua consciencia, porque est con-
voncido, de que com elieito materia procedente e
relevante tenho anda para oppr.
Nenhura valor tem o dizer o meu contendor
pie eu deste modo gero perpetuar-n na cousa
alheia : iste una futilidade, seno um mero in-
sulto que me dirige No estado em que est a
pendencia civel quo trago com o Sr. Gaspar Ca-
valcanti, n > pode Ilutar essa prolongacio e chi-
cana que Hs inenlea, e insina perante o publico.
AjJiseusso de urna causa, j em grao de exe-
cucao, mais restricta e suminaria : se se trata
mesmo de embargos do releneo por bemfeito-
rias, nada mais summario, diroi mesmo summa-
rsimo. Depositado o valor das bomfeitorias,
nao posso mais reter o sngenho.
_ A ord. iiv. 3 tit, 86 lo, tratando da execu-
Cao que versa sobre cousa eerta, (contina Aben-
Hamet) manda que ao reo assigne o juiz dez das
para a entrega, e accresceuta : o qual termo
pasaado se a nao entregar, so tirar logo em ef-
feito do poder da parte condemnada, sem mais pa-
ra ieeo s, r citada e se entregar ao vencedor.
NinraUMi contesta adisposiijodesta ordenacao :
K i e doutrina corrente, que na3 accoes roae's se
marcain dez dias para a entrega da cousa, fiados
os quaes, ser tirada sem mais citacao.
Mas nesU mesma le que est "a condeuinacao
do meu contendor. A lei expressa, terminante,
marca dez dias para a entrega : quando, porm,
lindara esees dez das ? Esta que a questo.
Diz Aben-llauei, em norae do Sr. Gaspar Caval-
canti : j finduram. Nao respondo.
Porquanto a primeira vez que se marcaram os
(tez dios em audiencia, esse praso Qcou iludido,
on interrumpido eom a discussao dos embargos,
Fiada esta discussao dos embargos, da materia
relevaute ou nao que fo apresentad, marca-se de
novo dez dias para ontrega da cousa, porque os
primeiros dez dias nao correrara e foram prehen-
chidos ou eeupadus islu discussio dita. Os dez
sa) ominaos, eorreui Ue hora em hora, e
iiuprorogavelmente, quando a parte coudunnada
s deixa passar recelia, sem nada oppor, nem
reclamar. No caso contrario, nao. E' isto o que
nao fez, nem quer (azor o Sr. Gaspar Cavalcanti.
A razio da lei clara. O motivo que leve a lei
para conceder.os dez dias, prevalece ainda depois
dadiscu-sao dos embargos. Quaudo se trata de en-
tregar urna propriedade rural, por exeraplo :
evidente que nao se o podo fazer da noute para o
da. Todos o comprehendem.
Seja, purera, ou nao seja esta a verdadeira dou-
trina, era: todo o caso o juiz quem ha de decidir,
se se devora ou nao marcar do novo os dez dias,
ou se j csto elles lindos. Nao sao nem o Sr. Gas-
liar, nem o corivao os competentes para julgarein
e decidirem do taes incidentes e questoes.
A posse por labelliu convimos (contina
Aben-Hamel)nao foi o expediente mais regular :
o juiz por si mesmo cerno j demonstramos fura
quem decera ter conferido logo a posse.
Eis afiual r&unhecido o erro ou attentado do
meu contendor, pelo musulmano Aben Hamet:
A posse por escrivo nao foi regular. >
Neste reconhecimento e confissao da irregula-
ridado do acto da posse por tabelliao, Aben-Ha-
met procedeu como um verdadeiro rabe, das
lendas histricas orentaes. Narram essas lendas
poticas, que chegaudo um nimgo casa de um
rabe, este o recebe, e lhe presta a melhor hospi-
talidade. Finda esta, e ao despedir-se o seu hos-
pede, o rabe intima-lhe que fuja, e corra o mais
que poder, porqueapz tantas horas quo lhe mar-
ca, sahir cm sua procura.e se oalcancar, o mata-
ra. Com effeito, assim pratica o rabe, e ai do seu
hospedo se elle chega a alcanca-lo.
Tal qual procedeu Aben-Hamet : tratou muito
bem ao Sr. Gaspar Cavalcanti, defendeu-o sempre
como victima innocente do juiz, mas afinal maiou-
o vossa posse por tabelliao irregular, o juiz
quem a devia dar. >
E' o que eu, aconselhado por meu advogado,
digo desde o principio s o juiz podia dar posse
para o rundi, se eu a naodsse.
A nica differenca apenas consiste, em que os
meus advogados dizem que preciso o exequente
requerer aojuiz, e o meu contendor e seu patro
no Aben-Hamet, sustentan) que o juiz deve dar a
posse ex-ofuco, e constituir-sc procurador do
exequente.
Nada mais lia a responder em relacao ao artigo
de Aben-Hamet.
Vamos ao segundo artigo do Jornal do Recife,
o de boje, sob a assignatura
Neste artigo nada ha especial e positivo sobre a
questo, e incidentes de que tratamos. E' um ar-
tigo de mera declsmacao contra o juiz, porque
requisitou forca s autoridades superiores, atn
de fazer cumprir os seus mandados e deeisoes.
A ira que revela esse artigo, nao deve ser tan-
cada contra o juiz : queixe-se o Sr. Gaspar Ca-
valcanti da sua desobediencia formal, e constante
reluctancia s ordens do juizo competente : quei-
xe-sa do acto irregular da sua posse tabellia.
O qoc mais engracado, que nessas deca-
macoes centra o juiz, o autor do artigo censura
e ataca o juiz, nao pelo qne fez, (que foi nunca
indeferr petcao alguma do exequente) mas pelo
que ha de fazer no futuro I E' censurado por
actos que ainda nao praticou. Quanta insamnia I
A conclusSo, porm, desse art go, mais urna
prova do respeito que os defensores do meu con-
sua populagao. descernime de Srro. Ha
viver subjug.-ulo, para que se rea
aten:. ca feita raca de Japhet,
TNiava escripia 0 Sr. Gaspar Cavalcanti, ni
iwwvincn, dominar sobre ludo e sobre tu
Aecife, 6 de jalao de 1860.
Joiio de S e Alhuquerque.
iharmacflj
vem kA
relailojH
aUio ijua-
iik i
*MO ui
iippe deSouzaLeo.
oel Joaquim .Maxiuu-
i Vianna............
fcmhfino Barbosa da Silva.....
Dr Manoel Gentil da Costa Al ves.
\lbino Jos da Silva............
os Caelano de Albmracrquc___
'andido Affonso Morcra..
dnj^flrde AlmoS
HaaBeJoso1kt:is.
2
5:000^

zo
tH
S
15
V3S
iidim,
-seentn
'philiec d
cao 4
o, tnico braseiro
de urna cura prompia
.......
<>B de Casto Buimaresl..'.
...
Salazar, anti-dartroso e
iufallivel para caspas,
isco GOheMves Xclto.
Albino 11-' Ferr: ii da Cunha.....
|ent5%auiTus F< j..........,;.
^K FeTeira Lima.....
i'i iiardiiioMSMva Costa Caapow
ndr do Abran Porto.............
r Manuel TbJiaz de Iktkiu'ourt
Corte Rew^^C...... kT^ >ff
bernardo de SiqueiraGastro Monteiro
""< vu"1 ii:i|iia u iiii.iiiivui para caspas, Tlmmaz Fern tfiripi n fnnlii
eitping^s, saj-disiilcrfc. fefflUXX) u frasco, a-JiUSfcio K^Msecxfibo
ropo l^miaaijUtottiiraBH), ama aarcaM fetaoXSS^rW '
por 13000, dito peitoral de rabo le tat, j omito Ifexandre dos SantosBarros
conhecido lelos seus milagrea a lOOO a garrafa,
xaropo peitorat antt-asthmatico de paracary, urna
garrafa por 10W, pilulas anti-aslhmaticas da
mesma planta, a caixa por 1 (XX), nica {nirva-
na era que ha estes medicamenlos, xaroic de ju-
rubeba simples a ladOOa pnafa.diw.ferrogito-
so a lp'WD, pilula de juruboba simples i5'M)
urna caixa, e ferruginosas 1.5500, vinlio de juru-
athOOO
S:O00J
*:0003
i S:0003
o:000
OOf
1:0004000
':O0a|O0i
i:00fi00i
'i-ooCioof
:000
I:080i000'
2:0004000
4:0003000
2:000^000
Manuel da Cunha Wanderley Luis..
Miguel Jos da Costa..............
fernardino Jos da Silva Maia......
swinio M<4ftz.i Guerra..........
Jos Antonio de AluieidaCujiha..... LOOjOOO
Antonio Jos oa Cunha............ 1:000*000
Luiz Mnnoel l'.odrigaet Vatica.... 1:000*000
Manoel Pedro Noronha............ 1 :OO0fl0O
xarupe peitorat do fedegoso a lOOO a garrafa.
Alem de todos Ssses perparados, ha um grande
surtimento de meibeamentos, productos chimicos,
pliarmaceuticos, cujas qualidades j sao muito
eonhecidas dos Ilustrados mdicos d'esta cidade
e do publico em geial, assim tambem encontrar-
se-ha immenso sortimento de drogas em quanti-
dade capaz ile aviar para esta cidade e para o cen-
tro ; preveninrto-se aos pintores que acharo sem-
pre um completa sortimento de tintas de vanas
cures e de todas as qualidades, por procos raz03-
veis; eem porco far-se-ba ainda abatiuiento.
Esta pharmacia continua a abrir-se a qualquer
hora da noite, para aviar reoeitas.
Recife, 16 de junlio de 1860.
C. Cotoo C.
Protectora das familias
Associacao brasileira de seguro mutuo sobre a
vida, approvada por decreto*do governo imperial,
de 13 de jnnho de 1864, e gerida polo Baneo Ru-
ral e Hypothecario do Rio de Janeiro.
Commiseao fiscal.
Veador Rjs Joaquim de Lima e Silva Sobrinho.
Commendadnr Jeronymo Jos de Mcsqnita.
Commendadur Boa ventura Goncalves Roque.
Commendador Guilherme Pinto de Magalhes.
Estado dessa associacJo em 30 de abril de 1869,
contratos 5,801
Capital subscripto rs. 8,716:4704580, as pessas
quo quizerem inscrever-se poderlo' dirigirse na
ra do Livrameuto n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. do Vidal, encarregado pelo
Banco Rural o Hypothecario do Rio de Janeiro,
liara promover assignaturas para a mesma asso-
iaco.
Trilhos Urbanos para
Jaboato.
Lisia dos subscriptores de ae-
ees para a foruiaeo de uiua
couipanhla.
accoes
Joao da Cunha Wanderley.... 100 20:0005000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:000*000
Ferreira & Matheus.......... 50 10:000000
Tbomaz de Aquino Fonceca o
Filhos.................... 50
Joo Fernandes Lpez........ 20
Henrique Gibson............. 10

eunMm'
3TJJ
-- D ordera do. Htm. Sr. nspecter da Ihesou-
ranade faz/jndadgsta.prgvincia, se faz publico
para conlieciraento dos ioleressados, que o tribu-
nal to ftiesourd antoriJou" o riaga'inetu de dividas
de exercicios (indos, cuios credores s5o os se-
tos : Bi'iiijwrrtn Bcllr;wdAtoncar MOaHfki
I Bezei-f de Setna 494A00.
Secretaria." da thesoucana de fazonda de Per-
nambuco 2(jde junho d* 1869.
Serviodu de offi.'ialmai r,.
Minocl Jos Pinto.
Sa'tel.iilinio tnbun.M do coauaerco de Per-
nambuco 5 de julho do ^869.
O oflcial-niaior,
Julio Gmniaraes.
aih
1:0004000
a:0004000
1:0004000
3:0004000
1:0004000
_J Pela sbAdelogaea Jo Poco da Panlla Iw-e Quat'lfl-f
Hpblco qoeM da 23 de junho foram apprehn- ,_.____,
didos pela mesma subdelegacla duus eavallos. sen-
do um rodado e oiiUe ahisio : quem se julgar'
ftim direito .ios daos ravalto*, qneira eoraparefpr '
na dita subdelegada, para, provando o seu direito,
recebe-los.
rifOf^f ^ subdelegado.
tira 7 de julho de 169
Exlraoriliiiariee jjenaltitooespectculo
ni
Francisco Carneiro Monteiro.
COMPANHIA
^l^X^l^r^^}^ pssrs^TptiVt:::::::: -S^
Joaquim Jos Stlveira, tenente-coronel com-
mandaritc da Io baultao de iofanUria da
guarda naciooal do Recife, e presidente
do eonselho de qualificarao da freguezia
de Santo Aotonio, etc.
Faco saher a quem iuteressar possa que
no da lo do corrente ter lagar na forma
da lei, a 2a retmfto de conselho de qoalifi-
ca^ao desta freguezia, no consistorio da
respectiva matriz.
Recife 12 de junho de 1809.
Joaquim Jos Almeida.
COMMERCIO.
PRAA DO RECIPE fi DE JULHO DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 3[i d. e 18
7p3 d. por 1*000.
f. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO AUA & C.
RA DO CO-VNERCIO N. 34
Descoma letras commerciaes taxa con-
tencional.
Recebe dinheiro a premio, por letras c
em cotila corrente.
Gonfere crditos e sacca sobre as princi-
paes pravas do imperio, Rio da Prata e Eu-
ropa, e Compra cambiaos sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se por commisso da compra
e venda de fundos pblicos e accoes de
compaubias, da cobranca de letras e devi-
deinios, ou de seu pagamento, e de qual-
quer outra operacSo bancaria.
Bento Magalhes............. 10
Demetrio Acacio de Araujo B. 10
Americo Nunes Correia...... 15
Dr. Ciaudino de A. Guimaraes. o
Francisco Goncalves Netto.... 10
J. F. S. Porto.".............. j
Augusto Frederlco dos S. Porto :
Jos Alejandre Ribeiro....... 5
Dr. Estevao Cavalcanti de A.. 10
Antonio Jos da Costa e Silva.. >'
Luiz Jos da Costa e Silva___ "i
Jos Alves da Silva Guimaraes 10
Jos Joaquim Lima Bairao___ 3
Joaquim Jos da Costa e Silva. B
Antonio Cesario Moreira Dias.. 10
Jos AntniojMoreira Dias..... 10
Jos Antonio da Silva Jnior.. 10
Antonio Baptisla Nogueira___ 5
Bento dos Santos Ramos...... 10
Antonio Augusto dos S. Porto.. 5
Jos Fernandes Lima......... 10
Francisco Fernandos Duarte... 5
Antonio Jos C. Guimaraes.... 5
Joao Evangelista de S....... 10
Antonio Moreira de Mendonca. o
Jos da Costa Bispo.......... 5
Paulo Jos Gomes............ 5
Dr. Syraphrono Cesar Coutinho 23
Domingos Teixeira Bastos..... 5
Jos Antonio de S Leitao___ 3
Bernardino Correia de R. Reg S
Manoel de Abreu Hacedo..... o
Manoel Joaquim Baptista...... 30
Tiburcio Valeriano Baptista...
Modesto do Reg Baptista....
Justino J. de Souza Lampos...
Jos Moreira Lopes..........
Antonio J. P. de Carvalho.....
Dr. Francisco do R.B.Barrete.
Baro da Soledade........... oO
50
30
10
10
20
5
50
10:0004000
4:0003000
2:0001000
2:000 J000
2:0005000
3:0005000
1:000*00
2:000*000
1:00041)00
1:000*000
1:000*000
2:0004000
1:000*900
1:0005000
2:0005000
1:0004000
1:000*000
2:0004000
2:0003000
2:0005000
1:0005000
2:0003000
1:0005000
2:0003000
1:0003000
1:000*000
2:0003000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5:0005000
1:0003000
1:000*00.
1:0005000
1:000*000
10:0005000
10:000*000
2:000500o
2:0"0*000
4:0003000
4:000*000
10:0003000
10:000,5000
10:000*000
Nao tendo-se realisado a arrematarlo dos
chnfarizes do bairro da Boa-Vista por nao
ter apparecido olferta superior base apre-
sentada, sito de novo convidados os serrtio-
res licitantes a comparecerem conveniente-
mente habilitados ueste escriptori ra do
Cabug n. lt, no dia 8 do corrente ao /*
dia, afim de apresenterem suas proposlas
em caita fechada; fieando desde hoje os
ditos chafarizes administrados por conta
desta companhia.
Bases sobre as quaes se deve lancar:
Bairro da Boa-Vista.
Cbafariz do caes do Capiba-
ribe................... 3:000,5000
Dito da ra da Aurora...... 1:2O$000
Dito da cidade nova de Santo
Amaro................. 2:200!000
Dito do largo do Campo-Ver-
de.................... 800^000
Dito do largo da Soledade... 1:7255000
Dito da caixa d'agua dos Pi-
res................... 4:875000
Dito da praca da Boa-Vista.. (:O00dOO0
Dito da ra de S. Goncalo... 1:200#000
Sociedade bancaria
em commandita
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
me taes, moedas nacionaes e estrangeiras.
scjj9| de cambio, sedulas do governo e do
"(janeo do Brasil.
^Descontam letras da trra e oulrsTTt-
tes conuuereiaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaeces, da cobranga de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi^ dem n. 47. 49
Lo, em conta corrente,
Escriptori da Companhia do Beberibe,
1 de julho de I8C9.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Consulado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no dia 7 de julho vinduuro se lindaiu os 30
dias uteis marcados para a cobranca do colre dos
impostes da decima dos predios urbanos, de 50/0
sobre a renda dos bens de raiz pertencenles
corporaeocs de rniio morta, e de 20 6/0 do consu-
mo de agurdente, relativa ao 2 semestre do anno
financeiro cadente de 18(i- a 1869, e quefieam su-
jeitos a multa de 6 OjO todos os dbitos que forem
pagos depois daquelle dia.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
30 de junho de 1S69.
O administrador,
\ Antonio Caaneiro Machado Ros.
fhysiea c Magia Egipciaca
ron
MR. TEYRES DE LAJOBNARD.
O qual se confessa verdaderamente grato ao
rcspeitavel e Ilustrado publico desta cidade pelo
bom acolhimento qne se dignou dispensar-lhe na
sua primeira representaco.
O e-pectaculo sera completamente variado ao
anterior cscolhendo para isso o Sr. Lajonrnard as
ais applaudidas orles do repertorio Robin eal-
gumas da sua cieacao durante suas viagens no
Parineo.
O programma em detalhe ser distribuido no
dia do espectculo.
Recchem-pc desde j encommendas de bilhetes
Grande & variado espectaaulo
.n.lMA-l-KlRA 8 DE JUNHO
BENEFICIO DO PONTO DA COMPANHIA DRAMTI-
CA. JOSK U. C. KE B.VllltS E DO B1LHETETKO
DO THEATRO.
Depois de urna brlhante ouvertura subir i
secna o magnifico drama em tres actos
0
II
tanta Casa da Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessSes, no dia 8 de julho, pelas
quatro ljora3 da tarde, tem de ser arrematadas
quem "?'< Y'rAtfm* ttfcBfl**"-! I'"1" tempo de um
a tres nr. :'ea*t03 em seguida de-
clarados :
ESTABELECBIENTOS DE CARIDADE.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47......
tdem dem n. 63.....
Largo do Pelourinho
e a prazo xo.
n. 7.
s
5
5
23
o
10
23
2o
50
23
1:0004000
oooaooo
2:000000
1:0001000
l:000000
1:0002000
1:0005000
3:0005000
IOOOoo
2:000*000
3:0005000
:000000
10:0005000
3:0005000
1:0005000
4005000
00:000*000
teodor prestara le o s autoridades.
ve ue o tenante-coronel J. de Sao Albnqoerqoe
feontina Aben-Hamet) deve entregar o engenbo
Aratangil ao tenente-coronel Gaspar C. do A
tlchoa, devendo essa entrega ser raita pelo nodo
jporqiw da eatylo entre os agricultores: o aecor-
Esse juiz empregar a ;forca contra o tenen-
te-coronel Gaspar Cavalcanti i Nao ofar b
Este nao o f*r, >'; bem signillcativo e enrgi-
co : ama ameaca viva, formal o positiva contra
o juiz, c ot contra o Exm. Sr. presidente da pra-
vincia, que maodou a forca disposicao do mes-
mo juiz.
O juiz nao o far, porque o exequente, o pode-
roso Sr. Gaspar Cavalcanti nao o ha de consentir,
batera e pora em fuga a forca publica.
Nao admira. J houve ua tempo, em que nesla
provincia, orna familia reunio-se, invadi o enge-
nho Geni >apo, e abi pratirou luz do dia, face
de Deas e dos homens, grandes morticinios e
atrocidades, que encheram de horror teda a po-
pulacho.
Nao admira. Est escrpto nos livros santos, me
diz o meo advogado, quehaduas ra^as na huma-
nidado, urna sempre assoberbander a onlra. A
raca da Sem, e a raoa da Japhet. Se. na Europa,
esse caxamo de hartaros enrgicos que viados do
norte e do orienta assolaram o accidenta e tal
daquella parta do mondo, represntalo a raca
de Japhet, audax Japetiftnux, tem duvi-
da, em Peroanboeo, dmemlmn dasses adazas os
Cavalcantis de Quinduba, e seus o*ie#.-.
Todo o maia nesta provincia, toda o resto da
Francisco Ferreira Borges....
Conselheiro Jos Bento da Cu-
nha Figuei redo............ 10 2:0005000
Dr. Jos Bento da Cunha Fi-
gueiredo Jnior........... 5
Antonio Pinto de Barros...... 5
Manoel de Souza Tavares..... 10
Pariste Bel*mino de Moraes P. S
Tenente-coronel Francisco C.
M. Rios Jnior............
Manoel de Souza Leao........
Jernimo do Souza Leao......
Jovino Coelho da Silva.......
Joao G. da Cunha Soares.....
Joa oJoaquim da C. Lerte.....
Dr. Ignacio J. de Souza Lelo..
Alfic"lo Jos A. Guimaraes....
Manoel de Mesquita Barros W.
Thomaz Lins de Barros W...
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquoraue Ucha......... B
Joao F. Cavalcante de Alhu-
querque..................
Commendador Antonio de Sou-
za Leao.................. 230
Joao Manoel de Mesquita Bar-
.J0.SuVaJrdcrley.-'"......... 10 2:0005000
Adolpho Wanderley Lms..... S 1.080*000
Vicente Mendes Wanderley.,. ,'i 1000*000
Coronel Antonio G. Leal..... 3 1:000*000
Francisco Manoel de Sooza e
Oliveira.................. 15 3:000*000
Dr. Francisco E. do R. Dantas- 23 3:000*000
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes.............-..... g 1:0005000
Laurentno J. de Miranda..... 20 4:000*000
Dr. Manoel do Nascimento Ma-
chado Portella............. 3 1:000*000
Joaquim Salvador Pessoa de S-
queira Cavalcanti.......... 28 6:000*000
Dr. Joao J. Pinto Jnior....... 5 1 .000*000
Josyrancisco P. S. Jnior. 5 1:000*000
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa.............. 3 1:000*000
Jos Cesario de Mello........ 3 1:000*000
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth................. 3 1:000*000
D. Hara Amelia, de Gusmao
Lira........ ......... 10 2:000*000
Hajor Francisco de Gonvae Souza 40 8:000*
Dr. Antonio Venanaio Cavalcante
Albuquerque.................
Ernesto Arcelino de Barros Franco
Francisco Manoel Wanderley Lins
Major Joao BaptistaPaes Barrete..
Dr. FeJJppe de Sooza Leao.......
J s Joaquim de S Barrete...... %
Ignacio Jos di Silva............
Antonio Percira da Cmara Lima
Francisco de Paula da Albuquer-
que Lima....................
Jos Pedro Carneiro da Alboqoer-
que........................
Manoel Theodore Mandes Lins___
Antonio Columbano Seraphicode
Assis Carvalho............... 8 440*
Jos Francisco de Albuquerque
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praga taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo xo.
Saca vista ou praso sobre as cidade?
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Ra do Commercio n. 30.
ALFANDEGA-
rtendimento do da 1 a S 16:9o35178
dem do dia 6 ...... 50:449*141
216:404*319
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem dem com gneros 241
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
309
2il
397
Descarregam hoje 7 de julho
Barca ingleza Wileh of the Wavemercaduras
Barca francezaVeridianaraercadorias.
Patacho hespanhollgnacitavinho.
Patacho norte-allemao Johanafarinha de trigo.
Escuna dinamarquezaCodantaboado.
Brigae nacionalAlmeida 11charque.
Brigue inglezfi/o Grandecanos.
KECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 5 8:741*108
tdem do dia 6...... 1;821*87>
10:562*983
CONSULADO
Hendimento do dia 1 a 5
dem do dia 6 .
PROVINCIAL
. 28:010*674
. 7:9535039
Ra das Calcadas.
("asa terrea n. 30.....
dem idem n. 3i......
Mam dem a. 36......
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18.....
dem n." 20.......
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37.
Segundo andar dito.....
Areal do Forte.
Casa terrean. 1....... 100*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra da Senzalla Velha.
Caa torrea n. 18.....,
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27 ......
Ra da Cacimba.
Ideai Jom n. 12......
Ra do Vigario.
1. andar do sobrado n. 27. ,
Madre de Deas.
Sobrado de um andar n. 9. .
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ I46000
dem idem n. 103.................. 202*000
tdem n. 110............ ......... 203*000
dem n. 98........................ 203*000
Mera n. 96......................., 2025000
Idom n. 91........................ 2405000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 1305000
dem da Mirueira u 4..... 106*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataijao as suas flaneas, ou comparecerem
acompannados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de junho de 1869.
O escrivo.
_________________Pedro Rodrigues de Souza
No dia 9 do corrente, depois da audiencia do
juizo de orpbaos, tem de se arrematar urna escra-
va coznheira eengommadeira, avahada em 1:200*
rs., assim como um lilho da mesma, de idade de
5 annos, avaliado em 300*, cujos escravos vao
praca a reqnerimento do curador do desacisado
Antonio Casemiro Gooveia.
35:963*713
5 1:000*
10 2:000*
5 1:080*
10 2:000*
23 5:000*
a 400*
1 200*
10 2:000*
1:000*
2 400*
2 400*
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 6.
Buenos-Ayres33 dias, brigue portuguez
Boa F, de 239 toneladas, capito J. P
de Campos, equipagem 10, carga 4,500
quintaos hespanhes de carne ; Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C.
dem24 dias lugar dinamarquez Familia,
de 216 toneladas, capito J. C. Hansen,
equipagem 8, em lastro ; ordem.
Glasgow-43 dias, lugar inglez Haronee,
de 138 toneladas, capito H. Laurenson.
equipagem 8, carga carvao e outros g-
neros ; M lis Latbam A C.
Aracaty17 dias, cter nacional Delphim, de
25 toneladas, capitn Jos Antonio Ri-
beiro, eqoipagem 5, carga algodo e
outros gneros; Jo8o Alves.
Navtos temidas no mesmo dia.
Maranhohiato nacional Sobralence, ca-
pito Antonio Gomes Pereira, carga va-
rios gneros.
Maceibarca ingleza Witc hof the Teign,
capito J. H. Hatckens, em lastro.
Quenstowmescuna ingleza Milton, capi-
to Horman, carga assucar.
Tribunal do c mmercio.
Por esta secretaria se faz publico que, nesta
data Gea registrado o additamento feito ao contrato
social de Araorim Irmaos & C, em virtude do
falleciinento do socio Manoel Joo de Amorni, que
teve lugar antes do cometo da. mesma sociedade,
entrando o socio Jos Joao de Amorim com mais
2i0:000*000 em commandita, para prefazer o ca-
pital de 600:0005000 estipulado no referido con-
trato.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco i de julho de 1869.
O official-maior,
_____________________Julio Guimaraes.
Tribunal do commercio
Por esta secretara so faz constar, qne os docu-
mentos abaixo transcriptos devem ser pagos at a
dia 10 do correte, findo o qual sero remettidos
thesouraria de fazenda afim de serem cobrados
exeeutivamente.
Certirto pedida por Francisco Antonio
das Chagas 3*300
Dita dita por Francisco Jos Moreira Jnior 1 900
Dita dita por Jos* Francisco Cardoso
, Ayres_ i900
Nomeacao data por Aotonio Francisco
Pereira de Lyra 2* 100
Dita dita por Antonio Joaquim de Sooza 1*500
Dita dita por Antonio Francisco Martins
de Miranda 2*900
Dita dita por Simio Thomaz de Aquino 1*360
Dita dita por Jos Antonio Macedo Lopes 1*360
Dita dita por Jos Joaquim de Abreu
Cardoso 15300
Procuraoao passada por D. Anna Maria
da Coneeicao 35000
Contrato de sociedade de Real, Lemos
& Companhia 13*740
Annotacio leita a pedido de Nogueira
& Companhia 1*000
Notas no registro da nomeacao pedida
por Feruando Gomes da Silva & C. 1*900
Eliminapfio de caixeiro pedida por Joao
Antn de Aojo & C o*00
Verba no registro pedida por D. P. Wild 2*500
No qual tomarao parte os Srs. Couto Rucha, Gil
Rraz. Guimaraes e as Sras. DD. Carolina, Clelia e
urna joven:
Dar orn ao espectculo a chistosa comedia em
um acto
0 marido victima das modas
Na qual tomara parte os Srs. Brochado, Couto
Rocha, Lessa e a^ra. D. Francisca
Os beneficiados agradecem a todos os seus com-
panheirus que graciosamente se prestan] a traba-
ihar neste espectculo.
Os bilhetes poilem desde j ser procurados em
casa do beneficiado na ra Bella n. 40 e no dia du
20:(00aO00 esneclacu, no escriptori do theatro.
Principiar as 8 horas.
THEATRO
Gymnasio Campestre
GRANDE SUCESSO!
Macacos e cachorros !
Em conMqaenria de immen? pesoas nao te-
rem podido assistir ao terceiro divertraento dado
pelo artista PLATUNI, com a su companhia de
MACACOS E CACIIOHROS
o dito senhor attendendo a pedidos e a grandiosa
aeetacao que os trabalhos dos seus admiraveis
animaes tiveram, resolveu dar outra represenu-
caona
QDINTA FEIR 8 DE JDLHO DE 1869
(As 8 horas da noile.)
Grande, maravlhoso e inoto applaudido espec-
tculo em que toma parte o gymnastico maracaio
JULIO DOfilO
e a companhia composta de
U MACACOS E CACHORROS
recentcmente chegada a esta capital, sob a direc-
cao do artista
, FliATtm
que teve a honra de trabalhar com os seus aiii-
raveis animaes, as primeiras cidades da Europa,
onde obteve innmeros applausos.
O cachorro LUCIFEK, conhecido pelo
, ifa no foco
rara pela primeira vez admiraveis exercicios so-
bre materias inflammaveis e fogos de bengala
Este importante trabalho causou grande adraira-
cao em Inglaterra, Franja e no circo do Prico em
Lisboa.
LINDO FESTIM MACACAL
no qual 03 eonvidados sao servidos por dous ma-
cacos, um vestido de cosinhero e outro da cosi-
uheira.
Segue-sc a linda
WALSA
executada pelo cadello Finetle.
O cachorro Lindo, passando pelas pernas de seu
amo, guiar depois um tonel com as patas dian-
teiras, conclundo este trabalho, pondo-se com a*
quatro patas sobre o tonel.
Em seguida o cachorro Sapiton, executar um
trabalho gymnastico, passeando sobre as raaos
dianteiras.
Segue-so
A MARQUEZA Dt2 POMPADOUR
Acoropanhada por seu criado, sendo estas doas
passagens executadas, a primeira por um cachor-
ro, a segunda por um macaco.
TRANSTORNOS DE L'MA YlAGEM
pela macaca D. Jacutha.
Intervallo de 20 minutos.
A grande posta russa execotada por seis caes,
om macaco vestido de maioral, sobre o c5o dian-
teiro e um outro imcaco pitido depostilhao
O SALTO DO CARSEIRO
imitado por dous caxorros. '
O CACHORRO D'AGUA
fazendo diversos trabalhos gyranasticos, como nas-
sar por arcos etc., etc.
A ESCADA AEREA
executada pelo cachorro Garibali
O PASSEIO SOBRE O GLOBO
executado pelo cachorro Ravel.
O DESERTOR AFRICANO
Sendo o desertor julgado e sentenciado a pena
ultima, ser fuzlado em presenca do publico pe-
los seus companbeiros, chegando Cantnhera com
o perdo acha-o morto ; nesti occaso apparece-
rum carro funreo conduzido por um macaco
afim de levar o cadver ao seu destino.
O gymnastico maracaio
JULIO DORIO
cujos trabalhos foram muito bem aceites no ts-
pectacolo anterior, executar arriscados oxerci-
cios no
I70000
1765000
1705000
177*000
168*000
178*000
300*000
242*000
765000
'JO 000
2065000
11 i 5000
165000
2O50O0
360*000
A CORDA "BAMBA
Os bilhetes achara-se na estacao dos trilhos ur-
banos e no theatro, pelos mesmos preces da re-
cita anterior, cuja alteracao loi feita nicamente
para compensar parte do preju70, que, as passa-
gens gratis do em cada espectculo.
N. B. As pessoas que coniprarem bilhetes te-
rao passagem ora qualquer trem e a qualquer
hora, antes do espectculo e depois do mesmo em
trem especial.
O divertimento terminar as 10 li2 horas.
JEUDI 8 jaiLLET 1869
GRAND FESTIVAL
SO MUSIGIEXS
Directeur J. Poppe,
DANS LES JARDINS DE LA DRASSERIE
LEYDEN & C, Rl|A DO SERO N. 35.
PROGRAMME.
Io Ouverture de Gjralda (Adam).
i" Entr'acte et danse, (opera Philmon
et Reancis) (Gounod).
3o Os Le5e do Norte, (polka miiaire
de l'eminent profeaseur Colas).
4* Marche Nuptiale (Gounod).
5" Ouverture de Zampa (Herole).
6. L'abordage de la ParnuhyiM (graDde
/
i
i





ki
Diario de Pernarabuco Quarta feira 7 de Jwllio
........... -------------------. ---.-------------------
..*_

de 1G9.
;
polka imitativo do l'liabil professeur J.
Colho).
Les jardn bffflbflfcfln tHimins et ornes
le drapeaux do toiiles n.ilioiis, eroiil abra-
ses subitument a la deruiew corap3Jtkn
que annoncera la tin de la soire.
On commencer a 8 heures.
On se procure des billeis Meussiers A.
Gassier ra do Imperador n -M, Mendi-
1)onre, no Recife. ra do Trapiche et Kbrai-
rie francaise, raa do Crespo n. 9.
Entres 15000.
por ter couhectmentos, a orden gne ignoram a
Crauil
Doddc par .Mr. Noury, vendredi ) juillet,
dans le saln du theatre Sane Isabel,
avec le concours de Mme. Mario Dufres-
ny, clinteus! lgere, Mr. J. Coelbo Bar-
bosa, tenor, Mr. Salastiano, flutiste.
1.' PARTE.
1 Le Dieu d'Or, ro-
maneo drama'i-
(Yaleatino).. Mr. Noury
"2 Flcur des Alpes,
Tyrocnne...... MJ. Mario Dufresoy.
3 GrandairdeUni-
voure, puur Ilute. Mr. Salusliano.
\ Grand air du Tro-
vatore (Verdi)... Mr. J. Coelho Barbosa.
Air duCanaridos
1'aniinsdoViolet-
te ( Adam ) avec
accompagnciiienl
do dille par..... MJ. Marie D. el Mr. Saluslieno.
6 I.agrenouilleaux
camelia*, tablian
bouff (Oifonbach)
par............ Mr. Noury.
2.- PARTE:
1 Bella adorata in-
cgnita, romance
de Topera II liiu-
ramento (merca-
dente ), chantee
par............ Mr. J. Coclio Barbosa.
i Je n'vous dis qu'-
ca, hansonnelte,
(Henry Celloi)... MI Marie.
;t Pot-pourri, ufe-
cute sur la ilute
Ear............Mr. Salustiano.
uo de Bonsoir
voisin (Ferdinand
Poisc).......... Md. Marie et Mr. Noury.
3 L'Amour i!aus
plusienrs pays,
chansonnette co-
mque.....____Mr. Noury.
6 Pour terminer la
soirce, grand dtio
de la niour.be du
3 acte d'Orphce-
aux entera, (Uf-
fenbach).......Md. Marie et Mr. Noury.
Prix du billet d'entre cinc milles ris (o000.)
On coiuniencera i J 1/2 precises.
On se procure des billets Motel de France,
ru do Trapixe.
AVISOS MARTIMOS.
OMPAWHIA
DAS
Mcssagcrios imperiales.
At o da 14 do corrente mez esperare da Eu-
ropa o vapor francez Vomito, o qual depois da
itemora do costume seguir para Baha e Hio de
Janeiro.
Para fretes, condicede e pasnageno iriu-se na
agencia ra do Coinmercio n. 9.
C0MPA1IA B1USILEIR.1
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
ate odia 12 do corrente o vapor
(huir, commandante o primeiro
tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
arga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no ata desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a fretc at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedara a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que snas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
! andar, cscriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
.Azevedo & C. '________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
Xarega^o costeira por vapor.
Mamangnape.
O vapor Coruripe, commandante Pennn, segui-
r para o porto cima no dia 12 do correata as 6
horas da tarde. Itecebe carga, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde no eseriptorio do Forte do Matto? n. 12.
Aracaiy
Segu com a possvel brevidade o' palhabote
Emilia, capito Mendos, ainda recebe alguma car-
ga a frote : a tratar com S Leito Irmaos, ra
da Madre de Deosn. 1.
C0MPA1IA BARSILE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 7 de julho o vapor
Tocantins, commandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcaba no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 3
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicae
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
en s se1 recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Segu;** brevidade para o porto cima, o br-
gue nacional Damao ; tem parte do sen carrega-
raento engajado, para o resto que Ihe falla trata-se
c >m os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C i rta da Cruz n. 57.
:
PARA
Para o referido porto stepue com mnita brevida-
de o palhabote portugus .Yro Protegida, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o i
que lho falta trata-se com o consignatario Joaquim
Jos Gonealves Belirao, a ra do Commercio
n.17._________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
NaTegaciSo costeira por vapor.
Macei em direstura e Penedo.
O vapor Jii'jii/iribe_ commandante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 8 da frrente
horas da tarde. Recebe carga" at o dia 7
as 3 horas, encommendas, passageiros e dinheiro
a frete al* as 1 Inras da tard do da da sahida :
no eseriptorio do Forte do Mallos n. 12.
COMPANHA PEKNAMBUCANA
DE
Navegando costetra por vapor
Femando de Noronha.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para o porto cima no
dia 8 de julho prximo pelas 11 ho-
ras da nianhiia. Recebe carga at o dia 7, en-
commendas., passageiros c dinheiro a frete at
as 10 horas da manliaa do da da sahida ; no es-
eriptorio do Forta do Mallos n. 12.
LEILOES.
LEILAO
De dous fardos com fazendas, um pacote
cora chapeos e duas barricas cora fari-
nlia cora avara d'agua salgada.
HOIK.
AS H HORAS.
O agente Pinto far lelao por ant.nisarao dos
Srs.^los Guilherme & ('.., e por cotila e risco de
quem portencer dos volnmes aeinia mencionados
salvados da barcaca Mi nervina, mestre Antonio
Francisco Fr ga. as 11 horas do da cima dito
em sen eseriptorio na da Cruz n. 38.
LEILAO
DE
100 saccas com milho
IIOJI3.
O agente Pestaa, far leilio por conta e risco
de quem pertenec' de 100 saceos com milho em
um e mais lotes, quarta-feira 7 do corrente, no
trapiche do barao do Livramento, s 11 horas da
manbaa
LEILAO
de loja de fazendas com armago
a 7 do correle.
O agenta Oliveira, far leilo definitivamente,
por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz do commercio
desla cidade, em exercicio, a requerimento e sen-
do ouvido os curadores Decaes da maesa fallida
de Guimaraes & Silva, da perfeit.i como linda IX-
macao de amarello, parafusada, e todas as fazen-
das existunta ta loja oit a rttn Jo Impornlrir
n. 36.
HOJE.
U meio dia em ponto, no lugar' da indicada loja
n. 3li, sita a ra da Imperatriz.
LEILAO
De estopa avarlada.
HOJE
Por ntervencao do agente Pinto, ra da Cruz
n. 38.
IJ
Da taberna da ra do Rosario n, 43 esqui-
na da ra do Arago, a qual ser vendi-
da como se acha ou em lotes, garantin-
do-se a casa a quem a comprar ou a
quem s Ocar com a armacao.
O agente. Martins far leilao por autorisacao
dos credores de Manoel Jos Pinto Martins, da
armaeSo, gneros e pertences da taberna cima
bem como das dividas activas "na imporukta de
743*760 rs.
Quinta-feira 8 do correte
as 11 horas do dia.
Leilao
De 5 carros de passeio, 9 pares de arreios, 19 ca-
varlos para os mesihos carros e mais perten-
ces da cocheira da ra do Imperador n. 27,
constando do usufructo do tanque para agua,
Unas, pax mais objectos pertencentes a mes-
ma cocheira.
Segunda-feira 12 de julho as 10 horas.
Joao de Dos da Silveira tendo de retirar-sc pa-
ra fora da praca, far leilao por intervenco do
agente Pinto, dos carros, cavallos, arreos e mais
objectos pertencentes a sua cocheira da ra do
Imperador n. 27, aonde se effectuar o loilao no
dia e hora cima mencionados
Preciosa publica-
pao jurdica.
Cominentario do cdigo commercial
portugnez
Vende-se na loja do Sr. Heraclio
j de Paula Monteiro, ra da tope-
[ rador n. 71, a importante e moder-
; na obra sob o titulo de nnoittfiks
; ao Cdigo do CommeirhPorlitgiw:
: em ! selheiro Dr. iogo Percira Forja/.
de Sampaio Pimentel, lenta cate-
drtico na universidad de Coim-
bra. Os subidos crditos do qoe
goza muito merecidamente aquelle
eximio commercialista por si i baslariatn para recommendar lid
importante obra, quando nao con-
corresse mais paia isso a grande
vantagem de ser um oplimo com-
mcutario ao codico commprcial bra-
sileiro (na falta absoluta que ha de
qualquer otitro) pela mxima he-,
mogeneidade entre militas das suas
disposicoes, e as do mencionado
cdigo portugnez, que llie servio
de lente. Correi pressurosa, dis-
tincta mocidade da Faculdade de
Direito desia cidade, e mais nota-
veis jurisconsultos, prover-vos
desse poderoso auxiliar para vossos
Irabalhoa da scieacia, c pelo preco
commodo de 20,>000.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao S. Francisco.
LEILAO
O superintendente desta estrada de ferro
faz publico que no dia 8 do corrente ao I/2
dia ser vendida em leilao, na estacSo das
Cinco Pontas, pelo leiloeiro Martins. 370 ar-
robas de carne secca em bom estado, ijue
foram abandonados pelo respectivo desti-
natario
Villa do Cabo, 6 de julho de I8G9.
Herir y Spencer,
Superintendente interino.
Pithlicaco Iliteraria sob o titulo de j
Memoria do Bom Jess do Monte,
em Braga.
Acha-se venda na loja da ra I
do Crespo n. 27, esquina da do
Qucimado, a Primorosa Memoria |
do Bom Jess do Monte em Braga, '.
ornada de gravuras finas, segunda
edicSo, obra da penna de ouro do j
mui Ilustrado lente da universida- i
de -Coimbra, o Exm. Sr. conselhei- i
r i Dr. Diogo Pereira Forjaz de
Sampaio Pimentel: quem tiver no-
ticia da extraordinaria devo&ao qoe j
existe em Portugal para com aquel-
milagrosisssima imagem, affluindo ]
sempre para o seu magestoso tem-
plo em romaria, o numeroso povo
de todas as partes desse reino;
quem souber avahar as brilhantes
descripcoes, e o bello cstylo da-
quelle consumado jurisconsulto e
eximio Iftterato portguez, nao dei-
xar de procurar quanto antes pro-
ver-se de um exemplar da dita me-
moria, pelo dimnuto preco de 3?$,
na loja cima indicada, onde j ha
pequeo numero dellas.
Attencio.
Rogase ao senhor que no Io de Janeiro de 1866
tomn uinaarla de llanca para nina casa, a ra-
zao de 30S por auno, e que at esta data mora
dentro da mesma sein que tenha pago um real,
queira vir pagar a seu liador, e entregar-lhe a
mesma chave, sob pena de ver o seu nome por
extenso n'-ste Diario.
Aluga-se
Urna casa com bastantes commodos na
Cidade Nova de Santo Amaro, a tratar com
Antonio Jos Gonealves Jnior eai Santo
Amaro.
I
AVISOS DIVERSOS.
INSTITUTO ASCHEOLOGICO E GEOGftAPDICO
MEDICO
O Dr. L. J. Corrcia 'de S usa de su-a
proflsso; para o que pode ser procura-
do a qualquer hora do dia em casa de sua
residencia, ra das Nimpnas n. 17. D
consultas gratis aos pobres todos os (fias,
das 8 as 10 horas.
FGO.
V le i da 2 i de junho
prximo paseado, a csrrava Antonia, de idade
rl 40 anuos erioula, core es sigoaesseg
les: cor prela, olhos pequeos, falta d./
dentes-na frente c quandolba de revej,
levou vestido de cassa branca cum palmas
roas- o cliale preto de lit : quem appre-
hender leve roa do C, ib ig n. G que sera
generosa i
Tlill.miS [\\l\\\o>
l.o
Eecife Apipucos.
AVISO
Rogi-sc aos Srs. assignantes, que ainda
nao tiraran os seos recnjo¶ o corrente
mez, qvii! os veuliam tirar hoje 7 de julho,
hrtfl que-os seis das de praso consedido
esto passados. c que deia data em dianta
nao os podem tirar, e sen prohibido andaa
nos -enssem estar munido do seu compe-
tente reoibo. \
O gerente. \
___________________Wm. Hauiinson
A' sociedade lanca ia em cr/mman-
di e de Theodoro Simn & G., mudou seu
eseriptorio para o largo do Pelourihon. 7,
Liquidado!!!
*.
Liquidado ABO JAI 1
^^T**-* de procos
.uiido&' u rua do Crespo n. 17
r
IL
wm inpKas (
Ditas bordadas para s mhoras.
Saias b >rtl'id-is |fft-a senh4r;
Ricos cintos de seljrn com
ras c
Precisa-se de um i ama para todo o
servico de urna casa pouca familia: ra
Direita n. 80.
Dase 1:3001 apremio sob hyputlieca de
um; casa : quem pretender nirlja-se a ra da
Palma n. G3 que se dir quem empresta.
Precisa-se de urna ama para o servico ex-
terno de nona casa do familia : na ra Imperial
n. 217.
h.-il.'s de todas sk cores (iwvoj).
; (la mestna coi para cabera (noto gosto).
Muito oriimonlo e lencos burda' bftos e remUs, tudo da trra,
bem gosto, e i es de vestidos de larlataua bordados, lazenda de goeto, pi-oprios
para cusamentos. c fe*'jiar->i .i- inpHsa f di milito gofel.
Allacas lisas do todas as abf^, ftzWith livf!
Micos corles de vestidos dd b'onde para casamenloy.
Pojipoliiias de linho o seda, uoslo luciamente novo.
Sajas de, todas as cores o de lindos nadroes. <
Son mjieu brtinco i i relo, grdshapoJ^Jptflodos'Qs precose-
qpalidades.
Na villa de Pao
d'lho.
junto a ladeira
Acaba de abrir-se um grande hotel, o qual tem
todos as commodidades para qualquer pssageiro,
o igualmente para familia, com casa separada cora
todo o aceio e bom traiainenlo, por proco muito
commodo.________
Precisa-se do um caixeiro com pratica de
taberna, de 16 n 18 annos, dando fiador de sua
conducta : a tratar na roa Imperial n. 190.
Os senhores (redores d > fallecido Antonio
Ferreira Gomes queiram, dentro do praso de lo
dias, apresentar as suas contas ao seu testamen-
teiro Manoel Ferreira Pinto, praea da Indepen-
dencia, pora serem verilcadas e pagas do.que lites
tocar em rateio. I'eeife fi de julho de 1869.
Precisa-se de um criado e urna cria-
da : na ponte do Jacobina n. 7 na Ca-
punga.
PEBDEU-SE
no domingo 27 de junho, pelo meio dia. um frasco
para cheiro. de, vidro verde com don-! eartdes, un
tendo as letras L 15, eo ou'ro "38 oct 1864" estar
em umacaixinha redonda de marroqnin pardo
escuro. Este frasco fo perdido vinl) da capella
dos inglezcs, pila ra di Aurora, pente aa Boa-
Vista, ra do S>l, trilhos urbano*, mas de S- Fran-
cisco o Imperador, ponte promisoria, caes de A-
pollo o ra do Bnim : quejn o tiver adiado e qui-
i restituido, dirigi lo se l'uili ;a > de low-
man, na ra do Uruai, ser generosamente recom-
pensado.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar c-eozinhar
para duas pessoas quera pretender dirija-se a ra
da Soledade n. 16, taberna do Sr. Gregorio, qne
achara com qnem tratar.
Precisa-se de um hornera para servico de
um sitio : a tralar na ra da Cadeia do Recif
numero 2o.
Precisa-se
, Lava se e engomma-se com todo o aceio e
promplido por preco razoayel: na ra Direita n.
101. Na mesma casa cosinha-se para algum es-
tabelecimento.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DR
Navega?o costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e Granja.
mtftfWf 0 vapor Pirapama commandantt
JXL Torres, seguir* para os portos aci-
^gniAtf ma o dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde. Itecebe carga at o dia li, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no eseriptorio
do Forte do Mattosn. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DF.
JSavegacd costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
mf*\ y O vapor Parahyba, commandante
yVAi Mello, seguir para os portos cima
tamat no dia 10 do corrente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nhoiro a frete, m eseriptorio do Forte do Mattos
n. 12 .__________________________________
Tasso Irmos, consignaurios do brigue in-
gtez Rio Grande, em virtude da e,arta de freta-
i qu e diz que os recebedores dos gneros se-
a auad i-I buscar a bordo, avi-
ne o dito navio
prineipia descarregar no dia 8, o que faz publico
llavera sessao ordinaria quinta-feira 8
do corrente julho, pelas 11 horas da ma-
ahaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalbos de commis-
ses.
Secretaria do Instituto, 5 de julho de
1809.
Jos Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
ESTUDO E PREPARATORIOS
com repetlco para os alia ni nos
que tem de fazer exaue em
uovembro.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella, n. 37:
Um curso de
LIM'.l'A FBANCEZA ;
PHILOSOPHIA ;
GEOGRAPHIA E HISTORIA;
RETHORICA E POETIQA.
Os estudanles que pretenderen fazer
exame em novembro em qualquer destas
materias, podem dirigir-so a indicad re-
sidencia, tarde, das 3 horas era ditnte
Paraguay.
Na ra Direita n 53. recebe-se qualquer quan-
tia de dinheiro para entregar ne Paraguay sem
lucro algum, dande-se disso garanta.
AMA
Precisa-se de urna ama livre ou escrava de boa
conduota, que conziahe com perfeicao o diario de
urna cata : a tratar na ra do Vgario n. 5, 3
andar.
Atteiicao
Pedido.
Previne-se a quem pretender negociar os ob-
jectos da cocheira do Sr. Joao de Dos, sita ra
do Imperador n. 27, que nao effectue negocio sem
primeiro se ajuslar com o abaixo assignado, tanto
a respeito da casa como a respeito de certas bera-
foitorias qne Ihe perlencem como o tanque, calca-
ment. Recife 3 de julho de 1869.
________ M. P. de Moraes Pinhciro.
Pre.'isa-se do um caixeiro que tenha pratica
de molhados para tomar conta de urna casa por
balanco, ou d-se interesse no estabelcimento : a
tratar no pateo da Sadta Cruz n. 94, debaixo do
Sr. Peretti.
_____________.________.______________,
Para acompanhar una familia que se rstira para o
Rio de Janeiro, de duas criadas acostumadas a
viajar e cuidar de criancas : a tratar na ra do
(loininercio n. 3i. ____________________
Auga-M urna escrava excellente cozinheira:
i tratar no sobrado n. 50 da na da Aurora.
Precisa-se de um criado proprio para sitio :
a tratar na na cstreita do Rosario n. 28._______
Luiz Fonscca de Macedo, tendo comprado
em vmie tantos de maio prximo passado ao Sr.
|oe Piulo da Cunha o hotel Lisboaeitse, silo ra
estreita do Rosario n. II, admittio nelle, como so-
ci) de industria, com a metade do lucro que por-
ventura bouve.sse, a Joao Martins Viegas, e como
no balanceto a que se procedeu no dito hotel em
30 de junho prximo passado appareca grave pre-
juizo, como claramente se mostra dos Umcinen-
td nos livros, fi.'itos pelos mesmo Vicgas, declara
0 annuneianto te-lo despedido no dia 1 do corren-
te. nao se responsabilisando por qualquer dehito
que appareca posterior a esta data, contrahido
pelo dito Vi'egas. Outro sim.declara que qualipier
pagamento de divida perteneente ao estabeleci-
mento, e das qne no balanceto foram classiflcadas
como activas em urna ceuteao feita pelo mesmo
Vicgas, s podero ser pagas ao anuunciante. Re-
cife 3 de julho de 1869.
BOM lOCIO
O cWmendador Tasso
deseja alugar por mdico
preco as baixas e alaga-
dos do seu sitio do Co-
cunda, s quacs vao des-
de aponte da estrada no-
va de Beberibe al quasi
a estrada velna ao lugar de Agua Fria,
comprehendendo urna grande ilba, qual
assim como as referidas baixas se prestam
muito a plantaco de capim, arroz e qnal-
quer outras plantas que percisam de trra
fresca todo o anno.
0 referido commendador nao duvida fa-
zer arrendamento desset terrenos e alaga-
dos por 6 ou mesmo 9 anuos, e dar um
anno de fogo morto a quem der flanea
idnea e se obrigue a rotear os mesmos.
Pede-se aos seguintes senhores se dignem
vir ra do Crespo n. 7 A, loja do Paco, a
negocio de seu interesse; ou annunciarera
as suas moradias, para serem procurados:
Luiz de Franca Belm.
Manoel Antonio da Silva. ________
Aluga-se uinjtoin eosinueire i na ra Di-
reita n. i" andar.
Precisa-se de urna mulher de meia idade para
se oceupar de duas criancas de 4 e 5 annos de
idade, e faier alguma costura em urna casa de
pequea familia, prefere-se quem souberler ees-
crever para ir instruindu ditas criancas nos pri-
soa que estiver nesti,cond?oes e poder abonar ViU"M"u^d "' IUI"
sua conducta, aniloM por esta folha para
procurada, ou dirija-se por escripto esta typo-
graphia 0. V.
Do engenho Linda Flor, fugio no dia
30 de junho, o esoravo pardo de nome An-
tonio. Roga-se as autoridades policiaes, e
capitaes de campo, sua apprehensao. Jul-
ga-seque o dito escravo.tomara a directo
da provincia de Alagas (Colonia Leopoldi-
na). Quem o aprehender ou quizer com-
pra-lo ou mesmo interceder para que n5o
seja castigado (o que de bom grado se at-
tender) pode manda-lo ao dito engenho
Bom Deslino, junto ao povoado de Trom-
betas, nesta praca n. 20 ra do Livramento
ouno sitio n. 4 de S. Jos do Manguinho.
MDALHA A EXPOSIQAO UNIVERSAL DE 1867
Para a. Snpcnioi'icla.d.e d'a.
IflTcnaa
por LE GRAND, Perfumista do Imperador dos Franceses.
PAIIIS. 207, Il3i.i Salnt-Honorc, 207. I'AIil*.
CRME OjR,IZ;yV
DE N1N0N DE LENCLOg
Para dar frticura a ytlle, dctlruir as ruijat da cara,
carnerear eltrnamenle a belleza d. juecnlude.
OrilZA. JL-^VCTi
LE1TE ANTf.PllEl.ieO
Para rifretear, bronquear e adocer a pelte, faienio
dcuppiiecir a$ nodoai e ai tardai.
SABAO ORIZA....... D'uma massa nce OniZA-CilEAM uocsjEcse. UoSN c-pccialmenle preparada para os banlios e a barba.
OUlZA-ll.l II)........ Pomada rorlilicantcc nutritiva para rousen aros cabellos ecmpedilos de quebraren.
OP.I/.A PIIII.OCME.. TpIuiio de lioi c oleo deavela com base de quina para os cabellos.
Ul!IZA-(.)lI,.......... Oleo linissimo pcifuniado para ItMIMf os cabellos c i'inpcililos (le qurbrarem.
OniZA-BitlI.LANTINE. Cri-iallisado eras unida, para dar biilbo aos cabellos c a barba.
OIUZA KLOWERS..., Aftoa inconiparavel de um perfu-!.c -nave c delicado, para foiiificardo lt pclle.
Ol IZ A-ACI i) l.'I.I \ I-;.. Vinagre do louradnr, aroma c anlepliiro.
l-.SSI'.NC.l'.-ORIZA..... Perfumo conecnliadn para os lencos produclo muito dccado.
OIlIZA-l.YS.......... Perfume do bom lom e. da alia soeledailc para os lencos.
ORIZA-1'OWDERS.... Klor de arroz da Carolina para a cara c a belleza da pcllc.
ORUSA-DKNTIFRICB.. I'ara anejar os deules c conservar as gcogitas.
OIUZA-UENTAIIII''. ...- Nova massa para a'vejar o> dintcs sem deslruir o cfmalle.
AGUA TNICA DE QUINA E POMADA DE BALSAMO DETANNINO
Pin limpru t siIntiriMr di cili-ri, h:\kai s ule los, os mpeJidi de ciliir e ti hindt cresstr rafidimeiti.
DEP0S10 GEBAL na Caza de
E cm Caza de todos Perfumistas do Brazil.
ABRAQUE
APPROYADO PELA ACADEMIA CE MEDICINA DE PARIZ
febrfugo
deve ser
0 Quinium Labarraque, eminentemente tnico
preferido todas as outras preparaces de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza cm principios activos extremamente
variavel; 4 parte disso, cm razSo de seu modo de preparaco, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e cm proporces sempre vuriaveis.
O Quinium .abarraque, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um mdicamente de composico determinada, rica em
principios activos, e ceiri o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
0 Quinium Labarraque e prescripto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamcnto, seja por antigs moles_
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos velhos
enfraqueeidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por excmplo, com as pilulaa de
Yaixet, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida accao.
Deposito em Paris, L. FRERE, 19, ru Jacob
Rio-Janeiro, DUPONCUELLE; CDEVOLOT. Pernambuco, MAURER et Cto
INJECTION BRO
UyKlCQlca lnlalllvel e fretrrvaliva, alisolutan:eniu nica que cura um neohura admlivo. Vi-L bu principis boticas d mundo. (Exigir a injtraeeu do oto). (10 annoi de cxiiuncia.) Parla; cb a
4* laical BBOD. bouUiard Maeen'a. III.
VEGETAL AMERICANO
S ALIDAbE
BARTHOrME & C?
I'ara & cora eerl da iors dijm c recentes, eita-rbss pulmonar, asllnna; tosie eonvol, eatarthat
bronaa'us, o em gftral contra todos os soffrimentos das tus respiratorias.
DEPOSITO (.ERVL
34, BA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A therapeulica das diversas molestias do peito, desde
a pliaryngile on mal da garganta al a tuberculico
pulmonar,passando pelas diversas broncbiles calarrhaes
5 o empliysema acaba de ser enrequecida com mais
este medicamento, que tomara a primeira ordem enlaa
lodos at boje conhecidos. O xarope Vegetal Americano,
garanlindo puramente vegetal, nio conlm em sua
composicSo aai s tomo de opio, e sim somonte sue-
cos de plantas indgenas, cajas propriedades benelicas
oa enra da molestias que perlencem aos orgos da res-
piraco foram por nos observadas por longo lempo,
com ptimos resultados cada vei mais crescenles; pelo
qne nos jnlgamos aulorisados a compor o xarope que
agora aposentarnos, e a oflerece lo aos mdicos e ao
publico, Provaaos com os al'.i stados abaixo- o que le-
vamos dito, o contamos que o lonccilo de qne ja gosa
o xarop* Vegetal Americano crcccera de dia a dia,
eixando rnuil aps de ai lodos os peitoraes em Mga.
Illm. Sr. Barihalomeo fcCO xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em saa conceitnadissima pbarmacia,
nm all remedio para combater terrivel atthma.
Sofra eo aquella molestia ha qnalro mezes, sem ainda
ter combalido os ataques mensaes qae tinba ; sle ullimo
tflt Uve foi forlissimo que me presin por 8 dies. usei,
porni o seo milagroso xarope, tomando apenas tres
dses, e at o presente Bao (ai de novo atacado. Prasa
Deiu, que cu qoe reilabeleeido por ama t. Rendo*
Ihe, pois os mens agrdecimentos por me ter aliviado d
to horrWel mal. Com a mais sigailicaiiva gratidao,
subscrero-me deVmcs. alTecluoso e reconhecido criado.
Severino Duarte.Sua Casa li de fevereiro det8(i8.
,: Illms Srs Barlholomeo C. Depois de qnasi seis i
"meies de solTrimento com urna tese incessanle, tastio
exiraordinario, expectorarlo do um calarrlio auiarella-
do, e perda total das forcas, que o menor passtio
L me fatigara completamente, cansado de tomar mnis on-
tros remedios sem resultado tire a felicidade de saber qu
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e com
elle, grabas a Dens, me aclio reslabelecUo lia maisdi
dois mezes, e robusto como se nada ltente soffriJo. A
gralidao me forc,a a esta deelaracao, quo podero Vmcs.
fazer o uso qne qnzerem. Soa com estima de Vmcs.
mnitos respeilador e criado. Artmio Imqumi de
G'futro e Silra. Recif* 8 de fevereiro de 1SG8.
Atiesto qne nsei do xarope Vegetal Americano, de
composicio dos Srs CarlUolomeo 4 C para cara de um
forte defiuxo qne me irome orna rouqnido, que me nio
faiia edtender, inflammacao e dor na garganta, toase,
grande falla derespiraclo, e liquei completamente rea-
tabelccido com um s vidro do mesmo xarope; peto
qne Ibes protesto eterna gralidao. llecife 10 de Ja-
neiro de 1868. Joaquim /'reara Arenle*/untor.
Etilo recoDlucidoi.
Jos Xavier Faustino Ramos, parteci-
pa aos seus amigos, que mudou a sua re-
sidencia, da ra das Cinco Pontas, para a da
Precisa-se de urna ama para eozinhar o can
prar : no pateo do Terco n. 63, se dir quem pre-
cita. 1
Os verdadeiros COLIARIS KOTIB, os nicos approvados pela
a Academia de Medicina, tem assim como os nicas outros produdot
attrahido a cupidex dos falsiDcadores, que para facilitar sua crimino
industria na o se pja, nemreceiao annunciar vender falsos Coxxamb
com mbv OME. En previno ai familias para interesse de seu filhot
que, para evitar falsificacoea, deven exigir, que meus CoixAmM Ibet
tejao vendidos em caixas de tambas de encalle e correales cobertat
por & tttiqnttas com a minia marca de fcbrica e eneerrand
prospecto clrcnnnancado, e selladas por urna medalha com olettreiro.
COLLAR ROYER, Roe St-Martin, 225. Paris.




Diario de Peruambuco ^uarta feira 7 de Julho de 1869.
- --- *--------------.

" V1 FALQI
N'ESTA ANTIGA E CRED1TATA
FABRICA
I1CIITU 81 CHITalTlIlHTI 101 C0IPLIT0 MITIIIITO Di
CHAPEAS E SOL;
De todas as qualiJadcs I
D todos os feitios I
De todas os presos 1
santo mm
V ra das Cruzes n. 2, travessa de S.
Francisco, acha-se aterto novo deposito pa-
ra grosso e retatio de louca fabricada na
villa do Cabo, branca o vermelha, bordada
e approvada para adorar e esfriar agua :
jarras pmprias "para sala, maiores e meno-
res, copos com p, qiiartinhas, grrifks,
e pequeas para meninos, moringui"S com
aza em cima e oulros objectos mais que
se precisar, assim como qtiartinhas da
Babia.
AMA

i
RA DO CRESPO
Precisa-so de urna ama para comprar, co-
zinhar e cngommar para casa de pouca fa.
milia :a tratar na ra do Livraraento n-
2i, toja.
imwmmm. wm s|
t& Escripiorio de advocara |
B O Dr. Juiio Tlioni da Silva transferio
o seu escriptorio de advocada da ra do
Imperador para a ra do Queimad n
.'II, I" andar, por cima da luja de fazcu-
das do Sr. Antonio de M. Itoiim, entrada
pelo pateo de Potro II, aonde pude sur
P; procurado das 10 horas da manhaa as g?
- 3 da larde.
Ama de leile.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Esto novo c molesto cslabelecmento, temi abertoaorcspeitavelpublico este ele-
gante e bem fornecido hotel que situado n'uma posicao inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros quer ovl'.to d'este genero, as tres cousss mais ne-vssarias ao genero racionalali-
mento do corpo, distraco da alma, e socego de espirito.
No pavimento terreo unta casa de pasto muito profusa, da primeira ordem ; ^ no
primeiro andar, sala da frente, um excellnte bilhar de moguo, para divertimento. *Sala
de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das comedo-
rias, o delicado modo dopessoal do estak'livimento, promptido e commodidade, so
aos illtistres eonrorrentes dado fazer jtistia.
Fornece comidas para fra, tanto por mez como avulsa. Todos os das, nojte.
contrar-se excellnte sor-vete, refrescos, caf, cha, bons vinhos Figueira, Porto, Bor-
toaux, tendo bons comraodos para hospedagem, salao e quarto mobiliado no segn
do andar.
Rua do Imperador
n. 26
Ha diariamente neste novo cstabel-p.i
ment completo sortimento do doces para
cha, pastis de varias qualidades, culpadas,
podios, plo-de-l, bullos agieses, pre-
suntos ditos em fiambre, superior cha hys-
son e nii linho, chocolate lino hespanhol,
jaropes, conservas de superior qualidade.
Fructas de Lisboa e francezas, lombo de
poico assad, marmolada muito fina, vi-
nhos finos do Porto, Xerry, Madeira, Bor-
deaux, Moscatel e da Figueira. Cognacs
linos, ve i dadeira genebra de Hoflanda, li-
cores linos e marasquinho, cerveja Bass
verdadoira, branca e preta. Bouquets arti-
ficiaos de muito gosto.
Recebe-se encommendas para casamento,
bailes e baptisados, ludo com muito asseio
e promptido.
AMA
Na rna do Torres n. 16, 2" andar, precisa-se de
urna ama que compre, eoziohe e engoiiiinc para
urna pe-soa.
CARROS FNEBRES-
Mudanza.
Agr & C. fazcm scicnte ao publico quo 36
achan na ra do Imperador n. 9, arraaxem, een-
fronle ao convento de S. Francisco, onde os en-
contraran a qualquer hora do da ou da noite,
para cumplir :.s suas obrigaccs; eneanvgando
se de ludo qpanto necessaro a qualquer acto
fnebre, para o que tem o pet-soal preciso.
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Procopio de Sena Santiago,
ponto dfestt tlieatro, que s deseja fallar na
ra Dimta i>. 89, a negocio que nao Ihe
devo ser estranhn.
Precicaso de una ama para casa de pouca
familia para serviros de portas para dentro : a
tratar na traviesa de S. lof n. 22, ou na na dos
Copiares n. .
l'ivcisa-se faite eom o Sr. Jos do Porto'
negociante de tondas e miudezas, qae fui para o
engenho dos Patos e dahi para o centro, a negocio
de sen interesse : na ra dos Prazeres n. i2.
mnibus para Olinda
No da 8 do corrente em diante o mnibus de-
nominado Olinda partir do Recife para aquella
cidado as 7 bons da manhaa e as 4 I|2 da tarde,
e de Olinda para o Recife as 9 da manhaa e as 6
da tarde. As assignaturas desta dato se rao por
carines para maior commodidade dos assignantes.
Precisa -se de 46 a tremi, dando se boas
firmas ou seguranza n'uma. escrava : quem qui-
zer pode dirigir-se Bo-Vista, rua da Glorian.
63, ou annuncie para ser procurado.
Cosinlieiro
Precisa-se do um bom cosinheiro : na rua larga
do Rosario n. 44.
COSINHEIRO
Precisarse de um cosinheiro oa cosnhei.ra que
seja per'eita para este fin, nacional ou estrimgei-
ro : a tratar na rua Nova n. 22.
O advogado
Alfonso de Albnqncrqne Mello mudnn o seu es-
eriptorio para a rua das Cruzcs n. 37, defronte da
t'.popraphia do Diario.
D. Auna Rodrigues Costa, viuva de Diogo Jos
da (vista, e seas lilh is e genro, agradecen! a todas
as Besadas amigos do finado e .parentes, que o
acoiipanharam ao cemiterio publico, e de novo
ooavidara fe lodo* os seas pareutes e amigos do
mesilla, para assisBriitl :i miss.1 -ii sctitBodia, que
devei ter tugar qurta-fefra 7 do corrente a< 6
linas da manbia, na igreja da ordom terceia de
S. Francisco, e tdimos desculpa as tessas que
deix.irain de ser convidados por tallado ienibran-
ca na occasiiio. _______________
Ao commercio
Vende-seou permutase urna propriedade
no bairro do Becife, com duas e breve tres
frentes, em urna das mdliores localidades
para o commercio, por se prestar a um
extenso armazem com tresentos e tanto?
palmos de fundo, e ser prximo ao embar-
que do caes do Apollo e a alfandega: a
tratar na rua da Imperatnz n. 10, loja de
m'iidi'zas.
Preeisa-s alugar aaia cusinheira: rua do
Pilar n. 63 1" andar.
RAVI0L1
COMIMIi DOS ANANAZES
16-RUA DA CRUZ-16
. ANTONIO, JOAO E PEDRO.
Ha diariamente s<-rtmento de bollinhos paradla, podins, pues de lo, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de difTerentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas cbnfeitadas e confeitos. Vinhos finos engarrafa-
dos, superior cb Hisson, preto e miudinho, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
lisadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
Recebe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
feonitas armaces de assucar, sendo estas preferiveis as de papeI3o: bollos etc., paes
de l enfeitados, qualquer encommenda para fra ser bem acondicionada.
Mr. Mercier.
Alfaiate francez tendo de retirar-seno
primeiro vapor para a Europa, julga nada
ilever nesta praca. porm se jlgnem se jul-
gfar seucredor pode apresentar sua conla at
o da 10 do corrente.
Igualmente pede aos seus devedores se^j
sirvam vir saldar saas contas e nao fa-
zendo-llie repetir este pedido nominal-
mente pelos jomaos, porque ignora suas
moradas.
Outro sim aquelles que teem obras e en-
' commendas veuliam busca-las sono sabe os
seus nomes pelos jomaes.
Vendem-se cortos do casimiras e cos-
tumes intoiros linos, preco razoavol; brins
de linho finos de todas as qualidades; cortes
gurguro de seda para collietes, cortes de
colhetes de la finos, dito de sarziui fran-
cez finos, botes, para criado, de coritas,
de bardes, lisos e de vriolla finas e botoa-
dura de colhetes finas: na rua do Commer-
cio n. 7 1. andar.
CIDADE DE IHUBAn
ADVOCACIA.
0 bacharel Augusto Carlos Vaz de
Oliveira, tem aberto seu escriptorio de ffi
advocada na cidade de Mamanguape sw
(provincia da Parahyba) onde- podo ser 1M1
procurado. H
ta capital p-jilcm nntMidcr-'o com ^w
seu irmo o Sr. Justino J. de S. Campos, 1
rua do Hospicio n. 23.
par
DENTISTA DE
AMA
Precisa-se de urna ama paja cozinliar para ama
pessoa : na rua da Roda n. 46, Io andar.
Grande officina de
alfaiate
LIMA. LE$SA & ^0WP%NHLV
Rua Novan. 14
Tendo chegado, ultimaineiite rontratao .ara
nossa officina, um dos mai periters aafates de
Lisboa, o Sr. Manoel Marnho Alvcs Gar ia, a
quem confiamos a direcoao da masma ; portanto
ennvencidos como estarnos da sua importante te-
soura, vemos prevenir o respXiiM pumfn," que
nc-llavera quem posa executar q al<|aer obra
com mais perfeicao e por majs caprichoso que seja
o freguez, como o dito Sr, Martlnho Alves Gareia;
assim como temes grande sortimento de case-
miras, pannos fiaos, brins de toda a qualidade,
camisas e ceroulas franeezas, chapeos de sol de
seda, grvalas e colarinhos, e completo sortimento
do fazendas finas.
lllli
DOS
TRiLHOS RBAROS
DO
RECIFE X* OliIMDA.
Precisa-se comprar para as obras dos
trilitos urbanos para Olinda e Beberibe 7
ou 8 mil snlipas. Quem pretender csse
fornecimento pode apresentar, at o da 15
de julho, sua proposla em carta fechada
rua do Commercio n. 32 1* andar, es-
criptorio da cotiipanliia, declarando os pre-
sos. As sulipas dovem ser de 2 o m. de
comprimento, 20 a 25 centmetros de largu-
ra e 10 a 12 de grossura, e das seguintes
madeiras : sicuptia, embiriba, mariapreta,
bar ab, anieira, oiiicicn, babatimao, pao
Ierro, jatob, cor.ico de negro, sapucaia,
ou pinho creosotado. Todas estas madeiras
deverao :er do milo edirigidas ao
Superintendente,
Alidiii Pono.
(MPANII1A
de Seguros martimos e terrestre Fideli-
dade, ostabcleciila no Rio de Janeiv. ra-
pi'.al 3,2000001(000.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A G.
agentes dosta companhia, tomam seguros
contra fogo e a risco martimo, llua da
Cruz n. ."7 primeiro andar.
NOVIDADES
Precisa-sede urna ama deleite: a tratar
rua Real (Estancia) u. 8, sitio.
ML
Precisase alugar urna escrava que coaabe
ewnpre : ua rua de S. Francisco n. 54.
COMPRAS.
Compra-sc um escravoque
enteiulado ofTirio (le tanoeiro:
a tratar no escriptorio de Amo-
rim Irmaos & C, na rua da Cruz
rr.8.
Compra-se
urna carrosa para boi : na roa da Crnz 1.1, |
andar,
0 muzeo de joias
Na rua do Cabug n. 4 compra-se onr, prata
e podras preciosas por procos mais vantajosoa do
que em oulra qualquer parte.
Ouro e piala em obras ve Ibas, assim
como brilhantcs sondo de primeira quali-
dade ; compram-se por maior i refo que
em outra parte. Na loja de joias (Esme-
ralda) ru i do Cabug n. 5.
Na praca da Independencia n. 33, loja de oo-
uves, compra-soouro,prata, e pedras precintas,*
tambem se faz qualquer obra de encomnMofe, e
jodo e qualipier concert.
Com esudodoioi-uajiiio as ras da ci-
dade lodos os dias uteis das 9 horas da
manhaa s o da tarde, urna caixa contende
artigos das ultimas modas de Parspara
3EKHORAS
Como sejara:
Ricas e bollas chapelinas.
Lindos e elogantes dmrjfestnhos.
Casaquinbos de guipurc.
Fichs de renda prelos.
Delicado sortimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Hornis de lan e seda, claros.
Coques enfeitados e lisos, etc. etc.
E muitos artigos de Dovidade tanto para
senhoras como para homens e crianras.
As pessoas jue pretondoiom alguns dcs-
tes objectos, quera* ter a boffdade de
mandar dizor suas moradas noBAZAR
DA MODA;RUA NOVA N. 50atim de
seren ptotm
Os proprifrfrt do=nAZ\u n.\ moda,=
certos na colhaa (lestes artigos,
por seu mu hbil correspondente em Pars,
jolgam-se no diretto de alliancar que veu-
dom suas mercaduras por procos as me-
Ihores condires a dinheiro.
Ainda nao vieran), no entretanto o negocio
de interesse, e precisa-se fallar rua do Crespo
n. 17 com os Sis. Paulino Fcrreira da Silva, ex-
procurador da cmara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa. *
Em casa de THEODORO CI1R1ST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
effectivamente todas as qualidades de vinhe
Bordeaux, Bourpogne o do Rheno.
Os apreciadores de manjares delicados
encontrato todos os domingos, no hotel
central.de Francisco Garrido, a verdadeira
sopa de Havioli to vdrdalt>iro goeto italiano :
assim como outras excellontes iguarias que
seria enfadonbo mencionar. Alii se en-
contraro ainda os mais asseados aposen-
tos para hospedes, banhos, bilharos'e piano
a recre do habitantes: rua larga do
osario n. 37 Io andar.
tar
FIO E VELA
Barbante
Em casa de Rabe Sehmetau A C. Corpo
Santo n. i5.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
Em casa de Rabe Schmettau A C. Corpo
v Santo n. 15.
CHAMPANHA
SUPERIOR.
Roussillon, carte blanche.
t-lni casa de Rabe climcttan <&
C CorpoSant- u. 15.
XMtL AO PRXIMO
De ordem da presidencia da sociedade
Amor ao Prximo, fui adiada a sess'3o da
assembla geral para H do corrente, as 7
horas danoute. E assim faz scienle a todos Aguasinha.em Beberibe, contina vender
os socios da supra dita sociedade, afim de ** terrenos de sua respectiva ara, guar-
COMPRA-SE
moedas de ouro e prata de lodos n Tafo-
res, ouro e prata em obras intitilisadas, e
brilhantcs e mais pedras preciosas na to-
ja de outives do arco da Conceiro no Re-
cife.
Precisa-se
Comprar urna escrava moca, prendada, c rarinho-
sa para crianras: a tratar na rna do Ranjel n.
i, sobrado, das 8 s 10 horas da manhaa, e das
.* da tarde em diante.
VENDAS.
de pao e cestas, rua larga to
Rosario.
Cheparam novos ntpprtilMVtoi de hatahw **
todos os formatos, muit-i Meis e precisos na casa*
de familia; tamhtm lareleiiios de Ushoa eerx
branca em rafe para lewat luzes. Indo Tende-
mos pelo menos que poarireL
\inho.
A' rua do l.ivr.inentc n. 8, tem para Ten.lerB
barris de quinto c meia pipa, o nielhor vinho ver-
de at lurje, vindo a este mercado, e v preco- razoaveis.
BARATISSmO
>endom-se o cobrado n 17 rua do Pilar, roiw
execjientes WUMBOloK, wlao grande, quintal .:
porto p;ira a ninr : a tratar H mesma na m.
63, i' andar.
Cun dinbi'iro vista veode-se o -'-^ *"
na pomaco dd> Mniites, ao p da csta^ao de Una
a tratar com Jos Paulo do liego Barrete, n TlTta
do Cabo.
Pihuas de Bravina
Estas prodigiosas pitlas sendo applica-
das as pessoas acommellidas de febres in-
termitientes, sao incomparaveis em sua olli-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, aohando-se nicamente venda na
botica n. :{ rua Direita desta cidade.
O abaixo assignado, lestamenteiro in-
ventarianto dos bens deixados pelo falleci-
do subdito francez Joo Vignes, convida aos
credores do mcsnio, a apresentarem-lhe as
coritas de seus crditos, para por ellas se-
ren atlendidos no inventaro que se est
procedendo pelo juiz municipal da vara
i desta cidade, c. isto no mais breve termo
i possivel, visto estar a concluirse dilo in-
ventaro. Recife 21 de junho rio 1869.
Garpar Antonio Yieirt Guimares.
Criada .
Precisa-S i de ana criada forra ou captiva para
engommar : na rua do Imperador t. 7t, segundo
antfar.______________________________
AtteiMjo
0 proprietario do sitio denominado
Trocam-se
19-Rua Nova-19
FKEBERICO C^ 1LTIER
cirurgi3o-dentsta, muito conhecido ha dez annos n'csta cidade, pela perfeic3o dos seus
trababos, tem a honra de participar ao respeitavef publico que tendo fet maitos me-
Hjoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senhoras no seu gabinete onde
adiarlo os commodos precisos para familia.
Acba-se tambrjm na sua casa e na sua companhia, o seu sobrinho e discpulo
I. IKKOI V
o qual acaba de voltar de urna longa viagem a Europa, durante a qual praticou com
leli successo as primeras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenho para tudo o qoe for relativo proflssao ; por isso o
annQOdante pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontrarem no seu
gabinete, depostem no dito seu sobrinho a mesma confiaDacom que o tem honrado
a dez annos.
Sentadoras por todos os syslemas: a prsalo do ar e com molas de ouro, platina
Tulcanite e um inteiramente novo n'esta cidade.
Cura radical dos dntes enriados.
<2mmbagens (obiiraces) com ooro e com massas diversas, segundo os easos.
Remedio para acalmar as dores de dentes. I.
Agua e dos dentrficios fbneads pelo proprio annondante, o que Ihe permitte afin- \, t^&%SISWiTdm&? nm^
Car sua boa- qualidade. Pt^m.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipo de trabalho e presos moderados.
Viagms para fra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 .horas da manhaa ateas 4 da tarde de todos ds
lias atis.
4 notas do banco do Brasil e das caixas filae*,
m descont mnito razoavel: na praca da In4e>
jeadeneia n. iH. ^^^
GASA iAFfifiU
Aos 4:O00|
Mhetes garantidos.
A'roa'do Crespo n.23 e casa* docostume
O abaixo assignado tendb vendido nos sensmni
to fehzes bufetes garantidos 2 quartos n. 796 cam
a sorte de 4:0001 e outras muiUs sortes de 100a
40 e }0i da lotera que se aeaboa de eitrahir
era Weeflefri da Santa Casa de Misericordia
(ilfr) ootaflda ana pdssnldores a virem re-
ceber seos respectivos prtojios sera os ds-
fua do
todos comparecerem na referida secc5o,
para que se possa resolver materes quo
verstil a favor desta sociedade
Secretaria da sociedade Amor ao Pr-
ximo, 2 de julho de 1809.
Io secretario.
_______Antonio: Manoel do Sacramento.
Precisa-se de nma ama para cozinhar em
urna casa de poca familia : na roa da camboa
do Carmo n. ii.
Oerece-se um professor para cnsinar a fal-
lar, a escrever e tradmir a lingoa franceza : na
rua de Santa Rita n. 1.
Oescrivao dafazenda provincial Torres
Bandeira modou o seu escriptorio do so-
brado n. 38 da rna do imperador para o
de 44 da mesma rua, i. andar.
seas
contos das leis," na casa" da' fortuna
Crespo n. 23.
Aeham-se a venda o df 9 parte da lotera
Os abaixo assignados scientilicam ao corpo
conimercial e quem. interessar possa, que em
30 de junho do corrente anno dissolveram ami-
gavelmenle a sociedade que tinbam no armazem
de carne sebea; sito rua da Praia n. 22, que gy-
rava sob a lirma deLebre & Silva, cuja liqui-
dacao Bea a cargo e exclusivamente por conla do
socio Patricio Ignacio da Silva ; c o socio Lebre
desondrado de qualquer responsabilidade.
Recife, 2 de julho de 1869.
Antonio Aires Lebre.
Ptrido Ignacio da Silta.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : no segundo
indarftla casa n.|47 rua do Imperador.
Br.-:'::l
Quarto.....{000
Em por ci de t00# para cima,
Bhete.....SO0
Meio......1*750
Quarto..... 878
Manoel Martas Fioza,
0 Dr. Ermiro CSut&ho, reside
rua da Cadeia n. 64, onde tem
aberto o seu consultorio me jico, e
pode ser procurado aquaiqoer ho-
ra para o ejercicio de sua profis*
MMM.
Pracita.se de uaa ana forra oa captiva para
servico interno e externo de ama casa 4 pouca
familia : a tratv em.frcnto a rna do Tigario n. 2,
tabana.
dadas as prescripcoes de limite estableci-
das pela planta topographica e prbjecto de
concurrentes segimda a exocuco delineada
para o seu retalhamento ou subdivisSo.
A certeza da prxima realisatfio da viaco
forrea, pola ivimpanhia dos carris urbanos
do Recife a Olinda, devendo estabelecer
natural e necessariamente estacao na bifur-
cacao formada pela estrada novamente exe-
cutada ao Porto da .>adeira, na proximda-
de do qual existe o sitio supra menciona-
do no sentido transversal a antiga estrada
de Beberibe ; tomMe mi subido valor os
terrenos ora expostos venda, que ficmriem
pequea distancia da estcao dessa via-fer-
rea, prestes a realisar se. P]sta valiosa
circunstancias, alm do outras quo muito
recommendam e abonam a superioridade
desses terrenos, basta para Arriara convic-
Co de quinto e mdico o seu prpeo, de-
vendo isto muito contribuir para despertar
o interesse dos compradores, que j tem r
compras entaboladas, e aos que ainda n5o
tem conhcimento desta importante venda
offerecda a concurrencia do publico.
O encarregado do taes vendas o dis-
tinto engenheiro Antonio F. R. Selte, quem
se dever procurar em casa de sua residen-
cia, e as quinta-feira c Domingos no sitio
de que se tem tratado em Beberibe.
Vendse nina norcao de livros para o rarwi
di I Jj* auno e lamben) algUmM obraa de Utalau-
l'i i and e romances, 11 operas italianas, Hago em
bom estado, no Corredor do Bispo n. 53; namesnu
Casa i'iv i-n-.;ilnpr urna ama, que tenha aaarito
boa conducta, para tratar de dois int-ninos e en-
Bomnwr para pequea familia : na mes na ra>a -
dir quem compra ou aiuga cnia casa (ora U
cidade nos arrebaWes, Manguind Capaiifi,8o-
ledadc, Caininlio .Novo; que tenba l Vcndc-se urna machina de corlara em ptr-
fcito estado : na treve-sa i\a Qucinado n. I, pri-
meiro andar.
ATTENCAO
No armazem de David Kerreira Bailar, roa o\>
liriiin n. 92, ha venda os segainle feaen por
preeos razoaveis ;
Bolinetes de *!
proprios para barracas e h; ate?, mnito snpariorr*.
Vinho do Porto
em caixas de duzia de garrafas, e era barril A
dcimo, do Porto, muito lino.
Farinha de mandioca
ha em saceos, nova e de superior qnalidade.
Pedras de lotiza
muito proprias para lavagem de louca ern *-
linhas.
iiumt
Vndese i:m bilhar com
rua de S. Francisco n. 44.
seus perleoen: na
Venden)-se api mok-que e urna nejrriuha .
tratar a rua do Pilar n. 63 1' andar.
Venrtc-se um preto de 8 annos
rata-se na rua da Imperatnz n. 13.
= Vrndem-se um bonito moieque de
11 anuos, umniolatinoo da mesma idade.
e diff rentes uegrmhas c moleques de lo
annos para haixo : no T andar do sobrad'
n. 36 .i rua das Cruzes. ________^^
Pedras para moinho
Vendem-se i pedras para moinho sendi
i de 3 palmos e i de 4 palmos da di-
metro, vende-se as pedras so ou com seus
pertences prompto para IrabaHiar. na fa-
brica a vapor de cigarros : rua do Qnart-1
da polica n. 31.
mmm
Vendcm-so 600 cnchameis dtJ loaro de varia*
grossuras e comprimento, assim romo urna batta-
ea nova e bem construida, sendo a sua earandw
5,000 arrobas : a tratar con Loyo Scbriaa C,
rua da Cadeia n. 51.
a eocheira de Thomaz l.ins Catdas, ras 4a
Santo Amaro junto da estaciodos trilhos n
vende-se nm grande bot manso e multo:
uma earroca e seus perteaees.
Precisa-se do uma ama que soj-
raoca, para costura, compra c sera
vico do uma familia allemaa, s de
duas pessoas no larpo da matriz
do Santo Antonio n. 4, 2o andar.
Precisa-se de uma ama para casa de pouca fa-
mrlia : na rua do "Sol n. 33, armazem de ma-
feira.
Preeisa-sc de uma criada para coiinhar
rua do imperador n. 73, segundo andar.
Precisa-so de uma ant do idade (jue eoli-
abe bem, para casa de homem solteiro : a tratar
aa rua Imperial a. V,.
Hits T
DBJOAQl'IMDASIF-VA RBOO,
ITm volume em tres series, com o
autor.
Preco 34000.
Livraria Universal de Gofanriet *-OMfft% rea
do Imperador n. 54.
^.7X50
Xo armazem do caes do Ramos 8 atitfm m m
deposito de agurdente.
COFRES DK PERRO de varios tamandoa.
MACHINAS para descarocar algodao.
MAt^tlNAS|a vapor.
MOTORES para dous cavallos.
PERRAENS era geral : no armazem de !
Haivkes & C. rua da Cruz n 4.
PotasM da
a man nova no mercado, a preoo ratawl: na
m db Ooromercio n. t3 araaaaflm na* xeira Bast*.
Vendem-se 1 moleques to 4t aunen, <
de 10, 1 dita de ti, I pre to 15, 1 am*f*pafa
d 4 annos, tenic viifi iM m9f i mV fon to
Fofon. 9.


mmm
MHM

.
i





I
Diario de Pernambuco Quarta feira 7 de Julho de 1869.
Ccordeiro previdente
Bna do Qtietuiado u. i O.
Novo e variado sortimento de perfumaras
unas, e outros objectos.
Alea do coqjpieto sortimento de perfu-
Oiarias, de que efectivamente' est prvida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber um outro soriimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e cummodidades de pre-
C08; asshn.pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico coi geral e de sua
boa freguezia eui particular, nao se afas-
tando elle de sua bem condecida raansidao
e barateza. Em dita loja encontrara os
apreciadores do bom:
Agua divina de li. Coudiay.
Dita" verdadeira de Murray Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e rnais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de fior de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
asseia da bocea.
Gosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos o latas, maiores e menores, com
pomada fin para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos in.lezes, americanos
amibato mwmi
QUE SE LIQUIMM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
ll-EA DO atJEINADO-11
DE
DO
DE
FEIIX PEREIRA DA SMVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-so do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
lei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociara em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
poderao fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porgues, venflen lo-se-lhes
pelos presos que s"e compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se I he as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
francezes om frascos simples e enfeitados.
Esseucia imperial do lino eagradavul chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philoconie verdadeiro.
Extracto dolQ de superior qualidade',
com escolliidos che ros, em frascos de dille-
rentes taannos.
Sabonetes eai barras, maiores e menores
para inos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos amito finos em Cixinba pira barba.
Caixihi- altos sabjneles imitando
frucias.
Ditas Je madtr'a hivernisada contendofi-
nas perfumaras, milito proprias para pre-
sentes.
Ditas de ppela-.) igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e di?
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sera composico de
cheiro, e por isso o mais propiio para enan-
cas.
Opiata ingleza e franceza para denles.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambera para (lentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada tuais coques.
m ostro sortii.iento de coimes de no-
vos e bonitos moldes cora filets de vidrilhos
e alguna d'elles ornados de flores e fitas,
estao todos expostos apreciaeo de quera
os pretenda comprar.
GOLLINIIvS E PNHOS BORDADOS.
Obras de milito goto e perfeicao.
Ffvelljs cfi.is liara cintos.
Bello e variado sortimento de tacsoBje-
" tos, fl'cando a boa escolia ao gos!o do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode encontrar ueste
genero, sohresabindo os delicados ramos
orvafliados para coques.
Vinho' degestivo de
chassaing
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excedencia para cura -.erta
das digestees difieis e completas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
preduzind) urna assimulacao completa dos
sIimentos sendo mais um excedente tnico.
VENDSE
PHARMACIA E DROGARA
u
Bat-holottien ti: C.
34RA LARGA DO ROSARIO-34
Explendido sortimento de
Alpacas lardadas de cores a 56
Alpacas a 560 Alpacas a 5(50
Alpacas de cores
Na loja do Pavao ra da Emperatriz n.
00, vende-se uns poucos de mil cu vados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tundo enlre ellas azul, fyrio, roxo, cor
de canoas verde ciato etc. e s" lavrores
muito miudinhos asentados em urna so
cor; para se poder retallar esta fa/enda
pelo barato prego de 560 rs. o cnthdo, foi
preciso fazer-se urna grande compra dcste
artigo, o qual grande pechincha.
Aos dez til corados de cassas
frasicezas
Corado a 300 Covado a 300
- Covado a 300
Covado. a 300 Covado a 300
Cavado a 300 rs.
Vende-sc na loja do Pavo ra da im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas fi aucezas
para vestidos, tendo padroes miudos e graii-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente fraucezas, Unido
transparentes e tapadas, com tanto carpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheire, mas re-
talia-se a 300 rs. o covado.
Uspartilhos a -$OQO na loja do
Pavo
Casemiras da moda
NA
iOJA I> PAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
cas, paletots e coleles, tendo lisas, com lis-
lias e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como lias menas se manda fa-
zer qualquer pera de obra, a voutade do
freguez, para o que tem um bora alfaiate.
Aos quiuhentos palitots
a m o 203000.
Na loja do Pavao ra da Imperalriz n.
60, vendem-se urna grande porcao de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preiu, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 18?, sendo forrados de alpaca, e de
20,-$ forrados de seda ; esta fazenda a nao
se ter comprado una grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquidase
esta pechincba pelos precos cima.
POUPELINAS A 500 US. O COVADO.
Na loja do Pavao, na ra da Imperatriz
n. 60, vend-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de cranlas, com as mais modernas e bo-
nitas cores; padros cora tistrinuas miudi-
nhas, que se veudem peloljarato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para ncivas, que
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEdo cachemira branca e de cores o que ha de mais lindo.
BASQUINESde renda preta, e de gorgurao preto, o que ha de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALO ESbrancos e de coi-es para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
dadas, e saias de 15a com barras de cor.
GORGURAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
&G $!MAt>6
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Vendc-sc urna grande porc-ao de esparti- \ nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanlios, e
vendem-se a 35 cada um.
MADAPOLAO
va, na ra da Imperatriz h. 60.
AS CA.MBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
ENFESTADO A 3>60O, S i,izas transparentes tanto inglezas como suis-
NO PAVO Isas tendo mais de vara de largura, peles
Vendem-se pecas de madapolo enfeafado precos de aWOO at rG^OOO a peca, assim
com la jardas, sendo muito ncorpado ftelo como finissmos organdys branco liso que
barate preco de 3-5600 res, assim como serve para vestidos de bailes, por ser muito
pecas de algodaosinho com 16 jardas transparente a tjJOOO, a vara, na loja do
03 e us.000 ris. Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
GIME PEGMA reIraaa5,IvacToado
Para camas ejaneilas.
Vende-se um grande sortimento oes me-
| Uiores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e-para janellas, quee ven-
dem a 12,5000 rs. cada par at 2o6G0 rs,
, isto na rua da Imperatriz n. 00, de Flix
i:m
PERCAIIAS
A pataca ocovatlo
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavao rua da Imperatriz n.
08, vende-se urna grande porfi de per-
callas francesas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os deseahos mais bonitos que tem
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RUA DA
IMPERATRIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas
FUNDfCAO DOBOWMAN
lina do Brmu a. 'i.
PASSANDO 0 CIIAFARIZ
vindo ao mercado, tendo padroes miudose sendo cairas palitots e coletes de caserna,
grados e vende-se pelo baralissiaio precoide panno, de brim, de alpaca, e de todas
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta as'mais fazendas que os compradores pos
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
for este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LKNCOS COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1;>800
sam desejar, assim como na mesma loja tocantes quadros em alto relevo.
tem um bello sortimento de pannos casoini-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca -de obra, coma raaior promp-
tidao vontade do freguez, e nao sendo
Tintura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida de Guis-
lain que esto era des^onhecida em Per-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e anda mais
r, quando noticia de seu bom elfeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composa uni-
damente de vegetaes inoftensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e lhes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, mais sim .ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatr vezes,
e logo se obten o Gm desejado, coio bem
provam testemunhos de pessoas insrsspei-
tas, e d'entao por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a-experiencia ser feita em
outra quatqtrer cousa.
Assim pois esta agaa-f!orida acha-se ven-
ia na bem conhecida loja d'Aguia Branca
rua do Queimado n. S,
A Aguia Branca, contando com a protec-
cSo de sna boa freguezia, tambem capricha
era nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a fconram, e em prova ao que tica dito, A
como exemplo ko explendido sortimento
que acaba de receber, anda raesmo achan-
ilo-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
a oraco, obras de apurado gosto e perfei-
to, sendo: com capas de madreperola e
Ditos com
bonitos.
ditas de marfim igualmente
Ditos com ditas de velludo, outros i m
tando charSo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com nv
e guamicSo, dourada ou prateada.
Cortas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de loques
todos de madreperola, madreperola e seda;
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e fciaetc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com i vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Yoltaa de cnente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Lavas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de 15a para homens, mulheres e
meninos.
ftclnhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
El. e-im;io3 lns tapftdos e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas deridro enfeitadas
oem pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos atbuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
aarrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas cora bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e .bonitas
Chegou para a loja do Pavao, rua da; obrigados a acceda-las, quando nao stejam
imperatriz n. 60, urna grande porcao de
j prcas de bramante com 10 palmos de Iar-
igura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
' ment de um lencol, o qual se faz com um
Tera sempro deposito de todo o ma;hinis- metr0 e uuia quarta, e para cama de casal,
Bio empregado na agricultura da provincia, om um iaetro e,ra*w: e..vende-se pelo
entreoaaat: ijarato preco de i*8(K)
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel peblico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios paratiomaiM d sanlioras promet-
do-se-"
ris cada metro,' tendo-sc-lhe vender mais barato do que em
Machina de vaf jf, para assucar e para l4endo_esta larga fazenda, outras muitas ap- j outra qualquer parte. Na rua da Impera-
algodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Titas de ferro, batidor fundido e de
cobre.
Alambiques.
Aiados e instrumentos d'agricultura.
Descarocailores d'algodo etc. etc.
Havendo em tudo variedade de tamanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
Vende-se tnmteiga ngtez muito boa a 900 rs.,
-i$, e IJliO a libra, muito fina, presnKo de La-
fo a 800 rs. a libra, carne lo sertao 360 r.,
iinguica fin em latas a i> a libra, farello, sacco
de 460, e o de Lisboa "
Parai n. 20.
fino a 55400 : no pateo
XAROPE PEITORAL
DE
ABO DE TtTl
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e reeommendado as
afleecoes do peito, broacbit chronica, ae-
noplise, e tosse chronica.'
PREPARADO POR
JOAaWM DE ALMEIDA PINTO
PH A RM ACEL' TICO
PevHantmc* rua larga do Rogario n. 10.
i
Vende-ee terrenos de prodcelo e com
arvores fructferas e prximo a esta-
cad dos trilhos urbanos do Recife
Olinda e Bebcribe, no becco do Espinheiro,
podando qoem quiser dirigir-so nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Jlo de
Sarros, e nos demais dias, rua da Impe-
ratriz n. 68,
Vefid'-se
atabemada rua d* Hartas a. &3, om .virta-
de de seu dono retrar-se para .fra: a trstar
aaaesma.
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE DE 85Ot) OOOO
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
ti de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 3$
at 6#0t0 cada um, em relacao s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCYO
AS CHINCHAS QUE SE LIQL'IDAM
NA LOJA DO PAVO
ortes de organdy estrados com 10 va-
ras cada um e que tambera serven para
lato a 30OO.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
triz n. 6*0, loja e armazem do Flix Perei-
ra da Silva.
O ataalhado do Pavo.
Vende-se saperior atoalhado de algodo
x>m 8 palmos de largura, adamascado a
i-^00 a vara; dito de linho faeenda muito
rperior a 3^200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a i 3500 a duzia e muito
Inos a 8^000, e ditos economices a 3500
i duzia.
ALPACAO DE GORDO PARA VESTIDOS
A ioOOO
Na loja do Pavao^ vonde-s superior alpa-
cSo ou gurgurlo para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differenles
eflres, sendo mais largo que alpaca e ven-
n barras bordadas ^pelo baratissimo pre?o de 1*000 o
e nao finas a :) e 4#@0O.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar coutas.
Alpacas brhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes.com as mais delicadas odres, e
cora os mais bonitos lavradinhos a imitacio
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-seo bonito
Rismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 re. o covado por se
ter recebido em direRura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, seno
seria para muito mais dinheiro, isto na toja
e armazem do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60 do Feliz Pereira da Suva.
vertido cm du.iH alas a *#
Chegaram para i> loja do Pava sua da
Imperatriz n. 60, os mais moderno corts
de poil de Chvre com duas safas para ves-
tidos, sendo, n't&a genero o que ba de
meliiofto mm novo no mundo, e vendem-se
pelo barato prende 20>000 na laja de
Fel Pereira da Silva.
>ovldadc \oTidade
gcrguroes d seda para as festas
do mez d Cbegon pelo vapor de 14 do oorrente,
para a loja do Pav*>, rua da Imperatriz
n. 60, um brilhanto sortimento dos mais
modernos e mais booitosgurgurees.de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinho* e
graudos, com lindas listrae matisadas, as-
sentadas as mais deticadas eflres, como
sejam, verde, bisraark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras,, garantindo-se quena actualidade
nao ha urna fazenda d mais gosto nem de
mais pbantasia do que estaqese vendepor
preco muito rasoavel, no* estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.
BbadinliQs baratos ua loja
do PavUo.
Vende-se urna grande porcad de baba-
dmhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdaderos, por urna terca parte
de preco que se venden em outra quaqur
loja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende urna
grande parte d*entrerao, pelf mus li-
mitados precos para acabar, na loja e ar-
mazem do Pavao, rua da Imperatrttn. 60
de Feb-'x Pexeira da Sih-a.
oo?v i
OO
oos
kJOOv'5
08
00?VI
ooe
ooov
oog^e
005
oos
008
B 913(100 BJCd 05C Op S90]0g IflQf
' ".....PI1S9A OOV
op mnjqap Kied enj ep seoj
souanbad sopa
..... epeanop
jnpioai moo sapucifl soqjadsa
ojojd opo) 'bjot ap ejonni
suapjog saiaxjoa moo ovu^O
e eiznp sepacf 007; ep equii
e 9\9\\ .........b ce
-np suawoq BJcd scoio sciop
........oom
'008 'OOS sojieip moa soosbjj
g oqund cred sooioq op s9jb<^
-sohui caed soootjq soJusq
eqDQJ ciuij moo sbjbjjbo
000? I
09
09
OOV
000
e Bonoj ap soojoq ep ezoa^
BuiAip Bn8e moa bjbjjco
- 9 008 '00 '009 'OOS
e SOI0UI-9JU9 a soqmpuqBa
aOOSOfc '004 '08 ? sop
-cpi[Bnb se SBpoj ap ojouoqrs
e esoqq ap oo|o moa soosbjj
' ......e sep
-aef oov tea Bquq op sop,3\0{j
JBqaoq BJBd sBquj op SBjqn
j sj oo cjuii moa soaseji
'.......b SBqu,
1 BJnisoa BJBd SBjnosoqi
.........B SBU
-M9UI BJBd BSS9.VBJJ.9p S9JU9J
* *' B BJ9pBpJ9A J9.\f]
Biuojoa 9p eu8e moo soosbjj
rsajumSas soajd sopd sopui
-Bfoap oxreqB so^afqo so opumiranb v%s^
TlVHfltol YMOI OSOMV
1 r
aa
?; v-oavuimo oa viih-i ti
IVHOdMI
r
ME.\gO DE HONRA
RIVAL m mw
Rua do Queimado n, 49 e 37 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodmho.
Est (jiirimando tudo qii.into U'mensc*
estabelecimento para acabar e fazer 1
sortimento, por isso queiamvir oui
ver o que bom e barato.
Garrafas com agua florida
dadeira ......
Garrafas eonragua divina da me-
lhor qualidade ....
Latas com superior bnnhafi a;,-
ecza ......
Caixascom l frascos ile heiros
proprio para mimos ;i .
Ditacom| frascos muitu tinos i
Oleo babosa muito lino qae t
a \ ista ......
Sabonetes de calonga muito bo-
nito i ...
Caixas do p de arroz moito
superior .....
Pecas de babadinho enn lo
varas ......
Caixas redondas emitandi br-
1
l500
taruga ......
Pecas de lita de cs qual
largara .....
as para ilnhas omito li-
nas ...... .
as para denles fazenda
muito tes.....
Pulceiras de cuntas de 11
para meninos ; .
Caixas de linha branca do
com f0 novellos ;i .
Caixas de linha brama do
com :tO novellos .
IVcas de tranca lisa de todas
as cores .....
'.('.--mas de papel paulado mu! >
lino ......
Pares de botos para pon
^tnuito bonito *
Libras de laa pa'a bordado!
de todas s cores .
Pcntcs com costas de inet-.l
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de linha froxa para bor-
dado .1......
Grosas de botot madreperola
muito lino .....
Sabbnete muito finos 00, I
100, 210 c .....
Pecas de lita de 13a I
cores a ......
Espe!ho8 domados para pan
1,5000 e......
Espelhos de Jacaranda mata
tino ......
Peras de trancas bren
cores de caracol i .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino cono Ib*
Ibas ......
Cartilhas da doutrna as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e palecholy
muito finos .
mm
m
y*
mm
m 1
mm
mm
K >
mm
jt'4'l
'OOO
mm
mm
;300
fW
pajg
jOW.
mm
I200
JIUTO lARATO SE V.ME \
xo
r
NOVA N. 50 ESQriNA DA DE SAN-
TO AMArtO
Os proprietaros Jos de Souza Soares 6
C, alm dos baraiissimos precos por qae
esto vendendo a grande vai inlade de arti-
gos de moda e novidailes ile lom goslo,
tanto para homens como para senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de casto/
branco para homens, fazenda lina, a Io#'
(o preco 14.5000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a iJaOO.
DITOS sem enfeite c de delicados moi-
des, sendo de seda imilacd do cabellos
a U e 3oOO.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 7-5800 (o prero de 0#
a t0^000\.
LEQliES de madeira sem differenca c
ndalo a 2-5000 e 2#500, (grande pechir
cha!)
DITOS com lentijoulas a || e '1.000
BARALHOS de cartas francezas boa fa
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
queno e fazenda superior, um pacote ner
ioo.
LINDOS cintos de palha enfeitados para
senhoras (grande novidade em Pars) a
2,5500 e : ,50f'0.
DELICADOS corpinlios de cambraia bel-
lamente enfeitados a 6,^500 rs. (admira e
preco I)
MA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto go?
se vende por precos baratsimos
\o Bazar da leda.
Vende-se em frascos
D FIGABOS FRESCOS DE BACAjJO *< ***
lares, pbarmacla Hoce,
2, na de Castiglione,
em Pars.
Taberna "
Vnile-e a taberna da roa da Com-f** 0. s*,
a qual est bem afreguezada e tsm poucon jbA-
|iro|ria para algum principiante; o motn) da
venda dir-se-ha ao pretendente em particular : a
tratar na Ponte-Velha n. fl das 6 as 9 da ma-
nha e desta hora em diante D'esia tfpnfrafti
Estopa para calafeto
Vende-se na rua da Praia n. I, sor preco tm
modo. ^
As eomtrmfmefirn, os alrom pardoa. d' e mais composii;8cs feitas com teos
de pitaes rommuns, k>3 eomo o esifualo, a arrala, o pAoea, a liza, ogleorm irmmlores-pescadores
o HSMBW o ooj vegrtac, foram imaginades jrft sulirtiiuir m vrr oicoa -*r fl
trrmro rt(issnsiiMlus'iapor])fie fresco s*o rriaiivamciiie wiito faro, visto que para dbtel-os freteot e sem wiihira, campro excrcer
grande vigilancia e ter os maiore widarlos nos proprios usares das pesca, assim como manda Ib
M. Hogg desde o anuo de li. Estes ole pstroa de Oapnlhh* dr T<-rra~\ova de <>_,
aanaranoi par essepreeioso assdicaincnts .uia fama universal as multtliat do otilo, a aiTeSa
mtifuhm t Ijmphalkai, a magnvtdos meninot,He,,fer isso,dersa lagar a nativas e dcsleaei
tmitadBca.
Afola. O oleo de Hoaa i mni fcil do digri, dl?tingae-se entre os ootroroleos peta sna
efir de palha, o seo cheiro suave e delii-ado, o seo gosto de eardinlia fresca ^^
O ftWiTOBIO favoravel do cn>re dos traanlos cbymicot da ACtllDADE DE BIEDICEA n*
PABlS cdnclue como sCgne : O oleo cor de palha te M. Hogg eontem smtt tere* parte dr'a>rt>
o_ as oltos pardoi e nSt. aprtsmta algam det inconwHenierS^t
,im n'etlH, fManso oo ekeiroe tobar.
Viaftw "" <*><* m |fc*irnf da das aVsUcA stts pwfatea rsrtrtmgerra,.
manteiga ingleza a 800 rs. : na na da Vadratira
nnmero 1
illo mais cabellos brancofF
A tintura japoneza, para tingir 0$ rabel-
Ids di cabeca e da barba1, W a miea adnit-
tida Expt&o Vnitersat, por ter sid
. conhecida saperior todas as prepaMcfcs
' at hoje disftentes, sem'alterar a aaudt
Vende-se a iOOO cada frasco na
ISHIttIMIlBHll
I* ATDAKa
Vende-so a-Cabern*- da n de SaaM
n. i, maito afteguecad : a tratar na meatm.
Ma
Veadese ddas esrravat per^i liada,.dbw
Prjoala de .anoo> e ctj*#a mulata de 19, antas
rozinham, lavam, engommam e tumo 'nhjTiltM,
sr.o peritima- coplureira* : a tratar eoai o acame
Jos Martina Al ves da Cruz, roa i


fl
Diario de Peuitmlmco Qnarla feira 7 Je Julho Je 18G9.
i
\Tt

LKffiMCO
72. Ra da Imperatriz. 72.
Alerta fivjmezes
que Arara vai cantar,
Para vender suasfazeiulas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 proprtetario dcsto estabelecimento, tendo grande porcao de fazendas exn
seY, vai proceder urna lirptidarao em todas as faxendas e roupas fuitas existentes no
estabelecimento. apura que 6 occasio de quem tem potico dinlieiro poder so vestir de-
bol fazenda e baratsima como se poder ver no annuncto abaixo mencionado.
MADAPOLO BARATO A :!>500. BRAMANTE! PARA LENQOES A 2*.
Vende-sc pecas de raadapolo enfestado Vonde-se bramante com 10 palmos de
de 12 jardas 31300, dito de i jardas ou largura para lences. a -2^ a vara.
Vi metros :\\ t;-\ 80500, 70300, 8*000 o
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
PECAS UE ALGODO A i#.
Voadcm-se pecas de algodo muito en-
corpado 4-5, J >0c7&
Vendem-se chitas francezas para vesti- Colei'inJios ccostouticos a SO
dos a 2S0, 320 rs. o covado, ditas escuras tlnzl.
muito finas 360 rs. o covado.
Challa multo flao 8tt rs.
Vendc-se chan para vestidos le senhora
a 800 rs. o covado.
PERCALES A iifl RS. COVADO.
Vende-se percales muito linos para vis-
thlos de senhora a 40 rs. o covado.
Itrllhaniinas 41 rs.
Vtjnde-se briibauUaas ou mursulinas de
cores para vestidos de se horas 410 rs. o
covado, lazinhas muito linas para vestidos
de senhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A 300 RS. O COVADO
Vende-sa riscado fraiicez para vestido
de_sniiora4 3G0 rs. o covado. ^
asiuhas a Vendem se I5asinhas para vestido de se-
nhora a 210, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Yende-se cassas francezas a 280 rs. o
covado, chitas francezas linas a 280 e 320
rs. o'covado.
0, Chales de aneriii 2#.
Vende-se chales de merino estampados
i .'. ) cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS ABERTOS A 3M00
Vonde-se cortes de lia para vestidos de
senhora, 2410 rada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
las de listras 700 e 7GO rs. o covado.
Chitas praisslauas 360.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COyEHTA A 320
Vende-se chitas iitforpadas para coberta
320 rs. o covado.
Rales de a SO arcos
1I00.
Vende-se eolerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande porco.
CASEMIRAS DE CORES
Venda-so cazemiras de cores para calsa
e palilt 2^ -2-#00 o 3# o covado,
Algodo enfestado 1*.
Vende-se algodo enfestado proprio para
lencos e toalhas, a !>, a vara ou 900 rs. o
metro.
BIUM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
hornera e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo aituitaco de ganga a 3G0
o covado.
Algodo de lustras a 900 rs.
W. 45 HIJA DA. CADEI.1l'
DE
,
X* 45
l

SOR A DIRECCO DO MUITO IIABIL ARTISTA
Launano, al fatal c.
Os proprretareH deste novo estabelecimento, tendo experimentado anecessidade
urgente de ter nadirecrode.sua officina de roupas por medida, um artista perito, tera
contralado o Sr. Ludano Jos de Barros para tal mtster, convictos do que satisfar
com lodo o capricho a variado do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom sirtimemto do fazendas proprias para
roupas @ bomem, como sejam: casimira de cor, indos padrees, completo sortimento de
pannos finos, pret e de cor, casimir preta, grande sortimento de brins brancos o de
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrarao-ainda om variado sortimento de roupa feita, camisas
ingtezas, colariuhos, eeroulas, gVavatas prelas e de phantia, meias para homens, se-
nhoras, meninos c meninas, chapeos de seda par sol, colchas, bramante, atoalhado,
baloes de diversos coteje modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-;
tigos que a modicidade- (Te seos precos incita a comprar.
A. ra da Cadeia n. 45
RIVAL m srao
Roa do Quemado ns. 45) e :>7
lajas de miudezaz de Jos de
Azevedq' 3faia~ est avahando
eom as miudezas- de seus esfabe-
lecintentos por vsso qperam apre-
ciar o que e bom e baraCissimo.
Pares de sapatos de tranca fa-*
ienda nova a ... 2000
Pares de sapatos de topete
(s grandes) a. .* I$500
Duzias de meias eruas para ho -
mema .......... 3^800
o corado
Vende-se algodo de listras para roupa Camotas do Porto fazenda boa
de escravos a 200 rs. o covado. j e pelo preco melbor 100 altos a
CORTES DE IJH1.M CASTOR A 640 RS. ',vros de missoes. abreviadas a .
Vende-so cortes de '[ brim castor para
calca de homein,' GOe 800 rs. cada um.
CAliTKIHAPAUA VIAGEM A Ifl.
\rer,de-se cartefras para viagem #
cada nina, cobertores de algodo 1^500
cada um.
loberas de chita lSOO
Vende se cobertas de chitas de cores a
1:5800 e 2:5, cada ama.
ALGODO TRANUDO DE EUAS LARGL*R.\S A
13200.
Vende-se algol3o traisrido de duas lar-
guras, propros para lences e toalhas para
mesa, se ventfe a 1,^200 o metro.
llantas para gravata fcOO rs.
Ven'Ae-se mantas para gravata a 200 rs,
cada urna, lencos do seda de flores, a GAO
cada. ni.
ATOALHADO PAADO A 2-5300.
Vende-so atoalhado pardo para toalhas
Vende-se balos de 20 a 30 arcos M de mesa \ 23500 a. vara, toallas escuras
1(5500 cada am.-bsles modernos branc^la i5, cada urna.. Ra da Imperatriz loja
e de cores -53- da Arara n. ?2.
^,^fiftMilSi%l^iUM
0 Garibaldi principia
Oertamente ha de agradar,
Que polo preco que vai vender
intsniem o pode igualar.
O proprielario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vl publico c seus freguezes, qui tem recebido grande sortimento de fazendas, c est
constantemente rec-bendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 50, de Lourenco
Percira Mondes Guimar3es.
CHITAS LARGAS A 280 rs. i angas para calca a 38 rs.
Vendem-se chitas francezas do cores fi- Vendem-se gangas de cores para calca e
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas palitots do homens
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 33500.
Veadem-se pecas de madapol5o enfes-
tado a 3,?300, dito ingloz de 24 jardas a
U, 63, 63300, 73500,83, e 103 a peca.
ALGODO TRANCADO A 13200 0
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lencVs e toalhas por ser muito
largo, a 13200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se Qnissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENQOES A U A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 23 a vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loja do Garibaldi. r
AOS SENHORES DONOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias par
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, proco a 23500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 1(5 A VARA.
Vende-se algodSo enfestado muito largo
proprio para lences a 13 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A!
5u0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propria para vestido da
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 33500.
Vendem-ie chapeos de sol de alpaca pre-j
ta a 33500 cada um.
BRIM HAMJURGO A 83000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 83, 93 e 103 a peca.
Cortinados para Janellas a 9J
Vendem-se cortinados para janellas a 7
o par, ditos para camas francezas
cortinado.
Duziade boralhos francezes-muito
finos a23400 e.....
Silabario portugus com eslam-
pas a ........
Grvalas de cores e pretos muito.
finas a..........
Duzias de meias para senhora fa-
zenda boa a.....^
Redes pretas tizas muilo finas a
Cartoes com clcheles de lafo
fazenda fina a.......
Abotuaduras de vidro para coletc
fazenda lina a. .
Caixas com penna d'aco otuito
linas a 320, 400, 500 e .
Cavloes'de linha Alexandre quo
tem 200 jardas a .
Carreteis do linha Alexandre da
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias
de massa a......
Duzias tic agalhas para machina
Libras da pregas francezes di-,
verso tamanho a. .
Livros escripturado para rol de
roupa a........
Talheres para meninos muito
finos a. ,......
Caixas com papel amizade muito
fino a........
Caixas com iOOenvelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80, 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .' .
Duzia de phosphoros de segu-
ranza da melhor qualidade a
400 e -.
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a .
Pecas de fitas bordadas com 3
varas a ....... .
Ditas de ditas bordadas com 12
metros de 23000 a .
Grozas de botSes do loua muilo
finos a........
e meninos a 320 rs. o
, covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
;covado.
LasSnlias de quadrinhos a
240 rs.
Vendem-se lasinhas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 o 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LAA A 040 RS.
Vendem-se popelinas cm la da listra
para vestidos de senhora a 640 e800rs.
o covado.
CORTES DE UVA A 23460 RS.
Vendem-se corles de 13a de listra arpa
vestidos de senhora a 23400 rs. para aca-
bar.
LA CIHNEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se la chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o corado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encornada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 '/ covades d urna calca para bo-
mem pelo preco de 23500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
HOO rs. ocovade.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 13500.
Venden.-se baloes de 20 e 30 arcos a
13300 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 13200 o metro.
BALOES MODERNOS A 53000.
Vendem-se baloes modernos e de cores
a 53 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
JIAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
a 143 o] 103 e 123, na ra da Imperatriz, loja do
3200
23000
2380C
3320
3300
43000
3320
3020
3300
13000
3ioo
3100
304Q
3000
3240
3120
3240
3700
3600
3320
3500
3320
3160
500
200
60
pfl
500
IOJA
DO
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo n. 9
Os propietarios dese bem conhecido eslabele-
ehnento, alm dos muihis olijeclos (ue tintiam cx-
postos a apreciacio do respeilawl pu.'iliro, inan-
daram vir e acabara do receber pelo ultimo vapor
da Europa um cmplelo e variado sorUuicnto de
toas e mui delicadas especialidades, as quacs es-
to resolvidos a vender, como de- seu costume,
por precos muito baratralios e comnwJos para to-
dos, m tatito que o Gallo....
Jluito superiores lavas do pellica pretas, bran-
cas e de mui Mudas eons.
Mui boas e bonitas goHinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha do mais moderno.
Superiores penles de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites par cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas c de cores com vidri-
lhos e sem elles; esta faienda o que pode haver
de melhor e roais bonito.
Superiores o bonitos leques de madreperola,
marftm, sndalo e osso, sendo aqnelles brancos
com lindos desenhos, e et-tes pretos.
Muito superiores meias fio de E?cossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern! por 3C0001
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alm destas, temos taijjbem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muilo
Anas.
Boas hengalas de superior canna da India e
casto de marfim com hndas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, raa-
deira, baleia, osso, borracha, etc. ete. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas do 1 a 12 annos de idadf.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga pasa fazer
barba; sao muito boas,e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua miaclade e delicadeza.
Lindas o boUis capellas para IU>iva.
Superiores agulhas para machina epara croxc
Linha muito boa de peso, fronsa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para vollarete, assim
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuls5es, e
facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedoros destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca fal'em no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que dentamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do .gallo
vigilante, ra do'Crespo n. 7. __________
Grande e completo sortimento de machinas para
descarocar algodo de nova invenraocliegadas l-
timamente em direitora para a loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C, na ra Direila n.
Garaate-se que a melhor qualidade que ate
o presente tem vindo ao mercado : aeham-se em
exposicio aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento^ de pesos kilo-
grammos de melhor comprehensao don que lein
vindo al o presente, usina cerno marcos n laliu
t i'K'io gratnra pelo mesmo systema, fealancas
de |llo de forra de o a il) kUbp-amroog, metros
demadeira o de laro para medir fazendas, alm
de grande soilimenta 86 miudezas e ferragens de
todas as qualidades, tudo por precos que s a vista
faz crdito : na ra Dlrell n. 33, luja de Manoel
Bento de Oliveira Braga & C.
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Um frasco do pa de Bog, dissolvido
em urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavl, que purga rpidamente e de
um modo cerlo, sem causar a menor
irritaen como acontece com a maior
parle dos outros purgantes. Oa roa de
Bog, sao inalteraveis por isso empre-
gara-se fcilmente em viageia.
r.iojAMir.n, Dwpo*chclle; Cketolot.
em Plk.yaiiiiuco, Maurcr k C". A
16C
Scbonete de alcatrdo.
DB
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacSo tem merecido n'esla provincia,
muito se recommenda para a cura cer
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
AVISO
aos convalescentes e s pessoas
fracas e debilitadas
O QUINIUM LABARRAQUE appTOTaclo
pela Academia imperial de mediciaa de
l'ariz o tnico por eicellencia.
D?t'l
em Rio-Jisnr.o, Dnpocl>elle; Cluioltit-
em VenytioDCo, Uiturer 1 C".
A NOVA ESPERANCA
21-= Ra do Queimado ai
Advertencia!
A Nova Esperanza, ra do Quemad
n. 21 tendo em deposito grande quantidad
de miudezas, e como se approsima o te-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeilavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo barattssimo pre?o, para assim
diminuir a grande quantidade das qat
tem: assim pois, venhara os bons fregoe-
zes, e os que nao forem venliam ser fregue-
zes, em lempo t5o opportnno quando i
NOTA ESPEMANCA convida-os pechincla-
rem, pois que para comprar-se earo, nlo
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em dos remelter objectos de
gosto e perfeicb, e ella (loja da Nova Es-
peranca) quer Sf mpre dividir com seus fre-
guezes o quo ue bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (rambos) i
Nov Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm d grande sortimento que j tinba,
acaba de receber mais o seginte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeilar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
' Modernos gal loes, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes botos
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilbos sendo com
pengeDtes e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias do seda para senhora e n
nios.
Delicados leque do madreperola, mar.
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento >i
miudezas ra do Queimado n. 21, na
Nova Esperanza.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
N5o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ah intitulados os
verdaleiros de Royer, e eis porqae muito*
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da bumanidade,
fez urna encommenda directa destes collares.
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean*
cas tem salvado do terrivel irommodo d
convulcoes, assiii pois preciso, que ve-
nhom a rrova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para se
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quaudo entSo ser v
flicil alcancar-se o effeito desejado, eobora
sejam empregados os verdadeiros coliare
de Rover.
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galoupean.
Deposito especial
Pharmacia do Bartholomeo A C*
34------Ra larga do Rosario------34.
COGNAC.
Libras e ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceico na loja
Vurives, no Recife. ^ i
GAZ az caz -
Chegou ao antipo depesito de Henry Forster A
C, ra do Imperador, um carregamento de gaj
de primeira qualidatte; o qual se vende em partida*
e a retalho por menos preco do que em outra qual
quer parte.
PASTILHAS ASSICARADAS
DO
DR. PATERSON
De Itismuth e magnezia.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
OEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
B^? FOFULAE.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIBA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado umaporcav des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavl perrume.
E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
systhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperio 'tem o rap Popular sido asss
accolhido, e provavelmente aqui tambem o ser,
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-se
venda por preco commodo, e para quem eomprar
de 30 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de 300 libras para cima o de 8 0/0 : no
escrintorio de Joaquim Jos Goncalvea Beltrao,
ra do Commercio n. 17.
Uill 1.97.
Vende-se a verdadeira grasa do bem conhecido
abricante Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. MorciraDias, rna da Cruz n. 26.
Milho
PELO NOVO SYSTEMA DE KILOGRAMMA
COM OS RESPECTPVOS PESOS.
Vende-se no armazem de J. A. Moreira
Dias, ra da Cruz n. 25.
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CnATEAV RAVZAN
Em casa de Rabe Schmettau Santo n! 45.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez Jlo Vignes, existe um bom sortimento
dos muitos acreditados pianos, os quaes se
vendem mdicamente paja quidacao.
Vendem-se saceos com milho, no trapiche da
Gompanhia : a tratar no mesmo, e no 1* e f an-
dares da ra da Cadeia velha n. i.
Do superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas,
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o?
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicacao as creancas..
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e mui tas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
N.V
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu A C.
34Rna Larga do Rosario34

MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEl
Preconhados por todos os mdicos contra o I
DEKLUXOS, CATHARROS, E TODAS ASj
1BRITACOES DO PE1TO.
JS.B. O Xarupe de Coina que mereci a!
honra, alias bem rtim entre Medicamentosa
novo, de ter regisuado como um do medica- i
mentot oi/icioe do Imperio Franeet dipen*\
quutquer elogio.
AVISO. Por cas 4a reprehensirel falsi-j
Gcar.au que tem suscitada o felii resultado do I
Xorope e massa de Berilio somos forcados al
temblar que esle medicamentos lao jusiamentr J
conceiluados sd se
wndem cm caixi-
basefrjsci'stetando %~*^^>&J!
* assigualuro em
frente.
6, Iiu* dt coU, e na rhannacia Central I
de Franra. 7, lue de Jouy, em J'aiis, e em|
tod"4 IHiarmaciM pi nciiKic do P,r
BAZAR UNIVERSAL
SORa 9foraf
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-^
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas1
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicSo servicos a electos para alrao-
Co e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas o malas para viagem, indispensaveispara
senhoras, candieiros para sala e cima demesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, bureos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamaitos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, guar-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinbas, oleados
para sala e uesa, tpeles para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontraro
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
Vendem Augusto F. de Oliveira 4 C. vr
Commercio, n. 42.
L3
Vendem-se dous bonitos escravos, um mo-
leque de 16 atino?, bom cozinheiro, e um cabri-
nha de 10 annos : no tejjceiro andar do sobrado
n. 36 da ra das Cruzes.
AlegrSMros myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perta,
nao ha mais vistas curtas, nem ccadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, faca -maio, tor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para ihsatro, campae marinha, da ulti-
ma invencao ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos memores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor trou-
pe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes slerioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e cora promptidao ; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
&C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sua superior qualiaade.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRA
Remedio por excellencia paip cura rpi-
da e completa da coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarrs nn-
guinos, o outras molestias do peito.
NA
PHARMACIA E DROGARA
DI
Bartholomeu A' C-
34RA LARGA DO ROSARIO34
ESCRAVO
Vende-so um lindo escravo de 18 annos de ida-
de : na ra de Apollo n. .
A' exposi^o
A loja de calcado na ra Nova n. 8 em frente
eamba doCarmo, tem grande sortimento de boti-
nas para homein, recebido neste ultimo paquete,
o vende barato.
l
Vende-9C urna parte de um sobrado sito
ra Dlreita n. 127 : a tratar na ra estreita do
Rosario n. 15, loja.


!

1
1
1
feio de -Phianbco Quarla fera 7 de Julho de 1869.

ALGODO
LOJA DAS MACHINAS
BASTOS
MACHINAS amencnas de.serrote de todos os taroanhos para descarocar algod5o, do
muito coBhedo fabricante Eagle Cotton Gin.
MACHINAS ditas, tambcrn de serrotes e de todos os tamanhos para descarocar, al-
godao do autor Now-\ork Cotton Gin.
Sr2K S E a t0u osmhos, de carreta de ferro e mais toda'a machina.
MACHINAS ditas de Roller Gins, de cujo trapalho faz obter mais 2.00Oem arroba
de algouao.
MACHINAS le facSo do fabricante PlattB. $ C, Obdhan Patent-Liverpool.
Grande
loja de fazeudas c roupas felfas
roa da Imperalr n. 52,
porla larga,
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offereeem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tanjbem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\ 5 RA DO CAMJGA \ 5
Exposigo
Nova loja de calcado estrangeiro
para homens, senhoras e
meninas.
NA RA NOVA N. 8
frente a camboa do Carme.
Lyra Vianna, tendo pela experiencia-
adquirido a certeza de que o publico desta
capital, era mal servido, pola faka de esta-
beledmentos, sartidos de bons calcados,
situaram a sua nov loja, na ra Nova n. 8.
Lyra Vianna, convidara por isso ao
publico, c-eom especialidade ao bello sexo,
para visitar seu novo extabelecimento de
calcados Unos, manufacturados polos mais
nabeis fabricantes da Europa; ali encon-
trarao sempre, todas as qualidades de cal-
cados, solidos pela' boa manufacturaeo,
frescos, por serem muito novos, e vendidos
por preco eomraodo, para erecercm a
.-onfianca de seus distincto? fregueees.
Ccmprometeui-se a mandar vir encom-
iendas de calcados especiaes, e a xhibr
as obras de phantasia e de mais apr.nio-
vado gasto, alira deque suas tllsifoctas rre-
ruezas cilvem o mosireo sempre o chique
da botina franceza. sto s na ra Nova
n. 8, loja da exposico de calcados de
Lyra A Vianna. .
seguinte
Debulhadores para milho.
Cylindros para padarias.
Arados americanos.
Carrinhos de mao.
Machinas para certar aapim.
Cannos 'do chumbo.
Bombas de Japy.
Dilas americanas.
Telhas de ferro galvanisadas.
Folhas de zinco finas.
Ditas de cobre e lato.
Ferro de todas as qualidades.
Arcos de ferro.
Folha do Flandres.
Machados americanos.
Facoes ditos.
Balaios e cestas de vergoinha.
Vassouras americanas.
Folies de todos os tamanhos.
Tornos e safras para ferreiros.
Finalmente muitos ootroc artig
drversidade seria enfadonho eanumera-los.
Folha de ferro.
Balaucas americanas.
Tinas de madeira americanas.
Ps de ferro ditas.
Baldes de madeira ditos.
Temos de bandejas finas.
Trens completos para cozinha.
Peneiras para padarias.
Baldes galvanisados.
Correntes de ferro para almanjarras.
Espingardas e rewolvers.
Guarda comidas.
Ferros a vapor para engommar.
Moinhos para refmacOes.
Azeite de espermacete, proprio para machi-
nas de todas as qualidades.
Serras avulss para machinas.
Mancaos e todos os mais pertences. para as
mesmas.
Latas de gaz,
ospertencentes lavoura e artes, que pela
Veodera-se dous cylindros bem construidos,
proprios para padaria, por mdico preco : a tra-
tar no pateo do Tarro n. 0.!
LOJA m FAMILIAS
Ecouowia, utif idade e moderno
Mercado.
CHEGEM A' PECHINCHA.
aloes francezw, arcos pequeose eran--
des, para senhora, a
'".asentirs Jagtettt, noratos padroes, coin
listras largas, covado
Ditas francezas, idem dem, coui listras
largas, covado
Ditas ditas mezcladas, covado
Raronezas Iarjras com listras de seda para
sen horas e proprias de monlaria, co-
vado, rs.
Paletots de alpaca pretos e de cores 45 e
Alpacas lisas de cores muito finas e bons
gustos para senhora, covado, rs.
Canibraias de cores, variados padroes.
covado, rs. .
Ditas de cores, na* finas, covade, rs.
Ditas muidas, mojernas, Hnissimas, cora-
do, rs.
Ditas de flores grandes e listras, co-
vado, rs.
Colarinhos de linho de diversos gosto3, rs.
Ditos de dito muito finos, chegados no ul-
timo paquete, rs.
Chitas claras, boas tintas, covado, rs.
Ditas escuras, bellos padroes, covado rs.
Ditas coloridas, finas, proprio para familia
covado, rs.
Ditas riscadinhos, variados padroes, co-
vado, rs.
Ditas escuras econmicas, cavada es.
Mitas de boa eomposcao de tintas, covado
Ditas claras econmicas, covado
floupas e mais artigos que fica a pedido da res-
pertavoi frefuezia, dando-se amarra de tudo.
20O0
4*500
4 000
300
900
45300
800
240
300
400
500
100
000
290
400
100
-360
340
Ra Nova n. 14 Na ra -Nova n. CO, armazem da Liga' vendem-
Acabara de chegar para esta loja grande .man- "e seinantcs novas de hortalices e flores.
iSf tIast5es'. BeadI ^"C0 c a,"arcll. assiai Vende-se am moleque de 10 annos, urna mu-
9*2^rfi?* k-T- la:'Zn''as e Jl" lala de 10-"",np> "" dia de mk prm de
^m?.1i 2MI'es, ch.tas, cassa-eou- 23 ano*, indo viudo do nulo : na ra do Foro
troe Hitos objetos por preeos commodos. numero'i g0
ACDIA B'OH
E1 por corto para admirar que existindo
em tima ra de progressos, urna loja com
un completo sorUmeoto demiudezas finas,
e nio lenha ainda por este Diatrio pa-
tenteado a todos seus freguezes, o seu
agrado e sinceridade, a sua. vigilancia, e os
modas do sea basar.
Esta ra a prodigiosa ra do Cabug,
e esta loja -a antiga loja da--aguia.d'ouro
urna das mais sortidas neste genero, e que
lesdo seos principies usa desle modesto
titulo; modeste porque nunca foi estampado
neste jornal, modesto poeque muito* o
olvidarlo, poriiaver igual em urna casa-de
pasto, ao ent-otante como tomos diroito
de antiguidade, vamos destinguir o nosso
com alguns anauncio5, para o pablico saber,
que a verdadoira aguia d'ouro
urna loja de miudezas a iua do Cabug n.
I A, onde se encontrar um completo sor-
timento de miudezas tinas, e por menos
1 0[o do qt* em outrf qualquer parte, como
sejaoa :
tuipour can una e duas larguras preto c
branco, Utas largas de tudas as cores e
com vistas.
U/o completo sortimento de enfeites para
vestido.
Fronhas com diversas inscripcoes.
Enfeites para cabeca.
Caixiiihas de Jacaranda forradas com seda
e com espeiio na tampa, com a compe-
tente chave, proprias para guardar
joias.
ntremelos transparentes muito finos e de
todas as larguras.
Albuns finos para O, 1430 e 200 retratos.
Binoclos de chagrera e marfim cousa muito
superior.
Espelbos domados proprios para sala.
Um completo sortimento de leques de todas
as qualidades.
m completo sortimento de perfumara
de todos os atrtores.
Luvas -de Jouvin constantemen e frescas.
E outros mais objectos tendentes ao naesmo
genero que tudo <;e vender da forma per-
mitida, na ra de Cabug n. -1 A, aguia
d'ouro, de Custodio Beato,
Para o armazem do Campos, na ra do
Imperador n. 28.
Neste muito acreditado estabelecimento
acha se constantemente um variado sorti-
mento de gneros finos para meza e
costaba e entre estes nomea-se apenas as
especialidades seguintes :
Queijos do sertio sendo de- manteiga e
coalha.
Camar5es seceos do MaranhSo.
O verdadeiro caf de Moka,
O supe/ior e bem conuacido peixe miracuaia
arroba.
TABELLAS
de redueco as mais facis e mais com-
prehensivas,- tudo no
Armazem do Campos
Noste estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um bonito sortimento de
roupas e fazeodas de todas as qualidades e
prscos commodos, tern sempre um bonito
sortimento de casemiras de cOres e pretas.
panno fino de diversas qualidades, briol de
bonitas cores e brncos de boa qualidade,
encairega-se qualquer obra por medida e
preco muito commodo.
ROPAS FEITAS
na loja da ra da Imperatriz n. 52, porta
torga, d Paredes Porto.
Tetn M9te estalielecimento um bonito
sortimento do roupas feitas de diversas
qualidades epreros coinmodos, como sejam
pahtots de alpaca preta e de JS.) O <; >: ditos de panno preto sacos a
6, 70 e 8>; diuis de panno superior a
12*, IW e Ifi-i.; ditos sobrecasacados de
dito dito a I8ft 20d e 233 5 ditos de case-
mira de cor a-i, t.-} o 10; calcas, colletes
e patitots de -casemira muito fina de cor a
20 e 2.">; ca^as de biwi branco de cor de
todas as qualidades de 26 a O.S; ditas de
casemira prcta e de cores de H at 120 ;
coHetes de todas as qualidades; ceroulas de
bramante a 1->o00, 24000 e 26500; camisas
francezas de linho e de algodo de todas as
qualidades e preco mais barato do que em
ottra qwlquer parte; colarinhos, gravatas:
bonito sorUmento de chapos deso de alpa-
ca e de seda; meias inglezas a 66 a duzia;
e pechincba neste estabelecimento pelo
grande sortimento : todos os freguezes se
podero prever dos ps at a cabega por
preco commodo.
FAZE.NDAS
Grande sortimento, orno sejam, chitas
baratas a 300, :*20 e 360 rs. .Madapolao
lino a 76,86 e 106 a peca. Algodo (pe-
cnincna) a 56300 a peca e otitras qualida
des. Cambraia branca de todas as quali-
dades transparente e Victoria de 30500 a
86 a peca. Lanzinhas de bonitas cores, al-
pacas bonitas, selecia a peca com 28 metros
a 286000. Esguio o mais fino possivei a
2#900 e :-> a vara, e outras muitas fazc-n-
das por preco commodo, que seria enfado-
nho mencionar, na loja do
LEAO DA PORTA LARGA
DE
Paredes Porto.

aiaiina, esn ia l fo^se.
I.evott di los de chita e endo
na cosTMQHP" la
verde, j.i mem
a capturar quera leva-la no armazem n,
38 ra da Cadeia, que ser r;compen-
sado.
^ Fup io, termo de I
11 j Lucra-
dj, enon, preto, idade de :2 anno?, p.meo mate
Da menos, aliara baixa, barbs^p, bni fallante, em-
l.i ;ifrr;i-se 1 nlitul*-M forr, lem ollicio de
1, coela que anda
.ni Goyaopa, cmPernamliuco ; recommendi
a todas as aul como a
qtudqper pesso* que o oneontiw, foe o prenda e
remetta- ao ?eu senlior ime o capitio Jo.Cmi-
dido das Ncves, no engoulw P;ipag*i^, ou garita
de Apollo, iruiaziin n. ), (|ue te pagar toda o
qqacsn.net dTsnms que nouVcrem de crfeih>
com a prisao do me~mo cscravo, imita eomonse
LT.'.tilirar penerofameAte a qucui der uoti'u
exacta do referido escravo.
Bella rmino
Evadio-se do eugcnlw Barreras, na cnmaTij e
Porto Calvo, e no ata IR de malo do c< rrente n~
no, o erwo Rnllarniino, c.ibra escuro, de Idade
de 8 annos, alto e >ccco do oorpo, imh li.ulia, ps
grandes, tom eptadfl nesU cidde, e o seu niaior
passeio pelo bairro da Boa-Vista, pode ser que
elle se encarainhe p.nra a fregnezia da E^ead-a,
onde foi elle criado, c condecido : quem o pe-
gar c levar ao referido enpenho, ou ucstt prac,
na na da Crua.u..')!, t andar, rcocljcr boa gr
tilicacao.
Fugiram no dia 23 do passado mez.. 2
escravos dos cngoiilios Coaceicjo o, Piy-
bela do termo Seimiiaem. pertencent um
de nome Jos*', ao nijor Mauool Gemano
Bezerra Pcreira de bastes, c outro do no-
me Luiz, pertencento ao Dr. Jo.-6 Eugea>
da Silva Hamos ; o primeiro tem os atonas
seguintes; com 10 e tantos raaos de idade,
cnoulo, baixo, cheio do corjio, cor Tula,
rosto redondo, tem marcas de chicote as
costas e as nndogas, levou camisa de lis-
cadmho verde j vell.a, calca e jaqueta, e
chapeo de bada ; o.segundo crioulo, idade
20 e tantos annos, estilara regular, bem
preto. rosto cheio, beicos grossos. ollios
grandes e abotucados, cachaco grosso, coi
marcas de chicote as costa, sobre as cus-
tellas do lado direito, levou camisa de ris-
cado de algodo, com grande remondo as
costas, seroula de algodo de saceo, e urna
'-opa de chapeo de palha sem abas.
Estes escravos foram comprados b um
anno pouco mais ou menos, na cidade do
Itecife. Quem os pegar queira apreseota-
los ao Dr. Joao da Silva Rjmor, na cidade
do Rccife, que ser bem recompensad0.
\ uudein-se duas casinbu meia-acoas de ue-
dra e cal em bom estado, hea Ixalidadc, na po-
voagao dos Afogados : a fallar nesta cidade, toja
dcarmaeao fopebre n. 38, ra estrea do llosario
Batatas ralas
Vende-se a 800 reis o gigo, ra da
Madre de Deus ji. 22,
Cacado para homem
Mondes Faleao & C. recoberam um sortimento
de borzeguins de Seto de dTurentes qualidades,
sendo calcado fresco o bem acabado, vende-se de
9 a 12 para vender barato, ra da Gadeia do
Recite n. iS.
Folha de Flandres
Na ra da Cadeia, armazem de Silva Bar-
roca.
Acha-se fgida lia oito mozos a preta es-
craya, de nacao, de nome Maria,com 40 annos df
idade, baixa e cor fula, consta que diz ?er forra e
andavendendo na i da Boa-Vista, com
una bandeja pintada de encarnado, com quf
fugio : grauBea-M Lem a quera a aoprehender (
leva-la a ra Imperial 11. 103.
Fugto do engenho Abreus, sito a
comarca de Nazaretli, desde o dia 23 de
junlio passado, um cscravocrioolode nome
Cosario, cojos signis sio os seguinte^ :
cor fula, sem barba, cabellos carapinlws,
nariz aquilino, de SO annos de idade, pitaco
mais ou menos, estatura regalar, se< o
do corpo, pomas linas c ps pequeos. )
referido oscravo dado a bebidas es-
pintuosas e muito tallador. Suppoe-se tor
elle phrdo em direcco cidade do Itecio.
Se alguem o capturar, leve-o ao referido e-i-
genbo, ou nesta cidade roa do Apollo n.
30, primeiro andar, que ser generosan
te recompensado.
Escrava fgida
Ausentou-se da ca>3 de seu senhor no
dia 19 docorrente, a preta fula, de nome
Candida, idade de .'J a 40 annos, alta e
magra. Foi compr da cerca de um mez
aoSr. Joao Paulo d'Almeida, natural de
Escravo fgido
Fagio no dia 2 de julho o cabra por nome Fo-
ix comprado lia dias do mez parado ao
.. .to 8ou7.a, de AB.'.a ranea, irt.
ae 1 lanco, com os segrales signaes : cor r
escuro, idado 2.'i annos. estatura recular, cheio uo
corpo, cara larga, mal encarado, olhos fundos
qiiainlo ollia derevez tem taita de denles no
queixo de cima, sera barba, talla devaneada le-
vou chapeo de couro, calca de brim pardo' caraiba
de algodaoznho, ditm que vai em direerao ao
sertao. Fogio mais no fia 24, o mulato MarUnho.
idade i0 airaos, alto, cabello pintando barbado
um tanto amarillo, anda a titulo de procurar se-
nhor, foi comprado ao Sr. I.ui/. barbaio C
canil, Hiorador no lugar PSecea, prximo Tlm-
banba, 011 S. Vicente, dizera que anda procurarlo
senhor por onde elle Ibi eseravo, levou calca de
linni, camisa de chita, chapeo de chile veiho -
quera apprchonder estes aous escravos, leve-o- em
casa do abaxo assignado, ra da Imneralri7 i
que sera bem recompensado.
Jos Lopes Alheiro.
DOS PREMIOS DA
24.
LISTA GERAL
1
PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCLAL N. 74i, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA, EXTRADA EM 6
112.
DE JULHO DE 18G0.
JVS. PREMS.
10
10
20
26
26
29
34 -
36 -
:o
o2
58
02
64
76
8'. -
87 -
92 -
93 -
97 -
99 -
123 -
2
6
30
34 -
36
38
39
42
53
60
U
68
81 -
90
94
95
202
3 -
12
23
28 -
33
SI
39
43
MS. NS. FI1EMS. NS. PREJ
4/ 44 M 489 'H
53 60
60 62
61 H _-.
62 69 _
63 73
* : - 70 m_.
~ 72 - 80 vm
- 80 87 B|
86 91 JS
90 95 ' 90 03
^~ 307 5 ,
"* 10 7
12 16 _
^ 20 40 17
22 4 28
23 29
-* 21 32 _
3.1 33
3i ~ 36 __
36 44 ,
41 \", _
43 19 _
48 2021 51 _
50 4| 51 84
17 NI u
61 58
204 69 60 __
M 7.! 62 __
74 Ci
< 78 _ 65
1 79 66
82 71
mm 80 73
97 77
^ 401 8a
~ 8 89
19 95
22 99
32 606
34 7
39 8
4? 21
48 33
50 34
51 41
52 201 52
M 44 56
NS. PREMS.
6o7 U
62
64
67
8i
8.j
-87 -
90
708 -
10
2i
r 36 -
38 -
30
53 -
62
71
7i aJ
-70 -
-79
96 :000.fl
98 44
-99 -
-803
9
14.
17
19
20
21
23 -
-24 -
-25
27
30
32
38
39
46
55
57
62
63
67
84
44
71
74 -
- 70
NS. PREMS. iXS. PREMS.
879 44 1187 44
80 90
83 98
84 1204 _
902 6 8
i 8 44
10 9 ^_
17 14 __
20 19
21 20 ap
i 24 mmt
30 25 t,
33 27 100}
W 33 44,
42 34 __
53 36 __
53 39 _
57 42 MH
73 44
74 43
81 46
81- 47
98 57
1002 61
4 84 64 1
5 43 65
6 __ 69 __
7 73
26 83
37 92
57 98
58 1300 ^_
74 1 ^^
77 7 ^
79 9 _
95 11 204
1105 14 44
15 20
21 22 _
23 36 __
26 38 __
27 39 -_
30 41 _
63 45 __
68 55 __
69 61 __
77 63 _
83 64
85 -1 89 H
NS. PttEUS.
1393 44
95
1403 -
7
15
25 -
-46 -
49 -
50
60
62 -
67
70
71
71
80
81
85
87
eo -
93
-94 -
95 -
99
1301
11
i 14
17
19
23
-24 -
26
30
31
35
-39
41
42
50, -
55
56 -
58
59
61
-62 -
-65
74
-75 -
77 -
N. PREMS.
1578
1600
13
15
32 -
30
50 -
62 -
TTfrr*pRor?.
1910
44
17
18
20 -
21 -
23 -
20 -
40
TW. PREMS.
2138
44
50
51
53
67
68
72
74
80
90
1703
404
44
84
44
o
9
14
16
28
30
35
49
53
58 -
71
80
1804
14
tt _
26
47 _
60
72
84
44
71
8i
87
98
1903 -
84
44
50 -
60 -
67
70
93
95
98
99
2024
28
38 -
39
40 -
49 -
61
68
70
72
82
8i -
93
2100 -
2 __
4
6
7
10
M -
20 -
22
26 -
27
t -
34 -
39
41
45
46 -
51
54
58
65
69
77
78
93
84
44
98
2200
6
8
10
12
13 -
17
20
23 -
31 -
32
33
36
57
60
64
67
70
71
77
83 _
8i _
85
99
2312
84
84
44
NS. PREMS.
2364 44
65
67
70
73
NS. PREMS. NS. PREMS. INS. PREMS.
2567
44
-69
-71
72
- 8i -
81
83
88
89
90
91
93 -
96
2408 -
17 -
22
30
41
49
50 56
57
58
63
66 -
70
72
75 -
84
86
88
93 -
2501
12
6/
44
15 _
20 _
33
35
36 _
37
47 _
1 -
62 -
13
14
23
32
34
36 -
41
43 -
44
48 -
49
52 -
68 -
65
2600 -
6
9
10 -
11 -
21
22 -
26 -
27
29
37
47 -
51 -
5i
600
4300o
44
57
58
59
74 -
86
92
97
2700 -
2
3 -
9
84
44
13
33
35 -
43
47
51 -
54
64
74
76
87
89' -i
94
95 -
96
204
44
5 -
6 -
9
12
13
23
27 -
30
37
39
42 -
51
55
68
72
81 -
84 -
93 -
84
94
99 i ,3
2901 _
3
8
8*
7
32
3i
37 -
38 -
53 -
54
62
65
68
70
72
73
86
87
89
93
97
NS. PREMS. NS. PREMS.
3235
44
37
41
42
46
51
58
39
3104
6
14
20
34
10
19
20
22
' 27
29
37
41
42
44
48
50
55
63
03
84
44
3i8;i
44
60
70
82 -
80 -
87 -
88
93
3310
17
22
M
27
31
33
84
44
90 -
91'
330"
4 84
' 9 44
10 -
17 -
31 _
43
47
n
^i
NS. PREMS.
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PftlHS
3741
44
44
U
50
56 -
57
58
60
85
50
57
67
72 -
79
89
3601
8
13 84
15 44
18
42 44
1 2
H
66
204
44
8
44
73
76 -
78 -
79
82
84
85
90
92
99
74
75
83
83
24
27
29
404
44
3407
57 -
63
64
79
85
87
93
94
95 -
3000
3201
3
9 -
14
10
20
21
23
5
84
44
11
21
25
29
31
33
45
5
54
57
58
64 -
65
67
68
84
44
84
S
30 -
40
42
47
48 -
53
54
70
78
83
84
91
93
9fi
3704
7
24
10
76 30
84
78
-I .17
3808 20
19 44
20
21
23
25
28
33
36 -
M
59 -
72
74
77
79
82
83
85
88
92
99
3900
13
16 -
30
34
43
45
58
72 404
44
98
4003
4055
U
44
04
07
70
74
70
79
80
81
85 -
87
89 -
90
94
98
4100*
4248
3.1
N
03
72
445JS
44
11
25
33 -
44 -
46 -
49 -
52 -
N -
01
06
78 -
77
79
82
83
58
65
68
73
70
05 _| 78 _
C6 I 96
4500
10
13
37
41
42
49
30
M
57
63
70
76
79
82
86
90
91 7004
80
83
84
86
95
97
4310
13
27
29
31
42 _
M
98
1300
73
13
44
17
18
22 -
37
46
84
4.4
i
15
18
22 -
24
30
32
33
30
41 -
42
43
51
58
59
60
63
70
71
79
86
91
92
95 -
90
4412
14
18
19
24
a -
40 -
42
92
44
96
97
4601 84
2 *
12
14
20
27
31
34
39
40
44
46
48
55
75
204
44
44
46
47 -
84
ie
70
77
82
9


;, ;--------------
8
Diario de Pernarabuco Quarla feira 7 de Julho de 1860.
iSSBLA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPTADOS
SESSAO EM 9 DE JINHO
BFESIBENCIA 1)0 SI. V. DE ( AMARAGIBE.
fCnntmvnro.)
E' por isto que eu sinto dentrod'alma.que o
oosso paiz vi testemunhando o triste es-
pectculo da instabilidade das opinics, e
neste ponto ninguem ten excedido o par-
tido liberal (apoiados): este partido lem
sido um deploravel exemplo de todas as
transfnrmages de caracteres (apniados) ;
actores na scooa de hontera. elles apre-
saatam-se na scena de lioj.', hu j de
trajos mudados, c com as faces repintadas
decores diversas das de hontem (apoiados,
hilaridade geral); ludo istosuceede porque
o partido liberal, bem, diierente do partido
liberal dos outros paizes, nao tem f nem
no presente, nem no futuro, vive a repre-
sentar tristemente urna verdadeira masca-
rada. (Apoiados, risadas). O partido li-
beral nik) tem paciencia; em vendo um
fracto bonito e seductor, abrace a elle, e
se o nao podo colher, quer logo cortar a
arvore pela raz. (Apoiados).
Sinto, entretanto, Sr. presidente, que o
partido liberal nao cemprehenda sua missao;
sinto que se nao organtse sotare bases, que
offerecao garantas d* ordem e de liberda-
de sincera; sinto tanto mais, quanto seria
at provavel que eu l estivesse cora elles
(hilaridade); mas nao, o partido liberal nao
d signaes de tomar melhor caminho. No
seu seio sustentam-se os principios mais
perigosos, quer em relaeao nossa organi-
sacao poltica, qoer em relagio
religio do Estado. Anda lia pouco houve
quem sustentarse que o chrstanismo era
a mais sublime concepcao do espirito hu-
mano. (Apoiados, risadas.) Ora, senuores,
vio-se j paradoxo igual ? Pete nao ser
isto atacar e negar a origem divina do chris-
tianismo ? (Apoiados.) Pois Deus obra do
espirito humano, ou o espirito humano
bra de Deus ? Qual a causa preexistente,
Deus ou o espirito humano ? Eis-aqui, Sr.
presidente, porque eu nao posso ser libe-
ral no sentido da nova escola ; por isto
que eu nio desejo que o partido conserva-
dor se meta com innovacoes religiosas ; o
partido conservador nao costuma andar
nunca adiante das aspiragoes da sociedade;
a sua missio encaminha-las com todo o
tino, cireumspecgao e prudencia (apoiados);
o andar do partido conservador nio um
andar s carreiras. (Apoiados, murta bem.)
E' neste system de cordura e moderagio
que o partido conservador forma o seo raa-
ravilhoso contraste com o partido liberal,
esta crianca grande (hilaridade) que se agita
frentica n'uma perpetua infancia de sonlios
e tliQorias irrealisaveis, e que nunca che-
gar virilidade das conquistas serias e du-
radouras. (Muitos apoiados.) No enllanto,
multas e perigosas ideas se vio derraman-
do pelo paiz inteiro, ideas que vo pjuco e
pouco minando a f as nossas instituicoes
; undamentaes; e esta a oecasio de eu
embrar ao governo que, sem tornar-se
oppressor nem violento, mostre-se vigoroso
e-enrgico. (Apoiados.) Nao desprfzee gi-
verno os erros que se vio propagando ;
erros que se hoje nio dio cuidado.amaohia
o podem dar. (Apoiados.) O erro tem urna
nrottftcaclio prodigiosamente hedionda. O
lesser faire, o lesser passer sao dictamos
que s podem ser seguidos pelos governos
mprevidentes, que deixam ao acaso o fu -
turo da sociedade. (Apoiados.)
Sr. presidente, nao sei como entrei ties-
tas diggresses ; nao pretenda at fallar
hoje, por imlsposigoes da saude...
Vokes :Tem fallado muito bem.
O Su. Pinto de Campos:...mis, fallan-
do na injusta prohibirn da profisso monas-
tica, nao podia deixar de accender-me as
chammas da verdadeira liberdade, e por
esta oecasio qiuixar-me incidentemente
do partida liberal, que tem sido o maior
estragador dessa liberdade, que eu consi-
dero o mais valioso presente do co, quan-
do pratii'ada segando o espirito de Deus.
Ubi ijrus llimini, ibi libertas. (Muito
bem.)
Agora. Sr. presidente, vou dizer anda
algumas palavras sobre outro artigo additi-
vo da nobre commissio de fazenda, e des-
de j declaro que-preferira antes o additivo
do meu nobre amigo, deputado pe) Cear ;
porque ao menos neste additivo a degola
mais franca. (Apoiados, risadas.) Ao menos
o meu nobre ami^procedeu com franqueza
as formas do processo que quer que seja
seguido ; mas a nobre commissao de fazen-
da seguio caminhos contrarios; a nohiv
commissao quer fazer com as ordens reli-
giosas o que o nobre uftre de Caxas fez
com os Paraguayos em Humait (apoiados,
hilaridade), isto q'ier
acabar, e muilo menos pelos meios insidio-
sos propostos pela commissao. (Apoiados.)
N3o por artigos additivos i lei do orga-
ment, lei annua, que se devem rtwe-
diar os inconvenientes a que se procura
occorrer.
Senhores, quando ha pouco estvgmati-
sei 03 desmandos di alguna** rorporacoes
religiosas, nao podia comprehender outras
que mais ao menos hio sido fiis aos prin-
cipios da economa e ao espirito de carida-
de. A ordem benedictina, por exemplo, t
sabido que contina azelar as suas pros-
peridades ; sabido que contina a conser-
var em suas casas inqullinos pobres, me-
diante alugoeres suaves, sabido tambem
que era suas fazendas ruraes se abrigara
mudas e numerosas familias, que dakU .aafe-
rem os meios de subsistencia, j por afora-
mentos baratos, j por caridade. Coa&a.J
pois, Sr. presidente, se podar desalojar
dessas casas e dessas fazendas a tantos in-
dividuos pobres, que de repente se acha-
riam' a mare de todos os desabrigos "?
(Apoiados.) Nao permita Deus que o go-
verno actual, a quem presto npoio tao leal
e tao sincero, como costumo prestar, ouca
em torno de si os clamores da pobreza
amargurada e desvalida (apoiados). Esses
clamores sio os combustiv i* de que se for-
mam os ra os com que a Divina Previden-
cia costuma ferir os governos tyranico9 e
oppressores (muito bem I), caso em que
por fortuna se nao acha o governo actual,
que, escudado pelas bencSos da nacfto, sa-
ber triumphar de todos os obstculos, e
realizar os designios da civilisaco clirislaa
(apoiados.) Nao receie o governo a com-
petencia das ordens religiosas, que sio fra-
cas, embora fortes pelo espirito de sua ins-
tituigio; o que o governo deve aeautelar
nao sao os efeitos do fanatismo religioso,
mas sim os effeitos do fanatismo da impie-
dade. (Muitos apoiados.)
Nao concluirei, senhores, sem fazer urna
observagio, e que desde que lm parla-
mento no Brasil se tem feito tentativas
mais ou menos pronunciadas para invadir-se
a propriedade religiosa, at ioje, porm,
ainda nao liouve um governo, ainda nao
houve um parlamento que ousasse por maa
vilenla na arca inviolavel do direito de
propriedade. (Muitos apoiados.)
Senhores, um dos mais eloquentes ora-
culos do progressimo disse nete recinto,
que a cmara de entio tinlia sabido da vic-
toria das urnas, e parodiando hojo essa
iraagem, mais potica, que verdadeira.
direi que a cmara actual snhio das fraguas
de um longo martyrio (apoiados, muito bem),
a sua missao urna missao toda repiradora,
e todos os seus esforgos devein consistir
em curar as chagas que o progressimo
abri no corpoda uaco (muitos apoiados);
nada, pois, de innovacoes, qus abalein as
consciencias (apoiados); o partido conser-
vador no o partido da ameaca aos di-
reitos sociajs, pelo contrario, a sua ga
ranta permanente. (Apoiados. i
Como quer que seja, Sr. presidente, a
com que as ordens convertessem sr-us bens+da" reffjrJo, acredtio que o nobre deputado
de raiz em apolces inlraasferivew da divida
publica. A
O Sr. BiTrENCorar : O gftvdrno deve
ser o tutor dejado o mundo ?
O Cqhriv; Nio se trata,doaover-
no, opoder legislativo quem vai deeidir
se lm, como me parece, utidade publica
na medida proposta pela priiieiro commis-
s5o de ornamento.
A utilidade pWico consisU? nao s em
arredar as corpora$Des regulares de assamp-
tos alheiosao lim para que foriminMtetdas
de inleresses mundanos, que is vezos ag-
tam paixoos violentas nos claustros, donde
leviam ser banidas, como era dar raas va-
lor a propriedades de que boje nao se tira
todo o proveito qae deltas se pode colher.
Os mercadores nao devem estar no tem-
plo e nos primitivos lempos da christanda-
de, tonlo se ve na obra de Andr, Droif
Canon, procurava-se fazer com (pie os que
se destinavam aosecvico da^ igreja nao se
apartassem dos deveres de seu mioisterior
itnpond os concilios a os papas gravas pe-
nas aos que malbartavam os bens da raes-
ma igreja.
Entrando os bens das ordene regalares na
massa geral dos 'bens aetrros- da sociedade
virio a desempenbar, por suceeashras evo-
luces, o fim mais productivo a-qoe-pos-
sam destinar-se, attingindo ao' mximo
valor de que sao su-ceptiveis. Entregues
s transformaeoes qne Ibes imprime a mo
bilidade dosinteressm mdividiraes, estimu-
lados pelo natural desejo de melhoramfnto,
nao pode a sua adminiitraco deixar de ser
mais propria para promover os interesees
pblicos.
Consegui-lo sem prejnizo das ordens. eis
ao que se prope o additivx) da commis-
sao.
Oj l)ens particulares esto sujeitos os
mpostos de transmiss-o da propriedade ;
o que nao snccedV, da'tnesmn forma com os
das corporacoes de mo-morta.
Com o fim de estabelecer, qtintci pos-
si vel, a ignaldade contributiva entre esses
bens e os dos outros proprietarios tem-se
creado em rifnas paizes urna tasa espe-
cial, e entre nos forain sujeitos os predios
urbanos de taes corporaroes ao pagamento
da decima dobrada.
Em Franca a lei de 20 de fevereiro de
18i!)creou sobre os bens de mo-morta
urna taxa calculada na razio de 6 1/2
centmetros por cada franco do imposto
territorial a queja estavam sujeitos.
A medida proposta pola i1 commissaido
excluir-me de defender os
nlendem com a manutencao
est longe de
prinoipios que i
da f catholica.
Com as proposicoos que tenho emittido,
nao pratendi .nem de, lev atacar esses prin-
cipios. O qae nao desobr# > anatogia en-
tre taa* prinpios e a medid! froposta pela
coramtssao com referencia a propriedade
MMvel e aos e sera vos' de nossas ordens
reguteses.
Senhores, trouxe-se a queso para um
terreno nteirameHte diverso daquelle em
que devia*maoer-se adscussao; oque
aos cunipre examinar se ha ulilidade no
imposto lembrado pela commissao sobre os
bens das ordens religiosas, se a medida
merece o assantmento da eamara, se mais
conveniente que essas ordens conservera seus
escravos; oaque possuam smante apolioes
da divida publica. Este o verdadeira
ponto da questao, o mais sao consideracoes
proprias para produzir affeito, mas nao di-
rectamente provocadas pelo additivo da
commissao.
(Trocara-se apartes.)
A medida da commissao deve ter como
consequencia a alienacfio dos bens de raiz
e escravos das ordens; mas nio se diz que
ellas bao de venda-Ios por este ou aquel le
preco, nem tao pouco que ho de alhea-los
boje ou amanhia ; ho de faze-la quando
seus inleresses assm o aconselhem. No
se quer a alienacao repentina, mas gradual,
conforme exigir a maior conveniencia das
corporages ;hoje ser5o alienados os de
menor valor, amanha outros, e por fim os
mais valiosos, se assim convier.
O additivo do nobre deputado pelo Cear
tem o inconveniente de lancar no mercado
em curto prazo os bens das ordens, de-
preciando-Ihes o valor. A medida da com-
missao lenta, consulta melhor os inleres-
ses das mesmns ordens.
Lembrou anda o nobre depntado, e isto
causn impresso, qae a pobreza c hoje
muito favorecida peda ordem -benedictina.
Ouvindo as* patarras do nobre deputado,
pergnteia mim mesmo : se a cmara adop-
tar-este medida que a commissao prpe
Ikar a ordem benedictina privada de con-
tinuar a soccorrer a pobreza ?
O Sn. K. Bta.is.vRio : Palo contraria,
podar soccorre-la melhor.
O Sr. Correa : Beahnente, nesta par-
te, o nobre depntado decahio um pouco. A
ordem benedictina, se seus numerosos bens
foren {convertidos om apobces da divida
ppblica, nao fica-inhibida de continurr a
Saber qml o raemor meio de regular o ob-
jecto com q-je nos temos ocxupado.
Eis-nos ebegados a um grande accordo.
Eu rae esta? eswcacdo para ver o nobre
deputado e*eus Ilustres amigos que pen-
sam da mesma manelra chegarem ah; pa-
rece que ja conaegni alguma cousa arredan-
dd da questao assumptos estranhos.
'"Na apreciaco da medida proposta-pela
i* commissSo da orcamento o nobre depu-
tado diverge de mim.
Ouvindo as razes produzida n'nm e
n'ouiro senado, acamara resolver sobre o
meio mellior.
Temos na legislaco do paiz exemplo de
se tonwrem providencias sobre concessbes
ji eitas acorporaedes de mo-raorta. Cabe
aquriRvoea-toem aaxHio de mnhasobser-
vares. Varias corporacies de mo-morta
obtiverara loies, que ainda nao tinbam
sido extrahidas osando se promulgou a lei
n. 1,099 de 18 de setembro de *860..Bta
lei autorisou o governo paca restringir: o
numero deltas, modificar as clausulas da
enneessio e at annulla-la, quando tivesse
cessado ou se tivesse modificado o objecto
da raesma concessao. E osou desta auto-
risarao sem excitar clamor.
onamonto tem um fim mais. elevado, coa-; avo rece r os pobres, a quem hoje estende a
sidera nao s o intoresse fiscal, mas outros mo protectora..
minha posicio est definida. Sentirei moito I que diz
que muito importam sociedade. O que
ella pretende tomar extensivo o principio
consagrado na lei de 20 de agosto de 188i
aos bens de miz qui fonmm opitrimonio
das ordens regulares.
Ora, adrairo-me de ver o nobre deputa-
do pronanciar-si contra a medida proposta,
quando nao o ouvi levantar sua voz pode-
rosa contra a medida contida naquella lei,
se o governo actual abracar a idea do ad-
ditivo, porque me ser bastante doloroso
separar-me del le nesta e cm outras ques-
toes desta ordem. Amicua Plato, sel m luis
atnitia veritos. Antes de eu ser conserva-
dor, j era catholico (apoiado*); na) p-r
miiu l^f> i|i\e en ntwgw n ioiiiiii'jiwr fj
cante o parlamento do meu paiz as oainhas
profundas convicerts, e muilo'menos os
votos e promessas que fiz pelo baplismo.
clirislo. ^Muitos e repetidos apoiad >>.)
(O orador comprimentado por quasi
todos os membros da cmara.)
O SR. CORREA : Sr. presidente, ain-
da debaixo da impresso que causou na ga-
nara o eloquente discurso que acaba d
proferir o nobre deputado pelo 5V districto
da provincia de I rn imbuco, eu n5o entra-
ra j na discosso, se qualquer outro mem-
bro desta casa houvesse pedido a palavra.
Ninguem o leuda feito, julguei do meu de-
obrigar as ordens
religiosas por meio do mais rigoroso asse-
do, embora indirecto e lento, ou a pagar
tributos pesadissimos sobre as suas pro-
priedades, ou a vend-las antes que sjjam
consumidas otrdevoradas por to gravosas
contribuices -I
Senh wes, esta desigualdade que~a nobre
commissao de fazenda quer estabelecer em
relaco s ordens religiosas a mais injusta
e odiosa (apoiados); a nobre rommissao
raostra-se por-de mais progresista neste
systema de laucar tributos, e eis aoi p ir-
qe nao sou progressista (hilarioaie), como
a nobre commissio parece entender esta
palavra. O finado Lamartine, de eterna
memorii para a hnmanidade, dzia que ser
progressista nao consiste em andar as vas
da precipitacio, consiste sim em saber parar
no que justo, no que razoavel. Neste
sentido, sou progresista. (Apoiados.) Sr.
presidente, nada to indecoroso e irritante
como a violencia do forte contra o frac
(apoiados i; nada infama tanto um paiz como
a pratica legal de injusticas .clamorosas; e
ser o Brazil, senhores, que.hade autorisar
estas praticas pnosas capica a justiga c a
liberdade ? O. Brasil, que acaba de ins-
crever o seu nome as actas do concilio
universal das nacoes civilisadas, pelas glo-
riosas faganlias que tem operado as mar-
geos do Paraguay; o Bnizl, que custa dos
mais extraoi\liiariiis sacrificios, le vou a
carta de liberdade quelles povos, opprimi-
dos pela mais cruel tyrannia, ha de con-
sentir em seu seio ataques contra a liber-
dade e contra a Justina ? (Apoiados: muito
beta.)
Nao este o meio de acabar com as or-
dens religiosas; o m io eu j lembrei, anda
que muito proyavel que no prximo con-
cilio geni, que a igreja vai clebrar
trate do grave assunpto das orden* reli-
giosas, o e\tingnndo-as, ou reformando-
as, qu! ser o expediente mais til; pois
nio sj dos que en'endem que ellas devem
ver aposentar algomas considerados em
contestaco ao que disse o nobre deputado.
S. Exe. descobrio na medida que se dis-
cute um allantado contra o direito de pro-
priedade das ordens religiosos; e suppoe
que a Ilustre commissao do orcamento quer
arrebatar-Ibes o que Ibes deixra a piedade
dos fiis.
Mas este, senhores, o alcance do add
tiro ? Pretende-se na realidade exlorquir
violentamenle os bem das ordens regula-
res ? Porveutura o additivo desfecha pro-
fundo golpe na coiistituigo do Imperio, que
garante o direito de propriedade em teda
a >ua plmiiude ?
O que a nobre commissao proppe cousa
muito diversa i os bens das ordens regula-
es continuo a ser respeitados, continua a
pertencer-lhes, no se toca na substancia do
sou direito.
Estar, porm, o parlamento tolliido da
faculdade constitucional dedaffoar impostos
sobre esses b3ns ? Acaso esta a vez pri-
meira que se estabeleoem regras modifi-
iiad) os direilos de propriedade das ordens
regulares ?
Segundo a antga legslac > portugu
(Ord. livj 2o titulo 18), as jardeas nSu pb-
diara possuir bens de raiz, ain taque bati-
dos por doaco, testamento ou successa i,
por mais de auno e dia, sem Kcenca d
soberano. Eslava, pjrtanto, espresso n i
lei que o soberano poiia permitlH- ou Dio
a posse de taes bens, que pass ivain para a
cora quando irregolarmente adquiridos por
compra ou em pagamento de divida.
Dj menor alcance a medida que discu-
timos. Ella consiste no lancamento de um
imposto, que todos os annos cresce, sobre
a renda dos bens de raz das ordens reli-
giosas, para obriga-las a converte-los em
apolces da divida publica interna fundada,
as quaes serio" intransferiveis.
Nao vejo em que a constituico obsta a
essa medida, que o poder legislativo pode
tomar sem sahir de suas aitribuirr>'o, como
nio as excedera s determinaste a
apropriacao dos bens.
O Sr. Bittencouit : Mas ajji ha in-
demnisacao.
O Sr. Correa : E o que o.producto
dos bens que tem de ser convertido em apo-
lces ? As apolices representario o valor
dos bens actualmente possuidos p las or-
dens religiosas. O nobre depntado por
Pernarabuco, tomando tambem a palavra
movido por principios religiosos que nin-
guem combate, dectarou formalmente que
tem liaviJo dissipacoes e escndalos por
parle da administracao de algumas ordens
regulares.
Nio teria tido o nobre deputado oecasio
de proferir essa fundada condemnacao de
actos abusivo! se pjrventura ha mais lem-
po se tivesse tomado a providencia de faier
Os bens de raiz, adquiridos pelas cor-
porales de mao-morta na conformidade da
Ord. i. 2 til. 18 | 1, serao, no prazo de
S'is mezes contados da sua entrega, alhea-
a seu producto convertido emapo-
a divida paWica sob as peias da
Orrt. CTCeptffaOtS os {Jl f (||U3 C
terrenos necessarios para o servic das
mesmas corporaeftes, e os que at agora
tiverem constituido o seu patrimonio.
S) ha algum altentado contra o direito de
propriedade na medida que se disente, esse
altentado existe igualmente na citada lei.
(Trocam-se apartes.)
O que estou diiendo que, se a conver-
so em apolices dos bens j adquiridos pelas
'irporar.es de mao-morta 6 um altentado
contra a propriedade, esse altentado nao
desapparece s porque se trata dos bens
que adquirirn depois da lei de 20 de
agosto de 1864. apoia-
dos.) \
Determina esta lei que os bens de raiz
que as corporacoes adqoirirem serio con-
vertidos em apolices, sob as penas da^Ord.
!. 2" lit. 18. Com o mesmo direito po-
der legislativo, julgando de ulilidade publi-
ci que assim se proceda quanto aos j ad-
quiridos-pajas ordens regulares, lanfa um
imposto que ha de produzir es- ntido
paulatinamente, quando maiscomi
mis ordens, sendo substituidas as fa'.efib
predios e escravos que Ihes pertencera por
ttulos de renda certa, isentos do pagamen-
to de impostos, como, por exemplo, o de
dcima dobradaa que esto sujeitos os,pre-
dios urbanos de seu patrimonio.
Ja disse qae. se este- me< I i d a tivesse sjdo
anteriormente lomada, o nobre deputado
nao teria tido necessidade- de vir aqui con-
demnar enrgicamente as xlissipaeoes e es-
cndalos das admiiiistraroes de algumas or-
dens.
O Sr. Bittencouiit : Onda esto di-
reito de igualdade ?
O Sr. Correa : Senhores, as cerpo-
racoes regulares nao esta no caso de- ou-
tros propietarios. Ellas nao sao inslttiidas
sem acqHteseencia do governo, e esta ., -
quiescencia, desde que necessaj'iaifode
'ondicional.
(Trocam-se diversos apartes.)
Passando a medida proposta pela^'cam-
anssio, ficam piwadas as ordens religiosas
dos meios da manter-se ? Nao, de certo.
Picara com outra especie de bens, mais-con-
forme com a natureza de sua institaicio,
que aparta as respectivas .administracJE de
liiieresses nu.nlanos, sujeitos a petgos,
como o de desenvolver paixoes deshonestas,
que os primitivos chrislios julgaram dignos
da maior altencao e cuidado.
Porque, offerecende-nos a proposta da
commiesio um meio suave de modificar a
situacio presente das ordens regulares,;nao
bavemos de approva-la ?
O nobre deputado aua me preceden na
tribuna, fallando das differentes ordens re-
ligiosas, fez especial meocio da ordecnBa-
neditina, como aquella que melhor tem ze-
lado o seu patrimonio.
Nio pretendo contestar as palavras do no-
bxe deputado, antes desejava que elle pu-
desse fallar do mesmo modo com alacio a
todas as outras ordens. Isso nao modifica
o meu pensamento. O que desejo qu o
patrimonio das ordens, consistette em fa-
zendas, predios, terrenos e escravos, seja
convertido em apolices. Esta medida nio
diminueo patrimonio, ao passo quedispensa
os administradores das ordens de cuidados
alheios sua missao. (Apoiados.)
ssim garante-se tambara esse patrimo-
nio, que pertence $prden3. e deque os
religiosos nio sao senio usufructuarios.
Fazendo um tocante appello am nomo
Se eu visse que a medid i proposta at-
tentava contra os destavorecklos da fortuna
nfioa sustentaria, porcrae confesso que nao
desejo levantar contra mim os clamores da
pobreza, cujo bem estar eslimarei poder
sempre promover.
Mas a medida proposta nao limita de
forma alguma o sentimento de caridade de
qualquer das ordens regulares: a benedic-
tina pode continuar a derramar desembura-
cadamente os sens beneficios.
Disse tambem o nobre epatado que-^rt-meira.
que se pretende no tanto extinguir as p s.
ordens. como tancar mao de seus bens.
Nao descubro no additivo nada que jus-
tifique esta issercfo.
trrr Tmrthti parlo nio tenho duvda'Bm
aceitar qaalquer provi lencia que o nofire
deputado proponha, par que o produeto
de taes bens, no caso de extinecio das or-
dens, seja applicado sustento dos semi-
narios, ou a tins semelhantes*
O Sn. Mftms pe Ai.meoa : Enta
tica com o poder do papa ?
O Sr. Connr.A : Para qae, traz o nobre
deputado o papa para ama questao em qae
elle nao lem de intervirl Que tem eHe
com o lancamento de .impostos em beas
existentes no territorio do Brasil, e como
destino desses bens no caso de, extractas
as ordens, passarem para o "dominio do
Estado ?
O Sr. Stogeira Mendes d um aparte.
O Sk. ConnK.v : Sobre bens d* or-
dens religiosas temos legislado desde ~4.nti-.
go**npos, o anda em 9 do dezemhi
1830 fui promulgada urna lei declarando
nullos ede nenlium eleilo em-jdiz ou fura
debe .todas as alienaces ^contratos one-
rosos' felos p'-las ordens regulares sobre"
bens movis, immoveis e semoventes de seu
patrimonio, orna vez que no.hjja precedi-
do expressa Hoenca do governo para cele-
brarem taes contratos.
O principio canlidoSesla lei n) tem
menor alcance qe od em discus-
so, e niO:ffle consla que a Santa S se jus-
trarto s do nobre deputado pela provin-
cia de Pernarabuco, que falten 15o britoan-
temente, crei ter mostrado que nao se
ataca o direito d^ propriedadade das or-
dens religiosas quando se tanca um imposto
ol>re saos escravos e bens de raiz, e que
nio condmnave! o proposito de promo-
ver pausadamente a conversio desses bens
em apolices da divida publica.
S me resta pedir commissio que tor-
ne bem erara no artigo additivo que o pro-
ducto daqnelles bens ha de ser convertido
em apolices intransferiveis da divida publi-
ca-interna.
O Sn. T. Bei.isario:laso est claro.
O Sr. Correa :Nio est no artigo em
discussao.
O Sr. F. Bki.isario .Mas, desda que
s se imp&em certos bens, os outros estao
isentos.
O S. Goma :Nio estou tratando disso;
o que1 peco commissio que declare po-
sitivamente que, quando os bens tiverem de
ser atiesados, o seu producto deve ser con-
vertido em apolices intransferiveis; isto
essencial.
Aprovcito a oecasio para fazer algumas
observages sobre outros additivos sujeitos
discussio.
Ha um que diz o segunte :
i O governo fica autorisado para rever e
modificar dentro de um anno os reglamen-
tos das alfandegas, tliesourosethesourarias,
podendo alterar e modificar os seus ser-
vicos.
Ha um substitutivo mandando supprimir
as palavras tlnaespodendo alterar e mo-
dificar os seus servicos.
Parece-me necessara a deelaracio feita
pela commissio: a autorisagao deve ser
para o fim indicado no additivo.
O Sr. Cardoso de Mknezes: A segun-
da parte est comprebendida na pri-
cas que apos.suem, (\ potados, muito bem.)
Da exaclidio des te meu enunciado dio tes-
temunho os escriptores de direito patrio, a
historia do direito portiigw
A leidasmortizacao f.i aiwttida em Por-
tugual, segundo affismio JJorges Carneiro
t outros, nio muilo longe da fundagao da
monarchia. E' cerlo que-ideposiroes re-
gutares sobre acqnisigao e posse dos Ijms
pelas corporacoes de mio-morla foram es-
labelecidasna'lei promulgada em Coirabra
por el-rei D. Diniz, vigorram sempre e
estio compiladas na rd.tdo liv. 2" lit. 48.
A Ia commissio de orcamento parti do
panto de vista que os bens adquiridos pelas
ordens regulares na conformidade da ci-
tada Ord. Io sio propriedade das mesmas
ordens, sujeita, porm, a limtages pela
lei estatuidas. Se a commissio contes-
tasse a propriedade de befis, cuja acqaisi-
gio foi permitlida, *>m iz de adoptar o
panlamento do artigo aditivo, estara, eu
agora impugnando-o e com toda a decisio.
(Mnito bem.)
Que o poder soberano esteve sempre na
posse do direito de regular as condiges
da tal propriedade attestam mutas leis
eitas em pocas diversas,
... portuguezas fetas era pocas diversas, e
,^.?I^":^.y"u iuTJill" ** assembla geral do -Brasil de-
pois de inaugurado o systema constitucio-
a!. Direi mesrae qoe; se havia insffee-
gio por parte do governo portoguez na ad-
ministrago das ordens regulares, no qoe
se refere aos bens de seu patrimonio, mais
terminante e positiva a decretan a lei de 9
de dezembro de 18:>0, proittbindo a des-
posieio do bens movis, immoteis- -oa se-
moventes pertencentes s ordens religio-
sas sem que houvessem antes impetrado
da mes-
con-
gaste offendid i com a
ma let.
Uir-Sti. DfifiTAno
vai ftivogar.
O Sr. Cosba: Porque
O M-esmo S&. DETirrAna : "Porque umj
direito excepcional sem fundamento, sem
-
(i Sr. Coiuw.v: Nio sem fundamen-
to.. Direito excepcional o de que tem
ideas ordans de p issuir bens almde
suas necesskbdes. Quando se crea uma-iencetoii o debate, im> a pilatod devidamen-
ordem.religiosa o outra coijperacio maj-- te o alcance dbs dlsposicbes de quejsc trata,
cauwdfce o lita. e,-no deve ter antros meios- pois de qttaa sort np se llie awm'ariam
senab-os necisara para realisar esse liuj; ameacados o direito (! propriedade ea
dahi por diante.tuo favor. -religiio do Estado, que niag4iem atacou, e
: que atacados, em sainprimoictq d > meu de-
GoiMtA :Entio a questao de
clareza, e julgo que nio devem ser suppri-
midas-as palavras finaos do additivo da com-
missao. .
Autorlsa-sc Igualmente o governo para
rovor o modificar dentro do praao do um
anno os regulamentos sobre transmissio de
propriedade dizimos, industrias e prolisses,
emolumentes e sello, incluindo neste os
volites e no vos direilos de niercs pecu-
niarias.
Isto, senhores, mais serio. A autori-
sagao para a reviso c modiGcagode regu-
lamentes relativos a grande nmeros de
impostas nao me parece que deva ser con-
cedida sem que se determinem as bases
dessa modificago, e o sentido ew qu^
deve ser feite. Isto lo importa dfescon-
fiang no honrado1 Sr. ministro d* ftlze
da, mas habilita a cmara para c
todo o alcance da medida que se vai
tomar.
O S. Pereiha da Silva : J est na
Ilesa.
O Sr. Jorrea : Nao saba, nao tendo
sido lida-a emenda, ignorava que estivesse
j altendida esta necessidade.
Concluindo, Sr. presidente peco descul-
pa ao nobre deputado por Pemainbucopor
ler contrariado o la a que se propz ; de-
sojara estar de Inteiro accordo com elle :
mas espero que o nobre deputado nao leva-
r a mal que, com a mesma liberdade de
que uou, .eu-suhuieU.cssi; apreciarlo da
cmara as. consideratps que acabo dej
fazer.
OSR. PAULINO DB SOL'ZA ;iiuistro do
imperio):Vou, Sr; |Kj ,er ape-
nas algumas palavras sobre o r.j,jgo addiii-
vo proposto pela 1* cotnlniss > de orcamen-
to, relativo conv'ersao 'dgs b :us de raiz
das ordens religiosas em apolices da divida
publica interna fundada." Devo, afites de
tudo,-francamente declarar qu o
approva e aceita ofensa meato do artigo1.
O nobre depntado por Pernamb^ro, que
resto para
O Su. So; /v Res: E
quem fica, a quem pertence ?
O Sk. GorbCa : Depois de adquiridos
fegalmente os bens, p n s ordens ;
m-s nra o artigo ad litvo da commissao.
nem o que eu di^o tira-lhes nada. Se esses
bens forem convertidos em apolices, o ren-
dimente dellas ni ter outro destinse
nao o que for d.signado pelas respectivas
dmkiistragoes.
O Sn. Bittencouht : Por ora ; como
vem esta medida, ha de vir urna outra.
O Su. Co.ftEA : Nao acredito que esse
direito deixe de ser respeitado : mas se as
ordens se extinguirem ?
O Sn. BiTTENcpwvr: Se extinguirem-
se, desapparece o proprietario : caso
oulrq.
O Sh. Correa i Bem.
Majs. senhores, como querem os nobres
deputados que ordens regulares, decahidas,
sem pessoal sufllciente para a conveniente
admioistragia de seus bens...
O $a- F. Bewsabjo : Apoiado.
O
Corusa :
continuem a ter doutrna.
ver, seria eu o primairo a vir aqtn tlefen-
der. (Apoiados, muito bem,)
O alarma levantado pelo nobre deputado
por Pernambuco causou-me a principio
appre#Bns5es. Suppuz ter comprehendido
mal as desposigs propostas, e que po-
dessem estas attingir a comprometter algum
principio capital da ordem espiritual ou da
civil. Felizmente o discurso do nobre de-
putado foyogo desvanecendo os raeus re-
ceios, e s suas ultimas palavras estar eu
j inteiramente tranquillisado.
A deferencia, porm, a particular consi-
-derago que merece o nobre deputado,
levam-me a pedir casa alguns momentos
de sua benvola attengao.
Sustenta muitos com o nobre depu-
tado pelo Cear, autor de um artigo addi-
tivo sobre o m-sme objecto, que as ordens
religiosas nio sao proprictarias, mas admi-
nistradoras e meras usufructuarias dos bens
constjjutivos de seu patrimonio, que en-
trara no dominio imminente da soberana.
Decisoei do governo tem adoptado esta
propiedades que nio podem zelar, e que
nao prestara ao Estado todo o bem que
deltas pode pwwir?
O Sa. Bittbwcoubt : O meio de evitar
ouU-q, nio ..o.scabar.
O Sh. Co^ppaLt- Ests ejactameate o
poQt'j da quista ; do qae se trata i *
Nio pens eu asim,jSr. presidente : en-
tendo que os bens legahnente adquiridos
felas ordeps regulares1 e por todas as cor-
poracoes* de mio-morta sao de sata pro-
priedade (muitos apoiados), propriedade,
porm, sujeita a despoigoes especlaes da
4egislagHo, eomoo lio 'as pessoas' juridi-
licenga do governo.
Esta lei tem sido sempre execulsda, eo
regulamento expedido para sia boa exe-
cugiaem 28 de novembro e I8t!) foi
obra de um vatio eminente. Moceramente
religioso, distlheto por sea iflustrarte e
grandes serviros, cujo nome profiro sem-
pre respeitoso,Eusebk) de Queiroz, de
saudosa memoria. (Muito beta* muito bem.)
Nio atino, Sr. presidente, com o funda-
mento que achou o Ilustre [representante
pela provincia de Pernambuco para invocar
nesta discussio o direito de propriedade e
o < inleresses da religio.
. O direito de propriedade I As ordens re-
gulares contiriam pelo additivo a possuir
o mesmo patrimonio, convertido, porm,
no fim de alguns annos, sem violencia,
sem abalo, sem prejuizo, quando Ibes con-
vier aliena-los, em apolices da divida pu-
blica, seguro e bom empr-go para os" ea-
pitaes. (Apoiados.)
Senhores, as ordens religiosas nio fbram
instituidas para (ios temporacs, nio se des-
linara industria, por meio deHa aecu-
mular riquezas, que nao importam ao bem
das almas, e poderiam dar na sociedade in-
fluencia que ellas nio devem era podem
ter em mira, nao sendo sua missio exer-
ce la nos negocios do paiz, iatervir na or-
dem publica, como se exprimem os anti-
gos escriptores portuguezes. (Apoiados.)
Os inleresses da religio I Os que se de-
dicara vida religiosa nio podom perder
tempocoma administrago dos bens da for-
tuna ; devem applicar-se pregago da dou-
trna sagrada, a inspirar pelo exerapte a f,
a eridadc, as virtudes que ensilla a reli-
giio de Jess Chnsio. (Muilo bem.) Deve
srf este seu peusamentor esta trela a que
se destinaram.
Catholico, e to bom caiholico, que,
dando em tudoao nobre deputado a.-pii-
mazia, s nesta parle nao lhe cederei sem
disputa a precedencia (rk*das), se protesto
contra multas jniovagjSw que tendem a
abalar a autoridade legitima da igreja
(muito bem), no desconucp o espirito da
poca em que vivemos.
Il'ije, Sr. presidente, catbolicismo de-
sinando-se dos preconceitos e supresti-
- do principio di idade moderna, volve
fes olhos para a idade urea, para os tem-
pos primitivos da igreja, em que a f era
viva e se robusteca peta predica inspirada
de.seus ministros, pelo exemolo constante
das virtuaes do Cristianismo. (Apoiados,
muito bem.)
O espirito religioso nio se preoecupa
hoje com a questao de sabe> se as commu-
nidades religiosas devem possuir seu pa-
trimonio em apoliCes da divida publica ou
em predios, em fazendas ruraes e em es-
bravos (apoiados), propriedade esta ultima
que nao a meu ver, atienta a dureza da
condigio, a mais apropriada para as ordens
religiosas.
Be a converso em .apojices-da divida
publica deia lvres, tslou convencido di-
que tara avahar, os rendimentos das ordens
religiosas, como diz o nobre deputado que
nao podero ellas mais repartir o bolo da
caridade, que mingoar o pao que se- dis-
tribue aos pobfles- porta dos convertios ?
(Ha aUjuns apartes).
Senhores, o patrimonio em apolices ou
em predios e escravos sempre o mesmo
patrimonio das ordens religiosas, melhor
liscaljsado, porem, isento da delapidagao,
applicavel s oLms de caridade e ao es-
plendor do culto divino, e com a vantagem
o dislrahr do snico d-.i religio os
mebabros da commundade que boje se
ecdupam com a administracaVrde taes bens.
A converso do patrimonio religioso em
apolices em todo o. caso ama garanta,
veiiliam a o*lnguir-se .as ordens reli-
giosas no Brazil, como receiji o nobre de-
putado, quer cijas se reforratem e reassu-
mam, como eu desejo, o lustre de outros
lempos. No primeiro caso estar assegu-
rado o direito eventual do Estado aos bens
que vagassem: no segundo o patrimonio
em apolices, conservando como deposito,
dar, a todo o tempo, rendimentos qne se
apnliquem aos lns caridosos da instituigio
e sustentagio do culto.
As ordens religiosas prastaram Ja ao
Brazil incontestaveis servaos, mas foi isto
no tempo em que contavam enj seu seio os
Vieiras, os Anchietas, S. Catlos, fre Sam-
paio e outros, luzeros da flgteja, agentes
de civilisagio, spstentaculos da autoridade
civil. Hoje decahidas, i!esaonsidcradas na
opiniio, nio podem continuar sem pro-
funda reforma. Eis porque o .governo tem
maolido e mantera a prohibigaode admissio
denovicos, contra a qual reclamou o nobre
deputado. O nobre deputado nio des-
conliece os motivos que determinaran} a re-
solugio a que me refiro, pois que coofes-
sou ha ver escndalos e disspagbcs.....
I
ti
\ II

t
V
O Sr. Pinto de Campos ;Ea njr'le-
feri s ordens, Jizexcepgoes.
(Continuar-seJiai
TIP. DO DIABHr-RdAMSCRPZtWff. .,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E26RLZ09D_PM7UET INGEST_TIME 2013-09-13T22:58:47Z PACKAGE AA00011611_11883
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES