Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11880


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. HMEDO 148.
PARA A -CAPITAL E LUGAHES OTOS IA3 SE PAGA PORTE.
*ortre*mejHantado8..................
Por seis ditos idem....................
Por ma anno idem. ...................
Cada numero avulso...................
DIARIO
6000
i20000
24i9O0O
0320
SABBADO 3 DE JULHO DE 1869.
1
PARA DEMTHO E TORA DA PROVINCIA.
Por tres nieges adiaotidos.................. 60750
Por sen ditos idtm.................... |
Por no>i ditos ide|...................
Por om auno. ................... 274000
PERMMBIM
?

W*
Propriedade de Maaoel Mgaeira de Foria & Klhos.

i AfSEirTES


.

/
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Gon^rivesA Pinto,
,, Pereira d'Almeida,
Inrlfl h! r jOT*lunDJ s. e ^'T3' ^ S"rf; AWonro de UmmBng*. no Aracaty; Mo Maria Adi Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Josefcsw
em Mamanguape.rAmonio Alexandnno de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gome,.na Vrlla da Penha; Celarmino dos Santos ulco, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Bra
em Nazaretli; Francino Tavares da Costa, em Alagdas; Dr. Jos Marfins Ai ves, na Babia; e Jos fiibeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro. *
PARTE OITICIAL
Gmrermm 4a provincia.
DESPACHOS D.V VIOK-I'RESIORXCIA DO DA 30
BE H'.MIO DE ISti'.l
Abaixo assignados, moradores a inargem do
Rio Pirapama na comarca do Cabo.Informe o Sr.
engenheiro chefe da reparlicao da obrjs publicas.
Claudiuo Jos de Araujo.Informe o Sr. inspec-
tor da thesoiiraria provincial.
Candido Teinistoeles Paes do Olivcira. A Ici
provincial n. 870 de 12 d) corrente mez resolve
a duvida do snppheanie.
Coronel Ernesto Justiuiaao da Silva Freir.
Conceda-se.
Ermiria do Cont Brum. Satisfaga a suppli-
eaie i disposlo no art. 31 ta le u. 309 de 14
4e maio de 1H."...
Joviniano Feruandes da Silva Manta.Indeferido
a vista das informaeoes.
Coronel Joaiiuim CavalcaMi de Albuquerque.
Informe o Sr. ctiefe interino da reparlicao das
obras pnblivas.
Josepha Maria dos Praseres. Seja posto em li-
berdade.
liadwrel Luiz Guncsives da Silva.Conoeda-se
i exoneraran pedida.
Manoel Francisco de Barros Reg. O .suppli-
cante fui demeltido desdo o dia -1 deste mez.
Maria do Ro-ario Pinheiro. Couceda-se dous
mezes c com ordenado smenle, ficando assim de-
clarado o despacho de 3 deste mez.
Paulino Carrilho do llego Barros. Cumpra o
suppiicaBtc o disposto no art. 45 do decreto n.
1UW de 12 de Mar$u de 183o apresenlando a guia
de mudanca que oblevs cum a sua patente ao
utais graduado cliefe da guarda nacional do mu-
nicipio, onde i i ver flxado a sua nova residencia.
Pedro Goncalves da Rocha.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Sania Casa de Miseri-
cordia.
Tlwmaz Antonio Kspica.Informe a directora
do tbeairo dfc Santa Isabel.
Vicente J.ni>en de Casiro Albuquerque. Con-
ceda-se um mez de Kcenca com ordenado, na forma
4a lei.
Vicente Domingues Alves Maia.De*-se.
to do Sr. Bacellar.
3* do de n. 59, que autorisa o governo a contra-
tar cora Adriano Xavier Pereira de Brito o esta-
belecimento Mita cidade de urna can para ba-
nhos salgados.E' approvado.
* do de n. 78 deste anno, que autorisa o con-
2-
sm Provincial, como alumnos pobres, dous or-1 a mandar construir urna estrada que, partiodo da
phaos lilhos de Juliao Pereira Mattoso. -E' appro- I estrada do sol, v ter ao lugar denominado Na-
. ?.' f?.n,? '.nlerslicio dispensado requerimen-: zareth do Cabo ; antes, porm, de entrar tiestas
consideraooes, perniitta-me esta asseinhla fazer
una breve descripeao do pequeo povoado, para
onde se pretende construir a estrada.
Nazaretli do Cabo, Sr. presidente, um peque-
no pjvaado.situado na ponta do Cabo-de Sanio
Agostinho distancia de 7 leguas deste cidade,
e pbuco mais de duas da villa do Cabo, em um
terreno que a propriedade do senhor do enge-
nlio Massangana.
O Sn. Rkgo Barros :E por isso que o nobre
deputado combate o projecto.
O Sr. Bacellar : Nao cmbalo o projecto, e
nem por ion o faria ; o que pretendo votar
coutra o mesura, o dar as raides pelas qnacs te-
nlio de proceder assim.
Como dizia, Sr. presidente, o povoado de Naza-
retli do Cabo esta situado em terreno, do qual
proprietario o senhor do engenho Massangana, e
tal vez nao tenha quinhentos Habitantes
Um Sr. Df.p?tado :Sem comniercio.
0 Sr. Baoellar :Sem commercio, sem agri-
cultura, sem industria nem cousa alguma, i|ue o
ponha em condedes do merecer urna estrada,
como quer o projecto que se discute. E fundado
C ominando das aranas.
WARTEL-GNKRAL DO COMANDO DAS ARMAS DE P^t-
KAXBQOO, 1." DE Jl'UIO UE 18G9.
Ordem do diu n. 442.
O brigadtii'o coniiuandanlo das armas faz cons-
tar para os Ijns cnnvenicnles, que n'csta data desa-
quarlellou o 1." balulliao de artilharia da guarda
uacioual desie municipio e respectivos coniuigen-
les >ob o ('.ominando do Se tenste-coronel Decio
de Aquino b'onceca, que foi substituido no sei'Yic/'
da guarnicao d'esta cidade pelo 2." batalliao de in-
fatuara coDjmapd&do pelo Sr. coronel llodolptio
Joao Barata do Almeida.
1^)1110
portou
/.es
tual ..
rias qur pelo iiicmoo briadeirp foram reitas
eencernentes ao sobredito servico, e outros de oc-
casio.
0 quartel do II spicio, com quanto carera de
coneertos urgentes e despeudiosos que nao podem
aetaldmente ser levados a effeito por conta da fa-
renda nacional, abjons loram praticados por conta
talb i, < < entregus se nao em perfeitoestado
de asseio e limpeza, rom aquello tpie possivel, e
que deve ser conservado soh a vigilancia de um
c mmandante zeloso como o Sr. coronel Barata,
e como ha sido o Sr. tenante-coronel Decio, (piando
aquartcllado con osen batalliao lo qual se esforca
por incutir a disciplina que o torna recommenda-
vel. Acceiiem, o Sr. tenente-ro.-cnel Decio, sna
offlcialidad.' o pracas, esta declaracio em pro va da
consideracio em.qnc o ooantadiftte das armas
tem os sena servicos.
mado-^/oojuifH Jo.w Gonfakes Fontrs.
C mUMOBEmtHHO Ernesto de Mello Tumbo-
rim. tente ajndante de ordens encarregado do
delallie.
PERMMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESS.lO OIIDINAHIA EM 5 B| .H'.NIIO.
PRFSIDK.^IA DO SR. AUGUSTO LKAO.
(CoHClUSO).
2* disenssao do projecto n. 28 deste aMft, que
tixa a Carca pujIl u*^wom* ^m-*"
c.xercicio do 18(9 ;i 1870.
Vo mesa e sao apoiadas as seguintes emen-
das :
Em lugar de qniulientas,
piaras.G. Druiiimund.
e Em logar do quinlienlas,
Lopes Machado.
E' taubem lulo c apotMO
tutivo: .
Art. 1." A forea policial provisoria para o
anno fioncero de 1869 1870, so compor de
V00 | mi a organisaco seguinte :
8 1. estado-maior ser de um major com-
mandante, um lente cirurgio-mr, um alferes
secretario e outro ajudaote.
g i." O corpo ser dividido em tres eompa-
is, cada ama das qnacs, com tim capitLo, uui
nte e dous alfer8.I'elisbino.
O SR. SOARES BRANDAO faz. largas conside-
rares sobre poltica geral e provincialX
Tendo dado a hora, o Sr. presidenteNjesigna a
ordem do dia e levanta a sessao.
diga-sesciscenlas
diga-se trezcnta9.
o seguinte snboti-
trato para a factura de urna ponte sobre o rio Ipo
juca com Manoel Flix Calumby.E' approvado,
sendo o intersticio dispensado requerimento do
Sr. Ponlnal.
t" do den. 69, que autorisa o governo a man-
dar fazer urna estrada de roda ge m que partindo
d.. do Cabo passe pelos povoados da Venda Grande
e Piedade.E' approvado.
2* discu>sao das emendas offerecidas em 3" ao
projecto n. 67, concedendo um anno de lcenea
profesora de Santo Amaro ds Salinas e ao ama-
nuense da directora da instruccao publica. Victo-
riano Jos Marinho lalliares.'
Depois de algumas consideracoes do Sr. G.
Drummoad, encerrada a diseussao, e approvada
a 1* emenda, sendo a 2* regeitada.
i' diseussao do projecto n. 81 deste anno, que
autorisa o poverno a contratar com Manoel Polv-
VC-------;-------------------------------
Requeiro o adiamento da diseussao at qno
ssjam impressos Mgjocnal da casa as emendas bo-
je offerecidas. Sowt* Brauiv.
E* approvado o requeriiaeiito.
Contina a 2- diseussao do projecto de flxacao
de forra policial.
0 Sft. G. DIICMMOND conclue o seu Mwrso
du dia anterior sobre poltica.
fsndo dado a hora, tica a discussae adiada.
sr. presidente designa a ordem do dia e
ta a sessa-i.
nambucan, pedindo um anno de licenca com to-
dos os seus vanciflientos, para tratar de sna sa-
de.A' commissao de plicfies.
Sao lidas c approvadss a redaccSes dos pr o
jectos traineros 34, 61, 33 e 81.
(Continuar-e-ha)
le-
car|K) Moreira de Azeve a abertura e canalisa ^aquelle povoado sobre um terreno estril, ingrato
cao do rio Goyanna E' approvado, sendo cuspen-:e qiusi que sobre um rocedo, nunca peder
jado o intersticio requerimento do Sr. Arminio offerecer productos agrcolas, qpv. posaara ser ira-
Tavarw.
3" do don. 8, queanlorisa o governo a mandar
vir mestrs de assucar de outros paizes para e-
rem empregados nos diversos engenhos da provin-
cia.E' approvado.
2" do de n. 77, que altera os lmites da freguc-
zia do Bom-Conselho.E' approvado.
2* da emenda apresenlada em 3' ao projecto n.
H de 1868, creando urna cadeira de primeiras
lettras na povoacao de Duarte Das, e mandando
que continu nolugar do encanamento a que alli
existe e que for mandada remover para a Cruz
das Almas.E' approvada. .
2* diseussao do projecto n. 32, que soppnme o
districto de paz de Cabelleira.E' approvado.
1" da do n. 54, que manda pertencer fregue-
zia de Bezerros o terreno do engenho Penon, hoje
pertcncente a de Grvala.E' approvado.?
i' diseussao das emendas offerecidas em 3a ao
projecto de orcamento municipal.Sao approvadas
excepto a que augmenta o ordonado do sachristao
do reniiierio, e dos amanuenses da cmara, apre-
senlada pela comrnisso.
Ia diseussao do projecto n. 79, que approva o
compromiso da irmandade de SanfAnna de Gra-
vara.E' approvado.
2" do de n. 41, que autorisa o governo a mandar uecessidale c de sous "bons rebultados; agora,
construir una estrada de rodagem at o povoado porm, voto de modo diflercnie, pnr ver que Na
/.idos por una tal estrada, e arada que o-, tivesse
para offerecer a consumo, estando entre duas
barras, o poderia fazer com menos dfcnendio pelo
mar, que urna estrada franca e j feila. Sr.
presidente, tenho razo para fallar assim, porque,
como j disse, aquello povoado pouco dista da'
villa do Cabo, onde m iro e exerco o cargo de jniz
municipal do termo do mesmo ome, e alera disto
lenho no referido povoado urna casa para onde
costomo ir com a familia tomar bauhos salgados,
cuja casa sendo a maior e niedior do lugar, foi ha
pouco vendida por 430J. Os poucos habitadores
daqueile povoado estao na dependencia do pro-
prietario do solo, porquo nao tem aforamento
legal.
(Ha um aparto.)
O Sr. Bacellar : E' nm bom carcter, um
cidado distincto de quem sou amigo, cujo nome
decKnei sinente para que se saiba que proprie-
larifl do terreno em qne-eet fundado aquello po-
voado, e quo nao o tem alorado cun as formalida-
des legaes.
O projecto quo se discute, senhores, trata de
um niellioramento como a constiuecan de nina
estrada, lenho votado sempre por esses mcllKira-
mentos todas as vezes une rae coiiveiiro de sua
SESSvO ORDINAWAEM 9 DE "JUNHO.
PRESIDENCIA IKJ SR. UAI.ST-XLEAO.
Ao meio dia, feita a chamada, acbam-se pre-
sentes os Srs. Goncalves da Silva. Araujo Bellrao,
fi. Sruminond, Arminio Tavares, I'elisbino, Lopes
_,"iado,Tibuiliuo.\ogueira,E. Marques, M. Amo-
Ui>bello, A. Cavalcante, Augusto Lsao, Silva
s, Amara! e Mello, Pina, Reg Barros, S.Pon-
liergnmlo, E. de Barros Josi1 Gilirana,Cicero,
Ayres Gama, Janseti de Castro, !ario de Una e
Has Brandan.
brese a se.-so e lda e approvada a acta
anterior.
0 Sr. 1* secretario d corrta do seguinte
Expediente.
1 in offlcio do secretario do governo, remolien-
da a informaco ministrada pelo inspector da the-
sonrana provincial, acerca da peticao de Lande-
liao de Luna Freir. A' quem fez a requesicau.
stj e i: approvado o segrate parecer :
REVISTA DLAEIA.
SOCIEDADE DOOS DE JCI.IIO.- A associa^fc
patritica Dous de Julbo celebrou honteni scus
festejos com toda a p mipa e magaiQceucia.
E>e dia, grato annsMfo. de todus os Bcasilei-
ros, o pecial e leroamcnte querido pela Bihia,
heroica provincia do imperio sul americaao. Foi
nelle que o exercito pacificador entrou na cidade
deS. Salvador ; e com a sua aurora resplandecen
o sol da liberdade no coracao daquclla jola.
E' por isso que a sociedade pitrotca Dous de
Jnllio, allia sempre aos sens jbilos mais algnns
Vfaas, arrancando-os aos bracos dessa lepra social
que se chama escravido.
E' por isso que os filhos dessa proviucia e.-ti -
uieeera tanto essa densa, que sorri eom tanto es-
plendor, a liberdade ; e que clles se comprazem
em assentar no banquete da civjfiaa^o, Iluminado
pelas luzes do sernlo, mais algumas almas, que
at enlao linliam vegetado as prisoes da servido.
Ditosos aqucllcs que se snipenliam, que empre-
gam esforcos para a extinrcao do captiveiro Sim.
ditosos ; porque, ao passo que crguem um nionu-
A-rommisso de jwlicia, examinando a peti- ment de gloria para si, escrevem na historia-o
co do tacligrapho Carlos Ernesto Mesquita Fal-
cio, em qae peue a prorogaeo de seu contracto,
ao auno de 1872, jtilg.i attendiveis as razoes
presentadas pelo snpplicante, pelo que de pa-
f, que seja a commissao de polica autonsada
a ciMceder a prorogaeo pedida.
9fla das cotnmtssees 9 de junh de 1869.
.IWyHo Ledo. Arminio Tatures. Amoral e
AleHo.
a Julgado objecto de delibera da impresso, a requeiimenlo do Sr. G. Druiumond
o seguinle projurto:
Art. uniro. .So art. 3* ^ 5* da lei n. 8."i7 de 1
eograndeeimento da humanidade.
A regeneraciw do captiveiro una necessidade
social, como foi.outr'oia a regeneraejwdamulber.
E' mister qucela venha, mas que, como aquella,
produza benficas e salutares resultados, sem aba-
lar a sociedade, sem arriscar o futuro dos paizes
que, para vergonba sua, ainda sao corrodos por
essa chaga nogenla.
E o melhor meio do obter-so es?e resultado ,
sem duvida, a orgamsaca^dessas sociedades ebrias
de patriotismo ; a concurrencia individual ; a
unracacao dos esfonros do todos os Bra.-ileiros..
Na igreja do Espirito-Santo do C'.ollrgo
de maio do crrente anno, era lugar de 4:409.J7001 gar a resta, constante de um missisolemne brilhan-
-E' approv
o, e dispensado
Reg Barros.
de Nazaretli do Cabo.
o intersticio requerimento do.
Saotidos c ajiprovados tros p^
missao de constituicao e poderes; opinando pelas
razoes do presidente que (kiolu de sanecionr
eceres da^om-
zarolh do Cabo nao est nascondicoes de ter urna
Mtraaa como a que se pretende/com o projecto
sobre que fallo. Sooutras estradas das que pro-
vincia muito precisa estvessem construidas, e os
cofres provinciaes o permittissom, bem : mas
.Cilio de ordenado quando se prci*a iradas importantes, algiv-
concedendo pro- mas al j principiadas, e quando vejo que o e*-
Heraclio Constantino tado financeird da provincia nao dos mais lison-
Jtornecimenlo de objectos geiros, nao posso dcixar do votar contra um pro-
.,..9^- jeelo que autorise o presiente a mandar cons-
3* diseussao do projeolo n. 49, que extingue os; truir urna para um pjvoado s-m ommiereic1, sem; .^1
lugares de advogados e cirurgioeS das cmaras da I agricultura, sem vid, Me.
provincia, excepto os da capital e de Olinda.E
approvado.
Contina a 2" diseussao do projecto de fixacao
de forea policial no anno de 1869 1H70.
O Sil. G. DRl'MVO.ND faz largas consideracoes
sobre poltica geral e provincial, em resposta ao
Sr. Soares Brando.
Consultada a casa decide pelo pedido do Sr. G.
Drummond, ficando a diseussao adiada.
O Su. Presidente marca a ordem do dia e le-
vanta a sessao.
SESSAO ORDINARIA EM 8 DE JUNHO.
PRESIDENCIA DO SE. AUGUSTO leao.
Ao meio dia, feita a chamada, acham-se presen-
tes osSrs. Jansen de Castro, Bacallar, Goncalves
daWrvT, Samuel P< ntual, Augusto Leo, Arminio
lavares. E. de Barr -. Palisbino, Tiburlino No-
gueia, liego Barros, Mcrgulho, Silva Bamos, E.
Pina, Amaral e Mello, Amynthas, Lopes Machado,
Hisbello, M. Amorim, Ayres (ama, Emygdio Mar-
ques, Andr Cavalcanl|jilvoira Cebo, AranjoBel-
tr), Cicero, Jos GilinHB, G. Drummond, Ermiro
Coutinho e Soares Brandan.
Abre-se a sessao, e lida c approvada a acta
da anterior.
0 S^t. Io Secretario d conta do seguinle
KXl.D.ENTE.
Urna peticao de Manoel Martns Fiuza, pedindo
permissao para vender bilhetes das loteras da
corte e provincia do Rio de Janeiro, sujeilando-
ir. por is^ i* l>n1T*r, imfwfi*^ 4 eifio oontco res annualmente.A commissao de petiefles.
Outra de Antonio Ludgero da Silva Costa, es- j j0 terrenos esteris.
crivae do crime, de Sanio Antao, pedindo o paga- | 50 posso j^xar de
Senhores, para dar urna idea do commercio da-
queile povoado, direi que all nao se eiicoutra'uma
libra de manteiga boa para comprar ; e quanto a
agricultura tal. que os dimtante* vo comprar
fra farinba e mildo para seu uso, e algnns des-
tes gneros que alli se vendein sao de fra, por-
que do lugar nao os ha.
Sr. presidente, es p mroa morador.-s de Naaareth
sao nainralniente indolentes, e a|ienas pescam um
ou outro dia.
0 Sr. Reg Barros :Nao apoiado.
O Su. Uacku.ar :Posso dizo-lo ao nobre de-
putado.
O Sr. ReooBarros :Eu tambera : o nobre de-i
putado pouco vai l, e eu conlieeo o lugar ha
mu tos anuos.
_a-se 4:9015700.
< Kcrogadas as dsposicoes em contrario.
Paro da assemblca legislativa provincial 9 de
junli de 1869.O. Drnmmotid.
ORDEM DO DIA.
diseussao do projecto n. 7o deste anno que
ennecie i loteras de 60:0005008 cajtJa urna para
factura do cemitero da freguezis de Oamelleira.
E' approvado.
3" diseussao do de n. 81 que autorisa o governo
a eonlractar com Maneel Polycarpo Moreira de
Azevedo a abertura e canalisa'j.io do rio Goyanna.
E" approvado.
2" do de n- 73 ^anjoncede um abat' de 20
a Jdftquim Jos dl^feta pelos pn-juisos que sof-
frea como arrematante dos -pcdagius da Cunuuga
e Manguinho.E' api>rov,-i lo e dispensado o in-
lers'iclo requerimeuto do Sr. Bego Barros
3* du do n. 20 que autorisa o governo a contra-
tar rom Andr de Abrea Porto c o bacliarel Zefe-
;rii!o de Almeida Pinto ,i collocaco de irilhos de
pelas ras desta cidade."
Vai a mesa e apoia la a seguinte emenda ;
Ou com quem melhores vantagens offerecer.
Armmo Titanes: a
Encerrada a discufeaq approvado o projecto
com a emenda.
Tercera do de n. 34, que declara pertencer a
Eregnezia de Grvala o tenno era que est edifica-
do o engenho Penon, boje pertenrente a de Bezer-
ros. E' approvado.
S 'gunda.do ((^ n. 85, qdo concede perinissiio a
Antonio Luiz do Bego Brrelo, para vender biihe-
d loteras de nutra* provincia^, pagando o
imposto aUHUal de 1:0005000.
O S!'.. 81LVA RAMOS justifica e manda a mesa
rutie substituv i
' Pica penuittida a venda de bilhetes de lote-
0 Sn. Bacellar :Ha mais de oito annos que
exerc.o cargos no termo do Cabo, e ba qiulro que j "" u 1^>01 ;,"nua
rias de outras provincias, pagando os importado-
por diversas vetea no anno vou Nazaretli. Sr.
presidente, eutrei ueste debate sinente para dar
as razoes peas quaes voto contra o projetjo.
O Sr. Rkoo Barros- :O nobre deputado nao
pode presentar razao alguma contra o projeclo,
nem pode dizer que os habitantes do lugar sao iu-
dotentes.
0 Sr. Bacellar :Me parece que o pouco que
lenho dito Dio lera sido em favor do projecto. 0
povoado de Nazaretli do Cabo eompoe-se de pe-
queo numero de habitantes, e estes com poueas
excepcoes sao na lu ral mente
pe-can: una ou outra vez
as plantarnos Tora,
, ge tara cajueros, pitombeiras e arvores proprias
Conheeendo aquelle lugar,
votar contra o projeclo em
ment das cusas.que devela cmara municipal disenssao, o que faco com algnm pesar, por v lo
SESSAO ORDINARIA EM 7 DE JUNHO
PItF.SlR.\r,U DO SR. AUGUSTO LEO.
Ao meio Oa, feita a chamada, aeham-sc pre-
sentes os Sis. Augusto Leo-, Ayres Gama, Bacellar,
E. Pina, Tiburlino Nogneira, M. Amorim, Reg
Barros, S. Pohtual, Barao de Una, Mergulho,
Goncalves da Silva, Cicero, Emygdio Marques,
Arminio Tavares, Jos Gitirana, G. Drummond,
I'elisbino, Araujo Beltro, Amynthas, A. e Mello,
Lopes Machado, lli-bello, Ermiro Coutinho, Andr
Cavalcante, Soares RrandSo e Silva Ramos.
Abre-w a sessao, e lida e appro,vada a ac-
ta da aftterior.
O Sr. 1. secretario d conta do ssguiBte
EXPEDIENTE.
< A commi.-sao de peticoe?, attendendo ao que
requer Antonio Luiz do Reg Barreto, de parecer
que se adopte o seguinte projecto :
Art. I'' Fica autorizado Antonio Luiz do Re
Barreto, para vender, nesla provincia, bilhetes ae
oterias das outras provincias, pagando annual-
mente aqnantia de 1:000000.
Ar. i.'. ReTOgadas as disposirdes n*on-
irsrio
< Salabas commissoes, 7 de junho de 1869.
Ccero Pereijriiio.Ani
O prjeflo jnfgsdo objecto de deliVracao, e
dispensado do intersticio requerimento do Sr.
Lopes Mac I
Sao ldas e approvadas as redaccoes de diverso!
projecto*.
ORDFJ* DO DIA.
3- diseussao do projecto n. 28, que crea mai
um lugar de cscrivo na-relacao desta provincia.
E' approvado.
2* do de n. W, que manda admur no Gymna*
daqueile termo.A commissao de orcamento mu-
nicipal.
ORDEM DO DIA.
3.a diseussao do projecto n. 66 de*te anno, que
annexa a fregnezia de Grvala o districto di La-
goa dos Gatos.E' approvado.
3.* diseussao do projecto n. 70 deste anno, auto-
rizando o governo a adinittir no gymnasio como
alumnos pobres, aos dous orphos lillios do lina-
do Julio Pereira Mattoso.E' approvado.
3.* diseussao do projecto n. 78 deste anno, que
aliera os limites da freguezia de Gravat.E' ap-
provado.
3." diseussao do projecto n. 12 deste anno, que
altera os limites da freguezia do Bom-Conselho.
E' approvado.
2." diseussao do projecto n. 81, que autorisa o
governo a contratar com Manoel Polycarpo Mo-
reira de Azevedo a abertura do rio Goyanna.
E' approvado e dispensado o intersticio a requeri-
mento do Sr. A. Tavares.
2." diseussao do projecto n. oi, que manda per-
tencer freguesa de Bezerros o terreno do enge-
nho PenonE' approvado o dispensado o intersti-
cio a requerimento do Sr. Gilirana.
1.' diseussao do projeclo n. 83, que concedo a
Antonio Luiz do Reg Barreto perraisso para
vender exclusivamente bilhotes das loteras do
Rio de Janeiro, mediante o imposto de um cont
de ris.
OSR. SILVA RAMOS taz algumas considera-
coes contra o projecto.
Encerrada a. diseussao o projecto approvado,
e dispensado o intersticio a requerimento do Sr.
Pina.
2.* diseussao do projecto n. 7o, que concede
duas loteras ds 60 contos de ris-cada urna para
construeeao de um ceiniterio em Gamelleira.'
approvado e dispensado o intersticio a requeri-
tnento do Sr. Amyntha.
2.* diseussao do projecto n. 84 de 1807, que
autorisa a cmara de gua-Preta a conceder o
abato de um cont de ris ao arrematante dos
impostos municipaes Joaqaim N. do Reg Barros.
E' approvado.
1.* diseusao do projeelo n. 73, que concede o
abat de *0$r ceoto do preco por quo foram
arrematadas por Joaquim Jos da Costa as. bar-
reiras do Manguinho e Capuiiga.E' approvado.
3.* diseussao do projecto n. 41, que autorisa a
abertura de urna estrada de rodagem da do sul
para o povoado de Naaareth do Cabo.
O SR. BACELLAR :Sr. presidente, ped a pa-
lavra para fazer algumas consideracoes acerca do
projecto assignado por alguns collegas de quem me honro
ser amigo.
Um Sn. Deputado :V. Exc. asm piocedcndo,
nao se dir que quer estradas para ir tomar b:1.-
nhos mais commodamenle.
O Sn. Bacixlau :Sr. presidente, subimlo
tribuna, f tive em vista pafutear V. Exc. e
aos nubres depulados os motivos pelos quaes voto
contra o projecto que se discute, tendo outras ve
zes votado nesla casa em favor de projectos seme-
Ihantes, se uto conseguir estou satisfeito.
Sh. bputado :O nobre deputado jusliii-
cou muito bem o seu voio.
O SR. REG BARROS combato o projecto.
O SR. BACELLAR :Senhor presidente, eu nao
pretenda voltnr a diseussao, porque so tive por,
de i:0UO00O. Silva Ra-
mos.
Depois de algumas consideracoes do Sr. Andr
ilavalcanie ca livor do projeelo. elle posto a
votos e approvado, e dispensado o interstiei a re-
querimen; o d i Sr. Pina, leudo sido o substitutivo
regeitado.
Contina a terceirarasenssao do projecto de or-
camento provincial.
Vai a mesa e upoiado o seguinte requeri-
mento :
Requeiro oue contine adiada a diseussao do
da casa as
monto posto
Segunda discussae do projeclo n. 92 de 1868,
que reforma a ralba de Jubilaeao da proessora de
Caruanl.D. Auna Peres CampoHo de Mello.E'
approvado, sendo o intersticio dispensado reque-
rimento do Sr. Miguel Amorim.
Continuacao da segunda diseussao do projecto
de lixaco de forea policial.
O SU*. LOPES MACHADO faz algumas conside-
geraes sobre o projrcto.
Verlkando-se nao ha ver casa, o Sr. presidente
d a ordem do da e levanta a sessao.
lira declarar s motivos pelos quaes leabaAaMrmtap
contia o projecto, e, declarados
me desnecessario vottar dscus.-- auto,
como o nobre deputado disse que eu tinha sido
assignatario do projecto, devo declarar o qu
passou :
Cheguei aqu, o, em conflanea, preslci a minbarf
assignatura ao projecto que me foi apresentado
pelo nobre deputado.
O Sr. Bego Barros :Apresentei-lhe o pro-
jecto.
O Sr. Bacsllap. :Como V. Exc. sabe nos cos-
tumamos prestar a qossa assignatura sem exila-
eao depois de vermos duas ou tres, como pro va
de confianca pessoa que nos apresenta um pro-
jecto nessas condieeSes, por isso assignei o pro-
jeclo, mas logo que soube o seu objecto fui ao
nobre deput.ido e ped -Ine para-retirar a minha
- SESSAO OIIDINAHIA E.M II DE JUNHO.
prf.siuenc.ia do sn. augusto lkao.
Ao raeic dia, ilota a chamada, aelm-se pre-
Srs. : Mergulho, S. Pontual, E. de
Barros, Goncalves da Silva, Maximiano Duarte,
Hisbello, Tiburlino Nogueira, Columbano, Armi-
n.o lavares, Amaral e Mello, I'elisbino, Lopes
jg. Eaiygdio Marques, Jos Gitirana, M.
E. Pina, Bacellar, Augusto Leao, E.
fio, ba^ao de Una, Jan-cu de Castro, Reg
tmente concorrida por pegeos (IMdBT i8IHM|
ejerarchias wiciaes, c do baptiemo d'giw. pela
reigio, de algumas mancas,-4 do Wtptttuio da'
liberdade de ezoito innocentes, que nasceram es-
eravus. e quem a sociedade ueu o Ji re i ta.de se
dizerem lvres.
Essa allanca de Deus c da liberdade, que n'ou-
tro* lempos, nao muito remo os,-pareca urna uto-
pia, urna resivel creaco de imagina^ocs vivas ;
essa celeste alanca, "que a revolucao franeeza
desconheceu nos excessos que pratcou ; leve
honlem sua apol->gia, e apologa magestosa, na
festa da sociedade patritica Dous de Jnlho.
Aps as fcslas no templo, una banda de msica
marcial, seguida d>* erien^ns Mfortiada* e de nu-
meroso grupo, porcorreu vanas ras da'.eidaHe,
indo ao palacio da presidencia e morada dos so-
cios da sociedade alim de cumprimenlalos.
Foi assim que terminou o festejo "do Dous de
Jullio entre nos ; deurado rtate da* testas que
desde hontem tem hipar na Bahia ; "
que repele pela mesma afflnacn. as u1
ciadas e vibrantes de patriotismo que arde nos
pefles dos no FACULDADE DE DIREITOCom o prazo de
6 mezes, contados de 2 do crreme, aeha-se a con-
curso o provimento de um lugar de lente, substi-
tuto, vago pelo accesso do Dr. Joo Capistrano
Bandeira de Mello Filho. Desde j se podem ins-
rrever os concurrentes na secretaria da Faculda
de de Direito. ~^>
DELEGADO L1TTERARI0.- seu pedido, foi
exonerado de delegado litterario em Goyanna, o
Sr. Dr. Luiz Goncalves da Silva.
AUTORIDADES POLICIAES.Por deliberacocs(
da presidencia de 30de junho e l"de julho, foram
nomeados :
Subdelegado da freguezia de Santo Antonio do
Recife, o Sr. Dr. Francisco Odilon Tavares Lima.
Delegado de AguaPreta, Pedro Emiliano da
Silva tessa.
Subdelegado, 1 o 3. supplentes da fregunza de
Bezerros do termo-do Boaito, Francisco Gomes dos
Santos, Bernardo Jos Brayner e Francisco Gomes
da Silva Vieira. "
TRRAS PUBLICAS.Foi exonerado, seu pe-
dido, do cargo de juiz commissario das trras pu-
blicas nos municipios do Bonito, Agua-Preta e Se-1 a
nhaem, o Sr. engenheiro Luiz Jos da Silva.
CLUB RADICALAmanhaa as II horas do dia
ha ver conferencia, no salao do Club Pernambu-
cano, pelo Sr. Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobi-
na, sobre a sofpressao da guarda nacional. A en-
trada franca a todas as pessoas.
IRMANDADE DO SENHOR BOM JESS DAS
CHACAS.Tem sido muito concorrido e animado
o setenario do Senhor Bom Jess das Chagas. na
gosto eoestudo da lillcratura dramtica, quor pela
ii'.iprensa, quer pelo tbealio.
Art. 3." A sociedade con.-uir de socios effec-
vos, em numero illimitado.
nico. Para se adquirir a qualidade de so-
cio ser neeessario aprsenla* a sociedade nma
composico dramtica original. Sendo ella appro-
vads, o seu autor, ipso [acto, ser considerado co-
mo fazendo parte da sociedade; e expedir-se-lne-
ba o diploma.
Art. 4.' Todos os socios sao obrigados, cada
um em sen inez, apreeeMar diu traballio dramtico
que ser lido era sessao publiea, depokt 3tibmet-
tido a rritic* o* appriMra^a,..
$ nico. Approvada que sea a compoeicao t-
da, o presidente designar um dos socios, que Ifc*-
ra encarregado de fazer um juizo critico.
v Art. 5." Estas rouiposicYtes formarn o archivo
lirtVrario da sociedade, que Acara cargo do se-
cretario.
a Art. 6. A sociodade lera un presidente e nm
secretario, Jeitos perpetuidade.
Art. 7." O Gremio Sigmtico reunir-se-ha-
duas vezes por mez ordinariamente, e extraordina-
riamente todas as vezes qui forom necessnias.
Art. 8." llavera um regnlamenlo interno, su-
geito todas as raodieaces que forera juigadas
essenriaes.
Arl. 9. Sao considerados socios insultadores
todos aquellos que assignam a presente constitui
rio.
a Cidade do Reeife, en 30 de junho de 1869.
SYSTEMA MTRICO. Nenlmma eominunien-
cao offlcal veio da corte sobre o adiamento daex-
ecncao do novo systema mtrico decimal, devendo
conseguiutemenie" ser elle e.xecutado dede j
LOTICRIA A que se acha a venda a !.'
a beneficio da Sania Casado Misericordia, que cor-
re no dia 6.
PASSAGEIROS.O vapor Pnrnhyba, entrado do
Rio Formoso, trouxe a seu bordo os seguintes":
Francisco Goncalves Bastos e S, Manoel Pereira
da Cosa. Joao BoteHio de Vivciros e Amaral, Se-
totof1 Mendes Bandeira Gumaries, major Tho-
'0.17. Lins Caldas o um criado, barao de Una e tres
sera*
ESTABELECIMENTO DE CARIDAE. Movi
ment do hospital de Nasaa Senluua da Conceieao
dos Lazaros, do 1" a 30 de ultra de 1868 a 30 uY
jiinlm de 1869.
Existiam 11 homens e II imiUieres, en ira rara 8
liomens e 9 rahlheres, morreraiu 4 omens e o
mnlneros. existan lo botraras o 1S mulheres.
TtaI30.
-> Onioidoiuo de mez.
A. i. Gbnut du Cune'"'.
o regente,
Di>tiz4y>twio P. dos Santos.
GEM1TER10 1HJUWCO.-Obituario do dia 30 de
juuU e 1809.
Vc/issimo Ignacioda'Costa, l'einainbiiro, 40 an-
nos, casa^Boa-Vista: tubrculos pulmonares.
Ign%tBara da Conceieao, Pernambuco, 30 an-
nos, v^pr^, Boa-Vista ; Iiepatite ebromco.
M'inocj, Pernambuco, 13 mezes, Boa-Vista ; fe-
bre |i.Tnieiosa.
t'ein..iibui'o, 2 mezes, Boa-Vista ; en-
2 mezes, Boa-Vista
Joauna Baptlsta da Conceieao, Pernambuco, 62
airaos, casada, Sanio Antonio erysipela.
Alberto, Pernambuco, 2 anuos, Boa-Vista ; ente-
rite.
Joaquim Antonio Pinto Scrodio Jnior, Pernam-
buco, 30 annos, casado, Santo Antonio; insuflieien-
cia das vas urinas.
Anua Mara do Reg, Pernambuco, 38 anno?, ca-
sada, Santo Antonio ; raonegiie aguda.
Manoel, Pernambuco, J anno, Recife; denttrao.
HI>dro, frica, 60 annos, S. Jos; ptlthysica pul-
mar.
Antonia Maria do Nasciinenlo, Pernambuco, 70
annos. soiteiro, Bwife : beslgas.
Josepha, Pernambuco, i a unos, Boa-Vista; cn-
lerile agudo.
Carlos Fernandos Smilte Franca, 43 annos, soi-
teiro, Santo Antonio; anemia.
Recem-nascdo Pedro, Pernambuco, Boa-Vista;
aueniia.
1 de julho
Antonio, Pernambuco, 7 anuos, Boa-Vista : en-
lermitlenl".
Maria Benedicta, frica, 80 anuos, S. Jos ; diar-
rha.
Justino, do convento do Carmo, Pernambuco, f>
innos, Sanio Antonio ; varilas.
Barros, Silva llamos. Araujo Beltrao, Soares i-.Oe^OW), que nao foi aceeita.
Brando, Andr Cavalcaule, Gaspar Drummond,
d Ayres Gama.
Abre-se a sessao c sao lidas e approvadas as
acia- das anterore-.
0 Sr. 1." secretario da conta do seguinle :
BXfEDUNTE
Um olficit do secretario do governo, remetien-
do as nformacoes pedidas, acerca do deposito da
plvora, existente nesla cidade.A" quem fez a
requisico.
Ouiro do mesmo, enviando as iiiformacSes pe-
didas sobre a peticao de Luiz Cyriaco da Silva.
A' quem fez a requisico.
Outro do mesmo, devolvendo o autographo da
assignatura porque eu oppunha-me a urna seine- lei n. 857, para a apasembla proxidenciar sobre o
Ihante medida. engao nelle eontiJo.Inleirada.
O Sr. Reg Barros :Esta engaado, dieseme lua peticao de Joaquim Pires Ferreira, pedm-
que retrava a assignatura, mas que continua a do ponnissao para vender bilhetes de todas as,
volar pelo projeclo. provincias do imperioA' commissao de peticoes.
O Sn. Bageli.au :Que votava contra. Assig-
nei o projecto em conlianca, sem o lr, mas logo
que soube o que c*nlinha retire a minha assig-
natura para votar contra.
Pouco me importa que o projeclo passo ou nao,
smente quiz dar as rasoes pelas quaes Ihe neg
o mea voto.
.Encerrada a diseusfo. o projocto approvado.
3." diseussao do projecto do ornamento'provin-
cial.
Vao mesa e sao assignadas as seguintes
emendas e additivos approwtdos esn 2.* dtseossao.
O SR. SOARES BRANDO faz sentir a conve-
niencia de ser adiado o projeclo at que sajara
impressos as emendas ltimamente offerecidas.
Vai mesa e epoia-se o eegsmte requerimento.
Outra de Polycarpo Jos Layue, propondo se
vender, nesla provincia, bilhetes das loteras do
Ro de Janeiro, e de outras provincias, submet-
tendo-se ao im; utos de reis an-
nualmente.
Oulra de Jos Antonio de Paula Madureira. pe-
dindo permissao para vender bilhetes da corte.
A' inesm ,
Outra (I un da falva Araujo, fazen-
do igual pedido.A' mesma commi-
Outra de-llwoel Soares Pinheiro, propondo-se
ao mesmo lim.-r-A' masraa commUsao.
Ouira de Ernesto Vieira de Aranjo, fazendo
igual pedido. A'-messaacommisso.
Outra de fnlippe Man Callado da Fonsecn,
professor da Maiatorta wtnral no Gyntnaeio Per.
igreja do Paraso, sendo entoados com gosto os ver-
sculos linaes.
Amanhaa ser celebrada a feta com vesperas,
uissa solemne e Te-Detm, olcando o Rvm. Sr.
vigario de S. Jos.
A missa do gloria nova, composta pelo profes-
sor Gabriel Archanjo de Azevedo, bem conhecido
entre n3.
Oraro ao Evangelho o Rvm. pregador da ca-
pella imperial Pr. jnacjuin do Espirito, e ao Te-
Iie"i,t o Rvm. Antonio de Mello Albuquerque.
PENOSA RACTII-ICACAO.Sob o titulo de Ac-
rdo magnnima demos hontem noticia de um acto
que um informante mal avisado nos communicou
ter presenciado. Convem que o ractitiquemos di-
zendo que nao se deu a Imcrtaeao do escravo de
que hontem nos oceupamos nesla Revista, e que
apaas foi offerecida por compra a quantia do
ia na melhor boa f, e desejosos
de que ella corresse mundo afnn de adiar muitos
imitadores do seuprotogonista*. Ella, porm, in-
felizmente foi inexacta nesse, ponto ; e nos com
bem pezar a ractilicamos, porque, do-nos sempre
ler de desdzer-nos em um facto que com o maior
prazer elogiamos.
GREMIO DRAMTICO. No dia 30 de junho,
reunidos os Srs. Drs. Frankliu Tavora e Carneiro
Vuelta, Victoriano l'alhares, Jos Elysio, Almeida
Cimba e Souza Pinto, installaram urna sociedade
dramtica, soh a denominacao de Gremio Drama-
tico, cuja constituicao abaixo transcripta foi inme-
diatamente approvada e entrn em vigor.
De conforiuidade com o att 6.", foram eletos
presidente o Dr. Franklin Tavora e secretario o Dr.
Carneiro Vilella : e encarregados c organisar o re-
giment interno,' de que trata o art. 8.", os Drs.
1 \A Klvsio e Victoriano P
HROMl JUD1IARIA,
SESSAO EM 28 DE JUNHO DE 1869.
I'1'.KSIIIF.NC.IA DO CO. SR. C.OXS'I.Ul-.IRO CAUTANO
SANTIAGO.
As 10 liaras damanhaa, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Loureneo Santiago. Almeida
Albuquerque, Motta, Domingnes dn Silva, Sonza
Leo c l'reitas Heiiriques, fanandoo Sr. desembar-
gador Guerra, procurador da oroa, abrio-si a

Passados os feitos derara-se os seguintes julga-
menlos:
Rkcirso crime.Remrente, Manoel de Sonza
Bittoncourt ; recorrido, o juizoRelator o Sr.
desemhargador Domingues da Silva. SorUadus
os Srs. de^embargadores SoBza LeSo, Motta eFrei,-
tas Henriques.Deram provimonto.
Appkllaqoks r.RiMcs. Appollante, o juizo; aji-
pellado Tiburlino Ferreira C-imara.Novo jury.
Appellante, o juizo; appellada, Rosa Maria do
Espirito-Santo. Improcedente. Appellante, Ma-
noel Pereira da Rocha ; appellada, a justica.Pro-
cedente.
PASSAGRNS.
Do Sr. desembargador Loureneo Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pellante, o juizo; appellado, Antonio Gaspar
Barbosa de Souza.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva. Ai'pellacao crime:
appellante, Tasso Irmos; appellada, a fazenda
provincial.
\-signou-se dia para julgamento dos segrales:
APPE.LLAg5KS cniMES.Appellante, Antonio Ca-
bral da Sllveira ; appellada, ajustica. Appellante,
appellado, Manoel Jo- Alves Coelho.
hora da tarde encerrou-se a ses.-ao.
o lenizo
Carneiro Vilella e Jos Elysio e Victoriano Paula-
res. ...
Houve tambera logo a designao dos socios que
deven) apresentar urna composicao dramtica, no
mez que couber a cada um, pela ordem que se se-
gu :
Em julbe o Sr. Dr. Carneiro Vilella.
Bm agosto o Sr. Victoriano Palhares.
Em selembro o Sr. Dr. Almeida Cunha.
Era outubro i Sr. Dr. Jos Elysio.
Em novemliro oSr. Souza Pinto.
Em dezembro o Sr. Dr. Franklin Tavora.
Eis as bases constitutivas da sociedade
Dratnaiico :
Art. 1.* Fiea fundada urna sociedade sob a
denominacao de Gremio Dramtico.
Art. Io Seus fins sTw animar e desenvolver o
TltlBrX.to', 0 (051Wi:il('!0
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE I DE
JULHO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DKSK.MUARGADOR ANSELMO
FRANCISCO PERKTTI.
s 10 horas da maaiha, reunidos os Srs. dipu-
tados Rosa, Miranda Leal, barao de Cruangv e
supplente S Leito, S. Exc. o Sr. preside/06 de-
clarou aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acia da sessao de 28
do passado.
KXPBMEHTE.
a 'Sr. secretario irmou 2 ofllcios para seren
enviados ao Ur. secretario da presidencia, acu-
-and i recebido o exemplar do relatorio feito-na
abertura da assembla legislativa desta provincia
no correnle anno, e ao couselheiro iuspector da
Gremio thesourara geral reme Ihe a folha dos
empregados da secretaria d.> mez prximo'as-
eado. A .
Foram presentes 4 nmeros do Diarra (Jflfcia'
os quaes mandou o tribunal archivar.

S


ILEGVEL


Diario de Peraambuc Sabbado 3 tle Julho de 1869.
Aos Sra. deputados (tam.distribuidos par
rem rubricados 3 livros eopi >r machina)
de Augusto Prederco do Oliveira* C.
O Exui. .Sr. presidente reoonhecendo os servi-
les prestados polo Sr. depntadu Miranda Leal na
qualidide d secretario interine,* agradceeu.
mandando kti rima acta { assim co-
mo determinen que se ofBciawe ao Sr. depntadu
suppleute barao de Nazareth gradecendo-lhe
tambera a promplido u assidiridade cora que se
prestou a servir ueste tribunal durante o impedi-
mento do secretario effectivo.
MtSI>
Requerime&to de Custodio Jos Alvos Guima-
raes, Antonio Ribajro Ponte e Jos Alves Macha-
do Gaimaraes, pefiado que se Un o seu
contrata social. Vista ao Sr. desembarcador
liseal.
Dito de Quingos Jos Avila, $ edinde que se
Ihe registre a oomeacao de seu 'caixeiro Hufillo
Irederico Kanes Registre-se
Dito de Joaquim da Costa Martins, pedindo
. tambem o registro da nomeacao que dera a Ma-
nuel Jos Pereira para caixeiro* de sua taberna
n. 47 da ra Imperial desta cidade.Como re-
quer.
Dito de Flix Sauvago, pedindo igualmente o
registro de sua i*oeuracao bastante, que iunta.
Registre-se.
)ito de Antonio Alves de Carvalho Veras, tam-
bera pedindo o registro de urna 'procuraran bas-
cante de Ignacio Luiz de Brito Taborda.Regs-
tre-se.
C0J1 INfORMACO BO SR. DESEMBARGADO FISCAL.
De Jos Mara Ramonda, pedindo o registro de
sea contrato de soeiedade.Satisfaca e parecer
scal.
Nada mais havendo a tratar-se, e dada a hora,
II 1/2 da manhaa, 41 Exm. Sr. presidente ncer-
rou a sessao.
-* Paco d.i cantara -Municipal abril do 18a9.Dr lah.i Moscoso.
i liscal da frexueria da Ita-ffctt,
tenJ.iiiin tena raecao as^sweas,
lottida por Jos Eusebi i Alve.4 da Stlv.i
coiisequeneia da estar fazendo cem palmorne ali-
coree na /rento 4a rea da Aurora e cem' pana a
ra daUni.l', ludo sem licenoa, c a w r-e-
SESSAO JUDICIARA EM 1 DE JULHO DE
um.
rUBSlDENCU DO EXM. SR. DBJEIIBAROADOR A. t. tE-
KETTI.
Servindo no impedimento do secretario, Reg
Rangel.
Ao meio (lia, declara-se alierta a sessao, estan-
do presentes os Srs: desembargadores Res e Sil-
va e Accioli, o deputados Rosa, Miranda Leal, ba-
rao de Cruangy e suppionte S Leitao, hitando o
Sr. desembargador Silva Guimaraes.
Lida, f> i approvada ta acta da Bessao anterior.
. O Sr. secretario deixou de comparecer por ia-
eommodado de s. ido.
ACCOBDAO ASSIGNADO.
Appellahte, Joviniano Fernandos da Silva Man-
ta ; appellada, D. Joanna Ignacia da Jess.
JULGAMENTO.
Appellante, Andni de Abreu Porto ; appellados,
Joaquim Ferreira Valente e Jo* Martina da Silva.
Sendo romettidjs os autos pelo Sr. barao de Na-
zareth, nio se pule entrar em juramento por
nao estar presente o Sr. Silva Guimaraes.
Embargantes, os administra lores da massa
fallida de Amoriin, Fragoso, Santos & C. ; em-
bargado, Cals ain, hoje seos herdeiros. O mes-
rao Sr. barao remetteu os autos, e pelo mesmo
motivo nao podo entrar em julgamento.
Apellantes, Rabe Schamettan & C.; appella-
do, o bacbarcl angele Henrique da Silva, cura-
dor da heranca jaeente de Manoel Huarquc de
Maccdo Lima.Adiado a pedida de un Sr. de-
putado.
Sendo meia hora da tarde o nada mais haven-
do a tratar, foi encerrada a sessao.
CMARA MUNICIPAL.
-ESSAO EXTRAORDINARIA AOS 8 DE ABRIL
DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. BARAO V>V. MURIBECA.
Presentes os Srs. Dr. Souza Lcao, Dr. Seve,
f)r. Barros Brrelo, Dr. Costa Jnior, Gameiro e
Dr. Moscoso e faltando co 11 causa os mais senho
res, brese a sessao, e lida e approvada a ac-
ta da antecedente.
Ld-se o segrate
EXPEDIENTE
Ura offieio do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 3 do corrente, transmittindo por copia a c-
mara municipal, para seu conhecimento e para
ser observado desde j, o acto da mesma data, pe-
lo qual resolveuapprdvar provisoriamente nos ter-
mos-do art. 2o do decreto de 25 de ontubro de
1831, a postura addicional a que se refere o oM-
cio da mesma cmara de 12 de marco rindo, sob
u. 10.Inteirada e remetta-se copia aos fiscaes
Outro do mesmo, autorisando a cmara a proce-
der de conformidade com o seu parecer de 23 de
margo prximo lindo, sob n. 13, sobre o lempo
das arrematacSes-dos diversos tatitos de acougue
das ribeiras das freguezias de S. Jos e Boa-Vista,
feitas por Libanio Candido Ribeiro &C. eLande-
lino Antonio Ferreira.Inteirada, facara- se os ter-
mos no'sentido da autorisacao.
Outro do mesmo, de 6 do corrente, dizendo que
com os pareceres inclusos por copia, ministradas
pelo capitao do porto, sob n. 41, e inspector do ar-
seual de marinha de 2 do presento, responde o of-
fieio que lite dirigi a cmara, relativamente a
designacao dos lugares da costa desta provincia,
pertencenie a este municipio, onde se possa con-
sentir a eonstnicco de curraes.A commissao de
edificacao com as peticoes existentes no archivo.
Outro do mesmo, de 6 do corrente, communi-
cando que deve ter lugar no du 10 do presente.
raez, a urna hora, a abertura da asserabla legis-
lativa provincial, recommenda a cmara que man-
de preparar a igreja matriz de S. Fr. Pedro Gon-
jalves, na qual tera de celebrar-se a missa votiva
do Divino Espirito Santo.Inteirada.
Ontro do director da reparticao das obras pu-
blicas, com despacho da presidencia, mandando
informar nesse offieio.. diz o director a S. Exc. que
tendo o engenheiro encarregado das obras da em-
preza do asseio o limpeza da cidade pedido-lite
autorisacao para fechar o espado que Ihe foi mar-
cado na piuca do chafariz (ra do Brnm) onde
ten do colloear o edificio pura bombase outras
obras, e parecendo-lhe que se deve dar scieucia
desse laclo a cmara, espera do S. Exc. as provi-
dencias que julgar conveniente.A commissao de
edifi cacao.
O Sr. Dr. Barros Barrete pede a palavra, e diz
que sendo membro da mesma commissao, estando
certo da localidade onde tein do ser collocado o
edificio, pode dar logo o sea parecer, como o faz,
sendo de opinio que nao ha inconvcnienie, c que
portante pode ser dado o conseulimento pedido pe-
la directora das obras publicas, urna vez que nao
mbarecc qualquer delibera cao que a eamara fe-
nha de temar quanto ao afOramento de que trata
o art. 31 do contrato feito pelos emprezarios com
a presidencia da provincia.
O Sr. Dr. Lobo Moscoso pede a palavra o faz o
seguinte roquerimenlo, que sendo posto cm dis-
<:ussao foi approvado.
Requeiro o addiamento do parecer sobre o of-
fieio do engenheiro das obras publicas sobre a
ediicacao dos apparelhos da ernpreza do asseio e
limpeza da cidade, ouvindoseao advogado da casa
sobre o direito que tem o governo da provincia de
dispor das pracas publicas, propriedade da cma-
ra municipal, como cousa sua o d-Ias a quem
qaiaer.
Paeo da cmara municipal do Recife, em 8 de
abril de 1869.S. R. Dr. Lobo Moscoso.
Um offieio do Dr. chefe do polica, declarando
que sendo conveniente que a polica teitha conhe-
cimento de todos os individuos, que ebegados a
esta cidade, procurara aboler-se nos diversos
huteis e hospedaras existentes na mesma cidade,
roga a cmara de conformidade com a attribuico
que Ihe conferida pelo 9 do art. 58 do regula
mente n. 120 de 31 de Janeiro do 1842, que se
digne ordenar por meio de posturas que os refe-
ridos botis e hospedari?s sejam matriculados na-
quella reparticao, e obligados os ditos donos a re-
metterem diariamente a mesma reparticao urna
lista dos hospedes nelles existentes.Posto"em dis-
CHssao, resoiveu-se remettor a commissao de po-
lica para dar o seu parecer.
Outro do inspector da thesouraria provincial,
remettendo um exemplar impresso do relatorio da-
quella inspectora, apresentado ao Exm. presiden-
te da provincia em Janeiro desto anno.Inteirada,
archive-se.
Outro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento em que Pereira & Vianna pedem li-
cenca para mudar as contra-vergas das duas por-
tas da casa n. 8 da ra Nova, declara nada ter
que oppdr ao que pedem os supplicanles.
O Sr. Dr. Moscoso pede a palavra, e declarando
jue a obra j se est fazendo, aprsenla os dous
seguintes reqnerimentos que foram approvados .
l.cRequeiro que se mande que o fiscal de
Santo Antonio informe minuciosamente era que
estado se acha a obra da casa da ra Nova n. 8,
de que trata a peticSo de Pereira & Vianna, e a
infonnacao do engenheiro cordeador de 30 de
marco.
Paeo da cmara municipal do Recife, em 8 de
abril de 1869.Dr. Lobo Moscoso.
IoRequeiro mais o fiscal informe desde
quudo est 30 fazendo a obra.
j havia infringido a .dispoaraS*' do art. 2o do tit.
7 das posturas de 13 de jaoiM de 1855.Ao pro*
carador.
Foram approvados tres pareceres da coniuiissao
de edilicae;
O nrjmelro, no seatnlo do ser indeferida a peti-
le Joaquim Rodrigues Duarte, visto que a W-
eenca que tinlia ua "fnnpreheadia a obra que es-
Uva eoBstruind).
d joguudo, permiuindo cu endo de opiniio,
>pw I i cenca a Berna ido de Siqneira
Caatro Monteiro, quanto a coistruc^fio do muro,
mae quanto a reedifleacao das casinlias de Uipa,
eulende ((ue.se nao pode conceder a liconca.
fi terceiro, concordando com a informarSo do
engenheiro cordeador, dada em relacao a cous-
truceae da nova guarda-moria, urna vez que o go-
veruo se incumba de mandar construir a sua cus-
a o ano de esgote, que jasa pelo mesmo ter-
reno em toda a extensaa do ediflcio*a alfan-
deza.
A cemmissao de peticoes de|t o seu parecer-so-
bre a fretencio de Andr Avolino Sobreira de
Mello, que desoja levantar uiu botequim volate
as proximidades do theatro de Santa Isabel, sen-
do de opinio a commissao que se Ihe -conceda a
bronca por esp.ico de seis mes, pagando o im-
posto de 4.
Posto cm discusso, o Sr. Dr. Barros Barrete
pede a, palavra, e propoc que em vez de 41 se re-
ceba 30*.Foi approvada a proposta, e neste sen-
tido despadiou-se a peticao, litando prejudieado
o parecer.
Urna praposla do Sr. J)r. iloscoso, para que se-
ja removida a praca da farinha, do lagar era nue
se acha para o quirlairlo da rib-ija, que Ihe tica
l'ronteiro, reduzindo-sc a actual praca a estabele-
cnentos de faliios. Mandou-se remelter a mes-
ma proposta a eommisso de edifleaeoes para dar
o seu parecer,
Mandou-se tambem remetter a dita commissao
nni requerimento de Andr de Abreu Por (o, apo-
sentando, como emprezarin e superintendente da
companhia dos trilhos urbanos desta cidade a de
Olinda, a planta dadireceo dallnha j approvada.
Prestou juramento na qualidade de 5* vice-pre-
sidente desta provincia, o Dr. Tristo de Alencar
Aranpe.
Despaeharam-se as peticSes de Antonio de Souza
Braz, Albino Jos Ferreira da Cuaba, Antonio Can
dido de Oliveira, Amando Godofredo Lucas, Anto-
nio Jos de Castro, Antonio Joaquim Pereira Gue-
des, Antonio Luiz da Cunlia, D. Barboza Francisca
do Rcgo, Bernardino Ribeiro Collo, Ferreira Cruz
& C., Francisco das Cbagas Lima, Hermenegildo
Jos de Paula, Joo Goncalves 4 Miranda, Joao
Demetrio d'Almeida Cavafcanti, Joaquim da Silva
Costa, Jos Carlos Manso da Costa liis (2), Joo
d'Almeida RabeJIo, Joaquim .Mauricio Pae3 Va-
rella, Jos Dativo dos Passos Bastos, Joaquim Ro-
drigue Duarte, Jos Luiz Qnaiaco, Jonquim Juren-
ci da Silva, Jos Moreira da Silva, Joao Ferreira
da Silva, Job Machado MagalhSes, Simo Thomaz
d'Aquino e Vicente Jos do Oliveira, e Ievantou-
se a sessao, tendo o Exm. Sr. presidente marcado
cmara para o dia 12 do corrente s hores do cos-
tunie.
Deixou de ser assignada a presente por falta de
numero para approva-la.
Eu, Francisco Canuto (la Boa-viagem, secretario
a escrev.Ignacio Joaquim de Souza Uao, pro-
presidente.Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso.
Jos-i Marta Freir Gameiro.Beato Jos da Costa
Jnior.M. de Barros Brrelo.
ao encoatet porque nao sabemos trocar doestes
fcsa lingua que a da soeiedade dos bo-
rneas otcntt Ihe respondereaoa.
Gaatlleira, 1." de julho de 1888.
J.P.
a hatfia infrniidn a Ai^naUSd rorocoado tem a dita de o experimentar, e obieclo
Ale shmmo alcance.
Eotit a gratidn, bem alto apregoada, para eom
aquello que 110 mais supremj -sacerdocio ^^M
dteellaro vencer a morte, no Icito da dr, re 1
tuindo a vida o a saudo, de?r que s pd.
reprimida em coranies mal formados.
Xas ctrcumst.incias em que aehei-rac o vejo-me
hjt dejfipde um um anno de longo penar, ocea-
Io |tor urna ulcera eanceraea, ijuc me ia de
pouco a ponco.corroendo as carnes e consummin-
do a existencia, apezar de ler recorrido a muitos e
variados soccflrro, rio possa deixar de vir n-
preasatesteiimnliar ao Illir.Sr. Dr. Carolino Fran-
cisco de Lima Sarnoso maiscordeal agractecimento
o alta ven;raeo, por me hnver restitu lo a saudo,
no correr de dous mezes, gracas a firmeza de snas
conviecoes, reconhecida i>ericia e verdadeira de-
dicacao.
E', portante, com o maor jubilo, que a Deus
rndense gracas, eurvo-me revereute ao Ilustrado
medico, que superando tantas dilllculdades, sem
atormeirtar-me com brazas, soube de ludo triam-
phar, lvrando-mc assim de urna bem grave opera-
cao, que j estava sentenciado ; e, desejando-lhe
mil bens, possa elle dia a dia em sua nobre car-
reira, ir conquistando novos louros, ao esparzir
por sobre a huuianidade benehYies iguaes a este
que acabo de receber, o qual, independente da
|iaga material, feita a seu arbitrio, como com-
pria-me, ao cessarci de apregoar, com quanto
osforco em mira caiba.
Qnirara Srs. redactores inserir em sitas bem
conceituadas olumnas esta espontanea expressao,
tributo neeessario do ininha alma como nunca
agradecida.
De seu asignante re?peitador
Jo.v. da Cosa Caseiro.
Recife, 1 de juiho de ldfii.
Contraendador fiuilfaerme Pinto de Magalhes.
Estado deesa associaco em 30 de abril de 1889,
contratos 5,802.
Capital subscripto rs. 8,716:470*580, as pessas
sae qaizercm inscrever-se podijraodirigirse na
ra do Livramente n. 19, pnmeiro andar : a tra-
tar eom o Sr. N. do Vidal, encarregado
Rano* Hura* e llypotlieasrio do Rio do ianem,
para promover assignalaras ra a mesma asao-
iario.
-----
de hvereiro
DeclaraQlo.
CaiuTidfreiro declara qno nunca fez, tem far'
parte das redaci'o^ dosjomaes Iltvstraco Antde-
mica o Yetwiii; d'es&rte arreda de si toda e
qualquer reepbasabllidade.
e Hl e seguintes de n. 1,568 de 24
de 18.
E para que chegiicr ao conhecimento do todos
mandn o mesmo Exm. Sr. director interino, ali-
sar.o presento, que er publicado as folhas
desta ci lade e as da corte.
Secretaria da Faeuldade de Dirite do Recife, 2
de jalao de 1869.
O secretario,
ios Honorio U. de Menezes.

te mez, premgon ^ Draso da sub'ti-
tuicao de notas de SiOOO da 6- e de WiOO da 4
opa at 30 de julho prximo
retana da thesouraria de f izendi de Per-
nombueo 30 do junho de 1869.. de Vw
O effleial-msior,
Manoel Meniede da Silva Ota.
kM
COES.
CMisHlado provincial K ..
Pela i'! -.'.do consulado provincial se i pnbti-
PUBLICACOES A PEDIDO.
0 RIVAL DI HlllJOSfi0.
A arte que illustraram Bosco, Roben Houdin e
tantos outros talentos privilegiados ; o dilficilimo
jogo a quo os Gregos tanta veneracao votavam e
que merecen na idade media as fogueiras da som-
bra inquisicao, tem presentemente attiugido a mais
alia e rara perfeico arlUtica.
O Sr. Peyres Lajournad actualmente quem
conquista o lugar de honra entre as celebridades
europeas que tem visitado a America.
No Rio de Janeiro o nome desse dislinclissimo
artista pronunciado com o respeito e a venera-
cao que o talento real inspira. Os jornaes da cor-
te, de Buenos-Ayres, Montevideo, Babia e os pe-
ridicos europeus tecem os maiores encomios ao
prestidigitador insigne que, sera exageracao, nao
encentra rival nem admitte confrontos com os que
tem pisado o palco pernambucano.
O Sr. Peyres Lajournad faz hoje a sua primeira
sessao de physica e magia egypca.
O povo que admirou Hermann vai extasiar-se
peante Lajournad. A pYcstesa das mgicas mos
desse artista cousa digna de merecer um estudo
especial da sciencia, cujos mysterios tem sido pela
maior parte desvendados em livros de todos os
idiomas.
Pois bein I O demonio arrebatador que acompa-
nhava Cagliostro vive hoje preso aos ps do La-
journad. E' seu escravo, seu instrumento, sua
varinha irresistivel I
O Sr. Lajournad alm de prestimano admiravel
um perfeito cavalhero. Queris conhecer o
meio pelo qual elle tira unta imraensidade de bo-
las de um copo de crystal por exemplo ? Pergun-
tai-lhe. Elle vos responder grammaticalmonte
extrahindo do nariz de qualquer de nos urna la-
ranja ou um baralho do cartas. .
03 apparelhos, as : lsf s mesas, etc. cortejo in-
terminavcl que segua a naior parte dos artistas
desse genero, foi banido completamente por Peyres
Lajournad. Ser o poder do diabo?diro as ve-
Ihas. E' a terca do estudo e ao talentodir a
sciencia. Artistas dessa ordem sao serapre calo-
rosamente recebidos pelo povo, vido do maravi-
lloso c do imprevisto.
as priucipaes cortes do mundo tem grangeado
o artista de que fallo a symp thia dos raonarebas
de que elle conserva copiosas provas que Ihe ador-
nam o peito. Sao essas as condecoracoes que
honrara de veras, n'uraa poca em que todo e
qualquer diabo por algns mil ris commendador
da n -te para o dia I
O Imperador do Brasil mimoseou tambem por
sua vez ao hbil prestidigitador cnamando-o tri-
buna imperial n'uma nuitc de espectculo e saudan-
do-o vivamente.
Mas isso tudo nada para chamar em ondas o
publico ao theatro de Santa Isabel. O que faz o
elogio, a gloria, o mrito de Lajournad o seu no-
me, o seu trabalho, o seu prodigioso talento.
Nmguem se lembrar de Hermann mais. La-
journad j prevott exhuberantemente n'uraa rep-
blica do sul que o prestimano austraco nao sus-
tenta nem poderia sustentar o desafio artstico
face de urna platea mtelligente e Ilustrada como a
de Buenos-Ayres.
As linfas que ah vas, nao me foram lembradas
nem sollicitadas por pessoa alguraa. Mas dir-lhes-
hei que desde o momento em que fui apresentado
ao Sr. Lajournadfazem vinte e quatro oras ape-
nas Inao me tem sido possivel esquecer deque
esse hornera diablico encontrou um charuto ac-
ceso dentro do meu collele e engnlio minha vista
urnas eincoenta bolas de cornea que saniram' logo
depois. pelo nariz de um sngeito qae estava a meu
lado!
L. Gumarats Jnior.
ELEIQAO
dos devotos e devotas que tem de festejar
o glorioso S. Joao. Bautista, erecto di
igreja de Nossa Senhora da ConceicSo
dos Mililares, no anno de 1869 a 1870.
Juiz por eicicao.
O Illm. Sr. Joao Ferreira Ramos.
Juiza por eleico.
A Exma. Sra. D. Maria Joanna I'iuza de Souza.
Juiz por devocao.
) Illm. Rvm. Sr. padre Leonardo Joo Grego.
Juiza por devocao.
A Exma. Sra. D. Rosalina da ConceirSo Pires de
Lira.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs. .
Dr. Alexandre de Souza Pereira ao Carino.
Dr. Miguel de Figueiroa Faria.
Jo-". Alaria Gongalves Vieira Guiraaraes.
Anwoo Duarte Carnoiro Vianna.
Juizus protectoras.
D. Joanna Pires Machado Purtella.
1). Maria da Porciuncula Maia.
D. Zuliuira Bastos de Souza Monteiro.
Escrives por eleico.
Os Illms. Srs.:
Jos Antonio d Soaza.
Joao Antonio da Suva.
Jos Francisco Soares dWuiorim.
Jos da Cruz Santos.
Eserivas por eleico.
As Exroas. Sras. :
i). Maria Amelia da Silva Pinto.
D. Maria Pinto Vieira de Mello.
D. Maria Geminiana da Hora Guimaraes.
D. Carolina da Silva Guimaraes.
Escrives por devocao.
Os Illms. Srs.:
Joo Chi istanne.
Luiz Clementino Carneiro de Lira.
Luiz de Franca Souto.
Joaquim Martins Moreira.
Eserivas por devocao.
As Exmas. Sras.:
D. Francelna Doradlas Pessoa.
D. Amelia Josepbina d'Almeida Bastos.
D. Manoela Tavares de Mirai-.da.
D. Caiharina Leopoldina de Miranda Lumachi.
Mordomos.
Os Illms. Srs.:
Dr. Antonio Domingos Pinto Jnior.
Jos do Souza Soares.
Antonio Pedro de Souza Soares.
Manoel da Rocha Pinto.
Flix Venancio Cantalice.
Murdoraas.
As Exmas. Sras.:
D. Brasilianna Lumachi de Mello.
D. Amelia Fonceca d'Arrnda.
D. Marianna Thomazia Moreira de Lima.
D. Maria Libadla Alves.
D. Eliziaria Maria de Castro.
Procuradores.
Os Illms. Srs.:
Jos Miguel de Lira Jnior.
Joo Jos Marques.
Pedro Advincula d'Almeida.
Luiz Francisco de Salles.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Manoel Zeferino de Salles.
O vigario,
Antoni Marques de Catlilho.
COMMERCIO.
PRAgA
DO RECU7E 2 DE JULHO DE 1869,
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE
Assucar bruto americano 3J2O0 por lo kil.
(Iiontem e hoje).
Aecoea* da-companhia Vigilante 234000 por
aeco.
Accoes da companla de Beberibe 834000 por
cada urna.
Couros seceos salgados 362. 366 c 571
kil.
Cambio sobre Londres 90
lOOOfhontem*.
Dito soore dito90 d/v 18 3/4 d. por 14000 (hoje
Descont de letras8 e 9 0.0 ao auno (hontem).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
rs. por
d/v 18 5|8 d. por
Consta-nos que o amanheeer do dia 24 de ju-
nho prximo passado, porta de um tal Joao ita-
liano, cabo da estrada de ferro do Recife a S. Fran-
cisco, foi aehado morto um escravo do Sr. Candido
Temistocles Paes de Oliveira, rendeiro do engenho
Rainba dos Anjos, freguezia da Escada.
O escravo nao aprsenla va vestigio algura do fe-
rimonto ou contusao; de maneira qae nao se sabe
de que veio a morrer, c ignoramos si a polica lo-
cal cumprio o sea dever.
Todava era conveniente que as autoridades su-
periores syndicassera do facte, sobre si se erapre-
garaiu diligencias para a descoberta do crirae, si
o houve, ou para a verilicaco do acontecimento,
si foi casual.
O despertador.
Ao autor da pnblicacao, qne sob o pseudooymo
* '>*? sahio esu,nPa,'0 no Diario de Pemamico
de 23 do mez passado, pedimos qne deixando o
charco immundo em que collacou-se com a ln-
guagem dos alcouces de que usa, traduza aquello
aliahavado de termos emprestados a linguagein da"
regateras, para qae o possamos comprehender,
porque nao estamos despostes a desoer at etse
terreno quo todo o hornera sensato repelle.
Por mais justa que ----------
Para S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia
Nao foi cumplida a ordem para se re-
colherem ao corpo de polica todas as pra-
cas que se acbavam servindo como ordenan-
cas, pois que algumas ha que continuam,
como seja a da reparticao da sade do por-
to, que nada faz ah, e que era ao menos
fardada anda.
Chamamos a attenejo do Exm. Sr. pee-
sidente da provincia, e do Sr. commandante
do corpo de polica, cuja boa f foi Ilu-
dida.
BANCO MAUA & C.
RA DO COMMERCIO N. 3i
Descoma letras commereiaos taxa con-
vencional.
Recebe dinheiro a premio, por letras e
em conta corrente.
Confere crditos e saeca sobre as princi-
paes pracas do imperio, Rio da Prata e Eu-
ropa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se por commissao da compra
e venda de fundos pblicos e ac?oes de
companbias, da cobranza de letras e devi-
dendos, ou de seu pagamento, e de qual-
quer outra operafo bancaria.
CASADECAMBIO
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sbjjoi de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccSes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
, nENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, & imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7-
ALPANDEGA.
Rendimento ip "dia 1..... 26:7611229
dem do dia 2......46:39777o
De ordem do Dlm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta prometo, so faz publico
para conhecimento do3 inleressados, que o tribu-
nal do thesouro aatorisou o pagamento de disidas
deexercicios lindos, cu|os credores sao os se-
guintes : Bemjamin Deltrao de Alencar 2983200 c
Manoel guerra de Senna i!>6G0.
Secretaria di thesouraria de fazenda de Per-
namburo 26 de juuho de 1869.
Servindo de offlcal- maior,.
___________________Manoel Jos Pinto.
Vice-consulado dos Estado
Pontificios em Pernam-
buco.
Faz-so sciente a quem interessar possa,
que durante a auzencia do Sr. vice-consul,
acha-se encarregado deste vice-consulado,
para todos os actos officiaes delle, o Illm
Sr. cnsul de Portugal, Dr. Claudino de
Araujo Guimaraes: no entretanto os de-
pendentes podero continuara dirigir-se a
este mesmo vice-consulado, rtta da Cruz n.
ol, onde se lhes dar protnpto expediente.
Inspecqao do arsenal de marinha
A inspecc&j vende em hasta publica na
porta do almoxarifado, nos dias 3 e 5 do
corrente mez, bolacha em moinho na quan-
tdade de nove arrobas e nove libras.
Inspecco do arsenal de marinha 1 de
julho de 1869.
O secretario,
_______Alexandre Rodrigues dos Anjos.
COMPANHIA
co que no da 7 de julho vindoaro se Bndam os 30
illas nteis marcados para a eobranca do colre dos
impostes da dcima dos predios urbanos, de 50/0
sobre a renda dos bens de raz pertencentes
eorpnrae.jes de ao mona, e de 20 0/"0 do consu-
mo de agurdeme, relativa ao semestre do anno
linamviio idente de 18(H a 1869. e queicam su-
jekos a multado C 0|0 tedas os dbitos que forera
pagos depois daquelle dia.
ilesa do eomolade provincial de Pernambnco
30 do junho de 1S69.
O administrador,
m___________Antonio Cajueiro Machado Rios.
; No dia 3do corrento raez,llnuaa audicucado
Dr. juiz municipal da 2* vara, vai praca a re-
querimento de D. Anna Amelia Pina, para paga-
mento da quantia de 3:6G0 alm dos juros ven-
cidos, de urna letra aceita pelo tinado hachare!
Francisco de Paula Civalcanti de Albuquerque,
a qual letra foi dada para pagamento da referida
D. Anna, no inventado que se procedeu <)or fal-
lecmento d coronerLourenco Cavalcanti de Al-
buquerque, pai do referido bacbarcl. um sobrado
do um andar sito ra de Agoas-Verdes o. 23,
eom quintal murado^ cacimba uweira, uziaha fra
com 22 palmos de vao na largura, chaos proprios.
avallado por 4:500*000.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de faaenda desta provincia se faz publico, que
na dia 7 do- julho prximo vindoaro, as 2 horas da
tarde, perante a junta da mesma thesouraria. irao
praca para seren arrematados por quem maior
lanco offerecer,_ os arrendamentos annuaes por
tres annos dos proprios nacionaes, a saber: ar-
mazem n. 1, sito no Forte do Mallos ; dem n. '6
no mesmo lugar ; e casa terrea n. 21 na ra do
Santa Thereza : os pretendemos deverao compa-
recer na mesma reparticao no referido dia e hora.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambnco 30 de junho de 1869.
O offlcial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
N5o tendo-se rcalisado a arrematago dos
chafarizes do bairro da Bar-Vista por nao
ter apparecido offerta superior base apre-
sentada, sao de novo convidados os senho-
res licitantes a comparecerem conveniente-
mente habilitados neste escriptorio ra do
Cabug n. 10, no dia 8 do corrente ao J/2
dia, alirn de apresent;irem suas propostas
em carta fechada; ficaudo desde hoje os
ditos chafarizes administrados por conta
desta companhia.
Bases sobre asquaes se deve tancar:
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz do caes do Capiba-
ribe................... 3:000*000
Dito da ra.da Aurora...... i:200$000
Dito da cidade nova de Santo
Amaro................. 2:200^000
Dito do largo do Campo-Ver-
de.................... SOOKXK)
Dito do largo da Soledade...' 1:725^000
Dito da caixa d'agua dos Pi-
res...: ............... 4:875^000
Dito da pra?a da Boa-Vista.. 3:0005000
Dito da ra de S. Goncalo... 1:2O0r5OO0
20:000,5000
73:1595004
MOVIMENTO DA ALFA.NDEGA
Volumes entrados
dem dem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
M8
269
------ 707
23o
374
009
Descarregam hoje 3 dejolho
Barca ingleza Witch of tke Teignmercaduras.
Banca francezaVeridianamercadorias.
Sumaca hespanholaManuelavinho.
Patacho hespanholIgnacitaidem.
Barca ingleziJane Mariatelaba de trigo.
Patacho uorte-allemaoJohanaidem.
Escuna dinamarquezaCodantaboado.
Brigae nacionalAlmelda //charque.
KEGEBEDOHIA DE HENDAS LNTEIINAS E-
m RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1..... 1:027689
dem do dia 2...... 1:989/195
Escriptorio da Companhia do Beberibe,
de julho de 1869.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
COMPANHIA
DO
\
170*000
176/000
170/000
177/000
168/000
178/000
300/000
3:016/884
CONSULADO
P.endimento do dia 1 .
Idem do dia 2 .
PROVINCIAL
7:9555991
5:429/127
13:385/118
AO PUBLICO
C. Clao & C. estabeleeidos com pharmaeia e
drogara ra da lmperatrz n. 77, vem repre-
sentar ao publico a grande reduccao de preco que
lzerarn nos seus medicamentos em relcao aos
deraais que so vendem, garantindo-se a boa qua-
lidade e notando-se entre elles os seguintes:
Licor anti-syphitico do Dr. Ricord, 2/000 urna
garrafa. Injeeeao d mesmo auctor 1/000 um
frasco, tnico brasileiro de Salazar, ant-dartroso e
de urna cura prompta e infallivel para ca?
empingens, sardas etc. etc. a 1/000 o frasco, xa-
ropo balsmico peitoral brasileiro, urna garrafa
por 1/000, dito peitoral de rabo do tatd, j muito
conhecido pelos seus milagres a 1/000 a garrafa,
xarope peitoral anti-asthmatico de paracary, um
garrafa por 1/000, plalas anti-asthraatieas da
mesma planta, a caixa por 1/000, nica pharma-
eia em que ha estes medicamentos, xarope de ju-
rubeba simples a 1/000 a garrafa, dito ferrugino-
so a 1/500, pilulas de jurubeba simples 1,5000
urna caixa, e ferruginosas 1/500, vinho de juru-
beba simples 1/000 a garrafa e ferruginoso 1/500
xarope peitoral de fedegoso a 1/000 a garrafa.
Alera de todos esses perparados, ha um grande
sortimento de medicamentos, productos chimcos,
pbarmaceuticos, cajas qualidades j sao muito
conhecidas dos Ilustrados mdicos d'esta cidade
e do publico em geral, assim tambem encontrar-
se-ha immenso sortimento de drogas em quanti-
dade capaz de aviar para esta cidade_e para o cen-
tro ; prevenindo-se aos pintores qae achanto sem-
pre um eomplete sortimento de tintas de varias
cores e de todas as qualidades, por precos razoa-
veis; e em porcao far-se-ha anda abatnente.
Esu pharmaeia eontinna a abrir-se a qualquer
hora da noite, para aviar receitas.
Recife, 16 de junho de 1809.
C. Catao & C.
e a
Protectora das familias
Associaco brasileira de seguro mutuo sotrK
vida, approvada por decreto do governo imperial,
de 13 de junhe de 1864, e gerida pelo Baneo Ru-
ral e Hypotbecario do Rio de Janeiro.
Commsgao fiscal.
Veader Jos Joaquim de Lima e ai va Sobrint.
seja nossa indignacao ao Commendador Jerooyao Jos de Mesquita.
sentirmog alouzaque espadela nae Jiie iratooiCooiBendadorBoaventwaGo|riveiHoque
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio sahido no dia 1.'
Rio Grande do Sul Patacho hespanhol Themo-
teo I, capitao Paulini Coll, carga a mesma que
trouxe de Taragona e Canarias.
Navios entrados no dia 2.
Rio Formoso c portes intermedios6 hora?, vapor
naciom. 1 Par dante Mello,equipagem 16, em lastro.
Aracaty, pelo Ass20 dias, hiate nacional Nossa
Senhora dos Navegantes, de 85 toneladas, capi-
tao Antonio de Souza Castro, cquipagem 7, carga
sal e outros gneros; a Bartholomeu Lourenco.
Navios saludos lio mesmo dia.
Rio Grande do SulSumaca hespanhola Eulalia,
capitao Francisco Miilet, carga a mesma que
trouxde Santander.
BarcellonaSumaca hespanhola Novo Raio, capi-
tao Pedro Marrestany, carga algodao.
EBITAES.
Faculdade de Direito.
De ordem de Exm. Sr. director interino o con-
selheiro Dr. Pedro Autran da Matta e Albuquer-
que faco publico que fica marcado o prazo de seis
mces contados da dala deste, para a inscripcao
dos que pretenderera concorrer ao lugar de lente
substitato da Faculdade de Direito do Recife, vago
pelo acetoso do substitato Dr. Joao Capistrano Ban-
deira de Mello. Filho, a cadeira de que era pro-
prietario o fallecido Dr. Jeronymo Vileila de Castro
Tavares.
Pelo qne todos os pretndeme ao dito lugar se
poderao apresentar desde j na secretaria desta
Faculdade para inscrever seus nomes no livro com-
petente : o que Ibes perrattido fazer por pro-
curador seesliverem a mais de vinte legoas desta
idade, ou tiverem justo impedimento.
Sao, porm, obrigados a apresentar documentos
que raostrein sua qualidade de cidado brasileiro,
e deque esto no goso de seus direitos civis e po-
lticos, certidae de baptismo, folba corrida de la-
gar de seus domicilise diploma de doutor por
urna das Faculdades de Direito do Imperio, ou
publica forma, justificando a impossibilidade da
apresentaco do original, e na mesma occasiao
poderao entregar quaesquer documentos qne jul-
garem convenientes, ou como titulo de habilitacao,
ou como provas de ser vi eos prestados ao Estado, a
huraanidade on a sciencia, dos quaes se lhes pas-
ar recibo: ludo de conformidade eom os arts.
36 e 37 do decreto n, 1,286 de 28 de abril de 18
Faz-se publico para conhecimento de to-
das as pessoas a que interessar possa, que
em virtude dos novos contractos celebra-
dos com os arrematantes de chafarizes, a
venda d'agua para o mar s pode ser feita
nos chafarizes do bairro do Recife como foi
annunciado.
Outrosim, que os novos contractos foram
celebrados com os seguintes senhores:
Chafarizes do bairro do Recife:Elias
Baptista Ramos de Silva.
Dito de Santo Antonio :Dr. Jos Flix
de Brito Macedo.
Dito de S. Jos e Afogados:D. Melitina
dos Santos Jorge.
Dito da Boa-Vista:Ficou por adminis-
tragao.
Escriptorio da Companhia do Beberibe,
30 de junho de 1869.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souza Ptanga.
Perante a cmara municipal desta
cidade estar em praca nos dias 30 do cor-
rente, 3 e 6 do julho prximo vindouro,
para ser arrematada por quem menor pre-
Co fferecer, a obra dos fioncertos de quo
necessitaocanoque da esgoto as aguas; que
no tempo invernoso se accnmulam nos quin-
taes e sitios da Casa Forte, oreados na
quantia de 40000: aquellos que preten-
deren! arrematar a referida obra, compare-
gam no paco da mesma cmara nos mencio-
nados dias, munidos de flanea idnea'
Paco da cmara municipal do Recife 23
dejunho de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Pro presidente.
Francisco Canuto da Boa Viagem
Secretario.
O cabo de esquadra Luciano Jos
Joaquim, pelo presente chamado ao quar-
tel genera! a objecto de servifo.
Secretaria do enramando das armas de
Pernambuco, Io de julho de 1869.
Francisco Camello Pessoa de Lacerda,
_________Tenente-coronel secretario.
Santa casa da Misericordia do
Reeifc.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 8,de julho, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens fferecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra do Padre Floriauo.
Casa terrea n. 47.....
dem idem n. 63.....
dem n. 47. 49......
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30 ". .
dem idem a. 34......
Idam idem n. 36......
Ra do Calabouco.
Casa terrea n. 18 ".
dem n. 20........ 242*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 76000
Segundo andar dito...... 96*000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1....... lOOOOO
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla Velha.
Casa terrea n. 18...... 206*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27.....
Ra da Cacimba.
dem idem n. 12 .
Ra do Vigario.
1." andar do sobrado n. 27. .
Madre do Deus.
Sobrado de um andar n. 9. .
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ............
Idem idem n. 103...............
dem n. 110..................
dem n. 98........................ 203*000
dem n. 96......................., 202*000
Idem n. 94........................ 240*000
Sitio n. 5 noForno da Cal........... 150*000
dem da Mirueira u 4..... 106000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompan hados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de junho de 1869.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
THEATRO
S. ISABEL.
1441000
146*000
250*01X1
360*000
146*000
202*000
203*000
IIO.IB .
Grande e extraordinario
taculo
espec-
DE
Physica c magia egypcia,
Pelo celebre prestidigitador
MR. TEYRES DE LAJORNARD.
Para seus dous nicos espectculos nesia cidadt.
recebem-se desde j encommendas de bilhetes no
hotel do Oriente ra do Rosario.
O programma em detalhe ser distribuido con-
venientemente.
BLHO DE COMPRAS 1VAES
O conselho contrata no dia do corren-
te mez, sob as condic5es do estro, vis-
ta de propostas recebidas al as 11 horas
da manhja, a lavagem de roupa da enfer-
mara de marinha, durante o exercicio cor-
rente, assim como o fornecimento, no pre-
sente trimestre de cangica ou milho pilado
e de milho sem ser pilado, para os navios
da armada e estabelecimentos de marinha.
Tambem o conselho no mencionado dia
e de igual forma promove a compra dos
objectos do material da armada, seguintes:
2 bules de ferro estanhado, lO bracas
de corrente de ferro de 1/2 pollegada re-
forcada, 20 arrobas de estopa de algodao,
arrobas de linba de barca fiua, 8 arro-
bas de mialhar branco, 10 libras de obreias
francezas, 2 terrinas de ferro estanhado,
20 tira-linhas e 1,000 lijlos defgo.
Sala das sessoes do conselbp de compras
navaes, 1 de julho de 1869.
O secretario,
______Alexandre Rodrigues dos Anjos.
O Illm. Sr. Inspector da thesouraria-dla-
zenda manda fazer publico para conhecimento dea
intereesadoe, que autori$ado pela ordem do thesou-
Domingo, 4 de julho de 186.
EXTRAORDINARIA REPRESENTACO
BE
Physica e Magia Egypciaca
POR
MR. PEYRES DE LAJOURNAD
o qual era viagem do Pacifico para os Estados-
Unidos, aproveita-se de sua pequea demora nos-
la capital psra fferecer aos seus respeilaveis e
illustrados habitantes dous espectculos
Duas verdadera noites de magia.
Constando os programmas das mesmas expe-
nencias'que teve a honra de exhibir perante S M
B. a rainha de Inglaterra, S. M. F. o re de Portu-
gal, e recntenteme no Rio de Janeiro anteSS MU
II. o Sr. D. Pedro II o sua augusta esposa
O espectculo divde-se em tres actos.
Os intejrvallo3 sero preenchidos pela orche*tra.
PRIMERIA PARTE
Experiencias de Magia Egypcia, a saber :
O segredo revelado I
A transformacao chineza.
Um roubo vista (physica).
As cartas magnticas de Phara.
m improviso da magia ou a coincidenciajigm.
SEGUNDA PARTE. TWW"
Introduccao pela orchestra.
Ura problema mathematic.
Quatro nao fazem mais que um I I
llluso e realidade I 11
A sorpreza Dable de Rubia.
Urna escamotagem.
TERCEIRA PARTE.
Introduccao pela orchestra.
O jogo de Guilherme Tell (experiencia physica).
A passagem cmica (a pedido) (sorte para rir)
A aventura do celebre Lelson I
A agjlidade e a dextreza (grande ligeireza do
Urna sorte nos bodas de SATN I (experiencia
scienufica). ^^ Ud
PBKCO DOS CAMAROTES.
1* ordem..... IO4OO0
2* ......12*000
3" > ..... 8*000
**....... 8*000
Ladeiras..... 3*000
Plateas...... 1*000
Entrada geral. 1*000
Varandas .... *300
".
V






Os lnlhctes potlom ser procurado} dosde j
ra do Rosario, lio; lo es-
pectculo no theatro.
A vi ii> nai liaveni bandcira
un maslre do the'r i, n a pharol a n lite.
Principiara as 8 lufas.
THEATRO
Gymnasio Campestre
ASSOCIACO artstica
Sabbado 3 dejulho espectculo en grande gala
para solemnisnr o faustoso anniversario da
immm m baha
Honrado con a respeilavel presenta do
i2xm. Sr. presidente
da provincia.
E>ireia dos conecituados artistas
Brochado e D. Carotina.
Depois de ser exceutadoO hymno na-
cional, a Sra. D. Jesuina, e luda a com-
panliia, cantaro
0 liyrano dois de julho
ante a augusta effigiede S. M. O IMPERA-
DOR.
Pind o qual, o Sr. De-Giovanni, recita-
r urna poesia dedicada SOCIEDADE
PATRITICA BENEFICENTE RA UAN,
intitulada:
Seguindo-se a represontaco da espirituo-
sa comedia en I acto, ornada de msica,
intitulada:
OLHO VIVO!
COMPANHIA DE SEGUROS CONTRA A
PENEIRA NOS OLHOS.
Toman parte a Sra. D. Carolina Brocha-
do, o os Srs. Pedro Augusto e Florindo.
Em seguida, a Sra. D. Jesuina cantar
a linda cancao, composta por un Rahiano,
denominada:
O canto do veterano.
Madame Poppe, desejnando tomar parle
n'este espectculo e atlendendo ao assump-
to, presta-se a cantar una interessante
CAWSOWETA.
Kinda a qual o Sr. Brochado executar
orna1 brilHante
CaiiQao patritica.
Madame Poppe, cantar ootra graciosa
Terminando o espectculo, a pedido,
con a 6a representado da muito applaudi-
da comedia em i acto, ornada de msica e
dansa, denominada:
OS ZUAVOS.
Os bilhetes acham-se desde j na estaco
dos trilhos urbanos e no theatro.
Aviso especial.
A*s C '/i horas da tarde, estar postada
na estaco do Recife, urna BANDA DE
MSICA MARCIAL, a fim de seguir para o
theatro, no tremdas 7,aqualtocar, duran-
te a viagem, escolhidas pecas.
O CACHOHRO D'AGA
fazi'ii.lo diversos trabalhos gyuuiasticos, como pa*
>ar por arcos e
A ESCADA AEREA
excentada i rro flaribauli.
0 PASSEIOSOBREOGLODQ
executada pelo cachorro Ravcl.
O DESERTOR AFRICANO
Sendo o desertor julgado e sentenciado a pena
ultima, serfuzilado em presenca do publico pe-
los seas companheiros, chegando CanUnhcra com
o perdao acha-o morto ; nesta oceasiao apparece-
rum carro funreo conduzido jx>r um macaco
3fiin de levar o cadver ao seuuestino.
Ogymnastico maracaio
JULIO DORIO
cujos trabalhos foram nuiit) bem aceitos no es-
pectculo anterior, exeeular arriscados oxerci-
cios no
Diario
de Pernambweo
iraaa>a2J(!)
Para Lisboa
Segne rom toda a brevidade a barca portuguea
Constante ll, por j ter parte da carga prompta ;
para oque Ibe falta e PAssaiero, trata-se rom os
consignatarios Oliveira, l'ilhus <5c C, largo d.i Cor-
po Santo n. 19, ou coro o capitao na praca do
oammercio.
RIO DE JAHO
Segu coni brevidade para o porto cima, o bri-
gue nacional DamCto ; tem parte do sea earrega-
ment engajado, para o resto que I he falla trata-se
c un as consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azcrcdo A C. ra da Cruz n. 57.
CORRA BAMBA
Os bilhetes acham-se na eslacao dos trilitos ur-
banos e uo theatro, pelos mesmos procos da re-
cita anterior, cuja alleraco toi feita nicamente
para compensar parto do'prejufro, que, as passa-
gons gras do c:n cada espectculo.
O espectculo principiar chegada ib
un. Sr. presidente da provincia.
Exia.
provmcia.
GRANDE SUCESSO!
Macacos e cachorros!
Em consequencia de immensas pessoas nao te-
rem podido assislir ao segundo divertiinento dado
pelo artista PLATUNT, na tarde de 27, cota a sua
companhia de
MACACOS E CACHORROS
por causa da espantosa concurrencia que teve, fl-
cando muitas familias sem camarotes; o dito Sr.
PLATOI, atlendendo a pedidos e a grandiosa
aceitacao que os- trabalhos dos seas admirareis
animaes tiveram, resolveu dar outra representa-
ra' i no
DOMINGO 4 DE JCLHO DE 1869
(As G horas da tarde.)
Grande, maravilhoso e muito applaudido espec-
tculo em que toma parte o gimnstico maracaio
JULIO DORIO
e a companhia composta de
24 MACACOS E CACHORROS
recentemente chegada a esta capital, sob a direc-
eao do artista .
PliATUMI
que teve a honra de trabalhar com os seus admi-
rareis animaes, as primeiras cidades da Europa
onde obteve innmeros applausosi
LLNDO FESTIM MACACAL
no qual os convidados sao servidos por dous ma-
cacos, um vestido do cosinheiro e oatro de nheira.
Segue-se a linda
WALSA
executada pelo cadello Finetle.
O cachorro Lindo, passando pelas pernasdeseu
amo, guiar depois um tonel com as patas dian-
teiras, concluindo este trabalho, pondo-se com as
quatro patas sobre o ttnel.
Em seguida o cachorro Sapiton, executar um
trabalho gymnastico, passeando sobre as maos
dianteiras.
Segue-so
A MARQUEZA DE POMPADOUR
Acompanhada por sea criado, sendo estas duas
passagens oxecutadas, a primeira per um cachor-
ro, a segunda por um macaco.
TRANSTORNOS DE MA YIAGEU',-
pela macaca D. Jacintha.
Intervallo de 20 minutos.
i 'A grande posta russa executada por seis caes,
um macaco vestido de inaioral, sobre o cao dian-
teiro e am outro macaco vestido de postilho.
O SALTO DO CARNEIRO
imitado por dous caxorros.
C0MPA1IA BRASILE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte c osperadi
at odia 12 do crrente o vapor
mmndante o primeiro
tc-iente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir |iara os portos do su!.
Desde j issasciros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ser embarcada no ,!;a lo 3uanegadk. Krcommon-
das c dinheiro a frote at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao so rceebem como eneommendas senao ob-
icctos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos do medicao.
Tudo que passardestes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageLrqi que suas passa-
gens s se recebem na agencia rna da Cruz n. o7.
1- andar, eseriptorio de Amonte Luiz de Oliveira
Azevedo & G.
I'ARA
uo amante dos deveres
A proessora publica da 4." cadera do iustrnc-
cao primaria de S. las do Recite FeltsmiM Adbl-
pha da Cunha Siles, responde pir si, ma sabe
eumprir fielmente com as sins obrigaeoes, como
provar se fur pedido; perianto nib ao entend:
com ella oque sai na revista diaria de 30 do iunlw
findo. '
Para o referido porto segu com muita brevida-
de o palhabotc portuguez "Novo Protegido, por ter
a maior parle da carga tratada ; e para o resto
que Ihe falta trata-se com o consignatario Joaquim
Jos Goricalves Beltrlo, a ra do Commercio
n. 17.
Para Lisboa
O brigue poituguez Constante I sahir imprc-
terivclmentc no dia 4 do corrento ; para o resto
da carga pie lbe falla c passageiros, trala-se com
os consignaiarios Oliveira, Filhos & C., largo do
Corpo Santo n. 19,1" andar, ou com o capitao na
praca do eomraeMw,
Jtracaty
Segu com a possivcl brevidade o- palhabote
Emilia, capitn Mendos, ainda recebe alguma car-
ga a frote : a tratar com S Leito Irmiios, ra
da Madre de Dos n. 1.
LEILOES.
E1L0
COMPASIHA BARS1LE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul c esperado
at o dia 7 de julho o vapor
Tocantins, coininandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual deveri
ser embarcada uo dia de sua chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas.
.Nao se recebem como eneommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites devora sor embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPANHIA l'ERNAMBUGANA
DI
.Vavega^o costeira por vapor
Goyanna
O vapor Paraht/ba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 6 do cr-
reme as 9 horas da noile. Recebe
carga, eneommendas, passageiros
[r* '''ffbfljro? I|,|'lp uo e.e.rj)tui'i'j do Forte do Mat-
COMPANHIA PERNAMRUCANA.
DE
Vavcia^io costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaln'i, Acarac e Granja.
O vapor Pirapama commandante
Torres, seguir para os portos aci-
_ ma no dia 15 do crreme as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia li, eneom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sabida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12.____________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os poitos cima
no dia 10 do correntc a meia noite.
Recebe carga, eneommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, no eseriptorio do Forte do Mattos
n. 12.
De 300 accos colu excellentc
milho.
Segunda-feira .' do corrente.
O agente Pestaa vender em leilao por conta e
risco de queni pertencer 21)0 saceos com superior
i.iilh'i saceos grandes e serio vendidos em um
ou mais lotes no dia cima segunda-feira 5 do
corrente as 11 horas da manlia na porta do An-
nes defronte daalfendea.
Ao commercio
Vende-se ou permuta se nina propriedade
no bain;o do Recite, com duas e breve tres
frentes, em urna das melhores localidades
para o commercio, por se prestar a um-
extenso armazem com tresentos e tantos
palmos de fundo e ser prximo ao embar-
que do caes do Apollo e a alfandega: n
tratar na ra da Imperatriz n. 4o, luja do
miudezas.
O abaixo asignado, lend dru no Jornal do
RtetfeA 12-1 do l. de iimh do corrente anno,
que ma.l'*5via ai Sr. JoSo Ferre-ra da Cosa
res, tan'o em confa corrente, como em letras ven-
cidas o" a Ygaecr, pui- j ter ultimado todas as
transacocs, eom o Sr. Soares, e em-pador do-absixo
nado se acharem lodos os documentos que
tinha aecsitadn ; aeontec qau em um dos numu-
ros do mesmo jemal, vieran) os Srs. Vasconcellos
e Mattos a declarar, que em virtude publie.icao
cima mencionads, era de seadiver declarar que
em sen poder exiMe urna letra de rs. L1044500,
saccada pelo Sr. loaros, o acceila pelo nbaixo, as-
signado, vcncivel-sni 16 de julho de prximo fu-
turo, a qual Ibes W dada em'pagamenio pelo pro-
prio saivador, em Janeiro do correte anno. O
abaixo asignado de novo faz scieule ao corpo d.i
commercio, que nada devo ao Sr. Soares, orno
declarou no seu anuncio; e a lalra qne os Srs.
VasconeehNW e Maltes allegam estar em sea poder
falsa; assini^ como toda e qu.ilquer outra em
que o nome do abaixa a-sigiuido figure com rela-
eo ao Sr. Joo Ferreira da Costa Soares. Ma-
manguape, 14 de junbo de 1809.
Jos Pereira '!< Castro Pinto.
8ogt-se ao Sr. Jos Maritiho de Hollandaftle*),
* sargento da 5" companhia do corpo policial, o
favor de pagar na tabarua his prxima sua.
rebidooki, a quantia de 204126, importe de gne-
ros, poique o proprietario da taberna vao pode es-
perar a sua tbntado. Assim como dizem (nao acrc-
dkamos). qn o Sr. Falcao maltrata ameacasetts
credores quando vio su i casa rerrter seu di-
nheiro. e aen-ssenta que soldado e que nada Ihe
succeder, mas nos felizmente conlucemoa o Sr.
tenenlc-coronel commandante do eerno e ella na
approva insolencias tralicancias' do quem quer
qiie sej.
Um dos pacientes.
Jos do Reg Pachaco, J >.V> Baplista do Rogo,
Joo do Reg Pacheeo, Rufino do Reg Pacheco,
. Margarida do Roso Araujo, Senhorinha Mara
do liego, Anna Miria de Jess agradecen) to->
dos que no dia :J0 do prximo passado se digna-
ram assislir as exequias de sua chara esposa, ir-
mal e cantada, ede novo convidam a seus paren-
tes e amigos para assistirom a missa do stimo
dia, que ter lugar na igreja d> Espirito Santo no
da 3 di corrento pelas lie meia Inrn da ma-
nhaa. protestando desde j seu agiadecimento pjr
mais este acto de"candado e religiao.
LETLAO
De urna excellcnte carteira com armario (secre-
taria), 1 bah-ao, 1 armario grande, 1 dito me-
nor, 1 carteira para duas pessoas, 2 ditas pa-
ra urna pessoa, 1 mesa grande, 2 estantes e 2
burras de ferro (cofres).
Segunda -feira "6 de julho as 11 horas em
ponto.
Por ntorveneao do agente Pinto.
Na sala de detraz.do Io andar do sobrado da
rna da Cruz n. 20, em frente aochafariz.
Leilao
De o carros de passeio, 9 pares de arreios, 19 ca-
vailos para os mesmos carros e mais perten-
ces da cocheira da roa do Imperador n. 27,
constando de tanque para agua, tinas, gaz e
mais objectos perlencentes a hiesma cocheira.
Seganda-feira 12 de julho as 10 horas.
Joo de Dos da Silveira tendo de retirar-se pa-
ra fora da praca, far leilao por intervencao do
agente Pinlo, dos carros, cavallos, arreios e mais
objectos perlencentes a sua cocheira da ra do
Imperador n. 27, aonde se ofi'ecluar o leilao no
dia e hora cima mencionados
LEILAO
de saceos de assucar com avaria
Terca-feira C de julho de 18G9
as II horas em ponto.
0 agenle Pinto far leilao por autorisaeo do
consulado de Franca, em presenca do Chanceller
do mesmo consulado, com licencia do inspector da
alfandega, com assistencia d um empregado da
mesma reparticao para o fim nomeado, e por conta
o risco de quem pertencer do 300 a 400 saceos
com assucar avadados a bordo do navio francez
Le Fierre arribado ueste porto por forca maior,
eexistentes no armazem allandegado do'baro do
Livramento, caes do Apollo, onde se effectuar e
leilao as 11 horas do dia cima dito.
COMPANHIA PERNAMRUCANA
DE
tfavegaco costeira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe; commandante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 8 do corrente
as o horas da tarde. Recebe carga at o dia 7
as 3 boras, eneommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 horas da xa do dia dasahida :
a eseriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Penna, segui-
r para o porto cima no dia 12 do corrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, eneommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde no eseriptorio do Forte do Mattos n. 12.
AVISOS DIVERSOS.
ESTIDO" DE PREPARATORIOS
com repetico para os alumnos
que tm de fazer exame em
Hovembro.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella, n. 37:
Un curso de
LINGUA F1U.NCEZA ;
PHILOSOPHIA ;
CEOGRAPIIIA E HISTORIA ;
RETHORICA E POTICA.
Os estudantes que pretenderem fazer
exame em novembro em qualquer destas
materias, podera dirigir-se indicada re-
sidencia, a tarde, das 3 horas em diante
Fugiram no dia 2o do passado raez, 2
escravos dos engenhos Coccico e ra-
leba do termo Seniihaem, pertcncente um
du nome Jos, ao major Manoel Germano
Bezerra Pereira de Bastos, e outro de no-
me Luiz, pertencente ao Dr. Jo; Eugenio
da Silva Ramos; o primeiro tem os signaes
seguintes ; com 30 e tantos annos de idade,
[TfOHjQ, baixo, cheio do corpo, cor fula,
rosto redondo, tem marcas de chicote as
costase as nadegas, pvoocamisa de ris
cadinho verde j velha, cair;; e aqueta, e
chapeo do bala ; o)segundo'crioulo, dado
20 e tantos annos, estatura regular, bem
preto. rosto cheio, beicos grofsos. albos
grandes e abotucados, cachafo grosSo, com
marcas de chicote as costa, sobre as ctis-
tellas do lado direito, levou camisa de ris-
cado de algodito, com grando remend as
costas, seroula de algodo de sacco, e urna
copa de chapeo de pal lia sem abas.
Estes escravos foram comprados ha um
anno potico mais ou menos, na cidade do
Recife. Quem os pegar queira apresen ta-
los ao Dr. Joao da Silva Ramos, na cidade
do Recife, que ser bem recompensado.
Xarope de Fedggoso, do Pinto.
E' do urna eficacia verdadeiramente ma-
ravifiosa como, calmante do systema nervo-
so e applicado contra a paralisia, asuna,
tosse convulsa ou coqueluche, tosse recen-
tes ou antigs, suftocacites, eatarrhw bron
chicos etc. e a final contra todos os sofl'ri-
inentos das vias respiratorias, e na phtisi-
ca pulmonar, sua virlodc contra o lelano
ou espasmos, e convulcoes incontestavel
e ninguem ha que o desconhoca.
UM DESCOBUIMENTO ESPANTOSO !
Um. Sr. Joaquim d'Almcida Pinlo.
Braga, 25 de Janeiro de 1868. Meu
amigo, aqu cheguei com alguma melho-
ra; depois de ter tomado tres garrafas
do seu preparadoXarope de Fedegoso
isto pelo mar, porque logo que che-
guei em Lisboa, principiei com mais f
a tomar o dito xarope, por conhecer pelo
mar que elle fazia grande beneficio, pois
vista da grande quaodade do sangue
que eu botava pela bocea, vi que me hia
desapparecendo com rapidez, depois que
continuei a tomar o dito jarope, e to
milagroso foi para minha molestia que
boje me acho de todo reslabelecido, e at
mesmo bastante nutrido, e por isso pode
i Y;nc. fazer sciente ao pubiieo o milagre
que ose preparada obrou na minha en-
fermidade. Sel lempo para mais, son
De. Vm.
\migo atiento venerador e Quito obrigado
Manoel Jos Gomakes Pereira.*
*
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor
Fernando de Noronha.
0 vapor Gigui, commandante Aze-
vedo, seguir para o porto cima no
dia 8 de julho prximo pelas 11 ho-
ras da manhaa. Recebe carga at o dia 7, en-
eommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 10 horas da manhaa do da da sahida ; no es-
eriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Deseja-se fallar ao Sr. Manoel Rodrigues
Caldoso, a negocio do seu interesse : no largo do
Corpo-Santo n. 6, 2o andar.
Precisa-se de umaama forra ou escravaque
compre e cozinhe, em casa de pouca familia : na
ra do Hospicio n. 38._________________^
Precisa-se de urna engommadeira : ruado
Trapiche Novo n. li, segundo andar, consulado
francez.
Precisa-se de um homem para ensinar pri-
meiras lettras, no engenho Gindahy, do termo de
Rarreiros, comarca de Palmares: a tratar na ra
da Imperatriz n. 45, 2* andar.
Feitor.
Precisa-se de um feitor : na ra estreita do Ro-
sario n. 41.
Cozinheira
Precisa-se de urna criada para coziahar : na
ra do Imperador n. 73, segundo andar.
O proprietario do sitio denominado
Aguasinha, em Beberibe, contina venda
dos terrenos de sua respectiva ara, guar-
dadas as prescripces de limite estabeleci-
das pela planta topograpbica e projecto de
arrematantes novos, na exeeucjo confeccio-
nada para o seu retalhamento ou subdi-
visSo.
As probabilidades da prxima existencia
da viaro frrea, que ser levado effeito
pelo companhia dos cari is urbanos do Reci-
fe i Olinda, deve estab lecer natural e ne-
cessariamente eslafo na bifurcarSo formada
pela estrada novamente executada ao Porto
da Madeira, na proximidade do qual existe
0 sitio em questo, no senlido transversal a
aotiga estrada de Beberibe ; a modicidade
dosprecos dos ditos terrenos, e sobre tudo
andamento feliz, que tem tido a sua vendo,
tudo convida aos pretendentes a passarem
a realisaco das compras emtaboladas, e a
procura daquelles que tambem o preten-
derem.
0 encarregado desses negocios o dis-
tinto engenheiro AntonioF. R. Selte, quem
se dever procurar em casa de sua residen-
cia, e as quinta-feira e Domingos no sitio
de que se trata em Beberibe.
Mr. Mercier.
Alfaiate francez tendo de rclirar-se no
primeiro vapor para a Europa, julga nada
dever nesta praca, porm se alguem se jul-
gar seucredor pode apresentar sua conta at
o dia 10 do corrente.
Igualmente pede aos seus devedores se
sirvam vir saldar suas contas e nao fa-
zendo-lhe repetir este pedido nominal-
mente pelos jornaes, porque ignora suas
moradas.
Outro sim aquelles que teem obras e en-
eommendas venham busca-las seno sahe os
seus nomes pelos jornaes.
Vendem-se cortes de casimiras e cos-
tumes inteiros finos, prero razoavel; brins
de linho finos de todas as qualidades ; cortes
gurguro de seda para colhetes, cortes de
colhetes de Ia finos, dito de sarzilim fran-
cez finos, botes, para criado, de coras,
de barOes, lisos e de vriolla finas e botoa-
dura de colhetes finas: na ra do Commer-
cio n. 7 l." andar.
No eseriptorio de Alfredo 6c Cunha,
precisa-se fallar com urgencia ao Sr. ca-.
pilao Antonio Augusto Maciel, morador em
Abreu de Una._______________________
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : no segundo
andar da casa n. 47 ra do Imperador.
Precisa-se de urna ama para cozinhar em
urna casa do pouca familia : na ra da camboa
do Carmo n. 22.
Precisa-se alugar ou comprar urna eserava
engommadeira ; na ra de S. Francisco n. 72.
Ilhn. Sr. Joaquim d'Almeida Pinio.
Ha muito que ouvia proclamar as excel-
entes propiedades do Xarope de Fede-
goso contra a tosse c asthma, soflrendo
eu de urna tosse pertinaz, e tendo usado
de toda a sorte de medicamentos, valime
pois do Xarope de Fedegoso e urna gar-
rafa somonte foi bastante para restabe-
lecer-me, e me vejo to robusto como
d'antes; suecumbiria de corto a nao ter
usado do Xarope de Fedegoso.
t A' vista disto nao tenho expressoes
com que exprima a V. S. a gratide de
que lho devedor o de V. S. atiento
venerador e criado
Joo da Costa Reg.
Illin. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Tenho a ventura de communicar a V. S.
que grabas ao maravilhoso Xarope de
i Fedegoso, estou com o meu escravo Jor-
go completamente restablecido da mo-
i leslia dos pulmoes que ha tanto lempo o
persegua.
Acceite V. S. esta minha declaraco
como prova do meu reconhecimento pelo
i bem que V. S. acaba de fazer-me e cu-
i ja recordacao icar internada no cora
i cao do
De V. S.
Attento venerador e criado
liento Joaquim Gomes.

Um, Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Cumprindo um dever de gratido, parti-
i c'po a V. S. que pormeio do seu aben-
j coado Xarope de Fedegoso, s perleita-
i n;ente reslabelecido dos seus longos sof-
frimentos o meu escravo.
Como sabe, este meu escravo tinha
< chegado ao estado mais afflictivo da mo-
lestia de pulmes ; nao obstante um no
< interrompido uso de remedios, e urna
demorada viagem ao nosso sertao.
Pois bem; a enfermidade, que se ha-
via tornado rebelde a todos os raeios
empregados para combate-la, ceden de
urna maneira quasi milagrosa, a quatro
i garrafas, apenas, do seu fedegoso.
Hoje, gracas a Deus, tenho o meu es-
cravo restabelecido ; e nao fcil mos-
trar lodo o reconhecimento que sinto pelo
bem que V. S. me acaba de faer.
Sou de V. S.
Criada agradecida
Alaria Norberta Schefer.
Uoico deposito, ra larga do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica, Pernambu-
co.
Continuadamente se nos apresentam no-
vos testemunhos da eficacia do fedegoso
Pernambuco.
Preciosa publicado
jurdica.
Commentario do cdigo comnarcial por-
tuguez.
Vndese na loja do Sr. Heraclio Paula Montei-
ro, ;i ra do Imparador*. 71, a importante o mo-
derna obra sob o titulo.de wuUwirdes ao cmligo do
commercio portuguez em G Totitmes pera K\in. Sr.
eonsetnriro Dr. Dmgo Pereira Porta de Sampaio
Pimentel, lento calhudratiro na universidade de
Coimbra. Os subidos crditos de ^ue goza muito
iii'iTcidamcnte aquelle eximio eommerciilista por
si s bastariam para recoromendar to importante
obra, quamlo nao concorrosse mais para isso a
grande vantagem de ser um opftoo commentario
ao cdigo commercial brasileiw (na falta absoluto
que hade qualquer outro) pela mxima hemoge-
noidade entre muitas das suas dispo-iross, e as do
menejenado eodigo portuguez, que Ihe servio de
lente, fjorrei prosswosa, distincta motidade do
4 anno da Paculdade do Direito delta cidade, e
mais noUveis jcins, provr-vos desse poderoso
auxiliiir para vossos trabalhos da sciei.cia, e por
preco commodo de 2O000.
PmlkacSo luterana sob o titulo, de Memo-
ria do Bom Jess do Monte, em Draga.
Acha-se venda na loja da ra do Crespo n.
27, esquina da do Qucimado, a primorosa Memo-
ria ilo Bom Jess do Monte, em Droga, ornada de
gravoras linas, segunda dicao, obra da penna dV
ouro do mui Ilustrado lont- da univprsidade de
Coimbra, o Exin. Sr. conselheiro Dr. Diego Perei-
ra Forja/, de Sampaio l'imentel : quem tiver noti-
cia da extraordinaria devocao que existe em Por-
tugal para com aquella milagrosissima imagem,
allluindo sempre para o seu magestoso templo em
romana, o numeroso povo de todas as partes des-
se reino ; quem souber avahar as brilhantes des-
cipcoes, c o bello estvlo daquelle consumado ju-
risconsulto e eximio* litterarato portuguez, nao
deixar de procurar quanto antes prover-se de
um exemplar da dila memoria, pelo diminuto pre-
co de .'{, na loja cima indicaua, onde j hapc-
(jL'eno numero deltas.
A' ni.'; Formosa n. 6 precisase de urna ama
para andar com ma enanca, paga-se bem.
O .iilrog;tii Affonso de Albuquerqne Mello mudon n seu cs-
criplorio para a ra das Cruzes n. 37, defrumV *
typograidua do Diario.
Precisa-se de urna ama para ctiuprar e co-
zinhar : na ra da Praia n. 44.
Precisa-se de 400 a premio, dando-se boas
firmas ou seguranca n'uma eserava : qnem qni-
zer pode dirigir-se Boa-Vista, ra da Gloria n.
G3, ou annuncie para ser procurado.
Precisa-se alugar urna eserava para todo o
servico uterno c vender na ra : no pateo do Ter-
co n. 17,
Oosinlieiro
Precisa-se do um boin cosinheiro
do Rosario n. 44.
na ra larga
COSINHEIRO
Precisa-se de um cosinheiro ou cosinheira que
soja perfeita para este lim, nacional ou estrangei-
ro : a tratar na rna Nova n. 22.
nrJ
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,
Elle d c restaura forca e sanidade a pelu-
da cabeca,
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posico que se deseje,
n'um estado formoso, liso e maco,
Ele fazerescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tomarem
brancas,
Elle conserva a cabeca n'um estado de fso.i
cura refrigerante e agradavel,
Elle nao demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadizo,
Elle nao deixa o menor ebeiro desagra-
davel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservacSo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pon-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
0 CABELLO.
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo & C. P. Mauret
& C, M. Barbosa, Bartbolomeu A C, e em
todas as principaes lojas de perfumara?
e boticas,
RA
'|DO
CABUG
esquina
da roa larga do
Rosario.
AOAMEL
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas rpor presos muito ele-
vados.
loja esta aberta at as 9 horas da noute. ^VL^iAhor,
esquina
da ra larga do
Rosario. m
o
MUTILADO


i ii
-______-

..... I'"""
V
Diario de Pernambuco Sabbado 3 de Julho de 1869.
=
Hf F1L0BE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
IICHTI1 81 G6IST1IT1IITI 1D1 COMPUTO MITUUITI ll *
CliPStl BE SOI:
De toda as qualidadcs I
De todos os feitios I
De todas os precos I
RA DO CRESPO
Manoel de Souza Oliveira o Antouio Jos do
Oliveira fazem ver 10 respeitavel publico que dei-
mdeteri'i moSr. lacintho a.i,
de Almcida. Os mesmos declaran que nfio tem
parentesco nlpnni rom o dito teohor.
O abaixo assignad quo compiou
para o Sr. lK'rculaiio Julio de Albnquerquo Sfrllo
oliilhete inteiro n. CV, e para o Sr. I)r. Alcr-liia-
des I). de A. Lima, de sociedade eom o abai.v
signado, ambos de Mossor, o bilbele n. 1188 da
lotera n. 112, que se extrahir no dia le ra-loira
prxima.
Hecife, 30 de junlio de 1869.
Ignacio Gomen Precisa-se
n. li
de nma ama : 11a rua da Praia
Ao commereio
Urna pessoa que tem muila pratica de coutabtli-
dude, e que sabe escripturar por partidas dobra-
dn*, offerere o sen presumo a quem elle precisar:
em carta fechada com as iniciaes A. N., nesta ty-
pograpbia.
Aluga-se um sitio na Torre, com rasa e bai-
xa de capim : na praca da Boa-vista, botica n. 6.
O senhor que annunciou ^rrendar 11111 sitio
nos arrabaldes de Olinda, com as seguintes pro-
poreoes : casa de vivenda, graude baixa para ca-
iiim, algnmas fructeias, e lugar para gado, queira
declarar soa residencia para mt procurado.
Ama de leite.
Precisa-se de una aia;i do leite
gundo andar do sobrado da rua
8.82.
no se-
Dircita
AMA
Precisa-so de urna ama para comprar, co-
inhar e engommar para casa de pouca fa.
milia :a tratar na rua do Livramento n-
U, loja.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao S. Francisco.
AVISO
Fugio, de hontem 18 dejnubo) para hoip
nina oscrava de nomo Rosa, mtala, alia, gorda,
do 30 aniius de idade ; foi de Caruani, c compra-
da ha poueo toaipo aoSr. Amaro Fernandos T.
Gallindo : quem a Irouxcr i estoengenho sera ge-
nerosamente gratificado. Tapera, 19 de junlio de
1869.________,______________________
Cozmhci'ra
Precisa-se do una ama par3 cozinhar emeasa
do horneen sorfeiro, prcere-so escrava : na rua
do Queiinado n. 32, loja.
Francisco Domingos Ribeiro, morador e es-
tabelecido na roa do Livramento n. 23, faz Beienie
. ao respeitavel publico que por baver outro de
quer otitio d esto genero, as tres eousas mms necessanas ao genero racionalali- iruM mm^ ,,.a de hnje em iVmVl, chamando-fe
ment do corpo, dislracao da alma, o soeego de espirito. 1 Ribeiro 3oares. Recife 30 de junhode
No paviment terreo urna casa de pasto muito profesa, da primeira ordem ; no 1
primeiro andar, sola da frente, ara encllente BWhar.de mogao, para divei'timento. Sala
de traz um restaurante da primeira ordem. Quanto ao asseio e beml'eitoria das eomedo-
rias, o delicado modo-do pessoal do estabelecimeuto, promptido e commodidade, s
aos Ilustres coneorrentes dado (azor jnsiira.
Fornece comidas para frar tanto por mez como avulsa. Todos os dias, Doitt,
'.'Jiconlrar-se excediente sorvete, refrescos, caf, cha, bons viufeos FigueiM, Porto, Bor-
deaux, tendo bons coinmodos para hospedagem, salao e quarto mohiliado do Stgn
do andar.
11-Rua estreita do Rosaris-11
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberlo ao respeitavel publico este ele-
fiante e"bem fornecido hotel que situado n'uma posirn inteiramente saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zeplivros da tarde, lorna-se preferivel ijoal-
Tendo de mandar proceder na forma do
arL 82, combinado com o art 76 do re-
glamento desta estrada de ferro, a venda
em hasta publica de urna porco de carne
de charque, abandonada pelo destinatario.
O superintendente faz publico que dita ven-
da ter lugar na eslaciio da villa do Cabo,
lia o do corrente s II horas da ma-
n) aa.
Villa do Cabo, Io de julho de 18G9.
Henry Grcnccr,
Superintendente interino.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
I1B( IFE A9 Olil^OA.
Prccisa-se comprar para as obras dos
trilbos urbanos para Olinda e Beberibe 7
011 8 mil sulipas. Qaem pretender esse
fornecimento pode apresentar, at o dia 15
de julho, sua proposta em carta fechada
roa do Commereio n. 3 2a andar, os-
criptorio da compa?ihia, declarando os pre-
cos. As sulipas devem ser de 2 25 m. de
comprimento, 20 a 25 centmetros de largu-
ra e 10 a 12 de grossura, p. das seguintes
madeiras: sicupira, embiriba, mariapreta.
barab, anieira, oilicica, babatino, pao
ferro, jalob, coranio de negro, sapucaia,
ou pomo creosotado. Todas estas madeiras
deverao er do milo edirigidas ao
Superintendente,
_____________ Andr Pono.
COMPAHH
de Seguros martimos e terrestre Ftdeli-
dade, estabelecida no Rio de Janeiro, ca-
pital n^OOtiOOWOO.
\WW8&W8 S MWM8$f$ Amonio Luiz de Oliveira Azcvedo A- C.
B-seriptorio de advocada j 1 agentes uYsla companla, tomara seguros
. Dr. Lo Thom rta Silva transferio M JP^ *F" **** T*^ Hoa d"
.inz n. 57 primeiro andar.
ATTENCAO .
Hontem 30 de junlio, 'perdeu-sc urna
letra ainda por.s^ar, sacada por Campiano
&Co_aJeifO; eactistapor Cassemiro Anto-
Bo de M_lli,daqaantia de 187^520, rogas-se
aquem a achou quelenhaabondade de inau-
da-la entregar na travessa da Madre de Deas
n. II, que uiui) selhc agradcela adver-
le-se que o acceitante j esta prevenido,
para nao pagar seno aos sacadorea.
o *eu escriptorio de advocada 4a rea "do
Imperador para a nn do Queiinado n
31, Io indar, poreima da loja de fazen-
as do Sr. Antonio de M. Rolim, entrada
pelo pateo de Pedro lf, aonde pode ser
procurado das I0 horas da manhaa as
3 da lardo.
mw
'fvf:
0 abatxo assignado vem pelo prsen-
le agradeeef s autoridades superiores e
subalternas, e com especialidad)) ao mui
digno inspector do arsenal de marinha ; e
a seus amigos, visinhos e collegas a coad-
juvai;o espontanea na salvaco da niobilia
de sua casa de inorada, por oceasiSo do in-
cendio na madrugada do dia 27, na rua do
Brum n. b>0; asaim como o terein preveni-
do o grande prejifi/.o que poderla ter em
seu arniazem de asSucar, contiguo ao do
incendiado pelo que Ibes vota eterno reco-
nheciinenlo o gratk 1.
Manoei Ms d$ S A ron jo.
s.
A' rua das Cruzes n. 2, travessa de S.
FrancJscoi acha-sc aberto novo deposito pa-
ra grosso e relalho d louca fabricada na
; villa do Cabo, branca e vermelhn, bordada
' u approvada para addfar c estriar agua:
jarras proprias para sala, maiores c meno-j
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Procopio do Sena Santiago,
ponto deste theatro, que s deseja fallar na
rua Direita n. 53, a negocio que nao llie
de ve ser estranho.
Aluga-se o 2 andar do sobrado da rua-Nova
Di 08 : a .'ratar no niesino.
Precisase de urna ama forra ou captiva que
eorinhe e eng nime : na rua de S. Fraucisco nu-
mero i't.
Attencao.
A pessoa que no da 6 do prximo passado
mandou buscar rua do Impeeador n. i, urna
prea que estova aununciada para ser alngada,
tetina a bondade de ajiparoecr mesma casa alim
de lialar negocio, e nosmo para arredar su.-peitas
que Ihe podem acnrrelar algnm incommodfl.
Irmandade do Divino Espirito Santo
Por furea do art. (18 de nosso compromisso,
pelo pre-ente convido aos senborea ex-jtiizes e
bmfeitores que compije o conselbo fiscal, para
em comprimento ao art. 83 se reuniretn em^ts-
sao ordinaria, domingo i do frrente mez, pelas
10 libras da manha.
Cu-lodio Jos Alves Gnnaries
Fugio
do engenho Abreus, sito na
comarca de Nazaretb, desde o dia 23 de
jnnho passado, ubi esravo crioulo de nome
Cesario, cujos signaes sao os
seguintes:
re_, copo, com p, qiMitmlias, gralas.j(lo ,ia. ,5,,^ s ,,;,,,,
e pequeas para meninos, moringa 9 eom^ji^ Jscravo dado a bebidas
e outros objectos mais q
assim c imo qnartinhas da
e
aza em cima
se precisar,
Baha.
cor fula, sefli barba, caballos carapinbos,
nariz aquilino, de lannos deidade, pouco
mais ou menos, estatura regular, secco
O
es-
pirituosas e muito l'allador. Suppoe-se ter
elle sabido era diwtcfo' ctad do R
Se alguem o capturar, leve-o ao referido en-
genho, ou nesta cidade rua do Apollo n.
39, primeiro andar, que ser generosamen-
te recompensado.
Rua
COlWEITMIA DOS M11ZES
16RUA DA CRUZ16
&. AMTOMIO, S. f OA4I K N. PEDRO.
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, podins, paes de lo, bollo nglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de differentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas e confeitos. Vinbos finos engarrafa-
dos, superior cha isson, preto e miudinho, fructa em xaropes, ditas seccas e christa-
lisadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
Recebe-se cncommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armaees de assucar, sendo estas preferiveis asdepapelo: bollos etc., paes
de l enfeitados", quafquer encommenda para fra ser bem acondieionada.
do Imperador
n. 26
lia diariamente nesle novo cstabel-pa
ment completo sortimento de doces para
cha, pastis de varias qualidades, empadas,
podins, p3o-de-l, bollos inglezes, pre-
suntos ditos em fiambre, superior cha hys-
son e miudinho, chocolate fino hespanhol,
xaropes, conservas de superior qnalidade.
Fructas de Lisboa e t'rancezas. lombo de
porco assado, marmelada muito tina, vi-
nhos finos do Porto, Xerry, Madeira, Ror-
deaux, Moscatel e da Figueira. Cognacs
finos, verdadeira genebra de llollanda, li-
cores finos- c marasquinho, cen-eja Basa
verdadeira, branca e preta. Bouquets arli-
ficiaes de muito goslo.
Recobe-se encommendas para casamento,
bailes e baptisados, tudo com muito asseio
e promptido.
DENTISTA BE PA8IS
m
19Rua Novar--19
cirurgro-dentista, muito conhecido ha dez annos n'esla cidade, pela perfeicSo dos seus
trabalhos, tem a Boma do participar ao respeitavel publico que tendo feit muitos me-
Ihoramentos na sua casa, pode d'hora avante receber as senboras no seu gabinete onde
adnr3o os commodos precisos para familia.
Acha-se- tambem na sua casa e na sua companhia, o sou sobrinbo e discpulo
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
por ter de seguir para a Europa no paque-
te francez Extremadme, esperado boje dos
portos do sul, deixa encarregados .de sua
casa commercial, como seus procuradores,
em primeiro lugar ao Sr. Manoel Jos (Jo-
mes Lima, em segundo o Sr. Francisco Joo
de Barros e cm terceiro ao Sr. Joo Fer-
reira Rabello Braga.
Outro sim julga ter cumprido seu dever
para com todas as pessoas, que o honrara
com sua amisade, passando suas despedi-
das e demandando suas ordena para qual-
quer paite onde por ventura possa ir re-
sidir todava se involuntariamente cabio em
falta para com algum de seus dedicados
amigos, implora desculpa, e pelo present
Ibes roga de o nao pouparem no desempe-
nho de qaalqner encargo a qoe vejam possa
attingir o sen prestimo.
Precisa-se de urna ama para o serv
1.0 interno de urna casa de familia : na rua
do Lima, em Santo Amaro, n. fiQ,_______
Fugi -no dia 29 do passado mez, as
7 horas da manhaa, o escravo de naco
angola, Manoel, idade 50 annos pouco mais
ou menos, estatura regular, barbado, fallo
de dentes na frente, andar preguir.090, per-
nas fina, levou calca e camisa de riscadinho.
chapeo de palha novo, l m no rosto mar-
ca de bexigas. Roga-se a quem o pegar
que o leve a" rua Direita n. 16. que ser
generosamente gratificado.
Jos Dias Marques e Antonio Luiz da Silva
faaem soiente ao respeitavel corpo do eommercio
ea quem mais possa interessar, que no dia 21 do
corrente dissolveram amig velmenle a sociedade
que linbam na taberna do largo do Terco n. i,
sob a firma so?ial de Marques & Silva, ficando o
socio Silva na posse exelusiva de dito eslabeleci-
mento para o gerir como seu proprio, com todo
activo e passivo existente, e obrifado a sua liqui-
dadlo como nico respousavcl, retirando-se o 0-
ci) Maraes pago o minfeita do *eu capital e lu-
cros, c aesnerado de toda e qnalquer responsa-
biiidad (Milus transae^oes da extiacia lirma social
Recite 28 de junho de 1869.
Com esnrjodruoi.ucouio as ras da ci-
dade toilos os dias uteis das 9 horas da
manha s 8 da tarde, mno: eaixa contendo
artigas das ultimas modas de Parispara
SEXH0BA8
Como sejam :
Ricas e bellas chapelinas.
Lindos e elegantes cbapesinhos.
Casaquinbos de guipare.
Fichi'is de renda pretos.
Delicado sortimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Bornus de lan e seda, claros.
Coques enfeitados e usos, etc. etc.
E muitos ai tigos de nuvidade tanto para
senboras como para uomens c criancas.
As p |ne preten'.l.'cein alguns des-
tes .!j 'iram ter a bondade do
mandar ia'a moradas noBAZAR
DA MODA, W:\ NOVA N. 50alim de
sla.
OS dORAZAR DA MODA,=
cerlos na uptimescolhaa (lestes arligos,
por seu mui hbil correspondente em Paris,
julgam-.-e no direilo de alliancar que ven-
dem suas mercadorios por precos as *ne-
lllOI OS LUUdLStJ n rlinll
Ainda nao vioram, no entretanto o negocio
de interesse, e prteisa-so faltar rua do Crespo
n. 17 c 1 is Srs. Panlino F-HTeira da Silva, ex-
procorder da cainara, Dr. Francisco Pinto Pes-
soa.
Em casa de TIILODORO CHRIST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
effecti va mente todas as qualidades de vinhe
Bordeaux, Bourgogne e do .Rheno.
Piuas de Bravina
Estas prodigiosas pillas sendo applica-
das as pessoas acommcltidas de febres in-
termitientes, sao iocomparaveis einsuaelli-
cacia para completamente vencer as ditas
febres, achando-se nicamente venda na
botica n. 3 rua Direita desta cidade.
AMA
Na rua do Torres n. 1G, 2* andar, preeisa-se de
urna ama que compre, cozinne e engomme para
nma pessoa.
FIO IIE VIII
Barbante
Em casa de Rabe Schmetau C. Corpo
Santn. 15.
SHERRY 0L0R0Z0.
Gelo seal.
COGNAC HJMWjESSY.
Em casa de Rabe Schmettau C. Corpo
Santo n. 15.
Oabaixo assignado, letamenteiro in-
ventariante dos bem deixados pelo falleci-
do subdito francez Joo Vignes, convida aos
ciedores do mesmo, a apresentarem-lhe as
contas de seus crditos, para por ellas se-
ren allendidos no inventario que se est
procedendo pelo juiz municipal da 2a vara
desta cidade, e i-to no mais breve termo
[lo.ssivel, visto estar a concluir-se dito in-
ventario. Recife 1\ de junho de 1869.
Guipar Aplomo Yiriru Guimaraes.
O Dr. Ermirto Coutinho, reside rua
da Cadeia n. Gi. onde tem aberto o seu
consultorio me lico, e pode sor procurado
quaiquer hora para o exercicio de sua pro-
fisssio.
Criada
Prerisri-s-e de urna criada Porra ou captiva para
engommar : n?. rua do Imperador n. 7it, segundo
andar.

BOJI ItiOCIO
O commendador Tasso
deseja alugar por mdico
preco as Dantas e alaga-
dos do sea sitio do Jo-
cunda, s quaes v3o des-
de aponte da estrada no-
va de Beberibe at quasi
a esliaoa vcitu ao lugar de Agua Fot,
comprehendendo urna grande iilia, qual
assim como as referidas baixas se prestam
muito a plairtacio de capim, arroz e qnal-
qoer outras plaas que percisam de trra
fresca todo o anno.
O referido commendador n3o duvida fa-
zer arrendamento desses terrenos e alaga-
dos por 6 on mesmo 9 annos, e dar um
auno de fogo morto a quem der fianca
idnea c se obrigue a rotear os mesmos.
1EMPRESTIM0 SOBRE!
Pl
(SEM LIMITE.)
Na Iravessa da rna
Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se quai-
quer quanlia sobre ouro,
prata c pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transaccao que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilliantcs.
LEIAM.
Em tma casa de familia, a rua estreita
do Rosario n. 3o "andar, fornece se come-
donas para fra, mandando-so levar n.is
casas que nao tiverc porftdor, e garan-
tindo-sc oaceio, promptido e commodida-
d no preco, portanto convida-se aos Srs.
esludantes e negociantes a honrar-nos com
3S suas asignaturas.
Aluga-se
Urna casa com bastantes commodos na
Cidade Nova de Santo Amvro. a tratar com
Antonio Jos Goucalves Jnior en Santo
Amaro.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Gomrmrrfira fiiitemiiisadora, estabelecida
esta praca. toma seguros maVitimos sobre
navios e seus carregamentos c centra fogo
em edificios, mereadorias e mobilias: a
rua do Vigario.n. i, pavimento terreo.
Precisa-se d'alugar urna casa com
sitio ou quintal, que lenba commodos para
familia, era lugar desde o Caldereiro at
ypipucos, prxima aos trilbos urbanos:
pessoa que a tiver o queira alugal-a annun-
cie ou diija-s- roa do Apollo n. -2 arma-
zem, a tratar com Pinto Barbosa & C.
I MEDICO
BB O Dr. L. J. Gorrem de S usa de sua
S I"'olissao ; para o po pude ser prurura-
gS do a qiial(iii'r hora do dia em casa de sua
}a residencia, rua das N'imphas n. 17. Da .,
^ consullas gratis aos pobres todos os dias, 8
j@[ das 8 as 10 hora,
mmwmmmmnwmmmm
Lavase e engomma-se com todo o accio c
promptido por preco ratoavel: na rna Direita n.
101. Na mesma casa eosinhase para al;im es-
tabelecimento.
SITIO
Aluga-st um silio na estrada do Joao de Barros,
entrarla do becco do espinbeiro n. 1, com commo-
dos para pequeua familia, com 2 salas, 3 quartos.
cozili fra, cacimba com excellenie agoa de
! beber, tendo diversos arvoredos de frueto : a tra-
.tar na rua da Iniperatriz n. 31, loja.
Fugio do engenta' Casupiu uo dia 19 de
junho do correnle anno, um escravo de nome Emi-
lio com os sijmaes seguimos: dada H B 28 annos,
crcoulo, bai).o e corcur.do, Un algumas cicatri-
tes iias costas, |)s apalbetudos, dedos linos, pouca
barba, dentes perfeitos. Hecommenda-se as an-
loiiii.rdes policiaes e capliaes Ue eampo que oap-
prebendam e levem-o ao engenho Casnpio quesera
bem recompensado.
Paraguay.
Na rua Direita n 53. rei-ebe-i-e quaiquer (iuan-
tia de dinheiro para entregar no Paragcav sem
lucro algum, dando-so dmo garanta.
AMA
Precisa-se de urna ama livre ou escrava de hoa.
conducta, que conzinhe com perfeicjio o diario de
urna casa : a tratar na rna do Vinario n, 3 >
andar. '
CARROS FNEBRES"
Mudan qa.
Agr & C fatero seiente ao publico que
_ te
acham na roa do Imperador n. t, armazeru, con-
fronte ao convento d S. Francisco, onde os en-
contrarlo a quaiquer hora do dia ou da noite,
para onmpnr as suas obrigaeoes; eneirregando-
tndo quanto c neewsarlo a qualqner acto
fnebre, para o que tem a pessoal preciso.
a. LERorx
* qaal acaba de voltnr de urna longa viagem a Europa, dorante a .qual praticou eom
feliz succisso nas primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhoivs
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por isso o
j^Hnciaiitc pede aos seus amigos e clientes que por acaso o nao encontrarem no seu
gabinete, depostelo, no dito seu sobrinbo a mesma conflanca com que o tem honrado
a dez anuos.
Dentaduras por todos ossystemas: a pressodo are com molas de ouro, platina
* vulcanite e um inteiramente novo n'esta cidade.
Cara radical dos dentes cariados.
Cbumbagens (obturaces) cora ouro ecom ma6as diversas, segunda os casos.
Remedio pan acalmar as dores de denles.
Agua e ps'denrriflcios fabricados pelo proprio annunciante, o que Ihe permitle afian-
zar sua boa qualidade.
Escovas para denles, etc.
Parfeipao de trabalho e presos moderados.
Viagcns para fra mediante ajusto previo*
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manfala ateas % da tarde de todos ds 'S^J!^
"* uteis. [n. 10.
Pergunta-se ao 8r Jlo do Couto Alvw da
Silva se essa mulatiuha nao urna con quem an-
dn com urna suUcripcSe atoerU para alforria
da mesnia, e pergnnt-se pelo dinheiro?
_____________ Algum tju+ O abaixo assignad*, escriv5o rfo-clvel do ter-
mo desta cidade, mudou o seu cartorio da rna das
Trincheiras n. 19, par a rua do Rangel n. 58,
visto nao querer sujeitan-se ao lanamente do im-
posto irroguiarmeuie f*iw pela Mceledaria. Re-
cife, 30 de junho de 1869.
_________________Mamel Magu* Bartula.
a tratar na rua Augusta
SUPERIOR.
Roussillon. carte blanche.
i:im casa de Ra1>e Schnettan a CerpoSant- n 15.
AMOR AO PBOXIMO
De ordem da presidencia da sociedade
Amor ao Prximo, foi adiada a sesso da
assembla geral para II do corrente, as 7
horas da noute. E assim faz seiente a todos
os socios da supra dita sociedade, alim de
todos Bomparecercm na referida scelo,
gara que se possa resolver materies que
versara a favor desta sociedade
Secretaria da sociedade Amor ao Pr-
ximo, 2 de julho de 1869.
Io secretario.
Antonio Manoel do Sacramento.
o segundo andar da rua do liemca n. 5, na Pas-
sagem, pa*a familia ou para estrangeiros, com
um grande sotao, tendo grandes cowmedos, for-
rado, eom gaz e agoa, e Lastante fresco : a tra-
tar na mesma casa ou na rua estreita do Rosario
n. 2', i* andar.
M
' Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
brar na roa Agoas-Verdes d. 70( 1 andar.
Manoel Jos (onealves Pereira tem recebido
nMnaomte snparinr vmho verde, proprio para
raawlias, em cairas de 12 garrafas, o qual o me-
lMr mete genero que teta rindo a este aereado :
na rua da Cruz n. 3(5,
Precisa.se de urna ama forra o captiva para o
servico interno e externo de urna casa de pouca
familia : a tratar em frente a rua o Vigario n. 2,
taberna.
Ama
Precisa-se de urna ama para servico interno o
externo de urna casa do pequen familia : na rua
do Queimado n. 12.
Attenpao
Prensase .impar tima ama forra on escrava
para servico de urna casa de pouca familia ni
rua de Apollo n. 36, 1 andar *
MA
i_
Na rua da Palma n. 76 preeisa-se de nma ama
para o servico de coiinha.
RAV10LI
delicados
no hotel
Os apreciadores de manjares
encontrarlo todos os domingos,
central, de Francisco Garrido, a verdadeira
sopa de Ravioli do verdadeirogosto italiano:,
assim como outras excellontes iguarias que
seria enadonho mencionar. Ahi se en-
contraro ainda os mais asseados aposen-
tos para hospedas, banhos, buhares e piano
para recneio dos habitantes: roa larga do
Rosario n. 37 andar.
Resta venda um escolhido sortimento de oli-
.ectos de marcineria, como sejam, uobilias da ia-
randa: mogno eamarello, obra nacional e estniv
{eira, de apurado gosto e por prdwx razoweis
i rua estreita do Rosario n. 32? Nesta mesma
asa fazem-se com perfetcio lodos os trabalhw e
palhmha, como sejam, empalhamentos de lattros
para camas, cadetes e swpts.
Trocam-se
s notas do banco do Brasil e das caixas flMaes.
om descont muito razaivel: na praca da 1
pendencia n. 22.
Os abaixo assignad scienblicam so mmm
commercial o quem interessar possa, qua en
30 de junho do corrente anno dissolveram aiat-
gavelmente a sociedade que nham no armanrar
de carne secc i, sito Inuda Praa n. 22, qua ay-
rava sob a lirma. deLebre & Silva, ruja Hqui-
dacao flea a cargo e exclusivamente por coala do
soeio Patricio Ignacio da Silva ; e o socio ketra
desonerado de quaiquer respohsabilidade.
Recife, 2 do julho de 1869.
Antonio Alves Lebre.
Patricio Ignacio da Silva.
1 IHhUm I
F. Sauvage vai a Enrona, e dehta como pro-
caradores nosia praca, em ingar o Sr. Carlos
Pmto de Lemos, e em o Sr. Emite Dedier.
!!


Diario de Pernambuco Sabbado 3 de Julho de 1869.



5

ka
w
ai
! ATTENCAO
Acha-se exporta venda as iivrarias econmi-
ca, franceza, acadmica c universal, unta pequea
brochura conteiido. diversos regalaucntos : ro-
teiro dos signaos do thelegrapho, tabella das m-
das recebidas na alfandega e do seu valor ao par,
reduccao de pesos e mediJas do praca da cidade
do Uecife, e dos diversos paiten, calculados era
Jecimaes, e tamben) a eonregeao c.'n-uiar entre
, o lirasil e Portugal, ludo pela diminua naanlia de
I is.
Ahiga-se
silio
6r
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem oferecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por precos o mais resumido possi-
vl. Tambem compram ouro, prata e pa
dras preciosas
.....' DO CABlflA \ 5
iiifi grande
' na estrada do Julo de Barros, com (> quartos, 2
\ salas, cosinba e 2 quartos grandes lora gramil- -i-
; lio ludo arborisado com fructeira* : a tratar eoiQ
Andr de Abreu Porto.
Ahiga-se
uui outru sitio ua Torre com 5 g andes q tartos, 2
grandes salas, costaba* quarto,ora (rauda, bai-
xa du capiui pert do rio : a Halar com Andr
do A. Porto.
rrecisa-se de urna ama para cozntiar e
comprar para casa de homem solteiro : na das
Cruzes n. 9, segundo andar.
CIDADE DE ittl.WAPE
ADVOCACIA.
O liacharel Augusto Carlos Vaz de
Oliveira. tem aberto sen escriptorio de
advocada na cidade de Mamanguape
(provincia da Parabyba) onde podo ser
procurado.
Nesta capital podem entenderse cora
MU irmo o Sr. Justino J. de S. Campo.,
a ra do Hospicio n. 23
mm M
iquiaeo
iquidaco!!!
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, I. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o ban-
co do Mnho, em Rpaga, e sobre os segqin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porte.
Valonea.
Guimar.-s.
Coimbra.
Chave?.
viseo.
Villa do Conde.
Arcos d Val de Vez.
Vianna do Cas!
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de FamaJIcJo.
Lamego.
Lagos.
Covjlha.
Vassal (Valpassos).
-Mirandclia.
Reja.
BarceHos.
Pioeisa-se de una mnlher de' meia idade para
se oceupar de duas enancas do leo airaos de
idade, eaier alguma costura cm urna casa de
pequea familia, prefere-se quem souber ler e es-
crever para ir instruindo ditas criancas nos pri-
meiros rudimentos da lingoa portugue'za : a pes-
soa que cstiver Destaa eondh-ocs e poder abonar
sua conducta, aniuincie por 'esta foTha para ser
procurada, ou dirija-se por escrinlo esta tvpo-
graplna a O. V.
Ignacio Luiz de Brito Taborda, tendo rctira-
do-se para a Europa, sem que se despedisse de
MBS D0OS e leaes amigos, pelo presente Ibes pede
escusa, a-jadeeendollics do intimo ,1'alma os ob-
sequios numerosos que sompre receben durante
sua residencia nesta cidade, o offerecende sen li-
mitado piv.stiiuoum qual juer logar onde (ider que
o cncaniiuhe seu destn).
POR
f^ictoiano Palhorcs
1 bonito vol. impresso em Parte
-2->0O0
9Ra do Crespo9
Urrarla franceza.
Ignacio Luiz do Brito Taborda seienilra a
todas as pessoas.com quem tem traosaceoes, mu
leudo retirado-fe para Europa, coiistitio seu-
procuradoros nesta cidade. em lucrar ao Sr. Ka-
luino Alces de Carvalho Veras,.em '> ao Sr. ha-
chare! Manuel Pereira de U raes Pinbeir :> ao
sr. Antonio da ctete*l<3to en 4ao raao Sos". aum aeqoe suas disuadas fre-
|r. Amonio Domingos pioin, e em 8 u &r. i is Boezas calvem e mostrea) sompre o cbiqac
j de Suuza So.,res; e para Inrtar de suas causas da bolina franeeza. Isto s na na Nova
AEXPOSIQAO
Nova loja de calcado estrangeiro
para homens, senhoras e
meninas.
NA RA NOVA N. 8
cm frente a caiuba o (armo.
Lyra A- Vianna, tendo pola experiencia
adquirido a certeza de que o publico desta
capital, era mal servido, pela falta de esta-
Ijelecimetilos, sonidos de bous calcado?,
situaran) a sua nova loja, na ra Nova n. 8.
Lyra 6 Vianna, convidan por isso ao
publico, BCO) cspecialidaile ao bello sexo,
para visitar seu novo extabelecimeflta de
calcados linos, manofaetsrados pelos mais
babeis fabricantes da Europa ; ali encon-
iraiTio sempre, todas as qualidades de cal-
cadoa, Sfh'dos pela boa iiiaiuiacluracao,
serem muitonovos, e vendidos
por preso eommodo, para merecerem a
confianza de seos dislim'tos IVegue7.es.
<:oni[.rometem-se a mandar vir encom-
mendas dj calcados especiaes, e a exhibir
ae oblas de pltantasia e de mais apnmo-
radocosto, am deque suas distancias fre-
commereiaes ou avia ao Sr. Lachare! Hunoe) Pe-
reir de Moraes Pmbeiro e Antonio da Canha Soa-
res Gumiaraes.
Na ra da (Mein n. IG aluga-se ara :-:
de prcl'ereucia que saiba conbar algnuia e
Aos 4:000^
Jjilhetes ffai'antidos.
reduzidos, na ra do Crespo n. 17
Aiiiila restam algamas coiiec?e8 de
Biograpbtaa de alguna poetas, e outros ho-
mens Ilustres da provincia de Pernambuco,
tres tomos
J. de Met
A ra do Crespo n.23 e casas do COStffle J
O abaixo asignado tendo vendido ros scusmui
to felizes bllietes garantidos I meio n. 41-' r< m
i sorte de i:0C0 e outras muits serles de I00.
Oj e 20# da lotera que se acabou de extrabir
Ra do Qucimadon, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Az'tve-
do Mata c Stlva conhecido por
Jos ligodinfio.
Est queimando tudo quanto tem era seu
eslabelecimento pata acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
(arralas'com .agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua divina dame-
Ihorqnalidade ....
Latas com superior banha fran-
ceza i......
Caixasrom 12 frascos de cheiivs
proprio pan tiiimos .
UitacomJ;; frascos limito linos
Oleo baboza milito ino ime s
a vista ,.....
Sabonetes de calunga mttito bo-
nito .i......
Caixas de p de arroz milito
superior .' .
Pecas de babadinlu. eom 10
varas ......
Caixas redondas cuitando tar-
taruga ;i......
de eos qttaiquer
l20G
IIS60
su*
ioOO
BOO
Pecas
de
utibas omito -
- (azrada
de cores
ii. 8, loja da exposiyao
Lyra A- Vianna.
de calcados di
1
Xa ra Nova n. GO, armazn) da Liga, veudem-
se gementes novas de borialiees e flores.-
Vende.->c um pelo de 18 anuos de IdaiUT:
trata-se na ra da Imperatriz n. 13.
10: roa Augusta n. 4. receber -cus respectivos premios ccni os c.
c inglezas todas as qualidades.
Camisas francezas
Ditas bordadas para senhoras.
Satas bordadas para senhoras e bales de todas as cores inovos).
Rtcos cintos de setim com enfeite da mosnw cor paracahect movo gosto).
Malta sortimeno de lencos bordados, ftonbas, bicos e rendas, tudo da trra,
bom gosto, e ricos cortes de vestidos de tarlatan bordados, azenda de gosto, proprios
para casamentos, e vestuarios u baptisado de nsito gosl i.
Alpacas lisas de lo.lis s rres, (azenda nova.
Ricos cortes de vestidos de b-onde para casamento?.
Poinponas de buho e seda, gosto inteiramente novo.
Sedas de todas ps cores o de lindos padr
.sotim m-ie.1 bwMa u- gurgonujy^eji^ gr0adeii31)0les ido todos OS lit e:'OS 0-
quuiirtades.
M-1&
As Ptalas de Ynllct. approvadas pela
Academia imperial de medicina de I'aiiz,
sa5 empregadas com o msior
xito para corar a cblorosis,
e fortificar as cons'.uicoes
fracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os denles. ^affiS*'^
'ara a garanta da sua aut'ienticidnde,
o nome do inventor vai gravado em ceda
pilula como mirgem.
mi l'.io-lisi;ino, llufiuclcllc; i.
' l'i :in.\ -juico, Jiiiufrli;-
Dep ito
' PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACBimc.0, 2, RU OES LIONS-SAIliT-PAUt, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARAN'JAS AMARGAS
Com IODL'RETO de l'OTASSIO
O lodureto de potassio ara verdadeiro alterante, um depurador de inconleslavel effi-
cacia; combinado com o zarope de cascas de laranjas amargas, e aturado
sem perturbacSo alguma pelos temperamentos os mais Iracos, sem alterar as funecoes
do estomago. As doses maihcmaticas que elle conten permiUem aos mdicos de receital-o
para todas as complica^oes nas a,!' rosas e nos accidentes intermittentos e terceiros; alfim d'isso, o
agenle o mais poderoso conira as doencas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de cascas de laranjas amargas.
35 anBOs de successos aitesUo a sua cfli-
cacia para curar: a doeiifas nervosas,
agudas cu rlnnicas, as guslrites, gastral-
gias; e facilitar a digesto.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e qaassia amarga.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'csta forma 6 prefe-
rivel as pilulase paslilhasen todososcasos
cm que sao proscriptos os ferruginosos.
DENTIFRICEOS LAROZE
COM QUINA, 1'YRETliaO E CAIACO
llixtr dentrrco, para a alvura c con-
servaco dos denles, curando as dores
causadas pea caria ou produzidas pelo
coulado do calor ou do fri
P> dentifreso, com base de magnesia
para a alvura e conservacao dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducao.
Dejosito em Rio de Janeiro, E. ChevoUt; em Pernambuco, P. daarer e C"; em Macelo,
Falo Di, em Pelotat, Andr Lelvaa; em tah'.a. Da Bute; orlo AUfn, <
Dalla; tm Maranho Frrrvlra e c*j em Ouro Preto, C. V. Weleraon} em Santa Catha-
rtna, B. Scbutcl; em Montevideo, G. Inibert) em Duenot-Ayre, ECebepareborda.
MQLESTIAS do PEITO
HYP0PHQ5PHIT03
doDrCHURCHILL
XAROPE de H YPOPHOSPHITO de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
PILULASdeHYPOPHOSPHITO de PNINO
CHLOROSE ANEMIA
CORES PLIDAS
XAROPE deHYPOPHOSPHITO de PERRO
PILLAS deHYPOPHOSPHITD de MA WBAHESIA
TOSSV BRONCHITIS
OEFLUXOS ASTHMA
PASTUHAS PECTORAES^oD-CHRCHILL
Exigir para oj Tarops o frasco quadrado e em
iodos os productos a assignatura do D' CHUR-
CHZEX, c o lelreiro com a marca de tbrica da
Pharmacia SWINS, l j, ruaCasiiglioiu. PARS
PILULESSSCAVIN;
PhanMiell, 35, bouletud Stbaslopcl. Farii.
Este preciosa Purgativo Tegelal tan eommodo
como agradavel o remedio mais inlallivel para des-
truir as consilpacoes, as uevralyla. as ;nais re-
beldes, asMra ionio a billa e a vUcoRldadea
EHe efOeai as oaatrlllt, obMraeo' enxa-
qaeca. aKlhnit,drtre*,caCarrlios,ciupl(ii,
goli e rheiiuiallMiio.
O mereciinruto das l'ilulat Canvln pode resa-
mir-se nestas ualavras : ResUbelecer ou concer-
ar nade.
Ellas nSo pedem nem resguardo na comida nem
bebida; em dose laxante e depurativa, otase tomar
ella* as refecefles: em dose purgativa de noite o
deitar-se.
Ptrnambuco i MM. Haurer et C.
ipeetivos pren
eentos das Jis, na casa da Fortuna ra de
Crespo i!. 23.
Acliain-se a venda os da 2';' parte da 'oteria
ueneflcioda Santa Casa da ili rici rdia ti 12")
jue se axtraliir terc,a-feira d i n ei vinloaro.
Precos.
Bilhete.....fcjMQ
Meio.....2S000
Quarto.....i 000
Em porcas de IDO para cima.
Billiete.....:ism>
Meie......tfJSO
Quarto..... 87o
Uaaoel Martms Fiuza.
Preeisa-sa de um cateiro pira i
na ra das Aguas-Yrdef n. l'i.
Conij)ra-so um cscravoque
entenLitlo ollieio de tanoeiro:
atralnr no escriptorio deAnio-
i iim Irmao & C, na ra da Cruz
n.3 _________
Conipra-se uni'scliln grande e ja usado : aa
roa do Rangel n. 9.
Compra-se
O

c^

>-
&
i
GOMES DE MAHOS IRIHAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe madores proporpoes e elegancia, convidara
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom. gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da nonte na
RA DO CABUGA N. 4
onde eneoiitraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
una earroca para bol : na roa da Cruz d. 8, ir
andar,
Compra-se
um earro ampricano, de pa&eie, de quatro i
qoatro assentos, e ijue sirva para um c dous ca-
vadas, anda mesmo que releja era meio uso, |w-
rm betn conservado, e sem deleito algum : quem
o tiver pan vender aiii.'.nicie para ser proco
O niuzeo de joias
Na ra do Catinga n. 4 compra-se ouro, prata
e podras preciosas )ior precos mais vanlajosos do
que em outra qualquer parte.
lloinpra-se urna casa que tenha portio para
a mar, sendo desde Fura de Porta* al o Pillar :
quem Ihe convier, dirija-se ao pateo do Carino nu-
mero 20._______________________________
Ouro e prata em obras velhas, assim
como brilhantes sendo de primeira quali-
dade ; compram-se por maior preco qae
em outra parte. Na loja de joias (Esme-
ralda) rmdo Cabug ti. 5._______________
Papel para embrulho
Compra-se papel para embrulho, na loja
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, compra-se ouro, prata, e podras preciosas, e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
iodo e qualquer concert. ____
Compra-se os utencit para urna fabrica de
velas do carnauba, em bom estado : a tratar na
roa de S. Jos n. 7.________________________
Compra-se ou bypotheca-se una casa ter-
rea nesta cidade : no eseriptorio desta typogra-
pliia se dir.
VENDAS.
de pao e cestas, ra larga do
Rosario.
Cbegaram novos supprimentos de balaios de
todos o formatos, mmlo uteis e precisos as casas
de familia; tambera recebemos de Lisboa cera
branca em rolo para accender luzes. tudo vende-
mos pelo menos que possivel.
Vinho.
O MUSEO TIE JOIAS
lita
largara -i
Escovas para
as .
Escoras para
milito lina .
Puicafras do eontas
para meninos .
Caixas do linda branca do gas
com 5u novcllos .
Caixas de linda branca do gaz
com :0 novellos i .
Pecas de tranca lit,a de todas
as cores \ .
!; smas de papel pautado muilo
lino ......
Pares de botifes para pu:
muilo bonito .
Libras de 15a pa a bordados de
de todas ; s cores .
Pentes com cosas de metal
milito finos .
Novellos de linha muilo grande
para croxs .
Dazia de linha froxa para bor-
dado ......
Cros.is de boles madreperola
muio lino ;\.....
d,~nr;?t rf Vi' '"'t L"i'lhados''" uma, Sabonet milito finos GO, i O,
i.i- > i:n inaes ras desta fivgnezia : a tratar na irn o,7n
ra ijircita n. 6. ""'' *w e ....
Pecas de lita delaatotfes -
cores i......
Espelhos doorados para parede
16000 c .
Espelhos de Jacaranda muilo
fino ......
Pecas de tranca* brancas e de
cores de caracol ? .
Pares de meias croas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com i tu-
llas .....:
Cartilhas da doatrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e patecholy
mnilo linos ;i '.
Veiidem-se dous bonitos cscravos, um mo-
IfluieJe Id annos, bom connheiro, e um cabri-
nba de lannos : no terceiro andar do sobrado
n. 30 da ruaTms Cjiues.
Cofres de ferro
Ae!.a-e um goriimcttto de cofres de ferro de
aiflerentes qualidades e lainanlio?, em casa de
Shau II.iv, k.'s A: C., ra da Cruz n. \.
me
0800
t>o00
mt
m*
5800
500
6QM
44000
i 20
E' por eertd para admirar que existindo
em u!n i ra de progressos, uma loja com
um completo sortimento de miudezas linas,
e nao tenba anda por esle Diario-- pa-
tentedo todos seus fregnezes, o sen
agrado e sinceridade, asna vigilancia, e O
modas do seu basar.
Esta rea a prodigiosa ra do CabogA,
e esta loja a antiga loja daaguia d'anro
nina das mais sortioas ueste genero, e que
i.esde seos principies asa destemodesiu
ltalo; modesto porque nunca foi estampado
oeste jornal, c modesto porque muitos o,
olvidarao, porhaver igual em orna casa de
pasto, no ent etanto como temos direilo
da antigoidade, vamos destinguir o nosso
com alguns annuncios, para o publico saber,
qu a verdadoira aguia d'ouro
oma luja de miudezas a ra do Cabug n .
1 A, onde se encontrar um completo sor-
timento de miudezas linas, e por menos
I 0|odo '.eemoutra qualquer parte, como
sejam
Goipeor com urna e duas larguras prolo e
branca, litas largas de todas as cores e
com vistas.
Um completo sortimento de enfeites tara
v stido.
Pronbas com diversas nscripcOes.
Enfeiti's para cabega.
Caixinlias de Jacaranda forradas com seda
e com espelho na lampa, com a compe-
tente chave, proprias para guardar
joias-
Eritremei"S transparentes muilo finos e de
todas as larguras.
Albuns linos para 50, 100 e 200 relratos.
Binoclos de cnagrem e marfim cousa muilo
superior.
Espelhos dourados proprios para sala.
Um completo sortimento de loques de todas
as qualidades.
Um completo sortimento de perfumaras
de todos os autores.
Luvas de Jouvin cunslanlemen e frescas.
E outros mais objectos tendentes ao mesmo
genero que tudo se vender da forma per-
mittida, na ra do Cabug n. 1 A, aguia
d'ouro, de Custodio & Bento,
Vende-se um excellente sobrado e
silio, na povoacjlo do Monteiro, com bons
e grandes comraodos : tratar com o agen-
te Puntual, na ra da Cruz n. 62.
Vendem-se duasvaccas deraca tourina,
uma parida 10 dias, outra mojada tam-
bem a parir : na travessa das Barreiras
n. 10.
0320
S20
tm
508
ooOO
I 500
2;)000
000
*
I
oc'
I N
MITO BARATO SE VEXDE!
NO
f 1
Vcadem-se duas casiulias meia-auoas de pe-
dra e cal em bom estado, bea localidad?, na po-
vo.i.v.o dos Afogados : a fallar nesta cidade, loja
dearraacao fnebre n. 38, ra estrea do Rosario
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMA 10
Os proprieta ros Jos de Souza Su
C, alrn dos baralissinios piceos por que
eslo vendendo a grande vanidad.' de aiti-
gos de moda o novidades de bom gosto,
lauto para homens coniu paca senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
blanco para homens, fazenda lina, a !
(o preco l?>000).
COQUES enfi-iados para noivas, grande
novidade a i->500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda mitacSo de cabellos
a I:) e 36000.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 7->800 (o preco de 9#
a I0f>000).
[JEQUES de madeira sem differenca de
ndalo a 2!000 e 2f5oOO, (grande pechin-
cha I)
DITOS com lentijoulas a 3> e 4000.
BAMLIIOS de cartas francezas boa a
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglcz sem pauta, formato pe-
queo e fazenda superior, um pacote por
I.5000. i
LINDOS cintos de palha enfeitados^para
senhoras (grande novidade em Pa#i) a
2,-5500 e : OTO.
DELICADOS corpinhos de cambraia bel-
lamente eufeitados a OfJoOO rs. (admira e
preco I)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por precos baratissimos
No Bazar da Moda.

-
Batatas baratas
Vende-se a 800 res o gigo,. ra da
Madre de Dous n. 22,
A' ra do Livramente n. 6, tera para vender em
barris de quinto e meia pipa, o melbor viubo ver-
de at hoje, vindo a este mercado, e vende-ge per
precos raioaveis._________________________
ESCRAVO
Vende-se um lindo escrayo da 18 annos de ida-
de : n* Hia d Apollo n. 4.______________
A loja de calcado urna Nova n. 8 em frente
cambia do Carato, ten grande sortimento de boti-
nas para homem, reeebido neste ultimo paquete,
e vende barato.
Calcado para homem
Mendos Falco 4 "C. receberam um fortimento
de borzegains de Seto de diferentes qualidatrw,
sendo calcado fresco o bem acabado, venie-sflde
a 12* para vender barato, ? raa da Cadeia ao
Recife n. 45.
Vende-se um escravo peca, de 25
annos de idade, muito brioso e para todo
o servico mesmo de engenbo; duas escra-
vas perfeita engommadeiras e ptimas co-
zinheira8: uma, parda, idade 26 annos,
com habilidades, por l:.00#000 : uma lin-
da negrinha idade 15 annos: travessa do
Carmo n. I.
Vendc-se doce da casca de guiaba,
fino, tanto em lata como em caix5o,
diversos presos, sendo o mais alto a 08OO;
ha ra Formosa n. 9. portSo.
Com dmheiro vista vende-se o sitio Liman
na povoacao dos Montes, ao p da estacao de Una:
a tratar eom Jos Paulo do Reg Brrelo, na villa
do Cabo.
DlJRLIll
Vendem Augusto F. de Oliveira & C. i
Commercio, n. 42.
V
Taberna
Vende-se a taberna da roa da Concordia n. 04,
a qual est bem afreguezada e tem poucos fundos
propria para algum principiante; o motivo da
venda dir-se-ha ao pretndeme em particular : a
tratar na Ponte-Velha n. 14 das 6 as 9 da ma-
nhiia e desta hora em diante n'esta Ivpograpnia
Estopa para calafeto
Vende-se na ra da Praia n. 1, por preco com
modo.
na ra da Maugueir.-
manteiga ingleza a 800 rs. :
numero 2.
i Vndese uma porcao de ivros para o curso
&a 2." anno e tambem algumas obras do Chatau-
Mw*o romanees, 11 operas italianas, tuno em
bom oslado, no Corredor do Bispo n. 55; na mesma
casa precisarse alugar uma ama, que tenha muito
jot conducta, para tratar de dois meninos e en-
Ortt
tnar para perniena familia; na mesma casa se
Idlra quem compra ou aluga uma casa fra da
cidade nos; arrebaldes, Manguinho Capunga, So-
ledadc, C?.minho Novo; que tenha boa sitio.
Nao mais cabellos brancos
A tintura japoneza, para Ungir os cabel-
los da cabera e da barba, foi a nica admit-
tida Rxposifo Vnmirtal, por ter sido
conhecida superior todas as preparacOes
at hoje existentes, sem alterar a saode.
Vende-se a tloeo ca> frasco n
IHHBSlttMIlHl
! AMDAR. _
Na ra de Apollo n. 43 vendem-se libras es-
terlinas a 134300 cada urna.
MUTILADO
*


o
Diario le Peinambuco Sabbado 3 Je Jullio de 1869.
U
UFA
72.
ARARA
Ra da Imperatriz. -
72.
Alerta fretmezes
que Arara va i cantar, #
Para vender suas fazendas (baratas)
que muito ha de agradar.
0 proprietario deste estabelechnento, toiido grande porco de fazendas em
i proceder urna liquidac-ao em todas as fazond.-is e roupas i'eitas existentes no
monto, agora (pie occasio de quom tem pouco dioheiro poder se vestir de
bol fazenda e baratsima como se? poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLO BARATO A 33300. BRAMANTE PARA LENCOES A 2,1
Vende-se pecas de madapolo enfestado Vcnde-so bramante com 10 palmos de
di l jardas 3-vjOO. dito do 14jardas ou largura para lencdes, a 2->. a vara.
22 metros 5$, 6,?, G&30Q, 70500, 8000 e
* '000.
\. 45 RA i (ADKI1
DE
M. 45
iMi & c,
ser.
esta
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vcnilem-se chitas fraucczas para vesti-
dos a 280, 320 rs.' o covado, ditas escuras
muito linas 360 rs. o covado.
Challa inulto fino rs.
Vende-so clialin para vestidos le senhora
i 800 rs. o covado.
PERCALES A III ItS.O COVADO.
Vende-se percales muito linos para vts-
l los de sonliora a 440 rs. o covado.
Brilkantlnas 44 rs.
Vende-se briihantmas ou mursulinas de
cores para vestidos de so horas 440 rs. o
covado, ISazinhas muito linas para vestidos
de senhora a 400 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinhos 240 rs. o covado.
RISCADO FllANCEZ A 360 RS. O COVADO
Vende-so riscado francez para vestido
de senhora 360 rs. o covado.
Uiasinhas a 94 rs. o covado.
Vendem se tasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de Biicrin a 2. Vende-se chales de merino estampados
2-5 e 2.-?500 cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS ABEUTOS A2->0
Vende-se cortes de la para vestidos de
senbora, 2$100,cada nm.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
VgQd-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 720 e 800 rs. o Covado, di-
tas do listras 700 e 760 rs. o covado.
ChUas prnssiaaaas 30O.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA GOBERTA A 320
Vende-se chitas incorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Bales de SO a 3 arcos
1$500.
Vende-se bales de 20 a 30 arcos
11.*00 cada um, bales modernos brancos
e de cores 50.
a 360
rs.
PECAS DE ALCODAO A t*.
Vendem-se pecas efe algotlSo muito en-
corpado \$, 5,*, O.-8OOe.70.
Coierlnhos ccoieouiIcos a 38 ft
duzia.
Vende-^o colerinhos econmicos a 320j
a duzia, sH se vende assim barato por ter
grande portS i.
CASEMIRAS DE CORES
Vende-so cazemiras de cores para calsa
e paliit i 2#500 e 3jS o covado,
AlgotS enfestado 1.
Vende-se algodo entestado proprio para
lenres e toalhas, ;i l>, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo aiiitacSo de ganga
o covado.
Algotlao de listras a 2
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de cscravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Veiide-se cortes de, bwm castor para
calca de homem, flb e 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A 10.
Veiwle-^e carteiras para viagem 1#
fcada urna, cobertores de algodo 1 #500
cadaum.
Cohcrtasdc chita fl.SSOO
Vende se cobertas de chitas de cores a
1?3800 e 2.->. cada urna.
ALGODO TIIAXCAUO DE EUAS LARGURAS A
1*100.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lenres e toalhas para
mesa, se vende a 1$200 o metro.
llantas para grvala a 800 rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALIIADO PARDO A 2500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 2i>500 a vara, toalhas escuras
Id, cada urna. Ra da Imperatriz loja
da Arara n. 72.
SOB A DIRECCO DO MUITO HBIL ARTISTA
Launano, alfaialc.
Os propietarios deste novo estabelecimnto, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter nadirecco de sua officina de roupas por medida, um artista perito, tem
contralado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimnto um bom sirtimemto de fazendas propinas para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos padres, completo sortimcnlo de
pannos jinos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontrado ainda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, collarinhos, ceroulas, gravatas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus presos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
0 Garibaldi principia
Cortamente ha de agradar,
Que pelo pre$o que vai vender
Ninguem o pode igualar.
O proprietario destfe estabelecimnto denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
\el publico e seus freguezes, qm tem recebido grande sortimento de fazendas, e est
constantemente recebendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cores, na ra da Imperatriz n. 56, de Lourengo
Pereira Mendes Guimaraes.
CHITAS LARGAS A 280 rs.
Vendem-se chUas francezas de cores fi-
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLO ENFESTADO A 30500.
Vendem-se pecas de madapolo enfes-
tado a 3/5300, dito inglez de 24 jardas a
5^, U, 6*500, 70500,83, e 103 a peca.
ALGODO TRANCADO A 13200 O
METRO.
Vendem-se algodSo de duas larguras pro-
{irio para lenc"3 e toalhas por ser muito
argo, a 13200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENQOES A 23 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 23 a vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se cas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade so na loja do Garibaldi.
AOS SENHORES DONOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 23500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A U A VARA.
Vende-se algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 13 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5oO rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
500 rs. o covado propra para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 33500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 33500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 83000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Hara-
burgo com 20 varas a 83, 93 e i03 a peca.
cortinados para Janellas a 90.
Vendem-se cortinados para janellas a 73
o par, ditos para camas francezas a 143 o
cortinado.
Gaugas para calca a 3*0 rs.
Vendem-se gangas de c6res para calca "C
palitots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
covado.
liasinhas de quadrinhos a
94 rs.
Vendem-se laasinhas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas ein la de listra
para vestidos de senhora a 640 e 800 rs.
o covado.
CORTES DE LA A 23M0 RS.
Vendem-se cortes de 15a de listra arpa
vestidos de senhora a 23400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se la chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcase pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3/i covados d urna calca para ho-
mem pelo preco de 23500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
rs. o eovado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 13500.
Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
13500 cada um, por este preco so na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. O
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 13200 o metro.
BALES MODERNOS A 53000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 53 cada nm.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
103 e 123, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
RIVAL SI
Ra do Quemado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimcntos por isso queram apre-
ciar o que e bom e baratissimo.
Pares de sapatos de tranca fa-
zuila nova a......23000
Pares do sapatos de tapete
(so grandes) a......13500
Dnzias de meias cras para ho-
mem a........33800
Ti'amoias do Porto fazenda boa /
e pelo preco mellior 100 attos a pm
Uvros de misses abreviadas a 23000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a23100 e......2380C
Silabario portuguez com estam-
pas a ........
Gravatas de cores e pretas muito
finas a ....... .
Duzias de meias para senhora fa-
zenda boa a......
Redes pretas lizas muito finas a
Cartes com colchetes de lato
fazenda lina a. .... .
Abotuaduras de vidro para colete
fazenda fina a. .
Caixas com penna d'aeo muito
finas a 320, 400, 500 e .
Cartes de linha Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias
de massa a......
Duzias de agulhas para machina
Libras de pregos francezes di-
verso tamanho a. ,
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... .
Talheres para meninos muito
finos a. ,......
Caixas com papel amizade muito
fino a........
Caixas com lOOenvelopes muito
finos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta' preta muito
boa a 80, 120 e .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .
Duzia de phosphoros de segu-
ranra da mellior qualidade a
400 e........
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Pecas de fitas bordadas com 3
varas a .......
Ditas de ditas bordadas com 12
metros de 23000 a .
Grozas de botoes de loufa muito
finos a........
3320
3500
43000
3320
3020
3500
13000
3100
3100
304(1
23000
3240
3l2d
3240
3700
3600
3320
3500
3320
3160
500
200
60
23500
500
33000
' *" -T.-.VV '--.:V" -..-. '-/-
Grande c completo sortimento de machinas para
descaroear algodo de nova invencao chegadas l-
timamente em direitura para a loja do Manocl
Rento de Oliveira Braga de C., na rua Diicitan.
83. Garante-se que a melhor qualidade que at
o prsenle tem vindo ao mercado : acham-so em
exposicao aos compradores.
Systema decimal.
Grande e completo sortimento de pesos kilo-
grammos de mellior compreliensao dos que tem
vindo at o presente, assim como marcos de latao
at meio grammo pelo mesmo syslema, balanzas
de latao de forja de a a 20 kilogramnios, metros
demadeira e de'iatao para medir fazendas, alm
de grande sortimento de miudezas e ferragens de
todas .19. qnalidades, ludo por precos que s a vista
faz crdito : na rua Direila n. 53, leja de. Manoel
Bento de Oliveira Braga & C.
160
Scbonete de alcatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitac3o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34rua larga do Rosarirj34.
Librase o uro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceicao na loja
Vurives, no Recife.
GAZ GAZ GAZ
Chegon ao ntigo deposito de Henry Forster A
C, rua do Imperador, nm carregamento de gai
de primeiraqnalidadejoqual se vende em partida*
e a retalho por menos prejo do qne em outra qual
quer parte.
BALANCAS
aaaasaaas
PELO NOVO SYSTEMA DERTLOGRAMMA
COM OS RESPECTIVOS PESOS.
Vende-se no armazem de J. A. Moreira
Dias, rua da Cruz n. 23.
DO
GALLO VIGILANTE
l&im do Crespo o. 9
09 proprietarios (leste -hem conhecido estabele-
cimnto, alm dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
ttaram vir o acauam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
linas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvios a vender, como de seu eosliune,
por precos muito baratinbos e cominodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas c de mui lindas cores.
Mui boas c bonitas gollinhas c punlios para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superares pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos eneitcs para canecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola, i
marfim, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenbos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tamben) grande sortimento de
cintras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
cstao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambera grande
auantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
finos, bonitos e airosos cuicotinhos de cadeia e
d outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Navalhas-cabo de marfim c tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para" noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrintbo.
Bons baralhos de cartas para voltareto, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das raelhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convuIs5e3, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muit recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebc-los por todos os
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara qne sao applicados, se Tenderlo cora um mui
minuto lucro.
Rogamos, pois, avista d: objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por pre$03 muito razoaveis loja do gallo
vigilante, rua do Crespo n. 7._______________
PASTILHAS ASSICARADAS
DO
DR. PATERSON
De bisnuith e magnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu i C.
34------Rua larga do Rosario------34.
RP FOFUXJlE.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado uraapono des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
systhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidaae. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolhido, e nrovavelmente aqui tambem o ser,
logo que sejajeonhecido e apreciado. Acha-se
veuda por preco commodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0,K), e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
rua
riptorio
do Commercio n. 17.
Vende-ae a verdadeira graxa do bem conhecido
alineante'Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. Moreira Dias, rua da Cruz n. 86.
Milho
Vendem-se saceos com milho, no trapiche da
Companhia : a tratar no mesmo, o no Io e 2 an-
dares da rua da Cadeia velha n. 1.
CADET
CURA
CERTA eINFALLIVEL
m TRES DIAS
[Ph^B^Denain?'
P A R I S
POS DE ROG
Apjirovadot pela Academia imperial
de.medicina de Variz
Um frasco do Pm de Rog, dissolvido
em urna garrafa d'agua, d urna limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo cerlo, sera causar a menor
irriracao como acontece cora a maior
parle dos outros purgantes. Oa Pos de
Rog, sito inalteraveis por isso empre-
gam-se fcilmente em viagem.
.^j. I om nio-J.Nnr.o, Dnponchc!le; Ckecokt.
k I cm Pshsmiicco, ilaurer t C. A
AVISO
aos convalescentes e spessoas
fracas e debilitadas
O OUINIUM LABARRA0UE approva.Io
pela AcaiLtmia inipAr&l da ttudn* d
l'ariz o tnico por excellencia.
. cm Riv-J.ixEiico. DupoHckelle; Cketo'.ol.
1 em r-Eiix*iiroco, ilaurer t t".
GURA DOS CALLOS.
TELA
Pomada galonpeaa.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo C.
34------Rua larga do Rosario------34.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Beino da Inglaterra.
Vende-se em casa do Th. Just, rua do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e ^referivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, e j pela fcil applicaco as creancas,
quasi sempre mais atacadas de t5o terrive)
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara/
DB
Barthomeu & C.
34Rua B.arya do Rosario34
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CIIATEAU RAITZAX
Em casa de Babe Schmettau 4 C. Corpo
Santo n. <5.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez Jlo Vignes, existe um bom sortimento
dos muitos acreditados pianos, os quaes se
vendem mdicamente para uquidacao.
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHI
Prcconisados por todos os mdicos contra 051
DEFLUXOS, CATHARROS, G TODAS ASJ
IRRITACOES DO PEITO.
X. B. O Xarope de Codeina que mrrecto o I
honra, alia bem rara entre o$ MeUicamentoii
novos, de ter registrado como um dot medica-1
ment*offiche do Imperio Franctt iirpcnia\
qualquer elogio.
AVISO. Por cansa da repreliensivel falsi-l
ficacao que tem suscitado o feliz resultado dol
Xarope e massa de Berili somos forjados al
lembrar que estes medicamentos tao justamente |
coneeituadoa s se
Tcndem cm caixin-
hasc frascos levando
a asignatura em
Jrcnte.
6, Ru dei Eeolet, e na Pharmacia Central I
de Franca, 7, Ru de Jouy, em Pars, e em|
Itodas as Pliarmacias principaes do c
BAZAR UNIVERSAL
SORua MoTaO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por pregos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas'
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposicSo servifos a electos para alic-
eo e jantar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e malas para viagem, indispensaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e crianza, bercos, cadei-
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamaitos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu'r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinbas, oleados
tara sala e Besa, tapetes para sala, quarto,
rente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se encontrarSo
venda no mesmo estabelecimnto e que vale
a peni ir examinar.
21
A
NOVA ESPERABA
Rua do Qyeimado 21
Advertencia!
A Nova Esperanza, rua do Quemad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, c como se approxima o ten>
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, vcnhaoi os bons fregue-
zes, e os que nao forem venliam ser fregue-
zes, em tempo lo opportuno quando 1
NOVA ESPEHANCA convirja-os pechincha-
rem, pois que para comprar-sc caro, nao
falta aonde e aquem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
peranfa) quer sempre dividir com Seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca rua do Queimado n. 2!,
alm do grande sortimento que j tinha,
acaba de receber mais o seguinte:
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de 13a, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novos
para o mesmo fin.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Bot5es pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem eJIes.
Linas do pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madrepcrula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia. '
Finarsente, um completo sortimento de
miudezas rua do Queimado n. 21, 'na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificacSo principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes coUarea,
e garante aos pais de familias, que s3o o#
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo da
convulc3es, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a rua do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seus
filfemrros, ames que estes sejam acommAtti.
dos do terrivel mal, quando entSo ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collares
de Royer.
t\.0ERA%^
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver deperto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimf nto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melehior ;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencao; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
0 mesmo vapor tron-
xe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
clnystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e com promptidao; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Roben Gerth
&C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sua superior qualiaade.
Vende-se um cavallo muito novo ecarre-
gador baixo, o qual existe na matriz da
Varzea, rua j Fogo, em casa de JoSo
SimOes Ferreii a,
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeu & C.
34RUA LARGA DO ROSARIO34
Ouro
E. A. Borle C. tem para vender libras
sterlinas e moedas de vinte francos.
Vinho
Vinho Bordeaux superior qualidade, mar-
a s j conhecidas; e o verdadeiro Cognac,
qo mesmo estabelecimnto.
Vende-se urna machina de costura em per-
retto estado : na trevessa do Queimado n. i, pri-
meiro andar.

I MUTILADO


i
I
w
i
-
Ccordeiro previdente
Ra do Qncluiado u. i.
ovo e variado sortimento do porfumarias
finas, e outros objectos.
Alm do completo sor'mento de perfu-
maras, de que e/Tactivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela voriedade de objectos, superiori-
uade, quatidades e commodidades de pre-
tos; assim.pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do rspeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao so afas-
lando elle de sua bem conhtjcida mansido
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos-Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservado do
assaio da bocea.
Cosmetiqucs de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e ootras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do uno e agradavel cliei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Estrado d'oleo de superior qualidade,
cem escolliidos che'ros, em frascos de dille-
rentes lmannos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinbas com bonitos sabonetes imitaado
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumarias, muito propras para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
boneca.
Especial p -de arroz sem composirSo de
<:heiro, e porisso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
U outro sorlimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'eles ornados de flores -e fitas,
st5o todosvexpostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS B0IID1B0S.
Obras de muito gosto e perfeic3o.
Fi vcllas e Otas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escoiha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINA^-----._______
QUE SE LIQ1DAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
Q3H=-aisa m vmwmwa^^ DE
FLIX PEREIRl DA SILVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao rspeitavel publico desta ca-
pital a yir surtir-se do grande sortimento que tcm de fazendas, tanto da moda como de
le, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mat, aesta casa
poderao fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, venden io-se-lhes
pelos presos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acba aberto con-
stantemente desde s 6 boras da manhaa s 9 da noute.
O qae de mellior se pode encontrar neste
genero, sohresaliindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Explendido sortimento de
Alpacas tarradas de cores a 5 O
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do PavSo ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de niil covados
das mais lindas e modernas alpacas tarradas
com as mais modernas e bonitas cores,
propras pura vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, 1-yrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. o os lavrores
muuo miudinhos assentados- em urna s
cor para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pecliincha.
los dez aill corados de cassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra da im-
peratriz n. 60 urna grande qnantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padrees miudos e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamento francezas, 'endo
transparentes e tapadas, cem tanto -corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serena muito bonitos, sao todos fixose seria
fazenda para mullo mais diaheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covadft.
i:\pariittios a 3OttO na taja do
Pavo
Vende-se urna grande :porc5o de esparti-
Ihos modernos -com o competente cordao,
tendo sortiments de todos os tanmahos, e
vendem-se a 30 cada um.
MADAPOLAO ENTESTADO A 3*800, S
NO PAVAO
Vendem-s pecas de madapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 360 ris, assim como
pecas de
WM e
algoosinho com
SSOOO ris.
16 jardas
GRADE PMMIA
EM
Vinho degestivo de
ehassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Bemedio por excellencia para cura certa
das digestes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as .torcas
produzindo urna assimuJacJo completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
NA
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholomea tfc .
34RUA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO OOBOWMAN
II u a do Brun a. 52.
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o marinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para as6ucar e para
ligodo. .
Rodas d'agoa. _
Motores de diversas especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Tixas de ferro, batid fundido e de
:obre.
Alambiques.
Alados e instrumentos d'agricultura.
Descaro?adores d'algodo etc. etc.
Havendo era tudo variedade de tamanbo
desde o menor at o maior' que se costu-
ma emprear.
1.1 lilil
Vende-se manteiga ingleza muito boa a 900 rs.,
14, a 14120 a libra, muito fina, presunto de L-
melo a 800 rs. a libra, carne do sertiio a 360 rs.,
incuica fin em latas alj a libra, farello, sacco
-le 44400. e o de Lisboa lino a 54100: no ateo
Paraizo n. 20.
XAROPE PE1T0RAL
DE
ABO DE TATII
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recommendado as
aJfeccee do peito, bronchite chronica, be-
moptise, e tosse chronica.
PREPARADO POR
JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
PHAHMACEUTICO
Pernambuco rua larga do Rosario n. 10.
ramos i vea
Vende-se terrenos de prodcelo e com
arvores fructferas e prximo a esta-
c3o dos trilhos urbanos do Recife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quiser dirigir-se no3 domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Jo5o de
Barros, e nos demais das, ra da Impe-
ratriz n. 68, __________
Vend' -se
a uberna da ra de Hortas n. 43, em virtu-
Je de sea dono rerar-se para lora : a tratar
na misma.
A pataca o SERCALLAS A 320 .RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na-loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vsnde-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores lisas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos qae tem
viudo so mercado, tendo padroes mrados e
grados e vende-ge pelo baratissimo preco
de 30 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por est baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PM LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1^800
Chegou para a loja do Pavao, ra da
Imperatriz a. 60, urna grande porc5o de
pecas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazendao cumpri-
mento de umlencol, o qual se faz com ura
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
pheacoes para arranjos de familias, sendo
grande pecliincha pelo, preco. ,-i
COBERTORES DE L.V PARA O INVERN
DE 30000 a G000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
13 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 30
at 6\->000 cada um, em relacao ;is defe-
rentes qualidades, pechincha: a elles an-
tes que se acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 3000.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 30 e 40000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara. '
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitac3o
de seda, as delicadas cores que existem
neste bello sortimento encontra-se o bonito
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde
assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado por se
ter recebido em direitura urna grande par-
tida superior a dez mil covados, sen3o
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
e armazem do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60 do Feliz Pereira da Silva.
Vestidos con daas salas a 20t
Chegaram para a loja do Pavo ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor-e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 200000 na loja de
Flix Pereira da Silva.
Casenuras da moda
NA
liOJTA DO PAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
Cas, paletots e coletes, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianea-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quiuhentos palitots
a 18$ e 20#000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacadoSj e propriamente so-
brecasaws de panno preto, sendo obra
muito lem acabada pelos baratos precos
de 180, sendo forrados de alpaca, e de
200 forrados de seda; sta fazenda a nSo
se ter comprado urna grande compra, seria
para mito mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos precos cima.
POPELINAS A 500 RS. @ COVADO.
Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. fO, vende-s um .grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou Kazinhas trans-
parentes, TM-oprias ,para vestidos e roupas
de creances', com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padrees com listrinhas niudi-
nfcas, que se vendem pelo barato preco de
00 rs.-o covado, t pechincha que se acha
licamete na loja de Feliv Pereira da Sil-
ca, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendeo-se finisimas pecas de cambraias
iizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 100600 a peca, assim
como finissimos organdys branco Uso que
serve para vestidos de bailes, por -ser muito
transparente a 1#)00, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da-Silva.
C entinados
Para camas e jaeeHas.
Vende-e um grande sortimento os me-
lhores e maiores cortinados bodades pro-
les para camas e para jaaelas, que se ven-J
11--RUA DO QUEINADO-li
AUGUSTO PORTO & C.
\
Receberam superiores vestidos de blond com maDta e capella para noivas, que
\enuem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra paite.
mcmASrDE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha do mais lindo,
ele "ASQUINESde renda preta, e de gorguro prcto, o que ha de mais
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
^-i BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
dadas, e satas de la com barras de cor.
GORGUROdo seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
uque branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
** $IMA*
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura indelevel paratingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida deGuis-
lain que ento era desconhecida em Per-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficar resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos canbecida.
A agua-florida de Guislain cemposta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de" dar a cor pri-
aitiva aos abellos, quando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, swa
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer oonhecer, qae
o bom resultado produzido pela agua-flori-
jda, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer oso d'ella, trez ou quatro veaes,
e logo se obter o fim desojado, como bem
provam testemunhos de pescas insuspei-
ias, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Qaeimado n. 8,
prws _
isto na raa da Imperatriz n. 60, de Febx
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 0
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente ortido das melhores roupas,
saado calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na aiesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do fregu, e nao sendo
obrigados a acceKa-las, quaudo nao stejam
completamente ao 6eu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
rspeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, cerou!a6 de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lbe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60,. loja e armazem de Flix Perei-
ra d Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
25200 a vara; dito de Unho fazenda muito
mperior a 35200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 4,5500 a duzia e muito
5uos a 8'O0O, e ditos econmicos a 3)5500
i duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 1)3000
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co on gurguro para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 15000 o
covado.
Movidade Novldade
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
pa'flna lo^a do Pav3' rua da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurgurSes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
graudos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actuahdade
nao ha urna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que estaque se vende por
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Fehx Pereira da Silva.
Babadinhos baratos na loja
do Pavao.
Vende-se urna grande porco de baba-
dinhos de todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por urna terca parte
de preco que se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende urna
grande parte d'entremeios, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na loii e ar-
mazem do Pavo, rua da Jmperatriz n. 80
de Flix Pereira da Silva.
A Aguia Branca, contando com a protec-
0e de-sua boa freguezia, tambera capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sera-
ore corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que flea dito, d
como exemplo o explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e oraco, obras de aparado gosto e perfei-
Co, .sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros ni
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim cem cruz
e guarnicio, dourada ou prateada.
Coreas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Ronitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cnente de borracha.
Meias de seda para meninas c senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambera
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torgal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, muflieres c
meninos.
Gollinhas e puchos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados c transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para eniar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Ronitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meuinas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinbas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Ronitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
raarrafes para enfeitar coques.
Rollo sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Rrineos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
ra o iiriazem to s, na ua o
Imperador n. 28.
-te minio acreditado estabelecimento
acba se constantemente una variado sorti-
mento de gneros finos para meza e
iba entre estes uomea-ie apenas as
alidads segdint
Queijus du serto sendo de nuuiteiga e
eoajha.
Cimiiis seceos do Maranlio.
0 verdadeiro cafo" de Moka,
O superior e bem a onecido pcixe mraguaa
que se vende a iO a libra e 450 a
arroba.
TABELLAS
de redueco as mais facis e mais coio-
prebeosivis, ludo no
Armazem do Campos
lili m jaiubii i n
i: ulereado.
CIIIOUEM A' PECHINCHA.
Oales franciizcs, arcos pequeos e gran-
itos, para sesbora, a 2#*0(1
Caitemii'88 inglezas, Imnitos padroes, com
listr.islai-as, cuvailo 4#iOO
Hilas fr.snrezu.-'. dem dem, cem listras"
largas, covado 5oO(>
Ditas dita? mc-cladas, covado 321H)
Baronezas largas com listras de seda para
tentaras o proprias de inouiaria, co-
vado, rs. cjo
Patetoto de alpaca pretos e de cores 5 e 5J50O
Alpacas lisas de cores muito linas e boas
gosljs para senhora, covado, rs. 800
Cambraiafl de cores, variados padroes,
covado, rs. 340
Ditas de cores, mais finas, covaile, rs. 360
Ditas miudas, modernas, linissirnas, cova-
do, rs. 400
Ditas de (lores grandes e listras, co-
vado, rs. son
Golarinhos de linho de diversos goslos, rs. 400
Ditos do dito muito linos, chegados 110 ul-
timo pni|iie!e, rs. coo
Chitas claras, boas tintas, covado, rs. 280
Ditas escoras, bellos padroes, covado rs. 00
Ditas coloridas, linas, proprio para familia
covado, rs. 400
Ditas risodinlws, variados padroes, co-
vado, rs. 3(o
Ditas escuras econmicas, covado, rs. ;6()
Ditas de boa eomposi<;ao de tintas, covado 320
Ditas claras econmicas, covado 340
ltoupns e mais artigos qne tica a pedido da es-
peilavel l'repnczia, dando-so ama-ha de tudo.
vende-se um luido escravo
boa do Carino n. 1.
peca : na um-
ESCRAVOS FGIDOS.
CiratlQea-sc bem
Fugio liontem de manbia, 22 de juubo, rouban-
do 863000. o moloque Geraldo, com os siynacss.-
guintes : altura regular, secco do eorpo, albos
abotoades e beigos grossos, anda bastante aprosa-
do, tem una belide em um dos olbos, tem falta na
frente de alguns dentes do lado superior e de ida-
de de 18 a 22 anuos: quem o pegar leveu a
casa de seu sentar, rua estreila do Rosario n. 3.
Desconfiase que o mesme moleque seguio a estra-
da de Santo Ailo,
Acha-se fgida ha cito meses a preta es-
crava, de na0o, de nomo'Mara,com 40 annos de
idade, baixa e cor fula, consta que diz ser forra, e
anda veudendo na freguezia da Boa-Vista, coin
urna bandeja pintada de encarnado, cora que
fugio : gratificarse tem a quem a apptehender e
leva-la a rua Imperial n. 103.
Wb
Escrava fgida
Ausentou-sc da casa de seu senlior no
flia 19 do corrente, a prela fula, de nomo
Candida, idade de .35 a 40 annos, alta o
magra. Foi compr da cerca de um mez
ao Sr. Joo Paulo d'Almeida, natural de
Goianna, e suppe-se que para la fosse.
Levou dois vestidos de chita escura, sendo
um com bahado novo, um chale de la
verde, j usado e outro prcto novo. Quem
a capturar queira leva-la no armazem n,
38 rua da Cadeia, que ser recompen-
sado:
oosw
oos
005
OGOY?
08
oom
008
ooow
O0e*C
005
oos
008
* b ajjlooBjedoJc ap saojog
.....OpiJSOA
ep mnjqap caed ejrj ap sej
* souanbed $o%\q
epeaoop
ejnpiom moo sapuciS soqiodsa
oia-d opoj -ejao ap scoaung
suapjo 5 sataxjoo moa ogueo
c ciznp scpjef 005 op bi|Uji
' B 3J8|[O0 BJBd SBJlipBOJOqV
.........B BZ
-np suaraoq BJBd senao seta^ '
' ,....." aOS*!
008 00 sojjaip raoo soosbj
e oqund BJBd saojoq op sojbj
-sonoi BJBd soouBjq soJueq
BtpOJ BJUJl mo3 SBJBJJB9
09f c Gnoj ap soojoq ap czojq
0019} cui.vtp bu/jb moa cjbjjeo
000?! a 008 '00: '009 '005
b soiaiu-a^iua -a soqutpBqBa
OS o 005 051 '001 '08 ? sap
-Bp|Bnb su sepoj ap ajauoqBS
05C '? Bsoqeq ap oajo uio sodsbjj
09 .........b sep
-jBfoO moa cquijap sojibaom
008!$^ { Jeqjoq BJBd sbi}U|| ap SBjqrr
091 a sj ooi c Bjoii uJ03 soosbjj
OO ..... b SBim,
a BJnisoa BJBd SBJnosaqx
0?C .........B SBU
-mam bjb css9abjj op sajuaj
006 .....b BJtapcpja.v jba.uj
biuoiod ap bS moo sooscjj
Fugio do engenta Papagaio, renno de Porto
Calvo, na provincia das Alagoas, o escravo Lucia-
no, rrioulo, preto, idade de 32 annos, poucomais
ou menos, abura baixa, barbado, bem fallante, em-
briaga-so muito, e inlitula-se forro, tem oflicio de
sapateiro, e tambera earreir-o, consta que anda
em Goyanna, em Pernambuco ; recommenda-s
a todas as autoridades policiaes, assim como
quaii|uerpe.ssoa quo o encontrar, que o prenda
remetta- ao seu senhor que o cipitao Jos Can-
dido das Noves, no engenta Papagaio, ou na rua
de Apollo, armazem n. 32, que se paizar toda e
quaesquer dispezas que lionverem de ser feitas
com a prisao do mesmo escravo, assim como se
gratificara generosamente a quem der noticia
exacta do referido escravo.
':s9^uth88s so6ajd so^ed sop^j
-Bpop oxreqB so}oofqo so opireraiorib bjsct
nvHOdiMi vianoM osmomv
a 'M-flararaio oa viia-es 1
IVHOdML
Vendo-sc em frascos
DE F1GAB0S FRESCOS DE BAC1IF0 > fros angu-
larc?, pliam:*cia Hoce,
2, rua de Castiglione,
oni TtIs.
arrala, o) "^
10 o<. of^o M, fi-.-ro, de BnrnUiao d.- iVrr..-N.,,a. Estes dIcm eoimnuiu ou seos .aXS T
ubtios na ludusiria per precos mu. baiio*, eiu quaiito que os vcrdaeiros oloos de fijado da \TZh
que para obto-os frescos c ttm misara. tLZl ^
HadavkdaiKia o toros torca enldados nos propri lujara das posea, assin coomt^Ufaeer
B. Ilcgg dde o anno do 849. Batea oieo. puro, do Bacall.oI df Tm^Nova l m 6r
ytnm para c.to precioso mcdicau.ento uiua fama universal as molestias do pello a?afo'$9
fuhsateltiotpktlttan, a magra* los mesmo.etc.c por isso.dcram lugar a 5 8 dctlca^
la. O oiede Uogg i mui fcil de digerir, distiugue-se enrc os outros oleo n.1. .
cor rio palha, oseo clieiro suavo o delicado, e seo gosto do sardinha frrsca Pe "*
O P.ELATORIO avoravtl do cliofo dos lraballios*chvnicos da FAninnH nr udt>,...
Pxm cencluo como seguo i 0 oleo cor de palha deM. Hoggcoruemumalr^ S5mAJE
ciplo. sset mal, do que o* leos pari, c nio aprsenlaftam> dw iw,SJ?. prt"*
repara n'ettet, quanto ao cheiro t sabor. "convenientes que se
V^Veade tod- pk*,^.. *. Wwmmsm do. p|. eatra^el^.
Esti fgido, desde o dia i!i do Janeiro to
corrente anno, o escravo Felippe. com os sienaes
segrales : cabra, idade 25 a 27 annos mais oa
menos, corpo e altura reputares, sobranceras
pretas c serradas, cabellos enroscados e acaboro-
lados, querendo principiar a barbar, s reaes in-
eham-lbe as pernas : tem una marca de caustico
do lado mreiio sobre o figado, quando anda tica
duro e com pasaos avaneados, tcm o ventre um
pouco crecido, pescoco grosso, muito regos-
ta, equando foge diz quo forro, e tem por eostu
me trocar o nonie o botar a camisa fra da calca
Bsleeseravo foi preso e estove na cadeia por an-
dar Alfid : levou calca de brim de quadrinbos
pretos camisa de madapoln, chapeo de laa preta
redondo, o natural do lupar Canhotinbo da comar-
ca de S. Benlo desta provincia, c fui escravo do Sr
Jos Eduardo Alves de Mello, morador no mes-
mo lugar. O referido escravo j foi visto em Glo-
ria de boiata, districto do Pao d'Albo, c em Li-
moeiro ; presume-se que se comerte uestes Ju-
gares : [icde-se s autoridades policiaes e ais
brs. capitaes do campo a captura do mesmo es-
errvo, e entrepa-lo ao seu sentar los Pereirsde
Miranda Cimba, morador no Hecife, caes de Santo
Amaro sobrado n. 22 dojallerido Manoel Cusi-
dio. ou na rua da Cadeia do Hecife n. 35', que o
mesmo gratificar generosamente.
Eellarmiiio
Evadin-se do engenho Maneras, na comarca de
l'orto Calvo, e no dia 18 do maio do corrente an-
uo, o escravo Bellarmino, cabra escuro, de Idade
de 28 anuos, alto e secco do corpo, sem barba, ps
grandes, tem estado nesta cidade, e o seu maior
passeio 6 polo bairro da Boa-Vist*. pode ser que
elle se encaminlic para a freguezia da Escada,
onde foi elle criado, e conliecido : quem o pe-
gar e levar ao referido engenho, ou nesta praca,
na rua da Cruz n. 31, Io andar, recbela boa era
tificacao.
Acha-se fogido um escravo de u-ime Euzebio*
toado trmta e tantos annos, estatura recular, cor
ruta, pouca bar a, que as vetee raspa, com falu
de um on dous dentes na frente, um pouco cm-
balo, ora da-sc ao servico de can-oca, ora aluea-
se era casas par iculares, c consta que asoleen
asa da cnoula Bernardina na Passageni da Magda-
lena, ntitula-sepor Jos, nomo este por que aleuns
o conhecem: quera o apprehrnder leve o rua da
Imperatriz, casa n. 28, i. andar, que ser gratifi-
cado. Protesta-s contra quem o tiver seu ser-
viqo sem o communicar ao senhor.
iNo da iyrdc iunho corrente fugio da pada-
na. allemaa (segundo avisou o respectivo dono\
onde estava alugado, um mulatinho escuro, do
nome Justino, c:m 13 para 14 annos, baixo, refer-
cado, gago, orelhas grandes e um pouco viradas.
trajava camisa de algodaozraho e calca do brii.i
grosso cor de rap, costuma quando lge inculcar-
se como forro ou orphao ; consta que tem estado
em Olinda a servico dt alguem, para onde fora a
vender pao de leite em una cesta pertencont.
aquella padaria : quem o approbeoder qa^ira
va-Io rua da Aurora n. 26, onde ser recompe -
sado. Roga-se as autoridades policiaes que be,
de diligenciar a apprehensao delle.


"^ -
8
Diario de Pernambuco Sabbado 3 de Julho de 1869.

ASSEIBLA GERAL
- i------------------------------------------------------------------------.
CMARA DOS SRS. BEPUTADOS
SESSAO EM 7 DE JUNHO.
?RESIDENCIA DO 3R. VISCONDE DE CAMARA-
uim
fCoHlinuttcao.J
Se naquella poca a guerra tinha j con-
sumido enormes qnantias, as suas despezas
sobona boje a sommas mais atolladas. Qwra-
do o dficit era menor, os iuipostos pare-
uam insulcienles ao nobre deputado. Hoja
que o dficit maior, nao podendo a previ-
sto humana calcular al que ponto elle che-
ffar se a guerra fr alera deste exercicio,
o nobre deputado satisfaz-se com o aug*
ment de 40 7 sobre os gneros impor-
tados, imposto que producir apenas.....
12,000,000 se o consumo de taes g-
neros nao diminuir c se o contrabando
nao Iludir, como provavel, a vigilancia do
lsrt.
Dir-se-ha que na proposta da csmmissao
ha um meio para solver taes dlfieuldades :
o parlamento vai autorisar o governo para
fazer as operaces de crdito que orem ne-
cessarias.
Genitores, este meio X> recurso extremo
le situacoes desesperadas. Nao curo o
mal, desloca-o. Vence o embanco "da oc-
casilo, mas adia o sacrilicio para mais tar-
de. P.de-se lioje, no outro dia necessa-
rio pagar. S a economa e a crearo de
novas rendas sao meios eiicazes para os
governos previdentes, quando nao se quer
legar s g-ra'ces futuras os compromissos
do presente.
Emfim, senhores, as operaces de crdi-
to, sejam ellas quaes forem, querem dizer
impostos, poique amanha o paiz ser obri-
gado a paga-Ios para satisfazer seus com-
promissos de boje ; questao de lempo.
Alm de que o nobre relator da com-
misso nao pdejustiGcar-se desta incohe-
rencia, com o argumento da men ionada
autorisacao, porquanto o et-presidente do
conselho do ministerio transado pedio tam-
bem igual autorisacao.
Nao a nica incoherencia que noto na
proposta apresentada pela commisso de
orcamento. S. Exc. nos disse outro dia
que era urna necessidade indeclinavel o
augmento de impostos. Reconheeeu que
era um novo sacrificio que se exiga do
paiz, s justificado por circumstancias extra-
ordinarias.
Sobre este assumpto nao ha duas opi-
nies na casa(a joados); todos nos estamos
convencidos que necessario dar meios ao
governo para vencer as ditculdades da si-
toaco. (Apoiados.) Mas so a poca extra-
ordinaria, se vamos exigir novos sacrificios
da nacao, porque vivemos sob a presso da
le da necessidade, nao comprehendo como
a commisso propon suppresso de impos-
tos i-endosos para o listado.
R'flro-me.Sr. presidente, em priraeiro
lugar, ao imposto de 3 % de expediente
sobre os gneros- reexportados de urna
para outras provincias com carta de guia.
Com effeito um grande favor que a com-
misso faz ao commercio das provincias
que pagam este imposto, c principalmente
provincia de S Paulo, da qual tenho a
honra de ser representante, provincia esta
que entrava para o thesouro com mais de
metade do producto desso imposto.
fteconheco tambem que havia tal ou quU
desigualdade na cobrauca deste raposo,
porquanto, ao passo que as provincias do
interior nao o pagavaro, reoebondo por es-
tradas terrestres os gneros importados
para consumo, o imposto pesava sobre as
provincias martimas que tinham de rece-
ber pelas alfandegas.
Mas nao estamos em um poca norma],
porque nesse caso loriamos de sopprimir
outros impostos miis injustos e mate-
ras.
Se a poru toda de sacrificios, nao
comprehendo como a nobre commisso exi-
ge por um lado novas coutrilmicoes, e pelo
outro prope a suppresso de um imposto
que rende pelo menos oitocontos e tantos
contos, que ntigo, com o qual a popu-
laco ja se habituara, e cuja cobranea Dio
custar ao thesouro, conforme urna tabella
apresentada pelo nobre ministro da fazenda,
pouco mais de 5 %.
Ora, se a nobre commisso desejava fa-
zer alguma cousa em beneficio dos contri-
buintrs, porque nao propoz a suppresso
do imposto pessoal, imposto vexatorio, que
produz pouco ecuja cobranea costa milita
despeza ao Estilo' (Apoiados.)
Gomparando-se a proposta da commis-
so relativamente a estes dous impostos,
vemos que ha grande differeea em favor
do primoiro. (Apoiados.)
Aconselham todos os homens entendidos
nesta materia que nunca se deve supprimir
um imposto amigo, que nao excita as recla-
mares dos contribuntes, nem serve de
embaraco ao desenvolvimento da riqueza
publica. Islo em regra geral, mas em cir-
cumstancias extraoedinarias, esse conselho
da experiencia deve ter mais forra. Creio
que estam- s em taes circumstancias.
O imposto de 3 % de exP tliente soh.re
os gneros i :dos um imposto in-
directo, tena todas as vantagens que aqui j
foram apresentadas; este imposto nao 6 do
hontem, est as tarifas de tonga data ; nao
me consta que bajara reclamacOej contra
elle, e, como j disse, a Wa receita cusa
pouco ao thesouro. Vamos compara-lo
com o imposto pessoal.
Este imposto directo, tem entro nos
todos os inconvenientes que foram aponta-
dos pelo Ilustrado Sr. ministroda faz nda;
vexatorio, porque pesa justamente sobre
as classes mais pobres da sociedade (poia-
dos): injusto, porque entre nos o valor
locativo do predio eslablece umi grande
gualdade para a sua percepeo (apoia-
dos); efinalmente, do minguada re,ida e
costa a sua cobranza ao thesouro grande
trahalho e rnuita'despeza.
Quitara que o honrado relator da com-
misso declarasse qual a raza i porque do
preferio a suppresso deste imposto. -Se o
souro pode piesentemente abrir de mo
800ou i los-sera gra;. ficio,
era ju.e se mostrass generoso em
favor das classes pobres, que vivera do tra-
balho de cada dia, e que nao podem pa-
gar o imposto pessoal sem dolorosos sacri-
ficios. (Apowdos)
Vejamos agora, Sr. pi se os
meios prnpostos pela commisso satisfazcm
io proprio orcamento.
Ha um dficit no nosso orcamento or-
dinario de \> 12,000:000J; a com-
misso to cuja receita or-
lo por 12,O0O:OOO& parece restabele-;
cor o desequilibrio que apparece entre a
receita e a despeza.
Eu quizera que o honrado relator da
commisso me dissesse se nao contempla^
no dficit, presentemente conhecido, 'a d
peza j averiguada, qne consta do crdito
votado por esta casa, na importancia de
id,000:000)000 ?
O honrado deputado pelo Paran, que
to brilhantemenle discuti esta. materia,
fez a mesma interpellacjio ao Ilustre re-
lator da commisso, e confesso, Sr. presi-
dente, que nao ouvi a resposta, pu pt^o
menos resposta que me satisizesse.
O honrado- relat >r da commisso disse
simplesmente: ns.s consideramos no or-
camento como dficit aquillo qae' despeza
conhecida e averiguada ; e dizia ato quando
alguem interrogava a S. Exc. sobre as des-
pezas futuras da guerra.
Ora, se no orcamento, segundo a opi-
nio do Ilustre relator da commisso, de-
vem ser comprehendidas as despezas certas
e averiguadas, por que S. Exc. nao com-
prehendeu esta despeza, (pie certa e esto
averiguada? Por que nao propoz dentro
dos limites do proprio ornamento os meios
para o pagamento dos 12,000:00:) -s que a
commisso encontrou como dficit, e mais
a quantia dsete crdito que j notamos,
que despeza feita e conhecida ?
O Sr. RreEino da Luz:Nao apoiado.
O Su. Rodmuo da Silva :Oir a com-
misso : ahi est o artigo que intonsa as
operaces de crdito. Mas quando tflra
despeza est averiguada c conhecida,
i assim, Sr. presiente, qie um grande
estadista doste impcrii}, que infeliziueulej
djpceu ao tmulo, quando anda poda pres-
ar raudos serviros ao seu paiz; que passou
tapidamente por esta ierra deixandotracos
profundos e laminosos de soapsssagem ;
foi asskn, aenhores, que esse hoinem, j
alquobrado ao j)3s das molestias, proce-
den no senado em 1807, quando um go
verno adversario pedio ruqueil i cmara os
meios para acudir s neeessida les argentes
da guerra.
Este homem, cojos exemplos sempre pro-
eurarei seguir e cuja memoria desperta em
men corarlo nesh momento as m.'is pun-
gentes saudades ; dizij uaquella occasio :
Qinndoos Estados atravessam esses pe-
riodos de edamida les cm qde as proprias
instiluicoes correm risco, necossaro
cerrar os ouvidos s paixes partidarias e
caminhar com o governo, sejf elle qual for.
(Muito bem Milito bem !)
Os conservadoras votnram por aquidlas
medidas e o Imperio salvou-se da dictadura.
f.Wuilns apoiados. Muito bem, muito bem).
O SR. AREL1AN0 DE CARVAU10 :-
Sr. presideute, o on;amenlo que orase dis-
cute, .propesto nesta casa o anno passade,
consigna como readimento da estrada de
ferro de D. Pedro II a quantia de......
.:)00:000;>. Do anno passado para c as
condicOes daqnella empreza tem mudado
coiisideravelnienle.
Um contrato foi celebrado pelo governo
em virtiidu di> qi il as cargas da estrada
Uuio e Industria passaram a ser transpor-
quando podemos encontrar meios para sal- tadas pela estrada de ferro. O sen tral'e-
da-la, independente de urna operaoo ile
crdito extraordinario, por que o nao fose-
mos ? (Apoiados)
Nao continuarei, Sr. presidente, neste
assumpto, por que o nobre relator da
commisso nao est presente.
go deve acbar-se por isso uAlavelraentc aug-
mentado. Por consequencia, quando as
circaotancias sao outras, nao comprehendo
como "que a nn\)m commisso, temi pro-
posto varias emendas a diversas verbas do
orcamento, nao propoz tambem a esta ao.
Peco licenca aV. Exc. para dizer algu-: sentido do seu augmento.
mas iwlavras a respeito da guerra, a ijue
se prendera todas estas questes Iiuanceinis
porque todos reconhecem que sem a sua]
lerminaco nada podemos fazer de eslavo!
e duradouro. (Apoiados.)
Entendem uns, Sr. presidente, que o go-
verno deve acabar com a guerra qnmt>
antes; e al indica-se o prazo em que de-
vemos termina-la. Mas eu nofo que aquel-
es que assim se manifestara nesta casa
nao apontam ao governo a difficil soluco
desse problema, ou por ontra oti nao dizem
de qu- modo o governo pode terminar
quanto antes a guerra.
O Sr. Candido Torres Fu.no : Eu
disse.
O Sr. Rodrigo da Silva : h tora de
duvida qne o honrado Sr. presidente do
conselho j declarou nesta casa que a honra
lo Imperio eslava satisfactoriamante vi
da. (ApoiadesJ.
Para mim fon de dnvida que o ultimo
Nem, Sr. pr-'sidefile, isto simples pre-
venco. O nobre ministro da agricultura,
quando lave de colebrar o cntralo de que
trato com a Uuio e hxlustria, tomn a
base que consta do seu refatorio :-Hn tra-
feg) de i, 000,000*de arrobas qu3 de vera
trazer estrada de ferro o augmento de
1,800:000-5. dos quaes se dedoziria 2.'i 0/0
em compensaco das-perdas que anio c
Industria soffreria, ticando estrada de
ferro a renda bruta de I 500:000.-$.
A vista disto, Sr. presidente, nao com-
prehendo como, estando mudadas as cir-
camstancias, conserva-se sem aiteraco a
proposta do orcamento apresentada o anno
passado, (piando nao entrava nas previses
dos nosses.linanceiros *que esse contrato
fosse celebrado.
0"Sh. StxiSTRO da Aomcn.Tca.v :
Actualmente trata-se do artigo da receita, e
isso despeza.
O Su. AunrcuAxo de Cari.alho : Eu
tiro disparado em Lomas Valentinas anium-1 digo qne a receita o anno pjssado foi de
ciou ao mundd a maiscompleh desafffftta 2,300:000-5, quam!-? inda nao fora celebra-
do pavilho nacional. (Muitos apoiads).
O nosso orgulho de naga i est't sisl'eito
Devamos esquecer os ultrajes no meio cLh
glorias. (Apoiados).
Mas necessario nao esquennos que
existe um tratado entre o Brasil e as duas
nacSis do Rio da Prata, e que este tratad i
tem condicOes que nao podem ser olvidada-
por um povo que assignon-as com cons-
ciencia de cumpri-las. (Muitos apoiados).
do o contrato pelo qual o trafego devj ter
um angmentO de quatro milhoes de arroba.
Naturalmente%a nobre commisso tevo boas
razos para na > propor o augmento da ver-
ba ; mas eu son novo nessas materias.
qaasi i stranho a ellas; tenho dnvidas, expo-
nho-as, a nobre commisso resolva-as.
O nobre ministro da agricultura disse
que o trafego loria o augmento j referido.
As condices portanto sao inteiramente di-
Um.vVoz : Foi um funesto legado di versas,
situaco passada. E depois, Sr. presidente, anda ha urna
(lia outros apartes).
O Sr. Rbmuno da Silva : Eu nSo
quero indagar se esse tratado foi um funes-
to legado da situaco passada, nem quero
consideracfio. Em\ 1807, segundo dados
publicados pelo Diario do ft/o, a renda da
estrada de ferro de D. Pedro II foi de
..t;-21)t)S7-2l, eem'1868 foi de......
remontar sua origem para descobrir-lhe'i 2,807:744-5339. Temos, pois, que j o
a cor. Quando se aceita o poder, aceita-so j anno passado a renda efTeciiva da estrada de
com todas as suas consequencias (muitos; ferro liaba augmentado. Depois de rcuni-
apoiados) ; o poder nao heranca que se
receba em beneficio do inventare (risadas.)
Se nao trabamos fon;a, nem a coragem pie
cisa para luannos com a torrente de diffi-
culdades muito serias, que amoacavara o
dos os dous trafegos, ta llnio e Industria
e da estrada de Ierro, nacessariaraent^ an-
da mais tem de augmentar a renda. Como
se conserva o seualgarismo sem aiteraco?
Nao ha a menor duvida de que o algarismo
Imperio, fora melhor deixar aos adversa- da receita se acha desfalcado, nao podendo
nos a responsnbilidade de urna situar o.
sem igual nos annaes de nossa historia. Pe-
rante o estrangeiro nao devem apparecer
bandeiras partidarias. Aqui fallam os par-
tidos, la fra s a naeo responde pelos seus
feitos, (Muito bem). Desde que aceita-
mos o poder, perante o paiz parante as
naces do Rio da Prata, perante o mundo,
somos responsaveis pelo tratado que as
namos.
Rom sei que o Imperio est sendo sacri-
ficado nessa guerra desastrosa ; bem vejo
que esse povo abri suas veias e derramou
seu mais precioso sangue para fecundar as
regioes d Prata ; t.'tnos exigido sacrificios
mmensos desta pobre populaco ; mis que
havemos de fazer ? As nacoes nao fazem
consistir a sua feiicidade na conquista do
ouro. Como disse o nobre"relator da com-
misso, essa poltica materialista que sacrili
ca a honra do Estado para promover o bem
ser do povo, nao pode ser aceita por
aquelles que entraram nesta hita com a
consciencta de termina-la com digriid
embora cuita de longos annos de feiici-
dade.
O Sr. F. Beusario: V. Bxc. j de-
clarou que a honra nacional estiva desag-
gravada.
O Sn. Roiuu da Silva : A affronla
feita honra nacional est desaggra\
sem duvida, mas la outros compromiso
que a honra internaciona
Podemos rasgar o tratado da trplice alli
independente do consenso dasou'.ras najos
que o assiguarara ?
Vozes : Nao podemos.
O Sr. Rodrioo da Silva : Conseguiu-
lemente o tira da guerra est dependente
iicumstancias que podem aparecer de
um momento para outro, mas que nao exis-
tem presentemente. dever nosso fazei -
mos os ltimos sacrificios para qu i os ran-
des interesses que o Imperio tem a garantir
naquellas retles nao liquem desampara los
ou perdidaHw
O Sr."F. Bklisario : Sobre isso nao
ha iluas jpinioes.
O Su. Uoniiifio da Silva : Vou con
Sr. presidente, fazendo urna declaraco :
deposito a mais plena coofianca no carcter
i presidente do aonselho. A
soa alta intelligencia, o seu passado cheio
a grande responsabildade que
S. Exc. aceitou tomando a direccao do Es-
tado em urna quadraio calamitosa, sao mo-
tivos poderosos para que eu iio Ihe re
nesta casa o meu fraco apoio.
Quando mesmo S. Exc. representasse
nesse luga urna opinio poltica dilferente
da minha, eu nao levara o meu espirito
partidario ao ponto de negar Ihe os meios
precisos para continuar a grande demanda
nacional. (Muitos apoiados).
ser calculado em menos de 4,000:000>, se
s|a verdadeiros os dados que foram o0e-
recdos no relatorio do nobre ministro da
agricultura.
Aindi, tenho, Sr. presidente, algumas
outras duvidas a expender que estreitamen-
te se prendem ao assumpto de que tratamos.
Reliro-me ainda a esse mesmo contrato.
Aqu augmenta o meu acanhainento, por
que reeeio que das palavras que vou profe-
rir resulte a suspeita de que me ado em
opposico ao governo. Nao me acho em
opposico ; porm o apoio que quero pres-
tir ao governo consciencioso, raciocinado
augmentado mesmo, porque entendo que s
um tal apoio pode honrar a quera o presta
e aproveitar ao .governo que o recebe.
(Apoiados).
Sr. presidente.'entendo que a adminislra-
co publica deve zelar muito a reputarlo
dos seus funccionirios. Nao. repetire a
compiraco, j sedica, de nuilher de Cesar;
mas certo que em assumpto melindroso
como este nao basta que os abusos nio
sejam commetidos, preciso que nao exis-
ta mesrui a possibllidade de commette-los.
As nossas instiluicoes e as nossas bis foram
Paitas com as cautelas precisas para evita-
rem-se o mais possivel os abusos da parte
dos funcionarios.
Entretanto, celebrado o contrato com a
Untan e Industria, quein havia de ser no-
tem abats faz fcn' ? mem
i i. por par-- liscalisar a
execuca- Foi, Sr. presi-
d.'iit ssado, de um
nome Wsti
O Sn. Ministro da Agrtci-ltcra : Um
cidado honestissim. Peco a palavra.
O Sn. Akeliano de Cahvalho : Pode-
se contestar que- elle seja a parte mais in-
leressada nesse contrato, feito a favor da
io o Industria, de que era presiden!
a favor do quem foram cedidos 25 0/0 na
tabella dos frates ?
Eu nao ponho em duvida a probibade do
actual director da estrada de ferro ; nao
quero traze-lo discusso. A questao :
o director da estrada de ferro interessado
ounao ? Nao elle o presidente da Uuio
e Industria, qual o contrato estabeleceu
tamanha vantagem ? A Unio e Industria
tem na estrada de ferro quem defenda seus
interesses; o thesouro uo tem alli o seu
fiscal ; porque o fiscal, que o director,
tambera e proprio presidente da Unio e
Industria.
Sr. presidente, ainda urna questao.
confuso essa de cargas de estrada de
ferro e da Unio Industria, quando nao
existem senSo cargas da estrada de ferr i i
Como descriminar o que carga da es-
trada de ferro do que carga da compa-
nhia Unio e Industria ?
O Sn. Ministro dv .Vuoltuia : O
nobre deputado pode ir examinar e ver
que est bemdescriminada.
O Sb. Awiklia Carvalho : O
negociante que -tem de fazer o transporte
de carga? pela estrada de ferro, vai faze-lo
por intermedio da companbia Unio e In-
dustria.
O Sn. Ministro da AoRicn.TiinA : Est
engaado, com a compaahkt sde Entre-
Ros para cima.
O Si. AriiKUANO de Carvalho : Eu
fallo rtaqui para Enlre-Rio, onde nao exi--
te transporte algum sena) pela estrada de
ferro, porque a comparta Uniao c Indus-
tria cessou completament -.
O Sn. Mimsiroda Aobicui-tira : Nio
cessou de Entre-Ros para cima ; e se qu-
zer ir verificar o modo pratico porque se
faz o servico da estrada de ferro al Enlre-
Rios. o nobre depntado ha d> fazer juslica
administrarlo.
O Sn. Aukbliano de Caiivaliio : V. Exc.
vira a tribuna e explicar todas essas cou-
sas; eu pela minha parte vejo nma confu-
so. o transporte da companhia Unio e
Industria nao existe mais...
O Sa. MiMSTno ia Ac.iucci.ttra : Est
engaado.
O Sr. Airel>ano de Carvalho : ...
entretanto, seo negociante mais ailVicoa-
do a companhia, entrega-lhe suas cargas.
cm as quaes a companhia lucra 25 0/0 de
abalmento nos fieles ; e se a sua ijrmpa-
thia pelo thesouro (e V. Exc. comprchen- \
de que este ca&O so nao repetir ututo) en-
lo cniegar siuis cargas estrada de
ferro.
. O Sr. Ministro da Agricultura : O i
nobre diputado est fazendo urna censura(
sem base.
O Su. AniEi.iANO de Cauvaliio ; V.
Exc. me permittii que continu, e depois
res[)under-ine-!ia : eslou expondo minhas
duvidas, nao estou manifestando juizo de-
finitivo ; se V. Exc. me convencer que ha
urna base pan a distind$So das cargas, e
sobretodo qu j nao existe a preferencia, 1-
carei satisfeilo.
Pois que interesse peder haver para o
negociante em levar suas cargas estrada
de ferro? Ellas tem de ser transportadas
pela mesma maneira, pelos mesmos precos,
acondicionadas do mesmo modo.
O Sn. Ferreira Vianna:lia concurren-
cia entre as cargas das duas estradas:
O Su. Aurelia no pe Carvalho:Bem :
aceito o aparee do nobre depu'ado. A
companhia Unio e Industria, que tinha sido
creada para ser auxiliar ou para ser um
ramal da estrada de ferro, eonsHtio-se
empreza rival.
O Sn. Ministro da Agricultura :Cons-
tituo-se seu rainal.
O S. Aurei.iano de CarvalhoPara
isso fez-se una estrada iiuigniiic.i, de que
o governo fez presente coapaahia ; entre-
tanto, quando a estrada de ferro diegou a
Entre Rios, longe de se realizaren! os lins
primitivos para que fora creada a estrada
Unio e Industria, para o que receben do
Estado a companhia essa mesma estrada,
faz-lhe guerra decidida: as suas tabellas
foram revolvidas no sentido da mais pro-
nunciada concurrencia estrada de ferro, c
proposlas foram eitas ao governo para que
a estrada de ferro em seu desenvolvimento
deixasse de proseguir para o Porto-Noyo
do Cunta, ojjUiilraria coiusigo necessaria-
niente o, desapparecimento do trafego da
estrada Uuio e Industria.
Sr. presidente, as estradas do ferro sao
gigantes da civlsaco moderna, dianie
deltas tudo deve arredar-se ou cahir esma-
gado sobro as rodas de suas locomotivas;
era canaes, nem rios, nem navegaco
eosteba, nem e-tradas de rodagem, nada
pode competir com ellas ; este phenomeno
constanteimriile se reproduz em todas as
partes em que sao construidas estradas de
ferro. A Unio e Industria havia, pois de-
sapparecer ; foi isto que comprehendeu,
procurou e tolheii o deseLvolvimento da
estrada de ferro de D. Pedro II.
Convencida, porm a Unio o Industria
de que a sua concurrencia era possivel,
que todos os seus propsitos erara balda-
dos, que a estrada de ferro havia continuar,
eis que a Unio e Industria muda de tom, e
acontada do vendaval, desee dos andurriaes
do Juiz de Fra, vem aqui aninhar-se mais
commodamonte na estaco da corte, onde
se acha por certo mais vontade.
Mas esquecia-rae aqu do aparte que deu-
me o nobre deputado pela corte. Eu fiz
esta diggresso para chegar a elle, Bao
posso furlar-me resposta.
VeV. Exc, como ia dizendo, que a es
trada que tinha sido construida, coiu im-
menso favor do Estado, para ser auxiliada a
estrada de ferro, constituo-se sua rival, e
ainda boje sob as asas da estrada de ferro,
confessa o nobre deputado, se acha em
concurrencia com esta mesma estrada!
O Sn. Ff.iireira Vianna: Nao disse
isso.
O Sr. Aurklia.no de Carvalho:O no-
bre deputado disse que ha simplesmente
concurrencia entre as carga.
O Sr. Ferreira Vianna d um aparte.
O Sn. Aureliano de Caiwalho :Per-
gunto: nao soffre o thesouro quando o seu
representante se confunde com o represen-
tante da Unio e Industria ?
Ainda urna confirma gao do aparte do
nobre deputado: a Luiao e Industria,
apenas feito o contrato com o governo, o
seu prim iro cuidado foi publicar petos
jornaes urna declararlo em que se consig-
navam varias vantagens proporcionadas s
as que Ihe fossem destinadas, e assim
determinou a sua preferencia. E' ou nao
concurrencia da Darte da Unio e Industria
estrada de ferro de D. Pedro II? Para que
se foi estabelecer aqui na estaco da edit,
no dominio da estrada de ferro, seno para
este fim ?
Eis o seu annuncio. (Le.)
Tudo isto sao \aQtagens que a Unio e
Industr a offerece pela sua parte para esta-
belecer a concurrencia com a estrada de
ferro de D. Pedro II.
Sr presidente, tenho considerado o con-
tracto da estrada de ferro e a nomeaco
do actual director nicamente dcbaixq, do
ponto^de vista da liscalisaco das rendas
publicas, nica que cabe nesta discusso.-
Quanto ao mais, entendo que esse con-
trato materia magna, que comporta urna
grande discusso, que se acha comple-
tamente desloca la aqui, e que s de inc-
tente tratei, sendo provocado por apartes,
porque nao era meu proposito discutir o
costrato.
O actual director da estrada do -ferro,
urna vez, depois de dirigir ao governo urna
las propostas, disse com ar de trium-
pho :8n ain a nao pronuncie! a minha
ultima palavra !Do carcter do actual
director da estrada de ferro a quaKdade
que mais aprecio I a sua perseveranca,
que nestas palavras est fielmente retrata |
da, e tanto assim, que tenho agora desejo
de imita-lo, e, terminando, direi tambem
cmara :eu ainda nao pronunciti a minha
ultima palavra.
.0 SR. ANTAO (Ministro da Agricul-
tura) :Sr. presidente, n5o esperava que
boje teria de discutir o contrato que <-
lebrel para o transporte das cargas d;i
companhia Unio o Industria pela estrada
'e f rro, para a qual foram transferidas
de Enlre-Rios at 4 corle e vice-versa.
portanto, nao posso estar habilitado com os
(lados positivos com os quaes poderia levar
at a ultima, evidencia que o Ilustre de-
putado que acaba de fallar nao compre-
hendeu o contrato, nem as suas vanta-
gens.
O Sn. Aureliano de Carvalho Observo
que nao discult o contrato seno em suas
relacoes com o fisco.
O Sr. Ministro da Agricultura:Direi
apenas poueas palavras cm ordem a es-
clarecer as relares cm que o Ilustre de-
pilado quiz colocar o contrato para com
o fisco ; e direi tambem que as suas apre-
eiacoes houve engao as distancias que
percorrem lis mercadorias.
Noto primeiramente que, as relacoes em
que est a renda da estrada para com o
lisco, o Ilustre deputado disse que, tra-
tando-so no orcamento actual da receita de
calcular toda a renda, devia-se incluir a
nova renda da estrada de ferro, que, se-
gundo o relatorio do ministerio, superior
a :500>, quantia esta em que se acha or-
ead;!.
Primeiramente, a cmara conhece qual
o systema que temos adoptado no nosso
modo de organisar os orcamenlo's. As
tabellas sao feitas no thesouro debaixo de
certas disposico s de lei. Ha dous modos
de organisar os orcameutos, um pela ma-
neira poique o Ilustre deputado indicou,
outro, que se reputa mais seguro, feito
tomndole as totalidades d;i fronda em
> tres exeflicios, do qual ha batneos ; estes
esto mais prximos da exaelido, porque
sao liquidados e definitivos, marchando
assim o thesouro com seguranza como pa-
rece que indspensavel quando se trata
da apreciado-de renda publica.
O Sr. Aureliano de Carvalho:Isso nao
regra rigorosa.
O Sr. Ministro a AonicuLTorx: Foi
este systema que o thesouro adopten, e
servio de base proposta.
O So. Aureliano de Carvalho:Eu mos-
trare i a V. Ext. que nao se cingio exacta-
mente a-iesse systema das medidas dos ex-
ereidos anteriores.
O Sr. Ministro da Agricultura : Eu
! tenho presente o orcamento que servio de
base proposta; ahi achara o nobre depu-
tado o que acabo de diz r; o orcamento
para o exercicio de 18701871, que nos
agora, as rectilkacoes que estamos fa-
zendo do orcamento de 18081800, temos
! adoptado.
O Sr. Auhelians de Carvalho.Mas as
circumstancias esto inteiramente mudadas:
esta proposla foi apresentada antes do
convenio; depois do convenio vem mais 4
t milhoes de arrobas, com que nao conta a
i proposta actudl.
O Sr. Ministro da Agricultura:Parece,
portanto, que o thesouro, tomando por base
aquella que est establecida na lei, tinha
procedido com a seguranca devida.
Mas, disso o nobre deputado; Porque
nao se adopta um novo systema?
O Sr. Aiuei.iano de Carvalho:-Perdo:
nao ped novo systema.
O Su. MiMsriio ha Agricultura: Eu
son acauhado na discusso; nao posso
acudir aos apartes.
O Sn. Aureliano de Carvalho: Nao
darei mais apartas a V. Exc ; eu desejo
ser esclarecido, fallo a V. Exc. ingenua-
mente, nao o pretendo perturbar.
O Su. Molsimo da Agricultura: Per-
guntao nobre deputado como que tendo-
se feito um contrato do qual proveio
augmento de renda, nao se contempla este
! augmento. Primeiramente digo ao Ilustre
deputado que nao temos ainda um dado
certo, um dado proprio para estes traba-
Ihos oreamootarios, isto de urna renda
arrecadada e definitivamente aDurada em
um exercicio ; fallamos por.apieciacoes ge-
raes. E' verdade que a renda da estrada
de ferro, em virtude do contrato, augiiien-
tou-se sem duvida alguma, mas esta renda
nem ainda conhecida no decurso de nm
i exercicio, pois apenas temos os dados de
i i mezes, e nem sabemos se permanente
em todo o anno.
O ilustra deputado deve lembrar-se que
a renda da estrada do ferro dependo do
trafico, do maior ou menor augmento
delle ; devia lembrar-se que o maior aug-
mento do trafico da estrada de ferro ;de I).
Pedro II, provm principalmente da safra
do caf pelas aprcciaces e.^tatisticas do
Jornal do Commcmo, que o nobre deputa-
do lera lido, adiara occasio de'rcconhccer
que a ultima safra foi de 2 milhoes o qu-
nhentasmil o tantas saccas de caf, cousa
extraordinaria, que era mesmo em 1860
aconteceu ; que podo para o futuro esta
granito perspectiva de renda diminuir-se
consideravelmento, por isso que a safra di-
ranue sempre nos annos seguintcs aquello
em que tem sido maior'. Portanto, se o
thesouro quizesso adoplar para base da ava-
liaco e arrecadaco incompleta e de um
anuo, por exeepeo prospero, podia atoar-
se em engao, e pens que a seguranca e
prudente apreraco nao urna cousa a
desprezar -em assumpto do orcamento de
receita.
Depois, devo lembrar ao ndbre deputado,
que nao de costme as nossas leis do
orgamento apresontar o quantum que cada
imposto d : aprecia-so em geral asomma
da renda, consigna-seo total, c se declara
qne essa renda ser arrecadada dos impos-
tos taes e taes, sem declaraco da quantia
que especialmente dar cada um dos im-
postos.' Portanto, nao se pode condemnar
de modo algum a proposta, porque, se
essa renda effectivamente crescer, os ba-
tneos futuros nao de deraonstra-lo, e cn-
to servir^com seguranca de base para os
futuros orcamentos; smente serve essa
apreciacao para poder mais ou menos d--
terminar o dficit que preciso por a co-
berto ou com impostos, ou com outros
quaesquer recursos.
E' claro, portanto, que a respeito da ren-
da da estrada de ferro, embora ella tenha
crescido nos quatro mezes ltimos, era
urna conveni-ncia haveria em torna-la to
ncovple'a para base regobc do orcamen-
to da receita primeiraiuente porque est
estabetecido no nosso systema orcamenta-
rio que a renda se toma sobre a base de
jres exercicios lquidos; e em 2o lugar
porque esta renda especial proveniente do
augmento ou dimmico eventuaes do tra-
fico nao pode ser constante, pode-"variar
segundo o augmento dos obyectos transpor-
tados nossa mesma estrada no decurso do
exercicio.
Fallando agora da outra parte do dis-
curso do nobie deputado, realmente eu
desejra que fosse oppoiluno discutir bem
largamente esta questao. N5o se persuada
o Ilustre deputado que cu n3o desejo urna
discusso ampia, e nella me empentara
hoje mesmo, se acaso nao estivesseraos j
em hora to adianlada, e ostivesse preve-
nido com os documentos e estudos que pre-
ccleram a celebracSo do contrato.
O nobre deputado figarou hypotheses e
sobre ellas fez o seu argumento, mas hy-
potheses que nao existem. Eu nem sei
mesmo como Ihe he de responder senJo
dizendo que as suas hypotheses nao tem
fundamento na realidade dos factos.
O Ilustre deputado disse que a estrada
de ferro tinha do absorver todo o trafico
da estrada Unio e Industria, e que os 25
% daJaxa das mercadorias por ella trans-
portadas o que Toram transferidas estra-
da de ferro foram em prejuizo das rendas
publicas: mas esqueceu-se de que-esta
absorpeo s poderia ter lugar em lempo
muito remoto.
O Sn. Aureliano:Logo que se abrisse
a estaco do Chiador.
O Sr. Ministro da Agricultura :Est
perfeitamente engaado; desconhece a to-
pographia dos lugares por onde correm as
duas estradas e a procedencia dos produc-
tos que tem de convergir para um' e outro
ponto.
O Sn. AunEi.iANo:V. Exc. tatvez rao
saiba qu andei por todos esses lugares.
O Sr. Ministro da Agricultura :-Admi-
ra ; nao parece pela maneira por que ex-
poz os factos.
Sr. presidente,- ]imito-me agora nica-
mente a restabelecer os factos. A estrada
de ferro transporta actualmente todos os
productos que at poca do contrato re-
cebia por sua conta c mais aquelles que
eram trasportados pela companhia Uniao
e Industria pela sua estrada at a raiz da
serra de Petropols, passando pela estaco
Ida asteada de ferro em Entre-Ros. Eu
tomo primeiramente este ponto da l'nha,
porque desejo que a cmara saiba que a
estrada de ferro antes do contrato smente
levava os producios que eram destinados
s estacos intermedias entre esta corte e
a estaco de Entre-Rios, e que os objoctos
que eram trazidos al Entre-Rios pela com-
panhia eram por ella conduzidos at
raiz da serra de Petropolis, conduzindo
peto mesmo modo os que recebia da corle.
Ora, oque fez o contra;to? Fazendo
convergir .as mercadorias para a estrada
de fem, disso companhia Unio e Indus-
tria : O transporte que era feito por vos
de Entre-Rios at Petropolis, passa a ser
feito pela estrada de ferro, e por esse ser-
vico a estrada ha de perceber os respecti-
vos direitos, reduzndo apenas fo */* Oe
Entre-Ros para cima quem faz "os trans-
portes a companhia Unio emddstria,
de recebeCoS fretcs
p rcebe ; o nobre de-
putado sabe que de Entre-Rios para cima,
at a estaco do Juiz de Fra, ha doze le-
tmas, as quaes a estrada Unio o Indus-
tria 6 a nica que transporta nos seus car-
ros, nos seus trens, nao'ha ootro interme-
dio da estrada de ferro para fazer esse
servico: mas chegando a Enlre-Rios a com-
panhia Unio e Industria entrega todo os
productos estrada de ferro, que os trans-
porta para a corte mediante a taxa estabe-
lecida ou os recebe da mesma estrada
para os transportar para o interior naquella
estaco. Assim collocadas a sconsas nesle
ponto, dividido o servico, pergimto en:
que confuso pode haver?
O Sr. Aureliano de Carvalho:Per-
feita confuso.
O Sr. Ministro da Agricui/iura : Os
objectos entregues aqui, que vio at es-
taco de Entre-Rios, sao despachados na
estrada do ferro segundo o systema que
est estabelecido, expedndo-se as respec-
tivas guias para serem entregues as di-
versas estacos, pagando os direitos dev-
dos; aquelles, p rm, que ho de ser
transportados do Entre-Rios para cima, sao
os que a companhia Unio e Industria re-
cebe em separado para os transportes,
mas pagando elles os impostos na estrada
da ferro al Knlve-U\n*. Desta maneira
j se v que nao possivel confuso, por-
que nao possivel que haja um negocian-
te qualqiier, que tendo de mandar para a
Rana do Pirahy, por e.xemplo, os seus
objectos, v entroga-los companhia Unio
e Industria, para os mandar a Entre-Rios,
e dalli vollarem Barra.
O Sr.- Aureliano de Carvalho d um
aparte.
O Sn. Ministro da Agiuci lti ha :E'
preciso que todo o pessoal da estrada de
ferro se mancumune para oceultar esta
verdade, que at o proprio remllente se
combine cora o destinatario para dizer que
a carga vai para Entre-Rios e nao para a
Barra do Pirahy; que interesse podia ha-
ver nisso ? Absolutamente nenhum.
K'i acho que esta simples exposco da
maneira porque se faz o servico, que pode
ser verificada a todas as horas, a todos os
instantes, na estaco da corte, por quem
quizer ver o modo como est organisado o
servico; basta para esclarecer ao nobre de-
putado e cmara e mostrar que nSo pddc
haver confuso nos productos remeltidos
para as dilferontes estacoes e para Entre-
Rios : a escripturaco to clara, to pa-
tentes os.despachos, as notas dos remet-
ientes assgnados por elles propros, que o
servico pratico estabelecido alli nSo pode
admitlir essa confuso.
O Sr. Aureliano de Carvalho : Hei
de responder a V. Exc.
O Sn.-Ministro da Afinicn/ruiu: Quanto
a esta parte, o qne ms parece por bora
dever dizer.
Quanto ao outro ponto era que o nosso
c dlega tem sido aecusado de urna maoaira
um pouco acre...
O Sr. Aureliano de Carvalho : Nao
foi a minha intenco.
(Continuar-se-ia).
TVr. 1>0 l>I ARIORliA DA CKUMfrM.
nao se podia in va-la
que ilalii em (liante

Mi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7EFCLEFX_8MB9T2 INGEST_TIME 2013-09-14T02:32:49Z PACKAGE AA00011611_11880
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES