Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11878


This item is only available as the following downloads:


Full Text
S O XLV. NUMERO 146.
PAM A CAPITAL E 106AJK OTO* FAQ SE PASA FUTE.
Jar tres eres adiaotados.......
I. Jor seis ditos dem.................... WOOO
w ano dem.......* "........... *MXQ
da numera avyfeo '........... 240000
* *............... |320
PINTA FElfiA I DE JULHO DE 89.
0 ------------_---
PABA DEITBO E PORA DA PROVTCIA.
Por es mrties adiantados. .
Por s^w ditos dem. .'. ..............
Por non ditos idea .... .............
Poromanno..... ..............
amo
201280
Propriedade de Jfanoel Rgiieirda de Farfa & IBkm.
,?!? a ?** Behraw> Sartes Btelo,
OBr.l
-4 provine!;
'.estjooa**]
3 fM^BQlo'l
Art. Ij
&* de 2,1
.rofermidi
onim.
""^SSSHSSK^iS^^
vera
do Nasolm
Pernamburu
nhlfa legislativa1
guinte :
I
V despeza provin
:064ii30. efecto
! Colli 33 Jspo-(;i
da i>ruviael.
" W. 891.
to Machado Pertelia, vlee-presdente
raco saber a todos os sens babitan-
' jvincial decreten e i sanccionei
X I.
PEZ A.
no exercicio de-1869 a 1870,
l>eTo presidente da provincia de
eguintes:
DLO I.
1 secretaria do gceme.
------------ a ponte de pedras

........**:
pos..
Assembla procinci
Art. %' As*eflibU:a provii
i |. .Subsidio dos depui
$ s&Auda do **U:!to *>s '
} a*E?preg:ul>s da segr) Moelusive a gra-
uta^i i i 3" offtcial iH'erT. ;..........
% 4.' Expediente easseiod *a--a, inclusive a gra-
tificada te 600*080 au serven..................
| 5.* Pubcacao dos d dt*, iat/usivc o pagauuQto (? 2' Prestaces do
^Mrtrat fi'i to com Ca rifo Enf10, e M?(| dita Fa I -
So efpncisco Pacificando A?/"3.........-V.....
Jfi-r. 3. Secretaria
'j I* Empregados,
societario, de rnais um c
par serve ao archiva........
Expediente e asseiol
-vB-tr^cacao do eulaborador
jfi.if.Vas do arcWvo........
I 3."1 Gratiea$ao dos sel
rao:
as gratificacoes ao
rador e ao continuo
c
luttr)
la casa, inclusive a
arrogado de copiar
nte?.............'.
rn.u ii.
|o publica.
Art. 4. Directora geral:
.!." Empregados, inclus
-otario..................
, 2.* Expediente e asseio
X 3." Gralilicacao duserv
Art. 5." Gviniia-io provin
i I. EmpregadoM orate
5 2.* expediente e gralifle;
3.' Mi n-alidade dos alu
4.' Mdseu, Inclusive os
I ir e comer vador........
ut. 6." Escola Normal .-
% Empragad. e pro!
ai.ROttitto itoA-vencimenios do d
*f -mt m f1i L-tnfltt, de Wi,
talo ay diraeloi nos tor
.........-..-.......
i t* ExpcJivjnt,' e
slramentoa
.ranlas, i.........
r**-*tus'iti
".| 4.* D,ti;i de li
* Vrt.5. Aulas/.
i.' i'ruf^ssore
E


Art.
: i-
:.
-ja.*
ii i. Escola
I.- l'ivf.'ssori's,
da sexo mase
ftaizliada do Rosail
**^9 de Santo Ama
^> Antonio do 'Jac A
barea iodo )'..-irinliO]
MTOrinuffio das cadail
S-PoRte dos Cirval
da Corea (raa
:-r. Irrorabados,
2." Alugneis da
das aulas nj
fas :
isive o pj
da praki
Barra de :
m de SeeM
o Fundo ^a^iQdasSia
'I Hiro, T*]u|tiiiga-,
."ao d'Allio; a$j|ni como
do sexo k'.'iiinllje Tigi-
EnuruzilhiKl,, do Ikitrinho.
.Nazareth do (abo'jSpedrri
uintAovo ,- ,ua Iiueml.
iisa, fcovt-is e tfMHiin-
23:790*000
2:80W000
W:800<000
1:400*000
3:0901000
61:490 000
35:0001000
3:500*000
1:800J008
40:300*000
6:680*000
402*000
730*000
7:812*000
42:880*000
478*000
5:680*000
2:6004000
17:1604001)
1:6585000
'* T. MlvfVW
' 1:1685000
81:286*000
7:;864000
SacSOOO
7:941*000
!>.- Biblioth
BiUiflthel
Compra
Expedid)
......mcial :
...............E,..
'os livros........^.
uguci da ca-:i., T.
I
mos do arl.
ao insfituto arch
(TILLO III.
o industrial
acmnpinliin perna.
.. .i conipaniuT
dcsta lei.............
L i'.\. Subvencao a Sciedade de ariis'C
i. II. Pira execueSo da lei que manf>r
deassucar.....................
4PITILO IV.
. Obras pilicis.
lo. Repnrticao :
jli EmprcRados, inetaajvc a qnantia de.l
"i 590 iandido EiuygUBPP.ercira Lobo deol
tadu- atWSjidos como guarda da girada de'
Afto......................................
s 2. Fxpedienie e serventes..............
229:000*000
39:8804000
268.000401 Mi
1:080*000
500*W0
6204000
2:2004000
1:200*000
90:000*000
- 'G:0(to*OO()
2:000*000
20:000*000
4&2*5O0
2:r*000
*
Irl.
16. Obl-
as :
1.a ftcpar|ft^MMBej
as, iiieluin :
> prcferid^HH^
ao de |onles,
per.a o producto
ta)mifea*)s pe
de (c
lafhl
( ." ConsorvafpV ff3fepar?Te'edfnclo|
ufa*s.................. ...............
'.', alcamento da Cid;.de do Reeifee
i. ..oiiecs wbis. 61 a flfciiicIniDdo-se.na
fWlurlo dos iinfosioa^reados pela lei n.
el9rt. r7 da : .............
4." Para eltudos grjtptucos............i.,
\ .". Para execue^o- fda !ei n. 649, devetlo
..wairtiva verba ou i>aBe della, segundo se extei
ar su cao a lei Ja W# u ei11 parle
11
4:'.)69*500
%
100:000,4000
5:000*000
159WOOO
5H0|00
efticiu da p.
as-feguinte:
La^ 20:000,
4estrada do ni
Wr-aiido
Risita; 20
r.mm p
* eras da
rtiraa cflberm
vmt as otras
tmtm puf
3r *Cafco:
w, Nazai
fichen).__
vrrai nlt do
cessiiadtsu
. le en s*oto
lio
denr
u I
hcada quali
coin a entrai
oni o Gvmnasio ; O.-OOftOOO
20:000000 com a do Lin*
nome a encontrar a pa1"1
ra constrnee3 de cadasV
i\ dos aillantamertos feitoi
t"*> io dp RWte;.t:400u_;
nialriz ir Ignarassii ; 4:000*000*,
i matrr.4e s. Jos desta cidade
|a ama das igrejas seguintes v-
nte de ltamb, Ingawira, Ca-i
flBento, igrsia do Rosario de Se-
na fregnsrl de IktMrass, Li-
>, llossa SeMtora dafe-
'orte, Nossa Seakora da Pieda-
af%;e recolhiniem* de Iguarass ;
utna dM .igrejas seguintes
eihora do O" Je Oovanna. do Ll- \
Iho. igreja de Hosai Seahora do!
da Boa-vista no Recite, Nossa '
monto de Pao d'AH*A lUsnrio de
Vanea, HgaitiOt lo Cabo,,
or tKMi leap dos Po-
i, Santo AntafK 4ia Salioas.
fioywHia, S. tetosflia Je
de Ittwnb, gmo&taro le
Se%aMO do Benito; fjMpOO
:*m4* lei n. 13; lOMOUm* mn exe-
-w-Soda den. 740; 5:000*0lfra mmjtti/LO
om Scrhihem ; 4:000*000 para
STllW paiMpovoacao do Al-
tmho ,4:000*000 jara desafk^bncoes na estrada
do Kecife a Apipucos na estrada da Casa-Forte, c
lugar da lamario no Montero; 2:000*000 para urna
bomba na roa Bella do Rio-Formato : 40:000*000
para urna ponte sobre o ro Una $ a no-.-oaeo
deste nome e a villa de Barreiros ; 6^X10*000 para
o ac.ude de Naiarelh ; 4:000*000 para desaprop-
eles- dos terrenos adiacentes ao riacho Natuba ala-
gados pela repreza d agua potavel da cidade da Vic-
toria ; 4.000*000 para urna ponte ao legar mais
'ilwIS!L,e d0 canal I"*-' atraVl^a a roa da Unio r-
3:000.4000 para a matriz da Gloria; 10:000*000
para concertos e reparos da ponte e ata da estra-
da da cidade do Kio-Pormoso ; e 6:000*000
canalBacao do rio JordSo na Boa-viagen..
para
CAPITItO v.
Theatro de Santa Isabel
Art. 17. Administracio e subveucoeS :
8 l. Adniinislrador______
S 2.
S3.
Subvenco eompanhia dramtica.......
Subvencao eompanhia lyrica..........
CAriTITLO vi.
. Seguranni pnbtira.
Art. 18. Forca policial:
!.* Auxilio ao corpo de polica em campanha,
pago unicamemo vista de atteslados Iriinensaes do
quarlel-general do exercilo em operacues.........
2." Corpo provisorio......................
S 3. Educaco dos filhos de voluntarios da pa-
tria taller idos ou inutilisados na guerra............
Art. 19. Casa de detencao :
M" Empregados, inclusive cirnrgiao,Jjarbei-
mSSlleir,e,ro> e perrebendo o enfermeiro mais
JOO*(KH) pelo trabalho da destribuicao da alimenua-
cao aos presos pobres.......
8 2.- Expediente.........'.i.!'.""!.'.'.'.'.'.'.'.'
S 3." Illuminacao...............
220:000*000
489:000*000
2:160*000
10:0004000
20:000*000
32:1605000
20:000*000
59:000*000
3:800*000
282:800*000
21:650^000
300*000
1:400*000
23:350*000
3:600*000
1:0004000
5:000*000
10:000*000
STS ef S "} P"r cento 4e 1e"-t a
Art. 47. Eventoaes".\.\,.....'.',.......\.....
T0TUL* II
SSal"de.nSS5?e d:i ^^'^ a ar**** darendaj.wJ
iai, He conforiBHluJu ,-.,.....s par.grauK SMUinites.
S i" If01' f*"to dc :,lH<>da exportado :
S 30 rs. por arroba d; awuear dem.
i i.' 20 rs. pur amada de aguardentee aleoot idem.
il^ Vunn J*- p,,r J'uu.- wr^iA^m i 750 rs. por dito salgado
limmL' e ~ n P"' iiu *?.. i.pl'r c-eMto do ",ai e,leTOS exportados, exceptuados es
ato dos naviw e alunento Jos passageiros e tripolaco.
cada escra\o exportado, guardada a disposice
ius arttr^S^lreTV **** provincial p
darahi^nySS^ a frM P^heas, ao ser acceita em
- raz oa apttee* da d.vidapubi.ca, qu.er geral, qaer pro-
Art. 5i.
eontrat
bon di
viocial.
or^s iiarva,b,>. ihSras t?
di Escoto Normal, desdu e
0 presidente da
v*s exercicios. a > gin^^ Ttt-,ro^,H M *e7fer
- prilfcipio de aereicio da bH n. 852, em
Arl' Vn nJZ^d,a '1,,0U para P'neM*
riwtn, V:l ITi^ ^^oea 'anar pagar a Mmoel Att-
KnSl. m>r,"n a *fiCM a IM te.nX.jp,. com, ter-
SSS:rWete da assemhda,durante os meaeA
no art. 41 ria le n. 431.
100 rs. por Hbra d.; tabaco fabricado, e 600 rs. palo nao fa-
restituindo-se o imposto quando esse gnero tr reex-
24 por luilheiro tIc charutos e 500 rs. por dito de cigarros
800 rs. por arroba de sabao idem, Picando isantas asa-
pro VIDCU.
!!' ^ "' |K>f ea!l'u,a (l,; vinagre i
- 80 rs. por caada de genebra
idem.
e licores, e 50 rs. por dita
restiiuindo-se o imposto se e gene-
m-nKos mos.
a a cada um dos alinos da escola or-
Art. 58. Fica conc^did
o Mariuho Palea e Sabino Antones b Oveira a
mal Jos Belisari
laantiade^WtfMO, para continuaren, a seguirosseus'esldo's'.
Art. 59 A pilavra vencunento-do art. 24 da lei n S88 alirtn-
;e o ordenado gra.ilieacao, de modo que se deve c,nsi,trar aug-
,entalo o ordenado ni razo de metade e a gralilicacao nan :,
cara
. ,Arl- ^- Alngtiel de casas para cadas e miar-
te tora da capital..........................
Art. 21 Conducao de presos..........!......
CAPITULO vil.
. luminaciio publica.
Art. 22. Com 1,354 lampeoes degaz na capital,
seidn mais_27 para (irolongar a illuminacao da es-
trapa de Joao de llanos al a Encruzilliada, 8 para
1 Tr- urn' 4 |)fll'a a H"*** deslVieira, 12 para a ra da Esperanca, aberla en-
tre a do Hospicio e a da Soledade e pela qual passaui
os Irilhosurbanos de Apipucos, 50 para prolongar a
iMuiinnacao da estrada de Apipucos, da Ponte de
li|a ai o Monteiro. continuando a inspeceo
i da reparticao das obras publicas...___:___
^rt. 23. Com 101 ditos de aaeite em Olkia....
tt 24. Com 30 ditos em Goyanna...........
li t. 25. Com 30 ditos em Rio-Foruioso........
Art. 26. Com 30 djtos na Victoria............
.tri. um *i di*-aicCariarii......
CAWTIXO fll.
Soccorrm de beneficencia.
Art 28. Auxilio Sania Casa de Misericordia
do Heaife. sendo 3:000*000 para o collecto dos
orpliaos....................'...........c......
Art. 29. Asvlo de meudicidado, de confiida-
de com a lei n. 832.............................
Art. 30. Sustento e curativo dos presos pobres.
Art. 31. Para libertar enancas do sexo fefteni-
no, nos termos da lei deste anno................. 20:000*000
Art. 32. Rocolhimentos:
8 i. l>e Olinda............................
2 Be Iguarass................ ___
wi.Sr.1*6 Gyanna. ndo 500*000 para reparos
e 500*000 para alfaias do templo. .\ .. .77.........
deoutras bebidas espirituosas,
ro oc reexportad*.
on f,L,ii13^rs- por i!ava de ouro exportado em obras nsadas
cnl.r^n,' "-. por dita de prata dem ; 120 rs. por libra de
n or llm' .,00,rs- P01- Bta d,! "" ou la'* dem idem ; e 80
rs. por chumbo dem.
hr-,,uJL?>0T C''"10.1^ agurdente consumida na provincia, co-
brados porministracao na cidade do Hecife.
nrovm '!' "- -: l"-- c':!,,c-a de ado vaccum consumido na
r*r i V l'", ie^, <-,iad'"-es as comarcas de Bonito,
vndo imSm ?. i'^rj0' Fl"a's' T,Mrs,,- CabroMeBoa-Tirta
i' 4 n i**10 ,- ,;'sc 'posto na villa de Pedras de Foco.
if>. Uizmio do gado vaccum as referidas comarcas.
da le n 852 ""' P|',;di,J urbanos nos termos do art. 48 f 18
% uU^hw Pr venla, de esc,avo. exceptuados os menores
o anuos que forem vendidos comas profriaa mais
gralilicacao na ai
de reboque um auxilio
a condicao de ter elta
levendo. porm,
quando a venda tr d
96:129*000
9:511*170
3:15.14600
3:153*600
3:1535600
2:10i*'jOO
0:000*000
48:00040(X)
40:000*000
1:000*000
1:000*000
pagar-sa 2 por cento do especlivo valor.
parle de um eseravo.
do JJ!L.4 'u1' f^Jacorreclor ou inculcadordc escravos
te"8f J l"'' W ,;,l"'llla" oa eaerivio que oa^l
turas ue venda de escravos sem guia do corrector
^8e!niad,',s p'''" P'xP'"'" senhor doeseiavo.
- qual^aer especenos termos do arl. 12 fW
5 21. 10 pur cento dos novos e vellios
anosenladoria ou jul.ilacao dos empregados pro
-' 'l Pnr eeuto do- premios de lotera n?
Zd. 0:0004 porcada casa que vender
corte ou do ouiras provincias.
S 24. 5 por cento sobre a ronda
eorppicoes de uio mora, -exceptu
iz pcrlencentes~as
;intm estabeleci-
tsas em qno se aeha-
rosso e a retado, arma-
prensas ou armazens
;. licando i6en/os os
Art. 33. Collegio de Papacaca..............'.
Af'-jji- Hp/ ital da Misericordia de Govanna..
Art. i!5. "Cas.... de beneficencias :
S l. OeGravat...................."V
i 2. DeBererro?.............;..
CAPITULO IX.
Culto publico.
Art. 36. Coadjutores........................
Art. 37. Religiosos capuchinhos..............
CAPITULO X.
ArrecadaeSo e fiscalisapio das rendas.
Art. .18. Thesourana provincial :
-8 1." Empreados, inclusive as graQcacoes do
f eseripturario addido e do continuo, pelos servi-
ros estranhos s suas funeces...................
S 2. Dez por cento da" cobranca juieial..
_ ? 3. espwas judeates, io<-lsive as gratiiiea-
Cw? ao-desembargador procurador da coroa e ao
solicitadar dos feitos da fazenda nacional, pela defeza
das causas em que iatbressa a fazenda provincial...
V Expediente e asseio da casa............
." Ciafificacao do servente c do carteiro.
Att 1. Consulado provincial :
i ?.* Empregados, sendo a porcentagem de 4
por cento, e fleando os vencimentos do continuo
ifpaes aoe da thesouraria provincial..........
S 2. Expediente e asseio da casa............
8 3.a Gratiieacdes aos serventes........
Arl. 40. Collectorias e agencias :
$ 1." Promotores liscaes.....................
2. Colleetore.% sendo as porantagenr as mes-
mas 'do oxercicio anterior.......................
8 3." Escrivesdos mismos, sendo' as poVcenta-
gens do exercicio anterior..............
8 4." Agente do fumo, tabaco etc., com as mer-
mas poreeWgeus do exercicio anterior..........
, i 5. Agente de lquidos espirituosos e vinagre,
comas raesmas percentagens do exercicio anterior
> li:Cfentes desfc,ovincia as cidades de
Parahytv Mamanguape, MIc e Penedo, nos termo*
do art. 38 da loi n. HSSiS,...............
2:000*000
4:000*000
6:0004000
1:000*000
1:000*000
1:0004000
Art 41. Alugueisjt ba#wtr> .....
CAPITULO
Aposentado/tas 1 ittiatet
Art. 42. Aposentados..........
Art. 43. Jubilados............
Art. 44. Exereicios
anaexo...............
CAPITUfcO xa
Divida provincial.
lindos, segundo o
quadro
2:000000
33:000*000
1:200.^MM)
53:302 4000
7:200*000
5:000*000
1:850*000
1:5005000
68:8524000
58:6005000
1:800,5000
1:200*000
61:600*000
6:700*000
12:800*000
8:800*000
3:500508
5:000*000
4 0005000
40:800*000
30:475*720
20:344*000
146:346*840
pas
I 25. 20 por cento sobre a
rem estabelecimentos de eon*
zens de reculber, fabricas dc
de algodao c trapiches, cx>-.
ue nao tiverem
"*8 H 8 porrn to sdW Ha das casas em me se acharem
insultnos, escr.pt .rios H MT- indasive Js solicitadores de
"^s nos tenpos do ,ir!. i^m^ ,i;l l(, n C87_ w
Mi k 1 '"' ''''"" *"l"'! rentlaadaacasas em qe se acharem
esianciecirotmtos coniraerciacs tora da cidade do llecife ; assiin co-
9 das casas cni que se acharem em toda a provincia lypogra-
pTnas pbouigrapWa, laofeis, botoijuin, casas de pasto, eocheiras,
3* '' vA! :i"1'w'i e fabricas; exceptuadas, porm, os ruraes.
g 4005 por casa de operacoea bafiearias, eompanhia ano-
nyma cjigeiRtas.
200* por casa de cambios e de pcnhori'-.
M9g por casa j i >ja ijim .vender roupa feita, scUins 1 u
rceneria nibribadas em paiz etrangeiro.
IO p,,r cada corrector commercial, agente de leiles e
pra, venda, 011 qiialquer transaccao sobre escravos.
r ci-a (le mudas de qualquer especie.,
> por casa de um so biitaar e 204 por cada bill:ar mais.
cento de ca la leilao, pago pelo comprador; excep-
os judiciaes, e sendo 30 por cento para os leflcs de
_s pro r,iia. .\r,pinad,is igualmente os judieiaes.
' por c vo eiiHiregado no servido das alvarengas
;io trata o paragraplw seguinte.
por tonelada das alvarengas e canoas abertaa enipre-
co da carga e flesearga do poi-to.
orbote, saveiro, catraia e baleeira empregados no ser-
|
obras
delmar
por
1,
CAPITULO XUI
* 1K D..1.H Zmic^f e intpmiies.
Art. 4o. Ponneacao e impressao. dos trabalbos
2al!?|)ar,,5"es P^winclaes, mclosive a uaaatiade
2:080* a Fraocisto PaCiflco do Amaral para a con-
feccao e impressao do alraanak da provincia, assim
compajagateBto das presuedes semeflraes pela
eoafecgao da statistica da provincia ; 8:000* para a
oufee^ao do Indica alphabetieo e elassiftcaclo das
LeLrovi"**le9 ft08 tTnro* das 'eis n. 651 e 826,
6'.WuMra e omeco da fitjpressao das obras de
^ratrifealein. 881, 5:0| para a impressao e
puMejeao da* obras de fre Joaquim do A%pr Divi-
so Caneca, 4^80* par aaxiar a puolicaco do
diccionario bottnico braslleiro de Jeaquira de Almd-
*(*)....................................... 38; WO *W0
Carrrotoxi*
' Dtfttat th>mas.
Art. 4. eatitiicdOa, inttaitve 6 pagamepto do
31
casa de c
I 32.
S 31,
I liados, poj
escravos pl
ijf\
e canoas.
36.
padas no
37.
ffrjo do pori
8 38. .1
empregados
I 39.
3 SO.
l.-i n. 75
11.
I i 2.
I 40, ex
trabalho de
8 43.
j 4 i. 5
i 4;- 10
na provincia.
8 46. 2:11
mascatear na,
ha mais de sei
200jj*por cada
I 17. 100i
com toada
litantes.
48. Mal
49. Pe
i 50. Jle
8 51. Em
8- Mu
S 53. Em
161
icep
10'
ir cada eseravo na cidade do Reeife, exceptuados os
servieo domestico ounas fabricas,
ir carro particular de 4 rodas elOi'por dito de 2 rodas.
ior carro de aluguel nos termos do art. 45 35 da
or cada mnibus e carro fnebre.
rada carlina ou vehculo nito compreliendido no
porm, o.-i que forem empregados no campo em
(ra.
cavallo J altrgnel.
puto sobre a veuda de capim na cidade do Recifc
(cento sobre a venda de clcheles nao fabricados
I por cada joalhefro ou caixeiro do mesmo que
Ivmcia ; exceptuados, porm, os que se acharem
Jnos cstanelecidos na provincia, os quaes pagarlo
poa ou caixeiro que empregarem em mascatear.
cada estrangeiro que mascatear na provincia
iezas, quinquilharias e outros gneros seme-
art.
rt.
la da Escola Normal,
das pontcs e estradas,
evento.
entos e aprehensoes da polica,
por infraecfles.
otos da ttiesooraria provincial!
S 54. Resl Vc/ws o reposieOes.
s 55. Divti activa.
8 56. Metgjda divida anterior ao i'dejulho de 1836.
'ronte da Venda e ronda dos gneros, utenciiios e pro-
dos impaslos creados pelas leis na. 350 e 596
prios provincia
8 58. Proi
57.
S59.
O.
39 da lei
I 61. Cu
62. Jrd'
# 63. ProdJ
1867.
exercicio anterior.
os premio de lotera prescriptos nos termos do
rrecadadas pelo juizo dos feitos.
, 9 por ceno pela indevida deteneao da renda.
Uo du imposto addieional croado pela n. 777 de
Ttulos
inuam em vigor as di mosiedes dea artigos 43 da
06 da de n. 59XJ ;H9 a de n. 635 ; 51 da de n.
e 19 e arl. 49 da de n. 754.; 45.46, 48, 49 a 51
iCocnrador
ior
riscal da thesouraria proviaciaJ e ao
'snsulado provincial, Horneados por portara de
"Jado, serio cobrados dentro do exercicio da pra-
"'e velhos direitos das rospectivas nomea^e^ na
Arl. 49. Oo ii
0. 544 ; 4S
. 47 e
a de n 892.
Art. 50. Aofl
administrador d
agosto do anno
sent lei, os noV
forma da lei. 1'
Art. 51. Daquantijs votadas no exercicio de I8B6 a 1867
para obras de drirsas matrices, mas qne nao tiveram a applieacao
designad., as>im hmo dos benefieioj de diiTerentos partes de kto-
le nao forii entregue-, o que tudo existe na caixa de de-
da thosoorrii orovincial ; peder o presidente da provincia
tur a qtttfl^-haccssaria p ira obras, eoaeertos e reparos das
Bes e MpetlaTJJe-iynadus no $ 5 do art. 16 da presente lei.
Art. 52. Fica alisada a cobranca effeetuada pela tliesour-
ria panvipcial do intosto do dirimo do gado vaecjum no exercicio de
Art. 83. O probrador fiscal, logo que reoaber da thetooraria
as relajees dos corf iboiotes mo deixaram d pagar na reparticao
en tonino eompalev os respeeuvos impostes, far publicar nos jor-
nias raajs H* os irnes' dos devBoWes, os quaes podem nos 30
;ses annuneios reoolher as qnantias devidns,
Xla, pefa qpM pagario 4 rs. do regaa-
Ita "
das subseqnentWi l
mediante a compet
(Os depon 1
Me exeent
imb aso prao que p menta lo
razio.
a. ^r!nn de 5O0500J naensaea por seis annos, com o
ETSZtt ,:,r-'1 pr9C;,a a^ rebocar para dot o e Va do
o eS a la 1^* 223 ,cla'''. d ^''^ 20% no
Kn nfiti't JCWr?*e ^P* VW trata o*.
vm U !rr,,8d0 Pnssargratuflaiiiente os serviros dosseus
.''*: ?,Ii"ld,l, alamar o governo da provincia, por ruja eonta
correr somente o combustivel consumido
ro pwl^i; A'>,0,;scril,"'''-irio da thesouraria provincial Mareomi-
venctin 1 h'T dos1?an,os *>* paga a quinta parte de seus
ti.L mentos dos dous ltimos annos, como gral.....ario pelo ex-
^ *^ ,! a"? r,ewipturarioa Bernardo rWro Mon-
uro da Silva Aantos e Jo:io Carneiro Monteiro da Silva Santos a dif-
ei enea entre os seus vencimentos e os de 1- escriturarios na mes-
MJdade, continuando este ultimo perceber .1 dilTerenca
Burar o impidimento do escripturario Temporal.
J. A preferencia das partes de loteras que tem de ser
T> exeiciei,, da presente lei, ser regulada do modo s-
idas todas as preferencias dos anteriores ornamentos :
1 parles das loteras concedidas aos esialverimentos
lo da SanU Casa de Misericordia.
o partes da que loi concedida ao patrimonio dos
Uina parte de coda urna das loteras seguinte. o na orden,
que esta, c.olloeada-
oh,JlioAh!!a,?, 'i|U.ft fal^ Mrf(''; da loIeria mrodida en favor das
obias do ho>pnal da onloui 3' do Carino do Kecife.
GanwWra ^ ,0lera con<"edi,J* f,ara a8 0,'ras ,u nM,r *
Santo'Am"VSat'0,era CnCedda "" **,raS "a Ta *
S. G;nardrR^ideal0leraCOnCeddapara '""^ *** *
soi,!tliSUa,otriaconce 6. Uiim parte da lotera concedida para as obras da rea do
Guadelupe Je Ulinda. e J
c1", Pjf!|,arlt da '"toria concedida para as obras da matriz de
N. S. doO de Goyanna.
8. Oniji parte da lotera concedida para as obras da groja de
!?. Joao do Abreu de Una. .
9." Jjiuii parto da lotera concedida para as obras da igreja da
Conceicao dos MHiiars do Kecife. '
10. Una parte da lotera concedida para as obras da igreja do
Amparo em Goyanna. *
11. Urna parte da lotera concedida para as obras da igreja do
Amparo em Olinda.
12. I'ma parte da lotera concedida para as obras da igreja do
L1vramet1to.de Pao d'Albo. ft '
13. Una, parle da lotera concedida para as obras da igreia do
I-ivraraentoWo Rio Furmoao. '
14. Umb parto da lotera concedida para as obras da matriz de
Laruaru
15. Urna parte da lotera concedida para as, obras da matriz de
S. liento.
*. 1G- Ln>:t Parte da loleria concedida para as obras da matriz
d Agua Preta.
17. Urna parte da lotera concedida para as obras da igrej* de
Santo Amaro d;s Salinas do Recite,
18. Urna parte da lotera concedida para as obras da igreja de
anto Amaro do Seriulen.
19. l'ma parte da lotera concedida para as obras da igreia da
Santa Cruz do Recite. '
20. Urna parte da lotera concedida para as obras da igreja de
Nossa Senhora das Necesidades da Casa Forte.
21. Urna parte da lotera concedida para as obras da capella de
hanto Antonio de tamb.
22. l'ma parte da lotera concedida para as obras da irmanda-
de do Senhor dos Fassos la matriz do Corpo Santo.
23. Urna parte da lotera concedida miaadade de Nossa Se-
nhora do Hfim Parto do Olinda.
24. Una parte da lotera concedida a irmatulade 3e Sant'Auqa
da igreja da Madre de Deus.
25. Urna par.-, da loteiiaJ|BIfcpata as obras di igrejadfi
S. Sebastiao do l'.onil
26. Urna parle'dS lotera concedida para as obras do recolbi-^
ment de Iguarass.
27. Una parte da lotera concedida para a obras da matriz da
Escada.
28. L'ma parte da lotera concedida para as obras da matriz da
Varzea. 4
29. Urna parte da lotera concedida para as obras da capella do
Senhor Bom Josus dos Pobres Afilelos de Nazareth.
30. Urna piule da lotera concedida para as obras da capella de
Nossa Son luir de Nazareth do Cabo. i
31. Urna parte da lotera concedida para as obras da capella do
Nossa Sennora da Coneeicio do Beberibe.
32. Una parte da lotera concedida para a impressao das obras,
do commendador Antonio Joaquim de Mello.
33. Urna parte da lotera concedida pra as obras da capella de
Apipucos.
34. L'ma parte da lotera concedida para as obras da matriz do





.




de
cuida para patrimonio da igreja
Buique.
35. Urna parte da lotera concedida para as obras da matriz
Villa-Bella.
36. Urna parte da lotera concedida para as obras de Nossa Se-
nhora do Bom Conselho do Brejo.
37. Una parte da lotera concedida para as obras da matriz, de
Grav*t. #
38. Urna parte da lotera oonced
da Boa-Viagen!. ,
39. Urna parte da lotera^Bcedda para as obras da igreja de
Nossa Senhora do Rosario de Igbarassii.
40. Urna parte da lotera concedida para as obras da igreja Nossa Sennora do Rosario da froguezia da Bda-Visto do Kecife.
41. Uflia parte da lotera concedida para as obras da matriz dij
Flores.
41. Urna parte da loteria concedida para as obras da capella de
Nossa Senhora da Comjeicao de S. Serafn do Florea.
43. Urna parte datoteria concedida para as obras-da capella dos
novia da ordem tercelrado Carmo do. Recjfe.
44. Urna parto da. loteria caneedida para as obras da matriz de
Ingazeira.
45. Urna parte da lotera concedida para as obras da igreia do*
Martvrios do Recite.
46. Urna parto da krterra ooncediija para as obras da matriz dc
Alagado*.
47. Urna parte da loteria concedida para as obras da igreia da
Estancia do Recite.
48 Urna parto da loteria concedida para, as obras da igreja do
Nossa Senhora do Carmo de Olinda ?
, a9. Urna parte da loteria concedida para as obras da igreia de
Nossa Senhora do Terco do Recite.
50. Urna parte da loteria concedida para as obras do convento
do Canno de Goyanna.
81. Urna parte da lotera concedida pan as obras da igreja do
Rosario da freguer do Santo Antonio do Heoife.
52. Urna parle da loteria concedida para as obras da igreja *.
Livrainento da Vare. e '
83. Urna parte 4a kderiaConcedida rmaudade do Espirito San-
to em Goyanna. ^
J ^^Iw^ |("*rt* concedida pora as obras da igreja de
fcabastito do Bonito. ^ *
- JL


lal
Pemamibuco Quinta feira 1 de Jplho de 1869.
iwfceia
r-.S "* parte-da-lmeria concedida para as obras da jgreja do quadragesinio.iitavo da indeneT
nosariououtij Munqel da Xascinieiilo Machado Portella.
na parte da lotera concedida* irmandade acadmica de
vcrno
==
imperio,-^L. S.Dr. -Pedro Alfonso Ferreira.....................:......,
Tlieatro de Santa Isabel.
*plh ------------ "w",ia ao Sellada publicada a presente ssotgao nesta secretaria do go- Jos Amat......................................
WUrnaJa leda loteS concedida Dar a* l,r r. liacharel Antonio dos Santos de Siqueira Cavalcaali..
Nata)ih witua conceaiaa para as ohtas da matriz de Joaquim Correa de Araujo. i Seguraiica publica
......____j. .__________ Registrada a 11 do liv.-o de leif provinciaes. Secretaria do go- Antonio Beraldo de Lima.......'.................
para a trmamlade de Santa verno de Pon
S8. Urna parte da lotera concedida
Cecilia erecta no convento do Carino do Hecife.
19.'Vina parte da lotera concedida irmandade
ahora da Peuha de GameUeraparft o comiterto;
60. Una parte da lotera concedida para
S. Podro Martyr de 0!iuda.
Art. 63. Pica o presidente da provincia autorizado :
1. A mandar, pela reparticAo das obras publicas, caiar c p-
ilicio em que uneciona a Escola Normal; assim
da a fl do liv>*o de leij provinciaes. Secretaria do go-' Antonio Beraldo de_.
iiiambuco, 25 de. junho de 1809.O chefe da4"-secgo, Francisco de Soaia Guerra.....................Y.\
Francisco de temos Duarte.
rwndade do Nossa Se- Helta o de eiercieAes inlos. a que se refero
m obras* ,nz do *A *f da lei le Juubo
tar
le ls -KS E KOMF.S
AsseiMaproi incial.
Pedro Rodrigues do Souza......t......../...
T.TTALIDA S
DIVIDA
DA
i idtei quaiquer ouua uperaeao ae crdito. | inttrvcrao publica.
3. A contratar a canalisagao do rio Capibarilie. com urna pon- Eduardo Monteiro Moura......'...................
de ferro no Giqni, ou dhde fr mais conveniente para o esgoto, : Therez Emilia de Souia Gomes..................
dendo igualmente fazer o pagamento dessas obras era anolicc* i Mai* Francisca de Souza........................
.- como a for
neccr-Ihe os movis que tallam.
5 2. A contratar a con-trueeo das pontes da Magdalena e Ca- : ^ mesina..
tanga, poduiido para integral pagamento das obras emittir apolices' Jo* de Vasconcellos.............................
ou fazer quaiquer outra uperaeao de crdito. Inttrverau publica.
te de fer
podendo
emittidas o par e vencendo juros nunca superior oito po7ceuto Manoel Roberto de Camino Golftarai*..
ao auno. Rodrigo Lobo de Miranda.........................
e 4* .,,.., .,...., Fraiiceliua Maurina da Silva Albquuerqtio..........
6 v A nioditkar o contrato da illuminagao a gaz .la capital, de Amelia Pereira da Costa..........................
modo que os lampeos estojara accesos mosiiio as noute de luar, l Manoel Flix do Nascintento......................
segundo esta previsto no primitivo contrato. I Gosina Joaquina do Lima Nunes..................
.). A nomear mais mu collaborador para a secretaria do go- Mario Adelaide do Barros e Silva..................
vcrno com venciinentos dos outros. | ciaudino dos Santos Lopes Castello Brinco..........
b. A mandar pagar, depois dos convenientes exames,-as des- Geininiano Joaquim de Miranda....................
pezas teitas pelo paire Jos Porfirio Comes, com os concertos da ca-1 Jos MuuizTejxcra Gu maraes....................
pella de Tamandar ; descontadas, porm, as quantias por elle rece- Aquilino Jos.; dos Guimaiaes Ferreira..............
bida* da t.esourar.a provincial. |J^,Marinn0 cesar............................
7. A mandar pagar ao coronel Francisco de Barros do Nasci-, Chrislovao de Ranos Gomes Porto.................
ment, o que se Ihe dever dos alugueis das casas que servem de Eleutcrio Roberto Tavares do Espirito Santo........
cadea e auartel na villa de Floresta ; assim como a D. Fraueca da<
Cbagas Abnonia, o que se lbe dever do-aluguel da casa que serve de
..adeiaein Villa-Bella.
g 8. A mandar pagar que se dever jto padre Antonio GoBcal-
i-
a
1:6001000
8'(j:iai
I:lli903
Joo Francisco da Srlvs Sosta......................
Thomaz Rodrigue P..
r. Antonio Aune* Jaeome Pires.......
Joo de Azevodo Hamos...................
; Majot Francisco de Barros do Xascimento...........
Dr. Jos Antonio Cocido Ranialho.................
Frapcisca das Glugas AI monja.....................
Joao Marques da Franca..........................
Eustaquio freir M.. Mauricio Lopes Lima.............................
Francisco Lima da Silva..........................
iis ,->' francisco Pereira de Mwdonca i C...............
1 la330. Honorato Jo* M.mteiroTT?.........
*J8G pieiden Brothers................................
itw-i Mluel Joa1uim d0 RR Harros...................
ko??f Tenente-coronel Candido Jos de Barros............
Justino Manoel Ramos...........................
Jos Francisco Nunes Falco......................
Manoel Gomes dos Santos.........................
Antonio Jos Pereira da Cunba.. .*...... Y.'.'.'.'.... Y.
Jos Joaquim ,n **
ves da Silva, professor publico de Tracuiihaem. de ordenados venci
1 is e cabidos em exercicios findos, precedendo, porm, a nec
liqmdacaq,
ii ^i9-* A man,,a1' construir com toda urgencia urna cadeiam
villa do Bonito, podendo para isso despender ate a quantia de.....
16:000*000, de confuriuidade com a lei n. 730 e pela verba mencio-
nada no 5 do art. 16 teta lei
| 10. A mandar pajiar ao coronel fos de Carval'io do Araujo
Cavalcanti, a quantia que se lhe dever dealuguel da casa que serve
de cadeia e casa da cmara da villa do Buique, desde maio de 1867
ateo Qin do niesmoauno crtente.
11. A conceder ao professor publico Lu:z Cvrteeo da Silva, a
fc'ratilicacao aulorisada pelo art. 28 da le de \ de maio de 186.
12. A mandar pagar ao escrivo do delegado de polica da
iapital a graticaco annual de 600*.
| 13. A mandar cobrar, pelos meios competentes e de couformi-
lade com a tarifa em vigor, o pedagio da barreirado S. Joao.
Art. 61. Ficam revogadas as disposirois em contrario.
Maulo, portante, a todas as autoridades, a quem o coiibccinjento
; exento da presente resolucao porteocer, que a cumprain e fa- IgMeio Francisco Pereira da Silva...
cam ctunprir to inteirameuta como nella se conten. i Francisco de Pinbo Borges...............
O secretario di yoverno desla provincia a laca imprimir, pti-' Bacbarel Joao Cavalcanti de lbuquerque. YYYYYYY
Llicar e correr. | Antonio Lopes Pereira de Carvalho................
Palacio do governo do Peinambuco, % de unho de 1869, liara Mathildes Cavalcauti.............
Manoel Rodrigues Maehado Lima..................
(iuilhennc Augusto Rodrigues Sete.................
Mara Uermina Jardim dos Pasme.................
Attxilio industrial.
Companbia Pernambucana........................
ObrtMfubtkas:
Flix Ramos Lieuthier...........................
Anua Felicia de Jess............................
En.preitciros da estrada do norte..................
Jos'Augusto de Araujo..........................
Baria do Livramento............................
Luiz Francisco de Paula Cavilcanli de lbuquerque
Lacerda......................................
Bartliolomeu t C................................
Antonio Prancisco Orphao Jnuior..................
Antonio Francisco Paes do Mello Brrelo...........
Vigario Jeronymo Jos Pacheco de lbuquerque Ma-
ranhao.......................................
Amonio Francisco Paes de Mello Brrelo...........
Augusto de &'i e lbuquerque.....................
Antonio Franci-co Orphao Jnior..................
Manoel Thomaz de lbuquerque Mar.inba...........
Jos Augusto de Araujo..........................
Joao Florentino de Ges Cavalcanti................
58*2
8^888
8200
135129
6lot)
3i2
142*233
117876
5 350
3*399
329*993
1*187
157 MIS!)
18:
17*308
8*013
13:000*008
10*920
oflO-.INHI
8 7O3f60
8:107*138
17:920lO
ioOiOOO loi om paite inorto o em parte aprisionado um
destacamouio.cujosprisioneiros declararam que as
5:000^000 forcas paraguas s ordene de coronel Galicano
180JO00 se liviana iiiteruadopara Sargento Lomas, levando
consigo todos < s habitantes.
352*000 Agora sabemos mais que a expedico seguio em
-.0*000 busca doinimigo, que electivamente foi aliSincado
3803030 no dia 30,travando-se renliida, porfiada e gloriosa
20*000 acijao. Batnun-se iuun denudo e nuespero os Pa-
nlmSl. raS"a>'ei mas baldada foi a resistencia, e cu . 2 Je ,s ,nros e 80 feridos obtvemos esplendid.i
WWJKI victoria. Deixorfallio iuimigo 30!) morios e 300
4*000 prisioaeirus, 12 pec,ns de caioplnlia de diversos
9/000 calibres desde 1 ate 12, grande copia de annameii-
6*000 tos e mnnicoes e dous estandartes. Tomaram-se
in' tambem 100 familias que juntamente ciim os nossoi
40*000 feridos hiam desear para Assomp^ai. Cnmpre,
10836) porm, notar que por familia cntende-se no Para*
76*000 guay todo e qnalqiier individuo incapaz de pegar
9 em armas em razaao de sexo u i lado.
963*700 Emquanto isto so passava muito ao norte da
10*0001 AssiuuBjfio, cortando ao inimigo os recursos que
7.Vi7'.M) dafli tirava, outra expedico, nao menos brilliaote
401*000 se empreliendia pelo Indo do-ul das -Knlias de Lo-

carta do nos-
:mou
, BssiHuuu^a nai p^pBeciii.rt| de\um go-
r.i-'iiay, e a A on Va>$ ten-
,rn P'iranliiK omiir a
7:200*000
2:170*742
1:383*191
i
1:000*000
1:606*740
2:433*913
4:713*351
1:037*280
2:661*118
1:342*000
2:096*90*)
433*000
9 '100*000
165*000
9:269*043
1175LjO
24*730
14*948
13*750
100*100
33550
);058*308
721*020
17'.) 100
201*300
100*100
339*330
165*310
381*350
3011300
Jos Joaquim dpjonte...'.........^.............
Antomo Jos Camill.............................
Joao Olympio Qenieterio de Faria..................
Thesonraria dnfalienda...........................
Teente-oeronel Mano I de lbuquerque Cavalcan-
ti Nen.......................................
francisco Pereira de. Mundonca & C................
Luiz de Franca de Mendonca......................
JOao Baptista do*Amaral Jnior.. /.................
Francisco Jos de Saut'Anua...................... .
Simplicio Jos de Oliveira........................ i)I i300 rani-sn 28> prisi
Mu lesto Lius do-Amaral e Mello................... 4X2ll*30ff adiantt eneontn
Adriano Xavier Pereira de Brito___.......... .^-rrr
Guillierme Augusto Ribeiro,...............,!/..'.
Tenente-coronel Alexandre Moutinbo de Ranos......
Joao Raymundo Nepoinuceno......................
Luiz Alves Lima.................................
Itluminaro publica.
Fielden Brothers...............'.................. 19:610*990
O'inesmo....................r.............. 55*340
Jao Fiancisco Antunes.........,.............7... 3:931*758
................
....................
, Soccoiros de beneficencia.
Jos Antonio d Arruda........
:2i!? Ladislao*Rodolpbo de Araujo Cesar.................
:27J74s Alfredo dtC.................
Jos Pedro de S. e Silva..........................
. Cilo publico.
vigano Simao de-Azevedo Campo?.................
Padre Franjeo Freir de Carvalho................
I* id re Manoel Ferreira da Rocha..................
Vigari Galdino Firmo da Stvt-ira Cavalcanti........
Vigario Agostinho de Godoy Vasconcellns........
Arrecaiaciio e pscalisarao da renda.
Manoel Isidro de Miranda........................
Jofuim Tranquilno de LemosDuarte.............
Empreados do consulado provincial...............t
Palacio do governo de Pernainbnco, 25dejunho de 1869.
Dr. Manoel do Xascimento Machado Portella.
427*800
213*600
18*400
2.233*526
ro*ooo
11*666
41*666
50*000
30*000
23*823
213*157
597*061
EXTERIOR.
BUENOS-AVRES, 9 DE JL'NHO DE 1869.
llontem foi assignado pelos plenipotenciarios das
nacoes alliadas o accordo sobre o esiatadeciinento
do governo provisorio no Paraguay. I) Sr. conse-
Iheiro l'araiihos partir no dia li'ou 15 para As-
sumpcao, onde vai assistir eleicao Q iniaUaeO
desse governo.
Com a maior satisfar) dou aos hilaros do <-
nal do Commercio as segnintes imporUntissiuiM
noticias do thc.vro da guerra :
Quartel general brasileiro em Piraya, 30 de,
maio.
Ficu restabelecida a ponte da estrada de ferro
junto ao Paraguary.
Os argentinos fizeram um reconhecimento, em
que o Dimigo apresentou urna pega de artilhana
e 4 batilboes de 300 Domee cada um, todos beiu
vestidos e armados de espingarda: nao houve
perd algoma da nossa parte.
Lpez mandou una flota insolente, queixanlo-se
da organisac.io da legi.io paraguaya. Tove ros-
posta conveniente.
Proseguein as operacoes.
Receben se urna carta do general Mac-Mahon
para o Sr. Wnrtliingtofl.
Quartcl-general-eiii Piray, 1 de junho de 1809.
O general llamara obtove um bello triumplio
contra a (brea paraguava commandada por Galea-
no ao mwte do rio Jejuy. Cahiram em nossa po-
der 300 prisioneiros, inditas familias, doze bocas
defogo, nos baudeiras e grande quantidade de
caceas e oveas.
O inimigo leve .'jOO morios. O general Cmara
leve 16 morios o 80 feridos. Dea-so ordem
liara que as familias fossem reunidas em As-
snmpcao.
O general Joo Manoel Menna BarretJ derrotan
i inimigo em urna trinebeira porto de Sapucaia.
lazcnd 28 prisioneiros e muitos morios. Marchan-
do adianto encootrou 4,000 familias, que se reco-
lberam debaixo da prntee^au das forcas brasileiraa,
d'in lustrando a inaior satisfazlo U general Men-
na Barrete retrncedeu du Tebiquary por se adiar
este rio de nado e nao encontrar ahi una s
canoa.
No dia 4 do enfrente apresentou-se as linhas
libadas do Piray urna forga de 10 pravas com
baadeira de parlamento ; entregaram urna nova e
extensissim.i nota de Lpez, dirigida a Sua Alteza
> Sr. conde d'Eu, sobre o negocio da bandeira pa-
panhia esteve renaida, unta banda de msica mili-
tar. O banquete nada Jeixou a desojar.
A elle assistiram, alm do presidente, os minis-
tros de estado, o vice-presideute, generaos Mitro
Gelly y Obes e Pa
varias
i- J}'*a\ "-"S,tro r::'!'valll Borges, deve t^r sido a decepcan porque pass
pessoas de drstmecao, bras.Ieiros eargenti- ,-a Battle quando teve essa noticia, p
nos. e a commissao paraguaya.
lidade paraguaya, e que um numero consideravel
de paraguayos buscaram com anciedade cooperar
com as forcas alliadas para a pacitieaeao do seo
paiz.
Como V. Alteza Imperial nao tem man a
minha nota de 20 de novembro de 1865, peco li-
'enri para incluir aqu urna copia da niesma.
V Alteza Imperial vera por ella po sempre,
desde essa data, procurei evitar no decurso da
guerra a Irritante offensa de ver a bandeira nacio-
nal da repblica bstenla nas lileiras dos scus
im'inigos.
Sempre, desde aquella data, vi que os ltimos
nao poupavam csforco.algum para que esta guer-
ra internacional degenerasse om urna hita civil,
que as mcima*'Botenca8 alliadas anciosamente
desejavam proTiovfer, lia ceno lempo atrs, a me-
dida que progrediam pelo paiz. .
s Sempre depois disse, sall'atlos trabalharam
mai- iberiamente e com niatoif-vigo para esse
Ijiii, ou reunindo com bellas prdrt^J-aipimas. alliadis, 'formaiiao urna qaarupla tliaoS'.
duzas de hoinens, que, eomquanto tS5yos no! Do Sr. oenselbeiro Paranhos, lembrando os sa-
paz, viviam fura dellc o lhe erara esti-aniTOs, ou crilicios que os adiados teeiu feito nesta eainna-
subornando com seu miro os desertores, ou fcr- nha contra Lpez, sacriicios que nao podiam dei-
eando os prisioneiros de guerra a tomar armas xar de produzir setis fructos e eonduzr reali-a-
contra o seu p_aiz. *^0 dos votos que faziam pola regeneracao do Pa-
h estes sao os homeus em cujas maos esta nyruriy.
se, mas tal nao succedeu, e com sorpreza de um
e outro lado, essa forca corresponde ao inesmo
viva, e handea-se quasi toda para Caraballo.
Coinpunba-.o de perto de 400 homens. Terrivcl
passon o gene-
. os que im-
medfntameiite retirou-so para Caneenes, isto .
pez na Cordilheira.
Da extrema direita das posiCoes' dos alliado?, ao
longo da estrada de ferro e dli'oiile daquella Cor-
dilheira, isto de Paraguay, parta o brigadeiro
Menna Barreta no intuito de cahir sobre Villa-
Rica.
Mao o conseguo, prr achar muito crescido e
alto Tebiquary, que se lhe interpunha, e nao en-
contrar "ama nica canoa para trauaporte das
sii.is tropas, eparou, porm, cora urna posicio
fortificada, que'os Paraguayos tinham em Sapu-
caia : avista-la, accoinett-la. assalta-la e toma la
foi qui um s acto. Das forcas. inimigas toma-
iooeiros, o re-t foi mirto. Logo
neontrrani-se4,000 familias, isto como
acuna dissemos, outras tantas pessoas imjiro-
prias para as armas, e todas se acolhrara jubilo-
sas sombra da nossa bandeira. que Ihes idTerei-ia
protcio, liberdade e o termo das privacoes, mi-
seria e duros tratos que estavam submettidos
aquellos infelizes.
Desles dous uiemoraveis successos faz umror-
respndeme do Standart a segninta narraejta, qne
transcrevemos com tanto mais prater qunta mo-
nos propensa se tem mostrado sempre aquella fa-
lla ingloza, publicada em Bueuos-Ayres, a exaltar
os feitos das armas brasileiras.
Piray 4 de junho de 1869.
O general brasileiro Cmara, freute de tima
forca respeitavel, marchou na direccao do norte,
e cliegando margena do rio Jejuy euconWm-se
com os Paraguayos commandados pelo coronel Ge-
leano. Travw-se logo o combate, que em breve
se toruou renhido, e os Brasneiros carrejaram so
bre os Paraguayos de um modo brilliante, obri-
mara e outros coroaro brilhan
panha.
Com efTeito parece haver agora m
esporanca, coma anda hontem
ministro da guerra na cmara do dt_
reivbornios hnevemoige noticia (Lima
victoria.
A 8. 'i'kda
dentedle Hnenos a
dade o c mveni i pa
wuo provisorii u
efonnva o Sr. c
ajiMnipcao, alim de
nio governo. j
Da ivvolpe* no Esta
temos, prc*identp g.
ida upte tencin iva re
priKMpiavaHi,pTirm, en
cln.ul a entrar em afgtt
ricial Caraballo. Havi
sideravelmenle as snav
departamentos de Mado
go i: Pays.ind. Na villa
qno tinham os insurgenU
triimicoes _de_jucrra, c.

;sia cam-
funaada,
u o Sr.
Atados, di-
i competa
iirrospo-
uai.rfila ci-
Paranh'is eguir 1 -am a
al e eljirao do Wr>-
ir
viiKJStl
5,(
iieyoi'ian
ros que
tribuirn
A 9'
Sallo l
occupai
como o
Salto,
Maudou
ximo
llamen,
nao tinti
ss. m
Saxc pre|
o juiz doj
cola Cnij
agrenla'
libia l'iu.l
todos os
su.tg M
pelo ra!ii[
da da Sr
A 26
a 27 sepi
especial
da estradl
Picando iij
ta Fe, I,
Sias
all alintff;
corte.
Oriental pou|is noticia.-
al Batlle eslava na Flo-
fr totas ad suas forjas
Urido a supp-lo in-
a tramecao com o gc-
ollimo engrossado con-
|ra?, e tinha por si o*
: Durazno, Cerro Lar-
*ie ultimo nomo dizem
evantado algumas ron-
do banco Uaua
S-Tfaiio',**' IjiV-1*"'. e obrigando os
f-pachnr Ainediatannaieos genc-
1 "a alfandsja. alm, de urna con-
Porcionaiia a* teres de cada nrr.
'^arain em optevideo no Villa del
" lls com dwfeocras de fugo para
ndi, se o MMSsem j abandonado
e no caso coatvrio para guarnecer o
'lava ameafado pelos insurgentes.
m Um refoVeo para Colonia. Ma-
cui una lord calculada em 1,600
icervava-se lieijo governo, ma este
lia-ida conflanrf ncllc
iiperiaes com
"i partir no d
, -illi ioaugivi
niiustria, e a
ptrial que a
lustria creou
na mesina
les e Alteza
estrada do Iti
'mneza de Sanl
lo tencionam vol
iara Entre-Bios.
is ronduzir pelo
ferro de D. Pedro1
[gurada mais una e
mirada da pm
'ades e Altezas,
'), regressando cmjseguida
A. e Sr. duque pY
' 24 aescola agri-
feia e concurso
loria da rompa-
ser repetido en*
tambem visitar.
ro a l'b, a fazen-
ia.
o juiz de Fra, e
|!i tomam o trein
tal da 3.' scejao
at ao Xiador.
icao ( a. de S.,u-
le Minas.
indo a Santa F_,
para ;

gando-os a rolirareiu-se, e por lim derrotndoos, A^fesiil.Mustriaes que vao ti
2/ de jUin'nao podem deixar
mutuos sacrificios
presentar.
ao que elle tem a honra de re-
1 i, o- ___i. x, n l.a" como mm favoravel ao gi
^\n-t ^' a^ SL ? l,P^.4o Bn.- dolteraclo infeliz da verdade"
^,li Utra reoresenlan!t) cm m.ss:.o es- mgiS omdoseredita a> pouco co
pe
Do general Mitre nos ss^eitas alliados.
Deumdos membros da commissao paraguaya
dlianca prxima do Paraguay com as tres nacoes
collocada a bandeira de que ellos desertaram, ou
por sua livre vonta.de, ou pela forca,I E, depois
ipie centenasciessesi'iis'.'raveiscahirmcombatendo
contra sua propria bandeira, as poucas centenas
que restam liveram lieenca para bastear a sagra-
da insigna que cobre os sagrados restos dos mar-
tyres de seu paiz! E qual a intengao do appa-
recimento desse symbolo da soberana nacional
nas lileiras de seas inimigos ? li agora que os! ros, i). Mara
governos alliados pensam, nao direi com motivo' lirasd.
justificado, mas era inesmo cora nm pretexto, em I Iteinou durante toda esta (bata a raaior cordlti-
permittir em sua fileiras a bandeira contra a qual lidade entre os convidados. Faiemos votos pata
tem combatido durante tantos annos? E a um; que ella exisla sempre entre os governos e os p>-
1) > Sr. ministro da fazenda ao Sr. eonselheiro
Prannos
Do Sr. ministro dos negocios estrangefcs al-
lianca. S
\ Sr. CArvalho Borges a:s licres brasileiros da
batallttd'iliaeliuelo.
Terimna iVianlar com um brinde proposta,
como ultimo.^' ministro dos negocios estran
arolla ; .S. #!. n ap
principe da casa d'Orteans que coube execuar e
desculpar esta ignominia?
dteza Imperial sabe que, se o Paraguay
vos da America doSul.
J seguiram para o Paraguay no dia 8 a loco-
motiva e os wagons aqu comprados pe|o Sr. Pa-
cata em guerra, deve-a s potencias alliadas, que ranuosauma companhia de Buens-iyres, que
fazera a guerra contra elle. E tornando-se trai I para isso obteve perraissao do ^overuadir da pro-
dores e pondo-se merce dessos alliados que al- vincia, e conlinuain a partir para al as cavalha-
guns miseraveis filhos deste slo pensara que po- dascontraiadas.com a activa intervmeao do Sr.
dem cooperar para a pacificado da repblica ? ministro, de conforraidade com as urgentes requi-
E esses alliados sao os pretendidos pacificadores ? sicoes de S. A. o Sr. conde d'Eu.
E smentc para isto ano as potencias alliadas Li uu.a carta escripia de Cuvab, d;'qual consta
forneeem armamento, previsoas e equipamento quo o presidente da provincia fretfe um vapir
aos que V. Alteza Imperial chama um considera- para levar forcas para o Feche dos .1
vel numero de paraguayos ? E sao as despezas seguiao, segundo ordens de S. A. o Si
> ^l^S^T^S^VSi^;. ^-"^i^ssiimpc
rros, donde
I conde d'Eu
; e tambem una nota do general Mac-
oflerecendo sua ntervomjao era tal as-
miinigo
dalioii,
sumpto.
Os generaos aHiados ara combinar a saa res-
posta a estes dous documento-.
A 3 do crrente chegou Assiunpcao o general
vsennde do Herva!, c devla segair'a 6 para Pi-
rayt't.
14
Km data de 9, pelo vapor Flamtead, annunciei
que fora assignado pelos plenipotenciarios das na-
S"os alliadas o importante accordo sobre oestabe-
mnento de um governo provs irio.no Paraguay,
a transmtti as ultimas e muito songeiras noti-
cias do tlieatro da guerra.
Os esplendidos trinrauhos do geoeracsJKamara
c Menna Barrete iJio Manoel) for'am golpes mor
toes no agonisante poder de Lpez O resgate de
4,000 familias das garras do tyranao dar em re
snltado muita9 desergdes de suas enfraquecidas
lileiras, onde a maior pane dos paraguayos re-
tida pelo terror que a esses destacados inspira a
idea dos martyrios quo seriam infligidos s suas
familias c abandonassemelles amcusa que de-
fondera.
A' hora em que escrevo j deve Sua Alteza o
Sr. conde d'Eu ler investido a posicao de Asc.irra;
e, ao contrario dos numerosos pessimistas que,
sem razao plausivel entendeni que esta guerra
nunca mais terminar, acompanhando assim a*
votos dos felizes fornecedores, tonho firme o'pc-
ranca de que o bem combinado ataque daquella
poMca trar como resultado a gloriosa termina-
cao da campanha, que nos tenLilado muitos das
de glorias immoredouras, m.w custa-nos muito
mangue e tem consumido improductivamente nos-
sos grandes recursos.
Na citada correspondencia alludi as notas tro-
cadas entre o nosso principe o Lpez, a rospeito
il-. cimeessao, feita pelo* alliados as ton^s para-
guavas, do uso de sua bandeira nacionJB
Loper. replicou re.-posta que Sua Alteza lhe
dera.
Infelizmente nao pnssno copia dessa l^pca o
son obrigado a traduzi la do jornal ingle Ste-
dard, onieo que a pnblicou. E' elaro que essa
dupla traduccao ha de alterar bastante o original.
i la:
< Quartel-general, 3 de junho de 1869
TenIxi a liorna da acensar a recepcao da
nota de V. Alte Imperial de 29 do crrenle, en-
tregue nas unas Untas no dia 30, era respostf
a minha da mesma ata.
Tenlw de.pedir perdap palo uieu eogano, di-
rigindo-mea V. Altera Imperial como eoininapdan-
te era chefe do ejercito alliado, sendo V. Alteza
Imperial smente sommandante em chefe de todas
as Coreas brasileiraa em operacoea na repubiiea
do Paraguay, e agradec a V. Alt.-za Imperial, a
promp'Mo cora que dignou coinmnnicar o con-
teddo de minha nota aos commondantes em chefe
das forcas argentinas e. ogienUes, com os quaes
V. Alteza Imperial preesarilVnd*r-se, nao poden-
do portanto, dar cora a presteza exigida urna so-
lucao dita nota.
Entretanto, o Cacto do que as cores nacioB.ie
so foram arv.iradas por tropas viudas do quartel-
generai de V. Alteza I uperial, e a circuras'ancia
,-iggravante de que nesse mesmo dia a dita ban-
deira apparecer arvorada junio do seu quartel-
general, Aereo) servir de dcse.ulpa por dirigir-me
en de novo a V. Alteza Imperial.
- V. Alteza Imperial dign.i rvar que o
npparecimento da bandeira paraguaya nas lindas
alliadas acha urna oxplicacao no loto de que a
presente guerra nunca levq fms host? a c3?'oni-
gamentiis
all oseler
nsequeucia
Apoza r da chegada de diversos ca
tura exigir-se-ha para o futuro qualquer outra capital de Matto-Grosso, inantinhairij
compensacao ? vados pregos a que tudo chogou e
V. Alteza Imperial me desculpar por nao dia- da guerra,
cutir aqu os lins da guerra contra a nacionalida- Contina, pos, a especulacao a flawllar aquella
de paraguaya ; permuta-me, porm, que afflrnie infeliz populacao.
que essa nacioualdade nunca flcar mere; de Fazia-se alli sentir a necessida* de um chefe
seus ininiigos, como V. Alteza Imperial pretende do polica eliectivo.
assegurar, alludndo a nova condiccao de algnns Pelos jornaes do Dio vi, porm/que o governo
desnaturados paraguavos nas lileiras dos alliados. imperial j providenciou a esse reueitn.
V". Alteza I.nperial nao deve esquecer que, se Como alguns dos nossos jorn;#a)ublicam, at
encontrou espiritos fracos que sedeixaram forjar e exagerando, tudo quanto nos fs/avoravel, e os
corromper, tem aluda dianto de si como presiden- daqui transcrevem cora prazer
te da repblica outros capazos de comb.iler.
Quanto a inteira responsamlidade que V. A.
Imperial langa sobre mira por executar as condi-
c3os incertas em minha nota de 20 de noverabro,
sint>)-mo tranquillo c um juizo mais competente
decidir se ella deve recahr sobre aquello que es-
tabeleceu-as com antecipago de qualro annos,
para evitar atrocidades, e que mais de urna vez,
por considerares de humanidado, nao as execu-
lou, ou sobre aquello* que, despresando a pratica
de quatro annos de guerra e o constante respeito,
durante esse lempo, das ultimas dessas condicoes,
preferir'aiu provocar e torear a sua execucao.'
Nao desejo seguir o ostylo que V. A. Imperial
adoptou em sua resposta, porque sei que elle nao
pertnce a bem conhecida illustracaoda casa real
deOrleans, o s pode ser atiribuido circumstan-
cias em que V. A. Imperial est collocado"; tomei,
purera, conhecmento do que os desertores decla-
niram a respeito de diversos gneros de mort,
que centenas de subditos alliados soffreram om
uiinha.i raaos, do que consta de documentos ofli
efees paraguayos L-los-hei cora o maior interes-
se se algum da cahirem em rainhas maos.
Tambera nao julgo que me cumpra discutir
com V. A. Imperjal a resiieilo das declaracoes de
desertores e prisioneiros, relativas ao tratamento
dado pelos alliados nos prisioneiros paraguayos.
Tnho a honrado sacular a V. A. Imperial cora
minha distincta consideracao.Francisco Solano]
Lpez.>
O principe ter respondido dignamente, de ac-
rdo com os generaos alliados, a esta nota da mais
refinada hypncrisia e perversidade.
Consta que o general Mac-Mahon, tambem es-
crevera ao prncipe, interpondo seus bons oicios
a favor dos prisioneiros alliados.
r O Standart afflrmon at que o Sr. ex-ministro
dos Estad-s-Unidos deixava de retirar sp, cun for-
me lhe impnnham as ordens de seu governo, s
para prestar aqnelles olllcios de humanidade. ten-
do para isso dirigido-so s prisScs e tomado os
nomes de todos usaineagados. Alguns creem nes-
sabenevolencia ecavalheicismodoSr. Mac-Mahon;
outros, que nao acreditam na existencia de mui-
tos prisioneiros anda vivos em poder de Lpez,
vem em tudo aqulo, ura pretexto para que nao
rei tambera ura facto que prova ol
c vo.
Como se. sahe coube em pa
Argentina a celebre peca Criolla
mayt.
Essa enorme pega foi coilocadlm uina das pra-
gas desla cidade e admirada porJida a populacho.
Mal sabia o povo a q.ie se exioJlia. lia dias um
menino lembrou-se de introdu um phosphoro
aceso no ouvido da pega, qullisparon cora ura
estampida inmenso, langando ufa bala de calibre
liO, que atravessou parte da ciado e foi Cahir no
rio. Felizmente era seu longo tajecto nao causou
ella damno alaran.
Semelhaate facto dispensa duesquer commen
taos.
MoNTEVIDKO, 14 DB WtBfDB 1860.
O paquete Awiis sahe em oeceiao em quo nao
ha grandes noticias a coinmunwr ; mas o desejo
de trazer o publico ao correte (ios factes qne se
vao realizando aqui me obrii a egerever esta
correspondencia, satisfazeado ajim meu compro-
njisso cora a redaecao do Jornajdo Commercio.
Em data de 7 do correrte eavveu o Sr. gene-
ral Batlle urna carta ao Sr.
acha publicada na Tribuna d
percebia que o general Car;
conferenciar com elle sera
toda a forga que o apola, e>
cheles, afim de tirar a inaior
invista. Este documento foi
servio para tudo, menos para
governo a publica-lo. Revo!,
activo caudilho se coi*deravi tslante seguro de
sua posicao, e que nao tinha 1 $sa em mendigar
a misericordia dos adversario!
Entretanto sahio dcste pmf ara o de Paysau-
mduzindo cento e
l'ara produzir elTeito no exterior pnblirou boje
a'rributin um boletn) offieial, pintando a sitna-
: como mu favoravel ao governo. E' urna
que vera reunir
conceito de que j
goza a adrainismeao.
Alm d'aqnelle aeontecimento, mu significati-
vo, posso mr.intJr-lh qne muitos cheles milita-
res da campanli.i, que se diz pertenrerem cansa
do governa, nao se hatera i com os sublevados,
por serem seus correligionarios polticos connr
verdadeiros colorados, e nao pretenderen) matar
a seus proprio rmans d'arraa. a seus enmpa-
nhriraa na cruzada do general Flre. Declarara
que tratara do reunir Coreas, mas s tm em vista
salvaguardar as propriedades de seus vizinhos, e
das povoages em qne domnam, mas nunca nos-
lilisar as broas do general Caraballo.
Um dos oilieies de alguma influencia no de-
partamento da Colonia, do nome Tntosa, que se,
achava n unido a Mximo Prez com 200 homens,
tambem j se passon para o general Caraballo, c
ha opinides de que o proprio Mximo Prez nao
deixara de =eguir lbe o exemnlo, lugo que lhe fa-
cam cahir dos oibos a venda9 com que o'halluci-
nou o Sr. Rist;vnanie para aifaMa-lo do junto de
seus coinpanheiiYK
Como este caudilho mu estupido, e domina
nao obstante todo o departamento de Mrceles,
onde o barao de Man pqasue a sna magnifica es-
tancia do Bio Negro, tal vez o eonveneessem de
que consorvando-se fiel ao governo podei ia ad-
quirir aquella valiosa propriedade. Logo que re-
conhecer que abusam de sua credulidade elle es-
tar onde est seu coracao, e para onde o attrahc
o sen passado.
O novo projeeto nacionajisando os burieles dos
bancos, com abrumas modificacoes pouco impor-
tantes, j Coi apprnvado pela cmara dos deputa-
dos, e passou no senado que provavelmente o ac-
ceitar, para submette-lo sanecao do governo.
Tambem a cam tro projeeto, tornando cITectivn o pagamento dos
direitos da alfandega no acto de serem despacha-
dos os arligos, dando o prazo de 3 mezes depois
de sanecionado o.-se projeeto, e com um descont
de 6 %, para que seja assim cxecuiado.
Quem conhecer este paiz, sen commercio e os
recursos do governo, deve olhar com muito des-
prezo para cmaras que approvam semellianles
projectos, cujo resultado ser, era retacad ao pri-
meirocompleta desmoralisacao para governo,
que nao ter os necessarios fundos para dar valor
aos bilhetes dos bancos sem Jangar nio das ga-
rantas j dadas por estes estabelecimentos dando
ccasio a que elles protesten) solemnemente por
nao quererom que seus capiacs sejam rcduzidus
a lero, ou quasi zero, pela pouca fiscalisaeodo
governo. que nao s oelo projeeto, como pelo qne
est disposto no decreto de 10 de jullio do anuo
id i, responsavel pelo papel-moeda que no
lim do prazo de 20 mozos anda oxslir em circu
lagad. Digo desmoralisagS i para o governo, por-
que, so esto nao araprar-se cora essa garanta dos
bancos os bilhetcs nao tcrai valor maior de 30 a
40% se com o lempa nao ilcar reduzido esse va-
lor a insignificante quantia, como succedeu ao
papel de Buenos-Ayres,
O segundo projeeto obligar ao commercio a
de-pachar smente os arligos de imperiosa neces-
dade, ficando assim aalfadega reduzida a tao pouco
rendpnente, que t Ivez nao chi'gue para o paga-
mento do certas dividas a que esta hypothecado.
E' 15o ruinoso semclhante procedimento, que
o proprio Siglo, dos Srs. Bamirez, tem se visto
obrigado a ba!-lo era arligos diynos de conside-
racao.
Era sesao de 14 do correte, foi apresentada a
comraunica.go do poder executivo de achar-se
oranlicado com a revolugo actual o senador Pe-
dro V^reUa, e dando conta de certas medidas toma-
stamanlc, que se das a respeito.
, dizendo-lhe que A pedido do presidente do senado tratou-so im-
ito nao pretenda rae atamente deste assurapto, e foi rosolvido pelo
primeiro reunido mesmo senado, que censase de exercer o cargo de
seas respectivos senador o Sr. Pedro Varella. por lor desertado d
ulagem dessa en- casa.
uito coraraentado, Felizmente este j havia sabido da legagao har-
fim quo indulto o panhola onde eslava asilado, e tica livre da3 g-so
laramente que o ras do sous adversarios.
i
completamente. Os Paraguayos perderam 800 ho-
mens, dos quaes 500 inultos e 300 presionen ros/
Os brasileiros liveram 16 morios e 80 feridos. (1
O general Cmara recolheu como tropho do conP
bate umitas familias, 12 pegas de artilhana e gran-
de numero de caberas de gado. Os brazileims to-
maran) posse da posigo, que multo importante,
por isso que irapede que Lpez se encamiuhe para
o norte, eao mes oo lempo ordenaran) quo Idas
i as familias pegnissem para A-sumpcao.
O resultado deste importante combate foi Bear
todo o departamento de S. Pedro dominado pelos
alliados.
A segunda expedigo, snb o coinmaiido do ge-
neral Joao Manoel Menna Barrete, leve resultado
anda mais importante. Este distncto e heroico
ollica!, leudo resabido ordem de marchar sobre
Villa Rica, seguio para Sapucaia, onde Lpez tinha
um forte entrineheiraincnto, bem guarnecido e de-
fendido.
O eaminho por onde tinha de seguir o general
Menna Barrete, offeiccia a cada passo dimculda-
des vanas, que demoravam a marcha da columna
mas quo nao. impedirn) que eila avangasse seat-
prp ; atravessaram assim uionlanhas e valles, cun
prindo notar, que a maior parte da forga cons-
tava de cavallaria : percorrram toda a distancia
mais rpidamente do que o suppunha o comman-
lugrir de 24 a
ser recetadas
grandes in-
pelo piibhwom lita satisfagan,
teros-es ,i|| A feira oiconJWrso industrial ddrar at 2 de
julho, dia in que o jury far a difiil.ue\> das
recompensl
Fazi'inosbtos para que o resultado correspon-
da pl'onamae as desejos e ntencescom qne se
fundn a c\ 'a agrcola e se e-tabefceeram este*
iidustria..
- 17 -
nho, na conforraidade decreto n.
,) dezembro de 1803 e difTcspecivas
Se o acnnipanbarain. copcedeu-se a
lio do Azevedo, natural la provinria
o Sul, o titulo de apriincvmr,
'' n. 1,376 de#Jl do colitfcJ W con-
'Vintiia do gz do Para a aotorisacao
a augmentar rom 2.'i,ixW ibi
toJ cora que principou a faoeeienai
j 18 -
Scrador, acompaiibado de seus seraa-
J hontem a estola militar da Praia-
danteera chefe
caa.
O Annbal rio
cao paraguaya
longo uspaco.
eeu logo a'imp
randensc entestava com a posi-
cujas linlia- lidiara por
atante chefe brasileiro reeonne-
rtaneia vital que lhe resoltara de
tomar, fosse como fosse, aquella posigo. Dividi
suas Corea-, cu duas columnas, que semultanea-
uicnte carregram sobre o mimigo.
certames
Em 8 d
3,198 dV I
instniceo-
Alfrede A
do s. iv i
Por de
cedida
necessar
torunas o
no Impon
S. M. o,
na ros, vj
Verraellii
percoriv
sistio aii
e retiro,




I jde chcg >u s 10 horas da naattaa
'"depi ndoncias do stal-elcciniento. as
^rMcios de esgrima e i aula de tagtez,
T 1 hora da tarde.
cKeei quan
PjT decretos'
Bram ronc>
do .wrctn ao
aa/Nflria Mere
ca/ aos releva
m actual
01 tran-feri
de iufanta
isma arma F.
noticias, cita-
eixos que por
a Repblica
mada era Hu-
.-*
appareccrain em frente a Sapu
exonera
Pinto, d
foi Iloiii
Caeteiiu
l'ord
gado o
Ir.-68.*
O embate Jtoi irrosistivcl. Os Cossacra do Rio'f*''**-***"
Grande salta/ara pelos fosaos, galgaram os para- j dalles *r non
pcitos e confundidos cora o inimigo travaram ura f-',:| '*> I"'1
dessas eombaBS peito a peito, braco a braco, que
o ._,.".;.' M ''Ollliecein. iNada, poii, DOde
rusistr ao impelo dos Ro Grandenses, que den-
tro em poucos minutos, licaram nicos senhores
da posigo. Sentimos ter de dizer que, com.ex-
cepego apenas de 28 presioneiros, toda a guar-
niera paraguaya peroceu cora as armas na mao.
0 oflicial que as conirauaudava foi repelidas
vezes intimado para render-se, mas com herosmo
homrico este Lenidas paraguayo responda com
bellas s intimacoes. O general Menna Brrelo,.,
depois deste glorioso combate, reconheceu qne se ligncromi
se achava .lo posse da chavo do Tebiquary e dando Loneedeii-se a
s suas tropas apenas algumas horas de ropo uso 1 exeiTito nr. 1
seguio para a di rei ta. Mas se affastara da posi 'o, a ilenussao. (
cao conquistada com tanta galhardia, quando xercito.
avistou um grande abarracamento de mulheres/ ,>u1' portara de
e enancas paraguayas que, aoque pareciam, vJ*
viain no mato o postas a tedas as iiiclemenci.is d
tempo. O numero total das creaturas human
aJIi amontoadas excedo de 4,000 I
Brgucndo as maos ao co as idosas matroua
as quasi desfallecidas ilhas do Paraguay (algunas
das quaes pe tenecntes as roelhores familias ua
Assumpcan) receberam o general Menea Barrio
como seu salvador e libertador. O, generalato-
Ins todo o auxilio que pode e Colas seguir "le-
haixo de umo escosta para Piray. /
Pde-se talvcz imaginar, mas c mpossvelfleai
crever, o especjaculu que oflferecia aquella a
ra gepte ao desfilar por diaute das tropas hrasi-
leras. A penna nao se presta a narrar os ilfri
mentos por que passarara aquellas pobres mull'
res o criamcas.duraute o seu exilio nos matos de
Sapucaia.
Emboca grande fosse a satisfago do
brasileiro pela victoria alcangada no forte
pucaia., maiorde certoiol sera duvida" p
que elje sontio por ter tido occasao de arr
:ide numero de seus semelliantes
ras tae-. quo ninguein pode imagina-las.
Tendo despachado as familias para Pir
general Menin Barrete seguio para o Tobi
! com intengao do atravessa lo, so fosse pos
tomar Villj Rica ; mas apenas chegou ao v;
nheeea que o rio nao offerecia passagem, r.
que transbordava pelas margens de ura
lado, era muito profundo e corra cora
rapidez. N'.o tinha elle mo candas ue
mandn pois fizlr alto c n seguida
para a posigo entrincheirada de Sapu
cstabelecca em seu acampamento.
O historiador des'a sempre ineinbravel
no-poder deixar d; estender-se na a
dos solidos conhecinientos militares do
coiniiian Jante era chefe, que nos seus
planos estratgicos revella talentos de o
perior. ../
Nenhum dos moviraentos feitos peln-7 |,
desde quo a guerra eomeeou foi reali
'os de f du corrento fo concedida .
le pedio o bacbarel Antonio P
ai do director do archivo piMiro, i
parado mesmo lugar o Dr- Joaquim
Silva.
do n. 4,378 de l'i do frrente fui
''3*do decreto n..4yli>4 de 13 4c abril
"leanm limitados a dous osolflriaea>4)a
rio do iniopriiv podrnio um
ft'na doqnadro da sewrt:
ue a pT.itiiic.ic.ii ..!l- autana na >
uioalda 1:8004.
se. Joo Vatente
de ajudante do dii
provincia do ParJ
S. M. o Imperad']
narius, chegou ho.
psenal de marK"',
penal dirigio-se
0 asylo dos nvalidtl
ao arsenal de guer
horas da Urde. '
16 do corren :
oas a* honras do poMn de naj i
ijirdo32 corpo ik vekMtar
lino Maiitns da Bocha, vi i alten-
u serviros por cit presta ls- n i
ira o governo do Paraan-...
para a 7* companbia d 1" botu-
ii capilo do 10" btale'
slin lio llego Cavatcatai de Al-
t rirurgiio do corpo !'
uievil Jos dos Sanios M
K polio do servirod-i
16 de junho correrte fcj n
de etad-inaior 4a 1 r
loCouto e Pioho, parSv lugai
wtor do arsenal dc^gc-rra .. i
I <
- 19
i n
e.impanhado de O aaa-
.1 s 10 lraras d an. n
cemban-andoaa pte.it
d() Inim-J.HI-. d-
da patria d aUi regrc-i
onde
ni i<* i-----
" 2 '
d'
Por deereto de li
naci Manoel de Alia
tico do corpo de sal
corre ule foilpri
|b doasnct fplirraa a aunada.
M Han
indar ioteriaweote a i
Bdc'.
loutri
pcn: s
u-se
, onde
ierra,
itiafo
O Sr. capitao-lenei
fo nomeado para coi|
eata.e.ncojirj)!at
Por decreto do 16 do corrente ft
de|iendcnte de approvaco dop'der
pensao de 604 meiisaes. at a sua n
Alberto Daniel Pereira dos Santos, fltN
de mr n guerra Gqilherme las pera]
los, tallecido no Paraguay.
Por portara de 17 do "onvi.v ', I f.
Ignacio Fencira Serrano a denissolquti p,,:
lugar de ajadanto contaifor da adminisajw
correio da provincia da P.^rahyba : i
da mnsma data, nomeadu para o rr*: < i :
InHo Xavier de Carvalho.
Por portara datada d<) 18 do c,.i rafe f..i n-
meado oengonteirn Thoodoro Oschz p*,a dirig.i
una das scegoes da estradh de loiuvilta/.i film*
do D. Franciscai'.pcrcebenan vi:ne!4ienio>
lactualnientc fem na coiullwSn le q ,|n-
rcnrabMtna pro.vinci;-. do Paran.
h as ordens do co-!
nstrucces para %e
d o vapor Villa del SaW
tantos homens de infamara,
roael Torrent, que recebara
apoderar d'aquclla prai^, c tfra comer as*pov a
ges maiginaes do Uruguay '
se com a ausencia do coro
nha ido tasar juaegao com
alli apenas una guarnicao
cia commandada por ura ofij
Este coronel, porm, c.i.
Rio de faneiro
16 dr junho de 1869.
bmissas. Centava- Peto vapor iuglej, Flamsteed, Caraballo, que ti- lidio a 10 e entrado hontem, tivemus noticias de
it irmo, deixando wna gloriosso feitos ri'arinas que, erabora nao di-
5 homens de noli- sivos e, devora a todos os respeitos considerar-se
{opertantissiines, ja pelas perdas materiaes causa-
as ao inimigo, j peto eCCeim moral, tendo-se ar-
K.L^r!La,a3S E^IE!? P?*^ cmtramarchou'presenioa-se a Ura- lebatadoao^-r de Lpez grande nmero de Cami-
as que elle retmha como rofens as da lldelidado
as suas tropa-.
po de impedir o desembarqt da forga legal, que
teve de seguir para o SatU onde provavelmente
sentante dos Estados-njaos as cordilheiras, o
tenha na hora de saa ultima derrota esse amparo
iara si e para o resto de seus thesouros, que nSo
ai exportado em canhoneiras nqatraes.
No da 11 do crrante, annversario da momo-
ra vel batalha do Pidmelo, oftereceu o Sr. eonse-
lheiro Paranhos um esplendido banquete ao presi-
dente da Bepublica Argentina, era retribuicao do
que S. Exc. lhe ira om dias de maio. Foi urna
Cesta sem apparato, mas brilhante, de que dorara
noticia todas as folhas desta capital, e do que o
Standart Caz urna completa descripcao.
A wsa da legago ostava adornadi com elogan-1 radas, morram os cot*
ia, nd'? dnrant-? todi o tempo em qne a com-1 para i defeja,' pe^"'!
estacional para servir de
o governo espera alli fazer1,
Nao sei, nem posso aind,
peito -lo que oblar o Sr.,
sublevados, o taivez nao
v-lo em breve or aqui s.
Era um destes das ul
do cera horneas do geneii
com urna torga regular
ao avista ia gritara o* en!
ideo as reoniSes que
"ormar opinSo a res-
ille relativamente aos
dizeodo que espero
nada ter conseguido.
t, urna partida como
Caraballo eocootrou
vallara do gwerno;
ados : vixm os cola-
dora, e prdparam-se
qne os acoAettes-
l Sabamos que o brigadeiro Camaralinha seguido
|.a Assnmpcao rio cima eom a missao de, incor-
imrando s suas forcas quo estavam no Rosario.
arrer do lorgas paraguayas o departamento de 8.
\jdro, d'ondo Lpez tirava gande numero de cu-
ecas de gado para abasteepnentos das suas tropas
m Aseurra o outros pontos da Cordilheira. Sa-
camos igualmente que as torcas do brigadeiro
llamara, entrando protegidas peta equadra no ro
tafay, que divide os departamentos do Rosario c
pe o. Pedro, e desembarcando em lugar conveni-
lao feliz successo como est. Sem enfr
seu centro, manobrou com as alas por
que ilanqueon completamente o chefe
e seiiaroii-o dos reos valles de Tebic
feriis planicies de S. Pedro.
Quer consideremos as perdas impn
fridas pelos paraguayos, quero grande
familias quo torain libertadas, qner
distnctos, Coates do supprimento q*
disposgao dos alliados, seremos forr
derar osle movimento como o ma|
talvez e o mais eftVtlvo de toda a o
raguaya, e o mancebo, que inostra i
geni. de seu antepassado Gaftaodf
trepidez e heroisrao do prineipftNe?
lar com orgulho para o seu prP,!J
nas espessas malas da America dV
No da 10 do eorrentc, dea oBci'.
apieseniaram-se nas avancaoas do
Piraya eora bandeira de parlamrt
urna longa nota dirigida pelo presid
pnncipe commandaato cm chefe, re
uso da bandeira paraguaya nas lio
que parece tar causado grande des?
Ti
jalisos
iirt a
s- eosi-
r/'iaute
nha 1'.!-
rdado o
ix f a n-
da apoo-
..fi)viinento
aitiguayos
Miados ora
trazendo
Loiiez ao
ament a o
alliadas, o
paraguayo. Trouxeram tambera ul
feral Mao Mahon ooxacenilo sua q'
assurapto. '
O priucipe comm?.ndante omvhi
a ambos estes doaimenlos.
O general Osario cliegou Assu1
do corrente, sofCrendo ainda milita
gem; agora, porm, est melhor,
do. Logo que chfigou A&sumpcl
exereito, onde a sua nresenca val
9 homens de rei'oco para os >'
fia do ge.
m nesie
l'or decretos do 10 \i corrcnti
Fui designada ao iui;; lo dinto a n-,.
Correa da Gamita Taronrindo ,i e.Haj**) Uio
Fonnoso, de 2 entrelo, na provincia loPernae-
bnco, para nella ter exeivicio. BIarcf.>-lhr.>:i
de pacho de 16. o prazo de cinco moreg e a aMft
de custo de 8.10.
Foram nomeadof :
O juiz do dTreitn Jw|
do polica da provincia
lhe o prazo de quatro i
850.
O bacbarel Elias i
de orphos da capital
- O barban I Fianri
muniupal c de orph
mesma (.rovscta.
O bacharel Prlirio
municipal e de orpl
Santo So e Joateiro, na
O bacbarel Antonio M
da polica da provinoi i di
l'ara a guarda n...
ria3 :
Sorgipe.-Pedro AnUMl
no campo coinmandante superior d
- Para. -O toueate Evaria .^iioaid ase aV>i
za. capillo secretarte gera daeuiswi al m
da capital.
[w u. rearo, e neseraDarcanuo em tugar conveni- Agu#rra asta chwrdn na ou
tnte, .jahom sobra a povoa^r) de S Pedro, onde |degde W^-", ^
goiras n Sanio Amaro
Antonio Diniz Dantas c
ordena do coinmando sai
Vilta-Nova.
Antenio RodHltnes, rtu'.
j Amazona?. Jhrcon-ee-
c a ajuda lio 1 achoco Ciavi, jui/
pKvmcia 4e f. Paulo.
Reliad PMn-a, jni/
\, roto ifi^un-uA. r.:t
Cofltaavos. j
,1. ( i,ni.- da taiiia.
doa Reja, hk\ 'tar- >
iminicipijai de l.m
p, mi
r t> aaniaipii
MELHOR EXEMPLAB ENCONTRADO
MOTILADO

F.ii removido o juiz munieijii e 4 on>hio A:
lio Lonrenco de Arauja dosle mi letnatdosd
Alcobaua o l'i ato para na 3 Taptni, Cayi-
Santa rea*, t-ids i >'- o ha ver pedido.
Conceden-se :
Da


Di
no de
Pernamburo Quiulir fcira- 1 de J tritio fe lfiGO
V
V
l
A Jo.to Caetano de Abren. Minian refirmado ib [al
mora uer.
apilio apr,
fc' o posto de major.
Ao vichare! Joao Loureneo J*ae$ ile Souza, l-
ente-coronel corainamlante do Io batalho de in-
fantera da guarda nacional da provincia do Para.,
reforma i i p,>- ^nel. .
A Francisco Antonio Piaaejro, te'nente-roron el
i-'om.nandante do balaihao d* maulara n. i:.l da
guarda nacional da referida provincia, reforma no
mesura posl
Foi reformado no me*m n teiiento-roro-
aicnco minorar, os males que o t:-m- arran-
cado (I campo Ja gloria.
i (lia 27 do n.ua ?
horas da imito, !'., Inrli.u
aua
ijma mora d :la Jftud s,
em casa de AJexrwdre Nogisaira, na fregne-
za da Barra-Velha de ltapo., termo de
S. Francisco. --
Iuformam-nos que achava-se a infeliz
mo<;a na dita casa emcompanhia do subde-
legado de polica Francisco Baptista* de Al-
enla, rom quem, so diz, utrelnha ella
intimas relacei, quando receben pelas
ncl eommandanle d.i haialbaa'n. SO da guarda na- ^ fcp'narlio de frl adi-
cional da provincia do Ca. Joamiim Lonivnc.. '.)>Wb l".0' ?ae l'mll ?e Iora- ao e.ni
da Franca e Silva ; lieaml i *em effeito o decreto
le 6 du juubo do anuo pa/sadn^quo o refonnoa
com o nome de Joaqun f.uiz da Fruca e Silva-
rci5 ila .-'Tv,Mili i vitalicia :
Fez-se tner
A Francisco da Osla i ; oficies |e *V"
lielli*, d<> publico, judicial* e notas, o esenv
rime, rlvel. urpnaos, capillas c residnos do fcr-
ino de i'o dos Ferros, na provincia do Ro Grande
<\o Norte
A Jen.nvmo Emiliano la Souza, dos offleos de P
lo civel e crimai dnjurv e execuroes cri
mina; s do termo de na mesum provincia.
V<\o paquete francez Anus, entrado
honiem do Rio da Frita, recbenos folhas
de Bueuos-Ayresttyli e .Montevideo Judo
correte.
As noticias do tlieatro da guerra retn-
zera-se desta vea ^preparativos e disposi-
<;o8s para ulteriores. ooercQes, sanio opi-
ui3o geral que lue^emente ta ser ata ado
o entrincheiramAn o di! l/ipefeiu Ascurra.
posicio que se diz mclnos fotmidavel do que
podara suppr-se, estando a principal dili-
cuidale em approxfftar-se delta atravez dos
ni dos que I he fecham entrada.
Da repblica Argoma i5o !ia noticias de
importancia como pfiie ver-se da caria do
nosso corresponden de Buenos-AyreStflBe
refjro tambem o quiln a respeilo do Pa-
raguay. para onde lie va a sabir o Sr. con-
solhejro Paranlios, arm> de installar alli o
.governo provisoria Jfrmbinadoetitrc os re-
presentantes das lifcoas aliadas. Acha-
m di cortMnissO aragnaya devia partir no
raesmo fl!a I i para a Assumpeo a bordo
do transporte brasileo Galgo.
No Estado Oriental apenas se tin'iam tro-
cado por ora algn tiros entre torcas do
governo e insurgentes. O presidente gene-
ral Battle retroceder da Florida sobre S.
Jos, donde apoiados em Canelones podia
fcilmente tornar a ganliai: Montevideo, co-
mo sedza ser ntencao delle. Aexpodic
enviada de Montevideo a borlo do vapor
Villa del Salto, pomposamente decorada
como nome de esqnailrillia em operaces,
ui5o te:ido podido occjpar Paysaud, de-
sembarcara em Salto, que ainda se conser-
vav^liel ao governo.
Em Montevideo havia so&go e contiuua-
vam a trabaljjar as cmaras, decretando
meJitlas liuanceinis de problemtico acer-
A}. O senador Pedro Vrela, declarado
TJelo governo. cmplice na revolucao, foi
expulso do seuado. O Dr. Adolfo Rodri-
gues, dando por concluida asna misso em
Baenos-Ayres sobre nm governo para o Pa-
raguay, voltou Montevideo, onde assuini-
ra a pasta de estrangeiros.
iici por um buraco da prede, varando-ll.e
a bala o cora0).
Accresci'nta-se ([oe geralmente se julga
esp fiel o ligado a desavengas domesticas
no casal de Baptista de Almeida. por causa
da Wlecida, ehegando-*e a tndigitar como
mamlatario do as<:issinato um tal Gabriel
'oasalv da Luz, residente naquelle lugar.
O subdelegado liinitoi-se a fazer auto
;jle corpo de delicio, nada mais tendo sido
1 providenciado at boje.
Cbama-so a altencao do Sr. Dr. ebele
de policia |iara o fado.
Po" carta imperial de IJj d*; jullio cor-
rente foi nomeado Eugenio MF*0. Dbga
cavalleiro da ordem da Rosa.
Por decreto da mesma data :
"Foi aoresentado o padre Antonio Jos
Bentcs em um canonicato da ordem diaco-
nal na catedral da diocese do Para.
Foi promovido a commendador da ordem
da Rosa Juveniio Miciel da Rocha, em
altencSo aos serviros que presten por occa-
siao da exposico universal de Pariz.
Foi concedida dispensa du lapsa de
lempo a Antonio Gomes Pereira, alim de
poder tirar carta de commendador da ordem
de Cluislo. *
l'oram concedidas as segundes pensoes,
(pie lic.arn pendentes de apprvago da as-
sembla geral:
vestre S. B Itin c-Abert -lf Ibgerd a no-
ja trans-
'iid por Calos .tlbeito Mbrsmg a aotn-
risaj5o para oslab-fa-er u
geneias por tullios ife fijri esta ci-
dade e os bairros de S-. Cbris4ov5o, Caj,
Rio Comprido e S. eco do-AlfflUe por B.
Cymari os privilegio* a favores que Ihe
foram outorgados para restaurar a'erapre-
za de carris de f^rro entre esta mesma c- ',;| ('"ncrren^ dos carroceiros qut seni ti
dade e obairro do Andarahv, at iz da ;1
serra da Tijuca ; pod a Battm e Heger reunir essa$ a>is mareras
eiauiia s companhia, sn '%c?5es
que baixaram com o sojiredito decreto.
oiilro- enm- sel : o pe
T-'din '.. o incomiit *gun-
lo me ieiftriiioii sol!
rmujaiveeu, la mei;
/. i d ler sido elle avisaot am hora,
e so a ama- e um quarlo qim llio fui po
ir o leii'sraioii, siiio que antes diwo ne-
n,1""11 p issivcl prestar.
Coiniudo ap. -:,r de i.-irdW e aviso, ainda* seria
possivel salwBpairt.: do predio se nao fora a talla
Por \a de Montevideo lomos obsequia-
dos pelo comnundante do vapor Sarda
Cruz com folhas do Rjo-Gjande do Sul que
alcancam a l 'dlTeorrenl
Da capital havia datas at 9.
Ainda nao fuircCiorwTe ft-n!c.inlMwHg-
tava provincial.
Tinbam ebegado no dia i, na galera alie-
roa Guttembrag./&07 colonos procedentes
do Kamburgo. f) rnesiao navio dei.vira na
Victoria 187.
Segnndo participara o subdelegado de
policia do dislricto de Tahim,. tinha nau-
fragado na cosfa do Albardiio, no lugar de-
nominado Arroto Novo, um navio com car-
r.gamento de.farinba de trigo.
Fallecer en Pelotas o capilo Joaquim
Jos Guimaraes, anligo mirador daquclla
ddade,
__ 22 __
S- M. o Imperador, acompanhado de
- seus semanarios, visitou bontem o arsenal
de guerra; em seguida diri'/io-se ao ar-
senal de marinba, onde chegou a l '/ hora
da tarde, visito as olicinas de machinas,
e retirou-se s 3 horas,
. 23 -
Peio vapor SaiUa Cruz, entrado bontem
dos porto! do Sul recebemos datas de Por-
te-Alegre at 10. -Rio-Grande 18 e Santa
Otbarina 20 do corrente.
No dia li tomara posse da administracao
da provincia ,de S. Pedro do Sul o presi-
dente ltimamente nomeado, Dr. JoSo Ser-
torio. *
A a.-sombla provincial ainda nao func-
cionava por falla de numero legal.
Fura assassinado com um tiro Je pistola,
ao sabir da igreja. o Revm. Estevao Semi-
gUa, vigario da freguezia do Porto-Novo.
O assassino conseguio evadir-se.
L-?e no Ormmetcial:
O Sr. Carlos Rufino Montassier e mais
o guarda da alfandega que o acompanbou
chegaram hoolem da deligencia a que foram
por ordem da inspectora da alfandega des-
ta cidade. Estes empregados percorre-
r! ram vestigios de urtl ou outro laceo de fa-
rinlia de trigo, que por aquel les lugares da
costa veio praia.
Tiveram noticia que o navio naufraga-
do achava-se 12 leguas alm da fronteira
dp Chuby, np Estado Oriental, e por ta
motivo regressaram. Souberam que aL-
guns corpos tinham vindo I praia, e que os
tinbam enterrado, entre estes o de um mo-
qo, que represoiitava ter 14 annos, e ser
de nacionalidade estrangeira.
Eia Santa Catharina encerraram-se no
dia O os tralAlhos'da assombla legislativa
provincial.
Tinbam fallecido: o guarda-rar da al-
fandega do Desterro Jos da Silva Mafra
Sobrintoo, e o major Miguel Francisco Pe-
reira. lavrador abastado de Garopaba.
L-se na Regenera^ *
Chegou de Assompcao no Isabel o bra-
vo general Guilberme Xavier de Souza,
qae aqui vem cuidar em sua saude.
S. Exc. foi.recebid) com vivas e sin-
Aos capliies do 2i corpo de voluntarios
da patria Antonio Bezerra CabraT, db 26*
dito Joao Francisco Pervira dos Santos e
do extincto 47 dito Joo Mara dos Santos,
a de $ mensaes cada um.
_ Aos tenentes do 13a dito Manoel Fran-
cisco doAoreu e do 6" corpo de cavallaria
da guarda nacional do Rio Grande o Sul
Antonio Lino de Figuniredo Mjreira, a de
i> mensaes a cada um ;
\i> alteas do 20" corpo de voluntarios
da patria Jos Augusto da Frota Meaezes,
a do 3(5.-) mensaes;
Por portara de 21 fio corrente foi exo-
nerado a seu pedido; do lugar de prati-
canie do observatorio astronmico, o ba-
cbarel Adolpbo Dilermando deAguiar.
21
Por decreto de 10 do corrente foi conce-
dida a Augusto de Oliveira Pinto a de-
misso, que pedio, do lugar de 3'1 escrip-
turario do thesouro nacional.
esnio
Por decreto de 19 do corrente :
Foi reconduzido o bochare! Abilio Al-
varo Martins e Castro no lugar de juiz mu-
nicipal e de orphaos dos term>s reunidos do
Ro Pardo e Encruzilbada, na provincia de
S. Pedro do Rio Grande do Sul.
r'orjm nomeados juizes municipaes e de
opphan :
O badiarel Jos Antonio Gomes do termo
du S-i^aaivii, na pmvjncia do-ltio de Jar
neiro. *
O bacharel Antonio Casimiro da Motta
Pacheco do termo de Lavras, na provincia
de .Minas-Geraes.
O bacharel l'elia|B Jos de Miranda do
termo da Christiaa, na mesma provine a.
O bacharel Francisco Joi Alves de Al-
buquerque Filho do termo de Santa Barba-
ra, na mesma provincia.
O bacharol Demetrio Jos Teixeira dos
termos reunidos de Alcobaca e Prado, na
provincia da Bahia.
Concederam-se as honras:
De t nente coronel ao major
da gurrda nacional da provincia
nlio, Joo Marcellino Romea.
Foram reformados, a seu pedido:
O tenente-coronel commandante do bata-
Ihao de infantana n. 9 da guarda nacional
da provincia de Sergipe, Antonio Jos Go-
mes da Cunba, no mesmo posto. '
Foi aceita a desistencia que fez Joaquim
JosRibeiro da serventa vitalicia dos olfi-
cios de tabellio de notas e 2 cscrivo de
orphos do termo de Laraageiras, na pro-
vincia de Sergipe.
Foram declarados vago*, os oflicios de 1
tabellio e escrivo do judicial e notas,
capellase residuos do termo da Divina Pas
tora, na mesma provincia, por te-Ios aban-
donado o respectivo serventuario vitalicio,
Marcos Jos Correa de Mendonca.
reformado
do Mar-
Por decretos de 17 do corrente conce-
ieu-se a Jos Candido da Silva demissao
do lugar de patrao-mr do porto do Cear.1,
e nomeou-se para o mesmo lugar o guar-
dio reformado Manoel Ferreira Gomes.
Por decreto de 18 do corrente foLrefor
mado o official de fazenda de 2a classe Joa-
quim Marques de Sant'Anua, no mesmo i
posto e com sold da respectiva patente,
na conformidade do al vara de i O de dezem-
bro de 1790, visto contar mais de 2o annos
de sorvico.'
Por outro da mesma data perdoou-se a
Marcolino de Almeida Ressa, ex-praca do
batalho naval, o prazo de 95 dias que ainda
lhe faltava para cumprir a peaa de 6 annos
de prisao a que fora condemnado por sen-
tenca do conseibo supremo.tilitar de us-
ura.
nesta cidade ; a assembla legislativa pro-
vincial, em sitial de consideraco, e como
a um de seus membros, foi em corporacao
<-vmpiimeota-lo em sua residencia,
nossa provincia orgulha-se em pps-
suir no numero de seus filbos to distincto
brasileiro, e nos como orgo de seus sen-
timentos felicitamos ao rayo general, que
sempre esqoecendo os soffrimentos de seu
estado enfermo, correu ao primeiro aceno
onde o dever e o patriotismo o chamaran
< Praza aos cos que em sua trra nota
. na conformidade das
- demonstrares de alegra ,e aprefo-desposicoes do art. 3o, do decreto n. 1,341
Por decretos de 23 do corrente:
Foram concedidas, em atlencao aos re-
levantes servicos prestados na guerra ac-
tual contra o governo do Paraguay, pelo
caito do extincto 41 corpo de volunta
ros da patria, Jos Francsco de Santiago e
pelo alferes do lo0corpo de cavallaria da
guarda nacional do Rio Grande do Sul,
Rento Mendes Je Moraes, a este as honras
de alferes e aquelle as de capitao do~ exer-
cito.
Foi nomeado 2o cirurgo do corpo de
$ade do exercito,
DIARIO DE PERNAMBUCO
RliCIFK, liDE Jl'LnO DE 18GU.
NOTICIAS DO SUL DO IMPBRlO.
Chegou hontem o vapor francez Bjtttvmndure,
trazendn dalas da curie at 24 o da Babia at 27
do corrente.
Como-veranos I'lores do que vai transcripto
*>b as rnbricas=".rfnV)r e Interiorsao impor-
tamos as nneias do thcalro da guerra para as
i|uacs ctumamos a sua aitengio.
G0YA7..
As ultimas dalas clieyam a lo de maio.
Eslava de v'olia a capital, desde o dia .'i, o Sr.
presidente a provincia, que fura examinar os'pre-
dius de I.epo|;|>iia o Jnruiwpsen. Do exame a
i|uo S. I'ac. alli |ii-oci'deu rwQifoa a eKrjT-dieao de
ordens ao inspeetor geral dos jirosidios 'para o le-
vantamento da planta d una nova estrada emte
o lo Claro e J'irupenseti, corrVtmcco de um
(|iiarlcl e um Irftspilat, fundacao de una otaria de
lellias e outraa provifcnelas necessarias ao rae-
llioramcnlo dls prcsMio?.
JfUiAS (IKRAKS.
Temos o Noti&im- de Minas de 14 dojunho;
traz a secnmi^eseha :
t Na villa (w Dores do Ind'ii. na noite de l
do nz passado, Autnnlo Jos do Souza ferio gra-
vemente com duas lacadas no olicial de justica
Joo Antonio de Faria, que andava policiaqdo a
povoaeao, c urna hora depois deste aeontecimento
f lando que o autor deste ultimo atlentado fura o
mesma Antonio Jos de Souza.
Potas 7 lioras da noite do dia 31 do mesmo
mez, no lugar denominado Marnelo, no distrito
da cidade do Juiz de Fora, foi assassinado faca-
das Candido Soarcs por um individuo du nomo An-
tonio Fausto, que logrou evadir-se, e que poste-
riormente apresentou-se ao respectivo subdelega-
do e foi reeolliido a cada.
Na noite de 23 para 2 do mesmo mez,
foram disparados dous tiros em urna das janellas
da casa de residencia do Dr. juiz municipal do
Curvello, tendo um das balas ^nyessado a
mesma janella e cabido no apose.
doutor.
t No dislricto do Ro-Novo, termo
de Hespaaba, Benjamn Pereira da Silva
sassinar no dia 24 do mez passado a D.
ca Rosa e Abren, disparando-llie dous
felizmente upo a oJJonderara.
O delinquente foi logo preso e j se acha pro-
eessad.
Em a noite do i. do corrente ova liram-seda
cada de Sabara, pormeio de arrombamonto, dous
criminoso) que nella existiam, de nomes Francis-
co Mariano e Paulo Goiicalves, pr cessados,o pri-
meiro por olTensas physias e o segundo por furio
de gado
a Sobre todos estos factos tomou a autoridade
respectiva as providencias necessarias. >
S. PAULO.
A ultima dala 20 de junho.
Na noite de 10 bouve no theatro urna desur-
dan ; para accommoda-la foi necessaria a inter-
veneao da forca armada c suspender-se o espec-
tculo.
Abrio-se alo urna escola gratuita deias-
truccao primaria para 25 alumnos de ambos os
sexos, manlida expensas da luja maromea Am-
rica
Precedente do ftio Grande do, Syl, chegara a
a. I'auoi,- | baraoiJo Jaculiv.
/ :vo naTT entrn no porto dezmlos um ta-
vio com 150 allemaes contratados para ys esl
lecimentos agrcolas do Sr. sonador Souza Quei-
roz.
Esperava-si> alli outro navio tambem com emi-
grantes allemaes, que trazem o mesmo destino.
No senado pieslou juramento e tomou as-
sent o Sr. bario de Mamanguape, senador pela
Parahyba."
Comecou no dia 16 a discussao do voto de
gracas, nagual j tinham tomado parte os Srs.
Oclaviano, Sayao Lobato, Nabuco e baro de S.
Loureneo, flcando a materia adiada.
Depois de orarem os Srs. Dias de Carvalho,
marquez de Olinda, barao das Tres Barras e Za-
carias; foi approvado o parecer de commissj so-
bre a eletcao de dous senadores por Pernambuco,
sendo proclamados taes os Exms. Srs. visconde
de Camaragibe e Jos Bento da Cunha e Figuei-
redo.
foi
> nm
appareeeu.
agua di' que foi possivel dis|>'ir-se foi to
somente a eneanaflpara o servieo do predi
do un |X! uta era que nimea
pode reisiir por-mais d,' um quar de luir ao
trabalho das bombas e primeiro qae do non se
ajuntassse dava lempa a que u infleifltto m
ganlrasso as propo^s perdidas di raba-
llio, mas ainda Sdatasse as suas chammas.
O incendio a met mt casual, todava o snb-
rad.i procede a ndagacocs. a ordem pulHica
nao l'oi perturbada e o servigo l'oi feito e.im reg-
feridade, nada deixando a lmieiiar a nao ser um
leve ferimenlo em um erftpregado do corpo que
foi logo acudido pelo pKarmaeentico Silveira.
Os dontores 1 a-S* delegados e o proprio
subdelegad i deram todas as providencias para
que mpareoessom os nguadeiros, mas nao fui
ca
ini
d
d
Irati.u da denegacao fcila pelo ministerio da agn
cultura ao olfepeeiinento da AssociacoCoimnercial
de Pernamburo, pan a factura dotolegrapbo elc-
trico tiesta cidade pan o sul, at a corte, extran-
liando a flagrante iajostica dessa denegacao, que
nia'< ou depois que urna conce
mesma rdem o tntoreza fot feta a um indi-
viduo particular pata a coiisltuwjao de urna linlia
irapluca que ligarse a provincia do Minas a
Corte.
Acompanbando o Dr. Aguiar, como nos lam-
oem o aconpaii!iaiiios ues esse acto, que ppr forma alguma pode ser atlenua-
''" l"'ln linistro da marinha,
o deputado por ega inuvimia, Dr: Souza liis.
' prBiicia (fe Pernamburo justo
pie, lo altodest tribuna, tributemos um voto de
agradecimento eus represontanles, pelo
mleresso que manifestaran! por esse melboramen-
to to reclamado e, de tanto futuro para o nosso
commercio e para o engrandecimento de Pernain-
0 modo porqne o Sr. ministro da marinba pro-
cnrot attennir a inj tstica manifesia do seu colle-
ga da agrtcdJtura, nao foi por cerlo o mais con-
el conseguir-sc a pi i nentium del- sen tanca com a boa lgica,' e nem as suas razos
les. o que occasionou a perda telal do predio, podiam'ealar ao animo da cmara temporaria.
exceptuando as paredes que e contoniavam. Dessas razoes f>ii a primordial ter essa linha de
UtKls estava-se oceupado no servicio desse ] fazer parte da linha tel-'grapbica geral, que se tem
djp_, quando nm novo teltgramma < !> ',4' do cstender do sul ao norte do imperio, do Ama-
zonas ao Prata, e mesmo ter de ligar-so linha
horas fda inanhaa noticiava ontm incendio no
morro de Santa Theresa, onde habitara o Sr. Dr.
Qnei
O chele ajudante do corpo segiiio immediata-
mente com urna bomba tazcMO avisar aos dous
pastos flue as 4 horas da man hita en havia [eito
retirar do Rio Comprido o ao mesmo tempo fez
avisar-me. Nao careceudo mais de maior vigilan- polliese gratuita) d qneviesse w Imba alea
elle trabalho spgui mmePatamento com o i corte, ^car por monos annos seo conUnaacao,
transatlntica, demandando poriaaa mais aturados
o serios estudos.
V de simples intuirn que semelhaiite razio de
ordem nao pode subsistir, em face das altas con-
veniencias rommereiaes que se prendem ;i esse
melhoramenlo; e que a simples presumpcao fliy-
portoai
Aturasto de faria Lawasn, Jayuw MiiUaajaj,
Itosa Kedelc, CuMAppa Panza, GHCffrr
Malinas de Albuquerqiie Mcll
Coimbra, Peyres Franrois.
nlnna e tres filhns, Laionriallo Yin,
llenry Waltroth e Blas Dk
V'indos el.. 1 -ni. no vapor bra-UVi-
ro Jtinuvibe:
Tenente jjfanocl Fr.mci- ^ra As-
tomo II -l lAn|> iJ
pinas, 9 mulle i| nmitaa.
Viada dos vapor brasi-
leo Puinn :
Nieolo i'ruiM. Pedro Antonio 41 Silta, to-e JL
dos Santos Guimaraes r 1, i I itpan J
de Aratijo, Antonio I : .., |ain .Mate-
rno, sua senhora, nina eri.nii mu lil han 4
'-'i' Nuiles, Gobello lapi
yirgens, Alexaadre Julio da C <$, Kran
du Souza lt.. Jos Antonio d '
nimia, um criado e un James J4.
Jolimi Maxiell, Emilio Pereira '1 M a.kiem Ha-
noel Sal 1/ ir. Jos Maru J. e si ,. E4aBT-
do Al es da Silva e sua senhora J >-e i.anreni*>
Pereira de CarvaHe, Praaeiseo Joai Penen, mt
Alves d'Aguiar, Dr. Eutiq lio I iiiv tta-
ina, Autonio Jos Pereira M., Braz Jos .la Foaee-
ca, D. Heleno B. Tavan's. sua neta ineaor e
eapitaa ajudante e tres bombas, deixando aiada Iqoer ao norte qner ao sul, nao era suflicenie pa-
uina 111 llio Comprido, quanlo era su.'liciciito para ra que o seu esludo previo fosse descurado, e
pouco cuidadosa sua execucao.
Assim, pofa, Bebamos que" foram muito cabidas
as censuras dos dous nobres depulados, e muito
louvavel n seu zlo pelo interesse daquelles que
eafriar b entumo e as undenas que remova para
fra do predio. Felizmente nao foi preciso func-
cionar ueste segundo incendio bomba alguma pois
elle nao passoa de nina pouca de roupa que se
cendfou ;por facilidade de urna criam-a com
pbospboroe
A alfandega da corte roadeti de 1 a 23 do cor-
rete ^387:V8870.
EB as nMieias commerciaes da ultima data:
Incluindo Iransaccoes .mu cambio, clteetuadas
litije, sobre Londres, pequeas, a 18 1/2 d., pa-
pel bancarte, 18 3/i e 18 7/8 d., papel particular,
1: sobre J^ranCa menos que regulares de 503 a
510 r.. por franco, sommam ss operaccoes em
cambie para o paquete francez stramadure
Sijire Londres cerca-de 300.000 a 18 1/i e
18 1/d., papel banenrio. o a 18 3/8, 18 1/2, 18
iS, 18 1! i e 18 7.8 3.. papel particular.
1 Sobre Franca, cerca de fr., 3,050,000 aos ex-
tremos de 501 a 519 r.'is por fr.
Sobre Bambuc
a 958 rs. por mb.
Sobre Portugal vigoro)) boje a tabella que
demos na nossa Uecistn de bontem.
Vendeu-se hnje um pequeo loto de sobe-
ranos i 12-5S00.-
1 nos consta qm; pfl'orliiassem hoje Iftnsac-
ees em Iudos pblicos, accoes de companhias,
caf on a I jodii.
A laxa do descont no banco nao solTreu al
teracao.
Sahiram para Pernamboeo a 15 brign; 110-
roeguense Tordenskjnid; a 19, a barca ngleza
T'ilisin', < ;, 2, o brigue Amnro.
IIAIIIA.
b0 cerca de mb. 80,01)0 de 935
os mandaram ao seio da representaco nacional,.
Do discuiso do Sr. Dr. Souza Bcis, tr.uiscreve-
mos o seguate trecho, onde se i um aparte do Dr.
Aguiar:
. E a este respeito ainda direi ao nobre minis-
tro da marinha que S. Exc. engac.on-se, quando
nos disse que nao tinha sido negada a autorisaca
pedida pela Assoriaeao Cominercial de Peniain-
buco.
O Sr. Ministro da Marinha :Pelo ministerio
actual J
' O Sr. Souza Res : Sem duvida alguma ; e
negada por* ditas vezes.
Sr. Ferreira de Aguiar :Foi; mas o Sr.
ministro da agricultura na pobce fez-iue a honra
do diier ipie i;-, abrir a concurrencia para con-
tratar a linha lelegraphica. para Pernambuco.
Por esse aparte vi''-se que, quando outro lini nao
consiga a censura do Dr. Aguiar, ao menos acti-
var as diligencias do Sr. ministro da agricultura,
ano, segundo diz o referido Dr Aguiar, tai man-
dar abrir a concorrencia para contratar a linha
lelegrapliica, concoi rencia que julgamos intil,
visto como qner nos parecer que nenhum concur-
rente nielhores vantagens podar olferecer do que
- a nossa Associa^ao Commercial.
EmUm alna-si! a concorreiicn, d-se desen-
vlviiuenlo, e ponha-se em pratca a idea, que o
que lodos queremos.
Acabavamos de esrrever* as linhas cima,
quando livemos noticia de que, em aviso de 10 de
Tendo enviado ao conselheiro de estado as janho ultimo, jjarticipoa :o Sr. ministro da agri-
leis de fxacao de forra policial e do orcamento cultora, commercio e obras publicas ao Exm. Sr.
provincial, votadas ltimamente pela respectiva vice-presidente da provincia, que linha deliberado
assemWa, o presidente da provincia mndnu vi- entregar i administracao particular a conslruc-
gorar as dnasleis do exercico antecdeme. yao das bubas.telegrapiicas costeiras, e ordenado
Alim de obviar as difllculdad.'s creadas pela a directora dos telegraphos, que maudasse sus-
substimte^i das notas de 55000, elOVJOOobteve a pender quaesquer trabalhos, que por ventura le-
presidaacia da provincia que o banco da Baha em- nhatn sdo ordenados em relacao 1 linha aulorisa-
prestalse a thesourana de rateada "50:000i para da desla capital para o Bio de S. Francisco.
fazertac.i .os troncos. V-as lien claramente que esle um fructo das
renden del a 2G do corrente 1 censuras, Inicio que as justilica.
AUTORIDADES POLICIAES.Por deliberarlo
.jlh-afcjn
f6: Toiimfp*-
0 camh"lo rognlava : sobre Londres 18 Vi a
19 d., sobre Pars 500 a 511 rs.
V-i dia 25 perc a 1 cu as mas da capital o ban-
Agfla|Eig||||^^3m|^priicla!nacao da c.aina-
nanBBBBBos!
manos
novo vai surgir
Na ramara dos deputados foi approvado o
projecto concedendo liceuca aos Drs. Loureneo
Trigo de Loureiro e Joao Jos Ferreira de Aguiar.
Na sessiode 21, o Sr. Perdigo Malheiro fun-
damentou o seguinte projocto :
A assembla geral resoive :
Art. 1. Os vencimentos lixos dos magistra-
dos serao desde j :
1." Para os juizes de direito 3:600 por anno.
2." Para os desembargado-
res.........................G:000
3." Para os ministros do su-
premo tribunal de justica.....9:0003
I nico. Estes vencimentos sao dous tercos
ordenado, e um terco gratifteacao, duvida s no
caso de effcctivo oxereieio.
Art. 2. O ordenado dos juizes municipaes e
de orphos ser de 600,* ; e uos lugares onde,
segundo as respectivas lotacioes, os vencimentos
forera inferiores a 1:800j pereebcro mais a d-
ferenga entre a mesma lotaco e esta quantia, a
titulo de gratificacao.
nico. O governo Ibes arbitrar para despe-
zas de transporto e de primeiro estabeleciment
una ajuda i'e custo, cujo mximo nao exceder
" 1
r!
de 24 de agosto de I86t, o alumno do G
anno da faculdade de medicina da Babia,
Luiz Tereneio (te Carvalhal.
Foi reformado, na conformidad} das des-
posit,-u"nlo l" do art. 9 da lei n. C8 de
18 de agosto de 1852, o capellSo alferes da
repartifo ecclesiaslica do exercito; padre
Manoel Thomaz da Silva, visto soffrer mo-
lestia iocuravel. que o torna incapaz de
continuar no servieo.
Por decreto imperial foi concedida a Syl-
ria tabella.
Art. 3.- Os juizes de direito, desembargado-
rese ministros do supremo tribunal de justica s
poderao ser aposentados :
Io Quandojse derincompatibilidade phvsca
ou moral de exercer o cargo:
2. Quando se der a incompatibilidade abso-
luta expressa na lei de 18 de setembro de 1828
art. i." \
1." A aposentadivia essencalmente volun-
taria. Mas nao poder ser negada, verieado
*asos cima dehnido-, e nos termos do 14,
2.- Se, porcm, fr de publica notoriedade e
de natureza permanente 3 incapacidade physica
ou moral do magistrado, poder o governo, pre-
Eadendo as necessarias informacoes, audiencia do
esmo, semnre que possivel ado conselho de es-
tado, eonferiVla por bem do servieo publico.
8 3. Sao millas as aposentadorias forcadas,
autonsadas no antecedente, que nao estiverem
nos termos strictos.do mesmo paragrapho. O
supremo tribunal de justica julgara a nullidade,
se o magistrado flzer a reclamat-o dentro de seis
mezes, contados da scienca offlcial, e ouvido o
procurador da cora.
8.*-* 0 servido effectvo por 30 annos ou
mais da direito ao ordenado inteiro ; por menor
numero de annos, nunca inferior a dez, ao orde-
nado proporcional ao tempo de servieo.
Art. 4." Ficanvrevogadas as disnosieoes em
contrario.
Paco da cambra, 21 de junbo de 1869.
1 mesma sessao foi lido um iiarecer de
eoramissao sobre o projocto da reforma do recru-
lamento.
Por deliberado da presidencia da provincia,
foi designado o dia 25 do corrente mez para se
proceder eleicao de um deputado assembla
geral, em substtuicao do Sr. Francisco de Paula
de Negreiros Sayao' Libato, escolhido senador,
Houveram.no dia 21 do passado, dous gran
de 1 incendios na corte, un. no Rio Comprido n'uma
propnedade do Sr. conde da Estrella, e outro em
Santa Thercza na residencia do Dr. Silva Quciroz
Sobre elles diz o director geral do con>3 de
bomberos :
A urna hora e vnto minutos da madrugada
de hoje veio a este corpo um telegramma com-
muuicando haver incendio na ra do Rio Compri-
do- n. 42, propriedade do commendador Joaquim
Manoel Montero e inhabitada. Qtiarcnta minutos
depois ahi me achava com o meu ajndante o oito
bombas, um carro de salvavidas e forramentas,
grande dia
a pat^i, despertando em nossos t \;es o mes-
mo cnimenlo vivo de f as instituices poli-
Ciaos, que nos regem, para a conquista das quaes
se inll mimara outr'oia o stoieo patriotismo de
tanto.-, ber's, que em pugna gloriosa e titnica
nos legaraui a iudepenpencia e com ella tira dis-
tincto logar no egregio mappa das naces livres !
Pela evolucao natural e prodigips do novo
planeta, vai aita despontac, bahianos pela qua-
dragessima sexta vez, alm daquella que engri-
nallou a fronte laureada e ufana de tantos bravos,
o astro brilbante, que aqueccu os paitos de nossos
libertadores, j lao abrasados pelo enthusiastico
calor de virtuoso patriotismo I
Assim foi que, so!) esse. altanado nfltixo, ra-
diante de luz cxpleodida c cheia de glora minar-
eessivel em 2 de julho de 1823, o exercito pacifi-
cador ostentando em Suas ferdas os vestigios mal
eicatrisados de sua intrepidez as batalhas com
um inimigo aguerrido, eutrou n'esta capital, tri-
umphante no probo pelas armas, sublime e gene-
roso na victoria pela tolerancia !
Assim foi que, cornada de luzentes louros, a
primognita de Cabral, a vencedora dos Batavos,
ujssa leal e valorosa cidade, em trente de cala-
midades horrificas, em urna fucta cruenta en-
tre a liberdade e a raerte, fechou com o sello de
seu sangue o magestoso laclo dt autonoma do
imperio !
Assim foi que, abaladas por tanta heroicidade
a-i grandes naces, nos contemplando como um
poyo digno da nacionalidade, que acabava de con-
quistar, nao tizerain esperar seu reconhecimento,
franqueand-nos um assento merecido em seu so-
berano congresso.
E assim que, nossa lucta de honra, ainda
agora sustentada as brenbas inaecessves e pau-
laaaes invadeaveis de um piiz. inhspito o selva-
gem, essas naeoes, oonscas de nosso valor, res-
petain a importancia de nossa causa, como de
nossa allianca, memorando, reverentes, nessa per-
severancia naquollas tradicoes de outr'ora ; pois
fde aellas enxergam de novovalor indemavel
iap-VS^r^ZStZSKSiesSUAm'SSS^
nos impeliera at ao sublime da conquista da ci-
vilisacao para um povo escravsado pela mais fe-
roz barbaridade e peio mais hediondo 1'aQatismo 1
Estes factos ingentes que realeam a' historia
de noss patria, prendem-se uniao e firmesa dos
brasileiros nos grandes principios de ordem para
a seguranza da liberdade sendo que com elles ini-
ciada nossa nacionalidade ao esplendido alvorecer
do da magno, que em ponen, vai apparecer-nos.
perraitlir a Providencia, sempre
em a.ixilio do patriotismo, at boje inmaculado
dos haitiano, que os arenles da discordia, aecc-
Intetro, venham, ao fumegar lgubre
de suas labarodas tremendas, oscurecer os altos
feitos de nossos maiores corados ao sol brlhantc
se dia, a cujo anniversario consagramos a ex-
celsa recordaco de nossas glorias.
' liahianos A cmara municipal vos convida
a conduzir na manhaa do dia 2 do jullw o faus-
toso emblema de nossa independedeia, depositado
na Lapinha, primeiro passo aborto victoria cn-
trada-do exercito pacificador n'esta leal e valoro-
sa cidade.
Seguir-s-ba na igreja cathedral o solemne
l&Deum em acejo de gracas ao Todo Poderoso e
ah prostrados ante o supremo arbitro das naeoes
elevemos at ello os nossos votos pela prosperi-
dade d'estc imperio, pela perpetuidade de nossas
instituirnos polticas, pela pujanea da dymnastla,
(|iie nos rege e crescente felicidade de todos os
brasileiros.
Consagrado o qno devemos a Deus, a munici-
palnlade vos aconipanbar at o dia 4 na ieal ex-
nresso dos fervor isuos demonstrados
lr manifestacSes licitas de patritico o digno eo-
thusiasmo. Viva a roligio catholica! Viva S.
M. o Imperador e sua augusta dvmnastia I Viva
a naeao brasil.ira Viva o dia 2;de julho !
Puco da municipadade da Baha 25 de junho
de 1869. Jos de Barros Heis, presidente Ma-
;noel Alfonso Parateo de Mora. Dr. Eloy Jos
Francisco Jos da Rocha.Dr: Francisco
d'Azevedo Montero.Manoel Corjeia Garca.
Autonio I), de Magaliies. Ravmundo Francis-
co de M. Magarao.Silvestre C. de Vasc3beellos.
de 20 do passado foram nomeados :
Subdelegado di Afufado, em Ingazcra, Sever-
no Ferreira Nery.
Supplcnles do subdelegado do termo de Flores;
Francisco Henriquo Barrete Martbondo, Mauoc
Gomes Coimbra de C impog, Joao Baplista de Si-
queira, Luiz Ribelro Vianna, Jos da Vera-Cruz
Campos e Jos Alves de Ges e Mello.'
Suppleutes do subdelegado do primeiro dislric-
to do FloresBenedicto Hortencio de Siqueira
Campos, Manoel da Silva Juca, Jos Alves de Ges
e Mello, Torquato Jos da Silva, Manoel Jos da
Costa Borges e Marcolino Nunes da Silva.
ROIIBO. Consta que semcham recolhidos a
detencao tres individuos po^Beneitas de terem
looiado parte no roubo pj'a'.icaTHBBjJoj.i i), 'toda
ra Direila, de quo lionfem tralenm A policia
persegue as investigacoes, afini de entrar na pos-
se do lio desse atlentado. contra a propriedade.
MAN1FESTACA0.- Alguns amigos dos Extns.
Srs. Visconde de Camaragibe e Dr. Jos Bento da,
Cunlike Figueirdo, qurendo dar-Ibes una prova
de abfeco por occasio da approvacao feita pelo
senado de sua escolha pata senadores do imperio
porvesla provincia, promover9in urna subscripto
ontre amigos, sahiram bontem as 6 horas c meia
da larde, em grupo e com msica, victorar o
triumpho da opinio que Ibes deu assento na prfj
meira corporacao do imperio.
CONCILIO ECUMNICO. Por aviso do minis-
terio do imperio, foi concedida licenca ao Exm. e
Rvm. Sr. bispo do Para, para ir assistr ao conci-
lio em Roma, 8 de dazembre prximo.
NOTAS A RECOLHER.Pela ordem do ttiesou-
ro nacional de 23 do passado, foi prorogado at :t0
de julho corrente,' o recolhimcnto das sedulas de
o da sexta estampa, e IOS da quarta.
PRESIDENTE DO CBAttA.Por cartas da ur-
te consta que se acha nomeado para esje cargo, o
Sr. desembargador Joo Antonio de Araujo Fre-
tas Henriques.
LICENCA.Por aviso de 23 do pausado, foram
concedides seis mezes de licenca ao Sr. Dr. Luiz
de Albuquerquc Marlins Pereira, juiz de direito
da comarca da Boa-Vista ; sendo dous cora orde-
nado por inteiro e 4 com a melade.
PARA A EUROPACora dez recobraos no nas-
so porto, levou o vapor francez Extremadme 214
passageiros.
DINHEIRO. O vapor Extremadure trouxe as
seguintes quanlas para os Srs. :
Aniorim Irmos.............. 60:000000
Rabe Scbametlau c C........ 12:100JOOO
l.ebuiann frres.............. 32:3805000
Thesouraria de fazenda........ 30:000000
Pereira Carneiro A C.......... 14:090^000
London Bank................ 5,000 &
O vapor Paran levou de nossa praea :
" Para a Baha............ 4:0000
o Ro de Janeiro..... 88:8005009
desia somnia 73:000^000 para o thesouro nacio-
nal.
O vapor Extremadure levou de nossa praca
para a Europa 33,000 francos em ouro e rala.
Os vapores Ipojura e Polenijt levaram lion-
tem as seguintes qaaotias :
ParaoCear.... 5:801i2C0
< oPenedo.. liOOOjOOO
Macei..... V00000
SANTA CASA DA MISERICORDIA.Hoje *n-
tram de mez nos eslabelecimentos da Santa Ca-a
da Misericordia, os Illms. Srs. uordomos FJoria-
no Correa de Brito,' na casa dos expostos e eolto-
gio dos orphos ; commendador Antonio Josa Go-
mes do Correo, no hospital d.js Lazaros, hospicio
de alienados c collogio das orphias, e conego
Francisco Rochad Pereira de Brito "Medeiros, no
hospital Pedro II, devendo s pessoas que tiverein
de recolher ao predito hospital quulquer enfermo,
ontender-se exclusivamente com o mesmo Sr. co-
nego.
SOCIEDADE PATRITICA DOUS DE JULHO.
A directora convida a todos os senhores socios
Jos Manoel de \raujo, Manoel de St.aza IhUa-
court, Antonio Marcelino dos l'.ei-, 1 i;iet-
by. Fernando Maranhense da Caafu, Dr. Pleafaa*
Jos de Mira-.d.i,!! rccruias aan ti 1 rwiiii. An-
tonio. Frai)c*ca e Luiz african 9 i,:. 1! te ti
crav,:s a entregar.
Sabidos para os portea do norte, na vapor
pojara :
Carlos Antonio de Ara'Jo, i. ,! 1 giha .Ulancs,
bacharel Epaniinondas da Silva Gunra e I era-
do, I). Eugenia A. Reg Brito. usa una
criada, Antonio S. Ribetro, Tertulian- Jo< de M..
Odorico de Carvalho e Silva 1 uto, Ig-
nacki 1. S., J.o evangelista 0.1 K., J.,M' titiu-ino
J'Araujo, Leoncio Pereira A., U 1 d>-
Carvalho, Manoel Soares de- kiH J*e
dos San,o; p Jola J. G., Vire arta ferreira d'A-
guiar, Manoel Antonio do Nasrimt ni., lead Mri-
des. Antonio Pereira da Cnnlia. padre Jeaqami S
R. Dantas, ilgael A. R. D. e sh 1 estn^ 1 **
llibrilo Dantas e seu escravo.
Sabidos para a Europa, n 1 vap^r fraares
ai Ntanv:
Antonio Luiz de Obveia A/.'v. I Ijjx
des Santos, Flix Sawage, Eogeai > Ni 1,. Mar-
anea, Marie Peueb h um criado, Fi >,mi-
thier, Augusto Delot, Luiz de \ -/ Krasi-
cisco de Audiaile Jnior, 11,-ni WiHoct. C E11-
gelbaw, Henil Souw, Joo i'Arreda Canina, Aze-
vedo Neves c F. Porch.
Sahdessfmra os partos do sal, no v.ipor JV
tmne :
lunado Jos Marques, Manee! Joaquim Mar-
ques, Jaciiitho A- de Souza. Antonio M. de Naaei-
menlo, Jos Joaquim de Ohveira. Gernsio >le mi-
vera Coelho. leaenle-eoreaad Jos Je*juim *.
Rege, Vicente A. de Agnlat e Dr. SatniaaMau .
d'Araujo, sua senhora e 3 rifada*,
CEM1TERIO PUBLICO.-Obituario do dia da
junho.
Jos, Pernanilnieo, 18 mezes >. J ; r ,nrm-
Poes.
Francisca Bita Lino Ucha, Pernambuc >, *> an-
nos, S. Jos : velhice.
Antonio. frica, 30 anuos, Boa-Vista ; diirrlra.
lose Ribeiro, frica, 70 annos, Reeat n apiNle
cerebral.
Francisco, Pernambuco, 32 soes.
Mara, Pernambuc.), 3 meze-, Bant Aat 'i >; cim-
vulsoes.
Joanna Accoli Taseano de Gonara, Penamlmr.
27 airaos, casada, Santo Anloni 1: | i-i,-j mte-
rite.
Antonio, Pernambuco, 43 anuos, sulleir
Antonio; pneuuHiina ajaja.
Manoel da Luz Martins Castro, rVru.imh" -o, anuos, solteiro, Boa-Vista : anemia.
Auna, Pernamboeo, 2 annos, Sanas Aaion; eon-
vulsocs.
Lutz Jos FraflcW da Costa, Arrica, Vi a..
solteiro, Santo Antonio r 1 r,>n>t>ri|.
Maria, Pernambuco, 2 mezes, D *-
luche".
- 2!)
Januaria Pereira d..s Aajea, Pernanibu van-
nos, solteiro, Boa-Vista ; iibullfi.'iirii das vl-
vulas.
Maria, Pernambuco, '> horas, S. J
COMMERCIO.
para comparecerom ua, igreja do Espirito Santo,
horas da manba paja assistirem a urna mis-
0 de menores escra-
as 9 bora3 da mannaa
sa sobre o acto da libertara
Vos.
LOTERA.A quo se acha a venda a 112.',
a benelicio daantaCasad Misericordia, ime cor-
re no dia 6.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAETJL
TELEORAPHO ELCTRICO. Ka*scssao
da
LEII.OES.Conlina hoje o agente Martins a
razcr leilo a retalho dos gneros e armaco, da
massa fallida de Joao Fernn Jes da Costa Soares :
a ra do Imperador n. 57.
Hoje s 10 horas, electua o agente Pinto o
leilo de fazendas avariadas, em seu esciiptorio
ra da Cruz u. 38.
Amanilla 2 do corrente, s 10 hora
tua o mesmo agente o de movis, louea, vidros e
PRA^A DO RKCIFR 30 DE JUNHO DE IM
as 3 l/lsjflaea da tarde
/iuros salgados verdes 170 rs. por libra.
Cambio sobre Pars tX) djv ."81 r<. ]* Cambio sobre llamburgo 90 d|v av rs. por
m. b.
F. J. Silveira
Presdeme.
Leal Ser
Secreuna.
CASA D CAMBIO
Teodoro Simn & G.
Compram e Mudan pur ronta pmpria
metaes, moedas nacin jes e estranjjeiras.
scijoi de cambio, sedulas do governo e A
qanco do Brasil.
Descontamictras da Ierra e uniros lit-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das raes-
ujas transaegoes, da cobran de letras da
trra e de outros ttulos coinmerciacs.
Receben) (juaesquer quanlas lmu-deposi-
to, em conta corrente, e a prazo liso.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro LimiteI
Descoma lettras da praca i taxa a cod-
vencionar.
Recebe diuheiro em conta correnle e a
prazo lixo.
Saca vista- ou praso sobre as cidades
principaes da Europa^Iem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-Yort
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito.
para os tapamos lugares.
Largol^Pelourinbo n. 7
ALFANDEGA
Rendimenb do dia 1 a 28. .
dem do dia 30.....
LOil.tTwai
65:33(4102
I,l07:2llm
MOVIMEXTO DA ALFANDEGA
Volmnes entrados com fazendas
dem dem com gneros
Volumes sahidoe com fazendas
dem dem com gneros
74
411
30
203
ra
1197
Descarregam boje i* de julho
Vapor inglezOlinda -meitUorias.
Barca francezaVeridiwi merradnriv.
Barca ingleza U'itck of ihe Teignian.
Brigue portnguezRelmpago dem.
Barca ingleziJane Mariafarinlu de triajo.
Patacbo nor(ealb34KioJohan dem.
Sumaca Uespaanola'/ mn.'ia vinbo.
Patacho nespanholIynacita iilem.
Eseona draamaraaezaCodantaboado.
RECEBEDORlA DE RENDAS INTENSAS GE-
RAES DE PERNAMBI
Rendimento do dia 1 a 28. n:tM>|87
dem do dia 30...... IsNfM
7:S773M
CONSOLADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 a 28 6V.M04M3
dem do dia 30....... 8rwr.aJ0N

MUTILADO
UEGlVH


1*
II I >
a*"
1
Diario d Peniambuco c_ Quinta feira 1 de Juho de 1869.
MOVIMENTO DO PORTO.
ff couratj de sociedade Je Aat-oio IViv.ira.da
Cunta Joviniano. Fernandes da Silva Man.1
.1 cidade eom neg ucio de eoniinis-
,1 Je IO-.OOOO I,mecidos por
ambos.
Peh mesma secret ra ?e faz ignalawiite puim-
CO, que un dita de fi fc corrente. fo inscripto
no Irvro d-i rmtrleni.i do emnmerciantes o Sr. Pe-
idio brasileira, esta-
ido na cidade d BVnangoape, provincia da
ir de fazenda-i e algodio.
1 do tribunal do cominercio de Pcr-
/fai idos (tu JSa .9".
ir tNMi fia remadme, de 279 toneladas,
cammanda.ilo .. C;ot. pampa-rom M4,
carga dfferen'.-s ganos ; i Ti
Frere.
ivnedo por H*.ei-S.dias, va;
Jaguario,, .Je 4-'0 toneladas, commandan- i nambuco -23 de junho de 1869
4e Manoel Rodrigues dos Sanios Motira,
equipiji. ni ''
.Vi-
ttio d<31 itwbi
Hatidn, de t-l!) toneladas, capito J. H.
Sleffen, ed|M.;.i I u ristra ;
ordem. Velo refrescar e semie para a
Ilha du sol.
de farinha de trigo.
No da Io de julho.
O agente Oliveira far lediio d cerca ."O barri-
cas de farinha do Irig i, marea SSoF e de iupe-
rtc qualidade.
1101E.
aomeiodiaempoiito.no armazein da Coiapa-
nliia Pemambucana an Forte, do Mallos
O uflieial-mator,
Julia Qnimaraes.
Tribimsildo e-mmereio.
Pela secutara do tribunal dineouiniereio de
Pernamlmco so faz ouhlico que dfcnesmo tribunal
ouc 10 do 2 do torrente, a Antonio
tes Cardan) SiraGes, a exoner cao do oflicio de
-. oiii tercia Bosta praca. sub-is
. que excrcia ncta praca
I trdo, purin, a flanea por eMc prestada portenipo
.tanja e putos intermedios Vapor na- contados da** data, d eooor-
;unadanl<: Eranctsco (midade cora o^nedispoo art. 11 do decreto n.
aosUeaiu Rodrigues, carga (Juforyttte
gneros
dacei e es -alasVapor nacin! Pnton ti,
coramaml.ule Percira. caiga differentes
gOMTOS.
ttio Formoso e pottos intermediosVapor
(iacion.il i'diunijbd, ooiitiwndaiile Mello,
cm lastro.
Jtin-Graude do SulBrigue nacional Sa-
blimr, capitn Agostinho Gomes da Silva.
carga assucar.
Rio ila Prata Brijrae nacional Sdka, capi-
15o Joaquim Fernando Coelho, carga
assucar.
CanalBrigne nonieguense Mico, capitie
H. Torguscn, carga assucar.
Bordeaos e purtos intei medios Vapor
francez Exlremadnre, cominandanlc L.
Giost.
:m tMiutlnuaeo.
Da armaco, gneros o pettencas do ar-
inazem AlHanca, ra do Imperador n.
57.
MOJE,
i) agento Marlins Cara luilae em conlinuacao em
, constando Je viaho, louca. armario e inais
goneroeda ma.-sa fallida de Joo Ferrcira da Costa
Soares. .
l'rincipiand.i as 11 horas do dia.
LELVO
Si iic 10 de novembro de 186!.
Secretaria do tribunal do cominercio de Per-
aaiuuaeo 28 de juuho de 1869.
O offlcial-inalr,
Julio Gutnjrie. __
-j- ispector da tbesoiifa-
ri.i de fazenda dcsU provincia o faz publico, .pie
no i\% 7 .! att vinlBmj as i h iras da
larde, aerante a junta da ynM tteaonraria. irao
.1 praca paraserein arrematados por qaein inaiori,
ianc' oflNveer, os arrewdainentoa annuaes por
tres annos dos proprios nacionaes. a saber; ar-
n 1. !. sito no Forlc d Mallos idB n. ."> I
no meMne lugar e ema terrea n. '1 na ra de j
Santa Th-.-ieu : os i.retendeiues deverae cumpa* 1 Ul- "l1^'11
recer na nesma repartido no referido dia fclior*. nim eom de mofv
- fmda de Per- I navio Jokan* Uul, as qiu
6ECLARAC0ES.
De orden) do IHm. Sr. inspector da Ikesoa
rarla de hienda desta praviucia se ra pabco,
.Ue no dia 7 JejulM prximo, pelas 2 horas da
larde, -era arre iwtado perante a juntada manan
otrarla porqnen nitor lauco uBereter, a me-
lade da casa le rea n. W -ito n.i ladeir da Hise-
ricordia da ei lade de Olinda, avahada em 1:000:
1- licitantes deverJto cnniparecer nesta thesonra>
ria no referido dia e hora.
Secretaria da ihesuuraria do fazenda de Per-
nambuco 25" de junho de 180*.
Sorvindo de offlcial-mal r.
Manuel Jos Pinto. __
ilenrdcm do llni. Sr. inspector da Ibesnu-
raria de fazenda desta provincia, se faz publico
para conbcciuu-nlo dos intcn ssados. iue o tribu-
nal do Ihesouro auturisou o pagamento de dividas
.(.'.icios (iodos, cnjos credores -ao os ?e-
gutes : Renijamin Beltran de Menear 2!>8i00, (
Maiii.el Bezerra de Senna iA600.
Secretaria da ibesonana de fazenda de Per
nambuco (i Je ioiihn de 18'i*.
Servando de offlcial-maior,.
Pililo
Secretaria da tli'esoiiraria de blenda de Per
nambuco 30 de juuho de 1809.
O ollicial-maior,
Manuel Matando da Silva Goda.
~lliSr. inspector da the^ouraria de fa-
zenda manda fazer publico para conhecimento des
interessados, qne autorisade tela ordem do rtieson-
ro de 23 deste mez, prorogoa o uraso da substi-
tuicao d notas di 5086 da 6 e de IO3KOO da i'
estampa al 30 de julho prximo.
Secretaria da tbesouraria de fazenda de Per-
nombnco 30 de junho de 1869.
0 oflicial-iiiaior,
Mannel Memede da Silva Co !i
lrmandade i o U spi r Ito a ni o do
Collegio.
De ordem da mesa rcgedrna convido a todos .1
noisos irinaos coaipaiccerein em nosra igreja
amanbaa, pelas 9 linas do dia, pira, eaeorpora-
dos, a-si tintios a missa solemne que niauda cele-
brar a sociedade Uous de Julbo,
11 escrivin,
I.niz Epiphanio Manric.i.
I>c lOO caixas com veas str-a-
riuas marca i* R A com toque
le moro.
Sexta-Teira 2 do crrente.
0 asento Pe-lana tara leilao por cinta e risco
ertencer de 100 caixas com velas stea-
vindas dofl.-.mbnrgo no
:ics scro vendidas cm
un ol mais [oles sc'xta-feira 2 do c.orreute pelas.
', 11 horas da uianlna no largo da affandega junto
ao armazein do Aunes.
Xarope deFedegoso, do Pinto.
E' de urna eflicacia ver.ladeiamente ma-
raviihosa como calmante do syslcma nervo-
so e applicado contra a paraliza, asthma,
losse convulsa ou coqueluche, tosse recen-
tes ou antigs stinocacoes, calarrhos bron
chicos ele. c a final contra todos os sofiri-
iiients das vias respiratorias, iwna phtisi-
ca pulmouar, sua virlude contra o ttano
ou espasmos, e cgavulgoea inconlestavel
e ninguem ha que o dcsconheca.
U.M DESCOimiMi-NTO ESPANTOSO !
lllrH. Sr. Joar/nia d'Almeitla Pinto.
Braga, -'i de Janeiro do 18 amigo, aqni cheguei com alguma mellio-
ra; depois de ter tomado tres garrafas
do seu preparadoXnropn deFedegoso
1 isto 6, pelo mar, porque logo que the-
guei em Lisboa, pr'mcipiei com mais f
* a tornar o dito xarope, por conliecer pelo
mar que elle razia grande beneficio, pois
vista da grande quanlidado de sangue
t que eu botava pela bocea, \i queme hia
1 desappartcendo com rapidez, depois que
i contiiinei a tomar o dito xarope. e tito
1 milagn.so foi para niinha molestia que
1 boje me ado de todo reslabelecido, e at
1 mesmo bastante nutrido, e por issopde
1 Vine, fazer scieate ao publico o milagre
que o seu preparado obrou na miulia en-
fermidade. Sem tempo para mais, sou
De Vm.
\migo ltenlo venerador e muilo obligado
Ala-noel Jos Gomalces foreira.
DOS
TRILHOSIMROS
BO
11(111 A* OTil\IIA.
Precisa-se comprar para as obras dos
ilhos urbanos par Olinda e Beberibe 7
ou 8 rail svtlipas. Qnem pretender esse
fornecimento pode apresentar, at o dia 15
de julbe, sua proposta em carta fechada
na do Commerrio n. 'M 2 andar, es-
ciiptorio da compaahia, dclarando os pre-
ros As sulipasdevem ser de 2 25 ta. de
comprimento, 20 a 25 centmetros de largu-
ra e 10 a 12 de grossura, das seguintes
madeiras: sicupita, embiriba, mariaprela,
barab. anieira, oiticica, babalimo, pao
ftjrro, jatob, coraco de negro, sapucaia.
011 piriho creosotado Todas estas madeiras
devero er do loto edirigidas ao
Superintendente,
Andr Porto.
Manoei Jo.-c,
do
sania Casa Elecie.
A Illnia. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recite manda 6er pubHeo qaena
-ala de anas sessies, no da L de uiho, pelas
pialrn horas da taro '. lem de*ser BireiiHdSdas &
ipieui mais vantagens oflferecer, poto lempo de un
. tres annos, as rendas nos preotaa em seguida de-
clarados :
ICSTAIIKLECIMFNTOS DE CAHIOADE.
Ituaido Padre Floriano.
;asa terrea n.-hW...... '
dem dem n. 03...... 1/OOOO
I .mu d.47W ITO***
lina das Calcada*.
Casa terrea n. 30...... I"'
dem dem .3i.
Mam idem 11. .16. ...:. tWjflril
Ra do Calabon 1.
Casa terrea 11. 18 30
dem n. JO........ -123000
lina da Uoeda.
Primeira andar do sobrado n. 3". TijOot
Segande-inidar dito...... 96 000
Ar.al do Forte.
Casa terrea n. 1......, 100-000
PATRIMONIO DOS OHPHaOS.
llua da Senzalla Tema.
Casa terrea n. 18...... OOSOOO
Ra dt Guia.
Casa terrea b.17...... U..-5000
Ra da Cacimba.
dem dem n. 12...... lioOOO
Rna do Vigario.
I." andar do sobrado n. 27. iOJOOe
Madre de Dcus.
Sobrado de um andar n. 9." 3603000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1463000
dem idem 11. 103.................. 20J
dem n. 110.................'.. 0300o
dem il98......................... 03-3000
dem n. %..........."............, 20
dem n. 9i........................ i00iX>
Sitio n. o noForno da Cal........... ISoaoOO
dem da Mirneira ni..... 106500o
Os preendentes deveao apresentar no acto da
arrematocao as snaa bancas, ou coiu,arecercni
icompanhadosos respeetvos Dadores,
Secretaria da Santa Casa da MUerfeora do P,e-
eife, 17 de junho de 4869.
eserivaa,
Pedro fodriques de Suza
Petante 1 cmara municipal desta
ridade estar em praca nos das -10 do cor-
rele, 3 e F de judio prximo \iudofiro.
C/OUsmEado oro iaieia
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que no dia 7 de jnlbo vindouro se lindain os -10
das uteis marcados para a cobranca doeolre dos
impostes da dcima dos predio- urbanos, de 30/0
soatre a renda di bens de rail pertenceutes
corporacus de mi mora, c de 20 0/0 do consu-
mo de agurdente, relativa ao I" semestre do anuo
linanceiro cadente de .186 a 1869, e oueneam su-
jeitos a mulla de b Ot todos OS dbitos ijue forera
p; (tos dvpeis daipiee dia.
.Mesa do consulado irovlucial de l'ernainbuco .
ao de junbo de fcSfO.
O administra !or,
Antonio Cajneiro Machado Ros.
De movis. Soh'i. vidros. obras
oci'o. |i*a(a e escravos.'
CoBstando de
Fm piano forte, 1 mobilia d Jacaranda, 1 dita
de mo-rno, I dita de amarello.-mesa elstica,
guarda louca, apparadores, altasers, toaleb, guar-
da roupa, dito com espethn, cama (ranceza, vi-
; (Iros e louca.
Fma burra de ferro e ama secretaria.
Obras do ouro, prata e brhantes.
Differentes escraros c escravas com haliilida-
iles.
Wcxta-fei' 3 de julho
:i roa Nova sobrado n. 50,
O agente Piulo far jodii por aulorisa^io do
Sr. Antonio A. de (virValho Veras dos objectos
cima mencionados existentes 110 2o andar do
soBradp da roa Nova n. 30, onde se effetuari o
leilao as 10 horas em ponto.
O arrematante do imposto provincial de
25300 por cabeea de nado vaeenm ime se consu-
mir no municipio do Itecifo no trieunio a dunorroi1
do I" de julho do correne anuo a .10 de jui'i 1 de
|8?9. convida *os" senhores pretendentes s fre-
s de fra da eidade compareccrem roa
do Vi^ariii n. 31, escriptorio do E.xui. Sr. Bario
de Remicn. no da i de jnlbo vindouro, as II ho-
ras da nianhaa, munidos de autorisac'io .11 seu-
li i|.o e-para a compra do imposto em ditas fre-
guezias.
De f 50 etxas co assas
Sext-feira -2 do corrente.
11 agente Pe-tana far leilao pur iunta c risco
id^ipieiii perleocer de 130 caixaconi pastas de-
jsenibarca.l..< ultimameate e serio v.ndidis em
' um mi mais |n(q* soxta-feira i do rnrrenlo as 11
l|i> li iras.da mauha.1 no ar.nazcni do Aunes no
largo da'alfandejta.
AVI303 DIVERSO
s
KM
Per na 111 buco !!
BKEVE31.EV.ri:
Illm. Sr. Joaquim d'Aimela Pinto.-
Ha muito qoe ouvia prodamar as exce-
lentes propriedades do Xarope de Fede-
goso contra a tosse e astlurnrt sollrendo
eu de ama tosse pertinaz, e tendo usado
de toda a sorte de medicamentos, valime
pois do Xarope de Fedeijuso c urna gar-
rafa smente foi bastante para reslabe-
lecer-me, e me vejo to robusto orno
d'antes; snecumhiria de corto a nao ter
ajado do Xarope de Fedegoso.
i A' vista disto nao tenho expresses
com que exprima a V. S. a gratidao de
que llie devedor o de V. S. attento
venerador e criado
Joao da Costa Reg.
80H1G0C
0 commMiTadto
isrja alofar por
baixas e
1(0 sea sil o -
noda, s quaas vo iaaa-
e apote toe estrada aa>
\ade Beberibe at qmm
a taiioua huhi ao lgar de Agria k'dav
oomprehendendo urna grande ilha. i taoi
assini como as referidas baixas fe ara .tan*
muito a planla(;5o de capim. arroz c aaml-
.iticr outras plantas que peicisan de (cm
Iresca luda o anno.
O referido eornmendador nao larMa b-
zer afrendanicnto desSfes Wrnoos t alafa
dos por 9 ou mesmo 0 annos, e dar
anno de fogo morlo a quem d*r
idnea e se obrigne a mlear os mei
////. Sr. Joaquim d'lmeida Pinto.
t Tenho a ventura de communicrir a V. S.
1 que gracas ao maravilhoso Xarope de
Fedtffost, estou com o raeu escravo Jor-
ge completamente reslabelecido da mo-
lestia dos pulmoes que ha tanto tempo o
* persegua.
Acceile V. S. esla niinha declarago
como prova domeu reconbecimento pelo
1 bem que V. S. acaba de fazer-me etu-
* ja recordaeo ficar internada do cora
cao du
De V. S.
Attento venerador c criado
liento Joaquim Gimes.
lian.
Orchestra d*
IV
AL
desta
ta msicos,
Ir. Poppo
Reuniiio dos msicos mais celebres
provincia,
Na fabrica de cerveja de-Heniiquo Leiden,
ra do Sebo
<* Entrada..... i000.
U= ab.iixo assignado?, tendo dissolvido a so-
ried.-el commeraial i|.ie em boio collectiv) ti- '
nham com o Sr. Manuel (mcaUes Agua, acercado i
carros i'nnebres, o rute Byrava sob a lirma- ijuin-
iverk-la em socieda
em (-nuinaudita, a pnaalfiar di d,., 1"
pn simo, seo;.I. : fflt^had '? s-
i eoiuinaditarios ; Vem p le rendep^uif
d.< sincerl e .- r.!e.-1 ratidao ao Sr. I
I pela uan^uoia, sin 1 ridade e lisnra eom W" le
; portou seujproj no docurso de, quasi, nove auno-,
para eom o- abaixo assigandos, os .iiaes intima-
monto convenej,[..s da pn bidailo do mesmo Sr.
Agr, contiiiuooi ,-i depositar nelle cniiaiic.) sem
lim les ; pelo que i,-., 1 nc;,i regado de liquidare
activo c passivo do extracta tirina. Ao reapeita-
\el publiao lain'iem dirigimos um^jotode grati-
dao pela eonlianea que daposi'Q m nossa casa,
espi raudo ronlmuar a merec'' la.
Hecie, ^dej^nbo do 1869.
id Bernardo QuiuMro.
Anloit.o Bernardo (JiUnleiro.
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DR
Novcgsedo costara por vapor
Fernando de Noronlia.
O vapor Giani, commandante Ale-
vedo, seguir para o porto cima ni.
dia 8 do julho proxhno pelas H ho-
ras da manilla. Reet-be carga at o dia 7, en-
riommendas, passageiros e dinheiro a fretc at
as 10 hora da manhan derda da sabida
criptorio do FortP do Mattos n. 12.
ESeOKPREP.lRIMIflS
eom rcpctieo para os ahimnos
que teai de fazer exame eiu
iiovemhro.
los soares de Azevcdo, professor de
lngua e litleratura nacional no gymnasio
provincial do Rocile, tem aborto em sua
casa, roa Bella, n. .17:
Fin curso de
1.1.M.1 v FKVNci/v ;
iuin.osor-iHA;
1.1:01,11 vpiiia e iiistoua;
RK-ruoniCA E pof.ticv.
Os Ctudantcs (jue pretenderen! fazer
Kara Lisboa
Kegiie com toda a breviibde a barca portugueza
aiutnte 111. pm j er paute da carga prompta ;.
no es- j exame em novembro em qualquer destas
________malcras, podem dirigir-se i inlicada re-
! sidbncia, larde, das ;t lloras em diante
Por causa das duvidas
para oque
. ..ie"falta e nassageiro-, trata-sa com os] Dignado Sania Rosa, professora publica da 2"
para ser arrematada f)Or quem menor pr -; consignatarios uliveira, Filbos & C, largo do Cor-, cadena de S. Jos desta ridade, declara que nao
ro ofterecer, a obra dos COfleertM de quo po Santn. 19, ou eom o capitn na praca do ,se pode alludir a ella o que diz o Dtario e a Re
necissita O cano q'tfe da c^(^n asaouas.qne oaamerao
no tempo invernoso se accumiilam nos qyin-
taes o sitios da Casa Forte, orados na
quanliade l0;ii)fX): aqrjces que pivt\i-
(leTem arrematar a referida obra, compare-
cam no paco da mesma eamara nos mencio-
nado* das, munidos de fianca idnea'
, Paeo da ciniaia muriicjpal do Rerife 23
de junho de IHC'J.
Ji/nacio Jnagiiii voosa L
Ijr" presidente.
; '* Fr.mrisco CaniHo'da Om Yingem .
" Secretaria.
rnciaibt
qHorimento de D. Arma Amelia Pina, para paga-
mento daqnantia de :):660-3 al^m dos jujas ven-
cidos, de urna letra aceita pelo linafio m>
Franrwcr de Paula Cavateanti do Aifeuquerqae,
a qoal letra foi dada para pagamento da referida
D. Anea, no inventario que se proceden por fal-
lecimento d coronel Loarenen (3avalcatrti do Al-
buquerqtie, l>ai do referido baeJiarel. um obrado
de um andar silo roa de Afoas-Verdee u. 23,
001 quintal murado, earimba meeir.i. 'niinha (ira
.ni 22 palmos de vaona largura, chaos proprios.
vahado por iJSGOSOO. _____
KIO HE JWE1R0
Segne com brevidade para o porto cima, o bri-
gne nacional tamio : tem parte do ment engajado, para o resto que Ihe falta trat.vse
culi os consignatarios Antonio Luiz doOTiveira
Azevedo & C.. ra da Cruz n. 07.
No dia .'Ido corrente mcz,iidaa^Bpn<
l)r. j'iiz municipal da 2- vara, vai j i |.i
I'184
lista Oiar f-emprecumplido cora os deveres de seu cargp, e
que pode provar cou o testenumlio dos pais de
sua almonas, quaudo isto Ihe seja. exigido por
ppsoas competentes.
Coznlietra
Precisa-s-: de urna ama para eozinbar era casa
de bonieni solteiro, preiere-se eserava : na ra
do Queimado n. -M, loja.
lllm, Sr. Joaquim d'Almcida Pinto.-
Cumprindo um dever degratidSo, parti-
c po a V. S. que por mcio do seu abon-
C-Odi Xarope de Fedegoso, oV pd'teita-
i.enle restablecido dos seus longos sef-
rimentos o meu escravo.
Como sabe, este mea escravo tinha
chegadoao estado mais afllictivo da mo-
. de pulmoes ; nao obstante um nao
s ;r nnpflo uso de remedin, e um
demrv viag^mao nosso sertrn.
1 PoisDem; aenfritftdade, queseha-
via tornado rebelde a todos os meiw
emnrogados para combate-la, cedeu de
urna nianeira qtnsi milagrosa, a quatro
garrafas, apenas, do seu fedegoso.
(i Boje, gracas a Deus, tenho o meu es-
cravo restablecido ; e nao fcil mos-
trar lodo o recorihccimenlo qna sinto pelo
bem que V. S. me acaba de fa er.
Sou de V. S.
Criada agradecida
Marta Norberta Sch'ifer.
(MPANHIA
de Seguros martimos e terrestre Fideli-
dade, i'stabelecida no Rio de Janeiro, ca-
pital 3,%lOXJOOf000.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C.
agentes desta companhia, tomara seguros
contra fogo e a risco martimo. Rui da
Cruz n. ,"7 primeiro andar.
Frederiep Maia
Precisa-se de una ama forra 011 captiva, que
cozinhe e eng( mme : na ra de S. Francisco nu-
mero 54. ,
NOVIDADES
Com ('Sii(1odo|0|.i.io.iiilo as mas da ri-
dade lodos os dias uteis das !) horas da
manlia s o da tarde, urna caixa contend
artigas das ultimas modas de Parspara
S'".\H()U\S
Como sejam:
Ricas e bellas ehapelinas.
Liados e elegantes cUapesihas.
Casaquinbos de guipure.
Fichs de renla pretos.
Delicado sortimento de cintos.
Corpinbos de cambria enfeilados.
Bortis de lan e seda, claros.
Coques enfeilados e lisos, ele. etc.
E muilos artigos de novidade tanto para
senhoras romo para homens c enancas.
As 1 (iifi pietendeiem alguns des-
tes i>lij leiram ter a bondade de
s iiiuradas noBAZAR
DA Ai.', :\0VA N. 80afftn de
,-'|\ 111 ; .
OS do==*AZAB DA MODA,=
ccrlos na oplimeseolhaa (lestes artigos,
por seu mui hbil correspondente em Pars.
jolgam-.-i: no direito de amanear que ti rt-
dem suas tai rcadorias por preces as me-
Ifiores coi : |:nii,'ii(i.

aos amantes do que bon.
Na bem goabacida casa da abobada da Penha n.
37, eontuua"-se a fornecer maesas para bolos de S.
Joo, S. P lr.i Sant'Anna, com muita limpeta o
perfelco.
Ario engento Ilha, junto da villa de
Porto Calvo, as Alagoas : a tratar na rna dos
Ooelbos n. !s im Thomaz Cavalcanli da Silveira
Luis Jnior.______________________
Ainda d .ierain, no entretanto o negocio
de interesee, precisa-se fallar ama do Crespo
iicn psito, ra larga do Rosario n. ,7pomd\Srapa^ftiI?2.u^S'D'
l. junto aoquartel de polica, Pernambu- procurador da cmara, Dr.
co.
Continuadamente se nos aprosenlam no-
vos testemunhos da eflicacia do fedegoso
Pernambuco.
O abaixo assignado srieiitthca ao corpo com-
mercial, e a quem mais interessar possa, jue leu-
do a~sociado em sna loja de fazondas sita na ra
do Livramento n. 22, aos Srs. Manoel Jos Montei-
ro Torres, Marcelino Gonfalvesde Azevedo c Jos4
Rento Para, e adoptado a firma socialOonalve-.
Para, 4C; tendo fallecido este ultimo, temos
associados sobreviventes, e tanibem abaixo assig-
nados, constituido nova firma, sob a razo de
Gonfalves, Irmo & C, a qnal principia a girar
do boje em diante, no mesmo negocio como al
agora, e responsavel pela liqaidacao das transac-
coes anteriores.
' Recite, 22 de jnnho de 1869.
Antonio Goncalves d'Azevedo.
Manoel Jos Monteiro Torres.
Marcelino Goncalves d'Azevedo.
Fundipo da Aurora.
Aluga-se
o Io andar do sobrado da ruado Vigarion.fi para
escriptorio 011 para familia : a tratar na padaria
la ra Direita u. 8t.______________________
ALEliAS '
o 2o andar e sotao da casa n. 5 da ra do Remca,
na Passagem, segnudo sobrado depois da punte
grande, coin gaz, e bastantes commodos. para fa-
milia on para sirangeira : i tratar na menta
casa, ou n 1 roa estroita do Rosario n. 22, das 9
lionas da Rhfca lft3 (Fj tarde.______'
~^l5te casa de" THDOHO CIIRISTI-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as. qualidades do vinho
Rordeaux. Bour^ogne e do Rhcno.
Pilulas de Bravina
Neste vasto estabelecimente sempre se encentra I Estas prodigiosas, pilulas sendo applica-
um completo sortimento de uixas de fearo batido das mis pessoas acommeldas de febres in-
O inspector interino da arrioSga Ha puMi-
01 qiie hoje (l" de jnlbo), depois do mcio da,
porta da mesma reparlieo, serio levadas basta
publica, livre do dtreitos, dua^ lnzi.is J,? camisas
com peito de tinho no valor de 2A00O eada una,
e ditas dita de colarinhos no valor de .IjOOO eada
Para freferido porto segu coi muita brevida-
de o palbabole imrtugufz Xur Protegido, por ter
a maior parte da earga tratada ; e para o resto
que Ihe falta trala-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltro, a ra do Conmierck
n. 17.
Para Lisboa
O brgue poringoes OtnutaHte I sabir impre
teriveluiwtte no da 4 do crreme ; para o resto
da carga qdfe rae falta e passawros, trala-se eom
os consignatarios Oliveira, PHhos & ., largo do
Corpo Santo n. t, 1 andar, ou com o rpita na
lo c imioerdo.
Araeaty
Segu uestes dias o hiato Sobmfsnse, ainda re-
9n I.ci-
uma.' appivli oididas pelo guarda desta ,-epa. tico f^ ^ma carga a l>ete : a traur eom
fuao DeiLtrio de Mbraaa Chaye* no dia 8 do cor- a t' rua Ma<,re de D '
rente mez, Taylor. | tt" ioglez
Vlfandega de Pernambaeo 2fi de junho do 1 (I inspector interino.
L. de C. P;ies de Audrade.
Tribu nal do rommorcio
Por esla secretaria se faz publico que for.iin re-
.uiurados : ,., ,
0 contrato de sociedade de Antonio (.andido de
Araujo Real, Antonio AofusloCoorao d* Lomse
rateo Ln Alvos de Brio, estahelecidoi nosta
o afirma de Real. Lomos & C, com ne-
i de fazondas, o o capital de J2:ii00600 for-
ilos socios Roal i Lemos.
_ i da sociedade de Frane^o de Oliveira
Frano o~W Victorino de 8ouza, que gyrou ne-
ta cidado ,je Oliveira & Soaza, que se
ada liquidada.
LEILOES.
LErXAO
de fazendas avariadas
Francisco Domingos Kibeiro, nucajar o es-
ta belecido na rua do Livramento n. 2S, %i sciente
ao respeitawl- puniico pw por haver entro de
igual niime, lica de boje em diante (chamando- se
Francisco Kibeiro'Soares. Kec'e :A de iunho de
1869. t
Tendo o abaixo assignado ""urgente
necessidade de retirar-se hoje parjF a Pa-
rahyba, nao pode, por faUar-lbe". tempo,
despedir-se de todos os seus amigos, que
o acompaubaram na profunda magoa, que
acaba de enluctar-lhe o coraeo eui con-
sequencia do prematuro fallecimento de
sua virtuosa e idolatrada consorte D.
Joanna Accioti Toscaao de Gotrvea; pelo
que, fazendo por meio da psente pnbli-
caco as suas despedidas a esees cavalhei-
ros. Ibes offerece o pouco que alli pode
valer: e ao mesmo tempo assegura-lhes
quo jamis deixari deeonfeSsar a gratidao,
qae ihesficou devendo, pelos immensos
obsequios, qna Ihe disnensaram em to
memoravel quanto nefasta orcasio.
Recife .10 de junho. da 18G9.
Rpatninondas de Soma Goutt.t.
K.
Qomta-feira I de jomo as 10 hars.
0 agente Pinto fai leilao, por confa e risco de
quera pertencer, de differentes fazendas inglezas,
eonslfindo de madapol5os, algoddes e-estopa, todo
com avaria d'agua salgada, as 10 horas do dia I Preeisa-^e
cima dito em seu escriptorio rua da Cruz a 38.1 Florentina n. J,
Hontem 30 de junho, pordeu-se ama
letra ainda por sellar, sacada por Campiano
s de Cordeiro"; e a custa por Cassemiro Anto-
nio de MelH, da qoaml de tt&iftiO, rogaste
aqMiem a achou que lenftaa bnitdade de man-
da-'1 entregar na travesss da Madre de Deus
ti. ','^|oo maito se Ihe agrattecer; atrver*
te-se que* o acceitanle ji est prevenido,
para nao r,agar seno aoe sacadore.
e fundido, fabricadas receutemente, o se fabricam
de qualquer molde a vontad* das compradores,
recos razpoaveK____________________________
Gymnasio Caipestre
E' ao Sr. Proopio de Sena Santiago,
ponto deste theatro, que s deseja fallar n;.
ra Direita n. 53, a negocio que n5o Ihe
lleve ser estranho.________________-
Aluga-seo 2 andar do sobrado da rua Nova
n. 58 : a tratar no mesmo.
Feitor
Xo engenho Matto-grosso, comarca do Rio For-
mse, precisa-se de um feitor, preferindo-se ea-
trangewo : a tratar no mesmo engenlio com Leal
Si frmao nesta pnwca : na rna da Cadeia n *ifi
Arrenda-so um sitio nos arrabaides de liu-
da, com y seguintes proporcoes : casa de viven
da grande e de pedra c cal, baixa de capim, algu-
mas fructeiras e lugar para gado,_________
Ama de leite.
lermJttentes, sao incemparaveis em sua efli-
cacia para coiii;i!etamente vencer as ditas
Tebres, achando-se nicamente venda na
botica n. Direita desta cidade:
O abaixo assignaio, Uislamenleiro in-
ventaranto dos bens deixados pelo falleci-
do subdito fcaneez Joio Vignes, convida aos
eredores do mesmo, a apresentarem-lhe as
conlas tle seus crditos, para por ellas se-
rum aendidos no inventario que se est
prn.ciiendo pelo jniz municipal da 2J vara
desla cidado, o isl no mais breve termo
possivcl, visto estar a concluir-se dito in-
ventario. Recife t do jonho de I8G0.
Garpar Antonio Vieiru Guimares.
Clrarglo dentista pela
de mediis
do Rio de dauero.
Tema honra d" par' i|
.-o desta capital "e -eos suLurkios. qui'U-maWrtae
*eu gabinete de consultas e aacracdes deataiiaa
rua Direita n. 2, primeirj andar, procurado todos i,s dias da 8 horas da mia
3 da tarde. Elle acha-se ctopi -lentaBatajal
lado para com peafeicancoiUrar dente aft
porqii3l|U.rdos sj _
nharquauracr nutro trabaIho cenen**
prolissao. O me ol^ccndo r
pre possivels senhoras or cria?a*s
proen: .ir o remedio, offereco-se a re quer obstculo, declarando une na cda*> s
lara qualquer chamado seafipi
alguma na comiiKKlidade doa*reros de s#a
Iho8yquando para fra dJ assira mnir*. ,
precedido de um ajuste rasoavat, garaanda ctlt
iegurancae perfeifio de -eagditostraaaia
seu gabinete se encontrar^"
lente pos dentifricio, elixir e mitro*
tos odonialgicos : roa lHajita o. 19.
indar.
EMPRESTIMO SOBR
(SKM I.IMITF.)
- Sa irmm di tu
das tees n, t pri-
meiro andar, da-se qeal-
quer qnaniia sobre oar#.
prata c pedras preciosas.
0 flono des; ''liioento.
competeiilemente autorisado pe*
governo, cstfl naa rondicBea de ja-
rantir a traasaeclo que se fizer cm
sua casa, promettendo iodo e zek>
e crinsiderar,) s n ssoas qt se
dignarem de nonra-w i seo t-
leiccimento.
>!a mesma casa compra-se
e brilbantes.
MI
\m\m
Precisa-se de um* ama de leite : no segando
andar da casa n. 'i7 rua do Imperador.
Precisa-se de ama an-a para'cozinhar em
urna casa de ponca familia : na rua da camboa
do Carmo n. .
Precisa-se de duas amas, urna para.ongom-
mar e oulra para cozinhar. prefere-se eseravas :
na rua das Cruzes n. 22, t andar.
de um trabaJhador aa rua da
Jos Dias Marques e Antonio Luiz da Silva
fizem sciente ao re-peitavel corpo dn comraficio
ea quem mais possa interessar, que ne dia 21 do
corrente dissolveram amig velmente a sociedade
que linham na taberna do largo do Terco ti. 4,
sob a Arma social de Marques & Silva, Arando o
socio Sirva na posse exclusiva de dito estabmeci-
mento para o gerir como seu proprio, com todo
activo e passivo existente, e obrigado a sna Ilqui-
daCjSo como nico responsavel, retlrandoso o to-
cio Marques paao e salisfeito de seu capital o la-
cros, e dt-uerdo do toda e qualquer respnnsa-
bilidade pelas transacefles da extineta firma social
Recife 28 de jnnho de 1869.
O Dr. Ermirio Coutinho, reside rua
da Gadeia n. C4. onde tem aberto o seu
consultorio mlico, e pode ser procurado
quaiquer hora para o ejercicio de sua pro-
lissso.
advocada
ATonso de Albuquerqno Mello mndoa o seu es^
criptorio pam a roa das Cruzes n. 37, defronte da
typographia do Diario.
SITIO
Precisa-se alugar ou comprar urna escrava
engomraadeira ; na rua do S. Francisco n. 72.
Alnga-se um sitio na estrada de Joo de Barros.
entrada do beoeo do espinhelro n. I, eom commo-
dos para pequea -familia, com 2 salas, 3 quartos,
eozinha tora, cacimba com excellenle agoa de
beber, leudo diversos arvoredos de fructo : a tra-
tar na rua da Impcratrte n. 'ii, loja.
Precisa-se de um caixeiro de ti a Id annos,
ne tenha pratica de laben, e que d conheci-
menlo de sua conducta : na rua Direita n. 99.
Camino Rodrigues ~!ax ver ao publico ojo
ninguem faca negocio aigum rom a mnlatmha es-
Brava do Sr. Joao do Cont Alvos da Silva, por se
aricar hypothecada ao senhor cima._______
~H F. Sauvage vai Europa, o deixa como pro-
curadores nesta praca, em Io lngar o Sr. Carlos
Pinto de Lbos, e era r> o Sr. Emile Dedier.
Em urna < isa de familia, i roa estraata
(lo fln.irfo n. 3$ I-.-rauar, frtrftec* ?>-
dorias para fra, inamiatiil'-se levar nrs
casas que nao livercm portador, e parao-
tindo-se oareio, promptkQri e comMefate-
d no prefo, pnlanlo convida-M aeSr<.
esludantes negociantes a li"iirar-i>os enan
ar' sii.is assion-iiuras.
Ahiu;t-se
L'ma rasa con bastantes commedr-s m
Cidade Nova de Santo Amaro, a tratar ceajn
Antonio Jos Goncalves Junio? ea Sanio
Amaro.
SEGUROS
MARTIMOS
E *
CO.WRIFOCaO.
A Companhia Indemnisadora, estabeflacM^
testa pra^a. toma seguros itariflfcaoe obre
navios e seus carregamentos e contra arr>
em edificios, iiici'i-,lorias e mobjia*: a
rua do Vigario n. i. pavimento lenca.
Precisa-se d'aiugar urna casa cwti
sitio ou quintal, que tenh eoinraedos para
familia, em lugar dcdo (labbreiro at>
ypipucos, prxima ao trtlhoa irhanos: a
pessoa quo a livor e que ira ajafaj-f aaaaa-
cie ou dirija-Se rua do Apollo n. 'iitmx-
zeta, a tratar com Pinto Baibozadc C
mmmmmBmmmmmmmmmm
Frcguezra de Guiuelfetra
O abaixo aaagnado i-onlealmealc,
ce a todas as peasoai que se diz
a ompanliar ot o cemitano piibtico daata
freguezia aos restos morlaes de- seo
do nlho Jos e. a lodos protesta o
cero reconlt-cimento. i> mesa
assigoado faltara ao dever de gtabdaa se
nao mencionasse com especialidades a'a%
essas pessoas a familia do Sr. A*o tiut|,i
l'aes larretn. queiun so -rmintn rilaihai
loas* o hito do dito seu libio des^eoeo-
meco de sua enfennidade ala o sea aaaa
suspiro; e, pois, se coataal etereaaaaa
grato.
Joo LandHino lomcllas Cmara.
MEDICO
O Dr. L J. Coacia 'de S osa da-1
prolissao; para o que pode set prora
r do a qualquer hora do dia em casa d*
residencia, rna das ^imphfts |7.
consultas gratis aos pobres todas o al
das 8 as 10 hor.v.
Maia de Landelian leem para vaader
cem farinha de mandioca : na rua ajtrrita >
srio traves do Queimado n 18 R.
Precisa-se de nm amassador que i
fcrneiro, paga-se bem : a tratar na radftj'
Fnntas n. 8t
Precisa-se de offlciaes de alfatato : m. -
belfecimenlo de Mendos, Falclo 4 C, roa ik Ca-
deia do Recife n. 45.
Lava se e eagomma-se eom ao>
pramptido por preeo razaaTel: na ra
101. Xa mesma casa eoeOAaM pao.
tabeleeiinealo.
R>dbaa'
AMA
Na rua do Torres n. 1C, 2* andar,
nana ama que compre, corinhe a
urna pessoa.
MUTILADO
HfGlVn


I
m
Diario de Pernaiiibuco Quinta feira 1 de Julho de 1869.
3
5
:;$ooo
A pessoa que pegiu um pervipiito cera orren-
le ilo prata ;i.i |i.'>, .|:i.Tutdj resiimi-Io, podo le-
v.ilo a rua Helia n. 20, que recebar a gratifica-
cao cima.

^
5
fi
. Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da rua do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por presos o mais resumido possi-l
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-!
dras preciosas
Manuel Jusi Gun;;alves Pereira ten n cebido
ltimamente superior viuho verde, proprio pura
familias, em caixas Ihor neste genero que ten viudo a este mercado :
na rua da Cruz n.fi,
Precisa-M! algar una escn.va para todo o
servico inieino o vender na rua : no pare do Ter-
;o n. 17,_________
Aluga-se iini grande sillo-
na estrada de Joo de Marros, com 6 quartos, 2
salas, cosiuua o 2 quartos grande* lora gratulo si-
no toJi aihoiisad.. eom fructeiras : a tratar c*m
Andr de ALpii Por!".
da Silva ('isnTiML
o sen ese ipt, rio de advocara na i K-
treita do Rosario n i:, uiide po.le ser
procurado das 9 horas da maoliaa as 2 da
tarde, e desta hura em diante em ca*a di;
ja residencia rua Direita n. 137
Ahrga-se
uui outro sitio na Torre coni -"i < >ndes quarlos, 2
grandes jalas, cosinhae quariu,ora grande, bal-
sa de ciipim pello do rio : a tratar eom Andr
de A. Porto.
riecisa:.se do urna ama para
comprar para casa de hunicui 9 ilteiro
Cruce* n. ), segnndn andar.
cozuinar a
roa ilas
Criado.
1Th*,,de't^,I,VuaBl'l,a *** deum
truao de ISaUannos. prelerese escravo.

Troca.
Por engao Irocon-se um chapeo de sol na noitc
dea do crreme, na partida da rua do Hospicio:
pojtejCe o lavor de o derrocaran na para de Pe-
"- ', 1"andar.
RUI DO
UIDACAO
Liquidado!!! Liquidaco !!!
de preces
reduzidos, na rua do Crespo n. 17
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RUA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacea por todos os paquetes sobre o Ban-
jo do Minho, em Braga, e sobre os seguio-
'es logares cm Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valeqca.
Guimarfies.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Tianiia do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fainalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilba.
Vassal (Vnlpassos).
MIrandeJIa.
Beja.
cidade de imam
ADVOCACIA.
<> bacharel Augusto Carlos Vaa
i{ "veira. tcm aberto seu escriptorio
3 dwacta na cidade de Uamangmpe 5
\m fpwincia da Parahjba) onde pode ser
@ procurad. {$
Tol % capital poileni entenderse eom t.
^ scuirmao o Sr. Justino .1. de S. iami* WS
0 a rua do Hospicio i. i:). 53
hi mm mm wum
Premio de 500$000
Tondo sido aloja do baixi ;;ssignado, sita rua
Dirctan i. arronljada emubada ni ooile de
-; para 2.s dejunno, eondozindo os ladrees Bran-
de porcSe de borzeguins de seuhora, fraocezes, di-
tos metetes para IVnif.m, marroquins, pezorros de
antes e Hnmbofgo, wro de rastra, sapatos de
llanca ele. ,[(.. e mais a quanlia de quai.ro cont-
i e (antos mil res; prometi o abaixo alio-
nado a-ftarioearao de .-OOiOOO e guardar nvio-
lavel sagrado, a quem Iba descubrir o autor on
au< res .leste roubo, uYando-lhe maiseteraamenl
JglQUCCiCHf.
Recf% 29 de juaho dtf I8G9.
AntoMo Marn OConnrll Jrr.vii. '
Muita attenco.
Desapnar*- di rua da Paz n. 40 um ftaeher>
"nho eaig.....I m-zes de ida.le. branco, eom ma-
Jna< cor de rbomii i e cabeca ila mesma cor dc--
conlia-se ler fiJo elle ubtrabido e por pessna
qucliamuilo r|,;,;avao. o dono contina em
pesipnzas inceasaatcs, e protesia uare-lo por todos
os ineos que a Ici Ihe faculta. Se alguom iier en-
coulrado o cao. c lava-lo ou der noticia rua da
l';v. n. ift, ser gratiliratJa
MaeJ deSouta Dveirae Antonio Jos de
Oliveira fazem ver ao respciUvel publico que dei-
xaranide temales cuino Sr. Jacinlbu rtaposo
ao Almeida. ()s tnesmos declaram que nao tem
paionioseo atguiu eom o dito senhr.r.
() pao,.! 8 Vaz Guiterres. zelador da i"re]a
de Nossa Scnfcora do Carum da cidade de Olinda
sammamrnte penhorado pelo acto de caridade
regiao que a Iltm. a^eaibla fegislativa provin-
cial araba de pratieanconcedc'ndo urna lotera em
beneflcio das obras da mesma igreja, em pelo
presente apresen* a lodos os Ilustres nienibnw
da referida assemhla o seu tributo de gralidao
por too po acto._esp,.('inlisando o nome do llliu.
IUVAL8H8 ....
RuadoQueimadon, 4) c bl loja
dt miudezas de Jos de .Izeoc-
du Mata eSdoa conferido por
Jos Bigodmho.
Es qoeimando ludo rjn memiea
eslabeleoiraeDo pata acabar e tn riwn
sortimento, por aso qodran -.ir ou mandar
v^ero ijue boma barato.
Oarrafaj ron, agua florida ver-
dudeira ......
(anyfas coajaaa dftioa dame-
Ihorqualidade ;t .
Latas coiu loperior boiiliafian-
ceza a ......
CaMconlifraMotdtalj
proprio para mimos

15!; YJSS&^J^m** 5S** Kaeoa moOo liaos i
que leve a maynajiiiiiidade de tomar a iniciativa
em tao honrosa obra, acolhrndo assn as soppH-
cas do auntmeiante. Cidade de Olinda, ii de
junlio de 18ti!)
Padre Jo.y Vnz Guiterres.
_____. Zelador.
Em a aoitede 3 para 21 do Brrente
appareceq da campia de Santo Amaro das Sal-
as, um boi ile carro eom os signaes seguintes
muitogrande, velljo-, ponas grandes efundas
seudo una ja qui-brada em cima, cor amarella
porcuna do lomho, e pelos lados quasi preto ps
protos: pede-se a pessaqtieo lenha pegado, ou
i ena lenna milicia, de dirigir-se ao sobrado junto
ao emitcri nglez que ser rocornpensado.
Fug
do engeulio Casupin no dia t!> de
juunoda trrente anno, am escrave de noi ic E ti-
llo cornos signaes segrales: idad2Ka !8annos
crenlo, bae e o rennoo, tem algumas ci.airi-
zes ras c stos, ps apalbetados, dedos linos, pou a
barba, denles perfeitos. Recommenda-se as an-
tnrid.-drs poiiciaes e eaprtaes de campo qae o ap-
rtdam o levem-oaoeiigeiilioCasuiiiu quesera
liem recompensailn.
Oleo baboza limito liso que :
a vita ,.....
Sabonetea de cajonga mil o bo-
nito .1 .....
Caixas de pal i.- afra Mito
superior i.....
Pe$aa de babadhil i lo
varas ;i......
Caixas redondas cniilando lar-
(raga ;i......
i 11.V
Precia-so de urna mulherd.' meta idade
Barco! lo.
Ainda restaa algumas coflergSes de
Biographias de algtins poetas, e ootros bo-
:-i;s da provi iciadePernambuco,
'vs toin.i.s eseriptos pc!o eommendador A.
J. de Mcll : rua Augusta n. )i.
SCT" ''"/l^is criabas'VV:' /;"anos
dJ j,. r;i:era:guina costura enl uma m
peipiena lamilla, pivioie-,,. .pie. souln'i ler ees-
<-rcver |(ara ir rmlruiM do, rri pri-
me.ros rudimeme. da liugoa i
i'!";'-;;'"i' nesias coadicSes e poder abonar
soaconducta, amiuncie por osla follia para s.
ffiVv."ii"", P',r ,!i",'i", *",a
Para
uafai s na 'im i-

(n
uay.
X.a ni.-. Direita n 83. reeebe-se qualquer quan-
lia de iliuierro para enojar no Paraguay sera
mero a -'mi, dande-'e diss-i garanda
DElliTilLFS VU~
GENEftAL-VEBSAMMLUNG
hm-Mj den 9. F'uli Abends 7
1/2 nhr.
m LOCVLE YON II. LEIDN &
fia- sev elulr io feohsc
Camisas franceess e ngrftzas de todas aa qoaiidades.
Ditas bordadas para stoltoras.
Satas bordadas para senhorase balos ife todas as cores rBOvos).
|;h''= i de sofim cora enfeitc da mesma <-)v para cabera (novo gosl
Ved o sortimento de neos bordados, froobas, bicos e rendas, tudo da* trra,
bovii gosto, e ricos cortes de vestidos de tarlatana bordadns, fazenda de gosto, proprios
para rasanwntos. e vestnarfos de baptisado de meito gosto.
de todas as cores, razenda nova.
Ricos c ; de vestidos de b'onde pata casamento?.
Pompofmas de linho e seda, gosto inteiramente novo.
Sedas de todas aTcbT<53 e de lindos padiTn'-.
s 'iai iii.vi branco e goigorao preto, grosdenapoles ^de todos os urecos e-
quabdades. l
As '.'::;;is1<- i'it'.lt. approvadaspeta
Academia imperial de medicina de I'ariz,
sao empreadas eom o maior
e\il para curar a etilorosis,
c foi:i!:ear as cnn-'iluiroes
Iracas. .Nunca esto femui-
no. o ennegrece os denles.
I'ara a garanta da sua authentieidid,
o nome do Inventor ral gratada em rada
tomo marsem.

^P
-Com
>ra-
Peeas de i
_ largura i
Bscovaa papa
as a .
Esc ivas para
muitoiioal .
Peiceiraa de comas
para meninos i .
Caixas do linda blanca
cora BU novelloa i .
Caixas de linda branc
COm :() novellos .
I'ecas de Iranca lisa de loaaa
as vv ;i......
Resmas de pape! paotado mafto
fino ......
Parea de botfjes para ponb
inuito bonito ,i .
Libras de 13a pa a bordad
de todas s cores .
C. I Puntes eom costos de n
milito (nos i .
Noveltos (
para croxs
Duzia de liaba froxa para bor
dado
moito gr

pul
Tipi ila
; 0:n I:ii)-Ja>lii:.>. Df04eteU* C
' I'i.h--\m::x", Jtrtrt C'.
'- .'
-.;
i
se ti mj escraTO que I Crosas de botoes mai .
Yio'm rl fanoMm-1 muit(>lmo.....
Sabonetemaito finos 60, 120,
160, W c.....
enteiulado oicio de
ar o escriptorio do Amo-i
rim iaiaos 8t C, na rua da Cruz
0.3.
- Comprase um escravo de meia idade, acos-
turnado ao fervico de campo : na rua Direita
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
rUAnMACEUTiCO, 2, RU DES LIONS-SAINT PAUL, PAKI3.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LAIUNJAS AMARGAS
Coiu IODVRBTO d POTA88IO
O Iodurelo de potassio um verdadeiro altrame, uin depurador de inconleslave! effi-
cacia; combinado eom o xarope de cascas de laranjas amargas, e aturado
aera perturb^o a]guma pelos temperamento* os mais traeos, sem nlterar as funrcoi's
do esiomago. As doses matliematicaa que. elle eontcm pormillcm aos mediros de rcceiiai-o
para lodusas ,omplicavoes uasaifeev. s escrofulosas, tuberculosas, canee
rosas e nos accidentes intermiitentes e terceiros; alto d'isso, o
agente o mai> poderoso conira as docncas rheuniaticas.
XAROPE TOftICO ANTI-KERVDSO
de cascas da laranjas amargas.
35 annos"de -uecessosattcsto a sn.i efli-
caeia para curar: as doeiifas nen
ugulas ou rhn nica, a^ gaslrilcs, gastial-
gias- e fiteilit \r a ifgatk. '
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e qnassia amarga.
E'ol a forma liquida que mais fcilmen-
te seaasimila o ferro; u'esta forma 6 prefe-
rivel as punase pastilhas en todos os casos
em que sao prescripto* os ferruginosos.
DENTFRICOS LAROZE
COM QUISA, PYRETHIIO E GAIACO
F6 deutiFncio, eom base de tnagnesia
para a alvura c eoi.servaeuo dos denles,
provenindo a deseaniadura. provocando o
I trtaro de que empede a reprodueo.
Elixir duiIrr:cio. para a alvura e con-
sc;va>.o da denles, curando as dores
causadas pela caria ou produiidas pelo
couiado do eaior ou do trio
Deposito cm l.ode Janeiro, E. Chev.lot; cm Pernambuco, E u.u,.r. c-;m
ri. ui-.', w^rtotoj, mirro l.elia; em Baftia. Da norha; em Porto AUnre, jm.e'
((.-o; em mCfai ^rrHM e C-; em Ouro Preto, c i. v Welrr*n, em Sania CaMa-
i roa, 9. Schul?em loiieiiii. o.G. Iiiib*,-, em Duenot-Aure, Etckrparphr<&.
MOLESTIAS doPEITO
HYPPHOSPHITOS
doDrCHURCHILL
XAROPE de H YPOPHOSPHITO de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOde CAL
PlLULASdeHYPOPHOSPHITDdepUlfVVO
CHLORQSEiANEMIA
CORES PLIDAS
XAROPE deHYPOPHOSPHITO de FERRO
PILUUS de HYPOPHOSPHITOdeMAWSAWF.SIA
TOSSEnrr BRONCHITIS
DEFLUXOS ASTJ1MA
pastilhas pectoraes^bChurchiil
E\igr para os xaropes o frasco quadrado e em
todos os productos a asignatura do D" CHDH-
CBTJXIi, e o letreiro eom a marca de fabrica da
Pharmacia 3WAJJM, 13, rua CutipUoHe. PARS
wmHMm
PboriBJaca, Ut boalurud aOlutlopol. Psria.
Este precioso Purnallvo Trgcial Uo oomitinlo
como aumlavcl n roswtlio mnii infallivol para des-
truir as eoiiKtlparoe*, H ncvralgii, as hus re-
beldes, asMtn rwmo a bil* e a viscosidades j,
El e i etliraz ivas ganlrllls, obstrucfact u\a-1
4iireas aslliuia. ditres, ealarrlios. empigrns, [
lia e rheuniatlsmo*. [
O aierm'iiu^uio ilas ilnlaa rauvla podV r.'su-
mir-se neatas jialavras : nrslabursrr o cas
ir a satle.
Ellas nao pedem neni resguardo ni comida nen I
bebida, em dose laxante e depurativa, usase tomar 1
alias as refoctoes cm dose purgativa de noite ao I
deitar-M.
Pernambuco: M.M Haorcr et C.
Grande e completo sortinieuio -lj machi
aescaroear algodaode nova invon^ is ul-
limamente em direitora para a' loja de Manuel
i"' io de Oliveira Braga & C., na rua Direita n.
.i. Qarante-se que a melhor qualidado que at
wenic tem vindo ao'mercado : acham-se cm
exposieao aos compradores.
Systaaa decimal
Sisando i> completo sortimento. do pesas kilo-
grammos do mellior oompnabenso dpatfoe
vii lo ate o prseme, a-sim como marcos*de latao
ate mero frammo pelo mesmo sysieraa, balancas
da latao de forra de 3 a 20 kiloifrainmos, metros
demadeira e dWaio para medir razendaa, alera
de grande sortimento doHpiudezas e ferragens de
todas as (nulidades, tudo por precoj que so a vista
S:y. credfto Ua rui DireiCi n. :.l, |n]a do Manuel
Bent) de Oliveira Braga & Q.
9 Ignacio \.\\vi. Jj lrit 'ab n-. i, ted i relira-
dn-.i: para a Europa, sem que so despeds-
seus Imns e leaes amigos, pe i presele llies ped
escusa, agradeceBdoll-.es do iiuimo ualia os ob-
sequo numerosos que sempro rewbeu duraata
sua residencia nesU cidade. e eflere eo* sen li-
iniiado pre-tiinoem qiuidoec lugar onde aoer m
o eiieaminlio sen desuno.
Ignacio Loizde Brito Taborda scieutiliea a
nl.is as pessoas eom quem tem IransaccOus, que
i relirado-se para Enrona, constitio seus
nroenradores nesta cidade, cm 1 lugar ao Sr. An-
tonio Alves de farvairio Verai, em 2a ao Sr. ba-
charel Manoel Pereira de Moraes l'iuheiro, ,> ao
Sr. Auiniiio da Oinha Soares Guimaracs, em 4 ao
Sr. Antonio Domingos Pinto, cem ao Sr. los
de Soma Soares; e para tratar de suas Dantas
wmmii'i'ciaes ou evis ao Sr. bachar il M. noel Te-
reir de Moraes Pinheiro r Amonio da Cnnha Soa-
res Gmmaraes.
No dia l"i4epjnho crreme-l'iigio da pada-
rianllciii.n (geganao avisoa o respectivo dono\
I onde eslava aiugadi, mn mutiainho escuro, de
I aune Justino, cem 13 para anuos, baixo, refor-
eado, gago, oreluas grandes e um pouco viradas,
trajava aadna de algodo/mlio e ralea de brim
grosso cor de rap, costuma quando Coge inculcar-
se como forro ou orphao ; consta que tem estado
em Olinda a servia) dt algitem, para onde lora a
i wader pao de leite em urna cesta perteneente
aquella padaria : quem o appceflender quira le-
va-lo rua da Aurora n. 26, onde ser-reeompen-
sado. Roga-se as auturuttde.s nolteiaes que hajam
de diligenciar a apprehfflsio delle.
O muzeo de joias
ferna doCabog n. i compra-se ouro,prata
a podras preciosas por precos mais vantaW
que em oiitra qualquer parte.
Compra-se mu sellin grande e i usad : na
ruado Rangel n. 9.
Oompra-se "
am carro americano,de passeio, de qoalro rodas.
quatro assentos, e qno sirva para um a dona ca-
ralle?, anda mesmo que eeteja cin meto uso, p(1.
rwi l.cni conservado, e setn defeito algum : quem
0 t!Vcr !'"i vender annnncie para sor procurad i.
Oimpr.a-so tuna rasa que india porlan para
a man-, sendo desde Fura de Pollas al o Pillar
quem Ih- ronvir, dirija-so ao paleo do Carino nu-
mero 20.
Pegas i>. lita de 15a todas ;
cores ;i \
Espfilhos douradas pai i
!.'::. e .
Espelhos do Jacaranda muio
lino ......
Pecaa de IraBcaa brancaa e de
.corea il- caracal ? .
Paros de incias anas para bu -
nios i ...
Canivete mtiito tino coa I fo-
llia .....
Cartiihaa da doulrina as bm
modernas .....
Frascos do sndalo e |
iitnilo liinis ;i .
tm
550)
a--
m
m
JJW
;


HITO MATO
.Si)
.
i :.
Otirn e (rata em otras velhas, assim
''>iio >ifiliantes sendo ile piiineia iruali-
dsde; oinpram-se por maior i ivco <|iie
em ouira parte". Na toja de joias (Esme-
ralda)nndo Calino i n. 5.
tpra-se moedas de ouro c prata, beni
como libias sterlinas por maior preco qut
em outra parle: na ruado Crespo n. \ priineiro andar.
Papel parpemw'ulho
Compra-se papel para embrulho, na loja
doPavo, roa da huperatrizu. O, de Flix
Pereira da Silva.
i
U

GOMES Dt MAnOS IRfflfiOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estaMeeimento de joias, eom o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e eom especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 d noute na
RUA DO CABUG N. 4
onde encontrarSo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que encobras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHANTES. ESMERALDAS E RBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e palitetros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento le
obyectos-de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanten*
a qualidode dos objectos vendidos.
0 MUSEO DE JOIAS
BSGSVATb
Na rua da-.Cadoin n. 4 de preferenm que saiba coziobar alguma cousa.
LASA H
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
\ rua do Crespo n. 3 e casas do costume
O aiaixo assignado leudo vendido nos seusimii
10 feliie bilhets garantidos I ineio n. 4123 eom
a sorte de i:000 e outras muitas sortes de 100J,
!0 e 20 da loteria- que se acahnu de extrahir
om betwicio da arnja de S. Pidro .Apostlo do
UeeifetlU"! convida aos possnidores a viri'in
receber seus respectivos premios sem os des-
corites das leis, na- easa da Fortuna rua do
Crespo n. 23.
Acliam-se a venda os da ti' parta da lotera
ocneViu da Santa Cuse-da Misericordia (112")
eme se axtrah terca-feira (5 do mea vindouro.
Precos.
Bilhete.....MOOO
Meio.....ttOOO
Quarto.....UOOO
Em portee de IQOi para cima.
Bilhete.....3,1300
Meio......H7S$
< Quarto. .... 870
Manoel Martins Fioza.
AiTa-sp espfista- venda-as llvrarlas econmi-
ca, franreza, anderalra o tmlVeraati uma pequea
broehara contando diversos rrinilamentOs : ro-
teiro dos signaes do.Uielerapho,'tabella das moe-
das recebidas na atrandeaa e de seu valor ao par.
reducido efe pesos o medidas da praea da cidade
io Recit>, Jes versos pawcs-, ealiniiadoa em
dedaaos,. e taraban a conwnrao i'flnsulhf entre
o Brasil o Bartiga^ tu.1.) pela diminuta ouantia de
oOOrs.
, KGlm
OURO E P1IAT%.
Compram-?<, offorccendo-si- muito maior van-
lagem ao veiwledor : no Confio d* 0ro n. i O,
rua do Cabug. _______
Milffim
Compra-? moedas de ouro e
bem como libras steiiinas, na rua
biig n. 9. relojoaria.
prata e
doCa-
N'a i da Independencia n. 33, loja deon-
rives, compra-seonro, prata, e piedras preciosas.e
tambem se faz qualquer obra do cncommenda, e
jodo e qualquer concert.
VENDAS.
NOVAN. 50 ESQUINA DA I E \"-
TOAMAitO
Os propriel.irios Jo$ de Soma (
C, alm dos baraussimos prrrofl por f]tm
eslo veiideodo ;i grande vaiii i
gos da moda e novidailea rio I
t;iiilo para homens como |
menino*, poden:
CHAPEOS ;i )!>!.!;: i t;| '
hi;nu:o para lioniens, '.izi i.L .
(o prero 1 jOOO).
COQUES enfriados pan i
Dovidade a 1^800.
DITOS setn i iifeile o de di \u
des, sen'!o ile .-tila i imil.o So i :i> c 31500.
MKIAS superiores ipolezai bnurnc,
a iluzia de pares "5800 dt pi,-n fa H
a ld-5000).
LEQUES demadeira sen dMercm i
ndalo a 2>000 e 2-fOO, (grai
cha I)
DITOS eom lenlijoulas a 3| c i^OOO.
BAltALHOS de cartas Arttievus Loa fa
zenda. a 200 is.
PAJUSb ingles sem patii.t, ftwHu pe-
i|tie'0 e fazenda superior, um natxte m
I-5000.
LINDOS cintos de palha-eiifrt.-!t..-. pata
sp-nhoraa (grande novidade en I'ai :>) a
-25500 e )(M O.
DELICADOS coipinhos de casi i
lamente enlejiados a fi,>.'00 rs. (admira o
pn'co!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como mudos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto qoe
se vende por precos baratsimos
Bazar da Moda.
de pao e cestas, rua larga do
Rosario.
Cheganc novos siipprimentos de balaios de
lodos os foriiiates, muito uteis e precisos as easas
de familia; tambem recebemos de Lisboa cers
branca em rolo para accender luzes. tudo vende-
mos pelo menos que possivel.
ja rua de Apollo n. 13 vondem-se libras es-
terlinas a M4300 eada uma.
Na na Nova n. 00, arraazem da Liga, vendern-
se sementes novas de hortaHees c flores.
Vendem-se dous ornamentos por precos
commodos, sendo um delles riquissimn, e eom
alix, mssal e estante : na esquiua da na larga
do Rnsarin n. BO. 2 andar.
Vendem-se dous bonitos eseravos, um mo-
leqne do Iti annos, bom cozinbtiro, e um cabri-
nha de 10 annos : no terreiro andar do sobrado
n. 36 aa rua das Ornee.
Batatas baratas.
na travessa da
Vendem-se a, 800 rs. o trigo
Mailra de Dos n. I6._
Vende-se um preto de 18 araos de idado
trata-se na rua da Imperante a. 13.
I
.i
Vendtm Augusto F. de O'iveira H.i p-
Cnnimervio, n. 42.
Com dinkeini vista vende-se o sitio Limao
na povoacaodos Mnotes, ao p da estar*, .i- l'na:
a tratar com Jos Paulo do llego Brrelo, na villa
do Cabo,
Taberna
Vtende-se a taberna da rua da Conroidia n. Se,
a quHl'Ost bem afreguezada e tem pniiroi< (iio4
procfia paca algum principiante ; o i-mlho d,
venda dirsc-ha ao pretendeote em particular : a
Iratar na Ponte-Velha n. 14 das 0 as 9 da ma-
nhaa e desta hora em diante nVsia Hitofraphi-i
Estopa para cun feto
Vende-se na rua da Praia n. I, por preco rom
modo.
a taberna dtua de Hortas n. 43, em viitude de
seu dono retirar-se para fra : a tratar na monta.
manteiga mgleza a 80l>rs. : na na da Manga. t,\
iiumeri) 2. i
1

Vende-se duoe da casca de guia
Uno, tanto em tata como em caixao,
diverso? presos, sendo o mais alto a i
na rua Formo?a n. 9. portao.





o
Diario de l'ci-uambuco Quinla feira 1 Je JulUo de 1869.

GRAMffi LIQ
HA IiOJA
*. 45 Hl A
DA CADEIA
DE
M. 45
72.----Ra da Imperatriz. 72.
Alerta freguezes
que Arara vai cantar,
Para v ender suas fazendas (baratas)
que inuilo ha de agradar.
0 propietario deste estabelecimento, loiulo grande poreo de fyzendas em
ser, vai proceder urna liauida<;o em todas as fazendas e roupat feitas existentes no
estabflecimeuto, agora (pe oeeasao de quem tem potteo dinherro poder se vestir de
boa fazeuda c baratissiraa como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLlO BARATO A 3*300. BRAMANTE PARA LENQ0ES A U-
Vt-nde-se p 'cas de nwdapolao enfestado $gnde-se bramaute com 10 palmus de
de 12 jardas 33500, dito de 24 jardas ou largura para lences, 2& a vara.
22 metros H U, 0 0, 7 tfOO, 8.1000 e Pfi\S Dli ALGOUAOA I >.
!)->O)l>. voo! m-s p v.is de al^odSb muito en-
CIIITAS FRANCESAS A 280 rs. ourjud V). 55. 0,?800e ;'>.
Veudeiu-se chitas franeezas para esti- Coiorfahos cenia o micos a 3O
dos a 2), 30 rs. ocovado, ditas escuras i > hizia.
nimio finas i 380 rs. o covado.
Chnlia mnilo o rs.
Vende-se cbalia para vestidos ie senliora
i 300 rs. o cando,
PERCALES V t% RO COVADO.
Vende-se percales maito linos para ves-
tidos desenhora a 440 rs. oeqvado.
Brhaaf iuas 44 rs.
Vende-se brfihantioas on mursulinas de
cores para vestidos de se horas a 40 rs. o
covado, lazirihas muito finas para vestidos
de senhora 160 rs. e 500 rs. o covado,
ditas de quadrinlios *0 rs. o covado.
RISCADO FRANCEZ A >0 RS. O COVADO
w Vende-se riscado fraucoz para vestido
de senliora 3G0 rs. o covado.
.asluhas a 94.9 rs. o covailo.
Vendem se llasinhas para vestido de se-
nliora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas franeezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas franeezas 280,rs. o
covado, chitas franeezas linas a 280 "e 320
rs. o covado.
Chales de merino a 'i#.
Vende-SO chales de merino estampados
oe 20500 cada om, para acabar.
CORTES DE LA AS ABE 15 IOS A 2|400
Vende-se cortes de la para vestidos de
senliora, 21400 sada nm
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senliora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de lisiras 700 e 760 rs. o covado.
Chitas praissiauas 3SO.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonita < a :>:> rs. o covado.
CHITAS PARA COSERtA A 320
Vende-se chitas iacorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Rales de 'a a 3 arcos
Vende-se balos de 20 a 30 arcos
lbO0 cada un. moderaos blancos
ede coros a 5.
Vende-se colcrnhos econmicos a 320
a duzia, s se vende asm barato por ter
grande pona >.
C\SEMIRAS DE CORES
V'Mvl !-se cazernlras de rrcs para calsa
e plitl 3 2 25300 e ''< o c -vado,
Algdtliio eiafustado 4$.
Vende-se algodo entestado proprio para
lences e toajbas, I >, a vara ou 000 rs. o
metro.
R'llM PARA CALHS A 400 R5. O
COVADO.
Vende-se briin para calcas e palitots de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
va.io, dito lizo a imitacao de ganga a 300
o covado,
Algoilo de islras a SOO rs.
o covaslo
Vende-se algodo de listras para roupa
de cscwvos a 200 rs. o covado.
CORTES DE RR1.M CASTOR A 040 RS.
Vcide-se cortes de [ brim castor para
calca de homem. 010 e 800 rs. cada um.
CARTI.IRAPARA VIAGEM A I-.
Vende-se carteiras para viagem i id
cada nina, cobertores de algodo 1&300
cada nm.
.Coheras jIc chita i^SOO
Vende se cuberas de chitas de cores
15800 e 2-v cada urna.
ALGODAO TANCADO Dl EDAS LARGURAS A
4 100.
Venderse alpodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalbas para
mesa, se vende a 1 200 o metro.
.Manas para grvala a SOO rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada una, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2&0.
V ide-se atoalhado pardo para tnattias*
de mesa :i 2-V09 a vara, toallus escuras
1. cada urna'. Ra da Imperatriz foja
da Arara n. 72.


-

0 Garibaldi principia
Certamente lia de agradar,
Que pao preco ftnVvai vendes
Nhiguem o pode igualar.
O proprietario deste esabelecimento denominado Garibaldi, declara ao-resp ita-
vel publico e scus freguezes*. qu i tem recebido grande sortimento de fazendas, e est
constantemente rec-bendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e cr^s, na ra da Impertnz n. 56, de Lourenco
Pereira Mendes Guimaraes.
CHITAS LARGAS A280rs. 1 angas para calca aJI rs.
Vendem-se chitas franeezas de cores fi- Vendem-sc gangas de cores para calca e
xas a 280, 30 o covado, ditas matizadas palitots de horneas e meninos a 320 rs. o
escuras a 360 rs. o covado. I covado. brim de cores a 400 e 440 rs. o
# MADAPOLO ENFESTADO A 30500. 'covado.
A'cndem-se pecas de madapofo enfes-
tado a 3)500, dito iiijlez de 21 jardas a
55, 6J, 6,5300,7,5300.8.->, e 103 apoca.
ALGODAO TRANCADO A 1(5200 O
METRO.
Vendem-se algod2o de duas larguras pro-
prio para lenco s etoaihas por ser muito
largo, a 1200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se nissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser 'de bonitas cores a
360 rs. o covado. -^
BRAMANTES PARA LENCOES* U A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 20 a vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas d listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
niora a 360 rs. o covado, deste prego e
qualidade so na loja do Garibildi.
AOS SENHORES DOKOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende moito barato por
ser muito largas, preco a 20500 o covado.
ALGODAO ENFESTADO A 10 A VARA.
Vende-se algodo entestado muito largo
proprio para lences alfia vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5d0 rs. 0 COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
;500 rs. o covado propria para, vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30500.
Vendem-se chapos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada um.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PEQA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 80, 9i e 100 a peca.
Cortinados para janellas a ?A.
Vendem-se cortinados para janellas a 70
o pv, ditos para camas franeezas a 140 o
eoraMo.
IMS, FMlO & C, .
SOB A DIRECCAO DO MUITO IIABIL A RTISTA
Lauriano, al [oale.
Os doste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter iadirecco de sua oflicina.de roupas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Laurano Jos de BarB para tal mister, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontade do freguez.
T''iii o mesmo estabelecimento umbom sirtimemto de fazendas proprias para
roupsde homem, como sejam: caMimradecr, iodos padres, completo sortimento de
pannos finos, preto e de cor, casimira .preta, grande sortimento de brins brancos e de
cores, merinos de diversas quali.lades.hombazina, lindos cortes de gorguro paracollete,
gorgurao Pekin, superior qualidade.
Os freguezes encontrarlo anda um variado sortimento de roupa feta, camisas
inglezas, collariohos, ceroulas, grvalas pretas e de phantasia, meias para bomens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
baldes de diversas cores e modelos, camhraias, malas para viagem, e outros rauitos ar-
tigos que a modicidade de scus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
iiiiAL m
Rua do Queimado ns. 49 e 57
lujas de miudczoz de Jos de
Azcvedo Maia, est acabando
com as miudezas de scus eslabe-
leci/nentospor isso qucj-am apre-
ciar o que e bom e barattsmno.
Pares de sapatos do tranca fa-
20000
1300
liOJTA
DO
GALLO VIGILANTE
Uua do Crespo a. 3
Os propietarios deste licni conheidu '>()hefci-
ciniento, ilm *>s uiuitos olijectos ae tinliain ex-
postos ;i apreciarrio do rcs|M>tavcf |Wico, man-
daran) vir e aealiam (K- roceber pol ultimo vapo%
TASS0U1MA0S
Tem para ven us armazeos alcm de ou-
tros, os seguimos artgos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Yinios cni caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Itm.
Madeira.
Hcnaitage.
Clumblis.
Licor de curarn do Hullanda em caixas de vul-
to e quatro botijo,
GESSO
Nos armazens de Ta?so rmaos.
Grades de ferro
utra jardins, portuiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmuos
C I l IS1MION 1>E FERRO
Para serviros de grandes armazn?, para remo-
ver barricas u eaixes de um para outro, lado pelo
mdico prejo de i2000rada um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcasPanonia(verdadiira)Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trgo do
Chile
Todas novas, ehegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irnos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12(S
O melhor para tudo qoe sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agaa, etc., etc.: em porcSes do
rincocn?u barricas se far;'i reducrao no preco : nos
armazens do Tasso Irmaos.
Cemento Podand
O verdadeiro cemente Portand em casa de Tasso
i Irmaos.
senda* nova a......
Pares de sapatos' de tapete
(s grandes) a.......
Duzias de meias erais para ho -
mein a........3800
Tramoiw do Porto fizernla boa
e pelo preco melhor 100 altos a
iJVtos de misses abreviadas a .
Duzia du baralhos franezes muito
finos a2-H00 e ..... .
Silabario portuguez com estan>-
pas a........
Grvalas de cores e pretas auftff
linas a........,
Ouzias de meias para senliora fa-
zeuda bo* a. .
Redes pretas- lizas muito* finas a
Cartes com eolehetes de latSo
fa/.enda fiara a......
Abotuaduras de vidro paro, colete
fa/.enda fina a. .
Caixas com "penna d'ac> muito
linas a 320, 400, 500 e .
Ca loes de buha Alexandre que
tem 20U jardas a .'. .
tarretefe de Roba Alexaodre de
70 at 200 *.......
Caixas com superiores obreias
de rnassa a.......
Duzias de aguthas para machina
Libras de pregos franceses di-
verso tamimho a. .
Livros escripturado par* rol de
roupa a.........
Talheres para, meninos muito
finos a. ,......
Caixas com papel amizalb muito
fino a ...... ^ .
Caixas com 100 envelopes- muito
finos a'.......O
Pentes volteados para meninas e
senhoras;ac......
Thezouras muito finos para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80; 120 e ... .
Varas de franja para toalbas fa-
zendafina a.......
Duzia de phosphoros- de segu-
ranea da melhor qualidade a
400 e........ 300
Pecas da fita braaca elstica
milito fina a...... 200
Novellos de linha com 400 jardas G0
Resmas de papel le pezo aaal
muito fino a..... 25500
Pecas de fitas bordadas com 3
Varas a....... 500
Ditas de ditas bordadas coi i2
metros de 25000 a. 3000
Grozas de botoes de louca muito
finos a........ 46C.
Euroi>a nm completo e variado softmu-mo (il'adeS ClO teiTO, CerCaS. P0r>
imas e mu deliradas especialidades, as qtiaes es- >
tcu'as, etc^ etc.
4 mu ESPEBANQA
21==Kua do Queimado 2
Advertencia!
. A Nova Esper?nca, rua do Qucimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, c como se approxima o lem-
po cm que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resokida a vender suas mer-
caduras pelo baralissmo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das qoe
tem : assim pois, venham os "bons fregue-
zes. e os que nao forcm venham ser begue-
zes, cm lempo to opporluno quando i
NOVA ESPEl\NCA convidaos pecbincba-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falta aonde e a quem...
Elle quere ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Pars) quer sem-
pre primar em nos remetler objectos do
gosto e perfeifo, e.ella (loja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente |ece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca rua do Queimado n. 21,
alm do grande soitmenti que j tinba,
acab de receber mas o siguinte :
Bonitos broches, pulceijas e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para excitar boos e
bandeijas.
Brincos pretos com d )orados (oliima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallees, franj; s e trancas de
seda c de Ja, para enfeitei de vestidos.
e moldes novo*
to resolvidos a vender, como de leo custum.
,5200
25000
2,J80f
5500
4-5000
5320
5020
5500
45000
5100
5100
5040
25000
tifo
5I2
'5240
700
600
320
,5500
5320
5160
De differeatcs qualidades para cercados de anl-
ranes, chiqii(ro9 para gafinbas ou jardins : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos afmazeas de Tasso Irmaos.
Velas de espannacete verdadoiras para lan-
ternas de carros: nnarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior : no armazn
Macarthy
per [ireros muito bnratinhoa e commodos para to-
dos, coii tanto que o Galio....
Muito superiores luvas do- pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cures.
Mni boas e bonitas gollmhas e puntos para se-
nhora, neste genero o que lia do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de tres eum vidri-
IlmeCe'maii SSto"* ^ O mel^0 cognac G
dflS^Tfito leqnea de madreperola, n. de ;o frmac
rfiarfim, sndalo e osso, senda aquellos brancos
53 0 com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Bscossta para si-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3C000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos tamben) grande sortimento do
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
Anas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marlim com lindas c encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de mellwr se
pode desfijar ; alm destas temos tambem grande
3uantidade de outras qualidades, romo sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos clcolinlios de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senliora o para meni-
nas de-l a 12 annos do idade.
Navalnas cabo de maifim o tartaruga pan azer
barba ; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa voz tam-
bem asseguramos sua qualiiiadc e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina o para ero*,'-. 0y0 mais do que o n'osso : vendem-sc
Lraha mmto boa de peso, Irouxa, para encher ^ armazens de Tasso Irmaos.
lahvriutbo.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os lentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhures per-
fumaras e dos uiulhores c mais conlieeidos per-
fumistas. ,.,
COLAREffDE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes rriancas. So-
mos desde muito recebedores desles prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por toaos os
vapores, adm de que nunca faitean no merca ,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
los que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao desles verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao nm
para que sao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois. avista doschjectos que deixamus
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
no arma-
Lasinhas de quailflubos a
340 rs.
Vendem-se las'nhas de quadiinhos para
vestidos desenhora a 240 rs.'o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
POPELINAS EM L.V.V A 640 RS.
Vendemrse popelinas em la di listra
para vestidos de senliora a 610 e800rs.
o covado.
CORTES DE LA A 25460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senliora a 25400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vene-se 15a chineza para vestido de se-
nliora a 500 rs. o covado.
Caseuiiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o'invern, sendo de duas larguras
que i 3/i covad s d urna calca para ho-
mem pelo prreo de 25500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
MOO rs. o ovad*.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 5500.
Venden-se baloes de 20 e 30 arcos a
15500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 15200 o metro.
BALOES MODERNOS A 55000.
Vendem-se bales modernos e de cores
a 55 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas franeezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10#.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
105 e 125, na rua da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
Scbonete de aleatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tio boa
acceitaco tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certe
das impigeus, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34roa larga do Rosario34.
Librase o uro nacional, moedas
de 5 francos.
edoe nde-se no arco da ConceicSo na loja
Vurives, no Recife.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster a
C, rua do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho per menos preco do que em outra qual
quer parte.
BALANCAS
PELO NOVO SYSTEMA DEKILOGRAMMA
COM OS RESPECTIVOS PESOS.
Vemle-sc no armazem de J. A. Moreira
Dias, rua da Cruz n. 21
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CHATEAU RAUZAtf
Em casa de Rabe Schmettau 4 C. Corpo
Santo n. 15.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez JoSo Vignes, existe um bom sortimento
dos muitos acreditados pianos, os quaes se
venden mdicamente para liquidacao.
Machinas de ilescarocar algodo.
Hoje que est leconhecido que as machinas de
serrote preiudicam c quebnwn a libra do algodo,
preciso recorrer a machinisinu menos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidad!! no trabalho, naoquebrem a fibra da laa,
para que essa pssa obter-nos mercados europeos,
a differenca que ha entre o algodo deseaiocado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fl-
cando em dcuzo, pelo prejuizo me tem causado,
e o da amiga bolandeira, que nao p")de competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tomam as mais proprias para o
nosso algodo, porquo ao par da facilidade c
promptidao conserva a fibra da laa, que iimpa por
ella, >pialiiirada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do quo a laa Iimpa pela machina do serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, epor isso o algo-
do daquella pro-.edeucia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 '!J por
a ioOoeo
aos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de anicudoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa ICO libras :
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ac de rniluo.
Nos armazens de Tasso irmaos.
BARRIS DE SALITRE
No* armazens de Tasso Irmaos.
ClfRA^DOS^AlSOS.
PELA
Pomada galonpeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo d- C.
, 34-------Rua larga do Rosario-------34.
nos sendo com
os com pngen-
Botoes de todas as cores
para o mesmo im.
Trancas pretas com vidri
pengenfes e sew elles.
Botes pretos com vidll i
tes e sem elles.
Luvas de pellica; camua e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delirados ieque de madreperula, mar
fim, osso e faia.
Esparlilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortment de
miudezas na do Queimado n. 21, -na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectr-mgneh
eos contra as convvlges das
crea cas.
Nao resta a menor davida, de qae maito
collares se veodem por afei intitulados ot
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pas de familias nao creem (comprando-os
noeffeitapromettido.o qoe s pdem dar
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, por*
que detesta a falsificaco principalmente bc
que respeita ao bem estar da humanidade.
fez urna cncommenda directa destes collares
e garante aos pas de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean
Cas tem salvado do terrivel incomaaodo d
convulcbes, assim pois preciso, que ve
nliam Nova Esperanca a rea do Queimadi
n. 21 comprarem o salva vida, para sen:
filhinhos, antes que estes sejam aeommetti
dos do terrivel mal, quando ent5o ser di
fficil alcancar-Se o efleito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros coHare
de Royer.
omprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, rua do Crespo n. 7:______________
PASTILHAS ASSIICAIADAS
no
DR. PATERSON
De blsiuulh e magaezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pbarmacia de Bartholomeu cV C.
34-------Rua larga do Rosario------34.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXERA FREDER1CO & C.
Acaba de chegara este mereado urna porgan des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradawl perfume.
E' fabricado com superior fumo o polojneJbor
svsthema conhecido, tendo tambem a vanlagem de.
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pravas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rape Popular sido ass,i<
accolhido, e provavelmento aqu tambem o ser,
logo que sejafeonbecido e apreciado. Aeha-se
veuda por preco commodo, e para uem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaqun) Jos Goncalves Beltrao,
rua do Commercio n. 17._________________
R.IM 197.
Vende-so a verdadeira graxa do bem conhecido
abricante Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. Moreira Dias, rua da Cruz n. 26.
Milho
Vendem-se saceos com milho, no trapiche da
Companhia : a tratar no mesmo, e no 1" e 2o an-
dares da rua da Cadeia velha n. 1.
COGNAC.
De superior qualidade da inui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa
commercio n. 32.
de Th. Just, rua do
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil appbcaco as creancas.
quasi sempre- mais atacadas de tao terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogaria.
DE
Bartbomeu & C.
34Rna Larga do Glosario34
HASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Preconisados por todos os mdicos contra os I
DEFLUXOS, CATHARROS, E TODAS AS
IRRITACOES DO PE1T0.
K. B. O Xarope de Codana que mereci a I
honra, alta bem rara entre i Medicumeiiton 5
noto; de ter regiitrado como um dos medica- J
memos o/ficiiui do Imperio Francet dispensa^
quaiquer elogio.
AVISO- Por causa da reprehcnsivcl fulsi-J
firaco que tem suscitado o felii resaltado du!
Xaro|ic e massa de Berlhe somos tocados u!
lembrar que eslctmedicaoieutos ta&jusHm
concciluados s K
Tcndem cm caiiiin-
Lascfr.iscci levando '-----"^t^J&Aj
a Dssigualura iiu -
cate.
f 6, Ru dft eoles, e na PuarDiaciu C:
BAZAR UNIVERSAL
SORua NovaSO
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas'
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposc2o servicos a electos para alrao-
CO e jautar, salvas, bandejas, taboliros, bol-
sas e mal.s para viagem, indispensaveis para
senhoras candieiros para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos vidro, machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteros e crianca, bercos, cadei
ras longas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
para quadros.gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, quarto,
frente de soph, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos oulros artigos que se encontrado a
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pena ir examinar.
Vende-se um cavali mnilo novo e carre-
gador baixo, o qual existe na matriz da
Varzea, rua do Fogo, em casa de JoSo
Simoes Ferreira,
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver deperto.
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortm nto de
oculos, lunetas, pnce-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfiro,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma mvencao ; duquezas, vienezas de 6,8 e
12 vidros, ludo dos mejores fabricantes da
Europa. -v
O mesmo vaportrou-
xeuma excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidrog qoe se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, nstrumeh-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodo3 e com promptid5o; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Receben tambem os excedentes relogios
do antigo e afamado fabricante Roben Gerth
&C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sua superior qualidade.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & C.
34RUA LABGA DO ROSARIO34
__
Ouro
-E. A. Burle & C. tem para vender libras
sterlinas e moedas de viole francos.
Vinho
Vinho Bordeaux superior qualidade, mar-
as j conliecidas; e o verdadeiro Cognac,
co mesmo eslabelexlmente.
Vende-se urna machina de costura em per-
feito estado : na trevessa do Queiniado n. 1, pri-
nieiro audar.
/
>
!




r
D
*
Diario de Pernambuco Quiiita*feira 1 de' JuJho
t
C cordeiro previdente
Ra da Quelinado b. ltt.
novo e variado sortimento de perfumaras
tuas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de (ju (lectivamente est provida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber'um outro sortimento que se torna
notavel pela variedad)) de objectos, superiori-
dade, qualidades e cofnmodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a aprectaco
do respeitavel publico em gera! e de' sua
boa freguezia em particular, nao so alis-
tando elle de sua bem conliecida mansidao
barateza. Era dita loja encontrara os
apoeciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Colore ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e maisacreditados
fabricantes.
Dita balsamic i dentriflcia.
Dita de flor Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
rosjgradaveis.
Copos o latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoheza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cltei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente tinas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
oem escdlbidos che ros, em frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes era barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos miijto finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfamarias, mnito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes noves o elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composieao de
cheiro, e por isso o ais proprie para enan-
cas. (_
Opiata ingleza e franeeza para entes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambera, para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Uta ostro sortimento de coquns de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e algons d'elles ornados do flores e fitas,
esto todos expostos apreciadle de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHS BORRADOS.
Obras de muito gusto e perfeicio.
Fi* ellas e fitas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objee-1
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode encontrar neste
genero, sohresahindo os delicados ramos
omhados para coques.
SE LIGUIDAM
A OINHEiRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
11-RUA DO QTTEINADO-11
_. DE
AUGUSTO PORTO & C
Q9-a^.aa wanpaQ^ifajasl m
DE
pelix 6:i:ii v da sixva.
O proprietano -Peste estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
mal a vir surtir-se do grao* sortimento que tem defazendas, tanto da moda como ie
re. assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
ppssoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do matfl, esta casa
poderlo fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcoes, vennen lo-se-tties
pelos procos que se compran as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
ias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se-lhe as mandam
evar |m suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manh3a s 9 da noute.
iy>m* Recobra ferrares vestidos de blond com manta e canda para oas, que
venrom-se por precos mais mdicos do que era qualquer oetra paite.
R4c/unwiR? BULE* cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo,
elegante 6 renda preta' e de %r8m Pret0> W* ** mais
RPEOS D! SOLnara senhoras delicadamente bordados.
B.\LOESbranco8 e de cores para senhoras e meninas, espartilnofe salas bor-
e saias de 15a com barras de cor.
GORGURAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de .-.oree, moirean-
,iLklnco* ? rosdenaple branco, de cores e preto, prineezas, bombazo pidas,
ainacji de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
*
Explendido sortimento de
Alpacas tarradas de edres a 5o
Alpacas a 360 Alpacas a oGO
Alpacas de cores
Na Joja do Pav3o ra da Imperatriz n.
00, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
Gasemiras da moda
NA
JLOJA no PAVlO
Uiegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeira sortimento das mais
modernas c mais finas casemiras para eal-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, cora lis-
tras e cora listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se veriderem-se muito
mais barato do tpac era outra qualquer par-
te, assim como das mesraas se manda fa-
muito miudmhos assentados em urna s zer qualquer pera de obra, a vontade do
cor; para se poder retalhar esta fazenda freguez, para o que tem um bom alfaiate.
pelo barato pre^o de 560 rs. o covado, foi a* n lhpf.nlit*J
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o quai grande pechincha.
los dez mil covados de eassas
francezas
Covado a 300- Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra da ln-
peratriz n. 0 urna grande quantidade de
md covados das meteoros casas francezas
para vestidos, tendo padrees miedos e graii-
dos, assentados" em todas as cores, estas
eassas sao propriameate francezas, tendo
transparentes e tapadas,, com tanto corpo
quasi como a chita, o alm dos padrees
seren mrito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Espartllhos a 33OOO aa loja do
Patrio
Venderse urna grsmde porcao de esparc-
idos mbdernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e!
vendem-se a 34 cada um.
MADAPOLiO
.^iUBMiaaij^

?'
y \W:'.V-
66 CEIMAC
>,
**
Ao$ qninheiitospalitots
a 185 e 20&000.
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porc5o de pa-
tots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, sedo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 18& sendo forrados de alpaca, e de
203 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado ama grande compra, seria
para mu lo mais dinheiro, porm Hquida-se
esta pechincha pelos precos cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja, do PavSo, na raa da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas pou^elinas ou lazinbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de cranlas, coa as mais modernas e bo-
nitas cores ; padraos com listrinhas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Pelix Pereira da Su-
va, na ra da Imperatriz n. 00.
AS CAS6R.VIAS DO PAVO
Vesdem-se fisissimas pcas de cambraias
ENTESTADO A 3^600. S 'izas -transparentes tanto inglezas como suis-
NO PAVAO sas tendo mais de vara de largara','pelos
Vendem-se pecas de mariapolia enfestao precoc de 5^000 at IOiOOO a peca, assim
comjf jardas, sendo muito incorpado peio como Cnissimos organdys raneo liso que
/
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Apua-florida de Guis-
Vinho degestivo de
cfaassaingf
PEPSINA E DIASTAEX.
RenedM por excellencia para cura <,3rta
Jas gestos iwiceis e completas, a calmar
as dores gastralgicas, e reparar as fargas
produzindo urna assimulago completa dos
alimentos; sendo mais um excellenle toBico.
VE%TDE-SE
PHARMACIA S DROGARA
DB
Bartholomcn A C.
34 RA LARGA DO ROSARIO-
-34
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra do Brnm a. .
PASSANDO 0 UIAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma Cinis-
mo enpregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, pan asucar o para
algodSo.
Rodas d'agoa. -
Motores do diversas especies.
Moenda8 de canna.
Rodas dentadas, para animaos, agoa e
vapor.
Tixas de ferro, batido; fundido e de
cobro.
Alambiques.
Aiadul e instrumentos d'agricultura.
Descarogadores d'algodo etc. etc.
Havendo em tudo variedade de t*manho
dosde o menor at o maior que se costu-
ma empregar.
barato prego de 3$00 res, asim como
pegas de algodosinho com 16 jardas
5^500 e -SOOO res.
PERCAIiliJLfi
A pataca 0covado
PERCALLAS A 338 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 330 RS.
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60 vende-se uma grande porcao de per-
cattas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores txas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito cncorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miados e
grados e vende-se pelo haratissimo preeo
le 3'i rs. o covado, garantido-se estr.esta
fazenda em perfeito estado, e vendend.-se
por este baratisskno prego para apurar di-
nheiro.
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a f?000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento oos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
pnos para camas e para janellas, que se ven-
dem a 1&S000 rs. cada par at 25WO0 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO A LA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente ortido das melhores roupas,
sendo caigas palitts e coletes do casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
snm desejar, assim como na mesma loja
tem uan bello sortimento de pannos casemi-
-as, brins, etc. etc. para se mandar
S-iI? .fn^A LKNCES COM 10 qualquer pega de obra, com a maiorpromp-
PALMOS DE LARGURA A 800 : tido vontade do frtguez, e nao sendo
^ftegou para a toja do Pavo, rjia da Abrigados a acceita-las, quando nao stejam
imperatriz o. 60, uma grande porgo de completamente ao s<:u contesto, assim eomo
p gas de bramante com 10 palmos de lar- n'este vasto estabelecimento encontrar o
lain
Tintura indelevel para tmgir os cabellos,
om manchar a peHe.
A bem conceituada agua-florida de Guil-
lara que ento era desionhecida em Per-
aambuco, j hoje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Gaislain composta uni-
damente de vegetaes inoffensivos, tem a
propjiedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, elhes restituir o bruno perdido, eas-
sim/como preservar de embranquecer, san
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
) bon resultado produzido pela agua-flor-
la, nao instantneo, romo muitas pes-
*oa8^ilvez supponham, mais skn ser pre-
nso fczer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter ofim desejado, como bem
provam testemunhos de pesswas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
ito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florid3 acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
;ua do Queimadon. 8,
_ A Aguia Branca, contando com a protec-
?o*e sua boa freguezia, tambem capricha
snnaolh'a desmerecer, procurando sera-
ore corresponder a idea favoravel com que!
lionram, e em prova ao que, fica dito, d
como exemplo ko explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
'W-se belIamShte provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
s3o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios vros de missa
i orac, obras- de apurado gosto e perfei-
;o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros im
taudo cfaaro machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
eguarnigao, dourada ou prateada.
Coj-as g tergos de cornalina.
Assim como.
Jim
Pa'ra brmazcm 3o
Imperador n. 2H.
Neste muito acreditado estabelsciracnto
acha se constanomi nte um variado sori!-
menlo de generp finos (tara meza e
inlia e Piltro estes ooiuea-se apenas as
ialidades segundes
yueijos do serlJo sendo de manteiga e
coallia.
Camal os do Maranlio.
0 vurdpdeiro caf de Moca, 1
O supern' e bem anliecido peixc miragiaia
-pie se M*dfi a ioO a libra e. ^ym a
arroba.
IABE5LLAS
'dnciMn ,is rnais facis e mais cpin-
preli.-.nsiveis, indo no
Armazem do Campos
Mlt)LIV!!\I\OlJ
Kfonomla. nUlidndc c ncoderso
mercado.
L... OlKlCEM X l'KCFil.XCHA.
Bitloes tnuceie*, nrrus pemenese gran-
i tlc, para ethofn. a
Casemiras igleza>, lu.nitos padroes, coui
Rtras largas, <\,wul<
Ditas rrannaas. Mcm Mom, eom Itstnl
largas, aovada
Ditas ditas nie-fladn.-. rovado
Bar nezas largw ema lislras cl<- eda para
Knhoras c proprias de nwnlaria, cc-
i .1 Jo, rs.
Pateta* ii" alpaca pnaaa e ie earai
Al|iacas lisas ,1- ces nuiilo linas c Luns
gi#l0a para senhon, corado, rs.
Cambfaias de cures, varia/los padroes,
eondo, rs.
Ditas de oore, mais linas, envaa, rs.
Ditas miadas, nioaernas, linissii-as, cova-
do, rs.
Ditas de flores (rraodoa e stras, co-
vado, rs.
O'laiiiihos do linho ie diversos tostoa, n
Ditos do dito mun finos, clisados no ul-
timo pai|ueio. pL
Chitas claras, boas inta", covado, rs.
Ditas esvaras, helios padroes, covado ra
Ditos floridas, linas. mpriopara familia
covado, rs.
Ditas riscadiiili,-;. variados padToV, co-
vado, rs.
Dilas escoras emnomteas, corado r-;
Tinas de boaeompo'ivSo de tintas, covado
Ditas claras ecnoniii-as, covado
Roupas c mais arligos que tica a pedido da rev
peitarel fregueua, dnndo-se amo-Ira de tinto
2GliO
4*000
900
i?il()
800
240
3C0
40O
;;oo
400
600
280
400
401) t
if.o
360
320
3'-0
ESCRAVOS FfilES.
raiyle e bello sortimento de leques .
todos de madreperola, madreperola e seda: i Vende-ie um liado o
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda, h''a (1,1 Garmo i.
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo algons I
com 4 vistas, e outros jdponezes enfeitados
de llores. >
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abortas, tambem
para meninas c senhoras.
Ditas muito finas d'algOdSo,
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torga], e seda
para meninas e senhoras.
.Meias de 13a para homens mulhcres c
meninos.
Goinhas e punhos bordados obra de
muito gosto. anda vcudendi
Entre-ineios frass tapados e transparen- '
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar lita.
na cam-
alvas,
Cratica-se lu-in
Fiiio hpntem de manhla, 3 de junbo, renban-
.. i ()oo, o molcque Geraldo, con os signaos se-
guintea: altura rvgarar, sceo do orpo, olhos
abotoados e beic amia bastante apreSsa-
ilo, tem orna bli|e em nm dos olh-.?. u-m Talla na
rrente de alguns dente* do lado superior e de ida-
de de 8 aiaaonus: qoera o pegar leveo a
casa de seu s-nfior ;i raa estreita do Rosado n. 3
Deseontia-se que o matine moleono
da ilo Santo AntSo.
segoioa e.-tri-
Acl-a-s<. incida ba oilo me/es a niela r#-
crava, de naco, de neme M.nia.com 40 annos de
idade, uwxa ecor lula, consta qae diz -r ftwa, e
lo na freguezia d Bua-Yisia, i
ransparen-i i"".tt l)i,n,!f'Ji, piulada de encarnado, cun qut
rugi : gralilica-so bem a oueru a appr.-i.endcr e
leva-ta a ra Imperial n. 103
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creati ,.-.
Bonitos cabases ou bolsinhas de 'pelica
Sttim para meninas ou senhoras.
Lindas cestii
cestinhas bordadas a froco, e usas'.
Delicadas caixinhas de vidro onfeltadas
eompedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga parajoia?.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitasjargas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e i
EcrSva fgida
_ Ausenliiii-se da ca.-a d .-en eenbor Do
da 1!) do convnte, apela lula, de Dome
Candida, idade de 33a 10 annos, alta e
ujr'iu. i'oi cniipr da i crea d nm n ,
uo Sr. Joau Paulo d'Almei.la, natural de
Gotanna. e supp5e>s que para \i fosse.
Levou dois vestidos de chita escara, m
ora ci ni baado novo, un chale de !'a
verde, j usado e outro preto novo. Qo ,
a capturar oneira leva-la no armazt-m
iS roa da Cadeia, rpje ser
sai lo.
iv ci mpe i-
HCL_
Veade-sa manteiga ingle muito boa a 900 rs.,
IJ,e llO a libra, muito tino, presunto de La-
mego a 800 rs a libra, carne do serlio a 300 rs
lingm?a una em latos a 14 a libio, faretlo, saeco
de 4J400, e o de Lisboa lino a 5*400: no pateo
Paral n. 2t). -
xarope miornT
RABO DE TATIj
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recomraendado as
affecees do peito, bronchite chronica, he-
raopse, o losse chronica.
PREPARADO POR
J4AQUIM DB ALMEIDA PINTO
P H A R M A C E T I C O
Pernambuco ra larga do Rosario n 10.
O
gura, sendo a largura da fazenda o ctimpri-
aiento de um lencol, o qual se faz cora um
metro e uma quarta, e nara cama de casal,
cora um metro e meio; e vende-se pelo
barato proco de U800 rea cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
pljeaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preeo.
COL'ERfORES DE LA PARA O INVERN
DE 3000 G5000
Chegou para a loja do Pavao, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
13 de carneiro, sendo muito grandes e|
muito encorpados, que se vendem do U i
ate 6^000 cada um, em relacao s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a eles an-
tes que se acabem.
ATTENCAO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PAVAO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
!'as caJ* "S e (luo tambem servem para
Lanzinhas de tives para vestidos a 00
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito tinas a 35 c 4^000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs
a vara.
I
Vende-se terrenos de pro.iucc3o a com
arvores fructferas e prximo a osta-
co dos trunos orbanos do Recife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheirt,
podendo que quiser gos, ao sitio n. 6 na estrada de Joo de
Barros, e nos deraais dias, ra da Impe-
ratriz n. 68,
Vend -se
a taberna da ra de Ilortas n. 43, em virtu-
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a G40 rs.
pgaram para a loja do Pavo um ele-
gante-sortimento das mais lindas albacas
brilhantes com as mais delicadas coros, e
com os mais bonitos lavradinhos a imitaco
de seda, as delicadas cores que e*istem
oeste bello sortimento encontra-se o bonito
respeitavel pblico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muhos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tende-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. GO, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
iiOO a vara; ditctde linho fazenda muito
uiperior a 3^200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 4o00 a duzia e muito
iiios a 8000, e ditos econmicos a 35500
i duzia.
0080 f
OO
00?
000*5
oowe
oos
oos
008
? ojanoo Lucd ojo op saojog
* opiJSOA
ap umaq.jp u.ied ujy ap scioj
' souanbod sojjo
'! epeJtiop
ejnpioai mo3 sapactS sotnadsa
O'jojd opoj 'U99 op seooimg
suopjo g sajaxjOD uioa opupo
e e.iznp sep.ipf nos op cqui'
* B 0ja|03 BJBd SBJOPBOJOIJV
.........B BIZ
-np suomoq BJBd sbojd rerafg '
! 00'?i
008 00'/ so.ttaqo moa sodsbjj
e oqund Bjed saojoq op sojbj
'sogui BJBd soauBjq sooust
buooj bjjj moo sbjcijcq
091
00*0!
000#I
OS
ose
09
OQGfa
091
00
0?8T
006.
b nanoi 8P soojoq op gzoj)
BUjAip bbSb moa kjbjjbo
Kugio do enireilho Rapasaiu, tem.....
Uv i, na iiwmncia-daf Alaifoas. o escravu 11
no,emulo, preto, idade de 3 annos. p.
oomenos.afitfrabaixa, barbado,
arrapa-se omito, e ititula-e forro, tem
wpateiro. e e tambem carrero, oonHa mir
em Goyanna, emPernambnco.; rcfimtiionda-ai
a todas as antoridadea poliria .,, rmro a
qnakraer pessoa qnco encontrar, ana o nnuda e
remeOa-o ao son enlior qne o cafrttlo j- C.s
awooaa >ev?, no oagenhu Panga, on na
de Apollo, armazem n. 3?, que se pagar ti da e
" 9JXI8 'O: "009 ,00i fl'a'.-querdsnezaa qaa houverem de r feita
b soiau-ojju* o : i'uDSawi eo"- pi'l'a" mosm) eravo, assim como t
8 OOS OS I '001 '08 SOp
-i:pi|Biib sb siipoj ap oooqcs
r Bsoqi-q op oaio raoo soosuij
.........b sep
jef00fy moa Bijtiqap so|aom
acqjoq lutd sii|ui| op sBjqiq
0 SJ 001 B E1M1 UJOy COOSBJj
..... B seqii.
o cjnisoo cjihI scjnosatn
' B SEU
~IUOUI BJBd BSS0ABJ1 9p S9JU0J
b urapepUoit mam
OJ'^O BBOSBJj
fe
cia
ALPACO DE CORDAO PARA \"ESTIDOS
A 15000
Xa !oja do Pav5o, vende-se superior alpa-
co ou gnrguraopara vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mais bonito
que tem viudo ao mercado com differentes
coras, sendo mais largo que alpaca e vn-
dense pelo baratissimo preco de 000 o
covado.
' ^ovldade Movidade
GIRGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ DI JUNHO
thegou pelo vapor de I i do crrante,
para a loja do p.1v0, i ra da Imperatriz
n. ou, um brabante sortimento dos mais
modero..! e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
graudos, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as inais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
aacoras, gaiantindo-se que na actualidade
eiuo|Oa op enSu
rsajuinSas sooaad sopd sop^j
-Bpap oxreqB sojoaqo so opinmiiaiifo ms^
nnmu mwm m\m
exacta do referido esnavo.
'':-|:l rufWo dasd.....i t: a>jatn4rao
corrente anno, o escftvo Felippc, rom o aianaea
segnintes : cabra, idade 2o a 27 anns niai* ou
nwnos, rpq e altura ronalares. sob
orlas e serrad, cabellos enroscados e acal
lartos, querendo principiar a barbar, s ve* s a-
chaBHIw as penas tem una marca de caustico
dolado dutito sobra o Gcado, quando anda Ba
duroc eempnssoa avocados, t,.m o vent're i
pouco crescido. pescof. pros-o, (. muito rocri-.
nie troc-"- ~. ~ ... .
E
(I
pidos. C3mi?a*d madapofiSo,
me trocar o nomo e botar a camisa tora da calca.
Me .-ciavo fo. pros,, e estove na ejioVia por ta-
lar nigid : biToa calca do briw ie qoabiinbs
si ^a i ji4 ara vroi
a 'v-oflVMio w vna-s
Bismak, o bollo Lyrio, o delicado verde nao ha uma razenda de mais gosto nt
assim como, perola, roxo, canna, azol caf. raaiS pbantasia do que esta,que se vende oor
etc. Vende-se esta bella fazenda pelo ba- preco muito rasoavel. no estabelecimento
rattssimo preco de 640 rs. o covado por se Je Felis Pereira da Silva.
ter recebido em direitura uma grande par- R.lvjrlTiriAo krtCx i
ida superior a dez mil covados, senao. i>il|MHiI10S DWaiOS U lojll
do Pavao.
Ver..Ie-so urna grande porco de baba-
dinhos>is todas as larguras, sendo com os
bailados verdadeirUs, por uma terca
parte
seria para muito mais dinheiro, isto na loja
o armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
vestidos eom dnffi salas a O.*
Chegaram paiaa loja do PavSo a ra da
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Chvre com duas saias para ves- artigo, "aiiim como tambem' se'v-crTd" .,
tids, sendo n este genero, o que ha de grande parte d'enWemeftK; netos mafs
melhor e mais novo no mondo, e vendem-se mitados precos para acabar, na loii'e
pelo barato preco de *Wno m !oja de ma%m do PavSo, ?qa da ImmrWz n.
Fel-X Pereira da Silva. de Pelix Pereira J Sik
oe preco que se vendem em outra qualquer
loja, s com o flm de acabar-so' com este
niociro; presnme-M fae se conserve nestes la-
,cares: nede-^o as auoridads Miriam caca
I Srs..rapitaes de campo a captura d.. -mesmo -
I errvo, e onirepa-lo ao sea senhor Jos lercia de
, Miranda Cunha, morador no Borife, paos de Santo
, Amaro sobrado n. 2 d > fallecido Bannel Costo-
[dio, ou n roa da tjadeia do Recife n. 3?, one o
mesmo gratlOear gcDoro-ani.'nie.
BellarmiiK
i:vaJio-M3 do en?pnho Marrocas, na comarca de
t orto Lalvo, e no da 18 do malo do correla au-
no, o escravo Rellarroino, cabra escuro, do idade
ue 28 UDoa, alto c sacco do crpo, bqo Uiba, ps
grandes, tem estado neata cidade, o <> seo naior
pausen e polo bairro da Boa-Vista, podi ser mre
elle so.oncamiiiheBaia a freguezia da Estada,
onde foi eile cr.ado, o conheaido : quem o pe-
gar e levar ao referida eogeaao, ou nosta praol
tfle '- n" ''1",l;,r' *>*er boa en
. A iSldoumescnm7do-.iiiH KuzoTTr
dado tnnta c lautos anuos, estatura regular, err
lula, pouca barba, ,, 8 nf* ,.. J
fSiSJf'seii?r^ caroca, ora aluaa-
m- oni c-Kas iiariicnlarcs, e consta .n.o a-.-i-tc em
asada^noula Bernardina mi Passa^ ;
lena, intitulase por Jos, m
m da Magda-
tmpeatriz, casa n. 28, i" andar
t: contra quem o tfver a seu ser-
h-
ar-
r>.
l'I)>oW
Miro* le lUr:.!li ,|,. IVrr.!\o. d, l
Kilo a,aaZ3?
I
.^w. pvJo, e nuo aprima ,num do, hffi* **
^HcU.m O. PrUr. e do. paUe, r,M8 i; r
iitinioaa ao senhor.
. x -om-otc fucrio .la nad;
'*al,ei !,!l!" n'u o resporlivo dun,
inlC IW.Ql-J llli..l.t .. -------1. t. i '
alupado, um mulatinbo
nio forro nu orpbao ; consta qu tem r<-
tado em Unida. (,lirte
fura a-vender pao d Ktc em i
rente tdaria qnepi o apprehendi-r qn*-
ra l.jea-lo ... raa da Aofor n. 2, onde -era ro-
"issdo. ofn-se as autorhlados poli,
que bajam Jc dlugentar a apprcnensio delle.



"*w?
H
8
Diario tle Pernambuco Quiala feira 1 de Julho de 1869.
MSEMBLEa ftERAL
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS
SESSO EM 5 DE JUNHO.
I'BESIDKNCIA DO SR. VISCOXDE DE CAMAUA-
GIBK.
fOiHlinnaijw.J
ueste modo o thesouro nacional recebo-
ria consideravel auxilio para as suas actuaos
precises, e tambem viria a ter no futuro
outras vantagens.
Revertendo os bens ao dominio do Esta-
do, e sendo vendidos, os novos proprieta-
rias aproveilaro devidamente as fazendas
i iiraes, e repararlo os paedios urbanos!
destes saldr dcima mais avultada, por-
que os alugueis crescero ; daqueUes pro-
viro novos productos que pagaro impos-
tas
Anda oulra vantagem vira a comer a fa-
jeada nacional. E* sabido que a proprie-
dade immovel, por va de regra, de 20 em
20 annos, muda de propietario, e com
esta mudanca o thesouro lucra em virtude
do pagamento da sisa devida pela venda do
predio; mas imiuobilisada como est a
propriedade, entregue s referidas corpo-
races, o tiiesouro ve-se privado dessa
renda ; por conseguinte niais urna ra-
zio que aconsellia a providencia que indi-
que!.
Creio -tamb ;n que o culto religioso ga-
nhar muflo com o novo systema; porque,
sendo certo e conhecido o rendimeoto, este
ser convenientemente applicado e bem
zelado. O mysterio, sobretudo em relacao
s confiaras, desapparecer ; c conhecida
a receita, fcil averiguar a exactdo da
despeza. \s eleicoes em militas confortas
j nio soro ropreheosivel escndalo e mo-
tivo de contendas.
Sai que se contestar a indicada provi-
dencia opinndose que ella conten urna
expoliaco de propriedade : mas eu creio
que considerada bem a materia em seu
verdadeiro ponto de vista, nao ha expolia-
cao algu.na. Com ha pouco disse, as cor-
porales religiosas nao tm a propriedade;
tm sim a simples administraco dos beos
que usufruem; e eu apenas quero que
essa administracao mude de melbodo e
systema, conservando toda a vantagem que
cssas corporaces possam ter sobre o mo-
do de dspr das suas rendas.
(Ha un aparte).
E tanto mais. Sr. presidente, me animo
a propor a providencia constante do artigo
auditivo, que offereco consideraco dos
meus collegas, quando vejo que o nobre
oministro do imperio no seu relatorio,
apresentado nesta casa, recommnda a ne-
"cessidade de prover sobre os bens das
ordens religiosas e corporaces de mo
morta.
Occorreu-me essa providencia : nao sei
se ser a miis conveniente e acertada; se
o nao fr, eu quererla que apparecesse
outra idea que mais convenientemente at-
tinja o Jim a que ras dirijo. Serei dcil
em aceitar o criterio de melhor juizo.
Devo declarar, Sr. presidente, que nao
quero que se veja naquilto que teuho dito,
ou na providencia que proponho como con
veniente s ordens religiosas, as demais
corporaces de mo morta e ao nosso the-
souro, um pensamento hostil a essas or-
dons religiosas e a essas corporaces; bem
peto contrario reconhero os grandes servi-
dos que as ordens religiosas bao feito e
que ainda podem fazer em bem da huma-
nidad* aflicta e solfredora.
Smi diquelles que pensam que nao
um bem a exlncco e aniquilamento dessas
ordens (apoiados): desejaria antes v-las
florescer, porqu<> assim prestaran apoio
ao Estado que nos ampara, o forca reli-
go que nos consola.
Voii, Se, prestd ale, lar o arligo additivo
comeado a providencia que julgo adaptada
aos bens das ordens religiosas e demais
corporaces de nii i m uta, e rogo a V. Exc.
a bondade de dar-lhe o competente des-
tino.
Sr. presidente, parecer! talvez contradic-
torio noque lonho dit > e proposto em relacn
ao que paseo a dizer. hopuz-me as duas
antecedentes providencias a dar meios ao
thesouro para melhorar as suas criticas cir-
cunstancias e dulorosa penuria : no entre-
tanto que agora busco coarctar esses meios
FOLHETIM
dS CASACAS PRETAS
ROMANCE
poi:
Paulo Fval
Primeira parte
OUHUAL LiVAADO
X
. Andr tiulia.
(Continuaco do d. 142.)
Levantou-se Andr Maynotte, e affirmou
que existiam os qualroceulos mil francos no
cofre do banqueiro. Vira-os elle.
Contara com isso o advogado. Eslava
preparado o effeito ; nao sei, porm, quem
solteu de entre o auditorio a palavraco-
media.
Ora, seporventura a desconfianca, pro-
ducto muito para ser apreciado, Ibes es-
casseia no mercado da trra, deem urna
volta pela Normanda. Gorou completa-
mente o effeito, para nos servimos da.pro-
pria expresso de mesire Contentin de la
Lourdevillc
Ficou apurado que o advagado e reo es-
tavam de combmaco. esperlalhes !
Nao Ih'o levaram todava mal, como
preito e homenagem arte.
Quando, porm, no fun do arrasoado, o
advocado da baixa Normandia, ao chegar
commocao do cilicio, apresentou o cliente
co.no um eordetrmho, dominado, subjnga-
do, dirigido por urna mulber ambiciosa e
perversa, impoz-lho Andr Maynptte silen-
cio com tanta energa, que um abalo geral
se elevou do auditorio ao banco dos jurados.
Outra effeito perdido. Nao era o re u na<
crianza que se de.xasse vontade conduzir.
Deu este fado logar que Contentin
proferase nos corredores:
Tinha-o salvado se m'o deixasse. E
sem excepeo de alibi. 86 con tal e tal I
Andr Maynotte vingira stta rauier,
que f6ra publicamente insultada.
la o raio ds !ua. que este momento
indicando asupprossidj alguna impostos.
islo certamente surgir nos nimos des
meus ouvintes como patinar contradieco:
mas eu ent ndo que, quando tratamos de
grandes questes, n3o devenios attender a
pequeos resultados ; e mais me decido a
pedir a eliminacSo de alguas impostes,
quando alteado para o exemplo da nobre
commss5o examinadora do orcamento, a
qual nao hesitou em propor tambem a sup-
pressSo de outros.
Quero fallar dos imposlos, ou direitos
de importacSo, dos prelos e typos de im-
primir, bem como do papel e tinta propria
para impresso ; assiia como tambera pro-
ponho a dimiuuico do parlo dosjoruaes c
mais ioipressos, fjcando reduzido metade
do que actualmente pagam.
Sr. presidente, em um governo repre-
sentativo, como o nosso, a imprensa uos
deve merecer a maior consideraro, (Apoia-
dos).
E nio so, Sr. presidente, pelos meios
directos, como a censura, que a imprensa
se coarcta e restringe ; ella tambem se li-
mita e sopea pelas difDculdadej fiuaaceiras
que se Ihe oppoem. Eu creio que os im-
poslos, gravando e dificultando a industria
typographica, tornam, seoao impossivel ao
menos moitocuUoso o uso da imprensa.
O producto que do imposte sobre os ob-
jectos cima mencionados pode vir ao co-
fres pblicos de pequea consequencia.
Se todava o nobre ministro da fazerul i.
que est presente, entender %ue a suppres-
so deste tributo as actuaes circumstan-
cas do paiz nociva e kiconcebivel nao
duvidarei retirar a minha proposicSo, fican-
do cu certo de que o m sino nobre minis-
tro da fazenda nao hesitara em aceeitar a
suppresso,1 se mellures fossem as etwidi-
C3es do thesouro nacional.
Cumpre Sr. presidente, vulgarizar a im-
prensa, nao s plas consequeucias polti-
cas, mas tambem pelas vantagens civis e
sociaes que se apreseatan.
Nenhum paz pode progredir (e o exem-
plo no-lo est monstrando) sera que a im-
preosa d impulso e desenvolva a activida-
de dos seus habitantes.
Se, pois, a imprensa um dos podero-
sos agentes da civilisac e da^envolvimen-
to de qualquer paz, nao devenios recuar
ante a suppressSo de um imposto, alias de
pequea importancia, quando se trata d
fazer um beneficio n ssa mesma imprensa;
e quando n5o possa ser j, ao menos logo
que o permittam as nossas finangas.
A soberana do povo e a liberdade de
imprensa s3o cousas correlativas. Onde
nao ha essa liberdade, tambem a soberana
do povo nao existe, nem ple surgir e de-
senvolver-se. Nos paizes de systema re-
presentativo, a imprensa uin instrum uto
de governo, de garanta dos cidadios e d.:
civilsaco dos povos; dizeada sensatos
escrptores. que ainda quando todas as liber-
dades se conllscassem e cs^apassem a li-
berdade da imprensa, esta seria por si s
bastante para fazer restaurar as de mais
regalas ile qualquer povo.
E, pos, nao sejamos nos quu piahainis
tropeco algum ao livre exercicio da iin-
prensa.
Em um paiz como o nosso, condeas
distancias sao grandes, e por isso as com-
municacoes pessoaes se diflicultam, a m-
prensa deve merecer todo o apoio cmo o
meo de formar opinio.
Basta-nos considerar o que soosnossos
sertoes em relacao ao seu estado de luzes
e civilsaco, para ver de qoanta impoiv
lancia deve ser facilitado o uso da m-
prensa, afim deque os seus Iluminadores
raios possam all penetrar e produzir os
benficos elfeitos que em toda a parle pro-
iluzem. Por esses lugares raramente appa-
recem os nossos jornaes, e anda mais ra-
raramente outros escrptos impressos: e
qual a razao disto ? Nao seno porque
a industria typographica ainda entre nos
cara, e s rr.ui poucas pessoas fura das
nossas cidades procuram 1er, sendo-lhes
necessario dispendio, que considerara pe-
sado. Esta urna poderosa causa que
concorre pira se nao desenvolver nos nossos
povoados contraes o gosto da leitura, que
convem que appareca em todos os. pontee
do Imperio ; preciso excitar esse gosto
no raeio de todas is classes sociaes.
E quantos fados lamenta veis, quanlos
crmes, e quantas difficuldades'ao governo
se evitariam se a iinprensa ponctrasse nos
nossos sertoes para produzir os mesmos
elfeitos que j produz as grandes cidades,
povo e formar op^ioes josta e sans !
Creio que ninguem dexr de* reconheoer
esta necessiuade, e neiiiam bice devemos
oppftr satisfacSo della.
Dir-se ha Ulvez que em Franca c na In
glaterra, e uiesuio nis Eta nnpivnsa vulgarisa-se sem favores dos po-
Os nobres deputados tealiam paciencia
de a ouipanhar-ine : a materia euShoi qu;
rida, dealgarismos ; nao pode sor agra-
d*vcl e cheia de flores. Eu serei muito
abrevtio.
A suppresso destes impostos, segundo a
propostu do anuo passado, imposta em
1,313:0003. o segundo a proposla d^ste
auno em 1,41 l:."i(M):)')UO.
.lu la nolou a counissai que. compa-
radas as duas proposta.-. In una diminiiicio
deres do Eitadu. Eu aqu, Sr, presjdeute calculada, embira n i avultada em as
nao p co favores, apenas reclamo o allivio v;rbis constantes dos 10 e 10, qu) s i
de um peso ; convindo observar que
aquellas paizes nao eslo as nwsas cir-
cumstancias.
Nuiles ha riqueza, ha omita geate que
assgna jornaes, e procura toda a sorlo de
irabaliios literarios. Ha uipgosto surama-
meule desenvolvido pela taitura; e dahi
d; 130:0005 para SMtoO:>)\il> 190:000).
para 105:0005. Esta red i;c > e daniauico
di receita importan) em l,i7l:000>JOJ.
Niln otis a comnissai que aiadi res-
tavam outras despozas por causa da guira,
as Ii^lid4v0v)s dj qje j'i ie ten'n gaslo.
\ commis 3. vio, partant. que o dficit
resulta, em razio do crjescido nuaeru de Id.; 10,400:0005, mus ou meaos, tialn de
leiiores. que pagam, que fcnatqusi* onus augmentar-se com a verba dessas ruduccoes
que a imprensa sofiVa mxilo compensado e diminuices, e dessas dospezis; porcun-
pro\ ivelmenle a
c un as vaniag ns da oxtrac^w das pabli
^i?& frlW7t (TrTirS fHiT^ rrlPT,^HWflW*ftT Hl
uesas coodicoes devemos procurar os
meios de remediar o mal, alliviando a arte
lypngraplMca de todos os encargos jiossiveis.
Ka cifra dos nossos
posto sobre os obieetos.
clamo, ligara sempre como de pequea
importancia.
Sr. presidente, nawi quero tomar mais
lempo a esta aeg usa canina, expondo cao.
sideraces que ella mu bem conhece e
avaha : u meu fim fot smeute apresentar
apreciarlo da casa, embora mal %xpen-
I didas (nao apotedos), idawcuja realizaco
poder trazer ajguu resollado til.
artigo addUivo qic aprsenlo o se-
! gttkHe (7<;). Mando mesa o artigo que
i acabo de lr, afim de seguir os tramiles fio
| estylo. *
Vem mesa e lJa a emenda d i Sr.
Alenca- Araiqie.
O S. PhEflMENfK :-Esta emenda do no-
bre deputado em refe*encia a artigas
additivos; e prtanlo ka sobre a acsa
para ser tomada em considerarlo em
lempo oppirtuuo.
O Sb. I'imo de Campos : Ento n3o
entra j em discusso ?
O Su. Puesideme:Nosenlior; entrar
ijuaado se liscutrem os artigo* additivos.
O Sit. Pinto de Cupos :Bm; aguar-
dara essa discusso.
O SR. PEftDIGO MALHEiaO : Sr.
jCguioit elle subira
U.OOO.OOOi, ou nnis.
Ditnoastrado assim o de/ial, cumpria
appIi;aros u.'i is de su|ipri-lo: a ominisso
propoz, em primero lugar, o angmiuto de
orcamentoso im-i io" sobre os dire os de consumo que
coja isenco re-1 actualmente pagam os gen ros alaudegaes
de importaco ; propoz mais que o imposto
pesseal se eslendesse aos empregados |ki-
bicos: proq >r aind i a elevaran al S*/o
dos gneros que actualmente na la pagam,
on pagam impasto inferior. Ueste nvdn
procurouse restabelecer o e piibro do
orcaniento.
Es'as elev*t&)s, excluiudo os 40 % so-
bre os direitos de consumo ; sobre a im-
porlacSo e o augmento calculado da renda
proveniente do imposto pessoal e sobre
industrias e profissoes, viitt'.n-m:' as emen-
das tpr*se:ita,las pela commissfi > esa 2 do
correle mez. raontam a 81590005, licanlo
assim re huid s a 833:0005 os l,'i71:00>
de qu s ha pouco fallei.
A re tueca i, porlaoto, quasi insigaia-
cante em reUcjj s vaulageas qu: so es-
perara obter da suppresso desses impas-
tos.
A suppresso dos direitos de reexporta-
ca e baldeaco importa questio do tran-
sito livre do comraercio, islo atlviar o
commercio de urna pea, sem neo veniente
algum. Este imposto produz apenas 12 a
li:00050.0.
O ','i % de expediente dos generas na-
presidente, como membro da Ia commissJo; c,JinCi fie uulas para outras [irovincias
de, orcamento, eu me vejo na necessidade |Jl)sa S0U1C a produeelo e mam facturas
de dizer algumas palavras, emliura limita-'
das, sobre oassumpto em discusso.
Trata-se, senhores, de orear a reeta do
Imperio para occorrer s despezas. A
commisso leve em vista nao s a proposta
nacioaaes : a suppresso e um favor in-
dustria, commercio e navegara i do Impe-
rio. Produz urna ra?B la apjuas de pouco
mais de IU0:000>000.
Os 3 % <1J expediente de gneros ostean-
offereciiTa em o auno passado e sobre a geiros despacha los para cuasumo, navega
qual nada se pode deliberar par causa da jos com cari-, ,i0 ga) importam desigual-
dissoluco di cmara lemporaiia, mas tam-
bem a proposta offereekla no corrente auno.
Es,las ptoposlas se prendem parque tra-
amos do orcamento para o exor.icio de
I8!)e 1870 "e de 1870 1871.
Oreadas as despezas, como se achavam,
a commisso tinha de ver Mal o modo de
dade em rela<;i as provincias; a suppres-
so um favor s provincias martimas,
que eu teuho at por justica (apoiados);
porque os gneros que pagam j direitos
de coasumo, direitos de entrada, e quesi
despachados para o interior, nada mais pa-
gam, nem a titulo dd expedieate; mas
oceurer a ellas: fui o traballio do Qrga-[ajuelles que sao despachados comearla de
ment da receita. As despezas orcam gua, tendo j pago os mesiaos direitos, de
actualmente por *3,4:00Q|fc,a receita est [ umjs para outias provincias, embora com
oreada em*78,Oat:O005; daqui v-se log i] vistas de especulaei mercantil, pagam ainda
um dficit superior a 10,000:000.; havia e
ha portanto desequilibrio no orcamento.
Era preciso restabelecer o equilibrio ;
tal fui o trabalho a que se dedicou ji com-
misso.
uus 3 /o a ttulo de expediente. As pro-
vincias maritiiuis esto assim em posicio
inferior s outras: o seu commarcio mam*
timo, prtanlo, gravado; cessando este gr-
vame, fica elle miis livre. Ha g.ande van-
Mas, tendo em viajas. mebWar o ^ggj^'^ euuninha opm.o.
"manceiro do paiz, assnta-loem bases mais Eu nao sott da opinio daquelles que
querem plena o absoluta liberdade de na-
imanceiro do pa
solidas, conforme a expreseSo do nobre
Ido beijava a fronte, allumiar a parede jun-
tamente no ponto de onde parta o rumor
do mysterioso trabalbo. Sao na realidade
immoveis osles claroes nocturnos ; s vezes,
porm, e A primeira vista, parecem move-
dcos. O mesmo se da va agora. Iram-
quelle momento jurar-se que se movam as
pedras grandes e quadradas onde o luar
bata. Mais anda : dr-se-bia que em vol-
ta de urna dellas se rasga va um suleo q aa-
drangular cada vez mais profundo. Cue-
gava a Iludir.
E a bulla produzida pelo trabalho iuvisi-
vel auxiliava a illuso. J o obreiro se nao
limitava a esgravatar a parede ; agora mar-
telava. E cada pancada das duas co.-nnu-
nicava pedra novo movmento.
Seria mera illuso ? Cahiam as lages
porcoes de areia e pedacos de calica. A
pedra abanava ; o pavimento ia esbrauqu-
cando.
Es remeceu mais fortemeule a pedra ;
nao era illuso ; depois cabio para a parte
interior, rompendo de repente na parede
negra e vasta abertura.
E logo se ouvio urna vozgrossa exclamar
alegre :
Viva a la I Calcolei bem ; estou
salvo.
XI
l ma visita
Despontou urna cabeca na escurida do
antro, e illuminou-se vigorosam ule. Era
enorme o aspecto, de cores carregadas e
fe ces grosseiras. Exprima naquelle mo-
mento triumphante satisfaco, que se
msturava sofrega curiosidade. Snccedeu
sto no primero rmpante ; em breve, po-
rm, se refleetio nelle um ar de cautelosa
inquieta c5o.
S5o estes selvgans di nossa civilsaco
prud ntes at na sua audacia. A excla-
mado de jubilo com que saudra o luar,
isto o exterior, o espaco, a liberdade,
irrmpera espontanea ; foi, porm, obra
de ora- momento. N3o chegra o ti
homem ao cabo dos seus trabalhos; sabia-o
elle, se bem que n3o medisse desde logo a
veleidade das esperancas que concebera.
Adan ton precata lamente a cabera para
fra d buraco, e inclinou-se como de
uso praticar para medir o espaco. Qoera
ministro da fazenda,, em o seu relatorio,
a commisso teve de examinar verba por
verba o orcamento da receita.
Eutendeu a commisso que deviam e
podiam ser supprimidos, sem inconveniente
certos impostos, isla certas verbas de
renda foi assim que ella propoz a suppres-
so dos direitos sobre reexportado e bal-
deaco, os de '/"/o dos gneros mcionaes
de urnas para outras provincias ; os de 8*/n
de gneros estrangeros despachados pua
j consumo, navegados com carta de guia; os
dizimos do municipio; os 3% sobre os
vencimenlos dos empregados pblicos, pen-
sionistas, e ainda, por urna emenda offere-
cida hontem, a abolico da dizima de chan-
cellara.
evidentemente aquella primeira vista d'olhos
investigar vastas profundidades ; crabntou-
se, porm, contra as lages alumiadaa pelo
luar, e o sugeilo enfiou
Ergueu os oJhos, % s vio que entre elle
e ala queacabavade deslumbra-Io'.Tiavia
urna janella. defendida por varoes de
iM-ra.
Soliou-se-lhe da garganta surda blasphe-
inia. O sangue subio-lhe s faces.
.Maldito azar I reemungou ; nao fu
mais que mudar de gaiola !
No desvairamenlo da colera, incharam-lhe
as veias da fronte. Depois, s faces que o
desanimo abotia voltou a pallidez, mais te-
trica ainda.
EsUi acabado! dsse. Em duas
horas nao teuho lempo de romper a outra
parede.
Fez una movmento. para rerar-se. as
feicoes pintava-se-lhe a angustia da (era
engaiolada. No momento em que a para
sumir-se as sombras do antro,* pareceu
mudar de parecer; toraou por um esforco
rpido a por a cabeca ao nivel da abertura,
em plena claridade, e os oihos rasgados
(ixaram-se-lhe as grades da janella.
Renascia a esperanea, grande usubita
esperanca; desenhou-se-lhe nos grlseiros
labios um como sorriso, e luziraowne as
fontes bagas de saor.
Se este fosse o caciib do Casjfta Pre-
la ? pronuncieu baixo e com vozjlr#nida :
Seria muia fecidade junta.
Passou a cabeca pelo buraco, depois os
hombros, o q te fez com grande cuito, por
que era extraordinariamente corpfiealo.
Apenas firmou as lages as ms m3os,
achou-se de p o figurao. Po&inos co-
iihecer ento, apezar da cabeca qjfea e da
barba cerrada at aos olhos, Es tarto Lam-
ben, o rendeiro do becco de S. Claudio.
TVazia effectivameate a vesta curta, o cl-
lete vermelho e as calcas' de fusilo, com
que o vimos, na noute de 14 de julio,
quando Lecoq foi ter com elle espelunca.
Circomvagou a vista, medindo a celia em
redondo, r'icava no escuro o grabatojm
que Andr dorma. Deixava-o o luar, qe
andar mais alto, completamente nvisivel.
Ninguem 1 disse Lambert.
Caminboa para a janella, que se abra
oito ps do chao. la pensando :
vegagao e commercio, sobretudo em rela-
ta o a ns.qie stmos um povo apenas prin-
cipianliiflem estam s ainda na adolescen-
cia, quanto mais na virlidade ; somos ainda
ufantes, precisamos proteger a nossa na-
vegacio, o nosso commercio. ^Apoiados).
proteger, portanto, o commercio marti-
mo, parece-me que deve estar as vistas de
um melhor systema liaanceiro, quenoolhe
s para o dia d' minha, mas sim para um
futuro miis remoto (apoiados); c preciso
ir desde ji laucando as bases desta refor-
ma finaneeira. que importa urna reforma
commjreial de grande alcance para o paiz.
Demais o processo desse despacho at sua
ultima solueo complicado.
Assim, par um sacrificio inferior a...
O Casaca Preta limou em dez sitios;
a janella tem tres varoes ao alto e dotis ao
largo. a con la certa.
Era a conta certa : duas vezes cinco,
dez limadetas. A esperanca, pouco havia
ainda repellida, chegava quasi a realisar-se.
Camnha hgeira a esperanca, qur avan-
ce, qur rece.
N'un segundo pode o infeliz, prestes a
afogar-se, esperare descoroeoar cem vezes.
Kstevo Lambert afogava-se. Ilecebera,
na espera noute, notiieaco do indeferi-
mento do recurso, e nao approuvera ao re
commular-lh a pena. Sabia os usos. Gui-
lhooam ao alvorecer ; no mez de agosto
ainda o dia rompe cedo e ha preparativos
que fazer. Visitira-o j o esmoler das pri*
soes.
Sabia os usos. Pelas duas horas depois
da meia noute, tres horas o mais tardar,
voltaria o digno saoerdote ; terrvel dedi-
caefio, que falla da misericordia divina ao
que espera o cutello desapiedado! mdagro eloquenoia, que abafa a blasphemia uos la-
bios do reprobo, que fae mais : vai por ve-
zes procurar o cntico de esparanca s
profundidades de u;n coracSo ulcerado,
tocando com o crucifixo essa consa mais
dura que a rocha, d'onde rebentou a nascente
ao toque mgico da vara de Moyss.
Depois do padie a vestimenta ; depois
essa caricia irrisoria que concede agona
do que se pode conservar de p um peito
de fraogo assado, um copo de bom vinho
e at um charuto da Havana. Nk> sei de
cousa mais sinceramente repugnante que
estes mimos.
Esterto Lambert afogava-se. Era um
patrfe brutal ; n3o entrara anda com ee a
graca ; antes era capaz de estrangular vinte
salvadores da alma, para alcancar a praia.
Quando chegou i baixo da janella, uni
as pernas musculosas, e deu um salto ti-
griao para se pendurar no parapeilo e ver.
Era pesado. Na prisao perde o acteiho a
natural elasticidade. A mi adanes arra-
nhou a pudra escorregadia, e elle cabio pe-
sadamente sem ter tocado no parapeito.
Deva Andr estar bem ferrado utt s iraao,
porqte nio acordou bulla.
Lambert praguejou e deu um murro na
casa. Proeuru s apalpadelas ; iam-st-lbe
os olhos habtuando,8 via melhor, depoW
800:O00A, me parece que nao deve liaver
a-menor duvida em vutar-se a aboligo
deste imposto, que s serve para gravar o
commeuoto e a navegacao.
lia ainda os diurnos do municipio que
eslo calculados em 11:0005 ; este imposto
pesa sabr a exportaco em certas condi-
ces; to nsignilicaate verba n3o com-
pensa o trabalho que d a sua cobranca e
os inconvenientes que traz.
A variedade de impostes adoptada entre
nos e em toda a parte, mas deve ter um l-
mite ; a variedade tem suas vantagens, mas
tem tambem seus inconvenientes.
A vantagem principal est em que se um]
impasto produz menos por virtude de cir-
camstancias eventuaes, os outros podem
compensar o que deste se recebe de menos:
mis esta variedade, semelhanca da div-
s3o do trabalho, uu qualquer outra de
igual natureza, nao deve exceder de certos
limites, porque complica extremamente a
sua arrecadaco, exige um pessoal muito
mais numeroso, muito mais despeza, um
consumo extraordinario de lampo, que
tambem maeda. As vantagens correspon-
dentes suppresso destes impostos que
aliual produzem tao pouco, 900:0805, mais
ou menos, e que tanto cuslam" para a sua
arrecadac >, me parecem de grande utili-
dade, de grande conveniencia, c qae com-
pensara essa suppresso.
A abolicSo dos 3 % sobre os vencimen-
los dos empregados pblicos, pensionistas,
etc., tambera urna qust3o de justica
(apoiados: parque ve-seque os emprega-
dos pblicos pagando 3 "0 pagam sobre
toda a sua renda; no entretanto qu) o
imposto pessoal s se cobra na razo do
alugmel que se paga do predio.
O Sr. Gama Gerquemu:Apoitdo;
vidente.
O Su. Pauuoio Mai.hkiro :O empre-
ado que tem 2:0005 dependa, dos seus
venc'rmentos, paga C>0>; mas aquelle que
tem 2:0005 de vencimentos nao pode pagar
aluguel desta importancia, e s, por exem-
plo 000>, viuda, portanto, a pagar nao
18$, porm, muito mais.
Um Si\. Depitado :E' um imposto
pequeo.
O Su. Phuugo Malheiro: Mas de
justica ; nao quero dizer que o empregado
publico fique sent de contribuir, nao ;
imposto sobre vencimentos foi substituido,
no parecer da commisso, pelo imposto
pessoal; o empregado publico fica cm p
de igualdad-' .com todos os mais cidados ;
ha at nisto grande vantagem, a melhor
destribuiro do imposto da mesmi natu-
reza (apoiados); eu firmoa mesma natu-
reza, porque o imposto pessoal sobre
os vencimentossao impostes da rresma
natureza, tanto assim que o empregado
publico nao paga o imposto pessoal actual-
mente.
Temos ainda a abolico de outro im-
posto, B substituto a dizima de chan-
cellara : este imposto est oreado em 73
ou 80:0005 mais ou menos.
A dizima da chancellara, todos saben),
a sua historia j vem dos Romanos; o
regiment das dizimas de 1389 a adoptou :
mas all se declaran que era como pena a
cjuem fazia m demanda, e nao como im-
posto; assim coalinou at 1835, em que
una lei delarou que a dizmi, que alias
era de 10 % sobre o valor da demanda
(era exageradsima), ficava reduzida a V
mas com a natureza de imposto de urna
contribuifo. imposto judiciario.
Desde 1833 para c tem sido urna luta
a cobranca deste imposto, como j antga-
menteoera. Hegulamenlos sebre regula-
mentos, os de 1842 e de 1845, varios sys-
teraas de cobranca, tentativas sobre tenta-
tivas ; o imposto sempre escapara arre-
cadaco.
Em 1850, porm, tentou-se substituir
esse imposto por urna multa de 4 % ''lls
appellaces, semelhanca da legislaco
Iranceza. Foi ainda urna tentativa. Mas
apezar do regulamento que se expe lio
em 1861, desde logo semostrou pratica-
mente qae slo era inexequivel, que era
um vexame para as partes qu; tinham
suas demandas e sem vantagem que;- para
o fisco, quer para os litigantes.
Era 182 decrctou-se a abolico desta
multa ; mas em lug-ir de se tomar a provi
denoa que se de vera ter tomado, sto ,
a abolico, restauraran) c imposto amigo
das 2 ",' uos i...'..iios rasos e pela qiss-
ina forma que anteriormente. Dejsodo
que todos (s inconvenientes se reprodr
ram.
A lei de 1867 autoristiu o governo a ex-
pedir novo regulamento para melhorar a
arrecadaco deste imposto. Acaba-s'"'dtT
expedir esse reguianuute, e coasta-ma que
j tem pruduzido mconveMenles:
0 Su. Cansoso de Mi;.\ezks:Apoiado.
.0 Sr. PtimiGo Malhkiho :. ui mfor-
mado de que as pessoas que nao tem meios
nao podem seguir em suas demandas, por
que o regulamento actual exige que o im-
posto seja cobrado antes de qualquer sen-
tenca final ou inleilocutoiia, que ponba
termo demanda ; por modo que alguus
tem at mandado suspender o andamento
de suas causas.
Nste estado de cowsas pareceu com-
misso que melhor seria acabar com < sse
imposto, aboli-lo do que deixar inoculado
no foro um elemento que s servira para
impecer o andamento da justica, c m pre-
juizo da mesma juslica, cora prjuizo da
sua admnislraco e das partes, e sera van-
tagem para o Mf iro.
E ainda quando houvesse vantagens para
o thesouro, uao devemos s procurar haver
dinheiro, devemos procurar have-lo pelos
rae.os justos e menos inconvenientes e sen-
sives ao povo. (Apoiados.)
Demais, urna oulra razo nos levou a
propor a emenda para a suppresso deste
imposto, e foi haver boje urna larga cora-
pensaclo no selk).
Se os nobres deputados lancarem suas
vistas para o orcamento actual verao que o
sello proporcional e fixo est oreado em
3.000:000)$ mais ou menos. Eu estou per-
suadido de que os negocios forenses con-
curren) para esta verba talvez com 50%-
Nao sou exagerado; nao teuho estafislica
em que me funde; mas approximadamentc
assim me parece.
Os 1,500:000 em es quacs ficaram
comprohendidos os 80:000;* da drzi aa, se-
gundo o orcamenU), me parece que dao
margom para se acabar com este imposto,
violento e vexaloiao, imprbalo e de tlifli-
cilima cobranza. (Apoiados.) Fica assim
ellj porfeitamenle absorvido pelo sello; e
dahi nao vem o menor mal ao orcamento.
Isto quanto as suppresses; agora quan-
to aos meios para acudir ao defin.
Temos, apezar disto e da elvacSo natu-
ral ide certas verbas do orcam nto, como
siga a do imposto pessoal de 260 a 600:000$
a do % 6 de I9() a 3O0:0O0>, as dos g|
>0,51 e 82 que se elevara de 1,327:6005
a t,492:000i$, segundo as emendas j re-
feridas da commisa", temos, diziaeu, ain-
da um dficit talvez de 10,000:000)$, seno
superior, dficit que pode elevar-se com a
continuadlo das despezas da guerra, e pelos
juros que se pagutm). e com as liquidacoes
que ainda est3o por se fazer de despezas ji
realizadas.
O dficit pode ainda orcar-se em......
l2,000:OOOAeu para mais.
Como acudir a esse dficit em orcamento
ordinario ? A despeza aqu ordinaria, a
rwceita ordinaria. Anlorisar o governo
para operaces de crdito ? Autorsar a
emisso de papeWmoeda ? Ou preferir
certo augmento tquitativo de imposto? E
quaes ?
Eis as difficuldades cm que se vio a
commisso para resolver entre estas solu-
ces.
Os emprestimos tambem $ao recursos
sao recursos extrordinaros e^no ordinarios.
apezar do
ia haver
i acoberto,
que voltra as costas para a claridade.
Achou o mxo, de que fez degro. Nao
chegava ainda. Quz sallar oulra vez, o
moxo parto-se e fez-sc bolla. Acordado
em sobresalto, Maynolte paz-sc p per-
gu ra ido:
. Quem est ah ?
Levantou-se Lambert n'um pulo, e atur-
dido comoestava da queda, atirau-se para
o leito, mais instnctiva que refleclidamente,
furioso e gritando:
Ah ests ah fiugias-le mortol
Habituadas este exercicio, as mos fo-
ram-lhe direitas s guellaS de Andr. Tinha
forcas para estrangular um boi, e neste mo-
mento, em qiie arrscava a sorle, a vida de
um homem nao tena para elle o pes de
urna psnna. Teve eato luai urna hita
rpida como o raio ; rolaram ambos pelas
lages ; depois s Andr se levantou. Es-
magava com um p was guellas de Lam-
bed*
Este apenas fez um esforco para se n
bertar.
Basta f murmurou coitt to repentina
resgnaco como rpida lhe fra a colera.
Avista disto, talvez nao seja a gaiola do
Casaca Preta !
Quem e o que lhe fiz? perguntou
o mo o lavrante.
Sou o mesmo quera logo que alvo-
reca vo dar cabo da palle, respond u o
rendero quasi jovial. Tens bom pulso,
meu rapaz I Eu tambem excedi-me, por
que nao poda perder lempo em cortezias.
Es mais teso do que eu, e isso basta ; se
isso te nio faz ao caso, larga-me, que pro-
meti ter j ii izo .
Retirou Maynotte o p, e disse framente :
Pois sim, ten ha jo izo t
Mal se vio de p, Lambert apalpou-se e
apontou cora o dedo para a abertura cscaa-
carada, de que a la alumiava ainda metade.
Mea-amor, disse com singular presen-
ta de espirito, raspe-lhe muito lempo a'
porta antes de entrar.
Ha eeetivamente perto de um mez
que o ouco, toraou Andr.
E nao ras denunciaste para apanhar
tabaco e. copinaos de agurdente ? Isso
faz-ie honra, tascaste a inspeegSo ?
us enfeuda por isso ?
nao conheces a tua lingua, Bibi ?
irisa op3-
A commisso preven
augmento de importae
ainda dficit que? nao
prevenio este emba a> i
Logo no primero ad
racoes de c edito ao prudente ""arbitrio do
governo, visto que a commisso adliere iu-
teiramente s vistas do nobre ministro da
fazenda, e deposita no governo actual a
mais inteira conlianca.
Autonsando-o para supprr o dficit, au-
torison tambem para acudir a divida fiuc-
luante como est no mesmo arligo; mas
nao aconselhara exclusivamente osle meo.
porque um meo extraordinario.
(Continuar-se-lHi).
*
*



- 0 que me parece, respondo) Andr
sonando, que nao conheco a sua.
Peior para ti... Nao sabes ento na-
da do Romper o dia amanliaa ?
Hesitou Andr como se aquella phrasc,
evidentemente cabalstica, nelle despertasse
algumas reminiscencias : respondeu," porm,
depois de recflctir. /
Nao.
extraordinario I dsse suspetoso o
condemnado. Pos dste-me urna lie3 com
tftdo o geito, e como qualquer moco que
tivesse cursado bons estudos... Se sim-
ples profano, diga-me c, cdado, n3o fu-
gia de boa ventado ?
Cont evadir-me respondeu Andr
s.m hesitar.
Ah I h !... E de que meios se
serve ?
Ainda nao pensei nisso.
Ouviram-se dous qnartos no relogo da
cadeia.
.Meia hora depois da mea noute, sol-
lou o rendero. Ou a perla est aberta ou
nao est ; temos tenfpo de cavaquear dez
minutos. Estou aqu vctima da maior n-
justiga. Ora diga-me l o amigo : tenho
cara de matador ? Tve os meus dares e
tomares com o recovairo de Fcamp ; e
elle deu cabo de si para me entallar: esta
que a verdade pura. E voc est aaui
aecusado de roubo?
Andr respondeu com aceno allirmalivo.
innocente como eunao ver-
dade ?
Como voc, nao, disse Andr com pre-
senga de espirito.
Oh Oh rosnou Lambert, decidida-
mente n3o dos aossos I...
Interrompeu-se,. tocado por orna idea
ubita & bateu ums contra outri as grossas
mSos, dizeado baixo :
Aposta-se j um franco em como
voc foi o patego que pagou pelo Casaea
Preta no negocio do cofre de segaran? ?
-* O Casaca Preta 1... repeto Andr
estupefacto.
(ottiinuar-se-ha)
Qua
Oh!
m. be oAm -itA das vtib&i* :
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIFLN3SRG_J9KBWJ INGEST_TIME 2013-09-14T00:25:49Z PACKAGE AA00011611_11878
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES