Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11875


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HI1I1U ALI. nUHILHU l*3.
PARA A CAPITAL LUGARES ONDE IA6 SE PAGA POETE.
PorwwMMtados...............
Por seis ditos dem....................
Por om antro Man....................
Oda mime*) miso...................
000
42GOO
2000
149^0
O/iDDAUU 0 UL JUlVn Ut 1509.
PA8A DEITBO E FOSA DA PHOYHCIA.
Por tros meies adiantado*.................
Por seis utos idem...................
Por no\ ) ditos dem ..................
Por um a.o.no.....................
60750-
13^500
20*6

Propriedade de Kanoel Figneira de Faria & Filhos.
Os Srs. Gerardo Antonio
Pere
O itKVTI
) AJvbs A Filhos, no Para; GoncalvesA Pinto, no MaranhSo; Joaqun! Jos de Olive/rajad. Cear; Antonio de Lmos Braga, no Aracatj; Jobo Mari JiA'o Chaves, noAss; Antonio Marques da Silva, no
ira d'Almeida, em Maiiuanguape;" Antonio Alexandrino de Lima, na Paraavba; Antoa os Gomefc, na Vdia da Penha; Belarmino dos Santos BuIc5o, era Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
MM Narnrnth Frnoinn Tnuaroc Ho Prieta nm A InrrAac IW- lt\* Martina llviw n Uat.i-i a Ino liKoir-,, P.uiMnxkn nn Din Aa linniiv<
Natal; Jos Justino
em Nwareth; Francino Tavares da Costa, em Alagaa; Dr. Jos Martins Alves, %Baha; e Jos Ribeiro Gaparinho, no Rio de Janeiro.
paite ornciAi.
Unrermm la provincia.
BKACneS DA VICK-FRESUWNCIA DO 01A 32 DE JUJHO
!>v; 4869.
Vtgsrro Augusto Fraoklln Moreira do 8ila.
Paga" a revahdaeao do sello da petiza, vortc que-
rendo.
Augusto Cezar Cosseiro de Mallos.Volle ao
Sr. inspector da lliesouraria de fazenda para diier
o que -s Ihe offereeer.
Francisco de-Prnth Bordes. Informe o Sr. en-
geauetrw elide da repintan da obra* publica!).
Ignacio Francisco Cavalcanic Informe o Sr.
inspector da lliesouraria de fazenda.
Vigario Jos Ildefonso Rodrigues da Silva Du-
ira.Dirija-se ao Sr. inspector da lliesouraria
provincial.
Vigario Joao Jos l'ereira.Dirija-se ao Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Josefa Maris dos l'razeres.Informe o Sr. gene-
ral eommandante dan armas.
Jos Maria Ferrora da Cunta.Informe o Sr
inspector da thesouraria de faienda.
Jos Lieiano Cabral.Pica o supplicanle dis-
pensado at segunda orJem de comparecer ao
ponto das seis horas da manhaa, e obligado ao
das nove, pudendo retirarse depois de Urminado
o expediente da directora do anenal.
M.iaocl Ribeiro de Moura.Seja posto em liber-
dade.
Seraflm Alves da Rocha Bastos.Informe o Sr.
inspector du arsenal de. marinha.
Vigario Trajano de Figueirdo Lima.Mrija-se
ao Sr. inspector da thesouraria provincial.
Tiburtno Pinto de Almeida Junior.^-Indefendo
a vista das informacoes.
Theodopo Mximo Gomes de Rczende.Concedo
o praso pedido.
-22 -
Antonio Francisco Jatob Cauuto.Informe o Sr.
inspector da lliesouraria de fazenda.
Pelisir.ina Peretra de Moura.Informe o Srl de-
aefflbarpdor provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Henli iros de Joao Cals Ayue.Salisfacam os sup-
pUcantcs a exigencia do Dr. procurador fiscal.
InMO lado de S. Si'basriao da matriz da villa do
Bonito.Dirija-se ao Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Capita > Jos Firmo Pereira do Lago.Lavre-se
deliberarlo aggrrgandne triplicante ao 2." bata-
Iuao de re erra da guarda-nacional deste munici-
pio.
Tncate Joaquim Facundo de Castro e Silva.
Lavre-s deliberaran aggregando o supplieante ao
2.' baUlho de infamara da guarda nacional deste
municipio
J i.an .Nicolao Gomes da Motta.Informe o Sr. ca-
pitao do porto.
Commcndadnr Manoel Joaquim do Reg c Albu-
jncr(|n.* Dirija-se ao Sr. Inspector da thesoara
ria provincial. .
Thereza Alexandrina de Barros1 Mello.-'-Conceda
se com ordenado smente.
Tcnente Vicente de Moura Pessna Cavalcanti. -
Informe o Sr. commandantc superior da guarda
nacional do Cabo.
Viuva de Jus Kamede Alves Ferreira. D-se
nao havea-Jo incanveniente.
PERNAIBUCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 4 DE JUNilO.
PfirsIDKNCJA DO SR. AUGUSTO LBO.
{Cimclnno).
0 SK. SOARES liltANDO:Sr. presidente, eu
rio do principio das franquezas provin-
. eooa son das franquezas municipaes. 0
acto adilicional, a mea ver, se rsente desta falta :
ao pasan que procurou dar as provincias varias
franquezas, collocoa inteir-mente sob a tutela das
assemlili'a- provi iciaes a> cmaras municipaes.
Meado que a Iiluirtacao deste onu dos pode-
ree loeaes para toa os provinciacs deve ser um
do- portes de reforma por que devenios propug-
nar. F.u quero que influa, que exista a autono-
ma dos poderes natas, quero que se respeilc em
cada loeaJdade o direito que teem os cidadaos de
se drigretn, naquillo que de sen interesse pe-
culiar e restricto. Ora. o lugar de advogado das
cmaras munieipaes nao me consta que seja um
datinelles creados pela lei do Io de outubro de
1828, portante se as cmaras municipaes teem ad-.
yogados, isla fazem no cumprimento da attribui- 11X
^ao p>e lli.-s concedida por lei, de trataran do
governo municipal e da economa dos seos mini-
- : e se as cmaras julgam (|ue necessario
esse lugar, se ontendem que o cargo de advogado
i indispensavel. deixemos-lhe a faculdade de o
c'ii-ervarein. Mas, Sr. presidente, entenderse
pe a faculdade que tem e-ta casa de legislar so-
bre a creaeio sopprossio dos empregas munici-
paes e provinciaes vai at ao ponto do prohibir
que as cmaras tenlum aquellos auxiliares que
ontendem de necessidade, aquillo que somente
peculiar economa e polica municipal, cntendo
que nao ratoave!.
Se os lugares deadvogados ibisem municipaes,
n>W podianios lepi-lar acerca de sna suppressao,
mas nem lata se il. os advocados sao empregados
nao reeonhecidos pela lei geral, que as cmaras
tem crea k) quando os julgam necessaros.
O nolce deputado membro da commisso de or-
carwnto municipal j declarnu casa_ que maltas
das cmaras nem propozeram a ereaco desses lu-
gares, e isto mais um argumento em meu favor,
porque fe as nutras cmaras naojulgassem neces-
ariosesses logaTos, naoo< proporiam.
Que nec^-^idado temos nos de intrometter-nos
naquillo que lao pecnliar s amaras para diier-
mo-llii-s que ni> terao advogado? Nao- ora em-
prego municipal de cuja suppressao elevemos oc-
cip'ar-nos.portanto. havend-i proposta das cmaras
marqoemos o resportivo ordenado.
AasiiB. Sr. presidente, levado por estas eonside-
raoes, en rejtelirei o que dsse : son sectario das
franquezas provinciaes, assim como o son das
franqueza" mnnicipaes, e vejo quao acto addicio-
nal e resente desta falta, proenrou emanoipar as
provincias, dar-lhe* vida propria, mas quasi extin-
gaii-A vida jieculiar dos diversos municipios. As
cmaras nao podein crear emprogos sem que nos
os approvemos. os seus orcamentos sao a prova-
dos pela assembla provincial, os contratos qne fa-
zem sao approvados pelo presidente da provincia,
et*. etc.; de sorte que nao sei qual a vida pro-
pria das municipalidades.
Pensando assim, son coherente oppondo-mo a
todas as medidas que entender que tem por fin
anda mais restringir e anaiquar esse resto de
vida qnotermas municipalidades.
Sao esta as razoes pelas qoaes voto contra o
projecto.
0>*R. MIGUEL AM0MM :Como signatario do
opajeeso, membro da rommiasfc* de ornamento
uwieipW. eu nao podia flear silencioso quaodo se
agita urna questo inteiranumte relativa aoorca-
mmwrv we mais urde tem de entrar em dig-
MHtkw
Otrrt em todo o raspeito e atteaeSa as omnide-
race* que fez meu nobre collega, deputado peje
.>xtt*lr*f em ordem a mostrar-a inconronlenala
res, nao pode demover-me do proposito de insistir
na adopcao da idea do projecto e de votar era seu
favor.
Senhores, a idea que actuou no animo dos sig-
natarios do projecto para apresenta-lo, foi a se-
guinte : que os lugares de advocados e cirurgioes
das cmaras sao inteiramente desnecessarios, sao
lugares que, em resultado, nia dio senao aquillo,
a que se chama vulgarmente siue-cuia.
O que importa que em um ou outro lugar naja
necessidade de lorem as cmaras advogados. e ci-
rurgioes ?
Un Sn. Diputado :Importa rouito.
0 Sb. M. Amomi : Isto nao importa para se
estabelecer como medida geral que ludas-as c-
maras da provincia tenham advogados e cirur-
gi(ies.
Um Sr. Deputado :Aoude nao for necessario.
corte se a verba.
0 Sr. M. Amorim :Hoje a occasio mais asa-
da, mais propria para darmos remedio a esse mal:
aquelles Srs. diputados que conhecem as aeeessi-
dades das cmaras dos unr icipios era qne resi-
dem, se julgarem indispensaveis esses lugares,
apresentem emendas ao orcamonto creando-os.
Um Sr. Deputado :Fiea a excepcao maior que
a regra.
O Sr. M. Amorim :Mas nao se deixe como re-
gra geral que todas as cmaras devam ler advo-
gado e cinirgiao.
0 Sr. Reg Barros :Ha cmaras que teem
3005000 de renda e pagam 200400 ao advo-
gado.
0 Sn. M. Amorim :Senbores, eu estou fallando
com conhecimento de cansa, porque tenho morado
e moro em urna comarca do interior da provincia,
aonde vejo qne a cmara tem o onus de pagar ad-
vogado, entretanto que esse advogado percebe o
honorario de 1594 ou 200, sem o menor trabalho.
(Apoiados).
O Sr. Pina :Nao precisa ir ao centro da pro-
vincia, aqu mais perto.
O Sr. M. Amorim :En vejo, por exemplo, que
as comarcas de Caruar, Bonito e Garanhuns da-
se isso qne arabei de dizer.
O Su TiDuaTmo Nogueira : AccrescentP, Bre-
jo, Flores. Boa-vista c Cabrob..
0 Sr M. Aaomi :Aoceito o testemunho do
nobre depulaio.
Portanto v-se qua o argumento apresontado
lo nobre depntado do8* distrl'to nao pode pro-
ceder.
Agora, a outra qnesto mais seria para mim,
e saber se podemos suppriinir esses logares sem
que naja proposta- das cmara?. O art. 10 do
acto addicionaLdU que as assembla provinciaes
lom'slam sobre polica e economa das amaras mu-
nicipaes, precedendo propostas deslas : sta a
lettra do acto addicinnal. Procuremos examinar
e comprehender o espirito da lei nesta parte, eve-
jamos se a disposicao dp acto addicinnal a esto res-
peito nos d attrihuie,rm> do supprimir esses luga-
res. Eu pens que nao, primeiro porque quando
se trata do economa municipal a lei nao se refere
sean a aquillo que relativo aos impostes, e a
.creacao de logares nada tem absolutementt com
impostos; em segundo lugar cu vejo mais qne o
lugar de advogado das cmaras municipaes nao 6
um lugar creado com essa instituirn, porque a
lei do Io de outubro de 1828, quando trata dos
empregados das cmaras municipaes, diz: a c-
mara nomear seu secretario, seu procurador, no-
mear um porteiro, Oseaos, sorbientes de fiscaes,
e mais nada. Vemos, portanto, que a lei do 1* de
outubro de 1828, n5o creou lugares de advogados
nem de cirurgioes. Assim, se a lei nao creou esses
lugares, segue-se que elles estao emprehendidos
na dposic5o de acto addicinnal que diz que as-
sembla provincial compete crear e supprimir em-
pregos provinciaes e municipaes, caso em qne nos
podemos supprimir esses, sem propostas das c-
maras.
Os lugares de advogados das cmaras nao sao
mais do que iguaes aos que tm as casas cora-
merciaes e os particulares, que para promover
seos interesses, tem advogados departido, mdi-
cos pagos annualmente ; e nestas condieoes nao
podem elles entrar no numero dsqueHes que se
chamam empregados municipaes, ou empregados
panucos. (Apoaid<>s.)
En c o meu nobre collega signatario do projec-
to nao desconhecemos absolutamente a necessi-
dade de algumas cmaras terera sous advogados,
tanto que conservamos o da cmara do Recife.
Mas porque ? Reconhecemos que a cidade do Re-
cite importante, pimnlusa, urna cidade aon-
de interesse* sao em grande escalla, e por isso a
cmara nao pode dispensarse de ter um agente
para defender os seus interesses.
O Sr. Reg Barros : E aceitamos a emenda
7204000
1:8004000
3:2004000
5004000
40O40W
2004000
1:6001000
1:3003000
1:4440000
2:0003000
1:0004000
1:8004000
1:0004000
2:0004000
dem do continuo servindo de
ea-reio, 4004000 de ordenado e
3204 de gratHkaeao..............
S 2.* Ordehaoo do contador____
1:2003000 e 600#000 d* gratiQcagao
Poreentagem do procurador, na
razio de 2 % das rendas qne arre-
cadar...........................
JW* Ordenado de advogado
^rom do solicitador...........
. dem do oficial dejustica......
dem dos flseaes das freguezias
de S. Jos e do Recife, percebeado
cada nm 5004000 de ordeado e
300406 de gratiHcacao........
dem do fiscal de Santo Antonio
0064000 do ordenado e 6004000 de
gratillcato...................... 1:2004000
dem do llscal da Bda-Vista
7005000 de ordenado e 6004000 de
gratilicacas......................
i dem dos liscaes das freguezias
do Pojo, Vanea, A logados S. Lou-
renco da Marta, Jaboato c Mnribe-
ca, percebendo cada um 24O40H0 de
ordenado........................
dem de treze guardas a 7203
cada um........................ 0:3604000
dem de cirurgio............ 1:8004000!
dem do engenheiro, 1:6004000
de ordenado c 4004 de gralilicaco.
dem do administrador do mata-
douro, 600000 de ordenado e.....
400000 de gralilicaco............
4." Expediente e impressocs...
Aluguel do paco da cmara...
Jury e eleicOes...............
Custas em que decano a iuslica
pnblica.......................... 4:0004000
Despezas judiciaes............ 1:2004000
Desappropriacoes.............. 1:2004000
< Para pagamento da desappro-
priacao dos trilhos urbanos........ 4:3004000
c Concertos de predios municipaes 7:0003000
Para continuacao da obra do
matadouro...................... 8:0004000
l'lantio da? arvores, sendo pro-
hibido as gameleiras, salvo os luga-
res onde ja tem essa arvore........ 5:0004000
Divida passiva e eventuaes..... 4:OOO|OO0
Liinpcza da cidade............ 9.0OO40DO
Para obras ni vas............. 34:0003000
Para coineco do paco municipal 20:0004000
5 : Cemiterio do Recife :
Ordenado do administrador... 2:000.3000'
dem do capellao............. 9004OU0
dem do sachristao........... 400400O
i dem do porteiro............. 7204000
dem do jardineiro........... 4803000
dem de dous guardas........ 80040OO
Vencimento do.ove trabalhado-
res, sendo tres covejros a 14 00 e
seis serventes a 13200 diarios cada
um, e um pedreiro a 43000 diarios. 5:8404000
f Cemiterio do Poco :
Ordenado do au/niuistrador____ 6005000
dem de um servente......... 3653000
Cemiterio de S. Lourecn da
Matta :
Ordenado do administrador... 3005000
dem do servente, que ser pes-
soa livre.. :................... 2404000
Cemiterio de Jaboalfio :.
Ordenado do administrador.":.. 3004O0O
dem do servente............. 4203000
Cemiterio da Varzea :
Ordenado do administrador. -
dem do servente.
Ao art. 4* 8 5." Em vez de 3005000 diga-se
1503000.M. Amorim.Reg Barros.
Ao art. 4* diga-sc. Em vez de 8004000, do
ordenrtelo secretariod. cmara de Goianna-----
4004000 de ordenado. Mignd Amorim. Heo
Barros.
Encerrado a discussio, o art. approvado com
as emendas.
Art. 5. A cmara municipal da cidade da
Victoria autorisada a despender com os objec-
tos abaixo deskados a quantia de 4:6903000.
1" Ordejado do secreta rio...
2o Idenr-do porteiro.........
i 3o dem do mulante.
S 4 '
procurador.
' % EX:
jornal o
' i 7'
S
S'J A
8 1
Jdo fiscal...........
IBfem de 6 do
800-1000
1504000
I0>002
3005000
300*000
603000
1205000
20041KXI
1204000
4004000
1:6404000
1204000
404000
e assignatura do
rda ilo acougue...
elei^ao..'.........
o luz*para a cadeia.
culo de custas.....
% U Augmento e melhuramen-
to do cemiterm...................
5 12 Aluguel do paco da cma-
ra...........',........"..........
" 5 13 Imposto geral sobre o
acensu ,...................
S >4 Foros dos terrenos oceupa-
dos pelas municipalidades......... 40.4000
S 15 Assaio das ras......... 2004000
S Ift-Erojluaes.............. 1003XK)
Vao l^esa-c apoiam-se as seguintes emendas :
Ao art. 8" ||. Km lugar de 800.-.000 dig:i-so
500-iOOO, j-J/. -Amoi im.Reg Barros.
A cmara municipal da cidade da Victuia
pagar as costas a que tem direito o Dr. Jos oa-
quim de Souto Lima, a iiuana de 5214000 de
processos decanidos em que a inesma cmara foi
condemnada.IL Amorim.Reg Rorros.
E' a))provadp o art. e emendas.
Art. 6o A enmara municipal da villa de Igua-
rass t; aitonnda a despender com os objortos
abaixo designados a quantia de 2:440-3000.
4004000
8 "2 Obras miliures......... 2:6244*2
Vai mesa o apoia-se a seguinte emenda :
t Fien autorisada a cmara de Nazareth a pa-
gar 1034 que deve de cusas ao Dr. Joaquim Eduar-
do Pina.U. Amorim.Reg Barros.Jote Gi-
tirana.
E' approvado o artigo e a emenda.
Art. 12. A cmara municipal da villa do Ca-
bo autorisada a dispender com os seguintes en-
jertos abaixo designados a quantia de 2:4514
< | 1. Ordenado do secretario.. 4004000
< I 2.* dem do porteiro........ 1004008
g 3. dem do llscal........... 60400
8 4." dem do administrador do
cemiterio....................... 1204000.
J 5." Poreentagem do procura-
dor............................ 1804000
i $ 6. Expedionio e assignatura
do jornal....................... 604000
8 7. Jury eeleicSe*.......... 504000
8 8. Agua e luz para a cadeia 1004000
SO.-CusUs.................. 2004000
akjj 10. Dividas dos annos ante-
rieles. ..........................
8 1L Eventuaes.............
< S 12. Custas de aciuJes da c-
mara .................'..........
< 8 13. Obras municipaes.......
E' approvado.
< Art. 13. A caara municipal da villa do Bar-
raros autorisada a dispender com os objectos
seguintes a quantia d 1:4724276.
1." Ordenado do secretario...
dem do porteiro...........
3. dem do fiscal..-:.......
< 84 dem de dous ajudanles..
5. Expedanle e assignatura
do jornal oficial .^...............
S ." Jury t eeicoes..........
8 7.0 Custas.................
8 8." Agua e luz para a cadeia
296*000
1004000
504000
7354000
3003000
503000
1504000
1004000
603000
'*".......................... 228*420
8 0 Expediente e assignatura
do jornal oficial................. 604000
17. Jury e eleicOes.......... 804000
88. Cusas................. 400*000
s 9. Asseio do paco e mobilia MWOOO
< $ 10. Aluguel do mesmo...... 1024000
8 11- Factura de catacumbas.. 3CO4O0O
8 I- Ordenado do administra
dor do cemiterio................. 1204000
8 Limpeza das ras....... 1504000
< 8 Luz para a cadeia e quar-
leis............................ 1504000
8 15. Eventuaes.............. 504000
s 16. Continuacao das obras do
cemiterio....................... 5335580
E* apptwado.
Art. 20. A cmara municipal da cidade de
Caroaru autorisada a dispender com os objectos
abaixo designados a quantia de 1:590*000.
8 1 Ordenado do secretario....
8 2* fdera do i" guarda........
I dem do 2" dito..........
5 4" dem do fiscal da villa------
8 3 Idcido deitamarar.....
8 O* dem do procurador.'.
S 7* Agua e luz para a cadeia..
5' 8" Jur> teicoes...........
' 5 9* cpsi de processos.......
s" 10 KfmojHent.' e assignatura
do jornal odal.................
Sil Erentuacs..............
) lConcertos dos predios mu-
nicipaes, asseio de ras c cali-amen-
to das nie-mas.............._.....
Vai .4 mesa e apoiada a seguinte emenda :
o As sobras das verbas do orcameoto serao. ap-
plicadas construc(;io do eemitern publico e em
quant nao fai' este conetnidn far-se-hao os en-
terrameutos n.i?reja do Rosario. lapes Ma-
chado, '
Vai mesa e apoiada esta outra emenda :
E:n vez de igreja do Rosario diga-s-3
igreias..W. Amorim.
E approvado com as emendas.
Art. 7' A cmara municipal do villa do B< nito
autorisada a despender rom os objectos abaixo
desigados a quantia de 2:4843600.
8 1" Ordenado do secretario...
2' dem do porteiro.........
1305000
1004000
2O000
! 00! 000
25OS0O
50000
fiOj.000
35OJ.0O
50/000
900000
7105000
1004000
803000
505000
1004000
4825276
8 "5. Eventnaes
8 I". Alugutd do paco........
8 H- Obras municipaes.......
E' approvado.
Art 14. A cmara municipal da viHa de Pes-
queira, autorisada a dispender-com os objectos
abatan designados a iMpnlia do 870$.
11." Ordenado Ai sewelark)..
1 2. dem do porteiro.. .t------
2003001)
304000
454000
504000
504000
604000
3." Poreentagem de 6 por ccnlo
ao procurador...................
< 8 4." Expediento o assignatura
do jornal oficial.................
S 5. Jury e eleieoas..........
a 5 6. Para pagamento de custas
7. Eventuaes............
i i. Para o mercado e mais
obras...........................
8 0." Munieipaes.............
i 10. Agua c luz para a cadeia
E' approvado.
Art. 15. A cmara municipal da villa delpo-
juca autorisada a dispender com os objectos
abaixo declarados a quantia de 845060.
3453000
504000
ftnrti I *" dem do fiscal.......\.....
3iH)5lK)0 4 id^in j0 procurador......
240-SOOI 5 Expediente eassignatura do
Vao mesa e apoiain-se as seguintes emendas: jornal oficial...................
Ao oficial-maiorem vez de 1:0004 de or- ,5 g. j,.^ ,. elegi............
denado e 6003 de grattflcacjUdiga-se 5KX)4 del ^ -o \,VA e|UT_ para 0 cadeia..
ordenado e 6004 de gratificac.ao.M Amorim. I | g Pagamento de rustas inclu-
Rego. Buraos. sive a quantia de 2005000 por eon-
Ao art. 2 5 accreset nte-sea quantia de,Udo que se *l a dever ao secre-
400 5000
lOOjiOOO!
SOOOO!
I-jO.,000
60 5000
1023000
lOOiOOO
8004 para um dos guardas do cemiterio publico j ario Joao Jos da Silva, 1003000 ao
desta cidade.M. Amorim.Reg Barrot.
mandar
O Sr. M. Amorim :.Assim, se a cmara do Rio
Fonnosost nessas condieoes, se a de Goyanna
est tambem, em occasio competente os repre-
sentantes desse3 districtos apresentem suas emen-
das nesse senlido.
Mas eu creio, Sr. presidente, que os nobres de-
putados nao quererao sustentar o parallelo entre
essas cmaras e a do Recife.
Repito ainda : os lugares de advogados das c-
maras nao sao seno sinecuras. Eu vejo, por
exemplo, a cmara de Govanna dando ao seu ad-
vogado 6004.
O Sr. Gong alves da Silva :Nanea deu.
O Sr. M. Amorim :Ou 4004 ; mas 4004 ainda
um honorario muito excessivo para advogado
de partido da cmara que nenhum trabalho tem ;
entretanto vemos os advogados de partido das ca-
sas commereiaes, que todos os dias tratam do
questes complicadas, terem pequeos salarios,
nnnea excedontes a 2004 ou ;I004.
Ora, se essas casas commereiaes pagam estes
honorarios a seas advogados dando-lhes tanto
trabalho, como que urna cmara municipal, qne
de seculo a secuto pode ter urna qnestao sobre
desapprnpriaco, sobre multas, ha de pagar ao ad-
vogado 4004 1
Um Sn. Deputado :Pode ter onlras questes.
O Sr. M. Amorim :Nao contesto, mas alm ie
tudo isto accrosce, coma -disse ha pouco o meu
nobre collega, urna das oousas que dava algiau
trabalho aos advugados das cmaras, a cobranca
das multas dos jurados, esta hoje nao promove
mais a cmara municipal, porque sabemos qne
boje as multas fazem parte da receita geral, e sao
cobradas pela fazenda geral.
Tenho concluido, Sr. presidente, e creio quejas
tificado o projecto.
Posto a votos o projecto, 6 approvado com1 a
emenda.
2a diseussaa do orcamento municipal :
c Art. 1 A despeza das cmaras municipaes
da provincia para o anno financeiro do 1 de ou-
tubro de 1869 a 30 de selembro de 1870, orea-
da em 108:15*43*0.E'approvado.
Art. t. A cmara municipal da cidade do Re-
cife, autorisada a duspender com os objectos
abaixo designados a quantia de 100:1054.
Ll." Ordenado do secretario------
)4000 de ordenado e 6OO4OOO
de gaacae&o................... 2.-100*000
Idos*o oficial-maior, 1:000*
de tiutdiie 6004000 de gratifica-
cao............................. 1:60*4000
dem do amanuense servindo de
porteiro, 1:6*0*000 4 ordenado e
2004000 de gratificaco.. -........
< dem do dons aroanoe uses per-
ceswndoioada nm 00*08 A cmara municipal do Recite mandara pa-
gar a Candido de Souza Mirauda Couto, o quan-
tum do que se dever de sua aposentadora como
amanuense e porteiro da mesma cmara, a razo
de l:lXio, e a contar do da 20 do mato do coi-
rente anno.Miguel Amorim.Reg Barros,
t Ao art. 2 g 2diga-se : dem do oficial-
maior l:S0O de ordenado e 4'104 de gralilicaco
Felisbino.
Ao art. 2 8 1diga-se : para os amanuen-
ses 8004 de ordenado e 4004 de gratilicac-ao.
Amoral e. Mello.
Encerrada a diseussao approvado o artigo
com as emendas, axcepcao das duas ultimas que
foram regeitadas.
t Art. 3" A cmara municipal da cidade de
Olinda autorisada a desponder com os objec-
tos abaixo desinados a quantia de 8:1484750.
'secretario do jury e 1005000 ao ca-
pital Francisco Ouinteiro da Silva
5t.Wi.000
GOoOO
732 i600
200S000
1 Ordenado do secretario...
2 dem do porteiro........
a l 3 Poreentagem ao procura-
dor, sendo 6 % da renda que arre-
cadar...........................
8 4o Ordenado dos flseaes;
Ao da freguezia de Sao Pedro
Martyr..........................
dem da Luz.................
dem de Beberibe............
dem de Maranguape.........
8 5 Administrador do cemiterio.
dem do servente.............
8 6 Despezas ordinaria.;
Expediente e assignatura do jor-
nal oficial.......................
Custas......................
Agua c luz para as prisdes-----
t Para concortos dos predios mu-
nicipaes e ealgamento das ras....
Eventuaes...................
Vao mesa e apolam-se as seguintes emendas ;
A cmara municipal da cidade de Olinda fi>4-
autensada a pagar ao Dr. Rutine Coelho da Suva
o que Ihe dever de custas em processos deealiidos.
M. .tinorwi.
Ao arl. 3 accrescentese. Ordenado do ad-
vogad' wODO.A. Tavares,Miguel Amorim,'
E' approwjo o art. com as emendas.
8003000
4504000
C12500O
4304000
3004000
2503000
2505O0O
7004000
4003000
1204000
4004000
15O4O0O
2:6304750
6OO4O8O
Vieira
8 9" Eventuaas...............
10 Para dar principio ao mu-
ro do cemiterio da Roa Vista.......
8 11 Mobilia para a casa da c-
mara...........................
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda :
A cmara municipal do Bonito pagara ao
procurador Antouio Gomes da Silva a quantia do
que Ihe d(\e de seus ordenados.M. Amorim.
Reyo Barros.
E' approvado o art. o a emenda,
t Art. 8 A cmara municipal da villa do Bre-
jo da Madre de Deus autorisada a despender com
os objectos abaixo designados a quantia de
603490.
POJMO
503000
235000
404000
303h00
20SO00
8 1 Ordenado do secretario
8 2 dem do porteiro.........
8*3 dem do aldante........
5 4 dem do fiscal.
5 I Ordenado do secretario.
8 -" dem do porteiro........
8 3. dem do fiscal..........
8 4." Poreentagem do procura-
dor............................
8 3." expediente e assignatura
do jornal olicial.................
t 8 6." Jury c eleicdos......
8 7. Custas.................
a 8 8. Eventuaes..............
9. Obras munieipaes.......
E' I ida e apoiada a seguinte emenda
1 Em \czde80O4diga-se3OO4 M. Amorim.
- Reg Barros.
E" approvado o artigo com a emenda.
Arl 16. A cmara municipal da villa do Pao
d'Alho autorisada a dispender com os__ objectos
abaixo designado* a quantia de 4:3394723.
Ordenado do secretario..
dem do porteiro e correio
dem do fiscal da villa...
Poreentagem do procura-
\ > Luz e agua para a cadeia..
|B.'
< Art. 4." A cmara municipal da cidade de
Goianna antorisada a despender com os Rec-
tos abaixo designados a quantia de 4:75o4000.
. Jury e eleieao............
8 7 Expediente e assignatura do
jprnal..... .................... 40*000-
, . { 9 Obras municipaes........ 100*000
8 10 Custas.................. 444480
E' approvado.
Art 9 A cmara municipal da villa di Sal-
ueiro autorisada a despender com os objec-
tos abaixo designados aquantia de 4804000:
I203OOO
404000-
7O4OOO
704000
1 Ordenado do secretario
8 2 dem do porteiro.........
1 8 3o dem do fiscal............
i 4 dem do procurador......
5 Expediente e assignatura
do,jornal oficial.................
1 8*6 ury eeleicSo............
1 s 7-Eventuaes...............
E' approvado. _-____..
Art. 10. A cmara municipal da villa doBom
Canselho ansorisada a despender com os objec-
tos abixo^eHarados.-a qnantia 'do WM000.
8 1
S 2.1
8 3.
84:
dor.............................
5. Custas, sendo 3684W0aoes-
onvo Brasil, (564768 ao escrivad
Caeiano Bessone, 454500 .10 cscrivo
Benedicto Bessone do Mello e o que
se estivor devendo aopromotor Joao
Alves Mergulhao.................
8 6." Expediente c eleieao.....
8 9,* Luz e agua para a cadeia
8. Limpeza do acougue e pa-
leo da feira.....................
t 8 9. Limpeza e asseio da villa
< S 10. Um relogio.............
8 H- Eventuaes.. ..:.........
8 12. Assignatura do jornal of-
licial...........................
5 13. Ordenado do administra-
dor do cemiterio da villa.........
8 14. dem do servente do cemi-
terio...........................
8 13. Luz para a capella do ce-
miterio.........................
16. Obras municipaes.......
E* approvado. _,
Art. 17. A cmara municipal da villa de Fio
resta autorisada a dispender a quantia de-------
1:028*020 r* com os objectos abaixo .designados
8 1." Ordenado doseepetario...
8 2. dem do porteiro........
i 3. dem do fiscal------.......
I 4. dem do procurador.....
S-0 Asssignatura do jornal o
ficial c expediento..........
8 6
504000
404000
904000
1 Ordenado do secreUrio... 300400*
8 2. dem do porteiro........ 3004000
- 8 3. dem do fiscal.......... 100*000'
8 dem do adminislrador do
cemiterio........................ 2OO4O0O-
o." Poreentagem do procura-
dor............................ 100400O
8 6. Expediente e assignatura
do jornal oficial................. 60*000
8 7. Jury e eleicoos.......... 80*000
1 8. Agua e luz para a cadeia 8O4OOO
|9.- Custas................. 2004000
10. Exontuaes............. 6O4OOO
< ii. Obras municipaes...... 310400O
Vai mesa c apoia-se a segniatc emenda :
A cmara municipal de Caruar mandar pa-
gar 1624640 que deve de custas ao Dr. Paulino
. Ferreira da Silva.W. Amorim. R. Barros. J.
{ GitiraiM. .
E' approvado o artigo com a emenda.
Art. 11. As demais cmaras regularlo as
>uas despezas de conformidade com o que dispde
a lei n.-833 de 5 de junho de 186. .
E* approvado.
Art. 22. As jamaras municirwesficam autori-
sadas a arrecadar dorante o auno linanceiro desta
le, as rendas provenientes das dsposicoes especi-
ficadas nos seguintes paragraphns:
8 l* Alugoeis de predios munieipaes.
2. Foros e ladennos de terrenos munici-
paes.
8 3." AITericoes de pesos e medidas.
8 4- Lieencas para tUtttqim e eordiaces,
licando as cmaras abrigadas a mandar o seu cor-
deador ao lugar das tfHicacocs, a fin de cordeare
o mais que necessariOTor.
S 5." Reparos dos ac-ougucs.
5 6." Taxa de 24*00 paga ammalmonte por
cada licenca que tirarain as tipceteiras por venda
dentro do.municipio, e 54000 pagos tambem an-
nualmente pelas breabas que tivuiem ee macales
que venderem no mirnicipio.
8 7." Taxa de 24000 sobro engenboca.
8 8. dem sobre nassagem em vigor nos dias.
> 9. 80 rs., por larga do farinha e legumes
vendidos ie.s iiieri'adoa pblicos, licando as cma-
ras obrigadas a IbnBrer gratuitamente aos vende-
dores de taes gneros s medidas em vigor.
8 10. Multas por infraccoes de posturas.
8 11- Imposto do capini do plaa no munici-
pio de Olinda, que so verdor na cidade.
12. 500 rs. por cabera de gado vaceum 200
rs. por suino, 100 rs. por ovelhum e capreiro.
8 13. Imposto de fogos artiliciaes, pagando o
duplo da actualmente em vigr aquelles foguetei-
ros que tiverem as suas casas de trabalho dentro
das rircuniscripcoe--. das villas e cidades.
8 14. dem sobre casas de negocio.
a 15. dem sobre curraos de pcixe.
16. dem de 60 rs. por cada p de coqueiro
para negocio.
8 17. Dividas de annos anteriores.
8 18. Saldo dos mesmos.
8 19- Cemiterio publico.
8 20. Custas.
t I 21. Multas das cmaras.
t 8 22. Impostos de 23500 sobre depsitos.
8 23. dem dem sobre tornos de cal.
24. dem dem segundo o art. 22 8 22 da
lei n. 371 de 8 de junho de 1855.
25. Taxas sobre ponles e estradas munici-
paes.
8 26. 80 rs. por carga de carne secca, baca-
lho e outros peixes seceos que forem ex postes a
venda nos mercados publico- nos municipios que
nao forem do Recife, licando isentos desse imposto
das carnes chamada de sol.
c I 27. A cmara municipal de Flores percebe-
r o imposto das meuncas e legumes, e 5 por cento
sobre as rapaduras.
t 28. 10 por cento de cada licenca para sol-
tar logo de articio, c 45000 rs. para soltar fogo
do ar.
29. 64OOO por cada carrosa no servico da
capital, salvo aquellas que forem empregadas no
servico da lavoura.
1 30. Quaesquer outras tasas que as cmaras
stiverem autorisauas a cobrar por le anterior a
esta, e que nao tenham sido expressamente de-
rogadas por lei dessa assembla.
t 8 31. Fica em vigor o g: 32 do arl. 36 da lei
n. 776 de 1867.
8504O00
505000
405000
425OOO
405OOO
204000
1005000
303000
2735000
350 3000
2005000
1003000
2005000
1:1705000
1005000
805000
805000
4004000
504000
1004000
273000
I2O4OOO
803000
-255000
1:5574785
1504000
404060
40*000
50*000
324000
484000
60*009
IOO4OOO
803000
3484020
dwpwjteto qne se diseote, e do que oavl, wntttH aad'J tMO0*-de .gta*8oeto
1" Ordenado do secretario...
2o dem do porteiro........
.V dem do fiscal da cidade...
4 dem do de N. S. do O'...
5 dem do de Tejncupapo...
6* dem do administrador do
matadouro.......................
7* Agua e hizpara cadeias...
i 8 Para pagamento de castas,
t 9 Aluguel da casa que serve
de mercado......................
10 Jury e elei^Ses..........
t I il Poreentagem do procura-
dor.-,. ..........................
i-f 4fr Espediente e aseismatura
dejonmdofflcial...................
< i I Par melhoramente o Hm-
peza'da idade................... 1:9014000
8 Efonwoe............. 180*000^
' Vito- mesa o apoiam^o-as seguinte emendas:
Ao art. 4 3 accrescentese. Em lujar de
:'4*W#t<*>ga$e 2:000**|e*|-#flrrj
1:200*0*0
8fJOjO00-
3004000
400*000
150*000
3003000
60*000
20O4OOO
X)4t)00
904000
100*000'
3004000
804600
201)4000
W5000
504000
504000
40*000
4*4000
IOO4OOO
40*000
4104000
81, Ordenado do secretarlo...
8 2." dem do porteiro.........
t 5 3.' Poreentagem ul- procu-
rador..........................
4. Jnrv e eleieao..........
8> Expediente e assignstera
do jornal oficial....... :........
" 6. Agua e luz para a cadeia
7. Costas.................
*. Eventnaes..............
9. EdificacJo do-pace da c-
mara..........,................'
E'1 approvado.
t Art. Hi A cmara municipal da cidade de
Wasareth e autorisada a depender com os objeo
tos seguintes a quantia di 4:5714119.
1 jfl Ordenado do secretario..
8 %" Mein do porteiro........
j J,1 dem do continuo.......
i 4.* Me* do fiscal da cidade.
t 6. Poreentagem do procu-
rador..........................
- t I 6* Expediente o assignatura
do jrnal oflieial.................
t I 7* lury e oleioSefc 1........
< |* Agua o 4upara a oaete
t. J-3. Ordenados do secretarlo
dos annos anteriores.............
10 Cusas...... ..........
11. Bveatftaes...............
i. Aluguel do paco........ ****;
7." Jury eetoifSes..-....... 80*000
S 8. Agua e luz para a cadeia
8 9. Obras municipaes.......
110. Custas.................
c i ll. Eventuaes.............
8 12. ObrasjBumcipaes.......
Vai mesa e apoia-se a seguinte erneuda :
As cmaras monisipaes de Tacaratu e Flo-
resta pagaro ao Dr. Francolino Bernardo Quin-
leiro e outros empregados da justica o que Ihes
deverem de custas.Jos Gitirauoiftgo Barros.
E' approvado o artigo e onnda
Art! 18. A cmara municipal da Villa Bella
autorisada adlspaader com os seguintes objectos
a quantia do 1:314*190.
8 1. Ordenado do secretario..
2. dem do porteiro........
3." Henr do prorurador.....
4 demofiscal...........
8. Aluguel do paeo da ca-
......................
6." Jury eeleicSes..........
7. Cusas.................
8* Luz e agua para a cadeia
9. Expediente e assignatura
4004OOO do jo'rnal.................'......
lOJOOO < 10. Obras municipaes.......
l.*4O0O.{ Vai mesa o apoia-se a seguinte emonda :
100400*
M. Anmim.ik9& Barro.
E'apnrovado o artigo e emenda,
t Art. 10. A cmara municipal da villa de
60*000 Agun-Pret"* autorisada a disponder com os ob-
jectos seguintes a quantia de 3:*8**<
t I r. draonsdodo esorrrapk.
% Idfem doflseol da vida....
3. Itiem do fiscal dos Montes
4> l*o*Jrporleiro........
5,-PtUO*>i||,i|ii do prooura-
mara.

350*000
4O4ODO
504000
304000
48*000
30*000
1C63000
404000
30*000
5304260'
i 32. Fieam igualmente em vigor o 8 36 do
art. 29 da lei 11. 698 de 186*.
E' approvado.
Art 23. Fica o presidente da provincia ante-
risado a mandar proceder como fr de direito.
afim de ser nimprido o preceito da le de 11 de
agosto de 4834, para que as cmaras municipaes
nao deiao de prestar suas comas, como determina
o arl. 46 da lei de 10 de ontobro de 1828:
E' approvado.
Art. 24. Fica em vigor os arts. 31,32 e 3* da
lei n. 546 de 31 de janho do 1862, nao podendo
em caso algum s cmaras municipaes do Recife
Olindi'eximir e satisfazer o que determina o art.
31 da referida lei >
E approvado.
Art. 25. Fica igualmente em vigor o. art. 44
da lei n> 945 de 3 de junho de 1865, bom como
os arts. 50 o 54 da lei n. 776 de 1867.
E" approvado.
. Art. 26. Contina em vigor as disposices do
art. 14 e seus paragraphos c 25 da tei n. 853 de
o. de junho de 1868. >
E' approvado.
Art. 27. Ficam as cmaras muBJcipaes auto-
risadas apagar as custas judiciao que stiverem
a dever. *
Vai a mesa e apoia-se a seguinte emenda.
Aoart. 27 accrescente-se a cmara mnnicipa
do Lirooeiro fica autorisada a pagar a Hermimt
DeWnl>*do Nascimento, a quantia de 57l#090 que
ihe deve de custas.M. Awpr/w.Reg Barros-.
E' approvado o artigo com a emenda.
Sao igualmente lidos, apolado e em seguida ap-
egointes rtlgos additivos
1
60*000
provados os ^tl,
' Fica marcado ao fiscal da cmara rannieipal
Art:'l8 8 .^Dra'se" lio* em veo de 3804. de S^lemoordenado de W-*-*!* f'
ros.G. de Drwmmon M. AmorM.-~rt*a.
Ficam anprovadas todas as despezas fortas pela,
cmara mantein' do Rio Formoso do quatriennio
flodo eom a factura do aeooguo e outras obra da
resnacHva munjeipatidade. M:Amrmt. **>
'Botoj. _
t O-socretario da cmara municipal do m "Por-
mojo perceber 200*tt00 fie ordenado, e o weal do
If0*fj00 l'na mi/m.-^M. Amorm.E. Pina.
A cmara municipal do Limoetro PfM <"
5004Q00
150*000
1SMKQ0
'


I

mm


*"*^^Bp
***!

5*fc* a aasaa fJUwy%>i*>i awa ei
Btifceskat-s* aa* aaaar nuav.'ro.. Sr. Pjvm-
aa a Cent da a e lavaata a ses*.
REVISTA DIABJJL
GOYBO 10 l^AW-lafcnaaia-aoa *"-
mU a aam 4* S. Exc. Rvtna. a Roma, tica- <6 "I' noveinhr de lt>7b.
til nioiirt a linati os Rvm*. c oswgos i os ',v *'- <* Miiankao. Cr
da weaaafs spiev-vaoJi d1ah. !.
JUttMM Preierd *k 0sK A AttNN
da Om*. Mea* M awaciea'ii* aa. rvl efe
raam. m n
AMO Un ItlStAMK 10*VSH..-%>
M**> twm*K*mMos asfamte a;***-
cJjre4kvK >** bisanuo- .! Ura*.
4^*Mfa ttoftfe Craad pb> |i
toa 111 a fe*** do ni D. M> III au
aare- d* l.55\ Haba aneo otjsnoj
mi VhJo rasd, que Irou aviu *ii
dhB>* ia fn"caat satrntg tace do'ari^Miaado
te Li-ha l'r lamveacio >3 o l..s56 1^
iahn ei*%ft a ia*ae;ori de iiakopulc o do
nuwnibro de 1576.
Hispis tki R,* de Janeiro. Creado pela bula
de 16 de aovembro de I676.
BisptJo V rVt'MiiMt^Ntu Casado pala bula
de
W> Md*>w **T*>>>
te daaay Mi Ato* rv U\W
fa*V*0*"
, rwwp, .-** aai-u
I inwr, am*
Ida :;i!ilRS.*pHi
I K-rqua JJpraah.t,
Uar GNUnaH; a
da Silva MaiMa, a
Jess.
4tMA A 4W%
'MkUm
V ktu''
!aV
n Juviui'it'
M
eado pola bula do
2X de setemliro de 1677.
Ksaade rfo Purvi. Croado pela bula de Cle-
mente li, de l de marco do 1719.
Rispado (/< 1/dfiaNiMi. Creado pela bula do
Benedicto XIV, eslancias do re D. Joao Vea
t do dezembro de I7W.
Bispado rf; 5. Pum/o. Creado pela bula de
I7;lt'..
t Bispado ile Cuyub. Foi prelazia pola bula
de 6 do dezcinbro de 1746, e bispado pela da 15
4 i>fiw> a Uy *
Tjf a-i. A> Ca e arrrtin^ Aatunin ttom Hla<,
Dr. fcifwi tiranaao 4e Arauj'.
SOTENARRX-C'MM^a Roje, a< rt Rama e ineia
4a larA?, o 4o SeaRor Bwa Jo?us das Clagas, na
ip^a 4a Mweocwri*.
DE JANEIRONo di.i 30 do cor-
11> r lugar, aa roa da Cada n. 18, a as-
Wci feral 4os naaiai dasu $oricdad, atim de
fWMwitr-M a +^ri 4a mesa administrativa.
BMNOMKIM DE S. AO.-Esundo o menor j de jullto de 18i6.
|rt Cancit, du 1\ do correle, m ca>a do seu bi*pado de Coyas, Prelazia pela bula de
asare AatHo Praaciseo Dias Lima, na ra d-j Benlo XIV, de ti de dozembro de 1716, e bispado
Gaz. dando Uros cmi un c.-in de espingarda preso pela de Lelo XII de 3 de jullto de I8i6.
4 om c;rv e carrecamli>-o d'uiua aas vozes at a BispatU) do Rio Grande do Snl. Creado pela
Vvca para produzir maior deionao ; acontecen bala do SS. P. Po IX e dcccelo de 27 do agosto
estiviras-e a |te<"a improvisada, abrindo um de 1847.
u tstittufMs profundo golpe no reabra prximo Rispido d Diamantina. Oeadn pela carta
a* aabigo, aor oode sahiram quasi todos os intos- de le de 10 da agosto de 1833, bula do SS. P. Pi
taa*t acipados.
Seodo >Krirrido em Mnlincote p<'lo sr. Dr. Al-
ciades Vidkioi. foi-lue feilo o tratameolo dertda ;
ir a Mtn "i", porcm, o docnlo oa perigo de vida,
ar ler subrevindo urna peritonite.
Jl'PiY.Cnniiareon hoatom este tribunal o
eMbre prcto Tl:omaz, oara n>sponder pelo assas-
anla 4o guarda da casa de deieocao de m me
RiRtT, ac fias 4o auno pascado.
Fai Mt aefensor o Sr. acadmico Nabuco de
Araaja.
vdo o U'mp>>que durou a sessao, estt-
chc-ias de povo a< galeras c recinto do Iri-
. e as proximidades da casa.
O rea fai e.mdeuinado gales perpetuas appel-
i o jaiz da dccia>i do jury.

IX de 8 de jiilho de I85V.
Bitfado ilo Cear. Creado pela earta de le
do 10 de agosto de 1853. e bula do SS. P. Po IX
do 8 de Jalao de 1854.
PASSAGEIROS.Sabidos para o norte no vapor
Guar :
Manoel Teixeira de Carvalho, Augusto Tarares,
Ladislao Gomes do Reg e tres criados, Francisco
Antonio de Madeiro, Jubo Felizzolla, sua mulher e
dous liihos, Jo i Lucio da Silva Mergulhao, Ma-
noel de Barros, Dr. Laiz Ferroira Nobro Pelinca,
Thcodnro Eddlefsen, D. Francisca Manoela de Car-
valho, Antonio Matlieus ias Fernandes Jos Go-
mos Villar, Custodio Joaqaim Lopes da Sil* J-
nior, Manoel Coroelius, Manoel Antonio Pires e
um criado, vigario Joao Jos do Espirito-Santo,
LEtS DE WCAMEXTO Foram liontem sane- Dr-
ciaaadas pek kiii. Sr. vi.v-(.residente da pro- '-JtJ
viaa. as Ws dos orramento* provincial e mum-1 ""'-;
sembla na , Ijnnho.
lESnDIGlTADOR.No vapor r.mcei J? . que dew tocar emposso porto_de a W nanbu,.0j ;j3 amo^ casa(i,)) s. jM(.; anazarca.
4a e-rreoio, d-ve ebegar o Sr PejTes de Lajour-
aad, alamad'.' prestidigitador, e um dos melhoros
scaantgaJ-xes, afim de dar tres ou quatro espeo
c dos ao tbt-alro de Santa I-alt-!.
aflOMaTR DESASTROSO-Ni dia 23 d eor-
reale. a w \iarwa, in>{NVtor de quarteirao no povoado da
aaoaga. carregado um velho clavinote, a que so
chama vulgarmente undo de granadeiro, para com
> dar Rroa em honra 4 fe-dejo a S. Joao, dispa-
-o-i-se-lhe a arma aa ocrasio em que mudava a
podra, arrebeaundo-lhe a mao direita, de tal for-
ma qu a ampuUcao foi julgada indisponsavel pe-
M BM4ioas Drs. Villas-li wis e Sarniento Filho, e
Mi r.alHada sem nuior accidente.
Esso iaspector pobre e chefe de numerosa fa-
;4iiu, caaaiosta de mulh -r a sote filhos, quem
~iist-nava com seu trabilho.
SEGREDO E AMOR DA ORDEMEsl 1 soc l.
at fr ra, S, J a posse da nva adiniuaRracao. A' nnite foi a s-
Ir 4a ser edade vi>itada pelas familias dos asa
1 a 4s do memhros de mitras sociedades.
1 registrar, com todo o louvor que ao prin-
cipiaren! o< rabalbo do di 1, foi entregue a earta
le lber lado ;; nien >r Lourenca, de sete annos de
ia-le, aRorriada cusa 4os uicmbios dcsta socic-
la**.
BnlnMi icio de urna tal corporacao, digno
la lado o cncmiio; e praja Dous, qae continen)
aa* mnnorus a asson pacader.
K i: rea desta villa, do Paraguav,
*tb l de malo, ao Jornal rfj Commcrcio da
curte :
Chegaram h into.ni tarde a este acampameu-
:. libertados em Ibicuy pela arroja-
ba xprdic-io do eornaal Coronado. O cs'iectaculo
.-ngenfo : 30 hemens. cobertus s por
aata tira ikta de curo, magros e doentios vinhain
tinuado d.' Ha, e m o antTrkaento impresso no
raiaa.cein a alliar turrado e melanclico de quem
iirtido petas d*'ire< physc.=.
- Alguns 1 n ; 'iicii js de Curupaity, um o
de R.actaaHo, aaa de diversas picas afasia-
das : bulos traUlhavam uoite e dia as torteas e
Raadioiea. e na eaiiaaiU de Ibicuy, c eontan
aaasa aoca epissli- aar, mas que por falu de lempo aqu fio relta-
te ao C'jnvr da peana e conforme o seu ca-
priffcR,
t jacoenta pe.;i, dizcm ellos, frram fundidas
iu fabrica at dexenibrw do anaa passado ; desde
doa-? de pequeos calibres. Activava-se
1 fabrico de tancas o a fundirlo de balas.
para o ajae -rom de uso 03 castigos barbaros o
par vezo- \t, como meios de apressar o
^rwcrt. A cnida cram felos de rezes, um boc-
eada de faii .ha de mtlho, nenhum sal; era pro
tunada o fallar porlugaez e nunca te distributa
raRpa.
A crueldade di eommandanle Insi'ran era
extrema. < a muito casto, pela humanida
4e o alfares Caoeres que por \eiia arriscada-
Bsate ctrpnnha a sua accao ; tambem apenas o
corond Oranado achoo-se senlitr de Ibicuy e
ros. bouve um clamor de vin-
(aara contra o tyrannete e todo*, dosde o l'ri 1
iBfllrir il' ni 1 :ivo Hespann^l, todos lirada ram
.eia soa morte. Apear dos protestos foi eHe
aourradO, c, sem mais tacesso, degollad 1 etn
-upinhia de outro< sicarios do mesmo quilate
Em seguida a ata execuca pas*ou-se a des-
trair os c4ificl rafos aevea ter sido imporunies, poi> foram fe-
im aekw propri -s machinislas, que boje esto em
A^aaaacao.
< Assim a expedicii de Coronado um bonito
1 ,- ias im-i|: ocias, alsm da intrepidez,
<|ae inia deimmstrada a'aquella a venturosa ex-
piara ;-;-< de urnas SO leguas na zona do inimigo.
Os Oricntaes eoi muito anchos desse curi-
aso sjecesso, e nos oun gosi o consignamos, fa-
zond jnstica bravura e dando de mao as ex 1-
priye< que logo se ergnerara at d uom ao pon*
ta 4e Imeay as propnreoes da ilumayt.
D.ms cadetes vinham entre os regatdos :
uia driles foi reannherido por um irmi que se
apfwasaavia por enriosi lade do grupo que o ro-
dala. Abracarant-se ch rand.i com frenwi que
asasildisnu os ans indifle.rentes espectadores, o
r matan'.s fex^e salaniae silencio na reunan
toda aaaclia rade (ante. Esse pobre homem
BMsziava estar ji exhaa-to da forca* e, provavel-
mua a nao mt a ine .anaaa, ser-lbe-hia imuossivel a resurreieao.
sentinieoto realt*va era todos um en-
ajac se npan lia em phrases ingenua-
engncida^: O Omnalo, dizia nm. nvu
pni e iniaha aaai. D -|i*iis de Dens, dizia outr
> ajaasa me sarmn ie ir breve ver os meus
eaaapaaaairns que e-tan no cn.
Na reahaadc, '>r>in tira anteriormente dada
r dsgolar al?nns dnsses desgranados,
Caearcs a adiara sob saa responsabili-
I-'ot nambuco, 1 anno, Boe-vista ;
Hespanha, 60 annos,
Francisco,
eonvuLoes.
Francisco Jos de Ara gao,
soltero. Recife ; diarrba.
22
Antonio Francisco Ribeiro Padilha, Pcrnambu-
co, 4b anuos, casado ; pericardite
Antonio Marta Teixeira, Portugal, 28 anuos, sol-
teiro, Boa-vista ; ttano.
Pm preto rujo nome ignora-so, frica, 85 an-
no-. Roa-vista: hernia estrangulada.
CHRONICA JLDHURIA.
13UIH \ 41. II COMMBRC IO
ACTA DA SESSAO ADMIMSTRATIVA DE 21 DE
Jl'NHO DE 1869.
presiden;l\ do exsi. SR. DESEMB.VRGADOR ANSELMO
FRANCtSBO PERBTU.
As 10 horas da inanliaa, reunidos os Srs. depu-
tados Miranda Leal, secretario interino e bario de
Cruangy, e supplenle baro do Nazareth, faltando
com participafio o supplenle S LeitSo, S. Exc. o
Sr. presidente abri a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao de 17.
EXPEDIENTE.
Olcio do presidente c secretario da junta dos
corretores, remetiendo as cotacoes da semana fin-
da.Mmandon o tribunal quo fusse archivado.
Foi assignada a caria de matricula do comtner-
eiantc Pedro Lopes de Mondonga, estabel-cido na
cidade de Hanianguapc da provincia da Para-
hyba.
Foi aibeiii assignada a carta de rehabilitacao
do conunerciante Joaquim da Costa Maia.
Distribuir?.n>se, para seren rubricados pelos
Srs. deputados os seguintes livros :Diario e Co-
piador de Cunha & Manta.Diario de Antonio
Jos Goncalvus de Azevdo.
Transferio-se para a firma de Real, Lomos & C.
o livro Diario que pcrlencia a de Real & Lmo<
quem suceedera aquella.
DESPACHOS.
r.equerimento de Antonio de Sauza Guerra-
para se Ihe dar por oerudaa o theor de sua ma-
tricula como caixeiro dt Jos da Silva Loyo, Filho
& C Como pede.
Dito de Joaqnim Antonio de Araujo & C, suc-
cessores da firma commercialAraujo, Mirtins &
C, para que sejam antorisados a escripturar suas
transaccoes no ivro Diario que pertencoa a ox-
tincta firma.Na forma reqnerida.
Dito de Jos Antonio do Macedn Lopes piidindo
o registro da nome.icao do caixeiro que dera a
Joao Goncalves do Miranda Colho.Seja reco-
nheeida a firma da nomeacao.
Dito de Antonio Lujz de Oliveira Azevdo, dem
de urna sua pncuracao bastante.Diferido.
Dito de Custodio Antonio Guimaraes o Bento
Alvos Machado Guimaraes dem do contrato so-
cial, qae jantam.Haja vista o Sr. desembarga-
dor fi-r.al.
Replica de Joao Jo- Leite Guimaraes, mos-
trando que na conformidade do preceito do de-
creto n. 1,368 de 18 de abril do 1854, e do art.
6 do de n. 1,597 di 1. de maio de 1855 nacfse
pode denegar a rehabilitacao que impetrara.
Vista ao Sr. desambargador fiscal.
ADIADO.
Processo de rehabilitacao da firma Dencker 4
Barnizo.Adiada a decisao para a prxima ses-
sao, por nao estar completo hojo o tribunal.
COM INFORMACAO DO SR. DESEMBARGADOR FISCAL.
0:flcio do presidento da junta dos corretores em
que pergnnta se, em face da resolucio do tribu-
nal derogando o capitulo 1. do regiment interno
da dita junta, deve ou nao continuar no exercieio
do cargo.O tribunal nomena os mesmos func-
cionarios que actualmente exercem os cargos de
presidente, secretario e thesoureiro para servirem
at o tim do anno, e neste sentido resolveu que
se re--pondesso ao presidente da junta.
Replica de Jos Joa-a de Amorim, Msnoel Mar-
ques de Amorim, Jos Joao de Amorim Jnior e
Manoel Joao de Amorim Sobrinho, para que se-
jam feitai as averbagoos que requereram, no re-
gistro de seu contrato social.Como requeren,
urna vez qne publico e notorio o falleriment
de Manoel J >o do Amorim no dia 26 de abril
prximo passado.
Nada mais havendo a tratar-se, e dada a h ira,
II 1/2 da inanhaa, o Exm. Sr. presidente encer
rou a sessao.
Al
santo
CO
rio o
a, apisoabdadAJ-KuiiiA
da Cuniu
Litham \V
Sr. daaaBab>rgdnr Silva Guimaraes profe-
segginle duu;icho ;Vista ao Qf. curador ajtierur continua!
aifs4a 4r aat-sa soaaawv >**aaia*-
V Rat aoai. a aa toas +mmmkt m
IJML^lIk iRubA AbW b^ b^bA bW MbMbT
r Ba>w4sia 4>> bw^wrwr Raraxv a a
? por Mturoaa MbMsl b MbsR <|a **4
uabpbr jaiu |^|^u|^^b b^^b^
daabimna 4 pw iaia aaa asa lasada K do 4*t-
" >|^BjBJ|^*a(4rJMLjBABWJBk
RR^^Emat-K jlinajl I toa
no faMbiaaea-i
pifH pr
^Mxah^n anareaice
h ^it- duim, pa>saJ pala "taial i>> su
tlauu,
E' eata o niagistraj > qua taai aja suas aaisa o
diioit-ya roateado da<< parles Jaiz srbjmRo
* reg 411 vio...
C'iuRR Rile fui da4a niiu'faeix 1 documaatada
pelo arfrnauc-coniiwfltopaT Cvalcaall 1 1 pro-
prletario do engoubo), mas o ln iieiu persiste em I
iwas ii SaTaaifa.art saa baiiasgaal^Bi uaa*
vasa ama k"
l4u a >>*>\ o. vwMdjNBa a a R4aa; Ra Raai
^HtPM raduAtos os dtvito*
Raya-asato dasas*.
isaaSaada*
Saaia
sriaftff fijis
os uiatapaaR saslRBsws, das c
1 que aa einaaM da pn\ nHI
RoicoRl
t>mmr
%L*
daRto da
i% laOiini aaMi-
0111 qiteafeiiiaaMidk
s a vtrtade
Alea aVo, as Pwo'ob 4 S'HHBM drana qaa tsmaa uv, pata ultuaa vez. asaaeiar os
vdos do laiiiiortal J. Augusta
Ao thentro Iwsrbus aiaautes dR rto.

i>vs.ton.
Do Sr. daaaflabargadar Aceiuii ao Sr. dosembar-
gador Silva Guunaia:s : appollante Joao Pinto de
Lentos Jnior, appellado Mainel Alvos Ferreira
appellanles os d ninistradores dajBgsaXUlid.j
de Amorim, Fragaso, Santos A
Cals airr, hojo seus hardeiros.
AOORAVO.
Juizo especial do cotamercio.Aggravante Jos
AITonso do llego Barros, aggravado Joo Francis-
co do Reg Maia.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Nada mais houve, e foi encerrada a sessao a
urna hora e meia da urde.
TKIRtrVRI, DA KELAVlO.
SESSAO EM 19 DE JNHO DE 1869.
PREilDE.N'CI.V D-l EXM. SR. CO.NSEIHEIRO CAETAN0
urna paite, mas um iuimigo 1
Veja o pubiieo a moraiidade de semelhante
P'qcpdet nao s do rendeiro protegido escandalo-
dA sainenaTeomo do juiz que com ontros o protege.
E* por isso uue o Sr. Jvaide Si appaieoundo
na imprensa, da prim< ira voz que o fez, cuidou
menos em defender-se do que recusar o joizo da
opiniao publica.
No dia 17 do corrente, porm, sem so lembrar
dessa recusa, volta garboso, cheio de si, e exhi-
bi nm catalogo de pareceres de advogados, no
que so seguio por parte de sen juiz urna reuuisi-
o de forca presidencia da provigcia.
Foi isso feito para preparar o terreno e g.inhar
aff/icoadus sua causa, sem que o Sr. Joao de S
EXM. SR. CO.VSELHEIRO
SANTIAGO.
As 10 heras da manhaa, presentes os Srs. desem-
Dargadores Gttiraua, Loui'enco Santiago, Almeida
Abuquerque, Multa, Domingues da Silva o F re i tas
BtRriques, faltando os rs. desembargadores Guer-
ra e Souza Lean, al)iio-se a s&ssao.
Passados os feitos derani-se os seguintes julga-
nientos:
Aggr.wos de petiqao.Aggrayalla, Alfredo Car-
doso Pereira ; aggravado o juizo. Relator 0 Sr.
desembargador Freilas HenriqukLSorteados os
Srs. dezembargadores Motu e fJfcinguos e Silva.
Negarain-se provimento. Aggmante, Joaquim
Josa-da Fonseca ; aggravado, o*juizo. RelaUro
Sr. dezembargado Lourenco Sannago.Sorteados
os Srs. desembargadores Motla e Souza Leao.
Nao se fez aggravo. Aggravante, Manoel Joaquim
U^plista ; aggravado, o juiz. Relator o Sr. des-
eoibargador Gitirana.Sorteados os Srs. desein-
%o IM. Sr. I>r. AaUalo sle \
roarello-a Mpocxcm Ir Drum-
mouil. l.enlr a Fariililade dr
lai.^oMtoldttMrt.' DlreKo.
' a nlliina .-ultra o leti i
ni-I Gaspar (jv.iloanti, que para elle j nao
leal
' 'deS.'ile:
oss.
(inania bom, mou Drununocd, n. honrado pcito
Essas bollas Virtudes, com que augmentas
1 esplendor das Sciencias ;
A f, o amor estmne
A' desvelada, carinhosa Esposa, ,
Dontrioa saa, e grave exertiplo, a >s Filhos.
(Juai luaiinoio o Social Contrato
A Jiivontude cloctrisada explicas !
E aponta-lhe- os golpes,
Que talvez Mao avessa
Estontea la desc* rrega affouta
Na Lci das leis, nos Poro?, no Direifo.
Na linguagem divana cabe ao Vate,
** yw""v*'-'-j *- **"* ."filis *JiJ \* 01 i'tiv <4> *ja v i l
duvidasse Iludir a boa f de advogados respoita- ->osta sem.h *,,al' anr os ^mens
IMHJJbQ.O
4o irt*
vapiw Guar lovnu para os
Martas 4o >rt> as segaiutes quantias: para o
Caartl 915 WOOemn.tase n-VOO|000 era ou-
la; para o Miranhln S:600i000 em oaru; e pa-
ra o Par 2:6003000 en notas.
TEATftO DE SANTA ISABELHojo e ama-
aoae srena o drama Pirata a Saoan-
seada estes espectanil Caaafcn, na quadra ihaatral daste ann-
uta ler de seguir para a corte ao dia 29 grande
paria 4a artistas.
PRCTA MORIBUNDA -A preta, que dorma
safe a* arvores do Casnpo das Prineozas, e para a
nal Humamos a attoncan da policia, acaba V
1 baaitieao para a ponte da Boa Vis-
ua a expAr as vistas publicas o
peracolo 4a saa miteria. Nao sena pssivi>|
ra4be-la aa hospital Pedro IL afLn de que ah
sra das em paz t
lA qaa se acha a vcada a iil.,
SESSAO JITDICIARIA EM 21 DE JUNHO DE
1869.
PRSIDBNCIA DO E1M. SR. DESEMBAROADOR A. F. PE-
RKTTI.
crftBWo, Julio GutmarOet.
Ao meio dia, declara-se aserta a sessao, estan-
do presentas aa Srs. desembargadores Silva Gui-
maraes. Reis e Silva e Accioli, e deputados Miran-
da Leal e Bario de Cruangy e deputado suplien-
te barao de Nazareth, faltando aom participacau
de inrommoda lo o Sr. supplenle S Leito.
Lida, f i approvada a acta da sessao anterior.
0 escrivo Albuquerque registrou o ultimo pro-
test de letra a 19 do presento mez sob o n. 1761;
e o escrivo AJves de Brito a 15 do dito mea sob
o n. 1704.
ACCORDAO ASSIONADO.
Embargante Joaquim Arcenso Cintra da Silva,
embargado* os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.
JULGAUKNTOS.
Juizo municipal e do commercio de (Miada :
embargante appollante reo Joaq iim de Si Caval-
c-anus de Albii'iuonjuo, embargado apoollado au-
tor o tutor da orpbaa fi'ha de Manoei 6 >oveia de
Souza ; iuizos os Srs. Silva Guin.arae*, Accioli,
baro de Cruangy e Miraoda Lea*.Ordanou-se
urna deligeneia.
Juizo municipal e do commercio da villa da es-
cada, comarca de Santo Antii nesta provincia :
amellante preferente o bar i de Bernnca, appel-
la-lo exe pente Braz Carneira Leao ; juizos os
Srs. Silva Goimares, Reis e "
embargado!- Almeid-a Albuquerque.Sorteados os
Srs. desembargadores Motta e Domingues e Silva
Draih-se provi mentos. Aggravante, Joo Jos
d>! Figueiredo ; aggravado, o juizo. Relator o Sr.
desembargador Molla.Sorteados os Srs. desem-
bargadores Almeida Albuquerque e Freilas Hen-
riques.Nao se tetina couhecimento por ter sido
apresenlado fora do lempo.
Appellacao crime. appellante, o juizo; ap-
pellado, Antonio Pereira do Mello.Pedio-sc urna
providencia.Appellante, Antonio Pereira do Sou-
za ; appellada, a justiea.Novo iury. Appellante,
Antonio Cypriano dos Santos ; appellada, a justi-
ea. C infirmada a Seutenea. Appellante, o juizo;
appi>llado, J.iao deSiuza Pereira.Npvo jury. Ap-
pellante, o juizo ; appellado, Bente de Souza.No-
vo jtirj. Appellante, o juizo ; appellado, Joao Al-
ves Pereira.Improcedente. Appollante, o juizo;
appellado, Antonio Izidoro dos Santos.Nullo 11
processo da sii^tentacao da pronuncia em liante.
Appellante, o promotor ; appellado, Joaquim Jos
Teixeira de Lima o outros.Improcedente.
AppellaqJi s cives. Appellante, Manoel Her-
menegildo Pimentel; appellado Thoinazde Aquino
Carmello.Ao enrador geral. Appellante, Jerony-
mo Jos dos Santos : appellado, Francisco Xavier
de Andradc.Confirmada a outonca. Appellan-
te, Jos Antonio Goncalves; appellado, Joao Ma-
noel Pires.Despresados os embargos.
PASSARNS.
DoSr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra. Appellac 1 civil: appellante, An-
tonio Ferreira da Silva ; appellado, Manoel Duar-
t de Souza.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pellacao crime: appellante, o juizo; appellado,
Jo.- Manoel Ferreira Lobo. Appellante, o juizo ;
appellados, Antonio e Joaquim.
Do Sr. desembargador Almeida \lbuquerque ao
Sr. desembargador Motu.AppellacSes ernnes:
appellante, o juizo ; appellado, Manoel Felippe de
Araujo. Appellante, o juizo ; appellado Izidro
Ferreira de Oliveira, A -pellante, o juizo ; appel-
lado, Antonio Martins Barbosa.
Oo Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva. Appellacpes crimes:
Appellante, Joaquim Jos da Fonte ; appellado, o
juizo. Appellante, o promotor; appellados, Joo
de Pinho Pessoa o outros. Appellante. o juizo ;
appellado, Ludovico Jos de Sant'Aiina, Appel-
lante, Jos Firmo Rodrignes; appellaao, o juizo.
Appellaqao cive:.. Appellante, I). Joaquina
Benedicta Vieira da Silva ; appellado, Joo Bar-
beiro Pereira de Laccrda.
Ao Sr. desembargador Souza Leao.Appellacao
civel : Appellante. Joo Camello do Reg Barros ;
appellado, Francisco Joo Carneiro da Cunha.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva aoSr.
desembargador Souza Loo.Appellacao crime :
appellante, o juizo ; appellado, Franeisco Cardoso
de Campos. Appellante, Franei-co Miguel de Si-
queira Bastos ; Appellada, a jus'.ica.
Appellacao civel.Appellante, Dr. Joaquim
Francisco de Miranda ; appolla^o, Jos Rodrigues
do Passo.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. desem-
bargador Freilas Honriques. AppellaeSes cr -
mes : Apiellauto, Manoei R ayniundo de Oliveira;
appel'ada, a justiea. Appellante, Antonio de Frei-
las Becerra ; appllada, a justiQa. Appellante, F-
lix Jos de Souza; apiiellada a ju te, o juizo ; appellado Jos Martins da Costa.
Assignou-se dia para jolgamento das seguintes
apijellaeoes civois :
Appelanto, M uiool le Almeida Lojes; appella-
do, Manoel Firmino Ferreira.
Apiellico crimo.App liaule, o juizo ; appel-
lado, Pedro Gomes da Costa. *
Deligencia crime.Ao Sr esembargador pro-
curador da justiea : Appellante, Antena Caetano
da Costa ; apncllada, ajustiga. Appellante, a jus-
tiea ; appellado, Vicente Gurgel do Amaral. Ap-
pellaute, Candido Jos da Silva ; appellada, a jus-
tiea. Appellante, o juizo ; appellado, Joao Jos de
Oliveira. Appellante, o juizo ; appellado, Benve-
nulo Paulino de Oliveira. Aopollante, o procura-
dor ; appellado, Serafn Goncalves Pinheiro. Ap-
pellante, Joao da Silva Lemos ; appellada, a jnsli-
ca. Appellante, o procurador ; appellados, Jos
Vicente Ferreira o outros. Appellante, o juizo ;
appellado, Trajano Gomes de Lyra. Appellante,
Placido Pereira de Figueircdo ; appellada, a jus-
tiea.
Appellacao civel.Ao Dr. curador geral e ao
Exm. desembargador procurador da coroa : ap-
pellante*; o carador geral o outros ; appellado,
Manoel Elia> de Monra.
As 2 hora" encorrou-se a sessao.
veis, e se desmentir a si mesmo I!
Itedigio elle, ou antes o seu advogado (porque
Ingenuamente declara, para que o publLjp so nao
ra desbandeiradamente, que em relacoajJPmateria
jurdica s assigna o qujo escreve o san advogado)
Urna proposta ageilada a seu intente, desvirtuando
a questo e-os factos, e citando s meio aceordao,
sem o principio e sem a data desle, para que se
naoconbecesse que era decisao j proferida sobre
embargos que oppoz oxccuclo.
Na sua consujta,eni que a.-sim transcrovedo ac
cordo s o que Ihe faz conta, faznoaa-o, entre-
tanto, passar por completo e em sua inloKrid.ide,
innocentemente pergunta se nao pd*.apre-
soutar embargos execuco,se sendo receido*
suspenden *-ta etc. calando, de proposito,
que j os apresentou e sobro elles j ha decisao,
que aquella niesma que cita comosetivesso sido
anda proferida na causa, o nao na execucao !
E ora diz que o exequonte prescindi da instan-
cia da execucao, ora diz que comecou-se esta, e
suspeudeu se. Ora diz que aqueta foi sozhho
tomar conta do engenho, ora diz que ahi entrou
tumultuariamente, acompanhado de gente arma-
da, etc.
Rem razo, pos, teve em recusar o juizo do pu-
blico, que realmente nao pedera decidir em favor
da mentira e da contradico I
Mas o que admira que o Sr. Joo de S, ao
mesmo tempo que se ostenta to abundantemente
cheio de razo e de direito so vaina dos amigo* do
Sr. tonente coronel Gaspar Cavalcanti, para promo-
verem acommodaco c composico.
Em quem se mostra assim com um arsenal ou
deposito de direitos para se conservar em Aratan-
gil, cousa maravilhosa um tal procomento.
Porm, o que mesquiuho e prfido (nodize-
mosmais maravilho;oporque no Sr. Joo do
S nada admira) o facto que se acaba de dar.
Interosoii-se com amigos do tonente-coronel Gas-
par Cavalcanti para que este viesse esta cidade,
afim de chegarem urna composico : veto ote-
neiite-coronel i|ue se dispoz a transigir, urna vez
que seu direito fos-e reconherido e garantido, mas
antes da hora aprazada para receber a proposla,
citado para una nova accao que Ihe quer propor
o Sr. Joo de S 1
Conheca-se, pos, do urna voz por todas, esso
distiuclo cavalbeiro, e veja-se de quanto capaz
quem assim procede.
Quanto ao Sr. tenente-coronel Gaspar Caval-
canti, elle l est em Aratangil, apezar dos pare-
ceres que obteve o seu conteudor, e d'ahi esta re-
solvido a nao sabir seno quando o juiz do Sr. Joo
de S o cxpcllir com o emprego da terca.
Ser esse o mais escandaloso dos aitentados, e
elle confia, em honra do governo e da opno pu-
blica, que nao sera praticado, apezar da boa^von-
tade do sr. Joao do S.
Ao publico.
O abaixo assignado, tendo recebido do Dr. Cae-
tano Xavier Pereira de Brito, por espaoo de oilo
raezes al esta data, o caridoso beneficio de Ihe
prestar gratis sous servicos mdicos etn sua tonga
o doloiosa inlormidade e bom assim as mais pes-
sas do sua familia, que durante este tempo tein
adoocido, vendo-se na impossbldade do Ihe dar
por oulra forma um te-temunho significativo do
seu recoiihecimente, recorre a imprensa, como o
primeiro vehculo de publicidade, nao .s para
agradecer ao dito doulor to generoso rasgo de
caridade christa, como tambem para recommen-
dal-o estima e consideracao de nossos concida-
dos, que nao podem deixar de apreciar um pro-
ceder to louvavel e digno de elogios.
Kecife, 20 d junho de 1869.
Francisco de Paula Rocha Caxaka di,
PUBUCACOES A PEDIDO.
Questo Aratangil.
__ A attenco publica acba-se presa esta ques-
to, cuja s ilneio teni-so prolongado de mu modo
que nao sa poderla prever.
Ella repre-enta a lucia de nm proprietano que
veneeu um jileti de qoioze annos contra nm ren-
deiro recaldtranta, que, vencido deOnitivamoite
desde 188, tem conseguido negarse at boje a
reemhecer o direito d&qnelle.
Vencido e cindemnido a abrir mo do enge-
nho, elle oppo embargos execucao : seus em-
bargos foram en parte regeiudos'e recebidmem
parte, mandanlo-se-lhe qie o n maio de-te anno
des*e trras e rancho para o proprieUrio fundar
sua safra.
Reco-a-se a faze-lu, diz ter dicaito safra de
1870. contra o que os tnbunaes decretaram, pre-
tende ainJa embargar a execugo, o que contra
a lea, e, em apoto de tai desarrasoadas preten-
coes, acha u 11 juiz suppiente que a lodo ge pres-
ta, nao hesiland > expedir mandados de despejo
incontinente contra o proprietario, re>)ui*iian te a
torca publica para expellir a este de seu legitimo
t nooiitestavel dominio.
\ 0 remleiro, mun-da do juiz, est a Bombar do
hw nm >*. 1 direito do propnetar >, e este, vendo o sen direi-
_ Silva, baro do lo vilipendiado, e-t sujeito aos desatinos e capri-
cruangy o Miranda Leal.Cooflrmou-se a en-1 caos de nm jaiz que aasigaa ometos redigdus
Rectifica^ilo.
No relatorio da companhia de Beberibo publi-
cado no Diario de Pemimbiico, vem um trecho em
relac-o a empreza dos trilhos urbanos que con-
ten apreciacoes inexactas c contra as quaes nao
podemos deixar de reclamar.
E' inexacto que a empreza se tenha'en qualqner
tempo recusado ao cumprimento das coudi^oes
que estipulou, e por mais de una vez declaran
quo nslo nao punha obstculo.
Se o re*piradonro nao tem sido mudado, nao
por falta sua: por mi> de urna vez se falln aos
agentes da companhia para mandar lixar as vl-
vulas do encanaiueuto para ler lugar a mudanga,
que se nao pode executar sem esta providencia,
o para este tim mandou a empreza gente sua por
tres ou qiiatio vezes, que oor falla da referida pro-
videncia nao foi levado a cffeito.
Nao tem havido portento da parte da empieza
recusa, non motivo para a linguaguem acerba
que empregou o Sr. director da companhia de
Beberibe.
A dependencia qae tem havido consiste em se
ter exigido di empreza dos trilhos urbanos a
quantia de 4:000l para se levar o novo encana-
mente pela estrMa dos Afilelos, allegando-se a
vantagotn que anferia de se nao fazer obra no lu-
gar do li'.in-iio que o empedia, ao que so nao
quer sugeitar a empreza pela obra razo de que
se era do interesso publico c da empreza levar o
encanamento pela estrada dos Afilete.*, nao de-
penda esta da subveoco da empreza que se n 1
recusav a fazer as obras convenconada* e que
eramdo preco muito inferior ; e para acabar com
esta dependencia offereceu a quantia de 1:0004.
que nao foi acceila e teve ento aviso que o en-
canamento passava pelo lugar da Jaqueira.
E' tairbem inexacto que o contrate fosse somon-
te em beneficio da empreza porque alm da ubri
gacao de conservar os aterres, quo t imou soure
si, se obrgou a conduzir gratuitamente o material
de que houvesse prociso para a consorvaglo da
linlia do encanamento.
Sirva esta declaracao de corrigir as inexacti-
ddes e rostabelecer a verdade.
Os einpmteiros.
Ao Templo magestoso
Da solida Virtude;
E bradar-lhes, que os vrtices do vicio
Dosnorteo, despenhao nos abysmos.
Do mal mora nao vs perenne fonte
Na ignorancia, o no erro ? A ti, Verdade,
A ti smente he dado
Rasga r espessas vendas,
Com qno afrligem a triste Humanidade
A Tyrannia, o Fanatismo, o Engao.
Esses pretensos grandes homens, qaantos
A pequenetes a Razo rebaixa t
Que desconrruio ellos
Da nica bitola
Que marca o homem social honrado,
A Libordade, a Tolerancia, o Auxilio.
Abraco o Joven, e o Yanto prestante.
Que cm dilatado peite nutre o incendio
Do puro amor da Patria;
Que se um, clama, opprimido,
Enrgicos accorrem, quaes so fossem
Ellos o proprio a quem supplanta a Foroa.
E com trmulos bracos, que descarna
A eseosada YelbJee, ainda aperto
0 Fl isofo probo,
Qae r, severo, a oceultas,
Do sacrilego Bonzo, que martella,
Como edictos do Co, sunhos enormes.
Das glorias juvenis por entre as flores-
Encantado cu vagava ; quando a-Musa
lie pm as nios a Lira,
E dulcsona entoa
0 cou lo com que a prenda me eucaroce :
Cantars da Virtude o bem, e o preco.
Da Patria livro, e independente, canta
< Os nclitos Hroes ; inflora palmas
A' celeste Amizade.
Ei como, e desde quando
Da Lira altisonante as copla* tecem
Voluntarios encomios Virtude.
8 de junho de 1869.
A. J. de Mello.
Chronica macacal.
Assistimos aos magnifteos trabalhos'exe-
cuUdos no Gymnasio Campestre, habis
aaimacs, dirigidos pelo artista Platuni; e
na verdade excednram a nossa expectativa.
Parece incrivel, que a um gesto, olhar,
ou pequeo movimento do artist" Platuni,
aquelles qiiadrupedes facam admiraveis ex-
erdcrns, como sejam os da escada, na qual
o cachorro G<9'ibaldi, sobe decabega para
baixo.
O festim macacal, bastante gracioso, ca-
bendo as honras ao macaco encarregado do
papel de cosinheiro; inquestionavelmento o
primeiro artitsa da coanpanhia macacal, e
as risadas e palmas que alcancou do au-
ditorio, asss o comprova.
N3o menos importante o trabalhc do
cachorro Ravl, sobre a esphera*
A walsa dansada pelo cachorro, vestido
de mulher, grandiosa diliculdade.
O trabalho do cachorro d'agua, sobre as
patas dianteiras; e diversos saltos sobre
trancas, arcos etc. etc.. foi surprehend n c.
Causn tambem bastante admirado, a
scena da Posta Russa, executada por diffe-
rentes cachorros e macacos; assim como a
foro;a final loDiseitor fuzilado por seas
companki'.iros.
Com franqueza no sabemos a quem
admirar so aos macacos e cachorros se
paciencia que teve o Sr. Platuni em ensina-
los.
0 amante de raridades.
WAC-\ RHCIjBf fe*; Ji.NHu D* UM.
** i WboB^a BJA TAKUK
uai daVueoiav' *x*t i;>%o, l7i*0,
-ki ajar ai ii>ai>oMu aa^ido i (rota i*> lii
o C^Biaita4rit >).
Gbuii.io .obra laadn -av is 3i3 o 18
l|l d. pMrlMHft>|uara>faira).
Dito s.i.ivdRo 90dA IH |/t p* iOOO.
Cambio -obra Paria :<0 d/v 3*) rs. por fraocu
do 0.1 nca**
f. *. Silvcira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
CASADEaMBH)
Teodoro Simn & 0.
Comprara e venden por conta propria
metaes, raoedas nacionaes e estrangeiras,
sbjj3| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los coRirerciae9.:
Enorregain-sa por conta alheia das mes-
uias transaccoes, da cobranza de letra* da
ierra e de ouUos ttulos conuuereiaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, cm conta corrente, e a prazo xo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Desmonta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro era conta corrente e a
prazo ixo.
Saca vista ou praso sobre as cidade
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 23. X9l:778i45K
dem do dia 2o..... 43.444*152
93o:2226IO
MOVIMENTO DA ALFANDEGa
Volumes entrados
dem dem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
683
r'iS
-----931
278
241
----- 510-
Descarregam hoje 26 de junho
Vapor iuglezOliniamercaduras.
Barca francezaRaoulideni.
Brgue portuguezRelmpago -dem.
Barca iuglez*Jane Marafarnha de trigo.
Brigue nacionalAlmeida //charque.
Barca francezarVndiYmnamercaderas.
Brgue inglez/tejiu/a/orbaralho.
InvportRfo.
Fajwr brasileo iojuca, vindo do Aearac -
porlos intermedios, tnanifestn :
80 meios de sola; a Joviniano Manta.
9 ditos dita, 24 voluntes barricas abatidas, 159
barricas farnha de trigo; a urdem.
6 caixas queijos; a Chalaga & Babello.
1 dita ditos, 8 garajos carne; a A. A. de Sou-
za Aguar.
10 ditos dita, 1 barrica qfleijos, 20 couros sal-
gados ; a Manoel Marques Pinto.
7 saetas algodao ; a S Lcilau & Irmio.
58 ditas dito ; a Tasso Irino.
139 ditas dito, 3 barricas goma; a Fernandes &
Irmo.
4 saceos cera de carnauba, 1 caixao carne; a
G. S. Raooso da Cmara.
2 garajos dita ; a Cunha Irmaos & C.
UECEBEDUMA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da I a 23. 57:369*757
dem do dia 25...... 3.G32Oi3
Cl:00l80;>
CONSULADO PROVINCIAL
'lendimentododia I
dem do dia 25.
a 23.
130:99153117
12:879*063
143:870i(;"
MOVIMENTO DO PORTO.
A presldeacia da soefe lade lle-
crefatlva anveatudc.
Nos abaixo as-ignados socios do-ta nobro soce-
dade Recreiativa Juvuntudo, a bem do nosso drei
te reclamamos a illuslre presidencia se dgnar
retirar um aviso que se acha collocado no recinto
da mesma sociedade, em que trata de nao naver
recreio n i noite da inanhaa, 27, o que nao de
de conformidade com os estatutos que prsenle-
mente nos regen, o que motivos ha para quo a
presidencia tenha em seu arbitrio indo de encon-
tr aos rogulamentos da mesma sociedade para
assim satisfazer a vorilade di cada um. mo; o
conaintiremos sobre pena da Ilustre presidencia
ser a nica responsavel.
Trinta ucios.
AO PUBLICO
C. Catan A C. cslabeleeidos com pharmacia e
drogara na da lmiieratriz n. 77, vom repre-
soniar ao publico a grande roduccao do proco que
flzeram nos seus medicamentos era relacao aos
demais que se vendem, garantindo se a boa qua-
lidade o n >lando-se entre elles os seguintes:
Licor anti-sypjitico do Dr. llicord, 2ti000 urna
garrafa. Injeccao d& mesmo auctor 1.3000 um
frasco, tnico brasilciro de Salazar, anti-dartroso e
de urna cura prompta e infallivel pm caspas,
empingens, sardas etc. ele. a 1*000 o frasco, xa-
ropo balsmico peitoral brasilciro, urna garrafa
por 1*000, dito peitoral de rabo do tatd, j muito
conhecido pelos seus milagros a 1*000 a garrafa,
xarope peitoral anti-asthmatico de paracary. urna
garrafa por 1,3000, pilulas anti-asUunaticas da
mesma phnta, a eaixa por lOOO, nica pharma
eia cm que ha estos medicamentos, xarope de ju-
rubeba simples a 1*000 a garrafa, dte ferrugino-
so a 1*500, pirulas de jurubeha simples l*iil00
urna eaixa, e ferriginosus 1*500, vmho de jtiru-
beba simples 1*000 a garrafa ferruginoso 1*500,
xarope peitoral de fedegoso a 1 000 a garrafa.
Alen de todos esses perparados, ha um grande
sortimento do medicamentos, productos chiinicos,
pharmai-outicos, cujas qualidades j sao muito
conbecidas dos illu-trados mdicos d'esta cidade
e do pubiieo em geral, assim tambem encontrar-
se-ha immdnso sortimento de drogas em qnanti-
dade capaz de aviar para esta cidado e para o cen-
tro ; preven i n do-se aos pintores que acharo sem-
pro um coinpletf sortimento, de tintas de varas
cores e de todas as qualidades, por procos razoa-
veis; eem porcSo far-se-ha ainda abatimento.
Esta pharmacia continua a abrir-se a qualqner
hora da noite, para aviar rocoitas.
Recife, 16 de junho de 1869.
C. Catao & C.
Navios entrados no dia 24.
Havre34 das, barca franceza Raoul, do 368 lo-
nelladas, capitn Parquete, equipagein 16, carga
differentes genera; a Tisset Freres.
Westerwik65 dias, escuna denainarqu--za C-i-
dan, de 425 tonelladas. rpita O. Pelersen,
cquipagem 6. carga tabda de pinho; a orden.
Sahidos no mesmo da.
Havre.Barca franceza Solide, caplao Aubeit,
earga differentes gneros.
CanalLugar denamarquez Libra, capito A. N.
Hollber, caruaassncar.
Navios entrados no dia 2fi.
Baha.10 das, patacho brasilciro Calado, de lis
tonelladas, capito Jos Mara, equipapem 9.
carga varios gneros; a Joaquim Jos Goncal-
vos He 11 rao.
Baha.10 das, brigue brasileiro Almeida, 265
tonelladas, capito Joaquim Pedro Cardoso, equ-
Ksgem 14, carga lastro de pedra; a Francisco
ibeiro Pinto Guimaraes.
Havre.33 das, barca franceza Vendimia, de 32o
tonelladas, capillo Choteos, eqnipagem 12, cai-
ga mercadoriits ; a E. A. Burle & C.
Saludo no mesmo dia.
Ro da Prata.Patacho northe allemo Naney, ca-
pito E. Engel, carga assurar.
\
ECITAES.
Theatro de Sauta Isabel.
Encerra-so a sessao dramtica actual eom o
doseinpenhf da dramaO Piratas da Sananas.
Aonstimos a segunda rooresentacau desta peca,
a tmftssamos que poneos dramas teem sido de-
sempaahados em o nossa thealro, de to grande
Os Pirata da Savana urna composiran de
dous escriptores omnenles da Franca, um dra-
ma digno da espeetacao geral j pelos brilbautes
Protectora das familias
Associacao brasiieira de seguro mutuo sobre a
vida, approvada por decreto do governo imperial,
de 13 de junho de 1861, a gerida pelo Basco Ru-
ral e Hypotbccario do Rio de Janeiro.
Commissao fiscal.
Veador Jos Joaquim de Lima o Silva Sobrinbo.
Conimendador Jeronyron Jos do Mesquita.
Commendador Boa ventura Goncalves Roque.
Cotmnendador Guilherme Pinto do Magalbes.
Bsudo dessa associacao en 30 de abril de 1869,
contrates 5,802.
Capital subscripto re. 8,716:470*560, aspossdas
que quizeran nserevir-se piKleraO dirifir-se aa
raa do Livcamento o. 19, primeiro andar: a tra-
tar com Sr. N, de Vidal, encarregado pelo
O inspector interino da alfandega faz publico
que aeh.iiid.i-so as mercaderas comidas nos volu
mes abaixo mencionados, no caso de serera arre
matadas para consumo, nos termos do capitulo t
titulo 3 do regulameuto de 19 de setembro do 1860
os seus donos ou consignatarios devero desparta-
las ao prazo de 30 dias, sob pena de lindo elle ae-
ran vendidas por sua conta sem que Ibes li |ueo*Mi
["lindo allegar contra os effeitos de-ta venda
Armazen n. 6.
Marca Z100 latas sem numero com 28 lib. -
de tinta cada urna, rindas de Londres no patacho
iuglez Georgiana, entrado en II de dezembro de
1868, consignadas a Rabe Schamettau & C
Armazen n. 8.
Sem marca.1 barril sem numero viudo do Li-
verpool no vapor inglez Puntasen, entrado em 26
do junho do dito anno, ignora-se o conteudo o con-
signa cae.
dem CAM-I eaixa n. I, vinda do Londres no
lugar oldemburguea Sagitta, em 4 de agoste, dem,
dem.
dem J P & C800 caixas ditas sem lumer,
viudas de Livorpma na barca iogleza Orion, en ir;
da eln 12 de setembro, conteudo sabio, a Johun.-
ton Pater & C.
idem S200 ditas com dito, dem, den,
dem T A PI dita n. 16, vinda de Lisboa do
brigue portuguez Soberano, entrado em 24 da n
vemoro, Minora-seo conteudoe consignacao.
Ideo M diamante784 dita' cora sabio, vind,.
de Liverpool no brigue aniegense Activo, entra-
do em 28 de dezembro, a Sanmiers Hiothrs & C.
dem M diamante216 ditas com dito, idem,
idem, idem.
Sem marca1 tina vinda de Liperpool no vapor
inglez Alhambra, entrado em 22 de Janeiro do Bor-
rante auno, iguora-se o conteudo e cnsignaci.
Armaaem n. 9.
Marea H diamante1 fogareiro, seo numero,
vindode Liverp-ml m barca ingleza Imoene, en-
trado em 31 de marco de 1868, a Sn.w-Hankc;
AC.
dem J P A C300 caixas com sabio, de Liver
poi, entrado de 1 a 15 de junho na barca ingleza
Witckofke Teigr, a Jobnaston Pater & C.
M
INCORRETA l
r


Diario de Pernambu*-
Sabbado- 25 de'Junho rfe 18G9.
"]* <** d" jala*, n barca iugieza
* '__ & G-Uf ditts,Jem de I a 17 de ags-
le,_l"*.<\Um. idea. ^*
|J P atC-5& n 8 de
i P C-tSs ta^Men cm 4 de aetem-
*. aBaan.aiaa.
"i*?** C-~I ffcrnlhn, ignora-se o con
?&* "S01, ** pulagnea Jfuna da
' 2^2^* ""*" m *c
*tW caitas coa sabio de L-
1 de ti a M **_P__*" Srranaiaa, a Satuders Brothrs A C.
1 SI (Afanara, idem, dem, a ord*n.
. E C^-l caira cota lonca a. SO, idem,
'"J^** '**aVaoBdara, ao vapor ingle Sapkire,
**__<> aaaaaateII caixas de diverso; nume-
awta? de Lnadm, ao bripue inglez Helena,
"** *2 a 31 de dexetabro, eom biscoutos, a
itC
P- C1 dita sem numero, idem,
'deav entrada em 8 de Janeiro di) correte auno,
nm ahaosaks. a Johnnston Pater 4 C.
Idsw A G4 ditas d a. I a i. andas da Porto,
na barca) fanameta Itesnque II, em II de leve-
reiT*, afta nurles, a AKnno Ina da Silva.
idon Pialo Barbosa A C1 diu sem numciv.
idffla. idem. coa atareas eneres, a Pinto Bar-
baca A C
Idea II saeco, idem, idem, eom noces, a or-
den).
Idem F K S3 isas ns. 32, 38 e 41, viudas de
Loadme uo tarar inglez Pean, cu 2! de marro.'
Amaro.................
Dito do lugar'do Campo-Ver-
de.....................
Dito do largo da Sotahde..
Dito da cata d'agua dos Pi-
res .. -................
Dito da>prdc da Boa-Vista..
Dito da ra de S. Goncalo...
Bairro de S. Jos.
Cliafariz do largo da Ribeira.
Dito da ra do Terco.......
Dito de defronte da Cabaoga.
Dito da ra Imperial.......
Dito do largo de Nossa Se-
ahora da Paz de Afogados
Passagcm- da-Magdalena.
abril do largo do Viveiro.
Dito da entro duas poutes..
2:20<);>00O
8000000
'l:7WO0O
4:875000
5:0004000
4:200?SOOO
20:000(5000
9:5005000
5:000^000
2:0000000
5:000,5000
2:5005000
24:000,5000
150^000
2400000
390,5000
i F 5 S* diu< as 31. 31 e 35. dem, idem,
a JaY aML dem, idean.
Mr F S S_i ditas iiv :o\ 37. >.< o 40, idem.
Armazem n. II.
-I diu a 201. vindade Sonthamp-
nao va*** iariec Ln Pinto, em 27 de junho de
em. coa gravaras. r-asiga*das a Odlaeo
i* M I. (lainaate5 ditas n- KS i 950-
Wt Sanar-Vori: ao patacho ademan Poltnr,
^HE~*fat4rt, anal aterradorias, a H. M L. A ('..
M L umaam3 varas ferro, swn nu-
na. atan, dnav idea*.
NHL dtiaaaate10 barricas droga?, idem
. idem.
i CV CI eaika a. SOS, viada de Bordeaux
li-aaeet Ertremutiwr, era 12 de selembro
. aOiMaon.
atna '* CI dita a. IjOU. viada de Hanibur-
aa a* tasar iaala Iluf, em 3 de dezembro,
Man C A 1 dala a. 1 viada de Kordennx no
vapor frontil a Ettumumre, eaa 13 idem, otm titas
a A C
Seaa atarea7 aoiaaaec, tai aannero. viodos do
aanCnrade do Xerte aa barra Wc aaw> aV l)a>. tfaora a o eooleudo e eonsignaro.
de Peraaoabaeu 13 de junho de IHti'.l.
L. fC. Pr* V A*dra4e.
IECLARACOES.
Capunga.
Chafariz da ra das Pernam-
bucanas...............
1205000
120,5000
Total... 80:510,5000
fNa secretaria da cmara municipal desta
se fu aaMieo para eunbecimenio dos in-
_ ic ao leado >ido arremata dan 93 d orreale. cont eslava m annunriadas i
ks de~ eoaoTtus da estrada qne eonduz a
i. e dos roncerto* do maladoiim publico,
i V aovo eaa praca peta ultima voz no
i M m nw-ealf mei as ditas obra?.
. da cmara municipal do Recite, 2'i
de iee>.
O secretario
Fimwhc* Conn/o a Bm-riagem.
rArai do Ui.n Sr. iasaector da Uiesou-
i de raneada desta pravincia se faz publico,
o di* 7 de jaiba prximo, pelas 2 horas da
ser arrematado pCrante a junta da mesnu
-aria por narra autor lauco ofterecer, a me-
easa terrea a. 18, iu na ladeira da Mise-
da ctdade de Ohada, avahada em 1:0004:
ajes deverau comparecer nesta thesoura-
rw referid din chora.
Seerrtaria da ihe -uraria de fazenda de Per-
aaatbacc 23 de jaabo de 1869.
'.'trriada de ofltcial-maior.
Haaoel Jos Pinto.
COJttPANHU
DO
BEBERIBE
Sni coiiseqtienria do ad sie da adouBislraro desta coropanhia, no
lera lagar no escriptoro da companhia ra
Je Calinga n. 16. a arrematarlo dos cha-
e tocas par bairros, nao se admit-
prapostas que cotnprehendaai mais
: TarTO, nem |hm~ esparo maior de um
ec staheres licitantes cemparcfam
^us fiadores ou dcclaracao dos raes-
ne eackmado dia, devendo ser as
ean carta fechada apresentada na
(-casino, ou antes no escriptorio,
se devero esclarecer e infor-
das condcoes do contrato de arre-
,e dedara-sc que fica a venda d'agua
ri o anar exclusivamente feita no bairro
aWh
tases sobre as quacs se de*e Ianrar:
Rairr j do Recife.
Ctnfarii e bica do caes da al-
fudefai............... 5:600d000
IHaS 4a roa da Craz....... 5:200-5000
Oib- da ra do Brura...... 4:U00->O00
:> !... dn Fiarle do M.H-
. .................. 5:200,5000
Kscriptorio da Companhia do Beberibe,
23 de junho de 1809.
O secretario,
I)r. Pra.vedes Gomes de Souza Pitonga.
Santa Casa da Misericordia uo
Reelfe.
A Illtna. junta administrativa da Santa Casa da
Misc-ricordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 24 de junho, pelas
i[uatro horas da larde, tein de ser arrematadas
.jitein mais vantapens offerecer, pelo tempo de um
i Iraa aaans, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEXTOS DE CARIDADE.
I'.ua Direita.
obrSado de dotls andares n. 8. I:067000
Ra do Padre Floriano.
Cisa terrea n. 47...... 1703000
dem idem n. 63...... 176OO0
Idem u. 47. 49....... 170^900
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30...... 1773000
Idem idem n. 34....... It8000
ldamdemn.36....... 1780o0
Ra do Calaboucp.
Casa terrea n. 18...... 300^000
ld.-,nn.20.......2423000
Roa da Mocda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 7G3000
Segundo andar dito...... 96$000
Areal do Forle.
Casa terrean. 1....... 100000
PATR11I0.M0 DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla Velha.
Sobrado de dous andares n. 134 6003000
Casa terrea n. 18...... 2063000
Casa terrea n. 16....... 2063000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27...... 144&OO0
Ra do Trapiche
Sobrado de tres tandar n. 30.. 652300
Largo do Pcraizo.
2.' loja da travessa...... 1213000
3.- diu dita........ 733000
Azeito de Peixe.
Sobrado de um andar n. 14 6503000
|asa terrea n. 2. 4523000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 5....... 1503000
dem idem n. 12...... 1463000
Ra do Burgos.
Idem n. 21......* 146300.
Ra do Vigario.
!. andar do sobrado n. 27. 2403000
Madre de Deus.
I. e 2." andares do sobrado n. 1. 300*000
Loja do mesmo sobrado..... 8003000
Sobrado de um andar n. 9. '. 3603000
Casa terrea n. 22.......1:0003000
Rita do Pilar.
Casa terrea n. 105 ...............
Idem idem n. 103.................
dem n. 110....................
Idem n. 98.......................
Idem n. 96.......................
dem n. 94.......................
1463000
2023000
2033000
2033000
,, 2023000
2403000
1503000
dem da Mirueira u 4..... 106*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de junho de 1869.
O cscrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
20:000:5000
de Sanio Antonio.
4a largo do Carao.
Bita) do largo do Paraso-----
Uto da praca de Pedro II...
da nu do Sol........
da roa da Concordia..
da Boa-Vista.
Oufariz e teca do caes do Ca-
?arilic...............
Dia da nu da Aurora......
Oto da ddae aova de Saato
7:000->000
5:600,5000
3:1005000
2:500$000
:i:8O0-500O
22:000:5000
3:000:5000
1:200,5000
Pela recebedoria dti rendas- internas
ge raes, se faz publico quej ueste corrate
niez de junho, que o^devillres- d iropes-
lo-de 2(i por capto da dcima domSo-naor-
ta e da imposto especial. sobre casas de
movis, roupaetc, fabricados ero paiz es-
traogeiio teera de pagar, livre do multa, o
21 semestre do exerciciocorrente de 18G8
1869, depois do que ser cobraio-com a
multa de 6 %. *
Recebedoria de Pcrnambuco 2 dejimno
de 1869. Oadministrador
Manoel Carneiro e Stiza Lacerh.
Consulado prorincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico que, no dia Io de junho vindouro,
se principiam a contar os 30 dias uteis
para a cobranca bocea do cofre dos im-
postas: da decima urbana, de 5 % sobre
os bens de raiz pertencenles corporacoes
de m5o mort3, e de 20 % d. consumm
de agurdente relativo ao 2 semestre do
anno tinanceiro vigente 18681869, e que
pcam sugeitos 3 multa de 6 % iodos os
dbitos que forem pagos depois de Qndos
os referidos 30 dias.
Mesa do consulado provincial do Per-
nambuco, 23 de mai( de 186!).
Antonio Carneiro Macliado Iiios
COR GERAL
Pela administraeao do correio desta eidade se
faz publico a quem interessar po>sa, que nao se
demorando os vapores da companhia Messageries
imperiales neste porto em son regresso do luo de
Janeiro, o tempo preciso para se fazer a exnedieo
das malas para Europa, tem resolvido que as
malas se fechein as 6 horas da tarde do dia ante-
rior ao da chegada dos mesmos vapores.
Correio de Pcrnambuco 23 de junho de 1S69.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
THEATRO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
laoaiaia aaaiaiBaa.
Definitivamente ltimos espectacuios da presen-
te estacao diamatica
HOJE
SABBADO 26
E
Amanha
DOMINGO 27 DO CORREXTE.
O limito apparatoso c applaudido drama em 6
actos
OS PIRATAS DAS S.MMS
Comecnr as 8 horas.
THEATRO
Gymnasio Campestre
Sabbado 26 de junho de 1869
RECITA EXTRAORDINARIA
Em beneficia da artista franceza
ssasa sKDi?i?a
Pela beneficiada
Lamonrense a Baslien.
A companhia dramtica representar a interes-
sante comedia em um acto, original brasileiro,
ornada de msica, intitulada
Tchang-tchin-bung.
Tomam parto a Sra. Rernardina e o os Srs. Sil-
va e Florindo!
Em seguida a beneficiada executar ajgraciosa
canconeta
Entre Pars et Lyon
Depois a orchestra tocar urna escolhida
POLKA
Seguindo-se a representacao da rauita applau-
dida comedia em um acto ornada de msica,
denominada
BOLSA !: CACHIMBO
Tomam parto a Sra. D. Jesuina e os Srs. De-
Giovanni e Florindo,
Finda a qual a beneficiada cantar o chistoso
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guem
precisa comprar para a escripturago do almoxa-
rifado o scgiiintc :
1 livro de papel hollanda pautado de 80 folhas.
i ditos de dito dita de 40 folhas.
1 dito de dito dita de 80 folhas, formato menor.
1 dito de dito dita de 70 lolhas.
1 dito de dito dita de 60 folhas.
1 dito de dito dita de 50 minas.
t ditos de dito dita de 30 folhas.
i ditos de dito dita de 21 folhas.
i ditos de dito dita de 20 folhas.
2 ditos de dito dita de 16 folhas.
Para provimento do mesmo almoxarifado.
400 vassouras de palha.
400 ditas de junco.
200 ditas de piassava.
10 resmas de papel rartazinho.
Para a companhia Se cavallaria.
1 camisa de mcia.
M lencos de algodao.
38 pares de luvas de algodao.
58 pares de meias de algodao.
142 varas de algodao.
As pessoas que quizerem vender ditos artigas
aprsentelo suas propostas na sala do conselho
as 11 oras do dia 28 do correntc.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pcrnambuco 21 de junho do 1869.
Hygino Jos Coelho.
Coropel director interino.
Jos Raptista de Castro Silva,
Secretario.
carm, m* vestido de cotwibeiro fjotur de coi-
nbaira.
Segue-sa Boda '
VVALSA, '
ejecutada i>elo eadello Finetln.
U cachorro Lindo, pascando pelas pernasdeseu
aajo, guiar depois un tonel eom as natas dian-
tejrR, conclnindo este trabalhe,. pond-scom as
(|tUtro palas sobre o tonel.
Em seguida o cachorro Sapiton, executar um
trabalho gymnastico, passandi sobre as mo>
diantoiras.
Seguo-so
A IIARQUEZA DE POMPADOUR
Acomjianhada por seu criado, sondo estas duas
passagens execuladas, a primeira por um cachor-
ro, a segunda por um macan.
TIIANSTR.XOS DE l'MA VHtiEM
pela macaca D. Jaciullia.
Intervallo de 20 minutos.
Agrande posta russa execotada por seis caes,
un macaco vestido de niaiural, sobre o rao diau-
teiro e um outro inicaco vestido de|Kstilhao.
O SALTO DO CARNEIRO
imitado por dous catorros.
O CACHORRO D'AGUA
duendo diversos trabahos sjmnnsticos, como pas-
sar por arcos etc., etc.
A EBCADA AEREA
execulada pelo ueborro Oaribanii.
O PASSEIO SOBRE O GLOIl'i
executado pelo cachorro Ravel.
O DESERTOR AFRICANO
Sendo o desertor julgado e sentenciado a pena
u!ti:-na, ser fuziludo einpreseiica do publico pe-
los seus companheiros, chegando 'laiilinhera eom
o perdao aeha-o morto ; nest occasio anparece-
rum carro funreo conduzido por um macaco
alim de levar o cadver ao seu destino.
0 gymnastico maracaio
L10 DORIO
cojos trabalhos foraiu muito bem aceitos no es-
pectculo anterior, executar arriscados exerci-
C0MPA3HIA PERJAfllBUCANA
cos no
waas>33(!)
CORDA BAMBA
Os buhles acham-se na estaco dos trilitos ur-
banos e no theatro, pelos mesmos presos da re-
cita anterior, cuja alterarlo loi feita nicamente
para compensar pafta do prejuio, que, as passa-
gens gralis do em cada especlacuo.
Presos los bllhetes.
Camarote eom 6 entradas, passagem gra-
tis, em qualquer trein e a qnalquer
hora, antes do espectculo e depois do
mesmo, em trem especial............
Camarote eom 6 entradas e passagem
gratis, em trem especial; depois do es-
pectculo..........................
Camarote cora 6 entradas, sem passa-
gem gralis.........................
Cadeira eom passagem gratis, em qual-
quer trem e a qualquer hora, anlcs
do espectculo e depois do mesmo,
em trem especial...............----
Cadeira eom passagem gratis depois do
espectculo em trem especial........
Cadeira sem passagem gratis...........
Geral eom passagem gratis, em qualquer
trem e a qualquer hora, antes do es-
pectculo, e depois do mesmo, em trem
especial...........................
Geral sem passagem..................
13000
13500
2000
24600
23200
23000
loOO
i 000
O artista Platuni, leudo de seguir brevemente
para o Rio da Prata, tal vez de somenle esta re-
presentacao eom os seus animaes.
O divertimento principiar as 6 horas da tarde
e terminar as 9 da noite.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vivcgaf&o coselra por vapor.
Goyanna
O vapor Parnhyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 26 do cor-
rente as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas passageiros
e diheiro a frote no escriptorio do Forte do Mat-
los n. 12.
A orcheslra executar utna linda
WMm
Pela beneficiada, a muito bem acceita canconeta
Le Bal de L'opera
Terminando o espectculo eom o bcllissimo passo
hespanol.
LA MADRILEA
Dansado pela beneficiada que espera merecer
do Ilustrado publico pernambucano, a necessaria
proteccao.
Os bilhetes acham-se na residencia da benefi-
ciada, becco do Ciume; e no dia do espectculo
na estacao dos trilhos urbanas e no theatro.
N R.As pessoas que quizerem assistir a este
divertimento, ferao passagem gratis, antes e de-
pois do espectculo.
Comecar as 7 e tres quartos.
EXTRAORDINARIA NOVIDADE!
Domingo 91 de junho de St
AS 6 H0R3S D\ TARDE.
Grande, maravilhoso e muito applaudido espec-
tculo em que toma parte o gvmnastico maracaio
JULIO DORIO
e a ompanhia composta de
24 MACACOS E CACHORROS
rocentemente chegada a esta capital, sob a direc-
cao do artista
PIATUMI
que leve a honra de traba! har eom os seus admi-
raveis animaes, as primeiras cidades da Europa
onde obteve innmeros applausos.
LINDO FESTIM MACACAL
no qual os convidados sao servidos por do"us ma-
COMPANHIA BARS1LE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad*
at o dia 28 de junho o vapoi
Paran, commandante o capitac
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Rarbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os porlos do
sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 2
horas.
Nao se recebem eomo enrommendas senao ob-
|ectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Ntvefjagaoi costeirn por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio jjfentooso e;
Tamartdar.
^Tlht O vapor Rarahyba, commandante
SlJiX' MeHo, seguir para os poitos cima
Ji Miaaf noilia :t0 do correle a mcia noite
Recebe-carga, cncommandas, {atsageiros e di-
nheiro a frete, ni" escriptorio do Forte do Maltes
n. 11. _,
Aracaty
Segu nestes dias o hiate Sokmtfnie, ainda re-
cebe algwnacarga a frete : a tratar eom S Le-
Ino IrinOB, ra da Madre de Dos n. I._______
Para Lisboa-
Segue oom toda a brevidade a barca portugueza
Constante III, por j ter parte da carga prompta .
para o qtto I he falta e passageiros, irata-se eom os
consignatarios Oliveira, Filhos & C, largo do Cor-
po Santo n. 19, ou eom o capitao na praca do
oaimnereio
Para o Porto
saho at o da 27 de junho o brigue porluguez
Trumfttto ; para o resto da carga e passageiros,
trata se eom os eonsignatarios Thomaz de Aquino
Fonseea & C, ra do Vigario n. !', I" andar.
COMPANHIA PEHNA.WBUCANA
DE
Navegacdo coslctra por vapor
Fernando do Noronlia.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para o porto cima no
dia 8 de julho prximo pelas 11 ho-
ras da manha. Recebe carga at o dia 7, en-
commendas, passageiros c dinheiro a frete at
as IQ hora* da manha do da da sahida ; no es-
criptorio do Forte do Mattos n. 11
Para Lisboa
vai sabir por estes dez dias a barca portugueza
Alc.candre Herculano, capitao A A. de Ahncida.
por 1er parte do carregamento prompto ; para
carga e passageire-s para os quaes tem excelen-
tes commodos : trata-se eom E. R. Rabello, ra
do Commercio n. Vi.______________________
RIO DE JAll!
Segu eom brevidade para o porto cima, o bri-
gue nacional Damo ; tem parte do seu carreca
ment engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
c un os consignatarios Antonio I^hiz de Oliveira
Azevedo & C. ra da Cruz n. 57.
Coiupauhia auiericaiia c brasile-
ra de paquetes a vapor.
Aleo dia Io de julho esperado dos'portos do
sul o vapor americano Sontlt America, o,qual de-
pois da demora do costume seguir para New-
York tocando no P ir e S. Thomaz, para fretes e
passagens trata-sc eom os agentes Henry Forstei
& C, ra do Trapiche n. 8.
COUIP ANUA
DAS
Messageries imperiales.
At o dia 30 do correntc mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Eslramadure, comman-
dante Giosto, o qual de iois da demora do costu-
me seguir para Brdeos tocando em Dakar (Gn-
re) e Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens Irata-se na
agencia ra do Commercic n. 9.
I'IRV
Para o referido porto segu cbm muita brevida-
de o palhabote portuguez Aoro Protegido, por ter
a maior parte da carga tratada ; e para o resto
que lhe falla trata-se eom o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, a ra do Commercio
n. 17.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavega^o eosteira por vapoi*.
Macei, escalas e Penedo.
O vapsr Potengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 30 do correntc as 5 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 28, encommendas,
Sassageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
a tarde do dia da sahida no escriptorio do For-
te do Mattos n. 12.
Fngio nantcm 3Mh corrate a preta Lucinda,,
-om 30 aunas de idade, cor preta, abenas tres
nantei no queixo inferior 'e'Tnuitos calomMnhos
as distas, eq e sendo estes muito tisivei, faei-
i.to';i a^pprcbfnc^) del la : portafto roga-se a
quem a apprehen
que se gratificar.
r lcva-la a ra Nova n. 69.
Criado.
Ni travessa da ra Bella n. 6 preeisa-se de um
criado de 12 a 14 annos, preferese eseravo.
G-aliaiito assignado aoraprou o tsiaeleci-
monto de venda ao Sr. Joao Antonio da Mott3.
na nu do Pilar i>. 56, livre eil^ombararadowpor-
tante avki a todbs os commerclanles desla praca
de Peruambuco, aquello que liver contas eom o
mesmo, aprsenle no przo de tres dias para se-
ren pagas a contar deste.
Recife, 25 de junho de 1869.
Antonio dos Santos Melro.
IVScarfiorlnh* Emilia Jorge. Bernardo Pereira
do Carino Jnior, Jacintho Pereira do Reg e
Antonio Fernaudes Jorge, viuva, genros presente
e lilho do finado Henriq'uc Jorge, agradecen a
todos que no dia 2i do correntc, dignaram-se de
assistir s exequias c aeompanhr ao ceraiteiio
publico o cadver daquelle seu to presado mari-
do, sogro c pai, e ainda agora ronvidam a todos
os amigos e parentes para assiUiren na matriz
do Santissimo Sacramento de Santo Antonio s
miagan quo se ho de celebrar no dia 28 de junho
eorreato das 7 s 8 horas da manhSa. Outrosim,
proleatam desde j seu reconhecimento por mais
csse acto de raridnde e religiao.
Pelo presente sao convidados os socios da
sociedaileDezt.-sete de Janeiro,a comparecerem
no dia 30 do correntc, as 6 horas da larde, na
casa n. 48, ra da Cadeia, afim de constituida a
assembla geral, proceder-se a eleico de qtie-
trata o art. 29 1" dos respectivos estatutos.
Recife, 25 de junho de 1809.
O !* Secretario
Alvaro Caminha T. da Sm.
Precisa-se de una ama na ra da Impera-
triz n 9.
Negros fgidos
Fngiram dous escravos, sendo um negK- de no-
mo Joo Caba{0 e outra de nomo Luiza, fugindo
o negro no dia 5, o a negra no dia 15 do correntc :
o negro tem os signaes seguinles : iiaixo, gnwso,
tem urna perna eom um geito para fra, embigu-
do, pouco cabello na C' roa da cabeca, teve barba
pouco e n'um dos ps tem um dedo mais curto
do que os outros, idade de 40 annos pouco mais
ou menos, bebado, e da Angoll. Os signaes
da negra sao : cor preta, crioula, alta, e-t peija-
da, cara comprida, beicos grossos, embiguda, ps
grandes e apactados, falla grossa, leve bexigas
que pouco se conhecc, sendo estes escravos do
engenho Machicoaba, donde vieram a pouco para
esta praca ; a pessa que os pegar c levar no si-
tio S. Miguel nos Afogados, ser gratificado.
Joo de Arala Cmara, subdito brasileiro,
vai Europa.
AVISO
Os trena que devetn partir nos domingos
e dias sanctiicados s 8 e 9 horas de noite
do Recife para Apipucos e de Apipucos para
o Recife icam mudados para 8 '/ e
at novo aviso em contrario.
9 '/
Precisa-se d'alugar urna casa eom
sitio ou quintal, que tenha commodos para
familia, em lugar desde o Caldereiro at
Apipucos, prxima aos trilhos urbanos:
pessoa que a tiver e queira alugal-a annun-
ci ou dirija-se ra do Apollo n. 2 arma-
zem, a tratar, eom Pinto Barboza C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
!avcga?o eosteira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Eustaquio, seguir para os portos ci-
ma no dia 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 28, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frote at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.___________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaeo eosteira por vapor.
Mamangiype.
O vapor Coruripe, commandante Penna, segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as 4
horas da tarde. Recebe carga, encommendas,
passagens e dinheiro a frete at as 2 horas da
arde no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
PARA LISBOA
Seguir eom a maior brevidade possivel o bri-
gue portuguez Constante I, por j ter grande par-
te da carga prompta; para o restante e passagei-
ros, trata-se eom os consignatarios Oliveira, Filhos
4 C, largo do Corpo Santo n. 19, ou eom o capi-
tao na praQa do commercio.
LEILOES.
LEIUO
De fazendas avariadas e limpas.
HOJE
O agente Oliveira far leilo por oidem de di-
versos, de chitas e outras fazendas avariadas, por
conta e risco de quem pertencer, e de muitas ou-
tras em bom estado
Sabbado 26 do corrente
s 11 horas da manha, em seu escriptorio a ra
da Cadeia n. 4,1" andar, por cima do armazem de
fazendas do Sr. Barroca.
Rotilia Tolentino de Figueiredo Lima,
tendo lido no Diario de 4 do corrente a
sua exonerarlo de 3o snpplente de subde-
legado do Io districto de Serinh5em, vem
declarar que ella foi dada a seu pedido por
ter mudado de residencia para a villa do
Cabo._________________________________
JAL
Precisa-se de urna ama paracozinhar para urna
pessoa : na ra da Roda n. 46, 1" andar.______
No dia 17 do corrente mez e anno desappa-
receu do porto do capim da ra do Sol, urna ca-
noinha de um s pao, de amarello, eom os signaes
seguintes : um remend no ncolamenlo do lado
direito, um hinco de vella de sieupira, buscarda
emendada no bico eom chapa de arco de barril.
dous peniros de proa, um grande e outro pequeo,
e na popa tem um annel de ferro pregado no gyo
em lugar de argola_: quem della souber participe
a siu proprietario na ra do Senhor Bom Jess
das Crioulas, casa n. 8, que tem lampiao na porta,
que o recompensar.
Aluga-se
o Io andar do sobrado da ruado Vigarion.5 para
escriptorio ou para familia : a tratar na padana
da ra Direita n. 84.
AVISOS DIVERSOS.
Desappareceu de um sobrado da ra estrei-
ta do Rosario um traneelim de ouro, chato, eom
passador de pedra3 verdes : desde j previno-se
aos senhores ourivos qHO se apprehenderem o dito
traneelim, leve-o ra das Larangeiras n. 8.
No collegio da Concciijo preeisi-se de um
porteiro.
__Precisa-se alugar ama escrava para vender
na ra, e tambem compra-se agradando : na ra
das Cruzes n. 35.
O bacharcl Pedro Alfonso de Mello, ten-
do brevemente de fazer urna viagem a am
capital do Cear, avisa aos seus consti-
tuintcs, qua na sua ausencia fica incum- _|
hido de suas causas escriptorio o Dr. a
An'onio Justino de Souza, eom quem os i
mesmos se poderao entender respeito, a
ra das Cruzes n. 41, Io andar : e apro-
veita a occasio para declarar a quem
convier que durante a sua estada na-
quella eidade poder encarregar-se de
| quaesquer negocios proprios de sua pro-
nsso.
.wammsm
Precisa-se de urna ama para engommaro
cozinhar : na ra das Cruzes n. U. ______
Preeisa-se de
pratica de taberna :
dous caixeiros que tenham
na ra da Aurora n. 56.
IMJA

_ CABUGA
U1 esquina
da ma larga do
Rosario.
AO AML DE OURO
HIJA


EO
CABUGA
Este importante" estabeletmenxf no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. a raa iarffa0
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.l 5 |
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e peclras flnasTpor presos muito ele- Rosario,
vados.
A loja est aborta at s 9 horas da noute.
|T)OTA INCORRETA


Diario de Pemaiftbnco Sabbado 25 de Junho de 1869.

r FiLQIS
fi'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
' aa
IIClITli II CI1IT1ITIIIITI 101 CIlrLITt SlTUIIT Di
4*
J RU
tlirESN DE SOL:
De todas as quadades I
De todos os feitios I
De todas os presos !
RA DO CRESPO N 4
11-Eua estreita do Rosaris 11
Xaropt de Fedegoso, do Pinto.
E' de urna efcacia verdaderamente ma-
ravillosa como calmante do sy-tetna nervo-
Sj o applicado contra a paralisia, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, tosse recen*
tes ou antigs, suffocaces, catarrlios brdn
chicos etc. e a final ct otra. todos os sofl'ii-
mentos das vas respiratorias, e na phiisi-
ca pulmonar, sua virlude contra o ttano
ou espasmos, e convulcoes 6 inconlestavel
e ninguem ha que o d sconheca.
UM nESCOmilMKTO KSP4NTOSO!
llhn. Sr. Joaqun d'Almeida l'iio.
t Braga, 28 de Janeiro de 1808. Met
amigo, aqu cheguei com alguma melho-
t ra; depois de ter tomado tres garrafas
do seu preparadoXarope de Fedegoso
* isto peto mar, porque logo que the-
guei em Lisboa, principiei com mais le
t a tomar o dito tarop, por conhecer pelo
mar que elle fazia grande beneficio, pois
vista da grande qtianlidadu de sangue
que en botava pela bocea, vi queme hia
* desappancendo com rapidez, depois que
continuei a tomar o dito lagopo, e t >
milagroso foi para minlia molestia que
boje me acfao de todo restabeteckfo, e at
mesmo bastante nutrido, e por issopde
< Vine. fazer scienle ao publico o milagre
I que o seu preparado obrou naminlia en-
fermidade. Sen.it-mpo para mais, son
De Vm:
| Amigo atiento venerador emuito obrigado
Manoel Jos Gonsalces Pereira.
Este novo e atiesto ealabeleeimeato, leudo aberto ao respeHavel publico este clc-
iraale fcea*. foruer I qne situado n'uma p isicao inloiiMineiile saudavel, o sen-
aa HTlmtr nbr< ad pdos/divcs zepbvros da tarde, tnrna-se piflVrivel qual-
^tr raln do <**rp>. o da alma, e soeego '1 i spirilo.
Ni aavaenl terreo una casa d pasta mino profusa, da primeira ordem ; no
n-aanr andar. la aa frente, ra exc II :nte billiar de mogno, para divertmentO. Sala
de Uax uro n neira ordem. Qwmto ao asseio e bomfeitoria das cometi-
lo pessoal do (-iaiente, proBBptMfo e ommodidade, s
*js 'a is para fora, tanta por nos com avuls.-i. "Pnflos os lias, i un te.
racMitn..- frescos, cafe, cha, bous v'mhos Pigiieira, Porto, Bor-
4nk. i.i > bou eooMMdos pai silao e quarto mobiliario no segpn
do andar.
LIQUIDA
i
Iquida de precos
reduzidos. na ra do Crespo n. 17
11
A8T1IS
iiile/ d
Ditas bordadas para uboras.
j h irda! inhoras c
Ha s ciidos .'
lo las as quadades.
s de lodas as cores uiovos).
i m ia cAr para cabera (novo gosto).
dados, froukjas t0S fl rendas, ludo da torra.
:.4M :, \, '-i;,; is de tarl tana bordados, fazenaa de gosto, proprius
rara eaMaaatas, o vestuarios '. btpiitado de muito guato.
i cures, faz in la m
. s i!.; b onde para casan) mos.
rNimpon de liidta a seda, goslo uttinraeoto novo.
de todas as cores e de lindos padr -.
Selim Diaciu bra rao preto. grosdehapoles |de lodos os piejos e-
aes.
o ///;/). Sr.J Ha limito que ooyia proclamar aseiel-
lentes propriedades do Xarope de Fede-
t goso contra a tosse e asthma, soflrend*
cu de ula tosse pertinaz, c leudo usado
i de toda sorte de medicamentos, valime
pois do Xatom'de Fedegoso a urna gar
i rafa smente foi bastante pan re,stabe-
lecer:me, e me vejo tao robusto como
i ('antes; snecumbiria de ceno a nao ter
i asado do jarope do Fedegoso.
V vista disto nao tenho expressoes
com que exprim a V. S. a ratidao de
i que llie devedor o de V. S. altento
i venerador e criado
i da Cotia Bego.
i Illm. Sr. Ji'iquim d'.Umeida Pinto.
Tenho a ventura do commuuicar a V. S.
i que grcas ao manivilhoso Xarope de
i Fedegns.i, estot com o meu escravo Jor-
t ge completamente reslabelccido da mo-
lestia dospulmoes que btanlo lempo o
persegua.
Acceile V. s. esta minlia JeciaracSo
como prpva do meu reconhecimento peh
bem que V. S. acaba de fper-me e i li-
ja rcordactio ticarS internada no cora
.ao do
De V. S.
Menlo vciwwAlnr o ouuIo
Ba Mi Ijoituv.
r = ''
m
Ji
z = -.
te
IUi. >r. i y.ifineida Din
Cumprindo um dever de gratkfto, parti-
c po a V. S. que pormeio do seu iben-
foai Xaropsdt Fedegoso,' est perfeita-
neute ri'siab..'! .-; lo oi seus longos sef-
l'rimentos o neo escravo.
Como sabe, esle meu oseravo linlia
chegadoao estado mais aliclivo da mo-
lestia de pulnioe; na"o obstante um nao
interrompido uso de rememos, e nina
demorada viageroao iosso serta..
Pois bem; oonfefmidade, ojue seha-
via (ornado i b i" a lodos os i
em,pregados para combate-, i. oadeti.de
urna maneira quasi milagrosa, a qatro
garrafas, apenas, do seu fedegoso.
Boje, iracas a Deus, tenho o meu es-
cravo rostabefedo ; o nao fcil mos-
trar lodo o reconhecimento que sinto pelo
bem que V. S. me acaba de la er.->
Sou de V. S.
Criada agradecida
Mari* Norbnta flcheffer.
ir
-
- c
I .* I s
- ^ Si
ao
ft
i g c.^
a 3 _
U ico deposito, ra larga do Rosario n.
10, junto aoquartel de polca,Pornambu-
co.
Continuadamente se nos apresentam no-
vos tcstemunhos da efiieacia do fedegoso
Pernainbnco.
CASA "DA FOntlll
Aos 4:000S
Bilhetes giraiitidos.
4 ra do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo asignado tenrto vendido nos seusmui
co felizes bilhetes garantidos I mcio n. 4303 com
a surte de 700-3, 2 rjuartos n. 3273 com a lorte
de ZOi, e oulras niuitas sortes de 100, 40j e
iOi da lotera que so acabou de extrahir em be-
neficio da matriz de S. Lourenco da Matta (110),
convida aos posrtiidores a virem receber .eus
respeetivos premios s-em os descontos das leis.
na easa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2' parte da lotera
henefieioda igreja de S. I'edro Apostlo do Re-
cfe (Ut'Viue se exirahr segunda-fe-ra S do
Crrente mez.
Fceos.
Bhete.....4/000
Meto.....20O0
Qnarto.....i #000
Em porcao de 100| para cima.
Bilhete.....3*S00
Meto......11750
Quarto..... 875
Macoel Martms Freza.
Agencia de jornaes
Ra do Crespo n. 9.
Neta caa recebeni riiatnnts para todos
i mis de lio ropa e l!rn il, politi-w, Ilitera-
rios, Utastndot, d teitura, do moda. para ambo-
ras, de Ikurinos pera alfawtes, cibeUeiroiros,-cba-
peliaria, de religiao, de philosoybia, de direito, d<-
iurispriidencia,. de medicina, de pbannacia, di
i'onimiTci* Ruancas o economa poltica, de agri-
cultura, das artes engenharia e arehiteclura, de
icifiicias, de lusiarifcgBographia e vi*gen, de pe-
dagoga, de pintura e msica, de phojograpbJa, de
cara, fia niagnetisii'o, de niaconnnria, de fpiri-
tiniio, etc. As wfignaturas pugaut-e co acto de
subscrever.
L1VRAIUA fltANCLZA.
* O r. Crmirio Coutinhn, reside a ra
da Cadi'ia n. 84, ond tem aberto o seo
consultorio me tico, e pode ser procurado
quaiquer bota paia o exercicio de sua pro-
fisssao.
O advogado
Affonoo de Ali)ii(|uprqne Ifello mudnn o seu cs-
cripljiio para a roa das GraaM n. 37, defronte da
typographia do Diario.
un Lifi
Aluga-se urna ntala de 18 anuos, escra-
va, com bastante bile e de primeira erian-
(ja, muito sadia : tratar na ra do Quima-
do n. 19. segundo andar.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
OlIVItA.
para as obras dos
Criada
Precsase de urna criada para tratar de crian-
cas e sabir a passeio com ollas, o tambe in lavar e
eagommar : na roa do Queimadon. 39, 2 andar,
Bendo a entrada pelo largo de Pedro II
Precisase de una ama para coznhar e
comprar : na ra da CaiMn dR!fe n. 5,
O I)r. L. J. Correia do Sa usa de sua VSfc
S proliSfU"; para o ipie jidc ser procura- ^
HI do a i|iiali|er liara do dia em isa de >ua ^
;i residencia, ra das Nimphas n. 17. Da Vffi
onsullas gratis aos pobres todos o. das, 0
das 8 as 10 liora-'.
SKiliai
No escripwrio do Tasan Irnraos preeisa-se
fallar com p Sr. Joaquim doa Santos Figueredo.
Maia & Landellno tOcm para 7eHner sacros
cen fariuba de mandioca : na rita estreita do Ro-
sario traves do Queimado n 18 C.
PrerKvsc de um amassador ipie :ntenda de
rornoTO, paga-sebem : a tratar na ra das Cineo
Ponas n. SS,

Precisa-so de una ana para comprar e coai-
iiiiar. prefere-se esprava : na na Wova n. 28
Precisa-fe ^i' nUirwies le al aile : no esla-
helrcimenl'l de M i le.-, Fal^-ao & C, roa d Ca-
deia do Itecifi* n. 45.
Os abaiso assienados juigaiu nada dever a
pessoa alguma, [.orni se ajgpeiq se adiar com
direito, quoira con#are no pajeo.da_Rjb,cjra n. K>. i" I" O! qi; podrao alagar. Hrcifn 2-' !; jimlm ii.' 1869.
Guimara-'s & Barbos;!.
Lavase. enyoimna se eow ido acew c
prompldao por pittfO racoarel : ua ra Dreila n.
101. Xa mesma casa cosiuba-so para algum es-
Lilii'lei-iinelitii
DO
RECIPE A9
Precisa-sc comprar
trilhos urbanos para Olinda e Bebeiibe 7
ou 8 mil lulipas. Quem pretender esse
fornecimento pode apresentar, at o dia if>
de jumo, sua proposta em carta fechada
ra do Commereio n. 3 2o andar, es-
criptorio da compagina, declarando os prc-
gos. As salinas duvem ser de 2 25 m. de
comprimenlo, 20 a 25 centmetros de largu-
ra 6 40 a 12 de grossnra, < das seguintes
madeiras : sictipira, embiriba, mariaprela,
liarabi, ameba, oilicica, babatimo, pao
Ierro, jatob, coi acao .de negro, sapucaia,
ou pinho creosotado. Indos estas madeiras
devero .>er do milo edirigidas ao
Superintendente,
A adr Pono.
BOM1G0CI0
O commendador Tasso
leseja alugar por raodio
preco as baixas e aliga-
dos do seu sitio do Co-
unda, as quaes vo es-
e aponte da estrada ao-
va de Beberibe at quasi
acsuuu >uua ao lugar de Agua Fria,
comprebendendo urna grande ilha, i qual
assim como as referidas baixas se pre-tam
muito a planlacao de captm, arroz e qnal-
quer outras plaas que percisam de trra
fresca, lodo o anuo.
O referido cornmendador nao duvida fa-
zer arrendamento desses terrenos e alaga-
dos por 6 ou mesmo 9 anuos, e dar um
auno de fogo morto a quem der fianza
idnea e se obrigue a rotear os mesmos.
Precisa-so do nina ama para todo o sorvieo
casa de urna familia composta de tros pessoas :
ra Bella n. 3.
rao hiturniL
na na Nwi ii. 39, loja de fer-
ragonsd? SoizaHuimares.
Os proprietarios deste esUibelecment avisam
ao respeilavel publico qae wistWM a amostras dor
mais lindos logos artifleiaes para os f/stejos dos
dias dos gloriosos Santo Antonio, S. Joio e S. Pe-
dro, das memores fabricas de.sia cidade, assim
como diversas quadades de fogopebiiiea. pro
prios para senboras o 'ancas, comprceiidend"
lainbem urna aova mialidade de tragues america-
noe, os quaes admira sua bondade pelo seu pe-
qoeoo lamanliii, o que so com a presonca dos com-
pradores, podero cert'uicai-se da verdade.
Precisa se de um l'eitor para um sitio,
qu: seja morigerado e d Conbocimento Je
sua conducta : no sobrado n. 2-*, que foi do
Pinado Manuel Custodio no caes de Santo
Amaro.
Admiravel !!!...
E' na verdade admiravel que se venda una
sacca cora superior farinba 'ia trra a 3^800, no-
va e goslosa; nssim r uno iniraguaia (peise secco,
superior ao bacallio, a 1G0 rs. a libra e o 'i
a arroba ; nao se admiren), venbam ra do
Imperador n. i8,
ARMAZBM DO CAMPOS.
>
fugo e a risco maritimo.
Cruz n. 57 primeiro andar.
ie Segu '.'< e terrestre Fideli-
da V, estah la no Rio de Janeiro, ca-
' 3, 000,
AlOii.t Luiz de Oveira Azevedo d C.
VlQO'.nci lflVl fllTIflp ;i :iilia' u,mam seguros
Vld&Ilb pdtl WaiUrt ciml|.a f,i;-o e a risco maritimo. Ba da
Do 1" de julho em lijan-
te as paMtagtMS para O.in-
da. no omnibos do mi'smo
nrane, que prnprjedade
d Francisco UafuUdo (le
Medeiios, ser i!e 500rs. por vjagem, eas
assiguaturas meusaes i !-->. para coinmo-
di,ladedc>s passa,'ciros que moram na Biia-
Visla, o omnibos passaj pela ra do Hos-
picio : as boras da partida di: la ciilade para
Olinda. as 7 da maabaa e as 4 da tarde.
e de Olinda para o tecil'e, s 8 e meia da
manhia e as 5 e meia da larde.
i Precisase de urna ama forra ou captiva que
cortaba o en| mine : na i; a de S. Fraucisco nu-
mero 54.
FOCOS
Na antiga fabrica de fogos de artificio da rinra
Kutino. existe um completo soriimcnto de rodi-
nlias. craveinse pistolas, object.s pMpnos para
os festejos das noites de Santo Antonio e S. Joao,
tudo |iur commodo proco, c eomo seja a fabrica
distante da cidade, as pessoas que quizerem fa-
ier suas eucoouoendas, poderao leva-las no arma-
zn da bola amarella, no Miao da secretaria da
polica, onde tanibem achariu as amostras.
Frederico Bfaa
C'Ii-sirg dentista pela escola
de medicina
do BUio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeilavel publi-
co dcsta capital eaeos suhiirliins, qae tan aborto o
jcu gabinete de consultas e operagoes dentarias a
ra Direita n. 11, Briawira andar, onde pdeaer
Sroenradotodos os dias das 8 horas da mtnbii as
da tarde. Elle acba-se coinpetent'iiieiite habili-
tado para oom perfeicao collocar denles artiilciaes
porqual(|tierdos systcmas, e bem assim desempe-
onarqualqner mitro trabalho concernente sn
proOsao. o mesme, reconliecendo qua nemsem-
prn 1*1 pT"irrl i' "inbjm uu criancas sabirem a
procu.aro remedio, olferece-se a remover qnal-
|urobst;;ciilo, declarando que nai-idadese pres-
tar a quaiquer chamado sem me ssoinfloa coasa
ilgunia na c.iiiuiuodidade dos procos de sea traba-
Ihos, equando para fra del la assim mesmo ser
precedido de im ajuste rasoavel, garantndo elle a
joguranca" perfeifie de se-usditus trabulhus. Em
sou gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifricio, elixir e outi-03 niedipamen-
tos odonUigicos : ra Direita n. 12, primeiro
andar.
;:5!^is; B HHM Bl^|
|ESf!PBESTO SOBB
I


O abaixo assigaado, testameateiro in-
ventarianle dos bens dei vados pulo falleci-
do subdito france/ Joan Vigiles, convida aos
ere-dores do mesmo. a apresenlaiem-lhe as
coritas de seus crditos, pan por ellas se-
ren attendidos no inventario que se est
proceden lo pelo juiz municipal da 2a vara
desta cidade, e isto no mais breve termo
possivel, visto estar a concluir-sc dito in-
ventario. Becile I de jntibo de 1860.
Garpar Antonio Yieia Guimaraes.
as mas da ci-
das 9 boras da
111 P.
Cora esiifiodoioiua^Ho
dade todos os dias teis
manba s .fJ da tarde, urna caixa contendo
artigas das ultimas modas de Parispara
SKMIOBAS
Como sejam:
Ricas e bellas chap iliws.
Lindos c elefantes chap jsinbos.
Casaquinbos de guipare.
Fichas de renda prelos.
Dolicado soi iimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Bomas de lan e seda, claros.
Coques enfeitados e usos, etc. etc.
E muitos arligos de :iovidade tanto paja
senhoras como para homens e criauvas.
As pessoas que pretenderom alguns des-
des objeclos, queiram ter a bondade de
\. 20--rua do Imperador-N. 26. mandar dizer suas moradas noBAZAR
Rodrigues & C.
Mwm*mmmt^
ASMA
OPPRESSAO SOFFOCQO
a rrr*ia* 4'rih+r do dootor Clfrtas approvadas pela Academia imperial
de medicina de Pariz acalniam quasi sempre instantneamente os ataques d'asma,
oppresao, sooeafao, assim coftio as- io"ses de cabala untafincas. suf-
ciente u.i occasiSo em que appareccr o mal, o engolir-se urna ou dnas pereias
com urna pooca d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
Je genero dtuloencas.
* >"hi e (erbcathhM> do dootor Clbrtan sao impregadas diariamente
com grande evita para a cura das nvralgiae, rheumatismo, sciatico e catarrbos
da ae\iga, Eataa parolas foram sempre reconmiendadas por um grande numero
de mdicos e especialmente pelo Doulor Trousseau, que indica esle medica-
mento como o mais eflicaz. conyeniente tomar de 4 at 8 na oceaaio das
caadas.
A approva$8o da Academia imperial de medicina sem duvida a melbor
garaaa da boa preparacio d'.e^|i^d^pento,8 e de sua efficacia.
epowio em Rio-JwiB*, Dujionchelle ChepoUi..-?- Em Pa^iuwsco. MaurerkC".
U abaixo assigiiado scieuliiica ao corpo com-
mercial, e a qucni mais interessar possa, que ten-
do asociado em sua loja de fazendas sita na ra
do Livrantento n. 12, aos Srs. Manecl Jos Montei-
ro Torres, Marcelino Goncalves do Azevedo e Jos
Bento Para, c adoptado a Urina socialGonflves,
Para, t C.; tendo fallecido ote ultimo, temos
assoeados sobreviveates, e tambem abaixo assig-
nados, conslitnldo nova firma, sob a razo de
Goncalves, Irniao & C, a qual principia a girar
de hoje em diante, no mesmo negocio como at
afora, e responsayel pela litjoidafao das transac-
<;oes anteriores.
Recite, 2 de junho de 1869.
Antonio Goncalves d'Azevedo.
Manoel Jos^'Montoiro Torres.
Marcelino Goncalves 'Azevedo.
Mara Pereiliana vTUela dos Sanios conviJa a
tudos os pran^ei e amigo; 4o Jia do l)r. Jerony-
mo Villefa. de Castro Tavares, sen presado irmao,
a ouvirem urna missa por alma do mesmo, na
matriz de Santo Antonio, hoje .anta-fira i' do
corrente, as 7 horas da manraa, pelo que con-
ssaria desde t agradec "
Araba de abrirse este estabclcriineutn, com-
pleto jin seu genero, onde desde j se arha a dis-
posicao do publico, mediante procos razoateis :
Vinhos finos e de FigtieJra, excellente qnalidade,
licres, cognac e cerveja, genebra de Hollanda,
fructas o conservas, cha muito fino.
Ha 1 ariamente*
bolos nglezes. podins, pao de Lot, doces para cha,
pastis de varias quadades, empadas, fiambres,
etc. etc. Igualmente se rceliem encomroendas de
bolos para S. Joo e S. Pedro, casamenios. bapti-
sados, bailes, etc. etc., tudo com muito asseio e
promptidao.
<*(j.:piJ.HU*

Aluga-se o Io andar do
wmmkwmmmmmmmmmmmm
Aluga-se o Io andar do sobrado da ra
Velha n. i, a tratar nc 9 aajdar do ftunol
FTi
Mademoiselle Mane, franceza, val
ropa.______________
Eu-
Fundipao da Aufowi.
Naate.Yaalo.eslajbelociraente sempre se enconira
am coajpleto sortimonto de taixas a i ierro batido
a fundido, fabricada* recentemente, se fahricam
de quaiquer' moMA a wntade dos compradores, e
reeoe razpoaTeis,
;;oVD ." iifJuoini 'oui3nrf-oi;| uia i '"'"t
ubS.ihu ? ouioa ynii
DpO.1 UI.1 opCAEJu p!A Julll.Ulll op 3U13U O
'ap,.p|j|miHn8 eos p kiiuiijcS c bjj
taiuep so .iaiJuuo osou
-UixiDj ajsa nuati 'Jaiuj
8uii!isuoo se jeaiiiijcj a I
'iisojoiq.i e juna ued ouxa
joigui o uioo sepeSajduio oes
'z|jb^ ap Buijqwm ap (Buaduii imiiw) ujy
6|3d SBpAQjdde *||A *P "WMMi.l s v

MOLESTIAS d o PEITO
conrcHURCHL
XAROPE de HyPOPWJSPHtTO de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOde CAL
J'H.Ui A5 deti YflOPHOTPMrTt> de pul Wf WQ
PLIDAS
XAflOPEdeHYPflPriOSPrllT
flttUSalelrY
DA MODA RA NOVA N. 50aliin de
serem procuradas.
Os propietarios do= sa/.au da moda.---
eertos na opiiinesauiliaa destes arfloS,
aor seu mi'i liabil oorresponilente em Pars,
julgam-se no direito de aflianear que veu-
dem suas mercaderas por, preoos as me-
lliores condicoes a dinbciro.
(SEM-LIMITE.)
Sa Iravcssa da ra
das mm n. 2, pri-
meiro andar, da-se 40a!-
qacr quaislia solire ouro,
prata o pedras preciosas.
O dono deste estalieleciinento,
competentemente aulorisado pelo
.govetno. est as condicoes de ga-
rantir a transaeco que se fixer em
sua casa, promeltendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignaran de honrado em seu esta-
belec-imenlo.
Na mesma casa compra-s ouro,
prata e brilliante*.
LEIAM.
Em urna ataa de familia, a ra estreita
do Rosario n. 35 '."andar, l'oir.ere se como-
donas para fra, nandando-se levar as
casas que nao tiverom portador, o aanav
lindo-se oaceio, promptidao e comniodida-
dn no prefo, portanto convida-se aosSrs.
eslodantes negociantes a honrar-nos com
ai suas assignaturas.
Aluga-se
Urna casa com bastantes commodos na
Cidade Nova de Sanio Amaro, a tratar com
Antonio Jos Gonglves Jnior en Santo
Amaro.
aos
IV T M\3
amantes do quebom
Natem conhjcda casa da abobarla da Penda n.
37, continia-se a fornecer massas para b*>los de 5.
Joo, S. I'edro e Sant'Anna, com muita limpcia e
perfeicao. ^____
(UROS
Os abaixo awijuiados fazam scienle ao publi-
co e com espeoialidado ao corpo do commereio,
que (lssijlverain a soccdadenquo gyrava nesta
piaca sob a firma e ouin-...: ."i _& Barbosa, fi-
cando a cargo do ex-soclo Guimaraes todo o ac-
tivo e passivo, e sahintlo embolsado o ex-socio
Barbosa do tudo o sou capital o lucros, e desoncra-
do de tudo. Recito 20 de junho de 1869.
Jos do Contlittiinaraes.
Jos Antonio Barbosa.
Arrenda-so o engeiih lllia, juuh da villa de
Porto Calvo, as Alagoas : a tratar na ra do*
Coelhos n. 18 com Thomaz CaTakanti da Silvcira
Lins Jqnior.
Ernesto Alvim da Silva. uiaTa^elebrar
urna missa n matriz na Boa-Vista, sabbado
i6 docorrenje as 7 horas, pela alma da
Exma. Sra. D. Josepha Leopoldina Carneiro
da Cunha. esposa domajorJos Pedro Car-
miro da Cunha; para o que convida aos
seus cojjegas, patricios o amigos a assisti-
reuwi'a. t\t*t*t' *
MARTIMOS
COWTRAFOOO.
A Companlia Indemnisadora, estabelecida
esta prafa. toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogt
em edificios, mercadorias e mobilias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SETIC '
Ahiga-se um sitio na l'assaxem da Magdalena,
lom boa r-a.-a e umitas rvores de fructo: a Ha-
lar na ra do Crespo n. 2.
4ratiUea-e htm
Fugio hontem de manbaa, t do jnnbo, roukan-
di 861000, o moltxjue lieraldo, cornos signaosac-
gnintc : altura regular, secco do corpo, qlbos
abotoadi:s o beiros grossos, anda bastante apresa-
do, tem urna blido em uai dos olhos, tem lall* na
frente re alguns denles do lado superior e dedda-
de de 18 a 22 auno?: quem o pegar leve a.
casa de seu srnhor ra estreita do Rosario n o.
Deac infia-se rnie o mesmo nmleque seguio a estra-
da de Santo Antao.
IdeMANGANESA
TOSSE BRONCHITIS
OEFLUXOS. AStHMA
PAWILHAS PECTRAES-^CHB61IIU i
Slfir P^a.oi tuuvpa /n,,m wMr** aawj
aaXX, "e letrdro com a hh 4rUHt da I
Anda nao vieram, no entretanto o aegocm
p. te nloress, o prcsa-sc fallar ra do Cnapo
n. 17 oom os Srs. Paulino Ferreira da Silva, ex
procurattor-da-oainara. Dr. Francisco Pinto Pes-
sea.Maiwl-^VDandos Barros Bolacainlia
DJ. Catbaripa do Luna.JUaitoso, viuva de Ja-
liao Pureira .MattMo, roga aos ccedores de aM
casal a apresentarem suas contas legalisadas, ou
uuae-qner ttulos de divida do seu fallecido laa-*
rido. no praso de 30 dias, na villa do Cabo, a" Ma-
noellelemente R i beiru Varejio.
O provedor da irmauJade do S. Podro Apos-
tlo desta ciliado, convida a'todos os inaaos par
a eleir^ao do provadnr. boje 26 do correte, para a
sagracio do altar mor que comecar na tarda do
dia 371 e acabar na manlm do dia 28, e Anal-
ment para a missa pontifical no da 29. Recife
23 de jpaho de 1869.0 padre prnvedor,
Manoel - Ama
Oi(erece-se mta niulaer para ama
ponca familia, sabe bem coslnhar :
travessa de S. Jos n. 37.
em casa de
a tratar na

STA TCORRETA 1
DI! ill! ^ l MN
ILULLtJPURGATIVI
Alm
PbaraMha, %S, koaknrd MtnUfOl.
tntir u owHjHfWi, a erralatai', iV"i
' Mas, utia como Mil* c v*ev*Mmt
Ella tltr. gas Mrillt, l*HrtHM
%mrrm* Mknus.dArrr.caiarrlxw ~
lia e rtmwilKawy
1) ereriacutu tlts HBm Ca*I po.fc-
if-so nestas plru : mmhtittr ou

natttnpttte a
ifeittr-ie.
fmmmlwtttWH-
ete%



-.
*


U
'
(


r
Diario de Pemaibuco' Sabbado 25 de Junho de 1869.

\>
)

A ESMERALDA
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Piocopic de Sena Santiago,
ponto (leste tfieatro, que s eseja fallar na
ra Dreila n. 53, a negocio que nao lhe
lleve ser estranho.
. Aluga-soo 2a andar do sobrado daruaNova
o. 58 : a tratar no mcsnio.
Cozinlieira.
Para casa de familia precisa-ce de urna mulher
pcrfeita cozinhuira, prefei indo-so eserava : a tra
lar na rna da Aurora n. V2.
COMPRAS.
Feitor
Moreira Buarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da rna do Cabug n. 5, (junto a
toja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pr$a, e por presos o mais resumido possi*
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
9L S HL4 M CtKG,'
No engeabo Matto-grosso, comarca do Rio Par-
amo, preeisa-M de mu fonor, preferindoso es-
trangeiio : a tralar no mesuro engenho c.om Lea1
\ Irmao ne.-la (iraca : na ra da Cadoia h. 56.
(lia do
*au(a Cusa lu va srico*
liedle.
A junta administrativa da Sania Casa de Miseri-
cordia doerife, tend de mandar celebrar nina
missa cnm jnemento por alma do linadn Manuel
loio Joao de Amorini, na groja de N. S. do Parai-
zo, pelas 8 l| lioras da raaabaa do dia 28 do eor-
rente, convida aos parantes e amigos do fallecido
para assistirem a senielhante seto.
S. AXTOariO.
JOAO E &. PESERO.
Hi diariamente sortmenlo de betunos para cha, podios, p2ea de l, bollo inglez.
tatas, ditos em feainbre, pastis da diflarentes qualidades. Papis para sones,
bollos simples e enditados, amendoas concertadas e conteilos. Vinhos finos engarrafa-j
dos, superior cb itisson, preloe miudinho, Eructa em xaropes, ditas seccas e christa-
bsauas, assucar candi, sarapes refrigerantes.
Recebe-se encommendas de bandeias para casamenio, bailes e baptizados, com
bostas armaeoes de assucar, sendo estas preferiveis asdepapelao: bollos etc., p3es
de l enlatados, qualquer encommenda para fra ser bem acondicionada.
19Ra Nova-19
FltKIWKICO A^TIJKlt
. iruroaa-dentista, modo contieehto ha ffl annos n'esla cidade, pela perfeico Jos seu?
trsbalhos, tem aneara de parorpar ao respfeitavel publico que tendo feito muitos me*
Iheraraentos na sin casa; podo d'hnra avante resaber as senhorasnoseu gabinete onde
acharo os commodos precisos para familia.
Adn-se tambem na sua casa e na sua companliia, o seu sobrinfco e discpulo
J. IiEHOIJX
Precisa-so de um caixeiro para taberna, que
d dador de sua conducta, pois nao se importar
de dar liom ordenado : na na do Principe nu-
mero 40.
Arrendase un sitio nos arrabaldes de Olin-
i da, com as sequiles proporees : casa de viven-
: da grande e de pedia a enl, amxa de eapkn, alfa
i mas irurteiras o lugar para gado,
I Precisare de um e.i<\. iro i|ne tenha pratica
de taberna e que de" flanea de sua conducta : no
pateo da Hiueira n. W.
[ Joaquim Jos Gon-
qalves Beltro
'tiUA DO TRAPICHE N. 17. |. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
odoMinho, em Braga, e sobra os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Va lenca.
Guimares.
Combra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Viahi.a do <:.-
Punte do Lima.
Villa Real,
Villa-Nova de Famalieso.
Lawego.
Lagos.
(aiviliia.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
HteDos.
Pars, 36,RuaVivienne, D*
r- frimpra-seOina eserava de meia idadft qne
saina cortaba r e bem : na praca da Independencia
n. 39, se dirt._____________ ^
Coirjj>ra-se um escravo[ue
entendado olioio de lanoeiro:
a tratar no escriptorio deAmo-
rim Innaos & C. na ra da Cruz
i. 3.
Compra se um esrravo de meia ii.ade, aros-
turnado ao sorvico de campo : na ra Direita
II. o.
Ouro e prata em obras velhas, assim
CI?Ii10 bril,iailles sendo de primeira quali-
dade ; compram-se por maior i reco que
em utra parle. Na loja de joias (Esme-
ralda) ruido Cabuga" n. ;.
Compra-sc moedas de ouro e prata, bem
como libras sterlinas por maior preco que
em cutra parte: na ruado Crespo n. l(j
primeiro andar.
Papel para cmbrulho
Compra-se papel para embrulho, na loja
doPavao, ra da ttnperalriz n. tiO.de Flix
Pereira da Silva.
RuadoQiieimadon, 49 c 57 toja
dt miudezas de Jos de Azeve-
1 do Mam e Silva conhecido por
Jos Biffodrnho.
Est queknando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar o fazernovo
sortimento, por isso queiram m oQ mandar
ver o que bom o barato.
Garrafas com agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua divina dame-
lliorqualidade .
Latas com superior banbaftan-
ceza ......
Catxascom l frascos de cheiros
propiio para mimos .
Dita com| frascos mutto finos
Oleo babaza omito lino que s
a vista '......
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinbo com 10
varas ......
Caixas redondas emitando tar-
taruga .....-.
de cus qualquer
i*aet
1*500
^200
250O
800
S'JOO
240
zm.
Gonipiam-s..', oflreceado-so muito maior van
tagem ao vendedor : no Coracao de Ouro n. 2D,
roa do Canaca.
unhas muito fi-
dentes fazenda
de cores
do gaz
0 muz'H) de joias
Na na do Cabula n. i compra-se i uro, prnti
j e pedras areciosaa por precos mais var.tajosos do
que em oh tra quafquer parte.
Compra-se un scliiu .' i usad* : na
ra do Ransel n. 9.
0110 E
Goaapra-sc moedas de ouro e prata e
bem como oleas sterlinas, na ra do Ca-
linga n. 0. n-lojoaria.
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, eompr-seonro, prata, e pedras precio.-.-!s,e
; tambem se faz qaalquer obra de encommenda, e
I iodo e qnalquor concert.
Compra-se
CHABIE MtDECIN
um carro americano, de passei, Je qoatro rodas,
qaatro assenti s, e qne sirva pa nm n dona ca-
vados, ainda mesmo qne enteja m meto uso, pn-
rm bem conservado, e sera di feito algum : quem
o liver para vender annnncie para ser procurado
Compra-se
ASENFKKMlKALiAS KESSI-.Xl.AtS, AS AFFW>
COFS rtlTAW.A'i.F. ALTERACQESDO SANGUE.
'(I000cur5da8im/'tnynl
>i .omixort.acrimonia.eal.
i"T(oes, oiciotas do san-
fue; viras, t aturafoss
dv .i/iy .e. iXirupr vegetal em mercnriol.Bofa-
rativa* .n.-ir bamimm nntH>|
tomao-se iloos por fieman, segurado o irecunenU
D' ralirn .- t em recado as mesmas nolesliai.
nm bilbar em bom estado/ eom seus perlences :
quem liver dirija-se ra da Cadeia do Reeife n.
53, loja de chapeos.
DEPURATIF
VENDAS.
PLUS DE
COPAHU
Este Xarope Citracto d
.".HABLE, cara
ferr de Cl
immediaiameDle qualquer
puruafao, rtlaxaeao,
debilidad, igual-
eoie os fluxos e flores brancas da urherei.
Bsta mjecfao beuigoa emprega-se com o Xarep
Citraeln de Ferro.
MuernMu, Pomada que aa cura en tres bu.
. POMADA ANTIHERPETICA
Contra i aa affecfoes eutaneoa comtOM.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
lo ChiMe, cada (ru* vai aoaomaaaad* 4a
> folaew.
o qual acaba de voltar de urna longa
Trocan -se
Anida restara algumas collec??5es de
Biograpliias da aiguns poetas, e outros ho-
nens illustri'< da pravincia de Pernambuco,
. viagem a Europa, durante a qual pratieou com [tres tomos escriptoa pelo commendader A.
ijliz successo as primuiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim a$ moihor.s! J. de Mello ra fanosta n Oi
garantas do bem desempenho para tudo o que for relativo a profisso ; por iese o
animnciante ped^ aos seus amigos e clienies que por acaso o nao encontrarem no seu
gabinete, depositem no dito seu sobrinlio a tnesiua conanca cora que o lea honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos os.systemas: a pressao do are com molas da ouro, platina,
vulcanite e um inteiramenle uovo u"esta cidade.
Con radical dos denles cariados.
Chumbagens (obturages) com ouro e cara massas diversas, segundo os cato;.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua e pus denitidos fabricados pelo pwprio anuimcianle, o quelite permi'/; aan-
rar sua boa qualidade.
Escoltas para deates. etc.
Perfeico de trabalho e precos moderados.
/ itgmt pura fra mediante ajusto previo.
O gabinete acha-se aberlo das 8 horas da manha ateas 4 da tarde de todos os
dia uteis.
is notas do b3nco do Brasil e das caixas tlliaes.
ora dcscoM) muito razoavel : na oraca da Inde
icndencia n. 22.
Em casa de" THEODORO CHRISlT-
.\NSEN, ra da Cruz n. 18, cncontram-sf
efectivamente todas as qualidades de vinbe
Bordeaux. Bourgogne e do Rheno.
Na nadarla da ra Direita n: 24 se dir
quem da 1:0003000 a premio sobre hypotheca em
casas.
i ha
ra do Imperador n.
una preta para ledo o serv;o
familia.
para atusar
de uuia casa de
Precisa-sc de un menino para segundo cai-
xeiro de padaria : na ra Uireila dos Afosados
n. 06 X
C^
GOMES DE MATTOS IRMOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias. com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde eiicontrarao um completo sortimento do que -ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rbinsr e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e dt; gosto anda nao -visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou.pedra preciosa e garairtem
a qualidace dos objectos vendidos.
C/2
de pao e cestas, ra larga do
Rosario.
Chegarara novos supprimentos de lialakw de
Indos os frmalos, muito uteis e precisos as casas
de familia ; lanibeni recebemos de Lisboa cera
brauca em rolo para aeeender luzos. tulo vende-
naos pelo menos*que poasivel.'
Taberna
Vende-so a taberna da rna da Concordia n. 94,
a qual est bem afreguezada e tem poutos fundos
propria para alguni principiante; o motivo da
venda dir-se-ha ao pretendeute em particular : a
trabir na^ Ponte-Vellia n. 41 das 6 as ) da ma-
niaa e dcsta hora cm dianln n'esla lyp'grapbia
Pecas .de fita
largura
Escovas para
as .
Escovas para
muito lina .
i Pulceiras de contas
para rifAinos .
Caixas de linba branca
com 50 iiovcllos .
Caixas de linba branca do gaz
com :0 novel los .
Pecas de tranca lisa do todas
as coros .....
Resmas de papel pautado muilo
lino a......
Pares de botoes para punhos
muito bonito .
Tabeas de laa pa a bordados de
de todas i s cores .
Pentes com costas de metal
muilo linos .
Novellos de linba muito grande
para croxs .
Duzia de linba froxa para bor-
dado ......
Grosas de botes madreperola
muito fino .....
Saboueie muilo finos a (30, 10,
ICO, 240 o ". .
Pecas de (ita de laa todas as
cores .
Espelbos dourados para parede
t,->000 c.....
Espelbos de Jacaranda muito
lino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muilo fino com 4 fo-
lias ......
Cartilbas da doutrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e palecholy
muito finos .1 .
,3600
#o00
I #500
500
OO
P3f0
00
Parfogosdc Santo Antonio,
-8. Joilo e 8. Pcdiu
LI.MALHA DE FERRO (muito m\
DITA D'ACO (idem).
DITA D'AGULHAS.
Vendem-se na botica c drogara de!^
tholomeu & O
34-RU4 LARGA DO ROZARIO-34
Sil

i F0T.O FOfiO
ra Dreila n. S3.
O Ha para vender um Bompleto sor-
H tmenlo da fogos arlificiaes, tanto
para Sras., co.no para criancas, pis-
g tollas -branca c de coces, com 3,
pj i, 5 e 6 blalas, fcntainas. cravei-
g ros, rodinhas singelli-s e dobradas, S
H foguetinbos, buseaps, itimina- Mi
|} ",es bulos de seda de 2 pasmos de )|$
fjgj altura ote, etc., feito por um dos ^
KZ in.liioics artistas disto genero.
g Tambem ha para vender salitre. n- j
$j xofre, bit-u, fio, l':cas e garlos
Wl de diversos pircos o qualidades,
||g bandeijas linas tpjadradas e ovaes ;
ftlm do grande sorliBcnto de f< r-
raf;ens, miudezas, ctitehnias a tren f
-.-: pa/a cozinba, etc, etc.
Ra Direita n. ;:,! .i de Manoel
Benlo de 0.-Brajpr C.
Atquechegram"
gS* U'GTCUI nP.'CIUI
moo

Vendcni Augusto F. d
Commereio. n. \i.
Oveira &
SYSTE.MA DESOIA.
Grande (aerara da I ,ou snies de
pesos hilogrammas em series com
[lelas de todos os lmannos, me-
Iboresde comprehendej' do quo os
,->G0( ^ que tem vind. ao mercado assim
como medidas de metros, chegarain
smente da encommenda pn
para a casa de Manoei Bento de
Oveira Braga C, roa Direita n,
jj 53, e com diminuicao de precos,
;>l0jjg veiihnn em tempo.
moomwmmw>w
$3201
(1320
mo
;)00
^OO
l,jOO
2>000
;5060
1328
1(9800
100
15-200

Ul Ti) BARATO \m
NO
! '
Os
O,
iii\ ni) Lumini) i n
Keouoia la. utilidade e moderno
mercado.
CHEGUEM A' PECBINCHA.
Baloes francezes. arcos pequeos e gran-
des, para seoBora, a 24OOO
Casemiras inglesa, bonitos padres, com
listras la rgas, covado i >"j00
Ditas francezaa, idem idem, com listras
largas, covado 43001)
Ditas ditas me-eladas, covado 33200
Baronesas largas com listras de seda para
sentaras e proprias de montara, co-
vado. rs.
u.
um grande deposito para agna, de amarello, forra-
do de chumbo, com tornara de brotuo c todo
cliapido de ferro ;-qnein quizer dirija-sc a loja
dos Srs. Andrade & Reg.
Na ria de Apollo n. 43 veudeni-se libras es-
terlinas a M-)300 cada uin?.
Mobilia
Em casa de Joaquim Augusto, na Ufan dos Ra-
tos, passando a ponte de Santa Isabel, vonde-se
urna mobilia uova por prego razoavel-
Paietols de alpaca pretos c de cores 43 e
900
&J300
*erauo|[3m jod osnioi o ^xuaj
ap cvpfpaui ap fetiaduii Miu-jpKit Bpd
opoMM*!sh6v8*i wnimnOo
Sit9t4 tp 9 $9\U33V\9mm too
OSIAV
V ">ir "o-jitinvui,! ti)
WMl: tw**1 oaan.tficifaia
'UMuei.v uia dinaiupjej as-tusS
-ajdnia osst Jod sidAitN|[iui obs *>Soa
******$ -tnmni ujno *>p"^.W
Mfm e moa eaainooe 4M*>* tafiaftjri
Jouara jtsnw tSst 'imoi 0$H nm
ga aaosaaronlej- 9jnd nb HtiiJ8tt
fpwmour e Atnrp 'hKe,]) nris tton tea "
lottip '** -ri* op'-ttrttee/ttfl
. 50o aa stw
A
Alpacas lisa^de cores muito linas e 00113
gastos |>ara senhora, covado, rs. 800
Camhraias de cores, variados padrOes,
covado, rs. 240
Ditas de cores, mais finas, covadf, rs. 360
Ditas miudas, mojernas, luissimas, cova-
do, rs. 400
Ditas de flores grandes o listras) co-
vado, rs. ,'iOO
Colarinhos de linho de diversos gostos, rs. 400
Ditos de dito muito finos, ebegados no ul-
timo paquete, rs. 600
Chitas clapas, boas tintas, covado, rs. 280
Ditas escuras, bellos padrSes, covado rs. ioO
Ditas coloridas, finas, 1 ropriopara familia
covado, rs. 400
Ditas riscadinhos, variados padroa*, co-
vado, rs. 360
Ditas escuras econmicas, covado, rs. 360
Ditas de boa composicao de tintas, covado 320
Ditas claras econmicas, covado 340
Ronpas e mais artigo- que lira a pedido da res-
patavel fregnezia, dandn-se ama tra de tudo.
XAROPE PE1T0RAL
DE
RABO DE TAIT
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recommendado as
affeceoes do peito, bronchite chronica, he-
moptise, c tosse chronica.
PREPARADO POR
JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
*' PIIAkMACETICO
Pernitibuco ra larga d Rosario n. 10.
Mho
Vendem-so saceos com milho, no trapiche da
Comttanhia : a tratar no mesmo, e no 1 e 2* an-
dares da ra da Cadeia velha n. I.
lffo fresco e andar!
Vede-se um sitio pequeo, morado, com boa
earaads sobrado, casa i>ara Teitor, cocheira. etri-
baria, Sea aiiua de beber, grande cacimba com
bomba e tanque para banlio e para lavar r upa.
muitos arvoredos e de mu tas quattdarJes, etc., si-
tuadS'B neira do rio. no ponto mais *ho Aa Tone,
e o mais baudavel dos arredores desta cidade : a
tratar*arua Mova 11. 19, 1-andar.
NOVAN. SO ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
proprietarios Jos de Soaza Soares t-
alm dos baratissimos precos por que
eslo veudeQdo a grande variedade de ai li-
gas de moda e novidades lio bom ^to,
tanto para bomens como para senboras 1
meninos, vendem:
CHAPEOS ;i moda impenal, de eis
branco para bomens, fazenda lina, a I0I-
(O prci/o lV->0()0).
COQUES enfeados para noivas, grand
novidade a i JSOO.
DITOS sem enfeite e de delirad s mol-
des. sendo de seda i imitaeao de cabello
a :>, > e 350O.
HGIAS superiores inglezas para bi iii ,r: .
a duzia de pares 7^800 (o preco de 9i
a 100000).
LEQUES de madeira sem difTerenca e
ndalo a 2->000 o 2550%(grande pee
cha!)
DITOS com lentijoulas a 30 c 40000.
BARALIIOS de carias francezas boa a-
zenda. a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pa-
qtte.io e fazenda superior, um pacota por
I 000.
LINDOS cintos de palba enfeitados para
senboras (grande novidade em Pars) a
20500 e 00- 0.
DELICADOS corpinbos de cambraia e!
lamente enfeitados a 0A30O rs. (admira o
preco!)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como mudos ai-
tigos do novidade e de apurado gosto quf
se vende por precos baratissimos
\o fezar da Moda.
Vende-se em casa de OHveir
Filhos & C, largo do Ct>rpo
Santo n. 19
Libras esterlinas.
Vinho moscatel de Setubal.
Carvo animal de superior qualidade..
Vendem-se dous bonitos eseravus, um me
leque de 16 annos, bom rozinhriro. e u:n eabri-
nha de 10 annos : 110 tercelro andar do sobrade
n. 36 da rna das Cruzes.
Batatas baratas.
Vendem-se a 800 rs. o gigo : aa traressa a
Madre de Dos n. 16.
Salitre
Vende-se salitre renHado a 53 a arroba
ra do Qneimado n. 30, loja de ferragea*.
na
Batatas
11200 o gigo : na
33 libras.
igos eom
na roa da Madre
muito boas.
de Pe-i.-n. 7.
Vndese a parte de um sobrado ama Di-
KeiUn. 127 : a tratar na ra e-lreita do Rosario
n, 15, lo]a.

il
AIVU i
'Vende-se terrenos de produeco e com
ardores fructferas e prjimo a esta-
co dos trilhos urbanos do Recite
Olinda-e fiebelibe, no becco do Espinheiro,
podando quem quser diriir-se nos domin-
gos, ao sitio n. 0 na estrada de Joao de
Barros, e'nos demais (lias, ruada Itape-
rdtriz n. 68,
Nos trapiches Cnnha e Barbosa vulgo Machado)
ha para vender muito bom .milbo ehegado ultima
mente de Mamanguape : a tratar n-i largo do Cor-
po Santo n. 6, 2o andar-
' Libren erllnaj*
Em casa de Oveira Barroca, roa da Cadeia nu
nieroat. ___________________________
Vinho do~Porto~fiiio~
?WHise a '363000 a duzia : na ra da Cadeia
n. 11, t* andar:________
~Estopa ptfra enlAfto"
Vend-se'n ra da Pra'la n, 1, por proco cbai-
modo.
, -

manteiga ingleza a 800 rs. : na ra da Mangneira
numero 3.
4lem dinheiro-a vista rende-se o ido1-Liman
ha povoaelo dos Montes, ao "p da estagao da Una:
a tratar cora Jos Paulo do Reg Barreto, na vHIa
do Cabo.
Vende"se Uta Watlo Hurto novo e carr.
gador baixo, diqoal existe na matrii di
Varzea, ra do Fogo, em casa de'JbV>
Slm5es FeTrina.
V1PE
manteiga ingle, flor a 10(W ;. tu ira vos i*
Limlnentun. ^K.e-i, ..
?Carne do serto
Na ru do Amorta u. 0; a 04 a arrbaV
*.
-
DATA iNCORRETAl


HM^M
Diario de Pevnambuco Sabbado 25 Je Junho de 1869.
Ra da Imeratriz. 72.
Alerta freguezes
que Arara vai cantar.
Para vender suasfazem i ;ts (baratas)
que muito hade agradin*.
0'propietario deste estabelecimento, loarte grande porrio de fatendas
rtr, vai proceder ama qnidaoo em todos as fazendas e roupta feitas existentes
estabelecimento. agora que occasio de queni lera pouco dinlieiro poder se vestir ue
bo? azeoda e baritfosima como se poder ver no anouncio abaixo mencionado.
MADAPOIAO BARATO A 3->500. IMAMANTE PARA LENCES A 2#.
Vende-se pegas de madapolo enfestado YVode-se braman com 10 palmos de
de jardas 3*500, dito de 41 jardas ou lanera para lences, a 2-1 a vara.
*S metros :;>, U, 80500, 73300, 8-MMJl) e PECAS DE ALGODO A
SOB A
DinECC
Lnu,
Os propriebriof deste novo estbele.
LITO HABILARTISTA
Jfaiae.
i, >ento, tendo experimentado a necessidade
em
no
9*000.
CHITAS FRANCESAS A 80 rs.
Veodem-M chitas francezas para vesti-
dos a S, 32Q rs. o corado, ditas escuras
mudo linas :i(J0rs. ocovado.
C'haSi nr.iio thti Nt> rs.
Vende-se chalin para vestidos ie senliora
800 rs. o corado.
PERCALES A UARS.0 ''.OVADO.
lfende-se percales iwiiio finos para vts-
tidos de senliora a 410 rs. ocovado.
Hrilhantiiias a 44 rs.
Vende-se brithantinas ou morsofinas de
cores para vestidos de se .lloras 440 rs. o metro.
condo, lazinhas milito linas para vestidos
de senliora 100 rs. e 509 rs. o covado,
ditas de quailrinhos 240 rs. o covado.
PISCADO FRANCEZ A 360 RS. 0 COVADO
Vende-se riscado francas para vestido
de senliora i '((>(> rs. o covado.
JLiastnhas a 940 rs. o corado.
Venden) se lasinhas para vestido de se-
nliora a 240, 380, 320 rs. o covado.
Cassas francesas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 480 rs. o
corado, chitas francesas linas a 280 e 320
rs. o covado. \
Chales de merino i\V&T~
Vende-se chales de merino estampados
inuito en-
Vndem-se pecas de algodo
corpado H, 5& 6#800a7.
CoJeriahofl ceoiiosnSeos a 3 O
Iiizia.
V.-iide-sc colerinhos econmicos a 320
a diizia. s se vende assim barato por terj.
grande porciio.
CASEMIRAS DE CORES
Venda-so cazemiras de cores para calsa
e palitl 25 2500 e 3* o covado,
Algodo entestado 1*.
Vende-se algodo entestado proprio para
lences e toalhas, i I& a vara ou 900 rs. o
urgente de ter nadiroeco de sua oficina de roopas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para *..1 mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do fregnez.
Tem o mesmo e>talielecimo!ntouml)oms-irliraemto do fazendas proprias para
roupasde homem.como sejam: casimira de cOr, indos padroes, completo sortimento tle
pannos linos, preto o de r, casimira prcta, grande sortimento de brins brancos e de
cures, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
. Os freguezes encontraran ainda um variado sortimento de roopa feta, camisas
inglesas, collarinhos, ceroalas, gravatas preas e de phantasia, meias para homens, se-
nhoras. meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
halos de diversas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de seus procos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
KlM PARA
i -j->e 2-vio l cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS ARERTOS A 2$M)0
Vende-se cortes de 13a para vestidos de
senhora, ;i 24400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 7o e 800 rs. o covado, di-
tas de lisiras 700 e 700 rs. o covado.
Chitas riiss8au-)s3ttO.
Vende-se chitas prusianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA 0OBBRTA1 A :*0
Vende-se chitas incorpadas
i 3-20 rs. o covado.
Halles de 51 a SO reos
Vende-se bales de 20 a 30 arcos
14906 cada um, baioes modernos brancos
ede cores i 5$.
CALCAS A 400 RS. 0
COVADO.
Vende-se brim para calcas e palitots de
hornera e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado. dito lizo aimilaco de ganga a 300
o covado.
Algodo de listras a OO rs.
o corado
Vende-se algodio de listras para roopa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 610 RS.
Veiide-se cortes de [ brim castor para
calca de homem, 040 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM A 1$.
Vende-se enrteiras pira viagem !#
de algodo
i
cada nina, cobertores
cada um.
C'ohertasde chita i.SOO
Vende se cuberas de chitas de cores a
1800 e 24, cada urna.
ALGODO TRANCADO DE RAS LARGURAS A
1200.
Vende-se algodo transado de dota lar-
guras, proprios para lences e toalhas pan
mesa, se vende a 1-5200 0 metro.
Mantas para grvala OO rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
para coberla cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2*500.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa a 2i)500 a vara, toalhas escaras
r'i 1(5. cada urna. Una da Imperatriz )oja
'da Arara n. 72.

0 Garibaldi principia
Certamente ha de agradar,
Que pelo preco que vai vender
Ninguem o pode igualar.
O proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ta-
vel nublico e seus freguezes, qu< tem recebido grande sortimento de fazendas, e esta
constantemente reCbendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por preco mais barato de que em outra quai-
quer parte, garantindo se a qualidade e crcs, na ra da Imperatriz n. 50, de Lourenco
Pereira Mendes Guimares. ----------
CHITAS LVRGAS A 280 rs. i CSangas para ralea a SSOrs.
Vendem-se chitas francezas de cores fl-1 Vendem-se gangas de cores para calca e
xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas palitots de homens e meninos a d rs. o
escuras a 300 rs. o covado. covado, brim de cores a 400 e 440 rs. o
MMUPOLO ENFESTADO A 35500. covado. ____^
Vendem-se pecas de madapol5o entes- Lasinhas de qnadrlnnos a
tado a 35500, dito inglez de 24 jardas ai ** **
55 6-9 6*500 75500.85, e 105 ape?a. Vendem-sc lasinhas de quadrmhos para
' \'nonio' TRANCADO A 15200 O i vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ALUUAU l5CTRa I ditas estampadas a 280 e 320 rs. ocovado.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
Rua do Queimndo ns. 49 e 57-
lojas de miudczaz de, Jos del
Azecdo M'aia, est acabando
-com as miudezas de seus cstabe-
lecimcntos por tsso queram apre-
ciar o que c bom e boratissimo.
Pares de sa patos de tranca fa-
zenda nova a......25000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......15500
Duzias de meias ernas para ho-
mem a........3?)800
Tramoias do Pono fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a 5200
(Jvros de misses abrefiadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
finos a2-j400 e.....2580f
Silabario portuguez com estam-
pas a ........ 5320
Gravatas decrese pretos muito
finas a........ 5500
Dozias de meias- para senhora fa-
zeiida boa a...... 45000
Redes prelas lizas muito finas a 5320
Carines com colchetes de latao
fazemla lina a...... ^020
Abotuatluras de vidro para solete
fazenda fina ...... 5500
Caixas com pem d'aco muito
ttuas a 320, 400, 500 e 5000
Caite.*de linha Alexandre qne
tero 200 jardas a 5100
Carreteis de linlsn Aiexanrtre de
70at200a..... 51O0
Caixas com superiores obreias
de massa a ...... 50^
Duzias de agulhas para maeiina 25000
Libras de pregos- francezes di-
verso tainanho a. 5240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ..,"... 5120
Talheres para meninos muito
finos a. ,..... 5240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 700
Caixas com lOOenvetopes. muito
finos a........ 600
Pentes volteados para meninas e
senhoras a........ 320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. ( 5500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80: 120 e 5320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. #160
Duzia de phosphoros de segu-
raba da melhor qualidade a
400 e....... 300
Pecas de fita branca elstica
muito fina a...... 260
Novellos de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a...... 25500
Pecas de fitas bordadas com 3
varas a....... ^00
Ditas de ditas bordadas com 12
metros de 25000 a. .... 35000
Grozas de botes de louca muito
finos a........____i^C
IjOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Ulna do Crespo o.
Os proprictai os deste heni conliecido estabele-
cimento, altn Jo) imiitos olyertos (|uu tinliaiii ex-
puaios apreeiadk) do respeitovel paMico, ni.ui-
diii-iin k e acabam de recebar pelu altimu wBor
da Europa um completo e variado sorlimeolo de
linas e utoi deliradas imperialda tn resolfidos a Tender, como de seu costume,
por prejoa muito barnttaoos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, preias, bran-
cas e de iui lidas cores.
Mu boas e bonitas gotlinhas e punlios para se-
nhora, nesle genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras. ^
Superiores trancas prelas e de cores com vidn-
lhos e sera elles; esta fazenda o que pode liaver
de melhor e mais bonito. .
Superiores e bonitos leques de martreperola,
marlim, samlalo c osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenlies, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
alin destas, temos tambem grande sortimeuto de
outras qualidades, entre as quaes algumas imito
finas. ,.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de uurfira com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, ueste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambera grande
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cliicotinlios de cadeia e
de outras qualidades. ... .
Lindas e superiores ligas de seda o borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora
a 12 annos de idade.
tasso mulos
Tem para vender m se** armazn, alem de ou-
tros, os seguimos artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Viidios em caixas e dozc garraras
Bourgogne.
llery.
Maueira.
Hermitage.
Chamblis. .
Licor de curaco de Hollanda em caixas devin-
to e quatro botijinhas.
GESSOj
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
CARRITVHOS I2 FERRO
Para serviros de grandes armazens, para remo-
ver barricas n caixes de nm para outro, lado pelo
mdico preco de 12*000 cada nm. t
Farinlia de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas. t
Saceos de farfolla de trigo do
Chile
Todas novas, ehegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hyclraulico 12$
O melhor para ludo qne sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d.'agna, etc., etc.: em poredes de
cincoento barricas se far reduerao no preco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes qualidades para cercados de ani-
maes, chiqeiros para galmhas ou jardins: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com bren
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres : no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Macarthy
Machinas de descaroear algodo.
Hoje que est recouhecido que as machinas de
serrote prejudicam c quebram a fibra do algodo,
preciso recorrer a machiuismo menos spero,
que produzindo o mesmo .servco que aquellas, e
facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a dilTerenra que ha ejitre o algodo descaroeado
por aquellas mencionadas machinas, que eslao li-
cando em deauzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandera, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado 2]
Advertencia!
e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,c de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capelias para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tontos para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das memores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas. ____
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores desles prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afini de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poder."*) aquel-
les que dlles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se vendero com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista djs cbjectos que dentamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis toja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
risiii.HAs assi i \ i:\ius
DO
DR. PATERSON
De btsmuth e magnezia.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartolomeu A C.
34-----Ra larga do Rosario------34.
pi io para lenco -s e toalhas por ser muito
largo, a I#200 i. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se fioissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
3150 rs. o covado.
BRAMANTES PARALENCOES A 20 A
VARA.
Vende-so bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 25 a vara.
Chitas amzoaas a 360 rs,
POPELINAS EM LA A 640 RS.
Vendem-se popelinas em la di listra
para vestidos de senhora a 640 e 800 rs.
o covado. .
CORTES DE LA A 25460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senhora a 23400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS 0 COVADO
Vende-se la chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemlras para raleas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
Vendem-se ricas chitas de listras de um e azul escuro com listras, para caifas e pa-
rte nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na loia do Garibaldi.
AOSSENHOUES DOMOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemrras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 20500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 1,5 A VARA.
Vende-si algodo enfestado muito largo
proprio para lences a 10 a vara.
ALPACAS DE CORES PARA VESTDOS A
5j0 rs. 0 COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
:5O0 rs. o covado propria para vestido de
enhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 30500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada nm.
BRIM HAMBURGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 80, 91 e 100 a peca.
Cortinados para j.iaellas a 1 A.
Vendem-se cortinados para janellas a 70
o par, ditos para camas francezas a 140 o
cortinado.
litots, fazenda muito encorpada, propria
para o invern, sendo de duas larguras
que 1 3k covad s d urna calca para ho-
mem pelo pr^co de 20500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
SOO rs. o rovado.
Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALES DE ARCOS A 10500.
Vndete-s bales de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, por este pre# s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANQADO PARDO A 800 RS. O
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 10200 o metro.
BALES MODERNOS A 50000.
Vendem-se bales modernos ede cores
a 50 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10#.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
100 e 120, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
Scbonete de alcatro.
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tilo boa
acceitaco tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34na larga do Rosario-^34.
Libras eouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceico na loja
Vurives, no Recife.________
fiAZlAUAZ
Chegou ao ann'go deposito de Henry Forster A
C, ra do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partJda
e a retalho por menos preco do que em outra qual
quer parte.
promntido conserva a Abra da la, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor bo-
landera, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a por
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 150000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de ameudoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ac de milo.
Nos armazens de Tasso irmaos.
BARRIS DE SALITRE
No armazens de Tasso Irmaos.___________
CIFRA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo 4 C.
34-Ra larga do Rosario------34.
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
cadorias pelo baratissimo prego, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pechincba-
rem, pois que para comprar-se caro, n5o
falta aonde e aquem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bnm constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos) i
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinlia.
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultim
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madrepernla, mar-
lini. osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, *na
Nova Esperanca.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces das
creangas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se venden} por alii intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-o)
no effeito promettido, o qne s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificac3o principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes cottaret
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel incommodo d
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu
lililinlios, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros coliare
de Royer.
COGNAC.
BALANCAS
D3(BWM33
PELO NOVO SYSTEM A DE KILOGRAMMA
COM OS RESPECTIVOS PESOS.
Vende-se no armazem de J. A. Moreiwi
Dias, ra da Cruz n. 21
VINHO
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHATEAU LA ROSE.
CHATEAIT RACJBAfl
Em casa de Rabe Schmettau & C. Corpt>
Santo n. 15.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez Jo5o Vignes, existe um bom sortimento
dos muitos acreditados pianos, os quaes se
vendem mdicamente para liquidarlo.
POPTJLAB.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado nmaporio des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
prineeza de Lisboa por ser de agradavel perrume.
E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
svslhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para oste artigo nma espe-
cialidaae. as pracas daBahia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolbido, e provavolmente aqui tambem o ser,
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-sc
veuda por prego commodo, e para quera comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaquim Jos Gongalves Beltro,
ra do Cominero io n. 17.
N. 97.
Vende-se a verdadeira graxa do bem conhecido
abricante Day & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. MoreiraDias, ra da Cruz n. 26.
Na ra de S. Francisco n. 72,. vende-se urna
escrava de 35 annos, muito sadia, propria para
servico de engenho. Na mesma casa compra-se
urna cozinheira u engomraadeira, que nao seja
muito moga.
MASSA XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Prmonisados por todo* os mdicos contra os I
DErLUXOS, CATHARROS, E TODAS ASJ
maiTACOLS DO peito.
N. B. O Xarope de Codeina que mereci a I
honra, alta bem rara entre os Medicamentos!
novui, de ter regkti aio como um doi medica- [
mcnto ofl'ici do Imperio Franca dpen$a\
quu'.quer elogio.
AVISO. Por cansa da repreliensivcl fa si-I
ficac&o que tem suscitado o reliz resultado do j
Xarope e massa de Berlh somos (breados, al
lembrar que eMes medicamentos tod justamente]
conecituados s se
tunden] em calim-
bas e frseos levando
assignalura ea
frente.
46, Ru de colcs, e na Pharmacia Central I
de Franca, 7, Une di Jouy, cm Parit, e em|
lodas as Plannacios piatipa doCi
De superior qualidade da mui acredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4C, em
cognac urna das que mais agurdenle de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just, ra do
commercio n. 32.
t.\.OERM4Aty
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicacfio as creancas.
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
emuilas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara. -
DE
Barthomeu & C.
31lina Larga do Rosarlo84
PARA AS NOITES
DE
S. Jodo, S^Antonio e S. Pedro.
Acham-se venda sortes para homens e se-
nhoras, um tanto agradaveis para essas ocoasioes
de divertimentos o prazeres : as livrarias france-
za ra do Crespo n. 9, na Econmica ra do
Crespo n. 2, na Popular ra do Imperador n. 67,
nadoSr. Carduzo Ayres ra da Cadoia do Reci-
fe n. 31, na do Sr. Jos Barbosa de Mello ra da
Cruz n. 52, na do Sr. padre Lemos ra do Impe=
rador n. 13, na Encadernacao Parisiense ra do
Imperador n. 71. ____________________^
AOS SRS. FOGUETEIROS
Bartholomeu & C.
SALILRE refinado de Ia qualidade.
ENXOFREemcylindro
LIMALHA de ferro (muito nova).
. DITA d'aco (idem).
DITA d'agulhas.
E todos os mais preparados para os lin-
dos fogos de cores na sua drogara roa
larga dolRosario n. 34.
Vende-se nm preto de 18 annos de idade :
trata-se na ra da Imperatriz n. 13. ______
ATTENCAO
Na fabrica de chapeos de sol da ra da Impera-
triz n. 26 vendem-se laazinhas de linhos e bellos
padrdes, proprias para vestidos de senhoras e me-
ninas, nao so p<;la sua qualidade como pelo bara-
tissimo prego de 800 rs. o covado ; a ellas, antes
que se acabem. ____
Manteiga
Vende-se roanteiga ingleza tina 720, 800 e
900 rs. a libra : na travessa das Criyes n. 12.
Na ra Direita n. 36,
obreas muito em conta.
vendem-O hostias e
Aleg ai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortinv Bto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
zas para theatro, campo e marinba, da ulti-
ma invenco ; duquezas, vienezas de 6,8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor trou-
xe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e com promptidao; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Receben tambem os excelentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerih
&C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sa superior qualiaade.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VE*I>E-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Rartholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Ouro .
E. A. Rurle A C. tem para vender libras
sterlinas e moedas de vinte francos.
Vinho
Vinho Bordeaux superior qualidade, mar-
as j conhecidas; e o verdadeiro- Cognac,
co mesmo estabelecimento.___________^
Vende-se urna machina de costura em per-
feito estado : na trevessa Jo Queimado n. 1, pri-
meiro andar.
i

?i
I
1
I
ITWA INCORRETA


Diario de
Penianibuco
Sabbado 25 de Junho de 18(J9.
< *
i *
Ccordeiro previdente
Ra do QiBciuiado u. 1U.
ovo e variado sorlimeulo de pe-fumarias
finas, e outros objcclos.
Alm do completo sortimeulo de perfu-
maras, de que'effectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sorlimento que se toraa
notavel pela variedade deobjectos, superiori-
dade, quadades c commodidades de pre-
cos; assira, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciarlo
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadcira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melliores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsamici dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, c vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos c
rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
mente finas c agradaveis.
Oleo pbilocofBe verdadeiro.
Etracto d'oleo de saperior qualidae,
com escolhidos che ros, em frascos de diffe-
rentestanianbes.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em camua para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
ructas.
Ditas de madeira mvernisada contendo fi-
nas perumarias, moito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
maldes nevos e elegantes, com p de arroz
e fconeca.
Especial p de arroz sera composico de
ebeiro, i por isso o mais proprio para Can-
CaS.
Opiata inglezae liancezapaTa dentes.
Pos de camphora e outras differeirtes
q Tonioo oriental de Kemp.
Alada mai* coques.
Urn outro sortimento de coques de uo-
vos e bonitos moldes com fiiets de vidrilbos
e alguns d'elles ornados de llores e fas,
estao todos expostos aprecwcao de quem
os pretenda comprar.
GOLUNIIAS E PUNHU6 BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fi vt Ha** e Atas para lutos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando, a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode eucontrar neste
genero, sohresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
QUE SE LIQUIDAM
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
FLIX ;>ERFiIRl DA SILVA.
O proprietario u'este stabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
rita! a vir surtir-se do glande sortimento que tem de fazendas, Unto da moda como le
lei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociara em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porces, venrtcn lo-se-lhes
pelos precos que se comprara as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Me as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde As 6 horas da manhaa s 9 da noute.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excelencia para cura certa
Jas digestoes difliceis e completas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
produzindo urna assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais um excedente tnico.
YEYDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DS
Bartholouieu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO 00B0WMAN
lina do IB ruin a. .
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma Cinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
entre o qual:
Machinas de vapor, para assucar e para
algodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas ospecies.
Moendas de caima.
Rodas dentadas, para animaos, agoa e
vapor.
Tixas de ferro, batido; fundido a de
obre.
Alambiques.
Arados e instrumentos d'agricultura.
Descaroeadores d'algodo etc. etc.
Havendo em lado variedade de Uraanho
desde o menor ate o maior que se costu-
ma (ttpragar.
mm\ lklbi
Vendo?'? manteiga ingleza muito boa a 900 rs.,
Ij, e UliO a libra, muito fino, presunto de La-
mego a 800 rs a libra, carao do sertao a 30 rs.,
linguica lina em latas alj a libro, farello, saco
de 4*400. e o de Lisboa lino a 5i00: no pateo
Paraizo n. 20.
CR AVE IROS
E' uro lindo e iunofensivo fogo de artificio, pela
sua qualidade, quasi imno for eito p se fabrieam na antiga fabrica da estrada de Joo
de Barros,-da vi uva Rufino, e as eneommendas
para os que se fazem era dita fabrica, recobom.se
no armazem da bola unarella, no oito da secre-
taria do polica.
VENDE-SE
Pipas vasirs, barris de 5o, e um dcimo
tudo em perfeito estado, frasqueiras pro-
prias para frascos com genebra de Hoilan-
da, orna porcao de garrafas vasias e botijas
para cerveja, e urna pipa com 80 cananas
de aguardante de canna superior chegada
ltimamente do mato : no dep sito da ra
do Lima em Santo Amaro, n. 30, das 9 ho-
ras da maniiaa era diant".______________
Vendu-se a dinheiro ou s praso a padria a
vapor nta em Una. a qoal se aeba livre e desem-
taracada : os prete naVntes podem entender-se no
limo ln*ar com sen proprietario, ou cam Rorha
Lima A fluimarnes, na rna da Cadeia n. 40, e No-
condes Mara Freir, no cae de Apollo.
Esplendido sortimento de
Alpacas lavradas e coi-es a 5QO
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vende-se nns poucos de mil covados
das mais Imdas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas o bonitas cores,
proprias para veslidos e roopas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinios assentados em urna s
cor; |ra se poder relalhar esta fszenda
pelo jarato preco de 500 rs. o covado, foi
preciso fazerse urna gi-aude compra deste
artigo, o quaH grande pechincha.
Aw dez mil corados de assas
fr a acezas
Covado a 300 Covado -a 300
Covado a 300
Ouvado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz t>. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melliores casas franeexas
para vestidos, tendo padrees miudos e gra-
dos, absentados em todas as cores, estas
cassas sao proprmente francezas, teado
transparentes e tapadas, com tanto cojpo
quasi orno a chita, e alera dos padrees
serem muito bonitos, sao todos ixos e seria
fazenda para muito mais dinlieiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Cspsrtilhos a .1-4000 aa loja do
Pavo
Vende-se urna grande porco de espsrti-
Ihos modernos com o competente carato,
tendo sortimento de todos os lmannos, e
vendem-se a 34 cada um.
M.ADAPOLO ENFESTADO A 3600, S<)
TiO PAVO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com l jardas, sendo muito iocorpado pelo
barato preco de 35600 ris, assim como
pecas de algodiosinlio com i jardas
40SOQ e 5>(KK) ris.
(RtlE PECIIXCHA
EM
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na leja do Pav5 > ra da Imperatriz n.
60, vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fiias e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao morcado, tendo padres miudos c
gruidos e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garant;do-se estwesta
Cazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
ntieiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGUR\ A 1^800
Chegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porcao de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da faz*mda o enmpri-
mento de um lencol. o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato prego de 5800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande ppcbincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA O INVERN
DE 3d000 60000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
15 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 35
at 6Ui'0 cada um, em relaco s diffo-
rentes qualidades, pechincha: a ellos an-
tes que se acabera.
ATTENQO
S PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
NA LOJA DO PWO
Cortes de organdy listrados com 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
luto a 3#i00.
Lanzinhas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 30 e l000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
E' pechincha para fechar contas.
Alpacas brilhantes
a 640 rs.
Chegaram para a loja do Pavo um ele-
gante sortimento das mais lindas alpacas
brilhantes com as mais delicadas cores, e
com os mais bonito* lavradinhos a imitaco
de seda, as delicadas cores que oxistem
ueste bello sortimento encontra-so o bonito as c01"33' garanlindo-se que na actualidade
Bismak, o bello Lyrio, o delicado verde n3 assim como, porola, roxo, canna, azul caf. mais pbantasia do que estaqese vende por
ftc. Vemie-se esta bella fazenda pelo ba- PreC rauit0 rasoavel, no estabelecimento
ratissimn preco de 640 rs. o covado por se (le Fe,ix Pereira da Silva.
ter recebidoemdireitura urna grande par- Rrihudinhod hflratnQ nfl lni-i
tida superior a dez mil covados, senao ^WUUmW dTaiOS na 10J.I
seriapara muito mais rtinheiro, isto na loja UO rflVAO.
e armazem do Pav5o, ra da Imperatriz vende-se uma grande por?o do baba-
n. 60 de Feliz Pereira da Silva. dinhos de todas as larguras, sendo com os
Vestidos com duas salas a 30 baados verdadeiros, por uma terca parte
Chegaram paia a loja do Pavo ra da de preco que'se vendem era oulra qualquei
Imperatriz n. 60, os mais modernos cortes loja, s com o flm de a '.abar-se com este
de poil de Chvre com duas sai as para ves- artigo, assim como tambem se vende uma
tidos, sendo n'esle genero o que ha de grande parte d'ntremeios, pelos mais li-
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se mitados precos para acabar, na loj- e r-
pelo barato preco de 200000 na loja de mazara do Pavo, ra da Imperatriz o. 8
Flix Pereira da Silva. de Flix Pereira da Silva.
Casennras da moda
NA
I.OJA DO FAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
Cas, paletots e coletes, tendo lisas, cora lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afiancf-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer pega de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 18-S c 20^000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vendem-se uma grande porco de pa-
litots sebrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 18$, sendo forrados de alpaca, e de
20fl forrados de seda ; esta fazenda a nao
se ter comprado ama grande compra, seria
para muito mais dmlieiro, porm liquida-se
esta oechinclia peles precos cima.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, na raa da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupeiinas oh lazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padraos cora listrinhas miudi-
ofett, que se vendem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechischa que se acha
nicamente na loja de Felh Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se linissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas comosuis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
preeos de odOOO at lOiJOOO a peca, assim
como finissimos organdys tranco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janelles.
Vende-se um grande sortimento aos me-
i Ibores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e parajanellas, que se men-
dem a 125000 rs. cada par at 25 isto na ra da imperatriz n. 60, de Fex
Pereira da Silva.
roupas fritas
NA LOJA DO PAVA A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das methores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na raesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se masdar fazer
qualquer peca de obra, cama maior promp-
tido a vontade do fre'guez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
O atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
-om 8 palmos de largura, adamascado a
it200 a vara; dito de linho fazenda muito
uiperior a 35200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 45500 a duzia e muito
nos a 85000, e ditos econmicos a 35500
i duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 15000
Na loja do Pavo, vende-sc superior alpa-
co ou gurguro para vestidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno e mai- bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cures, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 1500o o
covado.
IVovidade Kovidade
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D"? JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sorlimento dos mai-
modernos e mais bonitos gurguroes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
11--RUA DO QUEINAD0--11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para noivas, que
vendem-se por precos mais modieos do que em qualquer outra parte.
SAH1DAS DE BAJLE-=-de cachemira branca ede cores o que ha de inais indo.
BSQUINESde renda preta, e de gorguro preto, o que ba de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALESbrancos e de cores para senhoras e menkjas, esparlilhos, suias bor-
dadas, e saias de la com barras de cor.
GORGUROde seda brancoe preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
sy*%4
Itt

OHaia \ov O
Carneiix) Vianna
Ncstu BAZAR cncona-se um complete
sortimento de lodos os artigos que se ven-
dem por pitroscommodos como sejam: Um
completo soi tii nt.i) de machinas para cos-
tura de todos os internas, mais modernas
adoplados na Amrica e approvadas na td-
liina exposico servicos a electos paraahmo-
co e jantar, salvas, bandejas, tabolciros, boi-
sas e malas para viagem indispensaveispara
senhoras, eapfeiw yarssali ecimadeatesa,
parele e portal, mangas, tub

vidro, machinas para fazer caf, ditas para
balervos, ditas para amassar 1'aiiiiiia, ditas
para fazer RiMMeiga, cim;s de ferio para
casados, solteiros o flrianca, berros, cadn-
ras longas para vlagcm; ditas de bataneo,
espelhos de todos os tamanlios, molduras
pata quadios paz, baldes americanos, gu i-
da comidas, brinqtiedos para criancas, um
completo sorlimento de Cestisbaa, oleadas
para sala e nesa, tapetes para sala, quai.
frente de soph, janella e porta, capachos ue
Sparto e coco, objectos para eseriptorio e
muitos outros lltigoa que se encontrarao
venda no mesmo estabelecimento oque vale
a pen ir examinar.
Vfiid -se
a taberna da ra de Borlas n. 'i.3. em virta-
de de seu dono i na meaina.
A ^0 CtIMA6
Ag^ia
NOVO EXPLENDIDO SORTilENTO
-florida de Guis-
lain
Tintura indelevel para ttngir os cabellos,
*m manchar a pelle.
A bem conceiluad agua-florida deGuis-
lain que ento era deswnhecida em Per-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia deeu bomeffeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Gurslain composta uni-
:amente de vegetaes moffensivos,' tem a
propriedade extraordinaria de dar cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estivercm bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranqueoer, sem
ser prejudicial de modo algum
E* porm necessario fazer conheoer, que
o betn resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas tal vez supponham, nuis sim ser pre-
ciso azer uso dTella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o lmdeeejado, como bem
pruvam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'enlo por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, pudendo a experiencia ser feita em
>utra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-llorkla aclia-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
a do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
;5o de sua boa freguezia, tambem ceprieba
-jm nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com gue
i hoaram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo ko explendido sortimento
jue acaba de receber, inda mesmo achaa-
lo-se bellamente provida do que de bora
e melbor se pode desejar nos gneros que
-o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
i oraco, obras de apurado gosto e perfei-
;o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
lonitos.
-------------------------------______________
Ditos com ditas de velludo, outros im
tando diario marjhetado.
Ditos com dilrs de marroquim com cruz
e guamicao, doairada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e beHo sortimento de ieques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sandtlo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc. etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, eoutros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas vollas grandes de aljofares azues.
Voltas de corrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de lio de Escocia abortas, tambem
para meninas e senhoras.
'Sitas muito finas d'algodo, alvas, e
croas para memuas e sejihoras.
Luvas de to 'd'Escocia, torca!, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
mtiito gosto.
ESCLAVOS mm$.
Escrava fgda
Ausentou-sc da ca.-a o seu senhor no
da 19 do corrente, a preta futa, de Dome
Candida, idade de 35 a O anns, alta e
magra. Foi compr da cerca de um mea
ao Sr. Joo Paul d'lmeida, 6 natural de
Goianna. e suppoe-sfi que para l fOssc.
Levou dois vestidos de chita escura, sendo
um com babado novo, utn chale de t
verde, j usado o outro preto novo. Qrjj i
a capturar queira leva-la no armazem r.,
38 ra da Cadeia, que ser recompen-
sado.'
Contina fgido o escravu to Doma Bem -
dicto. piTicnccnte ao sbalxo asMgiiadti, amoa
simaos i'iiiii(ts: prel* fulo, aliara refutar,
Lilia de denlo da |;irio mperinr, ps prapdes,
muito ladino, e pouca barba. Supp5c-se ostnr
acoulado ne-ta ciaado, d'unde fbgio roaiuma mu-
ala perteneento 1>. Geoorera Correa de Araujo
Alliuqiier(|iie, IHtiibem rom >>s PJgnaes septiintc;-. :
eahullos anneilad"?. nariz obato, 'ail.i parte miperor, ps pequen, leudo em o direito
uni'i eieairiz, urna U-llde no <>lfu> esquerdo e alia-
ra resillar. Os senhores tanto do esrravo cuino da
escrava protoetan eontra qualquer que os lenba
atoutado, palw damnos eansadus, bem como re-
ga s autoridades poUeiaes ou qaaeiaer ontr i
pessoas que se dignen) do raze-lng rapmrar e
maodarlevaraooertptorio de ?al b lnw,y e
recompensarle com geherosidade. *
__________l->"' <''' A/but/Hcrque MarmtiSo.
o engenho Jacobina, freguezia de Callo.
noite d-6 para 7 do corrente. (agirn u* esrra w
segantes : Salvador, crioulo, cor prela, haix-
gross, Idade de 'il amos mais ou menos b i
ja pintada, rosto redondo e Irabalha de car; 11
Entre-meios finos taados o trinsoaren- Wfavo fpn,Pr;,(l" Br. FnmcisniJoe
uiuu ihus uob lapau t u ansp.iien j.. Ar,.UJU) mora(ior na dda(lfl d(| H(rj }
i -com delicados bordados e prepliOS preto, alto, barbado, bom e/>rpo,pernas finas,eum
tes
para enliar lila.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Roycr para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinbas de pelica
e setim para meninas cu senhoras.
Lindas cesliulias bordadas a froco, o lisas.
Delicadas caixinhas de vidro eneitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaraga parajoias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeibir coques.
Bello sortimento de trancas de palba.
Fitas largas para cintos.
Cintos de litas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
a falla um poneo descansada, representa ler -~
aun w mais u mono.-!. i.ov.,u ralea ti^ a t
americano, camisa do madapolu a velha i> r
neo de couim : este estravo ful conuradu ao Sj
Junas Mariano do S, morador em atoxol para
onde desconna-se ler seguido, it ga-fe s auloi -
des pohciaes e aos rapitaes .lo eanpo a anur-
nensao dos referidos eraros, e enlreBa-w n
son senhor Antonio Carneiro Lhs c Mi lio, no .-
pend- arinia relendo.
i i-ugiu Uo eiijiei.lio Fa|iagaiv, leimo dt- P- ro
Calvo, na proTincladas Alaguas, o escravn Lncia-
no, crioulo, preto. dado de :2 amii. poocun is
menos,aluna baixa, barbado, bem bltanie cm-
bruftr-se muito, e inlitola-se torro, ij-m ..filero .fe
sapateiro. e tamb em (.oyanna, cm Pennmbuco ; recomienda-se
atadas as autoridades pofiriaes, asKicg cuno .1
qualquer pessea qoe o eaevntrar, que o prenda o
renielia-i. uo seu senhor que o capillo W Can-
dido das Naves, no engonlio Papagaiu, .011 na ron
do Apollo, armazem n. a, que se pagari toda e.
qnae>qner dlspras que hoaveren de > din a pusa.i do ine^nio eseravo. assim c. nio so
gratificara generosamente a quem exacta do referido eseravo.
00?? I
00
005
0009"
08
005!? S
ooe
00009
00508
005
005
008
B 8)81103 BJBd 0.)B Op Saojog
..... opiisa.i
op miuqap BJBd bijj ap sbjoj
.....60uanbad sopa
........ Bpeanop
Bjnpjoui moa sopuej sotpdsg
009-d OpOJ 'BJ30 9p SB39UUU
suapjo 5 sojsxjoo tuoo bijbo
b Btznp sepjef 005 8l> -'MUi'i
b ojoiioo ejed SBjnpeoioqv
.........B BIZ
np suouioq BJBd sbojo sbisn
........O'tfi
'008 '005 sojiotp moD sooskjj
b oqund BJBd saojoq ap sajBj
'sogra BJBd soauBjq so;'uar
buooj eran moo sejbjjbo
09
00901
OOOS'
095
05C
09
00809
09r
00'y
o?a*
000S
b bjuo| op saQioq op BZO.IO
" BUjAlp Bllif U10D CJBJJBO
' o 008 '00: '00 '005
B sojaiu-a.qua o soquipcqcy
' 005 051 '001 '08 Psap
-cpi|Bnb sb SBpo] ap a)duo(|RS
f Bsoqcq ap oa|o moo soosimj
..........b sep
-JBfoo1 uiod Bqui| ap sijoaojj,
JBq.ioq BJid seqiji ap SRjqrj
o sj 001 cjiii moa soasejj
........B SBIJUll
o BJiiisoa BJBd SBjnosaqx
.........I fin
-tuaui BJBd Bssa.vBJi ap .sawa^
.....b BJ|.tpBpja\ JUAIJ
Bmo|OD op buSb moo SOOSBJJ .
:s3^uinSas soasad so\od sopui
-Bpap oxmqe so;oofqo so opireunaiib ?jss
IVHOdMI mrAWW OSMOMV
aa
5: W-0UVRI3I0 011 Vlll-'!111
Ma hlgido, de-de o da 18 V Janeiro corrente anno, b-wcravo Felippo. rom sign'fs
segomles: eabra, idade 2.' a annosai> 1
menos, corpo e altura Ngnlares. sobranrcll 1
pretas e serradas, cabellos enroscados e acaboeo-
la.ios, qneiviido principiar a barbar, w*m-
cliam Ibe as persas tem urna marca de e;.us'c.i
d>. lado direito sobre o Osado, quando amia Bra
duro e om passos arancados, tem o ventre
poueo en scido, peseoe erosso, ( muMn reprim-
a, equando foge diz qae forro, e tem por resta-
nte trocar o Done e botar a camisa lia da ralo.
Este eseravo foi preso e esteve na cadeia por an-
dar rogid : levou calca de lirim de quadrMh
pretns. camisa de madapolo, chap-, de lia preta
redondo, e natural do lunar Canhoimlio da comar-
ca de S. liento desta provincia, e f> i esclavo do Sr.
Jos Eduardo Arrea de Mello, morador no mes-
mo lugar. O referido eseravo j foi visto em Glo-
ria de fioiat, distiieto de Pao d'Alho, e en Li-
moeiro ; presume-se que se conseno uestes lu-
gares: nede-se s autoridades policises e aos
SI*, rapitaes de campo a Captura do niesmo es-
eirvo, e enlrega-lo ao seu senhor Jos lemrade,
Miranda Cunba, morador no Recife. (:,, de8ath
Amaro sobrado n. do fallecido Maueel Cesta-
dio, ou na **a da Cadeia do Recife n. 35, que o
mesmo gratificar generosamente.
BelLirmino
i'im
HENCO DB BONiU
Vende-w em rmcM
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALHAO *"-
lares, plurmacU Hom,
3, ra de CaKifttOM,
em Paria.
lif'IrTcl
Aft ewtriltt>f, os oleo pardo*, d'um cliciro forie, e mais componaos feitas com oleo*
de peitas eommuns, utes como o etqna'o, a arrala, o phoca, a lira, 0$ oltnt aot ar>natlnrr* prtradort,
e mesroo ou oleo vtqttaa. foram imaginados para substituir os vvrmittnm olr* le "nsia
fircacM W Bacalho da Terra-Nov*. Estes aleo* eommuns ou seos < 11 n te
omitidos na industria por precos mui bajos, em quanto que os verdadeiros leos de Sitado de bacallii*
fresco sao relativamente multo caro, visto que para ohtel-os /rseos e im malura cumpre exercer
grande viitilancia e ler os maiores cuidados nos proprios lugares das pesca, assim como manda faser
M. Hogg desde o anno de 1849. Estes oleo- paros de BUcalhfco U Terrat-Ncva de
grsnjp-aram para este precioso medicamento uma fama universal as moleiliat do peito, ai af+ cos
umrtfuktatalymphaticas, a magma dot mtmoi,etc.,c por isso,deram lugar a nocivas e deslees
Imitantes.
ivolo. O aleo de g mui fcil de digerir, distinguere entre os outros oteo* pala sa*
cor na paloa, o so ebeiro suave e delirado, e seo gosto de sardina fresca.
O RELATOIUO favoravtl do ebefe dos trabattios chymicos da FACULOADB DB MFDICIN* DI
PARS osarlos orno segu 1 O olio cor da pauta da M. Hogg contr.m urna terca part de pita
al ir*-- ata* aa mt do gue 01 alioi paria a nio aprata*tajtMm do* teonatmiantat pta $$
rapara n'tei, quanto ao tlero e sabor.
aa BaMtnssaeiaa da> l*saafa a daa pataca MBis|ilna,
Evadio-se do engenho Marrwas, na fomarea d
Porui Calvo, e no din l>< do maio do corrente an-
no, o eseravo Bellarmmo, cabra escure, de fdr.dw
do 28 aunes, alto e seseo do corpo, sem baika, pee
grandes, tem estado Desta eidade, e o seo 9bwt
passeio pelo bairro da Boa-Visia, 1 de ser qao
lio se encammhe para a freguezia da Estada,
onde foi elle criado, e condecido : quem o pe-
gar e levar ao referido engenho, ou Desta praca,
r"- da Cruz n. 51, Io andar, receber bi>a gra
tificacao.
Aeba-se incida ha 14U1 nmas a pela es-
crava, de naeao, de nomc Maria.rom 4U annns *e.
latdc, oaixa o cor fula, consta (pie di; mt torra, >
oda vendendo na freguezia da Roa-Vista, con
ima bandeja pinada do encarnado, com qui
figio : gratificarse bem a quem a appreliender p
va-la a rna Imperial n. IO-'i.
Eugio do sitio denominado Bnmys do Ai-
aial, freganda do Vac) da Paiieila, n ewrato am-
0 da lasne ioaqoiaa, mais eaab Ka,comos signaes s snint.'S : estatura regular,
hcio do corue, pouca barba, rosto redondo, tem
una bellid-no "II10 es pierdo ou direito. ns grai>-
es e com os dedos aberlos, custuma andar sempre
om a r mpa su ja : rogase as autoridades poft-
iaes e aos capiSes de campo e a qualquer pessoa
i'ie o encontrar, que o preudarn e levrm a<> sen
enhor que Antonio da Rocha Vieira, do en-
hn Pindubinha da freguezia de Ipojuea, i r. Paredes Porto, na ron di Imperatriz. qoe so-
iio genemsimenle receiiiponsados ; nis julgs-s
idar o dito e-cravo |nio< sohnrhk oerta ridaiia.
Aclia-su fgido 11111 eseravo de n >me iaiaela'
lado Irinta e tantos annos, esiatura regalar, eni
da, ponen barba, que as veaes raspa, com fnlra
' um ou dous dentes na trente, um poaen can>-
aio. ora da-so ao servicfl de ramas, ora alugn-
em casas paniculares, o con-ta que i sistr en
isa da crinula Bernardina na Pas-ageo da Magda-
na, intitulo-sepor los,, nomo este p r que alguna
conheeem: quem o apprehender leve o ma.dti
operatiiz, casa n. 88, i." andar, que ser gratih-
ido. PiMtesta-se contra quem o tiv. eu ser-
i^o sem j communtcar ao soobor.
INCORRETA
UFfiM


8
Diario de

Pernambueo

SabbaUo 25 de Junlio de 1869.
ASSEMEL&. GEML
CMARA DOS SRS. DEPUTADQS
SESSO EM 2 DE JINH0.
PBESBDENCU DO Sn. VISCONDE DE CAMAIU-
GIBE.
(Continucifo.)
O SU. JUNQUEIR v: Si\ presidente,
iwiii.) de olfireeer alguraas coiisideraroe-
acerca da materia em discusso, por un
dever de corte/.ia pira com o nobre depu-
tado que acaba de sentar-se, devo cunear
pordirigir-me a S. Exc. que refutou algo
mas de mintias opiuioas, pedindo-lhe lieonca
pata- dizer-lhe que nao estou de aecordo
comas idea por elle ha pouco emitlidas.
Quando, lia das, tive a honra de apre-
seotar a casa varias consHloracoes, e fallar
toerea da guerra do Paraguay, eu Uve em
vista demonstrar os grandes sacrificios que
tem ella custado ao paiz, e os embaracos
inmensos com que tem lutado o th-isouro
publico em virtude de semelhaute exped-
ro tao longinqua e la demorada.
Eu disse que de 18(i2 para c tinhamos
augmentado a nossa divida com.......
KWi.V.l 14.-), que o excesso da despeza
sobre a receita uestes ltimos annos. No
exercicio actual estamos compromeltidos
por outro excesso de despeza que orea em
cerca dp 79.000:000* sora:nand_o essas dua*
adieces a quantia de 354,953:714;$.
A presentando e-Ue triste quadro de nossas
ranlas, eu lamentei que o paiz tivessesido
levado a esso extremo, e disse qu as nos-
sas cireumslancias eram quasi desanima-
doras.
O nobre deputado pela provincia de Goyaz
porm, entende que vista da uberdade
do nosso solo, d i m agestado de nossos rios,
da belleza de nossas pasagens, do ardor do
nosso sol, nada ha que temer, e que pelo
contrario a guerra contra o Paraguay foi o
incentivo para desenvolvimento de certas
forcas latentes no paiz ; porque S. Exc.
appellou para o rendimenlo crescente das
wossas alfandegas, c quiz desse facto tirar
"argumento para proclamar que deviamos
ficar tranquillos diaite de to temerosos
dficits.
Eu, Sr. presidente; entendo que o nobre
deputado labora em um grande equivoco :
o estado desgranad" das nossas financas
uada tem de animador. (Apoiados). Nao
devenios confiar sobremanera as forras do
pan,Manosla ibsrdade tao proclamada de
nosso solo. (Apoiados). Por isso, quando
fallei a primeira vez eu chamei a attenco
dos meus Ilustres collegas sobre a econo-
ma severa que devo dictar todos os nossos
actos. Della e de outras circunstancias,
que rpidamente enumerarei, que pode
i.ascer o equilibrio do orgamento, e a nos-
sa regenera o fioanceira.
Ciin qaaato confiemos muito as forcas
productivas d i solo, com tudo devemos re-
eonheeer que ellas, desanudadas como es o
nao podan lazar face aos encargos pesadis-
simos que oneram a fazenda nacional.
.(Apoiados).
Sr. presidente, a primeira riqueza de um
paiz reside no trabalho. (Apoiados).
O Sn. Presidente do Conseliio: E'
exacto.
O Sr. Juvqueiha:N3o sao os paizes
-le ?olo milito frtil aquelles que apresen-
tam as melliores financas (apoiados) ; pelo
contrario, o homem, confiando nos dons da
natoreza, d tixa de tirar do solo aquillo que
(i xlia liaver pela assiduidade. pela cons-
tancia e pelo trabalho, nica riqueza deste
mundo. (Apoiados; muito bem).
Por isso vejo que a Inglaterra pode hitar
durante muitos annos com urna guerra in-
mensa, sem que as forras productivas do
paiz sofiressem o mnimo abalo, porquanto
para auxiliar a Pitt e a Nelson, l estavam
machinas de Watt, de Arkwrigbt, de
Cronipton de oulros que braca os verda-
deros salvadores desse paiz. As machinas
de GacSo, e oulros instrumentos fabris aper-
feicoados, (fae produziram os recur-os
ornados de que se servio tao patriotica-
ite o emweate estadista que acabo de
nomear. (Apoiados). Onde, porm, a
isa industria, a nao snr um pequeiw en-
saio, como tentativa apaas?
JSs sabemos que e:n 1774 a divida pu-
blica da Inglaterra suliia a cinco e meio
mliares de milhojs de libras sterlinas e
que o ministro Pili pode eleva-la para sus-
tentar a soa poltica de forma tal, e em
proporcocs tito vastas une em 1815 subia ;i
enorme somma de 28 milhares de milhoes
sterlinos. E porque ? Foi porque o tra-
Who- costina prodig'wsjuawfe aqueHa
uaeo, e a industria desenvolveu-se em
to grande es>ala, ;que o thesouro pode
obter os recursos para fazer desenrolar
o pavilho inglez em todos os mires, e
enviar amialadas vezes para o continente
sommas enormes em bilhcte's do banco, e
grandes aixSes de libras sterlinas. Ao
mosmo Umpo que pelo trabalho ella for-
tificava a saa riqueza manufacturera, c
creava novas fontes derendiinen o, o orca-
mento elevava-se qaas altura das neres-
sidades publicas.-
Nao, Sr. presidente, por npis frtil que
seja o uosso territorio, p;>rraais brilhanf,
que seja o nosso sol, por mais fecundo
que seja o solo do Braail, e ameno o seu
bello clima, impossivel elevar a recoda
publica ao nivel das grandes despezas que
est exigindo a presente guerra. (Apoiados).
N6s nao temos donde tirar verdadeiros re-
cursos seno da lavoura, e V. Exc. sabe
que os povos lavradores o pastores sao os susto c hesitado.
desta falta de recursos se possatitw+
coneluso que o nobre dipuUiuV) lirou.
Ser este o segredo da'fada antiga que
transformava eia pedras preciosas os seixos
em que tocav?
NSo, Sr. presidente, -nao* posivd trans-
formar em ouro para o erario publico toda
essa riqueza esplendida t natural que exista
no nosso paiz; nao podemos ter esse
pode de um dia para o outro (apoiados) ;
nao podemos sena o app 'llar para o trabalho
honesto e assiduo, para a lavoura princi-
palmente : ma*o producto drfSsfrtNbalhO'
nao pode ser obtido c realizado de um mo-
mento para o outro.
E quando uu \ )jo, entretanto, os re-
culaos s recursos finafloeiros, como maaile$ta-
coes de patriotismo e de virilidido nacional
em semeWuDte guerra, e que todo esse
dispendio de forcas na serve mais para a
produccao, c ainda tico tomado de.maioi
povos mais pobres do mundo. (A|ioiados.
Nao podem lutar, economicunento fallando,
com os povos essencialmcnte in ltMtriosos
e commerciantes.
Quando eu vejo que o juro da nossa di-
vida publica j fundada-aada em cerca de
30.000:000*. porque nao hei de ter um
certo movimeoto de desanimo ?
Pois se a Franca, paiz eheio de recursos,
collocado no centro da Europa, entre dous
mares, tendo um commercio extraordina-
rio c com industria de priuieira ordem,
considera-se mal porque tora de pagar de
juros da sua divida publica um terco da
soa renda; se a Hespanha considera-se
perdida em suas financas porque paga dous
tercos da sua receita; se a Austria vai
mal porque paga 3/g da sua renda; se a
Inglaterra pagando cerca de nietade da sua
receita, porque paga 42u/o, est em si-
tuacao muito melindrosa e delicada, visto
como tem de pagar 27,000:003 sterlinos
annualmente de juros, o que -Importa em
nossa moeda em cerca de 309,000:0005 :
se esses paizes consideram-se em posicao
penivel, ou menos folgada, porque tem de
sat sfazer annualmente importantes qntas
como juros de suas dividas; porventura o
Brazil, que apenas pie attingir,_ mosmo
com osimpostos creados em 1867, cifra
de 73,000:0003 de receita, nao se ha de
considerar em situaco dolorosa, quandn
v que tem de pagar de juros da sua divida
publica cerca de 30.000;0i)0^, isto e, mais
de um terco, quasi metade da sua renda ?
Bem v o nobre deputado pola provincia
de Goyaz, digno representante, cuja illus-
tracoso o primeiroa reconheccr e cujas
boas intences sou o primeiro a proclamar
que eu tinlia razao quando tiizia que a
nossa siluaco linanceira era pesiima.
(I Si.. Cuidoso e Menezes: .Mas nao
sao tudo destrocos.
O Su. Jcnoueira : O nobre deputado
ha de recordarse que quando empreguei
essa imagem eu linh.1 era vista o paiz to-
mado em I862, e observado presentemente.
0 nobre deputado se ha de recordar que o
dficit attingia entao a cinco ou seis mi'
contos, e todos se tomavam de um santo
horror julgando perdido ento o paiz ;
que hoje estamos lu ando com dficits
annuaes de cerca de 100,000:000,-), temos
urna grande massa de papel-moeda, quu
naqueila poca estava reduzido, contraji-
mos no exterior empnstimos onerosos, que
naqnella occasiao eram realizados mais
ventajosamente porque o paiz tinha fir-
mado perfeitamentaoseu crdito no estran-
geiro c ia marchando progresshamente
no cambio da riqueza e do bem estar.
E que temos visto de ento at boje ?
Nao apresenta o paiz o espectculo que
offerece o campo flurescente na vesperal
e no qnal no dia seguinle houvesse urna
bataiha f (Apoiados). taB duvida o que
vejo hoje sio destrocos financeiros.
Aquella situaco brilhante, legado pelo
ministerio que, deixou o poder em 1857.
situaco magnifica em que tivemos um
saldo de mais de 10,0#0:000l, sendo mi-
nistro da fazenda o honrado Sr. bnro de
Cotegipe, comparada com a actualidade, em
que tudo se acha transformado, cm que
tudo c.jiiluso, vexame e falta de re-
cursos, nao apresentar a imagem o con-
traste do campo florescente transformado
stihitame!; te em campo de bataiha? (Apoia-
dos),
Desejava muito poder acompanlnr o
nobre deputado no seu optimismo relativa-
mente nossa situaco; mas por mais es-
fiircos que faca, por mais trato que d
ruinha imaginacao, nao posso conceber como
-apresentado-pefa nobre eoirmissio, fett^dejemplo, naose exinrcra de lancar se n'umt
axcordo com o luminoso relatorio do bou-
rado ministro da fazenda ?
Mas o nobre depotado pela provincia do
Rio de Janeiro que acaba de honrar-me com
guerra cuitosa e longiuqua quando por
ventura a sua digaidade o exige: o exem-
plo os nobras deputados tm na recente
guerra da Abysinia. A Inglaterra sabia por
o- setr aparte, pensa qne podemos restaba acaso qtre essagnerra acabarla taodepres-
lecer as nossa financas de repente, ac-1 sa ? A Inglaterra, lanoando-sa nella, podia
bando com semelnante guerra? Como? I contar que Sir Robert Napier daria nma
O Su. Cakbido Towibs Fn.no: N5o, mas bataiha, como a do Magdala, to feliz e t5o
o ponto de partida, a primeira pedra.' decisiva, e que o imperador daquelle % paiz
O Sa. Jlnqi; :nu:!>ni i hiemos de tivesse a felieidade e a simplicidade do
fazer reiroeoder as nossas forcas que esto aceita-la ? Mas assira mesmo gastn a In
no Paraguay? Como* ha vemos de determi- glaterra nove milhbes de^bras, cerca de
nartjue o nosso valente exercito e a nossa.
briosa esquarda de?ram aguas do Paraguay
abaixo. doixando ainda o dictador Lpez
senhor do interior, deixaudo ainda sem o
noventa mil contos. Porventura, repito,
sabia a Gra-Bretanha que nao tinha de lutar
com muitas difficuldades, quando empre-
hendeu essa guerra? E porque a empre-
ultimo remate o lim a qne nos propnzemos, hendeo? Porque um seu-funecionario e
mais dous individuos estavam presos: eis
aqu urna guerra em prol da honra naci-
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
Paulo Fval

Primeira parte
A BRH AL LiVRADO
# ix
ladr luli.
rContinuaro do n. 142.)
7 de agoto, aoate.Saio da audiencia.
Nao estoi) doente. Tudo se passou como
previra, exacta, rigorosamente. A accosa-
Co terrivel, justamente pe'a sua modeJ
rago. nella que se v bem o homem.
o incgnito, o demonio que me escolheu
para illudir a justica. Oh! aquillo j
no era de certo um ensaio. de
meslre Eu digo que o veem. Eu, pelo
menos, vejo-o, sigo-o, apalpo-o. Cada
estratagema dos seus para mim claro
como agua. Parece-me impossivel quj
esta obra de embuste se nao traia aos
olhos de todos.
Succede. paren, o contrario. J ninguem
en'' no demonio. Estou eu aqui, para que
ho de ir procurar mais longe ? Introdu-
r.io-se no meu corpo, porque nao posso
exprimir de outro modo o mau pensamen
to, e en^arnou-me no seu crime. Elle est
onge, eu estou aqui. Ningnem v seno
a minha pessoa.
Sou fi!ho dessa trra sombra em que a
\ingan?a i urna religiSo. Cousa singular,
Aunea um pensameoto de vinganca se apo-
derara de mim. Usava l oa Corsaga an-
dar armado, mas era para te defender. Para
defender-t;, era capaz de matar, certo como
iva do direito qne meassistia; passado,
porm, o perigo, extingua se em mim o
rancor.
Urna noute, ha de liaver qiiinze dias,
senti bater com mais forga o cora;ao. Co-
mo l'o direi ? a cominoco que de mim se
apoderara, frvida e pungitiva, recordava-
me os primeiros sobresaltos do meu amor.
Como ento, casavam-se com a anguslia
ineffaveis delicias. Brotava a minha ida,
dea tixa, que me aporta um inimigo a pre-
parar a nossa ruina. Hesilei antea de
comparar o meu odio com o meu amor,
mas porque todo o meu amor existe no
meu odio. Aquello homem separou-nij
de ti.
Aquillo que eu chamo a mmhi idea,
Julia, a vinganca das trras de Corsega
Apossou-se% de mim; e nao augmento;!
desde o primeiro momento, porque m > en-
tumeceu logo o coracao. O me;i cora.
seria estreito para doas amores; s tu l
deves existir, e l oceupas todo o eapaja
O odio penetrou nos poros do mea amor,
como dous licores se mistnram no mesmo
vjio-'Fdf*por ti que a miuha justica julgou
fuelle homem e o condeaanou sem re-
iOmhn.
Ouer seja araanhaa, qer d'aqui \5ate
aruK.liade sent'nca a ser executada.
lociKa-Io-hei, hei de-acha-lo e liei-de
esinaga-lo.
8 rfe'ngostrr.Todoa-dep*zerm contra
miwi. Nonhiiiinient:(i. O ScN-wartz, c im
fDissaio de porcia, disse que nos em-on-
Iptira s onze horas da norte ; o lio Bei-
U;id, limpa candieiros, contonea historiado
banco ; o proprio Bancelle, e'so soubesses
3ue de naos pode a desgraoa de algn*
i waccoffiular na cabeca deum hornera'!
o.Bancelle, a qoem me foi diffici!.coaliecer,
referi a nosea coaveraco acerca do
bfte&j.
ffluBra-te.: l esti o braca! e todos-para
elle olham.;.la est enire as peas de.ftoa*
^ao.' Apontam todo* pafa>; ellee faltanr
bBi"' ti partemvsteriosa ecnriosflH
Mp. Diaaa-, un&< ao% voz-
Se pudessemos ter feitoa guerra comft;
a fizeram em grande parte os Estados-Uni-
dos, contrahindo emprestimos no seu pri>-
prio paiz fazendo encommendas de arma-
mento no proprio seio da naco, de forma
que, se por-ura lado o thesouro so empo-
breca, por outro lado a naco se enrique-
ca, ento minha hesitacao, o meu receio
nao seriara to grandes.
Mas, nfelizmjntc, por essa falta de in-
dustria a que ha pouco alludi, quasi todo o
dinheiro dispenddo tem ido para o eslivn-
geir.i (apoiados): em relaco aos Estados
do Prata, aquelle rio confirmou o presen t-
menlo de quemo a;i[i.'llidou portal: as
suas agoas hoje como que rolam o pre-
cioso metal.
Para esse* Estados tem sidoaguqrrc
uma-terdadeira ebuva de ouro, com que
o Brazil tem procurado conservar a esquiva
amizade dos nossos a'.liados. O transito
por aquellas parageus de lodo o pessoal e
material do exercito, os. fornecimentos de
todo o genero deixam apssiuma larga es-
leir de libras sterlinas.
V. Exc. sabe que o Estado de Buenos
Ayres tem attingido a um grande desenvol-
vimento e riqueza, tem chegado ao estado
que 6 muito significativo, tem pago suas di-
vidas (apoiados) ;-ns recebemos ha pouco
um milho de patacocs, importancia do em-
prestuno de 18C5, e recebemos urna quan-
tia menor, por corta de emprestimo anle-
rior. Ora, o fado raro de repblicas hes-
panholas pagarem suas dividas altamente
Bloquele. (Apoiados.; E se o ouro regur-
gita em seus cofres, donde fof elle. O
commercio, nao o tem to grandp essa re-
publica ; a industria all escassa; por
conssguiute o ouro do. Brazil que tem
fecundado aquellas plagas.
Portanto, teibo toda a razo quando ex-
perimento urna especie de receio, vendo que
nao ficou uo paiz esse ouro para reproduzir
novas riquezas; gastou-se estrilmente de-
baixo do ponto de vista econmico.
Mas, Sr. presidente, quando to penivel
a nossa situaco linanceira, da forma que
nos vemos compellidos a augmentar os im-
posios, j augmentados na lei de 18(i7k o
que nos cumpie fazer ?
O honrado deputado pela provincia do
Rio de Janeiro, relactor da 1" commisso
di orcamento, apresentando tamliom o es-
tado actual do thesouro, parece que que-
ra chegar a urna certa concluso ; S. Exc,
porm, nao nos deu a chave do enigma, i
Sr. presidente, esta cmara, infelizmente
nao pode deixar de aceitar o legado que
Ihe foi deixado pelos ministerios transactos,
e se nao pode deixar de aceitar esse lega-
do pesadissimo para continuarao das despe-
zas em prol das qmes est empenhada a
honra nacional, nao vejo razao para as ob-
servacoes que fez o honrado relactor da
commisso que me refer.
Se nos fosse licito cortar de chofre a ques-
to, restabelecendo as nossas financas, en-
to podamos emprehender urna nova vida.
Mas que fazer ? Nao nos sendo licito seno
continuar com a guerra, por mais sacrifi-
cios, que nos tenha custado, porquanto no
ponto em que ella se acha nao d lugar a
[iia possamos retroceder, porque seria da
nossa parte urna falta de lealdade para com
aquelles que se tem empenhado em defen-
der a honra nacional.... (apoiados e nao
apoiados) seno podemos, pois, retroceder,
sob pena de representarmos um papel me-
nos digno-----(Apoiados.)
O Su. Candido Tobres Fii.ho: Nao
apoiado.
O Sn. Jc.nqueira": -----que remedio
temos nos seno aceitarmos o orcamento
a que o Brasil se propoz. porque devemos
falldnosla.casa, e ueste assunipto, urna
iiuguagem solidaria ; a que o Brasil se pro- nal: d'ahi nao vem o menor proveito com-
pui, digo, emprahendendo esta guerra, mercial, como tevo a Inglaterra as guerras
quando proclawava a todos os voluntarios que emprehendeu.noseculo passado.
da patria, a todos os guardas naciouaes, a Portanto, se aquelle paiz, que est na
todos os Brasileiros, emm, que empunh-; vanguarda da civilisaco, que preza a in-
ram armas em defesa de seu pavilho, que
nos no recuariamos sem que a honra na-
cional eslivesse totalmente vngada, sem
que o dictador do Paraguay estivesse redu-
zido impotencia, o rio livre e os tratados
concluidos .'
Como havemos de fazer recoar essas
forcas quamltj jazem sepultados nos campos
di Curupaily e Curuz milhares de Brasi-
leiros, que, se fosse possivel, ergueriain
as paludas frontes protestar contra seme-
dustria, que zela a economa publica, que
calcula tudo dia por dia, penny |por peaoy,
abalancou-se a semelhante guerra, o exera-
po est dado : nos devemos recoohe er
que ainda hoje nos conselbos dos povos
mais Ilustrados prepondera a idea -de que
ni ha remedio seno laucar um pouco ao
lado todas essas ideas de grande economa
e de proteceo industria ; preciso algu-
ma cousa mais; ah que est o alto cri-
terio dos poderes do Estado; verem se
Ihanteabandono? (Milito bem!) Pois que?! possivel obter-o desaggravo por outra fr-
iiavemos de esquecer tudo que temos soffri- ma, a nao. ser possivel confiar-se a soluce
do esta guerra no .momento em que esta- sorte das armas, o appelar para patro-
mostalvcZ prestes a alcancar o ultimo trium- lismo nacional.
pho, a ultima victoria, a nica cousa a de \ Eu, Sr. presidente, como disse, nao
sejaiy o desaggravo da honra nacional, o alquero discutir o cmeco da guerra do Pa-
seguranea do nosso futuro:' Agora que, raguay, nem o estou fazendo: mas digo
estando j;i precario o estado do tlnsouro que devemos aceitar o facto tal qual est
publico, nao teremos a coragem de autori hoje: e que no ponto cm que est collo-
sar o governo para continuar por mais um cado nao podemos retroceder sem perder-
pouoi com essas despezus, at que seob-,mos alguma cousa na honra e na dignida-
lena u;na paz honrosa, urna paz que nos de nacional, e sem fazermos tambera nmi
garanta? E preciso, seuliores, saber tirar;araeacaconstante no thesouro. (Apoiados.)
a devida vantagem das explendidas victo-; O Sj\. Candido Tomies Filho : Nao
rias de dezembro. apoiado.
E ainda oeste ponto necessario que j' 0 Sn. Jcnqueiha :Ora,, Sr. presidente,
que se empreheudeu semetiant- guerra o ore mento de receita que vamos votar
com o comeco da ipial nao temos coinplici- aggrava alguma cousa a situaco economi-
dade (apoiados), tnas, j que se emprehen-, ca do paiz. Eu nao me catisarei de repetir
eu, preciso-conclu-la de urna maaeira.a esta casa que os nossos patricios ainda
honrosa, e de urna maneira que garanta a I nao se dedicaram bastante a industria o ao
nossa seguranca, e mesmoaverdadeira eco- commercio, e que portanto deve liaver muito
nomia nos temp >s vindouros. Nao sabe o cuidado na aggravafo dos impostes ; mas,
nobre depuUido que se porventura nos ret-1 se a situaco do thesouro publico ta
ramos do Paraguay sem termos attingido como, u a descrevi no principio destas
completamente o lim a que nos propuze- observacoes que estou fazendo, eu presto
mus, daqui a um, dous ou tres anuos tere- o meu voto a elevaco proposta pela illus-
ni js de levantar novos e.xercitos para de-j tro commisso, de 40 % sobre osdireitos
fondor, a ijitegrdade do paiz, para defender que j pagam os gneros na importaco.
a honra nacional! (Apoiado?. Mas aqj neste ponl() e (]esejava di|.gi|.
um pedido ao Ilustre Sr. ministro da fa-
/enda. Parecia-me que esta decretarn da
porcentagem annualmente feita, tendo-se
em vista o cambio de 18, smente alterada
de anno a anno conforme a ascendi do
mesmo cambio, podia dar lugar a que as
Que invenco I Ha muito que nao
hava urna audiencia to divertida !
Tambem eu lho para o bacal. Era
elle que completava a nossa riquesazinha;
ora elle que ia deferir aos. te,us desejos e
dar-te Pars...
A porta lutam para entrar. Esta ma-
ullan, todo o auditorio estremeceu, e ap
plaulio quasi quando o Bancelle disse com
a voz mudada:
Fui eu talvez que Ihe dei a idea do
braral; offireci-lhe por elle mil escudos,
por pie tinha como que um presentimento. E
fui eu tambora que Ihe mostrei os quatro-
centos mil francos que estavam no cofre.
O Bancelle era d'antes altivo; agente de
Caen, depois de o ver cabido, tem sido
atroz para com elle, mas as audieacias pu-
blicas sao uns como espectculos. Choram
l os crocodilos. O presidente foi ODrigado
a fazer cessar as maldicoes, que de todos
os lados choviam sobre mim.
A Sra. Banceile acompanhou o marido.
Est grvida. Fra.n'outia lempo bon-
dosa para comtigo rreoirdo-O. Fate amal-
dicoada.
Amaldiroadi, tu JuliaHu I Digo-te que
aquelle homoin mereceu.*' mortei
Vieramcincoenta e dua testettunhas.
Cada urna tinha algnnw verdad a dizer,
e tudo o que dissseramfoicoeurs mhn. Cito
um exempio : o meroeiro que niera de-
rontedo Bancelle dedarou terKnar visto,
na vespera do crime, 'ornar com muita at-:
tenco para a janella por onde o laUrao se
introduz'o. A janella dp gabinete da se-:
nhora, e o Bancelle tinhamu encarregadol
no mesmo dia de Ih9 arranjar uns vidros
bonitos para ella.
Respond isto. O auditorio sorrio admi-j
rado. Passo por ara marvao habilfesimo!
9 de agosta Soffri hoje .a aartyrio.
Ouvi aacchsacao e-o> dlswofso"dOiratfU ad-
.vagado. A acasaciO' impoiasiohoiiisensi-
^eMite'O jurv, eo) coale^j^iuparece
assente. Agrupou-.de tal modo I proba-
biidade a eloquewia do'repreatnitnte do
ministerio pttMfCo, qile a cartela''do crime
O Sr. Candidi Toniucs Fn.no :CqnUa o
Paraguay, nao apoiado.
O Sn. Jknqieiua:Pois ento o nobre i
deputado quer desconhocer urna cousa que |
est saltando aos olhos de todos, que esta
guerra iornou o pava Paraguayo essen-;
i lalinento militar, e, longo de enfranquecer i
o poder dictorial de Lpez o augmenta-; ,azisse -mna |e desgualdade C0H.
ra consideravemenle se o Brasil so \iase !____________:_. _... .-.?.____ .i-
o
fferentes pracas commerciaes do imperio
forcado
d
para
daqui a al
conteuda.
a tratar com e le 1 Se o dictador
o Paraguay se poder conservar naquellas ; J ; ao d s vssem ^
aragens com o resto de forras que tem -y |tt 2Q 2 entretanl
anu a a l'iiiis annos liavemos de ter nova
ra os commerciantes, que livessem de po-
no principio do
e cambio su-
que, apezar
da subida do cambio, continuava sempre
. a mesma taxa, porque era marcada annual-
Assrai, pois, nao smenle em nome da, menle com antecedencia de tres mezes
honra nacional, em nome do thesouro
publico, em nomi do imposto matar que
vo pagar os Brasileiros, que eu, como o
para o novo exercicio.
Ainda mais, Sr. presidente; so ns sa-
nobre Rutado, deviamospedir ao gover i hemos que outras pracas do imperio como
no que concluye a guerra de maneira que **" e.Pwnambuco, te n sempre man do
o cam'no superior ao da praca do Rio de
Janeiro ; um penny, supponhamos, 19
quando est a 18 no Rio de Janeiro; nos
vamos obrigar estas pracas a pagarem a
mesma taxa sem que ellas possam tirar
i aquello partido que era razoavel que tiras-
sem das forras productivas das provincia,
a que pertencem; e quando realmente la-
ver orna grande desigualdade no imposto,
nao ticasse possibilidado de termos daqui a
dous, tres ou quarlo annos, urna nova ques-
lo; porquo ou Vcelo, que- nao Qcaado
a guerra completamente terminada, tenha-
raos para o futuro de emprehender novus
armamentos e de fazer ento urna despoza
que ser muito raaior do que aquella que j
temos de fazer actualmente para levar a i
guerra ultima victoria.
Com o cambio a 19 os gneros de" im-
portaco chegam a Penuimbuco or Babia
por um preco inferior a que cbeganraqoi,
e portanto vendem-se realmente por menos
no mercado; mas o imposto ser calculado
como se vendessem pelo mesmo elevado
preco. (Apoiados.)
Sr. presidente, j se diese e nao nos.de-
vemos cancar em dizer que o augmento
sobre os direitos estabelecdos. Dasta for-
ma nos varaos elevar os direitos, que sao
quasi todos calculados a 30 %, a 42. '/
augmento vem a ser de 12 /4. Alguna g-
neros pagam maior direito : o vinlio, por
exemplo, que paga 50 % v'em pagar 70 "/
o calcado, a roupa ieita, etc., que pagam
40 /, vem a pagar Si.
Nos tes dous ltimos artigos e no fumo
que d-sc alguma animaeao industria na-
cional.
Esta tarifa nao completamente protec-
tora : eu estara prompto a dar o mea voto
a nina que tivesse prudentemente este ca-
rcter, mas tambera nao sou ertbusiasta
como o nobre deputado pela provincia do
R;o de Janeiro, relator da commisso. S.
Exc.'qiierendo justificar o seu projecto,
veio-nos trazer nicamente argumento dos
Estados-Unidos da America, em qae hoje,
em virtude da grande guerra que susten-
taram durante 4 annos, as despezas publi-
cas subiram enormemente e por conaequen-
cia tiveram do elevar os impostos de for-
ma a fazer-lhes face, porque aquelles pai-
zes seguem muito bem a mxima do "nao
deixar jara os vindouros a somma de urna
grande duvida, querem liquida-la na gera-
co actual; e tanto assim que ainda hontem
li u'uma correspondencia publicada em um
jornal aqui da curte qne o ministro da fa-
zenda acaba de determinar que todas as se-
manas se consigne um milho de dollars,
dous mil* con tos de nossa moeda, para a
amortizaco da divida, o que quer dizer
que no fim do anno terara amortizado-----
104,000:000$; mas diziaeu, que, se aquel-
la gran le repblica pude elevar os impos-
tos de consumo, principalmente, a 70, a 80
o 90 %...
O Sn. Pcrriha da Silva :E 100 %.
O Sn. Jinqueira:... e em algunscasas
a 100 /0 podereraos nos tamhcm seguir
este exemplo sem receio de extingoirmos
algumas fontes productivas do paiz, ou de
levar o paiz a sacrificios e privaces que elle
nao podera conjurar ? Eu quero urna ele-
vaco, mas entendo que deve ser harmnica,
equitativa e justa. -
Mas, Sr. presidente, V. Exc. sabe que.
depois da guerra americana a vida tornou-se
naqnella repblica muito cara e difiicil : eu
ainda ha pouco li na limsta de Edimburgo
um artigo excellente, intitulado As financas
da America, em que se pinta o estado a
que est aquelle povo reduzido; tudo eres-
ce enormemente ; nao imssivel viver com
os ordenados que se tem all concedido,
ninguem pensa agora naque la repblica
(fallo da classe dos empregados pblicos, o
mesmo daquelles que vi vem das bettas-ar-
tes) em fazer a menor economa. Assim se
exprime aquella Revista :
As despezas ordinarias da vida dupli-
caram quasi no espaco de oito annos, mas
na maioria dos casos a renda nao maior
cm papel do que era em 1860 em onro...
Todas as profissoes liheraes soffreranv. As
universidades e seus profossores acham-se
em estado lastimoso. O clero de todas as
seitas luta com a pobreza, at agora desco-
nhecida dellcs. A maior parte dos juris-
consultos e Jues est rcduzida s mesaias
condicOes. A sciencia e a litteratura vege-
tam desfallecidas.
porque, se o cambio est a 19, e ellas pa-
Eu sei, Sr. presidente, que esta lingua-|gam a mesma taxa que a praca do Rio do
gem pode nao agradar certas pessoas [Janeiro onde o cambio est a 18, obriga-las
a pagar a mesma cousa determinar que
no Rio do Janeiro se cobre um qnantitali-
vo e -m Pernambueo e na Babia quantita-
livo dilferente (apoiados), porque alli o
cambio realmente diverso ; e eu appello
Sr. presidente, para o nobre deputado por
Pernambueo que est sentado ao lado de
V. Exc, muito versado nesta materia, e
que pode dizer-nos se nao procedente
aquillo que agora estou referindo.
6
que smenlo encarara esta questao pelo
prisma econmico; mas que remedio ? Ns
nao vimos aqui trazer smente o mandato
relativo ao raelhor desenvolvimento da ri-
queza publica ; urna outra. cousa tambem
nos foi incumbidavelar pela honra e pela
integridad* do paiz.
E mesmo aquelles povos que prestam a
maior considerarn industria, riqueza
e economa publica, a Inglaterra por ex-
sallou aos olhos de todos; estou pendido,
bem o sei; a partir deste momento reside
em outra parte a minha esperanca.
O Sr. Contcntin produzo elfeito.
Deus avaro de milagres, e s um
milagro poderia salvar-mc.
10 de agosto, noute.Esta manha an-
nunciou-me o Luiz que fura regeitada a
appellaco do yisraho.
Fui condemnado s 4 horas da tarde.
Estou como se sonhra. Fui condem-
nado a 20 annos de trabalhos pblicos.
Sao sete horas da noute. Ha duas horas
que volte para o carcere c ha duas horas
que procuro escrever estas linhas.
Nao s3o os soffrimentos que me impedem
de escrever. Nao estou hoje peior que
hontem. Sinto, porm, como um pesadelo.
Vejo alguem entre mim e ti. Se endou-
dexfisse, a minha mania seria crer que o
meu inimigo te ama. Como tudo se ex-
plicara ento !-----
Foram as ultimas palavras. Ficou a
penna iraraovel e suspensa sobre o papel.
Teve a tinta tempo de seccar.
Pallido, magro, abatido, jaita Andr
Maynstte com a cabeca pendida para o pei-
to. Os olhos febricitantes lixavam-Si no
vaioo, A lu do ocaso, quo se coava
pelos ferros, batia-lhe nos cabellos desgre-
nhados, Iluminando por entre massasde um
negro de azevich.e alguns fios revolutos e
hirtos, que pareciam de crystal.
A bulla da cidade ehegava i masmorra
trazida as azas do vento, que brincava nos
chopos da campia. Era quarto se ouvia.
Elevava-se, porm, de espaco espaco um
murmurio surdo, toada montona erou-
queuia que pareca acompanhada de um
attiita regular.
O attrito era to prximo, que as vistas de
um estranbo involuntariamente se dirigiram
para a parte da parede que ficava defrorte
da janella ; to prximo que qualqner Ocarn
admirado de ver, 'depois de ter reparado.
intactas-as grandes lages da prisio.
o que muitas vezes succede as casas
antigs do campo, ond; se ouve o" trabalho
invisivel de algura rato escondido atraz do
um pedaco esfarrapado de razes.
Aqu, porm, nao baria razes. A pedra
escura da masmorra estava na.
Nao ouvia Andr Maynolte nem os mur-
murios de fura nem os rumores mais pr-
ximos, que pareciam sabir das pedras. Ab-
sorvia o ameditaco. Por duas vezes mo-
Ihou a penna, e por duas vezes a tinta sec-
cou.
Deram oito horas no relogio da cadia.
Soltou Andr Maynolte um ai, e deixou
cahir a penna da mo.
Nada mais pronunciou em voz bai-
xa, sem perceber que fallava.
Levafllou se e ganhou a enxerga com
pasaos trmulos. Haviam-no aquelles pou-
cos dias envelhecido dez annos.
Estirou-se completamente vestido, e os
olhos conservaram-se-lhe abertos e fixos no
vago.
Deram nove horas; a noute estava es-
cura, deram dez. Antr Maynotte dormana
posico em que ficra. Se "nao fura a fraca
rospiraco que Ihe agitava lentamente o pei-
to, dir-se-hia que estava morto.
A's onze horas abri o guarda a porta e
visitn o carcere. Andr Mayonette nao
despertou. O guarda sorrio-se, e disse!
V l, que a mulherzinha c lea con)
as suas vinte mil libras de renda!
Cessra minutos antes davinda do guarda
o rumor surdo qua sahia da parede ; mi-
nutos depois de se retirar, a bulha con-
tinuou.
J, porm, nio cantavam.
E parida qae o obreiro trabalhava cora
mais ancia.
Um raio transiente da laa peBetrou na
celia, obliquo principio e delgado como
i foi ha de urna espada ; girou depois, e
desenhou em quadro na parede asombra
dai gradea.
Traba a janella cinco varoai dousheri-
sonlae e tre* de alto i baiio: soberbos
varees grossos e artigos, dieios de arestas
a O governo dos Estados-Unidos paga aos
botnicos e zoolngistas incumbidos de fazer
exploracoes 10 por inez em papel, ao
passo que os cozinheiros e conductores de
animaes.que acompanho estes homens da
sciencia, exigem 15 por seus servicos.Ho-
mens que viviara na abundancia restringi-
ram suas despezas, comera carne quatro ve-
zes por semana, e nao j tod ninguem cuida mais em fazer economas,
porque anecessidado absorve tudo.
(Coittinuar-se-ha)
formadas lima e dispostas adrede para
rasgar as mos de quem tentasse abana-los.
Ao mesmo tempo qne girava, baixava o
luar, porque a la ebeia ia subindo no fir-
mamento. Chegou um instante em que
baten justamente as faces fvidas de An-
dr Maynotte.
Era um formoso rapaz, e se o contem-
plasse no martyrio.lavia Julia de estremce-
lo mais ainda. No semblante estampava-se-
Ibe completamente a nobre bondade da
alma.
Nao dissera tudo, nao. Nao dissera qnal
era o grande mcio com que o advogado cen-
tava. Depois de ter argumentado com
quanto Ihe vf io idea, e tal e tal, encelara
oSr. Contenlin repentinamente umassumpto,
que, segundo voz constante, cala to
fundo na Normandia como em qualquer
outra parte : fallamos dos estratagemas dos
fallidos. vasto o campo. Podem ser
nelle semeados todos os caprinhos da ima-
ginacao, to bem como no outro cerrado
em que se cultivara as velhacadas do roubo
jubilado. Regam incesantemente os jor-
naos judiciaes estas ferteis lezirias; expo-
sica permanente dos fructos mais desen-
volvidos e das mais perfeitas flores do mal.
Consista o prande meio de Gortertin em
apreseatar Bancelle Hlaquiado entre veaei-
mentos ftitaes e ara-tote vario. AcOlhera
d'antes framente o banqueiro certo pedido
de emprestimo, que satisfeito teria posto
Cont ntin em circumstanctas de effecluar
excellente casamento, Cohtenti era de re-
serva. Veem*se sugeitos que deitara fogo
casa para levantar depois a indemtsatV)
do seguro: o Bajicdle roubra o proprio
cofre!
E tal' e tal 1 entendam bem N3oc de
todo inverosmil semelhaute estrategia. E,
em definitiva, Contertlri tinha de satt.r
om hotaem...
(Cwtiiur^se-ha).
TYP. DO IUARI0-R1V BA8 i RCIKS 1 w

I
j
I
i
\\
INCORRETA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFVLWN7VA_AYG0L7 INGEST_TIME 2013-09-14T00:12:19Z PACKAGE AA00011611_11875
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES