Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11874


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
!
I
f '
i
ANNO XLV. NUMERO 142.
PARA A CAPITAL E LUGAfiES 0W> IA0 SE FACA PORTE.
Por tres mezes a&wtados..... u^
Por seis ditos dem.................... .JJSn
Por um anoo dem........*........... jg~
Cada numero avulso ...........* ffSS
................ #<>zu
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 24 DE JUNHO DE 1869.
PARA DENTRO E TORA DA PROVIICIA.
Por tres mezes adiantados.
Por Si is ditos idem. .
Por no\ i ditos idem .
Por om anno.
6#750
34990
fropredade de Manoel Kgueira de Faria & Filhos.
<
, i
H
SAO ACEM1
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Filhos, no Para; Goncalves d Pinto, no MaranhSo; Joaqw'm Jos de OJiveira, no Cear; Antonio j
Pereira d'Almeida, em Mamanguaper Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Vij
em Nazareth; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins AIi
Leraos Braga, no Aracaty; Jo*> Maria Julio Chaves, no Asu; Antonio Margues da Silva, no Natal; Jos Justina
da Penha; Belarmino dos Santos BuJcSo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
na Baliia; e Jos fiibeiro Gasparmho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFHCIAL
Ministerio da guerra.
Commando em chele de tudas as forjas brasi-
leiras em operaces na repblica o Paraguay.
Quartel-general em Piray, 29 de niao de 18G9.
Illm. o Exm. Sr.Huje ao ret ra -se urna des-
eoborla de cavallaria que mandei eni direcelo au
inimigo, furam entregues urna carta dirigida pelo
general Mac-Mahon ao ministro dos Estados-llni-
os em Buenos-A> res, c urna nula que me ende-
recen o marechal Francisco Solano Lpez.
A primeira remello ao nosso enviado extraor-
dinario e ministro plenipotenciario em missu es-
pecial junto as repblicas do Kio da Trata.
Da secunda, e bem assim da resposta que Ihe
dei, adiar V. Exp. copia aqu junto.
Rogo a V. Exc. 89 digne declarar-me qoal o
pensann. nlu do governo imperial sobre o proced-
mento que devo ter em relacu ao assumptu de
que trata est nota, pois nenlium conhecincnto
offidal tendo ncui da nota de 20 de novenibro de
na nota que ora tica
leans, cunde d'Eu.
respondida.Gasino de Or-
Commando em chefe de todas as Coreas brasi-
leras em operaces na repblica do Paraguay.
Quartel-general em l'iray, 29 de maio de 1869.
Illm. cExm. Sr.Tendo-sc realisado a eccupa-
co, pelas forcas sob mea commando, de toda a
extensao da linha frrea do Paraguav, passs a
dar conta ao governo imperial dos fados que se
deram com relacao esta opracao.
Infelizmente, como V. Exc. ver, nao nos .fo
dado por esta occasiao encontrar nos com as for-
cas do inimigo, o qnal se concentrou no alto das
cordilheiras logo que presentio nossa marcha. V.
Exc. nao-ignora que a falta de eavalhada em nu-
mero su luciente para montar convenientemente a
nossa cavallaria, elemento udispensavd para as
oportoBes que nos restavam a emprehender, era o.
motiv principal que nos retinha nos ocampamen-
tos de Loque e do Juquery.
Tendo sido, de|iois que assumi o commando des-
le exercito, recebidos roais 2,000 cavados, qoe fo-
ram distribuidos do modo indicado no mappa aR-
i86"> a que se refere o marechalLpez, ncw do. nexo ao presente offlcio, sob n. 1, aHiou-se em
que se passou acerca da bciicu e entrega as
bandeiras da legiao paraguya que se ada auxi-
liando os exereitos alijados, peni tambem da or-
anisaco da mesma.
i'eu.- guarde a V. ExcIllm. e^Exm. Sr. con-
selhero de estado baro de Muritba, ministro e
secretario de estado dos negocios da guerra.
Caslio de Orleant, commandante em chefe.
Cuartel-general, mayo 29 de 1869.
Hace algn tiempo que los desertores y prisio-
neiros del ejercito aliado han venido diciendo que
en a quol campo se haba bendecido la bandera
Racional de la repblica del Paraguay, y yo no
qaiz cicerlo.
Cuando supe que V. A'. I. haba asumido el
mando rkl ejercito aliado, rondando cm la hidal-
gua, cal> dlerusdad y nublosa de sentimientos, qoe
no puede menos que atlribur a un principe, que
tanto se devi- a su nombre y al de su alianza, me
tranquilic sobre el ozo quo pudiera hacorce e la
bandera de la patria, que tanto sangre generoso
haba costado a sus leales hijos, y no me import
de lo? desvarios que hubissem dado lugar al
sacrilego do su ucudidion, si tal s hubiese
a
praticado. Mas esta maana lia amanecido al fen-
te de mi linea una descubierta de cuerpos de ca-
ballera infaUter del ejercito aliado, tremean-
do la sagrada ensena de la patria quo V. A. I.
onmba*.
La profunda nena, que como magisirradn y co-
mo -uldadi) me na causado esto, ser fcil V.
A. I. Modir en la honorabilidad de sus s.-nti-
inentos.
Ahora vengo rugar V. A. I. querr tener
dignacin de mandar entregar en mi linea de aqu
a maana esa baodtra, y prohibir qne en adelan-
te flaine en los colors nacionales en las tilas de
sa mando, ya que ni siquiera los desgraciados
prmtanoros nimea fueron reepoimdoi
Prestando-se V. A. Imperial a esta solicitud, co-
mo lo espero, habr manlndo el lustre de su di-
nasta y p>estado uran servicio la humanidad,
puej me relevar de la dura o repugnante neces-
sidade de tener que ha cer efectiva la condicin
est iblecida para este caso en nota de 20 de no-
viombro de' iko.' al Exm. Sr. brigadier general
D. Bariolom Mitre, presidente de la repblica ar-
gentina y predecessor o V. A. I. en el comman-
do en gefe del ejercito aliado, qne en el de la re-
publica tiene un considerable numero de prisio-
neros.
Tengo el honor de saludar V. A. I. com m
consideracin muy distinguida.Francisco S. L-
pez. A S A. I. el conde d'Eu, general en gefe del
ejercito aliado, etc., etc.
parte remediada esta taita, e, embora nao dispo-
zessemos de reserva algnma para acudir as faltas
que se vessem a dar, deliberei-me a nao adiar
por mais tempo o movimento que eu tintia pro-
jeetado.
Onimunicanio este meu proposito ao general
D. Emilio Mitre, commandante do exercito argen-
tino, concordou com elle. Em conseqnenria flz
partir do Loque, no dia 20, por S. Lourenco em
direccao a It, com o fin de cobrir nosso ilanco
dreito, una columna s erdens do brgadeiro
Joo Manoel Menna Barris, eomposta da prmeira
divisao de cavallaria, 2 brigadas de infamara e o
segundo regiment de artilbara a cavado.
Determnei tambem que o grosso do exercito se
pozesse em marcha no da 22 pelo caminho de
Aregoi e Patinho-Cu.
No da 21 fui informado pelo general Mitre qne
o exercito argentino nao nos ponera acompanhar
nesse dia por falta dos necessarios meios de mo-
bilidade, e declaraco anloga me fo feita pelo ge-
neral I). Henrique Castro, commandante da divi-
sao oriental.
Nao obstante, eu nao quiz linda adiar a mar-
cha do exercito, nao SO por ja se adiar bastante
tada nao s pelo referido arroio que s d vo em
certos passos, como por bandados e atoleiros.
O inimigo, que oceupava este acampamento,
conseguio, pois, refugiar-sc no mato que eobre a
encesta da serra. D'ahi, porm, seguio o corouel
Manduca com a maior rapidez para o outro acam-
pamento que se avstava mais longe e denomina-
do Cerro-Leio ; e ah coiibo Ihe a fulddade de
sorprender e cortar a guarnilo iomiga, matan
do 30 horneas e aprisionando 20. como consta da
parle de mencionado coronel, que vai annexa/'sob
n. 2. Reste encontr ti vemos dous feridos, uin dos
quaes falleceu (annevo n. 3).
No enllanto fizera .eu oceupar pela vanguarda
da nossa columna ao mando do general Joao Ma-
noel a_ esta cao da,estrada de ferro rronteira a Gor>
ro-Leao e a importante ponte em qoe a estrada de
ferio atravessa o arroio Piray.
Felizmente fui adiada esta ponte em boni estado,
algumas estacas ligeiramente chamuscadas, de-
monstrando ipie s a rapidez de nossa marcha im-
pedira o inimigo de destru-la, o que nos teria
trazido inmenso' inconvenientes.
Na rotonda estacan existan) seis w.i^es, meta
de dos ttties mandei entregar ao. general Mine
por issoSue o regiment San Martip nzera nesse
dia parlFde nossa vanguarda, c de Coformdade
com o que estipula um.dos protocollos de 1 de
maio de 186o complementarios do tratado de al-
llianea.
Savia tamben nessa ponte urna locomotiva que
suseeptivel de concert; nao pode, porm pres-
tar-nos sondeos inmediatos, pois o inimigo bavia
delta retirado algumas pecas, ocenpacau em que lente e don- sargentos fernbs gravemente,
a approximacao da nossa columna parece te-lo sor-1 capitn prisioneiro declarou: ser o pifl'aejg.:
prendido. Informado pelos prisioneros que algu- fjll,: romniaadava c.....posto de 2- pracas, escapan
mas destas pecas tinbam sido transportadas ao <" duas que estavam -fura ; e achai-se a povoaeaj
Commando ein chefe de todas as- forcas bras-
leras em operaces na repblica do Paraguay.
Quartel general emPrayu. 29 de maio de 1869.
o abaiso aseignado, ooounndnle en ehefe de
todas as l'un-as 'brasileiras em op>races na-repu
blica de Paiiguay. receben a nota "que Ihe diri-
gi em data de boje o marecbal Francisco Solano
Lepes.
Neata nota manifesta este que j faz algum tem-
fo que os doioMorea e prieioneiros do exercito al-
iad-; Ihe t<"-m dito haver-se benzido no acampa-
mento adiado a bandeira naeinnaj da repblica
do Pangnay, e qoe n > qoiz acreditado ; masque
hoje de manlii appareceu nfrente de sua linda
una deaeeberta de corpos de cavallaria e infama-
ra do exercito adiado, trernulando n :11a a insigne
da naca i paraguaya.
Aecrescenta o Sr. marechal Lpez que tendo-
Ihe causado este faci profunda pena como magis-
trado e eom> soldado, roga ao abaixo assignado
que mande entregar na sna linha, at amanlia.
onta bandeira e prohibir que d'ora em dianle
flammegeiii as cores paraguayas as lileiras ao
mando do al-mo assignado, j quenemse quer
asta pii-i neiros I'oram nunca respei-
tados.
Cenelue diiendoqne, prestndose o abaixo as-
sgnailo a oSte pedido, como espera o marechal
Lpez, lera prestado uin grande servico a buma-
nidade, pois dispensar este da dura c repugnan-
te aeeeeoidade de fazer effeetiva a condi^ao esta-
belecida para este caso na nota de 20 de novena-
bro de If'i, enderec.ida ao Eran. Sr. goneral 1).
Itaitholmeu Mitre,'enlao presidente da Kepublica
Arg ntina e commandante em chefe dos exereitos
adiados, es qiiacs, diz o Sr. marechal Lepes, tm
grande numero de prisioneiros no da repblica do
l'aiaguav.
O abaixo assignado nao tem presente a referida
Ota de V) de novembro de 1865 ; embora, po-
. nao Ihe seria pussivel dar com a
t.r> id: le exigida solucao nota a qne ora res-
ponde, pois em virtude das estipuladles que vigo-
rain enln adiadas, nao elle general cm
chefe dos exereitos adiados, como suppoe o Sr.
marechal Lopei,e para ipialquer deliberaran ca-
ree por-se de accordo com os commandaiiles das
i >nas argentinas e orientaes, aos quaes, assim co-
m.'ao governo imperial d nesta dala conheci-
meuto da nula do marechal Lpez.
Limtar-se ha, por ora, a fazer observar que o
appareeimento da bandeira paraguaya as tileiras
adiadas tem sua explicaco no fact publcamen-
te mencionado ein numerosos documentos offlciaes
de que a presente guerra nunca teve fins boslis
exisleneia di nacionalidade paraguaya, e que
eonsideravel numero de paraguayos tem-se mani-
festado desejosos de cooperar com as forcas adia-
das pacicaco de sua patria.
O abaixo assignado tambem nao pode deixarsem
reparo a allegarlo feita pelo marechal Lpez de
que es desgranados prisioneiros nunca foram ros-
peilados.
A humanidade com que os prisioneiros para-
guayos, quer feridos, quer saos, tm sido invaria-
veluk'iite tratados pelos adiado-, gozando hoje em
dia a maior parte delles de plena liberdade, con-
trasta com as crueldades xercdas nos subditos
das nacof-s adiadas, qoe tiveram a infelcidade de
cehir no poder do coronel Lpez, e que aos cente-
nares tm soffrido differentes gneros de morte.
como consta nao s das declaracCes dos queesca-
peram.eome dos proprios documentos
paraguayos.
Ao concluir, o abaixo assignado chama sobre o
Sr. Machare! Lpez a inteira responsabilidade de
qHalqiif r augmento de mos tratos com que por-
venlora e-te julgue dever aggravar a sorte dos
prisineiros de guerra, sob o pretexto mencionado
longe a columna do general Joao Manoel e ser
conveniente nao (afra-la sem proteceo, como por-
que annnnciada j a opera<;o nos nossos acampa-
mentos, oiideseni|ireobiiudain^iessoas de todas as
classes estranhas snaces adiadas, nao tardara
esla noticia a rhegar ao conhecimento do iiiuigo,
por meio de seus numerosos bomberos e espas.
e, assim prevenido, poderla elle lomar as medidas*"
que Ihe parecessem convi-nieutes para-paralysar
nossa aeco, entre as qaaes me dava prncipal-
meiiie cuidado a pussivel destruico das pontos da
estrada de forro.
ejwe dia, pois, apezar da chuva que caba e
tornava o terreno bastante pesado, fui acampar
em Aregu com o primeiro corpo de exercito au
mando dubrigad'.'iro Ju> Luiz Menna Uarreto
Meando o 4* corpo do exeru-ito ao mando do tenen-
te-general Polyduro da Fonseca Quntanilha Jor-
dao, j quein de Juquery um pouco adiante da
posico oceupada pelo exercito argentino.
Nesse mesino dia, una forca coinposta de um
batalho de infantaria, um corpo ae cavallaria e
duas boceas defbgo, ao mando do coronel Manoef
Cypriano de Muraos, fo oecupar a ponte de Pa-
drino Cu, com ordem de nao airavessa-]a, de im-
pedir, porm, a todo custo, sua deslrucao.
u/ro corpo de cavallaria, ao mando do tenen-
te-coronel Antonio Alves Pereira, Mz seguir para
It por laugu para levar ao geueral Joao Manoel
as necessaras instr ccoes, Meando assim estabele-
cida s communicacao* entre as nossas duas co-
lumnas parallelas. Nessa tarde anda, o general
Mitre, desojando que una forca do exercito ar-
gentino toiuasso pare na opracao que emprehen-
diamos, teve a delicadeza de mandar por s mi-
nhas ordens o regiment de cavallaria denomi-
nado S. Martn, ao qual acompanbou um es-
quadrao da legiao paraguaya auxiliarle ambos fl-
zeram,d'ahi em diante, parte da nossa vanguarda.
No dja 23 oeeupei, com o primeiro corpo do
exercito, o povoado de Itugu, viudo o segundo a
Qcar em Patinho-Cu.
No dia 24 tive defalhar, nao s por se acharem
bastante cansadas as muas do transporte das mu-
nieoes, como por acabarem nesse dia us viveros
com que eu linha mandado municiar a tropa por
tres dias antes de emprehender a marcha, e nao
terem sido apresentados pelos fe-mecedores todo o
gado c gneros necessarios ao fornecimento.
Limtei-me a fazer destacar de madrugada urna
forca coinposta da 8" brigada de infantaria, uin
corpo de cavallaria e lOiiobcas de fogo do pri-
meiro regiment de artilharia ao mando do coro-
nel Manuel Deodoro da Fonseca, com ordem de ir
oceupar a estaco da estrada de ferro no Taqua-
ra, e tomar de re vez a posico que constava o in-
migo oceupar entre esse ponto e Patinho-Cu.
No momento, porm, cm que o inimigo presen
lio este movimento, retirou-se, incendiando o seu
acampamento.
Nossa forca percorreu, pois, sem encontrar re-
sistencia, parle da estrada de ferro que se e?-
tendede Taimara! a Patinho-Cu, encontrando-se
nessa extensao una correte de ferro apoiada em
dous postes, abalizes e um principio de trinchei-
ra, obstculos estes com que o inimigo .pensara
demorar nossa marcha no caso do que o tvesse-
mos atacado de- frente.
As pontes e pontilhes da estrada de ferro foram
encontradas em perfeito estado.
O coronel Manoel Deodoro reconheccu lamb ni
os tres passos do arroio Pirai, que se acham
mais prximos pon'a da laga Ipacaray.
Para ir de Itaugu a Piray, ponto objectiyo do
nosso movimento, offereciam-se, segundo fui infor-
mado pelos vaquanos paraguayos que nos aeom-
panhavam, dous camiiihos o mais comprdo por
tti e Jaguarau ; o outro inereceu mnba preferen-
cia por seguir de mais perto a estrada de ferro,
cuja conservarlo poderiamos assim proteger con-
tra qualquer tentativa do inimigo para inutilisa-la.
Em consequencia chamei para Itaugu a colum-
na do general Joo Maaoel, a qual ah se reuni
com o resto do primeiro corpo de exercito na
larde do dia ii, depuis que, na madrugada desse
dia, um corpo da brigada do leneute-curonel Joo
Sabino Menna Brrelo, conseguir sorprender urna
guarda iaimiga na visinhanca do Jaguarao, apri-
sionando tres homens e matando tres ouiros.
No dia 2o, por entre urna espesa cerraclo, poz-
se em marcha para Piray o primeiro corpo de
exercito, coberto e flanco esquerdo da columna
pela fori*a ao mando dos coronis Manoel Cypriano
de Moraes o Manoel Deodoro da Fonseca, a qual
vndo doTaquaral avancou pela linha frrea a fa-
zer junecio comnoscoem Piray. Tendo atraves-
sado o caminho estreito c bordado de matos, que
conslilue o desfiiadeiro de Guazuvr, desemboca-
mos na planicie on targo valle que os Paraguayos
denomina n o caixao de Piray e que limitado
pela cordilheira, detraz da qual se acba refugiado
o dictador Lpez.
Na base da dita cordilheira avistou-se ealao
um acampamento, ao qual o inimigo acabava de
offlciaes^ por fjgo.
Ionmediatamenle mandei ordem ao coronel Man-
duca Cypriano para que com a brigada do sen
eommando atravessasse quanto antes o arroyo Pi-
ray eproourasse aprisionar alguna dos iniragos.
Houve io*vifavel demora na transmissao o exe-
cuelo desta ordem, por se acbat a planicie eor-
aitcrlo d t H irl nha.
Commando em chefe da forca naval do Brasil
ein operaces contra o governo do Paraguay.
Bordo do vapor Princczu, ein Asiumpcaj. 21 de
mam de 1869.
Illm. e Exm. Sr Hontem s 10 l/l da noite
cheguei do Jejuy, onde se acha tqjla a forca expe-
diciodariaao mando do Sr. hrigadefru Jos'Antuuio
Correa da Cmara, leudo a ella j reunida a forca
que se acliava no itosario. Naquello panto deram-
sj as seguhites oceurrenda, que foram coininuni
cada.-, pelo niesino Sr. brigaaciro ao commandante
da prmeira divisao da esquailra quo all se acha
om seu auxilio.
No Oa 18 cliegou ao Rosario o Sr. hrjgadejfo C-
mara, e no dia 20 seguio rio cima, com a forca
que daqui o acompanbou. e mus qualro* hoces de
logo, um bataliio de infantaria, parle da cavalla-
ria, bem como os navios d.i es |ua!ra e transpor-
tes que alli se achavam, udo desembarcar no |>o-
treiro Ipona.
No dia 21 de madrugada, mandn toda a caval-
laria deseobrir a posico do inimigo, que se iJazia
achar-se ^na villa deS. Pedro, e ao por do sol
lia, tendo sorprehendid i um piquete do
teve somante tempo de reeolher-se a
donde fi/.era tenaz resistencia ao es-
sso i|ue fo na fenle, conseguindo este
regeessofl
inimigo, t
seu quar
ipiadro
aprisionar o eapitao, coinmaudante do ato piquete
e-16 pracas, Meando no campo cinco matos, sendo
um tenente.
De nossa parte tveraos um soldado nwrto, um
acampamento de Cerro Lcao, mandei-as d'ahi
trazer.
Na estaco de Parayii achou-se a caldera e
outros fragmentos de una segunda locomotiva
que, segundo as declaracoes dos prisioneiros, fura
ja a lempo desmanchada por ordem de Lpez,
sendo as peca? principaes transportadas para cima
da serra, pruvavelmente para alli scrcm fundidas.
Ao brgadeiro Vasco Alves Pereira determnei
que na madrugada do da 26 segnisse corri duas
brigadas de cavallaria a reconhecer eoceupar o
resto da linha frrea, a qnal termina pouco alm
de Paraguary.
Esta operarlo fez se nao com menos felicdade
que a precedente. M soldados inimigos que se
achavam em Paraguary, foram aprisionados, com
exeeprao do eapitao que os commandava, o qual
antes quiz morrer do que entregar-se.
Todos os prisioneiros feitas at agora sao em
eradlmniens robuslus^ suas deelaraoes nada ;
adiantam qnanto aos projectose posicoesde Lipez.'
por isso que se achavam lia muito tempo destaca-'
Indas de brancr, a artilbara com sou trem pesado
tao pittoresco, a infantaria em Hiassa|cnpacta"
coroedas de baionetas, cujos reflexos rompiao
a densa neblina, inoviain-se debaixo' de chuva,
que ora apartava, ora reduza-se a miodo orva-
diar.
Os camnhos estavam possimos: resvalosos e
por vezes cortados por sangas que se foinavam
dKHeeis atoleirus.
Entretanto s 11 horas do da vencia-se a en-
casta de Aregu, e, pouco depois, estendia-se o
acampamento na linha varzea que rudea o outeiro
e vai, tetarla de mangues e perys, morrer na ta-
gua de Ipacaray. A vista que dahi se domina
innitu bella : largo, hoiisunte e d senrola ; para
o occidente matas de macabas, para o oriente as
aguas claras do largo, urnas yollas do rio Sa
e a cordilheira que feew5UiBo planicie, cuja ve-
getaco palustre ao a^^Hp* eom nspocto Nr
do uniforme.
Durante a marcha, ama brigada adiantara-se,
fora tomar a eucruzilhada de Pitiuho cu, e toda
a n lite ttroteou coa as avaueadas paraguya*. O
tanto se prastam aos elegantes edificios da zona-
pa ti nn.
Os Mos elctricos foram tirad' entre Patinho-
cne e este ponto ; dizem os passados, para irerh
servir at Caraguataby e S. Estanislao. A subti'-
tuieao. porm, faz-se com promptidu, porque ti- .
caram db p os excellentcs postes de hipacho que
so precisand.s soladores para transinrttir-nosas
noticias do-exterior. Assim di Taquaral cliegou
a este cam|>u nina grata sorpresa ; a vinda do ge-
neral Osorio. grande capito est em Montevi-
deo e vem, arada com os queixos, amarrados reu-
mr-se aos seus commandadoi que o venerao c elle
esperam cotn enthusasrao.
Asvillas, ouTBelhor povoailos porque passou o
exercito, esto abandonados desde Lomas Valenti-
nas : casas arrombadas, trastes quebrados, papis
espantados, myriades de imagens, legendas religio-
sas em todas ellas, o aspecto commum. 0 typu
uniforme : urna igreja no meio de urna praca" cer-
cada de grandes quartores om que a populacao
i viva meilida em satas e compartimentos que se-
melliavam verdaderras celas. Urna larga veranda,
em comptato abao-lono. Galiano que cernina
a Torca i(Ka-?c, bem como a- familias, em S,ir-
gento'Loa&s, coi 16 bocas d; fogo de
calibres, 4.3W a 1,40.) homens d infant,
a mor pate-VelIns e mmin >s, e doiis rdJEim
de cavaltaria ipal montados. "
(I reste .a cavallaria, que. Iiavia ficad
ro ja sotrbava no p.dreiro Iponaa, e a infantaria
e ariillianta emlnreada nosxliversos nav
qua Ira seguam rio cima at S. Pedro; para oifdV
hontem inesm i seguio o Sr. brgadeiro roma forra"
forido.e os nossos feridos vem no Aiuiicotti, qoe
nao ilevi; tafdar, para seguir para a corle, eoiiSir-i
me as rdeos de sna alteza, a quera rogo se digne
de dar seii^nda do que acabo de narrar, caso V.
Exe. jnfgue que merece ehegar a seu alto conheci-
mento.
PKival>':;n-ine (La opportunidale para apresentar
a V. Exc. os protestos da m .is elevada cunside-
dis do grusso do exercito. para vigiarem o pontos ragao.
em que foram aprisionados. A. S. Exc. o sr. general Iol\d.ro da tonecca
Na estaco de Paraguary foram encontrados 32 (Jumtanilha Jordn, commandante do 2." corpo i
exercito i nperal.Elisiario Antonio dos Sintos,
chefe de equadia.
Commaudu cm ctiefe da forca naval di Brasil
em oporacoes contra o governo do Paraguay. Bor-
do do vapor Princezi, em AssQiDpcS i, ;1 de maio
de 1859.
Illm. e Exm. Sr.Sua alteza o Sr. principe Gas-
do deOrleans, comniandanteem chefe de todas as
forcas brasileiras gusa boa sande.
O nosso exercito pestes ultimoj das, depos de
deixaro ponto de Luque. tem cm'inuado a f:uer
jornadas taes,-conforme tive a boma de participar
a V. Exc, era ouli'ios de 22 c 2" do curente, que
me levara a crer seren ellas o verdadeico prenuncio
Manoel Deaoroda Fon-eca; cujas rirciimstandas |da breve conoliuao desta j lo dilatada guerra,
constara da parle por este dada e annexa sob u. 4. | O inimigo, que se linha retirado para o l
wagOes de differentes especies, todos em bom es-
tadu; o nico estrago exilente na linha forrea
consiste na destruico de nma ponte do 40 palmos
a meia legua quein de Paraguary.
Gracas aos esforcos do eapitao de engenheiros
Jeronymo Rodrguez de Moraes Jardim, que acom-
panbou a divisao do brgadeiro Vasco Alves, adia-
se ella ja substituida por urna ponte provisoria,
por meio da qual todos os referidos wagons foram
trazidos a estadio do Piry.
Estabeleci o nien quartel em general Piray, por
ser este ponto fronteir.i ao passo de Ascurra, que
se diz conduzir posico ora oceupada por Lpez.
No mesma da 26 Yol feito um reconhecimento
sobre essa posico, pela torea ao mando corone
Nao me babilituu elle a formar jateo seguro
sobre a natur-za dessa posico, e a esse resiieilo
s com dilficuldades eram obtidos os necessarios
dados por se achar tuda de mato a encosta da serra
que nos separa do inimigo.
O 2. corpo de exercito estacinona por ora no
Taquaral. posico importante, nao s por guardar
as avenidas dos prmeiros passos do arroio Piray,
como por proteger aquella parte da estrada de
ferro que marga a laga Ipacaray desde ah at
perto do arroyo Juquery.
Tendo o exercitu argentino chegado ao caixao
de Piray. no dia 27, cumbinei rom o general
Mitre qiic elle guardara as pnsices e estradas
existentes entre Taqtiary e Piray.
De Patinho-Cu para c nao foram mais encon-
trados os fios elctricos na linha frrea, informan-
do os prisioneiros qne foram estes elevad para
cima da serra para estabelecer novas lindas entre
Ascurra, lacop.l'eribebuy e utios pontos. Nao
obstante deve-se deve-se actividade do capto
Alvaro Joaquim de Ohveira que hoje mesmo func-
cionar o telegraph desde Piray al Assumpclo.
A ponte sobre Juquery devia dar neje passa-
gem a locomotiva, depenilendo esta, para enejar
aos pontos que ocetipa o exercito. apenas de li-
geros concertos na parte cuja conservarlo, por
convenco entre os empregados das duas nacoes,
Picar incumbida aos Argentinos.
Com a oceupaco da buha frrea privou-se ao
inimigo do urna va de communicacao de grande
vantagem com os pontos sitos ao sul do Paraguay,
ao mesmo tempo quo as novas posices dos exer-
eitos adiados Uirnam impralicaveis as correras
Jue por ventura suas partidas faziam s escond-
as at as proximidades do littoral entre Assurap-
cao e Angostara.
Fcando os portos de Villeta e Angostura algu-
mas leguas mais prximas daqui do que o de As-
sumpcao, recommendei ao commandante da forca
naval," que autorisasse ao desembarque nesses
pontos do gado necessano ao fornecimento do
exercito, c Mz explorar por um esquadrn o ca-
minho que para alli se dirige por Jaquarao, lia
e Guarambar. '
Na noite de 25' para 26, desceu urna par-ida dos
inimigos al perto da ponte do arroyo, sem duvida
alguma no intuito de inntilisa-la. Foram porem
presentidos pela torca nossa que est ahi postada
e fugiram precipitadamente abandonando os ma-
chados que traziam.
Deus guarde a V. Exc. Illm. o Exm. Sr. con-
selheiro de estado baro de Murrbba, ministro e
secretario de estado dos negocios da guerra.Gas-
tan de Orleant commandante em chefe.
N. 1.Nota dos cavallos recebidos desde o dia da
, chegada de Sua Alteza at esla data.
Itemettidos para o Rosario.............. 290
Entregues a Exm. Sr. general Castro..... 120
Ditos ao piquete de Sua Alteza........... 30
Ditos a diversos offletaes................ 87
Ditos ao i. regiment de artilharia....... 29
Ditos ao 2." regiment de artilharia....... 20
Ditos a 1." divisao de (avallara.......... 430
Ditos a 2." divisao de cavallaria.......... 70
Ditos a 3." divisao de cavallaria........... 397
Len quandisoube que delle se aproximava o nos-
so l. corpo de exercito sob as ordeiis de sua .al-
teza, abandoiion essa pisie i pon I >-3e em prieipi-
tada fuga, deixando em polea dos o issos 20 pri-
sioneiros, e 30 morios no campo.
A linda terrea est em poder do nosso exordio,
bem c uno 36 wagons em estado perfeito, c urna
locomotiva em mao estado.
0 coronel Vasco AI ve? fez 33 prisioneiros em Pa-
j-aguarv.
Sua alteza fez um reconhecimento sobre Ascur-
ra onde houve uin tirutoo sem perdas do nosso
lado.
Em toda esla operae > s livemos dous fondos,
o que para admirar tlendendo lenacdade do
inimigo que ainda tem a louca esperanca de ver
um dia borlados os esforcos que razamos para por
termo a to sanguinolenta guerra.
Referom os prisioneiros que o dictador leara fu-
rioso ao saber do resaltado da expe licao feita pelo
coronel Coronado a lbienhy, e destruico de sua
fabrica do ferro, mandando lancear o padre qu3
fra levar para ei!e tan triste nova, um naturalista
sueco que servio de medico a seu pal, e a mudos
outros que a nao souberam defender, atlribnindo a
tal perda effeto de una nova revoluco ; e orde-
nando que. fossem tambem lanceados os cnsules
franca e italiano, por consdera-los desertores,
como elle declarou au seu exercito.Que a maior
parte do armamento que elle possue fo mandado
Cor ordem sua apandar nos campos do batalha de
ornas Valentinas.
A 27 arhavr.-se o i.' corpo do exercito no Pi-
ray ; o general Polydoro no Taquaral; os argen-
tinos no Bobi ; Manduca Cypriano no Cerro Len,
Vasco Alvos no Paraguary.
Preparei urna lancha armada e guarnecida que
pelo caminho de ferro ira estacionar na lagoa Ipa-
carav ; s aguardo a&prdens de sua alteza.
Hontem recebi noticias de sua alteza, que cpm-
munic.ou-me achar-se restabelecida a ponte da es-
trada de ferro ao Paraguai >
Os argentinos Tizeram um reconhecimento sem
resultado por ter o inimigo apresentado 4 bata-
Ihes de 500 homens e i'peca d artilharia.
Lpez mindoulioia rima inslenle queixando-se
da organisacao da legiao paraguaya ; teve resposta
conveniente.
Mac-Mahon enviou urna carta com direccao ao
Washkiston.
lam proseguir as operaces.
Folgo em ter opportunidado para repetir a V.
Evc. os votos de distincta consideraco-
A' S. Exc. o Sr. eonselheiro senador do imperio
baro de Muritiba, ministro e secretario de estado pray.
dos negocios da guerra.Elisiario Antonio dos An .
de a Dotinba mandn avisar que j lizora uns
prisioneiros e a atacar o ponto de Jagu-ro, on-
de conslava existir urna guarda de cracoenta ho-
mens.
chuva nao cessava. Na manhaa de 2.3 levan-
tou-se acampaiuenjo e, debaixo de intonsa cerra-
$01, eomecoo a marcha, levando na vanguarda o
regiment argentino, general S. Martim e parle
da logia o paraguya coma bandeirvde sua nacio-
naliit^de, segund promeltera antawlB%nte o ge-
ral Emilio Mitre. as mesmas coninges da ves-
sima estrada, cheguu-se a
leirua de Aregu, lugar apra-
ptantaQOas de larangci-
mas anda por urna elegante estacad de es-
! Irada de ferro o sobretudo pela linda casa de cam-
pa que destinava-se a recebar Mmn. Lynch. Ro-
deada de um copado pomar em que se enlileram
centenares de larangeiras e linioeros, prolegendo
magnficos espedmens de cerejras, macieiras, pe-
a vi-
pavimentos, ambos circum-
da los de.eolumnata, cujos intercolumnios sao or-
nados de grades du ferro fundido. A vista mui-
to agradavel, ainda mais embellecida pelas voltas
regulares do caminho de ferro, qne vaf cortan-
do o campo*altead.i delle por atorros considera-
veis. ^
!UAi(&GUjm, como j;i Mea lito, esperavamnos
os paragaws ; abrig:ula a di postada nao se me-
xou, o o grosso da columna pendeu para o sol,
tomando rumo de Itagu, onde, com mais una
Ieg, entrou, estabelecendu, ao meio-dia, o acam-
pamento em torno das casaras do povoado, que
o quartel-general oceupou. As notdas foram
desde entu dobrando de iiiteresso.
O general Joao Manoel avanfra at It; a sua
vanguarda atacara Jaguarao, onde s encontrara
sete homens, dous dos vuaes foram morios, tres
se entregarara e dous fugiram para os matos.
Una brigada, s ordens do coronel Deodoro,
partindo de Itaugu tomara de revez a estrada
do ferro, e varrendoa al a estaco do Toquaral
obrigra o abanduno.'daposico de l'ainlio-cu, on-
de us paragoayoi traham, condado no ataque por
ahi, trancado o caminho com abatizes e nina
e una grassa correnle de ferro. Assim, pois, fi-
eara lnipa a communicacao de Iridies que Lpez
contina a deixar perfeiamente franca.
Neste cmenos o general Polydoro chegara a
Patinho-cu, de modo que sua vanguarda j oc-
cipava o entrincheiraiiiento paraguayo, evacua-
do desde que fui percebidu o movimeiito de Deo-
doro. Continuando a marcha veio oceupar Ta-
quaral e a!ii aguarden novas ordens.
No da 24 nao se marchou ; as bestas de car-
ga, da artimaa, a cavaldada estavam afrouxan-
do, e diUkuldades'nppareciam no fniecimento.
tudo aggravado pela chuva que ncessante calnra.
S. Alteza, considerando tambem que a columna de Joao Manoel tinhade percorrer
at Piray era eonsideravel, e que os camnhos
deviam estar intransitaves, mandn chama-la pa-
ra Itaugu e culloouu-a na vanguarda do Io cor-
po do exercilo.
A 2o, fez-se urna marcha de Mego largo. Tres
e meia leguas foram transpostas por camnhos
soleados de undos cojos, pur subidas e descidns
agras, por campias encharcadas, debaixo j nao
niais de chuva, mas de s^l quo, d.-de manhaa,
se levantara ardente. A's 2 horas da tarde ea-
trava-se em l'iray e s 4 cahia o coronel Ma-
noel Cypriano sobre o acampamento de Cerro-
Len, a una legua de distanda, e na base da ser-
ra com sua brigada corcou a guarnirlo, c matan-
do-llie mais de 20 homens, aprisionen 18 outros.
entre elles um alteres e 5" soldados feridos. De
nossa parle houve lao somenle 2 feridos, um dos
quaes, porm, to gravemente que falleceu no dia
seguinte.
A direccao geral do movimento do exercito ro
a S. E. no sentido do caminho de forro, c na zo-
na fronteira base da cordilheira, em que se
acha o inimigo.
Hoje defrontmos com o acampamento de As-
curras, que no dia 27 recebeu inopinadamente a
visita de urna forte brigada das tres armas. Sua
Alteza presidio-ao reconhecimento, e oin alguma
imprudencia avangou alm dos limites da promp-
ta proteceo que podera vir de Piray. A's 2 ho-
ras pouco mais ou menos acliava-se a columna
em distancia de tiro,e lugo oito bocas de fogo ds-
pertaam os grupos que ainda ficavam de observa-
do junto daantiga residencia de Lpez.
O acampamento de Ascurras consta de rancha-
ras direita e esquerda de urna bonita castaa
asserfte nuina collina suave, plantada de grama e
por tras da qal comer, em linha transversal, a
subida da serra. E" ahi que foram recebidos os
americanos, na ultima visita, pois acu&aram ser
posico muito pitiorosca e dominar um extenso
valle, como na realdade acontece.
II iiive pequeo troteio, e sem oceurrencia no-
tavel, voltou a columna s 6 horas da tarde para
pecies de ph:
Apenas de chegada nos povuados, #cudado dos
mais curiosos procurar papis, remediar montees
de Ufaros adrados, pesqnizar documentos, rcunindo
os mais inleressantes. Foram j, ota verdad*, co-
Ibido alguns que mcrecem memlo. Assim sao as
ordens de novembro do anno passado para trans-
portaren!-seos trastes do Lpez pafe laga de Ipa-
caray atPbase da serra: nutra, mandando ma-
tar a laucaros (7 de Janeiro de 1869) aos dous bra-
sileros Cypriano Rodrigues e Joo Baptsta Ven-
tura ; os passes para duas rundieres sargentas,
trente de juna coinpanhia de 130 companheiras;
urna relacao das victorias de Lpez, para o resto
do mundo entras tantas derrotas; um decreto do
trice-presidentes Sanches, mandando evacuar a ci-
dade de Assumpco em 24-du fevereirode 1868, e
ameacand de fuzilamcnto aos que restasseui ;
outro, dando um prazo para d.iquella capital tira-
rcm-se os valores monetarios pariiculares; emtim.
Semanarios impresso em Lnque, Setinellas, Cabi-
chms com caricaturas progresivamente mais im-
munlas e listas de pri4oneiros e guerra.
As declaracoes dos plssodos e aprisionados nao
adrantam moifo ao conheelmcnto anterior sobre a
posicSo de Lpez, seus meios de aeco de seus pro-
jectos; muito estavam clles destacados em pun-
tos distantes e as noticias l Ibes ebegavam com
muita demora. Fallam entretanto n'uma nova
descoberta de conspirarlo, pretexto, como elles
suppoem, para no vos I uzilai nonios, depeia da des-
truico das fabricas de Ibcny; na morte de um
naturalista sueco que nao fazia mal ninguem e
s se oceupava em colleccionar herblelas, e na
conrinuH;. dos habituaos rigor-es.
Dizem elles que os ctinsues francez e italiano
foram declarados desertores e que o principal ar-
mamento fui tirado dos campos do acclo de Lomas
Valentinas, onde haviam Meado om abandono.
O desanimo existe : mas urna causa de iiide-
elinavei apego as fileiras, pois as familias esto re-
tidas como refens, c qualquer acto mais suspeilo
ao dictador iihporta incontinente represabas alta-
monto dolorusas.
I.opcz contina a declarar que tudos os conte-
cimenlos tm sido subonlinados aos sens planos;
elle presentemente promi t e esperar u exercito
brasileiro nos desfiladeiros. para anlquda-fc) de
urna vez e restituir o Paraguay ao seu systcma
normal.
De Mac-Mahon nao noticia positiva : parece
comtudo decidido a nao obedecer ordem de rc-
gresso que Ihe fo, em nomo de seu governo, le-
vada pelos offletaes Americanos. A usse respeito
convra com energa repellir urna indignidade que
elle assacou aos brasileiros para explicar o tacto
de sua inconiinimicabilidade durante muitos me-
zes, pretextando terem nossos soldados feito fogo
contra parlamentarios que procuravam entregar
ollieios seus. E' falso, nunca se approxmarain
taos homens, durante a looga oslada do Luqne c
Juquery s se trocaram tiros quando nossos caval-
leiros chegaran a Palinho-cro.
AM nova ordem d; marcha, u povoado de Pi-
ray, silencioso, serta de-de Janeiro, tomn ani-
madlo que nunca mohecer. Ja diega a commer-
co com suas pesadas carretas, alinham-se as ca-
sas de negocio, faz-se pao o all tem os talianozi-
nhos que perambulo entre osle acampairento o.
o Manco esquerdo, ond u general Poly.loru se
acha, roforcado pola forca argentina que inuduu-
se para a direita do Taquaral.
O Manco dreito flea protegido pelo general
Vasco Alves em Paraguary. e na nossa frente
corre o ribeiro Piray, com diversas pontes, que
do passo para a zona em que encoberla vaga
gente nimiga. Na noite de 16 procuruu ella cor-
tar una adosas pontos; presonlida, porm, promp-
tamonte escapou, deixando os machados com que
viiiham armados.
Da expedirlo de Jejuy, ao mando general Jus
i) irra da Cmara, ha utida- al 22du comente.
No dia 18 chegra aquello general ao Rosario :
no dia 21 seguio rio cima com a turca que o
acoinpanhou e mais 4 buceas de fugo, um bata-
lho de infantaria, parte de cavallaria, c foi de-
sembarcar no potreiro Iponaam. No da 22, pela
madrugada, loi a furca montada em descoberta,
regressando noite. depuis do fazer fugir um pi-
quete, o qual recolhend i-se as casas da villa de
S. Pedro, oppoz tena' resistencia entrada, mor-
rendo um tonente ataco soldados paraguayos e
de nosso lado um soldado, sendo ferios um len-
le o dous sargentos.
Fiearam prisioneiros 16 homens, incitando um
capola que commandava o de*t acamen lo que con-
leesou nunca ter esperado cavallaria brasitatra por
aquelle lado, pois sabia-se defendido por um ba-
ndado demais de tres leguas.
A villa de S. Pedro acha-se, pois, em nosso po-
der, a as operaces vo ser luvadas avaote.com
vigor eontra o majur Gaicano, que-os prisioneiros
taaem estar em Sargento Lomas a frente de mil e
trezeutos a mil e duzelos homens, dous regi-
raentos de cavallaria mal momados e 16 bocas dr^
dos negoc
Santos, chefe de esquadra.
i
EXTERIOR.
Ditos a polica.........................
Ditos ao corpo de transpone.............
Ditos ao 10. de cavallaria..............
Ditos ao piquete do Exm. Sr. general Poly-
doro ...............................
Dito ao-majorCespede (Paraguayo)..-.....
Ditos ao capijo Segur (Paraguayo)......
Ditos a diversos empregados do commando
em chefe............................
40
3.17
40
11
1
3
Somma 3,028
Acampamento em Luqrje,.21 de maio dg'1889
Tenente coronel Agottinho Manque* de $& dpu-
Itadodo quarte.lj-mestregeneral interino.
PIRAIU, 28 ftE UAJO.
Os aconteclrnentos vo agora de dia em da to-
mando mais importancia. Effectuou-se a marcha,
por columw parallelas, cuntornou-se urna oost-
QOj con-oguiram-so prisioneiros, (acilitoUrfi a
vndados transfugas, hiieram-se os lous fapijge-
'cados acampamentos de Corro Len e Ascurras,
tomou-se o ponto terminal da estrada do ferro, o
todos esses resultados com felicdade nu onnqvia-
da e sobre tudo rapidez.
No dia 22 deu-se o movimento contarme fora
.determinado'na ordem no 18. Apar du mao1
'lempo que, de dias. nao amanaiva, o 1* corpo do
exercito delxou, s 8 horas da manhaa, os seus
acampamentos do Lambar e Juijuery. e, emquao-
ia Alicia cooferenclava ruin o general Emi-
iilou todo na, directa). d,e Aregu-
0 especiaculu era i ladrSs de
cavallaria com suv leilws, oftrel-
Ahi agradavd noticia j clreulava.
O general Vasco Alves chegara a Paraguary e
atacara orna forca de mais de 50-homens aprisio-
nando perto de 40, entre os quaes dous ornemos,
sendo morios o eapitao e alguns soldados, por te-
rem resalido com tenacidade digna de mollior
causa. Na estaco do caminho de ferro appre
bnderam-so dous wagons de Ia elasae, oito de 2',
seis de 3", sete de cargas acabados, seis ootroj
cronsirucco, ao todo 31 carros de condcelo :
nenhuma locomotiva.
Os trilhos em todo o correr esto perfetos: ha-
va to somonte a meia tegua de Paraguan urna
lionte de 40 palmos destruida por fogo, e que se
trata de reconstruir.
Aqu Piray haviajfcfieado duas locomotivas :
una complotamente dlBancliada, a outra porem,
> rom os bolos safados, poder anda ser re-
parada.
Assim, pe is, a ferrojda breve funceonara at
c, apenas termine o ferio da ponte de Juque-
ry, cousaque estpromettda parosles proxjmos
dias: desdeja, com todo, tralullu o tram-ro&d
o os feridas de Cerro-Lpon o Paraguay por elle fo-
ram transportados par Assumpcao. As estacSes
todas sao bonitas'; constituidas de tijollo^ que
fogo. '
30 de maio.
Hontem a noite voliou urna descobert nossa
que furajta direccao d'.1 Ascurras procurar inda-
gar da causa do forte troteio que se ouvTra pela
manhaa na acampamento inimigo, e quo depui>
soube-s ter sido provocado pelo roconhecimentu
que al l Mzera urna columna argentina.
Quando nossa gente retroceda, drigio-se ella
m parlainontario, que entregou um olco du ge-
neral Mac-Mahon* para o ministro Washington de
Ruonos-Ayres, e otiira carta que, segundo coasta,
lovava endereeo para sua alteza e a respeito
da qual correm vcrsois que se conlradizem otnada
pudem adianlar.
lilENOS-AYRES, 4 DE JU'NBO.
T fra do duvida que approxma-se rpidamen-
te o feliz momento da teruiinaco desla guerra,
cancro hurrivel que tantus males tem causado ao
Brasil.
Tenho a maior satsfaoo em ranswevarJex,:
tualmeote o seguinte tetagramma de utJtai
Sr. conde d'E quo mostra a execucao, do plano
de campanha, de que lado, emrnioha ota,eo
rpido o feliz xito que vio tendo as ?-;
sub a activa direccao do principe que. fehsniente


2
.6881

30


ai

Diario de Pernambtieo Quinta Ceira 24 de Junho d 1869.

para o Brasil,-est lioj a testa do so bravo ex-
ercito,
Felegramma.
Ba estaca* do Taquaral.
Sna altee o Sr. conde d'Eu ao*Exm. 5>r. *.-
miraute. -
OcBpfl*-se com a maior raciliuada toda a ex-
tenso da lisita larrea, achando-se 3i wagons em
perfeita consarvacSfrnaiina locomotiva enimo es-
tado- '.-, ? .
. O Manduca Cypnano occopa o Cerro Deao; a
guarnicao poc^e eni fuga, doixando:20 prisionei-
ros e 30 mortos.
O Vasco Alves apasionou trint* tres n'uui-
gos em Parafluary ; do nosso lado sibouve dous
A linlia farrea est perfaila, ctm nina nica
estago o urna pequea ponte, que se acham des-
truidas, jante a Paragitery.
t O general Polvdoro fica em Taquaral, os Ar-
gentinos no Bobi.e o grosso do exercito brasilero
no Pirayu.
O Vasco Alves no Paraguary.
Fiz um rec nheciaiento sobre A*euras, em
.]ue houve un liroteio, sem perda do nosso lado.
Segundo as declaracoes dos priswoeiros, L-
pez licou furioso com a xnedigao do Coronado;
declarou ser ella o resultado do urna nova cons-
pirado, e tomou d.ihi pretexto para mandar lan-
cear iijuita gente, inclusive um naturalista Sueco,
que Tora medico de Lpez pai, c o padre que Ibe
trouxera noticia da expedigo.
Tambem raaudou deeltrar iesertores-os con-
dales raucez e italiano, ordenando que iossem
lanceado-;, se por ventura eahisseui em suas maos.
* A maior parte do armamonto que temloi por
.elle mandado apanharno campo debatalha de Lo-
mas Valentinas. ,
Estago de Assumpcao, 27 de maio de lbt39.
A par destas boas noticias da guerra, tenlio o
prazer de anonadar aos numerosos leitore-s do
Jornal do Omunercio que o Sr. conselheiro lara-
nhos coucluio sua delicadsima negoaagao com
os govcrnos argentino e oriental por modo amiga-
vel, teudo asaentado as bases no estobeteeuaeoo
do governo provisorio paraguayo.
Foi de certo preciso um fraude csforeo de par-
te a parte pira vencer as diffleuldadcs opposias
pelas errneas apreciaces da imprensa auti-bra-
sileu-a no Rio da Prata e da opposiciomsta no tlio
de Jaueiro.
Pelo que tenlio uuvido a pessuas competentes,
gracas aos estoicos do Sr. couselheiro Prannos e
de seus collegas'argentino e oriental, as relacoes
dos alliados no perigoso periodo do desenlace da
guerra, j nao podem ser objecto de apprehcn-
ses. Os alliados de boje cnntiiiuaro a ser amigos
denos da prxima conelu-ao da guerra.
Diz-se que o nosso enviado extraordinario, se
nao receber ordem que o exima dessa tarefa, ira
ainda a Assumpcao por alguns dias para assistir
a execucao do aecdrdo que acaba de sor yrmado
em Baenos-Ayres.
MNTKVIDKO, UE JUWHO..
Os factos tem dado urna confirmar i) estroadosa
as abulias revisos; embora eu prefers no in-
tere-se da paz e da moralidade que ellas todas u-
vessem labiado. ....
Todo o nftindo aqui va a resolugao imminenu,,
meaos o governo c o circulo Hainisez, que deve
ser anialdicoado ooino causador dos males fue es-
tao aflligindo. a Repblica Oriental, e como respon-
sav. 1 pelo sangue que por ventura possa sor der-
ramado. i! i ,-
Se os cousellios que dei com toda a lealdade u-
vessom sido seguidos; se ;is mas respeitaveis no-
ces do direjto nao f.ssem calcadas aos pes, nem
a questao finaneeira nasceria, nem a sua sombra
surgena ama questao poltica anioqcad'jra oe m-
calculavel uflueiicia no futuro delTiaiz, confor-
me a solugo qae livcr do acaso, isto do cho-
que das armas. ____.
Aquelies mesmos que altivos me chamavam vi-
sionario, que ridicularisavam com o espirito Des-
panliol, lao apto para este fnn, a apregoada revo-
lucio, j lioje se inostiaiu abatidos, e como recelo-
sos do resultado do niovimeuto que despiozaram.
Com excepeao de departamento do capital, do
de Durarno, Suriano, e lalvez Florida, todos os
outros, que sao os mas importantes e ricos, estao
por Caraallo. Entreunto o general Baltle pro-
segue em sua marcha sobre o Santa Luia com
nma conlianca, que est dando que pensar, pois
elle nao faz sem conliecer os pengo-- a que se
expoe, pudendo licar com a sua retirada para a
capital cortada. Ahi lalvez baja alguna charada
cuja decifracao perlence ao futuro, c neste paz,
da mutaces de sceuas rpidas nao me causara
admiradlo ver o presideuteBatlle regressar a fren-
te das ostes revoltosas para conquistar sua ca-
deira na casa do goveruo. .
Oulra noticia que ba muito transmilli, e que w
acaba de veriiicar, c a da posi^o francamente
hostil do geiural Pos Suarez, que retirouse para
o departamento de Minas com toda a sua escolla,
sem ser ineommodado, para encontrar-so com o
general Carbajal, que all tem muita influencia.
Todos estes uoines devem ser conbccidos da-
quelles que aeompaiiiiaram comattenco arevolu-
cao quo deu por liin o poder ao general Flores e
partido colorado. .
Manduca Carbajal um caudiluo de prestigio,
que nunca deixa de desenibainbar a espada quan-
do o seu partido recorre a elle. E' valeute, desm-
teressado, e um dos caracteres mais honestos des-
ta repblica.
Antes de levantar o ponche, coma aqu so diz, o
ex-ministro da guerra dirigi um manifest aos
seus correligionarios e compatriotas, uo qual ex-
plica os motivos de sua deliberacao, tao grave mas
j esperada por todos que conheciam a sua repro-
vaeao aos desmando^ do circulo dominador.
Com todos estes elementos reunidos, com forjas
soportantes, que todos os dias auginentain, e com
bastante dinheiro a disposico, a rovolucao uao
pode dcixar de sahir triuinphante, e desta vez an-
da Mfio inallogrados os esforol desesperados do
partido conservador para fazer vingar os seus pe-
rigosos projectos.
Eu faco os mais ardentes votos para que se cne-
gue a este fi.n sem uilusao de sangue, e para isso
uiuito pode influir o general Batle, se, finalmente
approxunarse dos seus adversarios de boje, mas
eompanheiros de semprc, com um espirito conci-
liador.
Oque elles boje qucrem aquillo porque sem-
pre baulhou o general Batle, o triumpho do par-
tido colorado,
Fnra desta i|ucstao, que hoje e o nosso pesadello
nada h- de importancia nesta trra.
As noticias rectbida> do Paraguay deixam ante-
ver o prximo lim da guerra, com completa hon-
ra para o Brasil, cujos bravos defensores sob o
commaudo do joven principe que veio eollocar-se
sua frente, continnam a colber loaros em todos
os enconlros com o inimigo, reduzindo-o a ultima
extreinidade.
Na colonia brasileira aqui residente causn vi-
va saiisfcao o desenlace da questao Weeb. Todos
applaudiram o procedimento nobre e elevado do
ministro de esti angeiros, que, collocando-so na po
si^ao que Ihe compeiia, soube salvar a dignidade
da* naneo, salvando o seu direito.
A Tribuna de Buenos-Ayres e alguns outros
peridicos, que j tiubam dado demasiada impor-
taacia ao incidente, eousiderando-o como o pre-
cursor da de-apar.cau do imperio do Brasil da
lista das nacoes, sorprehenderain-se com seme-
Ihante .'oluco, que nao podiam prever, fazendo a
maior njustiea aos Estados-Unidos da America do
Norte, aos quaes attribuem planos de conquista,
qne s existeni na cabera dos taes jornalistas.
Vo assim falhando todos os projectos e esp
raneas contra o imperio, que, apesar da lula que
sustenta ha cinco anoos, sempre urna potencia
respeitavel na america.
preparado explosiva. Mettldas as latas a bordo
de urna lancha, affa>tou-se esta do arsenal c>
de 100 bracas e nesta distancia paru aflu oe
cutar-se a opdem : ia a lancha- tripulada-per sete
horneas.
Na occasiao em que se ia atirar ao mar nma lata
com 10 libras de'nitro-glyeerin, fez esta ekplsae,
que comraunioou se s qotras latas coRtendo 60
libras dn uiesmo mixto.
Qnvio-ee um-stampido hf.rrivel, a lancha, des-
feita empedacna, desappareora,bem coKio os cor-
pos do eeis-dostkomcns que a tripiilav.'.ni ; o s-
timo, gravemente ferido, foi recolhido Santa
Casa da Misericordia, onde pouco depois fal-
lecen.
S. M. o Impcindor, apenas leve noticia deste
desastre, compareceu no arsenal do guerra, onde
tambem ee apreeentaram os frs. ministro da guer-
ra e quaitel-meslre-general.
O ar violentamente abalado quebrou os vidro*
de algumas vidracas do arsjnal e das-casas \-
inhas.
11
Por decretos de 29 de maio uHimo foraw decla-
rados vagos os offieio- de tabellio do'termo de
Hmass, na provincia do Rio de Janeiro ; do de
Passo-Fundo, na de S. Pedro do Rio-Grande do Sul,
e de 2o tabellio e aonexos do de Japaratuba, na
de Sergipe, por terem abandoiado e mudado de
residencia os respeetivos sorvemuarins vitalicios
Dr- Jesuino Pinto de Meirelles, Candido Pacheco
de Moraes Castro eBelmiro Satro de Carvalho.
'Por decretos de dos :
O bacharel Francisco de Paula Mannho, juiz
municipal e de orphos do termo de Marica, na
provincia do Rio de Janeirn. .
O bacharel Antonio Pedro Ferreira Lima, juiz
municipal e de orphaos do termo de Silveira*, na
provincia de S. Paulo.
O bacharel Joao Firmno de Hollanda Cavalcan-
ti, juiz municipal e de ornbiee do termo de Sa-
boeiro, na provincia do Cear.
O baeharel Carlos Peixoto de Mello, secretario
de polica da provincia de Minas-teraes.
O tonente-coronel Jo Julio Tavares, coronel
eommandante superior da guarda nacional dos
municipios de Macap e Mazago, na provineia do
Para.
Manoel lins Caldas, coronel eommandante su-
perior da guarda nacional- dos municipios de
Ass e annexos, na provincia do Rio-Grande do
Norte.
O tenente-eoronel Paulo Joaquim Telles Jnior,
eommandante do l" batalhio de infantaria da
guarda nacional da provincia das Alagoas.
O capito Macario da Costa M raes, tenente-eo-
ronel comtnandaute do Io batalhao de infamara
da inesma guarda.
Foi reintegrado Jos Cantillo Linhares no posto
de tenente-eoronel eommandante do batalhao de
infantaria n. 19 da guarda nacional da provincia
do Cear. ficando sem elTeito o decreto de Ib de
maio do auno passado, que o reformou no posto de
coronel.
Foi aggregado ao mesmo batalhao o tenente-eo-
ronel Francisco Antonio Linhares Xerez.
Foram concedidas :
Ao tenente-eoronel Jos Cantillo Linhares, eom-
mandante do referido batalhao, as honras do po-
to de coronel.
INTERIOR.
Rio de Janeiro
10 DB JUNHO.
S. o Imperador, arompanliado de seus sema-
narios, chegou honlem ao arsenal do marmita, as
7 e meia horas da manba, e embarcando na ga-
leota imperial foi visitara fortaleza de Santa Cruz;
vottando, desembarcou no mesmo arsenal, as 11
boras, e nessa occasiao visitou as offleinas de m-
chalas.
Entrou hontem a fragata norte-americana Guer-
rire, sabida de Montevideo a 3 do corrate. Nao
trouxe Mhas e a nica noticia veroaCnae obtive-
mos de ter ebegado a Buenos-Ayree o general
Mac-Mabon vindo do Paraguay, onde reprsenla va
os Eslidos-Unidos. A respeito das forcas com que
o presidente general Battle sahira de Montevideo
nada so sabia.
Deu-se honteni pela manhaa, no mar, era frente
ao arsenal de gaerra, um lamcntavel aconteci-
Dto- j
finta-s dado ordem para que fossem lancadas
ao max diversas latas corteado nitre-giyceriaa,
Por decretos de 9 do corrente- foram nomea-
dos : "' t .
Inspector emcommissaoda'thesouraria do Para,
o chefe de seccao da de Pernambuco, Raymundo
Joo dos Reis.
Inspector em commissao da de Mato-Grosso, o
2o escripturariodo tbesouro nacional, Antonio Cae-
tano da Silva Kelly.
Procurador fiscal da do Amazonas, o bacharel
Alfredo Sergio Ferreira.
Thesoureiro da alfaodega de ManaM, Gabriel
Antonio Ribeiro Guimares.
12
Entrou hontem o transporte de guerra Isabel, sa-
hiJo da Assumpcao a 31 do passado.
Asjiltimas noticias constata do telegramma in-
serto na carta do correspondente de Buenos-Ayres.
As operacoes proseguiam activamente. Os exer-
citos alliados, movendose de Luque na direccao
de sudeste, occuparamsem resistencia toda a linha
de estrada de ferro at sua estacao terminal em
Paraguay, aonde chegarnm as nussas avancadas
sob o commando do coronel Vasco Alves, aprisio-
nando uns 33 paraguayos qne all enconinou. A
linha cabio em nosso poder em bom estado decon-
servacao, e ainda se lomaran 36 wagaes e urna
locomotiva com os mbolos tirados, achaodo-se ou-
tra inteiramente despedacada. Por aquella via-
ferrea j foram transporlados alguns feriaos, e,
restaurada que fosse a ponte sobro o Ygurey, po-
deria a estrada trabalhar entre Paraguary e As-
sumpcao sem solucao de continuidade.
O grosso do exercito brasileiro acampava em
Piraya, d'ondo destocou urna torca as ordena de
Manduca Cypriano, que oceupou Serro-Leon, pon-
do em fuga a guaroic^o, que deixou 30 morios e
20 prisioneiro.
A cordilheira em que se acha Lpez prolonga-se
a leste da estrada de ferro desde Aregu at Para-
guary, c pouco mais ou menes defronte de Pirayu
demora a garganta de Ascurra, onde elle tem o
seu acampamento f unificado, c por traz do qual
corre amaestrada que leva a Peribebuy e d'alli por
S. Jos a Villa-Rica.
Os outros desfiladeiros por onde se pode atra-
vessar a serrana, e um dos quaes flca atraz de
Serro-Leon, um pouco ao sul de Ascurra, estao
defendidos por abalizes. Constava que o brigadei-
ro Portinho j ia com 2,500 homens sobre Villa-
Rica, d'ondc poderia vir cahir sobre a' retaguarda
de Lpez, e outro tanto poderia talvez fazer o bri-
gadero Cmara, vindo do departamento de S. Pe-
dro e Rosario, e dsputandn a cordilheira pelo lado
do norte. Se estes movimentos concntricos, que
se suppunha serem o plano da campanha, surtirem
o desejado resultado, poderia all terminar a guer-
ra. Entretanto j se fuera um reconhccimcnto so-
bro Ascurra.
No congresso argentino debatia-se outra vez a
questao da capital da repblica. Segundo o nosso
correspondente de Buenos-Ayres, tinha o Sr. cor -
selheiro Paranhns ebegado a o,m accordo com os
governos argentino e oriental sobre a orgaoisacao
Se um goveroo provisorio para o Paraguay, e pro-
vavelmente iriain Assnmpcao os representantes
das tres potencias alliadas assistir installacao do
mesmo governo.
O general Mac-Mahon nao tinha chegado ainda
a Buenos-Ayres, mas era esperado a todo e mo-
mento.
No Estado Oriental a revolucao pareca ganhar
terreno, pronunciando-se por ella os departamen-
tos do norte, e tendo ido reunir-so s suas lileiras
o general Goyo Soarez, ex ministro da guerra. En-
tretanto o presidente general Battlo, com Hma tor-
ca avahada em 1,200 homens, tendo atravesado o
Santa Luzia, dirigia-se Florida. Em Montevideo
bavia socego ; o oosso correspondente daquella
cidade refero alguns interessantcs pormenores so-
bre os progressos da revolucao.
S. M o Imperador, acompauhado de seus sema-
narios, chegou ao arsenal de marinha hoalem, s
9 e meia horas da manhaa, e embarcando na ga-
leota imperial foi visitar a fortaleza da Lage ; re-
gressando desembarcou uo arsenal de guerra de-
pois do meio dia.
Por decreto n. 1,883 de 9 do corrente foi sanc-
cicoada a resolucao da assembla geral legislativa
3ue concede ao Dr. Antonio Pereira Pinto, autor
os Apoutamentos para o direito internacional ou
collecco histrica dos trabathos do Brasil, o auxi-
lio de 20005000 para cada um dos tres voluntes
j publicados da referida obra e para o 4* volunte
logo que for publicado.
Por portaras datadas de i do corrento foram
nomeados :
Jos dos Santos Silvcira, para agente da estacao
da 3* classe da estrada de ferro de D. Pedro II.
Caries de Assis Azevpdo Coutinho, agente da es-
tacao da 4' classe da mosma estrada.
13-
Por decreto n. 4,374 de 28 do passado foi auto-
risada a incorporarlo da companhia fluvial do Alto
Amazonas, e approvaram-so os respectivos esta-
tutos.
14
Por decreto de 11 do corrente foi autorisada a
incorpnracao da companhia commercial de segu-
ros martimos, osubelecida na capital da provincia
da Babia, e approvaram-se os respectivos esta-
tutos.
L-se na Stntinella do Sul, olha de Itapemerint,
de 6 do corrente :
Mais om homicidio registra a estatistica cri-
minal do Cachoeiro.
No dia 31 do mes prximo passado pouco de-
pos das 6 boras da tarde, no lado do norte da-
quella villa, Alacrino Jos da Rocha aseassinou com
ama faeada o poringuez Manoel Jos da Silva, co-
nhocido por Manoel Ponnlga.
t Pedndo Manoel Formiga a Alacrino que Ibe
pagasse urna pequea quantia, que ha muito lite
tovia, traviMi-se entre ambos urna briga na qual
Alacrino. Sepois de ter com um ccete quebrado a
eatoecadeseu contendor, deu-lbc nma profunda
faeada, qne produzio iitimediatanente a merte do
iofoliz Manoel Formiga.
O erinio foi cnmincttido em unta ra publica,
diante de umitas pes^oas, e entretanto o aesassino
nao >foi prese em flagrante c se roliron traniiuilla-
wiente, -sem que apparecesse autoridade alguma
(tara prenda-lo!
< Ainda hontem os homens honestos daquella
villa ouviram, estupefactos, ler-se a senteiia de
absolvicSa de Urcussino dos Santos Lima, acensa-
do de tar assassbtado, em nwjados de abril deste
anuo, o offlcial de justica Manoel Vinte, e hoje sao
sobresaltados por outro assassinato. revestido do
cirenotstancias aggravantea pnticado na mesma
ra.
Alacrino Jos da Rocha foi uut dos jurados que
eompuzeram o consellio que absolveu Urr.nssino
no da 3 do mez prximo nassado, e ess* juiz mo-
delo commetleu, vinte eito dias depois, nm assae-
sinato por uiqa miseravel questao de alguns vin-
tens )
Pouco antes das 11 horas da noile passada ra;i-
nifestou-se fogo no thesouro. Arda una especie
de alpendre ou telheiro que d para um pateo in-
terno rodeado das offleinas da amiga casa da
moeda.
O fogo, aleado segundo se presante por algum
foguete oubalao aerosttico dos folgnedos de San-
to Antonio, comiiiuuicbu-se a urna pilha de made-
ra ; mas felizmente pode ser atalhado e extincto
antes de ir mais lotiga, nao tendo Vssim causado
seno insignificanlissimo prejuizo, conforme nos
informaai.
15
S. M. o Imperador, acoinpanludo de seus sema-
narios, chegou ao arsenal de marinha hontem, >
9 e meia horas da mauliaa, e all visitou as offlei-
nas de machinas. Em seguida embarcou nar ga
leota imperial e dirigo-se Armacao, onde tam-
bem visitou o hospital e o laboratorio da marinha,
voltando a desembarcar no arsenal de guerra s
2 Vi horas da tarde.
Por cartas imperiaes de 9 do corrate foram na-
turalisados :
Os subditos portuguezes Antonio Januario da
Silva Martins, Manoel Jos Cordeiro, Jos Monteiro
de Araujo, Lino Jos Peixoto do Amorim, Luiz
Antonio de Araujo, Antonio Cancio de Lima, Ma-
noel Antonio Soares do Nascimento, Victoriano
Vicente Gomes Henriqucs e Joao Jos dos Sautos;
o subdito italiano padre Miguel Murnio; e ocida-
do paraguayo, prisioneiro de guerra, Joaquim
Campos.
Por decretos da mesma data :
Foram nomeados, o brigadeiro ps Auto da
Silva Guimares, commendador da ordem de S.
Bento de Avia, e o cirurgiao-inr d brigada, Rr.
Antonio Luiz de Souza Seixas, cavalleiro da mes-
ma ordem.
Foram concedidas as seguintes pensos que II-
cam pendentes de approvacao da assembla geral :
A Francisca Mara do Nascimento, filha legiti-
mada do 4najor do 13 batalhao de infantaria Jos
Mara do Nascimento, fallecido ern cousequencia de
ferintentos rocebidos em combate, a de 42 $000
mensaes.
A Jos Pozzo, pai Jo pratico Joao Baptista Pozzo,
morto em combato a bordo do encourajado Bra-
sil, a de I2j000 mensaes. igual ao sold de 2" l-
ente da armada, de cujas honras goza va.
PJr nortaria datada de 14 do corrente mez (ju-
nho) foi nmeado Aurelio Fausto Caqplhal de Me-
uezes Vasconcellos jiapelsta da adcfinistraijao do
crrelo da provincia da Bahia.
*
Por decreto de 3 do corrente mez foi uomeado
o Dr. Joaquim Manoel de Almeida Vioira para o
lugar de v cirurgiao do eorpo de sade da arma-
da nacional e imperial.
Por outro da mesma data mandou-se levantar a
clausula, com que foram promovidos os i" teen-
tes Jos Carlos de Carvalho Jnior o Arlhur de
Azevedo Totupson, visto terem sido approvados as
materias exigidas pelo decreto u. 884, de 10 de de-
zembro de 851.
non, 24 DE Jl'NHO DB 1869.
NOTICIAS DO SUL DO IMPERIO.
Chegou hontemo vapor Guaro, trazendo datas
da corte al 15, da Babia at 20 e Macci at 22
do corrente.
Sob as rubrica*Parte Oficial, Exterior e Ju-
/eT('0("=encontraro os leitores por extenso as no-
ticias mais importantes ; alm das quaes apenas
lentos nos jornaes as que seguen.
GOYAZ.
Alcangam a 30 de abril -9b datas da ca-
pital.
O Correio Mercantil de 10, d as seguintes
noticias :
No dJstrictO do Pelxe, na noite de 31 de de-
zembro ultimo, foi assassinado com um tiro o 3."
supplente da subdelegado de polica Floreocio
Alexandiino Soares do Miranda. A autoridade
respectiva tomou conheeimento do Licio e tratava
de descobrir o autor de^se erme.
No dia 16 de margo ultimo, no bairro do
Mattao, districto da villa do Jaragu, Thom Pe-
reira da Silva assassinou com um tiro c tres faca-
das a seu concunhado Francisca de Oliveira Se-
pulveda.
O criminoso foi preso e proseguc-se na forma-
gao da culpa.
Na manhaa de 21 do mesmo mez, urna le-
gua distanlo do Cai.ilo, no lugar denominado Bu-
riti, foi encontrado em sua casa com um golpe de
machado sobre o crneo Manoel Luit da Silva,
que suecumbio 3 10 horas da noite do mesmo
dia.
O respectivo delegado de polica fez recolher
prisao a mulher do assassinado, contra a qual
ha indicios de ser a autora do attentado, c prose-
gua as diligencias precisas para chegar ao des-
cobrmento da verdade.
t No dia 3 do corrente foi encontrado den-
tro de seu proprio rancho, contiguo fazenda Ja-
car, districto de Santa Hita, desta comarca, da
ral proprietario Joao Martins da Cunha, o ca-
var do Domingos Lco, tendo separado do corpo
a cabeea a urna das pnrnas.
t Examinado o cadver verificou-se que tinha
na regio das costas c do estomago varios signaes
nao pequeos de forma circular, azulados e eotu-
mecidos pareeeudo feitos com pedras, ou soquetes.
Junto cabeea do morto encontrou-se, envolta em
sangue, unta pedra de amolar, de forma cylindri-
ca, alongada.
O cadver tinha as maos ensanguentadas,
sendo de notarse que sme.nte urna dellas eslava
ferida, tendo um dos dedos esmigalhado.
O Sr. Dr. chefe de polica procede s mais
enrgicas providencias alim de so descobrir e de
ser punido o autor de to brbaro assassi-
nato.
JUNAS-CEIU.ES.
As datas qne tivemos foram de Juiz de Fra
9 de junho; Ouro-Preto 5 e Campanha da Prince-
za 30 de maio.
Tinham fallecido nessa cidade, a 28 do passado,
o commendador Ignacio Gomes Middes, natural de
Leiria, em Portugal; a no dia 30, o tenente-coro-
nol Antonio Jos de Mello Trant,
O Pharol do Juiz de Fra, de 9 do corrente
noticia o seguate :
EA dias de maio foi praticado um alto desa-
cato contra a seguranza individual, na cidade do
Pomba.
< Achava-se urna infeliz moca em soseg e tal-
vez j domando, qua ido meia noite foi a sua
casa invadida por um bando do malfeitores que,
arronibando a porta da entrada, penetraran! at o
interior da casa, onde lentavam esbordoa-la quan-
do ella sahio foragida o sem ter terapo de prepa-
rar-so convenientemente.
t Esses individuos, nao contentes do attentado
que acabavam de pratfcar, comecaram a desaliar
a polica vociferando o gritando que a nao te-
miam.
Em dias do mez de abril prximo passado,
Estevo Alve Coutinho Portugal, fazenndeiro do
districto de Santa Barbara, indo cagar pacas en
companhia do sea irmiio Jos Coutinho, em terra<
do Sr. te neo le Joaqaiai Rodrigues de Aqnino. pr-
ximo a fazenda denominada Monta-a-cavaUo, foi
victima da mais funes ia easualidade. -
a Estando Esteva* no mato sobre anta pedra,
rVostou a arma na mesma enqnanto seu irrnao
foi ao ponto de esper:., que era a margem de nm
corrego : os caes ievaniaram urna paca e Estevo
chamando o irrnao tomn da arma, ptrm, com
tanta infelicidad? que o gatilho desta estando em-
baracado em cipos eu tocando na pedra, desarmoa-
se e parti o tiro empregando-se toda a carga no
peito do malaventuradt', que morrea instantnea-
mente.
t (Juaodo Jos ouvio o grito do irmao e a deto-
Bagao corren ao lugar de oade elles haviam parti-
do o fui ahi encontrar um cad.i
a No Marmello, a legua e meia desta cidade, em
dias da semana passada, Antonio Fausto, de idade
de 18 a 19 annos, assassinou com urna faeada a
Candido Soares.
Procedeu o erime urna ligeira questao eptre
Antonio e CandidfloT causa de urna carta de
A B-C.. O criminse veio ante-honlem entregar-^.'
a polica.'
S. PAULO.
Tamos datas at JO do corrent.
Appareccra na capital o priuieiro numero de
um peridico poltico intitulado Opinio Conserva-
dora.
Apte-hontem (6), diz o Correio Panlistano, *
10 bofas da noite.tratando um criado do hotel Bra-
sil de apagar um lampeao de kerosene qne'aln-
miava o corredor, porjhtr-lo ap.'igar soplando,
produzio a exploso d# lampeao, ficando com o
rosto e peito queimadoi-neio oleo inoondiado.
Jj-se na Revista Commercial d>! Santos :
Estando a expirar o prazo para o recolhimen-
to das notas de lOjiOOO e o000, muito Iranstorno
e at prejuizos tem de haver pelo interior da pro-
viocia enlre os lavradores.
Os clamores sao muitos.c a falta de notas pe-
quenas em snbstituigo s que sio arrecadadas
eontribue para esse estado geral de incomiiudo da
populaco.
J nao se quer receber sem descont as no-
tas de 10000 e 5,3000 e so nao houvcr urna pro-
rngago do prazo para o recolhimenlo ou resgate,
os -anslornos serio infalliveis.
Sob a epigraphe Carbnculo refere o Piada-
tnonhagabense o seguinte:
Desta molestia de natureza contagiosa, teem
sido ltimamente atacados quatro individuos de
urna mesma familia, que imprudentemente com-
prara e desmanchara um porco morto por esse
liorrivcl mal.
^Jra dos atacados morreu depois de acornados
soffrimentos ; outro est s portas da moi te ; o
terceiro c quarto, pti e filho, depois de terem sido
profundamente iosisados e canlerisados nos pontos
da manifestago da molestia, pelos distintos facul-
tativos os Srs. Drs. Brito e Romeiro, vo passando
solTrivelinente bem, havendo fundadas esperancas
de serem salvos.
RIO DE JANK1R0.
O senado regeitou a imlicacao do Sr. Souza
Franco, depois deouvir aos Srs. Silvcira da Motta,
barao de Cotegipe, Paranagu, Souza Franco e
Saraiva, sobre os meios de serem sistentados os
arts. addicionaes constiluigao,
Na cmara dos deputados foram approva-
dos os projectos : autorisando o ministerio da
justiga a transportar do 5. para o 12 do art.
3. da lei n. 1,507 de 26 e setembre de 1867, a
quantia de 40.0003 para occorrer noeictnal exer-
aicio s despezas com o corpo utilitar de polica
em 3.a di'Cusso ; autorisando o governo a mao-
dar continuar e concluir as obras do melboramen-
lo do porto do Pernambuco, oiu 1.*; e a proposta
do orcaoteuto de 1869 a 1870, na parte relativa ao
miuisterio do imperio.
Na sessao de 12, o Sr. Perdigao Malheiros justi-
licou o seguinte projecto :
A assembla geral resolve :
Ai t. t.' O governo fica autorisado a melhorar
oservico do juizo dos leitos da fazenda, expedindo
os regulameutos necessarios nos termos da prece-
dente lei.
> j i." A lei n. 242 de 29 de novembro de
1811 continuar em vigor com as modifleagoes se-
guintes :
I.* 0 execulivo comprehnnde a cobranca da
divida do estado de qualquer origent, com'anto que
>eja certa e liguida.
2.a As formas do Brocease serao simplificadas,
guardadas as substanciaos defeza.
3.a E' dispensado desde j o transito pola
chancellara das relagoes.
4.a As cusas fieam desde j reduzidas a me-
lado do que actualmente se cobra.
5.a Nos lugares oade o procurador-fiscal oo
poder, em razo do excesso do servico, exercer
cumulativamente o cargo de procurador dos
feitos da fazeuda, ser este preenclndo como na
corte.
t 6." Os actuaos vencimentos xos dos procu-
radores dos feilos, seus ajanantes, solicitadores do
juzo e ollieiaes de justiga do mesmo sao-lhes con-
servado a titulo de ordenado ; e tero mais,
a titulo de gratilicago, metade desses venci-
mentos.
7.a A poreentagem da cobranca da divida pu-
blica acliva nao exceder de 6 % cabeudo :
Ao juiz....................... 1 parte.
Ao procur dor dos feitos........ 11/2
Ao eserivo.................... 1
Aos solicitadores un solicitador... 1
Aos ollieiaes de justica.......... i i/2
A poreentagem s devida, bem como a gra-
tificacao, pro labore.
t 8.a Aslicengas e aposentaras dos empregados
do juizo serao reguladas como as dos empregados
sujeitos aos respectivos ministerios.
. 2 Aos escrivaesdos feitos da fazenda fa-
cultado desde j terem dous escreventes juramen
lados, se o trabalbo o exigir.
3." A incorporacao real nos proprios naci
naes s lera lugar quando seja indispensavel a
bem do estado. .
4. O pcocesso para a dosapropriagao por
utilidade publica geral da competencia do juizo
dos feitos.
5." O jury de que trato a lei u. 3i3 de 12
de julho de 1845 fica abolido. As indemnisages
serao, no caso nella previsto (art. 161, fixadas por
arbitradores nomeados a aprazimento das partes,
contemplado como tal o estado, observando-se
quanto ao miuimo e mximo dos mesmas o Jispos
to na referida lei (art. 24).
Art. 2." Ficam revogadas as disposicles em
contrario.
A alfandeg da coito rendeu de 1 a 14 do
corrate 1,442:991*670.
Eis as noticias commerciaes da ultima data:
Effectuaram-se transaegoes menos que regu-
lares em cambio sobres Londres a 18 V4 d papel
bancario, e a 18 3/s e 18 '/i d., papel particular.
Negociaramso 15.000 soberanos a 13/1180,
30,000 a 13*140 e 25,000 a 13 100 a dinheiro,
varios lotes de apolices geraes de 6 % a 83 Vi e
84 % > 40 lilas do empresliino nacional de 1869 a
918 3. 65 aegoes do banco do Brasil a 179*000 e
120 ditas a 180*000. > -
Ficava carga para Pernambuco o hrigue
Trovador.
BAHA.
A' felicilacao dos estudanles de medicina
respondeu o Exm. Sr. ministro dos estrangeiros
com o seguate offieio:
Ministerio dos negocios estrangeiros.Rio de
Janeiro, 7 de junho de 1869.lllms. Srs.Li com
o maior praser a felicitogao qne Vv. Ss. se digna-
rain dirigir-me pelo nteu procedimento, como minis
iro dos negocios eslrahgeiros, por occasiao do rom-
plimentode oossas relacoes diplomticas com o qii-
oistro dos Estados-Unidos n esto corte, e agradece
a Vv. Ss. as expresses de que a acompanharam.
t Se mocidade falta a experieocia, que s os
annos do, sobra-lhe boa f o enthusia pquilatar as questoes de honra o dignidade. Eu
m'tito me lisongeio de que um acto, que nao
meu, mas do governo do que lago parte, naja en-,
conlrado a aceitagao e merecida approvacao de
todos aquelies que antepoe a honra a qualquer in-
teresse. Felizmente, sem quehra da dignidade do
imperio, foram restobelwidas as relagoes, que
alias nunca deixaram de ser amigaveis, com o go-
verno americano, mediante a intervengio do mi-
nistro de sua magesiade britaunica, como Vv. Ss.
vero, dos documentos officiaes impressos.
Queiram Vv. Ss. acceitar os protestos de cor-
dial estima e perfeita consideragao com que tenho
a honra de ser.
De Vv. Ss. muito attento creado. Baro de
Cotegipe.
A estrada de ferro da Babia ao S. Francisco
rendeu, no mez de maio, 25:502*515, e despeneu
25:690*463.
A airandega rendeu de 1 a 19 do crreme
747:414*752.
Sabio para Pernambuco, a 17, o brigue Al-
meida.
Ficava carga para Pernambuco o hiato Ga-
ribaldi.
Lentos no Jornal da Bakia:
No termo do Remanso do Pilo Arcado, na fa-
zenda denominadaGado bravo no dia 9 de abril
p passado, s 10 horas da noite foi brbaramente
assassinada com 36 facadas D. Mara Joaquina
Teixeira Rocha por seu marido o capitao Francis-
co Rodrigues Setuval, que se poz em fuga. A au-
toridade instaurou e competente processo contra o
as*assino. >
No dia 24 de abril do presente auno, no termo
da villa da Victoria e fazenda Casca, pelas 6 horas
da manhaa, foi brbaramente assassinado com nm
tiro de espingarda o cidadao Quintiliano Antunes
de Oliveira, hornera pacifico, e pai de numerosa
familia.
< O infeliz foi assassinado quasi s quando em
companhia de una moleque tirava leite em urna
vaeca Bra.da casa do cidadao Luiz Ignacio Pe-
reira, que. eslava ausente com a familia em via-
gem para assistir a um casamento.
' Pelas diligencias empregadas pelo delegado
foi preso o erionlo Joao, eseravo, que confessou ter
sido o executor, mediante ajuste, que lizera o
mandante oaut o seu seuuor. >
Na sexta feira 18 do corrente pelas 10 b ra
da noite manifestou-se incedio na ferrara do te-
nente Joao Both ra da Preguica, como j hon-
teu noticiamos, e foi extincto medante os serviros
prestados por ntuios cidados, conseguindo-se
que, apezar da violencia com que elle comecou,
beassem apenas destruidos alguns ferros, obras
da fabrica e o tocto do edificio.
Comparecen o Sr. Dr. chefe de polica, e all
j encontrou o sudelegaio da fiwgueza, que dava
providencias 110 intuito de salvar, como conseguio,
os papis, livros e mais escripluraco da casa que
foram depois entregues ao dono.
^Pncendio poderia ter deixado de tomar as
proporcoes que tomou, se a priacipo houyesse
abundancia d'agua, que s depois apparceu,
quando abriram a torneira de salvaco da compa-
nhia dos cgafarizes.
Compareceram todas as bombas, prestando
melhores servicos a do arsenal do marinha.
Estiveram presentes diversas autoridades, of-
ficiaes da armada c do arsenal, os Srs. engenheiros
Aguiar, Lourengo, Sepnlvedae Britoe urna torga
da giurda nacional ao mando do Sr. capitao Ma-
laqaiasJos dos Reis: urna outra do corpo de po-
lica, e o Sr. capitao Braga. Este, e os iospecto-
res de quarteiro Gustavo Jos Cavalcanti e Boa-
ventura, o carpiua-Antonio Fernandes de Souza, o
empregado do arsenal Anacleto e o negociante
Alexandre Gomes, prestaraiu bons servicos.
Felizmente nao houve desgraga alguma a la-
meotar-se.
O acootccimcnto foi casual, segundo as infor-
maecs e mais nidagages que se tem proce-
dido. >
SEROIPK.
O Exm. Sr. Dr. Evaristo da Veiga passou s
redeas da administrago da proviucia ao vice-pro-
sidente, alim de seguir para a corte, 110 vapor S.
Salvador, da companhia Bahiana.
Falecou no dia 6 o capitao Francisco da
Molla Rabello, ex-inspector da tbesouraria pro-
vincial. i"
Foram ulumamentc capturados 3 escravos
de uut quilombo que existo entre o termo de La-
rangeiras e o de Divina Pastora.
Os eScravos pertenciam a 1 capito Felippe de
Faro Molla. As autoridades locaes procedem com
toda a actividade e o chelo de polica tomou pro-
videncias para de urna vez acabar com o terror
d'aquelles lugares.
ALAGOAS.
Foi nonieado promotor publico do Anadia o
Sr. Dr. Aurelio Fontes Melanio da Silvcira.
. Lentos no Diario :
Estove entre nos, como era esperado,o Ilustre
Sr. consclhoiro Jos Bento da Gunha Figueiredo,
deputado geral assembla legislativa, e ltima-
mente escolbido senador do imperio, por Pernam-
buco.
' O disuado ex-presidente d'esta provincia, du-
rante sua curta estada nesta cidade, foi visitado
em palacio por numerosos cavalleiros- e amigos,
bem como sua Exina. familia, que foi compriinen-
tada por outras.
* Sendo pequea a demora do vapor ueste por-
to, o Sr. couselheiro, com pezar, nao podo assis-
tir deoiooslraeao de regosiio, qne lhe prepara-
ra m seus amigos,e que leve lugar noite.
1 Ao meio dia o Sr. conselheiro, com dilTeren-
tas pessoas que o acompanharam, seguio para Ja-
ragu, alim de embarcar.
Urna guarda de honra do corpo provisorio fez
as continencias do eslylo na chegada e sabida de
S. Exc.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
PRESIDENCIA DA PROVINCIA.No intuito de
tornar mais efflcaz a aegao da polieia nesla cidade
e seurarrabaldes, o Exm. Sr. vire-presidente da
provincia acaba de mandar por disposico do
Dr. chefe de polica a torga de cavallana de po-
lica para fazer o servigo das rondas nocturnas
Sendo demasiadamente perigosa na estacan
do invern a communicago do centro da provin-
cia com a capital, alienta a falla da ponte do Ca-
xang, a presidencia da provincia acaba de orde-
nar, que pela repariigo das obras publicas, se fa-
gam' com urgencia os precisos e>tiiao> para quan-
to antes ser aberta urna picada na malla do Be-
souro em direcgo estrada de Apipucos, e pela
qual se estabelecer communicacao fcil para a
estrada de Nazaretlt, evitando^ p'assagem rio Ca-
pibaribe, tanto em Caxang, como em Pao d'Alho.
Informam-nos qne a despeza a fazer diminuta,
e que trari o restabelecimento da amiga estrada.
Nao podendo haver esperanga de que para o in-
vern futuro estejam prumptas as pontos do Ca-
xang e do Tabyba (em Pao d'Alho) manifesta
a utilidade que a medida, que acaba de lomar a
presidencia, prestar populagao do ceutro, j
no presente e j no futuro anno.
Era urna necessidade palpitante e que caba al
tender, e se fr satisfeita, como tem em vistas, S.
Exc. ser merecedor do agradecimento e reconhe-
cimento da populagao por mais este servigo em
bem uo interesse publico, pelo qual tanto se tem
extorcado, tornando-so digno de elogios.
INSTITUTO .\ROH50LOGICO E GEOGRAPHI-
CO.Reuuio-se liofircm esta sociedade, sob a pre-
sidencia do Exm. conselheiro monsenhor Mudiz
Tavares, com assistencia dos Srs. Drs. Soares de
Azevedo, Aprigio Guimares, e os Srs. coronel
Leal c padre Lino.
No impedimento do' Sr. 2 secretario, o substi-
tuc o Sr. padre Lino, que d leitura da acia da
antecedente, qna approvada.
O Sr. secretorio perpetuo menciona o seguinte
expadieute :
Um oficio do Sr. Dr. Manoel Joaquim Fran-
cisco de Moura aceitando e agradecendo a sua
eleigao de socio correspondente.Inteirado.
O mesmo Sr. secretario perpetuo d conto das
seguintes offertas :
Varios nmeros do Diario de Pernambuco, pe-
lo consocio Dr. Figueira ; dous ns. do Asstunse
o da Opinio Nacional, pelas respectivas redac-
goes ; um exemplar, contendo nma ligao sobre
as flaneas criminaos e seu recurso, offereeido pe-
lo autor; urna pudra mineral, encontrada nos
montes Guararapes, a qual, segundo o exame
que nella procedeu o engenheiro Dr. Paulo de Oli
veira, perlence variedado hydrato de ferro, of-
fertada pelo Sr. padre Diestra Lino ; oulra igual,
encontrada as serias de Pajeu de Flores, offerta-
da pelo mesmo senhor.Todas estos offertas sao
recebidas com agrado e ntaodam-so archivar.
O Sr. presidente designa a ordem do dia da ses-
sao seguinte, e levanta a sess.
FORNECIMENTOS.Peranto a junto adminis-
trativa da Santo Osa de Misericordia, deve ser
amanha, s 4 boras da larde, arrematado o torne-
cimento de pao, bolacha, carne verde e medica-
mentos, para os cstobelecimenlos pi s seu cargo.
FERIMENTO GRAVENo dia 21 do corrente,
s 8 horas da tarde, nfflugar Altinho da freguozia
dos A togados, Antonio Francisco de Salles den
um liro de pistola om Manoel Jos do Nascimento,
ferindo-o gravemente. O crimiuoso logrou eva-
dir-se.
MORTE.Tendo sido encontrado, na nouto de
21, no caes do Capibaribe, prostrado no chao,
um preto, maior do 60 annos, foi mandado reco-
lher poto subdelegado respectivo, e examinar
lelo Sr. Dr. Villas Boas, que o declarou moribun-
do, om consequencia de unta hernia estrangulada.
No dia seguinte pela manba realisou-se o qae
bavia dito o medico.
DR. PARIA LEMOS. Este nosso amigo, chefe
de polica da corte, que sabida do vapor inglez
Oneida ficava bastante doente, j se acbava me-
lhor sabida do Guar; tendo ido para o Morro
de Paula Mattos a convalescer, por ordem do seu
raediro.
DINHEIRO.O vapor Guar trouxe as seguin-
tes quantias para os Srs. :
Lehinaon frres.................. 10:000*000
Manoel Teixeira Bastos.......... 8:500*000
A. Frederico de Oliveira & C...... 6:000*000
Jos do Reg Pacheco............ 1:200*000
Carvalho & Nogueira............. 1:000*000
Fortnalo Ribeiro Bastos.......... 600*000
Luiz Jos da Silva Guimares...... 600*000
Jos da C. de Oliveira Figueiredo... 500*000
Jos Simplicio de S Estoves....... 600*000
Manoel da Silva Mondonga Vianna.. 400*000
Para o norte do imperio trouxe esse va-
por :
Para a Parabyba.... 650*
o Cear....... 400*
o Maranbao 15:448*
oPara........ 30:600*
DIARIO DE, PERNAMBUCO.Alim desatisfazer
mais promptamente a anciedade publica pela lei-
tura das noticias do sul do imperio, dustribnimos-
boje o numero de amanha.
GUAU.. Esto vapor, chegado hontem dos por~
tos do sul, lira a mala buje, s 3 horas da tarde,
no correio, para os do norte do imperio.
PASSAMENTO Deu hontem alma ao Creador
o Sr. Henriqne Jorge, proprietario e empreileiro
de obras. Cidadao probo e franco, era elle bom
ksposo e ptimo pai de familia, a quem lega um
souie honrado e precedentes dignos de imilagao.
A sua iiicousolavel familia damos nossos sin-
ceros pozantes.
OUTRO PASSAMEXTO.Por cartas viudas da
corle, hontem polo vapor Guan, consta ter ahi fal-
lei'ido o Sr. Francisco Sergio de Mattos, chefe de
seccao aposentado de nossa alfandega, e proprie-
tario. Tendo ido corte tratar de sua sade, fal-
leceu victima de amigos padecimeotos.
Damos nossos pezames sua desolada familia.
INSTITUTO HISTRICO E PIIILOSOPHICO.
Fuocciouou hontem esta sociedade, em sessao or-
dinaria, com assistencia dos Srs. Silva Pinto, A.
Barros, P. Valladares, Pyrrho, C. Lefio, Hollanda e
B. Chaves, e sob a presidencia do Sr. Pinto:
Foram lidas c approvadas diversas tbesesfUM*
sentadas pelos Srs C. Leo, A. Barros e B. Cha-
ves.
Sendo lidas, foram tambem approvadas algumas
propostas para socios effectivos, sondo declarados
taes os Srs. Elisiario Augusto de Moraes, Antonio
liarte de Oliveira Reg Neto, Jos Simplicio Nar-
ciso de Carvalho, Gaudioo Pi dos Santos, Anto-
nio Ribeiro de Albuquerque Maranho, Jos Ma-
noel de Almeida Cavalcanti, Jos Bandera de Mel-
lo e Manoel Porphyrio da Concoigao.
Achando-se presente o Sr. Elisiario, introdu-
zido com as formalidades do estro, agradece
sociedade sua approvago.
FALLECIMENTO. -No dia 18 do corrento des-
prendeu-se deste mundo a Exma. Sra. I). Maria
Angoja de Moraes Monteiro, digna esposa do Sr.
capito Caetano Correa de Quciroz Monteiro.
A fallecida era dotada de excellentes quailades,
entre as quaes primavam as de esposa fiel o extre-
mosa, e mi terna e carinhosa.
MISSA NOVA.Domingo (27) celebra-ee a festa
de Santo Antonio, na igreja do convento de S. Fran-
cisco de Olinda.
O actual guardiao do mesmo convento esmera-
so este anno em solemnisar, com a pompa possivel,
a memoria do glorioso Santo Antonio, j por sua
particular devogo ao santo, j por que o seu so-
brinho padre Manoel Antonio da Silva Lessa canta
a primeira missa nesse dia.
O Rvm. Lessa um dos novos presl.ytero?,
quem S. Exc. Rvma. conferio as ordens sacras.
Principindoos seus pstudos no seminario episco-
pal de Olinda, aproveitou elle ainda muito da nova
reforma operada pelo Exm. diocesano n'aquelle seu
bem regulado estabelecimcnto.
Com a scienciae a moralidade ali adquiridas
de presumir que o Sr. padre Lessa, venha a ser um
ornamento da classe sacerdotal.
Sao paranymphns do novo celebrante o Rvm.
chantre da cathedral Jos Joaquim Camello do Ai>
drade e o Rvm. ex-abbadc do mosteiro de S. Ben-
to fre .Antonio do Patrocinio.
O orador da manhaa o Rvm. Sr. conego Joa-
quim Ferreira dos Santos.
CONCESSAO IMPERIAL.Por aviso do 11 do
corrente, do ministerio do imperio, foi concedida
licenga ao Rvm. frei Erico de Santa Auna Rique,
provincial do Carino do Recife, para aforar cem
bracas de torras incultos.
THEATRO DA GUERRA D'uma correspon-
dencia, escripia em 30 do passado de Assumpcao,
ao Jornal do Conmerao da corte, transcrevemos o
seguinte offieio do coronel Coronado :
< Commando em chefe da expedigo oriental s
cordilbeiras.Acampamento em Franco-Islas, 15
de maio de 1869.Exm. Sr.IJavendo hojo pro-
porgan de dirigir um proprio a esse acampamen-
to, o aproveito para dar conta V. Exc. das ope-
racoes que pratiquei at este dia, com as torgas
que para esse fim V. Exc. sedignou p^sminhas
ordens.
Depois do emprehender a nossa marcha da
Assumjigao, do dia 5 at o presente, seguio a eo-
jumna al Franco Islas sem novidade de impor-
laneia : por noticias sabia que all rcr-idiam va-
rias familias.
t No dia 8 pela manba alcangnt03 Franco-Is-
las : o piquete de descubridores, que chesou pri-
meiro aos ranchos, foi recebido por 7 homens ar-
mados, que resistiram e morreram antes do que
entregarse, e por um ferido sonbe-se qae elles
era 111 deserlores dos nossos exerrilos ; d'alli fui
ao Rinco de Franco-Isla<, onde fiquei don? dias
para dar descanso aos cavallos e aproveitar o bom
campo o milha.
< No dia 11 nos dirigimos para Minas delbicu-
hy, cujo cstabelecimento me consten achar-se com
pouca guarnicao ; propuz-ine toma-lo de sorpre-
za para inulilisar as machinas, salvar os pri-ion. .-
ros nossos que all estavam, e eiiifim causar ao
inimigo um prejuizo, queme pareca serio, ao ti -
rar-lhe a primeira fabrica de artigos de guerra.
Seguiodo camioho para Mioas e passando pela
capelladeIbicuhy,lomamosprisioneira urna gua-
da de 12 homens.
1 De Ibicuhy seguimos pela ponte Zarra, Mon-
tezarrelte, arroto Taquary, lagasJencs c Cabal ero,
arroto e sanga Hu, e no dia 13 pelas 7 e meia ho-
ras da manhaa, estovamos em frente ao estabele-
cimcnto das Minas de torro do ibicuhy.
c Ao chegar, ordenci inmediatamente que 50
homens com una guerrilha frente avancasseiii
a galope sobre o estabeleciinento ; esta guerrilha
chegou quasi a apoderar-se da posigo sem um
tiro, porque quando alii se apresentou apenas so
arma va a guarnigt para defender-sc. O offlcial
que mandava a guerrilha so approximou ao por-
tao do cstabelecimento e apoderou-se do tenento
Moreno, um dos ollieiaes paraguayos, que eslava
all empregado, o qual se dispoi a reuder-se;
enlo o capitao Insfran, chefe do ponto, mandou as
armas, e nao quiz ouvir as condicoe:- concil.ato-
nas que se lhe offereeiam e so responsabilisou
pelas consequencias ; em seguida comegou o fogo
de parto a parte ; utandei por p trra aerado-
res e lancoiros e car regar sobre o inimigo ; esto,
que ainda nao linha podido eslabelecer a ordem
as filciras, nao supporlou o nosso choque, e a
posigo foi tomada, depois de una hora de com-
bato.
t Obteve assim a torga sob mea commando uut
esplendido iriuuipho sobre o inimigo, tres vezes
maior em numero, e oceupando urna forte posi-
go accessivel nicamente por um porlo ; julgue
V. Exc. se o seria, quando em meu juizo a consi-
dero mais forte que Ilumayt I
* Tomou-se prisiooeii os o eommandante do pon-
to, capitao 1). Juliao Insfran, o segundo lente
D. Moreno, o altores D. Ventura Cao3res e 53 in-
dividuos do tropa ; morios tiveram 23 soldados,
e os domis fugiraui para o mato contiguo aos
edificios do cstabelecimento. A guarnicao se com-
puuha de 4 officiaes e 421 pragas, todos homens
escollados, flor do exercito paraguayo, e foram
vcocidospelo punhado do soldados da escolta que
me acompanhou nes-o feliz dia.
t Foram salvos do martyrio que Ihcs impuoha
Lpez e sou sicario Insfran, 96 presos quo es-
tavam encerrados em caiabougos ; desles sao 87
prisioueiros do exercito alliado. argentinos, brasi-
leros, orienlaes, e 9 paraguayos, por causas po-
lticas e outras.
O capitao Insfran tres vozes mandou ordem
para que se matassem 40 prisioueiros que esta-
vam traba I liando em urna carvocira, debaixo das
ordens do altores t laceres, porem este nao obede-
ceu, e por isso que esses nfelizes ainda vivem ,
esse altores mui querido de todos os prisionei-
ros e de seus subordinados paraguayos, pelo seu
bom coraco, pelo que so faz recommeudavyl a
consideragao de V. Exc.
(jomo lhe descreverci, Exm. Sr., os gritos de
alegra, as manifestoces de jubilo de tantos pri-
sioneros que se viram repentinamente entre sal-
vadores providenciaos, depois de porcao de annos
dos maiscrueis padec meu tos ? Eram homens qua-
si mi-;, magros como a figura da tome, outros
docittes. cammhando ao apoio de um cajao, ou-
tros cncorrentodos ao copo, que traziam de ras-
tros ; todos nos chamavam nosso salvador o
contovam as necessidades e deshumanidades que
solTriam pela crueldade do tyranno Lpez e de
seus barbaros servidores.
t Durante o conflicto vi um indiviJuo que pela
janella de um calabongo me fazia signaes com os
bracos e gritova, oomeando-me major Coronado
aqu estao os prisioDeiros argentinos, somos pri-
oneiros argentinos I Porem nao era possivel soc-
corre-los naquellos momentos ; esse individuo era
um sargento do Valle, que pertcnecu ao regimen-
t de ca vallara Sao Martin do exercito argen-
tino.
< Todos os forros foram tirados inmediata-
mente depois do combate, e os homens condnzi-
dos ao acampamento para reunir-se niinha co-
lumna, separando os prisionoiros da gente de
Lpez.
As machinas da fuudigo foram formalmcBK
t

lf



Diario de .fernaiuuoc ^uimu icuu *- **>-
.*.


. rilas minha ordem, de mena ijae |>or al-
gnus mezes n'i foneeionara As mules c ar*
main l dci-
tadoi traballn t>icx
lado polo^ prisioneir ira
eseeffin us pnz ararg> di inajor l). G:n
Leseano ; era curioso vr-se com que uurenQsi
deseainenhavum essa commissao ; nao euviaui
as ordens, nao viara o que faziam.
o O capilao D. Julio Insfran foi, por ordem mi-
nha passado pelas armas, porque se fez responsa-
vel pnlo sangue vertido intilmente no combate,
nao querendo render-se (piando isto se llie Irapoz
antes de rouiperem-sc as hostilidades, e quando o
tenente Moreno e outros queriam depor as armas.
Outra nansa raais grave posava sobre o dito ca-
pitn Insfran ; foi a rondad i htame quo sempre
obaervon au t booi os prisioneiros do exercito
alliado, genio tambem com os seu# proprios patri-
cios e com as infelizes familia-, mulhcres e en-
ancas, qae por diversas occasifies fe?, degollar.
t As reconunendacoes de todos ai presos, e al
de t-vlo~ ee seas subalternos sao idnticas, e con-
trbuiram milito para que so ioipozesse esse cas-
tigo a un malvado nue bem o mereca.
As perdas solTridas pola minha gente se re-
duzam a 13 fra de combate, entre eUes Iros mor-
ios c 30 cavallos : os feridos levo os juntos com os
donatos e 'oride* croe eaeontrei no pimo tomado,
nas tres carretas que segaen a minha columna
desde as afinas, onde &s tomei. Os machinlas e
operarios d.i ottaneJeeimento de Minas estajo em
nosso poder e marchan) eouin
Nas imntedlacftes se rocolheram como 100
bois o algumas vaceas.
O comporiamento dos ebefes, ofllciae e solda-
dos qttctcnhn ahonra de commandar, foi merece-
dor de todo o elogio, mostrando qqc sao dignos
de perteneer dalo oriental que V. Bxe. com-
nan la.
Terminada a operara) do estabclecimonto de
Mias de Ibieuliy, ord.nei a rcuniao da minha
torca, de rodos os prsioneiros, e com o gado reco-
dado emprehendi a marcha pelas 2 horas do dia,
liis ou menos, para a capella lbicuhy, seguindo
depois al este lugar o inesmo itenerario da ida e
vice-veraai '"heguei hoje aqui, o amanhaa des-
pacho com o proprio inajor Lcscano, e marcho
para o rindo de Franco-Mas ao alcance de algo-
mas familias (pie all deixei.
l'or interrogatorios que fiz a varios officiaes
e soldados prisioneiros consegu as decaracoes
de que Lpez lem o seu acampamento geral em
Ascurras (ivrdilheiras) ; em Juti est formado
umnovo acaiiipameiito, onde h ije tem r uno 1,000
homena: en Cerro-Leon fea 40U [tomaos; e.nlgua-
teml 50 : em o ponto Caballero 30 ; e igual nu-
mero no passo lbicuhy.
a Para vollar Assumpcaa vou atar pelo ma-
to urna picada, qae ir ao potreiro Marmol ;
urna medida de prudencia, porjue pJo o inimi-
go querer incommodarme no transito, e como
agora lem de ir bastante pesada a minha colum-
na, desejo engaar qualquer manobra inimiga pe-
las familias (como 1 0 mulheres e Criancas) e o
,'ado, porque pelo demais nada receio. A' minha
-aluda densa capital as minhas forras cram 80 ho-
nicns, e baje cont 20, promptos a pelejar, pelo
que pe- i aasegorar a V. Esc. um feliz termo a
commissao de que V. Exc. me encari gou.
Antes do encerrar esta, permuta V. Exc. que
ou record suas patarras antes da minha mar-
cha : i Varano as cordilheiras como quer que
aeja : morra se for neeessario, antes do que dei-
xar passar aimdeilas.
Assiin o prometli eu, e V. Exc. me permitir
una perganta, (|ue ;cumpl, ou nao a ordem?
Aproveilo a opportunidade para re tirar a V.
Exc. M -egurancas de minha mato alta conside-
raran, i:
i Beus guarde a V'..Sxc. amitos annos.11 y to-
nto Coro tudu.Confoime.Frederico Guliherme
l>uuga.A S. Exc. o *r. brigadeiro graduado D.
Henrique Castro, general em chefe graduado da
divisan oriental em operacoes contra o governo
do Paraguay.-
LOTERA.A que se a cha a venda a Hl.\
beuoficio da igreja de S. Pedro Ap stolo de Olina
que corre no dia 28.
PASSAGEIROS.Do vapor brasileiro Guan, en-
trado dos portos do su! :
Capitao Joaqun Antonio de Moraes, D. Josephi-
na Maria Maia, Ignacio Gonealves da Silva e sua
sermora. capilao Ignacio de Albuquerquo Mara-
nhao Cavalcanti, ofllcial de fazonda Antonio L. Ro-
drigues Franca, Charles Eugelhard, A. Lopes Car-
do, Eduardo Jos Alves, Thomaz de Medeiros
Poetes, sua senhora e 1 lilha, Pedro Gomes da Cos-
ta, A-ller Pingeen. A. Rodrigues, Augusto Xavier
de Macedo, Primo Feliciano de Mello c 1 fllha, Jos
Joaquim da Ponte Guimares, Pedro Antonio da
Silva, Jos Gone:ilve< Maia, Jos Joaquim de Oh-
veira, Antonio Jos Poreira de Magalhaes, Manocl
de Souza Bittencourt, Jos Alves de Aguiar, Vicen-
te Alves de Aguiar, Dr. Euthiquio Carlos de Car-
valho Gama, Jacinlho Alves da Silva, Thomaz
ielby.
Seguem para o norte :
D. Mara Thereza Franco de S, H. dos Santos
Frailas, Antonio da Silva T. de Freitas, Antonio P.
de Siqueira, Luiz A. D. da Motta, Domingos Jos
de Freitas, Jos Estevao de Araujo, Antonio Bento
da Silva Coelho, A. Lopes Cardoso, Pedro Alexan-
driuo Chaves, Albino A. G. Estrella, Theotomo da
Santa Cruz Oliveira, Jos Alves da Costa, Joaquim
Jos dos Santos Jnior.
Do vapor brasileiro Carurtpe, entrado de Ma-
rnanguape: ,.
Francisco Antonio Cardoso, Joaquim uaqtuel
llarbosa, Jos Juvenal de Araujo, Manoel Jos Perei-
ra, Domingos Gomes Loureiro, Francisco Jos dos
Santos, Pedro Antonio de Mello e 1 criado, padre
Jlo Jeronvmo da Cunha, D. Mana Crysmma da
Cinericio e 1 criada, Jos Pedro Baptista Carneiro,
Joao Diiartc Pimentel, Lauro Augusto Henriques
da Silva. Francisco Jos da Costa Soares, Pompilio
Carneiro Monteirn, Custodio Rodrigues Ferrcira,
Francisco Melquades Siqueira, Loureiro Gomes da
Silva.
Do hiale brasileiro Deus te Guarde, entrado
do Aracaty :
Joao Caetano Gomes e Antonio Facanha.
Do patacho partuguez Georgetue, sabido para
a Ilha de S. Miguel :
Francisco Jos da Silveira Avila, Antonio da
Costa Fofo, Jos Bernardo, Jos Rodrigues Lima,
-ma irmaa e i sobrinha e D. Anna de Jess.
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simn & 0.
Comprata e venilom por coala propria
metaes, moedas nacioaaes e estrangeiras,
sbjj9| de cambio, sedulas do goswoo e do
qanco do Brasil.
Descootam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por coola alheia oas mes-
mas transaccoes, da cobranza de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.,
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta correte, e a prazo flxo.
Larg do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca taxa a con-
venc onar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
priiicipaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e Ncw-Oiieans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
ttendimento do dia 1 a 21 813:8Si48H
dem do dia 23 47:> 891:778*438
MOVIMC.NTO DA ALFANDEGA
303000
800
53000
;ooo
96000
3A000
23000
BOOO
380
inooo
83000
GViOII
800
Vol nmes entrados
dem idem
com fazendas
com gneros
Vol nmes sabidos com fazendas
dem idem com gneros
213
8i
------297
318
227
------575
Sabapan-tlha....... arroba
Sapalos de eorobranco par
Sebo (mi cama....... arroba
dem em vellas.......
S lia em vaqueta..... um
i- de amarllo .... duzia
Idem divensas.......
Tapiocas......... arroba
Tatajuba........ quintal
Travs ....... um
Unhasde boi. ..... oento
Vassouras de piassava. ...
dem de timbo........
dem de carnauba.....
Vinagre......... oanada
ADITAMENTO.
Cigarros.........ento.
Costadhilio de vnhatico de maia
de urna pollcgada.....
Dito de outra qualquer madeira
de urna pollegada. .^.
Cerraja em botija ou gawafa .
Mel de abelhas......
Taboas do vnhatico at una
pollegada........
Dito de outra qualquer madeira
at urna pollegada. .
Era ud supra.
Alfandega de Pernambueo, 19 dejunho de 181.9,
O i conferente, Joaquim Aurelio Wamlenry.
O dito. Carlos Augusto Lins de Souza.
Approvo.Alfandega de Pernambueo, 19 deju-
nho de 1869. Pues de Andrade.
Conforme.Joaqtim Tertuliano de Medeuos.
RECEI1EDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rcndimentododial a 21 5H0U985
dem do dia 23...... 3.267*772
um
caada
>
urna
320
163000
123000
156VO
13280
123000
83000
nhora. da Paz de Afogados 2:500?$000
2':000filtl)
Pussflgem- da-Magdalena,
afaru do largo do Viveiro.
Dito da entre duas pontes..
Capunga.
Cbafarii da rua das Pernam-
bucanas.........,.....
10,*000
4JJ50O
SlOOOO
ii;>000
120,5000
Total... 8C:510i)iOOO
CONSULADO
Rendimcnto do dia i a 22.
dem do dia 23. .
57:369*757
PROVINCIAL
. 124:991-5^8-2
. 5:9995I5
130:991 397
Descarregam hoje 2o de junho
Vapor inglez01 inda mercadorias.
Barca ingleza Wict of Ihe Teijcrcarvao e ferro.
Barca ingleziJane Martafarinha de trigo.
Brigue nacionalAlmeida //charque,
lirigue portuguez/?f/(iwp Brigue inglezfeguhtorbacalhao.
Barca inglezaScrapa/nncarve.
TABELLA dos phecos tx%gneros sujeitos til-
REITO DE EXPORTAQAO. SEMANA DE 21 A 2 DO
ata n imam de 1869.
Mercadorias: Unidades. Valores.
23500
arroba

caada
arroba
libra
COMMERCIO.
PRACA DO RECIPE 23 DE JUNHO DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDR.
Assucar de Macei=33650 e 3*700 por arroba
posto a bordo.
Abanos.........cent*>
Alcool ou espirito de aguarden-
te .......... caada
Agurdente cachara.....
dem de canna......
dem genebra.......
idem reslilada ou do reino .
Algodao em caroco.....arroba
Idem em rama ou em laa.
Angico (toros )......duzia
Arroz com casca......
Idem descascado ou pilado .
Assucar branco ......
Idem mascavado......
Idem refinado.......
Azeite de amendoim ou amen-
dobim.........
dem de coco.......
dem de mamona......
Batatas alimenticias. ....
Baunilha.......'
Bolacha ordinaria, propria para
embarque........arroba
*dem fina......... *
Caf bom........ *
Idem escolha ou restolho ...
dem torrado.......libra
Caibros ........um
Cal prcta........arroba
Cal branca........
Carne secca ( xarque ).
Carneiros........um
Carvao vegetal.......arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera amarella.......arroba
dem de carnauba em bruto. libra
dem dem em vellas ....
Cevado ( porco )......um
Cha..........Hura
Charutos........cento
Cocos seceos....... *
Colla..........libra
Couros de boi, |algados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes.....
dem de cabras curtidos .
dem de onca.....
Doces seceos.....
dem em gela ou massa.
dem em calda ....
Enxams........um
Espanadores grndes.....
dem pequeos......
Esteiras para forro, ou estiva de
navio.........cento
dem de carnauba.....urna
Estopa nacional......arroba
Farinha de mandioca .... alqueire
dem de arar uta......arroba
Feijao de qualquer quaiidade .
Freehaes........
Fumo em folha bom.....
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ,........
dem em rolo, bom. '
Fumo em rolo, ordinario ou res-
tolho .........
Galinhas........
Gomi na de mandioca. ....
Ipecacuanha ( raiz ).....
Jacaranda ( coucoeiras) .
Lenba em achas......cento
dem de mangue em toros.
Linhas c esteos......um
Mel ou melara......caada
Milho..........arroba
Ossos..........
Palha de carnauba.....molho
Papagaios.......um
Pao Brasil........quintal
dem de jangada......um
Pcchury.........arroba
Pedras de amolar. urna
rdem de flMrnr.......
dem de rebollo.
libra
MOVIMENTO DO PORTO.
um
libra
>
>
900
500
1*000
880
800
33750
153000
6030O0
13000
23600
43700
3*100
6*400
23500
13800
1-3400
13500
23500
33000
73000
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
4*000
13600
33500
63500
200
350
23000
23000
3*000
43000
660
250
290
170
350
103000
13000
360
520
13500
4*000
2*000
Navios entrados do dia 23.
Rio de Janeiro e portos intermedios7 dias e 20
horas, vapor nacional Guar, de 999 tonelladas,
commandante o primeiro lente Pedro II.
Duarle, equipa em 59, carga dilerentes qone-
ros; a Anlouio'L. de Oliveira Azerado 3: C.
Mamanguape16 horas, vapor brasileiro Cunk-
ripa, de 222 tonelladas, commandante Penna,
equipagem 16, carga 170 saceos com algodao ;
a companhia Pernambucana.
Navios saludos no mesmo dia. ,
AracatyHiato brasileiro Dos te Guarde, capitao
Manoel C. da Costa, carga differentes gneros.
Ilha de S. MiguelPatacho portuguez Georgense,
capitao Militao de Oliveira, carga assucar e mel. .encardenacTio).
Esctiptoro da Companhia do Beberibe,
29 de junho de 1809.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes (le Souza Pitanga
Santa Casa de Miseri-
cordia do Eecife
A Illma. junta administrativa da Santa
Casa de .Mirericorda do Becife, recebe pro-
postas para o fornecimento dos objectos pre-
cisos para a secretaria da mesma Santa
Casa, conforme a relacjto abaixo, pelas i
horas da tarde do dia do correnle na
sala de suas sesses:
Papel pautadoFiume, resma.
dem idem liso, idem
dem idemlinho azul, idem.
dem linhobso, idem.
dem para ollicios, timbrado.
dem llrete.
dem linho, pautado.
Hollanda grande, caderno
dem Jes, idem.
dem Besn, idem.
dem idem, idem.
dem Ec, idem.
Mata borro, folha.
Par de pastas para guardar popis.
Peonas de aro Perry.
Caetas.
Paes de obreias.
Tinteros de tatito.
Garrafas de tinta.
Talos de conhocimentos (mpressoes e
DECLARACOES.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
Em consequencia do addiamento da ses-
so desta companhia no da 27 do corrente
pelas 12 horas do dia ter lugar no da
23 do corrente pelas 12 horas do dia
ter lugar no escriptorio da companhia rita
do Cahugii n. 16, a arremataco dos cha-
farles e bicas por bairros, nao se admit-
tindo propostas que comprehendam mais
de um barro, nem por espaco maior de um
aono, os senhores licitantes comparefam
com seus fiadores ou declaraco dos mes-
mos no mencionado dia, devendo ser as
propostas em carta fechada apresentada na
mesma occasio, ou antes no escriptorio,
onde melhor se deverao esclarecer e infor-
marle das condices do contrato de arre-
mlaco,e declara-se que fica a venda d'agua
para o mar exclusivamente feita no barro
do Becife.
Bases sobre as quaes se deve bogar:
Bairro do Becife.
Chafariz e bica do caes da al-
fandega ............... 5:6005000
Dito da na da Cruz....... 5:2005000
Dito da roa do Brum...... 4:0005000
Dito e bica do Forte do Mat-
' tos................... 5:2005000
Livrosem branco de 16 pollegadas.
Livro sem branco estreitos.
Livros em branco 13 pollegadas.
Lapis pretos.
dem de cor.
Pedras de louza n. 1 para o collegio.
dem n. 2, idem.
dem n. 3, idem.
Creies duzia, idem.
Tinta pela, garrafa.
Fila de linho, duzia.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Becife, 4 de junho de 1869.
O escrivo
Pedro Rodrigues de Souca.___
um
arroba
urna
arroba

duzia
Assucar mascavado purgado 3*350 por arroba Pennas de ema. ...... Ujra
AlfOfio de Pernambueo sorte = 16*000 porl^assava. ... ^ ._._ momo
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 1|4 d. por
13000 hontem). .
f. J. Silveira
Presidente.
Leal Sevc
Secretario.
123000
160
23000
23500
103000
43000
53000
16*000
9*000
103000
83000
13000
23500
253010
95*000
3*000
123000
COOO
200
1*000
240
13000
53000
63000
53000
123000
900
800
1 3000
23200
160
20:0005000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carmo.
Dito do largo do Paraso
Dito da praca de Pedro U...
Dito da rua do Sol........
Dito da rua da Concordia..
7:0005000
5:6005000
3:1005000
2:5OOM)00
3:8005000
22:0005000
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do caes do Ca-
pibaribe...............
Diio da rua da Aurora......
Dito da cidade nova de Santo
Amaro................. 2:2000000
Dito do lugar do Campo-Ver-
de....................
Dito do largo da Soledade...
Dito da caxa d'agua dos Pi-
res.........:......... 4:73^oo
Dito da praca da Boa-Vista.
Dito da rua de S. Goncalo..
3:0005000
1:2005000
8005000
1:7255000
5:0005000
1:200:5000
20:0005000
Ponas ou chifres de vaceas e
novilhs........cento
Pranchoes de amarllo de dous
costados..... um
dem de louro. ...
Rap....... hbra
Sabao.........., *
Sal. ... ,......alqeuire
2*800
20*000
103000
130O0
160
400
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Bibeira. 9:500*000
Dito da rua do Terco....... 5:0005000
Dito de defronte da Cabanga. 2:000*000
Dito da rua Imperial....... 5:0004000
Dito do largo de Nossa Se-
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife, na sala de suas sessSes,
pelas 3 horas da tarde do dia 23 do corrente, re-
cebe-propostas para o fornecimento de pao, bo-
lacha e carne verde que houverem de ser consu-
midos pelos etabelcchuentos pos a seu cargo,
tanto nesta cidade como na de Olinda, nos mezes
de iulho a setembro vindouros.
Os pretendentes deveao apresentar o preco des-
tes gneros por kylogrammas e nao por libras.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 18 de junho de 1869.
0 escrivo,
Pedro Rodrigues de Sou za
Santa Casa de misericordia do
Reeife.
*-A Illm. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer publico, que
precisa contratar o fornecimento dos medicamen-
tos abaixo declarados para os mezes de julho
setembro do correte auno, a saber :
Absintho, libra.
Acido actico, idem.
dem ctrico puro, idem.
dem marinho, idem.
dem ntrico puro, idem.
dem oxlico, idem.
dem sulfrico, idem.
dem tartanico, idem.
Ac preparado, onca.
Acnito, lim-a.
Agua de Colima, duzia.
Dita de flor de larangeiras, idem.
Dita de rosas, idem.
Dita de Sed'ditz, garrafa.
Dita de Vichy, idem.
Dita ingleza de- Lisboa, idem.
Alcool de 36, caada.
Alecrim, libra.
Alfazema, idem. t.
Algalias inglezas de ns. 1 a 12, duzia.
Aloes, onca.
Alvaiade, libra.
Ameixas passadas,.idem.
Ammoniaco liquido, idem.
Arsnico, onea.
Assafetida, idem.
Assucar candi, libra.
Dito de leite em p, idem.
Avenca, idem.
Bagas de zimbro, idem.
Balsamo de copahiba, onca.
Dito de Fioravanti, idem.
Dito de Tol, idem.
Dito Peruviano, idem.
Dito tranquillo, libra.
Banha de porco, idem.
Barbante fino, idem.
Ueinim de Lisboa, idem.
Belladona, idem.
Benzina, onca.
Bicarbonato de soda, libra.
Borrachas sortidas com pipos, dem.
Botoes de rosas rubras, dem.
Bromureto de potassa, onc,a.
abec,a de papoulas, libra.
Cainca, idem.
Caixas para pilulasrgroea.
Cal virgtMn, filo;.. .
Calomcaoo ingle./., onca.
Clices de vidrd graduados, n. 2.
Caniphorn, bina.
Cantrida* em p, idem.
Capsula dcicupaliiBa, eaixa.
Carbonato de magnezia libra.
Dito de potassa, idom.
Dito de soda idem.
Caroba, idem.
Centaura menor. dem.
Cera amarella, idem.
Dita branca.eni gr-unimov idem.
Cevada, idem.
Cevadinba, idem.
Chicoria, idom.
Clorato de potassa idem,
Clorofnrmio, idem.
Colla de Fian lies. idem.
Confeitos lactato de-ferro, duzia de vidros.
Crmor trtaro em p, libra.
Cubebas en> p, idem.
Diglalis, idem.
Dulcamara, dem.
Emplastro do cicuta, idom.
ito de aquillao gommado, idom.
ito cominm, idem.
Esptulas de ac sortidas, urna.
Essencia da aniz, onga.
Dita de caera, idem.
Dita de cidra, idem.
Dita de BOr dehranja, idem.
Dita de hortela pimenta, idem.
Dita de rosas, idbm.
Dita do salsaiiarrillui de Sands, vidio.
Dita de terrebentina, garrafa.
Dita de- vergamola, Onca.
Ergotina, idem.
Etlier clorydrico, idem
Dito sulfrico, libra.
Dito ntrico, onca.
Extrato de acorneo idem.
Dilo de alcasss, idem.
Dito de belladona, idem.
Dito de camomilla. idem.
Dito de cicuta, idem.
Dito de favas de calabar, idem.
Dito de fumaria, idem.
Dito de genciana, idem.
Dito de jurubeba.idem.
Dito de noz-vomica.
Dilo de opio gommoso, idem.
Dito desalsaparrilha.idem.
Dito de tridaceo, idem.
Dito de valeriana, idem.
Fi-7.cs de ouro, libra.
Flor de rnica, idem.
Dita de borra gens, idem.
Dita de enxofre, idem.
Dila de malvas, idem.
Dita de sabugueiro, idem.
Dita de tilia, idem.
Figado do enxofre, idem.
Fumaria, idem.
Funiz de vidro n. 2, um.
Genciana, libra.
Glycerinai branca, idem.
Gomma de btala, idem.
Dita de dila purgativa, idem.
Dita arbica cscolhida, idem.
Dita dita em p, idem.
Graes de porcelana n. 1, um.
Dito de vidro n. 1, um.
Herva terrestre, libra.
Hydrochlorato de marlim, onca.
Il'ysopo, libra.
Incens puro, idem.
Iode puro, onca.
Indureto potassio, libra.
Ipecacuanha preta, id/un.
Jalapa em [t, idem.
Kermes mineral, onca.
Licor de labarraque, garrafa.
Linhaca em p, libra.
Dila iteira, idem.
Macolla gallega, idem.
Magnezia calcinada, idem.
Dita de Henry, vidro.
Mann commuin, libra.
Dito de lagrimas, idem.
Manteiga de cacao, onca.
Massa caustica, libra.
Mel de abelhas, garrafa.
Mercurio doce, libra.
-Mezeriao, idem.
Mostarda, idem. t
Mnlisan sgodico, idem.
Nitrato de prata em lapis branco, onca.
Nitro puro, libra.
Woz moscada, onca.
Oleo branco de Chevrier, vidros de i/.
Dito de alfazema, onca.
Dito de amendoa inglez, libra.
Dito de batiputa. idem.
Dito da cra,vo, onca-
Dito de ligados de bacalhao, garrafa.
Dito de dito de bacalhao ferruginoso, dem de /
Dito de linhaca, libra.
Dito de ricino, idem.
Dito vermfugo, frascos.
Pa rielara, libra.
Papel de enibrulho. azul, resma.
Dito de dilo branco, idem.
Pasta de jujuba, libra.
Pastilhas de Belloc, caixa.
Ditas de Kemp, vidro.
Ditas de Naife, caixa.
Pedra ume, libra.
Peneira do cabello, urna.
Dita do seda, urna.
Perchlorureto de ferro, onc,a.
Ps de borgonha, libra.
Phosphato de ferro de Leras, vidro.
Pilulas de Allisson's (verdadeiras), caixa.
Ditas de Vallet, vidro de 50 pilulas.
Poligula senega, libra.
Polpa de tamarindos, idem.
Pomada mercurial, idem.
Pontas de viado calcinadas, dem.
Pos de Rogg, vidro.
Potassa caustica, on<*a.
Potes de 1 a 8 oneas, duzia.
Precipitado rubro de mercurio, libra
Protoiodureto de mercurio, onca.
Purgante de Le Roy francez. garrafa de 6/.
Quacia, libra.
Quina em casca, idem.
Dita emp,idem.
Raiz de alcasss, idem.
Dita de altheia, idem.
Dita de espargo, idem.
Rezina de angico, idem.
Dita de batata, onca.
Dita de guaiaco, idem.
Ruibarbo em p, libra.
Sabao brauco amygdalmo, dem.
Dito para opodeldok, idem!
Sabonetes de alcatrao (Antonio Neves da Costa),
duzia.
Sal amargo, libra.
Salsa bortence, idem.
Salsaparrilha, arroba.
Saccharureto de oleo de bacalhao, caixa.
Sassafras, libra.
Scilla, idem.
Senne, idem.
Sementes de angelim, onca.
Serpentaria, libra.
:
Spennaceta em ram i, tiem.
Stncao dv prol:iodi reto de ferro, onca.
Stramonioy libra.
Subnilrato de bismi th, idem.
Surco do grozelles rancez, garrafa.
Sulfato de IVrro, li ira.
Dilo de soda, idem
Dito neutro d'atrop na, onea.
Suspensorios escrol es, duzia.
Tansagem, libra.
VMros com rolhas le 1 44, duzia.
Dilos para opodeldr <, idem.
Vomitorio de Le R< y franeet, vWro.
Vinlio de jnrubeba, garrafa.
Dito de Cervisar!, H em.
Xarope de Bourgoi vidro.
Do de espargo, id 01.
Dito de Quv, idem
Dito de hydnreto e Giberl, idem.
Dilo de jurubeba, i tan.
Dito de Labellony, idem.
Dilo de Lamoureat x, idem.
Dito do NalT, iden ,
Dito de iteitoral in; lez, idem.
Dito de quina ferruginosa de Grimant, idem.
As pissoas qucqtiizeiem faz i dito fornecimen-
to, devem apresentar *uas pnopostas em cartas fe-
ehadae, at o dia 2. do presente mez ; e dar fia-
dores, que se rasponsabilisem pelo liel cumpli-
mento do contrato. (
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
che, H de'junho de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Misericordia do
Santa Casa da
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa d,-
Misericordia do Reeie manda lazer publico quena
sala de suas sesses, no dia 2i-do junho, pelas
qualro horas da tarde, tem de ser arrematadas a
queni mais vantagens offerecer. pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Rua Direita.
obrSado de dous andares n. 8. 1:067300)
Rua do PadreFlmiano.
Casa terrea n. 47...... 170300o
Idem idem n. 63...... 1763000
Idem n. 47. 49....... I70JHOO
Rua das Calcadas.
Casi terrea n. 30...... 1773000
dem idem n. 34....... 1683000
Idam idem n. 36....... 1783000
Rua do Calaboiico.
Casa (ama n. 18...... 3003000
Idem n. 20.......2423000
Rua da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 763000
Segundo andar dito-...... 96300
Areal do Forle.
Casa terrea n. 1......j 100.300
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla Velba.
Sobrado de dous andares n. 131 6OO3OO0
Casa terrea n. 18...... 20625>
Casa terrea n. 16....... 2O63OO
Rua da Guia.
Casa terrea n. 27...... 144400o
Rua do Trapiche
Sobrado de tres tandar n. 30.. IblpO
Largo do Pcraizo.
2.a loja da travessa...... 1213000
733000
3.a dita dila
Azeite de Peixe.
Sobrado de um andar n.' 14 .
Casa terrea n. 2.....
Rua da Cacimba.
Casa terrea n. 5.....
dem idem n. 12.....
Rua do Burgos,
dem n. 21........
Rua do Vigario.
1." andar do sobrado n. 27. .
Madre de Deus.
1." e 2." andares do sobrado n. 1.
Loja do mesmo sobrado.....
Sobrado de um andar n. 9.....;xX!
Casa terrea n. 22.......1:000*000
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 105 ............
dem idem n. 103..............
Idemn. 110.................
dem n. 98...................
dem n. 96...................
Sitio n.'o no Foriio"da Ca'........... ^'
dem da Mirueira u 4..... 106*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataco as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 dejunho de 1869.
O escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza.
6."W*00O
4523000
150300O
1463000
t46*0Cl
2i0300d
3005000
800*000
146*000
2023000
2033OOO
203*000
202*000
2403000
Sania Casa de Misericordia do Re-
cife H dejunho de 1869.
A illustrissima junta administrativa da Santa Ca-
sa de Misericordia do Recife, manda fazer publicu
que tendo-lhe sido requerido o arrendamento por
nove annos do sobrado n. 23, sito a rua da Cadea
do Recife pertencente ao patrimonio dos estabele-
cimentos de caridade, pagando o arrematante a
renda annual de 1:0003000 e concorrendo com o
donativo de 2:0003000 para auxilio do cofre res-
pectivo, e fazendo a sua custa, tanto a frente do
predio que deita para a rua da Cadeia, como a da
rua do Encantamento, segundo o systema moderno
conforme as posturas da cmara, com portadas de
pedra, canos para esgoto, toda a coberta, traveja-
mnto e soalhos novos, com repartimientos ou em
sales, empregando na obra materiaes de nnmeira
quaiidade, aproveitando o que estiver em bom es-
tado, obrigando-sc a comecar a obra dentro do
nrazo de tres mezes e acaba-la no de doze mezes
azendo-a seb a inspeceo dos mordemos de pre-
dios ; e podendo acontecer que existam outros pre-
tendentes que mais vantagens possam oflerecer.
recebe pronosias n'este sentido, na sala de suas ses-
ses ate as 3 horas da tarde do dia 25 do cor-
^Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 14 de junho de 1869.
O escrivo
Pedro Rodrigues de Souza.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de gueirn.
precisa comprar para a escnpturaeao do ahuma-
F fuvrVS hollanda pautado de 80 folhas.
2 ditos de dito dila de 40 folhast
1 dito de dito dita de 80 folhas, formato menor.
1 dito de dito dita de 70 lolbas.
1 dito de dito dita de 60 folhas.
1 dito de dito dita de 50 folhas.
2 ditos de dito dita de 30 folhas.
2 ditos de dito dita de 24 folhas.
2 ditos de dito dita de 20 folhas.
2 ditos de dito dita de 16 folhas.
Para provimento do mesmo almoxanfaao.
400 vassouras de palha.
400 ditas de junco.
RUA
|D0
40 NNEL DE OURO
HA
EO
esquina
da rua larga do
CABUG
esquina
CABUGA b^oja mme ^________
Este importante estabelecimento o sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra*casa pode vender. j j ida rua largado
I A vista da quaiidade e do preco das joias cada nm pder-se-ha convencer da verdade.l
Rosario. Garante-se ser tndo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras flnas>r precos mmto ele- Rosuno.
Ivados.
A loja est aberta at as 9 horas da noue.
*



Diario de Pernambuco Quinta fera 24 de Junho de 1869.
az
J00 ditas de piassava.
10 resmas; de papel cartaiinuo.
Para a companhia de cavallaria.
1 camisa de meia.
38 toncos de algodao.
:W pares de lavas do algodao.
38 pares de meias de algodao.
112 varas de alg As pessoas que quixerem vender ditos artigos
apresenlem suas propostas na sala do conselho
as H horas do dia 28 do corrente.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco 21 de junlio de 1869.
Hygino Jos Coellio.
Coronel director interino.
Jos Baplista de Castro Silva,
Secretario.
O Illm. Sr. consellieir, inspector da ihesou-
raria de faienda desta p.ovneia, em virtude do
oMcio da presidencia do 17 do corrente, manda
azer publico, para eonheciinento de quem inte-
ressar possa, que no dia 2> do corante mez, as
2 hars da urde, bao de ser arrematados peranlc
a junta da mesan thesouraria, por quem maior
(anco offerecer, deas caixotes contento medica
montos.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 21 do junho de I8G).
Servindo de ofBcial-maior,
__________ Manoel Jos Pinto.
Pela recebedorja do rendas internas
genes, se faz publico que 6 neste corrente
mez de j un lio, (|ue os devedores do impos-
to de 20 por cento da dcima de mao mor-
ta c do imposto* especial sobre casas de
movis, roups etc, fabricados em pan es- i horas da tard do dia da sabida no oseriptoric
trangeiro leen de pagar, livre de multa, o
2* semestre do exercicio corrente do 1868
l809, depois do que ser sbralocom a
mulla de (i "/0.
Recebedoria de Pernambuco 2 de junho
de 18(59. O administrador
Manad Carneiro de Sonsa Lcenla.
COMPANHIA BARSILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad*
at o dia 28 de junho o vapoi
Paran, commandante o eapitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os portos do
5Ul.
Desde j reoebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devor
-er "uibarcada no dia de suachogada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 2
horas.
Nao se receben)romo encommendas senao ob-
leles de peqiene valor equoaocxcedam a duas
aiTobas do peso ou 8 palmos cbicos de medicaa
rudo que passar destes limites dever ser onibar-
cado como carga.
Previne-sc aos Srs. passageiros quo suas passa-
gens 90 se reeefcera na agencia ra da Cruz n. 57
Io andar, cscriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
xevedo & C. _______ ______
COMPANHIA PEHNAMBUCANA.
DK
S.ivcgaeo costeira por vapor.
Parabyba, Natal, Macao, Mossor, Ara-
caty, Ccar, Acarac Granja.
O vapor pnjuca, commandante
Eustaquio, seguir para os portos ci-
ma no dia 30 do corrente as 5 horas
la tard. Recebe carga at o dia 28, eneom-
Hiendas, passageiros e dinheiro a frete at ai
Consula do prorackl.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico que, ii) dia 1' de junho vindeuio,
se principiam a contar os :J0 dias atis
para a eobranca bocea do cofre dos im-
postos: da dcima orb;;na, de .'i sobre
os bens de raz peiteneentes corpoiacocs
de mfto motta, e de 20 : d eenwmni
de agurdente relativo ao 4" semestre do
anno iiuanceiro vigente 1808-186U, eqiie
cain sugeitos i mulla de 6 / todos
dbitos que forem pagos depois do lindos
os referidos 30 dias.
-1 do consulado provincial de Per-
nanAico, 25*dema< de 1809.
Antonio Carneiro Machado Rios
lo Porte do Mattos n. 12.
Marankfio
Segu com a maior brevidade o palhabo-
!' Emilia, ainda recebe rlgnma carga A
(rete: tratar coffl SU I. -itao limaos, a ra
da Aladre de Deus R. I.
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DK
.Vavcgaro costera por vapor.
Mamangaape.
O vapor Corurpe, commandante Penna, segui-
r para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
horas da tarde. Recebe carga, eucominendas.
passagens e dinheiro a frota at as i horas da
tarde no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
~PAMTlSBr~
Seguir com a maior brevidade possivel o bri-
p irtogoei Constante /, por j ter grande par-
le da carga prompta; para o restante e passagei-
ros, trata-se com os consignatarios Oliveira, Fi I los
\ C largo do Corpo Santo n. 19. ou com o capi-
llo na i rae. i do commercio
Carrete t?era!.
iradas viudas da sul pelo;
os sentara abaixo dtcla-
Relarlodas cartas re
vapor Guar para
nmt:
Arthur ttenriques de 1' I -lio, tcnente-
uel Alexandre Augusto de Fras \ illar, Anto-
nio Fausto Nevaa de Souza, padre Antonio de
Mello Alsuquerque, Barita de. Henifica, lente
Emiliano Ernesto de Mello Tambnrim, Frcderioo
Chaves, Francisco de Paula Baplista, Gortjalo Jos
Alfonso, Jo; [; i i id I lee de Azevedo, Dr. Joaqnim de
Oliveira e Souza, los Ignacio da Silva. Ms Lopes
Alheiros. 0. Mariaana Ribero da Lapa, D. alaria '
Tranqaeiina dos SaiosOabraH Marciano GoocaK
II ha, Uanocl Coeluo Cintra, Maaoel Bo-
rnea Viesas, Dr. Olympio Marques da Silva, Plinio
Aajrastb Xavier Lima, Podr i Tin ico de Souza,
Administraca i do e irreio
  • jiinli) de
    i") administrador,
    Dominara dos Pasaos Miranda.
    Pela adtninistracito do c .rreio dcsla ciJade se
    faz publico a quem iuteressar ptsa, que nao se
    demorando os vapores da companhia ileesaateries
    imp porto urt seo iMresso 11 Bo dt
    aro, o lempo preetso para safanr a axpodicao
    das malas para Bar pa, I "o resolvido qn as
    i talas se (ecboni ai 6 h iras da tarde do dia ante-
    rior ao i!i ebegada d- luesmos vapores.
    Crrelo le Penftimbuc) i\ de junho de 1809.
    O administrador,
    Domingos dos Pass Miranda.
    Segu com brevidade para o porto aclnra, o tin-
    gue nacional Damo ; lem parte dO*setl carrega
    I ment engajado, para o resto quelite Taita trata-se
    t ii os consignatarios Antonio Lu de Oliveira
    do & C. ra da Cruz ik 37.
    JiHpecvao to arsenal
    inariiiia.
    de
    Ahwpeccan vendo em hasta publica, na porta
    do respectivo almoxarifado, 9 airoljis e 9 libra
    de b. lacha em moinho, no dia 26 deacorrente mez,
    ao racio dia.
    Inspftecio do arsenal de nniinhade l'ernambn-
    n 23 de'junho d' [809.
    O secretario,
    Altxandrj foArig*t dos Anjos.
    tapala americana c brasiloi-
    ra k paqnotes a vapor.
    Ateo lia 1'de julbo esperado dos portos do
    sol o vapor americano Sonta Amtrfea, o i|uai de-
    i- la demora di costume seguir para Si w-
    York tocando no Para e S. Tlioinaz, para frete- e
    passagens trata-so com os agentes Hearj Forstei
    & C. ra d i Trapiche n. 8.
    Xarope de Fedegoso, do Pinto.
    E' de urna cfficacia verdadjiramente ma-
    raviihosa como calmante do systema nervo-
    so e applicado contra a paralisia, astbma,
    losse convirtsra ou coqueluche, tosse recen-
    tes ou antigs suffocaroes, catarrhos bron
    chicos etc. e a linal contra todos os soiTii-
    merttos das \ias respiratorias, e na phtisi-
    ca pulmonar, sua virtude contra o ttano
    ou espasmos, o convulcoes inconlestaw!
    e ninguem ha que o desoonbet-a.
    Ul DESCOBIMKNTO ESPANTOSO !
    Illin. ,s'/-. Joaquim d'Almeiila Pinto.
    Braga, 2o de Janeiro de 18(58. Meu
    amigo, aqu cheguei com alguma melho-
    i ra; depois de tur tomado tres garrafas
    do seu preparadoXarope. de Fedegoso
    i isto 6, pelo mar, porque logo que ebe-
    t< guei em Lisboa, principiei com mais f
    a tomar o dito xarope, por conbecer pelo
    mar que elle fa/.ia grande beneficio, pois
    i avista da grande qtiantidade' de sangue
    i que eu botava pela bocea, \j quemo liia
    desapparfeendo cmn rapidez, depois qui'
    continuei a tomar o dito xarope, e tito
    milagroso foi para minha molestia que
    hoje tire acbo de todo resiabelecido, e at
    i mesmo bastante nutrido, e por sso pode
    Vine. I'azer scienlo aj publico o milagre
    i que o seu preparado obrou naminliaen-
    i fermidade. Seni lempo para mais, sou
    Do Vm.
    Amigo ltenlo venerador e muito obrigado
    Mu noel Jos aasalcet l'ereira.t
    'Illm. Sr. Joaquim d'AUueida Pinto.
    Ha muiUTque ouvia proclamar asexcel-
    lentes propriedades do Xarope de Fede-
    goso contra a tosse e asiluna,- soflrendo
    en de urna tosse perunaz, e tendo usado
    de toda a sorte de medicamento, valime
    pois do Xarope de Fedegoso o urna gar-
    rafa somonte foi bastante para reslabe-
    lecer-me, eme vejo tao robusto como
    d'antee; suecumbiria de ceno a nao ter
    usado do Xarope de Fedegoso.
    A' vista disto nao lenho expn
    com que exprima a V. S. a gratido de
    qun Un1 devedor o de V. S. atiento
    venerador e criado
    Joo da Cosa Reg.
    Agencia de jornaes
    Ra do Crespo n. 9.
    ta casa recebem-.sc asignaturas pai'a todos
    os jornaes de Cumpa e Brasil, p-.ilitros, littera-
    rio?, IHuslradus, de leitura, de modas pan. senho-
    ias. de figurinas para alfaiates, cabelleireiros, cha-
    pellaria, de religun, de pnilosophia, de dlreito, dr
    jurisprudencia, de medicina, de pharnwcia, dr
    commercio financas c economa poltica, de'agrr*
    .altura, das artes engenharia c archilectira, de
    i i ncias, de historia geographia e vi>gens, de pe-
    dagoga, de pintura e msica, de nhojographia, de
    caca, de magnetismo, de maeonnaria, da spiri-
    linno, etc. As as.-ignaturas pagam-se no acto de
    subscrever.
    _________HVRAItlA FRANCEZA._________
    ^Dr. Eimirio Coalbtho, reside rua
    da Cadeia n. 64, onde tem aberto o seu
    consullotio me lico, e pode ser procurado
    quaiqoer bota paia o exercicio de sua pro-
    lissso.
    Precisa-e do um Irabalhador de padaria :
    na ra dollangel n. 9.
    O advocado
    Affonso'dc Alliuquerqnc Mello mudou o seu es-
    criptorio para a roa das Cruzes n. 37, defronto da
    typograplua do Diario.
    < ILlin. Sr. Jiquim l'.Viiwida Pinto.
    Tenho a venima de communicar a V. S.
    que gracas ao maravilboso Xarope de
    Fedegoso, estou com o meu esctSVo Jor-
    ge completamente restabelecido da mo-
    lestia dos pulmoes que ha lauto lempo o
    persegaia.
    Acceito V. S. esta micha declararlo
    como prova do^mea reconhdmento'pfo
    bem que V. S! acaba de fa/.er-tne c cu-
    ja reerdayo (iimni internada no cora
    cao do
    Do V. S.
    Attenlo venerador < criado
    Bni i Joaquim Gom
    COMPAKHIA
    nos
    TRILHOS URBANOS
    para as obras do?
    Aluga-se urna molata de 18 anuos, osera-
    va, com bastante leile e de primeira crian-
    do u. 19, segundo andar.
    Criada
    Precisa-se de urna criada para tratar de crian-
    cas e sahir a passeo com ellas, e tambem lavar e
    eagomraar : na roa do Queimadon. 39, if andar,
    sendo a entrada pelo largo de Pedro II
    Precisase de, urna ama para cozinbar e
    comprar : na ra da Cadeia do Itec.ife n. 31,
    no
    RECIFI^ A9
    Precisa-se comprar
    trilitos urbanos para Oinda c Beberibe 7
    ou 8 mil stilipas. Quem pretender esse
    fornecimento pode apresentar, at o dia 15
    de julho, sua proposta em carta fechada
    ra do Commercio n. 3 andar, es-
    criptorio da compa.ihia, declarando os pro-
    cos. As sulipas devem ser de 'i 2o m. de
    comprimenlo, 20 a 25 centmetros de largu-
    ra e 10 a 12 de grossura, < das seguintes
    madeiras : sicupira, embiriba, mariaprela,
    barab, arueira, oilicica, babalimao, pao
    ferro, jatob,. coracio denegro, sapucaia,
    ou pinho creosoiado. Todas estas madeiras
    devero er do milo edirigidas ao
    Superintendente,
    ndic Pono.
    Hit
    Precisa-se de urna ama para todo o servicp de
    casa de una familia composla de tres pessoas : na
    ra Helia n. 3.
    L
    DEDICO
    -
    iUllllJUIlIJ
    na na Nova n. 51), loja de fer-
    ragons de Sonza Gimares.
    O Dr. L. J. Correia do S Usa de sua
    profissao^iara o ipie pode ser pioer'ia-
    do a qualipier hora do dia em casa de sua
    residedei, ra das Nimphas n. 17. D
    consultas grttis aos pobres todos os dias,
    das 8 as 10 horas.
    0 concert de Mr. Noory, anmiociado
    para o dia 25 do 'frente no salJo do Club
    l'ernambttcanu, liea sem effeito no dilo sa-
    lao, seHde transferido para nutro lugar
    qu<3 ser previamente annunciado.
    Para o referida porto segu com umita hrevida-
    Je o palhabowp irlugiiez Non Protegido, por tor
    a maior jtarle da carga tratada : e para o reste
    me me ralla trata-se com o consignatario Jeaqum
    1 Goncalvea BehrSo, a ra do Conunercio
    n. 7. *____________.
    COMPANHIA 'KHNAMBli ANA
    DE
    \"avea;:a^o coseSca po;* vapor.
    Macei, escalas e Penedo.
    O vap.-r rotengi, commandante
    Pereira, seguir para os portos aeima
    no dia 30 do corrente as 3 horas da
    'arde. Recebe carga at o dia 28, cncomniendas.
    passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
    da tarde do da da sabida no escriptorio do Fjr-
    tc do Mattos n. 12.
    AVISOS MARTIMOS.
    - COMPANHIA PKKNAMHljCANA
    DB
    Vivegafo costeira por vapor
    Gojanna
    0 vapor Parahyba, com-
    i,u!.inte Mello, seguir para
    o porto cima no dia 2ii d) cr-
    reme as 9 horas da notc. Ri cebe
    . carga) uamiiBidas, passageiros
    e diiiheiii) a frele n escriptorio do forte do Mal-
    los n. 12.
    COIIPAIHU
    DAS
    Messageries imperiales.
    COMPANHIA PERNAMWX1ANA
    i DE
    Naceya Porto a Gallinhas, Rio Formoso e
    Tamandard.
    O vapor Parahyba, commandante
    Mello, segnir para os poitos cima
    _ no dia 30 do eorrente a meia noite
    Decebe carga, eneommendaa, passageiros e di-
    nheiro a frete, no escriptorio da Forte do Martes
    n. 12.
    Araeaty
    Segu uestes das o biate Sobi lense, ainda re-
    cebe alguma carga a frete : -a tratar com S Le-
    lo Irmos, .i roa da Madre de Oeos n. 1.
    Kara Lisboa
    Segu com toda a brevidade a barca portugueu
    Constante llf, por ; carga prompta ,
    para o que lie falta e passagelfbs, trata-se com os
    consignatarios oliveira, FHhfls A C., largo do Cor-
    po Santo n. li, ou com o capilo na praea do
    jmnJercio
    At o dia 30 do corrente mez espera-se dos por-
    tos do sul o vapor francez Etlratadare, comman-
    dante Giosto, o qual de mis da demora do'costo-
    Si i seguir para Brdeos tocando em Dakar (Co-
    ree) e Lisboa.
    Para condedes, frotes e paattgons tra'a-se ns
    agenda ra do Cotninercic n. 9.
    LEILOES.
    LEILAO
    do armazem da Allianca, em lotes, a voli-
    tado dos compradores.
    O agente Martina levar novainto a leiSoa
    armacio, teneros pertences u\t armazem da roa
    do Iin'perailor, pertencente massa fallida de Joo
    Ferreira da Costa Soares, por despacho do Illm.
    Sr. Dr. juiz e^peeial do commeivio.
    Sexta-feira 2'i do corrente
    as 10 horas da manha.
    AVISOS DIVERSOS.1
    Aluga-se
    o !* andar lo sobrado da ra do Vigario d. o para,
    escriptorio oa para familia : a tratar na padaria
    da ra Direita n. 8i.
    i Um, Sr. Joadum d'Almeidtt "it.to.
    Cumprindo um dever degradao, paili-
    < c po a V. S. que por nido do seu aben-
    < ruad. Xarope de Fedegoso, est perfcita-
    i n efite ivslabeleciii) dos seus longos stf-
    i friolentos o meu eseraW.
    i Como sabe, osle meu escravo tinlia
    i .llegado ao estado mais aflictivo da mu-
    i lestia de polmes ; nSo obstante um nao
    interrompido uso de remedid!, e urna
    i demande via^tu ao nsse sertso.
    l'.iis bem: a i-ulennidade, i vio selia-
    i sia tornado rebelde a ledos os mcios
    "empregados para coinbate-Li, ceden de
    < urna maiiv'ia quasi milagrosa, a qaatro^
    garrafas, apetras, do seu fedegoso.
    i Hoje, gracas a Deus, tenho o meu es-
    i cravo restabelecido; e nao fcil mos*
    i trar todo o reconiccimento que sinto pelo
    bem que V. S. me acaba de fa .er.
    Sou de V. S.
    Criada agradecida
    Mara Sorbera Schefer.
    U lico deposito, ra larga do Rosario n.
    10, junto ao quartel de polica, Pernambu-
    co.
    Continuadamente so nos api esentam no-
    vos testemunhos da ellcacia do fedegoso
    Pernambuco. _______
    CASA DA FORTUNA
    Acfe 4:000^
    Bilhetes garantidos.
    k ra do Crespo n. i3 e casas do costume.
    O abaixo assignado tendo vendido nos seusmui
    to felizes bilhetes garantidos t meio n. 403jJom
    a sorle de 700, 2 (|Uartos n. 3273 cura a sorle
    de 2i)2-5, e nutras muitas sortes de l'OO, 40 e
    20 da lotera que se acabon do extrahir em be-
    neficio da matriz de S. Loureneo da Matta (110"),
    convida aos possuidores a virem recebo' seus
    respectivos premios sem os descontos das leis,
    na casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
    Achain-.se a venda os da 2* parte da lotera
    beneficio da igreja de S. Pedro .Apostlo do Re-
    cife (HP)iue se extrahir segunda -eir 28 do
    crrente mez.
    Breos.
    Bilhete.....i#000
    Meio.....2*000
    Quarto. .... 14000
    Em porcao de OO* para eima,
    Bilhete.....3-J500
    Meio......11730
    Quarto..... 875
    Manoel Mnrtins Fiuza.

    No escriptorio do Tasso Irinaos preclsa-se
    fallar como Sr. Joaquim dos Santos Figtitiredo.
    Maia & I.andelino teem para vender saeros
    'com fariuha de mandioca : na na estrella do Ro-
    sario travesa do Quoiinado n 18 C.
    .Xa ra Direita n. 2, luja de l'unileiro, ou i:>
    ado dos Montes, precisa o abaixo 'signado
    entenderse com o Sr. Manoel Caliste de Souza a
    negocio do seu interesse ; isto no praso de tiv.-
    lias. Hecife 18 de OKiio de. 18fi0.
    Pedro Dnaite Rodrigues Frihca.
    Precisa-se de urna ana Forra ou
    para a casa de familia, a
    Queimado n. 09._________
    Preci-a-sc de om atnassador que entonda de
    Os propririarios deste estabelecimento avisara
    ao respedavel publico que existem i amostras dot
    mais lindos fogos artiliciaes para os f stejos dos
    dias dos gloriosos Santo Antonio, S. Joo o S. Pe-
    dro, das lucidores fabrica*, desla cklade, assun
    como diversas cpialidades (le fogos enineaes. pro
    prios |iara sealtoras e sriangas, comprehendendo
    tamliein una nova qualidade de-traques america-
    oe, os quaes admira sua bondade pelo seu pe-
    queo tamaito, o que, s eom a pneseam dos com-
    pradores, poderle rertificar-so da verdade.
    Precisa se de um feitor para mu ilio.
    qoa aej'a mocigerado ed'conhecimento le
    sua conducta : no sobrado n. O, que foi do
    li'ado Manoel Custodio no caes de Santo
    Amaro.
    Admiravel!!!,...
    esci'ava, i e> ua verdde admirav
    tratar na ra do saco* com snp rior farinha
    forneiro, paira-se bem
    tontas n. 8."
    a tratar na ra d.s Cinco
    iUr
    Precsa-se de urna ama para comprar
    nhar. prefere-so escrava : na ra N'nva n.
    e cnzi-
    28.
    Precisa-se de offlciaes de alfaiate : no esta-
    belecimento de Mendos, Falco & C, ra da r.a-
    deia ^p llecie n. Vi.- ______
    Os abaixo assisenados jutgam nada devora
    que so venda urna
    da tena a 3500, no-
    va c gostosa ; assiin romo miragaaia (peixe serio,
    superior ao bacalho) n 160 rs. a libra eo 10500
    a arroba; nao se admiran, venhara ra do
    Imperador n. 28,
    ARMAZBM DO CAMPOS.
    a algnmn, |.orm se alguem se aeaar com
    direit i.-^pieira comparcoiT 00 pras) do tres dias,
    no pateo da (Ubeira o. 15, lindo o.iqiMes nada
    poderao alegar. Hecife 20 de jnnlio de 1869.
    Gaimari's A Barbosa.,_____
    Precisa-se alugar um sitio peqado ipw sftj i
    em atsum dos arrali;ddes mais ptfrtD dela cidade:
    Ciuz n. 55, 1 andar.__________
    Lava-se e engomma-se com todo o aceio e
    prouiplido por preeo razoavel: na ra Direita n.
    101. Xa niesnia casa cosmba-se para alt;um es-
    taheleeiment >.
    8S

    . : :'iios e terrestre Fideli-
    d>te, '.:.-'la no to de Janeiro, ca-
    ptotl '.._ 000.
    Luiz (le Oycira Azevedo A- C.
    : eoiapanida, tomam seguros
    mira fogo o a risco martimo. Hua da
    Cruz n. .'i7 pnineiro andar.
    Eoupa engommai
    Xa ra d i Cddeireiro n] Id, engomma-se per-
    felttmeiite roopn, tanto de bomem cono do se-
    nhora, e por presos razoaveis.
    Faz-se bohw para S. Joo e S. Pedro com
    mestria, promplidio c limpcza : no- patea de S
    Pedro i
    Desde o dia 9 do correte est fdgido um ca-
    bra de nomo Joaquim, bixn, grosso, olbos espan-
    ta lo< e eom falla de um dente da frente, levou ves-
    tido camisa c calea de algodao da Babia, costnma
    apparecer aqm no lieel'e na rua da Concordia :
    quem o pegar poder leya-lo ao Arraial, silo do
    capo Vianna, que gratificar.
    Na padaria da rua Direita n. 24 st dir
    quera i\ 1:0005000 a premio sobre hjpolheca em
    casas.
    NOVIDADES
    Caetano Correa de Qeiroz Monteiro, Jeroymo
    Harrciros de Moraes Rangel, Manoel erooymo
    Barreiios Rangel, Manoel Antonio Dias, Manoel
    Antonio dos Santos Dias, Dr. Jos Candido Da,
    Andr Dias de Aranio, D. Untes Sebastiana de
    Morae*, D. Thcreza Libia de Jess Ferreira o D.
    Kuedina Puntual de Moraes, veem pelo presente
    cordialmentc agradecer a todos os seus p ireaios,
    amigos e conhecidos que se dignaram de assisti
    ao funeral de sua mui prezada esposa, rmaa e
    prima Maria Angela de Moraes Monteiro : apro-
    veilam pois o cnsejo para de novo rogaren) <
    mesmas | es=oas o caridoso obsequio de Htodrem manha s 3 da tarde, urna caixa contendo
    a orna mis3a que pelo eterno repouso d alma da1 .- ,, ,.. ^ *- p-rit^.niM.
    mes.na finada ser celebrada s (i horas da ma- arub,,s' Ias
    nha do da 25 do crlenle, na capella do cemite-, SSNUOBAS
    Com esn(1od9io|.i.M3iDo
    lade todos os dias Otis
    as ras da
    das 9 horas
    rio publie
    Viagens para Olinda
    Do i" de julho em dian-
    te as passagens para Olin-
    da, no omnibos do mesmo
    nome, que propriedade
    de Francisco- Candido de
    Medeiros, ser de 500 rs. por vragern, e as
    assignaluras mensaes 15$, para commo-
    didadedos passageiros que moram na BAa-
    Visla, o omnibos passar pela rua do Hos- j tes objectos,
    picio: as horas da partida desta cidade para, mandil" dizei
    Como sejaaa:
    Hicas e bellas chapelinas.
    Lindos e elegantes cha pesinos.
    Casaquintios de guipure.
    Fichas de renda pretos.
    Delicado sortimento de cintos.
    Corpinlws do cambraia enfeitados.
    Boriis de lan e seda, claros.
    Coques enfeitados e lisos, etc. etc.
    E muos artigos de nvidade tanto par.\
    senhoras orno para-hwnens c criancas.
    As pessoas que pretenderem alguns des*
    queiram tor a bondade de
    suas moradas noBAZUt
    LA LIBRAIltlE FRANg.MSE
    9 fina do Crespo 9
    Mel en vente la demir A emouvante pnblica-
    lion de Vctor Hugo, L'Homtne qni Rit, 4 beaux
    vols. relies.
    Preeisa-se d m macliimsla qneseache
    Iwibilitado para se encarregjir iltrauallio de um
    vajior, na villa do Brejo da Madre do Deus : a
    tratar no largo da AssemMa, armazem n. 9.
    Para o Porto
    sabe ate o dja 27 do juoho o briguo portuguez
    Triwniho ; para o resto da carga e pn-sageiros.
    trata so rom os consignatarios Tiiomaz de Aquino
    C nseca A C, rua do Vigario n. 19, i- andar.
    COMPANHIA PEHNAMBUCANA
    de
    Aavegagdo costara por vapor
    Fernando de Noronha.
    -M.
    O vapor Gigiti, commandante Aze-
    vedo, seguir para o porto cima no
    dia 8 de julho prximo pelas li ho-
    ras da manlii. Recebe carga at o dia 7, en-
    comraendas, p e dinheiro a freto ate
    as 10 I; ira da mnha do da da sabida ; no es-
    criptorio do Fnrtp do Mattos n. 12.
    O baeharel Pedro AiTrawo de MeHo, ten-
    do brevemente ds f.i/:r una viagem
    cam'tal do Cear, avisa aos seus consti-
    tuimos, que na sua ausencia lie incum-
    bido de suas causas e escriptorio o Dr.
    An onio Justino de Sonza, com quem os
    B raesmos se poderao entender respeilo,
    i roa das Cruaps n. 41, Io airtar : e apro ;
    I veita a occagISo para declarar a qnem '
    convitr que durante a sua estada na- ]
    quella cidade poder encarregar-so de
    r-iftiaesqner negocios proprios de sua pro-
    Para Lisboa
    vai sabir por este3 d-^z dias a barca portugneza
    Alacnndre Herculano, capitao A A. de Almelda,
    por ter parte do carregamento prompto ; para
    carga e passageiros, para os quaes tem excellen -
    tes commodos : trau-so com F-. R. Rabello, rua
    o Commercio n. 5\.
    AKg-6e o 9 an*df do sobrado da ri
    Velha n. iO. a tratar no 2 andar do meamo.
    .ratiflra-se bein
    Fugio hontem de manhaa, 22 de junbo, rouban-
    do 8t000, o molaque Geraldo, com os signaos se-
    guintes altura regular, ser.co do carpo, olhos
    >*m e tmem itosw, anda bastante apressa
    do, tem nmabeH* em nm dos olhos : qnem o
    pegar leve-oa easa de sen senhor roa estreil*
    do Rosario n. 3. Desconfia-so que o mesme mo-
    leque seguio a estrada do Santo Anto.
    O abaixo asslgnado sr irrate a ao corpo com-
    nercal, e a qnem mais inferessar possa, que ten-
    do assocado em sua loja de fazendas sita na roa
    do Livrame'nto n. 22, aos Srs. Manoel Jas Montei-
    ro Torres, Marcelino Goncalvea de Azevedo e Jos
    Bento Para, e adoptado a'firma socialGoik al ves,
    Para. A C.; tendo fallecido este ultimo, tem os
    associados sobrevivents, e tambem abaixo assig.
    uados, constituido nova firma, snb a razo de
    Goncalves, Irmb A C, a qoal principia a girar
    de hoje em diante, no mesmo negoci como at
    agora, e responsavel pela llqciidacao das traijsac-
    eoe9 anteriores.
    Recife, 22 de junho de 1869.
    Antonio Goncalves d'Azevedo.
    Manoel Jos Monteiro Torres.
    ___________Marcelino Goncalves d'Azevedo.
    Arrenda-se o sitio do Jacar, oam casa nova
    de pedia e cal, multo terreno paraqualquer plan,
    tijo, bastantes arvores de fructo e boa baixa de
    capm : a tralr com o solifiaoor Barroso, no
    caes do Capibaribe, ou no sitio de monsenhor Mu-
    s Tavares, em Parnameirlm.
    ^^.^_.
    Olinda, as 7 da manha e as 4 da tarde,
    e de Olinda para o fiecife, s 8 e meia da
    manha e as 5 e meta da tarde.
    O abaixo assignado, testamenten) in-
    ventariaali dos bens deixados pelo falleci-
    do subdito francez Joo Vignes, convida aos
    DA MODA, RUA NOVA N. 50afim de
    serem procuradas.
    Os jiroprietarios db=BAfXti da moda,--
    certps na optimesaolbaa destes arligos,
    por seu mui hbil correspondente em Paris,
    julgam-se no dircito de affiancar qne ven-
    m igocio
    O commendador Tasso
    leseja alugar por modie
    prefo as baixas e alaga-
    dos do sou silio do Co-
    linda, s quaes vao des-
    :e aponte da estrada no-
    v a de Beberibe at quasi
    a esiiatM \ciud ao lugar de Agua Fra,
    comprehendendo urna grande ilha, qual
    assim como as referidas baixas se pre-tam
    muito a plahta?ao de capim, arroz e qual
    quer oulras plantas que percisam de trra
    fresca todo o anno.
    O referido commendador n3o duvida fa-
    zer arrendamento desses terrenos e alaga-
    dos por G ou mesmo 9 annos, e dar um
    aimo de fogo morto a quem der lianca
    idnea e se obrigue rotear os mesmos.
    Criado
    Precisa-se de um criado fiel e diligente, livre on
    escravo, para urna casa de familia : a tratar na
    i aa Helia n. 37, sobrado de dnus andares.______
    O abaixo assignado participa ao respeitavel
    publico e cen espeeialidaM ao corpa comoereia),
    que tendo de retirarse para a Eurspa a negocio
    e temporariamente deixa na gerenria do sen eta-
    belecimentu sito a rua da Cadeia n. 36, o seu cu-
    nhado o Sr. Carlos Frese c o Sr. Leonardo Anto-
    nio do Espirito Santo Porto, competentemente au-
    torisados e habilitados para este 1im. itoga-se
    portanto a>s seus amigos e freguezes quo conti-
    nen a dispensar a me-ina eoaflanca, com que
    sempre se dignaram hnralo, certo de une suas
    ordens sero exceuladas com zelo o actvdade.
    Francisco II. Cjpls.
    Xa antia fabrica de fogos de artificio da vinva
    Rufino, existe um completo sortimento de rodi-
    nbas, craveirose pifilas, objectos propnos pwa
    os festejos das noilesde Santo Antonio e S. Juao,
    tndo por cmniodo |ireco, e como seja a fabrica
    listante da cidade, as "pessoas que quzereni fa-
    er suas en.....nmendas poderao leva-las no arma-
    ze.u da bola amarella, no oito da sccrelaria da
    polica, onde tambem achara i as an. >lras.
    \MA
    A
    Precisa-se de una ama para cozinliar, donnindo
    (6ra : na rua da 11 n. 10.
    Frederico Maia
    C'irturglo tleniSsta pela escola
    de uicdicua
    do 3S!o de olaseifo.
    Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
    co dsta capital c seus suburbios, qne tem aberto o
    seu gabinete degeonsnltas e operacSes dentarias a
    rua Direita n.!2, priinelro andarj onde pode ser
    procurado todos os dias das 8 horas da marda as
    i da tarde. Elle adia-sc compelenteraente habili-
    tado para com perfeieao collocar denles artiliciaes
    orqnakraerd08systemas, e bem assim desempe-
    oharqualquer oulro trabadlo concernente sn
    proftssao. O mesmo, reconbecendo que ncm sem-
    pre possivel s senhoras ou efiaafai saliirem a
    proctur o remedio, offerece-so a remover qual-
    ijner obstculo, ileelarando que na cidade se pres-
    tar a qualqtier chamado sem que issoinllua cousa
    ilguinaiiacommodidadedospreQos de seus traba-
    dlos, e quando para fra della assim mesmo ser
    precedido de um ajusto rasoavel, garantindo elle a
    togaraoBae perfacao de seas dos trabalhos. Em
    seu gabinete se encontrar conslanteniente excel-
    lenteps dentifricio, elixir e oulros medicamen-
    tos odunlalgicos : rua ireita n. t, primeiro
    andar.
    Rf1PRESTIiV!03S0BRE
    credores do mesmo. a apresentarem-lhe as f|em S"1S mercadorias por preces as me-
    contas de seus crditos, para por ellas, se-
    rem atlendidos no inventario que so est
    proeedendo pelo juiz municipal da 2*- vara
    desla cidade, e isto no mais breve termo
    possivel, visto estar a concluir-so dilo in-
    ventario. Recife 21 de junbo de 186'.).
    Garpar Antonio Yieiru Guimarats.
    *5! 5355-^^
    Mara Perciliana Vllcla dos Santos convida a
    todos os pa rentes o amigos do finado Dr. Jerony-
    mo Villeta de Castro lavare-, seu presado rmo,
    a ouvirem urna msa per alma do mflseio, fia
    matriz de Santo Antonio, hoje sexta-feira SIS do
    corrente, as 7 horas da mann:i, pelo pte con-
    fessa-se dVde J agradecida.
    ^TrecTsvs^aeumfeitor: naruael'eilaao
    Rosario n. 4.
    OSerece-se upia criada para eozinhar : qurm
    a pretender, pode procurar na roa dos Os sos. ou
    praia do Caldeireiro n. 5i.
    eWBfm
    Rodrigues & C.
    N. 26fuacloImperador--N. 26.
    Acaba de abrirse este estabelecimento, oom-
    pletdjio seu genero, onde desde jft m acha a dis-
    a i do pablico, mediante precds razo; veis :
    Vmhos finas e de Fi^oeira, excellnlo qnalidado,
    licores, cognac e cerveja, genebra de Ffolanda,
    froctas e conservasroh muito fino.
    Ha diariamente
    botos ingle**, podin?, po de Lot, doces pan cha,
    pastis de varias quahdades, empadas, fiambres,
    etc. etc. Igualmente se recebem encommeudas de
    bolos para S. Joao o S. Pedro, casamento?, bapti-
    sado-, bailes, etc. etc., ludo com muito as ?eio e
    premptidad.
    llKires ;ondicoes a dinheiro.
    AVISO
    aos amantes do que bom
    Na bem eolbeclda casa da abobada da Penba d.
    37z connna-se a furnecer massas para b*iks de S.
    Joo, S. Pedro e Sant'Anna, com muita limpeza e
    perfeieao.
    SEM LIMIT.)
    Sa Irnwm da na
    das Cruzes n, 2, pri-
    | meiro andar, da-sc qnal-
    m quer (jianlia sobre oro,
    s prata e podras preciosas.
    O dono deste eslahelecimento,
    | competentemente autorisado pelo
    governo, esl as condicoes de ga-
    rantir a tranaccao que se ker em
    sua casa, prometiendo todo e zelo
    c consideraro s pessoas que se
    dignarem de honra-lo em seu esta-
    belecimento.
    Na mesma casa compra-se ouro,
    prata e brilhantes.
    Em urna casa do fami
    do Rosario n. :];') 1'andar, foraece-se come-
    dorias para fra, mandando-se levar as
    casas que nao tiverem portador, e garan-
    lindo-se o aceio, promptido e commodida-
    d- no preco, portanto convida-se aos Srs.
    estudantes e negociantes a honrar-nos com
    as suas assigmtnrns.
    Aht?a-se
    Urna casa com bastantes commodos na
    Cidade Nova de Santo Amaro, a tratar com
    AatonioJos Goncalves Jnior cu Santo
    Amaro.
    ia, a rua estrella
    Os abaixo assignados raiem sciente ao publi-
    co e com espeeialid.ulo ao corpo do commercio,
    que dissolveram a sociedade que gyraTa nesia
    jpraca sob a lirma de Giumaraes & Burbos, fi-
    canuo a cargo do ex-socio Guimarlel todo o ac-
    tivo o passivo, e sahindo embolcado o cx-socio
    Barbosa de iodo o seu capital e lucros, e desonera-
    do de tndo. Hecife 0 de junbo de 1869.
    Jos do Cont Guimaracs.
    .v. Jos Antonio Barbosa.
    Aluga-se um sitio na Passagam da Magd.de.na,
    com boa casa e muitas arvores de frucio: ;i tra-
    tar na roa do Crespo n. i..
    -- Arren-ia-se 0 enfenfw liba, junto da villa de
    Porto Calvo, as Atogoas : a Halar na rua d
    CHhos n. t c5m Thmai CvahaBti da Sveira
    Lins Jnior.________________ ______^
    ErnestoAMmd^SnWa^nanr^^
    ume missa-o matriz m Boa-Vista, sabbado
    26'docorrent0a8.7 Itoras, pela alma da
    Exma. Sra. D. Josepha Leppoldina Carnoiro
    da Cunha, esposa do major Jos PedraCar-
    neiro da Cnnha; para o que convida aos
    seus collegas, patricios e amigos a assisti-
    Precisa-se do urna boa ama d* le
    Iho; iaforma-se na rua Augusta n. 69.
    SEGUROS
    MARTIMOS
    E
    COXTRAFOCiO.
    A Companhia Indemnisadora, estabeleda-
    testa praca, toma segaros martimos sobre
    navios e seos carrogamentos e contra fogo
    em edificios, mercadonas e mobilias: a
    rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
    I
    Reata venda um escomido sortimento de^b-
    jects de marcerla, como sejaa, nrnbiMls t*\ ja-
    arandi. mogno eamarello, obra nacional eestran-
    zeira, de apurado gosto e por pr$o< razoaijii
    i* rua estreita do Rosario n. 31. Nrsta mdsnu
    jasa fazem-se cora perfetcio todos v os trabalhos de
    aalhinaa, como sejam, empalhamentos de laatTM
    Mra eamas. cadeiras e sophs.____________^__
    Fundipo da Aurora.
    Neste vasto estabelecimento sempre se encontra
    um completo sortimento de taixas de ferro batid*
    e fundido, fabricadas rcernemente, c se fabricara
    de qualquer molde a vontatte dos compraderas,
    reeps raqwaveis.
    I
    -
    "_____
    i jWB I
    ^


    . >
    Diario de Peruambuco Qimita feira 24 de Junho de 1869.
    ESMERALDA
    -*iv
    Gymnasio Campestre
    E' ao Sr. Procopio de Sena Santiago,
    ponto destc tlieatro, rjaesj deseja fallar na
    raHeita n. 53, a negocio que nao Hit
    ilove ser estranhn. ____
    Precisase to urna :1111a: na ra do Pogo
    ti. 31.
    Aluga-se o 2 andar do obrado da rea Nova
    n. 58 : a tratar 110 mesnio.
    Cozhiheira.
    Para can de familia prccsa-se do una mullier
    perfeita cozinheira, preferindo-se escrava : a tra-
    tar na ra da Aurora 11. '.i.
    Feitor
    So eugcnho Matto-grosso, comarca do Rio Fur-
    moso, precisa-se de um feitor, prelerindoso es-
    Irangetro : a tratar no BKsmo engcuho com tea1
    A Irmao nesta praca : na ra da Cadeia n 36.
    Moreira Duarte & C. tendo feito urna
    completa reforma no seu estabelecimento
    de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
    loja de cera) acabam de reabri-o ao. res-
    peitavel publico, a quem offerecem um es-
    plendido sortimento de joias as mais mo-
    dernas e primorosas quo teem vindo a esta
    prapa, e por prepos o mais resumido possi*
    vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
    dras preciosas
    ?rda
    do
    Wanta Casa la ntseric
    Kecife.
    A junta administrativa da Santa Can le Miseri-
    cordia do Rente, tendo de mandar celebrar nina
    missa com piemcalo por alma do Uado Manocl
    Joao Joao de Amorhn, na-lgreja*de Y 8. do Peral-
    to, | lis 8 l; horas da iiianliaa do dia 28 do eor
    rente, convida oos prente- amigos do tallecido
    para assistirein a seinelhaiite acto.
    Precisa-se de um caixeiw para taberna, que
    dii dador do sua c induca, pote nao se importar
    de dar bom ordenado : na ua do Principe nu-
    mero iO.
    Arrenda-so ti ti sitio nos arrabaldes de Olin-
    da, com as segnintes proporfcSe : casa de viven
    da grande c de pedia o cal, baixa de capim, algu-
    nas fructeiras > Inirar para p.. 1
    Prce.is.i-M'" do um caixetro rjue lenha praca
    da taberna e m& t Bu de ana eonducla : no
    talco da Ibbeira n. 13.
    H S Kl BfrCM
    16-RUA D5 CRUZ
    B. AXTtftIO, S. J&AO E $. PEIMIO.
    Ha diariamente sortimento do bollinhos pira cha, podins, pies de lo, bollo inglez.
    presuntos, ditos em feainbre, pastis de differentes qnalidades. Papis para surtes,
    bollos simples e enfeitados, amendoas confeiladas e coufeitos. Vinlios finos engarrafa-
    dos, superior cha FMsson, pretoe miudinho, fraeta em xaropes, ditas seceas e christa-
    ns, assocar candi, xaropes refrigerantes.
    R encomraendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
    i las armares de "assucar, sendo estas preferiveis asdepapelo: bollos etc.,
    de lo enfeitados, qualquer encommenda para fra ser bem acondicionada.
    pies
    Joaquim Jos Gon-
    (jalvca Beltro
    MJA DO TRAPICHE N. i7, |. ANDAR.
    Sacra por lodos os paquetea sutpt olian-
    ' ;o do Minho. em Braga, e sobre os segnin-
    ', tes logares om Portugal:
    Lisboa.
    Porto.
    Vakii' i.
    Guimaies.
    Coimbra.
    Olmos,
    i.
    Villa doC nde,
    Arcos de Val de V<
    Vianna do GastelJo.
    Ponte do Lima.
    Villa Real.
    Villa-Nova .lo Fami.iii-an.
    Latnogo.
    Lagos.
    CovilhJa.
    Vassal (Valpasso).
    Mirandelia.
    Reja.
    Barcellos.
    Escrava fgida
    Ausentou-se da ca.-a de sen senhor no
    dia 19 do corrente, a preta fula, de norae
    Candida, idade ti* 33 40 annos, alta c
    magra. Fo compr da corea de um mez
    ao Sr. Jo5o Paulo d'Almeida, natural d<:
    Goianna, e suppoe-se que para la fosse.
    Levou dois vestidos de chita escura, sendo
    um com babado novo, um chale de lia
    verde, j usado e oulro preto novo. Quem
    a capturar queira leva-la no armazem ti,
    :$ ra da Cadeia, que ser reeompen
    sado.
    COMPRAS.
    Coinpra-sc urna escrava de meia idade, que
    saiba eoziabar e bem : na praca da Independencia
    n. '1!', se dir.
    Compra-sc um escravoque
    entenda do olfieio de tatioeir:
    a tratar no escriptorio deAmo-
    rim Irmaos & C, na na da Cruz
    n. 3.
    <.onipr;i-e um escravo de meia id: de. aeos-
    luniado ao .-crvico de campo : na rua Direita
    n. 8.
    ;IIVil-
    Rua do Quemado n, 49 e 57 loja
    de miudezas de Jos de Azeve-
    dv Mata e Silva conhecdo por
    Jos Bigodinho.
    Est queimando ludo quanto tein em seu
    estabelecimento. para acabar e fazernovo
    sortimento, por isso queiram vir ou mandar
    vero quo borne barato.
    Garrafas com .agua florida ver-
    dadeira......
    Garrafas com agua divina da me-
    lhor qualidade .
    Latas com superior banha fran-
    coza d .
    fiatcoa 12 frascos de cheiros
    proprio para mimos .
    Dita corojo" Irascos murto litios
    Oleo baboza milito lino que s
    a vista ,.....
    Jabonetes de.calunga muito bo-
    nito A......
    Caixas do p de atroz muito
    superior .....
    Pegas de babadinlio com 10
    10201
    I 00
    5200
    oo
    ->800
    500
    #140
    varas a ......
    se7nr nr!lr,>!'i',1,ra!a,du ''u'!110;';'!^\'**"!M"';'"!_ Caixjs redondas cinitando Jar-
    se por preco alto : ua rua do Cabuga n. 5, foja ,..., .
    da,Esmeralda? laitiga a......
    ; Pecas do fita de cus qualquer
    largura .....
    Escovas pata nonas muito fi-
    nas ......
    Escovas para dontes fazenda
    Ouro o prata em obras vellias, assim
    como brilltantes sendo do primeira quali-
    dsde; compram-se por inai>>r i reco que j
    om ouira parte. Na loj de joias (Esme-
    ralda) rut do Cabng n. 5.
    Cinpra-se
    un bilbar cm bom estado, eom mu u irtencei
    miem tiver dirija te a na da Cadeia do licrife n.
    o, loja de chipe -.
    de toros
    do gaz
    az
    muito fiua
    Pulceiras de contas
    para mepiDOS .
    Caixas de I tilia branca
    com JO novellos .
    | Caixas de (tina branca do _
    com .10 novellos .
    , Pegas de tranca lisa de todas
    as 'uros .....
    : Resmas de papel pautado muito
    Compra-so moedas de onro e prata, bem fino ......
    como libras sterlinas por maior proco que [Pares de botoes para punhos
    em datra parte: na ruado Crespo n. 161 muito bonito .
    primotro andar.
    10llua Nova-19
    F31EiMRieO ANTIER
    i .lentista, aaaito e mheeido ha a anno's o'esta cidade, pola perfei.;ao dos i n
    traba malioiin de fatlicipar.ao resaeltvel poblieo^pie lalofeflb nwttos me-
    1 imentos ni saa-ca&i', podo rbora avante receber as senoras no sen gabinete onde
    acharJo os c -s precisos para familia.
    Acba-se tambem na sua casa e na sua companbfa, o sen obrlnhoe dfscrptrio
    .1. JLERIIUX
    i acaba de rttarde ama longa vtageai a Europa, durante a qual praticou com
    feliz successo n3s primeira* casas To Pariz e de Londres, oflfereceado assim 33 melhores
    garaaliaa do bem Jsempofibo para tudo o ']ue for relativo a prufisso ; por isso o
    aomiMante pede sos seas amigos c uHenies que por acaso o nao encontrarem no sea
    I bnete, depositen) no dil i sea sobrinbo a Bkesma confiaseacoai que o letn honrado
    a des annos.
    Dentadurasp'-.r loaos ossysteoMs: a prossolo are com molas
    vul aitiie o um intoitamenie noron'esta cidade.
    Cura radical dos denles cariados.
    Qnttabagtns iobturaces)comoaro ecom massas diversas, segando os casos.
    Remedio para acalmar as dores de dontes.
    A2"a c P ibrlcdos polo proprio annunciante, o quelhc permttte afan-
    rar sua boa qualidade.
    Escaras para dontes. ote.
    Perfeico de trabalho e precos moderados.
    / iagens para fra mediante ajusto previo.
    O gabinete acha-se aborto das 8 horas da nwbfa aleas 4 tarde Je lodosm
    < ias utois.
    Pars, 36,RuaVivienne, D*
    CHABLE MDECIN
    DASENTtRJJIDAUAS DtSSI.Xl A km, AS ATFBO
    COES i^UTAEAS. E ALTERAgOESDOSAMGUK.
    :OUOOcurasdasim;.inynl
    lustulot, herpes, larn
    l omtxocs.acrimonias al-
    l'irpoes, mciostu do tan-
    yue; fi-iu, alteraeoet
    do viy ,c. i \uro\H! vegetal sem merearo). Bnpm-
    rslitaW rr^rtara BAKHO MlllHtl.1
    tomao-se lous por semana, eegumdo o traciamenl*
    Df'tirnijyri.- em-regado as mesmas moleslia*.
    Este Xaroue Ciiraclo dt
    ferr de CHARLE, eurt
    immediatainenie qu a Iqner
    puna cao, relaxacao,
    * debilidade, igual-
    nenie os //ua:os e flores brancas das muttiere.
    Esa mjeccao benigna emprega-se com o Xarcpt de
    Cilraclo de Ferro.
    Krunrruiln. Pomada que as cura em tres dial,
    POMADA AIMTIHERPETICA
    Contra, oas affecQots cutneas eomeoM-
    PILULAS VEGETIS DEPURATIVAS
    Chsbi*. cada frase vaj.aeeompaba** 4
    xa foneto.
    Papel para embrulho
    Compra-se papel para embromo, na loja
    doPavo; rua da Imperatrizn. 60, de Pelfet I Novellos de
    Pereira da Silva.
    OIJKil 13 FKATA.
    Compram-sn, uffcrecciido'-i; umita maior van-
    tar-etn .io vendedor : ao Coracao d? Onro ti. i I>.
    na do Cabogi.
    O miizoo de joias
    Jla rea do Cabag n. i compra-se ouro, prata
    e pjdras preeiosaa |wr preow mais vantajosos do
    que em putra qualquer parle.
    Comprare um setim fiando e ja osaal I na
    roa ilo Raoeel n. 0.
    OEPURATIF
    toSANG
    PLUS DE
    COPAHU
    OUROE PRATA
    Compra-se moedas de ouro e prata e
    | hem como libras sterlinas, na rua do Ca-
    hiigi n. 9. relojoaria.
    Na praca da Independencia n. i'i, lija deon-
    rives, compra-seonro, prata, e pedras preiwas,e
    tambem m faz qnalqaer obra de encommenda, e
    iodo o qu.ikpier concert.
    Ainda eslam algumas eolleccSes de
    Biograpliias de alguns iwetas, e oulros ho-
    Je ouro, platina, Imen8 ilustres ' I tres tomos escriptos polo commetidador A.
    I. de Mello
    roa Augusta d. !).
    Trocam-se
    is notas do banco do Brasil
    om descont muito rstzoavcl
    lendencia n. 22.
    e das caixas filias.
    na praca da Inde-
    Em casa de riiOlXUlO 0HIUST1-
    ANSEN, rua da Cruz n. 18, eneontram-se
    effectivamente todas as qualidades de vinhe
    I 3ordeaux, Bourgogne e do Rheno.
    ssmsm
    O MUSEO
    JOIAS
    GOMES DE MftTTOS IRMAOS
    tendo feito completa mudanza em seu antigo e
    acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
    dar-lhe maiores propor^oes e elegancia, convidam
    ao publico em geral e com especialidade as Exms.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
    RUA DO CABUGA N. 4
    onde encontrarSo um completo sortimento do que ha de mais elegante,
    bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
    de ouro, prata e platina se pode desejar.
    ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
    de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
    prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
    objectos de prata para uso das igrejas,
    Compran, e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e ganuitem
    a quadade dos objectos vendidos.
    02
    O MUSEO
    Libras 'le la pa a bordados de
    de todas s cores .
    Pentea com costas de metal
    muito Gnos .
    inha muito grande
    para croxs .
    Dozia de liulia froxa para bor-
    . dado a......
    I Grpsas de botoes madreperoia
    muito lino .....
    : Sabonete muito finos GO, 120,
    160, ^W o.....
    ; Pecas de fita de la todas as
    cores ......
    E-pelhos dourados para parede
    1)000 e.....
    Espelhos do Jacaranda muito
    lino ......
    1 Peras de trancas brancas e de
    cores de caracol i ..
    Pares de meias croas para me-
    ninos ......
    Caivete tnato fino com i fo-
    [* Ibas ......
    i Cartilbas da doutrina as mais
    modernas .....
    ' Frascos de sndalo c pateeboly
    muito fiius .
    >G00
    >o00
    WBOO
    1800
    500
    mo
    83Q
    -5800
    >G0t.
    :>0O
    :>000
    Uto
    8>000
    >320
    MO
    r>i80
    gsm
    :>500
    1;>OO
    2;>000
    ;)0G0
    5320
    I ftOO
    mo
    14200
    VENDAS.
    Taberna
    Vena.;-.-!; a taberna da.rua da Concordia n. 9.
    a qnal est bem afieguezada e tem poueos fundos
    prnpria para algum principiante ; o motivo (la
    venda dir-sc-ha .10 pretndante eui particular : a
    tratar na l'onte-Velha 11. 14 das C a? i) da ma-
    niaa e desta hora fin dimito n'csla lyixiprapliia
    Ouro
    E. A. Burle C. tem para vender libras
    sterlinas e moedas de vinte franco \
    Vinho
    Vinho Hordeaux superior qoalidade.ar-
    a s j eonhecidM ; e o verdadeiro Cognac,'
    co me^mo estabelecimento.
    - Vende-se a'dinheiro 011 a praso a padana a
    vapor sita em Una. a qual se acha livre o desem-
    laracada : os prctendentes podem onlender-se no
    niesmn lagar coin seu proprietaro, on cam Rocha
    Lima & Guimaraes, na rua da Cadeia n. 40, e Ne-
    comedos Mara Freir, no caes de Apollo
    ISH DO LIVBMYni i n
    I^coiiomia, u mercado.
    CHEGEM A' PECHINCHA.
    Balees franceze?, arcos pequeos e gran-
    des, para ?-liliora, a 21000
    Casemiras inirN-zas, bonitos padroes, com
    listias largas, eovado '1 tSOQ
    Ditas l'rancezas, dem dem, com listras
    largas, eovado 4,-5000
    Ditas ditas mc-cladas, eovado 3000
    Baronezas lar;:is com listras de seda para
    senhoras e proprias de montara, eo-
    vaJo, r?. 900
    Paletots de alpaca pretos e de cores 4 5 6 J-'iOO
    Alpacas lisas de cores muito linas e bous
    gostos para senlrora, eovado, rs. 800
    i';imliraias de cores, variados padroes,
    eovado, rs. j 240
    Ditas de core?, mais finas, eovado, rs. ;I60
    Ditas miadas, modernas, Bnissimas, eova-
    do, rs. iOO
    Ditas de llores grandes- e listras, eo-
    vado, rs. oOO
    Colarinlios de linho de diversos gotos, rs. 400
    Ditos de dito muito finos, ehegados no ul-
    timo paquete, rs. 600
    Chitas clacas, hoas tintas, eovado, rs. 280
    Ditas escuras, helios padroes, eovado rs. 400
    Ditas,coloridas, finas, proprio para familia
    eovado, rs. 400
    Ditas riscadinhos, variados padroes, eo-
    vado, rs.
    Superior vinho
    Xa rua do Livramento n. 6, tein para vender, | Ditas escuras econmicas, eovado, rs.
    em barris de quinto e neias pinas, o melhor vi-
    nho verde at heje vindo a este mercado.
    3G0
    :60
    320
    340

    Vestidos com dnas safas a 0$
    Cliegaram paia a loja do Pavo rua da
    Imperatriz n. 60, os mais modernas cortes
    de poil de Cvro comduas saias para ves-
    tidos, sendo n'oste genero o que ba de
    melhor c mais novo no mundo, e vendem-se
    pelo barato preco de 05000 na loja de
    Flix Pereira da Silva.
    Bbadinhos baratos na loja
    . do Pavao.
    Vende-sc urna grande porc3o de bba-
    dinhos de todas as larguras, sendo com os
    babados verdaderros, por urna terca parte
    de preco que se vender em oulra qualquer
    bija, s com o lm de acabar-se com este
    artigo, assim como tambtm se vende urna
    grande parte d'entrtmeios, pelos mais li-
    mitados presos para acabar, na loj 1 e ar-
    mazem do Pavo, rua da Imperatriz n. o
    de Flix Pereira da Silva.
    Alpacas brilhantes
    a 640 rs.
    Ghegaram para a loja do Pava om ele-
    gante sortimento das mais Modas alpacas
    wlhahtescom asmis delicadas cores, e
    com os mais bonito* lavradinhos a imitacao
    de seda, as delicadas cores que ercistem
    neste bello sortimento encontra-se o bonito
    Bismak, o bello Lyrk>, o delicado verde
    assim como, perola, roxo, canna, azul caf,
    etc. Vende-se esta bella fazonda pele ba-
    ratsimo pre(0 dfi40 r. o eovado por se
    ter receido emdireilura uma grande par-
    tida superior a dez mil covados] seno
    seria para muito mais dirtfieiro, istiJna loja
    e armazem do Patito, r* do finperatri?.
    n. 60 de Feliz Pereira da Silva.
    Ditas de boa eoinposicao de tintas, eovado
    Ditas claras econmicas, eovado
    Roupas e mais artipos que lica a pedido da es
    peitavel reguczia, dando-se amo tra de tudo.
    XAROPE PE1TOML
    DE
    II1II0 DE TATIT
    PLANTA DO BRASIL
    E expectorante e recommendado as
    aiTeccoes do peito, bronchite chronica, he-
    moptise, e tissecbronica.
    PREPARADO PR
    JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
    9 ll.VRMACGUTICO
    Pernambueo rua larga do Rosario n. 10.
    TElEo "~~
    Vendem-se saceos com miliio, no trapiche da
    Compennia : a tratar no mesmo, e no 1" e 2* an-
    dares da roa da Cadeia velha n. 1.
    Mltto frese e saudavel
    Vende-se en sitio pequeo, murado, com boa
    casa de sobrado, casa para feitor, cocheira, estri-
    hnria, boa apoa de beber, grande cacimba com
    bomba e tanque para banho o para taiw r upa,
    umitas arvonedoa e e inuilas qualidadea, etc., -i-
    tuado a boira do rio, no ponto mais alto Ai Tone,
    e o mais saudavel dos arredores desta cidade : a
    tratar na roa Nova n. 19, Io andar.
    Para fogos de Santo Antonio,
    S. Joao e 8. Pedro.
    LIMALHA DE FERRO (muito nova).
    DITA D'AQO (idem).
    DITA D'AOULIIAS.
    Vendem-se na botica c drogara de Bar-
    Ibolomeu & C.
    3-RA LARGA DO ROZARIO3
    mmmmwsWmm mm
    i FOf.0 FOCO
    f na Direla n. 83. m
    Wt Ha para vender um com pie tu'sor- t
    l| tmenlo de fogos artificial s, tanto ^
    ^ para Sras., como liara crianzas, ps- S&
    jg* tollas brancas e de cores, con 3, ?$,
    I 'h 5 e (5 Dalas, fontainas, cravti-
    ^ ros, rodnhas sogellase di liradas, ^
    foguetiihos, busraps, iiumina- m
    g| ^oes baloes de seda de '2 pasmos de $
    altura etc, etc., feito por um dos Kft
    a melores artistas destc genero.
    i'.iinbem ha para vender salitre, i n-
    M xofre, breu, fio, facas > garios
    ^ de diversos pn.os e qualidades,
    | bandeijas linas quadradas e otaes ;
    ::Iin do grande soitimciil de fer-
    ra en, miudezas, cuidaras e trem
    1 para oazinha, ele, ele.
    Roa Din ita n. KS.Ioja de .Manoel ^
    Beiil de O. Braga C.
    Atquec]legaram,
    3YSTEMA DE-SIMA ;,-:
    Grande laclorade 1,500 series de ''
    ;.- pesoskilogrammas em serios com
    pletas do todos os-tamanhos, me-
    Ihoresde romprehender do que \>s
    ue tem vindi ao mercado assim ?
    3 como medidas de metros, cliegaram
    poniente de encommenda prnpria
    M para a casa de Manuel Bento de
    Oliveira Braga & C, rita Direita n.

    53, e com diminuido de pri'os,
    B verdiom i ni lempo.
    Ulj
    Vndeni Augusto P. de Oliveira & C. rV
    Conimercio, n. iT
    t'UTO UIATO VEM !
    NO
    RU NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
    TO AMArtO
    Os proprietarios Jos de Soma Soares A
    C, alm dos baratissinios presos por que
    esio vciidendo a grande variedade de aiti-
    gos de moda c novidades de bom gol
    lauto para bomens como para aunboras
    meninos, veudem:
    CHAI'KOS m-id,: imperial, de castor
    branco para bomens, fazenda i: a. a -"
    (0 preco I 'i -SOtlO).
    COQUES enfeitados para noivas, grand
    no\ idade a i;$S00.
    DITOS sem enfeite e de delicado? mol-
    d '8, sendo de seda iir.iarau de cabellos
    a 34 e 30500.
    MEIAS superiores inglezas para borneo?,
    a duzia de pares 70800 (o pteeo 6 de 'J.j
    a 10,0000).
    LEQUES de madeira sem differenca de
    ndalo a 2-5000 e 2500, (grande pecuin-
    chal)
    DITOS com enlijoulas a 3-5 e 'i;(00.
    BA1LVLHOS de caitas francezas boa fa-
    zenda, a 200 rs.
    PAPEL inglez sem pauta, frmalo pa-
    que.o e fazenda superior, um parole por
    l ,$000.
    LINDOS cintos de pama enfeitados para
    senbnras (grande novidade em Taris) a
    25Q0 e : :>0'0.
    DELICADOS coi pinhos de cambraia e-
    lamente enfeitados a 0;>"i00 rs. (admira o
    prego 1)
    U.MA grande variedade de lindos ob-
    jectos para mimos, assim como muilos ar-
    tigos de novidade e de apurado gosto que
    se vende por pregos baratissimos
    \u Bazar da Moda.
    Vende-se em casa de Oliveira
    Filhos & C, largo do Corp*
    Santo n. 19
    Libras esterlinas.
    Vinho moscatel de Setubal.
    Carv5o animal de superior qnalidade.
    Para bolos.
    Vende se amcarafro muito rmtrecarrc-
    gador baixo, o qw* etsl na matriz da
    Varaea, rua do Foro, em casa de Joao
    Siams Ferreira,
    Vende-se a parte de um sobrado na rua Di-
    reita n. 117 ; a tratar na roa ostreta do Rosario
    n, 13, loja.
    i
    Vende-se terrenos de prodiiccSo e com
    arvores fructferas e prximo a esta-
    c5o dos trilitos urbanos do Rc'cife
    Olinda e Beberibe, no bceo do Espinbeiro,
    podendd quem qoiser drigr-se nos domin-
    gos, ao sitio n. 6 na estrada de Jo5o de
    Barros, e nos demais das, rua da Impe-
    ratriz n. 08,
    ,i
    manteas ngtea a 800 rs. : na rua da Manfmoin
    l_nnniero 8. ______________
    Cora dinlieiro vista vende-so o riti Limao
    na povnacao dos Montes, ao p da estaco de Una:
    tratar com Jos Paulo do Reg Brrelo, na villa
    ,&> Cabo.
    Vendc-e massa de mandioca muito lina pre-
    pi ia para bolos de baca a OO rs. a libra ; e na
    iiiesma se faz bolos de baca de encommenda, o
    preparam-se bandejas para pasamentos de goetoa
    modernos : na rua dos Pires u. 52.
    Vendem-se dous bonitos escravoo, um m>>-
    leque de 16 annos, bom cozioheiro, c um rahri-
    nha de 10 annos : no tereciro andar do sobrado
    n. 36 da rwa das Cruzes.
    Btalas baratas.
    Vendem-se a 800 rs. o gigo : na Iravessa da
    Madre de Dos n. 16.
    .-----------1i------------------- ^ /-
    . Salitre
    Vende-se salitre refinado a 54 a arroba : aa
    rua do Queimado n. 30, loja de ferraenm.
    Batatas
    a 15200 o gigo : na rua da Madre do Dos n. 7.
    Gigos eom 35' libras, muito boas.
    MILHO
    Nos trapiches Cunha e Barbosa fvulpo Machado)
    ha para vender muito bom mflho chi-gado ultim.i-
    mentede Mamangrpe : a trata* mi largo do Cor-
    po SAnto n. 6. i andar.
    Libras sterifftft
    m casa de Oliveira Barroca, rua da Cadeia nc-
    rart) *^
    , Vinho do Porto fino
    Vande-fO a 36000 a duzia : na rua da CaUia
    n. gj, t andar.
    Vende-se una machina de costura eni prt
    feito csnrdo : na trevessa do Queimsdo n. I.
    rarroniaJK
    v,f
    mod
    Estopa para cal feto
    id-*e na rua da Traa n. 1, por pn
    MI
    preco eom-
    ibdiio frn-
    Na fabfHi do fallecido
    ceztoao Vigncs, existe um bom sortimento
    dos ratiitos acreditados piai os, os quaeS 8*
    venden! mdicamente para liqoidagJ.

    i
    \Ws\WsW*mmmimsWewmswm**smm***>*



    __ Mi _
    6
    Diarlo do Peutumbuco Quinta feira 24 Je Juiho de 18G9.
    72. Ra da Imperatriz. 72.
    Alerta freguezes
    que Arara vai cantar,
    Para vender suas fazendas (burahis)
    que muito ha de agradar.
    0 propietario deste estabelecimenlo, tendo grande porfSQ de fazendas em
    vj proceder umajiquidaril) cm todas as fazendas e rmipas feita* existentes no
    esUtolMncoto, agora que occasiio de quero lem pouco diolieiro poaor se vestir de
    bo-j fnzenda e baratissima como se poder ver bo aonuncio abaixo mencionado.
    MADYPOLAO BARATO A 3 >o00. BRAMANTE PARA LENCES A 3
    ftafe-se pecas de madapolSo entestado Veada-se bramante com 10 palmos de
    de 12 jar-las 3J500, dito de 2i jardas ou largura para lences, a &> a vara.
    Mtros 5*. ->, 6J390, 7^(500, 8>90) o
    00.
    CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
    Vcodem-se chitas francezas para vesti-
    .i 28 'MO rs. o covado, ditas escuras
    mudo fins i 360 rs. n covado.
    Chala mullo fiaa '> rs.
    \ ende-se cbalin para vestidos ie senhora
    00 rs. o cofado.
    PERCALES A LUB&O COVADO.
    Vende-se percales muito linos para ves-
    tidos de senhora a 440 rs. o covado.
    Briihitaiuas 440 rs.
    Vende-se biiiliautinas ou imirsulinas de
    COM para vestidos de se .horas 440 rs. o
    corado, laazinbas muito linas para vestirlos
    senbon 100 rs. e 500 rs. o covado,
    ditas de quadrinlios 240 rs. o covado.
    RISCADO FRANCEZ A 300 RS. 0 COVADO
    Vende-se riscado francei para vestido
    i senhora 300 rs. o covado.
    l,asiahas a S4tt rs. o covado.
    Venden se lasinhas para vestido de se-
    n'iora a 250, 280, 320 js. o covado.
    ClBMS francezas a 280 rs. o covado.
    Vende-se cassas francezas 280 rs. o
    corado, chitas francezas linas a 280 e 320
    rs. o corado,
    Ciiucs de uterino i\ 'is.
    Veode-ee diales de merino estampados
    ie 2$5U0 cada nm, para acabar.
    001TES DE LASABERTOS A 20400
    Vrende-se cortes de laa para vestidos de
    lenhera, 29400 cada nm.
    ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
    Vende-se alpacas de cores para vestidos
    d- senhora, 720 o 800 rs. o covado, di-
    na de listras 700 e 700 rs. o covado.
    Chitas priissiana 3ttO.
    Vende-se cintas prussianas de listras de
    cores muito bonitas a 300 rs. o covado.
    CUTAS PARA COHBRTA A 810
    Vende-se chitas acornadas para coberla
    320 rs. o covado.
    Bale* de SO a 30 arcos
    iso
    le-se bagaes de 20 a 30 arcos
    : aOQ cada um, baldes modernos brancos
    ede cores I '>>.
    TASSOIRMAOS
    I*. 45 Rli
    Di CADEIA
    DE
    M. 45
    m,: nixio & &
    SOR A
    iiih
    DIRECCA
    Luun
    PECAS DE ALGODOA -W.
    Vendem-se pecas da algodao muito en-
    corpado \S, '><. O$8O0e7 I.
    CoJeriihos econmicos a 30
    dazfft.
    Vende-se eolerinhos econmicos a 320
    a duzia, s se vende assim barato por ter
    grande porcSo.
    CASEMIRAS DE CORES
    Vendi-se cazmiras de cores para calsa
    e pautla 2> 2500 e 3;S o covado,
    .tlgoilo entestado a 1&.
    Vende-se algodao enfesiado proprio para
    toncos c toalhas; 1A, a vara ou 900 rs. o
    metro.
    BRIM PARA CALCAS A 400 RS. 0
    COVADO.
    Vende-se brim para calcas c palitots de
    homem e menino, 400 o 440 rs. o co-
    vado, dito liso a mitaco de ganga a 300
    o corado.
    .tlgodo de lislras a OO rs.
    o covado
    Vonde-so algodao de listras para roupa
    de eseravos a 200 rs. o covado.
    CORTES DE RRLM CASTOR A 640 RS.
    Vei.de-sc cortes de [ brim castor para
    calca de homem. 040 e 800 rs. cada um.
    ' CARTEIRA PARA VIAGEM A ! Vende-se earteiras para viagem t
    cada urna, cobertores de algodo 15300
    cada nm.
    Cobcrfasde chita lSOO
    Vende se cobertas de chitas de cores
    10800 e 21, cada urna.
    ALGODAO TRAMfiAO DE EAS LARGURAS A
    11900.
    Vende-se algodSo transado de duas lar-
    guras, proprios para lences c toalhas para
    mesa, se vende a 15200 o metro.
    Sitiadas para grvala SOO rs.
    Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
    cada urna, lencos de seda de flores, a 640
    cada um.
    ATO.VLHADO PARDO A 25300.
    Vndese atoalhado pardo para toalhas
    de mesa 2S-500 a vara, toallas escuras
    l\ cada urna. Ra da Imperatriz loja
    da Arara n. 72.
    lITO HABILARTISTA
    alfuilc.
    Os proprietarios deste novo estabeiecimenlo, tendo experimentado a nccessilade
    urgente de ter* WHreofSo de sua officina deroupas por medida, um artista perito, tcm
    contratado o Sr. Lauriano Jos de Barros para tal mister, convictos de que satisfar
    com todo o capricho a vontade do freguez.
    Tem o mesmo estabalecimcnto umbomsvtimemto de fazendas proprias para
    roopad homem, como sejam: casimira de cor, indos padroes, completo sortimento de
    pannos finos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos e de
    cores, merinos de diversas qaalidades, bombazina, lindos cortes de gorgorito para rollete,
    gorguro Pekn, superior qualidade.
    Os freguezes encontrarn ainda um variado sortimento de roupa leda, camisas
    nglezas, collarinhos, ceroulas-, grafWas prelas e de pliantasia, meias para homens, se-
    nhora--. meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoahiado,
    balos de diversas*-rese modelo?, cambraias, malas para viagem, e putros muitos ar-
    tigos que a modicidade de seus presos incita a comprar.
    A ra da Cadeia n. 45
    RIVAL M M
    Ra do Queimudo ns. 49 e 57
    fojas de miudezaz de Jos de
    Azevedo Maia, est acabando
    com as miudezas de sais cstabe-
    Iccimenlos por tsso queram apre-
    ciar o que e bom e baratissimo.
    Pares do sapatos de tranca fa-
    de tapete
    25000
    15300
    35800
    '<^
    0 Garibaldi principia
    Certaineiite lia de agradar,
    Que pelo pre^o que vai vender
    Ninguem o pode igualar.
    O pruprictario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
    vel publico e seus freguezes, qm tem recebido grande sortimento de fajendas, e esta
    constantemente rec^bendo por todos as vapores que chegam da Eur0Pa2 JJ1?"
    le de fazendas da moda, e que vender por preco ma.s barato de que em outra qiiat-
    quer parte, garantindo se a qualidade e crcS, na ra da Imperatriz n. 36, de Lourencp
    Pereira Mendes Guimar5es. 9A
    CHITAS LARGAS A280rs. i angas para calca a **
    Vendem-se chitas francezas de efires fl-1 Vendem-se gangas de cores para j.ajca e
    xas a 280, 320 o covado, ditas matizadas palitots de homens
    uras a 360 rs. o covado.
    senda nova a .
    Pares de sapatos
    (s grandes) a......
    Duzias de meias croas para ho-
    mem a........
    Tramoias do Porto 3zenda boa
    epelo preco melhor,tOO attos a
    livros de misses abreviadas a .
    Duzia de baralhos francezes muitc
    finos a25400 c.....^580f
    Silabario portugoez com estam-
    pas a........
    Grvalas de cores e pretas muito
    finas a ........
    Du/.ias de meias para senlwra fa-
    zencla boa a......
    Redes pretas lizas muito finas a
    Caribes com colchetes- de lato
    fazenda fina a......
    Abotuaduras de vidro para colete
    fazenda fina a, .
    Caixas com penna d'a?o muito
    finas a 320, 400, 500 e .
    Carloes de linha Alejandre que
    tem 200 jardas a .
    Carreteis de linha Alejandre de
    50 at 200 a......
    Caixas com superiores obreias-
    de massa a......
    Duzias de agulhas para machina
    Libras de pregos francezes di-
    verso tamanho a. 1
    Livros escripturado para rol de
    roupa a. ......
    Talheres para meninos muifco
    finos a. '.
    Caixas com papel amizade muito
    fino a........
    Caixas com lOOeuvelopes maito
    finos a........
    Pentes volteados para meninas e
    senhoras a.......
    Thezouras muito finas para
    unhas e costuras a. .
    Tinteiros com tinta preta muito
    boa a 80, 120 e
    Varas de franja para toalhas fa-
    zenda fina a.
    Duzia de phosphoros de segu-
    ranza da melhor qualidade a
    400 e........
    Pecas de fita branca elstica
    muito fina a......
    Noveltos de linha com 400 jardas
    Resmas de papel de pozo azul
    muito fino a......
    Pecas de fitas bordadas com 3
    varas a.....
    Ditas de ditas bordadas com 12
    metros de 25000 a
    Grozas de botoes de louca muito
    finos a........
    5200
    25000
    5320
    5300
    45000
    5320
    5020
    5500
    15000
    51Q0
    5100
    504(1
    25000
    5240
    5120
    ',5240
    5700
    5600
    5320
    5500
    5320
    5160
    LOJA
    DO
    GALLO VIGILANTE
    'lina do Crespo n. 7
    Os proprietarios deste kem conliecklo csiabete-
    einiento, afm Jos muitos objectos i|uc tinli.'im ex-
    poslos a apreciadlo da respeitavel puhlieo, nian-
    daram t e acabam do reeeber pelo ultimo vapor
    da Europa un completo e variado sortimento de
    linas e ibu delicadas especialidades, as quacs es-
    tao resohidtis a vender, corno de seu cosame,
    por pregos uwiio barattaboi e coimnodos para to-
    dos, eoin tanto que o Gallo....
    Maito snperiores lavas de pellica, pelas, bran-
    cas e de mu lindas cores.
    Mui "boas e bonitas gollinhas e punte para se-
    nbora, ueste genero o que ha de mate moderno.
    Superiores pentes de tartaruga para coques.
    Lindos e riqnissimos enfeites para cabeeas das
    Exmas. senhoras.
    Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
    Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
    de melhor e mais bonito.
    Superiores e bonitos loques de madreperota,
    marflm, samlalo e osso, sendo aquellos brancos
    com lindos desenhos, e estes pretos.
    Muito superiores meias fio de Escossia para se-
    nhoras, as quaes sempre sb venderam por 30.&000
    a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
    ali'm destas, temos tambem grande sortimento de
    outras qualidades, entre as quaes algumas uiuito
    Boas bengalas do superior canna da India e
    caMao de inarfim com lindas e encantadoras figu-
    ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
    pode desojar ; alm destas temos tambera grande
    quanlidadQ de outras qualidades, como sejam, ma-
    deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
    Finos, bonitos e airosos chicolmhos de cadeia e
    de outras qualidades.
    Lindas e superiores ligas de seda e borracha
    para segurar as meias.
    Coas meias de seda para senhora e para meni-
    nas- de i a 12 annos de idade.
    Navathas cabo de marfim e tartaruga para fazer
    barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
    rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
    bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
    Lindas e bellas eapellas para noiva.
    Superiores agulhas para machina c para croxe.
    Linha multo boa de peso, frouxa, para cncher
    labyrintho.
    Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
    como os tentos para o mesmo fim.
    Grande e variado sortimento das memores per-
    fumarias e dos meteoros e mais conhecilos per-
    fumistas. .
    COLARES DE ROER.
    Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
    facilitara a denticao das innocentes criancas. So-
    mos desde muito recebedores destes prodigiosos
    collares, e continuamos a recebe-los por lodos os
    vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
    como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
    les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
    vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
    deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
    para qne sao applicados, se rendero com nm mui
    diminuto lucro. ,
    Rogamos, pois, avista discbjeclos que dexamos
    declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
    comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
    vigilante, ra do* Crespo n. 7._______________
    Tem para vender em leus armazn, alcm de ou-
    iros, os seguintes artigos :
    Papel para imprimir.
    Perlina azul.
    Grere pautado e liso.
    Viiihos em caixas de doze garrafas
    Beurgogne.
    Hery.
    Madeira.
    Hermitage.
    Chamblis.
    Licor de curaco de Hollanda em caixas devin-
    te e quatro botijinhas.
    GESSO,
    Kosarmazens de Tassolrmaos.
    Grades de ferro
    para jardins, porteiras etc.
    Nos armazen de Tasso Irmaos
    caiiiuxiios bu i'usuao
    Para serviros de grandes armazens, para remo-
    ver barricas bu caixSes de um |>ara outro, lado pelo
    mdico preco de 12/1000 cadaum.
    Farinha de trigo de Trieste
    Das melhoras mawas Panonia (verdadeira) Fon-
    tana e grande sortimenlo das melhores marcas de
    farinhas americanas.
    Saceos de farinha de trigo do
    Chile
    Todas novas, chegadas ullimamente nos arma-
    zens de Tasso Irmaos.
    Cemento romano
    Kosarmazens de Tasso lrmaw.
    Cemento hydraulico 12$
    O melhor para ludo que sao obras para agua, co-
    mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
    posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porcCes de
    cincoento barricas se far reducoo ao preco : nos
    armazens de Tassolrmaos.
    Cemento Portlard
    O verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
    Irmaos.
    Grades de ferro, cercas, por-
    teiras, etc., etc.
    De differentes qualidade para cercados de ani-
    maes, chiqaeiros para galinbas ou jardins: nos ar-
    mazens de Tasso Irmaos.
    Barris combreu
    Nos armazens de Tasso Irmaos.
    Velas de esparmaeete verdadeiras para lan-
    ternas de carros: no armazem de Tasso Irmaos.
    Vinho do Porto fino superior: no armazem
    do Tasso Irmaos.
    O melhor cognac Gauthier Frcres: no arma-
    zem de Tasso Irmaos.
    Macarthy
    Machinas de descaroca* algodo.
    Hoje que est reconhecido qne as machinas de
    serrote prejudieam c quebrara a fibra do algodao,
    6 preciso recorrer a machinismo menos spero,
    que produzindo o mesmo servieo que aquellas, e
    facilidad* no trabalho, nao qnebrem a fibra da laa,
    para que essa possa obter-nos mercados europeos,
    a differenca que ha entre o algodao descarojado
    por aquellas mencionadas machinas, que* eslao fl-
    cando em deuxo, pelo prejuizo qtie tem causado,
    e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
    pela raorosidade de seu trabalho. E' assim que
    estas machinas se tornam as mais proprias para o
    nosso algodao, porquo ao par da facilidade e
    21
    MADAPOLO ENFESTADO A 35500.
    Vendem-se pecas de madapolo enfes-
    tado a 35500, dito inglez de 24 jardas a
    ()>. CviOD, 75500,85, e 105 a peca.
    ALGODO TRANCADO A 15200 ^
    METRO.
    Vendem-se algod5o de duas larguras pro-
    prio para lenco s e toalhas por ser muito
    largo, a 15200 rs. o metro.
    RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
    Vende-se finissimos riscados francezes
    proprio para vestido de senhora e roupa
    para meninos por ser de bonitas cores a
    360 rs. o covado.
    BRAMANTES PARA LENCES A 25 A
    VARA.
    Vende-se bramante de dez palmos de
    largura proprio para lences a 25 a vara.
    Chitas aaizonas a 360 rs.
    Vtndem-se ricas chitas de listras deum
    de nome amzonas, para vestidos de se-
    nhora a 360 rs. o covado, deste preco
    qualidade s na loja doGaribildi.
    AOSSENHORES DONOS DE COXEIRAS.
    Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
    de listras muito encorpadas proprias para
    forrar carros, e se vende muito barato por
    ser muito largas, preco a 25500 o covado.
    ALGODO ENFESTADO A 15 A VARA.
    Vende-se algodSo enfestado muito largo
    proprio para lences a 15 a vara.
    ALPACAS DECORES PARA VESTIDQS A
    5j0 rs. O COVADO.
    Vendem-se alpacas estampadas de cores
    ;500 rs. o covado propina para vestido de
    senhora.
    CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 35500.
    Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
    ta a 3 >*i00 cada um.
    BRIM HAMBURGO A 85000 A PEA.
    Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
    burgo com 20 varas a 85, 95 e 105 a peca.
    Cortinados para janellas )*.
    Vendem-se cortinados para janellas a 75
    o par, ditos para camas francezas a 145 o
    cortinado.
    500
    200
    60
    25500
    500
    35000
    16C
    e meninos a 32G rs. o
    covado, brim do cores a 400 e 440 rs. o
    covado.
    Lasinhas de uadrinhos a
    9 40 rs.
    Vendem-se lasinhas de quadrinhos para
    vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
    ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
    POPELINAS EM LA A 640 RS.
    Vendem-se popelinas em la da listra
    para vestidos de senhora a 640 e 800 rs.
    o covado.
    CORTES DE LA A 25480 RS.
    Vendem-se cortes de la de listra arpa
    vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
    bar.
    LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
    Vende-se la chineza para vestido de se-
    nhora a 500 rs. o covado.
    Casemiras para calcas.
    Vendem-se casemiras cor de caf, preta
    e azul escuro com listras, para calcas e pa-
    litots, fazenda muito encorpada, propria
    para o infcrno, sendo de duas larguras
    que 1 V* covad' s d urna calca para ho-
    mem pelo pn-co de 25500 o covado.
    Alpacas lizas para vestidos a
    800 rs. o covado.
    Vendem-se alpacas lizas e dobradas para
    vestidos de senhora 700 c 800 rs. o covado,
    BALES DE ARCOS A 1;500.
    Vendem-se bales de 20 e 30 arcos a
    15300 cada um, por este preco s na loja
    rh Garibaldi,
    BRIM TRANCADO PABDO A 800 RS. 0
    METRO.
    Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
    o metro, dito muito fino a 15200 o metro.
    BALOES MODERNOS A 55000.
    Vendem-se baloes modernos e de cores
    a 55 cada um.
    CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
    Vendem-se cassas francezas para vesti-
    dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
    CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
    Vendem-se chapeos de sol de seda a
    105 e 125, na ra da Imperatriz, loja do
    Garibaldi n. 56.
    promptidao conserva a fibra da ta, que Iimpa por
    ella, qualificada na Europa a par da melhor bo-
    landeira, valendo assim ent?e 11 20 por 0/0
    mais do que a laa Iimpa pela machina de serrote.
    Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
    estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
    foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
    dao daquella procedencia, sendo da qualidade do
    da nossa provincia, obtem hoje de 10 a por
    0/0 mais do que o nosso : vendem-se a ioOSOOO
    nos armazens de Tasso Irmaos.
    Oleo de amendoas
    Em caixas de 8 latas, cada ^xa 100 libras :
    nos armazens de Tasso Irmaos.
    Ac de milao.
    Nos armaz*ns de Tasso /rmaos.
    BARRIS DE SALITRE
    No armazens de Tasso Irmaos.____________
    CURA DOS CALLOS.
    PELA
    Pomada galonpean.
    Deposito especial
    Pharmacia de Bartholomeo 4 C.
    34------Ra larga do Rosario------34.
    A NOVA ESPERANCA
    Ra do Queimatto 2J
    Advertencia!
    A Nova Esper?nca, ra do Queimad
    n. 2 tendo em deposito grande quantidade
    de miudezas, e como se approxima o tem-
    po cm que tem de ser dado o balanco, por
    isso desde j previne ao respeitavel publi-
    co, que est resolvida a vender suas mer-
    caduras pelo baratissimo preco, para assim
    diminuir a grande quantidade das que
    tem: assirn pois, venham os bous fregue-
    zes, c os que nao forcm venham ser fregue-
    zes, em tempo to opportuno quando i
    NOVA ESPERANCA convida-os pechincba-
    rem, pois que para comprar-se caro, nSo
    falta aonde e aquem...
    Elle quere ella quer
    E' sempre assim.
    Elle (correspondente de Pars) quer sem-
    pre primar em nos remetter, objectos de
    gosto e perfeiro, e ella (loja da Nova Es-
    perance) quer sempre dividir com seus fre-
    guezes o que de bum constantemente rece-
    be, e por este lidar continuo (d'ambos) A
    Nova Esperanca na do Queimado n. 21,
    alm do grande sortimento que j tinha,
    acab de reeeber mais o seguinte ;
    Bonitos broches, pulceiras e brincos de
    madreperola.
    Papel e envelopes bordado e mati-
    sados.
    Papis proprios para enfeitar bollos e
    bandeijas.
    Brincos pretos com dourados- (ulm
    moda).
    Fitas largas para cinto.
    Modernos gal loes, franjas e trancas da
    seda e de la, para enfeite de vestidos.
    Botoes de todas as cores e moldes novo
    para o mesmo Om.
    Trancas pretas com vidrilhos sendo com
    pengentes e sem elles.
    Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
    tes^ sem elles.
    Lavas de pellica, camurca e excossia.
    Finas meias de seda para senhora e me-
    ninos.
    Delicados leque de madreperula, mar-
    fim, osso efaia.
    Espartilho simples e bordadas.
    Bengalas de baleia.
    Finalmente, um completo sortimento de
    miudezas ra do Queimado n. 21, 'na
    Nova Esperanca.
    Cufiares anodinos ellectro-tnegnett
    eos contra as cenvvlcdss das
    creaneas.
    Nao resta a menor divida, de que muito
    collares se vendem por ahi intitulados o*
    verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
    pais de familias nao creem (comprando-os)
    no effeito promettido, o que s pdem dar,
    os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
    que detesta a falsificacao principalmente no
    que respeita ao bem estar da humanidad,
    fez urna encommenda directa destes collares
    e garante aos pais de familias, que sao o
    verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
    Cas tem salvado do terrivel incommodo d
    convulcbes, assim pois preciso, que ve-
    nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
    n. 21 comprarem o salva vida, para seu
    filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
    dos do terrivel mal, quando ento ser di-
    fficil alcancar-se o effeito desejado, embor
    sejam empregados os verdadeiros collar
    dr Rover.
    COGNAC.
    PAST1LHAS ASSli:MUDAS
    DO
    DR. PATERSON
    De blsmnth e magnezia.
    Remedio por excellencia para combate'
    a magreza, facitar a digesto, fortificar
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Pharmacia de Bartholomeu A C.
    34------Ba larga do Rosario------34.
    Scbonete de alcatro.
    DR
    Antonio Nunes de Castro.
    Este acreditado preparado, que to boa
    acceitaco tem merecido n'esta provincia,
    muito se recommenda para a cura cerU
    das impigens, sarnas, caspas e todas as
    molestias de pelle. -
    Deposito nico,
    Pharmacia de Bartholomeu & C,
    34ra larga do Rosario34-
    Libras eouro nacional, moedas
    de 5 francos.
    edoende-se no arco da Conceico na loja
    Vurives, no Recife. ^______
    GAZ GAZ m
    Chegon ao antigo deposito de Henry Forster *
    C ra do Imperador, um carregamento de gai
    de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
    e a retalho por menos preto do que em outra qual
    quer parte.
    De superior qualidade da mui accredita-
    da fabrfca de Bisquit Dubouch AC, em
    cognac urna das que mais agurdente de
    cognac, fornecem para o consummo do
    Reino da Inglaterra.
    Vende-se em casa de Th. Just, ra do
    commerci n. 32.
    BALANCAS
    PELO NOVO SYSTEMA DEKILOGRAMMA
    COM OS RESPECTIVOS PESOS.
    Vende-se no armazem de J. A. Moreira
    Dias, ra da Cruz n. 23.
    POPTJLAP.
    DA
    FABRICA NACIONAL DA BAHA
    DE
    TEIXEIRA FREDERICO & C.
    Acaba de chegara este mercado umapori; des-
    te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
    princeza de Lisboa por ser de agradavel pernime.
    E' fabricado com superior fumo e pelo melhor
    systhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
    ser viajado, o que para este artigo urna espe-
    ciahdade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
    outras do imperio tem o rap Popular sido assas
    accolhido, e provavelmentc aqui tambera o sera,
    logo que sejafeonhecido e apreciado. Acha-se a
    veuda por preco commodo, e para quem comprar
    de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
    5 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
    escriptorio de Joaquira Jos Goncalves Beltrao,
    ra do Commerci a 17.
    IV.
    Vende-se a verdadeira grana do bem conhecido
    abricante Dav & Martin n. 97 : no armazem de
    J. A. Moreira Dias, ra da Cruz n. 26._________
    Na ra de S. Francisco n. 72, vende-se urna
    e?crava de 35 annos, muito sadia, propria para
    servieo de engenho. Na mesma casa compra-se
    j urna cozinheira ou engomraadeira, que nao seja
    muito moca.
    de pao e cestas, ra larga do
    Rosario.
    Chegaram novos strpprimentos de balaios de
    cos os formatos, muito tteis e precisos as casas
    de familia; tambem recebemos do Lisboa cera
    branca em rolo para acet nder luzes. tudo vende-
    mos pelo menos que possivel.
    Yendr-se
    a taberna da ra de Hortas n. 43, em
    do de seu dono retirar-se para ra ; a
    na mesma.
    virtu-
    tratar
    MASSA e XAROPE
    DECODEINADEBERTHE|
    Proconiados por lodos os mdicos contra os
    DEKLUXOS, CATHARROS, E TODAS AS
    IRfUTAQOES DO PE1T0.
    X. B. O Xaropc de Coian* que mtreto a
    honra, alia bem rara entre o Medicamentoi
    fioio, de ter regitti ado como um do$ media-
    mtnios oQkiaet do Imperio Francet ditpaita
    quulquer elogio,
    AVISO. Por causa da rcprchensivel falfi-
    licarao que lera igMjtado.o fejjj rsuhjo djj
    Xaropc e massa de Berih somos (breados a
    lembrar qne csies medicamentos ta justamente
    conceituados s se ^r-**
    vendem em caiiin- ^^^^ J
    Lase frascos levand t~*~*\ _J0Ajf'C>'
    a assiguatura cm f*"^^[ij \" '
    trrnte. ^v*"^
    6, Iiue det eoiei, t na Pbarmacia Central
    r de Franca, ", Une d Jouy, m l'arie, e em
    \ todas as l'armacras priocipaes do r
    ^Tabellas vermicidas
    DE
    Antonio Nunes de Castro.
    Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
    conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
    do, ej pela fcil applicacao as cranlas,
    quasi sempre mais atacadas de t5o terrivel
    e militas vezes fatal soffrimento.
    NICO DEPOSITO
    NA
    Pharmacia e drogara.
    DE
    Barthomeu & C.
    34lina Larga do Rosarlo34
    Tara as noites
    DE
    S. Joo, S. Antonio e S. Pedro.
    Acbam-se venda sortes para homens e se-
    nhoras, um Unto agradaveis para essas occastoes
    de divertimentos e prazeres : as hvrarias france-
    za ra do Crespo n. 9, na Econmica ra do
    Crespo n. 2, na Popular ra do Imperador n. 67,
    nado Sr. Cardozo Ayres ra da Cadeia do Reci-
    fe n 31 na do Sr. Jos Barbosa de Mello ra da
    Cruz n. 52, na do Sr. padre Lemos ra do Impe-
    rador n. t5, na Encadernaeao Parisiense ra do
    Imperador n. 71.
    t.\.CERM^
    /IMi.vVk'uiMSL. \D
    AOS~mTFOIJETEffiOS
    Bartholomeu & C.
    SALILRE refinado de Ia qualidade.
    EXOFREemcylindro
    LIMALHA de ferro (muito nova).
    DITA d'aco (idem).
    DITA d'agulhas.
    E todos os mais preparados para os lin-
    dos fogos de cores na sua drogara a ra
    larga do Rosario n. 34.
    Vende-se um preto de 18 annos de idade :
    trata-se na roa da Imperatriz n. 13.__________
    ATTENCAO
    Na fabrica de chapeos de sol da ra da Impera-
    triz D. 36 vendem-se laazinhas de linhos e bellos
    padrSos, proprias para vestidos de senhoras e me-
    ninas, nao so pela sua qualidade como pelo bara-
    tissimo preco de 100 rs. o covado ; a ellas, antes
    que se acabem.___________________________
    Manteiga
    Vende-se manteiga ingleza Ana a "20, 800 e
    900 rs. a libra : na travessa das Cruzes n. 12.
    Na ra Direita n. 36,
    obreias muito em conta.
    vendem-se hostias e
    Alegrai-vos myopes, e presbytas, J po-
    dis ver de longe, j podis ver de perto,
    o ha mais vistas cortas, nem caneadas.
    F. J. Germann acaba de reeeber pelo ulti-
    mo vapor um rico e variada sortim> nto de
    oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
    gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
    ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
    assim como binculos de urna a tres mudan-
    gas para theatro, campo e marinha, da ulti-
    ma invenrao.; duquezas, vienezas de 6, 8 e
    12vidros, tudo dos melhores fabricantes da
    Europa.
    O mesmo vapor trou-
    xe urna excellente ma-
    china para graduar e
    observar numero dos
    vidros qoe se necessita
    conforme a vista de
    qualquer pessoa.
    Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
    tos de mathematica, barmetros, vidros de
    chrystal do rocha, e de cores para resguar-
    dar a vista; eoncerta todos os objectos
    precos commodos e com promptidao ; tira
    o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
    encommenda relativa a ptica.
    Recebeu tambem os ecellentes relogios
    do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
    &C, os quaes vendem preces commodos
    garantindo a sua superior qualiaade. .
    CAPSULAS MOLES
    DE
    ALCATRAD
    Remedio por excellencia para cora rpi-
    da e completa das coqueluches, bronchites,
    catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
    guinos, e outras molestias do pedo.
    VENDE-SE
    Na
    PHARMACIA E DROGARA
    M
    Bartholomeu 4 C.
    34RA LARGA DOROSARIO-34
    Massa batida.
    Valdvino da plvora vende boa massa para fofo
    a 720 rs a K assim como boas pistolas : no
    seu armazem de 'sal, na ra Imperial n. 249, pou-
    co alemdahbjcajejabao.______________
    "* pululas deBravIaa
    E oeasoas accommettidas de febres intermitentes, So
    incmnaraveis em sua orneada, para completamen-
    te voncer as ditas febres, achando-se nicamente
    venda na botica n. 3. a ru Direita esta -
    dade.




    i
    s



    Diario de Pernambuco (^iti feira 24 de Junlio de
    18G9
    Ccordeiro previdente
    Rua do Quciuiario a. le.
    Novo e variado sortimento de perfumaras
    finas, e outros objoctos.
    Alm do completo sorti;neuto de perfu-
    maras, de que efectivamente est prvida a
    loja do Cordciro Providente, ella acaba de
    receber um outro sortimento que sa torna
    notavel pela variedade de objoctos, auprteri-
    dade, qualidades e commodidades de pro-
    cos; assim.pois, o Cordciro Providente pede
    e espera continuar a merecer a apreciado
    do respeitavel publico em geral e de sua
    boa freguezia em particular, nao se afas-
    tando elle de sua bem conhecida mansidao
    e barateza. Em dita loja encontraro os
    apreciadores do bom:
    Agua divina de E. Coudray.
    Dita verdadeira de Murray Lamman.
    Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
    ceza, todas dos'melhores e maisacreditados
    fabricantes.
    Dita balsmica dentriflcia.
    Dita de Cor do larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
    Elixir odontalgico para conservagao do
    asseia da bocea.
    Cosmetiques tic superior qualidade e chei-
    ros agradareis.
    Copos e latas, maiores e menores, com
    pomada fina para cabello.
    Frascos com dita japaneza, transparente
    e outras qualidades.
    Finos extractos inisf.ezes, americanos e
    franceaes era frascos simples e enfeitados.
    Esencia imperial lo fino eagradavel cliei-
    ro de violeta.
    Oalras concntralas e de cheiros igr.el-
    ttente finas e agradaveis.
    Oleo philocome verdadeiro.
    EAracto d'oleo de superior qualidade,
    com escolhiilos ene ros, em frascos de dille-
    rentes tamanhos.
    Sabonetes era barras, maiores e menores
    para raaos.
    Ditos transparentes, redondos e em figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinha para barba.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    rucUs.
    Ditas de raadeira invernisada contando fi-
    nas perfumaras, muito proprias para pre-
    sentes.
    Bitas de papelao igualmente bonitas, tam-
    ben de perfumaras finas.
    Bonitos vtsos de metal coloridos, e de
    moldes novos e elegantes, com p de arroz
    e boneca.
    Especial p de arroz sem composieao do
    beiro, e porisso o mais proprio para criao-
    ;as.
    Opiata ingleza e fiar.ceza para dentes.
    Pos de camphora e outras dilereatet
    qualidades tambora para dentes.
    Tnico ori.ital de Kemp.
    Aluda mais coques.
    Um Giro sortimento de coques de ne-
    vos e bonitos moldes com lilets de vidriaos
    e alguns d'elles ornados de llores e fitas,
    ?sto todos exposts a apreciaras de quera
    os protemla c >mprar.
    GOLLINILVS E PUNHS BORDADOS.
    Obras do milito gosto e perfeico.
    Fivellas e Utas para ckAos.
    Bello e variado sortimento de taes objec-
    . M, fieanlo a boa escolba ao gosto do com-
    prador.
    FLORES FINAS.
    O que de melhor se peda encontrar neste
    genero, sohresahindo os delicados ramos
    ominados para coques. ______^^^
    QUE SE LIQUIDAM
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    FLIX. ?EREIRA HA SlIitOt.
    O proprietario u'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
    pital a vir surlir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
    le, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meaUlos, e as
    pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do matfl, tiesta casa
    poderao fazer os seus sortinientos em pequeas ou grandes porcSes, venoen io-se-lnes
    pelos procos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
    lias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
    levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabeieciraento, que se acha aberto con-
    stantemente desde s 6 boras da manhaa s 9 da noute.
    Casimiras da moda
    NA
    LOJA do pavIo
    Chegou pelo ultimo vapor francez, um
    grande o verdadeiro sortimento
    11--RUA DO QEINAD0--11
    DE
    Vinho degrestivo de
    chassaing
    ron
    FEPSINA E DIASTAEX.
    Remedio per excellencia para cura certa
    las digestes difficeis ecompletas, acalmar
    as dores ganralgicas, e reparar as forcas
    produzindo urna assiraulaco completa dos
    .alimentos; sendo mais um cxcetlente tnico.
    vemo:-se
    PHARMACIA E DROGARA
    M
    Bartkoloincn fe C\
    34RA LARGA DO ROSARIOO i
    FUNDICAO DOBOWMAN
    lina do Brum a. ft.
    PASS ANDO O CIIAFARIZ
    Tem tempre deposito de todo o ma :hinis-
    mo aapragado na agricultura da provincia,
    entre o qual:
    Machimn de vapor, para focar e para
    ilgodlo.
    Rodas d'agca.
    Motores de diversas especies.
    Moendas de canna.
    Rodas dentadas, para animaes, agoa e
    vapor.
    Tixas de ferro, batida fundido e de
    bre.
    Alambiques.
    Aiados e instrumentos d'agricultura.
    Descarocadores d'algodao etc. etc.
    Havendo em ludo variedade de Umanho
    deade o menor at o maior que se costu-
    ota empregar.
    Yaade-ee mantoiga ingleza muito boa a 900 r?.,
    \i, e til*) a libra, muito fina, presunto de La-
    mego a 800 rs a libra, carne do sertao 300 rs.,
    linguica limrem lata a U a libro, farello, sacco
    de i'00. t o la Lisboa fino a 5*400: no pateo
    Paraizo n. ->.'
    CRAVEIROS
    E' um lindo e .nnofensivo fugo de arlicio, pela
    sua qualidade, quasi impo-sivel rebentar, so se
    lor frito por quem nao gouber: garantimos os que
    se fabricam na antiga fabrica da estrada, de Julo
    de Barro, di viuva Rufino, e as eneommendas
    para os que se fazem em dita fabrica, recebem-se
    do armazem da bula amarella, no oito da secre-
    tara de polica.
    Explendido sortimento de
    Alpacas lavr&da* de cores a 5e
    Alpacas a 866 Alpacas a 360
    Alpacas de cores
    Na loja do PavSo nn da Imperatriz n,
    60, vende-se uns poucos de mil covados
    das mais lindas e modernas alpacas lavradas
    com as mais modernas e bonitas cores,
    proprias para vest des e roupas para meni-
    nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
    de canna, verde claro etc. e os lavrores
    inuito mrudinhos assentados em Hma s
    cor; para se poder rota Miar esta fazenda
    pelo barato preco de 360 rs. o covado, foi
    precise fazer-se urna grande compra deste
    artigo, o qual grande pechincha.
    A franeczas
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300
    Covado a 300 Cavado a -300
    Covado a 300 rs.
    Vende-se na loja o Pavo ra da Im-
    peratriz n. 60 urna grande quantidade de
    mil covados das melhores casas francezas
    para vestidos, tendo padrees lidos e grad-
    aos, assentados em todas as cores, estas
    sassas sao propriamente frencezas, tendo
    ti-ansparentes e topadas, omb tanto corpo
    quasi cerno a chita, e am dos.padrees
    serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
    fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
    talha-se a 300 rs. o covado.
    Csparthos a 34 na loja do
    Pavo
    Vende-se urna".grande porcao de esparti-
    Ihos modernos com o competente cordao,
    tendo sortimento de todos os tamanhos, e
    vendem-se a 3tf cada um.
    MADAPOLAO ENFESTADO A 3rj600, SO
    m pavo
    Vendcm-se pecas de madapolao enfestado
    com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
    barato proco de 3;56O0 ris, assim como
    pecas de algolaosinho com 16 jardas
    13300 e o()00 ris.
    ALPACAS LAVRADAS COM LISTAS A 300
    .RS. S 0 PAVO VENDE
    Covado a '00 rs.
    Covado a 300 rs.
    Covado a 300 rs.
    Covado a 300 rs.
    Covado a 300 rs.
    Covado a 500 rs.
    Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
    60 vende-se urna grande poroao do alpacas
    lavradas cora os mais lindos padrees Iletra-
    dos e com ilores matisadas, sendo este ar-
    tigo urna grande pechincha, por se terem
    comprado urnas pouess de cafcas e vende-se
    pelo barato proco de 300 rs. o covado.
    Chales
    PELERINAS DE CROCH A $3, lOJOiO
    E 125000
    Chegaram para a loja do P>o as mais
    modernas e mais bonitas romearas ou pele-
    rinas de fil e croch que se venden a 8 e
    m e 124.
    GRANDE MBIIBA
    EM
    PERCALLAS
    A pataca o covado
    PERCALLAS A 320 RS.
    AOS DEZ MIL COVADOS
    PERCALLAS A 320 RS.
    Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
    60. vende-se urna grande porco de per-
    callas francezas proprias para vestidos, sen-
    do de cores fixas e mais larga que as chi-
    tas, tendo os pannos muito encorpados e
    com os desenhos mais bonitos que tem
    vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
    grados e vende-so pelo baratissimo proco
    de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
    fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
    por este baratissimo proco para apurar di-
    nheiro.
    BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
    PALMOS DE LARGURA A 1#800
    Chegou para ^ loja do Pavo, ra da
    Imperatriz n. .60,' urna grande porcSo de
    p <;as de bramante com 10 palmos dS lar-
    gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
    ment da um lencol, o qual se faz com um
    metro e urna quarta, e para cama de casal,
    com um metro e meio; e vende-se pelo
    barato proco Jo '13800. ris cada metro,
    tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
    pcacoes para arranjos de familias, sendo
    grande pechincha pelo preco.
    COBERTORES DE L. PARA 0 INVERN
    * DE 30000 a 60000
    AUGUSTO PORTO & C
    Receberam superiores vestidos de blond com manta e eapca para noivas, que
    vendem-se por procos mais mdicos do que om qualquer outra parte.
    SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca o de cores o que ha de mais lindo.
    BASQUJNESde renda preta, e de gorguro preto, o que ha de mais
    elegante.
    CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
    BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espai Ulhos, saias bor-
    dadas, e saias de ISa com barras de cor.
    GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
    tique branco, e grosdenaple branco, de coros e preto, princezas, bombazinas pelas,
    alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
    Pechincha,
    Na ra do Queimado numero 40.
    Pecas do algodozinho com 20 jarda?, muito
    superior, com pequeo toque do avaria, pelo di-
    minuto pri'$n VENDE-SE
    Pipas vasfcs, barris de 6o, e um dcimo
    tudo em perfeito estado, frasqueiras pro-
    prias para frascos com genebra de Hollan-
    da, orna porcao de garrafas vasias e botijas
    para cerveja, e urna pipa com 80 caadas
    de agurdente de canna superior chegada
    oltimamente do mato : no dep- sito da ra
    do Lima em Santo Amaro, n. 30, das 9 ho-
    ras da manba em dianter
    das mais
    modernas e mais linas casemiras para cal-
    Cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
    tras e com listra ao lado, tendo para todos
    os procos, e afianca-se venderem-se muito
    >mas barato do que em outra qualquer par-
    te, assim como das mesmas se manda fa-
    ter qualquer peca de obra, a vontade do
    freguez, para o que tem um bom alfaiate.
    Aos quinhentos palitots
    a m e 201000.
    Na loja do Pavo a ra da Imperatriz n.
    60, vendem-se urna grande porco de pa-
    litots sobreoasacados, e propriamente so-
    brecasacos de panno preto, sendo obra
    muito bem acabada pelos baratos procos
    de 18)51, sendo forrados de alpaca, e de
    205 forrados de seda; esta fazenda a nao
    se ter comprado urna grande compra, seria
    para muito mais dinheiro, porm iiqeida-se
    esta pechincha pelos precos cima.
    Lazlnhsrfl a JO rs.
    Vendem-se laazinhas para vestidos e rou-
    pss de meninos, -sendo lo enerpadas
    como chitas, pelo barato preeo de 240 rs.
    o covado. "**
    POUPELINAS AOORS.-0 COVADO.
    Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
    n. 60, vende-se um grande sortimento das
    mais lindas poupetcas ou laazinhas trans-
    parentes, proprias para vestidos e roupas
    de ereancas, com as mais modernas e bo-
    litas cores ; padraos com listrinhas miudi-
    nhas, que-so vender pelo barato preco de
    300 rs. o ovado, pechincha' que 9e acha
    nicamente na loja-ce-Flix Pereira da Sil-
    va, na ra da Imperatriz n. 60.
    AS CAMBRAIAS DO PAVO
    Vendem-se finissimas pecas de cambraias
    lizas transpsrentes tanto inglesas como suis-
    sas tendo mais de vara de largura, pelos
    preces de SifOOO at IOiJOOO a pe?a, cssim
    como finissimos organdys branco liso que
    erve para vestidos de bailes, por ser muito
    transparente a I Pavo ra da Jmperatriz n. 60, de Flix Pe-
    reira da Silva.
    Cortlaudos
    Para camas e janellas.
    Vende-se um grande sortimento ajos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para janellas, que se ven-
    den a 1241000 rs. cada par at Z5&0Q0 rs,
    isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    roupas feitas
    NA LOJA DO PAVO RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com-
    pletamente sortido das melhores roupas,
    sendo calcas patts e coletos de casemira,
    de panno, de brn, de alpaca, e de todas
    as mais fazendas quo os compradores pos-
    sam desejar, assim como na mesma loja
    tem um bello sortimento de pannos casemi-
    ras, brins, etc.-etc. para se mandar fazer
    qualquer peca de obra, coma maior promp-
    tido vontade do freguez, e nao sendo
    obligados a acceita-las, quando nao stejam
    completamente ao seu contento, assim como
    n'este vasto estabelecimento encontrar o
    respeitavel publico um bello sortimento dp
    camisas francezas o inglezas, ceroulas de
    ' linho e algodo e outros amitos artigos
    proprios para bomens e senhoras promet-
    tendo-se-lhe vender mais barato do que em
    outra qualquer parte. Na ra da Impera-
    triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
    ra da Silva.
    COLCHAS PARA CAMA A 3,5000.
    Vendem-se colchas de fusto adamasca-
    das para cama, pelo barato' proco de 3$,
    grande pechincha, na loja e armazem do
    Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    O atoalhado do Pavo.
    Vende-se superior atoalhado de algodo
    ;om 8 palmos de largura, adamascado a
    l-yiOO a vara; dito de linho fazenda muito
    tuperior a 35200 a vara ; guardanapos de
    inbo adamascados a 44500 a duzia e muito
    inos a 8^000, e ditos econmicos a 30300
    t duzia.
    BAZAR UNIVERSAL
    S-Hua Sova- *>
    Carneiro Vianna
    Nesle TUZAR sortimento de todos os artigos qiw se ven-
    dem por preeoa comniodos como sejam: Um
    eompleto sortimento do machinas para cos-
    tina do lodos ftt y-trmas, mais modernas
    adoptados na Aerica e appi ovadas- na I-
    tima 'xp'sico serviros a ciertos pnraalrao-
    Coe ja;>tar, .-alvas. bandejas, taboleiros, bol-
    sas o malas para viagem, fedspensaveis para
    senhoras, candielros pai a sala e cima demos.',
    parede e portal, mangas, tubos e lobos de
    vidro. ma, hias para fazer caf, ditas para
    bater ovos, ditas para amassar fannha, ditas
    para fazer manteiga, camas de ferfo para
    casados; solteiros e enanca, berros, cadei-
    ras tongas para viagem, ditas de bataneo,
    espetaos de.todos os tamanhos, molduras
    para aoadros gaz, baldes americanos, gu i-
    da comidas, brinquedos para criancas, um
    completo sortimento de cestinhas, oleados
    para sa'a e nesa, tapetes para sala, qoarto,
    ieiitedesoph,janellae porta, capachos de
    Sparto e coco, onjectos para escriptorio e
    muilos outros artigos que se encontrarlo a
    venda no mesmo eslabelecimento e que vale
    a pen- ir examinar.__________________
    __
    MHO
    IA &6 $_MAt>$
    NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
    DE
    BQRDEAUX SUPERIOR.-
    GATEAU LA ROSE.
    CHATAIJ RAU2RAW
    Em casa de Raba Selmiettau & C. CorpR
    Santo n. 43._______
    manteiga oglen llur a 15000 : na*travosa <
    Livranjento n. 38, p;quina da ru A F"*-'
    ^ua-florida de Cruis-
    lain
    Tintura indelevel paratingir os cabelles,
    om manchar a peHe.
    A bem conceiluada agua-florida de-Guis-
    tain que ento era deswnbecida em l nanabueo, j boje estimada e procurada
    por seu elficaz resultado, e aindi mais se-
    r, quando a noticia de seu bom ell'eito e a
    experiencia tornar de todos conhecida.
    A agua-florida de Guislain emposta ni-
    camente de vegetaes inoffenstvDs, tena a
    propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
    mitiva aos cabellos, guando esttverenrbran-
    cos, e Ibes restituir o brilbo perdido, eas-
    sim oamo preservar de embraucuecer.stim
    3er prejudicial de modo algum
    E' porm neeessario fezer codiecer, que
    o bom resultado produzklo pela agua-flofi-
    *te, nao instantneo, como nwiitas pes-
    -oas taivez supponbam, cuis sim ser pre-
    ciso fazer uso d'eUa,trezou quaro vezes,
    e logo se obter ofim desejado, como bem
    provam testemuahos de pessoas insuspei-
    tas, e d'anto por diante, basta usa-la duac
    vezes por mez, coatando sempre com o bom
    dxito, pocndo a experiencia ser Ceita em
    >utra qualquer cousa.
    Assim pois esta agua-florida acla-se ven-
    da na be conhecida loja d'Aguia Branca
    ra do Qtieimado n. 8,
    A Aguia Branca, contando cem a pnotec-
    So de sua boa freguezia, tambem capricha
    em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
    pre corresponder a idea favoravel com que
    a honram, e em prov ao que fi-ia dito, d
    como exemplo iO explendido sortimeuto
    rae acaba de receber, ainda mesmo achan-
    io-se bellamente provida do que de bom
    e melhor se pode desejar nos gneros que
    tao de sua competencia.
    Haja vista aos necessarios livros de saissa
    i oraco, Gbras de apurado gosto e perfei-
    ?o, sendo: com capas de madreperola e
    tocantes quadros em alto relevo.
    Ditos com ditas de marfim
    bonitos.
    igualmente
    aVLPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
    a imx)
    Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
    c3o ou gurguropara vestidos, sendoj'es-
    Chegou para a loja do Pav3o, um gran- te genejo o mais moderno e mais Bonito
    de sortimento dos' melhores cobertores, de que tem vindo ao mercado com differentes
    13 de carneiro, sendo muito grandes e cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
    muito encorpados, que se vendem de 3# de-sepelo baratissimo preco de I #000 o
    at 6#0t'0 cada um, em relac5o s diffe- covado.
    rentes qualidades, pechincha: a ellos an-
    tes que se acabem.
    ATTENCO
    S PECHINCHAS QUE SE LIQUIDAM
    NA LOJA DO PAVO
    Cortes de organdy listrados com 10 va-
    ras cada um e que tambem servem para
    luto a 3000.
    Lanzinhas de coref; para vestidos a 200
    rs. o covado.
    Cortes de cambraia com barras bordadas
    e muito finas a 3 e 4)5000.
    Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
    a vara.
    Chita preta estreita com salpicos para ves-
    tido a 240 o covado.
    Ditas ditas lisas a 460 o covado.
    E' pecbincba para ecbar contas.
    A o> id .ule Aovidade
    GURGROES DE SEDA PARA AS FESTAS
    DO MEZ m JUNHO
    Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
    para a loja do Pavo, ma da Imperatriz
    n. 60, um brilhante sortimento dos mais
    modernos e mais bonitos gurgures de seda,
    para vestidos, tendo padroes miudinhos e
    grados, com lindas listras matjsadas, as-
    sentadas as mais delicadas cores, como
    sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
    etc. etc., assim como ditos lisos de todas
    as coras, garanlindo-se que na actualidad'
    n3o ha urna fazenda de mais gosto nena d>-
    mais pbantasia do qu<3 esta.que se vende por
    proco muito rasoavcl, no estabelecimento
    de Flix Pereira da Silva.
    Ditos com ditas de velludo, outros im
    tando oharo machetado.
    Ditos com ditas de marroquim com cruz
    e guamieao, domada ou prateada.
    Coras e tercos de cornalina.
    Assim como.
    Grande e bello sortimento do leques
    todos de madreperola, madreperola e seda,
    sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
    e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
    com 4 vistas, e outros japonozes enfeitados
    de Seres.
    Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
    Vaas de ceiTente^le borracha.
    Meias de seria para meninas e senhoras.
    Ditas de o de Escocia abertas, tambemj
    ara meninas e senhoras. .
    Ditas muito finas d'algodao, alvas, c
    cruas para meninas e senhoras.
    Luvas de to cfEscocia, torcal, e seda
    para mentas e seahoras.
    Meias de la para bomens, mulhercs c
    meninas.
    Gollinhas e punbas bordados obra de
    muito .gosto.
    Entro-meios fines tapados c transparen-
    tes com delicajios bordados e proprios
    para enfiar fita.
    E OS PRODIGIOSOS
    Anneis e collares Royc-r para crcancas.
    Bonitos abases ou uoisinhas de pelica
    o setim para meninas ou senhoras.
    Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
    Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
    com pedras, aljofares, etc.
    Ditas de tartaruga para joias.
    Bonitos albuns com msica.
    Pinseis ou buneeas para poz de arroz.
    Novos o delicados ramos de flores com
    raarrafes para enfeitar coques.
    Bello sortimento de trancas de palha.
    Fitas largas para citaos.
    Cintos de fitas largas com bonitas rama-
    gens.
    Brincos e alfinetes de madreperola.
    Ditos esmaltadiis, obras novas e bonitas
    Carne do sertao
    Xa ru do Amorin n. -'ti, a 5j a arroba.
    Contina fugi'lo o sefavo d nomo Btrit-
    dicto. ptftenfeiue ao abaixo as-iimadu, cen os
    sigoaes segointes: preto fulo, altura resular,
    falla do acntca da part nporior, p^' grandes,
    muito liino, e lenca barba. SuppSi --e estar
    acontado ni!^t:i eiaadc. d'onde i'ir-'io (rom urna nin-
    l;iia pcrtencenle i D. Genoveva (Airea du Araujo
    Alboquerqne, taoibeni com es signaos sopuiute :
    eabellns annelladvs, nariz chato, falta do deiiN-s da
    parlo, superior, pa pernio nos, tendo ern o direifo
    um* eiealriz, urna helide no ollio esquerdo e altu-
    ra regular. Os senliores tanto do esrravo como da
    cscrava protpjtam contra qualquer quo'os icnhu
    acontado, pelos dainos c.msailos, bem i'-mu ro-
    gam s autoridades policiaca ou quaesquer on;ras
    pessoas quo so digneui de fazc-hs capturar e
    mandar levar ao esciiatwio de Leal & Irmao, neo
    roidado.
    !.h ' Do eugfplio jacobina, fregE?:!; u Cabo, a
    nniie.di'6 para 7 do crrente, ftigiram os ocravns
    M'gmntes : Salvador, erinalu, rr preta, baixi;,
    i o.-., idade de \\ anuos mais ou menos, barba
    j pintada, r-^lo redundo ctraK'.ia e i i .
    Esw eser.v.o foi comprado ao Sr. Francisco A:
    de Aivujo, morador na ridaUe du Becife.- Uam I
    l'ielo. aho, baroado; bom corpo,nemas linas, e i
    a falla mu punco descansada, representa ter i
    amias mais en menos. Levou calca di a'codiio
    sniericano, camisa do madapolao a *elba e
    peo de conro : esto escravo foi comprado ai !
    Joas Mariano do S, morador em Muxot. para,
    un leseonGa-so ter seguida l-gase santori-
    "des pojiciaes o os capitaes Se campo a apni
    hensao dos referidos escravos. r entrega-Ios a
    seu senbor Antonio Carneiro Lias e M. lio, no en-
    t'cnlio srima referido.
    005*'I
    OOJ
    005
    000V5
    08
    00551
    008
    00001
    OO50
    005
    005
    008
    B 9JOJJ00 CJCl o Je op S80JOJI
    ........opnsa.v
    ap umjqap tse epj sp sejoj
    .....souanbod sopa
    ........ epeanop
    Bjnpoai moa sapnej soqjedsa
    OJOUd OpOJ 'BJ33 Op SU33Un({
    SUOpJO 5 S8J9XJ03 UI03 &BXSQ
    e Biznp SBparf 005 op quiq
    e oi3j[oo Bjcd SB.inpBojoqy
    .........e Biz
    np suoraoq cjcd scujd sciaiy
    ........f O'^
    '008 '00V sojtotp rao3 sodsoj_
    B oqand Bjcd saoioq ap sojbj
    soera Bjed soauejq so5uai
    09
    00'/Vi
    000
    0*5
    058
    09
    00019
    09
    005
    0?CT
    oooS
    1!
    c B-jnoj ap saoioq op czojo
    BQUip nao U10J iljBJJBO
    "' a 008 '00! '009 "OO;
    soiotu-JiU3 o BoqujpcqRy
    9005 05 *00l '08 ? sai'
    -i!pi|Btib se scpoi op 9iauoqns
    i esoquq ap o&p utoa soosbjj
    ........ B SKI-
    -.lBfOO UI03 EIJUI] Op S0f|9.\0N
    Jeqjoq BJt:d snquii ap sujqrj
    0 SJ 001 B ^mil "W S0JSBJ..J
    Kubu uwtnigeiiliu i'apagaiu, termo de i
    calvo, na-pmvmcia das Alagoaif, o esrravo i
    os en ulo, preto, dade de 33 aunes, pooc' i
    qu menos, altura baixa. barbado, bem fallante, env
    Maaa-M minio, o inlittila-se forro, tem uOlrin de
    sapaieiro. e o tamil m earreiro, consta que .
    em .oyanna, em Pernambuco : rccinn'.oiida- e
    todas as autoridad:'-, poliriaes, assim cuno a
    qnaiqner pessoa que o encontrar, qnc o prenda e
    rcmewa-o ai seu senbor qne o capiin J.- Can-
    dido das .Vves, no engecibu Papagftm, on na ra
    de Apollo, armazem D. ;jj, ,,,, Pe (l,?,,ai t(!a e
    quaesquer dispezas que bouverem dc.-erl i
    eom a prisa., do me.-mo escravo. a-sim cuno -o
    gratificar generosamente a qu.m der novicia
    exacta do referid.) escravo.
    3 BJniS03 BJBd
    b seipin
    seJitosoqx
    .........' B SBU
    -mora Bjcd bssoabji ap samaj
    .....b BJjapBpja.v .l.'.U.I
    Buo|oo ap mSe moa sooslmj _'.
    cqooa B}U|j moa sejEjjeo i
    :s9^nntas sodoad sotad sop?M
    -Bpap oxiBqB so;oafqo so opireunaiib ^sg
    ivhojmi vimow omm
    aa
    NVKatfiiM ara vpofi
    h-U rugido, dedo o da 15 de Janeiro o
    corrente anno, o escravo Pelippe. rom oa Biguaes
    -egtimtes : calu-a, dado -> a 27anBAsntais i
    menos, corpo e altura regulares, soloancelh- <
    pretas e serradas, cabelh s ennisvados e aeaboco-
    lados, qnerendo principiar a barbar, as veies in-
    rhan Ihe as ptraas tem ama mana de can
    dn lado dircilo sobre, o ligado, quando anda fi.a,
    duro e ci m passus avanzados, lea o ventre u i
    punco cr. scido, pesclo grosso, ( muito regris-
    la, equando foge diz que 6 forro, e tem [xt costu-
    me trocar o nume e botar a camisa tora da cala.
    Este escravo foi preso e estove m cadeia por an-
    dar fugid ; levou calca de brim d oaadimbus
    (.retos, camina de madapolao, chapen de laa pn ;i
    redund, o natural do lugar Caabutinhi. da roiuai
    ca de S. Bento desta provincia, e f< i escravo do t'r.
    los Eduardo Alvos do Mello, morador no mes-
    mo lugar. O referido escravo ja foi virio < m Glo-
    ria de Goiat, distrieto de Pao" d'Allio, o em 11-
    moeiro ; presume-se que se eouse ve nenies I .-
    gares : ncdo-se s autoridades policiaes e aos
    Srs. capitaes de campo a captura do momo es-
    nvo. e entrega-lo ao seu senbor Jo.- lereiradn
    Miranda Cunha, morador no Rccife, caes df S,<, .
    Amaro sobrado n. 2 do falleeid.. Manuel Custo-
    dio, ou na ra da (J.eleia do liecife n. y', qun o
    luesmo gratificar generosamente.
    BelljirmiiK
    IE FIGABOS FRESCOS DE BiCiLHil
    MB3TCO W HONRA
    Vende-se em frucoa
    DE FIGABOS FRESCOS DE BACALH10 ang.
    !, pbarmacia lloco,
    J, a de Caaglione,
    em Paria.
    As ttrafacyOri. os oleo pardo*, d'ura ebeiro forte, e m'aia comnosicBes feitas com oleo*
    de peea comrauns, taes como o eiqua!o, a arrala, o pkoea, a Uta, om oleot dos art^tm prrrmioret.
    mesmo o* oleo vegrtaes, foram imaginados para substituir os verdadeiro* oteo* de Naadoo
    h uma de Baialaan de Terra-Wova* Estes aleo* communs ou seo* imrBlaini Oo
    obtidoa na industria por precos mui baixos, em quanto que o* vurdadeiros leos de flaiio de bacalliao
    fresco sao relativamente multo caro, visto que para ohtcl-os (raro* e sem mistura compre eiercer
    pande vigilancia e ter os maiores cuidados nos proprios lucarts das pesca, assim como manda fuer
    M. Hogg desde o anno de 1849. Estes oleo paro* de Bacalhao de Te ra-rl*a de <>
    une ram par* este precioso medicamento uma fama universal as molttliu do pttlo, as
    ttcrofulosa* t lymphallcas, a maoteui do* meiu*M,etc,e por iaso,deram lugar nocivas
    imitacoes.
    Nota. O ateo de Bogg mui fcil de digerir, distmgue-ee entre os outro* oleo* pela sua
    cor de palha. o eo ebeiro snave e delicado, e seo gosto de sardinha fresca.
    O BELATOIUO favoravel do chefe dos trabalhos chymice* da FACUL0ADB DS MEDICINA DE
    PABI8 com-rao como segu : 0 oleo cor it palha de U. Hog eontrm uma terta parto de aria-
    i aa* aaa mais do que ot leos pardee nao aprsenla altum om inco* n'ettts, qwno ao eheiro t sabor.
    a adaa aa aaaraaaelaa dka t> a daa pataca
    fe- cae*
    leeleaes
    re
    Evadio-se do engenho Marrecas, na comarca ic
    l'urto Calvo, o no din 18 de n.aio do corrente an-
    uo, o escravo ellarmin, cabra escuro, de fdr.de
    de 28 anm.s, alto e secco do eorpo, sem buba, ps
    j r.,ndes, tem estado nesta cidade, o o seu maior
    iiltssew pelo bairro da Boa-Vista, | de ser (;ue
    lio se encammhe para a freguezia da Bseada,
    ondo foi elle criado, e 6 conlieenlo : quem o pe-
    gar e levar ao referido engenho, ou nesta prara,
    >na da Cruz n. o, I" andar, recbela boa gtt
    tiicac,5o.
    Acha-se fgida lia ort meze* a preta es-
    crava, de nacao, de nome Maria.com 40 annos d
    latle, baixa o cor fula, consta que diz ser forra, b
    ndavendenilo na freguezia da Mna-Vii-ta, com
    uma bandeja pintada de encarnado, com qut>
    fugio : gratilica-sc bem a quem a apprefaender e
    v;.-la a na Imperial 103.
    Pugbi do sitio deuoininado liuiuys do Ar-
    aial, fregnfzia do Poco da l'anella, n oei avo atri-
    .no de nomo Joaquim, mais contiendo por liar-
    "i-a,comos signaos seguimos ; e,-tatnra regtlar,
    lieio do corpo, poura barba, ros!., redundo, tem
    una bellido no olho esquerdo on direito. \ es e com os dedos anertos, costuma andar semprn
    om a r upa suja: roga-se as autoridades poli-
    Mas B aos capiaes de campo e a qualqm r paMoa
    ce o encontrar, que o prendam e levrm ao sen
    nbor que Antonio da Rocha Vivir, no enge-
    ho Pindobinha da freguezia de Ipojma, ou aa
    r. Paredes Porto, na ra da Impcraim. que se-
    generosamente recom|h>nsadns; pois jnlga so
    ndar o dito ecravn pelos sohnrhw esta ridade.
    Actia-se iugido umoscravudo nxne Kniel
    lade trinta e tantos annos, esiatun regular, eo-.
    da. o'mea barba, que as vezee raspa, com falf:*
    le un ou dous dentes na frente, um poueu canv-
    aio. ora da-se ao servico de ratrnea, ora aloga-
    e em ca I ando vem dormir no Carainho Nov... em er.a
    le urna crioula do nome Bernardina ; as veas sa
    titula por Jos, nomo este p-T que algniwa eo-
    hecem : quem o anpreliender loo o a rita d*
    operatriz, casa n. 2 andar, que sera gratih-
    .do. Protesta-so contra qnem o tivtr a aeu er-
    ;n o communicar ao seuhor.
    -
    VI


    __
    HBHBHMMBMM^^^^HI^HH MMHHH^^H HHM^MH^BM^^B
    %
    KH
    Diario de Pernambueo Quinta feira 24 de Junho de 1Q69.
    ME1BLEA GERAL

    CMARA DOS SRS. BEPTADOS
    SESSAO EM 2 DE JUNHO.
    PRESIDENCIA DO M. VISCONDE DE
    CAMAB^GIBE.
    (Coniinm
    Sim. senhnres, hoje continuamos na guer-
    ra, movomo-nos pela Torca da inercia,como
    a pedraque rola da montanha, e,que nao
    pode offerecer insistencia contra a forra
    que fatalmente a altralie para o abysmo ;
    mas, senhoras, fazera s aradas guerra por
    que hoje sSo necossarios muito maiores cs-
    orcos c enefgia para parar ou recuar do
    que para proseguir. Somos ncapazes de
    urna tsotucio enrgica e perspicaz como a
    de Napoleo III ein A'lla Franca.
    Finalmente, Sr. presidente, o thesouro
    nacional est na mais penosa sltuacao. O
    'espirito publico est cansado e abatido des-
    la lata j to prolongada.
    O Sr. Andrade Fiuceira : Nao apoiado.
    O Su. Candido Tomes I-'ii.iio :O crdi-
    to publico tom sido tantas vezes posto a
    provas que jaz esmorecido.
    O Sr, Andrade Ficl'eira :Nao apoiado.
    O Sr. Candido Torres Filmo : Nao
    possivel que o paiz, ao qual se tem pedido
    tantos sacrificios, Rio fique por fin extenua-
    do ; e fra de d uvida que o governo vai
    perdendo o seu secredito, medida que a
    divida publica vai avultando.
    O Sr. Andrade Fk;i"eir : Para fim to
    nobre lia de sempre ha ver recurso.
    O Sr. Candido Torrks Fii.ho :O gover-
    no, Sr. presidente, nao poder cortamente
    levantar um novo exercito se a peste e as
    pelejas dizmarem ainda os destroces da-
    quelle que l existe.
    U Sr. Andrade Fioceira : Pode ainda
    levantar, se liouver necessidade,
    O Sr. Candido Torres Filho : Real-
    mente, Sr. presidente, a honra do paiz, os
    seus bros esto mais que completamente
    desaffrontados'. Eu espero que o patritico
    gabinete de Id de julho, coinprehendendo
    .< responsabildade de to ardua misso ;
    coupreliendendo os seus deveres cm rela-
    co a este to grave assumpto. saber por
    termo' a essa vertigem bellicosa que nos tem
    hallucinado, sem esqnecer ao mesmo lem-
    po os deveres que Ihe impoe a salvaguarda
    dos nossos bros,
    Mas. Sr. presidente, a nossa honra j
    nao pode soflYer a menor quebra; a digni-
    dade do nosso parilho tem sido defendida
    cora a mais enrgica perseveraba e com a
    maior galhardia p los nossos generaes e
    por todo o exercito. A conclusao da paz
    j nao pode ser hoje considerada pelo mun-
    do como un acto de fraqueza, mas sim co-
    mo uma homenagem prestada aos princi-
    pios que regema civilisaco do seculo.
    E' escusado dzer, Sr. presidente, que fol-
    garei muito que as minhas apprehensoes
    sejam desmentida? pelos factos, que os
    meiis vaticinios no' que oJiasil possa ternvnar honrosamente
    a guerra, havendo completamente satisfei'to
    os seus fms e preenchido o nosso grande
    desidertum.
    Tenlio concluido. (Muito bem. Muito
    bem.)
    A discusso fiea addiada pela hora.
    Da a a ordem do dia, levanta-se a ss-
    il s quatro horase um quarto da tarde.
    SESSAO EM 3 DE JUNHO
    PFESIDENCIi DOSB, V. ni; ( AMARACIlli:.
    Al meloda, f.ita a chamada, verilica-se
    ha ver numero sulliciente, abre-se a sesso.
    L-se e approva-se a acta da antece-
    d nte.
    Aebando-se na sala immediata o Sr. Joa-
    quim Jeroymo Fernaoda da Cunha, in-
    (roduzido coin as formalidades _do estylo,
    juramento e loma assento.
    O Su. I. Si i uno d conta de um
    Offieio doSr. deputadoAntonio Aves Gui-
    maries deAzambuja, pasticipandu que pulas
    O '/i horas di dia de hoje suecumhio a
    i mening i-encephaliteerisipelatosa o seu
    ligo, Ilustre deputado pela pro-
    al de s Pedro d i Rio-Grande do Sol,
    Dr. .11| lacintho de Mendonra. Intei-
    U Sr. Presidentk, obteodo a palavra
    pula ofdem, pedo que se levante a sesso,
    em signa! de sentimento e profundo pezar
    de qae se ada possuida a cmara pelo pas-
    samurito de um de seus mais prestimos
    membros, conforme acaba de ser noticiado
    cmara.Consultada a casa, resolve pela
    affirm itira.
    o contrato impresso celebrado pelo gover-
    no da provincia do Rio de Janeiro para il-
    lumraaco a gaz na cidade de Nilheroy,
    como o requerimento em que o respect
    vo emprezario bacharel Sebastio Antonio
    Podrigues Braga, pede isenco de direitos
    de importaco e expediente para todas as
    machinas* material necessario eonslrue-
    cao das obras durante o te rabo de privile-
    gio.A' commisso de faz.;
    Tres das presidencias da -paivine
    Babia, Sergipo e Paran, enfundo rBlto-
    rios apresentados no corren te annoA'
    archivar. -
    Um requerinlento da irraandade da Mi-
    sericordia da cidade de Coritiba, capital,
    cicio passado. Observei, porm, que c
    rava grande diminuico nci.su cfcsilqu^ em
    vista das reduroes operadas no seijvico
    dejsa verba.
    i yerijcou-se essa previso.
    Maniie?
    lou-se com lcito o dficit, porm Jipen-
    te da qiiautia de iQ;00;>, ainda sapta
    redcelo -.Comparadacom o dficit do ex
    ercicio sassado, houve na verba uma dimi-
    nuico do despeza no valor de 80;0ii>5ai.
    i demonstradlo junti veris, augus-
    tos e dignissimos senhores representantes
    ila naci, que do crdito do 373:iW5,$702,
    \nlido para a verb do que. se trata, des-
    penjjttse at 30 de abril ultimo a quanlia
    .le :3 :fi;508l : iavendo, por conseguin-
    da provincia do Paran, pedindo para po-jte naquella data ui.i saldo de 3t:i3.)#621.
    derpossuir bes de raiz at a quantia de1 Oreando, termo medio, a despeza men-
    100:000;). A' commisso de fazenda. sal rom essa Verba em 3,jI:507'H3t, m'^
    Outro do padre Jo3o Francisco de Siquei-
    ra Anirade, pedindo 12 loteras para om
    tabelecimento pi em Petropolis, sob o descoberlo todo o raez de junho.
    titulo.Escola Domestica de Nossa Sonho-
    ra de Amparo.A' mesma commisso.
    Octro de Francisco de Menezes Dias da ficit provavel do mez de uiaio, no valoi
    . Jnior, pedindo para raatncular-se no 157NS03 e do dficit de JUroDT^Si,
    Cruz.
    Io anno medico da faculdade da corte,
    obrigando-se ao exame de historia, nico
    preparatorio que ihe falta.A' commisso
    de instrueco publica.
    Outro do tenente Franklin Luiz de Vas-
    concellos FeTflira, pedindo para serread-
    miltido no quadro do exercito.A- com-
    misso de marinha e guerra.
    Outro de Luiz Pinto de Miranda Teixei-
    ra, pedndo para ser nomeado guarda das
    galeras desta cmara.--A' commisso de
    polica.
    Lm-se e vo a imprimir para entrar
    na ordem dos trabadlos, cinco dias depois,
    na forma do regiment, os pareceres, so
    bre as eleic5es de varias parochias perten-
    centes s provincias de Pernambueo e Mi-
    nas-Geraes.
    bastar aquella -quanlia para fazer face as
    despezas do mez firrdo de maio, Qcando a
    -Faz-se necessario, portanto, supprir
    a verba com a importancia nao so d,o de-
    valor de-
    do
    mez de junho, como das despazas extraor-
    dinarias que se possam dar. Para estas
    despezas se concede a quanlia de........
    ::VM)o3, da qual :400,5 j estn obliga-
    dos compra de 150 capotes.
    Desejaria apresentar-vos a demonstra-
    go da" despeza al 31 de maio, mas ainda
    nao pudeobler a promptido necessaria na
    reinessa das folhas mensaes. cem o que
    muit ganharia a regularidade do scni<;o.
    Para supprir .o dficit manifestado ni.
    verba do 12 nao ha necessidade de no-
    vos meios, visto camo appareco j um
    grande saldo no orcaraenlo em gernl; bas-
    tando transportar da verba do | 5"Justi-
    nas de Ia instanciauma parte das sobras
    que nella existem actualmente, eque de
    | presumir conlinuem at o lim do exercicio,
    L-se, julga-se objeelo de delibera-1 4 De ordem de S. M. o imperador ve-
    C5o, e vai a imprimir para entrar na ordem
    dos trabalhos, o seguinte projecto.
    A assembla geral resolve:
    Art. 1. O governo autorisado a
    nho, pois, augustos edignissimos senliores
    representantes da naco ajiresenlar-vos a
    seguinte proposta :
    I Art. O ministro e secretario de es-
    mandar continuar e concluir por'miodc tado dos negocios da justica Dea autorisa-
    contrato ou pelo modo que ligar mais con-
    veniente, as obras do: melhoramento do
    porto de Pernambueo, consistente em exca-
    vacoes, levantamento e prolongamento do
    Recife, dique da ilh do Nogueira e termi-
    naco do caes.
    i Art. 2. Com estas obras ogov rno
    do a transportar do o para o 12 do
    art. 3 da lei n. 1,507 de 28 de setembro
    de 1867 a quantia de 40:090:$ para oc-
    correrno actual exercicio s despezas com
    o corpomilitar de polica.
    Mrt. Ficam revogadas as dlsposiees
    ein ci.iitrario. Rio de Janeiro, em 3 de ju
    poder despender deRtro do pzoido 3(nho de 1869.Jos Martiniano de Alea-
    annos at quantia de 3,000:000-?, sendo car.
    1,000:000,$ annualmente.
    Sala das sesses, 2 de junho de W60.
    Augusto F. de Oliveira./. Alfredo
    Correa de Oliveira.Joaquim Pires Mn-
    OSn. Presidente declara que acamara
    tomar na devida consideraclio a proposta
    do poder execulivo.
    O Sr. ministro ntira-se com as mesmas
    diado PortPlla.Conde de Jiiiepvndij. i formalidades.
    Ucha Cambante.Pinto de Campos. A proposla remettida i 3 commisso
    Francisco do Reg Barros HarMotJoa- de ornamento.
    quim deSouzaReis.Manoel Clemenlino.
    F. de Aguiar.Theodoro da Silva.
    O Sr. Evangelista Lobato (pela or-
    dem) :Sr. prndente, commisso en-
    carregada de representar esta augusta c-
    mara no funeral do nosso dislincto collega
    oSr Dr. Joo Jacintho deMendonca, cura-
    prio a sua religiosa misso, assistando ao
    mesmo funeral na igreja matriz de Nossa
    Sonhora da Candela*, e acompanhando ao
    sahimenio os restos mortaes do Ilustre lina-
    do at ao seu jazigo.
    Continua a 21 discusso da proposta
    do orcamenlo do exercicio de 186!) a 1870,
    na pane relativa receita geral do impe -
    rio com as emendas apoiadas.
    O SU. CARDOSO DE MENEZES : S.
    presidente, peco licenca nobre 1* com-
    misso de orcamenlo de fazenda para offe-
    recer emendas tendentes a ffxar e esclare-
    cer o sentido de alguns dos auditivos pro-
    postos no final do parecer que ora se dis-
    cute.
    A Ia que se substitua porexercicio
    O Sr. Presidente: declara que (ica ac- a palavra aunoas emendas 9 e 10, em
    mar inteirada.
    ORDEM DO DIA.
    Lm-se, e sao approvadas sem debate,
    as redacees que foram a imprimir na sesso
    de 2 do corrente, sobre a prorogacio do
    orcamenlo e emisso de 40,000:000^ em
    papel-moeda.
    Entra em Ia discusso o projecto
    spondo que os livj-os de autores brasileiros
    impressos em paiz gstiangeiro, quer sejam
    em iingua nacional quer estrangeira, sern
    importados livres de direitos.
    OSR. GAMA CERQUE1RA E REN.IAMIM
    fazem ligeiras cunsideracoes.
    Vera mesa, lido, apoiado, e enlra cm
    discusso, o seguinte requerimento :
    Ruqueiro que v o urojecto U com-
    misso de fazenda, para ciar sobre elle o seu
    parecer.Gama Cfqimra
    Ninguein mais pedindo a palavra, e pon-
    do-se a votos o requerimento, approvado.
    Entra em Ul discuss) o projecto
    elevadpo categora de provincia, com a
    denominaco deProvincia de Minas do
    Sulo territorio da provincia de Minas Ge-
    raes, comprehendido entre as do Rio de
    Janeiro, S Paulo e Goyaz, tendo por limi-
    tes o rio Turvo at sua confluencia no Rio
    Grande; este abaixo at as contravertentes
    O Sr. Presidente noma para acompa-
    o fen tro do me^mo Qnaqo uma com-1 do rioS. Francisco aalcancar acordilheira
    missSo composta dos Srs. Evangelista Loba- que divide as aguas do mesmo rio S. Fran-
    lo, Fausto de Aguiar, Lamego, Perdigo cisco das do rio Paranahyba, c esteabaixo
    Malbeiro e Correa, e iinmediatamente levan- desde sua nasecnte na mesma cordilheira
    ti a sesso. at os limites da provincia de Goyaz.
    Fazem breves consideracoes os Srs. M.
    Correa e Capanema.
    Yem a meza, sao lidos c enlram conjunc-
    tamente em discusso os seguintes roque*
    rimentos:
    Reqneiro que, sem prejuiz i da 1' dis
    SESSAO EM 4 DE JUNHO
    SIDENCIA do sr. visconde de
    CAMARAGIBE.
    Ao 1/2 dia, feita a chamada, verifica-es
    r numero suficiente, abre-se a sesso.
    L>'-se, e approva-se a acta da antece-
    dente.
    O Sr. r Secretario d conta do seguinte
    EXPEDIENTE
    Um ofli-io do ministerio do imp-irio.cora-
    munic nulo qnese expedir aviso aoda fa-
    zenda para que no thea loro nicional se con-
    tinu a abonar ao continuo desta cmara,
    Antonio da Costa Pnheiro Fram;a, seis me-
    zes de licenca com seus vencimentos, da
    qual eo.n je-ni a*gozar desde 31 de maio ul-
    timo.Inteir
    Outro do mesmo ministerio, aecusando o
    ment do honrado visconde de Inhama.
    que lora eleito deputado pela provincia d
    Amazonas, c declarando que se expedir
    aviso presidencia da referida provincia
    afim de quo su proceda com toda a urgen-
    cia a nova eleico para preenchimento da
    vaga.Inteirada.
    Outro Jo mesmo ministerio, enviando o
    >m que a presidencia da provincia
    , 5,' ,d,J J ll,:il' tiansmitte a authentica
    da- chamada da eleicio piiraaria a que
    *e i i na freguezia de Sanf Antonio
    aouw-umiio no municipio de Vatenca,
    V 2' cora i0S,
    Outro do uiesin > minisiurio, enviando o
    [ue a preaid acia da provincia
    de Minas-Geraes, transmute a authentica
    da eleico primaria a que se procedeu na
    i da Peana, collegio de Diamant-|
    inte a i ()' districto da mesma
    pioviucia.A' 3a commisso de poderes,!
    itro do ministerio da agricultura, com-
    niercij o obras publi^s, enviando nao s
    cusso, o projeclo v commisso de esta-
    tistica para dar seu parecer, tendo em coa-
    sideraco os projectos semelhantes existen-
    tes na casa.M. F. Correa.
    Supprima-se a parte do requerimento
    do Sr. crrasem prejuizo da V discus-
    s i./. Capanema.
    A discusso (ica adiada pula hora.
    Achando-se na sala inmediata o Sr.
    ministro da justica, iutrodu^do comas
    formalidades do estylo, toma assento a di-
    reita do Sr. presidente, e ahi procede
    leitura da proposta seguinte :
    Augustos e dignsimos -Srs. r*presen-
    liimento do offieio em que esta cmara Untes ta naco.A lei de orcamento n.
    commuoicaao governo imperial o fallec- 1,307 de26 dos l
    ge o a
    slgnoT
    ; tibro de 18'j7, |ue re-
    aJ.Vc5 d 1868-1801), con-
    1^ do art. 3o para as despe-
    zas,da ytjrba-aporpo militar d' policaa
    quanlia do 373:5{iqJ72 ou 31:13^111
    por mez.
    No exercicM) prximo ud-j de 1867
    < j fui esjja qu>ntia reco:iiiecida in-
    su.rfi(;iente, em consejuenoia -do aquartela-
    men'o da gnanli nicional par, o sei
    de polica. Manifeslou-9) ento um de.fictt
    de I29:0l^5t, que deu causa a oxpedi-
    e:i i i >s decretos ns. 4,262 de 19 de oiiiu-
    tiro de 4,310 de 31 de dezembio, os
    quaes j vos foram presentes.
    Na e\ptico que por. essa occasi li/.
    acerca do estado dos crditos da repartido
    a meu cargo dedarei que, embora hoavesse
    em 1 di', abril um saldo geral na mpprlan-
    cia de 8r6ri63jf333, era entrelaulo iiifalli-
    vei oitejii na wrba do 12t/irpo mi-
    'it";1 indicada da iu-
    snffieiencia do calculo em re a *pe-
    za obifada e reconhecida em lodo o eter-
    que ao governo conferida autorisaco
    para rever e modificar os regulamentos das
    alfandegas, dos thesouros e das thesoura-
    rias, e os que foram ltimamente expedi-
    dos sobre impostos, supprimindo-se ainda
    no final do 9 as expressoespodendo al-
    terar e modificar os seus servicospor se-
    rum superfluas. Sao obvios os mativos
    desta emenda.
    O auno linanceiro, creado pela lei de 8
    de outiibio de 1828, art. 12, nao ia alm
    dos doze mezes, contados de 1 de julho a
    30 de junho seguinte. A escripturaco
    das respectivas comas era fechada no lim
    desse prazo e encerrados os competentes
    livros; a cobranea das rendas laucadas
    durante o anno e arrecadadas depois de
    sua terminaco, bem como o pagamento
    das despezas que nao se tinha podido effec-
    tuar, escripturavam-se promiscuamente com
    as do anno seguinte em novo jogo de li-
    vros.
    Posteriormente vet o decreto n. 41 de
    20 de fevereiro d 18 JO, que creou o ex-
    ercicio e determinou no art 6n que conti-
    nuassem por mais seis mezes, depois de
    lindo os 12, aberlos os crditos e os livros
    do exercicio, tanto para complemento das
    operacoes relativas a cobranea de resto da
    receita, liquidaco e pagamento do resto da
    desposa, como para a competente escrip-
    turaco.
    Mais tarde, a ordem n. 13 di 12 de ffc-
    vereiro de 1847 aulorisou o thesouro e "as
    tliesourarias de fazenda a escripturar em
    cada exercicio nos tres mezes de Janeiro a
    marco, a cobranga das letras, que neste
    prazo se vencerem e a pagar com os fundos
    do respectivo exercicio aquellas, cujo pa-
    gamento deva elTeetuar-se nos referidos tres
    mezes; faemlu-se assim com que o exer-
    cicio complete raeilior suas transacoes e as
    transporte mais bem liquidadas para o ex-
    ercicio i inmediato.
    Assim o exercicio, para os apontamentos
    efTeitos fiscaes, couaprehende alera dos 12
    mezes, mas 9 addicionaes. O exercicio
    actual, porexeraplo, deve comecar no dia
    " de julho e liualisar no ultimo de marco
    de 1871.
    As expressoes dentro de um anno >
    nao podem, portanto, ser conservadas nos
    citados additivos, porque nao esto de
    accordo com a tedimriogirfiscal, rosrrftando
    da redaeco torriai--so--wcerto .o>,prazo em
    que o governo poder usar das atorisaces
    que se trata de cpnferj^lhe.
    A 2' emenda que Ionio a liberdade de
    propor spbr o a^t. additiYO ollerecido
    sob n. 6.
    O imposto-d& 3", o sobre os vencimentos
    injusto, porque, ni raaoria dos casos,
    grava a totalidade da renda dus contribu-
    iules sobre os quaes 6 Janeado, ao passo
    qne o imposto pessoal, recahindo nica-
    mente sobre o valor locativo da asa de
    habitaco, assenta murtas vezes sebre uma
    parte bem iu^iguifiiaute da renda. A
    cHaraissai, ado|Ttando o peiisamento do
    nobre ministro da fai^nda, propoe a abo-
    iii,o do imposto sobre os vencimentos
    sujeitando aquellas a que.elle era applicavel
    ao de 3% sobre o. vjJur b>culivo das casas
    eiq quen)or O adilivQ a que me reliro, contem a
    revogaco de um artigo da lei do erca-
    menloea da um deaeta .pedido em
    viitude dessa iei. Ora, a revogaco de
    taes dispoisico'.'s legislativas nao aevem ser
    implcitas c sim expressas, convindo, pois,
    a meu ver, que o adJilivo a eoasagre.
    Tambem proponho a modificaco do V
    additivo, que tem por lira sentar do res-
    pectivo imposto, Cora dos limites da cidade
    demarcados para a cobranea da decima, os
    vehculos comprehendido nos ns. 3 e i da
    tabella que se incluo no decreto n. 1,849
    de 10 do dezembro de 1856, art. Io,
    quando taes vehculos noandarem a frete.
    E' conbecida a historia testa quesiao-
    Os fzendeiros e donos de littafQ no
    municipio neutro represcnlaram ao goveno
    contra a incluso no lancamenlo para o
    imposto dos carros o carracas lano deeixo
    fixo, como du eixo movel, e.n que eram
    Iraiisporlados parao mercado productos da
    lavoura. Allegaram que taes vehicalos,
    na) transitando pelas calcadas da cidade do
    l'tio du Janeiro, para cuja .conservacao e
    melhoramento era appli-ado o. producto da
    coutribuico, e sim por caminhos aberlos e
    conservados cusa debes representantes,
    deviam ser senlos do imposto.
    O imposto sobre s.eges, creado pelo al-
    var de 2 de outubro de 1 '12, coexislio
    com o de polica, cuja tabella sujeilava
    contribuirn de 2#i00 cada cano de ser-
    v eo particular que entrasse na cidade,.
    Ambos estes impostos foram depois fundi-
    dos n'uina s tabella, pela qual inandou
    tenha mais desenvnlvimcnto, por que frmn
    uma expusico, entretanto que o artigo s
    estabelece uma providencia em termos res-
    trictos.
    Nao deixo de dar esta explicaco desde
    j, pranlo dar_azo a compromettimentos
    que podessem resultar da palavras do Sr.
    deputado.
    O Su. Cabdoso de Menezes :Eu refiri-
    mc redaeco, e creio que nao posso ser in-
    crepado por lembrar, incidentemente, no-
    bre comaisso a conveniencia de modificar
    a phraseologia de seu parecer, principal-
    mente n'um ponto, que se prende intima-
    mento com um additivo, de que a justili-
    caco.
    O Sr. Pereira da Silva :NIo pode mo-
    dificar a redaceio do relatorio, irala-se dos
    acgos, sobre elles oque recabe a votaco
    da casa.
    O Si.. Cabdoso de Menezes : Sei qne
    nao posso. Apenas faco um pedido, porque
    a nobre commisso, depois de alguns reto-
    ques* e da apresentacao de novas emendas,
    conservou esta expresso.
    Entendo que a phrasecompanhia seria
    deve ser substituida. O nobre deputado
    concordar, sem duvida.quea rainba inten-
    Co a mais pura do mundo; tenho nica-
    mente por fim indicar estes pequeos de-
    feitos, que s escaparam aos Ilustres mem-
    a lei de 17 de setembro de 1851 que bros da commisso por precipitarlo, ou por
    fosso r Esta lei, para sujeiiir os vehculos ao
    imposto, nao exigi a condico de entrada
    na cidade; e tanto curto ouo o decreto
    de 18)11, que elevou ao triplo a coutri-
    buico, |eve em visti abranger os vehculos,
    que transitam por fura dos liniiies da ci-
    dade, seia.se aproveitarem das calcadas
    desta, que elle irapoem sobre os carros
    de eixo movel, os quaes. em virtude fias
    posturas da llimu. cmara municipal ida
    coi le, nao podem passar do? limites ida
    cidade na praca de Bcnitica, onde ha uma
    estacad destinada a arrecadar o dizimo do
    gado, e que serve de deposito da agur-
    dente.
    O Su. Dcoue-Estuada Teixkira : A
    commisso refere-se aos gneros que se
    transportara nos vehculos, e nao quali-
    dade destes.
    O Sr. Cardoso de Menezi:s: O nobre
    deputado nao me entendeu, ou eu-uo soube
    exprmr-ine claramente. Invoqueio argu-
    mento apresentado para provar que nao
    proceda a razo que os reclamantes produ-
    ziam como juslitiea va di prele.nlida
    isenco e que a entrada dos v hiculos na
    cida le nao era condicojpara cobranea do
    imposto, porqflanto a lei de 1856 sujeita
    coutribuico os carros de eixo movel, que
    pelas posturas da cmara s podem ch^gar
    at os limites da legua da demircaco,
    inda assim conservndoos eixos bem unta-
    dos para nao chiarem.
    Ora, entre as ise.ucus coasignadas no re-
    g'ulamenlode 13 de junho de ISVi, art 22,
    que o decre o de 1836 declarou em vigor
    nao vem a que os ditos reclamantes pre-
    tendem para os vehculos, di* que, tratara.
    O governo, porem, entendendo que era
    pesada pira a lavoura a imposio) que re-
    cahia sobre eses vehicalos, e que estes
    nao estavam isenlos della era face da lei,
    recommendou ao p >der legislativo que pro-
    viilenciasse sobre a materia.
    De harmona com o pensamento do Ilus-
    trado Sr. ministro da fazenda, a nobre
    commisso consagrou no additivo T a
    isenco solicitada.
    Porem, pergunto eu, vista da redaeco
    que a commisso deu ao art. 7o entende-se
    qae eile contem mera interpretaco de .lei,
    ou disposico nova? Se a nobre commis-
    so entende que o additivo contem apenas
    uma disposico interpretativa, ento a con-
    sequencia ser qu aqulles que reclamam
    e aquelles que foram comprehendidos no
    laucamente desde 1851 e pagaram o im-
    posto, tem de exigir rusttuico, e o tri-
    bunal do thesouro nao lera outro remedio
    seno autorisar e mandar fazer elfectiva
    essa resttuico, porque principio corrente
    de direito que as le s que interpretara
    outras leis tem ef&ito retroactivo, regulara
    para o passado. Se, porem, a commisso
    peusa, como eu pens, que o artigo esta-
    belece direito. novo, convem que lhe d
    oulra red^ego, e a que eu julgo conveni-
    ente a seguinte :
    Fra dos limites da cidade, dermaca-
    dos para a cobranea da dcima urbana,
    icam sontos do imposto a que se refere o
    decreto n. I,8'i9 de 10 dezembro de
    1856, art Io ns. 3 e 4, os carros e carra-
    cas, salvo se andarem a fete.
    Assim ser estabelecida expresamente
    uma isenco qu; nao est na letra e espi-
    rito da lei de 17 de setembro de 1831
    nem do decreto de 1830.
    Alm desta alteracoes, Sr. presidente, eu
    emendo que a nobre csuimisso deve to-
    mar em consideraco cerlos periodos do seu
    parecer; porexeraplo, quando autorisa'o
    governo a contratar com uma companhia
    sei a certos servicos da Alandega. "0 5."
    artigo additivo explica o pensamento da no-
    bre commisso, que com esla expresso
    designa urna companhia composla de ho-
    rneas, que offereco sulliciente garanta para
    o cumplimento do contrato, de horneas
    chaos e abonados.
    OSr. Pereira da Silva d uai aparte.
    O Sr. Cardoso de Menezes :Ed apenas
    chamo a attenco da nobre commisso para
    a necessidade de se c:rrigr este" engao.
    Ninguem, mais que eu, rende cultos s
    luzese intenses dos Ilustres membros da
    commisso, que nao podem, como ninguem
    o pode, evitar lapsos de penna e erras ty-
    pographicos.
    O Sr. Pereira da Silva :N3b deve ser
    materia de discusso a redaeco dos pare-
    ogjes ou relatnos das coraraissees, so sim
    o pensamento que elles encerrc*iporqie a
    cmara nao vota sobre as palavras com que
    se enunciam as commissoes. O que pode
    dar lugar discusso a redaeco dos ar-
    tigos ou emendas, sobre que a cmara tem
    de votar. Ora, o artigo propusto pela eom-
    msso autorisa o governo a contratar os
    SeMoo das capatazias comquaesquer com-
    p.inhias que olereco garantas. Nao $e
    refere, pois, a uma companhia, sim aquella
    que o governo achar em raelhores condi-
    C5es, quando mais de uma concorra. A
    phraseque offereco garantas usual
    em todas as legislares, nao significa des-
    confianca no governo, e nem. so refere
    companhia que a pretenda organisar.
    No relatprio do parecer, expongo os fua-
    damentos dAp.roposta da commisso, falla-
    se em qualque'r companhia seria e que off-
    dias, Nao pode haver diacusso
    sui laceo porque a cmara
    sobre ella! Essa phrase tem o mesmo
    sentido que o artigo proposto, erebora coa-
    descuido dos compositores.
    Mas, se companhia seria quer dizer com-
    panhia que ofierece garantas, ha de per-
    mittir o nobre deputado que impugne esta
    redaeco.
    Parece-rae que um signal de descon-
    lianca ao governo dizer-se-lhe: Celebre o
    c intra o com quem oflerecer garantas.
    (Apoiados). E isto a u governo em quem
    depQsilamos plena e inabalavel cpnfianca.
    (Apoiados).
    O Sn. I'eueiha da Silva : O governo
    nao entende como tal.
    O Su. Cardoso e Menezes:Pelo menos
    o que resulta da redaeco. Faco, porm,
    toda a justica aos sentimenlos e intencoes
    da nobre commisso.
    A nobre conaraisso, para crear recursos,
    que acudam as despezas extraordinarias da
    guerra e suppriam o dficit, confia e espera
    muito das forras productivas do paiz e do
    patriotismo dos Brasileiros. Concordo intei-
    raraente com este p3iisamento, que por
    si s uma prava de patriotismo.
    Sim, Sr. presideute, o Brasil que receben:
    das mos munficenles da Providencia o ri-
    qusimo e uberriraoterritorio.em pie pullnla
    vegetaco mais esplendida e opulenta qne
    a das margeos do Ganges; o Brasil, quo
    eneerra tantas e to fecundas fontes de ri-
    queza natural; o Brasil, regado por mages
    tusos nos que disputam o sceptro ao Oca-
    no ; fecundado pelos raios de um sol de
    fogo, que por todas estas regias privilegia-
    das derrama elementos de vida e germens
    de criaco, s espera qii*-a mo do hornera
    o fertilise para eutregar-lhe lodos os seus
    hesouros.
    Apla'ne-se o decline torrente da irami-
    graco intelligenle e moralisada: abram-se
    vias de communicaco do littoral para o
    centro; e em breve o deserto ha do re-
    cuar; as solides encher-se-ho de vida e
    de movjmenio ; bastas searas surgiro no
    epafio-'lia pouco oceupado pelas florestas
    virgens. e o arado abrir sulcos nos lugares
    onde, nao ha muito, tinha a fera o escon-
    drijo.
    Veja-se, Sr. presidente, como vai em
    progressivo augmento a cultura do caf e a
    lo nao menos auspicioso algodo ; veja-se
    como apezar da guerra devastadora, com
    que estamos arcando, avulta de dia para
    dia o rendinnuto das nossas alfandegas !
    Veja-se como a industria: se desenvolve, e
    como todas as forcas vivas do paiz obe-
    decendo ao impulso creador, circulara cheias
    de seva Ho coraco deste grande gigante
    que banha os ps do Bio da Prala e re-
    pousa a fronte sobre as serranas da Co-
    lombia I Nao sao progressos estes devidos
    a causas passageiras e de occa a factos* permanentes, s riquezas do solo
    fecndalas pelo trabalho.
    J ltse fo o tempo em que um grande
    ministro fruncez escrevia a um governador
    de provincia : diegoj pm navio cace
    gado de ouro ; porque me nao dste to
    agiadavel noticia ? Hoje com o desenvol-
    vimeuto da sciencia e economa, os moder-
    nos argonautas procurara na agricul ura e
    na industria mais rico e nobre velocino.
    O Brasil, Sr. presidente, nao mais essa
    naco apenas sahUa dis faxas da infancia,
    eusaiando titubantes passos pela senda se-
    meada de trapeos e de dilliculdades, que
    lhe dcixou a metropole. E uma nica)
    forte que marcha desamhrada puls viasin-
    commensuraveis do futuro ; uma naco
    poderosa, em cujas veas galopa o sangue,
    palpita a vida, ferve a chamma sagrada do
    genio.
    - Naoestou de accordo com omninobre
    amigo deputado pola Babia, quando'ha dias
    oeste recinto comparou o nossa patria a um
    campo florescente, em que se tivesse aca-
    bado de pelejar grande batallia. O que aost
    olhos so Ibes aligurau destrocos e ruinas
    nada mais qae materiaes destaca los do
    templo do progresso, ijua a mo do grande
    Arehitecto se propea reconstruir com mais
    solidez e balela;
    No mundo, Sr. presidente, ha duas es-
    pecies de giora : a loria de Aitila e Gen-
    serico e a gloria do Carlos Magno e Leo X:
    os primeros derrubam para destruir, os
    segundos* para reedificar, apirfeicoando a
    primitiva construccao.
    Os que derrubara sao. sem que o sa:bam.
    auxiliares dos que reedifieara ; destroem o
    que ameacava ruina, preparando o terreno
    aos reconstructores.
    A mo da Providencia, pelos instrumen-
    tos da sua sabedoria infinita, parece agora
    aniquillar todos os elementos da nossa pras-
    peridade c grandeza. Mas ella prepira
    apenas para nos uma transormagao ascen-
    dente, rasgando-nos novos" horizontes e des-
    cortinando nos largas vias de prospero fu-
    turo, em cujas plainos sem termo desraba
    a nossa vista.
    A Providencia Divina, Sr. presidente,
    servio se da guerra do Paraguay, que ao
    nobre deputado parece um cravo naroda
    do progresso, como de um meio para acor-
    dar o Brasil do lethargo em que jazia. Es-
    ta guerra foi para n? poderoso incentivo,
    salutar desportador. O despita do Para-
    guay foi instrum.-into mysterioso de que
    Deus se servio para levantar a nossa patria
    do leito da indilTereaca e da indolencia,
    dar-Ihe ura lugar de honra entre as grandes
    potencias rabilares e martimas do mundo,
    inscreve-la no mappa das naijoes civiisa-
    das, faza-la conlieciila at os ltimos tr-
    minos do mundo, e, finalgasate, Sr. presi-
    dente, jnsculpr-lhe nos fasos da heroici-
    dade nomes, a j?ar dos quaes se mes^ui-
    ntam s de mudos dos maiores capilSes im-
    mortalisados pela historia.
    Ante a colheta de triumphos, que para a
    civilisaco do Brasil proveio dessa guerra,
    o descalabro das Graneas, que so reputa
    prodomo de decadencia ede ruina, pode-
    roso estimulo para pie procuremos desen-
    volver os inexh mriveis manaciaes de gran-
    deza e prosperidad; deste abencoado lor-
    ro, onde abrimos os olhos aos raios de
    dous ses de luz imperecedora o sol da
    liberdade .e o sol do Evangelho.
    Pula lei geral do progresso humanitario,.
    que caminha sempre, segundo nos diz o
    testemunho da historia, do oriente para o
    occidente, a America tem de ampliar e de-
    senvolver o legado de civilisaco que rece-
    beu da velha Europa, a quem substituir
    no cyclo do desenvolvimento da especie hu-
    mana. O Brasil, coraco e cerebro da
    America da do Sul, tem do marchar sem-
    pre na vanguarda desta importante regio
    do novo hemispherio.
    Sabemos todos o que podemos esperar
    da uberdade do nosso solo, fonte de riqneza
    inexhaurive!. Confiemos tambem as ha-
    bis mos que dirigem o timam ao leme
    da nao do Estado. Palinuro to experimen-
    tado e vigilante, como o honrado Sr. vis-
    conde de Itaborahy, nao ter por eerto a
    mesma sorte que o de Virgilio, e ha de
    guiar-BOS a porto de salvamento, sem pe-
    rigo de sossobro.
    E o que direi, senhores, do patriotismo
    dos brasileiros ? *
    Na escala dos sentimenlos generosos ne-
    nlium ha mais cncendrado. Arde-lhes no
    coraco o fogo sagrado que aniraoo os
    Aristdes, os Philopemens e os Scip5es.
    Moldes de hroes mais sublimes onde en-
    contrados na galera dos mmortaes que bao
    feilo holocausto de sua vida no aliar da
    patria ?
    Para exalfar a par dos das outras nafoes
    o Pantheon Brasileiro. bastam dous vultos
    o do daque de Caxias e do visconde de
    Inhama. Ambos tem a fronte cingida com
    o brilhante diadema da gloria ; ambos, por
    baixo desse diadema, conservam os vest-'
    gios das feridas. que porentre um orvalho
    de sangue alli gravou Ihes a cora de espi-
    nho do martyrio. Foram dous gigantes
    mais alentados que aqueile que sustentava
    sobre os hombros o peso do Olympo, e de
    quera dizia o Mantuano :
    Aaxmlmmerit urqnet stellisardentibusaptum
    Tintas mais pnjanles que os que tenta-
    ran escalar o co sobrepondo o Pelion ao
    ... qui manibus magnum rescimlere cwlnm
    Agressi, upersque Joven delrudere regnis.

    Para Inhama, Sr. presidente, j come-
    eou a justica da posteridade ; j ?. impar-
    cialdade da historia des[>oiilou sobre a
    campa que eneerra as suas cinzas os denles
    ' vbora da inveja e da calumnia. Martyr
    iminortal do dever, sacriiicou a vida pela
    patria e s abandonou o convez do navio
    almirante,quando nao lhe restavam mais mi-
    migos a combater, seraelliante aquelles ce-
    lebres conquistadores que so pararam quan-
    do no horizonte nao descorlintram um s
    palmo de terreno por conquistar, excla-
    mando :
    Sistimns hic tndem nobis ubi dexfuit orbis.
    Caxias, porm, Sr. presidente, que com
    a pericia de um Mauricio de Saxoma reali-
    sou as brilhanles operacoes de guerra da
    maisdifficil campanha do mundo, toldando
    os ardis de*ura iuimigo astucioso que se
    encastellra, como em inexpugnavel reducto,
    por detraz das baleras da americana Sebas-
    topool ; Caxias, que com a prudencia e
    denodo de um Carlos XII preparou e levou
    ao cabo as brilhanles jornadas de Estabele-
    ciraento e Curupaity, cm que foi protogo-
    nista ; Caxias, quena ponte de Sanio Anto-
    nio s difforio de Napo'ej na de Arcle,
    por ter combatido ein mais difliceis condi-
    ces de terreno due o conquistador francez ;
    Caxias, que com essa serie de brilhanles
    victorias salvou o Brasil e a monarchia :
    ao regressar patria, aecusado de desertor,
    e por aquelles qne lhe deviam juncar de pal-
    mas egrinaldas a victoriosa estrada II Cami-
    los apoiados) por aquellos raesmos que
    sombra da egide do Ilustre general puderam
    por mais alguns mezes prolongar a dura-
    Co.de um poder condemnado pela opinio
    du paiz I (Muitos apoiados).
    As naees mais civilisadas do mtmdo,
    Sr. presidente, quando vem surgir em seu
    seio algunt gran di capit, cumulam-node
    honras,.erigem-lhc estatuas e monumentos
    e consagram-lhe memoria veneraco im
    morredoura. *
    Na Franca Turenne e Jean Bart, na In-
    glaterra Nelson e Wellington recebm mais
    culto de seus compatriotas do que omere-
    ceram entre os Gregos os semi leoses de
    Homero. Entre nos, ao homem que sym-
    bolisa-a gloria militar do Imperio, ao ho-
    rnera que tem um dos primeiios lugares
    entra os generaes mais famosos da poca
    actual, preparara-lhe, em vez das honras
    da ovaeo, o escabello dos aecusados.
    O Sr. Pinto de Campos : Sao vozes
    anti-brasileiras que se perdem no espaco.
    O Sr. Cardoso de Menezes : Faco jus-
    a a al*uns que, guardando a conveniencia
    la phrase, acompanhara o coro dos acepsa-
    dores, nao por m f, mis por deplomvel
    erro de apreciaco. Dos outros, porm, eu
    me compadeco.
    Miseros, que cerram os olhos ao fulgor
    da vei ddu, ou antes que. foram privados
    do siso em castigo de seu orime de leso-
    patriotismo, e de sua reprovada felona na-
    cional I (Muitos e repetidos apoiados).
    Pigraeus, que ousam medir o gigantd
    com seu covado hiliputiauo, como seTpra-
    Poucfl pudesse calcular a estatura de .Mi-
    cron! gas I (Numerosos apoiados).
    Mas a nafo, representada pelo seu glan-
    de e generoso soberano j deu ao incjyto
    vencedor do Paraguay honras condignas do
    seu grande merecimeQto. (Muitos apoia-
    dos). Que importa o desptilo de um pu-
    gilo de ingratos I?
    Esse nolavel contraste cora o procedi-
    mento da naco agradecida d mais realce
    gloria daquefie, que ha de passar pos-
    leridade-como o symbolo sagrado da reli-
    gio do patriotismo, como o modelo subli-
    me da dedicaco. (Muitos apoiados ; mui-
    to bem).
    Tem razo, .pois a nobre sommisso.' A
    nacao que conta horneas como o Sr. dioue
    de Caxias, ludo,pode esperar do patriotis-
    mo de seus ,tb>s. (Muito bem, .mijito
    bem).
    ___________ (Ciintinuar-rserha)
    III'. IM) mAI10~*lAi>ASUMJ28H. .,

    *^>

    E
    I
    i
    i


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E8QEVCUN1_FIB9PI INGEST_TIME 2013-09-14T01:40:26Z PACKAGE AA00011611_11874
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES