Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11873


This item is only available as the following downloads:


Full Text
______________flWNO XLV. NUMERO 141.______________
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE IA6 SE PAGA PORTE.
Por tres meses diantadw................... 60000
Pot seis ditos kiem...............*...-., 120000
Por um auno idem.................... 240000
Ca*a numero imtso.................... 10320
QUARTA FEIRA 23 DE JUNHO DE 1869.
PARA DSWTRO E F0RA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados................. 60750
Por sv ditos idem.................... 130800
Por noM ditos idem................... 200480
Poruraanno...................... 270000
I
ftyi|*4e4e b Steeri JPigneira de Fara k Ribos.
.=
% MHI HHS

Musmn
'W^-mHF1 -'i jni- ni
^M^i^P^*" Wp\ ^^M^^P"r^P*^^. ^mm. ^p ^*W Mp^1^* ^*
T *$$*.
\ mmm> m.\m- v-twwi^pmwild
.: Antonio <] Letnos ferata, no Aracaty; oo Mara Julio Chaves, no Ass Antonio Marques da Silva, no Nafa!; J<* latino
['enra: Rearmino dos Santos BiicSo, pm Santo Ai to da Costa Brag
. taV1 sRrflns Alv.'. na Hmfa: c T<"' ,,:| ;>'o nas^armno, rio r,: tnr-iro.
W ac V. S.

mnriha
Mil
P^IW^^U V Mt"JJ^(W| 'pR*
\ k>* *W*J *** *^
* $K* Ol>r*S. pM* S(T*
t^s^^sl 5 *; r* *.
*** rao *fw*>** *<** **W'2*'J'*1?*^
wt^ X JlaVMu *> wmkt Gtmwmn **< v ** --** y^*^.
' i^-$MMlo|^MMVto ***<*- V ** *>;.<|1*
VkH **.* M*^
a Arto. www ***w* w oaman UMfi'
rana omw 4om**
onr *raM**o toMa
1. tt Sh> toMMlic-v pira

NIMIO WM W*VniaM>^ ^M to' MRN Wi |WW MMaa>^l ^ *f*
to* VM *ir- WaaMMM IM IMto towa*ai 'il

srjRarrsv ?fi
>Ma*Vo ***<*- S. *> o vr-ft< 4fcW *>
m. iinwimm- i4>wwaMw-tMiw> !> f.'.^ KaMMwkw \><*mm>*
w ?^
4Mk tfMHi* in**iww liilWwnii w>i'Wi w> r. <* fMW w> wmv> **< 4w.f>^i>-
f* ^w.^w. mi >ni. Ml *> *** w mwmi *> r*^r <*5*^ *>2T'"' T?2r. ^*. ^^ ^ ^
> r ter i [ili ran W- > f,. -f* A MMWMM Mk M*WM MY
rM^^MMMMl------- HK*.^*rtrt%.*IJf^ M* ^S^XMM-fc*^^ V &. Mi tMjfc
" ~ l^)^"'^-- ^JJSTwTlSwTi? ^^lMX-lM* WHSWM -V W. IV MMM *.M*mT -mJ^. mft^TTMMIlMr* ** *^
>


fea* *
(Mihk

"'- > \ S MffH . <*M> ^ fwtW fM t\ *r*o
rt^ !, t*. >, V f MT*rt^
^ JmT^mTm^ >2v7mWs- nMMMM^. K. *M> ^ t-m* ^ ^^*^r**H ,, ___ *
V MI .; ^i >K*li. rt > niiuNt FVM*I- *?< I*. **" Tl fMWMM>4> tv.S, %<* MMMM* MMr n
MM^V^'rMwSi c^w mmmiji*. pie. S IMM.-Wlh M MWwv-N. Jhf m*m. mMim. o*- entrrif' %* ^
TT ff '. a,. T V. cmyH'N<*h rs K\r ^Sr >i(v-irrvSW*-flwv'fMspv-.. ^ S-rint.-m. r^rr <^rin.> >
aSiteM nwMM^u wm 4c o.in-nr., iw r iMn ws m^ *< V. S. rmvwf* ^ rti 1-MWt.jM r.wt> d^l-twni ***** \
i>*Br'o wiTiMMUi.*!?*= w"1 rtUMMi M^MUM wwtifhl. x m<*i=! rwrm - ^ \
%MMn t
ia--iin*nw w .< ip"m "t"1 c"'
im WMW* rmiMis. krt.o |w qnr .mwr^Trwi MW ** ^MMMMJw
^MMMki< Hmiiit, rmiTiln m*in*r< oHWr. J
4MMo >*' i 13* -xtfomvT **;\w> rm vx m < n* v ^ "n'*
'"^TVid Ti:!___u.i..UJl.ilMiln': nrirri r i----- va-^Mi-'nt- ^s<%o w.-rw.i y vvE-wtrwyvTt I** i>ro\-MMj n
i.m ;mifl 4 Hmm""**' ^ "S ,"MV v*,Wi,n, m m w. w WS. mmh iuM........ '
*s 4 Iwiw 4r lr- ""1- N irm JWr
N. WW.-JPMWrii *.-< lM.?Sr. piMMX mt- -. omit rm *wn>v> qtl
Srt ti*
*-
So*"'0li- m*

T. WM $IV,T ? MU lM *" a"*** 0
*r>

,< v
M OW MMMMM* MI5 KMfMs. *I3MIMMM00 II *^l*
i*1||^ fm M% MM^OMIMMf*!, ^P^ pM IItMJMMIO
te >tak iMteNK rkvdhm Tfcili i>n l>fOi- 'M MKMl #0. fWB> 00 M'Mli >* foOTB**
^S S^^^tMVioSlMMM *v JMMIMI, f^OMjM ^Sw ^MK0 M^ no M
> v____.__um. un n ?*Mo io MMlPOMM HUMMW MO WT^MWl MoMjfpffl %o ^TMl^oW^
mmm i
_ 9W^<-'i "ft i -MJI "MM ^MMlRNll MMWMMM"' *o
x S


llM^M^M^MM^ ?>?^, TStVBr^ '"*
<l *>#> houMm-hOt IMM. MMOMlOr-W^ |*f "jUim.
JMUMI < MlM^lirWMll
T*5*TwMM^^^^ ^***
i.m i MI.iu *m'hm> mmiimmV^ > < v w m*wiiii>' ** UiHiim''W"'n
^r^r^^"--------^-^-. ^^ |>m^ |MnMM> MI MWMWMM M
WM I MlMM>H' MMMMtM>tM> MMtMWM- M. M*>> WT "'^ T^^T!
MMMV ^^ iMHilWWMW "r*:* M|M<^Jffi>M>t .! Mspir
Wfc gHH M MMM>W
JPM*JWI* **^}_^'
MMMI^ M*'**. ^W MBMPWr 1 MMM'rtWfc'mj
. WMffill* Mo *^^^^
MM "WMMM> W>MltMMPc WNIKW *
^TMk Wi fi ^VimJM^L
HM*- WNI w^ MMI'OYMf^
iMMl M^ ^*IMMMl il^^MM^.
US****'* *
na
M'M.M.MM*!^^'
^ SSVt MMT^MMMV*lMt^a&
M4M>4> \
-. Mf ***' **** *
\ M^ WWMM W-jy
-MU ill IWWii WMM -*!. **!"
-MMa 4k < hwmMI> o*-* Hn'MUM *>*
jir oMf*MlMI ^tailWMtvMh *MMo. o> *M- MMM*M.-*M>*
? MfM _?. jMMn ?<> "wM*
MU ||
U
1 '*"

as
MP. Mm- MMMtV^jJ**- ^WMM.^.^*
#^. nM>Mi O <*0* MUMO 4o t* MlfM
#* >f||lj||.
.*.oMlM> tplWll -*MW- M^f0MMlMr^ <'<*** *_""t^?
V V MMM Mtl' r MVIMV A-iM*M^
<.M1M> OHMCM - ?.M!i **r*0> ov ,'
I
I *


t
>MM>MI.^ **l
**J MMMP*JM]
w* **%
*.*
s*> m. MKWII.IIW M^^^q^fr^^j^ymj- ,<**s^y .rTfcja.LBBrruiT..r-t'"'''i. ^^
iomo' ^mmw jpw ^ IThririmiT'^iri-iniT^rx ^mV mmil. T^tll Vi f'''iimwuhT nrT-fi.y ^my
MhMW.*i'WMBlMM*,MM'Mll^MMi**M^MN |NMI MMMMM ""MMH".
^MMfMV* *<*. *MMWP. *Mj%J?f* 'IVMM^'M W>W.J*i ^ V
^t**y -*>.*ffi. irty->L?g!g^!g!^Jgg *v"***"V,ow*, SffV'
jaMfcr-mS--t-ra ^SW
^ 5P >y MM




en
-M.*ir.
.'BMM*>mMII '0-|JHM
Mk* ** ***
L ilMH ? MM^W ^ ^^^
m im MiM Jm^t*-
*l*HB *T. < mrt um>i iMiiuifiM MOft.Mi
*HO>* SHIT *HlMll ^M*telll.MMlt.tMMBMlMM> rH* ii ii! > tiM>>ifa'JwM^* Um *^^y.-g.Wl1
^anM.r;iSrMMT*-iiiTi l|ll *iM*i M
i. I*mui.mn *iMM
.a *
~ MM*MNMWl 4MMm*V-81 ***$ *^
WIWqMWtA w. M ** VMMMV 1p>*
IIIMM*!* tMW* IMIM*Ml9mjMtM-<^
liMo *
*
liitnMl 1WIWHII ** M*W
M. iNMMMd**> 9MMMM-IMK
WMMMl* "
sm MXJM.MM-MWM MO ** *i>gg ?"
UM ** **** *** ?**> rr
ctfn hr> MMM> M <
MMMMMMMIM* t i*fj|*
MvM^-^^,^,e8te!*?P**'*, S
M*l* */>' *MM*
yiMj **J*t M*
a T. S. yy
kwv* rcHocr
mm pr tis (9
pnrD na p<5*a *
Cmmwo.
R. KWL-0So M Br AnnMM CmobmaTn-
m taics. I* swKtv* twmMa hjis-
onW Si B ? ^ m HMi**i W~
*****
i a Mp-cor
ktHtM, M(> & tM, COM t*MM
m pancM* niM>.iT *MstbeMnnria mu-
dar pafar em >ioa a c*a mm 6t**w nm du-
pkrata. MMM : MI|mM\ mm mm a *vc r
\ >r?t >to- mmj m**i> V.
<4MM** MfMMkl-X
a MiBurl Antonio Teixetra. por harer execotado
rnimxHt, atesir pMar*'* qiw necoMiteM
O eMB >WMMtfd *JOM> *j* pfOT**(
a ti *BSui.-S>EXf >*r-
JJST* *r*rfc> -* t
tan*v* KHpiMM **, que tiWM mm*m
eonoiMMo.Dr. Pfrtdsco A^W'
rW-0 Btm. Sr. rioe-pre^.te taJiMeg
a**t*m* T. a, qne c\ ^^ P*
corarte .Jtoo (hnreepM'^
tneirfo dosm prottaw*-
**IMMWi4i 1
vista vk.*t C*MK ___w^
X l-m*.-*> tieejiiiHimi P**"
w*BW>Ww
r>fw por S w eoM ir*ii> *******
ea coiictJt*larporttTM do tt teV'*'*
ino, a proJMwiMi p**** TMatni* tw%rM* Awmm mwm tyrn.
?m.-Da.-O vi<*e-fM**B *"*
Mmta *= ofMosdo taspBe*M* *^Prt*>*
Ye*^oatemMMicamo^tew*w* **.
W*wrrHfl* T t i^w 7^*wi* *
WIH, muroar o praao W coPm*' **?
sio, Ir* t*M* wmm*m*> M4?*. O <* para
MMMMBi I** <* M *M*.
^toi^lMf^rcMi roprMtoa a listo pro^rM U o
ISJWSSWCKl'^a.tow -


2

0 i
30 OKKUl 30 l$XX\ &TftllU9ario de Penwmbuc* Ifciarta feira 13 de Jambo de 1869. \l\ Q83MUR MI fli
o Sr. Washbarae.
palanas
pe* ini|wraAr, troea-
amigateis Etre
OrdaPras-ia ja est restaaeieedo, e **poe-
- a eaawaSMaAer a su viageaa ao Hannwr c
A CsrmpsaTmcm Prtinaml, orgia lo conde
Prussia nao ha Ir
de una guerra,
rancia, estrangeira
a.
s.- de-prezareni as
lulamente ner
initjie* sobre a oioagem e
abura pretiera com
I 4a Alta
j-tTiial 4a que
Saaw.-iraa, acra
lUT a* I
o que a i
piafes*.* de nii3aucc.a-primaria da (reguezia de
Atojados, requer que sdtwe a mesma {Joticao seja
ouvida a directora da ia-trucrn publica.
Sala das coramissoes, 4 de "judio de;1869 Car-
valko Mottra.$. Pontunt.
L-sc, julgado objeeto de delberaoo o dis-
pensado da-impresso, a rrqueriroento do Sr. E.,
de Barros, o seguinte projecto :
Art. i. Fica revngada a loi n. 562, de 6 de
Art. i." rica revogaaa a le u. uw, uuu _
majo de Wo3, que era <* lim.les.lla fregu*! J;^,, dos arwj||M8
i Va Pica em *or a lei n. 4 do 2 de j^g gggj*
Farae que o sanela 4e S. rctersbaiyro, se-
A'li e-erevesa a Piras*-, inta de cntabolar r.-la-
oats assifavss eom a corte- 4e Vieaaa.
* O vire-rci do EgvpUi dirife-se para Yieana
J*Aana, cenia* Jo, p>*vm, demorarse alguns dias
m Yema* e Trieste.
ITMJA K BOMA.
En Len*, o rwe de Grconevillc, enrarregado
kc d'Austria de uwa inis-o coai-
o papa, c o Sr. Inghiratni, eonsnl
Hulear naqaella cidade. foram assal-
, por\.as deseoobecidos, sendo Grenneville
Seria* jravenscale ao tasas e Inghirami assas:
aada aor aasa paahaiada. de que ui-.rreu imme-
Tesn sido presas unas Id pessoas ein
desle auenlailo, e entre ellas He-
jris que se prcjoic ser un dos assa*sino*. Ne-
sn< ten siJ- ceadewaaJo por mais de uina vez
per criaaes politices.
.'eaenl Menabcva leve uuu conferencia com
i nifi J -' ministro dAustria, para Ibe
k us sentimentos pelo attentado eora-
LoH-ne, e derlarou que os criminosos
antale paaidaa.
\ Omimion d que aquelle aUeniado nao tem a
i'ii retaca direcu M directa rom a ultima
:ai'pri.i i ui.ozim.-U deseobrtia eui Milao.
Diana de Hurenca que fallecen no da 28 de
,u-sa4 peaeral Durand.
i de Floreara que as uldnias deso Jens,
ria da pr.-ejicio do imposl > sobre
m. nao tein importancia alguma. A agi-
i pavoaco.'s da provincia de Aucona des-
seat que lesse ae.-.-sario empregar
a i va anuada. Kin Turin rPfla grande a?iU<;ao
rwari aunisiro Ferrris, pelas suas medidas de
n^r cmira a iinpreasa daquella eidade.
O Baisiro das naoeas apresentou i cmara
aan ciavea o , .... .i v -ma des les Iwns, e outra
-n'Tn*- ao aaaea Nacional o Jtltoi da iesou-
raria e faieado cessar o curso forcado.
O parlamento rege.tou o contrato W fMNOW
B tai as aan<-,is. '
AUnbue" a Menahri-a o livro inUlulado
D euKii ectmfHiO, A* iireUos do estado.
maio de IH57.
- Art. 3 Reviradas as dispoieoe.ein conira-
rio. Samuel PontmtU. -jpMiino*Ha$.J(iiu*
H,- Catiro.
mumi noj>i.\.
2* disc$ao do pnttelo n.-S9, que-ciecedo pri-
vilegio a Adriano Xrrier Pereira de Irito para
esubelecer neeu eWade un ca.|ara banhos
salgados.E' approvadn, e dispensado o intersticio
a requerimenlo do Sr. Ermiro Coutinho.
2* discnss;io da emenda -oiTerecida -em 3' ao
projecto u. 71 desle anno, uue transfarepara o !
de seteinbro a abertura da assembla provincial-
E' a[.|novada.
2- discussao do projecto n. 615 deste anoo, que
annexa ao l' districto do terna do Bonite o dis-
iMe trido de paz da Laga dos Galos.E" approvado,
ssi-1 o dispensado do intersticio a requcnnieniodo Sr.
Lopes Machado.
2* dUcu>sao da emenda offerecida em 3* ae pro-
jdeto n. 32 desle anuo, que revoga a disporicJo do
art. Gt da lei n. 70o de o de junlio de M8o,E
approvada.
2a discussao da emenda offeiecida em 3* ao pro-
jecto n. 47 deste anno, que autorisa a admwmo
no Gymnasio de diversos individuos nos gratuito.E' approvada.
3*'disc.us!ia.>do projecto n. 43 desle amo, mar-
can*) 20 c.mtos de ris para alforria de enaaeas
do sexo femenino.E' approvado.
3* efreaasie do projecto n. 72 deste anno, de-
terminando que o oQieial da seccao do conten-
cioso da iliesouraria provincial lenna a cathegoria
de 1* escriptnrario.E' approvado.
3' discursS i do projecto n. II do anno passado,
creando una cadeira de prinieiras leltras para o
sexo femenino ua povoaei) da Luz, freguezia de
Pao d'Alo.
Vai mesa c apoia-se a seguinle emenda :
t A cadeira de instruccao primaria, mandada
funecionar por delerminacao do director geral, no
lugar Cruz das Almas, no3 termos da lei n. 7o7,
de II de julho de 1867, continuar funecionar
no lugar onde actualmente se aelia, com a deno-
minaejio de cadeira do Encanamento.Lopes Ma-
iiiitto.-F. Tacara.Cicero Peregrino.
E' approvado o projecto c a emenda.
2a discussao do projecto n. 42 deste anno, con-
cedendo nm abate da 4 parte do preco porque
arrematou o imposto de lO) r?. por carga de fa-
rinha Antonio Marques da Silva.E' approvado, e
nlersticio arequerimento do Sr. Lo-
dispensado o
h -i -ailo< seren repre- pes Machado.
d* atorisare n a reuni i do concilio, j 2* discussao do projecto n. 20 deste atino, que
aee g.ivnio iuhaiw ve com inquietaran (antorisa o govenio a contratar com Andr de
" Abren l'orto o e-tabelecimenlo de deligoncias nes-
la eidade.E' approvado, c dispensado o intersti-
cio requerimento do Sr. Ayres OaaiB.
I* discussao do projecto n. 69 deste anno, que
autorisa o governo a mandar construir urna estra
**a reaman, e se esfwva por imped-la de aecordo
can airas estados. IWzem de Munich que quasi
Mls iw anvei-nos dedararam dar nina adlies;ui
ama ^-. Naana a proposu do ortaeips de |
bealiihc cmvidan.li as potencias a Mairem
asa iceiJi preventiva commum. |vir oerasiao da I da de rodagem que se dirija dos Prazeres a povoa-
praxinu reuni.'i < I concilio ecumnico. Aceres- cao da Piedade.E' approvado, e dispensado o in-
-eaUoi qne -s inesnvis povernos agraileceram ai tersticio requerimento do Sr. toncalvcs da
|MWM Meara .iniciativa que elle tomo:t nesta j Silva.
-ireamsum-ia. disc ussao do projecto n. 7o, que concede ditas
Orre com fctdaa in-i-teo.-ia a noticia de urna loteras aava convenci aMn H fwmmm franeez e iu-, eanstroec^o de um cetniterio no povoado de Ga-
i'ial as tmpas fraucezas evaca | uielleira.E'approvado.
rao l'oma, no prximo mez de etembr! Bata discussao do projecto n. 77, que altera os li-
cia e, porem. desmentida pelo jornal oflicial do i miles da freguezia do otn Conselho.E' appro-
MBperio irance/.. i vado, c dispensado o intersticio requerimento do
O rei e a rainha de aples chegaram Sr. Lopes Machado.
Mar-elna. d ide ]urtirao para a Allemanha. 2* discussao do projecto n. 49, que extingue os
panaaaa. lugares de advogados e cirurgies de todas as ca-
S. M. a rainha ir a Allemanha, sem o aeom niara* miinieipaes da provincia, com exceptu da
oanhamento de seas lilaos, e do infante D. Au- da capital.
-.1 I L
Na cama. i pnvseguiam os trabalhos
ptaeiJaiaeBte, lenlo sidoapprovadus, apenas eom
j debate i Nfl de indemnidade, o prujec-
lo para i id k ini|wstos ser leita em
Vai mesa e apoia-se n Accrescentese ao art.....e o de advogado
da cmara municipal do Olinda.Arm/nio Ta-
rares .
O SU. G. DRUMMOND :Sr. presidente: oppo-
prestaoSes, beo a ai i a Bjaa acaba com aexcepcao I nho-me ao projecto em discussao, porque na ro-
',- t ,-! i r, ..vi. e 11 -*!, sugeiundo .i ease I Goabsoo a ana ntQdade, B>mepaMN taeoBrttta-
iiii-i a* aii^iiiili' dos bens de mi mora. I cionaL
: i 4s parea, porem, Siram vene-! O Iqgar de advogado, nao emprego municipal,
aen\ tas pelo marquez de Val-1 e porque isso nao nos compete crear. Me parece
laaX. p do btlt. de indem- j qne as cmaras mnniripaes sao as nicas habili-
aidade. respoadend i a ellas o ministro do reino. tadas, de aecordo com as suas retidas, tendo om
vista a verdadeira economia para encarresuvni
a utna |>ess(Ja a gesta* dos seus negocios forenses
annu.duientc, ou para qualquer evenlualidade.
Assim, pois, se este mistt-r das cmaras se re-
fere a su.i economia; se nos, sem a iniciativa
dellas nada podemos legislar a semclkante res-
peito, em face do acto addicional, de palpitante
evidencia a nossa incompetencia para approvar-
mos o projecto que se discute.
Por outro lado, Sr. presidente, nao me parece
mil proliibir-sc as municipalidades de terem q seu
advogado de partido, por quanto necossitam ellas
de quem defienda os seus direitos, promova judi-
cialmente a arrecad.icao de suas rondas.
m Sn. Deputado :Ha advogados que nao fa-
zem um requerimento.
0 Sn. G. Drummo.nd :Pode mni bem ser ; mas
deixo a miinicipalidadc propor a extinecao dessa
verba de suas despezas, e nao vam s involver-nos
no que de sna peculiar competencia.
O Sn. BicmxAR : V. Exc. apresenta urna
questao tratada por advogado de qnalquer das c-
maras fra da capital.
O Sn. OaaCALVES da Silva :Eu ostou fra da
capital, em Goyantia ; agilam-se questoes c o ad-
vocado da cmara trahalha.
O Sn. Racellar :Em que consiste o trabalho t
em reeeber o dinheiro ? I I
O Su. G. DWMMBP :O nobre deputado ouvio
a eootestaeie do seu aparte pela palana Mtori-
nformar-se do ara i sada de um dos nossos dignos collcgas. Em Olin-
estado i ''-'/. publicado da, diversas questoes pendem,-en que a munici-
R i di.i Wdi i reala deviam reali-ar-se as
- le deputado*, pelos cir-
calws I. ae ae irham vagos.
1 lo, un dia :0 do paaaada, pelos
depntado- i-i'r lo do einprwmo de........
y. >. .. 11 'ielo governo 'com a
i, de Loa* Friiling & Goschcn, que
A ?-; aaaaeatu (ora ign vado pelo pak.
id i debate entre o diputados
de Mello e ministro
4- obras pawril, koa a uintoria adiada.
Par carta le lei M plantada o praso eatt-
belerido para a ereaeia e eaatosn de iiis-ripcoes,
par> snnpriin s e eiiiprestinus, de
pie bala a lei 4e H d-' jaaaoda KM
Fallecen, a do create, o barao de Wic-
i t! II. em rega ]? superior do ministerio da guer-
ra, oum (i anno- de idade. O tinado era general
ae te -omtnandante de csiado-
uui'ir. p'<--: l''iite da .jiiini>sao d'aquelle corpo,
enawa adatar 4aa orden* da Torre e -Espada, Avia,
Coareiio e S. 1 tinha as in-idaMias das
caupanhas Ja berdade (algarismo n. o), c do
vor ip-rtarnt-nto -xemptor e bons
a-\ : do Sr. n. Pe.IroIV.
lente de Lisboa diz o

i perigo de vida o ansso
: -;. mi l'eli ;iano leCastilhe.
De i DuilBj, lezenas de pessoas
Lis a-
ua amisade, ao ponto deeor-com sua Exma. fillu,
w portento de virtudes, padrinlios de un dos
meus lilhos, e virem pwsoalmenie a Minha pobre
Etnn Sr. ^ce-presidente da provincia, dejando e kamMe habitaco
REVISTA DIARIA.
HERIDAS ECONMICAS. Consta-nos -quo o
reduir onunnro de pracas da guarda mapiunal,
que ostaquartollada, e tiar atclhor applica'co ib
eorpo -de poiiria, alalia de mandar .recolher ao
quartel ueste eorpo grande numero de pravas que
stavam prestando servicos, a^jue nao sao desti-
p* aVara 4 :. i im-lhores esperan-
cas. A I aataa, depoia da eon-
vV-s^-ni^i J da que fui operad >,
dak ofi:riiceu
u> ~r D. Lui.' I lalha. E" de cobre, tem
aa aiverso o I tallista e em volt-
ka ii*1V-I86G._ No
i v e em relevo uina corta de espigas de
iri-o, e no eea t.obden Club ,
lendo :n v 4n i inglez Gommercio li-
vre; paz e bannoaia entre a< modes.
Estao publiclos os Qaadrai da. Historia Por-
tmgt' Dr. naci Fraaeisea Silveira da
palidado parte.
I'm Sn. Deputado :Urna nica.
O Sr. G. DnvMMOxti:Conheco um Sr. Lealda-
de que t?rn tido com a cmara diversas questoes
e algumas estao ainda pendentes. A cmara do
Rio Formse leve durante o tempo em que o nobre
deputado pelo 3." districto foi seu presidente, advo-
gado de partido, e e tar diversas questoes.
lla um aparte).
I Sr. G. DniiMMOND : Declaro a V. Exc. que
nunca fui advogado da cmara do Rio Formoso,
nem quiz acceitar a-se mandato de cmara algu-
ma. uina tiui-a vez olVei-ce:- ne gratuitamente para
Rceoiamenda-se ; i, pela verdade \ promover judicialmente as cobranza das dividas
bistorica e p* o(i) n bandada. Doduz-se do pro
laja do autor de-te aeao oaaaeala que inais
tarde dar ao pnhlico se^unia serie.
x lo, 2! de maio, ahria-se a exposicao
ae dam I 11 ijarJmada da real as-
sociacf'o de aiprieaWara purtugnau, no palacio
Gadaval, ju; trai de renda, junto sMocio.
El-rei asi A eaacunmcia tem nido numerossima.
- No palacio de Crystal, a>. Porto, brese no dia
4, ou ia tainbem de flores
Os nmeros mais premiados na cxtracco da
lotera de Lisboa que se verificou hontem foram
a ecoiates -.
7 o 6.OOOifl, 2,436 1.080*000, 2,928 400a
r., !726 30>*-t--W rs, 3.265 2OHJOO0 rs., I,ii93
*W*000 rs. Com IOO00 rs. os segointes:
3,847, Sii, 1,549, 4,237, Ti.. 3,:W!, 1,977, 301,
1,74a, 478, e m djOOO rs. 2,827.
PEBMAMBUCO.
SESSAO ORDINARIA EM 4 DE JUNHO.
u ro sa. aucosTo de soez a lbao.
A nuao da, iiu a chanada, acban-se presea
Sea s Sr. : F. Tavia, S. FoataaL Baria de Una,
E awo, C aaHwi da Suva, Araujo BeMrao
i Tavarea. dWf>i daas. Lape* Macaada.
Malta, Ffbsaiaa, E. Piaa,
Aaavuthas Ayraa Gama, E
G. ftraMMaaad, Sa^as Bran
His-
bdae ai a acta
Mgainte parecer
de ndfa4ai, pandara
laaabcbdeLoiB^naca da Sin,
activas da de Serintem onde resido por causa dos
apuros era que vi a cmara, por isso nao me tem
applicacao o aparte de V. Exc.
No Cabo, tanto havia neoessidade que o nobre
deputado pelo 3. districto foi por alguns anuos ou
mezes advogado da cmara.
O Sn. Reoo Barros : Que alias foi demittido.
O Sr. G. Drivmond :Quid inde ? A demissao
importa dizer a nao necessidade de quem se en-
carregasse dos negocios forenses da cmara do
Cabo 7 por certo qae nao. Pode significar, se-
nhores, que o Ilustre memoro a quemme reliro,
por suas crencas .polticas nao me inspirava
ctriifianca a aquelles que compoem boje a mu-
nicip.ilidadt do Cabo: pode mesmo significar
que se fez urna injustica, roas is;o nao quer dizer
que a cmara nao lenha falta de quem cure dos
seus mteressos forenses.
O Sr. Araujo Bkltro Na Victoria urna
perfeita sine-cura.
O Sr. G. Drummond : Talvez, porque fosse de-
mittido aquelle seu advogado de muitos annos,
nao assim 1
E' seuhores, o espiriU) poltico" entrando om
lodos os negocios, desviando-nos assim do caminho
qae devenios seguir. Se havia necessidade de
9e acabar cun esta verba de despeza das munici-
palidades, para qne os nobre deputados nao pro-
paatram isto durante os anuos qne estiveram os
seus amigos no poder, e eram suas as munieipa-
. lidades ? Somente agora que oe nobres deputa-
laa, dos autores do projecto conheceram a necessidade
de prohibrem as cmaras de terem seus advoga-
dos de partido? Que ingenua cunfisso III
Ua Sr. Debutado :Qoaodo urna idea boa,
vean laaapra a proposito.
O Sa. G. DaoMiiONO: Nao esta, qne nem boa,
e so leu o proposito de meaquinhas difnculdades
que ae ia crear a adversarios polticos.
Sr. presMeote, von coocluir, nao tendo as cma-
ras aaaaicipaes pedido que consigna e projecto,
asada arto privativo da ana iniciativa por se refe-
rir a coaamia do suas rendas, cntendo que n-
raaatttacioaal o projeeto, e por isso voto conti a
ala caasa dase no comeco do men discurso.
O SR. REG BARROS faz alfanas consldera-
ces sobre projecto.
(Continuar-m-aJ
de guerra.o e marl-
pela gpariia nncio-
!*epiiiio aetermiuaeio de B-'Ext., passaui a
ser prestadas pelas conapaoliia de operarios mili-
tares caprendjzes artices, nalftrnia dos reepec-
ves v.galanicntos.
Realisaado S. Exc jur preleade, .psesta nm
grandeervlco a guarda.aacoaal, foL,re que* pe-
sa quasi-aadn o se;vieq da guaroicao da eidade,
al1! da economa que resulta para os culi es pu-
Hios.
SEGREDO E AMOR I).\ OI1BEM. A sociedade
Beiudcente dossa denojniua<;a convida ao seus
assoeiatlos para a sisado do pesse dos respectivos
empregados, amanhaasO horas da manha.
TENTATIVA DE ROBO.Sa noule de 19 do
correnle tentaran] os ladros ujjRetrar no arma-
zetu n. 14 do largo do Livramento, onde toraJiii
de fazendas o Sr. Olympio Goncalvos Rosas, \Wm~
cando dous arromliamentos na parte posterior ;
nao executando o seu plano por ha v< r fallado orna
pessoa que drme no armazem.
TRANSFERENCIA DE PRESOS. Em conse-
quencia dos estragos causados pela ultima chc'a
na casa que serve de priso na villa de Barreiros,
foram os presos que ah se achavan transferidos
para una outra casa, at que s* ultimen! os repa-
ros que preci.a aquella.
THEATRO DE SANTA ISABEL-Hoje e ama-
nlia haver espectculo neste theatro, snbindo a
scena o aparatoso drama Piratas das Satans, que
tantos applausos mereceu nas dnas primeiras ve-
les que foi representado.
DINHEIRO.0 vapor Jaguaribe levou hontem
para Macei 104:0 >4000.
DIARIO DE PERNAMBUCO. 5e cliegar hoje
o vapor Guar, destribuiremos amanha o nosso
numero de sexta-feira
INSTITUTO HISTRICO E PHILOSOPHICO.
Hoje, s dez horas do dia, reune-se esta socieda-
de, em sesso ordinaria para tratar da aprsenla-
Cao de tbeses e varias propostas.
THEATRO DO POCO.A compa'nhia de maca-
cos e cachorros estrs amanha nc- le theatro,
como variado programma que vai em outra par-
te. Temos as melnores informaedes acerca dos
trabalhos dessa companhia, e por isso animamo-
nos a recomtnenda-la ao publico.
CLUB PERNAMBUCANO.-O concert, que Mr.
Noury dara dar no salo dcsta sociedade, deixa
de ter lugar ah, por falla de aecordo cotn o res-
pectivo emprezaro.
LOTERA.A que se acha a venda c a i ll.1,
beneficio da igreja de S. Pedro Apostlo de Ofina
que corre no dia 28.
PASSAGEIftOSDo vapor Jaguaribe, saludos
para os portes do sul :
Candido dos Santos Lima Rocha, Francisco Fer-
rara Rastos de Ainorim, Manuel Levio e sua se-
nhora, Joaquim le*4 dos Santos Patury Jnior e
Francisco Antonio H. Braganca,
Paula Sunca contestou a rVdroo sen dortinie,
sustentando apenas o seu arrendamento. '
Para, execuco do julgado que annullou o con-
trato de arrendamento, se requeceu a entrega do
engenho, e assignaram-sc os dez dias da Oru. liv.
3, tit. 88 % \i.
B havendo nos dez das opposto embargos de
nuilidade foram esses embargos migados pelo ac-
aeci, pelagualalgucnpaleaje ei-alnuto, e sem ordao ae 3 doiwvembro do 1868, cajo lUeor o
ouservanes do dTreito easr'ipto,estoi q.iir-me o di- seguinle :
se oes
la se ve* pois, que, em taes coudiccoes S. Exc.
ler-me-bia dado lautos provimentos qoantos me
fossem mister. '- .
Actualmente defendendo-me de urna injuridica
reito de pcopriedade.
Dni di advogados graciosos quo algotnas vezes
appaieeera nos ti Humaos sem outi > tiltil < iuais
do que o emprego, que Iguinas vezas exereem
iiileriuaiiienle,teiiininlii intUspuiMne, assegur.i com
fuis siiiistros que minia provisae fora Ca^-ada,
desconceituando lambem o mrito da minha de-
feza. Bem.
Eslou juntando docuatantos que rntn presteu
os publicare*, para que -se faca um juizo exacto
deses homens, que a titulo de proporcionaren]
vencimentos de cauiafLJ'eceham cerUis quanliai,
1anr;ani mo de iaes aecursos.
Srs. redactores, pesso-lhes a iticers3i d'essas li-
nhas, e sou cinseraniente amigo.
Reclfe, 22 de junho de 18'J.
De Vv. Ss.
Joaquim Francisco de Albuquergue Santiago.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS i DE ABRIL
DE I809.
mrSIDE.SOIA DO EXM. SR. BARAO DE MURIBKCA.
Presentes os Sis. Dr. Souza Leao, Dr. Barros
Brrelo, Dr. Costa Jnior, Dr. Moscoso e Gainei-
ro, faltando co n eausa os mais senhores, abre-sc
a sessao, e lida c approvada a acta da antece-
dente.
Sendo hoje o dia marcado pela lei para ser fei-
ta a apuraed geral dos votos para os tres depu-
tados a assombla geral pelo primeiro districto
desta provincia, achaudo-se sobre a mesa dous
offlcios contendo as actas dos collegios desta cida-
de-e do Pao d'Alho, que constituem o mesmo dis-
tricto, estando feiehados e intactos, foram aber-
tos, e, em seguida passou a cmara a fazer a
apuraejio referida, de conformidade com o art. 2o
do decreto n. 2,62!, de 22 de agosto de 1860, a
qual terminada, deu em resultado terem sido elei-
tos pelo dito districto por maioria de votos os se-'
gnintes senhores:Exm. viscondo de Caraaragi-
be, Dr. Joaquim de Souza Res e Dr. Francisco do
Rogo Barros Barreto.Feita a acta da apurar >,
a cmara a assigna, e determina que se tirom as
copias de que trata a lei, e se expecam os diplo-
mas aos eleitos.
Le-se ainda o seguinle
EXPEDIENTE
Um olicio do engenheiro cordeador, declaran-
do que tendo procedido a exame nos estragos oc-
casionados pela ultima cheia na estrada munici-
pal que vai ter a povoacao da Varzea, tem a di-
zer que existe no atierro da mesma estrada um
arrombo, o qual para ser reparado tem de se
despender 6O3OOD, e esto servico podo ser exeeu-
tado pelo liscal, ou molhor pelo a Iministrador do
cemitei io, visto que e lugar prximo ao mesmo
eea iterio ; cmquanto aos mais reparos, de quo
necessita a dita estrada, conveniente que se a-
cam depois de passar o invern.Deliberou-se
ordenar ao fiscal que mandasse proceder aos re-
paros indicados pelo engenheiro, na importancia
de 6O5OOO.
Oulro do mesmo, remetiendo o orcamenlo dos
reparos para o anata do matadouro publico na
importancia de i:947000, e o dos reparos do
atierro da estrada da Cabanga na importancia de
8l4000.Resolveu-se mandar voltar ao enge-
nheiro o primeiro orcamento para reconsidera lo,
e_a respeito do segundo, que so pedisse autorisa-
cao a presidencia para despender a quantia or-
eada.
Mandn-se rcmetter a commissaa de edificacao
urna pelieao do Manoel da Silva Lopes, replicando
do despacho que llie decNrou estar o seu terreno
impossibihtado do ser edificado.
Despaeharam-se as petices de Angelino Pache-
co da Cosa, D. Anna Augusta Hentli Jorge, Bal-
Ihazar Goncalvos Machado, Dr. Cosme de S Pe-
reira, Dr. Gregorio Leparone, Joaquim Lniz Viei-
ra, Jorge Jasme Tasso, Joo Machado Magalhes,
Jos Alves Barboza, Joao dos Santos Collio, Joao
Alvos Machado, Jos Rodrigues Canhto, Jos
Mendes da Silva. Joo Pereira da Silveira, Jos
do Nascimento do Albuquerque, Jos Caetano de
Medeiros Jnior. Jesuina Mana da Paz, Joao Don-
nelly Jnior, Joao Geroncio Siares de Carvalho,
Marcolino Nunes de Parias, Manoel Jos Carneiro,
Manoel Alves da Silva Wanderley, Manoel de
Castro, Olympio Goncalves Rosas, Pereira & Vian-
na, Thereza Carneiro Lins de Miranda, Vicente
Jos do Oliveira, e levantou-se a sessao, deixando
de ser assignada a presente por falta de numero
para approva-la.
Eu, Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario
a cscrevi.Barao de Muribeca, presidente Ig-
nacio Joaquim de Souza Leao.Dr. Pedro de
Atliayde Lobo Moscoso.Jos Maiia Freir Gamei-
ro.Bento Jos da Costa Jnior.M. de Barros
Barreto
Em 1847 obtivo minha primeira provisao de so-
licitador, continuando em exercicio obtivo em
1853 no tribunal do commercio provisao por lem-
po indeterminado, do qual paguei os direitos cor-
respondentes aviulicedade, o portanto nao era
mister pedir annualmente reforma da provmenio.
c'essoas que, com quanto nao sejam meus ini-
migos, mas que tem condigoes de canalha, e que
se alimentan! com mesquionas intrigas denuncia-
ra m ao Dr. juiz especial do commercio qu" enlao
era o Exro. Sr. desembargado!' Piratti, que eu nio
tinha provmento, S. Exc. m'oexigk),ouoexeba, e
por tanto desment aos calumniadores.
E' S. Exc. substituido pelo Exin. Sr. Dr. Arari-
pe, a mesma denuncia apparece, a mesma exigen-
cia, a mosma exebicao, e por 'conseguinte segundo
desmentido II
Not-se que om razad do poncoservico no loro
commum nao ped mais continuacao de provmen-
to pela relatad, por s eu precisava pedia, e pesso a algum Collega que
em audiencia me faca.
As atinas anglicas porem aproveitando-se deste
ensejo propala rain- adrede, que minha provisao
fora cassada por portara do Exro. Sr. D. Francis-
co quando digno presidente da relacao..
Nunca de, nao don, e nem darei importancia a
essa torpe calumnia : o livro de registro de por-
taras existe do qual se v a falsidade de tal arro-
jo, e appello para o mesmo Exm. Sr. D. Fran-
cisco que felizmente existe no Rio de Janeiro.
S. Exc fora subst uido na presidencia do tribu
nal pelo Exm. Sr. conselheiro Firmino Antonio de
Sooza, do saudosa memoria, e todos sabem que
este nobre cavalheiro me deu a distincta honra de
P#
Quatlras
offerecidas ao ilvm.
frei KeraOni.
I
A cathoHca plaga Icoense,
Em bello dia afortunado,*
I'm Apostlo veio liere sublime ?
De Deus servo bem amado.
Com saudade sem lim
Adeus frei Serafim.
II
Da vrtude tracando rida va,
Os mysterios desvellando d'Eterno,
Caridso a um povo alfasta
Ternvel abysmo I... do inferno I
Com saudade sem flu
Adeus frei Serafim.
111
E agora esto povo reverente
Delle se despede lacrimoso,
Feliz, guardando de seus beneficios
O temo lembrar, po, amoroso.
Com saudade sem fin
Adeus frei Serafim.
IV
Que o Omnipotente das alturas
Seus passos guie na Santa pei'grinaeao :
E por esta gente, de dr oppressa,
0 novo Paulo eleve sua oraco.
Com saudade sem lim
Adeus fre Serafim.
Cidade do Ico, 22 de Janeiro de 1869.
Ciaiuelleira, 15 de jnnho de
18ttf.
Audaciosa quanto petulante a coragem do
autor do communicado assignado J. P. no Diario
de Pernambuco, datado de 3, em escrever para o
publico sem se lembrar das leprozas mazellas de
<|ue se acha coberto.
Se nao conhecesse nos de quanto capaz a en-
tidade que se traduz nas iunciacs J. P., delflcil
mente poderiamos crr no despudor de tal perso-
nagem, ostentando tanto cynismo em pleno dia, e
em tace de urna populaco conheceJora das gen-
lilezas de tal cavalleiro, s ficou reservado ao J.
P. quando se lombrou de desafiar ao conservador
de Gamelleira, sob pena de ser tido por covafde
se nao sustentasse o que avangou em suas publi-
cacoes; se a pusillaniunJadc e a'covardia nao fos-
sem os nicos dons que ornam ao J. P., callar-nos-
hia-nos mas, nos conheceiuos perfeitamento que o
J. P. no terreno da bombastocidado insuperavel.
nao neste terreno que nos o querem)-, nao ladiei
a discussao, colloquei-a em seu verdadeiro p, e
entao Irisando a questao dosde seu principio, que-
remos ver at onde chega a sua infamia, se ca-
paz de alguma cousa que nao seja infamia, res-
ponda a todos os tnicos das publicacoes do con-
servador de Gamelleira, qae ibe prometi desen
rollar a historia do recruta do B mito cotn todos
os ff e ir e al com tresontos diabos.
Rcporte-sc o i. P. do liberal de 8 de maio, de-
cline os noraes que pelo o conservador tem sido
pedido ; os tranfugas da freguezia de Gamelleira
sao bem conhecidos e os seus factos fallam mais
alto do que as lavas do monte Vezuvm.
Nao se apadrinhe com a capa de liberal, porque
esta nao Ibe fica bem, a qu fhe quadra perfeita-
mente a de ganhador*Jc outras qualidades de-
senvolvidas com sagacdade, os lgueiros de Ga-
melleira (hoje trnsfuga-) nadam no mar da incer
teza e preteudem agarrar-se a alguma nao do J-
berdado para ver se assim encontram a salvacao,
pobres nufragos que no mar encapellido da re-
publica nao acharam urna s nao corsaria que os
salvas-e. A>signe-se por extenso quem quer que
seja, porque J. P. significa muilas cousas para o
publico de gamellerense que o conheco (e a co-
inilanle caterva) sob quem pesa o anutlicma e a
execracao.
Est porfeilarnente conuecido, outro tanto nao
acontece com os de mais que ignorando o fado,
ainda mais, ignoram quem seja este ente am-
pbibio. Outro sim porque j abandonou o libe-
ral ? nao um jornal de tanto creterio, ou se-
ria delle expulso ? na certeza de que etn quanto
nao desenvolvers questoes primitivas, a nao res-
ponder a ellas, ser mais infame, mais covarde
que a propria covardia.
F.C.
ELEIOlO
dos devotos que ho de festejar o Mez Ma-
nanto neste convento de Santo Antonio
no anno de 1870.
Juiz por eleicao.
0 Illm. Sr. Francisco Jos da Silva Guiniares.
Juiza por eleicao.
A Exma. Sra. D. Raymunda, mulher do Illm. Sr.
Francisco Baptista d'Almeda.
Juizes o procuradores.
Os Illms. Srs. :
Jos Pinto de Magalhes.
Jos Rufino Chinaco da Silva.
Dr. Manoel de Figueiroa Faria.
Tiburcio Valeriano Baptista.
Mauoel Goncalves Ferrar c Silva.
Manoel Antonio de Jess.
Jnizas e procuradoras.
As Exmas. Sras.:
D. Maria, mulher do Illm. Sr. Adriano Xavier Pe-
reira de Brito.
D. Riltn, mnlher do Illm. Sr. Capilo Flix Fran-
cisco de Souzh Magalhes.
D. Maria, mulher do Illm. Sr. Jos Joaquim de
Lima,
D. Hermeneglda, mulher do Illm. Sr. Antonio Al-
berto de Souza Agutar.
A mulber do Illm. Sr. Jos Joaquim Alves.
D. Mara, roulher^do Illm, Sr. capitao Joo Gao-
tao de Abreu.
D. Joaquina, mnlher do IHm. Sr. Miguel Lucio de
Albuquerque Mello.
Enearregado d-, Mez Marianno.
O Rvm. Sr. Fr. Joo Baptista do Espirito Santo,
Fr. Ludgero do SS. Nome de Maria.
Guardio.
Questao Aratangil.
Poderiamos continuar a discutir a proposia do
Sr. Joo de S, bem como os pareceres, alias bem
elaborados, de alguns dos advogados consultados :
pareceres esses que nos mereeem todo o rospeto,
mas que foram dados sobro urna proposta infiel.
. Nos termos em que esta fui feita, j o dissemos,
nos mesmo daramos razo, plena razo ao Sr.
Joo de S.
Mas a questao nao foi estabelecida em seus de-
vidos termos, o calculadamente se oceultou que o
accordo da quo s se trauscreve metade na con-
sulta, foi preferido sobro embargos de nuilidade
oppostos pelo Sr. Joo de S a execupao.
Alm disso, na na sua proposta mna contradi-
cao entre os dous primeiroe quesitos. Em um o
ar. Joo de S afflrma quo se prescindi absoluta-
mate da instancia da execucao, que foi substitui-
da pela autoridade do exequento, e no seguintc
se declara que a execucao teve comeco etc.
Nao discutiremos, porm, agora, o conteniamo-
nos com offereeer ao publico (que ao Sr. Joo de
S seria intil fazo lo) os segumtes pareceres de
advogados disnctos, prometiendo publicar em se-
guida outros sobre o mesmo objecto.
Proposta.
Comprou Pedro urna heranca coasistente em
um engenho : este engenho eslava arrendado a
Paulo para pagamento do urna divida
De pysse da heranca Pedro contiauou urna ac-
co de nuilidade da divida edo arrendamento que
j existia em juizo, o obteve sentenca a favor om
grao de revista annullando o dito arrondamenlo
titulo pelo qnal se conservava no referido en-
genho.
Accordao-etn relacao ote. Que decidido que nao
deve h iver nova distriliuleojiara julgamento dos
embargo II. opposies oxeemao, e que elles de-
vem ser litigados pelos juizes certos ua forma da
Ord. liv. 3. tit. 87 || 7, II e 14; e ttmbem que n i
julgainento deven votar os cinco joizes e nao s
mente^is vencedores, em vista da Ord. liv. 4. lit.
5.* 9 in fae, do regulamonlo das retardes e lei
de 2 do junho de 1834 : despreaain os ditos-
embarcos na parte em que allega'm materia ve-
ta, ja discutida e julgada, e recebem na outra
porte/ein-aue se suppem a entrega do engenho
taiiroveftiJii pelo modo requerido pelo embarga-
do exequente, sendo este recebinienlo para ell'eito
demandaren], como mandam, que a dita entrega
se effectuo de|)ois que o embargante eolher a sa-
fra actual, e a que cstiver fundada para moer no
auno soguinte de 1869, cumprindo ao embargante
dar rancho e trras ao embargado, para em maio
do dito anno fundir a que este quizer, pagas pelo
embargante as cusas. Recife, 3 de nvenibro de
1868.Aisle (vencido na ultima parte* Molla.
GUirana.omingues daSilea (vencido na ultima
Sarte.)Foi vencedor o voto do desembargador
uerra e Assis. Este accordo passou em jul-
gado e foi intimado a Paulo.
Pergunta-se :
1." Tendo Pedro promovido a execucao da sen-
tenca que obteve e de que extrahio carta ejecuto-
ria, pedindo a entrega do engenho e Paulo viudo,
como veio, dentro dos dez Oas marcados em au-
diencia na forma da Ord. liv. 3 tit. 86 lo, com
seus embargos de nuilidade da execucao, que fo-
ram julgados na forma cima dita';pode ter
Paulo algum outro recurso suspensivo,pode re-
caluitrar contra a decso proferida, deixando do
entregar a Pedro os campos do engenho, como de-
tenninou o accordo por elle provocado, j tendo
sido lancado em audiencia dos dez dias que I he
foram assignados na forma da Ord. citada ?
2. Seudo aquelle accordo proferido em grao
de execucao, lera anda Paulo recurso em embar-
gos de bemfeitorias, que nao foram allegados nos
referidos dez dias 1
3. Tendo a posse de versar smeuto sobre tr-
ras de plantaco e quanto a rancho, nao podia Pe-
dro tema-la por tabellio publico na forma da
Ord. liv. 4 tit. 58 5 4 ?
4. Tomada a posse por tabellio, sem que ella
se oppozesse Paulo ou algueui por elle,sem pro-
testo algum,rendo alias, feila com publicidade,
pode o juiz da execucao ntervir com .mandado de
despejo da propriedade rural, sera forma ou figu-
ra de juizo ?
Dentro dos dez dias assignados para a entrega
do engenho, caba ao executado allegar por em-
bargos ludo quanto julgasse a bem seu, porque
depois do lancamento deste termo improrogavel,
uo Ibe peraiitlido retardar a posse do ven-
cedor.
Tendo sido decididos os embargos (do nuilidade)
decso que passou era julgado, nao pode ter Pau-
lo nenhum recurso suspensivo, nao pode esqui-
varse a entrega determinada pelo ultimo ac-
cordo.
E' como respondemos ao Io quesilo.
O i" e.n parte este esl respondido. Depois dos
dez dias nao se pdem offereeer outros emDargos ;
do contraro de de que serviran! a assignaco e o
lancameiito ? Ainda quando os embargos de re-
tenco fossem apreseuladas no termo legal, e as
bemfeitorias fossem daquellas que do lugar a se
inelhante recurso, declralo ou arbitrado o valor
d'ellas, pracedendo a caueo fideijussoria, o juiz
mandara dar poseo ao vencedor.
Quanto ao 3" respondemos que a hypoiheso de
quo so trata nao esta coiiipreliendida na Ord. liv.
4 tit. fS 4. Parece curial o que ensina Caetano
Gomes (Alan. Prat. pag. 93 ed. de 1854.) Se o
roo condemnado nao largar a propriedade den-
< tro dos dias depois do notificado, ojuiz o lauca-
r fra d'ella, e metiera na posse ao vencedor,
fazendo-se tudo com auto com f das citacoes,
t e de como o dez das foram assignados.
Isto mandar o juiz fazer por seus oluciaes ;
* e em casos graves, ou de pessoas poderosas, em
* que se lema futura rxa, assslr o mesmo juiz
* em pessoa no acto.
Todava nao tendo havido opposice ou protesto
de Paulo contra o acto de Pedro, feito como se diz
no 4 quesito, parece que uo basta para destruir
aquelle acto um simples mandado sem forma ou
figura de juizo.
E' esto o meu parecer, que submetto censura.
Recife, 21 de junho de 1869.Joaquim Jos du
Fonseca.
Sou inteiramenle do parecer de meu Ilustrado
collega o Sr. Dr. Fonseca. Intimada a scutenca
que mando-a entregar o engenho a Pedro, e as-
signados a Paulo os dez dias para a entrega, podia
Paulo oppr dentro d'elles os embargos que ti-
vesse ; mas despresades estes, como foram em
parte, pelo accordam cima transcripto ; o ten-
do-so mandado fazer entrega das torras de planta-
Ces, nenhuns outros embargos se podiam oppr;
porque na execucao nao se pdetn oppr em argos
a sentenca sead* dentro do termo assignado (seis,
ou dez dias, conforme a nalureza da aeco) ; e to-
dos 03 outros embargos s se admitiera pelo que
respeita ao modo da execucao. E deste modo res-
pondo aos dous primeiros quesitos.
Acerca do terceiro quesito me parece que nao
se seguio o moio mais regular, que o indicado
por Gomos c transcripto na resposta supra ; mas
nao tendo havido opposo posse dada pelo ta-
bellio, deve ella produzir seus effetos jurdicos.
0 mandado de despejo portanto, urna medida
vexatoria, violenta e roiurdca. Recife, 21 de ju-
nho de 1869.Dr. J. J. de Campos d ltitiro i? Albuquerque.
Concordo com os pareceres supras. Recife, 22
de junho de 1869.Francisco Augusto da Costa.
Concordo com o parecer do meu collega Dr.
Foneeca, por ser conforme a direito.
Recife, 22 de junho de 1869.
Deodoro Ulpiano Coelho Cuta alio.
Quanto ao primeiro quesito respondo negativa-
mente. Nos dez dias assignados para a entrega
da cousa por cxccu{ao de seotenca proferida em
aeco real, deve o execulado oppr todos os em-
bargos que (ayer, que impecam ou suspendara es-
sa execucao nos termos da Ord. liv. 3" til. 86.
Estes dez das esgoiam-so ou por lancamento,
sem opposicao di parte, od pelo julgamento dos
embargos oppostos, o que em direito produz o
mesmo eeilo, do que resulta quo, julgados os em-
bargos do modo porque o foram, o consta do ve-
nerando acordo transcripto, nenhum recurso
suspensivo cabe ao executado, nem embargos de
bemfeitorias nem outros, os quaes s cabiam con-
junciamenta nos dez dias j assigna lo- e lindos.
Do oantrario resultara o grave abuso de poder
o executado perpetuar a execucao, pedindo vista
e apresentando em cada julgado da execucao no-
vos embargos. ,
0 segundo quesito fica prejudicado.
Quanto ao terceiro, convem distinguir. Se se
trata de urna sentenca proferida na aceno principal,
ainda que real, cortamente nao licito ao vence-
dor tomar por si a posse, sendo obrigado a segutr
o preceito da citada Ord ; mas ss trata-se de sen-
tenca proferida em execucao para cujo ingresso
se assignaram os dez dias, qual sentenca nao
cabe mais recurso algum suspensivo, como fica
dito, a. posse pode ser legitimhienle tomada por
tabellio publico, precedendo intimacao da senten-
ca ao executado, como est determinado nos g 3
e 4 da ord liv. 4, tit. 58; porque a sentenca
instrumento por si s snfflcienie para essa posse
assim como o* deraais na mesma ord. exempli-
lieatloe, Correa Tells, Dig. tom. 1, n. 610, C. da
Rocha, toro. 2* g 443 e cit. ord. liv. 3" !5 m
fine.
Quanto ao quarto quesilo, cntendo que, tomada
a posse por tabellio, nao podia o juiz, ainda que
a considerarse Ilegal, expedir mandado de despejo
sem mais forma ou figura de juizo; visto que, ain-
da coi n me tiendo Pedro, com esse acto, forca ou
esbulho, que nao commette, o despejo s se pode-
a verificar ou par aeco ordinaria, quando se
traa de predio rustico, Pereira o Souza, notas 941
e 954, ou pela aeco de forca nova turbutine ou
interdicto uti poisidUes, como ensinam Correa
Tells, Doutr. das Acc. g 194 e seguutes, conse-
lheiro Paula Baptista, pratica do processo 8 31 e
lodos os praxista*, e djspoe a ord. liv. 3 lit. 48 ;
do que resulla ser o referido mandado de despeje,
paseado a simples requerimonlo do executado, um
acto arbitrario e Ilegal a que licito oppr-se por
qualquer forma. Sub censura.
Recife, 21 de junho de 1869.
0. Marques du Suva.
Encarregando-se algawn oficiosamente de "pro-
palar em alguns circuios, que sou eu um dos re-
dactores da IUustraco Acadmica, declaro, alto e
bom sm, que nao son ouvido nem chairado para

negocios que illgam respeito esse jornal, o que
nao tomo parto alguma directa ou indirecta em
sua rodacfSo.
Facp osla decrararao simplesmchte para dejaf-
go c-traiiqutllidade das conscieneius uo que me diz
respeito, e allm de que dora em vante se fique
sabendo quo nao fao, nem fare parte de redac-
c* de jornal algum em que nao.posea figurar os-
tuMvauente o nCffu nom.
Jos Leandro Martins Coares.

COMMERCIO.
PIUCA DO RECIFE 11 DE JTN'HO DE 1869-
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE
Algodo de Pernambuco 1* sorte = 153700 por
arroba. _3R_
Algodo de Pernambuco sem uspen-o lo#20O
por arroba.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA.
llendimeiito do dia 1 a 21. 8I0:6I8*51!>
dem do dia 22...... 33:2663325
843:8843844
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
V*olume3 ontrados
dem dem
com fazendas
com gneros
yVilnmes sabidos com fazendas
Mein dem eom gneros
33
344
271
74
----- 345
347
Desearregam hoje 23 de junho
Barca inglezaWicl o/" tlw Teigermercadonas.
Barca itigleztJane Mariafarinha de trigo.
Rriguc nacionalAlmeida //charque.
RrigueinglezRegulMorbaealho.
Barca porlugueza Alexandre Herculano va-
rios gneros.
Vapor nglezOlindamercaderas.
Barca nacionalAndrade Neves varios gneros.
ItECEHEDOBIA DE HtNDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 21.
dem do dia 22
48:6313801
5:4703184
54:1013985
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1
dem do da 22.
a 21.
117:9503022
8:0403%1
125:9915883
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio sabido no dia 21.
Babia Crvela nacienal a vapor Recife,, com-
mandanle o capito-tenente J. F. Pinheiro.
Navios entrado do dia 22.
Parahyba 12 horas, va/Kir brasileijo Mundah,
do 222 toneladas, commandante F. A. Lima,
equipagem 12, em lastro ; a Companhia Per-
nambucana.
Tamandar, Rio Formoso e Porlo de CalimbastV
horas, vapor brasileiro Parahyba,, do 104 tone-
ldss, commandante Mello, equipagem 16, om
lastro; a Companhia Pernambucana.
Liverpool por Lisboa 24 dias, sendo do ultimo
porto 17, vapor nglez Olinda, de 506 toneladas,
commandante George Lang, equipagem 24, car-
ga dilercntes generoe; a Saunders Brothers
& C.
Lisboa32 dias, brgae portugnez Relmpago, de
235 toneladas, capitao Joo Epqtianeo da Silvei-
ra, equipagem 14, carga vinho e outros gene-
ros ; a Thonaz d'Aqoino Foneeca & C.
Navios sabidos no mesmo dia.
MaceiVapor brasileiro Jaguaribe, commandan-
danle Moura, carga varios gneros.
Para Hiate portuguez Elephante, capitao Joo
Dnarle Pereira, carga differenles gneros.
Rio-Grande do SolPatacho hespanhol Temotheo
ll, capjto Ezaquiel Pages, carga assucar.
CanalRarca norte allema Flora, capitao H. W.
Frank, carga assucar.
ECITAES.
CONSELHO DE QUALIFICAgAO.
De ordein do Illm. Sr. coronel c ramandaute o
pr.-sidente do conselho, haver no dia 23 do cor-
rente as 11 horas da manha, inspeceo mdica
para os guardas naconaes do 2." batalho da fre-
guezia de S. Jos, que requereram passagem para
o servico da reserva.
Adelo Publio de Moraes Carvalho.
_________________Alfrres secretario.
2." seccao Secretaria do governo de Per-
nambuco 18 de junho de* 1859.Pela secretaria
do governo se avisa a Francisco Antonio Pereira
de Bastos, que ua reparticao do correio se acha sua pelico dirigida ao governo imperial pelo mi-
nisterio da justica, convindo que mande pagar o
porte respectivo, para que possa seguir o seu des-
lino.
O secretario
Joaqvim Coma de Aravjo.
Pela secretaria da ramara municipal di -t
cidade se faz publico para eonheclmento dos in-
teressados, que as obras dos concerlos da estrada
que conduz a Cabanga, e dos concerlos de que
necessita o nritadoiiro publico, oreadas a primeira
na quantia de 2:7943000 e a segunda na de.....
1:9583000, continuaro em praca, peranle a mes-
ma cmara, em o dia 23 do crtente.
Secretaria da cmara municipal do Recife 19 de *
junho de 1869.
O secretario
Francisco Canuto da Boa-Viagem.
JUIZ DOS FEITOS DA FAZENDA
O Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, juiz dos fitos
da fazenda nacional, etc.
Face saber aos que este virem, que uo dia 15
de julho prximo vindouro, se vender embraga
publica de-te juizo, as 11 horas da manha, de-
pois da audiencia, a requerimento de Francisco
Antonio Pontual, eessionario da fazenda nacional,
um terreno denominado^Aurora,na freguezia
dos Alogados, com 1,160 palmos de frente o 1,G30
de fundo, com urna casa arruinada, dous fornos
de olaria tambem arruinados, e alguns alvoredos
de fructo, peicencenteaos herdeiros de D. Maria
Joaquina .Machado Cavalcunti, avahado por quatm
cunto s de ris.
E para que chegue a noticia a todos niandei
passar o presente que ser alDxado no lugar do
costupie o publicado pela imprensa.
Eu'Luiz Francisco Barreto de Almeida, escrivo
o subserevi.
Becifo, 14 de junho de 1869.
Abilio Joi Tavarcs da Silva.
0 Dr. Miguel Jos do Almeida PeruambucoFilho,
juiz municipal supplente da 1' vara, neslacdnde
do Recife de Pernambuco, por Sua Magesladem-
perial e Constitucional o Sr. D. Pedro II a quc:n
Deus guarde &.
F.-ico saber aos que a presente carta de edictos
virem, o della noticia liveictn, em como Fran-
cisco Ribeiro Pinto i'uimares me dirigi por
escripia a pelico do theor seguinle ;
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da i* vara desta
cidade.Francisco Ribeiro Pinto Guiraaros, len-
do-se constituido credor do Dr. Francisco Jos
de Medeiros, ausento em lugar nao sabido, da
qnana de 230*000 vencidos, a que se forom
vencendo at real embolso, proveuiente* de alu-
gueis do 1 andar da ca>a da ra do Vicario n.
17, no bairro do Recife nesta cidade, onde tinha
seu escrpiorio, e como al b presente nao lenha
sido indemnizado, nem lenha dado providencia
alguma tendente ao embolso do supplicante, di
xando fechado o predio na presente estaco
invernosa, quando carece de obra do cooser-
vaco pelo seu estado, como tudo publ
oo quer o propretario abrir para proceder a
dita obra sem a qnal jpoder vir a ser gravemen-
te prejudicado, a V. S. requer mandado judial
para ser aberto o sobredito andar, sendo PSJp-
rados os poucos e insignificantes movei/TJuo
sab m-so all existem, para pagamento ou prin-
cipio delle, segundo seus valores e cusas a que
tem dado lugar o supplicado, o protesta conti-
nuar nos meios judiases al seu real embolso,
oestes termos pede deurimento. E raeeber
merco.
Recife 2 do junho do 1869.Francisco Ribein
Pinto Gnimaraes.
Homero duzentos o oilenta e seis.Duxsntos
ris.Pagoa duzentos ris. Recebedoris de Per-
nambuco 2 de junho de 869. Akunlar.
Franca.
4

i
*
-.
I



t!SO0O8O
awsooo
3 Capunga.
Chafara da rw da* Pertiam-
bucanas...............
1200000
ltaC.jal*
Br. YrMczflM
Ia44e *
, a a*licaa de 1 visto Wfn sido sa-
lMMas nifnnas o despacho sella proferido,
ltecifc S deja*** tm.-Wimd <*( ie Al
|mm 4*qat tahiili a autos a a(pha eaaduso
coa ama duvida do escrio, nenes d despa-
cvi do tb^ir sepiuule :
Procede a Envida do esrrivio. H" qM cja ritad') n reo w dictis para o na re-
120,)000
Udejamho ie 1869.PrrP>nnb*co Wfc-
ontitilia em fita sn^ncta*, dj-
e despaca a
MMl
Teta!... 86ii0l000
Hada mais
pace di une e ejua a
tii*r src;.iiite ... ___
te* Sr. Dr iuiz municipal da Ia vara, tran
pMi -s. Toado V S. raau-
m. dr Mateara c despaw *'i
Dr I iu Jn de ***. n,ne fes* nudo
ara fcro- d.i '*
* V. S. se digac assignar o nraso
- *- serea aassad.b
. jwJo que aede a V.
; miwr laercc Diuj<< B.if-
duzenlos i
11 friuafca Ib 1891.
|e3Mb&
n-
tti peticiweeu
do nal osemao
qarVda MVcveacm, fez a rescate <*ta
.'.ie-*. u ara* 4e dtes, peto ihear a
1 hamo,r*.* li* |*retoV. o snppiala.1*
Maa jwn'-de oV anaa f*r t"** coaMS*
ilolM,^ raawaU*, paraaie dentro
l iiiaprisn pc si on por
a Ana se direila *)
a tofos os
i e sma exercrii. Feto
pt.waa. farate. *aigt> e
do -sayjali 1*. Hraari-yit I* de
t The andar* faw srieae do qoe armu
piiiodn jateo atefcbear? c a*-
m lugar i* eestoiue mais pu-
rtdade io Recife aos IS de
ecrira a sah>-
OOMPAMILi
BEBERIBE
loa Va i* (-Airante pelas 12 horas du
l. amarar so escriptorio da companhia
iiK. > Jiifnft.icao dos
de ubi
fccitaales rfwnparecam
eotaracio do> acs-
Ha. aneada ser as
apreseirtada na
no cscriptrio,
e infor-
de Te-
anenda d'agna
MU no bairro
EsoripUrio da Companhia do Beberibe,
17 dojnnno de 1868.
0 secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Sousa Pitauga.
Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa
Casi do Mirericordia do Recife, recebe pro-
listas para o fornecimenlo dos objectos pre-
anm para a secretaria da mesma Santa
i, conforme a relaco abaixo, pelas i
lioras da hwJt tB M do correntc M
s:iln de suas ses<'**s:
Papel pautadoFinmc, resma.
Hea idem liso. Mal
lil.^m wlem linho azul, dem.
Hpjpj liiiliosrt, idem.
Mem para oflicios, timbrado.
dem florete.
Idt-m linho, paulado.
Hollaoda grande, cadernt^
dem Jes, iihm.
Mem Resis, idem.
Idcra idem. idem.
I dora Ec, idem.
Mata borrao, follia.'
Par de nasUs para guardar pepeis.
Peonas de aro l*rry.
Caetas.
Pies do nbreias. f
Tioteiros do latao.
Garrafas de tinta.
Talocs de conhecimentos (impresses e
enrjrdenacioV
Livros em branco de 16 pollegadas.
Livi-o sem brauco eslreitos.
Listos em branco 13 pollegadas.
Lapis pretos.
Idem de cor.
Pedras de louza n. 1 para o collegio.
dem n. t, idem.
Idem n. S, idem.
Creioes duzia, idem.
Tioti preta, garrafa.
Fila de linlio. duzia.
Secretaria da SanU Casa da Misericordia
.k Recife, 4 de jonho de 1869.
O escrivo
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A nima. jnnu administrativa da SanU Casa
de erieordia do Rerifc, na sala de suas sessoes,
petos 3 horas da Urde do dia 25 do eorreote, re-
celie propostas para o fornecimenlo de pao, bo-
larta e carne verde que houverera de ser consu-
wtos pelos esubclecixientos pios a sea cargo,
Unto nesU ridade como na de Olinda, nos mezes
de jnlho a elemhro vindonros.
< s imeadenles deveiio apresenur o precn des-
tes peseros por kvlopranunas e nao por libras.
Sorreuria da Sanu Casa de Misericordia do
Recife. 18 de jnnho de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigue* e Srmza
e dee
i.WitWO
3*80*000
ItfMWOO
S:iOOMK]0
CauM
*WWOMW0
7^0f^KI0
S^OOaiOOO
dnmndlePnlraa *KKM(
4araadS4........ 2:500^0
3*005000
2fc0utmW8
Ro-VnJa.
(hiadlncnesdCa-
l.dUMIOO
:3m- 800*000
l:723*00S
faiPnf
5*004000
l*MM000
dr MiVrrirnrdlla d
Reeife.
A nhn. jnnu administrativa da SanU Casa de
Misericordia do Reeife, manda fawr publico, qne
precisa contraar o fbmorimento dos medieamen;
tos abaixo declarados para os mezes de juiho
selemhro do correntc anuo, a saber :
Absintho, libra.
Ando actico, idem.
Idea ctrico puro, idem.
Uea marinbo. idem.
Mem ntrico puro, idem
Mea oxlico, idem.
Idem sulfrico. dem.
Idea ururico. idem.
Ac preparado, onca.
Aconito. libra-
Agua de Colonia, duzia.
tku de flor de larangeiras, idem.
DiU de r.*as, idem.
TMa de Sediliu. parrala.
Dita df Vichv. idt-m.
Diu afkn de LisInm, idem
Alema de 38% caada,
Alerrim. Ha
Mffai. f
Algaas atecas deas. 1 It,duzia.
Atoa, ara.
Alvaiade, libra.
Aaei\a- pa-sadas. idem.
jtoamaiaeo liquido, idea.
Araaca. onca.
Assafeda, idea.
Asacar candi, libra.
Mto de leite em p, idem.
Araca,Mem.
Bagas detmbro, idea.
Balsaao de copahina, anca-
Dito de rWavanti, idem.
Dito de Tohi. idem.
Dito Pernviano, idea.
Dito Banquillo, libra
9:ri00|000
&MOJ0OO
0005000
RfjaajBnj
1800
2l*00000
de lisboa, idem
ca.
BJcaifcaalo de soda, libra.
Borracaas sortidas cora pipos, dem
Bates e rosas robras, idem.
Dai UH de potasa, oora.
Caneca de papoulas, l*ra.
Ca inca, idem.
Cairas para pilulas, frosa.
Cal virpaa. I*ra.
r^toadaw toftoc, atea
i de adra fiadia**, n. i
-_ttra.
Caaaridas em p, Mea.
Capsula defrupabili, ealxa.
Carb laemzia, libra.
Caroba, ide
lura menor, idem.
(^ra uuarella, idenh.
Dita brauea em grumo, dem.
Cevada, idem.
Cevadinha, idem.
Chicoria, idem.
Clorato de potassa idem.
Cloroformio, idem.
CoHa deFlanJres, iem.
Confeitos lactato de (erro, duzia de vldros.
Crmor trtaro em p-, libra.
Cubebas em p, Mem.
Digitalis, idem.
Dulcamara, dem.
Emplastro de cicuta, idem.
Dito de aquillau gommado, idem.
Dito comiDum, idem.
Esptulas de ac sortidas, urna.
Essencia de an'iz, onca,
DiU de cauella, dem.
Dita de cidra, idem.
Diu de flor de taranta, idem.
Diu fle horfelaa pimenta, idem.
Diu de rosas, idem.
DiU de salsaparrilba de Sanas, viaro.
Dita de lerrebentina, garrafa.
DiU de vergaraola, onca.
Ergotina, idem.
Ether clorydrico, idem
Dito snlfurico, libra.
Dito ntrico, onca.
Extrajo de aconico idem.
DiU do alcass, idem.
Dito de belladona, idem.
Dito de camomilla. idem.
Dito de cicuU, idem.
Dito de favas de calabar, idem.
Dito de fumaria, idem.
Dito de genciana, idem.
Dito de jurnbeba, idem.
Dito de noz-vomiea.
Dito de opio gommoso, idem.
Dito dsalsaparrilha.idem.
Dito de tridacco, idem.
Dito de. valeriana, idem.
Fezes ae ouro, libra.
Flor de rnica, idem.
Diu de borragens, idem.
DiU de enxofre, idem.
DiU de malvas, idem.
Diu de sabuguciro, idem.
Diu de tilia, idem.
Figado de enxofre, idem.
Fumaria, idem.
Funiz de vidro n. 2, um.
Genciana, libra,
dyceriiia branca, idem.
Gomma de batata, idem.
DiU de diu purgativa, idem.
DiU arbica escomida, idem.
Diu dita em p, idem.
firaes de porcelana n. I, um.
Dito de vidro n. I, um. ,
Herva terrestre, libra.
Hydroclilorato de marflm, onca.
Hysopo, libra.
Incens puro, idem.
lode puro, onca.
lodureto potassio, libra.
IpecacuanliajireU, idem.
Jalapa em po, idem.
Kermes mineral, onca.
Licor de labarraque, garrafa.
I.inhaea em p, libra.
DiU inteira, dem.
Macella gallega, idem.
Magnezia calcinada, idem.
DiU de Henry, vidro.
Mann commum, libra.
Dito de lagrimas, idem.
Manteisra de cacao, onca.
Massa caustica, libra.
Mel de abellias, garrafa.
Mercurta doce, libra.
Mezerio, dem.
utorda, idem.
Mnlisan sgodico, idem.
Nitrato de prata em lapis branco, onca.
Nitro puro, libra.
Not moscada, onca.
Oleo braiiM de Chevrier, vidros de S.
Dito de alfazema, onca.
Dito de amendoa raglcz, libra.
Dito de batiput, idem.
Dito da cravo, onca-
Dito de flgados de bacalho, garrafa.
Dito de dito de bacalho ferruginoso, dem de o/".
Dito de liuhaca, libra.
Dito de ricino, idem.
Dito vermfugo, frascos.
Parieuria, libra.
Papel de embrulho azul, resma.
Dito de dito branco, idem.
Pasu de jujuba, libra.
Pasullias de Belloc, caixa.
Dius do Kemp, vidro.
Ditas de Nafle, caixa.
Pedra urae, libra.
Peneira de cabello, urna.
Diu de seda, urna.
Perchlorureto de ferro, onca.
Ps de borgonha, libra.
Pnosphato de ferro de lieras, vidro. .
Pilulas de Allisson's (verdadeiras), caixa.
Dius de Vallet, vidro de 50 pitulas.
Poligula senega, libra.
Polpa de tamarindos, idem.
Pomada mercurial, idem.
Pomas de viado calcinadas, idem.
Pos de Rog|, vidro.
Putassa caustica, onca.
Potes de 1 a 8 oncas, duzia.
Precipiudo rubro de mercurio, libra.
Protoicdureto de mercurio, onca.
Purgante do Le Roy francez, garrafa do o/"-
Quacia. libra.
Quina em casca, idem.
Dita emp, idem.
Raiz de alrasss, idem.
DiU de altheia, idem.
DiU de espargo, idem.
Recia de angico, idem.
DiU de baUU. onca.
DiU de guaiaco, idem.
Ruibarbo em p, libra.
Sabio brauco amygdalino, dem.
Dito para opodeldok, dem!
Sabonetes de alcatrao (Antonio Neres daCosU),
duzia.
Sal amargo, libra.
Salsa nortence, idem.
Salsaparrilha, arroba.
Saecharureto do oleo de bacalho, caixa.
Sassafras, libra.
Scill. idem.
Senne. idem.
Sementes de angelim, onfa.
Serpentaria, libra.
Spermaeetc em rama, idem.
Solucao de prol:iodureto de ferro, onca.
Stramonio, libra.
Subnitrato de blsmuth, idem.
Sueco de grozelles francez, garrafa.
Sulfato de ferro, libra.
Dito de soda, idem.
Dito nenien atropina, onca.
^it>(aes, d
i.'libi'.'i.
ni ralbas do I i, duzia.
Ditos para opodeldok, idem.
Vomitorio de Le Hoy francez, vidrt
Vtnbo do jurubeba, garrafa.
Dito de Cervisar!, dem.
Xarope de Bourgfiis, vidro.
Dito de espargo, Hlem.
Dito de Quy, dem.
Dito de hyodureto de Gibert, idem.
Dito de jurubeba, dem.
Dito do Labellouy, idem.
Dito de Lamoureaux, idom.
Dito de Naife, idem.
Dito de peitoral i
Dito de quina fer
As passoas que qui
to, devem apresentar sd
chadas, al o dia 28 do ,
dores, que se responsabiliseni pelo
meato do contrato.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, H de junhodei869.
0 escrivo,
PedroRodiignes de Sousa.
de Giiinaut, dem.
rfazer dito fornecimen-
^postas em cartas fe-
presille mez; e dar fia-
fiel cumpri-
58 pares do racia do algodao.
442 varas de algodao.
As pe-soas quMjmw^-JMMnrilitos artigo
-entem suas orofJbsW^ryhr ^lo conselho
as 11 horas do dia 28 de correuto.
Sala do conselho de-compras do arsenal de
guerra de Pernambtico 21 de junbo de 1869.
^ Hygino Jos Coelho.
Coronel director interino. '
Jos BaptisU de Castro Silva,
_________________y SccreUrio.___________
O Illm. Sr. conseltieiro, inspector da thesou-
raria de fazonda data p.ovincia, om vi ilude do
olficio da presidencia de 17 do corrente, manda
fazer publico, para eonhecknento de qum mte-
lessar possa, qne no dia 2fi do corrente aez, as
i horas da tarde, hilo de ser arrematados peante
a junU da mesma thesouraria, por quem maior
lauco offerecer, dous caixotes contendo medica
mntos.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 21 de juaho do 1869.
Servindo de ofQcial-maior,
Manoel Jes Pinto.
Manta Casa da Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa da SanU Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico quena
sala de suas sessoes, no dia 2i de junho, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematdas
quem mais vantagons ofiorecer, pelo tenqK> de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra ireita.
obrSado de dous andares n. 8. 1-.067J0O0
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47...... 170*000
Idem idem n. 63...... 1763000
dem n. 47. 49....... 170SO0
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30...... 177*000
Idem idem n. 34....... IC83OOO
Idam idem n. 30....... 178OnO
Ra do Calabouco.
Casa terrea n. 18...... 300*000
dem n. 20.......242*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 763000
Segundo andar dito...... U63OOO
Areal do Forte.
Casa terrean. 1. ........ 100*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla Velha.
Sobrado de dous andares n. 134 600 000
Casa terrea n. 18...... 206*000
Casa lerrea n. 16....... 206*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27...... 144,5000
Ra do Trapiche
Sobrado de tres tandar n. 30.. 652*00
Largo do Pcraizo.
2.* toja da travessa....... 121*000
3.' dita dita........ 73*000
Azeite de Peixe.
Sobrado de um andar n. 14 650*000
Casa terrea n. 2......452*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. o....... 150*000
dem idem n. 12...... 146*000
Ra do Burgos.
dem n. 21......, 146*000
Rna do Vigario.
1. andar do sobrado n. 27. 240*000
Madre de Deus.
!. e 2." andares do sobrado n. 1. 3005000
Loja do mesmo sobrado..... 800*000
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Casa terrea n. 22.......1:000*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 146*000
dem idem n. 103.................. 202*000
dem n. 110..................... 203*000
dem n.98........................ 203*000
dem n. 96......................., 202*000
dem n. 94........................ 240*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 150*000
dem da Mirueira u 4..... 1063000
Os pretendentes deverio apresenur no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secreuria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de junho de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigan de Souza,
Tribunal do commercio.
Por osla secreuria so faz publico, que fuain
registrados :
0 distrato da sociedado de Jos Mana Pedroso
Lima e Joao Pereira Pedroso Lima, que girou
nesta cidade sob a tirina indiviJual do_l. ex-so-
cio, a cargo de quem lica o activo ; no existin-
do passivo.
0 contrato social de Francisco Ribciro Gutma-
raes e Francisco Torres da Costo, estabelecidos
com taberna nesta cidade, sob a firma de Guima-
raes 4 CosU, e o capital de 3:000*000 fornecido
por ambos.
0 contrato social do Jos Joaquim Salgado o
Manoel Jos Martins Viegas esubelecidos nesta ci-
dade com negocio de fazendas, sob a tirina de
Salgado & Neves e o capiul de 6:000*000 forno-
cido por ambos.
O distrato da sociedado de .Manoel Luiz dos
Santos o Joaquim Francisco do Espirito Santo,
quo girou nesta cidade sob a firma de Manoel
Luiz dos Santos & C, cuja liquidarao tica a cargo
do ex-socio Espirito Santo.
Secretaria do tribunal do eommercio de Per-
nambuco, 16 de junho de 1869.
O official-maior
Julio Guimaraes.
Tribunal do commercio.
Por esto secretaria se faz publico que em data
de 10 do corrente foi inscripto no livro da matri-
cula dos commerciantes o Sr. Joaquim de Souza
Ferreira, r'uladao portuguez, ostabelecido na ci-
dade de Macei capital das Alagas com negocio
ile genpros de estiva em grosso e a retalho.
Secretaria do tribunal do commercio de Pr-
nambuco, 16 de junho de 1869.
0 offlcial-ma*r
Julio Guimaraes.
THEATRO
ISABEL
I para o dia 25 do corrente no sali do Club
' PcTnainbucano, lica sem eleito no dito sa-
la, sendo transferido para outro logar
que mi previamente arntonoiado.
theItro
Gymnasio Campestre
EXTIIAORDINARIA NOVIDAtttl
Qumla-feim 24 de junho de 1869
Grande e maravilboso espectculo pela compa-
nhia, eoiuposta de
24 MACACOS E CACHORROS
reeentenente chegada a esta capital,'sub a direc-
eao do artisu
PliATUMI
que teve a honra de trabalhar com os seus adan-
raveis animaes, as priineiras cidades da Enraya
com applauso geral.
LINDO FESTIM MACACAL
no qual os convidadqssao servidos por dous ma-
raeos, um vestido da dosinheiro e outro do cosi-
nbi'ira.
Segue-se a linda
WALSA
executada pelo cadello Finelta.
O cachorro Lindo, passando pelas pernasdeseu
amo, guiar um tonel com m palas dianteiras,
concluindo este trabalho, pondo-se com as qualro
pata*sobre o tonel.
Em seguida o cachorro Sapiton, execntor om
trabalho gymnastico, passando sobre as mao
ilmnteiras.
Segue-sc
A MARQUEZA DE P0MPAD0UR
Acompanhada por sen criado, sendo estos duas
passagens executadas, a priineira por um cachor-
ro, a segunda por um maraco.
TRANSTORNOS DE UM.V YIAGEM
pela macaca D. Jacintha.
Intervalo de 20 minutos.
A grande posta russa executada por seis ci?,
um macaco vestido de maioral, sobre o ci dian-
teiro e utn outro macaco vestido de postilhao.
O SALTO DO CARNEIRO
imitado por dous caxorros.
O CACHORRO D'AGUA
fazendo diversos trabalhos gytnnasticos, como pas-
sar por arcos etc., etc.
A ESCADA AEREA
executada pelo cachorro Garibaldi.
0 PASSEIO SOBRE 0 GLOBO
executade pelo cachorro Ravel
O DESERTOR AFRICANO
Sendo o desertor julgado e sentenciado a pena
ultima, ser fuzilado em presonca do publico pe-
los seus companheiros, chegando ^antinhera boi
o perdao do sentenciado, acha fu?lado por ter
chegado tarde depois apparecer um carro com
um macaco que conduzira o cadver ao seu des-
tino- .
Os bilheles achamse na estacao dos truhos ur-
banos e no theatro. .
N. B. D-se passagem gratis, antes e deows do
espectculo na forma do estyjo.
O divertimento principiara as 6 horas em ponto
afnH de terminar as 9 1|2.
EMFREZA DRAMTICA
DE
PENLTIMAS RECITAS DA PRESENTE
ESTAC0 DRAMTICA
QU.4RTA-FEIRA *3
E
Quinta-feira g4 do corrente
A orchestra tocar pela primeira vez a polka
histrica escripia.pelo Sr. Jos Coelho Barbosa.
Abordagem Pariiahyba.
Segue-se a representoQo do muito applaudldo
drama em 6 actos
OALCACAR
Ra nova de Santa
Ritan. 1.
BAILES DE MASCARAS E
SEM ELLAS r
Haver quaru e quinta-feira (vespera e da de
S. Joo) bailes pblicos oom explendor. Ser
mantido o regnlamento da polica.
O administrador,
Luiz Alves Correia Lopes.
Santa Casa de Misericordia do Re-
cife .4 de jnnho de 869.
A illustrisslma junta administrativa da SanU Ca-
sa de Misericordia do Recife, manda fazer publico
que tendo-lhe sido requerido o arrendamento por
nove annos do sobrado n. 23, sito ra da Cadeia
do Recife pertencente ao patrimonio dos esUbele-
cimentos de caridade, pagando o arrematante a
renda annual de 1:0005000 e concorrendo com o
donativo de 2:000*000 para auxilio do cofre res-
pectivo, e fazendo a sua cusU, tonto a frente do
predio que delta para a ra da Cadeia, como, a da
ra do Encantamento, segundo o systema moderno
conforme as postaras da cmara, com portadas de
pedra, canos para esgoto, toda a coberto, traveja-
mento e soalhos novos, com repartimentos ou em
saloes, empregando na obra materiaes de primeira
qualidade, aproveindo o que estiver em bom es-
udo, obrlgando-se comecar a obra dentro do
prazo do tres mezes e acaba-la no de doze mezes
fazendo-a sob a nspecco dos roordomos de pre-
dios ; e podendo acontecer que exisUm outros pre-
tendentes que mais Tantogens possam offerecer,
recebe propostas n'este sentido, na sala de suas ses-
soes at as 3 horas da tardo do dia 23 do cor-
Secretaria da Santa Casa de Miserief it do Re-
cife 14 de junho de 1869.
0 escrivo
Pedro Rodrigues de Souza.
AVISOS MARTIMOS.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para a escripturaco do afmoxa-
rifado o seguinte :
1 livro de papel hollanda pautado de 80 folhas.
2 ditos de dito dito de 40 folhas.
1 dito de dito dito de 80 folhas, formato menor
1 dito de dito diu de 70 folhas.
1 dito de dito diu de 60 folhas.
1 dito de dito diu de 30 folhas.
2 ditos de dito dita de 30 folhas.
2 ditos de dito dita de 24 folhas.
2 ditos de dito dita de 20 folhas.
2 ditos de dito dita de 16 folhas.
Para provimento do mesmo almoxanfado.
400 vassouras de palha.
400 ditas de junco.
200 dius de piassava.
10 resmas de papel carUzmho.
Para a companhia de eavaliana.
1 camisa de meia.
58 lencos de algodao.
38 pares de luvas de algodao.
Pcrsonagens. Os senhores
Andr (o cacador de tigres). i. Augusto.
Ribeirq (chefe dos piratas. C. Rocha.
Jonathas (commerciante amer-
cano........Brochado.
Theodoro Pivoine.....Jos Guimaraes
Paulo Berard......^"I?' ,
Julio.........P. da Costa.
Vargas (vaqueiro).....Jordani.
Miguel (piraU)......, /aVi -
Juanea (idem)......J Ramn (idem)......or.to
Talobos (idem)......SanU Rosa.
Pequito........Francisca.
Moco do hotel. ..... SanU Rosa.
Um amigo.......k^98' r<,t,
Um offlcial americano. *. a? k .-
Helena Morales......Mana Velluti
Manoellito.......Apo'onia.
A emigrada.......Cle'ia.
Eva (menina de 7 annos) /.uimira.
PiraUs, vaqueiros, marinheiros etc.
O Io acto passa-se em Paris, e os outros 4 no
Mxico. .
POCA 1848.
Denominacao dos actos.
! actoUrna excentricidadeamericana.Praca.
* actoO bracelete. A scena representa as
minas do templo do Sol
3* actoO abismo.- Grande e esplendida scena
execuuda pelo Sr. Chaplen (Rochedos.)
4-acto-O veneno. -Terraco na fazenda Mo-
ra*actoJustica de DosFloresta americana.
Comecar as 8 horas.
Os senhores que llzeram encmmendas de w-
lhetes podem desde j manda-Ios buscar ao es-
criptorio do theatro.
GRANDE ESPECTCULO
Sexta-feir 25 de junho de 1869.
EM BENEFICIO DE
ERNESTO ADOLPHO R. SALDANHA.
Subir a scena pela secunda vez por esta^com-
panhia, o magnifico drama em 3 actos, original
do Sr. Mendes Leal (Antonio!-
ABEL E CAML
Terminar o espectculo eom a applaudida co-
media ornada de msica _,-,-
O HONK.W WAO E' PBRFE1TO
O beneficiado tudo eonfla da generosa protec-
cao do Ilustrado phblico pernambucano, com w-
pecialidade do distincto corpo acadmico o hon-
rada classe commeroial. ..,:
O resto dos MHmI acham-se np escriptono
Principiara as horas do costume.
mam barsileira
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad
at o dia 28 de junho o vapoi
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
_ Santa Barbara, o qual depois da
demoradocostume seguir para os por d
sul.
Desde j recebem-se passapros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. ljcommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sanida as i
horas. .
Noserecebemcomo encmmendas senao ob-
lectos de pequeo valor eque nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites devera ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas pa3j.a-
gens s6 se reeebcm na agencia roa da Cruz a w,
! andar, escriptorio de Antonio Lmz de Oliveira
Azevedo & C_______________.__________
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
Xavega<;5o coslclra por ?ap#r.
Parahyba, Natal, Maeao, Mossor, Ara-
catj, Cear.'Aearac e Granja.
--y O vapoi Ipojuca, cninmandante
AXL Eustaquio, seguir para os portos aci-
Jm ma no dia 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 28, encm-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
0 concert de Mr. Noury, aanuociado
-------COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costea por vapor
Fernando de Noronha,
-,0-* v O Tanor Giaui, commandante Aze -
*^m vedo, seguir para o porte acuna no
ttM dia 8 de juiho prximo pelas ho-
ras da manha. Recebe carga at o da 7 en-
cmmendas, passageiros e dlfthe'roh/r.el!ft ^
as 10 horas da manhaa do ha da sahida ; no es-
criptorio do Forte do Mattos n. 12.
Para Lisboa
vai sahir por estes dez dias a barca portagoe"
Alexandre Herculano. capitao A A. de Altneaa.
por ter parte do carregamento prompto para
carga e passageiros, para os quaes em exceiien-
tcs commodQS : lrato-so com E. R-Rabello, ra
do Commercio n. 54.
>

I-
iV\
C.\BGA
149 MMl DE

EO
^______________________ CABUG
Este impoi^^^blilcimeto no^eVge7ero, lem sempre mn sortimeiito sem igual,! Wh
L yaade por dimos que nenhuma outra casa pode vender. ida ra larga do|
*"** *\ k vteto da qualidade e do preco das joias cada mu p4der-se-ha convencer daverdade.l |
mmi^ rWtJsTsertado de lei. cSnpra-se uro, prata e peoras fmas'nor prepos mmto ele- Rosario. ,
vados.
A loja est aberta at as 9 horas da; noute.
t
#

\
^_

d


Diario de Pernambuco Quarta feira 23 de Junho de 1869.

QBFxVHirrCftN ."UW-VAN \
c*dc;r por vapor.
Mates, Mq Famoso e
Aluga-se
baadar do sobrado danta do Vicario a 5 aera
utie^tfraaaaaaPaeaaa : a tratar m padana
daruaDirett .A.
.n.
par Paris*, coamxndaate
Mira para s aaiios aria
fia Jl dk forrarte a a ao**
ml aaBaaaaMdaa, pa*-- ajeiros i k-
ilMCx eaerojurie 4o Pane 4o Haos
Xarope de Fedegoso, do Pinto.
E* do urna oflicacia verdaderamente ma-
r vi ihosa como calmante do systema nervo-
so e 6 applicado contra a parabsia, asthma,
irftt-soft^toomescraTO(k'jaeEuzbio>|tosse convulsa 00 coque*uche, tosse recen-
dade trinta e Unios annos, estator* regalar, cor/les OU antigs. SUffocacOCS, CatarrtlOS bron
rata, pooea harte, que as vase raspa, com fatu
da ua ou dous duales na frente, um pouco cam-
te*a, ora da-se ao servico de earroea, ora aluga-
se aai casas particulares, e Mostt aue de vez em
Laado vera dormir ao Camin Novo, era casa
aata crimia de rwrae Bernardina ; as vesos se
iatftala par Jas, noma este por que alguns o co-
aaecwa : qaen o aprehender leve o a ra d
haarnitiT casa n. M, 1* andar, que ser gratili-
cado. Protesta-se centra quera o tiver seu ser-
vico sem o conmunicar ao senhor.
Aracaty
Sakralra**, aiada re-
a tratar cora Si Le-
deDeosa. L
Pan Lisboa
l cu toda atetladt aaarr* portnpuru
i kW. pnr ttr pane da carpa nrumpta
pan aaaa ate Mta e iwaaferro*. tratase eom aa
i Obrara, Fiaos & C. taifa do Car-
is, a ora o capitao na prara de
Porto
Prectsa-se de um machinista que se ache
habilitado para se encarrcgsr do traoalho de um
vapor, na villa lo Brejo da Madre de Deus : a
tratar no largo da Assemblea, armazem n. 9.
aWalSSBSfflMI=BBWBateMBalBW
O hacha re Pedro Aff.mso de Mello, ten-
Si do H-cvemente de fazer una viagem
rapHal do Geara, avisa aos sen eonsti-
tafates, que na sua ausencia tica incum-
uiJo de suas caucas e escriplorio o Dr.
An nato Justino de Son, com auem os
mesmos se poderao entender respeito,
na das Crines n. II, I' andar : e apro-
v-ita a inculto para declarar a pan
roavier que durante a sua estada na-
,|.iv-siRicr negocias proprios de sua pro-
Hriene pnrtu^i
e nassageros.
Taaaz de Anuim
i A C. raa dVrVigarifl a. I. I* andar.
Maranhfio
Smb#- com a aniv brevidade o palhabo-'
tobate
encasa L I tejBI
chicos etc. e a final contra todos os soffri-
mentos das vias respiratoria*, e na phtisi-
ca pulmonar, sua virtade contra o ttano
ou espasmos, e convulc5es incontestavel
e ningoem ha que o desconbeca.
UM HESCOBIUMENTO ESPANTOSO I
Illm. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Braga, .'i de Janeiro do 1808. Meu
amigo, aqUi cheguei com alguma melho-
ra; depois de ter lomado tres garrafas
do seu preparadoXarope de Fedegoso
sto pelo mar, porque logo que che
guei em Lisboa, principie com raais f
a tomar o dito xarope, por conhecer pelo
mar que elle fafcia grande beneficio, pois
i vista da grande qnantidade de sangue
i que cu botava pela bocea, vi que me hia
desapparecendo com rapidez, depois que
continuei a tomar o dito jarope, e t3o
milagroso foi para minlia molestia que
boje me aclio de todo restabelecido, e at
mesmo bastante nutrido, e por isso pode
i Vmc. I'azcr sciente ao publico o milagre
que o seu preparado obrou na minha en-
fennidade. Sera lempo para mais, sou
De Vm.
Amigo atiento venerador e rauito obligado
Mnnoel Jos Gonsalees Pereira.
Mil PERNAMBl'tANA
a
rieira pr vapor
i. Aaaa Augusta CamiK-llo Cavalcuite o l.uiz
i i ivakaate apiaaWi'm a todas as pessoas
IrmaOS, ni3 '.'.r..virreraaicomsuas preseocasao sahiraen-j
!> para n miaaerio publico, dos restos do seo sem-1
--------- pie lembraao a chutado mando e irtuao PedroIte-
nicio r.avaleante de Albuqueixpie. e convidara aos
S>aa aaIM a prenles e os de seu fallecido inari-
, do e ii initenara a-missa do stimo dia, quo tera
limar na ->rdeiit terceira Jo Carino, as 7 horas da
Maia tt sev'umla-feira it do roireute, pelo que
mais urna vez se eonfessam pratos.
te Praaa. segni-
a 2* o eormte as ti
carpa, acaaiBndas.
afrete at aa i horas da
d Forte d< Manos n. l
PARA LISBOA
taatete p'--iw! o i i j
tte'i!' por ja ter graade. par-
restante e pasagei
; rea de Queiror Honleiro, Jeronyrao
- de Mnracs llangel, Manoel Jeronyrao
V riia.'iBBaiarin'-. Oveira, Pl.os i Barn'iros Itanyel, Manoi-I Antonio Din<. Mano
* _lare d* Cirpo Sa-H a. W, oa eam > cap- Saturno dpi temos l>i;.s, Dr. Jos Garando Dia<,
tte aa prara ae conaaereie. Andre liis de Aran jo, I). Brit-s Sebasli.nn de
M. Ene Hrat I, nlu.it de Morios, vecui pelo presente
enrdiaharaie agradecer a todos os saos pranles,
dignaram de assistir
Krv.Ja.te iara apod i cima, o hri- o sua mu, pguda giM e
_Baasda; teaiait< 4a >a carrea i*! 1. *am A^-ta .le Jn^n^ro-
pMX a-ii,-, aatro La./ ; 'Hiveira mesma< cj-ws o caricioso obsequio de ->
RIO HE JANEIRO
Antvii.1 Miz A
uew4 A< i roa da Cruz a. If.
(1hii i wana
.:,-., ira mesmas | _
i una misaa qae pelo eterno pppouso d auna da
sera c'lebrada s G Imras da ma-
nnaa ilo ~\i* io dj eorrente, na capella do cemite-
ublico.______^^_^__^__^_____^
tsamamammammmmBmmm
Viagens para Olinda
l>o 1" de julho era dian-
te as passngens para 0 in-
da, no nmnihos do mesmo
mime, que propriedade
ile Francisco bandido de
e e ^n\'li:r"xlZ yedeiroa, ser de SOOrs. por viagem, eas
aefari i. Iteaue. para htes ejtSMgBatWM meiis 'S loi, para oommo-
** Ktei dkUtk dos paaeageires que morara na^oa-
"*yrh ,s__________Vista, o omnibos'passati pela nia-hllas-
ni H i picio: as boras d j partida desta cidade par
Pl 1 Olinda, I as 7 da manba e as i da tarde,
e de Olinda para o -Roe i fe, s 8 e meia da
maniaa a* ; o meia da larde.
ftr a reteriia ikcio tauita bre\nla-
de y .ihitur r'-'-"' ...*, porier
a annr parte da carga tratada ; e para o reste
ate ate taita tratae e-m o consignatario Joaqutm
!-* tala Eeteao, a ra do Conm>ercio
- r
LEtLOES.
LEILVO
rallas raat passa.
ME
wt- Pestaiw 60 raucas com
-jperke** passas em m -n mais lotes tei\a-feira
"carrate a* II anras da inanhia no anua-
.-ai do Aattes d.-T me daalfanlega.
"LEILVO
Roa da Itaperatriz n. 88 casa ama-
rela defronte da matriz, lia botn dee de
caj assim como de ontras qualidades, e
bolos de S. Joo. ___________
Craraere Krey A- (. fazem sciente (fue
com data de boje, tera mudado a seu es-
criptorio e armazem para ra da Cruz
casa n. 0.
Recife 21 de Junho de !8G9.
ti !. junho a3 II froras a
A>ia-a'. OwttHe.cial Bene-
rdeui
xeaacr por ronta e
tes |trediu> e aceita :
M acate Ja Mapanhia do Beberibo.-
i ma casa terrea Hita, ratea i*mw esii. na de o. 8 na ra de San-
ia lUa Meva, cuja ca- inh Umheta se vende.
-dwado a. ;H a ra do Brwn e t casas ter-
reas, aaa faados atete osa frente para o caes.
t an tfaada barcaca em ron>ti ucean con corea
de 2 tercas faites, o que esta feko bon e as rua-
ras saa pruprias e de pnmeii a quaJidadc. se
csafc in> do Sr. ioaquiui Antonio Rodri-
* jaata aaaelle sobrado de n. 18 na referida
do Bruto.
LEELAO
-la taberna da na do Rosario n. W, esvjui-
aa da ra do Aragao.
O apaate Mantel Tari leilao por aalonsac^o dos
rredstaa k Maaod Jot* Pinto Marns, da arma-
rte, geaeros, gaz e pertences da taberna cima,
teas coa as dividas na importancia de 711-3700;
i a casa ao eomprador do esteteteci-
O abaiv.o assignado, lestaiuenieiro in-
venlariante dos beos deixados pelo falleci-
do subdito fiancez Joao Vigiles, convida aos
credores do mesmo, a apresenUirem-lhe as
Mutas de seus crditos, para por ellas se-
ren alteudidos no inventario que se est
procedente)pelo juizmunicipal da 2* vara
desla cidade, e isto no mais breve termo
possivel, visto estar a concluir-se dito in-
ventario. Recife 21 de junho de I86.
iiurpar Antonio Yieiru Guituares.
Preena-se de ama ama para cozinhar e en-
goinniar cm casa de pouca Familia : a tratar na
ra estreita do Rosario n. 21, Io andar.r
Illm. Sr. Jocuu'tm d'Ahmida Pinto.
lia raudo que ouvia proclamar ascTcel-
lentes propriedades do Xarope de Fede-
goso contra a tosse e astbma, soflreodo
eu de urna tosse pertinaz, e.terjdo usado
t de toda a sorte de medicamentos, valime
pois do Xarope di Fedegoso e urna gar-
rafa smente foi bastante para restabe-
i lecer-me, e me vejo tao robusto como
* d'antes; succumbiila de ceno a nao ter
i usado do Xarope de Fedegoso.
A' vista disto nao tenho expresses
* com que expuma a V."S. a gratidie de
i que llie devedor o de V. S. atiento
i venerador b criado
Joao da Costa Reg.
Illm. Sr. Joaguin tVXlmeida Pinto.
Tenho a ventora de communicar a V. S.
< que gracas ao maravilhoso Xarope de
i Fedegoso, estou com o meu escravo Jor-
ge completamente restabelecido da rao
leslia dos ptilmoes que ha tanto tempo o
i persegua.
Acceite V. S. esta minha declaiaco
i como prava do meu i econhecimento pelo
< bem que V. s. acab de fazer-me ecn-
c ja recordara) fn'ar internada no cora
c-o do
DeV. S.
Attento venerador e criado
Denlo JfKtqaim Gomes.
* Illm. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Cumpriiido um de ver degratido, part.
i c'po a V. h. que pormeio do seu aben-
' toad" 'Xarope-de hv-goso. est peifrita-
* a ente resafielcldb dos seus longos sef-
< friraenlos o meu escravo.
Como sabe, este meu escravo tinha
chegado ao estado mais alllictivo da mo-
t lestia de pulmoes; nao obstante um nao
i in.tiMTompido uso de remedios, e urna
< demorada viagem ao nosso sertio.
Pois bem; a enferraidade, que so ha-
i v'n turnado reoeide a todos os meios
t empreados para combate-la, ceden de
i urna nj.iru'iiQ quasi milagrosa, a qualro
i garrafas, apenas, do seu fedegoso.
Hoje, gracas a Deus, tenho o meu es-
i cravo restabelecido ; e nao fcil mos-
trar lo lo o rcotiliecimento que sinto pelo
bem que V. S.-me acaba defa:er.
Sou de V. S.
Criada agradecida
Mara Norb' rta Si-heffer.
Agenciado jornes
Ra do Crespo n. 4).
Nesta casarecebera-sc assipnatnras para .lodos
ns jornaes de Europa c Brasil, piilili'-os, liltera-
rios, Ilustrados, de leitura, de modas para senho-
ras. de figurinos j)ara alfaiattss, caliellelfeiro, cha-
petiaria, de religiao, do philosophia, do direito, it
jurisprudencia, de meaicina, de pbarmacia, &*
commercio finanzas e economia poulica, de agri-
cultura, das artes engenharia e arcuitectura, de
sdencias, de historia geograpbia e vugens, de pe-
dagoga, de pintura e msica, de Dhoiographia, de
caca, de magnetismo, de maconnaria, de spiri-
tinuo, etc. As assignatunis pagara so no acto de
subscrever.
_________L1VRARIA FRANCE2A._________
0 Dr. Ermirio Coutmho, reside ma
da Cadeia n. 64, onde tem liberto o seo
consultorio me lico, podo ser procurado
quaiquer hora para o exercicio de sua pro-
Hsss3o.
Precisa-e de um irabalhador de padana :
na ra do Raugel n. 9.
O dv)J:il>
AlTonso de Alliuquerqne Mello inudou o sea es-
i-i ipiorio para a ra das Cruzos n. 37, defrontu da
typograplna do Uiario.
Ul t HE LEITE
Aluga-se urna molata de 18 annos, escra-
va, com bastante leite e de primeira crian-
ca, muito sadia : tratar na ra do Quima-
do n. 19, segundo andar.
Criada
Precisase de urna criada para tratar de crian-
cas e sahir a passeio com ellas, e tambera lavar e
eagommar : na roa do Queimadon. 39, 2o miar,
sendo a entrada pelo largo de Pedro II
Lava-se e.engomma-se com todo o aceio c
promplidiio. e por commodn prepo : atraz da ma-
triz da Boa-vista n. 26, primeiro*andar.
Precisa-se de urna ama para eozinhar
comprar : narna da Cadeia dn Recife n. SI,
MEDICO
an
a~ 11 horas do dia cima.
OHereei'-se ama crisda para eozinhar : qurm
a pretender, pjde procurar aa ra Jos Osaos. ou
praia do Caldeireiro n. l.
lOfEITAMr
Rodrigues & C.
N. 26~rua do ImperadorN.26.
Aca^a de abrirse este estabejecimento, eem-
ple no seu genero, onda desde j se acna a tlts-
liosicao do pnblico, Biodiaato precos razoaveh :
Vinhos fines e de Figaeira, oxeellente qualidade,
heores, cognac e cerveja, geaebra de Ilollanda,
tructa- e conservas, cha maito fino.
Ha (tiariameate
blii inglezes, podras, pao de Lot, doces para cha,
pastis desvaras qualidades, empadas, fiambres,
etc. etc. Igualmente se rwcopem encomjnendas de
bulos para 55. Jeao e S. Pedro, casamento?, bapti-
sados, tees, etc. etc., 4uiVo oaat rauito asseio e
prompadao.
LEILAO
lo arm... em da Allianca, em lotes, a von-
de dos compradores.
i arrute Martins levar! novamente a loilao a
ataavao. gneros e pertences do armazem da ra
de Imperador, pertenceute maj^i fallida de Joao
ferreira da Costa Soares, por despacho do Illm.''
ir. Dr. juiz especial do eomiaeroio.
Sexta-feira 13 te eorrente
as 10 oras da manba.

AVISOS .NBSO&L
mnuro mmiui i fmmm
BRAIBI0.
Haver sessao ordinaria quarta-feira 23J
do eorrente junto, petas II horas da ma-,
atflaV
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOCO
A Companliia Indeinrasadom, estabelecida
wsta praca, toma seguros Huritimos sobre
navios e seos carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e moUliae: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Unco deposito, ra larga do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica, Pernambu-
co.
Continuadamente se nos apresentara no-
vos testeraunhos da efficacia do fedegoso
Pernambuco. _____
mMMRWSA
Aos 4:0O0_
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado tendo vendido nos seusmui
to felizes bilhetes garantidos 1 meio n. io03 com
a sorte de 70OJ, 3 quartos o. 3273 com a sorte
de S02, e outras muitas sortes de I00#, 40 e
20* da lotera que. ee aeabou de extrahir em be-
neficio da matriz de S. Lourenco da Malta (i 10'),
convida aos posuidorcs a virem receber seus
respeclivos premios sem os descontos das lels,
na casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da i' parte da loleria a
beneficio da igreja de S. Pedro' Apostelo do Re-
ciTe (Ill')iu6 se extrahir segunda-feira 38 do
orrente mei.
Precos.
BUhete.....1*000
Meio.....JOOO
Quarto.....1000
Em porcia de 100* para ckna.
Bhete, .... 3*500
Meio......1*750
Quarto..... 875
_____________- Maaoei Martms Finxa.
LA LIBKA1RIE FHANgABE
u a da Crespo 9
Met en vente la dernir A mouvante puhiica-
tjon de Victor Hugo, I, Hoauw qui Bit, 4 beaux
vols. relies.
O Dr. L. J. Correia "de S usa de sua
prpflesaoj para o que pode ser procura-
do a quaiquer hora do clin em casa de sua
residencia, ra das Nimphas n. 17. D
consultas gratis aos pobres todos os dias,
das 8 as 10 horas.
Precisa-se alugar dous protos escravos que
entendam do servico de campo, para traballiamu
em um sitio nos arrabaldus dosta cidade, paga-se
o aluguel mensalmente : a tratar na ra do Im-
perador n. 79, 1" andar, de meio uiaas 3 horas da
tarde.
No escriplorio de Tasso Innitos precisa-se
fdlar com o Sr. Joaquim dos Santos Figueiredo.
Precisa-se do urna cozinheira, preferindo-se es-
crava para urna familia eslrangeira: a tratar no
largo do C irpo Santo n. 21. _______
Maia& Lahdelino teem para vender sacros
eem farinha de mandioca : na teja estreita do Ro-
sario Ira ves a do Queiraado n 18 (',.___________
Na rus Uireita n. 2, luja de lunileiro, ou no
povoado dos Montes, precisa o abaixo assignado
entendir-se com o Sr. Manoel Caliste de Souza a
negocio de seu interesse ; isto no praso de tres
dias. Recife 18 de maio de |G0.
Pedro Duarte Rodrigues Franca.

A FLOBl DO li'Jll
-
ti
e
*
AVISO AOS APRKCIAOOBES
DA BOA FtMACA
-----DA FI.OR DO FCSIO-----
Acabara de chegar novas
remessas de fumo picado,
e cigarros especiaes do
tabaco do serto do Para
e Amazonas preparado por
Jos Julio Sampaio Pires,
(do l*ar), premiado na
exposico nacional, vnde-
se em seu nico deposito
em Pernambuco, praca U
Independencia n. 39, loja
de Porto Bastos.
e
s
9
9
*J
ea
9
A FLOR !>0 FU tIO
Precisa-se de tima ama
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
OliIUDAa
para as obras dos
DO
RECIPE A
Precisa-se comprar
trilhos urbanos para Olinda e Beberibe 7
ou 8 mil julipas. Quem pretender esse
rornecimuiito pode apresentar, at o dia 15
de jolho, sua proposta em carta fechada
\ ra do Cramercio n. 3a 2o andar, es-
criptorio da companbia, declarando os pre-
cos. As suITpas devem ser de 2 25 m. de
lompritnento, 20 a 25 centmetros de largu-
ra e 10 a 12 da grossura, das seguintes
madeiras: sicopira, embiriba, mariaprela,
barab, arueira, oiticica, babatimao, pao
Ierro, jatob, coraco de negro, sapucaia,
ou pinho creosotado. Todas estas madeiras
devero ter do milo edirigidas ao
Superintendente,
Andr Porto.
AMA
Precisa-se de' urna ama para todo o servico de
casa de urna familia composta de tres pessoas : na
ra Bella n. 3.
na ma Neva n. 39, loja de fer-
ragensde Sonza & Guimares.
Os propietarios dcste estabelecimento avisam
ao respeitavel publico que existem a. amostras dos
mais lindos fogos artificiaos para os f.stejes dos
dias dos gloriosos Santo Antonio, S. Joao e S. Pe
tiro, das melhores fabricas desta cidade, asaran
como diversas qualidades de fogos chinezes, pro
prios para senhoras -e enancas, comprehenuVndo
lamban urna novaqoalidade'de traques america-
noe, os qnaea admira sna bondade pelo seu pe-
queo lanianho. o que ? com a presenta dos com-
pradores, poderlo eertftear-se da amada.
Precisa se de um feilor para um sitio,
que seja morigerado e d conhecimento de
sua condocta : no sobrado n. 22, que foi do
Qnado Manoel Custodio, no caes de Santo
Amaro.
Prccisa-se de urna ama para casa de pnnea
familia, para eozinhar o cngonimar : na rtufl dos
Pescadores n. I.
Admiravel!!!
V,
<
E* na verdal' admiravel que so venda una
sacea com superior farinha da trra a 3O, no-
va e gustosa; assim eotoo miraguaia (peixe sueco,
superior ao bae.ilho) a 1(K) rs. a libra e o loOO
a arroba; Dio se admircm, veuham ra do
Imperador n. n.
AHV.-7.FM DO CAMPOS.
forra ou escrava,
para a casa de familia, a tratar na ra do
Queimado n. 69.
IXKIPANH1A
dn S milntimos e terrestre Ftdeli-
<:ida no Rio de Janeiro, ca-
iHJI).
Antonio- \.\t de OJi\ eir Azevedo A-C.
ajenies desta Lmpdnhia, toiiuin seguros
cbntia fogo e a risco martimo. Ba da
Cruz n. 57 primeiro andar.
Eaupa engommada
Na ra do CaJdeireica n 16, engomina-se per-
feitaraeute Maja, tanto de honieiu coa.o de so-
nbora. e por precos razoaveK ____-
F;.7.-se bv.los para S. J.rio e S. Pedro com
mestria, promptidao o limpeza : no pateo de
Pedro n, 26.
Desde o dia 9 do correte est fgido um ca-
bra de nomo Joaquim, baixo, grosso, olhos espan-
tados e com falta de um dente da frente, levou ves-
tido camisa e calca de algodo da Baha, cosluma
apparecer aqui no Recife na ra da Concordia :
quem o pegar peder leva-lo ao Arraial, sito do
capitao Vianna, que gratificar.
Na padana da ra Direifa n. % se dir
quem d: 1:0003000 a premio sobre hypotheea em
casas.
NOVIDADES
nuil
Acham-se exposts venda, pelo demi-
nuto prceo de 14000 no BAZAR ACAD-
MICO ra da Imperatiiz n. 13, no cal.'
Imperatriz na mesma ra, na Aguia Branca
ra do Queimado, no Gallo Vigilante ;i
ra do Crespo, livraria Acadmica e na ra
Nova loja n. 9, as expelientes
CARTAS FATDICAS
Perguntas e respostas em versos para S.
Joo, S. Pedro e Sant'Aona. A' ellas an-
tes que se acabem.
\ OIAVE III) EREIH)
O abaixo assignado MoUbca ao corpo eora-
mercial, e a quena mais iatereesar pnssa, que ten-
d assaeiad n sua loja de fueadas siu aa ra
do I.ivramento n. ti, aos Srs. Manoel Jos Montei-
ro Torres, Marcelino Goncalveade Aievede e Jos
Bento Para, e adoptado a (ana socialGonc al ves,
Para, it C.j tando Mlecida este altano, tem os
associados sobreviveMes, e tarabeas abaixo assig-
uados. constituido aova fJnaa, soi a razao de
Goncalves, Irmlo 4 C, a ual priaeipia a girar
da hoje em diafcte, no raeaaw negocio como al
agora, e reapotsaval pela Haajdacao das transac-
eoee anteriores.
Recife, ti de juabe de MM.
Antaoio GoneaHes d'Azevedo.
Manoel Jos Monteiro Torres.
Maroalino tiungabres d'Azevedo.
OU
ARTE DIVINATORIA
M
Madame Linck.
Colleccao de novissimas sortes para as
noites de S. Joo e S. Pedro, 4 volume ni-
tidamente impresso, liJOOO, i venda no
bazar Acadmico ra da Imperatriz n. 13.
e na mesma ra no caf Imperatriz, na
Aguia Branca ra do Queimado, no Gallo
Vigilaale. ra 4o Cjeapo, na ra Nova
n. 9 e na Kvraria acadmica ra do I tu
perador. F mu dos me!hres trvros de
sortea escocidos para di ver tmenlos da pre-
sento pocha; carteado, atoa das interas-
santes orles, diversos inigmas em lingoas
estraafeiras.
BOM NEGOCIO
O commendador Tasso
deseja alagar por mdica
preco as baixas e alaga-
dos do seu sitio do Ca-
unda, s quaes vio des-
'& aponte da estrada no-
va de Beberibe at quasi
a esuad \eiua ao lugar de Agua Fra,
compre he ndendo urna grande Elba, qnal
assim como as referidas baixas se prertam
muito a planlaco de capim, arroz e quai-
quer outras plantas que percisam de trra
fresca todo o anno.
0 referido commendador nao duvida ft-
zer arrendamento desses terrenos e alaga-
dos por 6 ou mesmo 9 annos, c dar um
anuo de fogo morto a quem der flanea
idnea e se obrigue a rotear os mesmos.
Criado
Precisa-se de um criado lid e diligente, livre ou
escravo, para urna casa de familia : a tratar na
ra Bella n. .'17, sobrado de dona andares.______
O abaixo assignado participa ao respeitavel
publico e com espccialidade ao corpo commcrcial,
que tendo de retirarse para a Europa a negocio
e temporariamente deixa na gerencia do seu esta-
betecimunto sito a ma da Cadeia n. 36, o sen ca-
lillado o Sr. Carlos Frsese o Sr. Leonardo Anto-
nio do Espirito Santo.Porto, competentemente au-
torisados e habilitados para este (m. Rbga-ee
porianto aos seus amigos e freguezes que conli-
nuem a dispensar a mesma eonOanea, cora qne
sempre se dignaram hnralo, certo de que suas
ordens serio executadas com zlo e aciividade.
Franeisco H. Caris.
FOGOS
Xa antiga fabrica de fogos de artificio da vinva
RonO, existo um completo sortimento de rodi-
nhas, eraveiros e pistolas, objectos proprios para
os festejos das noites de, Santo Antonio e S. Joo,
ludo por coimnodo preco, e como seja a fabrica
distante da cidade, as pessoas que quizerem fa-
zer suas encoraraendas, podero leva-las no arma-
zem da bola amarella, no oito da secretaria da
polica, onde tambern a'.luro as amostras.
AMA
Precisa-se de umaama para'eozinhar, dormind-;
fra : na na da Cadeia n. 10.
Frederico Maia
t'ircirgle lcuiisiu pela estola
de niedieiua
to llio de laueiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capitaLe seus suburbios, que tem aberto o
seu gabineie dcyonsultas e operac.-oes dentarias a
ra Direita n. 12, primeira andar", onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantla as
i da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeieo collocar denles artificiaos
por quaiquer dos systemas, e bem assim desempe-
nhar quaiquer outro traballio emeenente sna
prolisso. O mesmo, reeonheoendo cpie nem sem-
pre possivel s senhoras on enancas sahircm a
proc_.tr o remedio, offerece-se a remover quai-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a quaiquer chamado sera que isso influa cousa
ilguma na commodidade dos precos de sena traba-
Ihos, e quando para fra del la assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavcl. garantindo elle a
jeguraneae perfel^ao de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente exeei-
lenteps dentifricio; elixir e outros medicamen-
tos odonlalgicos : a ra Direita n. 12, primeiro
andar.
L'StnaB'' (ionioi('i-'< l_IStwi r,^.ih-l!Kr(f7,T3SSI
IEMPRESTIMO SOBRE!
na
pri-
as ras ua
das 0 boras
Com esn(|0lo!0|j.iaaio
dade todos os dias uteis
manba s .'> da tarde, urna caixa contend
artigos das ultimas modas de Parispara
SESHOR-VS
Como sejam:
Bicas e bellas cbapelinas.
Lindos e elegantes chapesmhos.
Casaquinbos de guipure.
Fichs de renda pretoa.
Delicado sortimento de cintos.
Corpinhos de cambraia enfeitados.
Borns de lat e seda, claros.
Coques enfeitados e lisos, ete. ele*
E muits artigos de novidade tanto para
senhoras como para homens e criancas.
As pessoas que pretenderen! algans des-
tes objectos, queirata ter a bondade de
mandar dizer suas moradas noBAZAB
DA MODARA NOVA N. 50afim de
serem procuradas.
Os proprietarios do=a._A da moda,,
tertos na optfawsaolbaa destes artiiros,
por seu mui hbil correspondente em Pars,
(SEM LIMITE.)
.\ii (ravessa da
Cnizt^s n, 2,
meiro andar, da-se qnal-
i\i\n (|!;! sobre onro,
|irila e podras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente automado pelo
governo, est as ondifes de ga-
rantir a tran^aeco que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideravo s pesseas que se
dignarem de honra-lo em seo esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brlhantes.
Criado.
Na rea do Crespo n 16, Io andar, precisa-se
de uro criado para andar nos arrabaldes da cida-
de, uaga-se bem, porm quer-se garantas de boa
eonducta._______________________
No armazem alandgao da ra do
Apollo b. i6 de James Ryder & C. armaze-
nas-se fazencias as seguintes condiccoes.
Fardos 800 rs.........)
Caixas 010 rs.........) por tres mezes
Fardos de estopa a IQ00
LEIAM.
j^ ulgam-se no direito de affiancar que ven-
im. dem suas mercadorias por precos as me-
laores condicoes a diaheiro. aaaai
Carta.
___**' *m ofcaiaa tea 42 annos "ns
roa Direita n. z, t* andar.
. Pautas b. 8.
Obdem do da
e mais trabalhos de commis-
Pareceres
ses.
SacroUria do Instituto, l de juouo da
Joi Soaret de Atemb,
Secretarlo perpetuo.
Resta venda um eseolhido sortimento de ob-
:eclas de marcinesia, eomo sejam, raobilias de ja-
araaa, aajfno aaiarea,- taa aaakwata astran-
elra, de apurado gosto e por pr^fo* razoaaeis :
aa nu aaviu4o Bosarion. 32. Neslanieema
asa fcuam-se coa perfeieo todos os tiabalkos s
jalhioha, como sejam, empalhamentos de rastros
>ara camas, cadeiras e sopns. _____
Fundpao da Aurora.
Neste vasto estabelecimente sempre se encentra
am completo sortimento de tahua de Itiliu'toSaW
e fundido, fabricadas reeenttmente, e e fabrteaai
de quaiquer molde a Toattde dos compraderea, '
recos ra/poares, triza. 75.
Areada.aa o sio do Jacar, cora casa noa
de pedrn a-cal, amito terreno ,p_ a quaiquer plan
tscao, bastaflles arvores da fructo, e boa baixa de
capim : a tratar com e floUdeaOor Uerroso, no
caes de Gapibaribe, on no sino-de moasenhorlifO).
nlz Xaiuros, am Paruameicim.
i) Sr. Rayaiunilojajanes de Oliveira
carta aa ruado Hoapwto n. 33.
Prccisa-se alugar um escravo : na nadara
da ma da Praia n. 47.
urna
de um amMaaaor cna> calenda de
bem : a tratar na raa das Ciaca
AVISO
Em urna casa de familia, a ra estreita
do Rosario n. 35 i" andar, fbmee se come-
dotias para fra, maadaado-se levar as
casas qae n3o trverem portador, e garan-
lndo-se o aceio, promptdlo e commodida-
i na preco, portanto convida-se aos Srs.
estutlatites h negociantes a honrar-nos atan
as suas asignaturas.
Pracitt-se Oe urna ama para comprar e crai-
dtw', paataaeto escrava : aa ra Mova n. f8.
g*jSffa^ ^frecKa-fle de offlciaes de aKamte : no esia-
JaaVij aVW I tjeJeciinento de Meodes, Falcad .. ra da a-
Aluga-se tun sitie jm^ Pasaagm da Magdlens.Tdaia tto RXiiea. t$
a- Os abaixo assignados julgam nada dever a
pessoa alguma, porm se alguem se adiar com
direito, queira comparecer no praso de tres dias,
oo patee da .RMara a US, lindo os quaes nada
poderlo alegar. Recrfe de Jonho de 1869.
Guimaraes aos amantes do que bonv
Na aeaa coaheeida casa da aaebada da Penha n.
37, caaiana-se a fornecer maaaas panados de S.
Joo, 8. Pedro e Sant'Anna, eom mita lirapaia e
l"'r ^^^^^^^^^^^^^^m
Jos Antuaes Guimares, Seraphim Antune-
Rodrigues Oajaaaries, convidara aos seus amigos
e parales, a aaaiatirem as missas, que no dia 23
do carrate, Sandia do fallecimenlo de sua sem-
pre chorada esposa, tia e madrinha D. Constanca
acia Pcyetra, raaaaafii reaar a igreja da ordem
terceira aV, Fameisao, peUa 7 boras da a_eJia,
p ir alma da mesma finada.
.kmmttmmmMMHammm*
Precisa-se de atoa boa aaia de leite sea fi-
Iho : eifonna-se na na Angnsta n. 69.
Aluga-se
Urna casa com bastantes commodos, aa
Cidade Nova do Saeto Amaro, a tratar eom
AatonoJose Gotcjl\ies Juniar ei Santo
Amaro.
eom boa casa e muitas rveres de fructo T
lar na ra do Crespo n. I.
mi
OsAbaixo assignados fazem sciente aosubli-
c e eom eaaecaiidaae aa carpe do eom qne dissolvpraaa a sociedade que 'gyrava nesta
praaa sob^ finaade Guimaraes 4 Barbosa, fl-
canina caiga Ja ear-si ca>finimat4es todo o ac-
tivo e passivo, e sahindo embolcaJo o ex-socio
Barbosa de todo o seu capital e lucros, e desoaaa
do da ludo. Recife 90 de junho de 1869.
Jos do Couto Guimaraes.
Jos Antonio Barbosa.
l*raBiaa-aeajB asna aaaa lina -cu escrava pava,
eoznhar e comprar : a ralar na raa da Impera- em altara dos rraaaldes mais parto desla cidade:
aa ra da Gnu n. 55, i* andar.
^jf^Hlllm A ^UflaWfap UJtf.JA'P1" ilV UiLal
Sociedade Patritica
Dous de Julho. '
> Aatreccao convida a todas as pessoas que aaai-
T^S&Sr^XtrSS&t
comparecerem no ola 23 do correte, pelas 4 las-
ras da tarde, na roa da Aurora o. 70, 1 aar,
coraaerespectivasxi1wc?*davaBao acompaahar
urna nota com osepiaaaa eaetaacimentos :
Fulana, escrava de Fulano, morador na np de
iat, ffjha de Fulana, nasdda a tantos de tal tu,
mez e anno, alforria-se pela quantia de rs. a
A direccao espera que os senhores da daaa
crias taran em consideradlo o patritico fea I
-, r-------- "W .rr....... ,t>.~.., ..... j...,., V...U...^ -ylanffi jy wrj ibaaiiririo jmcd
saaaisa-aaalBpa-na ihaiaaqueno r.ue aa]a Aerto-Calao, aaa :Alagas : a tratar aa ra da-lea raaaaval em cmsiderac_. a iaada.
aaaarVr
Goelaoe n. IB co Thomaz
Ltns Junicr.
Cavakanli da Silveira
Roeie 19 de juato de fafiv.
Domingos Al ves Matheoe.


Diario de Pemambuco Quarta feira 23 de Junho de 1869.
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Procopio de Sena Santiago,
panto deste theatraj que s- deseja fallar n;i
rua Direiia n. 53, a negocio que nao lhe
deve ser estranho. ___________________
Predsa-se de amo ama : na ra do Fogo
n. 31.
Aluga-se o 2" andar do sobrado da ra Nova
n. 58 : a tratar no mesmo.
Ama
Xa ra do Torres n. i2, 3o andar, precisa c de
nnia cngomiiadeia.______________________
Precisa-se de um feitor: na ra estreila do
Rosario n. kl.__________^_______________
Precisa-so de uin traalhador : ua rettnacao
da ra Direiia n. 10.
Cozinheira.

T
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do. Cabug h. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-o ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
Para casa de familia precisa-se do una mullir
perfeila cozinheira, preferiiido-se escrava : a tra-
tar na roa da Aurora n. 42.
Pedido.
Pode se a autiridade competente que faca eom
quo os amigos de buseapes nao soltem as rna<
do Aniorim e Moeda, visto seren ras estrcila e
terem armazens de espiritos.
Alguns moradores.
Feitor
Xo engeuho Jlatto-grosso, comarca do Rio For-
moso, precisa-*' de um feitor, preferindo.se es-
train,*eiro : a tratar no mesmo engenlio com Lea1
& Irmao nesta praca : na ra da Cadeia n. 3fi.
COMPRAS.
OURO E-MATA
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem comB libras sterlinas, na rea do Ca-
bug n. 9, relojoaria.
Compra-se urna negrinha de 9 a 10 aunos
de idade : na ra do Pires n. 5._______________
Xa uraca da Independencia n. 33, loja de ou-
rivea, compr-scouro,piala, e pedias preciosas,e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
joo e qualquer concert. .
VENDAS.
Taberna
Vende-se a taberna da rua da Concordia n. 9i,
a qtlal est bem afregnezada e tem poucos fundos
prnria para algum principiante; o motivo da
venda dir-s.'-li.i ao pretendente cm particular : a
trajar na Ponte-Velha n. li das 6 as 9 da ma-
nha c desta hora eni dianle n'est.V1\ pograpliia
Com dinheiro vista vende-se o sitio Lima
na povoacao dos Montes, a p<; da esta<;ao de Una:
a tratar J5m Jos Paulo do liego Barreto, na villa
do Cabo.
Ouro
E. A. Burle & C. tem para vender libras
sterlinas e moedas de vinte francos.
Vinho
Oomira-SQ una escrava de meia idade. que
, taita dniionar o bem : na praca da Independencia
! n. .'(9, se dir.
Compra-se um escravo que
(enlemla do oieio de tanoeiro: j
almiar no escriptorio de Amo-
' rim Innaos & C. na ra da Cruz i
n. 3.
Comprase otii escravo dmela idatie, acos-
turnado ao wrvico de canino : na ra Direiia
11.8.____________[_________________________
Medulas gerae
Compram-so eom premio sedulas miadas de
i 20 para baixo, sendo ijuantia superior de 1003 :
na ra do Yigario n. 3, eCripiorio d Joliiistou
Pat.-r & C.
16 RA D CRUZ -6
S. A1TT0!I09 8. JOAO E S. PEDRO.
Ha diariamente sortimento de boinhos paradla, podins, paes de l, bollo inglez,
presuntos, ditos cm feambre, pastis de diferentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas e confeitos. Yinhos finos engarrafa-
dos, superior cha Uisson, pretoe miudinho, fructa em xaropes, ditas seccas e ehiista-
tisadas, assuear candi, xaropes refrigsrantes.
Reecbe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas annac5es de assacar, sendo estas preferiveis as de papelo: bollos etc., pes
ce l enfeitados, qualquer encommenda para fon seta bem acondicionada.
Compra-se
barra vastos de banha americana, que esteja em
boni estado : na rua das Cr 'zes n. 7.
Moedas de prata do eunho antign,*compr sc por proco alto : na rua do Cabug n. 5, loja
da Esmeralda.
Ouro e prata em obras albas, assim
como brillantes sendo de primeira quali-
dr.de; confpram-se por maior i reco que
em oulra pjrte. Na loja de joias (Esme-
ralda) rm m Cabug n. o.
Vinho Rordeaux superior qualidade, mar-
as ja conhecidas; e o verdadeiro Cognac,
co mesmo estabelecimento.
Sementes novas de liurtulica : na rua da Cadeia
do llecife n. 50.
Vende-so a dinheiio ou a praso a padana a
vapor sita em Una. a qual se aeha livre e desem-
barazada : os pretendentes podem entender-se no
uiesmo logar com seu proprieurio, ou ram (torta
Lima & Cuimarfics, na rua da Cadeia n. 40, c Ne-
comedes Mara Freir, no caes de Apollo
Sortes de S. Joo
Xa roa da GoneetaSo n. :lC\vndc-?e!nnitas sor-
tea a :t?00 o cento, roeobe-aa lamben) qualquer
eneommenda de bollos bem feito .: por commodo
preco.
Rua do Queimadon, 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mam e Suva conhecido por
Jos Bigodinho.
Est queirnando ludo quanto tem euj seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiramvir ou mandar
I ver o que bom e barato.
"Garrafas com .agua florida ver-
dadera ...... l$iOL
Garrafas com agua divina dame-
llior qualidade IjJtKOQ
Latas com superior banha fran-
oeza' ...... ,5200
Caixascom 12 frascos de ebeiros
proprio para mimos .
! Dita com|U frascos muito finos
j Oleo baboza muito fino que s
a vista ,.....
Sabonetcs de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pecas de babadinho com 10
varas ......
Caixas redondas emitando tar-
taruga ......
! Pecas de fita de cus qualquer
unbas rauilo li-
dentes fazenda
de cores
do gaz
Ealoes aerostticos
Inleressantes baldes aerostticos decores
e tamaitos proprios para meninos c muras
poderem sellar as devortidas reonioes
campestres iioute de S. J io: aindaacba-so
sorlimento no armazcm do vapor francez
na rua Nova n. 7.
Manuel Alws Ferrira & '.. teem para ven-
dar muito superior vinho do Porto 'e Clrotte, em
caixas de daiia : na rua da Moeda n. >. segando
andar.
COMPRA-SE
urna carraca, decaixao, de ditas rodas, com
cavallo earreios: quemtiver e quizer ven-
der annuncie por este Diario, ou dirija-se
ao sobrado n i, que l'oi do fallecido M,i-
noel Custodio no caes de Santo Amaro.
Vende-se em Olinda uina rasa terrea, na
rua do Cocho n. 16, defione da ladeira da lloa
Hora, a qual teffl quintal rom algnns ps de ar-
roredo: qm-ur ai pretender, dirija-se aruada:p0(;as de fita de la todas as
Madre de Dena n. 20, no liecife.
largura
Escovas para
as \ .
Escovas para
muito-floa .
Pnlceiras le contas
para meninos .
; Caixas de liaba branca
com 60 nuvcllos .
Caixas de linha branca do gaz
com ;J0 novellos .
i Pecas de tranca lisa de todas
as .cores .....
Resmas de papel pautado muilo
fino ......
Parea de boloes para punhos
muito bonito .
Libras de lila paa bordados de
de todas ;s cores .
Pentes com costas de metal
muito (inris .
Novellos de linha muito grande
para arns .
Duzia de linha froxa para bor-
dado ......
Grasas de boles madreperola
muito fino .....
Sabonete muito finos (50, 120,
10, 240 o
Attencao
Gompra-se
10-Rua Nova-19
FRElDimiCO AXTIER
drurojao-dontista, muilo eonheeidfl ha ei annos nesta cidade, pela perfec5o dos seus
trabalhos. tem a honra de participar ao respcitavel publico (pie tendo feito nimios me-
Ifaoramento M 8naasa, pode d'aora avante receberas senhoras no seu gabinete onde
acharSo os comm.idos precisos para familia.
Acba-se tambem na sua casa e na sua companbia, o seu sobrinbo c discpulo
f. TiKROi X
o qual acaba de vottar de urna longa viagem a Europa, durante a qual pralicou com
feliz socaesao as primeiras casas de Pariz e de Londres, offerecendo assim as melhores
garantas do bom desempenbo para tudo oque for relativo a profisso ; por isso o
annunciante pede aos seos amigos e clientes que por acaso o nao cncootrareni no seu
gabinete, depositan no dito seu sobrinbo a nesma coofiaaca com que o tem honrado
a dez annos.
Dentaduras por todos ussyslemas: a presso do are com molas de ouro, platina,
vulcanite e um inteiramente novo n*esta cidade.
Cura radical dos dentes cariados.
Chumbagens (obtura(5es) com ouro e com massas diversas, segundo os asos.
Remedio para acalmar as dores de denles.
Agua c pos dentrificios fabricados pelo proprio annunciante, o quelhe permilte afian-
rar sua boa qualidade.
Escovas para dentes. etc.
Perfeipao de trabalho e precos moderados.
/ tagcn para fra medanle ajusto previo.
O gabinete acha-se aberto das 8 horas da manha ateas 4 da tarde de todos os
das utas.
um buhar cnt bom estado, com seus pertences:
(|uem ti ver ilirija se a rua da Cadeia do Reeife n.
53, loja de chapeos.
Compra-se moedas de ouro e prata, bem
como libras sterlinas por maior preco que
em outra parte: na ruado Crespo n. 16
primeiro andar.___________________
Compra-se
ouro e prata e pedras preciosas, no arco
daCon:ic5o, na loja de ourives, no Re-
eife.
Papel para embrulho
Compra-se papel para embrulho, na loja
doPavo, rua da Imperatrizn. 00, de Flix
Pereira da Silva.
?\

DE
OURO K PRATA.
Coinpram-se, offerecendo-se muito maior van-
tagem ao vendedor : no Coracao de Onro n. 2 D,
rua do Cabus.
0 muzeo de joias
Na rua do Cabug n, i compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer paite.
MUSEO DE JOIAS
GOMES DE ManOS IRMAOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUG N. k
ende encontraro um completo sortimento do que ha demais eLegante,-
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos.gostos, assim como grantie variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao nsto, e completo sortimento de
objectos de prata para odas igrejas,
Comprarm e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garatem
a qualidade dos objectos vewdides.
c/o
de pfto e^stas, ruaikj^^o
Rosario,
Vendem-je as importantes poeias do patriota
J. de C. : quem as pretender dirija-so a rua da
Cadeia do Iteeife, loja de forrageng n...-
Superior vinho
Na rua do Livrameoto n. ti, tem para vender,
cm batlis de i|uinto e meias pipas, o melhor vi-
nho verde at neje vindo a este mercado.
Na fabrica do fallecido subdito fran-
cez Jlo Vigncs, existe um bom sortimento
dos muilos acreditados pianos, os quaes se
vendetn mdicamente para liquidaco.
cores ......
; Espelhos dotirados para parede
1;)000 c.....
I Espelhos de jacarad muito
lino a......
1 Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol a .
Pares de meias cruas para me-
ninos ......
\ Caivete muito fino com i fo-
llias .......
Cartilbas da doutrina as mais
modernas .
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
2?>o00
?5800
4500
fS40
4600
500
44500
4500
,5500
42 iO
4200
4800
4000
4040
44000
4120
84000
4320
4320
4480
>500
4320
4500
14500
24000
4060
4320
14500
4400
14200
Vende-se terrenos de produeco e com
arvores fructferas e prximo a esta-
co dos trilitos urbanos do Reeife
Olinda e Beberibe, no becco do Espinheiro,
podendo quem quise- diri{jir-se nos domin-
gos, ao sitio n. 6 na estrada de Joo de
Barros, c nos demais dias, rua da Impe-
ratriz n. 68,
Vestidos eom duas salas a 20.*
Cliegaram para a loja do Pavo rua da
Imperatrii n. 60, os mais modernos cortes
de poil de Cbvre com dtftssaias .para ves-
tidos, sendo n'este genero o que ha de
melhor e mais novo no mundo, e vendem-se
pelo barato preco de 204000 na loja de
Flix Pereira da Silva.
Bbadinhos baratos na loja
do Pavao.
Vende-se urna grande porcao de baba-
dinltosde todas as larguras, sendo com os
babados verdadeiros, por urna terca parte
de preco que se vendem em outra qnalquer
loja, s cora o flm.de acabar-se com este
artigo, assim como tambem se vende urna
grande parte d'ntreme i os, pelos mais li-
mitados precos para acabar, na loj e ar-
mazm do Pavo, rua da Imperatriz n. 63
de Flix Pereira da Silva.
Vendr-se
a taberna da rua de Hurtas r. 43, em virtu-
de de seu" dono retirar-se para fra : a tratar
na m3ma. _____________________________
VEMDE-8E
mauteiga ingleza flor a 13000 : na travesa do
Livramento n. 28, esquina da rua do Fogo.
Vende-se um eseravo crioulo do benita lisu-
ra, idade de 2o annos, muito brioso para todo o
serv, o mesmo de engenho, i dito de idade 20 an-
nos, 2 esoravas para todo o sewigo, i moleca de
idade 18 annos, engomma, cose e cazinha perfeita-
mente : na travesa da Crmo-n. 1.
Carne do serto
Na ru do Awortm n. S6, a Ht a arroba.
ii:i\ i mmm i
Econoiuia, iitilidadc e luoderuo
mercado.
CHEOUEM A' PECHIXCHA.
Baliies fraueezes, arcos pequeos c gran-
des, para son hora, a 25000
Casemiras inglezas, bonitos padroes, com
listras largas, eovado 4Si00
Ditas francezas, dem idem, com listras
largas, eovado 4000
i Ditas ditas melladas, eovado 3200
Baronezas largas eom listras de seda para
senhoras c proprias do montara, eo-
vado, rs. 900
Paletots de alpaca pretos e de cores 4 e 45500
Alpacas lisas de cores muito tinas e bons
gestos para senhera, eovado, rs. 800
Cambraias de cores, variados padroes,
eovado, rs. 240
Ditas de cores, mais finas, covade, rs. 360
Ditas miudas, modernas, finissimas, eova-
do, rs. 400
Ditas de flores grandes e listras, eo-
vado, rs. 500
Colarinbos de linho de diversos gostos, rs. 400
Ditos de dito muito finos, cliegados no ul-
timo paquete, rs. 600
Chitas clapas, boas tintas, eovado, rs. 280
Dita-; escuras, helios padroes, eovado rs. 400"
: Ditas coloridas, finas, proprio para familia
eovado, rs. 400
Ditas riscadinhos, variados padroes, eo-
vado, rs. 300
I Ditas escuras econmicas, eovado, rs. 360
Ditas de boa eomposicao de tintas, eovado 320
Ditas claras econmicas, eovado 340
Itoupas e mais artigos que Oca a pedido da res-
peitavel freguezia, dando-se ame-tra de tudo.
"XAROPE PE1TORAL
DE
RABO DE TATI
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recommendado as
aflecejies do pcito, bronchite chronica, he-
moptise, e losse chronica.
PREPARADO POR
JOAQUIM DE ALME1DA PINTO
PHARHACEUTICO
Pemambuco rua larga do Rosario n. 10.
Na rua de S. francisco n. 72, vende-se urna
escrava de 35 annos, muito sadia, propria para
servido de engenho. Na niesma casa compra-se
urna cozinheira ou engommadeira, fme nao seja
muito moca.
Manteiga
Vende-se inanteiga ingleza fina a J?20, 00 e
900 rs. a libra : na trtvessa das Gruzes n. 12.
Vndeseomestallo moho novo ecarre-
gador Uaixo, o qual existe na matriz da
Vanea, rua do Fogo, em Casa de Joao
SimOes yerretra,
mameigajngleza 990 rs. : a-na arlftrtgnira
Balas de cores
Pistolas para noute e'S. Joo com lin-
das balas de cores, fabricadas pelo melhor
artista deste- genero : acha-se sortimento
completo no armarera do vapor francez na
rua Nova n. 7. _____________
lSh Vendem-se saceos com milho, no trapiche da
Compnhia : a tratar no mesmo, e no e 2* an-
dares da rua da Cadeia vetha n. I.________ _
' FARNflA DE
MANDIOCA
Superior farirma de mandioca recente-
mente ehegada de Santa Catharina, vende-
se a pre?o cmodo a bordo do brigne alle-
m2a Lina, Tundeado defronde do trapiche
d EJtm. Sr. bartlo do LrVrimito; a tra-
tar a bordo do mesmo, ou no escriptorio
de'tf&aijum' Jos Connives'BelUHa, rua
tkrtMBftewar/n. |7.
fltlo ffreseo e gawdavel
"TenHe^ um sitio pequeo, nuratfo, em boa
tasado sobrado, casa para feitor, eochelrveglri-;
baria, boaafoa de-beber, fraude cacimba com
bomba e tanqne para banlio e para lavar roBpa,
tntttros arrorfedos e de muitas qtrtlidaates etc., sl-
twule a"beira do rio, no ponto mais alto da Tee,
is samia vel dos .arreores dsta oidade : a
r Noto n.' 19, PMar.
Na" rt-tUreita n.'J6, VBCdW!-
moito cm couta.
Parafogosde Bant Antonio,
S. Joflo e S. Pedro.
LIMALHA DE FERRO (muito nova).
DITA DACO (idem).
DITA DAGULHAS.
Vendem-se na botica e drogara de Dar-
tholomeu & C.
3't-RLA LARGA DO ROZARIO34
FOliO FOGO!
rua Direiia n. 53. '
Ha para vender um completo sor- j
timento defdgos artificiis, tanto j
para Sras.,como para enancas, pis-
tollas brancas e de cores, com 3, i
5 4, 5 c 0 Lalas, fonlainas, cravei- |
8 ros, rodinhas singellas e dobradas, |
I foguetinhos, buscaps, Ilumina- j
i toes bales de seda de 2 pasmos de j
l altura etc, etc., feito por um dos i
mdliorcs artistas deste genero, i
3 Tambem lia para vender salitre, en- ]
| xofre, bren, fio, facas e garlos ]
I de diversos piceos e qualidades, j
I bandeijas linas quadiadas e ovaes ; j
| alm do grande soi tmenlo de fer- i
^ ragjQS, mlodezas, cutelarias e trem 1
i para coxinha, etc, etc.
a Rua Dircita n.Su.loja de Alanoel
5 Remo de O. Braga & C.
At quechera ramj
SISTEMA DKvSIMA,
3 Grande factura de 1,500 series de '
i posos kilogiammas em serios com
i] pelas de todos os lmannos, me- {
I litotes de comprehender do que os i
5 que Cena viodo ao mercado, assim j
i como medidas de metros, chegaram j
somonte de encommenda propria ]
5 para a casa de Manoel Rento de 1
] Oliveira Braga ('... ra Direiia n. |
:t, e com diminuieo de presos, |
a venlism em tempo. I
LlJIlllD JJiLlliy.lUjIi'mLi
Vendem Augusto P. de Oliveira & C tv?
Commereio, n. 42.
ETTO Wm SE Mffl! I
NO
RU NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO
Os proprietarios Jos de Souza Soares &
C, alm dos baratsimos procos por que
eslo vendeiulo a grande variedade de arti-
gos de moda e novidados de bom gosto,
tanlo para homens como para senhoras e
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
blanco para homens, fazenda lina, a 10$!
(o |)rec.o c i i #M)0).
COQUES enfeitados para norvas, grando
Dovidade a i800.
DITOS sem enfeite e de delicados mo;-
d's. sondo de soda i imilaco de cabellos
a :is c 3/1500.
MEIAS superiores ingkzas pata homens,
a duzia de pares 7>K0 (o preco de 9
a 10,5000).
LEQUES de madeira sem differenca de
ndalo a 2iW00 e 2^500, (grande peettin-
cha!)
DITOS com lenlijoulas a 3.-> e 4^000.
BARALHOS de cartas francezas boa fa-
zenda, a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pe-
quero e fazenda superior, um pacote por
14000.
LINDOS cintos de palha enfeitados pata
senhoras (grande novidade em Pars) a
2?1800 e :?JOf 0.
DELICADOS coipinhos de cambraia bel-
lamente enfeitados a 6#500 rs. (admira *
preco I)
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigas de novidade e-de apurado gosto que
se vende por precos baratsimos.
No Razar da Moda.
Vende-se em casa d Oliveira
Filbos & C, largo do Corp*
Santo n. 19
Libras esterlinas.
Vinho moscatel de Setubal.
Potassa da Russia, em barris c meins
ditos.
Carvo animal de superior qualidade.
Panno de algodao da fabrica de Fernao
Veluo, para saceos e roupas de escravos.
Para bolos.
Vende-se massa de mandioca muito fina pro-
pria para bolos de baoia a-500 rs. a libra ; e na
mesma se faz bulos d bacia de eneommenda. e
preparam-se bandejas para pasamentos o> gostos
modrnns : na na dos Pires n. S.
VeWdem-se dous bonitos escravos, um mo-
Icin* de 16 aniio?, bom cozinheira, e um esbh-
nha de 10 annos : no tereeiro andar do sobrado
n. 36 da rua das Cruzes.
Batatas baratas.
Vflndem-se 'SOO rs. o gigo : na traressa da'
Madre de Dos n. 16.
{Salitre
Vende-se salitre refinado a 54 a arroba : na
rna'flo Qoeimado n. SO, toja de ferrapens.
Batatas
a t#ieftogo : na ma da adre de Doosn."7.
Gigo eom 35 libras, muito boas.
Nos tcapiches^nnha e Bwbosa (vulgo Machado;
ha para-vemlerronitvbom niMho ebefado ujtiwia
mente de Mamanguape : a tratar no largo do Cor-
no Santo n. 6.Ttor.
.____1.--------.-------i--------1-------i
MJhrn Crttis
'oVlWeff-a'
__
Em easa'fle'i&nVefra'Klrrbca^ tua da Cttof'ttti-
toeroi.
^^nie-^lma^a'^raVa ^lo" h>" 's-
shnUom.rpwcisa-se' de um PTWf wz ntet fte-
gadoi ltimamente para um engenho : nS fna do
unpeytter-p.- SO. r ^.
'^VtoSO *> $<5t)0 W)
Vertis* a-.0ftO a d'ttzia : na rua da eMto
n,lijliHlr. ^_^
Mt0ado : naTreve?:
ffieiro andar.
imiii oe cunuia tai pw-


6
Diario de Penambuco Quaita feira 23 de Juiho de 1869.
GKAME
a 320
por ter
72. Kua da Imperatriz.-72.
Alerta freguy.es
que Arara vai cantar,
Para vender suas faziulas (baratas)
Que muito ha de agrlar.
0 proprietar deste estabelecimento, fendo grande porclio do fazendas em
ser, vai proceder urna liquidarn em todas as fazendas e ronpas (bitas existentes no
estabelecimento, agora que c uccasio de quera tem pouco dnheiro poder se vestir de
boy fazenda e baratissima como se poder ver no anuuncio abaixi mencionado.
MADAPOLO BARATO A 81860, ( BRAMANTE PARA LENQOES A 2*.
Vende-se p.fras de madapoln enfestado Vende-se. bramante com 10 palmos de
de l jardas i 39500, dfto de Ji jardas ou largura para lences, >2. a vara.
: metros U, H, 80300, 7 5500, 8-M)00 e PECAS Dli ALGOiAO A *.
100. Voadem-se peca! do algodo muito en-
CIIITAS FRANCESAS A 280 rs. corpado i, :. \, (i-S'J) o 7x
Vendem-se chitas francezas para cst- ColeriaUos ccoaioiaieos a 380 a
dos a 230, .120 rs. o covado, ditas escuras dwzia.
muito finas 3G0 rs. o covado.
Chali niaito i no a HiO rs.
Vende-so clialin para vestidos Je senhora
800 rs. o covado.
PERCALES A iifl RS. CVADO.
Vende-so percales muito linos para ves-
tidos de senhora a 110 rs. o covado.
Brilhanlinas a 44 rs.
Vende-se brillantinas ou mursnlinas de
caces para vestidos de se horas a" 4'0 rs. o
covado, la/.inhas mniio linas para vestirlos
lie senhora 400 rs. o 500 rs. o covado,
ditas do quadrinhos 240 rs. o covado.
RISCADO FttANCEZ A 360 RS. 0 COVADO
Vende-se riscado francez para "vestido
de senhora 360 rs. o covado.
LasJnhas a 949 rs. o corado.
Vendem se laasinhas para vestido de se-
nhora a 250, 280, 320 rs. o covado.
Cassas franceza^s a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas *280 rs. o
covado, chitas francesas linas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales le incriu S-S.
Vende-se chales de merino estampados
62Ae2#500 cada nm, para acabar.
CORTES DE LAS All-UTOS A 2-5400
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora, 2:5100 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 720 o 800 rs. o covado, di-
tas de listras 700 e 700 rs. o covado.
Chitas prnsslanas 36.
Vende-se chitas prusianas de listras de
cores muito bonitas a :<;0 rs. o covado.
CHITAS PARA GBBERTA A 320
Vende-se chitas mcorpadas para coberta
320 rs. o covado.
IBaMes de 'O a arcos
4$500.
Vende-se baloes de 20 a 30 arcos
1 $00 cada um, baloes modernos brancos
ede cores i 5#.
Vende-se colerinhos econmicos
a diizia. s se vende assiin barato
grande porcao.
CASUMIRS DE CORES
Vend-se cazemiras de cores para calsa
e palitl -i 2)5500 e 3 o covado,
Algodo entestado 1$.
Vende-so algodo enfestado proprio para
lences e toalhas, 1>, a vara ou 900 rs. o
metro. .
BftlM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para calcas e patots de
hornera e menino, 400 c 440 rs. o co-
vado. dito lizo a imitarn de ganga a 300
o covado.
Algodo de listras a 390 rs.
o covado
Vende-se algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE RRIM CASTOR A 640 RS.
Vei,de-sc cortes de [ brim castor para
calca de hornera, ;i 640 800 rs. cada um.
CVRTEIRA PARA VIAGEM A l#.
Vende-se carteias para viagem Ijji
cada una, cobertores de algodo 15300
cada um.
C'obertas de chita lSOO
Vende se coberlas de chitas de cores
1AS00 o 2f?, cada moa.
ALGODO TRANCADO Dli EUAS LARGURAS A
1 i200.
Vende-so algodo transado de duas lar-
guras, propines para lences c toalhas para
mesa, se vende a l;52O0 o metro.
Mantas para gravata 8f rs.
Vende-se mantas para grvala a 20Ors,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 20506.
Veode-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 2:5300 a vara, toalhas escoras
;i 1)5. cada urna. Ra da Imperatriz leja
da \rara n. 72.
\. 45 RIJA
Di CADEIA M. 4*
DE
k: miwu,
SOR A DIRECCA UITO HBIL ARTISTA
Lau, alfoate.
Os propietarios deca novo gstbelociuiento, tendo experimentarlo a necessidade
urgente de ter narlire'cco de sua otlicina do ronpas por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr..Lanriano Jos de Barros para ud mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do froguez.
Tem o mesmo wtabolecimpnto nmbomsartimemto de fazendas proprias para
ronpas de homem.como sejam: casimira d cor, indos padroes, completo sortimento de
pannos linos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brins brancos o ';
cores,' merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para collete,
gorguro Pekn, superi or qualidade.
Os freguezes encontrarn ainda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglezas, coilarinhos, ceroulas, grvalas pretas e de phantasia, meias para homens, se-
nhora-, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante; atoalhado,
baloes de diversas cores fi modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que a modicidade de scus precos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
57
0 Garibaldi principia
Cortamente lia de agradar,
Que pelo pre^o que vai vender
Ninguem o pode igualar.
0 propietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao rosp ita-
vel publico e seus freguezes, qu< tem recebido grande sortimento de fazendas, c esta
constantemente rec^bendo por todos as vapores que chegam da Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por proco mais barato de que em outra qual-
quer parte, garantindo se a qualidade e crS, na ra da Imperatriz n. 5b, de Lourenco
Tereira Mendes Guimares.
CHITAS LARGAS A280rs.
Vendem-se chitas francezas de cores fi-
xas a 280, 320 o covado,. ditas matizadas
escuras a 360 rs. o covado.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3.J500.
Vendem-se pecas de madapolao enfes-
tado a 3>00, dito inglez de 24 jardas a
H, U, 0:5300, 73300,8#, e I0f? a peca.
ALGODO TRANCADO A 10200 O
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lences e toalhas por ser muito
largo, a 1.-52O0 rs. o metro.
R1SCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENCES A 20 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos' de
largura proprio para lences a 20 a vara.
Chitas amzonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nbora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s na toja do Garibaldi.
AOS SENHORES DONOS DE COXEIRAS.
Na loja do Garibaldi, ha urnas casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 20500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A 10 A VARA.
Vende-sa algodSo enfestado muito largo
proprio para lences a 40 a wa.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
5j0 rs. O COVADO.
Vendem-se alpacas estampadas de cores
;500 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A 305OO.J
Vendem-se chapeos de sol de alpaca pre-
ta a 30500 cada um.
BRIM HAMBRGO A 80000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
burgo com 20 varas a 80. 90 e 100 peca.
Cortinados para janellas a f.
Vendem-se cortinados para janellas a 70
par, ditos .para camas francezas a 140 o
cortinado.

Cangas para calen a 3O rs.
Vendem-se gangas de cores para calca e
patots de homens e meninos a 320 rs. o
covado, brim do cores a 400 e 440 rs. o
covado.
f.asiulia* do quadrinhos a
34 rs.
Vendem-se laasinhas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a 280 e 320 rs. o covado.
' POPELINAS EM LA A G40RS.
Vendem-se popelinas em laa da listra
para vestidos de senhora a 640 e800rs.
o covado.
CORTES DE LA A 20460 RS.
Vendem-se cortes de la de listra arpa
vestidos de senhora a 20400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se la chineza para vestido de se-
nhora a 500 rs. o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-sc casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e p litots, fazenda muito encorpada, propFia
para o invern, sendo de duas larguras
que I V* covad-'S d urna calca para ho-
mem pelo pr-^o de 20500 o covado.
Alpacas lizas para vestidos a
800 rs. o covado.
Vendem-se alpacas lizas c dobradas para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALOES DE ARCOS A 10500.
Venden>se baloes de 20 e 30 arcos a
10500 cada um, por este preco s na loja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. 0
METRO.
Vende-se brim pardo trancado a 800 rs.
o metro, dito muito fino a 10200 o metro.
BALOES MODERNOS A 50000.
Vendem-se baloes modernos e de ores
a 50 cada um.
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se cassas francezas para vesti-
dos de senhora a 280 c 320 rs. o covado.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
100 e 120, na ra da Imperatriz, loja do
Garibaldi n. 56.
Ra do Qucimado ns. 4\) c
lojas de miudezaz de Jos
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus eslabe-
lecmenospor tsso queram apre-
ciar o que c bom e baratissi'mo.
Pares de sapatos de tranca fa-
zeivia nova a......
Pares rio sa patos de tapete
(sVj grandes) a......
Duzias de meias croas pora ho-
mem a........
Tramlas do Porto fazenda- boa
e pelo preco mcWior 100 artos a
Livros do missoes- abreviadas- a .
Duziade haralhos francezes muito
finos a2400 e.....
Silabario portuguez com estam-
pas a........
Grvalas de cores e pretas muit
linas a...... ..
Duzias de meias para senhora fa-
zenda boa a.......
Redes pretas lizas nrei*o finas a
Carloes com colchctej de latr>
fazemto fina a. ...... .
Abotua'duras de video p<*ra colele
(zonda fina a......
Guisas cora- penna d'aeo muito
finas a 320, 400, 500 e .
Carios de linba Alexaadre que
tem 200-jardas a .
Carrcteis rje linba Alexaodre de
70 at 200 a......
Caixas cora superiores obreias
de massaa......
Duzias de agalhas para machina
Libras de pregos francezes di-
verso tiunanlio a. .
Livros escripturado pan rol do
roupa ai...... .
Talhercs para meninos muito
linos a ,.......
Caixas com papel amizada muito
fino a........
Caixas eom lOOenvelopes- muito
linos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a....... .
Thezoaras muito finas- para
unl>as e costuras a. .
Tintetros com tinta preta muito
boa a 80, 120 q .
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .
Duzia de phosphoros de segu-
ranea da melhor qualidade a
400 e.......
Pecas do fita- branca elstica
muito fina a.....-
Novellos de linhacom 400 jarda6
Rgsmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Pecas de fitas bordadas com. 3
varas a ......
Ditas de ditas bordadas com 42
metros de 20000 a .
Grozas de botes de louca muito
finos a........
IjOJA
DO
/^ALLO VIGILANTE
Una do Crespo n. 9
Os proprictarios leste liem conlierito estabelo-
ciraenlo, alm ilos muitos olijcctos qne tinliam ox-
posftKi a precselo o rexpeitivel publico, man-
daraa vir e acaliam (te receber nulo ultimo vapor
da Europa un completo o variado sortimento de
tinas e mi deeadas espeslalidalcs, as ajOMU e*-
to resolvidos a vender, como 6 de scu Mtame,
por precos moito baratinhos o commudos para to-
dos, con tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas c de mu lindas cores.
Mni J>oas e bonitas gollinhas e pnnlios para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para carneas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lhos e sem cites; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marlm, sndalo e osso, sendo aquellos brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores, meias lio de Bsoossb para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30O'H)
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 203,
aleo destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas. ....
Boas bengalas de superior canna da India e
2,*000
1500
3;)800
200
20000
280f
1320
300
45000
320
020
500
1000
' 100
100
TASSOIRMAS !
Tem para vender em seus arinaiens, alm de ou-
tros, os seguintes artigas '
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve paulado e liso.
Yiiihos em caixas de doze garrafas
Bourgogne. -^1
Hery.
Madeira.
Hermitage.
Cllamblis.
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmos
CARRItfUOS DE FUEKRO
Para serviros de grandes armazens, para remo-
ver barricas bn caixoes de um para outro, lado pelo
mdico preco de 125000 cada um.
Farinlia de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinlia de trigo do
Chile
Todas novas, ebegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 125
O melhor para tuda ijue sao obras para agua, co-
mo assentamento de eanos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porcSes de
eincoento barricas se faf reduccao no preco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portland em easa ae Tsso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De diferentes qualidades para cercados de ani-
maes, chiqueiros para galinhasou jardins: nos ar-
mazens de Tasso limaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Velas de esparmaeete vefdadeiras para lan-
ternas de cirros: noarmazcm de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gautltier Frercs: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
040
2000
240
120
240
700
600
320
.320
160
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
kL melhor se
pode de.-ejar ; alm destas temos fAem grande
amai
ras do mesmo, neste genero 6 o que i
pode de.-ejar ; alm destas temos Umho
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
=:.. k;o o airosos cliicotinhos de cadoia e
Macarthy
ligas de seda e borracha
Finos, bonitos e
de outras qualidades.
Lindas e superiores
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos do idade.
Navalhas cabo de marlini e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sna qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina c para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
B'ons baralhos do cartas para voltarete, assnn
como os tontos para o mesmo Om.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conbecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convnlsSes, e
facilitan! a dentiejio das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, am do que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
300 vigilante, aoiide sempre encontraro destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, sevenderao com um raui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista djs cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7. -
500
200
60
2500
500
3000
16C
Scbonete de tlcatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
acceitac5o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu C,
34ra lar Libras e ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceico na loja
Vurives, no Recife.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C ra do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qnal se vende em partida;
e a retalho por menos preco do que em outra qual
quer parte.
PASTILHAS ASSICAB.4DAS
DO
DR. PATERSON
De bismnth e magnczla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digestSo, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu A C.
34-------Ra larga do Rosario-------34.
EUP POPULAR
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDERICO & C.
Acaba de chegara este mercado umaporso des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel pernime.
E' fabricado com superior tomo e pelo ni"lhitr
systhema conhecido, tendo tambem a vantagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cialidade. as pracas da Babia, do Rio de Janeiro e
outras do imperio tem o rap Popular sido asss
accolhido, e provavelmente aqu tambem o ser,
logo que sejafeonhecido e apreciado. Acba-se
veuda por preco commodo, e para quem comprar
de 50 libras para cima, far-se-ha um descont de
S 0/0, e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no
escriptorio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao,
ra do Commercio n. 17.
BALANCAS
PELO NOVO SYSTEMA DEKILOGUAMMA
COM. OS RESPECTIVOS PESOS.
Vende-se no armazem de J. A. Moreira
Dias, ra da Cruz n. 2?.____________'
Cabras e ovelhas
Vendem-se tres cabras muito mansas e boas
de leite, proprias para criar meninos, e que estao
mu prestes a parirem ; e tambem nina ovelba
mui grande, mansa, e que d muito leite : quem
as pretender, dirija-se a ra do Imperador n. 15,
defronte de S. Francisco.
Fogulnhos cklnezes wrflilcl'cs
para nolte de Santo Antonio
e S. Joo
Acaba de chegar granle sortimento dos mais
interessantes fuguinhos cliinozes e de bengalla ar-
tificiaes, proprios para meninos seltarem dentro
de salas, sem queimar ou offender por serem fa-
bricados especialmente nara divertimento de
criancas : no armazem w> vapor francs, ra
Nova n. 7.
(MU 197.
Vende-se a verdadeira graxa do bem conhecido
abricante Dav & Martin n. 97 : no armazem de
J. A. Moreira Dias, ra da Cruz n. 26._________
' Na-rua da Imperatriz n.88, 3 andar,
ba para vender doce de caj secco, mais
barato que em outra qualquer parte, assim
como bollos de S. Joo.
HASSA e X.4R0PE
DECODEINADEBERTHEI
Prcconisados por todos o* mdicos conlra O'l
DEKLUXOS, CATIIABBOS, E TODAS AS|
JRniTACOES DO PE1TO.
M.M. O Xarope de Coiana que mereci a 1
honra, alia bem rara entre os Ucdicamentosl
novos, dt $*r registrado como um dos medie*-1
mentas officiees do Imperio Franeet diipcnsal
qualqutr elogio.
AVISO. Por causa da reprclicnsivel felM-l
(cacao que tem auKitado o feliz resultado do I
Xarope e maa de Berlh somo forcados *|
lembiar QuontesiruHlicamcntoa laOjusiamenleJ
eonceUuarto f4 se
Tendea) em caixio-
Las c frascos ICTand*
isiignalura em
frente.
i6, Bue des eoles, e na Pliarmacia Central I
de Franca, 7, l'.ue de Jouy, em Pars, e ca)I
todas as Pliarmacia* principad dvDrull.
Harhlnas < c descaro^ar algodo.
Hoje que est reconheeido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodo,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
(pie produzindo o mesmo servico qne aquellas,^ e
facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a difTercnca que ba entre o algodo descarocado
por aquellas mencionadas machmas, que estao fi-
cando em dccuzo, pelo prejuizo que tem causado,
eo daantiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de scu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da laa, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valcndo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina do serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-r
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a !$ por
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 12U000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de aincndoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ac de muflo.
Nos armazens de Tasso /rmaos.
BARRIS DE SALITRE
No armazens de Tasso Irmaos.
CUBA DOS CALLOS.
PEIA
Pomada galonpeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo A C.
34-------Ra larga do Rosario-------34.
A NOVA ESPERANCA
21=Rua do Queimado = 2]
Advertencia!,
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, c como se approxima o tem-
po era que tem de ser dado o balango, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender ^suas mer-
cadorias pelo barotissimo prcro, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venham o bons fregue-
zes, e os que nao forem venliam ser fregue-
zes, em tempo to opportuno quando i
NOVA ESPERANCA coqvda-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, n5o
falta aonde e a quem... '!
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente deParis) (raer sem-
pre primar era nos remetler objectos de
gosto e perfeigo. e ella (lja da Nova Es-
peranca) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar contmuo(d'ambos) i
Nova Esperanra na do Queimado n. 21.
alm, do grande sortimento que j tinha,
acaba de receber mais o seguinte: .
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas. I
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gal loes, franjas e trancas da
seda e de la, para enfeite^de vestidos.
Botos de todas as cores e moldes novo
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrifhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camiwca e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperula, mar-
fim, osso efaia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento dft
miudezas ra do Queimado n. 2!, 'm*
Nova Esperanca.
Collares anodinos elfectro-magneti
eos contra as conwlges das
cranlas.
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares, se vendem por ahi intitulados o*
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os}
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm.
que detesta a falsificaco principalmente nc
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que slo o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimadc
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
flicil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4C, em
cognac urna das que "mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just. ra do
commercio n. 32.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo eflicaz, e preferivel a todos os
conbecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applcacSo as creancas.
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
ns
Bartbomeu & C.
34nna Larga do liosarlo$4
PARA AS NOITES
DE
S. Joo, S. Antonio e S. Pedro.
Acham-se venda sortes para homens e se-
nhoras, um tauto agradareis para essas occasioes
de divertimentos e prazeres : as livrarias france-
za ra da Crespo n. 9, na Econmica ra do
Crespo n. 2, na Popular ra do Imperador n. 67,
na do Sr. Cardozo Ayres ra da Cadeia do Reci-
fe n. 31, na do Sr. Jos Barbosa de Mello ra da
Cruz n. 52, na do Sr. padre Lemos ra do Impe-
rador n. 15, na Encadernaeao Parisiense ra do
Imperador n. 71. _________________
AOS SRS. FOtfUETEIROS
Bartholomeu &C.
VENDEM
SALILRE refinado de l1 qualidade.
ENXOFREemcylindro
LIMALHA de ferro (muito nova).
DITA d'aro (idem).
DITA d'agulhas.
E todos os mais preparados para os lin-
dos fogos de cores na sua drogara ra
larga do Rosario n. 34.
Vende-se um preto de 18 annos de idade
trata-se na ra da Imperatriz n. 13.
ATTENCAO
Na fabrica de chapeos de sol da ra da Impera-
triz n. 26 vendem-se laazinhas de linhos e bellos
padroe, proprias para vestidos de senhoras e me-
ninas, nao so pela sua qualidade como pelo bara-
tissimo preco de 200 rs. o covado ; a ellas, antes
que se acabem.
VENDE-SE
velas enfeitadas de muito bom gosto, e milapres de
cera de toda qualidade, e por baratissimo preco :
na loja de cera do pateo do Livramento n. 36,
-cV.GERA^Tj
/smu Vlaii Si. ^'
Alegrai-vos niyopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortiim nto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio c melchior ;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invenco; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor trou-
xe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe se necessita
conforme a vista da
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal de rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e cora promptidao; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excedentes relogios
do antigo e afamado fabricapte fobert Gerth
&C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sua superior qualidade.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRA
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsiva, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VENDE-SE
NA
PHARMAQA E DROGARA
DI
Bartholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Massa batida.
Valdvino da plvora vende boa massa para fogo
a 720 rs. a libra, assim como boas pistolas : no
seu armazem de sal, na na Imperial n. 249, pou-
co alem da fabrica de sabao._______________
Plalas deBravIna
Estas prodigiosas pilulas sendo applicadas as
pessoas aceoromettidas de febres intermitentes, sao
incomparaveis em sua efflcacia, para completamen-
te vencer as ditas febres, achando-se nicamente
ven^a na b0,ica n- 3 a rua ?'reiIa W
dade.
\
^
^
*
i)

r
u*




t
r
I
* +-
r
(
>
l m dj1 / I
Diario de Peruambuco Quarta feira 23 de Jiinho.de 1069.
'7
Ccordeiro previdente
Una do (fcticlniado d. 16.
Noto e variado Bortimento, do perfamarias
finas, e oulros objectos.
Aleni do completo sortimcnfo de perfu-
maras, de que electivamente est provida a
ioja do Cordeiro Previdentc, ella acaba de
receber um outro sgrtimento -que se torna
notvel pela variedade de objectos, superiori:
aade, quaridades c commodidades de pre-
ios; assim, pois, o Cordeiro Previdentc pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respcitavll publico em gcral e de sua
boa freguezia era particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja cncontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Cologiie ingleza, americana, I'ran-
ceza, todas dos melhores e maisacreditados
fabricantes.
Dita balsamici dentrilcia. ,
Dita de flor do larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet
Elixir odontalgico para conservi^ao do
. asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, raaiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras quatidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
fuancezos em frascos simples eenfeitados.
Essencia -imperial do fino e agradavel chei-
To de violeta.
Outras concentradas e "de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Ole<* philocome verdaeiro.
Extracto d'oleo de superior qiwlidade,
com escolliidos clie ros.em frascos dediffe-
reates lmannos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, reddndos e em figu-
ras de meninos.
Ditosmuito finos en caixinba parabavba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
ructes.
Ditas de madeim iuvernisada conteRdo fi-
nas perfumaras, mito proprias para pre-
sen tes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
o beneca.
Especial p de-arroz sera composico de
beiro, e porisso o mais proprio para crian-
zas.
Opiata ingleza o franceza para denles.
Pos de camphora e outras diferentes
qualidades tambera para deotes.
Tnico oriental de Kemp.
Atada utais cu%m's
Ua Otttro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrillios
e alguns d'elles ornados de floree e litas,
esto todos exposios apredaoao de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHUS BORDADOS.
Obras de muito gusto e perfeico.
Fivella* e filas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
108, ftcaodo a boa eseolha ao gosto -do com-
prador.
FLORES FINAS.
0 que de mellior se pode encon'ar neste
genero, sohresabindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Vinho degestivo de
chassaing
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
Jas digestoes difliceis e completas, a calmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
produzindo urna assiraulacSo completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
VE\I*E-SE
PHARMACIA E DROGARA
DE
Barholoinen *fc C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra do Bruin a. S*.
PASSANDO O CHAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma minis-
mo empregado na agricultura da provincia,
ntre o qual:
Machinas de vapor, pan as-ucar e para
ilgodao.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas especies.
Moendae de camia.
Rodas dentadas, para animaes, agoa e
vapor.
Tixas de ferro, batido.- fundido e de
cobre.
Alambiques.
Ajados e instrumentos d'agricultura.
Desearoijadore* d'algodo ule. etc.
Havendo em tudo variedade de tamanho
Jesde o menor al o maior que se costu-
ma empregar. __________
Vendo-se manteiga ingleza muito boa a 900 rs.,
1, e 1^120 a libra, muito lino, presunto de La-
tuego a WOO rs a libra, carne do sertao a 860 rs.,
linguica fina em latas alia libio, farello, sarco
do 4*400. e o de Lisboa lino a 5J400: no pateo
Paraixo n.,20.
Encanamento de agoa
e gaz.
Canos Je ferro cstanhado e com porcelana, ditos
de chumbo de todas as grossaras.
Pesos pelo nov sistema
Temos dos novos pesos completas e a retiho :
a venda, na do Queimado, Azevpdo & Irmao
MVEhW
E' um h'ndo e innofensivo fogo de artificio, pela
sua qualdade, quasi impo-sivel retentar, s se
for feito por quem nao souber : garantimos os que
se fabricara na antiga fabrica da estrada de Jao
de Barros, da vi uva Rufino, e as encommendas
y ira os que se fazcm em dita fabrica, recefeein-se
no aimuem da bola amarella, no oitao da secre-
taria de polica.
Attenpao.
Na ra do Padre Fkirano n. 34 vende.-se man-
dioca preparada par bolos a 00 rs. a libra.
Pechincha
Na na do Queimado numero 40.
Pecas de algodozinho com 20 jardas, muito
superior, com pequeo toque de avaria, pelo di-
minuto preco de M a meca; pecbincha.
mmi FECflii
QUE SE LIUIDAM
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO ^
8(D-~Q3a m wu?aaairaiit-HB. mm.
DE
FEIIX ?EREIR1 A SIIiVA.
O proprietario < l'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
ital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como ie
ei, assim como .e um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mata, aesta casa
poderSo fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porces, venden lo-se-lhes
pelos presos que se compram as casas ingtezas ; assim como as excellentssimas fami-
lias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandara
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acba aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manhat s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
i*oja no pulo
Cliegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
Cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os presos, e afianca-sc vendrem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinlientos palitots
a 18$ e 201000.
Na loja do Pavo ra da Imperatr n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muHo bem acabada pelos baratos presos
do 18, sendo forrados de alpaca, e de
203 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm Jiqoida-se
esta pecbincha pelos precos cima.
.czinha* a JO rs.
Vendem-se lazinlws para vestidos* rou-
pas de meninos, sendo to encorpadas
como chitas, pelo barato preco de 240 rs.
o covado.
F0PEL1NAS A OO RS. O COVADO.
Na loja do Pavao, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou lazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padr3os com lstrinhas miudi-
nbas, que se vende pelo barato preco de
800 rs. o covado, pecbincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRA1AS DO PAVO
Vendem-se finissinaas pecas de cambraias
lizas transparentes tauto ingleas como suis-
sas tendo mais de vera de largura, pelos
procos de 55000 at I0J0G0 a peca, assim
como finissimos organdys braceo liso que
serve para vestidos de bailes, por ser mu-ito
transparente a 1(5000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Felii Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande ortmento eos mr-
thores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12OOO rs. cada par at 2h$000 rs,
teto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas fetas
XA LOIA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N.iO
Acha-se este .grande estabelecimento com-
Explendido sortimento de
Alpacas lavradas de edres a 560
Alpacas a 860 Alpacas a 360
Alpacas de cores
Na loja do PavSo ra da Imperatriz n.
60, vende-se ans poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo ep.lre ellas azul, ryrio, roxo, cor
de i'anna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinbos assentao^s em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato prero de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pecbmeba.
Aos dea mil covados de carssas
fraacezas
Covado a 300 Covado a 390
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covodos das mOihores casas francezas
para vestidos, tendo padres miudos e gra-
dos, essentados em todas as cores, estas
oassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e Upadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrees
seren muito bonitos, sao todos Ieos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
i: >i;rllf dos a S*000 ax loja do
Pavo
Vende-se snu grande porc5o de espar-
Ihos modernos osna o competente cordo,
tendo sortimento do iodos os tamanhos, e
vendem-se a 3^ cada um.
MADAPOLAO ENHESTADO A 3;600, Sti
NO PAVO
Vendem-se pecas de madapolo enfestade
rom 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 34000 ris, assim como
pecas de algodosinbo com 16 jardas
i.)500 e orjOOO ris.
.4LPAC\S LAVRADAS COM LISTAS A 506
RS. S O PAVAO VENDE
Cenado a 500 rs."
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 vende-se urna grande porcao de alpacas
lavradas com os mais lindos padres listra-
dos e com flores matisadas, sendo esto ar-
tigo urna grande pecluncia, por se terem
comprado urnas poucas de caixas e vende-se
pelo barato preco de 500 rs. o covado.
Cfaales
PELERINAS DE CROCH A S, 10,5000
E 12^000
Chegaram para a loja do Pavo1 as mais
modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
rinas de fil e croch que se vendara a 8 e
m e 12?.
MA1E PECflIIHA
EM
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para .vestidos, sen-
do de cures fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenlies mais bonitos que tem
viudo ao mercado, tendo padres miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURV A 16800
Cnegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; o vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincba pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA O INVERN
DE 35000 641000
Cliegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
la de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, quo so vendem de 35
at 6#0t'0 cada um, em relacao s diffe-
rentes qualidades, pecbincha: a-ees an-
tes que so acabem.
ATTENCO
AS PECHINCHAS QUE SE LIQIJIDAM
NA LOJA DO PAVO^
Cortes de organdy listrados tota 10 va-
ras cada um e que tambem servem para
I uta a 35000.
Lanzinbas de cores para vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes de cambraia com barras bordadas
e muito finas a 35 e 45000.
Cassa toda preta para vestidos a 320 rs,
a vara.
Chita preta estreita com salpicos para ves-
tido a 240 o covado.
Ditas ditas lisas a 160 o covado.
E' pechincha para fechar contas.
pletamente sortido das memores roupas,
sendo calcas palitts e coletes de casemia,
de panno, de brun, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, briiis, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tio vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-Ias, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
u'este vasto estabelecimento encontrar
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas fracezjs e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros amitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de "Flix Perei-
ra da Silva.
' COLCHAS PARA CAMA A 55000.
Vendem-se colchas de fustao adamasca-
das para cama, pelo barato preco de 55,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
O atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
-ova 8 palmos de largura, adamascado a
5200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperibr a 35200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 45500 a duzia e muito
inos a 85000, e ditos econmicos a 35500
i duzia.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 15000
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo 'es-
te genero.o mais moderno e mais- bonito
que tem vindo ao mercado com differenles
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 15000 o
covado.
Kovldade Movldade
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D' JNHO
Chegou pelo vapor de i i do crrente,
para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos mais
modernos e mais bonitos gurguroes de sede,
para vestidos, tendo padres miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, peroia.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garanlindo-se que ra actualidad?
nao ha orna fazenda de mais gosto nem de
mais pbantasia do que esta.que se veadepor
preco muito rasoavel, no estabelecimento
de Flix Pereira da Silva.'
BAZAfilNlVEBSAL
80ibuaJltova-SO
Carneiro Vianna
Nesle RAZUt oncontia-se urn completo
sortimento de lodos os artigos que so ven-
\ dem por procos rommodos como sejam: Um
; completo soi lmenlo de machinas para cos-
qui a de lodos os systenias,, mais modernas
.adoptados na Amrica u approvadas na i'l-
lima exposiciio genios a electos para almo-
H-HUA DO ftEINADO-11
AUGUSTO PORTO &
Receberam superiores vestidos de blond com manta o capella para nui\as. qoe Ce JWlar, salvas,.bandejas,taboliros,fcol-
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.. isas c malas P"a viem, indipe^avei para
SAH1DAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo, senhoras, candaros parasalae cima demesa,
BASQLNES-de renda preta, e de gorguro pelo, o queha.de mais l)a|'ei1c Pr",,a|. mangas, tubos e globos de
elegante. vwrp, machinas para fazer cafe, ditas para
' CHAPEOS DE SOLliara senhoras delicadamente bordados. batervos, .lilas para amassar farinba, ditas
BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, esparlilhos, saias bov- para fazer uianld-a, canias de ferro para
dadas, e saias de la com barras de cor. casados, solteiros e enanca, bercs, cadn-
GORGURAO-de seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean- ras 'ongas para viagein, ditas de balanco,
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, boinbaziuas pelas, espanos c todos os tamanhos, molduras
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados. l)ara qnadros gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para enancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala c n esa, tpeles para sala, quarto,
frente desopila, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitOS onlros amigos que se encontrarn venda no mcsnio estabelecimento e que vale
a pen ir examinar. _______,
Fara enfeitar bolos
Papel lino arrendad o proprio enfeites de
bolos: no armazem do vapor francez na rus
*.'o\a n. 7.
^QtiMAttf'^
\ FJNDE-SE
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura indelevel para tngir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem coneeiluada ague-florida deGuis-
laiu que ento era des:onhecida era Per-
oarebuco, j e hoje estimada e procurada
por seu eficaz resultado, e ainda mais se-
r, qpando a noticia de seu bomeffeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida dr Guislain composla ni-
camente de vegetaes kioffensivos, tem a
oropriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando eslivewm blan-
cos, e Ibes restituir o ferilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conbecer, que;
o bem resultado producido pela agua-llori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
-toas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou qualro vezes,
e logo se obter o flm desejado, como bem
novam testeraunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
I vezes por mes, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita- em
ira qualquer cousa. -
Assim poisesta agua-florida acba-se ven-
da na bem conhecida loja d'A'guia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
oo de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao lh'a deemerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que fica dilo, d
como exemplo ,o esplendido sortimento
me acaba de receber, ainda mesmo achan-
lo-se bellamente provida do que de bom
.9 melhor se pode desejar nos gneros que,
4o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
i oraco, obras de apurado gosto e perfe-
?so, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marim igualmente
lonitos.
Ditos com ditas, de velludo, outros im
tando cbaro raachetado.
Ditos com ditas de marroquim com :ruz
e guamico, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
rande e bello sortimento de ieques
todas de madreperola, madreperola e seda,
sadalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e feia etc, etc. tendo nos de sandaio alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de llores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cnente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Dilas de o do Escocia aberlas, tambem i
para meninas e senhoras.
Dilas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torca!, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, muiheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados tbra de
muito gosto.
Entre-meios fines tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para eniiar fita.
Pipas vastas, barra de 5o, e um dcimo
tudo em perfeito estado, frasqueiras pro-
prias para frascos com genebra de llollan-
da, urna porco de garrafas vasias e botijas
paracervej, e una pipa com 80 caadas
de agurdenle de caima superior chpgaoa
ltimamente do mato ; do uepsito da ra
do Lima em Saalu Amaro, u. 30, das 9 ho-
ras da nianlia em (liante,
T~
\
DE
BORDEAX SUPERIOR
cii\ti:.m;la rose.
Em casa de Itabo Scbmettao <:. Corpo
o n. 13.
San
VOS FUS
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Roycr para creancas.
Bonitos cabases ou bolsn has de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas de vidro eeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga parajoias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de pama.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetcs de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
Continua fgido o eicravo de nomc Bcne-
diclo. peneorratc ao abaixo assignado, nm m
simaos spgoinles: pre!) fulo, altura regular,
falla de denles ila parte nocrior. ps grandes,
muito ladino, o pouca ImbW. Supp6e-?e Cflar
acoulaJo invla cidade, -I.jh.Io fogio roniuma nin-
lala pcrteneenlo D.Genoveva Correa de Araujo
Albnqnerqno, lambem com os icnaes segumtea :
eabelios annellados, nariz chato, bits de denles da
parlo puperior, | .'> paqueos, tendo pni o direito
una eieatrii, nina bebdo no ullto esquerdo ealtu-
ra n Bhr. Os senhores lauto do eseravo como da
oscrava protestara eoatra qualquer que es ten ha
acontado, pelos iamaos causados, bem como ro-
g/ua s auinii.i.if.. polietees ou qniesqner ontran
pesoas quo so ipnem de me-los can;arare
mandar levaran e-cripiorw de Leal & Iiiii<>. qi e
reo mpenerao eom penerosidade.
_________ '-";- '''' U'.''i>i-rque Miirir.i!',:,).
Do engenho Jaeobma, (refnezfa di C b i a
noite de 6 para : di rorrete, fngiram os e*er
seguintrs : Salvador, crinlo, rr pret?, baixa,
grosso, Idade de44 annos mais ou pienus, harta
u pintada, rosto redondo e trsbalba de carapjna.
RsW eseravo ftt comprado ao Sr. Francisca Joro
de Aivnjo, morador na cidade do Becfe.- Maooel,
pn lo. alio, bartuleo, bom carpo,perias Bnas,etem
a ralla ora poueo descansada, refoe*ea!a ler 20
annos mais on menos. Levou calca de a.'gcdo
amerieano, camisa de madapolo j vellia c cha-
do de mora : oslo eseravo foi i.....iprado ao 8r.
| lunas Mariano deS, mirador em Moxol, para
onde deseonOa-se ler Feguido. K- ga-se s autori-
dades policiaca r aos capitaes do campo .i appre-
bensao dos referidos, eseravos, e entrega-Ios ao
seu senhor Antonio fiara dro Lins e Mi lio, no en-
grano aeima referido.
oos
005
uoov*;
08
008^1
008
000^5
OOetfe
005
005
008
? ajaijOD r>,m\ o Je op saojog
........opiisoA
9p uiruqop usd cju 8P sboj
.....souonhsd soia
i......epcinop
Ejnpoui uiod S3puw3 soqiadsa
oJajd opoj 'ejao op SBoauny
suapjo g sa]3xjoo moa ocijbq
v Biznp sepjsf x)? op eqnn
b 8}0||oo Bjcd sojnpcojoqv
.........B L'IZ
np saaraoq B.ied sbujd sBiaf\['
........aO'V
'008 '00fy sojiaqo moa soosbjj
e oqund BJfid saoioq 9p sojbj
'soRra Bjsd soouBjq soou^t
Bqogj Btu|i raoo sbjbjjbq
OD e cOno| op S9ojoq op czojg
OO1?! EUWp BUoB tuco ejcjjbo
OOO' # o 008 '001 "009 'OOS
e sojoui-ojiuo o soquqicqeq
OS 0 005 05 '00f '08 ? sop
-Epi|Bnb su sepoj op oiouoqns
0?c 'P Bsoqeq op oo[o raoo soosbjj
09 .........E SBp
JfcfOO moa equq op sojioaom
0O8V9 JBq.ioq Bjrd sctpii| op SBjqiq
091 o sj 00 r e bjbji uioj >:oosejj
00? ..... b sBtmn
o BJniso3 eje(1 sBinosaqi
0"C' ......... BU
-1U0U1 BJBd BSSOABJ] Op SSlUOd
OOCS ......B BJJopBpjOA J8A1J
biuo|oo op enJB uioo SOOSBJJ
;sa;uinSas so5aid sojed sop'ej
-Bpap oxiBqB so;oafqo so opuBunanb Bjsa
m
h\r#a iii ara vrirr
s?, \-oovinlo oa via-s \
IVHOrJDOSX
inm
MENgO DE BOMU
Vende-se em fraacoe
FIGADOS FRESCOS DE BACALHO *> fr^< amo-
lares, pharmada Hoto,
2, roa de Caagliooe,
DI
lihWti
em Pars.
As amtrmtmtftu, o oleon pardo*, d'unj cheiro forte, e mais compo?8os feltas com leos
de peiea communs, taes como o evua!o, a arrala, o phoca, a lixa, o olera do* artailoret pricadorei.
* mesmo o* oleo* vegetaes, foram imaginados para substituir os verdadeiro* aleo* de "<
Ireaco* de acalhao de T.-rrn->ioa. Estes alea* communs on seos nrrrdaar** sio
ohtidoa na industria por precos nini baixos, em quanto que os rerdadeiros leos de ligado de bacamio
fresco sio relativamente multo caro, visto que para obtel-os frental e **m mittura cumpre eiereer
grande vigilancia e ter os maiore cuidados nos proprios lupares das pesca, assim como manda fajar
M. Hogg desde o anno de 1840. listes aleo-, aaroa de Bacalhaa de Terra-Nava de ateaja
graogearam para este precioso modicamento urna fama universal as moletlias do pato, a* aft-fits
escrofulosas e lymphttkas, a magie%a dos meninos,etc.,e por isso, deram lagar a nocivas e aealeaea
nita ola. O alea da Haga mui fcil de digerir, distingne-se entre oa outros olees pala m
cor de palha, o w cheiro suave e delirado, e seo gosto de sardinha fresca.
O RBLATORIO favoravel do chefe dos trabamos chymicos da FACLDADE DE MEDICINA DB
PARS coniloe codo segne i O alto cor t palha de M. Hogg conten tima terca parte de pria-
eJpU ** mais do que o leos paria* e neo aprsenla algum do* inconveniente* mu ie
repara n'estes, quanto ao tetro e labor.
eme a* aharaaaetaa das Fraaya daa palae* rWrnagrlr**. J,
Kugt oo "lo-etiii.. Kapagaio, termo de Puio
Calvo, na provincia das Alagoas, o eseravo Lucia-
no, crioulo, prelo. dado de 31 annos. poueoanaia
ou roenos,altura barxa, barbado, bem rallante, cm-
briaga-se muito. e intitula-ge forro, tem oflicio de
sapaieuo, e o t.imliom earrairo, consta que anda
em Goyanna, em Pernambuco ; reeommenda-M:
a todas as autoridades polieiaes, assim como a
qualquer pessoa que o dneontrar, que o prenda o
remetia-o ao seu senbor rjifo o eapHI" J Ca i-
dido das Noves, no engenho Papagain, on na n a
de Apollo, armatem n. 32. que w pagar toda e
quaeiquer dispezfi que bouverem ii" .-.t fcit.s
com a prisaai do mesruo eseravo, assim como be
gratificar mnerosameiie a quem dei noticia
exacbi do referido eseravo.
Est rugido, dede o dia 15 de janeiru o
eorrente anno, o eseravo Felippe. eem os signa-s
-eu'iiiules : cabra, idade 23 a 7 auno- mais t
menos, corpo o altura refalares, sobranreih.i
pretas e Remiras, eabells enroscados e acaboi y-
lados, qnerendo principiar a barbar, as veii-sin-
chara lhe as pernal tem urna marea de causiico
do lado dircilo sobre o ligado, quando anda Cea
duro c com pasaos avanzados, tem o ventre un
poueo crcscfelo, peseoeo grosso, i nmito regris-
la, equando f>ine diz que torro, e tem por cos i-
rae trocar o nome e botar a camisa fura da nica.
Este eseravo fui preso c estove na radeia por an-
dar fugid : levou calca de brim de qu; oretos, comisadomadap.)laO, ebapr de lia preta
redondo, natural do lugar Cantoiinbo da comar-
ca de S. Benlo desta provincia, e fi i rseravodo ?r
tosa Eduardo Alvos de Mello, morador no mis-
mo lugar, o referido eseravo j foi visto em Glo-
ria de Goiat, distrcto de Pao d'Alho, cemLi-
raoeiro ; presnme-sc que se conserve neatea lu-
gares : gede-se s autoridades polriaes e aos
m-s. capitn do campo a captura do mesmo es-
rrvo, e entrcga-lo ao sea senhor jo.-0 I ereira do
Miranda Cunta, morador no Recife, caes de Sau'o
\maro sobrado n. 22 do fallecido Manoel Cost-
lo), ou na ra da Cadeta do Recife n. 36, quo o
iicsmo gratificar generosamente.
Bell;irmino
Evadio-se do engenho Marrecas, na comarca u*<
'orto Calvo, e no da 13 do maio do eorrente an-
ii, o eseravo Rellarmin.i, cabra escuro, de idade
e 2S annos. alto o seco do corpo, sem barba, ps
raudos, tem estado nesia eidade, e e sen man r
asseio palo bairro da lioa-Vista, pode ser que
ile se enc.miiidic para a freguezia da Escac'u,
ade foi elle criado, e eonheenlo : quem o pe-
ir e levar ao referido engenho, ou nosta pr.i j
roa da Crin. n. 51, V andar, receber boa gn-
tilicago.
Acha-se fgida ba t te mecen a preta es-
crava, de nacao,4e nome Maria.com 40 annos (*a
..je, iiixa e cor lula, conata que diiorr forra, e
.oda vendendo na freguezia da Boa-Vista, cora
una bandeja pintada de encarnado, com que
f'igio : gratifica-so bem a miera a apprchondcr e
va-la a ra Imperial u. 103.
Fngio do sitio denominado Bucity do Ar-
aial, freguezia do Poro 4 i Panella, o scravo atri-
mo de nome loaquim, mais conln Rar-
"isa, com os signaos sognifltes ular,
liCto do corpo, pouca barba, rosto rWM
ma bellido no olho esquei-do ou direito, pa gran-
es e com os dedos aberlos, costura anuagWripro
'oa a r:upa snja: roga-sc as anti
iaes e aos capitaes de campo e a qualqotBHiooa
' ie o encontrar, que o prendara i
-nhor que Antonio da Mocha Vir
no Pradobinha da freguezia de Ipojuca, ou ao
r. Paredes Porlo, na ra da Imperalriz, qnc
o generosamente recouipensados ; pois julg
.radar o dito eseravo pelos suburbios dota cidade.


8
Diario de Pernaroimco Quarta feira 23 de Juuho de 1869.
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SRS. DENTADOS
SESSO EJM DE JUNHOi
ORB8IDRNC1A DO SR.' V1SCONDB DE
i:\MARAGlBK.
(Conttnuarfto.)
Bat, pt>is, diHBOQStrada evidentemente
esta- verdade, reqonbeeida pela experiencia
de todos os pazes, que alias o nobre de-
bitado palo llio de Janeiro contestn.
Por bnscguinte, Sr. presidente, rom
quanto esteja longe de declarar 1jue rae
oppanho a medida proposta pela commissao,
que foi suggerida pelo governo, devo dizer.
francamente que nutro apprehenses acerca
dos seus resultados; receio que este extraor-
dinario gravamen'urna s cathegoria de im-
postas, que este angmento de 40*/ sobre
os direitos de importacao, j t5o sobrecar-
gados, traga nao s a diminuieSo do
consumo, como mesmo um encarecimento
tal nos objectos mais necessarios vida ;
que as familias pobres sero forradas a sof-
rer terriveis privares para por a sua des-
peza a par do sen rendimento. E ao passo
* que a popularlo se reeentir dessa existen-
cia penosa, o Estado pouco ou nada lucra-
r, porque a receita proveniente da impor-
taran nao ter augmento sensivel. E nao
develaos ainda considerar a animaco que
vamos por esse meio prestar ao con
trabando, o qual infallivelmente se desen-
volver ?
.Applaudo. porm, Sr. presidente, que a
commissao, propondo o pagam nto dos di-
reitos sobre a importacao na razao dos va-
lores actuaes do mercado, ou o pie equi-
valente, a recicaco dos preces ofliciaes
da tarifa, ao mesmo lempo proponlia como
medida que deve acompanbar aquella a abo-
lilo dos 15% em miro.
Estimo que a experiencia tenha vindo em
apoio das humildes consideraces que tive
a honra de fazer nesta tribuna em 1807,
piando se propz aqui esta medida veja-
toria. Entao combat semelhanle idea por-
que cntendi que ella poda ser at prejudi-
cial ao crdito do Estado, porque nao ha
reciprocidad^ nessa exigencia que o Estado
faz aos seus devedores, visto como os ere-
dores' nao tem o direito de exigir que se
dios paguem emumamoeda que tenhi agio,
quando alias contrataran) com o governo
cm circumstancias muito mais fav\ra-
veis.
Entend, Sr. presidente, que essa medi-
da poda prejudi-.ar o crdito do Estado,
porque sendo incontestavel que o governo
quem mais concorre para a depreciaco da
moeda, j com a concurrencia que estabele-
ce no mercado para obter saques c fazer
reme
Rio
moeda, que tem sido a causa principal de
depreciaco, pois a copia de papel-moeda
que existe em circulacao nao est propor-
cionada as necessidades dos escaimbros
(apoiados), sem embargo de ter o nobre ex-
presidentc do conselho aqui sustentado com
obstinaran admiravel que nao era essa a
causa principal da baixa do cambio. Sendo
digo, o governo quem das largas emissoes
mais immediatamente concorre para a de-
oreciagao do meio circulante, por certo
niquo que ello exija dos seus devedores o
pagamento em urna moeda que tem um agio,
c que nao aquella de que elle se serve
para pagar os seus credores.
Alm dessa razao, a experiencia tem
mostrado que esta medida traz outro incon-
veniente pratico, o agio artificial do ouro,
aim daquelle que tem naturalmente, e re-
sultante depreciadlo do meio circulante.
A commissio propoe, porm, Sr. pre-
sidente, que seja limtelo um imposto,
qoeea tive a honra de corabater quando foi
apresenlado nesta casa em 1807: o im-
posto pessoal.
Vejo que nesta parle ainda os factos vie-
ran em auxilio das ideas que inunciei
tesfa cmara". Este imposto nao satisfez
as vistas da lei que o'creen; um imposto
\ivss\j;ii;i' vexatork, que tem trazido
08 maiores inconvenientes na pratica, entre-
tanto que nao corresponden aos vexames
cansados.
O Sit. Mixistiio .\ F\zr.\n.\:E' dos di-
tos.
O "Sn. Dtoce-Estr.vda Teixfjiu:E'dos-f
favoritos.
O Sr. Candido TorrksFilho:Creio que
este imposto nao atttingio o algarismo de
300:000)) ne exercicio presente, e de certo
esta somma nao corresponde aos incommo-
dos que tem occasionado a sua percepeo.
Eu disse em 1867 que votara por esta
idea, porm formulada por outro modo.
Declaro que sou apologista do ncome fax;
nao ha duvida alguma do que perante a
sciencta econmica o imposto mais equi-
tativo. Se se tratasse de resolver o proble*
ma de unificaco dos impostes, seria este
certamente o preferido, pois o qno rene
em maior grao as oondicoes de urna boa
contribuic5o. Estou longe, porm, de des-
conbecer que elle despert na pratica gra1-
ves inconvenientes, e essa a razo poi-
que elle nao tem sido adoptado em todos
os paizes.
Mas, Sr. presidente, eu disse em 1807
que aceitara o imposto pessoal com a base
do preco locativo da casa como um ensaio
para o imposto de rendimento. Esta com-
binarlo nao minh s: um Ilustre eco-
No fim da exposicao ou relatorio da il- em hrga escata desla medida, e a emissJo
. omista, que j foi ministro da fazenda em
Franca, o Sr. de Passy, disse que, sendo
na v-rdade muito diflici* de estabelecer
urna base para o imposto de rendimento,
porque seria necessario proceder a inves-
iigaces...
O Sn.Diqie-Estraba Teixeixa: Sao
muito facis entre nos...
O Sr. Candido Torre* Filho : .odio-
sissimas sobre as fortunas particulares]
poder-se-hia tomar como base a um dos
signaos exteriores, urna das manifestacoes
da renda, e o preco locativo da casa em que
habita o ckladSo poderia ser o signal exte-
rior preferido para calentar a renda de
qualquer individuo; considerando-se como
a quinta ou sexta parte do seu rendimento
total; Esta avaliaco da renda nao abso-
lutamente exacta o nada absolutamente
exacto nesta materia.
O Sr. F. Beluario:E esta muitissi-
mo failivel.
lustre commissao, diz ella:- < Nao termina
a commissao sem declarar que quando a
receita assim organisada aprsente um saldo
sobre a despeza, devo ser elle apphcado ao
resgate do papel-moeda eaa arculaco,
urna das necessidades mais clamorosas a
salisfazer-se.
A coherencia, Sr. presidente, obriga-me
ainda a dizer algumas pt^ivras em relaclo
a esta parte do parecer da nobre commis-
sao, que foi consignad lera um artigo addi-
tivo ao prnjeetn.
Eu disse aqui om 1807 que em dos maio-
res males, dos maiores flegellos, que pe-
savam sobre nos, era a massa consideravel
de papel-moeda em -circulacao. Se a
guerra tem justificado este meio to ruinoso,
a que o governo tem iv corrido, era neces-
sario que mostresemos resoluto decidida
le nao s tornar a recorre*" a elle, logo que'
cessem estas circumstancias extraordinarias,
como mesmo de extinguir, de acabar com
este Basalto, que ser orna' causa%renne
de perturbacbes no nosso meio enrolante,
eemgeral em todas as transaccoes, em
todos os contractos. Fste fun, Sr. presi-
dente, qae eu entendo que o add&ivo d*
illustre commissao nao satisfaz completa-
ra enter
' Estoo certo de que O nobre ministro da
fazenda,-que serapre temanifeslado o
maior horror, a maior reprovaco contra
este expedientedesaslrOso, tem osmelhores
desejos de por termo ao papel-moeda, d
rednzi-l) eonsideravelmente: mis nao creio
que o consigamos aplicando to smenle
o excesso ra recita sobre a despeza que
resultar do orc.intmto -que est actual-
mente em diortsSol nao s porque, como
vj tive occ.isiode expr casa, entendo
que os direitos de importacao nao podero
augmentar muito, porque o consummo di-
minuir considera ve Imente, e, portante,
dahi ulo provii ex:esso de recerta, como
tambera porque, ainda qrwnd r baja saldo,
elle ser to diminuto, to insignificante,
que o tempo ue seria necessario para ex-
0 Sr. Candido Torres Fu ato: Sem du- tinguir esta divida fluclunnte, apocando
vida,.multo failivel; mas qual o imposto Sjo tmenle as sobras do nosso orcament)
que nao tem alguma cousa de arbitrario? ao resgate do papel, seria um prazo miior
E devemas
O imposto sobre industrias e prolisses
que alias j est regulamentado entre ns.
na porventura nada mais arbitrario ? Como
se pode, j nao digo com exaelido, mas
mesmo approximadamente, taxar o rendi-
mento de um medico, de um advogado?
E' preciso algum arbitrio, e este arbitrio,
Sr. presidente, eu estara promplo a dar a
um governo que mereca o meu apoio, a um
governo esclarecido, que saber usar delle
com toda a discrico, sobretodo cm cir-
cumstancias to extraordinarias como as ac-
tuaes, pois eu entendo mesmo que o caso
tal (j o disse em 1867, e o digo hoje com
maioria de razao), o caso tal que exigira
miessas de ouro para a Europa e para o mesmo um imposto extraordinario, urna con-
o da Prata.'j pelas cmisses de papel- tribuico de guerra. Creio, porm, Sr.
presidente, que o governo e a commissao
que adoplou a sua opinio, tem razes plau-
siveis para conservar este imposto,- tanto
mais quanto elle agora accrescentado com
o qu vo pagar os empregados pblicos,
que ficara alhviados do impoJto sobre os
vencimentos.
E' sem duvida muito justo que sejam alh-
viados dessa imposieo os funecionarios,
porque na maior parte dos casos o venc-
ment do empregado publico a sua renda
total, constitue todos os seus recursos; elle,
portante, vema pagar nm verdadeiro im-
posto sobre o rendimento, ao passo que os
outros, os proprietarios, os capitalistas,
emlim os homens ricos, os mais abastados,
nao pagara seno sobre urna pequea frac-
cSo do seu rendimento.
Conformo-me tambem, Sr. presidente,
cora as considerar/jes emittidas pela com-
missao a respeito da armazenagera; resulta
desta contribuico, como deoutras muitas,
um dficit para o Estado naquillo que se
cobra actualmente; longe de produzr renda,
esto tributo verdaderamente negativo,
tra/.-nos um excesso de despez sobre a sua
receita, e ikfiri /que attinge a somma de
274:8O0iJ738.
A commissao, fundada na razio muito
plausivel de que justo que o Estado tenha
urna compensaco, urna retrrbuico dos
immensos capitaes que tem -empatados as
diversas opras fetas as alfandegas, propoz
que se cobre urna taxa invariavel, acabando
cora os dias de estada livre.
FOLrETIM
dS CASACAS PRETAS
ROMANCE
por.
Paulo Fval
Prime ira parte
i> Itlt \<; \l. LAVRADO
IX
Andr aulla.
(Continuaco do n. 139.)
20 '/"/'>').Tem feito progressos desde
que aqu estou o outro preso. Ouve-se
imito mais destinctamente a bulha do metal
gastando a ped-a. Nao sei po-que to an-
ciosamente me interesso no trabalho delle.
E um assssino vulgar : matou a sangue
fri o recoveiro de Fccamp, peralgans cen-
tenares de francos que elle razia no sa-
quitel. Se, porm, o Luiz est bem infor-
mado, ah ten? um facto que me faz seis-
mar : este miscravel, cuja taberna inmunda
e pobre apenas estava aberta para ratonei-
ros srdidos, para verdadeiros mendigos,
linha em seu poder urna quanta considera-
vel ern ouro e notas do banco.
Procuro em tudo o raso do Bancelle. O
ouro e as notas do cofre do banquerro de-
vem ter sido escondidos algures. Quem
me m^ra t'allnr pielle homem.
22 do julho.K' cousa de uns trnta pas-
sos, no corrector, conheci qu se aproxi-
mava o Sr. Contenln de la Lonrdevle,
que nunca vira. De onl lario destingo os
is d i Luiz ;i maior distancia ; os passos
de Lui/. sao plebeus: hoje eram rcompa-
I is por outros pedantescos, solemnes
saltitantes, pretenciosos. Os sapatos que
ouvi?, exhalavam uns guinchos iguaes ais
que arrancamos dos passaros de madeira
que pousam n'uma gailinha de folies, e s3o
delicias de cfeaaoa
Em quanto Luiz dava volta chave, ouvia
en urna voz, que derhmava com essa ex-
cortada, i osa e replecta de
de trinta ou quarenta annos.
nos esperar tanto para vermo-nos hvres
dcsle flagello ?
Eu pens, Sr. presidente, que acabada a
guerra, assim com se tem dado ao governo
antorisaeo para fazer operaces de crdito
alim d'fundar e resgatar a nosso* divida
MCtoante, se (leve tambem autorisa-4o para
fazer urna operaco de crdito alinde res-
gatar em larga escala o papel-moeda. e
isso ser tanto mais proveitoso ao' governo
ipianto ltimamente o nobre ministro da
fazenda maugurou urna nova operado que
acarretar grandes sacrificios, grande onus
ao thesouro emquantd durar a baixa do
cambio.
Demais. ningnem ignora que a baixa do
cambio, se prejudicial a todos, se traz
consequencias funestas para todos, menos
para os que esto cndtvidados, sobretudo
prejudicial e perniciosa ao goveriio; o go-
verno quem mais soffre coma dpreeiaro
da moeda. Basta attender para o projetto
de orcamcnlo e ver o quanto se pede pa/a
as despezas eventuaes da dilferenca de
cambios para se reconheccr a enorme
somma que se escoa, que se perde, em
consequencia da depreciaco da moeda :
mais de 5,000:000;?- sao decretados no
projecto para differencas de cambio.
A experiencia tambem, Sr. presidente,
a historia do nosso pan tem demonstrado
que nada se consegue, nenhum resultado
se pode obter para o resgate do papel-
moeda, para libertar-nos desse ternvel
flagello, com a applicaco smente de pe-
quenas parcellas, de pequeas sobras de.
oreamento ou de cousa semelhante. J
em 18:i o nobre presidente do conselho
fez um ensaio, que foi al certo ponto
muito bem succedido, quando na \ da
creaeSo do banco do Brazil se impoz
esta associaco a obrigaco de resgatar o
papel-moeda do Estado.
Mas, senhores, o que vraos ns? Nos
primeiros annos sern duvida se resgatrto e
conseguio reduzir o papel-moeda do Es-
tado ; mas, apenas appareceu urna emer-
gencia diflicil, quando j o meio circulante
estava reduzido somma de penco mais de
20,000:000-3, comecou-se "a laucar mo
elewu-se a lal ponto, que hoje, oorapre-
hendendo a emisso do banco do Brazil,'
que tambem um verdadeiro papel-moeda |
inconvertivel, temos na circularlo mais de
18^,000:00051000.
E, Sr. pratiibntft., devemos aqui ser pre-
videntes, dewmos acautelar todas as hy-
pothese. Seo nobre presidente do con*
selho est deliberado sem duvida, est re-
solvido a nao recorrer a este expeliente ;
se nao llevemos recelar que debaixo da
sua adiriinlstrco o papel-moeda tome
maior desenvolvimento, que este rgimen
torne-se ainda mais fatal, nao podemos
contar para o futuro cora adm'uiistiaco
sempre to bem-inhMicHMM, que tentiam
o raesnw propsito, queTOteJatn animadas
dos mesmos desejos. Infelizmente ainda
temes'enlw nos muitos anologislas dessa
maldita mstituicn.
En desejo, portante, Sr. presidcn'e, que
as autorisace? conferidas ao governo so
conceda tambem a de fazer operaces de
crdito para resgatar urna somma conside-
ravel do papel-moeda, a parte nocessaria
ao menos, afim de restabelecer o cambio.
Sffrprende-me. Sr; presidente, que o
nobre deputado pela provincia' do Kio de
Janeiro, relator do parecer, nao tivesse con-
signado tambem esta idea no seu relatorio,
porque foi elle um dos que em 1867
vieram aqui'a apresentar.
Eu tambem adher a essa dea, propondo
que u E*tado alienasse todos os bens, todos
os proprios nacionaes, e at a estrada de
ferro de Pedro 11. applicandc o pro-
ducto destes proprios nacionae- ao resgate
do papel-raooda. O nobre deputado na-
quella oeeasio acliava necessario que se
lizesse urna reducro no papel-moeda em
escala consideravel, e hoje contenta-se
cora urna pequea parcellaque resultar da
sobra do oreamento, quando^ nossa divida
j i est muito augmentada e vai-se augmen-
tando cad* vez mais.
Um SR.'EPfTAno:Felizes seremos 9Q
tivermos essa pequea sobra.
O Sr. Candido 1oi\m> Fu.no:-=Eu nao
cont com sobra alguma/
Quando, como eu dizia, a nossa divida
vai-se augmentando talvez na razao de mais
de cem contos por dia, quando por conse-
quencia daqui a seis mezes ser muito maior
e certamente a somma volada hoje para o
pagamento dos juros respectivos nao ser
sulliciente, poderemos :on ar com sobras
de oreamento? A medida, portante, oITe-
recida pela commissao, alem de nao- pre-
encher os lins que deve lerem vista, porque
um remedio appiicado em dse menos
que hom(Kop3tica, ser urna medida irreali-
savel, porque nao poderemos contar to
cedo com sobras no oreamento, mas, ao
contrario, devemos esperar dficits sempre
creseentes.
No art. 9 dos addittivos se diz :
Aulorisa-se o governo a modificar
dentro de um anno os regulamentos das
alfandegas, thesouroethesourarias, podendo
alterar e modificar os seus ser vico?.
Nessa parte ainda, 'Sr. presidente, sou
coherente conformando-me com o parecer
da commissao, e dando o meu voto cons-
ciencioso em favor de tal autorisacao.
Em 1867, Sr. presidente, defendendo a
inesina causa que ora tenho a honra de
sustentar, o restabelecimento de uossas fi-
nancas, eu disse que era necessario fazer
economas, cortar despezas; e urna das
verbas na qual se pode fazer mais consi-
deravel reducco a despeza feita com o
funecionalismo.
Sem duvida: o funecionalismo exage-
rado no nosso paiz, os empregados sao de
mais para o servico que desempenham as
diversas repartieses.
Foi convencido desla verdade que o par-
lamento naquelle anno votoa autorisaces
ao governo para reformar quasi. todas as
reparlices no sentido da redueco dos em-
pregados.
O nobre presidente do conselho Sr. pre-
sidente, nos declara no sen relatorio que
foi impossivel chegar a esse resultado,
conseguir essa reducro as alfandegas,
porquanto ella nao se pude fazer sem urna
reforma tambem no processo dos despachos
e nos outros serviros em geral. E' isso
o que o nobre presidente do conselho re-
conhece e nos declara no seu relatorio.
Est processo complicado, est systema do
papelorio.qno existe entre ns, di-so em to-!
das as reparticoos: por isso que ellas nao
precisam sempre de grande numero de em-
pregados; mas desde que e dispense grande
numero de frmulas inuteis, que avolumam
tanto o expediente dos differentes ministe-
rios, e qu alm de encarecer e sobrecar-
regar demasiadamente o servico, tomam
mmenso tempo precioso aos nossos minis-
tros, ser possivel reduzir o numero dos
funecionarios pblicos.
Eu, portante, espero que esta autorisa-
cao. ter por fim simplificar extraordinaria-
mente o processo dos despachos, c conse-
guntemente tornar possivel a reforma que
votou o corpo legislativo em 1807.
Ma9, Sr. presidente, a tarefa de resta-
belecer as finnancas, de equilibrar a nossa
receita com a despeza, ser ingrata, rida,
penosa interminavel, emquanto durarem as
cirttimstaocia9 extraordinarias que nos op-
primem, emqoanto durar essa malfadadn
guerra; ser essa urna tarefa inesgotavel,
semelhante ao supplicio inflingido s Danai-
des, porque no anno seguinte vira o gover-
no dizer que sao insnflicientes as quantias
pedidas ; que apezar dos sacrificios recla-
mados ao povo, ainda existe dficit, e a
nossa divida contina a augmentar prodigio-
samente.
E' por isso, Sr. presidente, que eu vou
concluir dirigindo una pedido instante ao
Ilustre senhor presidente do conselho.
Esse pedido tal, que, estou persuadido,
nelle me acompanham todos os Brasileiros:
o objecto de urna fervorosa supplica que
dirijo todos os dias ao Creador. Eu pede-
ra a S. Exc, como cliefe do gabinete, a
quem incumbe, portante, dirigir a poltica,
duvida grandioso ver qne, apezar desta
terrivel ilagello que nos opprime, apezar da
tremenda crise por que temos passado,
ainda no exercicio de 1807 a 1868 a ex-
portaco exceden em mais 25.000:000^000
a do anno anterior; mas urna razao. para
que poupemos estes vastos recursos e os
facamos convergir para aprosperidadedes-
te vasto imperio. E' lempo de parar nessa
obra de destruyo em que estamos prose-
guido encainicadamente contra duas na-
Ces em proveito s de urna terceira, cujo
engrandecimento rpido nesta poca cala-
mitosa tem cnebido de admiaco o mundo
inteiro.
Pois, porque combatemos um povo br-
baro e fantico que abandonou os seus pe-
nates para se ir embrenhar no mais recn-
dito das matas; porque tetamos contra
um povo que resolveu defender-se contra
os seus libertadores, emquanto existir um
individuo daqnella raca, seguir-se-ha que
devemos imita-lo nessa sua criminosa obsti-
naco ?
Nao, senhores, as nacoes descortinan!
uiuuo mais longinquos horisontes do que
os individuos; ellas sao perpetuas, tem in-
leresses permanentes a zelar, e se per-
mitlido a um individuo, para vingar a sua
honra, arriscar em um doello a propria
existencia, nao podem as nac5es travar
duellos de vida e de morte. O suicidio de
urna nacTio seria um crime imperdoavel pe-
rante eus e a humanidade.
Ha, Sr. presidente, um facto a conside-
rar na historia desta guerra, e qne quan-
to mais vantagens conseguimos, mais exi-
jue tome a resolucao definitiva de por ter- gentes nos tornamos; assim que temos
mo a esta guerra devorudora dentro de deixado de aproveitar muitas opportunida-
tres ou quatro mezes. des para fazer urna paz honrosa, cujaa con-
Eu desejara que o nobre presidente do j diebes seriam dictadas por nos como ven-
coBSelho justificasse plenamente a alegra | cedores. Temos vivido constantemente de
que se derramou no paiz com a noticia da \ Uasoes. E' mister de urna vez por todas
sua ascencd* ao poder, a qual foi saldada qne nos desengaemos.
Na minlia buinilde opinio o preenchi-
men o de todas as condiebes do fatal teata-
do da trplice allianca hoje una utopia.
Auguro infeliz resultado s novas operaces
que se pretendem iniciar; receio o matlogro
dessa expedicao qne se prepara contra as
Cordilheiras.
i
o festejada como o pronuncio da paz.
Essas gratas esperanzas se traduziram por
signaes da mais expressiva conlianca.
Na Europa mesmo a noticia da formaco
do gabinete de 10 dejulho foi acolhidajw-
mo urna inversao as ideas bellicosas, como
a resoluca decisiva, assentada, de por
termo guerra. Entretanto, senhores,
forra confessa-lo, nesta parte soflreram
amarga decepeo todos aquelies que acari-
ciavam 13o doces Qsperancas.
Nao venho por isso aecusar o actual ga-
binete, pois sei que circumstancias extraor-
dinarias, fortuitas, fra das suas previses,
tornaram impossivel a conbinaco pela qual
sem duvida esperava chegar ao grande de-
stdtratnm hoje dos Brasileiros, a conclusu
da guerra : o systema novo, al hoje des-
conheciilo na historia do mundo e seguido
pelo chafe do Paraguav, de abandonar todas
as cidades do paiz que s exercitos adiados
Nao reparara eu liada na luneta, to es-
treilamente fazia ella parle daquella enti-
dade.
Que rato,.uue rato repetio. Sao to-
dos o mesmo, dorraem com o cdigo
cabecjira... L a aecusaco nao Ihe d
cuidado, nao Ihe fallam provas. Se e
fosse jurado, condeinnava-o aos olhos te-
diados.
Se essa a sua opinio..-. comecei.
Meu rapaz, .atalhou ; o advogado
exerce um sacerdo:io. A viuva, o orpho;
.; tale tal. Fallemos claro. Pois na sua
idade nao conhece em toda a cidade de Cah
alguma sugeila em casa de quem podesse'
ter passado aquella noute 1
Nao senlior, respond seccamente.
Rpugnou-me o revelar aquello horacm
ridiculo todo o amor que te tenfio.
Isso que juizo Regougou le-
vantando os ollios. Na sua idade para
admirar.
Djpois, assuminf'o um ar seductor
que flcava a matar, accrescentou :
Entao a Sra. Sfeynottezita linha gran-
se mova, era um des tendencias para se aidalgar ?
Sr. Contenten de la Lourdeville, disse-
bo com frieza, aqui s se trata de mua.
Matua muihiu, ituudui \im <^ou ho-
sons cadenciados, que assume quem sabe
do seu ollicio, para levantar o brinde de
Lafayette nos banquetes pblicos.
Islo sao restos odiosos da barbaria
feudal, dizia a voz.Paredes grossas, ja-
nellas estrelas, corredores oscuros, chaves
pesadas, e fechaduras raacissas. Parten-
cemos um seculo, que tem de ver grandes
cousas... e tal, e tal : ar doentio, os pre-
concetos da idade media. Por outro lado
se fossemos a demolir todas as prisoes de
Franca por sentimentalismo... E depois
para que servem as deelamaces ?... Po-
dem l os sores liberaes tresvariar a volita-
do da opinio... nunca os piisioneiros
viverara em coulices tofavoraves... e tal
e lal- N'uma palavra, sao duas theses
bem destnelas, e tal...
Abrio-sea porta, "entrou um homem pe-
queo, meio calvo, bern calcado, cora bom
chapeo, asseiado, rosado, rochonehu lo, de
nariz ruidoso, olhos vivos, mas sem exprs-
sao, bocea enorme, que mais pareca urna
chaga, e orelhas grandes e sera rebordo.
O guincho de patinha' de feira que os sa-
patos soltavam, (piando
elle gorgeio natural.
_zr.Q senhor Contentin seu patrono, an-
nunciMko amigo-Ltz.
f^-'Contentin|ile la LardiHe, eoaendoa-mefli honrado. Nao quero ser defendido
-peu bonito defensor. Paris que leaos' por m i de provas falsas.
^?"grve; Qtirra entrar qoaSsu'mpto e
*pi prembulos, n dia n,-. i > ,,i_ ,1^
rin,"
tnnacentec
t
O dia na i t i iniis de
Di?pfetfso-o de me dizer que
tudo mais que Vmcs.
stumatn alarde..) e tal, e tal. -. Vv-
_js a saber : tem meio de'provar que es-
tiV u*nte ?
bri a bocea para responder, elle, porm,
Jou-m'a cora um aceno amigavel. .
Passe a noute rn minha casa, disse-
f Ue em quinto tomava a respira
Examinou o m^it cobertor, sacud i-o
acepte com tres ou quatro loqai
blmba que trazia, e assentou-ic bor-
iM tumi.
Que rato mur*aroii. Quieto r
-mWcentinho, naV*... E queln ha de
pfevar que paasou a noute entras* f
usaco que tem d provnro
etifrafl, 6e me n8o engao.
oa aebotWecbas" eflrWtttr"gfV
loio s
a.
frotec-
Para
quero a yerdade ; a venftflfc me b
Dirigame nm meteio de cabera
tor e respondeo. :
- Pois- ebtSe1 desabotoemomo, afeu ra-
paz. N5o desgoslaval de saber cbmo no
se" fraco bestunto entolde quentere ser
defendido.
Pens agora", em cousas que nunla me
haviam passado pela mente. Por foi^a que
o captiveiro ereou pliiloasphoe. Ainda hon-
tem, apezar das reminiscereias- da minha
educacao religiosa, nao destinguiattclara-
mente a Providencia da faiahdade. Hoje
assusta me a fatatidade, e ergo mis pos-
tas para a providencia ; porque sepjrados
orno ora nos adiamos, Julia, pelo espaco
e pelo erro, i liega ella uebaio das
suas vista? ewrtl^
E, en'retanto, cale/vea creio maie nessa
fatalidad me rarapavor. Pendwat* sem-
sobr mm amat ri^a des-
mente a luneta com a-pama' do*-dadw igaa?. XV em crea?a dremhr Ivwados
Se no primeiro periodo desta guerra, qnan
do marchamos por caminhos mais conhecidos
e exploiados, e tinhamos em nosso auxilio a
esquadra, que prestava-nos grande soccorro,
j. com a sua pesada artilharia destruindo
os bastibes inimigos, j transportando os
vveres e bagagem raas pesada do exer-
cito; quando tinhamos os precisos meios
de mobilidade ; quando dispunhamos mes-
mo de mais recursos, vimos os inmensos
obstculos qne foi necessario vencer, foram
necessarios quatro annos para chegar a As-
oceupavam, co loco-nos na impossibilidade sumpeo oque - sa expedicao as Cordilheiras por cami-
de formar um governo provisorio com o
qual contFatassemos, e que por conseguinte
pudesse dirigir depois de Lpez os destinos
daquelle paiz.
Mas, Sr. presidente, nao isso razao
4>ara que convertamos esta lula eminente-
mente nacional e patritica, a que fomos
brutalmente provocados pelo dictador do
Paraguay, em urna questo de capricho.
Nao ser tempo de por um termo a esta lu-
a to prolongada, a essacampanha de cinco
annos f
Pois que! Mais de 350,OO0:O0O000
despendidos, 70,000 vidas sacrificadas, a
posse de toda a parto principal do paiz, a
navegaco dos rios Paran e Paraguay com-
pletamente franqueada; finalmente, a oceu-
paco da propria capital do inimigo pelas
nossas tropas, nao constituido sufciente
desaffronta aos nossos bros conculcados ?
Quando, em que paiz se exigi mais ? Exi-
gir mais decretar o exterminio do Para-
guay custa da nossa propria ruina; c,
senhores, alm de que urna grande ini-
quidade exterminar- urna naco, mais duro
e doloroso ainda ser comprometter para
sempre a sorte, o futuro deste bello paiz,
cujo5 recursos e vitalidade se tem ostentado
de urna maneira maravilhosa na presente
guerra, ao ponto de assombrar quelles
mesmos qne menos f depositavam em suas
forcas productivas.
Sem duvida lisongeiro attender para o
estado crescente das rendas publicas; sem
forros ; o que mais atiento escutava as
convrsacoes de meu pai, era a historia de
Martin Pietri, nosso lio mt-rno, que mor-
reu em Bastia, no cadafalso, tomando Deus
por testemunha da sua innocencia. Depiis
de morto, e bem morte, foram achadds em
casa de um sacerdote idoso e demente os
vasos sagrados, que elle fura acensado de
haver roubado na-igreja de Sarteno.
T;m a lenda da Pega Ladra milhares de
variantes, e nao sei porque ia eu procuran-
do conhecer quanto" desde o principio do
mundo se tem escripto e dito sobre erres
judiciaes.
Eras mqjto nova, mas has de lembrar-le
da bella cabeca ornada do cans do vene-
rando Joo Maria Magdalena, alvogadodos
pobres. S3o grandes e nobres as funeces
do advogado O meu defensor, o Sr. Con-
tentin, nao se parece muito com Joo Maria
Magdalena, mas to pouco homem des
pido de intelligencia-: oque elle tem
ser ridiculo.
Podia deixar de dcclarar-lhe a minha
idea ? Digo-a at s paredes do careare.
Ouvio-me sem impaciencia, cantarolando
por vezes e limpando as unhas com hidra-
tes de visita, cojos cantos Ihe servem para
isso.
A idea original, responden com
grande paz de espirito. Podemos recorrer
loucura ; nao mo subterfugio.
Mas eu nao estou doudo exclamei.
Que novidade l basta a historia do
bracal para o provar, meu rapaz. Mas
essa imaginaco do phanlasma que trabalha
em seu lugar, deixando-lhe s costas as
caaseqaencias; digna de reparo. Em
somma, nao somos de todo iofelzes: ha
;em tudo islo com que produzir effeito. E
originaliSsimo I E a linda Maynotte d
para ahio qnnntHm sufficit de romanesco...
Clavemos de dizer... e tal c trl...
Poi-se a andar, saltitando e esfregando
as mSbs, e creio qne ainda estas horas
vai de levada pw essas roas.
23 de julito. Esteve hoje li onlra vez
o a tal o tal. As audiencias abrem na
ijuart-feira. opinio sua que da minha
idea sepotMa fazer um'romance.
Mis, accrcscenta, comoaira5oadon5o
prest:' So necessarios fados tansiveis,
prvas, e tal e tal!
nhos invios, lugares desconhecidos e ainda
nao explorados, quando nao temos os pre-
cisos meios de mobilidade, quando nem ao
menos temos cavados, nem o indispensavel
sustento para ellos, vendo-se assim impos-
sibililadb de operar a cavallaria, que se diz
ter de representar a parte principal nessa
pedirn ?
O Sr. Figueira dk Mello :Isso prova
a nossa incuria : nada mais.
O Sr. Candido Torres Filho : N3o de-
vemos reeciar, Sr. presidente, que cami-
naemos aida mais lentamente? E podere-
mos esperar assim indefinidamente pelo ter-
mo da guerra? Nao ser isso sacrificar de
um modo irremediavel as nossas finan-
Cas ?
Para mim,- Sr. presidente, quando aqui
chegaram as noticias das facanhas gloriosas
dai brilhantes jornadas de Itoror, Ivahy e
Lomas Valentinas estava resolvida a ques-
to do termo da guerra. Infelizmente, po-
rm assim nao aconteceu. Parece que a
expi'ac) a que nos condemnara a Provi-
dencia ainda n5o estava consummada, pa-
rece que eramos irrcsistivelmente arrasta -
dos pela fatalidade, quasi como os corpos
que sao attrahidos pelas leis physicas da
gravitaco.
(Cmtinuar-sc-ka).
Inveja a sorte do ministerio publico, e
v-se a pronunciar a aecusa ao.
Infelizmente, tudo concedido aos empe-
nhos t O procurador regio sobrinho de
urna senhora que andou no collegie com a
prima do professor de piano de umi sobr-
eha do amigo intimo do Sr. Martignac. E
tal, e tal. Vo l lutar contra tal e tal/
Nao sei porque a approximaco do jul-
gamento rae d urna conflanea extraordina-
ria. Adormeco todas as noutes a sonhar
com o jury. Os jurados sao escolhidos en-
tre os homens bons da cidade. Que admi
ravel instituico Ainda te hei de tornar
a ver, Julia.
2o de juIho.Hi dez annos que Conten-
tin de la Lourdeville procura ingresso na
magistratura; Confiou-me que as injusticas
do poder acabariam.por acarretar com elle
para a opposico. facto seriamente de-
plora. Que cegneira nao a do poder !
E tal o tal. Acab de me communicar a
lista do jury, para eu ver se ha n Ha aj-
gum jurado que deva recusar. Tenho um
jury excellcnte : tudo gente do bem, a
maior parte commerciantos. Nao vejo um
nico que nao deva acceitar.
Dir-se-hia que o trabalho de sapa do. vi-
sinho homicida se dirige para o lado di mi-
nha celia. A parede deve estar considera-
velmente carcomida, porque j o ouno can-
tar. O advogado delle o Contentin de la
Lourdeville. Aprsenta prova3 de au-
sencia.
Quarta-feira, 29 de julho Esto aber-
tas as audiencias. O Contentin n3o veio :
est advagando. O meu visinho nem tem
trabalhado nem cantado ; est no tribunal;
as audiencias abrem pelo julgamento delle.
Estou co%. ebre. Sou o stimo. Derla a
8 ou 9 de agosto.
Seis horas da tarde. Entrou o visinho.
Est cantando.
29 de julho, tarde..0 visinho foi con-
denan do morte.
Io de agosto. Trabalhou esta noute o
outro preso muito mais tempo e com mais
ancia do que nos outros dias. Que espe-
ranea ter? Na cadela ha urna masmorra
especial para os condemnados pena ul-
tima.
Veio o Contentin dizer-me qne proddzio
muito effefo' no julgamento do rendeiro.
Appellou. Estou mais abatido, 'e quando
na minha imaginaco te vejo, j te nao
ado o teu adoravel sorriso. Reso com
fervor; parece que adevinho as horas em
que tu mesma rosas, porgue sinto enlo o
calor afflur-me ao coraco.
Dei a Luiz cartas para li. Sao dirigidas
para Londres, e nunca te ho de chegar s
mos; era, porm, preciso desviar-lhe as
suspeitas. J por- omitas vezes me per-
gunlra o Luiz o qu eu fazia do papel. E
esta carta, minha fha, quando a regars
com as las lagrimas ?
Pasa quanto posso #ara que nao seja
triste de mais. Ah !... se elles mequizes-
sem absolver, que alegra nao seria a nossa.
4 de agosto. Estou s Inleiramente
s f O Luiz est com lcenca ; era quasi
um amigo meu. O Sr. Roland j nada tem
que ver comign. Quera poder explicar
islo ? apegra-me j elle J Finalmente, o
Contentin ha tres dias que nao apparece.
Estou s. Ouco o condemnado morte,
que vai trabalhando e cantando, diego a
crer, to surdo o trabalho, que desgasta
a pedra com as unhas. Seria dever meu
dei)iincia-!o ? Terci sequer esse direito 1
Nao sei.
Vi-te esta noute, Iluminada pela aresta
de sol que atravessava a ramaria na mata
de Bourgubos. Foi o nosso ultimo janta-
rinho I Qual era entn mais bello : o teu
sorriso ou as tuas lacrimas ?
Sou comligo sempre ; cae-me, porm,
apma das'mbs. Esfou'extremamente
triste.
6 de agosto.kmmo \ disse-me o Con-
tenti ; tenho c os meus effeitos le tal e
talnao contam com os meios que eu des-
cobri. Affastam da magistratura as p ssoas
de verdadeiro mrito ? Ho de ver bem o
que perdem t .
Quiz tomar conhecimento do tal famosa
meio que descobrio. Foi impossivel 1
Informei-mc tambem do meu visinho.
Deixam-no Qcar na celia acloal, at que se
decida a appellaco.
E' amanba que vo responder. Anta;
com cffeilo, animo !
a

I

'
I

N

V>
-ha)
T1P. 1M> WAKlIlft'MHCIIUIK /



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFMOM3NQ1_HETGJ3 INGEST_TIME 2013-09-14T00:01:10Z PACKAGE AA00011611_11873
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES