Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11870


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 138.
PARA A CAPITAL: l LOGASES OHDE IA6 SE PACA POBTE.
Por Ires meze adiaaladee. ..............
Por seis ditos dem............a.......
Por ura a&oo idem................"...
Cada Damero avulso...... ........
.
6,9000
fHtooo
344000
L*WO
. SABB4D0 !9 DE JUN4I0 DE 1819.
PABA DEITRO E TOBA DA PROVIMCIA.
Por tros mezes adiantad...........#......
PorsvwditoeideB.......'......^......
Por mv\ ditos dem....................
Por un anuo........-..."..........
W7W
13*500
0#0
371000
lfropriedade de Manoel
de Fara & Fflhos.
i .. i
.-. r

.11*1
^ A
Ja y
1
Oa 9rs. Gerardo Antonio AJves 4 Filhos, Prl; CfilM** Pitia, fio MaranMo; Joaquim Jos da Otveira, ao toar; Aottwto de temos Brap, no Araeaty; JoSO Vftria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da S>, oo Natal Jt**taltaa
Pereira d'Atmflida, em aiBa>g**per Amonio AMttadrino de Lima, na Harahyba; Antonio Jos Gomes, na ViJJa da Pcnha; Jlarmino dos Santos Bulqao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa b*m, ,.
eia fazaretn; Fraacino Tarares-da Casta, em Afaftas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia; e Jos ibeiro Gasparinho, neWo de Janeiro.
PASTE OFnCIAL
LE N. 864.
O Dr. Manuel do Nascntenio Machado Porten*, vi ce-presidente
da provincia de Pernambuco : Paco sabor a lodos os seu* habitan-
tes m/at a issemWa legtrialiva |irovirnri.il decretou e eu saiicctonei
a ceoaiueao seguiute :
Art i Fica aborto ao organiento rigente ina< crdito supale-
moatar na importancia de 21:947 *)7<, para ttaaotaerJis dspotas
tujarisadas petas verbas constantes dos k* seguate* :
-!. Reparse consorvaco de esliad*.*36*- 19:t03'>7
Ci t Expediente da casa de detenoao........... 22000
J3.' liventua....................Jfc...... bVitOjODO
Art. i.' fie ni revugadrs as Uispo*H''~ieMBt contra rio-
Mando, jiorianto, a toda*-a* aufcatdades^Mtoetn o evahecimen*
io e execugo da presente resoluto ntilcaaj Bk a cuniarain e
fSRVr-nmiirirTSo m'efrsmente romo nellnRKtiu.
O secretar* 4 | Jr-ia provaeia a faca impriaur, publi-
car e correr. J
Parado do governo de Pernambrieo, 8 de junho de 1869> qua-
itragesiiim-oiUvu4aiid#p<(idj^ee da imperio.L. S.---Dr. Manoel
do Nascimea, Miihad Pf<*k{
Sellada pthjionla a ^tresnte* rasdkiflo nesta secretar do go-
verno de Pernambuco, 8 de.junho de 1869.O offictatrnuiur, ser-
vind#^^uuruknm \jttm*-.\m** Jmamofmtm
ilo livro itatle nroviatiaes. Secretariado co-
ico, Hile foto e iftat.-Oabee da 4" scelo,
vi nu*-tMk ewt*i na,
Re*irada a ,-fl
vernpBPrfnnfcf
FrtiHm fi"^
de 14.
.....-~........... ...........: '"'* ','*; : : ~ ... ... .....
'
Mandu. pulanlo, a todas as autoridades, a qoem o conbecitnou* dragesitu oittve a iadependMm e do imperio... S. -Dr Jto- ftados Miranda Leal, secretario interino, barao de
to o execucao da presente resotocaa pertencer, que a cuiuprain m.w do imscima** Mmclmdo Pmtella. > Crnangy, e os supplentes S Leitao e baro de
facjun cutuiwir tao inleiramente como uelta se conlcm. Seilad*ii pablieadafa prsenle resluio nestS secretaria do go- Nafareth, e presente o Sr. desembargador flseal,
O secretario do gverno desta provincia a faca imprimir, publi- remo de Pernambtico, li de junro de 1869. O steretario, ur. S. J9w. o_SFr. |>resideBle abri a sessto.
car e correr, Jva^mm Ctrria Anmjit.
Palacio do governo de Pernambuco, 12 de jnnho de 1869, Registrada H H. do livro de leis provinciaes. Secretaria dd gn-
iadrage^iao-oitavo da indeiwndencia e do imperio.L. 8.Dr. erao de Pernanikuco, 1S de junao de 1869.() che fe da 4' seccao,
anoel dv N'jscitnettto Machado Purtella. Francisco de Lente* Ihtmie --
SeHada e pubheada a presente resolucao nesta secretaria do go-1 LE W: SW.
verno de Pernambuco, lt do junbo de 1869, O secretario, Dr.: 0 Dr. Maoel do Nascimeato Machado Portella, vicepresidente
Joaqun Cotria de Armijo. da provincia de, Pernambuco : Faco saeer a lodosos stus liabitantei
Uegislrada a ti do livro de- leis provinciaes. Secretaria do go- que a asteinbla le.gislalira provincial decretou e>cu sanecionei a
verno do Pernambuco, 12 de jnnbo de 18C9.O ebefo da 4" itx^ta, resoluca seguinle :
francisco di Lemas Dtnrte. I Ait. 1. Ftca a presidente da provincia autorisad* a contratar
LE X. 868. | comjuaaui LopeMachado c Jono Itandeira. mi cwb fnem me-
0 Dr. Manol do NasciMenia Machado Portella, vice-presidente Ilion T da proviu iade Pernambueo : Fa<;-i saber a lodos os seQs lubian- lugares inte julgar conveniente, sol> as coiidtcoes scguinis :
tes qqe a assembla legislativa provincial dearetoa e eu saccionei a | J." O governo da provincia nao serrobriaatlo a dar subven-
resolucao seguale : cao alguma, pagando soraente aos contraanlo) o cutio des appare-
Art. l. Fica approvado o contrato celebrarla pelo presidente da llios cas de^ioaa da enllocara ., conforme a distancia, sendo esta
provincia coin o gerente da conipanhia Pernambucana de navegacao regulada por urna tabella que ser annexa no eontrato.
costeira a vapor, em i" de julho de 1868. v Ds contratantes serao obrigados denlro de 10 anaos a rol-
os referidos pocos, onde o ao vento designar.
mmHe.
LE X. 86o.
O l>r. M.inool do XascuaeDl.1 Machado Portella. vice-presidente
da provincia de l'i rnainktiico : Fac* saber a lodosos seus nabtantes
que a sseuiIJa legislativa provincial decrotna con sanecionei a re-
s.il(l(So sepuinle :
Ai i. i. F'ira restaurada a cadeira de primeir.ts leltras do sexo
teqainino da freguctia de S. Pedro Mariyr de CNioda, creada uutra
do.uwsmo sexo na luesjua freguezia no lupirAmnnbados, e bUh
ira daquclle sexo na uluia seccao da ra Imperial, freguezia de
,s Jos.
Aft. 2.* Fica iiinalniwitB creada urna eadeirt de insArucao pri-
maria para o sexo (einiaino na Ireguezia da Doa^-Vista, cidade do
Heaife, no luar Cauuibo Novo.
Art. 3. Ficam revugadas as disposieoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimen-
to e-eaoeucao da presente resolucao pertencer, qne a cumpram e
acain cuntprir tan intriimenle como ndla se conten.
O seci otario do goveruo desta provincia a faca imprimir, pn-
blicar. c correr.
I'nlaciodo governo de Pernambuco, 12.de junho de 1869,
quadrauesiiiio-oitavo da independencia e do imperioL. S.Dr. Ma-
ntel rltnrmmtti Machado PorteUa.
Sellada e puolicada a prsenle reselucao nesla secretariado go-
verno de Pernambuco, 12 de junbo 1869. O secretario Dr.
Joaquhn Correa de franjo.
Kegislrada a ti. do livro de leis provinciaes. Secretariado go-
vemt de Penianibuco, 1 de jimba de IM09lO chefe da 4* scc-
ckit,Jfranciraide -duis Duart.
LE N. 866. "
0 Dr. Manoel do Nasrtuiento Machado Portella, vice-presidente
davirovincia de Pernambuco : F'aco saber a todos os seus habitantes,
quo-a asseinblea-legislativa provincial decretou e eu sanecionei a re-
solafe soguinle : .
Art. L" Fica o presidente da provincia antorisad a contratar
cora Vicente Ferreira da Costa, ou com quem melboret vantageaa
offerecer, e so> as condic^es t.l>iir1rt,Tas nos segMutes paragra-
Bhafc,; construccao de suiia>e>-ktBo bracas do caes da ra do
ttiaohnelo, do lado sul do canal ou camha all existente.
Jj 1.'' O* alicorees devem ter a neceisaria profundidade na ra-
zan da profuiidtdade com que de ve ttcar'o -canal, para que conser-
vo BRna na baixa-mar das niahjres mares.
g 2. (> contratante icar obligado a aterrar a ra adjacenle,
anivelando todo o terreno correspondente ao caes, assim como apar-
te cocavada quu corresponde A direccao do becco dos Ferreiros.
J ;!." A obra ser i'eila segundo a planta determinada pela re-
parlicao das obras publicas, c na razo de 300,4000 ao mximo -por
caua braca i'4" i), salvo se a mesma reparlicao houver oreado por
menos.
$ 4." Os pagamentos s serao effecluados depois de eonefuida
toda a obra, em prestacoes ou inscrip^oes Ja divida publica, se-
cundo fr mais conveniente sos interesses da fazenda provincial.
g o." A obra comecar o se terminar nos prazos quo forera -es-
tipulados uo respectivo cpptrato.
Art. 2." Ficam revofadas as disposieoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecknento
e oioeurin da prsenle resdncao pertencer, que a cumpram e fa-
^aoKUBtprir tan inleirawenle como nella se conten.
O secretario do governo desta provincia a faca imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 12 de junho de 1869,
quadragesimo-oitavo da independencia e do imperio.-*-*. S Dr.
Mansri do Sascimcnto Machado Portella.
Sellada c publicada a presente resolucao nesta secretaria do go-
verno (le Pernambuco, 12 de junho de 1869. O secretario, Dr.
Joafuim (.'o'T'Vi de Araujo.
Registrada a II do livro de leis provinciaes. Secretaria do gj)-
verno de Pernambuco, 12 de junho de 1889.0 chefe da 4* seeeao,
fremeisco de jemos Duurte.
LE N. 867.
0 Dr. Manoel do Nasciraenlo Machado Portella, vicepresidente
da provincia de Pernambuco : Paco sabor a todos os seus habitan-
tes, q a af.Mir.hla legislativa provincial deerelou e eu sanecionei
a resoluean seguinte :
Art.' 1." Ficam concedidas quatro loteras de cen conlos de rls
ead orna em beneficio das igrejas seguintes
1." Capella ou povoago de Nova Cruz, denominada oulr'ora
Marta Parinha. na freguezia de Iguarassil.
| 2." Matriz da freguezia da Varzea.
f 3.' Igreja de Nossa Senbora do Rosario da freguezia da Varzea.
g 4." Dita de S. Scbastio da eidado de Nazaretb.
Art. 2o Ficam igualmente concedidas seis loteras de cento e
vmte coalos do ris cada urna, para auxilio das obra* das igrejas se-
guintes :
L' Igreja do Carmo de linda.
4 !.* Capella de Santo Antonio em Itamb.
8 3.* Igreja do Senhor Bom Jess dos Pobres Affiietos de Na-
Art. 2." Ficam revogadas as disposigoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conbeoimen-
to e execuco da presente, resrooco pertencer, que a cumpram c fa-
cam cuuMirir (ao inteiramenle como uelia se contui.
0 secretario do governo desta provincia a faca imprimir, publi-
car e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 12 de junbo de 1869,
quadrage-imo-wtavo da independencia e do imperio.L. S.Dr.
Munoet do Xascitnento tladiado Portella. ,
Sellada e piibltcada.a prsenle resohJfio'nosa secretaria do go-
verno pe Pernambuco, 12 do junbo de 1869. O .secretario, Dr.
JoaiMk(U>rrade Aiunju.
Bfis rada a fl do livro de leis provinciaes. Secretaria do gover-
no de Pernambuco, 12 de junho de ,1869.O chefe da 4' seccao,
Francisco de Lcmos Uarle.
LE N. 869.
.Dr. Manoel do Nascmento Macliado Portella, vice-presidente
da provincia de Pernambuco: Faeo saber a todos os seus habitantes
que a asseinbla legislativa provincial decretou e eu sanecionei a
resolucao seguinte:
Arligj tnico. Fica approvado o regulamento do tlnsaro di San- car c correr.
la Isabel., expedido em.2 de julho de 1868; revogadas as dispesi-, Palacio do aoverno-
ooes em contrario.
Maudo, porlanlo, a-tuda as autoridades, a quem o conhecimen-
to e execuco da presento resoluoao pertencer, que a cumpram e
facam cumprir to inteiramente como nella se conten.
0 secretario do goveruo desta provincia a faca iinprki.ir, publi-
car o correr.
Palacio do goveruo de Pernambnoo, 12 de junho de 1869, qua-
dragCimt oitava da independencia e do imperio.L. S.Dr. Ma-
noel do bastimento Machado Portella.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta secretariado LKI X. 874.
governo d* Pernambuco, 12 do junliude 1869. O- secretario..Dr.' (*Dr. Maunet do Xatcimenlo Machado Portella, vice-presittoiue
Juaquim Correa de Araujo. da protancia de Pernambuco : Faat sal>er a lodos os. seus habitan-
Ilegistrada a fl. do livro de leis provinciaes.- Secretaria do go- tos que a asaojapla legislativa prviacial decrel'U e ou s-aneeionei
verno de ,'eruaraLuco, 12 de junbo de 1889. 0 chefe da 4* seccao, a resolaco Sgujnie :
FTnmyRcoWI.erao' Dnarfe. Arl. !/> Fica o presidente da provincia autorisaflo. .i mandar
LE N. 870. abonar ao eaujtao Luiz de 1 ranga Mello Juni .r, seis mazes de saldo,
D Dr. Mtiwl do Nascimento Machado Portella, vice-preidnte para ser desconladn pela quinta parto,
a provincia de P rnambuco : Faco saber a todos os seu habiaa- Art. t. Picam revogadas a. disposieoes em contrario.
lo que a jsosmbta legislativa provincial decretou e eu sancciqnoi Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o eonttecimenlo
a ceiioluc^q seguinte ; e execace da ,r>*i nto reoiueao pertencer. (pie a cumpram e facam
Art. I." Fica pertencendo ao^quarto districlo de paz da fregu- cumprir to intciramniit. rr>nm nerla soconl. m.
zia da Kscada todo o terreno do tngcnh Riinba doa Anjos, aua O seciviark do governo desta provincia.a-faca imprimir, publi-
actualmeiilo faz parte do segundo dislricto de paz da fregutaia do car e correr.
de V
locar
5 3." Serao lainbem ubrigados a ter um depsito dos mosmos
appai-ellit'S pare a satisfaeao das oxigeucias particulares, devendo
ser os precos. qnr do ensto do apparelho, quer da cullocacao, ros-
peitadas as distancias, segundo a tabella reterida e as mesmas
eondiedes do contrato com o governo.
j 4. O |>agamealo quer do cueto dos ap|nreinos, quer das dos-
pezas da collocarao, s ser feto, quando o |toco. oslivar fonceio-
nando regularmente. %
Art. / O governo tica aulorisado adospender |>or esda anno,
durante os dez anns do contrato, at a qnantia do quareLta conlos
de ris, verba actualmente despendida com os acudes.
Arl. 3." Os contratantes serio obrigados a mpregar na collo-
caeo dos (tocos, jiessoal habilitado c materiaes de boa qi.alidade e
dura gao.
Arl. 4." Ficam revogadas as dispoeicas em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conhecimen-
lo c execuco da presente resolucao pertencer, qae a cumpram e
facam cumprir to inteirai nenie como nella se contein.
O secretario do governo desta provincia a faga imprimir, pubta-
de Pernamltato. 12 de jnuho de 1869,
qiiadragesimo oiiav da independencia o do imperio.1~ S.Dr.
Manoel do Nascaenlu Mochado Portella.
Sellada e publicada a-pre>enle rsolueao nesta secretaria do go-
verno de Pernambuco. 12 de junho de 1869.0 secretario,. Dr. Jon-
quim Correa de Araujo.
i Registrada a II. do livro de leis provincia*. Secretaria do go-
verno de Pernambuco, 12 de junbo de 1869O chefe da 1" secfSo.
Francisco G.melleira.
Art. 2.* Ficam revogadas as disposicies em contrario-
Mando, porlanlo, a todas as autoridades, a quem o cohheeimen-
to e execuco da preseute resolucao pertencer, que a cumpram e
fagan cumprir lio inteiaiuenle como nella se conlcm.
O ser retarle do governa desta provincia a faca imprimir, publi-
ai e cer.-er.
Palacio do governo de Pernambuco, 12 de junbo de 1869, qua-
dragesuac oitatvo da independencia e do imperio.L. S.Dr. Mu-
noet do, bastimento Machado Portella.
S llaila c publicada a presente resolucao nesta secretarla do
governo de Pernambuco, 12 de junho de 1869. 0 secretario, Dr.
Joaqun-Correa de Araujo.
Palacio do goverao do Pernambuco, (2 d junho de 1869, qua-
dragesimo-oilavi. da independencia e do imperio.L, SDr. Manoal
do Xii.-cimeiilo Machada Portella.
Sellada e publicada a pros- uto res*lircao;ne&ta t-eeretari do go-
verno de Pernambuco, aos 12 de junho de 1869.O .-ecrettr-io, Dr4
Joaqi'im Correa dr Araujo. -,.
Registrada a fl. do livro de leis.provinoiaesi S*ic wtaria do. fto-
verno de Pernambuco. 12 de jrjdi. de -1869.-T-0Cliete da ivaeojao,
Francisco de /.(."* luiurtc. i
L N. 87.
0 Dr. Manoel do Nascimentn..Macliido-PrtoH.i.. viee-pre,odeW
da provincia de lVrnamloico : Faopjsalter a te** s seus habteniew
ipie a aascinhla legislativa prviacial decretou o eu c-ancciootaror
Lida, fot pprovada a acta da sessao
EXTEDIEXTE.
Ofneio do presidente e secretario da junta dos
cofTrtornt, aecurando a receprao do que Ibes fura
dirigido~*m tf>db crrenteO tribunal mandou
que fosse arebrrado.
Oficio do presidente da sobredita junta, de 16
da crreme, procurando saber se, em vista da
resolucao tomada pelo tribunal mandando vigorar
o art. 4.* do dberetn n. 808, deve eedef o lujza
rfne oceupa, oa confirmar no exercicio.Foi com
vista ao Sr. desemaargador fiscal
Aos Srs. depatados fbram distribuidos os se-
guintes livros :Diario e Copiador de JoSo Chri-
sostomo Goncilw Rosa.Diario de Rosa & Ir-
mo.--Corl^^uf, dU" Juariuim Jos6 Goncalve* Bel-
iro.
Marenos.
Requerimenf. de'.StWbe! Rodrigues, de ,Mendon-
ca, pedfndc' por certidao o reerb que, passou a
Arminio 4 C, na qualidade de soflo commandita-
rio, quando deixou de- fezer parte da sociedade.
Como requw.
Dito de Francisco Obntes da Sirca ,4 C, para
se dar baixa no registro d nomeaco do seus ex-
caixeiivjs Jos Femamfe1 de Moura e Jos Poly-
carpo de Barros.Xa,forma requerida.
Dito de David Ferreira Datar, nara se Ihe cer-
tificar a data cm -tu fuitrecolnida ao archivo
deste tribunal a carta de registro com que nave-
gara a escuna nacional Xoro Especuladora.Co-
mo pede. ''
Dlo de Generosa Maria dos santos Chagas
registro da escriplura de aulorisacao que Ihe de-
ra seu marido para eommerciar om seu proprio
nome.Seja .registrada.
Dito de Otarles Anstin'Patersonidem de urna
procuracao, que junta Deferido.
Dito de Pedro Lopes de Mendonga, pedtndo ma-
tricula de commereiante.Depois de ouvido o Sr.
oV;sentbargador fiscal, o tribunal deu o seguinte
despacho:Como reqtier.Derxou de inlervir na
votae^o o Sr. Miranda LeaL
PAPIS AW.VDOS.
ProeesM de rehaWlftacao de Jos Francisco
Drendao.Constando haver fallecido o impetrante
nao tem lugar o prosegurmento do processo.
Idenvde Joaqumi da Costa Ma3.Foi concedi-
da a rehabilitarn.
COM INTOBMACAO DO SR. DESl,\RC\tK)R TISCAI.
Wequerimertto de Real 4 Lemosregistro de
sea novo contrato sociaf'sob a lirma de Real, Le-
irios 4 C, e Iransferenria para essa firma do li-
vro Diario qne servia a antigi.! rid-.
Dito de Antonio Pereira da Cimba e Jovcniano
Fernandos da Silva Mantacontrato social.Co-
mo requerem.
Dito de Francisco de Oliveira Franco e Jos
fMARA MUNICIPAL.
QUINTA SBSfVAO ORIMXAIUA Atto 17 DE
MARgo DE. 180.
PBKSIDEKCIA' IK> EXM. SR. IIVH \0 DR trUMMo*.
Prweales os Srs. Dr. s>uza Leao, Dr- Sare.
Dr. Costa Jnior e Dr. Moscoso, faltando bt
causa os mais seH>re>, abrise a sesea o foi li-
da e pprovada a acta, da antecedente.
L-se o seguinte
EX*EDfKNT.>:
Um oticio do adaogado.. dizondo nao ter ad-
possivel descubrir o processo executivo iutaatado
contra Ignacio to S Lopesi Feroandoe, intoraando
o escrivao que foram |wra a oonclusan doDr. jub.
municipal daprimejt-a vara, e declarando o retri
do juiz quo nao estaoouvoeu poder, cabo pruroo
ver a reforma, se osla for ossivel, e para osee da
requisita que sr Ihe remaM mitra carta de parti-
ciimgao ou copia autheniica d; que Ihe lot reutetli
da, e se Ihe aatorise a requerer dita reforma. Pa-
roeu-lue que seria sem resuliado a responsabilida
de que se pedera promover em vista da incerteza
de quem extraviou os aulas.Que se remetrr'-'
os papis pedidos eseautorisHJBeaoadvogadaan;-
ceder como exige.
. Outro do pfourador. remeneado o conheciraeu-
to do imposto de 3 por cinto, deduzido das vean
lientos dos empregados cm o me,- de Janeiro ult-
mo, recolbidns a thesoururia de fazenaa, na impor-
lancia de 76828.Ao archivo.
Huiro do mesmo, remetiendo o balncete da re-
ceita e despeza municipal, relativo ao mei de feve-
reiro ultimo. A commisso de polica.
Outro do engenbeiro cordeador, rcmettendo d
ornamento dos concertos de que preei-a o pareda<>
central do acougae da frt'guezia da Boa-Vista na
importancia de 220^000Que o engenbeiro orce
tambem o la Irilho do acougue, para ser feto de
pedra de cantara, oreando igualmente todos os
mais concert?, inclusive caiacan e pintura.
Oulro do mesmo, informando o reijuerimento de
Joiio Cbristiam, que pretende lazar cornija, cano
enterrado na parede para c-sgoto das aguas Uuviaes.
e rebocar os oloes, tudo do sobrado n. 44 dama
Xova ; lem a dizer que narfci Im a oppat, sendo es-
las obras feias de conformidad^' com as posturas.
Concedeu-se.
Outro do mesrafi, informando sobre o que pede
Jos Pacheco da Fonceca. |iun concerlar unta casa
de laipano Caxang, declara que. nada tem que op-
por, construindo elle a casa no alinliaineiitodasou-
tras.Concedett-so.
Outro do mesmo, informando ?"bre o reqaeri-
mcntoemqne Jbs Alves Barbosa, |>ede liceneo
para collocar tuna varanda de ferro no lugar da
que existe no pirneiro andar do sobrado n. 29 da
ra do Vigario, lera a dizer que nada se Me ofle-
rece a oppor.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando o reque/imento de
Joo dos Sanios Coelho. em que pede licenca par*
limpara frente doarmazem h. 44 da rua da Sen-
zalla-Vclha, e collocar um Iroe-hal e duas travs.
Victorino de Souzadistrato social.Registre-se o que estad arruinadas ; diz quo nada tem a oppor.
tittroto.
Autos do reftibilitacao de Dencker 4 Barroso.
--F assistencia do Sr. desembargador fiscal.
Nada mais harendo a tratar-se, e dada a lrtra,
H 1/2 da rnsnraa, o Exm.,Sr. presidente encer-
roH a sessao.' '
Registrada a fl. do livro de leis provinciaes. Secretaria do go- soluco seguinte .
verno de Pernambuco, 12 de junbo de 169. 0 chata da 4" secgau, Arl. i." Fica o presdeme da provkieja .atwisadp -mandar
Fi masco d?. Y/niot Duarte. adinitiir no Gyniu^io provincial, como |i nsioiiislas da ojtavtacw, aos
LE y. 871. menores Arllmr do Afeen c Lima, Cbrispim Xavier do Amoral,
O Dr Manoel do Nasimento Machado Portella, vice-presidente Irino de Araujo Cesar e Antonio Francisco Ordeno Xetlo, tubo de
da provincia de Pernambuco: Facn saber a todos os seus habitan- Rogero Lucio da Silva Mergulliao.
tes que a assembla legislativa provincial decretou e eu sanecionei a Arl. 2. Fienm revogadas as disposieoes em contrario,
resolucac seguinte : Mando, porlanlo, a toda as autoridades, a quera, o coidiecuiieoto
Artigo uico. Fica approvado o contrato celebrado em 22 de e execuco da presente resolucao i pertencer, qae a cumpram e facam
julho de 1868, pelo presidente da provincia cora Andr de. Abren cumprir lo internamente como ella se oanlm.
Porto, para estabaleciraenfo de trilitos urbanos do Recife Olinda o O secretario do goveruo deta piwincia a faga imprimir, pubh-
Beberibo ; rovogadas as aSsposices em contraria. car e correr.
Mando,-pcrlanto, a todas as autoridades, a quem o conbecknen-1 Palacio dogoveino de peruaubuco nos 12 de in.uo de 18b.',
to e execuco de preseale resolug-j pertencer, que a cumpram e quadragesimo oitavo da indepeadenria e do imperioI- S
facam cumprir tao iDMinmientc como nella se contera.
0 seiTntario do anvertuxjdesu provincia, a faga imprimir, pu-
blicar e correr. '
Palacio do governo de Pernambuco, 12 de junho de 1869, qua-
dragesimo oitavo da independencia e do imperio.L. S.-Dr. Ida-
noel do Kascimenln Machado Porfella.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta secretaria do
governo do Pernambuco, aos 12 de juuho de 1869. 0 secretario,
Dr. JoaqMtn Correa-do Araujo.
R verno de Pernarnbco, 12 de junho de 1869.0 befe da 4 secgo,
Francisca de Lentos Ovarte.
LE N. 872.
0 Dr. Manoel do Nasciraenlo Machado Portella, vice-presidente tissimo.Sacrainento, erettaua matriz-de S. Pedro Martyr de. I
da provincia d Pernambuco : Fago saber a todos os seus habitan- Art 2." Ficam revogadas as disposieoes era contrario,
tes que a asserobla legislativa provincial decretou. c eu saneciouei
a resolutosegninte :
Art. 1." Pica o presidente da provincia aulorisado a mandar
dar a Joaquim de Almeida Pinto, quatro conlos de ris, como auxi-
lio para a puLcago de sua obra
noel do Kascimenta Mechado Portella.
Sellada e publicada a presente resolJicao nesla secretaria do go-
verno de Pernambuco, 12 de junho de 1869. O secretario Dr.
Joaqu*t Correa de Araujo. .
Registrada afl. do livro de lti> provinciaes. secretaria do go-
verno de Pernambuco, 12 de juulto de 1869.O chefe da k.' seccao,
Francisco de Leos Ihiarte.
LE X. 876.
0 Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella, vce-presidente
da provincia de Pernambuco : Fago saber a todos os seus habitantes
que a assembla legislativa provincial decretou B eu sanceonei are-
soluca seguinte::
Arl. i. Fica approvado o compromisso da irmandaue do san-
- di Olinda.
o diccionario botnico brasiieiro.
Art. i.' O presidente da provincia mandar examinar a obra
por pea; 6a habilitada,
-aretb. Art 3. Ficam revogadas as disposieoes em contrario.
8 4. Matriz de S. Beata Metido, portanto, a todas as autoridades, a queja o conbecinea-
$.' Do patrimonio da igreja de Nossa Senhora da Bda-Viagen.' to e exeiueao da presente resolucao pertencer, qae a cumpram o
6* Igreja do Livramento da cidade da Victoria. facamTumprir lio inteiramente como nella se jaulera.
O secretario do governo desta provincia a Hga imprimir, publi-
car o correr.
Palelo de governo de Pernambuco, 12.de junbo de 1869, qua-
Art.
Igreja
3. Fica concedida urna lotera de
sessenta eontos de rls
par a qiella de Apipucos
Art. 4.* Ficam revogadas as disposigoes em contrario.
Mando, porlanlo, a todas as autoridades, a quem o conlieciotento
execugio.da presente resolucao pertencer, que a cumpram e fagam
publi-
cumprir lao inteirainente como nella se conten.
O secretario do governo dcsla mf/umm a laga imprimir
(r e correr. *, t ,L.a
Palacio do overa de Peraambace, 12 4o. piano de 18b0^ qua-
dragesimo-oHavo da independencia e do imperio.-rL. S,Dr. Ma-
noel do Nascimonto Machado Portella.
. Sellada e publicad* a presente resolmjio nesta seerelaria do go-
vepno de Penuirobuco, 12 de junho de Mi89-0 secretario, Dr.
Joaqim Coma de Araw/a.
l Registradn.a O do livro de leis,provinciaes. Secretna do g_Oi
verno de Parnambuoo, 48-dejtmho de imO chefe da i* secgao,
fVaarisso a Lemas. Duarte.
: SESSAO JUDK3ARIA-EM 17 DE Jt'XHO DE
1869.
rnWrtEW.I.V 0 ETM. SR. DESEMBAROVDOR A. F. PK-
nETTl.
; 'Benimlo no' impedimento do secretario, llego
titngel.
' Ao ineiu dia, decLira-sc alietta a c.^-ao, etao-
flo presente? os1 9rs: desefttbnrgaporcs Silva' Gul-
mare?. Beis e Silva e Acrill, e diputados Miran-
da Leal e Barao de Crtrangy, e sappleutes S Lei-
tao e Bario de Nazareth.
Ljda, f i pprovada a acta da scssSo auterlor.
O Sr. secretario'tendo-se retirado por molestia
de pessoa de sua familia, nao pude por isto as-
sistfr presento sessao.
JCLCAME.VTOS.
Juizo especial do commereio embargante appel-
lante reo Joaqnim rcenlo Cintra daSilva, embar-
gados appellados autores os administradores da
nlBSsa falfida d Amorim, Pragoso Santos 4 C
Juws os Srs. Silva Gulmarcs, Reis e Silva, Mi-
randa Leal e barao de Cruoogy.Foram despre-
sados o> embargos, sendo voto vencido o Sr. de-
sembargador Silva Gnimaraes.
Jtiiro municipal c do commerefo do Filar, pro-
vincia das .Maguas: appellante autor Joaquim da
Cunha Meirelles, appelfdos reos os orpliaos fljhos
de Joao Sifra. Silva Gn,intaraes Miranda Leal e barao de
Cruangr.O tribunal mandn ouvir o Dr. cara-
dor geral.
duveudo o suppiicante collocar cano enterrado na
parado para estrato da* aguas e concertar a cor-
nija.Concedeu-se.
Outro do mesmo, declarando que nada tem a op-
por sobre a piwtencao de Pocas 4 C, de concertar
a coberta substiruido tres torgas por outras, da
casa n. 9 da rua do Rosario.Coucedeu-se.
Otltro do mesmo, iafuriaundo sobre o reqnerl-
mento de Jos de Almeida Hab lio, pedindo licenca
para rasgar urna (torta no ciato ou iutervallo da
parede de seu eslabcleeiiiiento da rua da Florenti-
na, tem a dieer que parecerlbo nao ha- ineoare-
niente na bojjkomSoj pedida, collocando o suppii-
cante a sofaira da dita porta ao nivel das ouiras.
(foncedim-ise.
Outro, do memol infoiiiiiiudo sobre o que pede
Francisco Jos freira B"rges. pata concertar a
cubera da sua- casa u. 90 da rua de Hbutas, subs-
tituindo tres'tercas da niusina eolterta p*r outras
diz nada ter que op|ior.Cunee leu-se,
Ontro do fiscal da fieguezia du Santo Ant.^ifo.
cotnmuDicanilo que adiando-se em mo oslado o
sobrado n. ty da rua Di re la, |terlenoente ao patri-
monio da Santa Casa, enlendendo-se acerca disto.
enm o respectivo pruvedor, que levando ao conlie-
cimento da junta, estodllerminou aomodonno An-
tonio Ramos, incunilH^) dos predios, para mandar
arrear a mesma casajinas como possa sucotar
que de promplo se nao faga cumprir aquella, nr-
deni iraz ao conliecnenlo da cmara o ixposto
para sua sciencia.Interada.
Outro do mesmo, communioando haver proce-
dido urna vestoria no obrado n. 64 da rua Direita
de propriedadt? do mofcnbor Francisco Muniz la-
vares, cono Ihe foi ordenado por officio de 6'do
mez passado, 8no^e,flu.toado.sito apresonlado a
reapectivo lejano ao procurador, du mesiuu moane-
nlior. Icnnclo Rarroso de Mejlo, para pagauaospe-
rdn qne a dH veslnrta piwfleran^ ^
"rheodrc
Appellante o bario de Bemflca, appellado Braz Kampk Pedro Raimde-iotqil^ n*. oium letto
Carnelro Lo.Adiado a pedido do Sr. deputado roga a cmara que se digne proiafrn>ial.T-aq pro-
sorteado em lgaf'do Sr. Sa Leitao. curador para indagar, e proceder como a lei de-
Appellante Joaquim de S Cavalcante de Albu- termina.
iib8pach0s oa vice-phesidencia do dia 16 de hjnho !
db 1869.
PERNAIBBCO.
Alhontem deram-so-as provas eacriptas de rar sua naturalidade ; porque, dizendo-se Atrio do
grammatica portugueza, doutr chriatVrt blsto- Pata quando assisti nesta cidade, consta que se
ra sagrada e m-Hhodo-dean^toft matriculara ahi.como portflgijez.
IMPOSTO DE INDUSTRIAS E PR0F19SES- ; im ,j^de/P"'!,nf"^ ^nfflrSaaria
Infonnam-nos pessoas fidedignas da cidaaf'd^ ^^^^^^Hi X^ rWo
fr Olinda. nne miihn Inlnsto e nSnressivo tem sido f^ de deBi|llD de, !4. aof*6";S
Brash; sem dizerdonde, ha 21 atines, leudo estado
Autonio Joaquim de Barros Lima.Concedo. REVISTA DIARIA.
Alexandrina Adelante de Paula Brasil.-Cer- ^pell^o..^ r^. priuIi8tor puWjoo mm-- olinda, qpe muflo injusto e oppressivo tem sdn
>'*- ftenme oMt jnr^rm a <- nmEl pz appellago paraotrilmnal cornpolQiHada.der modo all praticado no lrcamento sobre o impos-
^ul^^lrtetZialrS i^aTda^S- **> d 0^ m I1* *t*tti J^oa-porimida a- t ^ industrias e profhsoe's; d'onde tem resuW
na^rstemlSio dagala,iiacio- ^^ iieaataul cftatea- Salvador y.B. Noae do nm clamor gcral, principalmente da parte dos
r rfn A (' In'iteleriitQ vai> ana mformaw Brlaosa. pobres artistas e possuidores de pequeos cstab-
C. C*eo 4- u moeerido vista da mfcrraj- p^^^doo recurso pela aupnosto mto*w amentos naquea localidade.
lkM->..< ,....-. ... ... de fortaalidades substanaaes do processo, coarto o
permitleoarJOl do cdigo do processo.
B&MWtflORA PERNAMBUCANA. Araanhaa
devem- rewrir-se, no consistorio da igreja dos Mar-
tyrips, as II ho d* raaaWa, os soio/dota so-
ciedada, tfhn de tratarem da nefmciaa'impor-
Candido los de Goes TeHes.Indelerdo vista
da iobnfiacao.
FeUppfl Menna Calado da Fonseca.Conceda-se
a I tcenca de doa mezes requerid* con os veaci-
inentos da le.
JoaaUim HercaJna Pereira CaldasA' viste
director peral interino da, afwfjl) publica.
WtaqBA>Het.-lBforme o8r. impeettr do ar- das,eao>iras deinstruccaj primaria
antfcs doas anuos no Porto, que so deprofaide nao
sero'ingar de sennasrimenio. Para assislia era
casado Rrm. rigario Freir- d Carvalho.-o quale
seu.rrmio o tenente Manoel Libertlro Prti'e d"
Be.n acertado ser, pcfteDk, que o Ean. St. Carcho feratn. i*Mf "> S'^'^ %'.
conelheiro inspector oV tbetmuMv de fazenda. e %as ^TI^L^X P **'
mesmo ousamos- pedlr-Ihe. sedtene demanoai; ^U^^Tl^ttS'^o^M, ^T^rsciim
arpien* eM*en de arwraaaganpubnca um enp" ,'^"J"k.mS^^Snnf ^2122
priado de sua mteira confiaimrverlQcnr a prpce- JTLS? .,nEr5S r- K* A^SfS
^^^5E2S^i^i Brffe^SlSS dtVvTda^pa ^
CONCR807Comecou anle-hontem, noGymv
ae quae. nao eroitlimos psr ora juizo atora),' aOtn ,efr*> coruM' Sg? M"n 1 ,
de appliear-Btes o justo cJirrectrvo, qji'oni todo o ^?*?l^^'T^''5?T^^I?ede' ''uc,s
^unl de ruariaha
nepu-tt^ttt *ia nu.
2* seccao.Secretaria da polica de
Hdeianho de 1860.
N. 891. Illm. e Exm. Sr.Tea* a
lavar ao conliecimento de V. Ejfe'
ata das partieipacoes recB*i*i
i0o, nao se deu hontem prisa: alp*a >
ana
Dea, guarde a V. Bu.-1Iau-lHt^fii'#>vt>
imtim/tti da provincia Dr. Mamwi dooMMiianm-
taMaohado Portella. O chefe de polUaVlntarlao N
f. ie Aui$ Otixeira Maciel.
nrnvinpnm critefro *oe praticat era casos eih tanto rtak .c3^^memn3, a atenf3> i, qoem comitete, para
T^ZST^Sl?. COIS'a,nCriPH nara o sexo ^" '^ assegura-se, quea|g_un* dps cgllecj? ||ma* rauJlM^r^idain noile pela rua *
d^anMMA.tMirMtta.1 nr.maria o 4 m ^gt^ q ^^^ T(m)^ fa Sa^\JAltdu i, porras da^a^pa^
ie*stopodeTi a$ fundadas rechmagrJess, o dtrreno por njtjse- rentes.
inte aguardar somonte a crluea ociasiao, em L0XEBJA \ que se acba a. venda. a.UO.-, a
qiie|WT* d-bateMlies a porta o rrimenttb- eiecn'-' bewUfO da rnatr do S. Umraco- da alta, qa
li.voida^ fazenda sobre o metqumho banco, aiMtq",e- oortje fipje
fmneninn. Minlivmiifiiirrf la
na r*ranc}s|o_Ai*uj
AaqunottE [ oq
craaa PeTeiT-
Anna Laurinda de Siqueira
ro qe Lima Rego-Vatonot
a A4ex*ndrtea de
tin* da Allmqae
Pelieiana Mactel
Monte i-
na ferrantnata e os escas: -utencij.
* CfVJrtJArtir.Escreveni-nos desla villa, em l)
doqorrente.L .. >^M1. >j^-j
i hoje, s l Ucraa, dajuadl
- %^
^ SSZdT, 8 A*** BWerra 6
, ^p,4ca8adecotnnMrtoif>ta
*B**alaifNM4*a.fMfBaaora 0 9nido, qpa. ja
al, Drs. Jorge Dormdlas Hibpiro P CIRONICA Jl iWWRM
ilaa^llltltry--
tmos}r^va,or.nuipce9et
CIO.
DSI,?DE
querque, appellartb o tutor da orphaa fdha de Ma-
nuel Gouvra de Souza.Adiado a pedido de ou-
tro Sr. deputado.
Appellatite-Manoel Thomaz de Alhuuuerqne Ma-
ranhan, appellado o Dr. Symphronio Cezar Couti-
nhoj Adiado a pedido de outro Sr. depalado
1 Appellante Frane!$co Leitao ele Carvafho-, ap-
pellado Joio Lopes Braga.Adiado a pedido de
outro Br. depotaao.
Appellante Joio Pinto de Lemos Jnior, appella-
do Martirio Xavier Carneiro da Cunha.Adiado a
pedido do Sr. deputado sorteado em logar do Sr.
Rosa.
Appellante Jovoniano Fejrnandes da Silva, Man-
ta, tr-.tor do orphao Apgaslo fllhq de Joaquim
Francico dos Santos, appellada D. Joanna Igna-
cia d Jess.Adiado a pedido de um St. depu-
Ariperlantes Perrelra 4 Lonreiro, adminislrado-
nss da massa fallida de Jos de Castro Redondo,
appellada Jao Alves Pedrso.Adiado a pedido
de m Sr. deputado.
passa.geS's.
no>Sr;deeembargador Silva Guiaaries ao Sr.
desembargadr Re e Silva : apflellanles os ad-
minfUradons da mass* fallida da los d Castro,
liedondo, apaeUado Jos Alves da Crus.
' Do w. de^embargador Reis e Sirva ao 9r. de>
sambarriador; '^ieQti: appellantes os administra-,
d*res da massa fallida de .\ntonio Jos.de Viguei-
row1 Bppellatfc o tenente-coconel. Jos Aires de
Do Sr. oosenrbanador ActoTl ao Sr. daaembar-
gad*f i^tSllferap '; anpenante iaspar Caval-
cante de. AJtmqrfe^oe OwSi, appell
'94 Albuqu'rque.
DISTMatlICOES.
Ao Sr.: Silva Gwwaaae*,: aiiieUftates.Tasso Ir-
ras, appoUadoi Attutto Ponto 4 C
^J, Sr^Wr XflMiwni-fc* voto veacojar na
woto^ombarawdatailia^ ata saanao d
Smno^Srwio, ero,aartaa.: V**f*
rft&A#c4iV* Vit
uiak ^wh^wi onrra a^aataioa
iARoAma .VNHrr!^
tVti,
rmds *>
Outro da liscal da freguo/ia de S. Jos, dando
parte quo as grandes mares do& ulliota dias da.
mez de fevereiro ultimo, (izeiam um grande ar-
rombamento na estrada que eonduz a Cabanga, *
por elle pastara a* agu^, c.vao inuu,udarat* oa
curraos do.gado uo maiadpuro peda providencias.
fumarada por totv-se j providenciado.
Outro do fiscal da freguezia da JJoa-Vitta, coat*
niunicamlt haier multado a Antonio Jos Gomo?,,
por estar tazando dua> peipienas- meias aguas eat.
uterreno da rua.do,Lina, emSaijtaAniaro, sea
licenca, e uiiuurad-o que qo cuniinuasse cota.
oltra.Que remettao termo ilo infraecao para ser.
entregue ao procurador.
Foram approvades dous pareceres de comiuis-
sj>es ; un da de ecflcagoos no sentido do so seren
dadas liconeas a Uermaagildo Eduardo da Reg
Moatciru, para levantar curraos de apanbar pcixe,
depois que a presidencia declarar os lugares da
tola aonde sa possa. fazer cVi rae>.
Oatro da de policia.jleclaraado que nao pode
ser, atlendida a pretencau de Antonio Marques da
Silva, quantoao abate que pedes e quanto as de
mais profidencias, qae so ordene ao respectivo fis-
cal Dar fazer que sejan observada* ae posturas
em viaBK. .
Foram lanibem appi^vadah duaa propostas do i*.
1>.'Soaia.Leao,,a praera,pafaquofpsseawaaa-
d,am,f*^ia>o;iiOi-an^*ssa'0. estado, e
qae~s. achara as arvores pfaaiadaa o**ta cmado, a
b aatiiB o contracto fetto .para asta servico.-- Etcra. Sr, presidente nompou o eagaaheieo cordea-
dor para exaimnar o dar sou, parecer.
A. aegunda para, tac, entrase, em, axarwoio. in
euca#B Bmidp,marcand.r'a mAtp **
dias pasa proalar ei eta|i*lisar- su% ^*#ifaa.
vjtla desia proposta, prestou o mi
dp, que saordaaa&so m -ei
aessab pi^ajaill>doeiao da^ Bal W*>> i
'veajJatr^vataom.ci-1-
.


f

aava



jtp Diario de Pemamfeuco Sabbao 19 de Junho de 1869.
IRS VJX vm
pagamente, e que alen disto o mesmo sequesiro
foi mandado levantar.
Mandou-se remetter ao engenhero utn offlcio do
administrador. da inatadouro pedrada providencias
a respeito uo estado cin que so aohem os currae>
do gado.
Prestou jorantento o fiscal Horneado em sessao
"de 13 do eurreQie para a freguezia de S. los.
^ Despaeharam-se as peticoes de Antonio Pjnto
toocalves, Antonio Marques da Silva. Domingo:-
Pereira, David Williara Boiwuan, ftaficiseo Hcari-
que Caris, Firmino Parias, fc/ntf e Silva, Fruc-
tuoso Marlins Comes, J iromm Pereira Villar.
Joaquim Lins Vieira, JoaqiMrntonio Rodrigues.
Jos Luccio Lia?, Joaquim Raafcaro da Silva, Joa-
quim de Souza Maia &('., ioa Ricardo (Jielho,
Mareellno Jos Lopes, Manoel Antonio da Silva
Rio?, Manoel da Silva Santos, Miiiocl Jos Minias
das Nevos, SeuiwrinUa Cesar *la Cruz, e levantoa-
se a sesso, desando de ser .approvada a prsenle
por fatla do minero. r^^-:
Eu, Francisco Canuto da Boa-vtagem, secretario
a escrevnVHaro 'de Slaribec*, presidente.Dr.
Pfdro de Athayde Lobo Mascseliento Jos da
Costa Jnior.Dr. Joo .Varia Seve.Ignacio loa-
razio por que um gratule pawlosopko e profundo
moralista eiiegoa a di** : ''Lomme le mal 4o-
mim dans un?' socieli cnesl jamis par unteul,
il faut que celaici cherche des cmplices.
~" onde ja se infere qu lecrivej o Iad0 X-
Po
sendo pir sua nalurezi tuna bar b irdade, aromo-1 culo como um xofrangoein pleno ranio dia; o era
veo escanda!;) modi.-.nte assasmios validados efaati.Vomo o resuludo da nequicia dos res, tl.>
assalanades; exacerba em uns as paixoes inalij?-rowdo de uns, da estupidez e paisas o outros.
uss o em outros cruuldade, pela crueldad*..^ jbsa|aino chama-s todo aquello que lira a vida a
v^ejTpii'
uz ; Wa
pansivel das penas irrjparaveis ; e tarbaro, mta-
guntc e funesto sochdadea ortre lado, pormais
que se o lenha procurado desfigurar.
O que um criminoso em sua natureza physica
e moral, face do De IX d$s aoroenicuia seci
da* T Eis o . um Ignora'
i<\ ao (tensar de l'kifc ; un Apa* das paix
e um lillio 4terr<> aos lime 0teigi5ada cruz
um louoo, um enteeapto no parecer do aiedic >
est< mais habilitado porscrutadar da natureza bu-
oaoaesdo que ao acto ioeruue nao entram flhor, (na
razio, a vetade c a Hberdade. j 0 de existir nade
Mi ha inaio termo O erro, a ignorancia, as
paufls violentas ou aquellas fue pouco e gtico
conrmipem o corpa, como na virus pettil"acial
at a medulla dos dsso?, ou ai qoe daiflffffieam o
espirito, .silo effectiva mente as cautas coosi
oxemple ?
NaJiumaaMhde os mos exemplos assira coma'
os boas teta/orea do long) habito. Pelo menos,
US India o syslema da milempsucose, encarnando
um corlo horror ao derramameulo de san sao li-
dos crimes de qualquer ordem. O parrecida, *V"i|r*'- jalft'hJlrli a niflBidade le sofueltiaiii
mata por dinbeiro, o salteador, o ladrja nSo.tfif se* impojnitnr .resaltad.*. Entio,'
sos e toiair mais sangue humano espadanava das cabe
FUBLICACOES A PEDIDO.
Cari dirigida an lllaa. r. Dr.
Joan da Silva llamos.
Meu illustre amigo.Venho dar-lho um abra-
care, fa^o-o d'aqui para que ten ha o publico por
testemunlia de meu acto do gralido, visto como
nao jiosso i^misuiiu- que se me considere na regra
coiomuin # homens sem corado, dos horneas
sem digotaade, porque a ingradao infamia.
Apresentou V. S. o anuo prximo passado na
asseaibla li-gislativa provincial, de que distinc
to ornamento, um projecto pedindo se me conce-
d"sse a meusalidade d- 50 jOG para auxlliar-me
no estado das setarias jurdicas.
Foi utopia, doutor, disse-.lh'o, e hoje V. S. o rc-
co.nhece sentindo o amargor da deeepcao.
Os homens de agora, eon rarissimas excepeoes,
meu amigo, nao CMiiprehendom o que a frater-
nidade, eusa mai da librdade, como a ensinou o
Caristo, e mal sonham-aa o poetas e utopistas,
orno nos, que ainda pelo menos a respeitamos, o
que nao faz muita gente, como cousa do cu, que
da trra nao foi ella, pois que a repugna in^tinc-
tivamente.
Alm disso, tro podeo nao o mereca aquello
que por essa ou aquella razio nao eslava no caso
Ue transigir com a provincia ou eom os seus para-
myiiphos,favores, auxilios, ou qualquer outra
eoasa.
Nao houve rorja, ou petulancia, ou erueldade
sufllcienle para, ao primeiro golpe, ferir de morte
aquello pobre pmjecto ; prolongaram-lhe a ago-
uia, como dizem que faziain os irados da inquisi-
cio e os selvagens do novo mundo, uns para con-
trie cao do inartyr e satisfaca do Dea- sanguina-
rio ; outros para castigo da victima e gloria do
veneedor.
Do segundo golpe, porm.....vio, meu amigo,
que sd escafwu illeso o meu taumHde nomo, que
esse, apeziir do humilde, nao estava na forra de
toda a assembl-'-a em peso, o poder de apnga-lo,
ia hoje.
Ciiarnarao a isso orgulho, vaidade, pTlanfismo,
oaqualijuer outra cousa peor ; eu ehamarei um
grito justo da consciencia.
Q que me importa a mim o que p-:- ah rosna
a maledicencia ? Quando a poeira for muita, fe-
charei os mho?, mas cuno sempre pertinaz em
inialia tranquilidad.-, fazendo o caminho de meu
destino.
V, V. S., a provincia do Pari i Tem annual-
mente na Europa estudaudo artes e sciencias, seis,
'Jez e at mais, mocos distinctos por sua inlelli-
Seaeia e apptieacio s letiras. Nada mais Ihe di-
go. V. com o o Para outras provincias.
Pois bem ; como sei que muita gente ignora
mal o resultado desse project.) de ?. S. peco- he
lieenea para aproveitar-me da opportunidade c ram ? \
declarar quenunca recebi, nao recebo e nem
pretendo, ja h'ije, receber auxilio de qualidade al-
f nma da provincia, ou por outra, de sua assem-
M;a legislativa.
\\ >>lhe as tnios, meu amigo, o repito: cont
i o awa-comeio ; assimconw nao licaria im-
pune aqaeUe que ne Msm na face, nao ticar es-
meaMo acuelle que um diaestendeu para mim a
sai mi de amigo, cheia de flores que fructidea-
ria'ii, se as a&o mafcissem debicando-as famintos
bandos do corvos negros.
Oampra-ne tambem agradecer-lhe as palavras
que proferto em favor da licenca que prelendi ob-
ter da assembla legislativa provincial, duas ra-
es levada discuss;uo duas vezes fulmidade
ano. tan
m raras os
inind i eri
iiqilild
inaravilln:
Vi Jos pof
sen aemolhanto violeolamen.e, sem ser em defeza
de sua propria; e tanto o aawcllo que mala
trajado de beca, como o trapilha a 4alco.
tiuantoa nos os juies de Calas, (metalle monos
e melade tigres) foram uus verdadeiros assassi-
f!
estructura diversa do mansos, virtuosos
les Deus.; e nem os espirites de ans e de ou-
tros sao Je natureza essenctaliueale diucreote.
A um nico molde da alta invencio do Creador
moldou-se escolhida materia, e formeu-se um so
horaem ; d'este homeni urna mullier ; e de arabos
a h nauulade toda inteira a aao-se* assim,
como indubitavelmenit! seguir-se-hia o grande
absurdode em si, ainda no seio materno, eaeer-
rarein as criancjisunas o outras naoa part-
cula germinativa dos grandes delietos.
Realmente o eorpo- de Caim era -tSo solurel
quanle o de Abel, a mlureza esseucwl de seu
espirito tao immortal como o de Abel. A nica
differenca esla : que dos dous, que coaheciam o
caminho de bem o dv mal, o primeiro arralado
pcl.n paixoes mais violentasa ambicio o a ira,
peccou ; em quanto que o segundo, placido e te-
niente a seu Creador, :-uperou, porque em voz de
escravo d ellas manleve-se sempre em Ma razio e
em seu amor. Eram, emllu, t|uaotidadas .homog-
neas, mas quo separaram-se; porque urna parte
estivera seirjpre firme pala lei do equilibrio moral;
ao tempo que a outra r dir por sobre um grande
plano iuclinado at o abysmo.
Por onde ja se deprelende que, reformando-ae
a sociedado no sentido de tornar-so mais lata e
profunda a educaco, o consegunteinenie de coni-
bater-se as paixoes auimaes, aociaes o iutellec-
tuaes, isto a clera, a preguica, a embriaguiu, a
aniB^io. a avareza, o orgulho, a inveja, o fana-
tismo, e mais que tudo a miseria, como eausa de
quasi tudo, d minuirscha consideravelmeate o
numero dos delinquemos. E' islo o que confir-
mara as est;itistic,as. No curso de 10 annos, desde
18-12 a 18\1, foram julgados tos iribunaes de Pa-
rs 11,367 individuos por crimes occasionados
pela preguifa. Era um so anuo, era 1838, foram
cundemnados 238 criminosos, cu jos crimes foram
o resultado da clera, do odio eda vinganca. Con-
sequencia lgica :onde qur que exista de p
um patbulourna escola em seu lugar, om cujo
zimborio estejaurna cruz I
Ora, nao dependeudo as boas ou mas acodes,
nem da nossa forma, nem do nosso sanguet nem
de nossa medalla, mas sim do abuso ou nao de
nossas faculdades, isto das aberracoes ou nao
da vonlido o da liberdade, como dar-se impossi-
bilidade absoluta da mais pleua conversio, se i a
rpida ou lentamente operada em a natureza do
culpado ?
I?, a dependerem as ms aecoe3 e ns crimes nao
do erro, do desvario do peiisaueuto, do abuso da
vou'a! e da liberdade, mas sim da natureza or-
gnica dos que os commetlem, onde o fundamento
d'este grande preceitocastigar aos que errara ?
Onde o principio da responsablidade moral e a
base para imposico das penalidades ainda as me-
nores ?
Em verdade, se castigar os que errara, um
grande preceito, cujo lira o arrependimonto, e
exemplo tirado do uraprio paciente, mis vico e
convertido, como substilui-lo por um outro tao
execrando quanto humoral malar os que or-
Mta c_
pnque da-fe ara
ornen Feativ poma tra ixilsados? E' p riavel, lauitas vezes pola ejxar
so exfe o bem (fU'j variavel
poroue existem nsitos hens i para iienaanecer
no ponto en i|ue a Piovideneia. lenha pcjidestina- ( o misero Lesurque !
do uue eHep'Hi-
Alm (listo, a historia da tremenda revoluc"
j^ranceza frtil em factos que deixam que se
tiautp pena
a,aanto
:ingue Humano espadanava das cabeeas de-
cepadas, tanto mais crimin<)sos encontravam os
Iribunaes de salpacao publici, para rcmette-los
aos carrascos, ja caneados de matar t E tanto
m ,jr|^rque Caiiarmanaajai M-eiiie,-
ofque davanlo ser o primeiro sentiutent
como- "arias
o do,
/li-
mis va-se
a jnstica dos homens, eafi|fan4yai aftas eanapns
nizo temor de Deus. ellas nunca oBvedH
tium iapietiUVim >r Itommi.
Omro taalo podemos amanar eooi relaclo a
gertaraj Ne*, axecutado em fllS! Mas cuja i o-,
nacencia m ascoahocida e gravada na historia
pouco depais 4e sua morte!'
Outro upaasseveramos a reepeho le Lesurqqe
) misero Lesurque ) levado ao'| adafalso em
1796 pelo tribunal de Paria, w.m jbs sedalos
de puni^ao, o condemoarara barbar tinonte pelo
faci de ter elle morto a um dos correios de La >,
qae,ai*(4 Italia si.U -anUiaa *. -Vw* de Mise; com
quem era physicamente inuito parecido o inno-
cente supplicadol
Se Luiz XVI tivosse abolido a pena de morto,
sua cabeca nio teria rolado do calafalso. Os
Ao que accrescc, que a onsciencia nunca des-
ampara o homem, por maior que ?eja o circulo de
paixoes quo o acummettam e o enlevem ; ella na
lucia, lano de effeilos internos como externos, pai-
ra em suas impalpave;s azaa actuando sempre
sobre o espirito, do qual se approxima.ora mais,
ora menos, a gritar sempre. ao ouvido at o ins-
tante em que ou baixa da Providencia urna graca,
ou, vencedora, extingue a paixio e alcanca o ar-
rependimento. E' d'ahi que procede a sentenca
memoravel d'um 9abio morahsU : O castigo
coineca no coracao do homem desde o momento
em quo elle tcm coramctlido o eriine.
Domis : o que de divino teria a religiao da
cruz, si, ou pela graca ou pelo sacrificio nao fosse
ella capaz de encarnar o arrependimento mais pro-
morte pela palavra do Dr. 8. Drummond (- auto-
risada em relaeSo a mim, que nio sou conserva- fundo.'dc converter o"irapo,"de"piirifica- as almas
* como S. S nem liberal como os membros da de um m miento para outro ? Un s lance do
a-emlilai a 'uem em tempo conveniente agra-
decer.)" a gueiTa que em tudo me declarou o sus-
tenta, visto como a parle modestia, nao.devo.
nao posso teme-la m>m physico, nem intelleetu.il.
nem moralmente lallando."
J v; por aqui, o meu amigo, com que calma e
lesassombro eu Ihe fabo de um modo, que pode,
no ontauto, de*encadear urna tempeslade por ci-
ma de mim ; mas que eu nao temo essas tem-
pestades, rio-me mesmo dellas, porque os ralos
que trazera ellas sao de lama, rajos que nio quei-
nain, nem l'erem, nem matara, raioviue apenas
salpicara a botina, qMando l chegam.
Devo dizer-lhe, que alm de V. S. tenho ainda
na assembla provincial dous ou tres deputados,
3ue para mim nunca o foram, pois, os distingo
mais pelos seas caracteres; sao camaradas velhos,
qae jamis me voltaram as cosas. Nao declino os
seus nomes, o que faria se.neccssario fosse, por
entender que mais que tima* palavra minlia, Ihes
dir a consciencia.
Adeus, meu amigo, aqui tico de atalaja na soli-
iia do meu retiro, sempre prompto para tudo,
sempre sondando e anteve.vlo es explehdores de
melhores dias.
Jbboo As 1809.
Victoriano Pa! < Ve*.
ajne a pena de norte ?!....
Para, no mel de mu povo <-
< bolleo, alada ser eooservada
e um p ojelo de reformas
indiciarlas !
I
Da perseverapca as ideas e que tem resultado
i progressa moral das nacoes. Perseverar 6 cami-
nhar imperceptivelmente, mas sempre cami-
nhar maito para o alcance de um grande trium-
pho. Houve lempo em que, por oxemplo, o
era tao universal, quanto ineompreheosivel quai-
Sier idea que se apresentasse contra semelhante
reilo. Hoje em dia inteiramente o contrario :
a idea de ser o homeio rednzido ama cousa
inerte, a um quadrupode de carga, e assimpro-
priedade de um absoluto senhorio, de urna es-
tranheza que toca ao horror. Mas tudo isto devido
a ,-ue t A perseveranca e tenacMade dos bomens
pensadores, dos grandes pbylosophos, dos Las Ca-
sas, desses teimosos utopistas, como os teem cha-
mado os espirites positivos.
Pois bem : outro tanto ha d- succeder com a
pena de morte. A inviutabilidade da vida humana
hade um dia ser universamente considerada, ape-
lar de todos os tyrannos, egostas o ignavos, um
los mas sagrados direitos do hornera ; e em de
(esa do qual nao havera um homem que dcixe
de constituir-se um soldado irresistivel. Alm de
<|ue cerlo, qne partindo o mal do erro o do nec-
eado dos hom ens, nao pode perpetuarse como a
verdade, a justica o o bem, que provm de Deus.
Debalxo, pois, d'este ponto de vista que nos,
no momento que trata o governo (nao importa o
partido por onde actualmente elle se affigura) de
re trinar a judicatura do p.iiz, oosarmos manifes-
lar-lhe todo nosso peinainento, e eom a maior
mais verdadei'o arrependimento (disse Lamen-
nais) apaga o peccado <:. purifica o homem. Un
seul mouvement da rrai rtpentir effce le pich
et purifkie thamme. E' esta verdade, sem dtivi-
da, a uns clara inJuccao das memora veis pala-
vras proferidas polo Sonhor do alto do Calvario.
u Ainda hoje estars comigo no Paraizo.
Hodie mecum eris in Paradiso.
Ab I eis ahi a graca do Verbo toda inteira,
pousada sobre o coracao do genero humano I Eis
ahi o raio despedido contra todas os carrascos da
justica fallivel f... E' por isto que dizemo.s, que
nao pode por nenhuiu principio, por nenhum di-
reilo, nunca, a ju>lica humana arrancar, com
garras de Cera, urna cabeca humana e aiira-la no
iofinito, sob o pretexto vio de que jaiuais por ella
entrar n'alma o principio do arrependimento I
Entro cada um no con de Jess Christo, e ahi
ento falle. Stt unusquisqut in Christi corpore
et loqaitur hic.
Nao matars. Fis aqui ainda o divino decreto da
inviolabilidade da vida humana f antigo cm ver-
dade, mas apenas escripto e.n duas taboas, a tor
nar-se em um grande dia do luzlei nova ; a ser
gravada, como foi, pelo dedo do Sennor, ktra a le-
tra, no coracao do homem, e consegumlemenlc
inalteravel em todos os lempos Porque pregan-
do Jess a reforma e fallaudo a todas as garaces,
oaoquiz submetter aojulgamento da fragilidad.'
humana, quae-quer que lossem as condicoes so
ciaes, aquillo que por s Eterno Pai e-Uva jul-
g idoinviolavel e sagrado ; nao quiz e nempodia
uerer, que a vida humarainviolavel e sagrada
o ponto de ser licito, o matar em propria defoza,
deixas-e-o de ser por urna lei humana, ou qae uns
podeasc n matar e outros nao.
Ora, se licito ao homem matar a outrem quo
Ihe queira tirar a existencia, ou se a defeza da
vida um direito natural, este direito prevalece
at no condemnado morte contra lodos os car-
rascos de sua existencia. E, prevalecendo assim
este direito, o que resta alm da torca bruta, que i
justifique urna sentenca de morte ?
Alm desto sagrado decreto nao mataras,
quiz o Divino Reformador exempficar, quando,
no acto de Pedro ter desembainhado a espada e
ferido a um dos que vierara prender o Mesure.
E.te diaee-lhe : Contera-ie, Pedro : quera cam
ferro fere, eom ferro ser ierido. i E quera ou-
sari afflrmar, que Jess Cbristo se retorisse se-
ment ao* feriraentos simples e nao a aquelles
cwc causassem sbitamente a morte t E quem
cuotestar, comparando bem os dous preceito?
que o primeiro tao conciso. lato e imperioso,
quaalo o segundo, o que este a comirmacao d'a-
queiroufronao matars T
Domis: se o man.limBto--aao fuars
sem que duvda haia, debaixo do ponto de vista
dosprineipios, do direito e da exlensiblidade da
aegio, o exequival quanto uo matars; m
a justica dos bomens por nenhum direito pode
dizernao fuars, mas eu posso furtar: at por
que seria horrivl pela natureza da accio ; como
peder, pois, ella dizer : jo mataras, mas eu
posso matar, sem que seja igualmente oorrivel
pilo acto em si e natureza o-direito 7
0 certa que ainda hoje dizem una :A jus-
tica pode matar somonte a justica. Acodan
franqueza possivel, acerca da pena de morte. I outros. opa lerc de Deus j conattuea maio?
ao. diremos desde ja, que a respeeto d esta ra : nia Niagnem ab#olutamonte^iem os borneas
ao3 homens podara matar.
pena apraz-nos estar constantemente era viva op-
posirao lodos ipiantes a proeuram sustentar :
porque fazendo-o eles, aercam-se sempre do pa-
ralogismo, arma esta favorita da torca material e
da prepotencia contra as verdades eternas, e por
islo asss fraea.
E', portanto, em eontraposiio aos ferrenhos ad-
versarlas da inviolabilidade da vida humana, qne
oes, Armados na palavra do Deas, e no pouco que
temos eomprehendido, desse vulto laminoso a quem
as naefies consnKam e o secnlo per Untas vezes
(em contemplado.Vctor Hugosem sossobro,
sustentamos a segutote these : Jasas Christo,
ao expirar em ama ruz, derribon para ura lado
o eadafalso, e para oairoa columna do aconte ;
para qne em temjw nenham fosse am s homem
isersvo e outro, costra cafteca Innocente erthi*e
vienma da jstics banana, que moitas vezes a
le Heredes e mato I
Eaj verdait, teda tyratima ehann-se Ifgffioj:
nem a justica Tos homens pjdan matar- uito
bem 1 E' a civjlisaca, fnicto da nova lei, que
marcha pouco e pouco, abrindo brecha no erro
do vellho passado.
Encretanm, aquelles quo combatem contra i
inviolabilidade da vida humana, ateimao em dizer
que a pona da morte i dispensa vel porque
exemplar, isto porque mete meflo e horror.
Que I For ventura pode prodnzif algurn bem
aquillo qae, sendo inwiramente opposto a reflgio,
e ao mais sagrado direito do honrem, por1 Jsa
natureza horrivl ? Coma ejaseparaf do um
bwnem vivo a cabeca do corpo ; pendura-lo pbr
meio de urna corda, at qut expire com nm pa
mo ile lingua pendente ; amarra-lo um post i
espingardea-lo na ineertesa ou de morrer logo, oa
de lovanur-se mutilado para cabir de novo blas-
Dbemaado, ao som da novas, tiros ? Poder al-
irniii dia servir de exeraplo o que apenas em am
mnaveato occasjona horror, matar as piucas publicas, mais se corra para
a morte, cora se ara .delirio, lendy enhoudo a
sensibilidad daquelle pnvo, encarpasso-lhe n'al-
ma o instinclo da ferocidadc, o desapego a vida, e
odsrespei) amorte r
Que inedo, por ventura, tcm causado a pena de
morte desde o anno 3;i6 ames de Jess Christo.
at hoje :' Neiili'n absolutamente. O assassino
de Felippe, re de Maeedonia, nao servio de eaem-
plo ao do Anliocli i Titeos, re da Siria ; o desle
ai) de Cno Pompeo ; o de Cno Pompeo ao de
Caio J. Cesar : o de Calo ao de Caligula sar ).
Nos tempes modernos o mesmo se teui visto.
Os assassinos de I'.uiz Felippe, de Luz Naiioleio,
e de Linco.il sao anda hons exemplo*. Realmen-
te os Tieschis, os Alands, os Meunieurs, os
Darraes, os Lecontes e Heoriques, nunca tiveram
inedo do cadafalso 1 Todos iuvestiram, uns aps
outros, contra a vida do rei.
Porque antes das forraidaveis bombas de Orsi-
ne uiodcleve a carnificina do eadafalso as armas
regicidas contra a vida do dspoto Napoleao III I
E somonte cos.viram as tentativas, depois que elle,
temeudo ser victima certa de novas tentativas, re-,
solveu libertar a Italia, ou grande parte della, do
despotismo que a opprimia, sob sua poderosa in-
fluencia ?
E debaixo do ponto de vista do direito, ainda
diremos: quo a pena de morte ura instrumento
de dous aliados gumes, do qual servir se-ho
sempre os partidos, as Pircas adversas, as paixoes
de todo genero, os erros e' machinacoes, em no*
me da justica, tendo por meio a razio. Pelo que,
em quanto ella for um direito da justica humana,
dupla ser a turca e accao do cadafalso, maior
por tanto a quantidade de sangne derramado por
maos dealgozes; e isto devido ao effcito das reac-
coos-la razio de uns contra a razio de outros,
da justica coaira a justica, da torca, emfun, contra
a (orea.
Se nao foro a juslica e o direito de Caligula,
nio teriam sido victimas dos carrascos os Solanos,
os Macrons, os (emolios e Untos outros cidados
romanas, at que por sua vez iriumphasse o di-
reito do tribuno Ciuraas. Se nao tora a jastica
e i direito do Jurez era lucu com o direito e Jus-
tina de Maximiliano, muito menor sem duvida
teria sido a quantidade de sangue humano derra-
mado no Mxico, inormonte fra do campo da
batallia, inclusive o da propia > invasor. No M-
xico cada qual uiatava i sua phantasia ns pnsio-
neiros de guerra, a sangue fri, e sempre em
nonie do direito o da justica Justica de duas
faces, que anda sempre ao lado da torca e do mais
forte I I
Ha dous factos, entretanto, a respeito da natu-
reza e dos eeitos da pena de morte, inio nao
podemos deixar de aqui mencionar. Chalie, ho-
mem tao desiiiteressado quanto fantico, um dos
mais exaltados revolucionarios do 1789, depois
de ter el I j proprio arrolado 300 canecas huma-
nas, a serem todas debitadas era urna guilholi-
na. que para tao brbaro fim fez conduzir de
Pars Lyao, onde ora presidente do club revo-
lucionario___
(E o mais que tudo fazia firmado no direito e
na justica, porque vencedor entao considerava
crimininosos os vencidos a os sonlenciava logo a
morte)! Esse homem, qne om um bello dia,
cheio de si e de tumma gloria, pegara om urna
iraagem do Crucificad, a alirara por trra,, e a
quebrara cora o saKo de seus sapa'.os, prorom-
pendo antes pelo seguinte modo : i J dei cabo
dos immigas da liberdade ; passo agora a dar u
ao algoz da razSo e da consciencia I > depois de
taes crimes ter commettido, por seu turno ven-
cido, em 29 de maio de 1793, preso e condeinnado
a morte I
O que succedeu, entreunto ? Que pouco de-
pois de ter sido recluso o incoramunicavelnao
era mais o celerado de que cima tratamos I
Mas simum apezarado, que de joelhos aos ps
de uincrucifixo viva a chorar dia e noite, profun-
damente eontricto, a snpplicar a misericordia de
Deus,* aos homensperdi, peloquj nafta com-
mettido f! (O fanatismo ama especie de lou-
cura).
Com tndo, a justicrdaquella epocha arrastou-
o log!> ao patbulo; eChalie como mesmo cru-
cifixo collado ao coracao, sempre a chorar, e
com elle o sacerdote, ssim marehou, em hora
aprasada, para morrer Seria anda o mesmo
malvado d'entao'? Nio mais. Era urna victima, cuja
cabeca regenerada pelo arrependimento a pela fe
fora despenhada na eterniJade, pela mao de um
assassino especial o carrasco I
A execncao foi terrivel I Entao a natureza pa-
reca tremer diante de semelhanto especuculo I
A guilhotina emporrou : e o proprios carras-
cos mostrarara ter um dia medo 1 Porque cinco
vezes descarregaram o fatal' golpe, sem que ro-1
lasse a cabeca do condemnado I N'esse vai vera
de armar e desarmar 3 machina faulsnppli-
cava o paciente aos carrascos o fim da execucio :
e estes, cobertos de ignominia, bandados de suru.
apezar de terem ao lado a comparsa, ( que era a
p.stica) somente na sexta tentativa poderain ma-
tar o homem, mas nio separar-lhe a cabe?a, que
Ooon pendente !....
Mathilde Gromer, rapi.riga de 16" annos de ida-
de, e da mais fina educacao, matou ( na Suissa )
Frederico, moco anas distincto, com quem, havia
pouco tompo, se tinha casado por cumulo de
amor ; e matou-o a noite, de sorpreza, dando-lhe
urna fore punhalada bem sobre o coracao. E o fez
para beber-lhc o sangue ainda quen'e, como be-
beu, recebendo-o em um copo de crystal, a medi-
da que pela ferida Ihe sahia em e-padanas ?
Presa incontinente, e le/adi dtftrra dos iribu-
naes, declarou : que sea fim tora identificar com
o sea o sangue do marido, .que arabos assim
juntos subissem ao Co, onde seriam mais felizes
do quo o eram na trra, ondo sena possivel un
da, algnm soaho deffdeslealdade da parte delle;
sendo certo o para noUr-se quo nenhum outro
motivo descobrio a rigorosa justica, alm do alle-
gado pela homicida I Era por Unto urna lenca ;
o por cuja vida intereederam, em urna especie do
a-sociacao, todas as pessoa* de seu sexo, as mais
distinctas da tocalidadeZuric.
Nao obstante a juslica humana a condemnou a
morto I Ela n .ella methodicaraente enfbrcada,
aos applausos dos carrascos!
Portanto, aquiurna loiica condemnada a mor-
te o cxeculada, provavelmente para servir de
exemplo a oulras loucas como ella, oa ealouque-
cer as que o naa oram?I All unde^gracado,
profundamente arrependido; mas que em vez de
vivo exeinpHocar pela grandeza do arrependimento,
servindo Je pasto guilhotina... nao pelo sacrilegio
e sauguo que havia derramado, foi convertido em
espectro de zer medo a creancaa, que erara os
adversarios politieps!...
Mas, entre tudo isso, o qne a pana do morte
aenao o resultado da lei togaa, da ni de talio,
sustentada por Mahraeldenlo por deute, orno por
olho, braca) por araco?, Loi, p(!rtaoti>, combatida
pela reforma como o fojamato/tura, o ferro era
braza, a venda do horaem aq homem ? Lei, a
cujo respeito diremos o' mesmo qae disse Mnntes-
qui com reJac3o a lei do Condeband e de Hen
nao interceptam o mal, por isto
Ues impedimentos, for victima de um dos ye
sos, quo por doras inteiras o tem prosudo sem falla,
quem ser o responsavel palos males que plWem
resultar-lhe na vida elega por fallecer em coucu-
blnato? A que interesaos devo o nosso virtuoso
prelaso dar preferenci.i? Aos d slvaijo' da
alma de uas ovelhas, oa aos mundanos dos HMios
o genro do Sr. Alfonso ?
Se se reali&ato qujyynjjescj
bem jdMadeV^eceai'~aio <*>.'t;
Acontecimea&serio e tristeiniprestaae ate in
fcacaiemdRos animo issumpto par dar pasto a imprensa, e a com-
Bientarios mais ou menos exageradosque em vez
se bem s males produaeinT
Ainda esto bem recentes as aerntoaias e viru-
lencia de likoagcm lio iujustamean emprefalos
na quesuo ios jesutas e do entermnento do te-
neral Abreu a Limar
Invocamos, portento, com todo d-ffispeito c aca-
Umento a attencao do S. Exc. Rvm. para assump-
to Uo nioraaoloso e importante, qomo diz res-
glWaVtMFrancisco Alfonso de Mello S. Exc.
frvnv pofleTtor um modo suinmario abuzar os
elreilos da eliieana, a qual nem sempre podem
prevenir os juizos, anda mesmo rectos, como o
Dr. vigario geral.
O catholteo.
-
-
10, carga 3,400 barricas com bacalho : a Mills
Latham.4 C.
Rio de Janeiro-18 dias. patacho norte-aMemio
Shenan, de" 315 toneladas, rapiiio u H. Saeteen,
eqmpagem 10, Om'astro ; a K;ibe Schmelteau
j4C.
Ro de Janeiro22 das, brigue norle-atlem) Au-
unojueem si encerrara o germei do mal, e
la nm corrigem. B" por meia delles que
mesrao
aiad.i
se aviva no> animo"d i cnmiiwo a idea do*criiiie,
e u induz a acauelax-se ainda raaki na premi-
dllac, mediante novos crimes.
Anda quando a sociedade nao tivesse meios
para mais ou menos severamente punir os cri-
minosos o livra-los do contacto da sociedade o
que seriamente contestemos), nao snr violando
a vida dos delinquentes, vida que nao de nin-
guem, mas de Deus, concedida a hunianidadc in-
teira, com direitos inprescriptiveis, que ella se po-
der salvar.
A recluto com trabalho, con* penalidade,
um grande meio efficaz do qual devo iitilisar-se a
sociedade contra os grandes culpados. Estando
em lugar seguro o criminoso de morte, o par-
recida, o ronbador, mas sempre sob a egide
de urna religiao, cujo niagnifico fim conver-
ter, e enjos meios sao o esforco moral a cari-
dado, o conseldo e o amor muitos bens colderia
a mesma religiSo, e por ella a sociedade, do seio
das prtsocs.
E ai da sociedade, cujas penalidades deixcm de
ter por fim o arrependim :nto, a conVerso e o
effeito moral nos culpados! E ai do novo, que
no dia de sua liberdade pressuroso nao corra a
laucar per trra o cadafalso, e a morto !
Pensar o contrario disto um grande erro per-
nicioso, (irreligiao, phanatismo; emfim a
paixio mais ou menos desfigurad!!,'%om o rebuco
de urna justica que nio a de Deus, mas sempre
presumida de sabiaa encher de sangue humano,
venido de caberas decepadas-, um^iarathro sem
fundo.
Dr. Carolina Francisco de Lima Santos.
Ao nosso digno hispo dio-
cesano
. origine les
mojurs. i
A primeira dea qua acodo ao Iwmein no esudb
de barbaria descartaf-se do ilmigo oa dj> ad-,
ersario, arrancando-lhe a vida e bebendo-He o
sangue arada queote, com fazem os
phagos.
E seraasu
ainda, nesfe lee!
contra a inviolabihdiide da
que se julga licito, ntil, e in
quem mata?
Em verdade temos
E i eneanmot hoje,
l/i
qn
humana, n*de ram,
HKl matara
os norro r a pena de morte I
, nwuztxsns^a do se-
0 Sr. Francisco Alfonso de Mello, morador na
freguezia do Barreiro?, onde possue dous ou tre<
engenhos, vivendo em concubinato ha seis annos
com urna senhora, que elle considera digna de si,
e reconhecendo que com osso estado dava escn-
dalo a sociedade, e arriscava alm disso a salva-
ci de sua alma, mormento sendo elle septuage-
nario e doente de afleecao no coracao, resolveu
sanar semeldanTe falta por meio do casamento.
Neste intuito requereu em outnbro do anno pr-
ximo passado ao Exm. hispo diocesano dispensa
dos proclamas. Mas os eus fillios e genro a quem
pouco interessa a sorte do pai e sogro nesta e na
outra vida, arrasudos nicamente por cega ambi-
cioL pronunciarara-se logo contra tal casamento,
e hio envidado tod' s os meios, at os indecentes,
para senao impossibilil.-lo porque Ihes faltar o di-
reito, ao menos restirda-lo, fiados que o nubenic
pode antes da decisio fallecer de um dos aUques,
que costuma produzir-lhe, j amiudadas, a enfer-
midade do coracao.
De feito, um genro oppz peranto o Dr. vigario
geral dous impedimeqtoso de denuncia e o de
prodigalidaile.
Um exame medico, em que foram peritos os
Drs. Aquino e Portella, declarou o nubentc no uso
perfeilo de sua razio.
A respailo da prodigahdade, requereu-se cura-
dor provisorio,_quando os autos iam ser prepara-
dos para decisio definitiva ; e oio concedendo o
Juiz a no.neacao de Ul curador provisorio, da res-
pectivo sentenca appellon o autor, ajnar de ser
ella interlocutoria ; e sendo a appellacSo recebida
em um s effeito, interpoz aggravo para a relacio!
Assim tem elle procedido para evitar a deci-
sio definitiva e tuar err que nao Citando ain-
da terminada a accao, dev- subsistir o impedi-
mento, *em cogiur entretanto que essa protelaca
era um acto de nalureza tao urgente mostra evi-
dentemente receio da decisio definitiva e conse-
guinteraenle a improcedencia da prodigalidade, a
qual em todo o caso, mesmo provada, nunca foi
impedimento cannico para recebimentos matri
moniaes.
Pouco depois appareceu tereeiro impedimento,
e foi de seduccao !! opposto por urna sanhora se-
xagenaria, (idade susceptivel de seduco amoro-
sa f) sogra de ura dos filhos do nubente, a qual
para provar a promessa de casamento compro-
metteu-se a exhibir cenidio da despensa do pa-
rentesco afim cora a nubente, concedida pelo
nuncio do Rio de Janeiro. Tal certidao nunca foi
aprestada I
Uliimamente quarto e quinto impedimento snr-
giram I e foram opposlos por um lllho, o qual al-
legou falsamente afllnidade illicila por ura modo
que faz vergonha declarar, e alm disso tambem
o defeito de impos, resultente de idade avancada,
sem se lembr r que n medicina nao pode deseo-
brir tal deleito pela idade, e sim por certas lesoes
e deformidades, que nao s- presuraem em quem
vive amafiado por confissao de um dos impedien-
tcs na accao de prodigalidad.
Sabendo que o primeiro marido da nubente,
pois viuva, falleceu do colera morbus, e que nao
existo o respectivo assento de bito, pr?tenderain
arada allegar que elle vivo. E como contra isso
se produzo logo urna jusficici, ovforcam-sc
agota para que ella seja julgada improcedente.
E' ul a edicana e iguobeis os meis empregados I
n essa qaestao, que para tornar-se o j\iiz do3 or-1
pliaos d'esu cidade competente para as accoesde
prodigahdade o demencia, evitar-se o ele Darrci-
ros, onde o reo muito conheeido, forgicou-se
por modo incrivel urna celebre preva de que o reo
morador n'esu cidade, onde, entreunto, raras
vezes appareceu I E como ?
Simulou-se ter elle alujado m quaito n'uma
casa da ra do lionas n. 5: fez-se o pr jprietario
requerer peranto o jaiz municipal pendura exe-
cutiva contra o reo por alugueis vencid >s; pas-
sou-se o competente mandato, escreveu-sa certidio
falsa, desque elle foi intimado ao devedor; decla-
rou-se em seguida oue o inquilino pago i inconti-
nente os ditos alugueis, e de tudo isso e.\tr*hio-se
uina cerdao, que foi junta aos autos t ftroditra-
lidade e demencia l
E o reo so velo a saber de tao vergoslmso tra-
ma, depois que cora pasmo lea essa escaadalosa
ceriidaoll
V-se pois, que ha oito mezes prelet.de o 8r.
Alfonso expargar ura estado que sua coisciencia
reprova, e que a igreja endomna, sem tel-.j ainda
conseguido, apesar de seus ostorcos incessantos.
Sa/w-W que esse cidadSo septaagi>r.uirio, sof-
ire de lesao no corceo o de diversas ihaqaes,
.como os proprios irapedientes tem confessadoen
sua* peligoes. Nesse estado a sua existencia deve
ser muito precaria, corre muito perigo, sondo que
nissoesu a esperanca dos seus anugmiitas, que
sem rebuco o confessam, segando publ co
Cooata que tudo isso j tora levado ao conheci-
raent do nosso digtto biano dtocesauo, o que S
Exc. Rvm. em 23 V Abrif jcidira julgai: cuuve-
lS) Par* "lgU'l> ***** dferitwal0
Parece-nos que o nosso venerando 'pastor inte-
rassaflo em ampliar o seu rebanho nao deve dei-
xar traraalhadas duas oveliai que reclamara com
fervor o sen saluUr aux.lio paca volkrem m
Sob ajujjjtfa de Unpedfnenio mlicm* iusto
motivo para se conceder a despensa dos procU-
m, segundo dizem o caones, bem pode S. Exc.
Rvm. abreviar aiiuello casamento, cuja domora
ft>de ser irreediavel o bem atal aos Sa-
nSn'S9!con?U ^ ai,1a a'S' npadido
por tanto tempo, por raovos tao frivolos cap-
AO PUBLICO
C. Clao & C. esUbelocIdos com pharmacia c
drogara ra da Imperatriz n. 77, vem repre-
sentar ao publico a grande redcelo depreco que
lizeram nos seus medicamentos em relacao aos
demais que se venden, garanlindo se a boa qua-,
lidade e notando-se entro elles os seguintes:
Licor anti-syphitco do Dr. Ricord, 2000 urna
garrafa. Injeccao do mesmo auctor 1000 um
frasco, tnico brasleiro de Salazar, anti-dartroso c
do urna cura prompu e infallivcl para caspas,
empingens, sardas e*.c. etc. a 13000 o frasco, xa-
rope balsmico peitoral brasleiro, urna garrafa
por lOOO, dito peitoral de rabo de tat, j muito
conheeido pelos seus milagres a IfiOOO a garrafa,
xarope peitoral anti-asthmatico de paracary, urna
garrafa por 1J0OO. pilulas anti-asthmaticas da
mesma planta, a aaixa por 13000, onlca pharma
cia em que ha estes medicamentos, xarope de ju-
rubeba simples a 1 000.a garrafa, dito ferrugino-
so a 15500, pilulas de jurubeba simples 15000
urna caix, e ferruginosas 1300, vinho de juru-
beba simples 13000 a garrafa e ferruginoso 15300,
xa ropo peitoral de fedegoso a 1000 a garrafa.
Alem de todos esses perparados, ha ura grande
-linimento de medicamentos productos chimicos,
pharmaceuticos, cujas qualidades j s5o muito
conhecidas dos Ilustrados medicas d'esU cidade
e do publico em geral, assim tambem encontrar-
se-ha inmenso sortimento de drogas em quanti-
dade capaz de aviar para esU cidade e para o cen-
tro ; prevenindo-se aos pintores que adiarlo sem-
pre um complot sortimento de tintes de varias
cores e de todasas qualidades, por precos razoa-
veis; e em porcao far-se-ha ainda abatimento.
EsU pharmacia continua a abrir-se a qualquer
hora da noite, para aviar receiUs.
Rccife, 16 de junho de 1M9.
C. Clao & C.
Protectora das familias
Associacao brasileira de seguro mntao sobre a
vida, approvada por decreto do governo imperial,
do 13 de junho de 1861, e gerida pelo Raneo Ru-
ral e Hypothecario do Rio de Janeiro.
Commissio fiscal.
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva Sobrnho.
Comniendador Jeronymo Jos do Mesquite.
Comraendador Boaventura Goncalves Roque.
Commendador Guilherme Pintode Magalhies.
Estado dfesa associacao em 30 de abril de 1869,
contratos 5,802.
Capitel subscripto rs. 8,716:4705580, aspessoas
que quizerem nscrever-se poderao dirigirse na
ra (lo Livramento n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, encarregado pelo
Banco Rural e Hypothecario do Rio de Janeiro,
para promover assignaturas para a mesma asso-
iacio.
gusto Frederick, de *00
JP9ldlz> J9W&m
C, Snnp-'M 4f,. Se
lyama-i; lioras, .v
101 toneladas, eom
16, eml.'-trq; i cootpnihia: _
y ano tullido uo meim* dia.
m da Prata-Escnna nort! anemia \achel Ame-
lia, capitao I.C. Albers, carganasucar.
capilo Bu-
a D. C 4 C.
ahia.
Parahyba, de
), eqmpagem
ambucana.
EDITAE.
COMMERCIO.
PRA?A DO BECIFE 18 DE JUNHO DE 1869
AS 3 1/2 HORAS DA TABOB
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 D4 d. por
15000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
CASADF7CAMBI0
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras.
s'bjjoi de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los comraerciaes.
Encarregain-se por couta alheia das mes-
las transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos comraerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta crrente, e a prazo tixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca taxa a con-
pencionar.
Recebe dinbeiro em conta corrente e a
praro flxo.
^aca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinbo n. 7
ALFANDEGA.
Hendimemo "do dia 1 a 17. 678:284*4.19
dem do dia 18 ... s. 40:656*388
O ir. Jos Eustaquio FerreiraJacobina,supplense
do juizo de orpbios e ausentes nesta cidade do
Recife e seu termo, por Sua Magestede Impe-
rial e Constitucional que Deus guarde, etc. etc.
Paco sabir aos que o presente edital virem qne
pelo juizo de orphaos e ausentes do termo e ci-
dade de Vianna, da provincia do Maranbio me foi
deprecado lizesse constar n'esla provincia ter fal-
lecido n'aquelle lugar Thoraac de Aqnino dos Res
natural desta cidade do Recife, in testado e sem
herdeiros presentes, aflm de serem citados os que
tivessem direito a heranca, que se arrecadava
n'aquelle juizo para reclmala devidamentc har-
bilitedos, cuja precatoria sendo por mim eomprida
o otcffTtfc'atftein fdi denr^uidajiassou o pre-
sente edital e por meio d ello sao c|ados os lit-r-
aeiros, successores, interessados e todos os que
verem direito a heran?* Thoftiaz de Aquino
dos Reis para que venham habiliter-se, e recla-
mar a mesma heranca no prazo de 30 dias que
serio contados do da da aftxacao, e aquelles qne-'
os conhecerem Ihes daro noticia do prseme edi-
tal, que ser publicado 3 vezes pela imprensa e
mais afixado nt lugar do costiime.
Dada e passada n'cste cidade do Recife de Per-
nambuco. sob o signal desle juizo e sello do tribu-
nal da relacao nesta cidade do Recife em 3 de
junho de 1869.
Eu Galdino Temistocles Cabral de Vasconcellos
eserivaoo sobscrevi.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
DECLARACOES.

COMPANHIA
DO
BEBERIBE

No dia 3 do correle pelas 12 horas do
dia ter lugar no escriptorio da companhi
ra do Cabug n. 16, a arrematado dos
ctiafarizes e bicas por bairros, nao se ad-
miltindo propostas que compreliendam mai
de um bairro, nem por espato maior de um
anno, os senhores licitantes comparecam
com seus fiadores ou declararlo dos mes-
mos no mencionado dia, devendo ser a
propostas em carta fechada apresentada na
mesma occasfao, ou antes no escriptorio.
onde melhor se devero esclarecer e infor-
rnar-se das con mia?5o, e declara-se que fica a venda Pagua
para o mar exclusivamente feita no bairro
do Recife.
Bases sobre as quaes se deve lanrar:
Bairro do Recife.
Chafariz c bica do caes da al-
faudega............... 5:6000000
Dito da na da Cruz....... 3:200* >00
Dito da ra do Brum...... ^OOOiSOOil
Dito e bica do Forte do Mal-
los................... 5:2004000
20:060,KK)0
Bairro de Santo Antonio.
Miafariz do largo do Carmo.
Dito do largo do Paraso___
Dito da praga de Pedro II...
Dito da ra do Sol........
Dito da ra da Concordia..
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do caes do Ca-
pibaribe...........------
Diio da ra da Aurora......
Dito da cidade nova de Santo
Amaro............r'*
Dito do lugar do Campo-Yer-
de............a.......
Dito do largo da Soledade.. -
Dito da caixa d'agoa dos Pi-
res ...................
Dito da pra^a da Boa-Vista..
Dito da ra de S. Goncak...
718:940*827
MOVLMEJTO DA ALF.ODEGA
Volnmes entrados
dem idem
com fazendas
com gneros
Volumes sabidos cora fazendas
dem idem com gneros
M
$4
242
300
i3o
543
Descarregan hoje 19 de junho
Barca ingleza Wct of the TgiacrmeDadorjas.
Patacho norto-allemeHarieidem.
Patacho norte^kiraaiWtjaj Carialem. 1
Barca inglezaJane Mara fahnha de trigo.
Barca portugueza AUxamdrt Urcuiao meT-
cadorias.
Brigue noruegnenso=AV/carvo. '
Brigue nacionalAme< Barca mgleza=CoJma=rarmba de triao.
K1CEBD0HIA DE RE.HOA8 INTERNAS GK-
RAES DE PERNAMBUCO.
Randimeato do dia I a 17. 36:742/406
idem 0 dia 18 4:450*4
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da Bibeira.
Dito da ra do Terco.......
Dito de defronte da Cabanga.
Dito da ra Imperial.......
Dito do largo de Nossa Se-
nhora da Paz de Afogados
Passagem-da-Magdalena.
Chafariz do largo do Viveiro.
Dito da entre duas pontes.
7:OOOf3000
5:6O0#00O
3:100^000
2:3000i KJ
3:8004000
22:000;3000
3:00000
1:200^000
2:2004000
SOOjJOOO
1:7254000
i:875000
3:0006000
1:2006000
20:0006000
11:3006000
3:0006000
2:0006000
3:0006000
2:5006000
24:0006000
1506000
2406000

U906O0O
Capunga.
Chafariz da ra das Pernatn-
bucanas......*........
1206000
120,4000
CONSULADO ROVNCIAL
endimentododul a 17. 89:1174070
idem do dia 18....... 9:439*040
Total... 80:5100000
98:656*110
crasos.
em parfe pofcm ser prejtilcaiJbs
ment?
* Se 0or altura o gr. Alfonso, totee de deiididot
felana-
lionia-
e oriua-
tnjeressfls
ora fJ casa-
MOVIMENTO DO PORTO.
Escriptorio da Companhia do B^beribe,
17 de junho de 1869.
0 secretario,
Dr. Prxedes Gomes de Souzu Pitonga
De ordem do Illin. Sr. tenente-coronel pre-
sidente do eoneelho de qnaliflcaeo da fregnezia
de Santo Antonio do Recife, sao chamados as
guardas nacwoaes do primeiro batalhao de infan-
taria que roguereram passagem para a reaerva a
coraparecerom, sabbad 19 do corrente ao melo-
da, aflm do serem Inspeccionados na furnia da
lei.
Sala *o conselho, 6 de junho de 1868.
Ignacio Nery Ferreira da S. Lopes
Alferes secretario.
S*at% Cm de tUserketnlimm

A'atia entrados no dia 18.
Rio Grande do Sai36 dias, patacho brasileira
Arroto Grande, de SOS toneladas, capitao Ma-
nuel Pedro Garrido, eqjpagem it carga 70,6 iden ^eiSro Mam
arroI^da.oarne.;aRaaae>e dem o7ao71em.
Balna-:" oias^ brigue braailetro Mensageiro, de
824 toneladas, capitao Augusto Simos, equir.
pagam II, carga i3fi00 arrobas de caree a
Araorim Irmao.
Terra Nova36 dias, brigue ingina RtpJator, de
06 toneladas, capitao F. Simkino, equipagem
A I Um. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer puMleo, qc
precisa contratar o fornecimento dos medicamen-
Absimho, libra.
Acido actico, idem.
id eittjoo pura, Mem.
Ida* Marn tit, ideo.

HKfc*>** *

.dem sulfrico, tdem.
IdomlartaricHiiaem.
' Ac ptaairaa, opea. >> i
AcooHcHbaa.
.^Agua de Colonia, duzix
Dita de flor de Iarangera9, idm.
?
nrfc i

V


f


I
Jl
^r


DltWi ^JjWWP^^/T-oftW0--19-tf.ilM#l <**> \Mii
------__.---
$

atwrj
i
Kn
Dita ile rusas, dem.
tttWMsrob
Dita iaplfjo ile Ui|>oa, ideui
, Aleool 11
MiTriin. i
AHazema, idem.
Algalias inglezas de ns. 1 i 11, duiia.
Aloes, onca.
AlvaUde, libra.
Aineixas passadas, idem.
Ammoniaeo liquido, idem.
Arsnico, ata.
Aaaalelida, idera.
tfasucar candi, libra.
Dito de leite ein p, idem.
Avenes, idem.
9n% de zimbro, idem. -
Balsamo, decapahilta, |>nea.
Dito de For.ivMi4i, idow.
Dito de Told, idem.
Dito Peruviano, idem.
Diti tranquillo, libra.
Usnha do noreo. idem.
tobante lino. idem.
Dejiiiin de Li-boa, idem.
Helia l'ina, dem.
Qpizina, enea.
Bicarbonato de sofla, libra.
BnrrarlKM surtidas com pipe5, idem.
Woloes de rusas minas, i.lem.
Bromtrelo de peana, om;*.
Calera de papoulas, libra.
Chinea, idem.
Caixac para plalas, grosa.
Gal vigem. lilira.
Calomelano inglez, onea.
Clices de vidro graduados, n. 2.
Canph>ra, Lina.
Cant:i i i Jas em p, idem.
Capsula de cupabiba, caixa.
CtfbotlSto de mJfcnfXia, libra.
Dito de potassa, idem.
Dito de soda idem.
Caroba, idem.
Centaura menor, idem.
Cera amarelh, idem.
Dita branca om^ruramo, idem.
'Ccvada, dem.
(li'vadinlia. idem.
Chicoria, idem. '
Clorato de potassa idem.
Cloroformio, idera.
Colla Je Flan Ir-, Mein.
Confeitos lclalo do ferro, duzia de videos.
Crmor tarlaro em p, libra.
Cubebas em p, idem.
Digitalis, idem.
Dulcamara, dem.
Emplastro do cicuta, tipnrf.
Diii de aquillao goiumado, idem.
Dito coinnuun, idem.
Esptulas de aro sortidas, urna.
Essencia de aniz, onca.
Dita de canella, idem.
Uita de cnlra. idem.
Dita de llr de laranja, idem.
Dita da horti'laa pimenta, idem.
v)i a de rosas, idem.
Vita de salsauarrilha deSands, vidro.
iita de terrebenlina, garrafa.
Tita de vergatnota, onca.
Brgotioa, dem.
Klber clorydricOj idem.
Dito sulfrico, libra.
Pito ntrico, onca.
Extrato de acorneo idem.
[tilo de alcas-s, idem.
Vito de belladona, idem.
Dito de camomilla. idem.
Ditu de cicuta, idem.
Dito de lavas de calabar, idem.
Dito de fumaria, idem.
Dito de genciana, idem.
Dito de jurubeua, ideui.
Hito de noz-vmica.
Dito de opio gommoso, idem.
Vito de salsaparrilha.idem.
Jito de iridaceo, idem.
Dito de valeriana, idem.
Pmm de Mire, libra.
Flor de rnica, idem.
Dita de borra gens, idem.
Dita de enxofre, idem.
Dita de malvas, idem.
Dita Je pabofaeilQ) idera.
.'ita de tilia, idem.
Pigado de enxofre, idem.
Fumaria, idem.
Puniz de vidro n. 2, um.
r.euciana. libra.
<;i> cerina branca, idem.
i omina de batata, idem.
Dita de dita purgativa, idem.
Dita arbica escomida, idem.
Dita dita em p, idem.
Graes de porcelana n. 1, um.
Dito de vidro n. 1, um.
Herva terrestre, libra.
lydrocblorato de marfim, onca.
Hysofw, libra.
Incens puro, idem.
lude puro, onca.
lodureto potasslo, libra.
Ipcraruanha preta, idem.
Jalapa em p, idem.
Kermes mineral, onca.
Licor de labarraipie, garrafa.
Linhaca em p, libra. v
Dita inteira, idem.
Macolla gallega, idem'. ,
Magnesia calcinada, idem.
Dita de Henry. vidro.
Mann comniuin, libra.
Dito de lagrimas, idem.
Mauteiga de cacao, onca.
Massa caustica, libra.
Mel de abelhas, garrafa.
Mercurio doce, libra.
Mezeriao, idem.
Musanla, Mem.
Mnlisau sgodico, idem.
Nitrato de prala em lapis braneo, onca.
ISilro raro, libra.
Hoz moscada, onca.
(Meo branoo de Ohevrier, vidro de 8/*.
Dito de alfazema, onca.
Dito de amendoa ingles, libra.
I ito debatiput, idem.
Dito da cravo, onca-
Dito de flgados de bacalho, garrafa.
Dito de dito de bacalho ferruginoso, idem de 8/
Dito de linhaca, libra.
Jico de ricino, idem.
Dito vermfugo, frascos.
Parietaria, libra.
Vapel de einbrulbo azul, resma.
Dito de dito braneo, idem.
Hasta de jujuba, libra.
Paslilhas de Belloc, caixa.
Ditas de Remo, vidro.
Ditas de afi, caixa.
Pedra ume, libra.
i'eneira de cabello, urna.
Dita do seda, urna. -
Pi i chlorurelo do ferro, onca.
Fes de borgonha, libra.
I'nosphato de ferro de Leras, vidro. .
Pillas de Allisson's (verdadeirad), caua.
ii

Ditas de Vallet, vidro de 50 pilobs.
Pula:la anega, ll^r
Ibafearindfts. idem
lAniial idem.
PiWaf fte viadn'Mlcrrnda?. dem.
Fs de ltogg, vid r
Potassa caustica, onc
Potes de 1 a 8 oncas, duzia*| >
Precipitado rubro de nereurio, liwra.
Protoiodureto de mercurio, Ka, -
Purgante de Le Roy fnueez, garrafa de 6/.
Quaria, libra.
Qnma em casca, idem
Dita em p.idem.
Itaz de alcasss, idem. ,
Dita de altheia, idem.
Dita de espargo, idem.
Hezina de angico, idem.
Dita de batata, onca.
Dita de guaiaco, idem.
Ruibarbo em p, libra.
Sabao brai.co umygda.inn, idem.
Dito para opodeldok, idem!
Sabojietes de alcatrio.f Antonio Noves da Casta),
duzia.
Sal amargo, libra.
Salsa hortmee, Idera.
Salsaparrilba, arroba.
Saccbarurein de oteo (le bacalho, caixa.
Sassafras, libra.
Scilla, idom.
Senne, idem.
Sement de angeliin, onc,a.
Serpentaria, libra.
Speruiacete era rama, idera.
Solucao de prot:iodureto de ferro, onca.
Stramonio, libra.
Subnitralo de hisinnth. idem.
Sueno de grosellos francs, garrafa.
Sulfato de ferro, libra
Dito de soda, idem.
Dito neutro d'alrnpna. onea.
Suspensorios escrotaes, duzia.
Tansagem, libra.
Viilr.is cen rolhas de 1 4, duzia.
DiIhs para opodeldok, idem.
Vomitorio de Le Roy Francs, vidro.
Vmho de jurubelia, garrafa.
Dito de Cervisar!, dem.
Xarope de Bourgois, vidro.
Dito de espargo, idem.
Dito de Qoy, dem.
Dito de bydureto de (iibcrt, idem.
Dito de jurubeba, idem.
Dito de Labellony, idem.
Dito de Lamoureaux, idem.
Dito de Naff, idem.
Dito de peiloral idglS, idem.
Dito de quina ferruginosa de Grimaut, idem.
As pssoas (|ue,quizorem fazer dito fornecimen-
to, devein apresentar suas pru|>ostas em cartas fe-
chadas, at o dia 2o do presente mez; c dar fia-
dores, i|ue se reponsabilisein pelo fiel cumpri-
meuto do contrato.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Rc-
cife, lldejui)hodet86 O escrivao,
Pedio Hodriijues de Souza.
Tal lonmentos ijmjse^^^ e l0 lle -' !& I,;1 Vcima <>j3fljnpr-
anHrdenafSo).' "* a e (lo Imposto espeeial so^re casas Ido
1 r*Qi paiz ~
CUl
do
Pbi-anco (lo lO^ltatAs.aj f^WM i'M|tfic,
l.r.-Mioe,estrct# 9 | al R l^gf'o teeBle
bradco'13 pollegadas.
dem
Pedras
dem n.
Idemn.
CreiBes

loujtli. llpifi pliega.
idem.
idem.
_a, idem. -
Tinta preta, garrafa.
Fita ile liuo, duzi;i.
Sert-tan^ dafB^pta Caitf da|ericordM ^
do Eecio* 4 de jufio doJtUi^Bi
O escrivao
Pedro Rodrigue* de Souza.
reta
. COMO DE COMPRA MA8*
O onselho contraa no dia 19do cor-
rente mez, avista A> proposlasltcebidas
at as 11 Loras da manhaa e seb a condi-
r,Bes do estf lo, os servicos de barbeiro
ehfermaria de marinlia, e da lavagem de
rpnpa da mfsma, durante o exerocio pro-
ximainentc nd'iuro ; againi como portres
raezes at Sitembro do crreme afinO, o
fornn infido dec^Migica -ew-miUte-pW^do,
carne verde e de milbo ^em ser pelado,
para os navios da armada e estabclocimen-
tos da mantilla.
Tambem o conselho. por igual forma, no
mencionado dia 19 do corrente mez, pro-
move a compra dos objectos do materiael
da armada, seguintes: 2 bules de ferro
estanhado, 6 arrobas de linha de barca
grossa, O arrobas de linha de barca fina, 10
libras de obreias francezas, l regiment de
signa s para navio, 2 pecas de sondaresa,
2 terrinas de ferro estanhado, 20 tira linhas-
1,000 tijollos de logo, 40 grosas de tor-
cidas para pharol, 120 brabas de corrente
de ferro de /a pollegada reforcada, 100
covados de damasco verde do 13a e seda,
40 resmas de papel almaco braneo, 20 ar-
robas do ejtopa de algodao, 8 arrobas de
ma I har braneo, 200 covados de fileliama-
relo, 260 ditos de dito encarnado, 260 di-
tos de dito braneo, 260 ditos de dito azul,
e 20 cadinhos d* lapis sortidos.
Sala das sesses do conselho de compras
navaes, 11 de junho de 1869.
O Secretario
Alexandre Rod igties dos Anjos,
O inspector interino da alfandega faz
publico, que precisa contratar para o expe-
diente da mesma reparticao durante o an-
no inanceiro de 1869 a 1870 prximo fu-
luturo, o fornecina nlo dos objectos cons-
tantes da relaco abaixo, a saber:
PARA A GUARDAMORIA.
Lona, brius, bandeiras para signaes de
2 e 3 pannos, oleo de linhaca, tinta pre-
parada a oleo, dita ein p, breu, alcatrao,
verniz, fio de algodo, tijollos para limpar
ferragens, piassava e estopa.
PARA A LACRACO.
Graixa, sebo, cent em grume, cadarco
eslreito, azarco, laxas de bomba, cabos
de dilferentes qualidades e grossuras, azei-
te de carrapato e de coco, lantemas ou
phares, forquetas de ferro, correntes de
differentes grossuras, ferros da differentes
tamaitos, remos 12, 1 i e 16 ps, e
louca de cosinha.
PARA O SKRVICO DA CAPATAZIA
Livros em braneo para os armazens,
azeile doce para os guindastes, tinta roxo-
terra em p, brbxas para pinturas e ver-
niz de carvo de pedra.
PARA O EXPEDIENTE DAS SECCOES.
Quadernos de papel pautado para extrac-
tos de mappas, papel de Hollanda paulado,
dito greve pautado, dito lizo, dito de linho,
dito matta-borro, pinnas de ac, ditas de
ave, caetas para peonas, lapis preto, dito
de cor, tinta preta e rxa para escrever,
dita carmim, ara preta, obreias, regoas,
cadarcos, caivetes e raspadeiras. Os pre-
tendentes deverSo apresentar suas prnpos-
tas por cartas fechadas al odia 21 do cor-
rente mez.
Alfandega de Pernambuco, 16 de junho
de 1869.
O inspector interino,
L. de C. Paesd'Andrade.
lumpe^co do arsenal de
niarinha.
Faz-se publico que a commissao de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de S de fevereiro de
1854 os cascos, machinas, caldeiras, apparelhos,
mastreacoes, velames, amarras e ancoras dos va-
pores Manda/t e Giqui da companhia Pernam-
bucana de navegaQao costeira, acbou todos esses
objectos em estado de poderem os vapores ua-
vegar.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
co 18 de'junho de 1869.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
fabri
mb
de junpo
linistrador !
i La cerda.'
21 semestre do exe
*69, depois doq.
multa de 6 /0.
i 0 de 1869.
'MdXoel Carmiro de &u.
ConsuladojrovinciaL
Ilesa tfoT9ns|frd -. fwe, no da I ile junho irdouro.
^ %e^p^nCrprn ycomaT' os"5o (Iras ubiis
paj-a a cobranja .^ luicca do, cofre dos iti-
pstos: da decirrt nroana, o> 5 % solire
(..heiii de(fafi pertencentea S eorpora??5s
de mo morta, e de JW'% d< consum!
de agurdente relativo ao 2" semestre o
annofinanceiro vigeffte ISrjR^lffi: e im*'
ncam sueitos multa de 61% todos ps
dbitos que forem pagos deppis de findps
-os referidos :J0 dias.
Mesa, Jo-consvilado provincial de Per-
tnbu(w, Vi demaif de'186!.
Antonio Oiriifiro fachado Ros
Sania ('asa de Misericordia d Kc-
cifeHdejflHiiodefi;.
A illnstrissima junta administrativa da Sania Ca-
sa de Misericordia do llocifc, manda fa:cr publico
i|ue tendo-lhe sido re|uerido o arrendamento por
nove annos do sobrada n. %i, sito a ra da Cadeia
do Recife nertencente ao patrimonio do? estabule-
cimentos de caridade, pagando o arreinatante a
renda anmial de l:O0OOOO c enneorrondo com o
donativo de 2:0)0000 para auxilio do cofre res-
pectivo, e fazendo a sua costa, tanto a frente d comedia-drama
predio qne deita para a ra da Cadeia, como a da
roa do Encantamento, segundo o systema uinderns
conforme as posturas da cmara, com portadas de
pedra, canos para esgoto, Ada a cubera, traveja-
ro-?nto e soalhos novos, com repartimentos ou em
saloes, empreando na obra materiaes te primeira
(|ualidade, aproveitando o que cstiver ein bom es-
tado, obrlgando-sc a comear a obra dentro du
prazo de tres raezes e acaba-la no do doze mezos
fazendo-a sob a in-pecyao dos mordemos de pre-
dios-, e podendo acontecer que cxistam outros pre-
tendentes que mais vantagens possain ollfcrccer,
recebe propostas n'este sentido, na sala de suas ses-
soes at as 3 horas da tarde do dia !S do cor-
rente.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 14 de junho de 18C9.
O escrivao
Pedio Rodrigues de So 1*0.____
te os distiocto* e muito aplaudidos artis-
tas franoezesv f#
Mr. Popfe e madai Poppe.
Primii" wpresntacSo daTfeteressante
cf>medfa*o#iiadfc-*8 ointica, original brasi-
leiro, inMotnda :.
Tmvi-TciNG-aa.
Seguir-se-ba, por. mndame Popj*, a
linda-oaMoaota r tf^n
, Bro jeuiie lioimoe.
Dopois teF lugar a espirituosa Gomedia,
den.iniiiw(h:
A dam;i tos cravos brancos.
Em, seguida, madamo Poppe cantar a
jocosa cansoni-la
TIH RBIiOVRAWFIiA.
Fiada a (.pial o Sr. De-Giovanni executa-
r o disuarate do sua composicJo, ornado
de msica, intitulado:
APfiraiKIRDABOAFiUA.
Terminar o espectculo com a chistosa
cansoneta, por madamo Poppe
LA ESPUMLA.
Os bilhetes acham-se na estaco dos Iri-
Ibes-urbanos, no Recife e no theatro.
NI R.D-se passagem gratis, anles e
ttepois do espectculo na forma do estylo.
6> espectculo principiar s 8 horas.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A tilma, junta administrativa da Santo Casa
de Misericordia do Recife, na sala de suas sessoes,
pelas 3 horas da tarde do dia 23 do corrente, re-1
cebe propostos para o forneciinento de pao, bo-
lacha e carne verde que houverem de ser consu-
midos pelos estahelccimentos pios- seu cargo,
tanto nesta cidade como na de Olinda, nos mezes
de julho a setembro vindouros.
Os prelendentes dewtao apresentar o preco des-
tes gneros por kvlogrammas e nao por libras.
Secreiaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, i8 de junho de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues te Souza.
Com intuido das arui is
De ordem do Exm. Sr. biigadeiioctnimandan-
te das armas, se faz saber senhora (que mora
nesta capital) mulher do voluntario da patria se-
gundo sargento Joao Manocl Roma Jnior, que
desta provincia marehou para a campanliado Pa-
raguay em abril de 1863 no con n. 11 de volun-
tarios, c que actualmente esto servindo no de n.
46 da mesma denominacao, que o governo Ihe
mandn abonar, por avis do ministerio da guerra
de 3 do corrente mez de junho, urna racao de cta-
pe, para o que pela presidencia se expediram as
convenientes ordens.
Secretaria do commando das armas de Pernam-
buco, 17 de junho de 1869.
Francisco Camello Pessoa de Aterda,
Tenentn-coronel-secretario.
Domingo 20 de julho de 1SQ!>
BENEFICIO DO ACTO.
EMILIANO FRANCISCO DE SOUZA
LISROA
Represenlar-se-ha ? a muito- applaudida
em 2 actos, intitulada:
PEDRO 0 TEfEO
or
A IIIIMH DO OPERARIO
Toma parte toda a companhia.
Segue-se a intcrnssante' cansoneta c-
mica
PIF PAF
cantada, por especial obsequio, por ma-
dame P ppe.
Depois ter lugar a reqresentaco da
espirituosa comedia era 1 acto, denomi
nada:
A dama dos cravos
Sara o Porto
sabe at o d*a 27 de junlio o brigue portuguez
Tiiump/to;.para reste da carga e passagem,
trata se com os consignatarios Tnomaz de Aqai
Fonseca.A U, ru do Vigari^ ^ jft. 1 andar.
OMHMAOIA ERNAMOUCADA.
Vk >
linvega^t costeira por vapor.
PaiahybavNaUl, Alaco, Mossor, Ar>-
catv, Cear, Acarac e Granja.
if||* O vapor Iptyira, comraandanta
sJL Bu>taquio, seguir para os pertos aei-
Jmaea na no dia 30 do corrente as S horas
la tarde. Recebe carga al o dia 28, encom-
mendas, passageires e diuheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da salida no escriptori-
do Forte do Mattosn. 12.
2L
COMPANHIA PRN.VMUUCANA
DE
Navegando costeira por vapor
Porto dt (allinlias, Rio Forinoso e
Tamandar.
O vapor Parrihyhii, commandante
Mello, seguir para os portos cima
_ no dia 21 do crrente a ma noite.
Ileeebe canga, oncammenaas, passageiros o di-
nheiro a frete, n escriptorio do Forte do Mattos
n. 12.__________________________________m
COMPANHIA PEKNAJflUUCANA
PE
\;ivcKu*o costeira par vapor.
Macei em direitura e Penedo.
0 vapor Jagmtribe, romman ante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 22 do corrent**
as 5 horas da tarde. Recebe carga at o dia 21
as 3 horas, eneommendas, passageint e dhihein-
a fete at as 2 h -ras da tard' do dia da saluda :
no eset-iptorio do Forte do Mallos n. 12.________
Ilha de S. Miguel
Paca o porto cima segu com muito brevidade
o patacho portug.iez Jorgeiise por ja ter prompta
quasi toda a carga : para o resto que Ihe falta e
passageb/os, para os quaes tem bellos commodos.
trato-se com o consignatario Joao do Reg Lima,
ra de Apollo n. 4. ^^^^
Para o Rio-Grande do
Sul.
Deve seguir d>nlro em poucos. dias a
barca nacional Thereza }*, e ainda recebe
alguma carga frete: a tratar na ra do
Vigario n. 1, escriptorio de Raltar, Ol
veira C.
Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa
Casa de Mirericordia do Recife, recebe pro-
postas para o fornecimento dos objectos pre-
cisos para a secretaria da mesma Sarita
Casa, conforme a relaco abaixo, pelas 4
horas da tarde do dia 25 do corrente na
saH de suas se9sfjes:
Papel pautadoFiume, resma.
Idera idem liso, idem
dem idem linho azul, idwn.
Ideqp linho liso, idem.
dem para officios, timbrado.
dem llrete.
dem linho, pautado.
Hollanda grande, caderno
dem Jes, idem.
dem Resin, idem.
dem idem. idem.
dem lien, idem.
Mala borro, folha.
Par de pastas para guardar pepeis.
Pennasde acoJPerry.
Caetas.
Paes de obreias.
Tiateiros de lato.
Garrafas de tinta.
Pela subdelegacia da freguezia de S. Jos se
faz publico que lora apprehendido um dedal de
ouro por soppor-sc furtado : qpem se julgar com
direito. provando, Ibes ser entregue.
Recife 17 de junho de 1869.
0 subdelegado,
Antonio Moreira de Mendonga.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junto administrativa da Santo Casa
de Misericordia do Recife, na sala de suas sessoes,
pelas 4 horas da tarde do dia 17 do corrente, re-
cebe propastas para p fornecimento de pao e bola-
cha, que, houverem de ser consumidos em todos os
estabelecimentos pios seu cargo, tanto desta ci-
dade como da de Olinda, nos mezes de julho a
setembro vindouros.
Secretoria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 4 de jnnho de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
De ordem do Illm. Sr. inspector da
thesouraria da fazenda desta provincia, se
previne aos Srs. tenentes Joo Eduardo
Pereira Borges, Jos Alves de Siqueira
Barbosa e o alferes Jos Irino da Silva
Santos, que segundo resoluco tomada em
sesso da junta cam obrigados ao juro de
9 por cento ao anno, contado do dia 24
de maio ultimo posterior a aquee em que
se flndou o prazo qu lhes havia sido mar-
cado para recolherem a esta thesouraria o
Io, a quantia de 1:6S8t(0 rs., o 2o, a de
200)5000, e o #, a de 100^000 por que se
acham responsaveis para com o fazenda;
assira como que se lhes far effectiva a im-
posic5o da multa do art. 36, da lei n. 627
de 17 de setembro de 1851, se atofim
de julho prximo vindouro nlo houverem
effectuado dito recolhimento.
Secretaria da thesouraria da fazenda de
PernamiHioai de junho de 1860,.
* SeWindo de official-maior.
. ManoelJos Ptnto._______
Pela recebedoria de rendas internas
geraes, se faz publico que neste corrente
juez de junho, que os devedores do impos- Quarto espectculo,
THEATRO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
Mufla &M!ai3ia&i
Sabhado i de junho de 1809
i; Domingo SO.
Primeira representoe.io do grande e apparaloso
drama om o actos e 6 quadros, dos Srs. Aniceto
Bourgenis e Fernando Dugu, traduzido pelo Sr.
Dr. J. Ciimaco Lobato
os piratas m mtm
Personagens. Os senhores.
Andr (o cacador de tigres). J. Augusto.
I'.ibeiro (chefe dos piratas. C. Rocha.
Jon.tfhas ^(coinmerciante amer-
cano........Brochado.
Theodoro Pivoine.....Jos Guimaraes
Paulo Berard......Eduardo.
Julio.........P- da Costa.
Vargas (vaqueiro).....Jordani.
Miguel (pirata)......Lesta.
Juanez (idem.)......Jos Victorino.
Ramn (idem)......Porto.
Talobos (idem)......Santa Rosa.
Poquito........Francisca.
Moco do hotel......Santo Rosa.
Om amigo.......Lcs?a.
Um oflicial americano. P. da Costa.
Helena Morales......Mara Velluti
Manoellito.,......Apoloma.
A emigrada.......Clelia.
Eva (menina de 7 annos) Zulmira.
Piratas, vaipieiros, raarnlieiros ele.
O Io acto passa-se em Pars, e os outros 4 no
Mxico.
POCA 1848.
Denominado dos actos.
.1 aetoUrna exc entricidade americana.Praca.
2 actoO bracelete. A sceua representa as
ruinas do templo do Sol I '
3 actoO abismo.. Grand^ e esplendida scena
execulada pelo Sr. Chapton (Hocbedo:.),
4 actoO veneno. Terraco aa lazenda Mo-
rales. t.
artoJustina de Dos Floresta iftoricana.
Sendo este ultimo drama que. a, empreza poe em
scena na presente esteeo ramalica, nao duvidou
envidar todo*o* esfor^oi para que elle seja exi-
bido com t'Mla a grandeza qns exige o apparato
que o adorna. 01____
Comecara as 8 lioras.
brancos
Terminar o espectculo com a quarta
ref)resentac&a do gracioso e muito applau-
dido a proposito, em i acto, ornado de
msica e dansa, intitulado:
OS ZUAVOS
Os bilhetes acham-se na residencia do
beneficiado, ra de Santa Thereza n. 1,
na estacao dos trilitos urbanos, no Recife,
e no theatro.
JV. Bs pessoas que quizerem asistir
a este divertimento, tero passagem gratis,
em qualquerttem e a qualquer hora, antes
do espectculo; assim como, depois do
mesmo, dar-se-ha conduccSo gratuita em
trem especial. 0 beneficiado, cnofia na
valiosa proteccSo do respeitavel publico.
0 espectculo comecara s 7 3/i.
PARA LISBOA
iSeguir com a maior brevidade possivel o bri-
gue portuguez Constante I, por j ter grande par-
le da carga prompta; para o reslanto e passage-
ros, trato-se com os consignatarios Oliveira, Filho-
& C, largo do Corpo Santo- n. 19, ou com o capi-
to na prafa do commercio. ______
lili) IH JAMURO
Segu com brevidade para o porto cima, o bri-
gue nacional Damao ; tem parte do seu carrega-
mento engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
c >m os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevcdo & C- ra da Cruz n. S7.___________
Para Lisboa
vai sabir por estes dez dias a barca porttigaaza
Alexandre Herculano, capitao A A. de Almeida
por ter parle do carregamento prompto ; para
carga e passageires, para os quaes tem excellea-
tes commodos : trata-so com E. R. Rabello, ra
do Commercio n. 54. ^___
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA BRiSILEII
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 22 do corrente o vapor
Guar, commandante o primeiro
tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia desuachegada. Eneommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida. .
Nao se reeebem como encomniendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a_ 2
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passardestes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previue-seaos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se reeebem na agencia ra da Cruz n. 57,
! andar, escriptorio 4e Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Para Lisboa
Segu com toda a brevidade a barca portuguez
Constante III, por j ter parte da carga prompto :
para o que Ihe falto e passageiro", trato-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos & C, largo do Cor-
po Santo n. 19, ou com o capitao na praca do
oammercio. _____
1'lltV
Para o referido porto segu com umita brevida-
de o palbabote portuguez A'oro Protegido, por ter
a maior parte da carga tratada ; o para orate
Juh Ihe falto trata-se com o consignatario Joaqun i
os Goncalves Reltro, a na do Commercio
n. 17. *
LEILOES.
THEAIKO
Gymnasio Campestre
9.a recita da asslgnatara
Sabbado 19 de junho de 1869.
em que tomam par-
COMPANHIA BAKSILEIM .
di:
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 28 de junho o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do'costume seguir para os portos do
sul. .. .
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de suachegada. Eneommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as i
horas. .
Nao se reeebem como eneommendas senao od-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar destes limites devera ser embar-
cado como carga. .
Previne-se aps Srs. passageiros que suas passa-
zens s se reeebem na agencia ra da Cruz n. 87.
? _lIii, fcipltt de Antonio Luis de Oliveira
Azevedo & C.
LEILAO
de fazendas avariadas e limpas
a 19 do corrente
O agente Oliveira far leilo por ordem de di-
versos, de chitas 4 oulras fazendas avariadas, por
conto e risco de peni pertencer e de porcao de
outras em bom todo.
HOJE.
s 11 lioras da manhaa, em seu escriptorio a, ma
da Cadeia n. 4, primeiro andar, por cuna o ar-
mazem de fazendas do Sr. Barroca.______
~ LEILAO
de ferragens para fechar contas.
Segunda-leira 21 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por CBla. ejPiC"
de qnem pertencer e para fechar canta* de diver-
sas ferragens. como espingardas, fechaduras, ca-
deados, casticaes, palmatorias, facas, tachas, agu-
Ibas trancezas fundo dourado muito boas e outro>
rticos, os quaes serio vendidos em lotes no da
cima de segunda-feira 21 do corrente aa II ho-
ras da manhaa, na ra do -Vigario armaiem
n. 15.________________
Maranh&o
Segu cqjua maior .hrevidade o palhabo-
te Emilia, anda recebe riguma carga
frete: tratar com S Leitao Irmos, ra
da Madre de Deus b. \.
I
a armaco, gneros, gaz e pertences do
armazem da Allianca da ra do Impera-
dor n. 57.
O agente Martins far lela a requerimento do
depositario da masa fallida de Joo Ferreua da
Costa Soares e por tnandadodo Illm. Sr. Dr. joi/.
especial do commercio da armacao, gneros, gaz
pertences do armazem Allianca n. 57, a ra do
Imperador, em um ou mais lotes.
HUA
CaBUGA
esquina
da ra larga do
Rosario.
EO
ix v. iriiiF
UflJJI
esq
Este importante estobelecimento no seu genero, tem sempre um sortmento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender. | a ra larga
vista da qualidale e do pre Garante-se ser tado.de J>i. Compra-se ouro, prata e pedra^ finas por presos muito ele- a
.-.
A loja est aberta at s 9 horas da non
vados.


Diario de Permanbco SbbSo 19 de Junho de lito.
rVJftr
- <
Segunda-fein
A i i hura* 4o da no uiesuio ai masera, os
pnetendentes pinten entenderse com o referido
afate sobre qual(|uer infoimaco.
VISOS 91
de resol-
dos arts. 184 e 18o
-------1 i.------------- \l,7I----->--------------------
Associao^ao Typographica per-
nampncaua.
Amaohaa, domingo, s 11 huras da maiihaa, em
a residencia do nosso consocio o Sr. Juvoncio
Cesar, roa da Concordia, haver sessSo ex
iraordinaria da asscihbla peral, alim
ver-se tolire a^onveaienria
dos estatntos.
Secretaria da Assoriarfw Typographica Pernam-
bucana, 18 de junlio de 869".
O 1" secretario,
Montara Ptssca.
A CHAVE iliifl"-
ARTE DIVIKATORIA
DE
Madiuiie Linck.
Collecrao de novsimas sortes para as
noites de S. Joao o S. Pedro, 4 volunte n-
tidamente impresso, \($000, a venda no
bazar acadmico ru.i da Imperatriz n. 13,
ena ursina rita no Gaf Imperatriz. E'
um dos mellioi es livros de sortes esco In-
dos para diverlintentos da presente epoclia:
coniendo, alent das intercssantes sortes,
diversos jfligeaas fin lkigus strnnn'oiras
CLUB PE1LM.U1H OAi\U.
Apartida do "torrente ttttt, t r;i lugar na
noile do dia 10.

compihwia
TMLHOS" URBAHOS
do
KEilFF A OlilMDA.
Precisa-se comprar para as obras dos
trilitos urbanos para Olinda e Beberibe 7
ou 8 mil sulipas. Quem pretender esse
fornecknento .pode apteseutar, at o da Jo"
de jullio, sna proposta etn carta fechada
ra do Commercio n. 32 2 andar, es-
criptorio da companhia, declarando os pre-
cos. As sulipas devem ser de 2 2 m.
25 de comprinwnjb, 25 a 80 centmetros e
largura e 12 a 15 degrossura, ? das segui-
ntes madeiras : sicupira, embiriba, maria-
preta, bamb, arueha ou pinito creosota-
dirigidas ao
Superintendente,
Andr Pono.
Est para alugar
a casa e sitio com conmiudos para grande fami-
lia, em Bcm-Pira n. n. a .-rumia sp** da ponte
da Pasoageni : a tratar ua ra da Cadeia n, 61,
botica.
O hachar! Pranefeeo Odilon Tavarc* Lima
itrio escriptorio de advoeacia ra do Imperador
n. :W (entrada rn>lo becco u. \i), enrarroga-se com
icio c aetividade de qualquer trabalho inherente a
sua proBodn, com especialidade a* questoes Cri-
mea n rommerciaes. jfc
Precisa-se alugar um primeiro ou >egundo
andar que estqa limpo c que seja na fregtreiia de
Santo Antonio : a tratar ua fita da Cruz, armasen)
ii. 38, das 9 as 3 horas ii; Urdo ; ou na ra dos
Ossofi as. 22 c 2, a qualquer hopa, _______
o^sjatn^sjaja^^^r'
rriim
iTA antiga e creditata
FABRICA

IICtlTU l| CMSTlinUITI 111 CMHIft IIIT1IM1I II
De toda* as qualidades !
De todos os feilios I
De todas os procos t
RA DO CRESPO
i
Preeisa-se de uina ama para lodo o servico de
casa de ama familia composta de tres pessoas : na
ra Bella n. 3.
MARTIMOS
CONTRA FOCO.
A Companliia Ituleinnisadora, estabelecida
aesta praca. toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, meroadanaa e mobilias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Agencia.de jornaes
9.
asignaturas para todo?
<; Brasil, polifilos, Huera
Ra do Crespo n
Nota ca-a rectbem-so
os jornaes de Europa
rios, Ilustrado, de ieiiura, de moda? para senho-
ras. de lienrinos pai a atfaates, cahelleireiros, cha-
pcllaria, de sagiSo, do philosophia, de dircito, de
jurisprudencia, di- medicina, de pharmacia, de
OMNUiercio Huancar e er.momia poltica, de agri-
cultura, das arles engentara e archifeerira; de
sdcneia?, de historia gengraoMa e vi-yn?, depe-
dtjfugi.'i. de pintura e inueira, de nli"i.graphia, de
ca^-a, do magnetismo, de marotmaria, de spiri-
tinnn. etc. As asstgualuras pagauvso no acto de
subscrever.
LIVRABIA FRANCI-ZV
Resta venda um escotWdo snrlimcnto de ob-
jeclos de marciueria. cunto sejam, inobilias de Ja-
caranda, inognoeaaiareilo, ob/a nacional c cstran-
feir, de apurado p/to o liT!frij;o< razoaveis :
ua ra estreita do I tosa rio n. :i. Nesta mesnia
casa fazem-se com perfaiean todos os trabalhos de
palhinha, como sejam. enipalhameatos do lastros
para camas, cadeiras e sops.
O pro'essor de latir da fregtiezia de S. Jos
desla cidade, abaixo assignado, declara ao publico
que cont.na a eslar abeita a natricula de sna
aula : quem su quizer i laUirular na mesma, di-
rija-se ao sobrado n. 5, no largo da ri eir da re-
ferida freguezia.
Maanet Fraucisco CoellK).
TPMtTICIL"
na roa Aova n. 50, loja de fer-
ragens de Souza & duiniarcs.
Os propriet;irios deste eslabelecimenU avisam
ao respeitavel publico que, exislera a: amostras dos
maislindos fagos artieiaes para os festejos dos
dias dos gloriosos Santo Antonio, S. Joao e S. Pe-
dro, das Biethori faliricas d.'s'a cklade, assim
como dirersas quididades de fojos chinezes, pro-
prios para sanhuras e ariancas, eouifreliendendo
lambem una nova qualidade de traques america-
noe, os quaes admira sua bondade pelo scu pe-
queo tamaito, o que s com a presenea dos eoni-
pradetres, poderlo certiHcar-so da vurdade.
Precisa se de um l'eitor paraum sitio.
0,11o seja morigerado e de conheclmento de
sua eonduCt : no sobrado n. 22, que foi do
finado Manoel Custodio, no caes do Santo
Amaro.
Da se i :000o a premio em casas nes-
ta cidade ; no escriptorio desta lypograpliia
s dir.
Liquidaco !!! Liquidaco !!!
de pre reduzidos, na na do Crespo n. 17
Camisas fraucezas e inglezas de todas as qnalidades.
Ditas bordadas para senlioras.
Saias bordadas para senlioras o bales de todas as cores (novosl
Iticos cintos de selim c .Muitfi sortiniento de loncos bordados, fronlias, bicos c rendas, tudo da trra,
bom golo, e ricos corles de vestidos de tarlatana bordados, fazenda de gosto, proprios
para casamentos, c vestuarios de-baptisado de limito gosto.
Alpacas lisas de.todis as cores, fazernf nova.
Ricos cortes de Molidos de blonde para casamento?.
Pompolitirs de linlio e seda, gosto inte.iramente novo.
Sedas de todas as cores e de lindos paroes.
Sdim macan bretnco c gorgoro preto, g'resdenapoloajde todos os precos e
qualidades.
mmmmmummm mmmmmwmmmmmmsm
k'ivk'iM-Mi de uiua aiiuile kitc : na ra da
Pazjv 2, tahgrna.
Admira vel !!!.
E' na verdado admira vel que se venda una
sacra com superior faiinha da trra a 3.'iOO, no-
va e costosa; assim como miraguaia (peixe socco,
superior aq barallio) a 160 rs. abra e a'43500
a arroba; "nao se dmirem, ventean iva do
Imperador n. 28,
ARMAZEM DO CAMPOS.
Fundico da Aurora.
Neste vaTO cstabeleelmcnte sempro se encentra
ura completo rtimeuto de talxas de feiuBatlUr
e fundido, fabricadas rareutucnsnte, e se fabricam
ile qualquer molde a vontade do- compradores, c
recos razpoaveis.
Trocmi-se
*s notas do banco do Brasil e das' caixas filiaes.
oont descont multo razoavcl : na prai;a da Inde-
pendencia n. 22.
Ainda restam algumas collec'^es de
Biographias de alguns poelis, e outros ho-
mens Ilustres da piovineij^le Pernambuco,
tres tomos escriptos pelo rommendador A.
J. de Mello: ra Augusta n. 94.
CVMBR.UA VICTORLV A 4;S000 E
i mo
Vendem-se pecas de i mitra i a Victoria,
tendo quasi na vara- de 'largura, pelo ba
ratissimo prero de V> o 4-tr>*H.
COMPANBIA
de Seguros martimos e terrMrt Fidelt-
daiie, estabdeda no Rio de Janeiro, ca-
pital 3,200:000^000.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo dr C.
agentes desta companhia, tomam seguros
contra fogo e a risco martimo. Ra da
Cruz n. 57 primeiro anJar.
Boupa eiigommadi
Xa ra do Caldeiretro rf. 16, engomma-se per-
feitamente roupa, tanto de homem como de se-
nliora, e por precos razoarfh.
Joaquim Jos Gk)n-
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 11, i. ANDAR
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co te Minti, em Braga, e sobre os seguin-
teslogares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaries.
Coimbra.
Cita ves.
Viseo.
Villa do Conde.
reos de Val do Vez.
Vianua do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Red.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal fValpassos).
Mirandella. *
Beja. -
Barcellos.
Ignacio Luiz.de.Brito Taborda retira-se para
fra do iinporio. /__________________
Ao commercio
Jos Duminu'iies Percira, com nogocio na das
Botas n. 8, com quanlo julguc nada estar dvendu
ncsla iraca, roga a queni so julgue seu credor a
apresentar-se o mais breve possivel a cobrar do
annunciante. ____________.
o
Joao Silvestre Francisco de Mello, presidente da
edade Bemfcitora Pernatubucana. convida a
todos os socio da mencionada scciedade com-
pareccrem impreteiivelmeulc no domingo 20 do
eerrcnlepeJas .11 horas di. maaha. no consisto-
rio da i % reja do Senhor Bom Jess dos Martyrios
para una scsso extraordinaria, alim de tratar-se
da manuleneao e interesses da referida sociedade.
le jiinl
Joao
Silvestre Francisco de Mello.
ROM IliOCIO
O commendador Tasso,
leseja alugar por mdico
preco as baas alaga-
dos do seu sitio do'Co-
mida, s quaes VJo 4es-
le aponte da estrada no-
va de Beberibe atjjuasi
asu comprebendendo urna grande ilha, qtal
assim como as referidas Laixas se prettam
muito a plantago de capim, arros e qual-
quer outras*plantas que percisam de trra
fresca todo o auno.
O referido commendador nao duvida fa-
zer arrendamento desses terrenos e. alaga-
dos por 6 ou mesmo 9 annos, e dar um
atino de fogo morto a quem der fiam;a
idnea e se obrigue a rotear os mesmos.
Criado
Precisarte de um criado fiel e diligente, livre ou
escravo, para urna casa de familia : a tratar na
ra Bella n. 37, solnailo de dous andaros.
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Procopio de Sena Santiago,
ponto deste theatro, que s deseja fallar na
ruaDireita n. 53, a negocio que no.lbe
deve ser estranho.
urna ama: na ra do fogo
l'reeisa-sc de
0.31.
Na ra Direita n. S, loja de fuaileiro, m m
povoado dos Montes, precisa o abaixo assigaade
entender-e com o Sr. Manoel CaKsto de Sasfea a
negocio de seu inteaesse ; isto id praso da tres
dias. Recife 18 de maio de 1M9.
Pedro Pilarte Rodrignes Franca.
O abaixo assignaflfl participa ao respeitave
publico e com especialldadc ao corpo commercial,
que leudo de retirarse para a Europa a negocio
e temporaria mente deixa na gerencia do seu esta-
belecimento sito a roa da Cadeia n. 36, o seu cu-
nhado o Sr. Carlos Frese e o Sr. Leonardo Anto-
nio do Espirito Santo Porto, competentemente au
tensados e habilitados para este fim. toga-se
portante aos seus amigos e fregnezes que conti-
uucm a dispensar a uie-ma confianca, com que
sempre se dignaram hnralo, certo de une sitas
ordens serilo executadas com zelo e activiaade.
Francisco H. Caris.
Da-se 1:000/ a premio com hypotheca em
bens de dobrado valor nesta cidade : na ra No-
va, loja de ferragens n. 31.
A FMMt l0 FU O
tu
*
O
BS
3
-
AVISO AOS APBEClADOItES
DA BOA riTIAC.^
-----DA FLOR DO FMO-----
Acabam de chegar novas
remessas de fumo picado,
e cigarros especiaes do
tabaco do sertao do Para
e Amazonas preparado por
Jos Julio Sampaio Pires,
(do Para), premiado na
exposicao nacional, vnde-
se em seu nico duposiio
em Pernambuco, praca da
Independencia n. 39, loja
de Porto & Bastos.
s

9
9
A FLOU ISO Fimo
FOCOS
Precisa se de urna ama fon a ou escrava,
para a casa de familia, a tratar na ra do
Queimado n. 65).
PAHA P A DARIAS
As econmicas e importantes machinas para
cortar bolachas de todos os tamaitos : sempre
venda na ra Direita n. 8i.
Precisa-se de urna boa ama de leite sein 11-
Iho : informase na ra Augusta n. 69.
Acha-se tugida ba oito mezes a preta es^
crava, de nacao, de nome Maria.com 40 annos de
idade, baixa e cor fula, consta que diz ser Ibrra, a
andavendendo na freguezia da Boa-Vista, com
urna bandeja pintada de encarnado, com que
fugio : gratiflea-sa i^m a quem a apprehender e
leva-la a ra Imperial n. IOS.
Na antigh fabrica de fogos de artllete da viuvs
Rufino, existe um completo sortimento de rodi-
nhas. craveiros e pistolas, objectos proprios para
os festejos das imites de, Samo Antonio e S. Joao.
tudo por commodo preco, e como seja a fabrica
distante da ridaile, as 'pessoas que quizerem fa-
zer suas cncommendas, poderao leva-las no arma-
zem da bola amnrelia, no oitao da secretaria da
polica, onde uinihein acharao as amostras.
ATTNCAO^
>
Del miro Gaudenco Ribeiro Pessoa deixou de ser
caixeiro do arnmzein de dnops da ra do Impe-
rador n. 2, desde o dia 8 do correute. Recife 17
de junho de 1860,
Na na Direit.i n. 36,
obreas muito em eonta.
vendein-so hostias e
\MA
Preeisa-se de urna ama para eozinuar, dormindo
fra : na ni i da i/'deift n. ID.
Pivri-.i--.' ile um feitor para o servieode en-
genho, prefere m; que seja portugoez : na ra do
Pilar o. !..
1.
Precsa-se de urna ama para engommar : em
Benifioa, sitio do Sr. Barroca, ou na ra da Ca-
deia n. 4.
Preeisa-se dt um homem habilitado para co-
bvar dividas dentro desta cidade c alguns arrabal-
des, sob fianca idnea : quem quizar dirija-se a
ra do Cabug n. 14, que ahi se dir quem pre-
cisa.
Frederico Mala
Clrnrgie dentista pela escola
de utediciua
do Rio de ffaueiro.
Tem a honra de participar ao resneltavel pnili-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operaeoes dentarias a
ruaJDireitan. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da manhla as
3 da tarde. Elle acha-sc competentemente habili-
tado para com perfeicao collocar denles artificiaes
por qualquer dos svstemas, e bein assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
profissao. 0 mesmo, reconhecendo que ero sem-
pre possivel s senlioras ou enancas sahirem a
drocu'.aro remedio, olTerece-so a remover qual-
quer obstculo, declarando que n-dadese pres-
tara a qualquer chamado seni que is*o tallua cousa
rtiunta-na commixfrthdeToS' prcros e***1? traba-
lhos, e nado pata frar del la assim mesmo ser
; ireeediao de um ajuste rasoavel, garantado elle a
seguranga e perfeicao de seus ditos trabalhos. Era
sen gabinete se encontrar constantemente encl-
lente nos dentfrico, elixir e outros medicamen-
tos ouontalgicos : ra Uireita n. 12, primeiro
andar.
Deseja-se fallar a negocio de in-
teresse a ra do Crespo n. 17
Aos Srs.
Paulino Ferreira da Silva.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Francisco 'ereir de Arroda Cmara. (Sr.
de, engenlio.)
Manoel Jos Fernandes Barros. E ao meu
especial ,imigo o Sr. t'enete Pedro Segun-
dino Barbosa da Silva, (Sr. de engenbo.)
No armazem alfandegado da ra do
Apollo n. 20 de Jaraes Ryder <* C. arroaze-
nas-se fazendas as seguintes condiccfjes.
Fardos 800 rs.........)
(laixas OiO rs.........) por tres mezes
Fardos de estopa a<#KH).)
I
VM4
Precisa-se de urna ama livre ou escrava,
de bons costumes. que saiba bem cosinhar.
para urna casa de familia. Dirigir-se ra
Bella n. 37, sobrado de dous andares.
Precisa-se de um trabalhador de paitara :
na ra do Bangel n. 9.
Preeisa-se de una ama para
prar para casa de pouca Tamilia
do Livrame.nto n. 24, loja.
coziuhar e eom-
a tratar na ra
lEWPRESTIJIlfl SOBRE
Preeisa-se de una ama captiva ou forra para
cozinhar e engommar : na ra de S. Francisco
n..Vi.
CASA DA HraHT-
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
0 abaixo assignado tendo rendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos 2 quartosn. 199cou<
a sorte*de 700, I meio n. Xj30 com a sorte de
202, e outras rauitas sorteFde 100*, 40 e
20 da lotera que se ac bou de exlrahir em be-
nelicio da matriz de Mpriheca (109), convida aos
possuidores a virem *rcceber seus respectivos
premios sem os descontos das leis, na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acliam-se a venda os da 7* parte da lotera
beneficio da matriz de S Lourenco da Malta (110)
que se extrahir sabbado 19 do correle asaz.
Precos.
Bilhete.....4*000
Meio.....2a000
Quarto.....1*000
Emporcaa de 100/ para-cima.
Bilhete.....3*500
Meio......1*750
Osario..... 875
_________________Manoel Martin* Fkua.
______________________
Jos Antonio Moreina, peiiheradojjela pruvade
amisade que lbe deram teus prenles e amigos, em
assisr aos suffragios e acompnhar ao cmiterio
pvfelieo ostsI9-----|- tt fr mr prmiiii i
eensorle D. I.uzia Antonia do Espirite Saate Mo-
fetra. vem pelo prseme tfraeeer 'fr*i e m
nome de seus innocentes filhos.e de aovo convida
ajas seus uarntes e amigos a aasMr a utsa ju
sasio dia, que (era lugar na matriz de S. I'rti
l'eiro (loocalves do Recife, sabbaio 19 do corren-,
teaa hjjiUdtmaahaa. .
11-Bua jtreita do Rosaris-ll
Este novo e modesto eslabelecimento, tendo aberto ao respeitavel publico este le-
gante e bem fornecido hotel qee sHuado n'uma posico inteiraroeete saudavel, e sen-
do constantemente sombreado pelos doces zephyros da tarde, torna-se preerivel qual-
quer outro d'este genero, as tres cousas maanecessarias ao genero racionalali-
mento do corpo, istra#o ida alma, e soeego de espirito.
Mo. pavaauto terreo urna ^asa de pasto muito profusa, da primerti ordem ; no
primeiro andar, sala da frente, m exceiUente bilhar de mogno, .para davertimento. Sala
de iraz uan restaeraute da poweira ordem. Quanto ao asseio e bemfeitoria das,comedo-
r, o dt'cado modo doessaal do esabelecimento, .prompiidao e commodidade, s
aos.illustr.es concorrentes dado fazer juatica.
Fornece comidas pira fra, tanto po mez como avulsa. Todos os dias, nolte,
eocoBtrar-se excelfente sorvete, reWeswos, cafe. Cha, bons vinltos Figeeira, Porto, Bor-
ima, tendo Jjons nniodos ira hospedagam, aalae e quarto mobiliado no segn
do andar.
Par, 36,RuaVivienne, W
CHAllll MCDSCIH
s-fiecisa-se eomprar nina typog9#kia em
pontoi>egneao, seado nstypos navos, assim como
y o prela; quem ttver par' ve dar dirija-se a rq
do Crespo n. 20 8,soja. Tambe precisare c.^-
tralar um typoprapJM e mu impressor pai tes
da provincia, devendo entemlerm-se na mesma
casa.
kLTEBJLCOlSDOSAIWqt
^0 OK>caruuimfiinf0ti
mtiuloM, *
I EPURATIF
iosaado i
'Z2L 'J?" '*' areo).r
lata XiroM CttncM at
PLUS DE
COPA,
ssaasiajai
wintst,
fSSMc m< iuxo* ftort trame* *- -iiBurM *
i(aIa*H4a
a-rv:
POMAO
ssan'i aas i_ _
LULAS VCGCTA'& OEPUBATIVAi
* ayirii.....tas Itun y iiiibji>s ueaniaaitM
POMADA ANTIHERPETICA
mi jai ttmtm tmmm-v
Ama
Si rua^araia n. 53,2jadac, rcqsa-se Ja
umamuJber deLon* coauwni qao>sirra de ama
para o servico interno de catu de ^ouca familia,
ou alguma escrava para igux.l servico.
Quem preeirarde urna atria de leite, dirlja-sei"
mestria, promptido e limpe.ut : no pateo de S
Pedro n, 26.
ASMA
otpressIo sorrecfttfo
asa HMtoBWk do tmtrok Cuma approvadas pela Academia imperial
.dMaediflina dePari* acalmara quasi aemprc iuttmmkitieanwnM^ iaqMP Wnfl
oppressao, soffoi^co, assim como as dores de cabeca e enxaquecas. suffl-
oieete na oscaeiloem p*te appaaoeer o mal, o augolir-ao.ama duas peruias
com urna pquea d'agoa. com certeza o medicamento mais fcil de tomar para
este coe*o4a d ata/as.
Desde o dia 9 do correle est incido um ca-
bra de nome Joaquim, baixo, rosso, oaos espan-
tados e com falta de um dente da frente, levou ves-
do camisa e calca de aigodajt ate fiaW MMSM
appareeer aqui ao Recife na raa da Coateardla
qnemo pegar poder leva-lo ao Arrafat, silo do
capitao Vianna, que gratificar
com grande xito para a cura das rrevralaias, rheumalismo, sciatico e catarrhos
hvie, b pajsjsa t)B>an *eiye rt^m,tn^a* par n yrapde numero"
4ar medkea -Mf* sipel lV)ulor Trousseau, qu ndica este medica-"
-meato como o mais efficaz. conveniente tomar de 4 at 8 na oceasio das
coaaidas.
* tpwwacja- ^ar*o>B>iv,PO*1* deasadida i sera duvida a atolhor
garanlia da boa oreparac,So d'stes medicamentos e de sua efficacia.
**> a fa^fcaapo, 4spansM/<>; Cornil. -Sm rkMuamo,-MsfwO*.
(SEM LIMITE.)
Na rawssa h raa
das Crnzcs o, % pri-
meiro andar, da-se qnal-
quer quanlia 8#ke wir,
prala e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorjsado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transacc,o que se flier em
sua casa, promettendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de lionra-lo em seu esta-
~| belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
\ prata e brilhantes.
BRASAS
O Liborio est cadaco
Pois raiao a tem perdido,
Deuslhe d bom juito,
A evtaar urna recahida.
Saturis* Ihe promette
Que ser sua futura !
Mas ka de sempre abracar
De escriptor a brandura.
O paWiao o aatsmasa,
E nelle v talento raro I
IinaMltaMtffa4ro,
E de inteliiRencJa um fino firo.
Todos^ts desejamos pois
DoJAVirw ver aovo frucio
Mpa>Mo ao peala
Com maneras, e nao de bruto.
A. FlormliM.
Criado.
hm imnaOaoaps li, a andar, iwaaa>ij>
da um criado para andar nos arrabales* da eida-
da, Bafst^naaa,tr4m qjnei^s |aiaaafas da boa
iirnaa-
Antonio 8oc;alves de Aevedo, Marcolino %/h-
calves de Azevedo e Manoel Jos Monleiro Torres,
rogam aos seus amigos, e aos de seu socio Joao
liento Para, fallecido na cidade de Caruar, o ca-
ridoso obsequio de assistirem a mista o stimo
dia, que por sua alma mandam celebrar domingo
20 do coi rente, na matriz de Santo Antonio, pelas
8 horas da manhaa, por cojo favor antecipam sua
gratido aquelles que te difnaram comparecer a
tao po e religioso acto.____________________
No prximo vapor, que se upara des porto.-
do norte, tem de chegar a estt capital o respoita-
vel Sr. Dr. Sabino Olegario LMgeM Plnfeo.
Em toda parte onde anda esmdistinctiseimo me-
dico, nao se esquece de enyetar seos esforcos
era favor dos progresso* da hemeepathia e da hu-
mandade.
,-No Maraanao acaba Ue de publicar regimens
muito bom ordenado para uso dosfeus doon-
tm; Hsshsm a Iwo para s#anhanwnaa nos
synmtomas, para o uso de todas as pessajasnaye
empregam a homo?pathia.
Ease livro indispensavel a quem a quizar]
ticar com seguranca, e se. acha a venda ni
macia especial kommpalkiea, ra Nova
custa cada exempjsr 4JJKH0.
Continua-se a vender (is melhores media
los, e o thesouro komcepatkieo pelos precos anae-
cidos.
O professor em bomcepathia*
Jos Alies Tenorio.
Gerept desta pharmacij.
O r. Vrthirio Cttitbo, W*a
da Cadpfa n. %%, ende tem nkerto MMalu
coneullorio me Jico, e pode ser procuft*
quaiquer hora para o ejercicio de sut pro-
fisstio.
ES5
xa incumbidog oe i
I ieausas e e*cnaaorio os Srs. Drs. An
ihe
gusto ^A lGss|aliflMhBs>. "**a
[ correspondencut ser dMpnl a este
mo, i ra do Imperador n. 75, pnl
immwfmm
Mapnra
Torres a.t .
se de ama eugommianira.
do
*

s
t



/
4
J
>
i &
Ditrio de PernMaUco
i-
:'
19 de Junto de 18A9.
1

M BE HITE
Aluga-se umainolnti de J8 Inift, ecri-
va, com bastante leite o de primeira crian*
ca, muito sadia: tratar na ra do Qqimfl-
do n. 19, segundo andy.
Crmi*
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5., (junto a
loja de cera) acabam de reabri-Io ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pratja, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
N. S MA DO CABlfi \ S
CFEITARIA DOS A4NAZES
16-RUA DA CRUZ -16
S. ANTONIO, H. JOAO E S. PE1IRO.
Ha diariamente sortimento de bollinlios paradla, podins, pues de l, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis di1 dilerentes qualidades. Papis para sortes,
bollos simples e enfeitados, amcndoas confeitadn e confeitos. Vinhos finos engarrafa-
dos, superior cli Hisson, pretoe mindinho, fruota em xaropes, ditas seccas e cbrista-
lisadas, assucar candi, xaropes refrigerantes.
Recebe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armacocs de assucar, sendo estas preferiveis as de papelao: bollos etc., paes
de l enfeitados, qunlrpicr encommenda para fra ser bem acondicionada.
Hospital Portuguez
O provedor do Hospital Portuguez de
enelicencia' em Pernambuco vem de novo,
e pela tereeira vez rogar, pedindo por es-
pecial obsequio aos Sis. associados do
mesmo hospital para que tenham a bon-
dade de comparecer domingo 20 do corrente
na sala das suas sessoes s i i horas
da manhaa, afim de em reuniSo eztraordi-
naria se considerar e deliberar sobre
fpropostas quetem de alterar algumas das
disposices dos actuaes estatutos. Recife
16 de Junho de I80,
O provedor.
Francis Juo de Unrr
Precisa-se de ama criada para iratar de crian-
zas e sahir a passeio com ellas, e tambem lavare
ominar : na ra du Quemado n. 39, 2* andar,
sendo a entrada pelo largo de Pedro H________
Lava-M e eiignmma com todo o aeeio e
prompiidio, e por commodo prc<;o : atra da ma-
trh da Ikia-visia n. 26, priuieirn andar.________
Precisase do urna Mffii pura cozjphar e
comprar-: a ra da Cadei.i do Recife n. M,
COMPRAS.
Compra-se urna eserava de meia idade, que
saibacozihar e Lew : na pfaca da Independencia
n. :t'.i, se dir.
Compra-se
barris vastos de banha americana, que esteja em
Ijoiii estado : na rua das Crjzes n. 7.
Moedas de prata do cnnho atitigo, coikprMii"
se por preco alto : na na do Cabug n. 5, Ioja
da Esmeralda.
15rua da Imperatriz15
CONFEITARIA E CAF FRANCEZ
SOR VETE DE C1KEJIE
TODAS AS QUINTAS-FEIRAS E DOMINGOS
Caf, cha, chocolate e tolos todos os dias desde 9 horas
da manhaa.
Oun'i e prta em obras vcllias, assim
como brifhntes sondo de primeira quali-
dr.de; compram-se por maior i wen que
em outra parte. Na teja de joias (Esme-
ralda) ru i do Cabug n. 5.________ '
"1MPRA-SE
urna carrosa, decaixao, de duasrodas.com
cavarlo earreios; quem tiver e quizer ven-
der anuuucie por este Diario, ou dirija-.se
ao sobrado n quo foi do fallecido Ma-
noel Custodio no caes de Santo Amaro.
iNa praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, compra-se ouro, prata, e pedras prcciosas.e
lambeta se faz uualquer obra de cncommeuda, e
iodo e qualquer concert.___________________
O muzeo de joias
Na rna do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
s pedras preciosas por preeos mais vantajosos do
que em outra nualquer parte.
414
Precisa-se de duas am
larde urna enanca, ou
dos Pires,taberna n. l, si
Ama de leite.
No largo do Carmo n. I, precisa- de urna ama
que tenlia bastante leite. nao se ulba a preco.
a rua da Cadeia du tccie n. 3, primeiro
andar, deseja-se sabor quein nesta praca o ci r-
respondente do Sr. Francisco Kemandes Vieira,
da villa d(i Sahoeiro, provincia do llear.
Caixeiro
Precisa-se de um menin> de 12 a li annos de
idade, para caixeiro de padaria, com pratica ou
ra cimommar e tra- sem ella : no paleo do Terco n. 38.
a c#7.iofir,r ; na rua ~ .~ __ _. ^ -.
,,ri*""1..... LEIAM.
Em umacasa de fanilia, a rua estreita
do Rosario a. 35 Io andar, foroece-se come-
dorias para fura, mandando-se levar as
casas que nao tiverera portador, e garan-
lindo-se oaceio, promptido e commodida-
d no proco, portanto convida-se aos Srs.
01110 E PRATA
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem como libras sterlinas, na rua do Ca-
bug o. 9, relojoaria._______________
MOEDAS
DE
OURO E PRATA.
Compram-se, offerecendo-se muito maior van-
tagem ao vendedor : no Coracao de Oaro n. 2 D.
rua do Cabag.
- Conmra-se mita negrinba de 9 10 aunos
de idade : na rua do Pires n. 3.
Papel para embrulho
. Compra-so papel para embrulho, na loja
do Pavao, rua da Imperatriz n. de Flix
Pereira da Silva.
o abaixo ns4f*fto decinra ;is prssoasquo esludantes h negociantes a honrar-nos com
tem contas antigs em scu estabelecimento, e sm a suas assignaturas.
que as tenha liquidado, por mais que tenham sido
as deligencias ampregadas para dii liin, fue ih>
prazo de i.'i a ifl dias as venham saldar ; pnrqno
depois do referido praio, vf'r-se-ha toreado a pro-
curar os nii-ios judiciaes para a liquidarao d'cll;is.
Recife, 20 de iuaiode)869.
_________________}'0"d Gmnes f s"m- Quem achou umeculo tlearmacao de
Ha urna caria viuda do sul para entregar ao (uieira restitui-lojao dono, leve rua da
Sr. alferes Temoliao de Albuquerque Maranhao. Di, que ser recompensado.
morador era S. Loarenco da Matla ha seis mezes :
na rua da Imperatriz n. i, annazein de molhados.
.UTonso de Albuquerque Mello nodon o seu es-
crptorio para a ru as Cruzes n. 37, defrontc da
ivpograpbja do Diario.
ouro, e
Gloria n.
Compra-sc urna casa terrea nesla cidade,
assi de 40 annos : a faHar n roa do Qneimado, luja
n. 46, de Bastos & Irmaos.
Comprain-i! dous escravos de meia idade,
acostumados ao servico de campo : na coebeira do
Thumaz, na rua de Santo Amaro.
Comprase jprnaes para embru'uo : na rua
du Crespo n. lo, laja da eE>pnjL
de oiu m
le Centra
Precisa-se
todo servioo : no lio-
escravo
O Sr. Jes Juaquim de Parias Guinar.-s tem
urna carta vinda do Porto : na rua do Vigario n.
19, Io andar.
f
nari t
rua larga do Rosario n. 37.
Em casa de T1E0D0R0 CHRIST1-
.VNSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
effectivainente todas as qualidades de vinhe
Bordeaux, Bourgogne do Rbeno.
UJLJ___ I II MljM^WMMMW
Compra-se
#uro prata % pedras preeios, io.flPori
d (JWKoito, la lujadle p'u/ives, no Re-
cife.
iEm casa, d Theodoro Simn 4C.
comprase ibom premio moedas de prata
(ty ctmho volito: Recife, largo do Corpo
San'o u. 21.
VENDAS.
Taberna
Vende-se a taberna da rua da Concordi n. 9i,
a qoal est bem afregnrzada e tem poneos fundos
propria para algum principiante; o motivo 0a
venda dir-se-ha ao pretndeme em particular : a
Iratar na Ponle-Velha n. 44 das 0 as 9 da raa-
nhaajjtcsta hora em dianlc n'esta typfgraphia
Coin dinheiro visf vende-se o sitio Liman
na povoacao dos Montes, ao p da estacao do Una:
a tratar eom Jos Paulo do Reg Brrelo, na villa
do Cabo. *
i armazcm
mero 4.
Flandres
i de Silva Barroca, rua da Cadeia nu-
___________________'__________
mi%
\ende-se a vPiaSeira grnxa do bem contiendo
abricame Dsy & Martin n. 97 : no arnazein de PeQas
J. A. Moreira Dias, rua da Cruz n. & ______
Forjo, fogo, e mam fot/o
No largo do Carmo n. vendora-se fuges de to-
das as ipiaHdades para festejar o glorioso S. Joao
e S. -Pedro, por preco commodo : oa mesmacasa
vende-?c massa secca pan bulos: s no largo do
Carino n,\.__________^___________^^
JAlil.MIA K .
MANDIOCA
Superior farinlia de mandioca recente-
mente chegada de Santa Catharina, vnde-
se a preco como lo a bordo do bi igue alle-
mu Lina, tundeado defroiTde do trapiche
do Exrn. Sr. Lurao do IJvramento ; a tra-
tar a bordo do mesmo, ou no escriptorio
de-Joa^uim Jos GttBftfres Beltro, rua
do Commercio n. 17.
JJalatas haratas.
, Vcndem-se a 800 rs. o gigO
Madre t\r Dos n. 16.
na travessa da
l?g:siiihos cha:ezcs artlicl es
para cjoes le Sauto Antonio
c N. Joio
Acaba de chegar grande sortimento dos mais
nlcressantes foguinhos chinles e de bengalla ar-
lifieiats. proprios para meninos soltarein denlro
de salas, sem queiiuar ou olender por seren l"a-
especialmete para divertimonto de
: no aruiazem do vapor francez, rua
bricados
enancas
Nitva-n.
Salitre
Vende-se salilre refinado a ?i3 a arroba : na
rna do Queimado n. 30, loja de ferrag>ns
Batatas
a 45200 o gijio : na rua da Madre de Deosn. 7.
Gigos eom .'15 libras, milito boas.
Ouro
E. A. Burle & C. tem para vender libras
sterlinas e moedas de vinle francos.
Vinho
Vinho Bordeaux superior qualidade, mar-
a s j conhecidas ; e o verdadeiro Cognac,
co mesmo esiabelecIrrVento.
Meneates
Sementes novas de hortalica : na rua da Cadeia
do Recife n. 50.
Vende-se a dinheiro ou a praso a padaria a
vapor sita em Una, a qual se acha livre e desem-
barazada : os preiendentes podem entender-se no
mesmo lugar com scu proprietario, ou cain Horha
Lima & puimaraes, na rua da Cadeia n. 40, e Ne-
comedes Maria Freir, no caes de Apollo
rival m ra
Rua do Queimdon, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azcve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodmho.
Est queiraando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o quf bom e barato.
Garrafal rom ,agua florida ver-
dadera ......
Garrafas com agua divina dame-
lhor qualidade .
Latas com superior banba fran-
ceza \ ......
Caixascom 12 frascos de cueiros
prqprio para mimos .
Dita com|0 frascos muito finos
Oleo baboza muito fino que s
a Vista *.....
Sabonetcs de calunga muito bo-
nito ..... .
Caixas de p de arroz muito
superior .....
Pegas de babadinbo com 10
varas ......
Caixas redondas emitando tai-
taruga ......
de fita de eos qualquer
largura .....
Escovas pata unbas muito fi-
nas .......
Escovas para dentes fazenda
milito L'ia.....
Pulceiras de contas de cores
para meninos .
Caixas de linlia branca
com 5 novellos ,>800
Caixas de linlia branca do gaz
com, 30 novellos 600
Pecas do tranca lisa de todas
as cores ..... ;>iO
Resmas de papel pautado muilu
lino ...... 4,5000
Pares de botos para punhos
muito bonio #120
Libras cfti 3a paa bordados de
de todas fs cores 8?>000
Pentes com costas de metal
muito finos ->320
Novellos do linha muito grande
para croxs fJ320
Duzia de linha froxa para bor-
dado i...... 480
Grosas de botes madr'epcrola
muito fino A..... 500
Sabonete muito finos 60, 120,
160, 240 e 320
Pecas de lita de 15a todas as
cores ...... 500
Espelhos dourados para parede
1000 e..... I 500
Espelhos de Jacaranda muito
tino ...... 2000
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol 060
Pares de mcias croas para me-
ninos ...... 320
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ...... i 500
Cartilhas da doutrina as mais
modernas ..... 400
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos 15200
do gaz
120C
l30
200
800
500
240
600
500
1500
500
500
240
200
HOVIDADES
llllili
Com este tilolo percorre as ras da ci-
dade todos os dias uteis das 9 horas da
manhaa s 5 da tarde, urna caixa contendo
artigos das ultimas modas de Parspara
sKNHOnas
Citmo sejam:
Ricas e bellas chapelinas.
Undos e elegantes ciiapesinhos.
Casaquinhos de guipiue.
Fichs de renda pretos.
Delicado sortimento de ciatos.
(kirpinhos de caiubraia enfeitados.
Boms de lan e seda, claros.
Coques enfeitados e lisos, etc. etc.
E muitos artigos de novidade tanto para
senhoras como para homens e criancas.
As pessoas que pretenderen! alguns des-
tes objectos, queiram ter a bondade de
mandar dizer suas moradas noIiAZAb
DA MODA,KUA NOVA N. 50afim de
teivni procuradas.
Os propietarios do hazah pa moda.
certos na ptima escalda desies artigos,
por seu mui liabil correspondente emParis,
julgam-se no din ilo de afflas^ar que ven-
dem suas mercadoii;s por procos as me-
Ihures' condirtk-s a dinheiro.
m
Veude-se una machina de costura em per-
fcito estado : na trevessa do Queimado n. 1, pri-
meiro andar.____________________________
Vende-se Urna mtileea de 8 annos propria
para casa de familia e andar com meninos : a ver
na rua do Imperador n. 77, primeiro andar.
Para forros de Santo Antonio,
S. jofto e 8. Pedro.
LIMALHV DE FERRO (muito nova).
DITA D'ACO (idem). -
DITA D'AGLHAS.
Vendem-se na botica c drogara de Bar-
tholomeu & C.
34RUA LARGA DO ROZARIO34
PECHIICHA.
CAPSULAS MULES
DE
ALCATRAD
Remedio por excelleucia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
raa Direita n.
P Ha para vender um completo sor-
H tmenlo de ogos artificiaos, tanto
ji|l para Sras.,como para criancas, pis-
g< tollas brancas e de cores, com 3,
| 4, 5 e 6 Malas, fontainas, cravei-
jja ros, ninlias singeHas e dobradas,
m. fogue'.inhos, buscaps, illumhia-
^ Ces bales de seda de 2 pasmos de
m altura etc, etc., feito por um des
mu melhores artistas dfsle* genero,
H Tambem ha para vender salitre, en
p xofre, breu, fio, facas t garios
B de diversos preeos e qualidades,
IJI bandeijas finas quadradas e ovaes ;
B alm do grande sortimento de l'er-
r=3 rabeos, miude/as, cutelai ias e trem
^ para cozinlia, efe, etc.
B Rua Din ita n. 53,1 oja de Manuel
liento de 0. Braga & C.
fefi

e
At que chegaram
SYSTEMA DEvSl.MA,
Grande factura de 1,500 su es de
pesos kilogrammas em series com
pelas de todos os tamajihos, me-
lhores de comprehender do que os
que tem vindi ao mercado, assim
como medidas de metros, chegaram
smente de encommenda propria
para a casa de Manoel Berilo de
Olveira Braga & C, rua Direita n.
53, e com dimiiiicap de piceos.
ventano em lempo.
Vendem Augusto P. de Oliveira & C. n>"
Commercio, n. 42.
Pichincha
Vendem-se vidros para vidraca, sonidos c de
boa qualidade, e bem acondicionados, a 12 a
m
caixa, em por(;ao e a retalho
n. 17.
na wV do Vicario
MLITO BARATO SE \Ei\DE I!
NO
Compra-se moedas de ouro e prata, bem
como libras sterlinas por naktr preco que
em outra parte: na roa do Crespo n. 16
primeiro andar.
Ve^iui-se u bonitos ecrlTos, unimo-
leqteunMix, bem eoziwheiw, nm *a*r-
nha de 10 annos : no tarceiro andar do sobrado
n. 36 da rua da Cruzes.
0 MUSEO DE JOIAS
C^
GOMES DE MAHOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o ftm del
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam|
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoahMnt(
das 6 horas da manhaa s 9 da nonte na
RUA DO CABUGA N. 4
onde encontrarfio um completo swtimento do que ha de miis elegaaie, I
bello e precioso em brilhanles, esmeraldas, rubins e tildo qae tto bmsj
de ouro, prata e platina se pode Jejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBIHS
de novos gestos, assim como grande taFedde d salva e palitenc* d
prata coatrastada e de gotto anda nio tMo, t completo sortimento del
objectos de prata para uso das igr^jas,
Copram e trocam qualqfteip ioia ott pedra preciosa gatantem
a qtrahdade dos objectos vendidos.
0 *
DEMS
Lindo sortimento de las de cores tnescladas
para vestido a 330 rs.o covado ; na leja de Alva-
rq Auusio de Almeida & C, rua do Crespo nu-
mero 20 B.___________________________
Vendem-se 30 barris de 5o de muito bom
ml de furo, prompto a einbarcar: na rua nova
de Santa Rila n. W, armatem _______
Vende-se urna parte de um sobrado sitq
rua Direita n: 1W : a tratar na roa eslretta do
Rosario n. 15, loja.
LH1
fio *: vEiii
Barbante
Em casa de Rfbe Schmetau de C. Corpo
Santo n. 15.
SHERBY 0L0R0Z0
Gelo seal.
COU\ ir IIK'WKNSV
Em casa de Rabe S^imettau 6c C. Corpo
GHA.
. SlrPERIOR.
. Corpo ftat 15.
t
PHARMACIA E^ROGARIA
DK
Bartholomeu G.
34RUA LARGA DO ROSARIO34
Sortes de S. Joo
Na ra da Conoelelo n. 36 vende-se bonitas sor-
tes a 3f 000 o cento, recebe-se tambem qualquer
ene o mineada de bollos bem feito o por commodo
prec^.
PtittON
RLOGRAMMAS
A' venda,
Irmao.
rua do Queimado n. 32, Azevedo &
Vende-se fumo de Garanhuns muito supe-
rior para caco, em arroba e a retalho ; e tambem
se wfide nm carneiro mnito gordo e manso par
andar em carro?* de menino : na rua do Rangel
n, 41. ______________________________
Baldes aerostticos
Interesaantes bafes aerostticos de cores
e tamanbos proprios para meninos e mocas
poderetn soltar as devertidas reunioes
campestres noute de S. Joo: anda acha-se
sorliioeolo no armaxem do vapor fraocez
narNova n. 7.
DE
BORDEAUX SUPERIOR.
CHAfKAC LA ROSE.
tm*TEAW WtAVZAX
EM cwa1 de Rabe Schmeltau fe C. Corpo
Santo n. 15. ______
Na ru da Imperatrut n. 88, '4 andar,
oa para veAder clo^ce de caj secco, mais
barato j'em Oulra qtiafqer parle, asim
esa bofe 4e S. Joao.
m*
^
ymitm mmtKtm do J. A. Merrt
Mossa batida,
Valdvino da plvora vende boa massa para fogo
a 720 rs. a libra, assim como boas pistolas : no
sea armaiem de sal, na rua Imperial n. 3(9, pou-
co alem da fabrica de sabio.
XAROPE PEITORAL '
DE .
m m mi
PLANTA DO BRASIL
expectorante e recommendado as
affeccSes do pello, bronchite chronica, he-
moptise, e losse ebrouica.
PRBPARADO por
JOAQU1M DE ALMEIDA PWTO
UtAlHACCTICO
Pernambuco rua larga do Rosario n. 10.
Balas de cores
Pistolas para noute de S. J<>So com to-
das balas de cores, fabricadas pelo methor
artista dete genero: acl\a-jse sortiocnto
pompjeto no armazem do vapor frapceina
rua Tora n. 1.
Norenas
-Acban-se a venda as novenas da glorioaa San-
t'Anna de, N. S. do Monte do Carino ; na, roa do!
Imperador n. 15, defronte de S. Francisco,
NOVA N. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMA 110
Os pioprietarios Jos de Souza Soarcs C, alm dos baratissimos preeos por que
eslo vendendo a grande variodade de arti-
gos de moda e novidades de bom gosto,
tanto para homens como para senhoras >.
meninos, vendem:
CHAPEOS moda imperial, de castor
branco para homens, fazenda lina, a 1601
(o preco 14*000).
COQUES enfeitados para noivas, grande
novidade a .S500.
DITOS sem enfeite e de delicados mol-
des, sendo de seda imitaco de cabellos
a H e 3^500.
MEIAS superiores inglezas para homens,
a duzia de pares 70800 (o preco de #
a 1O0OOO).
LKQUES de madeira sem difTerenca de
ndalo a 2,4000 e 20500, (grande pechin-
cha I)
DITOS com lentijoulas a 30 e 40000.
BARALHOS de cartas fracezas boa fa-
zenda. a 200 rs.
PAPEL inglez sem pauta, formato pie-
ijuo'io o fazeuda superior, um pacote per
10000,
LINDOS cintos de palha nfeitados para
senbora* (grand uoridade em Pars) a
20500 e : 0Of0.
DELICADOS corpinb* de cambra bfil-
lameute enfeitados a 60500 rs. (admira o
J3reca4 .
UMA grande variedade de lindos ob-
jectos para mimos, assim como muitos ar-
tigos de novidade e de apurado gosto que
se vende por preeos baivU'iiuaios
lif! MZdr ffK'nOu.
ttftt* ft*M MHdavel
.Vende-so um aifl pApeao,. murado, com.boa
casa do sobrad* cnu *f* Mor, eocjeina, iptri-
baria, bpa,iW fy bwr, ^m tafipba pm
bomba e tanqne para blnbo e para lavar r api,
muitos amarados e de mallas quawades, e6.,'tl-
luado a beira.o rio, ou psn ma atto da 8ri, '
tratar n rua Sv> a.
Yende-^ cajuar*) s
*W. rs.
i: no pateo
rt..
a libra,
do Car
imito
Venem-M saceos com mHio, no tranj<*e da
Companhia : a tratar no miaw, no fe r an-
darwda na CMki* vm*-'i~ ___
fNn|~.
proyt .
e.o.(fthos
fra.
-


e
lkb: de. Pwnaitibuco 4- SuWwdo 19 de. Jimiiu i de 186&(J
i---------------------------
72.
LIQUfMCAfl
i t *A K""
ARARA
Ra da Imperatriz. 72.
OmfflH MITAS rWKMDA
Alerta freguezes
que Arara va i cantar,
Para vender suas iazendas (baratas)
qde muito ha de agradar. "
O proprietario deste estabelecimento, tendo grande porco (Je fazendas em
vai proceder urna liquidacjio em todas as fazendas c roupas fetas existentes no
Bstabelecimento, agora que occasio de queui lera ponco dinlieiro poder se vestir de
boa fazenda e baratissima como se poder ver no annuncio abaixo mencionado.
MADAPOLAO BARATO A 3-51300. BRAMANTE PARA LENCES A %>.
Vende-se pecas de madapolo entestado Vende-se bramante com 10 palmos de
de 12 jardas MSOO, dito de 2*. jardas ou largura para lentes, a 25, a vara.
:. metros :'\ 60,64500, 7#500, 8#000 e
9,000.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vondem-se chitas francezas para vesti-
dos a 280, :J20 rs. o covado, ditas escuras
limito finas 360 rs. o covado.
tf. 4fl RITA
Chali a inulto ilno a SO rs.
Vende-se chalin para vestidos Je senhora
800 rs. o covado.
PERCALE%A lio RS.O COVADO.
Vende-se percales muito linos para ves-
tidos di; senhora a 440 rs. o covado.
Bi'ilhaatiuas 44 rs.
Vende-se briihantinns ou mursulinas de
cores para vestidos de seuhoras 440 rs. o
covado, lazinlias muiio finas para vestidos
de senhora 400 rs. e 500 rs. o covado,
dilas de quidrinhosa 240 rs. o covado.
USCADO FRANCEZ A 30 RS. O COVADO
Vende-se ciscado francez para vestido
de senhora a 3li0 rs. o covado.
taslnhas a 84 rs. o covado.
Vendem se laasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 rs. o covado.
Cassas francezas a 280 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas 280 rs. o
covado, chitas francezas finas a 280 e 320
rs. o covado.
Chales de merino 2-s.
Vende-se chales de merino estampados
2#e 24500 cada um, para acabar.
CORTES DE LAAS ABERTOS A SftOO
Vende-se cortes de la para vestidos de
senhora. 24400 cada um.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhora, 720 e 800 rs. o covado, di-
tas de listras 700 e 760 rs. o covado.
Chitas prussianas 360.
Vende-se chitas prussianas de listras de
cores muito bonitas a 360 rs. o covado.
CHITAS PARA COBEP.TA A 320
Vende-se chitas ncorpadas para coberta
320 rs. o covado.
Balcs de 30 a 3 arcos
1.9500.
Vende-se baloes de 20 a 30 arcos
1 >'i00 cada um, baloes modernos braneos
ede coras 5$.
PE<;AS DE ALGODaOA 44.
Veodem-M pecas de algodJe muito en-
eorpado \, '>>, (Ksuw.'T-v
Culeriahos ecoiitMnicos a 3*0
, duzia.
Vende-se colerinhos econmicos a 320
a duzia, s se vende assim barato por ter
grande poiv.ao.
CASEMIRAS DE CORES
Vomli-se cazemiras de cores para calsa
e palitt 2-5 2$500 e 34 o covado,
Algolo cafestado a i.*.
Vende-se algodSo erfestado proprio para
lences c toalhas, I A, a vara ou 900 rs. o
metro.
BRIM PARA CALCAS A 400 RS. O
COVADO.
Vende-se brim para cal<;as e palitots de
homem e menino, 400 e 440 rs. o co-
vado, dito lizo a imita;ao de ganga a 360
o covado.
Algodo de listras a 900 rs.
_ o covado
Vendffse algodo de listras para roupa
de escravos a 200 rs. o covado.
CORTES DE BRIM CASTOR A 640 RS.
Vci.de-se cortes de [ brim castor para
cala de homem, 640 c 800 rs. cada um.
CARTEIRA PARA VIAGEM" A U.
Vende-se carteiras para viagem i/5
cada una, cobertores de algodo I $500
cada um.
Coucrtas de chita 1 .**
Vende se coberlas de chitas de cores a
L5800 e 25. cada urna.
ALGODO TRANCADO Dti El'AS LARGURAS A
ttfQ.
Vende-se algodo transado de duas lar-
guras, proprios para lences e toalhas para
mesa, se vende a 1-3200 o metro.
Mantas para gravata 800 rs.
Vende-se mantas para grvala a 200 rs,
cada urna, lencos de seda de flores, a 640
cada um.
ATOALHADO PARDO A 2&>00.
Vende-se atoalhado pardo para toalhas
de mesa 2-5300 a vara, toalhis escuras
15. cada urna. Ra da'Lnperalriz luja
da Arara n. 72.
O Garibaldi principia
Certnente ha de agradar,
Que pelo preco que vai vencer
Ninguem o pode igualar.
0 proprietario deste estabelecimento denominado Garibaldi, declara ao resp ita-
vel publico e seus freguezes, quj tem recebido grande sorfimento de fazendas, e est
constantemente rec-bendo portodos as vapores que hegam ifc Europa novo sortimen-
to de fazendas da moda, e que vender por proco mais barato de-eue em outra qual-
quer parte, garantindo se aqualidade e c0rcs, na ra da Imperatriz n. 56, de Lourenco
l'ereira Mondes Guimares.
CHITAS LARGAS A 280 rs. i angas para calca a 3*0 r.
Vendem-se chitas francezas do cores fl- Vendem-se gangas de cores para calca e
xas a 280, 30 o covado, ditas matizadas palitots de horaens e meninos a 320 rs. o
escuras a 360 rs. o covado. covado, brim de cores a 400 e 440" rs. o
MADAPOLO ENTESTADO A 30500. 'covado.
Vendem-se pecas de madapolo entes-
tado a 3*300, dito inglez do 24 jardas a
5j, 6,5, 64500, 75300.8\ e W a peca.
ALGODO TRANCADO A 10200 0
METRO.
Vendem-se algodo de duas larguras pro-
prio para lences e toalhas por ser muito
largo, a I 5200 rs. o metro.
RISCACO FRANCEZ a 360 rs.
Vende-se finissimos riscados francezes
proprio para vestido de senhora e roupa
para meninos por ser de bonitas cores a
360 rs. o covado.
BRAMANTES PARA LENCES A 24 A
VARA.
Vende-se bramante de dez palmos de
largura proprio para lences a 25 a vara.
Chita amazonas a 360 rs.
Vendem-se ricas chitas de listras de um
de nome amzonas, para vestidos de se-
nhora a 360 rs. o covado, deste preco e
qualidade s ni toja do Garibjldi.
AOS SKNHORBS DONO* Dfi'fcOKjSRAS.
>Na toja do Garibaldi, lia umaf casemiras
de listras muito encorpadas proprias para
forrar carros, e se vende muito barato por
ser muito largas, preco a 2i$500 o covado.
ALGODO ENFESTADO A U A VARA.
Vende-se algod3o enfestado muito largo
proprio para lences a 15 a vara-.
ALPACAS DE CORES PARA VESTIDOS A
SoOrs. O COVADO..
S?dem"se alpacas estampadas de cores
a 500 rs. o covado propria para vestido de
senhora.
CHAPEOS DE SOL DE 3ACA A 35500.
Vendem-se chapeos de sol de alpaca ore-
ta a 35500 cada um. "", *
BRIM HAMBRGO A 85000 A PECA.
Vendem-se pecas de brim lizo de Ham-
fourgo com 20 varas a 85, 95 e 105 a peca.
Cortinados para amellas a *.
Vendem-se cortinadps para janellas a 75
o par, ditos para camas francezas a 145 o
cortinado.
DA CADEIA 4&
DE
SM.MI1K
SOR A DIRECCAo'dO MUITO HABILARTISTA
Lmtrtmo, alfaiate.
Os pronftjj^i deste novo estabelecimento, tendo experimentado a necessidade
urgente de ter naalwpo de sua officina de roigas por medida, um artista perito, tem
contralado o Sr. Lauriano Jos de .Barros para lal mister, convictos de que satisfar
com lodo o capricho a vontade do freguez.
Tem o mesmo estabelecimento um bom s irtimemto de fazendas proprias para
roupas de homem, como sejam: casimira de cor, indos' padres, completo sortimento de
pannos linos, preto e de cor, casimira preta, grande sortimento de brise bruos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina} lindos cortes de gorgurao para cohete,
gorguro Pekn, superior qualidade.
Os freguezes cncontrario ainda um variado sortimento de roupa feita, camisas
inglesas, coUariuhos, ccroulas, grvalas prelas e do phantasia, meias para homens, se-
nhoras, meninos e meninas, chapeos de seda para sol, colchas, bramante, atoalhado,
bales de diveisas crese modelos, cambraias, malas para viagem, e outros muitos ar-
tigos que amodicidade de seos precos incita a comprar. I
A riii da Cadeia n. 45
k NOVA ESPBANCA
i# -=JUa dqi Qumado:2)
Advertencia!
do Queimad
mfxk llP dft7P T1PMHS il te,nd0 em deP0Si, ewnde quantijfee
ldl\Q5 lie UUC gal raas ^ a^dezas, e como se approxima o Uro-
INJECTION BROU
Hyiielc lufalllvcl c PrescrtMIva, abwluunienw a uuiu que cura kui muIiuiu uuiuvu. V, uut al
mi rriBoipies bote "irado. (Exigir lutracea* 4* ). (M um de eiiaUMtt.) tui$, em
U hwwiif M99. hmmmi Mattnu. u. ^^ '
I^asluha de quai'rlnhos a
40 rs.
Vendem-se lasinbas de quadrinhos para
vestidos de senhora a 240 rs. o covado,
ditas estampadas a S80 e3i0 rs. o covado.,
POPELINAS EM LA A 610 RS.
Vendem-se popelinas em la do listra
para vestidos de senhora a 640 efiOOrs.
o covado.
CORTES DE LA A 25400 RS.
Vendem-se cortes de- la de listra arpa
vestidos de senhora a 25400 rs. para aca-
bar.
LA CHINEZA A 500 RS O COVADO
Vende-se la chineza para vestido 'de se-
nhora a 500 rs. .o covado.
Casemiras para calcas.
Vendem-se casemiras cor de caf, preta
e azul escuro com listras, para calcas e pa-
litots, fazenda muito encornada, propria
para o inverso, sendo flfo/fpP larguras
que 1 3/* co^o" s d urna calca para ho-
ftOO rs. covado.
Vndem-se alpacas lizas e deliradas- para
vestidos de senhora 700 e 800 rs. o covado,
BALOES DE ARCOS A 15500..
Venden-se baloes de 20 e 30 arcos a
45500 cada um, por este prco s na toja
do Garibaldi,
BRIM TRANCADO PARDO A 800 RS. O
METRO.
Vende-se brim paTdp trancado a^OO rs.
o metro, ro muito'fihp tMMLmrtro.
BALOES MODERNOS A 55000.
Vendem-se bales modernos ede cores
a 55 cada um. *
CASSAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vedem-se casss irancezat para vesti-
dos de senhora a 280 e 320 rs. o covado.
" CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 10*.
Vendem-se chapeos de sol de seda a
105 e 125, na ra da Imperatriz, toja do
Garibaldi n. 56.
hii.1l m m\ MMi
Ra do Queimado ns. 49 c 57
tojas de niiudezaz Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimcnfos por tsso queram apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pares de sapatos de tranca fa-
zenda nova a......25000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......15500
Duzias de meias cruas para ho-
mem a........35800
Tramoias do Porto fazenda boa
e pelo preco melhor 100 attos a 5200
Livros de misses abreviadas a 25000
Duzia de baralhos francezes muito
linos a25i00e.....2580C
Silabario portuguez com estam-
pas a ........ 5320
Grvalas de cores e pretas muito
finas a........ 5500
Duzias de meias para senhora fa-
zenda boa a......45000
Redes pretas lizas muito finas a 5320
Cartes com colchetes de lato
fazenda fina a...... 5020
Aboluaduras de vidro para colete
fazenda fina a. 5500
Caixas com'penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e 15000
Caitoes de linha Alexandre que
tem 200 jardas a 5100
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a .\ 5100
Caixas com superiores obreias
de massa a...... 5040
Duzias de agalhas para machina 25000
Libras de pregos francezes di-
verso tamanho a. 5240
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... 5120
Talheres para meninos muito
finos a. ,....... ,5240
Caixas com papel amizade muito
fino a........ 5700
Caixas com 100 envelopes muito
finos a........ 5600
Pentes volteados para meninas e .
senhoras a....... 5320
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. 5500
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80, 120 e 5320
Varas de franja para toalhas fa-
zenda fina a. 5160
Duzia de phosphoros de segu-
ranea da melhor qualidade a
400 e........ 500
Pecas de fita branca elstica
muito fina a. .... 200
Novel los de linha com 400 jardas 60
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a ....... 25500
Pecas de fitas bordadas com 3
varas a ....... 500
Ditas de ditas bordadas com 12
metros de 25000 a. 35000
Grozas de botes de touca muito
finos a...... .______166
Scbonete de alcatrio.
DI
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que 13o boa
acceitaco tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura crti
das impigens, sarnas, caspas e todas a*
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Barthotoasa C,
34ra larga-do Rosarlo34.
Tem para vender era seas ar:
tros, os seguales artigos:
Papel para mprimir.
Perlina azuL
Prev paulado e JlSc^
inhos
Bonrgogne. *^
Hery. ^j,
Madeira.
Hcnnitagc. /
Cliamblis.
Licor de enraco de HoUanda em caixas de vnv
te e quatro bolijiahas.
. GESSO,
Nos armazons de Tasso Irmaos.
Grades de ferr7
para jardns, poritkas etc. v.
Nos armazbs de Tasso rmeos
C Altlll\IDOS DE FERRO
Para servidos de grandes armazens, para'rfemo-
ver barricas ou caxoes de nm para outro, lado pelo
mdico prego de 12.S000 cada um.
Familia de trigo de Trieste
Das raeHioras marcas Panonia(verdadeira) Fon-
lana e grande sortimento das memores marcas de
adultas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Ohe
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso IrmSos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudo que sao obras para agua, co-
mo assentament de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tamos d'agua, etc., ete.: em ppredes de
ciacoento barricas se far reduecao no prego: nos
armazens do Tasso Irmaos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portland em easa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differenles qualidades para cercado de ani-
maes, chiquerros para galinbas ou jardns: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Vela de esparmacete verdaderas para lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso Irniaee.
Vinho do Porto fino superier: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso tamba.
A Nova Esper?nca, ra
21 tendo em deposito grande quantid
I/OJA
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Os proprietarrtfc deste beui conhecido estabele-
cimento, altti dos muitos ohjectos que tinliam ex-
postos a apreciadio do respeitavel publico, man-
flanun vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sorliiiicuto de
linas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a veitdcr, como de scu costume,
por pregos uiuito baratinhos c commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, prelas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabeeas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores coro vklr-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que podo ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles braneos
com lindos desenbos, e estes prelos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se- Machinas- de descarocar algodo.
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30S0H) Hoje que est reconhecido que as machinas de
a duzia, entretanto que nos a? vendemos por 205, serrote prejudicam e quebrara a fibra do algodo,
alm destas, temos tambera grande sortimento de preciso recorrer a machinismo menos spero,
outras qualidades, e*e as quaes algumas muito j que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
Unas- fcil idade no trabulio, nao quebrem a fibra da l.ia,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
Macarthy
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encarnaduras figu-
ras do mesmo, neste genero 6 o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambero grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, balea, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotmhos de cadeia e
de oulras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e pera meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cano de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas, e de mais a mais- sao ga-
rantidas pelo ftbrieantc, e nos poF nossa vez tam-
bem asseguramos sua quafidade e delicadeza.
Lindas e bellas rapellas para noWa.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo lim.
Grande e variado sortimento das roeHiftres per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Eleclricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitara a denticao das innocentes maneas. So-
mos desde muito recebederes destes prodigiosos
collares, e continoamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no morcado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre eneonirarao desles verda-
deiros collares, e os quaes atlendendo-se ao fim
para que sao applicados, se renderao conv um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dw enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7._________________
IMSTIIIIAS ASSIlAHtlAS
no
l. P.ERSON
De blsmuth e Hiagnoaiia.
Remedio por exeetencia par combate'
a magreza, facilitar a digestSo, fertifiear
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deBartboiomeud G.
34------Ra larga do Rosario------34.
NUlU, VISift)
foaqply M in
W9df ju
Inlo
s5o boje
prconisa-
POPULAR
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXE1RA FREDEMCO.& .
Acaba de ebegara este mefieado uBpor%i des-
ULoptimo rap, nico que p.idt-"suparir a falla do
pfineeza de Lisboa por ser d ag adavel perrume.
ff fabricado com superior fumo e pelo melbor
sjsthema conhecido, tendo taBwm t vautagem de
ser viajado, o que para este artigo urna espe-
cial idade. as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e
outras do imperto tem o rap Popular sido asss
alcolhido, e protavelmente.aqui tambem o ser,
logo que sejafconhecido e apreciado. Aeba-se
v nda por preco commodo, epara quem comprar
d SO libras par fena, fiivo-ha om di aconto de
5 )/0,.il<00 libras para-cima o de 8 O/D : no
e jrpwtio de Jnaquiro Jo* r a ao ComnierdoMh 47JIX11 w l.t*
a dHTercnca que ha entre o algodo descarojjado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fin-
cando em deuzo, pelo prejuizo qiio tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da laa, qae limpa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Bgypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a gg pon
O/O mais do que o nosso : vendem-se a 15000&
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tasso temaos.
Ac de millo.
Nos armazens de Tasso Irmaos.
BARRIS DE SALITRE
No< armazens de Tasso Irmaos.
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pon ada gal oupea.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Rna larga do Rosario------34.
po em que tem de ser dado o balanco/pr
isso desde j previne ao respeitavel piUi-
co, que est resolvida.a vender suasnMf-
cadorias pelo baralissimo preco, para aSfm
diminuir a grande quanlidade das qne
tem: assim pois, veniam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venham ser fregue-
zes, em tempo to opportuno qnando i
NOVESPERANgA conv4a-os pechindia-
rem, pois que para corarar-se caro, jijo
falta aonde e a quem...
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente djeParis) quer sem-
pre primar em nos remitter objectos de
goslo e perfeirao.^e eJhi (loja da Nova Es-
peranza) qner sen'pre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar contmHo (cTambos) S
Nova Espetanga tua doQueimado n.21,
alm do grande sortimento qe j taha,
acaba de receber mais o seguate :
Bonitos broches, pulceiras e brseos e
madreperola.
Papel e envelopes bordados e n#-
sados.
Papis proprios para enfeitar aoHos 9
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallos, franjas e trancas" de
seda e de laa, para enfeites de vestidos1,
Botoes de todas as com e moldes novft
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botes pretos tom vidrilhos co pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurca e eicssia.
Finas meias seda par senhora e me-
ninos.
Delicados leqne. de madreperula; mar-
Gm, osso e faia.
Espat tilho simales- e bordados.
Bengalas de tuleia.
Finalmente, ui completo wrtimentft'de
miudezas ra do Queimado n. 21, aa
Nova Esperanca.
Collares anodines ellectr~magneto
eos contra as convulcifas das
creancs.
N3o resta a menor duvida, de que muir-
collares se vendem per ahi intitulados 0$
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito*
pais de familias nao oreem (coprando-09)
no effeito promettidovo que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porna
que detesta a falsifiea?5o principalmente no
que respeita ao bera estar da hamanidade,
fez urna encommenda directa"destes collares
e garante aos pais de familias, que s5o ot
verdadeiros de Royer, que a tantas crean.-
fas tem salvado do terrivel incammodo d
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a. na do-Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ent5o ser ei-
fQcil alcan^ar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros ollare
de Royer. _
* *
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fuhrioa de Bisquit Dubouch & C, em
cognac urna das quo mais agurdente de
cognac, fornecem para o eonsumao do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, rna do
commcrcio n. 32.
Tabellas vermicidas
i
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efBcaz, e preferivel a todos oe
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil appKcac&j as creancs.
quasi sempre mais atacadas de t3o terrivel
e mui tas vetes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmaela e drogara.
* DE
Barthomeu & C. .
t ^VGHUfcUty
JMYiMJftj/fa.^f. \s
BOM VINHO
mm
1-se unt-f>iaao " oare : na roa do Padre loriano n.
.
As preparar^
vantajosamente conhecidas
1 polos mais hahei.-
Eurprja 'coinO do Jbiz
nos casos de anemia,/ cUorttMb hydropesia.
obs^gea, d ahaney m tfqpem ws^de
menstruacao .diHcI, calharro na. miga,
etc. etc.
Vendem-se em porcao e a retalho na ci-
dade d-o Recife. pharmata do seu compo-
sitor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
qnartel de polica.
linper
PARA ASTOITES
aos^aniantes do queSbon^-iiiOi h he
connmra-s
Libras e ouro nacional
'J de fran
edoende^ no aroo da Con
Varives, no Recife. '___________
ai w m
Chegon ao antigo deposit de Henry Frster 6
C, ra do frtperador, om tfarregtneitto de gai
de primera qatlidade; o gaal vende em partida
e a retalho por menos preco do que om outra qual-
quer parte.
ia pt n^ohi
conlrmra-se
, S. Pedro e
re*!?*
ida casa da abobada da Penlia 11.
fornecer massas para bilo9 de S.
iant'Anna, com muita limpezae
USSA e XAHOPE
>tS58PllNA DE BERTHE!
-reattatfc
CATHi
DO PE1T0.
1 ra o1
AS ASI
Jf. B. O Xarof{4e Cainita qvf fftrtcti>
honra, aia$ ban rara entre os 3ledicai*cntoi
notoJfWmm registradoxemu 4o tniir,
menJtLOljiffoet to Imperio Franca iitpciita
quajgS^iogio.
AVISO. P ficafao que ten tuteitado o fe|ii resultado do
Xarope e ma- de BerM time rttcadr
lerabrar queestpamedicarneutoi lajusiaiueale
conceiluados t se
vendem em calim-
bas e frascos leva ai*
i assignatura en
frente.
16, !ue des colci, t na Pliarmacia Central
de Franca. 7, line de Jouy, cm Pars, e la
todas as l'liaimacias piiuci|iaes do Rrazil,
^K*--pel? rS'P* ***"?* i eons
-iirnade
FertxftrSira ^lva, nma no*a^remessa de bem
cophecido o excellente vh?ho _pjro do Douro em
barris de 6* e iQ^i garanlitido-se que nao tem coo-
feec*? algttnia ; ueste genero >' o mellior i|c tem
viqdo ao errado, e leuilo proprio para usar nas
horas de eotuid, e ten'* por prerfl razoavel :
na loja do l'avan, ra da Imperatriz n. 00.
'lili. *-
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j no-
deis ver de longe, j podis ver deperto.
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo-ulti-
mo vapor um-rico e variado sortim nto de
oculos, lunetas, pince-nea, face -main, lor-
guons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, uicornio emelchior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatoo, campo marinha, da ulti-
ma invencao ; duquesas, vienezas de 6, 8 e
1 vidrus, ludo dos elhores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor trou-
se urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vid ros qoe se necessit
conforme a vista d
quakjuer pessoa.
Tem exceltentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chr/stal do rocha, e de cores para resguar-
dar a *ua>; eoncerta toilos os objectos
peco conunodos e coa promptidao.; tira
o mofo doe vidrose euwrrega-sejfttod3 a
encommonda relativa a ptica.
Receheu tambem. os excelentes relogit
do antigo e afamada filiHcan te /f'iwrf Gerth
&C, os quaes vendem pieges commodos
tgarantindO a sua> SupertoP qjaaliaa
Aehantrie veivla snries jara hopiens e s
nhoras, um tanto agradaveis para eSsas oeeasfcTi
dedjvertimei|os e prazeres : nas livritrias frajoce-
za ra do Crespd ti. 9, na Econmica
a do
Cdb
na
sbo n. 3, na Popular ra do Inij^-dor a 67,
._doSr. Gardozo Ayres ra da Cadeia do Reci-
fe n. 31, na do Sr. Jos Barbos* ta Mello ra da
Cruz n. 5, na do Sr.'padre Lomos rna do Impe-
rador *. 13, a Eocaderajao Parisiense ra 4o
ADS^a,TOETEffiOS
Bartholomeu &C.
vf:.\Di^i
SALILRE refinado de Ia qualidade.
ENXOFREemcylindro
LIMALHA de ferro (muito nova).
DITA d'aco (dem).
DITA d'agnlhs.
E todas os mais preparados pan os litiP
dos fogos de coros *na sua drogtria rus
larga llosario n. 34.
Vende-se um preto de 18 annos de idade
trata-se na roa da Imperatriz n. 13,
Novidades do Campos
para S. Joo
Interesante fogo artifleUpara
saldes, viudo da certa i#rl<|
ui'arau veutle-se na sasM Imperador n. 'H. jii
ECNOMO' DOMEStlOt"
Superior farinha da >teifa m saceos, o
4(j tambem se vende por menea Jando
porcoes.' 3^f
AOS ESTABELECIMENTO-'
Medidas para seceos, confornfe ly'llovp
systema mtrico decimal. ^^^. -
Tabelras rodispensaveis, facea^5ais
adopUdas athojonosestbelecinien% qua
cmprame vendem a peso, pofqne mostrara
ellas com a saaior exactid5o, a redueco do
pesle preto entf oe Uoussyslemas: libras
e kilogrammas, recometidadis de preft-
rencia a outra quahper tafcdla, pea sua
hcil comnrebenslo ainda para as pessoa
EmEos habiltadasem commercio e calculo^,
IrJia-se a venda tudo cima na ruado Im-
perador n. 28,
Arraaa*aMl(> Campos


i


Diario de Pernambuco Sabbado 19 de Junho de 1869.
-
'. '
J
t

3cordeiro previdente
Boa do Queiniado n. i .
Noto e variado sortimento do perfumarlas
finas, e outros objectos.
AKrm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
reeeber ttm outro sortimento que se torna
ootavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, quafidades e commodidades de pre*
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
de respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao so afs*
tando elle de sua bm conhecida mansidSo
e baratera. Em dita loja encontrarSo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Colegne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mals acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacSo do
asseie da bocea.
Cosmetiqucs de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidadesi
Finos extractos ingiere.', americanos c
francezes em frascos simples enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel clici-
ro de violeta.
Ostras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis. %
Olee pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
'oa escollles che ros, em frascos de diffe-
rentestamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para m5os.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninas.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos o elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicao de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
zas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora outras di itrenles
aalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Uiii outro sortimento de coques de ao-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
3 alguns d'elles ornados de flores e fitas,
-:sto todos expostos apreciarlo de que
33 pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto o perfeicao.
Flvellas e fitas para eiatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS. .
O que de melhor se pode encontrar neste
.jenero, sohresahindo os delicados ramos
jrvalhados para coques.
QUE SE LIQUIDAM
A DINHElRO NA LOJA E ARIMAZEM
30aa& m iiiai?aaa,iai3-Ha. w
DE
FLIX PERETR1 DA SIliVA.
O proprietario d'este estabelecimento, convida ao respeitavel publico desU ca-
pital a vr surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
le, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninas, e> as
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
poderao fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porc5es, venden lo-se-lhes
pelos presos que se compran as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 0 horas da manhSa s 9 da noute.
Casemiras da moda
Vinho degestivo de
chassaing
.:om
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excedencia para cura certa
das digestSes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as foreas
prodozindo urna assimulacd completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
PHARMACIA *E DROGARA
DB
Bartholonaen ti C.
34 RA LARGA DO ROSARIO34
Libras esterlinas,
Recife, n. 58.
na ra da Cadeia do
FUNDICAO DOBOWMAN
lina do itrnm a. *.
PASSANDO O CIIAFARIZ
Tem sempre deposito de todo o ma Cinis-
mo empregado na agricultura da provincia,
mtreo qual:
Machinas de vapor, para asquear e para
ilgodo.
Rodas d'agoa.
Motores de diversas "especies.
Moendas de canna.
Rodas dentadas, para animaos, agoa e
varar.
Tixas de ferro, batido fundido o de
xbre.
Alambiques.
Arados o instrumentos d'agricultura.
Descargadores d'algodao etc. etc.
Havendo em tudo oriaMa de Umanho
desde o menor at o maior que se costu-
ma empregar
Vende-?e manteiga ingle moit boa a 900 r.,
1.a, e laiiO a libra, muito fina, presunto de La-
mego a 800 r. a libra, carne da sertao a 300 rs.,
linguica fina em latas a l .1 libra, farello, sarco
de ilOO, e o de Lisboa fina a~5j440 no pateo
Panizo n. 20. k
Encanamento de agoa
e gaz.
Canos de ferro esunhado e com porcelana, ditos
Je chumbo de todas as grosuras.
Pesos pelo nov sistema
Temos dos novo peros completas a retalbo :
venda. ra do Queimado. Azevedo A Irmao.
Esplendido sortimento de
Alpacas lavradas de crea a seo
Alpacas a 300 Alpacas a 560
Alpacas do corea
Na loja do PavJo a ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias par vestidos o roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de cama, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna so
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 3ti0 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
Ao dez mil vados de cassas
fcaaeczas
Covado a 300 Covado a 300
Covado 1300
Cavado a 300 Covado-a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da em-
peratriz n. 60 urna grande qaantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padrees miudos e grvi-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padrees
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
ta Iba-se a 300 rs. o covado.
Efcpartilkos a 34000 ata loja do
Pavo
Vende-se urna grande porcae de esparti-
Ihos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tainanhos, e
vendem-se a 3$ cada um.
MADAPOLO ENTESTADO A 3^600, S
NO PAVAO
Vendem-se j)ecas de madapolo enfestado
com l jardas, sendo rnuito incorpado pelo
barato preco de 3560> ris, assim como
pecas de algodadsinho com 16 jardas
4^300 e 3 000 ris.
ALPACAS LAVRADAS COM LISTAS A 300
RS. S O PAVO VENDE
Covado a 300 rs.
Covado a 300 rs.
Covado a 300 re.
Covado a 300 rs.
Covado a 300 rs.
Covado a 500 rs.
Na loja do Pavo ra da Imperalriz n.
NA
MU DO PAVAO
Chegou pelo ultimo vapor francez, nm
grando e vordadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
Cas, paletots ecolete, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderemse muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 185e 20SO00.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobnecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muito bera acabada pelos baratos precos
de 8& sendo forrados de alpaca, e de
20 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinbeiro, porm liqukla-se
esta pe<-hincha elos precos cima.
I.aziuhas a 9dO rs.
Vendem-se lazinbas para vestidos e rou-
pas de meninos, sendo So encorpadas
como chitas, pelo barato ppeco de 240 rs.
o covado.
POUPEL1NAS A 300 RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais liadas poupelinas ou lazinbas trans-
parentes, proprias para vestidos e roapas
de ereancas, com as hus modernas e bo-
nitas cores ; padros com listrinbas miudi-
nhas, que se veadem pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz u. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de ambraias
(izas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 5^000 at 100000 a peca, assim
como finissimos organdys braceo liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Felii Pe-
reira da Silva.
Cortinado*
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento 6O6 me-
60 vende-se urna grande porco 'de alpacas Inores e maiores cortinados bordados pro-
avradas com os mais lindos padres listra-
dos e com flores matisadas, sendo este ar-
tigo una grande pechincha, por so terem
comprado urnas poucas de caucas e vende-se
pelo barato preco de 500 rs. o covado.
C lales
PELERINAS DE CROCH A 8?, i0000
E 125000
Chegaram para a loja do Pavo as mais
modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
rinas de fil e croch que se vendein a 8 e
10) e 124.
CHAME PECHINCHA
PERCALLAS
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo i roa da Imperatriz n.
60 vende-se urna grande porco de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padres miudos e
grados e vende-se pelo naratissimo preco
de 320 rs, o covado, garant;do-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratsimo preco' para apurar di-
nheiro.
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12^000 rs. cada par at 2500 rs,
isto na ra da Imperatriz-n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 00
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletos de casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento dp
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho c algodo e outros muitos artigos
proprios parThomens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na na da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva. j
COLCHAS PARA CAMA A 5*000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
las para cama, pelo barato preco de 5J,
grande pechincha, na loja o armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de. Flix
Pereira da Silva.
O atoalbado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
.om 8 palmos de largura, adamascado, a
#200 a vara; dito de linho fazenda muito
mperor a 3 .-5200 a vara ; guardanapos' de
inho adamascados a 4^500 a duzia e muito
inos a 8000, e ditos econmicos a 34300
t duzia.
E' um lindo a iuaofensivo fogo de artificio, pela
sua qnalldade, qai iflpoMlvd rebentar, so se
for frito por quem nfo snvbvr: garantimos os que
se fabriAMi na miga (tbrie ,* estrada de Juio
de Barros, da viuva Rofino, e as tnciUMnenda
para os que sefazem em dita fabrica, recefeem-se
no armazem da bula amarella, no oitao da secre-
tara de poficia.
Attenpao.
Na na dfart Fiohaton Jl wte'w aun"
dir pr?parad par bolos a 500 rs. a, libra.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1^800
Chegou para a loja co Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grando porco de
p cas do bramante qom 40 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lenco!, o qual se faz com um
metro e tima quarta, e para cama de casal,
com um metro c meio; e vende-se pelo
barato preco de 16800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicaces para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA 0 INVERN
DE 33000 60Q0
Chegou para, a loja, do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
la de carneiro, sendo muito grandes c j
muito encorpados, que se vendem de 3,-iJ dc-se pelo baratissimo preco
al 6,5000 cada u, eit 'telcBo s diffe- covado.
rentes qualidades, peobiiKha: a elies an-
tes que se acaben.
ATTENCO
AS PECHTNCHAS JE SE L1QWDAM
NA LpJA >Q PAVAO
Cortes de organdy listradas com 10 va-
ras cada um e que tambora servora para
luto a 3^000.
Lanzinhas de cores para, vestidos a 200
rs. o covado.
Cortes ile cambraia com barras bordada*
e muito finas a 34 e '14000.
Cassa toda pr^ta pjira vestidos a 320 rs,
a vara.
Chita preta eOreita comsaJpicos para ves-
tido a 240 ,o, covado.
Ditas ditas lisas a.130 0.covado.
E' pcchmcBi p"ara fechar contas.
U-8tTA DO QEIKADO-11
PORTO & C.
Receberam supe/iores vestidos de blohd com manta e capafla para noivas, que
vendem-se por precos mais modicoi do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca^ de cores o que ha de mais lindo.
BASQINESde renda preta, e de gorgaro preto, o que ha de mais
elegante.
CILVPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALESbrancos e de cores para senhoras e meninas, esparlilhos, saias bor-
dadas, e saias de la com barras de cor.
GORGURAO de."seda branco e preto para vestidos, sedas de cores,, moirean-
tique branco,, e grosdenaple branco, de cores e preto, princesas, bombazinas pelas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.

rtt tfAWWA BBj^
^U
* 60 tliMAt)6
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura indelevei para fingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida lain que ento era descoohecida em Per-
naiobuco, j boje estimada e procurada
por sen etficaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito.e a
eiperieacia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffeosivos, tem a
'propriedade ex'aordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, -quando edtiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum.
E' porm necessario fazer eonhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao 4 instantneo, como muitas pes-
soas tal vez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bera
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim poisesta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Agola Branca, contando com a protec-
co de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemtyo 10 esplendido sortimento
me acaba de reeeber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
tfo de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
i oracSo, obras de apurado gosto e perfei-
?3o, sendo: com capas de jnadreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim
bonitos.
igualmente
outros im
Ditos com ditas de velludo,
tando charo maahetado.
Ditos cora ditas de marroqoim com cruz
e fuarnii;5o, -ourada ou pi-ateada.
Coras e tercos de -:ornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperoia, madreperola e seda,
sndalo, 6ai>dalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes eufeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cnente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abortas, tambem
para meninas o senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torca!, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS TRODIGIOSOS
Anneis e coljares Royer para ereancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
PinScis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de pallia.
Fitas larga para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas
008?I f ataRoo caed oje ep 3Q;oq
OOf ........opijsa.v
op uinjqsp cjbJ cjij ap scdoj
005 .....souanbad sojirj
OOOVft........peinop
ejnpjouj raoo sapuejS soqiadsg
o9-d opoj 'cjaa op scjaunji
08 suopjo 5 saiaxjoo moa objjbo
OO^l 8 Riznp cpjBf 00? op equn
008 B 3181100 Bjcd sejnpBOioqy
OOOv'......... "!z
np suooioq WBd scnj.i sBiapj
Ofe&'S........80r,I
'008 'OO so.narp ojoo sodsbj j
005 b oqond ued saoioq ap sojbj
005 "SOPra BJBd soouBjq soauaq
008 BUP9J clu raoo sbjcjjco
09
00'/vi
OOOVT
05
tm
00
008v9
091
00?
OC
0061
r "j'^noi op svioioq op bzo.io
BJMip BniC U10D BJB.UBO
o 008 '00 '009 '00S
v, iowzhojyrd o""soc|!pi:qpy
' 8005 05**001 '08 fsap
-cp'^enb se sppoj .ip oiouoqss
n Bsoqtq ap ooo moa soosb.ij
...... .-. CS(,p
-JBfOO U103 PqfP S0||8A0N
jBq.iuq-B.red 9qtitj8p sejqiq
8 sj 001 c wj!1 moa soosbjj
e sBqun
o cjn-jsoo pjb(1 SBjnosoqx
.........e SEO
-1U9UI BJBd B?S3ABJ1 8p SOJUGJ
c BJi^pBpja.v JflAij
BTU0|00 9p BUgC mo-3 SOOSBJj
:s8;umg9s sodaid so^d sopBJ
Bpap oxiBqB soqoafqo so opu^uianb ?^sg
1YHWME mwm OSWOMV

ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 15000
Na loja do Pavao, venderse superior alpa-
co ou gurguriflpara vesiidos, sendo n'es-
te genero o mais moderno mais- bonito
que tem vindo ao raer-iado com diierentes
cores, sendo mais largo que alpaca, e ven-
de llOOO-o
-mi
Xrtvldade Xovldade
GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DOMEZ^JNHO
Chegoa pelo vapor de U do corrente,
para a loja do Pavo, i ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante s-sriimento dos mais
modernose mais bonitos gurgwpes de seda,
para vestidos, tendo pidroes ajiudinhps e
grvidos, com lindas- listras matisadas^ as-
sentadas as mais delicadas corea* como
sejam, verde, bismarij, IvrM), azul, perola.
etc. eter, assim como ditos, lisos de todas
as coras, garautindo-so, que M,act*aiidad
nio ha ama. fazenda n mais geetonem (le
mais pbantasia do qoe estaque so-venda par
preco muito rasoavel, iw estabecimento
de Flix Pef eir da Si
s v-oavHiaio ihi vim-ss \
IVUOdML
:1J
Carneiro Vianna
Neste BAZAR oncontra-se nm cCmplek
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por precos commodos como sujam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de todos os systemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima oxposico serviros a electos para almo-
CO e jantar, salvas, bandejas, taboleiros, bol-
sas e malas para viagem, indispeusaveispaia
senhoras, caudieiros para sala e cima de mesa,
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para fazer caf, ditas para
batei1 ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manleiga, camas do ferro para.
casados, solteiros e enanca, berros, cadeix
ras tongas para viagem, ditas de balanco,
espelhos de lodos os tamaitos, molduras-
para quadros. gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinquedos para criaucas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sula, quinto.
"rente desopila, janella e porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escriptorio e
muitos outros artigos que se enconti aro .
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a ppn ir examinar.
Para enfeitar bolos
Papel fino arrendado proprio enfeites de
bolos: no armazem do vapor francez narria
.'.'ova n. 7.
Vende-sc* em casa de Oliveira
Fhos & O., larg do Corpo
Sanio n. 19
Libras esterlinas.
Vinho moscatel de Setubal.
Potassa da Russia, em bariis e meios
ditos.
Orvo animal de superior qualidade.
Panno de algodo da fabrica de Feruaa
Velho, para saceos e roupas de escravos.
VEISDE-SE
Pipas vasiis, barris de S, e mu dcimo
tudo em perfeito estado, frasqueta* pro-
prias para frascos com genebra de Holla;.-
da, urna poreo de garrafas vasias e botijas
para cerveja, e urna pipa com 80 caadas
de agurdente de canna superior chegada
ltimamente do malo : no deposito da ra
do Lima em Santo Amaro, n. 30, das 9 ho-
ras da'manlia em diante,
Cera de carnauba em sacos e pennas de
ria : vetiV.-se na na du Queimado n. t:i, pri-
ineiro andar.
Cabras e ovelhas
Vendeni-se tres catiras muito mansas e bov;
de Icite, proprias para criar meninos, 0 que ejlao
mi prestes a [.arir.-m ; e tambem urna ovRia
mni grande, mansa, c quo d muito leiie : qumn
as pretender, dirjase a tua do Imperador n. ir,,
defronte de S. Francisco.
Manuel Alves Ferreira & C. tccni para ven"
der muito superior vinho do Porto e Claren.-, em
caixas de duzia : na ra da Mocda 11. S. segundo
andar.


M
i:uim
I.ab) ri nlhos do (cara
Chogarm na do Crepo n. V, lindissim;^
frondas de labyrlnlho, proprias para rumas. m 1
como ricas toalhas proprias para baptizados, que
se vendein mais barato do que em outra qualqui 1
parte.
ESCRAVOS FUGICOS.
Contina fgido o esenvo de nome Beoc-
dic..). periencente ao abai.xo assignado, cpm <
signes seguintes : preto fulo, altura regular,
falta de dentes di parle superior, pes gffeodn,
muito ladino, c pouca barba. Suppoe-sc estar
amulado e-ta cldadP. d'onde fogto com urna mu-
lata pertencente D. Genoveva ('.orna ejg Araujo
Alluopienpie, tamleni com os signaes segnintM":
cabellos annellados, nariz cliato, lall de denles da
parte superior, pejs pequeos, tendo pbi o d;reia>
urna cicatriz, urna belid- no olho esqoerdoe alQi-
a regular. Os senhores tanto do esrravo como da
escrav"."! nrotestam conna qualquer que os tenl .
acoutado, pt-ij.-';!atiini> causados, bem cfmo i*o-
aiv as aiiiiiidad.- pJjcjacs ou ipiaesquer outi'kJ
penjhn que se dignem e fue-k capiurar 0
mandar levar ao escriptorio de Leal & Ii mo, que
recoin|iensaro coin generosidade.
_____ l.'jiz >U Mbuqiierqite MoranhaiK
lio cnfnnho JxcyJHM, frejieria do Cabo, b*
noite Je o* pan 7 J> crrente. lupirain a* escravus
seguintes : Sanador, crinlo, cor preta, liaixo,
grosso, ida'e to Vt annis mais eu menos, bart 1
j pintada, rosto redondo e trabalba de carapinj
Esli* escravo foi comprado ao Sr. Francisco Jos4
de Aivujo, morador na cidade do Kerife.- Manuel,
preto, alt<. barbado, bom corpo, peritas finas, e tem
a falla um pouco descansada, representa ter 20
OSOS mais ou menos. I.evoii ralea de a'g' da 1
americano, camisa de niadapoio j volha e eba-
po de (floro : este eteravo foi comprado ao Sr.
Junas Mariano de S, iorador em Moxot. par
onde des.coniia-se ter seguido. R gr.se s autori-
dailes policiaes e aos capitaesde cahipo aapnro-
lienso dos referidos escravos. c entieya-los..
mu seimor Antonio Carneiro Lins e Mello, no en-
genbo cima referido.
No Io do crreme desajtpaiectu do
sitio Salgado, freguezia do Pilar, provincia
da Parahyba. oegeravo Jo^-, com os sig-
naes seguiutes: negro acjtbraihado, 19
anuos, cara grande,, beicos linos, olhos
ni pequeos e coniptidos, cabello carapi-
ha, <|tieixa largo, boa dentadura, i-
dos do pe direito en:urvados para a es-
queyda, joelho esquerdo envergado para
dentro, fazendo remar o p para fia, mar-
cas do chicote tas costas, de um mez pou-
co mais ou menos.Suspi-ia-se ti r sido
seduzido por alguem para vlr vendc-lo
tiesta cidade. Quern o descobrir dirija-se
ao seu senhoi', Candido Augusto de Brito,
lugar cima indicado, ou ao Rvm. Dr. Joa-
quim Graciano de Araujo, Ponte-Vellta tu
10. que ser generosamente recom|ensado.
MER0O DE BOJWU
Va^e-sB ea frucot
D F1GAD0S FRESCOS DE blCiLfilOtrt.ngu-
les, pharmacia Hoeo,
>. re de
em Paris.
Ab ealrteCf Atm, o oleo parao*, d'ura cheiro lorie, c mais coouiosic&as feius con oteo*
B> 4e pchea 1 mnima) IW 1 cmio a etpth'o, o arrala, o phoca, a lina, ex oltn ao snKa^ortsjirrfmdru
mesiM e< om Mfttaea, ion imaginados para substituir es vemimitlr Mm V _
Crcc*a Ih a Terra !%'*. Estes leos oonununs ou sea* re A
oMM* na MtistHapwyreeos mu 1 baos, om qusmo que oa Terdaddros leos d* axado d bc4lh*
e fw*PhalT*> a ma0' dM *'.etCte no taw,.a ajar a Docfrai o wliaia
mitata* IMM i uul fecU cor de pU, oeo cheira,)* e dalieeaa,,aaejosto de s^rdinlMl^aBaa^
O BLTOIUO fMrUW) cVfs dos
PAN
coawaaaiaa:

0-af edfVi/ld
oi.,weot
ehymkot da rACUUMDB DK MDIOHA DE
ndo apTtunt ajaM ato mo^tmimtm l/m* $,

Fugio do en^nho Pkpagaio, termo de Pi rio
Calvo, na provincia eos Ala|tws, o escravo I.oria-
' \i\ crk'Qlo, preto, idado de 32 annos. pouco mis
iipnos.ahora baxa. barbado, bem falianie. cw-
briaga-se muito, e intitula-so Jorro* tem ofGcio de
sanateiro. e tamf'<"n rarieiro. cowta Qoe anda
em Goyanna, em Pernambuco ; rec<>mn*!:da-so
a todas as autoei(aeli, pollfiae, assim cerno a
ai<|uer po*sna que o encontrar, que o prenda
.-empfa *i seivseohqr me o capitao Ja- Can-
dido das Neves, to enj-entio Papapaio, ou na ra
de Apeltc, armazem D. 31 que se pagar teda e
|Mi>quei dispezas ^oe boaverem de ser faitjs
MtA a prisov do mesa w$%y 1--t'ficnr jipnejosamente .a.quem der ouiic.a
exacta do referido escravo.

......
X.
le gratrfieacao a qnem pepir e levar ra V,
Ineimado n. 13, a pserava patria, losepbav tntt*-
"rnda no 8r. cammendadbr los Joaquiw de Lina
iairiui, e tupida do sitio n. 7, oat4ra4* de Jko
'"ornaiules Vieira, em fln!lao mez prximo pass.*-
lo.fom 03 signaes seguir' cabello t-om o co-
ima trtue-lo amamfloJalgunws ricaw tticuM au posta, car fjfcuna,Kra.'- a'gre
mito-risonho, levu nded. om el, o food.i-
io uma trouxa couvporca/1 oe ronpa,.to>un tr-
iar d Virtegim^e a trajar betn. Hvtosfca-;e
ontra quem a tiver oceul
.



VUMfc
8
Diario de Pemambuco Sabbado 19 de Junho de 1869.
0ERAL
CMARA DOS SRS. REPUTADOS
SESSO RM I OG JUNHO.
PIUlSDKNCIA DO Sil. VISXttiDK DE
OMRMMMK
CrmlinnicSo.)
Pbde ser que a enmates! \ l'uesse a re-
; inspirando-se na prudencia acon-
selhr-di pelos principios econmica {com
qoafito. para que o prodtcto dos 4 (tyO d
aWgmento sobro os direito* que se cobrnm
los gneros de consumo rifi nicamente
10,000:000*, seja preciso que a importan-
cia dsses dirertos des? a 25,000:000*.
irfr> meu proposito repudiar agora o cal*
cuto1 da commisslo, segundo o qaal provira
de tal fonte somonte aquella somma de
10; 090:000*. porque tenho apreciado a
cautella com que a commisslo proceden,
tanto mais quanto ella prope a exlincclo
de certos direitos. que contribuan annual-
mente com 1.000:000* para a renda pu-
blica.
Ma. aceitos os seus clcalos, a cotnmis-
sao ha de permittir que Ihe diga que entlo
ha insnfficiencia nos meios por ella forneci-
do9 ao governo, para fazer fice s despezas
do exercicio de 18091870, as quaes sao
raaiores.
Broduzinte o augmento de 40 O/O na
importancia dos- (hnotos de InpnrteeSo s-
mente a quantia de 10,000.000,*, temos
anda o producto da ele-vatio a 5 o/O dos
dircitos addieonaes nos gneros que pagam
2 0/0 e da imposic > desses mesmos 5 0 0
nos gneros artualmefite isentos; o que
dte prodir/.ir.2.00Q:000*, calculando-seo
valor da imporlago desses genero^ em
40.000:000,', como o faz o parecer da com-
raisso.
Nao comprehendi tem porque a commis-
slo, aceitando este valor, elevou o produc-
to dos 5 0/0 a 2,200:000* ; nem porque,
assim o elevando, deu como producto total
dos novosimpostos lio smente 12,000:000*
quaosh devera ser 12.200:000*. Nao sei
tambem qual a importancia que a commis-
s5o Hgon elevaclo de 8 0/0 lo imposto de
1 1/2 00 de expediente dos gneros livres.
Mas. semprejna hvpnth'se de serem exac-
tos o catemos da commisslo, temos que
alcangam a 12,000:000* em todo o exerci-
io (is meios que ella fornece para que o
governo acuda ao tlefict do anno flnanceiro
de 1869-1870.
Compre, porra, attender a que neste
exercicio aquella quantia tem de ser redu-
zida melado, (.000:000*. pois que os
novos iinpostos comegam a ser cobrados em
Janeiro? (te 1870, e, prtanlo, su durante o
segundo semestre do anno financeiro.
Tal quantia insuficiente, e eis-mc che-
gado ao ponto que me propuz demonstrar.
isto que as necessidades do exercicio de
1869 a 1870 nao poden ser atlenddidas
cora os meios que a cowmisslo concede,
acedos os seus clculos.
Segunda esses clculos a receta do exer-
cicio de 180'.) a 1870 oreada em.....
75,059:000*, neniado os 0.701:000* re-
saltantes dos impostos creados pela lei de
2S de setembro de 1867. A despeza de
83.435:4B034. Ha, pois, um dficit de
10.379:4644304.
Nao havondo seno 6,000:000* para
acudir a csse dficit, temos j um excesso
dedespuza de I T1fl7iflawtt sobre os
meios concedidos f
este excesso devemos accrescentar ou-
tro, que o nobre ministro aponta claramente
era seu relatorio, c que foi contemplado no
projecto hoje approvaiio, mandando conti-
nuar em vigor por mais algum tempo a
lei do orcamento votada em 18(57.
E o defict de caixa, que lega o actual ao
prximo futuro exercicio, na importancia de
10.824:058*143.
Provm csse dficit do excesso da des-
peza provavel no exercicio e dos meios
existentes para acudir ella. A despeza
de I52.553:3I6-M86. Os meios para seu
pagnenlo nao passara de 138,739:258*013
a nao querer recorrer-se ao papel-mo^la
que ainda se pode emiltir p conta dos
40,000:010* autorisados pelo decreto d^ 5
de agosto de 1808, medida que com razao
ao nohre ministro repugna empregar, por
s dever se-Io em casos extremos, (alai-
tos apoiadosj.
0ra. ainda quando para acudir ao paga-
mento destes 13.624:058*143, pissam ser
i'iias vantajosamente as operagoes de cr-
dito j autorisadas, de modo que dellas
3o resulta para o thesouro onus maior que
o juro de 7 0 0, dahi provira despeza de
968:00; is durante o exercicio.
Admittida a rnesraa vantajosa operaglo
para acudir ao pagamento dos 4,370:000*
de excesso da despeza ordinaria sobre os
meios concedidos, operaco que, conside-
rando-s exactos os clenlos da commisslo,
deva ser logo feita para nao repetir empres-
limos dentro de curto prazo, teremos ainda
por esse molivo.de pagar juros na impor-
tancia de 306:000*. os quaes, reunidos aos
96&000-X de juros correspondentes ao
dficit legado pelo exercicio actual, elevam
a 1,272:000.* a despeza para que a com-
niselo nao da meios.
Accrescem outros encargos.
O orgamento de que oslamos tratando ,
cumpre te-lo bem presente, um orgamento
de paz, em qtte se calcula com a forca pu-
blica rcdnzida circometaocias ordinarias.
O nobre ministro aesignala bem esses
encargos quando, pagina 4 de seo relatorio
ainda* com referencia ao exercicio de 1870
a 1834. que ha de comeear em juHio do
anno futuro, entende que o dficit desse
exercicio ha de ser maior que o indicado,
attendendu liqoidaco do pissivo que a
guerra no ha de deixar.
Se esta (onsiderneo attendivel' para o
exercicio de 1SD a 1871, sabe de ponte
seu lcance traiando-se de exercicio de
186 a 1870, cajo oroaflieMO diacntim.
Supponhamos que a guerra fica inteira-
ra^nte conclida nos prineiros tres. mae<4
do prximo exercicio. Poraitta Deas que
^eja antes, mas raciownennw assim : se
acabar antes, fcil redtfzh- suas verda-
ueiras proporces o alcance das observacoes
que passo a faeer.
O Sr. f. BnasMio : -- Hi de ficar
mudo quem da radidae,
O Su. Coawu ; Entilo maior sara\<
aicance das observafgte
Para que as deapew' gnerra soffwm
diminmcao qoe valha a pena referir^ tero
de decorrer ai oda trea" mezas depois da
conclusao dagaerra, na*e a, con lelo
de trepas, o movimento te transportes, os
gastos com a esquadr em operac5es, at
que rrtu? turfo como 'em tempo de faz
exigir) a continn i..) das despszas que que ella prope que, se a receitaexceder
at agota temos feilo. Essasjlespezas sub- despeza, saja sembr u exedeaj aplicado
sis ti rao, em tal caso, dm*rte o prineiro anaortisasao do papel-iw>ea;' vm circu-
semjstre do proxirao exercieio. la?.ao 7
No exercicio de 1867 a 1868 subirn cte a cantes) atrediteqaeosinpostos
ellas ao eoisid8rajl algarwmo de mal* de qe pr*pj]e fta% di proof ii#que a
107,000:000*, poii qua jmp que- o dficit.^omuu. por Jlviflwada^ou a amortizacio
de receta desse ewrcicni ntto U* otitr* nao pedir flflet4aifes9pbnno flnanceiro
causa senao a guerra. ^ em que tem de vigorar a lei. E, conside-
l'oniaiido esse exerCMfe como base, ando-se a medida como permanente, ,
remos om seis mer.es aiesp-za de....Afielo nenes/tnoito anecia>/
Ainda podend > fazer
s de crdito com asmis favordveis-^atereffdeStino q-\e a conTmissft-ttreti.
condices, teremoj} necessidade de pagar
joros dessa quantia, os'quaes subirlo1*
1,745:000*., Reun I .d7:08M>
necessariot para fszer face a >s cargos
anttiormerite expastos, eis a despea'fle
5,000:000* para que a commisso n3o da
meios.
O Su. PetvEnu da Silva da nm aparte.
O Sr. Correa : Estou fallando na hy-
pothese de realisar-se o mesmo que acon-
leceu no exercicio de 1867 a 1868.
O Sr. Pereira da Silva : A propor
cao que a guerra continuar novos sacrificios
h5o de ser exigidos, e nesle caso seremos
obligados a votar mais impostos..
O Sr. Correa : Sa nao quieeiinos cal-
cular tomando per baca o ojercteto de 1867
a 1868, e sira o ewrcicio coreante, como
PrnYadl a existencia doiatfo, |ao:com-
ac3o do papel-moeda urna
necessidades publicas, e deve
logo qne o estado do 'thesouro
os1 que o fall reamen do
tncO.iverttvH, abarando as
fortunas, tem auravado a dureza dHs me-
didas .que a gjSBra prolongada; nlo tem
pidM dispensar, e que o oatriotismo na-
cional, nunca -invocado em vio, tem cons-
tantemente concedido, mas com a fagueira
esperanca de que terJo termo Ipgo que
possivel fr, para que o p.aiz no pire em
sua macha progresiva.
Pelo que tenho dito, v a cmara que
lig^e iuUnw, completa, ha entre a termi-
nadlo diguerf e a perspectiva de mais
prospero ratfll\ oas lioanga d/> estado.
A guerra apeFtiirbarodis,cal8lilos finan-
mais rasoavel parece, teremns com a goer-1 ceiros. Com soat> elevadas (fcfcpezas, de
ra nao a despeza de IOT,OOifcOOO*, mas
aproximadamente a de 70,000:000*. pon-
to sobre que daqui a pouce terei de uer
algumas consideracoes.
Assim calculando, a despeza com a guer-
mais a mais dependente* de circunstancias
imprevistas, de aautecineni^ qoe \< > l-m
esMpar aoes|MSI .le-alilado, nao ser
possivel restebelasor a ro^ularidade no
orcamento; e imUaati gravosas se succe-
ra no primeiro seoaestre do anno fiaauceiro dero. kipondo. oeus severo* i presente
de 1869 a 1870 seri de cerca de....... eainda s fuwras #-iracp^
35,000:000*. qu?, no caso de poder ser! J na decraiajin J^n,.pwvidencias ur-
feita por favoravrt| operaco d edko.- goblus o>u a tiriissao reclama com todo
mo tenho figurado, exigir o pagamento de o faldamento,'temos de seguir por ca-
juros na importancia de 2,450:000*000. minho escabroso; attendendo que o paiz
nao so precipite na bancarota, e a que n3o
fom'en eltancar os mflnaecia .q ho
ds fornecenk pfo#ipt^ osreciriof enorme*
agora absolutamente necessarios, e, por
Acredite-se, porm, que a despeza dimi-
nuir, redosa-se esta importancia a.....
1,500:00|. is ainda per lo da 3,030:038*.
para os quaes a commtsslo. aceitos os seus
clculos, nao concede muios.
0 Sr. Pereira da Safe di un aparte.
O Sr. Corsea : Tenh argumentado
sempre com os dados fornecidos. pela Ilus-
trada commisso, de que o nobre di-pstadn
digno relator. Acompanho-o com a at-
lencao com que tenho sempre o prazer de
o acompanhar; mas nao me julgue compro-
metido a aceitar os seus clculos, a pez ir
de respeita-lo como um veterano desta
cjsa, (fi tem conquistado na tribuna par-
lamentar ttulos gloriosos.
O Sr. iDifQtnuM : Por seus talentos
e illustraco.
seibo declarou aqoi que hadrgenda na ter-
minalo da guerra. Peco-loe qio :i?o cesse
de recoaamtndar a possivel presteaanos
movnientos militares, de modo que nao se
deixipara anaaua oqae se- jioder f4r
hoje. Cada dia de guerra costa-nos.....
200:000*000.
Se, applicades cerjbs sneioi,. ella tertni-
Outro do ministerio da guerra, solicitando
licenca para o Dr. Kiaacisco Huiiifacio de
Abreu, depatado- eleito pelo 5* districto da
provincia da Babia, por serem aii da mui
necessarios no eunH W- opeiBoei con-
tra o goveruo do Paraguay os servidos do
mesno senbpr, na qualidadode cb^fe inte-
rino db
carpo de sade^A commisslo de
nar um mez antes du- que sai.guir-se ontao xonstMuiclo. LH
plano, te emos s por esse fado a econo-
Outro do Sr. minigro da justiga, pedindo
mi* de 0,000.-000*fO. MefStjo dejando jiia e hora para apresentar urna proposta
tl.eJfll).19"Wl? ait'Jfl toiis Ronbrio das do tiaBsporte-le verbas. Marca-se o dia de
vwls preciosas que a guerra tem sacrifica-
do, a economa ohjecto d,i mai jr pondera-
cao especialmente s coBOices pouco favo*
raveis em que o thftf.Hw'se nn.
Tendo agireseniario illutruJa Ia com-
misslo de orcamento as duvidas que o seu
trabalho suggriaVii*.', espece qe 'Ha ex-
por .lo-paiz o remleiroesUdo dasflnan-
as e esclarecer a cmara sobre o que
deremos esperar no futuro exercicio.
Concordo com a nobre commisslo qnan-
cto propoe que o augmento do 40% sobre
osdrreitos dos gneros despachados para
consumo vi acompaohando o movimento do
cambio; A commisso enearregada da or-
ganisafr. da tarifa das alfandegas, em seu
imprtente trabalho, mostrj qne errado
ser o systemiiquanSoadmittir que as tari-
fas acompanhem as variacoes e mutlanras
dos valores das mereadorias c de sua pro-
gretsiva ndi#i(iD.
Peco, porm, a nobre com nisso que
torne bem claro que o augmento de 40 ,u
amalil a I hora da tarde.
lm reqetr meato de Luiz de" Oliveira
Bueno, pedindo para matricular-se no Io
atino bmhKco da faculdade de medicina da
corte, nistraudo-se antes habilitado no
preparatorio que I he falta.A' commisslo
de iasltiapfao publica..
Ontro de Ignacio Jos Altes de Souza,
chefeda2* seegifo da alfandega do Maranblo,
pedindo um anno de licenca com todos os
vencimentos para tratar de sua saide.A*
commisslo de pensSes e ordenados.
Outro de Antonio Augusto Colho, pe-
dindo privilegio exclusivo para introduzir
no mercado desta corte gado das provincias
do Paran e Santa Camarina.A' com-
misslo de commercio, industria e artes.
Lavse e vio a reprimir os segundes
projectos:
A assembhia gerel decreta I
Art. l.ft A le n. 1,507 de 26 de se-
tembro de 1887, decretada pira o exercicio
de 18181869 continuara em vigor du-
uos direito* de importecle do sobre o rante o ti" semestre do anno flnanceiro de
valor olficial da mercadon, mas sobre a! 18001870, em quanto nao fon promulga-
importancia do imposto eobrado sogundo a
tarifa de -StO.
.V commissie diz que os gneros despa-
clwdos para coBSiiuio pagaro mais 40"',,
do qne aotexilmenhu Estas palavras po-
d*ro suscitar duviila, qoo deve ser inteira-
mentodissipaiti.
Sr. presidente, referi-me a um nobre
du a lei de orcamento deste exercicio.
Art. 2.* Ficaaberto ao ministerio da
guerra um crdito na importancia de.....
20,305:632*632, para ocrorrer s despezas
extraordinarias com a contmaaclo da guerra
contra o govenio do Paraguay, no 1" se-
mestre de exercicio de 18691870: dis-
tribuidos pelas seguintes verbas do art. O*
da referida lei n. 1,507:
*? 2.Consallo su-
e
senador que no Club Radical nao se mos-
tr, benvolo para com acamara, tahez
inaifertiimjio. o rejetso oxtraoretewns l porque se os cidndloe, que a compuem fe- prenio militar dejuslica, e
indisiTensaveis pira qu3 o paiz votl* ao Sebam as portas desta-casa s tavasoes do auditores............'..
salutar rgimen de oql|bro entre a re-. I radicalismo. fApoiados.) Mas, sem em-J a c. Aasees d
ceita e a despeza publica. j'bacgo da pouca benevolencia com qiie o j guerra................ 2,290:514*045
A prompt cenclsao da gaen-a, to im-[nobre senador nos tratou, procederei diver- % ~.n Corpo'de sde
providentemente emorehenditla quanto ca-!'smente, e para~mostrar-lhe o aproco em! e hosptaes...........'.
torosamente sustentada pelo exercito o jne ted>a as saas observacOes, pedirei aol 8. QuadVodoxer-
'honrado Sr. presiden'e do conselho que se cio..................
armada, coreando com felicidad- os sacri-
ficios feitos, nlo jKJde deiiar de ser o
vehemente anhelo da nsrlo.
26:530->169
935:318d086
digne de prestar irdormacoet acerca de um
ponto do (HsMieso de rrobre senade*, o uni-
Se ella prolongar-se, ver-se-ba o paiz em : co que pdde ter cabimento na presente dis
serios embararos, em doloroso'S' trances, IcimsIo.
para fazer face t seas encargos. (vtee meios j' O'nobr senvdbr, tratando do regula-
empregaremos ? J mente do sello ltimamente publicado,
I 13. Eventuaes
Itepartiroes de fa-
zenda.................
14,918:162*080
2,094:3i3*76S
70:594.>507
20;395:632*652
Art. 3." Fica igualmente aberio ao mi-
taSJ^SSL^ ,Srn ESf?*' "r"' i 52 */?* pff22S5 L A/le"!,lisse : ^e novo "ifemimfo" snjeita-se j nistetio da marinha" um'credite'na" impor-
S-?m 2?T uJ ; Bf0r!,ve, h,sl0,ria 0 papel ,nconve^,,v,e, m' *Ko ** os tifules dos empregados das unca de 6.332:400* para oecorrer s des-
l.oOO.OOO* dequ ltimamente tratava: e Franca, a qual erreerra as mais profanas
a que em nenhum caso ha de deixar de
provir das operacoes de crdito autorisadas
liroes; a fatal inffnencia das emissoes j
feitas sobre todas as fortunas, sobre o bem
comrwihies anonymas. A sociedadc ano-pez-9 entraordiaras" eom a-dontinoarSo
nya orna especie de sociedade do com-; t|a mesma guerra contra o governo do Pa-
mrrcio, e, como qaalqner ontra, tem cai-i raguav. no Io semestre do prximo futuro
na resoluc.o qoe proroga a loi do oiramen- estarde todas as classes de nnssa sociedade, trros, pois b m, "at os caixeiros precisan' exercicio de 18691870; destribuidos
principalmente das mais necessitadas, nos de sitaras suas riomeafoes f pelas seguintes rubricas do'art. 5o da su-
esto advertindo deque seria arriscado pro- Pai-ece-me que este ponto deve ser es- j pracitada lei o. 1,307:
to, para as despezas extraordinarias dos
ministerios da guerra e da marinba, avalla-
das em 26,728:032*952 durante o primei-
ro semes re do prximo exercicio.
Nlo sei, senhores, se consegu o fim a
que me propuz.
Fallando em materia de si mesma com-
plicada, sem pratica da tribuna, nlo fei
tambem se live afortuna de exporcom [>re-
cis5o meas pensamenlos.
Vozes : Perfeitameoic.
O Sr. Pereirv n\ Silva : Tern-me
agradado muito.
seguir nesse caminho.
Novas operacoes de crdito f Mas o
nobre ministro da fazenda disse entn
relatorio, e isto salta aos olhos, que as
nares, como os individuos, n5o podem
clarecidc.
Esforcei-mc, senhores, por cumprirj
quanto em mim conbe o dever que tenho
de examinar as materias sujeHas a nossa;
debera?lo. E' este o meio que se me | mado
viver constantemente de emprestrmo. Fte-! offerece nlo s para prestar algum servico'
mais forca pagar a importancia das!,70 meu paiz e a aeftial situarlo polirica. I
despezas que ellas acarretam, e essa exacta- i cmo para manifestar o meu reconhecimen-
mente a dilbculdadequenos oprime. to aos honrados eleitores que, dcscobrindo
9.a- Balatlio naval.
12. Arsenaes.....
I 4. Forca naval..
I 15. Navios desar-
38:7005000
1,428:2005000
3,248:200*000
20:300->000
88:200*000
31:300*0(10
Novos impostos ? Serlo elle* possiveis
e proveitosos? A commisslo com raz5o
O Sr. Correa : Ha ainda um ponto! pondera os inconvenientes em nesso paiz
sobre que tambem desejo ouvir a nobre I das imposicoes directas; inclina-s" peUs
commisso. Cakulou el.a por ventura o"
alcance da nova iuiposiclj relativamente
ao contrabando ?
Ter a nova imposiclo de cncher o paiz
desses recursos aventureiros, que fazem
concurrencia fatal aos honrados negociantes
que cumprem "fielmerde suas brigares fis-
caes ?
Aguardo sobre este assnraplo as infor-
macoes da commisso.
Desempenhando-ma agora o que ha
pouco prometti, vou comparar a gesto do
ministerio actual no exercicio em que-as
despezas tem sido por elle autorisadas e
fisealisadas, com a do exercicio immediata
indirectas que tem a vantagem do dar evi-
dente signa! de que ha nellas excesso.
joffrendo nesse caso seu producto prompta
redcelo. Parece-me que attingimos quasi
ao mximo do que dellas se pode extraliir
na presente dolorosa quadra. (Ha um
aparte.)
Em taes condicoes, a prolongada durarlo
da guerra ser um fado de tao funesto
alcance sobre o futuro engrandecimento do
paiz, que devemos todos fazer os mais ar-
dentes votos para que o brioso exercito
que agora se interna pelo territorio para-
guayo, a cuja frente est um principe cheio
de nobres aspiracoes, faca rpidamente um
mente anterior qaanilo no esfera no poder! supremo esforro para dar o golpe decisivo
o partido conservador, e que arteelle com j no abutre da guerra, afira de que nao po9se
quemis fundadamente se pode estabelecer; devorar as entranhas do Brazil. f Muito
coraparacao.
No exercicio de 1867 a 186*, como j
tiye occasilode diaer, as despezas extraor-
dinarias da guerra subirn- ao considera-
ravel algarismo de 107,000:000*. No exer-
cicio actual ossae des|>ezas pouco exced m
de 69,O0U:OOO.SU: Vou dem- rasti 1.
O dficit de receita do actual exercicio
calculado entf pouco mais le 79.00:003> ;
mas cumpre notar que-10,000:000* devem
ser deduzidos das despezas da guerra, por
quanto 2,470:000* forara despendidos com
o resgate do remanesceote do emprestimo
de 1839, 277,900, ao cambio de 27 ;
e 7,530:000*coia o resgate de bilheetes do
thesouro, comparada a importancia da.
bem-)
A guerra, em meu cntend'er, teve dous
fins : 1. lavar a affronta do pavithlo na-
cional, maculado pelo dictador paraguyo,
que ousou at invadir o territorio de dnas
provincias do Imperio; e 2*, tornar inteira-
mente livre a navegacao dos ros, e segu-
ras as communicaees com a flagellada pro-
vincia de Mitto-Grosso.
O primeiro fim podemos te-lo por am-
plamento conseguido. Pagamos ao dictador
invaslo com invaslo, com esta differenca
que as foreas paraguayas que invadiram o
Rio-Grande do Sul tiverara de rejider-s
em mim m rito que filo tenho(muilos nao
apoiados), coneederam-me a honra excessi-
va de reprejenta-los nesta casa.
Vozes : Muito bem I Muito bem !
O Sr. Henhiottes (pela ordena).Sr. prc-
16. Hosptaes ....
< 19. Reformados
5 20. Obras....... 25*400*000
I 2. Despezas ex-
traordinarias c eventuaes. 1,225:100*000
6,332:400*000
< Art. i* Para "pagamento das despe-
zas que se verificaren! por conta dos refe-
sidente, V. Exc. e a cmara cormecem a' pidos crditos, bem como para preenchi-
importancia e seriedade da materia em dis-; ment do dficit do exercicio de 1868 a
cusslo #*ao deixam de conhecer tambem \ 1869, na importancia de 13,814:058*143.
qne a? o'endas off-Tecidas boje mesmo fica o ministro da fazenda autorisado rea-
emissao pert n.anue aos. e^rciejo* ante- Tas' -Wtmas e eriantaes que penetraram
riores (68.850:500*; com a que e\itia -n no |,ei'r't(,r10 a repblica, constrangeram a
circuladlo 10 flm de abril ultimo -. reederem-se 'as nuneresas- fuarnieiJes das
(61,118:900*000). prafas atacadas. (^Apoiado*. Muito Bem).
A despeta fea peio miaisterjo actual[ E*" **1o6|obo o-iiavaior.wtregradou,
com a guerra no crreme exerticio foi, f set*> a f,nal coa#<-o a deixar npleta-
cifra por cifra de 38,000:000 .menos com- ,mJ0,e Sl,jeit0 s autoridades brasileiras
parada com a despeai feita no oxr%cio'
pela 1* c*mmisslo dte orcamento, a que per-
tenco.tendem a esclarecer ornas, difieren tes
artigos do projecto cm discusslo, e a alte-
rar a supprimiroutras, aignns ootros arti-
gos do .mesmo projecto. Lidas aj>enas na
cisa, nao possivel juo tonham sidoatten-
tamentc comparadas com o mesmo projecto
e nem convenientemente estud das S
depois deimpressas e distribuidas(apofodos)
qne essa coraparaco e estudo poderlo
ter lugar com reflexlo e calma qu-j a mate-
ria exige, e ser possivel a continuarlo da
discusslo com todo o conhecirnento de
causa, com lucidez e discernimento ne-
cessario. (Apoiados).
(O Sr. Correa diz algumas palavras do
orador),
O nobre depuado pode discutir e discu-
tio perfectamente a materia, o parecer da
commisslo; mas n!c* entrou as emendas,
cuja feitura se fez quasi no mesmo tempo
em que o nobre deputedo pedio a palavra ;
e-nestas condiccoes nlo podamos satisfa-
zer ao prazer de ouvi-lo, e de examinar ao
mesmo tempo as emendas off-recidas. Per-
suadido de que nenhum inconveniente ha
ao adiamento da discusslo para a nanh, eu
em Uruguayana, e que as tropas brasilei- .pedirei. Slojl 3 horas da tarde, pouco
poder-se-ha fazer hoje; entretanto que
sendo impressas a& emendas no Jornal do
Qmi*ercio, quando V, Exc. nao queira
mandar imprim-las tambem em separado,
territerio da provincio, ao passo que
anterior, quando donuuviTa cpirJao Ttoje *eiT0 brasileiro, com honra para si e
em oppositao. ?lMJ:!^!J*rf^i?^^^n.5iH
Esta dilferenga de despeza traz rima di-
minuiclo annual "nos encargos du Lhesourp
de mais de 2,500:000*, sempre a presup-
posto do que se fariam, pira atudir des-
peza, operages de credBb vanftjosas.
Por mais que se quefra procufar
monstrar a
com _.
exercicio, por mai
iMiirreaco no pn
(tos, creados pela
res,
to de reducir seusi
iri excesso de1
oTTtro'tferv'fco
este por. si-s. de
de deixar.de attrah
sempre, desfraldatde trnmpnahnento
estandarte de mn patria.
Caoiram em seo poder as temerosas for-
iHkaeoeade-Humn. Curupaity e Timb ;
o n-osso do eterefo paraguayo foi feito em
peaacos nos memoraves* combate de de-
Q^gajjcLyyuL ac(n$
tbvb e"J
grande era seq
ito alliad>i de-"
ntar
ti
U 9--
satisfei
depois de Un tas,
fique compi-teme
a gufrrtHMHvrd1
to-GrossQplfa va flu
guido, O que
o juste-deseco de
|Mk-esa< rante;
assegoracte1,
toldos nos as ler .-nios e taludaremos amantia
em nossas casas, e viremos habilitados para
a discusslo.
Nem outra cousa pode estar as inten-
cOes de S. Exc. o Sr. ministro da fazenda ;
S. Exc. nlo quer senlouma discusslo me-
d tada.eesclarecida, quer que o orcamento
(Mu'^'^apota-"! Passe ** os aosPic'S' da mais profunda
conviefao da Cmara dos deputades.
Proponho, portahto, o adiam-nto desa
discusso para amanhl, feita a impressSo
das emendas no Jornal ou em separado.
Neste sentido mandare! mesa cm reque-
frimento,.
Ven- i mesa, litio, apoiado, e appro-
vado sem debate, o segninte requeriiftento:
Reqheiroo adiamento da discusslo at
amanhl. nundaodo-se imprimir mJatnat
do Qrmmerdo as emendas offerecktas bofe
aoiprdhKto de receita pela 1 comnissslo
delorcaraento.A. J. Henriques.
Hada a ordam do drar levantarse 1 ^esslo
s (tres horas c tres quarfs da tarde.
_~------w
(Apoiados).
iMtawwtrreonsa ra de .esperar do iilus-
tracji c.i^nff' que tem~ m hente o hon-
rado senador fftsh^ypridfit' do Ri' d$ permanencia no
Jane t que ji quaocio sustentamos a foscas eonsi
gpar ilemteai dtefrdw 'HWWTffide levar. ^titQ, j por ta
ao i# parag) Jkan1ven^aagwwtW.empenbo3 -tewwa-la s^ora com pro
souro. (Apoiaipsj,
itmtei
*J*V|k
tetf r-
'W5
"P>f t* U^lBlpVAairpt
o e^wfniMiH>ttte 4W>
rmt e
SESSAO EM 2-tE JUNHO
PftKSWNCIA DO Sd. V1SC0NDE DE
(KMXMIGWE.
Ao fr/ttia, feH a chamada, verhlea-ee
ba**Wdero soAdente, afi^^e a sessSb.
-*-s e *pproi>se a acta da smtece-
detfWF
( 81.4,>fleTARMyd conte doeguhite1
c'' tvewp**
ir^offietosdWiftrnteterodo Imperio,
em MfrsM dtt Wcttw de rifl* ptre-
chi,s^o Wvj% JBBetfOTS. Piuloe S<*gpe, ^faurdade dHMfc(
tranjg^wtgtg.^a^prWldendaS M '.itefrowsf dfflte Antonio de Souza
^mmi^^^'wmtl0^-^Wm:im prove, -MP'diri
lisar quaesquer operacoes de crdito.
Art. 5o Ficam revogadas as disposices
em contrario.
Sala das commisses, 2 de junho de
18R9C. Menees de AlmeidaJoaquim
J'lfino fiheiro da Luz.
A assembla geral decreta:
Art. 1." Fica approvado o decreto n.
4.232 de 5 de agosto da 1868, que auto-
rison a emisslo de 40,000:000* em papel-
moeda.
Art. 2. Ficam revogadas as disposi-
ces em contrario,
Sala das commisses, em 2 de junho
de 1869.C. .Vendes de Almeida. -Joa-
quim Delfino Hibeko da Luz.
A' 5a commisslo de oFcamento foi
presente a proposta do poder executivo
abrindo um crdito complementar da quan-
tia de 26,99: 439*117 necessaria para co-
brir o dficit que se verifica nos crditos
concedidos ao ministerio da guerra para
oecorrer, no exercicio do 186718(58, s
despezas com o servico das rubricas do
orcamentosecretaria de estado e repar-
tieres annexas, conselho supremo militar
e juntas de justiga, corpo de saude e bus-
pitaes, exercito, fabricas, repartigie de
fazenda, e ao mesmo tempe annullando
as obras de crdito que houveram na im-
portancia de f7,155:953*545.
A exposiclo de unotivos apresentada
pelo governo esclarece e fundamenta ine-
ficientemente soa proposta, e por isso a
commisso de parecer qie seja convertida
em projecto de lei para ser submettida
discessiie, devendo ser previamente im-
ressa com todo os documentos que lbe
izen respeito.
Prope, portante, a commisslo a se-
guinte resolaClo:
< A assembla geral resolve:
Art. 1. (Como na proposta.1
Art. 2* (dem.)
t Art. 3. (dem.)
Pago da cmara, 2 de junho de 1869.
hnod ClemenHno.Lima e SUva.
D. J. N. Jaguatibe..
Leem-se evloa mrprimir diversos pro-
jectos approvando pensoes concedidas pelo
governo pravas do exercito e armada.
ORDEMBODiA
Entra em 1* diaeiiasi o; projecW'que
ap^rova a penslo de 36 mees conce-
a D. Emilia Pulei-6oilhen Serra,
viujva do alferes da gqarda oacionai da pro
vinfcia d> Maranl*7Jotrtdp' Adg^tc
Serra, fallecidb -mVioltMi^ *pJTr&1a em
marcha para a- catapjalft.
1. frcfffA' d***- pwte, e a cmara
resolve que o projecto tenha um* S ds-
eosslb: na' qmrf riteande; appwadYr
stta debate, e reraettido coram$slo de
reOfa^^*e,.
Entra em V d^dflWlo &/ph#:te que ,
aatbrls'*e; governo prti mandar qoe seia
adtpitlido a exame das materias do ,1 anoot
exigida pelos estatuios da facntdade, e m-
lifefaca a imjiortaiKja da matricula.
O S*. PoeiEiLA pede, e a cana xesol-
ve, que o projecto tenha uma s discuarto.
Depois de algumas consideraews breves
dos Srs. Assjs Roclia e buarte de Aaeve-
do, o prejec o approvado coua a sectele
emenda:
Igual favor se conceda ao esUnlante
Manoel da Trindade Peretti, com as condj-
goes indicadas.ikwtt de Aievedo.
Entra em 2a discusslo o art. 1" do
projecto que autorsa o governo a conceder
a Jos DJas da Cruz Lima, ou a quera jul
gar mais idneo, licenca para incorpwar
uma compaiihia que emprehenda a cous-
truevo d uma estrada de ferro trabada
do ponto que for designado, na provincia
de Santa Cathariiu, a ontro na de S. Pe-
dro do Sol ( e bem assim a approvar os
estatutos ou escriptura de associacio da
mesma conipanbu.
O Sh. Gai.vo pede que a 2a discusslo
do projecto seja considerada tambem 3*. ,
Consultada a cmara, resolve pela affir-
mativa.
Vem mesa, lida, apoiada, e entra eon-
junctamente em discusslo a segunde emen-
da:
Fica o governo autorisado a corceder.
a quem mdbores bases e coadicoes apre-
sentar, licenca para incorporar uma compa-
nhia que empreheinla a cunstruci.Tio de uma
estrada de ferro, tragada do ponto que fr
designado, na provincia de Santa Catbarina,
a outra na de S. Pedro do Rio-Grande ck>
Sul; e bem assim a pravar os estatutos
ou escriptura de associaglo da mesma com-
Wbb.Jesuino La mego da Costi.J. B.
da C. Bittencout. -Manoel do Xaseitamtu
daFonseca Galco.A. A. G. de Azavt-
bua.-A. f. Fernaiides BragcK-r-J.. IV/oso
I'cderueiras.J. Evang+lista de AL S. Lo-
bato k
Ninguem pedindo a palavra, o Se. pre-
sidente declara a discusslo encerrada e que
va-se votar o art. r, salva a emenda.
Suhmettendo-se rvotaclo o art. Io, :
approvado, bem como a emenda.
Entra cm discusslo o art. 2,
Vem mesa, lida, apoiada e entra con-
juctameHte em discuss,ao a seguale emenda:
Ao 29 accrescente-se: nem proroga-
glo de prazos, em caso algum. uma vez
fUados pelo goverao.Podernetms.
Ninguem pedindo a palavra, e pondo-se
a votos o projecto. approvado con a
emenda bem como os arts. 3o e 4.
0 projecto assim emendado vai com-
misslo de redacclo.
Contina a 2a discusslo da proposta
do orgamento do exercicio de 1869 a 1S70.
na parte relativa receita geral do Impe-
rio, com as emendas apoiadas.
0 SR. PEREIRA IA SILVA:Nao era de
minha intenclo fallar to cedo naj)resente
discusslo.. tteservava-iue a pedir palavra
depois que tivesse o prazer de ouvr os
Ilustres deputados que se applicam s
questoes finanueirat. de attender as opinioes
que se emittissem, s inpugnagi:>e3 oppos-
tas ao parecer da Ia commisslo do orca-
mento s considerages (pie funam profe-
ridas na casa, e eintim s novas ideas tem
bradas para substituirera as novas otfei#:i-
das ao d bate. De uma discusslo apis
adiantada e desenvolvida cunseguir-se-bam
mais complejos esclarecimentos, e caber-
me-Iiia entjo, aomo relator do parecer,
examinando e apreciando tedas as observa
goes, ou confirmar nossas propostas, ou
adaptar-lhes as inodificages necessarias, ou
abandonadas por melhor-s, que fossem
suggcridas.
Mas o discurso pronunciado, hontem pelo
Ilustre representante do Paran, discurso
excellente queh pelo sentimento de patrio-
tismo que o animou, qur-r pela atteuclo c
assiduidade que o meu Ilustrado collega e
amigo dedica a estados serios e graves, le-
vou-me a mudar de resoluclo. Percebi
pelo seu desenvolvimenlo que alo eslava
bem esclarecida a situarlo fiuanceira actuaj
do Imperio, e nem liavian sido comprehen-
di las satisfactoriamente as medidas lembra-
das pela Ia commisslo do orgamento. Pen-
se entio que devia, antes que o debate se
desvirtuasse, esbogar uma exposicao mais
muda do estado das nossas receitas e das
nossas rendas, dos nossos encargos e dos
nossos eompromissos, e dar urna explicaglo
franca, clara e desenvoteida do pensamento
da commisso, e das propoStas que ella
addicionou ao piojecto do orgamento para
o anno financeiro de 1869 a 1870.
Noestraeho e neth Lunentoa caara
que se alargue e parduie este discusslo
da receita. Sanlter* milito at com o de-
senvolvimento e mais largas proporces
que ella adqnira. Fixar a despeza e a
renda geral do paiz. depois de debates atu-
rados, de que resulte a luz para mais es>
clurecidamente pronunciar se. (Apoiados.)
Alem de cumprir um dever, que lbe
inherente, tratando de questes finaneeiras
do paiz, que sao das mais importantes,
usa de rana prerogativa.que Ihe confe-
rida pela constituig.lo poliUea do Imperoi.
e prerogativa tanto mais importante, quanto
a respeito das materias que comprehende
nunca foi contestada a assemblas consul-
tivas ou deliberantes, quer s" cortes do
llespanba at o reinado de 1. Isabel de
Castella, e s de Portugal ate a: poca da
D. Manoel, quer 'ads communs de Ingla-
terra nos -tempes dos 'furins e Stuarts,
quer nos nossos tempos ao proprio corpo
legislativo francoi orgajilsado. por-Napoleio
ni, e que despide d* nfqitfcs ja/teittiices
naturaes do rgimen iVprfiseeUtivo. JApoia-
dos-.).
E tendo de rst^Wf cmara sobre im-
postes atfgmenteflds tjaft qoiprar a re-
ceita con a despeza, e extinguir o dtfit
calculado ae^ ereamonto. -estante- J^enae
Jiscusso##, afim de mefnoraosempenbar
1p suas obrigacoes, (i^gnr Q seu voto ?
(Apoiados.) .^L
Comecaret, sedbtcs, rtnuUQde nm
i
ossas des*
ii atertf
rtop***
qadro histrico' da <
peaas odas nstfsV
do amw em qutf rrtffii^nfr'J'JgfofW
do^ri
ao ter
ponto
nttceird .
ifinal o daJ30 o jijo%DrT^p^nt Wm
tem-de teraMnMinMlMMwr de*
a 18ifc Qommib*idm& sen nm <
qwrtmo crif^fc.iiBlul'p'irifnin da
da gneiry^
IM
.o&BMiF*
*
\ '
\

\
"
!

V

u
I
-w


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFCUUTI4K_DIRRNS INGEST_TIME 2013-09-14T02:52:07Z PACKAGE AA00011611_11870
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES