Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11862


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
..

mm
J
ANNO XIX NUMERO 130.
PARA A CAP1TA1 l IGAHE5 OIDE IA6 SE PAGA POBTX.
1
i
Por tres mezes adianudos.
Por &*$ ditos ideal. .
Por un anuo ktom. -,
Cada numero avulso .
64000
i8000
240000
(*320
9UINTA FEIRA 10 DE JUNHO DE 1869.
PARA DEITRO E FGRA DA PROVINCIA.
7^
Por tree mezes adiantados.
Por si b ditos dem. .
Por no\i ditos dem .
Pormnanno.....
6475
134WO
2Q420O
27*000
Propriedade" de Manoel Rgnira de Faria & Mlhos.
SAO Al
I:
Os Srs. Gerardo Antonio Aires 4 Fimos, no Para; Gonfalves Pinto, no Marnbio; Joaqtmn Jos d Olixein, no Cear: <*
Parara d'Alirwida, em Mamangoapo;' Antonio Alex.mdrino.de Lima, naParabyba; Antonio Jos Gmts*-
em Nazareth; Prancino Tavares da Casta, em Alagas; Dr. Jos AJ,nn
kipde Lemos Braga, noAracaty; JoJo Mara Jobo Chaves, no Ass; Antonio Marque* da Sirva, no Natal- Jos Justino
Villa da Penba; Belarmino dos Santos Bolea, em Santo AnUjj; Domingos Jos da Costa Braga,
^Ives, na Babia; e Jos Ribeiro (lasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Coveruo da provincia.
I>B
PACHOS DA VICS-PBES1DENCIA DO NA
DR JOWHO DI 1864.
Aatoaio Hodrigaes de Souza 4". C.Aguardem
* supplieantes autorisacao do foverna imperial
para o supprimento de crdito preciso para o pa-
gamento que pcdem.
Aatoaio Alexandrr Lopes BaRpa,informe o
Sr. seera! commandante das armas.
Afcxandrno Christiniano de OHveira.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Francisco Ferreira Borges.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de Fazenda.
Fernaiides &. Irmio.Conccda-se nos termoe
do respactivo regularaento e de estylo.
Tenente-coronel Gaspar Cavalcanti de Albuquer-
qoe"**ehJDa.Ao Sr. Dr. juiz de direito interino
da comarca do Cabo para juntar e cumpnr o des-
pache desta presidencia de it de maio prximo
lindo.
Igaez Luiza do Espirito Santo.Informe o Sr.
Dr. juiz municipal da 1* vara.
Atieres Joao Francisco Paz.A' vista da infor-
iiacao nao ha que deflrir.
Jas Angelo do Imperio.Indeflrido vista da
informadlo.
Je*qwim Jos de Mello.Informe o Sr. Dr. di
rector feral da instrueco publica.
Manee de Carvalho Paes de Andrade.Conce-
da-se somente tres mezes em vista da doutrina
Jo ave do ministerio da justica em 38 de dezeni-
brod*68.
Paulo Salgado Accioly.Informe o Sr. capilo
do porto.
Atiere Tito Pedro Al ves Peqaeno.Lavra-se
deliberacao aggregando o supplieantc ao 2* bata-
Ihao de infamara deste municipio.
Rio de I a He ir o
Desde 18150, em que fundou-sc o illustr Sr.
Zachaas para pretender que fosse o Dr. Amaro
ttezer(a didato ?
A nullidade da elecae 1 Nao, porque os seus
efffcitos eram extensivos a todos os Miembros da
lista, e au a um so.
Entretanto, da uposcao (ue forcejou por fazer
i corto resultarla-o absurdo e a flagrante injus-
tica de ser a eleicao valida ou nuila segundo a
Sossoa que fosse escolhda. Teria a corda acera
0 nonieando o seu candidato, e errado nomeaii-
do o sea adversario. A contradicejio obvia c
palmar.
0 Sr. Zacharas bem o seniiu e comprehendeu,
quando procurando em vao escapar a essa con-
tradlcrao, nao duvidou concluir o seu discurso
propondo que o senado reformuse a lista triplico
para urna nova escolha do monar<*ha.
Esta infeliz lembranca, contraria ao nosso di-
reito constitucional e a todos os precedentes,
attesta a impossibilidade em que se v o Ilustra-
do senador de salvar a flagrante contradcete em
que cabio,
(Diario do Rio).
30 DE MAIO.
Oecupou-se anta-lionlem a cmara vitilicia da
Meioaosenatorial do Bio Grande do Norte, e, como
"ramente preva-so e esperava-se, estreoua dis-
cuasa* oSr. cpnselheiro Zacharias com um dis-
curso, cujo mrito intrnseco tranquilisar segu-
ramente os amigos do Sr. conselheiro Torres Ho-
mem sobre o triumpho do seu direito.
A eecolha de senador pelo Bio Grande do Norte
oremka-se, como nrende-se o effeito a urna causa
occa>ional, successao dos factos polticos que
Crouxeram a dissolucao do gabinete, de 3 de agosto
e com ella o fcil desmoronamento da situacao
normaJ que dizia representar.
Tuna nica explicarlo bavia dado o nobre ex-
presideate do fonseltio ao senado sobre taes acon-
cimentos, c foi: que a cora errava na escolha
i i somdor. O paiz aguardava mais ampios cs-
'larecmeatos sobre a grave questao em que se
acha va m compromettidas as prerogatms da coroa,
nae iwdendo contentar-se com o estranho laconis-
mo daquella explicacao tao inconstitucional quanto
do-resiieitosa em sua fiirma.
A diseussao de ante-hontem offerecia, pois, na-
t ii ral male o ensejn apropositado ao nobre ex-
tiicsidente do comselho, para satisfazer a esta es-
pectativade todos o^ espirilos, cao mesino tsmpo
lulmiDar a eleicao do seu adversario.
S. Exc, porn, nem un, nem outro fin alean-
?ou; e a impressao moral, que produzo o seu
longo discurso, desconcerlou nesta occasiao os
admiradores do seu talento de tribuna; tanto
v erdade que a inspirarlo e a lgica nao se pres-
tam sempre ao servido de todas as causas.
De duas parles distinctas compoe-se o discurso
do lustre senador; una em que enuncia os mo-
tivos do sua tenaz resistencia escolha da coroa;
a outra em que a examina e impugna a legalidade
da cloic-ao.
A primeira entrecortada com variados episo-
\ que iicnliuina especie de connexo teem com
a materia em questao, e de cuja analyse nos
abstercnios, por indulgencia para com S. Exc,
pode ser assim resumida :
O Sr. Torres Homem foi denunciado ao presi-
dente do conselho como ardente opposicionita;
a ana rleicao imposta por dous individuos pro-
mcia do Rio Grande doorte, onde nao era oo-
nheeido, achava-se milla.
Eis aos que se reduz a famosa argurentacao
do Sr. cooselheiro Zacharias!
Brrtm a cora porque escolheu um membro da
cpposicao, embora no houvessse este hostilisado
o gabinete, nem na imprensa, onde entao niio ap-
paneera, nem na tribuna das cmaras legislati-
vas, de que nao fazia parte, nem as altas posi-
Ces oliiciaes que preenebeu sempre sem espirito
de partido.
Bastara, segundo esta nova theoria do pro-
grtssi^mo da nossa trra, que qualquer cidadao
guardarse no fundo da consciencia suas crticas
em divergencia com o ministerio do dia para tor-
M.ir-se incompativel com o logar de senador I En-
tretanto em nossa historia parlamentar numerosos
lio osexemplos de oposicionistas nomeados se-
nadores, sem reluctancia ao livre exercicio da
nrerogativa imperial da parle dos ministros, a
Utiem elles haviam enrgicamente combatido
lace da nacao.
Quanto imposicio da candidatura do Sr. con-
selheire-Torres Homem provincia por dous in-
dividuos, isto sement significa que a vigorosa
intelligenca do Sr. Zacharias desfallece com o peso
da pessima causa? O nome do conselheiro Tor-
res Homem foi levado as urnas pelos dous partidos
mitigados, liberal e conservador, do Rio Grande
d Norte, contando em seu seio tudo o que a pro-
vincia possue de mais diftincto em illustracao,
em riqueza e moralidade. Personagens eminen-
tes do partido liberal desta crte promoveram essa
liga espontneamente, e sem sciencia do Sr. Tor-
res Hornera, afim de destruirem a odiosa prepo-
tencia do regulo da infeliz provincia. Do proprio
gabinete do Sr. Zacharias partiram acorocoamen-
tos e-demonsteaedes de empenlio a prol daqnelle
candidato, e um dia ha de vir, tal vez-em que o
veo do mysterio, que cobre parte deste drama
eleitoral, seja descoberto I...
Qreia o nobre senador qne na eleicao deque
se Mata, em que. s tomaram parte os homens in-
depeadeates da provincia, I atando contra a massa
enorme de recursos do partido ofcial e contra
seus attentados e violencias nada houve nem
poda hftvwque se assemelhasje &\ eleicSes con-
quistadas pelos depositarios do poder.
Compare o-nobre senador a eleicao, que se dis-
cute,.com a de Sergipe era 1830, em que um pe-,
sideate, apresentando-se canlidato com a viola-
cao (Jas orden* em contrario do governo geral,
forjou as celebres duplcalas da Cnpella, calcando
aos -pea todos os direos; compare-a raesno com
n da provincia do Paran, feta m seu favor, onde
tantas irregularidades foram assignaladas, e qne
conservam-se anda gravadas na memoria pu-
blica. .. __
Bemrr corea, porque a eleicao era nuasl
Aimttthio isto como exacto, seguia-se que a lista
trplice aebava-se toda viciada e nulla. Ora, a
cor, a qnem no compete julgar da validad!
da obsecro, adstricta a nomeaeao de un dos
meoUtos da liaa, flcaado ao senado a auribui$ao
de reprorar ou approvara carta imperial.
FERNAMBCO.
ASSMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 26 DE MAIO
PBESIDENCIA DO SB. ACGUS10 DE SOUZA LEAO.
Ao meio-dia, feta a chamada, acham-se pre-
sentes os Srs. Felsbino, Epaminondas de Barros,
Andr Cavalcanti, Samuel Pontual, Jansen de Cas-
tro, Amaral e Mello, Goncalves da Silva, Barao de
Una, M. Amorita, E. Pina', Lopes Machado, Armi-
nio Tavares, Augusto Leao, Reg Barros, Tibur-
tino Noguoira, Jos Gitirana, Cicero, E. Coutinho,
G. Druramond, Avies Gama, e Soares Brando.
Abre-se a sessao e lida e approvada a act
da anterior.
O Sr. i." secretario d conta do segunte
EXrEDlENTE.
Um olllcio do secretario do governo. remeMendo
por copia a carta, pela qual concedeu o Exm. vi-
ce-presidentc da provincia aposentadora ao ama-
nuense da cmara municipal desta cidade, Candi-
do de Souza Miranda Couto.A commissao de or-
camento provincial.
Outro do mesrao, remettendo copia do orcamoa-
to dos reparos de quenecessita o convento da S*
ledade de Goyanna. quem fez a roquisicao.
Outro do mesmo, transmittindo as nforinacoes
pedidas sobre a peicao de. Bernardo Carneiro
Monteiro da Silva Santos. quem fez a requi-
sicao.
Outro do mesrao, enviando as mformacoes pedi-
das sobre a molestia da tripolacao do vapor de
guerra italiano Guiscardo.A quem fez a requi-
sicao.
E' lido, julgado objecto de deliberacao e dispen-
sado da impressao a requerimento do Sr. Arramio
Tavares, o segunte projecto :
A commissao de peticSes, depois de ter lido
com a devida attencao o que esta assembla so-
licita o Dr. Luciano Xavier de Moraes Sarment,
cirurgiao do hospital Pedro II. o qual requereu um
anno de lirenca para tratar de sua sade, que se
acha alterada, segundo se v dos attestados juntos
petico, deixanSo entretanto o peticionario pes-
sa habilitada e paga por si para o substituir du-
rante o seu impedimento, de parecer que se
adopte o seguinte projecto de lei:
Art. nico. Fica o presidente da provincia au-
torisado a conceder um anno de licen^a com todos
os seus vencmentos, 5o Dr. Luciano Xavier de
Moris Sarment, cirurgo do hospital Pedro II,
para tratar de sua sade onde mais lhe convier,
sob a condcao de deixar substituto gratuito.
< llevogadas as disposices em contraro,
t Sala das commissoes, 25 de maio de 1869.
Andr Cavalcanti.Cicero Peregrino, o
E' lido, julgado objecto de delibcrrcao e dispen-
sado da impressao, a requerimento do Sr. Arminio
Tavares, o seguinte projecto :
A commissao de orcamen'o e fazenda, quem
foi presente o officio do secretario d governo, de
8 do crreme anno, e tendo em consideracao a de-
monstracao que a lei exigepara abertura de cr-
ditos supplementares ; c de parecer que se adopte
a seguinte resolucao :
Art. 1. Fica aberto, ao orcamento vigente, um
crdito supplementar, na importancia de.........
22:947,8972, para occorrer as despezas autorisadas
pelas verbas constantes dos paragraphos se-
guate* :
L Reparos econservacao de
estradas......................... 19:105*972
2." Expediente da casa de de-
tencao.......................... 262000
3. Eventuaes.............. 3:180*000
(f Art. 2." Ficam revogadas as disposic/ies era
contrario.
Sala das commissoes, 26 de maio do 1869.
Ayres Gama.Soares Branda*).Lopes Machado.
E' lido e approvado o seguinte parecer :
o A commissao de peticoes. considerando o que
requer Francisco Xavier Pereira de Brito, que so-
licita autorisacao para contratar a empreza do
theatro de Santa Isabel; attendendo a que actual-
mente existe um contrato que se deve respeitar,
apezar das vantagen* offerecioas pelo supplicante
em sua peticao ; de parecer que nada ha que
deferir, visto como o supplicante, findo o actual
contrato, poder concorrer, olferecendo as mesmas
vantagens, como ontro qualquer que se aprsente
para contratar dita empreza.
Sala das commissoes, 24 de maio de 1869.
Cicero Peregrino.Andr Cavalcanti.
E* lido e approvado o seguinte parecer :
c A commissao de petiedes, para dar seu pare-
cer sobre o que requer Luiz Jos Pinto da Costa,
precisa que se peca, cmara municipal de Olra-
da, informacoes, segundo parece exigir o art. 42
da lei do de outubr de 1828, em que funda o
supplicante a sua pretencao.
Sala das commissoes, 26 de maio de 1869.
Cicero Peregrino.Andr Cavalcanti.
E' tambem lido e approvado o seguinte pa-
recer :
A commissao de peticSes, para dar seu pare-
cer sobren que requer Landelino de Luna Freir,
precisa que, pelo canaes competentes, se peca in-
formacoes ao inspector da thesouraria provincial
t Sala das commissoes, 26 ds maio de 18 j9.
Cicero Peregrino.Andr Cavalcanti.
E' lido, julgado objecto de deliberacao e dispen-
sado da impressao a requerimento do Sr. llego
Barros, o segiinte projecto : __
Art. nico. A abertura da assembla legislati-
va provincial no anno de 4S70 em diaite, ter lu-
gar no Io de setemba* .
Revogadas as dtsposices em contraro.
< Paco da, assembla legislativa provincial de
Pernambuoo, 26 de mato de 1869.Sarao de Una.
R$o B ra%a,R#>minonda:*-E. Covtntk.
E'lidie approvada a redaeca* do projecto n. 12
deste anno.
OSB, MIGUEL AMQRIM-:-S6,j>resklente, pe-
di a palavra para dous fias i 1* oflerecer consi-
deraoao da casa UNarequertiaento de iaformaedes;
* faiir urna reelaanca a espeito- dapuMieafio
dos trabalho dista casa.
i Quanto ao requerimento, lOl coau>rehende o e-
Jjtali W-
, m-nfisideate, em virtoikHio regiment da oasa,
uiHrWhendoo derer mwteabode juettflear
esse requerimeuto, mas nao posso, a despeito da
rainba boa vontade, faze-lo jiresenteiiiente.. poi -
quanto faltara-me os dados precisos para entrar
nessa justiticacao ; eiilietanto cu tenho informa-
eoes desagradaveis a respeito dosses negocios de
que traa o requerimento.
USn. Deputado :Sobre a cuberaJ
O Sn. M. Ahorim :Sobre esses boatos que por
ahi correm e que dao em resultado o late! angnis
in herbts de que nos tem fallado mirlas vezes o
nobre deputado pelo terceiro distncto.
O Sh. G. DtiUMMOND :Eu nao, antes de mim
j l.illava tiguem em verso.
O Su. M. Amomm :Sobre essa questao s po-
derei fallar, como desejo, quamta vierem os docu-
mentos e esclareeimentos que ettflo a esse respei-
to. I'ortanio rae aguardo para quando vierem taes
inforniicoes, e farei ento a devida apreeiaco.
O Sn. G. Dni'uJioNo: Os esclareeimentos bao
de dissipar todas as suas duvidas.
O Sn. M. Amihum .Veremos.
Agora, quanto ao outro ponto de que tenho de
me oceupur, o icguinte :
Nos trabalhos publicados da sessao de 13 de
corrente, vem um discurso que profer nesta easa
a respsito de factos praticados no termo d S.
Bento, e na publicat;ao desse discurso, Sr: pre-
sidente, v-se um disconcerto tal de ideas, que
eu nao sei se seria melbor publicar um outro dis-
curso do que consentir qne elle passe como est
publicado. Entretanto os robres deputados, que
ouvirem, comprehendem perfetamente que ne-
nhum desses desconcertse inverosmilhancaque
foram publicados, foram por mim proferidos. Um
delles este : (le.)
Entretanto, senhores, quando considero por
este lado isso que venho a dizer, ao mesrao tempo
noto que no 4C districto doDde indignamente sou
repre-com uraa gaarnico de 250 practis, e mon-
tando 12 pecas de diversos calibres. Salvou a tr-
ra, sendo-sentanle, (nao apoiados.)
Aqu ha o accrescimo das palavrascom urna
guarnir.!, at salvou a trraque deve suppri-
rair-se.
Con'ina anda com outro trechodeclarando
na sua respotta que nao remettta o preso porque
eslava rcspansabilisado por crime de Iwmicidio.
Eu o que disse foi, que o delegado do S. Bento,
prendando ao tenente Joao Antonio da Cunda, ti-
nha declarado que o nao remetlia porque esta-
va sendo processado por crime de tentativa
de hanicidto e para tornar saliente esse pon-
to, entre parentheses, declareipalavra do de-
legado.O delegada de S. Bento nao condece no
cdigo o crime de homicidio, mas sim o de a cidio.
O Sr. G. Drmiond : Eu creo que V. Exc.
enganou-se, eslava mal escripto.
Sr. M. Amorim :Nao, senhor, o documento
existe em poder do juiz de direito de Caruar em
urna justiOcacao que contra o delegado dcir-o te-
nente Cunta.
O Sa E. de Barros : Eu j vi esse docu-
mento.
O S*.- II.- Ammhm :Oe>errB9 que se notara na
publieaeao do raeu discurso sao tao sensiveis, que
eu acredito que Indos me fazem justica de nao
querer attribuir-m'os,.mas sim typographia.
(Apoiados.) E portanlo reqneiro a V. Exc. que
determine, que com as devidas emendas, seja de
novo publicado esse discurso no jornal da casa,
ou entao reparados taes erros, conforme os apon-
lamentos remettidos.
O Sr. Presidente :Ser attendida a reclama-
gao do nobre deputado.
t Bequeiro que ao vice-presidente da provincia
se pega as seguintes informaedes:
1." Quanto se dispendeu com os- concertos da
coberla de urna das salas do palacio da presiden-
cia, feitos o anno passado.
2. Quanto se dispendeu tambem com o pas-
sadico da ponte da Magdalena, e reparos na ponte
de Afogados ; assim como a abertura ao canal do
pantano do Olinda e qual o engenheiro que adini-
nistrou as ditas obras.M. Amorim.
Encerrada a discussao o requerimento posto
a votos e approvado.
O SR. AMARAL E MELLO : Sr. presidente,
em una das ses-oes passadas requer e a casa ap-
provou, que fosse pedida ao presidente da pro-
vincia copia do aviso tircnlar do ministro e se-
cretario de estado dos negocios da justica Exm.
conselheiro Jos Martiniano de Alencar, expedido
em 21 de julho de 1868 ; S. Exc. o Sr presiden-
te da provincu, attendeu-nos e remetteu acopia
pedida. Com quanto todos saibnm desse aviso,
creio que nao devo ser censurado em lr esse tao
conhecido aviso. (L.)
Sr. presidente, o fundamento ou o motivo que
teve o ministro e secretario de estado dos nego-
cios da justica, para expedir em 21 de julho de
1868, o aviso que acabo de lr, para todos nos
da maior consideracar, mas esse motivo nao des-
culpa o allantado contra as nossas altribuicoes.
(Apoiados.) Como a assembla protestar contra
esse aviso ? Apresentar um projecto creando urna
comarca ? Entendo que nao ; a creacao de urna
comarca depende de certas condicoes que devem
ser estudadas, nao devemos assim, precipitada-
mente crear urna comarca para dizer que a as-
sembla provincial de Pernambuco em sua sobe-
rana entendeu que nao devia considerar o aviso
do ministro da justica.
Pens, porm, que podemos protestar de manei-
ra a deixar registrado nesta casa um voto de des-
approvacao ao procedimento desse miustro lo in-
clinado a completar a obra principiada a 16 de
julho de 18U8MB-0 meio para esse protesto bem
pode ser o seguinte :remettido o avfco com-
missSn de conutituicio e poderes, esta dar o seu
parecer, esse parecer ser disentido, e nos, ap-
provando, deixamos archivada a nossa censura e
reprovaco do aviso do ministro da justica, at
quo se possa, eonhecendo as necesidades das dif-
ferentes comarcas, crear novas.
Assim, pois, en requeiro que seja o aviso remet-
tido commissao de constitaicao er poderes para
dar seu parecer, que depois de approvado, sera ar-
chivado nesta casa.
O Sr. Lopes Machado :E* um protesto contra
o acto do governo.
L-se e apoia-sc o segunte requerimento:
Requeiro que seja presente commissao de
eonstituicao e poderes o avise do ministerio da jus-
liga de 21 de julho de 18B8, para dar parecer que
determine urna deliberacao contra o acto ofensi-
vo, ao que dispoe o 1 do art. 10 do aeto addi-
cional.
i Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 36 de maio de 18*9. Amarai c
Mello,
O SR. GASPAR DRUMMOND oppde-se -ao re-
querimento.
Encerrada a discussao o requerimento posto a
votse approvado..
ORDEN DOMA.
Segunda dteeussso das emendas oflereeidas em
terceira ao projecto n 19 deste anno, concedendo
diversas loteras.Sao approvaaos.
Primeira discussao do projecto u. 82 deste anno
approvando o contrato Mfo- peto governo com a'
companhia Pernambucaoa de navegaco vapor
E' approvado e dispensado c iatorstlc requeri-
mento do Sr. G. Drnmnond.
Primeira do da-a St'qw suppfime o districto
de paz de Cabolieira do termo da Benito.E* as
privado o o wMerstteto dispensado i^nerimMtovi
do Sr Amortm.
PrtOMWa-dodliiiiftdsiaanite:
i Arfc f*- A'.parceijtafeov que eampete aos enr-
pregados do jnio dos fetlos da fazenda de toda ar-
J
-
art.
cao de 10 por cento dividida pelo juiz,
ador, sollictador, escrives e otBciaes de
na proporcao eilabelecida pela le geral n.
20 de uovembro'dc 1841, paragrapht 3* do
16.
Art. 2. A porecntagam da arrecadacio do
sello de lierancas e, legados tota no juizo cooimum
ser |e t por eento dividida entre o juiz, procara-
dor Bscal e escrivo, sendo no municipio do Reei-
fe 2 1/4 ao juiz, 2 por cento ao procurador fiscal,
1 por cento ao escrivo, e 3/4 ao solicitador; e
nosdntros municipios do interior 2 1/2 para o juiz,
2 por cento para o ajudante a 1 1/2 para o escri-
vo.
Art. 3." O procurador fiscal da thesoarara
provincial ser tambera o dos feitos, rcgulando-se
os seus vencmentos pelo que percebe o da geral
(lei a 708.) H
Art. 4. Servir de regulamento seceo do
contencioso o decreto n. 870 de 22 de novinbro
de 1851.
t Art. 5. Fica adoptado o regulamento que ba-
xou cora o decreto n. 2099 de 28 de novembro de
1860 para a cobranca do imposto de meia ciza por
venda de eseravos.
a Art. 6. Fica igualmente adoptado na parte
em ape diz respeito a transinisso da propriedad
]>or leraiica, legados e doacoes o decreto n. 4355
de 17 de abril de 1869, regulando-se o imposto
pela tabella annexa ao merao decreto g Io e 2',
lieando sempre em vigor os a varas de 17 de ju-
nto de 1800 e de 2 de optubro de 1811, quanto ao
pagamento era dinheiro
-? nko. Este decreto ser applicado aos que
falleeereni da data desta lei em diante. O art. 33
da lei n. 85i fica declarado no sentido dos arts. Io
e 2" a presente lei, de conformdade com a lei
provincial n. 708.
Alt 7 As les, regulamentos e ordens, rela-
tivas aarrecadaco da fazenda nacional ficam era
vigor p|n a da" fazenda provincial naquelle em
que torera applicaveis.
Art 8. Ficam revogadas as disposioes em
contBirio.
Paao da assembla legislativa provincial, 12
ds malo do 1869. Lopes Machado.E. Pina.
AywGama.
E' approvado, e o intersticio dispensado re-
ipierjinento do Sr. Amaral e Mello.
Primeira do de n. 47, mandando admittir no
Gymasio como pensionista da provincia a Arthur
de Alreu Lima.E' approvado e dispensado o -
terstiem a requerimento do Sr. Pontual.
T<*eeira do de n. 34, que marca pertencer o 4*
districto da Escada o terreno em que est o enge-
nho Rainba dos Anjos, hoje pertencente ao 2o de
Gamcllcra.E* approvado.
Primeira do de n. 65, que restaura o otBciode
primeiro labellio de olas da cidade do Rio-For-
moso.
O SR, GASPAR DRUMMOND, fez largas consi-
Encerrada a discussao approvado o arlio,bein
como o requerimento.
Art. 17. Casa de detcncao :
f[ 1." Empregados, incusive ci-
rurgiao, barbeiro e cabellereiro..... 21:350*000
8 2." Expediente............. 300*000
I 3.' Illuminacio............. 1:400*000
23:030*000
E approvado.
Art. 18. Aluguel de casas para
cadas e quarteis fra da capital... 3:584*000
E' approvado.
Art. 19. Conducao de presos... 1:175*000
E' approvado.
cptalo vn.
. Illuminuciio publica.
Art. 20. Com 1,253 lampees de
gaz na cidade doRecife, continuando
a inspeccao cargo da reparticao
das obras publicas................ 87:000*000
Vo mesa e sao apoiadas as seguintes emen-
das:
Ao art. 20, accrescente-se : e mais o quantum
necessario para a collocacao de seto lampeos na
travessa da Ponte de Uchda, ao ftm da ponte de
Sant'Anna.M. Amorim.
Emenda ao art. 20.Era vez de 1,253, diga-se
1,880 lampees, sendo 27 para contfouao da
ilfuminaco da estrada de Joao de Barros, at a
encruzlhada etc. etc., cmo no artigo. 89:930*.
Agres Gama.Soares Brando.Lopes Machado. >
Emenda ao arf. 20.Accrescente-se 8 lam-
peos para a ra do Ouro e 4 para a travessa de
Joao Fernandes Vieira.Epaminondas de Barros.
Goncalves da Silva.E. Pina.
t Ao cap. VII. accrescente-se mais 50 Unpedes
para a illurainacao da Ponte de Uchda at a povoa-
cao do Monteiro.Amaral e Mello.
Encerrada a discussao o artigo approvado,
com todas as emendas, excepto a do Sr. Amorim.
Sao snccessvamente apprevados os quatro se-
guintes artigos, bem como o additivo :
Art. 21. Com 101 ditos de azeite
emOhnda........:............... 9:511*170
Art. 22. Com 30 ditos em Goyan-
na.............................. 3:153*600
Art. 23. Com 30 ditos em Rio-
Formoso......................... 3:153*600
: Art. 24. Com 30 ditos na cidade
da'victoria...................... 3:153*600
Ao cap. VII, accrescente-se : e mais o quan-
tum necessario para a collocacao de 20 lampees
para aaeite, na cidade de Caruar.M. Amorim.
VenfkandOfae pao haver numero, o Sr. presi-
dente designa a ordem do dia e levanta a sesso.
sideraefles sobre o projecto.
O SHA MARALEhELLO :Sr. presidente, o
meunonae est entre os que assignaram o projecto
n.Soleste anno. Rasdes porque assigrfei: o nosso
collega, a que se referi o nobre deputado que se
fez oavir, me disse que no termo do Rio Formoso
se praticou urna injustica em 1862, a a provincial nesse tempo nao estava bem informada,
por sso tez a lei de 1862. O escrivo de orphos
do Rio Formoso era Ia tabelliao d'aquelle ter-
mo, um outro tabelliao existia, supprimio-se o
lugnar de Io labellio exercido pelo escrivo de
orphos, para licar servindo o 2* tabelliao, que
tambera escrivo privativo de exeeucoes e escrivo
do civel e crime.
A eonlianca as palavras do nobre deputido, a
vontade que sempre nutro de reparar a offensa
feta ao direito, me fez assignar o proiecto. E'
verdade que o nobre deputado acaw de dar es-
clarerimentos que a primeira vista parecera con-
vencer, se comparar-mis os lucros do escrivo de
orphos com os do escrivo d'i civel.
Um Sr. Deputado : A queslo nao de lu-
cros.
O Sn. Amaral e Mello :Se pesar-mos s os
lucros, sem duvda nos convenceremos de que o
escrivo do civel no Rio Formoso deve ganhar me-
nos, mas se tambem attender-mos ao interesse pu-
blico, devemos acreditar que ha necessidade de
dois tabellies.
O Sn. G Drummond :Nao apoiado.
O Sr. Amaral e Mello : Nosupponho que o
termo do Rio Formoso seja tal que nao haja muito
trabalho para os tabellies, o que mostra a conve-
niencia de existirem dois tabellies.
Desde que pens assim, contino a votar pelo
projecto, porque assim pens attender ao interesse
publico.
Nao acompanho o nobre deputado, nao quero
oppr-me ao que elle disse, porque muito tem ap-
pueacao a muitos termos da nossa provincia ; mas
restaurar um officio nao supprimir oficios,
fazer justica, porque reparar urna injustica, e
no caso presente trata-se de restaurar um offleto
que existi desde muitos annos e que so em 18b2
foi tirado a um empregado velho, como acaba de
dizer o nobre deputado.
Um Sn Dbputado :Porque j estova rico.
O Sr. Amaral e Mello : Porqaejj estava rico,
disse o nobre deputado.
Disse mais o nobre deputado, que urna das ra-
z5es que influa em seu modo de pensar, era queo
escrivo do civel se ofierecis a trocar o seu offi-
cio pelo do outro. Este argumento nao deve pre-
valecer, porque o escrivo de orphos foi o pri-
meiro aquinhoado, foi o primeiro a quem foi dado
esse officio.
O Sr. G. Dmjiimond : Nisso que o nobre de-
putado est engaado.
O Sn. Amaral e Mello :Nao acompanho o
nobre deputado nem peco para retirar a minna
assgnatura do projecto porque* as observares
que muita appHeaeo podera ter para o qne se da
era cutres termos, me nao- podera levar a deixar
de reparar a injustica fefa ao primeiro taliellia
e escrivo de orphos do Rio Formoso.
Encerrada a discussao, o projecto posto a vo-
tos e approvado.
2 discussao do projecto n. 41 deste anno que
crea collectorias as comarca* de Caruar e Bo-
nilfcE' approvado e dispensado o intersticio a re-
querimento do Sr. Gitirana.
2**diseussao do projecto n. 52 deste anno, que
revoga o art 6" da lei n. 756 de 5 de junho de
1866.E' approvadb e dispensado do intersticio
requerimento do Sr. Arminio Tavares.
2* diseussao do projecto n. 40> deste anuo, que
autorsa o governo a mandar ptfar a Joaquim de
Almeida Pinto a quantia de 2:600, -para pnbliea-
co de um diccionario das plantas do Brasil.
Val mesa e apoia-se a segrate emenda :
. Em logar de 2:000*. dign-se 4^)08*.-A Ca-
valcanti.
E" approvado.
Ctmtinda a 2 diseussao do orcamento jtfovm-
cial : --'-
A#t 16. Pwca poheit :
$ ir Amxflio do eorpo policial
emeampanha, pago nicamente a
vista d attestados trknewaeS'do quar-
tot-general- do exercito em operacoes
t I 2." Gorpo provisorio..........
I-3 EdaeaeAo dos filSos- des
voluntarios da patria--faHacWtoa-oa
miiiMentos na foor.a.........
Vai mesa o apoia-se o segante requer ment :
Hfcqaefemos o adlamento do|tdo art. 18,
W W'afljrwadoo pfojeolv do torea poHeMI.
So 50:000*000
296:983*000
3:V80*e00
EMENDAS APRESENTADAS NA TERCEIRA DIS-
CUSSlODO ORCAMENTO PROVINCIAL.
( Para ser collocada onde convier :
Augmente-se a quita para pagamento do con-
trato feto com Francisco Pacifico do Amaral e
Carlos Erafstode Mosquita Falco, era 3 docor-
renle.=Ayrei**ma=Lopes Machado.
Ao art. 2." f 4.*acrescente-se : emais a quan-
tia de 200* ao continuo Hollanda Chacn, pelo
serviep que presta ao archivo estranho as suas
funceoes.=.4i Ao art. 8accrescente-se : depois da palavra
Rosarinho, Barra de Serinhem, pova^o de Santo
Amaro da mesma freguezia, Santo Antonio do Ja-
c, I'im-.i Fundo, Santo Antonio de Mandasaia no
Brejo, Bebedonro e Taquaritinga.=Ayres Gama.=
Lopes Machado.
Art 8accrescente-se : e mais a cadeira do
sexo femenino para a 3.* seccao da ra Imperial.
Ayres Gama.=Lopes Machado.
Ao l.-do art. 8accrescente se : depois da
palara Rosal inho, a da povoaejio do Rosarinho da
freguezia de Pao d'Alho.= K. Pina.
Ao art. 11 :30:000* para a execuqao da lei
proveniente do projecto n. 8 deste anno.Fels-
bino.
Ao art. 13 2."accrescente-se : 200* para ser-
vir no arcbivo.=.lHdr^.
Ao art. 14 6.*accrescente-se : 1:0005 para
a matriz de Pao d'Alho.=. Marques.
Ao art. 14accrescen'e-se : 2:000*000 para as
obras da capella de Nossa Senhora da Pledade
erecta em Santo Amaro desta caade.=.ln/n/"o
Tavares.=G. da Stlva.
Ao art. 14accrescente-se : 1:000* para con-
certos da capella de Santo Amaro de Serinhem.
=BocWfor.=67. Drummond.=M. Amorm.=Giti-
rana =Epam>nondasJansen.=Andr.=C. Pere-
grino.B. de Una.
Ao art. 14 6.-accrescente-se : 2:000* para
a igreja matriz de S. Vicente da comarca de Itam-
i).=irtin na.=Tiburtino.=Mergulho. = Beltro.=Pontua!.
=Andr.=Bacellar.=Felisbino.=B. de UnaR.
Barros.=Gitirana.
Ao art. 14accrescente-se : 4:000*000 para as
obras da matriz de S. Jos.=Lopfi Machado.
Ao-art. 14accrescente-se : 1:000*000 para as
obras da igreja de N. S. do Rosario da freguezia
da Boa-vista.=B. Barios.
Ao art. 14 6.accrescente-se : 5:000* para
a exeeu(-ao da le n. 84 do anno passado.=/7. Mar-
qiies.=yi-es Gama.
Ao art. 14 :
1:000* para as obras da igreja de S. Goncalo do
Recife'.=Lopes Machado.
1:0009 para matriz do Limoeiro. = Emygdio
Marques.
2:000* para a matriz de Ingazeira.S. R /. de
Castro.
Fica concedida a quota de 2:000* votada o an-
no passado e cujo recotiniento nao se effectuou
or ter cabido em exercieios lindos, para cons-
"truccao da igreja de N. S. do Livramento da cida-
de do Rio Formoso.S. R.=Frairi:i7n Tavora
B: de Una.=Samuel Pontual.=Araujo BeltrSo.=
Reg Barros,Amaral e Wello.=L. Machado.=
C. Seraphico.^Eduardo Pina.=Carvalko Moura.^=
M. Amorim.
Ao art. 15 :
Supnrima-se o 20.S. R =Ayres Gama.
Ao g 1." do art. 17 :
Depois da palavracirurgioaccrescente-se :
enfermeiro percebendo este mais 300* pelo traba-
lho da distribuico, alimentacao dos presos pobres.
Lopes Mochado.
Ao art. 20
A emenda do deputado Amaral e Mello ao art.
20, em que marca o accrescimo de 50 lampees
para a estrada de Ponte de Uchoa ao Monteiro,
accrescente-se : sendo contemplado com mais 8 o
ramal ltimamente aberto pelo sitio de Justino Pe-
reira de Farias.=Si7va Ramos.
Ao art. 10:
Accrescente-se : e o quanto %ecessario para a
collocacao e ilramraacao de 12 lampeos do gaz na
rna da Esperanca aberta entre a rna do Hospicio
e a da Soledade por onde passam os trilhos urba-
nos do Recife a Apipacos S. R. ^Eduardo
Pina.
Ao art. 35 :
Para o agente arrecadador do imposto do fumo,
charuto ecigarrosdiga-se10 %.E.Counho.
G. DriMioid=>=rw Mello.
Ao art. 40 : .
Angmento-so a. quota para exercieios flndos.
com a quantia de 48*878 para pagamento do que
deve a mesouraria ao profesor publico de ins-
traceJtofriuttri ao Tracunhaetn padre Antonio
Goncalves da SilvaJos Gitirana.^M. Amorim.
~8t*mnon*n:=*J. i* Castro.
-; Aart. Ha>W9eflto-s*Hntis :000# para pa-
lametrtodoqneMdeW'aM empregados do juizo
da fazenda que deixaram de perceber os 10 por
centona forma da lei n. 708.Lopes Mochado.
Ao art. 4i Jl accreseentc-seinclnsive as
photograpbias.S.-R.MerguiMo.Ramos.
Aoarl.44, 4:000*. por ada.um collegio parti-
cular de instrueco para qoakiuer dos sexos diri-
gido por pessoa estrangeira, e 2:000* por cada um
daquelles em que se acha empregado como pro-
fessor pessoa tambem estrangeira.Lopes Ma-
chado.
Ao art. 44 8 31, acerescente-se30 por cento
sobre leudes de escravosi excepto os judicians
Mergulltao.Soares Braiutuo.Ayres Gama.Ti-
burtiuo Nogueira.
Ao art. 44 23, accrescente-searmazens e tra-
piches allanflegados.Merguihw.Ermrro Couti-
nho. Bacellar.
Ao art. 44 52 accrescente-see bem assim o
que deve o ex-arrematante dos impostos das co-
marca de Boa-vista, Cabrob e Taearat, de
quatro letras dos exercieios de- 1864 a 1866, des-
contando a thesouraria o que pela lei n. 596, se
mandn abater, recebendo ella os juros de 6 por
cento ao anno da quantia que aquella ex-arrema-
tante livor de entrar, e levantando do deposito
publico a importancia de urna letra nella recolhida
pelo dito arrematante.Isipes Machado.
Additivo ao art. 45.Contina- em vigor o 18
do art. 43 da lei n. 754.Tiburtino Nogueira.
Epaminondas.Miguel Amorim.
Ao art. 46. Fica o presidente da provincia au-
torizado a mandar cobrar, pelos canaes competen-
tes e de confrmidade com as tabellas que regulam
a materia, o pedagio da barreira de S. Joao.Epa-
minondas.
Ao art. 48.Era lugar desero applicadas,
diga-sepodero ser applicadas.Soares Brando.
Ao art. 50. Urna parte da lotera para as obras
da igreja do Rosario de Santo Antonio.
dem, dem, Livramento da Vanea.
dem idem da irraandade do Espirito Santo de
Goyanna. .
Ouira parte para a igreja de S. Sebastiao do
Bonito.Ayres Gama
Ao additivo que crea mais um lugar do eollabo-
rador na secretara do governo, dga-se, em lugar
de 600* de ordenado, o mesmo ordenado que tem
os oulros collaboradores da mesma reparticao.
.lrnw'ni'o Tavares.Soares Brando.
Additivo ao art. 47,O presidente da provincia
mandar pagar ao coronel Jos de Camarn) de
Araujo Cavalcanti a quantia de 500*, importancia
do aluguel de 20* men-ae- de sua casa quo na
villa do Buque serve de cadea e casa da cma-
ra, a contar do 1 de maio de 1867 ao ultimo de
maio deste auno.Epaminondas..-ImormK.
Supprima-se a emenda que se refere cadeira
de instrueco primaria da poveaco de Pasmado.
Arminio Tavares.
O presidente da provincia fica autorisado a des-
pender al 10:000* com os concerlos e reparos da
ponte e aterro da estrada da cidade do Rio For-
moso.Gaspar Drummond.Silva Ramos.An-
dr.Samuel Pontual.Barao de Una.
O presidente da provincia mandar construir
com toda a urgencia urna cadeia na villa do Bo-
nito, podendo para isso se despender at a quan-
tia de 16:000*, que tirara da verba destinada
eaderas do interior, de conformdade cora a lei d.
730 de 6 de junho de 1867.Jos Gitirana.
O presidente da provincia mandar pagar a Ma-
noel Augusto Vieira de Amorim, o que se lhe deve
da gratificacjio que percebe cabida em exercicio
findo, a contar de maio do corrente anno.Ayres
Gama.
Fica entendido que o procurad r fiscal da the-
souraria provincial e administrador do consulado,
nomeados por portara de agosto do anno passado,
devem a importancia dos novos e velhos direilos
por suas nomeacoes, na forma da le, que lhes se-
ro cobrados dentro do presente exercicio.Car-
vallto Moura.
O presidente da provincia fica autorisado a
mandar pagar ao escrivo do delegado de polica
da capital, a gratilicacao annual de 600*.Miguel
Amorim Cicero Peregrino.
Que as disposicoes geraes da le do orcamento
se accrescente o seguinte : Art. ou .Ao primei-
ro eseripturario da thesouraria provincial Marco-
miro PanCracio Peroira dos Santos, ser paga a
quinta parte de sens vencimentos nos dous ltimos
annos, como gralificaco pelo exeesse de trabalho
que tem feito, e aos segundos escrpturarios Ber-
nardo Carneiro Monteiro da Silva Samse Joao
Carneiro Monteiro da Silva Santos, a differenca
entre os seus vencmentos e os do piiineiro eserip-
turario na mesiiia conformdade continuando este
ultimo a perceber a referida differenca, em quan-
to durar a molestia do primeiro eseripturario Tem-
poral. -Lopes Machado.Miguel Amorim.Araujo
Bel'ruo.Epaminondas.
Ao art. 14 | 4o accrescente-se1:000* para as
obras da igreja do Livramento da freguezia da
Vanea.S. REduardo Pina.
Augmcnte-se o quantum para as cadeiras crea-
das para o sexo feminino de S. Pedro Martyr de
Olinda, Arrombados e Cammho Novo, do Recife.
Lopes Machado.
Augmente-se o quantum para a entrada de
quatro pensionistas gratuitos no Gyranasio.E.
Coutinho.Araujo Beltrao.Felisbino.Eduardo
Ptna.
Para canalisaco do Rio Jordao na Vanea.....
6:000*.Miguel Amorim.
Aog 6o do art. 14 accrescente-se8:000* para
abertura da cambua do Maduro al a bomba da
estrada de Joao de Barros.Reg Barros.
1:000* para as Obras da capella de Santo Ama-
ro das Salinas.Jos Gitraua.
REVISTA DIABIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Na sesso de hon-
tera approvou em 3.* discussao o seguintes pro-
jectos: n. 75 concedendo duas loteras de 60:000*
cada urna para factura das obraado cemiterio da
freguezia de Gamelleira: n... concedendo autori-
sacao a presidencia para contratar a abertura e
canalisaco do rio Goyanna com Manoet Polycarpa
Moreira de Azevedo; em 2.* o que concede urna
indemnisacao a Joaquim Jos da Cosa pelos pre-
juizos que soffreu quando aro matante das barrei-
ras do Manguinho e Capunga, dispensado o in-
tersticio requerimento do Sr. Reg Barros; em
3 o que concede a presidencia autorisacao para
contratar com Andr d'Abreu Porto e o hachare!
Zelirno d'Almeida Porto a collocacao de tnlhos de
ferro as ras-desta cidade com uraa emenda
ampliando a idea a quem maiores vantagens ofle-
recer ; em 3.', o de n. 54 que manda pertencer a
freguezia de Grvala o terreno era que se acha o*
engenho ?az, hojo pertencente a de Beaerros.
Entrando em 2.' discussao o projecto n. 86 que
concede permisso a Antonio Luiz da Reg Bar-
reto para vender bilhetes deloterias de outras pro-
vincias pagando o imposto annual de 1:000*008,
fdMhe offerecido um substitutiva pelo Sr. Silva
Ramos tornando a idea geral. Fallaram sobre a
materia o mesmo Sr. Silva Ramos e Andr Caval-
canti, foi o projecto approvado, sendo o substitu-
livo regeitado, dispensado o intersticio requeri-
mento do Sr. Pina.
Continuando em 3.* discussao a projecto damj
camento provincial com as emendas a elle oBsre-
cldas requerimento do Sr. Soares Bfandao, fi-
cou adiada a discussao at serem impressas as.
mesmas emendas no jornal da casa.
Approvou em !. dlwowio o projeoto no noe
reforma a folha de jubilarlo da proftajra de Ca-

.


B!?l
Diario de Pernambuco "Quinta feira 10 de Jimli de 1869.
ruar D. Amia Pires Gainpello do Mello, dispen-
sado o intersticio reqaermento do Sr. Miguel}
Amorim.
Continuando a l1 discnssao do projectode (ixa
cao da fnrct policial ouviu a asamblea ao Sr. Lo-
pes Machado sobre a sua malaria e licou anda o
projecto adiado pela hora.
A ordem do da para a sesso de hoje alem
das materias j dadas a primeira discusso do
projecto n. 81, e terceira dos de ns. 73 e 83, em
tercena do de 92 de 18(58.
EM FLAGRANTE,-Pelo delegado do termo do
Bonito foi preso, no da 2:t do passado, Balbino Be-
erra do Sobral, por estar espancando brbara-
mente sua imilh-T.
FALLECIMIENTO.No dia 3 do corrente morreu
Florinda Mara da Conceico, que se queimra em
25 do passado n'uma explosw de plvora na ra
do Gaz.
PROROGACAO.Por deliberado da presiden-
cia, de 9 do corrate, foram prorogados os traba-
mos da assembla provincial at 14 do corrente.
ACTO DIGNO DE LOUVOR Informam nos que
indo o Exm. Sr. bario de Utinga, a semana pas-
sada, missa na groja da Conceico dos Militares,
vendo a morosidade com que proseguem os re-
paros interno>, nrocurou saber os motivos; e,
tendo-lhe declarado, um dosenearrcgados da obra,
ser o motivo principal a falta de meios, pz dis-
posico da i'manHde, como auxilio para as obras,
a quantia do 2:OO0O0O, aiim de que se possa fes-
tejar a padroeira da igreja no dia 8 de dezembro
prximo.
_E' seui duvida nenbuma esse acto digno de men-
co honrosa, nao por ser o primeiro praticado por
lio luagnannuo cavalleiro, mas pela expontaoeida-
de cimque foi praticado.
EMBARQUE.Seguiram hontem, bordo do
Paran, os Exm Srs. Drs. Braz Florentino Hen-
riques de Souza, pre-idente do Maranhao e Ve-
nancio Jos de Oliveira Lisboa, presidente da Pa-
rahyba.
O Exm. Sr. Dr. Braz foi acompanhado at bordo
do vapor por grande parte dos seus amigos, e
crescido namaro de alumnos da Faculdade de Di-
reito, aos quaes leccionava.
NCLEO PHILOSOPHICO E LITTERARIO.
Reunise no domingo ultimo esta sociedade, como
haviamos noticiado, com a assistencia dos Srs. :
Nilo de Miranda, Custodio dos Santos, Demetrio
Acacio, Joo Vicente, Porto Netlo, Jos JuliSo, Mar-
tinho c Adriano.
SubnWiid i di^cusso o projecto de estatutos
apresentado pela commissao de redaccao, foi ap-
provado na totalidade de seus artigos ; e proce-
dendo-se em seguida aeleicao da directora ecom-
missdes, den oseguinte resultado: Presidente,Cus-
todio Doiningues dos Santos Jnnior ; vice-presi-
dente, Demetrio Acacio de Albuquerque Mello : Io
secretario, Nilo Rodrigues de Miranda; 2o dito,
Martinho da Silva Costa Jnior ; orador, Antonio
Alfredo da Gama e Mello ; ihesourciro, Joao T-
cente da Silva Costa Jnnior.
Commissoes.
Para a de redaccaoDemetrio Acacio, Joao Can-
dido e Joao Vicente.
Para a de syndicanciaMattos Ferreira, Jos
Julia.) e Cunba Teixeira.
Para a de cotilasMartinho, Eduardo Reis e
Cunha Teixeira.
MISSAS FNEBRES.Amanha, das G as 9 ho-
ras do dia, sero celebradas, no convento de S.
Francisco, varias missas por alma do finado Joa-
quim Correa de Antojo, por ser o stimo dia do
sea fallecimento, sendo a de 7 horas assistida pelo
Dr. Joaqnim Correa de Aratijo, que convida os
seus amigos e* o> de seu finado pai assistircm
esse acto de religiao.
PROTECTORA DAS FAMILIAS.Esta associa-
cao brasileira establecida no Rio de Janeiro liaba
blido de subscriptores nesta provincia at 7 de
maio prximo passado, 7i3:9oO000. Entraram
novamenle os seguintes senhores, como contri-
buintes:
Dr. Antonio Luiz Cavalcanti de Albu-
querque........................
Capito Manoel Olympio Carneiro
Lefio..........................
Major Virginio Barbosa da Silva___
Capito Felippe Nory de Barros Wau-
derley.........................
Capito'Antonio Netlo Carneiro Leo
Francisco Leandro da Silva........
Dr. Joao Carneiro Leo............
Manoel Antonio Gomes............
Femando Ferreira Firmindo Lessa..
Capitao Francisco Vito de Gouva..
Capitio Umbelino de Souza Leo___
Joao Firmindo da Silvoira Lessa....
Ernesto M/liano da Silveira Les*a...
D. Elvira Oiyinpia Marques Fignei-
redo..........................
Leo e Frcitaa Heariquus, tal .ando o Sr. dasembar-
gador Guerra procuiaor da corja, abrio-sj a
sesso.
Passados oe feitos deram-se os seguintes jura-
mentos :
Recursos cmme.Receorrentes, Gammba Irmo
A C.; reccorrido, o juizo.Relator o-Sr. desenibar-
gador Lourenco Santiago, sorteados os Srs, desem-
bargadores Motta, Almeida Albuquerque e Fre las
Henriques.Reformada a pronuncia para o artigo
201. Reccorfante, Maiioel Vicente Leite de Olivei-
ra; reccorrido, Jo- J. da Cunba Aguiar.Itelator
o Sr. desembargador Sduza Leo, sorteados ns Srs.
desembargados Frailas Henriques, Moita o Lou
renco Santiago.Improcedente,
noel Vicente Leite de Oliveir
Joaquiui da Costa Agniar.-
bargador Souza Leo, sortead
gadores Gitirana, Domingues 1
Albuquerque.Improcedente.
Reccorrente, Ma-
reccorrido, Jos
tor o Sr. desem-
Srs. desembar-
Silva e Almeida
Reocorrenle, Ma-
2:500000
18:000*000
15000*000
12:0003000
9:000*000
9:000000
6:000000
6:OUO000
6:0005000
4:500*000
3:000*000
3:000000
3:000j000
1:3005000
862:4501000
LOTERA.A que se acha a venda a 109. a
beneficio da matriz de Muribeca, que corre no
dia 12.
PASSAGEIROS:Sabidos para os portos do sul
no vapor Giqut :
Joo Gomes da Cunha, Jos Joaquim D. Fer-
teira e Antonio Estanislao de Carvalho.
Entrados dos portos do sul no "vapor Po-
'-wr-
Jos Narbonne e I escravo, C A. Lasserriere,
Joao A. Mello e i escravos, Gertrudes Mara da
Conceico, Syncleiico A. dos Santos, Anna J. do
Nascimento, Mara Ferreira da Paz, Joao C. de
Souza, Mara Ribciro das Florea.
Entrados da ill.a de S. Miguel na escuna
portugueza Tklphen:
) omingos Francisco da Silva, Jacintha Amelia,
Leao.Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Tristo Xavier Leite.Relator o Sr. desem-
bargador Freitas Henriques, sorteados os Srs. des-
embargadores Doiiiingiies da SiKa, Almeida Albu-
querque e Souza LeaoImprocedente. Reccor-
rente, Antonio Francisco de Souza Costa; reccorri-
do, o juizo.Relator o Sr. desembargad ir Gitirana,
sorteados os Srs. desea)bargadores Almeida Albu-
querque, Lourenco S^Wiago e Souza Leao.Deram
provimento.
Appellacoes cmsins.Appcllante, o juizo: ap-
pellado^Harcolino Fernandos d3 Moura.A novo
jury. Appellante, Jos Soares da Silva; appellada,
a Justina.Improcedente. Appellantej) promtor;
appellado, Daniel, escravo.A novo jury. Appel-
pellante, o juizo; appellado, Joao Ignacio dos San-
tos.Improcedente. Appellante, Bellarmino Joo
dosSantos; appellado, o juizo.Improcedente. Ap-
pellante, o juizo ; appellado, Andr Damaceno Ro-
cha.A' novo jury. Appellante, o juizo; ap-
pellado, Aitonio Salvador deOliveira.A' novo
jury.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra.Appellac3es civeis: appellantes, D.
Anna Francisca de S; appellado, Jos Furtado de
Lacerda. Appellante, Antonio Valentim da Silva
Barroca; appellados, o presideute e director da
caixa filial do banco de Brasil.
Da de apparecer.Appellante, a irmndade da
imperial capella de Nossa Sennora das Frontei-
ras; appellado, Jos Jeronymo Monteiro.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pellaco crime: appellante, o pro.notor, app diados
Joaquim de Oliveira Freitas e Gervasio, escravo.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque.AppcHa-
co crime: appellante, o juizo; appellado, Joao de
Souza Pereira. Appellante, o promotor; appella-
do, Jos Bispo da Silva. Appellinte, o juizo; ap-
pellado, Pedro Bento de Souza
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.Appellacao civel: ap-
pellante, Jos Mara da Silva; appellado, Joaquim
da Silva Oliveira. Appellacoes criraes: appellan-
te, o juizo; appellado, Justino Jos do Nascimen-
to. Appellante, Joo B.iptista Evangelista; appel-
lado, o juizo.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva.Appellacoes civeis: ap-
pellante, Jos Maria da Silva : appellado, Joaquim
de Souza Oliveira. Appellante, o Dr. Joaquim
Francisco de Miranda; appellado, Jos Rodrigues
doPasso. Appellacoes crimes: appellante, o jui-
zo ; appellado, Justino Jos do Nascimento. Ap-
pellante, o juizo; appellado, Antonio Izidro dos
Santos.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao. Appellacao crime:
appellante, o juizo; appollado, LoureuQo, escravo.
Do Sr. desembargador Souza LcoaoSr. desem-
bargador Freitas Henriques.Appellacoes crimes:
appellante, o juizo ; appellado, Izidro Gomes ala.
Silva. Appellante, o promotor; appellados, Joa-
quim Jos Teixeira Lima e outros.
Do Sr. desembargador Freitas Henriques ao Sr.
desembargador GitiranaAppellacao civel: appel-
lantes, Antonio Ferreira da Silva e outros; appel-
lado, Manoel Dutra de Souza. Appellacoes cri-
les: appellante, o juizo; appellado, Irancisco
Antonio Bispo. Appellante, Joao Manoel Tristo;
appellada, a justica.
Assignou-sc da para julgamento dos seguintes
feitos:
Appellacoes crimes.appellante, o juizo; ap-
pellado, o escravo Jorge. Appellante o promo-
tor; appellado, Antonio Ferreira >ic Oliveira. Ap-
pellante, Manoel Leite Je Mello; appellada, a ios-
tica. Appellante, Joaquim Monteiro; appellado, o
juizo.
As 2 horas da tarde encerrou-se a sesso.
Ao Sr. Br, Jansen, como principal autor da
idea, e seus dignos collegas pela generosa coope-
rado qne-a ella prestaran), dirigimos nossas eli-
ciiacdea.
Cidae do Recfe, 9 de junho de 1869.
A
i. J. A.
(uestao Arataagl
Represento!! o Sr. Joo de S vio-presidencia
eonlra o tenenla-eoronoKJaspar Cwalcan.aquera
aecusa ile ter invalido i mo afinada o engenho
Aratangil.
Semelhante representacao, pelo que ontm em
si, e pelo ftnaque leva,-merece ser discutii.
Com ella fJretende o Sr. Joo de Si prevenir a
boa f do goveru >, para depois abusar d'ella pe-
dindo forja para garanti-lo contra suppostas vio-
lencias.
O 6r. tenenle-coronel Gaspar Gavalcanti j ex-
poz circunstanciadamente ao puWico o modo por
noel Podro da Costa; reccorrido, o juizo.Relator
o Sr. desembargador Freitas Henriques, sorteados 'lue procedeu, e_ as pessoas i "parciaes esto ao
os Srs. desembargados Motta, Gitirana e Souza iac.J" moderacao e legahdae com que soube se
ha ver.
Entre os agricultores nnmem chama invadir a
propriedade alheia o ir plantar n'um engenho em
que outro, que depois se vai retirar, colhe sua
safra.
Isto mesar fez o referido tenenle-coronel anto-
risado por aceordao da relaco, fielmente observa-
do, sem em cousa alguma ser molestado o Sr. Joo
de S.
Mas, nao a unjea vez que este senhor usa de
tao ignobil expediente, e com elle pode conseguir
ha pouco surpreender a boa f do governo : con-
siste o plano em fazer-se elle victima, pedir soc-
corro com Instancia, com nrgencia, para, aflnal,
impedir ao tenente-coronel Gaspar Cavalcati o
direito que este tem de fqpdar a sua safra.
E:n quanto o itnpede. passa-se o lempo em que
esta devia ser fundada, e ello j tem creado urna
nova, que querer colher ainda ; mais um anno
que ganha para safrejar e lucrar. No fim d elle
nova edico do mesmo inethodo e novo anno con-
quistado...
E assim permanece e se oternisa no engenho
alheio.
Ayalie agora o publico imparcial a moralidade
de tao astucioso proceder !
Deinais, em quanto o Sr. Joo de S trata de se
adquirir as sympathas que naturalmente se acer-
cam dos perseguidos e martyres,com incrivel
talentose procura apresentar o tenente-coronel
Gaspar Cavalcanti como um homem violento, feroz
e sanguinario.
E" cem este pobre proeedimento, com qUe tem
lucrado o Sr. Joo de S, que se procura por to-
dos os modos Iludir o pubjico.
Ainda voltaremos sobre este assumpto.
*
Recife, 9 de junho de 1869.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Sr. redactores :No Diario de Pernambuco, de
23 de maio, vem urna correspondencia assignada
pelo Cabor da Sena, semiente para molestar-me.
Felizmsntc, porm, estou em posico de fcilmen-
te rcspondcr-lhe.
Nao ha entre os moradores do meu engenho
assassinos, porque estes s encontram b un azilo
no engenho Vertente do tenente-coronel Jos Ca-
bra! como devem saber perfeitaraente as autorida-
des da provincia, que nao sei porque respeitam
aquelle covil de fras que tem em continuo alar-
ma o povo da Vicencia o derramam o terror por
toda a parte.
Quando me casei com a ni do tenente-coronel
- Cabral levei bens meus, como todos sabem : mas
!t^IJHWr'M ?' aTes> Fr,a?" de:ide 1ue me ca?ei tod^ os bens foram communs,
cisco Jac.ntho do Reg, Lnw do R Borge_s, Joao e cu fiquei com a livre disposico dos bens mo
de Souza. Jos de Aguiar, Joo do Reg Borgcs,
Mara de Jess e seu filho, Jos de Olireira e sua
senhora, Jos Maria Sodr, Luiz de Medeiros Car-
neiro, Jo3o de Medeiros, Jo^ Ignacio do Reg.
Sahidos para o Aracaty no hiate Novo /-
lencicel:
Belmiro Gomes de Moura, Jos S. Barbosa, Con-
rado Ferreira Cardoso e 2 criados.*
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia 6 de
junho de 1869.
Joaquim, 63 annos, Boa-vista, encephalte.
Lcete Nepomuceno Albuquerque, Pernambu-
co, 29 annos, casado, Recife, hemoptizes.
Laurina, frica, 50 annos, Boa-vista, apoploxia.
Ignacia Maria Ferreira do carino, Pernambuco,
90 annos, viuva, Jaboato, vclhice.
7
Germana, Pernambuco, 33 annos, solteira, Santo
Antonio, lezo cordiaca.
Joanna Francisca da Conceico, Goyanna, 40 an-
nos, casada, Boa-vista; tubrculos pulmonares.
Florinda Maria da Conceico, Pernambuco, 40
annos, viuva, S. Jos, queimadura.
Joo Barbosa da Silva, Pernambuco, 90 annos,
casado, infeceo purulento.
Cypriano, Pernambuco, 4 annos, S. Jos, con-
vulsoes.
Joo, Pernambuco, 2 annos, Recife, anemia.
Joaquina da Costa e Silva, Pernambuco, 33 an-
nos, viuva, Santo Antonio, tubrculos pulmonares.
Paulina Farncisca dos Santos, Pernambuco, 60
annos, viuva, S. Jos, atoxia locomotoras.
Candida, Pernambuco, 6 mezes, Boa-vista, con-
vulsoes.
Manoel Francisco de Jess Pina, Pernambuco,
44 annos, casado, Recife, hemoptezis.
Eduardo Joaquq^Pereira Bu tos, Pernambuco,
40 annos, solteiro,santo Antonio, congestao ce-
rebral.
Thoniazia Canluaria de Almeida Torres. Pernam-
huco, GO annos, solteiro, Boa-vista, hydropezia.
Antonio, Pernambuco, 9 mezes, Santo Antonio,
bexigas.
Ira, Pernambuco, 8 annos, Ba- vista, anazarca.
Faustina, Pernambuco, 40 annos, Santo Antonio,
desynteria.
Francisco, Pernambuco, 18 mezes, Boa-vista,
intente.
Jos Leopoldo da Silva, Pernambuco, 35 annos,
casado, Santo Antonio, febre maligna.
Candida Olimpia Pessa Cesar, Pernambuco, 50
annos, casada S. Jos, phtysica.
Victorina, Pernambuco, 43 annos, Recife, desyn-
ier^rbert0> Pernarabuco, 2 mezes, BOa-vista, in-
mbelipa Maria da Conceico, Pernambuco, 35
annos soltera. Boa-vista, bexigas.
Antonia Maria da Conceico, Pernambuco' 25
annos solteira, Boa-visu, tubrculos pulmonares
HRONICAJUDH)URU.
THIBI \ II. DA lli:i.AC lO
SESSO EM 8 DE JUNHO DE 1869
PflESIDENCIA DO EXM. BR. CONSEUlUftO CARTANO
SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
birgadores Gitirana, Lourenco Saittiago, Almeida
ADuquerque, Motta, Domingues da Sjjya, 5oua
e cu
veis.
ltimamente o tenente-coronel tem entendido
dever seduzr a minha fabrica e passa-la para
Vertente. Afim de me oppr a esta desorJom
fiz venda de tres escravos que haviam fgido pa-
ra o eugenho do referido lente coronel, sendo
dous dos tres, filhos dos escravos que eu trouxe-
rapara o casal.
Depois da vendidos o tenente-coronel Cabral
cousegue da sua mi e minha mulher cartas de
manumisso para esses escravos; mas nao me
devo demorar em demonstrar que taes cartas ne-
nhum valor tem em direito e somente foi recurso
miseravel de que se soccorreram nao sei com que
fim.
Do exposto v-3e que nunca delapidei, e que a
dezordem actual de minha casa se deve a perver-
sidade do_ tenente-coronel Jos Cabral, que tem
aneado mo de todos os meios ignobeis para pro-
judicar-me, nao tendo conseguido talvez assassi-
nar-me por nao ter achado apoio no delegado
desta comarca que me tem feito sempre justica.
A polica nao tem sido incommodada por mora-
dores meus, nao assim Ihe acontece com os mo-
radores de Vertente que se tem constituido na
comarca verdadeiro couto de assassinos, levando
o tenente-coronel Jos Cabral a divertir-se aos do-
mingos com exercicfos de fogo ao alvo, que fazem
os famigerados Tiburtino Santos, Jos Pedro, Jos
Parahyba, Antonio Parahyba, Tavares, Galdino,
Cordeiro, Goncalo, Manoel Freir e outros om
numero de 16, assistindo a esses exercicios mui-
tas vezes o promotor publico da comarca.
Estimo bem que recorram a imprensa sempre
preferivel ao bacamarte ; a imprensa os afogara,
pois que cora ella impossivel^revalecer a men-
tira. V
A venda que fiz de meus escravos ao Sr. capi-
tao Manoel Tbomaz de Albuquerque Maranhao
est em seu intero vigor, nao pudendo ser emba-
ncada por cartas de lberdade passadas por mi-
nha mulher sem direito para isso ; e advirto ao
tenente-coronel Cabral que irei vendendo todos os
escravos que fugirem para Vertente.
Pelo que quando deliberar furta-Ios v logo
conseguindo de minha mulher e sua mi cartas
de liberdade.
O que o Exm. Sr. presidente da provincia deve
resolver a exautoraco de um criminoso como o
tenente coronel Jos Cabral e o varejo do enge-
nho Vertente para prender ou excurracar a feroz
quadrilha que ali cragregou Jos Cabral para
com ella ameacar seus vizinhos e trazer tudo em
terror.
Voltarei se o quzerem.
Engenho Gamelleira, 4 de junho de 1869.
Joao Das Coutiiiho de Araujo Pereira.
Acpo meritoria
Acaba de ser hoje libertada a menor Maria
Christina, pertencente a I). Mara Anglica Silva e
Almeida, desta cidade, per sulwcripcao do Dr. Vi-
cente Jansen de Castro e Albuquerque, e de seus
co.legas os Srs. deputado:i provinciaes segantes :
Drs Augusto Leao, Epaminondas. Tiburtino, Pon-
toal Gaspar Drummond, Pina, Amorim, Amaral,
B. Coatmho, baro de Una, Drs Felsbino, Gitira-
na. Lopes Machado, Beltrao, Mergulbo, Andr Ca-
vaicant, Cicero, Amyaai, e Serfico.
Questo Aratangil.
Sob este ttulo, publicou o Sr. Gaspar Cavalcan-
de Alb iquerque Lisboa, dous artigos no Diario
de Pernambuco, que me ob'rigam a dizer alguma
cousa em resposta. O primeiro artigo saho im-
presso no Diario de 26 de maio, c o segundo no
de 7 de junho, ambos deste corrente anno.
Antes de tudo, de estranhar, que gibndole o
Sr. Gaspar Cavalcanti de haver obtido todos os
julgados i seu favor, e afflrmando que nao me
resta mais opposico legal a offerecer, abandone
os tribunaes e juizesonde foi tao feliz, e venha dis-
cutir a questo pela imprensa.
Para que levantar celeuma pelos jornaes, quan-
do em juizo justica llio foi feita?
A mini, vencido na opinia.o do Sr. Gaspar Ca-
valcanti, que caberia bradar contra a injusta
dos julgados, o recoirer opinio publica para
um desabafo legitimo, da derrota que soQ'ri.
Mas eu nada reclamei pela imprensa: tudo te-
nho confiado dos juizes, aos quaes apresentei ainda
lodos os recursos que meu advogado me aconse-
Ihar que as leis e o direito me conferem.
Esta consideracao deixo exposta como prem-
bulo minha resposta, servir para provar, qnal
dos dous contendores nao confiando as autorida-
des e o meios judciaes, interpoe o poder de sua
propriae nica vmtade para decidir a contenda,
entrar na propriedade legtimamente oceupad
por outrem, e executar por si s o aceordao da
relaoao, tomando posse tumultuaria, sem a menor
intervencaodj jan execulor daquelle aceordao.
Semelhante proceder tanto mais violento, e tu-
multuario, quaato a oceupac.o" qae conseryo d/i
engenho Aratangil, fundada ,no julgado, no pro-
prio aceordao.-que o Sr. Gaspar diz que oi tdo
a sen favor, mas cuja integra manda que eu rife
a saflia deste anno corrente, e do anno futuro?
Quem podar conciliar esta concessao que me
deu os accorddos passados em julgado, com T> direito
que se arroga o Sr. Gaspar Cavalcanti de entrar
na propriedade, sem intervenco do juiz, e expellir-
me para fra della, sem colher o fructo do meu
trabalho, e ficando sem curaprimento o julgado na
parte que me favoravel ?
Respondan) *>s inipareiaes.
Entrarei agora na apreciao de diversos tpicos
dos artigos do Sr. Gaspar Cavalcanti que me pare-
cem mais ligados com a execuco dos accordos.
Deixo de parte a exposico histrica que faz a seu
geito o mea contendor desde o principio da aeci
que pinteamos. Se quizesse confundir as cousas,
e remontar me a tao remota origem, eu pergun-
taria ao Sr. Gaspar Cavalcanti, que funda o seu
direito de propriedade sobre Aratangil, no titulo
de compra, em 1854. da heranca de D. Cecilia
Camarina do Monte Sinay, consistente em engenho
(bem de raz), escravos, bois etc, se j pagou a siza
respectiva dessa compra. Se ignora que vista
da lei, a compra o venda de bens immoveis, sem o
pagamento da respectiva siza, radicalmente
nulla, e nenhum titulo legitimo confere.
Mas tendo em vista considerar somente os fac-
tos da actualidade, tomarei por ponto de partida
o principio de execuco dos ltimos accordos.
Este principio da execuco, confessa o Sr. Gas-
par Cavalcanti, teve lugar pelocumpra-se do
juz inferior e citacao por precatora que reque-
reu, e Ihe foi deferida.
Dahi em diante nada mais requereu, e portanto
nenlium indeferimento recebeu. Se o iuz nao Ihe
negou despacho algum, se nenhuma aeciso con-
tra o exequentc profario em diligencia que reque-
resse, como o aecusa de parcialidade ?
O Sr. Gaspar Cavalcanti, que recorreu ao pu-
blico, esqueceu-se (sem duvida.sera malicia algu-
ma) do dizer ao mesmo publico que tomou volun-
tariamente para juiz, que-iiao recolheu ao carWrio
a predatoria, nem aecusou em audiencia a cita-
gao feita.
O publico lieou portanto ignorando (menos de
agora em diante) que a execuco do aceordao pa-
rou e nao proseguio, por acto e ommisso volun-
taria doexequente o Sr. Gaspar Cavalcanti. O meu
contendor confessa que ea nao me oppuz a
citacao : confessa portanto do novo que por for-
ma alguma reclamei contra essa principio de exe-
cuco. A minha annuencia e submisso respeto-
sa a essa forma regular e legal de dar execuco
ao aceordao, est provada com a propria narra-
gao do nieu contendor. Como, pois, me attribue
a intencao de confmuar na posse do que alheio f
Como censurar ao juiz que nenhum indeferimento
ihe deu ?
A injustica maoifesta.
Vejamos, depois de feita a citacao por precato-
ra, como procedeu o Sr. Gaspar Cavalcanti. Eis
as suas proprias palavras :
A esta intimacao nada foi dito por parte do
tenente coronel Joo de S e sua mnlher,* assim
julgando que nenhuma opposico tinha a encen-
trar, acreditando mesmo que nenhum genero de
embargos poda ser de novo apresentado por parte
daquelle tenente-coronel, porquanto nao podia elle
ser ouvido sem a effectividade da posse: dirigi-me
com meus Albos, AMKJOS e escravos, no dia 5 do
corrente.ao engenho Aratangil, e fiz sentir ao ad-
ministrador desse engenho, nlho do tenente-coro-
nel Joao de So fim a qne me diriga, e obtive
em resposta que nada poda consentir sem auto-
risacao de seu pai, quem ia escrever. Esperei pela
resposta do tenente-coronel Joao de S, mndamelo
recolher os meus escravos em urna olaria que me
foi designada pelo administrador do engenho, fi-
cando eu, meus filhos o AMIGOS no alpendre da
casa de vi venda. >
Antes de apreciar este tpico, cumpre tornar sa-
liente urna contradicco termal do Sr. Gaspar Ca-
valcanti. Como acabou de lr o publico, diz cima
o Sr. Gaspar : o administrador me responde*
que nada podia consentir sem autorisacao de seu
paiveja agora o que diz o mesmo Sr. Gaspar
Cavalcanti, em ama queixa que ao Exm. Sr. pre-
sidente da provincia dea contra o juiz. Eis suas
palavras :
All ebegando ( Aratangil) e nao estando
presente o executado, e sim um seu filho e admi-
nistrador, fez-lhe aate alguma objeceo, mas CON-
SENTIO no rancho, etc.
Aqu o administrador consentio, all disae qne
nada poda consentir. O Sr. Gaspar na correspon-
dencia que estou respondendo duque nao tusca
mentira para continuar na pone do que alheio.
O publico dir se elle mentio on nao peranteo
governo, qnando diz que mea filho consentio no
rancho, afflrmando na correspondencia que elle
rcspnnderanada posso conseniir tem autorisa-
cao de meu pai t
Deixando a contrafliccao, pela qual acabo de
provar que meu contendor mentio perante o go-
verno, e mentio com inlencao de fazer mal aojur
contra quem deu 'inriT >itjpnni (i nii 11 na aualyse
do tpico transcripta. ?
Deste tpico resalta qae o Sr. Gaspar Caval-
canti, abandonando o juizo, reuni os filhos e
tmios, e entrou em minha casa sem mcuconsen-
timento e sem formalidade alguma. Nao era am
homemjou alguns, que procuravara, entenderse
comigo, era urna invaso do potentado, acompa-
nhado de squito, que entrava em miaba casa e
dizia arrogantemente : isto meue est dito.
O Sr. Gaspar Cavalcanti confessa francamente
essa entrada tumultuaria e violenta.
Nao careca que semelhante invado fosse acom-
paada de forca armada, e se Ihe seguissera vio-
lencias posteriores, insultos, arrombamentos e es-
tragos, para nao ser tolerada.
As circunstancias aggravantes dessa entrada
iriumphal, esto provadas por mcio de vistoria, e
interrogatorios. A gente armada, um facto pu-
blico a notorio, sabido de toda a visinhanca.
Mas prescindo das circunstancias aggravantes
e insultuosas que acompanharam o acto. Quero
esneeder que s houve entrada triumpbal do Sr.
Gasp r Cavalcanti, seus filhos, amigos e fabrica.
Quem o autorisou para isto, com que direito,
em que le se fundou ?
Fui tomar posse do que era meu, do que a re-
laco me deu
Nao o podia fazer de sua propria autoridade.
Era a entrega e posse do engenho que quera ?
Nao o podia ter sem ser por intermedio do juiz.
Era a execuco do aceordao que fazia ? Ainda
mais irregularmente obrava, nao prosegundo com
autorisacao do juizo, como havia comecado.
Quando qualquer predio urbano ou rustico est
oceupado por algum inquelino, ou rendero. o do-
no do predio s tem dous meios expelli-lo : ou
amigavelmente, entendendo-se com o oceupante,
c fazendo-o sabir de accordo; ou por mandado
judicial, se o inquelino ou rendero, nao qer ce-
der.
Nao ha quem igonore isto. Assim como todo
o mundo sabe, que nenhum dono de predio, que
est oceupado, pode entrar pela propriedade a
dentro, ainda sendo sua, edizer saiam, eu aqui
fico.
Ninguem pode fazer justica, por suas mos.
Sabendo do acto violento e tumultuario que
acabava de praticar o Sr. Gaspar Cavalcanti, re-
corr s justicas, e por meio deltas expelli-o para
fra da minha casa.
Recorr as autoridades, eslava no meu direito,
procurando a desaffronta legal, resguardando
meus inleresses legtimos, que os accordos res-
peitaram, mandando colher duas safras.
Mas nao reun filhos, fabrica e amigos para in-
sultar ao Sr. Gaspar Cavalcanti, nem mesmo para
manter-Hie na posselegitima em que estova. Def-
fendi-me, e deffendi meus direitos, nicamente ar-
mado com a lei e a autoridade.
O publico julgue qual dos dous procedeu como
homem de bem e pacifico.
O Sr. Gaspar Cavalcanti confessa o desproposi-
to que commetteu, as seguintes palavras :
......viin a cidade, e procure eutender-me
com o Exm. presidente da provincia e chefe de
polica. S. Exc. fez-me sentir que apear do di-
reito que me assistia, eu nao podia permanecer
em Aratangil sem a posse me ter sido duda por ac-
to publico: e em face disto, nesse mesmo dia vol-
tei para o engenho, o fiz retirar os meus amigos, e
os meus escravos.
Desta exposico se v que convencido do erro,
e desproposito que praticou, gracas a conferencia
que teve com o Exm. Sr. presidente da provincia,
e a torca publica que fra garantir o mandado do
juiz, (circumslancia que oceultou o Sr. Gaspar
Cavalcanti) retirou-se, e fez retirar os eeus amigos
e os seus escravos.
Logo, o Sr. Gaspar Cavalcanti nao tinha razo,
nao procedeu bem : assim o prova a sua reti-
rada.
Se, pois, o Sr. Gaspar Cavalcanti retirou-se, se
nao enconlrou para o seu aclo nem apoio na lei,
nem as justicas, nem no chefe de polica, nem o
presidente da' provincia ; se tudo isto esteve de
meu lado, se o Sr. Gaspar Cavalcanti licou so-
mente com o apoio de seus filhos, escraoos e ami-
gos, deve na imprensa bradar somente contra
quem lbe aconselhou para fazer o que fes.
Eis a historia fiel do que se passou era Ara-
tangil. Nao tenho necessidade de alterar factos
para me justificar, n
Assim conclue a exposico do Sr. Gaspar Ca-
valcanti.
Pois bem : acceito essa historia /< 7, tal qual
contou o meu contendor. Della se evidencia que
meu contendor entrou irregularmente no enge-
nho, e delle sanio. Nao pode alli manler-se por-
Jue nao tinha razo, nao tinha justica, nao tinha
ireito.
Na primeira correspondencia do Sr. Gaspar Ca-
valcauti, nao ha mais nada a responder sobre fac-
tos occorridos. Apenas no final da corresponden-
ca traz o Sr. Gaspar algumas advinbaces, que
de futuro succedero. Assim diz elle: negara-
me a posse porque se tem em vista allegar bem-
feitorias, e obrigar-mo a depositar o valor dessas
bemfeitorias que sao improvisadas e imaginarias.
J me sujeito a prestar nanea previa.
Eu nao quero discutir o que se vai, ou hade fa-
zer no futuro.
Limito-mn aos factos consummados. Todava,
de passagem direi: se eu nao tenho mais opposi-
co legal a fazer, como se ocenpa o Sr. Gaspar
ainda de bemfeitorias ? So estas bemfeitorias sao
improvisadas e imaginarias, como se sujeito a
prestar flanea ? Esta sua sujeicao fiauca prova
o reconhecimento das bemfeitorias, e de que estas
sao reaes e verdadeiras.
Vou a segunda correspondencia. Nasta, prin-
cipia o Sr. Gaspar Cavalcanti dizendo :
Voltei para o engenho Aratangil, afim de An-
dar a minha safra : d'ahi me nao demoverei seno
a forca, depois de violentado, e acho que estou em
meu direito,
Eis a reincidencia do facto da entrada irregu-
lar no eugenho, ou antes a reincidencia do atien-
tado do crime.
Se da primeira vez nao teve razo, nenhuma
tem agora, perqu a uova entrada triumphal foi
feita com a mesina irregularidado, sem a interven-
gao do juizo. Est portanto as mesinas condi
{oes: deve sujeitar-se aos mesmos corollarios
que outra.
Renova na segunda correspondencia o Sr. Gas-
par Cavalcanti, a inesraa serie de argumentos da
primeira : e por tanto, apreciarei o que me pare-
cer materia nova.
Posse, j a tinha eu, alias em virtude da lei,
posse jurdica e incontestada, desde que comprei
a heranca aos herdeirws do referido engenho, por-
que a heranca passa aos herdeiros com todos os
effeitos da posse, assim civil, como natural. Alva-
r de 9 de novembro de 1754 e assento de 16 de
fevereiro de 4786.
Ora, eu eslava subrogado na heranca, logo es-
tava-o tambera na posse.
O arreudamento nullo e irrito, do Sr. Joo de
S era urna verdadeira lurbacao a mintia posse, e
essa lurbacao foi precisamente o que os tribunaes
maudaraui cessar.
Portanto, a sentenca que exlrahi tem todos os
effeitos de urna sentenca de forca, que deve ser
executada, nao atiendo ao juiz municipal ou a
qualquer outra autoridade seno o dever de me
auxiliar a haver o que me pertence, no caso em
que eu procure a sua intervenco contra o injus-
to detentar.
Do trecho cima copiado, s a primeira parte
me parece nova. Invocando o alvar de 9 de no-
vembro de 1754 e assento de 16 de fevereiro de
1786, dizque sendo successor dos herdeiros, elle
tem a posse e seus effeitos da heranca com-
prada.
Sem entrar em apreciacoes jurdicas, responde-
rei que se este argumento tivesse a forca que
meu contendor suppoe, ento desde a data da
compra da heranca deva ter tomado corita do en
gento. Mas porque nao tomou logo conta do en
gento ? Sem duvida, porque essa posse da que
trata o citado alvar, nao basta para a eftectiva
entrega e apprehencao da cousa.
Felumente depois desta improcedente tirada, o
Sr. Gaspar Cavalcanti volia a collocar a questo
em seu verdadeiro ponto de vista.
< Portanto, a sentenca que exlrahi ten) todos os
effeitos de sentenca de forca, que deve ser execu-
tada. i
Considero como quizer o Sr. Gaspar 'Cavalcan-
ti a sentenca, tenha ella ou nao todos es effeitos
de sentenca de forca, a verdade que essa sen-
tenca deve ser executada.
A execuco de qualquer sentenca s Mo ser
feita pelo juiz competente. Nenhum procurador
de causas, nenhum offlcial de justica, ninguem
einfim ignora que assim que se precede no
toro.
CocIuo esta resposta com a seguate declara-
cao. Madem-se as stoaces; seja ei exequen*
te, e o Sr. jspar Gavalcanti o executado.
Consentem o meu contendor que eu executasse
o aceordao da mesma maneira; entrando em sua
casa com grande sequilo de gente, edepropria
autoridade tomasse conta do engenho ?
Estou certOj que responder que nao. Seja pois
coherente : nao pratique com os outros o qae nao
consentira que fosse praticado com eHe.
Seja o publico nosso juz.
Recife, 8 de junho de 1869.
Joao de S e Albuquerque.
Protectora das familias
Associacao brasileira de seguro mutuo sobre a
vida, approvada por decreto do governo imperial,
de 13 de junho do 1864, e gerida pelo Baneo Ru-
ral e Hypotheeario do Rio de Janeiro.
Commissao fiscal.
Veador Jos Joaquim de Lima e Silva Sobrinho.
Commendador Jeronymo Jos de Mosquita.
Commendador Boaventura Goncalves Roque.
Commendador Guilherma Pinto de Magalhes.
Estado dessa associacao em 30 de abril de 1869,
contratos 5,802.
Capital subscripto rs. 8,716:470*580, as pessoas
que quzerem nscrever-se podero dirigirse na
ra do Livramento n. 19, primeiro andar : a tra-
tar com o Sr. N. de Vidal, encarregado pelo
Banco Rural e Hypotheeario do Rio de Janeiro,
para promover assignaturas para a mesma asso
ciaco.
a* 11 horas da manha, e no consistorio da igreja
do Corpe-Santo.
Quartei do commando do 1 batalho do artilha-
rm da guarda nacional do Recife, 7 de junho do
1869.
Decio de Aquino Fonseca,
Tenente-coronel presidente.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 9 DE JUNHO DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar de Macei=3640 e 3J700 por arroba
posto a bordo (hontem).
Algodao de Macei aqui, sem inspeceo, ISiffoOO
por arroba (hontem).
Algodao de Macei sorte 17*500 por arroba
posto a bordo, a frote de 1/2 e e 5 OO por libra
(hontem).
Dito de dito 2o sorte163800 por arroba posto a
bordo, a frete de 1/2 e 5 0|0 por libra (hontem).
Algodao de Macei l' sorte 175400 por arroba
posto a bordo a frete de 1(2 d. sem capa.
Aceces da corapanhia de Beberibe 855000 por
cada urna.
Couros seceos salgados260 rs. por libra.
Cambio sobro Londres 90 d/v 18 1/4 d. (hon-
tem c hoje).
Descont de letras8 0/0 ao anno.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretano.
CASAD"CAMBIO
Teodoro Simn & C.
Comprar e vendem *por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
sbj]9| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaeces, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo xo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes. da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-AyreS, Montevideo, New-York
e_ New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 8 326:913*603
dem do dia 9......44:319*947
1:037*000 800*000 550*000 240*000 1:051*000 V *
650*000 462*000
150*000-146*000 86*000
146*000 146*000
&32JOOO 240*000 195*000 -
371:233*550
M0V1MENT0 DA ALFANDEGA
Volumes entrados
dem idem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem com gneros-
452
763
------1215
158
418
576
Descarregam hoje 10 de junho
Vapor nglezChrysoliteinercadoria-.
Brigue norueguense=A/ici?mercadorias.
Barca francezaSanto Andridem.
Brigue inglezSelle of the Clydeiem.
Brigue portnguezConstante Z=dem.
Brigue portuguez=Coe Barca portugueza Constante II = idem.
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da 1 a 8 20:365*284
dem do da 9...... 2:641*787
23:007*071
CONSULADO
Rendimento do dia 1 a 8
dem do dia 9 .
PROVINCIAL
39:81820'i
6:063534
45:881*741
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 9.
S. Christovo, Penedo e outros portos14 dias,
vapor brasilero Potengi, de 281 toneladas, com-
mandante Joaquim Jos Pereira, equipagem 30,
carga 400 saceos com algodao e outros gene-
ros ; a comjpanhia Pernambucana.
Hamburgo50 dias, paUclio norte-allemao Marie,
de 150 toneladas, capitao L. Bodige, equipagem
9, carga differentos gneros; a Rabe Schamet-
teau & C.
Ilha de S. MiguelS7 dias, escuna portugueza Del-
pktm, de 154 toneladas, capito Francisco So-
dr de Medeiros, equipagem 9, carga encom-
mendas e outros gneros; a Candido Affonso
Moreira.
Navios sahidos no mesmo dia.
PortoBarca porrugueza Seguranca, capito Lou-
renco Fernandes do Carmo, carga assucar e
oulros gneros.
Ro de JaneiroBarca ingleza Talismn, capito
Anderson, em lastro.
ParaLugar franeez Rio Grande, capitao Linuere,
carga carne secca e assucar.
AracatyHiate brasilero Novo Invencivel, capi-
to Vicente F. da Costa, carga differenjes g-
neros.
AracatyHiate brasilero Nova Esperanca, capi-
to Manoel F. Jalles, carga varios gneros.
Para e portos intermediosVapor brasilero Pa-
ran, commandante capitao de fragata Santa
Barbara.
Observacao.
Suspendeu do lamaro para o Cabo Verde a ga-
lera portugueza Marianna V, capitao Antonio V.
Ferreira, com a mesmo lastro que trouxe da
Baha.
DECLARACOES.
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A Illraa. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico qae na
sala de suas sesses, no dia 10 de junho, pelas
qaatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de un
a tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra Direita.
obrSado de dous andares n. 8. 1:067*000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47 170*000
dem idem n. 63 .- 176*000
dem n. 47. 49.......170*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30...... 177/000
dem idem n. 34....... 168*000
Idam idem n. 36....... 178/000
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18...... 300*000
dem n. 20........ 2*000
Ra da Cadeia.
Sobrado de um andar n. 23 684*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37. 76*000
Segundo andar dito...... 96/000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1....... 100/000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Larqe do Pe raizo.
Primeiro andar do sobrado n. 29. 251/000
1." loja da renta......161*000
2.' loja da travessa...... 121*000
3.* dita dita........ 73*000
Ra das Larangeiras.
Casa terrea n. 5....... 193*000
Praca da Boa Vista.
Sobrado de dous andares n. 13 1:200/000
Ra de S. Goncalo.
Casa terrea n. 22...... 196/000
dem idem n 24. 0 196/000
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 13...... 218*000
Rha dos Pires
Casa terrea n. 53....... 144/000
Ra da Madre de Deus
1." c 2. andares do sobrado n. 1. 300/000
Loia do mesmo....... 800*000
Sobrado de um andar n. 24 .
dem de dous andados n. 26.
Casa terrea n. 10......
dem idem n. 10 A.....
dem n. 4........
Azete de Peixe.
Sobrado de um andar n. 63 .
Casa terrea n. 2. ,
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 5.......
dem idem n. 12.....,
dem idem n. 10. ,
Ra do Burgos.
Casa terrea n. 19.....
dem n. 21 a .
Ra do Vicario.
Sobrado de tres andares n. 22. .
1. andar do sobrado n. 27. .
2. andar do dito......
Ra do Encantamento.
Casa terrea n. 7......
dem dem 9........200*000
Praca de Pedro II.
Segundo andar do sobrado n. 33. 501/000
Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Casa terrea n. 22......
Becco das Beias:
Sobrado de dous andares n. 10..
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 24.....
Ra da Cruz.
Sobrado n. 12........ S80/000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 .............
dem idem n. 103...............
dem iaem n. 101 ..............
Idem n. 89......\..............
Idem n. 2......................
dem n. 110............ ......... 203/666
dem n. 104..................... .. 181*000
dem n. 98........................ 203*000
dem n. 96........................ 202*000
dem n. 94........................ 240*000
dem n. 100......., ,. .. ,.......,. .. 201*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... 190*000
Os pretendentes devero apresentar no acto da
arremataco as suas flaneas, ou comparecercm
acompanhados dos respectivos liadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 20 de maio de 1869.
O escrivao,
_________________Pedro Rodrigues de Souza,
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico que, no dia 4 de junho vindouro,
se principiam a contar os 30 dias otis
para a cobranca bocea do cofre dos im-
postas: da decima urbana, de 5 % sobre
os bens de raiz pertencentes corporacoes
de mo morta, e de 20 % d consumm
de agurdente relativo ao 2o semestre do
anno financeiro vigente 18681869, eque
ficatn sugeitos i multa de 6 % ldos os
dbitos que forem pagss depois de findos
os referidos 30 dias.
Mesa do consulado provincial de Per-
nambuco, 25 de maic de 1860.
Antonio Carneiro Machado fios
Pela recebedoria de rendas internas
geraes, se faz publico que neste corrente
mez de junho, que os dievedores do impos-
to de 20 por cento da decima de mo mor-
ta e do imposto especial sobre casas de
movis, roup etc, fabricados em paiz es-
trangeiro teem de pagar, livre de multa, o
2o semestre do exercicio corrente de 1868
1869, depois do que ser cobrado com a
multa de 6 /0.
Recebedoria de Pernambuco 2 de junho
de 1869.
0 administrador
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
200*000
1:000/000
366*000
812000
146/000
202*000
242/000
76*000
EDITAES.
Decio de Aquino F.raseca, cavalleiro da imperial
ordem da Rosa, tenente-coronel commandante
do 1* batalho de artilhara da guarda nacional
do Recife, e presidente do eonsefho d qualifica-
{5o da paroahia de S. Frei Pedro Goncalvas,
etc. *
Faco saber a qaew nteressar possa que domin-
go_ 13 do corrente mez, ter lugar a segunda reu-
niao do conselho de qnalificacaoda parochia de
b. Fre Pedro Goncalves, sendo qne nesse da de-
vero ser entregues, na tyrma do art. 20 do decre-
to n. 1,130 de 12 de marco de 1853, os requeri-
mentos de quem quer que tenha qualquer recla-
macao a fazer. No dia 16 do mesmo. met dever
ter lugar a inspeccao medica dos qne nao requ*
nao passagem paja a reserva, a qual se efeciuar
Sao novanvnte convidados os Srs. accio-
nistas desta companhia, a reunirem-se em
assembla geral, no dia 12 do corrente mez
ao meio dia, no escriptorio da mesma ra do
Cabug n. *6, para em conformidade dos
seus estatutos deliberar sobre as contas do
anno lindo, approvar o orcamento vindouro
e eleger a nova adminstrac5o: devendo-
se prevenir que n5o tendo os Srs. accio-
nistas comparecido em numero legal na
primeira reunio para boje convocada, rea
lsar-s-ha a assembla geral com o numero
de accionistas que comparecer na nova
reunio para a qual ficam de novo convo-
cados segundo acba-s^ proscripto no art.
23 dos respectivos estatutos.
Escriptorio da companhia 7 de jiwho
de 1869.
0 secretario
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
Nc dia II do correnta depois da audiencia
do Illm. Sr. Dr. jan de orphaos, tem de ir em
praca publica parante o mesmo juizo, a escrava
Mana, cabra, idade de 19 JO annos, com algu-
mas habilidades e de servico domestico, servindo
de base para arremataco a offerta de 1:100/000
a qual vai.a praca a reqoerimento do censoonor
da dita escrava, Leonardo Jos Pereira.
' f*
'1
-

,
V
v
,j *


Diario de Pernamlwico Quinfa fero 10 de Jmibo de 18691

Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife
A Illma. junta administrativa da Santa
Casa de Mirericordia do Recife, recebe pro-
postas para o fornecimento dos objectos pre-
cisos para a secretaria da mesma Santa
Casa, conforme a relacao abaixo, pelas 4
horas da tarde do dia 25 do correte na
sala de suas sessoes:
Papel pautadoFiume, resma.
dem idem liso, idem
dem idem litigo azul, idem.
dem JinholisoT idem.
dem para ofiicios, timbrado.
dem florete.
dem linho, pautado.
Hnliandagrande, caderno
dem Jes, idem.
dem Hesin, idem.
dem idem. idem.
dem Ec, idem.
Mata borrao, follia
Par de pastas para guardar pepeis.
Pennas de ac Perry.
Caetas.
P3es de obreias.
Tinteiros de lato.
Garrafas de tinta.
Taloes de conhecimentos (impressoes e
encardenac3o).
Livros em branco de 16 pollegadas.
Livro sem branco estreitos.
Livros cm branco 13 pollegadas.
Lapis pretos.
dem de cor.
Pedras de louza n. I para o collegio.
dem n. 2, idem.
dem n. 3, idem.
Crei5es duzia, idem.
Tinta preta, garrafa.
Fita de linho, duzia.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, i de junho de 18!).
O escrivo
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A Illma. junta administrativa Ja Santa Casa
de Misericordia do Hccife, na sala de suas sessoes,
pelas i horas da tarde do dia 17 do corrente, re-
cebe prop'istas para o fornecimento de pao e bola-
cha, que*ouvercm de ser consumidos cm todos os
estabelecimentos pos seu cargo, tanto desta o-
dade como da de Olinda, nos niezes dejulho a
setembro vindourt*.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 4 de junho de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigue* de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife .
A Illma. junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Kecife, na sala de suas sessoes,
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do correle, re-
cebe proposlas para o fornecimento de gneros
que houverem de ser consumidos em todos os esta-
belecimentos pios seu cargo, tauto nesta cidade
como na de Olinda, nos mezes de julho a setembro
vindouros.
A saber :
Assucar refinado, kilogramma.
Dito de 2" sorte, idem.
Dito de torro, idem.
Aletria, idem.
Arroz do Maranhao, idem.
Azeite-dce, litro.
Agurdente, idem.
Azeite de carrapato, idem.
Dacalho, kilogramma.
Batatas, idem.
Caf em grao, idem.
Cha preto, idem. .
Cha hysson, idem.
Ceblas, cento.
Carne verde, kilogramma.
Carne secca, idem.
Farinlia de mandioca, litro.
Fumo do Rio, kilogramma.
Feijo molatinho, litro.
Farello. sacco.
Manteiga franceza, kilogramma.
Peixe fresco, idem.
Sabao, idem.
Sal, litro.
Velas de carnauba, idem.
Ditas stearinas, kilogramma.
Vinagre, litro.
Vinho tinto de Lisboa, idem.
Dito branco, idem.
Toucinho, kilogrammo.
Os concurrentes poderao apresentar suas pro-
postas em cartas fechadas, as quaes dcverao ter a
ordem estabelecida no presente annuncio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife. 4 de junho de 1869.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de souza.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segninte : ,
46 pares de botins.
1 camisa de meia.
58 lencos.
38 pares de luvas.
58 pares de meia.
142 varas de algodaozinho.
As pessoas qutquizerem vender ditos rticos
:ipresentem suas proposlas na sala do conselho
as 11 horas do dia 9 do corrente.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco 3 de junho de 1869.
No impedimento do director,
Tiburcio Hilario da Silva Tavares,^
Capitao ajudantu interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
_________Screetario.___________
O administrador do consulado provincial faz
Sublico que no dia 10 do corrente, as 11 horas do
a, na porta da mesma reparticao, serao levadas
hasta publica 32 caixas com sabao, apprehendi-
das a Antonio Pedro de Mello e leite & Cardo-
so, pelo conferente Jos Luiz de Souza ; cuja ar-
rematacao ser livre de direitos ao arrematante.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco,
4 de junho de 1869.
O administrador.
Antonio Carneiro Machado Rio.
THEATRO
EMPREZA. DRAMTICA
QQ&IB'iB i)ilB13^aa
Sabbado ide Junhode tSBt
Brilhante espectculo em festejo ao dia 11 de
junho, anniversario do glorioso _
COMBATE NAVAL DE RIACHUELO
e dedicado e consagrado em honra ao bravo mi-
litar o lllm. Sr. tenenie-corone! Fras Villar.
Em primeiro lugar ser representado pelo Sr.
J. Augusto (pecsia do Sr. Dr. Quirino dos Santos)
o senprc applaudido
II1MX U RIACHUELO
Seguir-se-ha a representadlo do excellente
drama em 5 actos
n uno do roo
ou
0 VENDEDOR DELIMMDA
Ter df-pois lugar a rearesentacao da ongraca-
da comedia em 1 acto, intitulada
Um marido as paln>mhas.
Terminando o espectculo a representadlo (pelo
Sr. Joaquim Augusto) da scena patritica poesa
do Sr. Dr. Cordeiro. ,
A PASSAGEM |DE HUMAYT,
Cimcc.ir as 8 horas.
Para o Rio>Grande do
SuL
D'\, [va em poneos dias a
basca naciooal Therna l, e arnda. recebe
alguma carga frete: a tratar na ra do
Vigario %, itJMDtorio de Bailar, Oli-
veira & C?
PARA LSIBOA,,
-^Seguir com a raaior brevidade possivel o on-
gue portuguez Comante I, por j ter grande par-
te da carga prompta; para o restante e passagei-
ros, trata-se com os consignatarios Oliveira, Filhos
& C, largo do Corpo Sauto n. 19, ou con o capi-
tao na pracrito commercio._________ _
?ara o Porto
Pretende Mguir no dia 9 do corrente a barca
portugueza Seguranca, por j ter o seu carrega-
inenlo prompto : recebe passageiros, para os
quaes tem ptimos commodos: trata-se com Cu-
nha, Irmaos & C, ra da Madre de Dos n. 34,
ou com o capitao a bordo. .
AVISOS MARTIMOS.
Companhia americana e brasilei-
ra de paqnetes a vapor.
At o dia 15 do "corrente mez esperado de
New-York por S. Thomaz e Para o vapor ameri-
cano South America, o qual depois da demora do
costme seguir para os portos do sul ; para fre-
tns c passagens trata-se com os < gentes Henry
Forster & C ra do Trapiche n. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\Tavcga?S.o costelra por vapor.
Mamangoapc.
O va|or Coruripe, commandante Penna, segni-
ri para o porto cima no dia 12 do corrente as 6
horas da urde, ltecebe carga, encommendas,
passagens c dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde no escriptorio do Forte do Matto? n. 12.
gradarlas de ferro o calcnmento de lagedo de pe-
dra era-fronte da ra e juntamente o sitio em que
se aeha edtlieailu. eom mais djuad casinhag na ex-
trem oppo-ta ao oilao, sito nn ameno o apetecido
lugar da cstraa d<> Joo Fernandos Vi'ira n. 58,
prximo a ignja da Solodade.
a casaalem de sor espaQosa, de apurado gosto
e perfei^ao, rebocada toda por rara e parte por
dentro de finos azulejos, tem nos fundos a ao lado
cozinha com fogo moderno, cata cort tanque
para-fcanho, forrado tainbem de azulejo, enca-
namehtos para agua e gaz, commodos para crea-
dos, esfriharia e cocheira espaeosas, ct mo gali-
nheiro e cutral para vaccas e outros misteres.
Tendoio sitio, inteiramente murado 317 palmos de
fri-ntra cerca do 900 de fundo, pede ser repar-
tido C vendido cm tres lotes, um cb lai'o em que
se ac|a a casa descripta, outro dt> opposto com
duas casinhas, e o terceiro sendo o lerreno de
permeio que pode aproveitar-so para nova edifl-
carao, ou tudo conjuntamente a aprasi nento dos
pretendentes.
Serao tambera vendidos em separado 36 mag-
nficos vasos de relevo e doze figuras emblemti-
cas para adorno de jardim, um riquissiino carro
(coup) de oaatro rodas com arreio completos in-
teiramente novos, e outro carro americano de
quatro rodas com arreios, tudo tanto monta no
mesmo estado de novos, assim como a mobilia
existente na indicada explendida casa, gnnde, cu-
jos commodos c rep-ti-tiinenlos, como pinturas a
frstej-'brros de papel primorosos, ladriilio mosai-
co de algumas salas revelbandc luxo, niWdeixa-
ro de attralwr admiracio pola belleza do todo.
SEXT-FEIMA
as 10 horas da manha ter principio o lnilao na
indicada propriedade, estrada de Joao Fernandes
Vieira n. 38.
Ilha de S. Miguel
Para o porto cima segu com muita brevidade
o patacho portug.iez Jorgense por j ter prompta
quasi toda a carga : para o resto que lhe falta e
passageiros, para os quaes tem bellos commodos,
trata-se com o consignatario Joo doRego Lima, a
ra de Apollo n. 4.
LEILOES.
Precisa- se de urna ama forra on escrafav
para a casa de familia, a tratar na ra do
Queimado n. 69.
i MEDICO
Dr. Adriao Luiz Pereira da Sil
i va, medico pela faciildade do Rio
de Janeiro^ d'onde acaba de che-
} ga'-, tem sen consultorio ra do
Livramento n. 24, primeiro ^ndar,
onde pode ser prorurado das 0
horas da manhaa as 4 da larde, e
em qiialquer outra occasio, em sua
residencia junto a estaro da Casa
Forte.
Vende-se a taberna da ra do Rangel
n. 10: tratar na travessa do Queimado n.
1, primeiro andar.
LEILAO
COMPAIHIA
DAS
Mcssageries imperiales.
At o dia 14 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o apor francez Extramadure, o qual depois
da demora do costme seguir para Baha e Rio
de Janeiro.
Para condieces, fretes e pa?sagens trata-se na
agencia ra d Commercio n 9._______________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco coselra por vapor.
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapsr Potengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
w no dia 15 do corrente as 5 horas da
larda Recebe carga at o dia 14, hcommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde do dia da sahida no escriptorio do For-
te do Mattos n. 12.
PORTO POR UM
Para os portos cima segu com brevidade a
barca portugueza Clementina, tem parte do seu
carregamento engajado, e para o resto que lhe
falta, trata-se com os consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, ra da Cruz n. 57.
do terreno com sobrado de um andar n. 17, cm
trras proprias, sita a ra do Lima, outr'ora cha-
mado silo do Arae, e hoje denominadoLasa do
Sadedo Sr. Dr. Hamos, em Santo Amaro
a 10 do corrente
O agente Oliveira competentemente autorisado,
far lailo do oxeelleute predio supraineucionado :
HOJE.
ao meio-dia em ponto,, podendo os pretendentes
examina-lo com antecedencia, e a esoriptura res-
pectiva em mo do mesmo agente, a ra da Ca-
deia n. 4 primeiro andar, onde se far o leilao.
^LEILAfP
de 35 barris com plvora avariada.
HOJE, QUIXTA-FEIRA 10 DO CORRENTE.
O agente Pestaa far leilo por ordem da com-
panhia de seguros Indemnisadora, de 35 barris
com plvora avariada, salvada do hiate nacional
Santa Cruz, hoje quinta-feira, 10 do corrente, s
11 horas da manhaa, na porta do Anues, defronte
da alfandega______________________
LEILAO
DE
Predios
O agente Pontual competentemente autorisado
vender, em leil-o, urna casa terrea cm chaos pro-
prios, sita a estrada do encanamento da compa-
nhia de Beberibe, (sendo a entrada no lado do si-
tio do Sr. Dr. Leal em Parnameirim) n. 16. com
safa, 3 quartos, cozinha fra, um terra^i na fren-
te, e sendo toda de paredes dobradas, com 63 pal-
mos de frente e 200 de fundo. Na mesma occa-
sio vonder-se-ha ires casas terreas ns. 20, 22 e
24 solo foreiro, sitas a ra do S. Joo, rendendo
cada urna mentalmente 253000.
Terca-feira 15 do corrente.
No primeiro andar do sobrado n. 62, ra da
Cruz, s 11 horas.
Pede-se ao Sr. Antonio Domingues
Pinto, ilho natural da fregtiezia de Befoges
(rortugal), a bondade de vir a travessa do
Queimado n. 3, que o abaixo assignado llie
deseja fallar. Recife 9 de junho de 1869.
Manoel Joaquim d'Aranjo.

Na ra do Apollo n. 20 existe urna
carta vinda do Rio de Janeiro para a Sra.
D. Generosa Augusta Ramos.
LEILAO
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xtivegavo cotelra por vapor.
Goyanna
O vapor Parahyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 16 do cor-
rente as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommenda?, passageiros
e dinheiro a frote no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12.__________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor.
Porto de Gallinbas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima
no dia 10 do corrente a meia noite.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete, n escriptorio do Forte do Mattos
n.12.
de salvados do hiate nacional Santa Cruz,
e 35 barris com plvora.
Sexta-feira, II do corrente
O agente Pestaa legalmente autorisado far
leilo por conta de quem pertencer de parte dos
salvados do hiate nacional Sunta Cruz, consisti-
do em vinhos Burdeaux o Collares, azeite doce,
ferragens, dobradicas, machados, pregos, panellas,
bulles de metal, copos, garrafas, frascos de vidro,
miudezas etc., e mais objectos que se acham pa-
tentes e assim mais 35 barris com plvora, e ser
tudo vendido na sexta-feira 11 do corrente polas
LEILAO
A 15 do corrent* niez.
O agente Oliveira, competentemente aoJorisaV)
far leilo do caixo da casa at respaldo, com re-
partimentos de moradia c telheiro, na ra dos
Guararapes n. 38 a 44 actualje n. 22 antigo, em
terreno de marinos n. 90, com setenta e seis pal-
mos de frente e trezentos e cincoenta de fundo al
a ra do Bi un, sendo que o oitao em toda esta
extensao forma urna na larga do transito da dos
Guararapes para a doBrum, dando a casa futura
da esquina tres frentes como do dezenho que se
patentea r.
Terca-feira, 15 do crreme
ao meio dia em ponto em seu escriptorio a ra da
Cadeia n. 4 primeiro andar por cima do armazem
do Sr. Barroca, on le os pretendentes tero os pos-
siveis eselarecimentos, e a quem para nao fazer
demasiado extenso este annuncio, se pede, que na-
jara de examinar previamente dita propriedade,
que se vende sem reserva.
A FLOR DO FU JIO
O
-
fifi
c
-
AVISO AOS APRECIADORES
DA BOA FlMACA
-----DA FLOR DO FIMO-----
Acabam de chegar novas
remessas de fumo picado,
e cigarros especiaes do
tabaco do sertao do Para
e Amazonas preparado por
Jos Julio Sampaio Pires,
(do Para), premiado na
exposicio nacional, vende-
se em seu nico deposito
em Pernambuco, praca d;t
Independencia n. 39, loja
de Porto A Bastos.
o
7
es
e
Ama '(h Irite.
Preoisa-se de urna ama deleite: na ra Nova
B. ffi, 2 andar. ___________________
Da-se 1:0004 apremio com liypothoca em
bens do dobrado valer nesta cidade : ua ra No-
va, loja de ferragens n. 31.
Aluga-se
o Io andar do sobrado da na do Vinario n. 8, com
bons commodos : a tratar na patarla da ruS Di-
reito n. 84.______________'___________________
Garrote crenlo.
No dia 26 de maio prximo pissado, sabio do
sitio dos Aillict'.s, de Fwdorico Chaves, um gar-
i'otc crinulo, toilo preto, o nao temi ixxdo sahur
onde elle se acha, ppd.- a peisoa que o tiver em
seu sitio, que tenha a Iwndade de diiipir-se ao
mesmo sitio, on ra da Imperatriz n. 19, que
lhe ficar obrigado, c ngara as despezas que
buver.
Precisa-se
tingar tima casa na ftoguezin 'I" Santo Antonio,
me tenhi eooiDwdos satHeientea pira urna fami-
lia : a tratar na ra das Cru/.i-s. taberna n. 1.
Precisa-se do um moen d 12 a 14 annos
para caixeiro : na padaria da roa do Rangel nu-
mero 9.______________________________
Procisa-e de um Iraballudur de padaria :
na ra do Bangrl n. 9.
Miranda (t Silva razem tente ao respeita-
vei publico e com esperialldade ao Borpo do com-
mercio, que no dia 5 d > eorreote rompraram aos
Srs. Jo0 Goncalves A MiranJa a taberna da tra-
vessa das .Cruies n. 15, i?re o desembaraoada ue
dbitos e de qualquer onus. Iterifo 9 de junho
de 1869.
" >(, largo do Forte doM.iitus u. I9 precisa-
se alugar urna ama, ou esciava para servieo de
casa, paga-se bem.
Miguel Augusto de Oli\vira vai ao Rio de
Janeiro, c por este meio, nao o podendo fazer pes-
soalmcnle, por incommodo de sande, dispede-sc de
sus amigos, c olferece-llies A FLOR OO F|;iIO
A pessoa que acliou um dedal de ourocoin
as iniciaos M L II M, e queira rostituUh), leve
ra da MangiiL'ira, sobrado n. 6, quo ser bem re-
compensado, f-ujo dedal foi eahido da janella do
mesmo sobrado : os senhores onrives, a quem for
otTeneido, paga-se bem.
Desappareeea no dia 5 do corroBto, de sua
casa, na Estrada Nova, a Sra. Mara, parda, de 45
annos de idade, a qual solfre de alienaco : quem
della der noticia, dirjase travessa das Cruzes
n. 4, ou annuncic por este jornal.
BARTKQLOIKIE
de molhados, no armazem da ra
Novan. 60.
QUEIJOS
AVISOS DIVERSOS.
llavera sesso ordinaria quinta-feira 10
do corrente junho, pelas H horas da ma-
l horas da manhaa no armazem da ra do Viga-4nnja
rio n. 25.
I
Precisa-se alugar um escravo para o servieo
de padaria : a tratar na ra do Bangel n. 39.
INSTITUTO ARGHEL0G1C0 E GE0GRAPH1C0
No armazem da ra Nova n. 60 ha para vender,
das segtiintes quahdades :
QUEIJOS DE MINAS.
QUEIJOS DE COALHA.
QUEIJOS DO SERTAO.
QUEIJOS SUiSSO.
QUEIJOS PBATO.
QUEIJOS FLAMENGOS.
MANTEIGA INGLEZA a 800 rs. a libra ou
1740 o kilo.
ORDEM DO DIA
e mais trabalhos
de commis-
Para o Porto
A barca portugueza, de primeira marcha, Noo
Sympathia, tendo quasi toda a sua carga a bordo,
deve seguir impreterivelmente para o porto cima
indicado at o dia 10 do corrente mez, e recebe
ainda algunia carga e passageiros, offerecendo a
estes ricos e excellcntes commodos : a tratar na
ra do Vigario n. II, Io andar, escriptorio de
Raltar, Oliveira & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
Navega^o costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Pirapama, commandante
Torres, seguir para os portos cima
no dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 14, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da Urde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
De um piano de Jacaranda, 1 mobilia com 1
sof, 1 mesa e 2 consolos com pedra, 4 cadeiras
de bracos e 12 de guarnico de Jacaranda, 1 can-
delabro, 4 casticaes e mangas, 1 relogio, 1 rico
quadro, desean" o de ps (dourados), porta msi-
cas, mesinhas, 1 dita de charo,.! mesa de es-
criptorio, 1 jogo de gamo, 1 cama franceza, i
guarda roupa, 1 commoda, 2 mesas de jacaran
da, 1 lote de esteira para forro de sala, 2 cadeiras
de balanco, 1 mesa elstica, 1 apparador, 1 ap
parelho e porcelana branca para jantar, louca
para cha, copos, clices, garrafas, talheres, 1
quartmheira, 1 cabide, 1 sof, 12 cadeiras, mesas
e outros objectes de casa de familia.
Sexta-feira i 1 de junho
No 2o andar do sobrado da ra la Impe-
ratriz n. 5i.
O agente Pinto far leilo por conta de urna
familia que m dou de residencia, dos movis e
mais obieelos cima mencionados existentes no 2o
andar do sobrado da ra da Imperatriz n. 34, on-
de se effectuara o leilo.
Principiar as 10 horas.____________________
LEILAO
A 11 do corrente.
No de Ignacio Luiz de Brito Taborda, annun-
ciado para este dia por ntervencao do agente
Oliveira, estrada de Joo Fernandes Vieira n.
58, vender-se-ha alm da mobilia um soberbo fa-
queiro completo para grande mesa, um galhetei-
ro, um porta licor e una salva grande, tudo lin-
damente lavrado e de prata a mais fina, bem co-
mo um apparelhode metal superlativo para cha e
caf, nao desmerecendo em 'apparencia da me-
Ihor prata, e com igual utilidade._________^^
Pareceres
ses.
Secretaria do Instituto, 7 de junho de
1869.
Jos Soares de Azevedo,
Secrebrio perpetuo.
Offerece-se
urna mulher para casa de familia para coser e
andar com crianzas c fazer alguns jengommados
aflianca-se a conducta : na Boa-Vista becco das,
Barreiras n. 9.
Vende-se manteiga ingleza muito boa a 900 rs.,
1, e 1JI20 libra, muito fina, presunto de La-
mego a 800 rs. a libra, carne do serto a 360 rs.,
linguica fina em latas alia libra, farello, sacco
de 4*400, e o de Lisboa fino a 5*400 : no pateo
do Paraizo n. 20.
Para Lisboa
Segu com toda a brevidade a barca portngaeza
Constante 1M, por j ter parte da carga prompta ;
para o que lhe falta e passageiros, trata-se com os
consignatarios Oliveira, Filhos de-C., largo do Cor-
po Santo n. 19, ou com o capitao na pra^a do
commercio.
LEILAO
11
De predios com terrenos a
do corrente.
Ignacio Luiz de Brito Taborda, far leilo por
ntervencao do agente Oliveira, da sua bem co-
uhecida explendida casa de campo assobradada,
recentemente construida (pouco faltando dos em-
bellesmentos) com toda a solidez e primor da ar-
te, tendo dos lados dous magnficos portes com
O DR. JOAQUIM CORREA DE ARA-
ujo e sua familia, convidara
todos os seus amigos e paren-
tes, e dos do sei\ lembrado pae
o finado joaquim correa de
araujo, a assUtirem as missas
que por sua alma mandam
rezar na igreja da ordem 3" de
s. Francisco, das 7 as 9 horas
da manhaa do dia 11 do cor-
rente.
Gymnasio Campestre
E' ao Sr. Procopio de Souza Santiago,
ponto deste tbeatro, que s deseja fallar na
ra Direita n. 53,| a negocio que
deve ser estranho. ._____
Acha-se fgido desde 1867 o escravo Marcos,
cabra, cabellos annellados, olhos pequeos, nariz
chato, idade 38 anno3, pouco mais ou menos, al-
tura regular, pernas compridas, tem falla de den-
tes, algumas marcas de gomma pelos peitos, sen-
do a mais saliente urna no vo do pesclo ; na-
tural do Sobral, no Cear, tendo ido para a fazen-
da Cvsplatina, no Brejo de Ara, em companhia de
Jos Casado de Oliveira, de l desappareeu, sup-
pondo-se estar fgido : roga-se, portanto, s au-
toridades policiaes e aos capites de campo, tanto
desta provincia como da Parahyba, ou outra qual-
quer, que o fafam apprehender e conduzi-lo a
seu senhor, o major Gusmo, que pigar todas as
despezas e gratificar generosamente. Outro sim,
roga-se a qualquer pessoa que delle tivernoticia,
o favor de fazer sciente ao major Gusmo, que
tambem gratificar._______________________
Precisase de um caixeiro para drogara, que
d provas de sua conducta e habilitado para o
commercio : a tratar na ra do Imperador n. 22.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para casa de pouca familia : na ra de Hof-
tas n. 1
nao lhe
Francisco Henriquc Garlos vai a Europa
tratar de seus negocios. Nao lhe sendo possivel,
por falta de tempo, despedir-so pessoalmente dos
seus amigos, prevalece-se deste meio para rogar-
lhes hajam de lhe dar suas ordens, e de aceitar
as suas despedidas.
ioeiedade bejieflcente Segredo
e Amor da Ordem.
Manda resar urna missa no dia 11 do corrente
mez, s 7 horas da manhaa, na igreja matriz de
Santo Antonio, por alma da Exma. Sra. D. Maria
Joaquina da Conceicao, mi de seu consocio J. L.
Lopes da Silva, e convida familia e prenles da
mesma Exma. senhora, bem como aos mais con-
socios para a ella assistirem.
Na ra Direita n. 36,
obreias muito em conta.
vendem-se hostias e
As econmicas e importantes machinas para
cortar bolachas de todos os tamanhos : sempre
venda na ra Direita n. 84.___________________
Precisa-se alugar um sitio perto da praca,
ou entao sendo Capunga, Soledade, Manguinho,
estradas de Joo Fernandes Vieira e Joo de Bar-
ros : quem tiver dirija-se ra de Santo Amaro,
cocheira do Sr. Thomaz.
PARA UZO INTERNO
PUH1UDOS flHFLU
Jflrope de jorubeba, Vinho de jurnbeba, Pilslu U
jnrabeh. Tiulur de jurubeba, Extracto hydralcoolic
de jurubeba.
HMHMI cofOTO ,
Vinho de janibfba ferruginoso, Xarope de jo.rub.ib.
ferruginoso, Flalas de jurubeba ferruginoso.
rtn* UZO EXTBftKO
Ulto ne inrubeba. Pomada de jurubeba. Emplastro d
nrU"" 4 JURUBEBA.
Esta planta hoje rcconlucida como o mais poderos
tnico, como um e\cellente desobslrueate, e como tal
applicada nos ensorgilamenlos do ligado e baco, n-
hepatilcs propriamente ditas, ou ainda complicada
com ansrarchas. qas inilammac6s sub*equenles a
febres intermitentes on dntwas, nos abeessos intercoa.
nos tumores especialmente do tero e abdomen, no
tumores gtandnlosos, na anaiarcha. as hrdropai.
rysipellas; e associada s proparaces ferruginosa,
ainda de grande tantagem as anemias, cbloroees.
fallas de menstruacao. leucorrheias, dearranjos atoni-
eos do estomago, debilidad orgnica, pobreza d
0 que diiemos afflrmao os mais distinelo medico*
desta cilade, entre os quaes podem o citar o lillas.
Srs Drs. Silva Ramos, Aquino Fooseca. Sarment,
See, Pereira do Carmo. Firmo Xavier, Silva, etc. Todo
ellos reconbece a eicellencia d'este poderoso medica-
mento sobre o demaisate boje conhecido para lodo
os casos citados, tanto que lodos os das fazem d ell
applicaco. ,.
Apresenteado aos mdicos e ao publico tm geral ai-
crsos preparados da jurubeba, tivemos por hm gene-
ralisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer
a repugnancia que at boje senliam os doente de usar
dos preparados empricos d'elle, o man da veres repu-
gnantes a tragarem-se. e que linham anda desvanta-
c.'in de nao ser calculada a dose convente applt-
car-se, o que torna muilas veies Impmtlcao um medi-
camento, que poderia prodoiir ptimos resultado. >
Os nossos prepsdos so form presentados ___*<_
havermos convenientemente esludado- jurnbe, ra-
jendo is eipcrienciw precisas para bem eoutaeer a
propriedade medicamentosas d'est plnt em suas
raizs, folhas Troclas ou bagas, dose convenwBle
appllcacio. tendo alem d'islo procurado levar o noso*
preparados ao maior grao de perfeicao possivel para o
que nao poupamos esforeos, nao no unporUaJo
pouco lucro que possames tirar. ___
Por tanto os que e dignarem marrar aos dosso
preparados podem ter a cenea da q ella onereceni
a saranlia, de que se pode encontrar a prompta e int.t-
liN 1 cura de qualque do sofTrimento, que deixMO
innumerados, se forem em tempo applicado endo
alm d'isso, medico ou doente a vanlagem de ecotber
as nossas variadas preparacte, 0.Dell,.5Be."'^r
lhe podeconvir, j pela fac applicco.j41***__
plicaVo das molestia. idde, oio. ou tod MtQWI
de cad individuo. .... .. -
As nossas preparacoes ferruginosas sao felas de form
que se tornam coropleameme soluveis nos sueco
gstricos, porque procuramos o cmaoslos da rerro
.ce como lae esli hoje reconhecidos.
Para aquelle que mis minuciosamente qneiram
conhecer as proprie.lades da jurubeba, e saberein a ap-
plicaco de nossos preparados, de*tnbuimos grmuita-
mente em nosso deposito um folblo, oude traamos
mais extensamenle d'esta planta e dos mesmo prepa-
rado. '
Depotito /eral it toot M preparados Bolita t Drogan
34, me larga do Roiario, 34.
RIJA
'IDO
CABUGI
. esquina
da ra larga ido
Rosario.
40 ANNEL DE OURO
Kl
m
EO
CARUG
Este importante ^abelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,! esquina
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender. da ra largado
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.l
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele- Rosario.
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.





Diario de Pemambuco Quinta feira 10 de Junho de 1869.
"*
COMPANHIA
" DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Rl < II I A OUWBA.
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas effectuareto no praso
de 15 dias (a contar do Io de junho de
i 869) a segunda prestacao de suas accQes
na razao de 10 0/0. Para esse lim sera
encontrado o thesoureiro, desde s 11 ho-
ras da manhaa s 2 da tarde de todos os
dias uteis, no escriptorio da companhia
ra doCoramercio n. 32, V andar.
O art. 8 dos estatutos dispSe que o ac-
cionista que nao realisar a importancia das
prestaces nos prazos determinados perde-
r em favor da companhia a prestacao an-
teriormente paga.
Recife, 31 de maio de 18G0.
Titeo. Jn.st.
1" secretario
BOM1G0CI0
O commendador Tasso,
deseja alagar por mdico
pi-eco as baixas e alaga-
dos do seu sitio do Co-
cunda, s quaes f3o des-
de aponte da estrada no-
va de Beberibe at quasi
a ebiidua vciua ao ogar de Agua Fra,
comprehendendo ama grande Iha, qual
assim como as reffei'ias baixas se pre^tam
muito a plantacSo e capim, arroz e qnal-
quer outras plantas que percisam de trra
fresca todo o anno.
O referido commendador nao duvida fa-
zer arrendamento dosses terrenos e alaga-
dos por 6 ou mesmo 9 annos, e dar um
anno de fogo morto a quem der flanea
idnea e se obrigue a rotear os mesmos.
Acaba de sabir a luz um opsculo inlitnhdo
Orna lico sobre as llancas criminara o sen recur-
socontendo a exposicao em forma didctica Je
tudo qaanto se ada estabefecido acerca de tal ma-
teria pela legislaco em vigor; tmialho de siuii-
ma utilidade nao s para as pessoas do foro, se-
nao tambem para as de nutra quelquer proussao,
poisque mais ou menos a lodos loen o nteressa :
acha-se venda na livraria Universal, a ra do
Imperador, pelo preco de jOQO
Ainda restam algumas collecvoes de
Biographias de algtins poetas, e outros ho-
mens Ilustres da provincia do Pemambuco,
tres tomos escriptos pelo commendador A.
J. de Mello: ra Augusta n. 94.
NA LiVRARIA FRANCEZA
PAIU AS RESTAS DE SANTO ANTONIO, S. J0O K
S. PEDRO
A CIGANA
Bollos e bouquets para
Santo Antonio
Na ra estreita do Rosario sobrado de
um andar n. 35, faz-se bollo de encommen-!
da para Santo-Antonio e S. JoSo,- sendo as
encommendas feilas 3 dias antes ; bollos
enfeitados proprios para presentes, e tero
para vender bouqutets nar.i onfeilar bollos,
por todo preco e a qualquer ora -que se
procure; prepara-se bandejas de bollos
para baile e casamento, tudo por barato
preco.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico de
urna casa de urna s pessoa : na ra do Rngi-1
n. 33,_________________i _________
Ao commercio
Francisco de Oliveira Franco e Jos
Victorino de Souza, fazem publico para sci-
encia do respeitavel corpo do commercio,
ue dissolveram amigavelmente a socieda-
e qu tinham no ealabelecimento de ta-
berna cito ra do Rangel u. 3, que gira-
va sobre a firma social de Oliveira & Souza,
por terem vendido o dito estabelecimento
Collecco de sortes para homens e se- ,ivl.e e nhoras contendo mais a phrenologia .las j nQ dia 3 (le abri| proximo passaiio,
retirando-se ambos os socios pagos e satis-
feitos dos fondos que tinham na "predita
sociedade, e com quanto julgam nada dever
de sna extincta firma social, rogam todava
quem se julgar credor por qualquer titu-
lo a apresentar Ibes sua conta no prazo
de 6 dias, Recife 3 de junho de 1869.
Precisa -se de um homeiu para fcitor de en-
genha : a tratar na rna do Ouro n. 32, casa cun
porto de ferro.
Para escriptorio
Aluga-sc o 1" andar do sobrado da ra do Vi-
cario n. a : a tratar no armazem do mesnm.
damas, varios jogos para sociedade, chara-
das enigmas etc. etc. etc., accrescentada,
mais como canto das mocas.
UuiYolume ntidamente impresso- 1*000
Encontra-su tambem nesta livraria, un
completo sortimento de livros e carles de
de soitcs para o n-.-esmo divertimento das
familias.____________________________
AMA IILE1TE
Precis ase de urna ama de Icite, prefere-sc a
mulher livre e sem lllho : na ra das Cruzes n.
35, i' andar._____________________________
ATTENCAO
Na typographa do Liberal, n. 48, ra
do Imperador, existem folbetos impressos
contendo o programma do centro liberal,
os quaes se vendetn commodamente._____
Rest venda um escolhido sortimento de ob-
iectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
iarand. mogno e ama relio, obra nacional eestran-
roira, de apralo gosto e por pre#>< -raxoaveis :
oa roa estreita do Rosario n. 32. Nesta mesura
asa fazem-se com perfeieao todos os tribal ios de "ja
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros a
para camas, cadeiras e sophs.
, Criado
Preeisa-se de um criado liel e diligente, livre ou
escravo, para urna casa de familia : a tratar na
ra Bella n. 37, sobrado de dous andares______
Precisase arrendar um sitio que teuha pro-
porcoes para ter aeras, e trra para hortalica,
sendo perto desta cid;:de : a tratar na ra ireit
n. 106.
Precisa-se alugar urna
para casa do pouca familia :
Rosario d.36, 2 andar.
ama de mei?. idade
na ra estrella do
Fundido da Aurora.
Neste vasto estabelecimento sempre se encontra
on comploto sortimento de tainas de ferro batido
e fundido, fabricadas recenfementc, e se fabricam
de qualquer molde a vontade dos compradores, t
recos razpoaveis. _________________
Jos Antonio da Silva Machado e Luiz
Gorrcalvos da Costa, fazem sciente ao res-
peitavel corpo do commercio, que tem dis-
solvido amigavehnente a sociedade que ti-
nham no estabelecimento de miudzas na
ra do Cabug n. 12. que girava sobre
razao social de Machado & Costa, ficando
o mesmo estabelecimento com todo o acti-
vo e pass vo, cargo do ex-socio Machado
e o ex-socio Costa pago de seu capital e lu-
cros e dosonerado de qualquer responsabi-
lidade. Recite i de junho de I8().
Luiz Jos Guitir.lves da Costa,
Jos ntomo da Silva Macliado.
.Na ra de S. Francisco n. 42, preparain-se
cot bolos para calamentos e bailes,
como para os festejos de Santo Antonio e S.
Joio, com gusto e perfeieao.
ATTENCAO
<5 abaixo assignado faz >ciente ao respeitavel
publico c especialmente ao corpo do commercio
desta praca, que no dia 2o de abril do eorrentc
anno, acabon com o negocio que tinha na ra do
Rangel n. 3, tanto de su* firma, como da que lti-
mamente existia de Oliveira A Souza, e que nada
ficou devendo desta, como daquella ; porm se
aJguem se julgar sen credor, aprsente seus docu-
mentos na ra doLivranento, sobrado n. I, no
praso de seis dias, a contar de hoje, para ser pago.
Serve-se o annunci.mto do ensejo para scienticer
a todas as pessoas (e llie sao uevedoras, que ve-
nham saldar suas contas para se evitar de seren
avisados judicialmeaic pelo seu procurador.
Becife i de jnaho de 1869,
Francisco de Oliveira Franco.
Gosinheiro
cozinheiro que seja
perito
Precisa-se de um
prefere-se escravo, pagase heni agradando
tratar com Jorge Tasso, ra do Amorim n 37.
Alugasea toja do sobrado n. 32, sitanapra
ca da oa-Vista, tendo e unmodos para qualquer
estabelecimento : a tratar na ra do Alecrim
n. 30.
EMPRESTMO SOBRE!
P
11 1 UlfiilVii
Tardes de um pintor, ou as intrigas de
um Jesna, romance brasileiro e T. de
Souza, 2a ediga 3 volumen 81 br... G-jOOO
Diniz (Julio i Morgadinha dos Canavaes,
i voluraes 8" br............... 4000
A mesma obra 2 v.ilum- s.120 3;>000
As pupilas do Sr. Reitor, 1 volume
lt br ."...................... 80000
Alentar Jos, de) A Cxpedico, comedia
1 volume 8 br....'............ 2 Leal (Nunes) 9s Mysterios do Alczar do
Rio de Janeiro, drama I volume 8o br. 2$
Herculano (Alex.) O Bobo, 1 volume 12
ene.........................30000
O LibeJk= do povo, por Timandro. 1
volume 18 br................ tyflQO
Novaes A Manta verso, 1 volume 8' br........... 5,5000
O Fttturo, obra muito curiosa com ro-
mance, criticas, poesas, estampas,, msicas,
etc., 1 vojume $ grande br...... 5.5000
A meama obra enoadernada. C$000
Poesas e novas poesas, 2 volumesS0
br...........................5,51000
E outras publicaces do editor A. A. da
Cruz Counho, do Rio de Janeiro, que
acham-se a venda na mesma livraria : ra
4o Crespo n. 9.
Vemle-se em casa de'Olfeira
Filhos & C-, largo do Corpo
Santo n. 19
Libras esterlinas.
Vinho moscatel de Selubal.
Potassa da Russia, em barrk e meios
ditos.
Carvo animal de superior qualidade.
Panno de algodo da fabrica de Fern5o
Velho, para saceos e roupas de escravos.
A mesa regedora da inandade do Divino Es- _
pililo Santo, em attcni;ao aos donativos que foram j
deixailos a mesma irmandade, pelos llaados hispo ^j
li. Joo Ja l'uriiieacao Marques Perdigan, Jos
Francisco Hibeiro e Manuel Joao de Amorim, t ^
cumprindo as disposieSes do art. 32 de seu com-
promisso, manda celebrar em sua igreja por cada j gg
um dos mesmos finados o nos das abaixo indica- gg
dos pelas 7 huras da manhaa, inissa solemne de I j
rquiem e memento. A mesma mesa regedora | gg
oonvi la a todos os prenles e amigos dos finados a I c[
assistirem a este earidoso acto nos seus respeeti- I (*>
vos lias; assim como iguajmente convida aos re- : |
verendos seDhores sacerdotes que quizerem cele- pin
brar inissa resada por alma dos nmbihos finados., *
comparecerem na me-nia igreja nos nitiicionados H
dia c Iwra indicada. Os actos terao lugar nos dias ggg
9, 10 e tt do corrate inez, sendo no dia 9 por al-1J
ma Jo tinado bispo D. Joao da Piirilicaeao Mar-
ques Perdigao; no dia 10 por alma do lihaJo Jos
Francisco Ribeiro ; e no da 11 por alma do fina-
do Manoel Joao d'Amorim.
Itecife, 7 de junho de 1869.
O escrivao,
______Joaqun Francisco da Siten Jnior.
ra
pri-
(SEM LIMITE.'
Na Iravcssa da
das Cruzes n, 2,
meiro andar, da-se qual-
quer quantia sobre onro,
prata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autoisado pelo
governo, esta as eondicQes de ga-
rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zeo
e considera^o s pessoas que se
dignarem de bonra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Irmandade do Divino
Espirito Santo
Por ordem d3 mesa regedora convido a todos
os nossos caros innaos a comparecerem em nossa
igreja nos dias 9, 10 e 11 do corrento pelas 6 e
meia horas da manhaa, afim de assistirmos aos
sBragios que a irmandade manda fazer por alma
dos finados, bispo D. Joao daJ'urificacao Marques
Perdigao, Jos Francisco Ribeiro e Manoel Joao de
Amorim.
Recife, 7 de junho da 4869.
O escrivao,
Jaquiit Francisco da Silca Jnior.
Cosinheira engommadeira
Paga-se bom aluguel por duas escravas, para
cosinhar e engommar para urna p|uena fami-
ia : em S. Jos do Manguind casa n. i, antes de
chegar a igreja. ___________
abaixo assignado participa ao respeitavel
publico e com espccialidaae ao corpo commercial,
que tendo de retirarse para a Europa a negocio
e temporariamente deixa na gerencia do seu esta-
lif leeiuiento sito a ra da Cadeia n. 36, o seu cu-
nliadi o Sr. Garlos Frese e o Sr. Leonardo Anto-
nio do Espirito Santo Porto, competentemente au-
torizados e habilitados para este fin. r\oga-se
perianto aos seus amigos e freguezes que conti-
nen) a dispensar a mesma conllanca, com que
sempre se dignaran honra-lo, certo de aue suas
ordens serio executadas com zlo e actividade.
Francisco H. Caris.
aygmKM
1 O Br. Joa
_ tiinilii /la aii
Joao Jos Ferreira do Aguiar,
tendo de ansentar-se desta cidade por
algum tempo, deixa incumbidos de suas
causas e escriptorio os Srs. Drs. Amero
Manoel de Medeiros Furtao e Julio Au-
gusto da Onnha Guimaraes, devendo a
correspondencia ser dirigida este ulti-
mo, ra do Impere dor n. 7, primeiro
andar.
Precisa-se de um homem que tenha bonita
letlra e algunia pratica de escripttiraeo mercan-
til : a tratar na ra d:i Praia n. 17 3 andar, da
10 horas da manhaa s 4 da tarde.
No caf francez ra da Im-
peratriz u. 15, procisa-se deum
criado, ou escravo para o servico
interno.
O abaixo assignado faz sciente ao commercio
e ao publico, que nesti data nao deve nada pe*-
sea algnma, nem mesmo indirectamente, nesta pra-
ca, nem fra d'ella ; e se algnem se jalgar seu
redor, aprsente sua conta ou titulo, que senda
legal, ser immedialamente pago.
RecMe, 8 de jnnho de 1869.
Aritonio Domingos Pinto.
LEIAM.
Em casa de THEODORO CHR1ST1-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Precisa-se de
n. 31.
urna ama: na ra do Fogo
AVISO
Tendo perdido o Aaixo assignado quatro quar-
tos de bilhetesda lotera do Rio de Janeiro, sendo
os nmeros 3541 e 4803, pertencentes a lotera
124 A, e os ns. 2077 e 4763 pertencentes lote-
ra 283 : portanto se previne a todas as pessoas
que costumam descontar brinetes premiados, que
kno facam negocio algum, caso toquelhes por
sorte algum premio, os quaes estavain dentro de
urna cartcirnha do algibeira. Recife 7 de junho
de 1869.
Eduardo Luiz Cerqneira.
Na ra Direita n. 2, loja de funilejro, ou no
povoado dos Montes, precisa o abaixo assignado
cntender-se com o Sr. Manoel Ca listo de Suza a
Begocio de seo* interesse ; isto no praso de tres
dias. Recife J8de maio de 1869.
Pedro Duarte Rodrigues Franca.
imanan
^egrinha.
Precisa-sede nma para andar com mu menino:
na ra da SenzallaNova n. 38, primeiro andar.
Em urna casa de familia, a ra estreita
do Rosario n. 35 Io andar, fornece-se come-
dorias para fra, mandando-se levar as
casas que nao tiverem portador, e garan-
tindo-se oaceio, promptidao e commodida-
d no preco, portanto convida-se aos Srs.
estudantes negociantes a honrar-nos com
ae suas assignaturas.
AO PUBLICO
O abaixo asaignado faz sciente a quem possajn-
ssar, que na sua ausencia desta cidade, iflea-
Iaa u gar Sr ,o5 VoKe|ey e em o Sr
Jote Moreira da Silva, con bastante procura-
cao para tratar dos sen negocios. No esiabetoci
meoto do mesmo abaixo areipado, conliaua-se
alagar pianos e fazer os eoneertos dos mesmos
eom o memo esmero e promptidao j reeonheci-
dos, tendo sempre dos melbores pianos e dos mais
ahusados fabricantes da Europa. Espera o abaixo
signado continuar a merecer a mesma conflanca^
IfenriqnoVogelpy.
D-s um cont de r# a premio sobre ny
potheca em casas : na ra Direita n. 24, padaria
Mdir quem da.
Sociedade Uniao Beeficente
Martima.
Pela directora sao convidados todos os
socios para asssistirem a inissa do stimo
dia, que se tem de celebrar por alma do
nosso kmo Manoel francisco de Jeeus
Prima, na matriz do Corpo Santo no dia-12
do correte as 0 horas da manhaa.
Secretaria da sociedade Uniao Benefic-n-
te Martima em Perrambaco, 9 de junho
de 1869.
\( secretario,
___________Joao Rodrigues lira mido.
Cozinheiro.
ATTENCAO
o
O abaixo assignado faz publico, que o seu es-
cravo .^Benedicto, cujos signaos estao patentes
n'outro lugar deste Diario, contina a estar oe-
culto pelos dous senhoresde bem, que assim dis-
respeitando o decoro public, zombatn, e como
qucscarnecera da aatoridade Com effeito, nin-
gnem, que nao aquelles dous senhores de bem,
teria a animosldade, um de mandar e outro de re-
ceber e acontar um escravo fgido n'um estabele-
cimento publico, para cuja casemelo ahi o fi-
zeram mudar de oome I
O abaixo assignado, portanto ainda desta vez
recorre aos meios extra policiaes, isto por diffe-
renca a si proprio, ao contrario teria dado urna
queixa formal, para a qual se acha munido de so-
beiias provaa, contra os taes senhores, que desde
o dia 22 de abril proximo passado acoutam a es-
cravo Beaedicto. Se, porm, taes meios forem im-
proOcuos, forcar-me-hao a tratar aqueixa perante
o Sr. Dr. chele de polica.
Recife, 6 de junho de 1869.
Joaqum S Pessa de Siqueira Cavalcanti.
Aiua-ae urna negrimSa de 12 annos, pro-
"r raitii
N'ESTA ANTIGA E CREDITAIA
_______ FABRICA fl_______
IICHTIA SI ClimiTIlIlITI 161 ClHIT IUT1IIITI II
CHAPE* DI SOL:
De todas as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os preces t
RA DO CRESPO N 4
Trocam-se
is notas do banco do Brasil
m descont multo razoavel :
Modencia n. 24.
e das caixas flliaee,
na prac* da I:ade-
lii multa necesstdade de se f?^.. (m *.
Procopio de Senna Santiago, na ,, Wre4tt 53"
a negocio que nao Ine deve wit ftitranho.
- Acha-se fugWa ha o,lto ^^ a pT crava, de naco, de nome, Mara,com 40 anuos de
idade, baixa e cor fula, cnala que n sw forra, e
anda remiendo na ^egUezlPna Boa-Vista, com
urna bandeja picada do encarnado, com que
[ugio : gratidc^^ bemaoffem a apprthemler e
leva-la a ra, imperial n. 103.
FOGOS
COMPANHIA PERMMBUCAM
DE
i
Na antiga fabrica de fogos de artificio da vinva
Rufino, existe um completo sortimento de rodi-
nhas, craveiros e pistolas, objectos proprios para
os festejos das imites de Santo Antonio e S. Joao,
tudo por commodo preco, c eomo seja a fabriea
distante da cidade, as pessoas que quizerem fa-
zer suas encommendas, podero lvalas no arma-
zem da bola amarella, no oitao da secretaria da
polica, onde tambem acharao as amostras.
C'OSEfilIO DE DIRECC XO
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
GERENTE
0 SR. F. F. BORGFS
Restando ainda emittir algumas aeces d'esta companhia, da quantia nominal de
OOiSOOO cada urna, das quaes so se aceitam em virtude da lei, 20 /0, ou 40^000 por
cada accio; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que lhes approuver.
Algumas destas accSes j.1 tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasio (conhecidamente a melhor), empregarera o dinheko de que
poderem dispar em objectos de valor real, como vapore?, predios etc., que lhes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, G inteiramente novos, edestes o ultimo est
a chegar ae Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembica.
Seus dividendos tem sido de 10 e/0 a<> anno, nos ltimos 4 annos.
As accoes que se emittirem gozam dos mesmos direitos, e perceber3o o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporco da entrada.
Rccebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12
Precisa-se de urna mulher que saiba engommar
para urna casa de familia : a tratar na ra da
Cadeia do Itecife n. 18, 2o andar.
Agencia de joruaes
Ra do Crespo n. 9.
Nesta casa recebein-e assignaturas para todo*
os jomaos de Europa e Brasil, polillos, lii (era-
rios, Ilustrados, de leitura, de modas pura senho-
ras, de usrteos para alfaiates, cabelleireiros, cha-
pellaria, de regiao, de pliilosophia, de direilo, de
jurisprudencia, de medicina, de pharmaei, de
commercio financfls e economa politica, de agri-
cultura, das arles engenharia e archiieclura, de
sciencia?, de historia geographia e vi.gcns, de pe-
dagoga, de pintura e msica, de nhotogrnpbia,- de
c;.ca, de magnetismo, de maconnaria, de spiri-
tinno, etc. As assignaturas pagamse 110 acto de
subscrever.
LIVBAHIA FRANCEZA.
15ra da Imperatriz15
! CONFEITARIA E CAFE FRANCEZ
mu vete ii k c iu ni:
TODAS AS QTJH9TTAS-FEIBAS E DOMINGOS
Caf, cha, chocolate e bolos todos os dias desde 9 horas
da manhaa.
Joaquim Ferreira dos Santos, profes-
sor de danca, chegado ltimamente da Eu-
ropa a esta provincia, tem a honra de par-
ticipar a seus Ilustres habitantes, e mui
principalmente aos dignos chefes de familias
que lecciona em danca dcbaixo de toda a
regra na casa de sua residencia, ra do
Imperadsr n. 75 2C andar, as tercas, e
quinlas-feiras, das 3 horas da tarde, at s
10 da noute, e aos domingos de oanhaa e
a noute. Promptificando-se tambem, a ir
as casas particulares e collegios nos dias
que i-ara isso Ihe designarem.
AMA
Attenpao
Precisa-se fallar com o Sr. Antonio Viclal dos
Santos, official da guarda nacional, a negocio de
muito seu interesse : na ra da Imperatriz n.
2t.loja.
Roga-se ao Sr. Joo Izidoro de Nojosa Varc-
jao, o favir de comparecer no largo do Corpo San-
negocio de seu in-
jao
to h. 19 (paviamento terreo)
teresse.
AVISO.
Tendo-se desencaminhado hoje una letra da
quantia de seis centos mil ris aceita pelos Srs.
Antonio Gomes Pires & C. saccada em Ode maio
prximo passado a prazo de cinco mezes, stm es-
tar ainda sellada e sem nome do saccador, tendo-
se j prevenido os aceitantes de nao a pagar, sc-
nio a Manoel Alves Ferreira 4 C, proprietarios da
dita letra : roga-se perianto de quem a achou,
fazer o favor de entregar na roa da Morda n. 5,
segundo andar. Recite. 7 de junho de 1869.
Irmandade de \ossa senliora do
Bom conselbo.
De ordem de nosso irmo juiz, convido todos
os inemliros da mesa administrativa da irmandade
..adeinica de Nossa Senliora do Bom Conselbo a
comparecerem no consistorio da irmandade, no
dia 10 do crrente, s 10 e meia horas da maullan
afta de tratar-se dos Bteresses d'ella.
Consistorio da irmandede acadmica do Bom
Conselbo, em 7 de junho de 1869.
O secretario,
Jos Furtildodf Meiuiuuca.
Fogos artiliciacs, ua rna \na
n. 39. loja de fcira^ens de
Souza k Guimaraes.
Os proprietarios deste estabelecimento avisaui
ao respeitavel publico que existem a amostras dos
mais lindos fogos articiaes para os (sujos dos
dias dos gloriosos Santo Antonio, S. Joao c S. Pe-
dro, das ineihores fabricas #ta cidade, assim
como diversas cualidades de fogos cbinezes, pro-
prios para senboras e criancas, oomprchendeBdc
(ninbeni urna Rova qualidade de traques amrrca-
noc, os qnacs admira sua bondad* pelo sepe-
queo taunnno, o que s com a presenta dos com-
pradores, podero certilicar-se da verdado. __
pria para andar -com enanca e que cose costare
chaa : quem precisar, dirija-so a ra Direita n.
21, nadara.
Frederico Maia
cirurgio dentista pela escola
de Hiedlriua
de Re de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital eseus suburbios, que tem abertoo
>eu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
Preeisa' de urna ama forra n captiva pa-
ra cosinhar e engommar : na.ra de S. Francisco
n.84.
ANA
Preeisa-se de um bom
ga do Rosario n. 44.
cozinheiro: na roa lar-
Precisa-ae de urna mulher forra on esepava que
engomme e ensaboe, para urna casa de familia : a
tratar na ra da Cadeia do Recife a. 18, segundo
andar.
PwiM lo *io#r uau gdrava para eozi-
nhar : a-peaoa que tiver, pode vir tratar no paleo
d*frne.; floWfagnr honr alugiwi
JORGENSE
O abaixo assigna jo, capitao do patacho porta
guez Jorgense, declara ao Sr. Mello, em resposta
ao annuncio publicado no Otario de Pemambuco
de 8 do corrente, sob a epigrapheExigencia,
que nao tem onsciencia de ter recebido caixo
algum para entregar S. S., e nem mesmo dos li-
ra* Direita n. 12, pruneiro andar, onde pode ser Vros de bordo se pode snppor a existencia de se-
procurado lodos os dias das 8 horas da mantoa as melhante caixao; mas que nao obstante, apresen-
3 da tarde. Elle acha-se .competentemente habtfi- ten(j0 s S. conhecimento or outro aualqiier tit-
lalo para ooin perfeieao ccUocar denles artifloaes j0 que prova, o que leve a bondado de aflirmar
por quaJquerdos systemas, e bem assim desempe- 9era satisfeita a exigencia eomo quando, e da ma-
QharqsalqBer outro trabaHio eoncernenle i sua
proflssw. O mesmo, recenhecendo que nem sem-
pre possivel s sennpras ou crianza- sahirem a
procBi4roremodk), mereee-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tara qualquer chamado sem que issoinflua eoisa
ilgoma na commodidade dos precos de sens trafea-
Ihos,e quando para fra dela assim mesmo ser Vende-se no Diario de hontem, n. 128 uui an-
precedidodeumaiuste rasoavel, iaranlmdo eUe a nuncio de leilo das casas do Sr Taborda itaT
jegarancae perfeieao de seu&ditos mbalbos. Em ra de Joo Fernandes Vieira, avisa-se ao'oublico
ESa!*?* 1? ?foa,?r? eoaaantBnto exeel- que janellas, que de urna das casas deitam para
leatfps denfnelo. efixir e ootros medicamen- 0 quintal da casa da mesma rna n. t/torun
los odoutalgicos : a ra Direita n. 12, primeiro abenas se obmbm
PREVEMCiO.
O abaixo assignado declara a todas as pessoas
quecostnmam descontar bilbetes_premiados da
lotera do Rio de Janeiro, que nao desconten o
quarto de bilhete da lotera n. 124 A n. 4888, ero
o qual tinha associado o Sr. Joo Manoel Meodes
da Cunha Azevedo, e apibos tinhamos assignado
as costas do d.to bilhete, visto ter elle se perdi-
do. Recife, 7 de junho de 1869.Bdmrdo auz
Cerqueira.________
O abaixo assignado declara, que perdeu
um recibo o. 30*8 passado pelo Lowlou A
Brasilian Bank.Wa quantia de 660*000 do
que j den aviso ao dito banco, pan nao
pagar se nao elle proprio.
Recife, 7 de junho de 1869.
Jote Antonio Fernayes
N. 15 RA DA IMPERATRIZ N. 48
neira queUiedftrmua.agradavel.
JKNMo AVISO
Preeisa-se da ttfi) eabxelTo qno tenha pratica
de padaria, ou mesmo de taberna : a tratar no |
pateo do Toreo n. 63.
m
andar.
Cavallos ftirtados.
Na madrugada de 17 de abril do corrento armo,
furtaram do engenho Pendcrama tres cavMos,
son Jo nm cslanho, eastrauo, bem gordo, pequea
estrella na testa, paieairo o muiw visto; itro
mellado, eom pouco earrego, urna nao brame, o
um ferro na qntixada direita ; e outr*pnlrex,
anda de baixo a meio, tem urna erne na-qoirto
esonordo e urna pinta preta na volta do pescofo :
pede-se as autoridades policiaes ou a ponan que
os apprehender, o favar de mandar entregar no
dito engenho, qu sero indemnisados deiodas as
despea?.
nr.
jenrique Vogeley, subdito allemao. rfltira-se Precrsa-se de urna me : u ra d Hortas
) para Europa a tratar de sua saude. n. 49.
an sobrado rectificado de novo e cvn canamlos
pana familia, em Santo Amaro n. 17, estrada de
Oliada ; a tratar na mesma, ou na praca da Inde-
peolencia n. tt. ______^_^__^^^
SS^SSt22^?2fi!ftoirk>^ H m-n^ **a**W* qn,(rmesme-e7m-
pra-se os alaga-w ama negrinha que sirva pir:i
cesa, e por taso le de mam upad.

.1
\
andar eom urna crianza
riaoo n. 71, i* andar.
na roa do Padre lio-
IL.
i mrt i



Diario de Pernambco Quinta fira 10 d-Junto de 1869.


CONSULTORIO ED1C0 CIBlfilCO
DO
DR. P. A. LOBO MOSCOSO
3Ra da Gloria sitio do Fundao3
MICA POR \!0S OS SISMAS
Consultas todos os dias desdeas 7 horas da manhaa at as ti.
Visitas era casa dos doentes de 11 horas em diante, em caso urgente a qualquer
hora do dia ou'da noite.
Nao se recebem chamados se n3o por eseripto era que declare o nome da pessoa,
toda roa e o numero da casa.
Especialidade era partos, operaces, molestias de muflieres e meninos.
Cura radical das molestias venreas, e dos estreitamentos da uthcra.
Curas radical das molestias do tero, como ulceras, flores brancas, amenonia,
vegetacoes e catarrho, etc etc.
Recebe-se escravos para tratar de molestias ou praticar-lhes qualquer operacao
cirurgica. Diaria 25000 excepto as ooeracoes.
Os melhores remedios horoeopathicos conhecidos. e por precos muito com-
modos.
A ESMERALDA
O couselheiro JoaSilvoira de Sou-
za, tem aberto oseu escriptoro*de
advogado, na ra do Imperador o.
41 pcimeiro andar ; entrada pelo
beeco.
IH-ecise-se para o engenho Jarim da
comarca de Peoras deFogo.propriedade do
lllm. -Sr. Joao Alves de Carvamo Cesar, de
urna pessoa que entenda de destiHaco e
raais sarwco de engenho prearto&o-se por-
tuguez,.^ tratar no niesmo engenho ou na
rna da Cadeia do Recife n. 22, escriptorio
de JoSo Pereira Moutinho.
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pra veL Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\ SIII i DO llllil Y 3
(MEITMU DOS AMAZES
16 RU DA CRUZ 16
a i\nnio, s. roAo e s. jimio
Ha diariamente sortimento de bollinhos para cha, podins, paes de -lo, bollo inclez,
pre&untos, ditos em teambre, pastis de dilerentes qualidades. Papis para sortes
bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas e conatos. Vinhos finos engarrafa-
dos, superior cha Hisson, preto e iniudinho, fineta em xaropes, ditas seccas echrsta-
usadas, assucar candi, xaropes refrigerantes. UBI M*;
Rocebe-se encommendas de bandeijas para casamento, bailes e bapSaffs! com
bonitas armacoes de assucar, sendo estas preferiveis asdepapelao: bollos etc., pes
de Ki entenados, qualquer encommenda para fra ser bem acondicionada
r DI
VERBADEIRAS
PIULAS de BLANCARD
ni
GRANDE NOVIDADE
Achan>ss expostas venda na entrada da
estacSo central dos Trilhos Urbanos, no
Bazar Acadmico a ra da Imperatriz n. 13
9 outros pontos desta cidade as excellentes
Perguntas e respostas em versos
pin** a veapera e noite de *ato
Antonio. K .loo. anta'Anna
S. Pedro.
As perguntas sao engracadas e espiri-
tuosas ; mas guardara o respeito devido i
decencia e conveniencias sociaes : e as res-
postas, que sao igualmente chistosa., e in-
teressantes, produzera um effeito maravi-
Ihoso, em virlude de urna combinaeifo ad
miravelmente engenhosa, que, fazendo com
que sejam sempre adaptadas s perguntas,
provoca nos saloes em que ellas apparecem
verdadeiras e frequentes salvas de palmas e
applausos.
Para melhor se apreciar to innocente
distraeco, que tende a operar urna completa
transformado nos insulsos e vetustos brin-
quedis at agora usados as festivas noites
de S. Joao, Santo Antonio, Sant'Anna e S.
Pedro, dever-se-ha deitar o masso das per-
guntas, depois de bem baralhada*, em um
vaso ou cesta; e o masso das respostas,
depois de igual operacao, em outro vaso
semejante.
Em seguida a isso os homens encami-
nhar-se-hao para o lado era que estiver o
vaso das perguntas, e, tirando urna dcstas
ao accaso, lerao a raesma em voz alta, e de
modo que possa serouvida pelasenhora
a quera fr dirigida e por todas as pessoas
que se acharem presentes.
Igual process'o seguiro as senhoras, que
devero responder immediatamente, e tam-
bem de modo intelligivel.
A excellencia deum tal passatempo, a sua
superiorid'ade sobre todos os conhecidos e
actualmente usados as noutes de S. Joo,
est em poderem taes perguntas e repostas
reproduzir-se por assim dizer ao infinito,
sem dar-se nunca, por mais qn as bara-
lhem, um desparate, urna impropriedade
qualquer entre a pergunta e a resposta.
Compra-se moedas de ooro e praia, hem
como libras sterlinas por raaior proco que
em outra parte: na ruado Crespo n. 16
primeiro andar.
En casa de Theodoro Simn AC.
compra se a bom premio moedas de prata
do cunho velho: Recife, laj San'o n. 21._____________
i\a praga da Independencia n. 33, toja de ou-
rits, oompra-seotiro, prata, e podras preciosas.e
tamben se fax qnalqner obra de encommenda, e
0 muzeo de joias
Na na do Cabug n. i compra-* ouro, prata
e podras preciosas por precos mais vantajosos do
queem ontra qnalqner parto.
0110 E FRITA
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem como libras sterlinas, na ra- do Ca-
bug n. 9, relojoaria.
MOEDAS
DE
OURO E PRATA.
Compram-se, offereeendo-se milito maior van-
tagem ao vendedor : no Cor;u;ao de Ouro n. 2 D.
ruado Cabug.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000*
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo as signado tendo vendido nos seusmui
lo felizes billiuti's garantidos 1 intoiro n. 964 com
a sorte de 4:000J, 1 meio n. 1233 com a sorte
de 700.5, e outras umitas sortes de 100, 404 e
204 da lotera que se acabou de extrahir emjjjre-
neflcio da matriz de Flores (108*), convida _os
possuidores a virem receber seus respectivos
premios *cm os desmato- das Iris na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acnain-se a "venda os da 1* parte da lotera a
beneficio da matriz de. Mnribera (109a) que se
extrahir-sabbado.12 lo cerrente.
Breos.
Bilhete.....4f0O0
Meio.....2000
Quarto.....lOOO
Em porca de 1004 para cima.
Bilhete.....3/300
Meio......1*750
Quarto..... 875
Manoel Martins Fiuza.
CO IOOVRCTO M Ftnno HMLTCRAVEL
APW6TADAS PBU ACADEMIA DB MEDICINA DE PARS, ETC.
ftwmMto m propriedadesdo ledo et do (ferro, eonvera tspoeiatnwnto rus Amocoia
raorotoM, Tsica no principio,a fraqw%adt Umperamtnte tambemdm easo do
?ALTA I COR, AMEPfORUHFA, em que predio uagir SOBR o SAifGM seii para restituir
ID* a sua rquoza abundancia normaes, ou para provocar regular o eu curio pariodico.
M. a. 0 Mdarela d* frr impuro en alterado om madicanante infiel,
Rriunte. Como proTa de poma* de aolhenridado dai TerdaOatru vi
*"lm# O*"'*, dere-aa cifrir nosso eH* *m prata raaatira ^
nosio inu, aiui reprodnftda, qne m arh na parta inferior d isa
rata!* crOe. Dee-ie deiconflar du faliiflcacoa.
JaaTa aa.natilM. WtrmagwKff, *ns
irrita ni
k Ulaa
^k nosf
COPGIRO
Para urna casa de tamilia, precisa-se de Hn
bom copeiro, que seja bastante dilfgentc e que d
conhecimento de sua conducta : a tratar ua na
da Aurora n. 42.
SITE
Aluga-se um bom e grande sitio com excellente
casa de sobrado, com baixas de capim, viveiros c
muitas arvores fructferas, cacimba com tanque e
bomba, e muito terreno; na estrada de Joao de
Barros, entrada confronte a capellh.
COMPRAS.
Compra-se
rano o prata e yedras preciosas, so arco
da Con :eico, na loja de ourives, no Re-
cife.
0 MUSEO DE JOIAS

GOMES DE MOTOS IRMlOS
tendo feito completa mudanza em sea antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA 00 CABUG N. k
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante.'
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das kgrejas,
Compram e trocam qtfriqaer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
C/2
Compra-se nina negrinba do 9 10 aunos
de idade : na ra do Pires n. o.
VENDAS.
Taberna
Vende-se a taberna da ra da Concordia n. 94,
a qual est bem afregnezada e tem poucos fnndos
propria para algum principiante ; o motivo da
venda dir-sc-ha ao pretndeme em particular : a
tostar na Ponte-Velba n. 14 das 6 as 9 da a-
nhaa e desta hora em diantc n'esta typgraBfiia
Batatas
a 1 2O0 o gigo : na roa da Madre do Dos n. 7.
Gigos eoin 33 libras, muito boas.
Aos horticulton s!!!
Sementes de horlalices e de flores muito novas
ebegadas pelo ultimo navio de Hamburgo: a ra
Nova n. 60.
CARNAUBA
Vende-se superior cera de carnauba em ras, por preco mais barato do que era outra quas-
quer parte : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Arantes na praea da Indepen-
cia vendnjeebto
Botinas inglezas para homem a 8,a000.
dem dem para >onhoras a 6|000.
dem de cores fauno baixo para menina a j000.
dem inglezas de couro para menino a 3^000.
dem amazonas para meninas a 3#000.
Socos de couro para meninos a 1*000.
Di verses sanatos para creanca a l|000.
Bolinas de dnraqne preta para senhora a 000.
Vende-se a taberna ra da Cadeia Nova
n. 7, com os geneos ou mesmo s a armagao, ou
se d sociedade a quem entre com algom capital
e se encarregue da gerencia: a tratar na ra do
Rangel n. 3.
Vend- -se
urna carroca e um cavallo com arreios.
da Boa-Vista, botica n. 6.
im pra^a
AVISO
Na na de Santa Cecilia n. 41, vendem-se mas-
sas para bolos, com muita limpeza e perfeieo.
ATES
Vende-se urna cabra muito boa de Isite, com
duas cabritinhas : na ra dos Piren. SO.
Massos pora bolos
Vende-se massa de mandioca muito fina, pro-
pria para bolos de baca"a 500 rs. a libra : na ra
dos Pires n. 50.
0
MU LOJA HUA10 CRESPO W. 17,
DE
Animes Gunares (S.
Esteiras da India e baRies de todas as
qnalidades.
Cambraias de cores, percalias, tinas bri-
lliantinas de eores, lanzinhas de todas as
qualidades, etc. etc.
Ricos coi-tes de seda de cores e pretas
torradas.
Ditos ditos de cambraia branca bordada
para casamento^.
Riquissimos cortes de vestidos de blond.
Poupelina de seda, novo gosto no mer-
cado.
Damascos de duas larguras de todas as
cores.
Saias bordadas de novo gosto.
Camisas bordadas para senhora.
Basquines pretas de seda.
Caeaquinhos de casimira decftrdc novo
gosto.
Ricas oolchas de seda adamascadae.
Ditas adamascadas de cores.
Alpacas Jisas de cores aovas.
Cicas fronbas, lencos, renda? o bteos
bordados.
Bramantes e bretanhas finas o sitas
cutras fazendas que seria enfadonbo men-
oionar.
Terrenos venda
Juvino Bandeira vende a retalho os terrenos
com trezentos e tantos palmos de fundo, sitos na
ra da Concordia, e na nova rna que Tica por de-
traz desta : para iofbrma^des, na rna do Crespo
D- 19
pesde laranjas cravo, j plantadas wb-wqo para
madar-se, da china, ps de fructa pao oe massa
de parreira de diverjas qualidades, eile rosas [
em Parnameirim, sitio junto aapottSo do nana+
ment.
IIVil SEM DI
Ra do Queimadon, 49 e 57 loja
dt miudezas de Jos fe Azeve-
do Mata e Silva conhecido por
Jos Bigodinlw.
Est qtieimando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
Garrafas com {agua florida ver-
dadera ...... Ij320l
Garrafas com agua divina da me-
lhor qualidade. I->500
Latas com superior banha fran-
ceza ...... '{200
Caixascom 12 frascos de ebeiros
proprio para mimos 2#oOO
Dita com|6 frascos muito finos >800
Oleo baboza muito fino que s
a vista ...... 500
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ...... :>20
Caixas de p de arroz muito
superior ..... ?>G0O
Pecas de babadinho com 10
varas ...... .>50
Caixas redondas emitando tar-
taruga ......
Pecas de fita de cs qualquer
largura .....
Escovas para unhas muito fi-
nas a .
Estovas para dentes fazenda
muito fina .*....
Pulceiras de contas de cores
para meninos .
Caixas de linha branca do gaz
com 50 novellos .
Caixas de linha branca do gaz
com 30 novellos .
Pecas de tranca lisa de todas
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para punhos
muito bonito .
Libras de la pa a bordados de
de todas s cores .
Pentes com costas de metal
muito finos .
Novellos de linha muito grande
para croxs .
Duzia de liuha froxa para bor-
dado ......
Grosas de botScs madreperola
Mnoito fino .....
abnete muito finos (JO, 120,
IGO, 240 e.....
Pecas de fita de la todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
1^000 e .....
Espelhos de Jacaranda muito
fino ......
Pecas de trancas brancas e de
cores de caracol .
Pares de. meias cruas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ......
Cartilhas da doutrina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e patecholy
muito finos .
1J500
roo
joOO
mo
200
800
>G00
040
4)9000
120
8000
320
320
180
500
320
500
I 500
2000
060
320
1500
100
1200
Parafogosde Santo Antonio,
S. Joao e 8. Pedro.
LIMALH\ DE FERRO (muito nova).
DITA D'ACO (idem).
DITA D'AGULHAS.
Vendem-se na botica e drogara de Bar-
tholomeu & C.
34-RUA LARGA DO ROZARIO34
S no progresso do pateo do
Cainio n. 9.
Manteiga ingleza a 6i0, 500, 13 e 14500 rs. a
libra, cha hysson e perola a 1800, UoOO, 3
3*290 a libra.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEXDE-SE
NA
PHARMACU E DROGARlX
DE
Bartholomeu Je C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
HEDIDAS
DO
NOVO SYSTEMA
O Campos da ra do Imperador n. 28
tem para vender as medidas do novo syste-
ma mtrico decimal tanto para seceos como
para lquidos.
Indspensavel...
E* inteiramente indspensavel s casas de
negocio cujas compras e vendas s5o esta-
tuadas a peso, a novata bella com indicador,
para de momento se eonhecer a exacta re-
dcelo dos antigos pesos para os do novo
systema, cuja base o kilogramma, acom
panhando a mesma tabella urna outra pela
qual com a mesma facililla le se coahece o
preco correspondente entre um e outro sys-
tema. Recommenda-se de preferencia a
ontra qualquer tabella pela sua fcil com-
prehensio, ainda para as pessoas menos ha-
bilitadas em commercio e calculo. Achaca-
se venda na ra do Imperador n. 28.
Vende-se urna parte de um sobrado na ra
Direita n. 127 : jLtratar na ra aatraia A*Rm
rio a. 13. y
- Vaade-se a refioacio da rti4ikn&on
t9, com todos os seus pertencef, se far todo i
negocio : : tratar defronte,labwna n. 6.
la da Matriz da Boa-Visto n.', fm-
i vse fareHo muito superior a HjtO.
Vendem-seHbras esterlinas:' o% ra do Crespo
>n.-<6, fa4r.__________^^ J
Vende-se um preto de meia 't. V^
para)enho por ser earrerro, ow^iV-rfca
para andar oom carroca: na roa imHro. W.
AOS 8RS. FOGUETEIROS
Bartholomeu &.
VE.\'ltEM
SALILRE refinado de lqualidade.
ENXOf'REcmcylindro
LIMALHA de ferro (muito nova).
DITAd'aco (idem).
DITA d'agulhas.
E todos os mais preparados para os lin-
dos fogos de cores na sua -drogara ra
larga do Rosario n. 34._______________
Pechincha
Vendem-se vidros para vidraca, sorlidos ik
boa qualiiade, e bem acondicionados, a 12/ a
caixa, em porcio c a retalho : na ra do Vipirfo
n. 17. ___________________________
Sortes de S. Joao
Na'rorda ('^nceifao n.'30 vende-se bonitas sor-
tes a 3tHN0 o cento, reoebe-se tambera qualqiwr
encomraeada de bollos bom feito e por commodo
preco.
S no Bazar da Moda.
RA NOVA N. 50 QUINA DA DE &VN-
TO AMARO SE VENDE;
Para senhora*
Lindos leques. a imilaeao de san Jalo a
25 e 2.9500 rs.
Ditos, com lentijuclas fazenda fina a 3#
e 4,5000.
Ditos elsticos, a mitaca de marfim, fi&
9, lid e 15)5000.
Coques da ultima moda, lizos e com re-
des de contas a 3,5, 31500 e 4^000
Ditos com lindos enfeiies a 4f?, 4<55O0,
5,5 e 5^500 rs.
Ditos com botoes de flor de laranja para
noivas a 5)5.
Ditos de cachos (alta novidade em Pa-
rs!) a G^OOO
Lindas chapelinas de palha da Italia e de
fil de seda, guarnecidas com ricos e ele-
gantes epfetes ultima moda a 155, 180
e20,5.
Chapeosinhos de velados de lindos mo-
delos a 15^, 18?5 e 20,5000.
Ditos de palha da Italia muito bem eo-
feitados a ISfl, ity e 155000.
Ditos de pennas (novidade) para senhoras
a 175000.
(oirinlios de fil preto para luto a 0!.
Chapeos de palha americana enfeitiidos a
i55uO rs.
Ditos de seda para sol fazenda boa a
W, 65500, 105 e 115000.
Basquines de gti'pur branco bem enfei-
tadas e molde ultima moda a 135, lfc/>
e 205000.
Ditas pelas com ricos enfeites de vi-
drilhos a 185 e 205000.
Sintos ricos de setim com lacos a 55,
65, 75, 85, 105 e 125000.
Urna linda e rica guarniro cor de rosa,
a Mara Rosa, (alia novidade) por 28500.
Grinaldas de flores muito lindas 55 ,
75 e 85000.
Capellas de flores de lanrajtiras part
noivas a 45500 e 55000.
Especial sortimento de gravatinhas para
senhoras.
Sintos de palha muito lindos a 35000.
Luvas de pelfca a duqueza, brancas, de
cores e pretas, o par 35000.
Blonde de seda preto e branco com sal-:
pisofl e ramagens, o metro a 25500, 'le.
'i:>800e65000.
Enfeites de palha muito lindos para co-
ques a 15500 e '5000.
Guipur preto e guipur branco, fazenda
nova, para cnpinh;is, eorpinhoS, basquines
etc. etc. benitos padres, o metro a 3|00,
35300, 0, VJ500. u>, e 65.
Grande sortimento de bicos c rendas de
guipur brancos, e pretns com fio de seda
fazenda superior, de diversas larguras e
precos muito baratos.
Esparlilhns brancos e de cores omito
bem feitos a 35, 4), 55. 580t>, 75 e 85
Enfeites para caneca especial sortimento,
75. 85 e 95000.
Meias croas, fazenda superior, o par*//.
Corpinhos enfeitados de eeados pe-
tos a 165 e 18;$O00.
Meios corpinhos de fil preto ebranct s
25800.
Lindas e ricas guarnicoes de cftrea i
promptas para vestidos a 105, 125, 145 f
155000.
Borns de la c seda, moda elegante a
205000.
Cachins de 15a de eoros a 55, 65, e H#.
PARA HOMENS.
Chapeos de sol, fazenda superior a 8.
105 e 135000
Chapeos de castor branco, fazenda fina,
e forma a moda imperial a 115000.
Correte de plaque iguaes s d*ouro urna
por 85, 105 e 125000.
Bengalinhas de canna com castao de
marfim a 45 e 55000.
Ditas d'aco e lenhadas ultimo goslo a 1$.
Ditas fantazia muito lindas a 15500 e
25000.
Bengalas fortes (para dar no Lpez) a
25 e 25500.
Chicotes para montara, de 15 a 55000.
Camisas com peitos e collanuaos de li-
nho deitados muito be afelios, ns. 38 e 39
a 55000.
E inuitos outros artigos tanto paia tt-
mens como para senhoras e cri ncas
assim como um completo e especial sorti-
mento de miudezas, tudo recebido de cos-
to proprio, e se vende mais barato do que
em qualquer parteno Bazar da Moda de
JOS' DE SOUZA SOARES & C.
MaMal
i FOGO F0I10
m ma Direila n. 33.
Ha para vender um completo sor-
l tmenlo de fogos artificiaes, tanto
para Sras.,como para enancas, pis-
tollas brancas e de cores, com 3,
4, e 6 Lalas, tontainas, cravei-
ros, redinhas singellas e doatadas,
foguetitihos, bus-aps, illuma-
Ces-baloes de seda de 2 pasmos de
altura etc, etc., feito por um dos
melhores artistas desle genero.
Tambem ha para vender salitre, en-
xofre, breu, fio, facas garfos
de diversos precos e qualidades,
| bandeijas finas quadradas e ovaes ;
| alm do grande sortimento de fer-
s ragens, miudezas, cutelarias e trem
2 para coznba, etc, etc.
Ra Direita n. 53,loja de Manoel
Bento de O. Braga A C.
At que chegaram
SYSTEMA DCIMA.
Grande factura de 1,500 series de
pesos kilogrammas em series com
Slelas de todos os lmannos, me-
jores de comprehender do que os
que tem vindo ao aereado assim
ornomedidas de metros, chegaram
smente de encommenda propria
para a casa de Manoel Bento de
Oliveira Braga d C, ra Direita n.
83, e oom diminuieao de precos,
vftflhf\p> em lempo.
Novo livro de sortes pan.
S.JoftoeS. Pedro
A Pythonissa de Endor. inteirameaje
inditas e interessanifc, a 640 ris o *x-
emplar. rpa estreila do Rosario o. W,
typographia de Geraldo de Mira, na enca-
dernac5o parisiense i ra do Imperador
livraria econmica de Nogoeira Med^irCs
a ra do Crespo n, 2.


w~
G
Diario de Pemambucd Quinta feira 10 Je Junht) de 1869.

TEMP
\ 5HHA DO O'
IOJ A DE 91
IUDEZAS
1E
11
FUi^SU JllMElKi
Est queimando os objeetos abaixo decla-
rados pelos presos seguintes:
Frascos com agua de colonia
Piver verdadeira a..... 900
Penles de travessa para meni-
nas a ......... 3*0
Thesouras para costura e
u ibas a.....'.'.'.' 400
Priscos com tinta a 100 rs e. 160
Libras de linlns pa borbar G>300
Novellos delinha com WOjar-
das a ... ....... 60
iscos com oleo de babosa ;i. 320
Sabonote de todas as qualtda-
des 80, Itff), {->() 200 e 210
Babadihos c ontre-inoios a
600, 700, S00 e 1,5000
Garrafa om agua divina IjjiOO
Groza de botoes de lou;a a 160
Pocas de fita para cus coin 10
varas a........ 500
Caixas de agulhas francezas 160
Frascos com banha 320 e 400
Caixas com popel amisado 700
Dito beiraduurada a 1,5000
Ditas envelopes a 500
Sapatinhos "de la para meninos 400
Pecas de tranca de uracul e
Phces para barba a 200
Pares de suspensores a 200
Frascos com agua de co onia
320, 400, 500 e..... 800
Pentes com costas de metal a 320
Carteiras de marroquim a 400
i; irralas com tinta rocha 800
I. ir os brancos para mos. 200
Pares de bottes para punlio a 200
frascos com ebeiros 400, 800,
IffKWOe........ 3*200
Meias cruas para homens du-
zia a......... 4*000
Abotoaduras para coHote a 300
Liiiha Ca 15o com corxeles 2 ordens 80
Buaecas le sera,- todo proco.
\\ ;':) is gandes com moldura
iourada......... 2*000
Dil >s |u^aos 200
Pocas I .iia para debrum de
vestido........ 500
15 ita-s de ac' para coUeto a 1*200
Ariiiil para roupa(P.) a. 3-MKM)
Calcadeiras para sapato. ^00
Redes [netas para cabellos a 600
Groza de botoes de dco para
caira, a........ 200
Libras de linhas de cor para li- 1*000
nhnvar costuras a.....
Tubos ou oliamins para can-
dieiro a gaz a 300
Globos para os ditos 1*300 e 2*000
Trocidas para os ditos duzia 200
PtOTtes pretos para tirar piolhos 300
Coques muito finos a 2*500
Carlas francesas a 200
Ditas portuguesas a 120 e. 200
Superiores saias brancas bordadas a 5*. 65. 8* o 10*000 cada urna.
Ditas de cambria de escocia transparente j Hitas a 0*000 cada urna.
Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Correia-
vasconcellos A C.
de
SOR A
LlilV Vi ui
DIRECCAO'DO MlTO II ABIL ARTISTA
Luuriano, al'/mate.
Os proprietarios desle novo estabelecimento, tendo experimentado anecessidade
urgente de ler nadireceao da sua offleina dif roup;>? por medida, um artista perito, tem
contratado o Sr. Lauriauo Jos de Barros para tal misler, convictos de que satisfar
com todo o capricho a vontado do freguez.
Tem o mesmo estabjlecimento umbom s'rtimemto de fazendas proprias para
roupasde homem.como sejam: casimira de c>, indos padroes, completo sortimento de
pannos fino?, preto e de cor, casimira preta, gran!; sortyneato de brns brancos e de
cores, merinos de diversas qualidades, bombazina, lindos cortes de gorguro para eollete,
gorgurao Pekn, superior qualidade.
Os freguezes encontraro anda um variado sortimento de roupa feita, eamisaK
inglezas, collarinhos, ceroulas, grvalas protas 6 de phantasia, meias para homens, se-
nlioras, meninos e meninas, chapeos de seda para
CURAS IMPORTANTES
Oo xarope Vegetal Amerjcano especialidade de Bartholomeo&C
34.RUA LARCA DO ROSARIO.34.
No costumamoi procurar atlealado* para acredilir
noa. resoltado! oblidos pelas peasoasque digoaipinacceila-
loa, Ibes deera crdito e voga ; porque sao sempre os
atieiiaHos considerados gratuito*, e dalles que lenca
mao o charlatanisDo; mas ni qnereodo ofleoder as pea*
soasque espontneamente nosofltrecerani.os que abaiio
to iranscriptos, os bzemos publicar manifestaudo-lhes
nossa gratidio pela allenco, esperando que vaaaim
He* corroborar o conceito, e aecaitacie que las Mere-
cido nosso xarope. lariholomeo k C.
ITTtSTiDOI.
Illms. Srs. Bartbolomeo C com a mala aabi
aatisfacao que declaro ser o xarope Americano de u
eflicacia extraordinaria, poia que soffrendo ba das da)
intensa tosse, 4 ponto de nlo poder dormir a noile a
despeito mesmo de medicamentoa que tomata, a elle
recorr na terceira eolber fui allmado, de todo me
acbo boje restabelecido com o oso gmenle de quaai
meio frasco; grato pois 4 ease resultado manifest a
V, Ss. meu reconhecimento. Da V. Se. amigo, ve-
nerador e olirigado. Manoel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
nims. Srs. Dariholomeo i C. Penboradissimocom
ator que me lizeram de aronselbaro uso do xarope
Vegetal Americano, de eua composicio, qnando sM
ai beva bastante doente de urna constipaco, que me
tornon completamente ronco e que trouxe orna forte
tosse, e me impnssibilitou de cumprir os meua devarea
de cantor da emprexa lyrica, rou airadecer-lhea mea
completo reslebelecimenio, que obtive com um s tidro
do mesmo xarope, depois de baver recorrido a mnitoa
tratamentos. Desejarei que ontros como eu recorram
o aen xarope para se verem aliviados de ta terriel
incommodo, lio fatal nesie paiz. Com malor conside-
rado contino a ser de Vr. Se. aliento, venerador a
obrifeado. Lniz Ciemona. Recife 25 de aetembro
de 1668.
Illms Srs Bartbolomeo *C.-0 xarope Vegetal'Ame-
ricano que Vr. Se. tm exposto i renda de toda efli-
cacia para o curativo d'astbma, canforme observei ap-
plicando-o a meo lilbo Joaqun), menor da qualro
annos; victima d'esee flagello, que al entaopor espaco
excedente a dous annos baria resistido a ontros xaropea
de grande nomeada. Oneiram poia Vr. Ss. acceitar a
expressao altrnenle sincera de mea reconbecimento o
meritoria sarricn que Ibe prestaram com o iudkado
xarope, acreditndome para sempra de Vr. Sa. errado,
alenlo e obligado. Amrrieo NeU da MeuiloBfa.
Recife 2 de oulubro de 1866.
INJECTION BROU
Hrajlealca liilalllvel e Preeratn, abtoluiaiiietiw a nica que cura* tem nenhuiii aditivo. V- t-ueal
as priodpaea bolicaa ao a-undo. (Eligir a kaatraeca* da en). (10 um de etiela>da.) Paria, ts> ea
aeaneaurllOC.koulatartaiaaCTta.nl.
de tapete
sol, colchas, bramante, atoalbado.
baloes de diversas cores o modelos, cambraias, malas para
tigos que a modicidade de seus presos incita a comprar.
A ra da Cadeia n. 45
viagem, e outros muitos ar -
r"
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACBUTICO, J, HUE DES LIOHS-SIITPUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Com IODIRETO de POTASSIO
0 Iodoreto de poUsaio um verdadeiro atterant, um dLT'"rador de n^nlestavel eftV
racia- combinado com o xarope de cascas de laranjas amargas, e aturad
Sperturbaio agurna pelos femperamentos os mais traeos, sem alterar as fundes
do estmago. As dS malhematicas que elle ^r'TZZ^ZSl Xco
para todas as complicares nasaffecces escrofulosas, tuberculosas oanoe-
rosas e nos accidentes intermittentes e terceiros; almdisso.o
agente o mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
XAROPE,FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e quassla amar*a.
XAROPE TNICO aNTI-NERVOSO
de cascas de laranjas amargas.
35 annos de successos aitestao a sua efli-
cacia para curar: as deenpas nervosas,
agudas ou rhronicas, a< gaslriles, gastral-
gias ; e facilitar a digesto.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilhasen lodososcasos
em que sao proscriptos os ferruginosos.
1IY.IL SU KHM
Ra do Qucimdo ns. 49 c >7
lojas de miadezaz de Jos de
Azevedo Mah, est acabemd
com os miudcz'as de .sem cstabt-
lecimentos por iS8o que rom apre-
ciar o que c bom e baruhssimo.
Pares de sapatos de tranca- l-
xenla nova a .-
Pares de apatas
(s grandes ;......
Du/.ias de mcW cruas pwa ho-
mem a .-.....
Tramoias do Fcrfo- fazenda< boa
e pelo prero melhor 100 attos a
Lfvros de misses- abreviada- a -
Duzia de baralho francezes muito
tinos a*-J(iOO e.....
Silabario portugoez: com estri
pas a........
Grvalas de cies-e pretas nittf>
finas a.....- .
Dozlas de meias p*r-senhora fa-
zenda boa a...... .
iledes- pretas liza smiito finas-a
Cartes com' colebrtes- de !?.tio>
fazenda lina a.......
Abotuadtiras de v>t> para colle
fazeijtla fina a. .
Caixas com peonas daco muito
tinava:)O, 40^500 e .
Carios-de, linha Alexandre
tem OO jardas < .
Carreteis o lihai Atxandre de
70 at 00 a .. ... .
Caixas com. su[Hfiores obrttat
de raassa a.....
Ouzias-de agulhas-para machina
Libras-de pregos francezes fi-
veAo tamanho a.
Livros escripturado para rol-de
rouj a. -
Talheres para moninos muito
finos a. ...
Caixas com pape, amizade muito
fino a ^ ^
Caixas com lOO.eovelopes muito
finos a. ........
Pentes volteado* para meninas t
senhoras a. ......
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta piola muito
boa a 80, 120 e ... .
Varas de franja para toalbas fa-
zenda fina a......
Duzia de phosphoros de segu-
rancia da melhor qualidade a
400 e........
Pegas de fita branca elstica
muito fina a. ......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a ..
Pecas de fitas bordadas com 3
varas a.......
Ditas de ditas bordadas cora i
metros de 2#000 a .
Grozas de botoes de louca muito
finos a.
2*000
0#X1
3.^800
4200
2,SOO0
280C
320
HQO
4^000
5320
302G
4)5000
^100
5100
JOM
^5000
DENTIFRICIOS LAROZE
Deposito
COM OUINA, PVRETHRO E GAIACO
p dcntifrieio, com base de magnesia-
para a alvura e conservacSo dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando).
trtaro de que empede a reproducao.
p. Hanrrr e C"; em Manato,
Elixir dirro, para a alvura e con-
servado dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produxtdas pelo
cornado do calor ou do fri
em Rio de Janeiro, B. CkeroUt; em Pernomtuco,
BoAia, Da Rseha; em Porto legrt, Jmi
Falr* Blas; em Plota, Antfro Lelvas; em
BuVen. Maranhio Frrrelr rC| em Ouro **. J. V ier..,emSatoColo-
'5240-
412
5240
5700
5600
5320
5500
5320
5160
500
200
60
25G0
500
35000
46C
IO J A
v DO
GALLO VIGILANTE
Una ajo Crespo n. 7
Os prf^rietitrios desle bem ennhecido pstabefi'-
cimento, ptstos a aprda^ao do respetoTel pnnlieo, man-
il;wim vir e acabaii) de. receber pelo ultimo vapor
ila Europ:> um Cdtiipfeto e v;irindo sortimento de
Opas e mu? delicadas eapecialrdhffes, as qnnes es-
3ii L-solviiibs a- vendnr, como de sen nisfnme,
por procos maito bartanos e e-jinruodos para to-
dos, com tanto que o Snllo....
Muro superiores luvas de peiSca, pretas, bran-
ras e de mi lindas cores.
Mur boas o bonitas gollinhas e- punhos para, se-
nhora, neste genero o qne ha de n>ais moderno;
Supctror-s pentes ik* tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeiles para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de eres cora viri-
ihos e sem elles; esta fazenda o quo pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques te madreperola,
marflm, samlalo e osso sendo aquelles braneos
com lindos desenhos, e estes pretns.
Maito superiores meias lio de Escossia par se-
nhoras, as quaes sempre se venderatn por 30000'
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
altn dcstas, temos tamben grande sortimento de
mitras qualidades, entre as quaes afumas muito
finas. ,.
Boas bengalas de supenof canna da India e
eastao de inarfim com lindas e encantadoras gu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desojar ; alm destas temos tambera grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbicotinuos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bera asseguramos sua qualidade e delicadeza.
lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxe.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
lahyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, asstm
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes eriaugas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca Tallera no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
TASSOIRMAOS
Tem para vtinder cm seas armazens, alm do ou-
tros, os seguintes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos em caixas de dozc garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madetra.
Ilermitage.
Chamblis.
Licor de enraco de Hollanda em caixas de vin-
te e quatru bulijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
C Alt KIMIOS DE FER1IO
Para serviros de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de ura para outro, lado pelo
mdico prego de 12/5000 cada um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
CMe
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso limaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
0 melhor para tudo qae sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc, etc.: em porcoes de
cineoento barricas se far reduegao no prego : nos
armazens do Tasso Irmaos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, *etc, etc.
De differentes qualidades para cercados de ani-
maes, chiqueiros paca galinhasou jardins: nos ar-
mazens de Tasso limaos.
Barris eom fereu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
21
A NOVA ESPERABA
Ra do Queimado 21
Advertencia!
0 melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Macarthy
SOFFRIWENTOS DESTOMAGO, CONSTIPACW).-
Cara an poucos diaa pelo CARviO DE KLLOC cm P6 ou em pasl.lha.
ENXAQUECAS; NEVRALOIAS. Essas affesees sto dis-
sipadas rpidamente pelas PEROLAS r/ETHEB ia'ttf.MH.
ANEMIA A PALLIDEZ e os soffrimeia*s que necessitamdo
emprego dos ferruginosos sao sempre combados com o ntdhor resultado
pelas wlui.S DE VULLET. Cada PUul tem incrayado o nome VALLIT.
P DE ROG. Basta dissolver un frasco d'este p em meio
garrafa d'agua para se obtr urna limonada agindavel que purga sem l-
ser clicas.
VINHO DE QUINIUM de Labarraqiie. Este vinho, um dos
poucos cuja composicio garantida constante, urna das melhores pre-
parac&es de quinino, sem accSo notavd sobre os convalescentes, dande-
laes forcas e apressando rolta a saude. Cura as febres antigs que re-
sistao ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIQA. A maior parte destas moles-
tias, como as sciaticas, lombsgos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral alo curadas peas perolas de cssenCiA de thebeb:ntin do
Dr. ClerUn. 0 profesaor Trousseau em seu Tratado de therapeuiica acon-
aelha aa para aerem tomadas na occasiio do janlar, na dse del 12.
OLEO DE FIQADO DE BACALHAO DE BERTH.
Garantido puro a de primeira qualidade, um dos poucos api-ovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Paris.
Scbonete de alcatrdo.
M
Antonio Nunes de Castro,
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34ra larga do Rosario34..
vigilante, aonde sempre encontraiio destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dDS enjertos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preces muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do'Crespo n. 7.
PASTilllAS ASSUCARA&AS
DO
DR. PATERSON
De bisiuuah e maguezfa.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu A C.
34-----Ra larga do Rosario------34.
Machinas de descarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebrara a fibra do lgodao,
6 preciso recorrer a machinismo menos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da lia,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a differenca que ha entre o algodao descansado
por aquellas mencionadas machinas, que esto li-
cando cm desnzo, pelo prejuizo qne tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornara as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da 15a, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
dao daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem. hoje de 10 a g por
0/0 mais do que e noso : vemtem-se a tftfOO
nos armazens de Tasso Irmaos.
leo de ameadoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tasso'Irmaos.
Ac de muo.
Nos armazens de Tasso /rmaos.
BARRIS DE SALITRE
No'armazens de Tasso Irmaos.______________
CUSA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpeaA.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo 4 .
34------Ra lar)?a do Rosario------34.
COGNAC.
PULLAS, VINHO
Barato que admira
Quartos de latas cora bolachinhas de boas qua-
lidadas a lW, caixinhas cora ameixas, "peras e
figos a 1$400, cerveiaBass, Ihlers e bell ingleza a
800 rs. a botija, vinho a 400 rs. a garrafa, aieite
doce de Lisboa a 880, arroz de primeira qualida-
de a 120 rs., caf a 220, sabio a 180 e 220, cha
mindo bom a 33100, dem grado a 3, alpista a
240, toucinho de Lisboa a 440, marmelada fina a
780 a libra, doce degoiaba fino em latas e caixoes
de diversos tamanhos por commodo proco : so na
esquina da ra da Penba n. 8.
DEPOSITO
m-leneiro.
Bahi*..
Dumjciieui ',
Tesdobm.
Biacs et Cu.
Hsaiunt
Pernambuco.. Miran etT>.
Ceara.....Imam et Ch.
Ii3j
XAROPE
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
PELO
PHARMAQEUTICO
loaquini de Almelda Pinto.
As preparacoes de jurubeba sio hoje
vantajosamnte conbecidas e prconisa-
das pelos mais habis mdicos, tanto da
Europa como do. paiz, pela sua eflicacia
nos casos de anemia, chloroze, hydropesia,
obstrucco do abdomen, e tambem nos de
menstruac^to difficil, catharro na bexiga,
etc. etc.
Vendem-se em porc5o e a retalho na ci-
dade do Recife. pharmacia do seu compo-
sitor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polica.__________________
Librase ouro nacional, moedaa
de 5 francos.
edoende-se no arco da Conceica* na loja
Vurives, no Recife._______________
GAZ GAZ GAZ _
Chegou ao amigo deposito de Heory Forster *
C, ra do Imperador, nm carregamento de ai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida*
e a retalho por menos prego do que em outra qual-
quer parte.
RAFE FOFTUJJS.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDEBICO & C.
Acaba de chegara este mercado urna porgas des-
te ptimo rape, nico qne pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E' fabricado pelo svstema a imitacao do Area Pre-
ta, porm tem sobro este a vantagem de ser viaja-
do, o que para este artigo urna especialidade.
as pracas da Bahia, do Rio de Janeiro e outras do
imperio tem o Rap Popular sido asss accolhido,
e provavelroente aqui tambem o sera, logo que
sea conhecido e apreciado. Acha-se a venda
por preeo commodo, e para quem comprar de 50
libras para cima, far-se-ha um descont de o O/O,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no escrip-
torio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra do
Commercio n. 17.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch A C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Tb. Just, na do
commercio n. 32^___________________^^__
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicac3o as creangas,
quasi sempre mais atacadas de tac terriveJ
e muitas vezes fatal soffrimento.' .
NICO DEPOSITO
NA
Pharmaeia e drogara.
DE
Barthomeu & G.
84Una Larga do Rosarlo34
A Nova Esper?nca, ra do Queimad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balancorpor
isso desde j previne ao respeitarel publi-
co, que est resolvida a vender sua mer-
cadorias pelo baratissimo prero, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venbam sef fregue-
zes, em tmpo 15o opportuno quando i
NOVAESPERANCA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nlo
falta aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer seai-
pre primar em nos remetter objeetos de
gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
perance) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o qne de bom constantemente rece-
be, e por este lidar contino (d'ambos)
Nova Esperanca roa do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinha,
acabn dereceber mais o aeguinte :
Bonitos broebes, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos gallues, franjas e francas de
seda e de la, para enfeiles de vestidos.
Botoes de todas' as eores e moMes novos
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
petigentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos cora pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, eamurca e exrossi.
. Finas meias de S8da para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de madreperulai mar-
fim, esso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21> na
Nova Esperanca.
Collares anodinos eilcetro-magneto
eos contra as convvlces dos-
crean cas.
N2o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeisos de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaclo principalmente m>
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes cellares
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiro de Royer, que a tantas crean
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a> ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para setu
filhinhos, antes que estes- sejam acommetti-
dos do terrivel mal, (piando en to ser di-
fficil alcaunar-se o effeite (tosejado, embora
sejam eaapregados os verdadeiros collare
de RoyeF.
FLORES
Realmente at onde- pode chegar.a per-
feico d'arte. relativo a> flores, a Nova Es-
peranga apesar de ter constantemente re-
cebido flores, confessa que ainda nao havia
recebido, como as que acaba de receberll!
nao exagerarlo ellas confundem-se per-
fectamente com as naluraes, e sao feitas
com tanta perfeico, que prestam-se mui
bem ao mais caprichoso enfeite des Exmas.
do mais apurado gosto!!! esplendido o
ortimento, constando de modernos ramos,
rosas, dalias etc., etc., de lindas cores,
proprias para enfeitar-se coques, vestidos,
chapeos ou outro eifeite que hbil compra-
dora quizer preparar, assim pois queiram
as Exmas. virem apreciar o jardim da Nova
Esperanca ra do Queimado n. 21, que
est replecto de flores.
HASSA c XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Ppconisadw por todo oa medico contra os I
DEFLUXOS, CATHARBOS, B TOHAS AS|
IRWTACOES DO PE1TO.
X. B. O Xarvpt da Codna que mereci a I
honra, H novo, de ler rtgitUao corno um doi medica-\
menlos o/icinet do Imperio Francet dispensa^
qmlquer elogio.
AVISO. Por causa da reprehensiwl falsi-l
ficacaoque tem ucitado o felii resultado do I
Xarope e maasa de Berlh* somn Toreados al
lembrar que le medicameuloi WO juslainenlc j
conceivuado e
vendem em caiiin-
haserraKus levando
a assignalura en
y frente.
46, Ru des cole, e na Pharmacia Central I
de Franca, 7, Itue de Juay, cm Paris, e '
todas a Pliarmacias pi iicipaes do Broiil.
BOM VINHO
DO
nomo
Chegou pelo bngue Trinmpko e consignado
Flix fereira da Silva, nina nova remessa de bem
conhecido e excellente vinho puro do Douro em
barris de S e 10, garantindo-se qne nao tem con-
feceo algnma ; neste genero o melhor que tem
viudo ao mercado,, e muito proprio para usar as
horas de comida, e vetide por preeo razoavel :
na loja do Pavio, ra da Imperatriz n. 60.
t.\.GEREfyty
hmuViittSc. \-^
PASA AS NOITES
DE *
S. Jodo, S. Antonio e S. Pedro.
Acharase venda sortes para homens e se-
nhoras, um tanto agradaveis para essas occasioes
de divertimentos e prazeres : as livrarias france-
za roa do Crespo n. 9, na Econmica ra do
Crespo n. 2, a Popular ra do Imperador n. 67,
na do Sr. Cardozo Ayres roa da Cadeia do Reci-
fe n. 31, na do Sr. Jos Barbosa de Mello roa da
Cruz n. 52, na do Sr. padre Lemos ra do Impe-
rador n. 15, na Encadernacao Parisiense roa do
Imperador n. 71.
Atten No largo do Carmo n. 4, vendem-se fogos de
tedas as qualidades, para festejar o glorioso Santo
Antonio, S. Joan e S. Pedro, por preeo commodo.
Na mesma casa vende-se massa secca para bolos,
mais barato do que em outra qualquer parte.
Potassa da Russia
Nos armazens de Tasso Irmaos, roa do Amorim
n. 39, e oes de Apollo n. 39.____________________
Vende-se a dinheiro ou a praso a padana a
vapor sita em Una, a qr/al se acha livre e desem-
baracada : os pretendentes podem entender-se no
mesmo lugar com seu proprietario, ou cam Rocha
Lima & Guimaraes, na ra da Cadeia n. 40, q N-
comedes Mara Freir, no caes de Apollo-
Alegtai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,.
nao lia mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortim nto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -roain, tor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio emelefaior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencSo ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
0 mesmo vapor trou-
xe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe senecessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal de rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objeetos
presos commodos e com promptidao; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excelentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
&C, os quaes vendem r preces commodos
garantindo a sua superior qualiaade^____
Vende-se um piano estado, de armario : na ra do Padre rionaau a.
71,2" andar.
Sapatos de borracha
para senhoras e rapazes a
n.45.
I 280 : na roa Direiat
viudo3
' Vendem-se"diversos escravos pec*s, vina^
m*
i

U
i

r
\
*
V


Diario de Pernanibuco Quinta feira 10 de Junho de 1869.
I i
Ocordeiro previdente
Rua do Que toado u. le.
Novo e variado sortiraento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortiraento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
receber ura outro sormento que se torna
notavel pela variedade de objectos, soperiori-
dade, quafidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia. .
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada Gna para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
EAracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos che ros, em frascos dediffe-
rentestamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelSo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composiclo de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras difierentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vs e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e algens d'elles ornados .de flores e fitas,
est3o todos expostos apreciacao de quem
es pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosta do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode encontrar neste
genero, sohresahindo os delicados ramos
orvalhados psra coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mu bem
enfeitadas, e enfeitcs de flores obra do bom

QUE SE LIQUIDA M
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
FARINIIA DE
DO

gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
rio presentes a quem se dirigir dita loja
lo Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
ludo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
mento de galloes de 13a, babadinhos de
cambraia cora bordados, de cores, cuja va
jiedade de gostos os tornara recommenda-
do e apreciados; comparecao pois os pre-
endentes que serao servidos a contento.
TO BEM RECEBE.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras, constantemente achara-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
fu do Queimado n. 16.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
-Jas digestSes difficeis e completas, a almar
as dores gastralgicas, e reparar as forcas
produzndo urna assimulacao completa dos
Aumentos; sendo mais um excellente tnico.
VE\DE-SE
PHARMACIA' E DROGARA
DB
Bartholomen 3*RA LARGA DO ROSARIO-^M
aQoa m asaipaiaa'iaDaa. so
DE
FLIX PEREIR1 DA SILVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
jital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como de
lei, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negociam em pequea escala, tanto da praca como do mato, aesta casa
podero fazer os seus ortimentos em pequeas ou grandes porcoes, veno.cn io-se-lhes
pelos precos que se compram as casas nglczas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se Ihe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
LOJA OO PAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, am
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para eal-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
tras e cora listra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderera-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 18# e 20^000.
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno pretu, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 185, sendo forrados de alpaca, e de
20$ forrados de seda; esta fazenda a n3o
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquida-se
esta pechincha pelos precos cima.
Liazlnhas a 40 rs.
Vendem-se laazinhas para vestidos e rou-
pas de meninos, sendo t3o encorpadas
como chitas, pelo barato preco de 240 rs.
o covado.
POUPELINAS A 500 RS. 0 COVADO.
Na loja do Pav3o, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou lSazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas cores ; padraos com listrinhas miudi-
nhas, que se vender pelo barato preco de
500 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suts-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 55000 at 10,5000 a peca, assim
como finissimos organdys brinco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pav3o ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12^000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Sirva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sonido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de'casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, coma maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceta-las, quando n3o stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'cste vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos artigos
proprios para homens e senhonas promet-
tendo-se-lhc vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
Libras esterlinas,
Recife, n. 58.
na ra da Cadeia do
Ra do Livramento n. 26.
Cambraias de allegantes padroes, modernas, a
iOO rs.0 covado.
DE A SO A DOCE
MADAPOLAO de 8# a 8*000.
DITO CQQUEIRO de 8* a 4000.
ALGODAOZINHO de 7* a 5#000.
CEROULAS de U a 1*500.
MEIAS CRUAS a 2*0 rs.
CHALES PBETOS de 6/ a JJOO0.
Ra largado Rosario
N. 22, loja do Vianna.
Explendido sortimento de
Alpacas [avrai!as de cores a &GO
Alpacas a 560 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
muito miudinhos assentados em urna s
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qual grande pechincha.
Aos dez mil ovados de eassas
francezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado. a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavao ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quanttdade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudos e grfi-
dos, assentados em todas as cores, estas
eassas s3o propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto eorpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
serem muito bonitos, s3o todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Espartllhos a 3DOO na loja do
Pava
Vende-se urna grande porc3o de esparti-
Ihos modernos com o competente cord3o,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 30 cada um.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3600, S
NO PAVO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
cora l' jardas, Sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3#6O0 ris, assim como
pecas de algodiosinho com 16 jardas
45500 e 5,$000 ris.
ALPACAS LAVRADAS COM LISTAS A 300
RS. S O PAVAO VENDE
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado i 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado aSOOrs.
Na loja do Pavao ra da Imperatriz n.
60 vende-se urna grande porco de alpacas
lavradas com os mais lindos padroes listra-
dos e com flores matisadas, sendo este ar-
tigo urna gcande pechincha, por se terem
comprado urnas poucas de caixas e vende-se
pelo barato preco de 500 rs^ o covado.
Chales
PELERINAS DE CROCH A 8& 103000
E 125000
Chegaram para a loja do Pav3o as mais
modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
rinas de fil e croch que se vendem a 8 e
10$ e 125.
GIME PECHIMA
EM
PERCALLAS
A pataca o covado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavao na da Imperatriz n.
60, vende-se una grande porcao de per-
callas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores ixas e mais arga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratsimo preco
de 320 rs. o covado, garantdo-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 15800
Chegou para a loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. GO, urna grande porco de
pt.casde bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato preco de 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras militas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE L PARA O INVERN
DE 3j800 65000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
13 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpios, que se vendem de 35
at 65000 cada um, em relacSo s diffe-
rentes qualidades, pechincha: a ellos an-
tes que so acabem.
Hadapolo variado
Na loja do Pavo3 ra da Imperatriz n.
60, vende-se pecas de madapolo muito
bom, com toque de avaria, de agua doce,
por pre$o muito rasoavel
11-RUA DO QUEINAD0--11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para noivas, que
vendtm-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
BASQUINESde renda preta, e de gorgur3o preto, -o que ha de niai*
dadas,
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
saias de 13a com barras de cor..
GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, morean-
tique branco, e grosdcnaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
MANDIOCA
Superior fafinha de mandioca recenie-
menk' duenda de Sania Cuiharina, vende-
se a preco cciiio.lo a bordo dubrigue alle-
m5o Lina, fundeado defronde .do trapiche
do Exm. Sr. ha'rao do Livramento ; a tra-
tar a bordo do me?mo, ou no escriptorio
de Juaquim Jos (oncalves Beftrao, roa
do Commercio n. 17.
r.i ma 8B^..|
Su,

-*'*
** $IMAltf
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lan
Fogulnhos chinezes artificies
para noltes de auto Antonio
e H. *oio
Acaba de ehpjrar grande sortimento dos mais
interessantes fujruinhos chinozes e de bengalla ar-
tificiaos, proprios para menino soitarem dentro
de salas, sem queiraar ou offender por serem fa-
bricados especialmente para divertiment de
criancas : no armaiem do vapor francez, ra
Nova n. 7.
Salitre
Vende-so salitre refinado a Si a arroba : na
ra do Queimado n. 30, loja de errgns.
COLCHAS PARA CAMA A o^OOO.
Vendem-se colchas de fust3o damasca-
das para cama, pelo barato preco de 5$,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Fel
Pereira da Silva.
O atoalhado do PavSo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
2J20O a vara; dito de linho fazenda muito
uperior a 3 5200 a vaya ; guardanapos de
linho adamascados a 4500 a duzia e muito
anos a 84000, e ditos econmicos a 30500
a duzia. .
ALPACO DE.CORDAO PARA VESTIDOS
A 15000
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'cs-
te genero o mais moderno' e mais bonito
que tem vindo ao mercado com differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
de-se pelo baratissimo preco de 15000 o
covado.
\ovidade \ovidade
GURGURES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ D5 JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60," um brilliante sortimento dos mai>
modernos e mais bonitos gurgurSes de seda,
para vestidos, tendo padroes miudinhos e
grados, com lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azuL perola.
etc. etc., assim como ditos lisos de todas
as coras, garantindo-se que na actualidad^
nao ha urna fazenda de mais gosto nem d>
mais pbantasia do que esta,qne se vende por
reco muito rasoavel 00 estabelecimento
e Flix Pereira da Silva'.
Tintura indelevel para fingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida deGuis-
lain que ento era des:onhecida em Per-
oambuco, j hoje estimada e procurada
por seu eflicaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guisiain composta uni-
damente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, miis sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por dantex basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
ia na bem conhecida loja d'Aguia Rranca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
co de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em prova ao que flea dito, d
como exemplo to explendido sortimento
que acaba de receber, ainda raesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e oraco, obras de apurado gosto e perfei-
co, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marflm igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo,. outros ira
tando charo m adietado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnico, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de ieques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alj-ans
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de lio d'Escocia, torcai, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, muflieres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas
com podras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de an oz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de pa^a.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinctes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
FUNDICAO DOBOWMAN
llua do Brnm n. 52.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendasde canna.
Taixak ae ferro, batido; fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro<
piios para agricultura.
~XAROPE PE1T0RAL
RABO DE TAT
PLANTA DO BRASIL
E expectorante e recoomendado as
alfeccoes do peito, bronchite chronica, he-
moptise, e losse chronica.
PRBPARADOPOR
JOAQITM DE ALME1DA PINTO
PHARMACEUTIte
Pernambuco rua larga do {osario n. 10.
V
Vendem Augusto
Commercio. n. 42.
l
F. de Oliveira 4 C. i TV

Rua XovaO
Carneiro Vianda
Neste BAZAR encontra-se rm comple
sorlimento de todos os ar'1(rOS que se ven_
dem por procos comm^'^mo m. Um
completo sortimi;l(0 de maclljnas para co^.
tura ile lodQS, os .systemas, mais modernas
adoptar/JS najVmerica e approvadas na ol-
li'',.a exposiro servi(;os a electos para almo-
Co e jamar, salvas, bandejas, laboliros, bol-
sas e malas para viagem, indi'spcnsaveis para
senhoras, candieiros para sala ecimademesn,
parede e portal, mancas, tunos e globos de
vidro. machinas para fazer caf, ditas para
bater ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manteiga, camas de ferro para
casados, solteiros e enanca, berros, cad< i-
ras longas para viagem, ditas de balance,
espelhos de todos os tamanhos, molduras
paia quadros. paz, baldes americanos, gu r-
da comidas, bi inquedos para criancas, um
completo sortimento de cestinhas, oleados
para sala e nesa, tapetes para sala, qoartc,
frente de soph. janellae porta, capachos de
Sparto e coco, objectos para escripiorio e
muitos outros artigos que se encontrarn
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pen ir examinar.
CADET
CURA
CERTA eINFALLIVEL
em TRES OAS
wF^Denain?
P A R I S
MOLESTIAS do PEITO
HYPPHOSPHITOS
dO DTCHURCHILL
XAROPE de HYPOPMOSPHITO de SODA
XAROPEdeHYPOPHOSPHITOde CAL
PILULASdeHYPOPHOSPHITOdegulNINO
CHLOROSE ANEMIA
CORES PLIDAS
XAROPEdeHYPOPHOSPHITO de FERRO
PMASdeHYPOPHOSPHITOdeMANBAflESIA
TOSSE BRONCH'
OEFLUXOS ASTHMA
pismHAS pectoraes^dchbchul
Exigir pan ot xaroptt o fruto quadrao $ m
tato o preductot a auignatara 4o O" CHUH-
CMnx, e o letreiro coa a marca de fabrica da
Pbiraacia IWAm, 1J, rua CutfeOoiM.PARIS
PILULESSSSS5KCAVIN
ttoirtn, B, kMtonrt aftiillL Ptrto.
tila ptkom a*arfall** vrgctal Uo commoda I
*a am4av| reaaio nms inratlivel para fea-1
Mr ai nialliataia, as nerralfla*, as mis re-1
ItMaa, imim n a Mita a vtaeoaMWdes j
Elle t erirai aai fjaairtile, okainief ai
0 merecimeBta du iMIolu caartlai podr ms-1
Wfe aaataa talaTru: Ketubelecer oo ctmtt I
a a nada.
BUu ala faiem nm retnardo na eoaida nem I
aUat iw rawaasea. en dote fmrwum da aoita
Ftmmhni V*. mnvr t ty,
PILUIaES
DE VALLET
^Yie-r
As Pilarlas de Valle, approvadas peta
Academia imperial de medicina de Pariz,
saS empregadas cora o maior ^^mmk.
exilo para curar a chlorosis,
e forlilicar as constitiiicGos
fracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os dentes. ^^^^
Para a garanta da sua autlienticidde,
o nome do inventor vai gravado em cada
pilula como margem.
em Ro-Jneiro, DtpoacIteUe; Chesolot.
"> PtnnunLCO, JfunreraC*.
m
Bi-ozeguins d.-. bezerro, para homens a
:i.jooo.
Ditos de dito conlavao. Nantes,
tos a 8:>(j00.
Ditos de dito dito, inglezes, para ditos a
lOfl-OO
Ditos de (lid) para menino e criancas a
2-)00.
Iotinzinhos para menino* a liSOOO.
Sapatos de couro com salto para senho-
ra a I i.iOO.
Vende-se na jiraea da Indepencia n. 39,
loja de Porto A- fastos.
para d-
I^ihraK sterlluas
Vendem-se libras gtertiav no oscriptorio de
Marques, Bjiitob 4tC,no largo do Corj Santo
n. 6, P andar.
Deposito
F
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Um frasco do Pm da U*t. dissolvido
em urna garrafa d'agua, d una limonada
agradavel, que purga rpidamente e de
um modo certo, sem causar a menor
irritaco como acontece com a maior
parle dos outro6 purganle>. Os Pde> de
Rog, s3o inalteraveis por isso empre-
gam-sc fcilmente em viagem.
em Ilio-JijuBo, Dupoachi:c; Cketolot.
em I'eismiuco, Slaurir O.
ESCRAVOS FUGIEOS.
No da 10 do corri-ntemez ragio do e.
genho Conceico da freguezia da escada o
cabra Tliomaz. idade de 25 a 30 annos, al-
tura e corpo regular, barba curta, natural
de Mamanguape da provincia da Parahiba:
presume se que elle tenha do para o Re-
cife, ou villa de Mamanguape. Roga-se a
pessoa que o aprehenua de o entregar no
Recite a Domingos Alves Matlieus. na rua
do Vigario n. 21, ou no engenho C da Escada a seu scnlior o Exm. Daio de
Aracagi, que a recompensar com genero-
sidade.
Dpjsili
AVISO
005 convahscentes e s pessoas
fracas e debilitadas
O QUINIUKI LABARRAQUE approvado
pela Academia imperial de medicina de
Paria o tnico por excellencia.
Contina frgido o estrave de rime Bene-
dicto, perienrentfl ao abaixo as^ignado. com os
signad segaintes : preto fulo,-, altura regular,
falta do denles da nai le superior, pes grande,
multo ladino, e poura barba. Suppde-se estar
acontado nesta cidade. d'onde fugio rom urna nin-
laia pertencenle 1). Genoveva ('..urea de Araujo
Albuquerqne, tamben) rom os Matn sepuintes :
cabellos annellados, nariz chato, falla de denles da
parte superior, ps pequeos, tendo em o d;re:o
urna cicatriz, urna belide no eHto esquerdo e altu-
fi regular. Os senhores lauto do esrravo cmno da
escrava proteslam contra qualquer que os tenha
acoutado, pelos damnos causados, bem como ro-
gara s aojuidades policiae< ou gnaes<|aer ontras
pessoas qfll se Jignera de fazelos capiurar e
mandar levar ao escripiorio de Leal & Innao, que
recompensaro cora generosidade.
_________Luiz de Albuquerque Maranho.
Ihtf.iU
em RiihIuuiio, DuponcMlc; Cui^lvl-
em 1'en.iAaaoco, laura- t
Encanamento de agoa
e gaz. '
Canos de ferro estanhado e com porcelana, ditos
de chumbo de todas as grossuras.
Pesos pelo nov sistema
Temos dos novos pesos completas e a rotalho :
venda, rua do Queimado, Azevedo A Irnio.
i'
PIANO
I Na rua do Cresp \ n. 6 se diz quem veude um
piano em perfeil" estado, dos melhores fabricantes,
e por preco mnito razoavel : quem precisar, apro-
velte a pechincha, que poacas vezes se encontra
um objecto tao bom e tao barato.
Do engenho Jacobina, Grapucaia o Cali, na
noite de 6 para 7 do crreme, fugiram os eseravos
segrales : Salvador, crioote, cor preta, 6ixo,
grosso, idade de 44 annos mais on menos, barba
' pintada, rosto redondo e irabalha de carapina
ste escravo foi comprado ao Sr. Francisco Jos
de Arcnjo, morador na cidade do Rccife.- Manoel,
preto, alto, barbado, bom corpo, nemas finas, etm
a falla um ponco descansada, representa ter 20
annos mais ou menos. Levou calca de a'godo
americano, camisa de madapolo ja velha e cha-
o de couro : este escravo foi comprado ao Sr.
unas Mariano de S, morador em Moxot. para
onde desconfia-se ter seguido. R ga-se s autori-
dades policiaes e aos capitaes do campo a appre-
hensao dos referidos escravos, e entrega-los ao
seu seohor Antonio Carneiro Lins e Mello, no en-
genho cima referido.
No-dia 7 do corrente fugio da casa do abaf-
xo assignado sua escrava de nome Mara Anto-
nia, naeo Angola, idade 35 annos poneo mais on
menos, com os signaes segulntes : altura regalar,
magra, olhos grandes, urna cicatriz no neito com
principio de frialdade, levando as nrwlhaa urnas
bollas verdes, saia e ensaco de chita rxo, chales
de la azul com barra de van roga-?e
as autoridades policiaes e a quem mais competir
de a pegarem e levarem a rua larga de Rosario
n. .
Firmino Ferrelra Leal.


tm
8
Diario de Pernambuco Quinta feira 10 de Junho de 1869.
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS
SESSO EM 25 DE MAIO
PFCSIDENCIA DO sr. v. de camaragibe.
rContinuai-a.)
Entra em 1* discuso.o projecto dis-
pODdo que a destruico ou'damnificaco de
cousa alheia, de qualquer valor, ser puni-
da cora a pena de priso par 30 a 60 (lias
e multa de 20 a 50 7o do valor destruido
or damnificado.
O SR. BARROS COBRA :Sr. presidente,
<* projecto era discusso contm evidente-
mente materia imporlantissima, e tendo a
corrigir ura defeito sensivel de nossa legis-
lo criminal; eu. porm, e/itendo que-elle
>\to deve ser adoptado, porque o*nsidero
completo c defectivo para o fim que se
prope.
O systema de legislar em retalho, que
;>ifelizlente, nos ltimos tempos, ia ga-
ili;indo v>ga entre nos...
O Sr. Bknjamim : -E muitas vezes para
attender a interesses pessoaes.
O Sr. Barro* Corra:-...tem, a meu
ver, inconvenientes graves e e summamente
prejudical.
Como este systema, por um lado dei-
xa-sc de satisfazer completamente sne-
cessidades e reclamos do paiz e de solver
(odas as diificutades ou corrigir todos os
defeitos reconliecidosna legislaco, poroutro
todo sacrilica-se a unidade e harmona de
pensamento. lia convenentos e necessarirs
entre os diversos preceitos legaes relativos
a urna ordem especial de relacoes jurdicas,
tesentindo-se as leis decretadas ai mesmo
tempo e sobre o mesmo assurapto, da diffe-
xenca das op nies ou ideas daquelles que
as'conceberan e iniciarara.
Ocofligo criminal, sam envida a mais per-
feita de nossas leis, como testemunha u
fado de achar-so anda hoje de conformi-
dade com os progressos da sciencia quanto
aos seus principios geraes, tem emisses,
lacunas e disposices que nao encontrado
em sua applicar) mais de urna dificuldade;
acunas omisss, dilficuldades de appli-
caco, que Se realisam j quanto a classi-
tcco e qualilicaco dos delictos, j quanto
a penalida e aos seus diversos degros..
O relalorio do Sr. ministro da justica
chama a atcenco do corpo legislativo para
.lguns d"esses defeitos e insta por urna
revisad, posto que ligeira, do nosso c-
digo.
Em relaco aos delictos contra a honra,
ie deliuicSo e penaldade, o cdigo crimi-
ital em geral defeituosssimo ; alm disso
nao contm disposices sobre os casos de
damnos resultantes de incendio, deixando
assim de prever um crime, o do incendia-
rio, que por sua gravidade deve oceupar
na le um artigo especial e distinelo; tam-
bera nao classifica, nem como crime espe-
cial, era comocircumstancia aggravante, a
mutilaco que fr empregada como meo
ou que seguir-se ao homicidio, revelando
no agente miior perversidade.
Algumas oulras disposices sao ou defei-
tuosas ou omisssas, e carecem de ser re-
vistas ecorrigidas oportunamente. Entre
ellas figura sem duvida a da 21 parte do
art. 266, de que trata o projecto. Esta 2a
parte, tornando qualificativas no crime de
damno a? cirenmstancias aggravantes em
geral, sem especialisar quaes ellas (como
(izera o art. 192 era relaco ao crime de
morte), tem trazido difficuldades graves
a pnitica, pois que se duvida com funda-
mento qual possa ser o grao de pena appli-
<;avel nesia especie, visto como as circuras-
uncias aggravantes influe para a aggrava-
r.o do deheto, segundo a doutrina geral do
cdigo, exarada no art 15. Ha, eu o sei,
quem sustente nao haver tal diinculdade, em
vista do art. 33 w fine, mas a simples du-
vida neste caso um mal, porque traz
comsgo a incerteza das decisoes judicia-
rias em materia grave, e que alecta a li-
berdade dos cidados.
Mas, Sr. presidente, se o projecto em
discusso pode corrigir este deleito, nota-
do no cdigo criminal em rearo ao art.
20b' 2a parte, deixa no mesmo estado todas
as outras om'sses, todos os outros defei-
ios que elle contm, c por isso mesmo nao
completo, nao satisfaz necessidade que
tornos de rever esses outros pontos do c-
digo.
Entendo, como diz o nobre ministro da
justica em seu relatorio, que nao se deve
adiar esta revino que a experiencia e o des
envolvimento da sciencia criminal tornam
precisa e indispensavel; porquanto, se os
defeitos da lei sao sempre prejudiciaes s
ielaces sociaes, se a incerteza das dispo-
sices que regem estas relacoes sempre
de consequencias graves, na legislado
crin.inal estes inconvenientes sobem de
ponto.
A cmara, compenetrada do seu dever,
rica de llustracao e contando em seu seio
tantas notabilidades do foro e da magistra-
tura, nao deixar de pro ver opportunamen-
e sobre esta necessidade palpitante por
iodos sentida; por isso parece-me escusado
?otar o projecto em discusso, e julgo mais
acertado que facamos urna reforma que
comprehenda todos os pontos do cdigo que
neeessitarem della.
Assim, Sr. presidente, a lei da reforma
nao s ter mais nexo, harmona e unida-
de de pensamento, como tambem ser mais
completa e mais digna do nosso cdigo cri-
minal, urna das leis de que podemos com
toda a razo nos < rgulliar (apoiados).
Por estas razoes, entendendo que o pro-
jecto n. 123 do anno passado deve*eerre-
jeitado, voto contra elle.
O SR. CORREA observa que as razes
produzidas pelo nobre deputado pelo 5ds-
tricto da provincia de Minas-Geraes o levam
a conclusad diversa da que elle tirou.
O cdigo criminal, na parte relativa ao
crime de damno, carece de ser retocado,
segando reconhece o nobre deputado ;
esse o principio em que assenta o projecto,
o. pois, sua utilidade, que o que se ave-
rigua na i* diseuseo, parece fra de du-
vida.
Acredita, por isso, que o projecto nao
deve ser rejeilado, mas sujeito ao estado
da commisso de justic*criminal.
A necessidade, apontada pelo nobre de-
putado, de outras alt^raees no cdigo cri-
minal, em vez do contrariar, justifica o re-
querimento que vai sujettar approvaclo
oceupar do assurapto do projecto, ter en-
sejo favoravel para examra*r as questes
semelhantes. e apresentar cmara um tra-
balho completo.
Vem a mesa, lid*/ apoiado e entra
a discusso o segumt requerimento:
Requciro que o prejecto v a commis-
so de justica criminal, sem prejuizo da Ia
discusso. M. F. Coma. *
O SR. BARROS COBRA:Nao me oppo-
nho, Sr. presidente, ao requerimento do no-
bre deputado pela provincia do Paran para
que o projecto v commisso de justica
criminal.
Lisongeando-me sobremanera ver susten-
tadas pelo nobre deputado as razes com
que fundamentei as consideraces que flz
sobre a utilidade da materia do projecto,
devo declarar casa que nao re meri que
fosse elle remetlido commisso de justica
criminal para dar o seu parecer sobre a ma-
teria, porquanto, como declarei, me parece
inconveniente que estejamos a legislar, por
rjftrtes acerca de um assumpto em que se
tem encontrado mais de urna lacuna, mais
de urna omissio, ma'.s de um debito.
Nes:e caso, conhecendo eu que qualqner
dos nobres deputadosj da mesma forma que
a commisso de justica criminal, podiam
ter a iniciativa de offerecer consideraco
da cmara um projecto relativo ao assump-
to, julguei que ganhariaraos tempo, longe
de o perdermos, rejeitando desde j este
projecto. Ms, digo, nao me opponho a
que elle v commisso de justica crimi-
nal, nao vejo nsto inconveniente ou prejui-
zo algum; ao contrario, as luzes da nobre
commisso afianclo que, provocado por este
meio o sea juizo, ella iniciar um projecto
sobre a materia to completo como eu de-
sejo e como parece ser necessario.
Portanto. sob este ponto de vista, longe
de contrariar o requerimento do nobre de-
putado pelo Paran, declaro que sem o me-
nor constrangimento presto-Ibes a minha
fraca adheso e voto por elle.
Nnguem pedindo a palavra, e pondo-se
a votos o requerimento approvado, bem
como o projecto em l .* discusso, sendo re-
mettido commisad de justica criminal.
Entra em 1 .a discnsso o projecto fa-
zendo extensivas as disposices do art. 2.*
da lei n. 1,090 do 1. desetembro de 1869
aos crimes de furto de gneros de produc-
Co das fazendas e estabelecimentos agr-
colas.
O SR. GOMES DE CASTRO :Sr. presi-
dente, o projecto n. 82 que se acha em dis-
cusso dispe o seguinte no 1. e 2. ar-
tigos. (L).
Como a cmara v, a materia grave.
Estende-se a dsposico do rt, 1." da lei
n. 1,090 do 1. de setembro de 1860 ao
furto de gneros de produeco das fazen-
das e estabelecimentos agrcolas, c manda-
se punir como autores os que comprarem
taes gneros de escravos, sem consentimen-
to de seus senhores. Nao sei se ser con-
veniente fazer ntervir o ministerio publico
nos pequeos crimes de que trata o pro-
jecto. A lei de 1860, que sequer ampliar
a taes crimes, teve por lim acabar com o
furto de gado que se commettia em larga
escala, e que por va de regra ficava im-
pune, porque o criador nao promova a
aecusaco, ou porque era indemnisado, ou
porque desejava evitar despezas, que po-
diam ser em pura perda. Nao sei, porm
se os crimes de que trata o projecto sao
commetudos em to larga escala, e influera
por tal modo na produeco agrcola, que
seja necessarw a medida proposta.
Como quer que seja, o art. 2. nao pode
ser acceito sem reflexo. Punindo como
autores os que comprarem de escravos os
gneros de produeco das fazendas e esta-
belecimentos agrcolas, aparta-se da theoria
do cdigo, e me parece injusto. Como V.
Exc. sabe, a lei penal considera cmplices
os que comprarem objectos furtados, sa-
bendo que o sao ou tendo razo de o sa-
ber. Em vez de fazer destes fados um de-
udo sui generis, o cdigo preferio crear
urna complicidade expost fado, complci-
dade que nao natural nem acceita pela
sciencia. O projecto vai alm do cdigo :
declara autores os que comprarem de es-
cravos ojelos do produeco das fazendas
e estabelecittentos agrcolas. E' urna auto-
ra ficticia que d-se quando o dilicto est
consummado.
Nao podendo acceitar o projecto tal como
se acha, julgo conveniente que seja elle
remetlido commisso de justica criminal.
Dispondo de inormaces que nos fallecem,
podo a commisso propr urna medida mais
completa e satisfactoria, urna vez reconheci-
da a sua necessidade. Vou, portanto.pro-
pr o adiamento da.discusso at que in-
terponha seu parecer a commwso de jus-
tica criminal. Upoiados,)
Vem mesa, ldo, apoiado e approva-
do sem debate, e seguinte requerimento:
Requeiro que o projecto v commis-
so dejuatica criminal.Gomes de Castro.
Tendo-se esgntado a ordem do dia, o Sr.
presidente d a do dia seguinte, e levanta a
sesso s tres horas da tarde.
SESSO EM 20 DE MAIO
PRESIDENCIA DO SR. VC0NDE DE
CAMARAGIBE.
Ao 1/2 dia, feita a chamada, verifica-se
haver numero sufficiente, abre-se a sesso.
L-se, e approva-se a acta da antece-
dente
O Sr. Secretario d conta do seguinte.
EXPEDIENTE
Um inicio do ministerio do imperio, en-
viando a copia da consulta da seceo dos
negocios do imperio do conselho de estado
de 9 de Janeiro ultimo, acerca do acto pelo
qual o presidente da provincia do Espirito-
Sant negou saneco ao projecto da respec-
tiva assembla legislativa, que extingue a
forca policial da mesma provincia.A'com-
misso de assemblas provinciaes.
Outro do mesmo ministerio, enviando o
officio da presidencia da provincia do. Rte
de Janeiro, com o qual transmitte a au*
thentica da eleico primaria da freguezia da
Sacra Familia do Rio de S. Joo. A' 2*
commisso de poderes.
Outro do mesmo ministerio, transmitrado
as copias dos decretos pelos quaes S. M.
o Imperador h|ve por bem conceden va-
rias penses.A' commisso de pensos e
ordenados.
Outro do ministerio da agricultura? com-
mercio e obras publicas, transmittindo o
requerimento em que o bacharel BentoJos
da.Costa Jnior pede assembla geral
isenco dos direitos d importcao para
todo o material da empreza de construeco
de urna liana, de carris de ferro desde a
cidade do Recife at a povoacao d "Santo
tmaro de Jaboatao, para o carvio depedra
que consumir no custeio da mesma Iralfa,
assim como dispensa do servico activo da
guarda nacional e isenco do racrutamento
para os trabajadores, operarios e- mais
empregadoi da empreza.A' commissS d'
fazenda.
Outro do Sr. ministro da maruha pedin-
do dia e hora afim de apresentar urna pro-
posta para abertura de um crdito extraor-
dinario para as despezas da repartico a
sea cargo. Marca-se o dia 28 ao meio-da.
Outro do Sr. ministro da guerra co-
munieando nao poder comparecer boje a
esta cmara por ter de assistir no senado
discusso da lei de fixaco de forras.In^
teirada.
Um requerimpnto de Joaqniu
da Costa Guimares, pedindo para
triculaele no 1* anno da faculdadcde
to de S. Paulo, depois de prestari^Vnan
de geometra que lhe falta.A rommsslo
de instrueco publica.
Outro de Arthur Henrique de Figueiredo
e Mello, pedindo ser matriculado no Io
anno da faculdade do Recife, dovendo sn
tes do acto mostrar-se habilitado no prepa-
ratorio que lhe falta.A' mesma commia-
so.
Outro de Trajano Joaquim dos Reis, pe-
dindo ser matricula 'o no Io anno da facul-
dade de medicina da Babia, fazendo antes
os exames de arithmetica, algebra e geo-
metra.A' mesma commisso.
Outro de Alfredo Jos Ramos, pedindo
para ser matriculado no 1 anno lectivo da
laculdade de medicina da corte, no corrente
anno, nao podendo, porm, fazer acto an-
tes de mostrarse habilladt em historia.
A' mesma commisso.
Outro de Joo Pires Farinha Filho, pe-
dindo para ser admiltido a exame do i" e
2' anno do curso medico da faculdade
desta corte, depois de mostrar-se hbil ta-
ma commisso.
Outro de Paulo Jos de Qireiroz, pedin-
do para se matricular em marro vindouro
no 2o arnio me lico na faculdade da Babia,
depois de prestar o exame de philosophia
-; anatoma.A' mesma commisso,
Outro de Joaquim d'Almeida Pinto, pe-
dindo um auxilio para a impresso de urna
obra que tem por titulo Diccionario de Bo-
tnica Brasileira.A" commisso de fa-
zenda.
Outro do padre Jacintho Candido de
Mendonca, vigaro da freguezia de Nossa'
Senhora do Pilar, pedindo dous annos de
licenc/a para tratar de sua saude.A' com-
misso de pensoes e ordenados.
Lm-se, e vo a imprimir para serem
submettidos votaco cinco das depois,
na forma do regiment, dous pareceres ae
commisso sobre a* eleices dos 2., 3." e
i. districto do Ro de Janeiro, e do 7o de
Minas Geraes, os quaes conctucm assim :
Portanto, de parecer:
1. Que sejam approvadas as eleic'es
primrrias das parochias de Sacra Familia
do Rio de S. Joo (Macah); de S. Fran-
se antes dsso nao se votar a lei relativa
ao ejercicio futuro.
E' sempre urna materia muito importante
para o parlamento a discusso do orcam -uto.
Para este fto e para decretar-se a pesada
contribnico de sangue foi que principal-
mente se institoiram casas semelhantes a
esta; e por isto eu tomo a palavra nesta
eccasio para offerecer algumas considora-
coes tendeutes mesmo a auxiliar o governo
no ttt nobre e louvavel proprosito de dotar
esde j o paiz cora os raeios regulares de
r administrado constitucjgnalmente.
Debaixo"de>te ponto de vista, Sr. presi-
dente eu vou considerar o projecto apre-
sentado, notando nelle algumas lacunas,
algumas pequeas faltas.
Remediadas ellas ou feitos alguns reto-
ques, o projecto que se acha sujeito ao
debate, poder trazer um grande melho-
rmcnto em certos, ramos do servieo pu-
blico, e habilitar o gabinete a proseguir
regularmente na govemaco do Estado.
E mesmo eu entendo que devemos tomar
parte em semelhantes discusses importante
nao s como auxilio ao governo patritico
que hoje dirige os destinos do Brazil, como
mesmo para qne o paiz em geral se con-
'vnca de que nos tomamos muito a peto o
conbeciraento minucioso e- o estudo de
todas as grandes questes que hoje se
agilam; e nenhuma, Sr. presidente, mais
grave do que a questo financeira (apoiados),
porque quera tancar a vista para o-relatorio
do muito digno ministro da fazenda ha de
ver que as nossas linarcas, em virtude
do que se passou uestes ltimos annos,
do no preparatorio que lhe falto.V mes- aedlteceu o mesmo, que aconteceu em um
______________ *r l________^-^'?__ _l______ ._-. ...^ un su li
lugar pacilicoe florescente, em que se d
de repente urna grande batalha (apoiados):
ludo sd d strocos, tudo qe antes era vida
actualmente desolaeo e morte. (Muito
bem.)
Nos vemos que- de 18G2 para c urna
grande divida de 275.000:090,5 est pe-
nsando sobre o thesouro do Brazil; vemos
que ha um desequilibrio entre os orca-
mentos, e conseguintemente os dficits sao
inmensos. O exercicio que vai encerrar-se
no fim do mez que vem somente o far
com o dficit de cerca de 93,OO0:O0O#; e
ppr consegrante compete aos Srs. repre-
sentantes da naco prover de remedio a
semelhante mal.
A competencia com. que estamos tratando
desta mat ria, competencia que nos foi
dada pela constituico do imperio, porm,
competencia muito especia', quenos foi con-
ferida pela grande manifestaco das urnas
de setembro prximo passado, em que o
paiz ergueu se como um s hornera para
profligar e condemnar a m administraco
que existia anteriormente, essa competencia
deve levar a cada um de nos a ser muito
cisco de Paula, Santa Mara Magdalena, e escrupuloso, muito meditado em tudo
S. Sebaslio do Alto (Cantagallo); de San- quanto diz respeito aos negocios do Esta-
to Antonio de S (collegio deste nome); do. (Apoiados.)
de Nossa Senhora da Pi dade de Iguass, Nao Sr. presidente, porque os nossos
San'o Antonio de Palmeiras, e Nossa Se-
adversarios querem por forca que levant
nhora da Conceiro de Marapc (Iguass). mos questes esteris, que tenhamos todos
2 Que fique adiado ojulgamento das | os dias discusses impertinentes, que nos
outras, at que venham as actas r specti-i devemos oceupar frequenlemente a tribuna,
vas, por cuja remessa se deve insistir. j nao ; devemos deixar de parte cssas aecu-
Sala da commisso, em 20 de maio de saces, que nao tm razo de ser seno no
1809.,1. M. Perdigao Malheiro.Casa-
do.Fonies.Portelia.C. de Baependy.
Fausto de Aijuiar.
A 3a commisso de poderes, a quem
foi presente o requerimento do Sri Dr. Joa-
quim Pedro de Mdlo, instruido com urna
carta do Sr. Dr. Domingos de Andrade Fi-
guera, na qual declara este que o mesmo
Sr. Dr. Mello, nomcado d legado de-polica
do termo de Paracat tm 10 de agesto de
1808, entrou no exercicio leste cargo em
15 de marco do corrente anno, ent nde
que esse docura nto, embora digno de f,
nao satisfaz a exigencia que fez esta cma-
ra por deliberaco de 13 do corrente, de
conformidade com o parecer da commisso
sobre a eleico do T districto de Minas.
A commisso pensa deste modo, por-
que o Sr. Dr. Fgueira em sua carta nao
se refere a communicaco alguma oflicial
que lhe tivesse sido feita, e apenas diz que
o Sr. Joaquim Pedro de Mello nao entrou
em exercicio-antes do dia 15 de marco.
Assim, a cQmmisso de parecer qu i
se aguarde a informaco pedida a este res-
peito ao governo, para que se resolva so-
bre a eleico do sqpplcan e.
Sala das comraisses, 25 de maio de
1809.Souza Reis. Barros Brrelo.
Rtdrigo da SilvaSiqueira Mendes.
Benjamn, com voto em separado.
L-se julga-se objecto de deliberaco e
vai a imprimir para entrar na ordem dos
trabalhos, o projecto seguinte :
A assembla geral resolve :
Art. 1." Fica o governo autorisado
para mandar que seja admittido a exame
das materias do t anno da faculdade de
direito do Recife o estudante Antonio de
Souza Bandeira, urna vez que prove como
ouvinte a frequenciaexigida pelos estatutos
da faculdade e satisfaca a importancia da
matricula.
Art. 2 Revogam-se as disposices em
contrario.S. R.
Sala das conferencias da commisso de
instrueco publica, 20 de maio de 1869.
DuarUde Azevedo.Assis Rocha.Bahia.
Lm-se, e voa imprimir para entrar na
ordem dos trabalhos, as redaeces sobre
naturalisaces, isenco de direitos de im-
portcao s compaobias hydraulica Porto-
Alegrense, e de illuminaclo a gaz as pro-
vincias.do Maranboe Cear.
-Procede-se- votaco das redaceoess que
foram a imprimir na sesso-de 25 do cor-
rente, sobre o auxilio concedido ao monte.-
pio geral de economa dos servidores dt>
Estado e sobre a concessad de varias peo-
nes, sao todas approvadas.
ORDEM DO DIA.
Proceder- eleico da coramissQtie-
pecial da tres membros que tem de" dar
parecer sobre a proposta do governo ecerca
da guarda nacional: e em 9i cedmasrer
colhidai sabara eleitos os Srs. Assis fiecha*
com 89 v#tos* Pinto Moreira e- JStcintho
de MewoAea, com*8:
-Anmmcrando-se a chegad doSrV minls--
tro da lazenda, o 45r." presidente declara
que passa-se segunda parh *i ordwn-^
dia.
vigente de 1868 a 18CS, si aan*
praso^no tiver sido promataaK o-
1869!la-4WOr
OSK. JUNQUEroA (SiknmthS*
presitote, vamos-nos occapiu; couuk.
ecto toresentado pelas ajmnustflW1
tas d finada e Ia de-orcaaw
gand*.por seisnrewst! orpiml
despeito de que esto elles possuidos; de-
vemos estar fortes na conscieneia de nosso
direito, e reconhecermos que, representando
o voto popular mais do que aquelles que
em outras pocas se fizeram eleger (apoia-
dos), sendo at presidentes das provincias
que administravam; sem importw-nos com
a opinio d'esses individuos que hoje ia
querem arvorar em paladinos das liberdades
publicas, em respeito porm a nos mesmos,
ao paiz, ao paiz real, devemos ter o maior
cuidado, a maior meditaco em materias
semelhantes aquella que hoje oceupa a at-
tenco desta augusta cmara.
Mas, Sr. presidente, se eu vejo que as
financas do paiz esto em to deploravel
estado; se agora, que nos incumbe mais
particularmente o conhecimento d'estas ma-
terias, reconhecemos o abysmo quasi in-
sondavel em que precipitaram o paiz, abys-
mo tal que nos agora, ao entrarmos neste
recinto, poderiamos, parodiando o dito de
um hom -m celebre, perguntar: O quo fi-
zestes deste paiz, que deixmos to pros-
pero, to rico e to feliz, e que encontramos
neste estado de complicaco e pobreza ? se
isto assim, muito ardua e espnbosa
nossa misso
As financas quasi perdidas, o crdito aba-
lado E porque nao o irei ? A licenca
e o abuso plantados de modo que boje a
tarefa do representante do paiz torna-se to
difficil (apoiados) que preciso onda, e
ao mesmo tempo tirar do paiz recursos pa
ra fazer face s necesidades publicas; e
esses recursos nao se podero obter seno
custa talvez de nossa popularidade, por-
que a materia deimpostos inelindrosissi-
ma, e nao ha remedio seno augmenta-los,
crear novos tributos para que o equilibrio
se faca no orcamento.
Se, pois, nos estavamos no nosso direito
fazendo semelhante apostrophe, devemos,
porm, premunir-nos, em relaco ao futu-
ro, contra qualquer aecusaco, contra qual-
quer censura |que nessa poca os nossos
actuaes adversarios nos possam de alguma
maneira irrogar.
Por isso, Sr. presidente, tendo nos de
prorogar o orcamento vigente por mais seis
mezes, porquanto impossive.l que o or-
camento ordinario esteja votado at o fim
do mez vindouro, devemos faze-lo, porm,
com o protesto de que s a lei da necessi-
dade nos impeli a isto.
O orcamento de 18081809 nao pode
servir completamente para as actuaes ne-
cessidades publicas : lia um desequilibrio
entre a receita e a despeza real. A receita
d'este exercicio, segundo os clculos do
tttesouro, attingir a 73,359:1195; a des-
peza foi votada em 08,230:2216 ; mas eu
vejo que a despeza verdadeira chegou
grande cifra de 152,553:316)J, e a receita
e o producto das operaces de crdito que
foram realisadas somente chegaram a.....
138,739:2580000!
De forma que ha verdaderamente o d-
ficit de 13,814:196*. apezar das operaces
d crdito a que ha pouco me refer.
0 Ilustre estadista que est frente da
repartirlo da fazenda, tomando conta das
redeas-do governo, conheceu a difliculdade
EiUra em 1 ilim nwlm ipwijullHprr da posico em que estava; vio-.se de repen-
rogando durante seis mezes o orgaffleato te: sem os meios de satisfazer os corapro-
issos urgentes dolhesouro, principalmente
m urna occasio em qae estavamos empe-
bbads emuma guerra externa e longinqua.
Nssa difficil situaco foi obrigado a pro-
digar o decreto autorisanda aemisso de
i,000000l de papel-moeda.
Mat, sem qnerer discutir agora esta ma'
ria, eu s direi de passagem, para conhe-
cimento do paiz, nao da cmara, porque a
cmara sabe o que se passou, que o Sr. mi-
nistro da fazenda expedindo semelhante
decreto, ao envez dos seus antagonistas,
ajinas lancou mo de 8,750:0004, nao ten-
do esgotado semelhante concesso; quando
no rgimen contrario nos vemos que at
se fea emissSo dapla, tomando-se, segun-
do se affirma, milhares de contos caixa
de amortisaco cora o fim de sobstituirem-
se algumas series de notas, e adiando-se
essa substituto, permanecenlo na circula-
Co maior copia de papel-moeda do que
aquella que estava autorisada. (Apoiados).
Portanto, o nobre visconde, ministro da
fazenda, vio-ae obrigado a lancar mo de
8,700:000^ para fazer face a compromissos
urgentes e de honra quando tomou conta
da administraco ; eraittio-se 20,588:047$
de apolices; teve lugar o empresthno de
30,000:000* de bonds emittidos ao juro de
6 0/0 e 90 0/0, que prodozio a somma de
27,000:000,$; recebea-se da Repblica Ar-
gentina, pelo resgate do emprestimo que
lie fizemos em 1865, 2,000:000;?, alm de
outras pequeas parcellas que auxiliaran os
recursos do thesoaro.
Mas a despeza, Sr. presidente, foi muito
grande; a guerra do Paraguay exige gran-
des sacrificios. O nobre ministro da guer-
ra teve de abrir em 31 de outubro do anno
passado ura credHo de 22,725:858*; em
23 de marco ultimo um outro credRo de
21,947:076$ ; o digno ministro da marraba
abri dous crditos, sendo um de..------
6,016:000$, e outro de 6,341:000$; per-
fazendo esses crditos a somma de......
r)6,999:934->000.
O nobre ministro da fazenda principal-
mente pela differenca de cambio, porque
V. Exc. sabe, Sr. presidente, que o eam-
bio tem tido urna depresso consideravel,
vio-se tambem obrigado a abrir um crdito
de 15,860:000$.
Portanto, estes e outros crditos mais
pequeos, .supplementares e extraordinarios,
elevaram a despeza a 152,000:000$ ; mas
esses recursos creados por meio de crdi-
tos produziram cerca de 73,000:000$, de
forma que ha a differenca para o thesouro
da quanlia de 13,814:058$ qae estara re-
duzida a menos se o nobre ministro da fa-
zenda nao tivesse prudente e sabiamente
entendido que devia resgatar urna parte dos
bilhetes do thesouro que estavam em cireu-
laco, e nao tivesse pago em Londres o
remanecente do empres.imo de 1839, no
valor de 2,470:222$, o que era necessario
para o crdito e bom nome do Brasil na-
quella praca.
Mas, senhores, por isto que acabo de
esbocar se v que o quadro das nossas i
naneas triste e quasi desanimador. Se eu
nao confiasse tanto as forcas productivas
do paiz e na gerencia das habis mos que
hoje tem a seu cargo a direceo dos nego-
cios do thesouro, por minha parte teria
um raoviraento de quasi desanimo ; porm
tenho grande confianca n'um paiz novo como
este, nestas forcas cheias de vida para a
produeco, e por consegrante espero que,
liavcndo urna administraco zelosa, pru-
dente e escrupulosa, ainda poder-se-ha
salvar este paiz. (Apoiados.)
Porm para isto necessario augmentar
os impostos : o orcamento, cuja proroga-
Co se pede, traz um augmento, mas est^
deficiente. Por isso eu dizia que s a
lei da necessidade nos poderia levar a votar
semelhante prorogaco, porque essa legis-
laco vem a ser urna legislaco manca. O
augmento de 6,701:000$ que o thesouro
calcula que podem produzir os jmpostos
creados pela le de 20 de setembro de
1807 nao pode de maneira nenhuma fazer
face ao dficit immenso que existe.
Por isso que o nobre ministro da fa-
zenda prope algumas medidas uteis que
fazem parte do seu relatorio, e que a Ilus-
tre Ia commisso do orcamento reduzio a
projecto, e qu desenvolveu no seu lumi-
noso parecer.
Mas, Sr. presidente, se por um lado
esse augmento de impostos, que a lei de
1807 creou, impostos que j esto em vi-
gor, traz sem duvida a caresta para certos
gneros de consumo, por outro lado a c-
mara nao deve trepidar muito nao s na
prorogaco deste orcamento, como mesmo
em augmentar, com o devido criterio, ou
tros impostos indirectos, sendo elles da
ordem daquelles que nao vo estagnar a
produeco na sua fonte.
Nos paites, como este, novos, que esto
vidos por haver a seu seio urna grande co-
pia de immigraeo, a legislaco no sentido
para o qual nos a encarnramos nao das
peiores : nao s se anima grandemente a
industria nacional quando se afasia do mer-
cado os productos similares, vindos do es-
trangeiro, como mesmo sendo insuperavel
a dificuldade de faze-los valer no nosso
mercado, onde a vantagem para os nos-
sos productos, o resultado infallivel que
a emigraco de bracos induslraes e uteis
tem de procurar nossas plagas.
Nao isso urna theoria va; porque ahi
esto para confirma-la os Estados-Unidos,
que devem ser a nossa norma nesta ques-
to. Em 1828 os Estados-Unidos da Ame-
rica adoptaram urna tarifa mais protectora ;
o resultado foi que a immigraeo subi logo
grande cifra annual de 70.000 immigran-
tes. Em 1834, porm, vigorando ideas de
livre permutaco, veio a ter urna grande
dimnuico essa corrente de bracos europeos
para o trabalho ; era 1842 novamente adop-
lou-se o systema protector, e o resultado
foi que em 1847 a cifra da immigraeo su-
bi a 230,000 entradas, e em 1854 a
400,000. Em 1857 voltaram s ideas de
livre escaimbo ; inmediatamente o numero
dos immigrantes desceu 112,000.
Foi um' momento de vertiginosa populari-
dade para essas ideas, que chegaram a in-
vadir os poderes pblicos.
Em 1861 aquelles Estados, q^be na legis-
laco, com-em tudo, nao procedem theori-
caraente, porm somente em vista de re-
sultados praticos, voltaram ao antigo sys-
tema : e entio 300,000 e mais immigrantes
europeus-Cbeios- de vida forcas' e activi-
dade tm procurado annualmente aquello j
grande pan.
Por isso digo eu: nao nos deve maito
entorpecer e desanimar a idea do^fe^-pro-
rogando este orcamento, o augomto de
impostos sobre certos objectos de consumo
possa trawruma grande caresta no Impe-
rio ; nem mesmo aquelles outros impostos
a que se soccorreu a actual administraco
para collcar. a despeza publica ao nivel da
receita.
Seo actual Sr. ministro da fazenda, se
o adual ministerio quizease armar a popu-
laridade va a epbemera, a que muitos
individuos proouram attiogir, nada ma f-
cil do qao votarmos os orcamentos seo
augmento do impostos communs oo ordi-
narios, que at agora vigoraran), e lancar-
e mo depois desses recursos extraordi-
narios, que pareeem nio pesar sobre adua-
lidade, mas que consomem vida e forca
dasgeraces futoras. (Apoiados.) Se as-
sim astuciosamente pratieasse (o que nao
erajle esperar de suas luzes e patriotismo),
entao o ministerio faria um cortejo a esta
popularidade va, mas nunca zearia o en-
grandecimento da sua patria.' j^poiados.)
Por isso nossos adversarios nSo procura-
vam essa classe de imposto, porque coo-
tavam cora estes recursos : pouco se im-
portavam do dia de amanba ; segoiam a
mxima condemnavel necessario apro-
vetar o dia de hoje, o de amanha o fu-
turo; mas estadista que mereca rigorosa-
mente semelhante nome nao pode de ne-
nhuma maneira proceder da mesma forma.
E mister, portanto, elevarmos a receita
ao nivel da despeza; equilibrar o orca-
mento. Este o grande fim que esta c-
mara deve procurar attingir, sem ofeDder
as torcas productivas do paiz, e nem vexar
demasiadamente a populaco com peque-
nos impostos directos.
Sei que presentemente nao podemos com-
pletamente obter aquelle proposito, porque
estamos a bracos com urna guerra que im-
porta urna despeza extraordinaria; mas,
tanto quanto fr possivel, o orcamento cha-
mado ordinario, nos o devemos tornar
equilibrado.
Eu vejo, Sr. presidente, que esta resolu-
co implcitamente approva 20,395:032$ para as despezas da guerra.
A este respeito tenho de fazer algumas ob-
servaces.
Em primeiro lugar, rendendo bomenagem
aos conlmcraenlos e trabalhos das illustres
commisses, observarei que era de mister
igualmente introduzir nest artigo as. quan-
tias necessarias para as despezas com o
ministerio da marraba.
O Sr. Pereira da Silva : Quando fr
apresentado o pedido de crdito pelo Sr.
ministro da marraba ser incluido nesse
projecto.
O Sr. Junquera : E quando appare-
cesse o crdito nao s se devia emendar,
como agora mesmo poderia nos calcular a
despeza do semestre pela despeza do exer-
cicio em rae estamos relativamente re-
partico da marraha.
O Sr. Pereir* da Silva d um aparte.
O Sr. Ju.NouEihA : Aceito o aparte do
Ilustre relator das commisses ; mas este
aparte mesmo vem demonstrar que tenho
toda a razo as observaces que estou fa-
zendo. A proposta como est nao me pa-
rece completa.
E, Sr. prosidenle, a maneira porque
est redigido o artigo em relaco aos vinte
e tantos mil contos pedidos para aconti-
nuacoda guerra do Paraguay explcitamen-
te importa nao s a decretaco dos meios
pelos quaes o governo tem de haver o di-
nhero preciso, como tambem implcita-
mente a approvaco de semelhantes cr-
ditos.
Portanto, estando comprehendida a sua
approvaco, nosso dever verificar mais ou
menos a applicaco du urna tal quantia, e
votarmos com plena conscieneia de. que o
paiz faz esse immenso sacrificio, entenden-
do que o faz em bem_ da sua honra, da sua
gloria militar mesmo e da sua futura sega-
ranea.
Sr. presidente, eu voto com a maior cou-
fianca o crdito pedido de 20,395:632*
para a continuaco da guerra at obter-se a
ultima victoria, sob o coramando de um
principe Ilustre e denodado, porque reco-
nheco que no estado actual da questo nao
possivel recuar. (Apoiados.) necessa-
rio que o Brasil saia daquellas regies to
airosamente como entrou na contenda.
(Muito bera.) E por isso julgo que a quan-
tia pedida talvez at nao seja aquella que
realmente tenha de ser despendida, porque
se corapararmos a cifra gasta com a guerra
no exercicio actual veremos que ha urna
glande differenca.
Eu disse ha pouco que o ministerio da
guerra tinha despondido por nvio de cr-
ditos extraordinarios 44,072:934$ ; o que
dividido em dous semestres produz maior
somma do que a pedida ; entretanto nao
farei questo disto. Se o Ilustre ministro
entende que a quanlia pedida sufficiente,
eu com o maior prazer accedo a isto, por
que realmente tudo quanto fr corlar des-
pezas na aclualidade um grande desie-
ratutn. Porm, Sr. presidente, somente a
circumslancia anmala e excepcional da
presente gueega nos poderia levar a des-
pender cmalas to importantes.
E fazendo esta declaraco devo tambem
dizer que faco ferventes votos para ver ter-
minada urna guerra que dura ha mais de
quatra annos, e que nos tem consumido
tantas vidas preciosas e to grandes capi-
laes; porm nao faco essas censuras qae
muitos dos nossos adversarios entendem fa-
zer agera, querendo decidir daqui essas
questes, sem se lembrarera de que muito
fcil, no remanso da paz, atirar doesios e
apodos aquelles individuos que tem arris-
cado suas vidas no campo da batalba.(Apoia-
dos.)
Eu admiro a facilidade com que pessoas
altamente collocadas e que tem tomado
parte nos negocios pblicos fazem censuras
semelhantes 1 Admiro a facilidade com
que se arvoram em verdadeiros mareckazs,
querendo decidir de planos de campanhas,
ce marchas e contra marchas I (Apoia-
dos.)
A este respeito eu me lembro do que
disse o grande pico portuguez :
< De'Phormio, phlosopho elegante,
* Veris come Annibal escarneca,
< Quando da arte bellioa diante
Delle com larga voz tratava e lia
(Muito bem I) Oh I senhores, vemos en-
tre nos, as altas regies, no senado, por
que nao o direi ? novos PhormieS' dsoor-
renao com voz grandiloqua e sonora...,
(Muito bem ; signaes de approvaco.)
Sao verdadeicos-matecbaes ; otas mare-
cbaes qae se conservam a mi leguas de
distancia do campo da batalba^ Sao pos-
soas que nao querem honrar' devidamente
acoragem dos soldados e chafes que ar-
riscara suas vidas, que deixam suas famifois,
que abandona seus commodoa P*5?.
feoderem a honra e a dignidad* A pawJaov
auri-verde. (Apoiados./
(Cimti*%m^94cLj
i

V /
TI P. DO lUiRieRl A HAS CRUIE flt

59C


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3TTZACT6_6C7Z3B INGEST_TIME 2013-09-14T02:59:13Z PACKAGE AA00011611_11862
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES