Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11856


This item is only available as the following downloads:


Full Text

? >
4^
i
I :

V

.
*
ANNO XLV. NUMERO 124.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NA|Jt^hMA PORTE.
f Por seis ditos idem.
Por ana anuo idem.
Cada numero avulso
60000
12^000
24*000
320
QUINTA FEIRA 3 DE JUNHO DE 1869.
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adaptados.
Poiscis ditos imi. .
Por no\ y ditos idem .
Porumanno.....
637SO
13,5500
20/1250
27*000
DE PEMAMBUCO
Propriedade de Manoel Fgneira de Faria & Filhos.

SAO AGBWTES:
Os Srs. Gerjrdo Antonio Alves & Filhos, no Para; Gon
Guimares Pancada, em "
ir GonealwHA Pinto no Maranhao Joaouim Jos de Oliveira. no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Jo5o Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaqma
7^n^I'ZSTd S na Parahvba; Antonio Jos Gomes, M Villa da Perma; Belarmino.dos Santos Baldo crr> San o Antao; Do.mgos Jos da Costa B
<3 Nazareth: Francino Tavares da Cssta, em Alagas; Dr. Jos arims Alves, na Baha; e Jos Ribeiro Gaspannho, no Rio de Janeiro..
Braga,
PARTE
Coverao da provincia.
DBSPACnOS BA IH I Wll'll DO DA 31 DE
MAJO DE 4869.
Antonio Marcoiino dos Reis.Informe o Sr. di-
rector interino do arsenal de guerra.
Predovinda de Alcntara de Seixas Ferreira.
LacM-ee deliberaeao Borneando a suppKcante in-
lerwamnite.
Francisco Valerio do Sanios.Prove o supon-
ante que nao tem recarsos para educar o lilho
.le que mH, que este est varoinado e apresente-
o ao Sr. inspector do arsenal de marraba para ?er
|-OllldO.
Francelmo Deodato Rodrigues Ferreira.Inde-
tiritf". ,. .
omrn Lucillo de Sipieira Varejao.Ja foi
prvido lagar que reqner.
Jos Beato Bellrio Velloso.Iudefirdo vistada
raformarao.
Landelioo de Luna Freir.Ja foi prvido o lu-
gar qu? requer.
Kart* Magdalena d'Assumpgao.Informe o Sr.
capillo do porto. .
Sidroaie I.ydio de Oliveira Magalluies.Ja foi
prvido higa* o que requer.
Repartido da polica.
* seccao.Secretaria da polica de Pernanibuco,
dejunho de t869.
N. 7.(|6._i||m. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta, das parcipagocs recebidas hoje nesta re-
pararn, foram recolludos casa de detengao os
segrales individuos :
A' orden do Dr. delegado da capital, I.uiz de
Franca Barana, por crime de ferimcnio.
A' ordem do subdelegado do Hecife, Lovtre Ce-
leste!, Ihlmet Jean, francezes, e Thames Ornel,
inalc*. ;'i requisigo do respectivo cnsul.
O prelo de nomo Sal, escravo do capilao Ma-
noel Germano Regueira Pereira de Rastos, indo as
seis 'loras da Urde do da 23 do mez passado bus-
car um caneco d'agua n i rio que passa pelo en-
jambo Conceicao, no lermo de Serinhem, dcsap-
parecen, sendo enconlrado o sen cadver quatro
dias depois n'ura estado lo adianlado de putrefa-
cto, que nao den lugar a proceder-se compe-
tente 'visturia ; pelo que mandou o mesnio capilao
Regueira sopulta-lo em presenca de algumas tes-
tcmui-.kis. e communicou ao respectivo delegado
a, deliberaeao que tomara.
Nb d M do dito mez falleeeu o menor Manoel
Joaquiui de Sant'Anna, do qual fu menguo, em
minha parle diaria de ft'aquelle mez, em Ilu-
das graves quemaduras ftc soffreu na casa da
ra di Gaz do freguezia de S. Jos.
En 25 do mesnio mez foi pronuncia lo Manoel
Oten.....li Fonseca no art.209 do cdigo crimi-
nal, pela subdelegado d'aquella freguezia, cm
cousequeneia do ferimento que fez na pessoa do
inspector de quarteirao Simio Jos de Azcvcdo
Sanios, como parlecipe a V. S. na minha parte
.liara de 10 de abril ultimo.
Dciis guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. vicc-
pre>idene da provincia Rr. Manoel do Nascimen-
lo Machado Portella. 0 chele de polica iulerino
F. dr uii Oliveira Mac el.
capilao do corpo provisosio de polica, de pare
cer que se adopte a resdTugo segumte :
Art. nico. Fica o presidente da provincia an-
lorisado a mandar abonar aotapito La de Fran-
ja Mello Jnior, seis mezes do sold paft ser des-
contado pela quinta parte.
Revogadas as disposigoes em contrario.
Paco da aasembla legislativa provincial de
Pernamrmco, 19 de maio de 1869 Amaral eMel-
lo.F. Tavora.
Sao lidos e julgados objecto de deliberagao e
mandados imprimir os seguintes projectos :
Art. nico. Fica o presidente da provincia au-
lorsado a mandar abonar ao capilao de polica
Luiz de Franca Mello Jnior, seis mezes de sold
para ser descontado pela quinta parte.
a Revogadas as disposigoes em contrario,
t Sala das sesadas da assembla legislativa pro-
vincial de Pernambuco, 19 de maio de 1869.
Amaral e Mello.-Tavora.
Art. nico. Fica approvado o regulamento do
theatro publico expedido 20 de julho de 1868.
Revogadas as disposicoes o contrario.
i Sala das eommisses'da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, 10 de maio de 1869.
A. Mello.J. de Castro. -F. Tavora.
Arl. 1. Fica estabelecido o cnsuo bvre, pri-
mario e secundario.
t Art. 2. Nao ser exigida outra condigno alem
da qualidade de cdadao brasileiro.
Art. 3." Os concursos para o provimento das
cadeiras de instruccao primaria s-.-ro feitos as
respectivas comarcas peranle urna commisso Ho-
rneada pelo director da instruccao publica.
Art. 4. Os concurrentes as cadeiras de ns-
truegao primaria ficam dispensados de apresentar
folha corrida.
Art 5. Ficam revogadas as disposicoes om
contrario.
Sala das commi;s*es, 17 de maio de 1869
C. OdnTavora.Lopes Machado.
Art. i. Fica o presidente da provincia_auto-
rizado a contratar com Adriano Xavier Pereira de
Urito, ou quem mclhores vantagens offerecer o es-
tabelecimento nesla cidade de urna casa de banhos
salgados. .
Art. 2. Q contratante nao tera em tempo al-
gum sob nenhuai pretexto, dreiio a qualquer sub-
vengao aos cofres provincaes.
Ai*. 3." O contrato durar vnte annos, den-
tro dos/juaes o direilo do contratante sera resuci-
tado. .
o Art. 4." Ficam revogadas as di?poicoes em
contrario, .
Sala das commissoes, 12 de maio de 1809.
Andr CavalcanteCicero Peregrino.
OKDEM DO DA.
1* discussao doprojecto n. 21 deste anno, que
aulorsa o governo a contratar com Justino Jos
de S uza Campos, o abaslec-imento d'agua a ena-
lta do Olinda ^E' annrnvado. sendo o intersticio
mas simplesniente com e ordenado, afim de qne a
gratificar pro labore seja dada aos que os forem
substituir, eu nao terei grande dudj*cm os acom-
panhar.
Mas se insslirem na concessao de licengas com
todos os vencimentos, eu votarei, e posilivamenle o
declaro, nao s contra o projecto, mas anda con-
tra as emendas, com excepgo smente de urna que
se refere a um Io escripturario do consolado pro-
vincial.
Um Sr. eputado :E porque faz essa excep-
O Sn. Amyntiias :Porque os empregados do
consulado esio collocados em condiges t> espe-
ciaes que nao podem ser equiparadas aos deinais
empregados da provincia.
No consulado, como em quasi todas as reparti-
rwi de arrecadagao, o ordenado ridiculo e in-
significante, os vencimentos quasi" consistem as
quoias da porcentagem da arrecadagao. na confor-
midade do que dspoea loi e regulameiitos.
E depos, Sr. presidente, os empregados do con-
sulado na forma do regulamento daquella reparti-
cao, sao substituidos uns pelos outros, conforme a
neeessidade do servico, verifcando-se _a hypo-
Uiese de licenca de lgnm empregado, nao se faz
necessaria a nomeagao interina de algum outro in-
dividuo para o substituir.
O empregado de que se trata esta gravemente
doento, como todos nos sabemos.
O Sr. Soares Brandao :Apaiado.
O Sr. Amyxtiias :E' um empregado zeloso,
que procura cuinprir bem os seus deveres, que
tem longos annos de servico, e que durante todo o
seu lempo de servigo nao tem gosado de hcencas,
segundo sou informado. Parece-me, porlanlo, que
com rclaeao a este, ha equidade, ha mesmo justiga
em conceder-se-lhe a licenga com todos os venci-
mentos ; nao s porque d'ahi nao resulta inconve-
niencia alguma para os cofres pblicos, que na li-
.ar sobrecarregado com as despezas de um em-
pregado interino, mas ainda porque as quotas que
Ihc deviam caber seriam divididas proporcional-
mente com todos os empregados da repartigao, o
eptlo contrario deva dscobrir toda interpreta-
rao urna permita liannonia entre os differentes ar-
Migos da mesma tei. Ora, querer a casa queesse
artigo derrogne o que ha pasee li, estihelecer
nao s urna contradieao, mas al mesmo contra-
sen so.
Baje artigo ? pode ter applicagao nos casos em
que licito assembla apreciar separadamente
as differentes partes de um projecto oa de qual-
quer mugan, mas nunca piulo ser applicado aos
casos eiu que outro artigo expressamente o pro-
hibe.
O Sr. Arminio Tavarks :Iste um protesto
que lavra?
O Sb. Ayres Gama :Nao sei se a assembla
tambem trunal competente para receber pro-
testos.
O Sr. Ahmi.mo T.w.vnES :O regiment auto-
risa a protestar.
O Sb. F. Tavoiia :=Nessc casoenlo protesto.
O Sn. Ayres Gama : Nao conhego artigo algum
uo regiment que autorise os deputados protcs-
larenk contra ai deeisdes da casa, porque se o
houvjpse, eu faria o compleme protesto contra a
infraego de lei commeltida nesta casa.
O Sr. Armimo Tavares :Mas o arl. 133 ?
O Sn, Ayres Gama :-0 art 133 dispoe o se-
guinle (le : t Quando se houre-r de encelar al-
gutnu discussao, qualquer arpillado poder pedo-
palana pela ordem, para leinbrar vm mellioi
t mrtkodode pitucipiar a discussao.
Nao vejo que relacao tem esse artigo com o que
estou dizendo.
O Sr. Aiimi.mo Tavares :Em
de de Olinda.^E' approvado. sendo o intersticio
dispensado rcqueriinenlo do Sr. Epaminondas de
Barros.
cusso, diz o regiment.
O Sr. Ayres Gama :O artigo que acabo de
lr diz em alguma, c nao em qualquer, c a diffe-
renea enorme entre os dous vocabulos. Mas,
pergirttire agora ao nohre deputado : essa dis-
posico ou antes esse art. 133 refere-se todas as
tres "discussoes de um projeto ? ou s diz respei-
lo a alguma das diseusses em que licito discu-
tir-se partes ? Isio me parece tao claro que ate
dispensa a resposta.
O Sk. Armjmo Tavares :-Isto 'at absurdo
tincar a inf aegao manitesta de lei que hontem
lave lugar nesla casa.e contra a qual me pronan-
co e requeiro se insira na acta o men voto con-
trario este acto aUeatitorio da disposigao do art.
114 do regiment.
O Su. Aiiminio Tayabb* :O regkrwato prohi-
be qjto se fundamente o- protesto.
0 Sn. Ayres Gama :Mas nao prohibe que seja
fund:neutado este protesto, j que o nobre depu-
tado quer chama-lo assim, na publicacao deste
debate, nem nos Annaes da Assembla. E' quan-
to me basta, e passarei a tratir da materia do
projecto.
(Troeam-se diversos apartes.)
O Sn. Atres Gama :*-A collocagao ou Mtabcle-
cimenlo de una linlia de trilhos urbanos desta ci-
dade de Olinda e d; um ranal da em-nuilhada
de Relm pnra Bebsrib1, apear de constituir un>
melhoramcntii mportanlissimo para esta provin-
cia, soffreu desde que ha quasi quatro annos, tive
a feliz lembranca de iniciar nesta cisa o projecto
que hoje le sob o n. 667, a mesma opposigap
que ainda hoje estou vendo, naquelles que, mais
inieressados me parece, (\ae deviam ser pela pros-
peridade desta importante provincia,
i Patritica como se diz esta assembla nunca me
poda convencer de que apresentasse ella tantos e
to repetidos bices a esse melhoramenlo de n-
contestavel utilidade publica.
EnlretanU, folgo em repeti-lo, nunca se levan-
tou urna s voz contra a importancia e utihdade
relativa de semelhante empieza, c, assim como
hontem se fez nessa casa, a guerra essa empre-
qualquer dis- za feiti atraz dos resiwsteiros, e a sentenga con-
Ja*," nSt!^Z*S poque-a'^embl^'m^s 'wi^JMgla a
rivaSagSS e Jrcjai^para o pobre empregado approvar um artigo inconvemente ou mesmo ab-
servidor da provincia, que se v na imperiosa ne-1 surdo.
cessidade de submetterse a um seno tratamenio
fazendo pira isto crescidas despezas.
Assim, Sr. presdeme, creio que tenho justilu-a-
do a excepcao que pretendo fazer.
Um Sr. Depctado :E para que exeepgoes?
O Sr. Amynthas :Para que nao fique despro-
porconalmenle desfavorecido um empregado com
O Sb. Ayres Gama :A qualificagao correr
por coala do nobre deputado, mas as regras de l-
gica condemnam as conclusoes dessa ordem ; pois
que dzer o regiment qne na primeira discussao
sse pode oceupar a assembla dB vantagens ou
desvantigens em geral do project, e que s na
segunda (terceira discussao licito approvar as
'j.j.: *_____im V.s. r.,niim rrraiificicoe? artiso. nao uer di/.er une a asscmblsa eobiigaiia
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSO ORDINARIA EM 19 DE MAIO.
VUESIDKNCIA do sr. augusto de souza lkao.
Ao meio-dia. feila a chamada, achamse pre-
seatea os Srs. Mergulho, Andr Cavalcanti. Ay-
Baaaa, M. Amorim, Epaminondas de Barros,
laaaeai de Castro, Arminio Tavares, Augusto
Leo, Amaral o Mello, Felismho, E. Pina.Gongal-
ves da Silva. Reg Rarros, Lopes Machado, Cicero,
F. Tavora, Amvnthas, Samuel Ponlual, Ermiro
Couuabo, Jos Gilirana e Soares Brandao.
Abre-se a sesfo e lida e approvada a acia
da interior.
O Sr. 1." secretario da conta do segumte
EXMDUdtR
Um officio do secretario do governo, remetien-
do a^ informagSes ministradas pela thesouraria
provincial sobre o projecto n. 29 deste anno.
quem fez a requesieao.
uiro. r mettendo c|iia d officio do juiz mu:
nicipal da Viclonade 9 de Janeiro de 1865.A
quem fez a requisigai).
Lina peligao de Victoriano Jos Mannho Paula-
res, amanuense da secretaria da directora da
iaatraeeio publica, pedindo urna licenga de seis
noea com todos os seus vencimentos para tratar
de sua sade. A' commisso de petgoes.
Outra da irmandade de Nossa Senhora do Ro-
sario dos homens pretos de Iguarass, pedindo
preferencia para a extraegao de sua lotera.A
commisso de orgamento provincial.
Ou'a de Luiz Ignacio de Oliveira Jardim, pro-
ir publico de Pasmado, pedindo que se equi-
pare os seas vencimentos, com os dos professores
da eseoil mrmal.A' commisso de ordenados.
Outra de Francisco Xavier Pereira de Rrilo,
propondo-se contratar urna companhia dramti-
ca para o theatro de Santa Isabel.A commis-
so de petigrs. .
Outra da irmandade de Nossa Senhora de Tigi-
pi, pedindo orna lotera com preferencia, para
correr urna parte este anno, ou um. cont de res
para as obras de sua igreja.-A' commisso de
de petgoes. m .
Outra da irmandade do Senhor Bom Jess dos
Martyrios de-ta cidade, pelindo preferencia para
a extraegao de urna parta da sua lotera.A com-
uftsaao de orgamento provincial.
E" lido e dispensado da impressao a requer-
memo do Sr. Tavora, o seguinte projecto :
Art. 1. Fica cstabelecido o ensino hvre pri-
mario e secundario.
Art. 2. Nao ser exigida outra condigao alm
da qnalidade de cidado brasileiro.
Art 3." Os concursos para o provimento das
cadeiras de instruegao primaria, sero feitos as
respectivas comarcas perante urna commisso no-
meada pelo director da instruegao publica.
Art 4 As concurrentes as cadeiras deins-
truega j primaria ficam dispensadas de apresentar
ollia corrida.
c Art. 5." Revogadas as disposigoes em con-
trario.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 19 de maio de 1869. Cicero Pere-
grino.F. Tavora.Lopes Machado.
B" lido e dispensado da impressao requeri-
mento do Sr. Tavora, o seguinte proiecto :
A commisso de legislacao, tendo examinado
o regulamento expedido em 20 de julho de 18b8,
cloiDresidente da provincia, em vista do art. 1
da le n. 792 de 2 de maio de 1868, de parecer
que se adopte a resolugao seguinte :
H Art nico. Fica approvado o regulamento do
theatro publico, expedido era 20 de julho de 1S68.
Revogadas as disposijoes em contrario.
Pico da assembla legislativa provincial de
Pernarabnco, 19 de maio de 1869 Amoral e Mt-
lo.Jante* ie Cauro.V. Tavora._ .
B'lido e dispensado da impressao a requer-
Beato do Sr. llego Barros, o soguinte projecto :
< A commisso de forga policial, tendo exarai-'
nado a peligao de Luiz de Franja Mello Jumor,*
Sao approvados os projectos ns. 10 e 13 do cor-
rente anno, aquelle em 2" discussao c este ein !
3* do de n. 13 deste anno, que restaura a ca-
deira de primeras lettras do sexo fcminno da
freguezia do S. Pedro Marlxr, creando outra na
extremidde da freguezia de S. Jos e ouira na
lia-Vista desta cidade E approvado.
O SR. LOPES MACHADO pede e obtem dispensa
do intersticio para o projecto n. 10 deste anno.
2" do de n. 36 deste anno, que concede um an-
no de licenca com todos os vencimentos ao Io es-
cripturario da thesouraria provincial Francisco
Geraldo Morera Temporal.
Vo a mesa e apoiam-se os seguintes additi-
vos : .
Fica igualmente o presidente da provincia
autorisado a conceder un anno de licenga com
vencimentos ao professor de inslrucgao primaria
de S. Vicente. Marlinho da Silva Costa.-Jase biti-
rana. _
t Igual concessao a Joaquim Francisco Paes
Bar eto, em favor de quem j existe um parecer
favoravel concedendo nm anno de licenga com or-
denado.Andr Cavalcanti. >
Fica o presidente da provincia autorisado a
conceder um anno de licenga com lodos os seus
vencimentos ao Io escripturario do consulado pro-
vincial Jos Cavalchti de Albuquerquc ; com or-
denado ao professor de geometra do gymnasio
' r. Augusto Carneiro Monlciro da Silva Sanios e a
professora publica de Itamarac urea Jesuina
Cruz Ferreira.Arminio Tavares.
Fica autorisado o presidente da provincia a
conceder um anno de licenga com os seus venci-
mentos para tratar de sua sade ao professor pu-
blico de Santo Amaro das Salinas, Manoel Rober-
to de Carvalho Guimares Francklm Tavora.
t Fica o presidente da provincia autorisado a
conceder a professora publica D. Joanna Justina
de Siquera Varejao, com todos os seus venci-
mentos e ao professor Luiz Ignacio de Oliveira J-
nior, seis mezes de licenga na mesma conforunda-
de.Amaral r Mello.
O SB. LOPES MACHADO : Desejava que os
nobres autores das emendas me explicassem o que
entendem por todos os vencimentos, porque ha
ordenado e gratificago pro labore.
O Su. Gitirana :Esl visto que com o orde-
nado.
O Sr. Lopes Machado :Eu desejava saber se
se pretende conceder a esses empregados que nao
irabalham a gratificago que s devida pelo
trabalho, porque na expressaotodos os venci-
mentos -parece estar comprehendido o ordenado
e grat.lirag.
O Sr. Amyntiias :Nem ha duvida nenhuma.
O Sb. Lopes Machado -.Sendo assim, se debai-
xo da denominago vencimentos se comprehende
ordenado e graiilicagao, me parece que nos va-
mos determinar que se pague o trabalho que nao
eito ; e nestas circunstancias cu terei de vo-
lar contra as emendas.
O SR. AMYNTHAS :Sr. presidente, entendo
com o nobre deputtdo que acabou de fallar, que
as palavras de que usa o projectotodos os ven-
amentosse com prenle nao s o ordenado,
como a gratificago pro labore concedida ao em-
pregad publico, e creio que esta a mterpretacao
dada geralmenle por todos.
Um Sr. Deputado : a intellgeuea dada pela
thesouraria.
O Sr. Amyntiias :Sendo a9sim, eu nao posso
votar pelo projecto e por tantas emendas elle
offerecidas no mesmo sentido; porque, Sr. presi-
dente, o favor que os uobres collegas querem con-
ceder a esses empregados pblicos permittindo
um anno de licenga com todos os vencimentos a
cada um, nao pode deixar de reflectir sobre os co-
fres proviuciaes. ....
Quasi todos os empregados pblicos de que tra-
ta o projecto e emendas, devero ser substituidos
por outros, aos quaes o presidente da provincia
marcar necessariament urna gratificago ; e a
somma das gratificagoew que se houyerem de con-
ceder aos empregados interines, nao pode deixar
de ser objecto digno de nossa attengao.
Nao esti* no proposito, Sr. presidente, de votar
contra todas estas licengas ; pelo contrario estou
prompto para auxiliar com o mea voto a concessao
de licengas, mas somente para aquellos que real-
mente se acharem as circumstancias de a mere-
cern
pregados do consulado nao recebem gratifieacoes
pro labore e as anotas constituem por bem dizer
os seus ordenados.
Um Sr. Deputado :As quotas tambem sao da-
das pro labore.
O Sr. Amyntiias :Est engaado, as quotas
sao dadas em regra aos empregados das reparli-
ges arrecadadoras, para melhor despertar-se o
estimulo e o zelo dos empregados pela vantajosa
arrecadagao dos dinheiros pblicos. _
se da provincia; ma sein a obrigagao de segBir
a direcgo marcada M la <"> *w+m
artigo, |ao guer dizer que a assembla obligada
a approvar artigos inconvenientes ou mesmo ab-
surdos. Nao admissivcl a togiea de tal deduc-
co... Pois cnlo prohibir que se emenle um
projecto em primeira discussao, equivale a vedar
essa emenda na segunda ou terceira ?
O Sn. Arminio Tavares :Prova demais a ar-
gumentacao do nobre deputado, porque a asseni
bla muitis vezes pode entender que um projecto
nao digno de deliberaeao, entretanto nao pode
Os^na"'!!* u HE' 3o dadas pelo m^dlrWprojectoqu'an o presentado
O b i. t-irniASA. st ^quuw. ^ hsflilIR Gama :-Cada vez corapreh.
trahalhi>, como dar-se quotas a empregadua que
nao trabalham "
0 Sr. Amyntiias :O nobre deputado nao atien-
den ao que acabo de dizer, as quotas dos em|irc-
gados de arrecadagao nao importam a gratificago
pro labore. ,
O Sr. Ayres Gama :-Os empregados do consu-
lado sem as quoias ficam inferiores aos outros em-
pregados, mas com ellas ficam melhor do que to-
dos os outros.
O Sr. Amyntiias :Nao comprehendo bem a
procedencia do aparte do nobre deputado^
Um Sr. Deputado :E' urna excepgo sem
^OSn. Amynthas :Sem razo seria a concessao
de licengas com ordenados c gratificagoes pro la-
Tenho dado as razoes de men voto, Sr. presiden-
ta e se os nobres collejas desejain que eu os aeom-
panhe, consintam na emenda que vou apresentar
mandando supprimir das licengas as gratificis
que sao puramente concedidas pelo irauamo e
effeclivo exercicio do cargo. (Apoiados).
Vai mc.-a e apoiada a segumte emenda :
Aos professores em lugar de-com todos os
vencimentosdiga-se com o ordenado somonte.
Carvallio Moura. .
Encerrada a discussao o projecto apprmado
com os additvos, sendo regeuada a e;nenda do br.
Amynthas.. dispensado o intersticio a requerimiento
2-discussao do projecto n. 12' deste anno. que
approva o contrato feito com Andr de Abren Por-
tpara a collocagao de trilhos de ferro desta ci-
dade de Olinda.
O SR. AYRES GAMA :-Sr. presidente, antes
de entrar na materia em discussao, pego a V. Kxc.
licenca para dizer algumas palavras sobre a ma-
nelra'porque foi hontem infringido nesta casa o seu
respectivo regiment. O art 114 desse regiment
prohibe expressamente que na primeira discussao
de qualquer projecto se entre no examc dos diver-
sos artigos de que elle se compozer.
Nao me lo possivel comparecer hontem a ses-
so ; mas nao deixei de sorprender-me^ quando
soube que tendo entrado cm 1" discussao o pn>
jecto d 12 deste anno, foram approvados alguns
rticos e regeitado3 nao s outros artigos como
algns paragraphos de nm artigo alias approvado
na sua primeira parte, isso tudo sem que tema
havido discussao !
t) Ofatrim Gama -.Cada vez comprehendo
menos, e tanto menos posso comprehender, quanto
j foi esse projecto julgado objecto de deliberagaa
desde que, approvado o parecer da commisso que
o apresentou, foi elle mandado a imprimir. E |>or
mais que procure, nao descubro no aparte do no-
bre deputado urna prova de que minha argumen-
taran provou domis, nao possivel descobn-lo.
Um Sr. Deputado :Qualquer projecto pode
*er ulil n'uma parle e nao o ser em outra.
O Sn. Anuas Gama :Muito apoiado ; mas que-
rer isso dizer que na primeira discussao e que
se entrar n'esse exanie ?... Para que adispi-
sieao qne ha pouco li doart IH do regiment l
Declarando o arl. 113 que nenhum projecto sera
approvado sem ser disentido tres vezes. e o art. II
que i primeira dcssasTIiscusses s versara sobre
as vantasens ou inconvenientes em geral sem en-
Irar-so no exame de cada um dos seus artigos,
diz o arl. 11" que na segunda discussao debater-
se-ha cada artigo do projecto de per si, offerecen-
do-seenlio as emendas qne occorrerem. Logo e
impossivel o caso figurado pelo nobre deputado,
que tanto empenho mostea ein interromper-me.
N terceira discussao, diz o art. 121,debater-se-ha
englobadamente todo o projecto, mas podem tam-
bem ser offerecidas quaesquer emendas.
O Sn. Epaminondas :Acho que. tem razao o
nohre denotado ; mas esl rallando contra o ven-
cido.
m Sb. DaPUTAno :Todos estao.
O art. 114 do regiment diz : Versar a pri-
mei'ra discussao de um projecto de lei nica-
mente sobre as vantagens, ou inconvenientes delle
< em geral, sem entrar no exame de cada um dos
t seus artigos, e por isso se nao admiltirao emen-
das de qualidade alguma nesta discussao.
Enlretanto sem que tenha sido proferida nem
urna s palavra contra nem favor do projecto, a
assembla regeitou os diversos paragraphos do
art. Io do meafifl projecto. Podera haver nfrac-
cao mais positiva d.) regiment? Segundo a lettra
do artigo citado, esta caa nao pode na 1" discus-
sao approvar nem regeitar seno o projecto todo.
Ora, o projecto de que se trata consista na appro-
vacao de um contrato feto pelo presidente da pro-
vincia com o emprezario dos trilhos urbanos para
Olinda, segundo as autorisagoes concedidas pelas
leis provinciaes de ds. 667, 737 e 801, approvagao
esta que a nobre commisso de obras publicas en-
tendeu que devia ser concedida com certas modi-
fleagoes que ella justificou no parecer que precede
ao mesmo projecto. Logo a assembla, tao dese-
josa de regeiar essas restriegues, s podia faze-lo
na 2* ou 3a discussao, e issq, por meio de emendas
suppressivas, ou mesmo votando por partes os ar-
tigos e paragraphos ; mas nunca na 1* discussao.
O Sr. Arminio Tavabbs :Nao tem razao o no
bre deputado.
0 Sr. Ayres Gama : Desejo qne o nobre de-
putado me explique come que prohibindo o regi-
ment que se entre na 1* discussao no exame dos
diversos artigos de um projecto, entende V. Bxc.
que a casa proceden regularmente, examinando
nao s cada um dos seus artigos, nomo at mesmo
cada paragrapho de um artigo.
Un Sr. Drputado :Veja o art 146.
O Sb, Atrks Gama : O art. 146 dii (le),
c Guando o projecto ffr eompotlo. de ms de um
< artigo votar-te-ha teparadmte*ti sob caen vm.
Mas, Sr. presidente, preciso, quando se quer,
interpretar ama lei, nao teze-to e moda tae pa-j
discussao, quer dizer qne materia vencida-? fcn
tao para que servem as segunda c terceira dispus-
soes? Depois da primeira discussao, diz o regi-
ment :io art. 115, o presidente consulta a casa se o
projecto deve passar 2" discus-o, mas nao pode,
diz o art. 113 ser approvado projecto algum senao
depois de discutido tres vezes.
O Sr. F. Tavora :-0 nobre deputado esta pro-
testando contra urna deliberagao da casa.
0 Sr. Aybbs Gama :-Quc deliberaeao? Onde e
qne vio o nobre deputado que a deciso da casa
sobre um projecto em primeira discussao consume
um caso julgado sobre o qual nao se possa ma
fallar, quando a assembla nao decidi nem poda
decidir cousa alguma ? _
Um Sr. Deputado :A opimao do nobre depu-
tado que nao pode revogar a decisao da assem-
1)1 OSr. Ayres Gama :-Mas se eu ******
que a assembla nao decidi, nem poda decidii
cousa alguma em primeira discussao I Veja o re-
g o" Sr.' Amynthas :-Na forma do regiment a
emenda que cahir em urna discussao pode ser
eSeleckem outra; e assim o.notare-deputado
est em seu direito mandando restabelecer esses
^r Si. Amynthas :Nao duvido, mas em todo o
caso desejo que fique demonstrado por aqueHes que
i*4enri *T5nol.rei collegas eonseolirem qne a esses I interpretar ama li, nao *^"*f*1**J ^^T^d^t* J'
mpregados sejam coaeedidas as lieeneas pedidas, I regam eontraditonas as vm dtvenaa. apisieoeeJl^frw e jpnenewiw, v i~
Pa0 Sr^rminioTavarhs :-E a^assemblaest.jo
seu direito regeitando a emenda do nobre depu-
tado. .
(Trocam-se diversos apartes.)
O Sr. PMtsroENTE :-Quem tem a palavra o
VJTaSTGaaa :-*io sei se a assombla
est em seu direito regeitando, sem jnaBcar, o
Sue estou drendo ; mas se o nobre depu ado se
?efere aos paragraphos que hontem. foram regeiu-
dos contra litteral disposigao ^ reg.niento eu en
tendo que nao est tal em seu direito porque taes
oaragraphos estao em discussao por torga do regi-
ment, sem ser preciso que cu os resrtabefcca.
Fu que estou no meu direito e no meu pos.
Profligado urna inraegao manifestai da e, e pro-
uncrando-me livremente ^J^^t^l
endo sido votada em primera discussao, nao esta
fra da ordem quem sobre ella falla om aegaMa
discussao. Alm de que o acto aullo nunca ma-
te? Eao Tavares :-0 nobre deputado
quem est postergando o regiment, fallando con-
Vs^aItesGama :-Sr. presidente, naopos^
esur repisando sempre o mesmo terreno e repe
lindo os mames argumentos, porqueo nnb de-
putado, que tanto empenho ^ em intcrrom
per-m, nao os quer ou naoos pode refutar e coa
tenla-s com a repetcio do mesmo aparte. J (mmb
enpeti mate de urna vea que o regiment nao
conSoSrad^o, nem *^"3E*S;
a iata!tH?ia^miridK1.co^m aJJ^
demnatoria lavra-se neste recinto sem se inter-
romner o silencio tumular dos gratuitos immigos
de ta importante aperfeicoamente.
Nao foi sem grande sorpreza que I i o parecer
da nobre commisso de obras publicas que,Jazen-
do excepcao ao que pensavam os que votaram
hontem, prc-entava a neeessidade de ser appro-
vado o contrato de 2i de julho do auno paseado,
mas sem as condicgcs excessivamente onerosas e
sem vantagem alguma para a provincia, que_ tor-
navam diflicilima sino impossivel a realisagao de
lo importante e desejavel melhoramenlo. Ja me
pareca impossivel que fosse approvado o parecer
dessa commisso. .
O Sr. Soares BbawXo:O que notei foi que a
commisso nao dissesse urna palavre.
O Sn. Ayres GamaA corami blicas fiindanientou em seu lucido parecer, e de
um modo lo claro e lgico o projecto que eir se-
guida apresentou, que seria incabida qualquer pa-
lavra que, de viva voz, accrescentasse em susten-
tac) do que j tinha dito por escripto, e que,
sendo distribuido pelos dcputidos presentes, devia
ella suppdr approvado cm vista do silencio geral,
que um modo bem expressivo de annuencia.
A commisso pois, que eslava hontem toda pre-
sente, e espera de alguma interpelaeo em con-
traro nao podia defender sem ser atacada.
(Trocam-se muitos apartes). .
costumada, pois, como eu ia dizendo, a sonre
dos que dispunham de qualquer porgao de auto-
ridades urna guerra desabrida mas suida, tato
, sem que cflmpcao algum a atacasse de fren-
te, a cropreza dos trilhos urbanos para Olinda, hXr
tou desde o seu nascimento, mas lutou sempre
com inimigos mascarados.
Com effeito, sanccionada a lei 667 e aborta pe o
presidente da provincia a concurrencia autonsada
pelo art 1." dessa lei, nao se apresentou pretn-
deme algum. ......
No anno seguinte, e apenas aberta a assembla
provincial, appresentam-se tres peticionarios re-
quei'cndo novas concessoes. ....
Um requera a revogago ou modihcagao da le
667 na parte que diz respeilo a duvegao. O outro
requera o privilegio concedido por aqu
mas solieitava alteraco dos
ai i. 4 3 da mesma lei, c pr
lofftO
O terceiro, finalmente, requera o mesmo privi-
legio, reaeitando-se todos os onus da le, soli-
citando apenas um auxilio para o aterro do M-
gadinho ,..,_ i
Esta casa attendendo a me nao podiam ser al-
terada as disposicoes da lei nem quanto a direc-
co, nem quanto "ao prego, mas que era de reco-
ahecida e impreseindivel neeessidade urna aespeza
com esse aterro, approvou nm projecto de le em
que autorisava o presidente contratar o estabe-
li-cimcnto dos trilhos de que trata a citada le 007,
concedendo ao empresario, que a contratar, um
auxilio para o aterro do Salgadmho.
Essa lei foi sanccionada e publicada sob n. ii.
\berta a concurrencia so apresentou-se um
pretndeme; mas tendo bavido quem requeresseao
presidente a permsso para construir por outi a
estrada, que nao pela marcada na Jet, urna Hnna
de trilhos para Olinda, sem subvengan alguma, en-
tendeu o presidente da provincia, que nao devia
aeccitar a proposta d'aquelle nico concurren e,qut
solieitava o privilegio cora a snbvengao kilom-
trica da lei. Nao sei se procedeu em regra.
Sabendo disto apresenla-se o concurrente re-
querendo ao presidente da provincia o_mesmo
privilegio, mas prescindindo da subvengan kilo-
0 presidente entendeu que ainda nao devia ser
concedido, porque a despeza amttdagto a-
737 para o aterro do Salgadmho collocava essa
proposta em peiores condicgSes para a provin.: ia
do que a outra que construa os trilhos sem dis-
pendio algum ; embora por outra estrada qne nao
a Tambem Sao m se procedeu legalmcntc ainda
eRenucr o mesmo concurrente a concessao do pri-
vilegi!) sem a subvengan da lei 737,e prescindin-
do portante de todo o auxilio pecuniario da pro-
vincia, e embora fosse mais dispendiosa a direc-
cao, mareada pelas leis cujas vantagens vm-se
obrigado perSer.por toreada guerra que soff. a,
eque nao ira avante se fosse cumprida exacta-
mente a le, mesmo assim nao lhe foi anda conce-
d,No tendo'havido outro concurrente que mclho-
res vantagens offereeesse, obrigado embora a anrn
mode todas as garantas que as leis he conec-
diam ficou esse nico pretndeme legal a espera
do< tres, quatro, cinco, seis,sete e oito mezes.para
* e!n julho do anno passado assignar-lhe o presi-
dente da provincia o seu contrato, tendo elle em
novembro do anno antecedente apresentado a pe-
ligao eavque prescinda de toda e qualquer sub-
venga) para obter a preferencia no concurso em
que s elle se apresentou I tMntaa
Isso que zelo do presidente pelos interesse
da provincia?
Tenho ou nao razo quando digo que essa em-
preza, de tanta utilidale publica tem soffrido a
mais cruel e dura guerra que era possivel espe-
rar da autoridade enearrerada de dirigir os desti-
nos da provincia, e que nao podendo mais neixar
de feixar o contrato com o nico pretndeme que
se apresentou, sobrecarregon esse contrato que
durou sete mezes para ser formulado, com qnanu
condiegao onerosa se pode nwginar sem qne en-
contrem taes condiedes joslifleacao nos mtereasa.
da provincia que nao garantem e at pelo contra-1
rio 'vo indirectamente olbndeijrivendn ou J^
cuitando, quasi que at o imposswel, a popuiagao
dos beneficios de tao til empreza.
Um Su. Deputado -.-Para que aeceitoa.
8b. Atbks ftaMA : Porque nao era licito
wmuir norauesaWa que nlo aceeltaedo, enten-
der^mromoZequIvel a leteo pdanle
nao se aproveitando da autorisaclB que ella Iha
dnva, Ponratana oom qnem maaowa onus exigs-
..,.,.., ludituud na lei, cuja exequibilidade
estara conleslada pela- falla de pretendentes, ape-
sar das vantagens offerecidas pelas duas citadas
leis ; e porlanto sera contratada com oulrem, qne
desejava a todo transe construir ditos trilhos sem
subvengao alguma da provincia, mas pela estrada
mais commoda.
O Sr. Soares Brandao :Eu acho natural que
o presidente tenha feito unvcontrato da maneira
menus onerosa para a provincia.
O Sn. Ayres Gama : Apoiado, tambem en acha-
ria natural, e at louvavui se* elle s liouvesse li-
mitado a fazer o contrato com os menores onus
possives para a provincia. Mas essas condiccoes
de que trato, nao implicara diminuico de onus
para a provincia, visto como sendo zero o onus
que da provincia requereu o contratante, nao
admitlia mais diminuico; essas condiegoes bem
longe deinteressarem provincia, sao outros tan-
tos iinpecilios realisago da empreza que lhe
deve trazer tantos beneficios.
E' porm de notar que fosse o mesmo presiden-
te que assignou esse contrato com o emprezario
dos trilhos de Olinda, qnem assignou o addita-
mento o contrato celebrado para os trilhos de
Apipucos, que, alm de subvengao para desap-
propriages, e de fazer o transporte pelo duplo
dos pregos, obteve do presidente todos os favores
possives, e at sem que baja no respectivo con-
trato, urna s condigo qne sugeite os empreza-
rios multa "alguma pelas infraccoes, ao passo
que a empreza de Olinda tem mullas at de cinco
contos de res !... Que justiga I
(Trocam-se muitos apartes.)
O Sr. Ayres Gama :Nao tenho o proposito de
aecusar |>essoa alguma, estou apenas fazendo
um parallelo entre os dous contratos para poder
fazer sobresahir a injustiea do que dieron o se-
gundo... Respeilo muito" ao administrador qne
assignou esses contratos, mas, amicus Plato sed
mago tnica Ventas, devo ser franco e dzer o
que pen-o esse espeito.
Um Sn. D-putado :Nao ha um contrato j
aceito ?
O Sr. AritES Gama :Se nao liouvesse nao es-
tara em 1' discusead a sua approvagao. Quando
um contiato, feito pelo presidente da provincia,
teem e$ta assembla para ser discutido tres ve-
zes, e approvado por nos, para que, em ultima
instancia, possamos emendar os erros, preeneber
as lactinas e fazer c inseguntemente as alteragocs
que forem necessaras; mas nunca para respei-
tarmo-la como um evangelho.
Um Sr. Deputado :Mas se o contratante nao
pede essas alteragoes 1
O Sb. Ayres Gama : Leia o co^rato e vera
porque que elle nao pede alteragoes. A assem-
bla nao precisa que o contratante pega para alte-
rar o contrato do modo mais convmhavel aos in-
teresses do publico quem interessa a empreza,
e para cujo beneficio levantei-me para pronun-
ciar-ine eontra certis condgoes que s podiam
ser impostas de m f, (Nao apoiados), por exera-
plo prohibir que em lempo algum o sob qualquer
pretexto possa o contratante reclamar desta as-
sembla contra taes condiges.
O Sr. Loria Machado :E urna condigo de
garanta para a provincia.
O Sr. Ayres Gama : Enlo julga o nobre de-
putado que a provincia i sl em estado de preci-
sar de condicoes dessa natureza para poder ser
garantida ? Nao tem ella representantes nos quaes-
deposite bastante conlianca para indeferr as pre-
tenges injustas que se'apresentarem assem-
bla ? e pelo contrario s poder ser garantida se
fr prohibido aos pretendemos reclamar, mesmo
nos casos de forra matar ? Estimo inuilo que nao
parlisse de mim semelhante proposieo.
IK10 por aquella .c. Q Sr ,,,,,- MacM(0 _Q arlig0 qne V. EXC
8 pregos lvidos no c|ia|1)a d( |nl f eu 0 quc uma garanta ,)a-
i-elongaeao do pnvi- m a pi,oVIlcia_
O Sr. Aires Gama :E eu digo, segunda vez
quo bem digna de lastima a provincia que pre-
cisa de semelhante garanta Diz o art. 31 do tal
contrato (le)O contratante se (i'.niga nao re-
clamar ou pedir em tempo algum a assembla pro-
vincial, compensacao ou vantagem alguma, seja
que titulo fr, para reasacao d't- contraa em
qualquer de sua partes.bem ao menos excep-
luou os casos de torga maior I Que excesso de
zelo que triste garanta para a provincia Fe-
char a porta aos pretendentes para nao ter o tra-
balho de indeferir as petgoes infundadas !
O Sr. Lopes Machado :Elle foi quem disse
que se obrjgara : aceitn o cntrate.
O Sr. Ayres Gama :Ou alguem escreveu-o
antes de elle dize-lo Acelou verdade; mas
porque o fez ?...
Um Sn Deputado : Se acetou porque achou
bom.
0 Su. Andr Cavalcanti :Elle foi quem se
enforcou. ,
O Sr. Ayres Gam/ Nao sei se elle achou
bom, nem se houve forca, o que sei que honve
n f.
(Trocam-se amitos apartes.) .
O Sr. Tavoba :A palavra ma f muito dis-
sonante.
O Sr. Soares Rhandao : Pode-se dizer que o
presidente da provincia foi por dentis zelo'o.
O Sb. Ayres Gama :O zelo uma virtude qne
se nao pode casar com a injustiga, e os excessos
devem ser corrigidos; e por sso, dissonanto ou
euphonica, a palavra m f >a nica que traduz
osse excesso sem proveito algum para a provin-
cia. Se uma parte conlratante no gozo de toda^
as suas faculdades imposer outra que nao tem
o mesmo desenvolviniente urna condigo mpossi-
vel, poder-se-ha dizer que procedeu de boa f?
O Sr. Lopes Machado :S aceita contratos
quem capaz de contratar.
O Su. Ayres Gama:-0u tem liberdadedefaie-to.
Essa a presurapgo, mas, cuno todas as o^ras,
tem de ceder o lugar verdade ; e a verdadera
que se o contraante fosse tao inepto que nao
aceilasse essas condiges, nao eslava muito longe
quem contratasse a empreza ; como j disse, c
por certo nao Iho seriara impostes os meamos
onns nem impecilios. (Nao apoiados) Posso ga-
rantir aos nobres deputados que isto estanacons-
ciencia pub'ica I
Um Sr. Deput.uk :-0 contratante acetou ca-
sas condgoes talvez esperando que nos mais tar-
de lhe fizessemos coocessoes t
O Sr. Avubs G..ma :-0u antes justiga, estou
vendo que onganou-se e que at foi audaciosa tal
eSOTRi)*SR. Deputado :-A m f est em quem
aceitou o contrato para depois reclamar.
O Sr. Ayres Gama :Mesmo com a tal condi-
co do art. 31 ? Ou estar em uipr cmdigoes
iiara desanimar o nico preten4ente que aceitava
a direeco marcada na lei ? (Nao apoiados). E de
aotonedade publica.
O Sr. Soares BrahdXo :O carcter do presi-
dente que fea o contrato repelle isto. (Apoiado.)
O Sb. Reg Barros :Esse contraanlo aehou
sempre preferencia nesta casa.
O Sr. Ayres Gama :Como se nunca ***"
reu com outro que offereeesse iguaes vantafena
O Sn. Rbgo Barros :O Sr. Dr. Affonso reque-
reu duas ou tres vezes. ^.
O Sr.Atms Gama-.A mesmo nesta
e depois de feito o contrate com oatre, eom
oenseguntemente o privilegio, requeren construir 03 trilhos por outra estraaa ^"T
da que a lei delermiaou. lato proa *!*"[-
queacebadadiKr. Apa^*U^waad
te M que nao diixou raaeber a propaat4eaeo
I


pretndeme concurrencia aberta para execuco
da lei n. 717. Es gio para si mesmo 1
(Trocam-se mutos apan
O Sr. Ayuss Gama :Os apaes que recebo e
aos quaes procuro scmpre responder desviaram
rae do parallelo que asura fazendo entre as em-
presas dos trillios de Olinda e Apipucos, a'im de-
mostrar que par de todas as garantas concedi-
das de Apipucos, s para a de Olinda estavam
reservados os onos, bices e at mesmo impossi-
bilidades.
Um Sr. Deputado : Porque nao houve quem
coucorress ento como agora.
O Sn. Ayhks Gama : Est o nobr^collega to
albeio questo que troca os papis; para do
Apipucos nao Lauvo coacqrrencia o para a de
Olinda nao houvcram c mcorrentes...
u Sh. Dbputuw : Como Invia quem csperas-
se fazer o contrato?
O Sn. Ayres Gama : Justamonte porque si hou-
vesse concurrido com o contratante tinha tcita-
mente conviudo na possibtlidado do construir o<
trilhos Dla direcco marcada na lei, e o que
elle nao quera ; e por isso s desejava ver arre-
dado esse concorreute para chegar ao quo pouco
disse, isto : obter outra direcco, deduzindo
da falta do concurrentes a impraticabilidade da
direcco determinada pela lei.
O Sn. Armimo.Tasares :Mas em que se funda
V. Ese. para suppOr que outrem faria um contra-
to mais vantajoso.
O Sr. Soares Brandad : Nao pqderia contratar
a estrada com outra direcco que nao fosse a mar-
cada na lei.
O Sr. Avres Gama Entretanto posso asscgu-
rar que ainda heje ole perdeuesa esperanza f...
E' incrivel; mas real......E isto tiio geral-
inente sabido nosta cidade que milito me admira
uo ter ainda chegado aos ouvidos do V. Exc
Mas essa casa que tem de pronunciar-se sobre esse
contrato porque tazo nao ha de reformar essas
conduccoes que, de nada aproveitando provincia,
sao otros tantos obstculos urna empreza de
tanta utilidade?
Ok SR. Ukputaho : Eu sinto que o contratante
nos tenha tirado os metas.
O Sr. Ayres Gama :Quem lites tira os meios e
a mi vontade e a injusta prevengo em que estao.
O Sr. Akdii Cavali:anti :Mas a clausula de
nao redamar ?
O Sn. Ayres Gama : E' urna medida de salva-
rio? nao acha ? Mas para fazer Justina nao pre-
cisa a assembla que ninguem lhe o lembre.
Um Sr. Deputado :.Sos nao tratamos aqu dos
interesses dos contratantes mas sim da provincia.
O Sr. Ayres Gama : Mas si ao interesse da
mpreza estivereni ligados o da popularn sem
cointudo trazer prejuizo para os cofres da pro-
vincia?
O Sr. Gitirana :Mas a emenda do nobre dc-
putado altera o contrato.
O Sr. Ayres Gama :-E eu apresentei alguma
emenda, nem fallei em emenda minha? Si o no-
bre deputado referc-se aos paragraphos regeita-
Jos hontem contra o regiment, admiro que nao
saiba que sao partes do art. do ^rojete apresen-
tado pela commissao dJfc obras publicas & qual na i
tenbo a tionra de pertencer. Ainda nao houve
emenda alguma, meu collega, nem minha nem de
deputado algum.
O Sn. Asumo Tw ares :V. Exc. est defen-
dendo os interesses da provincia i
O Sr, Ayres Cama : Pugnando pelo* interesses
de um melhoramento importante que a empreza
tem de traz-sr a populacho, defendo-os melhor do
que aquelles que, sub o falso pretexto de defender
os cofres da provineia, an> quaes ninguem atacon,
criara entraves urna empreza de utilidade pu-
blica.
O Sr. F. Tavora :Nao ; est em posieao ne-
gativa.
O Sr. Lopes Machado : Ate agora so tem de-
fendido os interesses de urna parte.
O Sr. Ayres Gama :Stra de urna parte da po-
pulacho que tem direito exigir proteceo para
as emprezas que raptara um melhoramento im
portante, c que nao custam nem um real pro-
vincia, que nao agradece os servieos que o nobre
deputado diz que lhe presta mostrando-se lo cioso
pelos cofres da mesmi provincia que a empreza
nem por pensauento tenta offender.
Desejo, acezar de tud t, aprsente r dous additi-
vos cuja leitura hasta para demonstrar a sua uti-
lidad"! ; pois que. Dio alterando o contrato, previ-
nena certos casos que nelle n&ft foram bein expli-
cados e que no entretanto sao de reconhecida
utilidade.
O I." additivo >'-. concedido nesses termos:
As liabas wrao divididas em tres partes, isto .
a de Olinda em loas Meatos sendo a 1.' do Recife
a encrusilhada de B-deiu e a- 2. deste ponto Olin-
da, formando o ramal de Beberibe a '.i.' seceo.
l.o*o que se samar concluida qualquer deesas sec-
deve ser ella aberta ao transito publico.
" Havendo o presidente da provincia no art. 11
do respectivo contrato alterado os precos estipula-
dos no art. 4. 3.'; isto : estabelecendo esse
art. I casos em que se pague 200 rs. por viagem
em 5.a elasse quando a lei s mareen para essa
< hktse o proco de 400 rs., isto estabelecendo Via-
geM e meias viagens, eonsequencia desse artigo,
o additiva que aprsenlo agora consideraco da
can.
A assembla que nao quer examinar si esse_ ar-
tigo vai de encontr a lei, porque a ajteraeao
eaatra a emprw. nao me contestar, eu espero,
que Reja conveniente abrir-se ao transito publico
HOahpiW seecao da linha logo que se fr concitando,
a com iss'o muito deve aproveilar a populaco
n geral.
O Sh. Felisdino :O contratante acceilar es*a
njva cosdieio.'
O Sr. Pina :E' preciso que elle seja ouvido.
O Sr. AYnES Gama : Isto urna evasiva que
que nao esperava dos nobres collegas. Duvidam
os nebros deputados que o contratante aceite
O Sr. Lopes Machado :Mas admita que o con-
tratante nao quer aceitar es a condieo.
O Sr. Ayri:s (Jama .Folgo de ver que nao son
eu quem est pugnando pelos interesses do con-
que ofazia quando se lavreu o eontracto com a
empreza de Apipueos. (Nao aptalos).
Km Sr. Deputado :Todas as vezes que aecusa
ja presidencia defende os interesses da companliia.
O Sr. Ayres Gama :Tal e antagonismo en-
tre ambas Mas si os entraves criados empreza
implicara tambera nutros tantos impecilios aos be-
neficios que deesa empreza tem de auferir o pu-
blico ? Nao seria a.cusar a presidencia defendun-
do o interesse publico ? Para lodos os sopliismas
que nesie terreno mi apresentarem, protesto res-
ponder, s na > poderia fazel-o ao argumento irres-
pondivel da votacao numrica; esse sim irtes-
pondivel. E' a ultima i alio (Lis maiorias nos cor-
pos conectivos.
Outro.additivo quu offereco consideraco da
casa e que sejam substituidas as palavras do fin
do art 23 do contracto e que te nao oppozer etc.
at ojim pelos seguimos : salvos parm os precos
e auxilio para desapropriacoes que sao especiaes
esta ultima empieza. E' copia litteral do art. 3
da lei n. G67 decretada por esta assembla em
1866.
Porqne razao nao se ha de conceder como man-
da esse artigo da lei, empreza de Olinda as raes-
mas vantagons que po-sue a de Apipucos ? Nao
seria isso rigorosa Justina ?
Um Sr. Deputado :Mas isso umaconcessol.
O Sn. Ayres Gama :Sim, urna concessao,
que nao aearretaodo despendi para a provincia
facilita a realisaeao de urna empreza de utilidade
publica. *
Us Sr. Deputado bla faga alteracoes*sendo em beneficio dos inte-
resses da provincia.
O Su. Ayres Gama :Apoiadissimo, este o meu
voto c somonte o que peco.
Um Sr. Deputado :Mas nao sendo pedidos?
O Sr. Ayres Gama :Quer de novo voltar
questo de nao screm pedidas essas concesses,
mesmo depois de ter eu lido o artigo que prohibe
laes pedidos? E a infinidade de liceucas que pou-
co foram concedidas tantos empregados por sim-
ples emendas em um pedajo de papel, e offereei-
dos nesta casa sem que os agraciados o tenham
pedido ?..
Um Sn. Deputado :Todos ped rara.
O Su. Ayres Gama :O nobre decratado des-
afia-me mostrar que nem toda3 as licencas que
acabam de ser concedidas, (san o meu voto por
que nao votei polo projecto nem additivos) foram
pedidas ?
O Sn. F. Tavora :Pela minha parte desafio-o,
o prolessor para quem pedi iicenca requercu-a.
O Su Ayres Gama :Unius iuclusio est alta tus
.-.i chisto.... (Trocara se mnitos apartes).
Estas concesses de licencas sem que ninguem
tenha provado cabalmente a indeclinavcl necessi-
dade dellas, e algunas at sem requerimento dos
proprios licenciados, que sao verdadeiros favores
concedidos em detrimento dos cofres da proviucjp
os quaes devem ser rauitos respeitados, _c nao
abertos para concesses dessa ordcm,que nao ba-
leado utilidade publica de qualidade alguma, im-
plicara, no meu modo de pensar, urna incabida
a outra com q^m de se arredar o individuo do
coutrato ; e se agora por meio de emendas procu-
ra tornar raais agradavel a situaco do contratan-'
ive concluir d';.hi senao que no-
bre doputado tomn sob o -sen patrocinio a defeza
da causa do emprezario ?
Safeern todos que o privilegio dos trilhos urba-
nos de Olinda foi posto em publica concurrencia
peJagoverno, e que nao fiouve enlo quem com-
pclisse com o signatario do contrato, porqte elle,
para arredar qualquer pretndeme mais ialeres-
sado, renunciou desde logo todos es beneficies que
ajei pronrettia em favor da empreza, declaran^
nao aceitar alhbvcncao kilomtrica, era o im-
portante auxilio de 2i):0a34XW para o atierro do
Salgaiinho. Mais larde eeflou o privilegio a urna
companhia brasiloira mediante iRl acees no va-
lar de aOrUOOOO.
Sabem todos ainda que essa companhia est
com es seas estatutos approv;idos pelo governo
imperial, e roeolne os valores da primeira eama-
em 3a o de n. Ci que autorisa o governo a
contratar a factura do caes da ra de Riachuelo feitos :
com Vicente Ferreira da Costa; ein 3* o de n. 67
qee abre um crdito suppleraentar noorcamento
vigente; em 2' p de n. 68 que autorisa o goyer
no a conceder um anno de Iicenca ao cirurgio do
hospital Pedro II, Dr. Luciano Xavier Moraes Sar-
ment com um additivo, dispensado o intersticio a
requerimento do Dr. Ramo?.
Approvou mais em 2* o projecto n. 43 queau
torisa oigovcrno a despender a quantia de 10 Mi-
tos com a libertaeiixlo maior numero possivel de
creancas do sexo feminino, cora urna emenda ele-
vando vinte contos de ris a quota, fallando
sobre a materia os Srs. Araujo Bellro e Goncal-
ves da Silva, sen lo aquello por urna declararse
sua e de seus irmaos e paes era que desde a pre-
sente data concedem a liberdade do ventre a todas
as escravas que possuem, fazendo igual declar-
ejp o Sr. Machado O projecto foi approvado com
a emenda^dispensado o intersticio a requeriraenlo
da jara dar conieco as obras da sua empreza. Odo Sr. Gaspar Drummond.
que signifleam, pois, todas essas modifica^etiuop-
portunas quando os Tactos provara de modo eon-
cludente o contrario do que disse o nobre deputa-
do ? {Apoiados.}
Sr. presidente, o que acabo de referir nao oc-
culto, sao factos que estao no dominio uublico; as
coinparaces feitas pelo nobre depoJio entre as
iluas emprezas de Olinda e do Apipucos nao de-
raonstraui que a pcimeir* nao possa realisar o
seu lim, e que d'ahi venha prejuizo publico pela
inexequibilidade de urna obra de recouhecida uti-
lidade, nem ainda que o emprezario fique, redu-
zido condicoes desfavoraveis com os encargos
do contrato; portante,>endo assim, o que disse o
nobre deputado, nao podo ser tomado senao son-
ta de mal entendido patrocinio, e a m {; que at-
tribue ao governo da provincia urna gratuita e
inmerecida censura ao cavalheiro que se achava
frente da publica administrado, e eujo carcter
respeitado pelos seus proprios adversarios, est
muito cima dos accommettimontos, que lhe aca-
ba de fazer o nobre deputado. ( Mu tos apoiados,
muito bein.)
tratante. Eu quero o beneficio do publico, o no-
bre diputado reeeia que o contratante nao con-
corde com esse beneficio.
O Sr Armono Tavares:Aioda sendo beneficio
lio pode recusar.
O Sr. Ayres Gaha :Ento ji reeeia ir de en-
contr vontade do contratante ? O governo im-
perial quando alterou os estatutos assignados pe-
los cessionarios do contratante receiou que celes
nao aceitassem osonus nem r-galias que estabe-
leceB. as alteracoes que fez nos mesmo3 eeta-
tutoe?
Um Sn. Deput ,D): Mas o contracto nao falla
nessa diviso, logo altijra o contracto.
O Su. Ayres Gama : Quid tndel esse contracto,
si veio para >er respeitado como um dogma, o pa-
pel da assembla qa&ndo apnrova bem triste I
Autos nao visse. Nao mystiliquem os meus no-
bres collegas a questo. Nao o receio de oflen-
der os interessesMa provincia, nem to pou-
co os da empreza, quem impelle os nobres depu-
tados nao acceitarem emendas nem additivos.
E' o receio de encontrar ou de fazer crer que en-
contraran! um erro nesse evangelho que tanto
respeitam e cuja alterante Ibes parece ura alica-
tado...
O Sr. Lopes Machado :Nos nao legislamos
para a companhia, legislamos para o publico.
(Trocaui-se apar-s).
O Sr. AYrE6 Gama : Entd a companhia nao
faz parte tambera do publico 1
O additivo fallando *m seceCes explica apenas
o que j e9t estipulado, mas nao altera o con-
tracto.
O Sr. So ares Brando :E o iMntraeto nao o
prohibe.
Um Sr. Deputado .Mas um additivo empre
urna emenda.
O Sr. Ayres Gama :E emeudir ara contrete
cono este semprc um mal O zeloso presidente
Jofringindo o art. da le q.ie pouco citei redp/in -
do os precos das viagens, j menores 50 0/0 qne
us da empreza de Apipucos, fez um bem, por que
onerou mais a empreza 1
Um Sr. Deputado:Infringi :
O Sr. Ayres Gama :Nao sej o que qner dizer
infringir bem nina lei.
_ UmSr. Deputado:Que lei?
Q Sr. Ayres Gama:A lei n. 6t)7 me foi quem
no 3o do art. 4, marcou os precos para as via-
geon nos wagoes das tres eiasses." Admiro que o
oollega ignore isso. iz esse art. 4 % 3 (l). Nao
ipoaera exigir de cada passaQeiro mais de 460 rs.
por viagem em wagoes de 1 claise, 300 nos de 2" e
200 nos a 3\Logo nao poda o presidente mar-
car como o fez no art. 14 que os passageiros pa-
gnem 200 r*.por viadoram 1*,180 i. em 2a e 100
rs. em 3'. Foi urna rafraeeo da lei.
Um Sr. DEruT#-o: E*ta claro que a iei referia-
M de extremo extremo.
O Sr. Ayres Gama : Ciar o como ? Pois quao-
lo a lei nao destingue est claro aua distingui ?
A aheraco desse artigo da lei so pedo* ter ama
oxpiicacao e que .a presidencia quando apre-
seasem ata nutras condicoes como ella, aao 5BM-
4m ItWses da provincia da mesnia mm w
applica^o dos dinbeiros pblicos, producto dos
impostes que pesam sobre o povo. Nao corapre-
hendo que os nobres collegas, tao ciosos pelos in-
teresses da provincia, que nao sao offendidjs pelos
beneficios que julgo merecer urna empieza til
teda a populaco, concedara to fcilmente licen-
cas sem ter sido provadas cabalmente sua ucees-
sidade, e algumas at sera que tenham sido nem
mesmo pedidas pelos agraciados.'
rrocam-se varios apartes),
i Sr. Ayres Gama :Nao sei quem foram os
signatarios dos additivos, que auterisaram taes li-
cencas ; por que nem forain lidas pela mesa as
assignaturas.
Un Sn. Deputado:Quer apenas censurar.
O Sr. Ayres Gama :Nunca alniejei os foros
de.censor, mas nao tenho escrpulo de o fazer
todas as vezes que me chamarem para esse ter-
reno e se me offerecer oceasio como esta.
Especialmente quando sera motivo censurara a
que com tanto fundamento merecem pelo contra-
rio verdadeiras censuras ?
O Sr. Arminio :O que eu disse foi que o no-
bre deputado devia curar do3 interesses da pro-
vincia e nao de urna empreza
O Sr. Ayres Gama : E' justamente isso que
contesto porque tenho provado que, punindo pe-
los interesses da populaco quem essas condi-
coes quasi impossiveis tem de privar de um me-
lhoramento to importante, curo dos interesses da
provincia melhor do que espargindo sem necessi-
dade nem motivo plausivel os dinheiros pblicos,
eoncedendo Iicenca quem nao provou que pre-
cisa va e at nem mesnu o pedio.
Sr. presidente, cu coueluo pedindo que esta ca-
sa, tomando era considiracao os additivos que
apre entei, nao os rcgcic, sera primeramente pro-
var que olendera ao3 interesses da provincia que
todos temos de rigoroso dever de defender.
V3o mesa o apoiam-se os segaintes additi-
vos :
As liabas de que trata o art. Io sero dividi-
das era seeees, a primeira do Recife a encrusilha-
da de Belin, a segunda da cncrusilbada Olinda,
a t *ceira da en-.rusilhada a Beberibe. Logo, que
fr concluida qualquer das seeees ser entregue
ao transite e servico que se deslina, (cando po-
rm entendido quo o privilegio s principiara
correr do dia era que cstiver concluida a ultima
seceo c fr ella franqueada ao transito. Ayres
Gama. >
Ao art. 23. Substituam-se as palavrase
que se oppozercra etc. at o firapelas seguimos
exceptuadas porra as condigoes dos precos c
auxilios pecuniarios pora as desappropriac/5es.
Ai/res Gama.
O SR. LOPES MACHADO :Sr. presidente, eu
nao posso votar por nenbuma das emendas apre-
seutadas pelo nobre deputado que me preceden,
porque entendo que ellas alterara esencialmente
o contrato celebrado entre o governo da provincia
o o empresario dos trilhos urbanos desta eidade
Olinda e Ceberibe. contrato assignado c concluido,
empeas accidentalmente dependente da approva-
ao desta assembla. (Apoiados.)
A lei, que concedeu o privilegio daquella em-
preza quem memores condicoes offerecesse, au-
torisou ao presidente la provincia a celebrar o
respectivo contrato sob certas clausulas geraes,
dispondo em seguida que fosse submettido a ap-
! pruvaco desta casa, sem duvida para o lim de se
conhecer se essas clausulas geraes foram obser-
vadas.
O que no3 eampre agora fazer verificar se do
feito elle est nos termos da lei,. se aquillo que
previamente so recominendou se cumprio. Feito
isto, e reconhecido que aquellas clausulas foram
reapeitadas, a nossa nica missao approvar o
contrato.
Assim, pois, entendo que qualquer emenda re-
lativa as su as condicoes particulares ou indivi-
duaes, restnngindo o ampliando algumas dellas,
ama verdadeira innovarlo contraria a lei, que
concedeu o privilegio, urna intervencao indebita,
e repugnante a naiureza dos contratos. ( Apoia-
dos. )
O oobre deputado, deixando tudo isso de parte,
apreseutou as emendas que se discutem, todas el-
las tendentes a alterar o contrato naquillo que lhe
particular, e para as justificar buscou compara
ces entre as emprezas.de Apipucos e de Olinda,
cuncluindo d'ahi a necessidade de serem adopta-
das, tanto mais quanto o governo da provincia se
tinha mostrado rigoroso e de mi t quando con-
tratou com o ultimo emprezario, procedendo deste
modo para que iargasse ros felizes que esperavam
as ante-salas, emquanto que se mostrara dema-
siado condesceudente com us contratantes da em-
preza do Apipucos I
O Sn. Ayres Gama : Que funecionam illegal-
mente, sera autorisacao io governo, pelo que foi
a empreza multada
O &r. Lopes Machado : Desta singular de-
monstracao, Sr. presidente, urna so cousa se pode
concluir, e que o nobre deputado (e v dito
sem segunda teaco) sem o pensar taivez, se
constituio advogado dos interesses do empreza-
rio, deixando esquecidos 03 interesses *da pro-
vincia.
0 Sn. Ayres Gama :Nao conclusao.
0 Sr. Lopes Machado :Nao conclusao !...
iois em nome de uue interesses pensa V. Exc. ter
aliado ?
O nobre deputado disse que a empreza do Api-
pueos tinha sido favorecida polo governo, e que a
de Olinda pelo contrario linha sido sobrecarrega- \
da de condicoes; censura por isso o presidente ;
presenta emendas no sentido de melhorar o con-
trato em proveito do emprezario, o nega a conclu-
sao 4pe d'ahi se pode tirar ? (Apoiados.)
ma so
por onde
contrato
pa nao pro ferio o nobre deputado
menos \ entender que aquel le
so para a provincia ou mesmo
vidosa, que ella soffresse pro-
Ja com elle, e adraira-se que
mostr i to zeloso pelos inte-
quandt hfcp contrato do Gira-
trota ato quaado contratoa a era-
is I
mstrago 'i'J obre deputado con-
sist* em tornar nUis salientes os favores conce-
didos a ama mpreza, e os onus que foram postos
E ainda assim, Sr. presidente, quando o nobre
deputado manifesta o seu juizo a respeito desses
contrates comparados, nao percebe que as condi-
coes, que este chama onerosas para o emprezario
de Olinda sao antes o verdadeiro conselho da ex-
periencia corrigindo os defeitos que se deram no
contrate de Apipncos, que alias nao foi firmado
pelo cavalheiro que al lude (apoiados); nao presen-
te, senhores, que nessas coamcSes) que elle decla-
ra prejuJiciaes aos interesses" individuaes do em-
prezario, que estad as prova do zelo com que
foram tratados os interesses da provincia I (Apoia-
dos, muito bem).
Isso na verdade extranho, e de urna singula-
ridade original.
Voltando a questo de se saber se nos podemos
alterar o contrato no acto d sua approvaeo, o
nobre deputado nada disse i respeito, mas eu en-
tendo, como j fiz sentir, que nao tomos "se direi-
to. Os contratos legtimamente feitos nao podem
ser alterados senao por aeeordo das partee. Ora
nos nao somos parte no contrato, logo nao o pode-
mos alterar.
As obrigaces contradas pelo governo e pelo
emprezario foram firmadas em publico instrumen-
to, nao houve prejuizo pela falta de observancia de
alguma daquellas couces, nem occorreu fado
imprevisto que podesse extinguir o vinculo, que
tornou as partes contratantes aistrietas Sb cun
primento das obrigaeses estipuladas, por onde se
pedisse reparaci, oii extinecao do contrato ; am-
bas estao de accord), nenliuma reclama, logo nao
podemos alterar o (ntrelo.
O Sn. Ayres Gama :Nao poda reclamar.
O Sr. Lopes Machado:Nao pode o emprezario
reclamar os benaieos que renunciou, mas 03 pre-
juizos por brea manir, ou por falta de cumprimen-
to das obrigae<)es do governo, nao se lhe pode
contestar o direito, p oque de outra forma deixa-
ria de haver contrato. (Apoiados).
Ora se nos nao somos partes contratantes, se s
temos atlribuieo de decretar obras publicas e nao
podemos inteivir nos contratos das que j foram
decretadas pira as alterar a oosso modo sem au-
diencia ou reclainaco das partes)* parece-me
liquido que nao podemos aeekar as emendas do
nobre deputado.
O que nos cumpre conhecer nesta oeeasio se
a le que auterisou o contrate foi observada. Se
resultar desse exarne a afirmativa, devoraos ap-
prova-lo, e do contrario mandarinos contratar de
novo.
Se de fado se verificar a primeira hypothese,
estou certo que nao apparecero reclamaces da
parte da companhia; todos estn sabstsitoe om as
vantagons do contrato.
O Sn. Aybbs Gama : era sabem.nuacs sao as
conuinoer, a manir pane dos a-ciosi*^ i|oo{a-
0 Su. Lopes Machado :Nao acredite que algncni
comproinetta hoje os seus eapitaes sera esperancas
de lucro, e para se chegar at ah pelo menos, nao
faltara clculos que provara contra essa ignorancia
de que falla o nobre deputado. E deraais se os
accionistas sabem quo nao podem reclamar, como
ignoram as condicoes da sua empreza, segundo
disse o nobre deputado*?
Sr. presidente, salvando a approvaeo^ desta
arserabla, o contrato est lindo, lei entre as
parles desde que nelle appareeein suas assigna-
turas.
O Sr. Ayres Gama :Por ora nio lei, ns
que lhe damos este carcter.
O Sr. Lopes Hachado :Bem, mas se estiver de
accordo com as clausulas *da lei, nao lhe podemos
retirar esse carcter, lei nestas condicoes.
O Sn. Ayres Gama :Ha do ser.
O Sr. Lopes Machado :Nao sei se a empreza
dos trilhos urbanos de Apipucos teve sub'vengao da
provincia, e todos esses favores meucionados pelo
nobre deputado, mas tivesse ou nao, d'ahi nao se
segu que a de Olinda fosse sobrecarregada de
condicoes.
O Sn. Ayres Gama :Se me mostrar que essas
condicoes onerosas sao eui proveito da provincia,
dar-lhe-hei um apoiado.
O Sn. Lopes Machado :Quizera que V. Exc.
me mostrease primeramente que ellas sao onero-
sas para o contratante; estou convencido, porm,
que, por mais quo faca, nao conreguir demons-
trar a proposico, em vista dos fados da renuncia
e dos lucros que o contratante auferio com a
tranferencia da empreza. Quanto ao proveito da
proviuci3, dir-lhe-!iei sempre, para satisfazer, que
aquella espontanea renuncia foi favoravel aos co-
fres pblicos, e a roalisaco da empreza, que
naturalmente ser o comeco da va frrea do nor-
te, trar vantagons ao pblico e incremento
provincia.
Creio que nao poder constestar os beneficios do
vapor.
A demonstrado que lhe peco, uo nao poder
fazer nunca sera comprometter ajustiea das emen-
das que apresentou, e que se achara era dis-
cuso.
Sr. presidente, pedi a palavra para estas breves
consideracees, que me parecem sufllcientes mos-
trar que nesta materia nao podemos ir alm da
approvaeo ou rejeico do contrato; e ainda para
protestar contra a iminerecida censura que fez ao
honrado cavalheiro que estava naquelle tempo
frente da administracao, attribuindvlhe m f no
acto de contratar com o emprezario, cujos inte-
resses o nobro deputado defende.
O Sr. Ayres Gama :Est claro, antes de fallar
j o sabia.
O Sr. Lopes Machado :J sabia ? Bom que
reconheca a injustica com que procedeu por essas
manifestacoes de sua propria consciencia.
O Sr. Ayres Gama :Felismente ainda aguardo
i otado.
O Sr. Lopes Machado :Ento ainda espero que
desses leves estremecimentos da sua consemneia
intacta, vmlia depois a mais intima reprovacao da
censura que acaba a faatr, tanto mai# imrnerecida,
quanto a primeira vez que se ataca nina admi-
nistracao por se ter mostrado zelosa pelos inte-
resses que administra; e afinal se convenea que
na sua censura est o elogio mais pomposo, que
podia tecer es*e distiodo cavalheiro quem
quiz deprimir, apresentando-o -.essas indecencia
de reposteiro. (Apoiados).
Tenbo concluido.
Verificando-so nao haver numero, tica a dis-
cussao adiada.
O Sr. Presidente, designa a ordem do da e
levantou a sesso.
TKtpprovoii em primeira o de n. que approv^ o
compromisso da irmandade do Santissimo Sacra-
mento da cidade de Olinda ; em segunda o de n.
71 quo transfere para o dia l.de setembron aber-
tura da assembla provincial, dispensado o inters-
ticio requerimento do Sr. Aminthas ; em tercei-
ra o de n. 65 que restabelece o lugar de primeira
tab-llio do termo do Rio Forraoso, fallando contra
o projecto o Sr. G. Drummond
A requerimento do Sr. Gaspar Drummond foi a
?otaco nominal, sendo approvado por 19 vote s,
contra 5.
Approvou em primeira o de n. que manda per-
tencer ao districto de Caruar a povoaco de Ala-
goa dos Gatos, dispensado o intersticio requeri-
mento do Sr. Lopes Machado.
Continuando a discusso dos additivos offereci-
dos ao oreamento provincial, fallaran! sobre elles
os Srs. Ayres Gama, Amaral e Mello, Gaspar Drum-
mond. Silva Ramos, ficando a materia adiada por
fallado numero legal.
A ordem do dia para a sesso de hoje alm da
materia j dada a segunda discusso dos pmjec
tos n. 66 e terceira dos de ns. 68 e 71 iodos deste
anno
ACCO MERITORIA.Ura desses actos qae re-
velara grandeza d'alraa e magnanimidade de co-
raco, foi hontem levado ao conhecimento da as-
sembla provincial, que o registrou nos sens an-
naes.
Orava n Sr. Dr. Araujo Beltro, sobre o projec-
to dos 10:0005000 para a libertaco de creancas
escravas. O orador, desenvulvendo em seu dis-
curso a necessidade de tratar-se quanto antes des
sa magna qnesto, apresentava como medida prin-
cipal para para extirpar esse cancro a liberdade
do ventre. Em aparte provocaran o orador a que
dsse o exemplo. *
Ento o Sr. Dr. Beltro leu perante a assem-
bla ura documente, no qual elle e seus presados
paes e irmos declaravara livres d'agora para
sempre o ventre de suas escravas.
Esta acga meritoria, este acto de amor liber-
dade, forra* por si_s u melhor panegyrico de
quem o praticou : nao ha phrases que sejam bas-
tantes para louva-lo. A historia encarregar-se-ha
de relerabra-lo.
FERNANDO DE NORONHA.-Por deliberado
da presidencia de 2 do crrente, foi exonerado,
seu pedido, Jos Antonio de Moraes escrivo deste
presidio, sendo Horneado para o substituir o Sr.
Gentil Homem Rodrigues di Souza.
PRONUNCIA.-Pelo subdelegado de Serinhem
foi pronunciado no art. 201 do cdigo criminal,
Manoel Olegario da Fonceca, como autor de feri-
raentos graves feitos em Simo Jos de Azevedo
Santos, era dias do mez de abril.
CADVER EM PUTREFACCO No dia 27 do
passado foi encontrado era trras do engenho Con-
ceicao, o cadver do preto Sal, escravo do Sr.
Manuel Germano riegueira Pinto de Souza, que
tres dias antes salnra de casa de seu senhor, afnn
de buscar agua ao rio, e uo voltra. O estado
adiantado de putrefacto em quo se achava nao
perraittio conhecer-se a causa da merte.
VAPOR JEQUIA'.Procedente de Pencdo e M-
cete chegou hontem este vapor, da companhia
Pernambucana.
A presidencia de Sergipe rescindi o con-
trato da puWicaijo do expediente do governo com
0 Jornal de Sergipe, e contratou cora o jornal Con-
servador.
Tendo recusado a saneco lei do oreamento
provincial feita pela assembla provincial, man-
dou a presidencia da provincia vigorar o anterior,
do anno de 1868.
Em Macci prosegua a correigo, celebrada
pelo Dr. juiz de direito da capital.
ARCADIA PEBNAMBL'CANA Hoje ao meio
dia harer sesso, na ra Nova n. 58. Discute-se
theseQual a difj'erenra entre a liberdade anti-
gae a moderna f
LEILO. O agente Martms faz hoje leilo de
movis : a ra do Imperador n. 14, segundo an-
dar.
LOTERA. A que se acha venda a 108, a
beneficio da matriz de Flores, que corre no dia 5.
PASSAGEIROS. Do vapor brasileiro Giqui,
entrado dos portes do sul :
Dr. Antonio Joaquim de Moraes, sua senhora e
1 criado, Francisco de Vascouceilos Mendonea, Je-
suino Barroso de Mello, Jos Beuto Vieira e 1 cria-
do, Jos Antonio de Ahneida Guimaraes, George
Foioler, Tliomaz Williatn Caliste.
Do hiate brasileiro Mara Amalia, sahido pa-
ra o Aracaty :
Raymundo Antunes de Olivcira.
Do brigue portuguez Constante J, entrado de
Lisboa :
Luiz Manoel Siraes Jnior,' Antonio Eduardo de
Oliveira.
Assignou^Sfi dia para julgamento dos seguintes
AppELtXg.vo crimi. appellante,' Joo L\iiz
Silveira ; appellado, o jnrzo.
As 2 horas da tarde encerron-se a sesso.
da
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO
BALANCETE DO NOVO BANCO DE PERNAMBUCO EM LIQl'I-
DAQAO, EM 31 DE MATO DE 1869.
.Activo.
Letras protestadas........ 199:560-3!)
Ttulos depositad ....... 19:42V
Despezas geraes......... I7<5U0G>
Caixa.Pelos seguintes valores
Em ouro amoedado.
Em notas do thesouro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil .
Emprata e cobre. .
i:9:jS680
49:2o2 5000
' 161383
Ris. .
\issivo.
5h367033
271:945471
Capital......
Emsso..........
Coritas correnics cora juros! '. '.
Conlas correntes sia^iles. .
Fundo de reserva.......
Ttulos era caur4o. ......
Massas fallidas a cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e pordas....... .
116:0975000
9:000000
4:602080
5:816 $084
112:7433766
19:4295614
3:61a907
KM Vi tu l
2303620
Ris.
271:9453471
28 notas do valor
24 ditas
20 dta '
i":monstraqaoda emissao
de
de
de
2004001)
lOOOOO
oOiiOOO
Ris. .
5:6O0O0O
2:4003000
1:0003000
9:0003000
E. S. e 0-
0 guarda Untos
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
CHRONICA JLDH1ARIA.
TRIBUNAL DA ttl^.A* O.
SESSO EM 1 DE JUNHO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. HR. CONSELHEIRO CAETANO
SANTIAOO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra procurador da corda,
Lourenco Santiago, Ahneida Albtiquerque, Motta,
Domingues da Silva, Souza Leao e Freitas Henri-
ques, abrio-se a sesso.
Passados os feitos deram-sc os seguintes julga-
mentos:
Acoravode petic.ao.Aggravante, Joaquim Co-
Iho Cintra; ggravado, o juizo.Relator oSr.des-
embargador Guerra, sorteados os Srs. desembar-
gadores Domingues da Silva e Almeida Albuquer-
que.Deram provraento.
Habbas corpus.De Malhias Jos Rodrigues,
consederam a soltura.
Appeilacobs civeis.Appellante, Manoel Barbo-
sa da Silva; appellado, Feliciano Joaquim dos San-
tos.Despresados os embargos. Appellante, or-
berto de Souza Leaidade; appellada, a cmara
municipal de Olinda.Mandaram proceder urna
vistoria.
AppellacXo crime.Appellante, o Dr. juiz de
direito; appellado, Luiz Guimaraes de Mello.A'
novo jury.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Se desembar-
gador Guerra. Appellaco civel: appelhntes,
Adriano & Castro ; appelladcs, Belarmiuo o An-
tonio.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pellaco crime: appellante, o juizo; appellado,
Marcolino Fernandes Moura.
DIARIO DE PERWAMBUCO
RECIFE, 3 DE JUNHO DE 1869.
NOTICIAS DA EUROPA.
O vapor inglez Chrysolile foi portador do jor-
naes de Lisboa do dia 13 do passado, inmediato
ao em que d'al sahio o Oneida.
O Jornal do Coininercio d as seguintes noticias
e telegrammas :
O imperador Napoleo recebeu em audiencia
lord Grilles, o qual parti logo depois para Lon-
dres.
O Jortthl Ofikial do Imperio nao publica me-
dida alguma importante.
Todos os dias augmenta a agitaeo em Fran-
ca, a proposito das eleicoes ; c a polica excrce a
maior vigilancia sobre as reunies eleiteracs.
O Jornal de Roma desmente de novo a noticia
do se adiar a reunan do concilio ecumnico.
Diz que esta noticia, quo urna parte da m-
prensa estrangera persiste em propagar, carece
de todo o fundamento.
JJm telegrainraa de Florcuca annuncia a for-
maco do ministerio, apuntando os mesmos nomes
citados pelo nosso despacho particular.
o As npticas da ilha da Reunio, recebdas por
va de Marselha, dizem que as coasas voltarara ao
seu estedo normal, o que a tranqullidade era toda
a colonia ficou completamente restabelecida.
Constada Nova-York que o valor total dos
bens sequestrados aos insurgentes de Cuba eleva-
se pouco mais ou menos a cinco ralhes de libras
sterlinas.
O cambio de ferro do Pacifico est completa-
mente terminado.
Madrid, 14 as 7 horas e 13 minutos *da tarde.
O Sr. Balagner, defendendo em principio a mu-
narchia democrtica, obteve urna nova redac^o,
declarando que a soberana reside na naco, c que
todos os poderes dimanara d'ella.
Madrid, 13 s 8 h. e 13 m. da tarde.O Sr.
Orense fez ura discurso de tres horas era favor da
repblica federativa. Respondcii-lhe o Sr. Ulla
era nume da commissao, combatendo a repblica.
Sabe-so de boa origera que os affonsistas se agi-
tara para que o general Serrano accete s elle o
governo; a opimao liberal faz viva opposico. E'
inexacto que o Sr. Lorenzano tenha apre sua deraisso, em consequencia da missao espe-
cial de Mortemar. >
Florenca, 13.Assegura-se que o novo mi-
nisterio est coraposto da manera segninte : Me-
nabra, presidente ; Ferrari, interior; Digny, (Lian-
cas; Filippi, justica; Bertholo Viale, guerra; Ming-
hetti, agricultura; Ribottt, inarnha ; Mordini, obras
publicas; Bergoni, in^rueco.
Madrid, 14 s 9 h. e.w m. da manhaAs
cortes regeitaram diversas emendas pedindo urna
repblica de-aixo de diversas formas. A emenda
dizendo que o chefe de estado deve ser hespanhol
de origera foi rejeitada. O Sr. Sagasta est resta-
belecraii, e j entrn de novo em exercicio como
ministro da governaco.
Madrid, 14 s 5 h. e 23 m. da tarde.A emen-
da do Sr. Balagner, pedindo a monarchia demo-
crtica, foi retirada, depois do consentimento do Sr.
Oluzagn, em nomo da commissao, afim de que a
redaeco do artigo 33 fosse modificada. A emen-
da do Sr. Garrido, pedindo que o monarcha seja
hespanhol, foi rejeitada por 124 votos cottra .60,
depois de ura discurso do marechal Serrano e do
general Prim. A sesso continua ainda.
a Madrid, 14 s II b Ol m. da manha. -161
votos contra 2 rejeitaram a emenda, era que se pe-
dia que a forma de governo fosse a repblica de-
mocrtica. O orador declaro* que ha de rospeiUr
a deciso das cortos. O Sr. Ruano apoou a emen-
da para que a forma de governo seja republicana.
Retirou a mneo, depois da declaraeo de abando-
nar a idea de -
pirtunament
sos direitos e o fiel cumprimeato dos nessos esta-
tutos.
Recife, 2dejnnho de 1869.
Alijuns accionista'.
Nao queremos sustentar nem ao menos respon-
der nada sob a capa do anonymo que o escudo
das covardes, por isso como literal da Garaelleira
convidamos o Vellador, do Diario do 1 do curren-
te, a arriar r mascara e aceitar urna discusso
Spiaimprensa sob assignatura e provocamos i que
enuncie os lacios que deslustrara a poltica de-
luda nosta localidade
Queremos realidades e nao alluses ; desojamos
ver quaes as traficancias que sliberaes Ozeram, e
em nome dcrlodos declaramos que estamos promn-
ts a respoudar perante a lei.
, Fique certo o Vellador, quo os liberaes da Ga-
melleira apezar do ostrocismo a que foram votados,
ainda tem alguem que possa francamente repellr
a nojenta baba da calumnia qne a avidez do mun-
do tem feito alguem daqui vomitar sobre nos, este-
jam pois provocados para urna discusso sob as-
signatura, que fareraos outro tanto, porm que nao
venha a?1 signado por um Jos Deodxto; seja a dis-
cusso entre o conservador vellador e nos, porque
pelo dedo cunhecemos o gigante e pedimos que co-
meco pelo recruta do Bonito que nos achara em
guarda; e covardes ser aquelle que pripieiro re-
cuar. Para os anonymds o silencio ser noss
resposta.
J. P.
Tributo de reconheci-
mento
O abaixo assignado, por si, e era nome dos mo-
radores deTegipi, que o constituirn! Ihesoureira
das esmolas para a celebraco da devocao do mez-
marianno. julga do seu dever agradecer publica-
mente ao Illm. e Rvm. Sr. viga rio Fredcrico de Al-
meida Albuquerque, a dedicacao c abnegaco per-
feitamente evanglicas, cum que se presten a offl-
ciar sacerdotaluiente a mesma devocao.
Durante um mez, foi esse exemplar ministro do
Senhor incansavel nos meios de santificar a3 al-
mas, j celebrando diariamente o santo sacrificio
da Missa, j pregando, j confessando, e por fin,
autorisado por S. Exc. Rvma., abenepando o po-
vo com o Santissimo Sacramento.
Nao obstante as fadigas de viagens diarias, nao
obstante o transtorno de nao seguir para a sua vi-
gararia deMaranguapc,no vapor do dia 14 do pas-
sado mez, nao obstante em summa a privaco de
todos os seus commodos, esse digno sacerdote nao
quz receber ura s real de gratificaco ; e a quan-
tia de oitenta e tantos mil res, producto liquido
da subsenpeo, e que foram postos sua dispori-
cao, dcstnou-a elle para"as obras mais urgentes
da igreja.
Por tal e to nobre procedimento o nomo di
Illm. e Rvm. Sr. vigario Fredcrico de Almeida Al-
buquerque, tica gravado no coraco dos moradores-
de Tcgip, e perpetuamente aqui permanecer a
memoria de tao virtuoso e exemplar sacerdote.
Os mesmos moradores, c com elles o abaixo as-
signado, fazem os raais sinceros votos ao Todo Po-
deroso para que S. S. Rvma. tenha urna prospera
viagem, e para que em toda a sua vida goso das
prosperidades, de que digno.
Tegipi 1 de junho de 1869.
Joao Maria de iledeiros.
;ue
Do Sr. desembargador Alnieidaidbuquerque ao
Motta.Appenaces criraes:
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINGIAL.-Na sesead de hon-
tem approvou era urna nnica discusso o projecto
oueapprova o compromisso da irmandade de Nossa
benhora da Penha da fregueeia de Garaelleira; 3'
o de numero que approva o regulameoto do tliea-
|ro de Santa Isabel; em 1* o de n. 60, que ap-
5rova o compromisso da irmandade do Senhor dos
[artvrios em Goyaona; em 3a o de n. M qne
manda-abonar seis mozos de sold ao cap to do
corpo de polica Luiz de Franca Mello jnior; em
2' a emenda apreeentada em 3* ao pri jecto p. 36;
em 2* a emenda apreieaiada. em 3' rprojecto n! fe outra
Sr. desembargador
appeilaote, o juizo; appellado,* o escrivo Jor-
ge. Appellante, o juizo; appellado, Daniel, es-
cravo.
Do Sr. desenibargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva.Appellaces criraes: ap-
pellante, Belarmino Joo dos Santos; appellado,
o juizo. Appellante, o juiz de direito; appellados
Andr Dam3ceno Rocha. Appellante, o juiz de
direito; appeilaao, Joo Ignacio dos Sanios.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao Sr.
desembargador Souza Leo. Appellaco civel:
appellante, Manoel HeDrique Pimentel; appellado,
Thoraaz d'Aquino Cruvelo. Appellaco crime: ap-
pellante, o juiz de aireito; appellado, Julio, os-
cravo.
Do Sr. dMurnbargador Souza LeoaoSr. desem-
bargador Freitas Henriques.Appellaco crime:
appellante, Joaquim Monteiro do Nascimento; ap-
pellado, o juizo.
DoSr. desembargador Freitas Henriques ao Sr.
desembargador GitiranaAppcllacdes criraes: ap-
pellante. Manoel Leite de Mello; appellada, a jus-
tica. Appellante, o promotor; appellado, Antonio
Fjrrera de Otivena. Appellaco civel: impelan-
te, Jos Jeronymo Monteiro ; appellada, a imperial
irnBdi>de de Nossa Senhora dns Fronteiras.
DUOSNCiA crhb.Com vista ao Sr. desembar-
gador carador geral: appellante, o juizo; appel-
lado, Basilio Luiz da Silva. '.ora vista ao Sr. des
embargador promotor da justica : appellante o juiz
de direito; appeados, Valentun Vieira da Cosa
a minora se reserva indicar op-
os elementos estranhos de que se
compde. O deputado Jaul apoiou a emenda, para
a formacao do n:n directorio trennal uomeado
pela cmara.
a Madrid, 14 s h. o 16 m. da tarde.As cor-
tes rejeitaram militas emendas. O Sr. Balagner
pede que a forma de governo seja a monarchia de-
mocrtica. A moco foi retirada, mas o artigo 32
ha de ser redigido, oestes termos : i A sobera-
na reside na naco, da qual diinanam todos o?
poderes. ->
Madrid, 14 s i h. c m. da tarde. 124
votos contra 60 rejeitaram urna mogao, pedindo
que o mona'vha seja hespanhol, lilho de hespanhol
nascdo em llespanha. Houve outra moco pe-
dindo que a eleico do monareha fosse feita por
meio de plebiscito. >
PUBLECACOES A PEDIDO.
Resposta e rectificarlo
O contrato celebrado com o governo pelo
actual imprezario dramtico do theatro da
Santa Isabel despe o seguate no
Art 18.
As subvences que lhe forem conce-
didas, ser5o pagas em duas prestacoes
iguaes, sendo a primeira no meiado do
anno scenico, e a segn ia no flm do mes-
Era vista daquella disposico claro que
a assembla concendendo subvenco im-
presa dramtica, n3o alterou nem modiii-
con 6 supradito contrato.
O amigo da verdade
Piihica^o solicitada.
Soffrendoeu de suppresso de menstruo ba mais
de tres antro, tendo os joelhos e juntas dj3 ps
muito enchadas e com frequentes dores, tanto que
pouco e diflieilment podia andar, casualmente
ouvindo 1er um annuncio de uns remedios de ve-
lame para esta e outras doencas, expostos ven-
da na botica do Chagas, roa Direita n. 3, man-
to comprar os ditos remedios, e os tendo asado
durante um mez, sinto-mo completamente rosta-
belecida. Nao devendo oceultar a prodigiosa effi-
cacia desses remedios bem das uessoas que de!-
les precisarem : dou toda a pubiicidade a este
facto.
Maria Luzia da Conceico Ferreira Ramo?.
COMMERCIO.
A directora dos trilhos urbanos do Recife
Olinda nao pode fazer chamada para a segunda
prestaco ser realisada, por se adiar irregular e
nullamente funceionando, por isso que determi-
nando positiva e claramente o art. 19 dos estatutos
que a companhia ser administrada por cinco di-
rectores, apenas se acham quatro legitmente cons-
tituidos, porquanto oExm. Sr. Barao da Soledade
nao aceitando o lagar de director, e portante nao
tomando posse, ipso facto, flcou vaga e inutilizada
tal eseolha, cabendo assembla geral o direito de
elegor outro director, e nao a directora que arro-
ou a si o direito de faze-lo, convidando o Sr.
Do Joaquim Al ves.
O art. 32 nao pode servir de apoio ao acto da
directora, porquanto nao se deu fallecimento,
ausencia ira renuncia, por isso que o Sr. Baro
uo aceitou o lugar, como ja se disse nao toman-
do posse, e o espirito da lei que, s depois da
posse.ou quaiquer outro acto pralicado pelo direc-
tor eleito que demonstre plenamente a ratencao
de oceupar o cargo, poda e devia-se considerar
composta a directora em face do art 19. e ento
renunciando1 elle, fallecendo ou ausentando-se, ca-
ba directora o direito do chamar outro qual-
quer accionista na hypothese do art. 31 Se,
pois, esta a interpretacao da nossa lei orgnica,
como comecaram os Srs. directores a praticar
nullidades ? Gomo pretendem exercer actos, estan-
do nullamente con-lituidos 1 Era face do art. 31
os contratos s podem obrigar a companhia ema-
nados pela directora logalmente reeonhecida e
solidara ; oeste caso nao est a de que se trat
que se acha manca, isto apenas cora quatro
raeuibros II!
Em vista, poi, do que ligeramente se vem de
dizer, esperamos que a directora estudando os ea-'
tatutos, arrepte canetra, convoque a assembla
geral, constitua-se legalmente como manda o art.
19 entto oxerca todos os aetos qae forem a tom
da companhia.
Estamos^ oonveneidos que assim o farao ; se,
porem o nao fizerem, protestaremos no iaiso com-
petente, e usaremos dos meios lgaos qae estive-
rom ao nosso alcance, a8n> de garantirmos os nos-
PRAQA DO RECIFE 2 DE JL'.NHO DE 186';
AS 3 i/2 HORAS DA TARDE.
Couros seceos salgados260 rs. por libra.
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 3/8 d. por
UOOO.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
CASADE"CAMB!0
Teodoro Simn & C.
Comprara e vendem por conta propria
raelaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
SBJJ8J de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ti lu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrate, e a prazo-flxo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limiled
Desconta lctlras da praca taxa con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou i praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinbo n. 7
ALFANDEGA.
Kendimento do dia 1 .
dem do dia i ....... ,
63:233Jdi8
48:773,161*
106:009J66S
MOVIMELNTO DA ALFANDEGA
volumes entrados com fazendas 100
dem idem com gneros JO
Volumes sabidos com faaendas 909
dem idem com gneros 200
m
499
Descarregain hoje 3 de junho
Brigue nonieguonse=A!meroadorias.
Barca francezaSp4#n?=ideni.
Brigue iuglezBellt of the CtyiBm.
Brigue portuguez2ViwnpAo=idem.
Lugar dinamarquezL*r==idem.
Patacho nglez Ospray = baralho.
Patacho nacional =-Jboatc~varios gneros.
Barca luglezaTalismnafinto de trigo.
Escuoa norte- alleraaa GtrarOna = farinha dt
trigo.
Barca mgleza=Co>Kiidem.
Escuna mglezaStar ofthe Bi*<=-idem.
Vapor ingleCkrptolittmercadoria?.
Brlgae portagueiConstante J=4dem.
HKEBEDOBJA DE HENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimontododiai..... 3:86**Ufc
*
i (
v
i\
V
i
v>
III^H
wm


Diario de Pernambuco Qmhta- feira 3 de Jurt$rr> de 186K
*
*

r
t

Idom do dia 2
2:031*180
5.929 Sf>;Ji
CNSUL
Rendimentododis i
dem do dia .
PROVINCIAL
4:0w
8:922*576
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 2.
Lisboa23 das, brigue pirlujuei Constante I, de
477 tonelada*, eapitao Augusto C. dos Reis,
equipagem 13, carga vinho e outros gneros; ;i
O.iveira FilUo c C.
Rio dfe Janeiro2'j chis, barca pirlugueza Cons-
tante III, de 2i9 toneladas, capitS i S. A. dos
Rois. equipagem 11 carga 1,800 ira fa-
rinha de mandioca e outros geaeros; a Olivoi-
ra Futios & (',.
Porlo-Alegre23 das, patacho norte allemao Non-
,/. il 150 toneladas, eapitao J. Engell, equipa-
acia 7, carga ;(.!) saceos cora arinha de man-
; a Ah >rim Irmo.
Rio-Grande doSul19 dias, patacho nacional Da-
c/, do 22i toneladas, eapitao Agostinho da Sil-
va Noves, equipagc n lo. carga 11,781 arrobas
de carne ; a Bavid Kerrejra Hallar.
Liverpool por Lislia21 das do primeiro porto
c 17 do segundo, vapor inglez Chrsolite, de
417 toneladas, capillo W. I. lell,*quipageni 2(i,
carga duendas eoutros gneros; a Tilomas Jef-
feries C.
Montevideo13 das, barca ingleza Peler Crerar,
de 628 toneladas, eapitao John R. Garri, orjui-
pagcni li cm lastro; a orden).
MaceiID horas, vapor brasileiro Giqui, de 223
toneladas, eammandaHte Asev do, equipagem
23. carga 1378 fardes de algodSo; a Companhia
Pemameneana.
Rio de Janeiro21 dias, sumaca hcspanhola Ma-
ra Asunta, da 132 toneladas, eapilo Salvador
Leinona, e.|iipagom U, eni lastro; a l'ereira
Carueiro & C.
Navios saludos no mesno dia.
Cosa da BoaPatacho portuguez Des nido, ea-
pitao Miguel Ferrara, carga agurdenle.
AracatyHiato brasileiro Mara .invita, eapitao
Francisco Thomaz de Assis, carga differenles
gneros.
CanalPatacho inglez John Ernest, eapitao Grif-
an, earga aromar.
Barcelona Patacho hespanhol Ricardo, eapitao
Marislany, carga almola
Observurao.
Fundeou no lamario um brigue hespanhol, tuas
uao teve cuiimiunicacao com a turra.
ECITAES.
Madre de De I
Sobrado de um andar n. 9. 3604000
Tren n. 22......-' 1:000*000!
dem idem n. "SO.'...... 602J000
Idemidemn.il....... 60:
....<>.. 300.5000
Beeco das Q.-ias:
Sobrado de dous andaros n. 10. 3665000
Ra c a Moeda.
Gasa terrea n. 21....... 3805000
dem n. 47........ 3535000
dem n. 49......... 2525000
Ra do Amorta.
Casa terrea n. 56...... 422J000
dem n. 34......, 4225000
dem n. 52......... 4535000
dem n. 47........ 4635000
dem n. 4fi...... 4425000
dem idem n. 43. ..'.... 472
dem idem u. 24...... 855000
Azeile de Beixe.
Casa terrea n. 23...... 5725000
l\ua do Vgario.
Loja da casa n. 27...... 303400;
Encantamento.
Casaterrean.il...... 9514000
Ra da Cruz.
Sobrado de dous n. 29..... 8025000
Idem n. 12......... S805000
Rita do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1G000
dem idem n. 103.................. 801*000
Idem laemn. 101 ................. 03*0 H)
dem n. 89......?.........- ...... 2423000
Idem n. 2......................... 765000
Idem n. 110..................... 2035000
Idom n. 106....................... 2025000
dem n. 104..................... 1815000
Idem n. 98........................ 2035000
Idem 11. 96......................., 2025000
Idem n. 94........................ 2405000
dem n. 100......., ,........... ,. .. 2015000
Sitio n. 3 no Forno da Cal........... 1505000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataco as suas Mancas, 011 comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife. 20 de maio de 1869.
O escrivao.
Pedro RoirSmtt de Sana,
O inspector interino da alfandega faz
publico, que a;hando-se as mcrcadori s,
confuas nos volamos abaixo mencionadas,
no caso de serem arrematadas para con-
sumo nos termos do cap. 0" til. 3" do re-
gulamento de 19 de setembro de 1800,
os seus donos, ou consignatarios deverao
despacha-las no prasode 10 das, sobpena
de ndo elle, serem vendidas por sua
oonta, sem que Ibes fique competindo alle-
gar contra os elleitos desta venda.
Armazem n. II.
7 caixas marca I. A. C. C. n. 42 e 48,
con queixos, viudas de Berdeaux, no vapor
francez Guienc entrado neste porto ein 3
de fevetL'iro do corrente atino consignadas
a Costa Carvalbo.
Armazem n. 6.
799 ditas marca diamante sem numero,
com sabao, vindas de Liverpool no brigue
inglez Margara, entrado cm 5 de novem
bro de 1868, ignora-se a consignarlo.
2 marca L. D. n. _i> e 30 com ferro em
ubra, vindas do Havre na barca franceza
S. Attdr, entrada em 10 de novembro de
dito anno, consignadas a Len Desprey.
2 barricas marcas K. & C. ns. 802 e 803
com queijos, vindas do Havre na barca fran-
ceza Veridiana. entrada em 1 de fevereiro
do corrente anno, consignadas a Kellcr & C*
Alfandega de Pernambuco, Io de junho de
1809.
O inspector interino
Luiz de Canalho Paes de Andrade.
De ordern do lili. Sr. Inspector da thesoura-
ria de Runda desta provincia, se faz publico para
conhecimento de quem interessar, que no dia 16
de junho prximo vindnuro, perante a mesma the-
souraria serao, arrematados por quem mais der
os arrehdainentos annuaes que devem ter princi-
pio no i" de julho deste anno, dos proprios naci
naes abaixos mencionados. Os pretendentes de-
verao dirigir suas propostas em carias fechadas
ao Illm. Sr. inspector at as 10 horas do referido
dia.
Secretaria da thesonraria de fazenda de Per-
nambuco, 26 de maio de 1869.
O ofuVial-maior,
Manoel Monede da Silva Costa.
Relarao dos proprios nacionaes a que se refere o
annuncio cima.
Casa terrea n. 21 sita na ra de Santa Therezn.
dem n. 19 idem idem.
dem n. 10 na ra das Aguas-Verdes.
Sobrado de dous andares r). 11 na ra Direita.
Armazem n. 1 sito no Forte do Matto.
dem n. 3 idem idem.
dem n. 22 idem idem.___________________
Santa Casa da Misericordia
do Recifgy,.
A Illm" junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite tem de mandar edificar no
lugar em que existe o sobrado arruinado n. 33 da
ra Direita, um armazem com dnas tientos, urna
para a mesma ra Direita c outra para a da As-
sumpcao, com tres portas cm cada urna dessas
frentes, sendo as portadas de podras lavradas, po-
dendo para esse fim aproveilaremse a^ pedras
que all existm ; devendo serem as frentes cons-
truidas desde os alicerces. Contrata, pois, com
quem por menor pceo izer semelhanle obra, e
por isso convida as pessoas que se propozerem a
eflectua-la que aprescnlem suas proposlas em
cartas fechadas > t as 2 horas da tarde do dia 3
de junho prximo futuro, podendo os pretenden-
tes, para o fim de examinarem as obras a fazer-se,
procurar as chaves daquelle sobrado nesta secre-
taria.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, 25 de maio de 1869.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Sexta-feira 4 do corrente, linda a audiencia
do Illm. Sr. Dr. jota de orphos, tem de ser vendida
em hasta publica, a escrava Leonor, crioula, idade
de 40 annos, sadia, de servieo domestico; por
9505000, vai a praca a rc(|uenmento de Libanio
Candido Rideiro; tutor.di menor sua sobrinha
Anna Amalia.
Conselho de compras
navaes.
O cnnselho crniMtt 10 dia 5 do jouho do cor-
rente auno, vista de propostas recibida* al
11 lioras da tnanhaa, e sob ascondicoes doe***!?
o forneciraento aos navios da armad leci-,
memos de martnha, no trimestre de jolbo setem-
bro prximo vindnuro, do segninte :
Vveres, dietas e outros objeelos do .
consumo.
Arroz do Maranhao, azeite doce de Lisboa, dito
inferior, agurdente de 20 graos, assncar branco
refinado, aletria, araruta, assucar branco grosso,
baralho, bolachjj bolachinha_ americana, cangica
ou miliio pilado, caf em grao, caf muido, cha
hysson, carne verde, cevadinlia, carne shcc do Bio
Grande do Sal, carnauba em velas, feijao, farinha
de mandioca da trra, galinhas, lenha, m tte, man-
teiga ingleza, manteiga'franceza, pao, sabaomassa,
sal, toncinhe de Li-boa, tapioca, tijolo de alvena-
ria grossa, vinlw de Lisboa, velas stearinas, vina-
gre de Lisboa, e velas stearinas de 8 em libra
para lanternas.
Sala das sessSes do conseflw de compras navaes
31 de maio de 1869.
O secretario
lexandre Rodrigues dos Anjos
Pela recebedoria de rendas internas
geraes, su faz publico que neste corrente
mez de junho, que os devedores do impos-
io de 20 porcento da decima demo mor-
ta e ilo imposto especial sobre casas de
movis, roup? etc, fabricado^ cm paiz es-
trangeiro teem de pagar, vre de multa, o
2' semestre do exercicio corrente de 1868
1809, depois do que ser cobraip com a
multa de 6 /0-
Recebedoria de Pernambuco 2 de junho
de 1869.
O administrador
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
THEATRO
DE
EMPREZA DRAMTICA
DE
Sabbado 5 de jiuiho de 18G9
Primeira represenlaeao do grande drama e r 5
actos
I FILUO BO POYO
ou
0 vendedor de limonada.
Personagens. Os senhores.
Gaspar (vendedor de limonada) J. Augusto.
Bertrand (soldado).....P. da Costa.
Jaeqnes Fauvel......J. Victorino.
Jorge (eapitao de cavallaria). Eduardo.
Ceroura........J. Guimaraes.
Santa Rosa.
Brochado.
Lessa.
Jordani.
D. Julia.
> Clelia.
Apolonia.
prisioneiros
DECLARACOES.
lo
anta Casa da Misericordia
Btecife.
A Olma, junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recito manda fazer publico que na
>ala de suas sessdes, no dia 3 de junho, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas.
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
i ira annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra Direita.
obrSado de dou> andares n. 8. .
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47......
dem idem n. 63......
dem n. 47. 49.......
Travessa de S. Jos.
Casa terrean. 5.......
dem idem 7........
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30 ". .
dem idem n. 34.......
I lv. idem n. 36. ...
Ra de Hortas,
Primeiro andar e sotao do sobrado
n. 41.........
Ra de Santa Thereza.
Casa terrea n. 5.......
Ra larga do Rosarte.
Terceiro andar do sobrado n."26 .
Terceiro dito do sobrado n. 2 4 .
Ra do Calabouco.
Casa terrean. 18......
dem a. 20........
Ra da Cadeia.
Sobrado de um andar n. 23 .
Ra da Moeda.
Sobrado de um andar n. 41 .
Primeiro andar do sobrado n. 37.
Segundo andar dito.....
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1......
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Praga de Pedro II.
Segundo andar do sobrado n. 33. .
1:0674000
1704000
1763000
1704000
1724000
1594000
1774000
1684000
1784000
Caillot.
Antonio (carcereiro da Forc).
Debauval.......
Eustachio.......
Luiza Rernard......
Catharina Gaspar......
Julia.........>
Povo, soldados, agentes policiaes,
bonapartistas.
A aecao passa-se em Paris e Belleville 1814 a
1815. '
Denominacao dos actos.
.1 A lilha do general Remado.Praga a noite.
2 A campainha de pai Gaspar.Sala em casa
de Fauvel.
3 Briga de familia. Rico Jardim.
4* Agua pelo amor de Dos! Mansarda do
pai Gaspar.
5o Viva o Imperador Na priaao da Comier-
gerio.
O scenario do 3- acto inteiramente novo e de-
vido ao hai'il pincel do Sr. Chapelin.
Da fim ao espactaculo a cansoneta do Sr. Mu-
tinho
O boleeiro apaixonado.
Comecar as 8 horas.
COMPAMH-.VPr-nNVMBUfi.VNV
Navegado cnsteiva por vapor.
fiorto do Gajlrihas, Rio Fotanoso o
Tmandar.
O regar Parakgba, command.inte
seguir para ospoitos cima
_ no dia 18 do corrente a mefa noite.
Reocbe carga, cncommendas, pasaagelros e di-
nheiroa frete, n escriptorio do Furto do Mattos
n. 12.
LEILOES.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaoo costelra por Tapor.
Mair.atioiiape.
O-vapor Coruripe, commandanto Penna, segu
para o porto cima huje as 5 1/2 huras da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageos e dinbei-
ro a frete at as 2 horas da larde no escripto-
rio da Forte do Mallos n. 12.
' COMPANHIA PERNAMBUCANA.
ni:
Xavega-o coscira por vapor.
Pa?ahyba, Natal, Mtico, Mossor, Ara-
caty, Gear, Acarac e Granja.
O vapor Pirapmna, commandante
Torres, seguir para os portes cima
no dia 15 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebo carga at o dia 14, encom-
mendas, passageiros o djnhoiro a frote al a*
i horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
io Forte do Mattos n. 12.
CJIPIU BRASILEIRi
di:
Paquetes a vapor.
Dos portes do sul 6 esperado
ate o dia 8 de junho o vapor
Paran, commandantc o eapitao
do fragata Antonio Joaquim de
Santa Harbara, o qual depois da
demora do costumo seguir para os portos do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o .vapor poder conduzir, a qual dever
hit embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das edinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
lloras.
Nao se recebem cerno encommendas senilo ob
(ectos de pequeo valor c que nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
Yudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passn-
gens so se receben na agencia ra da Cruz n. 57.
1 an#r, escriptorio de Antonio Luiz de Olivoira
Azevedo & C.
LEILAO
De tres casas terreas, duas ino-
btlias e um piauo.
O'agenle Pontual competentemente autorisado
vender em leiliio 3 casas terreas em solo foreiro.
sita3 ra deS. Joo ns. 20, 22" e 2i (remiendo
mensalmeute cada urna 254 e-sendo todas edill-
cidaia.14 roezes. Na mesma occasiao vender
'2 mohilias sendo urna do Jacaranda e outra de
amarello e um marqiiezao.
II4MI .
No 1 andar do sobrado n. 62, ra da Cruz,
as 11- oras.
lEILAO""
lie fazeudas avariadas e ontras
em Jmuii estado.
A 3 do junlio,
0> agente Oliveira tara leilaopor conla e risco
de quem pertencerde poredes de chitas e de ma-
dapoloes avariados'de dilTerentes marcas, e de fa-
zendas limpas, consistindo oslas em superiores
casetm'ras novas, lindos cortinados para jancllas,
gravatas de cores, de seda o de velludo, lencos
de seda de 7 em peca, ditos grandes inuito apre-
ciados, eonfeccoes de renda, collarinhos de linho,
cintos de seti vestidos do-ftistoe de cambraia
de linho com enfeites para meninos, colxetes cm
caixinhas, adereces completos, capsulas para re-
wolrers, lapetnnos para rima de mesa, cestinhas
wra viagem e outras que apparecero.
HOJK
as 11 horas da manha, em seu escriptorio rus
da Cadeia n. 4, por cima do armazem de (atendas
do Sr. Barroca.
Consulado provincial.'
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico que, no dia 1" de junho vindouro,
se principian! a contar os 30"dias uteis
para a cobranza bocea do cofre dos im-
postos: da decima urbana, de 5 % sobre
os bens de raiz perlencentes corporagoes
de m5o morta, e de 20 % d' eonsumm
de agurdente relativo ao 2" semestre do
anno financeiro vigente 18681869, eque
ficam sugeitos 3 multa de 6 % todos os
dbitos que forem pagos depois de Ondos
os referidos 30 dias.
Mesa do consulado provincial de Per-
nambuco, 23 demaii de 1860.
Antonio Carneiro Machado Rios
All BRASILE1RA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 9 de junho o vapor
Cfu-eiro do Sul, commandante
Alcoforadii, o qual depois da de-
mora do costunie seguir para os
do sul.
Desde recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condnzir, a qual dever
ser embarcada no'dia desnachegada. Encommen-
das e dinlioiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se rocebem como encommendas sena ob-
lectos do pequeo valor e que nao excedan) arrobas de peso ou 8 palmos cubiecs. de medicao.
Yudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qoe suas passa-
fens sse recebom na agencia ra da Cruz n. 57.
andar, escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
De 30 barris eom manteiga in-
gleza.
bojI':.
O agente Pestaa tari leilao por conla c risco
de quem pertencer de 20 barris com manteiga
ingleza em um ou mais totes a vontade : quinta-
feira 3 do corrente pelas 11 horas da rnanhaa na
pogta do armazem lo Sr. Annes defronte da al-
fandega.
IBIIAO~
De um mcleqoa de 18 annos de bonita figura.
Urna escrava de 'JO annos com todas as habi-
lidades .
iso.ji;
Pelo agente Hastas a ra do Imperador n. 14,
segundo andar, onde haver teilo de movis.
Da armacao. gneros e portea-
res da taberna da ra da ma-
triz da Boa-vista n. 5*.
O agente Martinsfar, leiEo-dn arma?5o, gene-
partenccj da taberna cima, em um ou
mais lofes'a vontade dos compradores, pois ga-
rante-se a casa ao comprador do cslabeJecimento.
Sabbado 5 do corrente.
As 11 horas do dia no mcsino cstaboleeiraento.
AVISOS DIVERSOS.
corra aos nos
Um bom guarda-lonca de amarello, 2 lindos ap-
paradores novos, 1 rico apparetbu de porcelana
com lisas verdes para jantar, e 1 linio appare-
Iho de porcelana com listras douradas para cha, o
mal i moderno que lia : a tratar na loja da rna da
Cadeia do Recife n, 9.
LEILAO
Para os portos cima segu com brevidade a
barca portugoeza Clementiwi, tem parte do sen
carregainento engajado, o- para o resto que I he
falta, trata-so com os consignatarios Antonio Luiz
de Oli'vira Azevedo & CM ra da Cruz n. 57.
Para o Porto
BOM WOCIO
O commendador Tasso.
deseja alagar por mdico
pre^o as baixas c alaga-
dos do seu sitio do Co-
cunda, s quaes vao des-
de aponle da estrada no-
va de Beberibe at truasi
a estrada vellia ao lugar de Agua Fria.
comprehendendo urna grande ilha, qual
assim como as referidas baixas se prertam
muito a planlacao de capim, arroz e qnal-
quer outras plaas que percisam dle trra
fresca todo o tnno.
O referido commendador no.djivida fa-
zer arrendameato desses terrenos e alaga-
dos por G ou mesmo 9 anuos, c dar am
anno de fogo morto a quem der (langa
idnea e se obligue a rotear os mesmos.
1TTNCA0
0
Precisa-se de um bomcm co ponca
familia, e de boa conducta para encarre-
gar-se do ensino de preparatorios, no po-
voado dos Montes (Una) ultima estacao da
via frrea aonde poder adquirir muitos
alumnos, com tanto que seja perfeitamen-
le habilitado as materias mais necessarias
do curso preparatorio: tralar a ra do
Ouron. 32. portao de ferro.____________
Au7mio. Constanca Ma-
chado Beltro, Leonel de Lacerda Machado, D.
Catharina de Rieci Machado, genros e filhos de D.
Perceveranda de Lacerda Machado, fallecida no
dia 31 de maio ultimo, confessam-sc summamente
agradecidos todas as pessas que se dignaran
acompanhar ao ultimo jazigo, os restos mojties de
sua presada sagra e mai ; e convidan) nao so a
essas mesmas pessas, como tambem todas as
mais, seus amigos ou da fallecida, a asistirem a
misal solemne do stimo dia, que mandam rea)-
na matriz do Corpo_Santo, no dia 7 do corrente,
s 7 horas da manha.
Recife, 2 de junho de 18G9.
DE
Movis, louca e csystaes
H&JE.
Urna mobilia de Jacaranda a Lata XV, composta
de 12 cadenas de guarnicao, 4 lilas de bracos, 2
ditas de balanco, um sofj 2 consolos e urna jar-
dineira com tampo de.pedra marinare, dous guar-
da vestidos de amarello, um tclette de Jacaranda,
dous quadros riquissimos com-linas gravuras, nm
espelho grande com moldura dourada, dous pares
de jarros de porcelana, um candieiro a gaz; nm 1
de lanternas com ninstentes, urna banca de
par de lanternas com pmgentes,
mogno para costura, um potta-vaso de Jacaranda "j0<0 joiluuim da Silva Araujo e Carlos la Silva
com Uimpo de pedra, urna secretaria de Jacaranda. ^rau0 covidam aos seus pwenles o amigos-a
urna commoda de amarello a Luiz XV; urna cama T5R1_ ..wk,j m. ..h. o= k hAnwik
de raiz de amarello com dous colchos de molla e
estes novos, 2 sofs de amarello, diversas cseiras
para sala de jantar, un guarda leuca de amarel-
lo moderno e em perfeilo estado, urna mesa els-
tica, u.n aparador do amarello, urna cirleira, um
lavatorio, um par de figuras de poreelana. urna
cadeira privada, dora cabides, um marquezo,
duas marquezas, um par de cadeiras de balanco, Mr^d^fMer"co"branas, dentro ou rradesta
um lustre gaz un. meio apparelho dentar, ton- g <^Wram Vommercial. dand fedor
assistirero, sabbado 3 do corrente, as 8 horas da.
manha, na igreja do Corpo Santo, a urna missa c
memento, que maoda.i. celebrar por alma (te seu
prendo pai, Jos Joaquim da Silva Araujo, falle-
cido era Santos no da 10 do maio, pojo que desdi-
j se confessan) grato:
. Offerece-se um moco-brasileiro para encar-
ca a imitacao de louea chineza, um dito de porce
fana para almoQO, garrafas, copos,, corapoteiras,
galheteiros e muitos outros objectos de casa do
familia. Na mesma pecasio se vender urna es
AO PUBLICO.
Achando-se bastante doeate o artista Thomaz
ficou transferido o beneficio do actor Co uto Ro-
cha para quaddo do novo fr annunciado.
OALCACAR
Ra nova d Santa Rita nu-
mero 1.
Sabbado, 3 do corrente, ter lugar um sump-
tuoso baile em beneficio, o que desde j pede o
beneficiado, que os bilhetes passados serio pagos
todos entrada, e o resto dos bilhetes acham-se
venda no mesmo Alcafar ato sabbado, e que
ninguem podo entrar sem bilhete. Domingo (6)
haver o recreio do oostume, e ainda se recebem
assigna turas.
O administrador,
Luiz Lopes.
a tratar com Cunha, Irmos & C, ra da Madre
de Dos n. 34._________________^^________
Para o Porto
segu at o dia 10 de junho a barca p^rtugueza
Flix, de 1" elasse. Tem grande parte da carg*
prompla, e para o resto e passageiros, trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca &
C., ra do Vigario u. 19, 1" andar.
objc
cao do agento Martins, no segundo andar do so-
brado da ra do Imperador n. t't, s 10 horas da
manha.
LEILAO
300J000
1715000
2il000
2413000
3005000
212*000
'684*000
96*000
100*000
3.* seceo.Secretaria do governo de Pernam-
buco, 28 de maio de 1809.
SjPela secretaria do governo se convida as pes-
sas que quizerem contratar a construccao de duas
puntes, sendo urna oreada em 172:300*000, no
Caxanga, e outra em 123:330*000 na Passagem da
Magdalena, a apresentarem, no prazo de sessenta
dias, suas propostas em cartas fechadas ao Exm.
Sr. vice-presidente da provincia.
Na mesma secretara serao franqueados aos
concurrentes, para os convenientes exames, as
plantas c orcamentos de laes pontes.
O secretario,
Dr. Joaquim Correa de Araujo.
O inspector interino da alfandega faz publico
que no dia 5 de junho vindouro,^ depois do meio
dia, e porta da mesma repartieao, serao levadas
hasta publica, livre de direitos aq arrematante,
as madeiras velhasque foram extrahidas as obras
da ponte, e que se achain no largo do Trapiche
300*0001 do Algodao, constando, pouco mais ou menos, de
76*000150 esteios, 190travos, 17 duzias de tahoas de ama-
rello de estiva, 30 enehameis e travetas, e 16 du-
zias de taboas de pinho de coberta, avahadas em
300*000.
Alfandega de Pertiambuco 31 de maio de 1869.
O inspector interino,
Luiz de C. P. de Andrade.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavega^o cosleira por vapor.
Goyanna
O vapor Parahya, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 6 do cor-
rente as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas. passageiros
e dmheiro a frete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12._______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xaveswo costelra por vapor.
Macei em direHura e Penedo.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
dia 8 do corrente as 5 horas da
tardo. Recebe carga at o dia 7, encommendas,
passagens e dmheiro a frete at *as 2 horas da
tarde do dia da sahida; no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12.
Para o Porto
A barca portugueza, do primeira marcha, Aocn
Siimpftthia, tendo quasi toda a sua carga a bordo,
deve seguir impreteriveimente para o porto cima
indicado at o dia 10 do corrente mez, e recebe
ainda alguma carga e passageiros, offerecendo a
estes ricos e expelientes commodos : a tratar Da
ra do Vigario n. 11, 1' andar, escriptorio de
Bailar, Oliveira i C.
Para o Rio-Grande do
Sul.
Deve seguir dentro em poueos dias a
barca nacional Thereza Ia, e ainda recebe
alguma carga frete: a tralar na ra do
Vigario n. 1, esoriptoria de Baltar, Olw-
veira A- C.
da anaaco com os ganeros existentes na
taberna sita rea do Rangel n. 8.
A 4 do corrente.
O agente Oliveira proceder o leilao por manda-
do d Illm. Sr. Dr. juiz do direito da 2J vara cri-
minal e substituto m exercicio da especial do
commercio nesta cidado, da armaco com todos
os gneros da taberna supra indicada, arrestada a
Luiz Jfc de Franca Carioca, por Aaeida Borgos
& C.
Sexta-feira, 4 do corronto
s 11 horas da manha, e em s lote, no lugar da
mesma taberna, podendo os pretendentes exami-
nar previamente o balanco em aio do dito agente.
praea, de qnalquer casa Vommercial, daad* i
de sua pessa, Quem de seu presumo se quizer
utilisar, dirija-se a ra, das Cruzes n. 9 primar
andar, das 9 boras da manha ao meio u, ou an
nunrie por este Piar ti*._________________
Precisa-se de ue> menino para caixeiro
tratar na rna Direita dos Afogados n 18.
Precisa-se d> um caixeiro que tenha pratira
de padaria : a tratar no pateo do Terco n. 63.
Precisa-se de urna ama para casa de homen
solteiro : a ra de Aguas Verde n. 80.
LEILAO
1
PARA
Pretende seguir com multa brevidade para este
porto o palhabote portuguez Elephante por ter a
maior parte da carga engajada ; e pan o resto
que lite falla tratase com o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro, ra do Commercio
n. 17.
Ilha de S. Miguel
Para o porto aoima segu com muda brevidade
o patacho portag.iez Jarense por j ter prompta
quasi toda a carga : para o resto que Ihe falta e
passageiros. para os quaes tem bellos oommodos,
trata-se eom o consignatario Joo do Reg Lima,
ra de Apollo n. 4.
Do diversos artigos para carros como sejain :
galo de la c seda largo e estrello, fitas de la
para redeas, borllas de la c seda, correntes de
ac para erro, pares de loques de 4 e 5 binas,
ponas de hinca para 4 cavallos, colleiras falsas
para ditos, gurnioues de casquinho e lauto para 2
cavallos, ditas dobradas de Mato para cabr olet.
dirs de casqninho, ditas de lalao, ditas de metal
principe, guarnicoes de compacos, ditas de dobra-
dices para carrol grosas de flvelas de latao gran-
des, pares de chaves de casquinho para carro,
ferros para colleiras; na mesma occasio se ven-
dero diversos castraos de vidro, candieiros de
latao, um jogo de gamo, globos para candieiros,
lanternas, um binculo de marflm, esporas, ban-
deras pequeas, um sortimento de bicos, rendas
o raneas, fechues de torcal, chales pretos, mo-
didas, metros e moitas outras miudozas para fo-
obar contas
Sexta-feira 4 do corrente.
Antonio Firmino Dumont tara leilao, por inter-
vencao do agente Martins, de artigos para car-
ros diversas miudezas ao corrar do martello,
em pequeos lotes para fechar contas em sen es-
tabelecimento ra Nova n. 9, as 11 horas do
dia cima.
Da-so por mui pouco dinheiro um grande livro
com 954 paginasBibliotlieqne Orintale, ou Dic-
tionaire UniverselPar Monsiear D'HerLelotAu-
toridade da Santa S na America Meridional, eom
um supplemento e notas, todo marginado, on ano-
tado pelo finado general Abreu c Lima, 1 votu-
me.Tentativa Tbcologica, ou a faculdade dos
Srs. Rispos de dispensar ivos empedimntos pobl-
eos d.) matrimonio, e de prove- espiritualmente
em todos os mais wsos soservados ao pana, como
appendix o ilhistraco da tentativa theolngica so-
bre o poder dos Bispos, 3 grossos volumes, por
Antonio l'ereira do Fiieiredo. Dictionare de
theologie par Bergier, 8 volumes. Documentos
relativos la vida publica del libertador de Co-
lombia y del Per Simn Bolvar, 15 votamos.
Histoiro Naturede du Genre Humain,. par i. J.
Vircy, 3 volumes : na ra de Hortas o. 96, das .
as 9 horas da manha, ou das 3 s 7 horas da
tarde._________________________-______
Hospital portuguez
Oprovedor do hospital portugus d*'
beneficencia em Pernambuco, roga aos
Srs. socios para que tenham a bondade de
reunir-ge emsessaoextraordinaria odia
do corrente, domingo, pelas II boras da
manha na sala das sesses, do mesmo
estabelecimento, afim de se considerar e
deliberar sobre assumptos qu muito iaa-
portam e dizem respeito ao referido hos-
pital.
Recife 2 ile junho de. 18G0.
0 provedor
Francisco Joo de Barros.
RA
DO
CABUGI
esquina
| da ra larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
UA
EO
CABUG
11
jOE_______ .
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,| esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. j % da ra largado!
vista da qualidade e do prepo dasjoiascada um pder-se-ha convencerrerdade.l i
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por preqoslMD #le- Rosario.
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.




Diario de Pernanibuco Quinta feira 3 de Junho de 1869.
ESCRMI-
FGIDA
Fugio no da 5 de selembro do anno passado a
scrava por nonie Eduvignes, Cabra, idade 33 ni-
os, pouco raais ou menus, magra, altura regular,
pos peqntnos, peitos sumidos, bastante falladeira,
bebe alguma cousa, fuma cachimbo, o em cada
cotovdlu tem um carolo bstanle saliente ; esta
escrava foi comprada ao Sr. Grillo, dos Afogados,
dias amos de sua fgida, e const;i andar pela Boa-
Vista, na prolissao de lavadeira ". qucm a appre-
hender ser recompensado com a quantia de !00.
conduzindo-a casa de sen senlior, na Capunga'
travessa da Graea, segundo sitio de porlfio de pa>,
MOFINA
Daseja-se fallar te Sr. Sevoriuo Duarte
do Commereio n. 18, armasen).
na ra
Ama
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE JL* OliXBA.
Por ordem la directora s5o convidado
os Srs. accionistas ;\ ceotiiarca no preso
de 15 dias {a contar do i do jiinlio de
1869) a segunda prestacao de snas aeces
narazode 10 0,0. Para esse fin ser
encontrado o theaoureiro, desde s i I ho-
ras da manh s 2 da tarde de todos os
dias uteis, no escriptorio da companhia 3
ra do Commereio n. 32, i m Ir.
O art. 8 dos estatutos dispoe que o ac-
cionista que nao realisar a importancia das
prestacoes nos prazos determinados perde-
r cm favor da companhia a prestacao an-
teriormente paga.
Recife, 31 de maio de 48G9.
Tlieo. Just.
Io secretario
Precisa.se de urna ama para colindar e fn-
zer compras para casa de homei.i solteiro : na ra
!>irc ta n. 8.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para o
servico interno de urna rasa de familia, que saiba
bein entornillar : a tratar na ra da Cruz n. 40,
4* andar.
Advocad; i .
Os aclvogados OJilon l.ima e Gomes Prenle lm
escripturio na ra do Impuradur n. 39, Io andar.
ua ama : na ra do Fugo
Precisa-se de
n. 31.
BAR
0
Vende- se o engenho denominado Sa-
bcalni, sito no municipio de Porto Calvo, ]g,y
legua e n.eia distante da vil a do mesmo
respectivo porto de embarque,
com meia tagua do trra, conform i
sam as -uas .-.iipluras, que serio
sentadas ao comprador, paito d'ellas ain-
la m mallas virgens. Me com forc.
de animaes, pi rw i Me moer bem coi
aioa. .
Nao tem obra alguma de importancia ; ,:.
mas a IM terreno em fertilidade peral
mente eoehecida como mu dVs melhorea
daquelle municipio; ondeado salfrcjar .:_?;'
anualmente tres mil paes de assurai
em vanea de raassape amarello, e de
niuo liom assncar : a tratar no mesmo gjl
i ngenho cm os abaixo assignados. fij
Recite, i de loaba de 1869
i. Mariana J. AecieU Waudtrley. j|}
.tefOMH Aos senhores de en-
genhos.
'Compra--1 um vapor de niaior ou menor torea,
nia obstte celar trabalhado : qoem otivere
laixer negociar, dirija-se ru das Cnues*. 5r,
escriptorie de Antonio C. M. Temporal.________
['i. i-a--; contratar .cum urna pessoaqne
ienlia alguns escravos aqueta entr;r com eflps
para a soctedade ou aduiinislracjio de um enge-
nho, distante meia legna da estadio da\ia-icrrea :
tamhem seengajam alguns escravos, e para isto
-se dar algum dinheiro adiantadn. A pesso
que quizer aununcta para ser procurada, ou diri-
ia-.-e ao chefe da esjaco da Gamclleirn. o Sr.
Meira l.ima, oa a roa Direita n. 21, 1 andar, onde
adiar eoui qoem tratar.
Jos 6oncWes Ferrete Costa,
vai para Lisboa a 'alar de sua jl$
- O Sr. c".;ji.ii Augusto Leal KerroTra. tenha
a bondad.: de dirigir-8B ra do Horlas n. 96, das
rt as 9 horas da in.'iilm, ou das 3 as ti boras da
tarde, a n a interesse.
Preeisa-se de um menino para criado, de
idadede li anuos : a tratar na ra da Cadeia n.
53, leJB de Cb*pi *.
Acaba de sabir luz mu opsculo intitulado
Lua 1 ni ,~ i liminaes e seu recur-
socoiit.-ndo a expisiefiij cm forma didctica de
ludo quanto se aciVi c>!abelecido acerca de tal ma-
teria p-:la legislacao em vigor; trjbalho de sum-
ma utilidade nao s nio tambem para as de outra nuelqucr profiSsa ,
poisque mais ou menos a lodos toca c Btereae i
acha-se a venda na livraria Universal, ruado
Imperador, pelo pre<}o de 23000.____ ____
Proeka se de una boa cozmlieira para casa
de urna familia, e alo precisa fazer compras : na
ra do Rangel n. 7 se dir aonde .
Ama
Pi-.'cisa-se de una ama para cozinhar : na ra
do Queimado n. 12, 1 andar.
Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltro
RA DO TR.\PICIIE N. 47, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenfa.
fluimaies.
Coimbra.
Chaves.
Visco.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilba.
Vassa! (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.________________'j
Na e-trada de Joao de Barros, siuTCafund'',
na garrotes para vender, e no mesmo sitio pre-
cisa-se de um menino ou preto velho qne sirva
para pastnrar gado, queni pretender dirija-sea
tvpugrapliia a fallar com Joan Ferreira>on
oa loj de calcado n. 37, rna do Livramento.
Antonio Duarte Carneiro Vianna tem vendi-
do a sua luja de ferrairens sita ra Nova n. Vi,
os Srs. Almeida & Vianna, com todas as fazendas
awtM na mesma.
PAR\ UZO INTERNO
H EP1IHD05 SIIFI.ES
Xarnpe Je jarnlicba, Vinho de jnrobeba, Pilalss Je
jurub>-lia. Tiuiura Je jumbeba, Exlracio bydraleoolico
de iarubeba.
rBrriros coiirosTOi
Vinho Je Jarabrta ferniginoso, Xarnpe de jurubeba
ferruginoso, Pfate* 'le jiirnbeb frrrnginoso.
fui na aman
Uli-'i "c luiubeba. I'omada de jurubeba, Emplastro de
1 A JlItlBEBl.
F.sla plaota boje rrtODBMlda coni o mais poderoso
'ouico. r. ino um evecllcnt deubilruenle, e como lat
jpplicada nos eacorgitaneatM do fleado e ba?o, na-
heMlilM piniriaiiienle diUt, on anda complicadai
com laazarrhaa. as mllamniates snb-equeules as
ebres iuieoiilrnlcs ou duieza*, nos abeessos internos,
tos iiimmes (MMsIombU do ulero a abdomen, nos
tumores Rlandiilesos, IM anazareha. as hrdiopeziai.
erjMpellas; e aneciada as |iropara\'es ferruginosas,
in la de grande vanlnjem as anemias, chlnroses,
faltas Je m-n-truaiJo. Uucurrheias.desarianjo- alni-
mos do estomago, dcbliJade orgnicas, e pobreza de
sansuc.clc.
0 que dizemos .fiiim.io oa mais dislinctos medios
^kfls citade. entre os quaes poJom os citar os Illlms,
Srs. Prs. Silva Bimos. Aqnino Fonseca. Sarment,
Seve, Pereira do Carino. Firmo Xavier, Silva, ele. Todos
altea reennberem a cxccllencia d'esle poderoso medica-
mcnlo sobre os demais al hoje conbecidos para todos
os casos i lados, tanto que lodos os das fazeni d'elle
spplicacao.
.tpre>eiitondo aos mdicos e ao publico em geral di-
versos pn-parados Ja jurubeba. livmos por liin gene-
ralisar mais o uso d'esle vegetal, fazendo desapparecer
rrp.iguancia que at boje senliam os doenies de usar
Jo> preparados empricos d'elle, o mais das veres repu-
gnantes a lragarcin.se. c que nnli.im anda a desvanta*
gem de nao ser calculada a dose conveniente a appli-
car-se, o que lorna multas vezes Imprnlicuo um med-
camenlo. que poderia prodnzir opiimo resultados.
Os nossos prepados su forero apresentaJos depoisda
bavermos canienintemi.'nle estudaJoa jurubeba, fa-
zendo a ciperienciaa precisas para bem conhecer as
propiirdades medicamentosas d'esla plaa em suas
raizes, folbas fructas ou bagas, a a dose convenieMlea
applicacao. tendo alera d'islo procurado levar os nossos
preparados ao maior gro de perfeifao possivel, para o
que uno poupamos esfor?os, nlo nos importando o
ronco lucro que possames tirar.
Por lano os q ib se dignaren recorrer aos nosso*
preparados podem ter a cer eza de que elles offeiecem
a garanta, Je qoe se pode encontrar a prompta e iufal-
livel cura de qualque dos suffi imeoics, que deixamos
nniimeradoa, se forem eul lempo applicados lendo
alm d'isso, medico ou docnle a vaniagcm de escolher
as nossas variadas preparaces, aquella qoe melhor
Ihe pode cbnvir, ji pela fcil apnlicato. e j pela com-
Sliwco das molestias, idade, sexo, oa anda nalureza
e cada individuo.
Asnossaspreparacf ferruginosassaofeilasdeforma
que se luniam coinplelameuio toluveis nos suecos
gstricos, poique procuramos os composlos de ferro
que como laes e>to boje reconhecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente qneiram
conhecer apiO|irieiad2s da jurubeba, e saberein a ap-
plicaco de nossos prqiarados, deslribuimos graiuila-
mente cm nosso Jeposilo um foib'lo, onde iiaiamoa
mais exienbamonlo d'esla plaa e dos meemos prepa-
rados.
Deposito eral .fe toa es os prepona twiicd t Drogara
34. me larga do ioiaio, 34.
commereio
Antonio finarte Carn ro Tianna lem disji/ido
a Boeiedadequa linha cow os Sis. Jiiaquim :' r
naodes de Olivei ravares de Aliada,
i|ue pyrava sob a raza) de <'. ira V i Vianna iV C,
m eenmereio do forragcnA e iniudeza?, liayn i
activoe passi'o i!;i mohna carro do ine>nw, ten-
do-se retira lo os dous inteiussadjs pagos o satis-
feo. ____
Autiiiiio Frauciseo d'AquInn Punseca, declara
.ei corpo do eommercin e > publico em peral que
tendo pagn l idoa os drbifats da soa fallecida ruai,
Francisca Mara da O newnjuiga que mais i
deve, mas se abjaom se-julgar eredr da mesma
fallecida queir aprasentar a soa conta pai
pago na cano do -; le devendo ser apro?onta-
do nopraide B dias.
i.Uln
Resta venda lun oscolbido sortimento de ub-
leotos de mareineria. .i, itv brlias de a-
urand. mopno eamar lio, o'ura nacional c ostran-
^eira, de apurado go-tc- e p-ir i'i^o.* vazoaveis :
la ra estreita du Rosario n. 32. Nesta mesma
jasa fazem-secom peifjicrio todos os traballios de
palhinha, como sojam, enwalnamcntos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
Na ra da Praia n. 1, precisa-se de ama ama
qoe ?aiba cozin'nar bem.____________________
Xarope de Fedegoso, do Pinto.
E' de urna efQcacia verdaderamente ma-
r vi liosa como calmante dopystema nervo-
so e applicado contra a paralisia, asthma,
losse convulsa oa coqueiuilie, tosse recen-
tes ou antigs suffoca(.es, calarrhos bron.
chicos ele. e a final contra lodos os soffri-
mentos das vas respiratorio, e na phtisi-
ca pulmonar, sea virtudo contra o ttano
ou espasmos, e convulces inconlestavel
e ninguem lia que o desconheca.
UM DESCOBtUMNTO ESPANTOSO I
a lllm. Sr. Joaquim d'AInitiila Pinta.
i Braga, 25 de Janeiro do 1868. .Met
i amigo, aqu cheguei com alguma meltio-
i ra; depois de ter tomado tres garrafas
do seu preparado Xarope de Fedegoso
i isto pelo mar, porque logo que che-
guei em Lisboa, principici com mais f
a tomar o dito xarope, por conhecer pelo
mir que ello fazia grande beneficio, pois
avista da grande quanlidade desangue
que cu botava pela bocea, \i queme hia
desappartcendo com rapidez, depois que
continuei a tomar o dito xarope, e lo
milagroso foi para minha molestia que
i hoje me acho de todo restabelecido, e at
i mesmo bastante nutrido, e por isso pode
i Vmc. lazer scicnle ao publico o milagre
i que o seu preparado obrou na minha en-
i feemidade. Sem tempo para raais, sou
De Vm.
Vmigo atiento venerador e muito obrtgadfi
Ma*ml Jos Gonsalves Pereira.*
lllm. Sr. Joaquim d'Mmeida Pinto.
Ha muito que ouvia pro-lmar aseicel-
lentes propriedades do Xarope de Fede-
goso contra a tosse e asthma, soflrendo
eu de urna tosso pertinaz, e tendo usado
a de toda asarte de medicamentos, valime
pois do Xarope 4e Fedegoso e urna gar
rafa smeott foi bastarte para restibe-
i lea-r-ie, e me vejo 15o robusto e^rno
i d'antes; siieeuiibiiii de certo a oaater
i usado do Xarope ie Fedegoso.
A' \ista disto nao tenho expressoes
i com que exprima a V. S. a gralidao de
i que lln: e devedor o de V^ S. attento
< venerador o criado
JoSa da Cosa liego.
i1'!1 FALQUE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
ENCOSTRA 81 CORSTIIITEIIIITI lili COMPLETO S0BT11EIT ti
CHAPEOS BE lOLl
De todas as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os procos I
RA DO CRESPO N' 4
Trocam-se
is notas do banco do Brasil e das caixas flUtea,
;om descont muito razoavel: na praca da la*
lendencia n. 32.
ACM
Ha mnita necessidade de se fallar eom o Sr.
l'rocopio de Senna Santiago, na ra Direita b. 03,
a negocio que nao llie deve ser estranho.
COMPANHIA PERMMBCAK
DE
lllm. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Tenho a ventura de eommunicar a V. S.
i que gratas ao maravirhoso Xarope de
i Fflrijosi, estou com o meu escravo Jor-
ge completamente restabelecido da mo-
lestia ilos pulmoes que Imauto tempo o
persegua.
Aeceite V. S. eslt minha declaraco
uno prova do meu leconhecimento pelo
i bem q'ie V. S. acaba de fazer-me ecu-
i ja recordado Gcar internada po cora
Os Senhores.Saunders Brothers & C., Tasso
Irmi5os, Luiz Antonio de Siqueira.
0 SR. F. F. BORGFS
*
Restando ainda emittir algiunas aeces d'esta companhia, da quantia nominal de
OO^OOO cada urna, das quaes s, se aceitam cm virtudc da lei. 20 /0, ou WUOO por
cada accao; convida-so pelo presente ao publico em geral o especialmente aos Srs.
capitalistas c inlcressados no commereio, que queiram dar emprego seguro aos cus
:apitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aeces que Ihes approuver.
Algumas destas aeces j tem sido tomadas por pessoas -que conhecem a vantagem,
de na presente occasiao (conheeidameiie a nielhor), empregarem o dinheiro de que
podercm dispr em objectos de val real, como vapores, predios etc., que lites garan-
tam seus capitaes.
A companhia possrie boje 10 vapores, 0 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressainente para eU t.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 % ao anno, nos ltimos 4 annos.
As aeges que se emiltirem gozam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos |ue os antigos em proporgao da entrada.
Recebcm-se asignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12
< -ao .io
De V. S.
Attento venerador e criado
[i?,,;, Joaquim G t.
i
L.
Um, Sr. Joaquim d'Mmida Piiio.~-
i Cumprid um dever degratidSo, parti-
i epo a V. S. qne pormeio do seu aben-
i road Xarope de Fedegoso, est perfeita-
i nento restabeJecido des seus longos sef-
i iVimentos o meo escravo.
Gomo sabe, este mi u escrave tinha
. chegade ao estado mais alictivo da me-
i lestia de pnlmes ; n3o olwtnH um nao
i interrompido uso de remedios, e urna
i demorada viagem ao nosso sertao.
Pois bem; aenfermidad?, que seha-
i via tornado rebelde a todos os meios
i empreados para combate-la, ceden de
< urna maneira qtnsi milagrosa, a quatro
i gairafas, apenas,- do seu fedegoso.
Hoje, gracas a Deus, tente o meu es-
i cravo restabelecido ; e nao 6 fcil mos-
trar todo o reconhecimento que sinto pelo
bem que V. S. me acaba de fa er. >
Sou' de V. S.
Criada agradecida
Mam Norbrta Scheffer.

m
Uqco deposito, ra larga Jo Rosario n.
10, junto ao quartel de policjfa Pernambu-
co.
Continuadamente se nos apresentam no-
vos lestemunhos daellicacia do fedegoso
ePernambuco.
HAi^!
Na fabrica de chapeos de sol, ra do Crespo
ti. i, precisa-se de una costureira.____________
1 ? '
B b- S
2 cr
l s. sr o.
^ 3 J
3 a 2 3
* 2
"^ t 3 S. 2
S 3 T -
c- a. d o ,
la.'i '
t,
a
5?^g'
o^..
3 ?- o
2.^3 J o '
o o _. ~ t-
'/l
l'rccisa-se de urna ana para comprar c co-
zinhar : na ra de Hurtas n. 41.
Attenco
Precisa-se de urna ama forra ou captiva que
saiba cosinhnr e cngoii.iuar, paracas. de familia,
paga-se bem: a tratar na praca do Corpo Santo
n. ti. segundo andar.____________
Nos nbaixo assignados untes com
taberna na ra Imperial n. H'-'i, tennis dissolvidu
a nowa sociedade ipie giiava nanafte de Chaves
& Lima, Rcaado asain ledo aetivo e paaatn a car-
go do socio Cha\r> a icson.Tad da mesma o so-
cio l.ima. Reeife 31 de maio do 1809.
fot PfeM Chaves.
Junoei Francisco de Suza Lima.
y. Mini eaixeira te idade t a l(i
anno- conduca na ra da Impcrajrli n. 9.
Escravos.
Xa padaria da ra Direita n. 84 precto-se alu-
gar dous oscrovos para sei vi > interno.
Precisa-se de nma ama para comprar e cosi-
nhar, jiaracasi de IwniCBi > llero: rita da Praia
n. 4i
Prccisa-se de nina ama para comprar co-
zinhar : na rna do Queimadon. ii, loja.
Preci ma ama, forra ou escrava: na
ra de S. Francisco n. 54.
= Precisa-se de urna mulher para cozinhar e
faier mais algum servido do casa do pouca fami-
lia na ra de S. Joao, taberna nova._________
Escravo eozinheiro
Aluga-se um escravo perfeito eozinheiro e com-
prador, para todo o servico interno e externo de
urna casa : quetn pretender falle na ra Nova
n. O.
; Aluga-se a loja do sobrado n. 32, sita na pra-
ca da. Boa-Vista, tendo commodos para qualquer
eslabelecimento : a tratar na ra do Aleerim
n. 30.
mmmwmm$
1EMPRESTIM0 SOBRE
ma ama para cozinhar, com-
prar c engoromar : na ra da Hrnz n. 0.
Em casa de THEODORU CHR1STI-
ANSEX, ra da Cruz n. 18, encontram-se
eflecliva
Borde
Ltedas as qualidades de vinho
ogre e do Rheno.
prelen jara-se
2 andar.
uj?a-se
li i ra de Agoas-Verdes n.
ate fiuio fresco : os
es Martyrios n. 4,
(SEM LIMITE.)
\a travessa da ra
das Crozes b, 2, pri- I
meira andar, da-se qual-
qnor quantia sobre ouro,
prata e pedras preciosas.
0 dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transaccSo que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerado s pessoas que se
dignarem de" honrado em sea esta-
beleei ment.
Na mesma casa compra-se ouro,
Drata e brilhantes.
5 F I- 3 g
2 H.g-3 3
^ D 1 f (B
yira' =5
a m O
" a cn-
2 c
<*a s -i
o. re a>
J o a 8 w
Sre32-
B^
B- re re o
lis"3
s a a a o
Q. O 6J "
o
T3
o
1

9

ct>
S
811
H
P
O
Ir
O
>
w
o
^
: w* U&* Wi^t v**
GBAiE HOTEL

DO
BRASIL E PORTUGAL
Irade (sr. ver ao res-
. da colgados
.a n. 31.
ce para
a usada o 4
i ur vender anuQn-
procurado,
UilGA-SE
urna preta escravaSqae sirva para tomar conta de
um t. nda e vender na ra: a tratar
na ni 20.
~ i sitio etm piena'casa de
moradia nos Affogados: a tratar nua de 8. Mi-
lgaeln.34.
\AKOPE
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
PELO
PHARMACEUTICO
Soaqsiiai de Almeida Vtnt:
As preparac5es do jurubeba sSo hoje
vantajosamentt couhecidas e prcoDisa
das pelos mais habis mdicos, lauto da
Europa como do paiz, pela sua rflicacia
nos casos de anemia, cliloroze, liydropfsia,
obstrueco do abdomen, e lambem dos de
menstruac5o diflicil, calharro na bexiga,
etc. etc.
Vendem-sc em porgo e a retalho na ci-
dade do Recife. phannacia do sen cr.nipo-
Situado em um dos bairros mais centraes de Paris, sendo as immediaces dos
principaes theatros e outros muitos divertimentos, o assim das estaces dos caminhos da
rro para todos os pontos da Europa, acabado, de ser inteiramente renovado, nlo se
tendo poupado o seu novo propietario a despozas para seu completo embeesamento-
aceio, torna-se portanto vaotajosament recommendavel aos senhores brasileirose por
mguezes, a onde encontrai 3o sempre aquella convivencia dasejada em paiz estranho
por ser constantemente frequenUdo por seus compatriotas. 0 tratamento superior ,
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitacoes conve-
nientemente despostas para fami fos, e qnartos para urna s pessoa, o servico feito
com a precisa regularidade: os precos mmto rasoaveis e ao alcance tambem 'aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaesdos dous paizes, sali de recepcSoe
de msica, etc. ele. Todas estas vanlagens podetn ser applicajlos igualmente aos senho-
res passageiros das repblicas i'o Prata, porque alm da semelhanca da lingoa, ali en-
contrado muitos senhores hespanhoc, por quem tambera esta casi bastate fre-
quentada.
SI
tor, ra larga do Rosario n. 10, unto ao
quartel de polica.
Acha-se fgida ha oito mezes a prela es-
crava, de naco, de nomo M.riaa'cni 10 annos de
idade, baixa e cor fula, consta que diz ser lorra, e
anda vendendo na freguezia da Bna-Yis.-i. eom
urna bandeja piulada do encarnado, com que
fuo : craliliea-se bemaquem a apprchetder e
leva-la a ra Imperial n. I3.
Ama de luite.
Na ra du Imperador n. 01, 2o andar, precisa-
se de urna ama de leite, agradando paga-ac ben.
Precisa se de urna atoa de leite, prometien-
do-se pagar bem com a condicao de ^cr boin o
leite e nao tra/.endo ella lillio : trat;u- na roa do
Crespo n. 18 loja de imadas dos Sis. Andrade &
CASA A FOlTIiaU
Aos 4:000^
Bilhetes garantaos.
A ra do Crespo n. i'i e casas do cestilice.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos 1 inteiro n. 4018 ecm
a sorte de iiOOOjS, 1 meto n. 793 com a sr.rte de
700^, 2 quartoe n. 62 com a sorte de f02, e
nutras inuilas sorles do 1003, &0j c 20.5 da
lotera qtie se acabou de extraliir em bcncfick>
da matriz do Bmque (107'), convida aos pussai-
dores a vin-ai receber seus respectivos pre-
mios sem os descontos das leis na casa da For-
tuna ra do Crespo n. 23.
Ai-hani-se a venda M da S> parte da lotera a
hencticio da inMriz de Floras (10H), quo se ex-
iialiii sahbado > do mea vindo ro.
Precos.
Bilhcte.....45000
Meio.....2*0(h)
Qnario.....1*000
Km porcae de iOOf para cima.
- Bilhcte.....35500
Meio......ii7;;o
Quarto..... 873
Maaoel Martms Fiuza.
Na autiga fabrica de fugos de arlificio da vinva
Bulino. existe .um completo sortimento de ro-Ji-
nlias. cravi-iiiis a pi-tolas, obje.i- i propnos para
os festejos das noites de Santo Auloaio e .S. *0,
ludo por connnodo proco, e como seja a rabtica
distante da cidade, as pessoas que cgnizerem fa-
zer suas e.icominendas, poderio leva-las no .inna-
zem da bola ama relia, no oitao da secretaria da
polica, onde tambem acharan as amostras.
Joaquim Ferreira dos Santos, proles-
sor de danca, chpgado ltimamente da Eu-
rqpa a esta provincia, tem a honra de par-
ticipar a seus Ilustres habitantes, e mut
principalmente aos dignos chefes de familias
que lecciona cm danoa debaixo de toda a
regra na casa de sua residencia, ra do
Imperadsr n. 75 2C andar, as tercas, e
quintas-feiras, das 3 boras da tarde, at s
10 da noute, c aos domingos de manha e
a notite. Promptiieando-se tambem, a ir
as casas particulares e collegios nos dias
que pera issolbe designarem.__________
Na ra Direita n. 2, loja de funileiro, ob no
povoado dos Montes, precisa o abaixo assiguadt
entenderse com o Sr. Manoel Caliste de Souza a
negocio de sea interesse ; isto no praso do tres
dias. Recife 18 de maio de 1869.
Pedro Duarte Rodrigues Franca.
AMA
Precisa-se de urna mulher que saiba engomnaw
para urna casa de familia : a tratar na ra da
Kad.'ia do Recite n. I, 2 andar.
Precisase de urna ama
n. 45.
na ra de Uoatat
Frederico Maia
CfrnrgiSe dentista pela escala
de medicina
do Rio de Ianeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavcl publi-
co desta capital eseus suburbios, que tem abertoo
seu gabinete de consullas e operacues denlajias a
ra Direita n. 12, priineiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantea a*
3 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeicao collocar dentes artificiaes
por qualquer dos systcmas, e bem assim desompe-
nhar qualquer outro traballio concernente sua
proflssao. O mesmo, reconhecendo que neansetB-
pro possivel s senhoras ou crianzas sabirem a
procc-iar o remedio, offereee-se a remover qual-
quer obstculo, declarando qne na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso influa cousa
alguma na commodidade dos precos de seus traba-
mos, e quando para fra delta assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo efle a
seguranza e perfeicao de seus ditos trabalhoa. En
seu gabinete se encontrar constantemente med-
iente pos dentiricio. elixir e outros medieasaan-
tos odontalgicos : i rna Direita n. li, patoairo
andar.
Ama
Precisa-se de urna ama forra ou esera'ja, quo
saiba engommar com perfeicao, para ca9a nma
familia ; na ra das Flores n> 17,. ____^mi_
Vende-se em casa ele Oliveka
Filhos & C, laigo do Corpo
Santo n. 19
fibras esterlinas.
Vinho moscatel de Setubal.
Potassa da Russia, em barns e m
ditos.
Carv3o animal de superior quelidack
Panno de algodo da fabrica de
Velho, para saceos e roopas de escra-osi

r

*

V
1
"K
y
V
i
i
--


I ,l
1
?

tv '

/
Diario de Pernambuco Qunila feira 3 de Junho de 1869.
C01ILT08I0 MEDICO CIRIJRGICO
DO
DR. P. A. LOBO M0SC0S0
3Ra da Gloria sitio do Fundao3
filil NI AMBOS OS SYSTEMAS
- Consultas todos os das desde as 7 horas da manhaa at as II.
Visitas ein casa dos doeutes de 11 horas em diante, em caso urgente a qualquerj
hora do dia ou da noite.
Nao se recebeni chamados se nao por escripto em que declare o nome dapessoa,
toda ra e o numero da casa.
Especia lid,ule em partos, operares, molestias de mulheres o meninos.
Cora radical das molestias venreas, e dos eslreitamentos da ulhera.
Curas radical das molestias do tero, como ulceras, flores L "aucas,, amenonia,
vegetacoes e catarrho, etc. etc.
Recebe-so escravos para traanle molestias ou praticar-llios qualquer operacjio
cirurgica. Diaria 25000 excepto as ooeraroes.
Os melhores remedios homeopticos conhecidos. e por presos muito eom-
modos.
A ESMERALDA
Anda restam algumas colleccfles de
Biographias de alguns poetas, e outros ho-
mens Ilustres da provincia de Pernambuco,
tres tno& escupios pete comraeudador A.
J. de Mello : ra Augusta n. 94.
Em urna caza de familia na ra estreita
do Rosario n. 38 sobrado, prepara-se ai-
moco e jantar com aceto: quem precisar
dirige-so a 'mesma que achara com quem
tratar.
Precisa -se do um hoawtH para feitur de en-
gerira : a tratar m ruado aro n. 31, ca*a com
purio de forre.
Hoga-se pula Segunda vez ao Sr. Josa Jaciu-
Hio da Silva i comparecer no sobrado da ra da-
Cruzes n. !*, Pandar, a negocio de sen interesse.
Trilhos urbanos do Re-
cife aApipucos
Do t' de juuho em diante e durante os mere?
do invern, a partida do? trens dpsta empreza sera
regulada por urna nova tabella, que pode ser pro-
curada desde j na esiaeaa de Hecife.
Win. nawlinson,
Gerente.
Preeia- mato algum servico' de casa de pouca familia ; a
tratar na loja n. '*.*>, esquina da Madre do Heos.
Precisa-se de un feitor : a tratar no Boa-
teiro taberna do Sr. .\ie l) ou na ra do Crespo
d. 2.1__________._____________
Preeisa-se do ama ama para coz aliar : na
ra do Padre Floriano n 71.
DE LEITE
Moreira Duarto & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cva) acabam de reabri-o ao res-i
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-|
dras preciosas
DURO PRATA RfVAL SI
Compra-se moedas de ouro e
bem como libras sterlinas, na ra
bug n. 9, relojoaria.
0 muzeo de joiaa
Na ra do Cabug n. i compra-se ouro, parta
e pedra9 preciosas por precos mais \antajo:-
qne em outra qualquer parte.
a
Compra-se moedas do ouro e piala, bem
como libras sterlinas pop maior preco que
em outra parte: na ra do Crespo n. 16
primeiro andar. _________
E.n casa de Theodoro Simn AC
compra se a bom premio moedas de prata
do cunho velbo: Recife, largo do Corpo
San o n. 21. -_____________
Compra-sH urna e crava de mua idade, que
nao toaba vicias nea Mhaqnop, e nw saibs cus-
otear: na ra de S. Fraoetoco n. 70, labana.
Compra-se
napadaria da ra Direita n. 8i, um eravo de
meia idade, e que sirva para este sor-ico.______
prata e j Ra do Queimadon, 49 e 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
do Mata e iSilva conhecido por
Jos Btgodinho.
Est queitoando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e fazernovo
sorlimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o' que bom e barato.
Garrafas rom agua florida ver-
dadeii a ......
Garrafas com agua divina dame-
lhorqualidade .
Latas com superior banha fran-
cesa ......
Caixas com I 2'frascos de cheiros
proprio para mimos .
Dita co)u frascos muito finos
Oleo baboza muito fino' que s
a vista o .
Sbeseles de^alunga muito bo-
ti to ......
Caixas de p de atroz muito
superior .....
Pegas de babadinlio com 10
varas ......
Caixas redondas enfilando tar-
Sitio.
Compra-se urna casa que ten'ja alguns cmalo-
dos, com sitio, e que soja em jugar inulto perta
dxwtacidade : a tratar na ra di Impcratriz n. 4,
3' andar.
\ 3 Mil
COWHM
16-RUA DA CRUZ-16
S. AXTOaTO, 8. JOAO E g. PEDRO.
lia diariamente sortimento de bollinhos para cha, podins, pes de lo, bollo inglez,
presuntos, ditos emfeambre, pastis de (lillortiites qnalidades. Papis para- sones,
bollos simples e enfeitados, amendoas confeitadas c confeitos. Vinhos finos engarrafa-
dos, superior cli ilisson, pretoe miudinho, fructa em xaropes, ditas seceas e clirista-
lisadas, assucar candi, xaropes refrigerantes. MM
Recebt-se encommendas de baodeija? para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armares de assucar, sondo estas preferiveis as de papelao: bollos etc., pes
de lo enfeitados, qualquer encoinmeucU para lora ser bem acondicionada.
VERDADEIRAS
PILUL&SdeBLANCARD
H
COM tODURETO OO rCRRO INALTEflAVEL
1PPR0VADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DI PARS, ETC.
Poisumdo as propriedades do lodo el do forro, conveni especialmente Os Amccois
BCRoruLSAS, a Tsica no principio,a fraquezad* temperamento tambem nos casos da
Falta db ccr, AMENORRHiA.em que precisareagir sobri o saivgub seja para restituir
Ihe a aua riqueza e ahundencia normaes, ou para provocar o regular o sen cuno peridico.
N. B. O iodare'.e i (erro imparo oa alterado t am mediraDienlo infiel,
irritante. Como prora de porcia de aiheori.lade das verarflr*> M.
taa de niaBeard, dere-se erigir nosse aell* 4o prata reaaUra a,
no'so Brma, aqni reprodniida. que a acha na parta inferior da om
rata!* verde. Dcve-i* desconfiar das falsifiratos.
k blu
^k no-?
Aehasu-ae teda* as pbamreiaa. PharmaeeuHca, mi Bonmpmrtl, 40, Partt
y
Precisase de urna ama de leite, profere-sc a
mullier livre e ?em tillio : na rita das Cruzes n.
.').">, 2' andar.________________________
Na ra do Torres n. 42,3a andar, precisa-se
de urna ama que engomme com perfeicao, paga-
se bem.____________._____________________
Pivcisa-sc alagar um sobrado no balito de
S QU) Antonio, qaj tenha accommodaeOes para
p mea familia, e que esteja limpn, proraettenda-se
ni uto /'! n.i .....servara i da limpezn : a tratar
na roa do Crespo o. 18, loja de (aleadas dos Srs.
Andrade A Melle.________________________
Preeisa-se de um eaixeiro para taberna, de
I'i a l'i anuos, e f]ne d Mador a sua conducta :
no pateo da Riheira n. 21.
BAZAR UNIVERSAL
SORa So?a-O
Carneiro Vianna
Neste BAZAR encontra-se um completo
sortimento de todos os artigos que se ven-
dem por pre>;os connnodos como sejam: Um
completo sortimento de machinas para cos-
tura de toaos os .fystemas, mais modernas
adoptados na America e approvadas na ul-
tima exposico servicos a electos para almo-
coe jaolar, selvas, bandejas, laboliros, bol-
sas 6 malas para viagem, indispeiisaveis para
senhoras, candieiros para sala e cima demesa.
parede e portal, mangas, tubos e globos de
vidro, machinas para l'azer caf, ditas para
batel*ovos, ditas para amassar farinha, ditas
para fazer manleiga, camas de ferro para
casados, solleiros e crianza, bercos, cadei
ras longas para igem, ditas de balango,
espeibos de todos os tamanhos, molduras
para quadros gaz, baldes americanos, gu r-
da comidas, brinijuedos para criaucas, um
completo sortimento de coatiahas, oleados
para sala e n esa, tapetes para sala, quarto,
frente desopila, janella e porta, capachos de
aparto e coco, objectos pare escriptorie e
muitos outros artigos que se encontrarlo
venda no mesmo estabelecimento e que vale
a pe) ir examinar
Precisa-se de urna ama para casa de peque-
iia familia : na ra das Cruzes n. i.
Ama de leite.
Precisa-so de una ama de leite : na ra Nova
n. andar.
As tabeas da redoetffo d s pesos e medidas
antigs ao novo systema mtrico j "/ce-versa, ]<
bem conliecidas do publico, continnam venda
as mesmas casas, a saber : liviana frencera
ra do Crespo n. '.! ; eneadereaejo parisiense ;i
ra do Imperador n. 71 ; loja de papel e objectos
de cscriptorio na da Cadera n. .'J!.
Vndese .1 diulieiro ou a praso a piulara a
vapor ita em l'mi. a qual se actia livre e desem-
barazada : os prelendentes podem entonder-se no
mqgtio lugar com seu proprietario, ou eam lincha
Lima & Guin artes, na roa Ja Cadeia n. 40, e Xe-
comedes Mara Freir, no cae* de' Apnllo.
Vende-se ama est rava de .'- ann ia de idade,
com habilidades cozinba, engomma, cose, e Cu
duee, tudo com perui?ao, a qual mulata eest
grvida : a Irati r no pate du Teroq i. 29.
Librase ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-se no arco da Coiicoiclo na loja
Vurives, no Recife.
$
do
serlao
ueijds
Vcudi'-.-e quejas do sertau I
limlas n. \.
x roa de
Madama Poeeb faz publico, que tendo Ten-
dido seu e-lab 'leement denominadoHotel de
Europe,e retirando-se do paiz, julga nada de-
ver nesta piara, pon'm se algneni se julgar ere-
dor pode aprsentar sua conta at o dia t do
crreme. Igualmente pede aos seus devedores se
sirv.'in vir saldar suas con tas c nao o fazendo,
Ihes repetir e-ie pedido nominalmente pelos jor-
na es.
Precisa-se alugar um escravo para servico
de padaria : a tratar na ra Imperial n. 183.
COMPRAS.
Compra-se
- Vcnde-se um sitio na travesea da Cruz de
Almas, com casa de pedra a c oda 2 salas,
i qnartos, cozinba, cocheira, qnarto para criado,
grande eacimba com tampa, boa batea Jo eapim,
e muitos aiv iredos, terreno propro, Trocar-
se ha tamben" por dna> peqnenas casas terreas
em Santo Antonio tio de monseanor Muiiiz Tavarcs, em Parnamei-
rlm,
I jttOl
i me
;'-v'i(!M
;J8U0
$50C
^000
4300
tarag
de
de cs qualquer
a
nabas muito ft-
ilentes fazenda
de cores
do gaz
tranca do gaz
todas
Vendem-se duas pipas e done barrie noves
para deposito, tudo arqueado de ferro e pintado,
bem construido : a tratar no beceo das Barreias,
casa n. 13.
Vende-se aeonllas do ltio Grande por
commodo na roa da Sep.zala Veiha u. w.
preeo
\Yii'li'-s(; urna |>equena ea-a na na Imperial;
na ra do -Nogueira n. 49 se dir quem vende.
Na mesma ea a vmde-ae urna oor
lia da trra pin- preoo eominodo,
faii-
Parallos de Santo Antonio,
S. Joo e 8. Pedro.
LIMALHV DE FERRO frauilo nova).
DITA D'Ag (idemV
DITA D'AGUUIAS.
Viudi-m-se na botica o drogara de Bar-
tholometi C.
34-RUA LARGA DO R0ZAU034
GAZ GAZ GAZ
Pecas de lita
largura
Escovas para
as .'
Esc ivas para
muito lina .
Pulceiras de contas
para meninos .
Caixas de linlia branca
" com iJO novellos
Caixas de linda
com .10 novellos .
Pecas de tranca lisa de
as cores .....
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de botoes para punhos
muito bonito .
Libras de la pa a bordados de
de todas -s cores .
Feotes com costas de" metal
mnilo linos .
Novellos do linha muito grande
para croxes .
Du/.ia de linha froxa para bor-
dado : .
Grosas de bolocs madreperola
muito uno .....
Sabouete muito finos (J0, 120,
ICO, 2i0 e.....
Pecas de fita de la todas as
cores ......
Espelhos dourados para parede
I jQOO c .
Espelhos de Jacaranda mjto
lino .
Pei;as de trancas brancas e do
cores de caracol i .
Pares de meias croas para me-
ninos ......
Caivete muito fino com 4 fo-
Ihas .i......
Cartilhas da doutrina as mais
. modernas .- .
Frascos de sndalo e palecholy
muito finos .

u
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster 6
C, ra do Imperador, um oarregamento de ca
de primciraqualidade;oqua! so wnde em partida'
e a retalho por menos prejo do qne em ontra qual
qner parte.__________________________
Batatas
a 4200 o gigo : na ra da Madre de Deosn, L
Gigos eom ;i.'i Ijbras, muito boa*.
ouro e prata e pedras preciosas, no arco
da Con .eigao, na loja de ourives, no Re-
c i fe.__________________________
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, compra-scouro, prata, e pedras preciosas,e
tambem se faz qualquer obra de enconimenda, e
todo e qualquer concert.
MUSEO DE JOIAS
tyz
<
GOMES DE (YIATTQS IRM&OS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha -de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda no visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igre^as,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qoalidade dos objectos Tendidos.
ps de laranjas cravo, j plantadas em gigo para"
mudar-se, da china, ps do fructa pao do massa,
de parreiras de diversas qualidades, e de rosas :
em Parnanieirim, sitio junto ao poriiio do encuna-
mento.
Papel.
Papel de impressao, formato do Diario, e qna-
druplo leso, para livros, tanto liso como riscadd,
cr, cari, raisin o Jera, o melhor possivel eraqua-
lidade : a venda na ra d Imperador n. lo, de-
fronte do convento de S. Francisco.
Vende-se um sitio que tem de fundo 600
palmos, a casa edificada do novo, o tem batiho
atraz e fructeiras, na freguezia dos Afogados : a
tratar na ra do Padre Floriano n. 71, 2o andar.
-XA MA LOJA RA O CRESPO 117,
DE
Aniones Guimares k t.
Esteiras dj India e baloes de todas as
qualidades.
Cambraias de cores, percalias, finas bri-
iliantinas de cores, lanzinhas de todas as
qualidades, oto. etc.
Ricos corles de seda de cores e pretas
lavradas.
Ditos ditos de cambraia branca bordada
para casamentes.
Riquissimos cortes de vestidos de blond.
Poupelina de seda, novo gosto no mer-
cado.
Damascos de duas larguras de todas as
coree.
Saias bordadas de novo gosto.
Camisas bordadas para senhora.
Casquines patas de seda.
Casaquinlios de calmita de cor de novo
gosto.
Ricas colchas de seda adamascadas.
Ditas adamascadas de cores.
Alpacas lisas de cores aoves.
Ricas fronhas, lencos, rendas e bicos
bordados.
Bramantes e bretannas fioas e omitas
caltas l'azendas que seria enfadonho mea-
oirmar.
S no Bazar da Moda
RA NOVAN. 50 ESQUINA DA DE SAN-
TO AMARO SE VENDE:
Para sealioras.
Lindos leques. a imilaeSo desajalo a
H e ;>500 rs.
Ditos, com leotijuelas fazenda fina a 3/
e 4-5000.
Ditos elsticos, a imitaco de marlim, 50,
9?5, M e IWOOO.
Coques da ultima moda, lizos e com re-
des de contas a 30, 35500 e iOOO
Ditos com lindos enfciies a 4$, IJQQ,
ty e &\9M0 r*
Ditos com botes de flor de laranja para
noivas a 55-
Ditos de cachos falta novidade cm Pa-
rs!) a 6<( ((>
l.imhis h.ipelinas de patita da Italia e de
fil de seda, gaarQCckkn comrtcwi e ele-
gantes enfetes ultima moda a ll'4, 184
a 200.
Chapeosiiibos de vcudog de lindos mt-
deles a C0, r80 e 20000.
Ditos dn pauta da Italia muito I
feitados a lfl, I45 o IliOOO.
Dikis de penias (nvidadt) para seuborM
a 17^000.
GorritAios de Ri \C para W i i 00.
Chapeos de pallia i os a
i ,io re.
Ditos de seda -ara sol fazenda boa a
50,60800, 105 e 110000.
Casquines de guipar bresco bem eufei-
Ic ultima moda a II
o 200000.
1 litis pretas com ricos eofeitcs de vi-
drilbdl a 180 e 200000.
Sietes reos de setHa eom laros
00, 75. 80, 100 e 120000.
lina linda e rica gtiiiiiao cor de rosa,
a Mara Rosa, (alta novidade) por --80.
Grinaldas de llores muito lint 't?,
75 e 85000.
Canellas de flores de lanirjeiras para
noivas a 40800 e 50000.
Especial sorlimento de gravatinlias para
senhoras.
Sintos de palba muilo lindos a $$000.
Luvas de pelica a duqueza, brancas, de
cores e pretas, o par 30000.
lilonde de seda preto e bresco eom sai-
pi;os e ramagens, o metro a 255GO, 30,
408OOe 60000.
Enfeites de palha milito lindos \ uta co-
ques a 40800 e 5000.
Guipar preto e gipor bresco-, fazenda
nova, para eapinhas, eorpjnlios, pasquines
etc. etc. besitos padioes,o mctroa30(
30800, 40, 10800, e I .
Grande sortimento de bicos c rendas rl
guiptir bramos, e pretos com Co. de 5
fazenda superior, de diversas la; guras e
precos muito barates.
Eeparlbos braocos e de cores n:
lienilVos a 35, ."5. ;-n,U), 1H o 85.
IJifeiles para cabera especial serttaestc,
70, 80 e 90000.
Meias craas, fazenda superior, o parztl
Coi pitillos enfeitados de dt licados gus-
tos a td e 185000.
Metos corpinhos de fil pido e Braacc 3
m.
Lindas c ricas guarnices de '.".res i
promptas para, vestidos a t('. 120, l'0c
150000.
Bomas de la e .-..'da, moda el<......te i
05000.
Cuchins de la de cures a 50, <;-\ o 80.
PAIIA Kd.MENS.
Chapeos de sol, fazesde superior a 85,
105 e 155000
Chapeos de castor branco. fazenda nn,
e forma a moda imperial a 110000.
Corrente de plaqu iguaes s d'ouro um
por 85, 100 e 1 5000.
10500
-500
$240
500
5800
9600
5040
10060
5120
80000
$320
580
5320
51500
I55C0
5000
0060
ym
15500
0400
15200
0 MUSEO DE JOIAS
"*
Vende-se uin piano de jacnindu, de arma-
rio : na ra do Padre Floriano n. 71, 2o andar.
aos m. focteihrob
Bartholomeu &C.
VNDE1E
SALILRE refinado de Ia Jiualidade.
ENXO-REemcylindro
LLMALHA de ferro (muito nova).
DITA d'aco (dem).
DITA d'agulhas.
E todos os mais preparados para os lin-
dos fogos de cores na soa drogara ra
larga do Rosario n. 34.________________
Estopa da trra
Vende-se estopa da trra, propria para calafe-
tar embarcaedes, de superior qualidado : na ra
da Sen/ala-Nova n. 1. __________
Foguiuhos chluexes artlfflcl iee
para nolfe de Santo Antonio
c *. tloo
Acaba de chegar graa^ sortimento dos maia
interesants i'uguinnos chipezes e de bcngalla ar-
tiflciaes, proprio) para meninos, soltare dentro
de salas, sem queir|r ea ofiender por serem fa-
bricados especialmajte para dive timento de
crianzas : no armfera do vapor ,'rancez, ra
Nova n. 7.________________ -_________
Cittrne m porco
Na loja da ra do Qucimauo n. 10, a 200 rs. a
libra.
MEDIDAS
DO
Um carapina
PrccUa^sQ de um officiai de carapina para o
trabalho praca do Paraizo n. 21.
Tabt
erna
VenJo-se a taberna da roa da Concorda n. W i
arna mewaa.
O Campos da ra do Imperador n. 28
tem para vender as medidas do novo syste-
ma mtrico decimal tanto para seceos como
para lquidos.
Indispensavel.,.
E' inteiramente indispensavel s casas de
negocio cujas compras e Vendas sao effec-
tuadas a peso, a novata bella com indicador,
para de momento se conhecer a exacta re-
dcelo dos antigos pesos para os do novo
systema, cuja base o kilogramma, acom-
panhando a mesma tabella urna outra pela
qual coro a mesma facilida le se conhece o
preco correspondente entre um e outro sys-
tema. Recommenda-se de preferencia
outra qualquer tabella pela sua fcil com-
prehens, ainda para as pessoas menos ha-
bilitadas em commercio e calculo. Ac'
so venda na ra d<> Impender n. 2
Bengalistias de caima com casto de
mai lim a 45 e .,5000.
Ditas d'ago e lenliadas ultimo gosto a 10.
Ditas fantazia muito lindas a 15300 o
25000.
Bengalas fortes (para dar no Lpez) a
25e 25500.
Chicotes para montara, de 1 a o#XJO.
Camisas com pedos e collaiin.hos da -
nho di'itados muitobclifeiios, ns. 38 e 'd'J
a 55000.
E muitos outros aitigos Lano pata Lo-
mens como para seulioras e cri ocas
assim como um completo e especial sorti-
mento de miudezas, tudo recebido de cus-
i proprio, e se vende m;is barato do que
em qualquer parteno Bazar da Moda de
JOS' DE SOUZA SOAROiS &C.
mmmmmmkwmm
i F0(0 FOCO
m roa Direila d. io.
Ha para vender um completo sor-
timento de fogos artiliciaes, tanto
para Sras., como para criaucas, pis-
tolas brancas e de cores, com 3,
i, o. o 0 Waas, tontainas, cravei-
ros, rodifiba sieajeHas e dolwadas,
fogueitdios, buiiaps, illuiniuar
coes. baloes de seda le 2 pasmos de
altura ele, etc., feito por um des
melhores artistas deste genero.
Tambem ha para vender salitre, en-
xofre, breu, fio, tacas p garfa*
de diversos procos e qoelidades,
bandeijas linas quadradas c ovaes ;
alm do grande sortimento de fer-
racns, miudezas, cuidaras e trem
para cozinba, etc, etc.
Ra Direita n. 53,1 oja de Manoel
Bento de O. Braga C.
Tabellas vermicidas
n
Antonio Niiiiea Vermiftigo efficaz, e preferivel a todos o*
conhecidos, j pela certeza de seu resulla-
do, ej pela fcil applicaco as cranlas,
quasi setnpre mais atacadas de Uto terrivel
e multas vejes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
Pharmacia
Bar
8#Rui. l*wgadeR9urJ$#
At que chegaram
SYSTEMA DE3S1AIA.J
Grande factura de 1,500 series de
pesos kilogrammas em series com
pelas de todos os taniauhos, me-
lhores de comprehender do que os
que tem vindo ao mercado assim
comomedWns de metros, chegaram
smente de encomeienda propria
para a casa de Manoel Bento de
Oliveira Braga & C, ra Direita n.
53, e com dioiinuifo de presos,
venham em tempo.
Novo livre de sortes para
S. Jofto e.8. Pedro
A Pylhonissa de Endor, inteiramente
inditas e interessantes, a 640 ris o ex-
emtilar, ra estreita do Rosario n. *,
lypograpMa de ertWo de Mira, na enct-
dernaf,ao parwiense ra do Itsferador e a
Uvraria econmica de Nogueira Medeires
a roa do. Crespo u. 2


Diario de Pci-iiamhuco Quinta ,feira 3 de Junho de 1869.
i. 55-81
I>E
AFFONSO MOREIRA TEMPORAL
Est queimando os objoctos abaixo decla-
rados Belos preces seguintos:
Frascos com agua do colonia
Piver venladoia a.....
Pentes de ravessa para moni-
Das a .........
Thesouras para costura e
unhas a .......
Fra a tinta q \>Y) rs o .
Libras de lindas pira borbir .
Novel los delinhacom 100 jar-
t.........
paseos con oleo de biliosa .
Sab tro te de todas as qualida-
i J0, 100, 120 200o .
Bata o Cfiti a
. 600, 700, 800 ;....
Garrafa c n agua divina .
Groza de I otoes de louc i
Pe^afl d i Uta para cus com 10
> a.......;
Caias de agumas francezas
Frascos com banha 320 c. .
Caixas com papel amisade .
Dito boira don rada a .
Ditas oovelopes a .
Sapatnhos de la para meninos
is de tranca de caracol o
Pi ceis para barba a .
Pares de suspensores a .
Frasoos com agua de co onia
320, 400, 500 e.....
Pontos com costas de metal a
Carteiras de marroqoira a
Garrafas com tinta rocha
L n.'os braneos para maos. .
Paros do b f ra ouubo a
Fi m cheiros 400, 800,
MMMe.......
v ias croas para bomoas du-
zia a.........
Jflwtoaduras p.ara eoUete a f
Linha de 200 jardas dua'ia a
CarlSo com conotos 2 ordena
B mecas do cera, todo p:eco.
E intl se m moldura
dooi'3 la. ... .'..."
L) '.....
., do lita ra .....a 'do
15100 vestido........
900
320
400
160
65800
60
240
150
800
too
100
700
i#ooo
500
400
200
200
800
320
100
D >t5cs de aro para cll-il .
\:mil para roupa(P\J a. .
Galcadeiraa para sapalo." .' .
R.-des pretas para cabellos a .
Groza de botos do ac para
cairas a........
Libras de Imitas do cOr para*
nhavar costuras a.....
Tubos ou cbamms para caa-
dieiro a gaa a......
Globos para os ditos a L>500o.
Trocidas para os ditos duzia
Pentes pretos para tirar piornos
Coques minio finos a .
Cartas francezas a .
Ditas portuguezas a 120 e. .
800
200
200
33200
4:5000
300
151200
80
200
580
15200
3(5000
iOO
600
200
300
2-J000
200
300
20500
200
200
Superiores saias brancas bordadas a 54. 64. 8$ o 105000 cada urna.
Ditas de cambria de escocia transparente j feitas a 64000 cada urna.
Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 do Antonia Garren de
Vasconcellos A- C.
Os verdadeiros COIXAB.I EOTEB, os nicos ipprovados pela
Academia de Medicina, lem assim como os meos oulros productos
atlrahido a cupidel dos falsificadores, que para fucilar sua criminosa
industria nao se pejao, mm receiad nnunciar vender ful>os Coilams
con mtr womb. En pi ovino as familias paia nien-sse de seus fillios
ique, para evilar falsificacrs, deiem exigir, que meus Collares Ibes
sejao vendidos em caixas de tambas de encaixe e corredias cobcrlas
por A eltiquetas com a minba marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalha com o lettreiro.
COLLAR ROYER. Roe St-Iartin. 225. Pars.
XA R O P E
VEGETAL AMERICANO
t SAUDADE
BARTHflLOM E O & C
Pr a tora cerla das lojse amigas e retintes, mUhm pulmonar, ultima; los ironebus, o cm oral contra todos os sofTrimcDlos das vias respin loria!.
DEPOSITO fiERAL
BOTICA ES DROGARA
34, RA UNA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A ((teraputica das diversas molestias do neito,desde
pharrngite ou mal da garganta at a toberculaco
pulmonar, passando pelas diversas bronebites caurrhaes
e o emphysema acaba de ser enrequecida com mais
fie medicamento, que tomara a primeira ordem entre
todos at boje conbei idos. O sarope Vegetal Americano,
garanlindo puramente vegetal, nao contm em sua
compoMco um s tomo de opio, e sim somente sue-
cos de plantas indgenas, cujas propriedades benficas
sa cura da molestias que pertencem aos orgaos de res-
pirarlo foram por nos observadas por longo tempn,
com ptimos resultados cada vei mais crescenies; pelo
que nos julgamos aulorisados a compor o sarope que
agora apresenumos, a ofierece lo aos mdicos e ao
publico, l'rovamos com os altestados abaixo o que le-
vamos dito, e contamos que o conceito de que j gosa
o xarope Vegetal Americano crescerk de dia da,
deixando muito sps de si todos os peitoraes em voga.
Illm. Sr. Barthalomeo & CO xarope Vegetal Ame-
ricano, preparaJo em sua conceituadissima pbarmacia,
oo utri remedio para combater terrivel aslbma
Sofra eu aquella molestia ba quatro metes, sero anda
ter combatido os ataques mensaes que tinba ; este ultimo
que tive foi fortifsimo que me prostou por 8 das, usei,
porm o sen milagroso xarope, tomando apenas tres
dses, e at o presente oo fui de novo atacado. Presa
Osos, que eu liu.na reilabtlecido por orna Tea. Rendo-
Ihc, pois os meus agrdecimentos por me ter aliviado de
to horrivel mal. Com a mais significativa gratido,
subscrevo-me deVmcs. aflecluosn c reconhecido criado.
Severino Cuore.Sua Casa 11 defevereiro de 1808.
Illms Srs BartliolomeoftC Depois de qussi seis
meses de soltrimento com .urna tosse incessante, faslio
extraordinario, expectorado do nm catarrbo amarells-
do, e perda total das torcas, que o menor passeio
me faligava completamente, cansiJo de tomar mus ou-
lros remediossem resultado livctifelicidadedesaberque
Vmcs. preparavam o xarope Vegjlal Americano, e com
elle, grecas a Dcos, me acbo restabelccido ba mais de
dois meses, e robusto como se nada tivesse soffndo. A
gratido me forca a esta declarado, que podero Vmcs.
fazer o uso que quizerem. Son com estima de Vmcs.
muitos respeilador o criado. .Antonio Joaquim it
Catiro t Silva. Recife 8 de feveveiro de 1868.
Atiesto que nsei do xarope Vegetal Americano, de
composicio dos Srs Baribulome) A C para cura de um
forte defini que me irouse umn rouqutdo. que me nao
fazia edlrnder, inOammaco e dor na gargania, tosse,
grande falta derespiracao. e fiqaei completamente res-
tabelecido com nm s vidro do mesmo xarope; pelo
que Ibes protesto eterna graliduo. Recife 10 de Ja-
neiro de 1868. joaauim sreira Aranii4/tiMOr. _
Esli recoabecidoi.
^
SOFFRIMENTOS DESTOMAGO. CONSTIPAQAO .
Cura em poucos das pelo CAHVO de belloc em p ou cm pastiUius.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. e^? aficcco^ sa0 dis-
sipadas rpidamente pelas PEROLAS D'ETHCR
  • ANEMIA, A PALLIDEZ e os soflrimentosquo pccessitimdo
    emprego dos ferruginosos sao seinpre combatidos com o meilior resultado
    pelas PILUIAS D" VALLET. Cada Pilula tetn incravado o nome VAILET.
    PO DE ROG. Basta dissolver um frasco d'este p cm meto
    garrafa d'agua para se obt.'r urna limonada agradavcl que purga sem fa-
    zer clicas.
    VINHO DE QUINIUM de barraque. Este vinho, um dos
    poucos cuja compositao garantida constante, 6 uma das mclliores prc-
    paracoes de quinino, sem aeco notavel bre os convalescentes, dando-
    lhes forgas e apressando rolla a saude. Cura as febres antigs que re-
    sisti ao sulfato de quinino. ^
    MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte destas moles-
    tias, como as sciaticas, lonibagos, catarros, todas as dores nervosas em
    geral sao curadas pelas PEROLAS oe ESSENCiA OE THERCt'NTlNA do
    Dr. Clertan. 0 proftssor Trousseau em sen Tratado de tlierapeutica acon-
    selha as para seretn tomadas na occasiio do jantar, na dse de 4 12.
    OLEO DE FIQADO DE BACALHAO DE BERTH-
    Garantido puro e de primeira qualidade, um dos poucos aprovados pela
    Academia de medicina.
    AVISO. Todos ate* medicamentos foram aprovados pela Ac lemia
    imperial de medicina de Pars.
    K
    Mt-tmeiro,
    Salda..
    DEPOSITO
    San arli, U rREKB, 1, ral Itul
    Pentambuc*- .
    'TlSDOl
    Hass et C
    Ceara. .
    CUBAS IMPORTANTES
    Do xarope Vegetal Americano espccialidade de Bartholomco&C
    34.RUA LARCA DO ROSARI0.34
    NoA costnmamos proenrar altestados pare acreditar
    os-os preparados, e deixamos que sua spplicacio c os
    resultados obtidos pelas pcssoasqne se dign.iramacreila-
    los. Ibes deem crdito e voga ; porque n srmpre os
    altestados considerados gratuitos, e deiles qn anca
    mo o charlatanismo; mas n quereodo olTendcr as pea-
    soas que espontneamente nosoffereceram.os que abaixo
    vo transcriptos, os fszemos publicar manifestando-Ibes
    nossa granulo pela attencao. esperando que venbam
    elles corroborar o conceito, e acceilacto qn* lem mere-
    cida nosso xarope. Dartkolomco t C.
    ITISSTADOS.
    Illms. Srs. Bartbolomeo ICE com a mala subida
    tatisfacio que declaro ser o xarope Americano de uma
    efcacia extraordinaria, pois que soffrendo ba das de
    intensa tosse, a ponfo de nao poder dormir a noile a
    despeito mesmo de medicamentos que tomava, a elle
    recorr e na terceire colber fui alliviado, e de todo me
    ache boje reslabelecido com o uso somente de quasi
    meto frasco: grafo pois i esse resollado manifest a
    Vv, Ss. oien reconhecimento. De Vy. S. amigo, ve-
    nerador e obrigado. Manoel Antonio Viegas Jnior.
    Sua casa 0 de abril de 1H68.
    Illms. Srs. Barlbolnmeo A C, Penhoradissimo com
    o favor que me iueram de aronselbar o uso do xarope
    Vegetal Americano, de sua composicao, quando me
    aclievo bastante doente de uma conslipaco, qnn me
    loroou completamenie ronco e que trouxe uma forte
    tosse, e me impossibililou de cumprir os meus deveres
    de canlor da empreza Ivrica, vou agredecer-lhes mcu
    completo resiabelecimemo, que oblive com um s vidro
    do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos
    traiamcntos. Desejarei que oulros como eu recoiram
    ao seu xarope para se verem aliviados de tao terrivel
    incommodo, to fatal nesle paiz. Com malor conside-
    racao contino a ser de Vv. Se. aliento, venerador e
    obrgailo. Luiz Ciemona. Recife 25 de setembro
    de 1868.
    Illms Srs Bartbolomeo ACO xarope Vglal Ame-
    ricano qne Vv, Ss. lm exposto i venda do loda effl-
    cacia para o curativo d'asihma, canforme observei ap-
    plicando-o a meo lllho Joaquim. menor de quatro
    annos; victima d'esse Oagello. que al euliopor espaco
    excedente a dous annos havia resistido a oulros xaropes
    de grande nomeada. Queiram pois Vv. Ss. acceitar a
    expressto altamente sincera de meu reconhecimento ao
    meritorio servco que lbe prestsram com o indicado
    xarope, acreditndome para semine de Vv. Ss. criado,
    ltenlo e obligado. Amrrico Pielto de Mendonca.
    Recife 2 de oulubro de 1808.
    INJECTION BROU
    Hyflcntra llallivtl e Prcsmailva, absolutaiueniv a u.
    bis principies boticas 4o mondo. (Exigir a njtruceao de uso).
    4e lvent'r IIOU. beJevard Mcenla. Ka.
    es M'-e cura ein neonuiM adeilivo. n mc4
    (SO annoi de exlitaocia.) Paria, em ea
    COMPANHIA
    . mil HfRcm.u
    h abrica de tecidos de algotUto d
    Fcrnuo Vclho.
    O Bopepi',r rntnoo dt- algodao desla falqriea, mni
    ninlajo but, Parsliyba Rio to Janeiro, pela sua
    perfeica i!,'. Ujcitlt, ulafticklade o furtalez, coat-
    mi t i ser lendithi no esciiptorio da mesum com-
    patiliia raga le Pedro dostt eidada, casa nu-
    i.
    Aftm de (jae os nnrocrosos e importantes senlte-
    rc-s do oogenho, boin uetno os senliores exportado
    re de asquear, tatito desla provincia cinto das
    achna mencionada?, posan com fadlidade pro*
    ver-se das manutictaras desta fabrica, a gerencia
    da eompanhia anaancla que as lia venda nos
    scg'.iintos lugares :
    esta cidado n isen cscriotono e iw rasas doi
    Srs. Domingos Jos de, Fatias e Jos Nunes Gui-
    mai's,ra doCommercto.
    Eui rornambucona casa dos Srs. Oltvcira, Fi-
    Ihos& G.
    No Pilarcm casa do Sr. Joao de Albnquerque
    Mello. t
    Na CaManh r.r.inde-em casa do Sr. Noiberlo
    Cavale.iti!i de Alotiquerque.
    Em Camaragibena casa do Sr. Joao Vk-ira de
    Lima.
    Aleni do panno apropriado ao cnsacamento do
    assuear, a fabrica possue mais urna qualidade de
    panno moi forte, adoptado ao sysiema que tem os
    senhores de engenho do norie da provincia de
    niandarem despejar nos trapiches de l'ernatnbuco
    o assaear quo alii vio vender, com o que os sac-
    rveui para mnitaa safras.
    Para roapa de oscravos ou de irabalhadoro? do
    campo, o pata toallias c. lences do servico diario,
    ha ama superior qualidade "de panno de 8 polle
    radas de largara, imnto forte e espesso, parecen
    So-so bastante com meia lona. Os procos sao os
    mais mdicos possiveis. Macei 30 de marco de
    1800.
    2^000
    4,5300
    3;>800
    Ra do Queimado ns. 49 c 57
    (ojos de miudezaz de Jos de
    Azevedo Maia, est acabando
    com as miudezas de seus estabe-
    Icnimentos por isso queram apre-
    ciar o que c bom e baratissimo.
    Pares do sapatos do tranca fa-
    zertla nova a......
    Paros de sapatos de tapete
    (so grandes) a......
    Duzias de meias cruas para ho -
    mem a........
    Tramoias do Porto fazenda boa
    e pelo prego melhor 100 attos a
    .ivros de misados abreviadas a .
    Duzia de baralhos francezes muito
    finos a$M)0e.....2f?80C
    Silabario portugiiez com estam-
    pas a ........
    Grvalas de cores e pretas muito
    finas a ........
    Ouzias de meias para senhora fa-
    zenda boa a......
    Redes pretas lizas muito finas a
    Cartoes com colchetes de lato
    fazenda fina a......
    Aboluaduras de vidro para coleto
    fazenda fina a. ,
    Caixas com penna d'aco modo
    finas a 320, 400, 500 e .
    Cartoes de linha Alexandrc qte
    tem 200 jardas a
    Carreteis de linha Alexandre do
    70 at 200 a ..
    Caixas com superiores obreias
    de massa a N. .
    Duzias de agiilbas para machina
    Libras de pregos francezes di-
    verso tamanho a. .
    Livros escripturado para rol de
    roupa a. ..,..
    Talheres para meninos muito
    finos a.
    Caixas com papel amizade muito
    fino a........
    Caixas com lOOenvelopes muito
    linos a........
    Pentcs^olteados para meninas e
    senhoras a.......
    Thezouras muito finas para
    unhas e costuras a .
    Tinteiros com tinta preta muito
    boa a 80 120 e
    Varas de franja para toalhas fa-
    zenda fina a. .
    Duzia de phosphoros de segu-
    rah?a da melhor qualidade a
    400 e........
    Pecas de fita branca elstica
    muito fina a......
    Novellos de linha com 400 jardas
    Resmas de papel de pezo azul
    muito fino a......
    Pegas de fitas bordadas com 3
    Ditas de ditas bonj^^Hn 2
    metros de 2>00Oa#| .
    Grozas de botos de Mm'muito
    finos a. .
    LOJA
    DO
    GALLO VIGILANTE
    Bina lo Crespo u. 7
    Os propietarios dcsio liem eonhecidoestabele*-
    cimento, alm dos muitos objectos que linliam ex-
    is a apreciacao do rcsnetavcl publico, man-1
    il n. ;n vir c acaiam de receber pelo ultimo vapor
    da Europa um completo e variado sortimento do
    Un ; e imii deHcadaa especialidades, as (unes es-
    lio FQSolvidos a vender, como e tle sen eoftume,
    por procos muitobaralinhos e commodos para to-
    dos, coti tanto que o Gallo....
    Muito superiores luyas de pellica, pretas, bran-
    cas c de mu lindas cores.
    Mu boas c bonitas gullinhas e punlios para se-
    nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
    Superiores pentes de tartaruga para coques.
    Lindos e riquissimos enfeiles para cabecas das
    F.xtnas. senhoras.
    Superiores iranias pretas c de cores com vidrt-
    Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
    de melhor e mais bonito.
    Superiores c bonitos loques de madrepcrola,
    marflm, sndalo c osso, sendo aquelles blancos
    com lindos desenhos, e estes pretos.
    Muito superiores meias fio de Eseossin para se-
    nhoras, as quacs sempre se venderam por 30*000
    a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
    alm destas, temos tambem grande sortimento de
    outras qualidades, entre as quaes algutnas multo
    finas.
    Boas bengalas de superior canna da India c
    castao de marftra com lindas e encantadoras figu-
    ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
    pode desejar ; alm destas temos tambem grande
    nuanlidade de outras qualidades, como sejatn, ma-
    deira. balda, os30, borracha, etc. etc. etc.
    Finos, bonitos e airosos diicotiuhos de cadoia c
    de outras qualidades.
    Lindas e superiores ligas de seda e borracha
    para segurar as meias.
    boas meias de seda para senhora e para meni-
    nas de 1 a 12 annos de idade.
    Navalhas cabo de marlim e tartaruga para_ fazer
    barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
    rantidas pe' fabricante, e nos por nossa vez tam-
    bero asseguramos sua qualidade c delicadeza.
    Lindas e bellas capellas para noiva.
    Superiores ngulhas para machina o para croxe.
    Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
    labvrintho.
    Bons baralhos de carias para voltarete, assim
    como os lentos pan o mesmo fim.
    Grande e vana sortimento das raelhores per-
    fumaras c dos melhores e mais conducidos per-
    fumistas.
    . COLARES DE ROER.
    Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
    faeilitam a denticao das innocentes crianzas, bo-
    mos desde muito recebedores destes prodigiosos
    collares, e continuamos a recebe-los por todos os
    vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
    como j lem acontecido, assim pois poderao aquel-
    los que deiles precisaren!, vir ao deposito do gallo
    TASSOIRMAOS
    Tem para vender em seus armazens, alm de ou-
    tros, os scguinles artigos :
    Papel para imprimir.
    Perlina azul.
    Greve pautado e liso.
    Viniios cm caixas de doze garrafas
    Bourgogne.
    Ilery.
    Madeira.
    Hcrmitage.
    Ghamblis.
    Licor de curaco de Ilollanda em caixas de vin-
    tee quatro botijinhas.
    GESSO,
    Nos armazens de Tassolrmaos.
    Grades de ferro
    para jardins, porteiras etc.
    Nos armazens de Tasso Irmaos
    C AKKIXIIOS DE FERRO
    Para servicos de grandes annazens, para remo-
    ver barricas bu caixes de um para outro, lado pelo
    mdico preco de 12^000 cada um.
    Farmlia de trigo de Trieste
    Das mclhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
    lana e grande sortimento das memores marcas de
    farinhas americanas.
    Saceos de fcirinha de trigo do
    CMe
    Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
    zens de Tasso Irmaos.
    Cemento romano
    Nos armazens de Tasso Irmaos.
    Cemento hydraulico 12$
    O melhor para tudo que sao obras para agua, co-
    mo assentamento de canos de esgoto, algerozes.de-
    posito, lauques d'agua, etc., etc.: em porc5es de
    cincoento barricas se far reduccao no preco : nos
    armazens de Tassolrmaos.
    Cemento Portland
    O verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
    Irmaos.
    Grades de ferro, cercas, por-
    teiras, etc., etc.
    De differentes qualidades para cercados-de ani-
    maes, chiqueiros para galinhas ou jardins: nos ar-
    mazens de Tasso Irmaos.
    Barris com breu
    Nos armazens de Tasso Irmaos.
    CANOS DE BAERO
    21
    200
    2-5000
    ,5320
    ,5500
    4;)000
    ,5320
    020
    500
    1,5000
    100
    100
    040
    2000
    240
    120
    240
    700
    600
    320
    800
    320
    160
    500
    vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
    deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
    para que sao applicados, se venderao com um mui
    diminuto lucro. .
    Rogamos, pois, avista djscbjectos que deixamos
    declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
    comprar por preces muito razoaveis ioja do gallo
    vigilante, ra do Grespo n. 7. ______
    lASTiSAS ASSICAIIADAS
    DO
    DR. PATERSON
    De lilsniitli e magnezla.
    Remedio por excellencia para combate-
    a magreza, facilitar a digesto, fortificar
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Pharmacia de Bartholomeu & C.
    34------Ra larga do Rosario------34.
    Barato que admira
    Qnartos de latas com bolachinhas de boas qua-
    lidades a l*340f, caixinhas com ameixas, peras c
    figos a ti00, cerveja Dass, Ihlers e bcll ingleza a
    800 rs. a botija, vinho a 400 rs. a garrafa, azette
    doce de Lisboa a 880, arroz de primeira quahdaT
    de a 120 rs., caf a 220, sabao a 180 e 220, cha
    miudo bom a 33100, idem grado a 3, alpista a
    240, toncinho de Lisboa a 440, marmelada fina a
    780 a libra, doce degoiaba fino em latas e catxoes
    de diversos tamanhos por commodo preco : so na
    esquina da ra da Penha n. 8.
    RAP POPULAR.
    DA
    FABRICA NACIONAL DA BAHA
    DE
    TEIXEIRA FREDEMCO & C.
    Acaba de chegara este mercado uma porcia des-
    te ptimo rape, nico que pode supprir a falta do
    princeza de Lisboa por ser de agradavel perlUme.
    E' fabricado pelo systema a imitacao do Area Pre-
    ta, porm tem sobre este a vanUgem de ser viaja-
    do, o que para este artigo uma especialidado.
    as pracas da Bahia, do Rio de Janeiro e outras do
    imperio tem o Rape Popular sido asss accolhido,
    e provavelmente aqui tambem o ser, logo que
    seja eonhecido e apreciado. Acha-se yenda
    por preco commodo, e para quem comprar de
    libras para cima, far-se-ha um descont de 5
    e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : jif
    torio de Joaquim Jos Gongalves BeltraOj
    Commercio n. 17.
    Na ra Nova do Santa Rita, na antiga fabrica de
    sabao, ha para vender por preco n mais mdico
    possivel, canos francezes para edificacoes eesgo-
    tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
    aqui tem apparecido pela sua solidez.
    PREgOS,
    15400 por cano .grande de 3 e meia i.ol!egadas.
    15200 por dito de 2 e tres qnartos de dita.
    1 OO por dito de 2 e um quarto do dita.
    500 ris por pistoleta de 2 pollcgadas.
    'Colovellos, curvase canos de maior grossura,a"
    vstase far o preco. Compras maiores de 2003
    tem 5 por cento de descont por prompto paga-
    mento. Pdc-se ver as amostras nos armazens
    de Tasso Irmaos.
    lijlos francezes
    Para ladrilhar casas terreas com asseio c presos
    mdicos, muilo convenientes e proprios para ladri-
    lhos de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio e
    evitar apassagem de aguas para o andar inferior
    e mesmo o perigo de fogo, aos preces de 30000a
    433000 o milheiro: na ra Nova de Santa Rita, na
    antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 2003
    se far o por cento de descont por prompto paga-
    mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
    de Tasso Irmaos.
    Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
    ternas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
    Vinho do Porto fino superior: no armazem
    de Tassolrmaos.
    O melhor cognac Gauthier Freres : no arma-
    zem de Tasso Irmaos.
    Esteiras da India
    Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
    India de diversos padroes e larguras, por preco
    commodo.
    Macarthy
    Machinas de descarocar algodo.
    Hoje qne est reconhecido que as machinas de
    serrote prejudicam e quebrara a fibra do algodao,
    preciso recorrer a machinismo menos spero,
    que produzindo o mesmo servico que aquellas^ e
    facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da la,
    para que essa possa oblcr-nos mercados europeos,
    a differenca que ha entre o algodao descarocado
    por aquellas mencionadas machinas, que estab fi-
    cando em decuzo, pelo prejuizo que tem causado,
    eo da antiga bolandeira, que nao pode competir
    pela morosidade de sou trabalho. E' assim que
    estas machinas se tornam as mais proprias para o
    nosso algodao, porque ao par da facilidade e
    promptidao conserva a fibra da la, que limpa por
    ella, a qualificada na Europa a par da melhor bo-
    landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
    mais do que a la limpa pela machina de serrote.
    Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
    estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
    foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
    dao daquella proc*dencia, sen-lo da qualidade do
    da nossa provincia, obtem hoje do 10 aJSpor
    0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 1505000
    nos armazens de Tasso Irmaos.
    Oleo de ameudoas
    Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
    nos armazens de TassoJIrmaos.
    Charutos da Havana.
    Excellentes charutos da Havana epor baratissi-
    mo preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
    Araorim n. 37.
    Kelogios de ouro.
    Relogios de ouro de patente com balance de
    chronometro do famigerado actor John Rogis, no
    escriptorio de Tasso Irmaos.
    Pianos inglezes.
    Pianos inglezes do bem eonhecido autor Charles
    Cadby, no escriptorio de Tasso.
    A?o de milao.
    Nos armazf ns de Tasso irmaos.
    BARRIS DE SALITRE
    No armazens de Tasso Irmaos. ___
    2500
    500
    3O00
    166
    A NOVA ESPERANQA
    Ra do Queimado = 2J
    Advertencia!
    A Nova Esperanca, ra do Queimad
    b. 21 tendo em deposito grande qiiantidade
    de miudezas, e como se approxima o tem-
    po em que tem de ser dado o balanco, por
    isso desde j previne ao respeitavel publi-
    co, que est resolvkia a vender suas mer-
    cadorias pelo baratissimo proco, para assim
    diminuir a grande quantidade das qne
    tem: assim pois, venbam os bons fregue-
    zes, c os que nao forem venliam ser fregue-
    zes, em tempo lao ojporluno quando
    NOVA ESPERANCA convida-os pechincha-
    rem, pois que para comprar-se caro, n5o
    falla aonde e a quem...
    Elle quere ella quer
    E' sempre assim.
    Elle (correspondente de Paris) quer sem-
    pre primar em nos remetter objectos de
    gosto e perfeico, e ella (loja da Nova Es-
    peranca) quer sempre dividir com seus fre-
    guezes o que de bom constantemente rece-
    be, e por este lidar continuo (d'ambos)
    Nova Esperanca ra do Queimado n. 21,
    alm do grande sortimento que j tiaba,
    acaba de receber mais o seguinte :
    Bonitos broches, pukeiras e brincos de
    madreperola.
    Papel e envelopes bordados e mati-
    sados.
    Papis proprios para enfeitar bollos
    bandeijas.
    Brincos pretos com donrados (ultima
    moda).
    Titas largas para cinto.
    Modernos galloes, franjas e trancas de
    seda e de la, para enfeites do vestidos.
    Botes de todas as cores e moldes novos
    para o mesmo fim.
    Trancas pretas com vidrilhossendo com
    pengentcs e sem elles.
    Botoes pretos com vidrillios com pingen-
    tese sem elles.
    Luvas de pellica, camurca e excossia.
    Finas meias de seda para senhora e me-
    ninos.
    Delicados leque de madreperula, mar-
    Qm, osso e faia.
    Espartho simples e bordados.
    Bengalas de baleia.
    Finalmente, um completo sortimenlo' d
    miudezas ra do Queimado n. 2i, na
    Nova Esperanca.
    Collares anodinos ellectro-magneh
    eos centra as convulces das
    creancas.
    N5o resta a menor duvida, de que muito
    collares se vendem por ahi intitulados o
    verdadeiros de Royer, c eis porqae muito
    pais de familias nao creem (comprando-os)
    no effeito promettido, o que s pdem dar,
    os verdadeiros ; a Nova Esperanza, porm
    que detesta a falsificarlo principalmente no
    que respeita ao bem estar da bumanidade.
    fez uma encommenda directa destes collares
    c garante aos pais de familias, que sao o*
    verdadeiros de Royer, que a tantas crean
    Cas tem salvado do terrivel incommodo d
    convulcoes, assim pois preciso, que ve-
    nliam a Nova Esperanca a rua*do Queimada
    n. 21 comprarem o salva vida, para sena
    filhinbos, antes que estes sejam acommetti-
    dos do terrivel mal, quando entab ser* di-
    fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
    sejam empregados os verdadeiros collare
    de Royer.
    FLORES
    Realmente at onde pode ebegara per-
    feico darle e relativo a flores, a Nova Es-
    peranca apesar de ter constantemente re-
    cebido flores, confessa que ainda nao havia
    recebido, como as que acaba de receber!!!
    nao exageraco ellas confundem-sc per-
    leramente com as naturaes, e sao feitas
    com tanta perfeico, que prestam-sc mu<
    bem ao mais caprichoso enfeite das Exmas.
    do mais apurado gosto!!! explen-do o
    ortimenlo, constando de modernos ramos,
    rosas, dalias etc., etc., de lindas cores,
    proprias para enfeitar-se coques, vestidos,
    chapeos ou outro enfeite que hbil compra-
    dora quizer preparar, assim pois queiram
    as Exmas. virem apreciar o jardim da Nova
    Esperanca ra do Queimado n. 21, que
    es' renlooto de florps.
    Scbonete de attatvo.
    DI
    Antonio. Nunes de Castro.
    Este acreditado preparado, que to boa
    acceitaco tem merecido n'esta provincia,
    muito se recommenda para a cura certa
    das impigens, sarnas, caspas e todas as
    molestias de pelle.
    Deposito nico,
    Pharmacia de Bartholomeu & C,
    34ra larga do Rosario34.
    MASSA c XAROPE
    DECODEINADEBERTHEI
    Preconisados por todoi os mdicos conirn o*l
    DEFLUXOS, CATHARROS, E TODAS AS
    IRRITACOES DO PE1TO.
    N.B. O Xarope de Codna que mereco ai
    honra, aliai bem rara entre os ftitiramculoil
    novoi, de ier registrado como m dos medica-1
    memos o//ci> do Imperio Francei dispensa]
    quatquer elogio.
    AVISO. Por cansa da reprehensivel U -S
    lcario quo tem suscitado o feliz resultado do I
    Xarope c massa de Berlh somos forcados al
    lembiar que estos medicamentos tuoju/laAcntel
    conceituados so se
    rendem em caixin-
    Lascfrascos levando
    assiguafura em
    trente.
    6, Ru des colcs, e na Punrmacia Ceniot]
    de Kianea, 7, Hue de Joiiy, em Pais, e el
    todas as PUarmaclas pt iucipaes do Bi
    CARNAUBA
    Vende-se superior cera de carnauba em de -
    cas, por preco mais barato do que em outra quas.
    quer parte: na loja do Pavao, rua da Imperatriz
    n. 60, de Flix Pereira da Silva. ________
    CUBA DOS GALLOS.
    PELA
    Pomada galoupeau.
    Deposito especial
    Pharmacia de Bariolomeo &
    34------Rua larga do Rosaric
    -f.V&ERM^
    jtiitwilAiiM Sr. >'
    VENDE-SE
    azeite de dend a 800 rs. a garra
    fa: na rua Novan. 3.
    COGNAC.
    De superior qualidade da mui acredita-
    da fabrica de Risquit Duboucb & C, em
    cognac uma das que mais agurdente de
    cognac, fornecem pata o consummo do
    Reino da Inglaterra.
    Vende-se em casa de Th. Just, rua do
    commercio n. 32.
    Vendemse duas mulatinha9, uma de 13 an-
    nos e outr de 5 annos de idade, aquella tem prin-
    cipio de habilidades: na roa do Fofo n. 9.
    Alegrai-\os myopes, e presbytas, j po-
    dis ver de longe, j podis ver deperto,
    nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
    F. 3. Germann acaba de receber pelo ulti-
    mo vapor um rico e variado sortim- nto de
    oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
    gnons, de ouro, prala, tartaruga, marfim,
    ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
    assim como binculos de uma a tres mudan-
    Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
    ma invenco ; duquezas, vienezas de 6, 8 e
    12 vidros, ludo dos melhores fabricantes da
    Europa.
    O mesmo vapor trou-
    xe uma excellente ma-
    china para graduar e
    observar numero dos
    vidros qoe senecessita
    conforme a vista de
    qulquer pessoa.
    Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
    tos de matbematica, barmetros, vidros de
    chrystal do rocha, e de cores para resguar-
    dar a vista; eoncerta todos os objectos
    precos commodos e com promptidao ; tira
    o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
    encommenda relativa a ptica.
    Recebeu tambem os excellentes relogios
    do antigo e afamado fabricante Roben Gerth
    6C, os quaes vendem preces commodos
    garantindo a sua superior qualtoade.
    Vende-se um cavallo, Mjo, andador ^,Xo
    por commodo preco: a na ****** M
    dir r.mvnitiL ou na ru Imperial n. 173.
    Vende-se um cabrioiei aequairo rodas com
    um cavalto: a tratar na rua das
    urreios para
    Cruies n. 41.
    ~ Vende i em mew uso
    ConceicSo na Boa-vista n. 17. .
    na ruaad
    >.
    V





    '
    iv
    :^
    i i*
    '>
    '
    <
    Diario de Peruanibuco Quinta' feira 3 de Junho de 1869.
    c de cheiros igual-
    0 cordeiro previdente)
    Rn:i do Queimado n. 16.
    Novo e vanado sortiraento de perfumaras
    finas, e outros objcctos.
    Alm do completo sortimento de perfu-
    maras, de que efectivamente est provida a
    ioja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
    receber ara outro'sortimento que so torna
    notavel pela variedade de objectos, superiori-
    dade, quahdades e commod?dades de pro-
    cos; assim.pois, o Cordeiro Previdente pede
    e espera continuar a merecer a apreciado
    do respeitavel publico em geral e de sua
    boa freguezia em particular, nao se afas-
    tando elle do sua bem conhecida mansidau
    e barateza. Em dita loja cncontrarao os
    apreciadores do bom:
    Agua divina de E. Coudray.
    Dita verdadeira de Murray & Lamman.
    Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
    ceza, todas dos memores e maisacreditados
    fabricantes.
    Dita balsmica dentrificia.
    Dita de flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
    Elixir odontalgico para conservado do
    asseie da bocea.
    Cosmetiques de superior qualidade e chei-
    ros agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores, com
    pomada fina para cabello.
    Frascos com dita japoneza, transparente
    e outras qualidades.
    Finos extractos inglezes, americanos o
    rancezes em frascos simples e enfeitados.
    Essencia imperial do lino c agradavel chei-
    ro de violeta.
    Outras concentradas
    mente finas e agradaveis.
    Oleo philocome vurdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qualidade,
    com escolhidos che-ros, em frascos de dille-
    rentes tamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores e menores
    para maos.
    Ditos transparentes, redondos e em figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinlia para barba.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    inicias.
    Ditas de madeira invernisada contendo fi-
    nas perfumaras, muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
    bem de perfumaras finas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e de
    moldes novos o elegantes, com p de arroz
    e noneca.
    Especial p de arroz sem composioo de
    cheiro, o por isso o mais proprio para crian-
    :as.
    Opiata ingleza e franceza para dentes.
    Pos de campliora e outras dilferentes
    cualidades tarabem para dentes.
    Tnico oriental de Kemp.
    Alada mais coques.
    Um outro sortimento de diques de no-
    vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
    e ajguns d'elles ornados de llores e fitas,
    esto todos expostos apreciaco de quem
    os pretenda compiar.
    GOLLINHAS E PIMOS BORDADOS.
    Obras Je muito gosto e perfeirao.
    Fivellas c fitas para cintos.
    Bello e variado sortimento de taes objec-
    108, ficando a boa escolba ao gosto do com-
    prador.
    FLORES FINAS.
    O que de melhor se pode encontrar ueste
    genero, soliresahindo os delicados ramos
    orvalhados para coques.
    Para vlagem.
    Bols de tapete e cariaras de eouro, por
    precos comraodos.
    CbapeJinas de pallia da Italia mui bem
    afeitadas, e enfeites de llores obra d, bom
    gOttff.
    E assim muitos outros objectos que se-
    .ao presentes a quem se dirigir dita loja
    Jo Cordeiro Previdente a ra da Queimado
    i. 1G.
    ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
    CHAPEOS E COQUES.
    O Cordeiro Providente ra do Queima-
    lo n. 16 acaba de receber um bello sorti-
    mento de trancas de palha para enfeites de
    vestidos, outras para chapeos, coques etc.
    udo isto est sendo vendido com a sua bem
    connecida commodidade de precos.
    ALEM D'AQELLES.
    Recebeu outros lindos enfeites de seda
    para vestidos ; assim como um variado sor-
    timento de galles de la, babadinhos de
    jambraia com bordados de cores, cuja va
    riedade do gostos os ternam recommenda-
    ios e apreciados; compareci pois os pre-
    tendemos que serio servidos a contento.
    TO BEM RECEBEU.
    Novo provimento de bicos e rendas de
    guepure.
    LUVAS DE PELLICA.
    De todas as cores tanto para homn-
    imo para senhnras, constantemente acham-
    ie a venda na loja do Cordeiro Previdente :
    i ra do Queimado n. 16.
    I
    K SE LIQUIDAM
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    DO
    CHAPELINAS
    ULTIMA MODA
    Chegaram para a loja do Pavao as mais
    ricas o mais modernas chapelinas rica-
    mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
    setim. c de todas as cores o com ricos bicos
    de blond e as mais lindas e finas flores,
    vendendose cada urna pelo barato preco de
    155000, garantindo-se serem muito mais
    bonitas do que outras quo se vendem em
    outras partes a 20$ e o ha mais do que um modello, tambem tem
    muitas de pratinho, proprias para mocas e
    meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
    loja do Pavao, de Flix Pereira da Silva.
    Expleiidido sortimento de
    Alpacas lavradas de cores a .
    Alpacas a 560 Alpacas a 560
    Alpacas de cores
    Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
    60, vende-se uns poucos de mil covados
    das mais lindas e modernas alpacas lavradas
    com as mais modernas e bonitas cores,
    proprias para vestidos e roupas para meni-
    nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
    de canna, verde claro etc. e os lavrores
    muito miudinhos assentados em urna s
    cor; para se poder retalhar esta fazenda
    pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
    preciso fuzer-se urna grande compra desle
    artigo, o qual grande pechincha.
    Aos dez mil covados de cassas
    francezas
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300 rs.
    Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
    peratriz n. 60 urna grande quantidade de
    mil covados das melhores casas francezas
    para vestidos, tendo pad/es miudos e grfi-
    dos, assentados em todas as cores, estas
    cassas sao propriamente francezas, tendo
    transparentes e tapadas, com tanto corpo
    quasi como a chita, e alm dos padroes
    serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
    fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
    talha-se a 100 rs. o covado.
    fl<:spartiiho8 a 3-<000 na loja do
    Pavo
    Vende-se urna grande porco de esparti-
    Ihos modernos com o competente cordao,
    tendo sortimento de todos os tamanhos, c
    vendem-se a 3$ cada um.
    MADAPOLAO ENFESTADO A 3:5600, s
    NO PAVO
    Vendem-se pecas de madapolao enfestado
    com I jardas, sendo muito incorpado pelo
    barato preco de 3^600 res, assim como
    pecas de algodfjsinho com. 16 jardas
    14500 e ;)(K)0 r.:s.
    ALPACAS LAVRADAS COM LISTAS A 500
    RS. S O PAVAO VENDE
    Covado a 500 r.
    Covado a 500 rs.
    Vinho degestivo de
    chassaing
    COM
    PEPSINA E DIASTAEX.
    Remedio por excedencia para cura certa
    las digestes difliceis ecompletas, acalmar
    as dores gastralgicas, e reparar asierras
    produzindo urna assimulaco completa dos
    aumentos; sendo mais um escolente tnico.
    PHARMACIA E DROGARA
    DE
    Bartholouien 34RA LARGA DO ROSARIO34
    IMDPAllMfAilTl
    DE
    Francisco Antonio tic Carral ho
    & C'oui|>;tnIiia
    Ra Nava n. 24.
    Os propriearios deste esfbeleeimento fazevn
    ocente ao publico que acabara de receber um per-
    feio e vanado sortimento de pannos tinos, case-
    miras, brins c outras azeodi de gostos modernos,
    is quaes vendem por precos razoaveis. Os mea-
    mos seientificam, qne tendo admittido para sua
    jflkma de alfaiate um artista hbil no desempe-
    aho de suas fuoccoes, recebeio qualquer eneom-
    nenda de roupa por medidas, promettendo satis-
    'azerem com pontualidade e presteza qualquer pe-
    ndo neste sencido.
    Libras esterlinas, na ra da Cadeia do
    Recito, n> S8._____________
    Ra do Livramento^n. 26.
    Cmbralas de eiKantcj parCe
    00 rs. covado.
    rnaj, a
    a--Qoa m asaipaiaaifiaiiak
    DE
    FLIX PEREIRA DA SELVA.
    O propnetario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
    jital a yir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da moda como le
    le, assim como de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
    pessoas cpie negociara em pequea escala, tanto da praca como do mal, tiesta casa
    podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porcSes, vencen io-se-lhes
    pelos presos que se. compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas fami-
    lias, poder5o mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou s*lhe as mandam
    levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
    stantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
    Casemiras da moda
    NA
    LOJA DO PAVlO
    Chegou pelo ultimo vapor francez, um
    grande e verdadeiro sortimento das mais
    modernas e mais finas casemiras para cal-
    cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
    tras e com listra ao lado, tendo para todos
    os precos, e a(ianca-se venderem-se muito
    mais barato do que era outra qualquer par-
    te, assim como das mesmas se manda fa-
    zer qualquer peca de obra, a vontade do
    freguez, para o que tem um bom alfaiate.
    Aos quinhentos palitots
    a 18$ e 20^000.
    Na loja do Pavo ra'da Imperatriz n.
    00, vendem-se urna grande porco de pa-
    litots sobrecasacados, e propriamente so-
    brecasacos de panno preto, sendo obra
    muito bem acabada pelos baratos precos
    de \S$, sendo forrados de alpaca, e de
    20$ forrados de seda; esta fazenda a nao
    se ter comprado urna grande compra, seria
    para muito mais dinheiro, porm liquidase
    esta pechincha pelos precos cima.
    Lazlnhas a IO rs.
    Vendem-se ISazinhas para vestidos e rou-
    pas de meninos, sendo to encorpadas
    como chitas, pelo barato preco de 240 rs.
    o covado.
    POUPELINAS A oOO RS. O COVADO.
    Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
    n. 60, vende-se um grande sortimento das
    mais lindas poupelinas ou lazinhas trans-
    parentes, proprias para vestidos e roupas
    de creancas, com as mais modernas e bo-
    nitas cores ; padros com listrinhas miudi-
    nhas, que se vendem pelo barato preco de
    500 rs. o covado, pechincha que se acha
    nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
    va, na ra da Imperatriz n. 60.
    AS CAMRRAIAS DO PAVO
    Vendem-se finissimas pecas de cambraias
    lizas transparentes tanto inglezas como suis-
    sas tendo mais de vara de largura, pelos
    precos de o000 at 105000 a peca, assim
    como finissimos organdys branco liso qoe
    serve para vestidos de bailes, por ser muito
    transparente a 1;$000, vara, na loja do
    Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
    reira da Silva.
    - Cortinados
    Para cama e janellas.
    Vende-se um grande sortimento aos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para janellas, que se ven-
    >!em a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
    isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    roupas feitas
    NA LOJA DO. PAVO RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com-
    pletamente sonido das melhores roupas,
    sendo calcas palitots e cotetes do casemira,
    de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
    as mais fazendas que os compradores pos-
    sam desejar, assim como na mesma loja
    tem um bello sortimento de pannos casemi-
    ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
    qualquer peca de obra, coma maiorpromp-
    tido vontade do freguez, e nao sendo
    obligados a aceeila-!as, quando nao stejam
    completamente ao seu contento, assim como
    n'este vasto estabelecimento encontrar o
    respeitavel publico um bello sortimento de
    camisas francezas e inglezas, ceroulas de
    linho e algodo o outros muitos artigos
    proprios para hom&is e senhoras proiiiet-
    tendo-se-lhe vender mais barato do que em
    outra qualquer parte. Na ra da Impera-
    triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
    ra da Silva.
    TAlUMA DE
    11-RUA DO QUEINABO
    DE
    AUGUSTO PORTO & C.
    Receberam superiores vestidos de blond com manta e copclla para noivas, que
    vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
    SAINDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
    PASQUINESde renda preta, c de gorguro preto, o que ha de mais
    CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
    BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
    aaoas, e saias de la com barras de cor.
    GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
    uque branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
    alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
    Superior lan'lia de mandioca i
    mente cbt'gada de Santa CatlWina, vende-
    se a preco como lo a buido dbiiguc alle-
    nio Lina, fiindeado dfronde do trapiche
    do Exin. Sr. bar5o do Enrmenlo ; a tra-
    far a bordo do mesmo, cu no escriptori j
    de Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ;' ra
    do Commerio n. 17.
    FUNDiCAG DOBOWMAN
    &fiua do Bli'tira n. 59.
    Machimas de vapor.
    Rodas d'agoa.
    Woendas de canna.
    Tahas de ferro, balidu fundido.
    Rodas dentadas, pata moer com agoa
    vapor e am'maes.
    Alambiques de ferro.
    Formas para porgar assucar.
    E outros minios objectos, etc. etc., pro*
    pi os para agricultura.
    Vendo-r-d al 30 vaccas de teHe, novilhos s
    garrota, luaos ereonlos, e fcitos ao pasto J
    arrcb*Wcs; sendo as vaecas paridas e por parir,
    dtlnllind.is, ouporlnnto: em Bebcribe, sitio da
    Sapueaia, a ver ali iodos os das das 5 para'5 ho
    ras ila tardo.
    XAROPE l'EITORAL
    DE
    ^A &0 CjEIMA.H
    NOVO EXPLENDIOO SORTIMENTO
    Agua-florida de Guis-
    lain
    Covado a 500 rs.
    Covado a 500 rs.
    Covado a 500 rs.
    Cu vado aSOOrs.
    Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
    60 vende-se urna grande porco de alpacas
    lavradas com os mais lindos padroes listea-
    dos e com flores matisadas, sendo este ar-
    tigo urna grande pechincha, por se terem
    comprado urnas poucas de caixas e vende-se
    pelo barato preco de 500 rs. o covado.
    C'iics
    PELERINAS DE CROCH A 841, I0000
    E 12)5000
    Chegaram para a loja do Pavo as mais
    modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
    rinas de fil e croch que se vendem a 8 e
    10.$ e m.
    Tintura indelevel para tingir os cabellos,
    *em manchar a pelle.
    A bem conceiluada agua-florida de Guis-
    lain que ento era des;onhecida em Per-
    aambuco, j boje estimada e procurada
    por seu elcaz resultado, e anda mais se-
    r, quando a noticia de seu bom efi'eito e a
    axperiencia tornar de todos conhecida.
    A agua-florida de Guislain composta uni-
    damente de vegetaes inoftensivos, tem a
    propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
    mitiva aos dbellos, quando estiverem bran-
    cos, e lhes restituir o brilho perdido, c as-
    sim como preservar de embranquecer, sem
    ser prejudicial de modo algum
    E' porm necessario fazer eonhecer, que
    o bom resultado produzido pela agua-flori-
    da, nao instantneo, como muitas pes-
    soas tal vez supponham, nuis sim ser pre-
    nso azer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
    e logo se obter o fim desejado, como bem
    provam testemunhos de pessoas insuspei-
    tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
    vezes por mez, contando sempre com o bom
    xito, podendo a experiencia ser feita em
    outra qualquer cousa.
    Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
    da na bem conhecida ioja d'Aguia Branca
    ra do Queimado n. 8,
    A Aguia Branca, contando com a protec-
    ;5o de sua boa freguez3, tambem capricha
    a. mnolh'a desmerecer, procurando sem-
    pre corresponder a idea favoravel com que
    a honram, e em prova ao que fica dito, d
    como exemplo ko esplendido sortimento
    que acaba de receber, ainda mesmo achan-
    lo-se bellamente provida do que de bom
    e melhor se pode desejar nos gneros que
    sao de sua competencia.
    Haja vista aos necessarios livros de missa
    i_oraco, obras de apurado gosto e perfei-
    jo, sendo: com capas de madreperola e
    tocantes quadros em alto relevo.
    Ditos coin ditas de marilm igualmente
    lom'tos.
    Ditos com ditas de velludo, outros im
    tando charo machetado.
    Ditos com ditas de marroquim com cruz
    e guarnico, dourada ou plateada.
    Coras e tercos de cornalina.
    As
    ssnn como.
    Grande e bello sortimento de loques
    todos de madreperola, madreperola e seda,
    sndalo, sndalo c seda, osso, osso e seda,
    e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
    com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
    de flores.
    Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
    Voltas de cerreute de borracha.
    Meias de seda para meninas e senhoras.
    Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
    para meninas e senhoras.
    Ditas muito finas d'ulgodo, alvas, e
    cruas para meninas e selhhras.
    Luvas de lio d'Escocia, toical, e seda
    para meninas e senhoras.
    Meias de la para homens, muflieres e
    meninos.
    Gollinhas o punhos bordados obra de
    muito gosto.
    Entre-meios finos tapados e transparen-
    tes com delicados bordados e proprios
    para enfiar fila.
    E OS PRODIGIOSOS
    Anneis e collares Royer para creancas.
    Bonitos oabases ou bolsinhas de pelica
    e setim para meninas ou senhoras.
    Lindas ceslinbas bordadas a troco, e lisas.
    Delicadas caixiubas devidro enfeitadas
    com pedras, aljofares, etc.
    Ditas de tartaruga para joias.
    Bonitos albuns com msica.
    Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
    Novos e delicados ramos de flores com
    marrafes para enfeitar coques.
    Bello sortimento de trancas de palha.
    Fitas largas para cintos.
    Cintos de fitas largas com bonitas rama-
    gens.
    Brincos e :i<:u;;es de madreperola.
    Ditos esmaltados, obras novas e bunitas.
    PLANTA DO BRASIL
    E expectrame e recoinmendado as
    affeccoes do pcito, bronchito chronica, he-
    moptise, e losse ebronifa.
    PREPARAPOPOB
    JOAOULM DE ALMEfDA PINTO
    P H A II U ACEITICO
    Pernambtico rita lana fo {osario n. 10.
    LIBRAS
    Vendem Augusto F. de Oliveira & C. ra
    Commerio. n. 42.
    ITIILIIS
    CAPSULAS MOLES
    Remedio por exceencia para cura rpi-
    da 6 completa das coqueluches, bronchites,
    catarrhos, losses convulsivas, escarros sa?;-
    guinos, e outras molestias do pcito.
    PHARMACIA VE DROGARA
    M
    R;"""^mouAC.
    lm V .ARGA DO ROSARIOS
    Libras sterlinas
    Vende Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz n -
    mero 8.
    Sapatos de borracha
    para oulioras c rapazee a 1I80 : na ra ir^iat
    n. 45.
    :5
    6RAV0S FUEIBOS.
    Esclavo igido.
    Fugio no dia {I do c rrento mez as 8 l;
    hora da noute o escravo Antonio, preto, de
    naco, idade 8 annos, pouco mais ou me-
    nos, estatura baixa, bai borlo-com falla de
    dentes na frente.quando anda parece que-
    rer cochear de urna peina, lovou urna
    trooxa de roupa com calcas de algod'o
    azul, de listra e brim pardo, camisas di
    lisia azul e algodo riacd: quem o p
    lew-o ao sen Sr. Jos Gomes Leal, na ra
    da Imperatriz, sobrado n. 18 (.una ra da
    Cadeia escritorio n. 86 EM
    A pata o a o covado
    PERCALLAS A 320 RS.
    AOS DEZ MIL COVADOS
    PERCALLAS A 320 RS.
    Na Ioja do Pavo ra da Imperatriz n.
    60 vende-se urna grande porco de pir-
    cadas francezas proprias para vestidos, sen-
    do de cores fisas e mais larga que as chi-
    tas, tendo os pannos muito encorpados e
    com os desenlies mais bonitos que tem
    vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
    grados e vende-se pelo baratissimo preco
    de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
    fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
    por este baratissimo preco para apurar di-
    nheiro.
    BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
    PALMOS DE LARGURA A 1800
    Chegou para a loja do Pavo, ra da
    Imperatriz n. 60, urna grande porco de
    p cas de bramante com 10 palmos de lar-
    gura, sendo a largura da fazenda o cumpli-
    mento de um lencol, o qual se faz cora um
    metro e urna quarta, e para cama de casal,
    com um metro e meio; o vende-se pelo
    barato preco de 1,5800 res cada metro,
    tendo esta larga fajeada, outras muitas ap-
    phcaces para arranjos de familias, sendo
    rande pechincha pelo preco.
    COBERTORES DE L PARA O INVERN
    DE 3000 64000
    Chegou para a loja do Pavo, um gran-
    de sortimento dos delirares cobertores, de
    15 de carneiro, sendo muito grandes e
    muito encorpados, que se vendem de 3$
    at 6fl(RiO cada um, em relaco s diffe-
    rentes qualidades, pechincha: a elles an-
    tes que se acabem.
    COLCHAS PARA CAMA A 000.
    Vendem-se colchas de fusto adamasca-
    las para cama, pelo barato preco de 5,
    grande pechincha, na loja e armazem do
    Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    O atoalhado Veude-se superior atoalhado de algodo
    ;om 8 palmos de largura, adamascado a
    5200 a vara; dito de linho fazenda muito
    raperior 3200 a vara ; guardanapos de
    inho adamascados a 4.5JOO a duzia o muito
    inos a 80000, e ditos econmicos a 30500
    i duzia.
    ALPACO DE CORDAO PARA VESTIDOS
    A 10000
    Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
    co ou gurguro para vestidos, sendo n'es-
    te genero o mais moderno e mais bonito
    queipa vindo ao mercado com dilferentes
    cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
    do-sa^elo baratissimo preco de IcOOO o
    covadq^
    \ovidade Vovidadc
    GURGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
    DO MEZ DT JUNHO
    Chegou pelo vapor de 14 do crrente,
    para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
    p. 60, um brilhanto sortimento dos mais
    modern'-se mais bonitos gurguroes de seda,
    para vestidos, tendo padroes miudinhos e
    grados, com lindas listras matisadas, as-
    sentadas as* mais delicadas cures, como
    sejam, verde, bisraark, lyrio, azul, perola.
    etc. etc.. assim como ditos lisos de todas
    as cr^s, garantindo-se que na actualidad-
    nao ha urna fazenda de mais gosto nem d-
    mais pbantasia do que esta.qoe se vende por
    proco muito rasoavol, no estabelecimento
    CADET
    C u R A
    lCERTAeINFALLIVEL
    em tres das
    Ph^B^Denain?'
    PA R I S
    MOLESTIAS do PEITO
    HYPPHOSPHITOS
    doD-rCHURCHILL
    XAROPE de H YPOPHOSPHITO de SDQA
    XAROPEdeHYPOPHOSPHITOdeCAL
    PiLULASdeHYPOPHOSPHITOdeQUININO
    CHLOROSE ANEMIA
    CORES PLIDAS
    XAROPE de HYPOPHOSPHITO de FERRO
    ySdeHYPOPHQSPHITOdeMANBANFSIA
    TOSSE BRONCHITIS
    DEFLUXOS ASTHMA
    PASmUAS PECT0HA5.BdrjRCfflLL
    Eligir para os xaropt$ p frito qwdrado e em
    looi m productos a aaigaatura do O" CHUK-
    CHTT.I., e o letreiro coa a marca de Cabra da
    Humada VWAMM>U,ruaCaMiliOM. PARS
    DE VALLET
    As PHnlaa de 1'aUcc. approvadas pela
    Academia imperial de medicina de l'ariz,
    sa8 empregndas com o maior
    exilo para curar a chiorosis,
    e fortificar as cons'.iluicdes
    iacas. Nunca este ferrugi-
    noso ennegrece os denles. "^^'
    I'.ira a garanta da sua autlicnticidade,
    o nome do mentor vai gravado em cada
    pirfa como msrgem.
    %t.f|

    om Rio-Janeip.o, Dvponcketle; Ckaolol.
    --i Pinnsatuco, Unirert O.
    I
    POS DE ROG
    Approvados pela Mademia imperial
    de medicina de Pars
    Um frasco do l*a do Rog, dissolvido
    em una garrafa d'agua, d urna limonada
    agradavel, que p:.rga rpidamente e de
    um modo corto, sem causar a menor
    irriiacao como acontece 'coro a maior
    parte dos outros purgante*. Os Pos de
    Bog, s3o inaitoraveis por isso empre-
    gam-se fcilmente em iagem.
    D-MSil emIiloJ^Ei;;n. t>;',>Mcke'U; Ckeiiokl.
    tiiiiio (la cafa do aLoixo assignado o eseravo
    iinuio, do Dome Beraardo, com es gnoes se-
    puinles : baixo, eorpo recalar, denlos alvo, (
    offlcial de ch.'irutciro, intitula-so de forro o I
    rallante. suppoe-s andar na Irvguezia de S. Jos
    quem oapprelu-nder e leva-lo ra Dircita n
    pandar, seti generosamente reeompenaadn.
    Aenello II. d.- Araujo Pernambrj
    cni Pir.sauljc;, Uurer i C".
    r
    pilule;
    CAUVIN
    HftnH|jl Parta.
    FkVMdn, B,
    Bst* precioM Pnriafllfwtcui to commodo
    M ltrrl'el t o rorteJio oais infallivel jiarii de-
    I trair eaMIlpaeaM, as aciralgl, uhn-
    |acides, as>im couiu < Milu e a *toeoatda4e
    V t afleai au aatrlUa, MraceMs tnxm-
    IBieai, ailkoaai. Vnrca.eatarrfew, eijlir,
    nmu t raWHU>BH.
    O awratUaeuto das Mlalaa Caorla pode roa-
    laUr-se oestu palanaa: tmMtctr ou ewaacr
    r a Mida.
    Klkw aao aedim nem raafoarda a eoaid aa
    I MMa i tai dase laiaate rwmtwOn, aaan toaa
    I ala aaa lafcnlia. ea> ota pifaUi da soita aa
    Wm
    Ptmmhct > WLWKmwnf,
    AVISO
    aos convalescentes e s pessoas
    fracas e debilitadas
    O OUINIUM UBARRAQUC approvado
    pela Academia imperial de medicina de
    l'arix 0 o louico por exceencia.
    D*p l'i)
    cm P.i>Jam.!ko, thfittietk; urtft
    mrt C.
    KJO;(lflO
    Tupio do engennoPoc-, (regoeza d'A{
    na noite de domingo is do eorrrntc para ama-
    uliecor a de segunda feira 49 lo memo,o ogmvo
    Rcnedicio que. foi comprado no Recito ao S-. A:,
    ionio los vieira do Souza, no dia 7 de abril tf.i
    eorrente mez. enjci escravum os signaos secnin-
    tes: crionlo.de 32 anuos de idade.cr preta,al'.ur,v
    c corno regulares, testa muito cantada, rosto u,..-
    penco descarnado.nariz afilaelo.pouea barba, faltad o
    dentes, ps c maos beo feitas, levou coapi
    ehili j veilio ou boneC, boa camita de madapolao
    de pregas largas oo de ajgndao branco, e ronpa
    dentro de um sueco j voltio a qual divo ter a
    mareaPoro : quem o pegar cvo-O ao engeflfc i
    cima a-cu senbor OU na n;a da Praia a Ge-
    nuino Jom1 da liosa, que recebera 100000 fle
    graliflcacaoj desconlia-so te- de para Porto Calvo,
    donde era oseraro de Francisco Nopueira Ca-t I-
    lo liiauco, engonlto L'tinga ou S. Jos da C
    ( ande.

    Encanamento de agoa
    e gaz
    Cunos de ierro estanhadi e tata porcelana, ditos
    de chumbo de todas us gros?uras.
    Pesos pelo nov sistema
    Temos dos novos pesos completis e a retalho :
    venda, na do Queimado^ Azevedo A Irmao.
    Boces,; Artife o ores.
    Na ra da Cruz n ido con-
    fetadas franceaa
    _ Sortea muito bem
    Bollmho-, pao-de lo
    Ramos ^^^H^
    liouqeet do cravos
    Ditos para jarros e
    .No dia 19 do curn rite iyioz fugio do en-
    genlio Conceiro da freguezia da escada <)
    cabra Thomaz, idade de 25 a 30 annos, al-
    tura e corpo regular, barba curia, natural
    de Mamanguapo da provincia daParabiba:
    presume se que elle tenha do para o" Re-
    cife, ou villa de Mamanguape. Roga-sc a
    pessoa que o aprebenoa re o cnlrtgar no
    Recite a Domingos Al ves Matheus, na ru;i
    do Vigario n. 21, ou no engenho (k>n'cci(fii
    da Escada a seu senbor o Exm. Barao da
    A*cagi, que a recompensar com genero-
    so lade.
    Escravo fgido
    Fugio no dia 18 do frrente mez, as 7 horas da
    'Manhaa, o escravo do uacao Angola, Manne). id.
    do 50 annos, pouco mais ou menos, estatura regu-
    lar, barbado, falta de. um dent na frente, andar
    liroso, perna tina, levon calca de casemira
    i, paletot do casemira do cor, camisa de aiu-
    io o tem rio r/st marcas vlsiveU doboxigas;
    mprado lia pouco tempo a Justino Car-
    neiro de Ahneida : roga-se a quem o pegar, le-
    ve-o a ra Uireita n. 16, quo sergontr.
    gratificado.

    o no mez de Janeiro de i Bu-
    Iregnezia de Iguan;
    . idade de 28 ai;
    appr
    \U


    Pernambuco -Quinta feira 3 de Junho de 1869.


    -
    ASSEMBll^ GERAL
    DE
    CMARA DOS SRS. DEPUTADOS
    SESSO EM 17 DE MAIO.
    PRESENCIA DO SU. V1SCONDE
    ,:.\M.\H\('.iBr..
    (Cnntinwitfto.)
    misnlidi todos j ln milito
    tompo surge a idea de que neccssanoou
    equiparar os valores officiaes da tarifa,
    augmentando-e, a os dos piceos renes do
    mercado, ou seguir a marcha ascendente
    do Cambio, recebando osdireitos na razo
    iia djffereaca de 7, conforme fra consigna-
    do em 1801. Nao tem sido ainda apro-
    vetadaosta idji, que posto olenda os n-
    teresses ndviduaes, de pratica meos
    gravosa ao geral dn povo.
    Lcmbra-a assim a commisso para ser,
    agora, applicada. *
    Como, porem, seria urna complicado
    o seguir o andamento do cambio e a sim-
    plicidad mais proveitosa, cumpre -fixar
    legras. Emvez de se exigir o pagamento
    ao cambio de27, oque actualmente dara
    mais de 48 \ sbreos diretosalfandegies,
    tome-se urna base fixa, e seja esta 40 |0.
    aceito o actual cambio de 18 %Q a hxo o
    governo em publicarles annuaes com an-
    tecedencia de tres meies. afn de se regular
    com igualdad,} em todo o Imperio, estabe-
    1-cendiKi ni razao inversa da subida do
    Oreada a verba actual de, 35,000:000-5
    cons "inr-se-lia un augmento de cerca de
    10,000:0003, qiiando mesmo se prognosti-
    qu-i urna diminuic/io de consumo.
    Acerescente-se a elevaco a 5 V dos
    direitosde expediente dos gneros livres ;
    os addicionaes sobre mercadorias que so
    parar i.iteirameiite estes servi-
    alaidega, aitorisa o governo a
    contrata-los.com fldguma companhia seria
    que se organise para tomar a si o encargo.
    t Relativamente aos impostos que pa-
    de setembro de 1807, que exiga ^cobran-
    Ca de 15 /o em ouro.
    4.*^cam abolidos os direitos de re-
    export*p e baldeado, os dos dizimos do
    municipio, os de / % dos gneros naci
    recem susceptiveis deabolir-se peas rasos mies de urnas para outras provincias; c os
    precedentemente aprese-tadas, recommenda de 3 % dos gneros estrangeiros despacha-
    commisso quatro p>. liadarmente :
    1. Os de reexpsrtaco e balde afo.
    2." Os dos dizimos do municipio.
    3 Os de '/i/o dos gneros nacionaes
    de urnas para outras. provincias.
    t 4." Os de 3 /o eos gneros estrangei-
    ros despachados para consumo e navegados
    com carta de guia.
    . Formando assim um plano, que com
    os abatimentos necessarios deve produzr
    urna renda de cerca de 12,000:0003, julga
    conveniente a commisso propr anda al-
    gumas ida6 considerado da cmara.
    t Quando se tratou do imposto pessoil
    de 3 u/o, tomou-s por base o valor locativo
    do predi11, o que constituo urna parte da
    despreza. Entretanto, aos empregados p-
    blicos j muito mal remunerados, aos pen
    sionistas, etc., que sao classes pobrissimas-
    exlgio-se os 3 /o dos seus vencimentos,
    sto da sua renda total.
    Parece commisso injusta esta provi-
    dencia, e, propondo a abolico du 3 /o
    sobr. vencimentos e pensoes, declara que
    tieam os-empregados pblicos, pensionistas,
    etc., sujeitos ao imposto pessoal de 3 /o
    sobre o valor locativo do predio em que
    babitarem.
    Pensa tambem a commisso que sera
    e navegados com carta
    pagam
    igualmente
    actualmente 2 % augmentar-se-ha
    o/
    lo <
    e os
    gneros
    isentos
    inteiramente de addicionaes subam tambem
    a 5/,, devendo acompanhar e manter a
    relaco que tem tido a tarifa. Conscguir-
    se-ha nestes objeetos cerca de 2,200:0003,
    porque a verba dos valores da ultima classe
    sobe a 40,000:000*000.
    , E logo que se trata u aifandegas
    convem ainda pratiear innovacoes justas e
    proveitosas, qner para se abolirem alsuns
    direitos. que nao compinsam os trabalhos
    e despezas do expediente, ou sao da injus-
    tiea clamorosa, o quer para melhor rcgula-
    risar serviros feitos com prejuizo do Estado.
    .. Nesta ultima situaco encontra-se o
    que diz respeito aos servicos das descargas
    cadorias. Neiihuns dos dous prnneiros
    pagam as mercadorias que entram as ai-
    fandegas c nos seus trapiches, entretanto
    que pigam quando se dirigem aos trapich s
    e estabeleciinentos particulares chamados
    alfandegados. Entretanto gasta o Es ado
    com estes servidos sommas importantes
    eomtrabalhadores,empregadose operaros,
    que compoem o corpo cbamado de capata-
    zias. Em relaro a armazenagem pouco
    despenden! as mercadorias, pois se Ibes
    concedem prazos forres, segundo suas qua-
    lidades. Entretanto os direitos recaes, ou
    de consum, sao" diversos e peculiares e se
    nodevem confundir com estes serviros.
    Em todos os paizes do mundo alem dos
    impostos se pagam parte to dilTerentos
    quotas, e em Inglaterra e outras nacoes
    pertencem at ellas a companhias particu-
    lares, reduzindo-se as aifandegas a repart-
    ni ramente tiscaes e cobradoras de di-
    reitos.
    * Entretanto.o-Estado despende alugueis
    de trapiche, immobilisa sommas importan
    tes em propiedades de edilficios para re-
    colhimento de mercadorias, enenbuma renda
    tira deste empate e gastos.
    O relatorio ultimo declara-nos que se
    despenden* 007:91954.)! por anno, rece-
    bendo-so apenas 393:300/1516 nos armazens
    appacecendo um dficit de 274:0065935,
    alem do nenhuma renda do empale do
    capital em que importam as propriedades
    nacionaes.
    o Cumpre fazer desapparecer est?. ano-
    mala. Prope a commiss i que se cobrem
    a rviese de embarque e descarga na razo
    di peso dos volumes, e, abolindo-se o u^o
    de das livres de armazeuag m, se cobrem
    os servidos de estada desde o dia da en-
    trada para os armazens c trapiches at o da
    Bahida. tomndose por base o voluuie ou
    capacidade dos objeetos. E, sendo igual-
    conveniente auterisar o governo a rever e
    modiQcar os ltimos reglamentos- publi-
    cados dentro do prazo de um anno, afim
    de se corrigirem alguns dos defeitos que a
    experiencia Ibes note, e declarar que nem a
    taxa proporcional do imposto sobre indus-
    trias e profisses co nprehende o valor dos
    instrumentos da produeco, e nem o omts
    sobre carros se applica aos particulares de
    fazendeiros do municipio neutro, que condu-
    duzm ao mercado seus gneros privatisos
    Assim expondo com franqueza a com-
    misso as suas ideas, sabe que nao pode
    agradar, porque vai ferir muitos interes-
    ses; mas deseja illustrar-se, e se medi-
    les alvitres forem lembrados para acudir
    ao dficit acceita-los-ha, porque s deseja
    aeertar, levada como francamente por ms-
    piragoes do bem publico.
    Nao termina ella sem declarar que,
    quando a receita assim organisada apresen-
    dos para consumo
    de guia. |
    c 5.a 0 governo fixar e cobrara servi-
    cos de embarque e descarga de mercadorias
    as aifandegas e seus trapiches, conforme
    o peso dos volumes, e bem assim os de bein
    armazenagem desde o dia da entrada at o com as
    da sahida dos objeetos, segundo o seu peso
    ou capacidade, (icando abolido o uso dos
    das livres, e bem assim o imposto que
    actualmente se percebe qoando excede este
    prazo a estada as aifandegas. Podero
    ser sen-icos arrendados a companhias que
    offereeam garantas.
    t 0 Fica abolido o imposto dos venci-
    mentos c pensoes, tornando-se extetivo s
    pessoas que elle affectava o imposto p,s-
    soal.
    * 7. 0 imposto sobre carros n com-
    prehende os de uso dos fazendeiros do ma-
    nicipio neutro, empregados em cjpregar
    seus gneros privativos para o mertido.
    >< 8. A taxa proporcional do imposto
    sobre industrias e profisses nao cemprc-
    hende o valor dos instrumentos da'prodc-
    elo.
    9. Autorisa-se o governo a rever e
    modilicar dentro do um anno os regula-
    mentos das aifandegas, thesouro e tliesou-
    raria, podendo alterar e modificar os seus
    servicos.
    10. Autorisa-so igualmente o governo
    a rever e modificar dentro do prazo de nm
    anno os regulamentos sobre transmiss5e
    de propriedade, dizimos, indagpas e pro-
    fisies, emolumentos e sello,' iocluindo
    nteste ultimos novos e velhosdireitos de
    mercs pecuniarias.
    II. Autorisa-se o governo a crear
    mais dona empregos na caixa da amorlisa-
    rta. e parar o servido da seccao da
    substiluico.
    12. O presente orcamento vigorar no
    anno linanceiro de 1870 a 1871.
    13. Quando a receita exceda a despe-
    za ser sempre o excesso applicado a amor-
    lizacao do papel-moeda em circulado.
    ' Paco da cmara, em 19 de maio de
    ISWJ.Pereira da Silca.A. M. Perdi-
    mlo MaUeiro.A. J. Hnriques.*
    " ______/-VI M .
    reir Guimares e Fiel Jos do Cirvalho;
    pelo Hio-Grande do Norte, os Srs. Francis-
    co Gomes da Silva Jnior e Octavi.mo Ca-
    bral Raposo da Cmara; e pelo Amazonas,
    o ir. Angelo Thomaz do Amaral.
    Em seguida o Sr. presidente tambem de-
    clara que vai-se officiar ao governo para
    mandar proceder eleieSo de diputado
    para preenebimento da vaga deixada pelo
    fallecimento^visconde de Inhama.
    Acbando-se na sala immediata os Srs.
    Angelo Thomaz de Amaral e Leandro Hi-
    beiro de Siqueira Maciel, sao introducidos
    to 'do urna tia sua. Mandou-so desn-
    uojar.
    Dous requememos de Antonio de Souza
    Bandeira e Manoel da Trindade Peretti,
    pedindo dispensa de idade para fazerem
    acto das materias que est5o estudando
    como ouvintes do 1 aflno na faculdade de
    direito do Recife. commiss5o de instroc-
    cao publica.
    Outro de Antonio Gomes Leal Jnior,
    pedindo que sejam considerados validos
    para a matricula em qualquer das faculda-
    deo de medicina os eximes de preparato-
    ! Siqueira Maciel, sao inirouuzuos ueu ui; ineuicma us exilias uc i-i^r"-*''
    formalidades do estylo, prestamju- rios feitos perante a faculdade de dire.Uo do
    te saldo sobre a despeza, seja este appli- eleicao dorio dejaneiho^ e-f dotrtcios.
    -: vai a imprimir para ser submet-
    aco cinco dias depois, na forma
    FOLHETIM
    03.CASAC1S PRETAS
    ROMANCE
    ror.
    Paulo'Fval
    Primeira parte
    ORRIViL LiVRADO
    (Continuacjio do n. 121.)
    VIH
    A faga.
    Ao alto da subida seguinte, voltou-so
    outra vez Andr Maynotte. Ji na larga
    estrada se nao va senao a nuvem de poeira
    que o tilbury levantava. Por mais longe
    que avista alcaueasse, nada se destinguia.
    Achavam-se j mui distantes os sabinos
    que o perseguiam.
    Animoso Black bom cvale !
    Algumas vezes, ao sabir da estibara,
    approximava-se elle da janella do cubculo,
    c a exeelleote Julia dava-lhe assucar e p%).
    Mais ainda : fazia-lhe festas, que elle agra-
    deca com relinchos. Black era. o quinqua-
    gesimo primeiro adorador de Julia, e
    nico correspon lido.
    Animoso Black I lembra-te dtso !
    Dir-se-Uia que effeclivaoente o nobre
    animal se lembrava. A carreirt de BlackJ
    era suave e rpida como um v6o.
    Re ;obrou Julia os sentidos um beijo de
    Andr ; volveu a si paluda e branca cddd
    um lyrio, mas t3o adoravetanente formosa,
    que o corceo de Andr gobresaltava-se
    um tempo de alegra e de dr. Tinha agora
    Black de se conduzir a si proprio. Andr
    s va Julia.
    Abri ella os olbos e endireitour-se so-
    bresaltada. De cousa nenbuma se lembra-
    va j. Despertou-a repentinamente a me-
    moria : soltou um ai.
    cado ao resgale do papel-moeda em circu-
    lado, como.urna das necessidades mais cla-
    morosas a satisfazer-se.
    Rio de Janeiro, 19 de maio de 1809.
    Ptreira da Silva.A. M. Perdigao Ma-
    Iheiro.A. J. Henri'jne. }
    Emenda da 1* cammisso de ornamento
    verba da receita.
    * 1.a Em vez.de somma total de.....
    73,000:000-5diga-se......conforme se vo-
    tar-
    2.a Ao Ioimportarloem vez de
    38,500:000^, diga-se.... conforme se votar.
    * 3.1 Suprima-se o 2o, exportacao etc.
    4.a Supprima-se o o", gneros do
    paiz, etc.
    5.a Supprima-se o i 49, vencimentos,
    0.a Augmente-se ao 48 -imposto
    pessoalmais 120:000^000.
    7.a Supprima-se o 02, dizimos.
    Artigas auditivos s disposicoes ge raes.
    1. Substitutivo ao art. 12 :
    Fica o governo autorisada a fazer
    quaesquer operaces de crdito, quer para
    fundar a divida fluctuante, quer para preen-
    cher o dficit, do actual e do vigente exer-
    cicio.
    2. O imposto de expediente dos gne-
    ros livres, os direitos addicionaes sobre
    mercadorias que s pagam 2%. e os objee-
    tos inteiramente isentos de direitos addi-
    cionaes elevar-se-ho a 5 % do Io de Ja-
    neiro de 1870 em diante.
    3. Os gneros despachados para con-
    sumo pagaro mais 40 % do que actual-
    mente. Exceptuara-se no que relativo
    aos direitos addicionaes. Esta cobranca
    se far do Io de Janeiro de 1870 em diante.
    O governo alterar annualmente este aug-
    mento da porcentagem na razo inversa da
    subida do cambio cima de 187, publican-
    do-a com tres mezes de antecedencia. Fi-
    ca revogalo o Io do art. 91 da lei de 20
    Estamos salvos, disse-lhe Andr, que
    sorra tranquillo.
    Julia perguntou :
    Que fizeste ?... Que fizeste t ?
    Porque devia ter urna causa aquella fuga
    singular.
    lisiamos salvos, repetio o moco la-
    vrante. Amo-te e sou feliz. *
    E os seus labios ro?aram pela -face de
    Julia, que estremeceu e perguntou :
    Para onde me lewis ?
    Andr continuavalfrindo.
    N'um ponto em que a estrada era solada,
    voltou de repente a cabeca de Black e met-
    teu-se a urna azinhaga que lhe ficava es-
    querda.
    Ao cabo de uns mil passos, dobrou pela
    segunda vez esquerda ; e assim foi por
    meia hora, de cammhoemcaminho, toman-
    do sempre por onde o carro pola pissar.
    Olack pareca cobrar novas forjas, e irota-
    va larga.
    Que esperas tu ? perguntava entre-
    tanto Julia.
    E accrescentava, julgando que se trata va
    de Iludir definitivamente
    savara.
    urna creaneice I poderemos escon-
    der-nos um ou dous dias...
    Nao me qoero esconder mais de um
    dia, replicou Andr.
    Tinham acabado os zigue-zagues. Come-
    cou a dirgir-se para leste, guiando-se pelo
    sol., Diias horas depois de partir de Caen,
    P'.iuco mais ou menos, achou-se outra vez
    li do Orne, o qual atravessou na barca
    de Fougerolles ; metteu estrada de Alen-
    Qon e tomou depois de Falaise as imme-
    diacoes de Roquencourt.
    Podra elle, aquella hora e nao longe
    d'alii, ter encontrado outro perspnagem
    nhos solitarios e mexendo e remexendo a
    propria conseiencia.
    Protongim-se entre Bourguebus e a es
    Irada de Paris malas consideraveis. Em
    ramentos e tomam assento.
    Contina a cleicao das commisscs
    sahem eleilos os Srs.:
    Instrucg5o publica (07 cdulas)
    Francisco de Assis Pereira Rocha, GO vo-
    tos : Manoel Antonio Duarte Azevedo, 60 ;
    Manoel Joaqaim Babia, 53.
    Sande publica (03 cdulas).
    Luiz Carlos da Fonceca, 01 votos; Ale-
    xandre Jos de Mello Moraes, 54; Joaquim
    Dias da-Rocha, 43.
    Estatisffcawsolonisnca'o e civilisaro dos
    indios (7 i cdulas).
    Custodio Cardoso Fontes, 47 votos; Jos
    Bernardino ta Silva Bttencourt, 42: Anisio
    Saiathiel Carneiro da Cunba, 30.
    Agricultura, minas e bosques (70 cdulas).
    Jos Ignacio de Barros Cobra Jnior,
    54 votos; Cicero Dantas Martins, 30; An-
    tonio Coelho Rodrigues, 27.
    Obras publicas(03 cdula;'.
    Francisco Raphael de Mello Reg, 56 w-
    toa; Dienysio Goncalves Martin, 50; Joo
    Jacintho de Mendonca. 'i4.
    Negocios eeclesiasticos (70 cdulas).
    Joaquim Pinto de Campos, 08 votos: Ma-
    noel Jos de Siqueira Mendes, 01; Justi-
    no omingues da Silva. 43.
    Exame do thesouro (00 cdulas).
    Bar50 de Mamanguape, 53 votos; baro
    de Anajatuba, 40 ; Jos Goncalves da Sil-
    va, 54.
    Nada mais Jjiavendo a tratar, levantare a
    sesso s tres horas da tarde.
    SESSAO EM 20 DE MAIO.
    FnESIDENCIA DOSJl. V1SCONDE PE CAMAIU-
    GIBE.
    Ao meio dia feita a chamada, verificou-se
    haver numero sufficiente, abre-se a sesso
    sendo lidae approvada a acta da anterior.
    O Sr. T SECREr.viuo, dconta do seguinte
    EXPEDIENTE.
    Sete officios da ministerio do imperio,
    enviando as copias dos decretos pelos
    quaes Sua Magestade o Imperador
    bouve
    L-sc c
    tillo votaro
    ^TTSla^KE- I Por bem conceder varias pensi -ATcom-
    presentes as actas das eleices das tres pa- mi*sao de pensoes e ordenado,. ,
    rochias que compoem o collegio eleitoral
    do Mangaratiba (V districto), e bem assim
    da parochia de Santo Antonio do Rio-Boni-
    to, collegio de Valenca C30 districto).
    Nada enconlrou que merera especial
    men^o. A eleico fez-se com a devida le-
    gaiidadc. Nao consta protesto, reclamaco
    ou conteslaco alguma, nem foi produzdo
    ante a commisso.
    porlanto, de parecer:
    Io Que sejam approvadas as eleices
    primaras das parochias de Nossa Senhora
    da Guia de Mangaratiba, Nossa Senhora da
    Conceco de Jacarehy e Sant'Anna de
    Uaeuruss, todas do collegio de Manga-
    ratiba.
    2. Que seja approvada a eleico pri-
    maria da parochia do Santo Antonio do
    Ro-Bonito, do coflegio de Valenca.
    Sala da commisso em 19 de maio de
    1809. A. M. Perdigao Malhciro.C. de
    Baependy.A. A. S. Caedo.Portella.
    Catado.
    penates a diversos.
    Lm-se e vo a imprimir para entrar na
    ordera dos trabalhos diversas redaeces,
    approvando pensoes concedidas s pracas
    do exercito e armada invalidadas em com-
    bate, c familias de outras fallecidas.
    ORDEM DO DIA.
    Proccde-se successivamente a votaco
    dos pareceres sobre as eleices do Io e
    2" districtos da provincia de Sergipe
    nicos do Rio-Grande do Norte
    as, e sao todos approvados.
    O Sr. Presidente declara deputados pelo
    Io districto de Sergipe, os Srs. Leandro R-
    beiro de Siqueira Maciel e Manoel Jos de
    Menezes Prado, e pelo 2' os Srs, Manoel Pe-
    c dos
    e jAmazo-
    Tres do inesmo ministerio, enviando as
    copias das consultas da seccao dos negocios
    do imperio do conseibo de estado sobre
    os actos promulgados em 1850 pelas as-
    semblas legislativas das provincias de S.
    Paulo. Cear e Rio de Janeiro A' com-
    misso de assemblas provinciaes.
    Outro do mesmo ministerio, declarando,
    em resposta ao ollicio desta cmara, em
    que solicita as acias das eleices da pro-
    vincia do Amazonas, efi'ectuadas no colle-
    gio de Barcellos e parochias constantes do
    referido officio, que com o aviso de 8 do
    corrente forara remettidas as actas solici-
    tadas, com excepeo das do collegio e pa-
    rochias de Moura o Tboman, pelas razes
    expostas no dito aviso, bem como deixou
    de ser remettida a da parochia de S. Ga-
    briel por nao ter sida recebida, a qual ser
    enviada logo que chegue, para o que se
    expedir aviso presidencia da provincia.
    A' quera fez a requisico.
    Outro do mesmo ministerio, enviando
    os officios com os quaes a presidencia da
    provincia do Rio de Janeiro transmute as
    actas de installaco dos coilegios de Cam-
    pos e Cantagallo, e da eleico primaria da
    freguezia da Barra de S. Joo.A 2a com-
    misso de poderes.
    Outro do mesmo ministerio, declarando
    que se expedir aviso s presidencias das
    provincias do Para, Cear, Rio de Janeiro e
    Pernambuco, acerca das decises desta c-
    mara sobre as" eleices primarias e secun-
    daras a que se procedeu as raesmas pro-
    vincias.Inteirada.
    Outro do Sr. deputado Luz Joaquim
    Duque-Estrada Teix^ira, communicando
    nao poder comparecer nestes tres dias s
    sessoes por estar de nojo pelo fallecimen-
    Rece.A mesma commisso.
    Outro de Jos Ignacio de Figneiredo,
    pedindo autorisacSo para ser matriculado
    em qualquer das faculdades de medicina
    do imperio com os exames feitos perante
    a de direito do Recife, depois de approva-
    do tambem em philosopliia.A mesma
    commisso.
    L-se, e vai a imprimir para entrar
    na ordem dos trabalhos, o seguinte pare-
    cer :
    A 2a commisso de orcan.ento, a quem
    foi presente a proposta do poder executivo
    de 12 de maio de 1868, sobre ajudas de
    custo aos oispos eleitos e confirmados e
    sobre o modo de lhe serem abonadas:
    Considerando que as que Ibes sao actu-
    almente abonadas, vista da legislaco em
    vigor, nao tem fundamento razoavel; por-
    quanto, consistindo na terga parte da con-
    grua de seu antecessor, que desde sua mor-
    te fica retida no thesouro para tal fim, po-
    dem ser excessivas ou insuflicientes;
    Considerando que os primeiros bispos
    eleitos para dioceses novamente creadas
    que, em regra geral, sao os que mais
    despezas tem a lazer, nao tem a ellas di -
    re lo;
    i Considerando finalmente, que o modo
    por que sao abonadas est de accordo com
    o disposto no art. 11 do decreto n. 41, de
    20 de fevereiro de 1840.
    de parecer que seja submettidq
    approvaco desta augusta cmara o seguin-
    te projecto de lei:
    t Accresente-se no lugar compe-
    tente :
    A assembla geral decreta :
    Art. f. Sero abonadas aos sacerdo-
    tes eleitos e confirmados bispos ajudas de
    custo, divididas em tres partes: a Ia para
    a conirmaco, a 2a para transporte e a 3"
    para primeiro estabelecimento, nao exce-
    dendo esta a 3:000,5000.
    O governo marcar por decreto o modo
    de regular-se a despeza com o transporte
    dos bispos.
    Art. 2. Ficam revogadas a proviso
    de 18 de agosto de 180 i e mais disposices
    em contrario.
    a Sala das commsses.em 20 de maio do
    1809.M. C. A. Lima Arnaud.lheodo-
    ro M. F. Pcreira da Silva.Jos Xaxier
    da S. Capanema.
    X se, julga se objecto de delibera-
    cao, e vai a imprimir para entrar na ordem
    dos trabalhos, o seguinte projecto :
    A assembla geral resolve :
    Art. I.6 A proposta de que trata o art.
    2" II n. 2 da lei de 22 de setembro de
    1828, para a expedicao de cartas de apre -
    sentaco de beneficios eclesisticos, ser
    remettida ao governo pelos bispos, gober-
    nadores dos bispados, ou vigarios capitu-
    lares, at quinze dias depois de ter sido
    feito nos term s do al vara de 14 de abril
    de 1781 o concurso para provimento do
    beneficio vago.
    t O concurso ser annunciado dentro de
    um mez depois que a noticia da vaccancia
    chegar ao conh cimento do hispo, ou de
    quem suas vezes fizer.
    11." Se, decorrido o tempo necessa-
    rio para que a proposta chegue ao conheci-
    mento do governo, nao for esta recebida
    poder ser expedida a carta de apresen-
    ta<;o independentemente de proposta.
    t 2. Findo o prazp para o concurso,
    o qual ser de sessenta dias, se nao appa-
    recer concurrente algum, ou se nao forem
    approvados os que se apresentafem, o bispo
    o governador do bispado, ou o vigario ca-
    pitular propor ao governo para o beneficio
    vago tres sacerdotes que julgar idneos,
    declarando o motivo de preferencia do que
    eollocar em primeiro lugar sobre o que
    indicar em segundo, e deste sobre o ter-
    ceiro.
    Nao havendo esta proposta, o governo
    proced r na forma estabelectda no final d
    antecedente.
    3. Nao se conformando o governo
    com a proposta, mandar abrir novo con-
    curso, devendo dar sua decisio dentro de
    dous mezes depois do recebimento da
    mesma proposta.
    No caso de novo concurso, o annuncki
    ser feito logo que constar competente
    autoridade ecclesiastica a resoleco do go-
    verno, observando-se dahi em diante o
    dsposto nos 1| Io c 2o.
    | 4." Continuaro a ser apresentados,
    sem dependencia de proposta, os monsenho-
    res e conegos da capel la imperial, e as
    primeiras dignidades das cathedraes.
    Art. 2. Ficam revogadas as disposi-
    ces em contrario.
    t Cmara dos deputados, 20 de maio de
    1809.Manoel Francisco Correa.
    \ *
    L-se e vai a imprimir para ser submetti-
    do votaco cinco dias depois, na forma
    do regiment, o s guinte parecer :
    Foram presentes 3a commisso de
    poderes as actas das eleices primarias
    das freguezias de Sant'Anna dos Alegres e
    de Nossa Senhora da Penha de Rurity do
    collegio de Paracat, bem como as das di-
    versas parochias do collegio de Montes-
    Claros, pertencentes ao 7o districto eleitoral
    de Minas-Geraes;. e tendo nellas corrido
    com regularidade o processo eleitoral, a
    commisso prope a approvaco das ditas
    eleices.
    t Sala da commisso, 18 de maio de
    1809.Benjamn. Rodrigo da Silva. -
    Barros Bar reto.Souza Reis. Lamego.*
    Lm-se e vo a imprimir para entrar
    na ordem dos trabalhos, diversas redaeces
    approvando pensoes a militares invlidos
    na gnerra actual, e s familias daquelles
    que fall ceram.
    Achando-se na sala immediata os Srs.
    Domingos Jos Nogueira Jaguaribe, Antonio
    Francisco Pinheiro, Manoel Jos de Mene-
    zes Prado, Fiel Jos de Carvalho, Manoel
    Fernandes Yieira, Manoel Teixeira Gui-
    mares, Octaviano Cabral Raposo da C-
    mara e Francisco Gomes da Silva Jnior,
    sao introduzidos com as formalidades do
    estylo, prestara juramento e tomam as-
    sento.
    ORDEM DO DIA.
    Entra em Ia discusso o projecto que
    pprova as pensoes concedidas a D. Doro-
    thea Sabina de Abranches Freitas, viuva do
    alferes Angelo Manoel de Freitas, e a D.
    Amelia Carolina dos R.is Nunes, viuva do
    capito Manoel dos Reis Nunes.
    O Sn. Conde de Baependy pede, e a c-
    mara con sent que o projecto tenha urna s
    discusso; na qual entrando, approvado
    sem debate e remeltido commisso de re-
    daceo.
    Entra em Ia discusso o projecto de-
    clarando que a viuva do capit|o Xilderico
    Cicero de Alencar Araripe, D. Romana Can-
    dida de Araripe esuas duas filhas menores,
    tm direito penso que Ibes foi concedida
    por decreto de 24 de setembro de 1865.
    O Sn. Conde de Baependy pede, e a c-
    mara consente, que o projecto tenha urna
    s discusso; na qual entrando, appro-
    vado sem debate e remettido a commisso
    de redaeco.
    A' cem passos da estrada de Paris, vista
    da villa de Vimont, meia legua de Moull-
    Argence parou elle. Mandou apeiar Julia,
    e tomou a mala, que levou para o outro
    lado da sebe.
    Vou buscar o almoco, disse ; espra-
    me ah.
    Julia assentou-se no chao. Tudo islo
    era para ella como um sonho pesado. Nada
    sabia; nao podia adevinhar.
    Quando de manha tratara de partir,
    perguntra:
    Temos alguma cousa a receiar ?
    Andr respondera-lhe :
    Temos, e lerrivel.
    E lembrava-se bem que
    physionomia era nelle ainda
    dora que as palavras que pronunciara. Ver-
    dado que Andr sorria agora, e affirmava
    que nada havia a receiar.
    Mas como acredia-lo ? Dissera elle
    ainda :
    Nao me quero esconder mais de um
    da.
    Andr estremeca louca-
    a expresso da
    mais atterra-
    a sombra durou, Andr metteu
    disse:
    quinto
    Black a pa>so, e depois
    C vottarem>s.
    Julia relanceou para elle os albos em
    que se estampa va a maior inquietaco.
    Aquella mesma serenidade a assudtava. Te-
    na Andr perdido a. razao ?
    Que perico podia ser este, que o mesmo
    os que os acos- dia Vtjrja dtSpontar e desfazer-se ?
    Tudoisto era singular, inverosimel, nex-
    plicavel. Detraz destas appareflcias viam-
    se como ameacas. J urna palavra tradu-
    zira os sustos de Julia. Perguntra ao
    marido :
    Que fizeste ?
    De certo lhe nao occorrera a aidea de
    que Andr houvesse commetlido urna aeco
    indigna. Mas sempre lembra o peior. A
    iiuaginaco nao cancava. Que fizera elle
    para fugir daquolte modo ?
    il ae vio s,1 comprieaio-lhe o-peito a
    afflicco. Tew um medo horrlvel.
    E da notar-se para que ponto os seus
    terrores se desviaram r
    E so Andr nao volta ?... disft com-
    sigo.
    Andr voltou. Viaba a p. Traza um
    cabaz no braco, e cotava. Julia corren
    para eHe, e gritou-lbe ainda de tonge :
    Quem ter cuidado do menino efta
    machia t
    Ab, sim I... o menino t soltou Anfc6-!
    Vinha justamente a pensar nina. Logo
    fallaremos delle.
    Todo islo era singular, o*Hajgtc.-
    Contina a discusso d* projecto
    que autorisa o governo a conceder ao ci-
    dado Jos Dias da Cruz Lima, ou a quem
    julgar mais idneo, licencia para incorporar
    urna companhia que emprehenda a cons-
    trueco de urna estrada de ferro da pro-
    vincia de Santa Catharina ao Rio-Grande do
    Sul.
    Ninguem pedindo a palavra, e pondo-se
    a votos o projecto approvado para passar
    2J dicusso.
    Entra em discusso o projecto vindo
    do senado, relativo aojulgamentode certos
    crimes que podem ser commettidos em
    paiz cstrangeiro contra o Brazil e os brasi-
    leros.
    mstor
    deriamos dizer.
    mente o filho.
    Tomou a mala. A sebe defenda urna
    sera de trigo lourejante. Metteu-se urna
    valteta. "Julia perdeu-o de vista. Um ins-
    tante depois appareeeu sem a mala.
    Aquello embaracava-nos, disse. Va-
    mos dar um passeio pelo campo.
    Um passeio t Julia sentio calefrios,
    apezar do ardente sol de junho que dou-
    rava as espigas. Urna tal idea era terrivel
    como a gargalhada dos desesperados.
    Andr enfiou um braco na aza do cabaz
    e offereceu o outro Julia, dizendo-lh
    Est o co muito bonito para qu
    Deus l nao resida.
    Agradeceu-lhe Julii com osolhos mane-
    jados. Desde pela manha que nao ouvira
    to suaves palavras.
    Caminhavam ambos ao longo da sera.
    Espraiava Julia o olhar melanclico pela
    sebe florida. Nao se atreva j a dirigir
    perguntas. Andr poz-se a cantar ootra
    vei; entoava urna daquellas indolentes can-
    tiga|que recitam as morenas fdhas de Sar-
    teno ; suave msica e carinhosa poesa, com
    quanto seja formada cora as rudes palavras
    do dialecto corso!
    . Ouvem-se destas cances l as tortuo-
    sas veredas que conduzem i'togna. Aquel-
    le paiz das mplacaveis coleras cheio d;
    amor. Quem um dia ouvio as canges da
    floresta de myrtos jamis se esqnece dellas,
    nem da moca denodada que de bilha ao
    hombro as repeta, seguida pelo rebanho
    bronzeado das creancinhas descalcas.
    as patpebras de Julia tremiam duas la-
    grimas : aquella cantiga vinha fallar-lhe do
    passado.
    Estavam prximas as grandes matas.
    Entraram nellas por urna alea umbrosa, que
    corra em linha recta por baixo de altos pi-
    nheiros de ramagem negra.
    Canta tambem, disse Andr.
    Julia soltou o braco e juntou as mos
    para articular:
    Polo amor de Dos te peco que me
    digas alguma cousa. Falla-cae Andr: eu
    padeco muito.
    Havia ali urna vereda que se perda no
    interior da mata. Andr metteo-se ella.
    No fim de alguns passos, parou diante de
    ama pequea clareara alcatifada de jacinthos
    em flor. O sol coado pela alta ramada,
    brincava naquella messe de azui. Urna lita
    de agua invisivel murmurava por traz das
    moutas, respoudendo outro murmurio,
    vasto como a voz longfnqua do mar, e que
    cahia dos cimos balanceados.
    Andr disse a Julia :
    Assenta-te.
    E ajoelhou ao p della.
    Eslava paludo, mas brilhavam-lhe os
    olhos. Julia ouvia-lhe o bater do cora-
    Co.
    Lembras-te, pronuncion elle, depois
    de alguns instantes oceupados em contem-
    pla-la, formosa como estava no meio do
    crescente susto ; lembras-te do dia seguin-
    te aquella noute em que consentiste em
    acompanhar-me, mim simples operario e
    filho de operario, tu me eras rica e nobre ?
    era um dia parecido com o de hoje.
    Lembro-me, sim, respondeu Julia.
    Amava-te.
    Amavas, verdade ; nao como eras
    amada, porque cada um recebe oque me-
    rece, e o que eu te devo um culto ; tinhas
    porem contianca em mim, e eras arreba-
    tada pelo grande amor que te envolva.
    Prometti-te que serias feliz.
    Amava-te, repetio Julia, e amo-te I
    Andr tonrou-lhe as mos, que levou
    a^ siabios.
    Tambem estavamos n'um bosque,
    continuou elle, e parece-me estar ainda
    vendo o raio de sol que a clara folhagem
    dexava penetrar at tua fronte. Erara
    implacaveis os que nos perseguiam, e s
    linliamos por nos a bondade divina. Foi o
    que nos bastou ; e sempre quanto basta.
    Lembras-te ? Ouviamos-lhes o tropel dos
    cavados pela estrada, e um momento houve
    em que a poeira. que na carreira levanta-
    vaiu, noe envolveu em densa nuvem.
    . Lembro-me, pronunciou ella baixinho.
    Mas nesse dia sabia u o nome dos nossos
    iolmigo%
    A' esta mesma hora esta va-te eu d-
    zendo... lembras-te 1 limpandoo p qu
    o suor colla va tua face gentil; esta va-te
    eu duendo : Se nao temos mais que um
    dia, seja elle bello, seja alegre, vd^H
    si urna vida inteira. Ohamavatn-s
    pondiam uns aos outros cerca de nos.
    Conservavamo-nos tranquillos; tu sornas e
    (Continar-se-ka.)
    dzias adoraseis palavras I E esta a-
    coramunho dos nossos esponsaes. E os
    nossos labios, que acabavam de partilhar
    do mesmo pao, se refrigeravam agora os
    de um, logo os de outro, na mesma taca.
    Estou tranquilla, sorrio, balbuciou
    Julia. Pouco me importa o passado ; fal-
    la-me do presente.
    O passado importa, replicou o moco
    lavrante: meu. O presente j me nao
    pertence, e ignoro o futuro.
    Julia deu-Uie a face ; depois, puxando-o
    para si, e abracando-o, disse ainda :
    Parece-me que adevinhei; mas qnero
    saber tudo da tua bocea.
    Andr nao respondeu.
    Os da Corsega dscobriram-nos a
    pista, e perseguem-uos, nao? perguntou ella
    tornando-se mais paluda.
    N3o, replicn elle ; nao isso.
    Enlo que ?
    O lavrante assentou-se, envolvendo com
    0 braco a cintura flexivel e trmula da es-
    posa, e comecou assim:
    Roubaram quatro centos mil francos
    esta noute, do cofre do Bancelle, o somos
    aecusados deste crime.
    Nos I repetio Julia, cujos olhos se il-
    1 mimaran.
    E acerescentou, contendo com as duas
    mos o peito que sentia alliviado :
    Ah I cheguei a ter medo I
    Andr envo|via-a com a vista terna e
    enamarada.
    Ouve, disse elle. Paris o nico
    lugar do mundo onde espero escoxtder-te.
    A minha resoluco est tomada: estamos
    condemnados de ante-mo, e pi quero que
    sjas presa,
    Presa 1 repetio ainda Julia, que es-
    tremeceu.
    Eiperimentava Andr urna Impaciencia
    extraordinaria de no ser entendido por
    meias palavras.
    Estao contados os meus minutos,
    pensou em vos alta.
    Creio na toa Innocencia como estou
    certa da mioba, disse Julia. Porque fallas
    (Cmti%uar-ie-to)
    il
    i

    1
    TW
    AMB
    tf-


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EN93B2QVY_69WQ4X INGEST_TIME 2013-09-14T03:13:33Z PACKAGE AA00011611_11856
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES