Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11852


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
ANNO XLV. NUMERO 120.

FABA A CAPITA1 E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantados............
Por seis ditos idem..........
Por um anno idem........'....-,
Cada namero avuJso -......."
600O
24000
24,0000
320

SABBADO 29 DE ftMIO DE 1869.
i
PARA DENTRO E FOBA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados......... .
Por seis ditos idem.............'..'. .
PoruoM ditos idem................
PorumaDno.......
6750
I3#50
20,5250
27*000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
AO AGENTES:

___________________________________ em Nazareth; Francmo Tavares da Cesta, em Alagas; Dr. Jos Martms Alves, na Bahia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Mo de Janeiro. Dmm** Jos da ^ Bra8.
PARTE 0FFMA1.
< erno da proviiaeia.
LE X. hS8.
O Dr. Manoel do Nascimento Maehado Portella, vice-presidente
14 provincia de Pemambuco : Faro saber a todos os seus habitantes
que a assembla legislativa provincial, sob proposta da cmara mu
mjipal da viHi de Garanlmns, decreta as segualos postaras-:
CAPITULO I.
EDIFICACAO K AI.INII \MI NTn.
Nao se poder edificar nein reconstruir casa ou outros
w%fZZ!f^Zr^ViT]^rl0JirSl,i Dldamaioe JQni"i; d0U9 Perit09 ** alm dKmnlta de 205000, em que in-
ff e pda SSSA KTdhK."* ^ U ""^ C-rrerem' *** '" *"**de *^^ a aeS man"
<|uaesquer edificios nesia villa ou povoacad deseu termo, sem previa
brenca da cmara, os infractores soflrero a multa de lOOOO.
aferidor quo aferir peso ou medida com mals ou
urna copia ao menos do marcado pela cmara, pagar a nraka de 10*006 por
Art. 30. O aferidor que sem motivo justiflcavel recusar-se a
acompanhar o fiscal em correccao, sendo para isto convidado cok
antecedencia, soflrer-n multa de 10J000.
Art. 31. E' exprssamente p.olnbido as aferices accrescimos
nos pesos por meio de ganchos ou argolas, devendo taes accresci-
, mos, quando necessanos forem, ser mitos de modo que quem sol-
dados nos pasos, fazendo-se disto menco expressa nos bilhetes de
afencao ; o aferidor sera, no caso contrario, multado em 8*000
por cada peso.
Art. 32. Os donos de balaseis, pesos c medidas que se falsifi-
enrem, soffirerao a multa de 20S000 por cada batanea, tieso ou me- rao obricados a remover os mesmo.
Art. 2." As licencas de que traa o artigo antecedente so poderao dida falsificada,
ser concedidas quandu requeridas competentemente! isto c acom- Art. 33. O
panhand a pclicao a cordeaco, da qual dever dar
respectivo fiscal para sen eonhecimento. Os infractores, dorios da cada um.
-bra. solfrerao a mulla de 205000 e demolido a sua rosta da obra CAPITULO V
edificada forado alinliament respectivo. i disposicoesdiversas.
'i. j Ninguem poder ler nos predios terreos rotulas ou pos- Art. 34. Tudis as multas e penas establecidas nos diversos ar-
tigos que abram para ron sob pena de 45000 de mumlla e de sepan tigos destas posturas, serao duplicadas na reineidencri
as DBMfflas rotulas ou postigos mudados a sua custa. Art. 35. Pica prohibido noce municipio o uso de quaesquer
i Art. i. Os donos das casas (|ue se edificarem, serao obrigados armas perfurantes, como sejam : punhal, faca de ponta caivete
a levantar a lenle de lijlo, e os que para reedificar tiverem de grande de mola, sovellas, etc. ; bem como o de qualquer'arma de
M Mi poderao levant-la de lijlo e deverao ter pelo togo, a excepcao de espingarda propria e destinada caca.
Art. 36. Ninguem apresenlar espoctaculo publico dentro desta
villa ou povoacoes de seu termo, sem previa licenca da cmara por
cada vez que o apresentar ; os infractores pagaro lOOOj de multa
por cada representadlo.
Art. 37. E' exprssamente prohibido razar queimas de rocados
ou pallucps dos canaviaes semprimeiraraenie ter feitoos asseios-con-
dar orear.
Art. S. Rea prohibido o uso de oanhos, lavagens de roupa e
animaes as fontes publicas; os infractores soffrero a malta de
12*000.
An. 6. Ficam prohibidos todos os jogos do parada; os infrac-
tores pagaro a multa de 15*000.
Art. 7.a Rea prohibido na villa e povoacoes do municipio tirar-
se nos festejos com pistolas, bacamarte e, roqueiras; os infractores
serao multados em 105000.
Art. &, Os caragos de algodo serio deposilados no lugar que knicipal"de Campia Grande; oiitra pelo rcTtabeie-
a designar; os -infractores alm da muha de 105000, se- cimento de tres cadeiras de ensino primario.
s para o lugar indicados,
lentes sera i duplicadas na
dezoito palmos de altura na frente, tendo as portas treze e as
laneras oito. Os infractores pagarlo a mulla de 205000.
Art. 5." .Nenhum sobrado poder ser edificado sem qneos seas
oitoes sejam dohrados e tendo spus alicorees torca bastante para sus-
tentc-los. sub pena de pagarem os proprietarios 20*000 de multa e
i obra (l'.oofida sua cusa.
Art. o. Os muios qae se edihcarem fazendo frente para as mas, venientes e tomado todas as precaucoes necessarias para que o foco
T^JT&SSS1 ^?n." lCr pe' me"S dei Palmosde al,l,ra- ?"? Ps,a P2Sf. quaesquer planlacoes, capociras ou mallas ; 08
im de 105000 de multa. infractores solfrerao 205000 de multa.
Ait. ;. Todas as casas deverao ter snas calcadas ou passeios de
san palmos de largura as ras e de tres palmos nos beccos ou
travs.-.!-, sob pena de 105000de multa.
Art. Teraesta cmara um cordeador para indicar o alinha-
Art. 38. Os proprietarios ou donos das casas desta villa e po-
voacoes de seu termo, sao obrigados-a trazer caiadas e iimpas as
testadas das mesmas, sob pena de 20*000 de multa.
Art. 39. Ninguem poder comprar por atacado gneros que vc-
grosso ou
I'IHI.ICO.
Art. 41.
CAPITULO II. pois das tres lloras da tarde ser permettido a venda em
i.kk ii ios em ni i.na, escavanes e otros ouBCTos pnEJLDiciAgs ao |>or atacado, os infractores pagaro a multa de 5*0(K.
" exprssamente prohibido aos habitamos desta villa
em taes casas sejam de-
de legantes destinadas a
em que ella tiver lugar,
em contrario,
es a quem o conhecimen-
cer, que a cumpram e fa-
se contm.
ncia a faca imprimir, pu-
molicao. Piado o prazo e nao fazendo ser o proprietario, procu-
radpr oo depositario do predio, multado em 155000 e a demolico
a sua custa.
ser feila
Art.!). As multas dos artigos ai
reincidencias.
Art. 10 Ficam revogadas as dis
Mando por tanto, a todas as an
to e execucao da presente resolneao
cam eumprir tao inteiramente como
O secretario do governo desta
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernamhue, aos 14 de maio de 1869,
quadragosimo oitavo da independencia do inperio.L, S.Dr. Ma-
noel do Nfimenti) Machado PortrHa.
Selladtve publicada a presente resolugo nesta secretaria do go-
verno de Pemambuco aos 14 de maio de 1869. O secretario Dr.
Jonquim Correa de Aran jo.
Registrada a do livro de leis provinciaes. Secretaria do go
verno de Pemambuco, 14 de mato de 18690 chefe da 4" seccao,
Francisco de Icemos Duarte.
LE N. 8BO.
O Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella, vira-presidente
da provincia de Pemambuco: Faco saber a todos os seu* habitantes
que a assembla legislativa provincial decretou e eu saucciojiei o
seguinte.
Art. 1.* Fica approvado o compromisso da irmannade de N. S.
da Conceicao dos Montes, no povoado do mesmo nome e freguezia
d'Agua Preta.
Art. 2.* Ficam revogadas as disposieSes em contrario.
Mando por tanto, a todas a autoridades a quem o eonhecimento
: execucao da presente resolueao perttneer, que cumpram a facam
eumprir to inteiramente como"n'ella se contm.
O secretario do governo desta provincia a faca imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do geverno de Pemambuco, aos 11 de maio do 1869,
quadragesimo oitavo da independencia do imperio.I. S.-r-Dr. Mo-
noel do Nascimento Macliado Portella
SeHada c publicada a presente resolueao nesta secretaria do
governo de Pemambuco, aos 14 de maio d 1869.O secretario Dr.
no ultimo- articulou duas censuras ao digno ad-
ministrador, e essas em termos mui comedidos e
pulidos.
Esta lingoagem causou verdadeiro espanto ao
publico, por ser ella diametralmenle -opposta
ndole de tal peridico, q ie s teiti em seus arse-
naes, para o adversarios, a injuria e insulto, de
accordo cora o vicio de sua organisaco eivada de
ruins paixoes.
Essas duas censuras foram ; urna pela appro-
vaco provisoria de certa pftjtura da cmara mu-
i primario,
censura teetn ra-
"" '* ""Bueiu pouera sem ncenca aesta cmara, depositar
as ras e outros lugares pblicos quaesquer objectos que embara-
eea o traosito publico. Os infractores serao multados em 5*000 e
obrigados a remove-los sua custa para o lugar designado pelo
zoiio mezes ae um a outro na mesma sepultura, e dous annos as
n catacumbas, salvo as de pessoas que tenhao suecumbido de alguma
2- epidemia, as quaes licaro sepultadas por outro tanto lempo, os in-
0. fractures soflrero a multa de 20*000
ou SSeS^A'SZST' verntp^miuc 'Kmat SI cK 5X
,guem poder lazer escavane buracos as ras ^^VSPX^A'S^^Z ttttStt^.^?*** "?
ose: 3ea ;cz%rtmm's"" *mm ^^riz^Jtt*a competen,c licen^os 'nfrac,ores i -^a-. ***., *&**;>
II Nmguen, poder.sem .icenca desta cmara, depositar ^*^**S&-.*+m venda de plvora de que ^^aSbl^
craia_o artigo antecedente, su poderao ser concedidas presentando f,. secuinta
sTrebocad?o^et ZZl^^i"*' eyen0 m tod0 PaS0 *rL ^ regulamento daEscola"W*mal oWbisado a 21 4e ju-
Saeal. -----'.......""' "' | Str "S,00??! *1* !22SF=i do a"n* P ""d'1 f** presidente da provincia, fica appro-
,., ,., v'- Art. 4o. A cmara municipal tera a seu cargo a factura c ins-
ih> JrWHani'f.'r P o**' ou la,Par as estradas e cami- peceo dos ccmiterios que julgar necessario fundar, fieando desde j
tinos, de sen dao publica e nem muda-Ios de um para outro lugar prohibida a inliumacao dos aidaveres as igreias
<:''I!1';V;V'1 ?S? r'!nar;1' Sf. Il**ctor" sera mu" dos em 1S^000 Art. 46. E- exprssamente prohibida a aberturas de covas para
-. oorigadoN alcm disto a restituirem as mesmas estradas ou cami- enterramento dos corpos sem que hajam decorrido pelo menos de-
\ n,?P:-ZaS SUa cm!L u. zoi, mezes de uru outro '"esma sepultura, e dous annos' as
Ait. 14. Os que tiverem em seus sitios ou engenhos, mattos on ..... -'-
arvores cujas ramas lancem para as estradas de modo que impe
cam oo incoamoom o transito publico, serao multados en 35000
Art. 15. Os que derrubarein xnait c as lancarem ou deix;,reni Art. 47. Devino ser os cadveres cobertos as raspara* co-
. :'- ""s^'rqdas ^t,ws7__,teDtes> P.nl'5(l0 transito publico vas com seis palmos de trra pelo u*r, c em caso algum poder
urna cova conwr mafs de um cadver, os infractores naaro a
multa de 10*000.
Art, 48. Nenhum corpo poder ser inhumado senao vinte e
quatro horas depois oe morlo, os infractores pagaro 15*000 de
mulla salvo em casa de epidemia.
Art 49. Qualquer fiscal que por soborno patronato,ou qualquer
; outro motivo reprovado, nao impozer aos infractores das presentes
ai i. i/. exprssamente prohibido crear ou deixar vagar pe- posturas as respectivas mullas ou exigir condicoes nao autorisada
las j uas testa villa ou povoacoes de seu termo animaes como se- sob qualquer pretexto, ser immediatamente demittido
iam, ca p ,,-eos, r..l;ras. carneiros ou gado vaceum e cavallar, sob I Ar. iO. Ficam consideradas Ierras de cultura e proprias para a
pena de si-rem apn-bendidos e pagarem seus donos 45000 de mulla.! creaco de gado vaceum e cavallar todas as que se acham compre-
Ai i. IV. yualquer dono, possuidor ou detentor do animal de hendidas no primeira dislricto da subdelegara desta villa
.ptalquer e-|>ecie que uv.rrer dentro dest villa ou povoacoes de Os agricultores sero obrigados fazer suas cercas com oilo
:;-;i t,-imo. sera obngado a enterra-lo immediatamenle, sob pena i ^palmos de altura e dous de urna a outra estaca.
.r000 de mulla. ,._, Art. 51. Fica exprssamente prohibido acular caes sobre ani-
i ..i J i,'"f!o P ra es.,abe'ecer salgadeiras de couros ver- maes vaceum e cavallar que se acharem na.s mencionadas trras.
otro desia villa ou povoacoes de seu termo ; so sim nos luga- assim como maliratal-os com pancadas ou tiros, os infractores se'
- -n iuc*Mm Ait. 16. Todos os vallados de manifest prejuizo quo existirem
lentro ou-nas proprledades desta villa ou povoacries de seu termo
oo dos huios das estradas publicas, sero entulbados ou cercados
:>elos proprietarios, ou peeeoas a quem for mil a sua conservaco
dentro de lies mezas, contados da publicaco destas posturas, os m-
fractores serio multados em 5*000.
res designados pela cmara ou fra das povoacoes e dos lados da
rada se nao boutar tal designaco os infractores sero multa-
dos iin 5*006, e obrigados a remove-los para onde designar o
bscoL
Art. 20. Ninguem poder lavar roupa nem banhar-se as fontes
publicas, onde fr co-tume, nc-la villa ou povoacoes de seu termo,
tomar-so agua para uso dos habitantes ; os infractores pagaro a
multa de 25000. v 6
Art. 21. E' exprssamente prohibido o uso de fogo solt (bns-
ea-pj na> ras desta villa e povoacoes de seu termo : os infracto-
res pagaro a multa de 105000.
Art. tt Ninguem poder dar liros nesta villa e povoacoes do
- n rom, sob lena de 2* duplicada.
CAPITULO l
MATABOUOOS E aCOUOUES.
Art. ti. So uos matadouros pblicos ou particulares, e com li-
ja da cmara, se poder matar bois ; ser, porm, licito a qual-
quer pessoa vender carne verde onde sol onde bem-Ihe con vier.
com tanto que seja em lagares pblicos para se fiscalisar oe pesos
o estetlo da carne ; os infractores pagaro a multa de 4*000.
Ai i. l. Todos os que mandaran matar rezes doentes, ou es-
quartejaras que forem encontradas mortas, e exporem a carne
venda, soffrero a mulla de 30*000.
Arl. 25. Todos os que mandarem matar rez caneada ou corrida
para exporem venda, solfrerao a multa de 10*000'
Art. 26. llavera nos acougaese raaiadouros pblicos o partcn-
laresiM'o aselo e limpeza possivel ; os infractores soffroro a
multa de 2 >);K).
CAPITULO rv.
CASAS OE NEGOCIO E MERCADOS.
Arl. 27. Ninguem poder abrir loja, taberna ou outro qualquer
estabelecimento neste municipio, sem que previamente tenha obtido
licenca da cmara ; os infractores soffrerSo a mulla de 10*000.
Ait. 28. Os fiscaes visitaro, todas as vezes que julgarem ne-
ario, as casas de negocio, allm de verificarem a sua limpeza e
assein, ou se os gneros expoitos venda esto em estado de per-
ao, ini|iondo a molla de 10*000 quando o os acharem neste
do, alm de os inutilisarem custa do infractor.
Art. 29. Todos os que venderem gneros de qualquer espocie
que sejam, e que devam ser medidos ou pesados, sero obrigados a
ter seus pesos aferidos no rgimen da aferico, 3 qual dever ser
DESPACHOS 0A VICS-PRBSIDBNCIA DO DA 25 DE
MAIO DE 1869.
Helena Mara do CarmoInforme o Sr. capitn
do Porto.
fflfiandade do Santissimo Sacramento desta fre-
gueiia.Expeca-se ordem medante a indemni-
saco.
Junta adminiswativa da Santa Casa de Miseri-
cordia desta cidade.Dse.
Joao Luiz Conzaga.Informe o Sr. general com-
mandantc das armas.
Manoel Goncalves da Silva.Indeferido em vis-
ta da informacodo general commandante das ar-
mas, da qual consta que o supplicante foi julgado
apto para o servico das armas.
Rodrigo Elviro Goncalves de Mello.Informe o
Sr coronel commandante superior da gaard na-
cional dcste municipio.
Rcpartlcao da polica.
J* aeceo.Secretaria da polica da Pernambucu,
28 de maio de 1869.
N. 774.Illr. e Exra Sr.Teoho a honra de
levar ao eonhecimento da V. Em. que, segando
consta das partiapaca recobidaa boje nesta re-
par^o, foram recomidos casa de detoaco os
seguintes individuos :
No da 26, a mmha orde m Manoel Ricardo Pa-
tci-J, pi.u recruta.
0 Dr. Manoel do Nascimento Hachado l'orlella, vee-presidente
da provincia de Pemambuco : Paco saber a todos os seus habitantes
que a assembla legislativa provincial, decretou e cu sanecionei a re-
scluco seguinte :
Art. I. Fica o presidente da provincia atitoflsado a mandar
amittir no Gymaasio provincial a Jos Libanio do Reg Barros, como
pensionista da provincia, desde j.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimea-
to e execucao da presente resolueao pcrlenebr, que a cumpram e fa-
cam eumprir lo inteiramente como nellase conten).
O secretario do governo desta provincia a faca imprimir, publi-
car e correr.
Palacio do governo de Pemambuco, aos 14 de maio de 1869,
quadragesimo oitavo da independencia e do imperio.L. S. Dr. Ma-
nad do Nascimento Machado Portella.
Sellada e publicada a presente resolueao nesta secretaria do go-
verno de Pemambuco, aos 14 de maio de 1869.O secretario, Dr.
Joaquim Correa de Araujo.
Registrada a fl. do livro de leis provinciaes. Secretaria*do go-
verno de Pemambuco, 14 de maio de 1869.O chefe da 4." seccao
Francisco de Limos Duarte.
LE N. 863.
O Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella, vice-presidene
da provineia de Pemambuco : Faco saber a todos os seus habitantes
que a assembla legislativa provincial decretou e eu sanecionei a re-
solueao seguinte:
-Art. 1." O presidente da provincia fica autorisado a mandar que
seja rescindido o contrato feito pela cmara municipal deBarreiros,
com Antonio Domingues de Souza, relativamente a passagem do rio
Jacnipe.
Arl. 2* Arescisao de que trata o artigo antecedente, nao dis-
pensar o mencionado Antonio Domingues de Souza do pagamento
dos das decorridos de 3 de outubro de 1867 H de novembro do
mesmo anno.
Art. 3 Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades quem o eonhecimen-
to e execucao da presente resolueao pertencer, que a cumpram a
tacam eumprir tao inteiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a fica imprimir, publi-
car e corree.
Palacio do governo de PernambiiQo. aos 14 de maio de 1869,
quadragesimo oilvo da.independencia e do imperioL. S Dr. Ma-
noel do Nascimento Machado Portella.
Sellada e publicada a presente resoluto nesta secretaria do go-
verno de Pemambuco, aos 14 de maio fle 1869:O secretario, Dr.
Joaquim Correa de Araujo.
Registrada a fl do livro de leis provinciaes. Secretaria do go-
verno de Perna nbuco, 14 de maio de 1869.O chefe da 4. seccao,
Francisco de Lentos Duarte. _^
Perito? SftSS. ^WerSSSS i VVn^***^ nrnrreJxlf^dT-Ss^uva^ham chegado ao alto serto, anm
rao multados em 205000, alem" das penas em qu possam incorrer
pelo daino causado.
Arl. 52. Os donos de taes animaes quando por estes sejam des-
truidas as lavouras ou planlacoes, cujas cercas se acharem as
condicSes do art. 50, sero mu latios em 2*01)0, alm da indemnisa-
cao a que forem obrigados pela destruicao.
Arl. 53. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Mando por tanto a todas as autoridades a quem o eonhecimen-
to e exemeo da prsenle resolueao pertencer, que a cumpram e
facam eumprir to inteiiarnente como nella se contm.
O secretario do governo dessa provincia a faca imprimir e pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pemambuco aos 14 de maio de 1869,
quadragessiso oitavo da independencia e do imperio (L. S.) Dr Ma-
noel do Nascimento Machado Portella.
Sellada e puolicada a presente nesta secretaria do governo de
Pemambuco aos 14 de maio de 1869.O secretario Dr Joaqun
Correa de Araujo. 7
Registrada a A do livro de leis provinciaes. Secretaria do eo-
verno de Pemambuco aos 14 de. maio de 1869.O chefe da 4* sec-
cao, Francisco de Untos Duarte.
LE N. 859.
O Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella, vice-presidente
da provincia de Pemambuco : Fago saber a todos os seus habitantes
quo a assembla legislativa provincial, sob proposta da cmara mu-
aicipal de Buique, decreta os eguiutes artigos edditivos as posturas
da mesma. F
Art. 1." A venda do plvora e fogos de artificio j poder ser
leltacm casas para esse fim destinadas fura da Olla e povoacoes do
municipio e na,distancia de 100 toacas; os infractores soflrero a
multa de 15*000.
Art. 2. Os rocados nao podoro ser queimados, sem que os-sens
donos focam jcaros de duas bracas de largura dando disso previa
commumeacao aos donos dos robados limitrophes, sob pena do 1O5QOO
de niuHi.
Art. 3." Nao permittido ter caes sollos as nas .1 viHa c 00-
voagoes do municipio sem acama, pudendo o fiscal malar os aue fo-
rem encontrados fra da condico ftstabeiecida ; os infractores na-
garao a multa de 4*000. v
Art. 4. Os donos de predios arruinados que amcacarera desa-
fmenlo os mandarao demolir era prazo breve, que Ihe ser inti-
mado pelo respectivo fiscal, depois de o haver usado a exame de
vado, substituido se a palvraactualao final do arl. 7. pelas
seguintes :Regedor do Gijmnnsio.
Art. 2 Ficam revogadas todas as disposicoes em contrario.
Mando por tanto a todas as autoridades a' quem o eonhecimen-
to e execucao d peseme lei pertencer, que a cumpram e facam
eumprir to inteiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a faca imprimir, publi-
car e correr.
wnrio do governo de Pemambuco, aos 14 de maio de 1869,
quadrage-iiuo oitavo da independencia edo imperio.L. S.Dr. Ma-
,-..'/ d'i Nascimento Machado Portella.
Sellada e publicada a presente lei nesta secretaria do governo
de Pemambuco, aos 14 de maio de-1869.O secretario, Dr. Joaquim
Corra de Araujo.
Registrada a ti. no livro de leis provinciaes. Secretaria do go-
verno de Perjiambuco, 14 de maio de 1869.O chefe da 4.* seccao,
Francisco de Unios Duarte.
LEI N. 862.
Carvalho Vasques, como cumplice no mesmo cri-
me; e Joo Antonio dos Santos, por uso de armas
prohibidas.
A ordem do de Santo Antonio, Affonso, escravo
de Manoel Francisco d.w Santos, por crime de fe-
runeatos levas e Rehirios, escrava de Augusto de
Mendonca, a requerimento deste.
A ordem do da Boa-Vista, Manoel Joaquim de
Olivara, por insultos.
No dia 27, minha ordem Jos Narciso Marttns,
Carlos Fernand-s Smiih, Andr, escravo de Tbe-
reza.de tal e Fernando, escravo de Joaquim Fran-
cisco d'Araujo, como seniaaciados, viudos da pro-
vincia do Para.
A ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Luiz, escravo de Franceima Eudocia de Vascon-
cellos, por crime de furto,
A ordem do da Boa-Vista, Jos Francisco e An-
tonio, escravo de Amaco.Gon>ca]ves dos Santos, o
priaiero por crime fle furto, e o segundo por fu-
* a
Tejido no dia 27 vindo terrado capitn e qua-
trpma/ujofrdo patacho inglez Zeal, fundeado no
lamarao, ao. voltarem para ordo, virou-se o boie
prximo ao pharul, oerecendo o mesmo capitao e
tres marujas.
Pelas tre*oras da tarde do referido dia, nata-
dos Santos, mestro da bareaca de fertilisarem os campos, proporcionando abun-
Aituama, que segua viagem para Miusei. danto colheila aos pobres sertanjjos, que tao fla-
Deus guardo a V. Exc.Illm. e Exm. Sr. vice- gellaios tem sido pelas ultimas seecas.
presidente da provincia Dr. Mauoei do Nascimen- Para maior vechame dessa inferir populaco,
Vi M*c."*01 "rtella. O chefe de polica-interino apparecou a pesie da bexiga em alguns pontos do
t. de AtMu Olioeira Macul. 3ertao de Campia Grande para baixo, produzin-
do nao pequeos estragos na classe desvalida, em
vista do estado de penuria a que achavase redo-
lida.
O Exm. Sr. Dr. Silvino, logo que sonbo desta
desagradavel oceurrencia, providenciou com toda
solieilude para aqaelles lugares, enviando os soc-
corros immediatos de que podia dispr, acompa-
nhados de alguns tubos de puz vaccinieo, que
muito espero produzam o desejado effeito.
S. Exc. tem sido assaz encomiado por guellbs e
gibelinos, nao smente por estas proraptas e acer-
tadas medidas, como tambera, pelo espirito hnma-
INTERIOR.
Correspondencia do Diario de
Pernanobuoo.
PARAHTBA, 26 DI MAIO.
Foi tamanha a invernada que uremia no dia da
chegada de vapor cosleiro, que s da tardo tino
sciencia de sua passagem oeste porta, ratas por-
que deixei de eaorever-iha por eRo, do que espero nitario quo exhibi, suavisand por todos os me ios
ser relevado, sunprindo essa laeuna inais extensa- a seu alcance o ftegello da fome que sobreveio a
mele na presente occasiao. aquellas regioes, como j ti ve occasio de referir-
As chavas teem sido, copiosas, e constantes, eau- Ib*.
sand nova chaia no no Partbybfk. que do-ooa A poltica local fie* calma e tranquilla : os jor-
tracoodo volunte crescido d'agaa, m quo naja naos oppoweionistns tem sanie* ehdchos e pocos,
producido os grandes estragos qao. oneasmnm o desde que o 1. vico-presidente em exercicie asso-
alerior,que soffremos aokasead*lewreiro pro- mo a rodeada adminisiraco da provincia.
lino passado. O Dnprudor, orgao do Sr. FelaardOi, do-ua-
Fasoardentes votos .ProvidsBSia p***q*g- tr* onaorso qae pubhcou noeto periodo, apenas
Como vera nenhuma desta
zo de ser.
Quanto primeira, no seguinte numero o Des-
pertatter retractou-se, declarando que a appi ova-
cao tinlia sido dada pelo Ex.u. Sr. padre Pinto
Pessoa ; o que exacto, sem que d'ahi se inCrra
que tal censura procedente, visto como S. Exc,
ordenando a execucao provisoria dessa postura,
como fez, girou dentro da esphera de suas attri-
buicoes.
Declinado este faci-, reduz-se portante a urna
smente at boje as censuras da imprenta oppo-
sicionista ao Exm. Sr. Dr. Silvino, e essa mesmo
motivada pelo restabelecimento de tres cadeiras de
primeiras lettras que S. Exc. approuve determi-
nar, duas das quaes foram as antigs villas e
sedes dos municipios de Alhandra e Catle do Ro-
cha, e outra na grande pomelo do Cahedello.
A menco dos lugares onde estas cadeiras fo-
ram restabelecidas, de importancia notoria, basta
para defeza de seu Ilustre autor, dispensando
commentarios, pois ao alcance d i todos est co-
nhecer que a suppresso deltas s poderia decre
tar-se por espirito mesquraho de partido.
Portanto o restabelecimento dessas cadeiras foi
um acto de justica e equidade, e que s pode ser
atacado pelos pseudo-liberaes desta trra, falsos
sectarios da profuso do ensino.
Em fa[ta, pois, de materia para acensar a ad-
ministraco da provincia o Despertador oceupa-s1-
em questiunculas de nenhuma valia persuadido
de que assim Consegue seus iras, pouco se impor-
tando de que a obra seja urna falsidade, urna in-
juria, nina calumnia, urna vileza ou urna mal-
dade !
E' assim qne, tomando por thema a noticia que
Ihe dei do embarque para a corte do honrado se-
nador Fredenco de Almeida e Albuquerque, nao
trepdou em dirigir-lhe as amenidades costumei
ras, abacanhando de envolta esto seu obscuro
missivisla, s porque, fazendo justica ao mrito
deste honesto carcter, o qualificou na linha dos
mais nobres e distinctos que possue esta provin-
cia.
Relativamente a este seu criado, o Despertador
truncou de falso, visto dirigir visivaUneute suas
sttas a outrem cora que nutre antigo teir, o
qnal muito competente e nao precisa de syri-
nu para desforcar-se, pois quando Ihe cliega a
mostarda s ventas, o faz por sua conta e risco, e
com a propria assignatura.
Creio qae o redactor-chefe i esquecido
dos ultimo^ aooommeiiimentos sua tenda de
campanha, que tanta impresso causaram no pu-
blico ; e, por isso, est preparando combustivel
para novo assallo, onde as feridas nao sero me
nos profundas;deixa-lo, cada um cora seus
gostos, e nao screi .eu que os contrari.
Quanto," porm, ao venerando senador, pego
vista para embargos, nao porque elle d a menor
importancia aos rafeiros que Ihe la'em s pernas,
mas porque do meu dever repellir, j que a mi-
nha noticia foi causa de seu flagicio, tudo quanto
de menos respeitoso e conveniente Ihe dirigi o
periodiqueiro.
O Ilustre sanador est muito cima das invecti-
vas invejosas do Despertador, e, sendo um ho-
rnera de bem e de reconhecido conceito, como
apreciado em todo imperio, deve incorrer justa-
mente as iras d'aquella folha, para distanciar-se
de sua horripilante chronica.
Contine, portanto, o contemporneo em sua
ingloria tarefa, atassalhando e delrahindn de tudo
quauto ha de probo e honesto na provincia, que
est no seu verdadeiro papel, embra chame so-
bre sua cabeca as imprecares e anathemas da
parte sensata e sa da popalacio; pouco importa.
Semelhante enfadada e um aborto monstruoso,
que a natureza produzindo entrou em descanso,
custando boa sorama de sacrificios provincia,
que icou exhausta no fatal quinquennio de sua
melhor seiva, pelas copiosas sangras que levou
dessa sanguesuga, cuja barriga nao encentra sa-
ciedade.
Safa!
Appareceram no alto serto algumas notas
falsas de cem e cincoenta mil jis, tendo sido
preso pelo delegado de Cajazeiras, um individuo
era cujo poder foram encontradas.
O Exm Sr. Dr. Silvino, logo que soube do faci,
recommendou ao juiz municipal respectivo o
prompto andamento d processo, chamando igual-
mente as vistas da juiz de direito de Souza para o
mesmo objecto.
A fortuna rpida que azem certos magnatas
com os taes canarios importados de alm mar,
do lugar a estas experiencias de alguns menos
avisados, que, por sua infelicidade, sao logo agar-
rados para descont de seus peccados.
Deus qneira que a licao Ibes aproveite, bem
como a outros em idnticas circunstancias, para
repouso da fortuna publica, que tao dilapidada
tem sido por esses fraudulentos especuladores,
tao infames quanto audazes.
A povoacao da Jacoca est privada desoc-
corros espirituaes e exercicios religiosos, pela au-
s -ncia da seu pastor o Rvm. padre Machado, cuja
residencia actual ignoro.
O Exm. Dr. Sil vino, sendo informado desta oc-
eurrencia, dirigiu-se logo ao delegada do bisando
nesta provincia, pedindo-lhe as necessarias provi-
dencias, que eu igualmente solicito do nosso zelo-
so diocesano, pela importancia d'aquelle povoado.
A Iranquillidade publica contina inaltera-
vel, nada me constando uestes ltimos dias que
affecte a seguranza individual e de propriedade.
A nossa satabridade, porm, nao satisfac-
toria, sobrevindo nesta ultima quinzena varios
encommodos das vas respiratorias, quo atlribuo
a poca cauvosa que temos tido.
Falleceu honlem, victima de um ormidavel
antiaz, o Rvm. padre Eduardo Marcos de Araujo,
depois de treze das de dolorosos soffrimentos, de-
vendo sea enterramento fazer-se hoja tarde.
Pcrtoncia poltica liberal, e era deputado
assembla provincial.
A allandega renden no mez nassado.......
48:1811369, e o consulado provincial 26:284*468.
Nada mais por" eraquanl^.
Anda oHvalcanti, Silva Ramos, Gaspar Dmm-
mand e Soares Rrando, e contra os Srs.' Ix>pe
Machado, Amaral e Mello e Silveira Lobo, eandu
a discussao adiada pela hora.
A ordem do dia para boje primeira discussai
dos projectos ns. 42, 50, 59,60, 72 e 73 ; segunda
do de n. 8, todos deste anno.
ACCIDENTE NO PORTO.-Na quinta-feira ao
sahir da barra a bareaca Mabama, indo gover-
nando o lemo o respectivo mestre Joaquim Mon-
teiro dos Santos, receheu em cheio um vagafbo
(te mar, que o atirou ao mar, perecendo afogado.
PROCISSAODE COHPUS CHRISTI.-i'ercorreu
algumas ras desta cidade, na quinta-fcira tar-
de, a que sabio da matriz de Santo Antonio, e que
esteve solemne e concorrida, alm de crescido nu-
mero de irmamkides e confrarias, pelas principaes
autoridades da provincia. Fez as honras militires
urna brigada composta dos batalhes 1." e 2." de
mfantaria da guarda nacional do Recife.
DINH&IRO.O vajior Toc.inlins levou de nossa
praca :
ParMacei.........42:000*080
Para a Baha......... !7:0005000
Para o Rio de Janeiro...... 10:400000
NAVIO ENCONTRADO.-O patacho brasileiro
Jaboiao encontrou durante a sua viagem de Ifew
York para nosso porto, na lat. S. 1 e long. O. de
(ireenwich 30 3, duas galeras inglezas, urna das
qttaes icou o signal 97:11 do cdigo de Mariatb, e
a outra declarou seguir para New York.
SECRETARIA DO GOVERNO.Por deliberacao
de 26 do corrente, foi demittido o praticaute des-
ta reparticao, Sccimdino Pi'diliano Gomes de (Hi-
veira, e nomcado para o substituir Livino Augus-
to de Hollanda Chacn.
Q CHHISTIANISMO E O PfloGRESSO. Sobre
estC livrt). do Exm. o Rvm. Sr. D. Antonio de Ma-
cedo Costa, bispo do Para, diz a Nuro, jornal de
Lisboa, o seguinte :
- Lomos o livro, que com este titulo o Sr. D.
Antonio da Costa ha pouco acabou de enriquecer
Bj lettras patrias.
S. Exc. trata do desenvolv ment da lberdade
baseadajio evangelho, e prora que a verdadeira
eivilsaco da bumanidadtvsi' se poder conseguir
lianiionisatido o progresso e o cliristianismo.
O Sr. D. Antonio trata o assumpto magistral-
monto, como era de esperar da sua robusta intel-
ligencia.
Demonstra com a maior lucidez e convenien-
tes argumentos, que o verdadeiro e solido progres-
so naasen do Cliristianismo e que s baseada nes-
te podem as instiluiQes sociaes attingir o alvo de
seus desejos isto a perfectibiiidade liumana.
Nao podemos nem,devemos deixar de recora-
noaodar a Meo** d*>livro do Sr. D. Antonio da
Costa.
Alm do profundo eonhecimento e sciencia
com que S. Exc. trata o a-sumpio. au iot tcm-
po SQubi f^-to mm tal raemuade de estilo, com
uina phrase to puramente portugueza e revelam-
se all to claramente as intimas crencas catholi-
cas do autor, que nao se poda ler aquelle livro
sem o.leitor sentir urna intima salisfaeo.
DIARIO DE PERNAMBUCO.Se chegar boje o
vapor francez Guienne, destribuiremos amanha
nosso numero de segunda-feira.
COMPANHIA PERNAMBCANA.-Hoje o ul-
timo dia em que os vapores lpojuca e Jagnabe,
desla compauhia, recebem carga para os portes
do norte e sul, conforme o annuncio da mesma
compauhia.
LOTERA.A.que se acha a venda a 107', a
beneficio da matriz de Baique, que corre boje.
PASAGEIROS.Viudos de Goyanna no vapor
Parahyba :
Manuel Alexandre Garcia, Joo Aureliano de
Castro Mascareiihas, Jos Joaquim do Nascimento,
8 escravosa entregara Julio Garca.
Sabido para Lisboa na barra portugueza Pe-
reira Monjes :Manoel Pereira Bastos.
PEMAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIALNasossao de hon-
tem a assembla. na, ordem do dia, approvou em
primeira dbcussao o projecto n. 8 deste anno, que
aulorisa o gotern, a mandar vir mestres de assu-
carde ontrorpatzes mais adiantados no fabrico do
assacar, para serem empregados em algnns enge-
nhos da provincia, dispensado o intersticio do pro-
jecto a reqoerimenia do Sr. Felisbino. Entrando
,-m tercera o den- 8. que prohibe serem empre-
gados nos estabntecimentos cargo da Santa Casa
imHvidw qae nio sejam brasileros, pronuncia-
rom-se em ppasicj a materia do projecto os Srs.
CMARA MIMCIPAL.
SESSO EXTRAORDINARIA AOS 18 DE FEVE-
lllillto DE 1889.
PBBSmaMCU 00 Sil. DR. SOi:ZA I
Presentes os Srs. Dr. Costa Jnior, Dr. Lobo
Hoscoso, Reg e Albuquerque e Garaeiro, faltando
con causa os mais senderes, abrio-se a sesso,
e foi lida e approvada a acta da antecdeme, vis-
to nao ter sido na occasio em que fra escripia
por falta de numero.
L-se o seguinte
EXPKDIKN'TE.
Um oflicio do Exm. presidente da provincia de
13 do crreme, declarando ter o juiz de paz mais
votado da fregticzia de Santo Antonio Ihe partici-
pado, que as reunioes do respectivo cellegio elei-
toral nos dias 2 e 4 de marco prximo, para pro-
ceder-se as eleicoosde deputados c senadores, mo
poJiam effectuar-se na matriz da mesma fregue-
zia por se acba-r ella em obras, determoou que as
dita* reunides tivessem lugar na igreja do con-
vento do Carmo ; o que communia a cmara pa-
ra para sua intelligencia e execugo na parte qne
Ihe toca.Inteirada, expecara-se as ordens neces-
sarta-.
Outro do mesmo, de 15' do corrente, dizendo
que deve reunir-se na igreja do convento do Car-
ino desla freguezia nos dias 2 e 4 de marco vin-
douro, o collegio eleitoral desta cidade para pro-
ceder as elcijocs de deputados e senadores; as-
sim o communica a cmara para seu conheciuien-
to e expedico das convenientes ordens.Intei-
rada.
Outro do mesmo, de 17 do corrente, recomroen-
dando a cmara, em vista do disposlo no aviso ex-
pedido pelo ministerio da fazenda de 30 do Janei-
ro ultimo, e constante da inclusa copia, quo man-
de eobrir o cano que existe ao lado de leste, do
edificio em que funceiona a alfandega desta capi-
tal, discerniendo para esse lira al a quanlia de
2:094*400, em que foi avahada essa obra, como
se v do orcamento tarabem junto por copia.A
coramisso de edifica ces.
Outro do Dr. chefe do polica, de 15 do corren-
te, declarando haver o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia o encarregado de louvar em seu nome aos
cidados que concorreram para o bom resultado
das medidas empregadas para soccorrer as pes-
soas que a grande e recente euchente do rio Capi-
baribe sorprenden em suas babitacSes e fazer-
lhes constar o apreco em que tem os seus sni-
cos, e sendo o fiscal da freguezia da Boa-Vista, Je-
rpnymo Jos Ferreira, um dos que mais se dis-
tinguiram na prestacao de taes servieos, rogo a
cmara que se digne iransmittr ao referido fisc.1
os louvores de S. Exc. e a. manifestacao do apre-
co em qne tem os seus .bons servieos, etc.Qo-S
se communicasse ao fiscal.
Outro do Sr. vareador Dr. Joo Mara bert:,
comnvinicando que por achar-sc incoramodade,
n5o pdJc comparecer a sessao de hoje, Intei.-
rada
Outro do Dr. juiz de direito da segunda vari,
Manoel Jos da Silva Neiva, convidando ao Exm.
Sr. presidente da cmara para assislir ao sorteio
do jury em o da 15 do corrente.Inteirada.
Outro do secretario da mesa parochjUl da fre-
Suezia de Murbeca, remetiendo o livro das actas
a eleic,o procedida na mesma freguezia ultima-
mente.Ao archivo.
Outro do secretario da mesa parocb/al da fro-
ga zia de S. Loureoc^ da Matta, remettanm o li-
vro das actas da eleioo primaria mita ulUinamea-
te na dita freguezia.Ao archivo.



diario de Pernambuco Sbbado 29 de Maio de 18$9.
Outro do secretario da mesa parochial da fre-
guezia do Poco da Panella, remullendo tembonf o
liwo das acias das eleicfies que ltimamente fo
rara eitas naqoclla freguezia para eteiteres ge-
raes e cspeciaes.Ao archivo. a
Outro do secretario da mesa parocial ta fre-
guezia dos Afogados, remetiendo o livro das actas
das eleicoes que alli se proeederam para cloit.
res de deputados e senadores.Ao archive.
Outro do juiz de paz mais votado da freguezia
e S ios declarando haver marcado o da 20 do
corrente para ter lugar na matriz da dita fregue-
zia as cinco horas da tai-de, o Te-Deum por oc-
cas'iao de conc!uir-se as eleicSes de eleiteres gc-
raes e eraeciaes, pede acamara que ueste sentido
d as snas ordens.Que so communique ao pro-
Outro do engenheiro cordeador, informando so-
bre o requerimento de Bernardo de Siqueira Cas-
tro Mouteiro, diz que nada se lhe offereoe oppor
a prclenro do supplicante quanto a ccnstruccao
do muro, niarcando-se-lhea cordeacao,-e quanto
aos concertos as casinlias de taina, compete a
cmara resolver.Que. de novo voltosse ao enge-
nheiro para informar se as posturas se oppoem aos
ditos concertos.
Outro do mesmo, informando sobre o que pe-
dera os legatarios do padre Jos Zacaras Ribeiro,
para fazer a cobcrta de sua casa n. 4 da ra do
Jasmim, declara que nada tem a oppor.Conce-
deu-se
Outro do mesmo, informando o refuonraento
de Luiz Jos da Costa Amorim, em qne pede licen-
ca para reedillcar a frente de sua casa u. 2 da
ruado Progresso, diz que nada se lhe offerece a
oppor, marcando-se previamente a cordeacao.
Jauaou-se cordear.
Outro du mesmo, informando obre o requeri-
mento de Mariana de Parias Botelho, que preten-
de levantar a frente de sua casa n. 88 da ra Ve-
Iha, assim como fazer urna solea, diz que a dita
casa so tem 16 palmos de altura, as_ portas tem
cinco palmos de largura e os oitoes sao singcllos ;
parece-lhe que se |)deconceder,dobrando os oitoes,
dando as portas as dimensoes das posturas e exe-
eutando as obras de cononnidade com as ms-
alas posturas.Coneedcu-se no sentido de infor-
macao.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Antonio Luiz Pereira Bastos, pedindo li-
cenca para construir urna casa em seu terreno da
ra Imperial, diz que niio tem que oppor, precc-
dendo-se a cordeacao Mandou-se cordear.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento de Viriato Senteio Lopes, em que pede pa-
ra abrir urna janella e fazer porta, enllocando
urna grade de ferro no seu estabelecimento da
ra larga do Rosario n. 87, declara que nenhum
inconveniente ha na concessao da licenca.Con-
eedeu-se.
Outro do mesmo, informando o requerimento em
que Bernardo oque, pede licenca para substituir
por outra a comieira de sua casa u. 62 da ra da
Esperanca, diz que nada tem que oppor, por-
quanto a casa moderna e o pavimento terreo
tem vinte e dous palmos de altura.Concedeu-se.
Outro do memo, informando acerca do reque-
rimento de Jos dos Santos Ohveira, que pede li-
cenca para edificar duas casas terreas cm seu ter-
reno*com sessenta e quatro palmos de frente para
a ra dos Ferreiros, tem a dizer que nada ha que
oppor a semclhante pretencao, urna vez que pre-
ceda a necessaria cordeacao.Mandou-se cer-
dear.
Outro do mesmo, informando sobre o retcn-
mento de monsenhor Francisco Muniz Tavares, no
3nal diz que tendo desabado a coberta da fenlo
e seu sobrado n. 6i da ra Direita, quer reedi-
tica-la; declara que nada tem a oppor, devendo
porm o supplicante enllocar canos internados as
paredes para esgoto das aguas pluviaesConce-
deu-se de_conformdade com a informadlo.
Outro do riscal da fregaezia de Santo Antonio,
remetiendo um termo de inlraecao de posturas,
commettida por Soares 4 Irmo, estabelecidos na
ra Nova casa n. 28.Ao procurador.
Outro do mesmo, consultando a cmara se po-
de continuar a alugar urna carroca para condti-
zir o lixo tirado das ras, como o fazia anterior-
mente, visto ser distante o lugar que fora marca-
do para deposito do mesmo lixo.Que se enten-
derse com a commissao de polica.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
mento da veneravel Ordem Terceira de S. Fran-
cisco, proprietaria da casa terrea n. 32 da roa da
Praia, em que pede para nao ser responsavel pe-
los impostes que ficaram a dever Jos lavares de
rtouvfc n lw-> Frime i Saraiva de Menezcs, in-
quilinos que foram da dte basa, a pw-Aa que li-
vor de oecupa-la ; cumpre-lhe dizer que a casa
foi oceupadaem os annus de 1863 a 1865 por Joao
Francisco Saraiva, no anno de 1865 a 1866 por
Manoel Joaquim Candido Ferreira e nos annos ce
1866 a 1867 por Jos Tavares de Gouvea em ne-
me de quera est collectada e presentemente se
acha fechada. Pela disposcao do art. 8 da pos-
tura addicional du 26 de agosto do 1851, parece-
lhe que nao tem lunar o que pode a Ordem Ter-
ceira.Que so ouvisse ao advogado.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jos, remet-
iendo a conta da despeta que fizera com aluguel
de canoas c pesetas para por a salvamento os mo-
radores de sua freguezia, aparte do gaz,onde as
aguas mais subiram, na importancia a dita cunta
de 284000. commissao de polica.
Outro do mesmo, remettendo o termo de yes-
oria que procedeu na casa de um andar, sita
ra das Cinco Pontas n. 91, pertencente aos her
luiros de D. Janna Francisca de Mcnezes.Intei-
rada.
Outro do mesmo, communicando que o guarda-
municipal de sua freguezia, Epiphanio Jos de
Souza, acha-se ha tres para quatro dias doente,
em estado de nao se poder virar na camaIntei-
rada.
Outro do mesmo, dizundo que no lim do presen-
te mez termina-se o prazo concedido para a mu-
danca dos pesos e medidas pelo systema mtrico
decimal, e ha vendo na ribeira daquella freguezia
um repeso, onde verificado o peso da carne ven-
dida ao publico, pede a cmara que se digne man-
dar fornecer um terno de vinte kilogrammas at
cincoenta grammas, c bem assim as medidas para
o. mercado da farinha. commissao de pe-
ticoes.
Outro do fiscal da freguezia do Poco da Panella,
Sedindo nao s que se lhe mande .pagar a quantia
e 1 '> que se despenden com o enterramento di
diversos animaos mortos pela cheia, como que se
lhe autorise a mandar limpar o becco denomina-
do doMacaco, que est quasi ntransitavel, de-
vido d>versos objectos immundos trazidos pela
ebeia.Quanto primeira parte* mandou-se pa-
' gar, e quanto segunda, fizesse o orcamento da
lespeza, e communicasse.
Outro do fiscal da freguezia dos Afogados, pe
dindo que se lhe mandasse pagar a quantia de 5*
que gastou com o enterramento de um cavallo quo
appareceu morto no dia 13 do corrente na travessa
da Torre da dita freguezia.Que se passasse man
dado.
Outro do administrador do cemiterio da fregue-
zia de Jaboatao, remettendo o mappa dos enterra-
memos fcitos no dito estabelecimento desde o 1
de Janeiro at 31 de dezembro do anno passado.
Inteirada.
O Sr. Dr. Lobo Moscoso fez a seguinte proposta,
que foi approvada, determinando que so expedisse
communicacao :
o Proponno que se recommende aos fiscaes que
teaham todo o cuidado com as despezas extraor-
dinarias que tem de fazer em suas freguezias, pa-
recendo excessivas as quantias que pedem para
eertas despezas, como bem o5 para enterrar um
cavallo, como acontece frequentes vezes,etc. Paco
da cmara municipal, em 18 de fevereiro de 189.
Dr. Lobo Moscoso.
O mesmo senhor fez tambem o seguinte reque-
rimento, que foi approvado, mandando-se em se-
guida expedir as convenientes ordens :
Requeiro que se mande quanto antes fazer os
concertos do ladrilho do matadouro, tomar as jun-
tas de cimento, collocar urna bomba nova na ca-
cimba, e concertar os penduradores das carnes,
afastando-os dous ou tres palmos das parede, e col-
locar urna penna d'agua de Beberibe que d bas-
tante para bebida dos animaes, fazendo-se o tan-
que necessario para deposito dagua. Paco da
cmara mnnicipal, em 18 de fevereiro de.1869.
Or. Lobo Moscoso. >
A commissao de petieSes apresentou um pare-
cer no sentido de ser informada favoravelmente a
presidencia urna peticao do amanuense desta c-
mara, Candido de Souza Miranda Couto, pedindo
ser aposentado, e o parecer dito foi mandado ao
X0a^0 Dara declarar tambem a sua opiniao.
?r' 'j0*>0 boscoso, membro da commissao
lo matadouro publico, tendo examinado o estabe-
lecimento, aprsenla o seu parecer, no qual expae
*ommlnuciosidade e clareza o estado de pouco
a?seio em que o achou, e a raanoira por que alli
Alta a maunca, e referludo-se aos talhos de acou-
Lm r.^ra' e ,eralenle a mesma riboira
ramenu o pouco zelo nao s do administrador do
mesmo matadouro no cumplimento dos seus de-
veres como da respectivo fiscal, propde diversas
medidas, que julga devem ser tomadas para o
boin-deseuvoivimenlo do taes estabelecimontos,e
para-iiielhorar o estado em qiie actualmente eBes
se arham.Posto em diseussao, fi approvado, e
sobre proposta do Sr. pmsidunte iftandou-so e-
metier ao administrador do matadouro u ao"Iscal
da Jreguozia de 8. Jos copia do mesmo paroer,
na parte que a esses ompregados se.refcr
Foram remettidos commissao de edifieaoao o
requerimentos. de Jos Alves da Suva Guimares,
pedindo ficenca para edificar em seu terreno
estrada nova de OHhda ; do major~Bellarmiuo do
Hugo Barros, pedindo para concertar a sua casa
n. ^ do hecco du Campello, do bairro do llecife,
e.Hermenegildo Eduardo do Reg Montciro, solici-
tando, licenca para levantar de nove seus tres cur-
raes de apanhar peixe na praia da Venda Grande.
Foram igualmente relnettidas, commissao de
pet^Ses, urna representacao assigaada por diver-
sos commercianles de gneros, pedindo que so es-
pace at 1872 o prazo cm que deve ter execucao
o systema mtrico decimal, e um reauerimenlo do
actual arrematante das afericOes, Luiz Gomes Be-'
zerra, pedindo mais o prazo do um mez-para con-
cluir a mema afericao.Mandou-se remetter a
commissao de saude para dar o seu parecer, urna
peticao em que Genuino Jos da Rosa pede licenca
para estabelecer urna rcflnacao na easa n. 83 da
ra de Santa Bita.
A requerimento do Sr. presidente, deliberou-se
que se oUlciassc a > administrador do cemiterio pu-
gfico para nao fazer despaza alguuia sem previa
aut jrisacao da cmara.
Despacharam-se as peticoes de Amonio Ferrei-
ra Braga, Antonio Luiz Pereira Bastos, Antonio
Luiz de Almeida Fumaca, Antonio Ramos, mordo-
mo da Santa Casa A. Rampck, Bernardo de Sh
queira Castro Monteiro, Bernardo Roque, Bcllar-
mino Alves de Arocha, Christovlo Xavier Lopes,
Cvpriano Cosme de Souja, Domingos Jos Mar-
lins, Delouche St Sampique, Ernesto J s Felippc
S. Thiago e outro, Eduardo Davis, Francisco Hi-
beiro Pinto Guimares, Fortunato Ribeiro Bastos,
Fructuoso Martins Gomes, Francisco Jos da Silva
Guimares, Job Paciento Bastos, Jos Maria Sodr
da Motta, Joaquim Francisco das Chaaas e Silva,
bacharel Joo Paulo Monteiro de Andrade, Joao
Saraiva de Araujb Galvao, Joaquim Rodrigues
Duarte, Jos de Almeida Rabello, tcnente-coronel
Joo Severiano Carneiro da Cunha, Jos dos San-
tos Oliveira, Dr. Joao Ferreira da Silva, Jos Jero-
nymo Monteiro, Jos Ramos e Silva, Jes Nogueira
de Souza, Jos Paulino Lopes de Almeida, Luiz
Jos da Costa Amorim, Leopoldo Ferreira Martins
Ribeiro, Lucio Francisco dos Santos, Tarquiniode
"Albuquerque Nasciment, e levantou-sc a sossao.
Terminada esta acta, qnando vai ser lida para
ter approvacao, verifica-se nao haver numero para
approva-la.
Eu Francisco Canuto da Boa-viagem, secretario,
a escrevi.Bardo de Muribrca, presidente.Igna-
cio Joaquim (fe Souza UoJos Mana Freir
Gameiiv.t. Pedro de thayde Jobo Hoscoso.
Bruto Jos da Costa Jnior.Manoel Joaquim do
Reg e Albuquerquc.
Parecer do Sr. Dr. Lobo Moscoso, que se refere
a acia cima.
A commissao do matadnuro publico, tendo-q vi-
sitado por mais de urna vez, como lhe cumpria, e
julgando de sua rigorosa obrigaco scientificar a
esta Ilustrada corporaco do que alli observou,
vim fazer urna succiuta relacao do estado do
estabelecimento, c propor alguns melhoramen-
tos que se deve executar com a maior promp-
tidao, reservando-se para quando liouver melbor
observado e estudado suas necessidades, propor
outras medidas que nao serao de somenos impor-
tante.
A commissao sent com profundo pesar cm de -
clarar esta cmara que um estabelecimento, que
em toda parte do mundo civilisado merece as
mais serias e desveladas atteneoes das municipa-
lidades, por entender directamente com a alimcn-
tacao e sade publica, seja nesta cidade, alias urna
das principaes c mais adiantadas do imperio do
Brasil, urna cousa que, por qualquer lado que se
encare, nenhuma das eondic/jes possue das que se
exigem indispcsavelmente para estabelecimento
de tal qualidade.
Principiar a commissao por observar que no
chamadomatadouro publico ou principio d'elle,
nao ha agua para beberem os animaes durante o
tempo que ahi passam at que sejam morios : que
os curraos ou cercados em que sao recolhidos os
bois sao descobertos e expostos ao sol e Chova, o
que d lugar a produeco do tanta lama que por
vezes tem acontecido morrerem os animaes n'ella
critcrrad'js.
Estas poucas pbases, entende-a a commissao,
n una idea cabal do que e do que ha de vir
a ser o mataaoaro pwbco. se continuar a sua edi-
ficaco em tal lugar, sem as eonulcoes e realida-
des Indispensaveis para tornarem o estabelecimen-
to proprio aos flus a que destinado.
A falta de agua para bebida dos animaes; a fal-
ta d'agua em abundancia e comida para conser-
var-so o estabelecimento limpo e asseiado, exclue
a idea de se continuar a edificacao de tal mata-
douro, anda mais faltando-lhe todas as outras
condicoes de bondade u salubridade, como se pro-
var ent outro parecer.
Nao sendo possivel entretanto que esta cmara
tome nina resolncao prompta quanto mudanca
della para lugar aprop iado, e que rena todas
as vantagens e proporcoes exigidas pela hygienne
publica, para e tabelecimentos de tao grande im-
portancia como este, a commissao propde as se-
guimos providencias, que julga deverem ser toma-
das inmediatamente:
L* Que se altere a hora da matanca, prohibin-
do-se expresamente que ella se faca depois do
toq'ie de meio dia, afim de que a essa hora prin-1
eipie impreterivelmente a lavagem e limpeza do
estabelecimento.
2.* Que se cohiba por urna vez a maneira bar-
bara, atroz e remtante por que se faz o servico
da matanca, sendo os animaes apernados, agui-
Ihoados, incessantemente, soffrendo grandes que-
das e contusocs, antes de surem abatidos, o que
acontece as mais das vezes por divertimento dos
campinis, resultando d'isso ficarem as carnes de-
uegridas e maltratadas.
3.* Que se concertem os ladrilhos dos differen-
tes repartimentos o toruem-se todas as junturas
com bom cimento, afim de evitar que n'ellas se in-
troduza o sangue e outras materias animaes e apo-
drecam como est acontecendo actualmente.
4." Que se construam de novo os penduradores
das carnes, atastando-as dous palmos^ ao menos
das paredes, afim de que a ellas se nao encostem
as carnes anda quentes, pois alm da humidade
estao qua=i sempre su jas desafgue ou outras par-
tculas animaes dos dias anteriores: o que causa
para que as carnes nao enchnguem depressa, e
tomem o mo cheiro que exhalara as materias pu-
trefactas: o que coneorrer sem duvida para mais
depressa se corromperem.
5.a Que se nao consinta na continuacao do abu-
so de qoalquer individuo entregando-se ao oflicio
de campia ou carniceiro, e quc*por meio de pos-
turas adequadas se estabeleca a regra de nao po-
derem exercerem taes profissoes individuos que
nao estejam competentemente habilitado por exa-
me e licenca d'esta cmara.
.' Que se contrate quanto antes com a c^mpa-
nhia de Beberibe urna penna d'agua sufficientr pa
ra bebida dos animaes, e se construa, sob coberta,
o tanque necessario.
7.* Que se recommende ao fiscal do bairro em
que existe o matadouro que nelle compareca ao
menos urna vez por dia ; e faca cumprir a3 postu-
ras e conservar o estabelecimento no maior asseio
possivel.
.* Que se eolloque urna bomba de grande cali-
bre em lugar da outra que existe na cacimba, do
qual se acha inteiramente incapaz de prestar o
menor servico.
Julga a ci'inmissao que as providencias cima
indicadas sao da mais urgente necessidade, e es-
pera que esta enmara tomando-as na devida con-
sderacao, resolva como melhor entender em sua
sabedoria.
A commissao pede ainda a benvola attenco
d'esta cmara para algumas cousideracoes que
julga necessario fazer-lhe sobre objecto que tem
immediata relaeo com a aliraentacao publica.
Lamenta que a maior parte das posturas exis-
tentes relativas a um objecto de tanta importancia
o transcendencia, como o de que se tem oceupado
estejam em completo esquecimento e abandono,
devido isso sem a maior duvida falta total de zelo
dos einpregados que nao se importam absoluta
mente do cumprimento de seus deveres, tornndo-
se por isso merecedores das mais severas censu-
ras, pois que entendem que o ordenado que rece-
bem dos cofres desta cmara urna penso devi-
da asna inepcia e preguica : lastima-se por ter de
declarar que raro o aeo'ugue em que as carnes
expostas a venda estejam penduradas sobro toa-
Ibas brancas e limpas, art. o." do titulo 4., e ainda
menos que sejam conduzidas em carrocas limpas e
lavadas, coberta com pannos brancos e limpos,
art. 6. do titulo 4.% e esse. triste espectculo nao
se reproduziria todos os dias, se nao fora o imper-
doavel desleixo o abandono dos fiscaes, que nen-
hum signal dao de sua existencia; cabendo tam-
bem parte da culpa ao administrador do matadou-
ro que nao deva consentir que as carnes d&lsa-
liissem em carrocas immuMas, por que nuaca as
lavana, eeaerem separadas das taboas por meio
ile toallas, o pelo contrario vindo cuberas com
um enceralo que julga a..commiss'io que *unca
seffreu urna-lavagem em sua vida : e tudo isso
causa Repugnancia m
Mais asqueroso cora c'ffeitO'no pode ser o as-
pecto de um aepugue ou talbi^n
Carnes magras e licdiondaefcdiirados em gan-
chos de ferro pendentes de Tpvaisas de taboas
immmidas e fedorentas, pqgqne minease iavam
nem limpam, macliucadas-trituradas sobre gran-
des sepos de pao, onde as-partculas su entranbam
pelo grande peso do machado, apcdrereni-e ex-
halain ptrido o nauseabundo che ro : o servico
feito por um hornera ordinariamente n da ointura
para cima, ou trajando andrajos easanguentados
e putredenosos : atraz do balco e por toda parte
pedaeos de-osso, de carne e outras que cahem
pelo chao e que por ahi ficam o apodrecem, por
que nao ha' quein oluc para taes pocilgas abri-
gue os trabajadores ou dones dos acougue apremp-
ta-los todos os dias ; e conserva-Ios no maior-as-
seio, como c de absoluta necessidade ; balancas
iramundas, astas e sempre ebegando ao peso eom
ajuda da mi do talhadur, o que laz que o peso
sempre seja desfavoravel ao comprador : tal e a
discrpcao que a commissao julga dever fazer a es
ta cmara, e nao carregou as cores negras do
quadro para o nio tiznar demasiadamente inste.
A commissao acha escusado repetir as mesmas
consderacoes a respeito do mercado de intestinos
( figado, rins, tripas, bofes, etc., etc.) e a maneira
porque sa>. clles expostos a ve.ida ; e pede des-
culpa de nao fazer urna discrpcao de semelhante
objecto por que faltam-lhe espressao para pintara
sua hediondez II .
P.aco da cmara municipal do Rjcife, em 1 ae
fevereiro de 1869Dr. Pedro de thayde Mo
Moscoso.
nao deixou de provar que ainda fura do seu gene-
ro" sempre urna boa artista.
O Sr. Martinho, pesa-nos dize-lo, estata pouco
seguro do seu papel. E' um artista festejado o
por sso deve estudar mais.
.
B
* k *
COMMUNICADOS.
Srs. redactores.Qne o Sr. tcnenio-coronel Gas-
par Cavalcant viesse, no Diario n. 181, provar que
tnh? o dreito de ser parte e ao mesmo tempo
executor do accordao da relacao, que o conside-
rou senhor do engenho Irotangii, e que foi em
vrtude desse dreito que-Aui innocentemente in-
vadi dito engenho com leus amigos, trabajado-
res e escravos, nada lhe diriamos ; porm o que
nao podemos deixar passar sem resposta a parle
da sua correspondencia que su refere ao juiz mu-
nicipal supplente do Ipojuea.
Ahi este juiz tratado como parcial, dirigido
pelo Dr. J. Coimbra advogado do tenente-coronel
Joo de S, e at como faltando a verdade as
partes ofllciaes.
Tudo isso nao passa do um mero invento. Nao
podemos comprehender como o Sr. tenenlc-eoro-
nel Gaspar qualifica de parcial ao juiz municipal
supplente, quando esse juiz ainda nao deu urna
sentcnca, nein mesmo despacho cm sua questao.
S. S. requereu urna precatoria para ser citado o
Sr. tenente-coronel Joao do S, foi-llie inmediata-
mente concedida, depois disso mais nada re-
quereu.
Achando, porm, os meios judiciaes morosos,
quiz por si dar execuco ao accordao ; sso nao
|K)de o referido juiz ahnuir, e em vrtude de um
requerimento do Sr Joo de S mandn intimar
a o Sr. Gaspar para despejar o engenho.
Nao sendo obedecido, requereu forca ao Exm.
presidente da provincia, que lhe foi concedida, e
s depois dessa forca l chegar, foi quo o Sr. Gas-
par argn a presa." Tambera nao pode ser o juiz
municipal laxado de parcial por este acto todo
legal.
Diz o. Sr. tenente-coronel Gaspar :
O juiz municipal supplente dirigido peloDr.
Coimbra, advogado do tenente-coronel J. de S.
Quando li esse periodo, suppuz que os autos es-
lavam cheios de sentencase despachos deste Dr. ;
porm nao, nao ha urna sentenca, nao ha um des-
pacho nos autos, logo abaixo nos diz o mesmo te-
nente-coronel : o que ha um olBcio ao Exm. pre-
sidente da provincia com lettra daquelle Dr.
Primeramente consta-nos quo o Dr. Coimbra
nao advogado do tenente-coronel J de S, e de-
pois o facto do offlcio nao constitu prova de ser
o juiz dirigido por este Dr. Qualquer juiz pode
mandar copiar os seus meos por quera quizer,
pois com a sua assignatura assurao a respousabi-
lidade.
Quanto a faltar a verdade o juiz municipal sup-
plente em suas partieipacCes ofllciaes por ter dito
nellas que o Sr. tenente-coronel Gaspar traba inva-
dido o engenho com genle armada, e arrorabado al-
gumas casas da senzala, nos respondemos-lhe cora a
vistoria procedida ecoui o interrogatorio feito di-
versas pessoas, algumas das qw nulificadas.
Nao lhe pode servir os tcstemuntuis dos Srs. cnr-
mendador Costa e tenente-corond Carneiro, por-
que nao estavam presentes qnando S. S. invadi o
engenho, e S. S. nao era tao Iguco que conser-
vasse a gente armada em presenta destes senlio-
res, e que S. S. levou cora cffeito gente armada,
di-lo o bom senso.
Cumpre accrescentsr que o Sr. Dr. juiz de di
reito interino esteve no lugar do conflicto, assisto
a lodosos actos pratcados pelo juiz municipal sup-
plente, e nao de crcr que os approvase se fos-
sem contrarios le.
Recife, 27 de maio de 1869.
F.
A noticia do inexperado fallecimento de meu
amigo-o Itvm. paire Eduardo Marcos de Araujo,
morador na cidade da Parahyba do Norte, con-
iristou-ini a alma.
Era um amigo sincero e dedicado, um coracao
nobre, incancavel c rigoroso no cumprimento dos
deveres de su ministerio sacerdotal, e esforcado
patriota, i
As lagrimas, que sao a lingnagem rauda e si-
multneamente a mais expressiva da dor, nao
consolara bastante as afilicc/Ses de meu espiri-
to, que s na religio do Crucificado encontrara al-
Uvio.
E' por essa religio de bondade, de amor e de
misericordia, que nos elevanbs ao throno do Eter-
no ; por ella que eoncebemos a doce esperanca
da bemaventuranga que cada um deseja alcancar,
e que todos os christaos se devem reciprocamente
rogar a Dous I I
A ella pois recorro para um e outro m, man-
dando celebrar no.dia 31 do crreme, stimo da
do sentido passamento dapi lie meu amigo, s 8
horas da manha na igreja de Nossa Senhora do
Carino desta cidade, urna inissa e memento por
sua alma.
E porque sei que elle tinha outros amigos e pa-
tricios aqu residentes, os convido, como aqueiles
que quizerera praticar esse aeto de caridado, para
comigo assistila, rogando ao Omnipotente que o
tenha em sua Santa Gloria.
Recife, 28 da maio de 1869.
Antonio Joaquim B arque do Nazareth.
Jos da Costa Bispo.......... 3
Paulo Jos Gomes............ S
Dr. Symphronio Cesar Coutiuho 23
Domingos Tuixuira Bastos..... 3
Jos Amonio de S Leito.... 5
Bernardino Correia de R. Reg 3
Manoel de Abrcu Macedb..... 3
Manoel Joaquim Bautista...... 30
Tiburcio Valeriano Baptista... 50
Modesto do Reg Baptista..... 10
Justino J. de Souza Campos... 10
Jos Moreira Lepes.......... tO
Antonio J. P, de Carvalho..... 5
Dr. Francisco do R. B. Barrete. 50
Baro da Soledade........... 50
Francisco Ferreira Borges 50
Conselhero Jos Bento da Cu-
nha Figueiredo............
Dr. Jos Bento da Cunha F-
gueireda Jnior........... 5
Antonio Pinto de Barros...... 5
Manoel de $ouza Tavares..... "10
Pariste Belarmino de Moraes P. 5
Tenente-coronel Francisco C.
M. Ros Jnior............ 5
Manoel de Souza Leo........ 5
Jernimo de Souza Leo...... 5
Jovino Coelho da Silva....... 23
Joao G. da Cunha Soares..... 5
Jo oJoaquim da C. Leite..... 10
Dr. Ignacio J. de Souza Leo.. 23
1:000*000
1:0005000
3:0005000
1:000*000
1:000 m.
I:00l)00ft
1:000000
10:000*000
10:000*000
2:000000
2:0' 0*000
4:000*000
4:000*090
10:000*000
10:000*000
10:000*00e'
Guienne.
A bordo deste vapor segu para a Europa, em
companbia de sua Exraa. familia, no intuito de vi-
sitar o que ha mais de bello e magnifico no velho
mundo, um bem conheeido e abastado negociante
desta praca
A testa dos negocios deste honrado e philanthro-
pico negociante tica o dstro e utelligente socio,
que, J maneira dos amigos negociantes allemes,
que por sua perspicacia e bom tino tanto-eleva-
ram o commercio daquelle paiz verdamente sabio,
sabe pautar e reger de tal maneira os negocios,
que nem o mais experimentado piloto que no meio
da tormenta sabe salvar o navio da furia dos ele-
mento?, lhe ganha.
S. S., portento, pode viajar tranquillo. Sao nu-
merosos os relevantes servicos, que S. tem pres-
tado sua patria e aos seus patricios mais infe-
lizes nesta cidade, tendo-lhes estendido sempre a
sua mo liberal.
Os estabelecimentos pos e literarios dcvem-lhc
muito ; e tanto assim, que o Sr. Pedro V, de
saudosa memoria, houve por bem enviar a S. S. o
honroso titulo de cavalheiro da ordem da Con-
ceico.
So ha neste florescente imperio, portuguezes
que se tenham distinguido em serom uteis hu-
manidade, e por consegrante merecer bem da sua
patria, S. S. um delles, e um desses homens phi-
lantrhopicos que o grande Fnlon traa por di-
vinos.
Releve-me, pois, S. S., ajusta manifestaco deste
sentiraento de graldo, e desejo ao Illm. Sr. B. G.
de Carvalho e sua Exma. familia, urna feliz
viagem,
Recife, 28 de maio de 1869.
10 2:000*000
1:0008000
1:000*000
2:000000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5:000*000
1:000*000
2:000*000
5:000*000
5:000*000
10:000*000
5:000*000
1:000*000
400*000
50:000*000
2:000*000
1.-0004000
1:000*000
1:000*000
3:000*000
5:000*000
1:000*000
4:000*000
Voluntes sahidps com fazendas
dem idem com gneros
215
335
-----540
Dsscarregara hoje 29 (de maio
Barca inglczaSeraphtnamercadorias.
Barca francezaSpv=idem.
Brgue inglezBelle of lhe Clydeiem.
Bngue portuguezTnuwp/io=ideiii.
Lugar dinainarquezLi6ra=idem.
Patacho dinamarqneznud=rarinha de trigo.
Patacho inglez Ospray =5 bacalho e farinha de
trigo.
Patacho nacional=Jafto(i/ovarios gneros.
Barca mgluzaTalismn farintia de trigo.
Patacho norle-allemoTigreidem.
Escuna hespanbolaAnmYa=vinhos.
Escuna inglezaStar of the C Brigue noruegnense=//celouca e cerveja.
UECEBEDOHIA DE RENDAS INTERNAS GE-
BAES DE PERNAMBUCO.
Rendmento do da 1 a 26. 39:414*641
dem do dia 28...... 2:682*927
42:097*5X8
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 a 26.
Idem do dia 28.
70:849*961
3:412*310
74:232*271
Alfrelo Jos A. Guimares 25
Manoel de Mosquita Barros W. 50
Thoraaz Lins de Barros W... 23
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquerque Ucha.........
Joo F. Cavaleante de Albu-
querque..................
Commendador Antenio.de Sou-
za Leo..................
Joao Manuel do Mesquita Bar-
ros Wanderley............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicente Mondes Wanderley...
Coronel Antonio G. Leal.....
Francisco Manoel de Souza
Oliveira..................
Dr. Francisco E. do R. Dantas
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes..................
Laurentino J. de Miranda.....
Dr. Manoel do Nascimento Ma-
chado Portella............. 5 1:000*000
Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcant..........
Dr. Joo J. Pinte Jnior......
Jos"Francsco P. S. Jnior.
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa..............
Jos Cesarte de Mello______
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth................. 5 1:000*000
D. Mana Amelia de Gusmo
Lira.................... 10 2:000*000
Major Francisco de Gouva e Souza 40 8:000*
Dr. Antonio Venancio Cavaleante
Albuquerque.................
Ernesto Arcelno de Barros Franco
Francisco Manoel Wanderley Lins
Major Joo BaptistaPaes Barreta.
Dr. Felippe de Souza Leo.......
Jos Joaquim de S Barrete......
Ignacio Jos da Silva............
Antonio Pereira da Cmara Lima
Francisco de Paula de Albuquer-
que Lima.................... 5 1:000*
Jos Pedro Carneiro de Albuquer-
que ........................ 2 400*
Manoel Theodoro Mendes Lins 2 400*
Antonio Columbano Seraphico de
Assis Carvalho............... 2
Jos Francisco de Albuquerque
Maranbo.................... 2
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo. 23
Tenente-coronel Joaquim Maximi-
no Pereira Vianna............ 50
2
250
10
3
5
5
15
25
5
20
18
>
5
5
I
5:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5
10
3
10
25
2
l
10
1:000*
2:0005
1:000*
2:000*
5:000*
400*
200*
2:000*
MOVIMENTO DO PORTO.
Continuacao dos navios entrados no dia 27,
Babia6 dias, brigue brasileiro Almeida II, de
269 toneladas, capilo Antonio Pereira Mesqui-
ta, equipagem 14, carga 3,391 quntaos hespa-
nhes de carne ; a Francisco Ribeiro Pinto Gui-
mares.
Navio sahido no mestno dia. '
LisboaBarca portugueza Pereira Borges, carga
assucar e outros gneros.
Navios entrados no dia 28.
Goyanna6 horas, vapor brasileiro Parahyba, le
Oi toneladas, commandante Mello, equipagem
15, em lastro ; companhia Pernambucana.
Baha9 das, patacho norteallemao Albert, de
112 toneladas, capito A. Blohin, equipagem 6,
carga 10,000 arrobas de carne ; a Maia & Es-
pirito Santo.
AssJO dias, hiato brasileiro Novo nvencivel,
de 45 toneladas, capitao Vicente Ferreira da
Costa, equipagem 6, carga sal e outros gene-
ros ; a Silya e Alves.
Navio sahido no mesmo dia.
Rio de Janeiro e portos intermediosVapor brasi-
leiro Tocantins, commandante Jos Maria Fer-
reira Fronco, carga varios gneros.
DECLARACOES.
O administrador da
internas geraes faz pub!:-
recebedora de rendas
que ueste corrente uiez
PUBLICACOES A PEDIDO.
Tres lagrimas.
Como foi aununeiado, leve lugar na noute de
quarta-feira, a primeira represemacao do formse
e nunca asss applaudido drama do Sr. Dr. Tavo-
raTres Lagrimas.
Cordeaes parabens ao joven poeta, que no seu
primoroso trabalho, lavrou um proteste enrgico
e patritico contra esses precoueeitos estupidos,
que \o ukerando dia a da a nascente sociedade
brasileira.
Coracao verdaderamente liberal e entbusiata
pekis niaravilhas desta robusta c prodigiosa natu-
reza, cora que a Providencia dotou o Brasil, onde
ludo nos falla de una bem entendida liberdade, e
onde|> deve predominar o que por sua natureza
grande e meritorio.o Sr. Dr. Tavora na vanguarda
dessa brlhanto pleiade de operarios da civilisaco
e progresso, cantou harraonioso e inspirado na
lyra da pa'ria o mais intimo louvor aristocracia
do talento e da vrtude, a nica que em todos os
tempos foi, eser religosamontu respeitada, ain-
da mesmo pelos maiores amigos da igualdade so-
cial.
Na abundancia d'alma repetimos : mil para-
bens ao joven poeta, que conhecedor do que cum-
pre fazer para que o imperio da Santa Cruz tome
lugar eminente entre asnacoes civilisadas, offere-
ce a patria no seu brilhante poema um valio-
so contingente para a construccao do edificio da
grandeza e prosperidade da naco.
O que aqui escrevemos assim o eremos, a tra-
dcelo desses estripitosos e bem merecidos ap-
plausos, com que o judicioso publico desta cidade
acolheu a mimosa composicao do Sr. Dr. Tavora,
que ao alcance do estudo de todas as classes da
sociedade. incute nestas um interesse tal, que ne-
nhuma fugir por certo ao dover de pronunciar
com respeito o nome do festjalo lilterato
O desempenho do drama foi bou. As honras po-
rm da boa representacao couberara sem duvida
aos artistas Joaquim Augusto, D. Julia, Thomaz,
Eduardo, D. Clelia^e Couto Rocha.
Joaquira Augusto mostrou quanto valem a in-
telligencia e o estudo no artista de brios a quem
o paiz deu com justica o lugar mais elevado na
scena brasileira.
D. Julia trabalhou de modo que ser muito dif
ficil encontrar outra artista que, como ella, nesto
difflcil papel, suba tao alto.
Thomaz deu-nos um verdadoiro barao da ex-
cepcao. E' um bom actor.
Eduardo provou que um galn de for^a. Ex-
hio com vehemencia as paixSes, que lhe tumultua-
vam na alma e por tal modo o fez, que mereceu
enthusiastlcos applausos.
D. Clelia, artUta de reconhecido mrito, den-nos
com muita naturalidade, a mulher gasta pelo cy-
nismo mais requintado. Inlerpretou bem o Densa-
mente do autor. .
Couto Rocha nada deixou a dewiiar no seu pa-
pel, apresentou nos o baro de Sant Anna com te-
dos esses sentimentos srdidos que o autor lhe at-
tribuio.
Os Srs, Brochado, Primo da Cos :a Jordai agra-
daran).
A Sra. D. Apolonia iria melhor se tivesse tido
mais tempo para estudar o seu papel.
A Sra. D. Veluti fez um papel do pouca ou me-
lhor, de nenhuma responsabilidade, e isto devido a
eufermidado repentina da Sra. fc Carolina, a
quem cania o papel da Sra. Apolonia. No entente
cora
Ao publico.
A par da civilisaco est o progresso da religio,
e isto que se observa no facto que levo ao co-
nhecimento do publico.A dezenove annos pouco
mais ou menos tomou posse da regencia desta fre-
guezia o Rvd. vigario Fausto Freir de Carvalho,
e desde ento reconhecendo a necessidade de urna
grflja que servisse do matriz, visto como a exis
tente ameacava ruina, propoc-sc a construiruma
igreja, chamando para esse lira a coadjuvacao de
seus parochianos. Neste sentido dirigio-se a to-
dos elles, mas debalde foram os seus esforcos, e
infructferos seus desejos, assim se passaram os
tempos, mas sempre teimando cm animal-o1, at
que, felizmente, sendo nomeado cnadjuctor des-
Liiafreguezia o Rvd. Sesostrcs Abdon Freir de
Taivillfii, |i'U......ux. dj^ comraum accordo
aquello dar principio aujiTlca^*> que servisse de matriz, era maio do anno de
a qual igreja se acha j coberta, mas ainda em
preto, tendo gas! i apenas em sua construccao, se-
gundo publieo e notorio, a quantia de 3:000*000
pouco mais ou menos, dados j pelo nosso virtuo-
so prelado, j pela assen.bla provincial, j final-
mente pelos seus parochianos.
E nem se entonta que este edificio mu pe-
queo atiento o pouco dinheiro despendido era
sua construccao; por quanto tem cent o quinze
palmos de comprimento e quarenta de largura,
donde se v que tem havido grande economa na
applieacjio dos dinheiros gastos.
Gracas por tanto ao zeld", e dedicaco do refer-
do parocho, do seu coadjuctor, e bem assim do
Dr. Francisco Cornelio da Fonceca Lima, que co-
mo administrador do dito templo, nao tem poupa-
do exforcos para leval-o a sua concluso, sendo
elogiavel'o procedimento que tem tido o tenenle
Jos Norberto Casado Lima, o professor Ivo Pinto
de Miranda e muitos outros que milito se tecm
destinguido. Chama-se por attenco do Exm.
presidente da provincia para a dita igreja afim de
que com mais prestesa se con=iga o tira desejado.
Jos Rufino Rarbosa da Silva..... 23
Bento de Barros Feij............. 5 000*000
Antonio Augusto Ferreira Lima..... 2:01X1*000
Bernardino da Silva Costa Campos.. 1:000*000
Andr da Abreu Porte............. 2:000*000
Dr Manoel Thomaz de Bittencourt
Corte Real..................... 1:0003000
Bernardo de Siqueira Castro Monteiro 2:000*000
Thomaz Fernandos da Cunha...... 2:000*000
Jos Lucio Monteiro da Fonseca Filho 1.000*000
Dr. Manoel de Figueiroa Fara..... 1:000*000
i;1 Alexaudre dos Santos Barros....... 1:000*OO0
Slanoet na c.oiia Wanderley Lins.. 5:000*000
Miguel Jos da Costa.............. 1:00O*0O0
Bernardino Jos da Silva Maia...... 5:000*000
Antonio de Souza Guerra.......... 1:000*000
Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:000*000
Antonio Jos da Cunha............ 1:000*000
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.... 1:000*000
Manoel Pedro Noronha............ 1:000O00
Francisco do Reg Baptista........ 3:000*000
Freguezia d'Agua Preta !3 de maio de 1869.
O amigo da verdade.
------------ \
Agradecimento.
Os abaixo assignados, passageiros do vapor Ipo-
juea, penhorados das inaneiras afl'aveis e delicadas
com que os ha tratado o commandante, o Sr. Joa-
quim Jos Martins, aproveitam esto meio para sig-
nificarera rabiieamente sua gratido e reconhec-
ment a to distincto eavalheiro.'
Bordo do vapor Ipojuea, na Parahyba, aos 20 de
de maio de 1869.Arcadio de Almeida Fortuna.
Antonio Vicente do Nascimento Feitosa.Fran-
cisco Jos de Oliveira Figueiredo.Antonio Fer-
naudes Thom.Manoel Clementino de Carvalho.
Olympio Peregrino Barrete de Carvalho.Jean
Charles Noury.Felisberto Jos de B.Beniamim
Antonio de Oliveira.Antonio Augusto de Souza.
Silvestre Ferreira Caolinita.Maria Duperni
Ra\mundo Antonio de Oliveira.Vicente Giffoni.
Antonio Felippe Cabral de Mello.Manoel de Mello I
Montenegro Pessoa.
Trilhos Urbanos para
Jaboatao.
Asta dos subscriptores de ac-
ccs para a formaco de ama
companhia.
accoes
Joao da Cunha Wanderley.... 100 20:000*000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:000*000
Ferreira & Matbeus.......... 50 10:000*000
Thoraaz de Aquino Fonceca e
Filhos.................... 50
Joo Fernandes Lpez........ 20
Henrique Gibson............. 10
Bento Magalbes............. 10
Demetrio Acacio de Araujo B. 10
Americo Nunes Correia...... 15
Dr. Manoel Gentil da Costa Alves.
Albino Jos da Silva............
Jos Caelano de Albuquerque
Candido Alfonso Moreira.........
Adriano Augusto de Almeida Jordao
Manoel Jos Dantas...............
Joo de Castro Guimares.........
Francisco Goncalves Netto.........
Albino Jos Ferreira da Cunha.....
25
23
25'
23
400*
400*
5:009*
10:000*
3:000*
5:000*
5:000*
5:000*
5:000*
2:000*000
2:000*000
1:000*000
4:000*000
2:0005000
iro, visto eslarem con-
que os devedores do
o exercicto corrente de
s freguezias do Recife,
.'oco da Panella, Varsea,
\maro de Jaboatao, e
:vre da multa de 6 O/O4
COMMERCIO.
Dr. Claudino de A. Guimares. 6*
Francisco Goncalves Netto___ 10
J.F.S. Porte................. 3
Augusto Frederico dosS. Porto 3
Jos Alexaudre Ribeiro....... 5
Dr. Estevao Cavalcanti do A.. 10
Antonio Jos da Costa e Silva.. o
Luiz Jos da Coate e Silva.... o
Jos Alves da Silva Guimares 10
Jos Joaquim Lima Bairo 5
Joaquim Jos da Coste e Silva. $
Antonio Cosario Moreira Dias.. 10
Jos Antonio Moreira Das..... iO
Jos Antonio da Silva Jnior.. 10
Antonio Baptista Nogueira.... 5
Bento dos Santos Ramos...... 10
Antonio Augusto dos S. Porto.. 5
Jos Fernandes Lima......... 10
Francisco Fernandes Duarte... 8
Antonio Jos C. Guimares.... 5
Joo Evangelista de S....... 10
Antonio Moroira de Mendonca. 5
10:000*000
4:000*000
2:000*000
2:000*000
2:000*000
3:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2.000*000
2:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*0)0
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
PRACA DO BEC1FE 28 DE MAIO.
DE 1809.
AS 3 1/2 HOnAS DA TARDB.
Algodo de Maeei I* sorte 17*600 por arroba
posto a bordo, a frote de 3/8 e 5 0/0 (quaria-
feira)
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 3/4 d. por
1*000 (quarta-feira).
Dito sobre dito90 d/v 18 3/4 d. por 1*000.
Cambio sobre Pars 90 d/v 515 e 517 rs. por
franco (boje).
Dito sobre ditoavista 522 rs. por franco (hoje).
Cambio sobre Genova 10 d/v 311 rs. por franco
(hoje).
Cambio sobro Hamburgo 90 djv 963 rs. por
m. b. (hoje)
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretara.
Banco Mau & C.
Rna do Conuuereio n 34.
Descoma letras commerciaes a taxa convencio-
nal.
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simn & C.
Comprara e vender por conta propria
metaes, raoedas pacionaes e estrangeiras.
sbji8| de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccQes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
O Rio^ de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou Draso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de rebito,
para os mesmos lagares.
Largo do Pelorinho n. 7
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 26. 643:358
dem do dja 28...... I 81:023
664:381*801
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas 463
dem dem cora gneros 641
1104
e no de maio prximo i
cluidos os lamjamentos. <
imposto possoal, relati
1868 a 1859, residente
Santo Antonio, Affogadi
S. Lourcnco da Malta, :
Murbeca, teem de paga
e com ella depo's do rck....o prazo.
llecebedoria de Pernambuco 3 de Abril de 1859.
Manoel Ca neiro de Souza Lacerda.
A alfandega desta cidade precisa comprar
para o seu expediente os segrales objectos :
1 balanca decimal cujo mximo peso *,eia ^e
1,500 kilo'gr,
16 peses de 30 klogr. cada um.
9 ditos de 15 > > >
9 ditos de 10
9 ditos do 5
9 ditos de 2
9 ditos de 1 > >
9 ditos de 0,5 kilogr. ou 500 grammas .Tk.i um.
9 ditos de 200 grammas cada um.
9 ditos de 100
9 ditos de 50
9 ditos de 20
9 ditos de 10
1 medida de litro.
1 dita de meio dito.
1 dita do decilitro.
1 dita de centilitro.
Quem quizer fornecer taes objectos compareca
com suas propostas em carta fechada at o dia 31
do corrente.
Alfandoga de Pernambuco 15 de maio do 1869
AssignadoO inspector interino,
______L. de C. P. de Andrade.
So dia 2 de junho, em praca do Dr. juiz
municipal da 2* vara.-vo praca quatro casinhas
e um caixao, tudo de pedra e cal, na estrada dos
Remedios, por execucao de Francisco Jos do Pai-
va contra Francisco A vil t de Mendonca._______
Santa Casa da Misericordia
do Eecife.
A Illm" junta administrativa da Santa Gasa do
Misericordia do Recife tem de mandar edificar no
lugar em que existe o sobrado arruinado n. 33 da
ra Direita, um armazem com duas frentos, urna
para a mesma ra Direita e outra para a da As-
sumpcao, com tres portas cm cada urna des?as
frentes, sendo as portadas de pedrea lavradas, po-
dendo para esse lim aproveitarem-se as pedras
que alli exstem ; devendo seren as frentes cons-
truidas desde os alicorees. Contrata, pois, com
quem por menor preco fizer scmcmanle obra, e
por isso convida as pssoas que se propozerem a
effectua-la que apresentem suas proposita era
cartas fechadas ; t as 2 horas da tarde do dia 3
de junho prximo futuro, podendo os pretenden-
tes, para o fim de examinarem as obras a fazer-se,
procurar as chaves daquelle sobrado nesta secre-
taria.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, 2 de maio de 1869.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia do
Recite.
A Illma. junte administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 28 de maio, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres anno?, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra Direita.
obrSado de dous andares n. 8. 1:067^000
Ra do Padre Florano.
Casa terrea n. 47...... 170*00!)
Idem idem n. 63...... JW
dem n. 47. 49..... 170*000
Travessa de S. Jos.
Casa terrea n. 5....... {{nm
dem idem 7. \ MWOO
Ra das Calcadas.
Casa terrea n 30...... {774000
dem idem n. 34....... !s|JS
Idam idem n. 36......178w
Ra de Hortas,
Primeiro andar e solao do sobrado nn,nrux
n 41 ........ JOO#t)0O
Ra de Santa Tbereza.
Casa terrea n. 5....... 1714000
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar do sobrado n.26 241*000
Terceiro dito do sobrado n. 2 4 241*000
Ra do Calabouco.
Casa terrea n. 18...... 22**
dem n. 20........ 24<>0O
Ra da Cadea.
Sobrado de um andar n. 23 .
Ra da Moeda.
Sobrado de um andar n. 41 .
Primeiro andar do sobrado n. 37.
Segundo andar dito.....
Areal do Forte. .nn,.
Casa torrea n. 1......n wajDQO
PATRIMONIO DOS ORP11AOS.
Praca de Pedro II.
Segundo andar do sobrado n.33. 501430O
Madre de Deus.
Sobrado de um andar n. 9. 360*000
Casa terrea n. 22.......1:222*S2
dem idem n. 20....... 0MO0O
dem idem n. 14. ...... OW
dem idem 3.8 0 36*4000
Becco das Reas:
Sobrado de dous andares n. 10. 366400O"
Ra da Moeda.
Casa torrea n. 21....... 3804000
dem n. 47........ 3B34WO
dem n. 49......... 524000
Ra do Amorim.
Casa torrea n. 56...... 4MJUXK)
684*000
300*000
76*000
96*000


r
Diario- ce PemamRtico Safrbado 21T de Maio de 8S9.
n........ 422-5000
dem n
Ucm n. Si.....; '
dem n. 47.......
dem n. 18......-
dem di'i n. 43.....
dem dem n. 24
Azeite de Beixe.
Casa terrea n. 13
uat
Loja da casa n.
.-721000
303*00:
9311000
j|N. B. O drama est posto em seena aom
esmero o cuidado de que CI (i r,
Cometan as 8
todo o
Ra do Vigario.
27.....
Encantamento.
Casa terrean. 11
Ra da Cruz.
Sobrado de dous B. 29..... 8025000
dem n. 12......... SSOjSOOO
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 105 ................ 1463000
dem idem n. 103............,...... 202501)0
dem iaem n. 101 ................. 203 OJO
dem n. 89......\................. 242-5000
dem n. 2......................... 7C000
Idemn. 110 .. .. ................. 2035000
Idam n. 106....................."*.. 2023000
dem n. 101...................... 181*000
dem n. 98........................ 2033000
dem n. 96......................., 2025000
dem n. 94........................ 2105000
dem n. 100.......,............ .. 20UO00
Sitio n. 5 no Forno da Cal........... loOOOO
Os pretendentes devero apresentar no acto da
arrematarn as suas flaneas, on eomparecerem
iroinpanladosdos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite. 20 de maio de 1869.
esenvao.
Pedro llodriiities de Soma.
Consulado provincial.
Pela mesa do consiliario provincial se faz
publico qoe. no dia Io de junho vindouro,
se principiam a contar os 30 das uteis
para a cobranca bocea do cofre dos im-
postos: da decima urbana, de 5 % sobre
* bens de raz pertencentes corporales
de mo morta, e de 20 % d. consummo
de agurdente relativo ao 2" semestre do
annofinanceiro vigente 18G8 18G9> c que
ficam sugeitos multa de G /loclos S
dbitos que forem pagos depois de lindos
os referidos 30 dias.
Mesa do consulado provincial de Per-
nambuco, 23 de maii de 180^).
Antonio Carnciro Machado ios
__ De ordem do Illui. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia, se faz publico para
conliecimcnto de quem intoressar, que no da Ib
de iunho prximo vindouro, perante a mesmjf ine-
sourara sero, arrematados por quem mais der
os arrendamentos annuaes que devem ler princi-
pio no 1 de jullio deste anno, dos propnos naci-
naos abusos mencionados. Os pretendentes de-
vero dirigir suas proposlas em cartas fechadas
ao Illm. Sr. inspector at as 10 horas do referido
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 26 de maio de 1869.
O ofcial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
Relaco dos propros nucionaes a que se refere o
annuucio cima.
Casa U-rrea n. 21 sila na ruado Santa Thercza.
dem n. 19 idem idem.
dem n. 10 na ra das Aguas-Verdes.
Sobrado de dous andares n. 11 na ra Direila.
Armazem n. 1 sito no Forte do Mallo,
dem n. o idem idem.
dem n. 22 idem idem.
GORMO GERAL ~
Pela administraco do correio desta cidade sa
faz publico a quem interessar possa, que nao se
demorando os vapores da companhia Messagcnes
Imperiales neste porto em sen regresso do Rio de
Janeiro, o tempo preciso para se fazer a expedico
das malas para Europa, tem resolvido que as
malas se fechem as 6 horas da tarde do dia ante-
rior ao da chegada dos mesmos vapores.
Correio de Pernambuco 2o de maio de 1869.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
" Hoje, depois da audiencia do juiz municipal
da 2* vara, vai a arrematarlo trinal a casa n. 18
da ra de Sania Thereza, pertencente ao patrimo-
nio de Sant'Anna da Conceco dos Militares, por
quem mais der.
Domingo 30 do corrcnle,
Recresentar-se-lia a muito applaudida comeda
em 3 actos
0 PASSARO AZUL.
Terminar o espectculo com a linda comedia
em um acto ,
Ohomem no e perfeito.
Comecar as 8 horas.
THEATRO
Gymnasio Campestre
ASSOCIACO ARTSTICA
5. recita da assignatara
SAHUAUO 20 DE MAIO DE 18!h
BENEFICIO DO l'llOKESSOll
1 FLAUTA
Candido Quii ino Rodrigues de
Lima
Piimeira representacao da interessante
e muito graciosa comedia em um acto, or-
nada de msica, inundada : .
POR CAISA DE ti ALGAMSilO
Tomam parte as Sras. D. Olimpia, Ber-
nardina, e os Srs. Jorge, Silva, Flonndo o
Braga.
Seguir-se-ha pelo beneficiado aphantasta
sobro os motivos da opera.
Os diamantea da cora por
Toulou.
Depois representar-se-ha pela piimeira
vez a exce lente comedia em um acto de-
nornjnadada
OS ZUAVOS
Execulada pelas Sras. D. Jesuiaa. Ber-
nardina ; e os Srs. De-Geovani, Pedro Au-
gusto, Flonndo e Emiliano.
Finda a qual seguir-se-ha a brilbanie
phantasia
IDIJE FOSCARI
Composta e executada pelo benefi ado.
Em seguida a pedido do beneficiado a
Sra. D. Jesuina e o Sr. De-Geovani, canta-
rao o engranado e muito appladido dueto
A panella do feitico
Terminar o espectculo com o carna-
val de veneza, composto por Julio Bricc.ial-
di e executado pelo
BENEFICIADO.
Conecar s 7 '/ oras.
0 resto dos biihetes acham-se a venda na
ra Augusta n. 29, e no dia do espect-
culo na estaco dos trillios urbanos do Be-
cife. As pessoas que quizerem assistir a
esse divertimento, terao passagem gratis
de ida c volta.
OALCACAR
Ra nova de Santa Rita nu-
mero 1.
Hoje haver baile publico, e amanha, depois do
recreio, haver baile publico. Sera mantido o
regulamento policial. Entrada 2 000, e para se-
nhoras grails. .
COMPAXIIIA PEIVNAMBUCANA. r
DE
IVavega?" emtelra por rapoiv
' Parahyba, Natal, Madw. Mossor, Ara-
catyrCerV, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, eommandante
Martins, seguir para os portos acims
no dia 31 do eorrente as 5 hora*
da tarde. Recebe carga at o dia 29, encora-
mendas, passageiros e dinheiro a Irete at as
i horas da tarde do dia da sahida no esenptono
do Forte do Mattosn. 12.
COMPAJtfHIA
DAS
Mcssafferies i
At o da 30 do eorrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Guiemie, comandante
A. Jorel, o qual depois da demora do costume se-
guir para Brdeos; tocando em Dakar (Gorec) e
Lisboa.
Para eondicoes, fretcs fe passagens trata-se na
agencia ra d"o Commercio n. 9.__________
COMMA BRAWA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 8 de junho o vapor
Pavana, commandar.te o capitV
de fragata Antonio Joaquim d(
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os portos do
norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frote at o dia da sua saluda as 2
horas. .
Nao se recebem como encommendas senao od-
lectos de pequeo valor cque nao excedam a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas
Tudo que passar destes limites devora ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens sse recebem na agencia ra da CruyLo7,
1 andar, escrptorio de Antonio
Azevedo & C.
Luiz de Oliveira
Para o Porto
seguir muito breve a barca portugueza Seguran-
ca, por j ter a maior parte da carga prompta ;
recebe anda algmna carga c tambera passageiros:
a tratar com Cunha, Irmaos & C, a ra da Madre
de Dos n. 31.
de Jacaranda. Moiletodk Jacaranda, 2. jarnos de
iiiarmore e 2 venenennV.
1 oxceenlo Bnardaivetido, 1 lava)urie de-nog-
no e pedia, 1 dito de Inora, 1 eabidev 1 niela eoni-
i jk inrqwaa, 2.coiiiioda?, 2 eousoJus. 8 ca-
deiraS, 1 estante.
1 mesa elstica, 1 guarda louoa, 2 aparadores,
12 cadeiras de amarello, lapparlho de pncele-
iia parach, 1 dito.para janlar, com^teiras gar-
rafas copos e calilas de ehrystal, 3 caixas Ml
vinho do Porto, 1 guan a- comida, 1 aniiario, Ima-
china para limpar facas, trem de cozinlm o-muiUis
outros objectos.
4|arta-fclra de juohode
18GO. rua d Trapiche,
sobrado n. 18.
Jaymc 'Romaguera de Aguiar, tendo de retiar
se para o Rio de Janeiro cum sna familia, tirlei-
lao por intervenco do agente Pinto, dos moveh
e mais objectos' mencionad! s, existentes no se-
gundo, terceiro c quarto andares do sobsado da
ra do Trapiche n. 18.
Os pretendentes podero examinar na vespera
do leilo os referidos objectos, os quaes tornam-so
recommendados pelo seu bom estado e pouco uso.
Principiar s 10 horas.
"LELlP
DE
Movis, louga e crystaes
Quihla-feira, 3 de junho
Urna mobilia de Jacaranda a Liz XV, co.-.iposta
de 12 cadeiras de guainicao, 4 ditas de bracos, 2
ditas de balanco, um soi 2 Consolos e urna jar-
dinera com lampo de peora marmore, dous guar-
da vestidos lo amarello, um loillette de Jacaranda,
dous quadros riquissimos com linas gravnras, um
espelho grande com moldura dourada, dous pares
de jarros de porcelana, um eandieiro a gaz, um
par de lanternas com pingentes, una banca de
mogno para costura, um porta-vaso de Jacaranda
com lampo de pedra, urna secretaria de Jacaranda,
urna commoda de amarello a Lnii XV, urna cama
de raz de amarello com dous colchos de molla c
estes novas, 2 sotas de amarello, diversas cadeiras
para sala de jantar, um guarda lcue* de amarel-
lo moderno e cm perfeito estado, una mesa els-
tica, u.n aparador de amarello, urna carteira, um
lavatorio, um par de figuras de porcelana, una
cadeira privada, dous cabides, um marqnezao,
duas marquozas, um par de cadeiras do balanco,
um lustre a gaz, um meio apparellio de janlar, lou-
tu a imitarao do louca chineza, um dito de porce-
lana para'almoco, airaras, copos, eompoteiras,
galheteiros c miiitos outros objectos do casa de
familia. Na hiesma occasio se vender una es-
crava de 30 annos. Jos Gomes Villar, tendo de
retirar-so desta provincia, temporariamente far
leilio dos objectos cima descriptos por interven-
eio do agente Martin, no segundo andar do so-
brado da ra do Imperador n. 14, s 10 horas da
manlia.
Ilessom.de Almeida, Ignacis-PndW-n
qae MranhSo-, Manoel Vtrenle-^^Trai.
Pereira do Moracs, Jo= Betlanirih Pereirn lava-
res, Ladislao Hodulplio de-Anuy Cesar, Antonio
Bibero Uc Vacoiicellos, GM\n& Pereira de (nei-
roz, Adetiano da Costa Villas,.Lourenco de Barros
Vasconcelos, Jos Pereira Maclet, Pedro Tacares
Je uliveire> Melld, Francisco Gomes de Andrade
Lima, Francisco Dias de Alboquerque MontenegiM
Jnior, Jos de Barros e AraujoVasconcchos,. A*.-
t"iiio Jos de Azeved.), Vicente" AnaSlacio de Olin-
da Serpa, Antonio Manoel de Souza, Gervasio Pre-
tazio Rodrigues da Silva, Joao de Andrade Arapjo
Lima, Joao Bautista do AinafiL Francisco Sames
de AraujoYiieonccIlos, Joaquini Soares Carnpviya,
Miguel N'ogueira Accioli, LourencoUezcrra Martius
Falcao, Urbano Barbosa Pereira de Lyra, Joaqiiiin
Bezerra de Medeiros, Joaquini de Barros Vieira.
Manoel RiUeiro.Pessoa.Joao unes de Souza, Igna-
cio de Farias' lliheiro, Orlslov Solano da Silva
Tavares, flenrque Pereira do Freitas Cavalcante,
Joao Baptst:i llamos de Viiseoncellos, Miguel'.Jos
Lopes de Albiquerque, Joa/pim Antonio de Arau-
jo l'creira.Luiz Ignacio Ramos de Andrade, fran-
cisco Jos*:-Lopes de Alboquerque, Jos Luiz de
Andrade COuto, Manoel Mendes Cainiulia, Hercu-
lano Simplicio de Almeida Lima,. Joao Luiz Bereira
de Andrade Lima, Francisco Gomes deAbivue
Vusconcellos, Caiidiil, t)J.yin|iio Bezerra de Mem:-
zes, Joao de Andrade AH>ui|uerque Manuiho J-
nior, Juo Fernandez-Vieira, de Mello Filho, Ma-
noel Gomes" do Amarad, Manoel Gonealws da Silva
Pessoa, Jos Carlos de Andrade Lima, Itieodulno
Cavalc.inta do Atl'uquerquo, Antonio.Vicente, da
Costa" Azevedo, Alejandrino da Molla iiveira,
Silvoira, Jaiuiui Manoel da Motta Silvcira, Paulo
Bezerra dos Anjo<, Lourenc) Be/.erra Cayalcanli,
francisco Vespeio Correa de Castro, Pidelis fta-
mes de Villar, Joan Mauricio Vieira de Mello Ca-
vajeante, Josflaberto Vieira de Mello, Manuel de
llollanda Cavalcante- Teixeira Wanderley, Jos Pe-
lip'p Correa de Castro, Ancelino Keireira dnOli-
veira, Aunbano Cavalcante da Uncha Wanderley,
Joao Joaquim do Hunos, Francisco Xavier de Ho-
raes, Severino Barroso doMoraes, Reinaldo Gimes
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao S. Francisco.
AVISO.
Do hoje era diante fica restabe ecid o
trafego de passageiros c wercadonas em
toda a extenso'w linl.a.
Escriptorio da superintendencia, villa do
Caboy 29 de maio de 1800.
G. 0. Man,
Superintendente.
MIW&AS
DO
<
LEILOES.
AVISOS DIVERSOS.
Club Pernambucano.
THEATRO
DE ____
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Kabbndo de maio.
Segunda representacao do drama original bra-
sileiro escripto pelo muito distncto dramaturgo
nacional o Sr. Dr. Joo Franklin da S. Tavora,
dividido em 7 actos e 3 partes, intitulado
AVISOS MARTIMOS.
1" parteA lagrima da deshonra.
2* dita A lagrimado desengao.
3* dita A lagrima da redempeao.
msoNAGim. srhwhus.
Coutinho. .......J- Augusto,
j_,Dz.........Eduardo.
Arthur........? da ^s,a-
Fonseca........Brochado.
Barao de Sant'Anna. C. Rocha.
Bario de Scrnhaem. Thomaz
Conselheiro.......Jos Victorino.
Azevedo........Jordani.
Tavares........Martnho.
1 actor........Santa Rosa.
20Jactor........Guimaries.
3' actor........Lessa.
Criado........Guimaraes.
D. Julia.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
KaTcgaco costclra por vapor.
Macelo em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe, comman ante Moura, segui-
r para os portos cima no dia 31 do eorrente
as :> horas da tarde. Recebe carga ate o da 2lJ
as 3 horas, encommendas, passageiros e dinheiro
a frete at as 2 h iras da lardo do da da sa
no escrptorio do Forte do Matlos n
DE DIVIDAS NA IMPORTANCIA DE 3:653i82.
O agente Martina levar n vamente a leilao por
manda o do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio as dividas activas da massa fallida de Sil-
vestre Pereira da Cunha na imporlaucia de ... .
3:663*48*-
iio.ii:
No armazeii da ra d > Emparad r n. 16, as 11
horas do dia.________________________________
"LEIUO
de urna mobilia de Jacaranda, compona de 12 ca-
deiras rasas, duas ditas de bracos, duas ditas de
balanco, um sof, dous consolos e una mesa re-
donda com tampo de pedra, dous guardas vestidos,
urna commoda e urna mesa elstica, um par de
aparadores, um marqnezao, urna cama franceza
de amarello, um par de cadeiras de balanco de
vimes-nnia secretaria de mogno, urna mobilia de
amarclTo7divcrsaTTmiii|u(.Ltu u-md*} ^'iriinhei-^
ras, consolos, mesas redondas, duas cadeiras e
abrir, quatro quadros a oleo, um candelabro de
vidro, duas serpentinas, urna porcio de louca pa-
ra juntar, candieros a gaz, cadeiras de amarello
usadas para sala de jantar, e muitos outros ob-
jectos que se vender sem reserva de presos.
iioji:
pelo agente Martins no armazem da ra do| Im-
perador o. 16, s 11 horas em ponto.___________
A partida do eorrente mez tera
noute do dia 29.
lugar na
12.
Os abaixo assign idos, profundamente penetrados
domis sincero reconhecimento, niosomentepelas
maneiras svmpatliicas e nimiamente delicadas como
aos habitantes desta comarca pelo seu distncto
cidao, o Illm. Sr. Dr. Ermirio Cesar Coutinho,
ii dirigir um voto de gralidio e estima esse
pelos assignalados e philantropicos servicos presta-
dos aos"
concid
veem dirigir um voto de grat
benemrito amigo da humanidade.
O periodo de sua residencia entre no^ fot urna
serie nao interrumpida de reaes beneficios, de que
ahi ficam por testenwnnos os alfectos, saudade* e
gratidoes dequantos conheceram e kigraram apre-
ciar as bellas virtudes cvicas e moraes, que orna
mentam ao Ilustrado medico, Dr. Ermirio Cesar
Coutinho. ,
esejamos sinceramente que a sociedade, cm
dijo gremio vai viver, Ihe cousagre toda a estima
e consideracao, do que nimiamente merecedor.
Quanto nos limitamo-nos vir crguer do alto
da imprensa nossos protestos de agr
da Cofta Pedroso, Augusto da Costa Gomes, Fran-
cisco Gonealves Carnciro, Jos Ribeiro da Cunha
Juuior, Firmino Coriolano Bandeira de Mdlo, Joao
Angelo Lopes Lima, Francisco Gamillo de Farias,
Antonio Gonealves de Amorim, Joaquim Jos (en-
calves, Ignacio Bezerra de Salles, Leandro d'An-
nunciacio Lvra, Antonio Xavier Cameiro de Mou-
ra, Antonio" da Motta Silvera Cavalcante. Joo
Marques de Mendanca; Manoel Ribeiro de Vascon-
celos, Jos Francisco Ribeiro da Costa, Elias Jos
Mainart, Antonio Diniz de Albiquerque Mello, An-
tonio Januario Nunes, JoseTavaresPercira.de
Lima, Manoel Gomes de Antojo, Francisco Manoel
do Luna, PesminnGomes de Anuda, Luz Alves
de Andrade, Jo~ Faustino Barros Leite, Genesio
Cotho de Mello Cavalcante, Zacaras Soares Brito
de Novaos, Manoel Joao Rio de Jordfto Chaves, Ma-
uoel Gomes dos Sanios, Manoel Holinto Correa de
Casto, Jos Felippe Correa do Crano Filho, Joa-
quim llygino Pessoa de Vasconcellos, Joaquim
Xavier de Moraes, Domingos de Abren Araujo e
Vasconcellos, Jos G. da Cunba Beltrao, Jos V.
do Mello, Manoel de F. Cavalcante, Alexandre F.
da Costa Jnior, Antonio Machado Ribeiro Job,
Luiz Francisco Correa do Amara!, Patricio Jos
Ribeiro de Oliveira, Jos Felisberto Rodrigues da
Silva, Jos Pedro de Oliveira Mello, Manoel de
Araujo Lima, Felismno Barbosa Cordeiro, Joao do
Reg Gadelha, Atitonio Pereira de Araujo, Fran-
cisco Antonio de Souza Reg, Virginio Bezerra
Carneiro da Cimba, Antonio Simplicio Pereira de
Barros Lima, padre Zeferino Dorncllas Cmara,
Manoel Firmino Rodrigues da Silva, Urbano da
Silva de Andrade Lima, Manoel Xavier de Andra-
de, Daniel Jos Gomes, Jos Luiz Pereira, Jos Go-
mes de Andrade Lima, Virissimo Jos de Araujo,
Joaquim Francisco da Costa Bezerra, Jos Felip-
pe Guedes do Souza, Francisco Gomes de Araujo
Costa, Coriolano Alconforado Bezerra de Mello,
Alexandre Dourado de Aguiar, Carlos Augusto de
Albuquerquc, Jos Vieira Camello, Jos Bellarmi-
no de Vasconcellos, Jos Matheus Tavares More-
ra, Jos Severino Rodrigues dos Santos, Manoel
Luiz de Andrade Lima, Joaquim Fernando de Mello
Cavalcanh, Paulino Bezerra Negromonte, Jos
Ignacio Bezerra de Mello, Manoel Gomes do Arau-
jo, artista Jos Jacintho Colho da Silva, Francisco
de Paula Pereira da Silva, Mineravno do Barros
i
O Campos da ra do Imperador n. 28
tem para vender as medidas do nova syste-
ma mtrico decimal tanto para seceos como
para lquidos.
Indispansavel...
E' iiteirainente hnlispensavel s casas de
negocio cujas compras c vendas sao effec-
tuadas a peso, a novata bella com indicador,
para de momento se conhecer a exacta re-
ducto dos antigos pesos para os do novo
systenia, cuja base o kilogramma, acom-
panhando a mesma tabella cma outra pela
qual com a mesma facililla le se condece o
preco corresjiontlente entre um e outro sys-
tema. Recommenda-se de preferencia a
outia qualquer tabella pela sua fcil com-
preliensao, ainda para as pessoas menos ha-
bilitadas em commercio e calculo. Acham-
se votida na ra do Imperador n. 28.
ARMAZEM DO CAMPOS.
Jos Cosario de Mello Filho e sua mulhcr D
Vieeniina Cesario de Mello, convdam aos scus
prenles e amigos, assim como aos de sua nunca
assaz chorada sogra e mai D. Olindina Perpetua
da Silveira Azevedo, para as-i-lirem mssa do
stimo da que lera lugar na igreja da Soledad;)
s 6 horas da manha do dia 31 do eorrente.
Victorino Jos Monteiro, regressando para a
Europa, aili offerece o seu presumo a todas as
pessoas que o honram com sua amisade, e dei-
xa por sous bastantes procuiadores nesta cidade
os Srs. advogado Francisco de Paula Penna, coni-
merciantes Monteiro, CorreiaA C, e propietario
Jos Francisco Lavra Peona. Recife, 28 de maio
de 1869.____________________________________
Ao commercio
Joaquim Fernandos de Olivcim, socio inleres-
sado no estabelecimento da ra Nova n. -.0 e 22
que tem gyrado sob a firma. de Carneiro V anna
\ C, vempelo presente protestar contra a venda
feita pelo assocado Antonio Duarte Carneiro
Vianna, de parte desse cstabelecmenlo a Almei-
da & Vianna sem que primeiramentc indemnise ao
annunciante dos scus interesses havidos desde
1866 at o presente conforme consta dos respecti-
vos livros commerciaes, c o desouere da respon-
sabilidade em que se acba a vista da legisiacn
respectiva. Usa deste mco para evitar compli-
cacoes em quanto recorre aos que a le Ihe un-
po. Recife 28 de maio de 1869.
Lobo, Benlo Barbosa do Sacramento, Francisco Pe-
dro Ferreira de Andrade, padre Luiz Jos de Arau-
jo, Manoel Barata de Oliveira Mello, Manoel Anto
e krasilei"
Companhia americana
ra de paquetes a \apor.
At o ia Io de junho esperado dos portos do
sul o vapor americano Memwtck, o qual depon
da demora do costume seguir para New-^ork
tocando no Para e S. Thomaz. par. retes e passa-
gens tratase com os agentes Henry Forster & C,
ra do Trapiche n. 8.
PORTO POR LIMA
Para os portos cima segu com brevidade a
barca portugueza Clementina, tem parte do seu
carregamento engajado, e para o resto que Ihe
falta, trata-se com os consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, ra da Cruz n. 57.
HILiO.
De salvados do hiate nacional San-
ta Cruz na alfandega armazem
n. 11.
Segunda-feira 31 do eorrente.
0 agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pert-ncer dos salvados do hiate nacio-
nal Santa Cruz a saber : eaias com vidros de
botica, cai.s com chapeo- e mi daza-, ditas
com mudezas, ditas tintas, ditas com rape, ditas
comvinhos, ditas com ferragens, barrica com
cregos, ditas comdobra iij'sc ferragens, canas
pom bules de metal : no dia segunda le.a as
II horas da manha na alfandega armazem n. 11
mo de Oliveira Reg, Manoel Jos de Oliveira
Mello, Luz Francisco de Moraes, padre Antonio
ah^i^nraBo ao Sr. Dr. rmiro, pedindo-lhe que Januario da Silva, Jos Marcelino Marques Baca-
sc digneaPBceUar esla modesta manifostaeao de Iho, Joaquim Francisco de Mello, Antonio Con-
LEILAO
D. Carolina.
D. Apolonia.
D. Francisca.
D. Cielia.
povo
de
Adelaide, fiflia de Fonseca.
Olympia, filha barao de Sc-
rinhem.......
Virginia, filha do conselheiro. .
Carcelina, vuva pobre. .
Georgina, actriz hespanhola- .
Actores, convidados, soldados, homens do
e criados.
A accao da actualidade e passa-se no Rio
Janeiro. s
jSCENARIO.
O scenario do 2 acto representa um jardim ao
luar e inteiramente novo, bem como o scenario do
4 acto representando um jardim a D. e o inte-
rior de urna casa a E. Ambos os cnanos sao
devidos ao hbil pincel do scenographo Luape-
laim.
FJUi
DE 200 CAIXAS COM VIDROS SORTIDOS.
Terca-feira Io de junho.
O gente Pestaa far leilo por conta e risco
de qu m pertenec- de 200caxas com vidros sor-
tidos as quaes scriio vendidas no dia terca-letra
1 de iunho as 11 horas da masliaa na ra do
Vigario armazem n. 10.
Pretende seguir com muita brevidade para este
porto o palhabote portuguez Elephante por ter a
maior parte da carga engajada ; e para o resto
que Ihe falla trata-se com o consignatario Joa-
quim Jos Gonealves Beltrao, ra do Commercio
n. 17. ____
Ilha de S. Miguel
Para o porto cima segu com muita brevidade
o patacho portug.iez Jorgense por j ter prompta
quasi toda a carga : para o resto que Ihe falta e
passageiros, para os quaes tem bellos commodos,
trata-se com o consignatario Joo do Reg Lima, a
ra de Apollo n. 4.
LEILAO
de
movis, vidros, louca e crys-
taes, a saber:
1 piano forte, novo e de mogno (o melhor que
se ude encontrar), 1 mobilia com 1 sof, 4 cadei-
ras de bracos, 18 de guaanicao, 2 consolos i mesa
oval com lampos de pedra, 1 rico espelho oval
com moldura dourada, 5 quadros com lindas vis-
tas, 3 candieros a gaz, 4jarros para flores, 6 bo-
las, i escarraderas, 1 tapete grande o 4 pequeos,
1 secretaria, 1 mesinha redonda, 1 Costureira, 1
machina de costura e 2 venezeanas.
1 piano de Jacaranda e forte, 1 sof e 6 cadeiras
gtufacceai..
nossos cor *
ingenua exprs
dedicados.
Cidade de Nazareth, abril de 1869.
Jos Jeronvmo Pacheco de Albuquerquc Mara-
nhao, Joo Cavalcante Mauricio Wanderdcy, Gc-
miniano Alfredo Velloso da Silvera, alteres Joao
Bezerra Vieira de Mello, Evergisto Gomes de An-
drade Lima, Francisco Pinto de Souza Neves,
Manoel Colho da Silva Filho, Antonio Jos Cara-
pello, Theotonio da Silva Pessoa, Jos Pmheiro Ca-
bral de Mello, Honorato Ferreira Correa Antonio
Claudino Alvos Gomes, Antonio Jos de Moraes
Res, Candido Francisco de Mello, Antonio Gomes
de Araujo Vasconcellos, Manoel Jos Pinto de Sou-
za Neves, Jos Pinto de Souza Nevos, FrancKlm
Alves de Sonsa Paiva, Joao Paulo Monteiro ue An-
drade, Joao de Andrade Luna, Antonio Pinto souza
Neves, Manoel Thom de Oliveira Mello, Francisco
de Araujo Cesar, Armando Gorgiolly, Jos de Bar-
ros Andrade Lima, Joo de Andrade Lima, Manoel
Virginio de Hollanda Chacn, Pedro Francisco de
Oliveira e Mello, Joo Fernandas do Amaral, De-
metrio Jos Pinto, Joo de Lima Oliveira, Bellar-
mino Gomes de Andrade Lima, Francisco Seabra
de Andrade, Manoel Apolnario Almeida de Andra-
de, Cassiano Hyppolito Severo Augusto, Galdino
Jos de Medeiros, Thomaz Jos de Mello, Joanna
Bellarmina da Silva, Orlando Miquehno de Almei-
da, Francisco Gomes de Araujo \ asconcellos J-
nior, Domingos llamos de Andrade Lima, Symphro-
nio Olympio Ferreira Xavier, Manoel Antonio da
Vera-Cruz, Antonio Gomes de Azevedo, Luiz Fran-
cisco do Paula Pita, Ignacio Vieira de Mello, Ma-
noel Pereira Nunes^AnUuiio Jos Campello Jnior,
Adolpho Bessoni de Almeida, Joao Gonealves Be-
zerra, Bellarmino Carneiro Cavalcantt de A., Luiz
CosmeDamiao, Francisco deBorja Leal, Agostinio
Francisco de Assis, Jos Antonio de Arruda, Ma-
no Teixeira Borba Cavalcante. Francisco de Paula
Brrelo Cavalcante, Jos de Mello e Vasconcellos,
Leonardo Bezerra Cavalcante da Silvera. Joao Lins
Vieira Pacheco, Aquilino Barreto Couliflno da N-
veira, Fabricio Gomes de Andrade Lima, Simao
Barbosa da Silva, to Luz Das Borba, Leandro
Ferreira de Carvalho, Eneas Clementino de Medei-
Antonio Francisco Carneiro. Joao Mana da
irdeaes sftUHJBUwu, o ">' i>*Ua e ^iv^i da silva, Acurcio dos Santos da Fonseca
xnrcsso do quanto Ihe somos gratos e Lins, Joo Paulo CaTllumv -SfcMioel-E.de Andrade.
Galdino Colho de Mura, Manoel Antonio Boimr-
do Borba, Gervasio Alves do Reg, Claudino Go-
mes Barreto, Joaquim Carneiro da Silva, Honorio
Fitl Tavares da Costa, Domingos de Abren Moraes
e Vasconcellos, Antonio Gonealves do Moraes e
Vasconcellos, Jos Dias Coutinho de Araujo Perei-
ra, Francisco Xavier da Silva Coutinho, Jos Ma-
ra Cardoso, Manoel Bezerra de Vasconcellos, Bel-
larmino Bezerra Negromonte, Luiz Ignacio de An-
drade Lima, Jos Gomes da Cunha Pedrosa, Fran-
cisco de Souza Barcellos, Bernardno de Arruda
Senna, Joaquim Gonealves Guerra, Jos Luz Car-
neiro d'Albiquerque. Joo Antonio Pessoa Guerra,
Manoel Pereira de Vasconcellos, Manoel Ferreira
de Oliveira Costa, Jos de Hollanda Cavalcante An-
tonio Aquilino Flores de Lima, Jos Francisco
Lopes Lima, Joaquim de Melle Borba Jnior, Joao
Thenorio Pereira de Moraes, Christovo da Rocha
Cunha Soulomaior, Joo Fraucisco Cavalcante de
Vasconcellos. Manoel Barroso Moracs, Manoel de
Macedo, Manoel Martins Tavares, Antonio Jos
Lins de Albuquerque, Jos Gonealves da Silva
Carneiro, Manoel Francisco Delgado Borba, Manoel
Cesar de Mello, Joao Antonio Pacheco, Jos Fran-
cisco Barbosa Cordeiro. ______
Jos Antunes Guimaraes, Seraphtm Antunes Ro-
drigues Guimares e D. Anglica Bernarda,Perei-
ra, agradecem de todo o coraco aos amigos e pa-
rantes que assisliram as exequias e acompanha-
rram w> oainilurlo os restos mortaps de sua extre-
mosa mullier, ta eirmSa. D. >>i*n reira ; e de novo Ihes rogam o eandoso obsequio
1' lili f *J ** *M\*tv .w~ f-------- -
de assistirem as missas do stimo da, que por sua
alma mandara celebrar na capella do cemiteno
publico, segunda-feira 31 do eorrente, pelas 7 o-
ras da manha.
Machina de costura.
Precisa-se alugar nma machina de costura : na
ra do Padre Floriano n. 69. Tambera se vende
um lindo vestuario para baptisado.
CONVEM AOS NOIVOS
Um bom guarda-louca de amarello, 2 lindos ap-
paradores novos, 1 rico apparelho de porcelana
com hstras verdes para jantar, e 1 lindo appare-
lho de porcelana cora hstras douradas para cha, o
mais moderno que ha : a tratar na loja da ra da
Cadeia do Recife n, 9.______________
Aos ourlves oh outra qiialqner
pessoa.
Dcsappareceu do sobrado n. 31 no pateo do Ter-
co, urna pulseira de ouro com a ou 0 bnlbante>
sobre una flor da mesma pulseira : quem este
objecto levar no sobrado cima, sera recompensa-
do generosamente._______________________
~= Na ra da Imperatriz n.80 se dir quem tem
para alugar urna ama escrava para cuunhar e
engommar em casa de familia.__________________
Aluga-se a casa terrea n. 16 na ra do For-
te, ltimamente caiada e pintada : trata-se na ra
nova de Santo Rita n. ">._______________
Precisase de urna ama : na ra de Borlas
n. 41.
Fugio no mez de Janeiro de 68, do sitio Bu-
jeo, freguezia de Iguarass, o escravo de nome
: 28 annos, eor acabralhada, altura
raco.
Cosme, dade de
regular, esqui do corpo, cabeca pequea, olno-
saprangas, sem barba, nariz, bocea c orelms pe-
tera urna cicatriz do lado esquerdo
do
queixo'pescococomprido, pernas finas, tem mar-
cas de pannos pelos hombros : roga-se a quem o
apprebender leva-lo ao mesmo lugar, ou recom-
is -i oidain desta cidade. nue ser recompensado.
HA DE LEITE
Precia- mulhcr livre e sem filho : na ra das Crutes n.
35, 2' andar.___________________________._______
Na rdl do Torres n. 42,3 andar, nrecisa-sc
de urna ama que engomme com perfeicao, paga-
se
bem.
ros,
lo cadeia desta cidade, que sera recompe
para coz.nnar
Costa, Joaquim Manoel de Oliveira, Jos Francisco I Precisa-se de urna ama
Damasceno. Joaquim Antonio Carneiro, a rogo de rua do Padre Floriano n 71.
na
Hermogenes Manoei de Castro, Jo* P""5"1?9,.^;
maeeno, Berna, dio Jos Serpa Primo Feliciano
Lopes Cavalcante, Manoel Bril de Queiroz Repnbli-
irctoSSnVT^^^^^ sSureirodas .oler y.ue
Ma mSIu Francisco de?Pau a Barreto e Albu- nao pague o bilhete inteiro sem ser garantido n.
Mmm^JStiT&S*^ Brrelo Oli- UoWda lotera 107, que lem de correr hoje, senao
SE leSo ^rnandes dos Santos Leal, Fio- ao abaixo assqmado seu eg.timo dono.
rencio Rodrigues dos Santos, Jos Augusto de Ol-1 Recife, 28 de maio de 18b9.
veira Mello, Pantaleo Jos da Costa, Eduardo
_ Quem ver e quizer alugar urna preta para ]
casa de familia composta de quatro pessoas : diri-
a-se a rua das Cruz.'s u. 4.
Gitilftcrme Muniz de Souza.
Roga-se pela segunda vez ao Sr. Jos Jacin-
iho da Silva a comparecer no sobrado da rua das
Cruzes n. 9,1 sndar, a negocio de sen interesse.
' Desappareceu do poder de unimolenuo do
abaixo assignado um quarlo W^^ "f^;
com cangalha e cassuaes, tendo d ^tenm.
eapote de batae um sacco de estpa : noem^
ichar o mesmo cavallo, eve ao engento do Brnm.
ou na rua do Queimado n. 3o, I" andar
Hermenegildo Eduardo Reg Monteiro.
Criado
Precisa-se de uro criado
Rosario n. 32, 2 andar.
na rua estrella do
RITAI
.DO
aBUGi
esquina
da rua larga do
Rosario.
AO ikNNEL DE OURO
HIJA
KO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
vende por precos que nenhuma outra casa pode vender. _,i0,ia
vista da qualidade e do pre(?o das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito eie-
Garante-se ser tudo de lei.
vados.
CABUG
esquina
da rua largado]
Rosario.
i-

AJ loja esti aberta at s 9 horas da noute.
-i


Diario de Pernambuco Sabbado 29 de Maio de 1869.


Gabinete Portusruez deLeitura
EM
PFM\MBIC0
Consalho deliberativo.
De ordem do Sr. presidente convido aos senho-
re membros do conselho- deliberativo a reuni-
rem-se em sessao ordinaria no dia Io de junho
prximo, as 7 horas da tarde, na sala das sessSes.
Secretaria do conseibo deliberativo 28 de maio
de 186.
V. Fcrreir&Aares Jnior,
_________1* sWwrio.
Engomma-se com perfeieao e commodo pre-
50 : natravessa do Caz n. 1, confronte aos co-
queiros.
Aluga-se
toma prela para todo o servico de casa : quem prc-
tcnde-Ia dirija-se a ra do SH n. 33, 1 andar.
A pessoa que annuneiou no Diario de 25 do
correrte precisar do um riti do lavrador com
casa e eereado,e onde possa safrejar 400 paca do,
assuear. dirija-se ao engenho Novo, na frcguozia
de Muriboca.
Quein precisar de um caixeiro com pratica
do botica, pan fra d> cidade ou da provincia,
annuncio por esto Diario para se traar.
Precisase de urna ama para casa de pouca
familia : na roa do Gaz n. 12.
Na ra 1 Aurora n. 26 lia para alagar ora
moleque criooto de 15 annos, assa dilig
No eollegio da ConeelcSo pn eisa-se do una
moa para eoziabar.
na r* da Ploreti lavase e en-
gemiaase cooaasaeioe promptida 1.
Precisa-M d una ama que saiba engommar
e cozinbar, para tuna pessoa : na roa 'las Cruzes,
Io andar, n. 21.
AtetUion.
Mrs. Julo- Otarlos Poppe el Jean Charles Noon
sont pris de paraitra a la rae do Vi_ario n. 10,
1- tage.
GOMPARHIA PERMMBCAM
DE

COfSELIIO : DIKEC< O
Os Senhores.Saunders Brothers ft.C., Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
i OEREXTK
0 SR. F. F. BORGFS
Restando anda emittir algumas acc5es d!$sta companliia, da quantia nominal de
i'OOflOOO cada urna, das quaes s se aceitam em virtude da lei, 20 /0, ou 40#O0O por
cada acejo; convida-se pelo presente ao publico em goral e especialmente aos Srs.
capitalistas c interessados no commercio,. que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aeces que lites approuvcr.
Algumas destas aeces j tem sido tomadas por pessoas que conheceni a vantagem,
de na presente occasiao (conhecidamente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que Ibes garan-
tam seus capitaes.
A companliia possue boje 10 vapores, 6 inteiramenle novos, e destes o ultimo est
a chegar ce Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est cdicando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 e/0 ao ann0> nos ltimos 4 annos.
As act;5es que se emittirem gozam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em propongo da enlrada.
Recebem-sq, assignaturas no escriptorio da companbia no seu edificio ao caes da
Assembla n. l
rugi um papagaio da casa 0. 133 junto ao
arsenal de marinha, em Fra de ."orlas, tallador,
e fngindo para urna das arvores eu frente de mes-
n > arsenal, alguera al o pegn, sendo mais ou
menos eonhecido : rog-se, p irtanto, a quem issp
fez, ou tenha, o papagaio por i|iial|uer motivo
i'ior em seu poder, entregado na sobredita
casa, no 21 andar, que recebera nii*smo urna gra-
tificaran
Xarope de Fedegoso, do Pinto.
E' de urna eflkacia m-dadeiramenie ma-
ravi liosa como calmante do systema ervo-,
so e applicado contra a paralisfa-, asthma,
tosse convulsa ou coqueluche, li se reren-
tes ou antipas raffocaees, catarrlios broa
chicos etc. e a final contra todos os sofffi-
mentos das vas respiratorias, e na phtisi-.
ra pulmonar, sua Wrtode confra o ttano
leTir
ou espasmos, e comineos incontesiawl
o ningin'm lia que o desconheca.
Ol DESCOBRIMSNTO ESPANTOSO!
Iltm. Sr. Jottqmm d'Almeida Pinto.
Braga, 28 de Janeiro de 1888. Meo
arraigo, aqu cheguci com algURia melho-
ra; depois de ter lomado res garrafas
do seu preparadoXarope deFmegoso\ j
* isto pelo mar, porque logo que ebe-
guei em Lisboa, principiei com mais f
a tomar o arto xarope, por conhecer pelo
mar que elle fazia grande beneficio, pois
vista da grande quanlidade de sangoe
que eu botava pela bocea, vi queme hia
desapparecendo com rapidez, depois que
continuei a tomar o dito xarope. e tai
milagroso foi para minha molestia que
lioje me acho de todo reslabelecido, e at
mosmo bastante nutrido, e por isso pode
Vme. fazer sciente ao publico o milagre
que o seu preparado obrou na minha en-
fermidade. Sem lempo-para mais, son
n-i Vm.
Amigo atiento venerador e mnito obrigado
Manoel Jos Gonsalccs Pereira.*
Troeain-se
t5 notas do banco do Brasil e das eaixas flliaes,
x>m descont muito razoavel: na praca da Inde-
lendencia n. 22.
AMA
Urna mulher que acaba de ser nma de loite se
offerece para ser ama que se oceupe em engom-
mar e ein tratar de mininos em casa de familia,
sua conducta garantida : na ra da Ponte-Ve-
Iha n. 6 se dir. |
-r FALOS I
Frecisa-se de um caixeiro com pratica de
taberna, dando flanea de sua conducta; no pateo
da Ribeira n. 13. ____________________
nteresse
No pateo do Terco n. 31 precisa se de um mef-
tre de msica.
ACTOR
Ha muita necessidade de se fallar com o Sr.
Procopio do Senna Santiago, na ra Direlta n. '<",
3 negocio que nao Ihe deve ser estranho.
PIULAS, VIXHO
n
F.
JHm. Sr. Joa'/uin d'AIiHrida Pinto.
Ha muilo que ouvia proclamar as excel-
lentes propriedades do Xarope de Fede-
goso contra a tosse e asthma, soflrendo
1 eu de urna tosse pertinaz, e tendo usado
< de toda a sor:.e de medicamentos, valime
pois do Xarope t fi degotq e urna gar-
rafa smenle foi bastante para restabe-
lecer-me, e me vejo to rgbusto como
d'antes: suecumbiria de certo a nao ter
1 usado do Xarope de Fedegoso.
A' vista disto nao tenho expressoes
" com que exprima a V. S. a gratidao de
1 que rae devedor o de V. S. attento
' venerador e criado
Joao da Costa Rvj>k
* lllm. Sr. Joagaim i'Almida Pinto.
1 Tenho a ventura de communicar a V. S.
1 que gracas ao maravilhoso Xarope de
Fedegoso, estoa com o meu escravo Jor-
ge completamente reslabelecido da mo-
lestia dos pulmes que ha tanto tempo o
persegua.
Acceite V. S. esta minha dedaraco
como prova do meu reennhecimento pelo
bem que V. S. acaba de fazer-me e. co-
ja recordaco ficar internaba no cora
c3o do
He V. S.
Attento venerador c criado
Bento Joaquim Gomes.
xarope:
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
PELO
PHARMACETICO
Joaquina de AI me id a Pinto.
As preparacies de jurubeba sao hoje
Sjntajosamento conhecidas e prconisa-
as pelos mais habis mdicos, tanto da
Europa como do paiz, pela sua eficacia
nos casos de anemia, chloroze, hydropesia,
obslruccao do abdomen, c lambem nos de
menstruaco diflicil, calharro na bexiga,
etc. etc.
Vendem-se em porcao e a retalho na ci-
dade do Recife. pharmacia do seu compo-
sitor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polica.
O abaixo assignado declara s pessoas que
teem contas antigs em seu estabelecimento, c sem
que as tenham liquidado, por mais que tenha sido
as diligencias enipregadas- para dito lim, que no
praso de IS a 20 dias as venham saldar, porque
depois do referido praso ver-sc-ba foreado a pro-
curar os meios judiciaes para a liquidacao della*
l'.ecife 26 de maio de 18G9.
_________v_______Miguel Gomes da Silva.

N^ESTA ANTIGA E CREDITArA
FABRICA
DI
BHCOaiBA S! COXSTATESBKTB HDI COMPLETO S0ET1MEMO
CHAPEOS BE SOI,:
De todas as qualidades 1
De todos os feilios I
De todas os procos I
RA DO CRESPO
tiiiranifr- frf ri1-fi
1
\
.ABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
O Quinium Labarraque, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido todas as outras prepara^Oes de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de- quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; a parte disso, em razao de seu modo de preparado, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporcocs sempre variaveis.
O Quinium .-abarraque, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de composi^ao determinada, rica cm
principios activos, e com o qual os mdicos e os doentes podem sempre contar.
O Quinium Labarraque proscripto com grande xito s pessoas fracas,
delibitadas, soja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles
tas; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffi.
culdade em se formar e desenvolver; as mulReres depois dos partos; aos vclhos
enflaquecidos pela edade ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cores plidas, este vinlio um poderoso
auxiliar dos ferroginosos. Tomado junto, por excmplo, com as pilulas te
Vaiiet, produz el'feitos raaravilhosos, pela sua rpida accJo.
Deposito em Paris, L. FRERE, 19, ru Jacob
Rio-Janeiro, DP0N0I1ELLE; C11EV0L0T. Pernambuco, MAURER ct I
Um moeo solteiro, de boa conducta, morando em
m exeetlent* sobrado de primeiro andar com
astantes eommodos, no hairro do Santo Antonio,
e em boa ra, de ros de sua inorada, dous mocos as mesmas era-
[dleSes. anda mesiflo estudantes : a tratar na ra
da Concordia n. 9.
Precisa -se do um pequeo para eaixeii '
una taberna, que tenha algnma praSc e de Ha-
dar de sua conducta : a tratar na ra \m
n. 13C.
OFFICNA PARA CONCERT E AFINACA 0
DE
Precisa-se alujar urna escrava que saiba en-
gommar e eo/.inliar, e fazer o m;iis serviro de una
ca 0 MELHOR l\K PBIffli
Fabrica de Vieira Guimaraes
& Couto
l>o Ro de tluucro.
ste acreditadissimo rap tem encontrado a me-
lhor aceitaeao possivel. O sen fabricante foi por
muito tempo gerente e mestre da fabrica de Joao
Paulo Cordeiro, e tendo-se establecido, envidou
todos, os esforcos, e conseguio fabricar rap, que
nada deixa a desojar, e antes se lhe avantaja, pos-
to em parallelo com o da fabrica do dito Cordeiro.
O aroma extremamente agradavel e tem sido
muito apreciado pelos amantes .da boa pitada.
Na ra da Penha n. 2o, andar, precisa-se de Acha-se a venda por grosso e a retalho, na ra do
urna" ama para todo o servico de urna casa de pou- Vigario n. 16, 1 andar, escriptorio de Joaquim
UTITilDADG
Aos 500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Coraco
d'Ouro, ra do Gabng, brincos de
mostnhas com urna franja penden- .jj
te a um rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo pre?ode 15^000
cada par. baratissimo.
IrmandaJe acadmica de Nossa Senhora do
Hom Conselho.
A mesa administrativa da irmamhdc acadmi-
ca de Nossa Senhora do Bom Conselho convida a
mesma irmandade para assistir a missa, que, por
alma do irmao fallecido na provincia do Cear,
Antonio Francisco Leal, estudante do quinto anno
da Faculdade de Direito desta cidade, manda ce-
lebrar no dia 31 do corrente, pelas 8 horas da
manliaa, na igreja do convento de S. Francisco, de
conformidde com o seu compromisso.
Consistorio da irmandade acadmica de N. S.
do Bom Ccmselho em 26 de maio de'1869.
O secretario da mesa,
Jos Fuado de Mendonca.
AMA
ca fainiiia.
lllm, Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Cumprindo um dever de gratido, parti-
cipo a V. S. qoe pormeio do seu abeo-
Coado Xarope de Fedegoso, est perfeita-
ir ente restablecido dos seus longos sof-
frimentos o meu escravo.
Como sabe, este meu esoravo tinha
chegado ao estado mais aflictivo da mo-
lestia de pulies ; nao obstante um nao
interrompido uso de remedios, e urna
demorada viagem ao nosso serto.
Pois bem; aenfeimidade, que seha-
\ia tornado rebelde a todos os meios
empregados para combate-la, ceden de
urna maneira quaei milagrosa, a cjaatro
garrafas, apenas, do seu fedegoso.
Hoje, gracas a Deas, tenho o rneu es-
cravo reslabelecido; e nao fcil mos-
trar lodo o recormecimento que sinto pelo
bem que V. S. me acaba de facer.
Sou de V. S.
Criada agradecida
Uaiia Sorbrrui Bchejfer.
Em casa de THEODORO CHRISTI-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourpogne e do Rheno.
Antonio Ferreira da Silva .Mata julga nada"
dever ix pessoa alguma, no entretanto se algnem se
julgar seu credor queira apresentar a sua conta
ou titulo no prazo de oito dias para ser pr.go.
Gerardo de Bastos
CRIADO
Uqco deposito, ra larga do Rosario n.
*0, junto ao quartel de polica, Pernambu-
Continuadamente se nos apresenUmi no-
vos lestemuimos daefficacia do fedegoso
Pernambuco.
,.ZP^w" ^ um meni0 de li a 16 annos,
^,.eonmm0 ^ "m Pret velho para pequeo ser-
C, tlZ SSli ^eiD ^T Propor-se, daja-
e a loja de calcado 4 roa do Livramento n J7
Precisa-se de um criado para o servico de casa :
na ra das Larangeiras a 29, hotel commereial.
Precisa de um casa pequea no hai-
ro da Boa-Vista, propria para um bomem
solteiro: quem tiver tenha a bondade de
dirigir-se a ra do Commercio n. 82, 2'
andar, que achara com quem tratar.
Frederico Malo.
Clrurgle dentista pela escola
de medicina
de Ill* de lanelro.
Te a honra de participar ao respeitavel publi-
co denla capital eseu6 suburbios, que tem abertoo
seu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
ra Direlta n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias4as 8 horas da manha as
3 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeiyaocollocar dentos artifioiaes
por quaiqoer dos systemag, e bem assim desempe-
nhar quaiquer outro trabalho eoncerneote sua
profissao. O mesmo, recoaliecendo que nem sem-
pre possivels senhoras ou crianeas sahirera a
procuiar o remedio, offerece-se a remover quai-
quer obstculo, declarando que naciadese pres-
tar a quaiquer chamado sem qe issoinflua cousa
alguma n<. eommudidade dos precos AS seus traba-
Ihos, e uuando para fra defla assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguranca e perfeicao de seas ditos trabalbos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente exoei.
lente pos dentifrieio, eiir e ontros nfedieamen-
tos odontaJgicos : a ra Direita n. 12, primeiro
andar. tm .
Fundipao da Anrora.
Neste vasto estabelccimente sempre se encontra
um completo sortimento de taixas de ferro batido
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabricara
de quaiquer molde a vontade dos compradores, e
reces razpoaveis.
Attenco
Pede-se ao Sr. Severino Duarte queira appare-
cer ra do Commercio, armazem n. 18.
Constantino Rodrigues Mendes, tendo
justo ccontratado com a Sra, D. Rosa Telles
de Menezes Souza viuva de Jos Bernardo
de Souza, a compra da taberna cita no lar
go do Pilar n. 21 livre e desembarazada de
todo e quaiquer debito, faz sciente ao publi-
co o com especialidade ao corpo do com-
mercio, e se algnem julgar-se com direito
a mesma, apresente-se no praso de tres
dias, Ando o qual n5o se attender reclama.
c5o alguma. Recife, 19 de maio de 1809-
Aroa de loite.
Precisa-sede urna ama deleite sem filho: a
tratar na praca do Corpo Santo n. 7, 3o andar ; e
no mesmo tem urna escrava para alugar para o
servico de casa.
ADA
Precisa-se de urna ama para engaminar e fazer
os niaia servicos de urna caa de pequea familia;
na na Nova n. 21, loja.
Ama
Precisase alugar mTlma para cozinhar
tevar e comprar : a tratar na Boa-Vista, ra dos
nres n. "0. easa terrei. *u*u5
Precisa-se de
n. 3!.
urna ama:
na ra do Fogo
Taberna
Traspassa-sd a da roa das Boias n. 8, no Becife,
mboas proporcoes para principiante laborio
war vantagem.
LI
Resta venda um esflolhido sormento de ob-
de marcineria, comt sejam, mobilias de ja-
^BJBjBBBjpaJlwefl*, obn teuum Mtrtn-
leira, de apurado gwto e por pr^jw raioaveJs :
ia roa estreita do Rosario n. 31 Nrta nWMV
asa faiem-se com perfeiclo todos os trabalbos de
?*mmiia, como sejam, erapalhaments de lastros
para camas, cadeiras e s*phas,
Precisa-se de urna ama escrava ou fofr para
comprar e cozinhar pifa dus pessOas: na rtfa da
Cadea n, 29, 2 anj|fc.,^.,._l
s
Acha-se fgida ha oito mezes a preta es-
crava, de nacao, de nomo Maria.com 40 annos de
idade, baiia e cor fula, consta que diz ser forra, e
andavendendo na freguezia da Boa-Vista, com
urna bandeja pintada de encarnado, com que
fugio : gratifica-se bem a quem a apprehender e
leva-la ra Imperial n. 103.______
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAB.
Sacca por todos os paquetes sobre o Bar-
co do Minho, em Braga, o sobre os seguir-
les logares em Portugal :
Lisboa.
Porto;
Valen^a. .
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de FamalicSo.
Lamcgo.
Lagos.
CovilhSa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Bar cellos.
Deposito de pianos e de msicas
ra
14 RA
BOA-5
41. 14
llU
Preeisa-se de una ama pan; cozinhar : na ra
do Imperador n. i."i, 2 andar.
Joaquim Ferreira dos Santos, profes-
sor de danca, chegado ltimamente da Eu-
ropa a esta provincia, tem a honra de par-
ticipar a seus Ilustres habitantes, e mui
Precisa-se dn um homem que entenda d
todo servido de campo para trabalbar em um si-
tio : a tratar no largo da ribeira da freguezia de
S. Jos, sobrado n. ">.
No Corredor do Hispo n. 23 precisase de
urna ama para o servico inlcrno c que saiba en-
gommar.
Em urna caza de familia na ra estreita
do Rosario n. 35' sobrado, prepara-se al-
moco e juntar com aceio: quem precisar
principalmente aos dignos chefes de familias diriga-se a mesma que achara com quem
rrue lecciona em danca'oebaixo de toda a tratar.
ie sua residencia, ra do '
que
regra na casa
Imperador n. 7o r andar, as tercas, e
quintas-feiras, das 3 horas da tarde, ate s
10 da nole, o aos domingos de manhfia e
a noule. Pomptifieando-so lambcmi, a ir
as casas particulares e collegios nos dias
que para isso lhe designaren).
Escravo
Na ra Direita n. 2, loja de l'unileiro, ou no
povoado dos Montes, precisa o abaixo assignado
entender-se com o Sr. Manoel Calisto de Souza a
negocio de seu interesee ; isto no praso de tres
dias. Recile 18 de maio de 1869.
Pedro Duarte liodrigus Fianca.
Na ra do Queimado n. 1, precisa-se fallar
com os Srs. abanto mencionados-, a negocio de seos
interesses :
Manoel Pereira de Andrade.
Frederico Antonio le Mello.
Joao Antonio de Mello.
Marcelino Antonio Pereira.
Jos Flix d'Oliveira.
Eli* l'ereira 'encalves da Cunha.
Dr. Candido Gafdo Lima.
Antiniio Bernardo dos Santos Jnior.
Antonio Mximo do Barros Leite.
Hicardo Pereira do Nasciniento.
Jos Leandro Martins Fil^ueira.
Jos Maria ie Vasconcellos Bourbon.
FranceliHo Unningos de Moura.
O abaixo asignado, socio da firma commer-
eial de Andrade & Mello, ettalielecidos na ra do
Crespo n. 18 decala que nao se entende com elle
o chamado por este jornal;. ra do Queimado n.
1, e sim cora oOiro de igual mime. m
Joao Antonio de Mello.
MARTIMOS
A Cojmtunbia Indemnisadora, e
aeata praea, toma seg
navios e "settt caw*g*Bentos e c^ontra]
em edificios, mercadorias e mobilias:
roa do Vigario d. i, pavimento lerreo,
ATTENCO
>
Jos Maria Palmeira, tem para vender no
seu escriptorio largo do Corpo Santo n. 4
Io andar.
Fio de algodlo.
>Pedroso.
Panno de algodo.*)
La barriguda.
Cotia.
Galha.
Caparos.
Oleo de linliaga.
Sag em garrfoes.
Vinho" Rordeaux, superior qualidades
} gart-afts grandes, eaixas eduzia.
Ervilhas francezas em latas.
Vinho do Figueira em-barris
mais superior que vem ao mercado.
Salitre.
ERXofre.
Fio de relia.
Cnen portland superior.
Dito romano dito.
AMA.
Precisa-se de urna muJhor que saiba engommar
para urna casa de familia : a tratar na ra da
Gadeia do Recife p. 18, 2' andar.
Coilegio de Santo Amaro, i ra do Com-
mercio n. 8.
O abaixo assignado prewhie que ninguem
pode fazer demarcaeaoJVoni os sitios de matias,
Cacimbas c Descanso", no lugar da Huir, fregue-
nia do* Afogados, pertoncties viuva de Antonio
Alves Ferreira, sem qiw a mesma sehhora seja
ouvida ou o abaixo assignado, e para evitar duvi-
das seaz a presente declarado ; cujas trras se
achanrtiypothecadas ao abaixo assignado por urna
escriptura publica, passada em 26 de agosto de
1837, a qual o mesmo abaixo assignado vez ver
por este Diario em outras ofraslow. Recife 16 de
maio de 1869.
Antonio Pereira de Oliveira Maia.
Oozinheiro.
Precis-se alugar ur cozinheiro, que d
Precisa-se alugar um escravo das 8 horas da
manhaa s o da tarde : na ra da Cruz n. 4G.
1" andar.
----------,--------------------------------------------------Z________^.______________________________________
Precisase de um homem para feitor de en-
genho : a tratar na ra do Ouro n. 32, casa com
porlao de ferro.
CASA H FORTIIT
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A. ra do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
lo felizes bilheles garantidos 1 meio n. 2080 com a
sort de 700,1 ineio n. 3581 com a sortc de SQiJt
e outras mudas sortcs de 100?, 05 e 20 da
lotera que se acabou de extrallir em beneficio
da matriz de Vilia Bella (lOii^ convida aos pos-
suidores a virem receber seus respectivo? pre-
mios sem os desrontos das leis na casa da For-
tuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2' parte da lotera a
beneficio da matriz de Buique (107), que se bx-
trahir.
Precos.
Bilhetc. .... 4*000
Meio. '. ; 2000
Qurto..... U000
Em porcae de 100* para cima.
Bilhete.....3/500
Mei. .' ; IJI730
Qurto..... 875
Manoel Martins Fiuza.
Catxeiro
Precisa-so de um pequero de 12 a 14 annos,
brasiloiro ou portuguez, que saiba ler e escrever,
e que dd eonlieciroento de sua conducta : na ra
Direita n. 4S, loja.
Furiaraui do eogenho Cachoeirinha, aVco-
marca de Santo Antao, na noite ce 17 para 18 ii
corrente dous cavallos, sendo um com os signaos
scgiiintes : russo pedrer, grande, j velho, castra-
do, olhos grandes, frente aherta al a venta, sen-
do o beioo inferior tambem braneo, eom as ini-
ciaes MCA entrelazadas em cada qurto, e con
mais tres ferros differentes*: o outro .Ustinlio
escuro, andador baixo, com urna estrella na testa,
castrado, sarnelha grossa, e com urna bexiga no
espinhaco, tem osle farro _. na queixada direlta, o
mais ouiros ferrts aue se nio sabe. Esta oavalbs
suppoe-se terem sido furlados por dous ndlvidu >s
um de nome Joaquim de Siqueira, e ouiro con o
de Jos Pereira, sendo este caboclo, baixo, jtosco,
. cabellos corridos e .sem barba, e aquele same-
conhecimento de sua conducta ; a tratar no- <>r*n, a&wo, secco, se.m barba, os quaes ha eerca
deum mez esliveram emigrados no referido enge-
nho, e se diiam moraflofes o lugar deaommado
bravata, perto da serra Arafiae, comare de Ca-
brob : pede-se, pois, as atrtorhfates dadnall* co-
marca, que se sirvam de procedar contra-* |e;-
ridos individuos, e apprehender ditos covalto,
jas despezas Itrio lalaiMUl pel abakio ai
nido.
Engenho Cachoeirinha, 19 de maio d L
Uanor Cavatcanti d Albuquerque Juho:
Na reflnaca.o da ra do Hangel n. 43, preci-
-sesa de trabajadores para a mesma.
Pede-se a" pessol nuftciou dar a
quantia de S0:000j a premio, queira indicar sua
morada para ser procurada
ORerefie-se nma senhora portngneza para
engommar e costura para oasa-de famifca; na ra
das PTorof tt 8. _,
Preeisa-sa alugar um prcto velho
T L G 0 do pao do Carmo n. 3. _______
- Precfsa-se de um fKftr : a tratar no Mon-
leiro taberna fio Sr. Nicolao ou na roa do Crespo
n*3.
na botica
39 Quem precisar de urna ama, principalmente
para casa de homem solteiro, a qual coriata, en-
gomiua, etc., dirija-sc ao pateo do Ter{o*n. 28, qne
achara com quem tratar.
-
is-f.
Vende-se em casa de Olircir.
Filhos&C largo doCofpo
Anda restam algumas collecgoes de
Biographias de alguna poetiA, e outro6 l>-
mens Ilustres da provinciaePwnambuco,
tres tomos escriptos pelo commendador A.
i, de Mello: ra Augusta n. 94.
Sanio n. W
Libras esterlinas.
Vinho moscatel de Setubal.
Potassa da Russia, em barril
ditos.
Can perior qualidaoV
Panno do algodo da fabrica de Fri-o
Velho, para saceos e roupas de escravos.
e iSeios
-"
"*


Diario de Pernanibuco Sabbado 29 de Maio de 1869.
V 9
CONSULTORIO MEDICO CIHMKO

DO
DR. P. A. LOBO M0SC0S0
3Ra da Gloria sitio do Fundao3
Consultas todos os das desdo as 7 horas da manhaa at as 11.
Visitas em casa dos doentes de 11 horas era diante, em caso urgente a qualquer
hora do dia ou da noite.
Nao se recebem chamados se nao por cscripto em que declare o nome dapessoa,
toda ra e o numero da,casa.
Especialidade em partos, operare?, molestias de mulheres e meninos.
Cura radical das molestias venreas, e dos cstreitamentos da uthera. '
Curas radical das molestias do tero, como ulceras, flores brancas, amenonia,
vegetares e catarrho, ote etc.
Hecebe-se cscravos para tratar de molestias ou praticar-lhes qualquer operaco
cirurgica. Diaria 2&000 excepto as operaces.
Os melhores remedios homeopathicos conhecidos. e por precos muito cora-
modos.
III1110
Na antiga fabrica de fogos de artificio da viuya
Hulino, existe um completo sortimento de rodi-
nhns, craveims e pistolas, objectos propnos para
os festejos das imites de Santo Antonio e S. Joao,
tudo por coramodo prec.o, e como soja a fabrica
distante- da cidad.-, as pessoas que quizerem fa-
zer suas eneoimimndas, podarlo leva-las no arma-
zem da bola amarella, no oiao Ja secretaria da
polica, onde tambero achara a3 amostras.
Ama
fceisa-sc de una ama liv're on escrava para o
^o de cozioha : ua ra do Queiuaado n. i,
andar.
Precisase arrendar ou alugar um siti
qualquer dos arrabaldes desta cidade, que tenha
baixa de capira ou terreno proprio paia o mi
' XAROPE PETORAL
DE
RARO M TATII
EMPRSTITO SOBRE
ESMERALDA

(SEM LIMITE.)
Na travessa da
das Cruzes n, 2,
meiro andar,-da-sc qual- B
qncr quantia sobre 011ro,
prata c pedras 'preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
gov.'rno, est as condir;oB de ga-
rantir a tr.iQsaego que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e telo
I e considerado s pessoas que se
S dignarcm de honra-lo em seu esta-
2 belecmenio.
Na raesma casa compra-sc ouro,
9 prala e h; liantes.
m mmmmm &em w$&
Pars, 36,RaaVivienne, D'
CHABLEMDECIN
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimeno de joias as mais mo-[S
dems e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciosas
\. 5Rll 00CABUG\5-
DEPURATIF
iu SAJMG
16RA DA CRUZ 16
Ha diariamente sortimento de boluhos para cha, podas, pues de l, bollo inglez'
presuntos, ditos em feambre, pastis de differentes qualidades. Amendoas confeitadas'
oonfeitos, papis para sortes. Vinhos fiaos engarrafados, superior cha Hisson, preto e
miudinho, fruta em xaropes, ditas seecas e christalisadas, assucar candi, xaropes refri-
gerantes.
Receb-s enconunen las de baadeijas para casamento, bailes e baptizados, com
bonitas armiroes de aducir, sendo estas preferiveis asdepapelo: figuras anlogas,
bollos etc., pies de lo enfeitados, qualquer encommenda para fura ser bera acondi-
ionada.
BASENFERHIUADAS DESSKXUAES, AS AJFH>
COKS ITJTANEAS.E ALTERAgOESDO SANGUB.
|i0000curasdasimptnynf
imstulas. herpes, sarna
comixoet, acrimonia, e al
[lercoes, viciosas do san-
_jue; virus, e alteracoct
do sungas. (Xarope vegetal sem mercurio|.i-
tmtivma vegetatea hatiio MIHBRAE*
tomao-se dous por semana, seguindo o iradamente
Deiwralim : i embregado as mesmas molestia.
Este Xarope Citracto d
ferro de CHABLB. eun
immediatamenieqnalqoer
purgacao, relaxacao,
# debtlidade, igual-
mente os /lusos e flores brancas das mulheres.
Esta injeccao benigna emprega-se com o Xarep di
Citracto de Ferro.
enierruas. Pomada (roe aa cura em tres das,
POMADA ANTIHERPETICA
Contra t as affeccoss cutneo* e comixoU'
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do av Cb.ble. eada frasco Tai aceonpahade 4*
m olheto.
PLUS DE
COPAHU
. PLANTA DO.BRASIL
E expectorante e recommendado has
Knattn^Sftt "*** coadi^Ci' Uir*l--'! Precisase de urna ama para casa de peque-
a familia : ua ra das Cruzes n. i.
COMPRAS.
Xa praca da Independencia ji. 33, luja de ou-
nves, compra-seouru, prata, e pedras preeiosas,e
uniliem se faz qualquer obra de encomineuda, e
toao e qualquer concert.
Compra-se
urna balauca decimal eiu segunda mo : na ra
do Livramcnto n. 31.
Compra-se
ouro e piala e pedras preciosas,
da Coneicao, na loja de ourives.
cife.
no arco
no Re-
OURO EFRATA
Compra-sc moedas de ouro e prata e
bem como libras slerlinas, na ra do Ca-
bug n. 9-, relojoaria.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vanlajosos do
queem oulra quali|uer parte.
moplise, e tosse chronica.
PREPAUADO POR
JOAQUIM DE ALMEIDA PINTO
PHAnMACEL'TIC "
Pernambuco ra larga do Rosario n. 10.
Balancias
borisontaea de 3, 10, lo e 20 kilogrammas, pisos
de ferro e latao para as mesmas : vende Rocha e
Silva, ra da Cadeia do Recife n. 38, arniazem.
00Q
000*9
OOOtfS
OOO-'
0Of)fG
ooors
OOO'f
008
00
0)9
00
I
y
T
O
SI
SI
o R II o o B
?'V6'0
y'vs's
p 'a : 'v l 'o l 'l
? 3 9 B
9 'I.9 'V 9 '9 r
? y t; 'i:
? i'f* '*
R 0 I SOJ0UUIN
o:Vjh cyuopi)iuijn{) op vn.i
ou opSisodxj jp xtxft op sojouog
x
Ruado Queimadon, 49 c 57 loja
de miudezas de Jos de Azeve-
dv Mam e Silva conhecido pur
Josc Bigodinho.
Est (jiieimando tudo quanto tem em .eu
estabelecimento para acabar e tozornovo
sortimento, pos isso queiramvir ou manjar
vero que borne barato.
Garrafas com (agua florida ver-
dadera ...... 0G
Garrafas cora agua divina dame-
Ihorqiialidade ijBOO
Latas cora superior batiha l'ran-
cewui ....... #200
Caixascom l frascos de cheiro
proprio para mimos ">O
Dita comjo frascos muito finos 80O
Oleo baboza muito fino que I i
a vista o .....
Sabonetes de clunga muito bo-
nito
Cacas
i
de
de arroz muito
Compra-se moedas de our c prata, beta
como libras slerlinas por maior prego que
cm outra parte: na ruado Crespo n. 1G
primeiro andar.
Com muito maior vantagem
Compra o Corarao de Ouro, n. 2 ra do Cabu-
g, moedas de ouro e prata e pedras prec/o-vi?
En casa de Theodoro Simn & C.
compra se a bom premio moedas de prata
do cnnho vellio: Recife, largo do Corpo
Sano n.'ll.
Bzerro.
DO litio A
Compra-se um bezerro pequeo
Giriqui, iravessa dos Pires n. 0._______________
~ Compra-se urna conimoda de Jacaranda em
boa estailo : na -aelnistia to Curpu Santo.
Compra-se urna e-crava de meia idade, que
nao tenha virios nem achaques, e me saiha cosi-
nhar : na ra de S. Francisco n. 70, taberna. .
VENDAS.
Sapatos de borracha
para seuhoras e rapazes a i8) : fia ra Direiat
! n. 4a.
LlfilIBAliB
.Na ra de Apollo n. i3, 1 andar, venden;
se saceos com farinha da tena a 5'3, bons saceos.
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANCARD
ni
COM IODURETO DO rERUO INALTRAVEL
APPROYADAS PELA ACADEMU DE EDICINA DI PARS, ETC.
' Possulndo as propriedades do lodo et do forro, convem espacialmente as AmccoS
scbofulosas, a Tsica no principio.a fraqvexads tsmperamtnta a Umbem nos casos da
Falta m cor, amenorrhea.ooj que precisabagir sobr o sangub seja para restituir
lha a sua riqueza e abundencia normses, ou para provocar I regular o sea curso penotteo.
N. B. O io Irritante. Como prova de pnrexa de anlbencidade da* er 4e Blaacsrd, deve-s* exigir nosso ello 4e prata rractiva *
aosso Orna, aqni reprodnzida, que ae acha na parta inferior da asa
retula verde. Deve-ie desconfiar daj (alsificacoea.
Aehaa ca ted aa aharamreUa. Pharmaceutieo, mi <
W tala* <
^^ nosse
NA NOVA LOJA i E\ \Y) CftESPD l \l
AnlNnesijiiimaros^O.
Estovas da India e baloes de todas as
qualidades.
Cambraias de cores, percalias, finas bri-
lhantinns de cores, lanzinhas de todas as
qualidades, etc. etc.
Ricos corles de seda de cores e pretas
lavradas.
Ditos ditos de cambraiu branca bordada
para casamentes.
Riquissimos cortes de vestidos de blond.
Poupena de seda, nuvo gotq no mer-
cado.
Damascos do daat larguras de todas as
cores.
Saias bordadas de novo gosto.
Camisas bordadas para seahora.
Rasquines pretas de seda.
Casaquinhos do oatimira .le edr de novo
gosto.
Ricas colchas de seda adamascadas.
Ditas adamascadas de cores.
Alpacas lisas de cores novas.
Ricas fronhas, lencos, randas e bicos
bordados.
Rramantes e brettmbas finas e muitas
outras fazendas que seria enfadonho men-
cionar.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por exceflencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escirros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEMDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Rartholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
0 MUSEO DE JOIAS
C/2
GOMES DE MATTOS IRWIOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propon?oes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mak elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQ0S DE BRILHANTES. ESMERALDAS E RUBIAS
de noTos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortmwnto de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garanteua
a qualidadle dos objectos vendidos.
2HULI 1)0
IScononiia. iitilidade e moderno
mercado.
Cambraias de cores, varieda-
des em padrees, covado ..
Ditas de cores finas moder-
nas, covado......
Ditas de cores finissimas,
miudas, covado.....
Ditas de flores grandes e listras
modernas, covado ....
Collerinhos de linho diversos
gosto, um.......
Ditos de dito rauito fino cliega-
dos no ultimo paquete um
Alpacas lizas de cores muito
finas, bons gostos, covado .
Chitas escuras muito largas,
bellos padres, covado.
Ditas coloridas miudas proprias
para familias, covado. .
Ditas escuras econmicas, co-
vad......*
Ditas de riscadinhos, varieda-
de em padroes, covado.
Ditas escuras boa composicSo,
covado .......
Ditas claras econmicas, co-
vado.....
Ditas escuras e claras, covado.
Libras^ternas
Vende Joaquim Jos Ramos, na ra da Cruz nu-
mero 8.________________________________________
Ps'cte coqueirs
a 300 rs.; o melfcor tempo oara plantar, e com-
prando mais de cem tem o descont de dez pw
cento : na ra Direita n. 45, loja._______________
40
300
400
'500
400
600
800
400
400
360
360
320
340
280
Vende-se um ca7aUo, novo, andador banco
por commodo preco : na ra do Raogel n. 39 se
dir quem vende, ou na ra Impenai n. 173r
Retroz
0 MUSEO
Tem para vender Joaquim Jos Gon$alves Bel-
irao, no sen escriptorlo, raa do Commereio nu-
mero 17._________________________________
" MOLEQUB A' VENDA.
Vende-se um bom moleque de idade de 18 ou K
anos, e com principio qe conba a Uattr na
ra estreita do Rosario n. 3.____________________
Vende-se urna estrava de 2J anuos de iJade,
com habilidades, cozinha, engomma, cose, c taz
loce. tudo com perfeicSo : a tratar no patee- do
n.
Vendera Angosto F. de Oliveira & C. ra
Commereiot n. 12.
S no Bazar da Moda
RA NOVA N. SO ESQUINA DA DE SAN-
TO AMAO SE VENDE:
l*ara senhoras.
Lindos leques. a imilago de san talo a
2 e 24500 rs.
Ditos, com lenlijuelas fazenda fina a 3#
e 4000.
Ditos elsticos, a imitarao de marfim, l>(>,
9,5, ll|c 15*000.
Coques da ultima moda, lizos e comie-
des de conlas a U, 3^800 e 000
Ditos com lindos enfeitcs a 4, 'if'iOO,
(5 e y/5500 rs.
Ditos com botos de flor de laranja para
noivas a 5.
Ditos de cachos (alta novidade em Pa-
rs!) a 60000
Lindas chapelinas de palha da Italia e de
fil de seda, guarnecidas com ricos e ele-
gantes enfetes ultima moda a 15$, 18,5
8 200.
Chapeosinhos de velados de lindos mo-
delos a 150, 18?$ e 205000.
Ditos de palha da Italia muito bem en-
feitados a 1211, 145 e 153000.
Ditos de pennas (novidade) para senhoras
a 174(000.
Gorrinhos de fil preto para luto a*0r5.
Chapeos de palha americana enfeitados a
4)5500 rs.
Ditos de seda para sol fazenda boa a
5,5,6,5500, 104 t 11 000.
Basquines de guipur branco bem eufei-
tadas e molde ultima moda a 15,5, 184
e 204000.
Ditas pretas com ricos enfeites de vi-
drilhos a 184 e 204000.
Sintos ricos de setim' com lagos a 54,
64, 74, 84, 104 e 124000.
Urna linda e rica guarnigo cor de rosa,
a Mara Rosa, (alta novidade) por 28400.
Grinaldas de flores muito lindas 5/5, 64,
74 e 84000.
Capellas de flores de lanrajeiras para
noivas a. 44500 e 500O.
Especial sortimento de gravatinhas para
senhoras. _
Sintos de palha muito lindos a 34000.
Luvas de pelica a duqueza, brancas, de
cores e pretas, o par 34000.
Blonde de seda preto e branco com sal-
pi os e ramagens, o metro a 24500, 34,
44800 e 60O0.
Enfeites de palha muito lindos para co-
ques a WoOO e 24000.
Guipur preto e guipur branco, fazenda
nova, para capinhas, corpnhos, basquines
etc. etc. benitos padres, o metro a 34000,
34500, 44, 44500, 54, e 64-
Grande sortimento de bicos e rendas de
guipar orticos, e pretos com fio de seda
fazenda superior, de diversas larguras e
precos muito baratos.
Espartilhos brancos e de cores muito
bem feitos a 34, 44. U, 54500, 74 e 84.
Enfeites para cabera especial sortimento,
7484e 94000.
Mejas croas, fazenda superior, o par 24.
Corpinhes enfeitados de delicados gos-
tos a 164 e 18*000.
Meios corpnhos de fil preto e branco a
24500.
Lindas e ricas guarnieses de cores i*
premplas-para .vestidos a, 104, 124, 144 e
154000. '
Borns de I5a e seda, moda elegante a
204000.
Cachins de 13a de cores a 54, 64, e 84-
PARA HOMENS.
Chapeos de sol, fazenda' superior a 84.
104elfitf000
Chapeos de castor branco, fazenda lina,
e forma a moda imperial a 114000.
Correte de plaqu iguaes s d'ouro urna
por 84, 104 e 124000.
Bonganhas de canna cora cast5o de
marfim a 44 e 54000.
Ditasd'aco e lenhadas ultimo gosto a 14.
Ditas fantazia muito lindas a 14500 e
24000.
Bengalas fortes (para dar no Lpez) a
24e2dBO0.
Chicqles para montana, de 14 a oi>000.
Camisas com peitos e collarinhos de li-
nho deitedos muito bem feitos, ns. 38 e 39
a 54000.
E miitos outros aisigos tanto para ho-
mens iomo para senhoras e crincas
assim emo um completo e especial sorti-
mento de miudezas, ludo recebido de cas-
to projrio, e se vende nnis barato do que
po
superior .....
Pecas de bajjadinbo com lo
varas ......
Caisas redondas emilando lar--
taruga .- .
Pecas de lila d cus qualquer
largara .....
Escovas para unhas muito li-
nas ......
Escovas para denles fiueoda
muito fina .....
Palceiras.de contas de.cores
para meninos .
Guixas de linlia branca do
com 50 novel los .' .
Cafcae de linha branca do gaz
com 30 novel los ;i .
Pegas de tranca lisa de todas
as cies ...
Resmas de papel paulado muito
lino ......
Pares de boles para pannos
muito bonito .
Libras de la na' a bordados de
de todas fs cores .
Pentes com costas de metal
muito linos .
Novellos de linha muito grande
para croxa ....
Dazta de linha froxa para bor-
dado ......
Grosas de boles madrepcrola
muito lino _k.....
Sabonetc muit'finos 60, 120,
160, 240 c.....
Pecas de fita de la lodas as
cores ......
Espelhos dourados para pared.'
14000 e .....
Espelhos de Jacaranda muito
tino .......
Pegas de trangas brancas e de
cores de caracol i
Pares de meias croas para me-
ninos a......
Caivete muito fino cora 4 fo-
lhas a
Cartilhas da doutiina as mais
modernas .....
Frascos de sndalo e patecholy
muito tinos .
5U0
ftie
*:;oo
506
'
l
4000
,5040
;> 120
8-i 00
0320
4480
SSOO
:
24000
0060
9320
!
I
Tabellas vermicidas
DE -
Antonio Nunes deQastro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, e j pela fcil applicaco as crearlas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Barthomeu C.
34Raa Larga do Rosarlo114
Librase ouro nacional, moedas
de 5 francos.
edoende-sc no arco da Coiiceicao na loja
Vurives, no Becife.
FOliO FOO
ra Direita n. h.
Ha para vender am completo sor-
timento de fogos arlificiaes, tanto
para Sras., como para enancas, pis-
tollas brancas e de cores, com 3,
4, 5 e 6 Dalas, fontalnas, cravei-
ros, rodinhas singellase dobradas,
foguetinhos, buscaps, illumina-
Ces bales de seda de 2 pasmos de
altura etc, etc., feito por um dos
melhores artistas deste gonero.
Tambera ha para vender salitre, en-
xofre, breu, fio, facas e garlos
de diverso precos e qualidades,
"bandeHas fina&./pad^adas. eovaes ;
alwn da grande sortimento de fer-
ragcfls, noadezas, estelarias e trem
para cozinha, ele, etc.
Kua Direita n. 53,1 oja de Manoel
Bento de 0. Braga & C.
Atquechegaram
SYSTEMA DESSIMA i,
Grande factura de pesos kilogram-
mas em serie completa de todos
es tamanhos, melhores de com
prehender do que os que at hoje
tem vindo ao mercado, chegaram
smente para a loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga A C, ra
Direita n. 53, e com diminuicSo
d$ precos, veabam em lempo.
em qualquer parteno Baa da Moda de,
i&E' DE SOUZA SOARES & C.
Novo livro de sortes para
S. Joao e 8., Pedro
A Pytbonissa de Endor* inteiramente
inditas einteressaates, a 640 ris o
emplar, ra estreita do Rosario n 1,
typographia de GerWo de Mira, na en$a-
dernacSo parisiense ra do Imperador lg a
livraria econmica de Nogueira Medeifps
a ra do Crespo n. 2.
s parle da casa terrea na,ja do Quiab n. 4,
bairro daBoa-VIst, e odorto da entra psrte tam-
If imfo' a trawr oocHUnad Luttda'Vrtga.
Vap-Hhi f*M *) rt*HM, lio: na-riM-do-Padr* Ftoriano..H,>iawhr.
Oueijos do serto
Vnie-se qaei)8do eertio do Serid : a ma
Horus n. i.
Eneanamento de agoa
e gaz.
Cnode ferro estanhado e com porcelana, ditos
de chufeo de todas as grossaras.
PaBos pelo nov sistema
Ternm'Sos novo pesos completas e a retalho :
venda, roa do Qaeimado, Aievedo & Irmao.
COKFE1TARIA
CAF FRANCE:
15Ra da Imperatnz4P
rfoirnur ^ ae maio
NOHVt ETES)'
Leite de venus e crenit* te Bompdcli(



o
Diario' de Pemambuco Sabbatlo 29 de Maio de 1&69.
? *
P
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARHACBUTICO, S, BUE OES LIONS SAI NT PAUL, PARI3.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
Con IODURETO de POTASSIO
0 Iodoreto de potassio 6 um vi'rdadeiro alterante, um depurador de inconlcslavel.cffi-
cacia; combinado com o xarope de cascas de laranjas amargas, e aturado
sem pcrturbacSo olguma pelos temperamento* os mais IracGs, sem alterar s funecoes
do estomago. Asdoses milhcm>ilicas que elle rontem pcrmitlem tos mdicos de receital-o
para todas as compcacocs as alfcrci-s escrofulosas, tuberculosas, cance-
rosas nos accidentes intermitientes e terceiros; alcm d'isso, o
agente o mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVGSO
de cascas de laranjas amargas.
35 annos de successos attestao n sua cfli-
cacia para curar: as doencas nervosas,
agudas ou rhronicas, si guttrius, gastral-
gias ; e facililur a digesto.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e quassla amarga.
E' sbb k>rma liquida que mais fcilmen-
te se assinia o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulasc pastilhas en todos os casos
em que s5o prescriplos os ferruginoso.
DENTFRICOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO E GAIACO
Elixir denlricio, para a alvura C COn-
servacao dos denles, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
coutado do calor ou do fri
Po dentifrieio, com base de magnesia
para a alvura e conservacao dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducSo.
Deposito em Rio de Janeiro, E. ChcTolot; cm Pernambuco, r. Unnrer e c' em llaceio,
miro Da; em Pelotas, Antera Lclraa ; em Uahia, > llorha; em Porto Alegre, Jos
lidio; em Jfur.in/ i rtna, 8. schutel; em Montevideo, G- liubert; em Duenos-Aijres, Elcheparebardm.
i*"-- V I---I-. -
.Jte
WW.'.->.
CARVAO
BEILQC
Approvado e recommendado pela Academia imperial de medicina de Par para a
cura da gastralgia e cm geral de todas as doencas nervosas do estomago e dos intestinos.
eguhiunle o remedio por exccllencia contra a re;enc3o de ven tro Finalmente em
rafeo de suas propriedades absorrentes, recommcii-l.ido como rerdadeiro remetlio nos
caaos de diarroei e cholerjna. o rurvoo iu iteiiuc toma-te na occasiao das comidas
sob a forma de pOs ou de pa-tillias.
Depotito en Rio-Janupc, DitpoiieheUe; Chevolot. Em Puuaitcco, Kaurtr i C1'.
Superiores saiaa brancas bordadas a 8#, G-l 8.-> c 105000 cada urna.
Ditas de cambria de escocia transparente j:i feitas a C^OOO cada urna.
Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Crrela de
Vasconcellos & C.
Os verdadeiros COLLARES ROTES, os nteos approvados pela
a Academia de Medicina, tem assim como os mcos oulros productos
atlrahido a rapidez dos falsificadores, que para facilitar sua crimino
industria nao sepja, nem receia nnunciar vender falsos Collares
COK mbv home. En previno as ramillas para inlert-sse de sem Sitios
que, para evitar falsificaccs, devem exigir, que meus Collares Ibes
sejao vendidos em caias de lambas de encaiie e corredias enhenas
por 4 ettiquetas com a niinha marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalba com o lettreiro.
C0L1AB BOYER, Ru St-Iartin, 225. Parij.
VEGETAL AMERICANO
E SAUDADE
BA RTHOLOMEO *C
I'ara a cara certa iu losses antigs c recentes, citarrhoj pulmonar, asllima; tost convulsa, eaUrruts
broBchiu, o em goral contra todos os solTrmeolos das vas respiratorias.
DEPOSITO GER1L
BOTICA. 3B3 DROGARA
34, RA LARGA DO R0ZARI0, 34
PERNAMBUCO
A tlierapeatica das diversas molestias do peito,desde
a pharyngite ou mal da garganta at n tDercutacao
pulmonar, passaado pelas diversas bronchiles catarrhars
e o emphysema acaba de ser enrequeclila com mais
este meilicamenlo, que tomar a primeira ordem entre
lodos al boje conheridos. O xarope Vegetal Americano,
garandado puramente vegetal, nao conlm em sua
i omposc so um s6 alomo de opio, e sim somenle sue-
cos de plantas indgenas, cujas propriedades benficas
iu enra da molsuas que perlencem aos orgos de res-
pirarlo foram por n6s observadas por longo lempo,
com ptimos resultados cada vez mais crescenies; pelo
que nos julgamos antorisados a compor o xarope que
agora apresentamos, e a oflerece lo sos mdicos e ao
publico, Provamos com os attestados abano o que le-
vamos dito, e comamos que o conctito de que ji gosa
o xarope Vegetal Americano crescera de da a dia,
deixando muilo pos de si todos os peitoraes em voga.
Illm. Sr. Bartli'alomeo *C.-0 xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em sua conceituadissima pharmacia,
um til remedio para combaler i terrivel aslbma.
Sofra eu aquella molestia ba qualro mezes, sem anda
ter combatido os ataques mensaes que tinba ; este ultimo
que tive foi fortifsimo que me prortou por 8 das, usel,
Srem o seu milagroso xarope, tomando apenas tres
ses, a at o presente nao tai de novo atacado. Crasa
Den, que en fique restabelecido por orna vea. Rendo-
Ihe, pois os mcus agrdecimentos por me ter aliviado de
to horrivel mal. Com a mais significativa gralidao,
subscrevo-mc deVmcs. affecluoso e reconhecido criado.
Sterino filiarte.Sua Casa 14 de fevereiro de 1808.
Illms Srs Barlbolomeo & C. Depois de qnasi seis
mezes de solrimeuto com urna tosse incessante, faslio
extraordinario, expectoraco de um calarrbo amarella-
do, e perda total das torcas, que o menor passeio
me fatigava completamente, cansado de tomar milis ou-
lros remedios sem resultado tive a felicidade de saber que
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e com
elle, gracas a Ueus, me acbo restabelecido ba mais de
dois mezes, e robusto como se nada livesse soffrido. A
gralidao me torca a esta declaraco, que podero Vmcs.
fazer o uso que quizerem. Sou com estima de Vmcs.
mullos respeilador e criado. itnlonio Jnaquim ds
Cauro t Silva. Recite 8 de fevereiro de 1868.
Atiesto que usei do xarope Vegetal Americano, de
composicio dos Srs Barlbolomeo k C para cura de um
forte deOuxo qu* me Irouxe urna rouqnidSo. que me neo
taxis edtender, inflammacio e dor na garganta, tosse,
grande falla de respiracto, e iiquei completamente res-
tabelecido com um so vidro do mesmo xarope; pelo
que Ibes'proleslo eterna gralidao. Recife 10 de Ja-
neiro de 1868. Joaquim iVeira Arantes -Jnior,
Eslo recoutiecidoa.
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO. CONSTIPA5AO.
Cura em poucos das peto CARVAO de BELLOC em po ou em paalbas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Essas alpedes sao dis-
sipadas rpidamente pelas PEROLAS ETETHER do D' CLERTi.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os soflriinentosque necessitamdo
emprego dos ferruginosos sao seinpre combatidos com o.mcllior resultado
pelas PILUlAS DE VALLET. Cada l'ilula tiin incravado o lime VJLLIT.
PO DE ROG. Basta dissolver um fiasco d'esle p em mcio
garrafa d'agua para se obtr una limonada agrauavel que purga sein fa-
zer clicas.
VINHO DE QUINIUM de Ubarraque. Este vinho, um dos
poucos cuja composigo garantida constante, e urna das nielhores pre-
paracoes de quinino, sem accio notavel sobre os convalescentcs, dando- -
llics torosa e apressando volta a saude. Cura as febres antigs que re-
liaMaB ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas moles-
tias, como as sciaticas, lombagoa, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sio curadas pelas penlas de essencia de thebeb mtina do
Dr. Clertan. O profesaor Trousseau em seu Tratado de tierapeuiica acon-
selba as para seren tomadas na occasiao do jantar, na dse de 4 i 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.
Garantido puro e de primeira qualidade, um dos poucos tprovadoe pela
Academia de medicina
AVISO. Todos estes medicamento* foram aproimdos pela Academia
imperial de medicina de Pas.
DEPOSITO
Esa Varia, X. rRERE, I8, raa Jaech
Rio-Janeiro. Dutonchelli ; Hermus } Pernambuco. Mcseii et C*.
fkaaoari.
Dalia.....WatC".

Cean.....Icium et C*.

CURAS IMPORTANTES
Do xarope VeetT7\mercano especialidade de Bartholomeo&(>
34.RUA LARCA DO ROSARI0.34.
No costumamos procurar attestados para acreditar
nos-ns preparados, e deixamos que sua applicaco e Os
resultados obtidos pelaspessoasque sedignsramaceeila-
los. Ibes deem crcJito e voga ; porque sio sempre os
attestsdos considerados grstuitos, e de>s que lance
mi o charlatanismo; mas n querendo oflender as pes-
soasque espontneamente Dosoffereceratn.os que abaixe
vio transcriptos, os fazemos publicar manifesiaudo-lhes
nossa gralidao pela attencio, es| lies corroborar o conecilo, acceilscfto que tem mere-
cida nosse xarope. Uanholomeo k C,
attestados.
Illms. Srs. Barlbolomeo kC.t com a mais subida
satisficao que declaro ser o xarope Americano de urna
efficacia extraordinaria, pois que soffrendo ba das de
intense tosse, 4 nonio de nio poder dormir a noite a
despeito mesmo de medicamentos que lomava, a elle
recorr e na lerccira eolher fui alliviado, a de lodo me
acho hoje restabelecido com o uso somonte de quasi
mcio frasco; grato pois A esse resultado manifest a
Vv, Ss. mcu reconhecimento. Ue Vv. Ss. amigo, ve-
nerador e obrigado. Manoel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa SO de abril de 1X68.
Illms. Srs. Barlbolomeo & C. Penhoradissimo com
o favor que mo lizeum de aronselbaro usa do xarope
Vegetal Americano, de sus composiclo, qnando me
sebera bastante doente de urna conslipaclo, que me
tornou completamente ronco e que irouxe urna forte
tosse. e me irtpnssibililnu de cumpriros meus deveres
de cantor da emnroza lyrica, vou attradecer-lhes mea
completo resiabeiecimenio, que obtive com um so vidro
do m'Smo xarope, depois de baver recurrido a muiloj
tratamenlos. Desejarei que oulros como cu recoiram
ao seu xarope para se verem aliviados de tao terrivel
iucommodn, iAo fatal nesic paiz. Com malor conside-
ra(4o contino a ser de Vv. Ss. aliento, venerador a
obrigado. Luiz Cicmona. Recife '25 de selembro
de 1868.
Illms Srs Barlbolomeo 4C O xarope Vegetal Ame-
ricano que Vv. "Ss. tem exposto t venda de toda effi-
cacia para o curativo d'aslbma, canforme observei ap-
plicando-o a meu lilho Joaqnim, menor do qualro
aiiuns; victima d'esso flagello, que al cntJo por espaco
excedente a dous annos bavia resistido a oulros xaropes
de grande nomeada. Queiram pois Vv. Ss. aeceitar a
exprcssAo sitamente sincera de mcu reconheciinenio ao
meritorio servicn que lbe preslaram com o indicado
xarope, acreditndome para sempre de Vv. Ss. criado,
aliento e obligado. Annrico Netle de Mendoo;a.
lteafe 2 du oulubro de 1868.
INJECTION BROTJ
V
UfglrDlra ,'lulalllvel e Presrrvativa, absolulanientu a ui.iea i|ueeuia tm DOMbum avUva, V. mj
aaa prineipac boticas da mundo. (Exigir a instruceaa da asa). (10 aanoa de eiiaiancia.) Fana, em a>
lavenler BBOO. beakward MageaU. la.
COMPANHIA
Fabrica de lecidos de a gotiao de
Fernfto Velho.
O superior parma dr algodio desta fabrica, rmxi
vanlaio^anii'iuo cotih^cida nesta provincia c Has Peraambueo, Parahyba t Rio do Janeiro, pela stt
perfoica) do tecide, elasticidade c fori;iieza, con-
n;i a ser vendido no eaeriptorio da n>esnia eoni-
panhia praca de Pedro t" desta eidadr, rasa nu-
mero 4.
Alitn de ijie os mimcroso? e mportanlf! senhi-
res de eDgcano, betn como os senjiotis evporlado
res de aosucaij tanto desfa provincia cirnio das
cima nieiiciiniadas, possam com facilidade pro-
vor-se das tnaanfeetnras dt;s!a fabrica, a gerencia
da cotnpanliia amiuncia sjae ba vendo, nos
seguimos lugares :
Nesta eidade nosen eserpfono e as casas dos
Srs. Domingos lo* de Farias c Jos Nunes Ci-
tuaraes. na do Commercio.
Em Pernambucona casa dos Srs. Olivcira, Fi-
laos & C.
No Pilarem casa do Sr. Joao de Albuquerqne
Mello.
Na CaManlia firande em casa do Sr. Norberto
Cavalcanli de Albiiquerque.
Em Camaragibena casa do Sr. Joao Vieira dfe
Lima.
Alem do panno apropriado ao ensacamento do
assucar,\ a fabrica posstte mais urna- qualidade de
panno inui lorie, adoptado ao syslema que tem os
senhores de engenho do norte da provincia de
mandarem despejar nos trapiclics de Pernambuco
o assucar que all van vender, com o que os sac-
eos Serveni pata militas safras.
Para roupa de escravos ou de trablhadore? do
campo, e para toatbas e lenres do servico diario,
lia ama superior qualidade de panno de 28 pulla
adasde largara, muito forte e espesso, parecen
o-se bastante com meia lona. Os precos sio os
mais tuodicus possiveis. Macei 30 de marco de
18)9.
RIVAL SEU
Ra do Queimado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Mata, est acabando
com as miudezas de seus estabe-
lecimentos por tsso queram apre-
ciar o que c bom e barassimo.
Pares de sapatos de tranca fa-
zenJa nova a......2)5000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a......i#500
Duzias de meias cruas para ho -
mem a........3800
Traraoias do Porto fazenda boa
epelo preco melhor 100 attos a
.ivros do misses abreviadas a .
Duzia de baralbos francezes muilo
finos aSIOO e.....
Silabario portuguez com estam-
pas a .......
Gravatas de cores e pretas milito
finas a ........
Duzias de meias para senhora fa-
zenda boa a. .
Redes pretas lizas muito finas a
Cartes com coichetes de lato
fazenda fina a......
Abotuaduras de vidro para colele
fazenda fina a. .... 1500
Gaixas com penna d'aco muito
finas a 320, 400, 500 e .
Cartes de linlia Alexandre que
tem 200 jardas a .
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a......
Caixas com superiores obreias
de massa a......
Duzias de agalhas para machina
Libras de pregos francezes di-
verso tamaito a. .
Livros escripturado para rol de
roupa a. .
Talheres para meninos muito
finos a. ,......
Caixas com papel amizade muito
fino a........
Caixas com 100 envelopes muito
linos a........
Pentes volteados para meninas e
senhoras a.......
Thezouras muito finas para
unhas e costaras a.....
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 .20 e .
Yaras de franja para toalhas fa-
zenda fina a. .
Duzia de phosphoros de segu-
ranza da melbor qualidade a
400 e..... .
Pecas de fita branca elstica
muito fina a......
Novellos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a......
Peras de fitas bordadas com 3
varas a...... .
Ditas de ditas bordadas com 12
metros de 2,5000 a .
Grozas de botes de louga muito
finos a. ...... .
LOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Kb 9 Crespo a* 1
Os propietarios dMtc bem conlieeido estabefe-
cimenlo, alnv dos' n*ai4os objeclos que thiliain es-
postos a apreeiaefw drj respeilavel psblico, mair-
tiaran vir e ataiiam de receber pelo altimo vapor
da Europa nm compIM) c variado sortmento de
linas o mui delicadas espeeiau'dades, as-^oaes es-
tao resolvidos a vender, como de sen costume,
por precos muito barntinnos e commodos para to-
dos, coir tanto que o Gallo....
Milito sopertoits luvas de-pellica, prex, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas o* bonitas ajoHtnha* e puntos para se-
nhora, neste genero o qne Ita de mais moffcrno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e-riqnissimos enfertes para cabt-ps das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com 7Tdr-
Ihos e sem, eiles; esta faaenda; que pode aaver
de mellior e mais bonito. ,
Superiores- e bonitos loques *te madreperoa,
marfim, sndalo e osso, sendo aifaeiles bratieo
com lindos desenhos, e estes preto.
Muito snyeriores meias fio-rle Eseossia para 3e-
nhoras, as qnaes sempre se vooderaiB por 30a*>0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20A,
alm destas, temos lambem geande sortintento de
outras qualidades, entre as quees aigumas muito
linas.
Boas besgalas de superior- caana da India, e
caslao de luarflm com lindas e encantadoras figu
TASSOIRMOS
Tem para vender em seus armazeus, alm de ou-
tros, os seguintes arligos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grevc pautado e liso.
Vinlios em caixas de doze garrafas
Bourgogno.
F.ery.
Mador*.
Hennitage.
Chamblis.
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
- GESS,
Nos armazens de Tasso Irmos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmos
CARRINIIO OE FEllRO
Para servicos de grandes armazens, para remo-
ver Barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
mdico proco de I2000 eada um.
Farinka de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeiraTPon-
tana e grande sortmento das melhorcs marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinka de trigo do
Ckile
Todas novas, Chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso lnnaos.
Cemento hydraulico 12$
O melbor para tudo que sao obras para agua, co-
mo assenlamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, anques d'agua, ele., etc.: em poreocs de
cincoento barricas se fars reduccao no preco : nos
armazens-de Tasso Irmos.
Cemento Porlland
0 verdadeiro cemento Portkmd em casa de Tasso
Irmos.
Grades de ferro, cercas, por-
taras, etc., etc.
De diffcrentfcs qualidades pava cercados de ani-
ranes, chiqueiros para gal inbas-ou jardins : aos ar-
mazens de Tasso Irmos.
Bairris com breu
Nos annazens de Tasso Irniaos. -
CANOS DE BARBO
Nwrua Nova d* Santa Rita, coantiga fabriea de
sabio, ha para vender por pre?o o mais mdico
possivcl, canos francezes para edifleacoes e esgo-
tosdletoda a qualidade, superiores a todos ee-qne
aqui tem apparedo pela sita solidez.
PREgOS.
1400 por cano grande de 1 e meia pollegadas.
l2C por dito ite 2 e tres quarlos de dita.
1 009 por dito de 2enm quartodedita.
500 r-is por pislaleta de 2 pollegadas.
Cotowllos, curvas o eanos de maior grossura,a
vstase faro preco-. Compras naiores de 20O
tem 5 per cenlo ufe descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostra nos aiBHMW
21
A
NOVA ESPERANCA
Kua do Queimado
Advertencia!
2]
Finos, bonitos e airosos cbieotinuos de cadeia e
de oulras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha.
pan segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora o para meni-
nas de 1 a 12 annos de idode.
Navalbas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben) aseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
lahvrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os lentos para o mesmo lim,
Grande e variado sortimenlo das nielhores per-
fumarias e dos melhores e mais couhecilos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitan) a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muit recebedores- destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
eomo ja tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
5200\leiros collares, e os quaes attendendo-se aojim
2||000
assetoe precos
mdicos, muilo conwnientes e proprios para ladri-
Ihos de osinhas em sobrados, peto seu asseio e
evitar a-passagem d aguas para candar :ferior
o mesmo o perigo do-fogo, aos preeos de 30OOOa
15^000 o milheiro: na ra Novase Santa Rita,na
aatiga fabrica de sabao, e compras maiores da 200
se lar 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podent-8e ver as amostras nos araiazens
de Tasso Irmos.
Velas de espormacete verdadeiras para lin-
ternas deoarros: noarmazem da Tasso Irmos.
Vinho do Porto lino superiw: no armazem
de Tasso Irmos.
O melhor cognac GauthierRreres : no-arma-
zem de Tasso Irmos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmos veode-se esleirs da
India de diversos padroes e larguras, par preco
conunodo.
2^80C
.5320
300
4,5000
,J320
-5020
,5100
,5100
040
20000
240
120
240
700
600
320
300
320
160
500
200
60
2500
500
3006
para que sao applicados, se venderao com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista djscbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren)
comprar por precos muito razoave9 loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7._____________
Macar thy
PASTILHAS ASSUCAMDAS
DO
DB. PATEBSON
De liisiiuih e niagnezia.
Bemedio por excellencia para combate-'
a magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu A C.
34------Ba larga do Bosario-------34.
Barato que admira
Quartos de latas com bolachinhas de boas qua-
lidades a l40f*, caixinhas com ameixas, peras e
figos-a 1400, cerveja Bass, Ihlers e bell ingleza a
800 rs. a botija, vinho a 400 rs. a garrafa, azeite
doce de Lisboa a 880, arroz de primeira qualida-
de a 120 rs., caf a 220, sabao a 180 o 220, cha
miudo bom a 3&100, idem grado a 3, alpista a
2i0, toncinho de Lisboa a 440, marmelada Una a
780 a libra, doce degoiaba fino em latas e caixoes
de diversos tamanhos ppr commodo preco : s na
esquina da ra da Penha n. 8.
RU FOFTJLAP.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIRA FREDEItICO & C
Acaba de chegara este mercado urna poma des-
te ptimo rape, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradavel perfume.
E' fabricado pelo svstema a imitacao do Areia Pre-
ta, porm tem sobre este a vanttgem de ser viaja-
do, o que para este artigo urna especialidade.
as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e outras do
imperio tem o Rape Popular sido asss accolhido,
e provavelmente aqui tambem o ser, logo que
seja conhecido e apreciado. Acha-se veuda
por preco commodo, e para quem comprar de 50
libras para cima, far-se-ha um descont de 5 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no escrin-
torio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra ao
Commercio n. 17.
164
Scbonete d&alcat'do.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao bo
acceitac5o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a ura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas af
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartfcolomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
MASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEl
Preconisados por todos os mdicos contra os I
DEKLLXOS, CATHARROS, E TODAS AS
lRRITAgOES DO PEITO.
K. B. O Xarope de Codeina que mereci al
honra, alias bem rara entre os Medicamentos!
novos, de ser rtgiitr$do eomo um dos medica-i
mcnloi oljicioes do Imperto Francs dispensa^
quulquer elogio.
AVfSO. Por causa da rcprehensivel faLsi-l
ficacao que tem suscitado o felii naultado do I
Xarope c mtsM de BeriW somos forrados al
lembrar que este medicameutos tajustamentej
conceituadoS *4
Ti-ndem ca caxin-
lias e fi-sco Inands-
a assigixtora em
frente.
6. fue des coles, e Da Pharmacia Ccuti
de Franca, 7, Hu de Jomj, em Pars, ef
todas as PliarmDcias pi incipues do Drazi!.
Miieliinas de descarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudieara e quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a maeninismo menos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, o
facilidade no trabalho, nao quebrem a libra da lia,
para que essa possa oblar-nos mercados europeos,
a difTerenca que ha entre o algodao descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que esto ti-
rando em dcuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao- pude competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se toraam as mais propinas para o
nosso algodao, porque ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da IM, que limaa por
ella, e qualificada na Europa a par da meltr bo-
landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
ritan adoptadas no Egypto, aonde as da serrote
foram inteirameBte abandonadas, e por isso o algo-
dao daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a o por
0/0 mais do que o nosso : vendem-so a 130/000
nos armafens de Tasso Irmos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de TassoJIrmaos.
Charutos da Havana.
Exfolenles charutos da Havana e por baralissi-
mo preco : em casa de Tasso Irmos, ra da
Amorim n. 37.
Eelogios de ouro.
Relogios de ouro de patente com balanoo de
chronometro do faraigerado actor John Rogers, no
escriptorio de Tasso Irmos.
Pianos inglezes.
Pianos inglezes do bem conhecido autor Charles
Cadby, no escriptorio do Tasso.
Ac de milao.
Nos armazfns de Tasso /rmaos.
BARRIS DE SALITRE
Nos armazens de Tasso Irmos.
CARNAUBA
Yende-se superior cera de carnauba em de
cas, por preco mais barato do que em outra quas-'
quer parte: na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pon ada gal onpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo A C.
34-------Ra larga do Rosario-34.
A Nova Esperanca, na do Queiinad
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem-
po cm que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao rcsneitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forcm venham ser fregue-
zes, em tempo lo opportuno quando i
NOVA ESPERANZA convida-os pechincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falla aonde e a quem...
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
goslo e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com seus fre-
guezes" o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)
Nova Esperanca ra do Queimado n. 21.
alm do grande sortmento que j tinha,
acaba de receber mais o seguintc :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperoa.
Papel e envelopes bordados e matt--
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos
bandeijas.
Brincos pretos eom dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de 13a, para enfeites de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes novos-
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos com- pingen
tese-sem elles.
Luvas de pellica, camurca e excossia.
Finas meias d seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leque de raadreperulaj mar-
fin, osso e faia-.
Espartilbo simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo sortmento de
miudezas ra do Queimado n. 24i na-
Nova fisperanca..
Collares anodinos elleHro-magnttt
ca contra as convdeles das
creanca.
N5c-resta a menor duvida, de que mnito
collares se vendan por al intitulad o*
verdaderos de Royer, e eis porqae muitOD-
pais de familias nao creem (compraadopos/
no effetto promettido.o que s pdeai dar,
os veedadeiros ; a Nova Esperanfa, poru
que datesta a fasificacao principalmwiie ni
que respeita. ao bem estar da humanidades
fez una encomraenda directa destes onllare
e garante aos pais de familias, que sio ot
verdadeiros de Royer, q^ a tantas crean-
cas tem salvado do terrhel incomnodo d
convalces, assim pois fr preciso, qae ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 2J comprarem o salva vida, para soua
fllhiakos, antes que estes sejam aeommotti-
dos do terrival mal, quaado ento ser i-
ficHalcancarrseo efleitt dese]ad9k. embor
sejjian empragados os verdadeiros coliare
de Royer.
FLOffiS
Realmente at'onde pode chegarapet-
ftK'o darte e relativo-a flores^ a Nova Es-
peranca apesr de ter constantemente re-
i*bido flores, confessa que aiBda nSo havia
recebido como as q,ae acaba de reeeberf
nao esageraco ellas confandem-se per-
feitamente com as naturaes, e s3o feitas
com tanta perfeirTio, que prestam-se mt
bem ao mais caprichoso ertfeite das Exmas.
do mais apurado gosto! M esplendido t>
sortimento, constando de modernos ramos.,
rosas, dalias ele., etc.* de lindas coree,
proprias para enfeitar-se coques, vestidos.
chapeos ou outro enfeite eme hbil compra-
dora quizer preparar, assim pois queiram
as Exmas. virem apreciar o jardim da Nova
Esperanca ra do Queimado n. 21, que
es' renlectn de flores.
^vawMto
lERNIZES
de superiores qualidades, a precos commodos : na
ra do Vicario n. 16, Io andar, escriptorio de
Joaquim Gerardo de Bastos._______
VENDE-SE
azeite de dend a 800 rs. a garra-
fa : na ra Nova n. 3.
AZ GAZUZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster 6
C, ra do Imperador, nm canvgamento de bu
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retal ho por menos preco do que em outra qual
quer parte.
Alegrai-vos-myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver deperto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortim nto de
oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
gnons, de ouro, prata, tartaruga, marflio,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melcbior;
assim como binculos de urna a tres mudan-
Cas para theatro, campo e marinha, da ulti-
ma invencao; duquezas, vienezas de 6, 8 e
12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor trou-
xe urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe senecessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de mathematica, barmetros, vidros de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerta todos os objectos
precos commodos e com promptidio ; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gtrth
4C, os quaes vendem preces commodos
garantindo a sua superior qualtoade.
PAPEL
Papel da-impressio formato do Diarto e qtu.-
druplo Jesn, para livros tanto liso como riscado.
carr raisin e Jesu, o melhor possivel em quali-
dade.' venda: na ra do Imperador n. 15, deflrou-
te do' convento de S. Francisco.______________
_ Vende-se a taberna da ra da Cadeia Nov*
n. 7 ; a tratar na ra do Rangel n. 3.
4


Diarlo de Pernainbuco Sabbado 29 de Maio de 1869.
I
i*
I '
I ,
T
i

*>
*
0 cordeiro providente
Ra do Quehnado n. 1 .
Novo e variado sortimento do perfumaras
finas, e outros objoctos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que electivamente est prvida a
loja do Cordero Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade deobjectos, superjori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao so afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray d- Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacao do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello. N
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras quafidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro. ~-
Eritracto d'oleo de superior qualidade,
com escolliidos che ros, era frascos de diffe-
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito linos em caixitiha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca. *
Especial p de arroz sem composicao de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
ras.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
\inda milis coques.
Um outro sortimento de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUN1IOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivellas e fitas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objoc-
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode encontrar ueste
genero, sohresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra do bom
gosto.
E assim amitos outros objectos que se-
llo presentes a quem se dirigir a dita loja
do' Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com, a sua bem
onhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de 12a, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va
riedade de gostos os tornam recomraenda-
dos e apreciados; comprelo pois os pre-
lendentes que sero servidos a ontento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUV.AS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para hornen1
orno para senhoras, constantemente atSiam-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16.
QUE SE LIQUIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEffi
ll-RUA DO QUEINADO--11
AUGUSTO PORTO & C.
- ~ztr3S
CHAPELINAS
DA
DE
FE I/a* PEREIRA DA SIIiVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta xa-
Dital a vir surtir-se do grande sortimento.que tem de fazendas, tanto da moda como le
lei, assim como 'de um grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas qu negociam em pequea escala, Unto da praca como do mat*, aesta casa
podero fazer os seus sortimentos em pequeas ou grandes porc5es, venen lo-se-mes
pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentissimas ami-
ias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
evar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha aberto con-
stantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
LOJA DO FAVlO
Chegou pelo ultimo vapor francez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas casemiras para cal-
cas, paltots ecoletes, tendo lisas, com lis-
tras e com stra ao lado, tendo para todos
os precos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das mesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um lm alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 18$ e 20#000.
Na loja do Pavo ra da Imperatrz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacados, e propriamente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de 18-ji, sendo forrados de alpaca, e de
205 forrados de seda; esta fazenda a nao
se ter comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porm liquida-se
esta .pechincha pelos precos cima.
Laziiihas a 4 rs.
Vendem-se lazinhas para vestidos e rou-
pas de meninos, sendo to encorpadas
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para uuivas, que
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha do mais lindo.
BASQINESde renda preta, c de gorguro preto, o que ha de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bardados.
BALESbrancos e de cores para senhoras e meninas, csparlilhos, saias bor-
dadas, e saias de 13a com barras de cor.
GORGUROde seda branco e preto^iara vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazmas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavita as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
setim e de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas flores,
vendindose cada urna pelo barato preco de
ISdOOO, garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a 20# e 25$, e entre ellas
ha mais do que um modello, tambem tem
muitas de pratinho, proprias para mocas e
meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavo, de Flix Pereira da Silva.
Expleiidido sortimento de
Alpacas tarradas de cores a 56
Alpacas a o60 Alpacas a 560
Alpacas de cores
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e modernas alpacas lavradas
com as mais modernas e bonitas cores,
proprias para vestidos e roupas para meni-
nos, tende entre ellas azul, lyrio, roxo, cor
de canna, verde claro etc. e os lavrores
FARIMIA DE
MANDIOCA
Superior farlpha de mandioca recente-
mente chegjda de aota Catharina, vende-
se apceo como lo a bordo dobrigue alle-
mo Una, funde;!do dt>fronde do Irapwio
do Exra. Sr. jwrao do Livramento; a tra-
i bordo doiiie.iP.o. (uno esrriptorio
Je Joaquim Jos (uncalvcs Hollino, a ra
do Commerao n. 17. _____
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Armo fl Anida Ha tTiQ. Ditos com ditas de velludo, outros im
gna-nonad. ue \jui&- tand0 char3o machetado.
muito miudinhos assentados em urna s como chitas, pelo barato preco de 240 rs
cor; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de 560 rs. o covado, foi
preciso fazer-se urna grande compra deste
artigo, o qoal grande pechincha.
Vos dez mil corados de cassas
franeexas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo ra da Im-
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miudes e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamente francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padres
serem muito bonitos, sao todos fixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a 300 rs. o covado.
Uspartllhos a 3$000 na loja do
Pavo -
Vende-se urna grande porco de esparti-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todos os tamanhos, e
vendem-se a 3$ cada um.
M\DAP0L0 ENTESTADO A 35600, SO
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito incorpado pelo
barato preco de 3/WOO res, assim como
pecas de algodosinho com 16 jardas
M3O0 e 50000 ris.
ALPACAS LAVRADAS COM LISTAS A 500
RS. S 0 PAVAO VENDE
Covado aoOO rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 vende-se urna grude porco de alpacas,
lavradas com os mais lindos padres listea-
dos e com flores matsadas, sendo este ar-
tigo urna grande pechincha, por se terem
comprado urnas poucas de caixas e vende-se
pelo barato preco de 500 rs. o covado.
Chales *
PELERINAS DE CROCH A 8$, lOoOOO
E 125000
Chegaram para a loja do Pavo as mais
modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
rinas de fil e croch que se vendem a 8 e
io# e m.
in
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as forcas
produzindo urna assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
VEMDE-SE
PHARMACIA E DROGARA ,
DE
Bartholomen 6 C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
IMinMMRfMFEITl
Francisco Antonio deCarvalho
A < ompxahla
(SUCCESSORES DE REG & MOURA)
Ra Nava n. 24.
Os proprietarios deste estabelecimento fazem
sciente as publico que acabam de receber un per-
feito fi vanado sortimento de bannos finos, case-
uiiras, brins e outras fazendas de gostos modernos,
as ques vendem ppr precos raioaveis. Os mes-
nios scientificam, offleina de alfaiate um artista hbil no^esempe-
aho de suas funecoes, recbem qualquer encom-
menda de roupa por medidas, promettendo satis-
iazerem eom pontualidade presteza qualquer pe-
mdTneste sentido.
Librn esterlinas, na ra da Cadeia do
Recife, n. 58.
Ra do Livramento n. 26.
Gambraias de ellegantes padrSes, modernas, a
*00r?.o covado.
EM
PERCALLAS
A pataca o covado
PERCALL.VS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60 vende-se urna grande porco de per-
calas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito cncorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado, tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo preco
de 320 rs. o covado, garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
o covado.
POUPELINAS A 500 RS. O COVADO.
Na loja do Pavio, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sqrtimenlo das
mais lindas poupelinas ou lazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas' e bo-
nitas cores ; padros com listrinuas miudi-
nhas, que se vendem pelo barato preco de
5'00 rs. o covado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da .Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 5000 at 100000 a peca, assim
como fiaissimo organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja do
Pavo ruada Imperatrizn. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Cortinados
Para camas e janeHas.
Vende-se um grande sortimento aos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-]
prios para camas c para janellas, que se ven-
em a 12^000 rs. cada par at 25iOOO rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO RA DA
IMPERATRIZ N. 80
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de caseraira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maior promp-
tido vontade do freguez, e nao sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas., ceroulas de
linho e algodo e outros rauitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outrcftpjalquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A>$0OOO.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo harato preco de 50,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
O atoalhado do Pavo,
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
J02OO a vara; dito de linho fazenda muito
tuperior a 30200 a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 40500 a duzja e muito
inos a 80000, e ditos econmicos a 30500
t duzia.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDOS
A 10000 .
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
lain
Tintura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pello.
A bem conceituada agua-florida de Guis-
lain que ento era desconhecida em Per-
aambuco, j hoje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom efleito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e lhes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'entao por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branea, contando com a protec-
Co de sua boa freguezia, tambem capricha
em nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
j honram, e em prova ao que fica dito, d
como exemplo io explendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de missa
e orac5o, obras de apurado gosto e perfei-
o, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marinr igualmente
oonitos.
Grande exposico de
bonecas de cera
DE
Todas asqualidades na ruado
(/ifeiroado n. 55.
LOJA DO TEMPORAL
Acaba de cliegar pelo ultimo paquete um
completo sortimento de.bonecas de cera de
todas as qualidades para loja do Tempo-
FUNDICAO DOBOWMAN
lina do IlE'um n. 53.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro, Jjatido fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agca;
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro*
pnos para agricultura.
Attenpo.
Vendem-se os ferros deourivesft cede-se a cata
ao comprador : a tratar al as 7 1|2 horas da nir.-
nhfia ou da-; 1 da trdo em diantc, no pateo do
Carnio, esquina da na de Horlas n. 2.
Attenco.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnc3o, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos do sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras..
Ditas muito finas d'algodlo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, lorcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, muflieres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gesto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios-]
para eniar fita.
E 03 PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froeo, e lisas.
Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas
com podras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joia?-
Bonitos alhuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens. .
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas c bonitas.
Vende-se urna eserava perita
deira e engommadeira : na ra
Baixa-YVnle n. '>!.
cozinheira, lava-
do principio da
Venda de imia taberna
Vende-sc a taberna d-.i na da matriz da Boa-
Vista n Ji2, a prasoou a dinheiro ; a tratar cen o
agente Hartis, ou na mesma taberna, ondo se
dario todas as nformaedes.________________
Vende se farinh.i .\ torra milito boa, em
saceos de 100 libras, e ii cuias cada um, por
preco commodo : no eses do Hamos, armazem do
Sr. Victorino a tratar com o mesmo, ou eom
Jos Antonio Marques, no Chora-menino._______
Doces, fructas e flores.
Na ra da Cruz n. Vi voiide-ee amendoas con-
fetadas francesas.
Sortes nuiito beni feitas.
Bollinho-, pao-de l e bollos.
Ramos e papis para enfeitar.
Houqeet de: eravos pan niva.
Ditos para jarros < dures Saturaos
Vende-se at 30 vaccas de leite, novilhes a
garrotas, todos creoulos, e feitos ao pasto totee
arrebaldes; sendo as vareas paridas e por parir,
detalhadas, _ou por junto : em lieberibe, sitio da
Sapncaia, ver ali todos os dias das 5 para 6 lio
ras da tarde.
NOVIDADE
NA
BOA-VISTA
ARARA
por este baratissimo preco para apurar di- te gener*0 0e maisJ moderno e'mais bonito
;ir0- ~*<" vindo ao mercado com differentes
que tem v
cores, sendo mais largo que alpaca e ven-
Vovldade Xovidade
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 10800 rf baratssm0 preco de L)000 o
Chegou para a loja do Pavao, ra da covad,5 '
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p.Cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura", sendo a largura da fazpnda o cumpli-
mento de um lenco), o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com um metro e meio; e vende-se pelo
barato precxle 15800 ris cada metro,
tendo esta larga fazenda, outras muitas ap-
plicacoes para arranjos de familias, sendo
grande pechincha pelo preco.
COBERTORES DE LA PARA 0 INVERN
DE 3(5!000 6,*000
Chegou para a loja do Pavo, um gran-
de sortimento dos melhores cobertores, de
GRGUROES DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ I)V JUNHO
Chegou pelo vapor de 14 do corrente,
para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, um brilhante sortimento dos. mais
modernos e mais bonitos gurgurSes de seda,
para vestidos, tendo padres miudinhos e
graitdoj, cora lindas listras matisadas, as-
sentadas as mais delicadas cores, como
sejam, verde, bismark, lyrio, azul, perola.
etc. etc., assim como ditos Usos de todas
as coras, garantindo-s que na actualidade
15 de carneiro, sendo muito grandes e
muito encorpados, que se vendem de 3&-nao ha urna fazenda de maisgpstonem de
at 6i5000 cada um, em relacSo s diffe-1 mais pbantasia do que estaque se vende por
rentes qualidades, pechincha: a elles an- preco muito rasoavel, o estabelecimento
tes que se acabem. I d* FWs Pereira da Silva.
Declara os seus freguezes que aecebeu
diversas qualidades de fazendas que esto.
expostas a venda pelo baratissimo preco, I
como vero deste annunoio. Ra da Im-
peratriz n. 72.
O proprietario, Lourenco Pereira Gui-
maraes.
CAITAS FRANCEZAS a 280 rs.
Vendem-se chitas francezas a 280, 320,
360 e 400 rs. o covado. Ra da Impera-
triz loja da Arara n. 72.
MADAPOLO A SjfftOO.
Vendem-se pecas de madapolo de 24
jardas a 40, 65, 75, 85, 95 e 105, pecas
de algodo 45, Sd e 75000.
CORTES DE CALCAS A 640 rs.
Vendem-se cortes de calca de castor e
brim para calca de homem a 64o e 800^s.
brins de cores para roupas de meninos x
homens a 400 e 500 rs. o covado.
RISCACO FRANCEZ FINO, 360 rs.
Vende-se ris'cado francez para vestido
de senhora a 360 rs. o covado.
Cassa franceza a 320 e 360 rs. o covado.
ALPACAS DE CORES a8o0 rs. O COVADO
Vendem-se alpacas de cores para vesti-
do de senhora a 800 e 900 rs. o covado.
LasInhas a 34 rs. o covado.
Vendem se lasinhas para, vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 e 360 rs. o cova-
do.
iioiipa feita de todas as quall-
des.
Vende-se roupa feita, calcas de casemira
paletos e colletes de todas as qualidades,
tudo por muito barato preco.
Cortes de harejes de la a
94300
Vendem-se cortes de barejes de- la para
vestido de senhora a 255 O e 35000. Ba-
ldes de 30 arcos a 15500 ; ditos moder-
nos de cores e brancOT, 55; chales de to-
das as qualidades; casemiras pretas e de
cores por barato preco; brins pardos e?
brancos e de cores de linho finos tudo isto
por precos mui o baratos, s com o fim de
vender para apurar dinheiro o d-se amos-
tra das fazendas.
indi
Recebeu novo sortimento de fazandas
para seu estabelecimento na ra da Impe-
ratriz n. 56, de Louren.;o Pereira Mendes
Guimares.
Attenpo.
Vendem-se Cortes de la transparentes
para vestido de senhora a 2i500 e 35000.
Ra da Imperatriz, loja do Garibaldi n. 56
MADAPOLO BARATO A 55000..
Vendem-se pecas de madapolo barato,
55, 65, 75, 85, 95 e 105, s na loja do
Garibaldi ra da Imperatriz n. 56.
RISCADOS MODERNOS PARA VESTIDOS
A 360 rs.
" Vendem-se finissimos riscados para ves-
tidos de senhora a 360 rs. o covado, chi-
tas finas escuras e claras, 360, 400, 440
rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 56.
LASINHAS PARA VESTIDOS, 240 rs.
Vendem-se lasinhas para vestido a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado.
PECAS DE BRIM PARA LENCOES a 85-
Vendem-*e p cas de brim hamburgo a
85, 95 e 105 ; pecas derramadles de li-
nho a 25 a vara, dita de algodo a 15600
a vara.
PECAS DE ALGODO A 45.
Vendem-se pecas de algodo de 20 jar-
das a 45, ditas de carne de vaca a 55 dito
superior qualidade 65 e 75 a peca.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendera-se chitas francezas para vesti-
dos a 280, 320 e 360 rs. o covado> ganga
para calca a 320 rs. o covado, brim de cor
para calcas e paltots e roupa de menino
a 400 rs. o covado, bales de arcos a
15300, bales modernos decores ebran-
cos a 55, chapeos de sol de alpaca. 35500,
ditos de seda 105, e 125. Roupa feita de
todas as qualidades por muito barato preco
alpacas de cor para vestidos de senhoras,
chales de todas as qualidades e outras mui-
tas fazendas.
ESCRAVQS FGIDOS.
Oescravo Benedicto Sapncaia se acha ftrgido
desde o da 2V de marco prximo passado, e iSo
desde o dia 30 como por engao disse no annun-
cio de bontem ; tem elle os signae segnintes : al-
lur.i regular, um penco magro, car.i comprida,
muito pouca nrua, tem as percas alguma cou?a
cambetas eos ps-mcio apalhefi&lTs, tem falta du
dous ou tres denles na rente, muito Rota e gosla
de andar engommado : guem o pegar ieve-o ao
e.Hiiptoiio da ra do Imperador n. 2i, a Joaquim
S. P. de Siqueira Cavalcank.
Escravo frgido.
Fugio no dia 11 do c- trente mez as 8 |2
hora da noute o escravo Antonio, preto, de
naro, dado i8 annos, pouco maisou me-
nos, estatura baixa, baibado com falta do
dentes na frente.auando, anda parece que-
rer cernear de nina pein:i. levou urna
trouxa de roupa com calcas de algodo
azul, de listra c brim pardo, camisas de
lista azul e algodo riscado: quem o pear
leve:o ao sen Sr. Jos Gomes Leal, na ra
da Imperatriz, sobrado n. 15 ou na ra da
Cadeia escritorio n, 56 que ser gratificado.
Fuhio da casa do abaixo asignado o escravo
criouio, de nomo Bernardo, com os signacs se-
guintes : baixo, corpo regular, denles alvos,
olicial de charuteiro, intitula-sc de forro c bem
fallante, suppoe-se andar na freguezia de S. Jos :
quem o apprehender e leva-lo ra Direita n. 30,
2" andar, ser generosamente recompensado.
Agrello H. de Araujo Pernanibuco
10();(K)0
Fugio do engenhoPoco, freguezia d'Agoa Preta,
na noite de domingo 18 do corrente para ama-
nhecer a de segunda feira 19 do mesmo, o escravo
1 Benedicto que foi comprado no Itecife ao Sr. An-
tonio Jos Vieira de Souza, no dia 7 de abril do
corrente mez. cujo escravo tem os signaes seguin-
tes : crioulo.de 32 annos de idade.cor preta.altura
o corpo regulares, testa muito cantuda, rosto un
pouco descarnado,narizafilado,pouca barba.faliado
dentes, ps e maos bem feilas, levou chapeo do
chili jveihoou bonel, boa camisa de madapil)
de pregas largas ou do algodo branco, c roupa
dentro de um sarco j velho a qual devo ter a
marcaPojo: quem o pegar levoo ao engenho
cima a seu senhor ou na ra da Praia a Ge-
nuino Jos da Rosa, que roceber 100flOO do
gralificaco: dcscon(la-se ter ido para Porto Calvo,
d'onde era escravo de Francisco Nogueira Ca-tel-
lo Branco, engenho L'tinga ou S. Jos da Coro \
Grande.
COGNAC.
Batatas
a 1*200 o pao : na ra da Madre de Deosn. 7.
Gigos eom 33 libras, muito boas.
De superior qualidade da mui accredita-
da falca de Bisquit Dubouch dC, om
cognaeinima das que mais agurdente' de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ra do
commerci n. 32. __________
Vende-se um se im em meio uso : na ruaa d
ConceicSo na Boa-vista n. 17.
No dia 19 do corrente mez fugio do en-
genho Conceic5o da freguezia da escaria o
cabra Thomaz, idade de 25 a 30 anuos, al-
tura e corpo regular, barba curta, natural
de Mamanguape presmese que elle tenlia ido para o Re-
cife, ou villa de Mamanguape. Roga-se a
pessoa que o aprehenda de o entregar no
Recife a Domingos Alves Matheus, na ru,t
do Vigario n. 2t, ou no engenho ConceicSo
da Escada a seu senhor o Exm. Baro de
Aracagi, que a recompensar com gewro-
sidade.
Escravo fgido
Fugio no dia 18 do crrente mez, as 7 horas da
manhaa, o escravo de naci Angola, Manoel, ida-
de 50 annos, pouco mais ou menos, estatura regu-
lar, barbado, falta de um dente na frente, indar
preguicoso, perna fina, levou calca de casimira
de cor, paletot de caseraira do cor, camisa de am-
ias e tem no rosto marcas visiveis debexigas,
foi comprado ba puco lempo a JusUno Uar-
neiro de Almeida : roapse a quem o pofsr.-
ve-o a ra Direita u. 16, que seragenereasmonte
gratificado.


8
Diario de Pernambuco Sabbado 29 de Maio de 1869.
.1UJ
.i
Oracao religiosa
Recordare, Domine, quid ateiderit-nobis :
inluere, et rspice opprobrium nostrum...
Mulieres in Siou humilkavmmt, el virgi-
e i tiilate Jada: principes .manu
suspeusi tunt: facies senum non ernbiie-
ninl : propicrejm^mUacUini utmr
lfl>'iH:i. TR' SU:.
nostri.
Lemhra-lc, Senhor, no que nos acon-
tecen... Humilharatfas mulheres cm Sjo,e
as vrgens na c I I i l ; foram pen-
durades-p?! is m is os prueipaes; uno res-
peitaram os rostfts dos vclhos... por isso o
vosso corado se entristeceu ; por isso se
estiireeeram nossos olhos.
jkhem. v. 1. II. 12. 18.
(Continiuiro.)
Si?r acaso bem, perder uin meoibro do
corpo ? Todava ampute-se enbora, se a
sna gangrena ameaca a existencia. Ser
un bem, derrabar os mastros da nu, no
meio do ocano,' e alijar toda a arlilharia as
ondas ? derruba-so e alije-se quando outro
modo nao houver de conjurar o naufragio.
Curvemo-noa, ftois, ao implacavel mal da
guerra, quando se dr com'justica o caso
de defesa ou desaggravo; o derrubar dos
mastros ; o amputar dos membros : a
vida; porque para as nacoes como para os
individuos, vida honra.
E nesse dia Deus com os justos;
seus olhos misericordiosos descanram sua-
vemente sobre o braco do valente, que pre-
fere a honra ignominia.
E' assim que M.ithalhias, deplorando a
ruina do seu povo, a destruico da cidade
santa, o santuario em mos perversas, e a
nacao escrava, rasga os vestidos, combate
para defender a lei do Senhor, a patria, os
lares; morf$, legando a seus tilhos o de-
saggravo ; e os machabeus sao ajudados por
aquello que tem no ceo o throno, mas a
trra por escabello de seus ps.
E quando, morto Josu, os filhos de
Israel consultaram sobre quem os guiara
como general na luta com os chananeus, foi
o Snior quera nomeon Judas, e Ihc entre-
gou a trra as mos; e os lilhos de Judas
tomaram Jerusalem, e venceram os cha-
naneus.
Igual resposta e igual protecca do Eter-
no tiveram os filhos de Israel, quando em
Silo podirara general contra os filhos de
Benjamn.
E a David responden o Senhor, que fosse
cnmhater os philisteus, e, a despeito da
repugnancia do exercito, que at na Juda
os tema, fo. desbaratou-os e salvou os ha-
bitantes da Coila. Da mesma forma, e com
protecca na i menos manifesta, venceu Da-
vid os amalecitas, invasores de Sicelej, por
havercn injustamente invadido aquella re-
gan, saqueando, roubando e aflligindo as
muflieres.
Eis i) que suceede as guerras boas, pro-
tegidas pela eterna fonte da justica ; mais,
em contrapos rao outras muitas acharis,
senhores, em que a injuslica da causa ou
ini juidade dos borneas, attrahio a colera
celeste.
Vede com que tremenda energa se expri-
me o Levita (XXVI), 25): Sobre vos fa-
rei cahir a espada vingadora do meu con-
cert... e vos seris entregues s mos dos
inimigos.
E o Deuteron. (XXVIII, 49: O Senhor
far voar sobre ti, semelhanra da aguia
impetuosa, naco, cuja lingua nao entende-
ris. nacao atrevidissima
Desta arto premeia e pune o Omni jotente
as causas justas e as iniquas: para aquellas,
bences; para estas, maldicoes.
De como a causa do Brasil mereceu o. fa-
vor do Allissimo, e a dos seus inimigos
analhema.'ser oobjecto do meu discurso,
para o qual impetro a vossa atiendo, e so-
bre tido a grara do Santo Espirito por in-
tercessSo da Virgem Punssima. Are Maa.
Em larga zona a Sueste do imperio do
Brasil demora urna regia i inhspita pela
natureza, pelos liomen anda mais inhspitas.
As formosasepacificasjprovincias do Paran c
. Matto-Grosso confinara cora essas plagas
tristes.
Desde que o Paraguay se separou da me-
tropole, meio seculo tem decorrido em
successivas dictadoras, de infreme despo-
tismo. Mo de ferro tem sempre pesado
sobre esses povos. Poder de quasi here-
ditarios Reguos tem-se ah consolidado, s
pelo systnma do terror. Ter-se-hia a China
americana conservado hermticamente fe-
chada at para os povos limitrophes, se
avaros impulsos a nao tivessem feito annuir
tornar, com restreres cautelosas, tribu-
tarios alguns e raro' estrangeiros.
Povo sem instruccao, sera iniciativa, sem
contado comacivilisaco, sem illustracoes
patriticas, sem sentimentos brandos, sem
aspiraces ; e, todava, povo onde a obedi-
encia chega ao servilismo, o impeto fero-
cidade. a dedicaeao ao sacrificio, o valor ao
herosmo; esse povo, nascido e educado
nos ferros, longe de quebrar suas algemas,
beijava-as.
Os dictadores do Paraguay teem at boje
dispostodessas hordas, como braco quema-
neja espada.
Tambem em outro solio republicano dic-
tava leis nao menos sanguinario dictador,
que defina as liberdades pela summa do
poder publico fundido era suas proprias,
ensanguentadas mos.
O Sylla, autcrata do Prata, ordenoo ao
Mario, autcrata do Paraguay, que se I be
submeltesse, e reconhecesse o direito exclu-
sivo de Buenos-Ayre< exclusiva navegaco
do Paran : leve em resposta urna recusa
formal.
Repulsa audaciosa, sem duvida, por parte
do governo da Assumpcao, que para logo
se lsncou nos bracos do seu poderoso visi-
nho, o Brasil, a quera supplicou Ihc vales-
iii transe to amargueado : e o gigante
americano Ihe eslendeu a mo: surge et
ombula!
Nao houve bom ofllcio que o imperio dei-
xassede prestar acuelle cliente ; e, at Deus
sabe, a quem devida a erecro dessa de-
nominada Sebastopol! da America do Sol,
SSa a rosurUr contra aq^lles que a lc-
SKZ Nfsse ^Po (menos de um
iue t Sec"10 !) ainda no Paraguay a
f,ma XeTar,P/5eCedda de um 9*tlsi, e
umadeclarac3o;nhaent3o por mestr e
protectora necio que respeita 5 direUo das
gentes: cumpna-lhe acatal-o
Ai da naco dos ;in,s, 8e 0 Brasil a
houves-se desamparado f Estara, ha mais
de vinte airaos, -absorvida pelo potenUdo
que a cobicava. Mas esse portentado o ii
peno o exterminou: e a repblica-dos es
teiros deveu sua existencia polica ao no-
bre imperio que, renunciando a seus direi-
!tos, se contentan com a esperanza de urna
gratido, que devia Suppr indelevelmente
gravada no peitoe na memoria de urna na-
Cao libertada.
Mas, o reconhecimento para as almas
mesquinhas peso incomportavel. Fra
spide reptil que ao seio recolheramos.
Aquelle nosso irmao de hontem, ralado de
oveja da nossa grandeza, aspirou a ser o
mi assassino de hoje ; esqoficia o anathe
mi fulminado do Senhor sobre Caira:
Agora sers tu maldicto sobre a trra,
que abri a sua bocea, e das las flaos rece-
ben o sangue de teu irrao.
E desde ahi, comecaram os ingratos de
preparar-se para o hardido commettimento.
Apercebendo-se de quantos elementos urna
grande guerra podia precisar, foram astuta,
e caladamente, disciplinando tropas, baste-
cendo arsenaes, engrossando marinha ar-
mazenando munices, fortificando caslcllos,
amontoando quantos combustiveis destrui-
dores a arte infernal tem excogitado.
Durante annos longos de preparativos, o
grande imperio americano, descuidado, por
que era noffensivo, tranquillo, porque era
forte, confiado, porque era leal, ou n3o vio,
ou nlo quiz ver os aprestamentos do boli-
coso visinho; e continuou indifferente, iner-
me, s applicado s artes da paz, aos pro-
gressos da civilisaco, e dorraindo sobre o
travesseiro' brando das intences mais
puras.
To pura^s e linraas descangavam as cons-
ciencias e mentes dos nossos, quando a do
despota Ihe eslava contaminada. Alembra
aquelle passo de* S. Paulo* apostlo a Tilo
(I. 25) Para os limpos, todas as cousas
sao limpas; para os impuros, nada ha tira-
po, antes se acham contaminadas, tanto a
sua mente como a sua cnsciencia.
Surgi allim dia em que o brbaro se
considerou sufficientemente armado para
entrar em peleja contra o seu bemfeitor, e
calculando talvez eventualidades, que Ihe
falharara, arremessou a mascara a hora em
que suppoz inexpugnaveis suas phalaoges,
e diminutas as forcas daquelles a quem stul-
tamente provocava.
QHalquer pretexto nesse dia Ihe era de
sobra e arvorando-se em dictador, j nao
s dos seus Chacos, mas de toda a America
Meridional, decreUra um nao sei que plftn-
tastico equilibrio, em conchas de batanea de
que elle fosse o fiel; proclamou esse equili-
brio ameacado pelo Brasil; e sophou, Bren-
no das Pampas, que tudo vergaria ao peso
da sua faca de raatto!
E a lucta comecou. Lucia, sim, nao
guerra.
Essa monstruosidade, que ento rompeu,
nao foi a guerra das nacoes civilisadas ; fui
a selvagem assaltada, a errupeo barbara,
moda. das tribus trtaras, que habitam
para alm do Volga e de Astracn.
Todos os principios salutares do direito
das gentes, o despota para logo os arras-
tou de roldo.
Vio o mundo urna guerra, comecada sem
manifest explicando as razoes que tornas-
sem inevitavel a ultima ratio regum.
Viram as diversas nacoes rebentar inopi-
nadamente o novo estado, sem seus subdi-
tos serem prevenidos, pan acafltelarem vi-
das e interesses.
Vio a America Meridional atear-se um
brandan, confessadamente destinado a pro-
pagar por toda ella, espantosa conflagra-
Cao.
Vio o Brasil, em paga de seus benefi-
cios, prajkadas as mais violentas e torpes
hostilidades, sem o seu gratuito inimigo
Ihe haver previamente declarado *al inten-
Co.
Vio a pacifica provincia de Matto-Grosso,
invadirem-na a ferro e fogo, sendo logo
aps a heroica provincia do Rio Grande ta-
lada por atrozes aventuraros.
E de que modo rebentou e progredio
essa lucta ?
Vio-se o pavilhao das vinte estrellas cus-
pido e ludibriado.
Vio toda a zona salteada, os mais horro-
rosos excessos dos canibaes : arrebatada a
liberdade dos cidados; roubada a vida dos
homens : injuriada a honra das virgens,
aprisionadas as proprias muflieres; bayone-
tadas as creancas; estropeados os inermes
habitantes, de quem nunca os deshumanos
haviam recebido offensa; enadas as ore-
Ihas das victimas, em impio e brutal tro-
pho.
Lenhos, que navegavam seguros som-
bra dos tratados, viram-se apresados, nao
segundo as leis da honra, mas moda dos
piratas; seus inofensivos passageiros co-
vardemente reduzidos escravido jnais
dura, al que a almejada morte os viesse
libertar do captiveiro terrestre.
Que secna! que scena aquella!
Profunda pareca a paz. Matto-Grosso,
a sympathica provincia, que a sorte desti-
nava para martyr, aguardava o chefe que
Ihe era enviado. L vae elle, o cidado
prestante, sulcando as aguas do Ocano, do
Prata, do Paraguay. Estas ultimas banham,
sim, trra estraogera, mas que Ihe nao
dado ter por hostil; porque nao hade con-
liar-se-lhes quem como inoffensivo, e iner-
me, e amigo, as atravessa? Justica abso-
luta, direito das gentes, normas de civilisa-
co, tudo abona gracioso acolhimento...
Ai! illuso I
Vedes vos reptil immundo, que da citada
agoa da descuidado viandante? Tal sobre o
mesquinho se arremessa o minotauro, que
assola aquellas reames. Entraba como po-
deroso? ei-lo rostrado na humilhacao.
Passava como governanle? ei-lo encarce-
lado, alvo de improperios, roxeados os
pulsos dos grilhes, condemnado mudez
das lagrimas, privado de jdirigir-se aos seus
mais caros, s fibras da sua alma, marty-
risado. O costumado aos commodos, e s
grandezas, ahi jaz reduzido s privaces e
miserias; m,3os afeitas a derramar benefi-
cios, impossibilitadas at de suppltces se
ergiierem para o co I
Oh! quo afflictivas e duras nao devera
ter sido essas noutes eternas, e esses dias
noutes, que o misero, e seus companheiros
curtiram nos ergastulos de Humaytl Como
nao chora liara os prisioneirus a perdida
liberdade e a patria saudosissimaf : a nova
So, a nova Jerusalem daquelles novos
filhos de Edom, transportados s margens
do rio Paraguay, s aguas desta Babylonia
do deserto f
Mil vezes, nesses dias angustiosos, sen-
tados no escabello ignominioso; plidos
esmaciados; descurados os cabellos; ro-
Cando-lhes a barba aos peit>s; descHiindo-
Ihes os membros ao peso dos ferros; co-
bertos de andrajos; nas as plantas; n5o
tero elles fitado os omos amortecidos,
mas innundados de saudade e de amor,
nesta coostellacao mgica do Cr'aseiro,
donde terao baurido forcas do esperanca
fallaz! Bem podiara exclamar, como David
para Jeremas :
Junto dosrios de Babylonia, all nos
assentmos e pozemos a chorar, lembrando-
nos de Syifo. Como cantaremos o cntico
de So em trra alhea ? Se me esquecr
de ti, Jerusalem, a es>|iieeni'->to sejacon-
deranada a minlia direita. Fique pegada a
miaba lingua s miabas fauces, se eu ni
nao lembrar de ti. Lemhra-te, Senhor,
dos-filhos de Elora no dia do Jerusalem.
E o Senhor se lembrou delles, sim.
Na Ierra Ibes conceden a palma do mar-
tyrio dos martyrios, que 6 a lousa estran-
grira pousaoa sobre seus cadveres pela
m5o dos inimigos; mas na patria celeste,
foi-ihes de par em "par aberta a eterna
manso dos justos, donde teria visto o su-
premo arbitrio dos destinos liberalisar aos
seu a victoria, e com ella a gloria e a
honra.
Taes foram os procedimentos do adver-
sario iniquo. Desde o primeiro momento'
de seus prfidos ataques, de suas nefarias
depredaces, nao tem nome de guerra o
que elle pratcou, mas de latrocinio, selva-
geria, iniquicia e opprobrio: nao tem nome
de poltica esses actos monstruosos, mas de
inveja, obstinicio, odio, nslera e ambico.
Nem de bomem merece Coros quem por
guisa tal se compor a. Perfidia, nunca sori'
condicco da guerra ; cumpre, at, s hos-
tilidades serem leas. Nunca o homem
pode esquecer os la?os moraes, que ao seu
seraelhante o prendem. Adversarios in-
fezes nao sao reos crmiaosos, sim, irraos,
a quemdevemossoccorros.-protei'eao, sym
patbia e d. Nem aps victoria', iicito
exercer os chamadosilirei'os delta, senao
em corpo sobre a naco vencidaje nunca
em particular sobre os individuos membros
della,
Ai do tyranno que, affeito a reinar pelo
terror, pretendo vencer estranhos com os
mesmas parreoidas armas, com que rasga
as cntranhas da patria. Al dos seus re-
cebe, o mai das vezes, o premio de sua
ferocidade. Pericles e Pisislrato em Alhe-
nas; o tribuno Mario eo dictador Sylla, em
Roma; Medices, em riorenga; Robespirre,
em Franca; e' tantos outros, sao lico vivas
de que vem um dia, nos governos ferozes,
em que o mais que todos fortes se con-
verte no mais que todos fraco.
Mas a propria treicio tambem conta seus
dias de triumpho, embora embaiador. O
p maldicto do estrangeiro armado pisn a
trra santa da nossa patria querida. Co-
imbra, Porto de Souza, Taqiuruss, Fur-
quilha, N'ioac, S. Joaquim, Uruc, Cerro
Dourado, Taquary, Mangubal, Albu uerque,
Corumb, foram manchados pelo hlito pes-
tfero do despota do Chaco: suas lancas
ousaram ajgumas lioras estender-se at
S. Borja, Itati, e Uruguayana !
Tanto nao era mystcr para acceoder no
coraco de todes os brasileros urna ira
santa-, fazendo-os protestar, no altar da
[latra, que por completo*nao sera tilo o
desaggravo, em quarto as catervas inimi-
gas nao rojassem nojp; o insultado pa-
vilhao nao tremulasse victorioso nos muros
da Assumpcao ; nao fosse arrazado o covil
de Humayt, e. o tyranno reduzido para
sempre impotencia !
Exemplar unanimidade de resoluto! urna
s voz sem discrepancia bradou desde o
Paran at o Amazonas: Desaggravo ou
inorte!
O magnnimo chefe da nacao o seu de-
fensor perpetuo, dos cidados o primeiro,
nao s na hierarchia, como em quanto sig-
nifica dedicaco aos povos e modelo de pa-
triotismo, jurou vencer ou morrer, e a na-
co toda o imitou, com urna energa e per-
severaba, que nunca at hoje foram esfra-
das pelo lempo, pelas provacoes, pelos bor-
botoes de precioso sangue, pelo sacricio
enoime de fazenda, pelo desflcamelo de
ndispensaveis bracos validos, pormalesno
presento, por onus sobre o porvir. Nunca
brasileros, dignos do nome, pediram a
paz, em quanto um palmo das nossas mon-
tanbas estivessp oceupado pelo inimigo; em
quanto este, no seu proprio coraco, se i.o
houvesse rendido. E que honrosa meta-
morphose a nossa, senhores I
Era paiz, que de se nao ostentar belli-
coso se ufanava, -dirieis que o Imperador
realsou a ameaca de Pompeu, fazendo ins-
tantneamente, ao simples bater do p, sur-
gir poderosas legides!
Mares, que s em pacficos baixeis viam
fluctuar a esphera estrellada, gemeram, da
ponte para o dia, assoberbados de quilhas
innmera veis, vergando ao peso dos ca-
nhoes.
Os cidados soldados, cuja misso ape-
nas fora a tranquilidade interna jubi'osos
se transportaram provincia invadida, s
fronteiras, ao centro do paiz inimigo.
Urna nova e heroica milicia, sobre o ti-
tulo de voluntarios da patria, prorompeu
de toda6 as cidades, villas, povoados e ser
toes do jjmperio ; e della foi o proprio so-
berano infatigavel soldado, compartindo,
com os priqpipes ao seu lado, as privaces,
trabamos e perigos das campanbas.
Oh I e quo penosa, arriscada e lgubre
nao tem sido esta larga perigrinaco dos
valontes por trras nossas e sobretodo pe-
los sertoes inhspitos do Paraguay!
Marchas audases em terrenos desconhe-
cidos; matas espessas, servindo de abrigo
a emboscadas; fortalezas preparadas,- desde
annos largos, com todos os recursos da na-
tureza, e da arte ; inimigo cruel, phanatic,
astuto, animoso e que nao se rende ; des-
confianfas e antagonismo das proprias na-
coes, que as circumstancias e os tratados
nos ligaram; indispos fOes seculares entre os
que tem interes>escommuns;regi5esdesna-
turnes para homens nascidos entre o equa-
dor e o trpico; enorme "' icia do cen-
tro dos fornecimentos d* < especies;
fluctuacoes de tempera .as natu-
reza desles combatentes, so tornava
j asss ardua esta prolongada campanha.
Mas outros lances immmeraveis tiveram
nossos soldados que supportar. Aquellos
ermos, ora to povoados; aquellas flores-
tas, ora derrubadas,; aqueHes lugares de
usual silencio, ora acoordado pelo som dos
clarins e das caixas, chega cansado o exer-
cito. Levanta suas tendas quem pode;
deitam-se na trra ensnpada; passa-ce noute
de insomnia, eas vezas com a visita deon-
fas e feras.... alta aoote, la cai de impro-
viso um dos pampeiros daquellas paragens:
arrebata as tendas: varre inonic5es ; arrui-
na armas, arroja tudo centenares de
bracas.
Em seguida, l sobrovm um diluvio,
que as torrentes, dia o o&rte, So eesstm
e despenhar-se; e*Jfreis*n e entumecem-
se Paran, Paraguay e todos seus afluen-
tes ; os fossos extravasando mudara em la-
goa cada trnebeira ; convertem-se os estei-
ros era arroios intransitaveis: alagam-se os
campos as lagunas j sao mares f interrom-
pem-se as coraranmeacjtes, Cada batslho
solado, sobre o coinoro que para refugio
escolbera, espera a cada instante ver-so in-
vadido pelas aguas.
E depois, as enferinidaxles," prostrando
mor numero de homens que as lalas: em
Matto-Grosso, a varila quasi anniquilando
os mesquinhos mandados ;i honrosas e lon-
ginquas expodiees : no Paraguay as febres
paludosas, o scorbuto, a bydropesia, o cho-
lera, derrubando batalhoes inteiros, e atu-
Ihando hospties, por vezes col locados ral
lugares, onde, tanto como da molestia, ha-
gios de Humay ViTeta, gravado seu no-
me, em leltras ie orno a par das mais va-
lorosas marrabas do mundo ; e nossos ve-
Ihos avs, os infantes Dr Henrique, os Vas-
eos'da Gama, folgaram qo paraso, ao ad-
mirarem as fac-anhas de netos dignos delles.
E que direi do excelso cabo que aps
longa vida de dedicaco a patria, na qua-
dra em qae a natureza marca termo aos
sacrificios, na posico em que j nao ha
elevaco ou recompensa a que se aspire,
arrisca, por servir desnteressadamente a
seu paiz, a saude, a vida, o nOme, as ve-
Ibas glorias, todos os interesses humanos?
E' que elle era o braco forte, o predesti-
nado vingador do imperio. >Jodelam-se-
llies as altas qualidades pelas dos supre-
ma que recelar da disposigao de nimos dos mos cabos de guerra.
habitantes.
E nao menos, a obra devastadora do
homem O inimigo armado al os denles;
fortificado em alccovas, tidas por insupe-
raves ; escolhendo sempre os campos de
bataiha em terrenos seus conbeculos, e des-
favoraveis aos contrarios, por todas as
condieces topographicas; os nossos lutan-
do quasi sempre com summa *desigualdade
e a peito descoberto, contra inimigos abri-1
gados por bastidas, tranqueras, e antepa-
ros, e a cavalleiro das nossas posi;oes.
E os nossos homens d'aco, embora vis-
sera era torno derrubados os mais briosos
e intrpidos, avancavam sempre, soh urna
abobada de balas, bombas, granadas, con-
grevs c metralhas ; e depois que, os canhoes
e morteiros teem feilo a sua obra, ei-los
arrostando impvidos as espadas e as lau-
cas, e fazendo pagar sempre caro o nobre
sangue derramado.
Nem foi esta' campanha seraelhante s
conhecidas, pois o Protheu advers reves-
ta todas as formas imaginareis, o estrata-
gema ii> ha que deixar-se de explorar.
Atlas poiiilo as,miras e ira lando Cesar ao
tentar impedir a Pompeu a sabida de Brun-
dusio, lancou de prafa a praia enormes
correntes, de que os nossos zombaram, e
que ahi figuram boje como trophos nos ar-
senaes das tres potencias, s restando ago-
ra ao capiUJo soberbo imitar Xerxes esbor-
doando e fustigando aquellas ondas em cas-
tigo.
Reconbecendo que a luta braco a braco
Ihe traria sempre a derrota, nunca tenlou
bataiha se nao de posicoes, de arlilharia,
de fortalezas: ao longe.
Coalhou as aguas de seus ros Tom tor-
IJn que flzeram esses consistir a supe-
roridafle no commando? em conservar
unida? ns forcas, em evitar ponto algum de
vulnerabilidade. na ragidez do transporte
dos exercitos para onde convinha, no asse-
gurar dos depsitos, no reconhecer do ter-
reno, no escolher das localidades, no apro-
veitar os erros do inimigo, no mudar a
proposito a linha de operacoe*. Assim
nos pinta a historia: Alexandre na Asia e
India, Annibal na Hespanha, Asia e frica,
Cesar as Gallias, ante Pompeu e no Egyp-
to, Gustavo Adolphona Lvonia e na Allc-
manha, Turenne na Allemanha e na Franca,
Eugenio de Saboya na Turqua, Italia, Fran-
ca e Flandres,' Frcdrico na Silesia, na
Bohemia, no EJoa, Napoleo na Italia,
Egypto, Allemanha, Rnssia, Hezpanha e
Franca. ,.'
Sao altas partes do general a coragem,
a prudencia, aceleridade no comprehender
a inslanedade no decidir; mas, a tctica,
as evolucoe?, a accumulaco das sciencias
lo ciigenheiro e Jo artilheiro, isso insinuara
a historia, tradices, experiencia, estudo ;
o conhecimento dessas altas partes da
guerra, como nos tratados se aprende a
geometra, e nos tratados que se adquire.
Todos estes dotes se reunem no grandio-
so vulto que os nossos amam como pater-
nal ; que os inimigos temem como invenci-
vel. Soldados taes, tal general! Cida-
dos devotados, ardimento nos combates,
constante abnegaco, resignaco nos pade
cimentas, tudo foi commum.
{Continuar-se-ha)
pedos e machinas infernaos, que cobarde-
mente lizessom saltar despedacadas as mais
alterosas naves.^
Collocou, escondidos o immoveis duran-
te muitas horas, .-acadores de homens, ci-
jos olhos apenas sobresaam de dentro de
fumas excavadas na torra, ou de atoleros
nqg sitios baixos, ou dos pocos dos estei-
ros; assim como outros invisiveis, no alto
de arvores annosas, que Ihe serviam de
mangrulhos, parapeitos e amelas.
Semeu de formidaveis, palissadas, visi-
veis e oceultas, a trra e as aguas, por
toda a parte multiplicando os estorvos c os
riscos.
Aproveitou a n^rate para tentar as.im-
prezas mais audaciosas; e tomando pur
dignos adiados trevas, chuvas, nevuciros e
teraporaes, evou centonase centenas de ho-
mens aabordar nossos gleos, ou antes a
Ungir com o sangue de todos a veia da-
qnelle Phlegtonte.
Na calada das horas moras, aproveitan-
do-se de urna pecularidade daquellas re-
gioes para Iludir nos, improvsou ilbas
fluctuautes.camalotes artificiaos, acujo abri-
go deslisavam silenciosas, curvas, Iraicoef-
ras, as catervas activas e passivamente des-
tinadas a humanas hecatombes.
A' levada dos rios lancon vapores, navios
de velar e depois chatas, bombardeiras,
chalanas, canoas, balsas, jangadas, tudo
quanto podia, embora informe, transportar
matadores e instrumentos de destruico.
Poziudo finalmente por obra, quanto o
anjo das trevas Salan, o exterminador, Ihe
suggerio, em seu diablico orgulho, como
autor do mal, posto j habituado a fugir es-
pavorido ante o vade retro SaiUan I que
estava destinado a ser proferido pelo hroe
brasileiro, que a patria achou prestes sem-
pre, e sempre glorioso e vencedor, de-
fesa das causas da honra.
Que paginas luminosas e imperecedouras
nao acaba a fama de inscrever nos fastos
do grande Imperio americano I de orgulho
estremecerao sempre os nossos vindouros*
ao escutarem os nomos de Paysan, Cor-,S!,l,m ou tafela- 0s osudos de cauda pou-
rieutes, Riachuelo, Cuevas, Ytahy, liba da co aPParccem na rua> sa0 Para as reunioes
Victoria, Passo da Patria, Ilapir, Tuyuti, da n0l,te"
Estero Belaco, Curuz, Potreiro-Pircs, Pa- Em conkcces ha urna vanedade in-
finita. Ha as casacas, os fichas, as ochar-
POUCO DE TUDO.
MjDDAS.Eis a descripeo das ultimas
de Paris, vindas pelo vapor inglez uncida:
* Chegamos a um lempo em que a mo-
da faz rir.
Os costantes tornam-se cada vez mais
complicados. Sao um composto* de lacos,
fiamos e poufs, chegando alguns a parecer
ridiculos. Tal a carregaco de enfeites
que o mo gosto Ihe tem arrumado com
o nome de moda I
As Sras. que se tornam notaveis pelo
bom gosto, nao seguem risca as exagera-
cues dos tigurinos c conservam-se sempre
certa distancia d'elles, tendo assim a cer-
teza de se nao tornarem alvo das zombarias
da gente sensata.
Quasi todos os coslumes tem duas
saias, a priraeira redonda, e a segunda mais
curta e aberta ao lado, formando avena! na
frente, e atraz levantada em pouf ou ca-
jnargos.
As saias de baixo ou primeira saa, sao
todas guarnecidas ou com folhinhos esrei-
tos ou com um s folho alto ; e a de cima
tem mais ou menos guarnico igual Um
costume que achei muito elegante era de
tafel cmzento : a primeira saiajinha dous
folhos de tafel azul, e ao pregar um rolo
de tafet cnzento. Casaca camargo, for-
mando segunda saia de tafet azul, guarne-
cida com um folho, como a primeira saia ;
esta casaca era aberta na frente, c apanha-
da-aos lados o~totraz. Cinto redondo tendo
atraz um laco, cujos coques eram azues e
cinzentos.
Os costumes todos do mesmo estofo
nao deixam de ser os-mais-bonitos.
Com estes costumes indispensavel a
toar mire, havendo sempre o cuidado de
que esta nao seja muito exagerada.
Os corpos dos vestidos sa em grande
parte abortos na frente, em quadrado ou
formando coraco. Os que sao subidos,
tem enfeites a formar pelerinas ou bermas.
Ha algnmas mangas formadas de tufos, ou-
tras guarnecidas com folhos. As guarni-
eses usadas sao, como i disse, folhinhos e
tufos, as rendas, as franjas e os rolos de

2" fflette. Vestido de popelina com
riscas cereja e branco ; saia de cima le
seda preta, levantada muito boufantc. Pe-
queo casaco de seda preta. Chapeo ie
crep preto.
3o toilette. Vestido c.mpoire autiijuc
de cauda, tendo em baixO um folho ele
renda, ao pregar -um tuffo. Conlecco de
renda formando um capucho, eapanhada
na cintura com urnas potreas de pregas,
d'on le saem urnas pontas de renda. Clu-
po de renda, ornado com urnas rosas ca-
pochinhas, tendo urna aste cahindo para
cima do coque.
Costume para menina, Saia de tafet
com riscas cereja e preto, em baixo peque-
no folho ao viez. Corpo e saia de cima de
tafet preto, pelerina redonda apanhada
as costas, e toda guarnecida com om pe-
queo folho. Chapeo de palha preta, ten-
do no lado urna echarpe de veludo cereja.
NOTICIAS VARIADAS. A agua que
atravessa hoje o isthmo de Suez, diz um
jornal inglez, mudou a naturesa do clima
d'aquelle paiz. Os' terrenos cobrem-se de
rclva ; a chtiva, d'antes a'.li desconhecda,
j regou o ando solo: no espaco de um
anno, choveu em doze dias, e ltimamente
cabio um forte aguaceiro.
Os rabes velhos' admiram o phenomeno,
de que nao esperavam chegar a ser tesle-
munhas.
I Acaba da morrer em S. Petersburgo
um personagem, que, ha quinze ou deze-
seis annos, oceupou urna posico muito im-
portante no mundo politico, e que ba de
conservar o seu nome ligado historia da
Crimea : era o almirante Mentchikoff.
Urna cantora, muito conbecida em
Nova-York, mademoiselle Olga de Plitten-
dorfl, tendo sido recebida com alguns asso-
vios no thcatro de S. Francisco, flcou to
affectada por este fado, que se suicidou na
manha immediata.
Um discpulo do celebre Blondn per-
corre actualmente, n'um Ilippodromo, era
Franca, urna corda collocada a urna grande
altura, conduzindo sobre os hombros um
individuo sufficientemente pesado. Este
homem, que, mediante um salario, arrisca
assim todos, os dias a sua vida, chama-se
Weblc, e conta vinte e tres annos de
idade.
Ha poucos dias, diz o Droit, tentou elle
atravessar at extremdade de um cabo
preparado para os exercicios acrobticos, e
Weble, faltando-lhc o equilibrio, cahio;
ficando no chao sem movimiento.
Ficou com a perna direita quebrada em
duas partes,, e leve de ser desde logo con-
duzido ao hospital, onde est em trata-
meato. .
Um consclhe de guerra, reunido em
Cronstadt, trata de julgar os principaes reos
de um grande tumulto que te ve lugar na
praca d'aquelle porto, entre soldados e ma-
riuheros. O assuiupto foi dos mais serios,
por isso que eram mais de quatro mil ho-
mens os combatentes de ambos os lados,
os quaes mataram todos os chefes que
quizerara apasigua-los, enchendo a cidade
de consternaco.
Conta-se era Paris que o Sr. Frerc
Orban, ministro belga, que tanto attrahe a
aitenco publica actualmente, amava, qua i-
do era estudante de leis, a filha de um rico
industrial do seu paiz.
No dia em que recebeu o titulo de ad-
vogado, pedio a mo da sua promettida, e
foi-lhe negada, seb pretexto de que ao as-
pirante faltava fortuna ; mas se aquella era
a opimao do pai prosaico e cruel como sao
todos os sogros, a menina eslava resolvida
a casar-se com o futuro ministro, e procu-
rou tranquilizar a sua desespera<;o, dizen-
do-lhe :
Ide esta noute ao thcatro ; fazei cora
que vos abram o meu camarote ; entra, e
eu vos respondo que hei de ser vossa es-
posa dentro em um mez.
Sem.comprehender nada disto, obedeceu,
com tudo o amante; fez com que Ihe abris-
sem o camarote naquella noute, durante um
ntervallo, e apenas tinba entrado, que a
menina de um salto se Ihe lancou ao pesco-
co, beijando-o na cara.
Depois de um to grande escndalo pu-
fblico, uo havia outro remedio seno csal-
os jovens, e o avaro industrial, leve de sa-
crificar os seus escudos.
ra-Cu, Estabelecimento, Curupaity, Tim-0
b, Humait, Tebquary, Villeta, Angustura,
Lombas Valentfnas e Assumpcao.
Embora deplorassemos raros acaklentes
to vulgares na varia vel sorte das armas,
nunca soffremos urna nica derrota : e nos-
sos soldados ovantes.smiam sempre da pe-
leja com As trophos da victoria : prisio-
neros tomados, arlilharia, bandeiras espa-
das e armas, cavados, munices, carros,
bagagens e caixas l guerra.
Destas glorias cabe tambem parte a nos-
sos denodados auxiliares, de ambas as mar-
gens do Prata, que nbam, em commum
comnosco sangrentas aggravos do tyranno.
Urna lagrima, senhores, urna prece fer-
vorosa por nossos mavorcios combatentes!
Milheiros de jovens j ljazemsob a fra e
pesada trra do estrangeiro, victimas das
balas, das explosoes dos espingardeamen-
tos, das pestes, das enfermidades, dos
fros, das intemperies, das privaces, e da
miseria do viver dos campos.
Outros, em numero parco, mas ainda
mais mesquinhos, definharam eagonisaram
as masmorras do despota.
Mutilados restos dos bravos, por ahi so-
bre viv'em a si mesmos esses nobres invli-
dos, alquebrados, aleijados. amputados e
com o corpo coberto de gr-cru;es da pa-
tria, que sao as suas cicatrizes.
Quantos pisarara to ingratas regioes
bem cimpriram o seu dever: aguerridos,'
disciplinados, dedjeados e constantes, esta'
naco se orgulha "do nome de todos (mor-
ios ou vivos) como dos filhos mais queri-1
dos, mais Ilustres mais estremecidos.
Eram, sim, impvidas as nossas hostes:
cidados pacficos convertidos em soldados,
baptismo de fogo e sangue para logo os
regenerou, igualando-o sobre as primeiras
milicias do mundo ; que o patriotismo ope-
ra milagres destes. Mas pouco valeriana
os estreos ndividuaes, sem a pericia do
commando.
A marhiha brasileira, j immortalisada
tn Riacuefo e Cuevas; essa indmita ma-
rt'nha, guiada peto mais intillegente. arro-
ja*) e activa dos cnefes, tem, pelos pendi-
pes, os manteletes crusados na frente,
iguaes ou nao ao vestido, no genero dos
que se usavam o anno passado, as basqui-
nas redondas formando pouf; todas estas
confeccoes se podem fazer de cachemira,
tafet ou iguaes ao vestido ; tambem s
faro em renda casacas sem mangas, man-
teletes e fichus, gosando a renda de grande
favor estervero.
Os sobretudos orientaes esto tambem
muito em voga. Faze n-se de cachemira.
Estes tem a forma de urna rotonda tendo,
atraz um laco passando o cinto por cima
atraz na frente, formando assim urnas
mangas pagodes. Sao guarnecidos de
franja ou guipure.
Oschailes de cachemira preta, guarne-
cidos de rendas, desappareceram de todo,
e j ningucra os usa.
i Ha tecidos para a presente estaco
muito bonitos, o mohair lustroso, o tafet
de la lustroso, as sultanas, os linos e os
foulares do JapSo.
Os tofets de seda de diversas cores
fazem lindos toilettes. Apparecera tambem
como o anno passado, bonitos costumes em
percale.
Os chapeos conservam a mesma forma
dos do invern. Comp8m-sa quasi todos
de um tuffo de crep elevado na frente,
tendo por enfeite urna flor ou um tuffo de
plumas ; os chapeos de crepo preto sao
muito usados, adornados com urna flor ou
um passaro de coYes vivas. Quanto aos
chapeos redondos, o mais osado o cha-
mado toque e o pequeo chapeo ptrsa.
Geralmente fazem-se estes chapeos ie pa-
lha, apparecendo tambera alguns de renda
preta, ornados com flores.
Vamos descrever alguns toilettes que
nos parecer m dignos de apresentar s
nossas amaveis leitoras :
Io toilette. Vestido de fonlard, saia
redonda lisa, segunda saia era forma de
tnica, apanhada aos lados. Ficha de fay_a J
preto, gaarnecido de
OS PORTOS DE LONDRES E LIVERPOOL
Eis pial termo medio, o movimento
commercial do porto de Londres durante
um anno :
Entram n'este porto : 8,000 navios de
velas e 3,000 barcos de vapor. Total
11,000 navios, tendo todos urna lotaco de.
tres milhoes de toneladas.
Sahem : 5,000 navios de velas e 2,000
barcos de vapor. Total 7,000 navios. .As
entradas e sabidas sao, pois, ao todo
18,000 navios.
Por muito coosideravel que seja este mo-
vimento, comtudo excedido pelo do porto
de Liverpool, que apresenta um tota! de
,000 navios por anno e de 8,000 railhes
de toneladas.
Este exporta productos, inglezes no valor
approximado de 800 mil contos, isto quasi
metadeda exportaco total-da Inglaterra.
INCENDIO M'MA MINA.Telegrammas
de S. Francisco anrtunciam que rebentou
um incendio no dia 47 de abril as minas
de Gold-HNI (Nevada). Trinta ou quarenla
raineiros perderam a vida.
As minas de Gold-Hill descem a urna
grande profundidade. As suas galeras s;io
formadas por um conjuncto fle trave>,
pranchas e outros maleriaes muito oflarai-
veis. Por cansa da grande profundidiaile
destas minas a temperatura all muilo
elevada, chegand>..a 98 e 100 graos Fa-
hrenheit ; a. para os mineiros poderem tra-
balhar preciso refrescar o ar artificialmen-
te por meio do fortes correles de ar.
Comprehende-se que o fogo, cuja origern
ainda nao conhecida, se propagasse com
grande rapidez.
Quando elle se manifestou na YeUone-
Jacket Mine, estavara a trabalhar sesseni i
raineiros. D'este numero morreram 23.
O incendio estendeu-se depois s minas de.
Kentucky e de Crowa Point, onde li*
mineiros tambem perderam a wda.
Usta catastrophe a mais terrrri que -so
tem prsenceado nos distrtotos mineiros da
Nevada.
A bolsa de S.
nativo de .OOO
A
r
:-


renda, e rotos de
setim. Chapn redondo de pama, enWtaifo| victimas.
cora vetado preto e renda, o nata TWf'tft _________ _-------__
Bengala. I T\r. MMIBI-MlAM8
Franrcisco eovion um do-
douars s fatnHias-das;

\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EO7IWPKSB_N7W54B INGEST_TIME 2013-09-14T03:00:44Z PACKAGE AA00011611_11852
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES