Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11847


This item is only available as the following downloads:


Full Text

[<*
AHHO XU. MERO 115.

fAIA A Crffe E lCr OWfjjfK & PAGA PORTE.
*or tws mezs^dfantatfw. "2
*, ** iSSoo
6 SABBADO 22 DE MAIO DE igg9.
i
PARA DENTRO E FURA DA PROYOCIA.
Pur tres mazes adiairtados................
Por seis ditos dem...... *
Pornm\ditos4Jdja ....'...' .".'..' .' .' .' .' .' ] ] ,
Porumi....................... g


Propriedade de Menoel Figneira de Faria & Filhos.
. .....

u-----


I'
i
f
I

fAO ACEITE:
O* Sr. GuiraarSes Pancada, em Mamangupe; Antonio Alandrino de Lima, na Paranyba; Antonio Jos* Gomes, ^^ P*>J,r; FefatW dos autos Buic5o
sm Nazareth; Francifto Tavaroa.la Cesta, eto Alaaas; r. Jos* Mbrtifir A^ **** r~ -
' j
PARTE omCIAl.
Chaves, no Atst; Antonio Marques da SHva, no Natal; Antonio Joaqtim
em Santo AnOo; Domingos Jos da Costa Braga,
na Bafia; e Jos Rfbefro Gaspannb, no Rit? de Janeiro.
Carrroo d prtfvMHa.
* LEI*. '837.
O? Manoel d NasrlnMU Machado Portella,
vieo-presideitle da provincia de Pernahibucc.
Pnco saber a todos osseus habitantes, que a as-
jem&Ka legislativa provincial decretou e eu sane-
conel n*luc5o seguirte :
Art. 1." Ficam approvados e coitoo taes falendo
Sar'te da lei do orcamento do exercicio de 1867
<68 os crditos supplemotaras' abertos por por-
tillas da presidencia da provincia de 3, 9 c 27 de
junho ; ;i, 18 e ti de jnllio e 30 de setenibrn do
anno p-oximn liado destinados a oceorrer' as des-
bezas com as verbas consignadas nos paragraphos
segrales:
f Expedteme- da secretaria do
gorefao......................... 43! 760
S 2.' Dinfiria da-instruccao pu-
blica............................ 1:814 J000
S 3* Expediente do yranasio... 1225297
Profeasores da Escola .or-
.nal ..
E\ ^diente dameVoH......
dem da Jiidliothcra prbvfh-
armas de 19 do coiTente sob t32 jnnto por
copia, s
N, 802.rWta ao commandante do corpo pro-
visorio de polica.l#dn' ,VMc.- alistar no corpo
satt seu" com mando os jwisanos Hermenegildo Bo-
mnagaes da 9Hv e Sabrno-Bourado Caraleante,
a que alinde a-seu offlrio W6 de 2 do eorren-
te, se tiverem para seo a precisa moralidade.
3.' secijSo.
N. 883.Portarla ao inspector da thescuraria
de fazendayPor eontn, do crdito aberto peto avi-
ao sobdelerhdo da Varzea, ouaosfu procoiB-
3' secc>o.
a. 823.Oficio ao chele da reiwrlicao des obra
publica?. .Testa data au'iorsu-se a theaouraria
provincial a entregar ao thesoureiro deasa repar-
ticao a quamta de 1:473*610 ri, constante do of-
ftcio de V. Exc., datado de liootem e sob n. 137,
o qual flea assiin respondido de ordein de xui.
Sr. victv-president da provincia.
K. 824.Dito ao mesmo.De ordm de &. Exc.
so do mmiapo do wipeno de 31 de narcy uiti- aSr. vice-presidertte provnel, eounnunico V.
mo mande Y. 8. pagaj ao subdelegado da fregu- |f. qc nesta data se transiailtio aeseiiAla te-
zia da Varzea, o* au' su procurador, a quanti I gUlativajwovincial, para ser tomado em conaide-
de 49760 pdt-elie despendida com soccorros racS'a broposla d gerente d compaia de illa*
prestados a seTs desvalidos, all aeroinmettidos da- minaba gas, que acompaobou o seu offlciode
varila, conw se y da iaclnsa corta, que me re*- 20 du correte n. 159.
todo tbo-
ctal
7" Conscrvaeitf c reparos de
ponles e istradas.....\...x.......
8.* M.-m idcm de Vedltcios pu-
r>lie*a...............i...........
i !).* &.rpo provisorio de pelteia.
10. Sustenia e curativa dos-pre-
so- pobres.-......................
SU. Knipregadas 4a aaa de de-
teuio..........................
g 12. dem da thesouraria provin-
5 13. Seis por cent da cobranca
judicial.........................
5 U. I'romotores lscaos........
i i.".. Coliectores...........
S 16. Kserivies das coflectorias..
17. Agente do fumo, tabaco etc.
| 18. dem de liquido espirituosos
e vinagre........................
$ 19. Aposentados..............
20. Jubilados.................
21. E\jB}oaes...............
Art. 2.- Kicam igualmente approvados. para fa-
zercm parte do orc*mento Tii-'ente os creditdl sup-
ptenvntar.'s aberts por portaras da presidencia
de 20 de julho do anno prximo lindo, 13 deja-1-
'neiro, 31 de nnretfe 3 de abril do correrte anno,
destinados a oceorrer as despezas com as verbas
especificadas nos paragraphos segnintes :
S !. Expediente da directora da
instruccao imblica................
B 2." Expediente do Gymnasio-----
I 3* Mea e serventes da Escola
Normal.........................
fe dem da thesouraria provin-
cial............................
-. 5. idoui do consulado...... .
S 6. Publicacucs eimpressoes
1435086
J333143
5773931
4303777
:1*755
8T8M
f'.ft Eventures................ 1:620805
Art. 3. Fica aberto ao orramonto vigente nm
rdito supplementar naimportancadel3:744826
para ocoorrer as despezas autorsadas pelas verbas
conatenMfe dos paragraphos scguintes :
1. Expediento da secretaria do
governo......................... 4343750
2." dem da directora da ins-
lrucc5o publica.................. 179#600
S 3." dem do Gymnalo........ 1803000
4." Mensaltdadc dos alumnos po-
bres ............................ 9933000
5 5." IVofessorcs da Escola Nor-
ui.ii............................ 4:4093700
8 6." F:\peilientedamesmaecom-
pn de instrumentos.............. 69/4000
5 7. Aluauel da casa para a mes-
ma............................. 4003000
S 8." Expediente da reparlico das
Ira- publicas................... 4263580
;,' 9." Condnccao de presos...... 1153180
10. Despezas jndiciaes........ 1:5003000
11. Expediente da thesouraria.. 6293620
; 12. dem do consulado........ 7053000
Si 13. Aposentados............. 878 696
I 14. Jubilados................. 1:1513300
13. l'ublicagdes eimpressoes.. 5503000
Art. !. Ficam revogadas ascsposicSes em con-
trario.
Mando por tanto a todas as autoridades a qnem
o conlieciinento e execuf;.ao da peseme resolucao
-icriencer, qae VfMipraiB e l'acam cutnprir tao
niieiramente'comonella se contem. O secretario
do governo desta provincia a faca imprimir, pu-
blicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 14 de
maio de 1869, quadragesimo oitavo da independen-
cia cdo imperio.Dr. Manoel ~do Nascimento Ma-
aliado Portella.
L. S.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 14 de
maio de 1869.O secretaria, Dr. Janqum Correa de
Araujo.
Registrada a fl. do l'rvro de leis provmciacs.
Secretaria do governo dePerBambueo,14 de maio
de 1869.O ctete da 4.'.secao,#YaMCS,o de Lentos
Durirte.
metteu o chefe de poftefa^c&hi otlio deontert,
sol) n. 574.
N. 804.Dita ao mesmo.Remetto V 9. para
seu conhecim.nito copia do aviso" do ministerio do
imperio de 13 de marco prximo nudo, que auto-
risa esta presidencia a' contratar a'tocacao dopre-
dio em nne fttnccona a PacoMade de Direito d^sta
cidade, da qie se refere o de 30 daqnelle mez, d i
1663020 'lue a s6 ,ne nviou copia em 15 do correrte.
147*060 805-=Dita ao mesmo.Transmitto V. S.,
para os fins conveniemos, as inclusa% relaedes no-
833908 minaes de pagamento e alteracftes occorridas no
mea de marro ultimo* com as pracas destacadas
1:7863758 no presidio de Fernando, pertenajjptAs a9 ha'a-
iboes da guarda nacional deste TOnieipio, Io de
130911 artilhara, p, f, 3, 4*, 6", 9> e 9 de Olinda dos
203000 e infartara.
N. 80.Dita ao inspector da thesonraria pro-
12:8135749 vincial.Expec#V. S. snas ordens para que, erh
vista das 3 inclusas contas que me remetteu o
1:6033540 chefc de polica com offtcio de hontem sob n. 572,
seja liquidada e paga ao alferes Antonio Henriqaes
5073624 de Mirandi on ao sen procurador, a importancia
da desjieza fcita com o forneeimerto de luz para a
1:263355? forra que-estove em deligencia na Rarra de Seri
8653401 nhaem e na Praia do Gamella, a contar de 4 de
1:3643348 dezembro do anno prximo passado a 30 de janei-
9243490 ro ultimo, e de 4 de marco a 3 do correrte mez.
773574 N- 807.Dita ao mesmo.Annuindo ao que so-
licttou o chefe da rapartico das obras publicas
2033568 em otario de hontem, son n. 137, recommendo
3:9855592 V. S. que mande entregar ao thesoureiro daqneWa
2:8025101 reparlicao a quantia do 1:4733610 sM em que fo-
13:154*354 ram oreados os reparos urgentes das portes dos
Carvalhos e Hrajiaina, os quaes estio sendo exe-
cutadosnoT amniTirtrarrro.
_ N. nKDita ao mesmo.Aos commerciantes
Gmmaraes & Oliveira mande V. S. pagar, enrvis-
ta da inclusa conla que me remetteu o chefe de
polica com offtcio de hontem, sob n. 571, a quan-
tia de 2403, proveniente de um livro mpresso que
forneceram para oslancimentosde entradas e sa-
bidas dos presos da casa de detencao.
N. 809,Dita ao mesr.io.De conformidadecom
a inforinacao do directorgeral interino da inslruceSo
publica de 19 do correrte, sob n. 119, recommendo
a V. S., que mande pagar a ptofessora publica de
Alaga-Secca Mara Hermina Jardm dos Passos, a
quantia a que tiver direito, para o expediente de
sua aula, na razao de 13025 mensaas no i.? e 3.*
trimestre do anno proxmapassado, %na de 1^850
no 2." trimestre do mesmo anno.
N. 810.Dita ao mesmo.Tomando em consi-
derayao o que expoz o chefe da reparlicao das
obras publicas em offleio de hontem, soh n. 158,
resolv autorisa-lo a mandar executar por admi-
nislrarao, os reparos urgentes de que necessta a
ponte do Brumsinho, qutt foram occasionados pela
ultima endiente do rio Capibaribe, os qnaes s.o
avahados em 3 7400000 como se v do orcamento
junto por copia. O que declaro a V. S. para seu
conhecimento e flns convenientes.
N. 811.Dita ao mesmo.Devolvendo a V. S.o.
incluso requerimento documentado, em que Joao
Raymnndo Nepomuceno pede o pagamento da gra-
tificarlo que venceu nos termos da lei n. 611, co-
mo cali de esquadra do corpo elfectivo de polica
desta provincia, em expedicao da repblica do
Paraguay, tenho a dizer-lhe que proceda a esse
respeito, de conformidad!! com a ena informacao
de hontem, sob n. 204, com referencia a da conta-
dura dessa thesouraria.
N. 812.Dita ao chefe da reparlicao das obras
publicas.Tomando em consideracao o que Vine,
expoz em seu offleio de hontem, sob n. 158, tenho
a dizer em resposta que lira approvado o orcamen-
to que me remetteu na importancia de 3:7400000
para os reparos urgentes de que necessta a ponte
do Drumsinno e foram causados pela ultima en-
diente do rio Capibaribe, os quaes devem ser exe-
cutados por administracao conforme indica no ci-
tado ollk-io.
4' seccao. *V
N. 815.Portara ao Exm. bspo diocesano.
Participo V. Exc. Rvma. que por deberagao
desta data nomeei o vicario da freguezia de Taqua-
relinga padre Tilo de Barros Correa, para o cargo
de censor do Gymnasio Provincial.
N. 816. Dita ao desembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia. Informe V. Exc. o
que Ihe constar e se Ihe olfereecr sobre o que sol-
da a assenibla legislativa provincial, no offleio
junto por copia n. 15 de 17 do correrte, do res-
pectivo primeiro Secretario, relativamente ao ca-
pital destinado a um asylo de mendicidade.
N. 817. Dita ao Dr! Sabino Ludgero Olegario
nho.Remetta-me V. S. duas pequeas cartei-
4 a seccSo. ;
-N. 823.Offleio ao Dr. Armihio Coriolano Ta-
rares dos Santos, 'pffmiro secretario da as Sem-
idea legislativa provincial. X. 47.Para ser to-
mado em consideracao pela asscmblea legislativa
provincial, manda o Exm. Sr. voe-prasidente da
provincia remetteL Y.' S. o offleio n. 159 de 20
do crrente, junto por copia eni que o engenheiro
chefe da reparlicao das obras publicas, informa
sobre a propbsta tmb'em por copia do gerente da
companUia de illuminacao gaz; para ser esta
feita por dez e nao por seis horas, como al
agora.
N. 826.Dito ab mesmo.N. 48.De ordeni de
S. Exc. 6 Sr. vipresidenle da provincia, p*9so
por copia as mao$ de V. S. para ser presente
asseibla legislativa provincial, o relator da di-
rectora do thetro de Santa Isabel, no correrte
anno, a qrte se reTfe o offleio que V. S. me diri-
gi em 1< do correrte sob n. 19.
N 827.DtO aO vjgarii d freguezia deTaqna-
retinga padre Tito d Barros Corn'a. Pela se-
cretaria do governo se communica ao reverendo
vigafio da fregueziade Tniiuaretinga, padre Tito
de Barros Correa, para seu conhecimento, e afim
. O Sr. Ama&I n Mello :O Brasil
Unicista!, I
O Si'. "CbuTirrao :Acredito. Mas, Sr. presi-
dente, se a emanc^je^o deve ser lenta e gradua-
da, tamben o praso pora isso nao deve ser oV
rasiadainente longo.
Vv Sif. DmtiTADn : Porque ?
O Sr. E. CpuTiNuo-;Porque iastante, porque
e urna medida urgentenaenle reclamada e que en-
tendo q/ie nao pd ser dp&rida.
Um Sa. Dkpiitad :Intao o note deputado
quer que seja ja e ja ?
O S. K. Cecn.NHo :^5w, mas* com a brevida-
de quelorpossivel.
O Sav A.nn,Vi. k Mkuj> *Assim respondeu a
cmara dos Srs. deputa*eonvenientewente,
'Pportjuiaiimnte.
. E.t CouTisiio :.Sr. presidente, o socalo
deve desapparwcer o ultimo grao de
Jeta secular, nao deve cahir sem que
iToblema social seja resolvido ; o se-
X !< i deve mais consignar no Brasil essa
ndoa d. |)tivos civilisado*.
O Sa. S;i. um Lodo :Creio que vira natural-
ment ndente de qualquer esforc.
O Sn. K. >i;tinih> :Senhores, preciso que
o paiz p> ..-cda com prudencia, mas cora firmeza
a inesin.. tsuapo. Convencidos do que ha legran
de na r"
de uina
d ead* demissl, que documento* Ihe serviram
de base, no caso de existirem.
5t- Quartos destacamentos csistiain na pro-
vincia durante a eteica de setenbro do anno
proxim passado, en* que logares eetavam, qual o
numero das- pracas db cada um, assim como se
ditas praxis cram da poficia ou da guarda nado-
nal, e en todo caso- par quein eratm eotnman-
dadas.
6.a QonMo- se despemira cora esse destaca-
mentos, qur pela thesouraria provincial, qur
pela geral.
/-" Quaneie pracas da guarda nacional foram
mandadas aquartelar nesta cidade pelo primeiro
vice-presidenfe-desembargador Francisco de Asss
Pereira Rocba, e pelo Exm. presidente Conde de
Baependy, ditdavando-se quantas eram as pracas
da mesma guarda nacional atiuartelada nesta
cidade durante a etecao municipal do anuo uroxi-
mo passado.
8. (Jfcintas pracas foram remettidas desta
cidade- para as fregiiziaa de Jaboalao, Iguarassi,
Cabo, Goyanna e quaesquer outKi, pelo mesmr
vice-presidente e pw seu successor, al o fin- de
Janeiro do corrente anno.
9.* Qoaw&s patentes de offlciaes da guarda na-
cional remettidas peto governo geral, existem na
secretaria da presiaeueia ; qual os nomes dos ollk
tenliamos a energa | caes n'eHas moncionados, o deste-.quaes os qne
'^flfo que edectivamente (jucr sor livre. pagaran os direitos das respectivas patentes..
Seja esse grande acto todo nosso e mostremos ao t |0 Copia de qnnlquer aviso, oftlcio, ordein, ou
iniinuo (jj-.-u Brasil j n5 enanca, que predse qualqaerontro actode-governo geralooprovinciai,
determinando quaes as patentes que- nao fossem
expedidas.
na kl.'.f Ce einuncipa^Vi,
do apoto de inguein para aniiai,1 sobre tudo para
trilhar o caininlio da Uberdade e do progresso.
Sr. pr.-i J,>i;fir uniendo que nina assembla li-
beral na*, poda ser indilTerentc urna necessdade
altamente reclamada, j pela earidade, j pelo es-
pirito reljSriuador do sculo. Esta convierto le-
vou-iue t api asentar o projecto que snbmetlo
consiaeracao da casa. Tenho concluido. (Muito
bem.)
Sao lidos jateados" objoctos de deliberacao e
de que solicite por esta secretaria o respectivo ti- mandados imprimir os seguales projectos :
uue"S. Exc. o Sr. vce-presidente da pro
tuto
vincia resolveu por deliberacao desta data no
mea-lo para o lugar de censor do Gymaaaio Pro-
vincial.
N. 828. Dito ao director ^eral da. initrucijo
puftlica.S. Exc. o Sr. yice-previdento/da provin-
cia, tondo por defiberacao desta dala'resolvido no-
mear o vigario da freguezia de Tiiq'uaretiBga pu-
dre Tito de Barros Cogia, para o lugar vago de
censor do Gymnasio Provincial; assim o manda
commuoiear a V. S. para seu conhecimento.
KXPEDIENTE ASSIG.NADO PELO EXM. SR. DB. MANOEL
00 M.VSDIVENTO MACHADO P0RTELL.\, VICE-PBESI-
DKfT DA PROVINCIA, EM 21 DE ABRIL DE 1869.
!'. seccao.
N. 797Portara ao commandante do presidio
de l'ernando.- Com o seu offleio de 14'do corren-
te sob n. 17, maadou Ynw. 3 guias; 2 dos sen-
tenciados Domingos Goncalves de Aguiar e Igna-
cio Bezerra, e a qne davolvo inclusa sem declara-
c5o do nomo d'aquelle a quem se refere, e qne
creio ser a do 3. de qne trata o dito offleioCan-
ilido Maximiano dos Santosconvindo qne soppri-
da essa falta a enve para ter o conveniente des-
tino. ^i^pM.
N. 798.Dita ao coronel Frandsco Joaqnlm
Pereira I-obo.Aecas reeebido o offleio que V.
S. me dirigi em 19 do correrte, ao qual respon-
do-lhe dizendo que-tendo a commissio a que allu-
de em seu citado offleio ido ao presidio de Fer-
nando de Noronha, par ordera do governo impe-
rial, a este ser submettido o seu trabalho ; e se
o nwsme governo imperial julgar conteniente
mandar ouvir a V. S.
2.* seceso.
W. 800. Circular a todos os commandantes su-
periores da guarda nacional "da provincia.Re-
commendo a V. S. a expedicao de ordens, de
conformidade com o disposto no 26 do rt. 1."
do decreto n. 1,354 de 6 de abril de 1854, para
pie se proceda a revizio da qnaliflcaeo da guar-
da nacional sob aeu conimsndo snperior no praso
lega!; e concluido o respectivo proeesso nos ter-
mos da legtslaeao em'vigor, remeta a esta presi-
dencia urna copia da quilifieaeao do corrente
uno.
t*. 89tPortarla a commandante superior da
(MU nacional do Reclfe.Mande V. S. substi-
tmr'w guardas nadomes do I* batalho de ln-
fanuria deste municipio Antonio Jos da Costa e
Manoel Cesar Saturnino, que se aeham destaca-
4* no presidio de Femando, pelos motivos cons
ttatts dr> offleio do brigadeiro commandanie das
i
ras homeopathicas contundo cada "urna vinte e
quatro medicamentos em tintura, e approprados
ao tratameuto de febres, assim como a contal da
importancia das mesmas para ter logar o paga-
mento.
N. 818.Dita ao desembargador Jeronymo Mar-
tiniano Figueira de Mello. Estando esta presi-
dencia autorisada a contratar a locadio do predio
em que funeciona a Faculdade de Direito desta
cidade, sobre as bases constantes do aviso do mi-
nisterio do imperio, da 23 de marco prximo fin-
do, junto por copia; assiin o declaro a V. S., aflm
de qne constitua procurador nesta provincia, e
possa eu dar execueao ao citado aviso.
N. 819. Dita ao gerente da Companhia Per-
nambucaoa.Pode Vine, fazer seguir para os por-
tos do sul o norte, os vapores Ipojuca e Giqui,
.no da 30 do corrente a hora indicada em seu ofi-
cio de 20 deste mez.
N. 820.Deliberacao.O vice-presdente dapro-
vnda, attendendo ao que requerju o engenheiro
Joaqnlm Gome? de Oliveira e Silva, resolve M>-
mea-lo para dirigir interinamente* e sem venc-1
ment algnm as obras genes nesta provincia; du-
rante o iqjpedimento do baeharel Antonio Vicente
do Nascimento fleitosa.
BXPBDrefrTB ASSIGUAgO PELO SR. DR. JOAOm COIirBA
D AlUtJJO, SKCBTARIO DO flOTElWO, Btl'il 5
ABRIL DB 180*.
1* seecao.
N. 821.Offleio ao Exm. general commandante
das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. vice-pTesi-
dente da provincia, declaro a V. Exc. em resposta
ao seu offleio d hontem datado sob n. 23n\ que
nesta data se manJou satisfaeer os doas pedaos
que veram annexos ao citado offldo de V. Exc.
2' sepcao.
N. 822. Offleio ao Dr. chefe de polida. S.
Exc. o Sr. vice-presiderte d provincia, manda de-
clarar a V. S. en> resposta aos seus olidos de
hontem sob ns. 571, 572 o 574, que-a thesouraria.
provincial tem ordem para pagar a Gulinaraes 4
OlrvOira, a quantia de disertos equareOt mil
rea, e no altores Antonio Htmriqtten de Wrand.
on o'su procurador a de vinte mil ueKeu'tot'n
vinte ris, seodo satisfelts peU de faxenda a de
quarenta e tW mi! seteeemos e MMttr' rJNi
llejiarlivo la pnllria.
2* seccao.Secretariada polica de Pernambuco,
21 de maio de 1869.
N. 750.IHm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participacoes receidas hoje nesta re-
parlicao, foram hontem reeolhidos casa de deten-
cao, a ordem do snbddegado da Varzea e a minha
disposicao Hermenegildo Lina da Silva, por ser de-
sertor do 4." batalho de artilharia, e Jos Dent,
como suspeito de #er esorovo.
No da 25 de abril psoximo ftndo, pelo subdele-
gado 2. supplente em exercicio do 1. distrirto de
Santo Anto, foi preso Jos Severiano de Sonza,
autor de um rouoo praticado no estabelecimento
de um negociante d'aquella cidade, e contra esse
criminoso foi j instaurado o competente proeesso.
Deus guardo a V. ExcIllm. e Exm. 9r. vice-
presidente da provincia Dr. Manoel do Nascimen-
to Machado Portella. O chefe de polica interino
F. de Assis Olifeira Maciel.
PERNAMBUCO.
ASSEMBLSA PROVINCIAL.
SESSAOEM 11 DE MAIO DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. AOOSTO DE SOWZA LEAO.
^6'oninuicao/
OSR. ERMIRO C0UT1NH0 :-Sr. presidente,
ped a palavra para offereeer a attencao esclare-
cida desta assembla um projecto qae me parece
altameote liberal e eminentemente humanitario.
O projecto assignado por miin e pelo nobre depu-
tado do primdro districto o Sr. Goncalves da Sil-
va e concebido nestes termos : (le).
Assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve :
Art. 1. Fica o presidente da provincia auto-
risado a dispender annualmente a quantia de___
10:000 para libertar o maior numero de crean-
cas do sexo feminino que for possivei.
Art. 2. As creancas libertas qae, por motivos
justificados nao poderem ser creadas por suas
mis, seriio recomidas no collego das orpblas
cargo da Santa Casa de Misericordia.
Art. 3. As cartas de Uberdade sero entre-
gues no dia 7 de setembro no palacio da presi-
denta.
c ArL 4." Fcam revogadas as disposcoes em
contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 11 de maio de 1868.Erniro Cou-
tmho.Gontaloes da Silva.*
O Sr. ERMmo Coutinho :' Sr. presidente, em-
quanto na fionte do Brasil estiver gravado o estig-
ma do hediondo cancro da escravidio. emquanto
a< lagrimas de escravo arrancadas pelo latego in-
famante Jo senhor, ensoparem este solo abencoa-
do e ferlil, emqnanto as maldices dos que spf-
frem sobre as cabecas dos que fazem soffrer por
mais que se faca, o Brasil estar sempre na reta-
guarda dos paizes civilisados, estar muito aquem
do verdadeiro liberalismo.
Senhores, a escravido a mais flagrante n-
fraccao da lei de Deus que qaiz que os homens
fossem todos livres e iguaes perante o dirdto.
Quando Jess Christo disseamai ao prximo co-
mo a vs meemoscortamente nao exclnio essa
parte de humaridane nascda debaixo do soto
abrasador d'Africa, cuja pelle tostada de cor de
carvo, nao, senhores, porque esses qae nasoeram
nessas condicoes sao tambem homens e tem urna
alnfe como nos.
Como chrjsto quero, pois, a emancipacao dessa
parte desventurada da sociedade.
UmSr. Deputado :(Juer T '
0 Sb. E. Coutinho :Quero a liberdade para
todos.
Ha oifenta annos que foram proclamados os d-
reitos do homem ; e essa predosa sement, rega-
da pelosangue de um povo generoso, nao niorreu.
De todos os cantos se erguem vozes philantropi-
cas, que clamam pela abbliQao da escravatura.
Ainda bem. Ed, pols, queap a liberdade, quero a
extinecao daescravatura, ma3 querd-a pacifica-
mente, nao quero tinta era sangue como nos Es-
tados-Unidos, porque, senhores, no secut em
que o christianlsmo domina e ttinmpha s com a
cruz, tamltem a liberdade deve' triumphar so com
a palavra.
Sr. presidente, eu nao sou daquelles que ar-
dentemento aquecidos pel fogda liberdade e um
porteo exaltados, talvez qnerem errianicpacSo fei-
ta de chofre, semelhante idea seria jierigos*.
O Sr. SiLvaraa bono :Cada um 6 como Deus
o ajuda.
0 Sr. E. CouTumt:Nao me refi'o a ninguem
nkt^aHils8s; fallo pw mhne tpenikr minhi
humilde opiniao. Emendo que o verdadeiro'fem,
dio offls* par essa nial: qdc lavra as nradkas
do Brasil onaiste na eroancipafP gradual, lenta
e metholcli di escra.vidTo.
A as;embla legislativa provincial de Pernam-
co, resol. ;
ArL !. Fica o presidente da provincia auto-
risadoa mandar *dar a Joaquim de Almeida Pinto.
2:000^000, como auxilio para a publicaeaode sua
obra o Di.-nonario Iwlnnico braslleiro.
- Art. 2.* 0 presidente da provincia poder
mandar examinar a obra por pessas habilitadas
se assim julgar conveniente.
Sala d;i eoramissoes da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, II de maio d1860.
Akari Cai-'ilcanti.Cicero" Peregrino.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
' ArL 1. O presidente da provincia mandar
construir urna estrada, que partindo da actual do
sul vi terminar no puvoado de Nazareth do Cabo,
coma-ando a nova estrada do lugar que for mais
conveniente ou prximo daquelle"povoado.
k Art. 2 Para a factura dessa nova estrada o
presidente poder dispender ate a quant;a de
12:000, ao exercicio de 1869 a 1870.
Art. 3." Ficam revogadas as disposicoes em
coniraria
Sala das sessoes da assembla legislativa .
vincial de Pernambuco, 10 de maio de 1859.
Carvalho Moura. fetjo Bar ros.Cicero Peregri-
no.Samuel Ponlual.Araujo Brttrtio.Eduardo
Pina.
* A assembla legislativa provincial do Pernam-
buco resolve :
Art. 1." Fica approvado o compromisso da ir-
mandade do Santissimo Sacramento, erecta em S.
Pedro Martyr de Olin la.
Art. 2. Fcam revogadas as disposicoes em
contrario.
Paco da assmWea legislativa provincial de
Pernambuco, 11 de maio de 1869. Gaspar Drum-
nwnd.
t A assembla legislativa provincial de Per-
nambuco resolve :
Art. nico. Fica autorisado o presidente da
provincia a conceder Fiavo Ferreira Citao, ar-
rematante das barreiras do Caxang e Passagem
da Magdalena, o abate de um dcimo em reladio
ao valor por que foram arrematadas ditas bar-
reiras.
Sala das commissoes da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, 11 de maio de 1869.
Andre CavkmtiCfMV Peregrino.
t A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
t Art. i. A eadeira de instruccao primara
mandada funecionar por determinacao do director
geral no lugar Cruz das Almas nos termos da lei
n. 767 de 11 de julho de 1867P continuar a fune-
cionar no lugar onde actualmente seacha e com a
denominaco deeadeira do Encanamento.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario. ^
Paco da assembla legltiva provincial de
Pernambuco, 5 de maio de 1869.Franklin Tavo-
ra.Lopes. Machado.Cicero Peugrino.
t A assembla legislativa prcrrmcial de Pernam-
buco resolve :
Art. 1. Fica o presidente da provincia auto-
risado a mandar admlttir no Gymnasio Provincial
a Arthur de Abreu Lima, como pensionista da
provincia.
Arl. 2." Ficam revogadas as dspo*ic5es em
contrario.
Sala das sessoes da assombla legislativa pro-
vincial de Perjftmbuco, 10 de malo de 1863.Arau-
jo Bfltro.
E' lido e approvado o seguirte parecer :
A commlssao de legislacao. examinando a pe-
tico de Ignacio Vieira de Mello, cscrivao. de ur-
Shos de Nazareth, em que pede a reintogracio
o offleio de primeiro tafietliao de notas da'qttelfe
termo, supprimido pela lei provincial de 3 de ju-
nho de 1862, o nao toado a informacao do juiz de
direito da referida comarca satisfeito ao que-foi
exigido em relaelio dita pettcao, porquanto nada
diz elle sobro os se^uintes pontos :
1." Se ha bu nao uecessidade de um tabellio-
nalo em sua comarca.
c 2." Se os offlcios da escrvo e tabelliao de
notas daquclle lugar estao ou nao regularmente
servidos, e se nao produzem readimeotos suficien-
tes para que os servntuarios possam honestamen-
b vivor. Portaato a commissao de parecer que
le novo se exija do referido juiz de direito, por
iutermdlo da presidencia a sua nova informacao
sobre os pontos jodicados. S. R.
Sala das commissoes, 11 da maio de 1859.
G. Drummond.Atnaral t Mello.
Sao lidos e approvados os seguales reque-
rimentos :
Reqairo que pelos odos regulares se peca
com toda urgeucia ao Exm. vice-presidente d
provincia os seguintes esdarecimentoe :
1. Copia do offleio da autoridade'policial de
S. Bento, de qne faz menco a portaria que sus-
pendeu o tenerte-coronel Luiz Paulino de Hol-
taoda, Valenca, e o mandou submetter a conselho
de disciplina.
Io Cpia de todas as portarias que annulla-
Sam as qualiflcacoes dos votantes de varias fre-
uezlas da proviatM.
!* C4pia dos documentos que foram mando-
B*ts nessas portarias, e Ihe serviram de- funda-
mento,
4 Qual numer dos empregadfcs peto ac-
tual rtclor das obras publicas, ou sobre propoa-
u d*eJje na repartidlo a seu cargo, com declara-
^Hss atoa nomos, dos ses empregos o dos te-
jares dea' que os exrcim, mencionando-se a data
11." Qaaesdos oIBeiaes mencionados em ditas
patentes deixaram de p*ocur-4as.
12 Copia da informacao, qae do-jniz de di-
reito do Rio Formoso, obtevo a presidencia sobre
a representadlo do juiz municipal d termo de
Serinhaem, contra os individuos que Ihe intimaram
sahisse daqaelle termo dentro do prazo do quatro
das.
13" Copia das portaras pdas quaes foram
suspensos os tenentes corooeis: Joao de S e Al-
buquerque. Artorno Frandsco Paes de Mello Bar-
reto, Joo Paulino da Cunha Gonva, Fdidano Ca-
valcante da Curta Reg e Luiz Prandsco de- Bar-
ros Kego.S. R.Arminio Taoares.
Requeiro que se- poca ao Exm. vce-presiden-
te da provincia qae informe se por parte da mes-
ma presidencia, ou do chefe de policia se deu ins-
truceafi ao bachaVol Pedro Alfonso Ferreira, pro-
motor publico da comarca de Palmaos acerca do
proeesso quede novo'iistaurou o juiz municipal
de Barreiro, contra os. autores do espancamento
de Manoel Candido de Miranda ; visto como, sen-
do-lne remettidos os autos com vista, ainda no
mez de marco at esta data nao as devolaeu, nem
as passou ao. promotor interino, quando deixou o
exercicio para gosar de licenoa n'esta cidade. No
caso negativo, se j teve coaheciinerto de mais
este escndalo, e que providencias tem dado a
rospei to.
Sala das sessoes, 11 de maio de 1869. lisbino. > .
O SR. LOPES MACHADO (pela ordem): -Jfer.
residente, na seay^aJ^t^^o lieou adi-
10 requerimenaHI w^ l'l',,JeiH*
n. 5 com relacao aiij fel>Bulaawianw a cargo da
Santa Casa da Misericordia, marcou-se o prazo de
8 dias at que eu podesse colligir documentos para
provar certos factos que em apartes mencionei
ue*ta casa. Acho-me habilitado para entrar nesta
discussao, tenho aqui os documentos e erto re-
i|ueiro a V. Exc. que se digne fazer continuar a
dscusso do projecto.
O SR. PRESIDENTE :J ha urna outra urgen-
cia vencida sobre materia diversa.
0 SR. G. DitUMMOND mauifosta-se contra, o re-
querimento de urgencia.
Contina a discussao adiada do parecer das
commissoes reunidas de consiitui-ao e de justiga
civil e criminal sobre a queixa dada pelo Sr. de-
putado Fclisbino contra o chefe de policia da
provincia.
O SR. FELISBINO:Sr. presidente, na ultima
sesso desta casa apresentou-se o parecer sobre a
queixa que olfereci contra o chefe de policia da
provincia Dr. Francisco de Faria Lemos, sendo
esse parecer na sentido, de que se coustituisse a
casa em sesso secreta para se discutir a respeito
dos fundameutos de queixa, e um dos membros
das commissoes reunidas offereceu um oulro pa-
recer em separado que melhor. seria cftamal-o urna
defeza escripta do aacusado, defeca qne trata de
pontos qae me parece podeao, ser tratados em
sesso publica, isto sobre tapeteocia da as-
sembl* para tomar conhecimento da queixa e so-
bre a mesma competencia individual para apre-
sental-a.
Disse o nobre deputado que, para que se ins-
taurasse proeesso por crime de responsabilidade
nesta casa era necessario o concurso de4 circuns-
tancias isto que. houvesse queixa, que o queixa
do fosse magistrado, que fosse por crime previsto
em leis anteriores, e que a pena imposta importasse
suspencao ou demissao. Reeonheceu o nobre depu-
tado que na queixa dada existiam as duas ultimas
circumstaacias, isto que o crime eslava previno
por lei anterior e quo as penas eram de nerda ou
suspencao do emprego ; mas que nao se davam as
outras duas circumstancias, que nao havia queixa.
porque a queixa na forma do cdigo do proeesso
art. 72 s competa ao offendido ou quelles de-
signados oo mesmo artigo, em cujo caso eu nao
me achava.
Me parece que esta tbeoria do nobre deputado
nao pode ser sustentada em boa t, nem mesmo o
nobre deputado poder ter conviccao dalla. A
queixa o relatorio de um fado, de urna infrac-
co de lei feito perante aquello que tem di-
reito >le punir j mas a nossa legL-Wcao criminal,
attendendo a que a queixa ou esse direito de quei-
xar-se deve promover a puoicao de um fado cri-
minoso pode ser exercido poraquelle que recebeu
a offensa, ou por um terceiro, tendode ampliar ou
restriugir um direito segundo as wcumstandas,
dividi a queixa em duas sooeoes, queixa propria-
mente dita no sentido restricto da palavra, qne
a que compele ao oftendido seu pai ou nii, tutor
ou curador sendo menor, senhor ou conjuge o a
denuncia que compete a qualquer do povo, e isto
com relacao aos crimes communs.
Mas ao segundo, diz o consdheiro Pimenta
Bueno nos seas apontameatos ao cdigo criminal
e o Dr. Boraardes da Cunha as primeiras lianas
ao proeesso criminal e todos os outros escriptores
de direito criminal, a nica dooerenca, que existe
entra queixa o denuncia que awnqoeixoso com-
pete o direito de proseguir no prooosso. e o de-
nunciante leva o fado ao conhecimento da autori-
dade publica, a qual prosegu&por si.
Todos nos sabemos qae nos crimes de respoa-
sabilidade quer seta o proprio offendido que d a
queixa, quer um teredro, o jniz toma conheci-
mento do fado e a parle nao tem mais interferen-
cia no proeesso, o promotor publico quem pro-
segue no tormo da aecusacao.
Se, pois, a nica difterenca que existe entre
queixa e denuncia e esta, se deixa de competir ao
denundante c direito de preseguir na aecusacao,
e se nos crimes de responsabiltdade o queixosn
tambem nao pode proseguir, a consequeocia que
nestes crimes queixa e denuncia urna e a mes-
ma oausa.
Nao sei como se poder dar outra intelltgeneia
a Id.
Vamos raeamo a legislacao citada pelo nobre
deputado. O art- 72 do cdigo definen qae queixa
le qualltfca as pessoas a qnem compete; o art. 70
'amplia ease prmeipta e o art 74 determina 03 casos
em que ao promotor publico on n^ialqucr do povo*
compete a denuncia. Diz o g 2> do art. n nos
crimes de peculato, aeitp?, roncasaao, subornoriau
qualquer itra respnnsabilidade.
V o nobre deputadb'rpie pelo art. 72 qtutnaer
que seja a iirtareza do crime, quer seja de res-
nonsabilidade, onoutn), ao offendido compete o
direito de queixa, nao lia- rcflncco, o ofendido
ten sempre o direito de dhr a sua queixa, pelo 2->'
do sn. 74, qualijoer do povo pude dennnciar nos
crimes de responsabilidade:
Esralwlecido esrs principio diz anda o codigp no
art. tVtodo o cidado-pode-denunciar ou qli-
xar-se- perante a autoridade competente de qual-
quer emtiregado pufcicO pelos* crimes de respon-
sabilidade etc.
Se i> nolire deputaAienlende* que o art. 139 lat
d o (fwdto de queixa ou dennneia tomando estas
palavra em urna s aceepfao, a lodo e qtitrfijier
cidado, essa disposicao do art. rSO1 inteiramente
desnecessaria no presente caso, porque o dirdto
de denundar nos crimes de respwisubdade est
estabeteciid mart. 7i art. 72, o de queixar-se
em todo e qualquer crime- sendo qu o arl. 151
dia que a todo e qualquer rielada compete o di-
reito de queixa oo dmunci. pormic qnerxa ou
denuncia ei crime de respoosabiliade urna e a
mesma cousa.
Ainda mata, temos o art. SSi estftbcleeendo os
caso era qne prescnjve o crkne de responsabili-
dade, que trata da qudxa ou dennneia e fe: (l).
...... o esiningeiro tambem a pode faier, mais
em cansa prnpria smente.
O qne quer dizer esta excepeo feita para o es-
trangeo ?
Quer dizer que qneixa e denanda' orna e a
mesma cousa, compete a todo e qualquer ridadao,
ISrma a regra em contrario, isto 110 art. ISO a
le diz, fcompefea todo cidadoe ne art. 154 per-
miti tambem ao estrangeii o denunciar oa. qnd-
xar-se sement em cansa propria, n5 fazendo des-
tinecao de qudxa ou denuncia porque ?e a flzesse.
dii ia o eslrangeiro s pode qumxar-se- o nao
denundar.
PrnvSda pela legisbeao, a minha competenria
para, dar a qurixa eu (juero ainda mostrar ao no-
lr.: demitado que esta a inteliigeueia que se
tem'aaao materia.
Sendo ouvido o conselho de estado, a respdto do
poder competente para fazer o reguhmerto cojn
relacao aos processos de responsabilidade, jnlga(h>
pela assembla provincial, ha- um parecer assig-
nado pelos Srs. rommendadores Pauta Sonza.
Mont'AJcgre, Almada Torres, &>rdeiro, Vascim-
cdlos, Jase Cesario, Carneiro Leao, e Atves Braco
que diz o seguipte:
..Sem duvhla que a maneira jiefcv- qual a
assembla lia de tomar em consideraba a denun-
cia, ouvir as partes etc. etc.
Aqui todos esses conselbeiros usam da palavra
.denunciano caso em questao, porcoosequin-
cia eiitejidem tambera que a qaeixa de que falla o
acto adSidnnal a qaeixa na acccpcao propria da
palavra, e nao restricta.
A segunda qnestao qne o chefe de polica nio
6 magistrado e como tal nao est sujeito jnris-
dicrao da assembla provincial.
A nica vez que foi ouvido o conselho de esta-
do a respeito foi quando a aaaembla provincial
de Matto Grosso querendo processar o oh^'o u>
policia respectivo, c nat) tendo regiment especial
qae -egulasse a forma do proeesso, tratou de o
fazer, e o presidente da provincia adiou na assem-
bla antes de ser feito esse regiment e consulten
ao governo.
I'oi ouvida a seccao do conselho de estado a
qual resolveu a questao contra a deciso do presi-
dente, c tratando de todos os pontos em qne o
presidente se tinlia firmado para adiar a assem-
bla. (le).
Isto posto passar a seccao a fazer appliraco
dos principios estabelecidos a questao sujeita a seu
exame e parecer.
Sao os chefes de policia magistrados c como taes
comprehendidos na disuosicao do art. 11 7" do .
acto addicional? A seccao pensa que sim. A pa-
lavramagistrado-turnada em sentido genrico
comprehende nao somente todos os niembros do
poder judiciario, seno os prinripaes funecionarios
pblicos, directamente delegados do poder ejecu-
tivo. Todava as nossas leis restrngem-a quel-
les que exercem urna parte do poder judiciario.
Ora, os chefes de policia exercem una parte do
poder judiciario, como se v do art. 4" da lei de .1
de dezembro de 1811. A qualidade de magistrado
nunca Ihes foi contestada, e~o supremo tribunal de
juslica a tem reconh>>cido, quando Ibes manda re-
gistrar as cartas e certides de posse, por quanto
somente^s pode mandar registrar de magistrados,
como se v do decreto de 20 de dezembro de
1830.
O art. 11 7o do acto addicional comprehende
portanto os chefes de polica, e a assembla pro-
vincial de Matto-Grosso poda decretar a suspen-
so e demissao do chefe de policia, nos termos das
leis.
Nao ha outra deciso respeito, nao consta qae
fosso ouvido o conselho de estado em outA occa-
slao, nem que o governo dsse deciso alguma so-
bre este ponto.
O nobre deputado em seu parecer cita um aviso
ou deciso do governo de 29 de Janeiro de 1814,
para mostrar que os chefes de porreta n3o s$o ma-
gistrados, assim como nao o sao osjnizes murtici-
paes e de orphos. Mas este aviso foi expedido
em relacao a materia muito dilTerente a consulta
ao conselho de estado foi-sobre saber quaes eram
os magistrados que deviam ser considerados como
taes na *hypotbese do art. 10* 7o da consti-
tuico.
O Sr. G. Drummon'd :Entao ha differenca de
magistrados ? Ha magistrados do art. 101 e outros
que nao o sao ?
O Sn. Fklisbino :Ha, sim, tanto que o avisa
citado pelo nobre deputado diz quo osjnizes nm-
nicipaes e de orphos nao sao magistrados ; mas
o contrario dizem os avisos de 7 de agosto o 14 de
dezembro de 1833 e 12 de marco de 1836, eo
ficto qae olles tem sido responsabilisados como
magistrados em diversas provincias, e ainda lti-
mamente o juiz municipal do Cascavel fd condem-
nado pela assembla provincial do Cear, e o ga-
verno o remedio que teve foi perdoat-lhe, quando
se nao o considerasse magistrado, julgava mino o
proeesso 3 mandava rdntegra-lo.
Sr. presidente, sustentado como flea o direito
que me eomoetia de dar a queixa ou denuncia pe-
rante esta assembla, e sustentado que a esta casa
compete o direito de processar o chefe de polica e
impor-lhe as penas pedidas, hoje consta-me qae
esse chefe de polida se acha no gozo de urna li-
cenca e pretende retirar-se para a corte, para on-
de dizem estar removido, talvez mesmo que quan-
do chegar por l a noticia de que elle tona de sor
rosponsabi usado, tenha um premio maior ; por-
tanto, eu que nao dei a queixa com desejos de per-
seguir esse chefe de polica, nem levada por Ao-
ve! poltico, mas sim para ver se obtinha nm re-
medio ao desreipeito da Id qae lavra nesta pro-
vincia, vendo que o tempo que nos resta, nio che-
ga para o que temos fazer, contentandOMne cora
que so registre este protesto, dosis da quehw,
desejo apenas qne fique constando do archivo ojno
dei a queixa e que o Sr. Francisco de Faria ta-
mos prevaricador...
0 8. G. DRUMMCNn: Nio apata*.
O B. FKLtSBifto :... o atrafttrprtprio 1
triste administra cao do Sr. conie de Baependy.
O SR. G. DrHJMMOND responde ad preeedeat*
oraor.
i
vi
c
I Mata I


m
Diario de PernambutN u Sabbado 22 de Maio de 1869.

-sw>. o requerimento do de-
l'ixa posto a votos c ap
Ol(OKM IXi da.
i ornamento provincial.*E* ap-
nnsado do intersticio a requerr-
Uraniio.
n-ojecto p. 39 deste .auno, a.uto-
risando a lo contrato feito com Francfeeo
de Pinho lkjrg. reparos da ponte de Ja-
boatao. K* approvado. ~V
i* discussao do projeelt n. 11 de approva o eftit rad com And de Abreu
^llt o de trillKM 4e Ierro
la a ordo do dia e
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.Deixou hontem de
funccionar por falta de numero.
CHUVAS E ESgHENTES.Tem continuado
cbuvcr copiosamente na cidade e nos lugares cir-
cumvismhos, de que tem vindo noticias.
68-rios todos tem tomado volume crescido de
agua*.
O Prapama, ao sul, den urna formidavel enclen-
te, avariando avia-ferrea do S. Francisco de modo
que hontem nao fot possivel haver eommonicacao.
Nada se sabe e positivo, visto aechar Marcea-
tada a commnnicacao tclegraphiP, provavelmente
por terein sido derrabados alguus postes que
sustenlam o tio elctrico.
Todos os mais rios da dlrecrao da estrada Op
ferro do S. Francisco estio muito cheiO*.
O Capibarib'e ameaca moa ebeia mais estupen-
da que a ultima de fevereiro. As aguas creseem
a olhos vistos, tendo attiugido hontem as o Doras
da tarde quasi altura daquella no lagar do
presidencia tera-se prestado com a melhor
vonttde e enerva na remessa de soccorros para
os pontos que parecer ollerecer mais pongos. As
fcaleeiras, botes, escalores, jangadas c tuti quanli,
do arsenal de -marmita, dos navios de guerra e
mereantes alugidos'tccm voado aos sitios amea-
cados pela endiente.
Eis o que se sabe das diversas localidades :
A ponte do Affogado, tendo perdido um dos es-
teros do lado do nascente, abateu desse lado, sem
que se receie sua queda.
A da Torre (passadico) perdeu diversos esteos,
ha grande probabilidade de que caa, por ser a
correnteza ah extraordinaria.
O passadic.0 da Passagem ameaca cahir a todo
o momento.
A ponte da Boa-vista (do madeira) causando sus-
citas, fci vedada ao transito do vehculos e ani-
maes. .
No Caxang a agua cobrio ludo ate a autiga
bomba do Zumb.
Em Sant'Anna, tendo o leito da estrada icado
cuberto d'agua, a companhia de trilhos urbanos de
Apipucos cullocou alii urna jangada, aflm de pas-
sar os passageiros que se destinaiu alm desse
ponto.
A estrada dos Remedios est completamente co-
berta d'agua, e portanto rilerrompido o transito.
A ponte de ferro do Motocolomb, por ondepas-
sa a via-frrea, acha-se com um dos muros de en-
cost (dizem) arruinado, em virtude do desmor-
namelo do talude do aterro que elle sustenta, e
consecuente perfuramento motivado pelo embate
das aguas.
O que mais formos sabendo iremos comrauni-
cando aos nossos leitores.
DESMO RON AMENTO.As chuvas alularam urna
parnde do consistorio do^enhor Bom Jess dos
Afflictos, n,i igreja de S. Jos de Riba-mar; e Oze-
ram-na cahir, trazondo eorasigo a coberta desse
lado, a escada e o assoalho. Felizmente nenhuma
desgrana ha a lamentar.
DINHEIRO. O vapor Ipojuca, trouxe as seguin.
tes quantias para os Srs.:
Luiz Antonio Scqueira. 17:780*000
Agente fiscal do Rio-Grande. 2:0005000
Antonio da Silva Pontes G. 1:000*000
Fernandos & Irmaos.....913*740
Manoel Joaquim da Costa &C. 803501)0
Jos Franusco do Souza \ 400*000
MISSIONARIO CAPUCIIINHO.A' capital do
Cear ehegou, no dia 10 do crrante, o Rvm.frei
Soraphim de Catania, que desde outubro do anno
pasado, anda missionando no interior dessa pro-
viaeia e da de Pernambuco. Um concurso nume-
roso de povo foi da capital encontrar-s'e com o
venerare! em Arronches, trazendo em procisso a
imagem de Nossa Senhora da Penha.
THEATRO DE SANTA ISABEL.O beneficio
da Sr. Apolonia, que eslava annunciado para boje
H. fieou transferido para a hoje, impreteri-
velmente.
VAPOR IPOJUCA.Esto vapor da companhia
Pernambucana, chegado hontem da Granja e por;
tos intermedios, foi portador de jornaes do Cear
at 14, do Rio-Grande at 18 e da Parahyba at 19
do corrente.
Durante a ausencia do Sr. desembargador
Jaguaribe, licou servindo de director geral da lns-
trucho publica do Cear, o Sr. Dr. Manoel Soares
da Siiva Bezerra.
Foram presos, no Ico, Jos Bezerra de Senua,
Joa> Bezerra e Manoel Jos de Mello, por.estarem
passando notas do thesouro de 100* falsas, os
Suaes declararam ser fabricadas por Luiz Paulino,
a villa de Souza na Parahyba.
Reappareceram as chuvas, tanto na capital como
no centro, como se v dos seguintes extractos dos
jornaes da provincia :
Ante-hontem (10) a nouto cahio sobre esta
cidade (Fortaleza) um forte temporal, acompanha--
do de formidavel pancada d'agua e de muita elec-
tri cidade.
A noute toruou-se medonha. Os relmpagos
cruzando-se no espaco em todas as direccoes, o
estampido dos trovdes, o sibililar stridente do ven-
to, c o bramir furioso do mar, fomavam urna or-
chestra lgubre e atterradora.
< Escrevem-nos do Crato em 24 de abril:
O invern reappareceu em todo o Cariry-No-
vo. Das cartas, que fiel recebido de Barbalha,
Missao-Velba, Milagros, Jardim, Porteirate Goyan-
ninha, a chuva de 16 alvoroco de um povo inteiro que estava ameacado
de urna secca, de urna forae. Das Lavras e do Ico
rocebi idnticas noticias. >
A Voz da Religiao, do Cariry, noticia que no
asylo dos mendigos da casa de caridade da villa da
Barbalha acha-se recolhido um preto velho qu
tem 118 annos de idade I
Anda est um pouco robusto, caminha a p
sem difficuldade al urna boa distancia c nao se
quoixa de outros mcommodss, seno dos quo s3o
ordinarios e c ommuns a todos os macrobios.
Lemos no Copavra'o do Cear :
Antes de hontem (10) ao passar o vapor To-
cantins as 2 e meia horas da tarde em frente ao
povoado dos Touros na provincia do Rio-Grande
do Norte, foi causador de um accidente, guando ia
arrancando a vida a um pai de numerosa familia.
Foi o caso, que pesca va u'uma jangada Fran-
cisco Faustino, individuo de 54 annos da idade,
pai de 8 filhos e morador nos Cajueiros perto dos
Touros. Cerno a jangada licasse com relacao ao
vapor sob a esieira de luz, que produzem sobre o
mar os reflexos do sol, as vigas do Tocantins so
pederam descobri-la, quando j nao era tempo de
desviar o navio, que apesar das mais promptas
medidas batteu contra a jangada, fazendo-a em
pedacos. Francisco Faustino nao perdeu a rora-
gem, mas vendo, para assim dizer, a morte diante
dos olhos, teve animo suflkiente para mergulhar
por sob as rodas do vapor,sahindo apenas com u n
braco contuso e ama das pernas offendida. O
passageiros immediatamente cotisaram-se em mais
de 40j, que Irzeram presente ao pobre jangadeiro,
que tiulia sido recebido a bordo; o commandante
do vapor deu-Ihe urna outra jangada, contribuindo
assim esses cavalheiros, o quanto estava em
suas forcas, para fazer o pobre homem sentir o
menos possivel as consequonoias do accidente, do
qual ia sendo quas victima.
Os Srs. commandante e olliciaes do TcaiUins
sio dignos dos maiores elogios pela sollicitude com
que se portavara para com o infeliz.
Ao Sr. vice-eoosul inglez J. W. Studart deve-
mos estas informaces: agradecemo*-lbe a cora-
munioa.,>o e d felicitamos pela sua feliz chegada a
esta capital. 8. S. era um dos phllantropcos pas-
sageiros do ToatHtins.
O presidenta do Rio-Grande do Norte tinha
alugado o s.>brado do 8r. Domingos Henrique de
liveira, no bairro da Bibeira, para servir de resi-
dencia aos presidentes da provincia, e ahi funccio-
nar a secretaria do'governo.
Falleoeram: em Pao dos Ferros, o coronel Jos
Fernandos de Queirz- e S; e no Paco Ligan, o
capitao Jos Januario de Mello Pessoa.
Deixamos da reoeber carta de nesa^^tes-
pondente. Cartas, porui, que vimos dizB^oe
ehove na capital e arrodores ha 8 para 6 das,,.
CAPTURAPelo subdelegado do i distrk*de
Santo Aotao, foi preso, a S do mez (M$s?aa^ /os,
Sev.'iiuo:4eso'Ja,f|ll(ft)r AjfHotibo pratcado
ixvim de nm mociante da cidade da
Victoria..
TUILUOS URBAS0S DE APlPUCOS.-Emqnaute
dugar a 'ebeia, resolveu a gerencia desta mpreza
sapprmir os trehsqe sahiam do Recife s a horas
e 50 minutos da manha, 3,6~e meia,- 8 e 9 e um
qnarto da tarfle, c os quo sahiam do Apipucos s
ti horas da majihia, ti luirs c Yj uuutos,
cisco e <) iMb daBHe. :
RII DffPESCADOW.Os moradores desU:
ra, na faagnezia de S. Jo-, acliam-ae sitiados ha
i tus das, pelas aguas d;i emiva ahi. agalomera-
datk^Reclamamoe para isso aatteneo do Sr.
Osea!.
POSTE DE UilHOA. lemos quesis dos mora
dores d este pov'oailcoii!!' a man#aporqne alu
foit a iliummaco u. A nior parte das
nonles accenaV-so a Wuiwe3ois9 lioraa, mu
gravo detrimento dos moradores, que llcam as
escuras quando justamente mais precisainda
luz. Chamamos para isso a attencao4^fj wjm
rintendente. CJulf A
DIARIO DE PERNAMBUCO.Se chegar hoje o
vapor Cruzeiro do Sul, destribuiretnos amanbaa
nosso numero do segunda-feira.
RA DAS CALCADAS.Pedem-nos qne chame-
mos a attencao do subdelegado da freguezia de S.
Jos, .para urna preta fressureira, ahi moradora,
a qttal incommoda aos vizini)os4 com palavras
jndceenta.
FALLECIMENTOFallecen e sejpltou-se hon-
tem, victima d'uma febre maligna, o acadmico do
4o anno Minatc Pereira Borges.
Era mu moco hbil, estudioso e dotado de
excellentes qualidades.
LUTO.Os acadmicos do 4 anno resolveram
tomar lulo pelo seacoilega Mnate Pereira Bor-
ges por 7 das.
CARUARJJ'.Eserevem-nos desta villa, em 17
do corrente :
No dia 14', houve sufragios na igreja da Con-
ceicaj desta cidade pela alma da esposa do teen-
to-oronel Quinteiro, por ser o trigsimo de seu
passamonto.
t Comparecern! todas as pessoas gradas deste
lugar, que, sem exoeprao, se prestaram a seme-
Ihante acto religioso, qu foi muito concorrido e
feito com toda a decencia.
Nesse mesmo dia, aehando-se presento o
Exm. Sr. visitador Trajauo a instancias de muitas
pessoas, aida administrou o Santo Chrisma a 300
e tantos deis.
Hoje seguiram alguns recrutas para essa ca-
pital, enviados pelo delegado de poncia deste
termo.
Contiaa a falta de chuvas, e por conseguinte
o temor de que seja secco e presente anno.
LOTERAA que se acha a venda a 107% a
beneficio da matriz de Buique que corre uo dia 29
do corrente.
PASSAGEIROS.O vapor nacional Ipojuca, da
companhia Pernambucana, entrado hontem da
Ora ja e porlos de sua escala, trouxe a seu bordo
para o nosso porto, os seguintes: Manoel Francis-
co Teixeira, Jos Francisco de Andrade, Francisco
Jos da Silva, Vicente da Silva Mello, Joao da Cu-
nta e Silva, Dr. Joaqnim da Cunha Dourado, sua
senhora e 7 filhos menores, 1 desertor o i pracas,
Joo Vicente Alves, James P. Shuld, Vicente Gi-.
fone, Bernardo Francisco Oliveira, Jean Chales
Nwry, Me. Mar Noury, France Meleke, Nicolao
Spna, Dr. Antonio do Nascimento Feitosa, Olympio
\V. Barreto Carvlho, Mara Luzia dos Santos, Ray-
mundo Antunes de Oliveira, Manoel Clementino de
Ca valho, Silvestre Ferrefra Caminha e 1 escravo,
Francisco Jos de Oliveira, 4 escravos a enteegar,
Felisberto Jos de Bessa, Antonio Augusto de Sou-
za, Raymundo Antonio de Oliveira, Vicente Embo-
te e i compauheiro, 1 escravo entregar, Antonio
Fernandes Thom e S escravos, 2 ditos a entregar,
Jos Antonio do Reg, Manoel de Mello M. Paes,
Joo Francisco de Salles, Antonio Felippe C. de
Machado, e 3 pracas de polica.
Bank, por seus gerentes nestxcidade, pediirio que
se Ihe registre a nbmearfio di Torquato enriquos
Ja Silva para caixclro .de cobraiieas de H
hpleciineuto;Registre se.
Dito do commecciante matriculado Antonio
ucisco Leite, registro da nomea^io de.seu cai-
Joaqnim Mwlins Montelro.Seja regis-
,da.
coa sFoa
Reqncri 1
papel dlilsolucif d<' s.wiedad
Manoel Martias.Na turma 're-
\QJ>0 SU. USEMUAUC.\
ido Jnaajnini Antoni)
Ar*nJo &
rom relacao
ao socio
qiii'r*.
Ditoularfafncicq Jos da Costa Arauj^, matri-
cula d^ajeQB9inercinyp-AdiBdo para a piimehra
sesso. >
Aui.jse rehabili'acSo -oinmairial de Daatcker
& BarSBr-Adiwlo osen aiida^i
S
8
J5
,
o
I
10
10
20
S
50
50
t!0
i vifUPra s
n io" at a proxi
HeplWr"de Jonqnim da Silva Ferr-lra ptim ron-
ceder-se-lhe a matricula do ct mmerfiante que im-
potrava.l^ntinda^liado, assim como o ofllcios
da junta dos correctores, e do pridnte'da mes'
ma jimia, aiiiart-is da sessao prxima passjda.
Requerimento do Jaime Romaguera, Pedro M.
Maury e Jaime Rmnaguera Filho, registro de seu
distrato social.-.-Coma requerem.
Dada a hora (fie,meia) o Exm.-S^ prest
encerrou a sessao.
PUBLICACOES
TfF
Theatro.
TRES li.C^KI \S.
Inttla-se Tres Lagrimas um drama que no
Santa- Isabel se est ensaiando par3, com grande
pompa e luxo, subir scena nestes das mais pr-
ximos. E' seu autor o Sr. Dr. Tavora, joven in-
telligeute a instruido, c j bastante conhecidp pelos
valiosos servidos, que de
S
S
10
s
5
5
2o .
5
10
5
25
50
25
CHRONICA JIDHIARIA.
nilBlAML DO COHMERCIO.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 20 DE
MAIO DE 1869.
PRfiSroWtCIA DO EXM. SB. DESBMBABGADOR ANSELMO
FRANCISCO PEHBTTI.
s 10 horas da manhaa, presente o Sr. desem
bargaoor fiscal, reunidos os Srs: deputado baro
de Cruangy e supplent; S Leito, faltando sem
IKirticipacao o Sr. deputado Miranda Leal, com
partieipasao verbal o Si. deputado Rosa, S. Exc. o
So. presidente abri a sessao nomeando o Sr. ba-
rio de Cruangy para exereer o lugar do secreta-
rio na a .stiucia uo Sr. Oepulado Rosa.
E' lida e approvadi a acta da sessao de 13,
com a segnlnte declaracao.Que houve omissio
em nao se mencionar a resolucao que ora se to-
ma va, de ser sobr'estada do !. de julho em dian-
te a deliberacao tomada em sessao de 23 de abril
de 1868, que permito expedirse carta de regis-
tro de embarcacoes nao obstante a falta de algum
documento, urna vez quo a"parte interessada hou-
vesse prestado flanea pela opportuna exhibicao
delle.
EXPEinENTE.
Ofcio do Exm. Sr. vce-presidente da provin-
cia, de 14 do corrente, remetiendo um exemplar
impresso do decreto n. 4,339 de 20 do marco ulti-
mo.Archive-be o indicado officio depois de res-
pondido.
O mesmo Exm. Sr., por despacho de 13 do w r-
rente, mandou informar o requerimento que a S.
M. o Imperador dirige a companhia Northern As-
surance & C. para que se Ihe conceda estabelecer
agencias as provincias martimasAlagas, Pa-
rahyba, Rio-Grande do Norte, Cear e Maranhao.
-^-Responda-se que nada se pode informar urna
vez que a peticao nao voio acompanhada dos esta-
tutos relativos as liliaes de que trata dito requeri-
mento.
Officio do director'peral da secretaria de estado
dos negocios da juslica com data de 9 do cor-
rente, remetiendo d'ordem do Exm. ministro dos
negocios da justica dtous cxemplares dos decretos
nmeros 4,354 e 4,35o de 17 de abril ultimo que
mandou executar os regola montos para a arreca-
dacao do imposto do sello e transmissao da pro-
priedade.Seja archivado o ofllcio depois de res-
pondido.
0Bcio do secretario do tribunal do commercio
da- capital do imperio remetiendo a relacao dos
commerciantes matriculados no dito tribunal no
mez do abril prximo passado.Responda-se ao
officio, e depois seja archivado.
O.Tlcio do presidente e secretario da junta dos
corretores remetiendo as colacSes offlciaes da se-
mana linda.Seja archivado.
Foram expedidos quatro officios com assignatu-
ra do Exm. Sr. presidente do tribunal, sendo ao
Exm. Sr. vice-presidente da provincia, 1 ao Exm.
presidente da provincia da Parahyba, 1 ao Dr.
chele de polica interino da provincia, e i ao Dr.
juiz de direito substituto do commercio.
Foram a rubrica os 3 seguintes livros: Diario
de Almeida & Vianna. dem de Magalhes Ir-
maos.Copiador de Joaquim Antonio de Araujo
de C.
Compareceu o eseriviio Albuquerque e mostrou
ter No feito "ob n. 1747, o timo protesto de
lettra registrado no competente hvro em 10 do
corrente.
Nao tendo comparecido o escrivlo Alves de Bri-
to, nao se pode saber que numero attingio o ul-
timo protesto^ir elle lavrado.
DESPACH06.
Requerimento de Nogoeira di C, para se aver-
bar no respectivo registro haverem cassado a pro-
curacao bastante que linham outorgado a Diogo
Pereira de Souza, para comprar e vender.Como
requerem.
Wito de Marques Santos & C, apresentando re
gistro a proenracao que deram a Diogo Pereira
de Souza, para vender e comprar gen*ros do paiz
e fazendas.Regstre-se.
Dito de Jos Alves da Silva Gumares, apre-
sentando tmbem registro duas procuraedes
bstanles m que constitue procuradores ne-ta ci-
dade durante a viagem que tem de fazer a Euro-
paSejam registradas.
Dito de Antonio Ferreira da Silva Maia, registro
igualmente de urna pi-ocuracao bastante em que
constitue procuradores nesta cidade em virtude de
relirar-se para a Europa.Seja registrada.
Dito de Thiago Jos dos Santos, certidao do theor
do registro da nomeacSoTle seus caixeiros Felippe
Santiago de Aquino Jorge e Jos dos Santos Ba-
cellar.Como reqner.
Dito de Joao Jacintho de Medoiros Rezende, para
se registrar a nomeacac de caixeiro que ora dra
a Pedro de Alcntara Moreira, illminando-se do
registro a do caixeiro Flix Rodrigues de Lima,
que se retirara do sen estabelecimento.Como
pede.
Dito de Antonio Heni iques Rodrigues, registro
da escriptura de contrato ante-nupcial que cele-
brara com D. Anua Anglica dos Santos.Seja re-
gistrada.
Dito dos directores do Loadon aad Bratflian
c dia para dia vai fazendo
a nossa littefa'tura. ^
Nao este drama wa tentativa do seu autor,
nao. E' Jresoltado da aiumacao generosa, que
recebeu do panuco dosta cidade nos applausos,
com qne este o saudou por oceasiao de exhibir o
joven poeta a sua primera coraposicao dram-
tica.
Frflcto de um espirito spplicado ao estudo dos
conhecimentos uteis o investigacao dos segredos
dessa arte tao bella, qnauto diftlcil, o drama Ties
Lanrimm nio c somentc una gloria para o seu
autor e urna joia para os cofres da litteratura pa-
tria ; tambem mais nm alent, mais um raio lu-
minoso e mais urna homenagem que acaba de re-
ceber a moderna escola dramtica no Brasil.
Nao sendo urna alta novidado o seu assumpto,
o todava a bella e brilhante frtaa, sob a qual
no lo apresenta o sea autor. Asm aecao passa-
da no Rio de Janeiro, corre natural' '" Tigorosa, e
sempre enriquecida aqui e all do interessautes
incidentes, onde se agitam, discutem e resdlvem,
com prudencia e criterio, questSes flt snmma im-
portancia, que dhtem respeifo ao bem-estar social.
Assim que, sert ofTensa as nossas leis e aos par-
tidos polticos, que militam no paiz, ahi se apon-
tam reformas soeiaes, que urgem, ta-ss como a abo-
lico da escravatnra, a restriegao no funccioaalis-
mo, e outras mais de interosse vital para a nossa
sociedade, indieando-so por ,meo de argumentos
calmos as medidas salutares, aconselnadas pelos
bons principios de urna saa poltica e pela expe-
riencia e estu'lo dos factos.
E' urna composicio que inleressa, porque nella
encontra o espectador um espeHto fiel da vida e
costumes da actual sociedade nos seus-movimen-
tos e as suas situacdes.
E' um" Irabalho de mrito, porque nelle mostra
o seu autor conhecer as duas Qntes principaes do
interesse dramtico : a de formar caracteres e a
de dar-lhes ao natural as paixoes e sua lin-
guagem.
Corrente o seu estylo e sempre accommodado
ao assumpto, forca das situacot e qualidade
dos personagens.
E' um grande e bonito drama, mas de condigoes
taes, qfte somente theatros da forca do Santa Isa-
bel poderao convenientemente faz-lo representar
com aquello luxo c brilhantismo, i;ue o seu autor
exige no suinptuoso secnario, com que dtve appa
recer ao publico.
Sabemos que o Sr. Coimbsa tem envidado todos
os seus esforcos para que o, Sr. Dr. Tavora nao
deixe de ficar salisfeito nao somenle pelo qne res-
peta as delicadas e costosas pinturas de esplend
dos saldes, jardins ornados de estatua?, earaman
ehoes e outras docoraQoes exigidas pelo drama ;
como tambem pelo que respeita ao bom desempe-
nho dos papis, confiados felizmente artistas
briosos, e que se achain sob a magistral direccao
doprimeiro artista brasileiro Joiquim Augusto
que, acolhendo sempre com patritico enihusiasmo
as composieSes nacionaes, timbra em elevar a sua
representaco altura dos seus mritos litterarLs.
E' pos de esperar que o drama Tres Lagrimas te-
nha, sob tao bons auspicios, urna brilhante car-
re ra.
Feliz as suas situacoes, interessante pela ver-
dade dos personagens attrahonte pelo desenvolvi-
mento do seu enredo e rico de bellas e animadas
scenas, em algunas das quaes a ridente comedia
vem suavisar as impressdes fundas e senas produ
zidas no nosso animo pelos lances altamente da
niaticos, o provetoso irabalho do Sr. Dr. Tavora
digno de estudo e grave meditaco.
Aguardamos anciosos a sua representagao para
confundirmos nossas palmas com as do publico
pernambucano, quo ter mais uina occasiao de
mostrar o grao de consideraco qie Ihe merece o
joven e j tao festejado Iliterato.
I--------------------------------7--------
los da Costa Bispo..........
Paulo Jos Gomes............
T)r. Syraphronio Cesar Coutinhb
Domingos Teixeira Bastos.....
Jos Antonio de S Leilao.....
Bernardino Corroa de R. Regor
Manoel de Abreu Macedo.....
Manoel Joaquim Baptista...... 50
Tihni-fin Valeriano Bautista... 50
.TegoBaptfc....,
iaalino J. de Souza Cafcpos...
Jos Moralra Lopes..........
'Antonio J. P. de Carvlho.....
Br. Frainlaco do It. B.Barreto.
Bario dJMedade.......
Francisca frreira Boi-ges-----
Conselhi^la-Jos'! Rento Ua Cu- .>
nba Fijuetredo............
Dr. Jos fiento da Cuaaa Fi-
gueiredo Jqbior... TT.....
Antonio Pntoae Barros......
Manoel ule Souza Tavares...
Pariso llolannino ile Mora* P.
TCrrente^-coronel Trandsco' C.
M. Rios Jnior............
Manoel de Souza Leao........
Jernimo de Souza Leo. H ..
Jovino Coelho da Silva.......
leo 9.*As Cunha Soares.....
Jo oJoaquim da#C. Leite.....
Dr. Ignacio 1. de Souza Leao..
Alfreiio Jos A. Gumares '
Manoel de Mesquita Barros \V.
Thomaz Lins de Barros \V...
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquerque Uclia.........
b30 F. Cavalcante de Albu-
querque..................
Commendador Antonio de Sou-
za Leo..................
Joao Manoel de Mesquita Bar-
ros Wanderley............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicente Mendes Wanderley.,.
Coronel Antonio G. Leal.. ."..
Francisco Manoel de Souza e
Oliveira..................
Dr. Francisco E. do R. Dantas
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes.................. 5
Laurentino J. de Miranda..... 20
Dr. Manoel do Nascimento Ma-
chado Portella.............
Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcanti..........
Dr. Joo J. Pinto Jnior......
Jos"Francisco P. S. Jnior.
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa..............
Jos Cesarlo de Mello......*
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth.................
D. Mana Amelia de Gusmo
Lira....................
Major Francisco de Gouva e Souza
Dr. Antonio Venancio Cavalcante
Albuquerque.................
Ernesto Arcelii de Barros Franco
Francisco Manoel Wanderley Lins
Major Joao BaptistaPaes Barreto..
Dr. Felippe de Souza Leao.......
Jos Joaquim de S Barreto.;
Ignacio Jos da Silva............
Antonio Pereira da Cmara Lima
Francisco de Paula de Albuquer-
1:000*000
1:000*800
5:0004000
1:000/000
'1:000*00.
1:000*000
1:000*000
10:000*000
10:000*000
2:000*000
2:0'0*000
4:000*000
4:000*000
10:000*000
-tt>:00<)#000
10:000*000
Manoel Joaquim
10 9:000*000
250
10
5
5
5
15
25
Aos Illms. Srs. mdicos e ao
publico ein geral.
Acaba de prover-sc a botica da ra da Impera-
triz n. 77, de um completo sortimento de medica-
mentos, productos chmicos, pharmaceuticos, tin-
tas e todos os artigos conceruentes a estabeleci-
mentos dessa ordem.
No intuito de serem satisfeitos quaesquer ped
dos ou receitas, os proprietarios ao mesmo esta
belecimento, ante de receberem is facturas que
esperam de Pars, Lisboa, Inglaterra, Hamburgo,
etc., resolveram 9W-I0, compranilo medicamen-
tos as importantes pliarmacna das Srs. P. Mau-
rer & C, Bartholomou de C, Joaquim Martinho da
Cruz Correa, Maaoel Alves Barbosa, Joo da Con-
ceicao Bravo dt C. e droguistasJJoao da Silva Fa-
ra de Irroo.
Sendo, portanto, evidentes os eeforcos em prega
dos pelos proprietarios do referido estbelecimen-
to para satisfactoriamente despacharem os pedidos
e receitas que Ihes forem enderecados, esperam
que o respeitavel publico lhes prestem sua valio-
sa coadjuvacio, pelo que estarao promptos a qual-
quer hora do da e noute a prestaram os Seus ser-
vicos.
Roa Vista, 3 de maio de 1869.
C. Cato & C.
-i.______
Trilhos Urbanos para
Jaboatao.
Lista dos subscriptores de ac-
edes para a formaeo de tima
coMpauhla.
acgdes
Joo da Cunha Wanderley___ 100 20:000*000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:000*000
Frreira dt Matheus.......... 50 10:000*000
Thomaz de Aquino Fonceca e
Filhos.................... 30
Joao. Fernandes Lpez........ 20
Henrique Gibson............. 10
Bonto Magalhes............. |Q
Demetrio Acacio de Araujo B. 10
Amerieo Nunes Correia...... 15
Dr. Claudinode A. Guimaraes. ti
Francisco Goncalves Netto___ 10
J.F.S. Porto................ g.
Angusto Frederico dos S. Porto 5'
Jos Alexandre Ribeiro....... 3
Dr. Estevo Cavalcanti de A.. W
Antonio Jos da Costa e Silva..- 5
Luiz Jos da Costa e Silva___ 5
Jos Alves da Silva Guimaraes 10
Jos Joaquim Lima Bairo___ !J
Joaquim Jos da Costa e Silva. 5
Antonio Cesado Moreira Das..
Jos Antonio Moreira Dias___^
Jos Antonio da Silva Jnior.!^ 10
Antonio Baptista Nogueira___ !5
Bento do Santos Ramos...... 10
Antonio Augusto dos S. Porto.. 5
Jos Fernandes Lima......... 10
FranciscoJFernandes Duarte... 5
Antonio Jos C. Gulmaries.... H
Joo Evangelista de S....... 10
Antonio Moreira de Mendonca. $
10:000*000
4:000*000
2:000*000
2:000*000
2:OfjQ*000
3:fJOO*000
1:000*000
2*00*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:
1:
1:
10,^v2.000*000
10 2:000*000
l:00OS0O0
1:000tXK)
t':0D00l0
l^J0O*W)Oj
f
1:000*000
1:000*000
1:000*000
. 5:0003000
1:000*Ooq
2:000000
8:000*000
5:000*000
10:008*000
5:000*000
1:000*000
400*000
o0:000*000
2:000*000
1.OOOaOOO
1:000*000
1:000*000
3:000*000
5:000*00
, 1:000*000
4:000*000
5 1:000*000
' ditos ritas^HI
da r^ta> C. .
'JOO meios de sola ; a Fernand3 4 Irmao.
30ditos dita;.a Konseca & Santos.
2 garajos carne, 10 saccas caf, 4 pipas
e!7l barrica1; abatidas ;a ordem.
3 courori^algadas, 1 pacole peuuas ; a
J. Husson.
8 garajos carp,e, I caixao ovos, t dito
queijos, 110 coorinhos, 3 coaros salgados,
48 saccas algodao, 78ft. meios de sola ; a
S Leito 4 Irffito,
RECEBEDORIA DE BENDAS INTERNAS GE-
RAES Dl PERNAMBUCO.
Rendimentododial a 20. 31:894*090
dem do da 21...... 787*145
r-
-*-
32:681*8J5
MOVIMENTO DO PORTO,
23
5
5
S
5
5:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
3 1:000*000
10 2:000*000
40 8:0003
Na^fos entrados no da 21.
Rio de Janeiro12 dias. patacho portuguer Geor-
gense, de 313 toneladas, capito Militad P. de
Oliveira, equipagem 9, carga farinba de-man-
diom e outros gneros; a 'Joao do Reg Lima.
Granja e portos intermedios10 dias,vapor nacional
Ipojuca, de 360 toneladas, commandante Martins,
equipagem 32, carga varios gneros; a compa-
nhia Peraambucana.
Rio de Janeiro12 das, barca ngleza Aime, de
505 toneladas, capitao T. Bechards, equipagem
:;i, em lastro; ao mesmo capitao.
Baha10 dias, barca norueguease Hakow +Adels-
teen, de 372 toneladas, capitao A. E. Hansen,
equipagem II, m lastro; a Sawuders Brothers
&C.
Navio sahido no mesmo dia.
LisboaCanhoneira portugueza Zarco, comman-
dante capitao tenento Alvaro Andrea.

Ra de Sanu Thereza.
Gasa toara b. 4< e......
dem idem n. 3.......
iga do Rosarip.
Primeiro andar iOja do sobrado n. 24
Terceiro dito d' dRo
Terceiro dito do dito \ 241*009
^ ico.
300*000
. 242*000
145*000
171*000
760*0(0
241*000
f^M lUu do UUk-u
Ra Niva.
Casa torrean. 41 .
torrean. 41 ... | 800*000
. Ra da Odeia
Sobrado de um andar n. 23 E 684*000
Hna da Moeda.
Sobrado de um andar n. 41 r 300*000
Primi'iro andar do sobrado n. J7. 76*000
Segundo andar dito...... 96*000
J--***- Areal do Forte.
Casa terrea n. 1....... 100*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Riua db j'ilar.
Casa terrea n. 94, por anno............240*000
Casa terrea n. 100...... 201*000
Sitio n. 5 do Forno da Cal. 150*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataco as suas llancas, ou comparecerem
acompanliados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Qisa da Misericordia do Re-
cife, 8 deinaio de 1869.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza,
EDITAES.
5
10
3
10
25
2
1
10
que Lima.........*......
Jos Pedro Carneiro de Alfinquer-
que........................ 2
Manoel Theodoro Mendes Lins.... 2
Antonio Columbano Seraphico de
Assis Carvlho............... 2
Jos Francisco de Albuquerque
Maranhao.................... 2
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo. 23
TenentecoronelJoaquim Maximi-
no Pereira Vianna............ 50
Jos Rufino Barbosa da Silva..... 23
Dr. Manoel Gentil da Costa Alves. 25
23
25
1:0005
2:0003
1:0083
2:0003
3:0003
400*
200*
2:000*
1:000*
400*
400*
400*
4003
o;
Albino Jos da Silva............
Jos Caelano de Albuquerque
Candido Affonso Moreira........._
Adriano Augusto de Almeida Jordo
Manoel Jos Dantas...............
Joo de Castro Guimaraes.
:Q003
10.0003
5:0003
5:0003
"5:000*
5:000*
5:0003
2:0003000
2:000*000
1:000*000
Francisco Goncalves Netto......... 4:0003000
Albino Jos Frreira da Cunha.*... 2:000*000
Bento de Barros Feij............. 5 000*000
Antonio Augusto Frreira Lima...... 2:000*000
Beruardino da Silva Costa Campos.. 1:000*000
Andr da Abreu Porto............. 2:000*000
Dr Manoel Thomaz de Bittencourt
Corte Real.....................
Bernardo de Siqueira Castro Monteiro
Thomaz Fernandes da Cunha......
Jos J,ucio Monteiro da Fonseca Filho
Dr. Manoel de Figueira Faria.....
Alexandre dos Sanios Barros....... 1:000*000
Manoel da Cunha Wanderley Lins.. 5:000*000
Miguel Jos da Costa.............. 1:000*000
Bernardino Jos da Silva Maia...... .i:000*000
Antonio de Souza Guerra.......... 1:000*000
Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:000*000
Antonio Jos da Cunha............ 1:000*000
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.... 1:0003000
Manoel Pedro Noronha............ 1:0003000
Francisco do Reg Baptista........ 3:000*000
1:000*000
2:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
COMMERCIO.
Banco Mau & C.
Ra do Commercio u. 34.
Descoma letras commerciaes a taxa convencio-
nal.
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simo & 0.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
SBJ19] de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e oatros ttu-
los commerciaes.
Encarr'egam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranza do letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias om deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Descea lettras da praea taxa a con-
vencionar.
Recebe dinbeiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencia na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo, & Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 20. 43:963*231
dem do dia 21...... 9:534*562
553:497*793
Volnmes. sahidos com fazendas 5
dem idem com gneros
5
Descarregam boje 22 de maio
Vapor mglez=Sotdn=mercadorias.
Barca nglezaSwaptoifamercadorfeiS.
Sumaca hespanhola=PorfoW Escuna hespanholaAnni"/ii=idem.
Importa^o. f
* Vapor brasileiro iPorocA, vindo de
Granja e portos intermedios, nnnifestott :
200 meios de sola, 43 couros salgados,
13saccas algodao; a JoSo Jos de Car-
vlho Moraes A C.
214 ditas dito; a Tasso Irmo,
14 ditas dito, 1 papte pennas i caixao
qaeijo,24garajaos caj^e; a Maoool Marques
Pinto,
81 ralhos couriuhos, 20 meio de sola.
8 cahfies vells de arnanba : a Uno de
Faria C.
2" secijo.Secretaria do governo de Pernam-
buco 15 de maio de 1869.
Edita!.Pela secretaria do governo se faz pu-
blico para coiihecimento de quem mteressar possa
o edital abaixo transcripto do juiz municipal e de
orpnaos supplenle do termo do Boin-Consellio
pondo a concurso a serventa vitalicia dos oficios
de 2o tahello e escrivao de execucoes civeis e
crimes d'aquelle termo creadas por forca do de-
creto de 30 de Janeiro de 1834. Os pretendentes
devem apresentar seus requerimentos no praso de
60 dias instruidos na forma do decreto n. 817 de
30 de agosto de 1851.
Edital.Luiz Paulino de Uollanda Valenca eflicial
da imperial ordem da Rosa, tenente-cronel da
guarda nwRmal e juiz municipal supplente em
oxercicio no tormo de S. Bento por S. M. Impe-
rial, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, que
achafido-.se vago os offloiosde 2 tabelliao e escri-
vao das execucoes crimes o civeis deste termo,
por nao ter tirado o respectivo titulo o serventna-
ro nomeado Fideralino Antonio da Silva Lemos,
no praso marcado, ponho em concurso os respec-
tivo i inicios coma foi ordenado polo Exm. Sr. pre-
sidente da provincia em officio de 22 de marco do
corrente anuo por isso pelo presente convido as
pessoas que o pretenderein a se mostrarem habi-
litadas no praso de 60 dias contados da data
deste.
S. Bento 3 de maio de 1869.Lih": Paulino de
Uollanda Valenca. O secrolario Dr. Joaqun
Correa de Araujo.
COMPANHIA
HERERME
O caixa desta eompsahia commendador
Thomaz de Aquino Fonceca, acha-se autho-
risado a pagar no seu escriptorio ra do
Vigario n. !9, das 10 horas as 3 da tarde,
o 42. dividendo desta companhia, na pro-
porco de 3*000 por cada acr5o.
Escriptorio da companhia 21 de maio
de 18G0.
O secretario
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
i '
THEATRO
I DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DB
iio.ii;.
ii':.m:to:io n.v ACTRIZ
apologa .iohi\\u
Subir a cena a primeira representaco
esta companhia do drama em 4 actos do '
Sr. eonselheiro Jos de Alencar
pr
Exm.
MU
DECLARACOES.
O administrador da recebedora de rendas
internas geraes faz publico que ueste corrente mez
e no de maio prximo futuro, visto estarem con-
cluidos os lncamentos, e que os devedores do
imposto pessoal, relativo ao exercicio corrente de
1868 a 1859, residentes as freguezias do Becife,
Santo Antonio, Alfogados, Poco da Panella, Vartea,
S. Lourenco da Malta, S. Amaro de Jaboatao, e
Murbeca, teem de paga-Io, livro da multa de 6 0/0
e com ella dep's do referido prazo.
Recebedora de Pernambuco 3 de Abhl de 1859.
Manoel Caneuode Souza Lacerda.
De ordem do Ulm. Sr. eonselheiro, inspector
da thesOuraj'ia de tazenda desta provincia se de-
clara para conliccimento de quem interessar, que
o praso para a substituicao das notas de 10*000
da quarta e 5*000 da sexta estampas hnda-se no
ultimo de junho prximo vindouro, tomecando do
Io de julho seguinte em diante o descont de dez
por cenlo para as referidas notas. _
Secretaria da thesouraria de fazenda de Por-
nainbuco 19 de maio de 1869.
O oflleial-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
A alfandega desta cidade precisa comprar
para o sed expediente os seguintes objectos :
1 balanca decimal cujo mximo peso seja de
1,500 kilogr,
16 peses de 30 kilogr. cada um.
9 ditos de 15
9 ditos do 10
9 ditos de 8
9 ditos de 2 >
9 ditos de 1
9 ditos de 0,5 kilogr. ou 500 grammas cada um.
9 ditos do 200 grammas cada um.
9 ditos de 100
9 ditos de 50 >
9 ditos de 20 >
9 ditos do 10
1 mcd'da de litro.
1 dita de meio dito.
1 dita de decilitro.
1 dita de centilitro.
m quizer fornecer taes objectos compareca
uas propostas em caita fechada at o dia 31
do corrente.
Alfandega de Pernambuco 18 de maio de 1869.
AssignadoO inspector interino,
L. de C. P. de Andrade.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o soginte :
4 sellins.
46 pares de botins.
1 camisa de meia.
58 lencos.
38 pares de luvas.
58 pares de meias.
142 varas de algodaozinho.
0 duzias de tabeas de pinho de 3|4 de grossura.
3 fexes de arcos de feri o de 1 pollegada.
5 ditos dito dito 1 1|2 dita,
6 espadas.
6 pistolas de espoleta.
1 tesoura para torar cavallos.
1 ceringa de metal.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas oropostas com as competentes
amostras, na sala do conseibo, as 11 horas do dia
22 do corrente.
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco 15 de maio de 1869.
Jos da Silva Guimaraes,
Presidente interino.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
Manta Casa da Misericordia do
Recife.
A Illraa. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer pubj/co que na
sala de suas sessoes, no dia 20 de maio, pelas
quatro horas da Urde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens ofereceT, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios -em seguida de-
clarados :
ESTABELEOMENTOS DE CARIDADE.
Ra Dimita.
Idom.de dous andares n. 8. 1:067*000
Ra do Cordoniz
Casa terrea n. 3.......360*000
Ra do PadreFloriano.
Casa terrea n. 47...... 170*000
idem idem n. 7....... 176*000
Travessa de S. Jos.
Casa terrean: 'o....... 172*000
dem idem........ 139*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea .30...... 177*000
dem idem n. 34....... 168*000
Idam idem n.36....... 178*0i<0
Ra de Hortas,
Priraeiro andar e sotio do sobrado
n.4t ........... 300*000
No fim do drama a orchestra tocar a poka
composta por um professor pernambucano e of-
ferecida a beneciada
APOLONIA
Segu pelo Sr. Joaquim Augusto a scena dra-
mtica do Iltm. Sr. Dr. Cordeiro
Passagem de Humnyt
Segu pela beneficiada em carcter de vivan-
deira a canconeta cmica
lll-<|l I-II I
Termina o espectculo com a comedia em nm
acto
Os dous tambores.
Comecar as 8 hora.".
Dominyo 23 de moio de 1869
flntran6ferivel)
Achando-se restabelecido dos seus iocommo-
dos o artista Thomaz, sobe a scena pela primera
vez o novo drama em 1 acto, original brasileiro
composto por una actriz do theatro de Santa Isa-
bel e pela mesma offerecida as Exmas. Sras. de
Pernambuco
MUJER W PERDE
MLHER QUE SALVA.
Personagens. Os senhores.
O brfgadciro Galvao. Thomaz.
Alvaro. ...... J. Augusto.
Custodio, criado velho. Brochado.
Gabriel, moleque..... Jordani.
D. Leopoldina, cega, mulher de
Alvaro........ Maria Velluti
Brasilia, sua lilha..... Zulmira.
me. Delannay, viuva. Julia Azevedo.
Visnhos, visnhas etc., etc.
A scena passa-se em urna casa as margens do
Capibaribc.
poca actualidade.
Segu se a representaco da muito applaudida
comedia em 3 acto-
0 PASSARO AZUL.
Na qual a Sra. D. Julia Azevedo representa
tres differentes papis.
Dar fim ao espectculo a aria-burlesca do Sr.
Martiuho
O boleeiro apaixonado.
Comecar as 8 horas.
A empreza tem a satislaco de annunciar
ao Ilustrado publico que sobe i scena na
seguinte semana, o drama em 7 actos, ori-
ginal brasileiio.composto pelo Sr.Dr. Fran-
klin Tovora :
Tres lagrimas
O drama posto em scena, com lodo o
esmero requerido pelo seu autor.
Scenario novo
Recebem-se encommendas no escriptorio
do theatro.
O resto dos bilhetes acham-se a venda em rasa
da beneficada ra Bella n. 12 e no dia do es-
pectculo no escriptorio do theatro.
THEATRO
Gymnasio Campestre
O beneficio do 1 flauta que devia ter logar
hontem, tica transferido para quando fr anona-
dado.
AVISOS MARTIMOS.
GOMIA BMS1LEIM.
DI
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 23 de maio o vapor
Tocantins, commandante J. M.
Frreira Franco, o qual depois
__________da demora do costme seguir
para os porto* do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. Enoominen-
das e dinheiro a frete al as duas oras do di da
sua sabida. ^ "
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a* 2
arrebas de peso ou 8 palmos cbicos de raedijao.
Tudo que passardeates limite dever ser embar-
cado como carga.
Previue-se aos Sra passageiros que suas passa-
ens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
andar, eaeriptorio de Antonio Luiz de Oliv
Azevedo A C.
"'


4
.!

i
r
I
I


r

Diario de Pernambuco Sabbado 22 de Maio de 1B69.
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ ... ^________________
COWANIIIA PERNAMBUCAM.
^ioves.i<-Sd costcra |_or upor.
l'aralivJtffM, -Maco, |tff#|
. caty, Cenra, Acuradi? Granja.
O iwfot..~lfojttco, comraaudatc
Martins, seguir para os portos cima
_ no da 31 do corrento as 5 horas
da tarde. ttetkbe catea t o da 29, anco-
meadas, passapiros w dinheiro a frete at ai
2 horas da tardjdo dia da sahida no ecnptor 10
do Mattos n. 12.
)MlANflIA PE
Or. rarfflo por 'mandada ?^,,m-
l*r. jtm-de ui pSos, ds di idas-ft '
eentes ao casal do fallecido Jos B. i-d
adc_6V:58 1 v moj^:
No arm.i7.em da ra do Imperador u. 10, i--- H
lloras do dia.
do Forte do Ma
COM.
/ '
LEILAO
PEHNAMBUCANA
DI
Xavoearo cstclra por vapor,
Mamanguape.
O v*t*# Corwn'/ic.'fommandante Ponna, seguir*
para o porto cima no dia 38 do c eras da tarde. Iteeebe carga, eneominendas, pas-
iajeus e dinheiro a frete at as 2 horas da tarde
do dia da sahida, no escriptorio do torioduMatto
ii. 11__________________________________
Rio de Janeiro
legue cora hrevidndo para o porto cima o bri-
gue nacional Isabel, por ter parte do seu carrega-
ment engajado para o rosto que Ihe taita, tra-
ta-se com os consignatarios Antonio Lun
vcffa Azevedo C, na
andar.
de i
DIVIDAS NA IMPORTANCIA DETB. 3:663 ji8J
O agente Martins far leilao a requernnento dos
curadores llscaes da massa lallida de Silvestre Pe-
reira da Cnnha e pof randado do Illm. gr. juiz
especial do commercio, dns Vividas activas (le dita
massa na importan de fs. 3"6635*82.
iio.ii:
No arnmem da ra do Imperador n. 16 as U
horas do dia.___________________________
TILAO
DE
Loja de fazenda
"\
Aos ourives.
Dessrppareceu da padaria aHema ns. 2
c 4 da ra do Lima em S. Amaro, urna
coi rente com urna moediuha-e un peis-
Dt'ij. tudo de ouro, para menioo; quem
estes objectos levar na casa-cima ser
recompensado._____.'.dlIS ____
tRIUMPO MEDICADA OT5KC1
l
Preelsl-5,1 fe itirrOtt)a im'rtlar e Wzer
os mais sarvi -is de uraa casa d: pe plena familia :
na ruaNpvaH. ai^loja.^ _^ .,
.la Cruz u. 57, priineiro
Ta:
Para a Ilha de S. Miguel
Scgne em pouco? dias a overa prtagaea
Oliveini. para o resto da carga e pa$sageiroa ira-
ta-seeom Candido Alfonso Morena na ra do
Apollo n. 2-2. ____________
(alPANHIA PEKNAMUIOANA
DI
Wavcjsaco cosleira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
OvaporGVjji, commandanto Aze-
vedo, seguir para os porios cima no
dia 22 do corrente as o horas da
tarde. Recebe carca at o dia 21 ns 3 horas, en-
oonimcndas, passagens c dinheiro a frote ate as
2 hora< da Urde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.______________
Para o Rio Grande
do Bul
. Dovc seguir em poueos das a barca nacional
Theraa.I recebe carga a frote: a tratar com
Bailar, Olivara & C, a ra do Vigario n. 1, pn-
niciro andar,
1-2 do -corrente.
. fo agente oiWeira Jar ieiiap, por mandado do
Illm. Ir. Dr. juiz; do commercio desla cjdaae, ei
exereicio, i eipierimento e sendo owh*** cura-
dores icaes da inassa lallida de uuuaraes & bilva,
da linda afmarao e hiendas da loja sita a roa tu
Imperatri- n. 36, servindo de base a oiferta em
leilao de 11 do corrente
RESiniHVCIA
O Dr. Cusmo de S Pereir flmdoa k residen-
cia para a-rua do Imperador n. 28, 1* o anda-
res, onde contina no exemeio de sua pnoflssao
medica, paja o que pode ser procurado a fjal-
quer hora do dia ou d noite, nos casos graves.
Todos os das das 6 as 9 horas da manliaa, menos
aos domingos, dar consultas indestintamente a
Sualqucr pessoa. sobre qnalquerponto de sua pro-
sso, e com especial cuidado sobre molestias de
olhos, do peito, e dos orgos genito nrinarios ; e
quando o caso for cirurgio, praticar as opera-
Mes que julgar conveniente para o restwWeel-
mentr do seu cliente.
3L
ao meio-dia em ponto, no lugar da indicada loja,
podendo os pretendentes examinar previamente o
balancocpm suas avaliacees, em mao do referido
agente.
LIO
Para o Rio-Grande
do Sul
Devo sejtnir dentro em poneos dias o patacho
nacional Bmfca, recebe carga a frete: a tratar
eom Bailar, Oliveira & C, a ra do Vigario n. i,
! andar._____________-----
de
nina lancha, um bote, remos, dous mastros, uas
velas, dous compassos e dous iampeoes
Segunda-feira 4 do corrente
s H horas em ponto
NO TRAPICHE D'ALFANDEGA.
Honrv Hnowles, capitao da galera americana
Dell Crot, inmergida no alto-mar, na sua ultima
viagem de Chincha Jelauds Cowes, fara leilao,
com licenca do inspector da alfandega, em presen-
ea de um empregado da niesma reparticao para o
lira nomeado, com assistencia do delegado d cen-
sulado dos Estados-Unidos, por intervenc,ao do
agente Pinto e por conta 8 risco de quem peiten-
cer. dos objectos cima mencionados, salvados da
referida galera, e existentes em frente, do trapiche
d'alfandega, aonde se effectuar o leilao, no da e
hora supradilos.
I1
ii
Pretende seguir com muita brevidade para ogte
porto o palhabote portugus Elephunte por ter a
maior parte da carga engajada ; e para o resto
que lhe falta trata-so com o consignatario Joa-
quira Jos Goncalyes Beltro, ra do Commercio
""PRTTSBO"
A barca portuguesa Pereira forges segu para
Lisboa no dia 23 do corrente mez, e so recebe pas-
saeciros, para o que tem bons commodos : a tra-
tar com Oiiveira, Pilhos & C. na pra Santo n. 19, ou com o capitao na praca do com-
mercio._______________
Ll
-de 6 saccadas de pedra de Lisboa. 3 portadas novas
para sobrado moderna, 1 porlao e noria de cos-
tadinho, 25 vaos de caixilhos, 8 ditas de alcovas, 1
columna, ripas e aaibrfs, taboas,bandeiras e outros
objectos
Terca-feira 25 do corrente.
s 4 horas da tarde
por Intermedio do agente Pluto
na ra do Atalho (Boa-Vista) ultimo portao no
fundo da Caixa d'Agua.
Para o indicado porto pretende sabir em pon-
eos dias a veleira e bem conhecida barca Saciar
capitao Bocha, por ter a maior parle do seu car-
regamento prompto, e para o resto que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodos,
trata-se com o consignalorio Joaquim Jos Gon-
ealves Beltro, ma do Trapiche n. 17.
AVISOS DIVERSOS.
Club Pernambucano.
A partida do corrente mez tera lugar na
noute do dia 29.
ILHA DES.MIGUEL
O muito conhecido patacho porluguez Joigense,
a chegar por estes poueos dias do Bio de Janeiro,
sahir para o porto cima com muita brevidade,
visto ter o seu carregamento quasi prompto, e
para o resto que lhe falta e passageiros, para os
quaes tem bellos commodos, trata-se com o con-
signatario Joo do Bego Lima, riy^de Apollo nu-
mero 4. _____________
Para o
seguir muito breve a barca portugueza Seguran-
ca, por j ter a maior parte da carga prompta ;
recebe ainda alguma carga e tambem passageiros:
a tratar com Cunha, Irmos & C. ra da Madre
de Dos n. 34.___________________________
Lisboa
Segu com brevidade a barca portugueza Perei-
ra Bbrges por ter parte de sua carga prompta :
para o Vestente e passageiros trata-se com Olivei-
ra, Filhos .C, largo do Corpo Santo n. 19.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegado coslelra por vapor.
Goianna
O vapor Paraliyba, com-
mandante Mello, seguir para
o porto cima no dia 26 do cor-
M rente as 9 horas da noite. Becebe
jjjjp carga, encommenda?. passageiros
e dinheiro a frute no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. l.
FU. O FOB.TO
Deve seguir dentro em poueos dias a barca por-
tugueza Nova Sgmpalhia, de primeira marcha, por
j ter prompta quasi toda a carga : para o resto
que lhe falta e passageiros, aos quaes offerece ri-
cos e excellentes commodos, trata-se com Bailar,
Oliveira t C, ra do Vigario n. 1, priineiro
andar.
O gnardtfo do convento de Santo Antonio desta
eidata convida a familia, parentes e amigos do fi-
nado Manoel Joo de Amorim, para assistirem a
urna missa e memento, que por alma do mesmo
finado, tem de celebrar n^dia 26 do corrente, pe-
las 7 horas da manha.
Em tempos modernos nenhum descalin-
mento operou maior revoluc5o no modo de
curar anteriormente cm togado que o
PEITORVL DE AMCAHUIT4
TANTO NO TRATAMENTO DA
tosse, cbop,
ASTHMA., T11ISICA,
ROUQL'IDO, BK8FRIAMENT0S.
B110NCHITKS,
TOSSK CO.NVLI.SA,
DORES DE PEITO,
EXPI CTl'RACO DE SANGtE.
Como em loda a grande serie de enfermr-
dades da gauganta, do peito e dos orgaos
da RESPinACo, que tanto atormentam e fa-
zem soffrer a humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista gcralmente na applt-
caco de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
deproduzirempolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam seno enfraque-
cer e diminuir as forjas do pobre doeute,
contribuindo por esta forma d'uina maneira
mais fcil e certa para a enfermidade a fles-
truico inevitavel de sua victima Quem dii-
ferente pois o effeito admiravel do
PEITOn\L DE ANACAHUITA !
EM VEZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAUZAR
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A D0R.
ALLIVIA A IRRITACO
DESEMVOLVE O ENTENDIME.NTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfennidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Bcrlim)
testifican! serem exactas e verdadeiras estas
relaces analgicas, ou alm disso^a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
sufficientes para sustent'arem a opinio do
PEHORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porem,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opto
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os f quaes tao
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composico de Anacahuita Peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
erri frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma c s d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicaco d'um ou dous frascos
para a effectuaco de qualquer cura.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. Maurer
4C..M. A', Barbosa. Bartholomeu & C, e
em todas as principaes boticas e lojas de
dragas*
BRASIL E PORTUGAL
Situado om um dos bairros mais cenlraes de Paria, sendo as immediacSes dos
principaes theatros e outros muitos divertimentos, e assim das esiacjydos caminbosde
erro para todos os pontos da Europa, acabado de ser tc.rame* renovado.nao
tendo poupadoo seu novo proprietario a despezaspm seu ^^^g^*
aceio, torna-se portanto vaotajosamente reconimendavel aos senhores brasileros e por-
tngnezes, a ondeencontrarao sempre aquella convivencia desejada em pa.z esanho.
por ser constntemente frequentado por seus compatriotas. O tratanento ejupenor a
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos ;-habitacoes conve-
Qientemente despostas para familias, e quartos para uma so pessoa, o servico fcito
com a precisa regnlaridade : os presos muilo rasoaveis eao alcance tambem d aquellas
pessoas que se queiram limitar. <.*
Gabinete de leitura com os principaes jomaos dos dous paizes, saiao ae recepcao e
de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicad.as igualmente aos senno-
res passageiros das repblicas do Prata,- porque alm da semelhanca da lingna, au en-
:onlraro muitos senhores hespanhoes, por quem tambem esta casa e bastante fre-
quentada.
Do xarope Vegetal Americano especialidade de Bartholomeo&C'
34,RA LARGA DO ROSARIO.34.
MOLESTIAS do PEITO
HYPPHQSPHITOS
doD-rCHURCHIllL
XAROPE de rlYPQPrlOSPHITO de SODA
XARDPEdeHYPOPHOSPHITO de CAL
PILULAS deHYPOPHDSPHfTD de QUININD
CHLOROSE ANEMIA
CORES PLIDAS
XAROPE de HYP0PHOSPH1TO de FERRO
PILULS de H YPOPHOSWtiTO de MAWBAWESIA
OEFLUXOS
BRONCHITIS
No costnmniof proenrar llestados para acreditar
nos.'os preparados, e deiamo qne soa ipplicaro c o
leolladoa obtidos pelas pensoasqne se dignaramacceila-
los, Ibes deera crdito e voga ; porque fio semnre os
alteslados considerados gratuitos, e deiles que lonca
mJo o charlatanismo; mas n querendo ofTender as pes-
soas qne espontneamente nos ofereceraro, os quo abaixo
to transcripto, os faiemos publicar manifeslaiido-lbes
I nossa gratido pela attenco, esperando qne Tenliam
i elle's corroborar o conceito, e acceitacao qne lem mere-
cido nosso xarope. arlAofomeo & C.
ITTRTtDOS.
Illms. Srs. Bartbolomeo 4C.E com t mais subid
ttisfa;o que declaro er o xarope Americano de uma
1 efcacia extraordinaria, pois qne sofffendo ba dias de
intensa tosse, i nonio de nao poder dormir a noite a
despeito mesmo dV medicamentos que lomava, a elle
recorr e na terceira colher fui alliviado. e de todo me
acho hoje reslabelecido com o uso somente de quasi
mcio frasco; grato pois esse resultado maniresto a
\i, Ss. men reconhecimenlo. De Vv. Ss. amigo, ve-
nerador e olirigndo. Manoel Antonio Viegas Jnior.
Sna casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomco & C. Pcnhoradissimo com
o faror que me Uicram de aronselbar o uso do xarope
ASftIM
PSTILEAS PECTORAESjob CHRCHILL
Exigir para os xaropes o frasco quairado e em
todos os productos a assignatura do D* CBUJnV>
CBXXX, e o letreiro com a marca de fabrica da
Pharmacia SWAKW, 12, n Rita Alexaadrina Coelho de Mendanha, Ignacia
Maria da Madre de Dos e Jos Coelho da Silva e
Arauj", agradecem cordialmente aos amigos e
parentss que # digiiaram acompanhar ao comit-
rios restos mortaes de eu finado marido, genro
e runhade Jos Manoel Pereira de Mendanha : e
de novo convidara aos amigos e parentes para as-
sistirern as missas do stimo dia, que serao cele-
bradas no convento do Carmo, segunda-feira 24
do corrente mez de maio, pelas 7 horas do da.
PMYDLES
DE VALLE'
*\WT.
As Plala* f Vollet. approvadas pela
Academia imperial de medicina de Panz,
sad empregadas com o maior
xito para curar a chlorosis,
e fortificar as consumieses
fracas. Nunca este ferrugi-
noso ennegrece os denles. "^^
Para a garanta da sna autlienlicidade,
o nome do inventor vai gravado em cada
pilula como nnrgem.
1 em Rio-Jaseibo, Diiponrkille; Ckwlet.
r3 I eui PMM.cco, UairertO:
Vegetal Americano, de sua composico, qnando m
ai beva bastante doenle de uma conslipaco, que me
toruou completamente rouco e que trouxe ama forte
tosse, e me iiupossibilitou de eumprir os mcus deveres
de cantor da emprea lyrica, vou apradecer-lbe mes
completo restabelecimenlo, qne objjve com ata s vidria-
do mesmo xarope. depois de liaver recrndo a muitos
tralamentos. Desejorei que outros como cu Ncorramt
ao seu xarope para se verem aliviados de .lee lerrivei
incommodn, to falal nesle paii. Com maior eonside-
racao contino a ser de Vt. Ss. alenlo, venerador
obrigado. Uix Ciemon. ecife 25 de telembro
de 1868.
Illms Srs Barlholomeo AC O xarope Vegetal Ame-
ricano que Vv. Ss. tira exposto a venda lie leda efli-
cacia para o curativo d'aslhma, eanforme observei ap-
plicando-o a mea lllho Joaquim. menor de qualro
annos; victima d'esse (lagello. qne at entlo por espae
excedente a dous annos Tiavia resistido a outros xaropes
de grande nomesda. Qoeiram p0s Vv. Ss. acceilar
expresso altamente sincera de men reconhecimento ao
meritorio servico qne lhe prestaram om o indicado
xarope, acreditndome para sempre de Vv. Ss. triado,
alenlo e obligado. Americo Netlo de Memlonca.
Itecife 2 de eulubro de 1868.
i i wmi
LEILOES.
LEUAO
c divids na Importancia de
B-l:1l49l-i.
O agente Martins far leilao a requeriraento do
TRIL1I0S URBANOS
DO
Recife Apipucos.
Ficam supprimidos em qua'nto durar a
cheia, os trens quesahem do Recife, as 5.50
da manha, 3, 6.30, 8 e 9.15 da tarde;
e os de Apipucos as 6 da manha, e 6.35,
8.5 e 9.20 da tarde.
Nao podendo os trens passar no lugir
Sant'Anna, os passageiros abi encontraro
uma jangada para o transporte de um para
outro trem. .
Escriptorio da empreza 21 de maio
de 1869.
Wm. Bawlinson
Gerente
ATTENCO
Jos Maria Palmeira, tem para vender no
seu escriptorio largo do Corpo Santo n. 4
Io andar.
Fio de algodo.
>Pedroso.
Panno de algodo.
La barriguda.
Colla.
Galha.
Caparosa.
Oleo de linhaca.
Sag em garrafoes.
Vinho Bordeaux, superior qualidade,
garrafas grandes, caixas de duzia.
Ervilhas francezas em latas.
Vinho do Figueira- emjbarris T L G o
mais superior que vem ao mercado.
Salitre.
Enxofre.
Fio de ve!la.
Cimento portland superior.
Dito romano dito.
1
POS DE ROG
Approvados pela Academia imperial
de medicina de Pariz
Um frasco do PA de *, dissolvido
em uma garrafa d'agua, d uma limonada
agradavcl, que purga rpidamente e de
um modo cerlo, sem causar a menor
irritacao como acontece cora a inaior
parte dos outros purganles. O Pl e
Ho5, s3o inalteraveis por isso erapre-
gam-se fcilmente em viagem.
. I emlio-JiSEino, Duponchelle; Citevolot.
^r*"* em PtRSMKco. Vaurer i C". j
AVISO
aos convaletcentes e s pessoas
fracas e debilitadas
o ouihiu* labarhaoue approrado
pela Academia imperial de medicina de
Paiii o tnico por excellencia. -
SOFFRIMENTOS DESTOMAGO. CONSTIPAQAO-
Cura un poueos dias polo CARVAO DE BELLOC em p on cin pastilhas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. -r WW****
ipadas rpidamente peta PEROLAS ffETHER d.D'ClMTW.
ANEMIA A PALLIDEZ e os soffrimentos que nccessitain do
en.m^o dos frugino.os so sempre combatidos com o mclhtf- resultado
pelM PILLAS DE VALLET. Cada Pilula ten incravado o nome LILI.
P DE ROG Basta dissolver um frasco d'este p fin meio
garrafa d'agwa para se obtr uma limonada agradavel que purga sem tV
zor clicas.
VINHO DE QUIN1UM i iMbarraque. Este vinho, um dos
poueos cuja composico garantida consume, uma das mclbores pre-
paraces de quinino, sem accio notavel sobre os convalesce.itcs, dando-
llics fcrcai e aprestando volU a saude. Cura as febres antigs que re-
sisto ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas moles-
tia como as sciaticas, lombagos, catarros, e toda as dores nervosas em
gei-Il s5o curadas pelas PEROLAS DE ESSEMClA DE THEREb:ntina do
Dr Cierta n. 0 proftssor Trousseau em seu Tratado de therapeultea acon-
selha as pMB sorem tomadas na occasiSo do jantar, na dse de 4 a 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH
Goi ntido puro c de primeira qualidade, um dos poueos aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes medicamentos foram aprovados pela Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
Em Pars, t. FRERE, I*, me Jaesk
Rio-Janeiro. DroNcnELLE; tfnain I Pernambuco. Imm ct C.
Tcsoorpii. i ,.
I Ceara.....Maceh et O.
. Hasse et O. t
? 'y
j era RioJjseiuo, Dpo*ckcUl; Checolot-
I" cm Permuiiico, Uaurer (7*.
.K/L
Precisa-se de uma ama forra ou escrava para
engommar com perfeicao : na ra das Flores nu-
meio 17.
TTENCAO
Um mocj solteiro de oxceHente conducta, mo-
rando em un excellente sobrado de 1 andar com
bastantes comandos, no bairro de Santo Antonio
e em boa ra, deseja encontrar para corapanhei-
ro? sua morada, dons mocos as mesmas con-
diQoes, ainda mesmo estudantes : a tratar na ra
da Concordia n. 9.
PILULESSffilQAUVIN
S4SSSasaffJ
I lisTeK^^s/p^.u^oite J
Iief^.buc.-sDi. reret C.
I
IE FIGADOS FRESCOS DE BACALH(
MEXQO DE BONIU
^^^^^JLJ^^JI Vende-BB em frascoi
'I DE riGADOS FRESCOS DE BACALHAO emi0frMMtri4no-
lares, pbarmacia Hoce,
3, ra de Cattigliono,
em Paria.
As eonlrheees, os oleo, pardos, d'um cliciro forte, e mais comnosicoes fetas com leos
de MtasMmmuni, taes como o esqlalo, a arrala, o phoca. a Uta, os leos jos armadores pseadoret,
t msmo oToTw veqetats, foram imaginados para substituir os erd.detro. oleo de llgadu
e mcsr^OJ oieosiefiuf5, -^ Kstes oleoB communs ou sos *aeeedaneos to
nMeMLfaffirSo?re?os SbSS,Z quanto quo os T,-rdadoros leos de figado do b.ca.l.ao
frX^fe^MatWamenle muito caro, visto que para abtel-os frescos o ttm mulura. cumpre exercer
&%tan"cta e ter osmaioa-s cuidados" nos propiios lugsmjU. fm^usim jBB.spBVfcjt
^^SSe^fflST. magresM dos meninos,etc.,e por .sso.deram lugar a nocivas e dealeaes
mimT- O oleo de Bom mui fcil de digerir, distingoe-se entre os outros leos pela sua
eordB paUa, o seo cheiro suave e delicado, e seo gosto de sardin ha^n^"- MFmrrA nR
n RF1 ATOBIO favoravel do eliefe dos trabalhos chymicos da TACULDADE DE MEDICINADB
o.ms conclue como segu : O oleo cor de palha de M. Hogg conUnt urna Urca parte de .rt
l^ ^l,maisdo que os leos parios t nao aprsenla algum dos inconvenientes que se
?.tZs^2*- ** doape^e,,-,,^
UA
CABUGA
esquina
CaBUG!^ loja oe mmlass .
esquina Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortunento sem igual,
' e vende por preeos que nenhnma ontra casa pode vender. jwwli<,Hnida raa ^^ado _
da ra larga do /ta ^ vquaUdade 6 do preco das joias cada nm pder-se-ha conven^/*Xale. PftSario ffl
Rosario. Garante-se ser tudo de lei. Compra-se onre, prata e pedias finas por preeos muito ele- Rosario. rt
vados. *
Antoja est aberte at As 9 horas da noute.


1
11
*,
^I^BT^S^BE BE BBBBBB J


Diario de Pecntrnibuco r~ Sabbado 22 de Maio de 1869.
L
Interesse
No pu
de n
BsBTHfji-
COMPAHffiA PERHAIBOCm

PARA UZO INTERNO
PtMADOS SIMPLES
Xsrope dsiarubeba, Viubo se jurubeba. Plalas de
Sratwha, Tinu-ra de jurubeba, Extracto ydralcoolico
ijurubela.
purruuDos composioi
Vinlio de jnrobrba rerrnginoio. .Xarope de jurubeba
ferruginoso, l'ilulas de jurubeba fe ruginoso.
rn uto extso
Dtono larubcha, l'otnada de jurnbiba. Emplastro de
jdruutwu.
A Jl ItlKKItl.
Esta planta c boje recpiiliecnla cuido o mais poderoso
touoo.como nm exccNtate desobstrueute, o como lal
ppllcda nos engorgilamenlos do ligado e baoo, Da-
liruMilea prn|iion:ule ditas, oa anda complicadaf
mm nazarenas, as uflimujafuei sub-eauentes as
fe 11 res iileruiltutes ou dutezas, aosabeessos internos,
iios'lumorcs especialmente do ulero e abdomen, noa
lunares glandulcsos, na ainzaivlia, Das liydrupezial,
emipellas; e asociada as praparactos ferruginosas,
' jala de grande aiilagem cas anemias, calorosos,
I. las de meusli uoco, Uucorrlieas, desairanjos atni-
cos do estomago, dcbilidade orgnicas, o pobreza de
agngue, etc.
O que dizemos afltrmao oa mus dislinctos mdicos
deca ejladc. eolre oa quaes podem os citar os Illlujs.
Srs. llrs. Silva Bainos, Aquioo Fonseca, Sarment,
Seto, l'ereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva, etc. Todos
ellos reconbccem a excelleacia d'esle poderoso medica-
mento sobre os demais at hoje conhecidos para todos
as caso* citados, Unto que lados os das fazem d'ella
pplkaeao.
presentoado os mdicos 10 publico em gerai di-
versas preparados da jurubeba, tivemos por lim atne-
ralisar mais o oso d'este vegetal, (aieudo desapparecer
a repugnancia que at aoje sealiam os dosiilecde usar
dos preparados empricos d'elle, o mais das vezes repu-
gnantes a iragtreai-se, e que ihiban anda desvais-
*em de nao ser calculada a dosa conveniente a ppli-
car-se, o qae torna mutis tacas Iropmlicuo um medi-
camento, que poderia produzr ptimos resultados.
Os nossas preados s foram aprsentelos depois do
baverotos canvenienUmeale esLadadoa jurubeba, fa-
zeado as ciperiencias precisas para bem coubecor as
propriedades medicamentqsas d'ssla planta em suas
raizas, (olhas huelas ou bagas, e a dose convenientes
appkcacao. leudo aleui d'islo procurado levar os nossos
preparados ao maior grao de perfeicio possivel, para o
quo nno poopamos esforcw, alo sos importando o
pooco lacro que possames tirar.
Por tanto os ojie se dignaren) recorrer sos nossos
reparados podem ler a ccr eza de que elles oflerecem
a garanta, de qae se pode encontrar a prompta e infal-
livel cura de qualqoe dos soQYimenlos, que deiamos
iiiDumerados, s foiem em lempo applicados leudo
alem d'isso, medico ou doente a vaniagem de escolher
lias nossas variadas preparacoes, aquella que melbor
lbe pode convir, ja pela fcil applicacao, e JA pela com-
plicacao das molestias, idade, sexo, ou alada nalareza
dcada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sofeitas deforma
que se lornam completamente soluveis noa suecos
gstricos, porque procuramos os composlos d farro
que come taes eslao boje reconhrcidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram
conbecer as proprieilades da jurubeba, esaberein a ap-
plicacao de nossoe preparados, destnbuimos gratuita-
ente em nosto de, osito um folhelo, onde Halamos
mais extensamente d'esla planta e dos mesmos prepa-
rados.
0epoilo ocrel it toiot es preparados Uvtuji s Drogara
34, riu luryo ds Rosario, 34.
4 O^SI 1MIO BE IHICI < CO
Os ISenhwBs.Saunders Brothers &C, Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
CJERESTE
0 SR. F. F. BOEGFS
Restando anda craitUr algumas acc5es d'esta companhia, da quanlia nominal de
2000000 cada urna, das quaes s se aceitam em virtudo da lei, 20 / ou 40000 por
;ada accao; couvda-se pelo presente ao publico em geral .& especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
^pitaes, disponiveij., a subscrever o numero de acf-oes que lhes approuver.
Algumas destas accocs j tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasiSo (conhecidamente a melbor), empregarera o dialieiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que lhes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue hoje iO vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est-
\ chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para Ha.
Alm disso est edificando vastos armazeus, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 % ao ano, nos ltimos 4 annos.
As aeces que se emittirem go*am dos mesmos direitps, e perceberio o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporejo da jotrada.
Rccetiem-se assignaturas no esoriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 42
Igreja de Nossa Senbora do Rosaffo da fre-
guezia da Boa-Vista.
Os abaijo asignados aomradtli pelo Illm. 8r.
Dr. pnivedor refetiila igreja, o tendo de dar principio as obras
da mesma igreja^ e comu de si ti o> pos$am fa-
ler reeorrem a prntercao das ahaas piedosas e
lieni formadas, am t!e lhes ajudareflo na reedifi-
carlo da casa sagrada.
A commis-it > emita i|uc ao fazur este amidlo a
gcnerosiilade dos fres nao serSb estes indilTerente*
attenlo o fin a que dedicado tal pedMo.
A igivja estara aberta do da 10 por diante.'das
6 horas di innnla s ti ta larde. Aquellas pes-
soas que qiiizctvtn coad]uva-los podero reinetter
as suas esmoras a raesina igreja o na lypogra-
]4ia de^te Buwie ao Illm. 9r. Dr. Migoer d Fi-
gu-ina Faria nosaa digne protector.
A commissao declan que a nronoirao que Un
recebendo onalataer estnoia ir logo-gradeeeudo
ftt este Biarkui a uossa excelsa p.iJroeira na. >
ser iatarflierente para aqueBes que concorreui pe-
ra a reediiieacao 'Je am i;roja.
COBsistorio dn igreja de Nessa senhora do Rosa-
rio, 5 de maio do Uafitf.
Cesarlo tarettaoo Ventara.
Jos Pedro de SaDt'Ano.
i Awhoo da ij**.
Trocam-se
is notas do banco do Brasil e das c.iixas filiaos.
a>m descont rauito razoavel : na pr.tea da Inde-
jendencia n. 52,
Pattt aaaaaMatt HIPRESTIMff StBREl
(SEM LIMITE.)
Na travessa da na
das Cruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se qnal*
quer quanlia sobre ouro,
pralae podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est'nas condigoes de ga-
rantir a transacejo que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerado s pessoas "rae se
dignarem de honra-lo em sen esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-S(! ouro,
prata e brilhantes.
H" FALIIB
N'ESTA INTIGA E CREDITAT^
FABRICA
DI
<3I2&iP33 IDm 3(1)21
IRCORTRA SI
C0NSTASIE1EHTB HU
CHAPEOS
COMPLETO S8RT1IE!T Pt
DE SOL:
De todas as qualidades I
De todos os feitios I
De todas os precos I
RA DO CRESPO
0 conselheiro Jo3o Silveira de Sou-
za, tem aberto e seu escriptorio de
advogado, na ra do Imperador n.
41 primeiro andar ; entrada pelo
bfteco.
IfffLIUADE Z
Aos 500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Corado
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
raaostnhas com urna franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo pre?o de 155>000
cada par. baratissimo.
Joaquim Fe.-reira Tos Santo, pnufes-
~r \i dapi^ t-lwf'atlo irHimami'iite da En- 7 -Maool^uiz dos Santos A- C7" estabe-
ropa a esta provincia, mi a honra <3t* npr-' *!>c'dos om finnazem (STiabos Ufa do Vi-
ttipar a^jss iiiustijcs iiJbitaiUos. o aui^ark) n. 5, julgam ikhU-te^er a;e8ti pwa,
principaIwhu. -,u}< dignes ciiefts de at*ii;ts e se alguem *e cons.id que lecciona em' anra debatxo do toda a *08 firma, queifa no ftrao de quiBze das
regra na casa de su,, rtwioia, rmdoaprcseutar ua consta, -visto tarde retirar-
Impeiador d. 75 lc andar, aas tena*;, e seda sociedadeo soo-gerenteMa*oelLuiz
(lus Santos.
Pernambuco, 10 de maio de I8(#.
Fabrica de Vieira CKtmai'ftes
&0outo
Do Ro dealaaelro.
ste acreditadsimo rap tem encontrado a me-
llior aceitado possivel. 0 seu fabricante foi por
muito tempo gerente e mestre da fabrica de Jbao
Paulo Cordeiro, e tendo-se eslaWecido, avidou
todos os esforeos, e conseguio fabricar rap, que
quintas-feira, das3lioras da tai de, ;tt ;s
<0 da noute, e aos domingos .de mamiia e
a noute. FromptiOeaiio a% tinbem,' a t-
as .-asas particulares e collegiw nos ias
-le para ss he ikiiignartim
Na ra Direila 0. 2, loja de luileiio, ou Ja
povoado dos Motiles, prosaa o abatao assignad*)
ntinder-se com o Sr. Manoel Calalo de uiza av
negocio de sou interesse ; isto no prttso de tre
das. Recife 18 de m.iio de 1869.
Pedro Dnarte Rodrigues Franca.
Taixeir

Pra--a--. de uta pequeo" de 12 a l annos,
Manoel Luir dos Santos.
Na ra da Penlia n. 23, 2o aWatr, pratisa-se de
urna ama para todo o ser vico de una casa de pou-
ca famia.
Em casa de THEOBORO aHBJSTl-
ANSEN, ra da Cruz n. 48, encoptram-se
effecttvameiite todas as qualidades ^e \inbo
rtordeaux. Bonrgogne e do-Rheno.
Autonio Ferreira Ai Siva Maia higa nada
brasdeiro ou portugoez. mi-saina ler e eserever, f<'wer a^essoa alguma,n entroUnto se alguem se
* que J g'ffihffinifintf* do sua caaducta m na i JP*?*r s*u ***&<* qoeiK. apresantar a ma costa
Uir^ia n. V.J, luja: ""Q *) prazo de 0K0 das paFayserjpago.
ACTIIH
ua multa neeessidade de se fallar com o fiasf
ivocopm ue n.ura Santiago, na ra Dirciu n 3
a neciiei' une nao llie de ve wminnb
Precisa-so de officiaes
treila n. (17.
mareineiro: na ra
nada deixaa desejar, e antes..se lhe avantaja.pos
to em parallelo f?om o da fabrica do dito Colfeiro.
O roma, extremamente a grada vel o tepa sido
limito apreciado pelos amantes da boa pitada.
Aclia-se a venda por grotso caretallK), na roa do
Vigario n. 16, 1 andar, escriptorio d Joaquim
"Gerardo de Bastos.
Engoujwa-se com pe fecio e comtnodo pre-
;o : na ti avessa do Gaz n. 1, confronte aoa co-
qneiros.
abaixo assignado testamenteiro do finado
subdito franeez Joao. Vignes, roga aos. devedores
do mesmo, tenham a bondade de satislazer no ter-
mo de 15 dias seas dbitos, alim de evitar, que
seus nomes como devedores sejam discriptos no
inventario procedendo-se na forma da lei.
Recife 7 de maio dd 1869.
________Gaspar Antonio Vieira Guimaraes.
Joaquim Jos G-on-
tjalves Beltrso
RA DO TRAPIQIE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-1
co do iMinho, em Braga, e sobre os seguin-1
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenfa.
QuimarSes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de FamalicSo.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpasss).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
QUINIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ
0 Quiniurn Labarraque, eminentemente tnico e febrfugo deve ser
preferido todas as outras preparaedes de quina.
Os Tinhos de quina ordinariamente empregados na medicina preparam-se
com cascas de quina cuja riqueza em principios activos extremamente
variavel; parte disso, em razao de seu modo de preparado, estes vinhos con-
ten apenas vestigios de principios activos, e em proporcocs sempre variaveis.
0 Qninium abarraqua, approvado pela Academia de medicina, con.
stitue pela contrario um medicamento de coroposigo determinada, rica em
principios activos, e com o qual os fltedicos e os doentes podem sempre contar.
O Qninium Labarraque prescriplo com grande xito s pessoas hacas,
delibitadas, seja por diversas causas d'esgotamento, seja por antigs moles
tias; aos adultos fatigados por urna rpida crescenca, s meninas qui tem diffL
culdade em se formar e desenvolver; s mulheres depois dos partos; aos yellios
enfraquecidos pela edade ou doenca.
Po ca20 de chlorosis, anemia, cOres plidas, este vinho um poderoso
auxiliar dos ferruginosos. Tomado junto, por exemplo, com as pilulas de
Vaixet, produz effeitos maravilhosos, pela sua rpida acgo.
Daposito em Paris, L. FRERE, 19, ra Jacob
Rio-Jamiro, DDP0NCIIELLE; CUEV0L0T. Pernambuco, MAURER et O

OFFICINA PARA CONCERT E AFNACAO
DE
Deposito de pianos e de msicas
AMA
W. f 4 1TA FORJIOSA M+ 14
BOA-VISTA
Frederico Maia
escola
Clrurgio dentista pela
de medicina
do Rio de Janeiro.
urna amanara o servicoinierno e
Tem a aonra de participar ao respettavel pubb- gommar.
;tte so co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o -------=--------------------------
ngom-! seu gabinete de consullas e operacoes dentarias a' ''AXl uma c;,'w 'c familia na i
ua fam;';a: ra Dircita .n. 12, primeiro andar, onde pode serado Rosario n. 3
da Ponte-Ve- procurado todos os dias das 8 horas da manha as \ moco 6 jantar O
i da urde. Elle aeha-se compeieuteuiente habdi-1 hu-, ott n mnil,
Precisare alugar um puno pan o servko
de relinagao : na ra da Imperatriz n. 6.
Urna inulhcr que acaba de ser ama de leite so
offerece para ser ama que se oeeupe em en
mar e em tratar de mt nios em casa
sua conducta garantida : na ra
Iha n. 6 se dir. :J mtriie_ Ete aeba.se coniptiteulemcnte
lado para com pcrfeieao enllocar dentes artificiacs
por qualquerdos systemas, c bem assim desemiw-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
i,nm 1W" v de umaaama "jue saiba cosmbar proflssao. 0 mesmo, reconhecendo que nemsem-
nem na ra Nova n. 32 terceiro andar. pre possivel s senlioras ou criancas sahircm a
j proco; oro remedio, offerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidadeac pres-
; tara a qualquer chamado sem que issoinfli'a cousa
, aJguma na eommodidade dos precos de seas traba-
| lhos,equando para fra del la a'ssitu mesmo ser
: precedido de um ajuste rasoavel, ramiiido elle a
i segurangae perfeicao de sens ditosTrabalhos. Em
I seu gabinete se encontrar constanlemenle oxcel-
umman & hemp at; |)03 dentifricio, exir e ouU-os medicamen-
iaba log odontalgicus : ra Dircita n. 12, primeiro
Tsica e toda a andar,
qualidadededo-
Preeisa-se d-i um hooiom -que entenas de
todo servieo de campo para trabaliiar em om si-
tio : a tratar no largo da ribeira da fregnona de
S. Jos, sobrado n. 5.
precisase de
que saiba en-
No Corredor do Hispo n. 2.1
Nutrimento
MEDICINA!
Fundipao da Aurora.
Heste vasto estableclmente sempre^e eneontra
un completo sortimento de taixas ele Trro batido
c fundjoj fabricadas recentemente, e se fabrican)
de qualquer molde a vontade doa compradores, e
reco6 raznoavais.
Bedft*ead'8r.-Stff(trino Duarte queira aipare-
er a raa do fiommercio. armazeai n. 18.
Praasa^a.de ajugar uma**^a*5a~iv
dar coru pma# crjanca de um aun-: .-auado
PatiJSlwajM) ,0- 71, 2 andar.
am
-j l]iaaohra lie,ira competeflteraemEhabi-
ttada para ti ensino ae uStfite paca leceidr em.
um engenho, nao so primeiras letnas, om tam-
fem hngua uvipn^Le^puaez: a pessqa fue de
seu presumo se qmzer utilisar, anniecie pdr esta
foH para s^r procurado.
na
Precisa de um casa pequea no hai-
ro da Boa-Vita, propria para um hornera
solteiro: quem tiver lenha a bondade de
aqdar, que achara com quera fcatar.
deleite.
Precisa-se de uma ama de leite som fdho: a
tratar na praca do Conpo Santo n. i, 3o-andar ; e
no mesmo tem uma eserava para alagar para o
servieo do casa.
Irniandadu do ISS. Biicjamen-
to do Reeife.
^Oeordeiii da mesa regedora convido a todos os
ossas irmios a reunirem-se no respoetivo con-
1^0"0' as '* hora do dtv, 6 renle, para, na fwma do no naVtSI'v*.m'2a rc?pd" que lera de funecio-
naf?,a?0 de 1869 a 4870.
Reafea0fcinawfc8w.
. Ps.'rivS.i interim),
----------------^0Jl!iuih^Magalllr.es Jnior.
- Quem precjsar de uma^irj^i^nnTr.e
para casa de bftieai sokofro, T^J "0I n*l\ m- V
goinma, ce, dtnja-seaopaie) do Terrn 28 ,ine rpnnfo extraordinaria, que teri lugar
achara con, quem tratar. a M horas da manh5a oii doitngO 23
- Aluja se a casa terrea da rtTalTsoledde
Iiodrig6 Meudes, tendo
Precisa-se de um ertki *ara.n sei'vico de casa: justo e contratado com a Sra, D. Rosa Telles
rea das Larangeiras a 29, hotel ootumerciai. de Menezes Souza viuva de Jc Bernardo
de Souza a compra da taberna cita no lar
go do Pilar n. 2i livre e desembaracada de
todo e qualquer debito.faz sciente ao publi-
co e com especialidade ao cqrpo do coro
mercio, e se alguem julgar-se com direito
a me6ma, apresente-se no praso de tres
dias, lindo o qual n5o se attender re.-lama.
co'alguma. Recife, 19 de maio de 1869-
Precisa-se d duas amas uma para co-
sinhar e outra para engomraar, para casa de
familia, paga-se bem, na ra do Hospicio
* 6*.
------------i
rnEPARADo pon
ua estreita
3o sobrado, prepioa*Sfl al-
ora aceio: quem prensar
diriga-se a mesma que achara com quem
tratar.
Ha-so aJ^KKIj eonio [n-iilior de urna ne-
grinlia ou nalaavnei'a : a tratar na ra do Pa-
dre Floriino n. 71,2 audgr.
Precisa-e alugar um preto velUo : na
do paleo do Carmo n. ?,.
botica
nnj. a qual ,en, duas ^m^X^L
anha lora, al, mdesia mais trea quartos, cacimbi
a ra
J/ropria, mUJ uuu4>, e cwa mitos arvoreios
frtieto : quem a oreteader, dirija
Qneimado, loja n. 1, do Sr. Gaspar.
Precisa-se de uma ama para eozinbar nara
caa de poucafemilia : na rea da Cruz a. 20.
Hospital PortugucK d# fiene^
cenca em Pernambuco.
0 provedor do hospital Portuguez de
Beneficencia eoi Pemambuco. Yero rogari
* Srs. socios do raeumo hospital, par
que tonham a bondade de comparecer ejpj

doi
correte mez, na sala das suas *ess5es a
Cm d'alli se deliberar sobre assumptos
que muito importan v. dizem re?peio ao
mesmo esta bol etiiaento f^J
Recife, 19 de maio ce 1869.
, 0 provedor,
Francisco Joao de Barros.
11-
Aluga-se
i casa e sitio na Cnu das Almas da.-; Mocas n. I
tratar Mnm 4o sitio do Sr. Tasso.
eneas tjuer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Expresa-
mente escolli dos mdtiores fi-
gados dos quaea
su ex traite o
Oleo, :io hinco
da Terra Nova
purificiido chi-
micalmente, e
suas valuaveis
p'ropriedades
conservadas
cpm todo o cui-
dado, -em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Bste tjs^i tiin
sido subm- tlido
a um e\anie
muito severo, pelo chimico de mais talen-
to, do governo hespanbo! em Cuba, e foi
por elle a gonter,
MAIOR PORCO D'IODDA
do que Mtlto qualquer oleo, que elle tom
examinado
IODIN'O E' UM PODER SAfcVADOR
fias todo olea de ligado d> Jwcallio,
e naquelle no (pial contm a raaior porfn
d*esta iuvaluavel propriedade o nico
maio para curar todas as doencas de
GARGANTA,PEITO.BOFES, FIC.ADO,
Tisiea, bronchiteg, asma, catarrho, tosse,
resframentos, etc.
Ua* poic-os frascos d carnes ao muito
ajajjro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenlium outro artigo co-
nhtioido na medicina eu sciencia, d tanto
nutrimento ao.systentt e entMMBiuodando
quasi nadaostomago.
As pesci cuja orgaxsagao tem sido,
deitruida potas atteccoes das
S3CR01-.IJUS OU BJlUMATiS>IO
todas aqtMltoa cuja digectose Mhaoom
plcHanjeoia desarcaujada. deve tomar
O OLEO DE FJGADO DEBACALHAO
DE
MARTIMOS
CO\TIUFOGO.
A Companhia Indemnisadora, stabelecida
aesta praga. toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: a
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Resta venda um escollido sortimento de ob-
dos de marcineria, como sejam, mobilias do ja-
'arand. mogno o^mn relio, obra nacional o estran-
Jeira, de apurado gasto e porpr|jo; razoayeis:
a ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
sasa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiraae soplis.
Imagens
No escriptorio n. 40 dn ra da Cadeia, Io andr,
ha dv(rsa= iriiagens para trocar.
. Taberna
Trasafl-e a da ma das Boias n. 8, no .Reeile,
em boas proporctes para prineipiante laborioso
tirar vaj^a gem.__________
Atada restam algumas bilectoes ~de
Biograptaas de algHns poetas, outros ho-
mens Ilustres da provincia de Pernambuco,
tres tomos escriptos palo comtnendador A.
J. de Mello: ra Augusto n. 94.
Methodo Castilio
Secundino Jos de Faria Siinoes. proaVssor-par-
ticular de inslruccao elunicnar pelo mrthodo Gas-
tillio,avisa ao n-peitival poblk-u e com especia-
lidade aos pais de familia, que est aborta sua
aula desde o dia 7 de Janeiro, na rita da Penba n.
25, Io andar, aonde recebe pensionista por prea*
coinmodo. O mesmo prol'essor prometle muito se
esmerar no adiantameiilo de sent alumnos. Acha-
se aberto desde, o mesmo dia un curso de pri-
nieiras letras a noite para aquellas pessoas qne
nao noderem frequentar durante o dia.
= Precisa-se contratar com alguem suppri-
mento da ronpa lavida c engommada de nm col
legio de meninos ; trata-se na ra Nova n. 46.
liiaiaiiilade do Ais. ^aei-ataveti-
lo de H. Antonio do Ueelffe.
Tendo esta irmandade de proceder a elei-
C3o da nova mesa que dever servir no
anno de 1869 a 1870, sao pelo presente
conyjdados todos os irmos compacece-
rem no lia 23 do correte me/., s 9 horas
da manlia no consistorio da mesma in-
mandade para o referido fim.
O escrivo.
Miguel A. MimklUi.
AMA
Olio Schpeider, lintnreiro, |pndo-se despedido
da tinturara Dafceza da rita da Imeralriz n. SS,
participa ae respettavel publica que *e acba esla-
belccido na ra do Rosario da Roa-Yi>| n. 44,
Eiromplo a tingjr,J*var e iiwpur tjualqtier obra di
ia, seda e .tlgodo, tambem'tinge cl^ijieos de./fil-
tro, pama e manilha, tudo por prec"-: razoaTeJs.
Fetor.
Preiisase de um feltor que seja
para pin pequeo sitio dentro da prnra
na ra da Praia, armazens ns. 13 e lo.
bomhqrtcir.i,
trabr
AH4
Xa r ja do Imperador n. 63, t andar, pmisfl-
se da uma ama que saina coser e engommar bem
Precisa-se dfi-uma mulher que saiba engommar
para nina casa de familia : a tratar na ra da
Cadeia do Recife n. 18, 2 andar. _______^_
Precisa-se, para o servieo de caa, de urna pes-1
goa : no Recife, ra da Cruz n. 37, J andar.

Precisa-se de um caixeiro de iiade de 12 a
16 annos ; ii .tratar na rqa da Cyuz 11.
Mudanza de residencia
0 lachare! Laurino VMorsas Krieire modou
a sna residencia para a ra das Cruzes n. 2, (em
Santo Antonio), Io e 8" andares, oede jide ser
procurado para os misteres de sua prolissao.
Se que desejam ver-se lKres o isentas
de^nfermidades.
Iha-se 4 v'enda
n
V. Caore, j. U
M. A. Barbosa, P. Ma
meu 4C.
E em todas aa .principaes lajas
marias e boticas.
^cimentos
Bravo & C.
e B;*'tholo-J
0 abaixo assignado previne que ningueni
iode faaei* ^waAracacfcoiu os sitios d* mallas,
lacimhas oUeaeanso, no lugar da Ibura, fregue-
zia dos Afogados, pertencentes viuva da Antonio
Ah"eForDwra, em ftt affn*ma senhora seja
ouvida ou o abaixo assignado, e para evitar duvi-
e a ausente eclacacau enjas torras se
ju hynahaeada ao abaixo aasigaado par urna
escnipUira PiClica, passoda em 26 de agosto de
it$j, qtai o niesino abaixo asiignado voz ver
por ste Diario em outras orrasioes. Recife 16 de
maio de 1809.
Antonio Pereira de Oliveira Maia.
Precisa-se de um preto escravo parasate o
sarvjco de una casa ; assim coreo de irn baico-
zinheiro : na rna da Cruz n Ijhotel nacioyi.
I>a-se a premio a quanlia de 30:0OO3OiMp>c-
(liante firmas a contonto : quem pretendala-
Escravo
Precisn-se aiogar nm escravo das "hoiaw i*
manata s 3 d lar* : na. ra da Cruz **M'-
1* andar.
Cozinheiro.
rtBVdps
Precisa-se
Precisase alugar uma ama para
lavar e comprar: a traiar ^fla-Visia.
Pires n. 70, casa torre.
alugar um mulequo de 14 s Msnnos, qm tq.i
alugar um cozinheiro, i d 1 !* ^^l^m "'"a ,ilbrwa *"+: ';i
conhecimeD) de suamlucto; a t ^Ht'wmartfciito
di erfa. CoUegio do Santo ABsaw, ra do Cm-L im r.'. ea-nfcaVa im rs, wietw tiT:T
mercio n. 5.
i-seeoml
'L ia 42 n.., eolette
J boceo do Sarapatol n. 11.
i asm........i
l z
.

!


BHP
Diario de Pemambtico Sabhtdo 22 de linio de 1869.
r
v
fc
SUTORIO MEDICO (M1
DO
DR. P. A. LOBO M8SG0S0
3Ra da Gloria sitio do Fiindao3
A POR llflS %
Consultas todos os das desdeas 7 horas da manlia at as" 11.
Visitas em casa dos doentes de 11 horas em diante, em caso urgente a qualquer
hora do di a ou da noite.
Nao-se recebem chamados se nao por escripto em que declare o nome da pessoa,
toda ra e o numero da casa.
Especialidade em paitos, operagocs, molestias de mulheres e meninos.
Cura radical das molestias venreas, e dos estreitamentos da*jthera.
Curas radical das molestias do tero, como ulceras, flores brancas, amenonia,
vegetagoes e catarrho, etc etc.
Recebe-sv escravos para tratar de molestias ou pracar-lhes qualquer operagao
cirurgica. Diaria 25000 excepto as operaces.
Os melhures remedi5s homeopatuicos conhecidos. e por precos muito com-
modos.
ESMERALDA
AMA
Na raa doTmpW empaca &) Gonwieroio ti.
16, precisa- de ama para coipptrr e gatinhar. a
Preci.-s*luar iioi 1" ou !!' andar no Re-
cife ou Sanio A liver dirija-se a ra
do Trapialiam. 3, 1* andar.______
$1*
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a qpem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem viudo a esta
praca. e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro. prata e pe-
dras preciosas
V 5 HA 1)0 CABUG SI 5
Elle um preventivo seguro c certo contra
a ealvice.
Elle d e restaura torga e sanidade a pelle
da cabera,
Elle de prompto faz eessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posigao que se deseje
n'um estado formoso, liso e macio,
Ele fazerescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabera
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornaran
brancos,
Elle conserva a cabera n'um estado de fsau
"lira refrigerante e a.-radavel,
Elle nao dema/iadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadieo,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
davel,
Elle e melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservarlo c urranjo- dos ca-
bellos das sonhoras,
V. : o nico aitigo pmprio para o pon-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toucador de senhora se pode con-
siderar cuino -completo sen o
Tonteo 'Oriental
o qlial preserva, limpa, fortifica e aforaosea
O CABELLO.
Acha-se a venda nos estabclecimentos de
A. Caors, 1. d C. Bravo & C. P. Maurcr
i- C, M. Barbosa, Bartholomen & C, e ca
todas as prineipaes lojas de perfumaras
e botica-..
CASA DA FfflmiE
Aos 4:000$
. Bilhetes garantidos,
A roa de Crespo u. 3 e casas do costume.
O abaixo assignado leud wndidOTios seusmui-
to-feliies bilhetes garantidos I meio n. ;:<>60 coin a
.sorte de 700, 1 meto n. 3581 com a soite de 20
e outras umitas sortea de 10O3, 40.3 e O da
luteria-que se eabou de estraliir ni beneficio
da matriz de Vttia Bella (lO1), convida aos pos-
suidores a virem receber seus respectivos pre-
mios sefli os descoutos das leis na casa da For-
tuna ra do Crespo n. i'-.
Acham-se a venda os da 2' parte di lotera a
beneficio da matriz de ltui|U'; (107), que se ex-
trauir.
Precos.
Bilhele. ". 4*000
Meio.....21000
Quarto.....1*000
Em porcae de 100,5 para em*
Bilhele.....3*500
Meio......1*730
Quarto. .' 875
Manoel Mavnns Freza.
Garuado Queimado'n. 1, precisi-se Vallar
com os Srs. abatxo mencionados, a negocio de sous
iateresses:
Frederlcg Antonio de Mella. ,
Joao Antonio de Mello.
Marcelino Antonio Pereira.
Jos Flix d'Qliveira.
Elias Pereira Goncalves da Cunha
Dr. Candido J. Casado Lima.
Antonio Bernardo dos Sanios Junior.
Jos Pedro Velloso da Silveira Jnior.
Antonio Mximo da Barros baile.
Ricardo Pereira do NascinionUi.
Jos Leandro Maitins Filgueira.
Jos Maria de Vasconcellos D*>urbnn.
Francelino Domingos de Moura.
O Sr. Jos Pereira de; Mirar da Cunha
tem tuna caria nesta typographia.
O abatxo assignado tliesoureiro da
irmandade do Divino Espirito $a;ito, erec-
ta no convento des religiosos Franciscanos
desta cidade ; declara aos seus carssinos
raos, queeta irmandade nada deve a
pessoa algnma, *nem mesmo sulragios dos
naies falecides, e aqoetles qae se julga-
rem credores \la referida irmand3.de,, apre-
sentaudo ses litlos oa documentos, na
rua do Quemado n. ii, leja d9 mesmo
tbesoureiro para serena, pagos. Roci.fe
de maio de t869.
A/fongo Mafrita Temporal.
Thesnireiro
002
OOO'9
oooys
OOO'f
oortfc
00S9?
000^
OODVf
oos
00
00!)
oos
.
p
0 ->.
S. T V'
TF t
f ?
?'?'
' ?'V8'8
" '8 L 'V L "o l 'L
$ d 9 "
" 'a 9 'V 9 '9 'S '* *
' ? V C '. '
? 'a n?
u o \ sojouin^
o^3ad
cq'uopmuunfy op viu
ou opSwodxd dp vj.p op SDDduoff
mumi
Vende-se um molequu, pi-ca miiilo boa : na
ra estreita do Rosario, travessa do Queimado
n. 18.
IMEITUM DOS .l\i\AZES
16 RA DA CRUZ
Ha diariamente sortimento de bolliuhos para cha, podins, pies de lo, bollo inglez,
presuntos, ditos em feambre, pastis de diferentes qualidades. Amendoas confeitadas,
confeitos, papis para sortes. yinhos tinos engarrafados, superior cha Hfsson, preto e
iniudinho, fruta em xaropes, fitas seccas e diristalisadas, assucar candi, xaropes refri-
gerantes.
Recebe-se encommendas fle BBndeijas para gasanieulo, bailes e baptizados, com
bonitas armacSes de assucar, sendo estas preferiveis asdepapelo: figuras anlogas,
bollos etc., pes de l enfeitados, qualquer encommenda para fura ser j>em acondi-
cionada .
VERDADEIBAS
PILULASdeBLANCARD
com loounrra oo ferro inaltcmvel
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Fowuindo as propriadadee do ledo et do farro, eonvem specialmeote aas Aavcocote
asscROFULOSAS, s Tsica do principio,a (raqueta m temperamento timbem do* casos it
Falta de cor, amenorrhea, era que precisa mugir sobre o sarguk teja para restituir
Um a sua riqueza e abundencia normaos, ou para provocar regular a seu curso periedie*.
A'. B. O iodarele d ferro imparo oa Alterado im medicamento infiel, f*/' f\
Uriunte. Como prora de pnrezi de eatheneidad da*tr**rir*m M- tas 4* Blaaeard, deve-M enigir nosso aell* m prata reactiva J^/ CU/T/qZx^,
dosso flraaa, aqai reprodazid, re u aeb na parle inferior de oa f t^J~
rata la var4e. Dh-h descofiar dai falaificaooi. *-^
Aehaan-ae en u SUMAS EGIPCIAS
PARA DESCAROCAR ALGODAO
Lok-jav Cow pers 'patetit
Acham-se expostas estas importantes ma-
chinas no trapiche do Sr.-major Bellarmino
do Reg Barros, no Forte do Mattos.
Estas machinas funecionain d'uaia ma-
neira inteiramente nova, e anda nao vista
no Brasil; descarorando o alfodao com
muita presteza, e deixando a Obra inteira-
mente limpa e em todo seu compriinento,
como o mais superior hobmdvira : vaiendo
por eonsequencia mais 0 "|0 sobre o preoo
do producto Convencido d'esta verdade o seu intro-
ductor se obriga desle j a pa^ar o algodo-
produsido pdas sohreditas machinas; por
mais 1:000 em arroba sobre a cotacio da
praca para o producto -das de serrote: ou
1:500 em quantidade de 100 saccas para
cima.
Preco de cada machina com um cylindro
de sobrecellente 240(jlJ00 a dinheiro sem
descont.
Silva Barroca, ra da Cadeia
n. 4.
Paria, 36, Ra Vivlenne, V
CHABIE MDECIN
DASENERMIADAS DESSEXUAES, AS AJFEO-
COE8 qnfAWRA.S.E ALTERAgOESDO SAKOUt.
i0 000curadaim};nyn
puttulat, herpes, sarnm
cot*xoet,acrmoia,i al.
Wercoet, vicilas a sa%-
litigue f virus, e o llera;ou
do sangue. (Xsrose vejeUl sem mercurio). B>epa-
rativaa resetaaa BANUSS MlilEItAES)
tomao-u dous por teman, Beguido o iracumea
Depurativo esseregado nag mesmas molestias.
Este Xarope Cilricto a
ferr ds CIIABLE, smr
immediaumenteqea^aaf
purqacao, rtlaxacao.
e debilidad*, s ignal-
' mente os/luro* flores bromeas dai mnlaeres.
Esu injaceao benigna smpraga-s com o Xarepe m
Citraeto de Perro.
Beaiarraidaa, Pomada qu u cura tres sas,
POMADA ANTIHERPET1CA
Contra as affeeeoes cutneas e eomixoes.
PILULAS VEGETAES DEPURATfVAA
Ao ChaWa, cada frasco ai seessapeasde 4
hb bsheto.
Monte Pi Popular
Pernmbucaiio
De ordem do conselhn administrativo sao convi-
dados todos os nossos irmos conip: reeerem no
dij 23 do currante, pela 9 horas da mauliaa, afun
do assistireni a ints'sa i|ue se eosluma celebrar a
SS. Triiidadc, e ern -seguimento a sessu magna,
Secretaria do Monte Pi Popular Periiambuc.i-
uoldeniie di;;lfi!.
'alio Cesar P. da Ructu,
i secretaria.
Vendem Augusto F. de Oliveira A C. ra
Commercio, a. 42. _______________________
Grande exposico de
bonecas de cera
DE
Todas asqualitlades na ruado
(ueiwado n. 55.
LO JA DO TEMPORAL
Acaha de chegar pelo ultimo paquete um
completo sortitnento de bonecas de cera de
todas as qualidades
ral.
para loja do Tempo-
SYSTEMA MTRICO
Tabellas de coinposico de precos entre o antigo
e novo systema, a contar de 400 fs. a 63, 1 arroba
e um, dez ccem kilograinmas, a 200 rs.cada urna,
nos lojas de livros, dos Srs. Jos Nugucira de Sou-
za, De Lailharcr & C, Parisiense, Guimaraes &
Olivtira, ra do Livramento n. 3, Moreira &-Bra-
ga e na ra Direita n. 4. Nesta ultima casa lia
tambem 4 temos de medidas de metal branco para
liquido?, chegados ltimamente de Franca, para
3uem tiver boni gosto o quizer medidas nao s de
uracao como de liinpeza. ; .______
COMPRAS.
Compra-se
eai relogio;patente in^le'z de ouro, sendo
novo, e do melbor fabricante, na travessa
da ra do Queimado n.,t, Io amlar.
Na praca da Indejiendncia n. 33, loja de ou-
rwes, coipra-eouro,rata, e pedras preeiosas,e
tambem se faz qualquer tora de eneoumienda, e
eeV) e qualquer concert.
Compra-se 8 acfs da eompaniia do
ncanamento d"agua o Beberibe: qoem as
razer ven4er, porstes 8 dias, se dirija
esta typographia', onde se d!r quem as
tinipra.
Con^tra-se
!ma balanza decimal eto egund ini na ra
i 4jLivramnto n. 31.
Vende-se em casa de Oliveira
Filhos & C, largo do Corpo
Santo n. 19
Libras esterlinas.
Vinbo moscatel de Setubal.
Potassa da Rassia, em barris e meios
ditos.
Carvo anima! de superior qualidade.
Panno de algodao da fabrica de Ferno
Velho, para saceos e roupas de escravos.
PAPEL
Pap->1 de imprefsao frmalo do Diario e qua-
druplo Jcsu, para livroe tanto liso como riscado,
cari, raisin e Jesu, o melbor possivel em quali-
dade, venda : na ra do Imperador n. 15, delrun-
te do convento de S. Francisco.____________
Torra
Ps de coqueteos
300 rs.; o sneluor tempo para plantar, e com-
prando mais de cera tem o descont de dez poa
cento : na ra Direita n. 45, luja._________.
Compra-se
I ouro. e peala e pedral preciosa};, no arco
da Conoeiec, na loja de ourivet., no Re-
otfe.
DEPURATIF
a.. SANG
PLUS DE
COPAHU
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MYTT0S IRM&OS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporp5es e elegancia, convidan*
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmeiite
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no vos gostos, ass coo grande variedade de salas e paliteiros de
prata contrastada e de gogl 4aindie nao-' nato, % completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam'-qualquer jola ou peda preciosa e garantem
a qualidade jos objectos vendidos.
OIjIIO E PRATA
Compra-se moedas de ouro c prata
bem como libras sierlmas, na ra do Ca-
bug n. 9, retojoaria.
0 m,uzeo e joias
Na,rpa do Caaxig n. 4 comprarse ouro, prala
e pedras preciosas por preces mais v intajcos do
que em outra qualquer parte.
Compra-se moedas de ouro e prata, bem
orno libras sterliaas por mofar trei;o que
am outra parte: na ruado Crespo n. 16
prtmeiro andar.______________________
Commuito maior vantagem
Compra araeio de Ouro, a. i na do Cabu-
g, moedas de ouro e prata e pedras preciosas
Eo casa de Theodoro Simn & C.
compra se a !bom premio moed; 8 de prata
do canho vlbo: Recife, largo do Corpo
Samo n. 2i.
Comprante
duas casas terreas em boas ras, quo-tejam, aovas
,e bem construidas, c trnhoi caoatidad* pan
.uraade familia, ou um sobrado as mesmas cun-
!3c5es, preferindose enr chaos proprioi: quem as
tiver para vender, annuncie.
VENDAS.
XAROPE PETTORAL
DE
RABO DE TAT
PLANTA DO BRASl,
expectorante e recommendao na
affecc5es do peito, bronebite dirnwa, he-
moptise, e tosse ebronica.
PREPARADO POR
JOAQIM DE ALMEIOA PINTO
PHAnaiACEUTiCw
Pernambucorita langa do Rosario n. 10.
DE JOIAS

Movis, louqas, livree, etc.
Vendem-se por precos mdicos lodos oa movis,
loucas, livros e outros arranjos indisp ansa veis eso
nina casa de familia : a tratar-se no largo do Pi-
lar n. 19.
i i- i...............-.,.. i ------------*
Paraos apreciadores dequeijodo
srtelo
Vendein-se qotijos manteiga do lertao, mui-
p navos, porpreep coramodo : na m\ Direita n.
14, esquina dobecco de S. P*dro.
Vende-se urna bonita burra e a melbor possive
tara cabriolet e-sella, mansa uo todo : na ra da
mperatiiz n. 9, cocheira.
Ttua do Queimado n, 49 e 57 lojm
de mudeuts dt Jote fe Azeve-
Mma Suva conhecido pttr
Jos Bigodinho.
Est qiieknando tudo quanto tem em seu
estabelecimento para acabar e faxernoMn.
sortimento, por isso queiram vir ou mandar
ver o que bom e barato.
(Jrralas com jagua florida rer-
dadeira...... 1*206
Garrafas com agna divina da me-
lbor qualidade .... l50O
Latas com superior banba fran-
ceza ...... #2tiO
C,i i xas coi a 12 {rseos de ctenos
proprio para mimos .
Dita com G frascos rourto linos a
lo baboza muito fino que s
a vista ......
Sabonetes de calunga muito bo-
nito ......
Caixas de p de arroz muito
superior a.....
Pegas de babadinbo com 10
v.iras ......
Caixas redundas emilando tar-
taruga ......
Pecas de fita Jde cus qualquer
largara .. .
liiscovas para unhas muito li-
nas ........
Escovas i>ara dentes" fazenda
muito lina .....
Pulci'iras de conUts de cures
para meninos .
Caixas de linlia branca do gaz
com 30 noveilos .
Caixas de Rlta branca do gaz
coin 30 noveilos ...
Pegas de tranca lisa de todas
as cores .. .
Resmas de papel pautado muito
fino ......
Pares de boties para punbos
muito bonito ...
Libras de laa paia bordados de
de todas ts cores
Pentcs com costas de metal
muito finos .
Noveilos de liaba muito grande
para croxs
Dada de linba froxa, para bor-
dado ......
Grosas de botoes madreperola
muito fino ......
Sabouete muito finos tiO, 130,
1G0, 240 e.....
Pegas de fita de la todas* as
cores ......
Espelbos dourados para parede
l000 e .
Espelbos de jaarand muito
lino ......
Pegas de trancas brancas e de
cores de caracol A .
Pares de meias cruas para me-
ninos .
Caivete muito fino com 4 fo-
lhas ......
Cartillias da doutrina as mais.
modernas
irascos de sndalo e patecholy
muito finos .,
Farikha de mandioca
Maia c Landetiflo, na ra estreita do Rosario,
vendem saceos com farinha da trra por preco
comaaB.
FOliO FOCO
80O
*iOO
f>240
5600
500
1(00
ASK)
me
5240
m
9800
8*000
um
f>3'*0
mo
0500
*320
1500
200O
mo
IMpl
l|oe
i*2on
So.
na iMreila u.
pit lia para vender um completo sor-
K tiroento de fogos artiliciaes, tanto i
B para Sras.,como para enancas, pis- f
j^J tollas brancas e de cores, com 3, 1
S4, ij.e6 blalas, fonlainas, cravei- |
W, ros, rodinhas singellas e obradas, e
l foguetinhos, buscaps, Ilumina- f
B enes etc, etc., feito por um dos |
I melhores artkias deste genero, e
TamOftna ha para vender salitre, en- |
1 xofre, brilmo, facas e garios |
de dtuersos jhwjus e qualidades, |
bandeijas finas qadradas e ovaes ; |
B 4lem do grande orttmento de fer- |
ss u'agens, miudezas, cutelarias e trem |
? para cozinlia, etc, etc.
Raa Direita n. 53,1 oja do Manoe
91 Beuto de t. Braga. & C.
mmmmm mmnm
| Atquechegaran
SYSTEJiA DCIMA,
Grande factura de pesos kilogram-
mas em serie completa de todos
os taannos, eulliures de com
prehender do que os que at boje
ftm vindo ao inercad, efiegarara
smetite para a loja de Manoel
Bento de Oliveira Braga C, ra ,
Direita n. 5$, a eom dinainuic5o i
regola XSPtiP ail .-temPc:
me
SA806
m
OO

4A00O
Balaceas
i
Q Yri ai
Silva, ra da Cadeia do Recife n. 311, armazem.
4wri*)nue8,deo, i0,i3a*, kilograuwa*, pasos .^.q
de ferro e latao para as meaas : ve ule l^coa e
2C-RUA 00 LltMlTO-K
Ecoaomia. ntilldade e moderno
oreado.
Cambraias de cores, varieda-
des em padroes, covado 240
Ditas de cores finas moder-
nas, covado...... 360
Ditas de cores iinissimas,
miadas, covado. .' 400
Ditas de flores grandes e listras
modernas, covado .... 300
Collerinhos de linbo diversos
gosto, um. ..... 400
Ditos de dito muito fino chega-
dos no ultimo paquete um 600
Alpacas lizas de cores muito
finas, bons fostos, covado 800
Chita9 escuras muito largas,
bellos, padroes, covado. 400
Ditas coloridas muidas proprias
para familias, covado. 400
Ditas escuras econmicas, co-
vado....... 360
Ditas de riscadinhos, varieda-
de em padiM, covado. 360
Ditas escuras boa composigao,
Na ruado Apollon.43, < av#tr, irwdeuv
6 saceos com farinha te trra a f*7 ]M.i sc.'-
Ditas claras econmicas, co-
w4a.. ......
DHas escuras e claras, covado.
320
34,
280rut
Ra do Queimado ns. 49 e 57
lojas de miudezaz de Jos de
Azevedo Maia, est acabando
com as miudezas de seus ettabe-
lecimentospor isso queram apre-
ciar o que bom e baratissimo.
Pares de sapatos de tranga fa-
zenda nova a......2^000
Pares de sapatos de tapete
(s grandes) a. ". 1^50
Duzias de meias cruas para ho -
mem a........3*800
-Tramoias do Pono fazenda boa
epelo prego melhor 100 altos a
Livros de misses abreviadas a ^
Duzia de baralhos francezes muilo"
finos a2(J40O e .
Silabario portuguez- com estam-
pas a .' .
Grvalas de lores c pi cas muilo
finas a ........
Duzias de meias para seiihora fa-
zenda boa a......
Redes pi otas lizas muito finas a
CartoesCQm colchetes de lato
fazenda fina a- ^ .
Abytiiaduras de vidro pjjra coleto
fazenda fina a. .
Gajxjas com penqa d'ago muito
tinas a 320, .400, 00 e .
ItartSes de linha Alexandre que
Um 200 jardas a
Carreteis de linha Alexandre de
70 at 200 a .' .
Caixas com superiores obreias
de niassa a......
Duzias de agalhas para machina
Libras de pregos 'ranceaes di-
. lergo Umanno a. .
Livros escripturado para rol de
roupa a. ...... .
Talheres para meninos muito
finos a. ,......
Caixas cem papel amizade muito
fino a ...... .
Caixas com 100 envelopes muito
finos aN.......
Pentes volteados para meninas e
senhoras a. ..... .
Thezouras muito finas para
unhas e costuras a. .
Tinteiros com tinta preta muito
boa a 80 120 e .
Varas de franja para toamas fa-
zenda fina a. .
Duzia de phosphoros de segu-
raofia- da melhor qualidade a
4O0e........
Pegas de fita branca elstica
muito fina a......
Noveilos de linha com 400 jardas
Resmas de papel de pezo azul
muito fino a 2#i0o
Pegas de fitas bordadas com 3
varas a .
Ditas de ditas bordad otan 42
metros de 2#000 a .
Grozs de botoes de iouca muito
finos a........
ffiM
loOOG
iioo
5100
- |04ff
2(?0G
|M0
I1M
r?244
5-700
600
ma
im
*12
06
200
60
3#Ci
160
Libree ouro nacional, noedas
de 5 francos.
no.|o daConceigo na loja
no Recife.


Ditrio.de Pei-4Jtnibuco Sabhado 22 de Maio de 1869.
I|
i
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACEUT1C0, t, BE DES LMH$S*INT-PAL, PAR,
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
rom lODIRET'O de l'OTISSIO
O lodureto de potassto 6 um verdadeiro altrame, um depurador de inconlealavel effi-
eacia; combinado com o xttrope de cascas de lavan]as amargas, e aturado
sem perturbaco alguma polos temperamentos os mais Iracos, som alterar as funecocs
do estomago. As doses mathemalicas que elle rontem pcrniiilcm aos mdicos de rcceital-o
para todas as complicacdes Das alTcrc. s escrofulosas, tuberculosas, cance-
rosas e nos aocidentes intermitientes e terceiros; alm d isso, o
agente o mais poderoso contra as doencas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO
de cascas de laranjas amargas.
35 annos de successos attcsto a su effi-
caeia para curar: as doencas nerbsas,
agudas ou rhronieas, as gaslrites, gastral-
gia; e facilitar a digesio.
XAROPE FERRUGINOSO
de cascas de laranjas e quassla unarga.
E' Eob n Turma liquida que mais fcilmen-
te se usimiia o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulase pastilhasen todo oscasos
em que sao proscriptos os ferruginosos.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUINA, PYRETHRO
xir dcntrrco, para a alvura e con-
servacao do denles, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
E GAIACO
*6 decAifreio, com base de magnesia
para a alvura e conservacSo dos denles,
. provenindo o descarnadura, provocando o
coutado do calor ou do fri trtaro de que empede a reprodujo.
Deposito em Rio de Janeiro, B. Chevalot; em Pernambuco, P. Manrere C; en Maeeio,
....* w "" *!f'0,M- Amere Lelvan; em Baha, Da norfci; em Porta Alegre, lom
tolla; era Maraado rerrrlra c-, e. Ouro Preto, c. J. v. welerm: em Santa Catha-
yrtna, 8. Schwteljtm Montevideo, G. imfeen, em Buenos Ayres, Btcbeparebara.
i^iivrmiiti*'
CARVO DE BELLOC
Approvado recommendado pela"" Academia imperial de medicina de-ftrfe para
cu! a ua gastralgia e em geral de todas as doencas nervosas do estomago e das iiYsiiiios.
r^w, re!"!d0 P01* excellcn<:ia contra a .viencao de reiitre Fhtf*te em
cZ 2 T" frPn^adles.abs0l^nles, recommendado como verdadeiro rtMedfc nos
ST. f f? C cll0Jler,ua- **<~ omawe na occasiao das owatttt
sob a forma de pus ou de pastillas.
Deposito e.n RkhJa.neuo, Duponchelle; Chevolot. Em PcmMHjko, M'mrerKC.
*%
Superiores saias brancas bordadas a 50, U, 8 o
de cambria de escocia transparent j.i feitaa
Vasconcellos
Na aja
C.
10OOO cada tima;
a 6r>0*'0 cada mnai'-
Rua do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contc-ndo setim,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas ssim como
para covados.
Gurguro branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Sefim branco macau.
. Setim, branco, azul, verde", cor de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda*com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para horneas.
Saias bordadas para senboras.
Camisas bordadas > .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lenf.os de cambraia de linho bordados:
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodao."
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para s>l,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senboras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 15a
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.
para senboras e meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, prcalos,
15as, e outros mnitos artigos de josto c
de alta novidade, isto s
TASSO IMAOS
Tem para vender em seu anuaicn} akm de ou-
tros, o? segumfe: artigos *.** ^r\wm\m
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grcve pautado e liso.
Vinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery. .)
Madcira.
Hennitage.
Chamblis.
Licor de curasao do Hollanda em Misas de vin-
te e quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irmaos.
21
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
COMPANHIA
li
godao de
das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Gorreia de
Os verdadeiro* COIXAB.ES HOTEH, es ubico approtsdee pela
a Academia de Medicina, lem assim como os meos cutres producto*
Btlrabido a cupiuei dos falsificadores, que para facilaar sua crnnoxa
industria nao lepjao, mm rcceiao annunciar vender raWosCoLaaax
cot MXV homb. En previno as familias paia interesse de sen* filhos
que, para evitar falsificacoes, devem exigir, que meas Collabsi Ibes
sejao vendidos em caitas de tambas de encaiic e coriedias eobertas
por & eUiquetas com a minha marca de fabrica e encerrando nm
prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalba com o lettreiro.
COLLAR ROYER, Rae St-Bartin. 225. Paris.
VEGETAL AMERICANO
C S A LIDAOE
BARTHOLOM E &
Fabrica de tecidos de a
Fernao Velho.
O superi ,r panno dr algodo desta fabriea, mu
vaiilajo-aiiienle cunlierida nesta provincia u as du
Periombnco, Parahyba e Rio de Janeiro, pea sua
perfrirao de kvido, elastieidade e fortaleza, conti-
na a ser vendido no oacriptorio da mesina eom-
panliia piara de Tedro 2o desla eidade, casa nu-
mero 4.
Afina de que os numerosos e importantes senta-
res de engenlio, bem como M mbofm exportado
res de nsoear, tanto desta provincia como da?
cima meitcionadas, possam com facilidade pro-
ve-se das manufacturas desta fabrica, a gerencia
da eompanbia annuncia que as ha venda- nos
segeintes lagares :
Nesla eidade -noseti escriptorio e as casas do9
Srs. Domingos ot de Farias e Jos Nunes Gui-
maraes, ra doCommercio.
Em Pernambucona casa dos Srs. Oliveira, Fi-
Hios & C.
No Pilarem casa do Sr. Joao de Albuquerque
Mello.
Na Castanlia Grandeem casando Sr. Norberto
Cavalcanii de Albuquerque.
Km Camaragibena casa do Sr. Joao Vieira de
Lima.
Alem do panno apropriado ao ensacamento do
assucar. a fabrieti possue mais urna qualidade de
panno mu forte, adoptado ao systema que tem os
tentares de engenta do norte da provincia de
inandarem despejar nos trapiches de Pernambuco
o assucar que all vio vender, com o que os sac-
eos servem para muitas safras.
Para roupa di? c^rravos ou de tralialhadores do
campo, e para toalhas c lences do servico diario,
ha una superior qualidade de panno de 28 polle
cadas de largura, muito forte e espesso, parecen
do-se bastante com meia lona. Os presos sao o
mais mdicos possiveis. Macei 30 de margo de
1869.
Para a xm cerU du Iones antigs e recentes, eila-ruos pulmonar, aslhraa; tos^e convulsa,
Ironchias, o ern jora! contra tolos os solTriinentos das vi respiratorias.
DEPOSITO GEIt.lL.
i30Trcyv e: drogabia
34, RU.\ LARGA DO R0ZAR10, 34
PERNAMBUCO
caUrriio*
A tberapeulica das diversas molestias do m
a plinrvngii ou mal da garganta ate a tnbe
pulmonar, pausando pelas diversas broncbiles cnlarrbaes
pcito, desde
bcrculaco
e o cmplivsema acaba de ser enrequecida com mais
esle mclicamenlo, que tomar a priiueira ordem entre
lodos at hoje conbecidos. O jarope Vegetal Americano,
garanlindo paramente vegetal, nao contm em sua
compeaifie um s tomo de opio, e sim somenie sue-
cos de plantas indgenas, cojas propriedades benficas
na cura da molestias que periencem aos orgaos de res-
ptraco forara por nos observadas por longo tempo,
com'optimos resullados cada vez mais crescenies; pelo
que nos julgamos autorisailos a compor o tarop jue
agora apresentamos, e a oflerece lo aos mdicos e ao
publieo. Provamos com os aitestados abanto o que le-
vamos dito, e contamos que o conceito de que^i gosa
o xarope Vegetal Americano cresceri de dia a da,
deixando meito apos de si todos os peitoraes em voga.
Ulna. Sr. Barthalomeo C-0 xarope Vegetal Ame-
ricano, preparado em sua conceiluadissima pharmacia,
um til remedio para combater i terrivel asibma.
Sofra eu aquella molestia ha quatro mezes, sem anda
ler combatido os ataques meniaes qae liaba; este ultimo
que tire fo forlissimo que me proelou por 8 das. usei.
Sorm o seu milagroso xarope, tomando apenas tres
ases, e ata o presente nao fui de noto atacado. Prasa
Deui, que eu fique resuUlecido por urna vea. Rendo-
Ihe, pois os mcus agritccimenios por me ler arpiado de
lio borrivel mal. Com a mais signlicaliva gratidio,
subscrevo-me deVmcs. afTecluoso c reconheculo.cnado.
Seveno Duarte.Sua Casa 14 de fevereiro de r868.
Illms Srs Rsrlholomco C. Dpois de quasi seis
mezes de soniimenlo com urna losse incessanle, fastio
exlraordinario, expccloracao de um calarrbo amarella-
do, e perda loial das forcas. que o menpr passeio
me falgava completamcnlc, cansado de tomar mus ou-
tros remedios sem rcsullado live a felicidad de safcerque.
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Americano, e com
elle, gracas a Dcns, me acho reslabelccido ha mais de
dos mezes, e robusto como se nada livesse soffrido. A
gratido me forca a esta declarac;.io, que podero Vmcs.
fazer o uso que quizerem. Son com estima de Vmcs.
mullos respeilador c criado. nlotno Jnaquim i*
Castro t Silva. Recif 8 de fevereiro de 1868.
Atteslo que usei do xarope Vegetal Americano, de
composicio dos Srs Bartbolomeo & C. para cura de um
forte deflexo que me tronxe ama rouquido, que me no
faxia edlender, inOammaco e dor na garganta, losse,
grande falla derespiracAo, e tquet completamente res-
labelccido com um s vidro do mesrno xarope; pelo
que Ibes protesto eterna gralidio. Itecife 10 de Ja-
neiro de 1868. Joejuiw Ptreira renle* Jnaor.
EsUo reconhecidoa.
CAPSULAS MOLES
CE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEWIMEHSE
PH.VRMACIANE DROGARA
DE
Bartholomep & C.
3iRA LARGA DO ROSAMO34
Scboncte de alcatro.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tSo boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda -para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pollo.
Deposito nico,
Pharmacia de BarthoiomeH & C
34ra larga do Rosario34.
Tabellas vermicidas -
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermi(ugo efficaz, e preferivel a todos os
conbecidos, j pela certeza de mu resulta-
do, ej pela fcil appicac5o as creancas,
quasi sempre mais atacadas de to termal
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
DE
Bartbomeu & C.
34Roa Larga da Rosarlo34
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e liaos, gran-
de sor ment.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada !) de pallia da ludia, a emtiacao,,
especial sortimento. .....'
CINTOS de cores e pretos, rico sorumenio a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por eommodos precos.
LENCOS bordados e com letras, novidade neste
LEQUES a emitago de marfim, gosto novo e de
sndalo. .__r.^
GOLINHAS e punhos, a emitatao de gmpnre.
ENEEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes, n ...
GARNICAO alta novidade 1 a Mane Rose, lti-
mamente usada em Paris.
CORPINHOS de guipare brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, edres claras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de llores finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS superiores de fio de Escocia.
LUYAS de peliea chejgadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado. '
DE PALHA
GUARNTCES para vestidos.
IJMNCAS para enleites de coques.
BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LACOS, tiveUs, penaelios pira enfeites.
Para lioniens.
deli-
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodSo.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
BOTOES para punhos e guarnicoes para coletes.
COK RENTES de plaqu a emitgao do ouro, lin-
do gosto. i
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchtl, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de ac e tarturaga.
Para criancas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio d Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS do fil e setim enfeitadas e de chroch.
BUNECAS vestidas, muito LvJtas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas finas.
de Murray A Lan-i
TNICO oriental, verdadelm.
AGUA DIVINA de E. Coudray e suprior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de aifradaveis aro
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico? para toilet.
POS DE ARROZ para anaaeiar a palta; em paeo-
tes e ricas caixinhas com arminh<..
POS superior para limpar os dentos.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento este genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiipaes.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumaria; finas.
Mludczas finas.
AGUA FLORIDA verdadoira
man New-York.
IiOJTA
DO
GALLO VIGILANTE
Kna do Crespo n. 9
Os propiie.Virios (leste bem conherirJo estabele-
cimento, alii dos mnitos objeclos que thibam ex-
postos a apreciiM-io do respeitavel pulirico, man-
darn) vir e acaf-am de receber pelo ultmio 4apor
da Europa um completo e variado sortiirrento de
finas e mui delicada* especialidades, as qtoes es-
to resolvidos a vender, como de seu cDstumc,
Sor preces muito baratinhos e comuiodos para to-
os, com tanto que o Gallo-
Muito superiores luvas de pellica, pretss, tran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas goilinliaa e panhos )ara se-
nhora, neslc genero o que ha de maL* molerno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeites pora cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri- ;
Ihos e sem elle; esta fazenda o que pode ha ver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leqnes- de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias Oo de Escossia para so-
nhoras, as quaes sempre se venderam po.- 30000
a dtrria, entretanto qne nos a? vendemos pur 20,
almdestas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quses algumns muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casto de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
|Kde desejar ; alm destas temos tambem grande
quantidade de outras qualidade.*., como sejaui, ma-
deira, baleia, osso, borradla, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotiuhos de eadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de soda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de t a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao omito boas,e di) mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capeHas para noiva.
Superiores agu has para machina e-para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons barathos de cartas para voltarete, assim
como os temos para o mesmo fim.
Grande e variado sontimento das rcelliores-per-
fumarias e dos melhores e mais conhecilos- per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cormtlsoes, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde- muit recebedores destes ppjdigiosos
collares, e continuamos a reeebe-los poV toaos os
vapores, afim de que nunca faltcm no jnercado,
como j tem acontecida, assim pois poderiio aqoel*
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes. verda-
detros eolkares, e os qaaes attendendo^o ao fim
para que sao appcados, se vender com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosobjectos rpe Jixamos
declarados, aos nossos freguezes e arriigof; a rirem
comprar por precos muito razoaveis toja do gallo
vigilante, na do'Crespo n. 7._____________
"TSTILBAS ASSlICAMftAS
DO
DR. PATERSON
me hlsinnh e magnesia.
Remedio por excellencia para- oambate-
a magreaa, facilitar a digesto, lortiflear
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia- de Bartholomou & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
Barato que admira
Ojiarlos d# latas com bolachinbas de oa& qua-
lidades a l'iOf, caixinhas com araeixa;, peras e
figos a 1#400, cervejaBass.'Ihlcrs e betl ingleza a
800 rs. a botija, vinho a 400 rs. a garrafa, azeite
doce de Lisboa 880, arre de primeirc; qualida-
de a 120 rs., caf a 220, sabao a 180 e 220. cha
miudo bom a 3-3100, idem grado a 34, aipista a
240, toucnho de Lisboa a 4'i0, marmelada fina a
780 a fibra, doce degoiaba fino em latas e eaixoes
de diversos tamanhos por commodo preix: s na
esquina da ra da Penha n. 8.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIKEIRA FREDEMCO & C, '
Acaba de chegar a este mercado urna potito des-
te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
princeza de Lisboa por ser de agradave:. perfume.
E' fabricado pelo syslema a imitacao do \reia Pre-
ta, porm tem sobre este a vanttgem d( ser vTafa-
do, o que tara este artigo urna espocialidade.
as pravas da Baha, do Rio d Janeiro e outras do
imperio temo Rap Hular sido asss accolhido,
e provavelmente aqu tambera o era, logo que
seja couhecido e apreciado. Acha-se venda
por preco commodo, o paraquem comprar de 50
libras para cima, far-se-ha um descont de 5 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no eserjn-
torio de Joaquim Jos Goncalves Beltrso, ra do
Gommcrcio n. 17.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
No3 %rmazen\ de Tasso Irmfios
CAIIKI.\nOs de FEnno
Para servigos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou eaixoes de uw paraoutro, lado pelo
mdico preco de 12^000 cada um.
Fariiilia de trigo de Trieste
Das mclhoras marcas Panonia(verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das melhores marcas de
feriabas americanas.
Saceos de fariiiha de trigo do
(Me
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudc que sao obras para agua, ce-
rno assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
hpsito, tanques d'agua'.-etc, etc.: em porcoes di'
cincoento barricas se fa redueco no preco : nos
armazens de Tasso Irmao3.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De iflerentes qualidades para1 cercados e ani-
maos, ehiqueiros nara galinhas ca jardins : aos ar-
mazens de Tasso trastos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CAWOS DE BAEEO
Na ra Kova de Sarwa Rita, na ar"*f a fabrica ife
sabao, ha para vender por preco o mais modii*o
possivel, caaos franceies para edilicaroes e esgo-
bs de toda a qnalidade, superiores a todos os que
aqui tem appsrecido pela-sua solidez.
PRIMOS.
1^400 porcino grandedeS e meia w>llegadas.
1200 por dkode 2 e tres quartos di dita.
4000 por dito de 2 e um- quwto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cetovcllos, curvase canos- de maior gsopsnra, a
visa-s l'ar o preco.- Compras maiores- de- 20i
tero 5 p^rr cenU* ae descont pw prompt paga-
mento.- Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Tijolds fraiieozes
Para ladrilhar rasas terreas com asseio- precos
modieosv muito coorrenientes e prmrios parartadri-
llios de cosinhas em sobrado, pelo seu aeseio e
evitan apassagem de aguas pea andar interior
e mesmo o perigo d-fogo, ao precos do 33g000 a
45j08rJ[o niilheiror.ua ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabRo, e compras maiores e 20|
se faro por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amsstras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de espermacete ve?rla'\riras para !an-
ternas de carros: oarmazem di Tasso Irmiws'.
Vinho do Posto fino superior: no afmaaem
de Taseo Irmaos.
O melhor cornaeGauthUrPlreres : noamna-
zem il Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vnde-se estei.-a da
India de diversos padroes e kirgwras, per pB*^o
commodo.
Macartry
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
c5res e larguras de veludo preto e de cores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e ntremelos bordados.
GUARNICES de seda de cores pu-a enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhose j ingentes.
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
"lisos e com pingentes. -
DEDAES de maui aperla, de mar 8m, de 050 ^
metal.
THESOURAS finas para costura e amias.
CAIVETES finos cora quatro folaas. Enraitos
outros artigos de miudeas que torna enfa-
donho menciona-Ios.
Tudo e vende por presos bastante eommodos.
1ASSA e XAROPE
DECODEINADEBERTHEI
Prttdwiwdo por todos os mdicos contra os I
DEtLUXOS, CATHARROS, E TODAS AS|
IRR1TAQ0ES DO PE1T0.
II. B. O Xarope de Codtina que merecen a I
honrn, attai em rtira entre ot Medcame, los I
novo, (te terftgisli ado como um do$ medi,a-l
mentot offlciaet do Imperio Francs diipensa]
quMtejuereicgio.
AV BaVTJ. p0r causa da reprehensivel fa i-l
ficaco qae tria suscitado o feliz resultado do I
Xarope e mastt do Berth somos forcadoi al
lembrar que estes medicamentos to juslamentej
conceiluados so se
vendem em caixin-
has c frascos levando
a assignatura eM f '-a 5l3mi-1
frente.
6, Itue des colcs, e na Pfcarniacin Con ral |
de Franca, 7, Tiue de Jouy, em Paris, e
todas as Pba-maclas priucipae doBraii".
naefainaA de descai^car algodo
Hoje qne est rsconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebrav a fibra do algoefio,
preciso recorrer a machiaismo menc spero,
que produzindo o mesmo seifca que qaeUos, e
facilidade no trabalho, nao qaorem a fi'ira da lia,
para, que essa posoa obter-w mercados europeos,
a diffierenca que ira entre o algodao descacocado
por aquellas mencionadas machinas^ qae estib fi-
candoemdeauzo,peloprejuizo qiic tera causado,
eo daantiga boiandeira, qne nao pode competir
lela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais propinas para o
nosso algodo, porque ao par. da beilidade e
promptidao con#erva a fibra da la, qua limpa por
rila, e qualificada na Europa a par da,raelhor bo-
iandeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a la limpa pela machia de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrle
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da- qnalidade-do
Ida nossa provincia, obtem hoje de 10 anor
0/0 mais do que o nosso : vendom-se a i50000
nos armaiens de Tasso Irmaos.
Oleo do anieudoas
Em caixas de 8 lates, cada caixa 100 libras:
nos armazens de Tassojlrmos.
Charutos da Havana.
E\eellentes charetos da Havana e por baratissi-
mo >^p : em casa de Tasso Ionios, rua> do
AmfAim n. 37.
Relogios de ouro.
Belogios de onro de patente eom balance de
cfcronometro do famigerado actor John Rog^rs, no
eecriptorio de Tasso Irmaos.
Ranos inglezes.
Pianos inglezes do bem conhecido auUr Charles
Cadby, no eseriptorio de Tasso.
Ac de milo.
Nos armazens de Tasso irmaos.
BAKRIS DE. SALITRE
Nos armazens de Tasso Irmaos._____________
CARNAUBA
Vendo-se superior cera de carnauba em 4o
cas, por preso mais barato do que em oulra quas-
quer parte : na loja do Pavo, ra da Iuiperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
CUBA DOS CALLOS.
PELA
X Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharrnacia de Bartholomeo dr C-
34------Ra larga do Rosario------34.
A NOVA ESPERANZA
Rua do Queimar!o=-=2J
Advertencia'
A Nova Esperpnca, rua do Queimad
n. 21'tendd em deposito grande quantidado
de miudezas, o como se approxima o tem-
po em que tem d ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que esl resolvid a vender suas mer-
cadorias pelo haratissimo prego, para assim
diminuir a grande quantidade das que
tem: assim pois, ventiam os bons fregue-
zes, e os que nao fortn venltem serfregue -
/.es, em tempo to opporluno quando
NOVA ESPERANCA convida-os pecliincha-
rem, pois que para comprar-se caro, nao
falla aonde e a quem...
PARA HEZ DE MARA
A Nova Esperanca, rua do Queimado
n. 21, recebe o pastilhas para queimar-se
cm lugar de insenco, para aromatisar 03
oratorio das devolas do me7. de faria.
Elle quer e ellaquer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter abjectos de
gosto e perfeifo, e ella (loj da Nova Es-
peranza) quer sempre dividir com scus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)
Nova Esperanca rua do Queimado n. 21,
alm do grande sortimepto que j tinta,
acaba de reeeber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos *>
madreperola.
Papel e envelopes bordados e mati--
sados.
Papis proprios para enfeilar boBos' tf
bandeijas.
Brincos prets com dourados (ulifflja
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas1 e trancas dV
seda e de laa, para enfeites-de vestidos.
Botes de todas as cores e moldes novo
para o'mesmo fim.
Trancas pretas cora vidrilhos-sendo com
pengenies e sem elles.
Botes pretos com vidrilhos- com pingen-
tes e sem elles.
Luvas de pellica, camurra excossia.
Finas meias de sec?a para senhora e me-
ninos.
Delicados toque de- madreparola, mar-
fim, osso'C faia.
Espartilho simples e bordado.
Bengalas de baleia. .
Finalmente, tnn completo sortimento de
miudezas aVruat do Queimado n- 2J, na
Nova Esperanca.
Collares anodinos efleotro-Ktagneti
eos contra as convulces das
creancas.
No resta a .-menor duvida, de qne-mnit
cellares se venden por afci intitulados ot
vesdadeiros de Royer, e eis porqac muitoi
pas- de familias nao crees (comprando-o}
noeifeo prom^ido, o que s podan du.
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
que-detesta a falsiiccao principalmente m
que- respeita ao- bem estn da humanidade
fez urna encomnrenda directa destes collares
e garante aos pais de famHras, que sao o
verdadeiros de Royer, qn a tantas crean
Cas tem salvado do te rrivel incomraodo de
convalces, assim pois preciso, nham a. Nova Esperanza a roa do Qaeimadt
n. 21 comprarem o salva vida, pana- sena
lilliinlios, antes que estes sejam acemmetti-
dos do terrivel mal, qataedo ento ser d*-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejaai empregados os verdadeiros collare
de Bover.

AnuiMkttitSc, ^*
VERMZES
de superiores qualidades, a precos eommodos :
rua do Vigario n. Ifl, andar, eseriptorio
Joaquim Gerardo de Bastos.___________
VENDE-SE
azeite de dend a 8Q0 rs. a garra-
fa: na rua Novan. 3.
Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver da longe, j podis ver eperto,
|io ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sorum- nto de
oculos, lunetas, pince-nez, Sace -main, lor-
gnons, de louro, prata, larraruga, marlim.
ac, bfalo, ncar, unicornio emelenior
assim como binculos de urna a tres mudan-
ras para theatro, campoe mariiiha, daulV-
ma mvenco ; duquezas, vieueaas de 6, 8 e
12 vidros, ludo dos melhores fabricantes da
Europa.
O mesmo vapor tpou-
ke urna excellente ma-
china para graduar e
observar numero dos
vidros qoe se necessita
conforme a vista de
qualquer pessaa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
I tos de mathematica, barmetros, vidros de
chryslal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; eoncerla todos os objeclos. a
precos eommodos o com promptidao ; tira
o mofo dos vidros e encarrega-sede fcda a
encommenda relativa a ptica.
Becebeu tambem os excellentes rer0gi06
do anligo e afamado fabricante Robmt Gertk
&C, os quaes* vendem preces eommodos
garantindo a sua superior qualidade.
FUNDICAODOBOWMAN
K iia do Itruui a. &.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batida fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objeclos, etc. etc., pro*
m ios para i agricultura.______ ._
az m m
Chegoa ao antigo deposito de Henry Forster *
CL, rua do Imperador, um carregamento de sai
de primeira qualidade; o qual se vende em partida.'
e a retalho per menos preco do que em outra qual
quer parte.
Livros de direito e prep
torios
Vendem-se oa seguintes livros; Ortolam, 7*000
Oudot, 7i, Belime, H, Laqraige, USOO, Charma
4, Barbe, 3<. Historia Sagrada, U, Historia de
Brasil, IJi, Magnam Lexicum, M, Virgilio (3 to-
mos) U, Cicero, l>Lito-Livio, 1*, Epitome, U .
na rua da Imperatriz n. 88.
Venderse urna caiToca e um silhao era per-
feto estado : a tratar na estrada de Joao de Bar-
ros, casa n. 20, de meio dia at i horas da tarde
i
tm -^



Diario de Pernambuco
Sabbado 22 de Maio de
1869.


ft
V
?>


0 cordeiro providente
Iiu.i do Queittiailo u. 16.
Novo e variado sortiineato de perfumaras
finas, e oulros objectos. .
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, supriori-
dade, quididades e commodidades de pre-
ces ; assirn, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Era dita loja encontrarSo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira da Murray fc Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos memores e mais acreditadas
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete, para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseie da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada lina para cabello. fu
Frascos coia dita japoniza, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do fino eagradavel cliei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de elidiros igual-
mente- finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Aracto d'oleo de superior qualidade,
<- Obates taan los.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Dtes transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos. i
Ditos muito finos cm caixinlia para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fmetas.
Ditas de madeira nvermsada contando fi-
nas perfumadas, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
fcem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, e porisso o-maisproprio para enan-
cas.
Opiata ingleza e fraaceza para dentes.
Pos de camphora o outras diterentes^
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
fcm outro sortiraeRto do coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estao todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLUNIIAS EPUNUOS BORDADO*.
Obras de muito gasto e perfeicSo.
Fivellas e fitas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escola ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O quede melhor se pode encontrar neste
genero, sobresaliindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vlagetn.
Bolsas de tapete e carteiras de eouro, por
precos commodos.
Chapelinas enfeitadas,-e enfeites de llores obra d, bom
gosto.
E assim mui tos outros objectos que se-
ro presentes a quem -se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de recebar um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tdo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de s^da
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de 13a, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va
riedade de gostos os tornara recommenda-
dos e apreciados ; compareci pois os pre-
tendentes que serao'servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUYAS DE PELUCA.
De todas as cores tanto para homen*
como para seohoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro, Previdente :
na do Queimado n. 16.
QUE SE LIQUIDAM
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
rEIilV PEREIRA DA SELVA.
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico deaia ca-
jital a vir surtir-se do grande sortimento que tem de fazendas, tanto da mooa como de
lei, assim como de uut grande sortimento de roupas para homens e meninos, e as
pessoas que negpciam em pequea escala, tanto da praca como do mat^, nesta casa
poderlo fazer os seus sorlimentos em pequeas ou grandes porces, venoen lo-se-lhes
pelos precos que se Qompram as casas inglesas ; assim como as excellentissimas fami-
lias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou se lhe as mandam
levar em suas casas pelos caixeiros d'este estabelecimento, que se acha iberto con-
stantemente desde s 6 horas da manha s 9 da noute.
Casemiras da moda
NA
CHAPELINAS
DA
ULTIMA MODA
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
.Remedio por excedencia para cura certa
das digestores dimVeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, e reparar as forjas
produzindo urna assimulaco completa dos
alimentos; sendo mais nm exceente tnico.
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartholomcn fc C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
11-RUA DO QTJEINADO--11
DE _
AUGUSTO POTITO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para uuivas, que
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
BASQITKESde renda peta, e de gorguro preto, o que ha de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, spartilhos, saias bor-
dadas, e salas de la com barras de cor. ,
GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas prelas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados. _________________'
LOJA DO P.% ViO
Chegoa pelo ultimo vapor f-ancez, um
grande e verdadeiro sortimento das mais
modernas e mais finas easemiras para cal-
cas, paletots ecoletes, tendo lisas, com lis-
tras e com listra ao lado, tendo para todos
os presos, e afianca-se venderem-se muito
mais barato do que em outra qualquer par-
te, assim como das fnesmas se manda fa-
zer qualquer peca de obra, a vontade do
freguez, para o que tem um bom alfaiate.
Aos quinhentos palitots
a 18$ e 20#000.
Na toja do Pavio ra da Imperatriz n.
60, vendem-se urna grande porco de pa-
litots sobrecasacados, e propri adente so-
brecasacos de panno preto, sendo obra
muito bem acabada pelos baratos precos
de i8$, sendo forrados 200 forrados de seda ; esta fazenda a nao
se 1er comprado urna grande compra, seria
para muito mais dinheiro, porn liquidase
esta pechincha pelos preces cima.
Laazinhas a 40 rs.
Vendem-se laazinhas para vestidos e rou-
pas de meninos, se* to encorpadas
como chitas, pelo barato preco de 240 rs.
o covado.
POUPEUNAS A 508 RS. O COVADO.
Na loja do Pavo, na ra da Imperatriz
n. 60, vende-se um grande sortimento das
mais lindas poupelinas ou laazinhas trans-
parentes, proprias para vestidos e roupas
de creancas, com as mais modernas e bo-
nitas core6 ; padrios com Ustri alias miudi-
filias, que se vendem pelo barato proco de
aOO rs. oeovado, pechincha que se acha
nicamente na loja de Flix Pereira da Sil-
va, na ra da Imperatriz n. 60.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se inissimas pecas d3 cambraias
lizas transparentes tanto ingleza como 6uis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de S#000 at 10^000 a peca, assim
como finstirnos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a liJOOO, a vara, na loja do
Pav5o ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Siliva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento aos me--|
lhor.es e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas. que se ven-
dem a 124OOO rs. cada par at 23^000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Fehx
Pereira da Silva.
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitots e coletes de casemira,
de panno, de brim, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que 6*s compradores*pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sortimento de pannos easemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, com a maioi^sromp-
tido vontade do freguez, e n3o sendo
obrigados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e ingiezas, ceroulas de
linho e algodao e outros muitos artigos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe vender mais barato do que em
outra qualquer parte. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e.armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
tdt
FARJNHA DE
MHDIOCA
Superior hrinha de mandioca recente-
mente cliegada de Sania Calliarina, vende-
se apreep ci.iikiIo a bordo dobrigue alle-
mo Lina, undeado defronde do trapiche
do Exm. Si-. Iiaro do Livramento ; a tra-
tar a bordo do netOM. ou no escripjorio
de Joaquim Jos Gom;alves Bellrao, ra
do Commercio n. 17.
Vcnde-sa una prcia de nicia idode ijnc cn-
rinha bem e engtrnima solTrivel, niSo tem vteu s
nern achaques : na ra Dircite n. k'.\, i" andar
Attenpao.
Veodem-so o forros deooriveso tede-?e a ean
ao eoinpisdor : a trtur al as 7 ijl horas da rna-
nliaif ou das 4 da lar.l.) em dianlc, no pateo do
Ca-rmo, esquifa da ra de Hurtas n. 2._________
De.oor.6es
Acha-se yenda na ra do Imperador n. tS,
defronte do convento da 8. Fraocicro, a bem co-
nhecida trraena do otorioao .Santo Antonio, eo
rosario e oicio dos di'l'unus i|ue 5 re-a na* se-
pundiis-feiraa do anno no hospicio de \N. S. da
l'enlia. _____________________
Atteiu$o
Vende-se por precisan e liarato una casa nova
de pedia e cal bem construida, em efcao proprio,
sila no Rncanamento, |>roxiuia estac,ao do Parna-
meirim : a initar no mesuio lugar, na laberna,
ou no Forte do Mattos u. '}, boceo da Boia, das !
as horas da lardo.
DE
FraneUeo % atalo de Carvalho
fc Cooipaahla
(SUCCESSORBS DE REG & MOURA )
Rita Naca n. 24.
Os propriettrios doste estabelecimento faiem
^ei^nte a publico que aiabam de roceher um per-
feito e vanado sortimento de pannos finos, case-
jraa, brins e outras fazendas de gostos modernos,
as quaes vendem por presos razoaveis. Os mea-
mos scieofieam, quo tendo admittido para sua
olScina d-? alfaiate um artista hbil no desempe-
Dho de suas funecoes, recebem qualquer encom-
menda de roupa por medidas, promettepdo satis-
(uerem caui pontualidada e presteza qualquer pe-
dido nest sentido.
Libras esterlinas, na ra da Cadeia do
Recite, n. 58.
Ra do Livramento n. 26.
Camotal de logantes p4f$*V odernaf, a
WOrs.a covado.
Chegaram para a luja do Pavita as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
setira de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas flores,
vendendo-se cada urna pelo barato preco de
t-SfJOOO, garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a "Ot e 53, e entre ellas
ha mais do que um modello, tambem tem
muitas de pratinbo, proprias para mocas e
meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavlo, de Felis Pereira da Silva.
ExplencLido sortimento de
Alpacas lavradas de cores a 5O
Alpacas a 560 Alpacas a 360
Alpacas do cores
Na loja do Pavao ra da Imperatrix rf.
60, vende-se uns poucos de mil covados
das mais lindas e moderaas alpacas lavvadas
com as mais modernas -e bonitas cores,
proprias para vestidos o roupas para meni-
nos, tendo entre ellas azul, lyrio, roxo, coi-
de caima, verde claro etc. e os lavrores
innito miudsnhos assentados em orna s
Or; para se poder retalhar esta fazenda
pelo barato preco de o60 rs. o covado, foi
preciso fa8r-se urna grande compra deste
artigo, o qaal grande pechincha.
Aos dez mil covados de cassas
frauoezas
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300
Covado a 300 Covado a 300
Covado a 300 rs.
Vende-so na loja do Pavo ra da Im-_
peratriz n. 60 urna grande quantidade de
mil covados das melhores casas francezas
para vestidos, tendo padroes miados e gra-
dos, assentados em todas as cores, estas
cassas sao propriamenle francezas, tendo
transparentes e tapadas, com tanto corpo
quasi como a chita, e alm dos padroes
seren muito bonitos, sao todos lixos e seria
fazenda para muito mais dinheiro, mas re-
talha-se a :100 rs. o covado.
Rspartilhos a 3MN na loja do
Pavo
Vende-se urna grande porc5o de sparti-
lhos modernos com o competente cordo,
tendo sortimento de todcs os tamanbos, e
vendem-se a 3$ cada um.
MADAPOLG ENFESTAOO A 3,5600, S
NO PAVAO
Vendem-se pecas de madapolo enfestado
com 12 jardas, sendo muito ncorpado pelo
barato preco de 3W00 ris, assim como
pecas de lgod5osinlio com 16- jardas a
-^.'iOO e 5,^000 ris.
ALPACAS LA VIUDAS COM LISTAS A ;i00
RS. S O PAVAO VENDE
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Covado a 500 rs.
Na loja do Pavio ra da Imperatriz n.
60 veude-se urna grande porco de alpacas
lavradas com os mais lindos padroes listra-
dos e cora flores matisadas, sendo este ar-
tigo urna grande pechincha, por se terem
comprado urnas poucas de caixas e vende:se
pelo barato prego de 500 rs. o covado.
Chales
PELERINAS DE CROCH A 8& 10000
I2.JO0
Chegaram para a loja do Pavo as mais
modernas e mais bonitas romeiras ou pele-
rinas de fil e eroch que se vendem a 8 e
lOfli e m.
GRA1E PECIIIMA
EM
I'KJRCAIsliA!*
A pataca o etnado
PERCALLAS A 320 RS.
AOS DEZ MIL COVADOS
PERCALLAS A 320 RS.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n.
60. vende-se urna grande porco de per-
calas francezas proprias para vestidos, sen-
do de cores fixas e mais larga que as chi-
tas, tendo os pannos muito encorpados e
com os desenhos mais bonitos que tem
vindo ao mercado^tendo padroes miudos e
grados e vende-se pelo baratissimo pre de 320 rs. o covado,.garantido-se estar esta
fazenda em perfeito estado, e vendendo-se
por este baratissimo preco para apurar di-
nheiro.
BRAMANTE PARA LENCOES COM 10
PALMOS DE LARGURA A 1,5800
Cnegou para a loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, urna grande porco de
p cas de bramante com 10 palmos de lar-
gura, sendo a largura da fazenda o cumpri-
mento de um lencol, o qual se faz com um
metro e urna quarta, e para cama de casal,
com om metro e meio; e vende-se pelo .. Chegou pelo vapor de 14
barato preco de L58O0 ris cada mtro," para a loja do Pavo, ra
tendo esta larga fazen Ja, outras muitas ap-u. 60, um brillianle sbrtimentD dos mais
plicacOes para arranjos de familias, sendo modernos e mais bonitos gurguioes deseda,
grande pechincha pelo preco. para vestidos, tendo padrees miudinhos e
COBERTORES DE Li PARA O INVERN grados, cora lindas listras matisadas, as-
DE 30000 a 6^000 sentarlas as mais delicadas cores, como
Chegou para a loja do Pavo, um gran- sejam, verde, bismrk, lyrio, azul, perola.
de sortimento dos melhores cobertores, de etc. etc., assim como ditos lisos de todas
13 de careiro, sendo muito grandes e as coras, garantindo-se que na actuandade
muito encorpados, que se vendem de 34 nao ha urna fazenda de mais gesto nem de
at 64000 cada um, ra relacao s dille- mais pbantasia p quo esta,que se vende por
rentes qualidades, pechincha: a efles an- prefio muito rasoave!, no estibeleciraento
tes que se acabem. .de Fex Pereira da Silva.

^ w t
A ** QEM
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Onis-
lain
COLCHAS PARA CAMA A 55000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo barato proco de 55,
grande pechincha, na loja e irmazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. (0, de Flix
Pereira da Silva.
T) atoalhado do Pavita.
Vende-se superior atoalhado de algodo
;om 8 palmos de largura, adamascado a
200 a vara; dito de linho fazenda maito
tuperior a 33200 a vara ; gusrdanapos de
inho adamascados a 44500 a duzia e muito
inos a 85000, e ditos econmicos a 34500
t duzia.
ALPACA)) DE aORDO PARA VESTIDOS
T! 15000
Na loja do Pavo, vende-se superior alpa-
co ou gurguropara vestidos, sendo n'es-
4e genero o mais moderno e mais bonito
cjue tem viudo ao mercado cora differentes
cores, sendo mais largo que alpaca e .ven-
de-se pelo baratissimo preco de 1<>000 o
covado.
Movldade Aovidadc
OURGURE6 DE SEDA PARA AS FESTAS
DO MEZ DS JUNHO
do corrate,
para a loja do Pavo, ra d t Imperatriz
Tintura indelevel para Ungir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceRuada agua-florida ce Guis-
lain que ento era desconhecida em Per-
aambuoo, j boje estimada e procurada
por seu eflkaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia i tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegelaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranques, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fsfcer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas tal vez supponbam, mus sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bera
provam testemuohos de pessoas hsuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas' muito gosto.
vezes por mez, contando seropre com o bom j Entre-meios
Ditos com ditas de velludo, outros im
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnico, dourada ou plateada.
Coreas e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
Vendo-so ai". .10 mecas de leire, novilhas e
garrotas, todos iTinnln e feitos ao pasto destea
arrabaldes, sendo as Tareas paridas o por parir,
dealhados ou por juntos : en Beberihe, sitio da
Sapucasa, i ver alli todos os dias das 5 para as 6
horas da tarde.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio de bordo do palhabote nacional Ama-
ro, um mulato claro de neme Justino, estatura re-
gular, cabellos caraplnlios e RMfdS niivos, pouca
barba, tem nina pinta preta no can do olho di
reito e nm talho as cosas ao mesmo lado ; levou
vestido camisa de chita coro listas verdes, e usa
de orna cinta cun borla encarnada para aportar
as calcas, 'nalurr.lGc Santa Anua do Matlo na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde tai-
vez nucir ir tambem muito desenibaracado no
fallar. Recommenda-se aos mestres de barcada
ou a qualquer MMO* que o agarrar, e levar a ra
do Trapiche u. 4 ou a bordo do referido navio que
ser generosamente gratificado. M_________
O esclavo lienedicio Sapcaa se acha rugido
desde dia 51 de marco |iroximo passado, c nao
desde o dia 30 como ppr engao disse no annun-
cio de honlem ; lem elle os sigm.es spintes : al-
poueo magro.
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns i tura regular, um pouco magro, car. comprida,
cora i vistas, e outros japonezes entenados | ^r^t"'nS %^^'^^^
de flores. ..",.. I doua ou tres delitemlipente, 6 tntirfo flua e gosla
de andar engommado : quem o pegar love-o ao
eserlptorio da na do Impecador n. 3i, a Joaqaim
S. P. de Si(|ueirn Cavalcanli.
xito, podendo a experiencia ser fcita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
cio de sua boa fregaezia, tambem capricha
em n3o lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel cora que
a honram, e em prova ao que flea dito, d
como exemplo jo explendido sortimento
"me acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
sao de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros ie missa
e oraco, obras de apurado gosto a perfei-
jo, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marm igualmente
bonitos.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d^Escocia, toreal, e seda
para meninas e seiioras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
finos tapados e transparen-
tes com delicados
para eufiar fita.
bordados e proprios
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bqlsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinnas bordadas a froco, e lisas".
Delicadas caianhs de vidro enfeitadas
com pedras; aljofares, etc.
Ditas d tartaruga para jm'ns.
Bonitos albans com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeijar coques.
Bello sortimento d trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e aiinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas c bonitas.
NOVIDADE
NA
BOA-VISTA
ARARA
Declara os seus freguezes que aecebeu
diversa^ qualidades de fazendas que esto
expostas a venda pelo baratissimo prego,
como vero deste annuncio. Ba da Im-
peratriz n. Ti.
0 proprietario, Lourenco Pereira Gui-
mares.
CAITAS FBANCEZAS a 280 rs.
Vendem-se chitas francezas a 280, 320,
360 e 400 rs. o covado. Ba da Impera-
triz loja da Arara n. 72.
MADAPOLO A 5)000.
Vendem-se pecas de madapolo de 2i
jardas a 40, U, U, U, U e I0f, pecas
de algodo U, U e 7000.
CORTES DE CALCAS A 640 rs.
Vendem-se cortes de calca de castor e
brim para calca de homem a Cu. o 800 rs.
brins de cores para roupas de meninos e
homens a 400 500 rs. o covado.
RISCACO FRANCEZ FINO, 360 rs.
Vende-se riscado francez para vestido
de senhora a 360 rs. o covado.
Cassa franceza a 320 e 360 rs. c covado.
ALPACAS DE CORES a 80 rs. 0 COVADO
Vendem-se alpacas de cores pa"a vesti-
do de senhora a 800 e 900 rs. o, covado.
Uaslnhas a t40 rs. o covado.
Vendem se lasinhas para vestido de se-
nhora a 240, 280, 320 e 360 rs. o cova-
do. %
Renpa elta de todas as qinali-
des.
Vende-se roupa feita, caigas de casemira
paletos e cohetes de todas as qualidades,
tndo por muito barato preco.
Cortes de barejes de 115a a
tjl.
Vendem-se cortes de barejes de la para
vestido de senhora a 2do 0 e 3/O00. Ba-
ldes de 30 arcos a i 300 ; ditos moder-
nos de cores e brancos, 5d; chales de to-
das as qualidades; easemiras pretas e de
cores por barato preco; brins pardos, e
brancos e de cores de linho finos tido isto
por precos mui o baratos, s com o lira de
vender para aparar dinheiro e d-e amos-
tra das fazendas. ...'
i ......... -----------------tM
Batatas
s t200 o gigo : na ra da Madre do Deosn. 7.
Gigos eom 35 libras, muito boas.
Fugio do encenl.o l'u.:>, fieguozia de Agoa-iV
la, na noite de domingo, 18 po correnlc, para o
amanbecerdQMgvpdn'fra, fl dq idomho, o <--
eravo Benedicto, <|uo foi comprado no Beeife ao
Sr. Antonio J'f Vieira de Souza, no da "de abril
do corrente mez, cujo esenvo tem o- slgnaes se-
guintes : crioulo, de 32 anuos de idade. cor prela,
altura regalar, corpo regular, testa muito canluii i,
rosto um pouco deseurmido, n;uz alilado. pouca
barba, falla de denles, ps o mos Lem fu
peo do Chlt j velho, ou bonel, boa
inadapolao de prega larga, ou de ilgodafl
levando a roupa dentro de um saeco j I
qual deve tor a marcaPuco quem \
leve-o ao eng ido ;icina >u senbor.
da Praia, a Genuino Jos da Rosa, que
H)$ de pralificacjia Dscona-se le
Porto Calvo, onde' era StSVO de Fran
gueia Castello liranco, e.n^enuo tilinga
da Con'ia Grande..
Fugio do ongenho Penedo de Baixo, fregue-
zia de S Lourenco da Malla, uo dia 8 de abril, o
Bscravo Daniel, crimilo, id-ule i,'> nynos, pouro
mais ou menos, hartado, altura''regular, cheio do
o im", ps grandes; roga-se as anteridades poli
ciaes, espines de campo, ou qualquer pesaos do
povo, a Mptura do dito escravo e nlrega lo '.io
mesmo engeho, que serao bcni recomp,,nsado<.
Becebeu novo, sortimento de fazandas
para seu estabelecimento na ra da Impe-
ratriz n. 36, de Lourenco Pereira Mendes
Guimares.
Attenco.
Vendem-se Cortes de 15a transparentes
para vestido de senhora a 25500 e 3f$000.
Roa da Imperatriz, loja do Garibaldi n. 50
MADAPOLO BABATO A 5,5000.
Vendem-se pecas de madapolo barato,
5^, 65, 14, 83, U e 105, s na loja do
Garibaldi fu da Imperalriz n. 56.
RISCADOS MODERNOS PARA VESTIDOS
A 360 rs.
Vendem-se finissimos riscados para ves-
tidos de senhora a 360 rs. o covado, chi-
tas tinas escuras e claras, 360, 400, 440
rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 56.
LASINHAS PARA VESTIDOS, 240 rs.
Vendem-se lasinhas para vestido a 240,
280, 320 e 400 rs. o covado.
PECAS DE BRIM PARA LENgOES a 8L
Vendem-se pfcas de brim hamburgo a
85, 95 e 105 ; pe^as de bramantes de li-
nho a 25 a vara, dita de algodo a 15600
a vara.
PEC.\S DE ALGODO A 45.
Vendem-se pecas de algodo de 20 jar-
das a 45. ditas de carne de vaca a 55 dito
superior qualidade 65 e 75 a peca.
CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
Vendem-se chitas francezas para vesti-
dos a 280, 320 e 360 rs. o covado, ganga
para calca a 320 rs. o covado, brim de cor
para calcas e paletots o roupa de menino
a 400 rs. o covado, balos de arcos a
15500, baloes modernos decores ebran-
cos a 55, chapeos de sol de alpaca, 35500
ditos de seda 105, e 125. Roupa feita de
todas as qualidades por muito barato preco
alpacas de cor jara vestid"S de senhoras,
chales de' todas as qualidades e outras mui-
tas fazendas.
Escravo futido.
Fugio no dia II do c rrente mez as8 l\2.
hora da nouto o escravo Antonio, preto, de
naci idade i8 anuos, pouco mais ou me-
nos, estatura baixa, barbado com falta do
denles na frente,iiuando anda parece que-
rer cochear de urna peina, levou orna
Irouxa de roupa com calcas de algodao
azul, de listra e brim pardo, camisas de
lista azul e algodo riscado: quem o pegar
leve-o ao seu Sr. Jos Gomes Leal, na rra
da bnperatrk, sobrado n. 15 ou na uta da
Cadeia escritorio n, 56 que ser gratificado.
ATTENCO
uc
Fnglram do engenho Moreno?, no dia 30
abril prximo passado,os esccavos seguintc-s :
Martinho, cabra, eom idade de 40 amaos, alto,
seceo, rosto magro, com muito pouca barba, ar
alegre, c falla grossa; esto escravo foi do Sr. Se-
bastiao 'os Memles Lins, morador em Alegados, c
depois fui da Sr. corouel Lial.
Lourenco, crioulo, com idade de 22 anuos, al-
tura regular, sem barba, nariz grosso, falla baixo
c um penco descansado, peenas um pouco arquea-
das, candas linas, ps magros qus se ve Lem os
lendoes dos mesmos ; este escravo foi da senhora
D. Mana dos njns de|S Baweto, irmSa do Sr.
coronel Antonio Pedro de S Barreto, costuma oc-
culiar se em Santo Amaro, no Hecife, ao p da
fundicao e outros lugares, mas desta vez fugo
para lado da Eseada ou SaBlo Anlo.
Clemente, pardo aeaboclado, idade 32 anno*,
barbado, olbos grandes e amortecidos, estatua
media, seceo. pomas e ps regalares, carreiro,
trabalba mal de machado em lavragem de madei-
ra ; este escravo foi do Sr. inajor Manoel de Sou-
za Leio, senbor do engenho Grujan de Cima, e sc-
guio em companhia do, Lourenco tambera para a
freguezia da, Escada ou Santo Antao. Os tres ei-
cravos de que trata este annuncio, todos tem mar-
cas de eligos : qnemos apprehender leve-os ao
engenho Morenos, que recetar 1003 de gralifica-
co |K)i' cada um._____________^
flitatoftfflfc .
Desappareceu da casa de morada de Jos Alvos
da Slva Guimar.es o seu escravo moJato de nome
Trujano, que representa ter trinta e tantos a qua-
renta auuos, teno levado vestido calca, e camisa
branca, e tem os siguaes muilo saentds ao ser
caraolho e urna queimadura sobre o p, jolg-se
que o mesmo anda pola ra da Una.), ou por
Jira de Portas : quem o apprehender o levar
casa de sai labor. u liba dos Ratos, ou na ra
JJova, luja de fazendas u. 47, que se gratificar.
COGNAC.
De superior qualidade da mui acredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch 4C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, I fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ra do
commercio n. 32. ^^______
Vende-se umse im em meio uso: na ruaa d
Conceieao na Boa-vista n. 17.
Fugio do engento Fomo da Cal, o es-
cravo Elias, no dia 11 do corrente mez,
idade 3o annos pouco mais ou menos, tem
os signaos -eguintes : na frente da cabeca.
um signal de cabellos brancos, altura regu-
lar, pouco grosso do corpo, malvisto de
cara, kia asmagaas do rosto bastante le-
vantadas, lew b\,pt| e pouca barba, le-
vou coawigo camisa branca, caifa preta,
chapeo .do Chile, mui conhecido na poyoa-
.5o do Beberibo, fui escravo do capito
Amaro de Barros Coi rea: grafica-se ge
rosamentyitquem o levar no referido ec-
genle a iina. Recife, 19 de mato de 1889.
/




8
Diario de Pernam'buco Sabbado 22 de Maio de 1869.


-
LITTERATBBA.'
A' tima liada moreninha
Para que, linda morena,
Feries teu tempo conmigo ?
Mea corceo mais fri
Que o lagrMo d'um jazigo.
i foi quente e to ardemV
Como as lavas d'um vulclo,
J amou, foi devotado
Como o mais devoto cao.
Soprou-lhe o vento gelado
Que traz a morte no seio,
E o pobrecoitadml I
Succumhi da lucia em meio.
Nao fistes, pors, moreninha,
Teus ochares, teus sorrtsos : N
Eu bem quizera te amar,
Mas nlo ba dois parasos.
Sei qHe tens fogo no peito
Km tsto grande quanlidade
Qu'inda me dando de sobra
Ficas com mais de metade.
Mas eu juro, moreninha,
Pelos teus labios de rosa,
Que ha mais gelo no meu peito
Que na Siberia famosa.
No entanto se desejas
Insistir no liroteio,
Perda raiuka ousadia,
Abandona o teu enleio.
Quem d'amor procura gosos
as douradas regioes
Com mais risonhas vantagens
Conquista mais corares,
Assim, pois, linda morena,
De mim tendo piedade,
Volve teus olhos p'ra outrem,
Deixveu morrer de saudade.
Si porm ti nao cabe
Riscar meo nomo do peito,
Vou dizer-te como podes
Meu coraco por geito.
Deixa brilhar esses olhos
Negros, bellos, de matar.
Slta as trancas d'azeviche
Qu'eu n'ellas me quero atar.
Abre a concha perfumosa
De teus labios purpurinos,
Mostra as perolas luientes
Nos engastes coralinos.
Das rosas da primavera
Cinge a coroa na fronte,
E's a rainha da aurora,
E' teu reino o horisonte.
Eui vaporosas roupagens
A perla o talhe gentil,
Di ao teu rosto mimoso
Urna expresso bem flbil.
Modula a voz pelas notas
Vibradas do co na lyra,
E qtiando raiar a aurora
Pelo meu amor suspira.
Depois corre presurosa
Dos jardins ao mais olente,
Reclina o corpo na relva
Voltando o rosto ao nascente.
Pouza o ve ludo da face
Sobre a mosinha divina,
Deixa ver o pe de fada
De selim n'alva botina.
N'essa divina attitude
Espera um raio do sol,
Que ir beijar-te a fronte
Nas'pcemissas do arr rebol.
Esse raio, bella nymplia,
Ser mlnh'alma, que Deus,
Erguendo do nada, prende
Nos negros cabellos teus.
20 de maio de 18G).
Recordaces
A rcconlac to doce para a alma,
como o favonio para a flor.
Quantas e quantas vezes a nossa alnaa
FOLHETIM
OS CASACAS PRETAS
ROMANCE
POE
Paulo Fval
Primeira parte
OBRA^AL LAVBADO
V
Cacriipnlos de loo Baptista
Mchwarlz
fConlinuaclo do n. 114.)
J. B. Schwartz nao se pareca, nem se-
quer do longe, com os primores da esta-
tuaria anga : mas como nem tugia nem
inugia, podereis te-lo tomado, ao menos,
por urna destas efigies d) deus Termo, a
que boje mais simplesmentc chamamos
marcos. Tanto o ouro como a prata e o
papel alli se conservavam por trra aos
ps dclle ; nio se abaixava para os apanhar;
era de pedra I
Muito tempo depois da bulba das rodas
do galope de Janota se nao ouvirem, es-
lava elle anda no mesmo logar immovel e
Os olhos, obstinadamente fitos no chao,
enotavam ou urna meditacSo laboriosa, ou
completo torpr!
Despuntara a aurora, seguira-se o creps-
culo, depois o da ; o sol nado brincava
alegre nos intersticios da sebe.
Jlo Baptsu Schwartz conservava-se
immovel.
Quando afinal se mechen, ku para cahir
ausentado ao p do *aHado. Taltavam-lhe
as pernas. Tmha a fronte innundada de
su t e os olhos marejadas.
Era honrado, repito-o, escrupulosamente
honrado, em certa proporclo e em certo
seotido. O mundo vai-se educando a
n3o fica extasiada, contemplando o passado,
cujo veo ergumos por alguna momentos,
para deixar entrever um facto, que nos
suggere urna recordarlo bem suave?
Um olbar, s vezes, basta, para, revi-
vr este facto, e este facto ama histeria ;
essa historia por assim djzer a" moldura
do nosso passado, e esse passado urna To-
te de recordac5es agradaveis.
Este olbar, porm, nao cojao outro
qualquer; sim, um olhar que traduz
mysterio, amor e delirio ; um olhar, ante
o qual a alma treme......
Sob a influencia delle, a imaginarlo apre-
scnta-nos a virgem que adoramos, e a me-
moria deixa lerem suas paginas o seu no-
me, j desbotado pela acco do tempo.
Esse nome symbolisa ama saudade, essa
virgem um tempo que j passou, e esse
tempo urna reeordacio, que nos consote e
vivifica.
Quando nos lembramos d'uma poca ven-
turosa, em que o destino apresentoa-nos
no caminho aa vidaurna donzella, mais
pura que o ar embalsamado da primavera,
branca como a assucena do valle, e bella
como o sol nascente; d'uma poca em que
fomos obrigados a pairar n'acpielle cami-
nho, para admirare contemplar a mimosa
florsinha,queembriagoQ-nos com o seu per-
fume ; d'uma poca em que a vida correu
para nos placida e deliciosamente, toda
cheia de encantos e amores, o que nos res-
ta ? Um reeordacio saudosa que far bro-
tar urna lagrima; e essa lagrima ir hume-
decer a pagina intima de nossa alma....
A lembranca da virgem traz-nos a do
lugar onde a vimos pela primeira vez.
Esse lugas, que para outro passaria des-
apercebida e que seria tal vez montono,
cahe debaixo da nossa nKencao porque foi
o tbeatro das nossas delicias.
Quantoera ineffavelo viver alli, onde era
to agradavel a communhlo dos pra-
zeres e gosos cm qae tomavamos parte ;
onde as nossas sensacoes se confundiam ;
onde o gemer do ocano, o modular das
aves, o som do campanario, vinham inter-
romper a linguagem dos nossos coraces,
expressada por meio de olhares! Depois...
desappareceu essa poca feliz que frui-
mos outr'ora ; fugiram esses bellos instan-
tes, e apenas flcou urna reeordacio, que
traduzida n'um suspiro, vai repercutir
em nosso coraco.
Quanto doce deixar a alma entregue
essasMembrancas 1 Quant sublime ver
a maginacodourar os fados burilados as
paginas do coraco pela mo do tempo 9 !
Porm, de tudo isto o que resta ? Urna
recordado, nico e bello astro, que
adornar a noute da nossa velhice. E, Ilu-
minados por esse astro, fechemos por al-
gum tempo o livro do passado, reflexione-
mos sobre o presente e sonhemos com o
futuro.
Candido Freir.
O banco de Franca.
(Conttnuafo.)
Todos esses bancos parciaes eram ento
independentes uns dos outros, cues tinham
capitaes e estatutos proprios, apenas se
oceupavam deinteresses locaes, emittindo
bilhetes que, por causa do acanhado espi-
rito provinciano, s eram pagaveis no es-
critorio donde sahiam. A circuladlo era
assim limitada a urn ponto, que se tornava
Ilusoria. Um bilhete do banco de Lyo
nlo era mais do que um agente cambial de
uso muito restricto. O banco chamando
si as aeces desses estabelecimentos, fun-
dindo-os entre si, estabeleceu muitas ca-
xas filiaes, que hoje chegam a 62. Pelo
espirito da lei de 1857 dentro em pouco
installar-se-ha urna em cada cabeca do de-
partamento. Ento a impulslo urna s,
provinda do banco central, que move, acti-
va ou modera lados esses mechanismose m
distancia. Hoje o barfeo de Franca, cujo
privilegio, foi prorogado at 31 de dezem-
bro.possue um capital representado por
I8,500 accoes, e tem autorisaco para
emittir vales de 50 francos.
A alta administraco representada pelo
directore sub-directores; os administrado-
res escolhidos pela assembla dos accio-
nistas servem por cinco annos, e sao reno-
vados pela 5a parte. Tres d'entre ejles
sao recebedors geraes, e devem habitar
em Pan's.
Os iscaes, nomeados por tres annos,
sao renovadas pelo terco..
O servico, tanto de uns t;omo de outros-,
gratuito.
A reunio do coaselbo e frscaes, soh a
presidencia do director, firma o que se
chama o grande conseibo, o qual decide
sam 9feaeac&>. Eese dmselao divide-se
ea um ceto minero jkommisses, que,
puf iBciatft3 lo-ditectori preparam todbs
os negocios deque o banco se de ve occa-
par.
O banco' representa, potable uncorpo,
completo', o dneetor a cabata ; o coe-
selrro, oyfiscaes e as rommissdS lo os
demais membros. Assim constituido elle
o agente do crdito publico; seus ins-
irumentos especiaes de trabalho slo os ki-
foetes que emitte, e noe boje sao a mais
alta expresslo do moeda fiduciaria
II.
Era preciso uan singolar amlacia para
lancar ew circularlo bilhetes do banoo, f
as ultimas horas do secuo XVHf, quando
todos anda se achatatn ot a presso d*
ruina causada pelos assignados, e quand)
tudo o que assemelhava-se au papet-mocdA.
de antemo julgava-se em descrdito. -Ai
repblica, a esse respeito, lora muito alm
das loucuras de Law, e as da ra Qun-
campoi*. Muito siria era principio, e
apoiada sob os beii^naeiouaes passantes
de dez nt millioes, a one;e tinha justl-
ficaclo e fundamento, porq-ie o papel emlt-
tido nao era mais do que a representarlo
mobii da riqueza huaovel possuida pela
naro.
N) bouve, porm, a oecessaria pru-
dencia para parar nos justes limites; sendo
to fcil acudir as necesidades fazendo
imprimir pedacos de papdjaos quaes lais
leoninas davam- cursft Ibrgitfo, que nao pu-
deraia resistir tentaco. O estado wlava
o exemplo, os individuos o imitavam e
cada um ifez-se fabricante de assign;las,
por corita propra. Eis o que narra Mei-
der na sua obra eros (pitaros de Pars.
O dogma da soberana-' nacional foi con-
firmado de urna m neira asss engranada,
por sso que oliegou a; oceasio dcada' par-
ticular supp6r-se com o (fiireito de bnter
moeda. A desappanoao d() numerario deu
curso forcado r urna chusma de bilhetes
de pequeo valor, emltidos por obscuras
casas commerciaes. Os taverneiros e bo-
tequinstas escreviam os s?us nomes era:
pedacinhos de papel, e isee era o nume-
rario do paiz. O delirio foi levado aos u-
tmos excessos; cada um janhava a sua
moeda.
As consequeneias disso nio tartaram era
apparecer; o valor real dos assrgoado! de-
xou de ser o valor nominal, e debalde a
lei do mximum proourou dar-lhes torca.
Depois dos 9 thermidor, a baixa foi alm
de todas as previsDes: a qmntdad de as-
sucarque custavaum sold, passou a cnstar
3 francos em assignados.
Quanto aos dez milmilh^ies, que repre-
sentavam os bens d cl3ro chicado*
ento, esses ha muito que e Iwviam esgo-
tdo com as successivas eruisses.
Em algumas cidades, urna peca de 6
liards (um liard a quarta parte de um
sold) valia
308 francos am asstgnados. i mete na especie genrica
Quando o directorio, nlo sabendo mais de tence.
girimistas e dos inglezes, achoo^se na ba-
gajero de Puisay urn soflama-ile ib ajillia-
res demilhei, era papel ftferflcado. Es-
tava-sfiob a irapressio dussai tristeslem-
hraocas: a influencia revelucionaria anda
transpire iaema nossa- regfslai.rie, manten-
do-se a penar de morte para 3 moedeiro
falso.
Isto, pore, n3(f era bastine para fatel-06
recuar, e os prmeiros director s do banco
ie Pranfa trataram de impedir a falsifleagjo
cora muitas precauees habis, e aper-
Teicoamentos na fabricarlo dos BlrctBs.
Podo-se allirmar, sem que liaj, .excesso de
orgolho nacioml, que roi a Franca que
creou o melhor e uwisbolte' modello ue
bilhetes de banco.
Mas antes de fallar da impresslo dos
bilhetes j bom, explicar m signaos que
distingue m dos outros e que Como o
registro e tallo tem urna importancia do
primeira ordem
Olliando-se com cuidado para um bilhete
dO' banco, *hota-se que elle traz urna lottra
seguida de um algarismo duas \ezes repe-
tido, o, em pequeos i-aracteres, uii oufro
algarismo isoladot Esses algarsmos indcam
o|estado civil do bilhctc
Toda a emisslo de-lies por meio- do al-
phabeto (termo techinco), e cada alpbabeto
designado por um numero do ordem, re-
presenta 25,000 bilhetes, cada lettra re-
presentando t ,008.
A lettra, seguida ou precedida do urna
outra lettra, pode produzir um tal numero
do combinar/es a dar que fazer aos nos6os
netos. Por essa forma, cada bilhete erait-
tido marcado com urna lettra de serie, e
com um numero particular a cada bilhete.
Q algarismo solado, adoptada depois de
urna deciso do banco datada de 20 de
junho de 1807, representa o numero do
bilhete na ordem da serie a qae elle per-
tence. .
Tomemos, por exemplo, um bilhete de
mil francos.
Por baixo do-dstico, banco de Franca,
le-se : Pars 26 de maio s /<>>>W ; isso
prova que nesse lia o consetho geral de
cidio que se creasse. o alphabeto de que elle
faz parte.
A,' esquerda, no alto, sobre as folhagens
azues do da cercadura, elle traz a lettra T,
seguida immediatamente do numero 32 ;
lettra e algarismo sao repetidos a direita,
em bai\o. Picamos por isso sabendo que
o bilhete pertence ao alphabeto 12, e que
nelle indicado pela lettra T.
A' direita, o alto, e a esquerda, em
baixo, v-se o numero 360, que indiea ter
esse bilhete tal graduarlo na ferie T, 32;
finalmente, no centro do bilhete, sobre um
estrerto espaco, com filartgranas internas,
notarse o numero 793360, que mostsa ter
sido esse bilhete emittido depoi3 de 793368
bilhetes, do mesmo valor de 1,000 fran-
cos. Portante cada bilhete leva comsigo
o seu passaporte, com todo? os signaes
que o torna distinetc aos particulares. A
lettra da serie o nome de faiilia; o nu-
mero de ordem o nome de haptisrno; o
numero da emissSo marca a posico do b-
a que elle per-
em numero de 500, divididas em resmas
aladas separadamente, guardauas em urna
caita de ferro de cliave dnpla, sellada com
carimbo do commissario, e enviada para
Pars, ra Je La Vrillire.
fr cotisellro eTfCarrega a commlsslo espe
cial te receber o papel, que escrupulosa-
mente $ examinado de novo, e, depi is de
idep^imfitov enviado o secretario ge
ral, elle encerrado ei tima caixa de 3
chives, as quaes ficam em poder aos de-
postanos, sendo sempre preciso o concur-
ro de todos para abrir os cadeados por de-
haz dos quaes o papel espera o momento
em que Ihe seja dado o preciso valor.
Quando o numero de bilhetes rebolludos
e dilacerados faz sentir a necessidade de
urna nova emisso, o director avisa o cort-
seWio geral, e pede-lhe a autorisaclo res-
pectiva. O conselho ento indica o nume-
ro de alphabetos, a data e os diversos cor-
tes.
Dous alphabetos nunca devem ter a mes-
ma data, e se o conselho ordenar a emis-
so de tres novos alphabetos de 1,000
francos, o primeiro ter a data do da da
reunio do conselho, e segundo a data do
dia immediato, e o terceiro do d'ra seginte.
Por essa forma nlo pode haver duvida al-
pregado, muitas vezes nao ficava escoima-
do de erros.
Hoje nao 6 mais assim; o Sr. Derriej
mventou nma machina, que autbomatictimen-
te applfca aos bilhetes o numero da serie, o
numero da ordem, e o numero genrico, o
que muito maravimoso,
Ella podo numerar 1,000 folhas, sem ser
precio alguem locar nellas, fazendo o 1ra-
lingua ha de acabar por descobrir palavras
que exprimam estas cambiantes. A honra-
dez do cdigo commerdal nao se confunde
cem a da cavaliaria, do mesmo modo que
as palavras boa f, em linguagm forense,
nao do inteiramente a idea alta e prefixa
de lealdade. J.' B. Schwartz era honrado,
tinha urna consciencia sua ; pretenda ca-
rainhar rectamente.
A vista daquelH dinheiro espalhado por
trra quasi que o borrorisava.
Nao precisava scismar muito. Alguma
anisa lhe bradava : Esse dinheiro repre-
senta um crime I
Por mais de urna vez at, urna vertigem
lhe fez ver manchas vcrmelhas naquelle pe-
daco de pape!, e as manchas que via eram
de sangue I
Apparecia-lhe eutlo elevada diablicas
proporcoes a figura de Lecoq.
Ouvio-se na azinhaga a bulha de um car-
ro pesado que se approximava. J. B.
Schwartz empurrou com o p o dinheiro e
a nota para um cauto e cobrio-o de trra.
Subi o vallado, rompeu pelas silvas como
urna fera, rasgando o fato e a pello, e dei
tou-se de brucos na quinta immertiata.
Passou um aldelo assentado n'um carro
fallando aos animaes, cantarolando e me-
neando a pesada cabeca cobrta de um
barrete de algodo.
J. B. Schwartz pensou de si para si:
Poda metter-me a carrero.
Depois do camponio passar, levantou-se
e deu instinctvamente um passo para o di-
nheiro.
Vao agora ver at que ponto era honra-
do : revoltou-so arrebatadamente contra si
e voltou costas ao cavallo. Largou a cor-
rer palo campo fra. Correu, correu at
nao poder mais, atravessandp alqueives,
saltando fossos, rompendo sempre em fren-
te atravez dos matos..
Afinal, quem duvida de que honrada a
balanca do vosso padeiro, que tantas vezes
tem sido malsinado ? D-se apenas urna
circumstancia : e porem-lhe pesos falso*.*
Oh I corra sinceramente, e a fuga era
mais meritoria anda, porque tinha no san-
gue quautoera precis3 para sentir com pena
o dinheiro abaldonado. Mil francos, ou-
que expidiente usar, lancou em circularlo
mais 20 mil milhes de assfgBados, com
elles nlo obteve mais de 100'milhes em
numerario. Foi este o ultimo golpe, e a
30 de pluviose do anno IV (10 de fevereiro
de 1706) renunciou-se deiinitivamenie a
um to deploravel systema, ou, me ser-
vindo de urna expresslo consagrada pela
linguagem popular, quebrou-se a ponte de
assigoados. A contar do decreto de 19 de
abril le 1790, que autorisou a primeira
emisso, os differentes governos que at
ento baria passado a Franca, espalharam
[tara ciimi de 45 mlhares de milhes e
366 milhes de francos em papel moeda.
as mos dos inmigos da Convenci os
assignados falsos, serviram de meio to po-
deroso de guerra como- a invaso, por jue
desanimou a conlSanca e acabou de entoi--
pecer o crdito. *
E' impossivel avahar quantos bilhetes
faisos foram introduzklos em Franca,
mas deveria ter sido urna somma muito
consdei'avel.
Fabricavam-nos publicamente em Ingla-
terra ; a 18 de marco de 1793, Sheridan
dcnUnciava o facto no parlamento inglez, e
nessa mesma sesslo Ruyler, outro membro
do parlamento, dizia a mesrna coasa,
Em Q iberon, depois da dirrola dos le-
cam O decupulo de seu sonho,e sem
contar o dinheiro para gastos.
Caminhava. O sol ia alto. Paron, ex-
tenuado, beira de um campo de trigo, e
sombra de uns sabbgaeiros. Tinha fome,
sde e somno Dizem que o dormir mi-
tiga todos estes solTrimentos ; adormecen,
Sonhou que os seus mil francos se trans-
formavam n'uma bolota. A bolota, lanzada
trra,, produza urna arvorc enorme. N*
rmiaria, porm, da-grande arvore pousavam
uns passaros escarnicadores, que cbtlreavam
em ar de mofa como a voz de Lecoq.
Quando acordoo, olhou em redor de si.
Nao iria jurar qual era mais certo, se o seu
sonho se as suas remniscercias. A sobe,
cuja sombra se abrigara, e que era cerra-
dissima, tinha urna rotor.), como se um
animal solvagem a ti vera recentemeote for-
cado. J. B. Schwartz, com os olhos injec-
lailos, mettea-se pela fotara ; conbecia o
caminho ; seguio-o : tempo depois, deixa-
va-se escorregar por um vallado bem cc-
nhecitto e cahia ao p do bionte de trra
que tapava a nota do banco,.
Era honrador era ; mas n.o ser aquillo
um fado?
Em todo caso ponhainodo salvo,
disse elle comsigo.
E abri urna cova no vallado com a
ponta da navalha ; urna cova bonita, muito
redondinha, limpa, bem feita, onde cQntava
abrigar a nota, mettida entre duas-pdras
lisas.
E afinal de contas, porque nao be vi a
aquelle Lecoq de ter os seusaaiores? Era
novo, elegante, bonito rapaz, arrojado,
alegre e de boa labia. la-cavando e dizen-
do isto comsigo. Olliava para as duas
moedas de ouro, para o din eiro em. prata
e paca a nota. Obt a nota I Urna nota
em todo o seu esplendor; nio se lhe poda
chamar muito limpa, mas .alo estava ras-
gada, nem tinha tiras de papel colladas.
Como bonito aquelle trabaIho de buril I
Aquillo sim, que arte com assento e ar-
raojada. Se Raphael, compizesae daquel-
las ideaes vinhetas, nlo mon-eri* to aovo,
alo. E como elles se nao descuidara de
repetir o artigo de cdigo, duas cores I
Contemplai, allieus I contemplai urna nota
-Quem encontrar, pois, dou? bilhetes in
teiramente idnticos sabe que um delles
forcosamenie falso, por isso que dous
bilhetes nlo podem ser absolutamente se-
melhantes. Embora sejam todos gemeos,
mas cada um, -na hora do nascmento, foi
marcado com um destinctivo, que os tor-
nam confundives. Essas combnaces,
apezar de parecerem extremameute sim-
ples, oppe serios obstculos aos falsifica-
dores.
Em objectos desse valor nlo ha nada a
desprezar: a fabricacao do papel, a gra-
vora, a tiragem, e a impresslo sao objecto
de precauces minuciosas. O papel em
que se imprimen) os bilhetes sabe da fa
brica do Moris, perto de Conlommiers, e
elle feito por um pri cesso particular,
que eu nao venho revelar aqui; em um
local exclusivamente reservado para o ser-
vico di banco, sob a direceo de um com-
noissario nomeado pelo director, e que ha-
bita, durante o anno, o mesmo edificio on-
de o papel preparado era formas, efolha
por folha. Essas f< Ihas reunem as cond
ces de solidez, dmenso e limpeza; to-
das as quo trazem algumas imperfeices
sao rojas e trituradas em um graul. A'
proporclo da? rejeitadas no medio, de
sessenta por cento ; as folhas boas slo,
do banco de Franca, e as peneir.is vos cahi-
rlo dos olhos !
Por forca, por forca que aquelle Lecoq,
com um cllete como trazia, e cera aquellas
calcas de xadrez, devia levar a discordia ao
seia das familias.A nota tinha uns furos
de a lmete que lhe ficavam a matar. Aquel-
les buracos sao o sorriso, slo as covinhas
na face do papel bancario. Lecoq era evi-
dentemente ura maganao feliz; La-se-lhe no
physico, no Cito, em tudo. As notas tem
s vezes uns signaes, como. os que as se-
nhoras tem de nascenca ; uns signaes espe-
ciaes : um typo singello, outro cauteloso
marca-as para as conhecer. Aquella tinha
a um canto a firma de um t li uinivot
Jnior.
Vejamos; toca a pensar : que havemos
de faaer ? Ir ter com o commissario da
pulida t Eatregar-lhe s mos a nota, o
dinheiro em oaro e prata ? J. B. Schwartz
lemb ou-se disso, to honrado era I Mas,
metiendo a mo na consciencia, tinha elle
direitQ para proceder assim ? Nao seria
positivamente nma traicoi E se o mari-
do ciueaepto um dia atraapsasse de lado a
IuHa a Prrm Ha I .afnn I'
Aimprensa est enllocada no edificio do
banco, e s pode penetrar na olficina quem
pertencer ao servico especial. Ella vas-
ta, bem Iluminada como convem a ofiici-
nas desse genero, e possue instrumentos
de urna oxactido extraordinaria. Os ope-
rarios encarregados de mover os prelos
sao escolhidos com cuidado, podendo di-
zer-se que todos all slo bomens de con-
lianca. Esses empregados slo limpos,
activos c silenciosos. as paredes^ esto
suspensos grandes quadros, com as provas
de bilhetes que o banco fabricou para os
Estados Pontificios, e para o ex-imperio do
Mxico; bem como o banco de que esses
bilhetes deveriam ser os instrumentos,
elles ficaram apenas em projectos.
Em outra^ollicina espedal, estampam-se,
em telas de fio de rame, as lettras que
devem formar a Mtgrana interior do pa-
pel. As tintas e folhas n8o destribuidas,
bem como as formas, slo guardadas em
urna caixa fechada, da qual o chefe da im
prensa tem a chave e o nico responsa-
vel. A chapa que serve para os bilhetes
de 1,000 francos, foi entregue em 1842
pelo Sr. Barr, a quem ella eustou tres an
nos de trabamos; ella de ac e nunca
entra no prelo.
Ella serve para fazer os dichos, com
ajuda da galvanoplastia e esses clichs po-
dem sem o moaordamno tirar de cincoenta
mil a sessenta mil provas. Era esse o ve-
Iho systema, que hoje est muito modifica-
do. Agora desenha-se um bilhete de baiv
co, em um formato exagerado, pela photo-
graphia reduzem-no s dimensoes regla-
mentares, gravam-no e depois slo feitos os
clichs.
O processo mais rpido, mais seguro
e menos dispendioso. E' certo que o tra-
Iwlho nao menos lento, mas chega-se de
urna vez perfeiclo.
A chapa dos bilhetes aznes de 100 fran-
cos, cujo verso tao- gracioso, exigi cinco
annos de ensaios; verdade que, todo
aquelle que lizer o exame com urna lente,
notar que acummulou-se na gravura todas
as difliculdades mmaginaveis.
Depois de passar por urna primeira ope-
rar; da qual nao me permettido expli-
car as particularidades, a folha de papel
mpressa, em prelos especiaes movidos a
vapor.
A, tinta azul, inalteravel, e a composi-
clo della um segredo. Como neces-
sario que cada bilhete saia sem um defeito
nao se faz o trabalbo com celeridade; as
pessoas que conhecem a actividade febril
da typographia' commum nlo acreditam
que nessa grande olficina .pacifica, aceta-
da e elegante se faz o mesmo genero de
trabalho.
Um- inspector passeia incessantemente,
indo de um prelo a outro, examinando
cada movimento. dando ordens rpidas, e
fazendo lembrar, pela regularidade do an-
dar, o montono passeiar dos officiaes de
marinba, quando se acham de quarto na
batera.
Amigamente a numeraco dos bilhetes
fazia-se mo ; methodo lento, defe tuoso
e que, apezar da attenco com que era em-
lado o corpo de Lecoq W.
* Entretanto, que espera este Bonuivet J-
nior pondo a sua firma as notas ? um
meio de publicidade como qualquer outro.
A cova estava aberta. Jlo Baptisia
procurou duas pedras chatas. A idea de
ir a commissario de polida nio durara
muito. Houvera-se aquelle magistrado
conduzidQ mal para com elle ; pdia lem-
brar-se de ver as cousas pelo lado mo : o
nosso Schwartz engaara a justica. E ahi
tem onde pode conducir urna primeira im-
prudencia, ao juizo criminal I
Porque preciso contar com o peior.
Ora, supponhamos que se deu um crime :
J. B. Schwartz, a innocencia em pessoa, es-
tava incurso nelle.
E alm disso aquelle Lecoq devia ter o
braco bem comprido com os taes figuros
que tinham andado, com elle n'um collegio
bem extravagante.
O nosso Schwartz achou duas |>edras cha-
tas.
Parece-me que nlo estava enctirregado da
polica de Caen I Levantam-se contra
Poncio Pilato9 desoito scalos e meto, $6
porque lavou as suas mos : acham isso
jpsto ?... E J. B. Schwartz nao era ne-
nhumjuizcomo Poncio Pilatos.
Metteu a nota entre as dnas pedras as
pedras no fundo da cova, com a maior lim-
peza. Na jwbrezinha da cara afilada es-
lampava-se urna melancola paterna. Ji
ti ve oecasio de ver urna senftora ainda
moga beira da sepultura do filho ; des-
pedaza o coraco J. B. Schwartz, se o
vissem, arrancava-lhes lagrimas.
Honradez, dissemos ?l preciso he-
rosmo para assim enterrar vivida, risonha,
adorada a primeira nota do banco. Ape-
zar de nativo cft Guebwiller, conduzia-se
J. B. Schwartz como -se fra de Boma. Poz
as duas moedas de ouro junto da nota, a pra-
ta ao p do ouro, e lan?ou por cima o
primeiro punhado de trra.
um som lgubre e que gela o sangue
as veias. O nosso Schwartz fechou os
olhos para nao ver uns restos da firma de
Bcnnivet Jnior, que .appareciam de fra
das duas pedras. Por entre as palpebras
cerradas de Joo Baptista rompeu urna" la-
grima. Boa alma I Lancou a trra aos pu-
ntudos com mos convulsas ; a cova flcou
completamente tapada,
Quando Curdo s votou aos deuses in-
fernaes, avassalava-o o amor da patria, que
nos arrasta como urna vertigem; depois
delle, Decio Mus, seu fllho e seu neto ar-
diam na fe6re intensa das batalhas. Bo*
deavam-os as turbas, aclamavam*os, em*
briagavam-os.
J. B. Schwartz estava a sos n'uma azi-
nhaga.
Aisentou-se ao p do sorvedouro para
onde atabava de atirar mais que a propria
vida. Senta fome, tinha sede ; que im*
portava f Nlo hava torcas que d'alli o
artancassem. Um prego invisivel o era*
vava aquelle chao, onde a sua alma repon,
sava.
Bem o sabem ; j Ih'o dissemos : nlo era
urna nota de mil francos que alli estava i
era a sement de um mutilo,
E sementes dastav-e nisso differem da
,outrasnao se devem lancar trra.
Jlo Baptista entreteve-se em dispar umj
taboleiro de relva porcfma th adorada se^
paitara. Depoh, censa tratartltesima, e
balho pontuamente e sem enganar-se
proporclo que passa um biHiete pelo' ca-
rimbo, que movedico, a machina muda
os algarsmos das unidades; de dez em dez
bilhetes, muda a dezena, de cera a cem
muda a centena, e tudo com urna tntelli-
genca itnpeccavel, qae faz crer tnha ama
alma semelhante .apparelfio de ferro e de
3C0. Continuar-se-ha
POUCO DE TDO.
O ABCEBISPO DE PABIS.O Ilustrado
monsnhor Darboys, dirigi urna Carta pas-
toral aos parochos da sua diocese,na qal
determinava se celebrasse o annfversrio da
ordenarlo de sua santidade, edrt fests re-
ligiosas em todas as igrejas. Aprdosito
d'isto, o arcebispo fez protestos prolicos
da sua adbeso ao papa, e para responder
aos que, fundando-se na carta puoHcada
por Emilio Oltivier, suppunham rme as re-
laceB entre a santa s e o arcebispo nlo
eram cordeaes. Da pastoral a que nos re-
ferimos, fazemos a s^uinW tradcelo de
alguns paragraphos :
Dentro em poucos dias, a 11 de abril
prximo, celebrar o santo padre o quh-
quagesimo anniversario da sua consagrarlo
sacerdotal. O mundo catholico nlo deixar
de tomar parte n'esta festa, offerecrido a
Deus as suas oraces para lhe dirigir agra-
decimentos pelos annos que tem concedido
a Pi IX, e para obter que ttie d liflfca e
feliz vida. Queremos todos, na dSese
de Pars, assocar-nos a esta manifestarlo,
por isso que um dever, e urna necessida-
de do coraco.
O papa j sabe o affecto smcerb e ef-
fectivo que lhe professamos, e mais de urna
vez se tem dignado acolher com boftoade
a expresso d'esses sentimentos-, ere*pon-
der em termos, que sem duvida devenios
ver menos como elogios, do1 que couk es-
tmulos e exhortarles.
Assim respendendo a urna carta de 13
de julho de 1807, em que lhe faltavamos
la nossa diocese e de ns, sua santidade
teve a bondade de escrever-nos no l" de
agosto seginte:
Vemos com prazer na vossa carta,
como declaraes de novo e conflrtnae os
vossos sentimentos de temo respeito para
comnoso e a santa s, e como desejaes
empregar todo o vosso cuidado e diligencia
em defender a causa da igreja catholica, e
da santa s, e em fomentar e manter a
pureza dos costantes-, a religio e a pie-
dade.
Applaudimos estes sentimentos Verda-
deiramente dignos de nm blspo catholico,
e confiamos que haveis da melhor maneira
fazer o que vos fr possive, do que enun-
ciaes to explcitamente.
Sabemos bem as d'rflicurdades que vos
cercam; mas sustentado o vosso zelo reli-
gioso com o auxilio divino, nlo se descui-
dar em praticar com prudencia christaa e
valor, o qoe importa maior gloria de
Deus e da igreja, e saJvaclo do espirito
dos fiis da vossa diocese.
Em 31 de outubro segainte, dizia:
No meio dos cuidados e angustias que
nos affligem nao pequea consolaclo a
vossa piedade filial, e a da vossa diocese
para cipnosco e para com a santa s, con-
firmada na vossa carta de 14 de outubro
(1867) em que diziei* que vos e os vossos
liis empregaveis todos os esforcos possi-
veis, para no alliviardes as nossas angus-
tias. Estamos por isso reconhecidos para
comvosco, e para com elles.
Os sentimentos d'esta diocese pela
igreja sao antigos e constantes, e as nos-
sas palavras esto conformes com elles. O
dia 11 de abril ha de ser para todos ns
urna nova e preciosa oecasio de manifestar
a nossa unio com a santa s, e a nossa
veneraro para com o soberano pontfice,
fiis a nos mesmos e a senda em que nos
tem firmado as suas bencos. As nossas
oraces por elle sao diarias, mas dar-lhe-
hemos nestas circumstancias um carcter
ais solemne, e se fr possive mais affec-
tuoso ainda.
que foi praticada por diversos amantes ce-
lebres, occorreu-lhe a idea de violar a se-
pultura, para dar o derradeiro sculo no
seu amor.
Subsidiariamente, obtivera por ventura
dos feros rigores da sua consciencia a aer-
misso de retirar algumas pratas para ceiar
naquella noote, e dormir n'oma cama.
Cavou a trra cora as unhas. Batia-lhe
um martelle na cabeca encandecente, e
bradavam-lho I dentro ;
Aquelle Lecoq um raagano bem
feliz com as mulheres I
Diziara-lhe ontras vozes insinuantes:
Nao dexes dorm ir um capital: esse
que o verdadeiro crime.
E ainda outra :
Basta qoe o restituas, se algum dia des-
cobrires...
Porque se nao bao de attender as voxes
interioras ?
Urna sobre todas grata ao coragao, e a
nossa mi Eva ourio-a junio da arvore on-
de a maca penda.
Sentio urna allucinaco, quando desco-
brio a firma de Bonnhet Jnior.
Bestituir Ium dia l Cahio em se-
rena meditaclo.
A serpente, notem isto, ha de sempre
fallar-lhes um tanto de Deus. J. B. Sch-
wartz suspeitou que era Deus que nova-
mente o tinha conduzido pete mo quHe
lugar.
Que D. Juan nao decididamente, aquel-'
le Lecoq I
J. B. S;hwartz eslava vendo o marido :
via-o com os proprios olhos I
A mulher era loura, ou de eabeHos pa-
tos. Fra adultera!
Onde diabo tinha elle ainda agora o espi-
rito ? Sempre se nos mettem receios aa
cabeca I...
Tirou a prata para a ceta e para a eaaia';
depois um luiz, depois o outro, depois a
nota, que j estava hmida' coitadinha t
Metteu tudo aa algibeira, e Ibi-se em paz
at a estraia real de Lisie, ondeesperou
a dirigencia de Pars.


'
vi
*
(ContMmr*i*-kZ^
nr.m
i
^ kl

Sfc


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA4K0XJP8_3U9NI8 INGEST_TIME 2013-09-14T01:25:21Z PACKAGE AA00011611_11847
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES