Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11837


This item is only available as the following downloads:


Full Text



K


I
ANNO XLV. hUftlERG 05.

PARA A CAPITAL E LUGARES OBU VAG SE PAGA PORTE.
Por tres mezes abantados. f 1......... 6|O00
Por seis ditos idem..........;......... 12(5000
Porum annoidem..........;......... 24jJrOOO
Gadmuneroavulio .... ....... #20
TERQA FEIRA II DE MAIO DE 186
PARA SESTEO E FORA IA PROVINCIA.
Por tresmezcs adianlados.
Por s* ditos idem. .
Por no\ ^ ditos idem .
Porumanno.....
50
43
20,5250
27*000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
" Propriedade de Kanoel Figueira de Fara & Filhos.
------------------------ > ---C--------T-t-t,-----*-----------------------------------1---------*----'------' P t --------------------------------------------------------~

AO ACEITE
0* Srs. Gerardo Amonio Alves & FMfaos, no#wi; GoociNesd Pinto, no Maraohao; Joaquim Jos de Ofivera, ro Cear; AnUmie e Umos Braga, no Araeay; JooMara Julio Chaves, doAss; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antos Joa GtlimarSes Pasada, eaiHaBungpe; -Antonio Ateaandrino de Lima, na Parah^ba; Antonio Jos Gomes, na^ Villa da Penha; Belarmino dos Sanfcw Bulcao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Naiareth; PrwicJDO 'lavares da Cssta, em AlagAas; Dr. Jos MartiaAJve, na Bahia; e Jos Ribeiro Gasparmho, no Rio de Janeiro.
Jt
3C
PARTE OITICIAL.
Temo 4a |roviaela.
le manidos de pajsh do respectivo chee, o para
servieo d mesma polica.
10. Finalmente podero os conceasipnarios
abrir e prolongar sempre a sua cusa as roa que
a cmara municipal autorisar, sendo-lhes garant-
, nJ^^im'- "-" os privilegio:; da desapropriaco
'por utilidade publica.
Arl. 3." Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
picrfos da vice-pkswrncia o da h
Maio de 1869.
Uacha^cl Antonio Fernandes Trigo de Loureiro.
Concdase mais um uiez com ordenado, na for-
ma da lei.
Bacbarel Bento Jos da Costa Jnior.Concedo
a uMmuii iinAila *
Candido Valeriana da Silva freir.Indeferido
i vista da? infprjnactteR.
Damiana Mara ue Jess.Tonda sido julgada
incapai para, o servieo das armas* recruta de
que trata a 9tqpIJeant. ja foi postTcm liberdade. ofinT'S'ss 3^'
Fernandez 4 IrmlS.Concoda-se nos termo* do' U < *|. ^Kf-
eslvlo e S. respectivo regulamento. jl&GffJM
Franaiseo de-Miranda Leal SevcPasse-se por-
tara.
Francisco Saestrale.Pagos es direitos devdos,
romo reqaer.
Prauelseo .Xavier Cavalcanti Lins.Informe o
Sr. Wigenheiro ehefe da repartirlo das obras pu-
blicas.
Francisco Alves de Moraes Pires.Informo o Sr.
inspector da thesourania de.fazcnda.
Jos Paulo de Ananias.Inform o Sr. tenente-
coroael conimandante do corpo provisorio de po-
lica.
Junuario Las, da Costa.Seja posto em lilier-
dade.
Leopoldo Borges Galvo Ueha.D-se.
Mara Jos da Conceic%Informe o Sr. ins-
pector da thesonraria de fzenda.
HeparUffi* ,U\ polica.
* scelaSecretaria da polica de Peraambuoo,
10 de maio d" 1889.
N. 33. lilta. a Exra. 8r.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das parteipagoes recebidas boje nesta re-
partlcn, foram hontem recolhidos casa de deten-
go os seguintes individuos :
N'o dia 8. ord u do Dr. juiz municipa! da
prraeira vara, Paulino Maguo da Silva, como sen-
t-nriadv
No dia 9, a ordera do subdelegado do Rerife,
Mara Floi iuda da Conceigo, por disturbios; c
l.uJ#ero ou Braz, escravo de Mauoel Porto, por
torga.
A' ordem do de S. Antonio, Felippr, escravo de
Tuerca Mari da Conceigo, por rugido.
V ordem do de S. Jol, Joo Bemvenuto e Jos
Pranciseo liamos, por desorden!; Manoel Vicente
Ferreira da Rocha e Rufo Danuseeno Castr%>por
  • A'orejero. d'> da J3pa Vista, Auna Joaquina da
    < '.cn'vieao, per iasultas e embriagaos.
    A' a/dem do da Cnpnga, Cttristiaia Francisca
    de Jesns, p >r briga e formenu. ,
    A ordem do da Magitalcu, Mara Francisca Jos
    ReK por embriaguai.
    Deis guardo a V. F,xcnim. e Exm. Sr. vce-
    pre-ideniega provincia l)r. Manoel do Nascimen-
    to Machado Portella. O chefe de polica, Fran-
    cisco Aj.'/'s Olivara Mactel.
    PERNAMBUCO.
    Sala das eommissdes da assembla legislativa tinelos e cassados os pooeres dos eleilores especiaes
    ASSEMBLA PROVINCIAL.
    SESSiO EM 28 DE ABRIL DE 1869.
    VR&SIbEXCIA ABGBSTO DE SOZA LBAO.
    (Qtmclusao)
    A forondo corpo policial provisorio
    Art. i.1
    ser de qumlientas pravas, conservando a mesma
    organistt^o actual.
    t Art. ." vo, (|ue >c adiam adfctalmonle no Paraguay, vol-
    tando piovincia, nao podero ser destituidos de
    posl -eiiio por forea de seutenca condem-
    atoria bos termos legaes.
    Art. 3.* A verba de 80 rs., tirada de cada
    paca para comprar fardamento, lloara em deposi-
    to na thesonraria,, sendo o fardamento do corpo
    contratado por meio de arremataeao publica.
    Ai! 1.iloniiuuamem vigor as dispusieses dos
    art-. I e "i da le n. 787 do anuo passado.
    Arl. >.' Ficam revogadas as dsposcoes cm
    contrario.
    t Sala das sessoes, 28 de abril de 1869.Soir
    ftrandau.Ainwal e Mello.Franklin Tucora.
    Arl..Inico. Fica concedida unta lotera de
    10:0iW3. a beneficio da capella erecta na povoa-
    cao Nova Cruz denominada ootr'ora Mara f'ari-
    nlia. iregneza de Iguarass. Revogada as dispo-
    cm contrario.
    sala da-i sessfles, 28 de abril de 1869. Al-
    minio Tir/nr*. i>
    Art. I? Fica.o prndenle da provincia auto-
    risado contratar com o bacharel Zeferno de Al-
    meidj Pinto e Andr de Abreu Poilo, o estabele-
    cimento de um systeraa de carri de ferro que
    una, nao so os diversos pontos limitrophes da oi-
    dade, como tambera ligue a capital aos suburbios,
    para os quaes fio esteja ja autorisado a colloca-
    i;ao dos trilhos urbanos.
    Art. t* a contrato ser feito sobre as seguin-
    tes bases : *
    t !. O systema de carris ser idntico ao au-
    torisado pelo decreto n, 4,085 ue 22 de Janeiro
    de 1868.
    t S 2.* Os trilhos sero assentados no centro
    das rua, de modo que nao prejudque ao transi-
    to, e a superficie superior dos mesmos ficar ao
    nivel do ralca:n6nto da ra, de modo a nao diiii-
    caltar a livre cireulacao "dos vehculos e animaes.
    t l." Os carros devem ser leves e construidos
    de modo que po'ssam addar para diante e para
    ' traz. mudando-s apenas os animaes, am de nao
    terem que dar volta emeaso alguui.
    4.*. As obras serao feitas cusa dos con-
    fiarlos ou de algutria tfoinpanba que se en-
    corporaY com previa autorisaco do governo ge-
    ial., mas nio poderio em todo o caso ter comeco,
    sera que o presidente da provincia approve o pla-
    no Sellas e dimenejio dos carros.
    3.*'De espaco em espado nos lugares op-
    porlunaraente designados pela cmara e por ella
    approvados, o iliocar-se-lfao cis'dtfsvios hacessarios
    para evitar-se o encontr dos carros e facilitar a
    entrada as esta$e9, nao poilendo cm caso algam
    construidas edlticacao alguma para estacoes
    nw pracas a largos d cidade.
    a 6." Os carros serao obrigalos a parar ao
    menor signal qae fizer o transente que nellos
    quizer entrar, o que Ihes indlcrem os cantonei-
    ros ou guardas que os emprezaris aerao obriga-
    dos ter nos pontos determinados e nos cruza-
    incnlos das ras, alim de evitar-se desastres.
    jj 7." Picara caduca a concsso, se dentro
    4o prazo de dous anhos depis d aaajgnado o
    obras, que deverh ier concluida^ no de tres; do"
    mesino modo caducar a 'concsso, se depoisde
    aborto o trauco for'interrompidu por seis mezes.
    ( 8." O presidente" da provincia de accordo
    com os conoet-sionarios (ara os regulanieotos ne
    cessarios, (eleriiinando as horas departida e lari-
    fa aanual dos precos, s quaes nunca poderaoax.
    ed>r de 2DD rs, qualjuer qu seja a distaoeta a
    i>hdo para o' caso de in/raccao as
    ^orreo4nipnnda
    natillas a^'WlOO.
    8 9. A-mpreza dar pssagem gratis aof
    agentes do'governo ou da foiitu, aaf>|W>MteflWa-
    provincial de Pernambuco, 24 de abril de 1*69.
    Honralcet, da Silva. Epamnondas. Eduardo
    Pina. '
    Art. 1. O presidente da provincia tica auto-
    risado a contratar com Justino Jos de Souza Cam-
    pos, ou com quem melhores vantagens offerecer,
    o eneanamento d'agua potavel para a cidade de
    bases :
    eriio ser saudaves e tira-
    radas do lagar Indicado pelo engenbeiro director
    das obras publicas-.
    2." Podera o contratante organisar urna
    companhia para execuco das obras.
    3 O contratante ter o privilegio de vender
    agua ao povo a razio de 20 rs. por balde tunal,
    pelo espaco de cinctanta annos, cajo pYazo come-
    car a correr do ola que fOranauncada polos
    jornaes a concluso das respectivas obras, pela
    eollocaco de dous chafarizes nos lagares designa-
    dos no contrato.
    i i." O prazo d > privilegio ser espaeado na
    razo de tres annos por cala chaariz collocado,
    alm dos dous mencionados no paragrapho pre-
    cedente.
    Art. 2. O presidente da provincia fica autori-
    sado a mpr ao contratante as condiQ.5es que jul-
    gar necessarias para facilitar a realisacao deste
    encanamento. determinar os prazos para comeco e
    eonclasao dos trabalhos, e imp/ as convenientes
    murtas.
    Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em
    contrario.S. R.
    Sala das commissoes, 23 de abril de 1869.
    Gonratces da Silva. Epaminonda, Eduardo
    Pina.-o
    Art. nico. Altlummaco publica desta cida-
    de se estender pela estrada de Joao de Barros
    at a Encruzilliada de Belm.
    Revogadas as dispor5s em contrario.
    < Sala das commissoes "da assembla legislativa
    provincial de Pernambuco, 23 de abruce 18G9.
    Epaminondas. Gonralves da Sika. Eduardo
    Pina.
    Art. tnico.Fica concedida urna lotera do
    120:0005000 para o sea resultado ser npplirado
    as obras d groja do'Nossa Senhora do Livramen-
    to da cidade da Victoria.
    ' Revogadas as dlsposiooes.em contrario.
    Sala das sesees, 25 de abril de 1869.Anir
    Cavalcanli.C. Terigrino.
    lido e approttdo o seguinic requermento :
    Requeiro que, por iniurmedio da presidencia,
    c pagoo mmpeotor da Aesouraria" provincial, os
    documentos com probatorio d divida kgalisside,
    na importancia de'2:158l|tn0, de qrre raro ucr-
    dito supplementar, pelo mesmo pedido em data de
    13 do corrente para as despezas do art. 42 do or-
    camento vigente.Lopes Machado.
    Vai mesa e approvado o seguinte requer-
    mento :
    Requeremos qu esta assembla nome urna
    commisso d'entre os sen* membros, para exami-
    nar s estado dos estahelecimentos cargo da San-
    ta Casa de Misericordia, propondo as medidas que
    julgar conveniente, para o raclhoramento de taes
    estbelleciirientos e de suas financas. S. R.
    G. Dnmmond.Andr Cavalcanti.
    O 9n. Presidente autorisado pela casa nomra
    para a commisso os Srs. Gaspar Drummond, An-
    dr Cavalcanti o Amaral c Mello.
    O SR. AMARAL E MELLO :Como membro da
    commisso incumbida de redigir a representado
    contra o acto prepotente do Sr. ministro do impe-
    rio conselheiro Paulino Jos Soares de Souza, te-
    nlio a honra de apresentar a mesma represen-
    taeao.
    Angustos e dignissimos senhores representan-
    tes da nacol -A constituigo do estado reconhe-
    ce e garante o direito de intervir todo o cidadao
    nos negocios de sua provincia, sendo esse direito
    exercido pelas cmaras dos districtos e pelas as-
    semblas provinciaes, que substtniram os conse-
    Ihos geraes. Arts. 71 c 7 da constituigo e art. Io
    do acto addicional
    Pelo art. 179 30 garantido o direito de re-
    presentar por qualq'ieuinfraccao da constituigo
    perante a competente auloridade.
    O art II 9 do acto addicional, d as assem-
    blas legislativas provinciaes a competencia de ve-
    lar na guarda da constituico e das leis as suas
    provincias. Por esta ampia faculdade combinada
    e harmonisada com as anteriores, evidente que
    as garantas constitucionaes de representar contra
    os actos de funecionaros pblicos concedidos aos
    cidados, ao individuo nao podem deixar de caber
    a corporacao poltica.-Assembla provincial--sern-
    pre-que *e tratar da infraccao da constituigo. Alias
    seria estril a competencia que llic deu o acto ad-
    dicional. Em muitos casos ou sempre as issom-
    blas provinciaes nao poderiam exercer essa sua
    misso de velar na guarda da constituico e das
    leis: viriam ellas o attenlado, e cruzanam os bra-
    cos a nao terem o direito de representar aos pode-
    res geraes nesta hypotlicsc precisa da infracgao da
    constituico.
    Firmada oeste direito a assembla legislativa
    provincial do. Pernambuco a vos augustos e dig-
    nissimos senhores representantes da nacao, vem
    representar contra a violago da constituigo o das
    leis commettida. pel actual ministro e secretario
    do estado dos .negocios do imperio, o conselheiro
    Paulino Jos Soares de Souza.
    No dia 28 de junho do anno passado, em toda
    provincia fe-se a eleicao des eletores especiacs
    que linham de com[)r a Hsta trplice para a es-
    colha de um senador, em vista da vaga deixada
    pelo falleciinento do conselheiro Antonio Coelho de
    S e Albuquerque. Esta composigo da lista iri-
    plice, ou eleigao sopumlaria, devia ter lugar no
    dia 2 de agosto. Nao obstante estar assim deter-
    minado em viriude da le^c pelas autoridades com-
    petentes achando-se, p.ortanto, o processo eleitoral
    em segnimentoe acu contraaado, o precitado minis-
    tro de-imperio expediooaviso de 21 dejulliode 1868,
    (laido por exlinctos e cassados os poderes dos elei-
    toree tgpeciafs e ordenou quo seprocedesse a nova
    eleie de eletores para prehenrltimento da refe-
    rida wtga em 31 de Janeiro -do correnlo.anno.
    E' evidente a voiagao do art. 21 la constitui-
    co do imperio e dos arts. 71, 72 p ^0 da lei n.
    387 de 19 de agosto do 1846, infraecoes que per-
    tnrbarain e annullaram us direitos especialmente
    adquerid.is pelos eletores de 28 de junho, privan-
    do-osde fazerem a eleicao secundaria na occasio
    oppertunamente determinada por foroa da lei.
    i s fundamentos do aviso atentatorio do art.
    21 da constituigo sj futeis. AHega 1 a disso-
    lujo da cmara temporaria e 2o a extmcgSo da
    lefWatira. Salla aosolhos dos notnens menos ins-
    truido^ que a dissolug*^ tendo por flra con-ultar
    a nago sre o proc( imenlo da cmara tempo-
    raria nada temjqtif wr, de nenhnm modo emende
    coa o sena do, que viulioio.
    Do mesnio modo eahe a primeira reflexo o
    argumaoto-da legislatura para que o senado nio
    m suna em periodos cortea oHaos como a ca<
    dos Oeputados, niasatoarpor occasio de va-
    O avo in^-cca o decreto n.86S de !0 de julho
    de 1830: ote decreto, pordra, longo de ser restric-
    tivo cojni><|uer o governo, aao fez mais do que
    ampIMPa disposico da lei, isto determnou que
    os elabores especiaes urna vez eleiloj podessem U
    ser entras mais elcirftes (alem daqirlla para que
    foram especialmente" eleitos) durante o periodo de
    urna legislatura. D.sta disposigo t io se podo se-
    guir que com a dissoluco da caniaxa licassem ex-
    IHm. Sr-Communico a V. S. que estando j sufficionte da illetsilidade da pri^So, da violencia
    =
    at para a primeira eleicao que elle dsviain faaer
    ' Nao ha lei alguma que defina o que seja le-
    gislatura para os eloitores de senador, oeui guan-
    do ella comer ou acaba. Ha apenas a disposico
    clara, express'a do art. 121 da precada le de 19
    de agosto dtt 18'ifi. que, |nra os ctetoras de depu-
    tsdos ?aanda cortar o eomego da sua legislatura
    da data em que.forem cites approv-idos prta res-
    pectiva cmara. Qnando muito, pois, por pari-
    dade de razo, os dolores especiaes de senador
    em vista do decreto de 1850 devem principiar a
    contar a -sua legislatura para as posteriores elei-
    goe secundarias, que lem direito oe fazer da data
    de sua approvagao pela cmara vitalicia. Longe
    de estarem tenuinados os poderes dis leitores le
    28 de junho (que nio ebegaram a ser xercidos
    em todos os collegios, mas apenas em alguns) toes
    eletores anda esto validos para outras eleioes
    se o senado approrar os seus poderes.
    A assembla legislativa proyjvcial confia na
    illustracSo dos augnsfos e dignissimos senhores r-'
    presentantes da naco, para ffite recete qnc nao
    seja bem reconlieeid a irrvasao das attribuicoes
    do senado que acaba de commetter "o ministro do
    imperio.
    A cspeeialidade'e connexo desse nbnso do
    poder, desse atientado do ministro com a vivifica-
    cao dos poderes que o senado t*n de proceder
    quando Ihe fureui presentes a actas das eleicoes
    senatoriaes desta provincia obriga a assembla le-
    gislativa provincial a diriglr-se a cmara vitalicia
    de preferencia a outro qnslquer poder geral do es-
    tado.
    fnstilicada anda mais, ficar a assembla le-
    gislativa provincial qoando, vos augustos o dignis-
    simos senhores representantes da nago, con-ide-
    rardes que a primeira vez que mn" ministro de
    estado, mero agente do poder executivo por meio
    de um simples trago de peona annnlla urna el^
    gao senatorial. O faci inaudito e prora asw
    que faeihdade no Brasil se infringein as leis, e se
    viola a Bonstitap'caa do estado I
    A assembla provincial esta [irofandamente
    convencida de naver eumprido o sea dever de
    velar na guarda da constituico com o protesto
    enrgico da presente reprosentaco. Vt'is augus-
    tos e dignissimos senhores representantes da na-
    ge, zelsudo a vossa invtolwl e exclusiva com-
    petencia para u exame das eleicoes de senadores
    em vossa alta sauedoria resolvereis uaue enten-
    derdes ai< acertado. ^
    Salla das comuiissoes da sseinbh'ta legislativa
    hontam em attribuicoes de meus servieo: ao mejo
    da, (K.UCO ma ou menos, prend so rci.Tuta Joo
    Alves Barbosa, para o senico do oxei-eilo, visto
    nao tur api son favor isengo-legal, e deito dme
    adiar na posse do referido recruln, parlido com
    graude furor, at- que absolutamente o tomou, vis-
    tojwe a patruiha ainearada p"k) Sr. eapito Gal-
    'Provmcial de Fe
    rnmkucarM
    i. Amar-nl fc Mi
    Joa Rantiitft Un Cautn) j.*llll"
    PisTa a votos a represema
    le abrli de 1869.
    cao approvad.
    0 Sr. Amaral e Mello :Pego a palavra pela
    ordem.
    O Sr. Presidente :Acha-se escotada a hora
    do expodiente.
    O Sn. Miguel Amorim :Neste caso peco ur-
    gencia.
    Vai mesaapoia-'SQ csie requeiimento :
    Requeremos prorogaco da hora do expe-
    diente. Miguel Amorim.Amaral e, Mello.
    O Sr. G. Drummond diz que ex|stindo materias
    momentosas sujoitas eonsideraco da casa, nao
    Ihe parece conveniente a prorogago da hora do
    expedienK para a apresentago de lequerimentos,
    que sem prejuizos podero ser apresentedos na
    sesso seguinte, e por isso vota contra a urgencia.
    O Su. Amaral e Mello justifica o requerimeoto
    de urgencia.
    Posto a votos o requerime.n'.o approvado.
    O SR.MIGUEE AMORIM:Sr. presidente, a casi
    deve estar lemhrada de que tiz oni requerimento
    pedindo informacoes S. Exc. o Sr. presidente da
    provincia sobre 11111 facto grave que se deu no dis-
    tricto de Capoeiras, da comarca do Bonito. Pas-
    saram-so das, Sr. presidente, quanlo hontem leio
    110 jornal da casa as informacoes sobre esse facto,
    iuforinagdes estas, quo deram em resultado dar
    como certo o que eu tinha asseverado nesta casa
    qne-o subdelegado do districto de Capoeiras, Ma-
    thias Benigno Wanderley Tiba tinha praticado um
    aclo de violencia, urna' arbitraried ule. Essas in-
    formacoes vieram dar como certo, que um distinc-
    to ciddo morador no districto de Capoeiras, o
    Sr. eapito Galdino Alves Barbosa e seu tillio
    Joo Alves Barbosa foram al I i presos violentamen-
    te, sem urna causa justa, sem urna causa rasonvel
    que mostrasse a procedencia de sua prso. E,
    pois, em vista do compromisso que lomci para com
    esta casa, de opportunamente, luiando viesaeni
    essas informagoes, expor o facto com toda a fi
    queza, hoje, Sr. presidente, chogada a occa
    de o fazer.
    As informagoes remettidas pelo delegado do Bo-
    nito, com relagao a este facto, diz 3111 o seguinte :
    t Delegada de polica do'termo do Bonito, 18
    de abril de 1869.Illm. Sr.Em observancia ao
    que V. S. me ordenou em officio de 15 do corren-
    te mez, respondo a primeira parte do referido offl-
    cio com a propria participagao offlcal do subdele-
    gado de Capoeiras, a qual por copia a este acompa-
    nha. Em quanto segunda, communico a V. S.
    que vindo a miaba presenca o eapito Galdino Al-
    yes Barbosa e seu filho Joao Alves Barbosa e in-
    terrogando-o acerca do facto declarou-me elle, que
    havendo o subdelegado prendido seu filbo como
    remita no dia 21 do mez prximo passado, e stic-
    cedendo este poder evadir-fe do |K>dcr da patru-
    iha, e entrara em sua propria casa, elle Galdino
    responsabilisra se a entrega-lo, logo que prepa-,
    rasse-se de roupa, porm conservando-se a casa
    debaixo de cerco por muitas horas, e nao realsaa-
    do-se a entrega, ura-lhe o subdelegado tambem
    voz de prso, dizendo-lhe que o seu procedimento.
    indicava resistencia de sua parte a entrega de sflu
    lilho, qne effectaou-sc a 22 s-7 horas do dia,sem
    (|uc nesse espago de tompo fosse sua casa vareja-
    da. A vista do que o da falta do auto d> resis-
    tencia que aecusou na parte offleal, e da test-
    munhas, vendo eu que nao salera resistencia
    formal do sua parte o puz em librdade e jnnta-
    menteeeu fllho, qne apresenta isengao attendivd,
    que falta de um dedo d'uma das mos, eoptrs
    solfrimentos physicos, embora aeu p'esrirnd^procs-
    di ment a torn merecedor de austera eorreecao,
    visto como publico que viresempro armado n-
    qnella povoagSo, provocando as propria autorida-
    'des, espancando pessoas de stwte que est sendo
    processado pelo subdelegado d'alli por crimes de
    ferimentos, em que sen pai d a menor providen-
    cia, antes o anima para taes desbrdens, sendo o
    primeiro a ridiciilarisar as anteridades cora chufis
    e osameos pblicos por seus desabafos politicosje
    de tal maneira procede o dito eapito naqnelle po-
    voado, qne traz osooego poblico perturbado a pon-
    to de poder oeeastonar talm amda atgum con-
    *to. e^aia
    Crdo que, assim procede por nao cominar
    aMiwrno amofWaMe. B' mmo Irairraa^nenle
    tenho a informar a V. 8. Deas imarde J^^-r
    mu. rJOr: fTnneisco de1 FariaL irnos, Wgno chf:
    fe de Hdade^ernambnco.-Jttl'fon Auttrm- '
    Brfntr, delegado depeltda -
    fleJaos afora a parte fnril do WMf^g4
    esmorecen ; a vista de taes eircumstan-
    MM, sustentei o ejreo, e indo novamet; le com os
    ofliciaes de justicjl o escrivo, o no qtMreado fa-
    zar-iiie entrega do pseso o Sr. eapito Galdino Al-
    vos, o prend em continente ordera de V. S-, ha-
    veado era concluso entregado o tnesn eapito o
    seu tillio hoje s 7 lloras da manna depois da
    chegada do Sr. comniandante Costa, o qual os con-
    duz, e se acham a dispnsigo de V. S. para Ihes
    da,p couveniente destino. Declare hus haver
    um autoJe resisteucia contra o Sr. eapito Galdi-
    no, devine ao seu proceder.
    'Deas guarde a V. S.Illm. Sr. alferes Odlon
    Austricliano Broyner, digni) delegado de iwhcia do
    termo do Bonito.Mnuai Benigno Wanderley
    Tiba, subdelegado snpplent) em exercieio.
    V se d'aqni evidentemente, provado, 5r. presi-
    dente, que, nem Joao Alves Barbosa, liHio de Gal-
    diao Alias Barbosa, era es#e individuo sem isen-
    gao para o rocrutamento, como tambem que nao se
    deu a figurada resistencia que aponta esse subde-
    legado do districto do Capoeiras-, esse subdelegado
    maligno, que s pqr inverso de cousas lem o ne-
    nie de Benigno, e que ;ia em nada foi benigno
    nesse negocio.
    Mas, disse eu, quando fiz o requerimento ha
    poucos das nosta casa :ha ui cauta oceulta
    que deu lugar a esse facto,causa esta qu;, quando
    viereni as mformagdes, eu apresntar-Hi*;i-hei. Se-
    nliores, esta causa hoje conhedd do publico, porque coasta dos
    jornaes, como se l no Liberal de 14 do corrente
    mez que diz o seguinte :
    Um tacto que bem caracterisa a poca que
    atratessamos e que patntela as qualidades reeom-
    mendareis dos individuos que exerveiq,os cargos
    policiaes em Capoeiras, acaba de ter lagar aaquella
    povoaco. Tendo Francisco Joaquim da Cunha,
    irmao do subdelegado de Terepiry, requerido em-
    bargo em hens do t supplente de subdelagado de
    Capaeiras, ao trampolineiro fogueteiro Mathias
    Beaiguo Wanderley Tiiiba, foi elTectuado o em-
    bargo, depois do que os offleiaes eiicarregados da
    diligencia depositaran) os hens embargados em po-
    der da eapito Galdino Alvos Barbosa, fazendo-o
    assignar o respectivo termo.
    Nao prerisou mais para que Tiba todo en-
    furecido e entendesse com seu comparsa Flix
    Canillado ou Flix Bacuro e com alguns dos os-
    tros supplentes, e Ihes pedisse que Ihe deixassem o
    exoreiaie em quanlo elle -nsinava o capi'o Gasi-
    no, por ter tido o atreviinento de prestar-se er
    depositario des bens penhorados.
    Combinado o pU>no entrou o tilUojJo judasno
    exerciciVc logo renhndo urna esaaUSTe armanuo-
    1 t J. ...I. ili-ini.i n.-ipuja- *M1JU
    inenpionadf-rapilo, cereon-a, c no meio aos
    m.nores insultos exigi que Ihe fosse entregue um
    filho de mesmo a que-n ia reerntar. O capitao
    desse acto que caasou exlramliesa, que cansn,
    *fl> mesmo, indgnaco a todos- os habitantes da
    comarca do Bonito
    Entretanto. 8rs., aponta-se o eapko Galdino Al-
    ves Barbosa como unr homem desordpiro, eomo
    p?rtmbador da ordem publica no districto de
    Capoeiras, mas porque razo 1 A razo fcil de
    eompreheader; porque o capitn' AJves Barbosa
    representa all o chefe do^lemento liberal, por-
    que o eapito Alves Barbosa all o sentinella vi-
    gilante dosdire tencia da aoloridade, porqne enillm, Srs., o ea-
    pito Alve Barbotar aquelle mesmo que face
    de lodos, qae peraA o publico tom aiiresentado e
    tem dado lugar a que appare^am documentos eon-
    cludentes dessas arbitrariedades, uessas violencias,
    dessas invasoes deas^s ataques a liberdade:
    A prova do qae figo est no seguinte.
    Em das do anno passado, loco que se montn
    essa politica de- reacc-oes. e vindicta*, que iufeli-
    mente hoje dirige os destinos do piiz, a esse tem- j^ ^.j" de vi,.leni t urto mais otiau-
    po, Srs., a comarca do Bonito ficen composta (per- do opropno uobre de|Kitadoquem se encarraga
    auloridade superioro delegado' de potriafbi o>
    primeiro a reparar e acto, mandando-o pdr em li-
    bei-Jade, |wr ter isenco legal.
    O Sr. M. Auoiuj :Eu dei a caes da pnso <
    ver^e-ha que houv prevencn por forja do em-
    bargo requerido pelo pai do recruta.
    O Sn. 6. Din xMrxD :Anda assiin-, pergunto
    ae nobre deputado: o arbitrio do subdelegado pre-
    wceu ? nao ; por que o delegado de poKcia or-
    deaou a solrara mmediatamente do res%. Ora,
    se o laclo tinha desaaparerido, como coasta da
    iil'o.iimro liiki pelo noare deputado, jii* razo ha
    jara tanta grraa contra as aoloridade de Cspoei-
    S> Pna :Mbrto em reeisteaca era muito
    vl'tro- Sn. Dkh;tadu :Mas nao soffrea a vio-
    lencia
    O Sr. G. Drimmond :O actb do recrulaniento
    existi ; mas V. Exc. sabe qne est aatnrisado.
    queiu o paraticou, a recrutar, e que esse facto nao
    Gaidino < 1111 toda a'moderaco ponderou que sen-
    do seu filho defeituoso por ter falta do diido medio
    da mo direita epor soffrer de ataque de alieago
    nao esta va no caso de ser recrutado ; portaron-
    ge de moderar-se o tnror do energmeno Tiba
    diante de tal ponderacao. esse furor recrudeceu e
    o miseravel grilou que estava com as cordas
    promptas para amarraro recruta quem o tronco
    esperava Debalde porm ordenou o desgracado
    saltimbanco aos soldados, que invadissem a casa
    do eapito o nrrastassem o filho deste para fra,
    para que os soldados mais conhecedores dos seas
    deveres e atacados dos melhores sentaientos do
    que esse desabrido 6" supplente, recusaram cum-
    plir seindhante ordem.
    Senhores, o subdelegado Mathias Benigno Wan-
    derley Tiba careca de urna carga de la para
    satisl'azer a certa transacro >no pode ido satis-
    fazer a essa transaceo, e sabendo que Francisco
    Joaquim da Cunha tinha urna outra carga de laa,
    pede-a, com a prompssa de a pagar ao lempo em
    que tivesse prompta una outra que estara na ma-
    china a deacarooar. Francisco Joaqun da Cunha
    ceden a esse pedido de Tiba, mas acontecen que
    api'oveitando-sc Tiba do favor do Francisco Joa-
    quim, e satislazendo a sua transaego, ao tempo
    em que estava prompta 1 carga de li, com que
    gas, por deiede pM.a*.ar*4id*aaw*ti*aoi
    WM podem repetir irmitas yezesdentrtt"deium -la :
    itajMatara dada, assirr *omo 1 no z*m -aeriedi r MWetefaeia 4o>4AMrlcfQ
    " naochavernenhma. :4e'lBnfo-drW69.
    sabendo disto, o vendo que Tiba uo tinha outros
    hens com que lhc paeasse, immediatamente diri-
    gio-se ao eapito Galdino, expoz-lhe o negocio, e
    pedio-lhe um conselho. O eapito Galdino dirigio-
    soeom Francisco Joaquim ao Bonito e perante o
    juiz municipal requereu um mandado ele embargo
    sobre a corga de lia que Tiba fazia seguir com
    destino ao povoado dos Montes para ser ven-
    dida. #
    Eis, senhores, a causa principal desse attentado
    que soffrcu o eapito Galdino.
    A esse tempo, Mathias Benigno Wanderley Ti-
    oa, estava servindo no jury que funecionava, e sa-
    bendo da expedigo do mandado, mmediatamente
    deu parte de doonte, montou cavallo, e seguio
    para Capoeiras para impedir que se pozesse em
    execuca o mandado, mas chegou tarde para po-
    dor faz-lo ; ento langa mo de outro meio, que
    foi o .seguinte : assume o cargo de sulidelegado e
    trata de prender o filhqde Galdino para recruLi !
    E queris sabor, senhores, quem esse recruta
    sem isenco legal, como diz a parto oflicial ? E
    um moco que soffre de alionaco rnenlal,_ um
    mogo que soffre falta do ddo medio da mo di-
    reito.
    Conseguindo Malinas Benigno prender para re-
    cruta o lilho de Gaudiuo quz logo mandal-o es-
    coltado para o Bonito, mas nao o consezuindo por-
    que esse mogo conseguio recolher-se a easa de
    seu pae, o subdelegado, poe essa casa debaixo de
    cerco por 24 horas, lovanta urna celeuma extr%-
    ordioaria, declarando quo Galdino limu resistido
    prso, offloia ao delegado nesso sentido, e_o
    districto de Capoeiras convorte-se nessa occasio
    cm urna verdadeira praga d'armas, porque, alm
    dos tapangas armados por Mathias, alirn do aux
    ^io de seus comparcas, desde o subdelegado pro-
    prietario at ao 5" supplente, alm de tudo isto
    vocou o auxilio do delegado do Bonito o Sr.
    XMilon Austricliano Broyner, que para alli man-
    dou em auxilio dessa autoridado urna escolta com
    mandada pelo eapito da reserva Francisco Perei-
    ra da Costa, que alli ,0 commaadante do desta-
    camento.
    Entretanto, Srs., quando tudo isto so passava,
    o eapito Gadino proceda com toda a prudencia
    e moderaco, diriga-so a seus amigos do Bonito,
    contava-lhes o lauto e pedia que qualqucr d'elles
    se dirigase ao juiz municipal, allm delle intervir
    neste negocio com a imparcialidade que a caree-
    terrja. Mas, tndxt foi baldado, Srs., porque era
    preciso aue Matiias Hanigno tirasse tuia vindicta
    desse emjurjri) que tinha soffrid.n, tudo foi balda-
    ndo, a.afec^irameola no dia 22 de marco (so bem
    ma recoifdo) o eapito Galdino seguio escoltodo
    para villa do Bonito e juntamente !*u filho I
    J?. o que acontoceu 1 Aconleceu qia conhecen-
    "ao o delegado lo termo da tW. 1 quidado da prisau, todava quz saatentar o acta do
    1 seu subalterno, anda os mandou racolher a pn=
    iao, so no outro dia, depois da formalidade de
    m interrogatorio, que os mandou por em aber
    mitta-se-me a expresao) da companhia dos ver-
    dadeiros cmicos que tinham de apresentar essa
    torga que venios todos os das. Assim, Srs., vimos
    nomeado para 6" supplente de subdelegado de Ca-
    poeiras Malinas Benigno Wanderley Tiba, que
    nao se nao nm mo fogueteiro !___
    O Sr. Pika :Mas que bom cabo de eleiges.
    O Sn. M. Amorim :Assim vimos anda noinea-
    do para subddegado proprietario Manoel Marques
    da Fonseca, um homem inprudente, precipitado,
    sera independencia, oque nao eslava na altura do
    exercer o importante cargo de subdele.aado de um
    districto. Dahi oque tem apparecido ? Tem ap-
    parecido aquillo que Todos nos sabemos.
    A esse tempo foi preso em Capoeiras Joo Anto-
    nio Rodrigues; preso esse individuo o eapito Al-
    ves Barbosa procura saber o motivo de sua pr-
    so visto como era elle guarda narioiial, e a res-
    posta que tove, foi o que se v do"oflicio quo aqu
    tenho (l).
    Illm. Sr.Em resposta ao sea officio do hon-
    tem datado, cumpre-me dizer-lhe que o ehlado
    Joao Antonio Rodrigues se acha preso ordem
    desta subdelegada e a bem do servico fubwco.
    Deus guarde a V. S.IIIiil Sr. eapito rnniinnn-
    dante da 4' eompanhia do butilho n. 26 da guar-
    da nacional do municipio do Bonito.Manoel Vc-
    tor da Fonseca Marques, subdelegado do 4o dis-
    trito.
    Re^onheco a firma sopra do que don f. Bo-
    nito, 6 de setembro de 4668. Km testemunho de
    verdade.O tobellid publico, Sergio Clttntntina
    de Souto-Maior Albuquerque.
    Srs., nao precisa commento sobre esse facto, paFa
    demonstrar quaes os horneas que policiano o dis-
    tricto de Capoeiras, eo que admirar que o ser-
    vigo publico anda permittisse que fwe conserva-
    do na subdelegada de Capoeiras, esse celebro Ma-
    acto e notave
    . rs., o tacto e noiave, esse aocuinetrto nao e
    yi.amniitdo, elle se acha aqu escripto, existe re-
    almente ; e correu impressot curte.
    O Sr. G. Din mmond :Nao de'admirar porque
    pouco antes se prenda at mesmo aqu na cidade
    para averiguagoes policiaes.
    O Sr. Amaual e Mello : Sao paines retocados.
    (Trocam-se mais apartes)
    O Su. M. Amorim :Eu quero conceder que se
    tivessein feito essas prisoes para aviriguagoes po-
    liciaes, quero admillirque a situago nassada fosse
    toda eivada, de desvos e defeitos, quero conceder
    tudo isto, mas nao posso admittir que aquellos que
    anda ha pouco phanttsiaram tantos vicios, cen-
    surava tantos defeitos agora que se acham na ad-
    ministraco dos negodos pobhcos, queiain nao
    s imitol-os, como at mesmo excdelos.
    O Sr. G. Drummond :E' que os fac'tos isolados
    nao condemnaui urna siluago.
    O Sr. M. Amorim:Visteis por tanto o docu-
    mento que se acha aqu transcripto, este documen-
    to, coinoj vos disse, vea luz pelas deligencias
    do capitao Alves Barbosa, e estes e outros tactos
    que constiluera o eapito Alves Barbosa nessa si-
    luago desesperadura, nossa siluago que todos os
    da-, a todas as horas, a todos momentos d lugar
    a que soffra elle ataques nao s com relagao si,
    como relagao sua lamina.
    Tenho presentemente satsfeito o compromisso
    a que me emnebhe/nesta casa orando liz o re-
    querimento patiudo informacoes.
    Nao vim apresentar este requerimento com o
    lim de esperar da aduiiuistrago da provincia pro-
    videncias sobre estes facto*, nao vim pedir a S.
    Exe. que mandasse responsablsar esse subdele-
    gado, ou o demittse, nao, Sr. presidente, por que
    o facto a que me refer nao de hoje, elle consta
    dos jornam, consta mesnio de urna representocao
    dirigida a S. Exc, e at hoje o subdelegado Ma-
    thias Benigno, Manoel da Foncec Marques c ou-
    tros anda exercem os importantes cargos de au-
    toridades policiaes naquclles lugares.
    Um Sr. Deputado :E bao de continuar a exor-
    do demonstrar que apenas foi presentad a isen-
    gao que tinha o recruto, o delegado de pelfcia o
    mandou por em liberdade.
    Sr. presidente, disse o sobre deputado, que um
    motivo divejso tinha originado a prso de Joe-Al-
    ves Barbosa : no entretanto ; narrou ama histo-
    ria autorisada simplesraente sob sua p- lavra, tendo
    alias se compromettido a offereeer a prova de- sua
    acrusago.
    O Sr. M. Amomm :E nao apresentei ?
    O Sr. G. DnuMMiN'o : Leu um jornal onde foi
    publicada esta aarraco : pergunto porm a V.
    Exc., isto meio de provar aecusacoes grave* eo-
    mo a que me fez- o nobre dettutado ?
    Senhores, os artigos dos jornaes polticos ralle-
    tem quasi sempre as patxoes dos que os esereve,
    e at hoje nao teem servido de prova em materia
    criminal ; e se esta tncoria prevalecesse, ento mal
    esfariant os vultos respeitaveis de ambos os par-
    tidos polticos em queseaeha dividido o paz.
    O Sr. M. Amorim :Eu acceito a discusso des-
    te negocio, despindo-uie de responsabilidade- da
    tribuna.
    O Sr. G. rummow :Nao duvido ; masen nao
    quero acecitar com V. Exc. a questo n'este ter-
    reno : ao ofTendido corre esse dever, e a ingurm
    mais : no entretanto, se o nobre deputado est con-
    vencido da realidade do qae referi, por que nao
    usa do recurso que a lei Hie faculta ?
    Por ventura o artigo 72 do cdigo do processo
    criminal, nao concede ao ofTendido o direito de
    queixa ? "
    Por ventura o artigo 74 do mesnio cdigo nao
    d a qualquer cidadao o direito de denunciar 1
    Para que o nobre deputado nao procede asrim ante
    o jojz de direito de Bonito, que nao tbe'pdc ser
    suspeito?
    Um Sr. nc,n,,TBlrf iEli1!" "'ir*1*"ttnn^ ir'-
    . ti*""~~""^^aMa*^**"Hiw
    ds
    ^poeiras.
    *
    cer.
    O Sr. M. Amorim :Apresentei nicamente o
    requerimento para expor o facto, como acabo de
    fazer, para quo nao fique elle envolvido as dohras
    do silencio ou adulterado, e para que em todo o
    tempo se saiba que esta siluago, longe de pautar
    o seu procedimento pela moderaco c pela ju*ga,
    ao contrario, senhores. urna siluago que nos
    abre um abysmo, abysmo em que tem do sunnr-se
    o paiz.
    O Sn. Lopes Machado :Muito bem.
    O Sr. G. Dsummond :Vou dando sempre o
    meu nao apoiado.
    O SR. G. DulIMMOND :Sr. presidente, V. Exc.
    conhece que nao devo deixar passar em silencio
    todas as aecusaedes infundadas e sem base^ qne
    sao feitas aos funccionarios pblicos d'esta pro-
    vincia, o por consequenca avahara a dfculdade
    em que estou de acceitar diariamente a discusso
    de requerimentos era que taes censuras saoeonsig-
    nadas.
    O Sr. Lopes Machado :Por que qur.
    OSr, G. Drummond :Se os nobres deputados
    limitassem-se a fazer censuras ou aecusacoes pro-
    cedentes, evitar-me-biam d'este trabalho : no en-
    tretanto assm>Bo tem sido, e pdo contrario ougo
    continuamaWa narraco de faclos eriminosos at-
    tribudos, a tal ou Ul autoridado, sob a |irova ni-
    camente da honrada palavra de quem os refere.
    O nobre deputado pelo quarto districto, seguio
    o mesmo caminho, do qual me pareca ter-sa des-
    viado. Digo assim, por que o nobre deputado of-
    fereeou ha das um roqi*erimento sobre negocios
    doCapoeirasprotestando fazer sua aecusago
    quando taes informacoes tosaein dadas, por que
    seriara as prova (tos desmandos das autoridades
    policiaes uaquelle lugar : no entretanlo, com petar
    meu vi que o nobre deputado atfastou-se d'essa
    promessa, o narrando a causa'da prso de um re-
    cruta sobre quo versou o requermoato a a infor-
    raaeao, lanoou-se deaapiedamente sWro os que di-
    rigeai o paiz, como- causa dos laea desmandos por
    elle narrados.
    Nao me paraca proeaneate, senhores, nem a ac-
    cusaco feito aogovemo^ nem mesmo ao agonte
    policial do Capoeiras. Nao me parece procedente
    ao governp, por ue anda mesm aoceitando o
    faci tal qual contou o nobre deputado, a autori-
    dado superior tonteado-lagar-onde se deu esse
    tacto, pode Mar aaiptemtiorancia, ao_ conne-
    pr a veraddada da aMBsafo. o asrtai Mbibida
    da reprimir ao su laaocdmado, e por tormo, a
    taes desvarios.
    i
    i

    ^jg^as^^jri^mssssssA*^
    O Sr. G. Dri mmond :Est engaado V. Exc.:
    se existe queixa, o presidente da provincia fiel
    cumplidor dos seus deveres como nao o tem des-
    presado como V. Exc. o diz ; pelo contrario ha- de
    ter dado as precisas providencias para isvestiga-
    go do facto. E do mais, a intervengo do poder
    administrativo limita-se a srdenar o processo ; no
    entretanto sem isto o nobre deputado podia iniciar
    a aecusago ante o juiz de direito, c assin teria
    prompta e iminediata reparaeo.
    Sr. presidente, admira que o pai do recrja,* o
    Sr. Galdino, esse sentinella vigilante das liberdades
    patrias as Capoeiras, esse dedicado defensor dos
    liberaos offendidos, esse severo areusador das au-
    toridades refractarias, esse cidadnsans pew et
    sans reproche, como o desenlie u o nobre deputado
    lio solcito nos negocios alheios, abandonase* sua
    propria causa, mennsprezasse os seas direitos, e
    nao procurasse a pnnico d'essa autoridade que o
    tinha perseguido, e juntamente a seu filho? De
    tudo isto. Sr. presidente, eu s concilio, apocar do
    respeito que consagro ao nobre deputado, apezar
    do crdito que me merecem suas palavras, qne a
    aecusago por eMe frita, nao procedente.
    O Sn. Ermiro Coitiniio:O nobre deputado nao
    pode com vantagem defender o subdelegido Be-
    nigno.
    O Sn. G. Drummomd :E nem eu me.encarrego
    da defeza : qoando oeeupo a tribuna, tenho por fin
    nicamente pedir que se nao facam accu.-cpes
    sem a inmediata prova, por que, senliores, a re-
    putaco de um hornera o seu thesoure estima-
    vcl, que nao deve ser ferida sem haver certeza
    de que elle se desviou de seus deveres ; tenho por
    lim, senhores, pedir o (pie de continuo pediam os
    nobres deputados, quando d'estas mesmas cadeiras
    se bradava contra os desmandos do chefe de poli-
    ca e seus agentes, na poca progressista, alias
    com fundamentos irrespondveis.
    O Sr. M. de Amorim :Aquelle officio a rcspe'uo
    da priso, nao urna prova ?
    O Sr. G. Drummond :Sim da materialidade da
    priso, e tambem de que a autoridade superior
    deu a liberdade ao recrutado.
    Esta soltura, senhores, a reprovago mais clara
    da priso.
    O S. Lopes Machado :A prova de reprovago
    O Sn. G. Drummond :E' o proprio offteio.
    O Sr. Lopks Machado :Onde est a reprehen-
    so?
    O Sr. G. Drummond : Pois neeto officio nao
    consta a soltura do recruta ; nao se eonclue deste
    faelo que o subdelegado nao aprociou bem as con-
    digoes de*5Uves Barbosa, quando o recrutou?
    O Sr Lotes Machado :-*** o qne nao podia
    ddxar da fazer.
    O Sh-Drummond:Logo, se a autoridade
    enmptio com o seu dever, nao tem lugar a cen-
    sara
    O Sa. Lopes Machado : Fez o que devia.
    O Sr. G. Drummond :Logo, injusto a aecu-
    saco do nobre deputado.
    O Sr. Lopes Machado :Mas nao mandou res-
    ponsabilisar a autoridade subalterna.
    O Sr. G. Drummondo :E tambem nao evilou
    que o ofTendido offerecesse sua queixa perante o
    juiz de direito, a quera cumpria conheder e de-
    cidir.
    O Sr. I/ipks Machado:V. Exe nao prova ano
    a autoridade superior, reprehendeese o subdele-
    gado.
    O Sn. G. Drummond :A nutlifteagao da priso,
    revela que o acto nao foi approvado.
    (Trocam-se apartes.)
    Senhores, o caso simples: o snbddegado re-
    crutoa a Tiuba, porque o julgou as condigoes de
    ser recrutado; a autoridade superior, apreciando
    as isenooos do recrutado, mandou-o por em liber-
    dade. O primeiro praticoit um acto dentro da,
    rbita de suasattribucSes, podendo, eomo de facto
    'so deu, nao estar ciento das iseneoea do recruta-
    (do: o segunde, apreciando a priso, conhecendo
    qua Tuba ao-podia servir no exeratto, a mandou
    por em liberdade. Onde, pois, existe essa infrac-
    go de lei, essa violenria apontsda pelo nobre de-
    patado, a meaos qfle nao prove que o reerutamen-
    to, mas slm ura cansa extraaha deu lugar a pri-
    so T Que base, que fundamento tem a censura
    feita pelo nobre depui&do-T nenhuma, senho-
    res.
    O Sr. Soares Brandao :~De frnja que nao
    henvo violencia.
    O Sr. G. Drummond:-J me expKqud conve-
    nientemetite. Sr. presidente, esse Sr. Barbosa.nao
    ura cidadao padfleo, nem mesmodetxa de ter mo-
    tivos para que o sen nome tenha assento no ro
    dos uipados, segundo enasta da J*rmacioiida
    peUMfere depnudo: autoridade quemio
    fivrtMd da pretesso, entenen qne>o deviatnanoar
    i

    -
    rjueftaj


    V
    Diario fie Pernanibico Terqa feira li de Maio
    para o excrcito; o que porm nao
    forca do despacho co legitir:
    maudou ui'ir em liberdad
    proeessaao.
    O Sr. Lopes Mach nao
    admilte a theoria da (en!
    OSn. A. Tavares : N
    ser desculpado por ignorancia, porque
    deputado considcra-o sai
    O Sil G. Dhummo-v insidero sabio,
    mas nao o isetitoi pela ignorancia porque a lei nao
    admiti que o q^HHp publico soja ignrame.
    como o nobre depilado mellior do que en sabe.
    O Su. F. Tavcru :Tanto admille que marca
    "Tin
    i Su. G. Drumond :Pelo contrario; por nao
    adinittir que estabolcceu a pnica.1, c nao o
    i senta por isso de responsabilidade.
    Sr. presidente,'.ou concluir, lamentando que o
    flm da irgenea requerida pelo nobre deputado
    fosse o negocio da (hpoeiras: tro entretanto, res-
    peitando a decisao rcate, sentn-me sem depa-
    rar o meu voto, porque o nobre deputado nao
    offereceu e sujeitou a diseusso requerimento
    algnm.
    Tenho concluido.
    O SR. AMARAL E MELLO :*-Sr. presidente, rc-
    queiro que se poca ao Sr. vice-presidente da pro-
    vincia iuformacoes sobre os seguintes pontos:
    1. Se o Dr. ohefe de polica, de acord com a
    asposicao do cdigo criminal, declarou illicita urna
    reoMo popular que teve lugar na tarde do dia 2o
    do corrente no campo das l'rincezai;
    %* Se, nao toado declarado (licita essa reuniao,
    c aehando-sc presente, empregou meios de evitar
    dcsorens provocadas por alguns individuos;
    3.a Se, nao teudo empregado meios pai> evitar
    essas desorden?, conuco* u quaes eram os desor-
    deiros; .,..
    4. Se corto ter o provincial da ordem tercena
    de Nossa Senhora do Carmo podido ao governo
    para mandar desalojar um dos corpos da guarda
    nacional de um dos lados do convento do Carino,
    para seren .reparadas aceommodacoes para os
    jesutas emigrados da Ilespanfla.
    Sr. presidente, parece talrez a alguem eslranlio
    traier para esta casa os acontecimentos de 2o do
    correte, parece mesmo que muitos me podem
    dizer, que isso nada tem com os negocios que de-
    ven) ser sujeitos a consideracio dos representantes
    da provincia; mas, esse pedido c o resultadjp de
    actos que denunciam grandes attentadoa^ que
    denunciam abusos das autoridades superiores,
    daquelles que devem ser os primeiros em velar na
    manutenerlo da ordem publica e no respeito as
    Os fados que eu vou expr nesta casa sao como
    que sabidos de todos, mas o veo que oceulta os seus
    autores deve ser levantado; sejS elle levantado por
    mim neste recinto, para que niais tarde se possa
    dizer quaes foram os criminosos que attentaran
    contra a ordem publica, que prejudicaram o di-
    reito que est consagrado pela-carta constitucio-
    nal do estado e defenido pelo cdigo criminal.
    Senhorcs, eu preciso afastar-me um pouco
    desses factos para dizer quaes foram os seus auto-
    res, quaes foram os perturbadores.
    E" certo, todos nos sabemos que as nuvens que
    se forraam no oriente desta provincia cbcgan muito
    carregadas para os homens do sul; certo que os
    homens que servem obra do dispotismo querem
    que no sul se diga que Pernambuco osla abatido,
    que Pernambuco est'vencido; a agitacao que
    principiou na cidade doRecife por causa da ava-
    so dos padres jesutas fez tremer a gente que
    quer que esta trra seja sempre pacillca, pacifica,
    nao exereendo o cidadao seus direito, porm paci-
    fica dormlndo o soinno dos cscravos. _S assim,
    deviam os esperar que a manifestaeao de 20 de
    abril fosse desvanecida, que o espirito publico fosse
    desviado para eammho diverso, que, finalmente,
    quando l na corte se dissessehouve urna agta-
    cio na provincia de Pernambucotodos dissessem
    tambem o partido dominante l est poderosissimo,
    essa agitacao nada inflnio, o partido vencedor teve
    forca paratudo suffocar.Foi por isso que tendo
    S. Exc. Rvuia. ordenado ao clero que compare-
    eesse no convento de S. Francisco para exercicios
    espirtuaes a que S. Ignacio de Loyola deu a forma
    e tendo, nao sci qtiem malignamente chamado a
    attencao do povo para essa igreja no dia em que
    I vian principiar cssos exercicios, cu, que lesta-
    va, vi agentes de policia gritando bem alto, muito
    altoo povo se policia a si mesmo.O tenente-co-
    ronel coinmandanie do corpo de polica, pareceu-me
    nesse da o agente da policia de um paiz lvre,
    goste muito de v-lo e ouv-lo dizer, que o povo
    i'i>rn-co
    1 'TTf
    os nomens laraaau
    os homens fardados tinham desapparecido para
    vultar desfajados, porque entenda que o Dr.
    ehefu de policia, acbando-se naqnelle lugar e
    alternando para o espirito publieo, exaltado como
    eslava, nao deva querer que o povo se policiasse
    por si mesmo naquella occasio, porque so os
    Jesutas sao perigosos e convem p-los fra de
    ernambuco, ao chefe de polica da provincia
    cumpria manter-sc em attitude de poder dizer ao
    povo -.abri urna ala bem larga para dexar passar
    inclumes os jesutas.(Apoiados).
    Mas aconteceu assim ? Nao. Um padre de nome
    Sabbatne apre entand o--o imprudentemente nesse
    lugar, foi aggredido |ior alguns dos exaltados, foi
    levado quasi que de cnvolta na onda popular al
    o palacio do governo ; arrancaram-lhe una chapa
    ou cinta que elle trazia. Ne sa occasio, no mo-
    mento em que esse desacato se coninieltia para
    com um sacerdote, ouvi o tenente-coronel coin-
    mandante do corpo de polica dizer, que o povo se
    uoliciava por si mesmo I O chefe de policia tudo
    isso autorisava com sua presenca talvez, por nao
    se achar preparado para oppr. Eu nao sei quaes
    eram os agitadores n'aquelle momento, nao sei
    mesmo qual era o partido que afinal devia tornar-
    se jesuta, qual o que afinal deveria ser o inimigo
    dos jesutas.
    Un Sn. Deputado :era nisso ha questao poli-
    tica.
    O Sr. Amaral e Mello : Na occasio pare-
    ceu-me que todos os partidos eram contra os je-
    suKas.
    Mas tarde o Rvm. prelado diocesano sahio do
    convento e l foi tambem na onda at ao palacio
    do presidente da provincia; o povo verdade que
    otratou com respeito, mas vio-se muito ligado a
    homens que nao trajavain vestes sacerdotaes. Eu
    uo acbei bom aqu lo, causou-me o quer que seja,
    tve mesmo pezar de ver o que vi. Entretanto,
    verdade que o povo dada vivas a S. Exc. Rvma. e
    fras aos jesutas.
    Em palacio, S. Exc, como mn :tro do Scnhor,
    dirigi aos exaltadas palavras de mansido e de
    paz, e o povo continuou a bradar : Viva o Sr. his-
    po, fra os jesuitis.
    Depois disso, eu ouvi urna voz, conheci mesmo
    de quem, ouvi um homom dizer: preciso fallar
    ao povo, desva-lo daqui; est acabado isto por
    hoje, uo temos mas que fazer. Ento ouvi pedir
    ao Sr. Dr. Antonio Borgcs da Fonceca, redactor
    do Tribuno, para dizer ao povo que se fosse etn-
    bora, e o redactor do Tribuno confiando na sua
    populandade nesta trra, tomou umOos degrus
    do cruzeiro e disse ao povo que se disparaasse, que
    se retirasse, que a questao do da cstara termina-
    da, porem que no outro da devia esta* all.
    Eu nao esperava que no da 21 houvesse neces-
    l.ule de ir all em favor ou contra os padres je-
    sutas, porque suppuz sempre que S. Exc. suspen-
    Jesse o exercicio para o fina d evitar desorden,
    como na verdade aconteceu. A tarde l compa-
    rec como carioso, l achei povo remudo as 6 ho-
    ras, e ouvi dizer que urna reuniao popular navia
    sido convocada para o dia 2o, para o domingo
    tarde no Campo das Prncezas, em frente do pala-
    cio do governo. V-se que a escolha do local ti-
    nha sido para inspirar ao Sr. vice-presidente con-
    tianca, ou para garantr-lhe a convieco le que
    nao havia deseio de tazer desordem, de que tudo
    era paz. quo so isso se quera ; at um impresso
    convidando para a reuniao dizia que o fim da reu-
    niao era cscolher urna commissao que represen-
    tasse ao presidente da provincia, e aos poderes
    competentes, aflu de botar-se os dezeseis jesutas,
    que j esto aqu como donos da Ierra, para fra,
    e evitar que nos chegue o tal empresiimo de jesui-
    ws, que se foi levantar na Europa, de cenfb e
    untos ou duzentos que ah vein para o convento
    os carmelita.
    i* que isso estava rasoavel, entend como
    tanto rt1l~v.ia malicia "essa gente; entre-
    soffreu cem a ari*matac>v .-omioissio de or-
    camento -provir.
    de Bu res e Silva, pe-
    cuanta de l'OlOOO, que he
    luvinciai, e que nao receben
    pir toT o ows fine os. coramisso
    de ore
    Outra do guardiab do conven o de Santo Anto-
    nio desta cidade, pedlndo |"v''er^cja_ para a ex-
    tracSo da toterfa coucedi ti &, raes.
    mo conventoA itsma oommis^fc.
    Outra do bacliard Mona de .Ubuquerque Mel-
    lo, pedindo previlegio para e assentainento de tii-
    llios de ferro desta cidade, para a da 01 inda, se-
    guiodo peta estrada do Santo Anaro.A commis-
    sao de obras publicas.
    Outra de Candido Emilio Pero ira Lobo, aponta-
    dor da estrada de P il'AUo, jieilindo pagamento
    de seus venciiuentos alrazadus. commissao de
    ordenados.
    Outra de Joao
    Uo Dr. Bnales, pedi-lheque 1.
    ^Hp chava horneas ue llzeram o 30
    ^eapazes de f?zer o 13 du abril. Elle, poietn.
    resisti e l foi; fui com etle, fui tanraem ver. E
    o que vi no Campo a Prncezas? Vi m focto
    que, sem duvida neoi urna, devo ter eseaadalsado,
    e tem a populacao desta cidade, vi um fado que
    eu nao quero que corra por conta do partido con-
    servador, porque eu faco distinecao dos conserva-
    dures-e doscapangas que representaram esse'mo
    papel; quero fazer essa distinecao para honra des-
    se partido que esta no poder com |ao mas pessas
    na prdWnea.
    Mas eu vi isto :Uraa porcao de capantas ar-
    mados reuma-se tomando a direecao de palacio, vi
    o chefe de policia Francisco de Para Leaos, esse
    mesmo hornera que, tinha sido liberal na provincia
    do Ceara, que ah noutou o partido liberal, de
    aceordo com os interesses do partido progressista.
    junto com o Sr. Dr. Jus Bento da Cunt* c Fi-
    gueiwdo Jnior, oxer sendo elle o cargo do chefe Outra de Joao da Cunta Moreira Alves, conli-
    e polica, e este o de presidente da provincia, vi nuo da repartcao da nstruccao publica pedindo
    essenomem tomar a directo de palacio e M certa augmento d* seus veneiineiiiosr- commrseao de
    renados.
    Outra do bacharel Horacio Walfrido Pergnno
    da Silva, olllcial da seceo do onteuciosi) da the-
    souraria provincial, pedindo augmento de seus
    vencimentos.A commissao de rrdenados.
    Outra de Flavio Ferreira Catao, |8i|i|o rjm h-
    te no preco, porque arrematou as barreiras do
    Casanga e Passagom da Magdalena.A-commis-
    sao de pecoes.
    Sao lulos e approvados os seguinte jprew-
    res :
    A commissao de i nstruccao publica, exan-
    nandoe adiando de latebra justija a pretencode
    diversos moi'adores da fregueza de S. Pedro Mar-
    tyr do Oloda, quo pedeni a nstaoraeao da ca-
    deira de nstruccao primaria para o sexo femni-
    no na inesma Iregueeia ; nada tem que deferir,
    pos que, pelo prajecto n. 15 deste anno, se pro-
    pe a restaurocao' pedida.
    Sala da cmmissoes, 29 de abril de 1869.
    Cicero Pere-jr/iio.F. Tavor*.
    A commissao de eslatistiea, para da*seu pa-
    recer sobre a peticao do Ljjiren^o Bezerra de Si-
    queira Cavalcanti, conscnbT do engenho Cachoei-
    ra, pertencente, parte ao termo e freguesa da Es-
    cada, o na outra parte ao termo de Se'rinhaem, o
    qual solicita desta assemblS a deCretacab de uma
    le, que faca pertencer ao terme e fregueza da
    Escada, os terrenos de eu engenho, collocados a
    gente tomar tambera para" l, feserant-me:a
    gente que acola vai tem de fazer dissolver a reu-
    niao, e tomando aquella direecao, a'avallara que
    esta montada no quartel em frente a palacio e a
    infamara de promptido, tendo o corpo de polica
    parte desfarcada e parte em armas no quartel, ac-
    commettero se houver resistencia da parte do
    povo.
    Nesse mesmo dia, os padres jesutas deixaram
    os collegios em que ensinam nesta cidade e sani-
    ram n'um mnibus, que passo eheio de frades
    frente da mraha casa era direecao a Olinda.
    Entretanto, eu anda estav longe de suppor
    que teria de ver o quo vi e de lr o que se tem
    lido nesses jornaes inaores da provincia, que
    mas ou menos cumprinieutam a quem est no
    poder.
    Pronunciava o redactor do Tribuno palavras de
    ordem, diza elle (eu ouvi bem estas palavras) :
    ao povo cabe o dimita de reunir-se para tratar
    dos seus'negocios ; confundo as autoridades...
    Um nao apuiado parti do ponto em que se acha-
    va o Dr. chefe js policia. Achei isto rssoavel :
    nada de conlianca as autoridades da poca.
    Eu vi bem que esse grupo se aproximava ; o
    povo correu para o lugar em que estava o redac-
    tor do Tribuno, e nada fez. Depois rctirou-se es-
    sa turba para o lado deftacio, e logo era segui-
    da, um hornera chega dizendo aqui est esta pro-
    clamacao que vem do palacio da presidencia, to-
    me-a quasi no ultimo degro da escada.Essa
    proelamaco, senhores, tem partes que nos dzem
    respeito.
    Un Sn. Deputado :Choviam proclamacoes.
    O Sn. Amaiial e Mello :Sim, senhor, choviam
    proclamac,oes do palacio do vice-presidente Por-
    lella.
    Eu lerei a parte dessa proelamaco que obriga-
    rae a apresentar o requerimento.
    (Le) Vede os Estados-Unidos esse paiz onde a
    hbeadade e urna verdade explendidamente brilhan-
    te. Ali todos os homens so respectados i/uaes-
    quer que sejam suas nacionalidades, seu proced-
    ment, intelligencia e civismo sao as quididades
    que pesam a batanea do seu jutgamento publico.
    Mas ali felizmente para os Americanos o povo
    nao presta ouvidos a desabusados revoltosos, a
    venenosas terpentes que se envolvem na capa da
    liberdade I Ali as apupadas do povo $So a elo-
    quente resposta que obtem os Bornes da Fonsera,
    os Silveiras Lobos e lodos quantos procuram des-
    viar a opiniao publica do verdadeiro caminho do
    progresso e da civitisacao. Mais adianto est o
    que nos offende e assim :
    Olhai "para a assembla provincial. Ali a
    maiora reprova projecto da exclusao dos jesu-
    tas e irmaas de caridad,-, no en tanto, cidadaos,ella
    acompanha os exaltados polticos as suas man-
    fes taces.
    <(, Porquo o faz ?
    E' bem fcil a resposta. Fa-Io porque nao tem
    a precisa digndade para em nome da Tei, para
    em nome da eivilisacao e do progresso repellir um
    attentado contra as llberdades publicas.
    Senhores, esse insulto que corre impresso na
    provincia de Pernambuco contra os seus repre-
    sentantes, nao digo que fosse escripto pela mao
    do. vice-presidente o Sr. Manoel Portella, porm,
    foi destribuida no palacio da presidencia justifi-
    cando o procodimento que estava calculado e foi
    levado a effeito pelas duas autoridades superiores
    da provincia I I I
    Senhofw, este facto o que revella ? Revella da
    parte da autordade o ter descido limito no ther-
    f$ntaoos:jim'> "......'"' -Jtmc '' -K>""o-^
    Senhores, o direito de reunir-se os r.mauaos na
    praea publica nos merece attencao, elle est con-
    signado na nossa carta constitucional, e se por
    ventura nos nao tivermos um recurso para fazer
    chamar o presidente da provincia e o chefe de
    policia ao cumprimenlo de seu9 deveres, para
    inargem direta do rio Sibir, os quae sao d seguintes proclamas :
    termo e fregueza de Serinhaem' ; necessita que,
    sobreest negocio, seja ouvido ofixtn. prelado
    diocesano.
    Sala das commss6"es, 2o de abril de 1869.
    Kjaminonilaa BarrosM. Anwrim. i
    Sao lides e mandados impri ntr os seguintes
    projectos :
    A assembla legislativa provincial de Per-
    uanibuco, resolve :
    Art. l. 8 presidente da proviwla mandar
    colleccionar as obras do Ilustre finado Fr. Joa-
    quim do Amor Divino Caneco, seu processo ante
    a commissao militar, sua defeza cora uma intro-
    dueco biographica do mesmo lirado e far publi-
    car a custa dos cofres iirovinciaes.
    Art. 2. O presidente da provincia contratar
    ambos estes trabalhos com quem melhores vanta-
    gens lizer, podendo dispender cem tudo at tres
    eolitos de ris.S. R.
    Paco da assembla, 29 de abril de 1869.(I.
    Drttmmond.C. Perejrino.L. Machado. G. da
    Siltm F. Tavora. Amaral e Mello. Soares
    Brando.Samuel Pontual.Arminio Tacares.
    C. Moura.Felisbino.
    A assembla legislativa provincial de Pernam-
    buco, resolve i
    Art. I." FVa creada na povoacao denomina-
    da Alliancala comarca de Nazareth, urna ea-
    dera de nstruccao primaria para o sexo femi-
    niuo.
    Art. 2. Ficam revogadas as dlsposicSes em
    contraro.
    Sala das commissoos, 29 de abril do 1869.
    E. Couttnho. b
    L-se e apoado o seguinte requerimento :
    Requeiro que se paca presidencia da pro-
    vincia, copia do olncio dirigido niesma presidencia pelo juiz municipal
    da Victoria.S. R.G. Brummond.
    (Cominuar-se-ha.)
    REVISTA DIARIA.
    AteBMBJjSA PROVINCIAL.-Honteth nao func-
    liiAn ooe falla da uiduiu om.;.- *. > .
    tauos.
    que nao representem o papel de chefes de capan
    gas, se nao temos o poder de corrgi-lo9 por esse
    crime, seja, ao menos, o nosso procedimento ac-
    tual uma manifestaeao que diga ao povo de Per-
    nambuco :o ultimo posto que oceupado pelos
    defensores das liberdades publicas, tem sentinel-
    las que velam, que bradam sempre alto contra o
    escndalo, contra a enrrupcao, contra os crimes
    das autoridades que nao sabem cumprir os seus
    deveres,
    Vozes :Muito bem, muito bem.
    E' I ido e apoado o seguinte requerimento :
    Requeiro que se peca ao vice-presidente da
    provincia raformacao nobre o seguinte :
    1. Se o Dr. chefe de noticia, de aceordo com
    as disposicoes do codito criminal, declarou Ilcita
    a reuniao popular, que teve lugar na tarde de 25
    do corrente, no Pateo das Princezas. i.' se nao
    tendo declarado illicita essa reuniao, e acbando-
    se no lugar, empregou me03 para evitar a de-
    sordem provocada por alguns individuos. 3. se,
    nao tendo empregado esses meios, j poude saber
    quaes eram os perturbadores. 4." se exacto ter,
    o prior da Ordem Terceira do.Carmo, pedido ao
    governo para mandar desalojar o 1. corpo da
    guarda nacional, de urn dos lados do convento defxeira
    yossa Senhora do Carmo, desta cidade, para o
    lira de Serem preparadas acommodacoes para os
    je mitas emigrados da Hespanha.
    Paco da assembla legislativa jrovincial de
    Pernambuco, 27 de abril de l8Gm~Amaral e
    Mello.
    Proeedc-se chamada, e venficando-se nao ha-
    ver numero, fica a dscuso adiada.
    O Sa. Presidente designa a ordem do dia e le-
    vanta a sessao.
    SESSAO ORDINARIA EM 29 DE aBLIL
    PRESIDENCIA DO SR. AUGUSTO LBAO.
    - ~ ..~.,u hhuiviu uuoaa tiiii i.litio-
    nfcn ?etram-rae logo em palacio, houve uma
    di HL^Presidente, Dr. chefe de polica, e
    roa drtU^Tsc,ahore8> 1ne s^6 fal'ar 'in"
    resoWrqnf,au ,ora,n Pr1'ie ^ preciso j e
    corte n^razz\Xtcimt-0P* mandar Para '
    l,H notieia de que o p
    todo recurso par abafa
    m ja tinha sido desS
    artido conser-
    rar uraa grande
    desviada pelo propno
    vador tinha
    revoluco que
    convite para a reuniao
    tretto' &SS^sssS:s:
    avisados para dar um xo"-.^^?^
    va. fazer o papel de catanga e valono P?tS
    lir
    Nao quiz acrediur nisto, nem ainda acredito
    que o vice-presidonte livesse aunuido aMM
    Entretanto, eu, oue tenno rti&tfe qm
    Ao mcio-dia, feta a chamada, acham-se presen-
    tes os Srs. Goncalves da Silva, Tiburtino Nogueira,
    Ifcrgulhao, Arnujo Reltrao, Epaminondas de Bar-
    ros, Tavora, Felisbino, Arminio Tavares, Amaral o
    Mello, Pina, Cicero, Miguel Amorim, Gaspar Drum-
    mond, Andr Cavalcanti, Ayres Gama, Hisbello,
    Amynthas, Augusto I^ao, Emygdio Marques, Sa-
    muel Pontual, Soares Brando', Ermiro Coutinho,
    Lopes Machado e Silva Ramos.
    Abre-se a sessao, e, ldas, sao approvadas -as ac-
    tas das anteriores.
    O Sr. 1 secretario da conta do seguinte
    expediente.
    Um ofilcio do secretario do "governo. remetiendo
    a informacao ministrada pelo Dr. chefe do policia,
    sobre o espancamento que soffrera Manoel Candi-
    do de Miranda, no termo do Barrciros A quem
    fez a requisieao.
    Outro do mesmo, remetiendo a informacao mi-4
    nistrada pela thesouraria provincial, acerca da
    verba porque sao pagns os vencimentos dos no-
    vo profossores da escola normabi*8Sim como do
    crdito suppleraentar, aborto, peli^residencia pa-
    ra occorrer a semelhante pagameatoA quem fez
    a requisieao.
    Outro do mesmo, transmitlindo a informacao
    dada pelo Dr. chefe de polica, acerca do espan-
    camento que soffrera o professor jubilado Jos
    Francisco de Souza.A quem fez a requi9icao.
    Ontro do mesmp, remetiendo nformacoes ddas
    pelo Dr. chefe de polica, relativamente a prisao
    que soflreram, o eapitao Galdino Alves Barbosa e
    qa filhq, na fregueza de Capoeiras.A quem fez
    a requisieao.
    Outro do msmo, enviando a Informacao dada
    pelo commandante, do corpo do policia, relativa-
    mente ao flamero de praets que tem aquello cor-
    po e em que se cham ellas empregadas.A quem
    fez a requisieao.
    Outro do msmo, reiriettendo a informacao dada
    polo Dr. chefo'fle policia, com relacao ao exame
    sobre falsirtcacad atlruudas ao subdelegado de
    Iguarass, Jos Joaquim garbosa.A quera fez a
    requisieao.
    Orna petico de Praajcisco Geraldo Moreira Tem-
    poral, priraeiro escripturario da thesouraria
    provincial, pedindo miis um anno ue leonca
    para tratar de sua saile.A commissao de peti-
    edes.
    Outra do Joao Hyppollto do Meira Lima, ex-ar
    remataiM* de diversos pto da Mtndi.?icto-
    t indwalsaca,. pelo prfeto^ue
    MACHINAS EGYPCIAS PARA DESCAROCAR
    ALGODAO.Rcalisou-so hontem uma experiencia
    do trabadlo e producto d'estas michinas, no trapi-
    che do Sr. Belarmino do Reg Barros, e em pre-
    senta do Exm. Sr. presidento da provincia e en-
    Sheiros Dr. Manoel Buarque de Macedo, Pedro
    balho tchoa Cavalcanti e Manoel de Barros
    Brrelo ; os quaes mostraram-se muito satisfeitos
    cora a facilidade do trabalho: addiando para
    outra sessao a coniparacao do systema Lock-jaw
    com o de serrote.
    Aguardamos o resultado d'osta coraparacao
    para Ihe darmos publicidade.
    Entretanto chamamos a attencao de nossos lei-
    tores para o annuncio que vai transcripto no lugar
    competente.
    NAVIO ARRIBADO.Por falta de vveres e
    aguada, arribou hontem ao nossa porto, tundean-
    do no lamaro, a barca italiana Elceria, de 310
    toneladas, capita Geo Bath Barajhino. pertencente
    praca de Genova, e d'ahi procedente com 42 dias
    de viagem. A seu bordo acham-se 218 colonos ita-
    lianos, a raaior Darte dos quaes artistas e agricul-
    tores, com destino Montevideo e Buenos-Ayres,
    para onde devem seguir apenas o navio tomar
    mantmentos.
    MLIIEH UUEIUADAEslmdo houteni a crou-
    la Candida cozinhando no sotao da casa terrea n.
    13 da ra do Imperador, na qual existe uma co-
    de carros de aluguel, tendo sobre o fogo
    uma garrafa de kerosene, incendiou-se este com o
    calor o fez exploso, e seu tamo quemou as
    roupas de que estava ella vestida.
    Vendse ella cercada de chammas, desceu a
    escada em gritos, sendo-lhe as roupas arrancadas
    do corpo pelas pessoa3 que acuiiram, e ficando-
    Ihe a raaior parte do corpo cheia de chagas. O Sr.
    Dr. Prxedes Pitanga, que acudi, prescreveu
    tratamento a seguir.
    ARCADI4PERNAMBUCANA. Haver sessao
    quinta l'eira 13 do corrente, ao meio dia. elei-
    g.\0 PARA REDACAO DA REVISTA.
    TBILHOS URBANOS DE APIPUCOS. Voltando
    no domingo pela madrugada, do iheatro do Poco
    da Panella, as familias que contavam parlfr era
    continente para o Recfe, tiverarn de esperar no
    Caldeireiro, urna hora quasi, que se reunissem os
    wagoes necessarios, o que foi feito com muita mo-
    rosidado, com grave incomraodo das senhoras ex-
    posla3 ao tempo, pelo pouco cuidado que houve
    da parte da companha qm calcular pelo numero
    de passes destribuidoso dos wagoes indKpensa-
    veis. Chamamos a attencao de quera compete
    para semelhanies abusos umitas vezes repetidos.
    BONITO. Desia, villa nos es;revem em 1 do
    corrente:
    No dia 27 do passado aqui chegou o Rvm.
    Sr. arcipreste vigano Trajano de Figueircbo Lima,
    de-tribnindo o santo sacramento Jo chrisma a
    1,532 pessoas. No fim do acto, no ultimo dia, su-
    biram ao ar militas gyrandolas de foguetes, par-
    tindo o Rvm. Sr. arciprerte en seguida, sendo
    acompanhado at grande distanS. pelos vgarios
    desta fregueza e da de Caruar, do commandante
    superior da guarda nacional e das autoridades po
    liciaee. Deixou-nos penhorados por suas manei-
    ras aft'aveis e attenciosas.
    CARUARU.Escrevem-nos desta villa em 38
    do passado :
    o Principiou a primeira sessao perodic^
    jury desta cidade no dia li e findou no dia 17 do
    corrente, tendo sido submettidos a julgamenlo
    quatro reos. D'estes foram absolvido 3 por ferl-
    menlos, e conderanado 1 por crime de morte, em
    li annos de prisao. O praidente do tribunal, Dr.
    xBuarque, appellou de uma das absolvieses, por
    ferimentos graves.
    Aqui cauou geralmente m impressao uma
    correspondencia quo acaba de ser publicada no
    Liberal n. 5i, relativa ao delegado de policia deste
    termo, eapitao Antonio Victor. Esta autordade, se
    nao Taz favores aos inimigos politices, tambera os
    nao tem bostilisado, o por isto Sem conceituada.
    Continu ella a obrar como o tem to at hoje, e
    sertpre gosar das sympathias dos hoiCtens hooe-
    (lcar cgo, de maneira que nem podo proeij
    alimento: J se contara, pelos nossos can
    rauitas rezes em semelhante estado.
    No dia 18, aqu chegou o Rvm. Sr. vigario
    Trajanfcde Bezerros,^a qualidade do visitador do
    centro Testa provincia.' O Rvm. Sr. vigario Freir,
    desta frepezia, foi ao-aeu encontr, acompanhado
    de 6Wravalleiros das pessoas mas gradas desta
    cidade. Aquelle visitador adiuiuistrou o santo
    chrsn i 2,551 pessoas, pela ordem iieguinto: no
    da ItVa 130, no da 20 a 864, no dia 11 a 689, no
    dia 22 431. e no dia (3 pela inanliia a 137, se-
    gurado i tarde para a fregaezia de S. Caetano da
    Raposa, acompanhado de mais de 30 cava lleiros.
    S. ilwraa. ppla llianeza e virtudes de que dota-
    do, agradou summamente aos moradores desta
    cidade. De certo, o vigario Trajano digno de to-
    da a aboa, e feliz da religiao, se todos os seus
    niinisttfi com elle se parecesaem, 011 oom sep col-
    lega, o vigario Freir, que aqui gosa de geral acei-
    ta^o.
    O jEPISCOi'ABO BRASItEIRO. No ortigo quej
    com esto titulo publicamos nos ultimes nmeros
    d'este 'Diario deram-se alguns orros typographicos,
    que nos apressamos a corrgr.
    No flinrid de 4 do corrente, pagina 8,*, columna
    fc', linhas 84, em lugar decollocada sob os mu-
    roi.de Jerusalem, lea-so collocada sobre os mu-
    ros deTerusalera. Na mesma pagina, columna 6*,
    linhas 11, em lugar deso Ihe falta o poder, lea-
    se s Ihe alte o poder. Na niesma columna, li-
    nhas 53, em lugar de nao tem mando alumnos,
    lei a-so nao tem mandado alnmnos.
    No Diario de o do corrente, pagina 8.', cotumna
    1.*, lnuas 83, era lugar de era praticar, era me
    passon pelo pensaraento praliquei, leia-se, nem
    praque nena me passou pelo pensaraento prati-
    car. Na niesma pagina, columna 3.', ua penlti-
    ma linha em lugar deaprender afespeitar as
    leis da igreja, leia-se aprender a respeitar as leis
    do seu paiz, e applica-las aos preceitos da moral e
    as leis da igreja. ^
    LEILO.Conforme se acha annunciado no lu-
    ;ar competente deve hojo ter lugar o leilo de
    ivros, imi cofre e um carro cora cavallo, por in-
    termedio do agente Pinto.
    LOTEJIIA.A que se ada venda a 103', a
    beneficio da matriz de Pao d'Alho, que corre no
    du 13.
    PROCLAMAS.Foram lidos na matriz da fregue-
    za de Santo Antonio no dia 9 do corrente mez os
    Ilireito* de entn 1551
    no segando > aro* u
    terceiro > 2004
    quarto .... 200*.
    1 quinto .... V>* .
    Dr
    Ter despendido no Um de cinco
    annos a qunntia de.... ...... *MIM
    Irado creado para cadafilho um capital para o fu-
    turo, que conforme a idade dos segurados ser de
    33:0001 a iT'.OOO* o uma ronda vitalicia do 100|
    annuaes.
    Admittem-se contratos de maiores e menores
    annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaos
    ao producto dos seguintes factores : o valor da
    eontribulcao, o risco de morte do segurado
    e a duracao do coutrato f>rt. 38 do regulamento). Anc. 1 llnin Qra ttiIpaj
    Para oleetuar as formalidades dos contracto* 1UC ilJ tt?, Oi [1W(11G08
    dirigr-se-hao ra do Livraraento n. 19, a tratar
    com o Sr. N. F. de Vidal, encarregado pelo Banco
    i'uraJe hypothecario fn Rio do Janeiro, que pre-
    sememente acha-se em commissao nesta provincia.
    1.* denunoiacao.
    Jos Francisco deFigueired'o, com Margarida de
    Allcmao Cjsnciro.
    JolD Hagpaino Lus, com Francisca Ferreira de
    Barros Canrpello.
    Joaquim Doraingues da Costa, com Anna Ferrei-
    ra de Barros Campe I lo.
    Faustinano Jos Francisco de Paula, com Vicen-
    ca Leopoldina Lima.
    2." denunciacao.
    Mauricio Jos dos Santos Bibeiro, com Jesuina
    Augusta de Oliveira.
    Autonio Dias de Almeda Costa, com Gertrudes
    Feliciana da Fonseca.
    Francisco de Paula Carneiro Leo Jnior, cora
    Antonia Caetana de Assis Farias.
    Antonio Henrique Rodrigues, com Anna Anglica
    dos Santos,
    3." denunciacao.
    Silvino Baptista Ferreira Chaves da Silva, com
    Joaquina Ignacia Mathildc.
    Odorco Augusto Lumachi de Mello, com Catha-
    ria Leopoldina Tavares de Miranda.
    Gregorio Alves Motta, com Florencia Maria da
    Incarnaco.
    Laurenlino Jos da Silva Santos, com Amelia
    Cavaleante de Albuqucrque.
    Pedro Raymundo Nonato, com Luiza Eugenia
    Moreira de Carvalho.
    Jos Custodio dos Santos, cora Marianna Ferrei-
    ra da Paixao.
    Jos4 Francisco do Reg Mello, cora Hilariha Julta
    LolUeres.
    PASSAGEIROS. Saludos para os portos do
    norte no vapor Tocantins:
    Victor Mantoni, Joaquim Rodrigues Varella,
    Joao Pedro H. Correa de Miranda, Francisco Se-
    tardo, Prospero Setardo, Amaro G. C. Cesar, Vic-
    torina Francisca do Nascimenlo, Francisco Jos
    R. Chaves, Antonio Thomaz Correa da Silva e 1
    criado, Joao Fernandes Braga, Antonio Guerra,
    Joao Canella de Mello Vasconeelios, Francisco
    Lucas flt Souza Rangel, Dr. Francisco Alves de
    Souza Carvalho e i criado, Jos dos Santos Neves,
    os criminosos Jos Gomos Pereira o Miguel Mara
    panha, Gustavo Lisflasmo Furudo de Mendonca,
    Trilhos Urbanos para
    Jaboato.
    Lista dos subscriptores de ac-
    edes para a foruiaco de uma
    compaubia.
    w acedes
    J.iao da Cunha Wanderley. .T. 100 20:000^000
    Vicente de P. Oliveira V. Boas 50
    Ferreira & Mathens........f, 50
    Thomaz de Aquino Fonceca e
    Fhos.................... 50
    Jio Fernandes Lpez........
    Henrique Gibson.............
    Dr. Miguel de Figuera Fara...
    Jos Antonio de Oliveira Senna...
    AiUuuio Jos Coimbra Guimaies.
    -Manoel Jos da Cu ba Porto. ..
    Dr. Manoel de.Figueira Faria...
    francisco Antonio de Asss Gees
    Antonio Augusto dos Santos Purto
    Manoel Jos Jantas.......+-. \n
    Dr. Fra neiseo de Paula Salles.... 10
    Tertuliano Scipio da Fonceca...
    Dr. Manoel do Nueimento Macha-
    do Portdb...................
    Dr. Joaquim Correa de Arujo..'.
    " Pedro Barbalho Uch4* Caval-
    504000
    18 150*000
    a 50100
    504OOO
    : 80.3009
    15 I50000
    5 50J00O
    150*00
    10 lOOOOO
    10 100*000
    5 50*000
    5 60*000
    r-
    canti...
    503000
    eao
    publico em geral.
    Acaba de prover-se a botica da ra da Impera-
    iz n. 77, de um completo, sortimento de medca-
    lo
    Bento "Magalhaes............. 10
    10
    15
    iriuui
    to M
    triz ,,. //, ue um cnmpieiQ sortimento de medica-
    mentos, productos chmicos, pharmaceuticos tin-
    tas e todos os artgos concerneutes a e-tabeleci-
    mentos dessa ordem. v
    No intuito de serem satisfeitos quaesquer pedi-
    dos ou receitas, os preprielaros do mesmo esta-
    belocimenlo, ante de receberem as facturas que
    esperara de Pars, Lisboa, Inglaterra-, Hamburgo,
    etc., resolveram sorti-lo, comprando medicamen-
    tos as importantes pharmacias dos Srs. P Mau-
    rer & C, Bartholomeu & C, Joaquim Martinho da
    Cruz Correa, Manoel Alves Barloa, oo da Con-
    1 (,.e'^. Bravo & C. e droguislas Jlo da Silva Fa-
    10:0004000 Sendo, portanto. evidentes os esfcrcos emprega-
    dos pelos pToprfetarios do referido estbelcciuien-
    to para saiisfactoriamente despacharem os pedidos
    e recatas que Ihw fdrtmi' endTcadOs, esperara
    que o respeitavel publico Ibes prestem siu valo-
    Demetro Acacio de Araujo B.
    Anierico Nunes Corroa......
    Dr. Claudiuo de A. uimares.
    Francisco Goncalves Netlo___
    J. F. S. Porto..'..............
    Augusto Frederico dos S. Porto
    Jos Alexandre Ribolro.......
    Dr. Estevao Cavalcanti de A..
    Antonio Jos da Cosa e Silva..
    Luiz Jos da Costa e Silva
    Jos Alves da Silva Guimares
    Jos Joaquim Lima Bairo___
    Joaquim Jos da Costa e Silva.
    Antonio Cosario Moreira Dias..
    Jos Antonio Moreira Dias.....
    Jos .4ntonio da Silva Jnior..
    Antonio Kantista Nogueira....
    Keulo dos Santos Ramos......
    Antonio, Augusto dos S. Porto..
    3....P...
    10
    5
    5
    5
    10
    5
    5
    10
    5
    5
    10
    10
    10
    5
    10
    5
    10
    5
    5
    10
    5
    5
    5
    25
    5
    5
    5
    5
    50
    50
    10
    10
    20
    5
    50
    50
    50
    no brigue portuguez Fio-
    Azcvedo Neves e Jos do
    J. M. Studarl.
    Vindos de Lisboa
    rinda:
    Antonio Zeferino de
    Porto.
    CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia 5 do
    eorrente.
    Anna Carneiro Rodrigues Campello, Pernambu-
    co, 24 annos, cazada, S. Antonio; febre adyna-
    mica.
    Demetrio, Pernambuco, 30 dias, S. Antonio;
    convulcoes.
    Rodopiano, Pernambuco, 2 dias, Boa Vista; con-
    vulcoes.
    Raquel, Pernambuco, 6 annos, S. Antonio, con-
    gesto cerebral.
    Lydia, 2 annos, Pernambuco, S. Antonio ; diar-
    rha.
    Dympha, Pernambuco, 11 mezes, S. Jos; den-
    ti$o.
    Secundno Ayres Velloso de Mello, Pernambuco,
    41 airaos, casado, Boa Vista ; pthysica.
    Antonio Liberato, frica, 00 annos, Boa Vista;
    herysipela.
    Chnstino, Pernambuco, 5 annos, Boa Vista;
    denticao.
    Jos, Pernambuco, 3 mezes. Boa Vista; diar-
    rha.
    Amonio Maria Francisco do Rosario, Pernam-
    buco, 32 annos, solteio, Recite; pneumona.
    8
    Lourenco do Espirito Santo, Macei, 3i annos,
    casado, S. Antonio ; ferimento.
    Heoriqueta Maria de Mello Siquera, Pernam-
    buco, 60 annos, viuva Boa Vista ; milite chronico.
    Franklin Benjamim Pereira de Carvalho, Per-
    nambuco, 34. aunaos, solteiro, S. Antonio; pthysic
    pulmonar. m
    Amelia, Pernambuco, 5 annos, S. Jos ; asthma.
    Jos, Peruambuco, 2 annos e meio, S. Jos; es-
    pasmo.
    9
    Nicolao Fernandes de S, Pernambuco, 57 annos,
    vjuvo, Boa Vista; entente chronico.
    Pedro Gomes de Souto, Pernambuco, 21 annos,
    solteiro, Recite; tubrculo pulmonar.
    Manoel, Pernambuco, 2 mezes, Boa Vista ; diar-
    rha.
    Jos Fernandes Lima
    Francisco Fernandes Duarte...
    Antonio Jos C. Guimares....
    Joo Evangelista de S.......
    Antonio Moreira de Mondonga.
    Jos da Costa Bispo..........
    Paulo Jos Gomes............
    Dr. Symphronio Cesar Coutinho
    Domingos Texeira Bastos.....
    Jos Antonio do S Leito___
    Bernardno Corroa de R. Reg
    Manoel de Abreu Macedo.....
    Manoel Joaquim Baptista......
    Tibnrcio Valeltano Baptista...
    Modesto do Reg Baptista.....
    Justino J. de Souza Lampos...
    Jos Moreira Lopes..........
    Antonio J. P. de Carvalho.....
    Dr. Francisco do R. B.Barreto.
    Barao da Soledade...........
    Francisco Ferreira Borgcs....
    Conselheiro Jos Bento da Cu-
    nha Figueredo............
    Dr. Jo's Bento da Cunha Fi-
    gueredo Jnior...........
    Antonia Pinto de Barros......
    Manoel de Souza Tavares.....
    Parisio Belarmino de Moraes P.
    Tenente-coronel Francisco C.
    M. Ros Jnior............
    Manoel do Souza Leo........
    Jernimo de Souza Leo......
    Jovino Coelho da'Slva.......
    Joao G. da Cunha Soares.....
    Jo oJoaquira da C. Leite.....
    Dr. Ignacio J. de Souza Leo..
    Alfredo Jos A. Guimares
    a Manoel de Mosquita Barros W.
    u. ..^k KMr Je nano "W.. .
    Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
    buquerque Ucha.........
    Joao F. Cavaleante de Albu-
    querque..................
    Commendador Antonio de Sou-
    za Leo..................
    Joo Manoel de Mesquita Bar-
    ros Wanderley............
    Adolpho Wanderley Lins.....
    Vicente Mendos Wanderley...
    Coronel Antonio G, Leal_____
    Francisco Manoel de Souza e
    Oliveira.................. 15
    10:000*000
    4:000*000
    2:000*000
    2:000*000
    2:000*000
    3:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    2:0003000
    1:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    2:0003000
    2:0003000
    1:000*000
    2:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    2.000*000
    1:000*000
    1:000*00/)
    1:000*000
    5:000*000
    1:000 *0O(>
    1:000*00.
    1:000*000
    1:000*000
    10:000*000
    10:000*000
    2:000-5000
    2: 0*000
    4:000*000
    4:000*000
    10:000*000
    10:000*000
    10:000*000
    sa coadjuvacJo, pelo que estaro promptns a qual-
    quer hora do da e noute a preslareca os seus ser-
    viros.
    Boa Vista, 3 de maio de 1869.
    C. Calo d C.
    COMMERCIO.
    10 2:0003000
    &
    5
    10
    5
    5
    5
    5
    25
    5
    10
    25
    9S
    50
    25
    2
    250
    10
    5
    5
    5
    1:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    1:000*000
    1:600*000
    5:000*000
    1:000*000
    2:000*000
    5:000000
    J-nnnsnno
    10:000*000
    5:000*000
    1:000*000
    400*000
    50:000*000
    2:0005000
    1:0005000
    1:000*000
    1:000*000
    3:000*000
    5:000*000
    1:000*000
    4:000*000
    PUBLICACOES A PEDIDO.
    Protectora das fami-
    lias.
    Esta associacao caminha as vas de prosperi-
    dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
    grandiosas.
    c oa i v Contratos Capital
    Em 30 de junho de)
    1868 tinha regis-i 3936------5,868:675*970
    trado.............J
    Durante o semestre de J
    ,,30 de junho a 31 de } 1406------2,173:425*920
    dezemhro t(H868.. )
    Estado dessa asocia-}
    5a0 era 31 do dezem- \ 5342------8,042:101 *890
    oro de 1868........)
    ) capital dessa associacao illimittado e con-
    verte-se era apolices da divida publica nacional de
    6 %. Nao se pode dar melhor garanta. So na
    hipouae* de quebrar o Brasil e que essa associa-
    cao pode soffrer; uma especie demonte po de
    grande utildade para as familias.
    Para conseguir com ,toda seuranca o maior e
    mais instante desidertum da vida do hornera, que
    crear para o tuturo um capital certo o uma ren-
    da inralbvel para si, seus fllhos e familias, bastar
    azer um calculo (cada qual conforme seus pro-
    praos haveres) de que pode dispr durante o pe-
    riodo do cinco annos ; sgnalada que seja a quan-
    tia era esta dividida em duas classes de contratos,
    Dr. Francisco E. do R. Dantas 25
    Dr. Jos Honorio Bezerra de-
    Menezes.................. 5
    Laurentino J. do Miranda..... 20
    Dr. Manoel do Nascimento Ma-
    chado Portella............. 5 1:000*000
    Joaquim Salvador Pessoa de Si-
    queira Cavalcanti.......... 25 5:000*000
    Dr. Joo J. Pinto Jnior....... 5 1:000*000
    Jos"Franeisco P. S. Jnior. 5 1:000*000
    Dr. Luiz Salazar Moscoso da
    Veiga Pessoa.............. 5 1:000*000
    Jos Cosario de Mello........ 5 1:000*O00
    Dr. Antonio Joaquim Buarque
    Nazareth................. 5 1:000*000
    D. Mana Amelia de Gusmo
    Lira.................... 10 2:000*000
    Major Francisco de Gouva e Souza 40 8:000*
    Dr. Antonio VenanaioCavalcanto
    Albuquerque.................
    Ernesto Arcelino do Barros Franco
    Francisco Manoel Wanderley Lins
    Major Joao BaptistaPaes Brrelo..
    Dr. Felippe de Souza Leo.......
    Jos Joaquim de S Barreto......
    Ignacio Jos da Silva............
    Antonio Pereira da Cmara Lima
    Francisco de Paula de Albuquer-
    que Lima....................
    Jos Pedro Carneiro de Albuquer-
    que ........................
    Manoel Theodoro Mendes Lins___
    Antonio Columbano Seraphico de
    Assis Carvalho...............
    Jos Francisco de Albuquerque
    Maranho.................... 2 400*
    Dr. Miguel Fclppo de Souza Leo. 25 5:000*
    Tenente-coronel Joaquim Maximi-
    no Pereira Vanna............ 50 10:000*
    Jos Rulino Barbosa da Silva..... 25 5-OOO
    Dr. Manoel Gentil da Costa Alves. 25 5:000*
    Albino Jos da Silva............ 25 5:000*
    Jos Caelano de Albuquerque___ 25 5:000*
    Candido Alfonso Moreira......... 25 5:000*
    Adriano Augusto de Almeida Jordo 2:000*000
    Manoel Jos Dantas............... 2:000*000
    PRAgA DO RECIPE 8 DE MAIO,
    DE 1869.
    AS 3 1/2 HOBAS BA TARDE.
    Assucar bruto americano 3*200 por arroba
    (sahbado).
    Algodo da Parahyba 1 serte18*000 por arroba
    posto bordo a frete de 5/8 e 5 OJO (sabbado)
    Algodo de Macei 1' sorte 18*400 por arro-
    ba oosto a bordo, a frete de 1/2 e 5 0/0 (sab-
    bado).
    Cambios sobre Londres 90 d/v 18 5/8 d or
    1*000 (sabbado). ^
    Dito sobre dito90 d/v 18 5/8 d. e 18 3/i d. por
    i uuu.
    Cambio sobre Portugalpagavel em Londres a 90
    d/v 18 3|4 d. por 1*000.
    P. J. Silveira
    Presidente.
    Leal Seve
    Secretario.
    CASADECAMBIO
    Teodoro Simn & C.
    Comprara e vendem por corita propria
    melaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
    letras de cambio, sedulas do governo e do
    qanco do Brasil.
    Descontara letras da tena e outros ttu-
    los coramorciaes.
    Encarregam-se por conta alheia das mes-
    mas transaeces, da cobranca de letras da
    trra e de outros ttulos commerciaes.
    Recebem quaesquer quantias em deposi-
    to, em conta corrente, e a prazo fixo.
    adargo do Corpo Santo n. 21.
    ENGLISH BANK
    O Rio de Janeiro Limited
    Descorita lettras da prar,a tasa a con-
    vencionar.
    Recebe dinheiro em corita corrente e a
    prazo fixo.
    Saca vista ou praso sobre as cidades
    principaes da Europa, tem agencias na Ba-
    ha, Buenbs-Ayres, Montevideo, New-York
    e New-Orieans, e imitte cartas de crebito,
    para os mesmos lugares.
    Largo do Pelourinho n. 7
    Banco Mau & C.
    Uuu do Conmcreio n. 34.
    Desconta letras commereiaes a taxa convencio-
    nal.
    Recebe dinheiro a prendo por letras e era roma
    corrente.
    Confere crditos e saca Obre as principaes pra-
    cas do imperio, Ro da Prita e Europa, e compra
    cambiaes sobre as mesmas pracas.
    Encarrega-se por commissao de compra e ven-
    da de fundos pblicos e accSes de companhias, da
    cobranca de letras e dividendos, ou de seu paga-
    mento, e de qualquer outra operacao bancaria.
    ALFANDEGA.
    Rendimento do da 1 a 8 .
    dem do dia 10.....
    5
    10
    5
    10
    25
    2
    1
    10
    1:000*
    2:000*
    1:000*
    2:000*
    5:000*
    400*
    2:000*
    fcOOO*
    400*
    400*
    400*
    260:384J8I5
    49:958*802
    310:343*617
    MOVIMENTO DA ALFANDEGA
    Volumes entrados
    dem idem
    cora fazendas
    com gneros
    Vblumes sabidos cora fazendas
    dem dem com gneros
    13
    384
    ~151
    416
    331
    567
    D-.'icarregam boje II de maio
    Parca inglezaSeraphmamercadorias.
    Patacho norte-allemaoAvancefarinha de trigo.
    Patacho inglezMarijbacalno.
    Patacho inglezG/wcuidem.
    Lugar inglezAune IF/iifoH=pedra e carvo.
    Sumaca hespanhola=Poro//tMrimao.
    Escuna portuguezaOliveiralagoo.
    m tana chamadontrato de capital e outro de renda
    Bstes dous seguros deverao satis*aier-e em cinco
    ios, quaesquer que sejam suas opinioes polticas : annuidades consecutivas, e depois' de passado os
    suum cuique tnbuere. 1 cinco annos o conribuinte lcarTlivro doonus dos
    " i. tu03. p|r9efc a secc3> endo j so ?&- paganientos das annuidades subsoquenles.
    Estas duas classes combinadas produzem resul-
    dido as plantajes feitas era fe/ereiro passaol1-
    as teiras estao abundantes de leames, mas se o
    anno for estril ou de pouca prodt.ccao, cotnp pa-
    rece, multo teremos que soffrer pela grande
    anuencia de sertanejoa que todos os era procura de manUmoabs. Tambem tem appa-
    recldo uma Mva molestia de gadii Taccnro, q2e
    /ados maravilhosos para o futuro.
    a or exomplo, um pai que quiaor formar para o
    futuro' am capital e uma renda vitalicia para oada
    um do skis tillaos, conseguir esto aportante flm
    despewtondo para cada um deiies a qtaftotia de
    I:lWj, que se pagam da seguinte frnia ;
    Joao do Castro Guimares......... 1:000*000
    Francisco Goncalves Netto......... 4:000*000
    Albino Jos Ferreira da Cunha..... 2:0001000
    Bento de Barros Feij-----"......... 5 000*000
    Antonio Augusto Ferreira Lima..... 2:000*000
    einardinoda Silva Costa Campos.. 1:000*000
    Andr da Abreu Porto............. 2:000*000
    Dr Manoel Thomaz de Bittoncoort
    Corte Real..................... 1:000*000
    Bernardo de Siqueira Castro Monteiro 2:000*000
    Thomaz Fernandes da Cunha...... :e00*000
    Jos Lucio Monteiro da Fonseca Filho 1:000*000
    Dr. Manoel de Figuera Faria..... 1:000*000
    Alexandre dos Santos Barros....... 1:000*000
    Manoel da Cunha Wanderley Lins.. 5:000*080
    Miguel Joao da Costa.............. 1:000*000
    Bernardino Jos da Silva Maia...... 5:000*000
    Antonio de Souza Guerra.......... 1:000*000
    Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:000*000
    Antonio Jos da Cunha............ 1:000*000
    Luiz Manoel Rodrigues Valenca.... 1:000|000
    Manoel Podro Noronha............ 1:080*000
    Francisco do Reg Baptista........ 3:000*000
    Trilhos urbanos para
    Olinda Beberibe
    Accionistas que entraran con 8 por cento no dia
    10 de maio.
    D Francelna Egidia da Silveira.. 5
    Joao Baptista Fernandes...
    Dr. Francisco Goocaires de Ma-
    raes......... "^ .
    Fernando Steple da 8.'lva'.'. *.'.
    Bernardino da Wa Dos.......
    Tri^Freiml\rm......... 5
    Acedes
    50*000
    20*000
    50*000
    T.VBEUjA dos prboos dos cuneros sjeitos a di-
    reito DB EXPORTACO. SEMANA DK 10 DE MAIO
    A 15 DO MESMO MEZ DB 1869.
    Mercadoras: Unidades.
    Abanos........ cont
    Alcool ou espirito de aguarden-
    te ........ caada
    Agurdente cachaca. ....
    dem de carina......
    dem genebra.......
    dem restilada ou do reino
    Algodo em caroco .._... arroba
    dem em rama ou em la. .
    Angico ( toros )...... duzia
    Arroz com casca...... arroba
    dem descascado ou pilado .
    Assucar branco ...... >
    dem mascavado...... >
    dem refinado....... >
    Azete de amendoira ou araen-
    dobim. ^...... caada
    dem de edeo....... ,
    dem de mamona...... ,
    Batatas alimenticias. .... arroba
    Bauni'h ...... libra
    Bolacha ordinaria, propria para
    embarque........ arroba
    Ara fina......... ,
    Caf bom ?.....\ ',
    dem escolha ou restolho
    dem torrado....... libra
    Caibros......... um
    Cal preta ........ arroba
    Cal branca........
    Carne secca ( xarquo)....
    Carneiros......-. um
    Carvao vegetal...... arroba
    Cavernas de sicupira .... uma
    Cera amarella....... arroba
    dem de carnauba em briato. libra
    dem dem em vellas.....
    Cevado (porco )....., mn
    Cha .......... libra
    Charutos........ cento
    Cocos soceos .......
    Coln.......... libra
    Couroa do bol, salgados ...
    Mem Hm soceos espichados.
    Valores.
    2*500
    900
    440
    laooo
    880
    800
    4*137
    16*550
    60*000
    1*000
    2*600
    4*700
    3*250
    6*400
    2*500
    1*800
    1*400
    1*500
    |*300
    3*000
    7*000
    7*000
    6*500
    440
    360
    400
    !0
    3*80
    4*000
    1*000
    3*300
    6*500
    200
    350
    20*000
    2*000
    3*000
    4*000
    660
    250
    290

    .


    Diario de PernambucV? Terqa feira 11
    de Maio
    (Te JS69.
    \demrdem verdes.....
    dem de e tita mn
    dem de onca ....
    . .
    dem em golea ou
    dem em calda <
    Ensarnes........um
    E apaadores grndes.....
    dem pequeos
    Esleirs jara forro, ou estiva do
    navio.........cento
    dem de carnauba.....ama
    Estopa nacional......arroba
    170
    i i
    15000
    000
    gtiezia.
    vi-ta.
    no c- la igreja matriz da Boa-|
    lodos,
    los nos Iui
    Farinha de mandioca
    dem de. aramia......
    Feijao de qualquer qualidade .
    Frechaes .....'. .
    Fumo em folha bom. ~ -
    dem em folha, ordinario ou res-
    tolho.........
    dem em rulo, bom.
    Fumo e;n rolo, ordinario ou rcs-
    tolh o \ ......
    Galinhas........
    < mima de mandioca.....
    Ipeeacaanha ( raz \.....
    Ada i r.meoeiras) .
    Leahaont adas......
    dem de mangue em toros.
    Liabas c esieos......um
    Mel ou melara......caada
    Milho..........arroba
    Ossoa....., .
    Pallia de carnauba.....molho
    isjooo
    160
    alqueiro 34000
    maio de 1869.
    ado nesta eidade
    8 de
    francisco Miranda leal Seve,
    Tmente-coronel commandanle.
    arroba

    un
    arroba
    una
    arroba
    >
    duzia
    ente
    u m
    quintal
    um
    arroba
    urna
    Papagaios.......
    Pao Brasil........
    dem de jangada. t.....
    Pechar]). .......
    Podras de. amolar.
    dea de filtrar.......
    dem d>- rebollo
    Pennas de ema.
    dassava.........
    Puntas ou chifres de vaccas e
    novilhos........
    Pranchoes de amarello de dous
    costados.....
    dem de bur. .
    Rape.......
    Sabio..........
    Sal.........,
    Salsaparrlllia.......arroba
    libra
    niolho
    cento
    um
    >
    libra
    1
    alqeuire
    par
    arroba
    nm
    duzia

    arroba
    quintal
    nina '
    cento
    cento.
    um
    caada
    103000
    4 000
    iOOO
    1JOO0
    9 000
    lOOOO
    8 000
    1000
    25500
    25JO0O
    951060
    3O00
    12*00
    6000
    200
    i |ooo
    2i0
    14000
    5000
    (54000
    54000
    000
    900
    800
    14000
    SSO0
    160
    25800
    204000
    105000
    15000
    160
    400
    305000
    800
    55000
    75000
    34500
    1924000
    904000
    34000
    25000
    64000
    380
    105000
    85OOO
    63400
    800
    Sapatos de couro branco
    Sebo em rama .
    dem em vellas.. '
    Sola cm vaqueta .
    Taboas de amarello
    dem diversas. .
    Tapiocas.....
    Tatajuba ....
    Travs.....
    Fuas de boi. .
    Yassouras de piassava ....
    dem do timbo......
    dem de carnauba..... *
    Vinagre.........caada
    ADrr AMENTO.
    Cigarros.........
    Costadinho de vinhatico de mais
    de nina pollcgada.....
    Dito do outra qualquer madeira
    de una pollegada.....
    Cerveja em botija ou garrafa .
    Mel de abelhas......
    Taboas de vinhatico at urna
    pollegada........
    Dito de outra qualquer madeira
    at una pollegada.....
    Era ud supra.
    Alfandega de Pernambuco, 8 de maio de 1869.
    O 1. conferente, Manoel Peregrino da Sdca.
    O 2.- conferente, Jos Baptisla de Catiro e silva
    Approv. Alfandega de Pernambuco, 8 de
    maio de 1869.Pas de Andrade.
    Goofnrme.Joaauim Tertuliano de Meileiros.
    RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
    KAES DE PERNAMBUCO.
    Rendimento do dia 1 a 8 12:8725102
    dem do dia 10...... 2:831 679
    Caetano Cyriaco da Costa Morara, capito
    commandante interino do 1. batalho
    do infantaria da guarda nacional da frc-
    guezia de Santo Antonio do Recife, em
    virtude da lei, etc. etc.
    Fago saber a quem nteressar possa que
    em virtude das disposices do decreto n.
    1130 de 12 de marco de 1853, se reunir
    no consistorio da igre>a matriz daquella fre-
    guezia s 9 horas da manha do dia 16 do
    corren le o conselho.de qualilicacao da guar-
    da nacional (Testa freguezia, alim de se
    proceder ;i revisita e qualificaco de eonfor-
    midade com o referido decreto n. 722 de
    25 de novembro de IH.'iu.
    E para que chegue ao conhecimento dos
    interessados faro o presente que sera" pu-
    blicado pela iinprcnsa.
    Recife 8 de maio de 4869.
    Caetano Cyriaco capioto co nmandanle interino.
    ecio'do AquinoVonseca, eavalheiro da imperial
    ordem da Rosa, ten en te-coronel commandante
    do 1 batallan de artillarla da guawla nacional
    c presidente do cnsolho de qualificago da pa-
    rochia de S. Fr. Pedro Goncalves. etc.
    lac.i saber que no dia 16 do correle se reti-
    ir n consistorio da igreja matriz do S. Fr. Pe-
    dro Goncalves o conselho de qualificaco de revi-
    sao da guarda nacional da mesma parochia ern
    virtude do di>p >sto no art. 9o do decreto 1130 de
    12 de marco de 1853.
    E para que chegue ao conhecimento dos inte-
    ressados, mandei passar o presente edital, que
    ser publicado pela imprensa c aflixado nos luga-
    res do costana. ....
    Quartel do commando do Io batalho de arbitra-
    ria da guarda nacional do Recife 7 de maio de
    1869.
    Conselho de compras do arsenal
    de guerra.
    0 conselho de c id do guerra
    precisa comprar o sefl^^B
    6 espadas.
    6 pistolas.
    2 baudiras pequedRte flele.
    1 dita branca de dito com 2 vara* 3/4 de com-
    primento e 3/4 de largura.
    1 dita azul dito dito dito.
    1 dita encarnada dito dito dito.
    1 galhardete de dito com 2 1(2 varis de compri-
    mento.
    1 dito encarnado dito dito dito.
    42 davinas a Mini.
    50 pistolas a Mini.
    2 tesn ras para torar cavallos.
    4 sellins.
    1 ccringa de metal.
    AS pessoas que quizerem vender ditos artigo,
    apresentem suas propostas cm cana fechada, na
    sala do conselho, as 11 horas do dia 14 do cor-
    rente.
    Sala do conselho de compras (o arsenal de
    guerra de Pernambuco 8 de maio de 1869.
    Jos da Silva Guitnares,
    Presider te.
    Jos Baptista de Castro Silva,
    Secretario. .
    Ser rumprido fielmente o regulamento policial.
    e participa-se
    crevam a sua assi.211.rnfa
    linalisou a 5 du niai
    ,-iianeui renovar os c
    niiigueui poder entrar a^^H
    Oat
    Luiz Alvi
    ib*-
    ni
    ir,
    reia L
    PARA. O PORTO
    Deve feguir dentro *m poucos dias a barcapor-
    togn. ja ter prompta quasi toda a carga : para o resto,
    que Ihe falta e passageiros, aos quaes oiferece n-
    excellentcs commodos, Irata-se com Baltar,
    Oliveira & C, ra do Vifario n. 1, primeiro
    andar.
    AVISOS MARTIMOS.
    320
    164000
    125000
    15600
    15-280
    Man..el Gomes do S, capito commandante do 6"
    batalho de infantaria da guarda nacional do
    municipio do Recife por S. M. Imperial, a quem
    Dos guarde etc., etc.
    Faro constar aes interessados que no na Ib,
    (3- domnga do corrente mez) se reunir o conse-
    lho de revisao. da qualificaco annual da guarda
    nacional desta parochia, na conformidade da le e
    scus regulanientos, na igreja matriz de N. S. da
    Paz dos Afogados
    Quartel do commando interino do 6" batalho
    de infantaria da guarda nacional do municipio do
    Recife 7 de maio de 1809.
    Manoel Gomos de Sa,
    Commandante interino.
    una 125000
    84000
    DECLARACOES.
    15:703*781
    CONSULADO
    Rendimento do dia 1 a 8
    dem do dia 10. .
    PROVINCIAL
    27:1504001
    10:3705094
    37:5204158
    MOVIMENTO DO PORTO.
    Navto sahid no dia 9.
    BarcelonaBrigue hespanbol Compolicann, capi-
    to Isidoro Mult, carga algodo.
    Navio entrados no da 10.
    Genova42 dias, barca italiana Elvezia, de 310
    toneladas, capitn Joao B. Barochino, equipagem
    17, carga varios gneros ; ao mesmo capito.
    Traz 218 passageiros : veio refrescar e segu
    para Buenos-Avies.
    Bahia8 dias, patacho hespanhol Invencible, de
    231 tonelada?, capito F. Maristany, equipagem
    10, em lastro ; a Maury Romaguera Hijo & C.
    Aracaty pelo Ass13 dias, hiate brasileiro Ma-
    ra Amelia, de 65 toneladas, capito Francisco
    T. de Assis, carga differentes gneros ; a P-
    rente Vianna 4 (L
    Montevideo30 dio, patacho brasileiro Valente,
    de 263 toneladas, capito F. Pereira Costa, equi-
    pagem 10, carga 8,800 quintaes hespanhes de
    carne : a Marques Barros.
    Lisboa33 dias, brigue portuguez Flor inda, de
    237 toneladas, capito Antonio da Sdveira Rosa,
    equipagem 12, carga varios gneros ; a Amorim
    Irmo.
    Xarios sabidos no mesmo dia.
    New-YorkPatacho inglez Acera, capito 0. L.
    Feuer, carga assuear.
    Rio da PrataPolaca hespanhbla Dois Magdale-
    nas, capijo F. Rodrigues, carga assuear.
    Ilha de FernandoVapor brasileiro Munda, com-
    mandante Azevedo, carga varios gneros.
    Observacdo.
    Suspenden do lamarao jiara Londres a galera
    ingleza
    carga que
    [. e R. consolato d'Austria,
    NFTIrICAZIONE D'LNDULTO.
    Sua Maestlmp. e Reale Apostlica con
    sovrana risoluzione 19 Gennajo a. c, in
    seguito a petizione delibrala dalla dietta
    istriana nella seduta del 3 setembre 1868,
    si graziosissimamente degnata di accor-
    dare ai coscrilli dell'lstria, i quali si resero
    refrattraru alie leve militan degli anni an-
    lecedenti sino 1807 inclusivamente, il con-
    dono delle conseguenze legali in cui in-
    corsero per tale renitenza alia leva, salva
    pero l'obbligo loro incombenle al servizio
    millitare.
    Inoltre TAltefatta Maest Sua si degnata
    di accordare il favore a tutti i refrattaru,
    appartenenti alia popolazione martima
    estendendo tale favori ai coscritli dell'intiera
    provincia del litorale austroillirico i quali
    si trovano in tale condiz'wneebe, qualora
    rilornino in patria e adempiano al loro
    obbligo di coscrizione, potranno far valere
    i titoli d'esenzione eventualmente conseguiti
    per cangiate circostanze di famiglia secondo
    le disposizioni delta legge suU*armamento
    ora in vigore, nel mentre pero gli altri sa
    ranno arruclati soltanto nell'imperiale ma-
    rina da guerra.
    Ci i porta a pubblica notizia in seguito
    a dispaccio 5 Febbrajo a. c. n. 1033 del di-
    rigente I'I e R. Luogotenenze del litorale
    Austro Illirico.
    L'Ie R. consolato d'Austria in Pernam-
    buco, 8 de maggio de 18tS9.
    L*I e R. consol, bar5o do Livramento.
    TMATRO
    DE
    S. ISABEL.
    EMPREZA DRAMTICA
    DE
    Quarta -feira 12 de maio de 1869.
    !. reprcsen'aco da linda comedia em 3 actos
    de Bogarde c Varner
    0 PASSARO AZUL
    Personagens. Adores.
    Arthur, baro de Yv'alprag D. Julia.
    Jobson........I. Victorino.
    Thorncleff, canteiro .... Martinho.
    Grotesburv.......Jofdani.
    Rebeca, lilba de Jobem D. Clea.
    Lucia, sua prima.....D. Carolina.
    Babie Torneliff.....". D. Apoloma.
    Routolf, camponez.....Guimara.a.
    Erie .....Santa Rosa.
    Caniponezes. A secna passa-se -;m um castello
    na Escocia em 1810.
    Segue-se a segunda representacao da comedia
    brasileira em un acto, coniposi^an do Illm. Sr.
    Tristao de Alencar Araripe Jnior, estudante do
    5o anno da Faculdade do Recite
    Ninguem more por cima de
    estudantes.
    D fim ao espectculo alinda comedia brasileira
    em 1 acto
    lu sabio como ha poneos
    Comecar as 8 horas.
    C03IPA1IA "BRASILEIRA
    DE
    Paquetes a vapor.
    Dosportos do sal -esperado
    at odia 21 do corrente o vapor
    Cruzeiro do Sul, commandante
    Alcoforado, o qual depois da de-
    mora do costiune seguir para os
    do norte.
    Desde j recebem-se passageiros e enjaja-se a
    carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
    ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
    das e dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
    horas.
    Nao se recebem como cncommendas senao ob-
    jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
    arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
    ludo que passar destes limites dever ser embar-
    cado como carga.
    Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
    gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. o".
    1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
    Azevedo A C.
    COMPANIIIA PERNAMBUCANA
    DI
    tfavega^ao costelra por vapor.
    Macei\ escalas, I'enedo e A'acaj.
    O vapsr Potengi, commandante
    Pereira, seguir para os portos cima
    no dia 13 de maio as 5 horas da tar-
    de. Recebe carga at o dia 14, cncommendas,
    passageiros e dinheiro a frete at as i horas
    da tarde do dia da sabida no escriptorio dgF-i-
    te do Mattos n. 12.
    NA
    Ama deleite.
    Preeisa-se na ra da Imperatriz n. 34, 2 aa-
    dar.paft-sebem
    Attenc?lo
    Precisa-se ahigar um escravo : na padaria da
    ra da Praia n. 47. Na nfesma pr nma para cozinbar, paga-seren.______________
    Pdese ao Sr. ftV i-vista que em
    desempenho do sen dever lance as suasjMas
    para o escndalo insupportavel de se fazer despejo
    tudas as tardes, quasi aoescureeer, na ra % Au-
    rora, entre a pontezmha e a de Santa Isabel.
    Julio Fuerstenberg vail"Kuro|ia.__________
    PITO
    Para o indicado porto pretende sabir em pou-
    cos dias a veleira e bem conhecida barca Social'
    capito Rocha, por ter a maior parte do scu car-
    regamento prompto, c para o resto que ihe falta
    e passageiros, para os quaes tcm bons commodos,
    irata-se com o censignatoiio Jnaquim Jos Gon-
    calves Beltro, roa do Trapiche n. 17.
    Pretende seguir com muita bnvidade para este
    porto o palbabote portuguez Elephante. por tt a
    maior parte da carga engajada ; e para o resto
    que Ihe falta trata-so com o consignatario Joa-
    quim Jos Goncalves Beltro, ra do Commercio
    "' PARA LISBOA
    O patacho portuguez Mara Barbara, capito
    Francisco dos Santos Cunlia, pretende seguir para
    o inuirado porto com a maior brevidade possivel;
    recebe carga e passageiros : a tratar com os con-
    signatarios Marques, Barros & C, no largo do
    Corno Santo n. 6, 2 andar, ou cora o capito no
    pavimento terreo. _______________________
    De, ordem da mesa r.feor.. da coolraria do
    Senhor Bom Jess das Dores em S. Gonzalo, con-
    vido aos senhores abaiA tlecdarados virem en-
    tro do prazo de l'i dias, copiar desta data, sans-
    ftior a importancia de suas patentes, sob pena de
    ficarcm sem elfeito : Mana Candida Perpetua Dou-
    rado, Clara Candida de Jess Cmsseiro, Manoel
    Pol\ carpo Moreira de Azevedo, Benjamn Fernan-
    des da Silva, Joanna Valeria da Paz, Januana Ma-
    ra da Coneeicao, Marcelino dos Santos Pereira, Ig-
    nacia Maria da Conceieo, Luiz Jos de Pranca,
    Gcrmiro de Souza Malra, Jds Miguel Thomaz, Fe-
    liciano Ferreira das Chagas, Felippa Mana dos
    Prazeres, Joo Jos Tavares de Oliveira, Jos An-
    tonio Soares Rosas, Ataliba Cesar do EMiro-
    Santo, Luiza Maria, Caetana Mana Goncanes o
    Verissimo Marinho Leandro.
    Consistorio da mesma, 8 de maio de 1869.
    O ascrivo,
    Baphael Archanjo de Rosa Lima.
    Wa ra Direita n. 19 precisase fallar com o
    Sr. Manoel Jos Marques Bacallao, negocio de
    interesse.
    Rio de Janeiro
    Segu com hrevidado para o porto cima o bri-
    gue nacional Isabel, por ter parte do sea carrega-
    monto engajado para o resto que Ihe falta, Ira-
    ta-se com os consignatarios Antonio Luiz de O!i
    veira Azevedo 4 C, ra da Cruz n. 57, primeiro
    andar.
    Para o Rio de Janeiro
    pretende seguir para o dito porto, o mais breve
    que for possivel, o brigue brasileiro Santo Amaro;
    quem quizer carregar ou#dar escravos a frete.
    queira dirigir-se Marques, Barros & C, no lar-
    go do Corpo Santo n. 6, 2 andar. _________
    LEILOES.
    HILAD
    O administrador ta recebedoria de reudas
    internas geraes faz publico que nesto corrente mez
    e no de maio prximo futuro, visto estarem con-
    cluidos os lancamentos, e que os devedores do
    imposto pessoal, relativo ao exercicio corrente de
    1868 a 1859, residentes as freguezias do Recife,
    Santo Antonio, Affogados, Poco da Panella, Varsea,
    S. Lourenco da Matta, S. Amaro de JaboaUo, e
    Muribeca, teem de paga-lo, livre da multa do 6 0/0
    c com ella depo's do referido prazo.
    Recebedoria de Pernambuco 3 de Abril de 18o9.
    Manoel Canieirode Souza Lacerda.
    Pela recebedoria de rendas internas
    se faz publico que desde o dia 10
    geraes, .
    do corrente estao em execucao os regula-
    mentos 4354 e 4355 de 17 de abril ultimo,
    Empress, capito Reuis, com a mesma prjmei|.0 relatiVO ao sello e 0 segundo ao
    imposto datransmisso da propriedade.
    Recebedoria de Pernambuco 8 de maio de
    1869.
    O administrador
    Manoel Canteiro de Soaza Lacerda.
    EDITAES.
    Francisco de Miranda Leal Seve, offlcial da
    imperial ordem da Rosa, tenente-coronel
    commandante do 3o batalho de infanta-
    ria da guarda nacional do municipio do
    Recife, e presidente do conseibo de qua-
    liQcac5o da freguezia da Boa-vista, por
    S. M. Imperial e Constitucional, 4 quem
    Deus guarde, etc.
    Paco saber a quem inieressar possa, que, de
    conformidade com o disposto no art. Io, parte 2* do
    art. 9* do decreto o. 1,130, de 19 da marco da
    1853, e art. 8o das instruecSes de 23 de outubro
    de 1850 se tem do reunir na teweira dominga de
    maio o conselho de qualilicacao, para revisao c
    qualificaco da guarda nacional da referida fre-
    O inspector interino da alfandega faz
    publico, que do Io de jumo prximo futu-
    ro em diante, ter vigor o decreto n. 4343
    de 22 de marco do corrente anno, man-
    dando executar a nova tarifa das alfande-
    gas e suas disposicSes preliminares. E
    para que chegue ao conhecimento dos in-
    teressados, se manda publicar o presente.
    Alfandega do Pernambuco, 24 de abril
    de 18C9.
    O inspector interino,
    L. de C. Paes d Andrade.
    THEATRO
    Gymnasio Campestre
    ASSOCIACAO ARTSTICA
    4a recita de assignatura.
    QUARTA-FEIRA 12 DE MAIO DE 1860.
    BENEFICIO DO ARTISTA
    Honrado com a respeitavel presera do
    Exm. Sr. presidente da provincia.
    Depois de urna escolhida ouvertura, 0 beneficia-
    do recitar una linda poesa, dedicada ao illustra-
    do Corpo Acadmico do Recife, seguindo-se a re-
    presentacao da espirituosa e muito applaudida co-
    media em 3 actos ornada de msica e dansa, in-
    lfFRANCEZ EIHES-
    PANHA.
    Tama parte toda a compadbia.
    No 2o acto a Sr." D. Jesuina dansar c canta-
    r ao som de castanholas a chistosa
    1lt\OI,V
    .Nesse mesmo acto o Sr. De-Giovani dansar
    Depois da comedia o beneficiado cantar a aria
    Meu yy.
    Em seguida representar-se-ha a pedido, pela
    stima vea, a linda e frenticamente applaudida
    comedia em 1 acto, ornada de msica denominada
    A criada impagavel
    Tomam parte a Sra. D. Jesuina e os Srs. Pe-
    dro Augusto, Silva e De-Giovani.
    A msica desta comedia 6 composte pela Sra.
    D. Jesuina e a instrumentaeao pelo Sr. Colas
    Filho.
    Terminar o espectculo com a interessante e
    muito applaudida scena cmica
    O matuto aparua/hado.
    Executado pelo beneficiado.
    N B. Para maior comraodidade haver con-
    dcelo gratis em qualquer trem e a qualquer
    hora para as pessoas que se dignarem honrar
    este espectculo, assim como depois do mesmo
    dar-se-ha passagem gratis em trem especial, cujo
    tocar em todos os pontos do estylo.
    Os bilhetes acham-se na estacao dos trilitos ur-
    banos no Recife e no theatro.
    O espectculo principiar as 7 3fV.
    Da estacao dos trilhos urbanos partir as b l|z
    horas da tarde urna banda d msica, a qual to-
    car durante a viagem lindas pegas indo depois
    para o theatro.
    OALCACAR
    Ra nova de Santa Eita nu-
    mero 1.
    COMPAIHIA
    DAS
    Hessageries imperiales.
    Aleo dia 14 do corrente mez esppra-se da Eu-
    ropa o vapor francez Guienne, o qual depois da
    demora do costume seguir para Babia e Rio de
    Janeiro.
    Para frotes, condiooes e passagens, trata-se 11
    agencia ra do Commercio n. 9.________________
    Lisboa
    Segu com brevidade a barca portugueza Perei-
    ra Borges por ter parte de sua carga prompta :
    para o restante e passageiros trata-se com Olivei-
    ra, Filbos & C, largo do Corpo Santo n. 19.
    Para a Ilha de S. Miguel
    Segu em poucos dias a escuna portugueza
    Oliveira, para o resto da carga e passageiros tra-
    ta-se com Candido Alfonso Moreira na ra do
    Apollo n. 22._____________________________
    ILHA DES.MIGUEL
    O mutto conhecido patacho portuguez Jorgense,
    a chegar por estes poucos dias do Rio de Janeiro,
    sahir para o porto cima com muita brevidade,
    visto ter o scu carregamento quasi prompto, e
    para o resto que Ihe falta e passageiros, para os
    HMO n> Ml<"> o m-
    signatario Joo do Reg Lima, ra de Apollo nu-
    111 ero 4.____________________________.________
    COMPANHIA PERNAMBUCANA.
    DE
    XaTegaco costelra por rapor.
    Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
    caty, Cear, Acarac e Granja.
    ^-11 O vapor Pirapama, commandante
    JJtL Pereira, seguir para os portos cima
    an "i" "ia i:i do ,'"rr('nle as 5 noraf
    da tarde. Recebo carga at o dia 14, cncom-
    mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
    i horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
    do Forte do Mattos n. 12.
    De fazendas e armaedo de lo ja.
    A 11 do corrente.
    O agente Oliveira far leilo por mandado do
    Illm. Sr. Dr. juiz de direito da primeira vara do
    crime e substituto da do commercio desta eidade
    e a requerimento dos cura'ores ITscaes da mas-
    sa fallida de Guimares & Silva, da superior ar-
    macao de amarello envidra^ada com as fazendas
    bem sorlidas da luja de ditos fallidos^ita ra da
    Imperatriz n. 34:cujo inventario pode ser previa-
    mente examinado em mo do mesmo agente c o
    mais-com antecedencia assim exigindoos preten-
    demos :
    ME.
    ao meio dia em ponto, no lugar do estebelecimen-
    to da Ioja supramencionada, garantindo-se a pre-
    ferencia da chave ao arrematante.
    LEILAO
    De urna burra de ferro (cofre.)
    Hoje os 9 boras em ponto.
    Por intervencao do agente Pinto, na 'ra do
    Destino casa 11.3.
    COMPANHIA
    DOS
    TRILHOS URBANOS
    DO
    RECIFE A9 OM\A.
    Os abaixo assignados membros do con-
    selho de direccfio dos inscriptores de tri-
    lhos urbanos do Recife Olinda, convidara,
    aos Srs. accionistas da mesma companbia
    para reunir-se em assembla geral no dia
    18 do corrente as II horas da manhia, no
    salo do Club Pernambucano, afim de pro-
    ceder-se a eleico dos membros que
    tem de compr a directora nos termos do
    art. 19 dos respectivos estatutos; seguin-
    do-se na votaco a dsposic5o seguinte dos
    mesmos cstatudos:
    Art. 10.A ordem da votaco a se-
    guinte: De 5 25 acees tem voto por cada
    aeco. Aos accionistas porm de maior
    numero de acedes contar-se-ha um voto
    mais por cada 25 acedes at 10 votos que
    ser o mximo.
    Recife, 10 de maio de 1869.
    Jos Joaquim Antnnes.
    Presidente.
    Luiz Lopes Castello Bronco,
    Secretario.
    Amaro Joaquim Fonseca Albuquerque.
    Thesoureiro.
    LEILAO
    23 TIZEUZJi.
    Hoje 11 de maio.
    A. C. de Abren continuar o sen leilo por
    intervencao do agonte Pestaa, de um completo
    sortimento de fazendas inglezas e francezas : hoje
    H ffu LU I CHIC S 11 Uu.co J uuulftl cin pumo,
    em seu armazem ra da Cadeia. ________
    LEIUO
    HE IIVKOS
    Hoje ao meio dia,
    Por intervencao do agente Pinto, na ra do
    Destino caan.*4i.___________
    COMPANHIA BRASILEIRA
    DE
    Paquetes a vapor.
    Dos portos do norte esperado
    at o dia 11 lo corrt nte o vapor
    6'uar, commandante o primeiro
    tcnente P. H. Duarte, o qual de-
    pois da demora do costume se-
    gira para os portos do sul.
    Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
    carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
    ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
    das e dinheiro a frete at as duas horas do da da
    sua sahida. .
    Nao se recebem como encommendas senao 00-
    lectos de pequeo valor c que nao excedam a_ 2
    arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
    Tudo que passar destes limite? dever ser embar-
    cado como carga.
    Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
    gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
    l- andar, escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
    Azevedo & C.
    LEILAO
    De iim cabriolea americano de
    4 rodas e nm encllente ca-
    vallo.
    Hoje as 2 horas da tarde.
    A ra do Destino em frente a casa n. 41:_____
    LEILAO
    De urna armaco de louro, parte envidracada, gaz
    canteirosc bemfeitonas da Ioja do sobrado n. 1
    da ra do Mondego, esquina para a ra de S.
    Goncalo. .
    Quarta-feira, li do corrente.
    O agente Martins far leilo da armacao cima
    sem limites e garantindo-se a casa ao comprador,
    s 11 horas do dia, na mesma Ioja. .
    Sabbado c domingo, vespera
    lugar dous grandes bailes com
    dia do Divino
    Espirito Santo, ter logar ous grai
    mascaras e sem ellas ; entradas para cavalneiros
    23OOO, senboras pelos seus lindos olhos.
    Domingo, das 3 horas s 6 1|2. tera lugar o re-
    creio Cafe Conseno Commercial, rccebe-se anda
    assignantes de 1*00(1 por mez ira este diverti-
    mento da mocidade para os domingos de tarde.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Xavegaco costelra por vapor.
    Mamanguape.
    O vapor Coruripe, commandante Punna, seguir
    para o porto cima no dia 12 do crrente as 6
    hars da tarde. Recebe carga, encommendas, pas-
    sagens e dinheiro a frete at as 3 horas da tarde
    do dia da sahida, no escriptorio do Forte do Mattos
    n. 12. ____________
    Da-se dinheiro sobre ouro,
    prata e brilhantes, com pre-
    mio mdico: na travessa das
    Crnzesn. 2 1/ andar junto a
    esta typographia. ___
    O lente coronel Atxanonno nramns
    Correia Barros, morador no Peres.freguezia
    dos Afogados.faz publico para conhecimento
    das pessoas a quem possa interessar, que
    0 Sr. Caetano Jos Ribeiro e sua mulher
    nao podem vender os engenhos Anavais,
    e Sao.Joo ctos na comarca de Santo Anto,
    e nem tambem nenhum de seus escravos
    visto como partes destes bens esto hipo-
    tecados ao abaixo assignado para garanta
    de quantia superior a vinte contos de ris
    de que j esto sendo accionados.
    Peroambuco, 8 de maio de 1869.
    AlxandriHO Martins Correia Barros.
    1 Adverte-se ao Sror Caim que por sua hu-
    mamdade nao continu a seduzir os escravo
    I alheios, olhe que nao ser fcil imitar impunemen-
    te aos de Pindobinha e Arraial. Desde 30 do pr-
    ximo passado que se acha ausente o escravo Be-
    nedicto Sapucaia.o qual foi visto torcendoum cha-
    peo na escada da casa do Sror Caim, onde com
    certeza foi deudo oito dias, mas que, desconfiando
    de alguma pesquiza, o detm agora oceulto fora.
    Fique sabendo esse senhor de bem que o escravo
    de que se trata nao 6 a mobilia de um certo au-
    sente que sua merce mandn occultar para suh-
    trahi-la a certa massa, j agora tem de dar conta
    do dito escravo; nao se persuada que esta adver-
    tencia urna ameaca de mera suspeite sem fun-
    damento, nao ; o caso serio, como ver, quando
    for preciso leva-lo ao conhecimento do Sr. Dr.
    chefe de polica.
    AVISOS DIVERSOS.
    Para Lisboa
    Sabe impreterivelmente at o dia 16 do corren-
    te mez de maio o lugre portuguez Julio, para al-
    os con-
    guma cahja e passageiros tratase com
    signatarios Thomaz de Aquino Fonseca & C, ra
    do Tigario n. 19, 1 andar.
    INSTITHO MICIIEOLOGICO EGEOGR VPUICO
    PERNAMBUCANO.
    llavera sesso ordinaria quinta-feira 13
    do corrente maio, pelas 11 boras da ma-
    nlia.
    ORDEM DO 10 V
    mais trabalhos de commis-
    Quem perdeu urna pouca de roupa junto a
    fortaleza das Cinco Pontas dirija-se a Ra do Li-
    vramento n. 7 primeiro andar, dando os signaes
    cortos. ^_______________________________
    Na pharmacia da Ra do Imperador n. 38,
    precisa-se de um offlcial que tenha bastante pra-
    tica.
    Pareceres
    soes.
    Secretaria
    1869.
    do Instituto, 10 de mata de
    Jos Soares de Azevedo,
    Secretario perpetuo._____
    Ama de hite
    Precisa-'se de urna ama que tenha bom leite : a
    tratar na freguezia da Boa-Vista, becco do Quiabo
    numero 6.
    \1A
    Precisa-se alugar urna, escrava ou forra que
    saibaengommarecosinhar.e faca as compras, para
    casa do pequea familia : na ra do caes do Capi-
    baribe casa terrea, com grade de ferro na frente e
    porteo ao lado, tambem na mesma casa precisa-se
    alugar urna negrinha c nm moleque.____________
    Precisa-se de urna ama que sama cosinhar
    bem : na ra Nova n. 3i lerceiro andar.________

    Interesse
    No'pateo do Terco n. 31 precisa se de um mes-
    tre de msica.
    1MJA
    DO
    CABUG!
    esquina
    |da roa larga do
    Rosario.
    ANNEL DE
    AC
    EO
    DE
    Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual,
    e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender.
    A vista da qualidade e do preco das joias cada um pder-se-ha convencer fia venaos.
    CABIJGA
    Garante-se ser tudo de lei.
    vados.
    esquina
    da ra larga do
    Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario. p|
    ni
    A Ioja est aberta at s 9 horas da non te.
    v


    Diario de Pernambuco Ter<;a feir;d \\ Maio de 1869.
    HITE
    COPAimU- FEHHAHBDCAnA
    DE
    Off^rece-se una ama para enfommar e
    rnsiiihar, para casa deoomcm solteiro : quem
    prensar dirija-se a becco do PocinhanL2i._____
    Aop da vaeca na ru* dos Pires, sitodo gen-,
    (lili, as 6 horas da nianliao.
    Igreja de xrT dTlosr0 da
    Srcgaiczia fti Otoa-Vista
    Os abaixo assignados nomeados pelo Illm. Sr.
    I)r. prdyedor da*capellas para administraren! a
    referida iereia, e leudo de dar principio as obras
    da mesma igreja, e como de si s nao possam fa-
    zer, reeorri-m proteecao das almas piedosas e
    1)1*111 formadas, aiim de Ihes ajudarem na reedili-
    cacao da casa sagrada. A commissao conta que
    aofcwr este anpeilo generosidad,; dos liis, nao
    serio esteaindiJerenti dicado tal pedido.
    A reja estar aborta do da 10 por atante das
    i horas da manhaa s G da tarde. Acuellas pes-
    sc>as que quizerem coadjuva-los, poderao reuieiter
    :is suas esniol.is mesma ierreja ou na tyaographia
    deste Diario ao Illrn. Sr. Dr. Miguel de Figueiroa
    Faria, nosso digno protector.
    A commissao declara qnc a proporcao que for
    ivcebeudo qualquer esmola ir ligo agradecendo
    por este Diario, e ;i Nossa Excelsa Padroera nao
    sera indifferanie para aquellos que concorrerem
    para a tvediflrarao de sua igreja.
    Consistorio da igreja de N. S. do Rosario 3 de
    maio de 1869.
    Osario Aureliano Ventura.
    Jos Pedro de Sant'Anna.
    Andr Avolini da Costa.
    AMA
    Precisa-se alugar urna ama forra ou eserava, de
    milito bous tostumes, que saiba cotinhare engata*
    mar rom porfcie >, se agradar pgasSO bem ti-
    lijase a ra Bella n. 37, sobrado do lataan-
    dar*,
    1 O^SELIIO DE IHftECC/.tO
    Os Senhores.Saunders Brothers & C. Tasso
    Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
    canonviK
    0 SR. F. F. BORGFS
    Restando ainda emitr algumas acc?ies d'esta companliia, da quantia nominal de
    100;>000 cada urna, das quaes s se aceitam em virtude da le, 20 0/a, ou 40W00 por
    ada acc5o; convida-se peto presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
    capitalistas e inleressados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
    capitaes, disponiwis, a subscrever o numero de accOes que Ihes approuver.
    Algumas destas aeces ja" tem sido tomadas por pessoas que conbecem a vantagem,
    de na presente occasiao {conhecidamente a molhor), empregarem o dinheiro de que
    poderem dispar em ohjectos de valor real, como vapores, predios etc., que, lhes garan-
    tam seus capitaes.
    A compant possue hoje 10 vapores, 6 inteirainente novos, e desles o ultimo est
    a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
    Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
    sembla.
    Seus dividendos tem sido de 10 */<>ao sane, nos ltimos 4 annos.
    As aceocs que se emittirem gozam dos mesmos direitos, c percebe!3o o beneficio
    dos mesmos dividendos que os antigos em proporcao da entrada.
    Recebem-se assimaturas no escriptorio da companliia no seu edificio ao caes da
    Trocam-se
    is notas do naneo do Brasfe das caitas flliaes,
    om descanto muito moa ver:" na praeidalnde-
    lendencian.
    Precisa-se de urna criada que saiba
    cosinhar e comprar,
    2o andar.
    ra das Cruz n. 9
    Precisa-se de urna ama qnc saiba cozmliar o
    engommar : na ra da Roda n. 48, t audar.
    mmm wm mmm iiin
    PEMPRESTIMO SOBRE
    p:
    i
    CASA DA FORTUNA
    Aos 4:000$
    Bilhetes garantidos.
    A ra do Crespo n.i.e .usas do costume.
    O abaixo assignado temi vendido nos seusmui-
    to felizea bilhetes garantidos 1 inteiro n. 1197
    eomasorte de 4:000, I inteiro n. 037 rom a
    -orto de 7003, e mitras muitas surtes de 1003,
    WS e 0* da lotera que so acabou de estrato*
    em beaeMo da matriz da Escada <10i ), convida
    aos poamidorea avire.m receber seus respectivos
    premies sem os descontos das leis na casa da
    Fortuna ra do Crespo n. 23.
    Acham-sc a venda os da 2' parte da lotera a
    beneficio da matriz de Pao d Albo (t03), que se
    exlral quiula-l'eia 13 do cnente mez.
    Procos.
    Rilhetc.....iOOO
    Meio.....2*000
    Quarto.....1*000
    Em porca-> de 100| para finia.
    Blhete.....3*500
    Meio......15750
    Quarto..... 873
    Manuel Martins Pinza.
    O tonent '-coronel Jos Leas Soares Raposo da
    "amara ferina da* atis acerba dr pelo anssa-
    niento de seu muito presado lllbo o )r. Gabriel
    Alcides Raposo da Cmara, fallecido na provineir
    do Rio Grande do norte, ropa a lides os seus
    paremos e ndense aos de seu tinado til to e pie-
    doso obsequio fe as istirem a missa que pelo
    torno repouso de sua alma manda celebrar na
    groja do convento de S. Francisco, ter<\vfeira II
    di convide pelas 7 horas da manlia.i.____i____
    Taberna
    Traspassa-se una taberna no Recfe, as me-
    llioivs porporooM para principiante tirar vanta-
    administra-la : Informa-se no pateo da Ribeira
    numero 13.______________________________
    iMM\1\MRMpafei
    DE
    Francisco 4n#oufo le < uv.illio
    (_ C'ompnnhla
    i SUCCESSORBS DE REG \ MOURA )
    f'ia .Xira h. 24.
    Os proprietarios deste estabelecimento azein
    - ente ao publico que acah.ini de receber um puf-
    feito e variado sortiiuento de pannos finos, case-
    miras, brins e outra? fazendas de gostos modernos,
    as quaos vendem por preeos razoaveis. Os mes-
    mos sL'ientllcam, que tendo ailmittido para sua
    ulllcina de alfaiate um artista hbil no desemb-
    ullo de suas funeedes, reeebcm qualquer enconi-
    menda de roupa por medidas, prometiendo satis-
    iazerem oooi poiitualidade e presteza qualquer pe-
    dido ueste sentido.
    (SEM LIMITE)
    Na travessa da ra
    i fos Cnizos n. i pri-
    S meiro andar, da-se qual-
    quer quantia sobre caro,
    prata e pedras preeiosus.
    O dono deste estabelecimento
    competentemente autorisado pelo
    governo, -est as condiroes do ga-
    1 ranttr a transaccao que se fizer em
    |3 sna casa, promettendo todo e _eto
    s e consideraco s pessoas que se
    pg difinarem de honra-lo em seu esta-
    ^ belecimento.
    Na mesma casa compra-se ouro,
    BAfTHOLOMEU ft C.
    PARA USO INTERNO
    PREPARADOS SIMPLES
    Xarope de jurubeba garrafa. 1OOO
    Vinbo de jurubeba garrafa. iflGOO
    Pulas de jurubeba vidro. 1(5000
    Tintura de jurubeba vidro. C4(
    Extracto hydracoolico de jurubeba. 12f>500
    PREPARADOS COMPOSTOS.
    Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2,5000
    Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1*600
    Pilula* de jurubeba ferruginosa vidro.
    Oleo de jurubeba vidros.
    Pomada de jurubeba pote
    640
    640
    Attencao
    Aluga-sc um sitio na estrada do Rosarinio com
    boa casa de vivc'nda, ncconiiiiodacoes para escra-
    vos, cocheiffa, estribara, duas cacimbas, tanque,
    duas baixas para eapiui : quem o pretender alu-
    gar dirija-se a pra^a da Roa-Vista botica n. 6.
    O conselheiro JoaoSilvcita deSou-
    za, tem aborto o seu escriptorio de
    advogado, na ra do Imperador n.
    41 primeiro andar ; entrada pelo
    beceo.
    mmm m

    Precisa-se de tima ama para ser.ieo de pouea
    familia na ra das Larangeiras n. 22.
    ~z ncr
    Narna da Tadeia do Reofe n 5G precisae de
    nina Ama para cosinhar para duas pessoas.
    mi
    Emplastro de jurubeba libra. 2*500
    PARA USO EXTERNO
    r:A Jl'Kl!BEBA.
    Esta planta hoje reconbecida como o mais poderoso tonteo, como um excel-
    lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baco, as
    hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammaces
    subsequentes as febres intefmitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
    pecialmente do tero e abdomen, nos tumores giaodulosos, na anazarcha, as hodrope-
    zias, erysipellas ; e associada as preparares ferruginosas, ainda de grande vantagem
    | as anemias, chloroses, faltas de rnenstruac3o, leucorrheias, desairamos atnteos da
    estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
    O que dizemos aflinnan os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
    quaes podemos citar os Illms. Srs. Or. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
    Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellcncia d'este
    poderoso medicamento sobre os dema'ts at hoje conhecidos para todos.os casos citados,
    tanto que todos os dias fazem d'clle applicae3o.
    Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
    beba, tiveraos por im generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo dcsaiipai ecer a
    repugnancia que at hoje sentiam os doentcs de usar dos preparados empricos d'elle, e
    mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagom de nao
    ser calculada a dosc conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
    medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
    Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
    mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemconliecer aspro-
    priedades medicamentosas d'esta planta em suas rafees, follias, fructas ou bagas, e a
    dose conveniente a applicacao, tendo a'tm d'isto procurado levar os nossos preparados
    ao rnaior grao de perfeicao possivel, para o que n_o poupamos esforcos, tio nosaa-
    portando o pouco lucro que possamos tirar.
    Por tanto os que se Jignarem recorrer aos nossos proparados podem ter a
    certeza de que elles offereceni a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
    velcura de qualquer dos soffrimentos.que deixamos innnmerados, se forem em tempo
    applicados, tendo alm d*sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
    riadas preparacoes, aquella que melhor he pode convir, j:i pela fcil applicaco, c ja pela
    complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda nalorcza de cada individuo.
    As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que so torram comple-
    tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
    j como taes cstSo hoje reconhecidos.
    Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
    jurubeba, e saberem a applicagao (Te nossos preparados, deslribuimos gratuitamente
    em nosso deposito um folltcto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
    mesmos preparados.
    Deposito geral de todos os preparados
    34 Ra larga do Rosario34.
    OFFICINA PARA CONCERT E AFINADO
    DE *
    No enllegio da Oonceicab preetsa-se de
    urna criada portugueza; paga-se bem.
    Deposito de pianos e de msicas
    Trilhos Urbanos de
    Olinda.
    H. 1 MA FOR1HOSA ^. f 4
    BOA-VISTA
    Os abaixos assignados, membros da di-
    rectora da assembla dos subscripto-
    res pata a companhia dos trilhos urbanos i C'iritrgio dentista pela
    desta cidade do Rente a ik Olimia cola de medicina
    ramal' para o Bebevroe, 'conridam a todos do Rio de Frederico Maia
    eseoia
    Precisa-M de una ama para cozinhar :
    da Cadeia do Kecife n. 3}.
    na ra
    Attencao.
    Roga-se pesso que achou um altinetc de mao
    ?.:nha cun una pedra verde, o favxir de o entregar
    na ra Aova n. 2'i, 'no ser recompensado.
    Ama
    l'roelsa-se da urna ama de meta idade pan i
    comprar e hier toda o mais servio.) de urna rasa
    3e fau lia, de poucas pessoas : na ra Helia n. 3. j
    Precisa-?e Je um feitir para um pequeo
    iitio : a tratar com Antonio })> RoMpMS de
    vjuza, na ra do Crespo n. 13, ou em seu sitio no
    M nteiro.
    ltiliiiiif:
    \ Chegou e vende-se no Corarlo
    d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
    m5osinhas com urna franja penden-
    te a um rico, desenho o ouro de
    lei, pelo pequeo preeo de lojJOOO
    cada par. baratissimo.
    Cosinheira
    Precisa-se de urna cosinbeira e tambem de um
    engonunader : na na do Imperailor n. 73, 2
    aandar.
    Imagens.
    o hum m nmm
    DA
    Fabrica de.Vieira Guinaraes
    & Couto
    l>o Rio de Janeiro.
    ste acroditadiSiioe rap< tem encontrarlo a me-
    lhor aeeitac;ao possiVel. O sen fabricante foi por
    muito tempo gerente e mestro da fabrica de Joao
    Paulo Cordeiro, e tendo-se estabelecido, envidou
    todos os osforoos, e conseguo fabricar rape, que
    nada deixa a desejar, e antes se Ihe avantaja, pos-
    to em parallelo com o da fabrica do dito Cordeiro
    O aroma extremamente agradavel e tem sido
    muito apreciado pelos amantes da boa pitada.
    Acha-se venda por grosso o a retalbo, na ra do
    Vkirio n. J6, 1 andar, escriptorio de "Joaquim
    Gerardo de Bastos.
    P:ee-a-so de urna ama livrc ou eserava ijue
    soja.de boa conducta, pan cozinhar para urna A f\ Si MomllTlft Tcnntl
    casa do familia : na ruado Vigario n. 'i, dfteiro OT. rd UUI1 XlOUTl
    andar.
    os Sis subscriptores, para que no praso
    de 15 dias (a contar-se do Ia de maio pr-
    ximo futuro) facam effectiva a entrada
    j0 sobre o numero d'aceoes qae
    Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
    co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
    ,r seu gabinete de consultas e operacocs dentarias a
    ,. : ra Dreta n. 12, primeiro andar, onde pode ser
    o por |0 sonre o numero a aceoes

    verem subscripto : aquelles que dentro ; i da tarde. Elle acha-se competentemente habdi-
    do termo dos lo dias marcados nao tiverem ', lado para com perfeieao collocar dentes arlificiaes
    realsado a entrada de dita prestarse, a que. ^'^^
    ., _* _r*. ', i nliar qualquer outro traballio concernente a sua
    estao sugeitos segundos estatutos da $kM* O mesmo, reconhecendo que nem sem-
    companhia, reputa-se-ha ter teito n^ntmcia ; pie possivelssenhoras ou crianzas airem a
    Fundipo da Anrora*
    Nestc vasto estabeleclmente senipre se encontra
    um completo sortimento de taixas de ferro batido
    e fundido, fabricadas rceentcmente, e se fabriearn
    de qualquer molde a rontade dos compradores, e
    recos razpoaveis.
    -^Em
    ANSEN,
    casa de THEODORO CIIKISTI-
    rua da Cruz n. 18, cncontram-se
    Precisa-se de una ama para casa de hometn
    solteiro : na ra da Praia 4t.
    Attencao, attencao.
    Gumermirio Rodrigues do Monte Lima faz sci-
    ente aos olli'iaes de todos os corpos. que acaba-de
    receber um completo sortimento de espadas, ban-
    das, talins, talabartes o charlateiras, e mais per-.
    teneos. Assim como receliea tambein chapeo? de
    oleado para criados, de copa alia e baixa, com
    cordao de ouro ou prata, e vende mais barato d
    ue em outra qualquer parto : na praca da In-
    dependencia n. 17, junto a loja do Sr. Arante-s
    Usoravo.
    Precisa-se alugar utn escravo
    nnbaa s o da tarde : na rna
    ai da*
    8 horas da
    Cruz n. 40,
    Preeisa-se trocar duas imagens da Senhora da
    ^Conceicao, cujo vulto regule palmo?, pouco mais
    oo menos, e sendo porfeitas, paga-se bem : na ros.
    de Hortas n. 96.
    Mr. vtor sovage, ehega-
    vendo dentro de poueos dias par-
    tir para o Norte do imperio, pre-
    vine aos senhores commercian-
    tes que tem, no escriptorio do
    SR. FLIX SOVAGE, TUa ft C_ UZ,
    grande sortimento de amostras
    le qtnquilharias, perfumara,
    ])apel, e tecidos diversos, en-
    carregando-se de ia_er vir da
    Europa qualquer enoommenda. J^ r'p quc n53hir M :igM^ni eon''
    Ser encontrado todos os dias
    das 9 horas da manhaa s 3 da
    larde.
    N_o ha (.escalpa.
    I'ede-ie aos senhores abaixo
    mencionados que
    | annunciar as uas moradas : Francisco
    ' Veiga, ot _arue* Vmuna, Joaqun
    Aivat
    Jos Ferreira de Almeid. Pedro Das dos Santos,
    seo Pedro Itatis. Jos Mara Seve, Joao de
    tras 9 os herdeirosje Mesquita, Senhornha de
    oiifein Jacorae, Mana do Carao e liara do Ro-
    sarfo.
    Ama
    Preeiai-se de urna ama para o servico interno e
    externo de urna casa de uuia s peseoa : na ra
    do Banfel n. 33.________________
    A\da pfitticuiar
    -O proessar cnina primeras letras no pateo de
    Terco n. 10 ; e as horas vagas ensina fJH
    particularos alumnos de um e ootro sexo.
    i'r de urna casa do familia, que saiba bem eugom-
    mar : na ra da Cruz n. M, 3" andar.
    Uape Paulo Cordeiro. *
    Vcn#8-so rap Paulo Cirdeiro (too, viajado,
    meio grosso e vinagrinho, no deposito a cargo de
    Joao Francisco da Silva Movaos, ra do Vigario
    n. 11. Faz-so vantagens
    gues Mendes da
    Silva
    Deseja-sc tallar com o Sf. Paulina Rodrigues
    M-iiKles da SflvH *a ra do Crespo n. 16, primei-
    ro andar.
    Attencao
    l!ma pessia i]uo sabe 1er, escrever o contar, se
    ofcrece para caixeiro de escriptorio, ou mesmo de
    ua : a tratar na ra da Imperatrz n. 16, pri-
    meiro andar.
    Cbelleireiro
    Precisare um bom offleial de cbelleireiro
    ra do Crespo n. 7, Ia andar.
    na
    Na ra Augusta n. 67, terceiro andar, pre
    cisa-se alugar um piano om bom estado por al-
    uus Uiuzet, qucui o ti ver ana unci oj di rija-se a
    mesma casa, que se pagar be.___________
    Fai-so toda e qmlqaer transaecSo qno so
    convenconar com a casa amarella no Arraial : na
    Ilaca da Roa-Vil*, taberna n. i.
    Nos espaejfeos
    panBa Pornamtiucana, no caos
    Os novos npostos
    l'm tmete de 00 paginan 10iXI : vede-sana
    liVraria eeoniimica ao p do arco de Santo Anto-
    nio.
    o arejado armazens da com-
    da Asembla, re-
    eebem-se em deposito a preeo commodo1 quaes-
    quer volumes com fazendas. A mam-ira por que
    ao eoBstrn idos estes armazens faz crer que im-
    spossifel penetrarcalli o cupim: trata-se no e-
    styMtvs da CotoninbiO, m seu edificio n. 12.
    Ama de leite.
    Precisa-se de urna ama de leite livre ou esCra-
    va ; na ra do Rosario n.26, 1 andar.
    *- |^
    Ama
    Precisa-so de' tima ama para engommar: na
    ra do Aragao 1 andar.n. 24,
    ------------__----------JC,. .--r
    altar, Oivera & C.
    Mudarais o sau escriptorio da ra a Vigasio
    . 10, para a mema rna n. 1, 1 andar.
    Ao commercio
    Difticuldade removida
    A' vista das nova tabellas com indicador, qual-
    rer pesoa, ainda a menos habilitada, conhecert
    momento a exacta reduccao dos antigos pesos
    pftt os moderno, cuja base o knozraflit!,-
    slffl como de momento se conhecer tambem os
    preeos correspondentes ao n.esma systenuu A
    tabellas cima descriptae oasmas adopMdw
    peUsua fcil comprchenso ; recommeno-se aos
    ** d iMMaoaMBlde cujas ompitt e wodos.
    sao efTeCtad.fS 3 pesd: achl-se venta i fu do
    imperadora. 28
    tacita dos direitos que rnihart sobre as
    dci;oes subscriptas.
    A importancia dos referi'los 5 ]K>r %
    ser paga ao thesoureiro da directora,
    casan. 35 da ra das Cruzes, lu aniJar, de
    quem recebeao o competo.ite conheci-
    mentp, devendo para dito flm ser o
    mesmo thesoureiro procurado das 10 horas
    da manhaa as 3 da tarde. A importancia
    assim recebida pelo thesoureiro ser no
    fim de'cada semana recolltida acrbancoEn-
    glish lank of Rio de Janeiro, mited, rece-
    bendo o thesoureiro o competente titulo de
    recolhimento.
    Recjfe 27 de abril de 19H9.
    Jos Joaquim Antunes
    Presidente,
    tuis Lopes Castillo Ban
    ; r 4 Seeretarif. #
    Amaro J. F d'Attrhqne.
    TheseufeifQ
    proco; jr o remedio, offorece-se a remover i|ual-
    qnerobstacnlo, declarando que na cidade se pres-
    tar a qualquer chamado sem que issoinflna cousa
    alguma na commodidade dos procos de seus traba-
    lhos,equando para fra delta assim mesmo ser
    precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
    seguranrae perferao de seus ditos tralialhos. Em
    seu gabinete se encontrar constantemente excel-
    lenteps dentifricio, elixir e outros medicamen-
    tos odontalgcos : ra Direita n. 12, primeiro
    andar.
    Cavallo tetado
    Na noite do dta 30 de abril para p Io lo maio
    furtaran do engenao Monjope, perto de iguarass,
    um cavallo rugo muito grande c gordo, conbMid
    peto nome de Campia : a pessoa que a appre-
    hender e levar ao dito engeaho ou a casa do Dr.
    Moseoso, rao da Gloria, ser gratificada : assim
    como se roga as autoridades policiaos para que
    empreguem seus esforc^s afini da conjuircm a
    apprehensao do mesmo cavallo, re.inetten<>-o a um
    dos rogares indicados, onde serao satisfeitas as
    despezas que honverem feito.
    inrocjtfadotodOTs'diasdas^horasda manhJa as j etleclivamente todas as qualidades de vinho
    Bordean^, Bourgogne e do Rheno.
    Joaquim Jos Gon-
    oalves Beltro
    RA DO TRAPICHE N. i?*; 1 ANDAR.
    Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
    co do Minho, em Braga, e sobre os segxmvr
    tes logares em Portugal:
    Lisboa.
    Porto.
    Valenca.
    Gumar5es.
    Coimbra.
    Chaves.
    Viseo.
    Villa-do Conde.
    Arcos do Val de Vea.
    Vianna do Casteto.
    Ponte dQ Lima-.
    Viiia Real.
    Vla-Nova de Famalk'tBj
    Lamogo.
    Lagos.
    Covilha.
    Vassal (Valpassos).
    Mirandella.
    Reja.
    Barcellos.
    Medico
    MARTIMOS
    COITRAFOGO
    A Companhia Indemn isa dora, estabeler ida
    asta praca: toma seguros maritmos sobre
    navios e seas carregamentos e contra fogo
    em edificios, mercadorias e mohilias: a
    ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
    Ana
    Precisa-se de urna am* forra ou eserava par
    comprar e. cozinttar para urna casa de pouca la-
    aiilia : na'rna das Crtttes n. 28, Io andar ; pi'ele-
    re-se cscrava e'paga-se bem agradando.
    O abaixo assignado testamenteiro do tinado
    *uiidito fr.*Hicei Jow Vignes*. roga aos- devedoros
    o mesmo, Woham a boodade do satisfazer no ter-
    mo de i seus dbitos, afim de cvH.ir, que sos
    noitMS tomodevodores sejam disc-riptos no invn-
    tario procedendo-se na forma da lei.
    Hecifo 7 omao de 1869.
    / Gaopar Antonio Vieira Guimarite>.
    O Dr. Adfiao Lnte Pereira da fiilva,
    medico |>ela (acaUade do Rio de Janeiro,
    dondoacabajtMhegar, lera sen consul-
    torio ra dM.tvramenlo n. 24, primei-
    ro andar, onde pode ser procurado das 9
    i horas da manhaa s 1 da tarde, e em
    qualquer outra occasiao, om sua residen
    c4, julio i estacio da Casa-Forte.
    T-
    I)o i>vo se preiine que mnfnoB faca negocio
    algum com qualquer herdciiu do coronel Franrt>-
    eo iutiago Ramos, scaier do enfado Tb,
    acercado preto crionlo daiweie Rumo, oacom
    outro qualquer escravo do mesmo casal, por m*
    tanta esse como todos os mais e^tao hypot*-
    cados la noel Alves Ferreira o penhorados por
    exei'aca do mesmo.
    No Corredor do Bispo^ n. W, preca-seu>
    nma ama forra para o sfirvco Irrterntt de tuna Ca-
    Resta vandal um escolhido sortimento de <>b-
    jectos de marcinoria, como sejam, mohilias de ja-
    irand. ttogno eamarello, obra nacional o estraB-
    gefra, do Morado-gosto e porprojo* moa ve
    ja re* eseito do Rosario n. 32; >"*ta '"*'
    casa fazem-s com perfeieao todos os trabamos de
    Ijalhinna como aojan, empalhamentos d
    para canaae, eadeims e sophs.
    - Ainda restam alguMa- coUeccoes e
    Biographias de alguns peetM^-e outros )w-
    mem? Ilustres da provincia de Pernarabuca,
    tr^s oqtos escriptos pelo commendador A.
    J. de Mello: ra Augusta n. 9*.
    ___DeSappareeen a 29 docorrente,
    da botica do
    Precisa-se' de urna ama para o ervico in
    temo e externo de urna casa de mui pequea i Ramos Macho,
    familia, dando-se preferencia a eserava ; a ra do! Pinto da Cunha, a qual flca> sem Denhm affeito
    Perdeu-*e* damlcrdo abaixo issgoadd uaaa
    letra deJOOjOOO aceit pelo Sr. Miguf I Agostmho
    e em segundo lugar peo Sr. Jos
    Mondego n. 93.
    U-e fcob penhor a quantia de OO a 4002
    por urna MgNitaonflKam per urna M|b,m-
    meste para dar com uma<:riaaca te mmma ;
    a tratar m roa o Padre Fl'qiaoo n. 7t,Tiiau4
    indar.
    por ter recebiA) oatra de i|oil pufltfii a 91'di*
    a contar da data deste.
    Recite & do maio da 1869.
    ..... _JogAJaaq^aGoBJ sa de familia e "que saiba engommar.- I abaixo assignado, o bilhete da lotera 10., ii. lii";
    Z ..,,> ...___ ____ prtame p&5#a tfwirelro quo nao paajie
    O. Senfiornha Germana do Kspiritti Sanio, premio algm que saftir por sorte na estraccao,
    -.aMigoada seu veruadeiro ooftw.
    Lava-w e ngorama-so co asee!
    tido : ra da Florentina o. 28.
    coovid*>a4oos os coaJuradores deisenie o abis*. aMigaada seu vcruadeno ttoaa
    doaito do Agaa-fria, quaa aontueiarit -RhaeMco btonio daa Chaga!
    gubdividi, e que ainda nao tem escrimura publi- "
    c, aoihpir#6erom a ata de sua rertdenda
    ra da Concordia n. If8, irninldas d*sas respee-
    yos roeikis, afim de. serem reduaiks a escrip
    MlKapafclica, oo receber aovo titula, passaflo pala
    a annunciante.
    Pede-se aos que ostao com as suas Wlipras ain-
    da nao realisadas o favor de no praso de 18 dias
    comawoceFem na casa.da aanuaelaote, afim de
    serel verdeados qiulqner recibo oo qnetenha arespatede taea trao8acc5e8.
    r&
    AO PUBLICO
    MaaaefMarlins de Amorta tendo jwsto e conra-
    tado a taoeraa n. 12 do pateo da l'enha, em S.
    Jos, com Antonio Jos Goncalves de Azevedo, li-
    vre do passivo : pede a qualquer pessoa que se
    julgar com direito acerca aa mesma taberna, de
    procurar o aanuneiante no praso de tres das, da
    presenta data^
    - Os abaixo assignados saeKiticain ao imbin
    que a cata conifiiercial dostpraea,job a *nna--
    Araujo MartiiB &:.paasr dista datta et>
    diante a giraaaob a deJoaqun Aatonfe fAraup-
    & C. em) virtude de se haver desligado o soca
    Domingos Manoet Martins; (cando cargo d
    socio Joafuim Antonio d'Araajo- o activo e passi*
    da mesma casa. Reeifc H 4 ater* de 1869.
    Adriano Augusto d"Almeida Jord.
    Joao de Castro Guimaries.
    JoaquMB* Aatdhio No 4ia 27 de abril do crreme anno, fugo
    da Guarida, districto da Paialiyba, uro escravo par
    aM Hlarique, idade 24 anuos, cai"k>, che dE
    cerpo -rosto, boa ;UMa,. pwmas a pouco ar-
    qgLeadas. pinito vistoso e regrista. Pede-se a quejr
    o.pegavjue dirija-se a ra da Imperatrz loja *
    joias n. 61, que ser recompensado.
    Antonio Ferreira da Silva
    dever peseoa alguma, no entretanto se
    Maia julga na|a
    alguema
    "i
    No caes doApola>^lsedir qoem precisa do
    um boHeiro para cosa particular.
    1
    /



    Diario de Fernambaco Terc/i feira 11 de Majo de 18G9.
    -
    l
    DO
    BRASIL E PORTUGAL
    Situado era um dos bairros mais contraes do Pars, sendo as immedtacoes dos
    principas theatros e oulros muitos divertidieotos, e assira das estacos dos caminhos de
    ferro para todos os pontos da Europa, acabado de ser mtetramente renovado, nao se
    tendo poupado o seu novo proprielario a dospezas para seu completo embellcsamento e
    aeeio, torna-se portanto va tugueses, a onde encontraro sempre aquella convivencia desojada en paiz estranho,
    por ser constantemente frequentade por seus compatriotas. U) tratamenlo superior a
    teda o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos aposentos; habitaces conve-
    nientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o servico feito
    com a precisa regnlaridade : os procos muito rasoaveis eao alcance tambera daquellas
    pessoas que se queiram limitar. .
    Gabinete de leitura com os principas jomaos dos dous paizes, sabio dorecepcaoe
    de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos senlio-
    ros passageiros das repblicas do Prata, porque alera da semelhanca da bngua, a en-1
    contraro muitos senbores bespanhoes, por quera tambera esta casa bastante fre-
    quentada. I
    Grande siiio para alugar muito
    perto da cidado.
    En* Santo Amano junto ponte o Maduro ha
    paialu([ap.se o granito sitio da I
    le vi venda para duas familias,mili-
    tas v ande terreui para plan-
    taban e pasto de ananaes, tendo seis casas a ro-
    da par* serventa da propriadhde, com un enea-
    namento.de metal que d com abundancia agua
    paa> una sala de banlio, cosin'ia, lavadores de
    rou&o. um expeliente banheiro de choque, teni
    alm disto muito b*a agua de beber cm um olho
    d'agua(|U(Hwda secea, com um mirante qu por
    sw-a elevarfl > domina toda esla ciclado e a de Olin-
    da aposentando' avista um panorama digna de
    ser apreciado, com um quintal murado no fundo
    ifan casas onde se pode estar Com segurunra :
    trata-so com seu proprietario Antonio .Uves Bar-
    bosa, ra dos (luararapes n. 32, ,-uhrailo.
    Limoeiro.
    XARWEdeKYPOPHOSPHiTOdeSGDA
    XARD?EdeHYP0PHGSPHrTOdCAL
    PILUL AS HYPOPHOSFHITO de 01 H; I NO

    DE
    LIMA, LESSA & C.
    M-MA WkM
    0 respeiUvel publico encontrar nesta ofcfht rnta mestrs o fiera WrihWwldi
    na arte, aiancando-se o mollior d-.-sempeuho conforme e gosto o vontade do fregu/.
    assim como a maior pootualidade na entrega das obras; recebemos do Pars, por todos
    US vigores, os mais modernos gurtnos para nao baver nada a desojar; bem eomu
    varias encommenda* de casimiras modernas eoutros arligos proprios para honwns;
    tenaos grande deposito de mapas feitas de toda a qualidade, como sejam : camisas
    francezas, ingleazs, chapeos de sol de soda trancada, o que ha de memor, grande sorti-
    mento de metas, edarinhos, puntaos e grande novidade en grvalas modernas, e anal-
    mente completo sortimento de fazendas linas e roupas feitas, sendo os precos os mais
    caratos possiveis.
    XARLPCde'HYPOPMOSPrrro de FERRO
    F'Lli POPHOSPWTOdeANFAHESIA
    PASTILIfts PECTORAESi:- CHOitCHLL
    fi\i:;ir para Os xarnfc* o fntscit iia.iHi'idi* i '.'.-i
    <. 4ot os jirotlatl a asignatura lo I)" CHUH-
    CHILL, c n lelrrirn 11: ;i mana de ffbri.-:' di
    I'llarotacid SWA5IM, 1 2, ra CatttaHmr.n \ l'.IS
    (MSliLTOMO WO (11 MICO
    DR. 1'. i LOBO MOSCOS!),
    3Ra da Gloria sitio do Fundao3
    flfini por .unos iis mm
    Consultas todos os das desdeas 7 horas da manha at as 11.
    Visitas cm casados doeutes de 11 lioras em dianto, em caso urgente a qualqoor
    liora do dia ou da noile.
    Nao se recebem chamados se nao pur esetipto em que declare o norae da pessoa,
    oda ra e o numero da casa.
    Especiabdade em partos, uperaeoes, molestias de muHieres c meninos.
    Cura radical das molestias venreas, e dos esteeitataeotos da othera.
    Curas radical das molestias do ulero, como ulceras, flores brancas, amenonia,
    vegetacoes e catarrbo, etc etc.
    Recebe-se escravus para tratar de molestias ou praticar-lbcs qualqui' operario
    cirurgica. Diaria e>600 excepto as ooeraces.
    Os melhores remedios homeopathieos conhexid-i?. t- por precos muito cera-
    raodos.
    -*.,-, ^ffmSUtfi"^-^: '-.;*, EPIDEMIAS
    O LICOR K LMBARrVAO.DE um preservativo segwo em terrpos de
    ptdeaas : cholera, fehre amareila, peste, tyntc, etc. Devem evitar-ge as fal-
    sificacSes as quaes sao a maior parte das vezes mal preparadas, sendo por isso
    mais nocivas de que uteis. Deposito em Pariz, L. FREKE, 1, ru Jacob.
    Mm Mi Jmmtmo. Dvponchc'.k; H. Tesiorpf. Em PernantaMO. Mmrer.
    DE VALLE]
    As I'iiI.in de Tallrt. approvada pela
    Acadenria imperial de medicina de Pari/,
    sa6 empreadas com o maior
    xito para curar a chlorosis,
    e forlilicar as constituiefies
    iracas. IfnncS este ferrugi-
    noso ennegrece os denles.
    Tara a garanta' da sna antlicntidhde,
    olime do inventor vai groado em coila
    iHulu como mirgem.
    cm nio-J\xrmo, HwMiirhfilr; C.k'rdH.
    W8 I'lbn%muicu Matr/r 4 C".
    SSBBBi
    Cfpili
    D. Amia Joaqulld Barbosa da Molla, o capilao
    AaWnio da M itta Silveira Cava]canti, U. Antonia
    da Motta Silveira Cavalcanti, Antonio d IVloWa
    Silveira Cavalcanti Jnior, Joao Antonio flft
    Mm.ta Silveira, o alferes Joaipiim Mnooel d
    Motta Silveira, 1). Anua Joaquina da M. tta Si -
    veira Ramo?, D. Celicena de l.ueena Barbo-a da
    Motta, D. Mara Jos da Multa Silveira, o te
    Jos Rufino de Soma Hamos e Juaqnftn Hezerra de
    Araujo : viuva, pais. innios e cunhados dn lioado
    e so "pro chorado mjor Manocl da Motta Silveira
    Cavalcaiui, pungidos pU mais pungente dor,
    agradecein de coraco ;vo grande ruiu ro dt pes-
    soas que se dignarain de aeomnanhar o assistir aos
    ltimos suffragios fcitos por alma do mesmo lina-
    do no dia 20 de abril prximo paasado, piando
    fot conducido o sen cadver para a matriz da vi.la
    do Limoeiro. de novo convidam pelo plsente
    todos os prenles e amigos para asistirein as mi-
    sas de trigsimo dia o memento, que mandara ce-
    lebrar na mesma matriz do Limoeiro 11 lloras
    da manliaa do dia 19 do crrante, e por isso des-
    de j se contestara reconliecidos.
    Pao d'Allio.
    D. Anua Joaquina Barbosa da Motta, o capitao
    Antonio da Motta Silveira Cavalcanti, I). Antonia
    J -aquina da Motta Silvira, Antonio da Motta Sil-
    veira Cavalcanti Jnnior, Julio Antonio da Motta
    Silveira, o alteros Joaqnim Manoel da Motta Sil-
    veira, I). Anua Joaquina da Motta Silvoua Wtnu-,
    1. Celicena de Leea Barbosa da M a, 1). Mana
    los da Motta Silveira. o tenente Jos Rulino de
    Souza Ramos e Joaquini Bezerra de Aranjo ; vin-
    va, pas irmaos e' cunhados do finado e si mpre
    chorado maior Manoel da M.ttfa Silveira Caval-
    canti, convidam pelo presido todos os parantes
    e amiaos para assistTCaa a missa do trigesiuu dia
    .po mandara eetetear na graja mainz da vlfci do
    Pao d'Aiho, as 10 horas da manhaa do da ll do
    CorreMe, |R'lo que desde j se coufessam eterna-
    mente grato-.
    - Qaem precisar do nnm ama de leitev:
    diri-
    Jol
    inte dos \futrad k n H?
    o brasilei-
    ro vii a Europa mili .
    No col
    rosinnairo o
    io da Con i -o de
    urna criada intelligente.
    um
    alguem se julgar seu credos, aprsente scus docu-
    mentos na ra di Cruz ii. 8, nopraso de o'qo
    dias, a contar1 de luje. Ileeife 11 de malo de 18G0.
    Antonio Victorino da Rocha.
    Ama
    Prccisa-se de urna mulbor anda moca.
    nacional ou estrangoira que engonme com
    perfeicao para encarrepar-se deste servido
    em urna casa de familia : a tratar na ra
    da Aurora n. 12,
    ATTENCAO
    o
    ibaixo assignado faz se>>nte ao respeit
    i,nCo e 'specialmente ao corpo do commereio
    que acabon como sen negocio que linha na villa "Completo sol lmente) >U' I ;'-' cera O
    da Eseada, e que nada ficou dovendo : porm se todas as qualidades para loja do Ti i
    Grande exposipo de
    bonecas de cera
    DE
    Todas asqualidades na niad
    (Vueimatlo n.5.
    LOJA DO TEMEORAL
    Acaba de chegar polo uttin) patinete um
    Na praca da Independencia n. 33, lojn- de ou-
    rives, compra-seoiiro,i'iaui, e pedris preciosas,e
    tambem se faz qualquer obra de encoiniucuda, c
    lodo e qualquer concert.
    orno e 'i
    'Compra-so moedas de ouro e
    .bem como libras sterlinas, na rita do Ca-
    bug n. 9, relojoaria.
    0 niuzeo (le joias
    Na ra do Cabug n. i compra-se ouro, prata
    e podras preciosas por precos mais vantajosos do
    que em outra qualquer part-.
    ^
    - -jr-i-
    T-SSSES
    CIT-fiRRHOS
    immm&zsm&m
    PASTIIHAS PEITORAES
    de sueco deALFACE,
    E LORO CEREJO
    nwaicoES
    DO PEiTO
    E' este mais noo deucioso coufeiio at agora couhecido. Por isto tem adquirido Ptri
    pidameme* popmlaridade de que goia. Os mdicos s mais distinctos o aoonselho contra
    as louei, defluxos, catarrhos. tosus convulsas, cotorritas epidmicos, irritafSet do peito. Com
    grande empriho o procuria as mies de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
    primeiro que ludo inoffensivo, e as saas propriedades adocantes B*o deixio sada^ desejar.
    Deposito em Pernambuco* cm casa de Hwtir e 0a.
    POS DE ROG
    Apyrovados pela Academia imperial
    de medicina de Pariz
    Um frasco do Pos de Kog, dissolvido
    em urna garrafa d'.igua, d nina limonada
    agradavel, que purga rpidamente e de
    uin modo cerlo, se causar a menor
    irritaewi como acontece com a aaior
    paite dos outios purgantes. Oa P '.gr. sao inalteraveis por isso empre-
    gnm-se fcilmente em viagem.
    ern lli.i-J imii .i, DUfOMhe'.U; OetUol-
    em Piauwcco, Slaurer C*. A
    D'pMiu
    l'rccisa-se de
    perial, taberna
    se de u,i
    i n. 3?.
    mu ama: a tratar na ra Im-
    Compra-se moedas de ouro o prata, bem
    como libras sterlinas por maior proco que
    em outra parte: na ruado Crespo n. iC
    primeiro andar.___________________
    Corn nimio nwior vaiitcycm
    Compra o Coracao de Ouro, n. 2 ra do Cabu-
    g, moedas de ono c prata c pedras preciosas
    AVISO
    aos convalescentes e s ps*wrs
    fracase debilitada*
    OQUINIUM (.ABARRAQUE approvaOo
    pela Acadciaij impcrial-de medicinare
    l'arte o tnico por excellcncia.
    Bif tU
    ( eiii l'CHSMMCO, Haurcr l L'.
    Quera precisar du uoia ama para todo servico
    iuierno de urna easa.dirija-se a ruada Cruz n. 13,
    2" andar, preferindo-se s casa de humera snlteiro.
    ttvsOfMU Benedicto Sapucaia se ada fujrido
    desden) dia 24 de mareo prximo passado, e nao
    desde o dia. 30 como por enjtano dlsse no annun-
    cio de boiitem ; tem elle os signaos segnintes : al-
    tura regular, um poueo magro, cari comprida,
    muito poueti \av\% tem as perns alguiua eoosa
    cambefes e os ps nielo apaHletedos, tem falta da
    dous ou tres dentes na trente, muito nota o gosta
    de andar engonimado : i|uem o pegar leve-o ao
    escriptorio da ru*do hiipersdor a. *, a Juaquun
    S. P. de SiqueiraCavaVaai.
    PILLESSSCAUVIN
    Ftaarmv^eQ, U, booleirA Spbailopoi. Prfc.
    Este irnriow rrgatio ir^ttoh Ue romnitxlo
    como aRri(l*!l o remedio milis iiiialliv<-r fiara des-
    truir asconMipaeee, ^ neirsIgUi, as mais re-
    beldes, assim como a bilis u a icold.lf
    Elle i efl'iMZ as gaslrltl*, obstrupco* ria-
    qurca*,.aihiiiaii. *ore,earrlio, nipiy.-ii-,
    gol la o rheuinalItmoH.
    O uereiiineiiU) das nudas cainrla ?ode r.-.i-
    mir-5 ncstai palanas sie*ulelccer o i coiisrr-
    wi ade.
    Ellas nao podem n;n rf|uajlo iu c< nuda ora
    bebida; em (lose laxante e epnraltva, i saso tomar
    ellas u,s leMfOsi. em ilo=e purgallva le noi'e so
    citarte.
    Peranmbuta \W *MMT et C*.
    Imagens
    No escriptorio n. V) da ra di Cadeia, Io andir,
    ha diversas imagons para trocar.
    Joao Poreira Pedroso de Lima fnz selente ao
    publico: especialmente ao respeitavel enrpo do
    commercio, qae no dia 29' de marco dissolven a
    sociedade que tinha com seu irmao Jos Maria Pe-
    droso de Lima, na taberna sita na na do Cotovel-
    lo n. 49, cando o dito Jos Mi ra responsavel pelo
    activoe passivo daquella data em diaute.
    HecifeS de jaaio de id9.
    O aJuixoassijtnadojuigando nada dover uesr
    ta praqa ou ora d'clla, vem pelo presente avisar
    a todas as pessoas que se julgarem credore3 aprc-
    sentarem *uas ontas no prazo 'te 3 dias, a contar
    da data dc.-tte (taca immediatamente seren pagas,
    podendo ser procurado na ra da Penha d. 8.
    Hecife 7 de maio de 1869.
    Jos Joaquim Fugio do engenho Mari o principio de evereiro P pee; Liir, Tioub), de
    idade crescida, alto, seceo, ja pntand-i na cabica
    e barba, quebrado dai verillias, espr.ssa se bara
    no foliar, piirga*oi*e inculca-se de tnestre de
    assucar, levoa vestido i^b;a panh e paletot de
    liliho com uma-lrouia aos hirabros : qaem o pe-
    gar leve-o ao dito engtiiho.
    -r- Victorino Jos Monteiro declara quo no dia
    31 do deicmbeodoanno prximo pascado tendo.-se
    retirado da sociedade commercial que nesta praca
    cyrava sob a firmaBernardino Jos Monteiro &
    Ir'rao, e ticanda descuerado de toda a .responsa-
    bilidadc da mesma linea,, nada deo a possoa.al-
    guma, e se alguem se reputar sea credor per
    qualquer eonta ou titulo, apresente-o dentro de
    uito dias. r
    Ab'grai-vos myopes, e presbytas, j po-
    dis ver de longo, j podis ver de perto,
    nao lia oais vistas curtas, tiem caneadas
    F. J. Gcrmann acaba de receber pelo ulti-
    mo vapor um rico e variado sortim uto de
    oculos, lunetas, pince-nez, face -main, lor-
    gnoqs, de ouro, prata, tartaruga, marlim,
    ac, bfalo, ncar, unicornio o melebior;
    assim como binculos d urna a tres mudan-
    cas para tbeatro, campo e marinba, da ulti-
    ma nvengao; duquezas, vienezas de 8 e
    12 vidros, tudo dos melhores fabricantes da
    Europa.
    O mesmo vapor trou-
    xe urna excellente ma-
    china para graduar e
    observar numero dos
    vidros qoe se necessita
    conforme a vista de
    quaiiwer pessoa.
    ,Tem excellentes slerios,opos, instrumen-
    tos de matbematica, barmetros, vidros de
    chrystal do rocha, e de cores para resguar-
    dar a vista; eoncerta^todos os objectos a
    precos coramodos e com prmptidao ; tira
    o mofo dos vidros e cncarrega-se de toda a
    encommonda relativa a ptica.
    Recebe tambe os excel'eutes relogios
    do artigo e afamado fabricante fobcrt Gerth
    &C.r os ijoaes veudem [ireces colnmodos
    garaetido a sua superior qualidade.
    i ffl r
    Ra do Quemado n, 49 0 57 Uju
    di miudezas de, Jos de Azcve-
    dv Mata e Sdca conhecido por
    Jos Rigodinho.
    Est ipieimando tudo quanlo tem ern seu
    estabelecimento para acabar e fazernovr.
    soitmenlo, por isso queiram \ir oomJWar
    vero que borne barato.
    Gnalas enm {agua florida ver-
    dadi'ia ......
    Garrafas com agua divina dame-
    llior.|iialidade .
    Lata com superior banhafran-
    ci.-za ......
    Caixascon) 1^ frascos de cbeirti
    (hroprio para mimos .
    Dita com <> frascos muito linos
    Oleo baboza muito (no quo s
    a vista
    Sabonilos ue calunga muito ho-
    ndo .....
    Caixas de p de arroz muito
    superior .....
    Pecas de babadinbo com 11)
    varas ......
    Caixas redondas emitando. tar-
    taruga '......
    Pecas de fita de cus qualquer
    largura .....
    Escovas para urinas muito fi-
    nas ......
    Escovas para (lentes fazenda
    muito fina .....
    Pulceiras de contas de cores
    para meninos .
    Caixas de linha branca do gaz
    cun iU novellos .
    Caixas de linha branca do gaz
    com 30 novellos .
    Pecas de tranca lisa de todas
    as cores a .....
    Resmas de papel pautado muite
    fino ......
    Pares de botos para punhos
    muito bonito
    Libras de 15a pa a bordados de
    de todas % cores .
    Pentcs com costas de metal
    muito linos .'
    Novellos de linha muito grande
    para croxs '
    Duzia de linha Drusa "para bor-
    dado ......
    Grosas de bolees mdreperola
    muito fino .....
    Sabonetc muito finos tO, 120,
    160, 240 e .y
    Pecas de fita de la todas as
    cores ......
    Espelhos dottrados para parede
    1,9000
    !5200
    11000
    0200
    0900
    W '
    1800
    'WXi
    500
    5500
    m
    200
    60<>
    A^OOi)
    80OW
    mm

    mu
    T58C
    3320
    r'OO
    Espelhos de Jacaranda muito
    lino ......
    Pecas de trancas brancas e de
    cores de caracol i
    Pares de meias cruas para me-
    ninos ......'
    Caivete muito fmo com 4 fo-
    lhas, ......
    Cartilhas da doutrina as mais
    modernas
    Fiascos de sndalo e patechojy
    muito finos, r
    O'GO"
    ObO
    .320
    lr5500
    ^400
    10200
    0 MUSEO DE JOIAS
    F
    ^/^
    \i
    GOMES DE KllinOS IRMOS
    tendo feito completa mudanza em sen antigo e
    | acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
    dar-lhe maiores propor(joes e elegancia, convidam
    ao publico em g-eral e com especialidade as Exms.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
    RA DO CABUGA U
    onde encontrarlo um completo sor ti ment do qae ha de mm eieg
    helio e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
    de ouro, prata e platina ser pode desejtr.
    ADEREQOS DE BRILHANTES. ESMEBALDAS E RUBINS
    de novos gostos, assim como grande variedade de salva e paliteiros de
    prata contrastada de gosto anda nao visto* e completo sortimento de
    objectos de prata para uso das igreja,
    Comprara e trocara qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
    | a qualidade dos objectos vendidos.
    009
    0U0f9
    OOOf-
    000 (K)nvc
    'Illf-V'
    OOOtrS
    000* r
    00
    00
    (HMr
    OO
    u
    o
    ?I
    7


    Vendoui-sena casa de Tbeodoro Simn
    A C. 36430.
    Largo do Corpo Santo n. 21
    I Elle um preventivo seguro e'ccrb) contra
    a calvice,
    Elle d e restaura fort* santdade a pelle
    da cabeca,
    Elle de proiepto faz cessar a queda prema-
    tura dos cabellos.
    EHe d grande riqueza de lustro aos ca-
    bellos,
    Elle doma c fax preservar os caballas em
    qualquer forma e pesitffo qoe s deseje
    n'm estado formoso, liso e macio,
    E^e fazerescer os- cabellos bastos e eom-
    pnias,
    EMe conserva a pile e o casco da cabeca
    limpo e livre de toda a especie de caspa,
    EUe previne os cabellos de m tomarem
    brancos,
    filie conseira a cabeca n'um estado de fsj
    cura refrigerante e agradavel,
    Pe nao demaziadainente oleoso, gordo-
    rento ou pegadieo,
    Elle n5o deixa o menor cheiro desagra-
    davel,
    Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
    Vajide-su ulna escrava mo^a com 18 aiuws
    de pf, 9tm> l*l> bo^1 nrJra : na ra *te
    -VprJIol. 14 armazem.
    ia
    ' N|
    nrte-^e urna taliern na roa do Ptlar n"
    a trotar na mesma.
    IWenho
    Voadc-*o ii euccBhoS. Bartliolmncu, na fregue-
    zia de uriba. e per* da cslfto dos Praata-s,
    rom C5*dlerrttee-va>ws partidas df massap, bom
    deagoa o com muiUts cominodidades, que nodem
    sar apraoiaa pH|Kt9 preUudoiites ; na.-fua do
    imperador n. ?'!, !* andar.____________________
    0 MUSEO BE JOIAS
    l
    Pl B30 US.
    Colchas de fustao proprias para cama ou para
    am: iu ra da Cadeia 4o Kecife n 49, e*quiiia
    dA.aX Madre de Dew. ___________________
    Gaz efar ello
    Vende-sc gaz de primeira qualidade por com
    modo pceco, em norees a vontade do? comprado-
    re, c tirello muito novo, ?acco grandes, pelo
    preco de 45O0 o saceo : no armazem de Matliens
    Aus'tin A C, ra da Sentala-velha n. 166.
    Alcatita
    Vendes* una alcatifo de variados padroe a
    tir r?. o eovado : na ra do Queimado n. 31, loja
    de A. M. HoliN & O
    iandeiras
    Magnificas bandeiras de seda nacional e eatran-
    gaira, vendem-se a 4# : na ra do Quoimado n.
    51, luja de A. M. RoHm A C
    Mr 0r
    V"V6'0
    f'VB'*'
    8 L 'V L '< i
    sai)
    ? 'a 9 'V 0 '9 'fl '!
    ? V s t
    b o } seuduin.s:
    0:")3d
    ce -uopuiui.mf) op mu
    du opjisodxd jp Ddqq, ,op fDJwoq
    Ba do Livramento
    n. 28.
    Gambrtria de cw-, de bom gosto, eovado, a 240 r.
    Ditas de dita, padroes modernos e elegantes, me-
    tro. 700-jw.
    r.oll*who>e^ve^ goda *400 rs.
    Ditos mui* finos de linho a 640 rs.

    paro-8 ,bt CtmseiwacSo e arra9.4a* | -+ VeldenTso 37 saceos com>nn)ia de trra
    bellos das senhoras,
    |le o nico artigo propio para o pen-
    teado dos cabellos e barbas m seiu>
    res,
    Nenbum toucador do senjiora se-podftcon-
    siderar como compialo seni o
    Tpico OrleaiUI
    o qual preserva, Hmpa, forttica e afbrraosea
    O CABSUO.
    , Aaba^se a.vaoda nos eaUjwtottUMPQaWi
    AiOaors, 1. G. Maorar
    cC, M. Barbosa, Bartholoaae A C, e e
    todas as principas loja? 4e B*rromarias
    esticas,
    Aos negociantes de Tazendas.
    Ha para vender-se na ra do Commercio a. 38
    diversas parlilheiras e estibas proprias para fa-
    zendas, e tambem Hverses baoees o ota cofre de
    ferro, tudo por precos coauaede.____________^_
    MACHINAS EGYPCIAS
    PARA DESCAROCAR ALGODO
    Lok-jaw Cow s'paent
    Acbam-se expostas estas, importantes ma-
    chinas no trapiche do Sr. major BellarDpc
    do Reg Barros, no Fof te d Jfcttos-
    Estas machinas fuiiCMoaam
    - """a, e aiuii
    do o algod3o
    cqm m. is de um alqueire oadaaceo
    P^aia n/4. -------.^
    na ra da
    d um pessoa que, ae retira ni. ^^'^.^S^"*^
    de idade ib anns, rccolbida, muito baWidoia, um
    Nada muitlnho de idade 17 annq, tres espyaa
    ^eugommadeiras, urna dita dmela idadfl, in-
    i|necozinheira,elres ewravos para todo serv-
    tf: nafravessa.dofiu-.mon,!.----------^
    hayato
    4vinho de Lisboa a 400 rs. a garraa, caad* a
    raanteia fraaceza a 11 a libra, arroz pilado a
    *32Drs.: isla s na fa-
    a-
    inteiramente nova, e aiud^ nao vista
    cura
    oeira
    na Brasil; descarocail
    muita preste*, e deiaadp a.ura xma*-.
    mente limpa e era toda a omprimeDAo,
    como o mais superior hofandeim vateodo
    ppr consequencia mais 2Q u,sobre o precy
    do producto daj-raaebiuaa.da wroi$.
    Convencido d'esta veidade o seu iairo-
    dpetor se obrtga desde j* a pagar o ajgqdp
    produsido pelas sobris nabinas; pac
    mais 1:000 em arroba mAg* a cotace da
    rac-a para o produca dag de serme: oh
    :500 em qpantidadj? de W saecas para
    cima.
    Preco de cada miflfcJMtflP um rylindro
    da sobrecellente MWm i **^> ****
    descont.
    Faripba.
    - ^DIldaBuy (Btrrr *rM" foriuha, de aKjaeire:
    na roa da Prata a. 4.
    >

    0-


    6
    Diario de Peniambuco -*- Ter^a feira 11 Je Maio
    Os verdadeiros COLLARTS ROTZR, os nicos ipprovado pela
    a Academia de Medicina, lem assim como os mros outros producios
    atlrabido a cupidci dos laUifcadores, que para fucilitnr sua criminla
    industria nao sepjad, nem reccia annunchr vender falsosCOIIAHM
    com r omi. En prefina as familias para inleressc de seus lilhos
    que, para evitar falsificacocs, dc^em exigir, que meus OOUUBM Ibes
    sejao vendidos em caixas de lambas de cncaiie e corredias coberlas
    por a elliquetas com a minlia marca de fabrica e encerrando nm
    prospecto circunstanciado, e selladas por urna medalba com oletlreiro.
    COLLAR ROYER, Roe. St-Iarth. 225. Pars.
    ALTAS NOYIDADES
    LOJA DO PASSO
    Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
    Imperador.
    PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA- i Riqusimas colchas de damasco de seda.
    TROS, etc. etc. assim como.de seda e algodao.
    Lindos cortes do blond, conterdo setim,! Ditas de crochet para cama.
    CARVAO DI'BELLOC
    PARS
    Approvado e rocomiuemlado pela Academia imperial de medicina de Parz para a
    cura da gastralgia e eai geni de todas as dome nervosas do estomago e dos intestinos,
    t egualmente o remedio por excollencia contra a relencrio.de ventre Finalmente era
    razjio de suas propriedades absorventes, recommendadu como verdadeiro remedio no
    cazos de diarrhea e cliolerina. O sol) a forma de poa 011 de pastillias.
    Depouio em Runfuifl, Duponchelle; Chcvolnl. Km Pfrranmco, Nnttrer i C\
    mantas e grnaldas.
    Requissimos cortes de sedas assim como j
    para covados.
    Gurguro branco.
    Moireantique branco azul evetde.
    Gros-de-naples brancos e de cores.
    Setim branco macau.
    Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
    e amarelos.
    Fil de seda, branco e preto.
    Cortes de seda com duas saias.
    Chales de gurguro de seda de cores.
    Camisas bordadas para homenc.
    Safas bordadas para senhoras.
    Camisas bordadas .
    Fronhas de linho bordadas com primor.
    Lencos de cambraia de linho bordados.
    Chapeos de seda bordados, para sol,
    Poil de chevre de lindas cores.
    Alpacas d lindas cores.
    Chapelinas de palha da Italia, assim
    oemo de seda.
    Enfeites para cabera de senhora.
    Espartilhos para senhoras.
    Metas de laia para padre.
    Ditas de 15a
    Ditas fle seda fio da Escossia e algodao.
    para senioras e meninas.
    Lenfos de labyrintho.
    Fronhas de labyrintho.
    Bicos, rendas e grades.
    Finissimas cambraias de cores, percales,
    las, e outros muitos artigos de gosto e
    de alta novidade, isto so
    Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.

    Do "'pe Vegetal Americano, espccialfdade le Itartholowevi t
    3 iRA LARGA DO ROSARIO34
    t costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e de
    jamos que sua app tcagao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaras aeceita
    1 i u t0 evoga; Pr(ue s3 semPre os attestados considerados gratuitos
    e eueiits que tanca mo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas quf
    esponianeamente nos offereceram os que abaixo vao transcriptos, os lazemos pnWicar
    maniiestando-lhes nossa gratidao pela attcnco, esperando que venham elles corrobora)
    o conceito, e accettaco que tem merecido nosso xarope.
    Bartholomeu & C.
    ATTESTADOS
    Illms. Srs. Bartholomeu & C com a mais subida satisfago que decan
    e o xarope Americano de urna eflicacia extraordinaria, pois que solendo ha dias-d*
    intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesrao de medicamerec |
    que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acho boje re ]
    tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois, esse resultado mar* j
    festo a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma
    noel Antonio Viegas Jnior.
    Sua casa 20 de abril de 1868.
    Illms. Srs. Bartholomeu A CPenhoradissimo com o favor que me fizeran
    de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha
    va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente rouco e qua
    trouxe urna forte tosse, e rae impossibitou de cumprir os meus deveres de cantor di
    empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo rostabelecimento, qce obtive com um
    s vidro do mesrao xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desojare
    que outros como eu recortara ao seu xarope para se verem alhvtados de tao terrive
    incommodo, to fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. S
    attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
    Recife, 25 de setembro de 1808.
    Illms. Srs. Bartholomeu d CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tee*
    exposto venda de toda eflicacia para o curativo d'asthma, conforma observe app!>
    cando-o a meu iiho Joaquim, menor de quatro anuos; victima d'esso flagello, que ali
    ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grano
    nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. aexeitar a expresso altamente sincera de meu reco
    nhecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xarope, acreditan
    do-me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento c obrigado.Amenco Netto de Mendonca
    Recife, 2 de outubro de 188.__________________________
    nSiOTlflMTS
    Superiores saias brancas bordadas a 5$, G*, 83 o 10000 cada urna.
    Ditas de cambria de escocia transparente j;i feitas a 6,0000 cada urna.
    Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Correa de
    Vasconcellos & C.
    axxxx
    II M Ij II I I I I I I I
    ipprmfta
    mima
    i liecm
    PILULAS
    deBUKINduBIIISSOn
    PUrouctulic
    lureafc
    t
    icjdtai
    O iraiamento das affecede chloroticis, lymphaticas ou escrophulosas 6 sempre lens-
    simo, e muias vtzes essas molestias resislem s preparares ferruginosas ordinarias. As
    indagaedes feitas pelos professores Hannon de BruxcUas, Gensoul e Petrequin de Ly9o e
    Berzelios e Tronssean de Pars, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
    ausencia do Manganese, elemento que sempre deve-se achar no sangue junctamente com
    o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na (.(teraputica urna falta importante, e por este
    motivo ella* ten merecido a approvaclo da Academia de Hedecina e das principas* socie-
    dades medicas. Deposito em Pernambuco, em casa de Mannr O*.
    COMPANIIIA
    . mmi
    Fabrica Feniao Velho.
    O wiperi',r panmi de nlgodiio dest:i fabro, mui
    vanu^uammie eoniiocida mbo provincia e ftis de
    Pernambuco, ferabyba .r 15 de Janeiro, pe sua
    pcileirilo de It'fitVr, elasticidadn c fortaleza, crnti-
    | ntia a ser vendido no eseriptOlio di mesina rom-
    paiihia praea de Pedro 2 deKa c'nlade, casa nu-
    I ero 4.
    Alim de (pe os MMNMfl e importantes senlip-
    r?s de engeuho, bem ewno os senhores exportado
    n de assm-ar, tanta desta provincia' como das
    aelM mencionados, possam com facilitado pro-
    ver-:* das manat'aeiura des la fabrie, w gerencia
    da companhia animnc.T que s ba venda nos
    secniMBa lugares:
    Nesi: cidadenoseu esrrpono e nats casas dos
    Srs. Domingos Jstr de Farias- e Jos JSunesGui-
    maraes, -rua do Ccwimercio.
    Em Pe.Tjamlmcona casa d Srs. Olivera, Fi-
    Hws A c.
    No Pilarem easa do Sr. Jbec- de AlbuxiaeniUe
    Mello.
    Na Ca>taT*a Grandeem cas do Sr. Noprierto
    Cavafcnnti (is Alliuque^oe.
    Era Camar3gibe iiaoasa do Sf. Joj Vieirsde
    Lima:
    Alem do panno apropiat!o ao eacamenfo-do
    asjcar. a fabrtra possuc-mais urr qualidadede
    panno mui' forte, adoptad? ao systetna que ten o
    senhores de eafenho do- norte d* provincia d
    mandaren) despejar nos tmpiehcs dvPornambaco
    o assncar que a.t vio vender; com e- qne os sac-
    eos servem para--nautas sa#as.
    Para roupa de asemos en de trata'iadore? do
    campo, e para toattra? e len^es do- sewico diarie,'
    ba unta superior qnaidade de panno de 2ff polle
    Sadasde largura, muito forte- e espesad, parecen
    o-se Iwistante cotrimeia loiuti Os preos sao o
    mais mdicos possireis. Marei 30 d-marco de
    18C9.
    EiO.I %
    no
    CAPSULAS MOiES
    DE
    ALCATRAD
    , RemeJio por excellenciapara cara-rapir
    da e completa das eoqueluees, briBchites,
    catarrhos^ tosses 6onvuislva, esoaiTO- san-
    guinos, eoutras molestias do-pcito.
    NA
    PHARMAO/l E DBOGARI&,
    DE
    Bartholomeu 4r.G.
    34RA LAfGX DaROSARld-34
    Scbontte de edeatro.
    DE
    Antonio- N-anes-deCastf"..
    Este acreditado preparado, que t3o boa
    acceitacjfo tem merecida n'esta provincia,
    muito se recommenda para a itura certa
    das irapigens, sarnas, caspas o todas n
    molestias de pee.
    Deposito nico,
    Pliarraacia de Bartholomau. & C,
    34roa larga do RosariOr-34.
    GALLO VIGILANTE
    Bit do Crespo n. 3
    Os proprieferibs dete bem ennbecido eslabefe--
    ci'seno, alm dos nroitos objertos que tinham ex-
    psitos a aprecraco do respeitavel' publico, man-
    'daan vir c acaiain dtr receber pel'ultimo vapor
    da tfropa um eomplelo e variado- sortimento de
    finas r mui delicadns espwrialidad.-, as- ejoaee es-
    lio resrfvidos a vender, orno drseu costume,
    por presos muito fcnratinlics e> conimedOs para to-
    dos, cih1 tanto que-o GdIIo~.
    Milito superiores luvas de1 pellica, ppetas, bran-
    'cas c de mni lindas eOres:
    Mui boav e bonitas- gollluha* e pun ira-para sc-
    abora, nestfe genero oque lia de- mais moderno.
    Superiores pentes cft tartarc^a para coques.
    Lindos e rifjmssimos enferte? para caberas das
    E.aoas. senhoras.
    Snperiores trancas pratas e dfrores com-vidri-
    lhoce sem el!*; esta fenda- que pode-haver
    de melhor e mais bonito,
    S tperiores e> bonitos lequesf de madreperota,
    marflrn, sndalo e ossor sendo aquelies bruKos
    com lindos deseshos, e eses prets".
    Muito superiores meias &o de Esccesia pararse-
    nhoras, as qnaes* sempre sa venderam por SOJBO
    a duzia, entretan que nos as vendneos por 29*,
    alm (testas, teme lambem grande- sortimento de
    outras ttaahdades, entre as quaes acunas nidio-
    finas.
    Boas bengalas do superior cam da Indis-e
    eastao de- marfim can linda e encantadoras lija-
    ras do mtsmo, neseS- genero t-o tue- de melhor s*
    pode desepr ; aln destas temos UJmA*m grara*
    frnantida*?deouti-asqualidades, como'Sejain,ma^j
    seira, bafeta, osso, borracha, efe. etc. ate.
    Finos, Benitos e ttobos chicotralio.-* h cadeia %
    de outrasepialidades.-
    Lindas e superiores ligas de seda e-borracho^
    para segnrar as mesas.
    Boas meis de seda pora sen&ora o-para mont-
    aos de i'a-li annos de idade.
    Navalhttseabo de marfim etartarogpara fajes
    barba ; sa milito beas,e de mais -a rnait sao ga-
    rantidas pnl fabricaste-, e mis por-noss vei tam-^
    hvm assefuvamos stu qualidadi- e-delicadeza.
    Lindas e -bellas capellas para noiva,
    SnperioBcs agulhas para machina epan crox.
    Linha BMito boa d peso, fronxa, pana, encher-j
    labvrinthei
    Bons baraihos de sartas para, voltorstei. assin>
    como os teneos para o-mesmo tii-v
    t.raudo -vanado vstiinento as^oeillores per-
    fumarias o dos niel A>res e mais- conlieui fumistas.
    COLARES DE ROFft.
    Electrices magnetitos contra as covalsoes, oH
    facilitam 9< denti^-ao das innocentes- cwaoeas. So-
    mos desde muito metedores deste prodigioso*
    collares, e eontinuamos a recebo-Ios por todos o
    vapores, afini de que nunca faitem i> mercado^
    como j tem acontecido, assim pois podfirao aquelr
    les que dalles precisarem, vir ao.deposito do galk
    vigilante, aonde sembr encontraro destes verda-J
    deiros collares, e o quaes aRnmleado-se ao un
    Sara que- sao applicados, se veaderao- com um mui
    i i ii ii uto lucro.
    Rogamos, pois,-avta discbieetos qa deixanos^
    declarados, aos nossos freguews e amigos a viiam
    comprar por precos muito razoaweis loja do g-dl
    vigilante; ra do Crespo n. 7.
    1 I I I I

    Ao commercio.
    As melhores tabellas com indicador para de
    momento se conheeer a reduGcao exacta dos an-
    tigos pesos, para os nossos, que o kilogramma,
    assim como para conhecer-e o preco eorrespoa-
    dente ao mesmo sistema de pesos ; aeham-se
    venda na ra do Imperador n. 28, armazem do
    Campos. Reeommenda-se principalmente aos do-
    nos aas casas de retalbo, padarias, rerinacoes, ar-
    mazens de estiva, de carne secca, lajas d erra-
    gens, fiindicocs, trapiches, c a tedos qce ooeopram
    e vendom a peso.
    AO BAZAR DA MODA
    Eua Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
    Para senhoras.
    COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
    de sorti ment.
    CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
    delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
    CHAPEUSINHOS e 'gorras de velludo e de pennas
    (alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao,
    especial sortimento.
    CINTOS de cores e pretos, rico sormenio ulti-
    ni.i moda.
    CAMISAS bordadas porcommodos precos.
    LENCOS bordados e com letras, novidade neste
    genero ,
    LEQL'ES a emitacao de marfim, gosto novo e de
    sndalo.
    GOLINHAS e punhos, a emitaclo de guipnre.
    ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
    molde*,
    GCARNICAO alu novidade a Marie Rose, lti-
    mamente usada em Pars.
    CORPINHOS de guipure brancos o pretos lindos
    modelos.
    BORNOUS de lia teda, cures claras, elegante
    moda em Pars.
    GRNALDAS de dores finas.
    ESPARTILHOS superiores.
    MEIAS superiores de fio de Escocia.
    LUVAS de pecacoagadas pelo ultimo vapor.
    ADERECOS de coral verdadelro e camafeo, gosto
    delicado.
    DE PALHA
    CUARNICOES pan fWUdos.
    TRANCAS para enfeites de coques.
    ROTOES lisos e coa pingentes para vestidos. "
    CINTOS alta novidade.
    NOVIDADES
    FLORES finas, grande sortimento.
    GRNALDAS de ditas para coques.
    LAOS, fivelas, penachos para enfeites.
    Para homcos.
    CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos de li-
    nho fino, lisos e bordados, moda,
    COLARINHOS de linho e algodao.
    l'L'XHOS de ditos.
    GRAVATAS de todas as qualidades.
    BOTES para punhos guarnieses para coletes.
    COR RENTES de plaqu a emitacao do ouro, n-
    do gosto.
    CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
    lidade superior.
    CHAPEOS de seda, para sol.
    MEIAS de superior qualdade.
    BENGALINHAS finase chicotes.
    LUNETAS aro de afo e tarturaga.
    Para crl ancas.
    VESTUARIOS completos para baptisados.
    SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
    MEIAS de seda e fio de Es< ocia.
    CHAPEUSINHOS de palha c a Italia.
    TOUCAS de fil e setim enditadas e de chroch.
    BUNECAS vestidas, muito t. Jtas e diversos
    brlnquedos.
    Perfumarlas finas.
    AGDAFLORroA ?erdadeira
    man New-York.
    d Murray k Lan-
    TNICO oriental, verdadeiro.
    AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
    essencia de Colonia.
    ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
    mas para o lenco.
    VINAGRES aromticos para toilet.
    POS DE ARROZ para amaciar a pelle em pce-
    les e ricas caixinhas com arminho. '
    POS superior para limpar os dentes.
    COSMETIQUES de fina qualidade.
    SABONETES, grande sortimento deste genero e
    de superior qualidade.
    LEOS de philocome, babosa e antiques.
    BANHA fina para os cabellos.
    AGUA de flores de laranja.
    CREME de sabao para barba.
    Caixas preparadas com perfumaras finas.
    Hindczas finas.
    SUPERfORES fitas de grosdenaples de todas as
    cores e larguras de veludo preto o de cores, e
    gurguro para cintos.
    BABADINHOSe entremeios bordados.
    GUARNIQOES de seda de cores para enfeites de
    vestidos.
    TRANCAS pretas com vidrilhos e pin rentes.
    BOTOES de cores, brancos e pretos cm vidrilhos
    lisos e com pingantes.
    DEDAES de madi iperola, de marfir.i, de co e
    metal.
    THESOURAS finas par costura e unhas.
    CAIVETES finos com quatro folhai. E muitos
    outros artigos de miudeas que se torna ena-
    donho niencjona-loa.
    PASTII.IIASASSlC.UttlI.iS
    no
    DR. PATERS0N
    De bismuth e masnezl a.
    Remedio por excellencia para caEate"
    a magreza, facilitar a digestao, forticar
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Pharmacia de Bartholomeu & .
    34------Ra larga do Rosario-34.
    piulas, Timiu e wm
    DE
    SICUPIRA
    Empregado contra as dores rhetimaticas, afec-
    coes gotosas, syphilis secundaria, effeitos do mer-
    curio, molestias ehronicas da pelle, nydropesia etc.
    Umco deposito botica de J, de A. Pinto, ra
    larga do Rosario n. 10, junto ao quartel dbTO-
    licia.
    Vende-se a botica da Direita n. 86": quera
    pretender dirija-se a ra da Imperatrii n. 1>
    loja.___________________________
    A,
    DA
    Tudo se. vende por presos bastante commodos.
    BRICA NACIONAL DA BAHA
    DE
    TEJXEIRA FREDEBICQ & C.
    Acaba de chegara este mercado umapor?* der-
    te ptimo rap, nico que pode supprir a falta do
    princeza drLshoa por ser de agradavel perftime.
    E' fabricado palo systetna a imitac,ao do Areia Pre-
    ta, porm tem sobre este a vantagem de ser viaja-
    do, o que para este artigo tima especislidade.
    as pracas da Baha, do Rio de Janeiro e outras do
    imperio tem o Rap Popular sido asss accolhido,
    e provavelmente aqui lambem o ser, logo que
    seja conhecido e apreciado. Acha-se veuda
    por prego commodo, e para quem comprar de 80
    fibras para cima, far-se-ha um descont de 5 0/0,
    o de 500 libras par cima o de 8 0/0 : no escrin-
    torio de Joaquim Jos Goncalves Beltrao, ra do
    Commeretff n. 47.
    1ASSA e XAROPE
    DECODEINADEBERTHI
    Preconisados por todos os medico? contra o*l
    DEKLmOS", CA.THARR08, E TODAS ASI
    IRB1TASW DO PE1TO.
    K. W 0 Xnrope di Codeiiia que mtreco
    htnra, alia bem rara entre os ledtramcMlor
    nevos, (ta mtntos o/Jicinti do Imperio Franca dispcntal
    qMulquei"ipgh.
    AVISO? Por isansa da rcpreh'enslvel fahi-l
    ficacoque tem suscitado o fclii resultado de I
    Xropc e massa 4c Berili somos forrados j
    lembrar que estes medicanieulos lao justainenti.
    cneciloados so fec
    vtndcni cm raixin-
    liasc frascos kranlv
    assigiialura em
    >(,
    AC, Une des icoles, c na Fbarmacia Centra' L
    Franca, 7, Kue de Jouy, cm Pars, e euij
    tedas as Pliai maclas prio
    TASSOIRMOS
    Tem para vender em seus armazeus, alem de ou-
    tros, os seguimos artigos :
    Papel para imprimir.
    Perlina azul.
    Greve pautado e liso.
    Tmhos em caixas de doze garrafas
    Bourgogno.
    Hery.
    Madcira.
    Hcrmitage.
    Chamblis.
    Licor do enracao de Hollanda em caixas de vin-
    le e quatro botijinhas.
    GESSO,
    Nosarmazens de TassoIrmSos.
    Grades de ferro
    para jardins, porleiras etc.
    Nos armazens de Tasso Irmos
    VH HIMIOS DE FERRO
    Para scrvltjos de grandes armazens, para remo-
    ver barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
    mdico proco de 12000 cada nm.
    Farinha de trigo de Trieste
    Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
    tana e grande sortimento das melhores marcas de
    farinhas americanas.
    Saceos de farinlia de trigo do
    (Me
    Todas novas, chingadas nftimamente n arma-
    zens de Tasso Irmos.
    Cemento romano
    Nosarmazens de Tasso rrm3os.
    Cemento hyciraalico 12$
    0 melhor para tudo que sao obras para agua, ra-
    mo assenlamento de canos de esgoto, algerozes, de-
    posito, tanques oTagua, etc, etc.: era porcOea de
    cincoento barricas se far reduccao no preco : nos
    armazens de Tasso Irmos.
    Cemento Portland
    0 verdadeiro cemento Portlaad em cas d Tasso
    Irmos.
    Grades de ferro, cercas, i>or-
    teira^f etc., etc.
    Be diferentes qualidades para cercados de- aui-
    m?es, chiqueiros-para galianas ou jardins: ue&x-
    mitens de Tasso ftroaos.
    Barris com bren
    Nee armazens de Tasso Irmos.
    CA20S DE BABEO
    Na roa Nova de Santa Rita-,, na antig fabrica i&\
    sabo, apara vender por preco o nwis mdico-
    possive, canos franczes para edficacww e esgo-
    tos detbda a qualidade, superares a tots- os que
    aqu tem apparecidfr peta sua soridez.
    PRECOS.
    11400 'por cano grande de 3 e meia potegadas.
    1 200*por dito de 2e tres qusrts de diRb
    I 000 i*ur dito de e um qua.To de dita.
    500 r* por pistolet i-de 2 pollgadas.
    Cotova, curvase canos de maior groesra,a
    vstase fftro preco. Compras maiores 200
    tem 5 por: rento de dsconto par prompts paga-
    mento. Wite-se ver as amostra nos ararazens
    de Tasso iraos.
    Tijolos franceses
    Para ladvilbar casas- terreas cooasseioe precos
    mdicos, muito convenientes e proprios paraJadri-
    Ihos de cosmhas em sobrados, pofo seu asseio e
    evitar a passagem de aguas para o- andar inferior
    e mesmo eperigodefo;p>, aos preeos de 30900-a
    45^000 o miUteiro : na roa Nova de Santa Rrta, na
    antiga fabrea>de sabao, *eompras maires de WOl
    se far o porcento de descont por^prompto pafa-
    mento. Podem-se ver as amostras aos armaeens
    de Tasso >mos.
    Vela*-de esparmaeele verdaderas para, lan-
    ternas deoonros: noarraaiem de Tasso Irmaa*-
    Vinbo do Porto 3*o superior: no aru.azem
    de Tasso Irmos.
    O melhor cognaoSanthier rieres : no 3>ma-
    zem de Tasso Irmos.
    Esteiras da India
    Em ca-* de Tasso Irmos vende-so estis da
    India de dwrcrsos pcdves e larguns, por preco
    commoder
    Macartliy
    Machinas de dr>sraromar algedo.
    lloje que-est rcanhecido qae as marranas de
    serrote psejudica*quebram a futra do algodao,
    preciso recorrer a machinismo menos spero,
    que prodtuindo o mesmo servreo que aquellas, e
    facilidad no trabalo, nao querem a fibra>da la,
    para que essa possa obter-nos mercados europeos,
    a differenca que na entre o algodao destarocado
    por aquellas meMionadas maobinas, qua estao fi-
    candoemde>'uzo>peloprejui qiie tem causado,
    e o da antiga botakdeira, que nao poda competir
    pela morosidade de seu traialho. E' assim que
    estas machinas se tornam as mais progrias para o
    nosso algodao, porque a par da faeilidade o
    promptidao conserva a fibra da la, qt limpa por
    ella, e qualiflcada na Eurapa a par v> melhor fco-
    landeira, valcndo assim, entre H 20 por 9/0
    mais do que a 15a limpa pela machiaa de serrote.
    Estasiachinas nao sao novas, pois que harcnito
    estao adoptadas no Egypto, aonde- as de serrote
    foram inteiramente abadonadas, e-por isso r> algo-
    dao daquellaprocedeBria, sendo de, qualidade do
    da nossa provincia, obtem hoja de 10 a por
    9/0 mais do que o nosso : vendem-se
    nos armasens de Tasso Irmos.
    Oleo le ameadoas
    Em caixas de 8 latas, cada caixa id* libras
    nos armazens do TassoIIrmoe.
    Charutos da Havana.
    Excellentes charutos da Havana o por baralisai-
    mo preco : em casa de Tasso Irm3os, ra do
    Arauru n. 37.
    Eelogios de onro.
    Rebgios de ouro dB patente com balaago de
    ebronometro do famigerado actor John Rogers, no
    escriptorio de Tasso Irmos.
    Pianos inglezes.
    Pianos inglezes do bem conhecido autor Chwtes
    Cadby, no esoriptorio de Tasso.
    Ac de milao.
    Nos armas ns do Tasso /rraaos.
    BARRIS DE SALITRE
    Noi armazens de Tasso Irmos.
    CARNAUBA
    Vende-se superior cera de carnauba em de
    cas, por preco mais barato do que em outra quas-
    quer parte: na loja do Pavo, ra da Imperatriz
    n. 60, de Flix I'ereira da Silva.
    CURA DOS CALLOS.
    PELA lili]
    Pomada gatopefm.
    Deposito especial
    Pharmacia de Bartholomeo & C.
    34------Ra larga do Rosario-----34.
    A NOVA ESPERANZA
    21-= Ra do Queimado = 21
    Advertencia!
    A Nova Esperanza, ra do Queimado
    n. 21 tendo em deposito grande quantidade
    de miudezas, e como se approxima o tem-
    po em que tem de ser dado o balanco, por
    isso desde j previne ao respeitavel publi-
    co, que est resolvida a vender suas mer-
    endonas pelo baratissimo preco,,para assim
    diminuir a grande quantidade dos que
    tem: assim pois, venham os bons fregue-
    zes, e os que nao forcm venliam ser fregue-
    zes, em tmpo to opportuno quando
    NOVA ESPERANZA convida-os pechincha-
    rem, pois que para comptar-se caro, n5o
    falta aonde c a quem...
    PARA 0 MEZ DE MARA
    A Nova Esperanca, ra do Queimado
    ti. 21, recebeu paslilhas para queimar-se
    em lugar de insenco, para aromatisar po
    oratorto dos devotos do mez de Icaria.
    Elle quer e ella quer
    E' sempre assim.
    Elle (correspondente de Paris) quer sem-
    pre primar em nos remetfer objectos de
    gosto e perfeicSo, e ella (lo/a da Nova Es-
    peranca) quer sempre dividir com seo fre-
    gnezes o que de bom constanfwnente rece-
    be, e por este lidar continuo (d'ambos)
    Nova Esperanca rna do Queimado n. i,
    alm do grande sortimento que j tinh,
    acaba de receber mais o seguinte :
    Bonitos broches, puleeiras e brseos det
    madreperola.
    Papel e eirvelopes bordados e mati-
    sados.
    Papis proprios para rafeitar bollos e
    bandeijarr.
    Brincos preto com dowados (ultim
    moda).
    Pitas largas par cinto.
    Modernos gallOe, franjas e- trancas de
    seda e de l;t, para enfeites de vestidos.
    Bc4es de Sodas as eores e moldes novos
    para o mesmo fim;
    Trancas pretas eom^idrilhos sendo eom
    pengentes e sem elles.
    Botijas preto* com vidrilhos coirt'pingen-
    tes e sem elles.
    Luvas de pellica, carnerea e excossia.
    Finas meias da-seda para senho*a'e me-
    ninos.
    Delicados leqne de mlrqierulai mar-
    Sm, osso efaia.
    EsparttM) simples e bordados.
    Bengala- de baiia.
    Finalmente, um completo- sortimento de
    nrodezas 'rua do Qneimadfr n. 2*. na
    Nava Esperanca.
    Otilares anodine* eHectre-magnett
    eos cintra as conwfyes das
    cremeas.
    Hio resta a menor- duvidavde que moite
    collares se vendern por ah intitulados o
    verdadeiros de Ryerr.e eis perqae muito
    pai de familias nao ereem (oontprandoos)
    no>Beitopr8Haettidore que s pem dar,
    os verdadeioe ; a N;m Esperanca, porm
    que detesta a> falsifica?ao prmcipalmente ne
    que. rrspeit: ,-H) bem star da hunanidada,
    fez una encanamenda directa destes collares
    e garante ae pais da familias, que sao oa
    verdadeiros e Royer^ que a tantas crean?
    cas em sahao do twrrvel inooiMnodo de
    cotiTOlc5es, assim fm& precises que ve-
    nhaa* a No> Esperaaa a ra do Queimado
    n. 21 comprarem o sarta vida, para sea
    il^idBbos, aates que estes seja' acommelti-
    dos do tcrrivel mal, quando enraa ser di-
    ffifalcancar-seo efeito desojado, embor
    sojflim empregados es verdadeiros coliare
    de Royer.
    Para familias
    Grande Bazar, rna :v*va najfO c
    '2. de arueiio^lanna A C.
    Acaba de chegar a este estabeleeimento
    grandeporgo d machnas para costaras do
    autor Wheeier Wilson, approvadas- na ulti-
    ma esposic5o de Paris, as quaes ceaem com,
    dous posportios. toda, a costura e tem a
    vantagem da ser Uto suave o movimento,
    que qualque* criaoga de oito anuos facil-
    mente trabalha, e pode, com e3te entrete-
    a toou< nimento, levar vantagem ao servico diario
    d* trinta costureiras. A compreheoso i
    simples, pois em um quarto de hora se fi-
    ^ca senbor do movimento da machina, tea-
    do a mesma a propriedade de fazer as sa-
    guintes costaras: pospoetar, abainhar,
    franzir, marcar e bordar, eomo apresentam
    os (bsennos que acompabam-nas. Os pro-
    prietarios do estabeleennento se encarre-
    gam de mandar ensioar n'esta cidade, e
    garantem entregar o importe dispendido ao
    comprador, no caso de n2o trabalhar com
    perfeieao a machina vendida, nao tendo,
    porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
    bem no mesmo estabeleeimento machinas
    do autor Grower A Baker, de trabalho sim-
    plesmente mo, e outras com movimento
    dos ps; e mxime todos os pertences das
    mesmas machinas, para vender avuls.
    Tintura japoneza
    a
    Cimento inglez
    De primeira qualidade em barris grandes,
    que se vende por menos do que em qual-
    quer outra parte: na ra Larga do Rozario
    n. 34'botica.
    VERMZES
    de superiores qualidades, a precos commodos : na
    na do Vigario n. 16, 1 andar, escriptorio de
    Joaquim Gerardo de Bastos.
    FAR1NUA DE
    Vrae-*e ftrinha di rerU em siiccos grandes,
    por prejo muito commodo : na ra da Moeda OU'
    W0 4/.
    Instantnea para Ungir os cabrios
    barba, a t)9000 o frasco.
    E' a nica approvada e recerninendada
    por ter sido reconhecida superior a todas
    as tinturas d'este genero.
    venda era casa de Gustavo HerveHn *.
    54. ra da Cadeia n. 5.
    GAZ GAZ GAZ
    Chegou ao antigo deposito de Henry Tjr!fer -
    C, ra do Imperador, um carregaaaaf tai
    de primeira qualidade; o qual se vendaSaanMa
    e a retalho per menos preco do que em oatra aual-
    quer parte. ^
    FUNDICAO DOBOWMAN
    Hua lo BrtU n. 5,
    Machinas de vapor.
    Rodas d'agoa,
    Moendas de canna.
    Taixos de ferro, batido fundido.-^
    Rodas dentadas, para moer com Igoa.
    vapor e animaes.
    Alambiques de ferro.
    Formas para porgar assncar.
    E outros muitos objectos, etc. etc., pro<
    pi ios para agricultura.______________
    Vendern Augusto F. de Olivera k Q. i ra
    Commercio, n.4*,
    IliGiVH.__1
    A--------------------- ------------
    c
    I


    V
    ^>



    I
    I."
    Diario de Pernambuco Ter<;a feira 1] de Maio de 18G9.
    Ocordeiro previdente
    Ra do Novo e variado sortimento de perfumaras
    nas, e oulros objectos.
    Alm do completo sortmvnto de perfu-
    maras, de que efectivamente est prvida a
    loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
    receber um outro sortimento que se torna
    notavel pela variedade de objectos, superiori-
    dade, qualidades e commodidades de pre-
    sos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
    e espera continuar a merecer a apreciaejo
    . do respeitavel publico cm geral e. de sua
    boa freguezia em particular, no so afas-
    tando elle de sua bem conhecida mansidSo
    e barateza. Em dita loja encontrarSo os
    apreciadores do bom:
    Agua divina de E. Coudray.
    Dita verdadeira de Murray Lamman.
    Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
    ceza, todas dos melhores e mais acreditados
    fabricantes.
    Dita balsamici dentrificia.
    Dita de flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
    Elixir odontalgico para conservacao do
    asseio da bocea.
    Cosmetiques de superior qualidade e chei-
    ros agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores, com
    pomada una para cabello,
    frascos com dita japoneza, transparente
    outras qualidades.
    Finos extractos inglezes, americanos e
    francezes em frascos simples e enfeitados.
    Essencia imperial do lino e agradavel chei-
    ro de violeta.
    Outras concentradas e de cheiros igual-
    mente unas e agradaveis.
    Oleo philocorne verdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qualidade,
    com escolhidos cheiros, em frascos de dille-
    rentes tamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores e menores
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos e em figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinha para baitia.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    ructas. *
    Ditas de madeira invernisada contendo fi-
    nas perfumarias, muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de ppela* igualmente bonitas, tam-
    bem de perfumarias linas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e de
    moldes novos logantes, com p de arroz
    e boneca.
    Especial pi't de arroz sem composrco de
    cheiro, e por se ornis proprio para enan-
    cas.
    Opiata ingleza e franceza para denles.
    Pos de camphora e outras dillerentes
    qualidades lambem para denles.
    Tnico oriental de Kemp.
    Alada mais coques.
    Um outro sortimento de coques -de no-
    vos e bonitos moldescem lilets de vidiilb.es
    c alguns d'eMes ornadas de flores -e fitas,
    esto todos expostos apreciaco de quem
    os pretenda comprar.
    GOLLINIIAS E PUNHOS BORDADOS.
    Obras de muito gosto o perfeicao.
    Fivellase fitas para cintos.
    Bello e variado sortimento de taes objec-
    tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
    prador.
    FLORES FINAS.
    O que de melhor se pode encontrar neste
    genero, sohresahindo os delicados ramos
    ominados para coques.
    Para vlagem.
    Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
    precos commodos.
    ChapeHnas de palba da Italia mui bem
    enfeitadas, e enfeites de flores obra d; bom
    gosto.
    E assim muitos oulros objectos que se-
    ro presentes a quem se dirigir dita loja
    do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
    n. 16.
    ENFEITES DE PALIIA PARA VESTIDOS,
    CHAPEOS E COQUES.
    O Cordeiro Previdente ra do Queima-
    do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
    monto de trancas de palha para enfeites de
    vestidos, outras para chapeos, coques etc.
    tudo isto est sendo vendido com a sua bem
    conhecida commodidade de precos.
    ALE.M D'AQUELLES'.
    Recebeu outros lindos enfeites de seda
    ara vestidos ; assim como um variado sor-
    timento de gallees de 13a, babadinhos de
    cambraia com bordados de cores, cuja va
    riedade de gostos os tornam recommenda-
    dos e apreciados ; compareci pois os pre-
    bndenles que serao servidos a contento.
    TO BEM RECEBEU.
    Novo provimento de bicos e rendas de
    guepure.
    LUYAS DE PELLICA.
    De todas as cores tanto para homen
    como para senhoras, constantemente achara-
    se a venda na loja do Cordeiro Previdente
    ra do Queimado n. 16.
    Vinho degestivo de
    chassaing
    COM
    PEPSINA E DIASTAEX.
    Remedio por excedencia para cura certa
    das digestes dffieeis ecompletas, acalmar
    as dores gastralgicas, e reparar as forjas
    produzindo urna assimulaco completa dos
    alimentos; sendo mais um excellente tnico.
    Vi:\K-Si:
    PHARMACIA E DROGARA
    DB
    Bartholomen A C.
    34RA LARGA DO BOSARIO34
    Salitre
    Vende-se salitre em barriquinhas : na ra do
    V gario n. ir. j andar.
    Cera de carnauba
    Vende-se na ra do Queimado n. 13, primeiro
    andar.
    COGNAC.
    De superior qualidade da mui accredita-
    da fabrica de Bisquit* Dubouch & C, em
    cognac urna das que mais agurdente de
    cognac, fornecem para o consummo do
    Reino da Inglaterra.
    Vende-se em casa de Tli. Just, ra do
    commercro n. 32._____________________
    Taberna
    Vende-se o estabelecimento sito no pateo da Pe-
    0* 12, com poucos fundos, e tem commodos
    para tamilia : a tratar no mesmo.
    = Vende-se a taberna sita na ra do Pbarol n.
    10, cora udos seus pertenec o tcm poucos fund *
    ||*,*'r'lcipiant9> 0111 oittrto ommodos para
    GRANDE LIQUIDACAO
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    3.
    DE
    Flix Fereira da Silva, successor de Gama
    & Silva
    O propietario d'este esUbelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
    pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem defazendas, tanto da moda como
    le lei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
    lesta casa poderc fazer os seus sortlmentos em pequeas e grandes porces, venaen-
    lo-se-4hes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as excelientis,
    untas familias, potlerao mandar buscar as amostras.de todas as fazendas, ou mandare-
    mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acba-se esto estabelemen-
    to aberto constantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
    AS CAMBRAIAS DO PAVO
    Vcndem-se finissimas pecas de cambraias
    lizas transparentes tanto inglezas como suis-
    sas tendo mais de vara de largura, pelos
    precos de 5)5000 at 100000 a peca, assim
    como finissimos organdys branco liso que
    serve para vestidos de bailes, por ser nwto
    transparente a 10000, a vara, na loja do
    Pavao ra da Imperatriz n. 60, de felix Pe-
    reira da Silva.
    Roupas para honicni
    Vendem-se superiores palitts de panno
    sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
    camisas inglezas e francezas com os peitos
    de esguiSo, ceroulas francesas de linho e al-
    godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
    misas de flanella e de meia. de 15a, assim
    como neste estabelecimento existe um grande
    sortimento de pannos pretos, e de casemiras
    inglezas de cores, e que se manda fazer
    qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
    zes, e promette-se-lbes que serao servidos
    com a maior promptidao e muito mais ba-
    rato 4o que em outra qualquer parte
    na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
    ra da Silva.
    Cortinados
    Para camas e janeHas.
    ?-ende-se um gr-ande sortimento dos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas-e para jancRas, que se ven-
    de a 12,5000 rs. cada par at 250000 rs,
    isto na ra da "Imperatriz n. 60, de* Flix
    Pereira da Silva.
    Crethe pra lenqes com 10
    palmos de largara a 25,
    Acaba de chegar esta nava e excellente
    ezenda branca propria para lences de um
    ao panno, garentindo-se que um metro e
    urna quarta ou um metro e meio da um
    excellente lenool de um -s panno, assim
    como esta boa fazenda tsmbem muito
    :propria para toalhas de moza, rosto etc. e
    eutros mysteres e vende-so pelo barassi-
    mo preco de 35 cada metro.
    ALPACO DfrGORDAO PARA VESTIDO A 1
    Chegou esta nova fazenda com o nomc
    de alpacio, sesdo de cordo e cora mais
    largura do que a alpaca, cem as mais lindas
    cores, como sejam Sismarte, lyrio, perolas,
    roxo, cor de catina, magenta etc. e vende-
    se pelo baratissimo preco -de 15 o covado.
    ESGUIAO DE LINHO DE 12 JARDAS A 1$.
    Vende-se pegas de esgaio de linho, fa-
    zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
    0&000.
    O atoalhado do Pavo.
    Venderse superior atoalhado de algodo
    m 8 palmos de largura, adamascado a
    #00 a vara; dito de linho fazenda muito
    mperior a 3#200 a vara ; guardanapos de
    inho adamascados a 4#o00 a duzi e muito
    inos a 8iO0O, e ditos econmicos a 30500
    i duzia.
    Fustes para vesthlos braacos
    a40.
    Vendem-se os mais modernos fustes bran-
    ;os flexiveis om padiSes de listas e de
    lalpicos proprios para vestidos e roupas de
    awnino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
    iem do PavSo ra da Imperatrizn. 60, de
    Fex Pereira da Silva.
    BABADINHOS
    Vendem-se nis>imos babadinhos, taras
    oordadas e entremeios, mais baratos do que
    jm outraqualquer parte, assim como espar-
    lhos dos mais modernos, no armaeem de
    Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
    a. 60.
    ALTA NOVIDADE
    A LOJA DO PAVAO
    Gurgur5o de seda
    Chegaram pelo-ultimo vapor os mais bo-
    litas gurgure3 d .idos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
    ustro, garantinao-se que a fazenda mais
    inda e de mais phantasia que este anno tem
    ohegado a este mercado, e vende-se por
    preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
    i. -60, de Flix Pereha da Silva.
    CHAPEUNAS
    ULTIMA MODA
    Chegaram para i loja do Pavo as mais
    risas e mais modernas chapelinas rica-
    mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
    setim e de tofias as crese com ricos bicos
    de blond e as -mais lindas e finas flores,
    vendendose cada urna pelo barato preco de
    15^000, garantindo-se serem muito mais
    bonitas do que outras que se vendem em
    outras partes a 20# e 255, e entre ellas
    ha mais do que um modello, tambem tem
    muitas de pratiaho, proprias para mocas e
    meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
    loja do Pavao, de Flix Pereira da Silva.
    Explendido sortimento de
    Alpacas tan radas de cores a .
    Alpacas a 560 Alpacas a 560
    Alpacas de cores
    Na loja do Payo ra da Imperatriz n.
    60, vende-se ucs poucos de mil covados
    das m8is lindas e modernas alpacas lavradas
    com as mais modernas e bonitas cores,
    proprias para vestidos e roupas para meni-
    nos, tendo entre tflas azul, Jyiio, roxo, cor
    de ranna, verde claro etc. e os lavrores
    muito naiudinlios assentados em urna s
    cor; para se poder retalhar esla fazenda
    pelo barato prero de 560 rs. o covado, fot
    preciso faxer-se urna grande compra do
    "artigo, o <|ual grand^echincha.
    .los dei ii I covados de cassas
    f ra acezas
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300
    Covado a 300 Covado a 300
    Covado a 300 rs.
    Vende-se na loja do Pav5o ra da Im-
    peratriz n. 60 urna grande quantidade de
    mil covados das melhores casas francezas
    para vestidos, tendo padroes miudos e grvi-
    dos, assentados em todas as cores, estas
    pecas sao propriamente francezas, tendo
    transparentes e tapadas, com tanto corpo
    quasi como a chita, e alera dos padrees
    seren muito bonitos, sao todos lixos e seria
    fazenda para mijjto mais dinheiro, mas re-
    talha-se a 300 rs. o covado.
    Kspartiliios a 3000 na loja do
    JPavo
    Vende-se urna grande poreao de esparti-
    Ihos modernos com o competente cordiio,
    tendo sortimento de todos os tamanhos, e
    vendem-se a 35 cada um.
    PLNHOS COM GOLINHAS A 640 E 10.
    Vendc-se urna porgao de punhos com
    golinlias ricamente bordados, de esgui de
    linho, sendo brancos a liJOOU cada terno, e
    bordados de cor a 640 rs. para acabar.
    Assim como ricos paros do manguitos mo-
    dernos com golnhas e punhos bordados a
    15600 rs. cada um.
    ALPACAS LAVRADAS C,M LISTAS A 500
    BS. S O PAVO VENDE
    Covado a 500 i s.
    Covado a 500 rs.
    Covado a 500 rs.
    Covado a .00 rs.
    Covado a 500 rs.
    Covado' a 500 rs.
    ALTA NOVIDADE
    Loja do Pavo.
    GCfGUROES PARA VESTIDOS A 1,5000,
    O -COVADO.
    Chegaram os mais modernos gurgures
    para vestidos, sendo de todas ae cores, como
    sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
    f-rxo A e tendo quasi quatro palmos de lar-
    gura e vende-so pelo baratissimo preco
    de 1(51000, cada covado nicamente no ar-
    mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
    Imperatriz n. 60.
    Grosdecaples preto
    Vende-se um grande sortimento dos me-
    lhores grosdenaplcs pretos, tanto lar-
    gos como estreitos, sendo de 2)5000 rs. o
    covado at 4)5000 rs. garantindo-se que
    n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
    que se vendemais barato do que em outra
    qualquer parte, najua da Imperatrizn. 60,
    de Flix Pereira d Silva.
    Grande expsito
    DE
    CAS2 MIRAS DE CORES NA LOJA DO
    PAVO
    Chegaram as mais bonitas e mais moder-
    nas casemiras de cores proprias para calcas
    colotes e palitts, tendo at das mais finas
    que tem vindo ao mercado com fios de seda
    e vende-se mais barato do que em outra
    qualquer parte, por haver grande sortimen-
    to de varios precos, na loja e armazera do
    Pavo, ra da Imperatriz n. 6h, de Flix
    Pereira da Silva.
    roupas feitas
    NA LOJA DO PAVO A RA DA
    IMPERATRIZ N. 60
    Acha-se este grande estabelecimento com-
    pletamente sortido 'das melhores roupas,
    sendo caifas palitts e coletos de'asemra,
    de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
    as mais fazendas que os compradores pos-
    sam desejar, assim como na mesma loja
    tem um bello sortimento de pannos casemi-
    ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
    qualquer peca de obra, com a maior promp-
    tido vontade do freguez, e nao sendo
    obligados a acceita-las, quando nao stejam
    completamente ao seu contento, assim como
    A\j,, 1
    11-EUA'DO QUEINADO-41
    DE
    Na loja do Pavao d ra da Imperatriz n. n'este vast0 estabelecimento encontrar o
    60 vende-se una grande porrao de alpacas respeitavel publico um bello sortimento de
    lavradas cora os mais lindos padroes hstra- camisas francezas e inglezas, ceroulas de
    dos e com flores matisadas, sendo este ar- inno 0 algod5o e outros muitos artigos
    tigo ama grande pechuicha, por se torem pr0pros para homens e senhoras promet-
    coraprado urnas poucas de caixas e vende-se tendo-se-lhe muito mais barato do aue em
    pelo barato preco de 500 rs. o covado.
    Chales
    CHALES
    CHALES
    Na loja doPavao ra da Imperatriz n.
    60, vendc-se um bonito sortimento dos me-
    que
    outraqualquer parto. Na ra da Impera-
    triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
    ra da Silva.
    COLCHAS PARA OMA A 5*5000.
    Vendem-se colchas de fustao adamasca-
    das para cama, pelo barato preco de o&,
    ioS. fr TSi f,' Pr Cfmt ^ rpeSchT^loja e^aTenTd
    i^TS^2^.^.d,!ie Pavao, na da.imperatrizn. 60, de Flix
    merino liso de todas as cores, ditos estam-
    pados e ditos de orepon cora os desenos
    mais bonitos que tem vindo ao mercado.
    PELERINAS DE (OCH A 8& 10/5000
    E 124000
    Pereira da Silva.
    Madapolfio cnfestatlo a 85500
    Vende-se superior madapoloenfeetado,
    sendo muito encorpado, para carnizas, e
    Chegaram para loja do Pav3o as mais tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissir
    modernas e mais bonitas romeiras ou pele- mo preco de 85500, na loja e armazem do
    rias de fil o croh qne se vendem a 8 e Pavo, roa da Imperatriz n. 60. De Flix
    10,5 e 12,5. Pereira da Silva.

    AUGUSTO PORTO & C.
    Receberam superiores vestidos de blond com manta e apella para noivas, que
    vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra paite.
    SAHIBAS DE BAILEde cachemira branca e de cores o que ha de mais lindo.
    BASQUINESde renda preta, e de gorguro preto, o que ha de mais
    elegante.
    CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
    BALESbrancos e de cores para senhoras e meninas, esparlilhos, saias bor-
    dadas, e saias de 15a com barras de cor.
    GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
    tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bomuazinas pretas,
    alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados. _____
    NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
    Agua-florida de Guis-
    lain
    Tintura indelevel para tingir os cabellos,
    sem manchar a pelle.
    A bem conceituada agua-florida de Guis-
    lain que ent3o era des conhecida em Per-
    nambuco, j boje estimada e procurada
    por seu ebcaz resultado, e anda mais se-
    r, quando a noticia de seu bom effeito e a
    experiencia tornar de todos conhecida.
    A agua-florida de Guislain composta ni-
    camente de vegetaes inofferfsivos, tem a
    propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
    mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
    cos, e'-tties restituir o brilho perdido, e as-
    sim como preservar de embrauquecer, sem
    ser prejudicial de modo algum,
    E' porm necessario fazer conhecer, que
    o bom resultado produzdo pela agua-flori-
    da, nio instantneo, como muitas pes-
    soas talvez supponham, mais sim ser pre-
    ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
    elogo se obterofim desejado, como bem
    provam testemunhos de pessoas insuspei-
    tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
    vezes por mez, contando sempre com o bom
    xito, podendo experiencia ser feita em
    outra qualquer cousa.
    Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
    da na t)em conhecida loja d'Aguia Branca
    ra do Queimado n. 8,
    A Agfaia Branca, contando com a protec-
    c5o de ua boa fregaezia, tambem capricha
    em nao tti'a desmerecer, procurando sem-
    pre corresponder a idea favoravel com que
    a honram, e em prova ao que fica dito, d
    como exemplo o explendido sortimento
    que acaba de receber, ainda mesmo achan-
    do-se bellamente provida do que de bom
    e melhor se pode desejar nos gneros que
    sao de sua competencia.
    Haja vista aos necessarios livros de missa
    a oracSo, obras de apurado gosto e perfei-
    cao, sendo: eom capas de madreperola e
    tocantes quadros em alto relevo.
    Ditos com ditas de marfini igualmente
    bonitos.
    Ditos com ditas de velludo, outros imi-
    tando charo machetado.
    Ditos com ditas de marroquim com cruz
    e guarnicSo, douijada ou plateada.
    Coras e tercos de cornalina.
    Assim como.
    Grande e bello sortimento de leques
    todos de madreperola, madreperola e seda,
    sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
    e faia ete, etc. tendo nos de sndalo alguns
    com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
    de flores.
    Bonitas vollas grandes de aljofares azues.
    Voltas de cerrente de borracha.
    Meas de seda para meninas e senhoras.
    Ditas de fio de Escocia abortas, tambem
    para meninas e senhoras.
    Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
    cruas para meninas e senhoras.
    Luvas de fio d'Escocia, toical, e seda
    para-meninas e senhoras.
    Meias de la para homens, mulheres e
    meninos.
    Gollinhas e punhos bordados obra de
    muito gosto.
    Entre-meios finos tapados e transparen-
    tes com delicados bordados e proprios
    para enfiar fila.
    E OS PRODIGIOSOS
    Anneis e collares Royer para creancas.
    Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
    e setim para meninas ou senhoras.
    Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
    Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas
    com pedras, aljofares, ele.
    Ditas de tartaruga para joias.
    Bonitos albuns com msica.
    Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
    Novos e delicados ramos de flores com
    marrafes para enfeitar coques.
    Bello sortimento de trancas de palha.
    Fitas largas para cintos.
    Cintos de fitas largas com bonitas rama-
    gens.
    Brincos e alfinetes de madreperola.
    Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
    II'U M SKI lili)
    Ra do Queimado ns. 49 c 57
    tojas de miuazaz de Jos de
    Azcvedo Mata, est acabando
    com as miudezas de seus estabe-
    lec enlos por tsso queram apre-
    ciar o que e bom t baratissimo.
    Pares de snpatos do. tranca fa-
    zenda nova a......20000
    Pares do sapatos de tapete
    (s grandes) a......W00
    Duzias de meias cruas para ho -
    rnem a.......' 3/1800
    Tramoias do Porto fazenda boa
    e pelo proco melhor 100 attos a 800
    Livros de misses abreviadas a 2 Duzia de baralhos francezes muito
    finos a 25400 e ...".. 2#00
    Silabario pnrluguez com estam-
    pas a ........ ,5320
    Gravatas de cores e pretas muito
    finas a........ &0O
    Duzias de meias para senhora-fa-
    zenda boa a......li$000
    Redes pretas lizas muito finas a 6320
    Cartees com clcheles de lato
    fazenda-fina a...... #020
    Abolladuras de vidro para coleto
    fazenda fina a. #)00
    Caixas coin penna d'aco milito
    finas a 320, 400, 500 e 10000
    Carloes de linha Alcxandre que .
    tem 200 jardas a 0100
    Carreteis de linha Alexandrc. de
    70 at 200 a...... 100
    Caixas com superiores obreas
    de massa a...... 00 4Q
    Duzias do agallias para machina 20000
    Libras de presos irancezes di-
    verso tamaito a. ; 0240
    Livros escriturado para rol de
    roupa a. ...... 0120
    Talheres para meninos muito
    finos a. ,..'... 0240
    Caixas com papel amizade muito
    Qno a........ 0700
    Caixas com 100 envelopes muito
    linos a........ 0000
    Pentes volteados para meninas e
    senhoras a. .'..... 0320
    Thezourjas muito linas para
    unhas o costuras a -. SSOO
    Tinteiros com tinta preta muilo
    boa a SO 120 c 0320
    Varas de franja para toalhas fa-
    zenda lina a. 01<>O
    Duzia de phosplioros de segu-
    ranza da melhor qualidade a
    400 e .'....... 500
    Pecas de fila branca elstica
    muito lina a...... 200
    Xovellos de linha com 400 jardas bO
    Resmas de papel de pezo azul
    muito fino a...... 20500
    Pecas de filas bordadas com 3
    varas a....... 5C-0
    Ditas de ditas bordadas com 12
    metros de 23000 a 30000
    Grozas de boioes de kmea muito
    finos a........ ICO
    NOVIDADE
    HA
    BOA-VISTA
    ARARA
    Declara os seus freguezes que aecebeu
    diversas qualidades de fazendas que esto
    expostas a venda, pelo baratissimo preco,
    como vero deste annuncio. Ra da Im-
    peratriz n. 72.
    O proprietario, Lourenco Pereira Gui-
    mares.
    CUTAS FRANCEZAS a 280 rs.
    Vendem-se chitas francezas a 280, 320,
    360 e 400 rs. o covado. Ra da Impera-
    triz loja da Arara n. 72.
    MADAPOLO A 50000.
    Vendem-se pecas do madapolo de 24
    jardas a 40, 60, 70, 80, 90 e 100, pecas
    de algodSo 40, 50 e 70000.
    CORTES DE CALCAS A 640 rs.
    ' Vendem-se cortes de calca de castor o
    brim para calca de homem a64v eSOOrs.
    brins de cores para roupas de meninos e
    homens a 400 e 500 rs. o covado.
    RISCACO FRANCEZ FIMO, 360 rs.
    Vende-se riscado francez para vestido
    de senhora a 360 rs. o covado.
    Cassa franceza a 320 e 360 rs. o covado.
    ALPACAS DE CORES a 8*0 rs. O COVADO
    Vendem-se alpacas de cores para vesti-
    do de senhora a 800 e900 rs. o covado.
    Lasinhas a 4 rs. o covado.
    Vendem se I5asinhas para vestido de se-
    nhora a 240, 280, 320 c 360 rs. o cova-
    do. |
    Roupa feita de todas as quali-
    des.
    Vende-so roupa feita, calcas de case-mira
    paletos e cohetes de todas as qualidades,
    todo por muito barato preco.
    Cortes de barejes de la a
    94500
    Vendem-se cortes de barejes de la para
    vestido de senhora a 203 0 e 30000. Ba-
    los de 30 arcos a 10500 ; ditos moder-
    nos de cores e brancos, 50; chales de to-
    das as qualidades; casemiras gretas e de
    cores por barato preco; brins pardos e
    brancos u de cores de linho finos tudo isto
    por precos mui o baratos, so cora o lim de
    vender para apurar dinheiro e d-se amos-
    tra das fazendas.
    Vende-fte um eseravo, odal de ferreiro,
    vindo ltimamente do norte : no ogeriptono de
    Joaquim qs Goncalves Beltrao, ma do Trapi-
    ebe d. 17.
    Recebeu novo sortimento de fazandas
    para seu estabelecimento na ra da Impe-
    ratriz n. 56, do Lourenco Pereira Mendes
    Guimares.
    Attenco.
    Vendem-se Cortes de la transparentes
    para vestido de senhora a 20500 e 35000.
    Ra da Imperatriz, loja do Garibaldi n. 36
    MADAPOLO BARATO A 50000.
    Vendem-se pecas de madapolo barato,
    53, 65, 70, 80, 90 c 100, s na loja do
    Garibaldi ra da Imperatriz n. 56.
    RISCADOS MODERNOS PARA VESTIDOS
    A 360 rs.
    Vendem-se finissimos riscados para ves-
    tidos de senhora a 360 rs. o covado, chi-
    tas finas escuras e claras, 360, 400, 440
    rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 56.
    LAASINIIAS PARA VESTIDOS, 240 rs.
    Vendem-se lashbas para vestido a 240,
    280, 3*0 e 400 rs. o covado.
    PECAS DE BRIM PARA LENQOES a 80.
    Vendem-se pn;as de brim bamb rgo a
    80, 90 e 100 ; pecas de bramantes de li-
    nho a 20 a vara, dita de algodo a 10600
    a vara.
    PECAS DE ALGODO A 40.
    Vendem-se pecas de algodo de 20 jar-
    das a 40, ditas de carne de vaca a 50 dito
    superior qualidade 60 e 70 a peca.
    CHITAS FRANCESAS A 280 rs.
    Vendem-se chitas francezas para vesti-
    dos a 280, 320 e 360 rs. o covado, ganga
    para calca a 320 rs. o covado, brira de cor
    para calcas e paletots e roupa de menino
    a 400 rs. o covado, bales de arcos a
    10500, baloes modernos decores e bran-
    cos a 50, chapeos de sol de alpaca, 30500,
    ditos de seda 100, e 120. Roupa feita de
    todas as qualidades por muito barato preco
    alpacas de cor para vestidos de senhoras,
    chales de todas as qualidades e outras mui-
    tas fazendas.
    Yende-se
    a taberna da ra da Senzala-nova n. 22, com pou-
    cos fundo?, b-m afreguerada, c temmuitos com-
    modos : a tratar na ra da Cruz n. 7.
    Vende-se
    a armacao da loja da ra Dircita M. 62 PP
    para qualquer estabelecimento : a tratar na
    mesma. _J__________
    , Vende-se iu**iw emmeio uso : ua tuaa d
    C Vende-se por cuiuniodu preco um carro novo
    de quatro rodas com um boi : na ra do Jasmim
    n. 27.
    Tabellas vermicidas
    DE
    Antonio Nunes de Castro.
    Vermfugo efficaz, e preferivel a todos os
    conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
    do, ej pela fcil applicaco as creancas,
    quasi sempre mais atacadas de to terrivel
    e muitas vezes fatal soffrimento.
    NICO DEPOSITO
    NA
    Pbarm.icta e drogara.
    DB
    Barlhomeu & C.
    34lina Larga do IIosario3 4
    VENDE-SE
    EM CASA DE II. LKGER, RA DA CRUZ NU-
    MERO C8 :
    Vaqieas para carros
    Coaros envernisados para guarda-lama.
    Solas envendsadas.
    Frisos lio metal branco u ainarello para earros.
    Gal>3 de seda e laa para carros.
    EM CASA DE H. LECER, RA Dfc CRUZ -Nu-
    mero 68 :
    Vinho de Rordeaux em caixas de 12 garrafas da
    marca afmate L. R. & C.
    Vinho de Cbampagne, marca de G. Goulet.
    Vendrm-sc tresescravas bonitas figuns, to-
    das com Habilidades : a tratar na ra do f -
    n.9.
    ESCBAVOS FGIDOS.
    Fugio de bordo do pallialwle nacional An. .-
    i-o. um mulato claro de nomc Justino, estatura re-
    gular, cabellos carapmos e nidos ruivos, pou<*
    barba, tem urna pinta preta no canro do olho d*-
    reito e un tnlho as costas ao mesmo lado ; ievou
    vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
    de urna cinta eom burla enramada para apertar
    as calcas,* natural de Santa Anna do Matto na
    provincia do Rio Grande do Norte, para onde tat-
    vez queira ir. lambem muito desembarazado do
    fallar. Recommenda-se aos mestros de bareai,.
    ou a qualquer pessoa que o abanar, e levar a roa
    do Trapiche n. i ou a bordo do referido navio que
    ser generosamente gratificado.
    Fugio da cidade da. Victoria, acerca
    de 20 dias. o escravo Luiz, crioulo, com os
    signaes seguintes: bonito corpo, bem pre-
    o, pouca barba, rosto redundo e bem can-
    ludo na testa, falta de 3 a 4 denles na
    frente, tem marca de chicote.as costas e
    nadegas, idade 30 annos pouco mais ou
    menos; desconfia-sc que elle esteja na ci-
    dade de Olinda no lugar Peixinho, onde
    foi visto, e lambem preso em Olinda e re-
    mettido ao seu ex-senhor era Brejo da
    Madre de Deus no lugar Tabocas: d-se
    100(3000 a quem o trouxer e entregar ao
    bar3o de Nazareth,. ra do Imperador n.
    77 Io andar.
    Fugio
    do engenho Morenos, no da 3 do mez prximo
    pastado, o escravo Mauricio com os sigDaes se-
    guintes : Idade 45 a 50 annos, alto,seceo. cr fula,
    tem alguns cabellos brancos aa barba, falla gi
    e arrogante, olharcarramUfejioinas finas, sentto
    urna curva por lor UjH|t|mo incitado prove-
    nante de molestia "jm. Esto ne-
    gro ha dez anno- |*o Rorg'-s ,
    estev-3 fgido dous ai^^B da anea,
    visinUncV As pessoas que o appn
    veiii-o ao engenho Morenos, seu pr
    rec-berao 100* degrat'aco.
    /
    \
    ^
    * iV


    1S3
    8
    Diario de Pernambuco Torra feira 11 de Maio

    l *
    L
    GERAL
    CMARA DOS SRS. DIPUTADOS
    14. SESSO PREPARATORIA EM 30 DE
    ABRIL.
    PHRS!DENCI\ DO SR. NEMAS.
    '(Continnaco)
    A duplcala que se deupara leitores
    na freguezia. de S. Miguel repetio-se na
    reuna > do respectivo collegio eleitoral;
    tudo isto devido reluctancia dos que Beso-
    bediceram s ordens legaes da autoridade
    superior da provincia, que a respeito das
    lenSes de 7 de setembro nem ao menos
    aavia dado .outr deciso que n5o fosse
    abstemio de exercicio das turmas de ve
    rijadores e juizes de paz, ento eieitas, at
    ulterior deciso do governo. t
    Uma das parcialidades resignou-se a
    obedecer, a outra precedeu pelo modo re-
    ferido.
    A' vista, pois, do que fica relatado, a
    eommisso propoe :
    . Io. Que sejam approvadas as eleicSes
    dos collegios sobre os quaes nao ha a
    menor duvida e que sao os de Alagas,
    Palmeira, Anadia, Pcnedo, Porto da Folha
    o Cururipe. .
    2o. Que se pecamas actas dos colle-
    gios de Poxim e Matla-Grande.
    3o. Que seja annullada a eleico do
    collegio de S. Miguel, correspondente de
    leitores da mesraa freguezia, presidida
    pelo 1" juiz de paz da eleico que se acha
    por decidir, .Manoel de Souza Bittencourt.
    4o. X}ue sejam approvadas as eleices
    primarias das freguezias de Alagas, Penedo,
    t'oxim, Palmeira. Anadia, Piassabuss,
    J/orto-Real, Porto da Follia, Pao de Assu-
    car, Stol'Anna de Panema, Matta Grande,
    Limoeiro. Cururipe e Agua Branca.
    !T. Que seja annullada a eleico da
    freguezia de S. Miguel, presidida pelo i
    juiz de paz Manoel de Souza Bittencourt.
    6o. Que seja approvada a eleico pa-
    rochial de S. Miguel, presidida pelo 2o juiz
    de paz do districto prximo (cidade das
    MagAas) major Jos Vicente Fernandes
    "da Silva Gomes, e do collegio em que vo-
    tarn os respectivo leitores.
    7, Que sejam reconhecidos deputados
    pelo raesmo districto os Drs. Alexandre
    Jos de Mello Moraes e Manoel Sobral Pinfo,
    que reuhiram maioria de votos.
    Sala das conferencias da 2* commisso,
    em 29 de abril d^ 1869. Custodio Car-
    duzo Fontes.Fausto efe Aguiar. Conde
    'de Baependy.A. M. Pcrdigo Malheiro.
    Camin Figueredo.lasado. Portel la.
    Nada mais havendo a tratar, levanta-se
    a sessso a uma hora da tarde.
    IJTTERATORA.
    Concillo Trldeatino
    Quando me propuz demonstrar que o
    Sagrado Concilio de Trento estava em vi-
    gor entre nos, quei antes e quer depois da
    Resol, de 13 do novembro de 1827, e nao
    s o capit. 1" da sesso 24 de reformalione
    matrimonii, mas todas as outras sessoes e
    captulos, que nao entender com a supre-
    ma auctoridade do imperante o deixam Ile-
    sos os privilegios e concesses do padroa-
    do, tive somonte em vista corrigir uma
    equivocacao, ou erro de doutrina, que nao
    devia passar desappercebido no meio de
    um povo carblico, o mrmente na classe
    dos homens formados em direito.
    Creio ter conseguido o meu im.
    As objecfes, que anda se levantam con-
    tra os meus artigos anteriores, provam se-
    ment que ha gente, que pt-cca contra os
    dons do Espirito Snelo, negando a verdad*
    conhecida por tal; provam que ha gente,
    que argumenta contra suas proprias con-
    vienes, por systema; provam que ha gente,
    emlim, que julga desairoso confessar cada-
    um francamente os seos erros, esquecen-
    do aqnella sentenca do ecclesiastico IV, 31 :
    "Non conflindara confiten pecciUa tita.
    Nao voltaria, portante, a esta questo,
    que est suficientemente discutida, sinos
    artigos publicados no Jornal do Recife de I i
    e de 20do corrente, nao so tivesse, com
    evidente deslealdad), torturado os meus
    argumentos, o aventurado proposices que
    nao podem passar sem reparo.
    No artigo de 14 do crrente j se me
    emeede que o Sagrad) Concilio Tridentino
    tivesso sido aeccito era Portugal (e por con-
    seguinte no Brazil colonial) pelo Alv. de 12
    lo
    FOLHETIIH
    os dhuus de cayeku
    POR
    lie Berthet.
    XXI
    A heanle de Bel-Ilerbaje.
    (C^ncluso)
    No mesmo momento sahiram gritos da
    estrada prxima, e Grandval, erguendo
    machinalmcnte a vista, distingui aos lti-
    mos lampejos crepusculares uma carruagem
    e dous cavalleiros que paravam defronte
    d'aqnellc sitio.
    A carruagem continha o armpdor Dupr
    e o adjunto do maire de Courvdle. Os ca-
    valleiros eram dous gendarmes requisitados
    por Dupr para assistirem s buscas judi-
    ciacs.
    Os recem-chegados, tendoouvido os dous
    tiros disparados pelo capito, comprehen-
    deram que houvera algrim conflicto sangui-
    nolento, e por sso comecaram de gritar,
    aim de darem signal da sua approxima-
    Co.
    Dupr e o adjunto desceram da carrua-
    gem lentamente, nao se apressando pro-
    yavelmente pela repugnancia que sentiam
    de se approxirnarm de uin lugar onde se
    azla uso 15o livre de rewolvers. Em com-
    pensaco, os dous gendarmes largaram os
    cavallos a galope, e, sitando silvas e val-
    anos acharam-se rpidamente no local do
    sinrstro.
    Quando chegaram, eslava Grandval ajoe-
    lhado junto de Miguel, primado vedar-
    *e com um lenco o sangue que corra da
    herida que tinha no al o da caneca.
    O gendarme mais graduado, soldado ve-
    Hio e experimentado, apeou-se e eiamiaou
    tapidamenle os dous corpos immoveis.
    de si'ptiiiubro
    de a!
    T imlnpi| i mcede a proced
    das i liaer to articulis-
    ta) pretend iniililiear a oa/t>>s Melto Freir, sobre a auctoridade e a exe-
    cuco do Concilio T-rideutino em Portugal e
    seus dominios.
    O que se me nvga smente, e o que se
    diz que eu nao consegu provar, que o Sa-
    grado Concilio Vridenno esteja actualmen-
    te etn vigor entre nos.
    Para proceder com methodo, analysarei
    priraeiramente o valor e a importancia das
    concesses, e depois passare a apreciar a
    negaco, que fica sendo o nico poneto d.:
    controversia.
    Quanto primeira concesso, nao tinha,
    riem tenho necessiilade alguma d'ella; por-
    que questo ventada. Para provar que o
    Sagrado Concilio Tridentino fra recebido,
    accedo e promulgad* em Portugal, tenho
    era meu favor: 1"a afirmativa formal de
    Borges Carneiro, citado ex adverso (Vid.
    Jornal do Recife do 1" de abril, pag. 2a col.
    2a);2o a opinio de Mello Freir, que o
    articulista qualilica de valiosa;3o os pro-
    prios textos do alvar e decreto cima cita-
    dos, os quaes se a mam insertos na collec-
    co das ieis extravagantes de el-rei D. Se-
    bastio e recopilado na collecco de Duarte
    Nunes de Leo;4o a declaraco concor-
    dante de Jos de Seabra, em sua famosa
    Deducco Clironologica.
    Ora, si Borges Carneiro, Mello Freir e
    Jos de Seabra, auctoridades em que os
    meus contendores fundam a sua opinio,
    s5o concoides em affirmar que o Sagrado
    Concilio Tridentino fra acceito em Portu-
    gal e mandado executar pelas duas citadas
    leis, a que se reduz a concesmo, qae se ru
    faz, seno plena conisso do erro com
    que se sustenlava o contrario?
    O que disse Borges Carneiro, nao preciso
    reproduzir aqu, porque j foi publicado no
    Jornal do Recife Ao Io de abril. Ah aflir-
    ma o jurisconsulto regalista que o Concilio
    foi recebido em Portugal, primeirameute
    pelo cardeal D. Henrique, na menoridade
    de D. Sebastio, e posteriormente por este
    quando foi acclamado maior.
    Mello Freir, as Instil. Jnr. liv. Io tit.
    5o, | 39, nota, diz o seguinte :
    Henrictts Canlinalis Sebastianis regia
    nomine sacrosanctam hanc synodum (falla
    do Concilio de Tiento) non solmn in iis,
    quoe ad dogma et ecelesiastieam disciplinam
    spectant, proal christianumprincipem decet,
    sed in rebus mere externis et civi 'bus, qwv
    imperii, non Ecclesice legibus gubernantiir
    uecipit anno 1564; eamdem postea regnt
    jam potins adprobamt Sebastianas ipse ge-
    mrali edicto 8 aprilis 1569. Era portu-
    guez: O ctdeal D. Henrique receben,
    em nome de el-rei D. Sebastio no anno do
    15C4, este Sacrosanto Concilio, nao s as
    coisas tocantes ao dogma e disciplina ec-
    clesiaslica, como convinha um principe
    christo, mas tambera as que sao mera-
    mente externas e civis, e que sao regula-
    das pelas leis do Imperio e nao pelas da
    Igreja posteriormente o propriorei D.
    Sebatio o approvou pela lei de 8 de abril
    de 1569.
    Jos de Seabra da Silva, coripheu da doc-
    trina, que sustenta, que os decretos do
    Concilio de Trento nao deviam ter sido ac-
    ceitos to geral e indistinctamente como o
    foram, nao s nao aiga essa geral e indis-
    tincta acceitaco, mas milito pelo contrario
    confessa o facto em diversas partes de sua
    Deducco Chronologica, indicando precisa-
    mente os dois actos legislativos de 12 de
    septembrode 1564 ede 8 de abril de 1509.
    Na parte Ia, divis. 4a, 77 diz:
    Pois que logo que a Bulla da concluso
    do Concilio chegou corte de Lisboa,
    nao s a fizeram publicar em 7 (devia
    dizer 12) de septembro de 1564; mas
    tambem se ordenou por cartas circulares,
    escriptas de ordem do dicto Sr. infante
    cardeal D. Henrique, e-expedidas debai-
    xo do augusto nome do seu regio Pupil-
    lo (que ento cont.va dez annos de ida-
    de) a observancia de todos osdecretos do
    * [referido Concilio, sem reslrcco algu-
    i ma.
    Na diviso 5a, 123, diz :
    ...: entre as mudas leis e decretos, que
    > no seu augusto nome publicaram, foi um
    r d'elles o celebre decreto de 8 do referi-
    mez de abril de 1569, pelo qual se de-
    clarou, que aquello principe (D. Sebas-
    tio) ocamente acceitava o referido Con-
    cilio (Tridentino); e ordenava que no rei-
    t no e conquistas se practicassem inteira-
    mente os decretos, da reformacao.
    B pelo decreto de 8 Ni mesmi divis. 51 |131 tr.inscrove o
    seguinte trecho da Bulla de papa Po T, de
    5 de Janeiro de 1570
    Por quanto, como diziis, Yostes opri-
    - mairo entra os principes-eieiBcatholico,
    i que deste's no voso ref i mais eccleskifticos Mere faculdade par
    h fodtreinitsrtr aa fttmdic cao a elles con -
    cedida pelo Sagrado Com lio Tridentino;
    moitraado por exeraplo .ios ouiros prin-
    t cipes catholicos o rospeitc, que flevemter
    aos decitlos e mandados apatuscos, etc.
    Na pirt. 2a, demonst. ', ? 2) diz anda
    u seguinte:
    Em cuja evidente certe/j aquella mes-
    * ni geral arxeitacao d Ctacilio de Tren-
    to vttio accresceotar outra authentica pro-
    va da dicta independencia temporal.
    E no 120 da petiaio de rfcurso:
    f Sendo pois este o eado das coisas
    t portencentes a este ponido at indis-
    ti neta acceitaco do Concilio de Trento no
    appareote e infelicissimo reinado do se-
    ugor reiD. Sebastio; nao permille a im-
    77 e 78, e da: 5, | 123, 125 c de 128 a
    132.
    Eata referencia faz crer, quando inuito,
    que elle Se incHnava ao parecer de Jos de
    Seabra, que nesse tempo, como primeiro
    minisUo do Maria 1. ,era t3o omnipo-
    tente quanto o tora Pombal, tx> reinado de
    D. Jos. ,
    Mas admitosme Mello Jreir.; nao esre-
    \esse inlkeneiado pelo podero do valido
    da rainlia, adintafeque a referencia cima
    transcripta importe o mesmo tire acceitar
    Mello^ire-emo sua--a plnilo do auo-
    tor da Deducro C/ironologiat. Nao passa
    Istrde urna simples opinio, concedo ou
    juizo, que poderia ser verdadei :o, mas que
    redondamente falso e errneo, como pro-
    varei al com o testemunho de Jos de Sea-
    bra e de Borges Carneiro, coja auctorida-
    de nao pode ser contestada por aquelles
    que como tal o invocaram.
    J vimos que Jos de Seabra diz, na De-
    dtirro C/ironologica, parte 1.a, divis 4.*
    77, que < se ordenara, por cartas circula-
    1869.
    porUucia da materia que o suppliiyntii WH, em 1564, a observancia de todos os de-
    Um est morto ; o outro pouco me-
    nosdisse. elleMas ento como foi isso ?
    perguntou a Grandval.
    O capito, sem cessar de prodig'alisar ao
    seu amigo todos os cuidados, relatou em
    poucas palavras a scena trgica em que
    acabava de tomar parte.
    O gendarme, ouviudo dizer que o morto
    era Bigaut, inclinou-se sobre elle, exami-
    nandos novamente.
    Palavra de honra que elle Apesar
    da espessa barba, reconhego-o perfeitamen-
    te, porque fui encarregado de o guardar
    pouco tempo depois do assassinato do ta
    bellio de Bolbec. Bem nos tinham previ
    nido ltimamente de que esta notablidade,
    consegrando evadir-se de Cayonna, nao pas-
    saria sem \rf dar a sua volta por estes si-
    tios, e por isso tambem tinhamos as nossas
    instruccoes a seu respeito... Palavra de
    honra que o senhor fez uma boa obra e
    poupou laboriosas trelas s autoridades I
    Foi n'este momento que o adjunto e
    Dupr se approximaram, sendo preciso
    p-los tambem ao facto do succedido.. De
    resto os vestigios estavam, por assm di-
    zer, anda palpitantes para que podesse
    haver a menor duvida sobre a veracidade'
    do relatorio do capito.
    Miguel comecava ento a mexer-se, ge-
    mendo com difficuldade. OlTerecendo-se
    alguma probabilidade de o salvar,'torna-
    va-se urgente procurar algura auxilio na
    povoarari mais prxima.
    Combinouse, pois, que Grandval e o
    gendarme subalterno levassem o ferido
    para a herdade de Bel-Herbaje, onde seria
    mandado um facultativo, era quanto que
    Dupr, o adjunto e outro gendarme pro-
    cediam-i busca, para a qual all tinham ido.
    O cocheiro, lancando ra3o do alvio tra-
    zido por Rigaut, encarregou-se de cavar no
    sitio que tbe foi indicado.
    Grandval toraou nos bracos o joven Ber-
    toray, e, no momento de se retirar, dfse
    u-iatwneote# Dupr:
    Praza a Deus que a boaea a que
    vai proceder surta os resultado? que eu de-i
    sejo, mas este um soceesso que tem cus-
    deixe de reflectr n'este iugar, em que a
    referiila acceitaco em nada allerou a
    independencia temporal do supremo, po-
    der do raesmo monarcha, e os direitos
    temporaes dBSBi corta ej-eino; porque
    todos estes inauferiveb e iabdicaVeis di-
    rcitos ftcaram sempre salvos e indemnes
    anda a respeito do mesmo regio aceci^
    * tonle, pela paternal, expresstva econcra-
    dente Hulla do Santissimo paire Pi V.
    como repetidas vezes sj tem j ponde-
    rado (refere-se Baila de 5 de Janeiro
    de 1570).
    O Dr. Francisco Csefco de Souza e 9am-
    paio. lenU; catliedratko de Historia de Di-
    reito itonwmo e Patrio na Universidade de
    Cohnbra, regalista como Jos de Seabra e
    como Mello Freir, diz em suas Prelec-re*
    de Direito Patrio, g II4, nota (o) o se-
    guinte : ;
    Este direito 8nt|tiim6 em Portugal
    (o de ajuda de braco see.ilar) contestam
    < alffuns como fundamerfto de rjao, tondo
    sido estabelecjdo ou renovado pelo se-
    nlior rei D. Sebastio, por uma lei de 2
    demarco de i5d8, fra posteriormente
    revogado por outra de 19 de marco de
    1569; e que, tendo o Concilio de Tren-
    to concedido expressamente aos Bispos a
    faculdade de executarem as suas senten-
    cas contra os seculares, fra este Con-
    cilio acceito sem reslricci i atgnma; po-
    rm..... a, acceitaco indistincta do
    Concilio dejrrento nao podia entender-se
    < com rejaco aos direitos magestaticos, e
    assim o declarou o sanctissimo Papa V,
    pela Bulla de 5 de Janeiro de 1570.
    J se v, pois que com a auctoridade
    dos escriptores citado ex adverso que eu
    provo que o Sagrado Concilio Tridentino
    foi acceito em Portugal e seus dominios.
    E nem me era necessaria essa auctoridade,
    desde que eu citei e transcrevi a Le 13 Tit.
    2., Parte 2." da Collecco das Leis extra-
    vagantes de Dnarte Nunvs de Leo, na qual
    tractando do Concilio Tridentino (Da exe-
    cncw, diz a epigrapbe da lei, do Cuncilio
    Tridentino, em que casos se ikiraa ajuda
    d braco secular, se diz :
    E considerando a-obrigicao, que todos
    os res e principes chrislos teem, e a
    que S. A. particularmente, comosucces-
    sor dos res d'estes regnos seus ante-
    cessores (cujo exemplo na obediencia da
    Sancta See Apostlica deseja imitar) teem,
    de em tudo dar favor e ajuda ao cum-
    primento e execuco do dito Sagrado
    Concilio.
    TJomo, em vista de to claros e manifes-
    tos testemunbos, se ousaria negar que o
    Sagrado Concilio Tridentino tivesse sido
    geral e indistinctamente acceito em Portu-
    gal e seus dominios ?
    Fica liquido, portante que a primeira
    concesso, que se me fez, urna vassalla-
    gera rendida verda le e evidencia.
    Vajamos agora a segunda concesso.
    Concedeu-sc que fossem procedentes as
    razoes, com que pretend nullificar a valiosa
    opinio de Mello Freir, sobre a aumorida-
    de e execuco, que tinha tido o Concilio
    Tridentino em Portugal e seus dominios.
    Cumpre, antes de tudo, corrigir um erro.
    Mello Freir nao emittio opinio sua cer-
    ca d'este assumpto, e apenas se limitou a
    uma simples referencia Ikduccs Chronol.
    de Jos de Seabra, nos seguintes termos:
    De Tridentini vero generad in Lusita-
    t nia apdrobationis et receptionis causa,
    a quo fon te ea manarit, qui illius effec-
    tus, quice il ius auctores fuerint, adeatur
    Deductio Chronologica p. 1, div. 4,
    tado bastantes soffrinientos.. bastantes la-
    grimas e sangue derramado !
    Metteu-se inmediatamente mos obra
    e o propriv Dupr se nao deJignou de em-
    pregar os seus esforcos para activar a ta-
    refa. Dcmais, a escavacao nao foi grande:
    nao tardo que o alvio dsse sobre um cor-
    po durou, que trataram de exlrahir com
    cuidado.
    Era uma especie de frasco ou garrafa de
    bocea mu larga, como j constava peas
    indicacoes de Bertoray, e acbava-se to
    cuidadosamente roldado, que o seu con-
    tede nao havia soffrido a menor deterio-
    racf, apesar da longa estatla debaixo da
    trra.
    Depois de o haverenr quebrado, fcil foi
    verilicar-se que elle continha nao s o tes-
    tamento de Guernot e alguns papis mais,
    mas tambem os dez mil francos em notas
    do Ban ;o, tudo producto do roubo feito ao
    tabellio assassinado.
    Obtido to importante resultado, termi-
    nou o trabalho all, resol vendo-se dirigi-
    rem-se Lodos herdade nao so para se
    terem novas do ferido como tambera
    se levantar o competente auto da deseo-
    berta, segundo o requenmento do arma-
    dor.
    Pelo caminho, Dupr dizia comsigo :
    A formosa Josephina Bertomy nao
    ser minha mulher; mas, emfim, cada um
    tem de seguir o seu deslino. Agora, gracas
    a este testamento, poderei revindicar enor-
    mes quantias da heranga de meu tro,' obri-
    gando os outros herdeiros a restituirem-
    ra'as. Alm d'isto, a viagem de Grandval
    a Cayenna deu-lbe lucros cmsideraveis...
    E' bem certo que nao ba desdita sem com-
    pensaco !
    Concluso
    Para darmos oonheciraento ao teitor-dos
    ltimos succes s d'esta historia, bastar
    pormos-lbe vista os segoioies fragmento
    de uma carta que Josephina Bertomy *swej-
    veu a saror-ltoMa olio ou dez mezes def
    cretosdo Concilio, sem restrieco alguma.
    E B* divis. 3.a, ^ 123, que D. Sebastio
    acceitra novamente o referido concilio, e
    ordenara que no reino e conquistas se pra-
    ticassem os ilecretos da reforma alo.
    J vimos quena lei 13, tit. 2. part. 1.a
    da collecco de Duarte Nunes de Leo se
    tracta de tmidas occorridasw ej^rpode
    alguns decretos do concilio, nos seguintes
    termos :
    Sendo el-r- i nosso senhor imforma-
    * do. que entre ss prelados de seus regnos,
    e seus visitadores e otliciaes, e os corre-
    * gedores.juizesejusticasse movem algumas
    duvidas sobre a e-rcctfv/odea'gunsdecre-
    tos do sagrado Concilio Tritkmtino:
    Esta lei, compilada por Duarte Nunes
    em 1576, jirova que o Concilio Tridentino
    estava tmexecuef) doze annos depois de sua
    acceitaco em Portugal.
    Em 1603, trinta e nove annos depois da
    acceitaco do concilio, se ordenava aos
    prelados e seus ofliciaes que ..mardassem
    em suas visitaces a forma do direito can-
    nico e o decreto do sagrado Concilio Tri-
    dentino (ord. liu. 2., tit. I., | 13.) Na
    mesraa ord. se ordena, que os dictes prela-
    dos, tiuando o dicto Concilio Ibes d facul-
    dade para prenderem ou penhorarem os
    leigos, por se evitaren censuras, prendam
    e penhorem procedendo judicialmente. No
    mesmo liv. e tit. da ord. 27 se admittea
    declinatoria do foro na forma do sagrado
    Concilio Tridentino.
    Em 1627 promulgaram-se as definicoes
    a estatutos das ordens de Christo, Aviz e
    Sanctiago. Na parte 3.a tit. 11 1. dos
    estallidos da ordem de Christo se diz que
    posto que pelo Concilio Tridentino se or-
    dena que as igrejas parochiaes se provejarn
    por concurso, por uma declaraco dos car-
    deaes de 28 de marco de 1589 est deca
    rado que as igrejas parochiaes das ordens
    nao ha lugar o "Concilio, etc. Isto prova,
    como excepeo, que o sagrado Concilio Tri-
    dentino eslava em execuco no anno de
    1627, isto sessentae tres annos depois
    de sua acceitaco em Portugal.
    Antes da promulgaco d"estes estatutos,
    lia diversos actos legislativos, que se refe
    rein execuco de varios decretos do Con-
    cilio Tridentino. Entre outros, cilarei o
    Hegim. de 23 de agosto de 1608, % 56,
    ibi..... e considerando bem ludo o que
    as dictas consultas se aponta, a disposico
    do sagrado Concilio Tridentino e theor dos
    breves c Bullas apostlicas: hei por bem,
    etc
    Em 1640, no regim. tic 22 de octubro,
    liv. 3., tit. 15, 6. etit. 16 tracta-se infra
    ceo de decretos do Concilio Tridentino.
    Nos captulos 11 e 20 do estado ecclesi-
    astico das cortes de 1641 se pedem provi-
    dencias para a fiel execuco dos decretos do
    sobredicto Concilio.
    A carta de lei de 8 de abril de 1642
    approva os estatutos do real mosteiro de
    N. Senhora da Encarnaco, que a dicta lei
    declara terem sido vistos o apprc vados pelo
    arcebispo D. Miguel de Castro, na forma
    do Concilio Tridentino.
    Era 1618, pretendendo o cabido e juizes
    ecclesiasticos de Lisboa exercerem juris-
    dieco sobre a real casa e capelles de S.
    Antonio, em virtude das dsposcoes genri-
    cas do sagrado Concilio Trdeutino, recorreu
    o senado da cmara ao juiz da corda, onde
    foi decidido que a jurisdceo do ordinario,
    esbalccda nos decretos do Concilio nao ti-
    nha lugar na real casa de sancto Antonio,
    que isenta da dicta juiisdicco por ser da
    immediata proteceo de S.
    Magestade.
    %
    pois das teeis que
    baje :
    86
    Quanto llie agrafleco, cara e venerave'
    irma, o generoso perdo que me concede
    pela simular > a que me vi obri.jada e pela
    ingratido involuntaria para cora to boa
    amiga, porm eu bem sabia que da sua
    parle nao havoria hesitaoo no ctimprimen-
    to to seu dever, e, portanto, qae, confes-
    sando-lne os meus planos a respeito de
    meu pai, mereceriam^ elles a sua reprova-
    co, dignamente severa. Deimiis, eu jul-
    ga va obedecer a uma nspiraco superior,
    preparando aqueHa evaso, que to funestos
    resultados te ve.
    Bemdita seja, minha boa o caritativa
    irma, pelo apoio benvolo que se dignou
    prestar-me no meu triste exilio c tambem
    pela affeicSo que me consagra, nao obstan-
    te as minhis faltas para com a suaamisade.
    Diga, porm, comigo que ha urna vontade
    superior nossa, a qual realisa os seus
    insendaveis decretos, nao sendo nos mais
    do que frageis e humildes agentes.
    Quanto a mim, querida sror Bosalia,
    as minhas tribalaces terminaram segundo
    espero. Depois de tantos golpes, parece
    que aprou*e a Deus conceder-me alguns
    das de reponso e felicidade. Meuirmi
    Miguel j ha muito se restabeleceu dafe-
    rida que recebeu em Bel-Herbaje, quando
    procarava reparar os erros de seu pai. Pa-
    reee tambem ter renunciado completamente
    vida do mar, ou porque a sua enfermi-
    dadeinalural Ihe tenha feito comprehender
    a impossibilidade de seguir tal profissS" ou
    porque o enthasiasmo da sua mjcidade se
    modificou bastante em consequencia das
    eruais provacos quo experimentou na
    nossa peregrinaco. Talvez a cajsa prin-
    cipal d'esta mudaaca seja a lilha do rendeiro
    da herdade de Bel-Herbaje, linda e honesta
    rapariga, que dorante a enfermidade de
    Miguel sempre me quiz acompanhar como
    su* enfermeira. Um dia sem duviila o nosso
    bom e perspicaz tordo-mudo, todo simpli-,
    cidade nos seus babitos, se converter em
    lavrador. Para o que, porm, lei de in-J
    fluir para que se estabeteca bem longe
    D'aqui se deduz que os decretos do Concilio
    tinham seu devido ef'eito m todas as igrejas,
    mizericordiaes e confrarias, que nao fram
    da inmediata protecelo do ri.
    Na lei de 13 de novembro de 1651, que
    pune os casamentos clandestinos, se le o se-
    guate :
    ... conformanho-rae com o que outros
    reis teem disposto em seus reinos, assis-
    * lindo, por meio de penas impostas, aos
    decretos do sagrado ConcilioTridentino,
    o que como principe caUwlico deco mandar
    xecutar em meus reines e senhorios:
    Nos" estatutos da Universidad? de Coim-
    bra, confirmados pelo alvar de 15 de octu-
    bro de 1653, liv. 3., tit." 10., f 1 se de-
    termina que os lentes cathedraticos e substi-
    tutos, antes de comecarem a 1er, faro pro-
    fisso de f. conforme o sagrado Concilio
    Tridentino e moto proprk) de Pi V. No
    formulario do juramento, que vem no liv.
    4., tit. 14. se le o seguinte :
    Oinnia et sngala, qua> de peccato ori-
    * ijimli et de justificatione, iH mcrosancta
    Tridenlina synoilo ilefinita et dechiixUa
    * fuerunt, amplector et recipio.
    Contera item omnia sacris canontbus
    et eccumenicis concils, pracipne sacro-
    mneta Tridentino sgnodo, tradita, de finita
    * et declara ta indubitanter recipio, atqne
    prpfiteor : aimulqtte contraria omnia, at-
    que /uereses quascunque, ab Ecclesia
    damnatas et rejectas et anatltematisaias,
    rejicio et anathematiso.
    No-tractado do contracto de casamento
    do principe D. Pudro com a princeza D.
    Maria Francisca de Saboia, celebrado em
    27 de marco de 1668, art. 1., estipulou-se
    que estes principes so receberiam por ma-
    rido e mulher na forma prescripta pela
    Igreja Romana e pelo Concilio de Trento.
    A lei de 16 de junho do dito anno de
    1668, sobre os desafos diz:
    .. .E assim mais considerando o que
    o sagrado Concilio Tridentino dispoe nesta
    materia, cuja observancia me- de novo
    recommendada n'esta corte pelo estado
    ceelesiasto, com grande zelo; e obri-
    gaco minha cumprir, no que me toca,
    etc.
    as cortes geraes reunidas no mesmo
    anno 1668, sess. 12, tractou-se entre outras
    cousas:I* de se empregarem os dotes
    das freirs era bens de raiz, na forma do
    sagrado Concilio Tridentino; 2o de se pedir
    ao summo pontfice que nao commetta ne-
    nhuma causa ecclesiastca, no reino de Por-
    tugal, seno aos juizes que forem nomeados
    e approvados pelos ordinarios, na forma
    do dicto Concibo, sess. 25 de reforma!.,
    cap. 10; 3o que da mesraa sorte se reque-
    resse ao papa que s provesse em Roma,
    as igrejas e beneficios do reino de Portu-
    gal, aos que exhibissem documentos de
    concursos, na forma do mesmo sagrado
    concilio.
    Pelo alv. de 6 de marco de 1672 se
    eoneedeu ao bispo de Lamego, D. Luiz de
    Souza, a despensa de ajuda do braco secu-
    lar, para, na forma do sagrado Concito Tri-
    dentino, mandar prender c penhorar pelos
    meirinhos, ofliciaes e juues ecclesiasticos.
    Por alvar de 5 de junho de 1677 se
    fizeram iguaes concesses a D. Fr. Luiz da
    Silva, successor de D. Luiz de Souza no
    bispado de Lamego. Diz. o alvar:
    .... Faco saber aos que o presente
    alvar virera, que eu liei por bem e me
    i praz, por se escusarem interdictos e pro-
    cediments ecclesiasticos, e o sagrado
    Concilio Tridentino encommendar expres-
    famente aos reis que dem aos prelados
    todo o favor que fr razo, etc.
    Pelo alv.. de 15 tle octubro de 1683 j
    vimos (Diario de Pmnambuco de 3 de abril)
    que el-rei D. Pedro II conceder, nos ter-
    mos do Sagrado Concilio Tridentino, sess.
    22., ile reformat., cap. 8, a sua regia
    proteceo ao hospital de S. Eulalia da Oli-
    veira.
    Por alvars de 6 de agosto de 168o
    foram concedidas ao mesmo D. Fr. Luiz da
    Silva, ento bispo da Guarda, as mesmas
    facilidades quo *tivera como bispo de La-
    mego, para poder prender c penhorar, na
    forma do Concilio Tridentino.
    As mesmas concesses se fizeram, por
    alvars de 24 de dezembro de. 1665, a D.
    Jos de Menezes, bispo de Lamego, e por
    alvars de 23 de fevereiro de 1686 a D.
    Ricardo Russel, bispo de Vseu.
    Em 22 de maio tle 1687 celebrou-se o
    contracto de casamento de el-rei D. Pedro
    II cora a princeza D. Maria Sopliia, e no
    art. 10 se estabeleceu que o casamento se
    faria segindo o costume e rito da snela
    derant emBeWftr* da sinistra cruz quo se conserva erguida do Maroni, eis o qae a seu respeito dizia a
    na estrada de Bolbec.
    Ha mais de seis mezes que estou casa-
    da com o meu estimado Pedro Grandval,
    meu amigo de infancia, ^ o protector das
    minhas afllcceseperigos. Tive particular
    empenho em receber a bonco nupcial na
    ermida da Virgem, situada na escarpada
    rocha de Fcamp, e por essa occasio foi a
    primeira vez que despi os fatos de luto que
    ha alguns anuos trazia. Metade da popu-
    laco de Fcamp quiz assislir aocasament)
    da camponeza, como me chamam aqu, e
    todos me dirigiram sineyas felicitacoes. De
    certo seria completa a minha ventura, se
    Pedro nao tivesse que rae deixar algumas
    vezes para ir ao mar. Ha momentos bem
    delorosos para a mulher de um martimo !
    Espero, porm, era Dus que estas inquie-
    tares tero breve termo. Meu marido, a
    3nem o Sr. Dupr entregou o comraando
    i seu brigue Prosper daie, a aba de rea-
    lisar uma viagem ao Senegal, de que auferio
    os melhores lucros. Por outro lado, o meu
    pequeo estabelecimento contina a dar-me
    muito bom resultado. Se, pois, Deus per-
    siste em abeucoar o nosso trabalho, espere
    que dentro de poUcos annos possamos re-
    tirar-nos a uma vida tranquilla.
    Dizer-lhe-hei em particular quo d'ora
    avante as ausencias de Pedro nao sero
    Completamente desprovdas de lenitivo, por
    quanto poucos mezes devero tardar para
    que eu tenha a satisfazlo de.ver um fructo
    da minha unio com Pedro. Ah I minha
    boa irma peca a Deus para que elle seja
    digno de to leal e bondoso pai, e o livre
    do caminho do crime e da desgraca, a que
    o homem to sujeito est, nao tanto mui-
    rs vezes pelos seus mslinctos como pela
    fatal influencia de um falso amigo 1
    Josephina, no resto da sua carta fazia-se
    recommendada a todas as pessoas que c >-
    nbecera e de queip fra bem recebida na
    Guianna. Nao se esqueceo da mulata Gal
    lois, to ufana por le sido casada com um
    branco, nem raesmo da negro Cesar e sna
    mulher Zenobia, Quanto aos esposos Le-
    francois, concesiiwiarias m "S. Lourenoo
    Igroja Romana, e na forma dos decretos da
    sagrado Concilio Tridentino.
    Por alvars de 6 de abril de 1C95 se
    concederam ao bispo de Vseu D. Jertfiymo
    Soares as fatuidades concedidas a seu ante-
    cessor J). Ricardo Russel.
    A collecco mais completa das leis extra-
    vagantes- a do Sr. Jos Justino de An-
    drade e Silva, que est impressa somonte
    ate o anno de 1700. A de Delgado cumec
    era 1750 De 1700 a 1750 existem apenas
    as coliecces da Universidade de Coimbra.
    dos religiosos de S. Vicente de Fra (annexa
    s Ordd.) e os ndices chronologicos de J.
    P. Ribeiro, Dr. Vicente Cardoso e Borges
    Carneiro, todos elles muito incompletos,
    Por esta razo incontram-se pouco* docu-
    mentos legislativos d'este periodo qua
    tractem da execuco do Concilio Tridentino,
    a respeito da qual alias nao pode haver
    contestaco. Deparci todava com os se-
    guintes :
    Provis. de 20 de Janeiro de 1740, de-
    clarando aos bispos, que lhes nao compete
    e sim aos provedores tomarem contas s
    capellas e confrarias, e que se devem limi-
    tar aquillo a que os auctorisa o Sagrado
    Concilio Tridentino, que no acto das vi-
    sitas, examinar si as Igrejas se celebram
    as missas ordenadas pelos instituidores e si
    fabrica regulada nos termos do Con-
    cilio.
    Avis. de 23dejulho de 1749 ao ministro
    provincial dos menores observantes da pro-
    vincia de Portugal, exlranhando-lbe o nao ,
    ter feito recolher, como se lhe ordenara,
    ao mosteiro de Sancta Clara seis religiosas,
    que o mesmo provincial tinha mandado ex-
    trahir com evidente e escandalosa violaco-
    do Sagrado Concilio Tridentino, Bullas pon-
    tificias, caones e uso universal de todas as
    nacoes,
    Carta Rega de 9 de dezembro de 1768
    ao Cinbio da S de Coimbra,- declarando
    que o bispo d'aquella hcese D. Miguel da
    Annunciaco tinha commettido crime de
    leza-magestade, pelos quaes perder todo
    o privilegio de foro, era considerado
    morto, e por is-o vago o governo do bis-
    pado ; por isso lhe significa S. Magestade.
    como Protector do Sagrado Concilio Tri-
    deiitiiio, que na forma d'cllc conslilua um
    vigario capitular, etc.
    Pelo Alv. de 20 de junho do mosmo anno
    de 1768 se concedo o regio beneplcito
    Bulla de Benedicto \IV, de 19 de agosto
    de 1756, na qual se recomraenda a obser-
    vancia de alguns decretos do Concilio Tri-
    dentino.
    Na lei de 18 de agosto de 1769, 12 se
    ordena que cesse o conflicto motivado pelo
    falso supposto de- que os juizes e tribunaes
    temporaes podiam conhecer de pencados, e
    mandan lo que se deixe os textos dos 5a-
    grailos Caones (nos quaes se comprehen-
    dem os do Sagrado Concilio Tridentino)
    para os ministros e consistorios ecclesias-
    ticos os observaren.
    A Bulla Dominas, ac Redemptor noster do
    papa Clemente XIV, acceita e promulgada
    pela lei de 9 tle setembro de 1773, decla-
    ra, no | 24, que o Sagrado Coneilio de
    Trento nao approvou nem confirmou a rom-
    panhia de Jess, e apenas na sess. 25 cap.
    16 de regular, declarou que a respsi-o d'el-
    la nada iunovava era estatua.
    No art. 1" da concordata celebrada en-
    tre arainha D. Maria leo papa Pi Vaos
    20 de julho de 1778 se l o seguinte :
    ... e em quanto aos beneficios curados,
    procedendo-se ao concurso do costume,
    segundo a forma prescripta peio Sagrado
    Concilio Tridentino, ser licito a S. R. Ma-
    < gestado apresentar as pessoas-que julgar
    mais dignas, segundo a informaeo que
    houver de ser dada niasma S. Muges-
    i tade pelo ordinario, etc.
    Por virtude d'esta concordata, fui pro-
    mulgado o alv. de 14 di abril do 1781, co-
    nhecido polo alvar das faculdades, no qual
    eonformou-se o privilegio da apresentaco
    do padroado com as disposices do.Sagrado
    Concilio Tridentino.
    Os avisos de 3 de fevereiro de 1790, de
    19 tle septembro de 1796 e de 3 de abril
    le 1797; a provis. de 9 de dezembro de
    1799; alv. provis. tle 23 tle Janeiro de 1807; e decr.
    de 16 de agosto de 1817, mandam execu-
    tar com mais ou menos arapliacSes o al-
    var das facilidades e por consegrante o de-
    creto do Concilio Tridentino relativo aos
    concursos para o provimeuto dos beneficios
    ecclesiasticos.
    (Continuarse -ha.J
    .- -
    Soube c m a maior satisfaco que essa
    boa gente nada soffreu em consequencia da
    secreta proteceo que deu fuga a meu
    infeliz pai. Meu marido acaba de remet-
    ter por um navio sahido para Cayenna uma
    caixinha contendo algumas lembrancas, des-
    tinadas a Margarida e aquella fofmosa
    creancinha que tem o meu nome. Qaeira
    dizer a essa boa familia que nos fazemos
    sinceros votos pela sua felicidade.
    Quanto bello o arrependimento Nao
    vai longo a poca em que a lei nao sabia
    corrigir seno por meio de castigos cru-
    ciantes 1 Avalio quanto esses infelizes ahi
    devem de estar reconhecidos para com o
    implantador de uma idea que faaalta ao
    culpado a sua rehabilitaco por meio do
    trabalho I
    A proposita do castigo, agradeco a no-
    ticia que me d na sua carta de ter o
    P'Chimbo, esse cruel Rongou, cuja inter-
    venco nos foi to funesta e que durante
    dezoito mezes assolou impunemente' essas
    olonias, sido apanhado no momento em
    que se introduzia n'uma habitaco para
    exercer a sua maldade, expiando sobre a
    praca publica de Cayenna o&.qeus inrmme-
    raveis crimes.
    Pela minha parte pord queme causn, porom meu msrido nfio
    pode esquecer-so ta horrorosa aflliccau que
    por sua influencia sentio no meio dasser-
    pentes da casa deserta, e o tbou pebre
    Miguel, alias boafoso, i am^e se enfurece
    quando se leiibra 'tle que aqnelle monstro
    quera obrigar a comer carne haman l
    Xd!-miaba baa irma Rositia,nenau-
    ma iflteliig-'ncia melhor do que-a saa-aer
    capaz de avahar que, quando .um -ser hu-
    mano abdica os sentunemes se itotna a mais abominavel i da d'onde resulta a necessaria panjaote
    consequencia dajustica 4a trra nem sem-
    pre poder ser misericordiosa, conree a
    justica de ceo i
    carta
    t
    J
    ro~iMlM^AMfMM|K.
    A


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ESYTUOBP4_R7OEQ4 INGEST_TIME 2013-09-13T22:10:23Z PACKAGE AA00011611_11837
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES